Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10697


This item is only available as the following downloads:


Full Text
JHH
L
mmmmmmm
k .
Por qQaPtel|ao|eBtpedelOdiasdol.0mcz \ .... :
dem deoois des i." 10 das do coaiecoe deatro do quarlel.
Parte ao ceirefeer tres nezes
fEIRA 20 B JHO DE m
fm nm pago dentro de 10 das de i. mez ,,,.,. 191000
ferte-ae cerreie pena anuo.............. ftfOOO
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alxudrinii de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Sitva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivoira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drU' le-*; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves &
Fhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUIJSCRIPgAO DO SL.
Alago:*, o Sr. Claudioo Faleo Dias; Baha, o
Sr. Jos M.irtins Al ves;
Kibiiro Gasparinho.
Rio de Janeiro, e Sr. Jos
PARTIDA
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa-Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
AltJDho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho,, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feir'as.
P d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, ViUdTJella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ourlcury, Salgueiro Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel:
hura da tarde.
Serrahero, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, guaPreta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JUNHO.
1 Quarto cresc. as 6 h., i m. e 38 s. da m.
9 La cheia as 7 h., 21 m. e 16 s. da m
16 Quarto ming. as 4 h., 33 m. e 28 s. da m.
23 La nova as 5' b., 37 m. e 34 s. da ni.
30 Quarto creso, as 11 b., 20 m. e 51 s. d
.AUWE'
Tribunal fi cotnmercio : segundas e quintas.
Relaccr: Jardas e sbados s f0 horas.
Fazenda: Quintas s 10 bom.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orjihaos : tercas e estas s 10 horas.
Primeira ara do civel: torgas e sextas ao meio
dia. *-
Segunda vtra do
hora da<*arde.
t

c vil: quartas e sabbados a 1
a' ^eKUDda- S- Joliana de Paiooaieri v.
20. Jerga. S. SJWerio p,m.; S. Silvino m.
21. Quarta. S.Lulz. Goozaga; S. Albano ra.
22. Quinta. S. Paulino b,; S- Niceas b.
23. Sexta. S. Agripina v.; S. Zenon m.
24. Sabbado. c& Nascimento de S. Joo Baptista
25. Domingo. S. Febrooi v. ; S. Galicano m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 11 m. da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORBS COSTEIROS.
Para o sol at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos metes de Janeiro, margo, malo,
julho, setembro e novembro.
AS81GNA-SE
do Recife, m li vraria da praca da Independencia
n. 6 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Fam & Filho.
PARTE OFFICIAL
GiBBISO DA PROVEA.
LE N. 635.
Antonio Borges Leal Caslello Branco, presidente
da provincia de Pernambuco:
Fago saber a todos os seus habitatantes que
asseinbla legislativa provincial decretou e eu sanc-
cionel a lei seguinle :
TITULO I.
espeza.
\rt. 1. A despeza provincial no exercicio de
186o a 1866, ser de 1,729:996,569o effectuada pe-
lo presidente da provincia de conformidade com as
disposiroes seguintes:
CAPITULO I.
Asscmblca legislativa provincial e secretaria da
presidencia da provincia.
Art. 2. A--sembla provincial.
| 1 Subsidio de seus membros
eni 3 mezes de sessao..........
2 Ajuda de custo aos mesmos
5 3" Empregados da secretaria.
4o Expediente e asseio da ca-
sa inclusive a gratificago ao ser-
vente na razo de 400* annuaes..
| 5o Puhlicdgao dos debates e
outras impressoes...........
17:9405000
1:843*000
7:360*000
9005000
7:500*000
33:513*000
Art. 3. Secretaria da presidencia.
| Io Empregados, inclusive a
gratificago de 200* ao continuo
que serve no archivo............
2o Expediente e asseio da ca-
si, inclusive a quota de 600* a um
colaborador encarregado de copiar
os livros do archivo, coja letra co-
incga a apagar-se...............
3o Dianas de dous serventes.
CAPIf LO II.
Insttticro publica.
Arl. 4. Directora geral.
Io Empregados, inclusive a
gratificago de 500* ao secretario
8 2o Expediente e asseio da casa
3o Diaria de 1*600 a um ser-
vente.........................
Art. o. Gymnasio provincial.
Io Empregidos e professores,
ficando suspenso dentro do cor-
rente exercicio o proviniento da
cadeira de mathematicas e de to-
das as outras que vagarem, salvo
o caso de indeclinavel necessidade,
no qual estas ultimas sero provi-
das inteiramente e accrescetando-
se a gratificago de 4005 ao se-
cretario pelaaccumulago das func-
goes de ecnomo..............
2o Aluguel da casa.........
f 3o Expediente, movis, asseio
da casa e diaria do srvenle......
4o Mentalidades dos alumnos
pobres existentes...............
5U Mnseu inclusive a gratifica-
go de 800* a um conservador...
Arl. 6. Escola do commercio.
Io Professores.............
| 2o Porteiro servindo de conti-
nuo...........................
3o Expediente..............
20:1605000
3:078*000
1:4605000
24:698*000
4:4805000
2495000
5845000
Art. 15. Obras.
1 Reparos e conservagao de
estradas e pontes, incloindo-se na
despeza o producto do pedagio-... 100:0005000
2 Conservagao, reparse des-
obslrucgo dos caes............. 7:5605000
3" Reparos dos edificios pbli-
cos inclusive os da cada da villa
de Garanhuns, no valor de 2:0009. 8:7215000
8 8' Calgamento da cidade do
Recife,........................ 120:0005000
5' Malrizes e grejas, sendo
14:9595720 para a de S. Jos do
Recife, de que se devora prestar
comas na thesourana provincial ;
1:000* para a matriz da Gloria do
Gui, 2:0005 paia a do Limoeiro,
e 2:0005 para a igreja de Nossa
Senhora do Rosario de Santo An-
tonio do Recife; 1:0005 para cada
urna da- seguintes matrizes: do
Brejo, Rjo Formoso, Salgueiro,
Varzea, Barreos. Nazarelh.Goian-
na, Escada, S. Pedro Martyr de
Olinda, Taquaritinga, Buique,'Gr-
vala, Cabo, Bonito, Victoria, Pao
d'Alho e Bom Conselho; assim co-
mo tamhem 1:0005000 para cada
urna qas igrejas seguintes :,Livra-
menlol do Rio Formoso, Santo An-
tonio de Pedras de Fogc/ cabella
de Tamandar, a do Abreu de una,
S. Gougato..do Recife, e S. francis-
co de Paula do Caxanga, e 500*
para a concluso das obras do ce-
miterio do Rio Formoso------------ 46:4595720
" C. Obras novas saber : con-
tinuago da estrada da Victoria, rs.
30:0005, estrada do Limoeiro rs.
15:0005, dita de Pedras de Fogo
rs. 1OOO05, casa de delengo rs.
30:0005, einpedramenlo da estrada
de i i.m la rs. 10:000*. ponde de
Mandad em Correntes rs. 6:0005,
canalisago do no Taqura no Al-
linlio precedendo orgamento rs.
2:000*, compra de urna casa para
cadeia no Salgueiro rs. 6:0005,
cadeia em Rio Formoso rs. 5:0005,
dila em Floresta rs. 5:0005, idem
em Pao d'Alho rs. 805000, idem
em Cijmbres rs. 2:0005, ponte em
Papacjacinha rs. 5005, dita sobre o
rio Araripe na eslrada de Pasma-
. do tres Ladeiras rs. 5005, cons-
5-3135000 lrucM' coroP1"3 e reparos de edi-
ficios que sirvam de cadeia, de-
vendo o presidente da provincia
enviar asspmbla no comego da
prxima sessao a copia de lo Ks os
documentos em que se basear para
fazer a dislribuigao da verba rs.
20:0005, Gymnasio rs. 20:0005.
*
Art. 32. Religiosos capuchinhos,
sendo 2:000* rs, para reparos e
concertos do hospicio de Nossa Se-
nhora da Penha................
2:864*000
l;^??1"3^1^,' c^he'^as, boleqalns, hotel, casa de I municipal de Olinda para a conslrnecao do-
pasto, cawllangas de aluguel e fabricas, fleando' mrerlo. u;iiniivi u
< isenias aqelies cujos caixeiros forem todos naci-
ce-
CAPITLLO X.
Arrecadacao e fiscaltsagao das rendas.
Art. 33. Thesouraria provincial :
1 Empregados inclusive 200*
rs de gratificago ao continuo Jos
Luiz Salgado Acciel, pelos servi-
ros que presta alheios ao seu em- .
prego......................... 33:586*000
2 Seis por cento da cobranga
judicial....................... 5:165*000
8 3 Despezas judiclaes....... 2:491*000
I 4 Expediente e asseio da
casa.......................... 1:462*000
5 Diaria de 2* rs. a um ser-
vente e gratificago de 480* rs. a
um carteiro...................
1:2105000
43:914*000
162:0805000
444:8205720
r:040*000
5.0005000
543*000
CAPITULO V.
Tneatro de Santa Isabel.
16. Administrago e subvengao
Ordenado, do administra-
It Subvengo a actual empre-
imalica..................
Art. 34. Consulado provincial :
1 Empregados, sendo a por-
centagem da arredago de 3 3/5
PorOio.......................
2a Expediente e asseio da
casa..........................
3o Diaria de 2* rs. a um ser-
vente..........................
Art. 35. Collectorias e agencias :
1 Promotores flseaes.......
2 Colleclores.sendoa porcen-
tagem 12 O/o..................
3 E>cnvao dos ditos, sendo a
porceniagem de 8 O/o...........
4 Agente do fumo, tabaco etc.,
sendo os seus vencimentos de
lOO/o.....................'
5 Ditos de lquidos espirituo-
sos e vinagre, com o venetmento
supra......................4.
Art. 36. Inspecgo do algodo.
1 Organisago da repartigo.
2o Empregados............
3 Expediente e diaria ao ser-
vente .........................
Art. 37. Aluguel de barreiras.
49:577*500
1:4455000
600*000
naes e as fcbricas roraes.
8 18. 8 por cento sobre a renda das casas em
que se acharem consultorios 'mdicos e cirurgicos
carinos o escritorios nao denominados.
i 19- JQ-J?r cenl ?obre as rendas das casas on-
de se-achffm estabelecimentos de commercio em
grosso na cidade do Recife; de commercio a |reta-
Iho idem armazonsde recolher e de deposito idem,
trapiches de, fleando iscntos aquelfts cujos cai-
xeiros for^m lodos nacionaes.
| 20. 505000 por casa de bilhar e modas.
s 21. 20050C0 por casa que vender roupa. feita
em paz etrangeiro; assim como sellins J^rreios
lanibem feilos em paz estrangeiro.
22. I :fjp0*000 por casa de operacoes nanea-
ras com "
23.
previlegio
24.
anonvm,
8 23
g 26.-1
qualquer
27. 1
te de leil
1
o e outros- previlegios.
por casa com emissao sem outros
8000 por casa sem emissao, companhia
Cenca.
por casa de cambio,
por casa de compra, venda e
i-arcao sobre escravos.
Ipor corrector commercial c agen-
cento do producto de cada leilao pa-
go pelo eodiprador com excepglo dos judiciaes.
29. 30*000 por escravo empregado no servi-
go das alvarengas e canoas abenas de que trata o
paragra'pho aeguiote.
51:622*500, 30. 15000 por tonelada das alvarengas e ca-
--------------pflas abenas empregadas no trafego da carga e
descarga.
4:959*0Qg 31. 10*000 por bote ou saveiro empregado no
o noafwv>',rafeR0 doPorto> e 1^5000 por cada baleeira.
8:0825000 3i. 35QD0 por escravo ganhador ou emprega-
I do no ser vico dos transporto armazens na cidade
o:388*000 do Recife, exceptuadas as escravas.
33. 165000 por earro particular de 4 rodas e
eixo Hxo, 105000 por di|o-jle 2 rodas dem, 20:000
3:488*000 por dito de 4 rodas, de aluguel do eixofixo;
12,-WOOpor dito do jolu Mein ; 25*000 por ca-
20. Urna parte da lotera concedida a favor das
obras da igreja do Rosario da recueaia de Saoti
AntoDiodo Recife.
21. dem idem a irmandade do Sr. Bom Jess
dos Passos do Corpo Santo para alaias.
22. dem idem as obras da igreja de ftossa Se-
nhora da Boa-Viagem.
23. dem idem idem idem Amparo de Goianna.
24. dem dem idem idem Nossa Senhora do Bom
Parto de Olinda.
25. dem idem dem convento de S. Francisco do
Recife.
26. dem idem r9em matriz da villa do Cabo.
27. dem idem idem igreja do Livramenlo do
Pao d'Alho.
28. dem idem i-iem matriz de Granito.
29. Idom idem idem idem Boa-Vista.
30. dem idem idem convento do Carmo do Re-
cife.
31. dem Idem idem altar de Nossa Senhora aa
Escada da Concegao dos Militares.
32. dem idem idem igreja de Nossa Senhora da
Graga da Cipunga.
33. dem idem idem idem S. Francisco de Paula
do Caxang.
34. dem idem dem idem Nossa Senhora do
Terco do Recife.
35. dem idem dem idem Nossa Senhora do Ro-
sario do Cabo.
- 36. dem idem Idem idem ao Senhor dos Marty-
rios do Recife.
37. dem idem idem irmandade do Espirito San-
to do convento de S. Francisco do Recife.
Art. 55. Fica o presidente da provincia autori-
sado.
1. A remover a escola normal para um edi-. -.
ieio publio ou particular que lenha as necessarias je vaC nViPn
accommodagoes, e hem ass.m addicionar-lhe a es- I,ue tera dt s
cola pratica, podendo para esse fira abrir um ere-
dito
2. A remover as professoras publicas D. Por-
firia Jesuina Baptista da Slverae D. Leonor Cam-
ina de Vasconcelos Borges Leal, esta da cidade de
5:108*000
27:0255000
1:5005000
6:6005000
7105000
8:8405000

da mnibus ; 65000 por carroca-e earro nao com- Olinda, para a cadeira de insiruego primaria de
prehendido as designagoes proceeoles excepta- Santo Amaro das Salinas, e aquella da villa do Ga-
dos os vehculos empregados na cultura. bo para a 3' cadeira de instrocgo primaria da fre-
, 34. W5000 por cavallo de sella de aluguel na guezia de S. Jos desta cidade.
cidade do Recife; e 63OOO por dito particular, ex- 3.- A rescindir o contrato da empresa Mame-
i ceptuadosos.dos suburbios. de, pondo em arremalago a continuago das res-
do. Emolumentos do curso commercial e ma- peclivas obras, devendo, porm, antes de por qual-
l"oli lescola D"rmal- i quer parle de dilas obras era hasta publica, man-
I 8 3o. o por cento sobre a venda do capim na ci
dade do R<*e.
8 37. Pedagio das pontes o estradas
CAPITULO XI.
ApQsentadorias e jubilacoes.
21:7165702
2:5
1:2005000
43:30350001
o: 100*000.
5005000
60*000:
5:660*000
2:100*000
8:0005000
10:1605000
CAPITULO VI.
Seguranca publica.
Artl 17. Forga policial :
lf Auxilio aos corpos de vo-
Jumaijios..................... 150:0005000
Corpo provisorio......... 147:0005000
297:0005000
Art. 7. Escola normal.
Io Professores e empregados.
2o Expediente, inclusive a
diaria de 15280 a um servente...
Art. 8. Aulas de Iatim.
Io Professores..............
2o Aluguel da casa do profes-
sor de S. Jos..................
7:0005000
504J000
7:5045000
4:8155000
2005O00
5:0155000
Art. 9. Escolas primarias.
Io Professores inclusive mais
24 cadeiras creadas pela lei n. 598
e 624, sendo 7 do sexo masculino,
nos lugares de S. Jos do Recife,
Santo Amaro das Salinas, Alago*
Senca, Gameleira, Trombetas, Ca-
poeiras e Belmonte, e 17 do sexo
leminino nos lugares de Boa vista x
do Recife(2), sanio Amaro das Sa-
linas. S. Jos do Recife, Monteiro,
Jaboalo, Gloria doGoit, Goianna,
Ponta de Pedra (de Tejocupapo),
Bom Jardim, Barreiros, Buique,
Tacarat, Villa Bella, Brejo da
Madre de Dos, Ouricury e Cor-
rentes.................... 146.8075000
2o Aluguel da casa, movis e
expediente................... 20:473*000
3o Para pagamento da quantia
de 389*503, que se e>t a dever
ao professor Liberato Tiburtino de
Miranda Maciel, e de 479*275 a
que tem direilo os professores l-
timamente removidos para esta ca-
pital..........................
An. 18. Casa de delengo :
1 Empregados inclusive cirur-
j gio, barbeiro e cabellereiro.....
2o Eufermeiro com a diaria
de 2*500......................
8 3o Expediente..............
4o illuminago.............
Art. 19. Aluguel de casas para
cadeias e quarleis fra do Recite.
Art. 20. Condugn de presos...
CAPITULO Vil.
Jlluminacao publica.
Art. 21. Com 1,200 la'mpeSes de
gaz na cidade do Recife, sendo 15
para seremcollocados desde a pon-
te do Manguinho at o sitio de
Manoel Luiz Gongalves, ficando a
inspecgo deste servigo cauo da
reprligo das obras publicas, in-
dependente de raaior estipendio..
13:525*000
9125000
2005 00
8965000
15:533*000
2:9535000
1:1565000'
Art. 38. Aposentados.........
Art. 39. Jubilados............
CAPITULO XII
Dunda provincial.
Art. 40. Resgate das apolices da
quarta serie........
Art. 41. Juros das mesmas. .
Art. 42. Exercios lindos confor-
me o quadro que acompanha a
presente lei.........
CAPITULO XIII.
Publicaroes e Impressoes.
Art. 43. Impressoes dos traba-
Ihos das reparticoes publicas, pu-
blicag&o do expediente etc. .
CAPITULO XIV.
De-pezas diversas.
Art. 44. Restituigoes inclusive a
de 1:5005000, devida a Manoel
Gamillo Pires Faleo, proveniente
das sobras dos 3 por cento desti-
nados ao pagamento do sello dos
biihetes das quarta e quinta par-
tes da quarta lotera em favor do
Gymnazio Provincial e ultima par-
te da primeira e primeira parte da
segn ta em favor do theatro de
Sniita Isabel. ........
16:873*588

32:250*000
90:9125132
pea tarifa exislenie.
-----------! 38. Bens de evento.
336*000. 39. emolumentos e apprehensoes pela poli-
-----------,cla. .
40. Multa por infracgSes.
8 41. Resliluigoc* e reposigoes.
8 42. Producto do venda e renda de gneros,
utensis 6 iptauos nacionaes inclusivamente a fa-
biica do-*oa&.-
43. Metde da JiTiTra ajiterior ao 1 de julho
de 1836.
44. Divida activa.
45. Saldo do exercicio anterior.
^ 46. Produelo do imposto estabelecido pela lei
-------------j n. 350 e pelo art. 57 da le n. 596.
3:040*000 1 % 47. 5 por cento sobre as rendas dos bens de
raz, pertencentes as corporagoes de mo morta com
excepgo das que mantem eslabelecimentos pos.
% 48. Producto das loteras do theatro de Santa
Isabel.
49. Saldo dos premios das loteras proscriptas
confirme o art. 39 da lei n. 473.
8 50. Cusas arrecadadas pelo juizo dos feitos da
fazenda.
3:662*240
, dar proceder aos estudos convenientes pela repar-
! tigo dis obras publicas, e sendo a despeza que se
cobrado houver de fazer comessa continuago superior a
i avaliago do contrato primitivo, levada a conta da
referida empresa.
4." A despender as seguintes quantias :
Com a obra que se julgar mais
conveniente para abastecer de agoa
potavel a cidade de_Olinda....... 10:0005000
Com a canalisagao d'agoa pota-
vel para a cidade da Victoria..... 10:0005000
Com a cnnstrucgo de ama ca-
deia em Villa-Bella............. 7:0005000
Com a factura de urna ponte so-
bre o rio Serinhemno lugar Porto
de Pedras..................... 6.OOO5OOO
Com a compra e preparos de urna
casa que sirva de cadeia na villa
de Ipojuca..................... 4:0005000
Com os reparos da cadeia de Ga-
ranhuns....................... 2:0005000
Com as obras do cemilerio do
Cabo, no caso de nao ter sido an-
da satisfeito o disposto no 6o do
! art. 15 da lei do orgamento provin-
cial de 1860.................... 2:0005000
A despender a quantia que fr necessaria para o
calgamento da eslrada que na villa do Cabo conauz
Art. 45. Eventaaes.
5:7485000
10:0005000
78:8405000
Art. 22.
em Olinda
Com 101 ditos de azeite
na
Art.
23. Com 30 ditos em Goian-
Art. 24. Com
Formoso......
30 ditos em Rio
8685778
168:1485778
Art. 10. Bibliolbeca provincial.
Bibliothecario...........
Obras novas.............
Aluguel da casa e expe-
S2
diente
1:080*000
20L*000
561*000
1:841*000
CAPITULO III-
Auxilio industrial.
Art. 11. Subvengo a compa- c,fM.Snn
nhia Pernambucana............ J.uuu#wu
Art. 11 Auxilio a fazenda mo-
delo que fr fundada pelo Instituto
Agrcola..................... 2o:0rj0*000
Arl. 13. Associag5o dos Artistas.
Io SnbvengSo..............
2:000*000
CAPITULO 1T.
Obras publicas.
Art. 14. ReparUgio. a.i\i/vifi
S Empregados............ JSumftrt
t Expediente e serventes... 3:OoU0WU
28:180*000
CAPITULO VIH.
Soccorros de beneficencia.
Art. 25. Auxilio Santa Casa de
Misericordia..................,
g Io Para concertos do exterior
e ldrilho do hospital dos aliena-
dos...........................
2o Para pintura e reparos do
collegio das orpbas...........
3o Para factura de um muro
que cerque o hospital dos lazaros.
9:548*035
3:175*500
3-1755500
30:000*000
5:000*000
2:0005000 I
3:000*000
40-000*000
TITULO II.
Beceita.
Art. 46. Para effecluar a despeza fixada no titu-
lo primeiro desla lei, o presidente da provincia fi-
ca autorisado a determinar a arrecadacao da ren-
da de conformidade com os paragraphos segua-
les :
8 1." 90 ris por arroba de assucar exportado.
2. 20 ris por caada de agurdenle exporta-
da e 30 rs, por dita de alcool.
3. 5 por cento do algodo exportado.
8 4. 7 por cento do mel de furo exportado.
I 5. 8 por cento dos couros exportados.
6." 5 por cento dos demais gneros exportados
exceptuando-se palhas de coqueiro, fructas, aves,
conduz da estac&o respectiva ao caminho de ferro
51. Juros de 8 por cento pela indevida deten-
gao da renda.
TITULO III at 0 paleo (ja iatriz, e' para a construeco de urna
.' ,, yxposicocs geraes. bomba junto as oflcinas da ompanhia "da estrada
Art. 47. Continua em vigor a disposicao do arl. de furro.
47 da le u. 596, podendo o presidente da provin-1 s g.u epois dos exames necessarios a receber
ca cobrar por arrematago o impostes a que ella des(]e j definitivamente a estrada do Bujary a
se refere. Goianna e a obra das muralhas j feias na ra da
Art/ 1b* ^"fr1! if jmenle em vigor os Praa daquella cidade, para seguranga das respec-
arts. 49, 54, b2, 63, 60 e 69 da referida le na par- tivas casas> fieando exonerado da obrigago de con-
t que se refere a remogo da professora publica serva-las por um anno o empreiteiro de ambas as
para a freguezia da Boa-Vista desta ebras Manoel Gongalves Nuoes Machado.
A contratar a couslrucgao de urna estrada
de
cidade.
6."
Art. 49. Na cobranga judicial a thesouraria pro- qut panindo da respectiva eslagao da estrada de
vmcial proceder de conformidade com o que dis- ferr0 va terminar na povoagao da Boa-Viagem.
poe a circular n. 284 de 20 de junho de 1862, ex-
pedida pelo ministerio da fazenda.
Arl. 50. E' permillido pafar-sc a meia siza dos
escravos comprados em qualquer lempo anterior a
presente lei indepndete de revalidago e mulla
urna vez que os devedores o facam denlro do exer-
cicio de 1865 a 1866, sugeitando-se os que nao o
fizerem a multa e revalidago em dobro.
Art. 51. O presidente da provincia mandar
construir um agade na povoagao de Vertonte da
7. A mandar empedrar a estrada que conduz
desta cidade a Monteiro no lugar denominado
Sant'Anna; despendendo para esse flm atea quan-
tia de 4:000*.
8. A crear urna collectoria na villa da Es-
cada.
9. Fca o presidente da provincia autorisado
a rever o regulamento das obras publicas na parte
rea iva a forma dos pagamentos que correiu por
aquella repartigo, devendo quanto fr possivel
comarca de Limoeiro, despendendo com essa obra manter a disposigao da lei n. 584.
?lA ?.4!l,"l?l,_,l,_,!e-ai99f^09P:_ ^_ <^s_t.r_a. agule preterir a do que mandar construir na lu
gar Tapada da mesma comarca.
Arl.'51. A importancia a deduzir-se em cada
lotera para sello dos respectivos biihetes ser a
mesma que for paga na repartigo competente.
Art. 53. A metade das loteras que tlverem de
ser exir*hidas denlro do exercicio da presente lei
quita Faleo, se dar desde j, e por conta da con-
signago do orgamento vigente, urna gratificago
de 400* por cada mez de sessao da assembla pro-
vincial no crreme anno, como indemnisago.
Art. 57. Ficam revogadas as disposigSes em con-
trario.
Mando, portante, a tedas as autoridades a quem
lenha e quasquer outros gneros, para gasto dos pertencer de preferencia as familias dos volunta- 0 conhecimento e execuco da presente resoluco
navios e alimentago da tripolagd e passageiros. ros da patria, a Santa Casa de Misericordia, ao
7. 505OOO por cada escravo exportado guar- theatro de Santa Isabel, sendo extrahida em lugar
dada a disposigao do paragrapho stimo do art. 41 de urna das parles das do theatro de Sania Isabel,
da le n. 431. | urna parte da lotera concedida ao Instituto Archeo-
8." 100 ris por libra de tabaco fabricado, 600 lgico-Gpbgraphco desta provincia,
ris por arroba do nao fabricado, 25000 por mi-1 Art.. 54. A preferencia da outra metade das re-
Iheiro de charutos, 15500 por millieiro de cigarro, ferldas loteras ser regulada pela forma segrate,
800 rs. por arroba de sabo, 50 rs. por caada de ; Bao podendo sua ordem ser alterada,
bebida espirituosa, restituindo-se o imposto quando 1.* As partes de loteras concedidas do preferen-
0 genero fr reexportado, 80 rs. por dita de gene- ca pela le n. 596 e quedeuarem de ser extrahidas
bra e licores exportado, 20 ris por diu de vina- dentro do exercicio da mesma lei,
gr'e, ficando isentos as fabricas da provincia. 2. Urna lotera para a conclnso das obras da
9." 20 por cento da agurdente de nroducgo nova matriz de S. Jos desta cidade, e na qual se
do paiz consumida na provincia, cobrados por ad-; compreheoder a parte da loteria concedida pala
Art. 26. Sustento e curativo dos
presos pobres................. 43:2205000
Art. 27. Recolhimentos :
g 1 De Iguarass, sendo 1:0005
para os reparos do recolhimento..
8 2" De Goyanna............
1 3 De Olinda..............
ministraco na cidade do Recife.
16. 50 rs. por alqueire de sal no municipio do
Recife.
li. 2*500 por cabega de gado vaceum consu-
mido na proyocia com excepgo dos criadores as
comarcas do Bonito, Garanhuns, Brejo, Flores, Ta-
carat, Cabrob e Boa-Vista, e dos que talharero a! cife.
carne para o seu nso as mesmas comarcas.
Dizimo do gado vaceum pago pelos criadores
2:0005000; nas referidas comarcas.
lei n. 596.
3." Urna parte da loteria concedida em favor das
obras da nova matriz do Brejo da Madre de
Deus.
4. dem idem da igreja da Estancia do Recife.
5. dem idem da igreja do Espirito Santo do Re-
1:000*000
500*000
3:500*000
Art. 28. Collegio de Papacaga..
de Misericor-
Art. 29. Hospital
dia de Goyanna...
8 12. Decima dos predios urbanos.
13. 20*000 por venda de escravos, exceptua-
dos os menores de dous anuos qnando forem ven-
didos com as respectiva maes.
7-"--" I 14. 10 por cento de sello de herangas legados
4:000*000 e doago de qualquer especie na forma do 13 do
---------artigo 41 da lei numero 554 de 4 de maio de
1:000*000
CAPTULO IX-
Culto publico.
Art. 30. Coadjuctores........
Arl. 31. Para goisameito e fa-
brica das matrizes, na mo de rs.
50* cada ama..................
1863.
15. S por cento sobre os premios da loteria
maores de 400*.
116. 10 por cento de novo3 e velhs direitos pe-
la nomeago dos empregados provinciaes; 20 por
cento pela aposentadora ou jubilago dos mes-
-------------mos.
17. 4 por eento sobre a renda das casas em
que se aobarem estabeleci mentes de commercio '
2:600*000 fra da cidade do Recife, e as prensas de algodo,'
18:300*000
dem idem idem de Nossa Senhora do Guada-
lupe de Olinda.
7*.dem idem idem da matriz dos Alogados.
8. dem idem da capella de Santo Amaro.
9. dem idem da matriz de Serinhaem.
10 dem idem da igreja do Monte de Olinda.
11 dem idem do hospital da ordem 3* do Carmo
do Recife.
12 dem idem Santa Casa de Misericordia de
Goianna.
13. dem idem igreja de S. Pedro do Recife.
14. dem idem irmandade da Via Sacra da igre-
ja da Santa Cruz.
15. dem idem as obras da matriz da Luz.
16. dem idem dem idtm de Nazareth.
17. dem idem as obras da igreja de Santa Rita
deCassia.
18. dem Mero, idem cemiterlo do Bom-Conse-
Iho.
19. Urna parte da loteria coueejaWa a cmara
perlencer, que a cumpram e fagam cumprir to in-
teiramente como nella se conlm.
O secretario do governo desta provincia a faga
imprimir publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 3 de junho
de 1865, quadragesima quarto da independencia e
do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Caslello Branco.
Sellada e publicada nesla secretaria do governo
de Pernambuco, aos 3 de junho dte 1885.
O secretario,
Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl. do iivro 7 de le.is provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, 3 de junho
de 1865.
O esc.ripturano da 4* seclo,
Theodoro Jos Tavares.
Expediente do dia 16 de junho de 4865.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia das Ala-
goas.Recebi o officio que V. Exc. me dirigi com
data de 25 de maio ultimo e muito lhe agradego as
providencias que se dignou dar para serem nao s
soccorridos de etape desde 2 at aquella data pela
thesouraria de fazenda dessa provincia, mais tam-
bera transportados para esta capital no vapor Per-
stnunga, os voluntarios da patria, remeltidos pelo
juiz de direito da Boa-Vista ao da comarca do Pe-
nedo.
Dito ao Exm. desembargador provedor da Santa
Casa de Miserioordia.-Sirva-se V. Exc. de mandar
entregar o alienado Antonio Jos dos Santos Silva
a *eus irmaos, que se acham encarrogados de rece-
be-lo por ordem do respectivo pai Antonio Martins
Monteiro, a quem j se manden fazer essa entrega
por .offlcio de 4 de abril ultima
Dito ao coronel oomraandanto das armas.Sir-
va-se V. S. de, mandar inspeccionar pela junta de
saude o capito da guarda nacional Agostinho Jos
dos Santos.
Dito ao roesmo.-D8cl*ro a V. S. para seu conhe-
euneqto, que segundo me constou de aviso da re-
partigaocda guerra n. 34 de 31 de maio ultimo, foi
aprovada a nomeago do tenente reformado do
exercjio Francisco dep. Meira Lima, para o lugar de
ajudante do director da colonia militar de Pi-
menteiras.Communicou-se a thesouraria de fa-
zenda.
/lo0 ao mesa,0--Respondendo ao seu offlcio n.
1,043 de 14 do correte, cabe-me dizer-lhe que
tendp-se mandado considerar rescindido em virtu-
de do aviso da repartigo da guerra de 6 de maio
ultimo o contrato celebrado com o pharmaceutico
de que ira la omesmo ofiklo, nao pode elle conti-
nuar no servico da pharmacia da enfermarla mili-
tar permanente.
Dito ao mesmaTendo de remetter para a cor-
te como me fol recommendo em aviso circular da
repartigo da guerra de 27 de maio ultimo, todos
os trophos, machinas, armas, boceas de foao ou
quaesquer outros artigos bellicos, que por sua an-
uguidade, ou por qualqier singularidade possam
figurar no muse militar que, alli l-m de estabele-
cer-se, haja V. S. de apresentar-me urna relago
oos artigos que estejam em somelhantes condiges,
enlendendo-se para isso cmn os cominaodantes das
forlificages aa provincia.Neste sentido fizeram-se
as necessarias communicacoes
Dito ao mesmo.Remello a V. S. para os fins
convenientes, as relagoes de que trata a nota por
cop;a inclusa das alterages occorridas com os mi-
litares da guarnigao desta provincia que se acham
fora della.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. ajustar contas at o fin do mez cor-
de soccorrimemo a companhia
para a corle no
vapor que se espera do norte.
Dito ao mesmo.-A Joaquim Jos Ferreira da
Penha, mande V. S. pagar, a vista da conta em
duplcala que aqu junio com copia do offlcio do
director da obras militares de 14 do corren te, a
quantia de 3*500 que despendeu com a extinego
do cupim no edificio do hospital militar.
Dito ao mesmo.A vista do incluso requerimen-
lo mande V. S. abonar em os devidos lempos o
procurador do commandante da 8' companhia do
2o corpo de voluntarios da patria, major Bernardo
Luiz I-erreira Cesar Loureira, o sold que este pre-
tende consignar nesla provincia para alimento de
sua familia.
Dito ao mesmo.Remello por copia a V. S. o
aviso expedido pela repartig) da marinha em 5
do crreme, para que em vista do quenelle se dis-
poe, nao s cumpra o que se ordenou em outro
aviso de 29 de abril ultimo cora referencia aos
venoiraentos correspondentes ao tempo em que es-
leve de licenga o captao de mar e guerra Herme-
negildo Antonio Barbosa de Almeida, mas tambera
abone a esse offlcial os mesmos vencimentos rela-
tivos aos 6 dias cm que excedeu a licenga.
Dito ao iuspecter da thesourarja provincial.
Acenso recebkio o offlcio de 14 do twrente, sob
n. 236, em que V. S. participou haver Vicente Fer-
reira da Costa Miranda, dando por fiador os seus
bens, arrematado com o abate de 2 por cenio no
prego do respectivo orgamento a piniura da ponte
do Caxang, e em resposta tenho a dizer qu9 a ap-
provo essa arrematago.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
chefe da repartigo das obras publicas em officio
de 16 do correte, sob n. 175, recommendo a V.
S. que em additamento ao pedido deste mez e pe-
la verbareparos de edificiosmande entregar ao
fiel pagador daquella repartigo mais a quantia de
440* para pagamento dos reparos feitos na coberta
da casa de delengo e dos orinadeiros assenlados na
secretara desta presidencia.Communlcou-se ao
chefe da repartigo das obras publicas.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Goianna.MandeV. S. dispensar do servigo
de destacamento para que foi designado, o guarda
do balalhao n. 15 de infantaria sob seu comman-
do superior Daniel Pereira de Jess, visto que pe-
las allegagoes e documentos que apresentou est
nas circunstancias de ser contemplado na 4* clas-
se dos designados por lei para destacamentos.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Garanhuns, Buique, 8: Bento e Bom Conse-
lho.Se o alferes do batalho 0. 59 de infamara
da guarda nacional sob seu commando superior
Antonio Severo Lins tiver transferido a sua resi-
dencia para a freguezia de Quebrangulo do muni-
cipio da lmperatriz na provincia das Alagoas, co-
mo allega no incluso requerimenlo, mande V. S.
passar-lhe a guia de que trata o art. 45 do decreto
u. 1130 de 12 de margo de 1853.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Garanhuns.Respondo ao offlcio de V. S. n.
31 de 25 de maio prximo lindo, dizendo-lhe que
em 29 desse mesm 1 mez dei solugo a consulta
conlida em seu offlcio n. 25 de 15 daquelle mez.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.A' V.
S. ser a presentado o menor Antonio Ferreira de
Menezes Moraes, para qu" o mande alistar na com-
panhia de aprendizes marinheiros, urna vez que
estoja nas condiges do respectivo regulamenlo.
Dito ao director do arsenal de guerra.Faga V.
S. apromplar para serem enviados com urgencia
ao deposite de artigos bellicos da Parahyba, como
se deterrainou em aviso da repartigo da guerra
de 5 do correte, os artigos de fardamento men-
cionados em a nota por ftia inclusa.
Dito ao mesmo.Remella V. S. com urgencia
para a capital do Rio Grando do Norte, os arugos
de fardamento que em observancia do disposto no
aviso de 8 de margo ultimo, mandei fornecer aquel-
la provincia por offlcio de 21 do mesmo mez.
Diio ao mesmo.Declarando o Exm. Sr. minis-
tro da guerra em aviso n. 35 de 5 do correle, que
foi deferido naquella data o requerimenlo em que
Antonio Joaquim Pires contra-mestre da offleina de
3" classe desse arsenal pedio ser despensado do
ponto, mas que a referida despensa s se deve en-
cender do comparecimenlo do mesmo ponto, mas
nao do trabalho ; assim o communico a V. S. para
seu conhecimento e execuco.
Dito ao mesmo.Mande V. S. admittir na com-
panhia de aprendizes desse arsenal o menor Cae-
tano do Reg Barros, sobre que versa a sua infor-
magao n. 292 de 12 do correte, urna vez que seja
satisfeiio o disposto no arl. 4o do regulamento de 3
de Janeiro de 1842.
Dito ao mesmo.-Mande V. S. alistar na-compa-
nhia de aprendizes desse arsenal se houver vaga,
o menor Carlos, entiado de Maria Amada de Jess
Ferreira, urna vez que ella satisfaga a disposigao
constante do art. 4 do regulamento de 3 de janeira
de 1842.
Dito ao mesmo.Communico a V. S. que, se-
gundo coastou me de aviso da repartigo da guerra
de 30 de maio ultimo, foi approvada a nomeago
interina do lente reformado doexercito Jos Cae.
tao da Silva para exercer o logar de ajudante
dessa directora em substiluigo do major Ante-
nlo Peres Campello Jacome da Gama llameado te-
nenie coronel commandante do 2o corpo de volun
taros da patria.Fizeram-se as necessarias com-
munieaces.
Dito ao commandante do corpo de polica.De-
ferrado o requerimenlo sobre que versa a sua in-
forraagie n. 409 de 14 do correte, no qual o sol-
dado Caseroiro Alves de Sonta pedio transferencia

llj
II
s
ILESTVEL


Diarlo de Pernambuco Terca reir lo de Junbo de 1805.
r <
deprac para o 4o batalhao do-arlllnaria a-pe, an-
toriso V. S- a mandar etitnioa-lfi do corpo sob seu
commando eapresentar com guia ao coronel com-
mandante das armas.Communicou-se ao coronel
commandante das armas.
Dito aomesraoExpeca V. S.ordens terminan-
tes para que toda a forja do corpo de seu com-
mando, que se acha qur destacada, quremdili-
geocla fra desta capital, se-recama com toda ar-
gencia indepenfleote de quaes quer consideracttes
que possam fazer as autoaWades las localidades
nae esta se acha, com oflmde demrala.
Dito ao empreili iro da ponte de ferro do Recite.
Teodo o governo imperial em aviso de 29 de }o-
Iho do anno passado, relativo a coltocaeao das can-
toneras, de que trata V.S. em seu offleio de 2 de
junho crrente, declarado qoe nao julga conwnien-
te autorisar tal despeza, nao ple esta presiden-
cia lomar urna delibcraco contraria. Todava, pa-
recendo me fundado o parecer do engenheiro fis-
cal da ponte, que opina pela necessidade das canto-
n'eiras para maior solidez da obra, poder V. S.
colloca-las, se quiaer sugeitar-se a deliberajo ul-
terior do governo a quem stibmetterei este nego-
cio, convindo paro isso que V. S. me communique
a resoluto que houver de tomar.
Dito ao capitao do porto. Trausmittindo a Vmc.
copia nao s do offleio qoe me dirigi o cbefe da
reparlijo das obras publicas, em 14 do corrente,
sob n. 173, mas tambem de outro a que elle ae re-
fere eem que o engeobeiro superintendente da
compnhia de illumraajo desta capital, rommuoi-
ca que orna alvarenga, propriedade de Manoel
Custodio Peixoto Soares no da 13 deste mez, pelas
6 1/2 horas da tarde, quebrara o eacanamento do j
gaz, qoe eoire pela ponte provisoria do Recife. re-
commeudo-lhe a expedijo de suas ordens, para
que peta repartijaoa seu carpo sejauresponsabili-
sados os proprietarios de atvarengas e de outras
quaesqer nmbarcajoes, que causarem damnos
desta ordem, quasi sempre provenientes de negli-
gencia ou impericia dos condoctores de taes em-
barca jdes. Communicou-se ao chefe da repartijo
das obras publicas.
*>to a cmara municipal do Rio Formoso.'
Tendo ido annu liadas pela cmara dos senadores,
como constou de aviso da reparticao do imperio de
26 de julho de anuo passado, eoi declarado a c-
mara municipal do Rio Formoso, em offleio desta
presidencia de 18 de agosto (Taqueile anno, ambas
as eleicoes deeleilores para senador, que se proce-
dern) na freguezia de Ca desse municipio, re-
commendo a mesma cmara que expeca as neces-
sarias ordens ao jniz de paz mais votado d'aquella
freguezia, para que se proceda a nova eleijao dos
referidos eleitores, no da 4 de agosto prximo vin-
Bftmbtmmr-e-menor do rorpo.
Tenente coronel comraandan-
16. MfM '.....
Major.....................
Tenente ajudante...........
Dito secretarlo.............
Dito quartel Mestre.........
Dito cirurgiao..............
Sargento ajudante.
Dito vago mestre..
Corneta mor......
Forga i* urna compnhia.
Capitao....................
Tenente...................
Alferes....................
Primeiro sargento..........
Segundos ditos.............
Furriel....................
Cabes de esquadra..........
Soldadas...................
Cometas..................
Tendo
Forca das 6 companhias.
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
2
1
4
1
8
63
2
82
a 4" 61 soldados............ 491
Total do corpo..... 300
Fizeram-se as nccessma* communlcajoes.
Despachos do di a 14 de junho de 1863.
Reguerimntos.
Antonio Asnos da Costa.Concedo seis das de
lieenca para o flm que requer o supplicante.
Anna Lucia de Hollanda Araujo.Dirija-se ao
Sr. desembargador provedor da Santa Casa da Mi-
sericordia.
Antonio Francisco Marlios.Concedo mais seis
dias de praso.
Antonio Lopes de Oliveira Jnior. Informe o
Sr. eommaDdaote superior da guarda nacional de
Oliuda e Iguarass.
Bonifacio Baptista do Rosario.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Calhsriaa Maria da Conceijao. Informe o Sr.
Dr. ohefe de polica.
Candido Xavier Carneiro. Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do munici-
pio de Nazareth.
Francisco de Souza Goerra,luforme o Sr. ins-
pector da thesonraria de fazenda.
Jos Soares Pinto Correia Jnior.Informe o Sr.
douro, qne para isso Bca designado, cumprindo commandante superior da guarda nacional.do Re-
que aquelle juiz de paz convoque com a anteceden- cife.
cia de um roez, prescrtpta no" ?rt. 41 da lei de 19
de agosto de 1846, e nos termos dos arts. 4, 5 e 6
da mesilla lei, as pess-oas, que devera concorrer
para orgaoisajo da respectiva mesa parochial, isto
, os eleitores e suppleates que elegeram os depu-
tados da cmara actual, e na sua falta os oito ci-
dados que forem immediatos em votos ao refer- j
do juiz de paz, de conformidade com o aviso de 11!
de agosto de 1848, 3 e outres moitos.
Expedmdo estas ordens espero que a cmara j
municipal do Rio Formoso auxiliar ao governo,
concorrendo de sua parte para que seja garantida
a liberdade do voto, mediante a mais restricta e
imparcial observancia das leis, o que far sentir
aos seus municipes e sobretudo aos funecionarios,'
que tem de inlervirna eleijao.
Dito ao Dr. juiz de direito de Flores. Remeti
a Vmc copias do offleio que era data de 11 de fe-
vereiro, dirigime o delegado do termo de Inga-
zeira, e do interrogatorio feito ao preso -everino
Jos Gomes de Oliveira.-Concedo oito dias, de-
vendo ser este apresentado ao Sr. capitao do
porto.
Joaquim Antonio de Lima.Informe o Sr. len-
te coronel commandante do corpo de voluntarios
do Rio Grande do Norte.
Capitao Joo Pereira de Araujo Cardozo.Apr-
sentele no quartel do commandoj} das armas para
ser inspeccionado.
Jeo Galdino da Porcincula.J se expedio or-
dem para ser posto em liberdade o supplicante por
ter sido considerado incapaz do servijo em inspec-
cao de saude.
Joaquina das Marees Ferreira.Passe portarla
na forma requerida.
Joo Manoel Ferreira Mary. Informe o Sr. te-
nente coronel commandante do corpo de poli-
ca.
Joaquim Damasceno Marrano. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional do Pao
Tomou-se a bandeira de gutnadsa tropas pa-
raguayas.
Berges e os mais da junta eaeaearam-se.
Tomaram-se muithsiraas pena*, q*e junto
com os prisioneiros chegaro de mu -noRMato a
outro, pelo menos os que se acham era-astado de
marchar, pois ha multos mal feridos.
t Os generaes Paunero e Barroso jn'.garam con-
veniente no primeiro momento tornar a embarcar,
porque se acreditara que torcas eoasideraveis do
inimigo viriam sobre a cidade ; ponen), tendo a cha-
de -grande cooperacao na popntajao nacional e es-
trangeira, julgam qae demoraran) o reembarque
para colher todo o fructo da victoria.
E' muito possivel que, -protegidos como vo
ser por uma^operafao por trra das forjas corren-
nte que nella coabe marinha e ao exer-
cita-Mipenal. Aguardamos outros delalbes.
O i* tenente de artlhana Tiburcio Ferreira de
Sana com duas pecas que desembarcou de ossa
saquera fe um grande mal ao inimigo, e prevo-
cou admirajao de nossos alliados, que o elogiam
muite.
Ao foro da esquadra principalmente se deve te-
re m os Paraguayos evacuado o quartel l inUai
casas com que se protegiao. Os eteefes Barroso*
Gomensoro furam incansaveis para auxiliar o bo*
xito daeta importante operagamilitar.
O major Zagaira, que morreu-aa aeeo, sado com ama filiia do almirante Mnratori,eu ca-
dver j fui conduzido a Buenos-Ajwes.
Os fruotas desta victoria sao mais de 100 prkia-
tinas, -.pelas dos commandantes Nelon e^iribo-; neitos, 15 toneladas de carvo, 1 bandeira" 3 se-
ne, que sobem a 700 bomens, e que devem ter : cas, e muitasmunteeesde guerra,
chegado no da 27, se demore o reembarque. En- j Um hurrab aos nossos valentes soldados,
tao sendo reforcados por tropas argentinas e brasi- Falla-se tambem em nina victoria alcancada pelo
leiras cooperarao para as ulteriores operacoes, que barao de Jacuhy ou Canavarro sobre os Paraguayos
denarao Corrientes livre do invasor. I no Hormiguero. Esta noticia corra em Corrientes
Nossa perda e como de 157 horaens fra de entre os nossos proprios inimigos
combate, a saber : um diefe morto, ura oflkial I Hoje seguem para S. Francisco os vapores Impe-
morto, 23 offlelaes feridos e 126 individuos de rador e Imperalriz levando doas biates a reboque,
os quaes conduzem todo o material transportado no
tropa.
t Estes dados mostram o denodo e bravura com
qoe precedeu a offleiahdade, marchando frente
da columna de ataque.
< as forjas brasileiras houve tambem perdas
de considerado, em officiaes e tropa, lendose tor-
nado notavel um tenente de artlhana volante, pe-
lo estrago que fez no inimigo. Nao recordamos seu
nome, mas epportunamento teremos prazer em o
declarar.
Em nossas.forjas ponlararase amo hroes o
coronel Rivas, o commandante Charlone, os oom-
mandantes Rsete e Orma.o iutrepidonaajor Sagari,
e o lente Porlella.
Ferido o major AKIecoa, o bravo Charlone com
um talho leve na cabeja, o major Basavilbuso e
outros.
Por um vapor chegado esta manhaa de Buenos-
Ayres roceberam-se novas noticias, inclusive a
parte oflkial do general Paunero, que vai junto a
esta, bem com* os paragraphos do diario do che fe
da nossa esquadra o Sr. Barroso.
Sobre o effeito material e moral do ataque de
Corrientes divergen) as opioides.
Para logo est fra de toda a duvida a intrepidez
que mostram as tropas argentinas, bem como a
pequea porjo dos Brasileiros que cutraram em
fogo.
Mas parece que o general Paunero eensnrado
por praticar operajo, cujos resultados s podiam
ser obrigar os Paraguayos a sabir momenlanea-
menle de Corrientes.
De faci, tendo o exercilo paraguayo perto de 20
vapor S. Francisco. O almirante Tamadar n-
cansavel; nwltipHea^e-por toda a parte e faz mar-
char toda esta machina, apezar dos embarazos que
encontra.
Ho de ser lidos seguramente com interesse os
seguintes extractos do Diario do chefe Barroso.
23 de niaio
Denois da meia noite passou urna escuna, da
qual liz vir a bordo o patrio ; vrnha de Corrientes
com laranjas, chamava-se Nympha, e segnia para
Buenos-Ayres. Confhfneu-me o mestre que em
Corrientes haviam Gomo 1,500 Paraguayos, e nm
s navio de guerra ; que quando all chegou a ca-
nhoneira ingleza traton de'embarcar-se no vapor
Paraguay o mroisfro 'Berfes, istopor sctppor que
o navio que subia era-brasilero, o qe nao effec
tuou por ter reconheoido depois ser iaglez
24 de nwio
Ao amanhecer fez-se sigaal de daspertaT os fa-
gos. A's 6 1/4 appareceudebaixo o vapor inglez
Espigador, o qual chegou as 6 1/2, mandando logo
a bordo recebi cartas, offloies e jornaes, e logo em
seguid i fizsignal de suspender, e seguimos rio
cima. A's 9 i/2 passaiaos o Empedrado, e s 2
1/2 fundeamos antes de chegar ao Riachuelo, do
lado do Chaco. Combinamos sobre a raaneira
de amanha nos apreseatarnios sobre Cor-
rientes.
II de maio-
Ao romper do dia, como se tiuha disposto de
; vespera, os navios tomaram os seus reboques, e ao
nascer do sol embandeiramos nos topes, cora a ban
Nao obsta para isto a resolujao inesperada da
sua partida era te'mpo anterior ao determinado ;
nao obsta que entre esta nova determinajao e sua
vulgarisajo baja lo sraente um dia, urna vez
que superior liraitajo do ospajo est a vontade,
qne sendo poder, tambera ludo era taes occasides.
Assim, j est organisado um esquadrao patritico
de cavallaria, composto de mojos de differentes
classes da nossa sociedade, raortnente de commer-
ciantes; e consta-nos que se praparam outras for-
mas festivas de honra a desaliada do retando
corpo, que ser ao depois do meto da.
Por portara da presidencia, de hiairm, faratn
transfereridos par quinla-feira 22, a benjao da
-bandeira e o embarque da patria.
Por dita foi mitala reunir ao 2. corpa de
vorantarios, a compnhia de homens pretos, sendo
nomeado capitao dola o tenente Felippe Jos da
Exaltajao Maoiva e alferes o sargento Galdino Jos
da Silva.
Para complemento do 2." corpo de voluntarios
furam Borneados alferes Leandro Francisco .\o-
gueira e Alberto de Brito Cavalcanti.
O vapor Cruzeiro de Sul s sahir para o
sal, na quinta-fera i2.
Lembramosa conveniencia de tratarse de !
encher differentes excavajas, que ha na estrada
da passagem da Magdalena, antes que ella com a i
conlinuajo do transito eonvertam a estrada no es-i
lado do Mondego. De presente o que pedimos quasi
que nenhum onus traz aos cofres, visto ser o re-1
paro pequeo; mas a oinillir-se a provHfencia soli-
citada, em breve carecer de urna obra nova, e com
isto de bons contos de reis.
A proposito cumpre notar que a ra do Sebo pre-
cisa, em alguns pontos, de igual providencia.
Esperamos do digno Dr. director das obras pn -
blicas, cuja boa vontade reeonbeeeraos, que pro-
videncie soma no caso eouber.
Inforraam-uos queS. Exc. oSr. presidente
da provincia vai tazer seguir para o Maranhfio, di-
rectamente, o cter da alfandega Pyrifrnnpo, com
as malas da Europa e do sul para essa provincia,
a do Para e Amazonas, pruvendo assim a falta
occasionada pela volta do vapor Gruzeiro do Sul
para a corte.
Por ordem imperial segu depois d'amanhaa
para o Rio de Janeiro, tocan to na Baha a tomar
a guarnijao do Maranhao, o brigue escuna Tone-
lero.
Consta-nos achar-se nomeado major do cor-
po de voluntarios da patria de sergipe, o Sr. ca-
pitao Manoel Porfirio de Castro Araujo.
Subi ante-hontem seana no Santa Isabel,
lindo e mimoso drama Medico das
mil bomens prximos daquella cidade,conta-se que deira argentina no niastro grande : os vapores ar-
Rodrigues Ferreira, bem como de outro offleio diri- d'Alho.
gido ao Dr. chefe de polica pelo mesmo delegado "jos Moreira da Silva.Yolte ao Sr. inspector
em lo de maiu, e do documento a elle junto, afim ,ja thesouraria de fazenda, ata de nao s conce-
de que mande o juiz municipal d'aquelle termo, der lie en ja para o pagamento da siza e mais direi-
respooatT sobre o fado de haver permettido ao tos nac ionaes, como tambera mandar passar titulo
referido Severino reo de crime inaQnjavel, andar
em liberdade, e me envi a soa resposta, infor-
mando Vmc. com o que Ihe constar ou poder saber
a sememante respeito.
Dito ao commandante do brigue escuna Tone-
lero Ligo que Ine fr apresentado por parte do
Dr. cbefe de polica o preso Manoel Horiques de
Lira, proceda Vmc. as necessarias averiyuajoes,
afin de verificar se elle disi-rtor de marinha
como se denunciou, e se esta com o nome trocado,
comimimcaodo-me Vmc. o resultado das investiga-
res que Bzer. Neste sentido oficiou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao chefe da repartij.io das ebras publicas.
Coocedendo a autorisajao que Vmc. pedio era seu
offleio de hoje, sob n. 176 para receber definitiva-
mente o 16. lanjo da estrada Mamede lavraudo
para esse fira o competente termo, o que Ihe de-i
claro para seu conhecimento, e em resposta ao
citado offleio. Cotamntiicou-se a thesouraria pro-
vincial.
Dito ao mesmo.Com a informajo ministrada
pelo seu antecessor em 3 do crrente, remetto
incluso o requerimeuto de Francisco de Paula Ca-
bral, que se propoe nao s a fazer 155 brajas de
empedrameoto na estrada entre a ponle de Bujary
e a cidade de Goiaana, e o caes em frente de al-
gumas casas que ficam a margem da mesma estra-
da, mais tambem a contratar a conservajao dessas
obras, para que Vmc. ouja os fiadores do contra-
tantes da obra da mesma estrada, Manoel Gon-
calves Nunes Machado a cerca da conservajao
dalla.
Dito ao mesmo. Exigindo os religiosos do Car-
ino 3:00 pelo aluguel animal da parte do con-
vento que cedem para a mudan ja da Faculdadi de
Direito, e das aulas preparatorias, exigencia que'
parece excessiva, e vai muito alm da estimativa
de 1:200|JOOO que fez o meu antecessor do dito
aluguel, d-me Vmc. saa opiniao a semelhante res-
peite, visto como tendo examinada o
onecido bem o seu estado, os sacrificios e vanta-
gens que terao os religioso- pelos concertos qne
tem do ser feitos, e pela cessa^, deve estar bem
habilitado para bem avahar aquella exigencia.
Convm tambem qne Vmc. Informe sobre qoaes-
quer outras condijoes que devam ser estabeleedas
no contrato de cessio, e locajo.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao que requereu a professora publica de instruc-
cai primaria da 2." cadeira da freguezia da Boa-
Vista desta cidade, Joaquina das Mercs Ferreira,
e tendo em vista a informajo do director geral
ao supp licaute nos termos da iuformajo de 10 do
crreme.
Maria Christina Cavalcanti Pessa.luforuie o
Sr. director da instruejo publica.
Manoel Pedro da Paixo.Seja dispensado.
Manoel Flix da Silva. Seja dispensado.
Raymundo Joo Nepomuceno.Concedo quatro
dias de lieenca para o fim qaedeclaia o suppli-
cante.

EXTERIOR.
mo\ti:i I1EO.
1 de jnnho de 18C5.
m dia mais de demora teria permlltido ao 3fj-
sey levar importantes noticias da guerra contra o
Paraguay.
De fado, chegaram hontem de Buenos-Ayres em
um boletim da Nacin Argentina, e sob titulo
Tomada de Corrientes, as que seguem :
No dia 25 foi recuperada Corrientes pelas forjas
que marchavam na esquadra s ordens do gene-
ral Paunero.
O combate foi sanguinolento e durou mais de
duas hora. As forjas argentinas bateram-se com
urna heroicidade sem exemplo.
Desembarcaram smente 600homens,em uni-
forme de grande parada Estes 600 bateram-se
contra 2,500, de que a guarnijao constava, e os
derrotaram completamente, fazendo-os desoecupar
a cidade, e cansando lhes urna perda como de
600.
Pode dizer-se qni cada um de nossos soldados
matou um inimigo. O combate foi especialmente
arma branca.
Nossa perda calculada cm 200 bomens entre
edificio, co- mortos e feridos, o que nao admirar se se calcu-
' lar a supenoridade da forja inimiga e o encarni-
jamento do combate.
t Nossas forjas sao senhoras da praja, e espera-
se a cad a momento a cavallaria, o que de grande
importancia para perseguir o inimigo em sua reti-
rada.
Nao tinham desembarcado forjas algumas em
Corrientes porque havia falta de vveres na praja.
A jnnta e os mais traidores pozeram-se ao
fresco.
* Eis os deames.
Elles sao bastantes para que os nossos leitores
a tero logo recuperado obrigando os Argentinos a
reembarcarse.
Tambem esse general aecusado de haver sacri'
ficadoa gente, desembarcando s 800 homens-
quando poda desembarcar 2,500 ou mais, e assim
alcanjar mais fcil victoria, e talvez apossar-se de
toda a guarnijao paraguaya.
Daqui tira se a illajao de qne o general Mitre fl-
cou desgosioso, e coi re mesmo que Paunero foi
exonerado do commando das forjas.
A outro: respeitos consdera-se significativa o
successo de 25 de maio.
Nelle verificou-se que os Paraguayos nao atirara
como muitos suppoem, voltando a cara. Elles pe-
lejaram e pelejaram com rauilo valore tenacidade.
Se, ambara em numero mais de duplo;. tiveram
que ceder aos Argentinos, que a forja destes que
osataeava era a flor do exererto de Buenos-Ayres,
batalhao
gentinos Pampeiro e Pavn lizeram o mesmo, mas
com a bandeira brasileira no mesmo mastro.
A's 7 1/ seguimos rio cima dando vista de nm
vapor que reconbecemes ser paraguayo, e que logo
que nos vio parou, e conservou-se observando-nos
j a quatro ou cinco milhas de distancia. Conforme
nos apreximavamos, assim fugia, at qne s 9 ho-
ras e 20 minutos deu dous tiros, creio que de sec-
eos, como signal de despedida, e seguindo perdeu-
se de vista. A's 10 horas chegamos em frente
columna deixando tedee os reboques fondeados do
lado da Chaco, e seguimos a collocarmo-nos em
duas columnas em frente a cidade, dando fundo
s 11 horas. Haviam duas bandeiras paraguayas,
que estavam nos quarteis, e na capitana se achava
a argentina e muilas italianas Das assolas por ser
a mor parte dos commerciantes desta naj3o, umita
gente as barrancas, e em alguns lugares se vlam
pela vesti-
Alimentados castados cofres pblicos, 135
Movimeato da enfermara do dia 20 dojuhho
de 1865.
Teveram balxa:
Manoel Francisco Pereira, broncha.
Miguel Ferreira dos Santos, indigestao.
Manoel Jos Baptista, frielra.
Loaren jo Francisco iSoaras, constipajo.
Ti ve alta:
Joo Pedro.
Falfecea.
Joaquim Francisco do Nascinaento, ou Joo Ati-
tonio do Nascinaento, conhecMo porbeija flor.
M
I SI
?l
I P
I
O
>
o
o
>
-4 1 1 1. -J, ce ^1 CO Masculino. 1 -1 2 I 0
1* 1 ,Jl 1 1 1 Feminino. 1 ip-1 u I u I > l ra 1 M
s 1 1 at 1 1 1 ** Masculino. -i I 1
1 ,1 1 ! I Femmino.
M 1 .! 1 -1 1 1 I Masculino. ( 1 co 1 H CA < O en
1 1 N 1 1 j I Feminino. |

-.

. I 1. 1 - co Masen! ino. Z O O co 2 : 0 >
s . A O Feminino.
-0 V. . . . -5 Masculino. vi O M r 5 >
c-s * a . ., Feminino. o> 1 J
c-t 00 00 TOTAL. .
a.
Se
ADVERTENCIA.
o lindo e mimoso drama Medico das Crtangas, que
bastante agradou, nao s pelo trabalho em si, co- [ Na tatalidade dos doentes existen) 158 sendo 10
mo pelo bom desempenho q^e leve. horaens e 53 mulucres.
Ueu no sabbado da semana que findou, a so-; Faram visitadas as enfermaras estes dias
ciedade Conjbanlina a sua partida de nstallajo no As 7, 6 3|i. 7, 63|4, 7, 7, 7, pelo Dr Kamo?
novo predio da rui da imperalriz, para onde trans- As 9, 10 l|i, 8 l|i, 8 3j 8 3(4, 8 3|i 91.2
ferio a sua sede ; a qnal effectvamente compensa pelo Dr. Sarment. '
pela situ.ijaoem que ora se acha ; e pela decora- Fallecern) :
jao luxuosa que ostenta com agrado da vista, os Thereza Maria de Jess ; tubrculos pulmonare-=
sacrificios a quem a referida sociedade se Impoz George William ; lulero peritonite aguda,
para urna acquisljao tanto mais importante, quanto Manoel Leiro; congesiao cerebral.
Ihe d mesmo coasiderajo pessoal perante os seus i Cemitemo publico. Obituario do dia 16 de
proprios olhos. junho de 1865.
Com taes condijOes, apartida a qnenos referimos Faustina Mana da Conceijao, Pernambuco 35 an-
no poda deixar de ser correspondente em loa- nos, viuva, Recife ; phtysica.
ment, ou como que urna bella pmtnra que se en- Maria, Pernambuco, lOmezes.
isto o batalhao Legio-Argentina, todo formado Paraguayos, os quaes eram conhecidos
de Franceees e Belgas engajados um a um na Eu- menta encarnada qae ussm.
ropa, e os dous pequeos e muitissimo disciplina-
dos cornos Io e 2o de linha.
A bravura que taes soldados deviam mostrar foi
a inda exaltada pelos seus officiaes, que se puzeram
frente das columnas de ataque, o que deu lugar a
lo crescido numero delles sabir ferido.
Resistindo os Paraguayos como resstiram a se-
melhante tropa, mostrarn) que nao sao ruins sol-
dados, e que nao eouvm facilitar sob pena de ar-
pendimento.
Outra noticia, qne nos diz particularmente
respeito, foi tambem publicada hontem. E' a de
Coilocamos os navios em duas linhas e fui ver o
general Paunero. O general Paunero resolven de
se mandar buscar as escunas que tinham tropa,
petrechos, etc., o que se fez, indo alguns vapores
busca-las, chegando tudo s 2 1/2 horas, dniermi-
nando-se que desembarcassem, do que se traiou
immediatamente. Fiz eollocar em lugar conve-
niente as canhoneiras Itajaky, Mearan e Araguary,
para protecjAo. Vieram ento os vapores Pavn,
com duas escunas, e o Pampeiro, que se encosta-
ran) trra, e trataram de desembarcar sua gente
que immediatamente estendeu linha de aliradores.
urna victoria das tropas do Rio-Grande sobre as; Em qnanto isto se fazia, os Paraguayos por detraz
forjas paraguayas que ameacavam S. Borja. I das casas se dingiam ao lugar do desembarque,
O Ferro Carril, jornal do Rosario, a d nos se- mas a columna de aliradores e os navios fizeram
guiles termos : fogo sobre elles, s 3 3/4 horas, e elles entrinchei-
Segundo as noticias de que o Espigador foi por-: rados era urna casa que lhes servia de quartel
tador, no Hormiguero o barao de Jacuhy alcanjou muito hostisavam a nossa gente; porm as balas
urna grande victoria sobre o exercito paraguayo, de bordo, com o avanjo que faziam os atiradores
deixando 2,000 borneas fra de combate. Atacou-os j protegidos por mais forja que tmha desembar-
com 13,000 bomens. !cado, os desalojaran) do quartel, sallando elles
Como o Gerenteo passarde volta pelo Rio Gran- pelas janellas da retaguarda, e em seguida foram
de ha de receber e levar a confirmajao, ou des- as nossas entrando.
mentido desta uotica, eu preseindire de a cora-
raentar.
Direi smente que, por pessoa vinda do exercito,
sabe-se ter o general Canabarro escripto ao gene-
ral Osorio, avisando-o que 1a dar urna investida
aos Paraguayos. Sendo assim, aquelle successo
teria lguma possibilidade.
Chegaram hontem a este porto os vapores
Deste ponto para a eidade ha urna ponte, a qual
os Paraguayos a defendiara do outro lado, mas afi-
nal foram desalojados ; e passando a nossa gente,
coadjuvou nesta lula parte do nosso batalhao 9,
que com muita valenta imitou aos bravos dos ba-
talhes argentinos que primeiro desembarcaram.
i O fogo feito pelos Paraguayos era como de 1,600 a
2,000 tramaos; continuando o forte tiroteio, foi
quadrava em tal moldara ; e com effeito assim so
deu, por que sem embargo da noite estar entene-
brecidade, e de ter cabido chuva sem cessar desde
as oito horas at meia noite, houve urna concurren-
cia de suas sessenta senhoras, cujo numero aseen-
derla urna proporjao dupla si por ventura o tempo'
estivesse menos ingrato.
Assim, por tanto, bem que essa sociedade
se lisongeasse cora a presenja de todas as senhoras
que se dignam de frecuentar habitualmente os seus I
saldes, com tudo proporcionou um bello sero aos
seus convidados, nao tendo ao mesmo tempo motive
para considerar-se sob a presso de urna decepjao
occasionada pelo tempo, que pareca no entanto
conspirar-se contra os folgares d'aquella noite.
Sociedade que tem crescido progresivamente I
em sua vida social, a Corybantma, como esses fi-1
Boa-Vista ; tumor
mizenterico.
Henrique, Pernambuco, 3 anno?, Santo Antonio ;
hydrocephalite.
Theudoro, Pernambuco, 40 annos,>solieiro, affo-
gado.
- 17 /
Senhorinha de Oliveira
Jacome Pessoa, Pernara-
no buco, fiOannos, viuva, Boa-Vista/, gangrena.
Carolina Leopoldina de Moura, Pernambuco, 40
annos, solte.ira, Recife ; jtatano. \
Anna Rita da Conceijao, Pernambuco, 70 annos,
viuva, Santo Antonio ; hopatile.
Francisca Maria das Cbagas, Pernambuco, 7D aa-
nos, viuva, Boa-Vista ; phtisica.
Emilia Amalia de Gouveia Carvalbo, Pernambuco,
21 annos, solteira, S. Jos; tubrculos pulmo-
nares.
Ihos predestinados do talento e do proprio esforco,
chegou agora a posigao em qae consolida-se o seu
crditofirmando Ihe o bom coceito que direcjoes
solicitas lem-lhe graogeado pela ordem e regulan- Boa-Vista ; phtisica pulmuoa'r.
dade, que tem imprimido em seu movimento de vi- Joaquim, frica, 45 anno;, solteiro,
da ascencional. j Jos ; intertrinaes.
- A T/ia/'a Pernamhucana effecti'ou no sabba-: Bemvinda, Pernambuco, 6 mezes, Boa-Vista
Gerente, Imperador e Imperalriz. 1 sempre avanjando a nossa gente, que era de quan
Estes dous ltimos seguem hoje mesmo para ; do em quando reforjada com a que ia desembar-
Paysaodu e S. Francisco, levando as duas compa- j cando.
nhias de zuavos. ._.'',__. Entrando a noite, foi-se ouvindo mais distante os
Vao tambem nelles os empregados da caixa mi- tiros, e j alguns de paca, das nossas de campanha,
Miar, e os merabros do corpo de sade, chegados que desembarcaram.
no Gerente.
O Sr. vice-almirante determinou que se formas-
se no Salto um hospital, para receber os doentes
que forem cabindo no exercito, e que sao em gran-
de numero.
E', porm, na Uruguayana que parece ser mon-
tado o nosso grande hospital militar.
O digno ebefeda reparlijo de sade raostra-se
disposto a ir onde Ihe determinaren), o que, toda-
va o mortifica a certeza de nao prestar os ser-
vjos que devia, por nao ler recebido os medica-
Recebi urna requisijao do general, que me dizia
ter a gente mui fatigada com bastantes feridos, e
que sendo nossa a victoria, era preciso que o au-
xiliasse com mais alguma forja : ordenei que des-
embarcassem as duas companhias do 1 de fuzi-
leiros com parte do 6o que todava faltava, e segui-
rn) as 8 horas da noite para trra, indo com esta
forja o coronel Bruce, que como commandante da
brigada tinha vlndo. 0 general mandou-rae dizer
que a forja poda desembarcar na capitana. O
general estava na praja onde havia muitos fogue-
interino da mstrucco publica, n. 174 de 14 do reconhejam a immensa importancia desla victoria,
cerrente, resolve conceder a referida professora \ 1ue ^eve esperar-se das operajoes que se vo
30 das de licenja com vencimenios, afim de poder
desenvolver.
Honra aos soldados argentinos que conquista-
bravos entre
effectuar a sua mudanja da cadeira de Caruar,
d'onde foi removida para aquella. Communicou-' ram na pnmeira victoria o loaro dos
se ao director geral interino da instruejo pu- i os bravos 1
blica. A raalor parte dos chefes assistio ao combate.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao batathao de Rivas e a legio fizeram prodigios,
que requereu o procurador fiscal da thesouraria i a Joven Pui"'^' distingoio-se pela 6ua heroi-
provtneial bacharel Cypriaao Fenelon Guedes Al- cicia(,e avanjando com a bandeira depois de ferido.
coforado, resolve eunceder-i'he 3 raezes de lioenja' *,^s Paraguayos resisttram com mnitacoragem,
com todos os seus vencnenles para tratar de sua Porni tiveram que ceder bravura dos soldados
saude onde Ihe convier.
Dita.O presidente da provmda, resolve desig-
nar o bacharel Francisco Aminthas de Carvalho
Moura, para servir de procurador fiscal ad hoc na
thesouraria provincial, no proeesso de restituijo
de impostos, era que foi collectado Carlos Luiz
Cambronne, visto ter-se dado de sospeito aesse
argentinos.
t Berges e todas as autoridades intrnzas fugi-
ram.
Isio diz a redactan da Nacin em seu boletim, e
nada mais diz, deixando por conseguate em abso-
luto olvido a esquadra brasileira, que tomn pane
muito activa no trlumpho, como felizmente se de-
meulos e os preparos do hospital que da crje de-. ies, repiques, etc. "Consta haver como cerca de"200
vem vir. feridos, entre elles um lente do 9o chamado Her-
De Buenos-Ayres escrevem que o general, culaoo, muitos officiaes superiores e inferiores ar-
Milre luta com bastantes difficuldades para promp-, gentinos, os quaes se acham nos vapores Pacn,
linear o seu exercito, e que este ser menor, mui-1 Pampeiro e Araguary.
to menor do que esperava. A sua promessa de
em tres dias nos quarteis, aos quinze em marcha,
e aos tres mezes na Assumpjocorre muito risco
de ter sido.. hyperbolica.
Como entretanto os Paraguayos agglomeram no-
vos meios de ataque e adantara se mesmo com cer-
ta ousadia pela provincia de Corrientes dentro, en
26 de maio
Os Paraguayos esto reunidos em duas massas
distancia de 30 quadras sem se moverem. Tem-se
agarrado muitos feridos e oatros extraviados den-
tro de casas. Todos mui debis e mal vestidos.
do o espectculo anniversano da sua iostallajo.
O desempenho das pecas de que se elle compn-
nha, foi satisfactorio, correndo bem toda a repre-
sentajo ; e a sociedade se esmerou em obsequiar
aos seos convidados.
Prudeucio Pessoa da Veiga tentou suicidar-
se, com um tiro de pistola, na madrugada de 18
do correle, na Capunga.
Na madrugada de 28 do passado evadiranvse
da cadeia de Agua-Preta cinco criminosos.
O digno emprezano do Santa Isabel nao po-
dendo ser indiferente aos sentimentos patriticos
que esperiraenta a nossa populajao, e procurando
sempre se associar a todos os regosijos d'ella, d
amanha um espectculo em obsequio ao 2." corpo
de voluntarios da patria, que se ausenta d'entre
nos para ir vingar a nossa nacionalidide, torpe-
mente offendida pelo dictador do Paraguay.
E, assim, em communho com o nosso povo em
taes sentimentos, dirigio-se o Sr. Coimbra ao Sr.
tenente coronel Apollonio pondo a disposijo delle
e da sua oTcialidade varios camarotes n'aquelle
theatro, a fim de assistirem ao espectculo pom-
poso que Ihe dedica, o qual transferio o mesmo I
emprezario para amanha, visto ter sido tambem 1
transferida a salnia do corpo para o dia segrate :
A essa offerta cavatheirosa o digno commandan-
te nao podia deixar de mostrar-se penhorado ; e
aceitando o convite honroso, f lo nos segrales
termos duplanente dignos de quem os tracou e da-1
quelle a quem sao enderejados ; qne tambem
Jofio Narciso x Fonceca, Pernambuco, 88 annos,
vLuvo, Recife ; anazarca.
Lu_z, Peruambuco, 42 aunos, solteiro, escravo,
escravo, S.
n-
tlamajilo dos denles.
- 18
Ignacio de Aqumo Roza, Pernambuco, 15 annos,
solteiro, militar, Recife intente,
tendeu conveniente dirisjir as palavras, que seguem
a carta do Sr. tenente coronel,
t Ill.ii. Sr. Antonio Jos Duarte Coimbra.Aos
aiK0.M4_Jtf&lIAKA
TRIBUNAL 0 COHIIERCEO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE IG DE
JNUO DE 1865.
PB.E6IDEMCIA DO EXM. SR. DESKMBABGADOB
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desembargador fiscal, o
Exm. Sr. presideute declarou abena a sesso.
Lida, foi approvada a acta da seso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Um offleio do secretario do meritissirao tribunal
do comaiercio da Babia, de 7 do corrente, aecusan-
do o recebimento do que Ihe foi dirigido em o Io
do referido mez :Archive-se.
Ao Sr. deputado C. Alcoforado foi distribuido o
livro copiador de cartas de Jos Joaquim de Oli-
veira, de Macei.
DESPACHOS.
( No requerimento de Manoel Pedro de Mello, pe-
en- dindo o registro da escriptura de hvpotheca que
porm com armas de espoleta e adarme 17, pesa- zia com o cavalheirismo, fillio da educajo" mais
1 das que pasma o poderem andar com ellas. Hon- I Ilustrada.
apresenta :Regislre-se.
No de Jos Antonio Moreira Dias, pedindo a en-
trega de alguns documentos originaos juutos aos
sentimentos eminentemente brasileiros dos Srs. offl-' autos de sua rehabiltajo, ficando em substtuijao
ciaes do 2o corpo de voluntarios desta provincia dos raesmos documeutos copia autentica :Aponte
em extremo grata a correspoudeocia que V. S. a este tribuual os documentos de que precisa, afim.
demonstra era termos delicados e proprios do exi- de que elle conheja se os deve mandar entregar
mo artista, que tem o mundo por patria e a bu- na forma requerida.
manidade por irmos admiradores. N'essecasoo! No de Manoel Theotonio da Silva, socio gerente
corajo affeito as insplrajoes do genio, em todos i da firma social de Silva & Sangriroan, pedindo por
momentos, em todos os actos, disputa a prima- seu procurador Juaquim Jos Gonjalves Beltro,
que seja registrado o contrato de sociedade, cele-
brado entre a mesma Orina e Jos Gomes de Me-
muffoRRS fc* 'CS sTc^ JSLrBK *~^1~'JS* '^^^ S- convidando-nos para oezes Pitanga e Joa^i^Pere^^SSe Mael
proeesso o prceurador fiscal daquella thesouraria dui dos detalhes, que sobre elle mais adiante regis-
bacharel Cyprieno PeBelon Gaedes Alcoforado, I lra> e. ue > concurso de nossa infautaria e ar
"*""* """ A" *"" <* -'' inspector '''baria.
egundo consta de offleio do respectivo
daudo de 14 do oorrente e sob n.234.-Fizeram-se
as necessarias commuaicajoes.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ae
que requereu Clara Olympia de Lana Freir, e
tendo em vista o resultado do concurso a que se
procedeu no dia 22 de maio ultimo, resolve no-
maito e muito para ter um exercito seu com que
fazer frente ao inimigo.
E esse inimigo tem ura de 50,000 homens, que
briga corajosamente. Esta que a verdade ago-
ra reconhecida em Corrientes.
Espera-se amanha nesta cidade o Sr. conse-
Iheiro Octaviano. S. Exc. vem conferenciar cora o
Sr. vtce-alrairante, e parece que se demorar por
aqui oito ou dez dias.
O general Flores corneja a lutar com algu-
mas difficuldades polticas.
A desintelligencla, de quo o Jornal j deve estar
informado, continua a lavrar entre os membros
do ministerio oriental. Hontem o Dr. Castro, mi-
nistro de relajoes exteriores, pedio sua demisso,
que, todava, parece nao ibe foi concedida pelo go-
vernador provisorio.
Tambem o coronel Palleja, um dos seus melho-
res officiaes, pedio exonerajo da organisajo e
commando das forjas de iofantaria destinadas ao
Paraguay. Foi-lhe concedida, ao quedizem.
Finalmente falla-se boje de dous pequeos mo-
vimentos reaccionarios em departamentos interio-
res da repblica. E' possivel que sejam boatos sem
fundamento.
2
neira ingleza Doterel para sabir do lugar onde se
aebava, ao que me contestou que j estava com va-
por para sahir logo que houvesse um tiro, e assi
o fez. Hoje veio a meu bordo o commandante.
disse-me que est com 200 pessoas emigrantes e mentos deleitosos,' como' amecipada" compensadlo
que nao tem que lhes dar que comer. Fecho este de fadigas esperadas; e por tanto constitue-uos
diario s 4 horas da tarde para mandar ao Espiga-
dor que boje deve partir.
.'!'-!iiL.!IU..
.'.".L >m>
E" to importante a noticia que tenbo a trans-
mittir aos leitores do Jornal, que embora j tenha
r
Nao vira isto de algnma maneira confirmar as
appprehensfies dos que vem na unio das forjas
brasileiras s argentinas a nullificacao moral da-
; quellas em beneficio destas?
i Nao adiantemos,porm,as reflex5es;e eis a ver-
u_ ao mais favoravel sobre o successo de Corrientes,
mea-la professora da eadeira de instroejo prima- 9ueat a8ora tem sido publicada. E' a do boletim
ria da vrila doGraoitoCommunicoo-se ao director o Sff/o :
geral da instruejo pnbca. A' 2e de maio pela manhaa dexaram-se todos
Dita.O presidente da provtoda, attendendo ao 0i transportes do Chaco. Avancaram os vapores
que requeren Francisco Xavier Carneiro da Cu- i argentinos protegidos pelos vapores de guerra bra
nha, e tendo em vista a informajo do director i s'lei''O!- Desembarcou urna compnhia da legio hoje mesmo escripto pelo Gerente, nao deix'o part
geral interino da ioslruccio publica de 7 do cor- militar desenvolveo a sua guerrilba oontra urna; o vapor de guerra 8. Francisco, que pode ebegar
rente, sob n. 162 resolve nomea lo para reger for?a muit0 cansideravet, como de mil e tantos Pa- primeiro, sem dirigir-lhe estas linhas.
interinamente, mediante a gratificajao annnal de ""aguayos. Em seguida desceu outra compnhia da I O dia 25 de maio marcou um grande trlumpho
6005, a 3* cadeira de instrneco primarla da fre- 2" leBiao> e nao podendo avanjar pela resistencia' para as armas alliadas contra os Paraguayos. Nes-
guezia de S. Jos desta eidwlo, creada pela lei mi(' encontrava, desembarcou urna empanhia do te da cahio Corrieetes ero poder de Argentinos e
n. 624, de 16 de maio do crreme anno.-Conimu- f .de U0Ba> resolutamente carregaram sobre o Braileiros. qne cooabaterara como hroes, um con-
nicou se ao director geral ialerioa da instroejo 'A'n>'B"a baioneta ate o desalojar do ponto q^e oc-, tra tres, a raimigos que se portaran) bem, e que
publica, capava. ; mostraran) no campo da honra que nao sao para
Dita.O presidente daprovmeia, para aeseen-i Os navios e guerra brasileiros com os tiros desdeubar.
cao da lei provincial n.dl.de 2 de maio u*iimo, ** sua rtllbaria cooperaran) para a dispersan des- Coube ao nosso 9 batalhao de infantaria sosten-
resolve o segumta: i8a ente. I tar a reputajo dos soldados brasileiros, e elle se
A. 1. O corpo de polica ter a organisajo Depois, estando ja em trra todas as mais or- houve de maneira a coadjuvar effleazmente o ge-
conslanle do piano iacluf* assignado pelo secreta- ?*' w0?"" era diversas direcj<5es s forcas neral Paunero, que em um momento se vio quai
rio do governo. nrrsileiras de desembarque unidas com as irgenti- flanqueado por urna columna paraguaya. O tenen-
Art. 1 A secjia^rbana da mesmo torpo, flea | as, e apossaram-se de toda a cidade. : te Herculaoo de Souza Magalbes e 4 soldados fl-
extincta desde j e as respectivas uracas passaro! Gaoiram em poder dos alliados muito arma- arara feridos nessa jornada.gloriosa, em que cer-
para o mesmo coran. eoio, e mais de 200 prisioneiros, at o monismo; ca de 200 argentinos derramaran) seu sangue para
PERNAIHBUCO,
wmsn mm.
fiscal.
cal :
tro do
parecer
No de Manoel Fecnandes da Costa & C, pednde
e registro de seu contrato de sociedade :Satisfa-
jam o parecer fiscal.
No de Manoel da Silva Ferreira e Antonio Luiz
Dias, pedindo tambera o registro do seu contrato
de sociedade :Registre-se.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
deute eucerrou a sesso s onze horas e meia da
manhaa.
duplamente obrigados ; sendo que a mim cabe
expressar essa graiido cordial de todos, a qual
mais-de perto me toca pelo prazer de confessar
um eterno agradecimento. Desejando a V. etc.
Apollonio Peres Cumpello Jacomo da Gama.
Acabando de ser honrado com a bem elabo-
rada communicajo (que se segu) do Illm. Sr.
tenente coronel do 2o corpo de voluntarios d'esta
provincia, Apollonio Peres Campello Jacomo da
Uomojpublicamo-lo hontem, deve ser depois S?Slf.,Hque em Jon,fl sea e de soa Dn,nante offl-
d'amanbaaa benjo da bandeira do 2. corpo de vo- cialldade agrad"e o meu sincero convite para1
luntarios, e em seguida oembarque d'esta porco de "mf fCerem ? e,sl)eclacul0 .d hoJe, considero-
bravos peroambucanos que nos campodo Panmav mf ..sb o Peso do devor de anda pelo presente
vai tomar parte heroica n\ssaepopeiagraS algamas palavras.
primeiro canto J foi escripto por pirnarabucanos I henOE,irLeHP,r""e,m0JUSt0 CS2f* qne fa?0 df
destacados do 9. batalhao de I nha na tomada de I ,bene",enlos da Palr,a' <*ae> amda n0 momento de
Corrientes em caracteres proprios .'dos fiZs desta >tmareraas armas cra Pro1 da mesma, nao se es-, gado.es Res e Silva, Silva Guiraares, e Accioli, e
provincia proprios .aos nios aesta quecem de aniraar a niarcha das ar(es cnm 0 seu M brs. deputados Rosa, Candido Alcoforado, Bas-
0 itinerario do corpo para a funejao religiosa da' "7 IK^nV bem "*" dis,ribuirem ,0' *"**** Leah
tiran rinva ar n mnrU A~ II ,........ .~ j.-m. elu seu ia*or O COIICUT
SESSAO
16 DE JUNHO
JUD1CIARIA EM
DE 186o.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. nESEMBABCADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
As 11X horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
abri a sesso eslaudo reunidos os Srs. desembar-
benjao deve ser do quartel do Hospicio em desfila-
da pela ra de igual denominajao, ra da Impera-
lriz, ponte da Boa-Vista e entrada da ra .Nova a
parar em freute da Conceijao dos Militares, onde
ter logar aquella solemnldade. Depois da entrega
do signo sagrado, que syrobolisa a nacionalidade
de partir e vapor, e vao augmentando considera-
Plano para a orgaaaco que deve (er o corpo de vaimente oa busca que se fazia pelas casas. Calcu-
policia ea coafoimiaade das ordens do Exm, Sf. 'un se em 500 os mortos do inimigo. Tomaram-se
presidente da provincia desta data. N 150 toneladas de car vao que all havia.
reconquistar o territorio da patria.
Asperjas dos Paraguayos sao numerosas, e ava-
ia-se em 600 bomens Jora de combate.
As partes officiaes explieam a acjo, e a parle
rso do auxilio e brilhantisi ^iaX foi approvada a acta da sesso antece-
mo, de que sao dignos. j dente.
N'esse arroubo e enthusiasmo verdadeiro, que' Foi apresentado ao Exm. Sr. presidente um ofli-
no revela seno nobreza e eminencia dos sent- i Cl d presidente do supremo tribunal de justija,
mentos que os inspiraram, eu leio o mrito seguro,' passando s mos de S. Exc. duas portaras dirig
nao s do brasileiro distindo, mas tairrbem do jdas a01' Srs. desembargadores A. B. dos Res e Sil
i, Pon ;: athleta das ideas qne concorrem para o grande | va e C. M. da Silva Guimaraes, afim de que S. Ex.
^Sl'oZtolm^lmt peu ru" Nova fu desDV"|v"1;.nte T?[ \ S'r,'aL Recif"' 19 de ? dig5e fazIas chear ao Pr dos dilS desem"
ra do Imperador ponte provisoria, caes d'Apollo > Pa*sageiros sabidos para o Aracaty no hiale ,amb?ra-aP^^d" o offleio de 14 do cor-
ruada Cadeia, ra da Cruz a sabir no largo do arse- brasileiro Sania Rita r
naide marinha onde sera effectuado o embarque por Antonio Joaquim Seve, Bonifacio Francisco
entreassaudadesreciprocasdeumapartamento,mas cha, Bejamin T. A. Ribeiro IdU"*"
suavisadas pelo reeiaoM da patria, cuja voz mater- Casa db OETENjAo.-Mov'imento do dia 17 de iu-
nal sempre achou echo de respeito Olial em cora- nho de 1865 J
jSes pernambucanos. Exisliam 344; entraram 2 ;'sahiram 4 ex.s-
hrf^d,?.&.n.,M0,braWS lu4lflSflr cele- tem, 342a saber': nacionaes 254, mXres 4 -
brada no trajelo delles ao porto, com essas mil tringeiros 27, mulheres 2, asemos 49, escravas
manirestajoes populares,, qae o entnusiasmo suscis- 6-total 342 ebcma
ta aos poros livres em taes conjunetnras. As osa- Alimentaos custa dos cafres pblicos 36
joes que lhes devera ser fetas, sero a continua- Dia 18 '
jo d'aqoellas que foram iniciadas quando parti o Existiam 342 ; entraram b: sanio 1
I. carpo de idntica denominajao ; pois um e ou-, 346, a saber : naeionaes 236 : mulberes
tro tem a mesma ortgem, e igual fim os leva o transios 29 mulheres 2 escrav=o Vf :
Ro-
igoal destino.
vas 6 ;-total 3*6.
ex istem
j as-
esor-
ronle mez do Sr. deputado supplente Antonio Jos
de Castro, communicando nao poder oficiar como
juiz na causa da massa fallida de Seve, Filbos &
Cumpaaoia com Francisco Xavier de Oliveira, por
que credor da predita massa.
O Sr. deputado supplente Antonio Jos Leal Reis
cqmmunica em seu officio datado de boje, que oo
pode comparecer presente sesso para o julga-
mento da causa entre a massa fallida de Seve, Fi-
lbos & C. e Francisco Xavier de Oliveira, mas que
o fara na seguinte.
Aasigoaram-se os accordos proferidos na ultima
sesso nos feitos entre partes :
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amarim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Jos Clemenltno Henrique da Silva.

-


rmmmtwt^ **,*?* ua ** Appellante, Manoel Candido Rocha de Andrade ,
appellados, Sampaio, Silva 4 eotaahia.
jilgambntos.
Appellante, Esmeralda Marta da Copceic5o;
appellados, Schaffeillin & Companhia.Adiado na
uliiraa sessao. Foi confirmada a trteoga-ppel-
lada.
Apoellante, Manoel Ignacio de Slqueir.Caval-
caole; appellado, Joaquim Salvador Peaso* de Si-
qaeira Cavalcante. Adiado as sessSes de Io e
i> do corrente mea. Foi confirmada a sentenca
appellada.
Appellante, D. Anna Dalflna Paes Barreto ; ap-
pellado, Manoei de aza Perora.Adiado na ul-
tima sessao. O ootro Sr. deputado pedio o adia-
m en to.
Appellante, D. Maria Rita da Crw Neves; ap-
pellados, os directores do Novo Banco de Pername
tuco, como administradores da massa fallida ds
Jlesquia & Dutra. Adiado a pedido d um dos
Srs. deputados.
Appellante, Guilherme Jorge da Motta; appella-
do, Joo Martins Ribeiro.Adiado a pedido de um
dos Srs. deputados.
Appellante, Manoel Jos Machada ; appel lados,
os curadores llscaes da maesa fallid de-Jos Mar-.
ques dos Santos Aguiar C. Desprezarara-se os
embargos.
designaqao de da.
Recorren! e recorridos simultneamente Mn-
noel Moreira Tavarts e D. Leopoldina Maria da
Costa, mulher de Manoel da Costa Costivella com
autorisacao do juizo.
Appeliantes, os administradores da raissa ftilli-
dadeAmorim, Fragoto, Sate & C ; appellado,
o Dr. Manoel Francisco Teixeira.
Primeiro dia til.
PA8SAG.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr des-
embargador Suva Guimares:
Appellante, Manoel Ribeiro Bastos ; appellados,
a embargante 3a D. Tneodora Maria Quileria e ou-
ITOS.
ommwtQMt
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Appellanle, Jos Ribeiro Bastos ; appellado, Joa-
quim Luiz Vi'-ira.
Ao Sr. desembargador Silva Gulmar*s :
Appellante, Jo*-Daa*te daseves; appeliados,
os curadores fteeaes da massa fallida da Jos Mar-
ques dos Santos Aguiar & C.
AGGllAVO IXTEUPOSTO DO JC1Z0 KSPXCTAL DO
COMMEttCIO.
Aggravante, Antonio Jos Mauricio ; aggravado,
Joo Goncalves Ferreira Seve.
O Exm. Sr. presidente negoa provimento, sup-
prindo o juizo a qu urna irregularidade.
Nada mais havendo a tratar-se o Exm. Sr. pre-
sidente encerroo a sessao a urna hora da larde.
TRanHWIi 1.V REIA^i*.
SESSAO DE 17 DE JUNHO DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
S0UZA.
s 10 horas da maulia, presentes os Srs. des-
embargadores Santiago, Gitirana, Assis, Doria,
Molla, UehOa Cavalcanii, Domingues da Silva, e
Barros Vasconcelos, faltando os Srs. desembarga-
dos Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque,
e Guerra procurador daeora, abrio-se a sessao.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JLLGAMESTOS.
.'.cgravo de peticao.
Aggravante, D. Joaquima Marques da Cunha ;
aggravado, o juizo. Relator o Sr. desembargador
Barros Vasconcellos e Doria. Deram provi-
mento.
Appellacdes crines.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Gabriel
da Silva.A novo jurv.
Appeliantes, o juizo e Antonio Rodrigues da
Silva e outro ; appellada, Anna Francisca de Brito.
A novo jury.
Appollan e, a cmara municipal; appeOado, Dr.
Pedro Pereira da Suva Guimares. Improce-
dente.
Appellante, o promotor; appellado, Manoel Jos
i Fieilas Ramos.Improcedente.
Appella-do civel.
Appellante, Jos Vicente de Almeida Valenca ;
appellado, Denlo Jos Alves de Oliveira. Nullo o
processo.
Habeas-corpus.
Negaran) ordem pedida por Manoel Fclix de
Inojosa e oulros.
DBSIQRAClO DE DIA.
Assiguou-se dia para juigamento das seguin-
tes :
Appel lacSes crimes.
Apparlante, Manoel Joaquim de Santa Anna ; ap-
pallad?, a justica.
Appellacoes civels.
Appellante, Bernardloo Joaquim da Silva ; ap-
pellado, Joo Cardoso Pereira Guimares.
Appellante, Jos Lopes Cavalcante ; appellado,
Jo.- Antonio de Mendonca.
DILIGENCIA CIVEL.
Com vista ao Dr. curador geral
A appellacao civel.
Appellante, Joaquim Ribeiro da Silva ; appella-
do, o juizo.
Appellante, bacharel Benjamn Pinto Nogueira ;
appellada, D. Margarida Augusta Pinto.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Giurana
As appellacoes civeit,.
Appellante, Dr. Bento Jos da Costa Jnior; ap-
pellada, a irmandade de Santa Anna.
A apellantes, Prudente Ribeiro Pessoa Lins e ou-
tros; appellado, Ricardo Rogers.
Appellante, Antonio Virialo de Medeiros ; ap-
pellada, D. Rosa Maria de Albuquerque.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago
A appellacao civel.
Appellante, Alexandre Correia de Castro ; ap-
pellado, Tristo Jacome de Araujo.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
As appellacoes civeis.
Appellante, a irmandade de N. S. da Soledade ;
appellados, os herdeiros de Jos Maria da Costa
Carvalho. .
Appellante, Joao da Cunha Pereira ; appellada,
D. Joanaa Maria das Dores.
Ao Sr. desembargador Uclia Cavalcante
A appellacao civel.
Appellante, Lourenco Jos das Neves; appella-
do, Jn? da Rocha Paranhos.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Motta .
As appellagoes civeis.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores; appel-
lalo Antonio Alves de Miranda Guimares.
Appellante, bacharel Joaquim Francisco de Mi-
randa ; appellado, Jos Rodrigues do Passo.
A o Sr. desembargador Ucha Cavalcanti
As appellacSes civeis.
Appellante, Geraldo Jos; appellado, Jos de
Mendonca Alarco Ayola.
Appellante, D. Emilia Cardim Cavalcante de Olt-
veira : appellado, o preto Jos.
Apellante, Francisco Antonio Alves Mascare-
nha<; appellado, Jos Antonio Perro de Flgaei-
'Vppellante, o jnizo ; appellados, os herdeiros de
Francisco Alves Ponles. ....,
Appellante, Mathias Lopes da Costa Mala ; ap-
pellada, D. Maria de Jess Cojde.ro.
Do Sr desembargador Ichoa Cavalcant aoSr.
desembargador Domingaes da Silva
A appellaeo civel.
Amellante, Ursnlino Leite de Arrochelas ; ap-
pellado, Jos Mara Cortez. .. M
Do 3r. desembargador Doraiogues da Silva ao
Sr. d.^embargador Barros Vasconcellos
A appellacao civel.
Appellante, Joo. Cavalcante de Albuquerque ;
appellado, Luiz Francisco de Vaseoncellos.
Ao Sf. desembargador Gitirana
A appellacao civel.
Appellante, Jas Gabriel Pereira de Lyra ; ap-
pellado, Antero VMra.fe Canha.
Ao 3r. desembargador Assis
A apncUacio civel.
Appellante, baoharel Luiz Rodrigues Villares ;
appellada, a Santa Cwa de Misericordia.
Dn<5r. desembanrador Barros VasconceUos
Sr. .sembargador Caeano Santiago
AappeHcioiel.
App'flsnte, Antonio Torqaato PelipDeaat* ; P-
pella-l. Manoel Rodrigos de Sonta.
A' 2 horas encerr c-ju a sessao.
.-^ ".!. ."' -
wjfr=->.
PMWffcl 1 PEDIDO
AO PUBLICO.
TiMuUro de *au*a label.
NO'ha oofacao pairioilco, que se nao inspir de
enihusiasm fervoroso jobito, ao oongidera* os
memorandos feilos, que urna horda d bravos bra-: dem do dia 19
suejros.e particularmente parnambupanos lera por
assim dizer esculpido, sob urna aureola aluminada
as campanhas do sul.
Attendendo a essa jusla manifestacao de coraeoes
naturalmente exalhveisa idea desses triuraphos, o
sempre syrapathico emprezario Coirabra abre hoja
um espectculo em honra nacional.
E' preciso que os Pernambucanos se compene-
trem da sensaco, que taes triumphos despertam
concorrendo coraexplosao, ao magnifico espect-
culo.
Convm qne ainda mna vez se demonstre por
um modo notavel a expanso dos prestrnosos per-
nambucanos.
O espectculo nao pode deixar de fazer im-
presso.
Falta id* do nacronaldafte, do dignidade ter-
ritorial.
Concorre o gloriozo segundo batalho de volun-
tarios de Pernambuco, em compaohia de sua bri-
Ihaote offlcialidade e commandante.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia realcar
tamben com o sen concurso o acto.
E' preciso que Pernambuco coadjuvo o digno em-
prezario na exhibidlo dos seas pensamenlos de dis-
tineco em favor da provincia e do imperio.
Appello como peroambucane, que sou, para o
sempre laureado e reconhecido patriotismo dos
meus comprovincianos.
E espero que ao festejo dado em honra e realce
das armas da provincia, qoe aoabam de vlctoriar
a causa brasileira em Corrientes, concorra este
abencoado torro com todo o seu valiozo contin-
gento.
Um Pcrnambucano.
Novo basco de pernamboeo.
Os adJninistradores da massa fallida de i< m
Jos Silvelra paga* o 1 dividendo de dita-ansia
na raza de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco i ra
do Trapiche n. 34.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 17......
danta Oasa da Ssepiaordia
do E^cife.
A Illm."jontadiJ?fDietrativa da Santa Casa d*
Cap*tn> <1porto de Hrmm&nto, 9-
dejOThe de IWo.
ft# VlrtuAt do dlspoMono ariso do nfnWeri da
fatM de 30 de maio do correle aimo, mana o
nnn&,
9J:0<080
3i:82i860
Misericji.d Reci, roaa4 Cacer oublico qucJIlra. Sf. eafkao do porto azer iwWtoW q
Mmwwent8(ifll4iKfaJ da larde, naicaptania promo oaiistanwoto d pracas ra
saiaftiu*seioes.uuUnua^ peaf* das rea-. guajsao dos navios de guerra, sendo pagos os
daadas cm= abaito daelarado* por Itaoj o-l a, re*eaiivos pnemios na raeao seguinta :
asnos conur do 1* de juUw do c'orMWs aatwH A03 mafiniteires qua se contraiarem por nm
por aiaate, e adrerteseaos respectivos in*ntHiw*|anna lOOdj osos que o Uerem por dous WQ$ 5
qQfjiatomvmeca os seas contratos U o Sha do, aos graneles no priineifo caso 305, a no seguado
MOVIMENTO DA ALFADEGA.
Voluntes entrados com fazendas----- 42
t com gneros..... 294
Drysipella.
O medicamento que com mais influencia a ener-
gr tem combalido essa ternvel enfermidade, lem
sido o xarops aicooco de veame.
Urna escrava da mai do Sr Francisco Firmino
Monteiro, pessoa bein conhecida uesla cidade,
achando-se de cama, e com as pernas bastante in-
chada?, e cheia de tomores, lomando o xarope de
veame, acha-se boje boa, prestando servigos.
Amana do Sr. Jos Francisco Pinto, morador
narua Direila u. ol, tendo sido acommettida do
mes* mal, aclia-se tamben boa.
A Sra. D. Senhorinha Uinhelina dos Santos, mo-
rador na raa das Calgadas n. 38, achando-se ata-
cada de erysipella as cosas, com quatro tumores
bastante volumosos, no eslado indolente, que a pri-
vava de por-se de p ha muito lempo, cora o uso
do xarope alcoolico de veame e pilulas purgativas
do mesmo, acha-se resiabelecida, e no uso dos rae-
dicamentas os tumores termioaram pela 9uppura-
go.
A Sra. D. Rito, moradora na ra de Santa Rita
n. 13, primeiro andar, soffrendo do mesmo mal ha
muitos aunos, pois que a erysipella alacava amiu-
dadamente, depois que lera tomado esse remedio
nunca mais Dio deu.
Oulros muitos fados desta ordem deixo de men-
cionar aqui para nao me tornar prolixo o enfado-
nho.
Seno a erysipella urna molestia que sem duvi-
na elfeito de materia gurada no corpo como ex-
poem alguns escriplores de madicina, e em conse-
qaencia da fenre Meada na pelle, onde produz
inflammago, e que muitas pessoas, por nao se te-
rem convenientemente tratado, suecurabem com o
pernicioso uso de que, nos tres das nao devem
usar de remedio algum, o que faz-se esteoder o
mal por nao se ter a principio combatido ; por is-
so, pui-, conveniente que, logo que alguera se
sentir atacado da tal mal, deve provocar a transpi-
rado tomando ao principio urna colherinha de
cha do xarope alcoolico de veame dissolvldo em
urna chicara de infuso de flor de sabugueiro quen-
te, adocando-a com mais assucar, continuando nos
tres das nesse trata ment, no li.ii dos quaes usa-
r do xarope de veame na forma prescripla no re-
ceimario, tendo todo o cuidado de se abafar, afim
de suar convenientemente, alm de conservar o
ventre corrente, que conseguir tomando urna ou
duas pilulas purgativas do mesmo "elarae,
Todos quantos snccumbam desta molestia se diz :
faileceu de erysipella recolhida ; ao contrario
alguos expositores presumen) ser o deseuvolvimen-
to da putrefaccao no sangue, tanto que o lugar in-
fhmmado que, ento a sua cor era encamada, se
troca em lvida ou n6gra, e termina era gangrena, e
por essa razao que conveniente o xarope al-
coolico de veame na infuso de flrjde sabugo.para
se conseguir resolver a inflamraa^o, ou pelo me-
nos terminar pela supporaco, impedindo assira a
gangrena.
Os effeitos do xarope alcoolico de velamo appli-
cado na flor de sabugo ao doente, nao s de van-
tagem por sua qualidade diafortica, como pela
auti-septica para impedir a putrefaccao as mo-
lestias.
Na erysipella nao deve o enfermo nos primeiros
tres dias'nsar de comidas e bebidas que possam
esquentar e uflammar n sangue.
A comida durante esse lempo deve ser do reino
vegetal, como sag, farinha do Maranho, pao tor-
rado, bolacha, etc.
Ainda nao vi axpositor de medicina que aconse-
Ihasse que nos primeiros tres dias de acommetti-
mentos do mal, nao se usasse de medicamentos ;
o que elles repellen) sao os ungentos, unturas que
ob-truem mais e repeliera do que promovem a uva-
cuaco da parfe ;o que convm trazer o lugar
atacado e bem agazalhado para ajlar a transpira-
do e defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende se na bo-
tica da ra Direila n. 88, ds Jos da Rocha Para-
nhos.
Tenho recebido cartas de algumas pessoas de
oQtras provincias que me comraunicam ter desta
cidade sido remellido o meu xarope falsificado,
que tem dado resultado ao descrdito de minha
preparacao, cujo conhec^neato se tem verificado
depois dos effeitos que taes rem dios apresentava ;
assira, pois, tenho a declarar ao publico que no
letreiro que vai pregado na garrafa do xarope,
sempre foi assignado por meu punho, e daqui em
diante, alm desta assignatura o farel tambem no
papel que cobre a garrafa. Rogo ao mesmo pu-
blico que quando forem assim engaados, tomem
testeraunhas, rae remettam os rtulos falsificados e
me participen) para fazer effectivo o art. 167 do
cdigo criminal do Brasil.
Jos da Roclia Paranhos.
1 > 11 171 r~i 11
Pastilhas vermfuga de Kenap.
Todos os mdicos que especialmente se teem de-
dicado cura das molestias das criancas, asseve-
ram que as pastilhas vermfugas de Kemp o re-
media o mais cxcellente e efflcaz que at hoje tem
sido conbecido. Acham-se ellas exclusivamente
preparadas com as substancias vegetaes as mais sa-
lutferas. O seu sabor delicioso, nao causam nau-
seas nem dores, etc., produzem seu effeito comple-
tamente, sem que seja preciso logo immediatamen-
te usar de nenhuma especie de purgantes. Tanlo
as mais como os proprios filhinhos nunca desespe-
rara deltas, po- que se as primeiras teem completa
confianga as pastilhas, estes ltimos as tomam com
o maior prazer possivel. Desde que estas admira-
veis e incomparaveis pastilhas foram descobertas,
todos os demals vermfugos asquerosos leem sido
quasi ioteiramente abandonados e desterrados por
todos. As pastilhas vermfugas de Kemp so acham
lindamente acendicionadas dentro de frasquinhos
de crystal, nao s para sua boa exportacao como
para sua conserva;o contra todas as vicissitudes
dos lempos.
A' venda na loja de Bravo & C, e de Caors &
Barbosa.
Volumes sahldos cora fazendas..... 76
com gneros..... 1,019
337
~ U)95
prMMts mee fioftKto pagando Uo dia Io da julh
a renda ponqu estao era pvao as pfeditas asas
Roa das Caranga)rita.
Casa terrea n. o particular e 17 pu-
blico..........
Ra do Rngel.
dem n. 43 particular e 35' publico. .
Ra do Rosario da Boa-Vista.
Idsn av M particular a atf publico. .
> Roa da Lapa.
Casa terrea n. 41 particular e 2 pu-
blico. ............150,5000
Ra da Moeda.
dem n. ii-particular e 21 publico,
j Roa-de Anaorim.
dem n. 48 particular e 56 publico.
=*=5- lanado j fi J g gSg *g*
-Hend-dea Hu.sman farinha Mem ^q^^^ e 26 Puo|lc0
Ra do Azeite
Descarregam no dia 20 do corrente.
Patacho hollandez fsmmo Sytse diverso*: ge
eros.
Brigue portuguezRelmpago-Aitersts gneros.
Brigue saeeoArgoMam.
Brigue portuguezl/niaopedras para ladrilbo.
Brigue inglezMillieent bacalho.
Patacho inglez -Portioidem.
Patacho hanoveri
Patacho hollandez
de trigo.
Escuna portuguezaD. Jo&ocharque.
Sumaca hespanholaMercedUaidem.
Brigue nacionalCardia idem.
Brigue nacionalImporador idem.
Patacho hollandezOmyidem.
Brigue inglwz-AMifa-carvo.
Barca inglezaFavoriteidem.
Barca inglezaAvenaidem.
HECEBEDORIA DE, RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do da 1 a 17...... 19:1299048
dem do dia 19................ -2'.06:t*l4i
2060000
3005000
168*00
330OOO
600000
j
144500O1
83*000
21:193*i9
[CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 17......
dora dOjdia 19............
59:8305996
8:8070394
68:6380390
13YME8T0 BO POETO
iVrtios sahidos no dia 17.
Porto Seguro Hiate brasileiro Porto Seguro, ca-
pito Marcelino Borges da Purilieacfn, carga dif-
ferentes gneros.
Aracaly Hiate brasileiro Sania Rita, capillo Ma-
noel da Silva Santos, carga dtfferenles gene-
ros.
Nao houveram entradas.
EB-lTiK.
O Illm. Sr. inspector da thesoraria provin-
cial, em cumprimento da ordan do Exm. Sr. pre-
sidente da prpvincia de 21 do crrante, manda' fa-
zer publico, que no dia 22 de junho preximo vin-
douro, parante a junta da fazwda da mesma ihe-
souraria.vai novameoto a praa para ser arrema-
tada a quera por menos fizer a- obra aa concluso
da casa da oamara e oadeia da villa do Bonito,
avahada em 8:3090.
A arrematare ser feit na forma da lei pro-
vincial n. 343"de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes publicadas anteriormente.
E p.ra constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
S-creiaria da thesotrraria provincial de Pernam-
buco 24 de maio de 1863.O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
BMSS
No da 20 do corrente, depois da audiencia
do Sr. Dr. juiz municipal da r vara-, a ultima
praga da propriedaie sita na na dos Guararapes,
pola avaliago de 11:4300, e tem de ser arremata-
da pela arjudicacao com o abalimento da lei, por
exeeuco de Joaquim Lopes de Almeida conlra
Domingos Jos Pereira da Costa e sua mulher;
como melhor se ver do escriplo era mo do por-
teiro.___________________________________
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz pnblico que neste corrente raez que os de-
vedores dos impostos seguintes : renda dos pro-
prios nacionaes, decima adicional de mio-mor a,
imposto de 20 0/0 edito especial, relativos ao 2
semestre do exercicio corrente, teem de pagar seos
dbitos sem multa, depois do que serao pagos com
ella. Recehed m'a de Pernambuco 2 de maio de
1865.O administrador,
anoel Carnelro de Sotiza Lacerda.
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidade se taz publico que a raesma cmara prin-
cipia a sua segunda sessao ordinaria deste anno
em o dia 19 do corrente e nos seguintes.
Secretaria da cmara municipal do Recife 14 de
junho de 1865.O secretario,
___________Francisco Canuto da Boavbgem.
Convida-se as pessoas que estiverera nascon-
dcOes do servico militar, a engajarem-se no corpo
de polica, e gozarem das vantagens que offerece
a lei provincial n. 611 de 2 do corrente.
ao
2000000
1440000
de Peixe.
iJem n. 61 particular e 15 publico. .
dem tarrea n. 63 partieuiar e 14 pubR
co...........
Ra da Cacimba,
dem. 63 paatmilar* 5 publico. .
dem n.-6J particular e 10 publico. .
lua il't Vjjjano.
Sobrado de 2 aulares n. 72 particular
e 27 patojeo........5000000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particular
e U publico........9000000
dem idem n. 77 particular e 13 pu-
blico........... 9000000
Ra da Smala Velha.
dem dem n. 79 particular e 134 pu-
blico.......... 3.00000
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico..........2005000
Mein n. 82 particular e 16 putoico.
Ra da Guia,
dem n. 84 particular e 29 publico.
Ra da Lingoeta.
dem de 2 andares n. 86 particular
14 publico.......
Ra do Trapiche.
Sobrado de 3 andares n. 85 particular
e 30 publico........72O0OO
Ra da Cruz,
dem idm n. 87 partcula* e 14 pu-
blico...........8820000
Ra do Pilar.
Casa larrea n. 92 particular e 103 pu-
blico.......... 2000000
Idemn. 93 particular e 101 publico. 2005000
dem n. 94 particular e 99 publico. 2355000
dem n. 97 particular e 410 publico. 2005000
dem- n. 99 parlrcutar a IOS publico. 2005000
dem n. 100 particular e 104 publico. 2005000
dem n. 101 particular e 102 publico. 2005000
dem n. 1J particular e 100 publico.. 2000000
dem n. 103 particular e 98 publico.. 2005000
Idem n. 104 particular e % pnMico.. 2000000
dem n. 103 particular e 94 publico... 2005000
Secrelaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 17 de junho de 1865.
O escrivao,
_______________F. A. Cavalcaoti Coosseiro.
COMPANHIA
DO
GO5000.
2< Aos Individuos qw se apresenlarem votan-
tafftssmata, alm do premio qna Utas competir, o
promettido aos ecgajadofes, entregue na occasio :
Isto 200000 por cada marinheiro, e 100000 por
cada grumete, recebendo taes quanlias quando se
verificar que es'.o inteiramente livres e desemba-
rcados.
O*, premios sarao panr aw oomratados pelo
maior prazo, mtodo na occasio da assentameoto
de praca, e metade no fim do primeiro anno ; e
aos. oulros eatregaivse-h a importancia total ao
alistarem-se.
O secretario,
Dt'd.i de Aquino Fondea.
4000000 ------------TyT---------------Ti.--------------------
SoSoo' 0bras Publicas.
7*K Dardern do Ulna. Sr. engenheiro
) partujo das obras publicas se faz publico, que no
-manas
No grande armar** S~,
OLYiyiPlO
3^a da ewlei do eelfe>-3 "^
, -fvsnr.A dia 21 de agosto futuro vo de novo a concurso os
40U*WU lugares de praticauts de obras publicas.
As materias do mencionado concurso sero divi-
didas em duas partes :
1.* Lingua nacional abrangpndo leitura, escripia
e amlyse grammatical.
2." Desenlio linear e de aquarella, anthmetica
em todas-as anas operaces e geometra linear.
Secretaria da repartigo das obras publicas, 19
de junho de 1865.
O secretario interino,
Manoel Lourenco da Manos.
Leilo
DaiMrte da udm casa na Para4tiba.a ru das
Convertidas n. 15, em qiw e)6td um es-
tabeleeifaeriio. avaliado loto predio em
2:< 00s9, e cja parte em 707,5303 rs.,
como tambem os alugueis de cerca de t
a 3 annos
noM
Terfa-feira 20 o janho as 11 horas.
Gordetro Sim4N
autnorhado pelo Itqeidatarra da casa- commererai
a> Antonio Joajaiin do Mello, fara leilo da parte
e alugueis do predio cima descriploj podeodo des-
de j safisfazar aos |retend*nt!* iodo esclareci-
mealo, cajo laiiao itera ollffiuad.i no dia e htra
cima dito a porta da armazem do Sr. Annes lar-
go da alfaudega.
as?^""?>
DE
EMPREZA-COIMBRA
Leif*
Dcirma ta-bema rta Pira dos Pires n. 1.
Martins far leilo a reqcerimento dos deposi-
tarios da masa (aluda de Joaquim Antonio Lepes
Gomes e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial
do comnwrcWi d armwyiO; g existimes na taberna da ra Jo* Pires u. 1 per-
tencentes a naraa lama.
9t9af E
As 11 baras do dia na mst*ia taberna, os pre-
tendentes podem examinar o balanco ora o es-
criptorio do referido Martins a ra da Cadeia Da-
mero 9.
I- LEILAT
De O barris can Hiitnba de rauaieau
miiE.
6005000 Qaarta-feira 21 do corrente. ae5;S? rb'Srcom0 a,ST.
... it a municao prejudicado pelo cupim, os quaes sero
teclea extraordinaria. vendidos em um ou mais lotes a vontade dos lici-
Sob a impressao do natural regosija que domina tantes: terfa-feira 20 do corrente pelas 10 horas
o espirilo publico, em consequencia do brilhante. da mauhaa no armazem do Sr. Atevedo, dfroote
triumpho ltimamente obtido em Corrientes pelas da escadinha da alfaudega.
briosas armas do imperio, a empreza offereee era
honra ao segundo batalho de Volntanos da Pa-
tria de Pernambuco, cuja offlcialidade em compa-
nhia do Illm. Sr. tenente-coronel Appolonio estar
presente, o espectculo segrate :
Logo que a orchestra haja dado lira patritica
polka
osm;o:s do xoe&tie.
O artista Lisboa recitar urna alesoria nacional
que comemora aquella victoria, composico em
verso doSr. Dr. Franklin Tavora. sob o Ululo
BRAVUKA E GLORIA
a qual fraalisar com o apparecimeuto de um qua-
dro Iluminado, syrabolisando o Paraguay pros-
trado aos pea do Brasil.
Em seguida a companhia dramtica representa-
r o interessanle drama em 3 actos :
O PODER UO ORO
Os bilhetes acham-se a venda no lugar do cos-
.ume.
Leilio,
O Illm. Sr. inspector da thesourara de fazen-
da manda fazer publico a lodosos habitantes desta
provincia, que em virtude da circular do thesouro
nacional n. 20 de 29 de maio prximo findo, flea
prorogado at o flm de agosto futuro o praso mar-
cado pira a subslituico das olas de 1000 da 3a
estampa, principiando do 1 deselembro em diante
o descont progressivo na forma da lei.
Secretaria da thesourara de fazenda de Pernam-
buco 14 de junho de 186o. Manoel Jos Pinto,
servindo de oiflcial-roaior.___________________
Batalho de arlilharia a p
O conselho econmico do mesmo batalho con-
trata parafornecimeoto das pracas arranchadas no
29 semestre do corrente anno, e pracas doentes na
enfermara militar annexa ao dito batalho o se-
grate :
Arroz, assucar refinado, dito mascavinho refina-
do, aletria, azeite doce, bacalho, bolachas, bola-
cninhas inglezas, dita de araruta, biscoulos, caf
em grao, dito moido, carne verde, dita secca, car
vo, cha hysson, chocolate, doce de goiaba, dito de
banana, feijo preto, dito mnlaticho, farinha de
mandioca, dita de araruta, dita do Maranho, dita
de Irigo, franges, galinhas, leite, lenha, manteiga
ingleza, dita|franceza, marmelada, macarro, ovos,
pes de 6 oncasjdilo de 4, rap, sal, toucinho de
Lisboa, vinagre, vinho do Porto, dito de Lisboa,
dito branco, vassouras de piassava, velas de car-
nauba ; os quaes gneros devem ser de primeira
qualidade, e quem se propozer a fornecer deva
mandar suas propostas em carta fechada at o dia
25 do corrente a secretaria do batalho.
Quartel na Soledade 18 de junho de 1865.O 2a
tenenle agente
________Felippe M. dos Santos Jnior.
Pela inspectora da alfandega desta cidade,
se faz publico, que em virtude da portarla da the
souraria de fazenda, de 16 do corrente, sob n. 92,
precisa a mesma inspectora contratar o concert
do escaler do servico da mesma repartigo, deven-
do ser celebrado o contrato at o da 3 do viodouro,
ficando dependente da approvaco do Exm. Sr.
presidente da provincia.
E para que chegue ao conhecimento dos pretn-
denos, passei o presente.
4* seceo d'alfandega de Pernambuco, 19 de ju-
nho de 1805.0 4* escriptorario, J. A. Bittencourt
Neiva.
No- dio 21 do correte pelas 12 horas do
dia., ter lugar no eseriptorio da companlria
ruadoCabug n. 16, a arremataeao dos
cbafarizes e bicas por bairros, nao se ad-,
mittindo propostas qua cQmpreliendam.-ma.is
que um bairinem j)or espac maior de
um anno ; os Srs. licitantes eom!arec>m
com seus fiadores ou declaraces dos mes-
mos no mencionado dia, devendo ser as pro-,
postas enr carta fechada apresentada na;
mesma occasio ou antes no escripiorio on-l
de melhor se deverao escla ecer e informar
das condices do contrato da arrematarlo, 1
Bafea sobre as quaes se dve tancar.
Bairro do Recife.
Chafarize bica do caes da al-
faudega................. 6:000^000
Dito da ra da Cruz......... 7:2003000
Dito da ra do Brum........ 5:000^00 J
Dito do Fcrte do Matos e bica
do mesmo............... 4:5004000
22:700^000
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do Carmo.. 10:000^000
Dito do largo do Paraizo.... 8:0000000
Dito do largo do Passeio Pu-
blico.................. 4:000^000
Dito da ra do Sol ........ 3:0003000
Dito da ra da Concordia 5:000OCO
De i mesa elstica, -2 apparadores, 1 aparelho
de porcelana para jantar, 2 ditos para almo$o, 1
guarda roupa, 1 galett-iro, I rica rama de Jacaran-
da, 1 secretaria de niogno, 2 guardas louca, 1 ca-
ma fomenta de Jacaranda, 1 mobilia de- amarello,
1 carrinho para menino, 1 lav-atorlo cum esj-elno,
1 secretaria de amarollo, 12 cadeiras de faia, re-
logios de algibeira e de parede, isto
hoje:
Terca-feira 20 do corrente as 11- horas.
Cordelro Slmes
far leilo por conts de diversos amigos, de todo
os objectos cima mencionados, cujo movis ser
vendidos pelo maior prego ao correr do- mariell.
Sara efei-mad o leilo no armazem da ra da
Cruz n. 57.
Na mesma occasio se vender um bonito ca-
valio caslanho com andares e um rieo adereco do
ogro. _______
LeHfts de 40 caixascom nassas e 20
garrafes cora cevadiaha^
0K
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem perlencer de 40 caixas com passas e 20
garrafoes com cevadinha em leles a vonlade dos
compradores : lerca-feira 21 do corrente pelas 11
horas da manha no armazem do Sr. Azevedo
confronte a escadinha da alfandega.
53?- Hoje, Cordeiro Simoes, far leilo de
movis, crystaes, ou.ro, ede um cavallo, cujo leilo
sera' effectuado a' ra da Cruz n. 57, as 11 horas.
! leilAo
Me iOOdaziasde chajieosde feUraava-
riados.
Qitinla-ffira 22 de junho.
O agente Pinto far leilo a requerimento de
Carneiro & Nogueira, com autorisago e em pre-
senta do cnsul de Franca e por conta e risco de
quem pertencer, de urna caixa marca diamante
C B n. 127, contendo 100 duzias de chapeos de
feltro, avadados a bordo do navio francez Sanio
Andr, capito Coindet, as II horas do dia cima
dito em seu eseriptorio ra da Cruz n. 38-, pri-
meiro andar,
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de .
Oliveira Azevedo & C, no seu eseriptorio ra da Lei QC CCFCa (ifi JoQ barricas C01B
Cruz n- farinha de trigo avariadas a bordo
da barca americana Anaconda.
Quinla-fetra 22 de junho.
Henry Forster & C. farao leilo por intervenco
GOMPAIHIA SRASILSIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
al o dia 23 do corrente, o vapor
Paran, commandante o capito
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do cosame seguir' para os portos do
sul.
Desdej recebem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
i ser embarcada no dia de su* chegada, encommen-
, das e dinheiro a frote at o dia di sahida as 2 ho-
ras da larde : agencia ra da Cruz n. 1,
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
escripto-
4C
Para lUo de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote Piedade, lem parte do seu carregaraento a
bordo, para o resto que Ihe falta e escravos a fre-
te para os quaes tem excellentes commodos, tra-
Antonio Luiz de
30:000#O0O
Bairro da Boa*Visla.
Chafariz e bica do caes do Ca-
pibaribe................ 3:500^000
Dito da ra da Aurora junto ao
Gymnasio.............. 2:0005000
Dito da praca da Boa-vista.... 6:0005000
Dito da caixa d'agua dos Pires. 5;500#000
Dito da rui de S. Goncalo.. ..
Dito do largo da Soledad^.. ..
Para o Porto.
Sohe com a possivel presteza o brigue portuez
guez Unido : para carga e passageiros trrla-se
como consignatario Thomaz d'f quino Fonseea;' do'gent" Pinto," de cerca de 250 barricas cora fa-
rua do Vigario n. 19, Io andar. rDna de lrig0 avariadas a bordo da barca ameri-
-----------------------------------------------------------'cana Anaconda, as 10 horas do dia cima dito
Para Lisboa. em seu armazem da ra do Imperador por baixo
Segu com a possivel brevidade o bem conhe- do Gabinete Portuguez de Leitura.
cido brigue portuguez Relmpago : lem a maior
parle da carga pmmpta e para o resto e passagei-
ros, trata-se cora o consignatario Thomaz d'Aquino
Fonseea, na ra do Vigario n. 19, Io andar, ou com
o capito na praga.
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo da Ribeira.. 13:000^000
Lf'ilao das dividas activas deFrancisco
Gomes Castellao.
Quarta-feira 21 do corrente.
1 Por despacho do Illm Sr. Dr. juiz especial do
commercio irode novo a leilio as dividas activas
pertencentes a massa fallida de Francisco Gomes-
O brigue portuguez Soberano, capito U. B. Bu- Castellao na importancia de 22:0883733-rs., con-
l:20u000 ; gigange! vni sahir breve, receb carga e passagei- forme as relacoat era mao do agenle, < helantes
2: lOOOOO ros; trata-se com E. R. RaboUo, ra do Trapiche podein examnalas e o le.lao lera lugar quarta-
ff in v mi rnm n canitaii fera 21 do corrente pelas 10 12: horas da ma-
ZT^ZZZZ! P -____________^ nha no largo do Carpo Santo junto a Associacio
20:300^000 n____ T)U Conimercial.
Para Lisboa.
Para a Babia
Dito da ra Imperial........ 7:000^0001cuna Ellza ')or ter a maior Parle da carga'e para
pretende sahir com muita brevidade a veleira es- |?1
cuna Ehza por ter a maior parle da carga, e para; i lili.i;
r, o resto que Ihes falta tratase com o consignatario' nE
Dito dito defronte da Cabanga. 3:u0O*000, Joaqilim'Jos Goncalves Beitro na ra do Vigario Cei.ca de 300 barricas de bacalbo-
--------nrrr' n. 10, primeiro andar.
. 23.500^000
IKoto banco de Pernam-
boeo.
O banco desconta letras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de quatro mo-
zos, e a 10 0|0 ata o de seis metes
Caixa filial do banco dn Brasil em
Pernambuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
O cooselho de compras do arsenal de guerra,
precisa comprar o segninte :
Para o 4 batalho de arlilharia a p.
180 covados de panno azul.
1,200 varas de brim branco.
1,000 ditas do algodozinho.
2i0 covados de hollanda de forro.
Deposito da provincia da Parahiba.
620 varas de algodozinho.
1,040 ditas de brim.
As pessoas que qnizerem vender ditos artigos,
apresentem suas propostas na sal* do conseibo, ao
meio dia, do dia 21 do corrente.
sala do conselho de compras do arsenal do guer-
ra, 17 de junho, de 1868.-0 encarregado da es-
criptora^io,
Manoel Jos de Azevedosantos.
Bairro dos Afogados.
Chafariz do largo de Nossa Se-
nhora da
Cidade Nova de Santo Amaro.
Chafan/, junto a rampa do
Starr iC............. 2:000000
Passagem da Magdalena.
Chafrriz do largo do viveiro.. 200^000
Dito entre as duas pontes .. 3600000
Para o Porto
Satura para o Porto, por estes oito dias, a muito
Paz............ 3;000#000 voleira e nova barca portugueza Arminda, capito
Antonio Francisco da Silva Nunes ; ainda recebe
algoma carga e passageiros : a tratar com o ca-
pito ou seus consignatarios Marques, Barros &
C, largo do Corpo Santo n. 6.
5605000
Eseriptorio da Companhia do Beberibe
17 dejunho de 1865.
O secretario,
Dr. Joo Jos Pinto Jnior.
Consulado provincial-
Pela mesa do consulado provincial se faz publico (torio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
que os trinla dias nteis marcados para a cobranag
bocea do cofre dos impostos da decima dos pre-
dios urbanos de 20 0(0 do eonsumo de agurdente,
e de 3 0|0 sobre os bens de raz pertencentes
corporales de mo mora, se principiam a contar
do dia 1 de junho vindouro, Picando sujeitos a
multa decretada no arl. 50 do orcamento vigente,
COMPANHIA BIASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
O vapor Cruzeiro do Sul, com- te
mandante Alcanforado, segu
para os portos do sul no da 22
as 3 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 21, passageiros, en-
dinheiro a frete at o dia 22, as 2
agencia ra da Cruz n. I, escrip-
comraendas e
horas da tarde
todos os que pagarem depois de lindos os ditos 30
dias.
Mesa do consulado provincial do Pernambuco 26
de maio de 1863.
Antonio Carneiro Machado Ros
Administrador.
Aeba-se recolhido casa de detencao Manoel,
que declaren ser escravo de Jos Pereira Copo,
residente no Brejo da Maire de Dos, e achar-se
fagido : quem-pois-se jalgar com dirello ao mes-
mo escravo, provando o seu dominio ser-lhe-ba
entregue.
Subdelegada de polica da fregueziada Boa-Vis-
ta 16 de jando de 1865.
Decio de Aquino Fonseea.
Rio de Janeiro
O brigue nacional Trovador sahir para o Rio
de Janeiro nestes oito dias por ter o seu carrega-
mento prompto : para alguraa carga miuda, er-
commendas e escravos, podam dirigir-se aos seas
consignatarios Marques, Barros & C, no largo da
praca do commercio n. 6, segundo andar.
Rio brande do Snl.
Freta-se o veleiro patacho Cyro, de excellente
construeco, e de lote de 237 toneladas : a tratar
com Miguel Jos Alves, ra da Cruz n. 19._____
PARA LISBOA
O parbabote 10 de Itmlio pretende seguir com a I
carga que tiver at o dia 20 do corrente : para o
resto quo lhe falta, o qual se recebe a frete barato,
trala-se com os seas consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo k C, no sea eseriptorio ra
da Cruz n, 1.
para fecbar onia.
Quiata-feira 21 do corente..
O agente Pestaa vender em leilo para feahar
centa de venda de cerca de 300 barricas com baca-
lho, em um ou mais lotes a vontade dos compra-
dores : quinta-feira 21 do corrente, pelas 11 horas-
da manha, no armazem do Sr. Tasso, dafronte da
escadinha da alfandega.
Leilo quiala-feira 22 m II bo* Pelo agent Euzebio.
De um sobrado de uraaudar u. 95 na ra Im-
perial,
dem casa terrea n.9+, na mesma ra e defroo-
do viveiro do Muniz.
dem dita n. 12 na rna da Mangueira.
Os documentos se acham era poder do asente,
sao convidados os pretendentes ao- previo exame.
Leilo de 5 pipas coin vinho de Lisboa
e 3 tas com Bordean*.
Quinta-feira 21 do corrente.
O agente Pestaa vender por ronta e ri-co de
quera pertencer 3 pipas csi vinho da Usbea e 3
meias com dito de Bordttna : guinlaeira 21 do
corrente pelas 12 h ras da maunaa no largo da es-
adinha da alfandega.
c
OLYMPIO
36 RA DA GADEIA DO RECIFE 36
LEHifl
DA
Loja de fazpntos ll*sm laJIIda de ftoo Baptisla
Goncalves Bastes.
Martins levar notamente a lellao por despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, arma-
cao fazendas e pertences da leja da ra Nova

i

i
,!
!

i*
t
I
I

11
' : \i\
?
I
i
4
<
ILEGiVEL]
I^^M^^s^^siS^ii is^il


Diaria 4 PeraambaoA ... ffer^a tetra to e Junho de I Stt&,
I
' 1
*A
r *
1
n. 47, perteneente a massa fallida de Joao Baptisla I Cosme Jos dos Santos continua a sa
GoBcaives Bastos: quioia-fera 22 do correte. car para a praca do Porto
O lellao ter lagar na mesma loja as ti horas do
dia; os pretendemos podem examinar o balando
em o escriptorio do mesmo Martms, a ra da Ca-
deia d. 9.
IiILAft
De lindos guarda-vestidos de mogrw com espelhos,
mesa elstica, urna mobilia branca com pedra mar-
more, uma dita de amarello, apparadores, conso-
los, sofs, marquezas largas e estrenas, charutos da
Baha, camas de ferro, quadros diversos, banqni-
nbas, relogios de algibelra, candieiros, camas fran-
cezas de Jacaranda o amarello, pares de laoteroas,
candelabros, toucadores com espelhos e oulros
auitos-.artgos do uso domestico, que se torna en
fadonho mencionar.
Quinta-feira 22 do comente, no grande
_________armazem do agente_________
LEILAO
De objeclos para escritorio como
sejam
i cofre de ferro, 2 secretarias de amarello, 2
guarda roupas de dito, t mesa com armario, 1
carleira com mocho, 2 mesas pequeas, 6 cadei-
ras, 1 cabide e i lavatorio.
8extn-feira 23 de junho.
No primeiro andar do sobrado da ra do
Apollo n. 30.
O agente Pinto far leilo a requerimento do
tutor da orpha filha do fallecido Manoel Goveia
de Souza.e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz de
orphos, dos movis cima declarados, peitencen-
tes ao raesmo fallecido e existentes no primeiro
andar do sobrado da rna do Apollo n. 30, onde se
tffectuar o leilo as 10 horas do dia cima dito.
AVISOS DIVERSOS.
Administrado tecmUerk
publico i ti de Jim lio de 1865.
As pessoas interessadas pelos restos mor-
taes e que tera recommendado as exhuma-
<6es, havendo j decorrido o tempo lixado
pelo regulamcnto, queiram providenciar at
o fim do correte mez, visto que por falta de
catacumbas, sero abenas as mais amigas.
O administrador,
Manoel Luiz Viraes.
Bolos.
De mandioca para vespera de S. Joao, faz-se de
encommenda : na travessa dos Expostos n. 18,
primeiro andar.
Na ra da Imperatriz o- 2, vende-se mochos
com assento de palha e oulros com encost, ro-
dando sobre parafuzos, proprios para escriptorio e
cadeiras com bracos e assento de palha de forma
elegante por 85 cada uma.
Precsa-se de urna ama para todo servigo
de orna casa de pouca familia : na ra Velha nu-
mero 52.
Instituto Areheelagico e Geographieo Pernam-
hucano.
Haver sessao ordinaria quintafeira, 22 do cor-
rente, pelas 11 horas da manha.
Ordem do da.
Pareceres e mais trabalhos de commissoes.
Secretaria do Instituto, 19 de junho de 1865.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
LOTERT2
Aosl0.000$000c2;000.s000. .
de H.
Jos Paulo da Fonseca declara que continua
a ser o proprletario da botica na ra do Imperador
n. 38, e a ter nella sociedade com Honorato Cae-
Uno de Abreu, nao tendo parte no annuncio que
sabio no Diario de Pernambuco de 13 e 14 do cor-
rente mez, o qual sem duvlda fol a typographia
por engao._______________________
Antonio Jos Gomes faz sciente ao respeitavel
publ'co que por achar igual nome nesta praga,
d'ora em diante a?signa-se Antonio Jos Moreira
Gomes.
Belojoeiro e dourador, portnguez
Albino Baptista da Bocha, com loja
na praga da Independencia n. 12,
faz qualquer concert de relogios e
dourado por pregos mais baratos do
que outro qualquer e responsabili-
sase pelo seu trabalho, por isso es-
pera proteegao dos seus amigos e compatriotas.
CABTAS.
No escriptorio de Marques, Barros & C, no lar-
go da praga do commercio n. 6, segundo andar,
existem as seguintes cartas para os senhores :
Kxma. Sra. D. Anglica Wyatt.
P. Jos Luiz Cerveira.
Joao Chrisostomo Pacheco Soares.
Izaac Esnaty.
Antonio Jos de Souza Freitas.
Estrada de ferro"
GASA DA FORTtJS l
Aos 10:0000000,
uilketes garantido.
A' ra do Crespo n. 33 k gasas do custume.
Fog,o,fog,<>.
Para os festejados das de S. Joao
existe na muito acreditada fabrica de
Libras sterlinas
ouro nacional ede torta e qualquer especie,
compra-s com premio alto; na ra doTra-
i S. Pedro piche, no bolej de Franca^____________
fogos de ar-1 ~ZT Gompra-seTuro, prata e pedras preciosa?,
propnedade | em 0ijras ve|nas: na ra da Cadeia do Becife,
Para as
OOfJOOO
..Tw,,.luJ| luuiuuaa o IUKU USIdUC CUMIO----------------------------------------------.---------_. .________. i-
seja penoso a algumas pessoas irem a fabrica pela ~ Comprase urna casa terrea na freguezia da
distancia, os pretendentes podem deixar suasen-
commends no armazem da bola amarella no oitao
dasecrelana da polica.
- Na praca da Independencia n. 33, loja de our I
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tamhem se faz qualquer obras de encommenda e
odo e qualquer concert.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 62
da ra da Guia : no Io andar.
Boa-Vista qne nao exceda a
e quizer vender annuncie-.
VIUDAS.
Oabaixoassignadovendeunoesws trilito feli-! tificio da ostrada de Joao de Barros, ...........
es biihetes garanlidosdalotera q|e &,aeabou da viuya Rufino, um completo sortimente de pis-' i0. de ourves no arco daConceicao
de eatrahir, a beneficio da ipreja de**S. do Ll- tolas, craveiros, rodiohas e fogo boscap : como I -
vramento da Varzea, os seguBtes prr
Una quarto n. 7 com a sorte de 6:0'
Um quarto n. 1086 com a.sorte de i
Um meto n. 852 com a sorte de 400^000.
E oatras muitas sortes de. .1005, 404, 202 e
10*000.
Ospossuidores podem v.ir receber. Sens respec-
tivospremios sernos descontos das I ais na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23*
Acham-se a venda os da 4* parte da 4* lotera
(20") beneficio da Santa Casa da* Misericordia,
que se extrahir a 23 do corrate.
PREGO.
Biihetes. ...... 1
Meios. 6U
Quartos.....\ 3JQ0O
d del
PASTILHAS
VERMFUGAS
1:6005 : quera tiver
pessoas que compraren
para cima.
Biihetes.....115000
Meios......&SOO
Quartos.....2*730
Manoel Martins Fiuza.
CLIB PERRYMMO
A partida do mez de junho ter lugar na
noite do dia 21.
Saques.
Sacase sobre a praga da Baha, no largo do Cor-
po Santo, escriptorio de Jos Maria Palmelra._
Precis-se alugar uma preta cozmheira e en-;
gommideira, sadia e sem vicios : no largo da Ki-
beira n. 19. _____________ ____ j
Precisa-se de uma ama para o servico inter
no e externo : na ra das Cruzes n. 33.
Precisa-se de uma ama para rosinhar : na
ra do Imperador n. 46, primeiro andar.
O bacharcl
Francisco Angosto da Costa
ADV6GAD0
Ra do Imperador numero 69.
Aluga-se mtade da casan. 92 da "ra das
Aguas Verdes: a tratar na mesma.__________
Alugam se dous grandes sobrados com com-
raodos para numerosa familia, novos e aceados,
com jardim, cocheira, estribara e outras commo-
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Vende-se esta linda colleccao de sortes,
reunidas em um pequeo volume, com 25
assumptos, e mais 59 novas charadas, pelo
diminuto preco de 1$ cada exemplar enca-
dernado : na praca da Independencia ns. 6
e 8.
O bacharel Lourenco Aveiio de lb-
querquo Mello continua a ter seu escrip-
torio de advogado nos auditorios e tribu
naes desta cidade : na ra do imperador
n. 40.
Fundigao de Bowman.
Precisa-se de algunsser-
ralheiros e de um moldador;
paga-se bem a boas
ciaes.
A luyase
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais eflicazes do que todos
- Vende-se uma negr nha de 10 annos, muito os mas remedios perigosos e nauseabundos
2S n V : Pate ma,rU AD' W* existem Para a expulsao das lombrigas.
- Farnha de mandioca : lem para vender Au I N5 cauSam d,ores ? P^uzem seu eTeito,
tpnio Luiz de oiiveira Azevedo & c, no seu es- sem precisar logo depois de purgante ne-
criptorio ra da Cruz u. i. : nhum e to incitantes em apparencia e deli-
- Na ra da Imperatriz n. 18, "segundo andar, ciosas em gOStO, que as criancas esto
vndese uma escrava boa para todo o servigo de promptas a tomar mais do que marca a re-
uma casa de familia. Na mesma casa compra-so ceja
ummoleque para copeiro, e paga-se bem sendo utes ^ ^ exceenle me0 de fazer
^Tv.nho d Porto superior em caixa de duzia,' remover, as obstrUCCes do ventre, mesmo
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve- O Caso de nao extSttrem verme algum, as
do & C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1. pastii.iias vermfugas de kemps sao promp-
" Subtes avulsas. tas e infalliveis na sua operagao e por todos
sas, uma a em que morou o fallecido Thomaz de Joaquim e Sanl'Anna, em pequeos cartoes, por
Aquino Fonscca Jnior, feita a moderna, e conten- perguntas e respostas, tanto em baralhos como
do todas as accommodacoes precisas, e outra com avulsos : na ra do Imporador n- lo, defronte de
boas commodidades para qualquer familia : na S. Francisco,
ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Aluga se uma sala do primeiro andar da ra
do Queimado n. 41 : a tratar na mesma.
Offi-; """ Precisa se de uma arna para cosa de duas
pessoas para cozinhar : na ra da Penha n. 23,
primeiro andar.
Vendem-se sortes para as noites dej5.( Joao, J3. :os respeitOS dignas de COnfianca e pprova-
co de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Vendem-se no Recife em casa de Caors 4
Barboza e JoSo da C. Bravo & C.
Vendem-se tres escravas comjhabilidades, de
idade de 18 a 20 annos, uma linda mulatinha mui
bem educada, um raoleque de idade 13 annos, um
escravo carapina : na travessa do Carmo n. 1.
Vende-se farnha da trra em sacca e a re-
0 Sr. Kreuzer pela sua resposta parece igno-
rar qual o nesncio por que o chama o solicitador i
Pedro A. da Costt Machado, pois para tratarmos ;
a respeito da defeza que Ihe fiz quando Vmc. este- \
ve preso na cadeia do Cabo, e como me seja peno-
1 so procura-lo em parte que Vmc. incerto, rogo-
Ihe me procure ao menos uma vez, pois deve lem-
e
torre no dia 93 vespera
loo.
Acham-se a venda os biihetes, meios
quartos da 4a parle da 4a lotera f20a)
beneficio da Santa Casa da Misericordia, na brarse como sempre estive promptb a seu chama-
respec iva thesouraria a ra do Crespo nu- do quando de mim precisou.
mero 15,
Os premios de 10.000^000 at 20^0001
Santo Amaro das Salinas
serao pagos uma hora depois da extracco' SaAtcnh^^l
at as 4 horas da tarde, e os outros depois comparecer
da distrihuigo das listas.
As encotnmendas s rao guardadas so--
mente at a noite da vespera da extraccSo
como de costume.
O thesoureiro,
_______Antonio Jos Rodrigues de Souza
John Quitam, sobditojnglez, vai a_Bahia,_
O reverendo Azevedo Santos nao competente
para discutir, porque apenas sabe dizer no choro
com voz sepulchral ainem A firma Pissollo &
Menezes anda Um os gr.\ 32.-. e 33.-. para serem
filados, como foram ou outros com as joias, mensa-
lidades e cotas fra e d'entro do mosteiro. A mas-
cara s fallir forca das palmadas pronijttidas
publicamente p.-lo
_________________________Ir.-, lilant.-.________
Prrcisa-se alugar uma ama que saiba cozinhar
eengommar, e que seja escrava : na ra da Impe-
ra trizn^T7.___________________
Negro fgido.
Ausentou-se sabbado, 17, o negro Manoel, criou-
lo, estatura regular, olhar espantado; julga-se ter
ido para Guarabyra, d'onde veio ha pouco lempo
para ser vendido aqui : quem o apprehender, o
levara' a' ra da Madre de Deus n. 32, que sera'
recompensado.
Ama de leite.
Precisa-se tKTuma ama sadia e com hom leite :
Da ra Imperial, sobrado n. 87.
Aluga-'se um mulato perfeito copeiro e bo-
leeiro, aliancando-se seu comporlamento: quem
precisar dirija-se a ra da Cadeia do Becife n.
41,loja.
na a matricula de aula publica de
;is Salinas : os pretendentes podem
i a casa terrea sita na estrada nova
de Olinda, dafronte do hospital inglez-
Quem precisar de uma ama para cozinhar,
dirija-se a ra do Jardim n. 29.
Offerece-se uma pessoa para casa de familia,
sendo para tratar de meninos, lavar e engommar
para os mesmos : na praca de Pedro II n. 4.
AVIO
O abaixo assignado, fiscal da freguezia de Santo
Antonio desta cidade, faz sciente a quem interes-
sar, que de presente sao guardas mun'cipaes da
mesma fregoezia Francisco Antonio Saraiva, Epi
fanio Jos de Souza e Miguel Jos Bamos, e nao
outros.O fiscal,
Caetano Pinto de Veras.
Aluga-se a casa terrea n. G4 da ra da
Soledade : a tratar com Antonio J. R. de
Souza, na ra do Crespo n. 15, primeiro
nndar.____________________________
A pessoa que precisa de 9005000 por espaco
de um anno, pagando mensalmente 30JO00 dej-
nos, e passando letras com boas firmes, annuncie
sua morada ou o lugar em que quer realisar o
aegocio, aim de ser procurado.
mmm mmmm mmmwm
g O Dr. C=trolino Francisco de Lima San- $S$
>f tos rontlna a morar na rna do Impera- jjg<5
SW? dr n. 17, segundo andar, tendo alias seu *i
!jp gabinete de consultas medicas, logo ao jj
va* entrar, no primeiro. vsi
O mesmo dutor, que se tem dado ao 8R'
^ esinclo lano das operacSes como das mo-
Wi leslias internas, presla se a qualquer cha
S mada, quer para dentro quer para fra
mK da cidade.
Nos abaixo assignados mandamos celebrar
na matriz do Corpo Santo, quarta fera 21
do eorrente, as 8 horas da manha. uma
Bisca por alma do infeliz subdito hespa-
nhoi Manoel Caraballo, fallecido victima do
furor das ondas voltando do vapor inglez
La Plata, rogamos pois, aos nossos amigos
e aos do tinado o caridoso e especial obse-
quio de nos acompanharem em lao justo e
religioso acto, test^munho de saudade e
sentiniento pela inopinada e desastrosa ca-
tastrophe que privvu da vida o desditoso
Caraballo.
Becife 19 de junho de 1865.
francisco de Paula Borges.
Bento de Freitas Guimaraes.
Antonio Jos Ferreira Monteiro.
Francisco Jos Alberto Braga.
l'rbauo Jos de Souza.
Os abaixo assignados agradecem a
todas as pessoas, parentes e amigos,
por terem assistido ao acto fnebre
que no dia 17 do corre te leve lugar
no convento do Carmo, pelo fallecir
ment de sua mui presada mai e sogra;
e rogam por esta occasio a seus pa
rentes e amigos de assistirem missa
do stimo dia, que ser celebrada no
mesmo templo na quinta-feira 22 de ju-
nho de 1805. Pedro de Alcntara
dos Guimaraes Peixoto. Mirandnh-
na de Oliven a Jacome Peixoto.Ura-
nia Hermenegilda Peixoto Gadault.
Eduardo Gcidult.
Aluga-se na Passagern da Magdalena, ra do
Bemfica, os sobrados ns. 7 e 9, com bons commo-
Rival sem segundo
Ba do Queimado n. 49, Inja de miudezas de Jos
taino : junto a estaofflrina n. 42, Na mesma com- & Azevedo Mala e Silva esta disposto a vender mui-
pram-se garrafas e botijas. [ to barato que admira, pois seus freguezes ja cstao
- Na ra da Imperatriz n. 2 vendem-se bons """"'es que nao ha segundo competidor.
"trataV a' ra" do""'Traniche candaros a gaz pelo dimiunto preco de 4S, 2S e }ecas de cordao para vestidos a 20 rs
numero 4 P i*HW : cheguem antes que se acabem, que nao ^pachos redondos e compridos a 500 rs.
ha pechincha lao boa.
Anda se precisa de uma ama para cozi-
nhar e engommar para tres pessoas : na
ra das Cruzes n. 37, sendo pessoa mori-
gerada e que se possa entregar uma casa.
Vende-se um sobrado de um andar com com-
modos, em chaos proprios, na travessa do Veras
n. 13 : quem o pretender dirija-se a ra de Santo
Amaro em Santo Antonio, primeiro andar n. 6.
Vndese
Na ra das Trincheiras n. 48, primeiro an- nnu escrava de nacao, idade 40 annos. que lava e
dar, deseja-se fallar aos Srs. Dr. Antonio Pinto vende na ra : a fallar na ilha dos Batos, ra do
! da Bocha, Francisco de Paula Cavalcanti Wander- Seve, casa lerrea n. 16, junto ao sobrado com 5
ley Lins, Jos Francisco Graciano, Lourenco de i varandas e prximo a ponte de ferro, quem vem
ICarvaihode Araujo Cavalcanli,Jos Francisco Mar- do theatrode Santa Isabel para a mesma ilha.
tins de Almeida, a negocio que nao ignoram.
Desconlam-se notas do banco do Brasil e das
ca xas filiaes : na praca da Independencia n. 22
Prelende-se fazer estabelecer legal-
mente em uma das provincias uma casa de
j venda de biihetes das loteras desta, forne-
cendo-se os biihetes, negocio este bastante
vantajoso : quem pretender tendo os quisi- 5^
to< necessarios para tal negocio e dando
Ganca idnea eompareca para tratar com
Antonio Jos Rodrigues de Souza, na ra
do Crespo n, 15, primeiro andar.
O abaixo assignado declara pelo presente a
todas aquellas pessoas a quem o abaixo assignado
deu dinheiro por emprestimo sobre letras e outros
ttulos, que, se com a maior brevidade nao os vie-
rem resgatar, serem assionados, e isto sem reserva -
de pessoa alguma.
Antonio de Parias Brando Cordeiro. I
AtteiiQao.
Na ra do Trapiche n. 18, segundo andar, vea-
de se :
Folhas de Flandres.
Cerveja Bass.
Champanha.
Frascos com conservas.
Talheres para meninos a 240 rs.
Duzias de facas e garios a 2,5400.
Ditas de cabo preto cravado a 3#000.
Baralhos francezes muito finos a 200 e 210 rs.
Grozas de boloes de louca a 160 e 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo a 120 e 200 rs.
Bunecos de choro pequeos a 160 rs.
Varas de cordao para espartilho a 20 rs.
Duzias de colheres para cha a 800 rs.
Duzias de colheres para sopa a 15300.
Ditas de metal principe de cha a 2000.
Ditas para sopa a 4S0O0.
Vende-se um negro de dO anuos, pouco mais
ou menos, bom official de carapina : no escripto-
rio da praca do Corpo .canto n. 4.
Vende-se um escravo idade 2o annos insigne
official de carpina e bonUa figura : na iravessa op
Carmo n. 1.
O grande armazem de tintas
Imperador o. 22, tem a venda :
Papel prateado e dojrado propno
sortes.
Tiras e guarnicoes para caixas.
Papel gelatino transparente para cobrir
doces. ,.
Limalha de ferro e de :co em agulhas ou
redonda.
Enxofre.
Salitre refinado.
Papel de embrulho e para saceos grande
e pequeo formato colado ou sem cola.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEIINAMBUCO
DI Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
2jS competentemente autorisados peladirec- f
" toria da companhia de seguros Fidelida- ^b
de, tomam seguros de navios, mercado- B
ras e predios no seu escriptorio ra da SH
Crui n. 1. M
Mrica
Vio *fie atgodo da llabia.
Vendefse no escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo A C, roa da Cruz n. 1.
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem Iransplantadas: no sitio murado es-
querda, depois do beco do Espinheiro, nos Af-
flictos.
4ftHAZM MIILH4D0S
Pharol do commercio
Ra do Eangel n. 73.
O propietario deste estabelecimento tem a lien-
n de avisar aos seus freguezes que fez uma gran-
de reducQo nos precos do seus generes de primei-
ra qualidade : nianteiga ingleza 1# e 1(5280 rs. a
libra da ultima chegada ao nosso mercado, dita
Trastes cem uso.
Vende-se I sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
cadeiras de amarello, 6 cadeiras americanas, 1
bea marqueza de Jacaranda, 2 carteiras de via-
gera e 1 carteira grande propria para taberna :
quem pretender dirija-se a ra das Cinco Ponas
n. 140 defronte da estagao.
PARA *%\TO WTOIBO E
SAO JOAO
Vende m se sortes muito bem felas ede
papel muito bom 4# o cento : na ra das
Joaquim Lopes de Almeida deixa encarre-
gados de todos os seus negocios durante a sua
ausencia, em primeiro lugar seu sobrinho e gen
ro o Sr. Antonio de Almeida Gomes, em segundo
o Exm. Sr. barao do Livramento, em tercriro o
Sr. Jos Antonio de Carvalho, e era quarto o Sr.
Jos Joaquim Pereira de Mendonca.
R
Alliaiyba Cesar do Espirito -anto e Jos
Lucas do Espirito Santo, filhos da finada
Paulina Maria do Espirito Santo e mais pa-
rentes da mesma, achando-se sobre manei-
ra para rom todas as pessoas que com a
maior promptido se dignarara comparecer
a acompanhar at o cemiterio publico os
restos moraos da mesma fallecida, pelo
presentelhes assevera que sua gralidao ?e-
r eterna.
Precisa-se de uma mulhor para casa de familia
que consta de duas pessoas, dando-se cernida e' ?Sas. n*as caixinhas a 1*200,
bom tratamento : quem quizer prestar se a estas 5800, frascos de ditas 1^00, grandes
condicaes deixe carta fechada nesta livraria ns. $? mm; m*<\u1* das melhores
6 e 8, na praca da Independencia, com as iniciaes S*0"- -a libra, amendoas
M. C. L.,declarando sua morada para ser procu-1des- Joao a>TS' v,nno
rado.
franr-eza a 900 rs. eem barril se faz abatanen!, Cruzes n.41, taberna da porta larga.
queijos llamengos novos a 2-5300, diio prato o que /"
se pode desejar em bondade a 800 rs. a libra, LT-T, QOj>' CIZ
15500 e
proprios
Ama de leite.
Precsa-se de uma ama de leite : na ra estrel-
la do Bosario n. 32, 2 andar.
" n. 53
Adolpho Tiago de Faria
Artista relojoeiro ;.
Faz sciente a todos os seus amigos freguezes que
acha se com loja na ra das Flores n. 2, que faz
esquina com a caiuboa do Carmo, e os seus inha-
los sao os seguintes : concerta toda e qualquer
quaiidaae de relogio, chronometros, patente inglez, Fugio da casada ra da Penha n. 83, na
suisso, cylmdros, de mesa, parede, etc., faz todas noite de sabbdo 10 do cerrente, uma ovelha toda
as pecas que sejam necessarias para o-, relogios por branca, mansa, levando uma corda no pescoco :
mais diflceis que sejam, a ficar um rlogio novo, quem a prendeu e quizer restitui-la a sen dono,
pule caixas de relogios de ouro ou prata que ficam leve-a mesma casa, que ser recompensado,
novas, mesmo estando machucadas, doura tambera
as caixas da maneira que o freguez quizer, faz to
do e qualquer concert as caixas, bola aros para
vidro, canivois, tacos e molas, tudo por prejo que
nao faro em'outra parte.
Mgica.
m
mmmm mmmmm
Precisa-se saber quem o correspondente do
engenho Quilnduba, para entregar uma carta na
livraria ns. 6 e 8 da praca da Independencia.
Precisa se de um criado que saiba comprar.
e fazer o servico de urna sala, na ra do Impera-
dor n. 17 segundo andar.
I'recisa-se de um caixeiro para taberna que
tenha bastante pratica e que d fiador a sua con-
ducta, nao se olha a prego quando o caixeiro saiba
bem desempenhar seus deveres, para Pao d'A-
Iho : quem estiver nestas circunstancias, pode
tratar na mesma com o Sr. Joaquim .'avalcanti de
Albuquerque, ou nesla praca, no pateo da Santa
Cruz, padaria n. 6.
Aluga-se a casa terrea da ilha do Uetiro (Pas-
sagern da Magdalena; onde morou o corrector Ma-
celo, com bons commodos para familia : no largo
do Corpo Santo n. 19.
Precica e de dous trabajadores para pada-
ria : na ra larga do Bosario n. 16.
Pede-se ao Sr. Ignacio Pinto dos Santos Sazes
qne tenha a bDndade de vir a ra da Cruz n. 35,:
a negocio que nao ignora.
Caixeiro.
Na ra Nova n. 11, ha para venderse
um apparelbo de mgicas propno para
alguem que deseje ganhar dinheiro, tra-
balhando fora da cidade, ou mesmo para
divertimento de salo. Na mesma casa
dao-se todas as explicacoes necessarias
ao trabalho do mesmo apparelho a pessoa
que o comprar.
i a garrafa, Figueira e Lis
em caada se faz o abatimenlo, caixas de batatas
cora 2 arrobas por 3.*>00 e a libra 80 rs. novas,
caf Ia sorte 7^800 e 75200 e a libra a 240 e 260
bolachinha iogleza a 200 rs. a libra, toucinho c"e
Lisboa a 360 rs. a libra, velas de carnauba a 400
rs., ditas estearinas linas a 60: rs., presunto portu-
guez a 600 rs., alpita a 3J300 a arroba e 120 rs.
a libra, pan$o a 45 a dita c 110 rs. a dita, cha fi-
no a 25500, 25700 e 25800, fructas em calda a
640 a lata, gomma a 100 rs. a libra e 25360 a ar-
roba, bollinhos inglezes lata de 2 libras a 15330,
ditos de soda grandes 25000 e outros mais gene-
ros que se loma enfadonho mencionar. O propie-
tario espera a concurrencia do respeitavel publico,
garanlindo a cxactido do que tratar.
Vende-se, das 10 horas ao meio dia, um es-
cravo mogo proprio para engenho : a tratar na
ra do Mondego, olaria n. 13.
Manteiga
Precisase de um caixeiro que entenda de fa-
zendas : na ra da Imperatriz n. 22.
Sortes de S. Jco
Cllegramos superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Uorreia de Vascon-
cellos A C.___________
Vndese uma parte de um sobrado no bair-
ro do Becife : quem pretender dirija-se praga da
Independencia ns. 14 e 16, que achara com quera
tratar.
Vendc-se o engenho Goicana, situado no ter-
mo de Serinhaem, meia legoa distante c'a cidade
do Bio Fornioso, um quarto de legoa do porto de
embarque, ptimo d'agua, de boa prodcelo, boas
obras, tendo anda malas, bons lugares para cm-
cjio de gado, um sitio de coqueiros novos comegart-
do a dar fruclos, e podendo anda augmentar-se,
anda com grandes partidos a criarse, dependen-
do de fcil comporta que suspenda as aguas salga-
e prximo ao
AMA
Precisa-se de uma ama para casinhar e sahir
para as compras : quem quizer orocure traiar na
padaria da ra da Imperatriz n. 41.
__________________memo, cuja venda Ihe fez lvre e desehlbaragada.
I A pessoa que annunclou precisar de 9005 a Becife 14 de junho de 1865.
jluros, dirija-se ao caes do Bamos, sobrado que foi
outr'ora collegio da Aurora.
tnyenhu.
Arrendase o engenho d'agua, na freguezia de
Ipojuca, denominado Jussar de Sanl'Anna, uma
legoa e meia distante das estagoes da Escada e Ipo-
juca, com trras excedentes de massap para se
safirejar em grande escala : a iralar no pateo do
Livramento n. 23 com o Dr. Ignacio Nery da Fon-
seca.
Custodio AI ves Bodrigues da Costa faz scien-
te ao respeitavel puulico e com especialdade ao
corpo do commercio que vendeu ao Sr. Antonio
Jos Gome a sua taberna da ra da Aurora n. 48
com todos os fundos na mesma existente inclusive Samuel Power JollllStOQ & Companhia
dividas activas pertencentes ao mesmo estabeleci- H, ...!, Nn u v
Vendem-se lindos papis com estalo para
sortes de S. Joao : na ra Nova n. 61 defronte da
lima, cmara municipal.
(MSIMIEIRO.
No hotel d'Italia ra do Trapiche n. 5 precisa-se
de am cosinbeiro ou cosinheira.
tsH'.oiufflodidade, aceio e promptido.
N.36-BuaDireita-N.36
Terceiro andar.
Participa-se ao respeiiavel publico que apromp-
lam-se bandejas de floos bolos para casamentos,
iiailes e baptisado?, bolos chamados de S. Joao de
tedas as qualidades, llores de cera, panno, papel e
rcos paracapllas, ramos, arcos, bonquets.chapeos
ete.j assim como tambero vestidos para casamento
da rt'ma moda parisiense; todo por cmodo
/'l*0.
Semana (Ilustrada do Rio de Janeiro
Assigna-se na Tua do Crespo n. 4 : tres mezes
65, seis mezes 115, um anno 185.
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Low Hoor.
Aluga-se uma cocheira na ra da Unio nos Machina* a vannr ilo 4. p fi pauallno
fundos da casa do fallecido desembargador Bocha l acl.oas a vaPor ,le ? b cavados.
Bastos: no sobrado na mesma ra n. 32. Moendas e meias moendas para engenho.
Deseja-se-comraiar, mediante boalrTifieTa- TaiMS de ferro coado e batido para enge-
gao, alguma senhora nacional ou etrang^ira, nao nn
j muito moca, e que tenha as precisas nbilagoes --------
I para em um engenho ensinar a lgumas primeiras Arreios d
letras, francez e piano : a traiar na ra da Aurora
n. 74, segundo andar.
Precisa-se de uma ama que cosmhe bem e
compre para casa de pouca familia: na ra do
m tngleza flor a 15120, franceza a 880, vnho de Ls-
B, boa a 360 a garrafa, e 25600 a caada, Figueira
m: a 440 e 25200^ Porto fino a 15 a garrafa, queijos das em lerrenfl;s p,anos de massap ,
frescos a 23200. passas novas a 400 rs. a libra, engenho, e mais outras vantagens que se farao pa-
M1S?,. imilJ,Vwif, l* d? re'D^ar>,2' al" fim diriir-se ao mesmo engenho, ou no Becife a
pista a 120, arroz a 00 r., traques a 220 a carta- entenderse com Antonio Jos Teixo.ra Bastos.
gaz liquido a 115 talho a 480 : no armazem da estrella, largo do Pa- ~ Vendem-se aO aeges do Novo Banco : a ira-
raizo n 14. tar em casa de Mello Lobo & C.
Queimado n. 22, loja.
carro para um e dous cavallos.
Relogios de o::ro patente inglez.
Arados americanos.
Ma. hias para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Libanio Caoddo Bibeiro & C. participara a
quem interessar possa, que no dia 23 do correte,
de 2 hor de sua malanga diaria em casa do socio Bento dos
Santos Bamos, na ra da Gloria, podendo os inte-
ressados apresentarem suas propostas em carta
fechada, munidas da competente fianga.
, Precisase de uma escrava para vender na Ofcrece-se urna mulher para^ama de servigo
ra: quem tiver e quizer alugar dirija-se ra do ou secca para menino: na travessa do Monteiro
^ ttencao
xss- Na ra da praia de Santa Rita, con-
fronte a ribeira do peixe, casa n. 13, segundo an-
dar, recehe-se encommendas de bolos de baca para
as vesperas de Santo Antonio, S. Joao eS. Pedro, Na bem conhecida casa da aboboda da Penha
affiangandose nao s a bemfeitoria pela pratica o. 37 tem para veader continuadamente maga para
que ha, como tambero commodidade nos pregos, fazer bolos preparadas com multa perfeigao.
rU'fiLb,a iU8!ida,,6 : Pessoa8u ""MU'e- Precisa-so de um caixeirr^o7tig^e7Tue
rem, podem ali se d.r.gir a qualquer hora do da, saiba bem 1er e escrever e que tenha pratica de
Agua de Vichy
Vende-se a verdadera agua de Vichy em garra-
fas 2 na ra da Cruz n. 23, primeiro andar.
GRANDE
que acha rao com quem rtatar.
Jardim n. 34, a tratar
da manhaa.
das 4 horas da tarde s 7
n. 2.
FARELO
Na roa a Cruz, n, 23, primeiro andar, vende-se
cellente farello de Ljstoa, depositado no trapiche
do Cunta.
assignado,
Recie, 1.9 de junho de 1863.
Antonio Gongalves de Barros.
O abaixo assignado comprou, por ordem de
seu cunhado, o Sr. Francisco Antonio Nepomuce-
oo, actualmente na rampanha do sul, o meio bi-
meto n. 1963, da 4a parte da 4* lotera da Sania
Casa da Misericordia, que lem de correr a 23 do ha frente superior, levou roupa, sendo sala de seda
coirente, e cujo bllhele tica em poder do abaixo preta com babado, panno preto e alguns veslidos
Fugio e casa de seu senhor, no dia 13 do
eorrente, a escrava prea de nome Benedicta, de
Idade 36 annos, pouco mais ou menos, com os sg-
naos seguintes : baixa, gorda, aira lara, olhos
papudos, alguns cabellos brancos, falla de dentes
Fogo, fogo e mais fogo.
No oateo do Carino n. araba da chegar gran
de porque i* t* P*'a S. Joa'o e S. Pedro : quem
flzeram enco.^Mnendas bajara de ir bqscar Jmme-
diauraeule.
de chita e roupSo branco : pede se, portanto, s
autoridades policiaes ou capiles de campo a ap-
prehenso da dila escrava e coduzmdo-a ra
do Cabug o. 7.
Ama,
Precisase de uma ama para o servte interno e
externo de uma casa de poyea familia : na ra da
Senzalla-Velha n. 22, 2 andar,
molhados: no pateo do Hospital n. 20.
CONFIAS.
Comprase efectivamente ouro e prata em
ooras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Bosario n. 24, loja de ourives.
Na
_____________________________' Vende se a taberna sita na ra de S. Miguel
Aos senhores marcueiros, carapinase fabricaderes dos Afogados n. 68, multo afreguezada i-ara a ter-
de carros e earrocas ra' com Poucos fundos : quem a pretender dirija-
Exislem para serem vendidas por preco commo- g; a mesma Para ahi e dizer I06"1 a Vfn(le-____
do, no armazem do -r. Joao de Brito Corrcia, na Vende-se um bonito escravo com 22 ancos
ra de Santa Bita, as seguintes madeiras: 39 ta- de idade : no pateo do Tergo n. 141.
boas de amareilo com uma polegada de grossura,
2 palmos, pouco mais ou menos, de largura, e 12 a
14 decomprimento, 12 ditas de dito com uma pole-
gada de grossura, 2 palmos, pouco mais ou menos,
de largura e. 21 de comprimeuto, 9 ditas de assoa-
Iho com 28 ou 30 palmos de comprimento, 8 a 10
polegadasde largura, 4 taboas de amarello coma
grossura de cosladloho de 28 a 30 palmos de com-
primento e 8 a 10 polegadas de largura, 66 taboas
de assoalho, de louro, com 28, 30 al 31 palmos
de comprimento e 10 a 12 polegadas de largura,
8 taboas de sicupira com duas polegadas e meia
inglezas de grossura, 20 palmos de comprimento e
16 de largura _____________
Horas Marianas
e manuaes da missa da confissao, completo sorti-
ment destrs livro, sendo de tartaruga com guar-
nigao de prata, dito de marim, madreperola, vel-
ludo e marroquim, e por pregos mais c.mmodos
que em outra qualquer parte : na ra do Crespo
n. 4, onde ha lambem um completo sorlimento de
albnns para retratos.
ra do Crespo n.
comprara se libras sterlinas.
16, primeiro andar,
Silvino Guilherrae de Barros compra e ven-
de effectlvamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Oui'o e prata
em obras velha* : compra-se na praga da Inde-
ptndencia n. 22, loja de biihetes.
Comprara-se libras sterlinas a 95400 : na
praga da Independencia, loja n. ti.
Vende-se a taberna da ra do Palacio do Bis-
po n. 40 : a tratar na mesma.
Vende-se um i n< grinha do mato,
figura : na ra de Horlar n. "114.
"Vende-se uma bonita colcha de damasco, fer
rada de tafet : na ra Augusta n. 82.
O proprietano do grande arm.vzem do Baliza,
largo do Livramento n. 38, nao tendo podido con-
seguir em tempo a mudanca de seu armazem, por
ter de ser mudada a coberla dessa casa, lem resol-
do vender o grande e magcifico sorlimento de mo-
lhados e seceos (iue nelle se acham por todo o pre-
go, sem altender ao grande prejuizo que ter, vis-
to que d'ootra forma nao o poder evitar.
Vendem-se lodos os pertences da casa de b-
lhar da rna da Imperatriz n. 17, constando de um
bilbar (Je Jacaranda com pouco uso, banca de pe-
dra, dita de madeira, cadeiras de faia, fitero e ou-
_______ tros objectos existentes na mesma. vndese tam-
de bonita bem uma bsgatella (jogo): os pretend-nies po-
dem dirigirse a dita casa que achara cora quem
traiar.
Vnho do Porto especial.
Vende-se um escravo carreiro, de boa figura, o mais generoso e genuino vnho do Porto, mar-
corpolento e sadio, propr o para servigo de enge- cas novas e especiaes em'caixinbas de 12 garra-
noo, e tambem 6 canoeiro : na roa da ViragSo fas, sendo marca Bainha de Portugal a 185 a cai-
nJ!;________________________________xa e Pedro V a 165, em porgao far-se-ha nm aba-
Vende-se duas casas de Taipn, no logar de- ,e razoavel': no armazem de Ferreira & Matheus,
nominado Amial.leBdo sitio com fructeiras, sendo na rua da Cadeia do Reclfi
todas duas Junio, e.por commodo prego : a pessoa ;
que pretender dirija-se rua da Imperatriz n. 51, i
.. loja, qne se dir* quem vende.
Bichas deHamburgo
Vendem-se na rua Nova n, 61.
V
_ : /^-- ..
- ..^ **. ^


Mari
de pernambuco Terca felfa tO Je juuko de 1&8&.
nho
A molestia ou infeccSo pecu-
Mal oODlreci'da pelo nome de Es-
crfula- um dos nales mais
* prevalecientes e universaes que
ha em toda a extensa lista das
enfermedades ; de que soffre o
genero humano : disse um cele-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parte de
todos aquelles que morrem antes
da velhice sao victimas ou dire-
ta ou indirectameote da Escrfu-
la :por si nao tao des-
tiva, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que nSo Ihe sao geral-
meote attribuidas.
E' urna causa directa da pthysica pul-
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e affeccdes do cerebro .Entre os seus
numerosos symptomas achara-se os seguin-
ios:falta de appetile ; o semblante pal-
udo e s vezes inchado, s vezes de urna
alvura transparente e outras corado e a-
marellento ao redor da bocea ; fraqueza e
molleza nos msculos: disgesto fraca e
appetite irregular, falta de energa, ventre
inchado e evacuaco irregular; quando o
mal tem seu assento sobre os pulmoes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgSos digestivos, os olhos
tornam-se avermelhados: o hlito ftido,
a lingua carregada, dores de cabeca, ton-
tetras etc.
as pessoas de disposicSo escrofulosa ap-
pareeem freqnentemente erupces na pelle
da cabera e outras partes do corpo, sao pre-
dispostas s affeccdes dos pulmdes, do figa-
do, dos rins e dos orgos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitara de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivel flagello (e s vezes e nen-
ditario) estao exposlos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
A phlhysica, alceracdes do figado, do es-
tomago e dos rins: erupces e enfermida-
des eruptivas da cutis; rosa ou erysipela ;
borbulhas. pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbunculos. ulceras e chagas, rheu-
matismo, dores nos ossos, as costos e na
cabeca, debilidades femininas, flores bran-
cas causada pela ulceracao interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-
to, enfraquecimenlo e debilidade geral.
Aos pulmoes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpeo pulmonar :
as glanulas ella produz inchaces e tornam-
se ulceras: nos orgaos digestivos causa
desarranjos que produzem indigeso, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rins :
na pelle produz erupcoes e affecces cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma on-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrllha de Ayer
composta dos antdotos mais eflicazes que
a sciencia medica tem podido descobrir,
para esta mlestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias provado incontestavelmcnte pelas
curas notaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, crupedes cutneas, erysi-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna-, parchas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade ge-
ral :Indigestao, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, ulceracoes do ulero, a nevralgia e con-
voques epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certides no Alma-
nack e Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o fructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes provas
das suas virtudes: posto que offerecido
ao publico sob o nome de Salsa parrilha,
composto de diversas plantas, algumas das
quaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEIT0RAL DE CEREJA DE AYER.
Cura promptamenle a astbma, bronchite,
tosse, defluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os ethicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmoes pdem ser curadas em pou-
co tempo pelo peitoiul de cereja do dr.
AYER. -. .
A' venda as pnncipaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
Ro de Janeiro ra Direta n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaeia fraacexa de
P.WlftRER 4 C.
RA NOVA N. 18.
Grandeliquidado a dintieiro.
Na loja e armazem do Pavo.
Ra da Iniperatrlz n. O de Ga-
ma & *liva.
Os dones desieesiabelecimento tem resolvido li-
fjuidar suas fazendas pur pregos baratissiroos, s
como flm de aparar dinheiro, e previnem as pes-
soas que negociam em pequea escala rom fazen-
das, qa'e nesta loja e armazem encontrarao um
grande sortimento por "pregos que muito Ihes nao.
de agradar, tanto em pega como a relalho, a sa-
ber. :
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas francezas, listradas muito lar-
gas, padrSes escuros, pelo barato prego de 00 rs.
o covado, tendo muito.bom panno ; ditas escuras
padres novos, por serem todas scossezas e cor
lisa a 240 rs. o covado ; ditas miudinhs escuras
e claras a 240 rs, afflangandose que esta fazend,a
nao .tem o mais pequeo loque de mofo, nem outro
quaque defeito. Istos o l'avo, na ra da Ira-
peratriz d. 60 de Gama A Silva.
{ Esparllius, na loja do Pavio.
Vende-se ara bonito sortimento de espartilhos
proprtoslpara senhoras, sendo dos mais modernos
e bem feilos que tem viudo ao mercado, tendo de
todos osjtamanhos e de diversos pregos trazendo to-
das as competentes utas para aperlar. Islo s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n, 60 de Gama
& Silva.
Canibiaias brancas.
4
dmiraveis pec/iinchas ^Fm fc'i^b&O
que estao a venda*., loja e ainiazem' K?*madn.^Jf ,* *:L & az**>
da Arara, ra a imperatriz i. l>, Mala e siva.
de Lonrenco Pcreira Hendes Guioia- tSSS^Sft
AZEVEDO FLORES
Ra da (Jadcia do Kccife, esquina da Madre de Deus,
Excellentissmas senhoras o Balao partecpa' a Yv. Exc. que red uno os presos de
Vendase um bonito sortimento de pegas de cam-1 todas as suas fazendas, e pede a W. Excs. que nao ijjnM po o ^ empenha
-.......f. itodos os seus esforcos para bem as servir ajen1 de tudo isto mmhas senhoras, e um
braia brancas lizas, tendo tapadas e transparente-
pelo prego de 4$, 4*500, S e 6*, bavendo muito hip.. ndunensavel s senhoras amantes do progresso.
superior da Escossia por 10* e 12*. Uto so na lo- 0UJtwu.:"":1 minlias senhoras peco que lancera suas vistas em toda a minha circumsfc-
gdsoPavao.naruadaImPeratr,z n. 60 de Gama ^ ^^S Jnilo obj^ que necessitam e por preces que convi-
Gros de quadrinhosa J^COO. dam a comprar, como sejam:
Vendem-se os mais modernos gros de quadn- qs rcos Da|oesde 40 arcos, com uma roda que aamira.
ios, proprios para vestidos de senhoras e meni- os arcQS a 2^500 e 3^.
Q.
as, sendo cstes.grosf^*"^ idm para meninas de2anuos al 12 annos.
de 60d rs. o covado. isto s na loja do Pavo, ra Cambrai finissima que era de J0 a J&.
vindo io mercado, vendendose
de 60C
da lm|
eratriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Ricos bouznonts de Guipure.
S^ilsiS^e .talud, cores, verdadeiras (acezas.
seKrnrr^S^^SS,Tj.I".branca feto. larga.
do, pejlo baraiissimo prego de 2o*, cada um, as
sim como chales de 3 e 4 ponas da mesma fazen wmjmm.rvtv----------r------
da, sendo de varios pregos. Isto .' na leja do Pa- ^a Dreta para |uto e de todas as mais cores
Chita encarnada adamascada muito superior a 5H0 rs. o covado,
berta para cama franceza.
Vestidos a Mana Pa os mais ricos que ha de \U, m e 2Uj.
Calcas de casemira de muito bonitas cores.
.;:esrsemr;o .o ^^ *>>.*>* > ****
sim como chales de 3 e 4 ponas da mesma fazen- (Jem perclaras superiores a iw rs,
sendo de varios pregos. Islo .' na leja do Pa- r. Dreta Dara [uto e de todas as m v, ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva. ,,;. mririnr : i s. c covado. i
Admirem
dmirem
Admirem Bem | Coletes de casemira preto e de cores.
As pechinchas que estao venda na loja e ama-J dem de brim branco.
leir. do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60 de Ga- Paletos de casemira sacco a 1U e 12*.
ma d Silva, onde se vendem todas as fazendas,' j(|em je jjrjra Dranco.
tanto de luxo como de primeira necessidade for ifiprn Ac, a|naka branca a 5$.
pregos muito rasoaveis.e com espec.al.dade as se- |< em Qe ajpaKJ ui.auui i o
gumies, dando-se amostras deixando licar ptnhor dem pretos a^eD*.
ou mandao-se levar em casa das familias pelos. Caifas de brim branco, parO e
cameiros da me?ma io]a. Ceroulas de linho com duas costuras a tpow.
Grande pechlncha, Teslidos a dem a 1-S600.
de outras cores.
3OO.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
Cohetes da casemira a 4?? e Bj|
Camisas com peitos de cor.
dem brancas a l#v00 cada uma.
oasseios e bailes, por serem de primorosos dse- jucui ...iv...o .w-> i" ,9Wnp2iS'>fl
- g tecidos e nao pini* | idern brancas finas pregas largas a 2S2iU e -zaouu.
nhos, sendo todos os padres .
dos, e vendem-se pelo baratissimo prego de .i*aOO, | j^em (e yn,^Q MperioreS a '&.
sendo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na,, )om ^ |nhn ;noMn9 m,]it0 fina
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
& dem de linho inglezas moito finas de nmeros 34, 3b, 37
1 dem de mea abertas fazenda superior
e39.
a3^- N0V4 E\P0S1-
de 2.000 candieiros de &i coloridos,
com globos de cryslal e delicadas
ravuras, novo gosto, fingindo lan-
tovm, por lodo o preco, cima da
factur?,'no armzemja ruada
Imperatriz n. 22.
O propietario dese importante e^^'^nto,
tendo muito breve de relirar-se para a Europa, re-
Sveu7aze7uma liqu.dago a dioh.iro .. v.sta. por
toio o prego, contentando se somente m uma pe-
iwena oorceixagem cima do custo da factura. Es-
Saue o wplitavel publico o codjove com sua
SSb honrar seu estabelecimento e admira-
K pregos d semelhantesobjectos de candiel-
ros ie gaz-
%$b
mrfamiliaqoe se retira vende ana mbilia
de amarello j sada, trm de cosinba, louga de
lUSZ amar azul/uma tesa de jinur de ama-
riSo ps lorelados, mesas pequea?, comttoda?
cama de casal e muites ootros objec os o qne tudo
S vender etn conla : na ra dos Pires n
Capas pretas e soulembarques,
Vendem-se as mais modernas c
e bordadas, os mais bonitos soutem
manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
gosto no mercado, por pregos muito em conta :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
S o Pavao vende
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240
yChitas largs a 240.
Acaba de chegar para a loja do Pavo um gran-
de sortimento de chitas largas garibaldinas, por
s rem todas listradas e padioes escuros e de cores
fixas que se vendem pelo baiatissimo prego de 240
o covado, sendo que em outra qualquer parte, cus-
a a 360 o covado, notando que os freguezes que
comprarem porgo de prgas, teroum pequeo
abatimento: isto na loja do Pavo a ra da Impe-
ratriz n.60, de Gama & Silva.
Lazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sorimento de laazinhas pro-
prias para vestidos e soutenuarquts por serem li-
sas e de quadnnhos pelo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
500 rs. o covado, e vende-se a dinheiro a vista pe-
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama
Silva.
Pelerinas a ,-$G00.
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo prego de 15600 : na ra
da Imperatriz n. 00, loja de Gama & Silva.
Organdy a 240 rs. o covado.
na loja do Pavao.
Vendem-se as mats bonitas cassas organdys, pa-
droes miudos e grandes, pelo baratissimo prego de
2i0 rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
acaba-se logo : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, de Cama <& Silva.
BRETAiNHA DE ROLO A 3^000.
MadapolO eufestado a 3#000.
Na luja do Pavo
Vendem-se pegas de brelanha de rolo com 10
varas a 35, ditas de madapolo enfestado a 350i',
3o0 e i5 : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Novos cortes de vestidos a i 2& para as festas
de S. Joo e S. Pedro, na loja do Pavo.
Acabam de chegar para este estabelecimento os
mais ricos cortes de gazla granadina com 22 cova-
dos cada um, sendo esta fazenda do melhor gosto
possivel por ser transparentes e tecidos com seda,
e por isso sao de muita fantezia, e vende-se pelo
baralissimo prego de 125 cada corte, sendo fazen-
da que val 255 : esta pechlncha est. venda na
loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Pechincha do Pavao.
Vendem-se superiores laazinhas mossambiques,
proprias para vestidos e soulembarques, pelo ba-
ratissimo prego de 300 rs. o covado, sendo fazenda
que sempre se vendeu a 500 rs., fazenda esia mul-
to propria para vestido de sahir a passeo. e prin-
cipalmente para tempo de invern por nao se es-
tragar com facilidade : islo s na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Madapolo com toque de mofo a 60400 c_70
Vendem-se superiores pegas de madapolSo, ga-
rantindo-se 20 varas em eada ama, pelo baratissi-
mo prego de 65400 e 75 por terem um pequeo
toque de mofo que nada val, e pegas de algodao a
45 : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cortes de casemiras a 25a00 e S&
Vendem-se cortes de casemira de uma s cor a
25500, ditas de quadrinhosa 35 : na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales a 2000
Vendem-se chales de meriu a 25, 25-500, 55 e
65: na loja do Pavo, ma da Imperatriz n. 60, de
Gama & ''Uva. _____________
"^T"Na padaria da ra Direita n. 8i ha para ven-
der cylindros americanos para padaria, chegados
ha poneos dias.
CHAPEOS
ipas pretas lisas Chapeos de sol de seda de 12 asteas a 85.
barques pretos e ,dem saperore8 Je 16 asteas a i5.
dem de seda trancada asteas de meia cana a l
Que ludo se vende na loja do
DE SOIj
raes.
Bretanha de rolo a 3:5.
Vendem-se pegas de bretanha com 10 varas pe-
lo baratissimo prego de 35 a pega.
Madapolo enfestado a S/jiOO.
Vende-se madapolo enfe.-ta>lo com 12 jardas a
35500,45 e 45600, dito com 2i jardas a 55,
55300, 65500,75, N. 40 7$500, L. 10 75"00, N'. 6
85, Elephante 85300.
Soulembarques de cores a 0$.
Vendem-se soutem barques de cores a 6J, 75 c
85, ditos de seda a 18?, 205 e 235.
Chapeos para homem a 1&800.
Vendem-se ehapeos para homem a 15800 cada
um, chapeos de sol de panno a 2$, ditos de seda
para homem a 65 e 75 : s Arara, ra da Impe-
ratriz n. 56, de Mendes Guimares.
S Arara vende chitas fraocezas a 2 40 rs. o co-
vado.
Vendem-se chitas francezas sendo cores txas,
assim como sejam padres delicados sendo core-
de cana e rosas, se vende por baratissimo prego
de 240 o covado, ditas a 260, 280 e 300 rs., ditas
matisadas tinas a 320 e 360 o covado.
Cuitas francezas escuras.
Vendem-sa chitas francezas sendo padres escu-
ros e cores lisas a 3G0 o 400 o covado, ditas niiu
dinhas claras a 3C0 e 400 rs. o covado : Isto n:i
loja e armazem da Arara ra da Imperatriz n. 36.
Corles a Uaria Pia a 18-3.
Vendem-se os mais modernos cenes a Mara
Pia a 185, 'uto a 145, 125, 115, 105 e 85, corte*
de la sem barra a 55 tem 15 covados o corte.
Damasco de duas laiyuras a 15280.
Vende-se damasco de duas larguras a 15-80 u
covado, dito de uma largura a 800^ e 640 rs. o co-!
vado, lengos de linho a 55, <>5 e 75 a duna.
Camisas fr;ucezas a !>G00.
Vendem-so camisas francezas a 15800, 25. dita
de pregas largas a 25 e 25210, ditas de Hnho a
25500, 25800 e 35 cada uma, seroulas francezas a
15280 e 15500, dita de linho a 15800 e 25, ro-
beras de chita a 25 e 2550J cada urna, cambraia
branca a 35, 35500 o 45 a pega, ditas de cores a
35000.
Cambraias de cores a 300 rs.
Vende-se cambraia de cor a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado, cambraia de salpicos a 25;00 8 35
na ra da Imperatriz n. 56.
Chales rde merino a 2.
Vendem-se chales de merino a 25, ditos de chi-
ta a 15600, 15280 e 15 cada um, chales fnos corr
ponta redonda e borlla de seda a 65 e 75 cad:
um, cobertores de algodo a 15 cada um : na ra
da Imperatriz n. 56. _________________
"Coke dogaz.
pilch do gaz.
Alcatro do gaz. I
Coke tonelladas rs. I0000;
Pitch ..... W00
Alcatro caada..... 4.
O coke reconhecidameute o carvo mais econo-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co; j
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde e
alie usado. Pilch e alcatro.alm das appcages
diversas a que se prestan), como para callafeiar 1
embarcages.alcatroar madeiras,etc.,teem este a ,
propriedade de preservar do rupia), formigas,etc.
E' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da ridade, segundo a vontade do
comprador. ___.
"PROPRIO PAR SENHORA.
Vende-se um excellente cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheira do Paulino, rua de Santo Amaro.
muito bonitas a 500 rs.
Miadas delinha para bor.'ados de sopSrior ;na-
liJa.J--.il 00 rs,
uzws de fias a gaifjs de c-iho preto muito
boa a :-'j.
Meiadas V. Iinia f \ para bVdar a o rs.
Miia.las de [tilia azulada superior a (i'J rs.
I3abadu do Pullo muilo -iipriiur .1 100, i!
ICO rs.
Vara.- de franja de liulio branca a 40 rs. '
Caixas rom 100 envelnos da melhor qualid.u'e a
GO rs.
Caixas com 20 quadernos do papel superior a
600 rs.
Grozas de pennas de ago muito finas a 300 rs.
Pegas de iranga lisa preta e do rres a 40 rs.
Grozas de botes rnadreperola para camisas a 300
e 720 rs.
Caixas rom 50 novellos de linha do gaz a 700 rs.
Varas de franja de cores a 80 rs.
Novellos com 400 jardas superior qualidade a 70 rs.
Garritfis de linha com 200 jarda dos ns GO at
TO a '00 rs.
Litcs para assentos de ronpa lavada ; 100 rs.
Pare? de lioioes do pjMtho muito finos a 120 rs.
Thesoiiras para untias e costara muito (leas a
500 rs.
S.S 3 g-
I.I lilil
S3
.
? a-s s
Rival sem segundo
Ra do Queimado n. 49, est vendendo tudo I
muito barato como ver abaixo.
Caixas de pennas de kalegraphia a 15000.
Massos com superiores grampos a 30 rs. '
Pares de sapatos de iranga e tapete a 15300.
Frascos de macag pernla a 200 rs.
Caixas com superiores agulhas a 200 rs.
Libras de la sortidas com tortas as cores a 75000.
Caixas com superiores obreias a 'tO rs.
Duzias de phosphoros de segoranga a 120 rs.
Meias garrafas rom tinta a 240 rs.
H idinhas com alneles francezes a 20 rs.
Cartas de alBnetes francezes muito finos a 100 rs.
Resmas de papel a I mago a 25400.
Resmas de papel de peso a 25000.
Papis de agulhas francezas a balo a 60 rs.
Uonets muito bonitos para meninos a 15000.
Enfeite* para senhoras fazenda muito moderna a
25OOO. ,nftn
Esrovas para roupa superior qualidade a 15000-
Tasso Irmos
Vendem no seu armazem ra do
Amorim n. 35,
Licor fino CuragSo em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chamberlin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol._______________________
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
5 a lata: nos armazensda ruado Im-
perador n.46 e ra do Trapiche Novon. 8.
Coueitaria dos ananazes.
Ra da Crnz a. 16.
Acaba de chegar a este novo estabelecimento um
lindo sortimento de icas caixinhs, para amen-
doas, proprias para presente ; ha amendoas boas e
boas pastilhas, etc., etc., para enchementos das
mesmas, tambem se vende papis de estalo para
sortes, prepara'-se pao de l enfeitados, Galheaus
de diversas qualidades, simples e enditados, rece-
ne-se encommendas de tudo quanto concernente
a este negocio.
Mucao.
Manteiga iogleza a 15000 a libra, garrafes de 5
garraas cm vinagre a 15300, barris de azeitona
nova a 15500 : na roa da concordia n. 33.
A 50500 O SACCO.
De arinha da trra com
22 cuias, na ra do Impe-
rador n. 26, defronte da ca-
sa em que foi a cadeia.
62.
~ Frnhdo mandioca Boa o alva, mais bara-
garlo, casa n. ?9- _______
TBWCAO
Vendem-Te a. parles (Jas casas torreas da roa
da A-S fci Wf Flwa0'&7 J 8 tfa'
ira ni roa dai C^ozes d- *2-
Attengo.
Vendem-se pecas de esleirs para forro de sala,
"Na ra da Cadeia do Recife n. 5, vendem-se! tnta branca preparada a oleo, em latas de 25 li-
enfeites Mara Pia, e espartilhos preguigoso, bras, para pintar casa, relogios para cima deme-
sao os mais modernos que tem
LOJA DO BEIJA FLOR
Ka ra do Queimado n. 63.
Tendo recebido um sortimento de bone-
cas de choro, que chamam papai e mamai,
com cabelleira de cachos. m
T'riflo recebido um variado sortimento d
brinquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas : apparelhos de almoco e de
jantar de porcelana e de metal, porta-Hcor
e faquinhas a 280 rs. o par ; e nao queren-
do continuar, vende mais barato do que em
outra qualquer parle.
Vende-se tiras bordadas de differentes
larguras a 1$, e babados, collarinhos e pu-
nliosparascriliora. bordados e abertos de
renda lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se laa para bordar de diversas
qualidades e de cores claras a 7$ a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda a 2#500,
ditos brancosde diversos tamaitos, caixinhas
para estojos de navalhas,
Vende-se pentes de alisar com costas de
metal a ij, ditos de differentes qualidades,
lindas gravalmhas para senhora de differen-
tes gostos.
Colhere? de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
tirar spupa a 25, ditas para cha a 2#300,
ditsparasoupa a 4&200 a duzia: nesta
loja se encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento deraiudezas: ra do Quei-
mado n. 63, loja do beija-flor.__________
FUMIGO D0B0VV-
MAN.
Ra da iBruui uuusero 38.
Neste estabelecimento acham-se venda os se-
guintes objectos, todos da primeira qualidade, e
construidos especialmente para esta casa, pelos
mais acreditados fabricantes inglezes :
Machinas a vapor de 2 1|2 a 8 cavados, cora
moendas, junlas e sem ellas ; e tambem proprias
para descarogamento de algodao, afamadas pela
fortido, smpliddade e economa em combustivel,
e por nao precisar de obra qualquer para seu as-
esntamento.
ttob* d'agua de ferro, systema mu proveitoso
da forga d'agua.
Rodas de espora, e angulares, e do esquaarilba
para animaes.
Moendas e meia-mnondas.
Xaius de ferro balido e fundido, e de cobre.
Machinas para descarogar algodao, systema
Platt, cera os ltimos melhoramentos.
Boceas e crivos de patente para fornalhas, dimi-
nuindo muito o gasto do combustivel.
Machinas e machinismos para moer mandioca,
movidas a vapor, agua ou cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para coser a-
rinha.
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fuos e portalils.
Prent-as para copiar cartas.
Rodas para carro de engenlio com eixos e man-
gas d patente. -. i
Formas de ferro bando galvanizado para purgar.
Serras de ago e armages de serrara.
Arados de ferro singelos e obrados, grades para
cubrir caima, enxadas a cavallo, e outros instru-
menos de agriculiura.
-s3p-s -_p,o> 2 = 2-ct>
* ai^ a -* w i s **
S3
= o. 251"

"
3-3 a ~ o
i__2 O C OQ
o 2 v 3
0 5
T3 .

~ <
as
?3
o a 3
ms-
3
8-cr-
IfftlIPi^iif
S.O(B
__, <> Zi to 5
Q.)
,2-9
c3
> Cu

c-2"-
q as
r
3 g
O,
o
O as
vi
-O
as
as
1
3
es
en
O

3

u
a^Oa
o
o
as as
-
_SS
O o a
o v?
O
-5 y
as
o
as
i
"i
o
os
ivalsem segundo
Ruado Queimado n. 49, loja de miudezasde Jos
& Azevedo Maia e Silva, est queimando que ad-
mira, a saber :
Frascos com superior banhaa 200, 240 e oOO rs.
Latas com superior bauha a 200 rs.
Frascos com superior agua de Colonia a 120 e
400 rs.
Frascos com superior oleo de baboza a 2i0, 320 e
Garrafas da verdadeira agua Florida a 15280.
Frascos de superior oleo da sociedade Higienique
a 640 rs.
Frascos de superiores cheiros santal e outros mul-
los a 1,5000.
Sabonetes de familia a 210 e 200 rs.
Saboneles de superior qualidades a 60, 120 e IbOrs.
Caius com 12 frascos de cheiros muito linos a
i JffAA
Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a 900 rs.
Paos de pomada franceza grandes a 500 rs.
Sabonetes de bolla pequeos e grandes a 2i0 e
320 rs.
Frascos com superior opiata a 800 rs.
Frascos com superior agua para dentes_ajig000_
GrandTsorimento de roupas feilas de to-
das asqualidades,
Caigas de casemira a 6 e 7$:00, ditas pretas a
63 e >, caigas de ganga a 25 1^800 e 15600-
ditas brancas a 25, brim de linho a 35, '5o00 e
45, paletots do alpaca branca a 45300, ditos prelos
a 35 e 35S00, dilos de-alpaca de cordao a 4$, e
de listra de seda a 45300, ditos sobrecasaeos a o5,
paletots de casemira a S$, 35500, 65. 85 e 95,
ditos sobrecasaeos pretos a l5, loe 165, ditos 0
nos a 2P5, de cores a 135, ditos fraques a 145,
vindo ao mercado.
Vende-se na ra do Vigario n. 8 um bom es-
cravo de cor preta, muito sadio e prop io para agri-
cultura. ..._______________
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
algodao : na ra da Seozala Nova n. 42.____
Abordo do brigoesunl nacional Graciosa jneto por oWrs.,e a novena de Saot'Anna por
vender na roa da Crtu a. 23, escritorio. 3* "
saepara pendurar, arreios para Ie2cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-Unidos : no armazem da ra do
Trapichen. 8. _
\ovenn de \ossa Senhora do
(armo e de SauIMnoa.
Vend---s na roa do Imperador n. 15, offldna
de encadernaco : o offlcio, salve e versos, nove-
na e salve de Nossa Senhora do' Carmo, tres fo-
OPUSM
QADROS
^vii:^hai>i:
AQOARGLLA
lna scena de nossos dias,'
Drama
Por Pedro de Calasans
. Vendem-se estas obras impressas em Brnxellas
e Leipig : na livraria.de Jos Nogueira deSouza,
ra do Crespo.
,=-Q. ?
a. 1 O.'
SS5
!3
l
l.s| si i. ?
gl-gg --18
O T ~ CZ a._
lllli!.,
-a ??-9 a* 2. "
\
CO
BiB-?
118
o m
5 4
,'-.-.
COOTEITOS
IEPRATIVOS
DoDrSERYAX,dePam.
Pharmaceutico de Ia ctasse, ex-
interno dos hospitaes, premiado
com a medalha de bronze.
Desde muilo tempo o publico
abandonou o uso das preparacoes
intituladas depurativas conhecidas
sob o nome do Arrobes, Xaropes
de Salsaparrilha composlos, ele
Cuja accao, maior parle das vezes
6 nulla," e n'algums casos perigosa.
O* Conmitos nppi-f ATIVOSTEMO ASPECTO
E O GOSTO AGRADAVKIS E CONTEM SOB C*
KQOMO VOLUMi: SUBSTANCIAS MUITO ACTI-
VAS QUE O SEO MODO DE PBEPAIIACAO TORNA
ISUTEHAVElS.
O ticccsso nirt esto* con-
foiloMOblIvcraocm Fron-
fa sob o patrocinio das priutipaes
celebridades medicas, os poe cima
de tudo quanlo lera existido alh
hoje.
Cura rpida sem o socorro
denenhtim outro remedio in
terno, das escrophulas ,
herpes, affeccoes syphi-
liticas hypertrophias
dos tessidos celulares,
hydropisias e em gera
todas as molestias producidas
pela allcrarao do sangue ; tal
o resultado que queramos
conseguir e que temos sem
pre oblido.
lima explicacao accompanha cada
vidro.
Desconliar-se, das faWficacoeset imi-
tacocs.
Para as encomendas dirigii-se aoi
Snres. BISSOH BT o1', 18, B'Piincc
Ensene, Parit,

&&>
FIGADO de BACALl^
preto ...
covado, rnoreautiquc preto a 25600 o covado, eros-
denaple prelo a 15300, 15800, 25, 25200 e 25300
o covado ; e outras muitas mais fazendas que st
deixa de annunciar, o manaa-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e labelecimento est berto al as 9 horas da noite,
ra da Imperatriz n. 56. Mende= Guimares.
avaiiado.
Francez barrica 55000
Portland dem 85300
Em perfeito estado : _*
Francez barrica l0*00^
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
Faiinha d mauiottf
da Baha, 8. Malheus e Santa Catharins, em sacra-
de ahjodo da Bahia, de 2 e 3 alqueires : vende si
no largo do Corpo Santo n. 4. escnptoi io de Jos
Mara' Palmeira.

4
P co pvocesso de Cherrier, pliannaciuluo e-i;
l'aris, na do Faubourg Mon linar le 21.
Este oleo de um ckeiro agradare!,_ e de
um sabor assucarado o tnico que nao tem
nem o gosto, nem o cheiro do peixt'. Oh-
jecto de numerosos relatorios scienlicos e
mdicos, esle mdicamente que goza em
Franca de um suec'esso'tao raro cerno bem
merecido, f receitado diariamente reos
principad meditas dos hospitales de l'
O OLEO DE FIGADO DE DACALIIO DESISFECTA-
do ferbccinoso emprega-se com os ma.ores
successos as molestias em que se wpnp*
o oleo quando sao acompanhadas de debiti-
dade e aloma.
Deposito geial em Percamlircp r; a
Cruz a.22 em casa de Caros A Rarbfo
m
:.

W

\mm
AtH*ooci^aoo.
I.eques de osso, ultimo Rosto, a 15-
Ceroulas de meia a MmO.
Diitas muito Unas a 15300.
S na ra da Cadeia do Recife n. 3.
Na ra do Queimado, loja de ferragei
eonde-se muito em eonia m par de vem-zuuu^
Milho '4#500
Farello 4$000
Xa ra larga do Rasarlo n. h\ tab
1"j.n.a- ____4-----------------r-
Vndese vinho de caj a 500 rs. a gir;a a
na ra Augusta n. 76.
es


awwai w H9
i
PtarPto de PVrcawlMren .. y^y ftif ** de **nlin dfrMMiMr.
" '' ,i ___
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
m
GRANDES ARM4ZENS DE HOLHiBOS
DUARTE & G
ilo Carmo d. 9 armaiem Progressiw roa dQteii
mu hurte
I ffl Paleo do tofm n- 9 armaiem Progressii* raa d Qaeimado a, 7
gj^l aio e Commercio ra do Imperadora. 40,
i-ss Principal armazem de motilados.
OS PROPRIET IRIttti.
wnv(W hfSf'6"16-ao resPeitf el PubIico' e com especialidade aos senhores de en-
hnmmnnnSl9?*0? d cen?* que Paramais facilitar suas compras deli-
SSntn Pm EW"108 tr6S. grandeS anM,!enS' reUDr t0d5 0S SeuS tabetoci-
Sv ,npSftSfrwai!nanC,0\Hfl,(Lqaal preco de um ser de lodos, prontelte-
nn-nmnrV S"'eiir0S- \ Ubeltlk que abaixo vai Pecado, annunciar oS geieros
S.rPKa T**0 C0DTa qiererem por outro, como socede constante-
mente em ouiras murtas easas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
SS ESE Cm- PreJniao r?osso> qalquer pessoa poder mandar seus fmulos que
Sv;^JZZr*^yieaM^0ilm(iaU> ndo-nos o favor de mandar seus
f?1" carta? feixadas: Para etitar qualquer engaos, remetindonos umaconta,
llfj ra os P^08 W M annunciarmos, o que senSo arrepender pessoa I
S'pTeeE na Z&S&. "" nSSS estabelecimentos ^ P* W* de
Maneiga ingleza peritamente flrchegada dem com 4 a 5 ditas a 35200
Diurnamente no vapor Salad*, de 15 dem vasios de to.dosos tamanhos a20000,
a 10200 a libra e em barril terabaii- 10500,800 e 640 rs.
m 0rl' .. ;Queijos d 20300 a 20500 os mais frescos.
SUTh? mQ,t nVa a ^ 3 1bra' e,Vinagre P"ro de Lisboa a 80 gnate
80 em bams,. | 2(50oo a caada.
Barata de porco refinada a 720 a libra e 700 dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 15400
emnarus. a caada.
I^ZJSSSKrtf a ^60Vzetedocede Lisboa milito fino a 609 rs.
dem perula muidinho a 2*700 a garrafa e 43600 a caada,
^.nVSSa1'^SpeC,al qUaWade de Um a,Toucinho de Lisboa now e muito alto a 320
u5 preto n^Wi* a 20000'e 20400' & em barrU da 5 "** a *"
Id41fmo em latas de 40000 e a 800 .t^MttffJE & ^ '
Latera fcsconto de todas as |!^Sft^V **" 8Me0
om. ^^itada fabrica de Biato Amonio ^i^l?^ ^ loO^
(Li.boi) propnas para da; adoenles a! garrata.
2 e 35 a Jala. [Sabao primeira qualidade a 220 rs a libra
Masiaoa ingleza multo no*a a 30500 a-bar- e 210 em caixa
r Jl ?*? rS-|a U*a', Idem seSun,la qualidade a 200 rs. a libra e
Latas com holax.nl.a de -oda e oval a 20. 180 rs em caixa.
s SaS ff^6^0 no,s^ i* sror a 18*a libra e
cincos e paios muito novos a 640 rs.
OGLEM FLOB
Os bolos de Santo Antoirio, S; Joto e S. Pedro.
Vende-se manteiga ingleza flor de i(000 a 10200 a libra, nos segun-
nllgareS >nPat0 d0 Carmo n- 9' rua d0 mad0 n- 7> e rS JtolS-
perador n. 40, armazem de Daarte & C.
Largo da Santal
Cruz n. 84, es-)
jquina da raa do^
SgsSebo.
n Largo da Santal
[Cruz u. 84, es-
quina da rua d
,Sebo..
wm
BSrEClAES
t'Bttfhaate-, continua a term do "* fflolba** denomioado Au-
A segainie tabella sirvlra" r^?0 ^r'"BeBl IMM de )H-hMir.qmHted&
MaJium armazemttjmJQ.'i?^*16 basePara aJuste > cowas aos portadores.
Pelo gramfc sortinwM.a^flI ,?"8 e melhores d qoe a Aurora Brilhaflte, ja'
ero quantochegue para aprnmii, i"0 por<,ae sea d(rao so deseJa UrtrdUniBnto In-
proveitar, o prsprieurio hSLi.s,spezs,.do estabeleomiwo por isso done se a-
tantesfregoezes. a *** i* Wiga, a*m d^eervtc b w sos con*.
Om S lihrnt. ^. .1____. .
60MMA NOVA*
, Em paneiros muito Iva a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e como
do de um paneiro para cima se fara abaUmento na rua do tapeiiwTS
ron
}LTlZ8 ,ibfas ^^onricas muif^vas,
|D,S.Ydenl'12M,xe em Poetas inteiras,
1*400 IUalldades' a 1000> 1^280
^ZITS^^ pettsco'Para m-
iS!sSa^jLire3^
Abre;'7"ri',ua U aramad0 fabricante
Ditascom raassade tomate, gOO rs
f ^000mblaChnha d9sodamuio novas, a
raSitiJ^ iD,ezes d 4aa.
r.t.- u Chocolate.
nr COm ameixa3 enfeitaias proprias
Choco acm0 a l$i00> ^m e 3J200. '
1 8080a5SoPen0r mm,rt nnV"
a lu rf.
> com macarrio tnlharim muito novo a
'4000 e :20 a libra.
i i:i branca e amarella a 500 a libra,
oate portuguez de especial qualidade a
0 .i libra.
I i su so de 8::0 a 10000 a libra.
!am iiessanhol verdadeiroa 19000 a libra
ven/J^mos a I 400.

Caf primeira e segunda sorte a 6#a00,
75o00 e 8a' a arroba, e de 220 a 280 rs.
a libra.
I Arroz do Maranhao 30200 a arroba e 100
i rs. a libra.
dem da India a 2#600, 20800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 50300 a cai-
xa, de Simas (Jos Furtado).
novo, a libra de
MaaC400r?^ram e a,etria amarella,.a libra,
cK?2abra?M'a,!bra>0ra.
|erVvadh,ha para sPa a libra- 2iO rs.
Kh.asseccas,alibraal60rs.
t ,ndeSCascadas- a lihra a 20
tSSSSt T"0 Dova> a libra a 280 rs.
500 rs ararUla verdadeira- a lbra a
Vinho verde superior.
A caada a 3>000 e a garrafa a 400 rs.
Gonnm.
Saccas de 4 arrobas, a vefdadeiraiie,5
emroiDmar, arroba'a. 31000 e a libra
120 rs.
Salomaga, a.Ubfa 200,240 e 280 rs.
Fariaba.
Saccasgrandes com farinha de Goianna mui
lo nova, a 54000.
Ca*fc
Caf do Rio rrroto suwerfor, a arroba a 8,c
800 e 9*000.
Chi.
Cb.tenws nestes geaeros a melaor possivel,
hyson, a libra a 23600.
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 2^700.
Dito hyson muito fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dito'preto de primeira qualidade a 2500.
Dito mais baixo a 2^000 e 100.
Erra nwte.
Btfcetletrte cb medicinal, a libra a 240 r.
Espermacete.
O ma=so cora 6 vella* de espermacete a 600,5,
640 e 720 rs. a
Passas.
Caixas de 16 o 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 43 e 2$500.
Nozes.
tfozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpiste e piHiif-n.
Mutua e painco, a arroba 4000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
ANTIGA CASA
DE
GILHERME DA SILVA CTJIMARES.
A8iinna -M?r.anha^ era sacc. a arroba a
n-t h i a ra a 80 rs- I anas
! bra a l0ars ^ 3 arrba a 35200 e a "" Cartas flQas Para M- a dazia a "
Toucinho de Lisboa a 9S500 a arroba e a 3o'p u Caslanhw.
rs. a libra. e a j.u Castanhas novas virntes neste vapor,
ba 45000 e a libra a 200 rs.
73000 e aHferaa
- -r-----------. ..|WV w,.,Kt la casca de goiaba era caixoes de 6 li- dem Londrinos a 50, idem.
1 j seguro a 10800, dem Parasienses a 40500.
em caixoes pequeos a 700 rs. e de dem Delicias a 10500.
> para cima a 610. dem Traviata do Kio a 50500.
ideal secco era bocelas ricamente enfeitadas, Wem varetas de Manoel Peixoto da
contando pera, pes-go, ameixa, rainlia.
e ouiias fruas a 30000 cada urna.
Idea em calda eiu laias feixadas hermetica-
mante muo bem enfeitadas, contendo,
pera, pesego, araeixas e outras frutas a
640 c 7 a lata, tambem temos latas
grandes a 10200.
Marmelada dos melhores fabricantes, em la-
tas de 2-5000 a 10200.
dem em latas de 1 1 [2 libra a 10.
Id sm era !aas de 1 libra a 640 rs.
E.-vilhas em latas ebegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 5o para cima a 640 rs.
Feijao verde ou carrapalo em latas j pre-
parado a 640 rs.
Amatas era frascos de vidro a 10500.
Id .1 era caixinhas ricamente enfeitadas de
l^OOa 20500.
Silva
ivas Mexide muito novas a 700 rs. o
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
Ino inglez a 640 rs. o frasco com rolba
de vidro.
la em p a 700 rs. o frasco.
i lem j preparada a 320 rs.
- com massa de tomate de 1 libra a
GOO rs.
Idam em latas de 1 1|2 libra a 900 rs.
V. hosem garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Sccca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e oulras rauitas marcas
a 10 a garrafa e 9$ a 120 a duzia.
dem Palmella a 10 a garrafa e 110000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figuetra e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 30500 a caada.
: m em ancorets e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figoelra a 240 a
ancoreta.
Netto a 30500 e I0SOO a meia caixa.
dem suspiros do mesrao fabricante a 10300
a meia caixa e 50200 a caixa.
dem raece:ipes a 10700 a meia caixa e
30000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaes do mesmo a 10800 a meia
caixa e 30400 a caixa.
dem jovens de Castanho 4 Filho a 20400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 10 >0J a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 10300 o quarto e 50
a caixa de nma arroba liespanliola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposico de
comer 10300 a garrafa e 140000 a
caixa.
Alpista muito novo a 30800 arroba e 140
a libra.
Painco a 45009 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas ja" preparado a 10200 a lata
e em porcao 10000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 140000 arroba'e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 15800 e a 400 rs. ,a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suia a 20500, 30000
e 40UOO.
Batatas em gigos de 34 libras muito novas a
800, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e nova a
240 a libra.
S-jvadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
a libra e 40000
rs. a libra.
(Dito de Santos, a arroba
260 rs.
labSS^! l':i cebolas Srandes> a !280.
f 73000 "' Cai" com 2 du2iasa
ftSS rs"1 ra05taR3a Pr<,P*rada-em- vinagre,
Dijosoom otfwrv ingieras
- 640 e 800 rs.
tecm sal ^1^0 no, a 640 e a 500 rs.
1. Saoon" verdadeira 2enebra dolaranja, a
pMJ*42 garrafas de HollawJa veraeira.a
o4U rs.
}B400Srs.COm dta PrPria para neocio'a
>Garraf5es com 2 galles com dita, a 60:
ttStSoST' ^^ *mm>,\*
Vinho muscateldeSetubal, a garrafa a 15.
Marrasquinhoverdadeiro,irascos a 80C rs. e
aJoSP116'a dazia 20G00, e a garrafa a
IAzeite refinado portuguez e francez, a garrafa
Ca7ao2vJ2h0 BordeaaJ muito superior, a
75, 80, 93 e 103 a caixa.
\Ditas com dito branco, a 7* a caixa.
I Dlas cora dito lagrimas do Douro verdadeiro,
i a 203.
j?*22? da1ue do Porto verdadeiro.^a
S Ditas com chamisso superior, a 145.
>Ditas com Porto velho e outras muiUs mar-
cas, a 125. I
Vinhodo Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
.Dito de Lisboa muito bom.acanada a 33200
t 3*500 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Ditoda Figueira, dasseguintes marca&N.)
J.-AxA-) (J- L G) (- *) a eanada a
45500, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que ja est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
iDitosde marcas mais desconhecidas, acana-
J da a 35500 e 40000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
iVinbbranco fino, agarrafa a 640rs.
f Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Azeitonas.
Barris cora azeitonas novas a 15500
Maneiga.
Manteiga superior, a libra a 10280.
Dita mais sbaixo a 13200.
Dita menos superior a 15
fraflcezas, a Dita franceza nova, a libra a 880
Dita dita em barris e meios ditos, a libra
850 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos vindos ueste vapor a 20800 ef
35000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
15000.
Papel.
1 Papel almaco paulado, a resma a45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 45500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
25500.
Dito de embrulho, boro a 10 e 10200.
Vinho Jfadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-1
deira a 10500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pinjenta do reiao, oomnho"
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de earnab.
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 10400$
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde boioes de graxa n. 97 a 25000, e,
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs. ca-f
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos Gnos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas
A 240 RS.
Cada cavado de bonitas e duraveis
mBmmmMB de core
r OU 2#600
waa corte com onze covados
B JH1RUPI1
por menos
de 340 rs. o covado.
ue ^reja^aimofadas, bandeiras nacionaes, etc., etc.
nj COLCHAS
ua mesraa fazenda com forro de tafet.
fiesta urna diminuta porcao de chales
DE
MAGNIFICO GUPCKE
a
Duas cores.
Padroes miudmhos pelo econmico prTgo
640 rs. o covado,
inaiteravel das cOres de seas
Esta tanto d. nwita ntilidade para 0 aso domestico, pelo
deSeDh0^F=a-^
Chapos;para senhoras.
Chapelinas.
Enfeites.
Capas.
Soutembarques.
Cintos.
Velludos de cores.
Enxovaes para bapiisados e casamentos.
A'
Gregorio Paes do Amaral & Oompanhia.
dem branco especial qualidade propio para
missa a oGO rs. a garrafa e 40 a caada, j Sevada muilo nova a 140
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 30500 arroba.
' caada. Caixas com estrelinha,
dem do Porto especial qmlidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a caada.
Id r,i Bordeaux era caixas a 70 e 700 rs. a
.T.irrafa.
Champanna a melhor do mercado vinda de
n jsa encommenda a 300 o gigo.
dem mais baixa de 180 a 200 e 10500 e
30 a garrafa. .
Licores portuguezes e francezes a 10000 e'Amendoas a 400 a libra.
! 0300 a garrafa. | Nozes muito novos a 160 a libra.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 10500 a Papel greve a 40200 a resma.
rodinha e pevide a
400 a libra.
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 10000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
I Alfazema flor a 240.
garran.
;i mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
dem lizo a 40000.
dem de pezo a 30000.
Genebra de laranja ver Jadeira a 110 a du- dem de embrulho marca grande a 10200 e
zia e 10 o frasco. 10300.
Idiin de Hollanda verdadeira a 60 a fras- i,iom ,i* a,ftn
ira e 640 o frasco. |dem a,zuI Para botlca a ^0-
a de Hamburjo a 50500 a frasqueira. j CoPos laP'uados a 50500 e 500 cada um.
Ioc.ii em botigas de Huanda a 400 e 440 Palitos de dentes, macos grandes a 120 e
rs. o frasco. j 16u cada um.
raiSes com genebra de Hollanda com 24 Fumo americano de chapa, de superior
rrafas a 80, com garrafao. f qualidade a 10500 a libra, em porc5o ter
1 com 1 a 15 garrafas a 60. abatimento.
e meias
1 caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
CORTINADOS BDRDIDOS
N. 11Rua do Queimado~N. 11
A este estabelecimento chegou ltimamente da Europa um grande e variado sorti-
metrto de cortinados bordados o que ha de mais gosto em desenos e bordados.
Lindos bonets de palha de Italia para senhoras.
Chapeos e chapelinas de palha de Italia ricamente enfeitados.
Chapeos finos de seda para cabeca de homens e chapeos de sol de seda inglezes "de
8,12 e 16 astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarques de seda preta para senioras.
Cortes de la de barras de 145 a 225 de maito gosto.
Baloes de arcos e de musselina finos, manguitos e camisinhas.
Saias bordadas muito superiores.
Moireantlque preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas oua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
Luvas de pellica para hornera e senhoras.
E muitas outras tandas que tudo se vende barato na loja de Augusto Frederico
dos Santos Porto, aonde tambera se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas
4 i-Roa d Qaeimado-N. 4 4
MMASDEPATENT
par
de trabalhar nao
d escarolaragodo
FABKICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAH
AGUA
Saccas grandes com 100 libras de farello superior
TaWso IrmSos
vendem gesso em p para estuque de casas, tijolos
finos de feito diversos para ladrilho, azuleijos de
diversos gostos, tijolos vidraos para parede de co-
zinha, canos de barro para escoto, cemento em
barris de 10 arroW.
CaluagM tose fe#ta%Hedos
para menlaos.
Chegaram para a loja de roiudezas da rua do
Queimado n. 69, os mais Anos e lindos calungas
wnto par bnnquedo de meninos como para cima
de mesa: na mesraa loja se encontrar bom sor-
ment de miudezas.
0 castello de Grasville.
TradHtido do francez por A. J. C. da Crni.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo prejo de2J33C
aa praga da Independencia, livrarians,
6 e-8.
Vende-se
na rua das Cruzes n. 23 junco e palha, mais bara-
to do que em ostra qualquer parte.
Estas machinai
podemdescarocar
^qualquer especii
(de algodo sea
estragar o fio.
sendo bastante
duas pessoas para
otrabalho; pd
descarojar urna
arroba de algo-
do em earooc
era 40 minutos,
on 18 arroba
por da ou 5 ar-
robas de algodat
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
ammaes, que descarocam 18 arrobas de algodac
limpo, por da; e motores para mover urna duas
eutns dessas machinas. '
Os raesmostera para vender nm bellissimo va-
porque pode fazer mover seisdestas machinas
mencionadas; para o que convida-se aos Sr"
agneultoresa virem ver e exara.na-lo, no arS
zemde algodao, no largo da ponte nova n 47
Saanders Brothers &C.
W. II, praea do Corno Santo
RECIPE.
Os aicos agentes neste paiz.
drogara: "
34Raa! larga do Rosario34
Bartholomeu Francisco deSoaza & C.
Vendem:
Acido actico puro pira retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guaroicoes avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
AlvaiadeVeneza, flno.em paes.
Vende-se urna taberna bem afreguezada para
o mato, e bem como para a trra por flear ao p
do mar, tambem d comidas e dormidas, e recebe
passugeiros, tendo excelleute commodo para fe.
milia : na roa da Lapa n. 13. ^
DE
Florida.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
OOtiOS.
A agua de Florida nao urna tintura, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inolTensiveis, ella tem a pro-
pnedaae de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido. .. .-'"
De nma salubridade incontestavel, a agaa de
Florida entretem a limpeza da cabeca, destroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exotteas, elle
contnbue poderosamente, com a aaua de Flo-
rida a torga, a belleza e a conservagao doscabel-
Em Pars casa de Guilaurn. 112 rua de RechI-
lieu e 21 boulevard Montmartre.
Todos os frascos nao tendo intacto e claro, e Un-
cir prateado da casa, reputado falso.
Deposito rua do Imperador pharmacia n. 38.
Admira vel pecliincha!
Mocambiqnc a 300 rs. o covado, na toja
do pavao.
Vendem-se os mais bonitos mocambiques de on-
2nHM*propr!^ ParaJve8,,*> soutembarques.
sendo de quadnnhos de listras e lisos, fazenda in-
teiramente nova, era padrees e muito proprias pa-
ra as senhoras que /requemara o mez MafianT.
porqne esta fazenda Ibes facilita fazerem por pou-
codinheiro vestidos moito decentes para qualqoer
acto, advertmdo-se qne este baratissimo preeo
devido a grande compra que se fer desta nova fa-
zenda, que se vende a freze tnstoes o covado : na
^oja do pavo, rua da Iraperatrix n. 60, de Gama 4
Instructftes para o servido
das guardas do tercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro: obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praga da Independencia, a i-.
n Em casa de Tisset Freres rua do Trapiche ,
9, tem para vender :
Vinho Bordeaux em barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito de Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee..
LGML


Dferio d* Penmtbac Ter^a reir te 4e
de !**
LIGA.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
vim & m Dam 3)3 sis a>m&ra
AO
RESPEITAVEIi PU1IIJTCO.
A apreciacio dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo emana vaxrai parte mandados vir directamente daastraogoiro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e mteressante estabelecimento seja o
primeiro e nico *eu genero, pde-se porm affiancar, com toda a seguranca de qae
aenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza bo trato.
2."J Fidelidade no peso.
3.' Si&ceridade nos presos.
As pessoas que por-aua posicao social gozam de certo tratamento, acbarSo'tiesta
asa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
pritneira qualidade. etc., etc.
Quaiquer que seja a condico do frguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquellos qae So pouco favorecidos da sorte farao merrsahnerrte orna economa de
rauitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lb.es vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelopre? que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio inleresse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do iianto se pode vender barato.
Para os senbores que eompram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nam se deixar de fazer a diligencia para agr-
fiar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DNtHEIRO A* VISTA:
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
K
KIRSCH m Wasser a 2$ a garrafa.
L
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letoia a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingiera e frarrceza de p:imeira
qualidade a 1#, 43i20 e 1#280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por 10280 a liba, vende-ne era
outra qualquer casa por UiOO e 1#500.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macahrao e TAi.iiAiiiM a 320 rs. a libra.
Massa de trate a 6U0 rs. a lata.
Mostabda ingleza a 800 rs. o frasco.
Molho englez de todas as realidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a .... .
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
3jJ500.
Miliio painco e alpista, s.endo mais de 8 li-
bras a 100 rs.
U
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
Osibas inglezas e americanas.
I p
PEIXE em posta, lata&grandes, a l#00, de
todas as qualijades, como sejam savel,
,goras, corvina, pargo, salmo, pescado e
pescadiuha, linguado, sardinha. etc., etc.,
Pjsius em latas, excellente preparaco.
Palitos para denles a 120 rs. o maco muito
grande.
Passas em qaarlo a 1$400.
dem muito novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito ora a 280 rs. a duzia.
J
QUEIJOS Damengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 800 rs. a libra.
Ilem londrinos a 800 rs. a libra.
C uartiniias ou morinques a 6$, 8$ e f05 o
par.
R
RAPE* Meuron a 1$ a libra.
dem Princeza do Rio a 1^200 a libra.
dem francez a 2j550O a libra.
SARAO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 30 rs.
Salame de Len a 2??.
8ardinnas de Nantes de tooslos fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
, 720 rs.
Stearisas a 600 rs. o maco.
W
TOCINHO de Lisboa a 320 rs. a libia,
omatc era latas a <6O0-rs.
ota anu e preta para escrever,
v
VINHOS m
rcipe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 2$ a garrafa.
Lagrimas do Douro a 1 #500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 2$ a garrafa
Buque a 1$ e 1,5500.
Charjtisso a i& #200 e ttfOO a garwfa.
D. Lu-iz a 1)5 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de.Setubal a 20a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por nao ter com-
posicao alguma.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julin a 600, 800 e 10 a garrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 480.
Brtter Maurer a 10 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; veode-se por este
preco por haver sempre em deposito 50
duzias.
De caj, de 4852, a 10200 a garrafa.
Velho do Porto, era ancorelas de 9 caadas,
a 350000 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 10280 e 10500 a garrafa.
ALPISTA a 120 es. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
400 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Amekas francesas em latas de todo- os ta-
annos.
IJcm idem em potes de todos os tamanhos.
Mein idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem fdem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de pritneira quadade a 560 rs.
a garrafa.
Auios a 200 rs. o molho.
Absyntho a 20000 a garrafa.
O
BOLACHIXTIAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 23000 a lata, e
de cinco para cima a 10800.
IJcm de so la em latas grandes a 20000 e
de cinco para cima a 10800.
Riscoitos inglezes de todas as qualidades a
10200,105Oe 10300.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Baxha de porco refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em porco a 600 e 700 rs.
dem suisso a 10 a libra.
dem de musgo a 10500 a libra.
CuouRifAs muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e era porcao
se far abatimento.
IJem de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchala, etc., etc.
Chicaras e pires a 10800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500-rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'IIavana, ExposicSo,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Caretas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha do todas as qualidades e de todos os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 20000,
202"O, 20560 e 23800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 420 a
320 rs.
dem lapidados de todos os fcmarrbo* a du-
zia a 20500, 30500, 40 e 50.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 40 e 10500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco macinhos.
9
DOCES de todas as qualidades: brasileros,
portugueaes, inglezes, franceses, te. etc
B
ERV1LHAS seccas a 120 r3. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
F
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 420
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a 460 rs. a libra.
Feuo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fimo do Rio a 500 rs. a libra.
Idara americano em latas a 20.
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os presos.
O
GOMMA a 50 rs. a libra.
Id-ira a 440rs. a libra, muito alva.
Grao de hco a 490 rs. a libra, e em por(S
se faz grande abatimento. ^^
Genebra de laranja verdadeira a 10000 o
frasco.
dem idem a 780 rs. o fraseo.
dem de Hollaoda em frascos e botijas.
A8 PUBLICO
en o meior entran
glmcnto se entregar
Importe do genero qne
nao agradar.
ITTEJitfu
Os precos da egnrntc
tabella pora todos, po.
deudo assim servir de ba-
te para o ajaste de eontas
com os portadores.
4,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se fax
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercadoa 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril o roeios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,800
rs. a libra.
Gh.perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a Hbra.
dem hysson muito superior em latas de 45
libras muito proprio paranegoeioa 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em'tartas de 4 e 1 li-
bras a 4,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novasa 8eo rs. a libra ecm
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a8oors. a libra.
Castelletas inglezas a 04q.es. j-libra, sorve
para temperar panella ou para finnbre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se Taz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,'5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
4,oooe4,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermeticamentela-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, 4,ooo e 4,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o ts. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
BBA DA Aim\ DQ BE3FE N. 53
(Logo passando o reo da Comceco)
PARA BW BE'TODOS.
Senhore? -horas, o aceio qne presidio aosorranjos 4esle novo-estabetecimento, e mais que tudo a promptidao e intei-
reza oom que serik-tniJos(.envida a.urna visita ao mesmo, eertos de que sem dnvids>ms dar.5o a proteecSo e preferencia na com-
pra dos teneros qae pnecisaiaB e quando n5o possam vir podero mandar seu.porndores, ainda que estes sejam pouco praticos,
pois serSo t5o bemservidos como seviessem pessoalmente, havendo para com.stes nia reconmendacd, afim Jde
tra parte.
Mmteiga ingleza especialir.ente esccUiida a Aletrfa, macarrao e talharim a 4oo rs. a li- Sal refinado em frascos de vidro com tami a
tea-e b,aw.a carea. | .do mesmo, a 5oo rs.
nhX?^^1? : *9tren,ra' Pevide e ro- arroja branca das marcas mais acreditadas
S a ,C*0OamarDe ? a '40 rs.alibres que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
vinhX ? m VlbHS- I a *""*' e 3-800' 6,ooo e 6,ooo a du-
Vmho ilo Porto uraito fmo proprio pan wa.
engarrafar, em ancoretas de S canadasa evadinha de Franca muito nova, a 2oors.
a,ooo rs. Gliarutos do afamado fabricante Jos Furta-
Yinho era p.pa : Pwto/Figueira e LiSboaa o de Simas, das seguintes qualidades:
5oots. jrgarrafa, e emeanafta, Exposic3o Normal de Hnvana, Imperiaes,
au u' '?00. ?, ,80, Londrinos, Guanabaras, Parisienses. Sus-
Vinbobranoo de Lisboa de excellente qnali- piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
Ottfta 4oe e 5oors. a garrafa e em cana-: 6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
da a 3,oo e 3,5oo. Charutos finos de diversas marcas e fabri-
Vinhobrancopara missaemearxas de 4 dn-
zia a 8,ooo e 8o rs. a gaTTtrfa.
Vinho do Porto das melhores marcas qoe
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
doDonro,Daqtredo Porto,RairihadePw-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madet-
ra Secca, Malvazia fina a i6ieoo, f5,oeo,
42,ooo el o,oooacairacom 4 duzra e%w,
4,oeo e 4,5oors. agarrafe.
Vinho Cherexde superior qualidadea16,ooo
a duriae i,5wrs. a garrafa.
Sardrnhas de Nantes a 4oo rs. o*s qwirtos'e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muitonovas a 5,ooo a|
barrica e 320 rs. a Hbra.
Bolachinhas de soda em taitas de diversas
qualidades a 4,3oors.
Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para nwmo a 3,ooors.
Passas decamada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a Hbra.
Figos de comadre a 24ots. alrhra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra, i
Milo de amendoas a ooo rs.
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ogoac inglcz das melhores.marcas, a 8cc e
4^oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Parinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
"Matte.excellente chapara os navegantes, a
2oo rs.
Sbottas de Franca muito grandese novas
a 4,8oo o cento e 4,2oo soltas.
Fazendas baratissimas.
S6 Guiuares &, Irrao vcude :
Kua da Imperatrii i. 72.
Chitas percallas claras e escuras inulto finas
a 240 e 260 rs. o covado.
S Goimares & Irmo Tecde
Bretanha de rolo muito superior com O
varas i 35 a peca.
S Guimaraes lrmo vende
Cassa organdys a 240 rs dita fnnceza
muito fina a 300 e 4C0 rs. o covado.
S6 Caimaraes d Iraio Ttnde
Madapolao infestado com 4 jardas nmito
fino a 3^500 e 4^ a peCa. J
S Guimarics & Irmio verde
Chales de merino estampados e coloridos a
S Cuimare i IrmSo \ende
Baloes americar.os para senlions efmcni&as
a 3$.
S Guimrfs c^ Irmo vnide
Soutembarques de laazinba ricmcr.te rnfei-
tados a Sfi e 6)5.
8 Guimaifs & Irmo Tfi,de
Cambraias litas transparentes mu (o ln?. o
3^,4)5 e aiO a peca.
i SGuimarrs & Irmo verde
que nao TSo em CaseiKJras ^ e dajss J^Jgg q ^
S Guimarcs Irmo vende
Algodaozinto mrilo encorp.c'o e bcn com
20 jardas a 4C0. > e 85860 a ,,,;;.
S GuimarSes d li mo veido
Uazmha Iss e de quodrinhc s a SCO c ce-
vado 1 li e 360, 400 e 500 rs,
[S GuiHres d lrmo vende
Coberta de goslo chinez e duu!irro gesto a
2o0.
S Guimsres d Irmo vende
Panno de linlic muilo superior a t40 rs a
vara.
S Gnimares d irmo vrnde
Br?mante de tinlto com 40 palmos de lar-
gura a 2&40O a vara.
S uiuiaries d lrmo vende rcupt ftiia Linfa.
Os freguezes encoi-traio BSJe >n\t,-
cimento sempre um grande mtiment (ie
roupa feta de todas as qualidades rn me-
nos 20 per cento do que em ti;tiE qulquer
parte, istosne grande aimazcm de zen-
das e roupa feita de Guimarcs bj3o
Eua da Imperariz n.
Bolactiinha d'agua e sal, da fabrica de Joao
deBrito no Beato Antonio, emlata de 6 fi-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em fiasco de vidro com
rampa do mesmo, a 4|55oo.
Ameixas franc zas em esixinbas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a 4,4oo, 4,6oo, 4,8ooe2,ooo
cada orna.
Azeitedoce refinado hespanholonportugwz
a Ooo rs. a garrafa e 4o:ooo a caixa.
Batatas muito novas-a 8o rs. a libra e2,5ee
o gigo eran 36 libra*.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.'
Toucinho de Lisboa muito novo a32ors. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinba Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinhado Maranho muito alva e cheirosa
2oots. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e 4,5oo o frasco.
I Caixinhas com fructas em doce secco de di-
grandes a 4,ooo e 44,ooors. a frasqneira.
Caf do Rio de 4a qualidade a 28o rs. ali-j 8,5oo a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. \ Vassouras de eseova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Nozes muito novas a 46o rs. a libra.
Arroz do Maranho de 4a qualidade a loo Molho ingtez em garrafa de vidro com roiba
rs. a libra e 2,8oo a arroba, do mesmo, a 46o rs.
dem da India a 4oo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. i a 8oo rs. o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- i Irfostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Pataco e alpista a 44o rs. a libra e 4,ooo a; Lentilhas franceras, excellente legme para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriaraente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- i^ a garrafae 4-1,ooo a duria.
Iho. 'Palitos de dente alio rs. o maco.
versos tamanhos, muito propnas para
mimo, a 4,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ambos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e Soo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
4,5oo cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhas a 8o rs,cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
os, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa ea 4,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre brancoj engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
72.
rarinha demurileca fia e alva, mais
barata que se vende no mere?do, em sac-
________eos: na ruado Vigarion. 29.
No armazem de azen das a-
ratas de Santos Coelho,i ua
do Queimadon. 19, ven-
de-se o seguinte:
Lenges de panno de linho a 2^400.
Di's de bramanw de linho de um s paiiW a
350.
Caberlas de chila da India a 2O0.
Lengos de cambraia brancos profinos para sigi-
bfira.pelo barato | je?o e s>c() t duzii.
Pecas de brelanba de rolo com 10 vwas i 3i ''
Dilas de cambraia para forro de vestido, 8
varas, pelo Wratissimo preco de 2(,i I.
Gnardanapos adamascados pelo baratifsio.o preco
de 3^300 a duzia.
Algodao enfeslado com 7 t2 palmos de largor*
ii00a vara.
Corles de laa de lindos gostos com IScovdosa
6^000.
Pecas de cambria adamascada com 20 varas, pro-
pria para cortinado, pelo barato preco de'H.
Fil liso fino a 800 r.-. a vara.
Dito com salpicos a i a vara.
Tarlatana branca fina a 800 rs, a vara.
Atoalhado de algodao adamascado a 22C0 a vara.
DUo de linho a 300 a vara.
Laziuhas lisas de todas as cores, pilo baratissimo
preco de 500 rs. o covado.
Pegas de cambraia de salpicos brancos e de cores
com 8 l|2 varas, pelo baratissimo preco (,,
moo. v
Baloes de 20 ar^os a 2,So00, de 2o a 32, t 30
3500, de 35 4f, de 40 4f500.
Toalbas felpudas a 3 a duzia.
Esleirs da India de 4, o e 6 palmos por menos
preco do que em outra quaiquer parle.
Neste armazem se encontrar um grande ali-
mento de roupa feita e por medida.
wM.
Agua florida e totiieo orien-
tal de Keiap.
Continua-se a vender em porcao e a retalho :
na ra do Queimado, toja d'agui branca n. 8.
Chromocomo
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de recebar um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para Ungir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocalietrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lusttar os ditos,
e onychromantina para limpar as unhas. Essa
tintura, cujo effeito rpido e efllcz, est bem co-
nhecida e apreciada para todos quantos della tem
usado, e os que de novo a quizerera apreeiar, po-
dem, assim como aquelles, dingir.se manidos de
dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Aca4 de chegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
dito tambem verde e mui fino para eobrir o ra-
me, assim como folh&e de panno e avelludaas
para ditas.
Aspas de baleia para vertido*
Vn>m-se na ra do Queimado, loja d'aguia
branca p. 8.
Superiores penas d'ago ingk~
zas e francezas
A agnia branca alera do grande sortimento de
penas d'aco qa constantemente tem, acaba de
rf ceber mais ouiro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, assim como as
verdadeiras blco de tanca n. 134 e outras de pon-
ta dourada, continuando porm a vende-las por
presos commodos,oTO lano que o comprador com-
pareca munido de dinheiro: na roa do Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu i
Bonitos e graudos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de dilos de ignaes e agradareis cores.
Voltas pretas raaiores e menores todas de coates
grossas.
Pulceiras pretas tambem de cantas.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Fivelas d'aco grandes e pequeas com eioto pr*-
to 0 de madreperola.
Outras grandes de differentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leques de (madreperola redondos e de
outra forma.
Dito de sndalo intericos e corredizos.
Capellas brancas para meninas.
ATTENCAO
IflEUS SESHOBES
PARA
Fazendas baratissimas loja da roa do Crespo n. 17 de Jos Gomes
UI.
A nova crise commercal perroilte qne o povo em geral nao possa comprar frzendas
caras. O proprielario deste estabelecimento, amigo que do povo em geral, attendendo a
essas circumstancias est vendendo fazendas por precos que na rpalidade admira.
Correi, bom povo, a este estabelecimento, e comprai fazendas, porque all se vende
por menos do qt em otrtra qaalqaer pftfte.
Cassas organdyzes a 280 rs. o covado.
Chitas francezas escuras matizadas 260 rs. o covado.
Ditas escuras mnito finas a 240 o covado.
Ditas claras dem a 240 o covado.
Ditas escuras idem a 260 o covado.
Chitas para coberta muito largas matizadas a 240 o covado.
Madapoloes finos largos a 6390, 7$ e 85.
Chales de fil preto muito bous a i0000 cada nm.
> Chales de merino estampados a 5500, 6j e 7.
E outras muitas fazendas, que tudo se vender por precos rroe admirara.
Escraia fgida
No da 14 do crreme fugio a pserava de njme
Joanna, crioula, de idade 30 annuf, tendo os slg-
naes seguintes caractersticos : mal encarada, no
rosto tem um signal um tanto saliente, estuir.i
regular e gorda, levou vestido de chita clara, (ha-
les de merino estampado de assento rr.xlcado ja
em meio uso, e levou mais um vestido de chita es-
cura, negra do malo, tem urna falla mnito i'es-
candada e falla mal : qv.em a pegar leve a a ra
do Queimado n. 39, loja de fazendas que ser bem
recompensado.
SO
No dia 9 do correte ausentou-se a preta
Bonifacia e por isso leabra-se a quem ;i
tem ao seu servico, de a envegar qoanto
antes a seu senhor, do contrario proceder-
se-ha como for de lei.

Vzeite doce refinadoem pequeas latas a S60 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
as: :G
Saceos de 80,100 e 120 libras a 4^,4,^00 e 5* ; no grande armazem da Liga.
jMirMftiTiiiiiai ~i r nwgi G&Gss$ Madapolao multo fino com peqa?na toque de avaria, por pre^o que admira : na
das celanmas na ra do Crespo n. 13, d* Amonio Gorrera de Vascoocellos 4 C.
- Fugio no dia 16 de maio prximo pnsae t
preto crioulo de neme Bra:iliano, idade de 26 an-
nos, estatura regular, cor fula, tendo um des den-
tes da frente quebrado, seto barba, apeMS algnns
cabellos a roda da garganta e clhar amortttillo,
bem fallante, sabe 1er e escrevtr e falla um jt uco
o inglez, bom coftiro, cosinha e lava bem, 1i;vgu
vestido camisa de algodao branro e etica de dito
azul, conduzindo alguma roupa fina, romo bem
caigas de casemiras de lisias, jaqueta branca e ca-
misa de madapolao, lences e mais rcupa que tem
marcada com a letra B de linha de marca,algumas
pegas e outras cora o nome por extenso em tinta
de marcar, levou chapeo de palha imitando iran-
Iba, chapeo de sol de seda verdeja usado, sapatos
e meias, de suppor que se inculque de forro :
quem o apprehender condnzindo ao sitio de J>>ao
Matheus, no Poco da Panella, ser generosamente
gratificado por seu senhor Juvino Bandcira.
Fugio em principios do mez de fevereln
torrente anno e consta estar acoutado oesta c '.'*
o raoleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade; an-
co mais ou menos, cor preta, secco do corpo, i a
regulares e afumacados, cabega um pouco grao*
e meia chata, beicos finos, denles benalvi. pea
seceos e muito ladino : roga-se por tanto a tec
autoridades polieiaes e capitaes de campo que o ap-
prehendam e. levem-o a ra da Mangueira sobrado
n. 6 qae sero gratificados, protestando-se usar tos
melos judic.laes contra quaiquer pessoa que o tenba
em sea poder.
Fugio no.dia 28 do corrente, a noite, a es-
crava Januaria, pertoncente a D.' Amelia Felicia
Deschamps senhora de Mr. Len Chapelm, retra-
tista, enja escrava bonve por compra que fez ao
Sr. Po Pierres Varclla Barca em abril ultimo por
intermedio ^e seu procurador Jo) Francisco a-
bral, dftsoonfia-se que a dita escrava tenha se-
guido para Paje de Flirese que procure o enge-
nho do Exro. bar3o de Vera Cruz, a qcem a lem-
pos passados pertencea : a dita escrava tem pouco
mais ou meaos 20 annos de idade, de estatura
pequea,.de cor fula, tem os denles limados, tes'a
e olhos muito pequeos, gratifica-se bem a quem
npprehende-la.

I


1


LGTVL
'M$ m nffi


Diarle de Pernambnco Trea lelra O de drnaho de 18S5
WATCRLOO
I
(Continutyo do conscripto de 1813.)
POR
ERCKXANN CIIA.THIAN
SKODNDA 1'AtlTE.
XXIV
(CoivIu.J
E:\li.n, pela segunda vez'r estavamos abitados
em uoacama, quando, sena utp;i hoijk da nianba
fomos acordados do um modo extraordinario : lo
cava um tambor, e oavia-se marchar tropa
em lo-
u_ i aldea. Abaoei Buclie, que me disse bui voz
bata:
- Bem oujo.
fra !
Sao os Prussianos que >s
j vigorosa resistencia para dar lempo artilharia e
as bagagens de passirem a ponte em amar. To-
do o corpo de eiercito tinha felizmente atravesado
a cidade, excepto o 4* batalhao, por culpa do cot;
i mandante Delong, que tinha voltado direita da
I estrada, e que teve de arremessaf-se ao Sambre
' para nao ser cortado. Muitos horneas linham Oca-
do prisioneros ; outros tinhara-se afogado teman-
do passar o rio a nado.
' E' o que nos conloa Marlinho; e de nossa casa
.nada sabia.
Nessa mesmo dia passamos por Givet; o bata
Ihao pern >lt5d perto (la aldea de Heer, meia le-
gua mais adiante. No dia seguinte, depois de ter j
pa;.sado por Fumay e Rocroy, pernoitamos era
Bou-g Fidele, em 23 de junho em Blombay, e
em 24 em Saulsse Lenoy, onde soubemos da
stSo l audicacao do imperador, e nos das seguinles
em Vitry, ao p de Reims, em Jonebery, em
i\ Jos imaginar o nosso espauto. Ma passa-
ttcos instantes ainda foi peior, poique se
i .. porta da tasca, qae se abriu, e dous segun-
dos depois eslava cheio de gente o aposento prin-
Alguem subia a escada. Bache loantou-
se e eu tambem. Dizia elie :
En c defeudo-rae se me quizerem agarrar.
Eu nem me atrevia a pensar no que ia fazer.
olivamos j quasi vestidos, e esperava p der
escapar auxiliado pela noute, antes de ser roohe-
c:d\ quando nos bateram porta, com ordem de
abrir mas.
Nao houve outro remedo seno abrir.
Uto offlcial di iuaularia, alagado pola huva,
coa o ampio ca)ote azul collado sobre as drago-
as, eutrou acompanhado por um sargento velho
que levava urna lantema. Vimos que erarajran-
.: s. O offlcial pergunlou-nos com mau modo :
Donde veem voces ?
Do Monte de S. Joo, mea lente, respondi
eu.
De qae regiment sao ?
Do 6o de ligeiros.
Oihou para o numero da barretina que en tinha
em cima da mesa, e eu olhei ao mesmo tempo
par o d'elle : tambera era do 6 de ligeiros.
De que batalhao ? tornou elle carregajido o
fobrolbo.
Do 3.
Buche, muito amarello, nao dizia nada. ofi-
cia! olhava para as nossas armas, palronas i mo-
chilas, que estavara atraz da cama em um canto.
Voces sao desertores I
Nao, mea lente, fomos d)S ultimoi que
partirm do Monte de S. Joaa, s oito horas.
Venham commigo : havemos de ver (
uso .
Deseemos,
O offlcial ia atraz de nos e o sargento adjant
com a lanterna.
A sala de baixo eslava cheia de offlciaes do 12
de eajadores a cavallo e do 6o do ligeiros. O cora-
mandante do 4 batalhao do 6 passeava da uro
para outro ladj fumando em um pequeo cachim-
ba de raaleira. Todaessa gente eslava aligada
e coberla de lama.
O offlcial disse aigumas palavras ao commau-
dante, que paroa, coro os olhos pretos pregados
era nos, o com o seu nariz arqualo debrtcado
os bigodos grizalhos. Nao tinha boa cara, e
fez-nos logo cinco ou seis pergunlas sobre a nossa
panida de Ligny, sobre a estrada dos Quatro Bra-
cos e sobre a batalba ; piscav os olhos e m:irdia
os beicos. Os outros andavam de um lado para
outro, amatando as espadas e sera darem allelncao
.o interrogatorio. Por iim disse o commandaple :
Sarginto, esses dous horneas entrara.) a 2
compmbia. Varaos !
Pegou no cachimbo que linlia pousado na I eir
do fogio, e sahimos com o sargento, satisfeitissi-
-::. por nos iicar to barato o negocio, poique
bem poderiaojos ser fuzilados como deserures
cora o iuiraigo vista. O sargento levou-nos a
duzenlos passos da venda, para a extremidad'! da
aldea, at ao p de um alpendre. A alguma dis-
Ur.cia havia fogueiras nos campos, e muitos sol-
dad >s dormiara deb3ixo o alpendre, cora as cos-
tas arriraadas a pilares e a portas. Na raa dihia
ama chuva muito miuda; todas as pojas de agua
esiremeeiam luz de um lu.ar pardacento e ehnj-
vjado. Picarnos em p debaixo de urna beir|a do
loluado, ao canto da casa velha, pensando as nos-
sa; desgraeas.
Passada urna hora comejou um tambor a locar
sardamente, os soldados sacudiram a palha e o fe-
no das fardas e partimos. Ainda era noute escura-
Na nosa retaguarda os caladores tocavam a bta-
sela.
Das tres para as quatro horas, ao alvorecr, vi-
mos grande numero de outros regimentos, caval-
aria, infantaria e artilharia,; em marcha como
nos, por differentes caminhos. Era todo o porpo
do marechai Grouchy em retirada. O tempo h-
mido, o cu carregado, aquellas compridas (lleiras
de horneas mortos de cansaco, a dr da derrota e
de pensar que de tantos esforcos, de tanto sangue
derramado nao resullava pela segunda vez sanio
a invas, tudo isso nos fazia deseahir a (jbeca
sobre peito. Nao se ouvia senao o rumor dos
passos na lama.
I amos de ha muito tempo nessa tristeza, quando
urna voz rae disse :
Adeus, Jos I
Despertei, olhei para quem me chamava pelo
nome, e coaheci o filho do torneire Marlinho, nos-
so vizinho em Phalsburgo ; era cabo do esquadra
do 6o, e ia de seraSlas.com a arma vontade. Aper-
tamos a mo um ao outro. Ver urna pessoa da mi-
nha trra foi para roim ama veraadeira conso-
lajo.
Aperar da chuva, que contiauava a cahir. e ape-
zar do grande cansado, fallamos muito dessa terri-
vel campanha. Contei-lhe corao foi a batalha de
Waterloo elle disse-me que o 4o batalhao, desde
que parti de Pleurus, tinha marchado para Wa-
vres com todo o corpo de exercito de Grouehy ;
quo na tarde do dia seguinte se ouvia a artilharia
esquerda, e que todos queriam marchar nessa
direcjo; que era tambem a opinio dos generaos^
mas quo o marechai, tendo recebido ordens posi-
tivas, liaba continuado a marcha para Wavres. So
muito mais tarde, quando nao houve duvida que
Os l'russianos tinham escapado, que se mndou
de direcjo esquerda, para ir ter com o impera-
dor ; infelizmente era muito tarde, e pela meia
nocrteioi preciso tomar posigSes nos campos. Cada
batalhao tinha formado um quadrado.
A's tres horas da manhaa, a artilharia dos prus-
sianos tinha acordado tudo, e tinha navldo fogoat
as duas horas da tarde, que foi quando chegou or-
dem de retirar. Tambem Ja era larde, porque ama
parte do exercito que acabava de bater o impera-
dor ja nos crcava pela retaguarda, dizia Marlinho,
c. isso obrigon-nos a marchar at ae fin do dia e
coi toda a noute at as seis horas da manhaa, pa-
ra pdennos escapar.
A's seis horas, o batalhao (loba acampado ao pe-
da aldea de Temploux; s dei chegavam os Prus-
sianos com forjas superiores; opoos-M-lbe* a mais
Soissons; d'ahi o batalhao raetteu-se na estrada de
Villers-Cotlerels; mas tendo-nos ja o inimigo pas-
sado adiante, mudamos de direcjao por Fert Mi-
Ion o fomos pernoitar em Nouchelles, aldea arrui-
nada pela iavasao de 1814 e que ainda nao tinha
sido reconstruida.
Partimos d'ahl no dia 29, urna hora da manha,
e passamos por Meaux. Foi preciso tomar a estrada
de Lagoy, porque os Prussianos oceupavara a de
Clave ; continuamos a marcha em todo o dia e noi-
te seguinte.
No dia 30, s cinco heras da manhaa, estavaraos
na-ponte de S. Mauro. No mesmo dia, s tres ho-
ras da tarde, tinhamos passado por fra de Paris,
e pernoitavamos ao p de ura lugar,rico em ludo o
que ha, chamado Vauglrard, na estrada de Versa-
Ihes. No 1 de julho tinhamos ido passar a noite ao
p de um lugar magnifico chamado Meudon. Va-
se nos jardins, nos pomares cercados de paredes,
na grandeza extraordinaria das casas e do seu
aceio, que eram os arredores da mais bella cidade
do mundo, e comtudo vivamos no meio da mise-
ria e dos perigos. O corago verUa-nos sangue I
A gente daquelles sitios ba e amiga dos solda-
dos, chamavam-nos defensores da patria, e os
mais pobres queriam baler-se ao nosso lado.
No Io de julho sahimos" d'alli as onze horas da
noite, para ir a S. Cioud, que formado de pala-
cios sobre palacios, jardins sobre jardins, grandes
arvores, magnficos passeios, tudo o que se pode
imaginar admiravel.
A's seis horas partimos de S. Cioud, para voltar
a Vaugirard Terriveis boatos corriam na cidade.
O imperador tinha partido para RocheforL Di-
zia-se :
Nao tarda ah o rei de Roma. Luiz XVIII ja
se poz a caminho.
Nada se sabia nessa cidade, onde tudo devia ser
sabido primeiro.
Em Vaugirard o iniraigo foi atacar-nos urna
hora da tardp, nos arredores da aldea de Issy. Ba-
temo nos al meia noite em defoza da nossa ca-
pital ; o povo ajudava-nos; ia levantar os nossos
feridos debaixo do fogo dos prussianos, e as mu-
Hieres inoslravam ter d de nos.
Nao e possivel dizer-se o que soffriamos por ter-
mos sido levados at all pela forja. Vi Buche
chorar, porque de corto modo estaremos deshonra-
dos. Nunca eu visse essas cousas I Doze dias an-
tes, nao fazia urna idea to exacta da Franja.
Vendo Paris com as suas torres e seus palacios
sera couta, que se estendem at extremidade do
horisonte, dizia commigo :
E' a Franja I... Aqui est o que em ceios
e ceios de anuos teem ajuntado os nossos pas.
Que de:.graja a de dizer se agora que vieram at
aqui os Uussos, os Prussianos e outros selvagens I
A's quatro horas da manha atacamos os Prus-
sianos com nova furia, e tomamos as posicoes per-
didas na vespera. Foi euto que os generaes nos
vieram annunciar um armisticio. Passava-se isto
em 3 de julho de 181o. Pensavaraos que esse ar-
misticio era para prevenir o inimigo de que se nao
se rolirasse, a Franja se levantara como em 1792
e o esmagaria. Tinhamos essas idias, e eu, ven'
do o povo que nos auxiliava, lerabrava-me dos le-
vntamenos em massa de que me allava sempre
o Sr. Gouldcn.
Por desgraja muita gente estava to canjada de
Napoieo e dos soldados, que sacriticava a patria
para se ver livre dolles ; deitavam tudo s costas
do iraperaJor e diziam que se nao fosse elle, nun-
ca os outros teriam tido forja e coragem para vir
a Franja, que os Prussianos nos dariam mais liberdade.
O povo fallava como o Sr. Goulden, mas nao ti-
nha armas nem plvora. Tinham-lhe dado chu-
jos I
E quando pensavaraos em todas estas cousas, no
dia 4 annunciaramnos o armisticio, pelo qual os
1'. uianos e es Inglezes deviam oceupar as bar-
reiras de Paris, e o exercito francez relirar-se pa-
ra aim do Loire.
Ento foi to viva a indignajo de todos os que
tinham sentimentos, qae a colera nos tomn furio-
sos ; uns quebravam as armas, outros rasgavam
as fardas, e todo o mundo grita va:
Estamos (rbidos... fomos entregues I...
Os offlciaes velhos, araarellos como defuntos, fi-
cavam immeveis, com as faces inundadas por la-
grimas. Ninguem podia socegar-nos. Tinhamos
cabido quanto se podia cahir: eramos um povo
conquistado I
Ainda d'aqui a dous mil annos se dir que Paris
foi lomado pelos Inglezes e Prussianos. E' ama
vergonha eterna, mas essa vergonha nao cahe so-
bre nos.
O batalhao parti de Vaugirard s cinco horas
da tarde, em 5' de julho, para ir pernoitar em Mon-
trouge. Quando vimos que comejava o movimen-
lo do lado do Loire, cada um disse comsigo :
Que homens somos nos ? Pois havemos de
obedecer a Prussianos ? S porque os Prussianos
nos querem ver na outra raargem do Loire, have-
mos de fazer a vontade aos Prussianos I Nao, nun-
ca, isso nao pode ser I Trabtramnos ? Pois vamos
d'aqui embra I Nao temos mais nada a fazer.
Camprimos com o nosso dever. Obedecer a Blu-
cher, isso nao I
E nessa mesraa noute comejou a desercao. To-
dos os soldados se retiravam era differentes direc-
c5es.
Pobres velhas e homens de camisola de riscado
queriam levar-nos para as suas ras sem conta, e
tratar de nos dar consolares. Mas nos nao pre-
cisavamos de consolajoes. Eu disse a Bache:
Deixemos todo isto. Tornemos para Phals-
burgo e para o Harberg. Voliemos nossa vida
antiga, e vivamos como gente de bem. Se os
Prussianos, os Austracos ou os Russos li chega-
rom, os raontanhezes e os da cidade nao de saber
defender-fe- Nao (eremos necessidade de grandes
baiallus para dar cabo de milhares deiles. Va-
mos!
No batalhao eramos uns qainze da Lorena. Par-
timos todos juntos de Montrouge, onde estava o
quartel-general, e pastamos por Ivry e Cbarenlon
que sao sitios de admiravel belleza; mas a dor nao
nos deixava ver a quarla parte do qae hivia para
ver. Uns conservavam o uniforme, outros nao ti-
nham senao o capote, outros tinham comprado ca-
mislas.
Do outro lado de Chareoton, aim de urna fl)"
resta onde se veem altas torres esquerda, e que
nos disseram ser Viocennes, achamos emflm a es-
trada de Strasburgo. Era no dia 6 pela manha,
e desde esse sitio Ozemos regularmente as nossas
doze leguas por dia.
Em 8 de julho j se sabia que Lulz XVI nao
tardara a chegar, e que o conde de Artois arran-
jaria a salvajo da sua alma. Todos os carros
carrojdes e deligencias j linham bandeira branca
e flor de lis; em todas as aldeas por onde passava-
mos, cantava-se o Te-Deum; os administrtrores.e
substitutos e camaristas louvavam e gloridcavam o
Senhor por voltar Luiz o bem amado.
Maltrapillos que nos viam passar chamavam-nos
bonapatttslasl e acirravam os caes contra nos. Mas
nem quero fallar nisto; essa gente a vergonha da
especie humana. Nao lhes. respondamos senao
com um olhar de desprezo qae anda os fazia mais
insolentes e furiosos. Muitos dos nossos faziam
signaes cemos paos, como quera diz:
Se vos pilhassemes em um canto, flcarieis
mansos como cordeiros. -co-.
Mas a polica era em favor de todos esses Pina-
ces; em tres ou quatro partes os gritos da cana-
lha izeram-nos parar. Os soldados da polica vi-
nham pedir-nos os nossos pasaportes; levavam-uos
a adminislrajo, e os patifes obrigavam nos a gri-
tar : Viva o rei I
Era urna cousa verdaderamente abominavel; os
soldados velhos deixavara-se levar para a pri-
sao. Buche queiria seguir o seu exemplo, mas eu
dizia-lhe:
Que mais custa dizer viva Pedro do que vi-
va Paulo? Todos esses reis, esses principes,
esses duques velhos e novos, nao dariam um s
dos seas cabellos para nos salvarem a vida; e en-
to havemos de arriscar a pe le sopor bao querer-
raos dizer que viva Paulo ou Marlinho ? Que te-
mos nos com estas cousas ? Visto que os homens
sao to brutos, e qae nos nao sordos os mais for-
tes, o melhor fazermos o que elles quizerem. L
vira um dia em qae gritem outra cousa, e depois
ainda ha de ser outra cousa. Tudo muda neste
mundo I s o bom senso e o bom corajao que
nao mudam.
Buche nao quera dar ouvidos a estas razoes,
mas quando via os soldados da polica, obedeca
logo.
Assim como iamos vencendo caminho, a-se Sepa-
rando do rancho para entrar na sua aldea ora um,
ora outro cmara ja; de maneira que de Tuul por
diaole eu nao tinha por companheiro senao
Buche.
Fomos nos que vimos anda o mais triste espec-
tculo: Austracos, bavaros e Russos em grande
multido, senhores de Lorena e da Alsacia. Fa-
ziam exercicio em Luneville, em Blamont,.am Sar-
reburgo, cora ramos de carvalho e de loureiro as
barretinas estragadas.Que dor a nossa vendo
esses selvagens que viviam e enchiam a barriga
custa dos nossos aldeos I..... Ah multa razo
tinha o Sr. Goulden em dizer que a gloria das ar-
mas custa caro. Tudo o que mais desejo agora
que o Senhor nos livre della por seculos de
seculos.
Em fim, em 16 de julho, pelas onze horas da
manhaa, chegamos a Mittelbronn, ultima aldea na
encosta de Phalsburgo. O bloqueio estava levan-
tado desde o armisticio; cossacos, landwehrs e
kaiserlibs enheiam todo o paiz; ainda tinham as
suas bateras montadas de redor da praja, mas ja
nao faziam fogo. As portas da cidade estavam
abenas, e lodos sahiam para as colheitas.v
Havia grande necessidade de calher os (rigos e
centeios, porque se pode imaginar qual seria a
miseria, com tantos milhares do creaturas inuteis
a comer, e que nao poupavam nada, e queriam
todos os dias do bom e do melhor.
A todas as portas, a todas as janellas, nao vamos
senao narizes chatos, compridas barbas ruivas e
imraundas, fardas brancas cheias de bichos, e
barretinas-baixas de soldados que furaavara no seu
cachimbo no regajo da preguija e da embria-
guez. Era preciso trabalhar para elles, e atina!
ainda foi preciso dar-Ibes dous mil milbdes para
que se resolvessem a deixar-nos.
Quantas cousas havena a dizer a respeilo de
todos esses vadios da Russia e da Alleraanha, se
nao livesseraos feilo dez vezes mais as suas ier-
ras I ....... Mas melhor que cada um faja as
suas reflexes e imagine o resto.
Defronte da estaiagem de Heilz, disse eu a
Buche: .
Entremos..........j nao tenho forja as
pernas.
A ta Heilz, que ento ainda era urna rapariga,
gritava, levantando as raaos :
Ah, raeu Deus I.......... o Sr. Jos Ber-
Iha I....... Sauto Deus, que adrairajo vai fazer
na cidade I
Eutre, asseutei-m e debrucei-ine sobre a mesa
para chorar a vontade. A ta Heilz foi logo bus-
car ama garrafa de vi o lio adega. Eu ouvia Bu-
che que sjlu java a ura canto. Nao podamos fallar,
nem um nem o outro, pensando na alegra dos
nossos prenles; a vista da (erra natal (inha-nos
suffocado de alegra, iembrando-nos que os nossos
ossos descanjariam ura dia em paz no cemiterio
da nossa aldea, e que iamos abracar aquellos a
quem mais queramos no mundo.
Depois que descansamos um pouco e cobramos
forjas, disse eu a Buche:
Tu vais adiante. Eu sigo-te de longo 'para
que minha mulber e o Sr. Goulden nao sffrara
por excesso de surpreza. Comejars por dizer-lhes
que rae .encontraste no dia seguinte ao da batalha,
sem ferlmento nenhum ; depois que me tornaste a
ver nos arrabaldes de Paris, e mesmo na estrada ;
e s no Um qae dirs que te parece que nao es-
| tarei longe e que nao poderei tardar muito em ap-
parecer. Emendes ?
uniendo, disse elle levantando-se, depois de
' ter despejado o seu copo. E ser isso tambera o
que farei com minha mi que me quer mais do
que aos outros rapazes. Heide mandar alguem
adiante.
Sahiu logo e espere! alguns instantes. A ta
HeiU fallava para mim, mas en nao sei que ella
dizia ; estava a pensar no Buche j ao ip das li-
1 nhas avanjadas e a passar a porta da Alleraanha.
De repente levantei-me e sab dizendo :
Ta Heilz 1 e virei pagar-lhe o que devo 1
E deitei a correr. Parece-me que encontr! tres
ou quatro pessoas que me gritaram : .
Ola, Jos Bertha I..
Mas nao posso jura-lo. De repente, sem saber
como, achei-me as escadas da nossa casa, e de-
pois ouvi um grandegrito: Catharina eslava nos
meus brajos! Eu tinha acabeca ura pouco deso-
rientada, e s passados alguns instantes que me
senti como acordado de nm sonho, a vi a sala, e o
Sr. Goulden, e Jofto Buche e Gatharina, e vieram-
me taes solujos qae quem assim me visse diria que
me tinha acontecido urna grande desgraja. O Sr.
Goulden nlo dizia nada, nem Buche. Eu tinha
Catharina assentanda sobre os meus joelhos, e
abrajava-a e ella chorava. E s depois de muito
temp que pude dizer :
Senhor Goulden, perdeu-me Eu j o dovia
ter abrigado, ao senhor que o mea pai e que
amo tanto como a mim mesmo, mas nao pude!
Est bom, Jos, est bom disse elle muito
enternecido : bem conhejoas cousas...."e nc-sou
cioso.
E hmpava os olhos.
Sim, sim----- O amor a familia... e
depois os amigos. E' natural, meu filho, natural.
Nio te afflijas.
Ento levantei-mo e fui aperta-lo ao mea peito.
Eramos bem fellzes. As primeiras palavras qae
me disse Catharina forara estas :
Jos, eu bem sabia que havias de tornar; ti-
nha toda a minha conflanja em Dos I... Agora
esto passadas as nossas maiores miserias. Nun-
ca mais nos separaremos.
Eu linha-a feito assentar outra vez sobre os meus
joelhos, com um brajo deitado sobre o meu hom-
bro ; olhava para ella e ella abaixava os olhos,
muito palllda. As suas palavras e a sua presenja
enchiam-rae da mais suave alegra.
O Sr. Goulden, ao p da banca do trabalho, sar-
ria. Joo, era p, ao p da porta, dizia :
Agora vou-rae erabora, Jos ; voa ao Har-
berg ; raeu pai e minha av esperam-me.
E estendia-me a sua mo, que eu segurava, di-
zendo-ihe :
N9 vas ainda, Joo...... jamars com-
nosco.
O Sr. Goulden e Catharina tambera pediam, mas
elle nao quiz esperar. Abrajando-o no escada, co-
nbeci que o amava como a um irmo.
Depois voltou muitas vezes a nossa casa. Todas
as vezes que veio cidade, durante trinta annos,
nunca deixou de apparecer. Agora repousa atraz
da igreja de Hommert I Era um horaem honrado,
ura excedente corajao----- Mas em que vou eu
falla ?
vejo que o espirito marcha sempre, e que os ho-
mens do campo dariam a sua ultima camisa para
a illustrajo dos seus fllhos.
Infelizmente nao temas bastantes meslre-escolas,
e a Instrucjo fica muito cara.
Ah I se tivessemos menos soldados e mais pro-
fessores, tudo havia de ir muito depressa. Mas
paciencia; esperemos.
O povo corneja a comprehender os seus direitos ;
sabe que o sangue que se derrama, |a carne que se
despedaja, os ossos que se esmigalham nos campos
de batalha, sao os seus os:os, a sua carne, e o seu
sangue.
Tambem sabe que das guerras nao resollam se
nao augmentos de contribu jo ;s ; e quando elle
disser : Em lugar de mandar os meus fllhos a
morrer aos milhares pela espada e pelo caohao,
quero que os instruara e que fajara deiles homens I
quem que se atrevera a querer o contrario, visto
que hojeo povo quera manda ?
Com essa esperanja me despejo de vos todos
meus amigos, e vos dedico um abraco de todo o
meu corajao.
fim.
CM POICO DE TUDO.
Na ordem dos anSes tem havido grandes ho-
mens.
A noticia de muitos an5es Ilustres nos veem da
mais remota antiguidade; e at o Viajante Uni-
versal nos falla maravilhosaraente do reino dos
anoes.
Anoes tem havido, grandes as sceacias, gran,
des as lettras, e at muito grandes as tretas.
Notheatrotem elles por vezes brilhado, yj dan-
cando,j cantando e at tocando, desoy instrn-
raenlo mais difflcil al ao popular e simples as-
sobio.
Anoes immortaes, que legando ao mundo a no-
ticia de feitos maravilhosos, de todos os dias e de
todos os seculos, tem mesmo registrado em paginas
brilhantes e circulantes o nome e acjoes de princi-
Comtudo preciso por termo a e.ta I storia, e Pes famosos> ^s s por an0es feowsissimos p-
ainda nao disse nada da mi de Catharina, que jdem ser cond'gnaraente cora memorados,
ebegou urna hora depois. Ah, ella quelevantava
os bracos, ella que me aperlava gritando :
Jos!... Jos... escapaste de tudo I Que
te venham agora c buscar outra vez, que ve-
nham I Ai, coma eu estou arrependida de te ter
Honra, pois, aos anoes de lodos os tempos ; por-
que todos os seculos tem anoes, e todos os anoes
tem seu seculo.
O pygmeu da raja dos andes, a mais dlstincta.
O pygmeu pJe at ser gigante, e tanto qm ha
deixado r Como tenho amaldijoado o servijo ; pouco appareceu ah o Gigante Pygmeu.
militar... e tudo o mais Mas erafira ests aqui II Se ura ano pode ser celebre, tambem o pyemeu
Est bom I O Senhor teve d de nos jo ple ser.
E' verdade. Tudo isto, todas estas historias do! Py8meu Pde Perder os cabellos da inlelli&en-
que passou,quando a gente pensa n'ellas ainda fazem cia>corao aD5dS lliustres es lem perdido,
vir aslagrimas aos olhos. E' como um sonho.um so-! Asfaculdades do pygmeu s> o apurado do ano
nho esquecido de ha annos e annos.e comtudo a vi- "u0,
da. Essas alegras e essas dores.de que nos lerabra- \ O pygmeu imper
mos, sao ainda as nicas cousas que nos prendera '8ante P>'8meu
trra, e quo fazem que na velhice, quando as! PF** lem nalural sympatha pelo ano, e o
forjas vo desappareceudo, quando a vista enfra- eloSio reciproco nos atordoa os ouvidos, como a raa
quece, e quando um homem j nao seno a som- n0 charco-
bra do que foi, nunca ha pressa de partir d'este E' do temP> nao admira' Por 1ue lempo da ao
mundo e nunca se diz : Basta ltraP 1ae e seu
Essas recordajoes dos tempos amigos esto sem-' E assia) deixaremos de brajo dado o ano com o
pre vivas ; quando um hornera falla dos perigos Pygmeu
que correu, parece-lhe que est no meio deiles; se'
falla dos amigos velhos-cuida que ainda lhes aper- i
la a mo ; se falla da mulher que mais amava, afl- caP'la0 Sherar Osborn, celebre por sua viagem
gura-se-lhe que ainda a (em sobre os joelhos, e que ao Pol do norte' acaba de apresentar sociedade
a contempla dizendo de si para si : Como geographica de Londres um projecto de explorajo
bella I das regiees polares.
i o que outr'ora Iba pareca justo, honesto e Ha, elToctivamente, em redor do polo urna super-
acertada, ainda hoje justo, honesto e acertado. : fil'ie de tres milhares de metros quadrados que est
Lerabra-me, e acabarei com isto esta comprida completamente em branco nos nossos mappas,
historia, lembra-rae quo depois da minha volta a de summo inleresse saber se a totaliJade desta su-
casa, durante alguns raezes e mesmo annos, ama! perflcie urna soldo fria e silenciosa, ou se, como
grande tristeza ia no seio de lodas as familias, e alguns sabios asseveram, dove ser ura conjuncto de
trras e mares accessiveis ao homem.
Maury emillio ha pouco urna idea anloga com
relajo ao polo do sul.
que ninguem se atreva a fallar livremente, nem a
manifestar desejos de gloria para o paiz. At Ze
bedeu, que foi um dos que partiram licenciados pa-
ra alera do Loire, o propno Zebebeu tinha desani-
mado. A gazeta de Augsburgo annuncia que se tem
Isso vinha das vinganjas, dassentenjas e dos fu- vendido 100,000 exemplares da edijao Ilustrada e
zilainentos, dos assassmalos c das corapeusajoes de esto esgotadas taes edijSes populares da historia
toda a especie; isso vinha da nossa Iiurailhjo, de Julio Cesar por Napoieo III.
dos cento e cincoenta mil allemes, inglezes e rus- [ A edijao de luxo, chamada edijao imperial,
sos, que tioham guarujo as nossas fortalezas, cujo prejo era de 50 francos por volume, poucos
das indemnisajoes de guerra, dos mil railhoes pa- j das depois da publicajo veodia-se j a 100 fran-
gos aos emigrados, das contribujes forjadas e eos; pouco depon s >eobtnha algum raro exera-
priucipalmeole das leis coutra os suspeitos, contra piar por 150 francos, e, segundo noticias de Paris,
os sacrilegos, e em favor dos direitos de primoge-'. nao se encontra j hoje por dinheiro nenhum.
nitura que se queriam reslabelecer, corao nesse
tempo se dizia. '"
Todas essas cousas, contrarias ao bom senso, a academia franceza esl neste memento cor
contrarias honra da najo, contrarias a tudo o nieta.
que desojara os corajoes honrados, com as denun-
cias dos Pinacles, com as injurias aos velhos solda-
dos a quera se dava o nome de salteadores do Loi
re, e principalmente aos velhos revolucionarios, to-
das essas cousas linham acabado por nos fazer
sombros.
As 40 cadeiras esto todas oceupadas.
Um calculador aproveitanio esta oceurrencia
para dar urna especie de estalistica do que se cha-
ma em Franja o primeiro corpo Iliterario, teve a
paciencia de escrever a seguinte lista dos 40 im-
mortaes, com indicajoes da idade de cada um des
Por isso, quando estavamos sos com Catharina ses no principio desle anno.
o Sr. Goulden dizia com ar scismador
Jos, o nosso desgrajado paiz est bem des-'
cnido I Quando Napoieo loraou a Franja em '
1804, era ella a maior e a mais poderosa das na-
joes; todos os outros pavos nos admiravam e nos
invejavam I H)je estamos veocidos, arruiuados, tual, 7o.
desgranados. O iniraigo oceupa as nossas fortale-
zas, e lem nos o p sobre o pescojo. O que nunca
se tinha visto desde que a Franja Franja os
estrangeiros senhores da nossa capital I E' o que
vimos duas vezes em dous annos I Ah est o que
custa pora liberdade, a fortunae a honra as mos
de um ambicioso I----- E' verdade ; estamos em
urna posijao bem triste; parece que a nossa gran-
de revolujao est mona, e que os direitos do ho-
mem asto anniquilados. Nao importa I nao des-
animemos ; tudo isto ha de passar. Os que vo
contra a justija e a liberdade siro derrotados; os
que qaerera reslabelecer os privilegios e os ttulos
ho de ser tidos na conta de doudos. A grande
najo descansa, pensa nos seus erros, observa os
que querem dar-lhe urna direcjo contraria aos
Eis a lista :
Mr. Villemain, nasceu em 1790, idade actual, 75.
Mr. Lebrun, nasceu em 1785, idade actual, 8o-
Mr. de Barante, nasceu em 1782, idadt, actual. 83-
Mr. de Lamartine, nasceu em 1790, idade ac-
seus interesses; l no fundo das suas almas; e
apezar dos suissos, apezar da guarda real, apezar
da santaalliaoja, quando ella estiver furia de to
das essas miserias, ha de livrar-se dessa gente de
um dia para o outro. E nao haver que lbe fazer,
porque a Franja quer a liberdade, a igualdade e a
jastija 1 A nica cousa que nos falta a instruc-
jo ; mas o povo ins(rue-se (odos os dias; e tira
proveilo da experiencia e das desgrajas. Eu talvez
nao tenha a ventura de ver o acordar da Franja,
porque estou muito velho : mas tu has de v lo e
esse espectculo te dar consolajdes para o que
passou ; ters orgulho de pertencer a esta najo
generosa, que vai muito adiante das ostras desde
1789 ; os instantes em que para sao s pequeos
descansos em urna longa viagem.
Esse homem de bem, at a sua ultima hora, con.
servou a sua serenidade e conflanja.
E en vi realisadas as suas palavras; vi outra
vez a bandeira da liberdade ; vi a najo crescer
em riqueza, em prosperidade em mstrucjo ; vi os
que queriam sopear a justija e reslabelecer o an-
tigo rgimen, obrigados a retirar de Franja ; e
Mr. Segur, nasceu em 1780, idade actual 85.
Mr. de Pongerville, nasceu era 1792, idade ac-
tual, 73.
Mr. Cousin, nasceu em 1792, idade actual, 73.
Mr. Vienet, nasceu era 1777, idade actual, 88.
Mr. Dupln, nasceu em 1783, idade actual, 82.
Mr. Thiers, nasceu em 1797. idade actual, 68.
Mr. Guizot, nasceu em 1787, idade actual, 78.
Mr. Mignet, nasceu em 1796, idade actual, 69.
Mr. Flourens, nasceu em 1794, idade actual, 71
Mr. Hugo, nasceu em 1802, idade actual, 63.
Mr. Patn, nasceu em 1793, idade actual, 72.
Mr, Saint Marc Garardin, nasceu em 1801, idade
actual, 64.
Mr. Salnte Beuve, nasceu em 1804, idade ao-
tual, 61.
Mr. Merimee,nasceu em 1803, idade actual, 62-
Mr. Vilet, nasceu em 1802, idade acta!, 63.
Mr. Remassat, nascen em 1797, idade actual, 68.
Mr. Empis, nasceu era 1790, idade actual, 75.
Mr. de Noailles, nasceu em 1802, idade actual,
63.
Mr. Nisard, nasceu em 1806, idade actual, 59.
Mr de Moalalerabert, nasceu em 1810, idade ae-
tnal, 55.
Mr. Berrixer, nasceu em 1790, idade actual, 7o.
Mr. Dupanloup, nasceu em 1802, idade actual,
63.
Mr. de Sa.cy, nasceu em 1801, Idade actual, 64.
Mr. Legouv, nasceu en 1807, idade actual, 58.
Mr. o duque de Brogiie, nasceu em 1789, idade
actual, 66.
Mr. Pensard, nasceu em 1814, idade actual, 51.
Mr. de Falloux, nasceu em 1811, idade actual,54.
Mr. Augler, nasceu em 1820, idade actual, 45.
Mr. Laprade, nasceu em 1812, idade actual, 52'
Mr. Sandeaa, nascea e 1810, idade actual, 53.
O principe de Brqglie,) nasceu em 1821, idade
actual, 44.
Mr. Feuille, nasceu em 1822, idade actual, 43.
Mr. de Carn, nascea em 1804, idade actual, 61.
Mr. Dufaure, nascea em 1798, idade actual,67.
Mr. Ducet, nascera era 1812, idade actual, 53,
Mr. Prevost ijaradoi, nasceu em 1829, idade ac-
tual, 36. j
Conta un jornal francez que um amador de m-
sica, domiciliado no bairro de Marais, convidou al-
guns amigos para ouvirem em sua casa um tenor
sem nome e sem escriptura.
Nem loaos pdem ouvir em casa a barmoniosa
voz de Adelina Patti.
O tenor cantou urna aria do Gmlherme Tell
urna aria do Gazza Ladra, e urna aria do Cont
Ory.
Gustis muito da msica de Rossini t Ihe per-
guntou o ampbylrio.
E' o compositor, cuja msica eu preflro
cantar.
Gonheceis ento o sea barbeiro ?
Nao, senhor, eu fajo a barba a mim mesmo.
>eo
Foi ha pouco escrpturado para um circo de Ma-
drid o clebre Lotard, e logo n'urna das primeiras
represenlajes foi victima de om accidente tao la-
mentavel como imprevisto.
Ao executar os seus exercicios, Lotard calculou
mal as suas evolujSes, e um trapezio mal lanjado
achando-se fra de alcance no momenlo em que,
depois de atravessar o espajo, devia segurar-se
a elle, o voador sem azas cahio e fracturou urna
perua.
Foi emRoma, 158 annos antes da era christaa.que
se servirm pela vez primeira de Instrumentos desti-
nados a marcarera as boras de clepsydros, ou re-
logios de aguas.
Os relogios e os meridianos foram collocados as
igrejas 913 annos depois de Chrislo.
Os sinos para dar horas inventados pelos rabes
em 881, forara novaraente inventados pelos italia-
uos em 1300.
A abbadia de Westmlnsler foi urna das primeiras
igrejas em que se collocou ura relogio dando as lio
ras (1368).
S mais larde, em 1540, conseguiram regular os
movimentos.
O primeiro relogio marchando regularmente foi
fabricado na Inglaterra; arada hoje existe no pa-
lacio de Hampton Court, e Iraz a data de 13i0 e
as iniciaes N. O.
As penduias foram inventadas por um Hollandez
chamado Fromenlel, em 1G56.
Os relogios de algibeira foram invernados em
Noremberg, em 1477, e j era 1500 deiles se ser-
viam para as observajoes astronmicas.
O imperador Carlos V foi o primeiro a possulr
alguma cousa que se assemelhas3e, posto que de
bem longe, aos nossos actuaes relogios (I530J.
Os relogios de algibeira foram introduzidos na
Allemanha para Inglaterra em 1577.
A industria da relojoaria desenvolveu-sealli r-
pidamente, e por largos annos a Inglaterra fabri-
cou relogios para o muodo inteiro.
Deve-se a um inglez chamado Hooke a invenjo
dos relogios de molas (1658), e a dos relogios de
repeticao a ouro inglez por nome Barlow (1676).
Era 1631 comejou a generalisar-se o uso dos re-
logios e das pndulas.
L-se no Correio Paulistano o seguinte :
t Escrevem de Santos que o jury ltimamente
reunido para julgar o processo -Christipode
considerarse o mais clebre e importante que lora
havido no Brasil.
A sesso do julgamento durou 7 das completos,
dos quaes 3 foram oceupados pelos julgadores re-
tirados na sala em conferencia.
Eram 14 os reos, 2 pacientes e 2 autores4 1 ad-
vogado de aecusajao, 3 ditos de defeza.
O aecusador fallou por mais de 3 horas. 2 advo-
gados da defeza fallaram por oulro tanto tempo
houve replica de aecusajao por igual numero de
horas, e replica do terceiro defensor por oulro tan-
to tempo.
O juiz de direito levou um dia e metade da noite
a escrever os quesitos; estes foram 576, divididos
em 55 quesitos, e escriptos era 31 folhas de papel;
os autos continham 424 folhas.
Foram condemnados 13 reos e absolvido 1.
O conselho dos 12 foi presidido pelo Sr. Joaquim
de Jess Pereira, ajudanie da inspectora da al-
indola,
A Gazeta Oficial de Madrid acaba de pdblicar
um decreto reduzindo os direitos de importajo
que pagara as farinhas era Cuba e Porto-Rico.
Do 1 de julho do correnle anno em diante esses
direitos sero:
Para a farinha hespanhola, procedente de portos
hespanhes e sob bandeira hespanhola, de 2 escu-
dos (nm peso forte) por barrica de 92 kilogram-
mas.
Para a farinha estrangeira importada em navio
hespanhol, de 7 escudos.
Para a farinha estrangeira importada em novio
estrangeiro, de 10 escudos.
A exposijo que precede o referido decreto con-
tera os seguinles interessantes dados estatisticos.
Conforme o recenseamento de 1862, a populajo
de Cuba constava de 1,359,238 habitantes, com ex-
cluso do exercito, da marraba e da populajo Que-
mante, principaes consumidores de pao, e assim o
total da populajo pde-se cacular em 1,400,000
almas.
O termo medio do consumo annual de farinha
de 400.000 {barricas de 187 1|2 libras, ou sejam
75,000,00o de libras, o que d para cada habitante
cerca de 33 libras por anno.
Deduzndo-se ainda do numero indcalo dos ha-
bitantes a populajo escrava, que nao consom
pao, e que sobe a 398,550 almas, result urna po-
pulajo livre de 1,031,450; pela qual tendo repar-
tido o consumo dos 73,000,000 de libras de fari-
nha, tocar a cada individuo cerca de 72 libras
por anno,
Assim, pois, aquella to florescente colonia con-
som menos trigo que a capital, menos povoada
Pennsula bespanhola. .
A propria populajo europea ou de origem eu-
ropea restringe alli o seu consumo de pao, e essa
populajo, segundo o referido recenseamento, se
eleva a 797,000 almas; de sorie que suppondose
que s ella coma pao, ainda resulla um consamo
de cerca de 97 libras por anno para cada habitan-
te ; quando em Hespanba esse consumo se eleva
a 400 libras annuaes.
PERNAMBITCO.-TYP. DE M. f. DE F. & KILtO
%
ILEGTVEL
-^^- -
[ MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1KU29DEM_1MHXL6 INGEST_TIME 2013-08-27T23:57:43Z PACKAGE AA00011611_10697
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES