Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10695


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Homero m
Por qaartcl pago dentro de 10 das de l. mez ... t
dem depois dos l.081 Odias do comecoe dentro do qaartel.
Porte ao eorreo por tres mezes..........,
SfOOO
6$000
750
SABBADO 17 DE JWHO DE 1865.
Per anno pago dentro de 10 das do 1. mez >,,.,.. 191000
Porte ao correio por um anno........,.,.,, SfOOO

.--
DIARIO DE
....... ......un i i i i _.-. i .. ....i.. .i................ -..... -
OS DA SUBSCRIPCXo DO NORTE .,. PARTIDA DOS ESTAFETAS. Segunda vara do cive
',, .. hora da tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio AleiMdrino de Lima;
Nai.il, o Sr. Antonio Marque da Silva; Araoaty, o
Sr. A. de Lentos Braga; Ceari, o Sr. J.Jos de
Oii reir; Maranhao, o Sr. Joaqalm Marques Ro-
drigues ; Par, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
f unos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Uias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, % Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS E8TAFETAS.
a, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
1 Agoa Preta, todos os dias.
Iguajrass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerro, Bonito, Caruar,
Alitioho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Cnselho, Aguas Bellas e Tacarat, uas tergas
feiras.
Poi'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Inazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta! Ouricury, Salgoeiro e Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras,as quintas
feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JUNHO.
1 Quarto cresc. as 6 h., i m. e 58 s. da m.
9 La cheia as 7 h., 21 m. e 16 da m
16 Quarto ming. as 4 h., 33 m. e 28 s. da m.
23 La nova as 5 h., 37 m. e 34 s. da m.
30 Quarto cresc. as 11 h., 20 m. e 31 s. da
Tribunal do commercio : segundas e quintas. '
Relacao: tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s-10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tergas e extas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do c vil: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
12. Segunda. S. JoSo de S. Facundo; S. Onofre.
13. Terca. S. Antonio de Lisboa f. padr. do Disp.
14. Qiiila. S. Basilio magno b. dout. da egr.
lo. Quinta, cga Corpo de Deus. S Modesto m. >
16. Sexta. S. Joo Francisco Regs; S. Julia m."
17. Sabbado. S. Thereza r. de Lyo; S. Rainero.
18. Domingo. Ss. Leoncio,Tribuno e Theodulo nm
PRF.AMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 54 m. da manhaa.
Segunda as 11 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Reclfe, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE GFFIGIAL
gotoso di rwmnciA.
Bxpediente de dia 13 de junho de iSf.
Offkio ao coronel commandante das armas.
Expega V. S. as suas ordens para que o corpo de
voluntarios, os 38"recrutas e 2 desertores que vie-
ram do Rio-Grande do Norte embarquem no vapor
Japnaribe, com destino a corte no dia 15 do cor-
rente, ficando V. S. certe de que a thesouraria de
fazenda est aulorisada a mandar pagar com ur-
gen ia os vencimentos que por ajuste de cootas
competirem aos clBcia"s e pragas de pret daquelle
corpo, ebem como a passarlhes guias de soccorri-
menti. Offlciou-se neste sentido a thesouraria de
fazenda.
Dits ao mesmo.Infrmeme V. S. sobre o que
pede o soldado da companhia de voluntarlos da pa-
tria de homens pretos Epiphanio Ferreira da Res-
surreigo, no incluso requerimento, mandando V.
S. inspeccionar novamente o supplicante.
Dito ao mesmo.loforme V. *. sobre o que pe-
de no incluso requerimento o 2o cadete Io sargento
do 2o corpo de voluntarios da patria, Vicente Fer-
reira de Carvalho.
Dito ao mesmo.Informe V. S. sobre o que pe-
de no incluso requerimento o soldado do 2 corpo
de voluntario da patria, Joo Jos do Espirito San-
to, mandando inspecciona-lo novamente.
Dito ao mesmo. A vista da informago minis-
trada por V. S. em officio n. 996 de 7 do corrente,
<;om referencia ao requerimento do 2o tenente re-
formado Flix Miguis, convenho em que seja
transferido para o 4o batalho de ariilharia a p o
filho do supplicante Geminiano Infante Lumacki
Miguis, 2o cadete, da companhia de cavallaria : o
que declaro a V. S. para expedigao das convenien-
tes ordens.
Dito-ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar alis-
tar no 2o corpo de voluntarios da patria com desti-
no a respectiva msica, havendo delles preciso,
o cidados Juo dos Santos Vieira, Manoel Anto-
uio da Silva e Joaquim Ferreira Pinto, que me de-
clararan) tocarem cirmela e requinta.
Dito ao Dr. chefe de polica.Em vista do que
solieltou o administrador da casa de detengao em j
ofttno junto ao de V. S. n 649 de8 do correte, re-1
solv nesta data que all continuassem no servigo
em que se acham os 4 guardas da secgao urbana
do corpo de policia.mencionados no officio do mes-1
dw administrador.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Fica autonsada.sob minha respousabilidade, a des-!
peza na importancia de 455600, feita pela collec-
oria do municipio de Flores em vista da autorisa-
gao desta thesouraria com diarias abonadas a di-
versos recrutas, e que Ihe nao pode ser levada em
conta por falta de crdito segundo consta do offi-
ci de V. S. datado de 10 do corrente e sob n. 394,
o qual fica assim respondido.
Dito ao mesmo.lnteirado pelo seu officio de 10
do corrente sob n. 393, de nao poder actualmente
ser paga por falla lie crdito a quanlia dr 7 25400
proveniente * ^a m*-
nisti-rio da guerra a bordo dos vapores' da compa-
nhia Pernambncana, lenho a dizer em resposta que
mande effectuar esse pagamento logo quehaja quo-
ta para elle.
Dilo ao mesmo.Transmuto V. S. o pret es-
pecial junto em duplcala, que me remetteu o
coronel commandante das armas com officio
de 10 do correte sob n. 102, tirando vencimen-
tos, a que tem direito o prlmeiro sargento do se-
gundo corpo de voluntarios du patria Ludgero An-
tonio de Frenas Guerra, no temio decorrido do
seu alstamento em Caruar, ao em que assentou
praga nesta capital, alim de que mande pagar a
importancia do mencionado pret sob minha res-
ponsabilidade, nos termos de decreto, n. 2884 do
Io de fevereiro de 1862, se para esse lim nao hou-
ver crdito.
Dito ao mesmo.Mande V. S abonar ao procu-
rador do alferes de cavallaria Ignacio Pereira Ser-
ra, acontar do primeiro de julho vindouro em dian-
te, o sold que elle pretende con-ignar-Ihe como
declara no requerimento que aqui junto, para ali-
mentos de sua famlirCommunicou-se ao coro-
nel commandante das armas.
Dito ao mesmo. Tomando em eonsideraco o
que expz o coronel commandante das armas no
officio junto por copia, datado de 7 do corrente e
sob n. 99S, recommendo Y. S., que mande pa-
gar at ulterior deciso do governo imperial os
vencimentos relativos ao mez de maio ultimo, e
seguintes do tenante do stimo batalho Manoel
Jos dos Santos Potlella, que apezar de haver tido
ordeni para marchar para a corte a reunir-se a
seu corpo, foi o cumprimento dessa addiado por
ter sido submettido ao mesmo governo o mau es-
tado de saude desse official. Communicou-se ao
coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.A' vista dos inclusos requer-
melos mande V. S. abonar em os devidos lempos
aos procuradores do capito Manoel Porfirio de
Castro Aranjo, tenente Manoel Joaquim Machado
9 alferes Joaquim Vellozo daSilveira, os sidos
das respectivas patentes que elles pretendem con-
signar nesta provincia, sendo os dous primeiros a
contar do primeiro do corrente e o ultimo do pri-
meiro de julho vindouro em diante Cammuni-
cou-se ao coronel eommandanle das armas.
Dilo ao mesmo Remeti inclusos os requeri-
mentos do tenente Jos Elias de Mello e alferes Fran-
cisco de Souza Ferreira Rabello.ambos do segundo
corpo de voluntarios da patria, para que V. S.
mande abonar pela collecloria de Goianna, e a
contar do primeiro de julho vindouro em diante
as quantias que elles pretendem consignar dos
xesoectivos sidos para alimentos de suas familias,
sendo a do primeiro 30,5000, e a do segundo 20$
mensaes. Communicou-se ao coronel comman-
dante das armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Respoodeodo ao officio de 8 do corrente, sob n.
228, em que V. S. me parlicipou haver Joo Car-
los Augusto da S.lva, dando por fiador Jos Flix
da Rosa, arrematado, cora o abate de 2 por cenlo
nos precos das respectivas tabellas, o fornecimento
do sustendo dos presos pobres da casa de detengao,
durante o trimestre de Junho a setembro deste
anno, tenho a dizer que approvo essa arremata-
cao.
Dito ao mesmo.Pelo officio que V. S. me di-
rigi em 8 do corrente, sob n. 229, fiqoei inteirado
de haverem Guimares Oliveira, dando por fia-
dor Jos Morira da Silva, arrematado com o abate
de 3 por cenlo nos pregos dos respectivos orga-
mentos, n fornecimento dos objectos para o expe-
dienta das repartig>s provnciaes no exerclcio
prximo vindouro, e em resposta tenho a dizer
que approvo essa arrematago
Dilo ao mesmo Accusj recebido o officio de 8
do corrente, sob n. 227, em que V. s. me partid-
pon haver Jos Fernandes da Silva Daltro arrema-
tada com o abate de 33 por cento, no valor do res-
pectivo orgamento, e garantido o contrato com o
deposito de apatices da divida provincial, a pintura
das pontes da estrada da Victoria, e em resposta
lenho a dizer que approvo essi arrematago.
Dito ao mesmo.Attendendo ao que no incluso
Teqnerimento, expoz a professora da cadeira da
cidade de Caruar, Joaquina das Mercs Ferreira,
e tendo em vista o que a esse respeito informou o
director geral interino da instruego publica, era
offleid de hontem, sob n. 170, recommendo V. S.
que mande pagar integralmente os vencimentos
d'aquilla professora, relativos ao mez de maio ul-
timo, considerando para esse lim abonadas as 8
faltas que ella deu por doente.
Dita ao mesmo. Declaro V. para seu co-
nhecimento e direegao, que o engenheiro Gervasio
Rodrigues Campello parlicipou era officio de hon-
tem, haver n'aquella data tomado posse e entrado
no exercicio do cargo de chefe da repartigao das
obras publicas, para que fura nomedo por porta-
ra de 10 do corrente.
Dito ao mesmo. Constando de officio do chefe
interino da repartigao das obras publicas, datado
de 10 ilo corrente, sob n. 168, haver o arrematante
da obn da 1.a parte da concluso do raio central
da cas. de detengao executado o 1. lergo d'aquella
obra, f por Isso com direito ao recebimenlo da 1."
presta^ ao do seu contrato, assim o communico
V. S. jara seu conhecimento e afim de que, em
vista (o competente certificado, mando pagar a
importancia da mencionada prestagao. Ccmmu-
nicou- e ao chefe da repartigao das obras pu-
blicas.
Dit) a Francisco Xavier da Costa Aguiar e An-
drade (>m Londres). Transmiti a V. S. para os
fins cot venientes o officio em original,que em data
de 10 rio corrente me dirigi a comiissao encarre-
gada do exame e hquidacao das contas da estrada I
de ferrj desta provincia, e bem assim o balango ei
acta do ajuste das contas da mesma estrada no mez !
de mai i proximn lindo.
Dito io commandante superior da guarda nacio-
nal de ( aranhuns. Nao tendo regressado a esta
capital o destacamento do corpo de polica que se ,
acha na villa de S. Bento, por nao se ter anda
apresertado o da guarda nacional imposto de um
inferioi e cinco pragas que o deve substituir, como
determinei em data de lo de fevereiro ultimo, re-
comme ido a V. S. que expega as mais terminan-
tes ordi ns para que enlre em servigo o da guarda
nacin? I, e possa regressar o do corpo de polica,
come a ;ora ordeno ao delegado daquelle termo.
Officioc se neste sentido ao delegado de S. Bento.
Dito ao commandanie superior da Boa-Vista. I
Deferino o requerimento de Antonio Jos de San- i
ta Anm,. tenente da terceira companhia do bata-
lho n 47 d. guarda nacional do municipio da
Boa-Vista, acerca do qual informou V. S. em 29
de abr ultimo, autoriso-o a mandar passar-lhe a
guia qi e pede de conformdade com o disposto no
artigo Vi do decreto n. 1130 de 12 de marro de
1853, v sto estar residindo no -municipio do Joazei-
ro, da provincia da Bahia.
Dito ao commandanie do corpo de polica. D
V. S. haixa ao guarda da secgao urbana do corpo i
sob se(i commando, Jos Francisco de Saota Aona,!
visto qoe, segundo a sua informago desta data, j
Dualisou o seu engajamento e nao quer continuar
no servigo.
Dito ab mesmo. Pode V. S. fazer engajar para
0 servigo do corpo sob seu commando, o paisan)
Caelario Jos de Jess, aprecentado com o seu offi-
cio n. 407 desta data.
Dltq ao mesmo. Em vista do que solicitos
administrador d?\ casa de detengao
S. pin.data contimiem all no servigo em que se acham os
guardas da secgo urbana Castriciano Jos Tava-
res da Costa, Manoel Antonio de Souza Res, Anto-
nio Mjendes de Mello e Genesio Geroncio Peixoto
de Alljuquerque.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
de V. S. alistar na companhia de aprendizes mari-
nheros, se estiverem as condigoes do respectivo j
regnlamento, os menores orphos Joo Giudencio
da Silta e Joo Ignacio Correia de Lima, que Ihe
sero apresentados por parte do desemhargador
prove^or da Santa Casa de Misericordia Offlciou-
se neste sentido ao Exm. desembargador provedor
da Sajita Casa de. Misericordia.
Ditij ao director do arsenal de guerra.Informe
V. S. fcom urgencia qual o prego, que custa cada
urna das mochilas fabricadas nesse arsenal
Dito ao tenente coronel Luiz Paulino de Ilollan-
da Valenga.-Mandei alistar como voluntarios da
patriaos i cidados vlndosemcompaufta do alferes
Joo Pereira de Gouveia Torres Gallindo, e espero
de seu zelo e patriotismo que at o fnn do corrente,
esteja V. S. nesta capital com o maior numero de
voluntarios conforme me promelte em seu officio
de 2 do corrente, a que respondo.
Dilo ao chefe da reparligo das obras publicas.
Concedo a aulorisagiioque pedio o Seu antecessor
em ojCQoio de hontem, sob n. 171 para lavrar o
termo: de recebimento definitivo dos reparos da ca-
deia da villa do Cabo, por ja se acharem concluidos
de cobormidade com o respectivo orgamento, se-
iui] Ju consta do citado officio a que responda, fican-
do Vjic. certo de que a thesouraria provincial tem
orden; para pagar ao arrematante, de taes reparos
em vista do competente certificado, nao s a quan-
lia de 2795430 res, mas lambem a de 44$859 reis, |
constante do predito officio. Offlciou-se neste sen-
tido a thesoura provincial.
Dito ao mesmo.Recommendo a Vmc. que exa-
minando a obra j feita no canal da ra da Auro-
ra, indique a indemnisagao raso?vel que deve ser
paga o respectivo arrematante visto ter de ser
rescindido o seu contrato por nao convir a conli-
nuagao d'aquella obra por ser prejudicial a hygiene
publica segundo consta do parecer dado por urna
commisso que a examinou, em virtude de autori-
sago desta presidencia.
Dito ao director geral merino da instruccao pu-
blica.]-Designo a professora da terceira cadeira da
freguzi da Boa-Vista desta cidade, Sophia Gni-
Ihernina de Mello, para substituir na commisso
de exames a professora de que trata o seu officio
desta data Francisca das Chagas Ribeiro de Olivei-
ra, que deu parte de doente.
Dito ao mesmo.A' vista de sua informago de
12 do corrente, sob n. 171, convenho, em quo o
Rvd. Francisco Joo de Azevedo, seja admiltido a
professor e ler gratuitamente no Gymnasio Provin-
cial, de conformdade com a citada inormago, as
materias de que se compoe o ensino das cadeiras
de mathematicas d'aquelle estabelecimento, bem
como o desecho linear e de paisagem.
- Dilo ao mesmo.Approvo a nomeaco que se-
gundo consta do officio de Vmc. de 9 (io corrente,
son n. 177, fez o delegado Iliterario de Pao d'Alho
do cidado Francisco Jos da Silva para reger in-
terinamente a cadeira de inslrucgo primaria da-
quella villa durante o impedimento do respectivo
professor que se acha no goso de urna licenga de
tres meze, e marco a esse substituto urna gratn
cago na razo de 500^000 reis annuaes, que per-
cebera em quanto oceupar a mesma cadeira, cum-
prindo porm que Vmc. faga senlir ao referido de-
legado Iliterario a irregularidad* de se acto para
c qual nao est autorisado.Communicou-se a the-
souraria provincial.
Dito ao vigari da fregueza da Escada. Intei-
rado do cntedo do seu officio de 25 de maio ulti-
! mo, tenho a dizer-lhe era resposta que espero con-
tinuar V. Rvma. a empregar os sens esforgos
afim de adquirir o maior numero de voluntarios'da
! patria.
Dilo ao juiz municipal da 1* vara desta eidade.
| Davol vendo Vmc. o requerimento docutrenta-
do, em que Joo Brendslay Fox pede- ao governo
imperial a serventa vitalicia do ofQcio departidor,
1 para que elle pague os direitos dB tolfta corrida e
assigne o auto de exame, reeoramendo-lhe que me
remeta copia do ediial publicado nos jornaes, pelo
qual foi aquelle officio posto em concurso, para
cumprimenlo do aviso circular em 23 de oulubro
de 1861, e me informe se o referida officio um
dos creados peta lei provincial n. 304 de 29 de
maio daquelle mesmo anno, afim de que se nao
exceda o nnmero nella fixado.
Dito ao uiz municipal de Nazareth. Respondo
ao snaofleio de 3 do corrente, dizendo-lhe que flz
hoje reproducir edita! abrlndo concurso ao officio
de partidor e contador desse termo, vago por fal-
lecimesto de Joo Jos Pereira de Lira, e recem-
mendo-lhe, qne em casos Idnticos consigne no
respectivo edita) a data da lei que creou o officio,
como determina o aviso circular de 25 de outubro
de 1861, de que se remallen copia a esse juizo em
data de 28 de novembro do mesmo anno.
Dito Luiz Candido Canwiro da Cunha. De
posse do seu officio de 9 do mez prximo passado,
em que Vmc. participou-me que naquella data pas-
sou o exercicio do cargo de delegado ao ultimo
nomeado, respondo dizendo-lhe que agradego os
bons servigos, que prest u durante o exercicio da-
quelle cargo, bem como as obsequiosas expressoes
do que se servio no sea citado ofllcio.
Dilo ao subdelegado do Peres. Mande! alistar
como voluntario da patria a Jos Gongalo Narciso
do Espirito Santo, de que trata o seu officio de ho-
je datado, e muito agradego solicitude cora que
Vmc. tem procurado auxiliar o governo na acqui-
sigo de voluntarlos.
Dito ao superintendente da estrada de ferro.
Remello incluso o requerimento que me inderegou
Jos Basilio de Farias, para que o Sr superten-
te da estrada de ferro se sirva deattender ao que
elle pede como for justo.
Dita>ao gerente da companhia Pernambucana.
Respondendo ao officio que Vmc. dirigio-me eral I
do corrente, offerecendo o vapor Jaguaribe da com-
pannia Pernambucana para condnzir corte, sob
as condigoes com que o faz a companhia braileira
de Paquetes, at 520 pragas das que tem de seguir
para all, sendo a saluda do mesmo vapor hoje, te-
nho a dizer-lhe que aceite semelhante offerecimen-
to, mas quo nao possivel sahir o navio antes do
dia io.
Portara.O Sr. gerente da companhia Pernam
bucana, mande dar urna passagem de estado a r,
havendo vaga, at o Rio de Janeiro, no vapor Ja-
guaribe, a Francisco de Carvalho Paes de Au-
drade.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na, mande dar transporte at Micoi, no vapor
Mamanguape, em lugar de proa destinado a passa-
geiro de estado a Delfina Josephma da Silva rasi-
ieira e a um filho menor.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na faga transportar para a corte, por conta do mi-
nisterio da guerra, no vapor Jaguaribe o corpo de
voluntarios da patria do Rio Grande do Norte e as
bagagens dos respectivos offlnaes e pragas de
pret.
EDITAL.
2' secgao. Secretaria do governo do Pernambu-
co 13 de junho de 1865. .
Pela secretaria do governo, se faz publico,
a coehe-'imeoto de ijuem intersas possa que
**!?> ennearso par provfmenf vitali-
cio do officio de partidor e contador do termo de
Nazareth, creado pela lei provincial n. 504 de 29
de maio de 1861, e vago por fallecimento do ser-
ventuario Joo Jos Pereira de Lyra.
Os pretendentes devem apresetar seus requeri-
mentos no prazo de 60 dias contados desta dala, e
instruidos na forma do decreto n 817 de 30 de
agosto de 1851 e do aviso n. 252 de 30 de dezem-
bro de 1854.O secretario, Dr. Francisco de Pau-
la Salles.
Oespachos do dia 13 de junho de 186?).
Requerimntos.
Augusto Cesar Cousseiro da MaltnInforme o
Sr. commandanie superior da guarda nacional do
municipio do Reclfe.
Camilla Amelhista de Carvalho Calumbi.Infor-
me cora urgencia o Sr. director da instruego pu-
blica.
Padre Francisco JoSo de Azevedo.-Dirjase ao
Sr. director geral da instrueg) publica.
Frederico Augusto Velloso da Silveira.Nao se
tendo alistado osupplicanie com a condigo de pas-
:ar para o corpo da Parahyba, nao tem lugar o
que requer.
Alferes Francisco Lopes de Siqueira Granja.
Nao tem lugar o que requer o supplicante.
Feliciana Mara da Conceico.-Informe o Sr.
commandante do corpo de polica.
Generosa Maria Delfina. Informe o Sr. com-
mandante do corpo de polica.
Guilherme Alves da Costa.Indeferido por nao
provar menor idade.
Tenente Jos Henrique da Silva.Passe portarla
concedendo sete mezes de licenga
Joao Pedro Ladislao.Iodeferido por nao estar
no caso do decreto citado.
Jos Gomes da Silva.Informe o Sr. capito do
porto.
Luiz Antonio Barbosa. Entregue-se a parte o
parecer da junta de saude.
Maria Florencia das Virgen?.Nao pode ser at-
lendida a supplicante que encontrar na Associa-
go Promotora das Familias dos Voluntarios da Pa-
tria auxilio efficaz, do que o que Ihe poderia pres-
tar seu filho.
Marcolino da Co-ta de Nascimento.Informe o
Sr. capillo do porto se desertor de mrinha o in-
dividuo deque se trata.
Manoel do Carmo do Nascimento.Entregue-se
a parte o termo de inspeccao.
Maria CleobuNna de M.'llo Lyra.Informe o Sr.
director geral de instruego publica.
Miguel Pereira do Valle. Informe o Sr. com-
mandante do presidio de Fernando.
Severiano Duarte Yielra. Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do muni-
cipio do Recite.
coverxo do rispado de
i'i:h\ahio.
SEftE VACANTE
Expediente do dta 10 de junho.
Officio ao vigario de Aguas Bellas.Com data
de 20 do prximo passado me chegou s mos a
estatistica dessa freguezia por mim exigida pela
circular de 22 de abril ultimo. Em um dos para-
grapho? diz V. Rvma. : t Nenhuma allerago tem
c sofTrido os limites desta freguezia, a nao ser a
c cesso espontanea que o meu antecessor fez a
prol das-reguezlas de Sant'Anna e Papaeaga, em
t partas que jnlgou mals fcil serem coradas pe-
t los parochos daquellas freguezias, o qoe dea lu-
c gar a que hoje aquelles freguezes se escuzem a
i buscar a sua propria parochia.
Aseguro Ihe que nao comprehendi este para-
grapho. Que parles sao essas qne pelo sen ante-
cessor foram expotaneamente cedidas para a fre-
guezia de Sant'Anna, e que partes foram cedidas
para Papaeaga ?
Qnem que nesses lugares exerce jorisdiegao
parochial, e com que titulo ? Compre que V. Rvma.
me informe circumstanciadamente o sem perda de
tempo sobre esses terrenos, sua exteso e popu-
laco, o anno em que foram cedidas as daas fre-
guezia, por autorisagao de queni, e se existe ahi
algum documento ou nota a lal respeito.
Dito ao vigario de Sant'Anna.Constando-me que
pelo ultimo vigario de Aguas Bellas foi cedida urna
porgo de territorio da mesma freguezia para que
o parocho dessa freguezia de Sant'Anna estendesse
a esse territorio a sua jnrisdicgo parochial, enm-
pre que V. Rvma. me informe que territorio 6 esse,
qual a sua extenso e populagao presumivel, bem
comode qoe anno data essa annexago, por auto-
risagao de quem foi feita, e se existe nessa matriz
algum documento a tal respeito.Igual ao vigario
de Papaeaga.
Dito ao vigirio de Extremz.Estranhando que
V. Rvma., tendo sido collado vigario de Extremz
em omezdedezembro.ainda al hoje nao tenha ido
residir junto sua matriz, como do seu dever e
como ordenar as constituigoes diocesana?, conser-
vando-se no lugar denominado Bocea da Matta, dis-
tante di igreja nutriz tres legua?, com grave pre-
julzo da regular administragao do pasto espiritual,
ordeno-lhc que, apenas receber este officio, mude
a soa rjsidencla para junto da matriz e me parti-
cipe logo que assim o houver cumprido.
Dilo ao vigario de Patos.Confundo-me que V.
Rvma. anda nao entrara na regencia da freguezia
de Santa Luzia, como foi por mim autorisado em
daja de 2 de margo, por Ihe nao haver chegado s
mos o officio em que Ihe dei essa autorisagao,
agora novamente Ihe recommendo que entre quan-
to antes na regencia dessa freguesa, afim de que
no conlinuem os seus habitantes a suffrer a priva-
gao do pagto espiritual; e o aotoriso para, no caso
de bJo poder regola, on de ter de retirar-se por
qualquef causa, confiar da minha parte do Rvd.
vigario da villa do Jardim, Francisco Jastino Pe-
reira de Btito, a administragao do pasto espiritual
na referida fregueza de Santa Luzia, o que me
participar sem demora.
Dito ao padre Gil Braz de Maria Santissima.
Nesta-daia autoriso novamente ao Rvd. vigario de
Patos pura reger interinamente a freguezia de San-
ta Luzia, visto nao haver elle receido meu officio
de 2 de margo ultimo, como V. Rvma. me commu-
nica no seu. officio de 29 do prximo passado, que
fica assim respondido.
12
Officio ao Exm. presidente da provincia das Ala-
goas.Tenho a honra de acensar receido o offi-
cio com data de 20 de maio prximo passado, pelo
qual V. EXc, me co-nmunica haver dado as provi-
dencias, afim de que na lliesojiraria dessa provin-
cia seja satisfeila a quanlia destinada ao guiza-
ment da'malriz da freguezia do Porto real; o que
muito agradego a V. Exc.
Dilo ao vigario do Altinho.Acenso recebida
com dala de 22 de maio prximo passado a esta-
tistica desa freguezia cuidadosamente elaborada e
a planta da mesma tragada por V. Rvma. com to-
das as capillas, povoadds e distancias respectivas
o que mnito orienta e d quasi nm conhecim-nlo
pratici dessa freguezia.
Espero Vfr V. Rvma. me dar conta d'ora em
diante, de qualqner mudanca que ahi houver, como
recommendei no final da circular de -22 de abril.
Dito ao vigario de Ignarass Nao sendo con-
venlentejtue em quanto-V. Rvma. vera ao prximo
WoftKWiilftne'na regencia desa freguezia o Rvd.
Fr. ^arooUmo de Sanio Amonio, .,>.m ra7so da saa
avancada ida;!e, e dos seus achaques qne o'(nipos-
sibilitam de administrar com a devida promplidao
o pasto espiritual aos seus pnroehiano*, concedo a
V. Rvma. a penmsso de vir oppoT-se ao concurso,
com tant) que deixena regencia dessi freguezia o
Rvd. Florench Xavier Dias de Albuquerque, a
quem agora officio neste sentido, e com o qual V.
Rvma. se entender a este respeito.
Dito ao padre Florencio Xavier Dias de Albu-
querque.l'edindo-me o Rvd. Genuino Gomes Pe-
reira permissao para deixnr a freguezia de Igoa-
rass emquanlose prepara, afim de entrar no pr-
ximo concurso, nesta data Ihe concedo a permis-
so requerida, e Ihe ordeno que se entenda com
V. Rvma. aquera autoriso para reger essa fregue-
zia em quanto durar a auzencia do Rvd. parocho
encommendado.
Dito ao vigario de anadeaPelo seu officio de
27 do prximo passado, fico setenta de que V.
Rvma. enearregou do rgimen dessa freguezia ao
religioso franciscano Fr. Luiz da Divina Pastora, a
quera nesia data anloriso para poder administrar
na mesma freguezia o Sacramento do matrimonio,
com Unto que esse religioso obtenha a necessria
licenga do seu prelado.
Dito ao Rvd. Fr. Luiz da Divina Pastora.Tendo
sido V. Rvma. eoMcregado do rgimen da fregue-
zia de Anadia pnb respectivo parodio, o Rvu.
Francisco Peixoto Duarte, autoriso a V. Rvma. pa-
ra que, durante a auzencia do mesmo, possa reger
dila freguezia, e administrar o Sacramento do ma-
trimonio, com tanto que obtenha do seu prelado a
necesaria licenga.
Dito ao vigario do Porto dos Touros.-Foi-me en-
fegue a estatistica dessa freguezia, com data de 23
do prximo passado, e espero que V. Rvma. d'ora
em diante continuara' a dar-me parte de qnalquer
alP>racao ou mudanca que seder na sua freguezia.
- 13 -
Dito ao vigario da villa do Pilar as Alaga?.
Tenho presento o bem elaborado relatorio e estatis-
tica que V. Rvma. me enviou acerca dessa paro-
chia em 27 do prximo passado, narrando-me
circumstanciadamente todas as particularidades, a
ponto de me enviar um trabalho para assim dizer
minucioso e completo sobre essa freguezia.
Agradecend > o cuidado e o esmero com que V.
Rvma. deu cumprimento circular de 22 de abril,
espero qoe .continuara'a communicar-me qualquer
oceurrencia que se der nessa parochia.
Dito ao vigario de Anadia.Nesta data autoriso
o Rvd. vigario de S. Miguel dos Campos para nu-
merar e rubricar os livros de que V. Rvma. trata
no seu officio de 16 do prximo passado, que fica
assim respondido.
Dito ao thjario de S. Miguel de Campes.Auto-
riso V. Rvma. para por esta vez numerar e rubri-
car os livros, que Ihe forem enviados pelo Rvd. vi-
gario da Anadia para servirera na mesma matriz.
CinnilMH) DAS ARMAS.
Qnartel do enmman lo das armis de Pemambueo
ni eidade do Reeife, 16 de junho de 1865.
Ordem do dia n. 78.
O coronel commandante das armas interino de-
termina que o Sr. 1 cirurgio do corpo de saude
do exercito Dr. Francisco Goncalves de Moraes,
que hoje se Ihe apresentou vindo da corte, fique
encarregao das visitas sanitarias do 4o batalho
de ariilharia a p, 2o corpo de voluntarios da pa-
tria e das companhias de cavallaria e de artfices
desta guarnig-, emqnant i nao segu para o pre-
sidio de Fernando onde yai servir, em cumpri-
mento ao disposto na ordem do dia do exercito n.
449.
(Assignado.) Jos Marta Ildefonso Jacome da
Veiga Pessoa e Mello.
(Conforme)Antonio Francisco Duarte,& tenen-
te ajudabte de ordens interino encarregado do de-
Ulhe.
EXTERIOR.
Sevilha 24 de maio.
Men charo amigo. Ha inteligencias lo rebel-
des, que nao cedera s doutrinas, era torga dos
raciocinios; preciso vence las pelos factos : to-
marei, pais, a simples tarefa de um narrador. A
Franca conquisten o Mxico, convert aquella re-
publica em una monarchu imperial, edeu-lheum
imperador; mas ne dispen-ou ao novo imperio a
indemnisagao dos gastos que fez para conseguir
aquelles grandes resultados, nao dispensou a des
petas da guerra, o o imperador Maximiliano as
est pagando em prestagoes peridicas.
A Hespanha foi a Marrocos vingar as affrontas
que aquelle imperio havia feito sua bandeira, e
aos compatriotas, c depois que recebeu todas as
satisfagSes pedio os gastos da guerra : o impera-
dor deMarrocos obrigou-se por ollas, e para satis-
faze-las pontualmeote mandava os seus soldados
de arma em punho cobrar os impostes das suas
kabilias, e creio que j saldou suas contas com a
Hespanha.
A Austria e a Prussia fizeram a guerra Dina-
marca, e quando celebraram a paz,cuidaram de di-
vidir as despezas da guerra entre a Dinamarca, e
os dous ducados.
A He:-panha mandou urna armada ao Per' pra
ticar represalias, com o lim de obter salisfagoes
pelos assas'sinlos rominettidos as pessoas dos seus
compatriotas, e obtendo as as mais plenas, pedio ao
Per' indemnisagoes dos gastos das represalias, e
recebeu bocea do cofre tres milhoes de pesos
fortes, que sao em nossa inoeda 6,000:0005000 !
Po-cos dias depois de celebrado o aceordo entre o
Per' e a Hespanha, occorreu que n'um tumulto
popular fosse assassinado um marin tetro hesfa-
nhol, e o presidente do Peni' mandou dar vio va
desse marinheiro seis mil pesos fortes, que sao em
nossa moeda 12:0005000 I !
Este uliuno tacto tem toda a similhanga nos mo-
tivos o na razo porque lizemos a guerra ao Uru-
guay; mas o nosso ministro nem ao menos selem-
brou de pedir as indemnisagoes da guerra, prin-
cipio geralmente admiltido por tedas as nage*,
e cousequencia to infallivel as guerras desta na-
lureza, que o proprio celebre Jonnlro embaixador
do Uruguay, perante qnatro nacoes da Europa na
sua conferencia com o ministro de estrangeiros de
Franca, Mr. Drouyn de Lhuy?, entre as razoes com
que pretendeu mover o animo do ministro para
urna interveng.io da Franca, disse : e porque
as indemnisagoes de guerra, que sem duvida Ihe
haviam de ser impostas, seriam a ruina do Uru-
guay como em vista dos factos indicados, que
por contemporneos dispensara as indicagoes do
direito, deixou o Sr. ministro de exigir do Uruguay
as indemnisagoes da guerra 1 Seremos nos mais
rigos o mais generosos do que a Franca, a Austria,
a Prussia e a Hespanha ? Nao, por certo. Seremos
mats vaidowt? Nem islo ; somos uns..... ia-me es-
capando urna palavra muito significativa, mas mili-
te dura, v, pois, una mais suave somos uns
parvos.
Tal vez que os propugnadores e panegiristas da
capitu'ago de 20 de fevereiro Ihe descobram algum
ariKO siroilhanie ao art. 2o, (Tunde dediiziram to-
das as salisfaro-s para o Brasil, pela pnnigo dos
autores dos ulirages fros bandeira brasileira, e
dos salteadores do Jaguaro. Quando vi essa tris-
te coarctada, esse miseravel subterfugio do art 2,
ao qual se-agarrou o proprio Sr. ministro, como sua
nica taboa de salvagao, lembou-mede urna anc-
dota, que linha lido, lia algum lempo, e que vou
contar-lhe, para assim moderar a iudignago, que
nos causou tantos disparates.
Um sacerdote mandou chamar um pintor e pe-
dio-llie que o reiralasse, e ao mesmo lempo
que no mesmo quadro reiratasse a sua queri-
da ; porm que em respeito moralidade publica
o lizesse de maneira que ninguem a vise. O pin-
tor fez sentir ao padre a impossibilidade de o salis-
fazer ; mas foram tantas as insistencias deste, que
dis>e-lhe o pintor: Pdis bem, farei o seu retra-
te, e depois irei pensar sobre o modo porque hei
de retratara sua querida, para que ninguem a ve-
ja. Retirou-se o pintor, e depois de muito pensar,
pintou ao p do retrato do padre urna grande ar-
vore, e foi apresetar o quadro ao padre; e esle.mos-
trando-se satisfeito, fez-lhe a seguinte pergunta :
Onde est o retrato da minha querida? Respon-
deu-lhe o pintor : Reiratei-a atraz daqoella arvo-
re para que ninguem a veja. E o padre licoo mui-
to contente, dando boa paga.
Obes e Flores etereverara os artigo? da capitn-
lago entre si, e quando o Sr. Paranhos perguntou
onde eslavam as salisfagoes ao Brasil, responde-
rain : e?la> as espaldas daqtielles arligos I I
.Nao nos paga o l'ruaguay os gastes da guerra, o
Paraguay os pagar ou nao? O certo queteremo*
mais urna divida sobre o Brasil, que ialvez se ele-
ve a 4O,OO0-00O>5 : sao uns poucos de kilmetros
de menos de caminhos de ferro, ou de estradas de
rodagem; a industria e o futuro do paiz gravados
com mais este pesado encargo. Teremos, pas, de
levantar um grande capital, porque as rendas or-
dinarias do paiz nao chegaro para tanto, o meto
ser o empreslimo.
Ja vejo os corvos da praga de Londres esvoagan-
do em roda do cadver. All est o banqueiro
dizendo que o seu nome vale um ou dous por cen-
to ; all est o negociador que alm dos lucros au-
feridos, que sao um segre lo impenelravel, espera
por um viscondado ou marquezado : all est) uns
entes imaginarios, aos quaes se devem dar a titu-
lo de corretagem meio por cento : assim se ir
rerceando o capital, e por lim como os fundos do
Brasil de 4 e 1|2 0|0 eslo colados na praga de
Londres a 83, visto que por igual prego nao se
poder levantar um empreslimo, porque ma nova
einisso de ttulos traz sempre urna baixa no seu
v.il-r, a regra universal do augmento da offerta
de qualquer mercadoria. Supponharaos que se
poder fazer a emisso de 80 0|0. Se quizermos
levantar 4,000,000 de & que equivalem a.......
36,000:0005000 de nos*a raoeda, teremos de perder
a sorama de S 800.000 equivalentes aos 20 0|0 no
valor dos ttulos, e mai'' as porcenlagens, correta-
gens, de>pezas de impressao etc, que, por muito
moderadas que sejam, podem subir a 4 0|0 que
sommo S 160,000, teremos pois S 960,000 in-
teramente perdidas, que importam em nossa moe-
da 8,640:0005000 quasi a terga parte dos.....
36,000:0005000 que licarao reduzdos a.......
27,360:00050001 Eiso resultado deum erapres-
tlrao levantado era Londres, e nao ser possivel
conjurar to grande mal, que se vai repetindo tao
a miudo, e que para o futuro nos collocar em
grandes apuro?, quando se approximarem os termos,
das amorlisagois ? Pde-se sim, se quizermos se-
guir o exemplo de algumas nacoes que principiara
a adoptar as operagoes de crdito dentro do pro-
prio paiz. Todos sabera quaes forara os grandes
resultados que colheu a Franga com o empresli-
mo por subscripgo nacional. A dalia acaba de
decretar um empreslimo nacional de 160,000,000
de francos, e at a Hespanha, vendo que as pragas
estrangeiras queriam especular com o seu estado
de finangas, que nao nada lisongeiro, appellou
para o paiz, e est sendo muito bem succedida na
sua e;nissSo de ttulos hypoilecario?, e de divida
fundada. Porque, pois, nao ha de o governo do
Brazil levantar um empreslimo para as despezas
da guerra dentro do paiz por subscripgio nacional?
iJuvida que o possa realisa-lo ? Serla orna gran-
de offensa a um paiz que concorreu lo genero-
i smente com donativos espantosos para a questao
cora a loglaterra, e agora mesmo para a guerra
actual Fique certo o governo qoe a tente do pa-
triotismo brasileiro nexgotavel; convide os Bra-
sileros a mais esle sacrificio, e ver como todos se
prestarao. Nao me possivel entrar nos delalhes
do empreslimo : islo perlence reparligo da fa-
zenda ; mas lembrarei que seria conveniente emit-
ur ttulos de 1005000, porque assim concorreriam
as pequeas fortunas, e ficaria o empreslimo mais
generaiisfcdo.
Qualquer que seja a operago, nunca nos pode
dar um prejuizo tao enorme, como o de um em-
preslimo em Londres. Em todo o caso esse capi-
tal que devem ganhar as bolsas estrangeiras ficar
dentro do paiz.
Declaro-lne, meu amigo, que por ora Acara in-
terrompidas as miohas cartas, porque estou espe-
ra dos successos do Paragoavo, e Dos os toraede-
baixo de sna alia proteego.
CORRESPONDENCIAS DO DIA
RIO DE PKHWHISIX
LISBOA.
27 de maio de 1865.
11 > horas da noite.
Aproveito a saluda do vapor Gutenne, da linha
de Brdeos, para Ihes dar noticia das ultimas oc-
carrencias.
A ordem do dia sao os trabalhos eleitoraes.
A opposigo colligada, ou fuso, como se denomi-
na, composta dos 99 depulados da cmara dissolvi-
da que votaram contra o governo e da fraego re-
generadora publicoii, logo depois da dissolucao,
como Ihes disse, um manifest vasio de pensem'en-
to, aecusando ausencia de convicgSes seria?, e
nemao menos revestido de paixfles, circunstancia
esta, que n'um documento de tal ordem, suppriria
de algum modo a falta de outras condlgSes.
Custouacrcr, quesemelhanle esenpto, fossedo Sr.
Mendes Leal.
Estabeleceu a opposigo um centro composto de
14 cavalleiros, 7 pertencentes ao .intigo e extincto
partido regenerador e 7 perlenotnles aos histri-
cos, dissidenles. Sao presidentes do centro da op-
posigo os Sra. duque de Loul e Joaquim Antonio
o Actuar.
Nao me record se na minha nllima Ihe dizla
que o Sr. Casal Ribeiro, vulto eminente do parla-
mente e um dos homens mais notaveis do partido
regenerador e mesmo do paiz, escrevra una car-
ta que os jornaes todos reproduziram, em que re-
prova as condigoes em que se pactura a fusao e
apartndose della, com quanto nao apoiasse o mi-
nisterio. Poucos dias depois, o Sr. Martins Ferro,
que tora collega no gabinete da regeneracao com
o antecedente fez tambem incenr nos peridicos
urna caria em que explicou os motivos pelos quaes
tinha assignado o mamfe-to da materia da cmara
dissolvida, com deciaragoes.
Nesla carti igualmente se affasta da fusao que
reprova e vem se ligar ao governo, considera se
segregado dos seus amigos correligionarios, com
grande numero ite razoVs pluusiveis.
Estes documentos descorogoaram a opposigo,
porque sao muilo signficalivos por partirem dos
caracteres mais graves e autorisados daquelle
grupo.
Os amigos do governo promovern) um grande
eomieio do partido histrico para eleger o seu cen-
tro eleitoral. E-te partido, fiel s suas tradicoes
de pnblicidade, promove-a sempre, dando os pos-
tos avangados aos cavalleiros que merecem a es-
colha de seus correligionarios.
A lista que ohteve materia, tendo os mais vota-
dos 628 votos foi a seguinte :
Baro d-i Villa-Nova de Fezcoa.
Antonio Nunes.
Antonio Cabral de S Nogneira.
Antonio de Souza Menezes.
Augusto Seba-tiao de Castro Guedes.
Bar-i de Barcellinhos.
Bazilio Cibral Teixeira de Queiroz.
Bolchior JosUarcez.
Bento Correa Ayres de Campos.
Conde de Rio-Maior. _,
Hermenegildo Augusto de Faria Blavo.
Ignacio Francisco da Silveira Motla.
Jacintho Augusto de Sant'Anna e Vasconcelos.
Joao Antonio Das.
Joo Antonio dos Santos Silva.
Jos da Costa Souza Pinto Basto.
Joaquim Januario de. Souza Torres e Almeida.
Jos Lonrengo da Luz.
Joaquim Thomaz Lobo d'Avili.
Levy Maria Jordao.
Luiz Filippe Leite. -,
Manoel de Jess Colho.
Manoel Jos Machado.
Ricardo Augusto Pereira Guimaraes.
Sebastio Jos de Carvalho.
Sebastio Lopes Calheiro?.
Sebastio Jos d'.vbreu.
Visconde de Porte Covo.
Visconde de Soares Frano.
Foi eleito presidente do centro o Sr. conde de
Rio-Maior ; secretarios, o Sr. Sant'Anna e Vascon-
celos e Luiz Filippe Leite.
Presidente da commisso execoliva o Sr. Bel-
chior Jos Garcez.
Secretarios, os mesmos do centro.
Vogaes, os Srs.:
Silveira da Multa.
Pontes Silva.
Visconde de Soares Franco.
Sebastio Jos de Carvalho.
Lobo d'Avila.
Pinto Basto.
M. J Colho.
Levy Maria Jordao.
O outro vai publicar um manifest poltico.
Tem havido grande numero de alteragoes no
pessoal administrativo.
Ogovernador civil do Porto, o Sr. Jan uario Correa
de Almeida foi substituido pelo Sr. Seba*tio Lopes
Calheiros, director da escola polytechnica.
Esta nomeago agradou geralmente, cumprindo
tambem dizer que a exonerago do Sr. Januario
causara desgosto aos portuenses, e tanto, que o Sr.
Sizuredoda Lagoaga, aballado proprietario do Por-
te, cede da soa candidatura (opposigo) para se
propor o ex-governador civil.
Em Lisboa, demitlio-se de gobernador civil o
Sr. Geraldo Jos Braancamp.'.O lugar ainda nao foi
preenchido, estando o secretario (o r. Augusto de
una, escriptor distincto) testa da administragao '
districtal. Tem-se fallado nos Srs. marquez de Ni-
za e coude de Rio-Maior. para o importante lugar
de governador civil de Lisboa, mas ainda nao se
resol veu cousa alguma a este respeito.
O governo e o partido que o sustenta no poder,
empregam todos os esforgos licites para oblerem
grande triumpho eleitoral.
As candidaturas ainda nao esto annunciadas,
mas Je muilasj publico o haver trabalhos adiaa-
tados.
Os Sr?. Thomaz de Carvalho, barao de Magalhites,
barSo de Barcllinho?, Antonio Mello Breyoer, e
ministro das obras publicas (Carlos Bento) sao can-
didatos governaraentaes por Lisboa. Luiz Felippe
_*k.
: ILEGIVEL1


I
*
I
5

Diario de Peraambtico Sabbad* A 9 de limbo de 1865.
S
Lelte, ramitdato governamental pelo circulo 'los J Porto, cerca de doze a trate mil pessas tem visita-
Olivaes ; Silveira da Multa, por Monc/io, J. Flix do os seus jardins, e notarse sempre um augmcuto
Rodrigues, por Mafra, J. Pedro A. Nogueira, por gradual.
Torres-Vedras, etc., etc., ele. As eleigdes sao j Os trabalhos do anvexo progridem rpida- banda da ordem
muito disputadas, eiilreu nto ha muitas razqes para mente.
erer que o governo fiel aos seus priucipios mantera Os pedidos para espaco continiiam em larga es
a liberdade da urna.
Entre a cmara municipal de Lisboa e o
verno ha grande desaccordo, o que vai pr*itiiUoar
a candidatura do ministro as obras publicas per slm comoa terraphanagem. bao de "concorrer para o tmpora exsfcTo'
un dos ttvcvlos da capital. Os jardms fazera um lindo effeto; urna das na- Vcio ailimamenle de Loanda no vanr Afin-
A vereagao de L-sboa nao fui convidada a so- ves laleraes j est pintada, assim como o timbo- dello, ama peca de artilheria aue um verdadeiro
lemoidade unea pouco hue no pago, por orea- rio da nave principal. monumento, pois demonstra qoe o svsteraa Ar-
siao da investidura de el-rel o Sr. D. Luiz I na or- Brevemente all sera collocados dote para-. raestreng., tido por moderno e invento inelez e
den, da Jarretara que S. M. a rainua de Inglaterra rajos. | americano portuguez de lei. A peca carrefa se
neeuvtou. rambem se vai edificar urna casa d gosto ele- como as modernas, pela colatra ede laricauor-
A cmara municipal, despertada, nao Toi ao paco gante, para n'ella reunir a estagao do correio, le-! tugaeea.
no cortejo do dia 29 de abril, awiiversario da ou legrapho, e quartel da polica privativa do pala
(hornada caria eooslituciooal. Pelo ministerio ci.
5!aSott0*?-a.tor' S- Exp" ,eva "* baa* das pes t**0 de nep^iar umeraprestimo de 12,000,000
oroens mili ares purtuguezas para o mpecader, a de pesos naquolla prava,
quem val felicitar pela sua aseencao.ao mreao,ea Haveado o Sr. Antonio Joaqulm Pernandes,
banda da ordem de Santa Isabel para a impe- :stabeiecido na ra Direita n. 7, comprado o ni-
r,;nn,m a n i **te de **"' numerago, garantido, e perlencente
na cidade do Porto a tratutor a lotera da provincia, cuja extraegao leve lugar na
competente, fui -expedida entao urna portaria censu-
rando severamente a vereagao por faltar ao corto-
jo. Esta duplicou o seu denrontentamenlo e diz-se
que ser d ralmente mal em relacao politlca governamenUl
por algwn dos circuios de Lisboa.
Da tarie do partido que apoia a situagoexcluio-
se na organsago do grande cenlro eleitorai o ele-
mento cabralisla, cok desmentido solemne aos
teimosos boato> que re linham eapalhado depois de
algumas palavras benvolas do Sr. -onde de Tho-
maz a cmara dos pares, a respeto do governo
actual.
Espera-se em hisboa o imperador Napoleo III,
panha.
Amanhaa, pelo Gueme deve chegar a esia curta
o marechal duque de Saldanha. Una eommissiio,
-de que prewrdente o Sr. Antonio Feliciano de
Caslilho, tem preparado a grande e apparato.-a re-
epgiio ao nobre duque, s. Exc. voita-da embai-
xada de Ruma. Varias pruclamacoes festivas, ou
antes um bando se loni espalhadu "boje nos lugares
mais putdi. os d Lisboa. Eis o texto de urna que
me veio parar f mos :
t Ghegada do marrekal duque de Saldanha.
t O marrciial -aldanha embarcou em Brdeos
OSr. Gustavo de Veer, distinelo literato de
Danlzing, autor da vida do infante D. Henrique o
govemador, bra primorosamente escripta em al-:
lemao eoflvrecida a sua mageslade el-rei D. Luiz,
foi noraeado socio correspondente da academia real
das sciencias de Lisboa e agraciado por el-rei com
o grau de cavalleiro da ordem de Christo.
A respeito doscaminhos de ferro porlugue-
zes, l se e seguinte na Cmrespondertcia de Es-
pana :
Segundo noticias que temos por fidedignas, o
governo e a companhia dos camiulios de ferro por-
luguezes receberam por fim as liabas frreas, taes
quaes liaviam sido eutregues pelo concessionario,
Acha-se depositada no arsenal de roariuna,
devendo ir para o museu cread pelo Sr. Mendes
Leal
E-ta reliquia foi encontrada em Massangano as
margeos do Coanza.
Muitas das graodes invensdes com estranhos se
pretenoem afamar sao porluguezas.
Esta peca em tudo semelhante a ootra qne
existe na Torre de Londres e que, diga-sc a verda-
de, os inglezes nao oceultam que invtnso lusi
tana. Consta tambem que no arsenal do exercito
existe urna outra anloga a estas mas incomple-
ta. Esta peca deveria ter sido fela em meado do
secuto XVI ou talvez anteriormente
Foi agraciado por S. M. el-rei com a gra
cruz da ordem de S. Thiago, o Sr. Jos da Silva
hir o referido bilhete premiado cem 1:8005000,
anaiia parle do premio grande; e pois trata o mes-
mo Sr. Remandes de entregar a-respectiva irman-
dade a elade dessa quanlia.
O mar esteve na quarta-feira ultima.jjastante
agitado, de sorte que foi nao pouco difllcil o em-
barque dos passageiros do vapor mglez La PUUa,
tornaudo-se^inda arriscadiuma a volt. de bordo
para trra a pomo de dar se um iastimavel
desastre.
Urna catraia, que foi levar bordo passageiros,
voltava para trra com cinco pessoas, e ao passar
na barreta soffreu pela popa o choque de tres va-
gulhoes, que lizeram-a sossobrar, morreado em
consequencia o Sr. Manoel Caraballo, hespanhol,
que havia chegado da Europa a esta cidade no dia
28 do passado. Os companheiros lograram sal-
var-se, depois de muito costo, nos soccorros que
Ibes foram enviados de bordo de alguna navios.
Teve lugar no dia 14 do correle o concert
do distincto violinista portuguez Francisco Pereira
da Costa, cuja exeeucao justificou a idea vantajosa
que faziaraos do seu "talento artstico.
neiro, om direilura, condnzindo o corpd de V6lun
tarios do Itio Grande do Norte.
Essa viagem, qoe se devja ter realisado
appellada,
ame-1
Appellante, Andr Ferreira da Silva
j ustlca.Improcedente.
hontem as* horas da urde, Wxon'eter" lu'gTr, I daA.^iuc?'-A ;T^'11? SIerra To"es ? appella-
em consequeocla de haver o respectivo comman- i?,-V" rJ >-
dante a de seguir por, .TS1 .^S Tl^fsS'U fe
oncarnwando.se esta da xploracao, que ser dir',: I Mendes Leal. "--------dtr^s esias Sa,d wZf ^toTs^S
pida por Mr. Gouchaux, cl.efe doscaminhos de Consta que el-re entregara pesscalmenle aoSr. I complemento desta noticia
''.' r SU1SS0S- |'or uwa daf bascs d. convenio que Mendes Leal as insignas de graacruz com que o A dolictosa emocao que'nos eaosoa o especla-
poz termo a esta prolongada queslao; o Sr. Sala-:agracaou pelos distinctos servicos prestados pelo culo dado no iheatrode Santa babel em bene-
mauca renovara parte do material para o que j insigne escriplor s lettras patrias. do do eximio rebequista portuguez Francisco Pe-
tem encarregada a construccao de quinze machinas Com o ttulo de barao da Costa Veiga foi
e duzenlos wagons. agraciado o Sr. Antonio Xavier da Costa Veiga,
S. M. el-rei o Sr. D. Luiz presentcou ierd juiz de direito.
Serfton.embaixadorda rainha Victoria de Inglaterra
eucarregado de o investir as
da Jarreleira com um
tograpliado pelo Sr. Gomes
que ha de sempre irazer oomsigo, como recordago! Ha ideas de couslruir um edificio proprio
nle as 11 horas da mauhaa, a ; da hcspitalidade que encoiitrou na familia portu- para o correio no terreno pertencente ao forle de
bordo do vapor Gueme, e diegar a Lisboa no gueza. j S. Paulo, junto a Ribeira Nova. E-te terreno per-
proximo domingo 28. Dizse que S. M. a rainha ir passar os ulti- lence ao ministerio da marinha, o parece que trata
t Assihi que o vapor eslivcr avista, diversas mos mezes da sua gravidez no paco de Maf a, cujas de veode-lo ao ministerio das obras publicas para
gyrandolas de fogueles annunciarao ao povo um lexlensissimas galeras se estau assoalhando soba o fim indicado.
tao agradavel aeonteeimento. Ai pessoas qu-3 se direccao do engenheiro Abreu. Parece tambem que a cmara municipal vai
aoharem munidas de bilhetes para ir esperar i. O Sr. Pinto Basto, propietario da casa de vender urna porcao de terreno no aterro da Boa
mareen, deverao immediatamente dirign -se ao Entre Quintas, onde morreu Carlos Alberto, man- Vista, destiuados construccoes urbanas. O pro-
respertivo caes. Urna hora depois das gyrandolas, jdou fazer urna lapide de marmore para collocar no ducto da venda ser applieado caatinuacao d)
salnrio ao encontr do marechal alguns vapores <|uarloem que expirou o marlyr da independencia mesmo atierro at ao caes do Sodr.
com msica?,, conduzindo a_seu bordo os amigos de italiana, com a seguinte iascripcao em letras dou- Parece tambem que ha ideas de prolongar o
S. Exc. e mais pessoas. Esealeres d i arsenal da
marinha serio postes di^posteio do duque de j
Saldanha, o qual desembarcara no Terreiro do I
Paco, onde se adiaran bandas de msica, e llavera !
todas as dernoiisli acocs de regozijo, prop ias de lo I
satisrariorio aronli cimento.
O povo de Lisboa nao pode deixar de ler
grande regozijo coma rliegada do duqu. oe Sal-
danha. Portugal deve-lhe servieos que nio tem
preco. A sua sapada milagrosa conquistou a liber-
dade.
c O exercilo portuguez foi tncaminhado par elle !
victoria ce.Dteuares de vezes. O soldado leio no
marechal um ai exliemoso. O povo, um migo
fiel. Deve-se ao duque de Saldarma o acal inenio
das nossas dissencoes civis. A coeficiencia i ublica
uoanimo em reeonhecer no mareclial Saldanha o
priineiro vulto dono-so pai;.
t Lisboa, 26" de malo de 1863.
Nos jornaes de boje lia-se, quasi no mesroo sen-
tido, um pomposo annunrio para avisar o lUbJico
dos festejos da chegada do marechal.
De que modo luQuir na poltica inlerna t vellio
duque? Coiiservar-.-e-ha por muito lempo en cam-
po neniro, romo anda se mautm o sr. cuide de
Torres-Novas (Cesar de Vaseoocellos) ex-g<
dor geral da India, cuja chegada tambem
radas :
Cario Albarto di Saboya
Re abdicaUrio di Sardegua
Nacqne li xxvh Apnle mdccxlix
Addic a iNavara li xxviu Juglio mdcccxliv
Nell'ela d'annille meai x ^iorni xxvn.
O Sr. Mendes Leal fez na -ua casa lia poucos
das, a leitura da comed a que ltimamente com-
imores de Uucage.
. atierro cm frente da esiacao
al ao Feneiro do Trigo, pa
do caminho de ferro,
. para malor facilidade da
communicacao das vialuras.
A companliia dos mnibus rescindi o previlegio
jque tiuha e vai augmentar o preco das cari ei
; ras. No enlanto, com a concurrencia, o publico
, ha de lucrar.
| Diz-so queS.Exc. a serenissima princeza Imperial
do Brasil chegar brevemente a Lisboa de regresso
poz
Assistiram a esta Untara os Srs. A. F. de Casti-1 da sua viagem ao norte da Europa.
Iho, Thoniaz Ribeiro, Antonio de Serpa, Silva Tu- | Cousla que em recolhendo o
Brasil vira a
verna-
fiia ISo
annunciada, e a cuja entrada no Tejo, lamben con-
rrupos
correram tantos cavalleiros dos diversos
liheraes ?
O cunde foi periinazracnte requestado pdlas di-
versas parcialidades, mas por ora anda nao
acto, uestes que serveui para carac.terisar p
mente, pe'o quj| se possa afflrmar que o
conde vai para um ou para oulro lado.
Succeder o mesmo ao marechal ? Apez
gyrandulas promeilidas pelo prog anima d
encongara anda o v.-lho soldado de D. Pe
aquelle amigo prestigio e quasi fanatismo d
lempos ? Estas ovaces gaslam o povo propr
te dito.
E' de crer que nao baja todava especu
que se aproveitem do ajunlamenlo para ser
desrdem, a^nda que a opposieao bem forcej
excitar odise malquerengas.
Iloje o Jornal ile lisbu. folha que se
(anda que nem sempre consiga) por manle)
campo da imuarrialidade, escrevia o sega
proposito dos festejos que se prepaiam paral
ber o marechal.
A idea de. um terceiro partido de que e
chefe, segundo parece, acariciada pelos sei
go?, e por alguns especuladores policos, q k
all julgam ser caminho mais fcil para a
cao das suas ambiges e esperancas. Nao
mos porm ijue_ tal idea seja realisavel.
Com relacao a i.-to diremos tlnalmente
para desanimar ver que lao pouca solidez
za apresentm aos olhos de certa gente as tiarcia
lidades polticas que ahi exislem, que se jufga que
um honiem pode vir mpr-selhes, e al aonside-
ram po.-sivel que se faca parar o andamento dos
negocios, a ponto de poder deixar de haverfas elei-
coe.- ordenadas I I
Esperamos porm que tal nao aconteca. Es-
peramos que nao nos levem a dar ao mu jdo um
tal exemplo de desorganisaco poltica.
Foi nomeado couselueiro de eslado hjom rario
o Sr. Joaquim Pereira Guimares, amigo desem-
bargador da relacao do Pono, e que ha poico aca-
ba um
Inica
uobre
Sr das
fesia,
[lio IV
oulros
ameu-
l librea
se no
nte a
rece-
le seja
sami-;
ior
que e
lii mo-
li, Rodrigues Cor.ieiro, B.ubosade Bocage, Vieira Europa a infama sua rana.
de Castro, Barros Lima, Biester, I. de Castilbo e j No dia 21 s duas horas menos cinco minutos
outros cavalheiros. da tarde enirava n'agua a canhoneira fiw Gtia-
A leitura da pega (que tem cinco actos) comegou diana, cuja quilha foi posta a 2i de agosto de 1864,
depois das oito e acabou s duas horas da noite. sendo-llie batida por el-rei a cavlba raestra dous
Com as mterrupces da conversaco que houve no das depois.
fim de cada acto, cha e ceia volante; o que tudo As diinensoes deste vaso sao as seguinies: corn-
deitaria a hora e meia, a comedia levou a ler qua- primelo eulre perpendicular 36m 23boca 1"
tro horas e meia, omiilidas as rubricas, o que uo 2oponlal 3, 26. E'da forga de'60 cavados e
eram essenciaes. mede 270 toneladas mtricas. Montar dous rodi-
Todos os-actos estao esccrptos com o mais es- zics e duas pegas para signaes.
crupuloso estudo da poca (1783-86); e os (res Cu-tou al hoje: madeiras 18:803\gll0-ferra-
bou de exercer as funegoes de procurador
cora rom iulelbgencia e honradez.
Ui despacho de Pars com dala
comnie, annuncia que a imperairiz Eug' ta rece-
o de Pe-
bera a 21 em audiencia publica o Sr. bar
nedo,o qual tinha chegado a Pars com urna
sao especial do governo do Brasil.
Publicouse o decrelo, atilurlsando
_ cmara
municipal do Porto a levantar a primeira -erie (30
coutos) do empresiimo de 300 coutos de q je traa
a carta de lei de 5 a varias obras declarando-se de utilidade publica e
de urgente uecessidade as expropriagoes me pa-
ra complemento das referidas obras forem preci-
sas.
Carta de lei autorsando o governo a pro -eder a
cobranca dos impostes no auno econmico (e 1863
e as pu-
natu
ltimos sao altamente dramticos, sobre tudo o
quarto, que suscitou repetidos appllausos, e foi
considerado como um primor Iliterario.
Os personagens, com serem muitos, e de tao di-
versas condigoes, eslao excelentemente iV-nlia-
dos; sao os do lempo, sao porluguezes na ndole,
na falla c as arges.
Bocage, lo difflcil de ser posto em seona, teve a
ventura de achar uestes lempos de pr -!, oulro
poela de nao menor tlenlo, e de iuia cuito
engenho, que o soube retratar mar vinosamente.
E' o caso de se dizer:
I'oelas por poetas sejam lidos.
Sahio para Badajoz cora deslino a Madrid e Pars
o conde da Torre e seu ii nio.
Consta que S. A. o infante de Hespanha D.
Sebsli.io chegar a Lisboa no dia 8 do mez de jo-
uba. Vem a cidade. de seus avs s para a visitar
ubres e fazer uso dos banhos do mar no mez de junho
ear a : al meado de julho. >ua alteza, segundo uns, vai
para | habitar no palacio dos duques d*C:jdaval, em Pe-1
'druigos, onda eslfio preparando os seus aposentos,'
e os de sua comitiva, que se compoe de 80 pessoas,
oulros dicera que vai pssidir no palacio do Hama-
Ihao, em Ciulra, que anendou por 3 mezes, pela !
quanlia de 2:400,5, ao seu proprietario, o Sr. Jos
Isidoro Guedes.
O Sr. infante D. Sebasto Gabriel Carlos Joo
Jos Francisco Xavier de Paula Miguel Bartholo-
meu de S. Giminiano Raphael Gonzaga nasceu no
^alisfa-1 Rio de Janeiro a 4 de novenibro de 1811. Tem por-
julga- [ tanlo 33 anuos c meiu. li' lidio da Sra. D. Mara
Thereza, infanta porlugueza, e princeza da Beira,
nascida no pago de Queluz a 29 de abril de 1793.
Urna fragata de guerra conduzir de Cartagena a
Lisboa, no fim deste mez, sua alteza, sua esposa
a Sra. D. Maria Amelia, princeza das Duas-Ciclias,
e o seu numeroso sequilo.
O cnsul hespanhol em Lisboa est autorsa-
do para receber dos capitalistas porluguezes os de-
psitos de I por cento em metal exigido para lo-
mar parte na lirilagao, que deve celebrar-se em
Madrid no dia 3 de junho, com o lira de obter 600
milhoes de reales eflectivos, a troco de ttulos da
divida hespanhola de 3 por cento.
Tambem vo ser concedidas aos possuidores de'
fundos hespanhes em Portugal as vantagens, que'
desfructan os capitalistas domiciliados em Paris \
para a cobranga dos juros. Em Badajoz serao os :
coupons pagos em metal, e no dito consulado em
letras sobre o thesouro publico de Hespanha.
No sabbado de mauhaa urna grande delona
gao assustou os operarios de todas as ofllcinas do
arsenal do exercilo. Urna explosao da massa ful
d'obra 6:728^032 -total
geral da
le 22 do
reir da Costa, uo fcil tcaduzi-la para o papel,
nem tao poocj trausmiiti-l > condignamente aos
nossos leitores que nao .assiscam aquelle inte-
-I ecilm o ministro da fazenda conde d Avila, ressante sarao da noute de 14 do correte. Para o
sur as insignias da ordem em vista da le, que fossem isemptas de contribu- fazermas, era.ster tiue cada ieHraaue aqu tra-
relratoexcellenteraenle pho-, gao p,.ssoal_ as assoclagoes que suslenlam eslas gamos fosse uma nota, cada palavra urna harmo-
.ornes, e que o nobre lord diz de instruceao gratuitas. oa, cada periodo um canto, amo avioso s
dado aos prodestnados emprthende-lo, e a hu-
maudade goza-Io em xtasis que se nao explica
porque se nao pode descrever.
O joven rebequista execula com lauta suavi-
dade e mimo lodosos trechos mnsioaes,n,ue arre-
bala e seduz iateiramente o auditorio. St>u arco
salta por sobre-as cordas do instrumento com tan
la graga e delicadeza, que semelha a tmida mari-
posa, volitando de boninaem baaa ; cada har-
pejo que elle estremece peiala que se desprende
e cahe, para suavisar e esmaltar o caminho da vi-
da cneio de agruras, e onde nos os peregrinos
deste mundo nos puogeriamos, se os.ganio; fada-
dospela Providencia Divina nos no-sorrlssem de
espago a espaco, como lampejos de esperangas
atravez da viagem transitoria tpje humos, como
crystalina gota d'agua n'um momento sequioso, co-
mo um raio de Ueus Uiuminando a trra conden-
sada em trevas.
t Dizer, pos, que o joven artista um talento
vigoso, e que cada passo que da no risonho jardim
em que transita, uma ovago que recebe, ama
cora de gloria que eugrinalda na fronte, niio
mais do que repetir o que os verdadeiros amado-
res da arle senticara ouviudo-o comanla firmeza
e maviosidade desusar o arco por cima de sua re-
beca.
t O joven artista deve estar muito satsfeilo do
bom dcolbimenlo com; que^foi recebido pelo nosso
publico, que sabe sempre dar o verdadeiro apre-
ijo ao mrito onde quer que elle esteja.
t Prosiga o distincto rebequista na sua gloriosa
carpetea, que d'aute mi Ibe asseguramos a con-
quista de uma merecida nomeada para si, e uma
honra para a patria, ditosa herdeira de lanas
grandezas e mi de Untas e lo predilectas crea-
turas >
Consta-nos que ter lugar no dia 24 do cor-
rente a bengo da bandeira offerlada por varios
cidadaos ao segundo corpo de voluntarios, segura-
do se a este acto religioso o da entrega deste sym-
bolo sagrado ao referido corpo, que no campo da
batalha o lomar sempre comoa guia da victoria.
Em consequencia da chuva que calilo na 5a
feira, foi transferida para amanna pela tarde a
trasladagao das imagens da capellinha da Casa
Forte para a igreja matriz do Poco ; o que sera
efieciuado prouessionaiineute e com a solenraidade
condigna.
Por portara de 14 do corrente foram Hornea-
dos para o 4o batalbao de iufanlaria da guarda
nacional do Recife, os seguales officiaes :
2" companhiaalferes Joaquim Custodio de Oli-
ve ira ;
3* ditaalferes Aotomo da Rocha Acciol Litis e
Francisco Carneiro Monteiro ;
4" dita capilao o lente Manoel Francisco de
Ca valho Paes de Andrade e lenla o :.ifr Jut>
Joaquim de Souza Ai.r> u Lima ;
5* ditalente o alferes Manoel Juvencio Be-
zerra de Meuezes ;
6* ditacapito o tenenle Jos Thomaz Caval-
canti Pessoa, e lente o alferes Francisco Antonio
Pontual Jnior.
Nos abaixo assignados, passageiros da lancha
que conduzio a bordo do vapor inglez La Plata o
nosso amigo, o Sr. Antonio Lopes Braga, tendo
felizmente escapado de serums victimas do luror
das ondas, quando sossobrou, ao entrar da barra,
a lancha em que iaraos, nao podemos deixar de
patentear de maneira bem publica e solemne quan-
to nos achamos vivamente penhoados para com
os Srs. Jos Joaquim Gomes de Abreu, Antonio
Alves Carvallio Veras, Francisco Jos Gomes e
Manoel Antonio Moreira, os tres primeiros passa-
geiros da lancha do ultimo, todos os quaes, es-
quecendo o risco que corriam, estaudo o mar tio
procelloso, espontneamente vierarn em nosso au-
xilio, e nos salvaram da morle que j considerava-
ui'is inevitavel. e a que todava nao pode sublrahir-
se o nosso desdiloso companheiro Manoel Cara-
ballo.
t Recebara, pois, esses senhores os nossos cor-
deaes agradecimenlos_pelos senliraentos humanita-
rios de que deram tao brilhaute lestemuuho em
occasiao lo crilica, e creiam que os seus nomes
acarad gravados para sempre com caracteres in-
deleveis em uossos r.oragoes reconhecdos.
t Igual agradecimeoto devemos ao Sr. capilao
do patacho nacional Regulo, que enviou em nosso
soccorro um escaler do seu uaWo, e aos tripolan-
les do mesmo escaler, que tambem recolheram
um de nos que j se acbava sobre uma jangada ;
assim como ao escaler da barca de escavago que
ahi peno se acbava. Recife 13 de junho de 1863.
Francisco da Paula Borges.Bento de Ponies
Guimares.Aotooio Jos Feroandes Mooleiro.
Alberto Braga.Urbano Jos de
de preenchido o lugar a tempo, era todava neces-
saria a matricula na capitana do porto, o queso
nao pode conseguir naquelle mesmo dia por ser
santificado.
Nao tendo aulflcieaies eosaios doJrama^pela
molestia da artista p. Eugeuia Cmara, foi traos-
ferido para a rnanhaa o espectculo que esuva
annunciado para boj-, curn o drama O medico das
creancas.
No dia 5 do corrate, foi erido mortalmente
com uma puchbala, pouco abaixo do peito esquer-
do, Guilhermino da Rocha Rgo, por Maooel Joa-
quim de Barros, ambos moradores do engenho
Santo Elias, do termo de Serinhem. A victima
falleceu no dia 8, e o assassino logrou fugir.
Foi assassinado, era te ras do engenho Bom
Nome, da povoapao de Duas Barras, Braz Vieira
das Candas, 2 do corrente, por um tiro dado
casualmente pelo menino Joan Jerooymo de Senna,
quando experimentava um
desea rregado.
No discurso pronunciado pelo Exm. Piolo
de Campos, na festa da s.^eiedade Monte Pi Popu-
lar Pernambuoano, e publicado no da 14deram-se
alguns engaos que hoje corrigimos:
Na 4a columna da 1- pagina, a contar do alio
da lietisla, unlias 42-onde se l scena exiieta-
vel,-la-sescena espertare!.
Na 5" columna nbas 7.1-cnde diz-que puro
amor e amor soberano, -accresconte-see puro
amor e amor soberano porquel>eus etc. ele.
Na mesma colnmua linhas 98onde se l
rotiv*diga-se rotina
Na 6" columna linhas 16-onde se lTraba-
Ihamosli seTrabalhemos.
A data do priraeiro artigo, publicado era
nosso numero de honleni sob a rubrica Interior-,
7 de junho e nao de margo como saino.
Casa oe detb.\-q.u>.Movimentodo dia 14 de ju- i
ohnde 1863 :
Exstiam 343; entracaml4; saliram 1;
do, Trajaoo
dente.
DESIGNAgAO DE DIA.
Assigooa-se da para jabnueeoto das segra-
les :
Appellacfies cmes.
Appellante, Idalino Fausto iforeira ; appeUafJa.
Auna Alexandrina de Lima.
Appellaute, o.juizo appelWo, Maooel Joaqaim
do Espirilo Santo.
Appellaute, o juizo; appeados Feliciano Ribei-
rodos Santos e soa mulber.
Appellagoes clvels.
Apiiellanle, o barao de Guararapes ; appellado,
Jos Francisco de Farias Salles.
Appellantes, D. Anua Maria da Conceigo e ou-
tros j appellado, Francisco Joaquim Dantas.
Appellante, Joaquim Mauricio Wanderlcy e ou-
tros appellado, Lino Ferreira da Silva.
Appellantes, bacharel Benjamn Pinlo Noeueira
clamte, que julgava e oulros appellado?, Mai-garida Augusta Prato
Appellante, Albino Jos Ferreira da Cunha : ap-
pellada, a fazenda.
Appellante, Jos Luiz Pereira Lima ; appellado,
Joaquim Pereira Maia.
Appelaote, Anastacio Jos da Silveira ; appel
lado, Alexandrino Marlins Correia de Barros.
AppeHaete, iee Joaquim Neves Canella ; appel-
lado, Manoel Nuues Bonsoa.
DILIfiENCIA CR1ME.
Cora visla ao Dr. curador geral
As appellagoes crinies.
Appellante, Jo.io Ferreira de Mello ; appellada, a
jastica.
Appellante, Lino Ferreira da Silva, por seu es-
cravo ; appellado, o juizo.
A appellago civel.
Appellante, o juizo; appellados, AgosJinho Eduar-
do Pina e outros.
PASSAGBNS.
DoSr. desembargadorGitiranaao Sr. desembar-
tem 330, a saber : naciouaes 261, mulheres K-1 gadr Lour^CO Santiago_
C3SS* mU,hCreS2> -4-.A Appellante, ifflfl&fi Lima ; ap-
' Alimentaos' custa dos cofres publico?, 128. ; Pe"alo, Joaquim Franklin de Souza Pinheiro.
Mov memo
de 1863.
Teve baixa:
Joo Pedro; frieira.
- Dia
da enfuara dj da 16 de junho
13
gens 9:2l05803-mo
34:7425337.
A Rio Minti, que das mesmas dimensoes cus-
tou 31:738^923, menos uns tres pontos de res
porque o carvalho de que foi feila foi comprado
em Portugal muito mais barato do que os maudado
vir de Inglaterra para a Guadiana.
A crvela Joao I, salvou com 21 Uros a en-
trada n'agua da nova canhoneira. El-rei o Sr. D.
Luiz, vesiuido a farda de almirante, assistio a esta
festa. A guarda de honra era feita p;lo corpo de
marnheiros da armada.
E' provavcl que se nao comece outra quilha. Os
meios de que pelo oreamento para 1863 a 1866 se
pode dispor sao destinados s machinas e acaba-
mentos anteriores das corvetas Duque de Palmelta
p. Duque da Terceira, e canhoneira?, Rio Mtnlw e
Rio Guadiana. A primeira das corvetas, ha muito
tempo que esl prompta para ir a Iuglalerra meter
a machina.
Foi nomeada uma eommissiio paraestudar os
productos da mina de cobre.cprico de S. Juap do
Deserto B Algares, concelho de Aljustfel, dissricto
de .ja, flevendo esta eommissiio examinar im-
portancia que a lavra da mina pude vir a ter.
A Poltica jornal de Madrid, afllrmava ha dias
que o govorno hespanhol ia dirigir ao nosso uma
nota pedindo explicagoes sobre o facto de ter con-
sentido que em Lisboa se abrisse uma subscrpgo
publica a favor das victimas des aconlecimenlos
desgragados que ali occorreram a 10 de abril
ultimo.
Se houve subscrpgo foi de corto em particular,
pois pela imprensa nao se fez annuncio algum a
tal respeito. As folhas de Hespanha, andam de
lempos a lempos com estas invensoes de extrema
benevolencia para nos.
Pnblicou-se o primeiro numero do peridico
portuguezA Indtpendencia de Portugal, de que
redactor o Sr. A. Andrade e Almeida. Combate
o iberismo, pugna pela nossa autonoma e consigna
as gloriosas commemoragoes dos Tactos mais
patriticos da nacao porlugueza.
Longa vida lhe desejo.
*vma*ms*m*.i.<. -jw.i-*'."..-*s
PERNAIHRUCD.
mm mmk
Alimenta los costa dos cofres pblicos, 133.
Moviiueuto da enfermara do dia 17 do iui.no
de 1863.
Teve baixa:
Manoel Paulo do Monte.
Tiveram alta :
Joao, escravo sentenciado.
Francisco de Manoel de Tal.
Passageiros do vapor uglez La Plata, sabido
para Sowthamptou e polos intermedios: Charlos
Wilhain Ryder, R. Fenck, Joao Alfredo Thomaz e
saa senhora, Archibald Ree.1, C. A. Auslln e sua
senhora, Francisco Carvalho, Joaquim Lopes de
Almeida, Amonio de Souza Cunha, Antonio Fran-
cisco Pereira de Lyra, Antonio Lopos Braga, Jos
Francisco do Reg e sua seniora. Jos dos Santos
Reres Jnior, Mauoel da (tocha sua lilha e Q netas
menores, Manoel da Silva Ferreira, Luiz dos .San-
tos Le 11, Miaoel Jdaqaim de Farias, Francisco Art
tomo Vieira da Cunha, Mraoel do Nasciimtu i
Vieira da Cunha, Maria do Nascimento Vieira da
Cunha, Joo de Carvalho Raboso, Mauoel Ignacio
Rodrigues Praca, e Jo- Pedro de Farias.
Appelaote, Jos Joaquim Beii is e outros; ap-
pellado, Luiz Paulino Cavalcanle de Albuquerque.
Do Sr. deseinbargadorLonrenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellagoes civeis.
Appellante, Vicente Autamo do Espirito Santo ;
idas Duarle Gama,
errera da Cosa Miranda ;
Eduardo do Reg Mon-
teiro.
Do Sr. desembargador Alraeidae Albuquerque ao
Sr desembargador Assis
As appellagoes ctveis.
Appellante, a irmandade de N. S. da Soledade :
appellado?, os herderos de Jes Maria da Costa
Carvalho.
Appellante, Joao da Cunha Pereira ; appellada,
D. .1 janna Maria das Dores.
Revista civel.
Recorrentes, Manoel Antonio Ferreira e sua mu-
Iher ; recorridos, Manoel Marques e sua mulher.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
As appellacoes cveis.
Appellante, Joo Pinlo "de Lemos Jnior ; appel-
, lados, Jos Borges Dias e oulros.
Appellante, Tiistao Antunes de Alencar ; appel-
lada, a foseada.
Appellante, Dr. Maooel Carlos de Gouvea ; ap-
pellado, o vgario Jos Aotnues Brando.
Appellante, Joao Lopes Cavalcanle ; appellado,
Jos Antonio de Mendonci.
- Passageiros Z^^Ualanguape, \ JStfSS^JS^J^ ^eira ,:sla i
sahido para a Penado e p.irlos intermedios: len-
le Thomaz R. Pereira, alferes Carlos Jos 1e Si-
queira e 1 soldado, Jos Antonio Nunes, Fran-
cisco Pereira da SI va, Jis Marques dos Santos
Carrogal, Paulino Jos de Almeida, Jos Domingos
da Cunha, Antonio Francisco da Silveira, D.'llina
Josephina da Silva Brasileira e 1 fiho menor, J.
Vieira de Lima, F. C. da Silveira sua senhora e 3
lilhos, Anlouio Jos de Slqaeira Prazeres, Francis-
ca Mara da Conceigo e 3 meninos, Jaciniho Jjs
Nunes Leite, Francisco Jos Nunes Lete, Francis-
co Francisco Gom-s de Prauo, Claudio Dubeox
Junior, D. Isabel Maria Candida, Dorolhoa Maria
Candida, Augusto Cesar de Mendooca, Germano
Francisco de Oliveira, Uernardino Ferreira Cardo-
so, Faustino Jos Gome
pellado, Jos Joaquim Ferreira de Arruda.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appellago civel.
Appell'nle, Jos Gabriel Pereira de Lyra : ap-
pellado, A tuero Vieira da Cunha.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Guerra
As appellagoes civeis.
Appellante, Vicente Jos de Brito ; appellado,
Joaquim Antonio Pereira.
Appellante, Jos Simo de Frauga ; appellado, o
curador geral.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
A appellago civel.
Appellante, Antonio Tor'quato Felippe Maia ; ap-
A's 2 horas enceo-ec j a sessao.
fift
OMMElSflOMQS.
Manoe. Pinto Hanhoga, Sts^^S *>& ^=^^S
nho, | pracas da guarda nacional, Manoel Pita fi.ir.
celia, Jos Gongalves Torres, Antonio Mendes, Au-
gusto Cesar da Cunha sua senhora c 1 creada,
bacharel Antonio Rangel de Torres Bandeira e 1
creado, Joao Jos de Oiiveira, Joaquim de Azevedo
Maria, Antonio dos Santo* Oveira, Antonio Jos
Marques, Manol Bal bino Gomes, N. J. Pereira da
Costa, Antonio Jos de A!raida Costa, Firmino L.I
de Souza, e Jos Manoel Baptista.
Passageiro do brgue portuguez Laia H,
saludo para Lisboa : Jos Teixeira Lima.
Cemitbhio publico. Obituario do dia 13 de
A eslroda de ferro.
Pernambuco.
; anemia.
Prnambuco,
40 anuos,
i0 annos,
46 annos,
60
an-
Hoje a partida mensal da sociedade recreativa
mname no laboraioro das capsulas de guerra fl- Corybantina,a qual j tem lugar em sua nova sede
zera ir pelos ares a chamin e o telhado, incendia- i a rua rta Imperainz n. 12.
ra o barracao da offleina, e ferira gravemente o ~ Effectuou-se oa quarta-feira ultima o sarao
mostr das ofllcinas e um pedreiro. As providen- dado em obsequio ao -r. tenente-coronel Apolonio
cas foram dadas com toda a activldade, e o sinis- Peres Campello Jacomo da Gama, corrmandante do
tro nao teve felizmente mais funestas consequen- 2o corpo de Voluntarios da Patria desta pre-
cias, i vincia.
Na serra de Vallongo esl-se desenvolvendo' Foi uma fanccSo que corresponden plenamente
um estabeleclmenio da maior importancia, que ha aos seniimentos expansivos e sympathicos que lhe Pran
de trazer immensas vantagens ao paiz. A lousa deram lu^-ar; pois aprazbilidadepropria de laes eollM '
que se esla extraindo em grande escala, foi manda- '
da a Inglaterra, onde declararam os peritos que el-
la igual melhor qualidade do principado de
Galles que deve sn> riqueza mximamente a esta
industria.
a 1866 e applicar o sea producto s despelas pu- que se eslextraindo er"grnde escaTa'fbi manda" aelos juniou-s'e'o luzimento de uma'sociedade es" i souza.*,|P(.pn nf. ,,:- le......,,,,. n, ,. a
blicas devendo os vencimenlos de qualque natu- da a Inglaterra, onde declararam os peritos que el- comida, realgada pela presenga dos Exms. Srs. I .,. n, Jnn da Silvia lU^isanndASPo-V^
reza das classes activas serem pagos sem de lurgSo la igual melhor qualidade do principado de Presidente da provincia e commandante das ar- tra,anX ,b mioasn d si F?u! rIt
algu.ua e os das classes inactivas com o au{ nenio! Galles que deve su, riqueza maiimamenle a esta mas. SSte fouUnho (Mho de l Andr i t
de 2o por cento sobre o valor nominal dos i espec- industria. O servico foi delicado e profuso ; e a animacao MaS Th^i natural de Pan aZ mh t fn
iivos ttulos, excepto os do monte po do exercito e Sao varadissimos os usos desta materia. Para naquella mullidao de pensamenlos esteve na razio ,"J^fa^ hranen asricXr estalnrr! n,; u
da armada ate 10(^000, que serao pagos iu egral-. telhado, superior a telha por diversas razos. Nao! da ordem que reioou em tudo at o momento, em "nieladas e 2 nnnm=" aiielio* Sd P
""1,6-,- t s na sua durablidade grande, mas a barateza; q^ a retirada rompen a cadeia magntica VSre'to^^
4rJ?Mnmtr,sa 80Vern. aHde?Pender Ianle no seu emprego, corao na ligeireza da arma- Penda a todos n'nra circulo do agradaves erno- SSTnStSS barbado Inalnhh^m
mOOOOOO para llagar parte dos mezes emjatra-1 gao sao objectos de consderago. Um telhado de i oe.s. recolhido a detenrSo mi Ide marc af> ?n'
2o dos vencimenlos dos empreados da provincia, lousa sendo bem feito, nao carece de ser reparado : Folgamos de consignar esta manifeslagao, visto i SS iroceS or en me de mrL wniSnS
de Angola e continuar os subsidios j votadok an | por muitos nnos. As paredes forradas de lousa! qe ella traduz uma parte nobre do wragL do h
- para esta provincia e as de Tupor e; impedem a passagem da humidade, e sao por isso mem -o reconhecimentodomerecimento e a exal- haL e aonenado
i de graode vautagem as habitagoes. ta5a honrosa desle ; e folgamos tanto mais quanto
:iaes | Pelo lageado de armazeus de molbados nao pode alli presente, teve S. Exc. o Sr. Dr. Castello-Bran-
da i baver cousa melhor. Da mesma forma se empre- co occasiao de por si apreciar o acert da sua es-
junho de 1863.
Antonio Pinto do Farias,
solteiro, Santo Antonio
Joao Lefio de Carvalho,
solteiro, S. Jos, congeslo cerebral.
14 -
Manoella Maria de Jess, Pornambuco,
viuva. Recife ; phlysica.
Paula Maria do Espirito Santo, Pernambuco,
annos, solieira. Boa-Vista ; hepatite-chonica.
Anglica Maria de Carvalho, Pernambuco, 48
nos, solteira, S. Jos ; phlysica.
Luiza, Pernambuco, i mezes, Santo Antonio; diar-
rhea.
Tertuliana, Pernambuoano, 18 mezes, S. Jos ;
intorite.
Secundiana, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos, ana-
zarca.
13
Manoel Leiro, Pernambuco, 80 annos, viuvo, Boa-
Vista ; eoagesuo cerebral.
Francisco Gomes de Aadrade Continho, Pernam-
buco, 41 annos, casado, Bia-Vista; bexigas.
CHitOMCA JLDIiih
terior mente
Mocarobh|ue.
Carla de lei augmentando os sidos aos o
do exercilo em servigo activo do ministen
Afil-
aos
tuerra ; aos ofiiciaes da guarda municipal d
boa h Porto, aos ofiiciaes de primeira liuha de
ca, Timor e Mocau; aos officiaes da armada
empregados civis com graduagoes militares d mi-
nisterio da guerra.
Lei augmentando o prct diario dos officiaes infe-
riores e outras pracas do exercito, pudendo > go-
verno dispender no actual anno econmico al....
8:OUO000 com o nielborameuto no rancho ae to-
das as pragas e devendo consignar annualmenjte no
argainenio do estado a quanlia de 32:000(3 pira o
mesmo fim.
Decreto creando na cidade de Braga um coheur-
annual de mis gordo?, no qual se distribuiio
seis juntas de bois que mais se disUogHirem,
baver cousa memor. ua mesma lorma se empre
Lis- ga para tanques d'agua e de azeite, para depsitos c0"13 Para commaodo do 2o corpo de Voluntarios,;
de privadas, etc. fazendo-a recahir no digoo Sr. tenente-coronel
A lousa entra em muitos usos domsticos e indus-; Apolonio.
so
s
triaes, e sua explorago nao pode deixar por isso i Pela circular do ministerio da ju9tiga de 22
de ser da mais alia importancia. ; do mez (indo foi ordenado, que no prazo de 3 me-1 -nirencia smib
- Chegou no dia 18 ao Tejo com 4 > dias de es fizessem as presidencias Installar o registro ge- i ""^ elouuente na tona e rlmorrsn
viagem do Ferrol a fragata h-spanholaVtfta de ral das hypothecas em todas as comarcas, na forma ^n'0. el04uente na forma e primoroso
Rttbau com 272 pragas de guarnigo e 18 pegas do art- do regulamento n. 3,433 de 26 de abril
montadas. Ti az a bordo 30 guardas-marraba que prximo passado.
vem em viagem de estudo. ET navio muito mais Pr outra circular do mesmo
balho, eappellado
Procedeu-se a exame de verificagao de identida-
de de pessoa pelo subdelegado da freguezia da Boa-
Vista.
Quinta-feira (15) teve lugar a festa do SS.
Sacramento, orago da fregnezia de Santo Antonio.
Tudo alli correu magnifico e brilhante : templo
sumpluosamente ornado, msica excellente, con
no pea-
na exe-
eucao.
O jury ser cornposlo do governadjr civil, do
presidente da cmara munieipal, do velerenario do melo
Foi esse dia um dos mais bellos triumphos ora-
. torios do Exm. Sr. mousenhor Pinto de Campos,
pequeo do que as nossas corvetas Stepliania, ou data de 17 de maio proKimo ^toTnSndad. i %Xf9 ^eTrecee^o Z^rV SL7S
RartMomeu Dias. cessar a prat.ca abusiva e contraria aos iateresses : S"e?esSm SaAneXa^A^
m une 5. M. el-rei D. Fernando, .eneinn* a fazen a^/-r ^ d rS^ttWatfa
mifS, SraSo.1 divida* fiesncal7visdo j uma ,reeUa U P^- ?Po das
que esses empregados s tem direito de cusa de-
pois de findos os processos.
A sociedade dramtica Thalia Pernambucana
celebra hoje o seu ic anniversario, dando am es-
peclaculo variado oo theatro de Santo Antonio da
Caponga.
conferencia, seras decretadas varias provi
comprar as ruinas de Cetobriga ou Troia, cidade
.,, romana, soterrada na margem e.querda do
eis premios: o pnmtiro de 80000, o seguqdo de Sado.
40000, e os quatro restantes de 20*000 rs., cada f* Houve no dia 19 uma conferencia entre o Sr.
u"i: .. marqaez S da Bandeira, mioistro ioterino da ma-
O concurso reabsar-se-ha no dia 24 de junhqpor rinha, e os deputados do ultramar, afim de Irata-
acca?iao da fejra annual de S Jofio, podenqj ser rern de diversos assumplos respectivos as nossas
admitlidos a elle os gados de qnaesquer ragas o possessSes d'alm-mar. Diziase que em resultado
^^]^^^a^ab^^f^ desu."/^rSo decretada, varias provi-, O drama que le ,am a scena o Cynismo, se- monstragao do assump.o da festividade, e que lan- dio.
fnnS"b,lca1mi,,d*de- ,. gu'ido-se lhe a comedia Um primo inesperado e as lo coneorera para o brllhantismo do acto. 1
- Segando consta vai tomar graode desenvolv- scenas cmicas Effettos do vinho noeo e Mire caso Honra Ilustre mesa regedora da irmaodade'
...ialo a obra da escoja polyechiuica, afim de que nao me easo. do SS Sacramento neln modo
disiricto, do intendente de pecuaria e de quatro se complete qaanto ames o ediflcio. director da A'bordo do vapor La Plata seguio para a
Norberto de la Rustra, que vai oo
tristes repugoaucias partidarias, parase- se expo-
direm os sedimentos da jusilga. O distincto ora-
dor foi coberlo de applausos geraes, e comprimen-
lado pessoalmente por muitos dos seus generosos
adversarios do partido liberal, que naquella occa-
siao nao viram o poltico adverso, mas sim o pa
dre, que acabava de fazer a raas completa de-
TRIBUNAL DA BELA^AO.
SESSAO DE 13 DE JL'.NIIO DE 1863.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CO.NSELI1EIRO
SOUZA.
As 10 horas da mauhaa, presentes os Srs. des-
embargadores Gitirana, Lourengo Santiago, Al-
meida Albuquerque, Assis, Doria, Molla, Guerra
procurador da cora, L'eha Cavalcan, Domingues
da Silva, e Barros Vasconcellos, faltando o Sr. des-
embargador Sauliago, abrio-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JULGAMENTOS.
Aggravo de peliedo.
Aggravante, Roberto Leothbwow ; aggravado,
o juio. Relator o Sr. desembargador Almeida
Albuquerque.Sorteados os Srs. deembargadores
Guerra e Domingues da Silva. Negaram provi-
mento.
Aggravante, D. Maria Joaquina Machado Caval-
canle ; aggravado, o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador Assis.norteados os Srs. desembargado-
dores Doria e Barros Vasconcellos. Deram pro-
vimenlo.
Aggravante, Henrique Jorge ; aggravado, o jui-
zo.Relator o Sr. desembargador Doria. Sortea-
dos os Srs. desembargadores Almeida Albuquer-
que e Barros Vasconcellos.Deram provimento.
Aggravante, Dr. Deodoro Ulpiano Coelho Cata-
oho ; aggravado, o juizo.Relator o Sr. desembar-
gador Molla. Sorteados os Srs. desembargadores
Lourengo Sauliago e Ucba Cavalcanle. Negaram
provimento.
Appellacao civel.
Appellante, o cnsul portuguez; appellada, D.
Anna Lopes dos Res. Desprezarara os embar-
gos.
Appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Meados
da Silva.Rejrmada a senteuga para o grao me-
pouco vulgar, por-
propietarios on neg.umes de gado, neniados! escola poiy.echm7c;,o-"con^rhd7o"Sebaii7Lope Europa" oTn Nrb'erto' de~.a Bta,tr? 7ue ZVo ^FarlZ^tosVara S^e"! eunSlo Smi
da camaraeVerQadr d0S Pel ^^^! ?e ?lhe,ros, ?le.D^s' fuem ir** a< ob"5' caracler de eaviadl> eatraordinario e ministro pT tado^e a Ssu do Tago reassumT o expfenor
- Nosdoucos dias une tem eslado vedada* en LTlfl,oCaDsavel oe5t0. scrvi- nlpotenciario da repblica argeatioa, juuto a corte com que foi sempre celebrada nessa freguezia
.,, Y*J0*** la* que lem eslad.0 oada a en- Parlio ha das, para cumpnr a sua missao | de Inglalerra. i o vapor Jaguaribe da comnanhia Pernambn
irada l.vre ao publico no pataco de chry^l op d.plomauca junio da cort do Mjico, o vlscoode j Va. esse mioistro encarregado lambem pelo seo cana, segaio hontem ao meio dTparo no d? Ja-

.<
Appellante-, Fraocisco de Paula Campos Cuares-
ma ; appellada, a juslica. Nullo o processo da
pronuncia.
Appelaote, juizo; appellado, Francisco Jos
da Silva Pereira e outro.A novo jury.
Appellante, Belrairo, escravo; appellada, a
a justiga.A novo jury.
Appellante, o promotor ; appellado, Maaoel Ber-
nardo da Guerra.A novo jurv.
Interrompendo por um raoraeato os brados es-
trepitosos da guerra ; pego desculpa para fazer
sentir aos que lera a seu cargo os afazeres pbli-
cos, a necessidade indispensavel de uma medida
em favor da agricultura e do comraercio, que no
meio dos maoros acontecimentos nao devem um
s nstame licar esqoecidas.
Todos rendem lestemunho ao desenvolv ment
da industria e commercio nesses lugares, por oode
se abrera oovos caminiios a lodos os interesses so-
ciaes, arrasiados pela forca e veloc Jado dos va-
pores.
Nos ja gosaraos desse immenso beneficio, mas
de um modo lao incompleto e imperfeito, que por
meio dalle mal pojemos salisfazer uma parte das
necessidades commercia-s, lira principal a que at-
tinge esse graade melhorameuto de nassa pro-
vincia.
Os meios ordinarios e regulares de transporte
sao apaas iotervistos.
Aqu mesmo dentro da cidada o ponto de parti-
da foi lo mal escollado, que se pode dizer,o mo-
vimento commercial do lado por onde se eslende
a estrada se toruou mais pesado do que d'antes
era.
A estacao collocada as Cinco Ponas, fieou sem
espago, sem accommodagoes, e tao distante dos lu-
gares em que sao expostos veada os productos
priocipaes da ag cunara, que urna verdadeira
balburdia para o commercio.
Ahi por falla de edificios appropriados esses pro-
ductos sao baldiados uo meio de urna confuso ge-
ral ; o assucar por exemplo por falla de arinazeos,
que o receba passado rapidameute para os car-
ros, iicaudo exposlo muitas vezes chava por tal
forma, que so vi desfazendo em mel at o lugar
da venda ; tudo isso era pura perda do iufeliz
productor, sujeito a lautos outros acdenles.
Estes e outros raconvenientes se apresentam
diariamenle aos olhos do publico, nao como uma
necessidade que se possa aliar por qualquer cir-
cunstancia, mas como uma reclamagao viva de ama
medida indispensavel, que lenlia por fim acautelar
de ruina, ou perda total os nossos producios, e evi-
tar o augmento de despezas do transporte, offere-
cendo plena, e inteira facilidad com estacao ap-
propriada, j pelas suas accommodagoes, "j pela
sua posgao local.
O grande inconveniente da esiagd as Cinco
l'ontas apresenta-se aos olhos do publico como urna
viva reclamagao de prolecgao a nossa agricultura,
j por si lo abandonada aos seus exiguos e min-
goados recursos, e lo sobrecarregada as despe-
zas da cultura e fabrico.
E' sobre a classe dos agricultores que vai sem
duvida pezar o augmenio do transporte de seus
productos conduzdos daquella eslago collocada
na extremidade do ponto onde devem ser exposlos
venda ; e correado alm disso o risco de serem
deteriorados; facto que se realisa em todos os das
da estagao invernosa.
Esses males se poderiam evitar fcilmente se
removendo a estagao provisoria das Cinco Pontas,
para om ponto da cidade, que offerecesse ampias
accommodagoes, e facildade a todos os trans-
portes.
Esta grande necessidade nao pode ter escapado
as vistas perspicazes do presidente do gabinete
actual, quando visilou a sua provincia natal, ven-
do com indisivel prazer o ensaiodos nossos melho-
ramenios materiae- paraestabeleciraeoto dos quaes
lo poderosamente tem concorrido ; e mrmenle
para esse com o qual pode se assim dizer, que col-
locou-se a primeira pedrano edificio do nosso pro-
gresso industrial e commercial.
E' a elle, (de quem a provincia tem recebido
tantos beaeticios, e tantas provas de interesse real
pela sua prosperdade), que a agricultura e o com-
mercio reclaraam esse raelhoramento indispensa-
vel. E' no meio do relinir da guerra, que absorve
sua maior attencao que a agricultura e o com-
mercio lhe fazera essa supplica, e o fazem porque
IJLEGIVELj
K<



f
i
seus onvidns nunca foram sardos aos ioferesses da
provincia de Peroatribco.
i i.*.i' i i i
tt amos' di fcu atigo IIW. Sr.--Jst'
Aiefedo de Andttdot
SONETO.
A flor antes de abrfr-.e, se recfla'
No botSo se resurae,-
Anles que mostr o colorido esmalte,
Qoe'espafhd o sed perTCiriid.
(GortfaUM DM)
!
!!
Que linda madrugada boje apparece
Qno bello Beberibe boje rolar,
Ssas lympidas aguas borDulbr,
Que sobre a linda praia se arretoce
A propria natoresa se engrandece,
Procurando as plagas demonstrar,
O dia de leus annos festejar,
Com o justo valor que lhe merece.
Este dia para mim imbriaote, I
Qual rosa n campo amen feiliceh'o,
Rico cheire exalando mol fragrant.
Acceita, caro amigo verdadeiro,
De meu serio coraco voto constante,
No dia de leus anBOS prasenteiro.
J. J. fymundo de llendonqa.
17 de junho de 1865.
\ii;
ia florida de JInrray 0 Linaan.
Em conseqtiencia1 da sua gramlo e vasta popula-
rldade e justa celebridade em tolos os mercados
d'America do Sul e das Antilhas, para o uso de cu-
jos paizes, ella fui exclusivamente manufacturada,
ha mais de viole annos; a mesma teua sido exten-
sivamente imitada e contn-feita nete paiz. Porm
presentemente o artigo original fbi introduzido, e
em virtnde do mesmo apreseutar a distincltra mar-
ca rommrciaI dos proprietarlos, pode fcilmente
ser distinguida- pela sua apparenpia exterior den-
sas outras simuladas e fraudulentas coroposicoes.
Os signaes internos de perfeita genuidade sao mui-
to menns fcil de engao, por q anto a agua de
florida de Murray e Lanman, tem e desenvolve o
aroma proprio das frescas e flor ;scentes flores e
plantas do trpico, das qnaes el a deriva a sna
bella e exquisita composicao, e a exposicSo ao ar,
em lugar de diminuir, augmenta a delicadeza de
sen fino aroma, em lugar de pr< duzir urna ema-
mcao acre ou urna certa effkivia desagradavel, co-
mo acontece, com esses perfumes e aguas de chai-
ro as quaes sao preparadas e com >osias com leos
barato; e fortissimos de essencia:. (Tenha-se pols
todo o cridado do examinar e ver, que os nomes
de Murrav o Lauman, sa aehem inscriptos e gra-
vados sob cada envoltorio, Mrein e garrafa e na
falta dos mesraos, fcil suspt itar da sua falsi-
dade.
Vende-se as pharmacias de Caors & Barbosa e
J. C. Bravo & C.
Joao E. B. dl^Neves, carga assucar e oOtros
gneros.
Observaro.
Nao hWrVeram ntftdas."
>WN
MtMi
il I
mam
ffffMW,-
wu w
C0MME1IQ.
PRAA DO RECIPE.
Cotaifes offlelaes.
14 de junho.j
Algodao primeira surto 14^200 por arroba.
(hoiiteo).
Dito dila1-13 por arroba.
Algolao segunda sorteljOOO por arroba.
- ia 16
Assucar mascavado Canal 2$)00 por arroba.
Assucar mascavado americano
Assucar mascavado purgado
25130 por arroba.
&200 por arroba.
uhourcq Jnior,
Pres
Guimar
dente,
es,
Secretario.
."Vrr> bauco de ^eruasn-
huco.
O Ino-oo desconta letras na peseme semana a
Q por nenio ao anno al o prizo de quatro me-
zes, e a 10 |0 at o de seis mezes
Gila llial do banco do Brasil cm
PernanibucD.
A directora desla caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sotjre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de pernambaco.
Os administradores da massa fallida de Jr m
Jos Silveira pagara o Io dividendo de dita nmsa
lia razio de 9 0/0 sobre o valer des ttulos ad-
mitidos : no novo banco de Fernambuco ra
do Trapiche n. 34.
LFANDEG-5 '. 254:51S5li4 13:373-5090 267:888,J83.

MOVIMENTO DA AL Volamos entrados com fazendas c < com iz.'neros. fADEiiA. 10 ___ 361
'Volumcs sahidos com fazendas. com gneros. ------ 371 8o ... 438
------. 543
Descarregam uo dia 17 do corrente.
Brigue portuguezUnidodive ses gneros.
Brigue portuguezRelmpago dem.
Brigue sueco An/o -dem.
Patucho hanoveriano Mettene-- farinha de trigo.
Patacho hollandezFamoio Sytst -garafoesvasios.
Barca iugleza Jfirandiimerca lorias.
Escuna porluguezaD. Jooc iarque.
Sanara hespanliolaMercedita--idem.
Brigue nacionalCardia idera.
Brigue nacionalfmponifofid m.
Pal iBtw hollandezOenyidem.
Brigue inglez -Melttocarvao.
Barca inglezaFavoriteidem.
Barca ingiezaAvenaidem.
Bmj>or;i?!0.
Escuna hanoveriaaa lUeJtme, entrado de Trieste,
consignada a Phipps Brothers & C, manifestou o
seguiute :
1,98o barricas farinha de trigo aos mesmos.
Imitar incoo.
Vapor inglez Olinda, carregou para Liver-
pool :
2,130 saccas com 12,861 arrobas e 13 libras de
algoi).
Brigue portuguez Laia II, carregou para Lis-
boa :
3:0 barricas e 1,450 saceos com 8,161 arrobas e
2o libras de assucar branco, 9-50 saceos com 4,730
arn.lias do dito mascavado, 34 cascos com 666 me-
didas de me!, 2 pranxoes do vinhajtico e 20 saceos
om 60 arrobas de caf.
RECEBEDORIA DE, REXDAS INTERNAS (
RAES DE PERNAMBIJCO.
lendimento do dia 1 a 14...... 16:P2i5333
dem do dia 16................ 1:940627
O Dr. Tristao de Alenear Araripe, offi'ciai
da imperial ordem da Rosa e juiz de di-
reito* especial do com i.ercio desta cidade
do Recife, por S. M. imperial qae* Du*
guarde ele.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem e delle noticia tiverem, que no dia 26
do junbo do corrente anno, depois da
audiencia, se ha de arrematar por venda a
quem mais der, os escravos seguintes :
Aquilino, crionlo, deidade 6 annos, ava-
llado por 1:200(9; Ch rispo, criou lo, de ida-'
de 10 annos, por 1:00(M ; Josepba, criou-1
la, de idade 18 annos, por 1:000S ; Rita,
de naco de id**e 45 annos, por 600^ ;
Leandro, criotrto, de idade 40 annos, que-
brado da verilha, por 40 ^ ; Rasilia, criou-
la, de idade 43 annos, por 2005 ; Raymun-
da, de nai;3o, de idade 50 annos, por 260(5. \
Os quaes foram penborados por execugao
do Dr. JosJoaquim de Souza, contra Fran-.
cisco Antonio Pereira da Silva.
E nao havendo lancador qoe cubra o pre-1
qo da avaliaejio, a arrematato ser feila pelo
preco da adjudicagao na forma da lei.
E para que ebege ao conliecimento de to-1
dos mandei passar o presente que sera pu-
blicado pela imprensa e afiixado no logar!
do costume.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento. escrivao, o subscrevi.
Recife, 30 de maio de 1865.
Trisio de Menear Ararme.
O Dr. Tristao de Alenear Araripe, ofTieial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio, desta cidade do Recife de Per-
nambuco, por Sua Matrestade Imperial e Cons-
titucional o Sr. u. Pedro II, a quem Dos guar-
de etc.
Fago saber aos que O presente edital virem e .
d'elle noticia tiverem, que no dia 26 de junho do '
corrento anno se ha de arrematar por venda a i
quem mais der em praca publica d'este juizo o se-1
gurate: |
Um sobrado de dois andares, sito na ra do
Crespo, com o numero sete, teudo a frente para a
na do Imperador e oiio para a ra do Crespo,
com varanda de ferro em ambos os lados, e um
soto com janellas para a ra do Imperador, e a
rua do Crespo, com salas e quartos avahado por '
vinle e cinco cotilos de ris.
O qual fra penhorado por exectiQo de Joao
Frederico Jorge Kladlo contra Miguel Jos Bar-
bosa Guimarae*.
E nao b&vendo lancador que cubra o preco da
avaliagao, a arrematacao ser feila peloprejoda.
adjudicagao na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa, e afiixado nos lugares do coslume. Re-
cife, l. Je junho de 1863.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimeoto^es-
crivo, o subscrevi.
Tristao de A'tncav Araiipe.
O Dr. Tristao de Alenear Araripe, offlcial da Im-
perial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernamba-
co e seu termo, por sua imgestade imperial e
conslituigo o Sr. D. Pedro II, a quem Dos guar-
de etc.
Faco saber pelo presente que no dia 26 do mez
de junho do corrente anno, se ha de arrematar por
venda a quem mais de.", em prar.\ publica depois
da audiencia respectiva, o escravo cabra de nome
Manoel de Lemos, de 4 annos poiico-ftiais ou mp-
uos, avahado por 800.5000, o qual 'vai a praca por
execucao de Prenle Vianna j C, contra o Exm.
Viscoride de Suas^una. \
E na falla de licitantes sera' a arrematagao feita
pelo preco da adjudicagao com o abatimento res
pectivo da lei.
E para quo chegue ao oonleeimooto d todos
mandei fazer o presente edital que sera' afflxado
nos lugares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco ao 1 de junho de 186o.
Eu Manoel deCarvalho Paesde Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Tristao de Alenear Araripe.
0 Dr. Tristao de Alenear Araripe, facial da imi
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especia
do commercio desta cidade do Recife, por S. M.
Imperial, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem, e
dola noticia tiverem, que no dia 26 de junho do
corrente anno, depois da audiencia, se ha de arre-
matar por venda, a quem mais der, o seguate :
1 casa terrea na travessa do Tambi, n. 18, com
porta e janella na frente, duas salas, dous quartos,
cozinha fra, qni.ital morado, cacimba meeira e
eotulhada, vista do estado avahada em 1:0005000.
A qual fra penhorada por execuyao de Joao da
Cunha Noves, contra Miguel Jos Barboza Guima-
raes. E nao havendo lancador que cubra o prego
da avaliagao, a arrematago ser feita pelo prego
da adjudicara, na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presento que ser publicado pela
imprensa, e afflxado no lugar do coslume.
Recife, 30 de maio de 1863. Eu Manoel Maria!
Rodrigues do Naseimento, escrivao, o subscrevi.
Tristao de Alenear Araripe.
O Illm. Sr. (aspecto; da tbesouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da prpvincia de 22 do corrente, manda fa-
zer publico, que no dia 42 de junho preximo vin-
douro, parante a junta da fazenda da mesma the-
souraria.vai novamente a praga para ser arrema-
tada a quem por menos izer a obra da conclusao
da casa da cmara e cadeia da villa do Bonito,
avahada em 8:30'J.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 3'v3 de lo de majo de 183i, e sob as
clausulas especiaes publicadas anteriormente.
E para conslar se mandou pablicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
baco 24 de maio de 1863.O secretario,
A. F. d'Anunnciacao.
Dito da niffJa Coiffiw4i*-... 5:0005000
30:0006000
Bairrtvda BAa-Vistft
Chafariz e frica do caes- de CV
pibaribO................ *5#0jGOO
Dito da rua da Aurora junto ao'
GyriinaSio.............. 2T0Y0d0OO
Dito da pratja da Boa-vista___ 6:0005000
Dtto da caixa d'agua dos Prres. S;50W)0O
Dito da rua de S. Gwicak).. ., l:20u$000
Dito do largo da Soledade.. .. 2:1060000
20:100,51000
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo da Ribeira.. 13.'000#0C0
Dito da rua Imperial........ 2.0004W00
Dito dito defronte da Cabanga. 3:500^000
23.500,5000
Bairro doy Afogaro.
Ghafar'z do largo deNossrSe-
nbora da Paz............ 3;000#000
Cidade Nova de Santo Amaro.
Chafariz junto a rampa do'
Starr C............. 2:000,5000
Passagem da Magdalena.
Chafrriz do largo do viveiro.. 200^000
Dito entre as duas pontes .. 3tiO#l'00
msoNAewrs.
Luciano Lemosnica............ Amoeio.
Delormel.................. .. Lisboa.
Jeronyn...................... Colmbra.
Frederico...................... Borges.
Francisco, criado................ Gutmaraes.
Jeroaymo, jardtneiro .......... Sania Rosa.
Renato, criado de Luciano...... Peixoto.
Lucilia........................) D.Euyvni*.
AntoBia, berbeira............... D. Leopoldina'
Joaaoa criada................. I). Joaquina. '
Mriai>oaN aldeaa............... D. Jesuvaa.
Procissao de donzelas, campooezes, mulheres,
criangas etc.. et.
Este excedente drama qae lautos applausos
merecen nos theatros di Rio de Janeiro e Bahia,
rcommenda-seao Ilustrado publico desta capi-
tal, j pela sua morahdade, j pelo engenho com
que sao trocadasms brilhantes scenas.
FTnallsara o espectculo o sempre applaudido
duelo
o mm\m E AlWiDEIBA
Principiar s 8 horas.
I
A tten cao.
THEATRO
DE
560^000
Escriptorio da Companhia do Beberibe
13 dejunho de 1865.
O secretario,
Dr. Joao Jos Pinto Jrnior.
No dia 17 do corrente, por ser a ultima pra-
ga, tem de ir em praga pelo juizo da 2* vara, es-
crivao Mona, metade-do sobwido de dous. andares
sito na rua da Cruz do Recite iu 6i, avhala em
4:0005, a qual vai em praga por venda a jnem
mais der, por execncao que encamimam s her
deiros de LoureB; Jos das Neves contraes ner-
deiros de D. Marianna Ferreira Duarte Res.
Convida-se as pessoas queeslivereainasotn-
digOes do servigo militar, a engajarem-se aocorpo
de polica, e gozarem das vantagens que ^oflerece
a lei provincial n. 611 de 2 do corrente.
Consulado provincial-
Pela mesa do consulado provincial se faz piblico
que os trinta dias uteis marcados para a edranac
bocea do cofre dos impostos da deema dH pre-
dios urbanos de 20 0|0 do consumo de aguauente,
e de 3 0|0 sobre os bens de raiz pertinciftes
corporaedes de mo morta, se principiam a imitar
do dia Io de junho vindouro, Ticantlo sujeius a
multa decretada no art. 50 do oreamento viente,
todos os que pagaren depois de lindos os dfos 30
dias.
Mesa do consulado provincial da ParBflmbuio 26
de maio de 1863.
Antonio Carneiro Machado Ris
Admini.-trador.
Pela inspecgo da alfandega se faz pb'ico
que at o dia 19 do corrente se dev< ulurar o
contrato para os concertos do armazem n. 5, como
foi annuniiado por edital do dia 3 deste nenio
mez, e para que chegue ao conhecimento d pre-
tendentes, passei a presente.
4" seceo da alfandega da Pernarabuco 3 de
junho de' 1863.
4o escripturario,
J. de Avia Bitancourt Neia.
Pela reeebedoria de rendas internas graos
se faz pnblico que miste corrente mez que C, de-
vedores dos impostos seguintes: renda dos pro-
prios naeionaes, decima a'dicional de mao-mr a,
imposio do 20 0/0 e dito especial, relaliv >s o 2
semestre do eiereiciocorr*nii>, tei-m dejiasarieus
dbitos sem mulla, depois do que serSo pagosiom
ella. Reeebedoria de Pernambuco 2 de nal de
1863.O administrador,
Manoel Caroefro de Souza Laceri
Pela secretaria da cmara muuicipal dsta
cidade se taz publico que a masma cmara pu-
ripia a sua segunda sesso ordinaria deste no
ein o dia 19 do corrente e nos seguintes.
Secretaria da cmara municipal do Recife. } de
junho de 1863.O secretario,
_ Francisco Canuto da Doaviafn.
SAHTO AUTOPIO
Capunga:
Sociedaile MinaUc ilialia Peniam-
hiH'au*.
De ordem do Illm. Sr. presidente do coitselho
(liwnk-t.-iUivo (Uk-ta s.)cidade, sctenlitiro aos Srs.
socios qae o espectculo em anniversario da mes-
ma ter lugar no satinado 17 do corrente, podendo
detde ja os mesmos Srs. soeios reeeberem do Sr.
thesoureiro, a sede dasociedade suas parles de bi-
llieles, tendo em vista porm, a dispaslo uj 4o
do art. 21 dos ectitulo*.
Seeretaria da sociedade dramtica Thalia Per-
dambucana, 13 de junho de 1865'.
O Io secretario interino,
Epaminondas P. B. e A. do Vasconcellos.
LeiKo
Da parte de onra cw na Parahiba a rua das 0""'b pergtut rjow nbw : pergj4a-*e o Sr.
ConveitidaSR, IS, em txijte um e3-|6scaid*lrege?ta---- sea* vidas dtt cariw sec-
tilrplccimcirto. ITBtdo ludo predio em ra "' rua da Praiil ^ sa0 'rw iwto rpf>prvel
z.t uu^, e euja parte e /u/0 wj rs.,, m Mntos> ^^r^.^ {nmo i^ ( S9.
como tambem os a4ugueis de cerca de 2-1 mana, a pomo do u.tiu r ssm vewre-se
a 3 annos paM*:amenU e amafrarewsj n raiga da do esta-
Trei-feira 20 de ionho as 11 boras. beieeiweote; oMsecaao ael bymipwa-respeita-
ordrlio Siimks If f,imara maJod*, afir os *,raM* i* rem
:. .,__. t *-reiro imoes fraaeas aulborisaa> pelo liquidatano daca contmercial lt m i0 ||br de ^ >
de Antoaio Joarjuim de MeHo, fara letlao da parle -2LT:------.-_- H ^IzzZ^.-----------
e alaguis do predio cima desenpto" podendo des- Joaquim Lipes de Almeida deixa encairrega-
de j safisfaaer aos preleodentes iodo eselareci- dos de todos os seus uegocios durante a sua auieo-
mento, cajo leflo sera effeetuado no dia e hora eia, em-l litgar seu sobrtah) e genro o Sr. Anto-
acina dito a porta de armazem do Sr. Aotws lar- nw de Aleae.aa Geaies, em o Kxm. Sr. Baro
go da alfaadepa. do Livramento, em 3 o Sr. Jo< Aoioaio de Carva-
^ mo, e em o 4o o Sr. Jjs Joa^uiai Pereira, do Meo-
Lm4' > dir______________. _...
r. n- Precisa-se saber quwn o corresuendeata di
De Una labema na roa dO PirtS n. 1. engeuh Qaiiiudnba, para entregar urna caria: ua
Martins far leilo a reqoeriraento dos deposi- livraria ns. 6 e8 da praga da Independencia.
larios da ma-sa fallida de Joaqoim Antonio Lepes *aii----""**""'~"~~'*
Gomes e mandado do Mira. Sr. Dr. juiz especial !*"*
do commercio, da armaco, gneros e pertences, *c*l'se sobre a ^ '** !Ja^a' lo Cor-
existentes oa taberna da rua dos Pires n. 1 per- P_i'.>. eeenplwio de Jos Marta Palmera,
tenceutes a mesma massa. Alaga-so a casa terrea na rua da Owquistd
Terga-feira 20 do corrente. !n. 8 : a tratar na rua do Sebo n. oi, ubtfna.
As H horas do dia na mesma liberna, os pre-' i>rt.;j.a.s.
tendentes podem eiarninar o balango em o es-
GOlFiilIIA BBASILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
p^Js. al1^ o di* 23 do correle, o vapor
^ Purait, commaudante o capitn
de fragata Antonio Joaqun) de
Santa Barbara, 0 qual depois da
demora do cosame seguir' para os portos do
sul.
Desdej reeebem se. passavreiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condiuir, a quaJ dever
ser embarcada do dia de sua chegada, eacoMiiMo-
das e dinheiro a frele al o ilia di saliida as 2 ho-
ras da tardo : agencia rua da Cruz n. I, escripto-
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para lio de .Laneim.
Pretende seguir com muitabrevidade o paite-
bote Piedade, tem parte do sen carregamenio a
bordo, para o resto que lhe falta e escravos a fre
te para os quaes tem emolientes commodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios AntoDio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1.
Paira o B*oro.
Sobe com a possivel presteza o brigue portnez
guez Unio : para carga e passaseiros trria se
com o consignatario Thomaz d'Aquino Fonseca;
rua do Vigarie n. 19, Io andar.
Para Lisboa.
Segu eom a possivel brevidado o bem conhe-
cido brigue portuguez Relampngo: tem a maior
parte da carga prumpta e para o resto e passagei-
ros, trata-se com o consignatario Thomaz d'Aquino
Fonseca.na rua do Vigario n. 19,1 andar.ou com
o capuao na praga.
Para a Iki
No da 20 do corrente, depois da auVtncia
do Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara, a \lima
praca da propriedade sita na rua dos GoarawAS,
pela avaliagao de 11:430,5, e tena de ser arraata-
da pela adjudicagao eom o abatimento da lei por
execugao de Joaqnim Lopes de Almeida mtra
Domingos Jo5 Pereira da Costa e sua mujer;
como mellior se ver do escripto eio mi dipor-
teiro.
Pretende seguir para este porto com hrevidade o
wleiriB tem conhecid patacho nacional D. Luiz,
ipe se-tfha com,parto da carga prompta : para o
rv>Ul iW'JB l'.iilll Jil'f iV.iiiiJ'-iliilirifit P,m MH ttfcJ,
O Illm. Sr. inspector da thosouraria de ken-
da manda fazer publico a lodosos habitantes osla
provincia, que em virtij.Je da ctreular do thewo
nacional n. 20 do 29 de maio prximo findo.lica
prorogado at o um de agosto futuro o praso nar-
rado para a snbstituicao das notas de 1005 a 3"
estarrpa, principiando do 1 dosetembro em dtuto
o d.'sconto prngressivo na forma da lei.
Secretaria da thesonraria de fazenda de Peram-
baco 14 de junh de 186o. Manoel Jos luto,
servindo de offlcial-maior.
Acha-se recolhido casa de detenerlo Moel,
que declarou ser escravo de Jos Pereira opo,
residente no Brejo da Malre de Deo, e acir-se
fgido : quem pois se jalijar enm direito aunas-
mo escravo, provando o sea dominio ser-le-ha
entregue.
Subdeleaacia de polica da freguezia da 3oaVis-
ta 16 de junho de 1863.
_____________ecio de Aquino Fonseea.
Gorreio geralT-
O Sr. Dr. Bento Minervino da Silva, naturl da
cidade da Parahiba, queir dirig4r-se a repaiie.o
do correio alira de receber urna carta recomr.u-
dada.
criptono no largo do Corpo Santo n. 4.
Para Lisboa.
O brigue. portuguez soberano, capitao U. B. Bu-
gigange, vai sabir hrev, recebe carga e passagei-
ros; trata-se com E. R. Rabello, rua do Trapiche
n. 4i ou com o capitao.________| ^
Para o Aracaty sega* em poucos das a bar-
caca Fior de Camaragtbe : para o resto da carga
qoe lhe falta, trata se na rua da Madre de Dos,
armazem junto a igrejo.
Pava a iialiia
pretende sabir coa rrmita lirevidad a veJeira. es-
cuna Elmm#W ter a insior |rtda carga, c para
o resto que Hies Na, tratarse co o eea*ignaiark
Joaquim Jos (i mcalves Beltrao na rua do Vigario
n. 10, prireairq andar._____
WHum, a BSaliia
pretende sabir en poneos, dias o veleiro hiato Ot-
retira por tora maior parte da carga prompta, e
parn a pum que lrtts bita, trata-se com o consig-
natario J'Muutm, Je- Gougsalves Beltro, na rua
do Vigario n. 10, f*rimro andur.
Para LISBOA
O palhabote 10 de Imilio iwetende seguir com a
carf a que liver al o dia 20 do corrente : para o
resto que lhe falta, o qual se recebe a frete barato,
trala-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio rua
da Cruz n, 1.
m mu
insass
aG3H.
17:9635182
CNSUL A "O PROVINCIAL
itenoientododial a 14......
-deo do dia 16..............
mfmm. w.....iw.iuv.
48:8895216
4:7135036
33:6025232
n II u '
^QflMENTO M BjSTO
Navio* entrados no dia 1*.
Terra-N >va 38 dias, brigue ingiez|Jl/iMeeML de
211 toneladas, capitao John Greir, ejquipagem 10,
caiga2,396 barricas com bacalbo ; a Sauoders
Ur'.iihors & C.
Calbao de Lima64 dias, barca ingleza Gladiolus,
de 376 toneladas, capitSo A. Taylor, equipagem
lo, carga guano ; ao capitao. Veio refrescar.
Navios sabidos no dia 16.
Rio dit JaneiroVapor brasileiro Jaguaribe, com-
mandante Domingos Henriqoe Mafr.
Rio de JaneiroBarca hambargaeza Ann Si Lezzij,
capitao iensen, em lastro.
Rio de Janeiro Brigue brasileiro Firmo, capitao
Companhia do Beberibe.
No dio 17 do crtente pelas 12 hor-is do
| dia ter lugar no escriptorio da companhia
rua doCabog n. 16, a arrematacao dos
chafarizes e bicas por bairros, nao se ad-
mittirjdo propostas que comprehendam. mais
que um bairro nem por es paco maior de
um anno ; os Srs. licitantes comparec^m
; com seos fiadores ou declaraces dos mes-
mos no mencionado dia, devendo ser as pro-
postas em carta fechada apresentada na
mesma occasio ou antes no escripiorio on-
de melhor sedeverio escla ecer e informar
das condicSes do contrato da arrematacao,
Bazes sobre as qaaes se d*ve laucar.
Bairro do Recife.
Chafariz e bica do caes da al-
fandeg*,................ foCOftfOGQ
Dito da rua da Cruz......... 7 2GO#009
Dito da rua do Brum........ 5:OO0#0O0
Dito do Ferie do Matos e bica
I do mesmo............... 4:500^000
Helaran das cartas srguras viadas do sul pelo,
vapor inglez La Plata t das existentes na dini-
nistrafo do correio dcsti cidade para es sc-
uhores abaixo declarados:
Agostinho Gomes da Cunha,
Tenente coronel Antonio Carneiro Machado lios.!
Capitao Antonio Luiz Duarte Nones.
Antonio Pereira de Carvaiho Guimanes.
Daltazar Gongalves Machado.
Claudino Marinho de Oliveira Crai.
Eduardo Alejandre Burle.
Francisco Antonio de Albuquerque Milo.
Francisco Ferreira Borges.
Francisco Manoel da Silva.
Galdino Ti'inistocles Cabral de Vasconcellos.
Joao de Freitas Barbosa.
Dr. Paulino Nogueira Borges da Fouseca.
R. Carrol I.
Strut Blak.
Visconde de Suassuna.
Vicente Francisco de Oliveira.
%E !&:>*
todas as semanas
No snud*-aia}a.d*aga;*
OLYMPlOf.
Hw*eh cailaiw ** nwelte--:i
criptorio do referido Martius a rua da Cadei nu-
mero 9.______________
LEILAO
De 30 lti'i'is em chumbo Terga-feira 20 do corrente.
Oagente Pestaa f'.ri leila > por conta e risco
de quem pertenoer de 88 harris cora cliumlio de
municilo prejudicado pelo cupim, os quae< seo
vendidos em um ou mais lotes a vontade dos lici-
tantes : terga-feira 20 do corrente pelas iO horas
da manlma no armazem do Sr. Azevedo, defroole
da escadinlia da alfandega.
aligar um* ovia ov,;iri>eirn e en-
gomm*deira, sadiae sem vicios : no l...rgo da Hi-
pe ir n. 19.
mm maso:
LOTER1
Arsl0.00t$a0>2;000>000.
Corre no dia Si3 vespera Se S.
dToo.
Acham-se a venda os bilhetes, meios e
quartos da 4a parle da 4a lotera (ffl') a
beneficio da Santa Gasa da Misericordia, na
respec iva thesonraria a rua do Crespo nu-
mero 15,
Os premios de 10:000/5000 al 205000
sero pagos unta hora depois da extraccic
at as \ horas da tarde, e os outros depois
da distrihuicao tas listas.
As encoinaioidas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccao
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O abaixo assignado previne a senbora que
alugou urca escrava de nomeLibai.ia na rua
das Cruzes n. :8, terceiro andar, que nao
se responsabilisa pelo aluguel da mesma
visto ter dita escrava lhe servido somonte
um dia.
.\m. Cailles.
Na rua de norias n. 86, loja, contina a la-
var-see engomm^r-secom perfeieo e por preco
bastante razoavel, tanto para casas particulares
como para qualqur peseoa.
Vitaliana Claudiana do Reg e urna filha me-
nor de nome Zulinira, Urasileira, retirase para
fra do imperio.
Precisa-se de una ama para comprar e co-
zinhar : na rua do Torres n. 14, segundo andar.
C4tri> PeraaDibucaiio.
Esta sociedade continua a ter os seus sa-
loes aberios em as noites dos domingos pa-
ra o recreio das familias dos socios, e espe-
ra que as mesmas conlinuem a concorrer;
como se den no domingo poximo passado,
em que as pess >as que compareceram go-
zaram da uina noite do variado etilreleni-
mento.
TH! 1TM
DE
Da !oj;\ de faicndjs da rua. Stfva.
.. Massa fellida de^Joao Baptista Goncal-
vos Bafilos.
InrtiDa far leiliio a requerimealo dos carado-
res scaes e depositarios da massa fallida de Joao
Bipi^tafiiiie^yei Ibftios, da ariuaQo, fazcada* e
perlrnces existentes na loja da rua No* n, 47,
perlencentes a mesma massa.
0-h'i.o ur lugnr na..mesma laja as 11 horas
do da. Os pretendentes podem examinar a rela-
cao das fazendas em o escriptorio do referido Mar-
i'ius.a rea. da Csdeia n. 9.
EMPRE^A.--0OI!B^L
18a recita da assignatnra.
Domiage 18 o-eofreote,
Subir a scena pela primeira vez o multo lindo
o acreditado drama em o actos
M pipas cora viaho de LtMrea.
SetHHida (fin 19 dq correte.
OmjKMle PK(e vwdf per con e risco de
quep pertencer 11 pipas com vinagre de Lisboa
| em ",f ~t( urfth '"t"-' >yii eiHi ?* cef-
rent peto thoras da haa ro largo da al-
faiitrttia,,.
------1 iIipiwm* '-niiiir"
John Quitam, sobdito inglez vai a Rahia,
i ~ Joan Pmto da MM Lima, snbtto ^)rtogaez,
rel>r-ifl iri>- fra 'ta- pr^vm^i.___________
Cosme Jiis dus, Santos continua a sa-
car para a praca do Porto. ______
Adverte-se aos c:ixeiros da loja da
rua do Crespo n. 17 que, quando quizerem
fiar pe,-soas de quem tem pouco conbe-
cimento, nio lancem mo do nome de ou
tras, como ?inda ha pouco fizeram acerca
de um^spirlilbo, quedizemse levara pra
amostra em 18 de Janeiro, chamando a pes-
soa que nunca Ibes compran nada, nem to
pouco le^ou para amostra; e se sao capazes
venham imprensa contestar o qae dize-
m-os; que prompto para os desmascarar es-
t o
Inimigo dos impostora^.
lA!uini>:av':ii> o cenMei'io
pisoca 10 de||uiUade I8G5.
As pessoas intercssadas pelos restos mor-
aos e que lem racommendado as exlwnva-
coes, havendo j decorrido o lempo fijado
pelo regulameoto, queijam providenciar at
o lim do corrente mez, visto qua por falta de
loatacamba, seria aheNas as mais amigas.
O adtniiiisiiail >r,
Meaoe) han \ivHm.
ficrava fagida
' No dia. 14 do corente fugio a eserava do. npe
Joanna, crionla, de idade 30 ana>s, lendo os sig-
Tiaes seguintes caractertsttcos : mal encarada, no
rosto tem um signal um tanto saliente, estator*
regular e gorda, levoa vestido do chita clara, cha-
les de merino estampado de assento roxicado ja
-em meio uso, e levou mais um vestido de chita es
cura, negra do mato, lem urna falla muito des
cacada- e falla mal : quem a pegar leve a a rua
do-Queimade n. 39, loa de fazendas qoe ser bem
raft'inpcnsade.__________________________
N*-rua da Iwpwatriz u. 2, vende-so mochos
com assento de pajha e outros com encost, ro-
dando sobre parafoios, proprios para escriptorio e
cadeiras com bragos e assento de palha de forma
elegante por 85 cada urna.
.. PrecisArS de orna ama para toda setic>
de ujt_,ca*_ de eouca familia : na rua Volka nu-
oe*o a_. ^^^_______________ ___
i-'t'rcisTse "de urna ama que cOsioM
Monte Pi Popular Pernam-
biioauo,
A directora do Monte Pi penhorada pelos sonti-
menlos mdires quecaraclirisam ai|uellas pessoas e
suciedad'es que se diguaraui comparecer ao seu
eoavii, asM>nndo w acto d.i benciW do emblema
de seu padroeiro, ijue leve lugar i) da 11 de tor-
rente, na igreja de iNossa SeHbora de Luvrainento,
m.-iiioa cordealmente agradecer, e bem assim a
contraria d'aqnella mesma Se_Itere, e ao socio
Simplicio da Silva Barbosa, este por naver ollere-
rido uma ladainha om huma dti mi>mo padroeiro,
e aqaell por so prestar nao s com o eoosenso
para a celebracao uo acto, cuno laibem por assis-
t.r, cooperando para o maior biilluiiisn e de-
cencia ao culto Divino.
A mesma directora faltara ao mais sagrado de-
ver se do alto da i m omisa nao ttze>se rlwgar ao
cuoheeiineiilo do Exm mensenhor Joaqnim Piulo
de Campos o quaoto lhe grata pelo otisequio de
se liaver prestado ao acio da beii^'ao e felicitar a
mesma sociedade apresentando um importante dis-
curso digno do mais subido apreca.
Secretaria do Monte Po Popular Pernambucaan,
1G de junbo de 18(i.
Ueruaido Falcao de Souza.
____________________1." ?ecietario.
Puudicfio de lowiiiaii.
Precisa-se de algimsser-
t'llitiros e de um moldador;
paga-::e bem a boas offi-
eiaes.___________________
U abaixo ass>ii!iiaJo, lendo Hj Diario de Per-
nambuco de 13e ii do corroiite, um auuuucio do
Sr. Dr. J'o Pedro Maduro da Fou.-eca, oo qual
declara que. de accordo com o Sr. Ilouorato t^ie-
lanu do Abren, socio na larga parte da botica d;i
rua do Imperaeor n. 38. a ten veddidu ao ,->r. An-
tonio de Souza e Silva ; apressa-se a declarar que
tendo sido contratado pe i Sr. Jos Paulo da Fon
seca, propietario da indicada botica, 09-31 *>
qual eneininbou a oiupeteule aeco para liaver
os seus salarios pela mesma botica, ac$_ que esta
ilepeiidenle d- deci-90 de unw consulla dirigida
ao coaMlbo de esta_o, e nao lhe constando que
dito Sr. Jo.- Paulo tenha feito venda na referida
botica aos Srs. quo apresentam o annuucio de ven-
da, tanto mais quaoto positivamente prohib} a
qualquer medico ter sociedade em botica, salvo se
pela furca de vontade do >r. Dr. Maduro, fui semo-
Irtaote disposigfio abolida ; mas qur sim, (jur
nao, a verdade ijue. decedida a quesino do eoo-
ilicto que se deu, tem o abaixo a-sigoado dieito
irrecusavel a ser pago pela referida botica, pas;ie>
ella a qoem quer que seja, visto que s us salario
lein previlegio a qualquer outro crdito, lleeife
l de junho de 1865.
Firmino Antonio Souto-maior llaposo.
Adolpo Tingo de Faria
Artista relojofiro
Faz sciente a todos os seu i antigos freguezes que
acha-se com loja na rua das Flores n. que faz
esipiina com a camboa do Carino, e os seus irada-
Miossao ossegaiates: cooeerta toda o qualquer
(|ualidaae de relugio, clironometros, patente inglez.
suisso, cylindro?, de mesa, pareJe, etc., faz todas
as pecas que sejam necessarias para o-, relogios por
mais difleeis que sejam, a ficar um relogio novo,
pulo caixas de relogios de ouro ou prala qae liram
aovas, mesmo estando machacadas., doara tambem
a caixas da niancira iua o freguez qulzer, faz to
toe qoatqcier coowerto as caixas, bota :\r< para
vidro, caniroi?, tacos e molas, tno por prego que
nao farao em nutra parte.___________________
-Precisarse da qaaofia do 908 peb> eepaco
de um anno, pagando-se rnensaliBenle, 30S pelos
jaros, dando-se boas tirinas : annuncie.
Precica se de das trab.ilhadores para pada-
ria : na rua larga da Rosario o. 16.
I'ede-se ao Sr. Ignacio Pinto d >s Sanios Satos
que tenha a bmrtade de vir a rua da Cruz n. 35,
a negocio que nao ignora.
Adverte se ao pnblico que tome cuid do com
um carroceira ilho que j esteva em um sitio cm
Crot de Almas e um outro em Olinda, d'onde ti-
rn nao poucas coosa, de que se fez a competente
vestoria, e agora voltand da* linas nada se fazea-
do santo, quando um Iwm Urapio e prepnigoso.
Por esta occasio se adverte ao me-.-n? ilu) que
se andar levantando falso -r provar a cadeia.
Aluga-se um mulaW'ie>feito copelro e ho-
leeiro, aliancando-se seu comportamen-i: quem
precisar dirija-se a rua da Cadeia do Recife u.
41, loja.
uexL.
22:7000000 Mr
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do Carina 10:000^000
Dito do largo do Paraizo.... 8:1)00(5000'
Dito do largo do Passeio Pu-
I Mico.................. 4:0OOO0O:
Dito da rua do Sol......... 3:0000000
31
DE30MIN.VCA0 DOS ACTOS.
Io acto.
2 dito....
3 dito....
4o dito
5* dito...,
Apparicao do marido.
O roubo da filha.
O encontr tos rivaes.
O duello.
O trlumpho paternal.
De rea *c 81Hf a 1,000 caixas com
elwW:iiiws acreditadas.
Sejpwdtomja 10 iHiwri^oie.
Oiagente Pestaa fir leilao |ior cunta de quem
'Pertw^i;dA,80iU4,QW^U!fiflm cUawU(J6 de,
diversas marcas todas ao
em qrn oa mais lotes a
res : segotrda feita rirdo
no armajiem^ Sr. Aiftvtdo, dufrote da escidi
! nha da alfandega.
AWIr
O abaixo assijnado, fiscal da freguezia de Santo
Antonio desia cid a de, faz sciente a qneni inters-
sar, que de presente san guardas monicipaes da
mesma fresnezia Francisco Antonio Saraivi. Epi-
fanio Jos de Sonza e Miguel Jos Ramos, e nao
outros.O fiscal,
Caetano Pinto de Veras.
Oaixeico.
Precisa-se de um caixeiro que entenda de fa-
zendas : na rua da Imperatrlr n. 22. _____
Pfecisa-sj de un eaixeiro portugiw ijoo
saiba bem ler e escrover e q-ie tenlwi pracica de
molhailos: no pateo do-Hospital n. 20.
Custodio AvesRod"rigTis"da Costa faz scien-
te ao respeiiavel publici e com especialidad* ao
corno do commercio que vmdeu ao\Sr. Antonia
Jos Goznes a sua taberna di rua da Ancora n. 4S
com todos os fundos na rn^sma existente inclusive
dividas activas perlencentes ao mesmo estabeleei-
mento, coja venda lhe fez livre e dosemiuracada.
Recife 14/de junan de IHH.
Alnga-se-uaia eoeheira na roa da l'mao nos-
fondos da caaa.do faJleci.1.) d*swbargailor Rocha
Bastos : no sobrado na mesma rua n. 32.

copipre. para cas de pouca familia: na rua di
fjtieim&doji^*, loja.______ __m -.
- fi.Pai'da,.Fowec dofifft.qivTcQnljnu UOltS..
a. ser o proprietano da boiiea na rus do Impaador De mandioca para vespera *e S. loan, fazse d^
o* 33 e a tur odia, sociedajift coa. HatU-CiUii Cafi- encommenda : na trave-s dos Expostos u 18,
tao de AUceu. ni) '"Wlt1 narte.na auuUBi'.if que primeiro and*.___________________
saaio m Dtntio a* Prrmmtneo d 19>a 14 doeoi-
reote mee, o.quijl sem diwida o* a typoteftpJiift
por anfw ^^^ ^_ _____ __
Roga-s* qoem. tisar Blii7 di. eito do
Carmo Varella, viuva, parda e velha,qneira parti-
cipar na rua do Hospicio n. H. _____^_____
Relojneiroe doURMUH, poi tugilPZ,
Albino Uaplista da lofrha, faz qual-
quer concert de, nriopo e donra-
do por preco? rnins bar..! s do quo
outro qualquer o responsabilisa-so
% pelo sen trabaJho, por isso espera
protecgo do seoe amigos e com-
patriotas.
Deseja^se contratar, n-.-diante boa gratifica
Sociedade Hatajo,
Determina.a, dar a sua partida na noile do dia
rreoadas nesto mercado 24 do corrate me*, na. rita Dir*U dos Aogadot, eflo, alguna seniwra nacional ou e.tranKeira, nao
vo.u.de dos comprado-! cad o. 29. >aiu moca, e quotBlia a* prensas habliiacoes
o corrente as 10 1|? hers Sscrciarla da socieiade. 17 do junho de 1863. pata asi um engeoiw enswar a algumas primeiraa
J. L. de Vas-oncellos, fetrs, franc-z e piano
secretario interino. e. 74, segundo aadar.
a tratar w rua da Aurora.
ILEGIVEL
nauTOQQ
*. .-v


Soeiedade Recreativa Cor)bau
tina.
De ordera do conselho director desta saciedad*,
faco sciente aos senhoies socios, que le ido sido
resolido a transferencia a
D. 12 da ra da Imperatriz, alii j deve er lugar
a partida roensal marcada para odia 17 ; c mitro
sim que foi assentado rao serem admeltdos aos
recreios meninas ; devenao, portanto, todos os
mal socios empenharem seus exforcos al'tn de ser
observada esta resolugao, como convm.
Secretaria da sociedade recreativa CoiJybanlina
13 de juDlio de 186.
F. M. do Amaral.
1* secre'arioJ
Diario de rernanfenco ... Sabbade 19 de Jimia o de IStt
Precisase de tima ama para o ser^o inter-
no e externo : na ra das Cruzes a. 3a.
No armazem de carne secca da ruaj da Praia
a. 34, d-sc gratis porcao de carne para porcos
Offerece-se um rapaz para criado a tratar
na rna do estine ti. 11
Precisa-se alugar um moleque db 18 a 20
anuos : na ra da Lingoeta n.S, botequini.
JK i) l)r (.arohno Francisco de LimaSan- y
* tos, contina a residir na ra do Imiera- H
dor n. 17, segundo andar, onde pode ser 5
daf procurado a qualquer hora do din c da k
^ noile para o exercicio de sua profisspode ^B
jj|| medico; sendo que os chamados dpois jg?
de meio dia at i horas da tarde devem M
ser dt-itados por escripto. O referido ^
($ Dr. nao abandonando nunca o esludo das jg
*g molestias do interior, prosegue, com
Se? o maior afflnco, no das mais diflict is e J<
^ delicadas operacoes, como sejam do or- |j|
gaos urinarios, dos olbos, partos ele
1L -
Precisa se de urna ama para oosirliar
ra do Imperador n. 46, primeiro andar.)
Grande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos utensis e os mais embregados
e usados na pharmacia, pintura, pholographia, tin-
turara, pyrotechinia (fogos de artificio) e em outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaesdroganasdeParis, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode bffereceer
productos de plena conliancae salisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadasi satisfar
com promptldiio qualquer pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se enconlram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collerco de vidros de dilTerentes
formatos, desde urna oitava at dezeseis oneas de
capacidade ; de vidros para Vtdracas e diamantes
para corta-los; depineei'apara ungir madeira com IX'w ??
propriedade e outros; de papis dourajdos e pra-
teados e folhas de gelatina para ornarhento; de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
para embrulho, para forro de casa, parndesenbo
com fundo j feito;de papel .Ibuniuadde Brisud,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para qtiadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de loiele, secativo de Haflim, ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estariho em fo-
Ihas de varias cores ; tintas vegelaes,|inolTensi-
vas proprias para confeitarias ; la d|e cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas ert tubos e
telas para rctratus ; tintas em pastis e eb p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly,jasmim, bergamota, aspice, palchoulk mbar,
bouquet.limo, alcaraiva, melissa, ortelsj pimenta,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal, lima,
anis da Russia, canella, cravo e muitos qutros ob-
jeitos que so com a vista poderaoser mostrados.
Joao Pedro das pves,
Gerente
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Silo Francisco.
AVINO
O abaixo assignado na qualidade de chefe da
administracao desta estrada de ferro, e a nica
pessoa da parte da companhia que pode dar urna
deciso final, roga a todos os seuhores passagei-
ros, expeditores de gneros etc., que afim de nao
perderem seu tempo, tragam ao conhecimento do
abaixo assignadoquaesquer reclama^des por dam-
nos, indemnisacSes ete., a que se julguera com
direito,o que ter immediata atiendo.
Escripiorio da superintendencia Villa do Cabo,
13 de junho de 186o.
G. O. Mann,
Engenheiroe superintendente interino.
SOCIEIhDE
DOS
ARTISTAS MECHAMOS E LIREIUES
DE
PERNAMBUCO.
Por ordem do Illm. Sr. director fago chegar ao
conhecimento dos senhores socios, que avista do
disposto no regulamento interno da mesma socie
dade, est designado o dia 18 do corrente, a? 10
horas da maoha, para a eleijao d w novos func-
ionarios que devem dirigir os destinos desta so-
ciedade no futuro anno social de 1865 a 1866, de-
vendo ter lugar essa reunio no salo da igreja de
S. Jos ao lado do nascente. Fondera mais o lllm.
Sr. director que a sociedade avista do procedimen-
to de seus associadoc tem jnlgado tod is terem sa-
tisfeto o disposto no art. 44 e ( e 2o do memo,
e por too espera que todos ho de comparecer ao
lugar j| indicado, alim de gozarem das prerogati-
vas e direitos que o respectivo regrlamenlo Ibes
confere.
Secretaria da sociedade dos Artistas Mechanicos
e Liberaes de Pernambuco em 13 de junho de
1865.
Basilio Barros
____________________Secretario interino.
Fugio da casa da ra da Penha n. 23,~na
noite de sabbdo 10 do cerrente, urna ovelha toda
branca, mansa, levando urna corda no pescoco :
quem a prenden e quizer restitui-la a seu dono,
leve-a mesma casa, que ser recompensado.
Fugio nm mulanho do, nome doph7de"l4
annos, cor acaboclada, tem urna cicatriz no alto da
cabera, e um dente careado na frente : roga-se a
quem o pegar que o leve a seu senhor Dr. Fenelon
Alcoforado, na travs? de JoSo Fernandes Vieira
n. 4, que ser recompensado.
Alugam-se as casas terreas ns. 1 e 3~da ra
mensaes cada urna : a tratar
GASA DA FORH.
Aos 10:000^000.
Uiltietes garantidos.
A' iica do Crespo n. 23 e casas do costuie.
U abaixoassignado vendeu nos seos multofeli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir, a beneficio da igreja dO'N.-S: do Ll-
vrameato da Varzea, os seguales premios :
Um quarto n. 7 com a sorte de 6:000*000.
Um quarto n. 1086 com a sorte de 1:2003000..
Un meio n. 852 com a sorte de 40011000.
E outras muitas sortes de 100$, 404, 202 e
10*000.
Ospossoidores podem virreceper seus respec-
tivospremios sernos descontosdas leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Aeham-se a veuda os da 4* parte da 4", lotera
no
Ama para casa
- .Precisa-se de orna ama para cozinhar e eogom
mar para orna casa que s tem duas pessoas
becco das B^ias n. 2, 1- andar. _______
Alogi-se o primeiro andar do sobrado ra
da Cruz n. 57, proprio para escriptorio : a tratar
no armazem do mesmo.
Aluga-se nm primeiro andar na ra da Pe-
nha com fundos para a ra Direita n. 9 : a tratar
no mesmo.
Fog-Ojfog-o.
Eu abaixo ajsignado declaro que comprei li-
vre e desembarazada a taberna sita na ra de Joao
Fernandes Vieira n. 6i, ao Sr. Manoel Francisco
de Paula. Reeire 3 de Junho de 1865.
I Joaquim da Silva Campos.
A^s Srs. acadmicos.
Vendem-se os seguinles foros qnasi no-
vos : Manuel de droit romain po- Mackel-
Para os festejados dias de S. JoSo e S. Pedro "*y, i volme, por OOi,; Diccionaire
existe na muitoarredilada fabrica de fogos de ar- du contenlteux commercial iinr Ma 4
licio da ostrada de Joao de Barros, propriedade yolome nnr RA nn 11 V '
da viuva Rufino, um completo sortimenlo de pls- Jama S Sor.lb*(-?)' ^a femme por ma-
tlas, eraveiros, rodinhas e fogo buscap : como "dUJd A regalas, i volume, com estampas
seja penoso a algumas pessoas irem a fabrica pela IlDas POF 5500; QEuvres de hacine t
distancia, os pretendentes podem deixar suas en- Vflume, com estampas finas por 6)J00 *
uvres cItoisis de B"lfon, 1 volume, con
commendas no armazem da bola amarella no oilao
da secretaria da polica.
- ^a praa da Independencia n. 33, loja de our
i ves, corapra-se ouro, prata, pedras preciosas e
(20") beneficio da Santa Casa da Misericordia, iUninem Je, f" qaalquer obras de eicommenda e
que se extrahir a 23 do corrente. odo e Q^liuer concert.
A.'uga-se o segundo andar do sobrado n. 62
da ra da Guia : no Io andar.
PREGO.
Bilhetes.....124000
Meio,......6000
Quartos.....3000
Para as pessoas que compraren! de 100^000
para cima.
Bilhetes.....114000
Meios......54500
Quartos.....2*750
___ _Manoel Mautins Fiuza. _
PERRNWBICANO! v a Amendoas
A partida do mez de junho lera lugar na crun JS"" amendoas confeiladas:
noite do dia 21.
O bachare
Francisco Augusto da Costa
ADV6GAD0
Ra do Imperador numero 69.
m
na ra da
Sortes de S. Jalo
Vendem-se lindos papis com estalo para as
sortes de S. Joo : na ra Nova n. 61 defronte da
lllma. cmara municipal.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : na ra estrel-
la jlojto^ario^j^andar^^^^
Samuel Power Jolinstoa & (loinpauhia
Ruada enzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fundico deLow licor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos. rn.
Moendasemeiasmoendas para engento : rj Taixas de ferro coado e batido para enge-,Be^eD1d28SC
estampas finas, por 40000 Cdigo de cr-
dito predial, i volume, por i$ii)u Flores
smgelas, poesas por Paes d'Andrade, \ vo-
lume, por U; A velhice de Cames, roman-
ce por Ti igueiros, por 20000 ; La tie de
samis, l volume, por \&iO; Economiepo-
littque, por Garnier, 1 volume, por 2;
Regras da escripttiraco mercantil, por (Jo-
mes Jnior, 1 volume, por 20500; Orgam-
salion \du travail, por Louis lanc, 1 volu-
me, por 1,51200; L'Epiphanie. pelo padra
Ventura, 1 volume, por 16(00; Lejaidi-
merdes salons, i volume, por 640 rs.: na
1*111 .1,. i '., 1 ,, ...'. CX 4 1-'
Estrada de ferro.do Recife Agu-1??is~
a Sao Francisco
Aviso.
A superintendencia desta companhia retebe
propostas em carta fechada para a construoco do
alargamento da passagem a nivel da estrada do
Olinda, ra de S-
com poucos fundos, propria para prin.
| cipiante ou pessoa que t.-nha familia, fdz-se imal-
. ------ lue,r egocio : a traur na mesa a, ou na ra es-
Arreosd carro para um e douscavallos. lread0 osarion. i.
- Alugam se dous grandes soba"d"oHo7om- i S;'hinas l)arV UescaroCar algoJaO-
modos para numerosa familia, novos e aceiados, 0l9res Para ditos.
com jardim, cocheira, estribara e outras commo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Precisa-se alugar urna escrava de boa
matadouro publico, mandado executar por ordem conducta que enlenda bem de costura een-
d0Ag0pIaTadaobra,orcamento e mais esclarec- S^JSStiTS^ \ T*
mentos necessariosseriio tranqueados ao exame seruas. a tratar na Chunga porto do La-
dos proponentes no escriptorio do Sr. engenheiro cerrecasa do lado direito que tem a cornija
fiscal na estarlo das Cinco Ponas.
As propostas serao recebidas at o dia 22
corrente ao meio dia.
Esciptorio da superintendencia villa do Cabo;
li de junho de 186o.
G. O. Mann,
________Engenheiro e superintendente interino.
Quem precisar de um homein para cozinhei-
ro, feitor ou criado, para casa estrangeira ou bra-
silera, pois o qual se acha habititado para qual-
quer urna das cousas cima, pode procurar na ra
da Roda n. 48.
de arcos.
Machinas de costura.
Prevme-se aos pretendentes casa terrea esperta e sadia
da ra do Hospicio que faz esquina para a ra do tonio n. 8.
Destino, annunciaila por este Diario para estabe-' ~
lecimento de padaria, ele. que tal eslabelecimento '
nao pode ser all collocado em quanto nao for re
um bonito escravo com 22 annos
no pateo do Terco n. 141.
Bichas delamburgo
Vendem-se na ra Nova d, 61.
- Vende-se urna negr nha de idlosT"
, muito-
no pateo da matriz de Santo Ao-
Farinha de mandiuca
. tem para vender Ao
!2Jto*f2i*r,ra Alved0& c->no scu es-
vogado pelo poder compleme o art. 4 das posta- Cr"ll0r' rua da Ul L_____________
iii dd|p|0I>aes approvadas pela lei provincial d. Xovena de \oss;i Incultura da
372 de 13 de junho de 1S35, o qual designa o bec- Carino e dp %......
codas Barreiras, Soledade e Santo Amargo, para se | fJSS^VSjSSf*-
de encadernacao : o ollicio, salve e
i poderem estabelecer padarias
i Vista.
no bairro da Boa-
O bacharel Lourengo Avelino de lbu-
qierque Mello continua a ter seu escrip-
tono de advogado nos auditorios e tribu
nats desta cidade : na rua do Imperador
wm
A layase
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama sadia e com bom leite
na rua Imperial, sobrado n. 87.
A NACIONAL
Companhia
un si;io na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, urna a em que morou o fallecido Thomaz de
Aquno Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
do Vdas as accommodacoes precisas, e outra com
I bos commodidades para qualquer familia : na
ruado Vigario n. 19, primeiro andar.
- Alagase urna sala do primeiro andar da rua
dojueimado n. 41 : a tratar na mesma.
- Precisa se de urna ama para casa de duas
pescas para cozinhar : na rua da Penha n. 23,
priiciro andar.
15, oficina
. versos, nove-
na e salve de .\ossa Senhora do Carmo, i,es fo-
$!IK !''eA105Por o00rs.,ea novena de Saut'Anna par
agica. M\
Xa rua Nova n. II, ha para vender-se ffi
Joao da Silva Hamos, medico pela lUni
| versidade de Coimhra, d consulta? em
I sua casa das 9 s 11 horas da manhai, e
I das 4 s 6 da tarde. Visita os doejntes
| em suas casas regularmente as horas
| para isso designadas, salvo os casosj ur-
gentes, que sero soccorridos em qjual-
I quer per-asio. D consultas aoi (jorrea
que o procurarem no hospital Pedroj II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pir-
tica qualquer operagao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 2,5500
Terceira dita.... 2000 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons serviQos que tem pres-
tado.
O proprietarlo espera que elle conti-
ene a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
Sfi
geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBR0 DE 1859
ma flanea em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garaBle a Loa da
ministraco da companhia.
gg um apparelho de mgicas i.ropno para
g alpuem que deseje ganhar dinheiro, Ira-
El balhaudo fura da cidade, ou mesmo para
n divertimento de salo. Xa mesma casa
H dl->se todas as explicacoes necessarias
I ao trabalhodo mesmo apparelho a pessoa
S| que o comprar.
mmmmmm mmm mmm^
ar ttenco
Xa bem conhecida casa da aboboda da Penha
n. 37 tem para vender continuadamente maja para
fazer bolos preparadas com multa perfeicao.
Engenho
Arrendase o engenho d'acua, na freguezia de
Ipojuca, denominado Jussar de Sanl'Anna, urna
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodo : na rua da Senzala .Nova n. 42.
Vndese
na rua das Cruzes n. 23 junco e palha, mais bara-
: to do que em outra qualquer parte.
! Xa rua da Imperatriz n. 15, segundo andar,
vende-se nma escrava boa para todo o servico de
urna casa de familia. Xa mesma casa comprase
um moleque para copeiro, e paga-se bem sendo
bom.
- Aluga-se na Passagem da Magdalena, rua do
Bemca, os sobrados ns. 7 e 9, com bons commo-1 |ec0a e'meia distanfe dTtLiita aTe^a?.. 7T
dosma familia : trata-se na rua do Trapiche j g ^^Sf^f ^^^
safrejar em grande escala : a tratar
Vinho do Porto superior em caixa de duzia
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
oo & C, nn sen escriptorio rua da Cruz n. 1.
nurero 4.
rarinlia de rauribeea fina e alva, mais
barata que se vende no mercado, em sac-
eos: na ruado Vigarlon. 29.
BAXQUEIROS DA COMPANHIA DIRECgO GERAL
O Banco de Hespanha | Madrid : Rua do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos segu
sebre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira que em nenbum caso nesno ter noli dos
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que anda mesmo diminuindo urna terga parte do interesse produzido em recenjes^iquida
l>epareieux que e adoptada 'pela fompanli.-
dfe :l ^10 annns 4im-..'.mn<.r>:jc5^ ar^'-'
coes ecombwado-o nona i m irtihlile da UtEela de
para seos clenlos e liqaidacoes, em segurados de idade
Ju ioi)f jiruJuz em effec/vo metlico: -----*-----------------
Xo fim de 5 annos. .
de 10 ....'
de 15 ...
de 20 ...
de 25 ...
1:1195300
3:9425600
11:2085200
30:2565000
80:3315000
PLSS Z-i!^S -mai0res de 3n' os Pnelos sao mais considerareis.
Joanuir F a iffiiJSSFXfcnSS presldas pel ^""rector > provincia.
mS^l^Z^^Xi^^a Boa-Visla rna da rmperalriz n-'2^Iabel
Anda se precisa de urna ama para cozi-
'nhar e engommar para tres pessoas : na
rua das Cruzes n. 37, sendo pessoa mori-
I gerada e que se possa entregar urna casa.
. no pateo do i "7 Vende-se um negro moco de bonita figura,
Livramento n. 23 com o Dr. Ignacio Xery da Fon- Deri, cozcheiro ede reconhecida conduela: quem
- a rua do Imperador n. 45,
seca.
et Na rua da praia de Sania Rila, con-
fronte a rbera do peixe, casa n. 13, segundo an-
o pretender, dirija-sc
receiro andar.
- isa rS das Trincheiras n. 48, primeiro an
da, deseja-se fallar aos Srs. Dr. Antonio Pinto em vista da boa qualidade: as pessoas qm
panocha, Francisco de Paula Cavalcanti Wander- rem, podem ali se dirigir a qualquer hora do dia
le^ins, Jos Francisco Graciano, Lourenyo de que acharo com quem rlatar.
C-vailiode Araujo Cavalcanli,Jos Francisco Mar-
ti? de Almeida, a negocio que nao ignoram.
Vende-se um negro de 40 annos, pouco mais
dar, recebe-ieencommendas de bolos de bacia uara' -u meDOS' bom i"cial de carapina : no escripi-
as vesperas de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro, I da praca do CorPO_jan'o n. 4.____________
affiaiicando-se nao s a bemfeitoria pela pratic | Vende-se um escravo idade 25 annos insigne
- Xa rua do Livraniento n. 19 ha
uncriado escravo, e 1 moleque.
para alugar
- Descontam-se notas do banco do Brasil e das
can* filiaes : na prsga da Independencia n. 22
que ha, como tambem commodidade' nos precos^ I ofDcial de carpina e bon s que quize-' Carmo n. 1._____________
Fio de algodo da liahia.
Vendefse no escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo A C, rua da Cruz n. i.
COMPRAS.
) feii5e4g-.'nad0"iretara pel-presente a
todaaquellas pessoas a quem o abaixo assignado
deulinheiro por empresiimo sobre letras e outros
tiiufc, que, se com a maior brevidade nao os vie-! malolmperador n. 79, terceiro andar,
remesgatar, serem assionados, e isto sem reserva
de |ssoa alguma.
Antonio de Farias Brandao Cordeiro.
SAL DO ASSU* '
A bordo do brigue escuna nacional Graciosa ;
vende-se na rua da Cruz n. 23, escriptorio.
i I deler^^nsHSas3: nomPemeS "" ^
Compra-se effectivamente ouro e prata em
ras velhas, pagaud-so bem na r
Rosario u. 24, loja de ourives.
do
sitio murado a es-
boce} do Espinheiro, nos Af-
i querda, depois
Silvino Goilherme de Barros compra e ven- fl'ctos-
| de efrectivamente escravos de ambos os sexos : Vende se vinho de caj a 500 rs. a garrafa"'-
____I na rua Augusta n. 76.
Farinha de mandioca fina e alva, maisVara"-
Inde- ,a d que em qualquer parle, arroz da trra pila-
, do e em conta : para ver e tratar, na rua do Vi-
gario, casa n. 29.
em obras ve
pendencia n. 22,
Ouro e prata
as : compra-.-o na praca
da
loja de bilhetes.
Irritacao dospulmoes. augi-1
as, tosse, escarros de
sangue, crupo ou garro-j
tilho, catarro, rouquidao
e todas as innumeravei molestias que affec-
1o aos oreaos da respirafo
i-:.<.ii>fMiK|.:c i.u
mediante a acc5o da balsmica e irresistivel |
ANACAHUITA
XAROPE DEPURATIVO
GOUX
BROMO^SULPHO-IODURDO
Este novo produelo resultado de urna trplice combinacao de tres m
iS^LTr^V Bromo oEuxofreeo lodl, oceup^\o a primera ordem d
ure todos os depurativos dos quaes 6 o mais poderoso H
As experiencias dos mdicos mais nolaveis dos hospitaes de Paris ns .nW* r.,-.. -
Puche, fiazin, Blaclie, Guibout, Baroschet, Danet, LcZuT Vasse e ubrv tic J^!, 1'
sua poderosa efficacia as affeccSes seeuicntes: Leeroux' vasse e Aab^ etc-i demonstrario
pod
noencas de pelle,
nartroa r boi bulhaa de toda eapacle,
Placa ntueoaaa,
Obatraccoea Ijiuphatleaa,
Papel raa,
Eaerafulaa,
Abeeaaoa, aoalrraaa,
Cancroa,
Vleeraa,
Tloha,
Eaearbuto,
Plaa ou Boubaa (do Brtzil),
Framboeala,
Humare* irlo,
RaeblUaaaa,
Ophibalmla eaerofalaaa e ehraulca,
TlNlca eaerofuloaa,
Afteceea yphlllllca.,
Elepbantlaala don Greyaa,
E todas ai doemas occaiionadu por nn vici do
sangue, e ja tratadas tem neuhum successo pelas
preparajBes vegetaes, iodadas e o oleo de figado
de bacalbe. "
2^^.^rsj&aaSBsp5
enanca, debis, escrofulosas e rachitcas ou sobre a influencia de um vicio heredirfo T/mi
asvrsssfatift*de "*^to"M ^sftSSR&ff
Deposito geral, em Part, na botica BouEav, membro da Amdemin *------ j. u.j- j
Par, official da Legiao & Honra, e em toaafaaTSK ttS^dSJS t^gZ*
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
la a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre e seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
j 'So examinados na ordem de suas
j Mitradas come^ando o trabalho pe- j
ios doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
5 as 10 da manhaa, menos nos do- ]
[mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
lejo que julgar conveniente para o
^)rompto restabelecimento dos seus
doentes.
NOVA EXFOM-
CAO
S
- Preclsa-se de um estrangeiro, com preferen-
cia i Portuguez, para feitor de um engenho de
poua fabrica, peno desta capilal : a tratar no Re-
; cife^ua da :ruz, taberna n. 32._____________
Cozinheiro
N hotel da Italia, rua do Trapiche n. 5, j reci-
sa-s de um cozinheiro ou cozinheira.
Compram-se libras sterlloas a yfiiO na
pra^a da Independencia, loja n. 22.
Compra-se ouro, prata e pedra7~preciosas,
em obras velhas: na rua da Cadea do Recife,
loja de ourives no -reo da Conccigao.
Ciiipra-se um cylindru propria de padaria,
ainda que seja usado, com lano que esleja em bom I de g.000 candierOS de gaz Coloridos
estado ; assim como vende-se urna rarroca e um Y 7 1 i/wii iu>,
com globos de cryslal e delicadas
gravaras, novo gosto, flagiada lan-
leinas, por todo o preca, cima da
factura, no arraazeiu da rua da
Imperali-iz a. 22.
O proprietario desle imporlante estaheleeimento,
tendo muito breve de retirarse para a Europa, re-
solveu fazer urna liquidacao a dinheiro lista por
todo o prego, contentando so somonte com una pe-
l.omprase una carnea para ca vallo, com ; (joena porcentagem acuna do custo da factura. Es-
seus competentes arreos : na rua da Cruz n. 60, pera que o respeitavel publico o coadjuve com sua
les
! boi|: quem pretender vender urna e comprar outra
i cousa, dirija se a loja de ferragens n. 4 da rua do;
Queirnado.
No caes do Apollo armazem n. 55,
compram-se duas escravas mocas qu sai-
' bam cosinhar e engomnian.
Compra-se una casa terrea com quintal bas-
: tanle grande, mas que seja perto da praca, sendo
de 1:000)5 : quem tiver annuncie.
Comprase um burro para rarroca, j traba-
Ihado e manso : na rua da Cruz n. 66.
VENDAS.
Vendc-se esla linda collccco de sorles,
reunidas em um pequeo volume, com 2". papel muitJ bom i$~o centoTria rua "das
presenca a lioorar seu estabelecimento e admira-
I rem os precos de semellianlesobjectos de candiei-
ros de gaz.
trastes com mo~
Vende-se 1 sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
cadeiras de amarello, 6 cadeiras americanas, 1
bea marqueza de Jacaranda, 2 carteiras de via-
gem e 1 carteira grande propria para taberna :
quem pretender dirija-se a rua das Cinco Ponas
n. 140 defronte da estacao.
SA JOAO
Vendem-se sortes muito bem feilas e do
PEIT0RAL de KEMP.
a anacahuita. mexicana que d o nome es-
pecial este incomjiaravel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito tempo se
ha usado no Tampico para a cura das ca-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e approvada pela academia
medica de Berlira O peiloral de Kemp
um xarope delicioso inteiramente livrede
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors & Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os estabeleci-
mentos pharraaceuticos do imperio.
O London & Brazillan Bank, saca
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Colabra.
Amarante.
por doos

Precisa-se de um pequeo dos ultimoTche- assumplos, e mais o) novas charadas, pelo
diminuto preco de 1,- cada exemplar enca-
clernado : na praca da Independencia ns. 6
8 8.
gados
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdade de Scimcias, membro da Academia imperial de Medicina
Of/u-ial da legiio de Honra, '
Rua des Fosss-Montmartre, 17, Paria.
Este xardpe composto mais de vinte annos pelo sabio lente Bonllav. constitu a malhar
gatyde.dmmtelnro Ether. He empregado com suocesso em todalTs doencas Je rt sSa
origcm de um erilhismo nervoso, como sao as:
Emaqupca,
Vpvralalaa,
Eaaaamaa,
Atlaqura de nervaa,
Verllseaia,
Syncoaea,
Calmaron de ealouago,
Iadlgeatea,
Caaraiadea,
Aeeeaaaa hyaterleaa e hyaa-
candrlacaa,
Callea enlaaaa ou nerra-
aaa, heaatleaa flaiulrntaa,
Aeeeaaaa de ala e de rheu-
aaaUaaaa,
Caaa. de eavenealeraeato,
etc., etc., etc.
. Deposito geral, em Paris, na botica de Boullay, doutor em Seiencias, membro ara? k^'"? H ParS< "***1 da Le^de ffwm. rua des FossesXntmr're tT e
em todas as boticas de Franca e dos naizes estraniwirA. "uunarire, 17, e
i ranea e dos paizes estrangeiros.
Vende-se um carro de carregar teneros da
alfandega, com uso, e todos os pertences de outro
igual, ludo por preco maito comando: a tratar
no paleo de S, Pedro n. 4.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA!
SUFFOCCO NERVOSA E OPPRESSlO
ticaz para combatr esUs molestas, acalmar um attaque d'asma e impedir a
Aaro^e aromtico de Succino (mbar amarello) do D' Danet. Uescoberta inleJnnmnla
aTofque^sImJetnSu'dr PrPagad "" eXtrCma rapdeZ "^"^ r"Hl-
bdaSfiSS T^SSST"^ "'""d0 ComCTCi0' Paria-GreneUe' to*.-1
nico remedio efficaz
volta o
Deposito geral em Perpimbuco raa da Cruz o. 82 em casa de Caros A Barbosa.
no pateo do Terco n. 141.
CMMftS,
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres -
estabelecida no Rio de Jaueiro;
AGENTES EM PEHNAMBUCO
Anlnnio Luiz de Oliveira Azevedo A C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Crui n. 1.
Aluga-se um escravo que serve para todo o
srico, menos carregar peso, porque pucha por
.' um perna, porm enlende de cozicna, compra na
l ruae nao tem vicios, muilo fiel, serve para qnal-
que* mandad ou trato de urna casa : quem qui-
. zerdirija-sea rna dos-Martyrios n. 2, primeiro
andar, que achara com quem tratar.
Precisase de um feitor poriuguezque enlen-
da dejrtanUcoe^naruadaCruzmee._______
TlUti Precisase de ama mulhor para casa de familia
qie consta de duas pessoas, dando-se cernida e
tara trata ment : quem quizer prestarse a estas
nmlices deixe carta fechada nesta livraria ns.
C e 8, na praca da Independencia, com as iniciaos
H. C. L., declarando sua morada para ser procu-
rado.________________
Precisa-se alegar urna pessoa para vender
niudezas, que seja fiel e diligente, basta que veoha
as 9 horas da manhaa, e que as 5 horas entregan
do o laboleiro volle para casa.
Agua de Vichy
Vende-se a verdadeira agua de Vichy em garra-
fas : na rua da Cruz n. 23, primeiro andar.
GRANDE
o
O proprietario do grande armazem do Baliza,
largo do Livramento n. 38, nao tendo podido con-
seguir em lempo a mudanca de seu armazem, por
ter de ser mudada a cubera dessa casa, tem resol-
do vender o grande e magnifico sorlimenlo de mo-
Ihados e seceos que nelle se acham por todo o pre-
qo, sem aitender ao grande prejuizo que ter, vis-
to que d'outra forma nao o poder evitar.
Aluga-se um moleque de 20 annos para ser-
vicos domsticos : na rua Nova n. 32, segundo
andar, a tratar das 6 horas as 9 da saoba.
Vendem-se lodos os pertences da casa de bi-
Ihar da rua da Imperatriz n. 17, con.-tando de um
bilbar de Jacaranda com pouco uso, banca de pe-
dra, dita de madeira, cadeiras de faia, liieiro e ou-
tros objects existentes na mesma. vende-se tam-
bem urna baga le la (jogo): os pretendentes po-
dem dirigirse a dita casa que achara cora quem
tratar. ___^^_
Viitlio da Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaos em caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marca Rainha de Portugal a 185 a cai-
ta e Pedro V a 16*, em porcao far-se-ha um aba-
te razoavel : no armazem de Ferrelra & Matheus,
na rua da Cadeia do Recife n. 66.
. HIENDO $
. confutadas; na rua do Rangel u. 43.
Cruzes n. 41, taberna da porta larga.
Gaz, ga~, yaz
A 11&800 a lata com 26 a 27 garrafas, e 480 a
garrafa, vinho puro da Figueira, e verde especial a
500 rs. a garrafa, e 35300 a caada, verdadeiro
Porto a 800 rs., superior caf a 7500 a arroba, e
240 rs. a libra : s na rua Direila n. 91, esquina
do becco do Serigado.
Chegar amos superiores
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
ultimo vapor frncez : na loja das columnas a rua
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
celos & C.
Vende-se urna parle de um sobrad.> no bair-
ro do Recife : quem pretender dirjase praca da
Independencia ns. 14 e 16, que achara com quem
tratar.
Vendi'-se o engenho Goicana, situado no ter-
mo de Serinhaem, meia legoa distante da cidade
do Rio Formoso, um quarto de legoa do porto de
embarque, ptimo d'agua, de boa produrcao, boas
obras, tendo anda matas, bons lugares para cria-
gao de gado, um silio de coqueiros novos comecan-
do a dar (roclos, e podendo ainda augmentarse,
ainda com grandes partidos a criarse, dependen-
do de fcil comporta que suspenda as aguas salga-
das em terrenos planos de massap, e prximo ao
engenho, e mais outras vantagens que se (amo pa-
tente a quera o quizer negociar, pudendo para esse
llm dirigir-se ao mesmo engenho, ou no Recife a
cutender-se com Antonio Jo.- Teixeira Bastos.
Vendem-se SO acedes do Novo Banco : atra-
tar em casa de Mello Lobo & C. v
Vende se a taberna sita na rua de S. Miguel
dos Afogados n. 68, muilo afreguezada tn a tr-
ra, com poucos fundos : quem a pretender dirija-
Si a mesma para abi se dizer quem a vende.
t ">
y

.
f
-
.
/
*\
ILEGTVEL]
MUIILSrXJl
J



r~
i

.1
-1

l
Diario de pernambuco Sabbado 19 de Juulao de 1&.
jus amanas n Grande liquidado a dinheiro.
Estas pimas vegelaes sao a-

-----------!-----------
daptadas a todos os usos de ura
purgante as familias, pois s9
perfeilamente innocentes, e era
quanto milbares de pessoas con-
fessam com gralidSo que foram
curadas por ellas "de molestias
severas e perigosas;n5o ha
'um s caso em que haja suspei-
tas do mais leve resaltado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
Aflecco chrouica do ligado.
Illm. Sr-
Juiz de Fra, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado n3o espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en- fad.5!:tairainh tn~; i.iw, ,i r. i u das as competen es Illas para apenar. -"-"
tenuidades do ligado e baco, COtn O uso |oja do Pavo, rua da Imperatriz d, O
das pilulas posso Ihe assegurar que estou & Silva.
Ka loja e armazm do Pvo.
Una da Imperatriz n. GO de Ga-
ma tfc Silva.
Os dones deste estabelecimcnto tem resolvido li-
quidar suas fazendas por pregos baratissiroos, s
com o flm de apurar dinheiro, e previnem as pes
soas que negociam em pequea escala com fazen-
das, que oesla loja e arraazem encontrarlo um
(rande sorlimenlo por precos que muito Ihes nao
de agradar, tanto em peca" como a relalho, a sa-
ber :
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se coilas francezas, lislradas muito lar-
gas, padroes escuros, pelo barato preco de 00 rs.
o covado, tendo muito bom panno ; ditas escuras
psdrdae novos, por serem todas escossezas e cor
lixa a 240 rs. o covado ; ditas miudinhas escuras
e tiaras a 240rs, afflancando se que este fazenda
nao lem o mais pequeo toque de mofo, oem outro
qualquer defeilo. Isto s o Pavo, na ra da Im-
peratriz n. 60 de Gama ^ Silva.
Espariilhos, na loja do Pavo.
Yende-se um bonito sortimento de espariilhos
propnos para senhoras, sendo dos mais modernos
e bem feitos que tem vindo ao mercado, tendo de
o
O
a
isto s na
C0 de Gama
bom, pois tendo desapparecido um grande
engorgitaraento que soffria, mu itas dores
Cambraias brancas.
Vende-se um bonito sortimento de pegas de cam-
1
O
flQ
Admiraveis peeliinckas
que eslo a venda na Iia e annazem I
da Arara, ra n Imperalriz d. 56,M.aM.l!!^^***^**??,
III VIL
SEM SE.tJ*TB0
1'ulOiras o voltas muito bonitas a tWfl i -.
Miada* delioha para bordados de ttmerlor qua-
lidade a G0 r?.
DE
AZEVEDO <* FLORES
Ra da (iHdeia do Itecifo, esquina da Madre de Deus.
Excellentissimas senhoras o Balo partecipa a Vv. Exc. que reduzio os precos de
de Unrenco Pereira Acodes Guinia-
res.
Bretuiha de rolo a 33. Dii* de raen e gasta de cabo preto muito
Vendem-se pecas de. bretuuba com 10 varas pe- boa a 3 5-
lo baratissimo prego de 33 a pega.
Madapolao enfestado a 3,5500.
Vende-se madapolao enfestado com 12 Jardas a
3^500,43 e 40OO, dito com 24 lardas a o0,
53o00, 63300,73. N. 40 73500, L. 10 73300, N. 0
83, Elephante 83500.
Soutembarques de cores a G->.
Vendem-se souiembarqnes de cores a 6 73 e
83, ditos de seda a 18?, 203 e 253.
Chapeos para liomem a 13800.
~Vendem-se chapeos para homem a 13800 cada
dm, chapos de sol de panno a 2$, ditos de seda e 720 rs.
para homem a 63 e 73 : s Arara, ra da Impe-
falriz n. 56, de Mendes Guimaraes.
Meladas ie baba fnnta .ara lardar a 90 rs.
M.'i;i-i.is de linha azulada sti-.nior a fifl rs.
Bahado do IVuto muito iupeiior a 100, 120 c
160 rs.
Vara- de tran)i de 11I10 branca a 40 rs.
Carcas rom 00 envelles da melhur qualidade a
000 rs.
Caiv.s com 20 quadernos de papel superior a
Cruzas de pnnv de ac muito finas a 500 rs..
Peras de tranca lisa pfete e de cores a 40 rs.
Crozas de botous iuadrep.>rola para camisas a 800
1 todas as suas fazendas, e pede a Vv. Excs. que nao o esquecam, pois o Balao emnenh?
catea3 \X^otgtnl^ podendo' ** W*^^ alm de tudo^st minhas SnhorL Tum
deitar-me senao do lado direito, isso mes-
mo procurando posicao para ler socego, ho-
je me acho livre d'esse padecimento; come
por aqui ainda as nao haja, eu como tenhe
este proprio que de casa, Ihe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do charope de
cereja, que Uve occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve tima
preta que com elle curei, faco uso d'elles
as tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque tenhe
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, ia d i ,mt e g e
resultado; sou btdoorojoandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FERREArEBAit
pelo prego de 43,43500, 53 e 63, havendo muito
superior da Escossia por 103 e 123. isto s na lo- objecto indispensavel as senhoras amantes do progresso.
ia jjy,'Pavo. na ra da imperatriz o. 60 de Gama Agora minhas senhoras peco que lancem suas vistas em toda a minha circumsfe-
v.H,m .n quaarinuosa i>uu. dam a comprar, como sejam:
nh5n^a^^umd2edr^^.V mT ?/ ricos bal5es d 40 arcos- com uraa roda que admira,
as, sendo estes gros dos mais modernos que tem Idem COm menos arcos a 2?>oG0 e 33.
vindo ao mercado, vendendose pelo ba ato prego dem para meninas de 2 annos al 12 annos.
t fal^JT?iAMr Di cj,a d0 Pav0'rua Cambraia finissima que era de 9 a 73.
da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva. !,, M nn?*jt
Ricos booznonts de Guimre. r S W Pi i k a xa- .
Vende m-se os mais ricos bouznouts de Guipure, "s mais llDdos P;droes ^ cambraias de cores, verdadeiras francezas.
sendo os mais modernos que tem viudo ao merca-; Tarlatana branca muito fina e larga.
do, pelo baratissimo prego de 253, cada um, as- Chitas escuras a 240 e 280 rs., que eram de 360, tambem ha superiores.
rf,"\c0nT 5sde 3.e 4 po?,.as da mf,ma/ainn" ,den perclaras superiores a 440 rs,
da, sendo de varios precos. Isto s na ola do Pa- 1 -. 1 1
vio, rua da Imperatriz 60 de Gama & Silva. i ^,a Preta Para lut0 e de todas as mais (MTGS'
Admirem
dmirem
Admirem Bem!!
Ai pechinchas que eslao venda na loja e ama-
cm do Pavao, na rua da Imperatriz n. 60 de 6a-
maS Silva, onde se vendem todas as fazendas,
tanjo de luxo como de primeira necessidade por
pregos muito rasoaveis, e com especialidade as se
Chita encarnada adamascada muito superior a 5 berta para cama franceza.
Vestidos a Maria Pia os mais ricos que ha de 143, 183 e 203.
Calcas de casemira de muilo bonitas cores.
Colletes de casemira preto e de cores.
dem de brim branco.
Paletos de casemira sacco a 10 e 123.
dem de hrim branco.
dem de alpaka branca a 53*
guinies, dando-se amostras deixndo licar ptnhor dem prelOS a 43 e 5#-
outoando-se levar em casa das familias pelos1 Calcas de brim branco, pardo e de outras cores,
caiseiros da mesma ola. 'ni j j ar-nn
raude pechincha, vestidos a Ceroulas de linho com duas costuras a 2*o0'
Rheumatismo e ataques hemorrboidaes.
Ii.i.m. Sr.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos^ e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e'}]05. sendo todos'os padroes tecidosenao i>inia-1 dem brancas fi"naTDresaslarc7s
acompanhado de uma dr no queixo, con-! df5'evendemse pelo baratissimo prego de .I30OO, !,d ,' i^ho mnprinres a -'Y
mo>iionc a *c,L -I8* ldfanda que val muito mais dinheiro: isto na ^em ue tu no Mipenores a 3.
i.a do Pavo, rua da Imperatriz d. 60, de Gama & lllero de linho inglezas multo finas de nmeros o4, do, 37 e 39.
3cOO.
icaba de chegar um bonito sortimento dos mais
los vestidos transparentes, muilo proprios para
seios e bailes, por serem de primorosos dse
dem a 13600.
Colletes de casemira a 43 e 53.
Camisas com peitos de cor.
dem brancas a 13-00 cada uma.
as a 23240 e 23500.
sullei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me semas
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portanto sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado;
isto era abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
Joo Rodrigues Fe de Carvalho.
Oaslrite.
Ouro-Preto, 29 de margo de f864.
Alteslo que tendo feito uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
liquei perfeitamente bom de uma gastrite
que soffria e que privava-me de andar aper-
tado, hoje felizmente nada sinlo.
Augusto Gollatino de Mello.
Falta de apetite.
Ouro-Preto, 24 de fevereiro de 1864.
Sendo eu affectado do figado ha muitos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou gracas a Deus por achar-me sao
e perfeito com o uso das pilulas catharticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieira.
Constiparan, dores de caliera.
Ouro-Preto, 28 de margo de 1864.
Atiesto que achando-me atacado de uma
forte constipado que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
caente por espaco de quatro dias; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas fi-
quei s5o e completamente restabelecido em
tres dias, de sorte que estou no firme pre-
psito de aconselhar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem affeeladas de
constipa ces.
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. _____________
Irritaran do estomago.
Ouro-Preto, 29 de margo de 1864.
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muito teinpo excessiva irritac3o
de estomago, pouco apetite e difficil diges-
15o, d'ella tenho experimentado sensiveis
melhoras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogbnes Pereira Rosa.
Lombrigas.
Ouro-Preto, 28 de margo de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em uma menina de dez annos que
soffria de vermes inteslinaes, notando-se
que os symptomas que ento apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymundo Nonato de S. Thiago, pharma-
ceutico.
Nevralgia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
no hombro e as costas, tomei uma infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr.'Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completamente restabelecido; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pilotas achara-se venda as prin-
cipa boticas e drogaras do imperio, e no
io de Janeiro, ruaBiroitan. 13
Vede-se em Pernambuco:
jta pbaraaaela f r a aceza de
P.MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
va.
Capas pretas e soulembarques,
Vendem-se as mais modernas cipas pretas lisas
e ^ordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e
Sinteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
_ stono mercado, por pregos muito em /onte :
nft loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
S o Pavao vende
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240.
J Acaba de chegar para a loja do Pavao um gran-
b sortimento de chitas largas garibaldinas, por
s rem todas listradas e padroes escuros e de cores
f xas que se vendem pelo baialissimo prego de 240
( covado, sendo que em outra qualquer parte cus-
a a 360 o covado, notando que os freguezes que
(omprarem porgao de pfgas, terao um pequeo
batimento : isto na loja do Pavas a rua da Impe-
ratriz n.60, de Gama & Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sor1 imentode laazinhas pro-
brias pura vestidos e soutem? arques por serem li-
jas e de quadrinhos pelo barato prego de 300 rs. o
vivado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
500 rs. o covado, e veode-se a dinheiro a vista pe-
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a 13600.
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senbora pelo baratissimo prego de 15600: na rua
da Imperatriz n. CO, loja de Gama & Silva.
Urgaiidy a 240 rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
droes miudos e grandes, pelo baratissimo prego de
240 rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
acaba-se logo : na loja do Pavo rua da impera-
triz n. 60, de Cama i Silva.
BHETANHA DE ROLO A 3.&000.
.UadapolO eufestado a 3000.
Na loja do Pavao
Vendem-se pegas de breanha de rolo com 10
varas a 3, ditas de madapolao enfestado a 320<>,
35500 e 45 : na loja do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Novos corles de vestidos a 12 5, para as festas
de S. Joo e S. Pedro, na loja do Pavo.
Acabam de chegar para este estabelecimento os
mais ricos cortes de gazla granadina cora 22 cova-
dos cada um, sendo esta fazenda do melhor gosto
possivel por ser transparentes e lecidos com seda,
e por isso sao de muita fantezia, e vende-se pelo
baralissimo prego de 125 cada corte, sendo fazen-
da que val 255 : esta pechincha esti venda na
loja e armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Pechiaeba do Pavo.
Vendem-se superiores laazinhas mossambiques,
preprias para vestidos e soutembarques, pelo ba-,
ratissimo prego de 300 rs. o covado, sendo fazenda
que sempre se vandeu a 500 rs., fazenda este mu
dem de meia abertas fazenda superior.
CHAPEOS
Chapeos de sol de seda de 12 asteas a 80.
dem superiores de 16 asteas a 12.
dem de seda trancada asteas de meia cana a 140.
Que ludo se vende na loja do
DE SOL
Rival sem segundo
ludo
Rua do Quelmado n. 49, est vendendo
muito barato como ver abaixo.
Caixasde pennas de kalegraphia a 15000.
Massos rom superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranga e tpele a 1So00.
Frascos de macag perula a 200 r'..
Caixas com superiores agulbas a 200 rs.
Libras de la sortidas cun todas as cores a 75000.
Caixas com superiores obreias a 40 rs.
Ouzias de phosphoros de seguranga a 120 rs.
Metas garrafas com tinta a 2i0 rs.
Ridinhas com allineles francezes a 20 rs.
Cartas de altinetes francezes muito linos a 100 rs.
Resmas de papel almago a 25400.
Resmas de papel de peso a 25000.
Papis de agulhas francezas a bailo a 60 rs.
Ronets muito bonitos para meninos a 15000.
Enfeites para senhoras fazenda muito moderna a
25000.
Escovas para roupa superior qualidade a 15000.
Tasso Irmaos
Vendem no teu annazem rua do
Amorim n. 35,
Licor fino Curagao em botijas e meias botijas.
Licores linos sonidos em garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Rorgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Rordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol._______________________
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
ii.:5 a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e ruado Trapiche Nevn. 8.
LOJA DO BE I JA FLOR
Na roa do Queimado n. 63.
Tendo rebebido um sortimento de bone-
cas de chjp, que chamam papai e raami,
com ^belhjir de cachos.
Tertd 'ecWido um Variado sorttmenRrOe r
brinquedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas: apparelhos de almoco e de
jantar de porcelana e de metal, porta-licor
e faquinhas a 280 rs. o par ; e nao queren-
do continuar, rende mais barato do que em
outra qualquer parle.
Vende-se liras bordadas de differentes
larguras a 1$, e babados, collarinhos e pu-
nhos para senhora. bordados e abertos de
renda e lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se 13a para bordar de diversas
qualidades e de cores claras a 7$ a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda a 20500,
ditos brancosde diversos lmannos, caixinhas
para estojos de navalhas,
Vende-se pentes de alisar com costas de
metal a 1$, ditos de differenles qualidades,
lindas gravalinhas para senhora de differen-
tes gostos.
Colheres de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
tirar soupa a 20, ditas para cha a 20300,
ditas para sotipa a 40200 a duzia : nesta
loja se encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento de miudezas: rua do Quei-
mado n. 63, loja do beija-flor.
so Arara vende chitas francezas a 210 rs. o co-
vado.
Vendem-se chitas francezas sendo cores fixas,
assim como sejam padrdes delicados sendo cores
de cana e rxas, se vende por baratissimo prego
de 240 o covado, ditas a 260, 280 c 300 rs., duas
matisadas Unas a 320 c 360o covado.
Chitas francezas escaras.
Vendem-si chitas francezas sendo padrees escu-
ros e cores fixas a 360 e 400 o covado, ditas miu-
dinhas claras a 360 e 400 rs. o covado : isto na
loja e armazem da Arara rua da Imperatriz n. 56.
Corles a liara Pia a 180.
Vendem-se os maU modernos certes a Maria
Pia a 185, dito a 145, ttft 115, 105 e 85, coi tes
de la sem barra a o'filem lo covados o rorte.
Damasco de duas larguras a 10280.
Vende-se damasco de duas larguras a 15280 o
covado, dito de uma largura a 800 e 640 rs. o co-
vado, lengos de linho a 35, 05 e 75 a duzia.
Camisas francezas a 10COO.
Vendem-se camisas francezas a 15800, 25. dita
de pregas largas a 25 e 25250, ditas de linho a
25300, 258O0 e 35 cada uma, seroulas francezas a
I580 e 15500, dita de linho a 15800 e 25, lo-
beras de chita a 25 e 2530U cada uma, cambraia
tiranca a 35, 35300 e 45 a pega, ditas de cores a
35000.
Cambraias de cores a 300 rs.
Vende-se cambraia de cor a 300, 320, .160 e 400
rs. o covado, cambraia de salpicos a 25300 e 35 :
na rua da Imperatriz o. 36.
Chales de merino a 20.
Vendem-se chales de meriu a 25, ditos de chi-
ta a 15600, 15280 e 15 cada um, chales f.nos com;
ponte redonda e borlla de seda a 65 e 75 cada
um, cobertores de algodo a 15 cada um : na rua
da Imperatriz n. 56.
Colc do gaz.
pilen do gaz,
Alcatro do gaz.
Coke tonelladas rs. 100000
Pitch 800000
Alcatro caada...... 400
O coke reconhecidamente o carvao mais econ-
mico, lorua-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde '
alie usado. Pitch e alcatro.alm das applicagoes
diversas a que se prestam, como para callafetar
embarcagoes.alcatroar madeiras,etc.,teem este a
propnedade de preservar do cupim, formigas.etc.
E' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da tidade, segundo a vontade do
comprador.
~ PROPRIO PAR^ SENHORA.'
Vende-se um excedente ca vallo muilo no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheia do Paulino, rua de Santo Amaro.
fiO O -e- O 53 55' >>02 M^Hg"
co o- as ca o Caixas com 50 noveiios de linha do paz a 700 n
\ aras de franja de 1 ores a 80 rs.
Novaos com 400 jardas superior qualda le a 7o r
Umtis de linha coro 200 jarda; dos ns 60 ate
Liros para asientos de roana lavada a IDO rs.
Pares da beld* de puntio muilo tinos a 120 r.-.
Theapuras, para uulia c costura mu!.- Boas *
300 rs.

2 S ^!
a o n
o 3
en llgtfiil2
S- 55-3 I- 83
05
01 BS
I
a < _, ~ ""*
_ 2 n o o. c.
3 g O o
ESa sS s
c K I" ... 2
'g.-tjo 2.
h k i f -
B^Sg.g-2 -h !_|S
co
' ag 3.
88."
0 2 a
SU a3
aSm


Cfl
_ S O .O -5 -< ce O O Q
ll |b ISf |l P s I,

S.B m s.| 2. S. a a
o a ?s
o -2.3 S
t O O co
V,
'J-

Jl
M
ti
s.
STB
i
os
a
V
a.
o
B
-1
c
3
3
r
co
-
rs
&2
en
_ i3 a^
. 3
11
o
ti
o 3
53 5.
M
8! o
ca
>
o
'c
a
se
Vendem se dous balrdes e um guarda-louca
de amarello : na rua da Roda n. 6.
Confeitaria dos ananazes.
Rua da Cruz n. 16.
Acaba de chegar a este novo eslabelecimenlo um
lindo sortimento de 1 icas caixinhas, para amen-
doas, pcoprias para presente; ha amendoas boas e
boas pastillas, etc., etc., para enchementos das
mesmas, tambem se vende papis de estalo para
sortes, prepara-se pao de l enfeitados, Gatheaus
be-se encommendas de tudo quanto concernente
a este negocio.
Alte
a cao.
3
to .propria para vestido de sabir a passeo. e prin- jjf ^ve5f*?JILaJa^e^'s.i.7),P'es^_e enTeilados, rece
(plmente para lempo de invern por nao se es-
tragar com facilidade : isto s na loja do Pavo,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Madapolao com loque de mofo a 60100 e 70
Vendem-se superiores pegas de madapolao, ga-
ranlindo-se 20 varas em cada uma, pelo baratissi-
mo prego de 60100 e 7$ por tere um pequeo
toque de mofo que nada val, e pegas de algodao a
40 : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cortes de casimiras a 2a00 e 30
Vendem-se cortes de casemira de uma s cor a
25300, ditas de quadrinhos 35 : na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales a 20000
Vendem-se chales de merino a 20, 20500, 30 e
65: na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Manteiga ingleza a 10000 a libra, garrafes de 5
garrafas com vinagre a 10500, barris de azeitona
nova a 10500: na rua da concordia n. 33.
Na padaria da rua Direita u. 84 ha para ven-
der cylindros americanos para padaria, chegados
ba poucos dias.______________
"> Na rua da Cadeia do ltecie n. 5, vendem-se
enfeiles Maria Pia, e espariilhos pregnigoso
gao os mais modernos qne lem vindo ao merca do'
Vende-se na rua do Vigario n. 8 um bom es-
cravo de cor preta, muito sadio e propo para agri-
cultura.
A 54500 O SACCO.
De fariaha da trra com
22 cuias, na rua do Impe-
rador n. 26, defronte da ca-
sa em que foi a cadeia.
Na rua da imperatriz n. 1 vendem-se bons
candieiros a gaz pelo diminuto prego de 40, 20 e
10500 cheguera antes, que se acabem que nao ba
pechincha to boa.
Vndese a tabarn do becco Largo do Reci-
fe n. I, com poucos fando? e bem afreguezada : a
tratar na mesma ; e vista se dir o motivo.
Attcnco.
^endem-se pegas de esleirs para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-Unidos: no armazem da rua do
Trapiche n. 8.
Baldes
A leja de calungas na rua do Rangel n. 24 aca-
ba de receber um completo sedimento de baleo
de todas as cores para os festejos de S. Joo, Sants
Antonio e S. Pedro : vendem-^e u-uito barato.
Fl\DI(lO D0B0W-
M4N.
tua da Bruna numero 38.
Neste eslabelecimenlo acham-se venda os se-
guintes objectos, todos da primeira qualidade, e
construidos especialmente para esta casa, pelos
mais acreditados fabricantes inglezes :
Machinas a vapor de 2 1|2 a 8 cavallos, com
moendas, juntas e sem ellas ; e tambem proprias
para descarogamento de algodo, afamadas pela
forlido, simplicidade e economa em combustivel,
e por nao precisar de obra qualquer para seu as-
esntamenlo.
Rodas d'agua de ferro, systema mai proveitoso
da torga d'agua.
Rodas de espora, e angulares, e de esquadnlha
para ananaes.
Moendas e meia-moondas.
Taixas de ferro balido e fundido, e de cobre.
Machinas para descarogar algodo, systema
Plan, cam os ltimos melhoramentos.
Roccas e crivos de patente para fornalhas, dimi-
nuindo muito o gasto do combuslivel.
Machinas e machinismos para moer mandioca,
movidas a vapor, agua ou cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para coser fa-
rfolla.
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes-, fuos e porttil?.
Prensas para copiar cartas.
Rodas para carro de engenho com eixos e man-
gas de patente.
- Formas de ferro balido galvanizado para purgar.
Serras de ac e armages de serrara.
Arados de ferro singelos e dobrados, grades para
cubrir canna, enxadas a cavallo, e outros inslru
mentos de agriculiora.
Rival sem segundo
Rua'do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
4 Azevedo Maia c Silva, est queimando que ad-
mira, a saber :
Frascos com superior banhaa 200, 240 e 500 rs.
Latas com snperior banha a 200 rs.
Frascos cora superior agua de Colonia a 120 e
100 rs.
Francos com superior oleo de babosa a 240, 320 e
400 rs.
Garrafas da verdadeira agua Florida a 15280.
Fraseos de superior oleo da sociedade Higieniaue
a 640 rs. b '
Frascos de superiores cheiros santal e outros mui-
tos a 10000.
Sabohetes de familia a 210 e 200 rs.
Sabonetes de superior qualidades a 60,120 e 160 rs.
Caixas com 12 frascos de cheiros muito linos a
10400.
Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a 900 rs.
Paos de pomada franceza grandes a 500 rs.
Sabonetes de bolla pequeos e grandes a 240 e
320 n.
Frascos com superior opiata a 800 rs.
Frascos com superior agua para denles a 10000.
Grande soriniento de roupas feitas de to-
das as qualidades,
Calcas de casemira a 60 e 70500, ditas pretas a
65 e 85, caigas de ganga a 25 ,10800 e 10600,
dilas brancas a 25, brim de linho a 30, 30500 e
40, paletois do alpaca branca a 40500, ditos pretos
a 30 e 30500, ditos de alpaca de cordo a 40, e
de listra de seda a 40500, dnos sobrecasacos a 50,
palelots de casemira a 50, 55500, 60, 80 e 90,
ditos sobrecasacos pretos a 120, 15 e 160, ditos fi-
nos a 250, de cores a 130, ditos fraques a 140,
paletots de ganga a 35, 20300 e 25, diDs de brim
pardo a 30, jaquetoes de brim pardo a 30, panno
preto lino a 25. 20600, 30500 5, 40300 5 e 60 o
covado, moreantique preto a 20600 o covado, pros-
denaple preto a 10500, 10800, 20, 20200 e 20500
o covado ; e outras muitas mais fazenda? que se
deixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixel-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento esl aberto at as 9 lwrs da noite,
rna da Imperatriz n. 56. Mende Guimarr-s.
(MFEITOS
DEPURATIVOS
DoD'SERVAUX.dePariz.
Pharmaceulico de 1* classe, ex-
interno dos hospitaes, premiado
com a medalha de bronze.
Desde muilo lempo o publico
abandonou o uso das prepaiacoes
intituladas depurativas contiendas
sob o nome do Arrobes, Xaropes
de Snlsaparrilhu cnmposlos ele
Cuja accao, maior parle das vezes
Baila, e u'algums casos perigosa.
OS CO.NKITOS DSPti CATIVOS TEH O ASPfcCIO
E O GOSTO AoDVElS E CONTEH bOB tM
PICQIE.NO VOLtME SUBSTANCIAS MUITO ACTI-
VAS Ql L O SEO HODO DE PREPARACAO TORNA
1SA1.TERAVEIS.
O ttiicccfcMO qn6 etci con -
fcitoit obllverao cm Fran-
ca sob o patrocinio das principies
celebridades medicas, os poe cima
de ludo quanto tem existido a Ihe
boje.
Cura rpida sem o socorro
de uenlinni outro remediofq-
torno, das escrophutas',
herpes, affeccoes syphi-
liticas hypertrophias
dos tessidos celulares,
hydropisias e em geral
todas as molestias produzidas
pela allerarao do sangue; tal
o resultado que queramos
nseguir e que temos sem
pre obtido.
Uma explicacao accompanlia ead
vidro.
Descon(iar-se, das fjlcificacocset im-
tacoes.
Para at encoincmliis dirigir-* aos
Sures. BUISEON BI O1*, 1S, ti'l'lillCC
Eugite, Parit.

GRANTOOS t X
D'HOROCOTYLE'A
Ut< U 1
0PHM4
QADROS
v 11:* 11 de:
AQUAnELLA
Una scena de nossos dias.
Drama
Por Pedro de Calasans
Vendem-se estas obras impressas e"i Rraxelias
e Leipig : na livrana de Jos Nogueira de Souza,
rua do Crespo.
avariado.
Francez barrica 50000
Portland dem 80500
Em perfeito estado:
Francez barrica 100000
Por ll and idem 120000
No armazem deTassd IrmSos caes do'Apollo.
hit inha de mandioca!
da Baha, S. Matheus e Santa Catharina, em saccas
de algodo da-Baha, de 2 e 3 alqueires : vende se
no largo de Corpo Santo n. 4, escriplorio de Jos
Maria Palmeira.
Resulla petas experiencias feitas as Indias e i
Franca pelos mais afamados mdicos que as GRANU-
LAS e O XAllOl'i: de IIVDnOCOTYLA ASITICA da
J. i.rixr; sSoo ptimo remedio contra todas as espe-
cies de imi'igins ou HERPES e outras molestias da
pelle, at as mais inveteradas, assim como a letra
OU HORPUEA, a SIPIIILIS, as MOLESTIAS ESCRfl
FULCMA9, os ut vi i nsMos ebronicos, etc.
Deposito geral cm Parit, em casa de roLRMB
LAIIKLOWE. rua Buurban-VUkneute, 19.
XAROPE
deBELON?'S
Empreado con invariavel successo desde $6 unnoi
peles Mdicos de todos os paites contra as molestias
orgnicas ou neo orgnicas do coracae, as diversas hy-
dropisias e a maior parte das molestias do peito e tos
bronchios (pneumtniat, catarrhot pulmonares, asthmas,
imfiavmaqSet nervosas dot\bronchiQt, ce,tarrhtira*,ek...)
O XARSPB ue LABELONYE nao se vende senio em
garrafas com rotulas de cor e fechadas com ama chapa
levando a firma de inventor.
Em PARS, rna Dourlian-vlllrm-uvr, IB.
""Deposito geral em Pernambuce rua da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
NOVillADE
A I# 109OO c I05OO.
Leqnes de osso, ultimo gosto, a 15.
Ceroulas de meia a l2oO.
Dulas muito unas a io00.
S na rna da Cadeia do Recife u. 5.
Na rua do Queimado, loja de ferragens r,. i
eende-se muito era conta um par de wmutiaas.
Mimb-4'50a
Farello 4r^000
.Na roa larga do Resario n. SO. taberna da es
quina.
^.

- r
ILE6TVEL
,a

I....
wm

f MUHLSD01


Diarfo de tVmaiHbuco -- Sabbado 19 de *nuho de
El SI
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
GMES 4RM4ZENS DE MOLHiDoS
DE
DUARTE & C.
% 4 H Paleo do Carmo n. 9 anuazem Pregressivroa da Qaeimado 7
Unio e Commercio ra do Imperador d. 40,
Principal armazem de niolhados.
es -j
OS PROPRIETJlRIOI<
Fazem scientc ao respeitavel publico, e cora especialidade aos senhores de en-
,'enios, hvradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os proprietarios dos tres grandes arraazens, reunir todos os sens estabelec- j
montos era um s annuncio, pelo qnal o preco de um ser de todos, prometi*
m&s no nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os geleros
por tun prego, e na oceasio da compra quererem por outro, como socede constante-j
ii-.'.'' em; oulras muitas-casas, porui nos nossos estabelecimentos nao se dar isto;
atada mesmo com prejuizo nosso, quahpier pessoa poder mandar seus fmulos que
serSo tata era servidos como viesserapesaoalmente fazendo-nos o favor da mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta,
pela nal se ver os precos tal qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa
aiguma que fizer sia despenca em nosos estabelecimentos; pois poupar raais de
:i [ ir ccnto na sua despeza diaria.
Manteiga maleza peritamente flor chegad dem com 1 a 5 ditas a 3/5200.
intimamente no vapor Saladim, de i& dem vasios de todos os tamanbos a 2#000,
a l/ri.O a libra e em barril terabat- 10300,800eGiO rs.
ment. Queijos d 25300 a 25500 os mais frescos.
Id; i tVanceu muito nova a 900 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa*e
8 O em barris. i 2000 a caada.
Duina de porto refinada a 720 a-libra e 700 dem mais baixo a 203 rs. a garrafa e-10400 g
em barris. a caada.
:., xim de superior qurdidade a 20800. Azeite doce de Lisboa muito uno a 600 rs.
I lew penda mitidifiho a 20700- l a garrafa e 40UOO a caada,
II hyseen especial qualidade de 204QO a Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 320
20000 a libra. | a libra, e em barril de 5 arrobas a-00409
i lem preto muito especial a 2.>QD0 e 2*400 arroba.
a l.iira. i Ceneja Bass do fabricante Shlers & Bell a
MOLHADOS
11 iva mm mmwmmm
Largo da Santa
ICruz n. 84, es-
juina da ra do]
Sebo.
Largo da Santas
ruz n. 84, es-'
.juina, da ra do'
Wim
t'am
Os bolos de Santo Antonio, S. Jofto e S. Pedro.
Vende-se manteiga ingleza flor de 10OO a 10200'a libra, nos seguin-
tes lugares: Pt o do Carmo n. 9, ra do Queimado n. 7, e ra do Im-
perador n. 40, armazem de Duarte & C.
tsar
60MMA NOTA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatnenlo na ra do Imperador n. 40.
i &
fem do (lio em latas de 40000 e a 800
libra;
Lal i coa biscouto de todas as qualidades
a i > ;00.
da crcditada fabrica.de Biato Antonio
duzia e GiO a garrafa.
(Lisbo) proprias para da:' a doentes a
.-"-. (i o3 a lata.
Bola ; ha inglcza milito nov*a 30508 a bar-
rica ;a 21 rs. a libra.
com liolaxinlia de oda e oval a 20.
P ito inglez para fiambre chegado no Sahio inglez superior
o vapora 8*0 rs. a libra,
iros c patas maite novas a GiO rs.
:: iii ra.
com macarro t lliarim muito novo a
O e 3?HWa libra
A :; branca e amareiia a 500 a libra.
(I., i : orluguez de especial qualidade a
O a libra,
irsso de 8 O a t0'X)Oa libra.
-; an io!.""ver-Iadeiw a 13000 a libra
; veml mos a i-siu.
., casca de goiaJia em caixoes de 6 Ii- Wem Londrmos a o0, dem.
14800, dem Parasienses a 4-3300,
a 700 rs. e de dem Delicias a 10500.
G05OO a
dem Bass do fabricante T. F. Ashea 60000
a duzia e 5G0 a garrafa,
dem marca II Victoria Alsope e outras
muilas marcas a 50 a duzia e 500 rs. a
garrata.
Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 240 era caixa;
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
a 180 rs. a libra e
160 rs. em caixa. i
Caf primeira e segunda sorte a 60300
7i.300 e 80 a arroba, e de 220 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranhao 30200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 20600, 20809 e 100 rs. a
libra. ,
Charutos Normas de Ilavana a 50500 a cai-
xa, de Simas (J Furlado).
m a
caixoei pequeos
' para cima a P40.
;. i em bocotas ricamente enfadadas,
mi do pera, peego, ameixa, rainba.
e outras fratasa 30000 cada uflHt^
4-v I .-::. o i.'.'lii Orfl iiiliiJ fo'lXdaj herm
ruante amito bem enfeitadas, contendo,
pera, poseso, ameixas e outras frutas a
640 e 700 a late, nmbem temos latas
gi .des a 10200.
M irmelada dos melhores fabricantes, emla-
le 20008 a 102'3O.
i,: .: em latas de 1 If2 libra a 10.
Id in em latas de I libra a 610 rs.
Emilias em latas ciiegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 5o para cima a GiO rs.
FeijSo verde ou carrapato em latas j pre-
cio a'640 rs.
xas em frascos de vidro a 10500.
I em caixiabas ricamente enfeitadas de
liSGOa 20500.
rvas Mexide muito novas a 700 rs. o
fi isco.
I le & b ilas simples a 700rs.
.".. :. inglez a '*" rs. o frasco com rollo
di vi iro.
';"'. irda em p a 700 rs. o frasco.
l lem proparada a 320 rs.
i. is com massa de tomate de 1 libra a
00 Irs.
dem em alas de 1 i [2 libra a 000 rs.
Vi..h era garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-,
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Lui^ Pe-
dro V, Velho Secco. Lagrimas Doces, La-
rimas do Douro, oulras muitns marcas
:j 10 a garrafa e !'- a 120 a duzia.
dem Palmella a 10 a garrafa e 110000 a!
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
: ira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
ra e 20800 a 30500 a caada.
i em ancoretes e 8 a 9 caadas com s:i-
; Tior violto Lisboa e Figueira a 2't0 a
ancereta.
dem branco exftecial qualidade proprio para
mise a 30' rs. a garrafa e 40 a caada.
dem mais baiso a 400 rs a garrafa e 30300
a caada,
dem do Porto especial qirlidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a caada.
I' ::. Bcrdeaux em cairas a 70 e 700 rs. a
''.nafa.
Vinho verde superior. cgj|
A caada a 3$000 e a garrafa a 400 rs.
Gorama. $R
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se3|?
ensomraar, a arroba a 3000 e a libra x
o rs. 'JK
Sabo.raassa, a libra a 200, 240 e 280 rs. ,J|>
Farinha. ,-g
Saccasgrandes com farinha de Goianna nrai- Sm
to nova, a 5J000. W
Caf: r>
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8, -^
BOfi e 90O0. 90
Cha. C
Ch.temos nestes gneros o raelhor possivel.
rnra-nvihJ,propr a" do J muito acreditado armazenrde molbados denomina*) Au-
iuia unmanie, continua a ter o mesmo sortimento de-genews de primeira qoattdade.
fl| >eguinte tabella sirvira' a todos de base para ajuste de-cons aos portadores.
neln aMem Ventfera' mais barato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja'
Z,r sortimento. qae tem, j.V mesmo porque seu dono s deseja tirar diminuto lu-
f nrnJiii,! gue para ac(,umalar as despezas do estabelecimenlo por isso deixe se a-
Untes fref?nezesrSPr'elari0 ha de aMr lodBa dilieenoia. am de servil bem-os BNRMM
SLT7,S)8 'bra dechour'5as muito novas,
Dmfig/Hls fiomPe''xe em postasinteiras,
iioo ,u ade's a 15000' l280e
^iwfir-1"pe,iscopara rri-
?Ditas com ervjllu*M)vi, ensopadaa,.a72.ra.
Ditas com favas, a 640 rs.
.Ditas cora ameixas a l^O, 15800 e 33500.
? uitascon, marmelada do afamado fabricante
Abiteu. a 720 rs.
jDitascom massa de tomate, a 500 rs.
iDl^,scom "Ros de comadre, novos, a 1,5200,
lDlia/ant!mboIachinha le soda muito novas, a
Ditascombiscoitinhos inglezes de muitas qua-
\ lidades, a lrJiOO.
Chocolate.
Camnhas com ameixas enfeitadas proprias
para mimo a 1*200,28800 e 33200.
(Chocolate superior muito novo, a libra de
f 880 a 13000.
.Macarro,talhariam e aletria amareiia, a libra.
a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Gaixas com cstrelinha, pevide, e ouiras mas-
sas, a caixa 33500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
'Sag, a libra a 3G0 rs.
Sevadiuha para spaalibra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
jDitas descascadas, a libe a 20Ors.
{Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruta verdadera, a libra a
' 500 rs.
{Arroz do Maranhao, em sacco, a arroba a
23400 c a libra a 80 rs.
.Dito da India e Java, a arroba a 33200 e a Ii- Cartas Anas para logar. a duzia a 235m.
i bra a 100 rs. Caslanhas. i
Toucinho de Lisboa a 9J500 a arroba e a 3201 CastanhM novas vindas neste vapor, arro-
L.rs-a ''bra. ba 4J00O e a libra a 200 rs.
{Dito de Santos, a arroba 73000 e a litea a Azeitonas.
ANTIGA CASA
DE
5
GUILHERME DA SILVA GUIMARAES.
5
wmmn
hyson, a libra a 2350O.
Dito perola a 33000.
Dito uxim a 23700,
Dito hyson muito lino a 23S00.
Dito redondo a 2.3500. ca
Dito preto de. primeira qualidade a 23300. '>'
Dito mais baixo a 23000-e 1#M0.
Erva maie. /\
Expeliente cha medicinal, a libra a 240 rs; (flg
Espermacete. ^f
O masso com 6 vellas do esparraacete a 600-Mi
640 e 720 rs. 9B
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 43 e 23500. 9W
Nozes. fv.)
Notes, a libra ICO rs. e arroba a 43000. &
Alpiste c paineo.
AJpistae paineo, a arroba 43000 e a libra a >
160 rs. &W
Carlas. ?>
dem Traviata do Rio a 53500.
dem varetas de Manoel Peixoto da Silva
Netto a 35500 e I ->SQO a meia caixa.
dem suspiros do mesmo\fabricante a l&iOO
a-Otla caixa.^. 5.42W a\ eai*.-------------
dem mece:ipes a l700\a meia caixa. e
33000 a caixa do mesmoVabricante.
dem orientaos do mesmo a\tj55800 a meia
caixa e 3-H00 a caixa,
dem jovens de Caslanbo A Fillio a 23100
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 13'0) a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 15809 o quarto e 55
a caixa de ama arroba bespanhola e 320
a libra.
Venante bebida para abrir a disposigo de
comer a i5->00 a garrafa e 3000 a
caixa.
Alpisla muito novo a 33800 arroba e 140
a libra.
Paineo a i 3000 arroba e 1 iO a libra.
Peix em latas j preparado a 13200 a lata
e em porco 13000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 000 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 1 i 5000 arrobare 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 13800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja.a 23500, 33000
e 40000
Batatas em gigos de 31 libras muito novas a
80O, ea40rs. a libra.
Gomma em paneiros a 43000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranhao muito alva e nova a
240 a libra.
Sivadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a 140 a libra e 43000
arroba.
Caixas com estrelinba, rodiaha e pevide a
400 a libra.
Albos em canastras muito novos e raauncas
grandes a t80 e 2Q0 rs cada urna.
Canella muito nova a 1-5000.
Cominho idem a 320.
Ervadoce i-lem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 100 a libra.
ha a melhor do mercado vinda de Cravo muito novla 500.
isa encommenda a S03 o gigo.
mais baixa de 180 a 20 e 13500 e
: 1 a garrafa.
Lie tcs portugueses e francezes a 13000 e
: )0 a garrafa.
, nio de Z*ra, verdadeiro a 13300 a Papel greve a 4>*00 a resma.
:;;'(-.). dem tizo a 43000.
otate afane a 830 rs. a garrafa. dem de pezo a 33000.
1 ei bra de laranja ver adeira a 11(3 a du- dem de embrulho marca grande a 13200 e
.;ia e 13 o frasco. 13-iOO.
Id ::i de Ilollanda verdadeira a 6? a fras- Idem az]^,ara botica a 2^000.
quein e 640 o f'^co Copos-lapidados a 55O0 e 500cada um.
1 (ilimbur.'o a 5>500a frasqueua. ^ f., 1QA
, il; de Huilanda a 400 e 440 P* 'tos de denles, macos grandes a 120 e
",-. o frasco. I 16" cada um.
Fe com genebra de Hollaoda com 24 Fumo americano de chapa, de superior
rrafas a 8>. com ^arrafSo. qualidade a 13500 a libra, em porcao lera
ncom 1 i a 15 garrete a_63^^_ ; Jt2^^
rais
Sacc?= grwdes com 100 libias de fareo superior a
260 rs.
.Molhoscom 12o ceblas grandes, a 15280.
SMostarda franceza, caixa com 2 duzias a
7.J000.
grasos cor, mostarda prepa/adaeot viuagre,
f a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas, a
640 e 800 rs.
)itoscom sal refinado fino, a 640 e a 500 rs. I
> Ditos com a verdadeira genebra. de laranja, a
l 13000.____. ll ...
mitos de 2 garrafas d HoTlada erdadeira,a
' 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
40 rs.
fGarrafes com 2-galoes com dita, a 63-
[Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
> duzia a 6j000.
'Vinho muscateldoSetubal, a carrafa a 13-
Marrasquinho verdadeiro,frascos a 80C rs. e
> a 13200.
UIiampagae, a duzia 203000, e a garrafa a
j 25000.
J Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
* a 13000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
5 73, 83,93 e 103 a caixa.
(Ditas com dito branco, a 73 a caixi.
, Ditas com. dito lacrimas do Douro verdadeiro,
h a 203.
'Ditas com duque do Porto verJadeiro,""a
. 183000.
kDitas com chamlsso superior, a 143.
5Dtas com Porto velho e oujras muitas mar-
cas, a 123-
finito do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
[Dito de Lisboa muito bom, a caada a 3-3200,
33300 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
iDrto da Figueira, dassegnintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L G.) (0. M.) a caada a
43300, e a garrafa a5GOe640rs., desle
que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
Litosde marcas raais desconhecidas, cana-
i da.a 33500 e 43000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
jVinbobranco fino, a garrafa a 640rs.
IDito de caj multo superior, a garrafa a
h 81OQ rs.
Barris eom azeitonas novas a 13300 ,-r,
Manteiga. 3!
Manteiga superior, a libra a 15280. :.;
Dita mais abaixo a 15200. i
Dita menos superior a 15
Dita franceza nova, a libra a 880 fJM
Dita dita era barris e meios ditos, a libra j4i
850 rs.
Dita para tempero a 400 r?. ig
Queijos. rf;
Queijos novos vindos neste vapor a 2J8O0 e
33000.
Ditos londrinos
13000.
muito novos, a libra
J800.
Papel.
Papel almajo pautado, a resma a WHW-
Dito dito lizo de linho, a resma a 430OU.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
Dito de embrulho, bom a 15 e 15200.
R
^

Vinho Maileira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xcrez e Ma-^V
deira a 13500 e 23000. rfr
Temperos.
Folhas de louro, piuenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Vela* de carnauba.
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a2j
480 rs. $;
Amendoas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce. g|j$
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 15^00 yf
e pequeos a 640 rs. fjjTf)
Tijjlos de limpar. wg
Tijolos de arear facas a 140 rs. w
raxa. OR
Duzias de boioes de sraxa n. 97 a 25000, e 13,^
de latas a 15000, e os boiSes a 240 rs. ca- j-h)
da um, e as latas a 100 rs. SBb
Charutos linos. i?
Charutos finos dos melhores fabricantes da,
Bahia por diversos precos, caixas e meias
E grande quaiitidade de gneros tendentes gg
a estes estabelecimentos, qne deixam de an-
nirncir-se. rt %
Fazenda anda nao vista
e que vera operar urna completa revalucao as modas.
Chegou urna pequea por$ao
para amostras.
CHUUPEIilKltt
de fi e pal ha de Italia,
Ciiegadas pelo ultimo paquete
de esplendido gosto e
qualidade especial.
WUmmTH HB PJLHA,
e chapees enfilados para seutiaras e meninas.
Capas.
Soulembarques.
Polonezas.
Roupa franceza para hornera.
camisas para iiomem e senhora.
Sedas, linhos e
AlgodSes.
Gempleto sorlSaaeato de riqaiseiiHos e snnipitosos artlgos
PARA
GUAROS. TOULET
Como sejam enchovaes para easameotos, b.-.tisados etc., etc. Vestidos
de phantasia, grinaldas, enfeites camisi-
nhas, manguitos e gilas pri-
morosamente bordados.
Assim como
F4ZENDSS -BRKTAS PARA USO ORDINARIO.
A 6,?000
Chegou novo sottimenlimenlo de
Cortes Tiatssados a liarla Pia.
A 300 rs.
O cavado de musselinas de cores.
A 240 rs.
O covado de chitas largas francezas
escuras e claras.
A 280 rs.
O covado de chita de linho cor de palha.
A 20300 rs.
Cortes de chitas largas francezas com 10 covados escuras e clara.
PA.VSA ROUPA BE E$AVOS
H Os senhores de engenho economisarao muito visitando na occasio de sus compras para este Ora este
estabelecimento pois alm do fortes o encorpados algodoes americanos azaes e
de listas da Bahia, inglezes etc., alu enconlrarao o
Famoso algodao mineiro
e immensas omras fazentias
NA
DE
Gregorio Paes do Amoral & Companbia.
Nueces ores de
- ItARCESiaWO
i\
M,

N. 11Eua do QueimadoN. 11
A este estabelecimento chegou ltimamente da Europa um grande e variado sorti-
mento de conloados bordados o que ha de mais gosto em desenhos e bordados.
Lindos bonets de palha de llalla para senhoras.
Chapeos e chapelinas de palha de Iulia ricamente entenados. .
Chapos finos de seda paracabeca de hoinens e chapos de sjI de seda inglezes _ae
8,12 e 16 astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarques de seda preta para senioras.
Cortes de la de barras de 143 a 223 de raaito goto.
Balos de arcos e de musselina finos, manguitos e camisinhas.
Saixs bordadas muito superiores. __.._
Moireantique preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
Luvas de pellica para homjm o senhoras. .,.**. p.i.:
E muitas ontras tozadas que ludo se vende barato na loja de Augusto trederico
dos Santos Porto, aonde tambera se vendem as melhores-e mas baratas
Esteiras da India para forrar sulas
IV. H-Rua d Qaeimato-N. 11
TaHso IrmSos
vendem ge-so era p para estuque de casas, tijolos
finos de feitfo divrsopM* Mfilho, aeuleijos de
diversos gostos, tifilos- vidwdDs para parede de co-
zmha, ranos de barro para esgoto, cemento em
barris de 10 arrobase
C'aluagas finos e brla para mcaiuos.
thegaram para a loja de raiudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezs.
0 ca&telio de Gbisville.
Xramdaolrancez por A. J. C. da Croz.
Vende-se este bello-romance em quUt
tomos pelo baratissimo pre^o 4a J50C
ua praca da Independencia, iivrarians.
6 e8.
~ OEifiS>A
Vende-se nma taberna com poneos fundos, na
ra da Boa-Hora, em Olinda, nm dos melhore; lu-
gares : a tratar cora o mesmo dono na dita taberna.
MiliiiSI
de rabalhar iBro
descapocara3god
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAS
Estas machinas
poderadescarogar
1 -: iv qualquer espe
m _. de algodao sen
estragar o fio.
i-r sendo bastant
AGUA
DE
da
duas pessoas para
o traballio; pd-;
descaro^ar urna
arroba de algc-
do em caroa
em 40 minuio's.
ou 18 arroba;
por dia ou o ar-
robas de algod;
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algoda
limpo, por dia; e motores para mover unja, duas,
tfutns dessas machinas.
Os raesmostom para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina.'
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virera ver e examina-lo, no arma-
zt-m de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saaoers Brothers & G.
N. II, praca do Corpo J*as*to
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
DROGARA. "~
31Ra] larga da Cosario34.
Barlholoiueu Francisco deSouza k C.
Veudeui:
Acido actico pnro pxra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnicoes avelludadas.
Tinta bfancasuperior em lata.
AlvaiadeVoneza, fino,em pes.
Vende-se urna taberna bem afreguezada para
o mato, e bem como para a trra por flear ao p
do mar, tambera d comidas e dormidas, e recebe
o pagamento em parcella, temi excellente com-
raodo para familia : na ra da Lapa n. 13.
Flovx
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao urna tintura, fado es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a agua de
Florida entretem a limpeza da cabera, destroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contribue poderosamente, coro a agua de Flo-
rida a forra, a belleza e a conservaco descabel-
los.
Em Paris casa de Guilaurn. 112 ra de Bechi-
lieu c 21 boulevard Montmartre.
Todos os frascos nao tendo intacto e clare, e Un-
cir praleado da easa. reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38.
Admiravel peckincha!
'l..-(:aiiibiqio a 300 rs. o covado, na toja
do pavo.
Vendem-se os mais bonitos mocambiques de pa-
ra la proprios para vestidos e soulembarqnes,
seedo de quadriuhos de lislras e lisos, fazenda in-
teiramente nova, em padres e muito proprias pa-
ra as senhoras que frequentam o mez Mariano,
porqne esta fazenda lhes facilita fazerem por pou-
co dinheiro vestidos mnito decentes para qualqner
aeto, advt-riioilo-se que este baratissimo proco
devido a grande compra que se fea desta nova fa-
zenda, que se vende a freze tiistoes o ovado : na
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Instruccdes para o servido
das guardas do exercito, extrabidas do re-
golamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 o
8 da pra^a da Independencia, a 15-
"^"Era casa de Tisset Freres ra do Trapiche o.
9, tem para vender :
Vinho Bcrdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerue fino.
Dito d* Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
'

\


-
i
ILEGIVELI
(MUHLADI
I


Diario de ItoMUUMbiKO -? Habitado Udc limbo de f 8GS.
r -
\
0
W PUBLICO
*em o menor eonstr
gimento se entregar <
importe do genero no
So agradar.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
sam & jiDnn n>3 si aun BXS1
AO
RESPE1XAVEL PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua maxirai parte mandados vir directamente do estrangtiro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer qne este novo e nteressante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porra iffiancar, com toda a seguranza de que
oenhum oulro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2.] Fidolidade no peso.
3/ Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharSo nesta
casa os melliores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cb sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico. do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorle faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender e arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelopreco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, i oto seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os sensores que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
ATTEMCAO
Os precos da ttegnintc
tabella para todos, po-
dcndo asslm serrlr de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
RA DA CADEIA DO BECIFE N. 53
(Logo passando o arco da roncelco)
PARA BEM DE TODOS.
; Fazendas baratissimas.
S Guiraares i Irnlo vcude :
j Ra da Imperalriz n. 72.
Cuitas percallas clarase oscuras muito finas
a 240 e 260 rs. o cuvado.
S Guinares A- lrniao rende
Bretanha de rolo muo superior com 'O
varas ;i 30 a peca.
S (uiinares i Irmo rende
Cassa organdys a 240 rs dita fraji.eza
muito fina a 300 e 4( 0 rs. o covado.
S Gaimaie -Irino unde
Madapolo infestado com ii jardas muito
fino a 3(5500 e 4(5 a pega.
S Guiarais & Irmo rende
Chales de merino estampados e coU ridus a
20OCO.
S Gaimares Irmo \cnde
Baloes americanos para senhons en i tatas
a 30!.
S Guinirfs limo ur.rle
Soutembarques de ISazinLa rictiwi K e'nfi i-
tados a 0 e ("0.
e 800 rs. a li-
700 rs.
ALPISTA a 1-20 rs. a libra,
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Annoz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellas a 240 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todo i os ta-
annos.
dem idem em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em frascos de todos os tama-
nhos.
Azeite doce de primeira qualidade a 560 rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o molho.
Absyntuo a 20000 a garrafa.
II
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 20000 a lata, e
de cinco para cima a 10800.
dem de so Ja em latas grandes a 20000 e
de cinco para cima a 10800.
Biscorros inglezes de todas as qualidades a
15200,13*50 e10300.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de poreo refinada.
C
CHOCOLATE francez a 700
bra, e em porciio a 600 e
dem suisso a 10 a libra.
dem de musgo a 10500 a libra.
CHOL'RicATmuito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porciio
se far abatimento.
Idein de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos a 320 i s. cada um,
sao muito novas
dem uglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Chauope de grosella, orchala, etc., etc.
Chicaras e pires a 10800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e om duzia se faz grande aba-
tmenlo.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam: Normas d'Havana, ExposicSo,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala, Mississipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros, Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos os
presos, hysson, huxm, aljfar, preto, e
preto poata branca, etc., etc., a 20000,
22 0, 20560 e20800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 20500, 30300, 40 e\|>0.
Clices de todos os tamanhos
Cognac superior a 10 e 10500^3. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 8l) rs. o mago
de cinco macinhos.
D
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
F
FARINHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 rs.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feuo. verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fum do Rio a 300 rs. a libra.-
dem americano em latas a 20.
Farello ha sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos os prego*.
0
GOMMA a 30 rs. a libra.
dem a 140 r. a libra, muito aiva.
Grao de bico a 120 rs. a libra, e em porgao
se faz grande abat ment.
Genebra de laranja verdadeira a ijfiOOO o
frasco.
dem idem a 700 r9. o frasco.
dem de Hollanda em frascos e botijas.
K
KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
Ei
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeira
qualidade a 10, 10120 e 10280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por 10280 a liba, vende-se em
outra qualquer casa por 10400 e 10500.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarrao e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 610 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
.Molho inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
30500.
Miliio paingo e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a 1U0 rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 rs.
O
Osiras inglezas e americanas.
P
PE1XE ein posta, latas grandes, a 10COO, de
todas as qualidades, como sejam savel,
goras, corvina, pargo, salmao, pescado e
pescadiuha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excelleute preparago.
Palitos para denles a 120 rs. o mago muito
grande.
Passas em qnarto a 10400.
dem muilo novas a 400 rs. a libra.
Pomada muito nova a 280 rs. a duzia.
H
QUEIJOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 800 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quartinhas ou mouinques a 60, 80 e 100 o
par.
R
RAPE' Meuron a 10 a libra,
dem Princeza do Rio a 10200 a libra,
dem francez a 20500 a libra.
m
SABO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
faz abatimento.
Sal refinado em frascos a 500 rs.
Salame de Len a 2$.
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes,
dem de Setubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
V
VINHS!
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa
Duque a 10 e 10500.
Chamissoa 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carca'velos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nlio que se pode beber por nao ter com-
posigao alguma.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 agarrafa.
Absynlho a 20 a garrafa.
Kirsch at20 a garrafa.
Wermouth a 20, e a caixa a 180.
Biter Maurer a 10 a garrafa,
Gra|ve a 800 rs. a garrafa; vende-se por este
prego por haver sempre era deposito 50
duzias.
Debajo, de 1852, a 10200 a garrafa.
Velho do Porto, em ancoretas de 9 caadas,
a 350000 ; vinho que, estando engarra-
fado, vende-se a 10280 e 10500 a garrafa.
Senbore? horas, o aceio que presidio aos arranjos oeste aovo estabelecimento, e mais que tudo a promplido e intei- csmbra:as titas Sai* n r 'iT I
reza com que serao traUfo$: ./ivida a urna visita ao raesmo, certos de que sem duvida me dara"o a protecgo e preferencia na com- 3* e ;00'., ^ U '
pra dos teneros me precisar ^ e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, j g g^,'^^ i. 'i,msn .
pois serao t3o bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recomraend aguo, afim Jde que nao vao env casenras escurase claiasa t;^t<0
tra parte.
Mmteiga ingleza especialnente escullida a Aleiria, macarrao
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz ,bra e b>000 a cafaa- do mesmo, a 5oo rs
abatimento. ^X'fn?* "' eslreHnha* Pevide e rodi" ?er7eJa branca das marcas mais acreditadas
idemfrancezaa maisnova do mercado a 96o "na ranca ouamarella a 64o rs.a libra e que vem ao mercado a 5oo 5Co e 64o LSazinha lisas e de
vinhn0riA l^t* '''8' a. garrafa> e 5>8oo> 6'ooo e 6,Soo a du- wdo!! I c 360, 400 e 500 rs,
Vinho de Porto muito fino proprio para zia. [s fefinries & fcmc. vence
engarratar, em ancoretas de 9 caadas a Cevadinha de Franga muito nova, a 2oo rs. Cubera de go*to chinez e du uli n o
v'r^ n Charutos do afaniado fabricante Jos Furia- i 2iSkjtO.
Vintio em pipai: Porto, Figueira e Lisboa a do de Simas, das seguintes qualidades: S finmirfts A Irmo vale
ato, too e 5oo rs. a garrafa, e em caada Exposigao Normal de Havana, Imperaes, Panno de linbo muito aiperior a I 40 c a
^ rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras al.Goors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguigas muito novas a 8oo rs.a libra eem
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento. i
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feij5o verde muilo superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a o.ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l.oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800,l,o6o e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das mtreas mais acredita^
das que vem ao nosso mercado a 7>ooo e
8,000 a caixaeOio e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde frenebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos'
S Gtiiimfs Alimo \we
e taiuarim a 4oo rs. a li- Sal refinado em frascos de vidro cum lam a AlgodaozinLo imito encorpnio e Un
20 jardas a 45CO. Sfi
e 5SC(J
S Guimaraes A Jimio m&
C< !it\
1C.
qusfliinl (
'(' (,-
to 1
a 2,5oo, 3,000 e 3,8oo. Londrinos, Guanabaras, Parisienses. Sus- vara.
Yinnobranco de Lisboa de excellente quali-' piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo, S Gnimaries A IimSn Trnde
dadea4ooe 5oo rs.a garrafa eem cana-; 6,000 e 7,ooo a caixa ou em n eias. Brfflante de Ilnlio com 10 palma
vi V'000 e Charutos finos de diversas marcas e fabr- j gura a 2s400 a vara.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-: cantes, como sejam: Flor do Norte,Ma-.S lifibsrtca A linio Tnft rocpi ,;.. btnv.
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa. nilhas de Havana, intervallos. Vencedores, I Os freguezes encontrailo ni re < 11 e-
Vino do Porto das melhores marcas qae Panatellas e Suspiros, a 2,000,2,5co e, cimento fcmpie um grande rntiera de
vem ao mercado como sejam : Lagrimas; 3,000 a caixa. roupa feita de todas as patdades 111 nt-
do Douro, Duquedo Porto, Rainlia de Per- ognac inglez das melhores marcas, a 800 e. nos 20 per cfnlo do que em 1 utn qoli ut-r
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
l,2oo a garrafa.
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,000, Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata cem
12,ooo e 10,000 a caixa coa 1 duzia e ftoo, 4 libras.
l.ooo e i,5oo rs. a garrafa. Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000 libra.
a duziae l,5oo rs. a garrafa. Matte.excellente cha para os navegantes, a
Sardinhas de Nantes a 400 rs. os quartos e; 200 rs.
64o rs. as meias latas. Sebollas de Franga muito grandese novas
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a a 1,800 o cento e 1,2oo soltas.
barrica e 320 rs. a libra. | Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Bolachinhas de soda em latas de diversas Toocinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
qualidades a 1,3oo rs. libra e 8,5oo a arroba.
Cartoes com bolo francezmnilo propriospa-; Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
ra mimo a 64o rs. Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas sentemenletem vindo ao mercado, a 2,ooo
para mimo a 3,ooo rs. a lata.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.' Fwfnhado Maranho muito alva e cheirosa
a libra. I a 2oo rs. a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra. Frascos com fructas em calda de diversas
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra. 1 qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Milo de amendoas a 5oo rs. I Caixinhas com fructas em doce secco de di-
Bolacbinha d'agua e sal, da fabrica deJoaoj versos tamanhos, muito proprias para
deBrito no Beato Antonio, em lata de 6 li-i mimo, a l,6oo,2,Cooe3,5oo cada urna.
parte, istosne grande aimazcm de izee-
das e roupa feita de Gumarae:- Irmlo,
Eua da lmperatriz n. 72,

bras por2,5oors.
Ameixas francez;;s em fiasco de vidro com
tampa do mesmo, a 105oo.
Ruibos, excellenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
grandes a l,oooe ll.ooors.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco
Ameixas franc zas em ceixinbas de diversos. Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
tamanhos com bonitas estn pas na ca-! 8 garrafas por 600 e 800rs. a garrafa.
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
cada urna. l,5oo cada urna ancoreta.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez Champagne da melhor qualidade que vem
a Ooo ra.ja garrafa e 10:000 a caixa. 1 ao mercado, a 2,000 e 3,5oo a garrafa, e
Batatas mnio novasa 80 rs. a librae2,5oo 24,000 e 26,ooo o gigo.
o gigo com 38 libra*. Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
8,5oo a duzia.
Vasscraras de escora para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. alibra.
e a libra.
Figosem sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo; Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a; Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. i a 800 rs. o frasco.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra e 4,oooa Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-1 10 a garrafae II,000 a duzia.
lho. 'Palitos de dente a 14o rs. o mago.
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos pregos.
Amendoas confeitadas a 61o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 ,4oo e 2,000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Uma familia f|iip te reiira virtV un .i nobilia
de ftunreNa j usru'a, trf m de rofinlr. fuij-a de
alucio ejaniar aznl, uro nr.ef de j: r'ri t.', n .
relio ts icmiadcs. mesai pcqiuiiaf. rtnm
rama decaale moiies entro?objerlrs 1 qm |
se vender ero eonia : na ra dos l'ires r (;-:.
No arma* em de fazeii dii s
ratas devintos ("cello, :
do Queimadon 19, ven-
de-seoseguinte:
Lf-ngoes de panno de iiuho a 2il 0.
Ditos de bramante de tuno de un. s panno a
_ 3S0O.
Cuberas de ehila da India a 2509.
Lencos de cambrait Ifanccs propnos para algi-
beira.pcio barato preco de :(ii ;. di
Pecas iie brclsnha de rolo com 10 varas a 380O.
Ditas de cambraia para forro de vestido, it B
_ varas, pelo baratsimo preco de 600.
Guardaitapos ad.imacados pelo bwassimo irco
de 315t)0 a dozia.
Algodao enfeslado com 7 l|2 palmn de :
li-200 a vara.
Cortes de laa de lindos goctes cem 16 cov i
6,5000.
Pecas de eambra adamascada eooi SO var
pria para eortinado, pelo barato Drecu t
Fil liso fino a 800 rs. a vara.
Dito cem salpicas a !5 a vara.
Tarlatana branca fina n 800 rs. a vi
Atoalliado de algodao adaascado a 2J50(l a
Dito de linho a 3^200 a vara.
Laaziuhas lisas oe todas as cores, pelo baralissuno
prego de 500 rs. o oi.vado.
Pecas de cambraia de >a!picos brascos e fl dmi
com 8 Ii2 varas, peio beratissiroo iu du
45500.
Balesde 20 arcos a 2500, de 25 a 35, fie 30
3500, de 3o 45: de 40 is55f 0.
Toalhas felpudas a 135 duzia.
E^tfciras da Inia tt 4, 5 e 6 palmos por : Bi :
precu do que em ouira qualquer parte.
Neste armarcm s encontrar nm grande sorti-
m^nto de roupa feita e por medldft.

cara.
Agua florida e tnico orien -
tal de Kemp.
Coutiaaa-se a vender em porco e a retalho :
na roa do Queimado, leja d'aguia branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na roa do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, o bem assim
frascos com hydrocalletrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lastrar os ditos,
e onychromantina para limpar as nonas. Essa
tintura, cujo effeito rpido e efBcaz, est bem co-
nhecida e apreciada para todos quantos della tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquelles, dingir-se munidos de
dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Qneimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cures para rosas, dito verde para folbas, e
dito tambem verde e mui fino para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vestidos
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'aco ingle-
zas francezas
A aguia branca alera do grande sortimento de
penas d'aco que constantemente ten, scaba de
receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, asslm como as
verdadeiras bico de lanca n. 134 e outras de pon-
a dourada, continuando porm a vonde-las por
precos commodos, com tanto que ocompradorcom-
pareca munido de dinheiro : na ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu:
Bonitos e graudos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de ditos de guaes e agradareis cores.
Voltas pretas maiores e menores todas de eonlf.s
grossas.
Palcelras pretas tambera de contas.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Fivelas d'aco grandes e pequeas com cinto pre-
to e de madreperola.
Outras grandes de differentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leqnes de {madreperola redondos e de
outra forma.
Ditos de sndalo intericos e corredigos.
Capellas brancas para meninas.
4fe
ATTENCAG MUS SENHORES
PARA
>|S Fazcodas baratissimas leja da raa do Crespo n. 17 de Jos Gomes
Villar.
(VS} A nova crise commercial permute que o povo em geral nao possa comprar fazendas
caras. O proprietarlo deste estabelecimento, amigo que c do povo em geral, attendeado a
essas circunstancias est vendendo fazendas por precos que na realidade admira.
Correi, bom povo, a este estabelecimento, e comprai fazendas, porque alli se vende
por menos do que em outra qualquer parte.
Cassas organdyzes a 280 rs. o covado.
Chitas francezas escuras matizadas a 2G0 rs. o covado.
Ditas escaras muito finas a 240 o covado.
Ditas claras dem a 240 o covado.
Ditas escuras idem a 260 o covado.
Chitas para coberta muito largas matizadas a 240 o covado.
Madapoides finos largos a 65590, 75 e 85.
Chales de fil preto muito bons a lOJfOOO cada um. A.
Chales de merino estampados a 55500, 65 e 75- ($$?
E outras muitas fazendas, que tudo se vender por precos que admiram. 38P J&&, J&& J& t*HP* u fi&fei. $- GS^2&. Sk *^*:
TE DOCE
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120libras a 40,40500 e 50 ; no grande armazem da Liga.
Kival sem segundo
Ra do Queimado u. 4', loja de miodezas de Jos
& Azevedo Maia e Silva esta disposto a wnd< n oj-
io barato que admira, pela seus fregoezes ja tstao
scientes que nao ha segundo competidor.
Pecas de cordo para vestidos a 20 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Tallieres para meninos a 240 rs.
Duzias de facas e garios a 2f&00.
Ditas do cabo preto cravado a 35000.
Baralhos francezes muilo finos a 200 e 240 rs.
Grozas de boloe de looea a 160 e 200 r^.
Caixas com soldados de chumbo a 120 e 200 rs.
Bunecos de choro pequeos a ICO rs.
Varas de cordo para espartilho a 20 r?.
Duzias de comeres pira cha a 800 rs.
Duzias de colheres para sopa a 15500.
Ditas de metal principe de cha a 25000.
Ditas para sopa a 4OCo.
;. ~ -.' ,-'. "
Madapolo muito fino com peqamia toque de avaria, por prego que admira : na loja
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos C.
ESCIAM FWBOi.___
- Fugio no dia 16 do maio prximo passade o
preto crioulo de nome Braziiano, idade de ZG an-
uos, estatura regular, cor fula, tendo nm des den-
tes da frente quebrado, sem barba, apenas alpans
cabellos a roda da garganta e olhar amortecido,
bem fallante, sabe 1er e escrever e falla um ouco
o inglez, norc copeiro, cosinha e lava bem, iovou
vestido camisa de algodao Lranro e calya ue dito
azul, conduzindo alguma roupa fina, como i. m
calcas de casemiras de lisias, jaqueta branca e ca-
misa de madapolo, lences e mais roupa que tem
marcada com a letra B de linha de marca,algumas
pecas e outras cem o nome por extenso em tinta
de marcar, levou chapeo de palba imitando n?ni-
lba, chapeo de sol de seda verdeja usado, sapa tos
e meias, de suppor que se inculque de forro :
quem o apprehender condnzindo ao sitio de Jcio
Matheus, no Poco da Panella, ser generosamente
gratificado por sen senhor Juvino Bandeira.
Fupio em principios do mezde fevereiro do
correte anno e consta estar acoutado nesta cidad
o moleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade \ cu-
co mais ou menos, cor preta, secco o eorpo, olhoa
regulares e afnmacados, cabeca um pouco grandt
e meia chata, belgos finos, dentes bem alvos, ps
seceos e muito ladino : roga-se por tanto a todas as
autoridades policiaes e capiles de campo que oap-
prebendara e levera-o a ra da Mangncira sobrado
n. 6 que sero gratificados, protestando-se usar dos
meios judiciaescoutra qualquer pessoa que o tenca
em seu poder.
" Fugio no da 28 do corrente, a noite, a~el-
crava Janaaria. perteneente a D. Amelia Felicia
Desehamps senhora de Mr. Len Chapelin, retra-
tista, coa escrava honve por compra que fez ao
Sr. Pi Pierres Varclla Barca em abril ultimo por
intermedio de sen procurador Jo) Francisco Ca-
i bral, desconfia-se qne a dita escrava tenba se-
!gaido paraPaje de Florese que procure o erge-
! nho do Exm. bario de Vera Cruz, a quera a tem-
1 pos passado pertenceu : a dita escrava tem pouco
mais ou menos 20 annos de idade, de estatura
pequea, de cor fula, tem os dentes limados, testa
e olhos mnlto pequeos, gralilica-se bem a quem
apprehende-la.

I
OLEGVEL


Diarlo de rernanbuco -- Sabbado 19 de Janho de 18G5.

LilfERTORA.
1 ootono, sem fructo, duas vezes moras, desarralga-
I da?, como ondas furiosas do mar, que arrojara as
espumas d sua abomnagao, como estrellas erran-
i POLCO DE TUDO. Ites' ^iTi as I111163 esta reservada urna tempestada
de trovas por toda a eternidade.
Do Cruzeiro do Brasil transcreveraos <)se-| E atiende!, que foi no Para, aonde de prximo se
Buinw ; j comegou a espalhar essas Biblias adulteradas, e es-
A fama dos estupendos m.laSres operado^ por ses livrinhos contra a religio ; est escr po, que
Cftriq durante o lempo da sua missao, em a nac5ci( que pos.uisse 0 Parj leHa a melhor c0.
favor de tdoi que a elle recorran, nao s tinha |onia do raundo. 0 Par em raz5o de gcus mesl.
i -i :.. i : la a Juda, como a linha chegaJo a to- maveis produclos 0 a loda amercana, e mallo de-
das as nacdes com ella relacionadas nao admira, Sfjada por isso. e nos Es[ados.Undos da America
pm*. que o extreman Pai, lo que nos tMa o ovan- do xurle ja se escreveu tambem> que asaguas do
geljjo deste dia, sabenda que este bemfeilor da bu Amazonas affluiam para o Mississipi; attondei bem
inanidad.; se ada em Canaan, se apressassa em vir sl0( e recordaivos que fo com os inimigos da f
recorrer 3o Di vino Medias psra que se digoasse de catholica, que os nossos pais, lutaram, e lularam
ir curar sua filfn, que elle mult amava, que ostava |ula gloriosa para sustentar a nossa autonomia, re-
enferma e prestes a morrer. tomando-lhes as porcoes do nosso territorio, deque
Tu nli.'ir. o centuro j tinha em igual affliccJo elle? se haviam apoderado I
roe vrido ao Divino Salvador, e foi misericordiosa- Nao pode bem ser que esta propaganda protes-
monte attenddo o son fillio foi salvo ; porm, quo tante, que se ostenta sem rebuco no meio de nos
diferente era a f de um e de oulro? eja um meio para facilitar um fim oceulto, procu-
0 eentnriao, apenas Jess Christo se dspe a ramio entraquecer-nos langando-nos na voragem de
igot lo casa para operar o milagre anciosamenle urna dissengo religiosa?
de ido, u deten dJaftft : Quem dera que fosemos Deste momento um pro-
senhor, eu nao son digno de que entris na pheta falso : e permita oSenhor, que sejam vans
<-isi de um pecdftlor como eu I Hasta que digaes todas as nossas previsor, que entretanto nao s3o
>f3 palavra, e a cura ser operada mais do que (ilhas do amor, que consagramos a re-
T..I era a f do que eslava citlo o seu coragao, lii, calliolioa, a essa chara patria, ao nosso que-
o o-<\ ahondante f merceu ser loso recompensa- rido Bras-
da ; lo clog:o que Jess Christo Ihe fez, dizendo Ainda heresia nenbuma dtirou mais de quatro
i|6 uio tinha ainda encontrado lana f em Israel, seculos; o Arianismo, do qual disse S. Jeronymo,
e i la prompta cura operada em seu lilho quasi 'que o mundo (iaha gemido por se ver anano, dcs-
m l : appareceu da face da trra, e delle s nos resia a
Esle pal tinha f, sim, mas urna f imperfeita, ou [ noticia como de um simples fado histrico; e ha
uto principio de f, lano que elle in-lava para que \ trezentos annos que o protestantismo trabalhando
.: us Cliristo so apressasse em ir a sua c.sa, alim sem cessar contra a igreja catholica, e procurando
de operar o milagre da cura de sua lilha, demos- por todos os meios mostrar que a sua f falsa, e
traolj assim oque pensava a respeilo de Jess nao tendo jamis conseguido aniquilar a igreja, e
i. H.-i i, i;to que s com a presenca elle poderia j ao contrario se v, qne a f catholica reina sobre
operar o milagre ; e Jess Chrislo, sempre dispos- a maior e mais consideravel parte da christandade,
W i benignidade, contentou se om loroar sensivel' e ganha terreno todos os dias, e se augmenta no
a luereJulidado daquelles que, semelhantes a este I selo do mesmo protestantismo conquistando-lhe
pni, nao crern senao naquillo que vem com os maitos do seus membros mais distinctos al os
oltjo*, apalpam om as mo=, ou abrangem com sua professores das suas proprias universidades, ap-
lirnilada intcigencia, e Ihe disse : I proxima-se do seu termo; e bem o pressente elle,
-- A nicujs que nao vedes, vos outros, os mila-' e na sua agona mortal pretende estabelecer-se nes-
gres i? os prodigios, nao crdes. ; ta trra da santa cruz, que se ufana de ser catho-
..... __...,. i lica, apostlica, romana, e de ba muito que faz os
\ iiide depressn, Senhor, antes que minha nina
morra.
Id?, Ihe diz Jess Christo, vossafilha est cu.
seus ensaios e tentativas para esse rim espalhaodo
Biblias truncadas e adulteradas, e livrinhos contra
I a nossa santa religio e suas veneradas mximas e
! doutriua.
O protestantismo se acha em tal estado de de
E le acrediten as palavras do Jess Christo, vol
;-.!. para casa, c no caminho encontrou-1 Cmp0ji(.a queo protestante da Tranblay uo duvi-
. a seus servas que ja v.nham irazer a boa no-' dou uizerj qae_os prolestnles modernos se aflas-
v.i da cura de sua l'ia, e informndose da hora .
...... n. i. ii i < lam inteiramente de ludo o que os chnstaos tem
"ii que ella se actMu livre da molestia, venficou ;
:'T exactamente ahora em que Jess Christo Ihe;
linha dito :
Vossa fil'na est curada.
E enti elle c toda a sua familia acreditou que
.! isus Christo era o Filho de Dos, o Me>sias pro-
meitido.
A imperfetejlo com que solicitamos de Dos as
creado desde o lempo dos apostlos, e que um mu-
sulmano.que admiltisse os milagros de Jess Chrislo
smente, estara mais perto dos chrislos, do que
os doutores do protestantismo moderno.
E um discpulo da escola de Hegel divideos pro-
testantes da Aiemanha em quatro classes.
1.'Os anttgos velhos urentes, que sao os velhos
grasas de que presarnos,j^emprc a causa prima- mbudos das creLcas pnmilvaS) que aiada Crrem
na de nao senn n alUndu. s. ; na lrjndade) e na salisfaal) pela morle dc Jess
Nos oramos, e ver Jada ; aias uas nossas desgra- (_ji ri^to
'is coafurmamos por ventura nossos eorae.Vs com
a sabejma a hondada da Providencia Divina?
D.;os se serve muilas vcia de meios jamis pre-
vistos por nos, parados livrar dos perigo-, e enlao
gnoraotemento chamamos a issoacaso 1
Datemos, pois, evitar que falte s nossas preces
2.'Os cenles esclarecidos, que sao os destas,
e os philosophos da escola de Kant.
3.a-Os cenles modernos, que fazem da religio
una especie de sentimentalismo, mas sem funda-
mento solido; eo christianismo poetisado.
i.' O Slraucismo, que a Incredulidade com-
a f viva, principal qualidade que as torna clllcazes' p|li[a) ou a descrenra illimitada, que d a cada um
e dignas de serem attenddas. | a facuidade de ajutar, ou de restringir a vontade
Dos obra sempre no interesse da salvanao de jy dogmas chrislos.
nossa alma, bem mais precioso do que o nosso E esta curta exposigilo do estado do protcstantis-
curp i, e p 8 atiende de preferencia s moles. mo na Allemanha nos mostra, que nao ha realmen-
tias daqoeila, sem comparago algoma as mais pe- te raa3 christianismo entre os Glbos dos primoge-
rig is, por ,: i ::ieressa urna eterni lade de sup- > nitos da reforma; e na nossa praliea nos lertos ob-
pilcios, e secundariamente nos ouve no que tem- servado, que a maioria dos protestantes, com quem
poral ; por:i devenios sempre ter resignacao com temos tratado, c que nao sao poucos, nao sabem
a sua vontade soberana. que religio professao e dizem vagamente que sao
Pais Jo familia, avivai vossa f, e ella produzir protestaules, quando sao interrogados, sem ligar
em toda a vo.-.-a familia effeitos semelhantcs e bem idea alguma a esla palavra.
deprcs3a vossa esposa, vossos filtios e vossos do-
mestlcos lomaro vossa vida como modelo da sua.
Offeretemos a leilura este extracto da pastoral
do Exm. arceblspo da Babia, sobre o culto e as
prerogativas da Santissima Virgem Mara, Mil de
Fugj, amados filho?, desles transfugas e aposta-
tas da verdade, que tos trazem o funesto presonte
de Biblias falsificadas, e de livrinhos saturados de
erros com o fim de perverter a vossa f, fug del-
les, que sao nuvens, sem agua, que os ventos le
vam de urna parte para ontra, como arvores do
Traduzimos do Echo des Feuillelons esle roman-
ceto do Sr. A. Houdflot:
OS DEZ APAIXC NADOS.
I
Constanca,vvandeira no batalhao n. 76, era filha
de um bravo offklal, que morrera ao corneQar a
guerra da Italia.
Ficando s, sem outro arrimo alm da bravura,
humanidade, belleza e virtude exemplar que a ca-
ractersavam, grangeara grande numero do.adora-
dores.
A boa menina coctando-os um dia, veriflcou que
-.
Fouffira
G CONDE DE CHANTELEINE.
Kpisoilio la rcvolaco.
x
(Continuaao.)
A ILHA DE rniSTAN.
Nao passava pelo pensamenlo de bravos como
o conde e seus amigos, que um homem s, quaes
quer qne tseem as suas falta?, pudesse ser aban-
donado aos fureies de urna populaco intera,
amotinada ; e de cmmom acord se levantaram.
Mea pal, exclamou Mara, aonde ides ?
Impedir um crime respondeu o onde.
Ficai, nossa anl), disse Keruan, M. de Tre-
golan e eu, iremos ; minha sobrioha Mara nao
pode esta s. Vinde, senhor Hennque, vinde I
Sigo vo-, respondeu o joven, que apertou
Vomitadamente a mao do conde ; mas Kernan e
elle sahiram, ao passo que o bom homem Locmal-
l sacuda a cabeca com ar de desapprovago.
Henrique e Kernan correram para o lado da
praa donde partiam os grilos mais dislinctos. All,
os moradores de Douarnenez, misturados com os
de Pont-Croix, de Poullan, de Crozon, marchavam
em plena terilpe stade, acompanhados de mulheres,
meninos, e saecudindo os seus aechles accesos;
elles airavesaram em barco o rio de Guet, e lo-
mando pela co.-la opposta, chegaram defronte d?
ilha de Tristan.
O Dretao e o cavalleiro tinham manobrado cora
tanta prtela que achavam-se na frente da multi-
dao. Pretender ret-la teria sido loucura, valia
antes tentar arrancar-lhe a sua victima.
Neste momento, os pescadores mais Irritados
atiraram-so em barcos, em numero de vinte, e re-
niaram para a ilha.
A muliidao, que ficara Da praa, errava e ou-
viarn se seus gritos, de ralva :
A' morie I raorte I o jurador I
Cortai-lhe a cabeca com um golpe de pen-
tas I
lira bom golpe de ferie no maldito I
O infeliz sacerdote, despertado por estas rocife-
racoes, tinha sabido da sua cabana ; viram-n'o
correr nesta ilha sem sahda, espantado, perturba-
do : elle sentia-se votado urna morte cruel ; ia
e vinha, com os cabellos irrigados, e vestido de
urna na solaina toda despedazada as ponas agu-
das do rochedo.
Logo os sitiantes chegaram-se ilha e dingram-
se ao maldito '. elles corriam sacudindo seus ar-
dides. Kernan, como se tivesse sido o mais r-
deme na vinganca, preceda a todos.
Tvenal, fra de si, fugira para o mar ; mas em
fim, encurralado em um rochedo, nao podia mais
escapar, era preciso morrer ; os gritos retumba-
vam ao redor de si, 9 todas as angustias da ultima
hora pintavam-se no seu semblante lvido.
Dous ou tres pescadores, de haslo levantado,
preiepitarara-se para elle ; porm, mais rpido,
Kernan agarrou-o por debaixo dos bragos, levan-
tou-o, e lancou-se com elle as ondas negras e es-
pumantes.
Kernan I exclamou o cavalleiro.
A' morte 1 morte I exclamaram os sitian-
tes, que inclinavaiii-se sobre o abysmo. Affoga-o
como um cao I
No entanto, Kernan, invislvel na escurido,
veio superficie d'agua com Yvenat, que nao sa-
bia nadar ; elle sustentou-o, e, quando o sacerdo-
te lornou a si :
Segurai-vos bem era mim, disse-lbe olle.
Perdo I exclamou o desgrasado.
Eu vos salvo I
Vos I
Sim ; ganhemos um ponto da costa I Nao
tenhaes medo I apoiai-vos em mim.
O sacerdote, sem pedir contas deste soccorro
inesperado, s comprehendeu urna cousa que sua
vida podia ser salva. Elle agarrou-se fortemente
ao rigoroso Bretao, qne nadava com braco robusto,
ao passo que os grilos de morte retumbavam as
trevas.
No fim de meia hora, Kernan e o sacerdote al-
cam;aram a praa, muito a baixo da ilha. O sa-
cerdote eslava prostrado.
Podis caralnhar ? perguntou-lhe o Bretao.
Sim I sim I respondeu Yvenat, fazendo um
supremo esforco.
Pois bem, toraai pelo campo, evitai as casas,
afora aquelles, que nao se explicavam categrica-
mente sobre o tnatrimonium, ainda fleavam dez,
sendo-Ihe portanto orcoso qoe escoiheese nm
delles.
Para isso pois marcoa a cada um em segredo
orna entrevista no raesmo logar e a mesma hora.
Comparecern! lodos; mas nenhum fez-Iba a lo-
justiQa de supporse possuidor de urna fortuna que
I Ihes negavam os antecedentes daqueila qoe justa-
mente era chamada no corpo:
Constanza a Virgem.
Todava, vendo-se elles reunidos em numero de
i 10, todos os offlciaes inferiores do uiesmo corpo,
mas em todo o caso rivaes, sua admiracao entene
breceu o horisonle, rasgado ja por seus olhares al-
tivos e soberbos.
Felizmente a moga appareceu.
Fosles fiis a meu convite, eu vo-lo agradego,
disse a moga com esse tom acariciador, e familiar
de cujo imperio tinha conciencia. E, pois, deixe-
mo-nos de fatuidade, de affctaces e de perfidias
em nosso colloquio, que deve correr como se fra
urna parada. Demais sois vos meus nicos ami-
gos, e nessa qualidade que de vos quero ou vir
uro. conselho. Eis o caso. Todos vos me flzestes
declaracoes amorosas.... Desminta-me quem qui-
zer-----Nao e verdade?
Sim, disseram os dez apaxonados.
Vos todos queris desposarme, ajuntou ella
com sorriso malicioso ; nao verdade ?
Sim, responderam os dez, resolutos e gra-
ves.
Muito bem, tornou Constanca, mais terna e
jovial. Sois muilos, e eu s posso casar com um
de vos; todos leudes direilos iguaes a meu reco-
nhecimento, que qur dar amor para o coraco da-
queila a quem justamente chamis a virgem. T,
meu brllhante furriel, foste o primeiro a amar-me:
tens, por tanto, direito a minha eslima. T, meu
valenle ajudante, com leus 23 annos, e essa cruz
de honra Seria para tentar urna duqueza...
no velho estylo. T, meu joven sargento, seductor
e valenle, salvaste-me das maos dos Austracos...
Por Dos I minha honra devele alguma cousa I E
t, serra fila de Marte, como nao distinguir-te, meu
soberbo tambr-rar, cujo sete ps me recordam o
campanario da minha aldea ?
E todos riam-se com as chistosas gracas da mo-
ga, que, acabada a revista dos ttulos de seus pre-
tendemos, exclamou :
bem o vedes; a escolha impossvel, por que
nao quero que enlre vos naja motivo de discordia i
mas eu farei melhor, accrescentou ella, a guerra
va comegar. O pequeo cabo de esquadra jurou
que antes de um mez faria sua entrada em Vicu-
a. Pois bem, ser em Vienna, que eu me torna-
re! a mulher daquelle de entre vos que praicar a
mais bella aegao. Meu coragao, minha vida, the-
souros nicos da pobre omha, Ihe pertencero in-
teiramente...
E estendendo a alva mao, disse :
Eis minha mao a aquelles que convirem nes-
te tratado.
A' estas palavras cavalheirescas, rompeu-se urna
tempestado de applausos; as mos apertaram-se ;
sallaran) as rolnas; e todos beberam glora e ao
amor inseparaveis d'ora avante.
Al Vienna, repetiram urna ultima vez os ac-1ouro sobre uma mesa ae alrance das m5os <>acrian-
lores desta scena. cinha. Esta apenas vio latir as pegas, logo dellas
II se apoderou, fechando-as fortemente entre os seus
Dous raezes depois, o exercilo fazia sua entrada L 4",
triumphanle na capital da Austria.
A' esta cena porm faltava o qne qur que
05SC
Constanca perder a jovialidade ; suas respostas,
de ordinario vivas, joviaes e penetrantes, desfalle-
ciam-lbe descoradas e paludas.
Chegaram sobremesa.
Sem esperar provocagao alguma. Constanga, fin-
chendo seo copo, levanlou-se :
lrmlos, disse ella, vos todos, jovens e brilhao-
tes offlciaes no futuro, escuta pela ultima vez e
sem interromperem, a vvandeira do corpo 76. Fal-
lemos com o coragao aberto. Que seria para vos,
com e titulo de esposa, a moga pobre e sem edu-
cago ? Um obstculo vossa fortuna ; tal vez
mais, uma humllhago ou um remorso. Eu vi mi-
nha mi chorar, e nao me esquecl mais. Esta mao,
que flzestes a honra de requestar, eu a dou quelle
que tiver necessidade delia para sustentar-se e para
ganhar talvez o pao. A escolha de Constanga
ainda urna horaenagem a confraternidade das ar-
mas, por que ella se fixa sobre o mais desgragado
d'entre vos. Bebamos, pois, saudc do pobre mu-
tilado eslendido em um leito de dr no hospital de
Vienna, onde me vou encerrar para ah morrer
irm de caridade, ou para sahlr esposa legitima do
invalido.
E ella levou o copo aos labios ; mas, acabrunha-
da sob o peso das emogoes, por que era uma se-
paragao eterna a sentenga que pronunciava cahio
exhausta sobre a cadeira.
Nenhuma v z protestou contra essa nobre ded-
cagao a que s responderam os solugos.
IV
Dez dias depois, uma carta com o sello imperial
fol entregue vivandeira do batalhao n. 76.
O homem de olhar de aguia, que sabia descobrir
e recompensar todas as virtudes, dotava a moga
com uma renda de 1,500 francos at seus filhos.
Constanga mereca ser mi I
.1 y -i -----------------
O Jornal do Commerao, de Lisboa, publica o se-
grate :
Um facto singular occorreu n'um processo cor-
reccional, que foi julgado pelo tribunal de Nontron,
Franga, em 7 de abril passado.
Uma rapariga compareca sob a aecusagao de
roubo de uma quantia de 9& em prejuizo da Sra.
Vococour.
Esla rapariga trazia nos bragos, na audiencia,
ama crianga de 11 mezes.
Allegava em sua defeza, que tendo ido a casa da
Sra. Vococour para tratar de negocios, fra dcixa-
da s na cosinha por breves instantes, o que leud-
se involuntariamente aproximado deum movel,so-
bre o qual se achavam alguma moedas de ooro, o
sen Bino pozera a mao sobre as moedas por cima
do sen hombro, e guardara tres ; que ella s dera
por esta subtraegao depois de lee chegado a sua
casa, e que no momento de sahir para restituir o
dinheiro Sra. Vococour, o cemmissario de polica
deThiviers viera ao seu domicilio, e qoe ella Ihe
narrara o caso nos mesmos termo em que o aca-
ba va de fazer ao tribunal.
Este systema de defeza pareca inverosmil, so-
bretudo por causa da idade de crunga.
Todava, o tribunal, afim de verificar se era pos-
sivel que as cousas se houvessem pa3sado como a
accusaila narrara, raandou collocar tres moedas de
> A experiencia pareceu concludente, e o tribunal
deu o crime por nao provado.
O batalhao n. 76. porm, havia pago cora sangue
seus prodigios de valor.
O joven furriel, um dos dez namorados de Cons-1 0 papa Urd0 x eostumava convidar a cear os
tanga, perder as duas pernas; cat.indo, porm, sob poelas nmoos. Eolre elles havia um a quem
os olhos, e por assim dizer, nos bracos da bella vi- chama vam. arebipoeta, pela grande facilidad,, com
vandeira, bradra :
Dos noive noivos que restam, oito serao mais dig-
nos de lastima do que eu, por que me sobrevive-
ram I
Nao escaparam a moga estas pone palavra--,
que exprimram um profundo drama d'araor.
III
Alguns dias, depois uma mesa cora onze talheres misiiehio:
eslava posta em uma hospedara dos arredores de I o interpellado resoondeu :
Vienna.
Fiel as suas promessas, Constanga, mais bella !
ainda por uma secreta tristeza, que Ihe anuviava
o olhar, para esse lugar convocava os seus preten-
dentes.
Com lagrimas, ella saudou primeiro o desgraga-.
do irmao d'armas, cujo lugar se achava va-io; fal-' Ha P0llC0S dia5> um bom argoez de Londres,
laram todos depois sobre os episodios dessa campa- es,aRd(>a an|ar, f* cahir coro ocotovello o pao de
nha lo breve, mas lo gloriosa, sobre as esperan- j cima da mesa-
gas, sobre os direltos de cada um aos favores e as Sua mulher, que supersticiosa em extremo,
recompensas. empailideceu com esta crcumstanca insigniiean-
E' que cada um dos pretendentes esperava-se le, a qual, no espirito acanhado de certa gente, an-
assim adquirir um titulo aes olhares da moga. i utira uma desgraga.
que fazia versos era lalim, e que alera disso gosa-
va multa fama entre os amadores da boa pinga.
Uma noite observando o papa que o seu hospe-
de nao- fazia mais do que beber, sea dizer palavra,
Ihe disse em ar de mofa :
Aqui esto tres poetas que nao eessaram ain-
! da de fazer versos, e tu nem sequer zeste um he-
Arehtpoeta fcil versus pro mille poelis.
Leo redarguio immediatamente :
El pro mille alus archipoeta bibiL
* . apanhar o pao, a pobre muHier vio nelle esculpi-
j das ama cavelra e dous osso em cruz.
O espanto commnnicon-se a (oda a familia, e
dalli passou para a casa do visinho at que todo o
bairro Ucou sabeodo o caso horrendo.
Toda a gente foi examinar o sen pao, e caso
inaudito I sobre os pies do bairro encontraram-se
os mesmos emblomas fnebres, caveira e ossos em
cruz.
Os mais sioistros boatos circuiavam pela cidade
e muitos dos que gosavam de ptima sade sen-
tiara se doentes, s com a idea de terem comido
esse alimento mortuario.
Todava, tornava se necessario esclarecer este
facto mystenoso, que pareca encobrir surdas ma-
| cbinagoes.
O caso leve afina! uma expllcagas cabal.
Tinham sido removidas n'um do; eemiterios de
[ Londres algumas pedras sepulchraes amigas, para
dar lugar a novos tmulos.
Um sacristn daqueila freguezia, cora leja de
padeiro, o qual tDha um forno a concertar, conce-
beu a singular idea do servir-se daquellas pedras
para esse fim.
Escolheu tres ou quatro das mais lisas e solidas, e
mandou-as collocar no seu forno.
O pao cozeu-se all as mil maravilhas, e foi como
de costume distribuidos pelos seus freguezes.
Mas nao previo que o seu forno concertado de
novo pora sobre os seus p^ um sello em relevo
menos proprio para estimular o appetite dos seus
consumidores, do que para Ihes inentir terrores e
nauseas.
Apezar do que se diz, foi certamente a Rusoia
que forneceu a Moliere o asumpto da sua comedia
do Medico a seu mo grado, e uma ancdota do
av de Pedro o Grande vai conGrmar o que cima
dissemos :
O czar, era resoltado de repetidas e aturadas or-
gias, soffria cruelmente da gotla.
Prometiera grandes recompensas a todo aquelle
que Ihe indicasse ura remedio qoe Ihe curasse o
mal; porm Dinguem consegua minorar-lhe os
soffrimentos.
Neste somenos, a mclher de um boyardo, indig
nada pelos mos tratos que seu marido Ihe dava;
jurou vingar-se.
Fez constar que elle tinha ura remedio infallivel
conlra a gotta, mas que nao era asss alTeigoado ao
czar para Ih'o revelar.
O czar, informado pela voz publica, mandbu cha-
mar a sua presenga o boyardo e Ihe pedio- o seu
remedio.
Sem duvida, responden o boyardo, vossa ma-
gestade me loma por oufro; nunca fui medico, e
nao tenho remedios secretos-para enfermidade-al-
guma.
O czar, porm, acolhen mal estes protestos- e
mandou-lhe administrar qoarenta agoules, sendo
depois encerrado n'um calabougo.
Annunciaram-lhe que todas as manhiias reeebe-
ria dse igual, at que houvesse curado o seu so-
berano, com o remedio secreto-de que, segundo
dizia sua mulher, elle era possuidor.
O'boyardo, durante qninze dias,. fol agoutado
desapiedadamente, sem poder decidirse a confes-
sar que era medico. Todava, como-elle era teimo-
so, avisaram no de que devia preparar-se para
morTer.
O pobre dabo assustou se, e nao rendo outro re-
curso de que valer-se, arriscouse a dizer que pos-
sula efectivamente o segredo do algumas receitas;
mas qoe se nao atrever a experimntalas na
pessoa do czar pelas nao jnlgar nfalliveis.
I'edio que Ihe concedes*em olo das, afim de
preparar o seu remedio. Tendo-se-fie concedido
este prazo mandou elle apanhar nos arredores
de Moscow toda a casta de hervas em tamanha
quanlidade, que encheram uns poucos de carros, e
com ellas preparon um banho para o czar. Qur
fosse porque o mal tivesse ehegado ao seu termo,
ou porque entre tantas plantas, algumas houvesse
effiVazos conlra a golta, o certo que o principe
sentio-se muito melhor.
Ganhou entao maior frga a idea de que as pri-
mearas recusas do boyardo eram to smente mo
Uvadas pela sua m vontade ; applicaram-lhe, por
isso ainda uma boadze de agoutes, depois do que,
o prncipe Ihe mandou entregar quatrosaccos;cheios
de pegas de oiro, e nomeou-o seu facultativo; fez-
Ihe presente de vinte a cinco aldeos,de trras pa-
ra cultivar, intimando-lhe ao mesmo tenwo, sob as
mais severas penas, de nao exercer eootra sua mu-
lher a mnima vinganca.
Assevera-se que o boyardo obedecen intimaco
imperial, e que ambos os esposos viveram d'alli
em diante na melhor harmona.
a sagragio do monsenhor Dnpont, vigarlo apostli-
co de Siam, hispo Aroth.
Esta ceremonia pomposa, maito nova naquelles
longiqoo paizes, prodosiu no espirito des indge-
nas a mais p'rofanda impresso.
A Narao publica o seguinte :
Escrevem de Saigon dizendo qoe nodiaSids
fevereiro teve lugar na calhedral daqueila cidade
Em Inglaterra, diz aro jornal extrangeiro, atin-
dele agora com grande afinco ao cultivo dos gira-
ses, dos qnaes se tira um producto mu grande.
As folhas da sua flor contero grande quantidada
de mel e cera, as sementes do um azeite exqni
sito, servem de excellente alimento s aves do
mesiieas e sobre tudo para os pers e faisoes.
O azeite oaproveilam com exilo os pintores para
a preparago da cor azul e verde.
Da sement tambem se obtem orna farinha mui
boa para pao e obreas.
Do ironco se desprende um material que na
China se applica por sua qualidade filamentosa mui
parecida com a seda para lecidos de toda a classe,
empregando-se tambem para a fabricagao do papel-
O corpo de estado maior do exercilo hespanhol
acaba de terminar um trabalho destinado a Nape-
leo que ha de servir-lhe para melhor illuslracie
da Historia de Julio Cesar na parte relativa is
campahans, que susieniou em Hespanha conlra as
torgas de Pompeo.
Consta este trabalho do duas plantas na escalla
de 1|40,000 que abragam na Calalonha ama gran-
de parle da provincia de Lrida entre esta capital
e o rio Ebro e na Andaluzia emtra ainda maior des-
de Cordova a Genil e de uma corleeelo de vistas dos
pontos mais nolaveis d'aqoelfes terrenos, lomadas
do naturai e pintadas aguadas.
Estas plantas tem sido pintadas no campo por 11
chefes e offleiaes de E. M. d uranio o auno prximo
passado.
Uma elegante pasta encerra esta obra levando
na sua parte superior a dedicatoria gravada assim
com as armas de Hespanha e outros adornos todo
era prata oxidada.
>-ooo.t
A Cazeta des Estrangers refere como eerfa a se-
grate aneedota :
Ha 18 mezes qne o espiritista Hume se achava
ao servigo de Mad. Milner Gibson, mulher do mi-
nistro do sommercio de Inglaterra, depois de ter
espantado a eoncorrencia por meio de diferentes
manifestages- sobrenataraes, Hume predice que
antes de dois annos presidente dos Estados-Si-
dos Lincoln morrena assassinado.
Mad. Milner bson escreveu n'um caderno esta
prediego e fe assignar a lodos os assistentes este
fnebre proces?o verbal.
O celebre capito do Alabama, segundo nos dia
um jornal franeez,. chegou a Franga e mez pas-
sado.
i IIU
O jogo de cricket lorna-se moda era Franga.
Becentemenie S8 fundou em Pars urna socieda-
de para all se propagar o goslo desta distraegao de
origera bnlanmca.
Esia sociedade, conforme contra o jornal ingles
o Ouel, tinha escolhido Mr. Drouin de Lhuys para
seu presidente, ma3 o ministro dos negocios ex-
traugeiroe decliuou. esla honra, e eis a carta que
por esla occasio dirigi a Mr. Sparkas secretario
honoraria do Parts;Cricket Club :
t Mr.Hugo-vos- deserdes junto dos Srs. mem-
bros do comit de-Parts-, o interprete dos meus
agiadecimeutos pelos- semimentos lisongeiros que
da sua parte me leudes transmittido o lestimunho
por occasio da escolha, que a vossa socedade
qplz fazer de mim para seu presidente.
evo conliar-vos,..lue nao lenho j hoje, para os-
prazere- deste gener-as, seno uma afleico loda pla-
tnica, poique ha felizmente muito lempo que te-
nho dito como o valu Eutelles de Virgilio : lestus
artemque repono.
Mas nem por issso deixarei do experimentar
uma atisfago sincera era secundar as vossas dili*
gencias para propagar, era Franga o bello jogo< do
cricket, que lera desde seculos uma inconlesiavel
inlluencia sobre a edueago da sociedade ingleza,
e contribue a dssonvelver nella estas qualidades
vine que nos adimiramos na nagao britannica.
Feliz serei uaindo o rneu nomo a aclimatiagao
deste nobre e sakilar sxerulet entre es nossos ci-
dadaos, e como signal do interesse que dedico
vossa louvavei empreza vos rogo de entregar- da
minha parte a inclusa somma de 300 franjo* para,
entrar no cofFs do Uarts-Cnckit-Club.
lendes a noite di ante de vos Que amanhaa vos
ache do lado de Brest ou de Qumper.
Mas quem sois vos ? perguutou o sacerdote
com vivo accento de rechecimento.-
Um iumigo, responden Kernan. Caminhai!
queo co vos guie, so ainda se compadece de vos.
Yvenat quiz apenar a mao do sea salvador ;
mas esle j tinha-se afastado ; enlo, o padre, ar-
rastando-se pelas planicies incultas, desappareceu \
na escurido.
Kernan tornou a ganhar o cam nho da costa ;
veio reunir-se a muliidao da pescadores.
O maldito o maldito exclamaram cem
vozes odenlas. ,
Morlo I respondeu o Bretao. Um immenso
silencio succedeu esla resposta, e entretanto nin-
gttem ouvio Kernan murmurar ao ouvido do ca-;
valleiro :
Est salvo, senhor Henrique Eis uma boa
aegao de que farei penitencia.
XI
AtBCHS dlAS DE FELICIDADE.
Depois desta terrivel noite, na qual a colera de
uma populagao fnteira desencadeou-se contra um
nico homem, a aldea de Douarnenez recobron
sua calma habitual, e, preciso dize-lo, os pesca-
dores voltaram a seus trabalhos acostumados com
mais confianga ; desde a morle do maldito, elles
nac se lerabravam de que tivessem a temer as re-
presalias dos republicanos, que gnoravam seme-
Ibante facto. Nao era assim acerca do conde e
dos seus amigos; estes deviam temer que o pri-
meiro acto de liberdade de Yvenat nao fosse uma
denuncia em regra conlra os habitantes de Douar-
nenez. Porlanto, podia-se esperar, mais dia ou
menos dia, a visita dos guardas nacionaes do de-
partamento, e dos exaltados das cidades.
Por causa dilso, havia um perigo serio para o
conde e sua filha.
Passaram-se alguns dias, e no mais vivo desaso-
cego; Kernan al fez preparativos para o caso em
que ama partida sbita viesse a ser necessaria.
Mas emm, nma semana depois dos acontecimen-
los, nada legitimando o temor de urna invasao de
republicanos, o conde comecou a cobrar animo.
Ou Yvenat nao podra ganhar as cidades, e tor-
nara a cahir em poder dos seus paroohianos, ou,
nao quereno vingar-se dos seus inimigos, tomara
o partido de relirar-se- ao silencio.
Havia tambem uma (erceira liypolhes : que as
municipalidades das cidades, os delegados da com-
misso de salvagao publica muito oceupadoa com !
a guerra vandeana que era preciso terminar, e
com a chuaneria que nascia, nao teriam tempo a
consagrar vag-.iDea do sacerdote Y venal.
Como quer que seja, o paiz flcou soeegado; o
conde recobrou confianga pouco a pouco, e tornou
a cahir em suas preoecupagoes habituaes. Obser-
vndolo, via-se quanto a desgraga a tinha rpida-
mente envelhecido -, algumas vezes Kernan aseos-
tava-se; alm disso parecia-lhe que seu amo esla-
va dominado por uma grande idea, cujo segredo
gnorava. Verdadero pezar para o fiel Bretao, ha-
bituado a tomar parte em todos os pensamentos do
conde; mas elle respeitava o silencio que esle
guardava.
Tambem Maria tinha notado, quanto seu pai re-
tirava-se de mais a mais comsigo mesmo. Todas
as vezes que ella entrava no seu quarto, via-o qua-
si sempre ajoelliado e orando com extremo fervor.
Enlao voltava toda commovida e sentia-se tomada
de nma ndefraivel nquletagao que nSo quiz occul-
lar a Kernan. Este empregava os meios ao seu
alcance para anima-la, ao passo que elle proprio
sent-se esmorecido 1
Entretanto succediam-se os dias com a serie dos
seus incidentes vanados. A pesca ia, ora bem,
ora mal, e os hospedes de Locraaill estavam re-
ducidos a comer seus productos mais vezes de que
a vendlos. O invern linha sido muito rigoroso;
Maria tazia suas carnizas grossas e seus delicados.
dedos sahiam-se bem deste ingrato offlco ; umitas
vezes, at Trogolan a ajudava a embainhar as gros-
sas ourelas, por nao ter ella torga para isso, e
quando elle nao se empregava no offlco de pesca-
dor, assentado a seu lado, desempenhava o de eos- i
tureira. Alm de qoe, nessa poca, mais de um
fidalgo emigrado foi obrfgado a pedir a subsisten-
cia ao trabalho das suas raaos ; nao era desdouro,'
4o contwrio. Frequenteraente Henrique comraet-
lia desazos e erros que provocavam o riso da don-
zella; comtudo, ajudada, ou nao, ellanSo ganha-
va mais de cinco ou seis sidos por da.
Dorante essas horas de trabalho, Henrime linha
Imagine o leitor como ella ficarla, quando, ao
referido toda a sna vida, e toda a historia dessa
pobre irmaa que elle'tanto amava. Maria achava
no seu coragao ternas consolages para o joven.
Sr. Henrique, dizia-lhe ella; nao posso ser
vossa irmaa? nao devo sobst tnir junto de vos es-
ta santa martyr cuja morle savou-me ?
Sim I responda o cavalleiro, sois minha ir-
maa 5 sois bella e boa como ella 1 tendes seu cora-
gao e seus olhos; sua alma toda intera que en-
contr em vos I Sim I Sois minha irmaa, e minha
irmaa muito querida !
Enlao elle parava, e umitas vezes fugia para nao
dizer mais; porque um outro sentimento, mais
forte do que o do amor paterno, invadia-o de todo.
A donzella, postoque nao tomasse contas da sua
alma, tambem senta uma coramogo descoohecida
introduzr-se no seu coragao; mas ella suppunha
que esta coramogo era um extremoso reeonheei-
mento para com >eu salvador.
Todava o segredo de semelhantes sentimentos
nao pode licar eternamente dentro das almas gene-
rosas sem fazer exploso; n'aquelle que ama ver
dadeiramente, quasi sempre tresborda o seu amor;
preciso que elle falle, vc,>mo Henrique guard-
ra-se absolutamente de declarar seus verdadelros
sentimentos donzella, procurava m Kernan o
confidente obrigado.
O Bretao tinha visto tudo, mas deixava vir.
Henrique em principio fallou-lbe muito alusiva-
mente. ,
Se o conde viesse a faltar sua filha, Ihe disse
um dia, que viria a ser delta f oo seria funesta a
situacao orphaa ? como a pobre proscripta poderia
escapar a seus inimigos?
Ficaria eu, responden Kernan, rindo-se.
Sem duvida, replicn Kernan, sem duvida ;
mas meu bravo Kernan, quem sabe aonde o des-
tino vos rrastar Nao pode o conde clianiar-vos
s bandeiras do exercilo catliolico? pois bem I
neste caso, quem protegera Maria ?
Kernan podia fcilmente responder que nem o
conde nem o criado abandonaran) juntamente ma-
damoasella de Chanteleine, mas fingi acceilar o
argumento do cavalleiro como irrefutavel.
Sim disse- elle, quem a protegera entao ?
Ah! Sr. Henrique, ser-lhe-hia preciso um bravo
coragito para ama-la, e o brago de um marido pa
ra defende-ia I Mas quem ousara tomar a seu car
go es joven proscripta e se m fortuna ?
Resulta de uma estatislica que acaba de publi"
car o governo,. que a Franga conta l&OOicapi.'"'
tes de navios matriculados, dos quaes &000 so-
empregam na cambeiagem.
- Nao- se tornara necessario ser muito ida-
cioso para faze-lo, respondeu Henrique oom vir/a-
cidade, conhecendo-a como nos podemos conlace-
la I Maria passou por terriveis provas, e censti-
tuir-se-ha urna digna companheira,. aquella, que
convm a um homem honrado para atravesar as
pocas revolucionarias.
Tendes razao, sr. Henrique, proseguio Ker-
nan, se a conhecessem, mas nao. a conlecem, e
nitoha apparencia de que nesla aldea de Douarne-
nez. achassemos jamis o marida que coevm mi-
nha sobrinha.
Fallando assim, o Bretao anecia obligar o joven
a abrir-se mais claramente ; porm esta resposta.
produzoelfeito inteirament opposio. O cavalleiro,
quiz ver nestas palavras uma desapprovago coav
pela. K neste dia elle nao. disse mais nada, a me
vechou muito a Kernan.
Passou-se o mez de fevereiro. Durante a soma-,
na, cada um trabalbava do melhor modo ; no do
mingo, o conde lia o offlco divino na sala terrea e
esla piedosa gente em semelhante occasia.mostra-
va um fervor verdadeiramente catholico { elJes ira-
ploravam o co por seus martyres, e, como wda-
deiros chrislos, lambm rogavam por seos inimi-
gos, excepto Kernan. O Brelo era a excepcao da
regra : elle nao ora christao a ponto de esquecer
injurias, e todas as noites sua oragao era seguida
de um juramento de vinganga.
Depois, quando o tempo eslava bom, Kornan
propunha um passeio costa. Quasi senpre a
conde fleava em casa. Entao Henrique, Kernan
Maria camlnhavam pelos rchenos ; elles suban
a collina, na qual est assentada a aldea de Douar-
nenez ; iam at a estrada principal do lado da
igreja que domina a baha, e d'alli seus oaos per-
diam se nesse ped-ago de mar largamente aberto ao
borisonte, e que possoe suas tempestades o seus
naufragios cono o ocano.
Que magoitteo espectculo Daoera o desta baha
agitada e furiosa I Desoobria-se algum barco de-
morado qne, oom a vela nos rizos lutava contra as
vagas; elle desapparecia algumas vezes, e va se
arrastado para looge do porto ; d'ahi, a vista se-
gua at o cabo de Ra, essa tonga lingua de trra
qoe enterrava-se no mar.
/Continuar-se-ha.)
I PERNAMBUV.-TYP. DE M. F. DE F. & FILHO
\
\
I
- K
/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5J84VP1I_8BRONM INGEST_TIME 2013-08-28T01:20:36Z PACKAGE AA00011611_10695
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES