Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10708


This item is only available as the following downloads:


Full Text
y
ANNO lU. IfDMERO IU
Per qnartel pago dentro de 10 dias do 1. mez -
dem depois dos 1.' 10 dias do couiecoe dentro do qnartel.
Porte ao correio por tres mezes .* ,......,
*, X \\ i f/J& <
OABTA FEIR 5 DE JULEO DE 1865.
5$Q00
6p00
750
19|000
3*000
ENCABRIADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o 5r. Antonio Alex?adrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques, la Silva; Aracaly, o
Sr. A. de Le/nos liraga: Ccar, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim .Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Graldo Antonio Aves i
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENGARBERADOS DA SUDSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claadino Tlelo Dias; Baha, o
Sr. Jos il irtins A.ves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro fiasiiarinh).
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacoes da va frrea at
Agoa Preta, lodos os dias.
Iguarass e Goyanna na segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garnhuns, Buque, S. Rento, Rom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as torgas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoero, Brejo, Pesqueira
Inga-zeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ourieury, Salgueiro e Ex, nas-quarlas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbadas a l| AUDIENCIAS DOS TItIBl'NAES DA CAPITAL,
hora da tarde.
Sennbem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Rar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULUO.
8 La clieia as 6 h-, 7 m. e 22 s. da t
lo Quarto ming.. as 2 h., 6 m. e 46 s. da t.
22 La nova as 4 h., 9 m. e 40 s. da t.
30 Quarto creso, as 4 li., 49 m. e 16 s. da t.
Tribuna) do cotr-.mercio : segundas e quintas.
Relaco: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas..
Juizo do cominereio: segundas as il horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao mero
da.
Segunda vara do c vil: quartas e sabbados a 1
hora da larde.
TMAS DA SEMANA.
3. Segunda. S. Eulogio m. ; S. Anatholio m.
4. Terca. Si Isabel rainha de Portugal viuva.
5. Ouirta. S. l'hilomena v.;.S. Trilina m.
6. Quinta. S Domingas v. m.;.S. I,-aias prof.
7. Sexta. S. Puleheria v. imperatnz.
8. Sabbado. Ss. Procopio e PiasciJIa mm.
9. Domingo. Ss. Cyrillo e Bricio bb.
PRFAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 m. da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIP.OS.
Para o snl al Alagoas a 1 e 30; para o non*,
ata a Granja a 7 e 22 de rada mez; para Ferr c-
do nos dias 14 dos mezes do Janeiro, marco, maio,
julho, setembro e nnemlro.
ASSICA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTS
tim \ piovinsu.
Expediente do dia 1 de julho de 1865.
Offlcio ao dezenibargador p-ovedor da Santa Ca-
sa de Mizericurdia. Ein vista de sua informaeo
de 10 de junho prximo lindo sob o. 240, autoriso
V.Eie. a mandar adinillir no eollegio dos orphos,
quando houver va^a, o menor de nonie Jos, filho
de Candida Carolina do Nasrimento Mindell i.
Dito ao coronel commandante das armas.rQoel-
ra V. S. informar acerca do que pede Francelina
Mara dos Sanios no requorimeoto que aqu junto
coK-rto com oicio do tenente/Coronel ex-recru-
tador.
Do ao mesmo.Para que eu nossa resolver
acerca do requerirneulo di) 2o sanenlo do 2 cor-
pa de voluntarios Jos Januario lie Parias, a que
alinde o sen oicio n. 1,122 de 28 de junlio prxi-
mo lindo, faz-se necessaiio que V. S. n.e declare
em que data esse mferior jaroii bandeira.
Dito ao mesmo.Declaro a V. R. que a forca do
cor; o de giurnico, que de ve seguir para esta capi-
tal nos termos d. meu offlcio de hontem. toda
quinto por oflieo datado de 9 do mez prximo
indo se mandoud estacar em Flores e Tacarat,
comprebendido o estado maior e menor do mesmo
corpo, o qual partir logo que receber a ordem do
V. S. sem esperar a chegada da guarda nacional,
que deve substituir o destacamento de Tacarat,
nem a forca da Roa-Vista e Ourieury que se man-
dn transferir para Flores, c que deve ser com;
manlaa por um oficial, que oc oninundante do
corpo julgar mais idneo.
Dito ao Dr. chefe de poli sil.Avista do que pon-
dero i o delegado do Ri i Korrwzo no ofllcio a que
alia le o de V. S. de 23 de junho ultimo s b n
877, exped >rdein para deslacarem com urgencia
n'aquelle termo 20 (iracas do corpo do polica, sen-
do dispensado do servir >, logo que ellas all che-
gu-m o de-iacamento de guardas naeionaes do
mesmo terun o que decliro a V. S. para seu co-
nheriiu-'iito.
Dito ao mesmo.-Transmiti a V. 8. parasen
oonbecimeoto copia do aviso d i ministerio da jus-
tica de 13 de junho prximo liado, communcaudo
que ptf decreto n. 3,4/9 d i 12 do mesmo ir.--z S.
. o Imperador, bou ve por bem marcar o ordena
do aunual de lt'iOOO ao careereiro da cada da
eidade de Caraar.
Dito ao inspector da ihesouraria de fazenda.-
Se nao boaver inconveniente mande Vi S. pagar
ao alfares ajudanlc da corpo de guarnicao de^ia
provincia, Jos Ignacio Ribeiro lio na, cmo pede
no incluso reqnerimento documentado, qne me re-
mellen o coronel commandante das arma- com of-
flcio de hoatem, sob n. l.'2i, a quana de elie despendida coia a conduegao de sua bagagem
na marebii, que, com encala pela provinci,- d;'.s
Alagas, f.'z da comarca de Tacarat para esta ca-
pital, e com d frete de urna canoa que transportou
o snpplfcante e nove pracas do mesmo corpo, de
Piranhas a Penedo, como ludo se v dos documen-
tos annexos ao predito requerimeoto.Communi-
COU-SO ao coronel conimandanle das arn s.
Dito ao mesmo.Transmuto a V. S. para sen
conbeciment i, copia do aviso do ministerio da
jutica d 13 de juaho prximo fhido, cummoni-
cande que por decreto n. 3,479 de 12 do nvsmo
mez S. M. o Imperador houve por bem marear o
ordenado annnal di I20 ao carcereiro da cadeia
da eidade de Caraar.
Diloao mesmo.Inteirado de qnanto V. S. ex-
po?. em seuofflcio de 27 de junho ultimo, sob n.
433, i nh i a dizer em resp i.-t, que mande pagar
sob minba rcsponsabiliade, visto oao haver crdi-
to para c?se lim, a quaolia de tS i i pen li !a com
a cnnlncc'io da bagagem de voluntarios da patria
que vieran) do Ourieury tara esta capital, e de
ej'.i trata o mea oflki. de 6 daqnelle mez.
Dit i ao mesmo. Aonuindo ao qne solicitou o
gerente interino da com'panbia Peni imbucana em
offlcio de hontem recommendo a V S. que, nao
bavondo inconveniente, mande pagar-lhe a snb-
venca > de 7:0005 relativa ao mez de junho ulti-
mo, cin qua ogoverno imperial auxilia mensal-
mente a'predila companbia que comprio com snas
dbrigacSes em udo aqnellemez.
Ditoao mesmo.Con-lando de participa.iio da
directora gi ra da secretaria de estado dos nego-
cios da Juslija de 12, que por portara de 10 de
jnnbo preximo Hado, S. U. o imperador, bou ve por
bem conceder 10 mezes d -lie enea, sendo 6 com
ordenado e_ 4 com meio ordenado, ao bacharel
Agn (I i J s Gonzaga, jniz municipal e de orphos
do termo de Cabrobo, alim de alistarse reino vo-
luntario da patria e seguir para a campanil a do
Paragnay, haja V. S de expedir su -s ordens para
que a repariiea) competente arrecade a importan-
cia do sello e "emolumentos que forem dividos por
aquella li-.enci.
Dito Ihesonraria provincial.Nao havendo In-
convenient-', mande V. S. pagar ao subdelegado do
districto do l'eres, ou ao si u procurador, a qnantia
de 18^000, em ijne importa o alugnel de tres me
zes da rasa qne al serve do qnartel ao respectivo
destacamento, vencidos em 6 de junho ultimo,
como se v da Inclusa coma ijno veio annexa ao
offlcio que mo dirigi o chefe de policia com data
de hontem, e sol) n. 914.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. as snas ordens,
para que, pela collectoria de Garan.uns, sejam pa-
gos acs voluntarios que Manuel Jl chado Dias val
obt r na i iclla con,arca, as elapes que aqnellei
voluntarios forem vencendo, desde o da em qne
se apresenlarem ao respectivo collector, e bem as-
sim os eorrespqndentes aos diasdeviagem para
esta capital. ^
Ulto ao mesmoA' Aleixo Jos da Luz Jnior
cu ao seu procarador, mande V. S. pagar, so nao
houver Inconveniente, a quantia de lfMO, des-
pendida durante o mezes lie (jutntTo dezembro
do inno | roximo passado, com o sustento dos pre-
sos |-obies da cadeia do termo do Bonito, segundo
se evidencia da inclusa conta, que para esse fin
me remellen o chefe de polica com ofllcio de hon-
tem. Fob n. 91o.
Dit > ao mesmo. -Mande V. S., nao havendo in-
conveDiente, pagar Miguel Lucio de Albuqtvrque
Mello, conforme scllieitou o chefe de polica em
offteh de hontem, sob n. 917, a quantia de 83800,
despendi'la pe* delegado e juiz municipal do ter-
mo de Barrfiros, com o sustento de dons presos
pobres recolhidos a respectiva cadeia, desde 2o de
marco st 26 e abril de-te anno, como se v da
inclusa conta Communicou-so ao Dr. chefe de
polioia.
Dito ao conimaiidanle superior do Recife.A'
vi-la da sua nfo/maco n. 162, de 28 di junho
prximo findo, resolv dispensar do servico do des-
tacamento, para que eslava designado, 'o guarda
do Io nalalbao de adunara da guarda nacional sob
seu comir.and superior, Amonio Lopes de Oliveira
Jnior, que provou ser casado. V. S., pois, expe-
dir a convenienf;S ordens.
Dito ao mesmo.Queira V. S. mandar avisar a
tres ofDciacs supriores da guarJa nacional sob
seucommando superior, alim de comparecerem
neste palacic, pelas II h'iras do da 4 do cerrente,
e fazerem parle da junta, qne em ultima instancia
tem de julgar o processo, a que foi submettido o
tenento do carpo de polica, Joao Eduardo Pereira
Borges.
Dito ao commandante supenor da guarda nacio-
nal de Nazarelb. Tendo dispensado o guarda na-
pCional, Manoal Ignacio da Silva, do hatalbao n. 18
desse municipio, do servido do destacamento para
que fui designado, visto ter sido em inspeccao de
sade julgado incapaz do servico militar, assra o
communico V. S. para os dos convenieptes.
Cominunicou-so ao commandante superior do
Recife.
Dito ao co:nmandante superior do Rio Formoso
e Serinheni. Mande V. S. dispensar o deslaea-
niento de guardas naeionaes existentes na eidade
do Rio Purmosc, logo que all cheguem as pracas
du corpo de polica, que nesta data mando desta-
car na mesma eidade.-Fez-se o necessano expe-
j diente a esle respeito.
Dito ao cinnianiiante do corpo de polica. Ao
j seu offlcio n. 492 testa data respondo declarndo-
me, que o paisano Jos los Passas Quelruz a que
V. S. aliule o mesmo aquem mande! alistar no
corpo sob seu command >, por offlcio de hontem,
no caso de ser consiJerado apto para isso em ins-
peee > de sande.
Dito ao mesmo. D Y. S. baixa ao soldado do
' corpo sol) seu commando Joao Cipislrano de Aran-
jo, que serva drf animo a sua famlia.
Dito ao mesmo.Autoriso a V. S. a dar a baixa
que pede o soldado do corpo sob seu commando
Antonio SiinOts do Csrvalho, ||ue segundo a sua
intormacao 0.484 de 28 deste mez, linalisuu o
: lempo do sen engajaiuelo.
Dito ao mesmo.Paca V. S destacar com ur-
gencia no termo do Rio Formoso, a disp sicao do
i respectivo delegado, 20 pracas do corpo sob seu
. commando.
Dilo ao mesmo. Em deferimento aos requeri-
I melos das 8 pravas do Curpo sob seu commando,
mencionadas na relacio junta sobre que v rsii i as
suas informajoes sob ns. 464, 470.471,474, 483,
o 587 a 489, data los de 20, 27, 28 e 30 de jonlio
prximo lindo, aul riso V. S a dar-Ibes baixa do
s-rvico como solicitaran).
Dito ao capito do porto. Para servir no con-
' seibo, que -segando o seu offlcio n. 98 de nc-ntem
tem de reunir-se no dio 3 do crranle, alim d
' examinar as cuntas do cofre de multas de.-sa Ct-
pitaiua, desigm i o Dr. jniz de direilo da 2a vara
. H'anoel Jos da Silva Neiva, com quem deve Vine.
entenderse. Pica deste mudo respondido o seu
citado offlcio.
Dito o tenle-coronel Sjbastlio Lopes Guima
raes.Responda V. S. sobre as accusac5es, que.
Ihe sao fellas pelo lente do corp i de polica
Joao E Inardo Pereira Borges n interrogatorio o
defeza juntos por copia, e que me seo devolvidos.
Dito ao director do arsenal de guerra. Avista
do pedidoassignado pelo commandante interino do
batalhao u. I de infamarla da guarda nacional
destac d mande V. S. forneoer os arligos dear-
mameiit >, corrame, fardamento e equipamct'4o,
que forem necessarios a i cabo de esquadra e 9
guardas do beialhao n. 18 aa mesma arma, que
se acham addidos a aqu lie batalhao e tem d e-
guir brevemeate para o snl do imperio. Commu
nicou-.-e ao commandante superior da guarda na-
cional do Recife.
Dit i ao director do arsenal de marinha. Em
S'ducao ao seu offlcio datado de 28 de junho prxi-
mo lindo, lenho a declarar-llie qae visto nao ha-
ver no porto navio de guerra, a cujo comrnandan
te nos termos du artigo 24 do regolamenlo de 20:
de fevereiro de 1858 compete substituir o com-
mandante da estaco no conselho de compras ni-!
raes, deve V. S ebrmar para servir em dito con-'
selho o ofifial mafs graduado dos qne comman-
dam actual p.ente as companhias de aprendices
annexas ao arsenal de marinha
Dito ao jniz de dircito ea 2J vara Designando
a Y. S. para Servir de relator da junta que em ul- i
lima instancia tem de julgar o processo a que )i
submettido o lente do corpo de polica Joao
Eduardo Pereira Borges, remetto-lho o referido
processo, alim de que compareca neste palacio, pe-
las 11 huras do dia 4 do correle.
Dito a associac Protectora das Famihas,dos
Voluntarios da Pa; a.Remetiendo a assomco
Protectora das Familias .lo- Voluntarios da Patrj,a
inclusa relaco nou.-iual das pracas do 2" eorpoaSS-
f, provincia, peco o patritico auxilio da mc>ma
associacao em favor das familias desses voluntarios,
celta de que nao duvidarei de assim o julgar olla
conveniente, mandar verificar a exactido das de-
claraco. s f tas em dita relaco.
Dito ao bacharel Agncllo Jos Gonzaga, juiz mu-
nicipal e de orphos do termo de Cabrob.Cons-
tando de participadlo da directora geral da secre-
taria de estado dos negocios da juslica de 12 de ju-
nho prximo lindo, que por portalia de 10 do mes-
mo mez S. M. o Imperador houve por bem cooce
der a Vrnc. dez mezes de" licenea, sendo 6 com or-
denado e 4 Com meio ordenado, alim de ali-lar-se
como voluntario da patria e seguir para a campa-
nha do Paraguay : assim Ib'o communico para
seu conhecimento e alim de que faca recolher a
reparticaj competente a importancia do sello e emo-
lumentos que forem devidos pela referida licenea
apresenlando o eonheeimento de paga na secreta-
ria do governo para obter da de estado dos nego-
cios da juslica a respectiva portara.
Dito ao superintendente da estrada de ferro.
Recommeudo'ao Sr. superintendente da estrada de
ferro que 'd as suas orden-;, para que sejam trans-
portados pela va frrea, lo o que se apreseniem
na estaeao de Trorabetas, os voluntarios que Ma-
noel Machado Dias vai encarregado de contratar
para o corpo de polica na comarca de Garnhuns.
Communicou-se ao engenheiro fiscal da estrada
de ferro.
Dito ao secretarlo da cmara municipal de Ga-
rauhuns.Respondo aj seu offlcio de 2 do corren-
te declarando-lhe que eslahelerendo o art. 23"da
lei 'lo Io de outubro de 1828 sement entre os ve-
ri aderes incempatibilidade por causa de parentes-
co, pode o procurador dessa cmara a qne allude
Vine, servir embira tenlia um prente vereador,
devendo, porm, nao volar nos termos do art. 38
da cita ia lei quando a cmara houver de delibe-
rar sobre os actos do dilo procurador.
Porlaria. -O presidente da provincia resolve con-
ceder a demissao que soliciten o bacharel Bartbo-
lomeu Torqnato de Souza e Silva do lugar de pro-
motor publico da comarca de Pao d'Alho. -Fize-
ram-se as necessarias commnnicaco's.
Dita.O presidente da provincia resolve conce-
der ao engenbeiro civil Antonio Vicente do Nasc
ment Feito-a Jnior a exoneracao que prdio de
engenbeiro ajudante do chefe da repartieo dis
obras publicas.Fizeram-se as necessarias com-
municacoes.
Dita. O presidente da provincio resolve remo-
ver o promotor publico, bacharel Joco Al ves Mer-
guth \ da comarca de Flores para a do Pao d'A-
lho, por afcdm o haver pedido.Fizeram-se as ne-
ces^aries communicacoes.
Dita.O presidente da provincia resolve no-
mear o hachare! Antonio Florentino Mindello para
o lugar vago de promotor publico da comarca de
Flores.Fizeram-se as necessarias communica-
coes.
Eipedieute do secrelario do gorerno.
Offlcio ao inspector da thpsonraria de fazenda.
Part cipando o Dr. Jos do Patrocinio Pereira e
Silva que por doente deixou em 30 de maio ulti-
mo o exercicio- do cargo de juiz municipal e de
orphos do termo da Boa-Vista : assim o commu-
;
nico a V. S. de ordem de S. Exc. oSr. presidente
da provincia.
Despachos do dia 1 de julho de 186.
feqiiertmentos.
Antonio Lopes de Oliveira- Jnior.Seja dispen-
sado.
Antonio de Albuquerque Hollanda Cavalcauli.
informe o Sr. inspector da Ihesouraria da fa-
zenda.'
Antonio Luiz de Andrade.Informe o Sr. com-
mandante do corpo de polica.
Bellarmino Ferreira da Silva. Indefendo em
vista da inspeccao.
Candida Carolina do Nascimento.Dirija-so ao
Sr. de Misericordia.
Carlos Jos Lopes.Apresente-se no qnartel do
commando das armas para ser inspeccionado.
Candida Paula de Sena. Informe o Sr. comman-
dante do corpo de polica.
Tenenle-coronel Francisco Carneiro Machado
Ros. -Prove o supplicante com cerlido de idade
que sexagenario.
D. Imiez alaria de Mello Reg.Indeferido por
ter de seguir para o sul o fillio da supplicante com
o corpo a que pertence.
Jos Dias da Silva.Informe o Sr. capillo do
porto.
Jos Antonio da Cunha.Informe o Sr. comman-
dante superior da guarda nacional .do Recife, jun-
i lando o parecer da inspeccao de saude a que deve
. sujcilar o supplicante.
Joaquim Jos Raymundo de Mendonc.a.Pas=e
portara concedendo a licenea, que requer o sup-
plicante.
, Joao Manoel Freires MarizInforme o Sr. l-
ente coronel commandante do corpo de polica.
Manoel Ignacio da Silva.Soja dispensado.
Ursulino Jos Correa. Remetlido ao Sr. com
manante superior da guarda nacional dos muni-
cipios de Olinda e Iguariss para mandar inspee
cionar o supplicante.
EDITAL
2 a seccao.Secretaria do governo de Pernam-
buco, em'l de junh de 1863.Pela secretaria do
governo se faz publico para conhecimento de quem
iQteressar possa, que os despachos proferidos pelo
Exm. Sr. ministro da justica, em requerimentos de
panes d'esta provincia no inez de maio ultimo, fo-
r m ossegnintes :
Relaco dos despachos a que se refere o edilal
supra.
Em 23, bacharel Francelino Bernardo Quinteiro,
magistratura.Nao est vago.
Em 22. Caetano de Oliveira Mello, guarda nacio-
nal. Provea impossibilidade de continuar a ser-
vir.
Ern 23, Francisco de Paula Cavalcanti de Albu-
querque qneixa contra o tribunal do commercio.
Nao ha que deferir.
Em 23, padre Francisco Po Ferreira Campos,
petico de graca. Indeferido.
O secrelario
hranasco de Paula Soles.
Pulacw ilo governo de Pemimbuco, 3 de julho
(/.; 1865.
Porlaria O presidente da provincia, c:n com-
prmanlo das ordens do governo, e em atleneao as
urgencias da guerra, declara o seguate :
1." As autoridades policiaca fleam incumbidas de
proceder com a maior aetividade e en srgia ao re-
crulamento e engajamento para o exercitoe ar-
mada.
2. As mesmas autorldadfs, os jaizes de dircito,
mnnieip-K's e do paz procurar) com empenho ci-
dadaosqne se.queiram ciir. proveitoenearregar do
engajaoicnto, para o que dar-lhes bao aatorlsacao.
3." As autoridades e ei ladaos encarregados do
eagajamento na f rma cima proscripta, percebe-r
rao a gratificacao de 20J, por cada engajado -mari-
nheiro, on para o exercito; e a de 10^, destinao-,
do se o engajado grumete.
5. Os reerntadores receberao o premio de 105,
por cada recenta marinneiro ou para o exercio ; e
defej sendo grumete.
o." 0 que se contrataren) para o exercito lerSo
o premio de 3005, e o de 4005, se j tive.em ser-
vido : e alm disso mais no I" caso a gratificacao
de meio sold e no 2o de sold inteiro de primeira
praca.
6." Os que se conlratarem p-,r um auno para a
arma la tero o premio de 1005,..sendo mannheiros,
e o de 305, sendo grumetes : se o contrato for por
dons anuos o premio ser dobrad.>. Tero alm
disso a gratificacao concedida aos engajadores,
aquellos que se apreseutarem directamente pre-
sidencia ou a capitana do porto.
7." As autoridades incumbidas do recrntampnto
e engajamento, reqnisitando a forca precisa da
guarda nacional, remettero para esta eidade com
a mxima brevidade todos os engajados e recruta-
dos, aos qnaes abonarn desde o oa do engajamen-
to ou priso al o em que razoavelmente possara
ultimar a viagem. O mesmo abono faro essas
autolidades e as mencionadas no n. 2 aos volunl -
rios q je l'ue forera apreseotados por quaesquer ci-
dadS h, a partir do dia dessa apresentacao.
8. O recrutamento na guarda nacional s reca-
Dir sobre as pracas nao fardadas, e de m con-
ducta, havendo inlelligencio previa com os res-
pectivos coinmandantes, aos qnaes reeummenda-se
que nao creem embaracos indebitos aos recrulado-
res, e antes os auxliem com patriotismo.
9." as guias qne devem acompanhar os volun-
tarios e reerutades declararan as autoridades que
os remetterem, alm do mais, so se destmam ar-
mada ou ao exercito : no 1 caso, se lera ou nao
a proflssio de marinheiro. e no 2 se sabem ou nao
bem montar a cavallo.
O presidente da provincia, appellando para o pa-
triotismo de todas as classes, espera que, as gra-
ves circum-tancias em que se acha o paiz, todas
se empenharao por auxiliar o governo na consec'u-
eo do maior numero de voluntarios ; e recom-
menla as autoridades encarregadas do recruta-
mento qne procudam nelle com a maior imparcia-
lidade e prudencia, altendendo sempre s isencoes
legaes, e tornando-o mais ou msnos rigoroso con-
forme o resultado do engajamento em seas respec-
tivos districtos. |
Antonio BorQpt Leal Casi ello Blanco.
C0.IJTO0 D..S AMIAS.
Qnartel do commando das armas de Pcrnanibuco
na eidade do Recife, -i de julho de 1 Sli.'i.
Ordem do dia n. 84.
Tend, a presidencia por offlcio de hontem data-
do resol vid o, que einquanto o governo nao decide
acerca do valor da etape de linha, existente nesta
provincia, do pao alvo para os doentes em irala-
mento ua enfermara permauente, e da forragem
para os cavallos das pracas de cavallaria, no cr-
reme semestre, vigorasse provisoriamente a tabel-
la organisada pela Ihesouraria de fazenda. em vista
da qual a etape deve ser paga na razao do 360 rs.,
o pao alvo n* de 60 rs., e a forragem na de 6uO
res; assim o faz publico o coronel commandante
das armas interino para conhecimento dar guarni-
o e devido effeilo.
(Assignado)Jo Mara Ildefonso Jacome da
Veiga Pessoa e Melle.
Est conformeAntonio- Francisco Duarte, 2o
tenente ajudante de ordens interino, encarregado
do delalhe.
EXTERIOR.
BfEWS AIRES.
i 4 de jiinbo de 1865.
Toda de espeelativa ainda a situacQ em que
Oca o Rio da Prata sahida deste paquete, fcom-
ludo, os grandes preparativos bellicos e os movi-
mentos activos que se leern feto nestes allimos
dias, parecen indicar ana muito breve coDKear o
periodo da accao por parte dos alliados. Permita
Dees qae eu nao me Iluda, e, que possa, no decor-
rer do prximo mez, noticiar successos que satis-
fagan! o orgulho e o patriotismo dos Rrasileros.
Por ora nao lenho remedio seno enirele-los rom
a narmeo de factos de pouco alcaace para a so-
luco final da questo, com quanto alguns sejam
notaveis pelas dedncSes a que se preslain.
Pelos inovimenlos. das forcas argentinas e brasi-
leiras, que ltimamente teem partido desta capital
edo acampamento de S. Francisco em direcc&o
Concordia, eopbaectfo ipie anal adoptou se um
plano de campanil mais eieqnivol do que aquello
que ao principio se dizia haver sido combinado
entre o; cheles das foreis alliadas, e segundo o
qual, deveria o nosso exercito fazer a larga viagem
at Uruguayana, para d'abi penetrar no territo-
rio argentino.. E' ocioso enumerar as difflculdades
qne re-ullariam de semelhaote plano ; sao ellas
to evidentes que at ru.-la a couceber, como nao
foram disde logo encaradas.
Actualmente consta que as nos-as forcas, que j
se acliam acampadas ao norte dorio Daiinan, quasi
em fenle a eidade da Concordia,deverSo dirigir
s: a essa eidade, onde se organizar lodo o exer-
cito alliado, estando j al a divisa) do general
Urqniza c varios contingentes partidos de B unios-
Ayres. A ser isso ceno, ter-se-'ia pnupado s nos-
sas fjrcas um penoso trajelo, e sobretndo a diffl-
eil pa-sagem do Quaraun ; om poucas horas polle-
ra i ellas alravessaro Cruguay e achar-se no Ihea-
tro da guerra.
1 Paa esse effeilo noticiaram as folhas desta capi-
tal que o no^so infatigavel almirante hava j com-
prado o cxcellcnt vapor Era, o mais quatro cha
tas de ferro para a conducao do irem do exer-
cito.
Consta taro bem que no dia 1S ou 16 do corrente
devem partir para o Uruguay o general Mitre e o
Sr. vsconde de Tamandar, que vai dirigir a pas-
sagem da uossa gente. Vo ambos no Recife.
Como Brasileiro nao posso deixar de applaudir
e.-te novo phno qne proporcionara aos nossns lira
vos prxima orcasio de medr-se com as hordas
do Paragnay, cm vez de consumir suas forjas em
fatigantes e inuteis marchas, que, pelo menos, os
fOHsot-vrtam afectados da- Iota por um lempo
precioso e que nao seria perdido pelos nossos fo-
gosos alliados.
Para concluir este tpico devo referir qne no
da 10 seguiram para a Conco da os mesmo* va-
pore? MaraconSa e Taquary ebocando dons trans-
pones com tropas argentinas, e que hoje segne o
vapor Apa para o mesmo destino com a divisan
rommandada pelo coronel Conesa, formando todas
cerca de 2.000 pracas.
Para a Concordi i deve-se tambem mover dirigi-
do por trra o general Pannero com a div.-o que
subi o Paran, e que ltimamente se acbava na
E-unina.
Na correspondencia anterior disso que essa d
visao se havia retirado para o Bincon de Zel'allos,
cima da Bella-Vista.
Nao sepolendo, porm, a!ii conservar retroce-
den ella para a E-qnina, na parte sul da provincia
de Corrientes, d'uide lambem leve de retirar-seno
dia 9 do corrente, pela aproximacio do exerciro
de Robles que ni espeta havia ecupado Goya.
loternon se, pois, bnscando fazer joncocomas
forcas do genera! Drqmza, que se acham situadas
50 leguas alm da Concordia, sobre um arroyo
chunidoRasualdo.
E tal de Corrientes, tem merecido severas censuras '
de parte da imprensa, i|ue qnaliflcoa de preclpi- I
tado c intil o ataque de Corrientes, que s servio
para derramar tanto sangne sem o menor resultado
vantajoso. A parte detalhada daqnelle general,
demonstra que, embora pouco mencionada, nao
foi to pequea a parlieipaco que a nossa tropa |
leve naquelle cmbale. Tavez coadjnvaco do '
contingente brasileiro se deve o nao terem sido
completamente envolvidas as forcas argentinas.
Temos noticias das Tres-B iras at 6 do cor-,
rente. A nossa esquadra conlinuava no bloqueio,
sendo todo o liltoral desde a Boa-Vista percorrdo i
por no^sas canbeneiras. Tinha havido tiroteos!
entre algnmas dessas canhoneiras e baterias de
Ierra no porto de Corrientes e na barranca das
Palmeiras, as Tres Boceas Em um dos tiroteos
foi roorto um soldado e fiearam feridos quatro da
canhoneira learim. Em lodosos casos o fogo dos
vapores brasileos tinham feito cessar os das bate-,
ras. No mais nao havia novdade. |
Noticiara as folhas portenhas que os Paraguayos
Bzeram fogo, no porto de (Corrientes, sobre um es- j
caler do vapor de guerra inglez Dellerold, ferndo;
um offlcal a matando varios marinheiros. Ac- i
erescenlam que, pedndo o commandante daquelle j
vapor urna salisfaeao por tal aggressi ao ministro ,
Berges, Ihe conlesira este que a fosse pedir n Lo-1
pez, na Assumpcose pdense passar por Un-
mait. Esta noticia foi iransmitlida pelo general
Paunero ao governo argentino. O Dellerold seguio
para cima.
Volto a Buenos-Ayrcs. Ante-hontem passou o
general Mitre ao vice-presdenle da repblica co- j
ronel Marco Paz o exercicio do poder execulivo, i
visto dever seguir para a campanha. Na vespera |
havia elle sido cumprimentado pelo corpo diplom-
tico, que assim Ihe quiz significar o alto apreco cm
que o teem, e os seos vivos desejos pelo feliz xito
da cruzada qne o sympathco general vai dirigir
contra o barbarisroo encarnado no governo para-
guayo.
Foi publicado o relatono apresentad s cama-
ras naeionaes pelo Dr. Ebzalde. Nao posso, po-
rm, prescindir de n |ui Iranscrever o tpico que
se refere ao distincto e hbil diplmala o Sr. ron-
selheiro Paranhos.
E' urna homenagem que o deve encher de justo
orgulho ; diz assim :
t O governo imperial resolveu enviar ontra mis-
sao especial ante o governo argentino e acreditou
para esse objecto ao conselheiro Dr. Jos Maria da
Silva Paranhos, no carcter de enviado extraordi-
nario e ministro plenipotenciario.
t Esle hbil e dtsiincto diplmala consegnio in-
fluir poderosamente para eslreitar mais as relacoes
e consolidar a poltica convencionada com o Sr.
conselheiro J. A. Saraiva.
O governo impirial tendo deliberado retirar
esta mis-o, o argentino exprimi por todos os mo-
dos que podo os Importantes servicos prestados
por to nolavel representante de um governo
amigo.
Refeitndo os sentraentos de aprego com que o
governo argentino reeordou o njme do Sr. conse-
lheiro Paranhos, devo tambem dizer que Bao sao
menos vivas as sympathias que tem sabido con
quistar geralmenle o Sr. Dr. Oetaviano, digno suc-
ceseor dos dons notavei i cidados qne aqui vieram
de* um novo lustre a diplomacia brasileira.
Acaba de aqui apparecer um folhelo em francez,
.titulado Dissentwns dea republiqws ile la Plata
W les macliinalions du Brcsil cuja paternidade se
i altribue ao argentino Dr. Joao Bapti.-la Alberdi, re-
sidente em Pars, onde foi mpresso o folhelo. Co-
mo se dei aendedo titulo este pampbleto um te-
cido de diatribas e calumnias contra o Brasil, que
se procura |nlar como o Dos ex-machina desses
incessantes vai-vens polticos que agitam estas re-
; publicas.
O Sr. Alhordi, desde alguns anuos, conhecido
pelo odio hydrophobco que vota ao Brasil, e p r
Isso nao admira que haja podido couceber aquelle
aborto; mssa cirenmstancia em quevemaluzo
folhelo o c. lim manifest com que foi escripto dei-
xam Iransparecer o brilho do ouro paraguayo.
| E' uraa mama de Lop z estip.nidiar esenplores
da ordem dos Alberdi o dos Du Uraly, que medan-
le alguns francos, sao capazes de o elevarem ao s-
timo rio, e de jurarem que o Paraguay um paiz
civilizado. E" questo de mais ou menos plata.
No dia seguinte dlro o contraro se Ihe pagarem
meihor. Alina! quem perder no negocio o po-
bre Paragnay, qne lera suado o frueto de lanos
annos de economa deLoptz I para encher as bol-
sas de meia duzla de espertalhoes qne se estao rin-
do do imbcil lyranno, que eenhece o papel ridicu-
lo qne est representando.
No Chile, d'onde ha noticias at 14 de maio, con-
tinuavam os recejos de urna aggres.-o por parle da
esquadra bespanhola, que corra linda aprezado
dous navios chilenos que transportavam armas para
os revolucionarios do Per. Parejas era esperado a
lodo o momento no porto de Valparaizo.
Causara sensacao em Chile a noticia da allane
contra o Paraguay, o a imprensa so pronunciara*a
favor deste ultimo. E' singular, mas emfim, una
, cousolaco para o despota de Assumjico, que
na menos cahir como um grande hornera para o
Chile.
No Per a revolucao linha tido suas alternati-
vas. Tacna e Arica, reos do movimento, recabi-
ram em poder das fincas legaes depois de um com-
bate em que perecerain mais de 1,200 bomens de
parte a parte.
-TlBr^-::.
PERNAMRUCO.
mim muk:
; Amanbaa reune-se o Instituto Archeologicoe
Geographico Pernambucano em >esso ordinaria.
A socedade recreiativa Corybanttna d a
sua partida mensal no dia 22 do corrente.
Chamamos a attenco para o que no Forum
se escreve sobre o Iosiiluto dos Advogados, cuja
utidde nao p le ser c'esconheclda.
Na madrugada de hoje (3) o preto Jos,
eom o6 annos de idade, escravo de Joo Jacintbe
de Me leiros lV-zcnde, morador ra do Rangcl,
servindo-se d-1 orna pequea faca, que so prestava
corlar palhas para trancas, ceu em s alguns
golpes, vindo a morrer, algumas horas depois, em
conseqtiencia de ferimento penetrante no alidomen,
suppondo-se que esse escravo fra levado a bolcl
dar-se por de>?rranjos menlaes, sendo que Soffria
elle de heroios o nio prestava outro servico qm
nao fazer trancas para chapeos.
Quinta felra prxima di no Sania I-ahel tira
concert vocal Mad. Petipas, proporconaodo as-
sim um bellosero aos amantes da msica, que all
iro juntar os seus applausos quelles qae a con-
certista lera olilid) em Franca, B;rgea, Rio de Ja-
neiro e ontras eidades no imperio, onde se tem fei-
to oavir.
Consta-nos que Mal. Felipas uma mostea nota-
vei, p >i< o juiz da academia imperial Ihe ha defe
ndo o primeiro premio de solfejo de piano e de
canto, e Napoleo III admittio-a a sua eapella im-
perial.
U id. Petipas deu dilTerentes concertos no Biode
Janeiro, sendo honrada cora a assistencia de S. M.
o Imperador.
O programa do sen actual c ncerto digno de
elogios, e por qnanto nelle notam se os principaes
pedacos de composicoes sublimes, coma Barban
de Sevillia, Trovador, Traviata etc., primores dos
grandes mestres, e que Ihe garenlem por certa
urna concurrencia notavei de apreciadores.
No da 12 deve ser o concert Instrumental
do nosso joven pianista Hermenegildo Liguori,
em quem a vocaeo musical se tem manifestado
mesmo em seus tenros annos com a exuberancia
djs terrenos virgens.
as mos desse menino o piano ageta-se a ex-
prcsso mltipla dos senlimentos, derramados as
composicoes dos grandes mestres; e para verse
a excellencia cos que elle executa, a gra;a com
que Iraduz s linguagem da harmona ; e assim
acensa em si antes um espirito cultivado por gran-
de esludo, do que um Joven talento que se expan-
de espontneo, que vlceja com a prodigalidadc das
nalurezas privilegiadas.
A um genio desta ordem todo o concurso de-
vido, porque a gloria que elle possa conquistar, se
Ihe Vjy^ornar a fronte inspira la, tambem reflecte
sobre o paiz que tem filhos a quem tocn o dedo
do genio. O Brasil j orgulhava-se da menina
Bottini, o Brasil tem a o'rgolhar-se mais com o
menino Liguori ; e assim a protervo que elle so-
licita, nao Ihe sera negada pelo nosso publico cm
quem .-obra o amor s artes, e nao falta o fogo do
patriotismo.
O producto do spu concert, tem elle de applicar
s despezas dos seus estudos na Europa, aonde
vai beber as Hfflas dos grandes alastres, manifes-
tando ao mesmo lempo all mais urna gloria arts-
tica do Brasil.
Bepauticao da polica :
Extracto das partes do dia 4 de julho de 186.a.
Foram reolhidos casa de detenco no dia 3
do eorn nte;
A' ordem do subdelegado do Recife, Manoel J >s
do Porto, por desobediencia.
A' ordem do de Santo Antonio, Quintilio, es-
ravo do vigario Simo de Azevedo Campello, re-
querimento do procurador d'este.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Francisco de
Oliveira, e Jos, escravo de Ignacio de Souza Leao
por brlga ; e Jos, escravo de Vicente Leandro de
Castro Camoello, por furto.
A' ordem do da Boa-Vista, Victorino, escravo de
Francisco Alves de Brito Mana', a requenmento
d'este.
No impedimento do offlcal da 2.' seccao.
O amanuense,
Antonio Alfonso Ferreira.
Passageiros da barca brasileira Santisla, vin-
da de Santos: Jacintho Correa e Joo Jos dos
Santos.
Casa de detexqo.Movimento do dia 2 de ju-
lho de I86S :
Existiam 361 ; nlraram 3 ; sahifam9; exis-
tem 335 a saber : naeionaes 270 -. mulhc-
res 6 ; estrangeiros 2.a ; mulheres 2 ; escravos 47
escravas 5 ;total 361.
Almenlados a cusa dos cofres pblicos, 143.
Movimento da enfermara do dia 3 do julho
de 1865.
Tiveram alta :
Manoel Paulo do Monte.
Joaquim Jos dos Santos.
3
Existiam 360; entraram 6 ; sshiram i ; eiis-
tein 362, a saber : naeionaes 273 ; mnlhere^ 7
e trangeiros 2o; mulheres 2; escravos 49 : es-
cravas 6 -.total 36..
Alimentadas cusa dos cofres pblicos, 171.
Movimento du enfermara do dia 4 de julho
de 186.*.
Teve baixa:
Damin, escravo de Manoel Antonio Cobra.
Cemitkhii) purmco. obituario do dia 1*
de julho de 186o.
Manoel P.eheco de Queiroga, PrirnamBuco,
annos, casado, Recife ; anemia.
Manoel Masques de Je-us, Pernambuco, O annos,
casado, S. Jos; febre perniciosa.
Horculano Kerreira Penna Goianna, 35 annos, sol-
leiro, Boa-Vista j apoplexia.
J laqntal E izebio do Barros, Pernambuco, 60 an-
nos, solleiro, BoaVi-la ; diarrea.
Marta da Punllcaco, PernambnroT 65 annos, va-
va, Santo Antonio; urna merhita.
Anaa Joaquina do Rosario, Pernambuco, 60 annos,
viuva, S. Jos; bepatite,
ireno, Alagoas, 131w, Santo Ant nio ; M,:
_ maligna (escravo).
1 Fortunata, Pernambuco. 17 mezes, Boa-Vista; d.ar-
rhea (i-serava).
Mina do Carmo de S Birreto, Pernambnro, 2i
annos, soluira, Santo Anlonio ; entrriie.
2 -
Luiza, Pernambuco, 40 annos, soiteira, lacHij
gastro enterile (escrava).
Luiz, frica, 45 annos, solteiro, Boa-Visla; va-
re las (escravo).
Antonia, Pernambuco, 2 mezes, Santo Ant.nio;
pbtvsica.
I
Anlonio Jos Pereira, Portugal, 38 annos, catado,
Boa Vista ; hydropesia.
Enzebia Francisca, Pernambuco, 40 annos, solleira,
Sanio Antonio ; molestia dn ull-ro.
Evaristo Rogaciano do Nasciraento, Pernambuco,
21 annos, solleiro, Boa-Vi.-ta; Ifjfci pul-
monar.
Auna da Natividade Galva >, Pernambuco, 75 an-
nos, viuva, Santo Antonio : dsenteria.
Alfredo, Pernambuco, 5 dias, Redil j convul-
ees.
Qullbermina, Pernambuco, 6 anr.js, Santo Aoto-
tonio ; phtvsica.
Abilio, (escravo) Pernambuco, 18 mezes, Santo
Antoniu; C'-nvulcjs. v
*
raBKl \AIi laO '031JIRH ACTA DA SESSAO ADMLMSTRATIVA DE 3 DE
Jl"LI!() DE 1865.
'.PRESIDENCIA DO EXM. Sil. DESEMR\ROADOR
ANSELMO FRANCISCO PE11ETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunido- os Srs.
denotados llosa, C. Aleoforado, Ba-lo e iiramlj
Leal, e presente o Sr. desembargada lu<-al, o
Exm. Sr. presidente dedarou aberta a se-m}.
Lid i, foi approvada a acta da atsaia antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Foi lido um OD io da junta dos corrilore?, de
hoje, remetiendo a rotaeo dos pnett da praca m
semana prxima linda. *
BESPACIIOS.
N i reqnerimento de I). Emilia C n-tanca de i-
ra es Ferreira, pedindo o registro du rom ralo de
loeacao do seu ptedio da roa da Cid .a do l ilt
n. 52, celebrado com Jo-^i Joaq lim da M*l Go-
mes :Registre-se.
No de Tiiom Lopes de Sna. p-dindo o regi-tra
de um papel de innovarn de r..nlrato, que ob'-ve
de .-eus credores conceileiid -Ihe urna moratoria.
Vi-la ao Sr. desembargador li-cal. .
No de lleliodoro Acacio Barreiros R.ineel, pedin-
do a reslitnicio de um recibo que apre.-eatuu j>ara
just'ficar a compra dos hvrosua mass.i de J.isv Je
Sampaio Coelho, que Ihe foram trans riJ.:
Exirahida copia do docum-nt i qii mjbv, e Be-
sando recibo de entrega do mesmo, d se o or.gi
nal na forma reqHcrida.
No de Manoel Pedro de Mello, Luiz Antonio Fra-
goso e Elias de Almeida Lima, pedindo o reg-tro
do distrato da sociedade que tinham s Fragoso, Lima A C Vita ao S'. desembargador
Bscal.
Nos autos de rebabilitacie de C. J. Astley A C.
cumprindo o despacho do 1 de junho prximo
lindo, com um documento qne juntaram : Wii
ao Sr. desembargador fiscal.
Com informaeo doSr. desemtiargador fi>cal :
No reqnerimento da direrco da companhia de
seguros Indemnisadora, pedindo o registro m
seus eslatutos e do decreto e carta imperial qne os
approvou.Begistre-se e publique se.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s onze horas c una da
manhaa.
SESSAO JL'DICIARIA EM 3 DE JFNHO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADO!!
A. F. PEIIETTI.
Secretario, Julio Gniinarars.
s iljj horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
dedarou aberta a sesso, estando reunidos os ?'; -.
desembargadores Gilirana, Re- e Silva, Sil'a Gui-
mares, Accioli e Barros vaseeoeeiloe, os Srs. de-
putados Rosa, Candido Alcof>radj, Basto, M.ranla
Leal, e o supplente S Leilo.
Lida, foi approvada a acta da precdeme ses-
so.
Foi lido o aviso de 27 de maio do corrente anno
expedido pelo ministerio da ju ao offleio de 18 de dezembro de 1863 do ex prest-
denle deste tribunal, con>clheiro Firmino Aulonio
de Souza, sobre as duvidas recorridas com o ex-
presidente do tribunal da relaro conselheiro 1>.
Francisco Ballhazar da Silveira, arerca de sna
competencia para provislonar solicitadores e> -
ciaes para o froeommercial, declarando que na
cabe aos presidentes dos Inbunaes do rormm rn -
a attnhuicao de nomear solicitadores do seu juizo,
como foi reconhecdo pelo avi>o de ll Je jnlho de
1855, competindo essa allribuij) smente aos pre-
sidentes das relacoes.
Assignou-se o aceordo proferido na ultima ses-
so no feito entre parles :
Appellanle, Francisco Anlonio Pontnal; appeI-
lado, Antonio Gomes da Cunha e Silva.
JUI.GAMENTOS.
Appellanles, D. Josepha Ju-tina de Jeaai Gon-
calves e outros ; appellados, bnc Curio A (L
Adiado o ju gamento a pedido de um do- Srs.
deputados.
Appeilantes, os administradores da massa fallida
de Seve, Filhos C ; appellado, Francisco Xavier
de Oliveira.
O Sr. S LeitJo dcclarot nao poder officiar co-
mo juiz nesta cansa por ser credor da predita mas-
sa fallida. E o Exm. Sr. presidente ordenou qne
se chamasse ouiro Sr. supplenle.
Appellante, Manoel Ribeiro Bastos appellados,

Tu r
/
i
i\ /r-i


Diario de rornambuco Quarla lelra 5 de lulho de 1865.
T). Theodora Maris Quitara 6 ootTOK .Vitado na
ultima sissio.Desprezarnm-se o> embargos.
AppelUntes, D. Olympla Constancia^ de Moraes ?
Silva e oatra ; appelUdo, Joiqulm Luir vires.
Adiado n nltirrta sessio. -Receberam-se o em-
bargos em parte e eni parte nao.
Appellanles, Guimaraes & Bastos ; appellados,
os administradores da massa fallida de Amonm,
Fragoso, Santos & C. Ad ado na sesao anterior.
Receberatn-sa os embargos.
Appelantes, Adriano & Castro ; appellade-, Joao
Antonio dos Santos Pacheco. Adiado na prece-
dente sessao. Nao se tonou conhecimeoto dos
embargas de 3o por constar que nao foram apre-
sentados em lempo, e por taita de juoccao do tras-
lado.
Appellante, Jos Francisro Barrote ; appellados,
os administradores da massa fallida de Amonm,
Fragoso, Santos 5c G. Desorezaram-se os em-
bargos.
Appellante, Jos Uomingues Maia; appellados,
os administradores da massa fallida de Amorim.
Fragoso, Santos d G. esprezaram-se os em-
bargo .
Appellante, Francisco Jos da Costa Barros ; ap-
pellados os administradores da massa fallida de Pa-
checo & Mendes. D?spiezaram-se os embar-
gos.
Appellante, Belarmino Alvcs de Arucha ; appel-
lado, Manoel Pereira Monteiro.
Appellante, D. Mai la Magdalena de Almetda C.a-
tanho ; apuellada, D. Auaa Josepha Pereira dos
Santos.
Appetlanle, o Dr. Ignacio Nery da Fonseca ; ap-
pellados "s administradores da massa fallida de
Siqu'ira & Pendra.
Appelantes e appellados simultneamente, os ad-
ministradores da massa fallida de Amonm, Fra-
goso, S.ntos A C e Cmara & Guimaraes.
Appellante, Jos Duarle das Heves ; appellados,
os curadores liscaes da massa fallida de Jos Mar-
ques dos Santos Aguiar & C.
Appellante, Basilianode Magalhes Castro, como
testamenteiro e inventarame dos bens de Jos Fer-
nandez di Cruz; appellados,Ge, Bastos & C
Foram adiados a pedido dos sentares depu-
tados.
DESIGNAQC DE DA.
Appellante, Francisco Santiago Ramos; appel-
do, Joaquim Elviro Alves da Sijva.
Appellaute, Francisco Jos de Campos Pamplo-
na ; appellados, Roberto Lightborn & G.
Primeiro dia til.
PASSAGENS.
. Do' Sr. desembarg.idor Reis e Silva ao Sr. des-
embirgador Silva Guimaraes:
documentos sobre um factor camelaremos por ex-
pfl lo, afim do que sajara-inais her apreciados os
documentos que Ihe sao relativos
Tendo sido posto em arrematago perante a the-
souraria provincial, em -830, a fornecimenlo de
medicamentos amiga cada desta cidade, como
sempre se havia praticado, ao Sr. Jos Pedro da Silva que seacceittsse o offe-
recimento de um dos licitantes, que pareca mais
vantajo-o para os cofres provinciaes, porque, se-
gundo uns, se previa a\ue os medicamentos, que ti-
nham de ser fornecidos por lao baixo prego, nao
podiam ser de boa qualidade, e, segundo outros,
porque nessa arrcmalagao havia ficado fra de
combate o Sr. Bartholomeu Francisco de Souza, so-
gro do inspector da ihesourarfa provincial, e for-
necedor constante do? medicamentos de que pre-
cisava a enfermara daquella prlso, foi encarrega-
do desse forneciment o rirurgio d:i referida ca-
da, o Sr. Francisco Jos da Silva, em virtude de
ie>< luciio do |ircsidenle da provincia, tomada na
sess.io do tribunal admini-tratiyo da mesma the-
souraria de 27 de junho daqnelle anno,o que era
contrario s leis de todos os patees, qoe prohibera
que os facultativos fornegam remedios aos seus
doentes; mas. niio tendo botica o cirorgiao da-
quella priso, dirigio-se ao Sr. Bartholomeu Fran-
ci-co de Souza, e encarregou-o do fornecimeuto.
Fehz sogro, e anda mais feliz genro I
Tendo o Sr. Bartholomeu Fra-ci-co de Souza for-
necido enfermara da cada os medicara mos
presenptos pelo respectivo facultativo, de 2de julho
a 24 de ago-in.de 1810, ni in-ignficinio importan-
cia de 3155600, em principio de setembro pedio o
pagamento,dos medicamentos fornecidos em reque-
rimento sem data apresmtado a presidencia da
provincia, ou antes a seu genro, o Sr. Jos Pedro
da Silva, inspector da the-ourana provincial, pois
que c deste o primeiro despacho.
Eis o iheor desse requerimento :
t Illm. e Exm. Sr.Diz Banholomeu Francisco
de Souza, que tend aviado em sua botica os me-
dicamentos precisos para a enfermara da cadi
de-11 eidade desde 2 de julho at 51 de agosto do
corrente anno, como consta do documento junto ;
e como precisa deste pagamento requera V. Exc.
que urdeae dito pagamento; e pelo que
Bartholomeu Francisco de Souza.
Exiginln-se em indas ss repartieres queosje-
qnerimentos, que nao forem relativos a certidoe ,
sejam nao s assignados pe|i>s-peticionarios,,senao
por estes datados, o Sr. Jos Pedro da Silva nao
exigi essa formalidade legal de seu sogro, o ron-
tentou-se com remett-lo, pormeio de despacho da-
tado de 2 de setembro desse anno, ao ex offieial
Appellante, Diaria Magdalena de Almeida Ga- i maior da thesouraria, o Sr. commendador Man
tinho ; appellada7 D. Auna Josepha Pereira dos
Santos.
Do Sr. dcscmbargador Accioli ao Sr. desemuar-
dor Gitirana
Por falta de tempo no pude ser julgada a re-
vista entre partes :
Recurrentes e recorridos simultneamente Ma-
noel Morera Tavares e !). Leopoldina Mara da
Costa, mulher de Mauoel da Costa Gostivella com
autorisacao do juzo.
.Nada mais podendo tralar-se o Exm. Sr. presi
dent encerrou a sessao urna hora e tres quartos da
lard.'._____________
Londou& Bi-aslan Baak (Li-
mited).
Capital do banco 13,000 accoes
a 100.......
Aq-oes emiltidas 13,000 a 100
Capital pago a SB 40 por arciio.
BALANGO DA GAIXA FILIAL EM PERNAMUCO.
* EM .10 DE JL'LIIO DE 186o.
ACTIVO.
Letras descontadas .... 1,997:664,5(500
Crditos diversos, outros ban-
cos e caixas liliaes 1,077:8605060
Caixa :
Em moeda corrente..... 726:331-5270
13,833:3334330
ll.oo.)':o->.)'5">o0
4.622:2225220
PASSIVO.
Capital fornecido pela caixa ma-
triz ........
Depsitos.......
Crditos diversos, outros ban-
cos e caixas liliaes.
3,801:8535930
3,801:8883930
Rerife, i de julho de 1863.
11'. J. Bagues,
Aicountant.
Caita filial do banco do Brasil em Per-
nambnco
BALAXCETE EM 31 DE JUMIO DE 18C5.
ACTIVO.
Letras descontadas.
Com linas assigna-
el
Carneiro de Souza Lacerda, para i|ue fossem exa-
minadas as contas, como cumpria.
Eis a copia desse despacho, dado em separado :
Infirme o Sr. offleial-maor, sobre o incluso
requeriineuto de Bartholomeu Francisco de Souza.
Thesouraria da fazenda provincial de Pernaioba-
co, 2 de setembro de 1830. ~Silva.*
Sendo eni'arrega lo do exame das contas apr-
senla I as o Se. Alexandre Amerie.o de Caldas Bran-
dan, 1 amanuense da thesouraria provincial, e nao
adiando elle a de-pesa extraordinaria com a indi-
cacao do preco em frente de caJa objecto, declaran
que so se limitava em seu exame despesa ordi-
naria, e era 6 de setembro levou ao conliecimenio
do ofdcial malor a sua inforoacio, qoe passamos
a copiar:
t Illm. Sr. oflkial-maior.Para dar o resultado
do exame a que proced as desposas feitas por
ftartholoineu Francisco de Souza, no raei de jaita i
do corrente anno, com a enfermarla da cada des-
la cidade, inister que a despesa extraordinaria
leona o preco em frente a cada objecto, sem o que
s posso limitar-me a ordinaria, a qual achei certa
e importar na q antia de 485600, quatrocentos
(dienta e dous mil e seis rentos ris. Segunda sec-
cao da thesouraria da fazenda provincial de Per-
anihueo, 6 de setembro de 1830. O Io amunuen-
se Alrxamlre Americo de Caldus Branda >.
Parecendo fundado o i|ue dizia o Sr. Cada- Dran-
dao ao (ificial-maior, dirigio-e e^te ao Sr J is Pe-
dro da Silva, em 11 de setembro, e o fez pela ma-
ncira-*eguinte:
Illm Sr.Para que possam ser examinadas as
inclusas cents, presentadas por irtholomeu
888:8885890 Francisco de Suiza, forn'cedor dos medicamentos
l,290:8865'i70! para a enfermara da cada desta eidade, ueces-
1 sario, como indica o empregado enewrefado de as
1.622:0805370 j examinar, que a conta dos extraordinarios decla-
re os preces a margem de cada um delles. Alm
disto ha mais que notar que nos extraordinarios
apparecein os mesmos objeBIOS que no receituar o
vem debaiso do n. 290, comprebendido ao formu-
lario e com preco determinad i, sendo certo que o
referido numero do formulario nao corresponde ao
objecto por elle indicado no rereitnario, do que se
coocloe ter b.vi l.i engao ueste. Segunda scelo
da thesouraria da fazeoda provincial de Pernain-
buco, II de setembro de 1830.-0 cfiieal-maior.
Manorl Carneiro de Souza Lacerda.
Vendo isl i o Sr. Jos Pedro d.i Silva, laneoo no
requeriineuto de seu sogro o segrate despacho :
t Satisfaca a exigencia do ofclal-maior, e cor-
rija o engao notad.i Thesouraria de fa-enda pro-
vincial de Periiambuoo, 11 de setembro de 1830.-
Silca
Nada tendo a oppr a esse despacho, dado ni
mesino dia em que foi presentada a iiifurmar^Ao
do ollicialmaior, tal era a urgencia desse paga
ment, o sogro do Sr. Jos Pedro da Silva, em
novo requeriinento, tambera sem data, disse o se-
grale:
Illm. Sr.E' verdade que no formulario vem
o n. 2906 varas de panno de. linho a 720 a vara,
mas o professor ped; em-lugar do referido panno
madapolao ordinario; por isso vae na nota de
extraordinario; porque este nao tcm o mesmo va-
lor que aquelle. ."obre a duvida de nao por preco
nesses extraordinarios, foi porque quiz sugeita'r
me a que o?se arbitrado por qualquer outro phar-
maceutico: mas fiara ,-aiisfazer o despacho de V.
S. laneei os preeos importando em rs. 285360.E.
II. M.liaitlwkiiiieu Francifco de Souza.
.Nao obstante nao achar-se datado ese segundo
requeriinento, nao obstante .-er elle directamente
dirigido ao inspector da lliesouraria, e nao ao pre-
sdeme da provincia, oque poda servir de descul-
pa quanto ao primeiro requerimento sem data,
niandou o Sr. Jo- Pedro da Silva que voltaje ao
ollicial-maior, e o fez no seguinle despaeho :
Torne ao Sr. ollicial-maior. Thesouraria da
| fazenda provincial de Pernambuco, 19 de setembro
; de 1830.Sil en. >
! Esie despacho se acha, como se v com data de
19 de setembro; mas devenios declarar qu o al-
garismo 9 est emendado, parecendo que foi feito
do algarismo I, piimiivamente escripto, resultan-
do disto que o despicho foi da lo no dia 11, leudo-
; se procurado por meio da emenda evitar que se
j vi.-se a pressa que tinha o Sr. Jos Pedro da Silva
; em qne o pagamento se < Ibeluasse sem demora.
; DeiXemos porm istu, e vamos adiante, suppondo
I com elfeito que a data era de 19 ;-o que sera mais
uina razao para refli XOesl
Vollan lo ludo ao offieial maior, como determi-
nou oSr. Jos Pedro da Silva em seu despacho, e
paseando delle ao primeiro amanuense, o Sr. Cal-
das Brandao, este em sua informaciio, dada na rnes-
ma dala, isto no dia 19, e escripia no lim das
2,000:0005000 i contas apresentadas pelo Sr. Bartholomeu Francis-
co de Souza, assim exprimi se:
Examinando a presante conta achei certo e
imporlou na quantia de (3115'60) quiohentos e
onze mil cento e sessenla ris, sendo 4825000 dos
medicamentos cootidos no formulario, e 285360
dos nao comidos; cumprindo-me todava notar que
233:4615901 ein 9 de jalho foram pedida 12 varas de madapo-
] lao, e da conta jimia a esia apeuas consla 6 varas.
Segunda seccao da thesouraria di lateada provin-
cial de Pernambuco, 19 de setembro de 1830.O
1" ainaum use, Alexandre Ainerku de Caldas Bran-
j rf(7o.
Pas&aado essas contas, acompsnhadas da infor-
40:1105412 ma^io -upia traaseripta, s inos do offieial maior,
______' este deu a seguinle informacao, anda no inesino
dia 19, lancada no verso do segundo requeriinento:
Illm. Sr.Do exame a que ltimamente se
iroc.edeu as inclusas contas, apresentadas por
tartholonieu Franci.-co de Souza, encarregado de
fornecr os medicamentos a enfermara da cadeia
desta cidade desde 2 de julho at 24 de agosto des
te anuo, se v i.nportareni na quantia de 3115160;
mas exigindo o receiluario de 9 de julho 12 varas
. n ,. .... ... de madapolao, apprecem na relaca i dos extraor-
0 sr. Jos Pedro da Silva aerante a assemblea dmar0, aper.as 6 varas, u que revela manifest
provincial. engao da parte e contra o fornecedor, visto que
Se ha faeos, que s presenciados podem sercri elle nao devia apartar se do pedido no receiluario,
dos em ludas as suas circumstancu?, ha tarnbem e por \Ao vera a dever-se-ihe a quantia defiunAcn-
dccumenlos, que precisan1 de ser vistos e examina- tos e doze mil e seiscenlos ris, que, em vista da le-
dos, para serem devidaminte apreciados em lodas gahdade das contas, me parece que est no caso de
as uas minucio-idades. Temos entre mos alguns Ihe ser paga pela caixa doexercicio de 1830a 1831
desses documentos, e posloque j fossem elles exa- e por conta da eoasiguacao do art. 23 da lei do
minados pelos membros da assemblea provincial, ornamento n. 2C1: preeedendo as devidas verbas,
todvia ramos esforcar-nos em fazer sobresalir o Segunda secgao da thesouraria da fazenda provin-
qae elles iffjrecem de admiravel. Versando esses cia! d: Pernambuco, {9 de setembro de 1830.-0
turas residentes
no lugar do des-
cont....... 09:3185027
i^oi tima s dita
dilo....... o: ',075420 73:3265047
Letras caucionadas.
Por ouro, prata e
ttulos cuiiiiner-
ciaes....... 17:0215060
Por outros ttulos. 5 17:02:5060
Letras a receber.
Saldo desta conta. 7,406:0075700
Cuidas correales.
Saldo desta conta. 823:7865994
Diversos.
Saldo Je varias con
tas........ 3,360:459*368
Caixa.
Pe 6 seguintes va-
lores:
Em moeda de cu-
ro de 22 quila-
tos ........ 2^38:0305000
Em iv das do the-
souio dos valo-
ra de 105000 e
i iperiores. . 13:3305000
Em olas menores
de 105000..... 22:2315000
Em moeda de tro-
15370
EH notas da pro-
pria caixa. . 1,1767605000
Em olas do ban-
co do Brasil e
das caixas liliaes
do mesmo...... 133:0005000 3,623:372^70
13,308:3735939
* Passivo.
Banco Jo Brasil conta do capital..
Volar fornecido po-
la eaixa matriz.
Ewss )
Valor era circula-
cao........
h'lras a pagar.
>or dinlieiro toma-
do a premio. .
Por saques.....
9,333:2405000
5
3*:615901
Diversos.
Saldode variascon
tos........
hueros t perdas.
Lacros s deltos a
liqnidacao.
3,676:7615620
i ),30S: 3735939
O guarda livros,
la naci Nunes Correa.
GOMMVNIGtfOS.
ofBcial-maior, Manoel Carneiro de Souz'i Lacer-
da. >
Nao tendo o fornecedor lancado na conta apre-
sentada, quando pedio o pagamento da despesa ex-
traordinaria, o prec.0 em frente de cada objecto;
mas, sendo isto exigido pelo primeiro amanuense
em sua primeira informacao, em sen segundo re-
queriinento declarou o Sr. Bartholomeu Francisco
de Souza que o Azora por querer sugeitar-se ao
arbitramento de qualquer outro pharmaceutico. A
vista disto, e por ser costume, segundo nos infor-
mara, foi nomeado ou escolhido para arbitro* pela
thesouraria o Sr. francisco Antonio das (.hagas;
mas, cousa singular, tal era a pressa que liona o
Sr. Jos Pedro da Silva de que o pagamento de seu
sogro nao soffresse demora, que no mesmo dia 19 de
setembro foram essas contas reraettidas ao Sr.
Chagas; e, cousa anda mais singular, nesse mesmo
dia 19 o arbitro escolhito examinou as referidas
contas, e devolveu-as .tlusouraria acompanhadas
de seguime laudo:
t Illm. Sr.Transmuto a V. S. a conta dos me-
dicamentos e panos fornecidos a enfermara da ca-
deia desta cidade, a qoal aclio conforme nos seus
pregos. Deus guarde a V. S. muilos anno?. Re-
cife, 19 de setembro de 1830. Illm. Sr. Jos Pe-
| dro da Silva, inspector da thesouraria provincial.
O farmacutico, Francisco Antonio das Chagas.
De posse de ludo isto, o ir. Jos Pedro da Silva
lancou no segundo requeriraenlo de seu sogro, o
! segurate despacho, ainda cum data de 19 de se-
teii.bro:
liaja visia oSr. Dr. procurador fiscal. Thesou-
raria da fazenda provincial do Pernambuco, 19 de
setembro de 1830.Silva.
.Nao se achando na thesouraria o Sr. Dr. Fe-
nelon Alcoforado, pelo que se deprehende do seu
parecer, foram-lhe remetiidos os papis do Sr.
Bartholomeu Francisco de Souza, e na margem do
segundo requeriraenlo do sogro do Sr. Jos Pedro
da Silva, escreveu elle o segrate :
: Me reliro ao ultimo parecer da conladona.
Reafe, 19 de setembro de 1830.C. F. Guedes Al-
coforado.
Devemos declarar que, com quanto esse parecer
se ache com dala de 19, esla data est grosseira-
ineote emendada, vendse sem difflculdade que de
20 se fez 19; e cumpre notar que a palavra iecife
indica que foi elle escripto fra da thesouraria.
Dizemos isto, porque teremos de oceupar-nos cora
essa emenda do data.
Recebendd o Sr. Jos PeJro da Silva os papis
de seu sogro, e nao convrado demorar o pagamen-
to, deu em separado e no mesmo dia 19 de seiera-
brj a seguinle informacao, que linha de ser apre-
senlada ao presidente da provincia :
t Illm. e Exm. Sr.lira vista do attestado junto
docuurgio dos presos pobres, nada lenho que
oppor pretendo do supplieante Bartholoineu
Francisco de S >uza, e por isso me parece que d-;-
ve ser deferido conforme a informago ultima di
offieial maior. Thesouraria da fazenda provincial
de Pernambuco, 19 de setembro de 1830. O ins-
pector, Jos Pedro da Silva.
Eis o attestado de que se trata nessa infor-
maciio :
t Eu abaixo assignado, clrurgio approvado etc.
Certifico que nao se tendo effectuado o contrato do
fornecimeuto dos medicamentos para a enfermara
da cada, me foi participado pelo Sr. iuspector da
thesouraria provincial, que o Exm. Sr. presidente
em sessao do tribunal administrativo de 27 de ju-
nho resolved, que fosse encarregado desse forne-
cimento, e a vista dessa determinaeo enearreguei
ao boticario Bartholomeu Francisco de Souza para
dar esses remedios para a referida enfermara, o
que assim curapnofornecendo com excellentes re-
medios desde o dia 2 de julho at 24 de agosto
prximo passado. Por ser verdade assim o affirmo.
Uecife 2 de setembro de 1830.Francisco Jos da
Silva.'
Levados todos esses papis considerarlo da
presidencia da provincia, oceupada pelo Sr. conse-
Iheiro Souza Ramos, e ja se achando hincado no
primeiro requerimento do Sr. Bartholomeu Fran-
cisco de Souza o seguinle despacho, escripto pelo
secretario da thesouraria provincial e datado de 19
de setembro, foi por elle assignado :
t Pague-se. Thesouraria da fazenda provincial
de Pernambuco, em sessio do tribunal administra-
tivo de. 19 de setembro de 1830. Souza llamos.
Feito isto, estara concluida a missio do Sr. Jo.-
Pedro da Silva relaiivameule a este negocio, e o
Sr. Karlholumeu Francisco de Sraza pule, era sig-
ual de agradecimento, apenar a mo de seu pres-
limoso genro.
Cabe-mis agora fazer as retlexCes, que de tudo
se delnzem.
Se alguma cousa excita a nossa admirado em
ludo islo, o poder que leve o Sr. Jos Pedro da
Silva de repetir o milagro de Josu, fazeodo retar-
dar o curso do sol nessa afortunada quima feira
19 de setembro de 1330, da de S. Januario, hispo
e rnartyr, de SS. Constanza e Pomposa, o de S.
Dorimedonte, 14 da la, segundo a folhinha desse
anno que temos diante de nos, para que tanta cou-
sa se elfectuasse dentro de poucas horas, atiin de
que o pagamento de seu sogro fosse resolvHo na
sessao do tribunal administrativo daqnelle dia; e
se alguma cousa tudo isto revela, que, quando o
Sr. Jos Pedro da Silva qur, faz prodigios de pro-
leceo.
Sendo o da 19 de setembro de sessao desse tri-
buna1, nao era humanamente possivel que tanto
trabaIho se fizesse desde nove horas da manhaa at
meio da, em que comec.ava a sessao, mesmo com
prelerieac de qualquer oulro, afim de que fosse re-
solvido nessa sessao o pagamento que pedia o Sr.
Bartholomeu Francisco de Souza; devendo nao
omittlr que as contas reraettidas ao Sr. Chagas,
para que dsse sua opinio, nao deviam deixar de
ir acompanhadas de ofGcio, e que elle nao poda
011 no tinha que examina las em continente, es-
crever seu laudo, e devolver tudo laopromptamen-
te, que chegasse a lempo de entrar em sessao, e o
mesmo dizemos relativamente ao Sr. Dr. Fenelon
Alcoforado. Mas deixemos por ora isto, que poda
ser devido invocacao do Sr. Jos Pedro da Silva
a algum dos Santos desse dia, e digamos o que
se diz.
Dzem que, nao obstante interessar-se o Sr. Jos
Pedro da silva ora que o pagamento de seu sjgro
fosse resolvido na sessao de 19 de setembro, o Sr.
Dr. Fenelon Alcoforado, por esquecimenlo cu por-
que nao era.urgente, nao trouxe para a sessao o
parecer, que provalmente nao estava escripto, e,
enipenhando-se por elle o Sr. inspector, e contan-
do que vina no dia seguinle, mandou lavrar o
despacho de pagamento, que devia ser assignado
pelo presidente da proviuclae niio poda deixar de
ser daiado de 19 ; mas, viudo esse parecer com
dala de 20, e nao podendo por isto figurar na ses-
sao do dia antecedente, foi emendada a dala, trans-;
formando-se 20 em 19.
Preteude o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado que a
emenda da data fui feita por elle, dando a razio
que levou-o a islo, e accrescentou em urna respos-
ta que deu em lo de maio deste anno, que niio era
a primeira vez que emendava datas. Eis o que
disse nessa resposta :
Procuradora fiscal da thesouraria provincial
de Pernambuco, 15 de maio de 1863.Illm. Sr.
Ileceb o i lili.- o de V. S. datado de boje, e em res-
posta cabe-me dizer-lhe que lembro-me hacer en
feito a emenda que se nota em mea parecer dado
na pe ti fio de que trata o seu officio, e o despacho
dado pelo cx-presidenle da provincia na referida
petico bem o mostra, porque devendo ser esta poste-
rior a aquelle v se que sendo elle datado de l9 no
poda ter o men parecer data posterior, e ser resol-
vido o pagamento antes delle, e ate me parece, que
se me fazeudo sentir em junta o erro da data, n//i
mesmo a emendara eu, o que mais de urna vez me
j feo acontecido. E quanto ao segundo ponto do
. mesmo offieio, cabe-me anda dizer que nenhuma
influencia pedera ter a favor da pretenco do sup-
plieante. Dos guarde V. S.Illm. Sr. commen-
, dador Jos Pedro da Silva, digno inspector da the-
souraria provincial.O procurador fiscal, Cypriano
Fenelon Guedes Alcoforado.
>'d perderemos lempo em descobrir qual foi
a razo que leve o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado para
dar essa resposta, na qual, chamaudo a si a emen-
da da dala, nao se esqoeceu do Ululo de commen-
dador, nem do adjeclivo digno, nem insislirems
em dizer qoe nao foi o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado
quem altern essa data, embora tenha chegado aos
Bossos ouvidos que o Sr. Jos Pedro da Silva disse
na presenca do Sr. Jos de Carvalho d'Araujo Ca-
valeanli, commandante superior da guarda nacio-
nal de Garanhuns, que foi elle quem emendou essa
data ; e por isto passareinos a algunas reflexdes a
que se presta essa resposta. (*)
(*) Depis de escripto este artigo, e entregue
desde muilos dias typographia, no dia 15 de ju-
nho ouvnios dizer o seguinle :
Tendo chegado ao tribunal administrativo dahe-
sourana provincial a informacao do official-inaior
dessa repartido, que nao fazia parle desse tribu-
na',. rjisjDdo jase tinha retirado o presidente da
Funda-se o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado para di-
zer que foi elle quera emendou a data de seu pare-
cer laucado na margem do segundo requerimento
do Sr. Bartholomeu Francisco de Souza, em que
esse parecer nao poda ser de data posterior do
despacho do presidente da provincia : mas o Sr.
procuralor fiscal nao reflectio que nao escrevia
para ser Jido por criancas ou basbaques, e se es-
queceu nao s de que o despacho de pagamento se
acha escripto pelo punho do secretario da thesou-
raria provincial, o Sr. Ferreira da Annuueiacao, e
que esse despacho foi lancado no primeiro requ-
menlo do sogro do Sr. Jos Pedro da Silva, que
contava que o parecer fiscal chegaria a tempo de
ser apresentado em sessao, senao que esse despa-
cho s foi assignado no palacio da presidencia
pelo Sr. conselheiro Souza Ramos no dia 20, isto
, no immedialo ao da sessao, como quasi sempre,
se nao sempre suceedia
Em quanto sub.istio oregulamento de 16 de se-
tembro de 1858, poucas xtim assstiam os presi-
dentes desta provincia s sessoes do tribunal ad-
ministrativo, e quando assstiam, raras vezes iam
al ao lim das sesses ; de sorteque os despachos,
escriptos na thesouraria, Ibes eram levados no dia
seguinle pelo Sr. Jos Pedro da Silva. Foi isto jus-
tamente o que succedeu na sessao de 19 de setem-
bro, e os despachos tiveram de ser assignados no
dia seguinte.
Comando o Sr. Jos Pedro da Silva, como dis-
semos, com o parecer fiscal, mandou escrever o
despacho de pagamento pelo secretario da thesou-
raria, e isto se fez com a dala de 19; mas, nao
tendo chegado a tempo esse parecer, e sim no dia
segnlute ao da sessSn, slo em -20, ou havia de
ser nulilisado o despacho j lancado no primeiro
requerimento de seu sogro com data de 19, no
qual exista um outro despacho de II desse mez, o
que faria expectacao ao Sr. conselheiro Suiza Ra-
mos, j um tanto prevenido contra o inspector da
thesouraria, ou linha de ser emendada a data do
parecer, nao podendo tarnbem ser inutlisado, por-
que nao havia sido dado em separado, e sim na
margem do segundo requerimemo, em que se liam
dous despachos; e ento se perlirio antedatar o pa-
recer, embora se recorresse a urna emenda, nao
restando o recurso da substtuicSo dos dous reque-
rimentos, porque, como dissemos, nelles existiam
despachos, e esses requeriraenlos tinham transita-
do 1 ela 2.* secQo da thesouraria, da qual era
chefe o Sr. Lacerda, que nao se preslava a essas
cousas.
Pretende o'Sr. Dr. Fenelon Alcoforado que o ne-
gocio era de pouca importancia, e por isto nao se
deve reparar na emenda, e accrescenta, para inno-
centar o acto, e corroborar o que disse, que nao
era a primeira vez que emendava datas ; mas, se
isto prova alguma cousa, que os negocios da the-
souraria provincial nao vao regularmente desde
mnito. Em toda a parto as alteracoes de dalas
em papis offlefaes .-o cousa ,-ria, principalmente
quando essbs papis emaoam de thesiurarias; e
nao porque os negocios, a que essas datas se re-
ferem, sao insignificantes, que as alteracoes per-
dem sua importancia e gravidade. A repetico da
mesma data, isto de 19 de setembro, denota que
havia grande interesse da parte do Sr. Jos Pedro
da Silva em nao demorar o pagamento de seu so-
gro : isto faz crer que, para que so conseguisse o
lira desejado, que no seria conseguido, se persis-
lisse no parecer a data primitiva, isto 20 de se-
tembro, foi precisique se antedatasse o parecer
fiscal, transformando-se 20 em 19. Seja o que for :
o qoe nao deixa duvida, que o parecer fiscal foi
antedatado, e que o Sr. Dr. Alcoforado declara, em
sua resposta de 13 de maio deste anne, que nao
era a primeira vez que o fazia. Quer fosse elle,
quer o Sr. Jos Pedro da Silva, que houvesse alte-
rado a data do parecer fiscal, o que certo, que
a dala foi alterada, e que. sem que esse parecer fos-
se antedatado, o pagamento do Sr. Bartholomeu
Francisco de Souza nao poderia ser autorisado pela
presidencia da provincia em sessao de 19 de se-
tembro ; e o que certo, que ha tambera um
despacho do Sr. Jos Pedro da Silva com daia
emendada, parecendo que de 11 fez 19, e que acer-
ca disto, nada disse o Sr. inspector, suppondo talvez
que essa alteracao passasse desapercebida.
Quando se sabe que o Sr. Jo- Pedro da Silva
sempre procura pr embaraces a qualquer preten-
co de dinheiro, mesmo insignificante, retardando-
a ; quando se sabe que elle tem posto obstculos a
prelengoes justas de oulros, nao se pode deixar de
extranhar o atrpelo que houve no pagamento de
seu segro, e 11,1,0 se deve deixar passar sem reparo
que o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado subscrevesse a
emendar a dala de um parecer fiscal, s porque
aniecipadamente se havia lancado na petic/io do Sr.
Bartholomeu Fraucisco de Souza um despacho de
pagamento com data anterior. J nao era pouco
emendar-se urna vez a data de um parecer fiscal ;
entretanto o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado nao v
nisto cousa, que mareen reparo, o para prova-lo,
declara que no era a primeira vez que o fazia.
Deixamos islo apreciado dos que nos lerem, e di-
gamos ao Sr. Dr. Fenelon Alcoforado que a ltera-
c.a 1 de urna data nao cousa lo innocente quanlo
elle suppe.
Foram de facilidades, que nasceu o abuso, ou
antes crime de enuttir a thesouraria provincial na
circulaco, por meio do deseemos, letras nao es-
lando para isto autorisada ; e foi ainda de facilida-
des que procedeu nao serem os ignorantes previn-
dos em tempo que essas letras erara falsas ou
snbtrahidas. Das facilidades, descuidos e prolec-
coes lem resultado osprejuizos solridos pela fazen-
da provincial e pelos fiadores dos diversos ex the-
soureiros e colleclores; mas nao se diga cousa al-
guma, pois qoeqaer-se que os abusos subsistam, ti-
rando-se at delles argumentos para que sejara con-
siderados como factos consjmmados. Contas foram
reraettidas ao Sr. procurador bcal em setembro e
dezembro de 1862, para que elle accionase o ex-
thesoureiro das loteras, o Sr. Francisca Antonio
de Olivera ; mas essas contas nao tinham ainda
chegado ao escriptorio do Sr. Dr. Fenelon-Alcofora-
do no da 5 de maio deste anno, ou por que se per-
deram em caminho, ou por que foram abafadas por
alguem. Dous annos e m^.io tem decorrido; entre-
tanto nada se diga, e tirem-se novas contas para que
sejara inientadas as respectivas a Qoes I
Com elfeit) tudo isto faz rr, e, a continuar, como
tudo promeit, ser permittido pergontar ao Exm.
Sr. Dr. Castello Brauco se ainda serve de base
sua admraistraco a moralidade. Senlimos expri-
mir-nos por este modo ; mas amtCMS Plato, sed
magii rnica veritas.
[ eram nomeadas pessoas minhas para substitui-los.
JE' por demais grosseira a intriga I
I Essas demisses nao foram decretadas pelo Exm.
I Sr. presidente da provincia senao depois de multas
reclamacrjes p instancias, em face de uina repre-
sentagao documentada, assignada pelas vctimas
das diversas prepotencias e arbitrariedades, e de-
! pois das informacoes das primeiras autoridades da
I comarca. Nao ha quera ignore isso na freguezja ;
e pois aquella imputacao que se me faz at es-
. tupida.
Quanlo aos que teem de ser noraeados, estou
ccrlo de que ser tambem improficuo o meio da
; intriga. Eu e os raeus amigos nao desejamos senao
que a aulorldada seja confiada a pessoa digna,
I d'eotre muilas que ha na freguezia, uor sua posi-
, cSo, carater e bons coslumes, enao a individuos
que antes devein ser policiados do que policiar os
1 oulros.
Da jnstica o imparrialidade do Exra. Sr. presi-
dente da provincia o que esperamos ; e se o cor-
respondente, ou antes, se os autores da corres
poudencia a que me reliro tambem reconhecern
como eu que S. Exc. animado dos melhores de-
sejos de acertar, deviam esperar tranquillos as no-
meagoes e nao recorrer aos ineios a que estilo re-
correndo, prevenindo a esculla de cortos nomes,
contra os quaes alias nenhum s defeilo apoutam I
Diz o correspondente que eu e os meus amigos
que qualifica de gemimos guerreamos aqui os
( progressistas e so procuramos ter autoridades do
nosso lado para commclternvos crimes nossa von-
lade. Nao sei :.e eu e os meus amigos somos ge-
latinos, qualificagiio com que nos nao jalgamos
deshonrados ; o que sabemos que pertencemos
ao grande partido liberal, que na freguezia de
Grvala' como em milites pontos da provincia,
I ainda subjngado e torturado por esses mesmos,
: que durante os fallados 11 annos tanto se celebri-
saram como os ordeiros exclusivistas da provincia.
Quanlo a' guerra que tasemos aos progressistas,
,direi que entre os votos que deram urna cadeira
i ao Sr. conselheiro Sa' e Albuquerque no senado e
. ao Sr. Dr. Epammondas de .Mello na cmara Icm-
' poraria, conlam-se os volus dos^eleitores de Gra-
vita'.
A respeo dos crimes que o correspondente
apona como perpetrados na freguezia por correli-
gionarios meus, direi que alguns dos nomes que o
correspondente apona me sao desconhecidos, ou-
I Iros supponho que sao creaturas dos amigos do
! correspondente, seus apaixorudos e protegidos: a
victima Ray.nundo sim, que dos nossos ; direi
Os vapores de guerra Tumbes e Lerzundi foram
tambera retomados pelo governo. Mas, em com-
pensaeio, tinham-se passado para os revoluciona-
rios algumas forcas de Puno mandadas contra el-
les, e haviam adherido ao muviinento Trujillo e
Iluara.
A' ultima hora constara que o chefe da revolu-
q >, o coronel Prado, marchava com o seu exercilo
sobre Lima.
, mais que nao exacto que a escrava Mncela este-
ja mortal, antes est robusta e de completa saudo;
[ que Uniiberme Pantaleo Dantas, hornera do povo
\ e guarda nacional, nao poda elle s resislir como
se diz, a urna escolta que o foi prender por (alta
' de ser vico, .oio me parece que elle de va ser apon-
lado como um grande criminoso, mais criminosos
me parece equelles que cercando Ihe a casa a nen-
ie delxaram esse pobre homem com urna lacada, a
cabega fracturada c diversas conluso.-s, conforme
ludo foi verificado na vistoria feita nesta cidade
perante o Sr. Dr. chefe de polica I
E o que diz o correspoudeute acerca de um tiro
desfechado a 26 de julho prximo passado em Ha-
noel, por alcunho belegoim engajado (para
quem era o tiro) e que l esta gravemente ferido
sobre o leito de. dores?
i Em todo caso o grande numero de crimes perpe-
trados na freguezia, fado que o correspondente re-
conhece, nao dep&e multo em favor daquelles que
ultima mente, desde as mudangas ha vidas o anno
passado na polica da freguezia por oecasio das
eleigoes para vereadores ejuizes depa?, tem-se
achado a frente da mesma polica I
Desde enlo acham-se trocados os papis: os
vermelhos na vespera, entre os quaes se c ma um
Vianninha, mui conhecido nesta cidade como ius-
peclor'dequarteiro da roa da Praia, passaram a
chrismar-se de progressistas; cu e os meus ami-
gos passemos a ser excommungados, fulminados
sobre o pretexto de sermos gemimos ....
Cumpre-ine, porm, fazer p >nto aqui ; nao me
I propuz agjra discutir largamente os negocios de
i Gravat; quiz apenas protestar contra algumas
i das proposites que se encontrara na correspon-
'. dencia a que me lenho referido.
Recife, 4 de julho de 1865.
Antonio de Lcmos e Vasconcelos.
Todos quantos snccambem desu moles! se diz :
falleceu de erysipella rerolhida ; ao contrario
alguns expositores presumem ser odesenvolviraen-
, to da putrefaegao no sangue, tanto que o logar in-
ri mimado que, enlo a sua cor era encarnada, se
, troca em lvida ou negra, e termina era gaogrena, e
por essa razao que conveniente o xarope al-
coolico de veame na infuso de flor de sabugo.para
se conseguir resolver a infl rnmagao, ou pelo me-
nos terminar pela supporaco, Impedindo assim a
gangrena.
O* effeitos do xarope alcoolico de relame appli-
cado na flor de sabugo ao doeote, nao s de van-
tagem por sua qualidade diafortica, como pela
anti-sepiica para impedir a putrefaegao as mo-
lestias.
Na'erysipella nao deve o enfermo nos pnmeiros
tres dias osar de comidas e bebidas que possam
esquenlar e inflamrnar sangue.
A comida durante esse lempo deve *r do reino
vegetal, como sag, farinha do Maranbo, pao tor-
rado, bolacha, etc.
Ainda nao vi axpositor de meJicna que acon=c-
Ihasse que nos primeiros (res dias de acommetti-
menlos do mal, nao |se usasse de medicamentos ;
o que ellesrepellem sao os ungu-mtos, unturas <\-\e.
obstrueui mais e repellem do que promovem a era-
cnarao d parfe ; o que convm trazer o logar
atacado e bem agazalhado para ajdar a transpira-
go e defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende se na bo-
tica da ra Direita n. 88, de Jos da Rocha Para-
nhos.
Tenho recebido cartas de algumas pessoas de
onlras provincias que me communicam ler desta
cidade sido remedido o mea xarope falsificado,
que tem dado resultado ao descrdito de micha
preparacao, cujo conhecimealo se tem verifica o
depois dos effeitos que laes remjdios aprsenla va ;
assim, pois, tenho a declarar ao publico qne no
letreiro que vai pregado na garrafa do arope,
sempre foi assignado por mea punho, e damii tm
dianie, alen desta assignalura ofare tambem no
papel que cobre a garrafa. Rogo ao mesmo pu-
blico que quando forem assim engaados, lomm
testeniunbas, me remettam os rolulos f.alsifkadvs e
me participem para fazer effectivo o arl. 167 do
cdigo criminal do Brasil.
Jos da locha Paranhos.
3QMHEICIG.
PilAGA DO UECIFE.
Cota^ocs offlciaes.
3 de julho.
Atsaear mascavado Canal 2000 por arroba.
Frete de assucar para o Canal271 e 5 OjO por to-
nelada.
abourcq Jnior,
Presidente.
iJuimaraes,
Secretario.
Caixa filial to banco do Brasil ea
Pernamuoco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no ltio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de pernanbict.
Os administradores da massa fallida de l aqnlm
Jos Silveira pagam o I* dividendo de dita uv-i
na razo de !' 0/0 sobre o valor des tiiolo" ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco a ra
do Trapiche n. 3i.
Ai.F.ANDEGA.
Itendimento do dia 1 a 3...... 5t:6.Vj.l9
dem do dia i............... \i'i:<^V,i
.lg:i;i de florida de .11 .rrrny *&.
JLtininan.
Em virtude das senderas seren a preciosa por
celana do barro humano, por sso mesmo ellas leem
todo o soberano direito a eleigo de toda 1 especie
de elegantes uxorias, que a arte estimulada pela
galantera pode inventar. Entre todas que per-
lencera ou liguram no toucador neubuma ha que
possa exceder em aromtica delicadeza e tinura,
aquella cima mencionada no altodesle patagia-
pho.
Possnindo urna mimosa e delicadissima fragran-
cia, summamente til e agradavel era varias for-
mas, quer j como aformosi-adora da eompleieio,
excelleote misturada cora agua como meio agrad 1-
vel para enxagoar a bocea otlvejar os denles, e
finalmente como um excellente. e admiravel meio
curativo em todos os casos de nervosidade, des-
lalos, vertigens e ataques hystericos, em si ella
[merece um nome namateria medicaassim Co-
1 mo era oceupar um lugar iudispensavef sobre o
! toucodor. (Afim de se evitar o desgo.-to de se com
prar um genero de inferior qualidade, nada mait
se precisa faier do que perguntar-se pelaagua
florida de Murray c Lanman.)
Vende-se nicamente as drogaras de Gaors ^
I Barbosa e J. da C. Biavo & C
:-;?.-.: -:v
Pergunla-se ao Sr commendador, que lim leva-
ran) as esmolas tiradas pelo llvin. Sr. vi-ano para
as obras da capella de Nossa Senhora da Coueei-
gao dos Montes em Tronibetas de fu T
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores. Li a correspondencia que no
Diario de hoje fez publicar Manoel Soares de Al-
meida, a proposito de sua domisso do cargo de 3o
supplente.do subdelegado da freguezia de (jravat.
Os que me conhecerem e tambem ao signatario
daquella correspondenaia, far-me-bo a justica de
acreditar que acudindo a imprensa eu nao povso
ter em vistas_occupar-mc cora esse^iodividuo, nem
abrir discussao Com elle; quero sraeute, como
de meu dever, nao deixar passar sera conlestago
proposigoes menos verdadeiras, urna vez que se
toca no meu nome e me acho de presente nesta ci-
dade.
Diz o correspondente que eu tenho altribuido a
mim as demissoes dadas ao subdelegado e a alguns
de seus supplentes, e que lenho propalado que
provincia e o procurador fi-cal, o Sr. Jos Pedro da
Silva remelteu a este pelo continuo gu correio da
thesouraria as contas, de que se trata afim de dar
seu parecer, recommendando ao dito continuo ou
correio que fosse ao escriptorio do Sr. Dr. Fenelon
Alcoforado, na supposigao de que all se acharia ;
mas, voltando pouco depois o coutinuo ou correio
e dizendo-lbe que tinha achado fechado o escripto-
rio, no da seguinle o Sr. Jos Pedro da Silva re-
metteu novamenle essas contas ao Sr. Dr. Fenelon
Alcoforado, recommendando ao continuo ou cor-
reio que Ihe dissesse que deva datar sen parecer
do dia anterior, isto 19 de selembro. Ou porque
o continuo ou correio nao desse bem o recado, ou
porque o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado nao quizesse
naquella occasiao prestar-se ao que Ihe mandava
dizer o Sr. Jos Pedro da Silva, dalou seu parecer
daquelle dia, islo 20 de setembro ; mas, a subsis-
tir esta dala, nao poderia ser assignado pelo pre-
sidente da provincia o despacho de pagamento, que
ja estava langado e achava-se datado de 19, e por
isto o Sr. Jos Pedro da Silva emendou a data do
parecer fiscal.
Dzendo agora o Sr. Dr. Fenelon Alcoforado que
foi elle quem alterou, em sessio do tribunal admi-
nistrativo, a dala de seu parecer fiscal, nao sabe-
mos a quem devemos dar crdito. Se o Sr. Dr.
tello Branco quer chegar ao conhecimento da ver-
dade, bom ser que ooca a este respeilo o Sr. com-
mendador Manoel Carneiro d S iuza Lacerda, ad-
ministrador da repartir} d? sello.
Erysipella.
O medicamento que com mais influencia e ener-
gir tera combatido essa terrivel enfermidade, tem
sdo o xarope alcoolico de veame.
Urna escrava da nuli do Sr Francisco Firmno
Monteiro, pessoa b"m conheeida nesta cidade,
; achandosede cama, ecomaspernas bastante in-
:chadas, e cheia de tomores, tomando o xarope de
veame, ..cha-se boje boa, prestando servidos.
Amana do Sr. Jos Francisco Pinto, morador
j na ra Direita n. 51, tendo sido acomm^ttida do
mesmo mal, acha-se tambem boa.
A Sra. D. Senhorinha Umbelma dos Santos, mo-
; rador na ra das Calcadas n. 38, aehandu-.se ata-
1 cada de erysipella as coxas, com quatro tumores
bastante valumosos, no estado indolente, que a pr-
vava de pr-se de p ha muilo lempo, con o uso
do xarope alcoolico de veame e pillas purgativas
1 do mesmo, acha-se resiabelecida, e no uso dos me-
dicamentas os lumores^terminaram pela suppura-
go. -
A Sra. D. Rita, moradora na ra de Santa Rita
I n. 13, primeiro andar, soffrendo do mesmo mal ha
muilos anuos, pois que a erysipella alacava amiu-
dadamente, depois que tem tomado esse remedio
nunca mais Ihe deu.
Oulros muilos factos desta ordem deixo de men-
cionar aqui para nao me tomar prolixo o enfado-
nho.
Seno a erysipella urna molestia que sem duvi-
na effeilo de materia gerada no corpo como ex-
poera alguns escriplores de medicina, eem conse-
cuencia da febre langada na pelle, onde produz
iuflammago, e que militas pessoas, por no se le-
rem convenientemente tratado, suecumbem com o
pernicioso uso de que, nos tres dias no devem
usar de remedio algum, o que faz-se eslender o
mal por nao se ter a principio combatido ; por is-
so, pois, conveniente que, logo que alguem se
sentir atacado de tal mal, deve provocar a transpi-
t ragao tomando ao principio urna colherinha de
cha do xarope alcoolico devlame dissolvido em
urna chicara de infusaode flor de sabugueiro quen-
te, adogando-a com mais assucar, continuando nos
tres dias nesse tratamento, no fim dos qiaes usa-
a do xarope de veame na forma prescrip'a no re-
ceiluario, lendo lodo o cuidado de se abaf.ir, alim
de suar convenientemente, alm de conservar o
ventre corrente, que conseguir lomando una ou
duas plulas purgativas do mesmo elan",
63:ti*i4VJ
Volurnes sabidos com fazendas.....
c t com gneros.
MOVIME.NTO DA ALFADE i A.
Volumcs mitrados cora fazendas____ 135
c com gneros..... 38i
------- 316

331
------- 7
Descarregam 110 dia 5 do corrente.
Barca ingleza Vrsion merradonas e ferro.
Brigne inglez fnthdiversas mercadorias.
Patacho inglezTiara idem.
Escuna porluguezaD. Joo-charque.
Brigue nacionalCardiadem.
Patacho hollandezDen>iidem.
Escuna diuamarqueza Doranaidem.
lirigue hdspanholVigilanteidem.
Brigue poriuguezS. Josdem.
Bngue inglezMelita -carvo.
fiuportaco.
Brigue nacional Aureliano, entrado do Rio Gran-
de do Sul consignado a Maia & Espirito Santo,
manifestou o seguinte:
9,816 arrobas de ci.arqne, 50 rouros racenns
seceos, 130 resmas de ceboulas e 7 barris de Ui-
nhas; ordem.
Lugre inglez Circacian. entrado do lo Grande
do Sul, consignado a Baltar A Olivera. manifes-
tou o s-guinte :
13:365 ambas de charque, 96 couros vaceuns e
13 cascos Can 2,300 tamil.*; aos mesmos.
Exportaco.
Barca americana Anaconda, carreeon para N-*vc-
York :
3,500 saceos com 17,300 arrobas de assnrar
mascavado e 176 conro salgados seceos com 3,060
libras.
Barca pTlugurza Anulada, carregoa para o
Porto :
8 barricas e 2.130 accos com 10,671 arrobas n
23 libras de assucar branco, ii barricas e 1.560
saceos com 7,203 arrobas e 8 libras de dito masca-
vado, 35 saccas com 177 ambas e 19 libras de
algodo, 2 cascos com 13 e meia medidas de agur-
dente, 23 cascos com 805 medidas de mel. 300
meios de sola e 700 saceos com 1,100 alqueires de
farinha de mandioca.
HECEBEDOMA DE, RESDAS INTERNAS CE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 3...... 2:5114910
Idemdodiat ................ I:1::JW1
3:607il
C088GLA00 PnOVINQAL.
Hendimento do da I a 3...... *5:8oiS5V
dem do dia 1.............. 9:UJ|J07>
tttmmm
MOTIMESTfc BO POMO
Navios ntralos no dia 4.
Santos9 dias, barca brasileira Santista, de 670
toneladas, capilo Manoal Jos de Saoi'Anna,
eqmpagem 15, rarga caf ; a Amonm Irmao.
Santa Cilharina29 dias, brigue bra.il-iro Mari
Virgen, de 195 toneladas, capitn Jos Antonio
de Mallos, equipagem 10, carga 6,960 alqueires
de farinha de mandioca ; a Antonio de Almei-
da Gomes.
Rio Grande do Sul13 dias, lugar inglez Circos-
sian, de 167 toneladas, cap to Orsato, equipa-
gem, 9 carga 13,262 arrobas de carne secca ; a
Bailar & Olivera.
Cardif-45 das, patacho inglez Zircon, de 187 to-
neladas, capitao Prelince, equipagem 8, carga
carvaa ; a Wil Rio Grande do Sul17 dias, barca porlugueza Lmi-
za, de 243 toneladas, capilo J-aqoim A4riao s%
Silva, equipagem 13, carga 13.000 arrobas '
carne secca ; a Antonio Luiz de Oiiveira
vedo h C.
Tetra Nova35 dias, lugar inglez Prospero, de Mfc
toneladas, capilo Alexandre Taylor, qoip
8, carga 5,542 barricas com bacallao ; k.
ton Pater A C.
Vanos sahidot no mesmo du.
ParaBrigue escuna nacional Graciosa,
Jarralho Nunes d Cosu, carga assucar ti
genero?.
Obsrr vacuo.
Suspendeo do lamaro para New York a galn
ingleza Lord Lyndhurst. capitao Wilhan Oraba*,
com a mesma carga que iroove de Bombay.
Arribon o hiale brasileiro Oliretra, qoe tilma ni-
do no dia 52 para Baha, por baver eaeomram
mo tempo e faltado as encarsas do mastro 1

s


I
A


Diario 4e I ettffimfmrn JftaH! f%* *** tUrilio de 18 95
r.a&.
HCUJUgOES.
Convidase as pesso^s que -eslo as condi-
coes d) servido militar, a engajarenj no corpo de
polica e gozaren) das vautagens da lei provincial
o. 611 di 2 de maio prximo passado, que sao as
seguales: I30O rs. diari is de s.ddo, serem seus
flllios menores recolhidos aos estabeleeimenlos
provincaes de educago o tirapo que esliverem
na gu-rra ser contado pelo duplo para o caso de
aposentadoria, e a m de
vanlagens que sao conced
patria.O lenenle-oronel
po de polic a, A exandre de Barros e Albuquer-
que.
I A thesouraria provincial marca o pfaso de 30 Para O Porto. Quem precisar t-V* oma ama Par?| todo o ser-J
i das para o pagamento do imposto do calamento ; Sohfl rom a posslvel presteza o brigue portflei vico de urna rasa, dirija V '' ru'1 Uir"." "
guezt//wo para carga c passageiros trriase Na ra de Moras a. i>, SP8ndo anthr> Pre- i
das ras Nova e do Sol.
arreaialacao.
No dia S do correte tem de ser arrematado de-
pois da audiencia do Sr. juiz de paz do 1" dislricto
da D)a-Vista o segrate : 1 pipa cora vinagro, 2 i
com o consignatario Tliomaz d'A quino Fonseca; cisa-se de urna criada para w ^"'0* de Uia se-
ra do Vigario n. 19, 1 andar. uhera. _______
Pnrtn mlque.~= .,
* Ul lKJ- I Precisa-se alugar um moleque : Da /a*
barris com viuho, 1 barrica com mllho alpista, 4 i O brigua portugupz Laia I, capilo Alexandre buga n. 2 13.
*\tt&ZtlZ2L Cm p fr0Z f" ,Ca,SC?' fs Crreia' Va. Sa,h'r m dia 9 d" COrre"lH' Pr 1 Domingos Ferreira de Souza fem eofttrafafe'
rXdwfnn S2.,?^ra03. ^'^sde ;'er maior parle do seu carregamento promplo : vender a sua taberna do beceo Largo" o. l.aoS'r.-.
sus, tem todas as mais ?.'T? ^"L"?"58,0 d5 .Amonio IgnaciaBrandao, quem no mesmo quizer rarregar ouiir de passa- Antonio Gomes da Costa Le.te : se algnem se jul-
d.dasaos voluntarios da "'^1"0. !" ?! da Sllva Uorges e Marcelino, f m> *-; a rua do Trapiche n. 4i, escriptorio || gar com direito a emped.r este negocio, compare-
Jl commandante do cor- Henr'9Des Pereira- | de E. R. Babello, ou ao respectivo capitao. | ca ^msala taberna, no praso de tres dia.
Para i isboa
Pela thesouraria provincial se faz publico,
gao a arrematago da obsa do quarttl da villa de
Serinhem, foi transferida para o da 20 de julho
bauta (Jasa da Misericordia p '.-.donro.
j T j i Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
dO leClle. t*c 28 de junho de 865.-0 secretario,
A Illm.- junta administrativa da Santa Casa da !___________________A. F. d'Annunciago.
Misericordia do Reclfe, manda fazer publico que A subdelegara da Capunga.Taz sciente, que
no dia 6 do crreme pelas 4 horas da tarde, na no poder de Antonio Jos de MaUos Braga foram \ pilao
sala de toas sessSes continuara a praea das ren- apprehendidas 2o pecas de roupa, como bem ca-1 |F11ETA-SE
das das casas abaixo declaradas por tempo de 1 a misas, lenres, toalhas, metas, lencos, etc., assim para os portos do sul e para os do Rio da l'rata o
3 anaos a contar do Io de julho do corrento anoo como um par de dragonas de offleial e urna capa brigue naciocal S O brigue portuguez Soberano, capitn Manoel
Bernardo Bugiganga, val sahir at o dia 8 do cor-
rente, por ter a maior parte do seu carregamento
prompto : quem no mesmo quizer c irregar ou ir
de passagem dirjase a rua do Tra|>iche n. 44, es-
a rua do Queimado n. 5 precisase alujar
urna preta para comprar e cozinhar.
Precisa-se alugar urna negrinha para andar
com urna crianca : na rua da Imperatriz n. 22,
primeiro andar.
O advogado Francisco de Paula Penna mu-
i
criptorio" de E. R. Rabello, ou ao respectivo ca-' dou seu escriptorio para a sala da frente do pri-
meiro andar do sobrado n. 38 da rua do Quennado
por tlianle.
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 5 particular e 17 pu-
blico.......... 2065000
Rua do Raqgel.
dem n. 48 particular e oa publico. 300,5000
Rua do Rosario da Boa-Vista,
dem n. 14 particular e 5'8 publico. I68000
Rua da Lapa.
Ca-a terrea n. 41 particular e 2 pu-
fcli-o..........1503000
Rua da Moeda.
dem n. Vt particular e 21 publico. 3oOODO
Rua do Ainorim.
dem n. 48 particular e 56 publico. 4005000
I le. n (. 30 particular e 52 poblieo. 4005000
lldem n. 56 particular e 26 publico. 725000
RuadoAzeite de Peixe.
CO...........6005000
Rua da Cacimba,
dem n. 65 particular e 5 publico. 15000
Idtin D. 67 particular e 10 publico. 830O
Rua do Vipario.
Sobrado de2 andares n. 72 particular
e 27 publico........500.5000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particular
o 11 publico........
dem dem n. 77 particular e 13 pu-
blico..........
Rua da Senzala Velha.
Casa terrea a. 81 particular e 18 pu-
blico.......... 2005000
2005000
de oleado : quem se julgar com direito a taes ob- numero 4.
jectos, provando, Ihe serao entregues. Recife, 30 ---------------
de junho de 1865. Fraucisco Autooio da Silva Ca- j
valcanti.
dem n. 82 particular e 16 publico.
Rua da Guia,
dem n. 8i particular e 29 publico. .
Roa do Trapiche.
Sobrado de 3 andares n. 83 particular
e 30 publico........
Rua da Lingoeta.
dem d 3 andares n. 86 particular e
1 i publico........5205000
Rilada Cruz.
Idemiiemn. 87 particular e 11 pu
EMPREZA- 70IMBRA
Representado extraordinaria
iiiiit-feii 6 de julho de
1865.
GIIAXDE COXCEIITO DADO POR
MADAMA. PETIPAS
Prima dona dos principaes thtatros da Franca,
Blgica e societaria da capclla de S. M. o Impe-
rador dos Francczes, com o concurso dos excel-
lentes artMas do (thcalro.
PRIMEIRA PARTE
MAS TJBlVff AdE.
1. Bnlliante comedia em um acto, representada
pelas Sras. DI). Eugenia, Leopoldina, lesoiM e os
1445000 Srs. Teixeira e Pint.
SEGUNDA PARTE.
! 2. Grande ouverturaexecutada pela orchestra
6505000 sob a direcco do Sr. Colas.
3." A brilhante cavatina do Barbeiro de Serilha
(Rossini) -cantada a carcter por madama Petipas.
4. Scena cmica
BENTO DOS PONTINHGS
9005000
9005000
blicj..........8825000 pelo Sr. GuimarSes.
Rua do Pilar,
dem n. 93 particular e 101 publico. 2005000
dem n. 9 i particular e 99 publico. 2335000
dem n. 97 particular e 110 publico. 2005000
dem n. 100 particular e 104 publico. 2005000
dem n. 101 particular e 102 publico. 2005000
dem n. 103 particular e 98 publico.. 2005000
dem ii. 103 particular e 94 publico. 2005UO
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 1" de.ullio de 1863.
O escrivao,
^^^_____________F. A. Cavalcanti Consseiro.
lela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrecoataco da obra da cadeia de Nazareth,
foi tr Dsferida para o dia 20 de julho prximo vin-
douro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 28 de junho de 1863 O secretario,
A. F. d'Annunoiacao.
0 conslho de compras ro arsenal de guerra,
precisa comprar o scfruiiite :
2O capotes de panno azul.
240 Tiricias de brim.
840 calcas de dito.'
2:ii ctfmiaas de al^odaozinho.
240 graraias deconro de lustro
Aspessoas i|uc quizerem vender ditos artigo?,
apreseotem suas propostas na sala do conslho, no
da 6 do corrale, as II horas do dia. Declaran-
do-ye aos proponentes, que ditos artigos-serao re-
colhidos no dia 10 do corrente impreierivelmente.
Sala lo conseibo de orapras do arsenal de guer-
ra, t* de uiiIj de 1833. O encarregado da es-
eripturaco,
Manoel Jo.- de Azevedo Santos.
O administrador da rcebedoria de rendas
internas geraes fu publico, que em virtude da al-
teraijao 3* do decreto 2719 de 31 de dezembro de
1860, rio ju'gando conveniente que continuem
em poder dos cobradores .os eooheeimentos do r
emetre do [exercieio de 1864 1863 dos impostos
de -i) 0,0, imposto especial e deeiim addiclonal de
mao-morta, ordenou o recolhimento delles, princi-
pian i ) pelo bairro de Sanio Antonio, cujo debito
-1 teriorao dos mais, adm de proceder a lii|iii-
dacao do confcrrailade com os artigos 4- e 5- das
ins'truifes qneacomn^nharam o decreto 2354 de
16 df fevereiro de 1839, qae em quanto se est
5." Grande cavatina do Trovador Io acto 2o qua-
dro (Verdi) cantado por madama Felipas.
TERCEIRA PARTE.
6." Ouvertura executada pela orchestra sob a
direegao do Sr. Colas.
7. A Vtcandrira do Regiment cantada a carc-
ter por madada Petipas.
8. Una nova scena cmica pelo Sr. Guimaraes.
9." J/' Fernando, cavatiua da favorita (Douize-
ti), cantada por madama Petipas.
Dar comeco o espectculo logo que S. Exc. se
diguar comparecer.
Os blhetes podem ser procurados em rolo de
madama Petipas, rua do Trapiche, hotel da Eu-
ropa.
. !rt
MAll
l.
COMPANHIA BUSILEItti
DE
PAQUETES A VAPOR,
Dos portos do sul esperado
- .^-L,<\ al|i 'a '* dJ corrente um dos
4- # vv vaP"ros da companhia, o qual
SBM||g^C depois da demora do co.-tume se-
J^^ guir para os portos do norte.
Dosdeja rece aera se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
s^r embarcada uo dia desui chegada, encommen-
dase dinheiro a frete at o dia d sabida as .2 ho-
ras da tarde : agencia rila da Cruz n. 1, escripto-
ri i de Antoaii Luiz de Oliveira Azevedo & C.
C01P4WHIA BRASILEIR
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
- 2S. a' o dia 17 do corrente o vapor
"V\ Tocanlins, commandante o pri-
..Vi-^ meiro tenenle Pedro Hyppolito
-$ Duarte, o qual depois da demora
do costume s guir pora os a rtos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
Rio- (iramlc c Assu'
Segu por estes dias a barcaca Dous Amigos,
recebe carga : a tratar com o mestre na escadi-
nha ou no raes do Ramos n. 24.
LEIL02S.
AIWA.
Na rua larga do Rosario n. 31, segundo andar,
precisa-se de urna ama que saiba bem cozinhar e
engomraar, para casa de pouca familia, prefere-se
escrava.
Manoel Joa(|im Moreira relira-se para Por-
tugal.
Fabrica de chapeos de sol
Rna do Crespo n. I.
Nesta fabrica acha-se sempre o mais completo'
sortimenio de chapeos de sol francezes e Ingleieal
finid* Vitn do movis ohiPflOS tlft para ,,0'"eos e nhora, tanto de seda como lipa-!
uidtiut ICira ut iium.is, uujttiuA ut, Ca, e panno de todas as cores; assim cuno
uro e prata novs e muilos arti-
gos de goslo.
Quarla-feira 5 do corrente as 11 horas.
NO GRANDE ARMA2EM E LE LOES
DO AGENTE
Este novo pru:'CO resultado de una trplice combli.av.io de tres meiiloi.les c..
OadessHo ,7 entre lodos os uV;unrativos aCS q>'aes o mais poderoso.
As experiencias O mdicos m^'s notaveisjos bospiiacs de Pars, Msbarai f./. -na, |
Puche, Bazin, Blacbc, Guiboul, BarosClici, I)net, Legrou.x, Vasse e Aubrv, etc., Jtmousfcarto I
sua poderosa efticacia as afcevoes seguientes :
pod
DofnPttR ilr prllt-,
Dnrlraa e borltulban de toda cupe :1c.
Piara ihucmm,
ObHli'nrrtffM IjnipbaUcei,
PapcIruM,
ENcrofula.,
AberoH.n, fiilcmoi,
Cancros,
(Jleeraa,
Tinba,
Kxc.rbut.,
Plan OU Iluuhaa (do Bratll),
Framhorrtia'
lluiitori'i frlod,
rtarliliUmo,
Opliiiiiilini.i rxrrouiaaa r rbraalca.
Tlafca rncrafulo.n,
Attvecoe a^plilalciraa,
Elrpbanllanl doa Grrya
E lodas as duincas MaMMada MI .io o
sanguc, e ja tratadas seiii uenliuai surenao pelas
preparai;cs vegetaes, iodadas e o oleo de tgao
de bacalli.
O Xarpe de Le Goux, de oma fcil digest3o e de gosto delicioso, se emprega lamben
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachilicas ou sobre a influencia de um vicio hereditario, e mu
superior neste emprego ao oleo de figaco de bacalho e aos xarpes depurativos e anti-eaeor-
buticos que se administravio al agora.
Deposito geral, em Paris, na botica Boullay, inembro da Academia imperial de Medicina de
Paris, official da Legio de Honra, e em lodas as boticas de Franca e dos paizes estrangeros.
O LY NI PI
3G-Raada Caricia do Recife--3i
L'nia rasa ten-e na l!apanga.
Martins far leilao a requirimento dos deposi-
tarios da massa fallida de Joaquim Antonio Lopes
Gmese por mandado do Illm. r. l)r. juiz espe-
um '
grande sorUmvoto de pecas de superior seda, al-;
pacaje pannos de iinlio e algodao para cubrir ar-
macoes servidas, tudo por precos muito razoaveis.
Cbrese e concerta-se toda^e qualquer qualidade
de Chapees de sol, com perti-icfio, presteza e cora-
modo preco.: rua do Crespo n. 4.
Convidam-se os credores do finado Bemja-
min Francisco da Silva Araujo, com loja de funi-
leirona rua eireita do Rosario, apresentarem suas
conta* na mesma loja, ou na serrara de Paulo
Jos Gomes, rna nova de Santa Hita n. 13, aflm de !
serem verificadas.
Nulas do banco do Brasil e das caixa? filiaos,'
desconfm-se na prega da Independencia n. 22.
Alagase um peqoeno arraatem na rua da:
Paz, pri'prio para quabjuer estabelecimenlo em i
ponto pequeo : a tratar no paleo de S. Pedro n. 4. [
Albino Jos da Cruz, subdito portuguez, vai
eial do commerclo de urna casa terrea sita na Ca- a Portugal a tratar de sua saude.
punga e pertencente a me.^ma massa. P,,.sa se d ama ama para O serrtCO nter-
HOaldu! no de ca-a de pouca familia : na rua da Concor-
Em seu escriptorio rua da Cadtit n. 9, as 11 dia n. 8, reliiiacao.
horas- Ai^
a casa terrea da Iltia do etiro (Passagem da Mag-
dalena) onde morou o corrector Macedo, com bons
coramud* para familia : trata-se no la'go do
Corpo Santo n. 19, escriptorio.
Precisa.se de urna ama para tudo o servico
de urna casa : na rua do Civrainento n. 20, se-
gundo andar.
Precisa-sede 1:0003 a premio, dando-se por
garanta bens de raiz : quem quizer fazer este ne-
gicio, dirjase a praca da Iodependenoia, loja n.
17, que se dir com quem se.deve tratar.
luga-se
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdade de Sciencia.s, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legio de Honra,
Rua des Fosss-Montmartre, 17, Paris.
Este xarpe composto mais de vinti annos pelo sabio lente Boullay, consume a melbor
maneira de administrar o Ethcr. He empregado com suocesso cm lodas as doencas que lirio sua
origcm de um crithismo nervoso, como sao as:
Emaqneea,
Xevralglas,
Espasmos,
Alfaques de ervos,
Verllgena,
Sjneopcs,
Calmbrns de estoniano,
Indlgealoe.,
Convul.e.,
Acce.no* hysterlcos e ujpo-
condrlaeoa,
Clica, ventosas OU nerTO-
', hepallea aalalralaa,
Aceesaa. de s.ta e de ists
niallsm..
Cas. de eavearaleaseata.
etc., etc., etc.
Deposito geral, em Pars, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro dn Academia
imperial de Medicina de Paris, official da Legio de Honra, rua des Fosscs-Montmartre, 47, e
cm todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Ltilao de faaendas avadadas.,
A o do corrente.
Rabe,Sclimellau & C. farj leilao por interven-
cao do geme Oliveira e por i-outa e risco de
quem perlencer de algunus porgoes de algodozi-
uhos crs eazues, avariados.
IIOJE.
s II horas da manha em ponto, no seu arma-
ze.-i da rua da Cadeia. ^^
Leilfio
De duis macliinas a vapor.
Sendo urna portavel, fon; i de 14 cavados, sobre
rodas com caldeira p.rtente etolos seus pertence<. o primeiro andar do sobrado da rua Imperial n.
Outra lisa e onzontal, forga de 12 cavallos, com 193, coi basUDtes commodos.
caldeira e mais pertences.
Boje o de julho
as II horas em ponto em frenta a Assoeiacao Com
mercial.
O agente Pinto legalmente autorisado levar
novamente a leilao, as duas machinas cima des-
criptas, as 11 horas do dia cima dito no referido
I ugar_______________^_^_______________________
Importan e (eiiao
DE
Farinha de trigo de Trieste.
Quinta-feira G d corrate ao meio
dia em ponto.
. O agente Pestaa fara leilao por conta e ri;co
de quem perteucer de barricas com farinlia de tri-
go, chegada ltimamente de Trieste uo navio bol*
landez Hmdrika Huisrnaa> em lotes a vonlade
dos compradores : quinta feira G do crreme pe-
las 12 horas da manhaa no trapiche do Barbosa
onde espera a concurrencia de seos freguezes.
Na rua dos Coelhos n. 10 se dir quem faz
algumas transarles sob boas garantas.
O abaixo assignado leudo de ir a .M unangua-
pe, afim de liquidar os genero-, que all exist m
em seus armazens, fazendo romelra de alguns del-
les para esta praca, e como esta demora ser de
30 a 00 das, deiza por seus procuradores nesta i
ASTHME
ASTHIY1A ASTHMA ASTHMA
SUFFOCCAO NERVOSA E OPPRESSO
L'nico remedio cfficaz para combatlir estas molestias, acalmar um attaqne d'asma e inpedir a
volta o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Doscobcrta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez grabas aos admiraveis resol-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, rua do Comercio, Paris-Grenclle, e en todas as
boticas de Franja e do estrangeiro.
Deposito geral em Fernambuco rua da Cruz ti. 2 cm casa de C: ros A llar: osa.
praca aos Srs. Amorim& Irmao Pbipps, Irmos &
C, e Joao Quirino de Auilar & >'., todos com ple-
nos poderes. Recife 3 de jtiliio de 1863.
Francisco Jos de C.uiipos Pamplona.
Desde o dia 6 de junho prximo fin-
do anseotou-se de um dos estabeleeimenlos
do Exm. Sr, baro do Liv amento, onde so
aditiva a ervico, lia mais de 2 anuos, o es-
craso Pantaleko, de propriedaile do de*
sembargador Custodio Manoel da Silva Gui-
maraes. No dia 9 do supradito mez foi
acbado, junto aocaes do trapiche do algo
Leilao de vinho da Figaeira.
Quinta-feira C do corrente.
O agente Pestaa far leila > por conta e risco
de quem perlencer de pipas com vinho da FijU''i-
ra das bem conhecidas e acredita las marcas \RP,
X, AMSG, diamante M e diamante n, em lotes a
vontade dos compradores: quinta- f ira 0 do cor-
rente pelas 10 horas da mannSa no largo da es-
cadmha ao u dj aruiizein do Sr. Azevedo.
orpaiiis.ndo a relacao dos devedores do referido carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
bairro, Ibes permettido virem aqu pagar os seus
< aiim de evitarem a cobranza judicial.
Rcebedoria de Pernamlmco 3 de julho de 1863,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
ser embarcada no dia de sua chegada, encoui-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sabida as
2 horas : agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de
Antogio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Consulado provincial
Pela mesa docousulado provincial se faz publico ,
que os irinta dias uteis marcados para a cotiranga Dopahwh" NaMl Macan 'Araciiv' Wi
a bocea do cofre do 2 semestre do anno linancei- FaralljDa, iNatal, Alacio, Arauatv, Leara,
COilPANlIIA PERXAJIBUCAXA
DE
Xavegacao costeira por vapor.
ro de )864 a 1863 dos imposto? da decima dos pre-
dios urbanos, de 20 0|0 do consumo de agurdente
e de 5 t'|0 sobre a renda dos bens de raz perten-
ceut > corporacoes de mao-morta, findam-se ho
dia O co corrente, (cando st.jeitos respectiva
malla os que pagarem depois daquelje dia.
Mesa do consulado provincia
de julho de 1863.
Antonio Carneiro Machado P.ios
Administrador.
Acarac e Granja.
Xo dia 7 do corrente, as 3 ho-
ras da tarde seguir' para os por
Ti/if ^%^ tosac'ma indicados o vapor Per-
tesiLsSi sinunga, commandante V,M\<. Re-
cebe carta ate o dia C ao meio
de Pernambuco 4 dia. Encommendas, passageirqs e dinheiro a frete
at o dia da sabida as 2 horas da tarde : escrip-
torio no Forte do Matos n. .
- -,'
Obras publicas
A rep.vtieio das obras publicas contrata o for-
neci n-nto dos objectosvabaix) mencionados; as
pro;i e-tas devero ser apnesenladas no da ludo
corrate mez, ao meio di.
Xota do/1 objectos.
Tijolo de alvenaria b
I) t> de alvenaria gr
Dito de lalrilho.
Cal branca.
Dita i-reta.
A rea.
Barro massap.
I lem de mangue.
Cln cito.
Podra bruta.
Pas de ferro.
Ehchadas ealgadas de ago.
Picareta idern idem.
Fouces de rocar.
Preg >~ de todas as qualidades.
Para o Rio de Janeiro segu
com muita brevdade por ter
prompta a maior parte do car-
regamento o brigue brasileiro
Imperador, o qual recebe o resto
da carga a frete, para-o ue tra-
ta-se no e>criptono de Ainorim Irmos, rua da
Cruz n. 3. Tambera recebe escravos do passa-
gem a tratar com o capitao Joaquim Pinto de Sou-
za Passos, na praca do commercio. ________
Para a Babia pretende sahir
com muita 'brevdade o velelro
lugre Emilia, capilo Bernardi-
no Rodrigues de Almeida, por
ter a maior parle da carga tra-
tada, e para o resto que Ihe?
falta traase com o consignatario Joaquim Jos
Gongalves Beltro, na rua do \ gario n. 17, pri-
meiro andar.
l*ara Lisboa.
Segae com a possivel brevdade o bem conhe
cido brigue portuguez Relmpago: tem a maior
loOJ. ,------------------------
Venda de navio.
O secretario interino,
Manoel Lourcnco de Mattos.
________________________________,_____________Vndese o jbrigue brasileiro Imperador de
D" ordem do Ilira. Sr. inspector da thesou- conslrucgo americana, forrado de cobre e com
raria ;1: fazenda desta provincia se faz publico qae todos os seus pertences, do porte de 8,00.i arro-
a mesna thesouraria em virtude d ordera dothe-
soareiio n. 7'* de 13 de j.unho u timo, acha-se auto-
risada a pagar aos credores dos exercicios de
86J I8f3 a 1863 1864.
As .es-oas interessadaj deverao requerer a esta
thesouraria o pagamealo de suas dividas.
bas e acha-se tundeado defronte da alfandega, aon
de pode ser visto e examinado, e para tratar no
e^riptorio de Amorim Irnraos rua da Cruz n. 3.
Rio Grande do Sul
Segae com muil? brevdade por ter parte do car-
Secret.ria da thes mr.iria de fazenda de Pernara- regaraento promplo, o veleiro patacho Cyro, capi-
baco 3 de julho de 1863. Servindo de offleial- to Casemiro Ribeiro Gomes : a tratar com Miguel")
maior. Jos Alves, roa da Cruz. 19.
Manoel Jo^ Pinto.__________'
IV.la thesouraria provincial se faz publico,
que a aritmala{3i da obra da concluso da casa
da cmara e cadeia da villa do Bonio, foi trans-
ferida para o da 20 de julho prximo vindouro.
Secretaria da thesonraria previncial de Pernam-
buco JS de juotio de i863.-O secretario,
A. F. d'.Annunciagao.
Lisboa pela Illa dcS. Miguel.
Pretende sabir em poocos dias a barca
Maria recebe carga e passageiros para
estes dous portos, a tratar com os consig-
natarios Carvalbo A Nogueira, rua do Apol-
lo n. 20 ou com o capito na praca.
LEIL.il)
o 8
DE
Urna taberna.
Rua das Ci-iizcs anuie
Cordeiro Simcs
p">r conta e risco de quem perlencer far lei'o
dos gneros, armacao e uiencilios da taberna ci-
ma dita, em um ou rnais lotes a vontade.
Sexta-feira do corrente
as 10 horas em ponto ni mesma taberna.
O Sr. Arsenio Antonio Carneiro da
Cunlia Miranda queira ilirigir-se a praca da
Independencia n. 6 e 8, que se precisa
fallar.________________________
Instituto Archeolojico e GeogrtphiM Pcrnam -
bacana.
Haver sesso ordinaria quinta-feira 6 do cor-
reate, as ll horas da manhSa.
urdem do dia.
Trabalhos e pareceres de commis-oes e votarais
adiadas.
Secretariado Instituto 3 de julho de 18G3.Xo
impedimento do secretario perpetuo,
Salvador Henrique de Albuquerque
2 secretario.
LOTERA
AOS 6:000#000.
Sabbado 8 do corrente mez, se extrahir
a 4a parte da 5a e Ia da 6a lotera f22a) a
beneficio da matriz de S. Pedro Martyr de
Olinda, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetos, meios e quartos esto a ven-
da na respec iva thesouraria a rua do Cres-
po numero 15,
Os premios de 6:000,5000 at 105000
serao pagos urna hora depois da extraeco
at as 4 horas da tarde, eos outros depois
da distribuicaodas listas.
As encommendas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraeco-
como de.costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Precisa-se de urna ama; na rua Estrella do
Rosario u. 21, primeiro andar.
Precisa se de um feitor que enfeuda de plan-
Parganta*. qae a-j oflen:?ai
1 Q.l l lo ser a el (ji) il-: Il'Vt :n--i r-.'*-
rlora da irmandade S.intissimo S-ic-n nrti* 4
Recife?) pjuu o da marejaV p-U c -->;i
se .a 2 Enterrou-s no dia i doc >rr. n'e lilh na-
tural de i;m irmao as catacumbis d.i ,i i ir-
manda le? I
3. O ibes >nreiio da mesma e-n : i
dar iieenc |iiri s-r ent-irra 1 > n s -il i : :i:.i- li
irmandade fllho-i natorami do* raaos ?!
Voltare i >s r-e conveni'-nt-.u.-nt: n^k rss-
pondido. (A le dte ser igu Al-'.ins iriui >s.
dao, no Porte do Mattos, o cadver de um
liomem preto, que estere, (luanle todo es-
te dia, expoito em trente da igreja da Ma-
dre de Dos, espalhando-se loo a noticia
4e que esse cadver era do referido esc 'WO i'CJ j; liltt-sc.
Pantaleao, o que logo foi dismentido pela A > Illm. Sr. r. |u i i >eap llasw ni b *-
laeoes, prefere se solteiro : a tratar na Capunga informacao dada peto Subdelegado do bairro V) ;' ""'I'1" ,rmaa '''" ;| s ; s ** m '
Velha. sitio do fallecido Joao Leile de Azevedo. j,, lp.-if., ,lllf, .w,i^ a v.^lnria mu eo ()' l!:'c,f''- al" 1;l "'' :<> '*
uo neuit, que assisiio a Malona, que bj vi-to o dia marcado pd romprommo ia
tez, e declarou ser o cadver de um pesca- passado! (cada na forio .--i- ,r.mer. ou le^
dor, morador em Foia de Portas. Para. <)
que alguem, com m l e mlengo crimino- i___
sa, nao se aproveite desta circtnnstancia, I Preoisa-se de nm* ana pa i i-;-
reco-ihecidamente Tusa, afim de mai, fcil- ^TrilTs'&Xt
um

Xa typographia da Ordem precisa-se d
compositor.
g| Dr. Cosme de S Pereira conti- 1
lM na a residir na rua da Cruz n. 53, fc|
f Io e 2o andar, onde pode ser procu- > i mente lograr seu intento, faz-seo presente
a rado para o exercieio de sua profis- annuncio, protestando-se contra semelbaote |
S sao medica, e com especialidade ^| noticia em vista das minuciosas indagaron,
m sobre t* seguinte fm a ?ue se proceden. E, como ha toda pro-!
^ 1' molestias de olhos; babilidaJe de aehar-sc dito es-ravo acoutado'
2 de peito : M i Por algum especulador" roga-se a todas as
3 dos orgaos geni- m \ authoridades policiaes e aos capitaes de
ti urinarios. Si camipo, queapprelien lam o mencionado es-
Emseuescriptorio os doentesse- HJcravo (que no dia 8 ou 9 d'aquee mesmo
H rao examinados na ordem de suas lo mezfoi encontrado em Apipucos, onde esta-
M entradas comecando otrabalhope- r talvez forcalamente acoutado) c o entre-
los doentes de olhos. pi 8ue :i a'J seu referido senhor, na rua da Au-
Dar consultas todos os dias das ij*'0 n- t0' (lue gratificar generosamente,
M 6 as 10 da manha, menos nos do- S protestando igualmente usar dj^meios ju-
.' mingos. gg! liciaes contra o acoutador do dito escravo,
Praticar luda e qualquer opera- jlent1^ este os seguinles signaes: estatura
*M cao que julgar conveniente para o M \"n!r> m-nos que regular, cheio do corpo,
m prompto restabelecimento dos seus M "-'de de 3 annos, cor preta-cabra, cabeca
um pouco redonda e pequea, olhos um
tanto pequeos, esfumacidos e vermelhos,
beicos regulares, p< largos e apalheta'os,
e tem o andar inclinado para traz e cam-
bbante. Convm declarar-se que dito es-
cravo quandoausentou-se foi vestido decal-
ca e cami-a brancas de a'godo grosso da
Ba'iia, tendo do lade direito da primeira e
aoesquerdo da segunda as iniciaesB. L.
de tinta bem preta e to segura que ser
quasi Impossivel desvanecer-se por mais
que se lave,
Quem precisar de urna pessoa habilitada a
ensinar nrimeiras letras, latim, francez e msica,
denlr > ou fora desta cnlade, dirija-se a rua do
11 u /.e'%
O Ctn;>'i>.
J
.
doentes.
Aluga-se o sobrado da rua do Seve ii... (liba
dos Ralos por detrada nova casa do Gymna>io)
com 6 salas, II quartos, quartos p^ra criados e es-
cravos, com bom quintal e cacimba, e coebeira pa-
ra 6 cavallos : a tratar na rua da- Cadeia n. 56,
primeiro andar, ou na rua da Saudade, casa n. 1.
Ijrnorando-se onde est assistindo o Sr. Joa-
quim Salvador Pessoa de Siqueira Cavalcanti, ro-
ga-se-lhe tenha a bondade de apparecer a llvraria
ns 6 e 8 da praga da Independencia, atim de re-
ceber urna carta de importancia.
Est ravofugido.
Roga-se a polica a apprebeasao do escravo par-
do de nomo Paulo, que vagneia no bairro da Boa-
Vista e seus suburbio?. Representa 30 annos de
dade, cabello rente e suissas. Quem o pegar le-
ve-o a rua do Livramento n. 19.
Queimado n. 8, terceiro andar.
n.9.
Acha-se aberta desie o Io do corrente a ma-
tricula deinstroeco primaria da tt-rceira cadeira
publica da freguezia de S. Jas desta cidade. Os
lilla SIIII|>les e llgeira pergUIlta aOS com-orrentes dirljam-se a rua dos Pes-.adores casa
Sis. doaleres, a cumpridores, execu-
tores e decifiMdores das lezes da
ten-a.
Pergunta-se aos Illms. sobre-ditos, se os empre-
gados de collectoria, verbi-eratiaescrivaes,po-
dem exereer commulalivamente os cargos de es-
crivao da collecta e de paz? pois a boa razo, como
que nosatissa a crr que nao, visto como, alm
de ouiroa porns, parece que isto importa fabri-
carle au,ui mais urna gazna a abrir o restante
das portas deste Muzeo-de-patotas ; e que portan-
to o legislador, sem duvida, alguma cousa deva
sobre o caso. B sendo que a resposta venha pela
negativa, neste caso pernunta-se as lezes qne re-
gen) o palz, em nada vigeram diante deste Ar-
raiatl... Mais outras simples pergunlas iro sen
do feitas pelo
Aldeiao da Escada.
Frecisa-se de 1:0003 a premio de i por cen"
to ao mez sobre hypotheca do um casal de escra-
vos mogos, robustos e sem vicios, daud>se os ser-
vicos dos roesmoj pjr 323 mensaes para deste> se
tirar os juros: quem quizer dirija-se a rua da
imperatriz n. 7i, gm se ilir quera faz o negocio.
Precisarse de um professor de prim -iras le-
tras que queira r para um eogenho na freguezia
da lascada : a tratar na taberna do Campos no
fira da rua estreita'do Rosario n. 47.______________
O Sr. Silvestre Corroa de Ctrvalho deixou
de ser caixeiro na botica da rua do Cahug n. 11.
^--~Na padaria da Torre precisa-se de um
portuguez para feitor de ca upo.
...
Jo* i da $j{t/ ;,;:. S, I
vershlade de Coimbra, da eon i a
sua casa das 9 s bwra. la ra mha, e
das 4 s 6 da tird*-. Visita os, do.-:
i em suas casas regnlaraaente ;.
para issa designadas, sal. i ur-
';. gentes, que serao rorcarraos en
gner uceasio. D roir.nl
.; que o procarari m no hosni
.: aonde encontrado diariaicenie i
a> 8 horas da vaai
Tem sea casa e sauMe refl
montada para receber quali
ida mesmo > aii ina I -, para o
' tem commod isaproi ria pt
lica -juab;tir-r operario eirurgica.
Para t casa de ta
Prinicira --:: 0 liari s.
Segunda I .....15500 .
Terceira di'.;.....tSOOO
Este (staMeeiraeiit ja bem acredi-
tado pelos boas serviros (jae tem pres-
tado.
O proprietaro espera que ell* conti-
nu a merecer a coulianea >'e ^-a sea-
pre tem gozado.

-?>
i


!
.***.

FIGADOoe BACAL J
^
Est fgida
Em 9 de junho ausentou-se a preta crioula Ilo-
Dlfeia, de 40 annos, estatura regular, rosto redon-
do e bracos bastante lanzudos, e-la preta J foi es-
I crava narua Velha da Boa-Vista, caes do Ramos e
Tag Tn-im-rm l\rnrPlT*q ; rua das Flores, do Sr. Jos Nones de Oliveira, e
uUoc JUalJlLIlll iliUICllti. consta ter sido encontrada na oarreira do Giquia
llhr1tnriirtll0,1lA7 P PnmTtlPr- ('om uma.lrou.xa <-o '-oupa para lavar, mais como
5U.UUllUjy LUglicZ C UilllJliI- boa cosinheira pode estar a Ululo de forra alu-
recommenda-se porlaoto
i capitaes de campo a sua
apprehengo e levar a rua do Gaz casa do corre-
tor Sr. Nascimenlo, que se gratificara. ______
ninn+ nnefo marta T-.ii o T?n gada em alguma casa : recommend;
Ciailte IieSta pray, Val a JIjU- aS autoridades policiaes e capitaes de
ropa tratar de sua saude.
Offerece-se urna ama para todo o ser-
vico de casa de familia ou dft bomem sol-
teiro : no becco da Lama i,
Na padaria da Torre precisa-se de um
a nassador e que tenha pratica de vender
pao.
IW
Um habilitado procurador tenlo de ir a cida le
de Carnar, Breio da Madre de Dos, S. Bento e
Bontq para ah fazer amas cobraoe >s amigave e
judicial, olTereee seu pfestlrtJO.a quem liver igual
negocio naquelles lugares, dando nadar do que
encarregarem : a tratar na rua da Pnia n. 37,
isto at o dia 6 do corrente mez.
A ttetiQao.
Urna pessoa competentemente habilitada pro-
p5e-se a ensinar primeiras lenas, lingua nacional,
msica e piano, fora desta pidade, preferindo se
para fora desta provincia : na rua do Imperador
n. 8, cartorio do tabelaa Porto Girreiro, so d.r
quera .
P eo procosso de t',brrrrr, pharmaci'nlk-a ra
Paris, rua do Faiiheiir;; jl.iuliuarte 21.
Este oleo de um charo a>/ra-ltnel, e de
um sabor assucarado o nico fM notilD
nem o gosto, tem o ilu'iro iln ftimt, Ob-
jeclo de numerosos relatnos scientilicos e
mdicos, esle mdicamente que gozn em
Franca de um successo to raro coro. Im
merecido, recetlado diariamente pelos
principaes mdicos dos hospitaes de Paris.
0 OLEO DE FIGADO DE BACALHO DESINFECTA-
DO FEtmcGiNo.so emprega-se coai osmai >res
successos as m >!estias em qu; se em;>rejza
o oleo qua:nlo sii aconipanhadis de d /'i-
d'ida e atona.
BOTICA E URUGA1UA
Barllioliufu tmmmet de Saaza m C.
3 iRua larga du Kosarie31
Veudeuj:
PilulusIIolloway.
Pilulas doDr. Lavilie.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilulas do Pobre-hornera
l'ilulas aiiieriranas.
Pilulas vegetae.
Plulasvegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa (Je Hrisiol.
Remedios do Dr.Chable.
Elexir de Pepsina de Grimanlt.
Vinho de Salsaparrilba deCh Alberu
InjecgoFeaugas.
Agua dentifica de Desirabode.
Papel chimico, para talho.
Xarpe depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail-
Ps anti-epiletcos de Brest.
RobL'Affecteur.
t_-
1
II #1


Diari* de rernambuco ... <|uar /Vttenco.
A fugase
um -sitio na campia da Casa Forte, eom duasca-
sas, urna a em que muri.u o fallecido Ttiomaz de
Aquine Fonseca Jnior, feila a moderna, e corrteo-
do todas as accommodaews precisas, e outcaeora
boas commodidades para qualquer familia -. sa
ra do Vigario n.ii9, prtmeiro andar.
A
Pecle-se a todas as autoridades poJiodes a
quaesquer particulares queiram descobrir ende se
actia aomisiado o-pardo Gabriel, eseravo de Anto-
nio ItLilil Arauha, da cidade da Parahiba, que de
l fu i. ira embarcado no vapor Paran, quando es- !
te cm sua ultima vtagem cooduzira tropa para o ^ Anda se precisa de una ama para eot-i-
sul. Esse eseravo pardo claro, de estatura me- 55 nnar engommar para tres pessoas : mi
nos que regular, e-bem proporcionado, tena cabel- w? rua das Urozes n. .*7, sendo pessoa mon-
tos corridos e crespos, de 18 anuos de idade, pou-! &| gerada e que se possa entregar urna cas.
co mato ou menos, coro espiulias no costo, e offl-
cial de alfaiate. Consta que se offerecera para as-
sentar praa pomo voluntario : a quem o ppre-
liender, ou delle d ; noticia exacta para sua ap-
prefieoso, dar-se-ha cxcellente gratilieajaa, oa
rua do Queimadan. 5.
m
CASA U F0RT
xios ..0:0000000.
Ililbctes garantidos.
A' ba do Crespo k. 23 e casas do costme.
Oaoaixoassignadovendeunos seus rouito fott-
zes bilbetes garantidos da lotera que se acabou
de exlrahir, a beneficio do riieatro de Sauta Isa-
bel, es seguimos premios :
Uous quartos n 128i cora a sorle de 6:000$.
Um qaito n. 2890 cora a sorte de l;2005O00.
B outras inuitas sortea de 1005, 40$, 20$ e
109000.
Os;iessuidores podein vir receber seus respec-
tivos premios sera os descontos das luis na Cas
da Fortuna rua do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 4" parte da 5' e i*
da ti* lotera <22") a beneficio da matriz de S. Pe-
dro Martyr d^ liuda, que se extrahir sabbado 8
do corrente.
PItECO.
Bilhets. ". 75000
Meios......35300
Quartos.....1,5900
Par* as pessuas que compraren! de I00>000
para cima.
Bilhetes.....65300
Meios......35730
Quartos.....15700
Mangki. Martin s Fiuza.
^."w?a3n'
Aviso importante.
O abanto assignado, recebeu do Sr. ManoH Car-
los dos Santos, do Rio- de Janeiro, cartas e ordoes,
para sopprir a seu tillio menor Alberto Carlos dos
Santos, que em Janeiro do anno corrente, se ausen-
lou daqueila cidade, e que se supioe existir nes-ta
provincia, de todo quanto carecer, e mesmo para
voltar ao seio de .-ua .familia. O Sr. Carlos, ou
qualquer de seus amigos, dinjam-se por obsequie
praca de Paraizo n. 24.
Salustiano A. P. de Souza Prez.
Precisase saber quem o correspondente do
Ogenho Quitinduba, para oatregar urna carta oa ca (mgica) "para tlieatros
Jivcaria ns. e 8 da pi ara da Independencia.
&
filUIDE ARMAZEM DA EXPQSigAO DE LONDRES tf^VLum ^
THOMAZ TEIXEIRA BASTOS 1 estabeS7oSiUTiro.
N. 60Rua da Cadeia do Recife-N. 60.
Todos os artigos abaixo mencionados, foram comprados rerentemente pelo deno do estabele-
cimento as,principaes faDricas de Pars, Londres, Birmiuhgam, Mauchester, e em diversas cidades
da.Allemanha, e tendo comprado ludo as melhores condic/res por ser a dinheico, por Isso vende todo
e qualquer artigo barato, por menos de seu valor, e mui piiiicipalmente por querer inteiramente liqui-
dar e ter Je .partir muito breve para a Europa.
Ha este vasto armazem ricos objectos com br.lhantes, como boioes, anneis, rosetas, etc., e
bem assim,-diversas obras de ouro, como trancelins, eorrenloes, oculos, facc-mains, anneis e muitos
outros artigos, relogios de ouro, inglezes, do afamado fabricante Renuel ; completo s
zendas finas e modernas; miudezas, perfumes, perfumaras linas dos principaes fabrican!)
francezes, orno L. T. P1VEB, Lubin, L. Legrand, id. Pinaud & Me ver, elettrez (Parfunarie du
mond Jgany, Viclet, Societe" Hygleuique, Monpelas, Mailly, Regnier, P. Gueland, e inglezas de Eug. i .. aobcia DA
Uimmel e outros; ricas galautanas em inartlra, madrejierola, etc., fabricadas na China DO Ja pao ; I FlOal^ao deLoW llOOi*.
ricas pecas de crystal fino como anda nao apparecjram nesta cidado, e bem assm modernos lustres Machinas a vapor de 4 e 0 cavallos.
para velas, ditos para gaz e para pelroleu, serpentinas, casti.aes, enfeiles e adornos para cima de cuii-. Moendas e nieias moendas para enganbo
AGENTES EM PBHNAMBl'CO
Antonio Luiz de Oliveira Azcvedo k C,
competentemente antorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de.tomam seguros'de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio rua da
Oiu n. 1.
. mmm-mm'm
soriimnto de fa- Samuel PtWCT JollllSton & GoDlDIinhia
SaaSMI R..ada-en/alaNovan.i.
solos e, para .grande toilette, o que se ten feito de mas ejegaute em Paria, em Londres, Birmingliam, T,:,c ".\a'fa"'Z ^n."n"h';Ti" ..DIir
etc.; modernos apparelhos de metal lino i.iylez para cha I caf, os qnaes tuda te.n de inferior pral TaiX,as de ferr0 coado e batl,Jo Iara;3nge-
_ pra
e multas ouiras pgaselo mesmo metal, ricos pentus de-tartaruga da ultima moda para trancas de se-
nlioras, excelleutes luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcellana lina para cha e caf.
ni) O,
Rival sem segundo
Roa do Qoeimado ns. V) e 55, laja it
miudezas de (res portas, esta qaei-
niiinil ludo liom ( barat quen t\ui-
zer ver e admirar vculiam i taja 4t
Bigtiatt.
Caixas de papel amizade, e sera ella liso pautado
a 600 rs.
Grozas de botScs de lon(;a praleados fazenda aw-
derna a 10O r?.
Duzias de penna de ac fazrnda boa a 10 rs.
Pegas de tranca de la lisas e de loia cure a
40 rs.
Escovas finsimas para linpar denles a 2M)
320 rs.
lita de c* estrenas com 10 Taras a
superiores quali-
ou saloes, ditos de phaulasmagoiia ;
vistas novas, da e noite ; stereocopo- de nova invencao e com bello sortimento Je vistas das principaes
1'nfl.M.hA cidades da Eurrva; grande sortimento d-j brinquedo's linos para criancas, e boneeas fallando papai,
1jI1,111LIU. aami ; grande sortimento de candieiros a az os que .-e tem feito de nais elegante e que tem mere-
Arrenda-seoengenho.Ju,ssara de Sant'Aona, silo c'd! l0lla aceitacao na Europa, grande e raagnilico soriimnto de caixJnhas, cestinhas e outras nalan-
Bafregueziadelpajuca, legoa e meia distante da terias feitas de rnna e seda, proprios paca presente.; 5 grande sortimento de estampas ftoas coloridas
e-ta^iio da Sacada e.Ipojuca, om trras de var- \ coin '"ido pelo e de outras de lodos os santo.*, ditas e ira figuras e ditas- com novas paysagens para
gas 13 : a tratar no pateo do Livramento n. 23 como P^a tneio de .mesa de janlar ou para jardiai ; cutelaria lina, como talheres com cabo de metal Tino,
l)r. Ignacio Nery da Fonseca. colheres, thesouras linas, ditas modernas para aifaiate.-, navalbas lina--, caniv.t s e outros artigos, diver-
'>- Preeiea-69.6itar.com o 8r. Jos de Souza l^SSiSSL^ah*?ei ;.nwn,p,e'0-!"rlUMnl0 ,,.B. as:ara* dt yei'?lo. sittm, cera, papelo e rame,
Leo a negooto que uio ignora ; duCes Cu"flilta'1";' hocolale em caiunliat ee.n vidros ; camas
carro para um e dotis cavallos.
uro patente inglez.
americanos,
laiiternas mgicas, cosmorama's com Ma ninas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Alnga-se
por 165 mensaes a casa da rua dos Prazerc n I
B do bairr.i da Boa-Vista : a tratar na rua estrel-
la do Horario n. 28.
30, foja do Carneiro Viauna.
na rua Nova c.
ii9-.it--'

(I i^jndoi & Braziliau Baai.-, saca
os paqiM'tes,Kbbre
Li.-hoa.
I'.irto.
Braga.
Vianna.
(id maraes.
Villa Heal.
Coimbra.
Amarante.
O hacha re JoSo itiiz liiieiro
r^. da Cunha tem escriptorio de ad;o- 8
W$ gado na sala do sobivdo h. 38, da __
i:-4 na do Ju'imado. f
m^wmm&mmmm- mm
.e>iiana llluslrada do hio de Jaoetro
Asi;?ia-se na rua do Crespo n. 4 : tres mezes
(3, seiijmezeg 113, um anuo IH5
vende-se nina aotula e urna janelia em mui-
to bom oslado : rua das Aguas Verdes n. 92.
Freguezia de S. Jos.
A professora da terceira cadeira de insruceao
primaria do sexo feninino da freguezia de S. Jse
participa ao publico que a sua aula acliar-se lia
aborta du Io de jnllio vindouro em oante, na rua
de Santa Hita n. 27, primeiro andar.
Desejamos saber so o Sr. 1'. que virou de C.
para o Forie do Mallos, ignora que seu estaneleci-
meiiti constantemente aborte alta noite e militas
vezes de madrugada, para reclher urna grande
: quantidade de monstruosas sircas sabidas de cer-
ta fabrica, diz o europeo Vicente que va.j cheias
| de algodao, no cun tatito ora de bem que se ave-
rguasse, porque a ser verdade, confirma a voz
- dj ferro de todos os lamanhos, lava-
(torios^ ele..; ricos quadros para cartoes de visitas o ditos grandes e pequeos para retratos ; chapeos
---------- i de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para baler ovos proprias
por doos para quem faz paonle-l, holinhos, etc.; b-llos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos;
i pannos para cobrir mesas, boleas grandes e pequeas para flageas, e outros artigos, como cobertores^
! malas, ele.; soninento de vioioes tiuos; figuras linas e jarros de alabastro ; galantarias e outras pecas
jdecharao para toilette; machinas para arrerocho, excelleotes machinas para photographia para
tirar retratas, grandes e pequeos ; lindosuaMes de papel lino transparente o lanternas coloridas para
I illuminacoes a moda de Par, salva vida de birracha, para homeus e senhoras, proprios para quem
: toma banhos em lugares fundos ; anieixas novas em caixinhas, bi.-ouUs inglezes em latas, graxa in-
i gleza (J7; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, queijos, etc., e muitos outros artiges
| que para enumera los serta um nunca acabar, e todos se vender barato e muito barato no grande ar-
_______ mazem da Expusigao de Lmdres, na rua da Cadeia do Recite n GO.
Sao convidad s os amigos do fallecido
Manoel da Costa Ramos, para assisiirem a
urna missa por alma do mesmo finado,
quarta-feira 8 do crreme, a; 7 horas da
manha na igreja do Corpo Santo.
Ao
t mi
DINHEIRO FRANCE
vendern-se moedas de ouro e nulas do Banco, e bem assim urna
francos : vndese barato no Recife, rua da Cadeia n. GO, aoarm
a,
i'
o
>NTRA FOGO.
i Conipaiiiii.i Iiuleiiiisulora; f!deri^o o
.. i ..._........_ -... menos pacn
Para completa liqnidatao vende-se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas e
novas, chegadas recntenseme de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguinles : Eug,
Rimmel, B. Halhens & C, Lubin, Sociedade Hygienica, Piver, Vioel, L. Legrand, Deletrez, Pinaud &
Meyer, Begnere, Mailly, Gillet frere etc., etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em
vdrose garrafas, agua de lavande, agua para I Impar denles, oleo babosa, extractos em garraOnlias e
em potes e em vidros, pomadas, ricas
e muitos outros artigos que se vende por
eommeicio.
O negociante que liver eontas legaes com Varia
da Conceigao Jesos, moradora na cidade de Caroa-
r, e queira fazer um abatimento commodo, diri-
ja-se a rua da Praia n. 'i3, que achara com quem
tratar; visto esta senhora ter facilitado.
Manoel Bilxiro Fernandos, tendo de fazer
Iransaclo com a actual casa de molhados, sita na
coleccao desde um centesimo ,rua 'lo ^bug ". 18 debaixo da firma social de
r-zem uaExposicao de Londres. Lima & C., sucessores da firma Lima & Cunha,
pede por favor a todos os senhores credores de
qualquer desias firmas hajam de apresentar
seus litlos, (u declarar o porque se consideram
credore<, em casa do annuncianto na trave>sa do
Queimado n. 9, quina da rua Larga do lio-ario,
para se tomar a devida nota, isto no praso de tres
das, lindo o qual o annunwante nao se responsa-
bilisarporqnlqocrdebito das duas firmas sociaes
cima declaradas. Recife, 4 de junho de 186o.
Polceiras de eontas para senhoras a .JO rs.
Pecas de
320 rs.
Caixas com clcheles fraueczes,
dades a 20 is.
i Tinteiros de barro, com superior Ib :a a 100 rs.
Pecas de curdo para vestido-, .'.zeada boa a
20 rs.
Baralhos muito finos para vultarete a 200 e
240 rs.
I Frascos com agua de Florida a l e l280.
! Frascos con ?uperiires bandas a 500 rs. e lf.
Frascos com bauha, pr.rm pequeos a 200 c
2i0 rs.
Latas com superior bauha a 200 rs.
Frascos de macaca perula muito lino a 200 r^.
Frascos e garrafinhas cuiu agua de Colunia a
loo rs.
Fra-ros grandes
640 rs.
Frascos corn superior oleo de
OO rs.
Caixas eom 12 frascos de cheiros muito
1*400.
Sahnmtes pequeos de bulla
320 rs.
Sabuoetes de familia a 120 c 200 rs.
Dona ile sahoaea pequeos com i-beiro a 700 rs.
Agua deniihce superior qualidadea WiO rs.
Caixas com supera r p de arroz a 00 rs.
Frascos de -uperiores essencias santal e outro a
15200.
Frascos rom essencias para lirar nodoas de
a .*i(IO rs.
com superior agua de Colonia a
superior oleo de baboza a 4SO e
unos a
a 2i0rs. e grandes a
riUpa

publica que diz oslar o J. A. vmpregado na agen-
: cia c regencia, e que para melhor regnlaridade|vidn>8dediDVreDte8'moeos,'ps'pm baataa
j taiuhem oorrege os erros da caixa, celhendo assim caixinhas e balainhos com perfumariaa para fazer presentes, i
ptimas vatilagens para Smc. Sentimos bstame menos de seu valor, bem como todos os rticos em coral existentes no Brande
ti rruos de voltar, se acaso nao tomarem cm con- de Londres, na rua da Cadeia do Becife d. GO.
que dizemos, porm lavemos de ter
No largo da Peuha n. 10, se
premio a quantia cima.
1:000^)000
dir quem
da' a
armazem da Exposicao de Borlas n. 102.
Urna senhora habilitada pela directora geral
da instruccao publica pan ensinar primeiras le
tras, offereceseu pretimo para leccionar : ni rua
estabeiecida nesta praca, toma seguros martimo
sobre navios eseos carregamentos e contra figo em
edificios, mercadorias e mot-ilias: no seu escripto-
rio, rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Precisase de una eserara para todo o sei-
vieo Je urna casa de, familia : quem tiver anoun-
el, ou dirjase a rua de Sania Bita n. i.
paciencia porque
oculo do teiegrapho.
est em servico activo o
QABIMjkxk;
PORTOeiIBI BUITIIHI FJ PER-
\\HBFC0.
De ordera do Illm. Sr. presidente do concilio,
convjjco os membros do mesiro eonselho parase
reunirem em sessSo ordinaria ua sala las respec-
tivas sessi5 s, qu ii:i-f ira 'i do rorrete, as G lio-
Se -retaria'do eonselho deliberativo do Gabinete 'Jos Al?P*5 ,rl'a ''? M.'?10('oll0"lh,,> '^ a MsV.
P irtugu 7. de Leitura em Pernambuco 1 de julho :uvalho Paes d Andrade e
O abaixo assignado, revestido de poderes ge I
raes pelos herdeiros do tinado capilao Joo Fran-
cisco de Alququerque Mello para vender os solos
e propriedades que possuem na povoacao dos Afo-!
gados, em diversas ras, abaixo descriplas, convi-
da as pessoasqne qnizerem comprar ditas proprie-
dades a entenderem-se com o mesmo abaixo a-sig-
nado, i rua Direita, botica n. 88 do Sr. Jo; da
Bocha Prannos. Outro sim previne aquellas pe
soas que al o prsenle nao teem pago os respec-
tivos loros que o facara da poblicacao deste a 30
dias, lindos os quaes se proceder judicialmente a
cobra nca.
Joaqnim Jos dos Santos Barraca.
Propriedades : Dous solos ao sul da povoaro
Para senhoras.
Ricos e modernos pentesde tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feito de mais ele-
gante at o presente : vende-se por menos de sen valor para se liquidar, no grande armazcm da Ex-
posicao de Londres, rua da Cadeia do Recife n. GO.
Roga-se a quem receben ordons para a gale-
ra ingleza Tamaa, procedente de Maniiha, ca-
pitao Main, o obsequio de dirisir-se a casa de
Mills, Datham & C. para dar alguma infornaco
sobre o mesmo navio.
Fraseos com cheiros de todos os procos a 160,20O,
Frascos bonitos com cheiros finos a 500 rs.
Dozla de meias mu to linas para senhora a
it^800.
Gollinhas muito finas para senhora a M rs.
Caixas com saldados de chumbo para meninos a
IGO rs.
Duzias de comeres'de m^lal prra cha a 800 rs.
Ditas dila dito para spa, f.iienJa l>. a a UM
Varas de cordao l.rauco para espartilho a ;J r-.
Per;as de lila de la para debrura de volido, cora
10 varas a 600 rs.
Ditas de biros superiores, para acabar a 600 e
800 rs.
Pedras do loosa para nv nin^-s a IfiO rs.
Caixas de lamparinas para 3 nwass a '>) rs.
Bunecos de choro e panno a 160 rs.
Caixas com bonrlestampas para ra a liW n.
Capachos eomprldos, boa faztuda a 500 rs.
Grosas de tM'iSes pqueaos Mata para cata a
100 rs.
Todas eslas fazendas [ara liquidar, p- is iodo
est cm perfeto esUdo, isto garante o dH do m-
tabeleciiiciiiu.
Luvas novas de Jouvin.
Vendemse excellentes luvas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
la mo para senhora, por menos de seu valor, para se liquidar ; no grande armazem da Exposicao de Lon-
s- dres, na rua da Cadeia do Recife n. GO. '
G
c
P
h
s
de 186S.
A. A. dos Santos Poito
Io secretarlo.
meMm .
O I'r. Carollno Francisco de
e e
de Andrade (ea-
'VS<
-.
.
sua mullier I). Rila Zeferloa Paes
criptara n. 1)
Um solo na mesma povoacao e rua com urna
c:isa, da qual fui ou dono Luiz Jos do Patroci-
nio, vendido por Joao de S e Albuqucrque e sua
mulher D. Anua Victorina Coelho da Silva. (Es-
criptor n. 2.)
Um solo na rua da Senhora da Paz, ao sul da de
S. Miguel, com urna casa de 11. 123, vendido por
Joao Uariuho de Souza Leo e sua mulher D. Ma-
ra Gnlhermina ('oelio da sv.i.-_ (Escriplura nu-
mero 3.)
Um solo na mesma povoacao o ao sul da rua de
S. Miguel com urna casa (le 11. 3, vendido p r
Franc co > \ Paula
tuza Leao e soa mulher D.
'31
.-.--- _
>* --,. uaiifnuu 1-1 rtiioi?., ut l.ima Sau-
! s contina a morar na rua do Impera-
'. t 11. 17, segundo andar, teudo alias seu
rabinete de consullas medicas, logo ao
entrar, r.o primeiro.
O mesmo dontor, que se tero dado ao
si ni ito as operares como das mo-
eslas iu'oruas, presta se a qualquer cha- jgg
. ; r para denlro quer para fra -*-">
' '''' ^ ........._. Thereza Sophia Paes Rarretd. (Escriplura d. 4.)
Um solo na mesma rua e povoacao com urna
' ', ':' ,' canden. 24, ve-.dnb p..r J.ao de S e Aibii-
-Cunvi-v-ea.s credores do Sr Ank-nio ioa- qnerflQe e sua mulh-r I). Auna Victorina Coelho
qutmde Mello a yirem receber o primeiro divi- d'a Siva (isscriptura o. 8.1
^ /"!'''.'> a rua do Livramenlon. .18. Daas casis em chaos freiros do ns. 30,; 31,ven.
Desoiicaminhou se na semana finda um cao didas por Francisco Luiz Gupdes e sua mulher Joa-
g 1, rom os >ignaes sepuinli s: cor amarellada e quina Mana do Espirito Santo. (Escriptur a) n. 0.
- a praca da Independencia 11. 33, loja'de our
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tamhem ?e faz qualquer obras do e^commenda e
odo e qualquer concert.
~FUSWct~
DQ *
^%
Compra-se effectivamente ouro e prata era
obras velhas, pagando-se bera : na rua larga do
Bosario n. 2i, loja de ourives.
Silvno Guilherme de Barros oom[ra e ven-
de effectlvamenfe escravos de ambos os si-ztis :
rua do Imperador n. 79, terceiro andar.
X. 00. RUA DO IIE:ESAI)I X. 5o.
Os pianos desta amiga fabrica sao boje asss conhecidos para que seja neeessario insistir sobre a
, sua superiorda.le, vantugense garantas que offerecera aos compradores, qualidades estas inconlesta-
. veis que elles tem delioltvamente conqui-iado sobre todos os i|ue tem apparecido tiesta praca ; pos-
snindonm teclado e maclunismo que obedocem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ler-se feito ltimamente melhoraroentos Importan-
tissimos para o clima Ueste pala ; '|uanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agr la-
vis aos oavidos iio< apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto ne.-ta fabrica como na do Sr. Blondol. de Paris. socio
Ouro e prnt
em obras velhas : compra-se ua prac,a
pendencia n. 22, loja de bilbetes.
Compra-se curo, prata c pedras preciosas,
'emolirs -.vinas : na rua da Cadeia do Recife,
loja de ourives no arco da Conceiclo.
Comprara-se libras esterlinas a 9J600,
'praca da Independencia n. 22. _______
Compram-se patacSes
da Independencia n. 32.
Comprara se dons censlos de mogno com
pedra marmore branca, assim como um loileltaro-
bem do mogno com espelho o podra marmore bran-
ca, ludo le gosto m derno (Loix XVr e cm perfei-
da ln-lc-
na
mexicanos: na praga
lo estado : a fallar na rua do Crespo n. i,
de chapeos de sol.
fabrica
Compram-se libras esterlinas : na rua do
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposiees. Crespo n. 16, prtmeiro andar
.\o mismo estabelecimento se achara sempre um espen ln'
inquinada, c mi uini orla branca 110 pescoco,
punta da cau-l branca e quebrada, |s calcados
de branco : qm m o pegar leve casa, de deten (So,
que sera gralifleado.
Ama
Precisa se de urna ama : na rua Bel
gnu lo andar.
5 fachai*cl
Francisco oeasto da Cosa
n. li, se-
1.

31

ADVeGADO
ua do iir icrailor numero (>!).
>.--
se-
melhores autores da Europa, assim
procos commodose razoavels.
empre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
. : :
Alugam se dous grandes sobrados com oom-
oodos para numerosa familia, novos exceiados, J
(' m jardim, coehelra, estribara e outras cooimo-
dida Ks na travessa ile Joo Fernandes Vieira :
a tratar na rua da Senzala Xova n. 42.
Ada se justa a taberna da rua dos Pescado-1
res n. i!, com o proprietario da mesma, liyre de
qua'qucr transar-cao, e quem liver alguma recia-
macao a fazer va a travessa de S. Jos n. 22. no
praso do tres dias, contados.desla data. Becife 3
de julho de 1803.
tvguel*
Ainga-se a rasa da travessa da Bomba n. 10:
tratar na roa do Sebn. 24.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba ongommar :
na rua do Trapiche n. 3fi. segundo \mlar.______
Roga-se ao Sr. Ignacio Pinto dos Sanios Sa-
ies, qne consta achr-se nesta cidade, que antes
de n lirar-se eompareca na roa da Cruz n. 35, a
uegocio de seu inleresse.
Sociedade Bella-Harmoiiia
A renniao familiar que eslava marcada para o
da I* do corrente, nao leve logaren consequen-
eia do lun lempo havidq nesse dia, e foi designa-
do oovamente o dia 8 do corrente (sabbado). Os
criijp.s de convite So os mosrnos.
Secretaria da sociedade Bella Harmona 3 de ju-
lho (e i Sfj-'i.
J. Bibeiro da Fonseca
1- secretario.
Quem precisar de rotipa engoinmaJa e lava-
el 1 ii.uito bem, mandando buscar e entregando em
soa raa, mais barato do que ora outra qualquer
parte, dtodo fiador da roupa que recebe : quem
(uizer annuocie por osla fdha para ser procuiado.
rUtfr CO
O h itel italiino precisa de um cazinheiro, copel-
ro e urna ama : m rua do Trapiche n. 5.________
~ Preeka-se denm moleqoe de 12 a lannos,
para o servido de urna casa de duas pessoas. ou ile
urna ama escrava 011 forra para o servico da mes-
ma, inclusive comprar : na Sjledade, rua da Con-
quisa 0. 8.
mrzm
6ia da Qii'inu ucisacco 38.
Neste estabelecimento acham-se v> oda os
gaintes objectos, lodos da piimeira qualidade, e
constroWos e-picialmente para osla casa, pelos
mais acreditados fabricantes inglezes :
Machinas a apor de 2 1|2 a 8 cavallos, com
moendas, juntas e sem ellas ; e tambera proprias
para descarocamento de algodao, afamadas pela
fortiiirio, -implieidade eeconoma em eombnstlvel,
e por nao precisar de obra qualquer para seu as-
1 na ment.
Rodas d'agua de ferro, systema mui proveitoso
da forca d'agua.
Bodas de. espora, e angulares, e de esquadrilha
para animaes.
M' 'lulas e moia-moondas.
Taixas de foiro batido e fundido, e de cobre.
Haehhias para descarocar algodao, systema
I'lati, com es ultimes molhoramentos.
Boceas e. or vos de-patente para firnalhas, dimi-
holodo muito o gasto do eombustivel.
Machinas e mactinismis para moer mandioca,
movidas a vapor, agua ou cavallo.
Furrios e chapas de ferro batido para coser fa-
I rinlia.
Alambiques de ferio, e fundos.
Guindastes, foos e portatiis.
Pn iias para copiar cartas.
Bodas para carro de engenho com eixos e man-
gas de patente.
Formas de ferro batido galvanizado para purgar.
Serras de ac e armagoes de serrara.
Arados de ferio singlos edobrados, grados para
cubrir caona, enxadas a cavallo, e outros instru-
mentos de agrieulnra.
Ama de cite.
Precisase de urna ama sadia c com bom leite :
na rua Imperial, sobrado n. 87.
Olcrece-se tima mulliei- para ama de
casi de liomem soltetro ou du pouca familia,
a qitni lava c engomma : a tratar na na tu
gtt Precisa se de urna ama que engorr.me, cozi-
>,: e compre, para urna s pessoa : na rna da
Ci tu n. 13. primeiro andar.
Acha-se ausente o oscravo Jlo, que foi da
fallecida I). Leonor Jorg4 levoo calca a camisa
branca, e muito picado da bexiga, representa 40
annos : quem o ppgar leve o a rua do Crespo n.
Compankia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
/
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE I8o9
; ma fianca era dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa da
ininistrncao ta companhia.
Comprase urna armacAo para, taberna, que
tenha todo.-, os perlonces para a mesma : a tratar
na travessa de S. Jos n. 22, ou na rua de Aguas-
Verdes|n 15.
obre, lalao e chubo.
Compra-se Cobre, latao e chambo : no armr.zem
da bola amarella, no oilo da secretara de po-
lica.
0 castello de Grasville.
I'radiizido do francoz por A. J. G. da Cruz.
Vende-se este bollo romance em cniati
tornos pelo baratissimo prego de 2-530C
ua praga da Independencia. Itvraria ns.
Bstacompaahia liga ptlo systema muluo todas as combina^oes de supervieneia dos soguh '. 6 e 8.
BAXQUEIROS DA COMPANHIA
O Blanco de Hespaalsa
lia DIRECCO GERAL
: Rua do Prado c. IB
Compra-se una carroca para cavallo, nova
ou usada : na rua da Cruz 05.
Compra-se um burro manso para carroca :
na rua da Cruz n. 06.
IDAS.
sobre a vida. |]^"~f'' \S?"(ifii'>#<'^'.''K'-'.'y. '. _v'','S
Xellapdesetazer a subscripto de maneira que em nenhum caso nrctn r ji r.ific'cs ?,3
gurado se perca o capital -era os juroscorrespondentes a estes. v
Sao to supreheodeotos os resultados q te produzem as sociedades da ndole de A NACI 1 ms
DAL.
L,que anda raosrao dimirmindo urna torea parte do interesse prcduzido cm recentes liquidai p;
s ecombinanJj-o co n mirtali-lile la tabella de Depareieox que e adoptada pela compach-- j^J
de 3 a!9 annos, urna imporsicaoaonua. |g
cues
para seus clculos o liq -lac/ics, em segurados de idade
de 1005 produz em cffeetivo metlico:
Xo Um de o annos. .
de 10 ......
Fumo da Babia para
charutos.
-'
de 13
de 20
de 25
1:1195300
3:9423(500
11:2085200
30:2365000
80:3313000
Xas dades memores de 3 annos o maiores de 30, os producios sao mais consideraveis.
Prospectis e mais infnrmacdes sarao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaqnim Fiuza de Oveira, ruada Cadeia n. 32, ou a Roa-Vista rna da Imporatriz n.!2,eslabel
ment .dos Srs. Raymundo.Carlos, Leite 4 Irmao.
A tteneao*
18,segunilo ou terceiro andar,
cido.
que sera' graii-
O abaixo assignado declara ao rospeilavel publi-
co que desde o dia 30 de abril prximo passado,
que dissolveu amigavelmente a sociedade que ti-
nha em urna loja de charutos, sita na rua. da Ca-
deia do Recife n 9,*ob a firma de Slva & fiuima
raes, (loando o activo e passivo a cargo do socio
Ignacio Gomes da Silva, e constando-llie que sou
ex-socio anda comprando era nome da mesma fir-
ma, por isso que faz este aviso para que depois
ninguem se chame a ignorancia.
Recife, i de julho de I8G3.
Jos Alves Machado Guimaraes.
(oiiicira.
Alocase a grande cocheira da rna da Roda n.
38 a GO : a tratar na rua larga do Rosario n. 34,
botica.
de,
A ma
Prccfsa-se de urna ama
Caldeirero n. 38.
kiie.
de leite :
na rua
Antonio Jo- das Dore participa a orta pra-
5a e a quem convier, que desta dala em diante as-
% .wlt f\ signar-se-ha Antonio Jo.- Ferrc ira Lima. Recife, 3
Na na do Ranhd n. 38, segundo andar, preci- de jolhode 1863. ....._ _______.......___
sa-se de nina ama f.irraoii e iuterno e externo de urna casa de pouca familia. I do Queimado, para escriptoria
m
HITRATISTAS
Firmino & Lins
Novo estabclpcimeutO" de retra-
rna Xova n. 15, i an-
?jx Vende-se fumo superior de todas as
'5 qualidades, a retatho e por atacado, e
,-:, l">r preces commodos, no Recife, rua da
^7 Cacimba n. I.
'
I -
Batatas.
Ven erase excellentes batatas re'o diminuto
preco de .*0:i rs. o gigo : no arm. z.m :, Sr. Aze-
vedo defronte da e.-cadinlia da alfandega.
Attencao, fre^ueze^.
Lourenoo P. reir Mondes Gnimaries, rom loja
e armazem da Arara, na rua da Imncratrz n. m,
esta fazemhi una nova liquidac,. de ludas as fa-
zendas qne se .vende muito barat*,a aher :
CHITAS A 200 Rs. O COVADO.
Vendemse chitas com muito bom tana etendo
coros Ixs, pi lo baraii>smo praca de 2IH) rs. o co-
vado : s Lourenfo Pereira Mertei liuimaraes.
AS miKT.AMI.AS DE ROLO
Vende-se bretaoha dernloBaMolna hatai,
pelo diminuto preco de 3J000 cada pera com to
varas.
I.A/.INIIAS CIIIXE7.A3.
Vend m so a- mais modernas lzinhas cbinezas
pelo barato preco de 280 rs o covadi., fazen la ivla
quQ sempre so venden a 100 rs. e b i, se v, n-
dondo a 2S0 rs.. de lodos os paVfel c )# ;s
cores : s Mi ndes Guimaraes.
CUITAS FRAXCEZAS.
Vnidem-se rhitafl francezas e.i liras e c.->rss a
240, 260rs. oeovado, dUas pereal I..... fv>.
300. 320 rs. o eovado : na rna da loaj erattii
loja lie MenclO Gnimaries.
GRANDE PECIIINCHA DE CHALES DE
MERI'W.
Vemlom-se chales de marica MM po
barato preco de 23 cada um.
CAMISAS FRAXCEZAS.
Vendem-oe camisas fraoeezei a l^SOO,
25000 cada ur.a, ditas de prega-, largas a 25 e
23-i'iO, dilas de linhoa 25500 cada urna : :-6 Mon-
des Guimaraes.
I MADAPOLO KXFESTAii).
Vende-se madapido com 12 jardas a !53 e laSOO.
: r CAMISAS PARA SENIIOHA.
Vendem-se as mais modernas ramizinhas enfei-
ladas para senhoras a 'i3. 'i-i.uii :,-,., o.
GRAXDE SURT MEXTO iE CAMBRAiAS
BRANCAS.
Vendem-se cambalas brancas a 3j. 35500, If,
'i')00,33, ."Jj.JDO e 63, e muito fina a 'MM) rada
peca.
* CORTES DECAMRRAIA R'.XCACDM
S LPICOS.
Vendem-se cortes de eambraia de Slticos mui-
to miudinhos c cada corte tem 10 var.- s, pelo bara-
tissimo proco de S->.
CORERTORE5 ESCARLATES.
Vendem-se coboriores de a eso. rlal-. a &, di-
tos de algodio a 13300, ditos escuros a 15800 cada
um : s Mendes Gomiarie.
PECHIXCHA l*E ENTREMEIOS.
Vend- m-se bonitos entremeios a 800 rs. a ptea,
ditos linos topados, tendo padroos muihi de gosiu a
13, babadis a 15 cada urna iec* : na Anta, rua
da Imperatriz n. 36 de Meada Gaianriea.
CASEMIRAS.
Vendem-se casemiras com li-tras a 2:300 o eo-
vado e ditos a 3J00O.
IttiL'PAS FLITAS.
Vendemse rnupas feiai de |,d..s a< qualidade*
calcas de ganga a 14800, |600, IrHmi. duas finas
a 25, dlias de briffl pardo a i e 2>3IK, ditas finas
a 2800 o 3?, d.la* de brim branco a 25, ditas de
i/EOJ
ilR^ii
a 3*800 saccas grandes
i lindo a 33300, ditas de casimira a '.13 e 3;500, di-
^''i;;^^5' '.as ,in:,s :i ,;'5 '' 75;,r'- ditas prela- de casemri a
*a KimstmiJii 63 e 8.30(10, palitos >accos de meia casimira a U
c lino, pechincha
armazem da estrella, largo do Paraizo n. 4.
HOBILIA.
Xa rua estrella do Rosario n.
mobilia de Jacaranda em bom uso
vender por preco barato.
33 existe
e forte, que sa\
45o0a, 59 e 65000, ditas finas a 75 e 85000, dilas
: de casemira me-clada a 5300, p ili inrrr
no eos d- (Kinrio prelo a 123. l-5 e 165000, jaqnoloas
_ de brim pardo a 2j800, 23300 a 2t(lOO : s L u-
Irengo Pereira Mendos Guimaraes, rua da Impera-
urna :lrz !l- ',;. '"ja da Arara.
tr, junto ao Sr. Gaulicr, EB
doiilista. %
Tiram retratos todos os dias, das 7 horas ^
da manhaa s 5 da tarde, quer chova ou jM
Tambom se offereoem para tirar retra- ^3
tos de pessoas fallecidas, dentro ou fra ^$
da cidade. $S
Os annonclantes desojando acreditar o ^
seu e?talrt{Jecknento, garantem ao publico |B
que nenhurrNnrkalhosahir de sua ofllci- ^
na,sem que nao seja perfeitamento acaba S
do, e a vonlade do frognez. ?f
Cozinhelre.
Proclsa-s* e um coznheiro bom : na rua da
Cadeia n. 37.
Superior Yinbo do Porto.
Xa rua do Vigario n. li, escriptorio de Domin-
gos Alvos Matheus, tcn para vender muito supe-
rior vinho do Porto em caixas de urna duzia, e an
crelas de 10 cm pipa por pre^o mdico.
Piche do pa e vciuiz do gaz. "
Vende-so piche do gaz, vorniz do gaz e estopa
da torra : uo armazem da boia amarella, no oilo
da secretarla da polica.
Vmle-se urna e>orava ciiuiilade i6 ar.nos,
que sabe cozinhar e catar : a tratar na rua do'
Imperador n. 22, primeiro andar.
Vende se urna escrava cricmla moca com
bonita figura e habilidades c sem viejos : na rua
da Roda sobrado onde, morou o Sr. Dr. Pinlo J-
nior, ao comprador se dir a razio porque se
vende.
:;A
eiid -se
farelo de Lisboa em saooas a barrica*, e HMH
com superior farinha de mandioca, man barato do
que em onira qualquer parte : na rua do Vigario
n. 17, primeiro andar.
Pennas de ema.
Cera amarella*
Pelles de cabr.
Cera de carnauba.
Velos do Aracaty.
Vendem-se na ra da Cadeia n. 57, ar-
mazem deprenle Vianna & C.
Vendemse palmeiras impert**, em esf.do
de serem iransplaniadas: no si:.. mra4a c;-
querda, depois' do becc > do Espinhe.ir, dos Af-
flictos.________
- frjtiinlia de marrbeca II. a e Uta, mais
barata que se vende no morcado, em sac-
_______eos : na ruado Vigarion. -i'.i.
Peonas de ema
Vendem-se na rua da Cadeia n. 27, armazem da
Prente Vianna & C.
Vende se urna taberna bem afr guozada para
a torra por estar muito acreditada, na rua da Con-
cordia n. (52 : a tratar na mesma, ou no pateo da
Sania Cruz o. 8. _________
Bnixo de harmona
Xa na do Queimado n. 12, l.q'a, vndese mn
excellenle baixo de harmona, em ptimo esl
e por commodo proco.


^l
*r-
3Lirio de pernambuco Quarta elra 5 Je lulho de i&O.
PILULAS CATHRTICAS DE AYER.
Estas plulas vegetaes sao a-
'daptadas a todos os usos de um
purgante as familias, pois s5o
perfeilamente innocentes, e em
quanto milhafes de pessoas con-
fessam com gratido que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
'um so caso em que naja suspei-
tas do mais leve resultado inju- ber :
rioso por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
altestados que temos de curas
nolfiveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
Grande liquidacio a diiilieiro. I
Va foja carmazeni do Pavao.
IIiia da Emperatriz n. GO de Ga-j
na i& Uva.
Os dones deste eslabelecirr.cnlo lem resolvido li-
quidar suasfaiondas pur primos baratsimos, s
com o fim de aparar dinheir, e previnem as pes-
soas que nrgnclam em pequea escala com fazen-
da?, que nesta loja e armazem enconlrarao um
grande soilimento por precos que milito Ihes lio
de agradar, laclo em pera" como a retalho, a sa-
Aflceco dirimir do ligado.
Ii.lm. Sr-
Jtiz de Fura, 17 de fevereiro de 1864.
Tudo Jeito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo lirado um resultado nao espera- e l.em feitos que lem viudo ao mercado, tendo de
iln- utdeivmln ha mii ,1p iln/p annos en- l* os larranhns e ,le diversos precos trazendo to-
uo paueceniio na mais de uoe annos en das a< C0III|H.len,tS ,ilas (,ara a,ier,ar. jsl0 0 na
feririldailCS do ligado 3 baro, COM O UPO loja do Pavao, rua da Imperatriz n, CO de Gama
das pilulas posso Ihe assegurar que estou & Silva.
bOffl, pois ten lo ilesapparecido um grande Camhraias brancas.
enorj{itaineato que soffria, militas dores Vende-se um bonitosortimento de pegas de cam
Tasso limaos
Vendcm no scu armazcni ra do
.4rao 1 im n. '',
Ll.'or fino Caracho em botija* e molas botijas.
Licores litios sonidos (in garrafas com rotbas de
vidro e em. lindos frascos.
Vanos Uheres.
Sauterr.es.
CnamberUn.
Uermltage.
Borgonha.
Champagne.
Moscatel.
Reino,
Bordeam.
Cognac.
Od Too.
Azeiteplagniul.
tirante nrmaiera rte Untos.
HUA DO IMPEHAIlOit N. 23.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos rhimicos utensise os maisenipregados
e usados napharmacia,piulara, pholographia.tln-
Vende-se um bonito sortimento de espartilhos; turara, pvrolcchiniaifogos de artificio) e em outras
proprios para senhoras, sendo dos mais modernos indnslrlas".
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as prlnclpaeslrogamsde Paria, Lon-
dres, llaniburgo, Anvers e Lisboa, | de offerececr
productos de plena conflanca e satisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas franeezas, lislradas muilo lar-
gas, padrees escuros, pelo barato prego de 200 rs.
o covado, leudo muilo botn panno ; ditas escuras
p. droes novos, por serem todas escossezas e cor
lixa a 2O rs. o covado ; ditas miudinhas escuras
e claras a 2Ors, a Maneando se que esta fazenda
nao tem o mais i e.jueno loque de mofo, nem outro
qualquer difeilo. Isto. o I'avao, ua ra da Im-
peratriz n. COde Gama & Silva.
Espariilhos, ua loja do Pava*.
o
5
1
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
,r'?Z'nb'^"'.^'-x^ !*_m.mV"!Jn* akZ,b a! braia brancas lizas, temi lapadas e transparente-.' com promptldao qual
Sobre a regia do ligado e COStaS, doiesde pp|o prc0 dp ^ hmo r, M& havendo mailo a oleo,cuja qualidadee pur
CabeCja, itichaco do ventre, nao podendO superior da Esrossia por iO,5 e I2. Isto s na lo-, tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
deitar-mo seno do la.lo direito, isso mes- ja do Pavo. na ra da Imperatriz d. 60 deGama nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
mo procurando posico para ter socego, lio-. & Sllva-
Admiren!
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Reciff, e^qon dHuore d Deus,
At>Nm-MII>ilOS
Charol tlocommerci
Rua do fi'rol n. 73.
O proprietario detc e.-.. >).:
I ra de avisar aos seus freg .
de redureiio nos pr CO M Hl r I
ra qualidade : mauuipa ir.gicza '.; !ir. a
libra da ullinia ebegad t M n rn r I lita
Iranreza a 900 rs. e em barril tal i
(jneijos flamengos novos a 32380, til i p;
se pode desejar em bondada .. 0 r*. a ......
; memas ianerzas caixinhas .1 1 0O, ;. >
[800, frascos de ditas lOii.o,. ,
para mimes, marmelada i!s meibortfi mi a
('10 rs. 9 libra, amendoas cor::
de 3. M) a OiO rs., rinho de Pi: 11 i 1
. garrafa, Fieneira t Lfe-boa IflO, '.\> e
t uada si faz o abatimeal >, rar.11 i
com 1 arrollas pnr ',\-"y.i e a bira s<;
cafd l tone 7*800 i WOO e a bbra
boiac.l.iuha ingleza a 0 r*. a hl ra,
l.i-! 1 a "0fJ rs a libra, velas i ..;;.
dilas esieario:
,. ,. rs, dita? e.-tearin;..'!!;a.-.; (i')'r-..
Kxcellentissimas senhoras o Balao partecipa a Vv. Exc que reduzo os procos de gnez a COO rs., lpita a 3(380* ba
, todas as suas fazendas, e pede a Vv. Excs. que nao o esquecam, pois o Ba'o empefiba!* i", ww '> JIa dib > r.;j rs.aiHa,(
ififSiSa deSsu1? ncdien- todos os seus esforgos para bem as servir e alm de ludo isto minhas senhoras, um J!' f ''-'' -'-. ^ -
objecto mdispensavel as senhoras aman.es do^rogresso J^S?^^^^ S
Agora mmlias senhoras peco que l; ncem suas vistas cm toda a rumba circum.'fe-1 ditos de soda gran-ies 31 00
je mo acho livre d'esse padecimcnlo ; como
por aqui ainda as nao baja, eu como tenho
este proprio que de casa, Ihe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o cusi elle I lie sa-
tisfar, assim bem como do cliarope de
Admircm
e que se encontrara nomercadd em latas fechadas.
Tem grande colleccao de vidros de difluentes
frmalos, desde urna itava at dezeseis ongas de
cereja, que tive occasilio de experimentar; I .em do PavSo, na rua da mperaniz n. em um ataque de guellas que leve ama | ^ Sijva, onde sfvendem lodas as laceadas,
preta que com elle curei, fago uso d'elles
ras tosses em minha familia sempre em
rencia e verao que encotilnnn misiios objectos que necessitam e por presos que convi-
dam a comprar, como sejam:
1 ni -. 'ii-.-ur- una uua*u aio uutuevu v^m.' < I *- 1 1 1 1/\ 1 1
capacidade ; de vidros para vidragas, e diamantes 1 S llCOS baloesde 40 arcos, com lima roda que admira.
para corta-Ios; de pincela para fingir madeira com j dem com menos arcos a 2o00 e 35-
A lniirPTn Rpiu ? i Pronriedadeeontros; de papis dourados e pra- jjem para meninas de2 annos at 12 annos.
1V d leaos e folhas de frelatna para ornamento; de rmi -:--:- mip prn ,i|> M n 7A
papel grande, e pequeo formato de vanas cores. J^niDraia liniSSima que era Ue J,> a l&.
para embrulho, para forro de casa, para desenbo ; 'oem das (le O^por op.
com fundo ja teito;de pail aibon.inado'e Brisu, Os mais lindos p?dres de cambraits de cores, verdadeiras francezas.
I tanto de luxo como de primeira neressidade por.' verdadeiro saxe nata pbtographia e para filtrar, Tarlatana branca muito fina e larga
' pregos muilo rasoave.s, e com especialidade as se-1 e oatros ; vernizes de essencia para quadros, de Chtag mmn a nQ f 28Q ^ ^ mm A( 360> lmhf,m ha su,,ei orS>
ros que se turna 1 Dfadonh 1 raent^p. ir. <
i.mo '-; 1 ;a roDcnrrcoea m 1
garastindo a cxawidqde me Eral;..
As pechinchas que cstao venda na'loja e ama-
bom resultado, e por isso que pego para
mandar alguns frasquhhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque tenho
feitc uso d'ellas para uso da familia e al-
gamas pessoas, ia d i ,mt e g e
resultado; sou btdoorojoandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FF.nREArEnAit
lllictiaiatismo e ataques hcinorrhoidars,
Ii.i.m. Sn.
Ouro-Preto, 30 de marco de i64.
Posso cerlificar-lhe que as pilotas ca-
tiiar.icas do Dr. Ayer sao excellcnlcs, pois
que sourendo eu dores pelo corpo, e que
soppanba ser rheumali.smo, (molestia esta
que j havia sollrido ha annos) e soffrendo
tambein de ataques hemorrboidaes, e de
um ouvido, pois que al j pouco ouvia, e
acompaohade de urna dr no qneixo, con-
sollci a um dos nossos mdicos, e? este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
leudo eu o aimanack do mesmo doutor,
compre! em sua casa um vidrinhe das mes-
mis plalas e por minha conta principiei a
!oma-l.is, e setn as finalisar acho-me seni as
lores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes: portaato sao para mim as taes pila-
rlas s melheres que tenho experimentado;
sto em abono da verade. Son
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
Joao Rodrigues Fku df. Carvalho.
Gastrile.
O/iro-1!reto, 2) de marro de 1864.
Atiesto que tendo feito uso, aconselbado
por un amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
liquei perfeilamente hom de ama gastrite
que solria e que privava-me de andar aper-
lado, boje felizmente nada sinlo.
Aossto Goi.t.ATiNo d: Mello.
puntes, dando-se aqiosiras dcixando licar penbor
ou mandao-se levar em casa das familias
caixeins da me;na loja.
< upas preusesoBferabarqaes,
V< ndem-Se as m.is modernas Cfpas pre'.as lisas
e bordadas, os mais bonitos sooleniiiarqoes pretos e
manteletes, ludo de sida 'reta e o que ha de mais
gosto no mercado, por precos muito em conta:
espirito para madeira, copal para o interior e ex-,
polos teiior : oleo sraxo, oleo seccavo, oleo de linhaea [dem perclaras superiores a 440 rs.
clarificad.), uieode loiele, secativo ife llarlim, ouro Laa preta para luto e de todas as mais cores.
verdadeiro em p ; prata, ouro, e estanho era fo- cnia encarnada adamascada muito superior a o>0
berta para cama franec/a.
s. o covado, 7 covados da ama co-
ibas de varias cores ; linlas vegetaes, inolensi-
vas proprias para eonfeitarlas; laa de cores, e,,
lolhos de vidros para imagens; timas em tubos e Vestidos a .Alaria Pa os mais ritos que ba de I4f?, !8t> e Wfi.
1 telas para retratos; tintas em pastis e em p pa-. Caifas de casemira de muilo bonitas cores.
! SS&\SAtR paSly/aX > ^^" Pret e de *
! bouquet.limao, alcaraiva, melissa, ortela pimenta, > "t unm oranco.
louro, cereja, aifazema, juinpero, Portugal, lima,. Paletus de casemira sacco a 10 e 12;>.
ans da itussia, canella, cravo e muitos oatros ob- dem de brim branco.
jectos quesco.i; a vista poderlo ser mo.-trados.
Joo Pairo das Neces,
tlerente.
Falta ilc aic!i!e.
Ouro-Preto, 2i d feoereiro de I86i.
Sendo cu affectado do figadoba muitos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
boje dou grabas a Deus por aeltar-rae sao
e perfeito com o uso das pilulas-catharticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento 'ViEtnA.
GewtBfitSo, drrs de caircc.
Ouro-Prete, 28 de marco e-1864.
Atiesto que.achando-me atacado de urna
forte constiparn que trouxe-me dores por
Lodo o corpo e na cabeca, soffri borrivel-
mcnle por esparo de quatro das; entao
;im amigo acousolbou-me que tomaese pi-
Olas catharticas do Dr. Ayer: cotn eas fi-
quei sao e complejamente reslabelecido em
iros das, ile sorle que estou no (irme pre-
psito de aconslliar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem affectaas de
co i&ipaces.
Acos.niio Jos;': n.\ fisLVA, negociante de fa-
;;< .las.
ma & Suva.
Laazihhas a 300 rs.
Laazinhhs a 300 rs.
Lazitihas a 300 rs.
Vende-se um bonito sorimento de laaziohas pro-
prias 1 .i a vestidos e soutem arques por serem li-
sas c de qoadrnhes pi lo barato preco de 300 rs. o
rova lo, sendo fazanda que sempre se venden a
500 rs. o covado, e vende-se a dinbeiro a vista pe-
lo baratsimo pirro de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo a roa da Impegatriz n. CO de Gama &
Silva.
Pelerinas a 15000.
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
de rambraia bordadas roprias para hombros de
senhora polo barajissimo proco de l^fiOO: na rua
a Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Oi'gHiidy a 240 rs. o covado.
oaoja do Bavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
drdes miados e grandes, pelo baraiissimo prego de
240 rs. o covado (doze vintens), esta pecliincha
aiaba-se lego : na loja do Pavao rua da Impera-
triz n. GO. de ('ama Silva.
BRETANHA DE 1101.0 A 3JW00.
.asdajioSiO fsfcstad a SgOGO.
Ra li-ja do l'a>ao
Vendem-s< pecas ile hretanha de rolo com 10
varas a :3. ditas de madapblao enfestado a 30<>,
3JWW 0 e f-5 : n loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama c Silva.
ldaaoUe com (oque de mofo a f 5ifl0 e 7#
Vendem-se sapariores pecas de madapalao, e,a-
rantindo-se 20 varas em cada ama, pelo baratissi-
mo preeu de t400 e H t ir tercm um pequeo
nque de mofo que nada val, e peres de algodo a

'-.-
.'"
. i i (! I ; :: : C
1 .-
! .7 :
W
:
U
...
Francisco Jos Germano
nr\ \0v.1 ^. si,
acaba dereceber nm lindo e magnifico sortimento
ideocnlos, lunetos, binculos, do ollimo e mais
apure.Jo posto da Boropa.
~ HA I! ATO,
ItAllATO,
HABATSIMO I I
Acalia de chegar a nova bija de fazendas e rou-
pa Celta naciouai um grande sortimento de laazi-
Dttas (scceezas viudas ltimamente pelo vapor
feancez, que eslao vendendo |ior -280~o covado I!
fazendo queja se vendeu por 'OO rs. : isto > na
nova loja de fazendas e roopa feita, rua da Impe-
ran iz 11. 72.
Vende-se om escravo pardo, oraito irn^cn,
sadio, d bonita Hpura, sem vicios e proprio- para
todo servico : quera .1 preleuder diri'ja-se a rua da
Florentina n. iO.
i dem de alpaka branca a 0$.
1 dem prelos a 4$ e 5$.
! Calcas de brim branco, pardo e do outras cores.
Crcalas de linbo com duas costuras a 250O.
dem a I-jGOO.
Colletes di casemira a 4$ e -3.
Camisas com peitos de cor.
dem brancas a ljj(800 cada urna,
dem brancas linas pregas largas a 2'i0 e 20500.
dem de linbo mperiores a :;>.
dem de linho inglezas muito linns de nmeros 3i, 35, 37 e 39.
dem de meia abortas fazenda Superior.
CHAPEOS E SOIi
Chapeos de sol de seda de 12 asteas a 89.
dem superiores de l asteas a 1(.
dem de seda trancada asteas de meia caaa a 1 iJ.
Que ludo se vende na loja do ^,
...
y
.
k e a


I


'.: fa ) los '......
latorl os ti

27
cefs le :ii?8iha a 00
Zifite T0' fUa ^ ,WeratrZ G0, "t : "-3- *S :.T"rra; e ^^ndo
^ Carlea de casemirrs a 2oC0 e 33 55 t 'SSA ^^ "' ** ^
Vendem-se cortes de casemira de urna s cor a
2.0OO, drtasde qnadrinhosa 5 : na loja doPa-1
vao, rua ta Imperatriz n. 60, do'Garaa & Silva.
Cales a 2)0
Vendeaa-se chales de merino a 2-5, 2500, "o e
63: na loja do Papo, rua da Imperatriz n. JO, t
(iama Si Silva.
Ladbas a 220 rs na lajc Jo Pavao
Vendem-se laazihhas'(nm-parentes >te urca-s'
cor e de qoadrinhos proprias para vestidos de se-
nhoras meninas, jpelo iiaraiissteio prego de M
rs. o <"ov_do, senda fazenda que sempre i-e ven leu |
- Vendo-so nina npr nha de t annos, muito ?os nao 5era indiferente para continuar com a sua
esperta e sadr : no pateo da matriz de Sanio An- :,oa ""eiruezla.
ionio n. 8.
BtLIJA FLOS
Na ron do Queimai'o n. 63.
Tendo recebido um sortimento de bone-
A antiga e bem conhecida loja ue mludetan 'cas de choro, que chamara papai c mainfii,
rnt do Queimado 0. K-, acaba de ser novamentQ ooill cabelleira do CacliOS
^msngK^cett'av^ {BSI Te^> rceebi(l0 am.variad T^ **
f3t;es para senhoras gos, que com prudenciae sieudez serao pateles ao espingarda?,
comprador, a quera isso, e a regalatidade dos pre-1 para meninas
Iri o :j i
' ITeoCtScs:
" ...< -i nt'nr -ir.
I i-. jtir/:i.
:. .:.:>.
e _:: Irlerlrla.
: : ->.
- I : -.:- .
. '-.-i i'.::t r.--
; ; tdi trdrn
: :v .. .' IcAft.
.'.': r;::r. pulntan ir c
p ,;h' o.
'. ..--1". ,,/.'. .. -..
i ai Ir '...
ppr.ln il*nppe f cirurgica de'',
ut di 2 ; leja '. i '. ;., te.
K\n\datfilu .. durelodu '. '-
quinina de Rebi o, o He ti<
igualmente o Xarcpe dlodnre 3-jpIo .r
i"ro e I h
um pilotar e os i i os. i Mo : > j --
ce :no o xnrepe tfiodurt de fu..'. o i
de alterar-so e de se nlo poder eo
I'eca-se o folheio que se dftdcfraea
dos phannaceuticos depositarios.
Para-se evitarem falsifieacfcs, mX o
prador em cada frasco de Pilulas ou lampa a i-
signatnra do inventor.
Deposito geral em Paria, pharmac'r.I
.... .,
". .: -
; i :.--
i
... '.'
Barh'.lj
-;o:
.....
Vartoi*
mrp ditns U2, rus du Re. e em todas as boa. atera
pistolas, lambn.!., cutos te^4,j08pUueseiraii|*,ete.
apparelhos de almoco e de
- Xa raa da \\ tilo Velha n. B, fabrica de car-
ros, ven le se orna victoria cora pouco uso : a ira
lar na mesma fabrica.
Vende-seuma burra Jj ferio
em perfeito ytado e por commodo
na rua do Apollo n. 'i'.
grande
prece :
L :i'd;> ;m;;i calcabas.
Vende-se Kito boin laydo pxra calcadas ear-
mazeos chegade agora : a tratar na rua do Apollo
n. I.
Antiga loja de miudezas a
I rua do Queimado n. 10.
Nessa loja vndese baratamente, alm de mui-
tos outros objectos osseguintes :
Voltas vio cVjstal, grandes e pequeas.
Outrasde diversas qualidades.
Cruzes i raides de pedras alsa?.
Alfinetes i|e madreperoiao outras qoalidades.
Brincos a balao.
Cintos a iraviala.
N. M rua do Queimado.
IrritaeSe do estomago.
Cv.iro-Preto, 29 de marco de 1864.
\tteato e jaro, se nocessaro fr, que. sea-
trendo ka muilo tempo excessiva irritadlo
dees pouco apefite difficil dige*-
no, d'ela tenbo expertaientado sensiveis
sneboras depois que tenho feito uso das p-
talas catiarlfcas do Dr Ayer.
\.\to::) Hermogenes PeaEiRA Rosa.
a 3() rs.: na loja do '.ivao, rua da Imperatriz n.
00, de fiama St Silva.
Corles gruadiltM e 52^
Vendem-se os mais ricos corles de. fazenda mu
com
nulo
zem ...------, ....r^.. ^. >,, v ^o...^, ma^o ttrevo uso e pamaao, primeira e segunda
a8"*! ao Uueimaao n. ly, i^n-sJorl,vlitodep,'-oliso'Pau^doe de,iundrinnos.e
Oerneals de renda na loja do Pavao ^* xu> *cli de diferentes qualid;,des ai a que se pode encon-
('hegaram os mais ricos bornouis de renda e se | (LG"Se 0 SCKtlllTGI ',r;ir dl Me*lor dill) Paquete, dito pequeo em cal-
vendem por baruissimos preeos: na loja e arma-U^ncesdanabm da Mnhn>wi ambas, sendo liso, pautado,<1e quadnabea, beira
zem do Pavao, rua da Imperatriz n.GO, de Uania A S H* "?. ,'
Silva. "l,: M6IB Hitos chales pelos de rewh Cotoertas de chita ae. India a 2550a.
(.nep-.u pelo ultimo vap ir francez. um grande e Laicos de rambraia I ranc-s propr variado sortdlento dos mais neos cheles prelos de ; beira, peio barato preco de 0W a dezia.
renda, lauto de linho como de seda, leudo entre : R-s de. bretanha de roto com 10 varas a :00
elies muitos de sonta redonda a emitaeao de man- fi$taa de cambraia nara forro de resudo com "
teleles e mudos com o centro de cor, -
donrada e Sarjado de preto, iendo entre -elles al-
Km so panDoa.gUnSl|Ue tr;Ue,Iiaenvt.,op
man res e menores, e tarjados du preta Pennas
ngleas, raligraphiens e outras qoalidades,
odas dos ajamados fabrcafltes Perres A C.
Loabrigas.
Oiiro-.Prco, 28 de marco de 1801.
as pilulas o Dr. Ayer (ealharticas), fo-
ram empregadas com grande vanlagem por
mim em urna menina de dez annos que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
pie os symptomas que ento apresentava
eram de molestia bstanle perigosa,
Raymondo Nonato de S. Tiiiaco, pbarma-
ceutico.
Xevralgia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
r*aga de Azevedo.
la mais de sete annos que soffria dores
ao hombro e as costas, tomei urna inini-
dad-3 le remedios sem aebar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito das, e es-
tou completamente re-abelecido ; ha tres
lias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pilulas aclum-se venda as prin-
cipaes boticas e drogaras do imperio, e no
Rio do Jineiro, rua Dimita n. 13
Vende-se em Pernambuco:
.nal i jN-aci.-? tt'aaceza de
P.MaURER & C.
RUA -VOVA N. 18.
c vende-se
por precos multo emjconta p .r terem-aido manda-
dos vir de conta propria pelos donos da loja do
I'avao, rua da Imperatriz n. 60, de Cama & Silva.
Lazidias lisas a otiO rs.
Vend'-m-se a6 mais modernas Iazinhac,tendo de
todas as cores, pele barato preco de 30 :.. o co-
v.nlo, tai lalana branca e de cores a 80!) r,s., lii liso
branco a 800 rs. a vara, cortes de fil trancos lisos
a 05 : na loja do Paito, rua da ItnperalMe n. 60,
de (Jama & Silva.
Chapeas .(le sol de alpaca
Vendem-se superiores chapeos de s d s alpaca
a SJ500, ditos de seda inglezos cora l(i a-ias a
I2 : na loja do I'avao, rua da Imperatriz i'u 00,
delsma A Silva.
Uizinhis IraHcnatentcs a 320.
Vfldsm-se muito bonitas taazinlias iransparen- '
les com palrniilias da seda a.:ift, ditas lisas e 4e ',
varias cores a 220 rs.: na loja do Pavo, rua iaBaSs-de M M00, de
Imperatriz n 60, de Gama Curies de laas aaUciiss.
Vendem-se bonitos cortes de laas matizadas, ten-
do 13 covado; cada corle, a o3, ditos Mana Pa
a 65 e 85: na'loja do Pavo, rua da imperatriz
n. 60, Je Gama $ Silva.
RO'i'A FEITA
BOL'PA FITA
HOUPA FEITA.
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de roupas feitas para bomem, sendo raleas, pa-
lelols e colletes, tanlo de panno como de rasemiras
pretas e de cores ; deita-se de mencionaros pre-
gofi para nao se tornar eufadonbo o ancuncio,
aancando-se quo o rejpoitavel publico adiar um
giande sortimento por baratissimos pregos : na
loja e armaze/i. do Pavao, rua da Imperatriz n.
00, de Gama & Silva.
varas, pelo baratissimo preco de 2J-600.
Gu.rd.viapos adamascad ,s pAo barassimo preco
do 355OO a diizia.
Algodao enfestado com 7 Ii2 palmos da larcuraa
_ Ifi-JOO a vara.
Corles de laa de lindos ostos com iS ovados a
60e9L
: Pe^as ds camhria adamascada com 20 varas, pro-
1 prta.paracortinado, pela barato precede 115.
Fil liso fifio a 800 rs. a vara.
Dito com lpicos a !.5 a vara.
Tarliitann-branca flna a 166 t*. a vara,
i Atoaibado de alttdo adamascado a 25200 2 vara.
Dito de linho ^ 352OO a vara.
Laaziohas lisas de todas as core.-, pelo baraissime
preco de .'09 rs. o covado.
Pecas de cambrata de salpicos brancos e de oores
com 8 f]2 varas, pelo barali*simo preco de
45300. "
23 a 35, de 30
3*300, .le : 45, de i fcjSOQ.
Toallias felpudas a t a duzia.
Esteiras da India de e 0 palmos por menos
preco do que em oura mialquer parte.
Xeste armazem se encontrar nm grande sorti-
mento de roopa feita e por medida.
Albung
tu
3^
lr>J
Vendem-se
avanado.
Francez barrica 55000
Portland idem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso rmaos caes do Apollo.
Vende-se nina prela de meia Hlade que eosf-
nha o diario de ama casa e lava perfeitamentt|e
. prego barato : a rua D: re la 11. 17.
Viulio do Poilo especial.
O mais peneroso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaes em caixinhas de 12 garra-
fas, sent marca Rainha de Portugal a 185 a cai-
xa e Pedro V a 165. em pon lo far-se-ha um aba-
machinas americanas de forrte para descarocar
algodo : na rua da Senzala iNova n. 42.
Vndese tima taberna bemafreguezada para
o mato, e bem como para a trra por licar ao p
do mar, tambem d comidas e dormidas, e recebe
passageiros, lend) cxcellente commodo para fe- le razoavel : no armazem d Ferrcira & Malheus,
milia : na rua da I.apa n. 13. na rua da Cadela do Rerlfe n. 66.
Vende-se um oscravo peca de 18 a 19 annos ;
para fra da provincia : a trata'r com Manuel Luiz
da Veiga.
Vende-se urna bomba do Japy n. 2, propria 'Parinha de mandioca : lem'para vender An
Bichas de 1 un burgo
Vend^m se na rua Nova n, 61.
para cacimba por enar com canos.
Independencia o. 33.
na praca da tonlo Luiz de OHveira Azevedo
crijilorio rua d.i (JrM 0. L
no ten es-
Miraos a rua do Qnt'i-
matfo il 16.
Vendem-se bonitos albans para 12 retratos a
35300, outros para 21 a 3U0O, o alguns maiores
lanibem por uiratos pregos.
Luvas de p^lica a^OOrs. e par.
Apezar de nao serem .mtigas estilo um pouco
mezcladas as luvas de pelica preta e de cores, as
<|uaes ainda servem para a noite, e mesmo para
mearia, e vendem-se a 500 rs. o par na ra do
Queimado n. 6, loja de miudezas.
LM)Tin!lios e teos.
Na loja de miudezas a rua do Queimado n. 16
vende-se bonitos labyrinlbos e bieos das illias, te-
Oidoe eai grade >le lnha o <|ue o* torna fortes, e de
muita durage, alm de que os novos e agradaveis
desonhos, o u commodidade dos precos coneorrem
para a boa extrae-cao d'elles, tanto' mais quanto
elles nunca sao desneeessarios em c..s.,s de fami-
lias, pelo ijue podera dirigirse a rua do Queimado
n. 10, loja de miudezas.
lua do-Queimado il 10, an-
tiga loja de miudezas,
Essa loja j lo conhecida, renovou e melhorou
o sea sortimento do perfumaras, ondeos preten-
derles podem encontrar de novo e born.
leos philocome. suf cifine e babosa.
Ilanh.-. lina em frascos e latas.
Extractos linos nglezes e franeczes.
Aguada colonia eflorida.
Opiata e poz para den'c?.
Extracto de quinquina para ditos.
Agua balsmica para ditos.
Dita dentridee para ditos.
Leite virginal para sardas.
Vinagre de Venus para refrescar e conservar o
lustre da culis.
Saboneles eamphoradoi ingleses.
Ditos arefentos eieellents para man?.
Outros tambera inglezes de diversas qualiJades
em caixinhas de iros c solios.
Albuns com perfutaarias.
GAZ~GAZ GAZ
Vende-se gaz da mclhor qualidade a
lia ahita: nos armazeiisda ruado Im-
perador d.16 e roa do Trapiche Novan. 8.
Vende-se era carro do carrejar gneros da
alfaudega, com uso, o lodos o? pertenec ds culro
igual, ludo por prego mj8'|e commode : a tratar
po pateo 'J? Pi Pedro n. i.
jantar de porcelana e de metal, porta-licor
efaquinhss a 280 rs. o par ;e nio qoeren-
do continuar, Teudemais liarato do iue em
outra r 111; i ucr parlo.
Veode-se liras 1 rdadas de rtifferentes
larguras a i '-, e b ib a' is, co '. n ni is a pn-
nhospari ra, bordados o abortos de.
renda o los, os mais moderaos que se!
podem encontrar.
Vende-se 13a para bordar de diveras i
qualidades e de cores ciaras a ":> a libra, es-
pellios de columnas de Jacaranda a :>o(30,
tlit'is brancosde diversos tamaitos, caixinhas
pata estijos de navalhas,
Vende-se pentes do alisar cotn costas de
metal a I, ditos de differen'es qua idades,
lindas gra\alitiias para sen hora de diferen-
tes gostos.
dJolhcs'cs Vende-se collieres do metal principe para
tirar soupa a --\, ditas para cha a .->300,
dit-'sparasoopa a -.'300 a duzia: nesta
loja fe encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento de miudezas: rua do Quei-
mado n. 63, loja do beija-flor.
. : .







.
.'
.
'.' 1 J

co o o ss w > >.r> g sa n h s
I
'j>
'-^ rr" nt
Vi _. .
3J"3 vi
S^3 O.
f 2 o _'
m o -.-^ S a
ya
sr -
H ri J>
rS
* %.**
CA
- d-c h tx-

2 fi ce .3Q a. a v> i
m t 2 a 3 ; a-------;j
C?'*' J fp T -^ .
2J *
O
8 8" S"a e-
. ry T 3 5 fi _
'* O 5- a '~' i5 >- 5
3 ? S-
llll^
3.3- =
T^.V3r C*
rn
o O
1 3 ~&
as ^ -Z ~s
__, o ~> -^ ^
9 9o
^ ~1 zs
o a
a
O -
-3 33
^ 3
3i.
2
3
o_
en

s
3P
23
3
tB
CO
1
~ "3
s _


...- :!.:
. |. e.i
f
'

:
ion* -
""..os
l>!....:.. rhrai
;:i-.-.::tv. ..
' 1 i- -. ': -;;:.
1*3 "V*
Os ; : im ir
: ::.....; I
;! m lab i ( :r./, <;.. /.....
l'estfrwigc Jepou cada tu
i .-, muil .
m pmitos.
E te estado n6i) '
:'. -. Ii. ,-nte, que
IcMl^p .' I
A leccri. .-.
I'Rlpitiri'o dr r.r .- .-
06rr imm rin*.
o d


-.
I P1T -C 'il i.
I s ::- uht .' X:i sc:ii;.:( :....., ..
sai mole: :':.)> c i u
lempo.
'i r -" dec ital eo i de vu ".-.
; le geral cm Pai
n em todas as puarnia..... ite ':ac,^ ; i!. i
< traafteiroa.
a. : -
f
ISSJl E
SI
23
o
T
o

ca


THE

!>
2
COH COMEDIA
Preconizados >)cr todos os mediros ecr.->.
^ as Drjluxos, a Grippa e lodas as rri<
si do peito.
AVISO
FalsilicacScs re|>rehcnsveis exciadas pe!-3
succcssqs do Xarope c da Hasta de B,
nos obrigo a recordar que esses prodaetes
to justamente
comeados niio se
entreg.io scoSo era
bocetas e em frr.s-
'
}
Marlapolao barato.
Madapeo baralo
A S^tOO a peea de madapolao lian para arabar
na leja do liarateiro. rn.i do Crespo n. I.
FARELO
IjJ'L
Vende-fe farello a 44C00 o sacco de Lisboa,
marea Nj-nn palco do Paraso n.'O, esquina da roa
da Florentina.
Vende-so a taberna e casa do pasto dn roa
da Lapa n. 13, bem afroguezada para a pr.'.fa e
mato, tem bastantes commodos para ra jiadia : .1
tratar ha iresma.
Viaho do Porto superior cm eaixa de duzia.
tem para vender Antonio Luiz deOvelra Areve-
di -^ C.. no s u efcriplorio rua da Cruz 0. I.
i
eos com a assigna- ^-"*
tura aqui indicada. >***.UmimtinUfUmt u
me Saint-Hcnor, ha Pharmacia no I
i L'YRF, e em todas as pharmacias. ft
Deposito grral em Pernac Lv.co tu lia
Crcza.S em casa de Cares d wifetu
Liquidadlo de machinas p
algodao:
Chegoa grande sortl-ieiito do mi 1
descarocar algo.lo, de i i, 16, 18, i
serrles, deau,erior qnaiidaie. *s <;-.\ -
dem por preeo* maito n inriJos e ; r :..
quo em otara qu.i:.;a.i ,;, pr.r.i liqa :.
cuno motores americanos da uiim 1
quaes se loroam raeonimendaveis porsoa .
qualidade de fcil coadurfiio para o cenir^.
vincia; a tratar no dop. sito do ees de A- 1
"ii na roa da Cada do P.ccife, loja do fe;.
n. 06 A,
Vinho verde*
Ancoretas com <. r vinho verde de Ba t
o mellior qu vem .1 esto mercal.) : a roa di
n. 18, armazem de Jos Joaqun Lima Ba 1
/

..'
t



Diar.'o dr **crcambitco <|nnrla felra a de liilho de lSttl

B3
sus

GNEROS BARATOS A MNHEIRO
i
US
GRADES ARMtZGNS DE MOLHiDOS
AURORA BRILHANTE
i
DE
... DUARTE&C.
pj n Pateo do (armo u. 9 armazem Progressivo ra do Quemado n. 7
a \ r| Uuio e Conimercio ra do Imperador n. 40,
3 '-' Principal armazem de molhados.
OS PROPRIETARIOS.
Fazem seiente ao respeitavel publico, e com espeeialidade aos senhores de en-
geridos, livradorcsc mais pessoas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-
bera .-am os proprielarios dos tres grandes armazens, reunir todo; os seus estabeleci-
roeuios em um s annuncio, pelo qual o prego de um ser de todos, promette-
m.i.- jae nSo infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, ainunciar os geieros
por un preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como soode constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecirmntos nao se dar islo
aindi mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poderi mandar seus fmulos que
serSo tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor di mandar seus
] <: em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos umi conta
p iiI sj ver os preces tal qual annunciarims, o que senao arrepender pessoa
alguma que fi^er sia despenda em nossos estabeleclmenlos; pois poupar mais de
5 p r cont na sua despeza diaria.
Maoteiga ingleza perfeitamente flor chegada dem com 4 a ."> ditas a 35200.
n! ti mmente no vapor Sa'.adim, de 15 dem vastos de todos os lmannos a 25000,
a 1|200 a libra e em barril ter abat- 15300,800 eG40 rs.
memo. j Qaeijos d -2-5300 a 25300 os mais frescos.
Vanee
S 0 em barris. I 25000 a caada.
Banha de porco refinada a 720 a libra e 700 dem mais naixo a 203 rs. a garrafa e 1.5400
em barris. a caada.
Ca uxim de-snperior qualidade a 25600. Azeite doce de Lisbia muito fino a 603 rs.
dem perala miudinho a 25700 | a garrafa e i5'J00 a caada,
Id n hysson especial qualidade de 25100 a Toucinbo de Lisboa novo-e muito alto a 320
25600 a libra. I a libra, e em barril de 3 arrobas a 95100
dem preto muito especial a 25000 e 25100 arroba.
a libra. |Ceneja Bas do fabricante Sblcrs & Bell a
I ido Rio cm latas de 45000 e a 800 a 65300 a duzia e610 a garrafa.
libra. dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 65000
Latas coa biscoulo de todas as qualidades a dazia c 360 a garrafa.
al:>:00. 'dem marca II Victoria Alsope e mitras
!.'. m da creditada fabrica de Biato Antonio j muitas marcas a 3? a duzia e 300 rs. a
(Lis >) prprias para dar a doentes a garrata.
25 o 3J a lata. -Sbalo primeira qualidade a 220 rs. a libra
B ixi .'i i ingleza muito nova a 35300 a bar- e 210 em caf.
rica e a 210 rs. a libra. dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
Lolas com bolaxinha de oda e oval a 25- 180 rs em caf-
tez ara fiambre clicgado no Sabio inglez superior a ISO rs. a libra e
ltimo vapora 8\>0 rs. a libra. 169rs. em caixa.
s e patos muito novos a 610 rs. caf primeira e segunda sorte a 65300,
a :a. i 75300 e 85 a arroba, e de 220 a 280 rs.
\i rom macarrSo Ulharim muito novo a a ||)ra-
320 a libra. *rro; do Maranhao 35200 a arroba e 100
guapes armazens
M O L HA I) O S
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,000 rs. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimenlo na ra do Imperador n. 40.
ANTIGA CASA
-
: branca e amarella a 500 a libra.
! uortuguez de espacial qualidade a
. 'i libra.
-1 ss 1 le 8 Oa 15100 a libra.
rs. a libra.
dem da India a 25600, 25800 e 100 rs. a
libra.
,i n >s av.nl verdadero a MWOalibra Charutos Normas de Havana a 35300 a cai-
, vend mos a 10400. xa, de Simas (J>se Fuado).
1 da casca de guiaba em caixoes de 6 li- Mena Londrioos a 55, dem.
segu a 15800, dem Parasienses a 45300.
i', em caixoe pequeos a 700 rs. e de
dem Delicias a 15300.
dem Traviata d 1 Rio a 35500.
i. isecco embo 'otas ricamente Bofetadas, ,Wea varetas de Manoel l'eixoto da Silva
conl md 1 pera, pes-go, ameixa, rainha. Netto a 35300 e I W a meia cana,
cima a 640.
e 1 mas frutisa 35000 cada urna.
Id em calda em latas fefdas hermtica-
tno bem enfeitadas, contendo,
pera, p seg, ameixas e outras frutas a
70U a lata, tambem timos latas
1 1|200.
Mi melad 1 dos melhores fabricantes, em la-
:' I K) a 1 yl )0.
I' ,. em l3tas de I Ir2 libra a 15.
I; 'ii o alasde t libra a 640 rs.
E 1 latas cltegadas neste ultimo va-
I ir 1 700 e de 3" para cima a 640 rs.
I\ rerde ou carrapalo em latas j pre-
ido a 640 rs.
A:. is em frascos de vidro a 15300.
Id .. 1 caixinbas ricamente enfeitadas de
14200 a 25500. '
ras Mexi le muilo novas a 700 rs. o
fr :o.
!' ... ceb lias simples a 700 rs.
. i iglez a 640 rs. o frasco com rolba
di li 1.
-; : rda em p a 700 rs. o frasco.
tarada a 320 rs
m massa de tomate de 1 libra a
6C >rs.
I. m em latas de I 1|2 libra a 900 rs.
Vi h isem garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secea, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascaradas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Veibo Secco Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 15 a garrafa e 95 a 125 a duzia.
; 1 Palmetia a 15 a garrafa e 115000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 40O e 500 rs. a gar-
rafa e 2^800 a 35500 a caada.
,. m em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
inorvinho Lisboa e Figueira a 215 a
ancoris.
Id m branco especial qualidade proprio para
. isa a 560 rs a garrafa o 45 a caada.
o mais baixo a 400 rs a garrafa e 35500
a caada.
11 do Porto especial qoiljdade a 800 rs.
arrala e 55500 a cacada.
11 ni B >reaas em caixas a 75 e 700 rs. a
garrafa.
C p nha a meliior do mercado viada de
:. isa encqmmenda a 305 ogigo.
1! im mais baixa de 185 a 205 e 15500 e
3 '.< a garrafa.
dem suspiros do misma fabricante a 15i00
a meia caixa e 55200 a caixa.
dem mece'ipes a 10700 a meia caixa e
35OOO a caixa do mesmo fabricante.
dem orientaos do mesmo a 15800 a meia
caixa e 35100 a caixa.
dem jovens do Castanbo A Filho a 25100
a caixa.
dem suspiros do mesmoja 15'0) a meia
caixa, e outras miitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 15300 o quirto e 55
a caixa de una arroba bespinliola e 320
a libra.
Vermole bebida para abrir a dbposieio di
cunera 15500 a garrafa e 115000 a
caixa.
Alpisla muilo novo a 3JS00 arroba e 140
a libra.
Painco a 15000 arroba e 110 a libra.
Peixe em latas j preparado a 15200 a lata
e em porcao 15000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar fac isa 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 14 5000 arroba'e440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muilo grandes proprios
para guardar roupa suja a 25300, 35000
e 45)O0
Batatas em gigos de 3i libras muito novas a
800, ea,40rs. a libra
Gomma em paneiros a 45000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e nova a
240 a libra.
Sivadinba de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muilo nova a 110 a libra e 45000
arroba.
Caixas com estrelinba, rodinha e pevide a
400 a libra.
Albos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs cada urna.
Canda muito nova a 15000.
Cravo muito novo a 500.
Continuo dem a 320.
Ervadoce ilem a 400.
Alfazema flor a 240.
L' 'orM portugueses e francezes a 15000 e:Amenloas a 400 a libra.
00 a garrafa.
M [uino de Zara, verdadeiroa 15500 a
- 11 afa.
i .: mais abis-; a 800 rs. a garrafa.
lira de laranja ver 'admira a 115 a du-
zia c 15 o frasco.
I de Hollanda verdadeira a 65 a fras-
quira e iu o frasco.
II ;ii de Ilimbuiv.o a 35500 a frasqueira.
dem em bogas de Hollanda a 400 e 440
rs. n frasee.
C
N'ozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 4-5200 a resma.
dem lizo a 45000.
dem de pezo a 35000.
dem de embrulbo marca grande a 15200 e
15300.
dem azul para botica a 25000.
Copos lapidados a 55500 e 500 cada um.
Palitos de denles, magos grandes a 120 >
16'J cada um.
f Largo da Santal
jCruz n. 84, es-|_
[quina da ra dol
iSebo.
Largo da Santal;
^Cruz n. 84, es-?
quina da
Sebo.
E3-PECL1.ES
iv>ra i?r?h, ,prop .'I do' muito acreditado armazem de molhados denominado Au-
rora uriinante, continua a ter o mesmo sortimento de gneros de primeira qualidade.
xL U sirvira' a todos de Lase para ajuste de contas aos portadores.
nolA r i ,n a.r.mazem andera1 mais barato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja' 1
rm -.1,, ?ortiraenl 'Iue lem, ja' mesmo porque seu dono s deseia tirar diminuto lu- tii
iirnLii gae para acoumular as despezas do estabelccimento por isso deixe se a- gf
1 ania"r ,rsPritlar|o ha de fazer toda a diligencia, afim de servir bem os seus cons- 9
untes rregaezes. a
CskCa^ cora 8 libras de chourhjas muito novas,
, D'tas grandes cora peixe era postas inteiras,
iSoo ,ualidades' a l00, 1*280e
Ditas com ostras, excellente petisco para fri-
gideira, a 7O rs.
, Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
Uitascom favas, a 640 rs.
.Ditas cora ameixas a 13200, 13800 e 33300.
juilas cora marmelada do afamado fabricante
Abreu. a 720 rs.
jOitascom massa de tomate, aoOO rs.
fitascom figos de comadre, novos, a 13500,
z> e jodi.
|Dl^nil>lachinba de soda muito novas, a
Ditascorabiscoitinhos inglezes de muitas qUa-
L lidades, a 13400.
' Chocolate.
Caixinhas com ameixas enfeitadas prprias
I para mimo a 1320'),25800 e 35200.
f Chocolate superior muito novo, a libra de
880 a 13000.
>Macaf"'3otaIbariam e alelria amarella, a libra
) a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estreJinha. pevide, e outras mas-
f sas, a caixa 33300.
'Ditas dita em libras a 640 rs.
' Sag, a libra a 360 rs.
fSevadinha para sopa a libra, a 210 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
.Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
'Farinha de araruta verdadeira, a libra a
> 300 rs.
[Arroz do Maranhao, em sacco, a arroba a
23400 e a libra a 80 rs.
.Dito da India e Java, a arroba a 33200 e a li-
bra a 100 rs.
Vinho verde superior. H
A caada a 33000 e a garrafa a 400 rs. r^
Gomma. fyfi
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de sexp
engommar, a arroba a 33000 e a libra
120 rs. mk
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. ^0
Fariutia. grn
Saccasgrandes cora farinha de Goianna mui---J6
to nova, a 53000. Sy
Caf. A
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 83,;"' g
83300 e 93000. GjO
cu. cm
Gh,temos nestes gneros o melhor possivel,1 jv
hyson, a libra a 23600.
Dito parola a 33000.
Dito uxim a 23700.
Dito hyson muito fino a 23800.
Dito redondo a 23300.
Dito preto de primeira qualidade a 23300. r*&
Dito mais baixo a 23000 e 13600. X^
Erva mate. ^mL
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs. 5
EsperratMle. r^,J
O masso com 6 vellas de espermacete a 600:
640 e 720 rs. V
Passas. %
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro- Jo
prias para mimos a 43 e 23300.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 430C0.
Alpisla e painc-
Alpista e painco, a arroba 43000 e a libra ai*
160 rs. }
Cartas. &J
Cartas finas para jogar. a duzia a 23300.
Caslanhas.
Toucinho de Lisboa a 9#300 a arroba c a 320 i castanhas novas rindas neste vapor, arro-
rs. a libra.
jDito de Santos, a arroba 73000 e a libra a
260 rs.
.Molhoscom 123 cholas grandes, a 13280.
J.Mostarda franceza, caixa com 2 duzias a
> 7.J000.
i Frascos com mostarda preparada em vinagre,
{ a400rs. 8
Ditos com conservas inglezas c francezas, a
640 e 800 rs.
[Ditos cora sal refinado fino, a'640 e a 300 rs.
" ba 43000 e a libra a 200 rs.
Azeitonas.
Barris com azeitonas novas a 13300
Manteifla.
Manteiga superior, a libra a 13280.
Dita mais abaixo a 13200.
Dita menos superior a 13.
Dit* franceza nova, a libra a 880
Dila dita em barris e meios ditos, a libra
830 rs.
ia Ditos com a verdadeira geebra de laranja, a ] Dita para tempero a 400 rs.
13000.
| Ditos de 2
' 640 rs.
Botijas com
| 400 rs.
(Garrafoes cora 2 galoes cora dita, a 63-
arralas de Hollanda verdadeira,a
dita propria para negocio, a
Queijos
Queijos novos
33000.
Ditos londrinos
13000.
vindos neste vapor a 23800 e^3
libra ajf
DE
3
GUILHERME DA SILVA GUIMARES.
CR1BPO 5
NO VID ABE
E
&rr
mBwrm w>wmw&mm.
ras
Cortes de alpaka escocesa, cores brilhantes com listas de seda de duas
pelo diminutsimo precn de 95 cjin 15 covados, que vera a sabir a 600 rs.
urgu-
Vestido de para
CORTES DE TARLATANA
bordados a froco e seda froxa com flores, de cambraia em releuo.
pbantasia para casamento, partidas, etc., etc.
Vest mentas para creancas
objectos de gosto com primorosos desenhos de trancinbas sobre fustao.
CORTES DE SEDA A 30^000.
Bonitoa cortes de follard de seda com lindas barr. s matisadas por este dimir. -
tissimo prero.
Capas. Paletos. Linhos
Loutambarques. Caigas. Algod^*
Manteletes. Golletes. Laas,
Cbapelinas. Camisas, Sedas.
Chapeos. Ceroulas. Setins.
AOS SENHORES DE ENGENHO
Excellentes coberlores de algodo escuros pelo barato preco <1-,

ES.
Algodes americanos.
Cobertores brancos de algodo.
Chitas escuras a 2i0 rs.
Algodo de Minas.
C'filAYiES IE Fili DE SEDA
campo azul, magenta e roxo com barras preas e bran:as.
Fazenda de infinito gente.
A'
f&MM
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
rauito novos, a
Papel.
h
iServeia boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a 1 ___. ..em, .(Qni
) duzia a 6-000 i Papel almago pautado, a resma a t-^'".
duzia a 6;000.
'Vinho muscateldeSelubal, a garrafa a 15-
Marrasquinhoverdadeiro,frascos a 80C rs. e
3 a 13200.
(Champagne, a duzia 203000, e a garrafa a
> 23000.
h Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
5 a 13000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
> 73, 83,9-3 e 103 a caixa.
jDitas com dito branco, a 73 a caixi.
. Ditas com dito lagrimas do Douro verdadeiro,
h a 203-
> Ditas cora duque do Porto verdadeiro.'a
. 183000.
kDitas cora chamisso superior, a 143-
'Ditas com Porto velno e outras muitas mar-
cas, a 123-
jVinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
? e 800 rs.
'Dito de Lisboa muito bom, a caada a 33200,
[ 33300 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
>Dito da Figueira, das seguintes marcas (V.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (0. M.) a canad a
j 43300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
[ que j est engarrafado e lacrado com o
| rotulo do armazem.
iDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 33300 e 43000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
.Vinhobranco fino, agarrafa a640rs.
(Dito de caj muito superior, a garrafa a
I 800 rs.
Dito dito lizo de linho, a resma a 45300. WB?
Dito le peso lizo e pautado, a resma a^.ij \
23300. mann ni
Dito de embrulho, bom a 13 e 13200. c- :
Vinho MacYira. r '; |
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma- ;Vf) i
deira a 13300 e 23000.
Temperos.
Folhas de Iouro, pimenti do reino, cominho"
e cravo, a libra a 400 rs. r /
Velas de carnauba. <
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Aineodoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce. {
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 13400
e pequeos a 640 rs. i
Tijolos de limpar. J
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graia.
Duzias de boioes de rraxa n. 97 a 23000, ei
de latas a 13000, e os boioos a 240 rs. ca-,
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhore~ fabricantes da
Bahia por diversos presos, caixas e meias_
caixas.
Por Plant Brothers & C.
0LDA1
Os doos deste estabclecimenlo esto re-
, solvidos a liquidar sus fazendas por prei;o
baratissimo, s com o fim de adquirirem fre-
guezia ; e previnem s pessoa., que neg<>-
Estas machn?..' ciam com fazendas, que nesla leja e armazem
podem descarlas
qualquer especis
grande quantidade de gneros tendentes
estes, estabelecimentos, pe deixam de an-
rr
! encontraro semjire um grande sortinunt-
\ por menos 20 por cento do que em outra
em pegas, como i re-
'-V
i.aj?Moi!?r,nrP'rle'tanl0
sendo bastan- tall'0. Vejara :
duas pessoas para
otrabalho; pdf
escarolar ucii
arroba de algo-
do em earocc
era 40 minutos,
ou 18 arroba;
por dia ou 5 ar-
robas de algoda
limpo.
nunciar-se.
/Q3ao9EU.


CO11TWSABOS B i>jB IDOS
N. 11Roa do QueimadoN. 11
A este estabeleciraento chegou ltimamente da Europa um grande e variado sorti-
mento de coninados bordados o que ha de mais gosto em desenhos e bordados.
Lindos bonets de palha de Italia para senhoras.
Chapeos e chapelinas de palha de Itia ricamente entenados.
Chapeos finos de seda para cabega de homens e chapeos de sjl de seda inglezes de
8,12 e 16 astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarques de seda preta para senhoras.
Cortes de laa de barras de 143 a 223 de maito gosto.
Baldes de arcos e de musselina finos, manguitos e caraismhas.
Saias brdalas rauiio superiores.
Molreantlque preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
Lavas de pellica para homsra e senhoras. r.
E muitas outras fazndas que ludo se vende barato na loja de Augusto Fredenco
dos Santos Porto, aonde tambera se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas
R. 14Rm do Qaeimado-N. 4 4
S
;.;,,"<
Assira como machinas para serem movidas por
aniraaes, que descarocam 18 arrobas de algod;
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eulns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas macbinai
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultoresa virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saundfti's Brothers &C.
M. II, prapa do Corpo Santo
RECIPE.
Os aicos agentes neste paiz.___________
Attencdo
Vendera-se pegas de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 2o li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para 1 e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados Unidos : no armazem da ra do
Trapiche n. 8.________________________
Goke dogaz.
pitcli do gaz.
Alcalro do gaz.
Coke tonelladas rs. !0$000
Piten 80000
Alcatro caada. 400
O coke reconhecidamente o carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
alie usado. Piten e alcatro.alm das applicagoes
Chitas a 2 JO rs. o mado.
Vendem-se chitas preclaras francezas cdhi
assento braLCO, escuro, cor de canna e par-
da, pelo barato preco de 240 rs. o corado.
afiancando-se que esta fazenda nao est po-
dre, e nem tem o menor deleito: islo s na
loja e armazem de Guimares & Irmo.
n. 72.
Cambraia branca, grande .'trtiBtate.
Chegou a este estabt lecimenlo um gran-
de sortimento de cambnias brancas de in-
das as qualidades pelos precos reduzidos de
3-SOOO, 3,5500, '3, 45500, e muito Tina a
Q$, vende-se por este preep por ler grande
porcao ; cambraia organdy de 240 e .'lOOrs.
ocovado; dita franceza, a mais fina qne
tem vindo a este mercado e dos mais ele-
gantes padroes, a 400 rs. o e-vado, bara-
tissimo; chaly de seda de apurad > gosto a
900 rs. o covado : ito s s vend na loja
e armazem de Guimares iV Irnio. n. 72
Para a fesla de S. Joo !.'! bailes e pasaras,
i hegaram a este estabelec ment, pelo
ultimo vapor francez. ricos cortes de linbsi-
ma cambraia com lindissimo cbuvisqi in! o.
que faz um eTeilo magnifico, e vend
pelo baratissimo prego de 55 o corte, faa-
da que val 10,-5 em outra qualqner par.' :
cortes de liia com barra a d e 12 : islo s
na loja e armazem de Guimares A Irmao,
n. 72.
Para aeabnr per tede e prrr '.'.'.
Bretanha de rolo com 10 varas a 35 a pe-
ca ; madapolao infesl do com 10 varas a
3^200,3>500 e45 a.peca; ricos bordados
em fina cambraia a 800 rs.; soutembarque
magnficamente enfeitado a 5-5 e 61; lan-
zinha a 300 e 400 rs. o covado; damasco
diversas a que se prestam, como para callafetar Q ,_____ -Qon" ""'''**>>
embarcacoes.alc.atroar madeiras,etc.,teem es de frguras a <280 o COvado ; chales te
prepriedade de preservar do coplm, formigas.etc. merino estampados a 2; corles de case-
li nnlvnff^ii na (o hrinn il.-.?ni aii rv\ n ti i n i\ .i n A k m h d m ^Al k t\ H 1 1^.._______ .
;nv.F5*com genebra de Hollanda com 24 Fumo americano de chapa, de superior
gai rafas a H, com garrafo. I qualidade a IpO a libra, em porc8o ter
Mjm com 14a 15 garrafas a 65. ,' abatimenlo.
1
rasuran
Saccis grandes cc-ra 400 libras de farello superior a 4^000 a sacca.

Ta*so Irmos
vendem cesso em p para estuque de cants, tfjdlos
finos de feitlo diversos para ladrilo, azuteijos de
diversos gostu, tijolos vldrados para psrede de co-
zinha, canos de barro para esgoto, cemento em
barris de 10 arrobas.
Catangas Anos e orluquedos
para meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da ra do
Qupimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezjs.
WMMM
A 149 llOO e 105OO.
Loques de osso, ultimo gosto, a 1-3-
Ceroulas de meia a l&iM.
Diitas muito linas a I5*00.
S na ra da Cadeia do Recife n. o.
Em casa de Tisset Freres rna do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeaux em barricas e em caixas..
Dito de Santerne fino.
Dito de Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bjbe.
E)' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
InstrucgOes para o servigo
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Ind pendencia, a iij.
Vende-se ou truca-se o engenho s. Vicente,
sito na freguezia de Serinhaem, distante tres legoas
da eslacao da Escada, me com agua, com boa
casa de vivenda : os pretendentes dirijam-se ao
seu proprletario, no engenho Camaragibe, na fre-
gnezia de Serinhaem, oa na ra da Moeda n. 5,
segundo andar.
mira a 25500 e 35; bales americanos,
tanto para senhoras, como para meninas a
35, ten lo 30 arcos.
Itoupa fcita de todas as qualtfaics e.liwafcM,
Que se vende mais barato 25 por cenlo do
que em outra qualquer parle: i.to s para
liquidacao: na loja e armazem de fazendas
de Guimares & Irmo.
lar RA DAIMPERATRIZ, N. 7xa
\oveua de Xossa deshora m
Carao e de Kani* tna
Vend:-se na rua*do Imperador n. I, oA'in
de encadernarao : o offln >, salve e versos, aovt-
na e salve de Xossa Senhora do Carnv\ tres o-
Ihetos por 300 rs.,e a novena de Satt'Ansa por
320 rs.


l_
I BT ^Bh,
1
\
-


HMMMMVMBMM

i
1>larlo de Pernambaco linaria felra 5 de lulho de i .5.
\
K.

L
0 NOVO GERENTE
LIGA.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
0 PUBLICO
*em o menor constran-
gimento se entregar o
importe do genero que
nao agradar.
ATTENgfiO
o preeo da seguintc
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de coma
com os portadores.
GRASbH
AO
RESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua maxmi parte mandados vir directamente do estrangtiro podem ser
vendidos por presos asss razoaveis.
Sena a fatuidade de querer que este novo e nteressante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm .ffiancar, com toda a seguranza de que
aenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1." Delicadeza no trato.
2.; Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido. .
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa ae
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oas?uc?.r, etc., etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne
gociar, devem vir, | elo seu proprio inleresse, a este estabelecimento para se convence
rem do quanto se pode vender barato.
' Para os senhor s que comprara para tornar a vender existe um sortimento cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhore
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agr
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
Graixa em latas, muilo nova, a 80 rs. cada
urna.
ABMAZEM UNIAO M
ALPISTA a 1-20 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Anuo/, de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca raolle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 2i0 rs. a libra.
AinaxAS francezas em latas de todos os ta-
manhos.
dem idem em potes de tolos os tamanbos.
dem idem em bocelas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azote doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Almos a 200 rs. o molho.
Abst.vtho a 2.->000 a garrafa.
B
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 2000 a lata, e
de cinco pora cima a I.S800.
dem de so-la em Utas grandes a 2.5000 e
de cinco para cima a L08OO.
Biscorros inglezes de todas as qualidades a
1(0200, l05Oe 11390.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
una.
Batatas inglezas.
Bamia de poico refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em porco a 000 e 700 rs.
dem suisso a 15 a libra.
dem de musgo a 15500 a libra.
Chobicas muito* novas a 800 rs. a libra.
Caf a 210 e 2G0 rs. a libra, e em porcao
se far abatunento.
IJem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao rou i lo novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne di todas as marcas.
Charape de grosella, orchata, etc., etc.
Chicaras e pires a 1sS00 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
agarrafa, eem duzia se faz grande aba-
timento.
IJem Victoria Bas tres X e deoutras marcas.
ChArctos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Uavana, Exposico,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, '/arelas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto pota branca, e'.c., etc., a 2000,
2,>2 0, 20560 e 2-5800.
Copos lisos de todos os lamanhos de 120 a
320 rs.
dem Lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 25500, 35300, 4.5 e 55.
Clices de lodos os tamanhos.
Cognac superior a 15 e 15300 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco maciuhos.
I
DOCES de todas as qualidades : brasiieiros,
p)rtuguezes, inglezes, francezes, etc. etc.
E
ERVILIIAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a iOO rs. a libra.
F
f
FARINHA S S S d 8 libras para cima a 120
rs. a libra,
dem de ara ruta a 320, 400, 500 e 810 n.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feijo verde em talas a 000 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Flmo do Rio a 500 rs. a libra.
dem americano em latas a 25.
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 sarco?, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
Ci
GOMMA a 50 rs. a libra.
dem a 140rs. a libra, maito alva.
Grao de meo a 120 rs. a libra, e era porco
se faz grande abatimento. .
Genebra de laranja verdadeira a 15000 o
irasco.
K
KIRSCH de Wasser a 25 a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Lethia a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 15, 15120 e 15280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por I $280 a I ib a, vende-se em
outra qualquer casa por 15400 e 15500.
Mahmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talhaium a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6(,0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Moliio inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a .
Massas finas para sopa branca e amarella a
GO rs. a libra, em caixas com 9 libras a
35500.
Miliio painco c alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
m
NOZESa 120 rs. a libra.
Nauos em latas a 800 rs.
O
Ostras inglezas e americanas.
p >
PEINE em posta, latas grandes, a 15(00, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadifiha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaejo.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em qnarto a 15400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a.280 rs. a duzia.
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Qtartiniias ou Moiii.NQiES a 05, 85 e 105 o
par.
R
RAPE' Meuron a 15 a libra,
dem Princeza do Rio a 15200 a libra,
dem francez a 25500 a- libra.
SAB.O massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado era frascos a 500 rs.
Salame de Len a 255.
Sardonias de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco..
T
TOUCIMIO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em la las a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
VINHOS!
Principe Alberto, de 1831, a 55000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 15500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 25 a garrafa
Duque a 15 e 15300.
Chamissoa 15, 15200 e 15500 a garrafa.
D. Luiz a 15 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 25 a gar-
rafa.
Carcavelos a'15.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa.
Hordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 000, 800 e 15 agarrafa.
Absyntho a 25 a garrafa.
Kirsch a 25 a garrafa,
Wermouth a 25, e a caixa a 185.
Bitter Maurer a 15 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vende-se por este
preco por haver sempre era deposito 50
duzias.
De caj, de 1852, a 15200 a garrafa.
Velho do Porto, em ancorelas de 9 caadas,
a 355000 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 15280 e 15500 a garrafa.
RA DA CADEIA DO RECITE N. 53
(Logo passando o arco da Concedo)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore? "nheras, o aceio que presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que tudo a promptidao e ir.tei-
rezacom que sero trata
  • sQ0tivfda a urna visita ao mesmo, certos de que sem dovida me dao a proteceo e preferencia na :< m-
    pra dos gneros que precisare a e quando n5o possam virpodero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praliros,
    ois sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaeo, afim fde que nao van en
    v Ira prrte.
    Aletria, macarro _e talharim a 4oo rs. a li-!Sal refinado em frascos devidro com tam
    Manteiga ingleza especialmente escolhida a
    l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
    abatimento.
    dem franceza a mais nova do mercado a 96o
    rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
    Cha hysson de superior qualidade a 2,600
    rs. a libra.
    Cha perola o mais superior do mercado a
    2,8oo rs. a libra.
    dem hysson muito superior em latas de 15
    libras muitoproprioparanegocioa 2,ooo
    rs. a libra.
    dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
    bras a l.Ooors.
    bra e 0,ooo a caixa. do mesmo, a 5oo rs.
    I
    nS? n : e nha' pevide e rodl" Cer?eJa Dranca das marcas mais acreditadas
    nha branca ou amarella a 64o rs.a libra e que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
    Vi Jai" Cm 8 liblas- a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 0,5oo i do-
    Vicho do Porto muito fino proprio para zia.
    engarrafar, em ancorelas de S caadas a Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
    Charutos do alfamado fabricante Jos F.ula-
    35,ooo rs.
    Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
    32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e emeaoada
    a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
    Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
    dade a 4oo e- 5oo rs. a garrafa e em cana-
    da a 3,ooo e 3,5oo.
    dem preto o que se pode desejar neste ge- Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
    nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
    Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
    barril se faz abatimento.
    Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
    Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
    para temperar panella ou para fiambre.
    Queijos do reino chegados neste ultimo va-
    por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
    2,ooo rs.
    dem londrinos muito frescos e de superior
    qualidade a 8oo rs. a libra,
    dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
    abatimento.
    dem suisso o mais superior que tem vindo
    ao mercado a 64o rs. a libra.
    Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
    I zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
    Vinho do Porto das melhores marcas que
    vem ao mercado como sejam : Lagrimas
    do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
    tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
    ra Secca, Malvazia fina a I6,ooo, 15,ooo,
    12,ooo e I o,ooo a caixa cora I duzia e9oo,
    l.ooo e I,5oo rs. a garrafa.
    Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
    a duziae l,5oo rs. a garrafa.
    Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
    64o rs. as meias latas.
    Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
    barrica e 320 rs. a libra.
    Bolachinhas de soda em latas
    qualidades a l,3oors.
    do de Simas, das seguintes qualidades:
    Exposigao Normal de H;ivana, Imperiaes,
    Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
    piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
    6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
    Charutos finos de diversas marcas e fabri-
    cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
    nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
    Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5co e
    3,ooo a caixa.
    ognac inglez das melhores marcas, a roce
    I,2oo a garrafa.
    Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
    4 libras.
    Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
    libra.
    Matte.excellente cha para os navegantes, a
    2oo rs.
    Sebollas de Franca muito grandese novas
    a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
    Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
    de diversas Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs.fa
    libra e 8,5oo a arroba.
    a libra.
    .. que pre-
    Copos lapidados para agua a 5,000 e 5,5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas i sentementetcm vindo ao mercado, a 2,ooo
    O proprielano do grasda arm.-.zrm do B; ::,
    lar(;u do Livranienlu d. H, mi :
    ifguir em lempo a mudanra de rea ni i.. ; r
    ler de ser mudada a coberla di .mi r;.-a
    do vender o praDde e mapi rfha
    ihados e saceos o, sern aitendtr ao grande prejoi
    lu (|iie ri'oiimi frnin Dio ujhm
    lola precies c ol>frj::% ;lt
    onro.
    Mauricio Selbeberc k C, Mro i mu
    cbegadoi a eala provmria, iffrtrri .
    publico um giaBde NdliaWBHj u-- j
    relugics e muilos c|.jtl<.> de .lm. i
    mala rataavel n.-.-ivei, e me.-n.o inca .
    ohjeclos de orno, prala e dianan''-- m
    i.ovo.- : i.a .na do fjueiu.tdo u. .
    largo de Pedio I! n. 57, de ataal ai .{. :
    e.a larde das 4 I;. 11.. ii aiu. i
    dido^pelcs ai.tiui i i;i : o ;
    e eno prempios para harol.rtn- e- ti
    pe.-soas cji.e de.-ejardi. limpiar, 11
    pnt.can vir a seu fslatel riaaeolo.
    RIVAL
    Rita do qirein'do 49 eS.
    CVnilM'ia a veo*r (da.- ai a : ; .
    declara por prteos admirav'< .
    Masaos de palitos bxaJaa pan dd : i ;.
    Ehpelhos den.(dura.- douradu- S
    Bonets d> oliado (ara n.idci .. : '
    Dnes de rcuro upericr atseadi
    Frascos nm super r lima nha a ;
    Meiadas de linra Irosa i?ra borad- .. u
    liahadu do Porto, fazenda l. 140 rs.
    Varas de franja braara estr- i!;: s 16 r .
    Caixas com tOO eBvelocwt.foaeaM Di i iOO t\
    Crozas de peonas de ac, fazenda .-i.,. i
    Duzias de ir .eia. i ras" eucorpadas ar^ i. a. .. .
    UOCO.
    boiSe aaadreperoia b
    30 ci vellos de lii.l.a l .;,
    I
    .
    i.- i
    i

    em latas hermticamente lacradas a 64o. : Cartoes com bolo francez muilo proprios pa-1 Banha de poico refinada a 05o rs.
    Feijo verde muito superior a 040 rs. a lata.! ra mimo a 64o rs. Bolachinha Alberto, as melhores q
    rs. a duzia. para mimo a 3,ooo rs.
    dem idem para vinho a-24ors.,e2,4oo rs. Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
    a duzia. a libra.
    Chocolate francez hespanbol e suisso a 9oo, Figos de comadre a 24o rs. a libra.
    I,ooo e 1,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
    Espcrmacete superior a 6oo e 64o rs. a li- Milo de amendoas a ooo rs.
    bra e era caixa se faz abatimento.
    Peixe em posta em latas hermticamente la-
    cradas e das melhores qualidades de pei-
    xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs.
    Vinho Hordeaux das marcas mais acredita-
    a lata.
    Farinha do Maranhao muito al va e cheirosa
    a 2oo rs. a libra.
    Frascos com fructas em calda de diversas
    qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
    Caixinhas com fructas em doce secco de cli-
    Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoaoj versos tamanhos, muito proprias para
    de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li- j mimo, a 1,6oo, 2,6oo e 3,Soo cada urna,
    bras porSJIoors. Ruihos, excellente peixe portuguez, em
    Ameixas francez as em fiasco de vWro com barris pequeos ou a relalh^ a vista se
    lampa do mesmo, a l5oo. far o preco.
    das que vem ao nosso mercado a
    8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris agar-
    rafa.
    Genebra de Hollando a 48o rs. a botija de
    conla certa.
    Frasqueirasde genebra de Ilollanda a 6,8oo
    e 64o rs. o frasco.
    Genebra de laranja verdadeira era frascos
    grandes a 1,ooo e 11,ooo rs.a frasqueira. Conservas inglezas
    Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-j 8,5oo a duzia. Figosemsextinhas a 8o rs.cada urna e 72o
    bra e 8,5oo rs. a arroba. | Vassouras de escova para esfregar casa a rs. a duzia.
    7,ooo e Ameixasfcanc zasem caixinbas de diversos Azeitonas de Bivasem ancoretas grandes de
    8 garrafas por6oo eSoors. a garrafa.
    Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
    l,5oo cada urna 3ncorela.
    Champagne da melhor qualidade que vem
    ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
    tamanhos com bonitas estn pas na cai-
    xa exterior, a 1,4o?, I,Ooo, l,8ooe 2,ooo
    cada urna.
    Azeite doce refinado hespanholou portuguez
    caixa.
    a 9oo rs. a garrafa e lorooo a
    Batatas muito novas a 8o rs. a
    o gigo com 36 libra-.
    a 75o rs.
    brae2,5oo 24,oooe26,ooo ogigo.
    Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
    a libra.
    o frasco e
    Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-i 4oo rs.
    bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
    Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
    rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
    dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
    arroba. I a 8oo rs. o frasco,
    dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
    roba. 4oo rs. o frasco.
    Painco e alpista a 14o rs. a libra ei.oooa Lentilhas francezas. excellente legume para
    arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
    Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
    rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-, l$ a garrafae II,ooo a dueia.
    xo. Palitos de denle a 14o rs. o maco.
    Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
    Balaios para roupa suja, grandes e peque-
    nos, por diversos precos.
    Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
    Latas com fructas em calda: pera, pecego.
    damasco, rainha Claudia e cereja,
    rs.
    Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
    fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
    Azeile doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
    e 640 rs. a garrafa.
    Vinagre branco j engarrafado a ooo rs. a
    garrafa.
    Grozai de
    e 640 rs.
    Caixas com
    900 rs.
    Caixas ecm superiores ofcreiaai
    Pee,as de lila Granea elaslica ci
    Varas de franja de lea pata inieilt-
    40 rs.
    Barelhos douradi s superir res N'ovellos de linl.a cen; 400 jan'rs: ? rs.
    Livros para assenios de raspa la' n|l n
    Pares de Lcloes para punho, baeaa
    Tpfuras para costuras superi're., noaiidao. -
    400 e i 5.
    Caixas de pennas de calIipraiJ.ir, azenda I
    t000.
    Maesoi com superiores traanaa .-. :v> r.
    Pares de tpalos ce tranca e lap< le a \fi
    Pares de. sapalus de tranca i ara r... uin a .,
    uaw.
    Caixas com superierfs apnllias a SU rs.
    Libras da Uta aoriMaaa booKas coi ":'
    Caixas com supriores ol Hodinhas cum allioi les fraacetti
    a 20 rs.
    Resmas de papel almace a Sfi'iOO i 2J00 rs.
    Resmas de papel de peco lino a ll
    Escovas paia roupa, fazenda boa a f t *
    Duzias de tesoura? com tu<;;e d n
    000 rs.
    Duzias de facas e parfos de calo pr< I
    Talheres mull) lino para cria::;
    JFlo de algedo da [-'.. "ii-..
    Yiuirtrfrn mrnrripinrin da ftMnaii La i
    veira Azevedo & C, rna da Cruz n. 1.
    -' :-.-'
    ESCEAYO n S.___
    Atteiicao.
    Fogio no.dia 2't do mez proxia
    lalinlio Joao, idade, p<'U^o mais ou u :. -. .
    annos, cor parda,'porm muilo plido, c '
    mui ruivos, porm earaptefaos, m I i i : i, -
    voocaniisa de riscado azul de IhV -. <.
    godo azul, cosluma vendar la[ i -a-.
    uliimamenie vendeu serles : peden i
    decampo on alpuem da polica, de ipfrel
    e leva-Id a ra do Sebo n. 3J, ajoa sua gn>.
    mente recompensado.
    1
    M&
    . o Ausenlou-se o eseravo Manoel, o on-i JU
    Agua florida e tnico orien-
    tal de Kemp.
    Conlinua-se a vender em porcao e a retalho :
    na ra do Queimado, loja d'agui branca n. 8.
    Chromacomo
    A apuia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
    de receberum novo sortimento de caixinhas com
    cliromacomo para tingir cabellos, e bem assim
    frascos com hydrocalletrichina, apua para desen-
    grasar os dilos, eoloncomo para lustrar os ditos,
    e onychromantina para hmpar as unhas. Essa
    tintura, cujo effeito rpido e eficaz, esta bem'co-
    nheeida e apreciada para todos quantos della tem
    usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
    dem, assim como aquelles, dingir-se munidos de
    dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
    numero 8.
    Papel efolhas para rosas
    Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
    ra do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
    pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
    dito tamliem verde e mui fino para cobrir o ra-
    me, assim como folhas de panno e aveiludadas
    para ditas.
    Aspas Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
    branca n. 8.
    Superiores penas d'ago ingle-
    zas e francezas
    A aguia branca alm do grande sortimento de
    penas d'aco qu constantemente tem, icaba de
    rfceber mais outro de superior qualidade e dos
    afamados fabricantes Perres A C, asslm como as
    verdadeiras blco de laura n. 134 eoutras de pon-
    a dourada, continuando porm a vende-las por
    precos commodos, com tanto que ocompradorcom-
    pareca munido de dinheiro : na ra do Queimado
    loja da aguia branca n. 8, onde tambera achar-se-
    ha a venda pastas para papis.
    A aguia branca na ra do
    Queimado n H, recebeu:
    Bonitos e graudos aljofares de cores para voltas.
    Pulseiras de dilos de ignaes e agradareis eores.
    Voltas pretas maiores e menores todas de contss
    grossas.
    Pulcelras pretas tambera de conlas.
    Outras de difTerentes qualidades e gostos.
    Brincos de aljofares de cores e dourados.
    Pivelasd'a^o grandes e pequeas com cinto pre-
    to e de raadreperola.
    Outras graudes de difTerentes qualidades e re-
    dondas com pedras.
    Bonitos leqaes de raadreperola redondos e de
    outra forma.
    Ditos de sajidalo interinos e corredigos.
    Capellas brancas para meninas.
    Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
    da Liga.
    Saceos de 80,100 e 120libras a 4$, 40500 e 55 ; no grande armazera da Liga.
    g.g^_fc*". .^-i.._j' Is1 >aX-i 1a-^_ lta; 5i u' li ., V6&3V v., Vto.ii-li; ._; tu-iiv ^ '^Y-'I*
    m
    ?gs>
    ':"' ;
    PECHIKC
    r. Joau Ferie ira Ta\\^a, na eomari t Lai
    e depois do seu fliho Joo Ferrtira i
    rcndeiro do engenho Rede da comarca de S
    Aniao, cujo e>cravo Um aa lipu
    levou ceroula e canlaa de aigodo lirnc.. ;.a
    muilo sujas, chajo de bada velho, alto, wr
    nariz cliau, falla de denles, cara larpa, o
    lufado para fra. que omabaor ;.'ia! ...r.. -e
    conhecer : quem o pegar leve a rna e-ir-liada
    llosario n. o, que sera' bem rwaapeMfttffe
    Fugie em o dia 3 de maio o e-riao Jarch,
    *rioulo, representa 30 annos, al(->, I r. i <. I ., ^-
    do, falla mansa, muito eonh cid '| r ei
    'eite, e vender agua do cbafariz d,' paleo do C r-
    rao; ha pouco lempo (rabaltiava im carros da at-
    fandega : quem o pegar leve o a i D.
    Anna Joaquina do Monte Fonseca, .a
    estrada nova do Cacbanca, que ser recoir.; .-
    -ado.
    VUeiK
    .-
    &.f>.
    Madapolao muito fino cora pequeo toque de avaria, por preco que admira : na loja (e^)
    das columnas na ra do ('respo u. 13, de Antonb Gorrea de Vasconcellos & C. W/
    Pechinich
    sem igual
    Grande sortimento de roupas feilas de to-
    das as qualidades,
    Calcas de casemira a C5 e 7oOO, ditas pretas a
    6 e 85, caigas de ganga a 25 15800 e ($600,
    ditas brancas a 25, brim de linho a 3, 35o'00 e
    4, paletots do alpaca branca a 45300, ditos pretos
    a 35 e 35500, dilos de alpaca de cordo a 4$, e'
    de listra de seda a 45500, ditos sobrecasacos a 35,
    paletots de casemira a 55, 55500, 65. 85 e 95,
    ditos sobrecasacos pretos a 1*5, 15 e 165, ditos: fi-
    nos a 255, de cores a 135, ditos fraques a 145,
    paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditos de brim
    pardo a 35, jaqueles de brim pardo a 35, panno VlTlllO^ MftlYfl71A fin Pm*tn
    preto fino a 25. 25600, 35500 5, 45300 5 e 6 o muuo JILiU\ iX/AK) UU 1 VI IU
    covado, moreatique preto a 25600 o covado, gros- J5" Luiz Ferreira Ribeiro tem para vender em
    denaple preto a 15300, 15800, 25, 25200 e 25500 seu escriplorio na pra?a da Santa Cruz ns. 6 e 8,
    o covado ; e onlras muitas mais fazendas que se excellente vinho malvazia do Porto era caixas de
    deixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixei-, duzia, recebldo pelo bngue Unio, o milhor
    ros da loja da arara casa dos pretendenles. O vinho e tabelecimento est aberto at as 9 horas da noite, Preclaras finissimas a 280 rs. o covado com pe-
    queo toque de mofo, fazenda de 500 rs., quem
    {rosta do bom e barato agora pode sortir-se diri-
    gindo-se a ra do Queimado ns. 43 e 45, esquina
    que volta para a Congregarlo.
    ra da Imperalriz c. 56, Mendes Guimares.
    Chegaram os superiores
    cortes de seda.
    Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
    ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
    do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
    cellos & C.
    Farinha de mandioca fina e alva, mais bara-
    ta do que em qualquer parte, arroz da trra pila-
    do e em conla : para ver e (ratar, na ra do Vi-
    gario, casa n. 29.
    cultor do mesmo w quinta de S. Goncalo de Lom
    brigos, do Douro, pois o proprio que o remelle e
    garante sua qualidade sem confeccao, apenas com
    agurdente fela do mesmo vinno, por isso toraa-se
    recommendavel para os Srs. apreciadores de bella
    P'"g"._________________________________
    ( al de Lisboa.
    Vende-se excellente cal nova, ltimamente che-
    gada : na ra do Trapiche n. 44, segando andar,
    escriplorio de E. R. Rabello._____________
    Serventes.
    Vendem-se semen tes de horlalicas rauito novas :
    na ra da Cadeia n. 50.
    Desappareceu no dia 19 do prximo pausado, o
    negro Mariins, estatura regular, cura i ma f-
    grande n'uina canelia*e a perna enrhada, fui com-
    prado ao Sr. Carvalho l'a< > de Andrade. senhor Jo
    engenho S. Paulo, supde-se qoe anda pelos enge-
    nhos perlo do Barro, qnem n pegir, aea-o coao-
    zir a botica da ra do Cabag n. II, quesera
    recompensado.
    Ausenlou-se hoje ao rceio dia, da roa da Crux
    n. 26, o moleque Venceslao, de idad>- d.- 10 anuos,
    de cor rula, venia chata, e levou tamisa e ra.';a
    de chila azul, tendo no pescoco un; roan,., i bas-
    tante ladino e esperlo, foi eseravo ciia di
    Sr. Jos Baptisla Ribeiro de Farias, como.se lev-
    confia esleja acontado, protesla-se preceder MM
    quemoliver acolhido; e pede se a (|omdeiie
    der noticia, ou o aparrar, lvalo a sobredila ca=a
    que ser recompensado.
    - Fugio no da 10 de niai. proxiPii passado o
    preto cnoulo de norae Braziliano. ida> e de _6 as-
    nos, estatura regular, cor fula. irnrV i:m iaa n-
    tes da frente quebrad, sem barba, apenas alguna
    cabellos a roda da garganta p olhar amorferiJo,
    bem fallante,sabe 1er e escrever e falla tm om
    o inglez, bom copeiro, cosinha e lava liem, leve
    vestido camisa de algodo branco e caira ce dito
    azul, conduzindo alenma roupa tina, romo be
    caigas de casemiras de lisias, jaqoela branca e ra-
    misa de madapolao, Irnces e mais roopa qne lera
    marcada com a letra B de linba de marca,alguma
    pegas e outras erm o nome por extenso rm lin'a
    de marrar, levou chapeo de palba in'indo rrani-
    Iha, chapeo de sol de seda verde j osado, sapatos
    e meias, de suppor que se inculque de forro :
    quem o apprehender cnndnzinuo ao siti de ko
    Mathens, no Poco da Panella, er- "'r.r-nsamaBt
    gratificado por sen senhor Juvino Bandeira.
    Fupio em principios do mez de fevereiro da
    corrente anno e consta estar acoutado nes'a cida o moleque Euzebio. eseravo da vinva do Pr. Fer-
    nando Aflonsode Mello, de 11 ann.%de idade pos-
    eo mais ou menos, pt preta, aven te carpan <
    regulares e afnmacados, cabera nm poam i
    e meia chata, belcos finos, denle.- beo alvea.1
    seceos e muilo ladino : roga-se por lano a todaaa*
    autoridades policiaes e capitaesdecampa que oa-
    prehendam e levera-o a roa da Mangceira sobraw
    n. 6 qae serio gratificados, protestando-" asar eos
    melos judicJaes contra qnalquer pessea que oleata
    em seu podrr.
    T
    ii
    i% #r-i


    Mario de Fernnmbnro QoaHa felfe** 5 de Tullto de 1865.
    JURISPRUDENCIA
    For un.
    0 INSTITUTO DOS ADVOCADOS.
    Y. 1813 approvou o governo imperial os esta-
    lla Ordem dos advogados brasileros na
    . Sob a presidencia do conselheiro M-mt-zu-
    l.oja viscoade do G quitiulionha,e cun per-
    i imperial, realizou-se era 7 de seterabro
    anuo a icslallagao e ab rlura das confu-
    as do instituto, na sala grande do collegio de
    ' re II, cora assistoncia de tres ministros d'csta-
    j. memoro* -do corpo legislativo e diploma-
    11 magistrados, e cidadiios de diversas clas-
    ss, Concorrcu c-fficazmente para solemnisar o
    ;.. im discurso magistral 'obre a historia da ad-
    icta entre as naguas de pruneira plana, conlen-
    dd leas mojlo aproveiiaveis era relagao a essa
    i. se mportantissima de funecionarios, e ao nos-
    so ."io ciu geril. Mostreo sa que o instituto seria
    ,i a elUor auxiliar do governo, e da attemWa gem,
    na di]icthmi tarefa do me'horamenlo da legisla-
    wil,adnunistraUta, comnurcial e poltica. ,
    Todo esse apparato esperanzoso dava por si s
    i i .dea vautajosa do muito aprece que mereca
    u.i sumuiidad.-s do pata a creacao-da rdem dos
    advocado?, eujo regiment interno obteve approva-
    oj do governo em lo de maio de 1841. Aos
    membros do Instillo eoncederam-se os privilegios
    < tosanles do decreto n. 391 do 23 de novembro
    daquelle anto. Para as respectivas conferencias
    gnoa-se una sala decente na secretaria 'es-
    lado dos negocios da juslica; e aili dense come-
    to i f jndacao de una pequea bibliotbeca jur-
    dica, para so recorrer a ella durante as. confe-
    rencias.
    C tira do instituto organisar a ordem dos al-
    vogados, (m proveilo geral da ciencia e d.i juns-
    icia.
    l.'!;re os direitos garantidjs aos scus membros
    i resj .olivo regiment, notaremos os seguiu-
    tes :
    Proporem por eseripto qualquer duvida de ti-
    reito ou de praxe.
    Apresenlarem a; medidas que jnigarem vanta-
    -.
    ! ifenderemse livremente, peranle o conselho
    :tor, de qoalquer aecnsacao que Ibes seja futa
    algum dos membros do Instituto.
    Qnixarem-se ao conselho de qualqucr insulto
    injuri ,qne Hi stenha fito qualquer colleja no
    de sea nobro oflkio.
    Reqaisiterem do instituto soccorros de benei-
    cencia, qaando venhara a cabir em desgrana. K
    iso morram oeste estado de desgraca, a suas
    viovas e lilhcs legtimos menores poder o institu-
    to tazar extensivo este mesmu direito.
    L'rem, cm qoalqner se.-so ou coaf .rancia,
    memorias, o a quiesquer ol>ras suas de Jurispru-
    dencia.
    Entre as obiigagoas dos membros liguram :
    A de exercerem a proflsso de advogado cora
    honra, ctvilidade e aptld >.
    A d cultivaren! o esludo da jurisprudencia
    il estiver i m si, para cumprlrero coni a ui^r-
    Didade de seu nobre uflkio.
    A Je absterem-se ce injurias e insultos aos seas
    gas ua deo:a ds*eausas.
    .'. ii nao referirem fictos da vida privada nos
    articulados, salvo quando isso fr necessario
    a llefeza da causa ; tendo nfjrmagao da parte por
    I .
    O conseibo director deve promover pelos meios
    ao seo alcance o esludo da jurisprudencia.-
    Poje se instaurar processo contra qoalquer
    :i. n bro, nos crimescorreeeionaes, on que involve
    rem pena de expnlsao temporaria on perpetua,
    petos precitos que aqui consignamos fcil
    c. : ; a importancia da inst.luco, que poderia
    toro ur-se anda mais til. Uo dos nossos ministros
    d'esiado, e Sr.- Sayo Lobato, tinlia lomado a peilo
    r.. ira-!a mel i d; reforma, e ao ni sara tem-
    .. Bcazn rato rotnoaoxi iav rnui va-
    r ; .-i,'..-..,. Has foi ebrigado a resignar o
    i : s ua realiaar o seu Intento, como acn
    e taitas vezas com as nossas adraiiu-tragoas
    fegilivas..... Tardara muiU em anudurecer as
    1, ... i leas j c para cumulo de infelicidado, algum
    rito mais perseven ni i que so osforca em ven
    cer cbitaculos, v-se ligopnvadi dos meios de
    cons?guir o sen IriumpbJ. A r.ida do poier gyra
    com a mesma v tocida le caprichosa que a roda d.'.
    .' na. S n'uma cousa ha mais [.erseveranca .
    no tyttema da esterilidaJe, da confuso e da
    ruina...
    Assira mes-no o ministro a quera aliudimos pro.
    vou por v.;n acto positivo que o in>tituto dos ad-
    vogaios poda ser tambera un excellente auxiliar
    da publica adminlstracao. Existia officialmente
    creada na cu. te urna cnddae denominada Ad-
    Tugado doslpobres qoe pereebia um honorario
    cust eos cofres pblicos. O governo supprimio
    essa despeza, fazendo um appedo so instituto, cu
    membros seprestaram gratuita ealternada-
    mente i d feaa dos pobres.
    Como quasi sempre acontece com as emprezas
    g atuta no Brasil, logo que amortece o espirito
    de wmaais, que sempre transitorio, o instituto
    d:-s advocadosfundado sol) t.io bons auspicios-
    foi cabindo n'uma especie de marasmo. As con-
    ferencias tornaram-se pouco concorridas. Forara-
    se 8asentando os ]uui deviam servir de pliarol aos homens novos. Di-
    minuio ccnsideravelmnte o inieressc de sedis-
    cutirem quesldes graves. Desvaneceu-se a espe-
    ranea de se verem <* nsignaJjs em memorias im
    pre-sis os fruetos sazonados das lucubraoes dos
    jurisperitos mais abalisados. Presidente houve
    que ne:n ao.menJs se dignava comparecer s ses-
    soes.
    Evidentemente nesta poca as evolucoes da po-
    ltica m squmba e do interesse personallssimo sao
    parsitas que chupara .afincadamente toda seiva
    d.i grande arvore da prasperidade nacional. Na
    iri.prenf-a, no parlamento, e em quasi tolos os cir-
    cuios consome-se o lempo em parteadas esteris,
    em rcciiminacoes interminaveis, em combinag-oes
    de vailade, d; ambicio e de capricho. E no meio
    desse Lirbariuho vaofieanlo margem os pro-
    bleni.s da raai^ palpitante vanlagem publica.
    ' Nao esquejamos urna compararlo bem desfavo-
    ravel ao presente. Na infancia da nossa exi-ten-
    cia pitica, quando lula vamos cora embaracos, de
    lodo '."-r.ero, quando ainda DOS fallavam tantas lu-
    zes e reearsos com que hoje devoramos contar,
    vamos surgircm com rapidez e esplendor crea-
    joes importanssimas; promulgarem-se cdigos
    que nao fariam vergonha aos povos mais adianta-
    dos.
    H je, porn, se dermos o descont devido dif-
    feren^a dos meios nosa dwpoaieio, nao ser te-
    BMTidade concluir que marchamos com passo
    mais tardo e menos flrxe. Ouse condemnara, ou
    se adan, ou se paralysam os beneficios pblicos.
    Os qu; j existiam vo senlo em parte desfigura-
    dos e mutilados. Alguns dos que se iniciara-as
    vezes pelo empenho de um ou de bem poucos in-
    dividuos nascem j descerados, e vivem por ahi
    tao enfezados, que graudo milagre si porveutora
    nao definham e morrem.
    Mas tambera a causa disto nao porque o paiz
    carega de servidores de prmetra ordem. Nunca
    elle se vio com lio DMsno numero de estadizas,
    e nunca prnciou a ficilidade extrema com que
    esees benemritos re improvisara da noite para o
    da. Si entre nos valessa alguma cousa a lei das
    proporcoes, o paiz correra o risco de morrer de
    plelhora,\i\ u grande numero dos nossos ar
    chiieclos do progresso.
    t A que seja a causa que mov.er o juiz a prqferi-la,
    perturba, na parase de Salomao, a mesma fonte
    de toJq be n social; as-iin tarabem urna defeza
    iniqua, e mais anda urna aecusacio atroz e san-
    guinaria, corrompe todos os principios da publi-
    ca moral.
    44:0005. E' um artista photographo que jamis
    poder reanir tanto diuheiro.
    Abriram os seus compatriotas, era aples, urna
    subscripcao ; o cnsul inglez pardo para Cilcnto,
    porm nada con ta ingleza veio ancorar as agoas de Salerno.
    t A ordeiii dos advogados, to amiga como o Transcrevemos do Dtvm esta poesa de A. Soro-
    mundo civilisaJo, foi sempre em todos os paizes raenho.
    ennorecida pelas mais distinclas honras e pre- Dos o maestro desta grande opera,
    A que elle cluraouVida
    E que, ha tantos mil annos, pi em scena
    Foi elle mesmo o poeta,
    raguas.
    eminencias, em consequencia dos servio,os que
    prest u sempre sociedade.
    t Era todas as naeSca o legislador tem regulado
    - as raucedos do advogado, naos pelo que respei-^1"3 Ubrell e-creveu foi elle o artista
    I. esta nos parenlo queda propria sapera- u nobreza edircos a ella Inherentes, como' Que dirigi o scenario.
    Foi elle o eosaiador. Distribuid partes :
    Fez o Destino pooto,
    E du a contra-regra Providencia.
    A' voz do simples fiat,
    Era vez de reinoutarmo-nos ao Amigo Teslamen-; protegida pelos poderes polticos. I O theairo creou ; chamou-lheMundo.
    hlm'S rTf "lad:,re,1"'S C1,nndj Um eXem|ll I E na verdade nao pode deixar de ser altaraen-! Fei ellu mesm orchestra.
    bcra frisante da historia patria. Sera grandedelon- ,e eslimada 8 r9Ve;tlda de hnra5) c di.[inclos E mandou a tocar a symphonia
    ga, e sera ball.a nein mal.aada, lizeram-se o codi- i, priV|egJ0S! uma profisSo cujo timbre : Tout 8oteaMM ouverlure.
    Srn n Trrn rl^.Tlt '* "* 3 "" **''U*^ kM trouvera parmi nous des */,.: Apenas terminou, ergueu-se o panno,
    ! bro e o seu regulara, mo. Ha inultos annos que o .... E vio-se o Paraso.
    espirito moderno cogita na reforma dessa li>i c-nia I n ,
    r.i-, An ihr n Z T Nao podemjs resistir tentaga^ de transcrever Porra, como os actores Ihe fogiram
    raid do throno inclue essa becessidado no rol dos
    bundaneia vera o mal. Burlou-se o plano da Tor-[t aos deveres qoe dellaexigeobem-estar dasoeie-
    re de Babel pelo graudo eoxame do operarlos que dade.
    7n^"fuadiram e barulharam fallando diver.-as! Nos paizes mais civilisados os advogados cons-
    tituem uma ordem independente, sustentada c
    V
    principaes melhoramenios; cada representante da
    estas palavras que Qeam assignalalas, e que colii-
    Do pouto, mudou scena,
    ,gimos do discurso alludido no principio deste ar- E vio-se um vasto espaco monlanhoso,
    nacao enuHCti suas ideas a este respeito ; cada'* rial .
    ministro elabora um projectl que vai dormir as "g- Cbtm de "wwtos.
    pastas das coramissoes. Amia nao se atmou cora
    Ellas sao bastantes para moslrarem a utilidade 0ade **ora os actores representara.
    a melhor combinacao. Hoi-i era dii roma mi de um instituto de advogados, e a necessidade de opera sublime.
    ' levan.ar.se uma nobre profisso, infelizmente aba- ,is outro bella !
    estudam menos que outr'ora as gravas questbes do
    . estado. Todo esforco 6 pouci para ageitar interes-
    ; ses, ur Jir e contraminar intrigas e cabalas dos
    j reposteiros, cmaras e anlecamaras. Vai msso o
    descrdito e atrazo do paiz, e um mo exeraplo
    para a nova geraejq, que se educa nessa especie de
    tabolagm. Al.i a malicia slppre a idade, e os
    mancebos que anda estao balbuciando, sonham
    bem celo com os altos cargos da repblica. Elles
    conhocem que nao se meda onirecimento pHa
    cravra da raziio. O empenho, o patronato; a gra
    tida entre nos. Jess Cnristo enxotou do templo
    os mercadores. Os membros do Instituto naa po-
    dem fazer tanto. Mas ao menos estad" no caso
    de ir concorrendo do sua parle, a pouco e poueo-
    para se comgiremesses abusos que se teem introua' Lhe encontr urna cruel monotona.
    do no foro, tornando-o disforme, e para relabele-
    As scenas sao de effeito,
    Como o banquete de Lacrela Dorgu,
    Como a scena final do Rigoletto.
    S nos linaes dos actos
    Terminara por ura coro
    cer-sequantj for possivel o esplendor do templo <***> V.ntoando o rquiem atemun,
    Me fazem recordar o Miserere
    Do Trovador de Verdi I
    da instigo, evitando se que este seconverta em com-
    pleto bazar ou praya do commercio, onde o mono-
    polio se enraizo de um modo laraealavel. Os meui-
    vidade natural ou artificial, lias sempre tempera- j bros do institutodevem cooperarmui reflecudaraente rjm jornal de Vienna nos informa, que a diploma-
    da cora multa docililade, Solictude e cortezia I V*ri 1ue> escalvada a prevaricaco e a inepcia, cia russianadesenvolve uma actividade, que revela
    liara com o protector ; certa esperleza que atieste | transluza o verJadeiro mrito, sem temor de ser de um rao-'o incontestavel a sua tendencia a oceu-
    apparentemente algum fundo de suficiencia ; urna nullilieado pelas bullas falsas que podem inlrodu- par-se novamente da queslao do Oriente,
    audacia a proposito, mas que nao degenere em ziro scisraa.na populago. Por iniciativa do gabinete de S. Petrrsburg, en-
    impostura descabellada, para nao provocar o en- Lerabrem-se porm os apostlos di nova propa- 'tabulou-se uma correspondencia irritante entre
    joj geral ; corto aderaan e compostura moJelados ganda que vao lutar com embarazos nao pequeos, este gabinete e o de ConsUnlioopla, acerca dos
    pelos iijurmos raaiseni voga ; oiho vivo e farofno j sobresaholo entre elles a tendencia do noso paiz pretendidos manejos dos turcos na Russla meridio-
    para aproveitar qualquer circunstancia feliz ; em- nesta poca, que canamente nai da victorias nal, particularmente ni provincia de Sirabisk, on
    penho sincero e mu geitoso para encarecer qual- para as scioacias, ncm para as leltras, nein para de a ll ssiaaffirraa a existencia de uma propagac-
    quer servico insignicante; un loqoaeidade aflau-1 cousa nenhuraa da ioteresse geral. O interesse in- da systematica da Porta, que um por (im provocar;
    ladaque e os espirites perspicazes -nao possara dividual, descarnado, este sim a divisa dos ho- a titulo de protect ira dos subditos russos de erm-
    traduzir por taleutj c eloqnelicia ou en:. i algu-, nieus da/mo. E elles bem sabem porque olhara C-a mahometana, uma emigraoio para o territorio
    roa leve tintura dacohecimintosaproveilad.i com com umswriso decompaixo para esse espirites turco, e agitar desta forma as provincias im
    a parcimonia necessaria para simular prudencia, infanlis que anda se alimantam com theorias do qu-sto
    reserva, ou tetencia engarrafada ; ama ou mai
    IrombeUs que por amlsade, g.-atid io. ou commu-
    ohao det>i/aa, vo por ahi apregoando um raere-
    cmeiito real de que apenas sa ouva fallar;taes
    sao os requisitos que dispensara estados serios, que
    ningacra deixa de preterir qiaudo nao lem necea*
    sjdade de faza-los, ou nao arristido por vocacSo
    mui decidida.
    Mas est na consciencia dos homens sensat s a
    suprema c nveniencia da se ijeagir contra esse in-
    dillcraiti-m) que vai lavranJo do tocante apre-
    ciae.o e aproveitamento do niiriij provado, cor-
    raegao dos abusos, o possivel adopcao dos me-
    llioramentos pblicos.
    Quanlo s necessfdades do nosso foro, nao po-
    dem haver duas opiuias encontradas. O que a es
    te respeito temos dio, ainda n.io soffrcu contes-
    taco.
    ltimamente coostou-nos que so pretenda roer-
    guer o Instituto Filial dos Advogados nesta provin-
    cia. E" uma excellente idea, i ie aiplaudimos cor
    bem coraraun...
    Recife, 2dejulhode 186o.
    J. B. C. F. J.
    O gabinete moscovita reclama da Porta explica-
    eo!S inmediatas e simaltanearaenle urna mudanei
    na organisacio dos regiraenlos polacos na frquia,
    que a emigracAj Fefjrgou consideravolmenta
    I .. 11% -:
    Ja A.
    DI POICO DE Tl'DO.
    O jornal Panglo, da aples, desereve a segua-
    te scena de salteadores, que pirece-me mais uma
    pagina de romance que ura ficto consumado :
    Xests ltimos dias, na estrada.jue de Bmipa-
    glia conduz a Poestura, uma c irroagem, dentro da
    qual se aehavam dous inglezescom suas caras me-
    tales, que acabavam de visitar as famosas ruinas
    de Poestnm, foi atacada pela quadrilha j coubeci-
    da da Giardullo.
    Sobre as rendas publicas extraamos do relato-
    rio do ministerio da f-.zer.da o segrate :
    O quidro n. 77 mo-tra a renda arrecadada no
    imperio desde o exercicio de 183 1832 atoo de
    18o3 -1861; o e n. 78 a renda arrecadada era
    cada uma das provincias no qainquennio do 1839
    1800 a I8C3-184, e a razao da despeza media
    cora a sua arreeadacao e liscalisacao ; o de n. 79 o
    progresso animal das rendas geraes em 6 quiu-
    quonnios, ou 30 exercicios, desde 1831 183 at
    1863186*; e o da n. 80 a comparaco das rendas
    nao s daquclles quinquennios entre si, como do Io
    dealmente, c por cuja realizacao fazemos os mais que ellas liaham, para cm seguida as deixarera
    semestre do exercicio crreme de 186i18G3com
    Os cliefes da quadrilha, depois de fazerem apear 0 ,uesmo ()eriodo de 18631864.
    da earrtagem os viajantes, apalparam sera respeito (:ouj0 roconbeeereis do ulti.no dos referidos qua.
    as damas tirando liles os objectos mais preciosos, drS) 0 pr0greS80 Jas rendas publicas sa tem na-
    sinceros votos. Ella pode concorrer, em escala
    mui.o mais ampia, para os bons resultados que se
    deviam esperar da nossa humilde pnblicaeao. Cum-
    pre porm que o projecta nao sa imite a formali-
    dades banaas. Hija iota e perseverancia, que algu-
    ma cousa-se conseguir.
    S; os autores desse pensam crato nao estao dispos-
    t->= roaliza-lo de um modo
    vencendo contrariedades, e c
    ter-sa uma boa drecca, nrior sari que desistam
    do proposito. Picar inactivo quando se trata de le-
    var a elTailo ura bom penpamento, egosmo :
    deixa-lo era meio do ramiuho, importa rnais ura
    de."-.
    if advocacia nos primeiros lempos de Roma
    eraodegro por onde sasubia aos primeiros
    eropregos naeionaes. Si para essa Ilustre pro-
    li "
    iiii :az e duradouro,
    Imcorrendo para man-
    Cuomo, que elle eonJuzia na companhia dos dous
    Ingiezes para a montinha, onde j ha tempos, se
    acham presos Ballelli e Magnone, captura que cau-
    ssao entraran plebos, tambera os proprios ira- Sl)U nmiu sensarao. .
    . paradores a lunrarara cora a sua presenta. Lo- As aatoridade;, imploradas pelas duas senhoras
    . go que vestiara a toga v.r.l, apresentavam-se no ingleMS) env.aram immediatamente numerosos e
    foro, como para fazerem o lirocinbdas funecoes: forles destacamentos de 'tropa de carabineiros e
    <; auvogado, mteiramrao connexas com a al-
    nifestado era u na razo sempre fscendenle dos
    continuar a sua viagem para Eboll. quiuqiienuios posteriores sobre os anteriores, cora,
    Quanto a scus maridos, o chefe da quadrilha de- pensando 0 lola| de sua arreeadacao o desfalqu*-
    ciaron categricamente que os guardara como pri- qne cir(.uml ,nria5 extraordinarias lenbam produ-
    soneiros at ao pagamento da quantia, que elle io- zdo ei|) um a mQ d(). M8pecllvo3 exercicios.
    dicaria para resgal. As8Jm 2. ,|,inqn,-nnio excedeu ao 1 termo
    As duas damas aterradas por este lamentavel mdi0) em 2.860:3305337, ou 16, 79 "/; o 3 ao
    acontecimento, e inquietas pela .critica posicao de 2 om 8,821:110,55302, ou 34,43 /.; o 4 ao 3 em
    seus maridos, chegaram a.EooU, onlc imploraram 8,6-27:2701i, ou 21.93 /; o 3o ao 4o era......
    o auxilio das autoridades. [ 10,l8:381i.j03, ou 27,78 % ; e finalmente o 6o ao
    No entretanto, o ch-fe Giardullo nao desperdi- 3., em 6,163:2195199, ou 1>,U %-
    cava o tempo, porque mmenlos depois da captura | c.,mparadas as rendas arrPaiiaJa3 no {> semS.
    importante dos dras ingiezes, operava ontra nao ,re dc 186i_i8CgCom o mesmo periodo do de
    menos promettedora as pessoas do dous abastaos 1186il_,86if resll|la um aecre.-cirao daquelle sobre
    proprietarios do paiz, Ventura Guzzi e Alphonso ^ cjmo se v fim se(,njda .
    O coeheiro trazia ao seu lado, exercendo as
    nceles de groom ou criado a p, um orango
    taogp da estatura de am rapazinho de oito annos.
    Vesta libr, que envergava com imperturbivel
    gravidade, e caleava batas de canhao.
    Ao menos signal de seus amos, menor para-
    gem do trem o orango-tango saltava abaixo e ia
    postar-se jvnto da porlinhola ; nao a abra, ver-
    dade, porm sabia tomar a altitude de respeftof
    nem menos do que ura criado perfeitimenl co-
    nhecedor da sua posiQo.
    guardas naeionaes ; depois de muitas marchas e
    Contramarchas, conseguiram avistar a quadrilha de
    Giardullo, vinte e qualro horas depois.
    Este safon-se promptamente, e na sua precipita
    5io largou no carainho o-dous proprietarios Guzzi
    e Cuorao, e ura dos ingiezes.
    A tropa manobra nesse momento para cortar a jalrj0r'....................
    1. semestre de 18611863 :
    Importadlo..................
    Despacho martimo...........
    Exportaos o.................
    Interior.....................
    Peculiares do municipio.......
    Extraordinaria...............
    1." semestre de 1863-1861 :
    Imporlacao..................
    Despacho martimo...........
    ExporlaoSo................
    I Peculiares do municipio......
    17,106:9965777
    118:6103086
    4,164:6243062
    3,314:9113837
    700:4383492
    206:7673903
    25,912:3993137
    13,922:027327o
    106:1993333
    3,647:6663117
    3,401:5923739
    690:7355079
    236:8833906
    s encargos pblicos a que eram sojeitos os de- 50 00 ducados, que os
    ais cUadaos Leflo o Aothemio Igaalaram as rega!t! de ,cu lliarido.
    salteadores exigem para o
    t ministrayao da jtbtica. Assim praticaram Au-
    gusto, Tiberio e outros. Tilo, a quem ornavam
    o as mais sublimes virtudes Tilo, o mdelo dos
    principes, quintas vezas antes de ser imperador,
    nao foi ao foro encarregar-se da defeza dos op-
    t prlmidos ? Constantino ordeuou que os pontifi-
    ees das provincias fossem escolhidos deotre os', retirad a destes desalmados salteadores ; ludo faz
    advogados. Valenliano e Valente expressamente esperar ura bom resultado, para assim salvar, se I ExtraQrdiuana
    . declararam por le, que os qne Uvessem exerc | ada for ,empt)> mm e MaRnona> para cujo res.
    do as mais altas dign.dadas, nao so degradavam gate 0 cefa da qaaari|lia pe,iia a qalaM de.....I 22,005:7003501
    exercendo a advoccia porque mais honroso era 60:0003, afora m .is 44.0303 pelo rsgate do inglez Esse accrescimo pois de 3,906:693M6.
    estar de p para pleitear o dir.ito do seu clien- rcldo pri5ioneiro Ss no exerciC10 dc 1862-1863 se dea, pelas ra-
    te, do qua sentado para proferir a sentenca. Ar- A e,posa dest0 taMiI Mh;t.se andl em Eboli, I ^aii^s no relatorio desse ultimo ann-, uma
    . cadio, Hiuorio, e o imperador Theodosio ronce- entregue a uma profunda dr, e ha recelos de que j d"n'U'Cao de renda era relacao ao anterior de
    deram privilegios aos idVogados relativamente eIll0uqueca, porque difllc.lment poder reunir os 18611862, foi ella felizmente compensada palo
    seguate de 18611864: porqaaato, chegando
    apenas a arreeadacao daquelle, sem os depsitos, a
    43,349:4273099, subi a deste a 31,623:0313305,
    dando se uma differenca para may de...........
    6,273:6073206.
    Dos quadros que vos aprsenlo no artigoCom-
    memo de imporlacao, tC.e dos queacompanham
    o presente relatorio, conhecereis o valor e progres-
    so de nossas relaedes commereiaes exteriores, nos
    periodos nelles mencionados.
    Comparando-se os termos medios da importaco
    e exporlacao nos quinqueanios desde 1848-1849
    at 18621883, deduzir-se ha o segrate resulla-
    do : que oo 2o quinquenuio leve sobre o Io ura
    augmento de 44,39 lo, ou 61,016:6795 ; e o 3o so-
    bre o 2 o de 16,92 %, ou 33,590:6633-
    Se, pois, os males de que ltimamente foram vic-
    timas differentes e importantes casas bauearias e
    commereiaes da corle e provincias^ nao acarreta
    rem em suas consequencias noiavel altcracao na
    circulacSo e vigor de nossas relajees commereiaes,
    o valor de nossos productos, secundado pelo des-
    envolvimeulo e esforgos da industria e pela in-
    fficaz, da paz e tran-
    futuro ura seguro pe-
    nhor desse progresso continuado e incessante de
    nossas rendes.
    aos
    t funecoes de advogado aos exercicios de soldado, Logo que o chafe da quadrilha decidi que um
    t dizendo que si estes defendam a patria, defen- dos doas ingiezes seria posto em liberdade, elles ti-
    diara aqualles a fazenda, a vida e. a honra dos raram a sorte.
    cdadaos. Foram os imperadores romanos que O prfeito Bardessooa e o general Arnulo loma-
    deram o titulo de Ordein profisso dos advoga- ram todas as medidas, que julgaram mais oppor-
    dos, a cujos anciaos foi conferido o honroso tra- tunas para levar a cabo a jestruco da quadrilha
    lamento deClarissiraos.>
    a Si entre os Romanos e Gregos os advogados
    t foram sempre eseolhidos para os empreg s mais
    t eminentes, na Franca, ou antiga ou moderna,
    pde-se dizer que delles e somante delles tiram
    t o governo e o povo os primeiros funecionarios
    pblicos.
    e libertar os prisioneros, porm por emquanto na-
    da conseguiram.
    A noticia deste fado cansen em aples profun-
    da seusaca".
    A polica poz-se em campo e dascobrio que o co-
    eheiro que conduzla os dous ingiezes, estava de
    accordo com os salteadores. Foi preso, por conse
    guinte, e lera de declarar os nemes dos outros
    t Nos Estados-odos a profisso d'advocacia cumplices.
    exerce a mais extensiva influencia na sociedade. Cerca de 6,00!' homens de tropa e de guarda na-
    t Da sete presidentes daquella grande Repblica cioual marcharan) para o lugar em que o ataque se
    seis eram advogados : os embiixadores, sanado- oomm'etteu.
    tres, mililitro*, representantes e governa dores Houve tre recootros cornos salteadores, era qua
    * sao quasi em sua totalidade educados no foro. licaram nnrl s alguns sendo aprisionados outros
    t Os advogados formam, segundo a engenhosa com as armas na mao ; dous apresenlaram se es-
    c expresso de ura sabio, a tropa auxiliar da ma- pontanoamente; porm, o pequeo bando quo am- j flaenC|'a""8^mpre~b7neflca e e
    t gistralura, sendo uso consultarem os juizes aos da se nao rendeu, conserva prisioneiro o desveu- ..... ,
    .... ,-j quillidade publica, serao no fu
    c advugauos anciaos e esclarecidos... turado inglez. _u._ .,.____..,___,:.,
    c Alera das Miras e safficicncia, os advogados Durante estes combates, o filho da soberba Al-
    devem ser homens de b.i fama e consciencia. bion hoave^a podido evadirse mais de uma vez
    t Que de malas nao pode o advogado causar, uma como fizeram outros seus compauheiros de infortu-
    t vez que nao o guie em sua profisso, mai o n0 ; porm, elle deu a sua palavra de honra que
    amor da glora, como benemrito do seu paiz, do
    que o interesse pecuniario.qoepouco pode servir
    a par,, a immmalidade do nome e do espirito?
    tal nao faria, eraquanlo nao fosse pago o prego do
    seu resgate. ~
    O prego do seu resgate, dizem que est fizado era
    Conta o Sport, jornal de Pars, que ha poneos
    diasapparecera nos Lampos Elyseus um trem quo
    se toroou reparado por uma oxoentricdada de no-
    va especie.
    O tribunal de Bradford oceupou-se n'um dos
    dias passados com um caso singular, por causa de
    ura cao que foi erapregado era limpar charains.
    Ura hornera chamado Ridebalgh foi aecusado de
    tratar cruelmente um cao perdigueiro.
    O reo foi visto no telhade da casa, empurrando
    o cao cora urna vassoura pela chamin abaixo.
    J antes d'isso flzera a mesma experiencia com
    um g.to, mas nada conseguo, porque o gato nao
    lhe obedecen.
    Apenas o cao chegou a um lugar da chamin on-
    de nao ehegava a vassoura, deixon-se all ficar,
    e s passadas quatro liaras que o libartaram.
    O magistrado condemnou o reo era 40 Etlil-
    liugs ( 95000 rs.) e 14 shilliugs ( 23730 rs. )
    de rustas, e um mez de prisao, na falla de paga-
    m nto.
    E" traduzido dj Contemporain este artigo do Sr.
    G. Quatn sobre
    0 COBACAO DE VOLTAIUE.
    Vos sois o ultimo dos homens
    pelo coracao.
    (Carla de madama L.nys o
    Vullaii', sen lio.)
    I
    E.-crevia o Sicle um destes das :
    Ja nao na Panlbeon, j nao ha templo para
    receber o coracao de Vollaire 1 O governo deci-
    di qoe o dora dos berdeiros Villete, ocora;ao oa
    VotTAiiiE, fosee collocado na blbliolheca Imperial
    onde Dgttrar ao lado do grande mappa mundi
    cutre as curiosidades que os estrangeiros e os pro-
    vfnciaes veem visitar. Em ura dos das da sema-
    ua pessada, o contato de Vollaire foi cun elleilo
    eoliocado era sua vidraca e caiplogado. Nos itie
    acharemos um da uieliiur lugar : nao no-fundo
    de ura anuario qu; se dave occullar esle coracao,
    que era ca los moracutos, foi o GD&&C.0 da
    Faanca.
    Vejamos pulso qua era o coracao de Vollaire.
    o patriotismo, a leallade, a generosidad, o amor
    dos lio.nau.-re principalmente dos pequeos e dos
    iofulizes, o respeito do qua grande e bello, es o
    que eonstilue o.^ grandes coragoes, os hroes a qtie
    a humanidad: se corapraz da reuJer magnificas
    homenageis".
    Qual era o patriotismo de Vultaira ?
    Em 1737, as armas francazas expermenlaram
    em Rosbach urna derrota, a cuja lembranea todo
    coracao francez anda sangra, mesmo depois de
    Waterloo.
    Vollaire esgotoa lodas as formulas do gracejo
    liara rir de-te desastre; elle o-creveu ao vencedor,
    ao re da Prussia, um rei digno delle pelo corar ,
    a proposito de seu tia'o este quarteto :
    Tuii Wolchequl vous examine
    De terrear paniqae est atteini,
    Et dit, en royanl votre mine;
    Qiie dans Rosbach ou vous a pein!.
    Versos Uo inspidos como o scntimento qua os
    inspirou.
    No sculo XV, uma mulher, uma virgera tfn
    pura quinto corajosa, uma herona que as entras
    nigoes nos invejam, J.ianni d'Arc, salva O: lean-,
    salva a Franca, expela os ingiezes, e restalece
    nossa independencia nacional.
    Sera preciso dizer, cono tratou Vollaire a donzella
    de Orleansf
    Nao!.....
    Seria manchar estas paginas, e Vollaire nao
    teraeu faxer um poema tolo cheio de irarauodicias
    e de infamias sobre a miis b lia figura da nossa
    historia.
    E este o coracao que foi o coracao da Fian
    f'.....
    II
    A lealdade, a f wjieaa sao virtudes eminento-
    meote franceas. .
    Vollaire mantio era toda a sua vida.
    Importa mentir como um diabn, escrevia elle
    Tliiriot aos 2t de outubro de 1736, nao tmida-
    mente e por um tempo, mas affoutamentc e
    sempre.
    E elle punha era pratica os seus preceitos.
    Passou a vida a coudemnar suas proprias obras,
    protestando com o soccorro do perjurio que o ca-
    luuiniava horrivelmenla que Ih'as imputava, como
    se pode ver em lugares de sua correspon-
    dencia
    Commungava pela paschoa, e no mesmo dia
    escrevia cynicas impiedades a seus anngoe
    Escrevia a esse Tniriol, seu confidente :
    Meu. charo Thiriol, eu vos amo e nao vos en-
    gao.
    E na vespera tnha eseripto a d'Argental:
    Tniriol urna alma da lama, to cobarde
    quanlo miseravel I I
    Que coracao !...
    III
    Ura gran crinie foi cominetlido no lempo de
    Vollaire : urna naca j que havia salvado a Europa
    alguns seculos antes, foi assassinada por tres po-
    tencias que dividirn) entre si os seus despojos.
    Vollaire era amigo dos dous principaes cmpli-
    ces, de Fiedico 11 a de Calhariua II.
    Elle, o representante da philosophia, elle que se
    dava palo reformador dos abusos, pelo viugadur
    dos uaitos da uumauidade devia romper cora cs-
    ses assassinos coroados ; elle nao proteslou, nem
    rompeu suas relagoes.
    Palo meaos nao podia callar-se, nao se calou.
    Fallou, mas foi para applaudiro assassinato, foi
    para rir a cusa da victima.
    Esculerajs os gritos que escapam-sc desse cora-
    go que quarem dar-nos como lem sido o coracao
    da Franca.
    Pretendera que fostes vos, senhor, diz elle a
    Frederico, que imaginastasa divisao da Polonia:
    eu o creio, porque aislo ha genio. (Carta de 13 de
    novembro de 1772.) E' pois, no norte que lod;s as
    artes florescem hoje I E'la que se dividem pro-
    vincias com um trago de penna, que se dissipara
    coufederagoes e tenadas em dous das, e que ora-
    ba-se sobre ludo cora inuita graga dos confedera-
    dos (da Bar) e de sua Nossa Senhora. (Carta di 18
    de ooverabro de 1772.)
    E a czarina elle diz tambem :
    Uraa outra peste a dos confederados da Po-
    lonia. Eu roa lisongeio deque V. M. os curara' da
    de-enea contagiosa que os afRige. (Carta do 1 de
    fanfiro de 1772.)
    Como os Francezes tivessem ido levar socrorros
    a Polonia, Voltaire escreve a 6 do marga de 1772,
    o cumulo do absurdo, do ridiculo e da injus-
    tiga.
    IV
    E assim que Voltaire comprehetdia o qm
    grande n bello, assim qne elle vlngava os dlreitos
    da humanidade I.
    Aconleceu que desgragadas polonezas, culpadas
    de teremsoeorrido seas maridos doraste a guerra,
    fossem entregues para seremo ludibrio de oflkiaes
    rnssas, aiiriram-lhes o veBlre, e arran aram as
    eutranhas daquellas queeslavam grvida* os roc-
    tos da seu casamento para substitu los jnjr galos
    furiosos, e esses monslros de face buraana, toraaa-
    do a cozer as entrauhas destas nobirs victimas.
    delxaram-uasassiiu mone. em alazos roavoi-
    s5e.~ !
    E' sem duvida qua Voltaire aehava matiria pa-
    ra rir, por isso que elle dizia que se zombava
    com rnuita graga dos confederado'.
    Sun, foi minio bem feito rollocar es* rorare
    em uraa vdrac.., una curiosidad-? digna de ier
    esluJada pelos physiologistas e pelos m.r.iista-,
    porque ple-se dizer d'clle, modilicando am poaeo
    o que dlsse o poeta :
    Nada de humano bata ne-sj msculo hediondo.
    V
    Mas onde a uullidade do eonptj de Voltaire,
    principalmente so m^strou, foi erasen odoaJ-sns
    Chrislo que elle ehamava o infame !
    Riaspheinia horriv.-l, qa faz estremecer, e qoe
    mostra por si s o que era esse hornera, coja ver-
    gouhosa fama se procura anda levantar.
    Sim, quera era esse que Voltaire Unto aborre-
    ca?
    Era Jess, o amigo dos pibres, o Salvador do
    inuudo, o bom>-tor da humanidade.
    Jess, o diviuo fundador de lima religio dunle
    da qual desapj.areceu a escrad,'io, de una reli-
    gio que levaniou a mulher da seu abatiaeato,
    tue lera su-citado tantas dedicac/Jes admiraveis,
    que civilisou os barbaros, salvou os monuiu.nlo
    da civisago ai.iiga, proclamou a fraternidad* e
    odos os ho neos e formoa o inundo modera.
    J. sus, o objeclo das adoracoes da irezenlu* a-
    Ihoes de hoiiiens recouhe i kan. o in-ii.iradur da*
    mais sublimes virtudes, o i girador de S. Vicente
    de Paulo, que dotou o mundo com e-sas irmae> 4c
    caridaile, qoe os proprios protestante.*, qoe os pa-
    gaos mujan ao ealbotteanm
    Josas o modelo de lo las as virtud?, o aofc# da
    mais espantosa e profunda revolucao qoC nanea se
    vio, o mais sublime dootor que linha apparertdo
    no mundo e qoe seria ainda o maior, o man aiaa-
    vel dos homens, mesmo se nao f ,s>e o verdadeiro
    Filho de Dos, o Daos diaB*te do qual lodo o>-
    Iho dave dobrar se no co, na trra e nos of.-r-
    nos.
    Jess loi pois o inlmigo que Voltaire p-rseguio
    com sru odio eetonMo, com seus itmmmm ins
    durante tola sua vida, e fn elie chama o Infam-
    ad intimidada de na ab,mmavel correspondan-
    ca !
    E ha quem n- veuia dizer que o coracao de
    Voltaire foi era eertos momentos coraos, da
    Franca I
    O corago da Franga, eu o reconlia^ no respei-
    to da mulher, na ternura pela iofancia, n.* coiJa-
    dos dados a velhice, na cari 'ade, ua fi ateraiJade,
    ua dedieacio das religiosas e religiosos, as virtu-
    des de nossos padres, na intrepidez d nossos bis-
    pos, uo herosmo da notsot soldado-, na coraf
    dc nossos missionanos, uas inslituigtsesj de benefi-
    cencia espall.ada por toda a parle, no amor das
    graudes cousas que transporta sempre es France-
    zes, na generosidade a respeito dos outros uvos,
    no odio da injustica; o coragao da Franga visto
    nos campos da batalha, as grandes calamiiiades,
    nos bospiUe?, nos a.-yl,- da veliiic; e da infancia :
    o curaca ;i Vi anca esta em toda a parle em (joe
    ha um ben.jque fazer, uraa violencia qne reprimir,
    ura sacrificio que pralicar.
    Mas onde liaba Vollaire^osio sea coragao qoaa-
    du escrtveu a Pucelle, quando escrevea sua cor-
    respendeacia, quaado ra de no-sos desastres,
    quando app:audia a divisao da Pulouu, quando se
    ai i aslava diaule de Frederico II, quando gabava os
    excessosde CalaariM li, quando emprega va a o*eu-
    tira, o perjurio e o sacrilegio para o bom xito de
    suas olas, quradi euanava sjus livreiro-, ajan-
    do se eunquecia por meios vergoahosos, quaado se
    entregava as mais Imumodas devassiJoa.-, qaando
    teslamunuav to profuudo dasprezo pelo povo,
    quando merecia que sua propria Sobrimu lhe lan-
    e.issa asas palavras tollina, que sao como o re-
    sumo de toda sua vida.
    Vos sois o uitmio dos homens peio curaca '
    Eis aqui o coiacao de Voltaire !
    E eu digo que vergonhoso que era J86I aaja
    aiu la homens, que se digara amigos do povo, e que
    ous-ra gabar e.-se coracao; que deplorara que elle
    nao Iciih.i lugar no Panthaou, qua lancern era roto
    academia francesa, nao ler reclamado a posse del-
    le, que gemam de velo collocado era orna vidraca
    como um simples objeclo de curio*idade, e qoe se
    proponhain render-lhe am dia nutras-honras f
    Adoradtres do corago de Voltaire, vos baveis
    d;.do i vossa medida. ,
    Vs vos dizeis amigos do povo, e valais o ho-
    mem que sempre de.-presou e deteslou o povo.
    Vos vos dizeis amigos do ingresan, e exaltis
    o philosopho que embargou lo;o o progresso rid
    cularisando a virtude, propagando a mentira, mao
    chande a arte.,
    Vos vos dizeis amigos das lazes, e fazeis um
    deus do mais descarado mentiroso que sanca
    exisiio.
    Vs pregis a fratern lile e tomis por pa-
    droero o horaem que applaudio o assassinato da
    Poloua.
    Vs fazeis soar bem alto o vo.-so ara ir da iade
    pendencia, e honris a memoria do mais humilde
    cortezo da urna Calharina II, e de um FreaVrica
    II, do eortodo de urna Porapadour.
    Vos vos diieis patriotas, e peds hmras sarao
    mao cidado, qua chasqueou diaote.do i ti ingiero
    dos desasnes da l'ranga, e que ritcufcuisoao
    pioprio lime raucez.
    Adoradoras do coragao de Voltaire, co o re^ito-
    v- baveis dalo a vossa medida.
    Tauto melhor, p jrque nao pederis mais engaar
    a ulnguem.
    No da era que o coragao da Franga batesse com
    o coragao de Vollairo, a Frauga teria cabido no ul-
    liiUO degrao da ordem das nagoes.
    Vos nao taris o prazer de ataojttr a esta lamaa-
    tivel queda ; o vacoe que se faz em torno de vos
    deve advertlr-vos que idos errado ; elle da-ves as
    raelhores esjierangas para o futuro.
    O reinado de Vollaire esta acabado, preciso
    q ij tomis o vosso partido.
    O coragj de Voltaire nao mais do qoe ao
    simples objecto de curiosidade, elle nao pJeser
    mais outra cousa.
    Vossas lamentagdes e a vossa proza nao |
    mudar esta siluago.
    E Jess re na sempre, sempre adorado;
    pro amado, o hoje mesmo, trezentos milbii
    homens, apezar de Vollaire, apez r de vos
    mos, prostram-se diante daquelle qne salv
    mundo.




    PHNAMHUCO.-TYr DE M. F. DFTF. &FJ10
    f77
    ll # I 1
    ___.___L,


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EYUBGEWR7_6Q340K INGEST_TIME 2013-08-27T21:51:06Z PACKAGE AA00011611_10708
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES