Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10693


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO 1LI HUMERO 136
kSr fiarlel ig deatro de 10 das da 1. mez ...ti
dem deitis dts i.0110 das do comecoe dentro do qaartel. .
Parte aa c*rrth pr tres nezes ,....... ,
BfOOO
6$000
750
QARTA FHRA 14 DE JUBO DE 1865.
Par anno aagadeatra de 10 das da 1/
Parte aa cerreie aer un ro ,
nez

191000
3J00Q
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o ?r. Antonio Atexandrinu de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracalv, o
Sr. A. deLemos Braga; Cear, o Sr. J. Jase de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Har, os Srs. Geraldo Antonio Altai di
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronytno da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRlPQAO DO SL. I
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos lardas Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribuiro Gasparinho.
-i-~
PARTIDA DOS ESTAPETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da va frrea al
Agoa Preta, lodoi os dias.
Igaarass e Goyania naiif ondas e sextas feiras
Santo Anto, Grvale, Vttfttoi/Bonito.Caraar,
Altiftfeo, Garanhuns, Buqu, S. Rento, Boro
Conselffo, Aguas Bella! e Tawrat, as tergas
feiras.
Pao l'Alho.Naxareib, Umoalro, Brejo, Peaquelra
Ingazeira, Flores, Villa ella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury,
feiras.
Salgneiro Ex, as quartas
Segunda vara do el re: quartas e sabbades a I
hora da urde.
Sariohem.AioFormosoJamandar, Una, Bar-
^fos, Agna Preta e Pimenteiras, as quistas
EPHEMERIDES DO HEZ DE JUNHO.
i Quarto cresc. as 6 n., i m. e 58 s. da m.
9 La cuela a 7 a., ti m. a 16 s. da m
18 Quarto ming. as 4 h., 33 m. e 28 s. da m.
23 La nova as > ti., 37 m. e 3i s. da m.
30 Quarto cresc. as II h., 20 m. e 51 3. da
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relagao: tercas e sbados s 10 horas,
fazenda : quintas s 10 horas.
Jaleo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tergas e sextas s 10 horas.
Priraeira vara do civel: tergas e sextas aa meio
dia.
Segunda vara do evil: quartas e sabbadss al
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
12. Segunda. S. JoSo de S. Facundo; S. Onofre.
13. Terga. S. Antonio de Lisboa f. padr. do bisp.
14. Quirta. S. Basilio magno b> dout. da egr.
15. Quinta. t*j Corpo de Deus. S Modesto m.
16. Sexta. S. Joo Francisco Regs; S. Julia m.
17. Sahbado. S. Thereza r. de Lyo;S. Rainero.
18. Domingo. Ss. Leoncio,Tribuno e Theodulomm
PREAMAR DE BOJE.
Primeira as 7 horas e 30 m. da manhia.
Segunda as 8 horas e 54 miMtos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, .margo, malo,
julho/setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
os. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa da
Faria & Filho.
PARTE GFFICIAL
fiOVBHNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 10 dejonao de 1865.
Officio ao Exoi. presidente da provincia do Rio
Grande do Sul.Com o officio de V. Etc. de 12
de mito ultimo reeebi um exemplar impresso do
repertorio geral dos leu provinciaes, regolamen-
tos e actos expedidos pela presidencia dessa pro-
vincia.
Dito ao Exra. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.-Sirva-se V. Eic. de alten-
dar ao que no incluso requerimente pede Mana
Felippa de Sant-lago, sendo exacto o que ella al-
lega.
Dito ao coronel coramauJaote das armas.ue-
feriado o requerimento do 2o sargento do 4o bala-
lho de artilharia a p, Paulino Vieira de Molio,
sobre que versa a sua iofarmagao u. 979 de 3 do
corrate, auloriso V. S a raaada-lo addir opporlu-
namente ao 2 corpo de voluntarios da patria, aflm
de seguir para a corle cora o me-mo bataiho a
disposigao do Exm. Sr. ministro da guerra.
uito ao Dr. chefe de polica.Era visla da res-
posU do delegado do Io dstricto deste termo, jun-
ta por copia, ao offlelo de V. S. n. 676 sobre a re-
presentaeo J1 Assocagao Coramereial Beneflcente,
proceda V. S. a semelhanie respeito como for de
direito, e d as Insirucges que julgir convenien-
tes para o bom desenpenbo das attribuigoes poli-
iaes em relagao s posturas munieipaes.
Devolvo o processo a que allude o delegado, e
como este solicitou
Dito aa iospector da thesoujaria de fazenda.
Em vista do Incluso pret que me remetteu o cora-
mandante interino do bataiho n. 45 da comarca
da Palmares cora officio de 28 ida abril ultimo, e
na > havendo inconveuiente, mande V. S. pagar a
Olympio Tueodoro da Silva somante a quantia de
7306. correspondente a terga parte dos venc-
meatos de urna escolta de guardas nacionaes, que
daquella termo conduzio para esla capital 2 presos
de jutca e o desertor da guiroigo d vap jr fi-
ci/eAntaflio Mauricio dos Santos, que segn lo
consta de inforraaco do chef< da polica datada
da 7 d > crrante e sob n. 811, desarlou em lin..
de 1859 e agora leva o conveniente destino.
O restante do mencionado prat ser pago pela
thesoorana provincial.Coramunicou-se ao com-
mandante do balalho n. 45 de Palmares.
Dito ao mesmo.Faca V. S. entregar ao cora-
mandante da corapanhia de aprendizes artfices do
arsenal de mariuha a quantia de 110556$, em que
importa o peculio pertencente a Manoel Ferreira da
Paixo, relativamente ao lempo em que fez parte da
referida corapannia, o qual lera direito a receba-la,
visto ter auingdo a idade exigida por le.Neste
sentido offlciou-se ao inspector do arsenal de ma-,
rinha.
Dito ao mesraa.Coraraunieo V. S. qu3 nesla
data approvei o contrato, que, segundo o termo
por copia incluso, celabrou o director do arsenal j
de guerra com Manoel da Rocha Nunes para Ir
servir no arsenal de guerra da corte, vencendo o
rinhem, Camilla Araethista de Carvalho Cilumby,
e para a da novoago de Baixa-Verde Maria Flo-
rentina Seraphica de Assis Carvalho. Comrauni-
cou-se ao director geral da instruccao publica.
Dita.O presdeme da provincia resolve noraear
de conformidade com o 1" do art. 2 do recula-
mente de 9 de junho do auno prximo passado, o
engeoheiro Gervasio Ridrigues C impeli para o
lugar de engenheiro era chefe da reparticao das
obras publicas. Fizeram-se as neces-arias com-
muuic.agoes.
Dita. O presidente da provincia atienden Jo a
que o arrematante da conservago do 3o termo da
estrada do sul Francisco Alves de Miranda Vare
jao, nao faz entrega da estrada dentro do prazo de
seu contrato, segundo consta de officio do chela in-
terino da reparllgo das obras publicas em 31 de
inao ultimo, sob n. 155, resolve rescindir o men-
cionado contrato, sendo a conservago da estrada
feita de conformidade cosa o artigo 66 do regula-
meato da 9 de junho do anno prximo passado,
bem como multar o predilo arrematante e seus fia-
dores na dcima parte do valor em 6 metes de tal
conservago, n s termos do citado artigo, combina-
do com o artigo 17 do reglameos de 31 de agos-
to de 1863, e ordena que neste sentido sejam feitas
s necessarias communicagees.-J-Fizeram se as ne-
essarias corarauncagoes.
Dita.O presidenta da provincia resolve que dos
Contingentes dos diversos corpos da guarda nacio-
nal da provincia, chamados] ao servigo da guerra,
em virtude do decreto n. 3383 de 21 de Janeiro do
crrante anno, se formem 3 corpos da infanta na
compostos de 8 compaobias cada um e com a or-
gauisago provisoria seguate :
Estado maior e menor.
1 Tenente-coronel commandante.
1 Major.
1 Tenente-ajudante.
, 1 Tenente quartel-mestre.
1 1 Alfares-secretario.
I 1 Alferes-porta-bandera.
1 Satgento-ajudante.
i 1 Sargento-quartel-mestre.
1 Corneta ou tambor-mr (Ia sargento.)
Forga de urna compaohia.
j 1 Capitao.
1 Tenente.
1 Alferes.
1 1 sargento.
2 2" ditos.
1 furriel.
6 Cabos.
89 Soldados.
i i cmela ou tambor.
obrou o mesmo subdelegado, fazendo cessar o es
cndalo e as irreverencias que se pratlcavam cora
urna iraagem quebrada e informe, encontrada no
espolio Immundo de um preso.,
Devolvo-lhe o officio do subdelegado a quem V.
Rvma. communicara a minha resposta.
Dito ao mesmo.Para que eu possa responder
ao seu officio de 24 do prximo passado, faz-se ne-
cessano que V. Rvma. me devorva o officio qua
Iha dirig com data de 4 do mesmo, e por V. Rvma
citado no officio que tenbo vi.-ta.
Dito ao vigario de Mossor. Respondo ao seu+fa
officio de 15 do prximo passado, que mu i regu-
larmente obrou V. Rvma., mandando que os con
p le V. Rvma. revalidar o casamento desses con
trahentes, sera que para isso sejam necessarios no-
vas proclamas, como V. Rvma. me consulta.
Dito ao vigario da S. Lourengo da Malta Res-
pondo ao officio de V. Rvma. datado de hoje, de-,
claraado-lhe que, nao podendo eu resolver ja a.
queslo de limites, que pende entre essa freguezia
e a de Igaarass, proveniente da ambigudad da
lei que tragou ditos limites, aatoriso a V. Rvma.
para assistir ao matrimonio dos nubentes que mo-
rara na propriedade Pianga, e de que traa o sed
citado officio, afira de livrar dito matrimonio de
qualquer suspeila de clandestinidade.
Dia 8
Officio ao Exm. presidente desta provincia.D01
officio junto por copia conhecer V. Exc. o inslito
attentado commettido contra o Rvd* parocho do
Bonito, que na sua propria matriz, na oceasio era
que acabava de celebrar a missa conventual no dia
da Ascengo do Senhor, foi publicamente insulta-
do e ameagado por Theolonio Jos de Freitas, sera
que as autoridades policiaes que presentes se acha-
vam, reprimissm epunissem a flagrante e injusta
aggressio que sffreu o Rvd. parocho.
Do mesmo officio ver V. Exc. que esse Theolo-
nio Jos de Freitis j ao auno de 1863 commetten
' attentado, injuriando o parocho no re-
lossos irmaas, que nos campos da balalha I no Espirito Santo, seja esle o modelo de amor que transacedes eommerciaes nonr-n
do a vida pela patria, exonerando-o do' tenhamos ante os olho. >", et fac secundum aa ,% r0o imZm a7 ,
!essa freguezia e dando-lhe as faculdades exemjUar. (xodo, XXV.) W emuS^^Sl^3
glao aos nossos
gpoe e
rOgimem dessa
gne V. Revma. me pedia, a lira de poder seguir o
ao destino.
Agora pois, recebendo o sea officio de 25 do
esmo mez de maio, em que V. Revnu. me diz
ne resol veu demorarse por ah e contiauar a re-
tir essa freguezia, nio so por se achar adoentado,
nomo parque os habitantes desse lugar assim Ih'o
padiram, cbeme respon ler-lhe que nao comigo
se deve entender a tal respeito e sim com o
tttverno imperial, a quem V. Ravma. se offereceo
para capelln voluntario, e
que aceitn o seu offi
trahentes F... e F... se separassem, visto estn Wcimento. Pela minha parte o que eu posso fazer homem.
nnllo o seu casamento pelo impedimento dirimente aatorlza-lo a continuar a reger essa freguezia
o sou* mquaoto por ah se demorar, usando par iso da
Agora, pois, obtida,3 necessaria dispensa, tprovizao de vigario encommendado, que j tinha :
ae liver de retirar se, autorizo o para deixar na
regencia dessa freguezia um sacerdote idneo, urna
*z que o Revd. parocho da Matta Grande se acha
-enfermo, e fica muito distante dessa freguezia;
communicando me V. Revma. immediatamenle, a
*n de que, sendo por mim approvqd >, eu mande
passar provisao ao que fizar as suas vezes.
Creio haver no pouco que precede demonstra
do a relagao intima entre a e-colha do Supremo
Padroado da Trindada e s fins da assocagao, que
Iha submettestis, como auspiciosa garanta de per-
manencia; e bom xito.
Sanhores I O christiansrao, dando ao sent-
monto moral e religioso a mxima energa, pro-
duzio a caridade, vi/tude desconhacida ao paga-
nismo ; e desde ento o mando comegeu a ver o
prodigio de urna multido de estabelecimentos
consagrados a soccorrer a todas as miserias do
A caridade, recebendo-o as fachas
do bergo, Iha recoineo pnmeiro vagido, precur-
sor das dores do futuro, e a corapanha-o e o to-
das as pilases da vida, nao deixaudo-o se nao de-
pois da morte.
E, sob oulros aspectos, que sublime e maravi-
llosa cousa nao a caridade 00 pnoto de vista po-
ltico ? Que cimento social profundamente esta-
vel I que forga de enhasio I que poder lucessante
para lutar e vencer os desabrimentos da discor-
dia > a caridade cora as suas doguras, derre-
quasi igua
cinto sagrado da propri matriz e impeiin loo de
pregar ao povo, e de indicar aos fiis o que mais! so affl-mativo, que erabarago esse, e se a sacns
Ibes convin para o seu bem temporal e espi-'tla tera a precisa lim;-eza e decencia,
ritual. I E se fr possivel celebrar-ie no templo, ordeno-
Pois bem, Exm. Sr., as autoridades de ento nao Ihe que prohiba desde j que se celebra o sacrificio
deram providencias, e essa homem continuou a da missa na sacrista ou em outro qualquer lugar
Dexo por conseguinte do levar o occorrido ao tendo a ferrugem degosmo, e do orgulho, forga
eonhecimento do Exm. presidente dessa provincia, os ricos a abaixarem-se para os pobres, e os gran-
eomo V. Revma. me pede no seu offi ;io a que res- des para os pequeos, o os res gara os subditos;
pondo, visto dever liinitar-se a minha aegao aoque e converteado o odio em amor, o despreso em ve-
acabo de fazer: Isto consentir que V. Revraa. nerago, a inveja em benevolencia, adoga os altri-
continue na regencia da freguezia, se por acaso tos da machina sociaj, e activa o fogo de seus m-
nita seguir para a guerra coma capelio volunta- vimentos.
rio: e dar as necessarias providencias a fim de O inundo physco, e o mundo nitral sao fei-
que, ausentando-se V. Revma., fijue supprida a tos imagem um da outro, e um dos p ralis de
sua falta nessa freguezia. semelhanga mais frisantes o papel quasl idntico,
Dito ao vigario da Boa-Vista.Cjnslan1o-me que que representa n'um a harmona e n'outro a
na igreja da Santa Cruz se costuma agora celebrar caridade. __ Se as espheras iraraensas, (]ue rolam
o sacrificio da missa na sacrista, pretextando se na extenso do espago nao se abalroam em seu
qu. a igreja anda em obras, qnando estas j se fin- rpido perpassar porque obedecer a lei da bar-
daran), sendo os reparos que restam de uatureza monia : ora, o que a harmona faz no mundo dos
tal que de nenhuma sorte prohibe ai que nella so corpos, falo acarilade no innndo dos espiritos.
celebren) os offlcios divinos, urge que V. R^vina.,] D-us, centro universal, o sol das intelligenclas.
sindicando deste facto, me informe circunstancia- que as fecunda cora o calor, cora a vida, e com a
damente o que ba de verdade sobre o occorrido, luz, e harmonisa ludo em torno de si pelo duplo
qual a causa porque se nao celebra nesse templo, attrativo de suas amabilidades, e de seu amor in-
se a igreja est com efteito embaragad ; e no ca- finita. Cada hornera urna pequea esphera, que
Ihe importando
denles da hydra,
se mulpliquem e accumnlem : o seu furor re-
formar lettras, e o seu prazer nao se reformar a
si proprio t E d'ahi ? oh urna vctima de mais
que se precipitou no golpbo daoseria t Na pujan-
ga de seus gozos, nem ao menos se lembrou nunca
da inscrever seu nome n'algura monte pi, por que
isso seria descrer da estabilidade da fortuna, cu-
jos sorrisos 83 Ihe antolahavam eternos!
A irreligiao que triurapha por toda a parte a
orgem da miseria, que araeaea o nosso porvir. O
pauperismo cresce a proporgao que a moral decahe
e se corrompe diz o Sr. Miguel Chevalier. O tra-
illo, fundamento de todas as virtudes, nao couseate
no seu caminlio a miseria. Trabalhamos, e longe
de sermos fridos da imprevidencia d i rico dissi-
pado, procuremos acautelar os effeitos do infor-
tunio de uns, da irapossibldade physica de oulros,
e da morte de tantos por meio desta reunio de pe-
quenas economas iangadas no thesouro commum
do Minie Pi Popular, que se boje dbil corad
a flor do campo, a manhaa sera robusto como o ce-
dro do Lbano, mediante a efflcassima protergo da
Trindade Santissima, em cujo nome abengu esta
instiugo nascente, e.todos aquelles que to fer-
vorosa-mente, a despeito de todos os obstculos,
conseguiram inaugura-la.
Dando aos collegas as boas viudas, e desejan-
do-lhes a consecugo dos fins a que se propoem no
desenvolvimento de sua vida pratica, f .rea noli-
ciar aos nossos leitores, que tem elles por meio de
alcangar o seu escopo admonere, non morder;
prodesse, non adere; consulere moribus, non of-
ficere.
No vapor Paran, que deve ehegar do norle
a 23 do corrente, segu para o sul o 2." corpo de
voluntarios, a menos qne nao traga elle espago
vaso que comporte a conduego do corpo, forca
de tropa que tenha tomado as provincias do
norte.
Assim, portanto, devem estar de sobre aviso as
commissoes ou pessoas encarregadas dos festejos
populares, que tera de ser f-itos para eelebrar a
conci ar o povo e indispo-lo contra o seu pastor ;
at que agora insulta-o e araeaga-o segunda vez na
presenga dos seus parochianos, na presenga mes-
m) das proprias autoridades do lugar, e quando o
Dita. O presidente da provincia usando da at-, Rvd. parocho acabava de exercer as funcgdes s-
tribuigo que Ihe confere o art. 3383 de 21 de ja-: gradas do seu ministerio. As autoridades de hoje
oero da corrente anno, resolve designar proviso tambera nao deram promptas providencias, e eis'
(ora do recinto da igreja.
9..... "?!
PERNAMRUCO,
ritmante para servrera no corpo n. 1 de infanta
ra de guardas nacionavs ao servigo da guerra,
por forga da referido decreto os officiaes se-
gualas :
Esiado-maiy.
Tenente-coronel cammandanteVago
MajorVago.
Tenente-ajudante O lentelo 2 batalbo da
infontaria Camillo Augusto Ferreira da Silva.
Dito quartel mestre O tenente do 3" dito dito
REVISTA DUI1A.
Pedro Aiexaadrino Rodrigues Lias.
salario de 2$ diarios.
Dito ao mesmo.-D V. 3. as convenientes pro- A|f(jres sci;relarja.0 d-0 t. bala|ho de arlilha-
vidennas para que se fornega ao corpo de polica f Francisco Gome5 de 0Uveira Sobrinho.
com brev.dade. as 200 mochilas e 200 boraaes de D bandeira-0 do 4 balalho de infan-
bnm, de que trata o incluso Pei\io-... tana Aurelio Crispiaiaoo da Cuaha.
Dito ao inspector da thesourana provincial.Era w"a "u* "" "., Qn,paanja
vista do incluso pret que me remeUeu BWaUBaa- CjpUSo_0 cap,ao do 2 Dat'lnao de infamara
danta interino do balalho n. 4o da comarca de S&iala t&aio San.
Palmares cora officio de 28 da abril ultimo, e nao
havendo inconveniente, mande V. S. pagar Olym-
pio Theodoro da Silva, s a quantia de 14612 rs.
correspondente duas tergas parles dos vencimen-
toss de urna escolia da guardas nacionaes, que da-
quello termo caniuzio para esta capital dous presos
de justiga e um desertor da armada, certo de que
o restante do mencionado pret ser pago pela the-
sourana de fazenda.
uno ao commandante superior da guarda nacio-
nal.do Recife.Mande V. S. postar em frente da
matriz desla freguezia, no dia 15 do corrente a ho-
ra do coslurae urna guarda de honra para assistir
a fesla e TeDcum, que all tem de fazer-se em
louvor ao Santissimo Sacramento.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional da Boa-Vista.Tendo expedido ordem para
que destaquen na villa do Ouricury 17 pragas do
pret e nessa 11 ditas, todas do corpo de guarnigo
commandadas por ura offlcial subalterno ; assim
o declaro a V. S. para que mande cessar toda o
servigo em que esliver empregada a guarda nacio-
nal desses municipios, logo que all se apresentem
os destacamentos.
Dito ao commandante superior da guirda nacio-
nal de Flores.Tendo expedido ordem para que
destaque ness comarca urna forga de 57 pragas da
corpo de guarnigo inclusive 3 offlciaes afira de
ser distribuida em pequeos destacamentos pelos
termos dd mesraa comarca ; assim o declaro a V.
S. para que faga cessar tolo o servigo era que esti-
ver erapregala a guarda nacional sob seu com-
mando superior.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Tacaral. Teudo expelido ordem para que
seja conservada no termo de Tacarat urna forga
de 4i pragas de pret do corpo de guarnigo com- r.,nh" 7 .
TenenteO teaente do bataiho n. 43 Joaquim
Candido da Veiga Figueiredo.
AlferesO alferes do dito n. 23 Jos Ignacio de
Mello.
2' Corapanhia.
CapiloO capitao aggregado ao 7o battlhla
Agostinho Jos dos Santos.
, TenteO enante do 6a balalho Euzebio Xa-
eoleo de Siqueira.
i AlfaresO alferes do bataiho n. 29 Jos Tara-
re de Lyra.
3a Companhia.
] Capilo-O capitao do bataiho n.' 30 Antonio
Victalino de Mello.
j Tente-O lenle do dito n. 18 Amaro Gomes
de Oliveira Coulinho.
[ AlteresO alferes do dilo n. 21 Jos Mauricio
ile Almeida Bastos.
4' Corapanhia.
Capito-0 capilo do batalha n. 36 Francisco
de Salles Tenorio.
TenenteO tenente do dito n. 2 Herminio Egi-
dio de Figueiredo.
AlferesO alferes do bataiho n. 47 Andr Nu-
nes da Barros.
5' Companhia.
CapiloO capitao do balalho n. 17 Alexandre
Crrela de Amorim.
TenanteO tenente do dilo o. 27 Manoel Tho-
maz de Azevedo.
I AlferesO alferes do dito n. 21 Jeronymo Ce-
jar de Vasconcellos.
6* Companhia
: CapiloO capilo do balalho n. 25 Joo Perei-
ra de Araujo Cardoso.
Tenente-0 tenente do dito n. 30 Donado da
que o mesmo homem, acorogoado pela impunidade,
na noite do mesrao da 25 de maio contina a sua A sociedade Monte Po Popnlir Pernmbucan),
obra de escndalo e de impieJade ; finge um en- que funeciona ha nove aunas nesla cidade, so-
terr, em que elle proprio figurada padre, e per- teraoisou domingo ultimo o da de tua padroeira,
eorre s ras daquella viRa, Insultando a religiao Ia ftsntissjm Trindade,.com orna m*'*t THfrreja
Catholca, ridlcularlsando os cnticos da igreja a dn^Nossa Senhofa do"'Livram.;nto, a que assisli-
enlerro dos seus filhos finados, e commettendo' os raro, nao s a confraria da mesraa Senhora, como
excessos de lmmoralidade e de impiedade que se diversas commissoes de sociedades amigas, mui-
lem no officio junto por copia, e que eu por de- ,os convidados e crescido numero de socios,
cenca calo. I Depois, teve lugar a beogS) de ara lindo qua-
Vendo eu pois que os excessos desse homem vo dro, de grandes dimenses, representando o mys-
subindo de ponto, sem que as autoridades se resol- ler' da Trindade Santissima, irabalho-primoroso
vam a reprimi-lo e faze-Io parar na sua carreira te um artista pernambucano, em cuja ceremonia
de escndalos e desaliaos, recorro a V. Exc aflm offlciou o Exm. Sr. couego Joaquim Pinto de Cam-
de que se digne dar as necessarias providencias, Pos. que mui delicadamente dignou-se acceder ao
partida d'esses bravos, que era defenso da patria
. voam da peleja.
forma um centro de atlracga., e que tende altra- Na Wanda-feira esteve a illumiuacao do
bairro do Recife extincta, sendo disto causa
para que nao seja escarnecida e ridicularisala a
nossa religio, nao sejam insultados os Rvds. a-
ruchos as suas matrizes, era prohibidos de ins-
truir os povos nos preceitos do Evangelho; e o de-
lnqueme, qualquer qne elle seja, nao ache na sua
fortuna ou na sua posigo social um asylo ou ira-
munidade que Ihe assegure a impunidade, e o aca-
rogoe a perpetrar toda a sorte de impiedades.
convite que p do Monte Pi.
Em seguida foi o sobredilo juadro conduzido
procissionalmente casa da sociedade, e enlloca-
do sob ura decente docel ; e estando o salo ador-
nado cora simplicidade, mas cheio de concurren-
tes, teve lugar urna sesso solemne, sendo profe-
! ridos differentes discursos, entre os quaes prim o
hirasoutras em seu turblho, e por seu turno
por ellas attrahida.- Destas espharas particula-
res se formam grupos qua se chamam familias,
cidades e naguas, que por igual formam centros
de attracgo, que actuam sobre espheras particu-
lares, que a compoem, e, a semelhanga dos syste-
roas planetarios, reagem tambem sobre as outras,
espheras.
Deus domina todas estas attracgdes, o todos es-
tes movimentos, e procura converter a todos para
ura mesmo centro, e este centro elleelle cujas
harmonas, transportando o homem do mundo da
materia s regio 's do bello absoluto, Ihe imprimara
n'alma o ideal do bem, que s na caridade acha
Kipan>ao. Sun, s a caridad*, s es.la,jrradiagao
do amor increado, s este lo AgJBmiUM Aa
immeasa cadeia das munificencias divinas, identi-
fica o homem com Deus, o torna seraelhanto a
Deus, e o faz digno de conviver com Deus e os an-
jos no reino do cu chantas tomines deiformes,
supra tomines conversari in calis et concentre cum
Deo et amjelis (S. Tliomaz.) f
O homem nascea para o amor, e a ausencia do
amor seria para elle a ausencia de toda a felicida-
de: este amor chamraa que vem accesa do co
pelo sopro de D-s, que puro amor e amar sobe-
rano, Deus caridade : Deus chantas est.
Entretanto, para substituir os grandes asylos
de caridadeos conventosd'onde as esmolas e
os confortos choviam em ondas sobra a popula-
gao, cujas dores suavisavam, abrem-se por toda a
parte saloes de bailes e thealros estrepitosos, para
nelle se exaltarem as opulencias da fortuna, e ce-
o em-
bate de urna alvarenga contra o passadigo, de
modo que damnificou a canahsago e deu lugar a
fgida do gaz. Mas a companhia deu as provi-
dencias necessarias, e j bontem esteve tudo res-
tablecido.
Informam-nos que amanha, na matriz de
Santo Antonio desla cidade, far a irraaadade do
Santissimo Sacramento celebrar com grande pom-
pa e solemnidad a festa da Corpus Ckristi, ha-
vendo hoje as 5 horas da tarde vesperas e era se-
guida malinas, acto este que n'aquella igreja nao
se celebra ba muitos aonos.
Oram na festa o Exm. moosenhor Joaquim Pin-
to de Campos e no Te-Deum o padre mestre pre-
0*4vl lia i-ap' lia nupi/iiat I-| JlNMJullll O-. D.-,.l
rito Santo. Em obsequio mesa regedora da ir-
mandade, deve tomar parle na execugo do GL
ria urna senhora; nossa patricia, cantando dois
solos.
Tendo Joo Gongalves Barbosa, ferido grave-
mente Luiz Pereira da Silva, cora ama punhalada
e tres cacetadas, no lugar Castello, da freguezia
do Ouricury, evadio-se para a povoago da Pelro-
lina, e ah foi presa, requiMgao do delegado
daquella freguezia, pelo Dr. juiz municipal da
Boa-Vista, sendo recolliido cada do Joazeiro.
Ao chegar, porra, Petrolina o subdelegado fall
Miguel Gongalves Barbosa, irraao do criminoso,
mandou-o vir sua presenga e p-lo em liberdade,
segundo comraunicagdes do delegado de Ouri-
cury.
Tem hoje lugar, no Santa Isabel, o concert
varem-se os incentivos dos praieres l E que bello do desiincio Tabaquista porluguez Francisco Pe-
N'outra parta vai o respectivo
bit o vigario do Bonito.Accuso recebido o do mesmo Exm. Sr. conego, que, a pedido da so- sera ver aquelles que lem o corpo e a alma al- reira da Costa,
seu officio de 25 do prximo passado, e deploran'o ciedade, publicamos abauo, chamando sobre esse quebrados pela dr dan?arem cora os que tem ale-1 pr0gramma.
amargamente o desacato praticado nessa matriz e importante documento a attengo dos leitores. | gras n'alma, e perfumes nos vestidos I E a todo Tendo-se dado ltimamente alguns desappa-
o insulto feito publicamente a V. Rvma., sem que A'noite foi a casa da sociedade viseada por este brilho de coral chamase esplendor elougaina recjinentos da objectos das oficinas da cata de
se allendesses vestes sacerdotaes de quoV. Rvma. multas familias, cantndose urna ladaioha era d* progresso, esta idade de ouro soohada pelos I deiengo, o digno Sr. Dr. administrador proceden
ainda se achava revestido, sem que se aitendesse honra da Santissima Trindade, offerta de um socio poetasl s posquizas necessarias, e chegou ao conheciraen-
ao lugar nem s autoridades locaes que presentes do Monte Po, professor de msica. De ordinario, o que o homem menos compre-; ,0 de (jue erafll a||es executados por mulheres que
estavam, nesta dala levo o occorrido ao conheci- A sociedade Monte Po Popular cortamente hende sao os seus verdadeiros interesses. A igno- visiuvam presos, cora especialidade duas abaixo
menlo do Exm. Sr. presidente da provincia, e con- digna do favoravel conceito em que tida entre rancia, o capricho, as preveogoes semeam pelos mencionados. Atira de evita.- a repeligao de se-
nado na coadjuvacao franca a poderosa que sempre os amigos dos melhoramentos moraes do nosso caminhos do bem, obstculos que so a candada po- melhantes roubos, resolveu elle fazer ellecliva a
tenho encontrado em S. Exc, e no apoio decidido Pvo : desejaraos-lhes, pois, todas as prosperida- de remover. S ella acha na consciencia de suas, execua0 dos arts. 29, 30, 31 e 62 do regulamenlo,
que elle presta nissa religio e ao bom rgimen
da igreja, estou certo de que ha de dar as necessa-
rias providencias para que se nao reproduzam
esses actos de verdadeiro vandalismo e imple-
dade.
Espero que V. Rvma. me communicara' com
presteza qualquer oceurrencia que ahi se dr, ba-
vendo-se era tudo cora moderago e prudencia, e
des.
Eis o discurso do Exm. Sr. conego Pinto de
Campos :
< Sanhores IAo imprimir o carcter de sa-
grario no magestoso painel da Sanlissima Trinda-
de, sob cojos auspicios collocastes o vosso Monte
Pi Popular, o meu corago, sempre accessivel
aos impulsos da sensibilidad!', estremece de jubi-
mandadas por ura capitao, continuando a permane
cer ahi os offlciaes e pragas do astado-maior e me-
nor do mesmo corpo ; assim o declaro V. S.
para que faga cessar lado o servigo era que esliver
empregada a guarda nacional desse municipio.
Dito ao Dr. juiz dos fetos da fazenda.Em ob-
servancia do que acaba de determinar o Exm. Sr. L **".
ministro da justiga no aviso circular de 17 de '
maio prximo Ando, junto por copia, haja Vmc. de
expedir suas ordens aflm de que cesse nesta pro-
vincia a praxe abusiva e contraria aos interesses
da fazenda, de fazer depender do previo pagamen-
to das custas aos empregados do juizo a entrega da
guia s parles para solugo da divida fiscalCora
municou-se thesouraria de tazenda.
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra. Autonso o conseibo de compras do arsenal de
gnerra a comprar para o supprimeoto do alraoxari-
fado do mesmo arsenal, os objectos mencionados
no incluso pedido.Commmunicou-se thesouraria
de fazenda.
Portara.O presidente da provincia resolve no-
mear provisoriamente para offlciaes do 2 corpo de
voluntarios da patria aos cidados seguimos :
Estado-maior.
Tenente-ajudante o alferes do exercto Jeronymo
Ignacio dos Santos.
Capitao O major reformado da guarda nacio-
nal B -rnardo Luiz Ferreira Cesar Loureiro.
Tenentb Sabino Sidronio Alves de Castro.
Aj[eres Francisco Maltosa da Silva Santiago.
Dito Prederico Aueusto Velloso da Silveira.
Dito Prancisco Lopes de Siqueira Granja.
Dito Francisco Pereira da Cuoha.
Dito Joo Carolino do Nascimento.
Dito Joaquim dos Santo Jorge.
Fizeram-se as necessarias coromunicag5es.
DitaO p-esidente da provincia, tendo em vista
o resultado do concurso a que se proceden do dia
2 de maio prximo Ando, resolve nomear. profes-
soras das cadeiras de instruogo primarla das vil-
las : de Granito, Sophia Gailhermina de Mello, de
Garanhuns, Francisca Margarida da Cunta Cesar,
da Escada, Maria CleoboJina de Mello Lyra, de Se
AlfaresO alfares do dito n. 30Tiago Rodrigues
ins.
7' Companhia.
CapitaoO capitao do batalbo n. 6 Francisco
Carneiro Machado Ros.
TenlaO tenante da dilo n. 25 Manoel Pereira
Alferes-0 alferes do dito n. 9 Joo Francisco
da Lapa.
8' Companhia.
CapitaoO capilo do bataiho n. 26 Rufino Bap-
tjsla Maranho.
TenenenteO tenente do esquadro de cavalla-
ria n. 6 Thomaz Jos da Silva Gusmo.
1 AlferesO alferes do bataiho n. 4 Manoel Ro-
diao Correia de Araujo Jnior.
(OVEREO DO HISPIDO DE
PERX.t.lBl'0.
SEDE VACANTE
Expediente do da 7 de junho.
Officio ao vigario de Panel las.Accuso recebido
seu officio de 24 do prximo passado, enviando-
me a estatistica dessa freguezia.
Tendo essa paroebia a denominagao de Quipap,
a nao fazendo V. Rvma. mengao alguma deste titulo,
espero que me esclarega a tal respeito; assim como
deve declarar os nomes dos quatro sacerdotes que
diz existirera na sua freguezia.
] Espero que nao s me enviar com presteza os
demais esclarecimentos aue por ventura poder ob-
ter, como que d'ora em diante me participar V.
Jvma. quaesquer alterages ou mudaogas que se
erem na sua parochia, satisfazendo desla modo
recommendagao qna fiz no fim da circular de 22
de abril.
Dito ao mesmo.Em resposta ao sen officio de
14 d) prximo passado e vista do que expoe o
subdelegado, tenho a dizer-lhe qne, longe de cen
gurar-se o acto a que V. Rvma. se refere, devem
respeitac-se as inteogSes e loavar-se oielo con qne
esperando tudo das leis do paiz'e das autoridades, I 'o. em vista desta scena expetavel, em que se exal-
a quem pertence tomar conto dos delictos, e pun- tain os productos da mais
los.
Dito ao vigario da cidade das Alagoas.Fica re-
colliido a' cmara episcopal o impedimento posto
ao casamento de que trata o seu officio de 26 do
prxima passado a que agora respondo.
9-
Officio ao juiz de paz da freguezia de Agna-Brau-
ca. Tenho presente o officio de V. S datado de
25 de maio ultimo, acompanhando o abaixo assig-
nado em que os habitantes dessa freguezia me pe-
den que nao exonere o Revd. Luiz Jos da Olivei-
ra Diniz do cargo de vigario encoaimendado da
mesma, alienta a mpossibiiidade em que se acha o
Revd. vigario da Matta Grande para reger essa fre-
guezia, j pela grande distancia em que elle mora,
j pelo seu estado valetudinario.
Em resposta cabe-rae dizer a V. S. para que se
sirva communica-lo aos habitantes dessa freguezia,
que se eu exonerei da regencia delta ao Revd. Oli-
veira Diniz, foi porque este assim o pedio, visto
tar o governo imperial aceitado o offerecimento
qne elle espontneamente fez de seguir para o sal
na qualidade de capello voluntario da patria. En
portanto nada mais fiz do que prestar a minha an-
nuencia a esse offerecimento, e exonerar o Revd.
Diniz da regencia da freguezia, como elle pedia, a
fim de poder seguir o sen deslino. Assim, pois, nao
a mim que se devem dirigir para obler a resci-
s3o desse offerecimento, e sim ao governo impe-
rial. O Revd. Diniz tem pro vi sao de vigario en-
commendado dessa freguezia, e nenhuma duvida
tenho em que continu a gozar delta se pelo poder
competente fr dispensado de seguir para o sul.
Quanto impos>ibilidade de ser essa freguezia
regida pelo Revd. vigario da Matta Grande, a qoem
a coofiei por ser o paroeno mais vizioho, nenhuma
duvida terei em autorisar para o mesmo fim qual-
quer Revd. sacerdote idneo que se me proponha;
e nesla data, respondendo ao Revd. Oliveira Diniz,
o aotoriso para, no caso de retirarse, deixar na
regencia dessa freguezia um sacerdote de confian-
es, participndome immediatamente, para que eu
Ihe mande passar a competente proviso.
Dito ao vigar.o d'Agua Branca.Quando em da-
ta do 1 do prximo passado V. Revma. me officiou
participando-me que se havia offerecido ao gover-
no imperi il para seguir para o theatro da guerra
como capello voluntario da patria, e pedrado-me
que o exonerasse da regencia dessa freguezia, vis-
to haver o mesmo governo aceitado o seu offereci
ment, eu Ihe respond em data de 13 do mesmo,
louvando a abnegago patritica com qne V.
Revma. se dedican ao caritativo e santo ministe-
ro de levar ossoccorros e as consolagw da reli-
iotengej, e no fervor da seu z-lo, os accentos per-
suasivos, qne tilumpham dos prejuizos, a pacien ia
I que espera, busca, e depara o momento auspicioso,
a perseveran ;a superior a todos os remes, essa
sania leoacidade, que a nica que ple fazer
curvar a votiva.
Foi pela omnipotencia de sua caridade que o
veneravel Orbelin arrancn seus parochianos ao
torpor da apathia, gerada pela miseria, e delles ob-
feliz concepga, que a teve trabalhos que, em menos de 50 annos, trans-
industriosa caridade pode inspirar. A escolha de formaram um vale alpestre, perdido no fundo dos I
padroeiro para a vossa assocagao, acha-se na mais Vosges, n'uma rego frtil e prospera com abas-1
intima harmona com os seus generosos iatuitos. \ tanga para alimentar urna populago mil vezes mais
A crenga da Trindade Santissima o motivo mais! numerosa, do que outr'ora.
poderoso, e o mais excellenle modelo da caridade [ t Mas os Orbelins sao astros peregrinos, que ful
clinsta Todas as cousas
gam a caridade, que de vemos
'la, porra, no-la ensina t
Trindade das Pessoas Divinas. E porqu ? per- j pela beneficencia collectiva : casas de asylos, esco-
guntareis vos. Por duas raides, que nos sao indi-1 las gratuitas para meninos e adultos, institutos de -
adas na Escriptura, e que ambas trazera ura ce.- orphos, sociedades de tirocinios frico!., aoeteda-, J J'ue os aenotan^^Tt^Tvi
eme moaeio aa canuaae t mas os uroeuns sao asiros peregnuus, que iui- \K, ci-ndnr >u mpdi.ta a
H deste muodo nos pre- gem, e deaapparecen. Na sua falta, venham as as- Vni estender esUjneOMa.a
mos uns aos oulros : na-; sociages de caridade. Neste espirito vao felizraen-1 gg*!LB& euTS
i to allaraente, como a te surg.ndo pelo mundo estabelecimentos; creados eons'* rauar algun> del.n o>,
como melhor se ver dos offlcios juntos
i Casa de detengo, 13 de junho de 1865.Ulan.
Sr.Comraunico a V. S. que prohib, que eutras-
sera nesta casa as mulheres, Mara Luciana e Edu-
virges Anisia do Paiva, a primeira amasia do de-
tena Guilherme Fraacisco de Assis, e a segunda
irma de Joaquim Manoel Torres, por ter verifica-
do serem eilas conductoras para fra do eslabele-
cimento de objectos furtados as offleinas, e de di-
nheiros e roupa tambera lunados a alguns d-
tenlos.
Alera de pessiraa conducta, sao mogas, robus-
tas, e nao precisara de soccorros dos presos a que
se aggregaram como concubina ou irma.
Vou estender esta medida a oulras que se
afira de ver se
com especiali-
dade os por en me de furto, que se persuadem
ser-lhes pennittido exercer nesta casa esse meio

to carcter do espirito de Dos :-primeira, por I des de prot-cgo para prea: rihtfoa, oeinas,I 2""3BSt8 U ""* **"*
que a f da Trindade o motivo, e como o laco casas da Providencia, montes pos, e OOlraiitaotaa pr7H^|^faKJliSrJimi me SQ "rt 11 p
consubstancial da caridade, que deve existir entre : instituyes pelo concurso das quaes o espirito de -^iS""!! SaVSto a can" desw e oa
os homens:-segunda, porque o mysterio da; assocagao vai secundando o trabalho e a econo- *^X eSme3os nos roes re torios e
Trindade tambem o grande exemplar que Jess ma do pobre. nffleioT enoumeraaos D0S meus re,aior,0s e
Christo nos deixou no seu Evangelho. Duas ra- t Os inimigos destas iostitugoes as considerara lu ,us-
5as, dignas, sera duvida, de todas as vossas rede- estmulos da preguiga, e como taes as considerara Estou, porm, disposto a vencer as diffleul-
xoes, e infinitamente capazes de vos excitar a tambem, se nao tivesse como principio inconcusso dades, que se oppoem a execugo dos referidos ar-
pratica desla sublime virtude. I que o melhoramento da condigo do pobre depen- tigos, e polos em execugo.
E' o grande doutor das nacoes quera nos ensi I de, antes de tudo, da sua energa. Mas, se as ins- A mudanga de pratica to inveteirada ha de
na que a crenga da Trindade o vinculo insoluvel tiluigoes da Providencia deve ser elle o principal provocar queixas e reclamages, e ate desgostos
da nossa mutua caridade ; porque diz elle aos' obreiro de sua prosperidade, nao liquido que a me podera' trazar ; conto, porm, com a valiosa
Ephesios- a f neste augusto mysterio, que nos' possa altingir por seus nicos recursos. Quantas coadjuvago de V. S. e as difflculdades desappare-
une a lodos em um mesmo corpo de relgo. Eu familias laboriosas e honestas, quantos pobres ani
madosde virtude e coragem, por mais que "
quem seus meios de acgo, nao podem dobrl.
si s a cerviz da ad'ersa fortuna l E quo til e. O administrador, Rufino Augusto de Almeida.
preventivo Ihes nao seria, era seus momentos criti- Regulameato de 16 de agosto de 1855, para a
eos, um auxilio, um conselho, urna proteegao! Era casa de detengo :
de espirito entre vos, porque ella o principio da! ento que mais que nunca valeria um avango da Art. 29. Tambem podera) os presos recebe r
verdeira paz : SollicUt servare unitalen sptntus i caridade collectiva; por que s ella, nessas angus- visitas ou fallar as grades com seus parantes e
n vinculo pacis. E sobre que fundava o grndo tas da pobreza, nessa- a/anosa perigrmagao para a amigos, desde as m horas da manhaa ate ao meio-
apostolo esta obrigago f Fundava no seguinte trra da promissao, pode bafejar favores indigen-; dia, e das 3 da tarde at as 5, pela forma estabele-
concepto : Vos, meus irmos, nao tendes nao ca, avigorar-lhe os espiritos, livigar Ihe as asperi-' cida nos dous arligos seguintes.
um mesmo Dens, urna mesma f, um meaje bap-1 does do transito, e susientar-lheos passos v.cillan-! Art. 30. Para se entrar no recinto das pri-
cerao.
vos rogo, eu preso de Jess Christo : Obsecro vos
ego vietas in Domino: e que que vos eu rogo ?
que vos amis uns aos oulros, que vos suppor-
teis mutuamente : Supportautes invicem ; que po-
nhaes todo o zelo na conservago dessa unida le
idupli-1 < Deus guarde a V. S.lllra. Sr. Dr. Jos Perei-
rar por ra da Silva Moraes, chefe de p licia da provincia.
tismo, e um mesmo corpa : Unum corpas unus
spintus, unas Dominas, una filies, una baptisma.
(Ephes. IV.)
t E como conciliar que, nnindo-nos todos, como
fazemos. para honrar o mesmo Dos, nos nao una-
mos para tudo o mais ? Neste mesmo Dos, neste
mesmo Senhor, reconbecaoios un Pai de quem
todos somos filhos, ura Filho de quem todos somos
irmos, ura Espirito Santo de quem todos recebe-
mos a forca. Que estranhavel nao qoe, sendo
lodos filhos do mesmo Pai, vivamos desconheeidos
e desavindos uns com os outros ; qne sendo to-
dos irmos do mesmo Filho de Dees, se ao en-
contr entre nos vestigio de fraternidad* *, e qoe
desojando todos possuirmos os done do Espirito
Santo, to opposlos senliraenlos translusarn em as
nessas obras I Como o Pai ami ao Filho, como o
Filho ama ao Pai, e con* o Filho e o Pai se amam
tea. Quando, diz Cherboliez, cada homem, na es-1 s5es, a fallar na grade a qualquer preso neces-
phera da seu poder, exercitar a proteegao em tor-. sario liceoga do administrador, que a podera' con-
no da indigencia ; quando o fabricante, olbando-se' ceder todos os dias aos presos da 1* e 2* classe ;
como pai de seus o, erarios, nao separar as suas' porm aos da 3* somonte permittira' urna vez por
vantageos das delles; quando era outras palavras semana, e aos da 4* classe com previo consenli-
o pobre se nao compenetrar bem de que s pelo ment de seus senhores, on qnando entender con-
proprio trabalho nobilitar o seo ser entre os se- veniente.
res de sua especie, a pobreza ser a triste partilha Art 31. Para que qualquer possa receber vi-
da nossa populago, como o vai sendo dos bem her- ] sitas e estar s com ellas, sera' necessarlo llcenga
dados da fortuna I Sim, no nosso palz, e raormen- por escripto dochefe de polica, devendo para esse
te na nossa provincia, rara fortuna chega a tercei- fim haver sala especial no recinto das prisoes.
ra gerago. Um herdeiro rico julga-se desobngado. Art. 62. Os conductores das comidas parlicu-
do trabalho, e at mesmo de conservar o transmit- lares dos presos, serio acompaohados por ura guar-
tido patrimonio paterno. Todos os seas lucros se da at a porta da prisao, e ahi sera' pelo r
escoam era prazeres foteis. Ni trabalha para ajun-
tar, trabalha para gozar e dissipar. Entra nos tim-
guarda examinado, se junto com a comida se
acham objectos prohibidos ; e depois de entregar a
bres de sua fldalga dissipagao o ver figurar seu no- comida ao preso, sera' o portador conduzido para
me em muitas lettras de comboio, em infinitas! a sala da inspeegao geral, eu pateo e xterior do



I
ILEGVEL


Mario de Tcrnmbnoo ... marta felra 14 de Junho de 18ft.

edificio onde esperara' que chamen* para eondu-
zir as vasilhas em que vierem as comida.
i secgo. Secretaria da polica de Peraambu-
co, 13 de junho de 865.
Ao seu offlci > desta dala em .que representa
sobre a inconveniencia de se permittir que certas
mulheres tenham entrada nesse eslabelecimenlo, e
se communiqu^m coca os dtenlos, respondo de
clarando a Vmc., que poaha em eflectiva execogo
os arts. 29, 30, 31 e 62 do r.gu lamento desta casa
t Dos guarde a VmcJos Pereira da Silva
Moraes, Sr. l)r. administrador da casa de deten
0.
Hoje as 4 horas da tarde larga do porto desta
ridade o vapor laguanb, da companhia Pernara-
i-ue in;i, para o do Rio de Janeiro, em direitura,
condnzindo o corpo de Voluntarios do.Rio Grande
do Norte, que consta de 380 pracas, 10 cadetes e
23 offtViaes, alm de 67 rec.rutas daquella provin-
cia, que seguiro Igualmente, segundo nos consta.
Desejamos Ihes feliz viagein, ao porto de sea des-
tino.
Foi ante hontem pelas 7 horas da noite assas
sinado, em dislricto da Varzea, um portuguez de
nome Feitoz\ rom um tiro que Ihe d.sfechararo de
fra para o interior de sua habilago, em occasio
fin que reiava ome.-no Peiloza com sua familia.
Ignoramos ainda oque ter feilo a polica local
para descobrimentodo autor d to nefando cnme;
mas de soppor que nao sejam omittidas as dili-
gencias precisas para isto.
Hoje tem lugar o baile offerecido ao digno
Sr. lente coronel Apollonio Peres Campello Jaco-
mo da Gama, pelos seos amigos, em aprego sua
nomeago para o commando do 2o corpo de volun-
tarios da patria desta |irovincia.
Foi uomeado subdelegado do termo do Boni-
to o Sr. Jola liezerra de Vascunccllos Torres; e
'2', 3o e 4o su|iplentes da mesma subdelegacio fo-
ram tambera Horneados os Srs. Jos Paulino Pere-
ra da Costa, Joo Caplstrano de Torres Gallindo e
Manoel Soares de Almeida.
Hoje segu em direitura ao Rio de Janeiro o
vapor Jaguaribe. levando a seu bordo o corpo de
voluntarlos do Rio Grande do Norte.
Tira a mala no correio para a corte.
Um marinfieiro do brigue Lortuguez Unido
suicidou-se em viagem, atirauo-se ao mar, onde
succumhlo, revel lodos os meios de soccorro que
de bordo Ihe foram proporcionados.
Chamava se Joaqulm da Silva, era maior de 40
potados Hosa, CrAta-forado, Basto e Miranda
Leal, e presento o Sr. desembargador fiscal, o
Exiu. Sr. presidente declaran aberta a sesso.
Lida, fot approvada a acta da ses^ie antece-
dente.
EXPEDIENTE.
lise pelas preparaedes medicinaos : os Infractores
pazarao a multa de 30000 rs., e na reincidencia,
alm do duplo da multa soffrerio seis das de
prisao.
Art. 11. Nenhum pharmaceutico ou droguista
poder vender remedios de compostgio secreta,
Art. 3.* Todos os cavados sero lavados ao me-
os orna vez por da, ou pela ouoha, ou noite.
Art. 4.* Para a factura dos canos ou somidou-
ros, e mais arranjos neeessarios as ravallaricas
existentes, qne estiverem collocadas em predios
com as condiges do artigo 1., marcado o prazo
Um offlcio da junta dos corretores, remettendo nem apregoar por meio de annuncios impressos nos iraprorogavel de dous raezes
oesu data a cotago dos precos crranles da praca jornaes ou afflxados, virtades que disser 1er, sem Art. B. O alojamento para nm at quatro eaval-
na semana prxima fiada. \ lieenca da cmara municipal, paocedendo-se ante- ios de uso particular podera ser contigu) a' habi-
Foi distribuido ao Sr. deputado Bastos, o livro cedeutemente ao exame competente : os infracto- tagao; observadas, no que fr applicavel as dis
para o registro da correspondencia da companhia res sero multados em 305000 rs., e na perda das posicSs dos artigos antecedentes
de Beberibe. i substancias que venderein e apregoarem. | Art 6. Os infractores serio punidos com a nal
despachos. I Art. 16. Nmgoem podera vender mcdjcamentos, ta de 205000 res, que sera'obrada as reinci-
No requerimento de Francisco Gomes de Olive- on drogas de qualquer natureza, eem que tenha dencias.
ra, pedindo o registro de urna escnptura de com- carta de pharmacia, e se ache competentemente ha- (De 7 de agosto de 1855)
posicao amigavel, ajuste de contas e quiucao ge- bilitado ; os infractores serao multados em 155000 ,22) postura odicional
ral, celebrada por elle como testamenteiro de Hen rs., e soflrero a perda de todos os remedios e Art. nico. Os sete palmos marcados no rtico
nque Gibson e os herdeiras deste com Eduardo H. drogas. 11. da postura addicional de 7 de agosto de 1855
James Fox e a casa de William Fox & a, de Lon- : Art. 17. Nenhum medico, cirurgiao, pharmaceu- para alojamento de cada cavallo. Acara reduzdos
dres :Regstrese. tico, ou parteira, poder exercer sua arte, sem que a cinco smente
N'outro do mesmo, pedindo tamhem o registro tenha feilo registrar na cmara municipal suas car- (De 14 de setembro de 1857 )
de urna escriptura de debito, obrigago, nomeagao tas de formatura ou de exame, conformando-secom Art. 8.- E' prohibido que andem caes sollos e
o d.sposto as leis existentes : os infractores sero vagando pelas rnas da cidade, sendo smente pr-
multados em 10500 \ mittido te-Ios em casa, sob pena de serem appre-
de bens e penhor, que apresenta :Registre-se.
No de Villana & Irmo, salisfazendo o despacho
de 16 de maio ultimo, para ser registrado o seu con-
trato de sociedade : Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
Os estrangeiros sero obrigados nao s a se con- hendidos os que forem encontrados, e de Ihes'ser
formaren) com o disposto neste artigo, como a jus- onr>i/..>a. Mt.>>u. k*H j;,..:i------*-
tiiicarem identidade de pessoa perante a cmara,
No de Manoel da S^lva Ferreira e Antonio Luiz com o testemnnho de cidadaos de reconhecida pro-
Das, pedindo o registro do seu contrato de socie- bidade.
dade .-Vista ao Sr. desembargador fiscal. (Postara de 30 de jnnho de 18'.9.)
No da viova D. Thereza de Jess Azevedo, jun- TITULO IV.
lando, em cumprimento do despacho de 10 de abril Do asseio e regulartdade dos matadouros e acougues,
vendas de carnes, e cuiraes, etc.
Art. 1. Ninguem poder matar e esquartejar re
zes para o consumo do povo senao nos matadouros irados
pblicos, ou particulares, com lieenca da cmara
municipal, sob pena de ser multado em 165000 rs.
e na perda da carne.
Art. 2. Ninguem poder picar rez alguma seno
SES3AO
12 DE JUNHO
prximo passado, cerlido do auto Ve vistoria do
seu hiate Nicolao I, para Ihe ser concedida a res-
pectiva carta de registro :Comorequer.
Com informago do Sr. desembargador fiscal :
No de Joo de Almeida Lima, pedindo o registro
do distrato de sociedade de Castro & Lima :Re-
gislr-se.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi- depois de pago o imposto aos exactores dos direitos
dente encerrou a sesso s onze horas e meia da naciooaes, para que depois seus donos possam ven-
manhaa. de-la como Ihes approuver, sob pena de 25000 rs.
' de multa por cada rez.
Art. 6. As carnes sero conduzidas paraos acou-
gues em carracas bem limpas e lavadas, roberas
i com pannos braocos e tirapos, ficando absoluta-
1 mente prohibida a condueco de oulro qualquer
modo, sob pena de 255000 rs. de multa.
Arl. 19. Os que venderem pelas ras a retlho
carnes de porc, carneiro, cabra, ou toucinno, de-
vero ter bataneas e pesos afertdos, e as carnes so-
annos, e porlugnez de nacionalidade, attribuindo-;os Srs. deputados Rosa, Candido Aicoforado, Bas- bre pannos brancos "limpos, e coberto3 com os
se a sua desesperada resolucao um abuso de con- j to, Miranda Leal e supplente Antonio Luiz dos mesmos, sob pena de pagarem a multa de 45000
fianga, de que fra victima da parte de um seu Santos. rs., e o duplo na reincidencia.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece- Art. 21. Os ticaes, todos os sabbados e nos das
dente. que bem Ihes parecer, visitaro as boticas, arraa-
Assignaram-se os accordos proferidos na ultima zeus, tabernas, botequins e agougues, e mullaro
sesso nos feitos entre partes : em 45000 rs. os douos de taes estabelecimentos que
Appellantes, Sampaio, Siiva & C. e outros; ap- ostiverem em conlravenco, e contra a limpeza da
pellados, os administradores da massa fallida de casa e medi 'as.
Manoel de Azevedo Ponies e outros.
Appellantes, Sampaio Silva & C ; appellado, An-
tonio Jos de Castro.
JULGAMENTOS.
Appellante, Candido Moreirada Costa ; appella-
dos, Antonio Guedes Gpndim e outros.Adiado na
ultima sesso. Foi reformada a sentenca appel-
lada-
Appellantes, A. Srhafter & C.; appellados, An-
touio Luiz de Oliveira Azevedo JUDICIARIA EM
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. Sil. DESEMBARGADOR
A. P. PBRETTi.
Secretario, Julio Guunaraes.
s liy horas da manhaa o Exm. Sr. presidente
abri a sesso estando rsunldos os Srs. desembar-
gadores Rei? e Silva, Silva Guiraares, e Accioli, e
procurador, que Ihe roubra as suas economas.
Hontem entrou oeste porto, procedente do
Rio de Janeiro, d'onde ira/. 12 das de viagem, a
barca portugueza Faria I.
Nao veio por ella jornal algum, mas o respectivo
capilo diz, que ficava a cahir no mar nos das
prximos a sua sabida urna das canhoneirasencou-
racadas, que se construan) nailha das Cobras. Ho-
je, pois, aeve o La Plata confirmar esta noticia,
trazendo j arealisagao dofactoa que seellarefere.
Acaba de rahir no dominio do publico o Io
uuraero da llluslrurao Acadimica, jornal satrico e
de caricaturas publicado sob a redaeco de alumnos
da nossa Faculdade de Direito.
De Garauhuns escrevemnos em data de 5 do
corrente:
No dia Io, (di preso Francisco Sapncaia qup,
ha um anno potico mais ou menos, assas>inra sua
av, que fra por muita condescendencia do jury
deste termo comlemnado em segundo julgamento
a 12 annos de prisao com trabaltio, e que em prin-
cipio deste anno fugira com oatros da cadeia desta
villa.
c Anda sedeve to importante prisao ao inspec-
tor Agostinho Teixeira de Macedo, o mesmo que
prendeu Manoel Cabral de Mello e o indio Ferraz,
criminosos de morte e companheiros daquelle na
fuga, como j ti ve occasio de noticiar Ihe.
c Era alta noute, quando Sapncaia passou pelo
sitio da morada de semelhante inspector que, avi-
sado a lempo, reuni gente, pz-se em seu segui-
mentn, e pode realisar sua prisao em casa de Carlos
de tal, morador emMalta do-Mel.
c Receba o Sr. Macedo os nossos emboras, pela
maneira distincta com que se tem havido no cum-
primento dos seus deveres: sino cuique tn-
buere
applicada a nox-vomica. Nesta disposigo se nao
comprehendem os caes que accompanharem a seus
donos, nma ve* que lenham estes tirado para isso
lieenca, e pago a multa de quatro mil res, bem
asslm aquelles que trouxerem colleira, com deca
raco dos comes dos mesmos donos, a quera sero
entregues, mediante a multa de mil res.
Art. 9." E' inteiramente prohibida a criaco de
porcos dentro da cidade; e os que forem encon-
na ra ou nos quintaes, sero apprehendi-
dos, e entregues aos hospitaes de caridade. Nesta
prohibico nao ficam comprehendidos os que en-
trarem para serem morios, que nao podero de-
morar-so dentro da cidade por mais de dous dias,
sob pena de pagar a multa de 10^000 reis, quem
os conservar alm deste lempo.
Arl. 15. Nos ponlos de despejo permanecer' to-
da a noite um guarda, qae examinara' o estado
das linas, obrigando a seus conductores a limpa-
las bem, e a levar em seu interior, ao menos,
meio palmo de agua limpa; e a manler a ordem
do servico nesse lugar, evitando conversages, bri-
gss, ou outra qualquer cousa, que interrumpa es-
se servico.
Art. 16. Os Qscaes, quando julgarem convenien-
; te, rondaro todas as noiles as ras desta cidade,
principalmente nos lugares mais dispustos a' se-
, rem emporealhados, obrigando e corrigindo aos
nescios a' respeltarem eslas posturas, e multando
aos que as infringirem scientemente.
Art. 17 Os infractores dos artigos desta postu
ra, que ja' nao esto declarados, sero multados
pelas infracedes commettidas em cinco mil reis.
(Postura addicional de 20 de novembro de 1855.)
(Postura de 30 de junho de 1849.)
Art. 1. Em nenhum acougue se poder cortar
carne antes das seis horas da manhaa, nem depois
das seis da tarde : os infractores sero multados
em 105000 rs.
(Postura n. 372 de 13 de junho de 1855.)
TITULO V.
Art. 5. Depois que a cmara municipal designar
os lugares para nelles se fazer o deposito das im-
mundices, os que as lancarem fra ddsses lugares,
precedente sesso. Foi confirmadaa senlenca ap- e presentemente as nao lancarem ao mar, pagaro
pellada. a mulla de 45000 rs. As vasilhas as quaes se
Appellantes, Jos Goncalves Malveira, hoje seus conduzrem as immundices sero cobertas e lava-
herdeiros e os curadores fiscaes da massa fallida
de Jos Marques dos Sanios Aguiar lados, James Crabtree & Companhia. Adiado na
sessi antecedente. Reccberam-sj. os embar-
gos.
Appellante, Manoel de Mosquita Cardoso, como
administrador de sua mulher; appellada, a direc-
co do Novo Banco de Pernambuco, como admi-
nistradora da massa fallida de Mesquita e Duira, e
das depois do despejo, e nao se podera fazer este
servico desde as seto horas da rnanha al as nove
da noile, sob pena de pagarem a multa de 25000
rs. Excepta se o despejo de aguas de lavagens
de roupa, casa e cosinba, assiin como tambem|o
lixo.
(Postnra de 30 de junho de 1849.
TITULO VI.
Art. 2. Fica suspenso desde j, as boticas, casas
No mesmo da cima, Nicolao Correa de Mello,
homem branco e casado, suicidou-se, enconlran-; Appellante, Esmeralda Maria da Conceico
do-o a familia enforcado em urna arvore as pro-; appellados, SchaffeillinjS Companhia.
Francisco Antonio Corma Cardoso. Adiado as de pasto, botequins, tabernas e quitandas o uso de
sessoes de 29 de maib e Io do corrente mez. pauellas, taixos, caldeirSes, medidas ou outras
Foi confirmada a senlenca appellada. quaesquer vasilhas de cobre ou lato, sem que se-
Appellaute, Manoel Ignacio de Squera Caval- jam estanhadas com cuidado ; podendo, porm, ser
cante ; appellado, Joaquira Salvador Pessoa de Si- de (erro, folha de Flandres, barro e madeira : (i-
queira Cavalcante. Adiado na ultima sesslb. cam comprehendidas na mesma prohibico as ba-
Conlina adiado a pedido do oulro Sr. depuiado. langas em que se pesam os comestiveis.'sob pena
Appellante, Manoel Candido da Rocha Audrade ; de pagrem os infractores a multa de 45000. rs.
appellados, sampaio, Silva & Companhia. Foi Arl. 7. Ficam prohibidos os toques e dobres dos
confirmada a sentenca appellada. sinos desde as sete horas da noite at as cinco da
ximidades da sua casa, no sitioJacar.
i Dizem que, por desgostos de nao poder occor-
nl no Ancf.nmnt' An imr. J r i t ". gilfl lhd 11 r ^ | 1 J i .
rara, por causa de urnas rezes, romper elle neste
excesso e loucura : era genioso, e pareca nao ter
muito bora senso.
t Dous se compadeca de sua alma, e d resigna-
Qao a sua triste e ineonsolavel viuva.
t O prlmeire conselho de revista para a apura-
co dos guardas uacionaes que lera de dar este ter-
mo para o servico da guerra, j findou os seus
Irabalhos, tendo apurado 26 dos 50 que Ihe foram
apresentandos.
t Nao faltaram isencas allegadas, sendo algu-
mas justas; mas, em sua maioria, eram ellas
desarrasoadas: nunca vi tanta gente doente, era
um verdadeirorecrutamento da aldeia.
J se procedeu a nova desigoagao de mais 40
guardas, conforme as ordens do governo, para
d entre elles serem lirados 2i, que com os 26 apu-
rados prefazem o numero de cincoenla, com os
quaes tem de concorrer este termo.
t Continuara as chavas, e temos esperangas de
melhorar de caresta de gneros alimenticios.
Numerago dos bilhetes da lotera 20.* offe-
recidos pelo thtsoureiro Antonio Jos Rodrigues
de Souza, para auxilio das despezas da guerra:
Bilhetes ns. 364, 1616 e 2798.
Meios ns 207, 496,804, 1009, 1404, 1902, 2189
e 2393.
Quartos ns. 177,578,774,947, 1186,1356,1571,
1871, 2062, 2264, 2672 e 2837.
Os bilhetes das loteras 11.' a 19.* produziram
2515000.
Passageiro do vapor ingle: Olinda, sahido
para Liverpool:
John Yowng.
Passageiros da barca italiana Lombardia, sa-
bida para Marselha:
Salvador Henrique, Francisco Furalo e 6 ir-
mos, Flix Funatoe Jos Furiato, Joseph Barra,
Domingos Moura da Costa, Joseph Pecuno, Rooeo
FacoDio e Jaciotho Separro.
Hkpartiqao da polica :
Extracto das partes do dia 13 de junho de
1865.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 12
de jnnho:
A' ordem do subdelegado do Recife, Marcellino,
escravo de Miguel Jos Rodrigues Pinbeiro, para
correegao.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel Marques
da Silva, para corregao; Manoel e Luiz, escravo?7
este de Jos Francisco de Castro, e aquelle de Ma-
noel Marques Nunes Lobo, ambos a requislgo do
capilo do brigue Pedro V.
A' ordem do de S. Jos, Romana, escrava de
Alexandre Jos dos Santos jior fgida.
O chefe da 2* secgao.
J. G. de Mesquita.
Casa de detenqao.Movimentodo dia 12 de ju-
nho de 1865 :
Existiam 350; entrarara 5; sabiram 13; exis-
ten) 342, a saber : nacionaes 253, mulheres 3, es-
tr.ngeiros 24, mulheres 2, escravos 53, escravas
7,total 342.
Alimentados custados cofres pblicos, 130.
Moviraenlo da enfermara do dia 13 de jucho
de 1865.
Tiveram baixa :
Manoel, escravo de Antonio Lourengo.
Franci>co, escravo de um lal Manoel.
Cemiterio publico. Obituario do dia 12 de
junho de 1865.
Tnereza Maia de Jess, Pernambuco, 20 annos,
Boa-vista; tubrculos pulmonares.-
Mara Salyra de Jess, Pernambuco, 55annos, viu-
va, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
Terluiiano, Pernambuco, 3 annos, S. Jos^ascite.
Maria, Pernambuco, 3annos, S. Jos; asihma.
Candido, frica, 38 annos, solteiro, escravo, ?aoto
Antonio ; ascite.
Francisco, frica, 70 annos, solteiro, escravo, Boa-
vista ; lepatite ebronica.
Caodidoa, Pernambuco, 27 annos, solteira, Santo
Antonio; eoogeslo cerebral.
Luiza, Pernambuco, 35 annos, solteira, escrava.
Boa-vista, aflecgo tuberculosa.
manhaa, excepto as matrizes para administrgo
| dos Sacramentos, antes da missa do Natal, e nos
casos de incendio ou rebate : os sacristes ou che-
fes de corporages religiosas que Infringirem este
artigo pagaro 125000 rs. de mulla. i
Art. 8. Nenhuma igreja dar mais de tres repi-
ques de cada vez na vespera de qualquer solumni-
C0MMNIC1B0S.
CHKOMCA JUPICMRI4
TRIBU VIL DO COSIBIERCIO
ACTA DASESSlO ADMINISTRATIVA DE 13 DE
JUNHO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PEnETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs,
Appellante, D. Anna Dellina Paes Brrelo ; ap-
pellado, Manoel de .ouza Pereira.
_ Fnram adiados a pedido dos senhores. depu-
tados.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Araorim, Fragoso, Santos & C.; appellado, dade, e estes s lero lug'ar ao mio dia.s tres ho-
Jose Clemenlino Henrique da Silva. Foi confir- ras da tarde e s Ave Maria, nao devendo cada um J
raada a sentenga appellada. durar mais de cinco minutos: os sacristes e che-
Appellanies, s administradores d massa fallida fes de corporages religiosas que infringirem este
de Amonm, Fragoso, Santos & C.; appellado, artigo, Unto no que diz respeito ao numero dos re-
Innocencio Garca Chaves.Foi confirmada a sen- piques, como ao lempo que devem durar sero
tenga appellada. multados em 105000 rs.
Appellantes, os administradores da massa fallida Art. 9. Nenhuma igreja dar mais de dous do-
de Seve, Filhos & C.; appellado, Francisro Xavier bres de cada vez por cada fiel que morrer, e esses
de Oliveira. dobres sero dados ao receber a noticia da morte
Tres senhores deputados juraram suspeigo, e o e na occasio do enterro, os quaes duraro so-
txm. Sr. presidente ordenou que se convidassera mente dez minutos : os sacristes ou chefes de
os senhores supplentes para a prxima sesso de corporages religiosas que infringirem as disposi-
16 do corrente. ., goes deste artigo sero multados em 10500) rs.
designaqao de da. Ar. 10. Nenhuma igreja dar mais de quatro
Appellante, Manoel Jos Machado ; appellados, dobres por occasio de offlcio de corpo presente, e
os curadores fiscaes da massa fallida de Jos Mar- dous as visilages de covas, devendo durar so-
ques dos Santos Aguiar S C | mente dez minutos : os sacristes ou chefes de cor-
Appellante, Guilherrae Jorge da Molla ; appella- porages religiosas que infringirem as disposigoes
do, Joo Marlins Ribeiro. ; deste artigo .-ero multados em 105000 reis.
Appellante, D. Maria Rita da Cruz Neves ; ap-; Art. 11. Os dobres e repiques sero reduzidos
pellados, os directores do Novo Banco de Pernam- metade do tempo prescripto, podendo mesmo ser
buco, como administradores da massa fallida de suppnmidos se na vizinhanga da igreja houver al-
Mesquita & Dutra. gum doente de affecgo grave, devendo os sacns-
Primeiro dia til. tes e chefes de corporages religiosas conformar-
Appellantes, os administradores da massa fallida se com o attestado do facultativo assistente, que
de Bastos & Lemos ; appellados, os administradores ser rubricado pela autoridade policial do Jugar:
da massa fallida de Pacheco & Mendes. os infractores serao multados era 255000 reis.
O Sr. desembargador Silva Guimaraes jurou sus-i Arl. 12. Fica prohibido o pescar as ponies e
peigo : e exisiindo no feilo a suspeigo jurada caes com anzes : os infractores sero multados
pelo Sr. desembargardor Reis e Silva, o Exm. Sr. em 25000.
presidente offlciou ao Exm. Sr. presidente da rea- Art. 13. Nenhum pescador poder usar de rede
gao requisitaodo juiz. de malha miuda, devendo elle conformar-se com a
passagens. j bitola adoptada pela cmara municipal: os Infrac-
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des- tores sero multados em 105000 reis e a rede ser
embargador Silva Guimaraes: destruida.
Appellantes, os administradores da massa fall j (Postura de 30 de junho de 1849.)
da de Amorim, Fragoso, Santos & Companhia ; I TITULO IX.
appellade, o bacharel Manoel Gentil da Cost Alves. I Art. 2." Fica prohibido ter as portas das ras
Recrreme, Francisco Teixeira Guimaraes ; re-! ou calgadas, bancos, caixoes e outras quaesquer
corridos, Teixeira Leite, Companhia & Sobrinho. | armagoes e laboletas depositadas, ou dependura-
Appellante, D. Olympia Constancia de Moraes e (das do portal para fra : sob pena de 25000 reis
Silva e outra ; appellado, Joaquim Luiz Vires. I de multa.
Appellantes, Silva & Alves ; appellados, os cu-, ArL 3. Fica prohibido ter cavallos e outros
radores fiscaes da massa fallida de Jos Marques quaesquer animaes atados As portas, janellas, ou
dos Santos Aguiar. argolas nos passeios: sob pena de 25000 reis de
Appellantes, os administradores da massa fallida multa,
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado, Arl. 13. Sobre os passeios ninguem poder car-
Antonio Doroingues Pinto. | regar fardos, caixoes, palanqulns, ou outra qual-
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr. quer cousa que por seu volume possa encommodar
desembargador Accioli : os que por elles tranzitam : os infractores serao
Appellante, Jos Guilherme Guimaraes ; appel- multados em 25000 reis, sendo paga a dos escra-
lada, D. Maria Venancia de Abreu Lima Bastos. ; vos pelos seus senhores.
Appellantes, os administradores da massa falli- Art. 14. Ninguem poder andar a cavallo sobre
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado, os passeios : os infractores pagaro a multa de
o Dr. Manoel Francisco Teixeira. 55000 reis.
Appellante, D. Maria Magdalena de Almeida Ca- Art. 15. Todos os lotes ou comboios de animaes
tanho ; appellada, D. Anna Josepha Pereira dos de carga, que entrarem nesta cidade, sern condu-
Santos. zidos a passo, e atados um atrs dos outros, e le-
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar- vados pelo meio da roa at o lugar de seu desti
gador Res e Silva: no; e, logo que se houver feito a descarga ou no-
Appellante, Basiliano de Magalhes Castro, como vo carregaraento, sero reconduzidos para fra da
teslaaenteiro e inventarame dos bens de Jos Fer- mesma maneira : os infractores serio multados
em 10000 reis, e se fr escravo, seu senhor ou
correspondente pagar a mulla, e, deixando de o
nandR da Cruz
Bastos & C
appellados, Ge
DISTBIBUIQAO.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellantes e appellados simu'taneamente.os ad-
ministradores da massa fallida de Amorim, Fra-
goso, Santos & C, reos, e Cmara & Guimaraes,
autores. .
Nada mais havendo a tratar-se o Exm. Sr. pre
dente encerrou a sesso 1 bora e tres quartos da
tarde.
fazer, o conductor dos animaes soffrer vinte e
quatro horas de prisao.
(Postura de 30 de junhoWe 1849.)
TITULO X.
Art. 3. Toda a pes^a que de dia for adiada nua
ero beira de praia, ou tomando banbo cora o cor-
po descoberto sera a devlda decencia, ser multa-
da env25000 reis, sendo paga a dos escravos pe-
los seos senhores.
{Postura de 30 de junho de 1849.)
POSTURA ADDICIONAL.
Art. 1. D'ora em diante smente permittido
Flscallsa^So de Santo Antonio.
O abaixo assignado faz ser transcripto abaixo
deste alguns artigos das posturas municipaes desta' ter cavallarigas de aluguel em casas espagosas, la-
cidade, que tem por dever os fazer cumprir, para dnlhadas, e ventiladas, e cujas frentes tenham
conhecimento de lodos os habitantes do municipio, mais de trila palmos, com canos de esgto para
am de nao os infringirem por ignora-los. i as ourinas e lquidos, largos, lageados, e to pro-
Flscalisacao de Santo Antonio do Recife, 26 de, fundos que sejam baobados pelas aguas do mar
maio de 1865.
O fiscal,
Caetnno Pinto de Veras.
TITULO II.
Da medicina, cirurgia, pharmacia t do que Ihe
relativo.
Arl. i. Ninguem poder abrir botica, ou casa de
drogas, e nena manipular remedios sem lieenca da
cmara municipal, e sem que tenha carta de phar-
macia, resida no esfabelecimento, e se responsabe-.
ou rio, em todas as mares ebeias, ou sumidouros
com doos palmos d'agua naturalmente; nao po-
dendo admitr-se aellas seno um numero de ca-
vallos proporcionado ao. espago, e deveodo o alo-
jamento para cada um cavallo ter sete palmos de
largara. Os*umidouros sero feobados em abo-
badas, e nao receberao as aguas de chuva. (22)
Art. 2." Os alojamento; sero limpos vassou-
ra, ao menos duas vezes por dia; e diariamenle
sero tiradas a; varreduras depositadas.
pra transcripto, e este asslm se exprimi no dia 1*
de maio deste anno :
Junto apresento a V. S. em original a infor-
maco do 1 escrlptorarlo Barros Plco, a qnal te-
nho a accresceniar que o ex-thesoureiro das lote-
ras Francisco Antonio de Oliveira havia prestado
todas as suas contas quando passou a fnesonraria
a seu successor, bem como recolheu a esta thesou
rana todos os saldos, ficando pjr recolher o de
5O0J da 1* parte da I* lotera a favor da igreja de
S. Miguel do Barreiros, e o de 3239 da 2* parte da
2' lotera a beneficio das obras do convenio do
Carmo do Becife Sendo porm depois verificado
que anda nao tinham sido recolhidos os menciona-
dos saldos, no prazo que Ihe loi marcado, remette-
ram-se para jutzo, atim de ser a cobranga feit ju-
dicialmente. >
Da informago dada pelo contador interino se
v que o ex thesoureiro, Francisco Antonio de Oli-
veira, presin todas as suas contas e recolheu todos
os saldos ; mas que depois se verificou que eslava
ainda a dever saldos. Entretanto, se se confron-
tar essa informago com a que foi dada pelo Io es-
criturario da 1* secgo da contadoria, o Sr. Bar-
ros Falco, no mesmo dia Io de maio, que trans-
creveremos, ver-se-ha que ha certa contradiego
entre essas informages, porquanto na deste se diz
que em abril de 1861 esse ex-thesoureiro prestou
contas, e se Ihe deu cerlido, em petigo despacha-
da pelo Sr. Jos Pedro da Silva, que nao constata
que elle se achasse a dever a thesouraria provin-
cial, e na do Sr. Temporal se l que, nao obstante
ter o Sr. Oliveira prestado todas as suas contas e
entrado com todos os saldos, ainda restava-lhe a
entrar com dous, um de 5005000 e outro de
3235000. .
Eis o que disse o Sr. Barros Falcao em sua in-
formago datada do 1" de maio :
t Satisfazendo o despacho e distribuigo constan-
tes do offlcio junto, por copia, do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, datado de 26 do mez prximo
passado, e acompanhado de outro, tambem por co-
pia, do Sr. primeiro secretario da assemhla pro-
vincial, exigiodo com urgencia varias informages
sobre prestaco de contas doex-tiiesoureiro das lo-
teras Francisco Antonio d'Ohveira ; tenho s a
dizera semeltiante respeito, que em abril d* 1861
(se me nao engao) passei, em virtude do despa-
cho do Illm. Sr. iuspector e distribuicao da conta-
doria, langados sobre petigao doditox-thesourei
ro, cerlido (e nao tptttaQRo) de nao coiistar dos
Uvros a cargo desta seccad adiar se elle ex-thesou-
reiro decedor fazenda.
J se v, pois, que, e na occasio, em que o Sr.
Oliveira.prestou sua< contas constasse que elle resta-
va a deveros dous saldos,deque setrati, de 5005 e
3235, nao se teria omittido isto na ceidlo, e neste
casse nao diria quenoconstava que elle se achas-
se ainda a deveiS thosouraria -; e se v mais que,
se nessa occasio se souuesse que elle devia esses
saldos, nao serian ell -s de 5005 e 335, porquan-.
to de abril de 18ol a setembro e d-zembr.) de
1862 aquelle nao pod-ria estar elevado a 7665230.
e este a 4855307; o que prava que elles eram mili-
to anteriores a abril de 1S6I, e se achavara es-
quecidos entre outros, que ja temos indicado.
Se se fosse a guiar smente pela informago do
Sr. Temporal, em 1" de abril de 1861, ftcar-se-hia
crendo que os dous saldos devldoseram de 5005 e
3235; entretanto, recorrendo se informago, que
passaremosa transcrever, do secretario da thesou-
raria provincial, o Sr. Autonio Ferreira da Annun
ciago, se v que esses saldos eram m llores.
Eis o que diz o Sr. Ferreira da Annunciago em
sua informago datada de 8 de maio :
Illm. Sr. inspector. Cumprindo a portara
cima declaro, que revendo o livro do expediente
desta secretaria e o da porta no exercicio de 1862
a 1803, delles consta que nos das 20 de setembro
e 18 de dezembro de 1862 foram remettidas com
offlcio de V. S. dirigido ao Sr. procurador fiscal
Cypriano Fenelon Guedes Aicoforado as contas dos
saldos da 2." parte da 2." loteria concedida a favor
das obras da igreja do convento do Carmo desta
cidade, e da i." parle da 1.* loteria a favor das
obras da igreja de. S. Miguel de Barreiros; esta na
importancia de 7665230, sendo 5U05 de capital e
2665230 de juros, e aquella de 4835307, sendo
3235 de principal e 1725307 de juros, ambas con-
tra o ex-thesoureiro das bterias Francisco Antonio
d'Oliveira.
Dizendo o Sr. Ferreira da Annnnciago em sua
informago que, revendo-se o livro do expediente
no exercicio de 1862 a 1863 delle conslava que as
contas relativas a esses dous saldos haviam sido
remettidas pelo Sr. Jos Pedro da Silva aa procura-
dor liscal, o Sr. Dr. Cypriano Fenelon Guedes Ai-
coforado, com offlcio "de 20 de setembro e 18 de
dezembro de 1862, para que elle promovesse, como
devia, a cobranga pelos meios judiciaes, omittin-
do todava de dizer que esse ex-thesoureiro nao 11-
nha entrado com os referidos sal los no praso que
Ihe foi marcado, como o disse o Sr. Moreira Tem-
poral em sua informago j transcripta, cumpria
que o procurador focal iufonnasse acerca d.is ac-
c5es intentadas, e por isto o Sr. Jos Pedro da
Silva dirigio-lhe offlcio em data de 2 Ae maio ; mas
cora estupefaeco se v que uenhuma acgo exista
em juizo contra o dito ex-thesoureiro I
Eis o que disse o Sr. Dr. Fenelon Aicoforado em
seu offlcio de 5 desse mez :
Em resposta ao offlcio de V. S. de 2 do cor-
rente, cobrindo o do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, por copia, em gao para satisfagao da exi-
gencia da assembla provincial, pele-me informe
acerca de aegoes intentadas contra Francisco An-
tonio d'Oliveira, cabe-me declarar a V. S., que no
archivo respectivo das contas remettidas para jui-
zo de 1862 para c nao existe conta alguma relati-
va a premios de loteria* contra dito Oliveira, nem
lao vouco existe por elles execucao alguma por
qualquer dos cartorios da fazenda; e como qur
que conste aos livros dessa thesouraria havia sido
remeltida essa conta para juizo, e nao seja ella en-
contrada aego V. S. se digne de mandar extrahir
urna outra com salvo da primeira e remelter-m'av
De posse desta informago, e nao tendo mais
meio de demorar as informages pedidas com ur-
gencia, o Sr. Jos Pedro da Silva dirigi ao Exm.
presidente da provincia o seguinte offlcio datado
de 9 de maio, isto, doze das depois de haver re-
cebido o da presidencia :
t Dando as informagas que me foram exigidas
por offlcio de V. Exc. de 25 d'abril ultimo, tenho
a dizer a V. Exc, quanto a 1." que o ex-thesourei-
ro das loteras, Francisco Antonio d'Oliveira, quan-
do passou a thesouraria ao successor havia presta-
do lodos as suas contas, mas nao se Ihe deu quita-
gao como determina o arl. 2. o. do reglamento
desta thesouraria. Declarou, porm, o 1. escrip-
turario da secgo de contas que Ihe passou urna
certidao nos termos mencionados em sua inclusa
informago sob n. 1.
Quanto a 2." dizem as informages juntas sob
ns. 2, 3 e 4 o contador e secretario que foram re-
metidas para o juizo para serem cabrados, dous
saldos, que verificou-se pela reviso das contas do
mesmo ex-thesoureiro nao ter elle ainda recomido
nos prasos que Ihe foram marcados. Quanto a 3.a
refiro-me ao offlcio incluso do procurador fiscal, e
pelo que elle diz, parece-me que se extraviaram as
contas que Ihe remetti dos ditos saldos e por isto
acabo de expedir as necessarias ordens para que
outras sejam tiradas afim de que tenham o mesmo
deslino que as primeiras.
0 Sr. Jos Pedro da Silva perante a assembla
provincial.
PromeUeroos em nosso ultimo artigo oceupar-
nos de ntn fado, que nos parecia importante, pois
que deixava "ver nao s a desorden), que reina na
thesouraria provincial era relaco aos negocios que
sao de sua competencia, ?eno a prolecgo.que por
vezes encontram certos individuos nessa reparli-
o, etja direcgo est confiada ao Sr. Jos Pedro
da silva desde 1848, e passamos a cumprir nossa
promessa.
Nao por certo um fado, isolado e sem signifi-
cago, que pode comprometter a reputago de urna
repanigo bem dirigida ; mas, quando esse fado
importante, e se liga a eutros que se prendera a urna
serie, ento as cousas mudan) de aspecto.
J vimos que, por se ter lido certa condescen-
dencia com alguns offlciaes do corpo de polica, da
qual estes mesmos se queixam actualmente, o des-
falque, que elles deixaram.foi avultado e ainda nao
se acha liquidado ; j vimos que, por se nao ter
procedido com presteza e de con forro idade com re-
commendages superiores, o ex-thesoureiro do con-
sulado provincial leve lempo para evadirse, deixan-
do os seus fiadores na obrigago de pagarem mais
de quinze contos de ris; j vimos que, por se nao
ter cumprido o que havia sido recomrr.eodado pela
presidencia da provincia, o ex-thesoureiro da re-
partigo das obras publicas se acha empenhadoem
urna demanda com a thesouraria provincial; j
vimos finalmente que, por se ter querido proteger
demais o cx-collectnr. do Rlo-Formoso, soffreu a
fazenda provincial, e seu fiador teve de pagar as
quantias defraudadas, comprometiendo por este
modo sua fortuna. Agora trata-se do ex-thesou-
relro das loteras, o Sr. rrancisco Antonio de Oli-
veira, e a questo, que a este se liga, digna de ser
referida ; devendo desde j declarar que o julga-
raos incapaz de querer lesar a fazenda provincial.
Tendo o Sr. Francisco Antonio de Oliveira de
passar a thesouraria das loteras a seu successor, o
Sr. Manoel Gamillo Pires Falco, porque isto Ihe
convinha, requeren prestago de contas thesou-
raria provincial, afim delirar quite, e, obtendo des-
pacho para isto, prestou suas contas, e na sua pe-
tigao foi declarado pelo empregado respectivo, em
virtude de despacho do Sr. Jos Pedro da Silva, que
o Sr. Oliveira linlia prestado todas as suas contas,
e que dos livros a cargo da contadoria nao consla-
va estar elle a dever quanlia alguma fazenda pro
vincial. Isto passou-se em abril de 1861.
Dezesete mezes se tinham passado, quando a
thesouraria provincial descobrio que o ex-thesou-
reiro das loteras nao havia entrado com os saldos
da 2* parte da 2'loteria concedida em favor das obras
da igreja do convenio do Carmo desta cidade, e,
sendo esse saldo de 3235, os juros vencidos j se
elevavam a 1625307 ; e tres raezes depois dessa
p'imeira descoberla, descobrio mais a thesouraria
que o mesmo ex-lhesoureiro eslava a dever 5005
de saldos da parte da 1* loteria concedida em
beneficio das obras da igreja de S. Miguel de Bar-
reiros, e essa qnantla se elevava, em conseqnencia
dos respectivos juros, a 7665250, isto 2665250 a
cima da quanlia primitiva, o que prava que, quan-
do se deu cerlido ao Sr. Francisco Antonio ie
Oliveira de que elle nada devia, ou se ignorava que
exisliam esses sidos, ou houve interesse em oc-
culta-los nessa occasio, qualquer que elle fosse.
A' vista das descoberlas feitas, ou por se nao poder
oceultar mais a existencia desses saldos devidos,
as contas respectivas foram remettidas, segundo se
diz, ao procurador fiscal para que procedesse como
Ihe compet?, as que eram relativas ao saldo de
4855307 em 17 de setembro de 1862, e as que'se
referiam ao de 7665250 em 18 de dezembro desse
mesmo anno, segundo se v da informago dada
pelo Sr. Joo Carneiro Monteiro da Silva Sanios, 2o
escripturarlo da 4* secgo da contadoria, datada
de 6 de maio deste anno, qu ir transcripta mais
adianto; mas essas contas nao chegaram ainda ao
juizo, nao obstante terem decorrido dous aBnos e
meio I
Nao faltamos verdade, e vamos prova-lo :
feito isto, apreseotaremos considerago do publi-
co algumas reflexoes em relago aos documentos
existentes, deduzindo consequencias, a que nos le-
var o raciocinio. Os documentos sao curiosos, e
por isto teremos de reproduzi-los.
Constando a um dos deputados provnciaes que,
tendo-se dado principio a urna acgo contra o ex-
thesoureiro das loteras, de que se trata, essa ac-
go nao progredla, attribuiodo-se isto protecgo,
o Sr. Dr. Diodoro Coelho Catanho quiz saber se
era exacto o que se dizia, e apresentou o seguinte
requerimento assembla provincial do dia 25 de
abril deste anno :
t Requero que, por intermedio do Exm. presi-
dente da provincia, se pegam cora urgencia as se-
gnintes informages :
t 1." Se o cidado Francisco Antonio de Olivei-
ra, quando leve de passar a seu successor a the-
souraria das loteras, prestou contas e teve quila-
gao ;
c I0 Se, nao obstante ter quilago, existe em
juizo alguma acgo para que o mesmo cidado en-
tre com quantias correspondentes a premios de bi-
lhetes nao reclamados ou apsesenlados a paga-
mento ;
< 3.a A data em que qualquer aegao existente
foi apresentda, e o estado em que se acha, com
declarago da quanlia ou quantias que devem ser
entregues. >
Approvado esse requerimento, vieram as infor-
mages depois de alguns dias, e sao ellas, que nos
fazera trazer esse fado ao conhecimento do publi-
co, para que se veja como vo os negocios da the-
souraria provincial.
Tendo o Sr. Jos Pedro da Silva de salisfazer
ordem que elle foi en de regada pelo Exm. presi
dente da provincia com data de 26 de abril, diri-
gio-se ao contador interino, oSr. Francisco Geraldo. va esses oous saiaos lossem remettidas lizo ii
Moreira Temporal, determinando-lbe, em 28 desse para serem intentadas as competentes aeges, o gado pela le do dever, qae tanto przo. a mpio-
mesmomez, qae houvesse de informar com ur- Sr. Jos Pedro da Silva, na sesso iramediata, devia rar ao Ilustrado publico e aos raeus amigos, qae
gencia a respeito do conteudo no requerimento su-. dar coma da execugo que leve essa resolugao; aguardem seu juizo al que eu possa nao s peran-
raas o nao fez, o que mostea a consdeigp em que
liona os dom membros dessa Junta, e justifica o
que ello ja disse, isto qne a junta era o inspee-
tor. Se houvesse cumprido o que dispe o art. 1
das instrncgoes sopracltadas, se teria sabido no flra
de poucos dias que as conts nao haviam chega-
do a seu destino, e (Icaria uto remediado ; mas o
Sr Jos Pedro da Silva esqueeeu-se, ou guardou
silencio, e d'ahi resullou que ain a em 9 de maio
deste anno as contas nio tinham chegado ao Sr.
Dr. Fenelon Aicoforado ou ao juizo. Nisto ou houvo
esquecimento, oa proteccao: quer esla.quer aquelle
depe contra a regulartdade da marcha dus nego-
cios da thesouraria provincial confiada direcgo
do professor de Geometra do Colleglo das Artes.
O regulamento de 3 de agoslo de 1852, quando
trata das obrigagoes do procurador fiscal, diz o
seguinte ;
Arl- 30 7* ApresenUr em junta no princi-
pio de cada semestre urna relagao em forma de
inappa das causas da fazenda, emque se especifique
o da, mez e anno da remessa das contas >ara o
juizo dos feitos, e da inslaurago do precesso e o
estado das causas, mostrando tambem a natureza
e origem da divida ; e em separado outro quadro
das arges qae nao forem excutivas.
Tendo sido remettidas, segundo a resolugao da
junta, as cjntas dos dous saldos em 20 de setem-
bro e 18 de dezembro de 1862 ao procurador fis-
cal, as aeges intentadas deviam figurar no mappa
do 1 semestre de 1863 ; us, nao figurando, tem
podendo figurar, porque o procurador fiscal nao
recebeu essas contas, ainda quando oSr.Jos Pedro
da Silva se houvesse esquecido de dar informages
junta do resultado que tiveram as suas resoluges
oas sesses inmediatas, desde que o iospertor da
thesouraria recebeu esse mappa,e vio que nelle nao
figuravam as aeges relativas ao ex-thesoureiro das
loteras, Oliveira, devia pedir oxplicages ao Sr.
Dr. Fenelon Aicoforado, e, vindo a saber que as
contas nao tinham chegado a seu destino, devia
mandar tirar outras, para que fossem remettidas.
?e tivesse procedido por este modo, as aeges j
estaran* terminadas, e, se erSo reaes esses dous
saldos, ja leriam sidos rec Ihidos ; mas o Sr. Jos
Pedro da Silva procedeu differenlemenle, e seu
procedimento faz desapparecer a crenga de que
houve esquecimento, e deixa suppor que deu-se
proteegao.
Diz o Sr. Dr. Fenelon Aicoforado que as contas
nao chegaram s suas raaos, isio nao existen)
no archivo respectivo das contas remettidas para
juizo de 1862 para c, e o Sr- Jo- Pedro da Silva,
longe de contestar isto, contentase com dizer qne
Ihe parece que as conlas se extraviaram ; mas no-
se lembra do que dizera as instrueces e regula-
memo supracitados. Isto mostra que houve inte-
resse em alguem da thesouraria provincial para
que essas contas naochegassem a juizo, e nao tives-
sera principio e seguimento as aegoes, que erara a
consecuencia.
Vejamos de quem podia ter sido esse interesse.
Tres pessoas podiam haver dado causa a que nao
tivessera principio as aeges, que deviam ser in-
tentadas contra o ex-thesoureiro das loteras, o
Sr. Francisco Antonio d'Oliveira : o correio, que
liulta de levar o offlcio do inspector, acompanhado
das contas, ao procurador fiscal; este, que devia
Intentar as aeges respectivas; ou o inspector,
que, depois de assignar o offlcio, se que o assig-
nou, nao entregou ao correio. Se foi o correio,
que extraviou o offlcio e conlas, e o Sr. Jos Pe-
dro da Silva tivesse cumprido o que determina o
art. 1 das instrnegdes, na sesso immediata da
junta se teria sabido que esse offlcio e contas ha-
viam sido extraviados : se foi o procurador fiscal,
que extraviou o offlcio e contas, o mesmo se leria
conseguido, se esse artigo houvesse sido cumpri-
do Logo, nao tendo o Sr. Jos Pedro da Silva di-
to cousa alguma a respeito da reraessa^das contas
na sesso immediata da juma, nao havendo-se In-
formado do procurador fiscal da razo, pela qual
as aeges relativas a essas contas nao figuravam
nem no mappa do primeiro semestre de 1863, nem
nos qje se llie seguiram, o que se deve crer que
foi o inspector quem, na ntengo de proteger o
ex-thesoureiro das loteras, nao fez seguir o offlcio
e contas, e guardou silencio at que a assembla
provincial interveo. Isto nos parece lgico.
Seja o que for : nisto houve ou negligencia ou
proteccao. Se foi negligencia, acha-se prejudicado
o Sr. Francisco Antonio d'Oliveira que, tranquillo
em seu engenho, e confiando na certido que lem,
ha de ser forgado, se perder a questo, a pagar
juros mais avultados do que pagana, se as arges
tivessera sido mentadas desde 1862 ; se foi pro-
teegao, acha-se prejudicada a fazenda, por quanto,
a serem reaes os saldos, se acha desde muito no
desembolso das quantias devidas. Mas tudo isto
nada, porquanto o *r. Jos Pedro da Silva o pa-
cha encarregado das flnangas desta provincia, e
no Brazil nao ha cordao de seda para funecionarios
que nao cumprera certas obrigagoes.
Pobre trra I E dizem que esta provincia nao
ple ser administrada I Salte se por cima de to-
dos os avisos, para que se conserve em commissao
permanente o Sr. Jo- Pedro da Silva, sendo sua
eadeira de Geometra do Collegio das Arles oceu-
pada desde 1848 pelo seu substituto, e continu em
desordem a thesouraria provincial, porque o Sr.
Jos Peora da Silva prefere o ordenado de inspec-
tor ao de professor; e nada se diga, porque nao
foi o Sr. Castello Branco quera o nomeiou, e seus
antecessores o tinham conservado II
O Exm. Sr. Dr. Castello Branco apresenton em
seu relatorio, lido assembla provincial, a mora-
lidade e a justiga como programma de sua admi-
nistrgo, e nao sabemos, vista do que estamos
presenciando, se se atiende moraltdude e jus-
tiga.
Paramos aqui : em oulros artigos continuare-
mos em npssas apreciages. 2Se nao para que veja-
mos cumprido o programma de S. Exc, ao menos
para que fiquera registrados os fados de que nos
oceupamos.
Um da vira, em que se obter o que desejam to-
dos os lioraens, que se empenham na reforma dos
abusos.
A redaego deste offlcio mostra bem a aptido do
Sr. Jos Pedro da Silva para o lugar que oceupa,
e sua leitura deixa entrever contradiec ; por-
quanto, era principio, diz elle que sao o contador e
secretario que dizem, que as conlas foram remetti-
das, entretanto que no flm declara que essas con-
tas foram por elle remettidas ao procurador fiscal;
sendo notavel que, tendo-se extraviado as primei-
ras contas, o Sr. Jos Pedro da Silva dsse ordem
para que outras fossem extrahidas e twessem o
mesmo fbn, isto se extraviassem, como se deduz
da excedente redaego de seu offlcio.
Raciocinemos avista de lodos esses documentos.
Em sua resposta ao inspector da thesouraria
dis>e. o Sr. Dr. Fenelon Aicoforado que no archivo
TIIK.tTRO.
Prepara-se para ir a scena sabbado, 17 do cr-
reme, o magnifico drama em 5 acto O medico
das enancas.
Tudo, nesle drama, concorre para offerecer ao
publico momentos de completa distraegao. A bel-
leza da linguagem, a affluencia ds estyllo, o dese-
nlio fcil e importante dos diversos typos que con-
ten), sao praticados que nao podem deixar de pren-
der a atlengo dos espectadores.
No medico das enancas, cora effeito, encontra-se
alm d'isto, os inieresses da vida social harmonisa-
dos com os severos principios da moral e da reli-
gio. O autor, escreveodo com a alma, guindose
pelos diclames e pelos impulsos do seu corago, pa-
rece lar lido em vista um nico fim fazer pulsar
sympalhicamente as almas 1
So o drama encerra bellezas mil, se o seu autor
esmerou-se era bera construir o batel que percorre
a imraensidade do ocano da litleratura franceza,
foi por que Ihe dizia o corago que o seu trabalbo
tornar se-hia urna sublimidade quando os seus pen-
samentos fossem fallados pelos artistas.
Em verdade, os muitos theatros que o lem offe-
recido aos amantes da arte dramtica, satisfazendo
est espectatva, tiveram de colber o fructo benfi-
co das suas locrubagoes. Hoje, pois, o Santa Isa-
bel, imitando-os, tem-se esforgado e feito grandes
sacrificios para obter idntico resultado, oxal e
praza a Dos que o publico concorra com o seu va-
lioso contingente para a realisago dos desejos do
emprezano e mais artistas do Santa Isabel.
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores.Accusado, na qualidade de juiz
municipal e de orphos do termo de Cimbres, pe-
la cmara municipal do mesmo termo em urna re-
, presen'ago que dirigir ao governo imperial, e
respectivo dasconts remettidas para juizo de \ pela qual rdeoou o Exm. Si. ministro dajustica,
1862 para ca nao exist canta alguma relativa a em aviso de 20 de abril prximo Dndo, qne o Exm
premios de loteras coaira o dilo Oliveira, nem to Sr. presdante da provincia mandasse nao s syn-
pouco execugo por qualquer dos carinos da fa-J dicar dos factos que me foram imputados em dita
zenda ; mas isto se aoba um Unto era contradiego reprasentago, mas tambera tornar-rae effectiva a
cora o quo disse o 2 escripturano da 4* secgo da competente responsabilidade ; o queassim cumprio
contadura, o Sr. Silva Santos, e com o que foi dito o mesroo Exdl. Sr. presidente, dirigiodo-se ao Sr.
pelo secretario da thesouraria, o Sr. Ferreira da Dr. juiz de direito desla comarca do Bcejo, como
Annunciago.^ | deparei no expediente do governo, publicado em
As instrucgoes de 25 de maio de 1853 dixem o seu conceitoado jornal Diario de Pernambuco de
segrate 113 do crrante mez ; e nao podendo eu por ora
o Art. Io O inspector em cada sesso da junta dizer cousa alguma em minha defeza, porque ain-
dara conta da execugo, e resultado das delibera- da ignoro o theor da mencionada representago,
ges tomadas na sesso anterior etc. > j que ha de ser, como lera sido outras, um mons-
Tendo sido resolvido em junta,pois que s em trooso parlo que so. podiam conceber malignase
junt podia ser resolvido-, que as contas relati- perversas enlranhas, como as.de meus gratuitos
saldos fossem remettidas a jnizo nimiuos, sdenlos de vinganga ; sou todava for-


', iMU-trxwmK-v?-




IHrlo di 7 trnamhafv (tna-t* irin 14 de *aaho de i

tea impresa, conjo tajnbem pe-naje t mens su- ou larSSjaesprodu-jrao ouderrma. Incens e
periores, exhtoif mtnlft defeza, e justfflcar-me ca- perfume mals refrigerante e delollavel, do que
bal e sasfaeloriameaie das falsas e calumniosas aquelle delicioso e delicado aroma que exhala e di-
.Unpulacfoe que me liverem sido feiias pela refer- mana desla admira val essoncia, colhida dos cam
da cmara, como espero c> nsegoir, ajodado .pela pos virginal de Flora.
protecco divina, e firmado em minha eooseiencia, A athmosphera, a qual roobae diveste a fragan-
que repousa tranqoilto, como deve sabe-lo, e de-, cia quasi todas as mais aguas cbeirosas, parece
" -"-j>" ---_-
Compsjihia do Beberibe. j
No dio 17 do corren te pelas 12 hoivs do !
dia ter logar no escriptorio da companhia'
! rna do Cabug n. Itf, a arrematarlo dos
chafarles e bcas por bairros, no se ad-
vta raesmo confessa lo, e^ta mesma cmara, se nao, prodozr bem pouco effeito sobre a exquisita rari- Liverpool Vapor fnglez Ohnda, commandante mittinrin rirnni.ta<< iiip canim eliendam mais
quizesse, como o fez, trnir sua propria consejen- dade deste aroma, a qual perlence por exceUencia Wllllam, carga algodo. !i7wr.J iP mlinr H
ejta preparado sublime e refrigerante. Marselha Barca ifaliana Z^ii^arrf/a, capilao An- ^M u* ^tfr BW Por ^aC m^0r
Primara, de MI toneladas, eapilo E. I. Correa
de Brito, equipagem 14, carga 6/)33 sacos,cvttn
annlia de mandioca ; a Antonio Luto de Olivei-
ra Azevedo & C. Veio recebar ordeni e prati-
co, e segu para o Cear pelo Rio Grande do
Norte.
Navios sahidos no dia 13.
cia, e abjurar os dos principios de eterna juslica;
o que em lempo epportuno hel de mostrar toda
luz da evidencia.
No entretanto congratulo me por se me ofre-
cer urna occasiao, era que podesse manifestar o
meu profundo respeilo e eterna, gratido a dous
conspicuos cidadlos, que anda urna vez deram
exuberantes provas de sua proverbial justica;
quero referir-me ao Exm. Sr. conselheiro Dr. Fran
cisco Jos Fuado, nimio digno presidente do con-
selho e ministro da juslica, que noobslantea sur-
da guerra que se me uzia, houve por bem, em
sua alia sabedoria, mandar lavrar o decreto de 4
de novembro do anoo passado, pelo qual fui re-
cosduzido no juttado municipal e de orphos de
Cimbres ; e bem assiru ao Exm. Sr. deserobarga-
dor Anselmo Francisco Peretti, que achando-se l-
timamente frente da alta adruinistraco desia
provincia, na qualtdade de 1' viee-presideute, se
dignou ser a salva-guarda da innocencia vil e tor-
pemente calumniada por mesquinhos inimigos, no
intuito d,- privarme da supradita recomraeudayao,
e os quaes, vendse malogrados em scu plano, nao
trepidaram langar mao de outras armasa cele-
bre representaco, directamente dirigida ao gover-
no imperial, e nao por intermedio da presidencia ;
o que por si soja bastante para demonstrar e ex-
primir algoma cousa.
Queiram, Srs. redactores, dar publicidade a es-
tas toscas indias, que ramio grato Ibes flear qaom
De VV. SS. muito atiento venerador o criado
ctrigadissiroo
Joaquim Theotonio Soares de Avtllar.
Pesqueira, 29 de maio de 1886
Srs Rtlwlores.-Em adddamento ao que escre-
vi em uma correspondencia qui peit a V. S. se
dignassein publicar, venho accresceotar que tendo
ohegado a esta cidade hontera para responder boje
ao processo contra mim instaurado por queixa do
Sr. padre Manoel Jos de Oliveira Reg, para o
que fui ciiado era Tioababa; apreseulei-me no
lugar e-a hora- determinada, mas nao sei porque
bao se diguou de comparecer o Sr. padre Reg
bem seo procurador ao lugar da audiencia, porque
nao tivesse e.-ta lugar, nao devendo permanecer
aqui a mrre do Sr. pao> Reg, reliro-me nova-,
mente para minha casa, aguardando outra cilaeo.
Diga depois o Sr. padre Reg que fujo por cobar-
da. Rrliram-se tamb;m minhas lestemunhas.
ltecif<-, 0 de juaho de 186o.
Uuibelino Antonio da Costa Leito.
de
s
TIIEATBO
D8
PUBLICARES A PEDIDO
Illm. e Exm. Hv. presidente da
provincia
Perante V. Exc. vem o sexagenario Antonio Go-
mes da Silva qu-ixar-se da c-eandalosa impuni la-
de, einque se acha o brbaro assassinato de seu so-
brinho Manoel Ferrelra da Silva, perpetrado pelo
faeinomso Manoel Moralo, sem o menor motivo jus-
tilicavel, visto como o assassioo foi o airgressor, e
o assassmado era homem pacifico e sobrecarredo
de numerosa familia, para quem somente viva.
E?se feroz homicidio foi praticado em dias de
agosto do anno passado ; o criminoso foi processa-
do p prom-neiado corno autor confasso, em presen-
ca do depoimentodas lestemunhas, que foram un-
nimes em jurar a sua criminalidade. E que dir a
V. Exc. o supplicante acerca da punicao desse
malvado ? Dir, xm. Sr., que at o presente nao
Coi incommodado pelas autoridades do districlo de
C louia, onde leve lugar o crime, e com as quaes
vive na maior intimidade, pois dellas protegido
como maior descaro I
O supplicante e seos numerosos prenles j te-
riam timado a pena de laliao, se nao confiassem
anda na aeco das leis, posto que lenham sido at
boje Iludidas em suas esperanzas; porque nunca
se vio, Exm. Sr., tanta impuuidade de crimes, co-
mo na presente poca I
- Confiado, porm, o supplicante na justica de V.
Exc. a ella recorre na firme convceo de que o
assassinato de seu. infeliz sob'inho ser punido com
loda a sevendade, e i-ara mais commover o cora-
cao de V. Exc. aqui Ihe aprsenla as roupas en-
>anguentadas da victima, roupas que nao sero
queimadas, sem que a perversidade do assassno
seja punida de qualquer modo : portauto pede a
V. Exc. ju.-tica e protecco.
Antonio Gomes da Silva.
Recife, 12 de junho de 1836..
I SITIES.
de melhor se devero escla ecer e informar
Ella encerra era si, por assiin dizer, o conden- $ Ionio Marcenaro, carga assocar.
sado respiro e vida das flores as mals exquisitas e Observacao.
odoripheras do reino vegetal e sua fragrancia pa- Passou para o sol um vapor americano,
rece inexaurivel, inexgotavel, mesmo depois de ler
sido exposta i ama prolongada evapwacto ou
diffusao.
Neste- respeito elra se assemelha original Agua
fca'dotu. de%FaVni.bas,P;trodbZ,V0od valoTe O IHra. Sr. inspector da hesonraria prov.n-1 C0nifes d() >ntnlO da arremaUgao
custo dobrado daquelle outro perfume. ; cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre- ] iazes SOure SS qaaCS SC n*VC lailCar.
Repara i bem qne os nomes de Hurray e Lan- sitente da provincia de 10 do corrente, manda fa-J Bairro do Kecife.
man se achem inscriptos sob cada envoltorio, le- ''-er publica qne no da 14 de junho prximo iu-'riiafar;7 KPa An <(, a, a.
treiro e at mesmo embutidos no proprio vidro da douro, perante a junta da fazenaa da mesma tbe-! f V ca a a r,\;Mt\nn
garrafa ou na falta dos mesmos (oda a mais falsa, soararia, se ha de arrematar, a quem por menos 'anaega................. b:O '$UU
Acha-se a venda as casas de Caors & Barboza, Aier, a obra da cadeia da cidade de Nazaretb, ava- Dito da ra da Craz......... 7 2003000
J. C. Bravo SU liada em 18:093*800 ri Dito da ra do Brom........ 5:00000 )
A arrematado sera feita na forma da lei pro- Dit0 do Fme0 Malos e bica
EMPREZA--0OIMBRA
umaono; os Srs. licitantes comparti m
craseos Dadores ou decaraces dos mes^ /v i,'-fiiit 1/< An ,'tiI,a a*
taos no mencionado dia, detendo ser as pro- UUal L-lmVd 14 (16 JUllIlO dQ
postas em carta fechada apresenlada na
mesma occasiiidou antes no eseripioriojon-
IP
COMMEKGIO.
\'i)vo banco de Pernam-
buco.
O banco descoma letras na presente
9 por cento ao anno al o prazo de quatro me-
zes, e a 10 0|0 at o de seis mezes
Gaixa filial do naneo do Brasil em
IV i-iiaiu buco.
Adirectoria desla caixasaca sobro obancodo
Brasil no (to de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de pernambuco.
Os administradores da massa fallida de h m
Jos Silveira pagam o 1 dividendo de dita massa
na razo de 9 0/6 sobre o valor des ttulos ad-
meltldos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
ALFANOEGA.
Rendimento do dia 1 a 12......
dem do da 13...............
do mesmo___............ 4:500#000
22:700^000
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do Carma.. 10:000^000
Dito do largo do Paraizo___ 8:>JOOiJO00
Dilo do largo do Passeio Pu-
blico................. 4:000,5100o
Dito da ra d j Sol ........ 3:0')0$000
Dito da ra da Concordia___ 5:000,50 O
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
gao, comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, e cora-
petentemente habilitados.
E para constar, se mandn publicar o presente
1 pelo jornal.
Secretario da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 14 de marco de 1865.O secretario, A-
F. d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arrematadlo.
1.* O edificio para a cadeia de Nazaretb, ser
feito de conformidade com a planta e orcamento
junto, na importancia de 18:0935^00 rs.
2.* O arrematante ser obrigado a dar principio Bairro da Boa-Vista
aos trabamos no prazo de 30 dias, e concluidos r.|.afar7 fi ba n ca
no de um anuo, ambos a contar da data da assig- '
natura do contrato.
3.* Os pagamentos serao fetos em 3 prestagoes
igoaes correspondentes a cada terco da obra Muda.
4.* Nao ser em tempoalgum attendida qualquer
reclamacao por parle do arrematante tenden-
te indemnisacao, quaesquer que sejam as allega-
g5es em que so hajam para esse Dm, anda mes-
; mo por prejnizos provados.
204:9555288 o.' Para ludo o que nao esliver especificado as
30:8875629 presentes clausulas, seguir-se-ha o que dipoe o re-
-------------gulamento de 9 de Janeiro de 1864.
235:8425917 Conforme.A F. d'Annunciagao.
30:OO('i00O
do Ca-
pibaribe................
Dito da ra da Aurora junto ao
Gymoasio..............
Dito da praga da Boa-vista....
Dito da caixa d'agua dos Pires.
Dito da ra de S. Goncalo.. ..
Dito do largo da Soledade.. ..
MOVIME.NTO DA ALFADEGA.
Volornes entrados com fazendas.... 33
t < com gneros..... 217
Volumes sabidos com fazenias.
cora gneros..
------- 250
107
1,079 -
------- 1,186
DECLARARES.
Santa (Jasa da Misericordia
do Recife.
3:5003000
2:000*0001
6:000(5000,
o;500#000I
1:20;; 0001
2:100,5000
2~0:300d000
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo da Bibeira.. 13:000(5000
Dito da ra Imperial........ 7:000(5000
Dito dito defronte da Cabanga. 3:500,)000
I A Illm." junta administrativa da Santa Casada
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
1 no dia 16 de junho pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sessoes continuara a ir a praca para
serem arrematadas pelo tempo de 1 a 3 anuos as
nhados
tes.
Descarregara no da 14 do corrente.
Barca inglezaMirandamercadorias.
Brigue poriuguezUniaodi verses gneros.
Brigue tnglez/mpriJardiversos gneros.
Brigue portugnez-Relmpago idem.
Barca americana Anaconda farinha de irigo.
Patacho hollandez Henirtka Uuisman farinha Jendas das casas abaixo declarada^.
de trigo. Os licitantes devem comparecer acom
Escuna portuguezaD. Joocharque. de seus fiadores ou munidos de cartas d
Sumaca hespanhofaMerceditaidem. Ra das Larangeiras.
Brigue nacionalCardiaidem. Casa terrea n. o particular e 17 pu-
Brigue nacionallmporador- idem. blico..........2065000
Patacho hollandezDenyidem. Ra do Raogel.
Brigue inglez Melita carvao. dem n. !? particular e 55 publico. .
Barca inglezaFavoriteidem. I Ra do Rosario da Boa-Vista.
Iinnortaco. | dem n. 14 particular e 58 publico. .
Vapor francez Guienne, entrado de Bordeaux, \ n Ra da Lapa,
consignado a Tisset freres. manifeslou o seguinle : i Ca.sa lerrea n- 41 Particular e 2 pu
1 caixa relojoaria ; a Vctor Grandin.
23.500,5000
Bairro dos A Togados.
Chafar'z do largo de Nossa Se-
nhora da Paz............ 3;000;>000
Cidade Nova de Smto Amaro.
Chafariz junto a rampa do
Starr 4 C............. 2:0005000
Pas-agem da Magdalena.
Chafrriz do largo do viveiro.. 200^000
Dito entre a> duas pontes
300,5(100
3005000
1685000
1 dita livros
1 dita ditos ;
1 dita ditos ;
1 dita ditos;
I dita ditos;
Seguros mutuos sobre a vida
A nacional de Hadrid.
Ja'.os nossosleiloresestoaofacto de algnmas das
nirdias vantagens das sociedades de seguros mutuos
sobre a vida, exempiificadas em a Nacional, hespa-
aiiula, e das mals importantes formas das suas
multplices operacoes econmicas. Ja' sabem de
-como o sacrificio tenue insensivel de guardar
1 indianamente urna pequea quantia, que a mor
paite das vezesse prodigalisava, e empregava em
meras futilidades, e que produz no fim de um
anuo a verba t-ufficiente para se se; subscriptor
ile>ta excellente sociedade, do maravilhoso resul-
11 lo de converter o individuo mais pobre n'um ci
dadiid abonado, e o abnalo n'um homem rico. A
riqueza nao outra cousa mais que o resultado da
cuidadosa aecusacao de pequeas quaotias. E que
bello nao chegar por um bera regulado systema
econmico que sirva ao homem de bussola duran-
te os primeiros annos desta perigosa viagein cha-
mada vida, aoude os escclhos, eas vicissitudes tan-
to abundara, que bello nao dizemo4, chegar, com
o auxilio dos seguros mutuos, a possuir um caplial
que nos serve de escudo contra as iras do destino
nos uitmosannos da existencia e nos deixa soce-
j,Mdos o regalados lindar os nossos dias, ou de nos-
sis familias e dos entes que nos sao queridos, sem
termos de nos arrepender dos descuidos e negli-
gencias do passado ? Anies digas: bem fiz eu, do
que : se en soubera I exclama o povo na sua provi-
deaeni philosophia; e o preceito applicavel a esta
nssa cruzada, altamente salutar. A Nacional a
providt-ncla das familias e o amparo de muitos mi-
niares de pessoas. s seus compromlssos sao cum-
pridas religiosamente, e com a maior seguranca.
tA direegao tem consignada nas.caixas do estado
em ttulos consolidados, differidos urna flanea de
una milhode reales. A approvaQao ri?ia, e a vlgi
I ncia dj delegado do governo junto a'corapanbia:
A superintendencia do conselho de administraco
ii .meado pela junta geral, e que observa todas as
ojieracoes da companhia : A inverso immediata
.1 por cento : O deposito dos ttulos do banco de
ilespanha depois de os ioutilisar para a circulaco
tomando-os s portencentes a'compaohia: A da-
nza dos livros, patentes a todos os subscriptores,
e sobre ludo os nomes dos respeitaveis capitalistas,
e das grandes illuslracoes que se achara a' frente
da Nacional sao os mais seguros penhores da Bde-
lidalo das operacoes desta poderosa c.ompanhia, da
qual anda rauito nos resta que dizer. Fa-lo-hemos
neatl serle de pequeos arligos que encelamos con-
vencidos de que fazemos ura bem .a' sociedade em
.'ral, e especialmente aos nossos numerosos leito-
reffde Portugal e Brasil.
1 dita chapeos de sol ; a Monhard & C.
1 dita perfumara ; a Viuva Lecomte.
4 ditas chapeos a Christiani.
2 ditas sanguesugas; a Serodlo.
6 ditas viuho ; a L. Puech.
51 ditas queijos; a J. Pater A C.
22 ditas ditos; a Almeida Gomos.
90 ditas ditos ; a Tasso.
1 dita ditos; a H. Olti.
1 dita ditos, 1 dita ameixas ; a Joao da Silva Fa-
ma.
a Prenle Vianna A C.
a Joaijniin Jos de Campos.
a Gomes de Oliveira.
a Macedo.
a Manoel Jos de Souza.
32 ditas queijos; a Manoel Francisco Junicr.
26 ditas ditos; a BrauJer a Brandis.
19 ditas objectos diversos; ao bunio do Livra-
mento.
11 ditas queijos ; a Ferreira da Costa & Filhos.
2 ditas objectos diversos; a Bourgeois.
1 dita sedas ; a J. T. Gomes.
2 ditas objectos diversos; a irmaa Lezat.
1 dita ditos ; a irma Maziue.
20 ditas sardinhas; a Manoel Pedro.
1 fardo rolhas ; a Tisset freres.
1 caixa bijouteria ; a Lehmann freres.
1 caixa chocolate ; a Lasserre.
45 ditas viuho e bebidas espirituosas, 50
idem ; a Wilsom 4 Hette.
2 ditas rhampanhe, 1 dita objectos diversos ; a
Leclere & C
1 barril vinho, 3 caixas conservas, 1 dita objec-
tos de photographa, 1 dita ditos diversos ; a ordem.
1 caixa chocolate, 1 dita drogas, 3 ditas agoa de
vochl; a Maurer & C.
7 ditas objectos diversos, 1 dita modas, 1 dita
calcado ; a Linden Wild 4 C.
4 ditas calcado, 1 dita modas ; a TvSouvage.
1 dita modas; a Maestraly.
1 dita ditas; a Monleiro Lopes.
1 dita ditas ; a Falque.
1 dita ditas; a J. Gomes.
i ditas ditos; a i'. & Guilibert.
2 ditas ditos ; a Gregorio P. do Amaral.
10 ditas objectos diversos; a F. Dubarry.
2 ditas ditos,; a Carnero & Nogueira.
1 dita drogas ; a Caors & Barbosa.
2 duas fazendas ; a Henrique & Azevedo.
1
ditas
Casa terrea n.
blico. '...".. 1505000
Ra da Moeda.
dem n'. ii particular e 21 publico. 3505000
Roa do Amorim.
dem n. 48 particular e 56 publico. 4005000
dem n. 49 particular e 54 publico. 4005000
I lera n. 50 particular e 52 publico. 4203000
Llera n. 53 particular e 43 publico. 50050O0
Ildem n. 56 particular e 26 publico. 725000
Ra do Azeite de Peixe.
IJem n. 61 particular e 15 poblico. 4505000
dem terrea n. 63 particular e li publi-
co........... 6005000
Ra da flsi-inib.
dem n. 65 particular e 5 publico. 1445000
dem n. 67 particular e 10 publico. 835000
Ra do Vicario.
Sobrado de 2 aojares n. 72 particular
e 27 publico. .......5005000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particular
e 11 publico........9005OOO
dem idem n. 77 particular e 13 pu-
blico..........9003000
Ra da Senzala Velha.
dem idem u. 79 particular e 134 pu-
blico...........3'. OJOOO
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico.......... 2005000
dem u. 82 particular e 16 publico. 2003000
Ra da Guia,
dem n. 84 particular e 29 publico. 1445000
Ra do Trapiche.
Sobrado de 3 andares n. 83 particular
e 30 publico........7205000
Ra da Lingoeta.
dem de 2 andares n. 86 particular e
14 publico........6003000
Ra da Cruz,
dem idem n. 87 particular e II pu-
blico.......... 8823000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 92 particular e 103 pu-
blico..........20050OO
Idera n. 93 particular e 101 publico,
dem n. 94 particular e 99 publico. .
Idera n. 97 particular e 110 publico.
Ideen n. 99 particular e IOS publico. .
dem n. 100 particular e 104 publico,
dem n. 101 particular e 102 publico,
dem n. 102 particular e 100 publico..
dita ditas, 1 dita photographa, 3 ditas sedas;' "em n. 103 particular e 98 publico..
LouTonfes
Ao excelso mrito do Illm. Sr. Dr. Lobo Mosco-
so. e zelo humanitario da Illma. administraco do
b i-ual poriuguez de beneficencia nesla cidade I
L' 11 ex-enfermo deste hospital, salvo do encom-
modo que sollria, vem por esto meio manifestar-
le summamentc agradecido tanto aos lilms. Srs.
da.junta administrativa passada, coraoda presente,
e respectiva regencia, pela parte do bom acolhi-
,'!i mo que ali est sempre a disposicao de qual-
qu r infeliz que, no adge da dor busca n'aquella
pa instituieo,lenitivo a sew males.
Astradece igualmente ao Illa:. Sr. medico.d'a-
fluelh hospital o atlencioso e proficuo cuidadovqae
sr.upro Ihe mereceu, o qu -presettciou fra dis-
iieii-ado coro igualdade a qualquer doeute.
Recife, 12 de junho de 1863.
a Th. Chrisliansen.
1 dita modas ; a A. C. de Abreu.
2 ditas-ditas e 80 ditas queijos; a Burle & C.
1 dita ditas, 2 ditas dito3 diversos; a Mello Lo-
bo A C.
I caixa fazendas, 1 dita objectos diversos, 50 bar-
ris manteiga ; a Keiler & C.
1 caixa objectos diversos ; a B. Millochau.
1 dita ditos ; a Siqueira.
1 dita ditos; a Medeiros.
2 ditas ditas ; a Hamburgers.
1 dita ditos; a Jos N. de Souza.
1 dita drogas ; a Novaes. .
1 dita papel a J P. Martinho.
5 ditas marraore, 1 dila modas; a Isidoro Netlo
A C.
1 dila papel ; a Joaqulm Bernirdo des Res.
Brigue sueco Argo, entrado de New-York, a J,
Pater & C, manifestou o seguinle :
ti volumes ps, 2 caixas objectos 'de seleiro, 10
ditas farinha de milho, 3 volumes 9 bjectos diver-
ses, 200 vassouras, 20 amarrados baldes, 2 caixas
lanternas, 9 volumes vldros para ditos, 48 caixas
machinas para algodo, 30 caixas salsa parrilba;
a ordem.
10 machinas de algodo e 8 barris pregos; a
Pbipps Brothers & C.
14 volumes candieiros; a Henry Forster & C
31 machinas para algodo, 2 caixas ditas, 24
dilas relogios, 6 ditas photographias e objectos di-
versos, 964 barricas farinha de trigo, 40 barris pi-
xe, 1,500 resmas de papel de embrulho; aos con-
signatarios.
2 caixa salsa parnlha; a Caors & Barbosa.
ExportacSo.
Barca italiana Lsmbardta carregou : para Mar-
sel ha, 4.500 saceos com 22,500 arrobas de assucar
masca vado.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 12...... 13:6885557
Ideradodial3................ 1:0765203
t-o-*
Agua de Florida de Hurray
Launan.
Que s poetas erabora fallem dosares oori-
pheros da balsmica Arabiaporm apezar de lu-
do pde-se moilo bem por em duvida, se jamis
algum desses florescentes bosques de cannelleiras
14:7643700
MOTIttEUTO DO FOITO
Navio entrados no dia 13.
Liverpool 34 das, barca ingleza Vtson, de 468
toneladas, eapitSo George Avery, equipagem 14,
carga fazendas e outros gneros -, a Sawoders
Brothers & C.
Rio de Janeiro 12 dias, barca portugnea Farta
dem n. 104 particular e96 publico..
Idean. 105 particular e 94 publico...
Secretaria da Santa Casa
Recife 10 de junho de 1865.
O escrivao,
F. A. Cavalcaoti
COMPANHIA
DO
2003000
2555000
2285000
2285000
2285000
2285000
2285000
2285000
2283000
2283000
5605000
Escriptorio da Companhia do Beberibe
43 dejunho de 1865,
O secretario,
__________Dr. Joao Jos Pinto Jnior.
Arsenal de gverr.
0 conselho de compras do ajsenal de guerra
precisa comprar o seguinles :
Para o completo do corpo de voluntarios
1,208 covados de panno azul para fardamento.
Para blusas que tem de ir para a corle.
6,000 covados de panno azul.
As pessoas que quizerem vender ditos rticos
apresentem suas propostas na sala do conselho no
dia l4do corrente, ao meio dia.
Sala das sessoes do conselho de compras do
arsenal de guerra 10 dejunho de 1865
O encarregado da cscripturaco
__________Manael Jos de Azevedo' Santos.
O COUSlllo di; eoitrpras do ar.'o-iml do guerra
precisa comprar o seguinle :
I Para provimenlo do almoxarifado.
20 arrobas de salitre refinado, preferiodo-se o
de Londres.
I 10 arrobas de enxofre de cor sitrinica.
1 .taixo de cobre de 19 a 20 libras de peso, e 18
a 20 polegadas de bocea.
1 esputnadeira de metal.
13 resmas de papel pardo de formato grande.
1 300 acnas de lenha de mangue.
10 caixas rom folhas de (landres com 16 pqlega-
das decomprida e 11 de largo.
6 ditas ditas, marca pequea, boa qualidade.
300 canadas de azcte de carrapalo.
10 arrobas de cobre velho.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos
apresentem suas propostas era carta fechada ao
meio dia do dia 14 do corrente, na sala do conselho.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra 10 de junho de 1865.
O encarregado da esenpturaco
Manoel Jos de Azevedo Santos.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria defazen-
da desta provincia, em virtude do aviso do minis-
terio da guerra de 19 de maio ultimo, que acom-
panhou o requermeulo e mais papis de D. Ade-
laide Mara Germana de Aguiar, solicitando o meio
sold da palete de scu finado marido o alferes
Jos Quintino da Roeha e Oliveira, convida a mes
1865.
Primeiro e ultimo concert
A BENEFICIO DO RABEQUISTA PORTUGL'EZ
Fraacisco Perelra da Costa.
Msico da real cmara de Sua Mayestade
Fidelissima o Sr. D. Luiz I.
Printeira parte.
O Sr. Amoedo executar a scena dramtica:
Cerrado nomar.
Segunda parle.
Grande phantasia pelo beneficiado, sobre moti-
vos da opera
XORMA.
De D. Alarde.
Terceira parte.
A chistosa comedia em um aeto
MS TflrVTA^flFES
Ojiarla parte.
Difflcultosa phantasia pelo beneficiado
SUYENRS DE BELLOTE
De J. Artol.
Quinta parte.
A Sr.' D. Eugenia represeutar o sempre
piudido entre-acto
BERTHA DE CASTIGO.
Sexta e ultima parle.
Bnlhante phantasia pelo beneficiado sobre
tivos da opera
TROVADOR
DeD. Alarde.
Urna banda de msica tocara no sallan, em ob-
sequio ao beneficiado.
Principiar as 8 horas.
O resto dosbilhetes estao a disposic/10 do publi-
co no escriptorio do theatro.
Sabbado 17 de junho vai scena o muito lindo
drama em 5 actos Medico das crianc-as desde j re-
cebem-se encommendas de camarotes e cadeiras no
escriptorio do theatro.
sa elstica, um goanta-loiica, tima coaimoda, um
guarda-vestido, urna esianfe para livros, duas se-
cretarlas ama mobitl de an.arelio, cadeiras de
Jacaranda, 12 ditas de fai.i, um porta-licor, diver-
jos Irens de eozinba, am tarai, urna machina para
cosiara, tres relogos de pared?, duas escarradel-
r..s, um berro, urna cama fritnceza, nm lavatorio,
urna rarteira, om cofre de ferro, um prensa para
copiar cartas, e ootros muito; objpcio?. Ser e(-
fectuadoo leilo a roa da Cruz n. 57.
De urna arma rao, bale e gaz, e 10
1) rris com sal r finado.
HO.IE
O agente Pestaa vender' por conta de quem
pertencer a armaeo, bali-ao e gaz existente na lija
da roa do Crespo n. 9, esquina da ra do Impera-
dor, e ID barris com sal refinado, sem limites :
quarta fe.ra 14 do corrente, pelas 10 horas da ma-
nhaa, na mesma loja.
LElIiftES
ap-
mo-
THEATRO
DE
SAVTQ ANTONIO
Cap unga:
Sociedade dramtica Thalia Pernam-
lincaua.
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho
administrativo desla sociedade, scientillco aos Srs.
socios que o espectculo em anuiversario da mes-
ma lera lugar no sabbado 17 do corrente, podendo
desde ja os mesmos Srs. socios receb Tem do Sr.
thesoureiro, a sede da sociedade suas partes de bi-
Hieles, tendo era vista porm, e dispaslo no 4
do art. 21 dos est nulos.
Secretaria da sociedade dramtica Tliaba Per-
dambucana, 13 de junho de 1865.
O Io secretario interino,
Epaminondas P. B. e A. de V'asc racellos.
todas as semanas
Nn pranric armiuem do agfnle
OLYMPIO
36-Rua da Cadeia do Keeife36
LEILAO
De nma mobilia de Jacaranda constando de 12
cadeiras de guaroicao, 2 ditas de balan?), I sof.
4 consolos com peda sendo 2 com espelhos, mesa
de meio de sala, candelabros, laot. rnas, louca de
porcelana para jamar, 1 apparelho dourado para
almoco, urna cama franceza de amarello, um guar-
da louca, commodas, garrafas para vinho, clices
e mtiitos outros objectos que esUrSo presentes no
acto do leilo.
Sexta-fcira 16 do corrente.
Martins far leilo dos objectos cima que se
acham no armazem da ra do Imperador o. 37,
onde tera' lugar o leilo a-, 11 horas do dia cima.
Leilo de feijao miiitiliiiho.
Cordel i o Simes
por conta e risco de quem pertencer vender' em
leilo cerca de 30 saceos cora feijao mulatinho em
um ou mais lote a vontade.
Sextafeira 16 do corrente
as 11 horas no armazem do Sr. Annes largo da
alfandega.
COMPANHIA PERXAMBUCAN'A
DE
3avega$o costeira por vapor.
Macei e escalas, Penedo e Araeajii.
O vanor Mumanguape, segu
no dia 14 do corrente as o horas
da tarde. R-cehe carga do dia
geiros e dinheiro a frete at o dia
horas : escriptorio no Forte do
da saluda as 2
Matos n. 1.
LEILO
Das dividas activas que fazem parle
de mass.i fallida de V. 6. Castellao.
Sexla-feira.
Por despacho do Illm.Sr. Dr. juiz do roromercio
rao a leilo pela ultima vez as dividas advas que
eonsttaf-m pane da massa falbda de Francisco
Gomes ('asteWo, na importancia de 22 08S"5,*>
rs. conforme as relacocs, servindo de base a maior
offerta de 4003, os licuantes devem comparecer
na certeza que serao arrematadas, enir.gando-se
lodosos documentos c livros em mo 4m admi-
nitradores : o leilo ter lugar sexia fera as 12
horas em ponto a porta da Associacao Commereial.
Lci'ao >exta-feira 16 de junlio as II
horas.
No armazem do agente Euzebio.
Se vender sera limite pelo maior preco 37 cai-
xas com 37 duzias de garrafas com vinho de or-
deanx.
Urna mobilia de Jacaranda' e guarda roupa.
Urna porcao de livros em francez de diverso)
autores e obras excellentes.
Diversos objectos de marcineina, tudo sem li-
mite.
Leilfio.
Da loja de fazendas da ra Xova.
Massa fallida de Joao Baptista Gonfal-
ves Baslos.
Marlins far leilo a requerimento dos curado-
res fiseaes e dfposilarios da massa fallida de Joao
u.. -....., ..
ra
5. f_.
Nova
u. 47,
COMPANHIA BBASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' psperado dos portes do norte
at o dia 23 do correte, o vapor
Paran, commandante o capito
de fragata Antonio Joaquira de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do cuslume seguir' para os portos do
sul.
Desdej recebem se passagelros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
s-er embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia di saluda as 2 ho-
ras da tarde : agencia roa da Cruz n. 1, escripto-
rio de Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo & C.
pertences existentes na loja da
pertencenles a mesma massa.
Sabbado 17 do corrente.
O leilo ter lugar na mesma loja as 11 horas
do da. Os prelendentes podem examinar a rela-
cao das fazendas em o escriptorio do referido Mar-
tins a ra da Cadeia o. 9.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
^avega^o costeira por vapor.
Para o Rio de Janeiro em diieitura.
Segu no dia 14 as 4 horas da tarde o
vapor Jaguaribe, commandante Martins.
ma senbora a habilitar-se perante'eta thesouraria I Recebe alguns jjassageiros de r. F.SCriptO-
para a percepcao do dito meio sold, conforme
prescreve o ariigo 3o do decreto n. 49 de 27 de
juaho de 1840.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco em 9 de junho de 865.________________
Concillado provincial*
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
que os trinta dias uteis marcados para a robranac,
de Misericordia do bocea do cofre dos impostos da decima dos pre-
dios urbanos de 20 0|0 do consumo de agurdenle,
e de .*> 0|0 sobre os bens de raz pertencenles
Cousseiro corporales de mao morta, se principam a contar
________ do dia Io de junho vindouro, fleando sujeitos a
multa decretada no arl. 50 do ercamento vrente,
todos os que pagarem depois de udos os ditos 30
dias.
Mesa do consulado provincial da Pernambuco 26
do maio de 1865.
Antonio Carnero Machado Ros
rio Forte do Mallos n. 1.
Para o Kio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o pallia-
bote Ptedade, tem parte do seu carregamento a
bordo, para o resto que Ihe falta e escravos a fre-
te para os quaes tem excellentes commodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1. _____________^_^^_
Para a Baha
Pretende seguir para este porto com brevidade o
veleiro e t>em conhecid) patacho nacional D. Luiz,
que se acha com parte da carga prompta : para o
resto trata se com Jos Mara Palmeira em seu es-
criptorio no largo do Corpo Santo n.4^________
Para Lisboa.
O brigue portuguez Soberano, capito U. B. Bu-
ggange, vai sabir breve, recebe carga e passagei-
ros; trata-se com E. 1". Rabello, ra do Trapiche
n. 44 ou com o capito. ______________
Administrador.
O caixa desta companhia commendador ... .
Thoaiaz de quino Fonseca acha-se autori- c,)nPanb,, de "." Iar,a de Pernambuco.
.j j ,r A mesma companhia tem, em virlnde de ordem
sado a pagar no seu escriptorio ra do Vi- snperior,de vender em hasta publica 44cavallos,,
gano n. i 9, das 10 horas as 3 da tar !e do no da 20 do corrente, pelas 10 horas,
dia 2 do corrente em diante 0 34 dividen- Qnartel no Campo das Princezas 10 de juuho de
do desta companhia na proporc5o de 3$ 1863- n n r .
n. a. .ni -.- Ka* -I Manoel Porfirio de Castro Arauo
por cida apoltce, prevme-se aos Srs. accio- CapiUJo commandante.
oslas que este pagamento deve ser em moes "Z^o abaixo Msi5di,'j.i de paz do 2- dstric
da de cobre que e na especie que O mesmo to da freguezia do Recife, acha-szem exerciciodo
Sr, caixa lem recebido dos arrematantes dos mesmo juizado cm razo de ter dado parte de: cuna Eliza por ter a maior parte da carga, e para
Para o Araeaty segu em poucos dias a bar-
caca Flor de Camaragibe : para o resto da carga
que Ihe falta, trata se na ra da Madre de Dos,
armazem junto a igrejo. _____________
Para a Bahia
pretende sahir com muita brevidade a veleira es-
cbafarizes desla companhia.
Escripiorio da Companhia do Beberibe Io
de junho de 186$.
. O secretario,
Jos Eustaquio rerreira Jacobina,
internas geraes
Pela recebedoria de rendas
se fazpnblico qne neste crreme mez que os de-
vedores dos impostos seguinles : renda dos pro-
prios nacionaes, decima adicional de mo-mor a,
imposto de 20 0/0 edito especial, relativos ao 2o
semestre do eiercicio corrente, teem de pagar seus Pr.|a mspei.c0 da alfandega
dbitos sem mulla, depois do qne serao pagos com que a[ 0 dja 19 do correnle se deve
doente o 1 juiz o capito Manoel Antonio Ribeiro ; 0 re$to que Ihes falta tratase com o consignatario
portento faz sciente a queui iuteressar, que as au- i joaquira Jos Gon^alves Beltro na ra do Vigario
diencias continuam nos mesmos dias e horas do1 n. 10, primeiro andar._____________________
costura\ era sua casa n. 84 na ra Augusta, a'
j despacha a qualqueptiora em qualquer logar.
Frecuezia de S. Jos do Recife 12 de junho de .
186o.-Joo Jos de Alboqoerqne. veira por tera maior parte da carga prometa,
Para a Baha
pretende sahir em poucos dias o veleiro hiate Oli-
veira por ter a maior parte da carga promta, e
Dar a poura que Ihes falta, trata-se com o consig-
Vai a praca, prenda por tres aunse enge-^alario,joar.ujin j0- Goucalves Beltro, na ra
nho Constantino, sito na freguezia d S. Loorenco do Vigari0 to, primeiro andar. ,
da Malta, no dia 16 do corrente,
cia do Dr. juiz de orphos.
depon Vaudien-
PAtt\ LISBOA
^____ I O palhabote t de innlio pretende seguir com a
se faz publico carga qne tiver at o dia 20 do correnle : para o
ultimar o resto que Ihe falta, o qual se recebe a frete- barato,
contrato par i os concertos do armazem n. 5, como trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
, fui annunciado por edital do dia- 3 deste memo de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
] mez, e para que ehegue ao eonheeimento dos pre- da Cruz n, i.
por ser a ultima pra- tendentes, passe a presente. I
. juizo da 2* vara, es- \ ^secnao da Mfanega de Pernambuco 13 de
crivao Motts, metale do sobrado-de doas antfre* jun*0de< Pwo.
ella. Recebedoria de Pernambuco 2
1663.-0 administrador,
Manoel Carnero de Souza
de maio de
Lacerda.
Leilao
Da parte de urna casa na Parahiba a ra das
Convertidas n. 15, em que txisle um es-
tabelecimento. avaliado lodo predio em
2:100^, ecuja parte em 707(5'103 rs.,
como tambem os atugueis de cerca de t
a 3 annos
Terca-feira 20 de junho as 11 horas.
Cordeiro Wlmes
authorisado pelo llquidatario da casa commercial
de Antonio Joaquira de Mello, fu leilo da parte
e alugueis do predio cima descript" podendo des-
de ja safisfazer aos pretendemos todo esclareci-
mento, cojo leilao sera effectuado no dia e hera
cima dito a porta de armazem do Sr. Annes lar-
go da alfaQdega.
AYISOS DIYEBSQS.
LOTERA
Aos10.000$000r>2;000s000.
Acham-se a venda os bi I heles, meios e
quartos da 4a parte da 4* lotera (0X) a
beneficio da Santa Casa da Misericordia, na
respec iva thesouraria a ra do Crespo nu-
mero i 5,
Os premios de 10:000,5000 at 20,5000
sero pagos urna hora depois da extracto
at as i horas da tarde, e os outros depois
da distribuicodas lisias.
As encommendas s r5o guardadas so-
mente al a noite da vespera da extracto
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Estrada de ferro do Recife
a Sao Francisco
Aviso.
A superintendencia desta companhia recebe
propostas em carta fechada para a eonsirucco do
alargamento da passagem a nivel da e.-trda do
matadouro publico, mandado executar por ordem
do govern.
A planta da obra, orcamento e mais esclareci-
mientos necessarins serao franqueados ao exame
dos proponentes no escriptorio do Sr. engonheiro
fiscal na estacao das Cinco Ponas.
As propostasserao recebidas at o dia 22 do
corrente ao me dia.
Esc iptorio da superintendencia villa do Cabo
14 de junho de 186a.
G. O. Mann,
Engenheiro e superintendente interino-
tf
^
No dia 17 do corrente,
ca, tem de ir em praga pelo
crivao Motts, metale do sobra u
sito na ra da Cruz do Recife n. 64, 'avaliada em
4:0000, a qual vai em praga por venda a quem
mais der, por execuoo que encamiman os her-
deiros de Loureuco Jos das Neves contra os ner-
deiros de D. Marianna Ferreira Doarte Reis.
4o eacripiurarto,
J. de Av'a Bitancourt leiva.'
LEU OES.
Crrelo.
Pela administraco do eorreio se faz publico que
boje 14, as 3 horas da larde em ponto, fecbar-se-
Convida-se as pessoas que estiraren as con- ha mala para o Rio de Janeiro, a qual tem de se
digSes do servieo militar, a engajarem-se no corpo conduzda pelo vapor c-jsteiro Jaguanbe. As cer-
do polica, e gozaren das vantagens que .'ofkreee, tas admettidas a seguro serao receidas at, ti
a lei praTuwial o. 611 de 2 do correou. hora da tarde, e os jomaos at as i horas.
Leilao
De movis.
IIOJC
Cordeiro Mlmes
tara leilao de diversos movis, como seja urna me-
Convidamos os nossos amigos a lerem no Jornal
do Recife de hoje um bello di-enrs* recitado |r
' um Dig.-. Mae.-, no recinto de urna Loj.-. do 0-
rient.-. Lacradlo, e que foi interrumpido, segundo
nos infonra urna carta fidedigna, pelo sabio ma-
Ihete Dr. Menexes Gr.-. 33.-*.
__________________ Ptesi.Hu A >}____
Antonio de Souza Cunha, subdito /(orbTgd'ez,
retira-se para Knropa._____________________
Ju8o Christiani vai a Europa.
Qaem precisar de urna ama que tem bem
teite, dirija-se a Fra de Portas, ra da travesea
do Chafariz o. 13.
.

ILEGVELl


lo de
... QHMrtatfcUa 14 le wM 4e i*.
CASA DA FORTOm.
Aos 10:000#000.
Bilhetes garantidos.
A' BA DOCRBSPO N. ti B CASAS DO COSTUHS.
O abaixo assignado vendeu dos seus maito f eli-
es bilbetes garantidos da lotera que se ac boa
de ettrahir, a beneficio da ipreja de N. S. do Li-
vramento da Varzea, os seguntes premios :
ra quarto n. 7 cora a so/le de 6:000*000.
Um quarto n. 1086 com a sorte de 1:200*000.
Um meio n. 852 cora a sorte de 400*000.
E outras rauitas sortes de 100*, 40*, 20* e
104000.
Ospossuidores podero ir receber seus respec-
tivospremios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra de Crespo a. 23.
Achara-se a venda os da 4* parte da 4' loteria
(20*) beneflcio da Santa Cisa da Misericordia.
PRECO.
Bilhetes.....12*000
Meios......6*000
Quartos.....3*000
Para ai pessoas que compraren de 1004000
para cima.
Bilhetes.....11*000
Meios......3*500
Quartos.....2*750
Manobl Maktins Fiuza.
ESTRADA DE FERRO
DO
Reeife a Silo Francisca
AVISO
O superintendente desta estrada de ferro chama
pelo presente a attencao de todos os s- tihores ex-
peditores de gneros, que desejem gozar da van-
1 tagem concedida pelo art. 74 do regulamento do
trafego.para a neeessidade de mencionarem dos
conhecimentos de expedico a ra e numero da
! casa des destinatarios quando estes morarem na
! cidade du Reeife, ou simplesmente a murada quan-
do residirera as proximidades das estacoes do
interior, aflm de que os chefes de estacoes possam
avisar aehegada dos genero?.
Sendo contrario aos ioteresses da companhia a
conlinuaco das eslacSes teiegraphicas de Freaei-
ras e Agua Preta, establecidas o anno passado, fl-
cam ellas supprimidas do 1 de julbo prximo vio-
doaro em diante.
Roga-se particularmente aos senhores passagei-
ros, nao s para sua seguranza pessoal. como a
bem do servico, que nao continuem na pr-stice de
sabir dos carros para as plataformas em todas
Engentu). i
Arrenda-se o engento (Tagua, na freguezia de
Ipojuca, denominado Jassar de Sant'Anna, ame
legua e meia distante das estafes da Escada e leo-
jaca, com trras exceliemes de massap para se
safrejar em grande escala : a tratar do pateo do
Livramento n. 23 com oBr. Ignacio Nery da Fon-,
seca.
Fogo, fogo.
Para os festejados dias de S. Joao
existe na muito acreditada fabrica de fogos de ar
liflcio da ostrada de Joao de Barres, propriedade
j______" ________' da viuva Rufino, um completo sortimento de pis-
xzr N ra da praia de Santa Rita, on- lola8. aveiros, rodiahas e fogo buscap: como
fronte a ribeira do peixe, caca n. 13, segundo au- fi* Penoso a'gumas pessoas irem a fabrica pela
dar, recebe-ieencommeoda de bolos de bacia.para nistancia, os pretendentes podem deixar suas eo-
as vesperas de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro, commendas no armazem da bola araarella no eitao
afflaDcandose nao s a bemfeltrla pela"pratica a secretaria da polica.
que ba, como tambem coromedidade nos precos, SrvptftS em,vista da boa qualidado : as pessoas que quite-: OU1 Loo dv O.
rem, podem ali se dirigir a fualquer hora do dia, Vendem-se lindos papis com estalo para as
que acharo;com quera rtatar. sortes de S. Joao : na ra Nova n. 61 defronte da
Biclias deHamburgo
Vendm-se na roa Nova o, 61.
Vendem-se sanguesngas de soperior qualida-
de, em cal xas ou a retal ho, a vontade do compr-
* J* ;dor, < por preco mol razoavel; -na botica franceza
"de Caors & Barbosa, roa da Cruz n. 22.
Jcao
Ama para -casa
Precisa-se de urna ama para eozinhar e engom-
raar para urna casa qoe s teas duas pessoas: no
becco das B.ias n. 2, 1- andar._________________
Aluga-se o prlmeiro aedar do sobrado ra
da Crux n. 57, proprio para escritorio : a tratar
no armazem do me.-mo.
Illraa. cmara municipal.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : na ra estrel-
ta do Rosario n. 3-2, 2* andar.
f art nnMn^ un Jrtiiu uusciiiiu um a as uicimiui las 0111 luwoa as
- Precisase de um moc^de_15aM_annosque eslii.Qes inlermeas durame a viagem, salvo
estacoes principaes, isto Cabo, Escada e Gamel-
lenha bastante pralica de taberna, paga-se
na roa de S. Francisco n. 79.
bem
Precisa-sede urna ama para eozinhar e fazer
mais outros servicos internos para casa de ama
pessoa : oa travessa de S. Pedro n. 10, segundo
andar, entrada pela ra do Fogo.
No matea de carne secca da ra da Praia
a. 34, dase gratis porcao de carne para porcos.
Offerecese um rapaz para criado : a tratar
na ra do < stino n. 12.
Precisa-sede urna mulhor para ca=a de familia
que consta de duas pessoas, dando-se Cimida e
bom trata ment : qaem quizer prestar se a estas
omliciu'S deixe carta fechada nesta lvraria ns.
6 e 8, na praca da Independencia, com as iniciaos
M. C. L-, declarando sua moraa para ter procu-
rado.
Precisa-se alugar um mtame de 18 a 20
annos: na ra da L ngoeta n. 5, botequira.
SociedaJe ccrea liva Coryban-
tua.
De ordem do conselhodirectir desta sociedade,
faco .-cenle aos senhoi es socios, que lendo sido
resol vido a transferencia de sua sede para a ca
n. 12 da ra da Imperalriz, ahi j deve ter lugsr
a partida mensal marcada para odia 17 ; c oulro
sim que foi ass^ntado nao serem aimctlidos aos
reereios meninas ; devemo, portanto, todos os
mal socios empenbarem seus exforcos aliin de ser
observada esta nsolucao, como convra
Secretaria da sociedade recreativa Corybantina
13 de junho de 1803. n
F. M. do Amaral.
_____________ 1* secre'ario,________
Fugio da casa da ra da Penha n. 23, na
noite de sabbado 10 do cerrente, urna ovelha toda
branca, man-a, levando urna corda a(f pescoeo :
quem a prenden e quizer restitui-la a sen dono,
leve-a roesma ca-a, ijue ser recompensado.
- Na rua de lionas n. 68, loja, continta a la-
var-se e engommar-secom perfeicao e por preco
bastante razoavel, tanto para casas particulares
como para qualquer pessoa.__________________
Offerecese urna ama perfeita engommadei-
ra : na rna dos Martyrios n. 8.
Precisa se de dous amassadores de padaria :
na rua do Ran<;el n. 9.
Aluga-se um priraeiro andar na rua da Pe-
nha com fundos para a rna Direita a. 9 : a tratar
no mesmo.________________________^_
Eu abaixo a>signado declaro que comprei li-
vre e desembaracada a taberna sita na rua de Juo
"/, ; Fernandos Vi-ira n. 64, ao Sr. Manuel francisco
de Paula. Reeife 3. de j un ti o de 1865.
Joaqun, da Silva Campos.
AVISO
Precisa se de um pequeo de l a 14 anuos pelo agente SimSes.
para caixeiro, destes ltimos chegados no brigie
Vnmo : na rua da Cruz n. 37, taberna.
ves, compra-se ouro, prata, pedras preeiosas e
tambem se faz qualquer obras de eicommeuda e
odo e qualquer concert.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 62
da roa da Guia : no 1 andar.
m mmm-mmmmmm
m O bacharel M
M Francisco Augusto da Costa
SK ADVSGADO
^| Rua do Imperador numero 69.
w
mendoas
amendoas confeitadas:
na rua da
Vendem-se
Cruz n. 13.
Aloga-se a metade da casa n. 92 da rua da6
Aguas Verdes: a tratar na mesma. ___________
Precisa-se saber onde mora o Sr. Uaudino
de Hollanda Cavalcanti alim de ser entregue urna
carta vinda do Rio de Janeiro, ou dirjase a rua
da Irapeealriz n. 40.
SOCiEiE
nos
ARTIST4S MECHAMOS ELIDES
DE
PERNAMBCO.
Por ordem do Illm. Sr. director faco chegar ao
conhecimento dos senhores socio*, que avista do
a., i. uwir mu nuc u j ua mesma socie i
dale, est designado o dia 18 do correte, as 10
horas da minha, para a elecao d)s bovos func-
cionarios que devem dirigir os destinos desta so
ciedade oo futuro anno social de 1865 a 1866, de-
vendo ter lugar essa reunio no salo da igreja de
S. Jos ao lado do nascente. Pondera mais o Illm.
Sr. director que a sociedad avista do procedmen-
t de seus assocadr. tem julgado to&H terem sa-
tisfeto o disposto no art. 44 e 2 do mesmo,
e por isso espera que todos ho de con parecer ao
lugar j indicado, aflra de gozarem das prorogati-
vas e direils que o respectivo regula ment Ihes
eonfere.
Secretaria da socieda-H dos Artistas Mechanicos
e Liberaes de Pernamboco cm 13 de junho de
186.
Bazilio Barros
________________________Secretario interino.
Agradecimento.
O abaixo assigoado, em consequencia de sen es-
tado de -ande, retirase para Portugal aflm de ver
se meihora, e faltara aos seos deveres seuao agra-
decesse os obsequios que I he tem prestado todos
leira, onde ostrens tem maior demora.
Villa io Cabo 12 de junho de 1865.
G. O. Mann,
Eugenheiroe supenntende interina.
Repartico fiscal.
Reeife 10 le junho de 1865.
O abaixo asslgnado roga aos Srs. passageires,
expeditores ou outras pessoas que liverera rela-
eoes com esta estrada de ferro, o favor de traze-
rera ao sea conhecimento as irregularidades oa
faltas de Xoda ordem commettidas no servico da
mesma estrada e de que tiverem scencia. Previ-
ne igualmente aquelles senhores que poderaeap-l
pellar para o abaixo assigoado ou directamente
para o presidente da provincia das decisSes profe-
ridas pela administrarlo desta estrada de ferro so -
bre quaesquer reclamares.
Para os fins cima indicados se encontrar o
abaixo assigoado ou o seu ajudante o Sr. Dr. Car-
oeiro da Rocha na repartico fiscal, onde podero
tambem os reclamantes escrever as suas queixas
em um livro para isto destinado.
M. Buarque de Macedo,
Engenhelro fiscal. ____
CLUB PEWVHBiaNO
A partida do mez de junho ter lugar na
noite do dia 21.______________________
O abaixo a>slgnado previne a lodos os fre-
guezes do estabelecimento de molhados que tem
gyrado na razo social de Davym & Cavalcanti de WL I *W i l
tao pagarem senoao abaixo assigoado, visto que gj, 1(1^ f.l
seu socio Antonio Bezerra Cavalcanti, tendosahido ^^
para o nprte cobranfa no dia 12 de maio proxi- 0 an]ar da casada rua do Quemado n. 29, pro-
mo passado, at o presente nao regressou nem ala- 0 escriplorio de advogado : a Uatar na
dasequer sedgnou dar noticias suas, apezar de do mesmo
ter-lhe o abaixo assignado escripto por diversas _i------_..------------------------.------------------
vezes para voltar ou remoller as mandas recebi- Alugam se dous grandes sobrados com com-
das para occorrer aos empenhos da referida firma, modos para numerosa familia, novos e acetados,
por cuja falta e da retirada que fez sem duplcala : m jardim, cocheira, estnbaria e outras commo-
de seu capital, se acha em estado de nao poder didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira :
proseguir em suas transaegoes. Reeife, 10 de ju- a tratar na rua da Senzala Nova n. 42.
nho de 1865.
Jos Lopes Davym,
SOCIEDADE
l'nio Benefceute Narima.
Por ordem do Sr. presidente sao convidados to-
dos os senhores socios a se reuoirem em assembla
geral no dia quinla-feira 15 do crreme, as 10 ho-
ras da manhaa, na sala de suas sessoes, aflm de se
proceder a eleicao para a nova adminislraeao, con-
forme marca o art. 39 dos estatutos.
Secretaria dasociedade Uoio Beneficenle Mari-
tima 9 de junho de 1865.
Joao Rodrigues Bandeira
2o secretario.
Jos Maicelino Al ves da FoDseca declara ao
c V., l.j>..ia d* rna iln nFASPA 1ao no ju*BO <^om
ptente, para onde vai levar a S. S., responder
ao seu annuncio publicado nesle Diario.
Nos abaixo assignados participamos ao respeita-
vel publico e principalmente ao corpo do commer
co, que lizemos sociedade no deposito
Pilar, em Fra de Portas n. 76, que
hoje em diante debaixo da firma de
Correia & C, e para a mesma sociedade eotrou o
socio Joaquim Jos d Silva -autos com o capital
de 1:2805220, quantia esta por qoanto foi arrema-
tado o mesmo depo.-ito, como consta da conta dada
Vende-se ama negr nha de 10 annos, muito
esperta e sadia : no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 8. _____________
Farintia de mandioca : tem para vender Au
tonio Luz de Olveira Azevedo & C., no sea es-
criptorio rua da Cruz n. 1.
Xovena de IVossa Senhora do
Carato e de Waul' Anna.
Vende-se na rua do Imperador n. 15, cfflcina
de encadernacao : o offlcio, salve e versos, nove-
na e salve de Nossa Senbora do Carmn, tres fo-
Ihetos por 500 rs.ea novena de Sant'Anna por
320 rs.
%;tiK\iots
confeitadas : oa roa do Rangel a 43.
Vendem-se 8 vaeds, sendo 3 parldaVde"pou-
co e 2 sotteiras : a tratar na roa Imperial n. 27.
1:800*000. "
Vende-e ama typographia com todos os utenci-
lios e prepares necessarios publicaco de urna
folha de pequeo formato, e impressoes commer-
ciaes: a tratar na mesma typographia, no porto
de Tamandar da comarca do Rio-Pormoso, oa na
ponte dos Carvalhcs com o conductor Flix Ramos
Leulier.
Millio 4#500 "
Farello 4^000
Na roa larga do Rosario n. 50, taberna da ee
quina.
Vendem-se ?
machinas americanas de serrote para descarocar
algodo : na roa da Senzala .Nova n. 42.
Vende-se
da rua do na raa das c,rxaes a. 23 janeo e palha, mais bara-
gyrara de
Bento Jos
LOJA DO BEIJA FLOR
Na raa do Qucimado n. 63.
Tendo recebido um son ment de none-
cas de choro, que chamam papal e mamSi,
com cabelleira de cachos.
Tendo recebido um variado sortimento de
brinquedos para meninos, sendo espadas,
to do que em outra qoalqaer parte. espingardas, pistolas, tambores ; ditos
Na rua da Iraperatriz n. 15, segando andar, para meninas : apparelhos de alinoro e de
para todo o servico de jantar de porcelana e de metal, porta-licor
e faquinhas a 280 rs. o par ; e n3o qtieren-
Reeife 6 de junho de 1865. | bom.
Bento Jos Correia.
Joaquim Jos da Silva Santos.
vende-se orna escrava boa para todo
urna casa de familia. Na mesma casa compra-se
um moleque para copeiro, e paga-se bem sendo
do continuar, vende mais barato do que em
- Vinho do Porto superior em caixa ce duzia, outj*.a qualquer parte.
PARA
W AVIO AM 0\IO E
AO tIO tO
Vendem se sones muito bem feitas e de
papel muito bom IJ o cento : na rua das
se
Ruada venzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fundidlo de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e meias moendas para engenho. Cruzesn.il, taberna da porta larga.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios V carro para um e dous cavallos.
Relogios de owro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.__________^__
Perdeu-se uns papis com o ttulo de Asso-
ciacao Protectora, com um recibo as costas, per-
tencente a Felicissimo de Azevedo Mello : pede-
se a pessoa que achou, a honda le de levar a rua
da Gloria n. 57, quesera recompensado.
Previne-se aos pretendentes a casa terrea
da rua do Hospicio que faz esquine para a rua do
Destino, annunciada por este Diario para estabe-
lecimento de padaria, etc., que tal estabelecimento
nao pode ser all collocado em quanto nao Cor re-
vogado pelo poder competente o art. 4o das postu-
ras addicionaes approvadas pela lei provincial n.
372 de 13 de junho de 1855, o qual designa o bec-
co das Banvras^Soledade e Santo Amaro, parase
poderem estabelecer [ adarias no bairro da Boa-
Vista.
de
se
tem para vender Antonio Luiz deOliveira Azeve- Vende-se tiras bordadas de differentes
Na praca da Independencia n. 33, loja de oarr Samuel P\\er Jtllisloil A Couipaillliil o & c no seu e^riptorio roa da Cruz n. 1. largurasa \&, e babados, collar inhos e pu-
" nhos para senhora, bordados e abertos
renda e lisos, os mais modernos que
podem encontrar.
Vende-se 15a para bordar, de diversas
qualidades e de cores claras a 7$ a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda a 20500,
ditos brancosde diversos tamanhos, caixinhas
para estojos de navaihas,
Vende-se pentes de alisar com costas de
metal a 1$, ditos de differenles qualidades,
lindas gravalinhas para senhora de differen-
tes gostos.
Colhere de metal principe.
Vende-se colheres de metal principe para
tirar soupa a 2$, ditas para cha a 2^300,
ditas para soupa a 43200 a duzia: nesta
e va-
de faiendas
MadapolSes muito finos, peca de 24 jardas, por
i e 75, sahe a arda por 250 e 290 rs., algodo-
zinho, peca de 20 jardas, por 25700 e 45, a jarda
por 135 ou 200 rs., chitas francezas a 240 rs., pe-
cas de cassas pa*a cortinados a 15800 : na loja
do barato, rua da Madre de Dos n. 16, defronle loja se encontrar sempre um grande
da guarda da alfandega.
Gaz,
\z
gar, ga
A ll800a latarom 26 a 27 garrafas, e 480 a
garrafa, vinho puro da Figueira, e verde especial a
500 rs. a garrafa, e 35500 a caada, verdadeiro
Porto a 800 rs., superior caf a 75200 a arroba, e
240 rs. a libra : s na rua Direita n. 91, esquina |
do beceo do Serigado. I
Vendem-se tres moradinhas de casas no bec-
CO do Marisco os. 26, 36 e 38, as quaes reodem
263 mensaes : a tratar no pateo do Carino n. 7,
segundo andar.
riado sortimento de miudezas: rua do Quei-
mado n. 63, loja do beija-ilor.
FUMIGO D0B0W-
COffiPRAS.
lia! oes
Precisa-se de um bom forneiro para a po-
voaco de Trombeta ; d-se 50$ mensaes : diri-
a-se a rua Direita, botica do Sr. Paranhos para
ratar.
Precisase de urna ama que saiba cosinhar e
engommar : na rua da Palma n. 41, taberna.
BOLOS
Na rua de Santa Rita n. 10 fazera-se bolos para
S. Joo de toaas as qualidades e com perfeicao, as-
sim como pastis de nata, pudins, e preparam-se
bandejas de bolinhos muito delicados para cha :
; quem de tudo isto precisar, procure a sobredita
casa, que achara cora quem tratar, e pelo prego
; mais barato do que era outra (joalquRr pArto ,
Precisa-se alugar uT?a escrava de boa
conducta que entenda bem de costura een-
gomoiado, paga-se bem agradando os seus
servicos: a tratar na G punga porto do La-
cerrecasa dolado direito que tem a cornija
de arcos.
Compra-se effectivamente o
i oras velhas, pagando-se bem
Rosario n. 24, loja de ourlves.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos de ambos os sexos :
raa do Imperador n. 79, terceiro andar.
A loja de calungas na rua do Rangel
ba de receber um completo sertimento
n. 24 aca-
nrat' em *"* uc |cucuc| u|u ^"uim,ciu bomiuhhhu de baleo
na rua larea do ^e todas as rores para os feslt'Js e S. Joo, Sants
i Antnnm a s PoHm vendem-se auilo barato.
Antonio e S. Pedro
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Compram-se libras sterllnas
praca da Independencia, loja n. 22.
O abaixo assignado declara pelo presente
todas aquellas pessoas a quem o abaixo assignado
deu dinheiro por emprestimo sobre letras e outros
ttulos, que, se com a maior brevidade nao os vie-
rem resgatar, serem assionados, e isto sem reserva
de pessoa alguma.
Antonio de Farias Brandao Cordeiro.
J. Kenzer avisa ao Illm. Sr. solicitador Pe-
dro A. da Costa Machado, que pode ser procurado
na rua do Rrum n. 34, primeiro andar, ou na es
la rao de Una.
-ODrT
Jio Pedro Maduro da Fonseca tpm Bi8B[i]
convencionado de accordo com o Sr. Honorato W****'
Caetano deAbreu socio na lerga parte da botica A Iiltti na rua uo Imperador o. 38, vende-la ao Sr. An to ** tvttM'
nio de Souza e Silva, cuja venda fazem brando a ara sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
holica li vre e desembaracada para os comprado- sas, urna a em que morn o fallecido Thomaz de
res, e somonte obrigada aos pagamentos do preco Aquino Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
mmmmmm mmmm mmmi
O bacharel Lourenco Avelino de Albu-
: querque Mello continua a ter seu escrip- *
)P( tono de advogado nos auditorios e tribu ]
^m naes desta cidade : na rua do Imperador. >
9 n. 40.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas : na rua da Cadeia do Reeife,
loja de ourives no arco da Conceicao.____________
Compra-se om eyliedro propria de padaria,
anda que seja usado, com tanto que esleja cm bom
estado; assim como vende-se urna rarroca e um
boi: quem pretender vender urna e comprar outra
consa, dirija se a loja de ferragens n. 4 da rua do
Queimado.
Ttjlos
Quem tiver para vender 30 ou 40 milheiros de
I lijlos de alvenria grossa das olarias do Monteiro,
\ ou que seja feito com barro de agua doce, appareca
: para tratar, rua Imperial n. 164, ou rua do
Brum no Recile n. 57, isto com brevidade.
No caes do Apollo armazem n. 55,
compram-se dnas escravas mogas que sai-
ba m cosinhar eengomman.
da compra.
A peesoa que Ihe faltar dous saceos com ar-
roz de casca, dirija se ao pateo do Tere) n. 32, que
p^u^iade S^dS* !^ ?"?Ito Serao fr*** and0
sens amigos, com
o Illm. Sr. Mmoel Joaquim R beiro e toda a sua i
Exm* familia.
Luiz Jos Gon calves da'Costa.
annuncio e carreto.
%
ISO
O abaixo assignado roga as autoridades poli-'
cines, aos empreados das barcas de vjgias, das
estacoes da estrada de Ierro, e mais pessoas, de
mandarem prender ao meu escravo, com os sig-
naes abaixo declarados, que fazendo-me um roubo
fngira de meu sitio da estrada do Arraial no dia
12 de junho de 1865. Simao, prcto, de j 30 annos |
de idade, Benguella, estatura ordinaria, secco, fei-
coes de macac carrancudo, embraga-e muito,
tem faltas de dei.tes na frente da parte ne cima,
vestido de calca deazulo, camisa de algpdozinho
branco, chapeo da palna de carnauba, asa de um
balaio da me?ma palha com aza de enfiar no bra-
co, contendo am cobertor grande de laa,l com lis-
iras encarnadas as beiras, calcas de algodaozmho
branco e de brim branco trancado, e chapeo de I
feltro ; e por isso de suppdr que mude de rou- i
pas. J fez outra fgida, que foi preso em um
comboy, na estrada de Goi.mna, Indo para Campi-
a Grande da povo.^cao da Parahiba. Foi escravo
do engeaho den ominado d'Agua do termo de Igua-
rass, do finado Ilenrique Poppe Giro, e hoje do
Sr. Dr. Francisco Joao Carneiro da Cunha. Pro-
testo proced-r contra quera o tiver azilado : quem
o pegar poder leva lo minha olaria a. 13, na
rua do Moodego da freguezia da Boa-Vista da ci-
dade do Reeife, ou na cadeia, que pagarei o tra-
balbo e despezas.
Marcelino Jos Lopes.
Desappareceu da campia de Santo Amaro
um cavallo alazao, magro, com sarnas as ancas :
quem o tiver achado le ve-o ao sobrado junto ao
cemitero inglez, quesera reromp-osado, j
Qaem precisar da um hornera para coziohei-
ro, feitor ou criado, para casa estrangeira on bra-
silera, pois o qual se acha habilitado para qual-
quer urna das coasas ae ima, pode procurar na rua
da Roda n. 48.
a mi pra logar.
Aluga-se urna escrava moca que cose, eoiinha e
engomma, para o servico interno de casa. de fami-
lia : quem precisar dirjase em Santo Amaro ao
I O Dr. Cosme de S Pereira conti-
[ na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
; rado para o exercicio de sua profis-
i sao medica, e com especialidade
sobre q seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos org5os geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
o examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
c5o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
s
s
s
do todas as accommodacoes precisas, e outra com
boas commodidades para qualquer familia : na
rua do Vgaro n. 19, primeiro andar.
i Aluga se urna sala do primeiro andar da rua
do Queimado n. 41 : a tratar na mesma.
Precisa se de urna ama para casa de duas
pesseas para eozinhar: na roa da Penha n. 23,
I primeiro andar.
Aluga-se na Passagem da Magdalena, rua do
. Henifica, os sobrados ns. 7 e 9, cora bons commo-
| dos para familia : trata-se na rua do Trapiche
numero 4.
Compra-se ama casa terrea com quintal bas-
tante grande, mas que seja perto da praca, sendo
de 1:000^ : quem tiver annunce.
Comprase urna carnea para cavallo, com
seus competentes arreios : na rua da Cruz n. 66,
VENDAS.
Aiuda se precisa de urna ama para eozi-
nhar e engommar para tres pessoas : na
rua das Crnzes n. 37, sendo pessoa mori-
gerada e que se possa entregar ama casa.
m
iNa rua das Trincheras n. 48, primeiro an-
dar, deseja-se fallar aos Srs. Dr. Antonio Pinto
da Rocha, Francisco de Paula Cavalcanti Wander-
ley Llns, Jos Francisco Graciano, Lourenco de
Carvallo de Araujo Cavalcanti,Jos Francisco Mar-
tins de Almeida, a negocio que nao ignoram.
Na roa da Im;-eratriz n. 9, segundo andar,
precisa-se alugar um cozinheiro para o servico de
ponca familia.
Vende-se esta linda collecco de sortes,
reunidas era um pequeo volme, cora 25
assumplos, e mais 59 novas charadas, pelo
diminuto preco de 1$ cada exemplar enca-
dernado : na praca da Independencia ns. 6
e 8^_________________________________
Aos Srs. acadmicos.
Vendem-se os seguinles livros quasi no-
vos : Manuel de droit romain por Mackel
d-y, i volme, por 6(J00i.; Diccionaire
du conlenlieux commercial por Mass, 1
volume por 60(00; La femme por naa-
Rna da IBrum numero 38.
Nesle estabclecimento acham-se venda os se-
guinles objectos, lodos da primeira qualidade, e
construidos especialmente para esta casa, pelos
mais acreditados fabricantes inglezes :
Machinas a vapor de 2 1|2 a 8 cavallos, cora
moendas, juntas e sem ellas; e tambera propras
para descarocaraento de algodo, afamadas pela
fortdo, simplicidade e economa em combnstivel,
e por nao precisar de obra qualquer para sea as-
senta ment.
Rodas d'agua de ferro, systema mui proveitoso
da forca d'agua.
Rodas de espora, e angulares, e de esquadnlha
para animaes.
Moendas e meia-moondas.
Taixas de ferro batido e fundido, e de cobre.
Machinas para descarocar algodo, systema
Platt, cera os ltimos melhoramentos.
Boceas e envos de patente para fornalhas, dimi-
nuindo muito o gasto do combustivel.
Machinas e machinismos para moer mandioca,
movidas a vapor, agua ou cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para coser fa-
rinha.
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fuos e portatils.
Prensas para copiar cartas.
Rodas para carro de engenho com eixos e man-
gas de patente.
Formas de ferro batido galvanizado para purgar.
Serras de ac e armacoes de serrara.
Arados de ferro singelos e dobrad>s, grades para
cubrir cauna, enxadas a cavallo, e outros instru-
mentos de agriculinra.
Na rua do Queimado, loja de ferragens n. 4
eende-se muito em conta um par de venezianas.
Rival sem segundo
Rua do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
---------- & Azevedo Mala e Silva esta disposto a vender mui-
to barato que admira, pois seus fregnezes ja esto
Antonio '' sc'"Ies 1ue nao na segundo competidor.
Pegas de cordo para vestidos a 20 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Duzias de facas e garfos a 2400.
Ditas de cabo preto cravado a 35000.
Barlhos francezes muito finos a 200 e 240 rs.
Na rua da Cadeia do Recie n. 5, vendem-se Gr"zas de bol5cs de louca a 160 e 200 rs.
.enfeites Mara Pa, e esparlilhos preguigoso, Canas com soldados de chumbo a 120 e 200 rs.
sao os mais modernos que lem vindo ao mercado. Bunecos de choro pequeos a 160 rs.
-Vende-se na rua do V.garion. 8 um bom es" l^^^^^^fSi ""
SSiSr Cr Pre'a' mU, Sad 6 PrPi 0 Para agr" SS de colEes farl !$* WW.
Na rua da Imperatriz n.
candieiros a gaz pelo diminuto preco de h$>, 23 e
15500 cheguem antes, qae se acabem que nao ha
pechincha to boa.
Chegaram os superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, vndos pelo
ultimo vapor frncez : na loja das columnas a rua
_____________ do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
a !'400 : na cellos A_C.___________
Vcnde-se um escravo idade 25 annos insigne
offlcial de carpina e bon>ta figura : na travessa op
Carmo n. I.
Vende-se vinho verde muito superior a 500
rs. a garrafa: na taberna do Pimenta, rua do A-
morim n. 36.
Fio Vendefse no escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, rua da Cruz n. i.
SAL DO ASSJT ~
A bordo do brigue escuna nacional Graciosa :
vende-se na rua da Cruz n. 23, escriptorio.
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem transplantadas: no sitio murado es-
querda, depois do beccj do Espinheiro, nos Af-
flictos. _________________
Vende-se vinho de caj a 500 rs. a garrafa
na rua Augusta n. 76.
Attencao.
Vendem-se eslalos para sortes de Santo
e S. Joo a 60 rs- a duzia : na lvraria universal,'
rua do Imperador n. 54.
Na padaria da roa Direita n. 84 ha para ven-
dercylindros americanos para padaria, chegados
ha poucos dias.
, Ditas de metal principe de cha a 2J000.
2 vend m-se bons Ditas para sopa a 45000.
Trastes cora uso.
Vende-se I sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
- Far.nha de mandioca fina e al va, mais har-1 fitJLL'Tkki-ST!! ,ameri<,anas.. *
do que em qualquer. parte,_arroz _d_ Ierra, piU. i ^^^f^^^tS?:
quera pretender dirjase a rua das Cinco Pontas
n. 140 defronte da estaco.
ta
do e em conta : para ver e tratar, na rua do Vi-
gario, casa n. 29.
Grande sortimento de roupas feitas de to-
das asqualidades,
Calcas de casemira a 65 e 75300, ditas pretas a
63 e 85, calcas de ganga a 23 ,15800 e 15600,
ditas brancas a 23, brim de linho a 35, 35300 e
45, paletots do alpaca branca a 45500, ditos pretos
a 35 e 35500, ditos de alpaca de cordo a 45. e
de listra de seda a *3500, duos sobrecasacos a 55,
paletots de casemira a 53, 55500, 65. 5 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a I?5, 15 e 165, dos fl-
Vende-se um negro de 40 annos, pouco mais
ou menos, bom offlcial de carapina : no escripto-
rio da praca do Corpo Santo n. 4.
mu exposF
, ~~ ,*,,.....* pu, u* anossonrecasacfs pretos a i?0, 10 e tu*, anos n- .i j,A: j_ 1 ..
dama A Segalas, l volume, com estampas nos a.255, de cores a 135. ditos fraques a 145,,fle 2.ooo c-inaieiros de gaz coloridos,
finas por 50000; OEuvres de Bocine, 1
I vi lume, com estampas finas por 6#0< 0;
OEuvres choisis de Buffon, i volume, com
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditos de brim
pardo a 35, jaqueides de brim pardo a 35, 1 armo
preto fino a 25. 256r:fj. 35500 5$. 45300 5 e 65 o
covado, moreantique preto a 25600 o covado, gros
Francisco Antonio Cabral de Mello, Brasilei-
ro, vai a Europa, levando em sua companhia um
sea filho de menor idade.
Quem precisar de urna criada para servico
interior de ama casa, dirjase a rua Direita n. 17,
que se indicara'.
Ma,
Precisase de ama ama qae saiba mai-
to bem cosinhar e faca compras para
trajar de urna casa de pouca familia : na
rna'da Cadeia do Reeife n. 38, prlmeiro
andar.
sobrado junto ao cemiterioinglez.
Perdeu-se no dia 12 do correte, desde a raa
do Livramento at a raa das Flores, urna letra da
quantia de 515, vencida em 4 de julho do anno
prximo passado, sacada por Jjs Dias da Silva
Guiraares, e aceita por Luiz Bento de Vasconcel-
os, morador nesta cidade : qaem achoo, queren -
do restta-la. pode entrega-la ao sacador, na rua
do Livramento, loja n. 18, pois so a quem pode
ser til a referida letra por j estar prevenido o
aceitante.
Precisa-se de am pequeo dos u'tltjos che-
gados : no pateo do Terco n. 141.
gica.
Na rua Nova n. 1 i, ha para venderse
Sum apparelho de magieas proprio para
alguem que deseje ganhar dinheiro, tra-
balhando fora da cidade, oa mesmo para
i divertimento de salo. Na mesma casa |
8" dao-se todas as explicaedes necessarias 9
ao trabalho do mesmo apparelho a pessoa al
que o comprar.
mmmmmmmmmmmmmm
Matriz de Sanio Antonio.
A meza regedora da irmandade do SS. Sacra-
mento da matriz de Santo Antonio roga aos vis!
nhos da referida igreja, sirvam-se ornar as frentes
de suas casas durante o dia da (esta, que (era lugar
a 15 do correte, e de illuxioa-las durante a noite I qner negocio por ser boa loeaiade e ter con mo
desse dia e da vespera._________________________ | dos para familia : a tratar na raa da Matriz da
O abaixo assignado dexou de er caixeiro do* I &*** R- 54-_________________ .__________
Srs. Manoel Francisco dos Santos e Siix, curador I Deseja-se contratar, mediante boa gratifica-
de Antonio Jos Dias, desde o dia 2 de jucho de co, algoun seahora nacional 011 e-traogeira, nao
1865. Ao mesmo lempo agradece o bom trartanento
que receben do mesmo Silva e de sua xe* fa-
milia. Reeife 12 de junho de 1865.
Saqnes.
Saca-se sobre a prata da Baha: no largo do estampas finas, por 4(5000 ;' Cdigo de ere- denapl preto a 15500,15800, 25, 25200 e'25500
Corpo Santo, escriptorio de Jos Mara Palmeira. dito predial, l volume, por l#0u ; Flores covado ; e outras murtas mais (agendas que se
- Offercce-se para caixeiro de armazem ou es- singelas, poesas por Paes d'Andrade, i vo-! de,xa d.e annanciar> e manda-se levar pelos caixei-
cr.ptorio um rapat portuguez, com boa letra e que |ume, por U; A velhice de Camdes, ronan- rS Ja
da fiador a sua conducta : a tratar no argo do v-in.imn nn.ainn j
chafariz da ruado Brum n. 47. ce Por Trigueiros, por 20000 ; La vtedes
------_ samls, i volume, por i&iOd; Economiepo-
para alagar ntiqUe> por Garnier, i volume, por 2;
Begras da escripturaco mercantil, por Go-
mes Jnior, l volume, por 20500; Organi-
sation |rf travail, por Louis Blanc, 1 volu-
me, por i iJOO ; L'Epiphaie, pelo padra
Ventura, i volume, por 10000; Lejmdt-
nier des salons, 1 volume, por 640 rs.: na
rua do Cabug n. 2 A, loja.
Na rua do Livramento n. 19 ha
nm criado escravo, e 1 moleque._______
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
caixas filiaes : na praca da Independencia n. 22
mmmmmmmmWi,mmmmm
i 4MA I
casa dos pretendentes. O
e tabelecimento est aberto at as 9 horas da noite,
rua da Imperatriz n. 56, Mondes Guimaraes.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
0 a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e rua do Trapiche Nevn. 8.
Chronoiiu tro ing'ez.
Vende-se um, e alicea se que bom regulador|:
na rua da Matriz da Boa-Vista n. 4.
ATTENCAO
Alaga se a casa da raa do Hospicio qae faz qui-
na para a rua do Destino, propria para qualquer
es tabelecimento, taberna, padaria oa oulro qual-
OM\l>%
Vende-se ama taberna com poucos fundos, na
rua da Boa-Hora, em Olinda, ara dos melhores lu-
gares: a tratar com o mesmo dono na dita taberna.
VeBde se urna taberna em Olinda, rua de S.
Bento n. 12, eora poucos fondos, propria para prin-
cipiante ou pessoa qae tenha familia, faz-se qual-
quer negocio : a tratar na mesma, oa na rua es-
trella do Rosario a. i._________________________
- Vende-se ta bonito escravo com 22 annos
de idade : no pateo do Terco o. 141. _____
A enco
Franeisco Go-nes de Pioho.
Na bem coobecida casa da cabocla do pateo da
muito moca, e qte lenha as preeisas nab.litacoes J*en.h* V"\ *eBj!L9"P-a-da,nente ma5a
para em um engento ensioar a algamas prime.ras para fazer bolos com mato perfeicao.___________
lelrw^francez e piano; a tratar na roa da Aurora! Vendem-se dous balrSes e oa gaarla-louca
0. 74, <$uDd? andar, de amareilo : na rua da Boda d, 6,
Confeitaria dos ananazes.
Raa da Crnz n. 16.
Acaba de chegar a esie novo estabelecmenlo um
lindo sortimento de 1 icas caixinhas, para amen-
doas, proprias para presente; ha amendoas boas e
. boas pastilhas, etc., etc., para enchemenlos das
; mesmas, tambem se vende papis de estalo para
(sortes, prepara-so pao de 16 enfeitados, Gatheans
I de diversas qualidades, simples e enfeitados, rece-
be-se encommendas de tudo quanto concernente
a este negocio.
Attencao.
Manteiga ngleza a 15000 a libra, garrafoes de 5
garrafas com vinagre a 15500, barris de azeitona
1 nova a 15500 : na raa da concordia n. 33.
cora globos decryslal e delicadas
gravaras, novo gosto, Gogindo lan-
ternas, por todo o preco, cima da
factor*, no armazei da rna da
Imperatriz n. 22.
O propretario deste importante estabelecmenlo,
tendo muito breve de retirarse para a Europa, re-
sol ven fazer ama lquldacao a dinheiro vista por
lodo o prego, contentando se somente com ama ne-
qnena porcentagem cima do casto da factura. Es-
pera que o respeilavel publico o coadjuve com sua
presenca a honrar seu e.-tabelecimento e admira-
ren) os precos de semelhantes objectos de candiei-
ros de gaz.
Rival sem segundo
Ruado Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
4 Azevedo Maia e Silva, esta queraando que ad-
mira, a saber :
Frascos com superior binhaa 200,'240 e 500 rs.
Latas com snperior banha a 200 rs.
Frascos com superior agua de Colonia a 120 e
100 rs.
Francos com superior oleo de baboza a 240, 320
400 rs. *
Garrafas da verdadeira agua Florida a 15280.
Frascos de superior oleo da sociedade Higieniqua
a 640 rs.
Frascos de superiores cheiros santal e outros moi-
tos a 15000.
Saboneles de familia a 210 e 200 rs.
Saboneles de superior qualidades a 60,120el60rs.
Caixas cora 12 frascos de cheiros muito finos a
15100.
Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a 900 r?.
Paos de pomada franre?.a grandes a 500 rs.
Saboneles de bolla pequeos e grandes a 240 e
320 rs.
Frascos com superior opiata a 800 rs.
Frascos com soperior agua para denles a 15000.
ILEGTVL


Diarte NMkkUl Ojiarla letra 14 dr Ahm
>

LIGA.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
UIUI IHDH^A 3)1 SI MHUBirH
AO
RESPEITAYEL PUBLICO.
A apreciacato dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua max'ra-i parte mandados vir directamente de estrang iro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo-e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranza de qoe
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1." Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharo nesta
oasa os melhores queijos lonlrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qulidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquellos que sao pouco favorecidos da sorte farSo mensalmente urna economa de
omitas patacas, afreguezaodo-se nesta casa, onde se lhes vender e arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, ele, ele de boa qulidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, elo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os sensor s que compram para tornar a vender existe um sortimento < spe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agr Jar aos senhore-
compradores.
Nao se tea poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA!
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada
urna.
K
KIRSCH de Wasser a U a garrafa.
JL
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letiua a 400 rs. a libra.
H
MANTEIGA ingleza e franceza de .primeira
qulidade a 1$, 1120 e i5280,' em bar-
ril se Su grande abatnente; a que ven-
demos por lf)t0 a lib a, vende-se era
outra qualquer casa por 10400 e 1^500.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6('0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Moluonglez de todas as quadades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a ., .
Massas tinas para sopa branca e a mar el la a
60 rs. a libra, em>caixas com 9 libras a
30300.
Milu patojo e alpista, sendo mais de 8 li-
bras a i no rs.
NOZES a 120 rs. a libra.
Nabos em latas a 800 m.
AS PUBLICO
en o menor eenstraa-
glmento se entregar
importe do genero que
io agradar.
ATTENCO
O precos da seguate
tabella para todoa, po-
de ndo asalm servir de ba-
se para o ajaste de eentas
com os portadores.
ARMAZEM UNIO
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da ConceleSo)
PARA BEM DE TODOS.
Senhores * reza com que sero tratado^eonvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem dnvida me darSo a proteceo e preferencia na com-
pra dos eeneros que precisare e quando nao possam vir poderSo mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos,
noisserSo o bem servidos como seviessem pessoalmente, bavendo para com estes toda recommendac3o, afim de que nSo v3o em
ALP4STA a i20rs. a libra.
dem e paince de oito libras para cima a
100 rs.
Arroz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Aveixas a 2i0 rs. a libra.
Ameixas francezas em latas de todos os l-
mannos.
dem idera em potes de todos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em irascos de todos os 4ama-
nbos.
Azeite doce de primeira qulidade a 860 rs.
a garrafa.
Autos a 200 -re. o molho.
Absyntho a 2$0OU a garrafa.

BOLACHLVfJAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 2O00 a lata, e
de cinco para cima a I 800.
dem de so la em latas grandes a 2>000 e
de cinco para cima a (300.
Biscgitos mglezes de todas as quadades a
i 200, MoOe 1(5300.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
urna.
Batatas inglezas.
Banha de parco irefinada.
C
CHOCOLATE fraacez a 700 e 800j-s. a li-
bra, e eia porco a 600 e 700 rs.
dem suisso a 1 a libra.
dem de musgo a 4500 a libra.
Ciiouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 2i0 e 260 rs. a libra, e em porcato
se far abatimento.
dem de primeira gualidade a 7O0 a ar-
roba.
Conservas em fiascos a 320 rs. cadanrn,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes".
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchata, etc., etc.
-Chicaras e pires a i #800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500rs.
a garrafa, e eia Uzia se faz grande aba-
timento.
Jdera Victoria Bas tres'X e de outras marcas.
i.haRtUtos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam : Normas d'Wavana, Exposiclo,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, liegalia, Mississipes,
Panetellos. Aprazivds. Caretas, Brasilei-
ros, Americanos, Flumisenses.
Cn'A de todas as qualidaiese de todos os
precos, hysson, busim, aljfar, preto, e
preto poata branca, ele, .etc., a 20000,
252 0,2)51560 e 20800.
Copos lisos de todos os tamanhos de 120 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamaahos a du-
zia a 205,00, 35300, 44 e 5#.
Caucos ,de todos os tamanhos.
Cognac superior a U e 1(51500 rs. a garrafa.
Cigarbos do Bio, pardos, a 80 rs. o maco,
de cinco macinbos.
O
DOCES de todas as quadades: brasileiros,
portugueses, ioglezes, francezes, etc. ele
B
ERVILIIAS seceas a 120 rs. a libra.
eevADOCE a 400 rs. a libra.
V
FAtUNHA S S S de 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
dem de araruta a 320, 400,500 e 8 '0 n.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feuao verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fumo do Rio a 500 rs. a libra.
dem americano em latas a 20.
Farello ha sempre era deposito de 500 a
800 saceos, de todas as quadades, de to-
dos os tamanhos e de todos os precos.
GOMMA a 50 rs. a libra.
dem a 140 rs. a libra, muito alva.
Grao de bico a 120 rs. a libra, e em porcao
se faz grande abatimento.
Gemebra de Jaranja verdadera a IjjOOO o
frasco,
dem idem a 700 rs. o frasco.
dem de Hollanda em frascos e botijas.
Ira parle.
MiMeiga ingleza especalo ente escullida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qulidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito prprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qulidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e.favas portnguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo,
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores quadades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo. a caixa e 64o. e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
con la certa.
Frasqueirasde senetora-de Hollanda a fi,8oo
e 64o rs, o frasco.
Genebra de laranja verdadera em frascos
I grandes a l.ooo el1,ooors. a frasqueira. /Conservas inglezas a
Alelna, macarrSo e talharim a 4oo rs. a li- Sal refinado em frascos de vidro com tamna
bra e u.ooo a caixa. do mesmo, a 5oo rs.
Massa para sopa: eslrelinha, pevide e rodi- Cerveja branca das marcas mais acreditadas
nha branca ouamarella a 64o rs.a libra e que em ao mercado, a 5oo, 56o
3,5oo a caixa com 8 libras. a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
Vinno ao Porto muito fino proprio para zia.
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a Cevadinha de Franga mulo nova, a 2oo rs.
35,ooo rs. Charutos do aflamado fabricante Jos Fui ta-
Vinho empipa: Porto, Fgueira e Lisboa a -do de Simas, das seguintes quadades:
320, ioo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quli-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caxas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca.Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,000 e lo,oooacaixacom I duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qulidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a |
ExposicoNormal de H.vana, Impeiiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, inter\allos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5(0 e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores a arcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata erm
4 libras.
Farinha de araruta verdadera a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grande?e novas
a 1,8oo o cento e 1,2oo solas.
Fazendas baratissmas.
S Guimaraes k Irma veide :
llua da Imperanii u. 72.
Chitas percallas claras e escuras muito finas
a 240e 24t)rs.o covado.
S Guiujrrs d Irmao Teode
Brelanha de rolo mulo superior com SO
Vras 3(5 a pe^*.
S (liii'ai es Irmo rend
Cassa organdys a 240 rs uita franceza
muito tina a 300 e 4< O rs. u covado.
S uiniaii d Irmao Mide
MadapoUo infestado com 12 jardas ituilo
lino a ::)oOO e 4,5 a peca.
S-Gtiinurrs & limar tmIc
Hhales de mei no eslampados e coloridos a
2,50(0.
S Cuimaifs & Irmao unde
Baloes ameiicai.os para senboras efmiiras
a 30.
S fii:;m;rf(s linio wm'e
Sdiumbarques de ISaziutia ricmcrie enfei-
lados a fie <:.
S (lii'ir.aiaff <& IrmSo pi.ilc
Cndiraias lisas lrac."p;^rentes mu lo f-ras a
'Sfi.i e5EO a peca.
S Giimarrs & .Irmo reede
Casimiras escuras e claras a 2f>8(0 o corle.
S Gi marta A Irmao vrnde
Alg d< zinl.o mi ilo encorpu'o e b(m cem
20 judas a 45(0. ,5 e B800 a ra.
S fiiiirj'.iiff A hmio Trrdo
e 64o Lazinh.i lis.s e de quadiinhi s a -OC o cc-
vado !! e 360, 400 e 500 rs,
;S Guimarits lrra.o Teide
Col na ce ;oc chiniz e doull mo goslo a
2,$V 0.
S Guim.iars hmo vende
Panno de linho muito superior a (4C rs. a
vara.
S Gnimaraes A limito vende
Bnmanle de linho com 10 palmos de lar-
gura a 2|5400 a vara.
S Guimsrfs A limiovinde rapa frita liar; la.
Os frrguizcs rncontraifio ncs'e ttlrbcie-
ciniento simpic um grande -jtmenlo de
roupa ftita de ledas as qualiddes frr me-
nos 20 por ci ido do que un < utra <;i:; ii:< r
paite, iste s nr- grande ai maztin e rien-
das e renpa feita de Gu'marCes IimSo.
Ra da Imperatriz n. 12.
barrica e 320 rs. a libra. :. Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.'-
Bolachinhas de soda em latas de diversas. Toucinho de Lisboa muito novo a32ors.
quadades a l,3oo rs. libra e 8,5oo a" arroba.
Cartoescom bolo francezmuito propriospa- Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezns em fiasco de vidro com
lampa do mesmo, a t&ico.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos
tamanhos com bonitas" estar pas na cai-
xa exterior, a l,4o<\ l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
quadades a 2,5oo e l,5r o o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Buibos, excellente peixe portuguez, em
barrs pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancoreta.
Ostras inglezas e americanas.
PEIXE em posta, latas grandes, a I^lOO. de
todas as quadades, como sejam savel,
goras, corvina, sargo, salmo, pescado e
pescadinha, linguado, sardinha. etc., etc.,
Peras em latas, excellente preparaco.
Palitos para denles a 120 rs. o mac/) muito
grande.
Passas em quarto a ltf.400.
Jdem muito novas a 400 rs. i libra.
Pomada muito nova a 280 .rs. a duzia. -
QUEDOS flamengos.
dem prato a 800 rs. a libra.
dem suissos a 800 rs. a libra.
dem londrinos a 800 rs. a libra.
Quarxmhas ou MouiNQcs a tf), 8fl> e 10r$ o
par.
R
RAPE' Meuron a Itf a libra,
dem Princeza do Rio a l|268 a libra,
dem fraiacez a 2.-5500 a libra.
S
SABAO massa a 160 rs. a bra, em caixa se
faz .abatimento.
Sal refinado em frascos a 560;rs.
Salame de Len a 29.
Sardlvuas de Nantes de todos os fabricantes,
klem de Seiubal em latas muito grandes a
720 rs.
Stearisas a 600 rs. o maco.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a i&ra.
Tomate em latas a COO rs.
Tinta azul e preta para escrever.
VINHOS!!!
Prncipe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Veltio secco a 25 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 1,->50 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 2)5 a garrafa
Duque a 10 e 10500.
Chamissoa 10, 10203 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa; o nico vi-
nho que se pode beber por n3o ter com-
posico alguma.
Lanlerne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 agarrafa.
Absyntho a 20 a garrafa.
Kirsch a 20 a garrafa.
Werraouth a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Grave a 800 rs. a garrafa; vende-se por este
preco por haver sempre em dpposito 50
duzias.
De caj, de 1852, a 10200 a garrafa.
Veho do Porto, em ancoretas de 9 caadas,
a 350000 ; vinho que, estando engarra-
fado, veade-se i J028O e 10500 a garrafa.
Caf do Rio de ta qulidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cearmu'rto superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra,
i Arroz do Maranho de Ia qulidade a loo i Afeito inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2;8o a arroba. de .mesmo, a 16o rs.
Jdem da India a loo rs. a bra e2,8oo a | Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. i a 8o rs. o frasco.
dem de Java a 8o rs. a bra e 2,oo a ar-1 Moslarda franceza em potes j preparada a
I roba. 4oo rs. o frasco.
, Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,ooo a Lentttias francezas, excellente legume para
arroba.. sopa, a 2oo rs. a bra.
MassadetomatesdesperiorquarTdadea64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56ors. a reta-1 10 a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Iho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez Champagne da melhor qulidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
1 Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo j 24, ooo e 26,ooo o gigo.
o gigo com 36 libra'. m Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa soja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
l'ma farr ilia que se relira verde orna iPoMlia
de .marello j usada, inm de costaba, lonja de
almoco e jantar azul, urna me?a de jam; r de ..ma-
rello pes lorniados, mesas prqiunas, ccirir.tdas,
cama de rafal o mulles cutros objertc s o que todo
se vender em eonta : Da ra dos Pires d. fi?.
4T
D
MASSAE XAROPE
E R T H
Preconizados
as Defluxos, a
do peito.
COM CODEINA
or lodos os mdicos contra
Agua florida e torneo
tal de Kemp.
Cootioaa-se a vender em porco e retalho :
oa ra do Qaeimado, (aja d'agui branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na raa doQueimado n.4, acaba
de -receber um novo sortimento decaixiohas com
ebromacomo para Ungir cabellos, e bem assim
frasos com hydrocallelriohioa, agua para desen-
grasar os ditos, coloricomo para lustrar os ditos,
e onyctiromaotina para limpar as unhas. Essa
tintara, cujo effeito rpido e eBcaz, esta beni co-
Bbeoitlf. e apreciada para todos quantos delta tem
usadQ,e dem, assicn como aquelles, dif ir-se manidos de
dinhewoji roa do Queimado, toja d'aguia braaca
numero '.
Papdefolhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'agaia branca, na
ra do Queinado n. 8, um helio sortimento de pa-
pel de eores >para rosas, dito verde para fottias, e
dito tambem verde e mu Uno para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno e aveiludadas
para ditas.
Aspas de halcia para vertidos
Vendem-se na cua do Queimado, loja d'agnia
branca n. 8.
Superiores penas d'aco ingle-
zas e francezas
A aguia branca alto do grande sortimento de
penas d'aco qu eonsUotemente tem, ;caba de
rfeber mais oulro de superior qulidade e dos
afamados fabricantes Perres A C, assim como as
verdadera.' bico de (anea n. 134 e outras de pon-
a dourada, continuando porm a vende-las por
preeo6 eommodos, com tanto que ocompradorcom-
pareca munido de dinheiro : na ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8,.onde tambem achar-se-
ha a venda pa-tas para papeig.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu:
Bonitos e graodps aljofares de cores para voltas.
Pnlseiras de dito* d guaes e agradareis cores.
Voltas pretas maiores e menores todas de conus
grossag.
Pnlceiras pretas tambera de conla?.
Outras de diiTerentes qoalidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Pivelas d'aco grandes e pequeas com cinto pre-
to e de madreperola.
Outras graudes de difireme quadades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leqnes de madreperola redondos e de
outra forma.
Ditos de jndalo intericos e corredizo?.
Capel las brancas para menina?.
ATTENCaO meus senhores
PARA
NOVA C ALIFO
Fazendas baratissmas loja da roa do Crespo n. 17 de Jos Gomos
Villar.
A nova crise commercial permute qne o povo em geral nao possa comprar fazendas
caras. O proprietario deste estabelecimento, amigo que 'do povo em geral. alteodendo a
essas circumstanrias esl vendendo fazendas por presos que na realidade admira.
Correi, bom povo, a este estabelecimento, e comprai faendas, porque all te vende ifc
por menos do que em outra qualquer parte. jfl\v
Cassas organdyzes a S80 rs. o covado. ^
Chitas franceas escuras naliadas a 260 rs o covado. (S-,
Hitas escuras muito finas a 240 o covado. ^
Ditas claras dem a 240 o covado. VV^
Ditas escuras idem a 260 o covado. ^gt
Chitas para coberta muito largas matizadas a 240 o covado. ?ffj&
Madapoloes finos largos a 6,5590, li e 8. U*'
Chales de fil preto moito bons a 10000 cada nm. &.
Chales de merino eslampados a 5,8500, 6 e '&. ^*j
E outras moitas fazendas, que ludo se vender por precos que admiram. (jy5
AZEITE DOCE
p<
Grippa e todas as IrritaeSes
AVISO
Falsificacoes reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Massa de Berth,
nos obrigo a recordar que esses producto?
to justamente'
nomcados nao se
entrogao scnSo em
bocetas e em fras-
cos com a asigna-
tura aqui indicada. *iiw1"iIm*Mjihi
t5l, me Saint-Honor, 5A PHARMACIA no .
luvrb, e cm todas as pharmacias. ^
IIHIIMMMI lili /
Deposito geral em Pernamniuf. iva da
Crnzn.l em caga de Caros & Barbo
PILIXAM VECETiE
DO /
dr. m.
gentes
\zeile doce reflnadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa
da Liga.
"6
no grande armazem
Saceos de 80. fOOe 120 libras a 4jj(, 4jjt5O0 e 55 ; fio grande armazem da Liga.
EMCH\ M IGU
Madapolo muito finocim pequea loque de avaria, pir pr.)co que. admira
($$ *'" frilumoas na ra Jo Crespo n. t'J, de Antonio Correa lu Vasooncallos & C
Nao ha necessidade mais ge-
pal em lodos os paizes do que a
de um purgante que seja ao
mesmo lempo innocente, efficaz
e digno de toda a confiaoca.
As pilulas que ora ofl'eiece-
mos ao publico preeneliem eilas
^^ condices ; pois pdem ser to-
pinadas pelas pessoas mais fracaa
sem perigo algum,-nao leudo em
sua composicao mercurio mm
outro ingrediente nocivo sau-
de, mas sendo composto de a-
vegelaes mui fortes, sao bastante
eficientes e activas para purificar os corpos
i'ii stos.
Estas pilulas explorara e purifican) toda
a extenso do canal alimenticio, e d3o vigor
a todas as partes do organismo, cDrrigindo
sua accao viciada e fazendo recuperar sua
vitalidade-
Um remedio incstimavel contra r de
cabera nervosa, enxaqueca, prisao do nu-
tre, hemorrhoidas, molestias do figadot fe-
ble gastro-hrpatica, e todas as ntollsm
biliosas que teetn sua origetn no entorpo. ,-
ment do figado que causa a escassez da
bilis na iriflammarrie d'esle orgao que pro-
duz derramamento da bilis no estomago cu
em um dcsarranjo geral dos orgaos (ligi.'s-
tives.
% icertcla
produzida pela absorpcao da bilis m
sangue, dando i pelle e aos olhos una cor
amarellenta ; nao smente cTolorosa por
si, porm conduz aos mais serios soffrimcu-
tos.
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas tu-
das as manhaas, isto bastante para mover-
o venlre smenre at que se recupere a ac-
eito saa do systcma.
Mal do- figado, febre OOStrc-hepatica,
diarrhea biliosa, indigestad, a nevralgi
ou tic douleureux, sao todas molestias que
tem seu comeco n'um desarraigo da bilis.
A observaco dos ductos da bilis faz esta
vol er ao sangue, com que circula dtpoii
vem todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie ldu-
meravel i'e males.
Todos estes incommodos sito curados cem
as pilulas do Dr. Ayer.
Direccoes minuciosas acompanbam cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer d- C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTML
15 Ra eircltfa 15
RIO DE JANEIRO.
Vende-se em Pernambuco:
apharmaela franceza de
P.MHRER i C.
RA NOVA *; 18.

I I i I 1 lll I 11'...
ILEGTVEL
4M> rv
*
/


GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
!grs m\mm de holii dos
DE
... MARTE & C.
i I '>ateo ^armo n- 9 armaieffl Progressivo rna do Qncimado b. 7
| l. Unio e Cemmercio ra do Imperador d. 40,
aa Principal armazem de molinillos.
OS PROPRIETARIO.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com cspecialidade aos senhores de en-
gaaos, Iwadoresemaispessoas do centro, que paramis facilitar suas compras deli-
beraram os proprielarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um s annuncio, pelo1 qual o prego de um ser de todos, proraette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os ge teros
por um prego, e na occasio da compra quererem por outro, como socede conslante-
niente em outras multas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
anda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
aero tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos era cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo n3 urna conta
pela qual se ver os pnecos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
i'guma que Gzer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
: por cento na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza perfeitamente flor chegada dem com 4 a 5 ditas a 3^200.
nltimamente no vapor Saladim, de 1$ dem vasios de todos os tamanhos a 2,5000,
a lf>O a libra e em barril ter abati- 10500,800 e 640 rs.
, me"t0- Queijos d 2^300 a 20500 os mais frescos,
dem francesa muito nova a 900 a libra, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
8O em barris. 20000 a caada.
Hanha de porco refinada a 720 a libra e 700 dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 10400
em barns. a caada.
CU uxim de superior qualidade a 20600. Azeite doce de Lisboa muito fino a 608 rs.
dem perula miudinbo a 20700 a garrafa e 40GOO a caada,
dem hysson especial qualidade de 20400 a Toucmho de Lisboa novo e muito alto a 320
20600 a libra. i a libra, e em barril de 5 arrobas a 90400
dem preto muilo especial a 20000 e 20400 arroba.
,.a llhra- Cerveja Bass do fabricante Shlers & Bell a
Iciem do Rio em latas de 40000 e a 800 a 60500 a duzia e 640 a garrafa.
Iibra- dem Bass do fabricante T. F. Asbe a 60000
Latas coa biscouto de todas as qualidades; a duzia e 560 a garrafa.
a I-00. dem marca II Victoria Alsope e outras
dem da crcditada fabrica de Biato Antonio' muilas marcas a 50 a duzia e 500 rs. a
(Lisboa) proprias para da; a doentes a' garrata.
20 e 30 a lata. Subao primeira qualidade a 220 rs. a libra
Bolaxinlia ingleza muito nova a 30500 a bar- e 21-: em caixa.
rica e a 240 rs. a libra. dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
.atas com bolaxinlia de oda e oval a 20. | 180 rs em caixa.
I', esunto inglez para fiambre chegado no Sabo inglez superior a 180 rs. a libra e
ultimo vapor a 80 rs. a libra.
Ciiouricos c paios muito novos a 640 rs.
a libra.
.\as com macarro t-.lharim muito novo a
50000 e 320 a libra.
Vidria branca e amarella a 500 a libra.
Chocolate portuguez de especial qualidade a
8;j0 a libra.
dem suisso de 8r,0a 10000 a libra.
lem lu'.r-anhol verdadeiro a 150C0 a libra
le i i vendimos a 10iOO.
Doce du casca de guiaba em caixoes de 6 li-
bras segare a 10800,
.'le .i em Gxdes pequeos a 700 rs. e de
'. > para cima a 640.
.. secco em bocelas ricamente enfeitadas, dem varetas da Manoel Peixoto da Silva
contendo pera, pes-go, ameixa, rainha.
e outias frutas a 30000 cada urna.
I Jora em calda em latas feixadas hermetica-
mente muo bem enfeitadas, contendo,
GiAiWS ARMAZENS
DE
*t
Largo da San
foz n. 84, es-
Jina da ra do
Sebo.
ra proprleKfio
Largo da Santa/R 7(
Cruz n. 84, es-$~
I SPi < I VI S $Z da rMdoF
IYGLEX1 FLOR
Para
Os bolos de Santo Antonio, iJoo e S Vende-se manteiga ingleza flor de l000 t-t4200 a libra nos seguin-
tes logares: Pat-o do Carrao n. 9, roa do Qoeimado n. 7, e roa do Im-
perador n. 40, armazem de Duarte & C.
Silh^te^nUmhlL15 muo acreditado armazem de "ffioTd^omiS?dfAu
A segUin\6abelh%lvra ^T l0T}imem de 8eneros de ***'* qualidade
Nenftoii armazem wi-r.* ,od-Mude base para ajusle de conlas aos Portadores.
-r1ri1>:!?.Twdm mais barato e melhores do nne a Aurora Brilhante
rora Brilhante cnin. ,J rault0 meditado armazem de molhados denominado
A seguin\eS?a .4rvira' fffi HSS^JHW *&**&S**
noin jN8rr?um rmazem vender
?X?***,I*an> qae lem, ja' mesmo porqu7se' vi ---- -v uw pm a ojuoh uo cuma:' dua |;ui iduui o>.
venaera maisjjarato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja'
ero quanlo cheuM am ,!~1'iJa mesmo Prqae seu dono s deseja tirar diminuto lu-
"WaST: >r afrdespezas do estabelecimenlo por isso deixe se a-
i>r Ia)ii n ^lil!.____ -A >
proveitar, o ..-.r"~~."":' "" "<"poas uu esiaoeienmento por isso aeixe se a-
prspnetrlo ha de fazer toda a diligencia, aura de servir bem os seuscons-
ras,
i280 e
lante freguezes.
Latayom 8 libras dechouricas muito novas,
D maSigsrdafln^S';0r1Pre em P<'ntei
TW0 ,ua,ldades. a 000, 12I
Dl1L?rraSmVsTCe'ln,epe,8CP"afri-
:D!arcom^taa6Ren30padaS'a72rS-
D.!aLC^ame'Xa.S ? l5-0- *800 e 3o00.
^BSKEtS?d0 aramad0 fabricaDte
iDitascom raassade tomate, a 500 rs.
H e?#Soo.$de COmadre' nV0S' a ,*300>
GOMMA NOVA,
Em paneiros muito alva a 4,ooors. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abati ment na ra do Imperador n. 40.
4D,?5 ^hinha de soda muito novas, a
16 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 60500,
70500 e 80 a arroba, e de 220 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranno 30200 a arroba e 100
rs. a libra.
dem da India a 20600, 20800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 50500 a cai-
xa, de Simas (Jos Furlado).
dem Londrinos a 50, idem.
dem Parisienses a 40500,
dem Delicias a 10500.
dem Traviata do Rio a 50500.
pera, pesego, ameixas e outras frutas a
iO e 700 a lata, lambem temos latas
grandes a 10200.
Marmelada tos melhores fabricantes, em la-
tas de 20000 a 10200.
dem em latas de 1 \\i libra a 14.
dem em latas de 1 libra a 640 rs.
Ervilhas em latas chegadas neste ultimo va-
por a 700 e de 5" para cima a 040 rk.
Feij5o verde ou carrapalo em latas j pre-
parado a 640 rs.
Ameixas em frascos de vidro a 10500.
dem em caixinhas ricamente enfeitadas de
U(M) a 20500.
; mserfas Mexide muito novas a 700 rs. o
Vasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
Momo inglez a 640 rs. o frasco com rdlha
de vidre.
Mostarda em p a 700 rs. o fraseo.
dem j preparada a 320 rs.
Latas com massa de tomate de 1 libr a
000 rs.
dem em latas de 1 1|2 libra a 900 rs.
Vi hosem garrafas vjndos do Porto, Majei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
i.i, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 10 a garrafa e 90 a 120 a duzia.
dem Palmella a 10 a garrafa e 110000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Portjo,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 30500 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinlio Lisboa e Figueira a 240
an.oreta.
dem branco expedal qualidade proprio para
missa a 56 rs. a garrafa e 40 a caada.
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 30500
a caada.
dem do Porto especial qu lidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a nada.
i m Bordeaux em cuixas a 70 e 700 rs. a
garrafa.
Cliampanha a melbor do mercado vinda d
nossa encommenda a 300 o gigo.
Netto a 30300 e 10 <00 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 10iOO
a meia caixa e 50200 a caixa.
dem mececipes a 10700 a meia caixa e
30000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 10800 a meia
caixa e 30400 a caixa.
dem jovens de Castanho & Filho a 20400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 10 03 a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 10500 o quirto e 50
a caixa de urna arroba liespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposico de
comer a 10500 a garrafa e 110000 a
caixa.
Alpista muito novo a 30800 arroba e 140
a libra.
Painco a SOOO arroba e i 40 a libra.
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em poi cao 10000.
Sardiuhas de Nantes a 400 a lata.
tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 140000 arroba'e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco?
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 20500, 30000
e 40uOJ
Batatas em gigos de 34 libras muito novas a
800, e a 40 rs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranho muito alva e nova a
240 a libra.
Sivadinba de Franca para sopa a 200 a li-
bra. *
Sevada muito nova a 140 a libra e 40000
arroba.
Vinho verde superior. ara
A caada a 3JSOO0 e a garrafa a 400 rs. P
Gomma. ||B
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de seCXp
engoramar, a arroba a 3000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
tartana.
Saccasgrandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 5*000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8$,
8500 e 9*000.
Cha.
Ch.temos nestes gneros o melhor possivel,
DSetSS0D0hS *P-*M- DiS^.Va^5600-
Chcala Dlt0 uxira a 2*700-
San asSesar"" P sksr' s'800-
Macarr5o,talhariameaIetriaamarella a libra Erva mate,
a 400 rs. dmareiia, a unra Excellenle ch medicinal, a Ubra a 240 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs. Espermaeete.
as com. HStrelinha, pevide, e outras mas- O masso com 6 vellas de espermaeete a 600, Mt
nuas> .a,caix'\34300. 640 e 720 rs. B
Oitas dita em libras a 640 rs. Passas. Y
Sevadihntr*^ ""i-k tft ^^^ de 16 e 8 libras de passas oras pro-,Pb
^S5E2ft rs' prias para raimosNos.e 2*m
TMocSfPnow 'a")ibra a^SO'rs Nozes' a libra ,60 ""arroba a 4*000.
Fa,a de araruta verdadeira, a libra a A,P,sla P"?5.0- A
f 500 rs. Alpista e paingo, a arroba 4*000 e a libra a
lAr$/nn Maranna. em sacoo, a arroba a 160 rs.
2*400 e a libra a 80 rs. Cartas.
r i?. ?^a e Java' a arroba a 35200 e a II- Cartas finas para jogar. a duzia a 2*500. Cf
i Draa oors. Castanhas
n SlhS LSba 3 9*300'a arroba e a 32 I Castanhas novas viudas neste vapor, arro-
Duc6|!,sis, iarroba 74M0 ,tmn,\ ^m>^r^n.
Molhos com 125 ceblas grandes a !3<80 1Barris com azeitonas novas a 1*500
M,7Stn^a france. caixa cora' 2 duzis a I Manteiga.
/jjooo. i Manteiga superior, a libra a 1*280.
fasCnn cora mos,arda preparada em vinagre,! Hita mais abaixo a 1*200.
a 400 rs. Dita menos superior a 15.
Ditos com conservas inglezas e francezas, a Dita franceza nova, a libra a 880
o40e800rs. Dita dita era barris e meios ditos, a libra
Ditos cora sal refinado fino, 640 e a 500 rs.! 850 rs.
i0S(wvma verdadera ginebra delaranja, a Dita para tempero a 400 rs.
ANTIGA CASA
DE
GUILHERME DA SILVA GIMARAES.
5 EUADD CRESPO 5
Caixas com estrelinha, rodinha e pevide a
400 a libra.
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grande? a 18O e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 10000.
, Cravo muito novo a SOO.
Cominho idem a 320.

13000.
Ditos de 2 garraas de Hollanda verdadeira,a
640 rs.
.Bo,,jJas co"i dita propria para negocio, a
400 rs.
GarrafSes com 2 galoes com dita, a 6*.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 6)000.
Vinho muscate I de Setubal, agarrafa a 1*.
Marrasf|umhoverdadeiro,frascos a 80C rs. e
I a 1*200.
Champagne, a duzia 20*000, e agarrafa a
Azeite refinado portuguez e francez,a garrafa
' a 1*000.
Caixa de vinho Bordeaux muito supertor.a
7*. 8*, 9* e 10* a caixa.
Ditas com dito branco, a 7* a caixa.
Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro.
a 20*.
Ditas com duque do Porto verdadeiro.'a
18*000.
Ditas com chamlsso superior, a 145.
Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12*.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a CiO, 720
e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 3-3200,
35500 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Figueira, dasseguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. (,. G.) (O. M.) a caada a
4*500, e a garrafa a 360 e 640 rs., deste
que jest engarrafado e lacrado com o
rotlo do armatem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35300 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Tinhobrancofino, agarrafa a 640rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
indos neste vapor a 2*800 e
libra
Queijos.
Queijos novos
35000.
Ditos londrinos muito novos, a
1*000.
Papel.
Papel almago paulado, a resma a 45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
2*500.
Dito deerabrulho.bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira. fc
Garrafas com n verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*300 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, piraenta do reino, cominho
. e cravo, a libra a 400 rs.
Kabul de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
* Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 1*400;
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graia.
Duziasde boioes degraxa n. 97 a 25000, e,
de latas a 15000, e os boioes a 210 rs. ca-i
da um, e as latas a OO rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhore* fabricantes da J
Bahia por diversos precos, caixas e meias;
caixas.
CHALES DE GUIPURE IMHOIUS
Fazenda anda nao vista
e que vem operar urna completa revoluc.ao as modas.
Chegou urna pequea porgo
para amostras.
CHAPELINAS
de fi e palha de Italia.
Chegadas pelo ultimo 'paquete
de esplendido gosto e
qualidade especial.
HOSFETS 1>E PAIiHLt
e chapeos enfeilados para senhoras e meninas.
Capas.
Soutembarques.
Polonezas.
Roupa franceza para homeni.
camisas para hornera e senhora.
Sedas, linhos e
AlgodSes.
Completo sortimento de riqaissimos e samptaosos arilgos
PARA *
GRANDE TOlIiET
t Como sejam enchovaes para calamentos, brisados etc., etc. Vestidos
de phantasia, grinaldas, enfeites camisi-
nhas, manguitos e gollas pri-
morosamente bordados.
Assim como
FAZENDAS BARATAS PARA USO ORDINARIO.
A 6$000
Chegou novo sortimentimento de
Cortes matlsados a Mara Pa.
A 300 rs.
O covado de musselinas de cores.
A 240 rs.
O covado de chitas largas francezas
escuras e claras.
A 280 rs.
O covado de chita de linho cor de palha.
A 20300 rs.
Cortes de chitas largas francezas com 10 covados escuras e claras.
PIBA ROUPA lE ESIJKAVOS
)s senhores de engenho economisarao muito visitando na occasio de soas compras para este fim este
estabelecimento pois.alm de fortes e encorpados algodoes americanos azues e
de listas da Bahia, inglezes etc., ah encontrarlo o
Famoso algodao mineiro
e inmensas OQlras fazenilas
NA
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
Successores de
U> IU I MO ft

.800 rs. 1 canas.
E grande quautidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nnnciar-se.
.ACHINAS DEPATENT
de trabalhar mo par
descaroearalgodSo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAM
AGUA
<*.
Mora mais baia de 18d a 20^ e 100 d Ervadoce idem a 400.
:)# a garrafa. I ] lfazema flor a 240.
Licores portugueses e francezes a 1,->000 e Amendoas a 400 a libra..
10300 a garrafa. i Nozes muito novos a 160 a libra.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 1(51500 a[ Papel greve a 4#200 a resma.
garrafa. dem lizo a 45000.
dem mais abaixo a 80O rs. a garrafa. ^ dem de pezo a 35O0O.
ionebra de.laraDJa ver.'adeira a lli$ a du-iidem de embrulho marca grande a 1(51200 e
zia e 15 o frasco. 15300
dem de Hollanda verdadeira a 65 a fras- Memu, para botica a 25000.
jueira e 040 o frasco. ... ,... nn. ".
Idem de Hamborgo a 5^500 a frasqueira. CoPos laI),dados a 5y0l) e so cada um-
dem em boligas de Hollanda a 400 e 440 Palilos Je denles, magos grandCs a
rs. o frasco. | 160 cada um.
Garraioes com genebra de Hollanda com 24 Fumo americano de chapa, de superior
garrafas a 85, com garrafao. qualidade a 1500 a libra, em porcJSo ter
idem com I i a Jo garrafas a 65. abatin:ento.
120 e
N. 11Rna do QueimadoN. 11
A este estabelecimento chegou ltimamente da Europa um grande e variado sortt-
mento de cortinados bordados o oue hi de mais gosto emdesenhos e bordados.
Lindos bonets de palha de Italia para senhoras.
Chapeos e chapelinas de palha de Itilia ricamente enfeilados.
Chapeos Anos de seda para cabeca de horaens e chapeos de sol de seda inglezes ^de
8,12 e 16 astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarques de seda preta para senboras.
Cortes de laa de barras de li a 2 de muito gosto.
Baldes de arcos e de musselina Anos, manguitos e camisinhas.
Saias bordadas muito superiores.
Moireantlque preto.jrosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e caserairas pretas e de cores.
Luvas de pellica para hornera e senhoras.
E muitas outras faznndas que tudo se vende barto na loja de Augusto Frederico
dos Santos Porto, aonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas
N. 11--Ra do Queimado-1\. 11
C:!^y---X
!
Estas machina;
poderadescarocar
; qualquer espe'ci
i'de algodao sea
/estragar o fio.
sendo bastant*
duaspessoaspara
o trabalho; poda
descansar ums
arroba de algo-
dao em caroa
em 40 minutos
ou 18 arroba?
por dia ou 5 ar-
robas de algodr
limpo.
0 c&stello de Grasville.
Saccas grandes com 100 libras de arello superior a 45000 a sacca.
TaSso Iranios -
vendem gesso em p para estuque de casas, lijlos
finos de feltio diversos para ladrilho, azlenos de Traduiido do francez por A. J. C. da Crni.
diversos.gostos lijles vidrados para parede de co- Vpndp- zmha, ranos de'barro para esgoto, cemento em1. Vende ,se este Dk) romance emqu i
barri de 10 arrobas. tomos pelo baratisstmo preijo de 2 J>0C
---------------.--------------------------------------- loa praga da Independencia, livraria ns.
Catangas Anos e brlnqnedos 6 e 8.
para meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da ra do
Queimado ti. 69, os mais finos e lindos calongas
tanto para brinquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
1 limcato de miudozis.
Attencao.
Vendem-se sortes para santo Antonio e S. JoSo
a 33500 o cenlo, tambera d-se de vendagera a 80
rs. por pataca : na ra da Palma n. 41, taberna.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que desearoc,am 18 arrobas de algod
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
euirjs dessas machinas.
Os mesmostem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saunders Brothers & C.
X. II, praea do Cor po Santo
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
DROGARA.
34Rnaj larga do Rosario34
Bartliolomen Francisco deSooza & C.
Vendem:
Acido actico puro pra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieses avellndadas.
Tinta braneasuperior em lata.
AlvaiadeVeneza, fino, em pies.
Vende-se 1 moleqoe peca, deidade 19annos,
1 negro carapina, 3 escravas para lodo o servico,
1 dita insigne engommadeira, 1 linda mulalinha
de idade 13 annos, 1 negra cozinheira por 300 :
na travessa do Carmo n. 1.
DE
Florida.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao urna tintura, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella wm a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a agua de
Florida entretem a mpeza da cabe?a, deslroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contnbue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a forja, a belleza e a conservadlo dos cabel-
los.
Em Paris casa de Guilaurn. 112 ra de Recbi-
lien e 21 boulevard Monlmartre.
Todos os frascos nao tendo Intacto e claro, e tia-
clre prateado da rasa, reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38.
Admiravelpechincha!
Mflcambiqne a 300 rs. o covado, na teja
do pavo.
Vendem-se os mais bonitos mogambiqoes de pu-
ra laa proprios para vestidos e soutembarques
sendo de quadrinhos de listras e lisos, fazenda in-
teiraraente nova, em padres e muito proprias pa-
ra as senhoras que frequentam o mez Mariano
porqne esta fazenda Ibes facilita fazerem por pou-
co dinheiro vestidos moito decentes para qualquer
acto, advertindo-se que este baratissimo preco
devido a grande compra que se fez desta nova fa-
zenda, que se vende a freze tnstoes o covado na
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama rV
Silva.
Instruccoes para o servido
das guardas do exercito, extraluda* do.ro*
gulameoto t infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria o. 6 e
8 da praca da Ind-pendencia, a 10.
Em casa de Tisset Freres roa d* Trapicho n.
9, tem para vender :
Vinho Be rdeaux em barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Ditod* Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.


Quina Wn l*iinmrti% e f IB
-
' .
o
o
Admirm
Admiren*
Mmirem Bei&IJ
As pechincha* q*e eslo vaoda o* loia e ?ma-
lero do Pavo, na roa da Imperatriz n. 60 da Ga-
ma Silva, onde se rentan todas as faiendas,
tanto de Inxo como de prtmeira necessitfade por
precos multo rasoaveis, e coi e*peialid*de as sa-
guinies, dando-se amostras deixando ficar peuhor
on mando-se levar em casa das familias pelos
caixeiros da mesma toja.
ladapolie enfestade a 4<3, 4#J00 e S000.
Yendem-se pecas de madapolo enfestado con)
12 jardas pela baratsimo preco de 45, 45300 e
Si,ditas sem serem entestados de mareas muito
acreditadas a 75, 85, Si, e 105, ditas, fraocet
multo encorpado proprios para saias a 440 ris i
vara, isto na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Vestidos Brancas.
Vendem-se os mals ricos cortes de vestidas de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato preco de 125. 16$ e 20j> na toja do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Grande peehlncha, vestidos a
tjHiaa
Acaba de chegar um bonito sorlimento dos mais
lindos vestidos transparentes, moito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
nhos, sendo todos os padroes tecidos e nao pinta- Excellentissimas senhoras o Bailo partecipa a Vv. Exc. que reduzo os presos de
dos, e vendem-se pelo baratissimo preco de 3*500, todas as suas fazendas, e pede a Vv. Eses, que nao o esquejara, pois o Bal 3o empenha
sendo faienda que val muito mais dinheiro^ isto na todos os seus esforcos para bem as servir e'alm de tudo isto minbas senhoras, um
o
o
DE
AZEVEDO a FLORES
Ra da Oficia do Kecife, esquina da Madre de Deas.
Ctke Ufa.
pitcVdogaz.
Alcatrao da gaz.
Coke tonelladas rs. iOtfOOO
P.toh 80(9000
Alctrao catada..... 400
O coke reeonhecdamente o carvo mais econ-
mico, torna-so por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota aas eozlnnas aonde
elle usado. Piten ealcalro.alm das applicaefcs
diversas a que se prestara, como para callafetar
embarcacoes.alcatroar madeiras,etc, teera este a
propriedade de preservar do cnpim, formigas.etc.
E'entregar na fabrica dogaz ou mandadopr em
qualquer ponto da cidade, segando a vontade do
comprador. _
PROPRIO PAR i SENHORA.
Vende-se um excellente ca vallo mu to no-
vo e manso com todos os andares : na co-
cheira_do Paulino, ar.ua de Sant;o Amaro.
2ET2boo-i ^ ST
5
" ~ ~ ?* S s
!^B'3
= 5. 5. =: o
a o> oj o. B a =r'.
PSB5|fg.5,gs
3 3-s


loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cirosdenaples de cor a IgBOO.
objecto indispensavel s senharas amantes do progresso.
Agora minhas senhoras peco que lanceo suas vistas em toda a minha circumsfe-
Vende-se soperior grosdenapies cor d'e'caTTpro- rencia e vero que encontram muitos objectos que necessitam e por precos que convi-
prio para vestido, sendo moito encorpado, a 15600 dam a comprar, como sejam:
Os ricos aloes de 40 arcos, com urna roda que admira.
o covado : na loja do PavSo, rna da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Grande sortimento de ronpa feita.
Vndese na loja do Pavo nm grande sortimen-
to de roopas feitas, cotratamlo de palitos de panno
preto, sobrecasaeos, ditos saceos, dilos de casemi-
ra, saceos e sobrecasaeos, ditos de brim branco e
de cores, ditos de casineta, calcas de casemira pre-
ta de todas as qnalidades, ditas de cor, ditas de
brim de linho branco e de todas as cores, coletes
de bnra, casemira, setim. gorgoro, etc., etc., to-
das estas obras vendem-se por preco mais barato
do que em outra qualquer parte : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais modernos soutembarques de
cor, ricamente enfeitados, e por barato preco : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Capas p re tas e soutembarques,
Vendem-se as mais modernas capas pretas lisas1
dem com menos arcos a 2$5G0 e 3$.
dem para meninas de 2 annos at i 2 annos. .
Cambraia finissima que era de 9$ a 7$.
dem das de 60 por 50.
Os mais Modos padroes de cambraias de cores, verJadeiras francezas.
Tarlatana branca muito lina e larga.
Chitas escuras a 240 e 280 rs., que eram de 360, tambem ha superiores.
dem perclaras superiores a 440 rs,
L5a preta para loto e de todas as mais cores.
Chita encarnada adamascada muito superior a 5<>0 i s. o covado, 7 covados d urna co-
berta para cama franceza.
Vestidos a Maria Pia os mais ricos que ha de 140, 180 e 20$.
Calcas de casemira de muito bonitas cores.
Colletes de casemira preto e de cores,
dem de brim braceo.
Paletos de casemira sacco a 10 e 120.
dem de brim branco.
CHAPEOS DE SOL
Chapos de sol de seda de 12 asteas a 80. s
dem superiores de-16 asteas a 12$.
dem de seda trancada asteas de meia cana a 140.
Que tudo se vende na loja do
e bordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e! dem de alpaka branca a 50.
manteletes, tudo de seda preta e o qoe ha de mais dem pretOS a 4 gosto no mercado, por precos muito ero conta :' p-ipa/jp hrim hranrn narrln p de mitras cores
na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Ga- ^alCas, ae D im DMncp, parao e ae ouirab toret.
ma & Silva. Ceroulas de linho com duas costuras a 20O.
Grande jiqmdacBo a dinlieiro. lX^min. M. v.
Na loja e armazem do Pavao. j camisas com peitos de cor.
Rua da Imperatriz n. O de Ca- dem brancas a l^SOO cada urna.
ma fe Uva. dem brancas finas pregas largas a 20240 e 20500.
Os dones desteestabelecimento tem resolvido 1- dem ck) linho'superiores a K0.
quidar suas fazendas por precos baratissimos, s i,jern de linho inglezas maito finas de nmeros 34, 35, 37 e 39.
com o flm de apurar dinheiro, e previnem as pes- H H 9hprtafa7Pnfla sr.nerior.
soas que negociam em pequea escala com fazen-,mem ae meia aDertas azena_ superior-
das, que nesta loja e armazem encontraro um '
grande sortimento por precos qoe mnito Ihes bao
de agradar, tanto em pega como a retalho, a sa-
ber : i
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se cnilas fraocezas, iistradas muito lar-
gas, padroes escuros, pelo barato prego de 200 rs.'
o covado, tendo muito bom panno ; ditas escuras'
padrSes novos, por serem todas escossezas. e cor
lix.t a 240 rs. o covado ; ditas miudinbas escuras
e claras a 240 rs., afflangando-se que esta fazeoda
nao tem o mais pequeo toque de mofo, nem ontro
qualquer defeito. Istos o Pavo, na rua da Im-
peratriz n. 60de Gama & Silva.
Fazendas brancas baratas vende o Pavo.
Pegas de algodoziulio largo, marca T com 21
jardas a 8, ditas T com 20 jardas a "&, ditas de
outras marcas, como sejam sicuiiira, carne de vac-
ca, etc., a 49. 55, e 65 ; madapolo floissimo com
24 jardas a 6300 e 7J.800 ; panno de linho mui-
to inferior proprio para lenges e toalhas a 7oO
rs, a vara ; bramante de linho com 10 palmos de
largura a 2$500 a vara. Isto s na loja do Pavao,
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Lsparlilhos, na loja do Pava.
Vende-se um bonito sortimento de espartilhos
proprios para senhoras, sendo dos mais modernos
e bem feitos que tem vindo ao mercado, tendo de
todos os tamaitos e de diversos pregos trazendo to-
das as competentes fitas para apertar. Isto s na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n, 60 de Gama
& Silva.
Cambraias brancas.
Vende-se nm bonitosortimento de pegas de cam-
braia brancas lizas, tendo lapadas e transparente-.
pelo prego de ii, 4500, 55 e 65, bavendo muito
superior da Escossia por 105 "e 125- Isto s na lo-
ja do Pavo. na rua da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
Gros de qoadrinhos a 10600.
Vendem-se os mais modernos gros de quadri-
nhos, proprios para vestidos' de senhoras e meni-
nas, sendo estes gros dos mais modernos que tem
Tasso Irmaos
Vende ni no sen armazem rua do
Amoiim n. 3o,
Licor fino .Curago ?m botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolbas de
vfdro e em lindos frascos.
VinhosCheres. ,
Santernes.
Chambertin. *
Hermitge.
Borgonhe.
Champagne.
'Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
A 54500 O SACCO.
De farinha da trra com
22 cuias, na rua do Impe-
trador n. 26, defronte da ca-
sa em que foi a cadeia.
Attenco.
Vendem-se pegas de esleirs para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 2o li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para 1 e 2 cavallos,
velas de spermacele, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-Unidos : no armazem da roa do
Trapiche n. 8.
63
S "" W
a. o-r
O.
ca
Ir 3
Q. B>
o.v> sr
o-St3'2 -i

Admiraveis peclnchas
que esto a venda aa laja e armazem
da Arara, rua da Imperatriz n. 56,
de Lourenco Pereira Mendes Guma-
raes.
Bretanha de rolo a 30.
Vendem-se pegas de bretanha com 10 varas pe-
lo baratissimo prego de 35 a pega.
Madapollo enfestado a 30500.
Vende-se madapolo enfestado com 12 jardas a
3*80* 45 e 45600, dito com 24 jardas a 55,
5550D, 65500,75, N. 40 75500, L. 10 75500, N.-6
85, Elephante 85500.
Soutembarques de cores a 60.
EsciAfos ruamos.
Desde o dia Io do corrente mez de
junho acha-se fgido de um dos eMabeleci-
mentosdo Exm. Sr. baro do Livrameto,
onde permaneca empregado ha 2 annwo
escravo PantaleSo, de propriedade do de
sembargador Custodio Manoel da Silva Gui-
mares. Foi vestido de roupa.grossa, pre-
pria do servico em que eslava, de cor
preta-cabra, de idadeque rej^resenln 22 an-
nos pooco mais ou menos, olhos um tanto
pequeos, enfumacados e vermellws,cabera
om pouco pequea e redonda, btifos r gu-
K^ZSTSflSifiF* 6' 7* fiares, de estatura um pouco menos quere-
Chapeos para homem a 10800. &uIar' cne' do corP' Pes lareos e apa'he-
Venem-se ehapeos para hornera a 15800 cada. tados, e tem o andar inclinado para traz e
um, chapeos de sol de panno a 2j, ditos de seda cambaleante: roga-se por tanto a todas as
p?.r h0llMn/ *2*'s Ar-ra' roa** Inipe"!suthoridadespoliciaes e caplSes de campo
ratnz n. 56,de Mendes Guimaraes. _uj.~ a-, t %
86 Arara vende chitas francetas a 240. o ce- f* apprehendam dito escravo que j fe.
encontrado ewapipucos, onde estara talvez
acoutado, e o entreguem ao seu referido
vado.
Vendem-se chitas francezas
sendo cores fizas,
0.-0 ^ g S? SiS'r.g-g
P -i Sa
assim como sejam padroes delicados sendo cores senhor, na rua da Aurora n. 60, que"grfi-
do cana e rAxas, se vende por baratissimo preco ficar generosamfinie, protestando entre-
de 240o covado, djus a 260, 280 e 300 rs., ditas tanto usar dos meios judiciaes contra qual-
b'2g sin.y ?s
L -i
B9 C.
8 "5
* <* <
rll
p"sre-
o
Sil
en
o.
B
1
Irll
OQ O S O
B
"J
"1
p
8
p ^ y
M
g s
II.
ai
Miral sem segundo
Roa do Queimado n. 49, est vendendo tudo
muito barato como ver abaixo.
Caixasde peanas de kalegraphia a 15000.
Massos com superiores granipos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 15500.
Frascos de macaca perula a 200 rs.
Caixas com superiores agulhas a 200 rs.
Libras de la sortidas cera todas as cores a 75000.
Caixas com superiores obrejas a 40 rs.
Duzias de phosphoros de segoranca a 120 rs.
Metas garrafas rom tinta a 2S0 rs.
Rjdlnhas com alfinetes francezes a 20 rs.
Cartas de alfinetes francezes muito finos a IO0 rs.
Resmas de papel al maco a 25400.
Resmas de papel de peso a 25000.
Papis de agulhas francezas a balo a 60 rs. -
Bonels muito bonitos para meninos a 15000.
Eofeites para senhoras fazanda muito moderna a
25000.
Escovas para roupa superior qualidade a 15000.
matisadas finas a 320 e 360 o covado.
Chitas francezas escoras. *
Vendem-s8 chitas francezas sendo padrSes escu-
ros e cores fizas a 360 e 400 o covado, ditas miu-'
dinhas claras a 360 e 400 rs. o covado : isto na'
loja e armazem da Arara rua da Imperatriz n. 56.
Corles a Maria Pia a 180.
Vendem-se os mais modernos corles a Maria
Pia a 185, dito a 145, 125, i 15, 105 e 85, cortes
de laa sem barra a 55 tem 15 covados o corte.
Damasco de duas larguras a 10280.
i Vende-se damasco de duas larguras a 15280 o
ovado, dito de urna largara a 800 e 640 rs. o co-
vado, lencos de linho a 5, 65 e "5 a duzra.
Camisas francezas a 10600.
Vendem-se camisas francezas a 15800, 25. dita
de pregas largas a 25 e 252i0, ditas de linho a
'25500, 25800 e 35 cada urna, seroulas francezas a
. 15280 e 15500, dita de linho a 15800 e 25, ro-
beras de chita a 25 e 2550j cada urna, cambraia
nranca a 35, 35500 e 45 a peca, ditas de cores a
35000.
Cambraias de cores a 300 rs.
I Vende-se cambraia de cor a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado, cambraia de salpicos a 25500 e 35
na rua da Imperatriz n. 56.
Chales de merino a 20.
Vendem-se chales de merino a 2-j. ditos de chi-
ta a 15600, Ia280 e 15 cada um, chales finos com
pona redonda e borlla de seda a 65 e 75 cada
um, cobertores de aigodo a 15 cada um : na rua
da Imperatriz n. 56. __ \______________
RIVAL
NEM SEGUIDO
quer pessoa que tenha dito escravo em seu
poder,____________________1__________
No dia 9 de maio prximo -passado
fugio da rua da Imperatriz casa n. 9, segun-
do andar, o escravo pardo de nonie Euge-
nia, que tem os signae< segtiintes": magro,
sem barba, tem falta de denles na /ente, e
a vista esquerda coberta com una nevoa
branca, tem sido encontrado a ganhar na
ribeiras e na estacao da estrada de ferro em
S. Jos : quem o levar a casa cima ser
bem gratificado.____________________
- Fugio-no da. 16 de maio prximo passado o
preto cnoulo de nome Braziliano, idade de 26 an-
nos, estatura regular, cor fola, tendo um dos deu-
tes da frente quebrado, sem Larba, apenas algun.s
cabellos a roda da garganta e ciliar amortecido,
bem fallante, sabe ler e escrewr e falla um pouco
o inglez, bom copeiro, cosinha e lava bem, levou
vestido camisa de aigodo branco e calca de ditu
azul, conduzindo alguma roupa fina, como bem
caigas de casemiras de lisias, jaqueta branca e ca-
misa de madapolo, lences e mais roupn que tem
marcada com a letra B de linha de marca,algurr.as
pecas e outras com o nome por extenso em tinta
de marcar, levou chapeo de palha imitando mani-
Iha, chapeo de sol de seda verdeja usado, sapatos
e meias, de suppor que se inculque de forro :
quem o apprehender condnzindo ao silio de Jo?o
Matheus, no Poco da Panella, ser generosamenu
gratificado por seu senhor Juvino Bandera.
Ainda se acha fgida a escrava parda, Rutina, a
Rua do Queimado n. 49, loja de Jos & Azevedo! 1al ansentou-se no dia 2 de dezembro de 185'J,
NOVIIIADE
A 1$ I*'00 e 1^500.
Leqnes de osso, ultimo gosto, a 15-
Ceroulas de meia a 15200.
Diitas muito finas a 15500.
S na rua da Cadeia do Recite n. 5.
OPHENIS! \
QUADROS
H1KKB.4DE
AQUARELLA
L'ma seena de nossos das.
Drama
Por Pedro de Calasans i
Vendem-se estas obras Impressas en Bruxellas
e Leipig : na livraria de Jos Nogueira de Souza,
rua do Crespo.__________________________
Farinha de mandiecaf >
da Bahia, S. Matheus e Santa Catbarina, era saccas
de aigodo da Bahia, de 2 e 3 alqneires : vende se
no largo de Corpo Santo n. 4, escriptorie de Jos
Maria Palmeira.
Maia e Silva.
Pulseiras e voltas muito bonitas a 500 rs.
>' Miadas de linha para bordados de superior qua-
lidade a 60 rs. 5
Duzias de facas e garfos de cabo preto muito
boa a 35-
Meiadas de linha froxa para bordar a 20 rs.
Meiadas de linha azulada superior a 60 rs.
Babado do Porto muito superior a 100, 120 e
160 rs.
, Varas de franja de linho branca a 40 rs.
Caixas com 100 enveiopes da melhor qualidade a
600 rs.
I Caixas com 20 quadernos de panel superior a
' 600 rs.
Grozas de pennas de ac muilo finas a 500 rs.
j Pecas de tranca lisa preta e de cores a 40 rs.
Grozas de boloes madreperola para camisas a 500
. e 720 rs.
Caixas com 50 novellos de linha do gaz a 700 rs.
: Varas de franja de cores a 80 rs.
Novellos com 400 jardas superior qaalidade a 70 rs.
Carriteis de linha com 200 jarda? dos ns 60 al
' 200 a 100 rs.
Livros para assentos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes de punho muito finos a 120 rs.
Thesouras para unhas e costura muito finas a
500 rs.
avariado.
Francez barrica 55000
Portland dem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland dem 125000
No armazem de Tasso Irmaos caes do.'Apollo.
com urna cria de nome Maria, de anno e meio de
idade, do sitio da Piran>a da freguezia dos Afoga-
dos, perlencente a seu senhor o engenheiro Hen-
rique Augusto Milltt. Tinha naquella poca 18
annos, lha do Hecife, sabe ler e tem os signaes
seguintes : baixa, cara bexigosa, cabello carari-
nho, olhar desconfiado, sendo urna perna m is
grossa que a outra por lhe ter dado varias vezes
erysipella : dase a gratifiaco cima a quem le-
va-la ao seu senhor no engenbo Saltinho da fre-
guezia de Una, ou recolbe-la casa de detencao da
cidade do Recife.
Fugio em principios do mez de evereiro do
corrente anno e consta estar acoutade nesta cidad*
o moleque Enzebio, escravo da vinva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade poo-
co mais ou menos, cor prela, secco do corpo, olhos
regulares e afumacados, cabeca um pouco j;randa
e meia chata, belcos finos, dentes bem alvos, ps
seceos e muito ladino : roga-se por tanto a todas as
autoridades policiaes e capitaes de campo qoe o ap-
prehendam e levem-o a rua da Mangueira sobrado
n. 6 que serao gratificados, proteslando-se usar dos
melos judiciaes contra qualquer pessoa que o tenba
em seu poder.
Fugio no dia 28 do corrente, a noite, a es-
crava Januaha, pertencente a D. Amelia Felicia
Deschamps senhora de Mr. Len Chapelm, retra-
tista, coja escrava houve por compra que fez ao
Sr. Pi Pierres Varclla Barca em abril ultimo por
intermedio de seu procurador JoS) Francisco Ca-
bra!, desconfla-se que a dita escrava tenha se-
guido paraPaje de Flores e que procure o enge-
nho do Exm. barao de Vera Cruz, a quem a lem-
pos passados pertenceu : a dita escrava tem pouco
mais ou menos 20 annos de idade, de estatura
pequea, de cor fula, tem os dentes limados, testa
e olhos muito pequeos, gratifica-se bem a quem
apprehende-la.
DOS PREMIOS DA I. PARTE DA
i
i
LISTA GERAL
u:
LOTERA, CONCEDIDA. POR LE PROVINCIAL N. 393 A BENEFICIO DA IGREJA
, EXTRAHIDA EM 13 DE JUNHO DE 1865.
DE NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO DA FREGUEZIA DA VARZEA,
vindo ao mercado, venden do-se pelo barato preco
de 600 rs. o covado. Isto s na toja do Pavo, rua
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Ricos Louzuouts de Guipare.
Vendem-se os raais ricos bouzoouts do Guipure,
sendo os raais modernos que tem vindo ao merca-
do, pelo baratissimo-preco de 255, cada um, as-
sim como chales de 3 e 4 ponas da mesma fazen-
da, sendo de varios prego?. Isto s na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60 de Gama de Silva.
S o Pavo vende
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240.
Araba de chegar para a loja do Pavo ara gran-
de sortimento de chitas largas garibaldinas, por
s rern todas Iistradas e padroes escuros e de cores
fixas que se venden pelo baratissimo preco de 240
o covado, sendo qae em outra qualquer parte cus-!
la a 360 o covado, notando que os freguezes que '
compraremporcao.de pecas, tero nm pequeo'
abatimeoto : isto na loja do Pavo a rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sortimento de laazinhas pro-
prias p^ra vestidos e soutembarques por serem li-
sas e de qnadrinhos pelo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se venden a
500 rs. o covado, o vende-se a dinheiro a vista pe-
lo baratissimo preco de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a 1)5600.
Vendem-se as raais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas. propras para hombros de
senhora pelo baratissimo preco de 15600: na rua
da Imperatrit n: 60, loja de Gama & Silva.
Orgaody a 240 rs. o covado.
na loja de Pav&o.
Vendem-se as mals bonitas cassas organdys, pa-
droes miados 0 gravdes, pelo baratissimo proco de
240 rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
acaba-sn logo : na loja do Pavo rua da Impera-
triz n. 60, de Cama & Silva.
Lanzirha transparente,
a 220 rs. : s na leja do Pavo.
Vendem-se as mais roaderaas I a minhas traac pa-
ren tes, sendo -todas de strav qaadros .asas, fa-
zenda esfa qoe sempre se venden a 400 rs.; o Pa-
vo vende para liquidar a ouze vintens o covado :
a loja do Pavio, a roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma drlva.
Farinha de muribeca fila e alta, mais
barata que se vende no mercado, em sac-
eos: na ruado Viga non. 29.
Vende-se um neg/o moco de bonita figura,
perito cozrnbeiro ede reconheeida conducta: aera
o pretender, dirija-se a rua do Imperador n. 18,
erceiro andar.
NS. PREMS.
2 65 148
4 58
5 61
7 6:0005 70
8 65 78
9 81
13 84
16 86
18 90
20 _ 92
21 _ 94
37 213
38 16
41 19
42 23
43 25
47 405 29
SI 65 32
52 33
R3 36
57 40
58 41
60 51
63 53
78 56
82 63
83 65
89 70
91 71
98 72
101 73
i 105 74
4 65 76
S H 81
7 w 87
11 97
12 _ 99
14 308
15 10
19 12
ao 20
25 21
27 __ 23
30 25
31 31
36 _ 36
40 _- ,39
43 . 42
44 1005 57
45 65 89
NS. PREMS.
65
w
205
65
NS. PREMS.
364 65
65
66 -
67 -
74 -
76 -
,.81
82
83
85
86 _
96 _
98 _
402 -
16
18
23 -
27
33
34
36
39
41
45
105
6
- 56
64
65
67
68
69
72
73
76
77
79
81
84
86
87
93
97
802
5
6
8
10
13
205
65
NS. PREMS.
515
16
18
19
20
21
25
26
36
38
41
45
46
51
55
6ff
67
68
69
71
72 '
73
76
79
84
85
87
89
90
97
606
10
11
13
16
17
20
29
30
40
46
49
84
69
73
74
76
84
.88
90
65
105
105
105
65
1005
65
205
65
NS. PREMS.
691 65
700 -
9
10
11
12
14
19
21
29
38
43
50
54
64
67
76
77
79
80
83
88
87
89
90
92
98
801
9
10
11
12
19
21
33
34
37
43
48
47
49
51
82
62
70
73
78
77
78
105
1005
65
205
65
405
NS. PREMS.
4005
65
882
87
92
93
94
98
900
2
3
4
8
14
16
16
19
24
27
29
33
34
35
36
40
43
48
50
51
62
56
60
61
62
65
68
78
76
77
83
87
93
94
96
98
99
1000
1
7
12
21
28
65
205
205
65
105
105
65
NS. PREMS.
1026
.28
37
38
48
83
67
65
71
78
82
83
84
86
87
89
90
91
.94 -
95
98
1102
6
15
17
28
32
43
81
33
86
62
68
67
68
72
80
81
82
88
92
94
96
98
201
4
10
14
**
19
65
105
65
NS. PREMS.
1:2005
105
205
65
205
65
405
65
105
65
105
5
105
65
105
65
1220
24
23
26
28
30
39
46
81
52
54
56
62
73
76
83
84
89
90
91
97
1304
6
7
12
17
33
35
36
37
38
41
42
45
87
59
61
63
71
73
78
76
79
89
90
91
93
94
96
1400
65
.105
65
105
205
405
65
NS. PREMS.INS. PREMS.
1408
9
10
11
12
17
24
29
31
32
36
37
39
42
59
62
68
74
80
82
88
1804
6
9
10
13
14
18
20
23
28
29
31
39
46
47
61
62
63
68
69
71
.72
77
78
205
65
205
65
105
65
405
105
1597
99
1606
12
13
15
17
18
22
23
26
33
38
39
44
46
48
52
63
71
72
73
75
79
82
87
93
94
97
.09
1704
3
13
47
n
28
27
30
31
34
41
.43
49
.80
83
205
105
79 65 66
86 89
87 60
.93 105 62
94 65 66
205
5
NS. PREMS.
1770 65
72 -
76 -
81 -
82
84
.85
87
88
89
97
1802
6
8
12
16
17
18
19
26
27
29
31
39
41
42
i43
,46
47
48
50
105
105
65
83
56
87
88
62
68
72
73
75
77
79
87
88
91
-1903
6
- 8
16*
65
16
65
NS. PREMS.
NS. PREMS. NS. PREMS.
1910 65 2081 65 2257 65 2427
11 83 62 28
13 _ 91 70 _- 29
18 92 76 32
19 97 78 205 37
23 99 86 105 38
27 105 2100 87 65 42
28 65 1 89 46
31 2 90 50
33 3 _ 97 52
34 6 _ 98 _ 53
36 7 2300 ^^ 54
38 10 __ 2 87
39 12 _ 3 ^ 63
40 22 _ 8 ^ 66
41 27 __ 7 _ 69
49 28 _ 8 _ 74
52 42 _ 11 _ 93
63 47 _ 13 _ 94
68 48 o 14 .... 93
72 49 28 laqri 97
74 58 34 ,_ 2508
75 87 33 _ 11
,81 58 36 ,_ 19
86 61 38 , _ 20
88 65 42 ^ 22
89 78 47 ~ 23
90 83 49 ^_ 27
94 84 _ 80 , ^ 30
.7 86 -_ 61 __ 40
2007 _ 87 83 - 42
10 t ,86 .84 - 50
15 _ 91 68 62
17 405 92 59 68
19 65 97 62 67
20 2207 __ 63 68
39 ^^ 15 67 71
42 105 22 ^^ 69 72
44 65 30 ^_ 74 75
48 32 _ 82 Vi
80 ^ 34 _ 90 99
87 M 36 ._ 4 2602
88 38 _ 95 3
69 H 40 2400 % 4
62 42 1 10
68 . 43 2 11
66 48 8 18
73 30 7 205 16
77 _ 82 10 '* 19
79 84 ' 16 - 21
NS. PREMS.
65
105
105
65
105
NS. PREMS.
2622
25
26
38
40
43
44
46
53
55
57
61
63
60
71
72
78
80
82
86
88
92
93
95
99
2703
11
13
15
16
20
21
22
23
26
33
34
46
51
56
59
73
76
77
80
83
87
89
O
91
65
105
105
105
65
105
65
105
65
NS. PREMS.
2792
94
98
99
2806
18
19
21
24
26
27
29
38
38
42
48
48
52
55
86
59
67
72
75
77
79
83
2907
9.
II
18
31
33
36
38
49
50
53
61
62
63
65
66
68
63
8
99
M
94
m
65
1005
405
65
O escrivao, Jos Pedro da* Heves.
Pern.Typ. de M. de F. Faria & F1W0.1865.
/
P"



-----------------------------
Dlari* de rtrmtmbuem ~ aara felra 14 de 4c tSft.
L1TTER ATORA.
DI POICO DE Tl'DO.
Sobro o evangelho de S. Joio, cap. *).Como
met pai me rnrioii, rtabd o Espirito Santo; a quem perdoardes os
prcraios scro perdoados, e a quem retiveriks, se-
nt retidos, escreve o Cruzeiro do Su! o seguiote :
Quanto Deus admiravel ern suas obras I Com
qne previdencia di~p5o elle do suas creaturas para
que gozem daquella felicidade, daquelia paz para a
qu il as destioou; nao daquella que uos da o [Dun-
do, porra da que so Elle nos pode dar I
Duraste a sua nissau na trra, Jess Christo nao
eessoa de nos enslnar pela palavra e pelo exeroplo
o caminho da virtude, altrahiado a si as turbas
pela sua blandura e incomparavel boodade, para
as doutrmas nos principios do amor para com Deus,
da cariJade para com o proxijjo.
E-te seu extremoso amor par com os homens,
quiz Elle que fosse sellado no Golgetha com sea
piecioso saogue a custa do qual e pelo seu infinito
tu reeimento se operou a nussa redempeao.
Mas, na sua infinita misericordia, conhecendo a
nossa fraqueza, quiz ainda proporcionar nos os
Hielos de nota aju lar, instituindo os sacramentos,
afini de que todos, aioda os mais fraros, se utili-
sassem dos fructos de sua dolorosa paixo e morte.
TVnJo na vespera de sua morte instituido o au-
gusto sacramento da eunharistia para alimento es-
piritual de nossas almas, dando nos msticamente
a cumer o seu verdadeiro corpo, c a beber o sen
verdadeiro sangue.como penhor de nossa salvacao,
depois de sua morte e gloriosa resurreicio, deixa-
se ainda permanecer no mundo por espaco de
qjarenta das, nao s para acabar de instruir a
Mitt discpulo-, como para continuar a inslituicjio
de todos os sacramentos.
Assim, pois vemos no evangelho de hoje Jess
Cnristo apparecer no meio dos apostlos e discpu-
los, que se achavam congregados so cenculo com
todas as portas fechadas, por causa do medo dos
ju leus, e os sauda, dizendo:
A paz seja comvosc I
Como ellas se perturbassem um pouco, por te-
poti as portas bem fechadas e Jess Christo Ihes
apparecer repentinamente, o Dvbo Mestre trata
de os convencer da realidade, mostrando-Ihes as
sua- chagas do lado, das maos e dos ps, mandan-
do Ihes que as tocassem para melhor se coavence-
iiii de que nao era phanlhasma, e entio Ihes re-
pele a saudacio:
A paz seja comvosco I
Cjrno mju pai me envin, eu tambem vos envi,
disse-Ihes, e assoprando sobre os apostlos accres-
cetitoo:
Recebei o Espirito Santo; aquelles a qnem per-
doardes os peccados flearao perdoados, e aqueles
a quem os retiverdes serio retidos.
Eis pois assim instituido o sacramente da peni-
tencia, em cujo tribunal, depois de fazermos a con-
flssSo de nossos peccados ao sacerdote, ouvimos
delie a sentenc, segundo o estado da nossa cons-
ciencia, e disposicoes de nosso corac j, ludo por
ucia enianacao daquelle pader divino, commuiiica-
do aos apostlos por Jess Christo, co Inleresse da
Bossa salvacao.
E' ceriamente urna extraordinaria e admiravel
insttuicio; extraordinaria, porque faz os homens
que se acham revestidos desta missio sagrada, de-
positarios de todos os segredos, ainda os mais gra-
ves da nossa consciencia, sob a s garanta de in-
violavel sygillo I
E' urna instituicao admiravel porque todo omun-
J a recebeu e ainda a recebe com o evangelho;
porque ella applicavel a todos os lempos, a todos
o', paizes, a todas as nacSes.
E isto sena assim. se sao fosse a divindade do
sua instituicao?
E quem poderla humanamente explicar a razao
de sua adopeo, sena > por um verdadeiro mila-
gre?
E' este sacramento a nica tabea de nossa sal-
vacao, desde que tivermos a mfelicidade de perder,
por alguai peccado, a graca santilicante do bap-
tisrno.
Aquelles a quem perdoardes os peccados serao
po doados, e serao retidos aquelles a quem reliver-
des, disse Jess Cnristo a seus apostlos.
Sacramento de nossa reconciliaco com a justica
divina pelos mereciraenlos do preciosissimo sangue
de Jess Christo.
Sacramento que nos traz aquella paz, qual a da
ti auquillidade de nossa alma; paz que o mundo
nao pode dar, isto paz com que Jess Christo,
pela partcipacU desle sacramento em ordem a
readquinrmos a innocencia e graca do baptismo,
nos rehabilita a possessao da sua heranca na eter-
na gloria.
O que nos embaraca pois de entrar nesta posses-
s >, qtiando Jess Christo nos garante no sen evan-
gelho :
Aquelles a quem forem perdoados os pescados,
serio perdoados?... >
A increduiidade T...
Ote)
< Bemaventorados quelles que nao viram e
acreditaram, disse elle, ainda oito das depois, ao
apostlo, que nao se achava presente no cnsenlo
nessa oocasio, qnando Ihes tomn a apparecer'
t A paz seja comvosco disse Jesns Christo a sens
apostlos, e inmediatamente dirlgindo-se a S. Tho-
m, Ihe diz: Observa bem minhas maos e meas
ps; approxima le e melle o teu dedo no aeu la-
do, e nao sejas mais incrdulo, porm el;ac-
crescentando mais: Porque viste, acreditaste,
Tliom; bemaventurados os que nao viram e
creen!...
Alt! se temos imitado a este apostlo na incre-
duiidade, imitemo-lo ao menos na sua conlusao e
no seu arrependiment, repetindo cora elle :
I Meu Senhor e meus Deas I prostrando-se arre-
pesdido aos ps de Jess Christo.
S assim que obteremos do nosso Divino Sal-
vador o perdo das nossas cnlpas, 'como entio ob-
teve o apostlo do seu Divino Mestre; obteremos o
inestimavel dom da f, que nos commnnicra o
Espirito Santo, e gozo dessa doce paz e tranquilli-
dade de efltsciencia, rocolheremos o fructo do pre-
cioso sangue dessa victima pascal na eterna glo-
ria.
Man
FOLHETIM
O CONDE DE CHANTELEiNE.
Episodio da rcvoloco.
(Continuacio.)
A ILHA DE PRISTAN.
O mez de janeiro correu pacificamente, e os hos-
pedes de Locmalll recobraram pouco a pouco con-
fianza. Tregolan senlia-se cada dia mais vivamen-
to attrahido para a donzella; mas, sendo-lbe Ma
ria obrigada, elle empregava em oceultar o seu
amor todo o cuidado, que um outro, menos delica-
do, teria applicado em divnlga-lo ; porUnto nin-
guem desconfiava, sena) tal vez K-rnan, que tinha
bons olhos e que dizia comsigo:
Isto se far, e maior felicidade nao poder
haver.
A lda de Donarnenez era socegada, e seme-
ihante socego s foi perturbado urna nica vez, e
nestas circunstancias :
Havia, do outro lado do rio, defronte da casa de
Locmalll, a meio qnarto de legua apenas, urna
ilha muito approiimada da costa e composta ni-
camente de nm grande rochedo incnlto; nm fogo
acceso no sen come assignalva durante a noite a
entrada do porto. Chamava-se a ilha de Trtstan, e
a'seniava-lhe bem o nome; Reman tinha notado
que os pescadores pareciam borronsa-la; evitavam
aborda la; at mnltos d'entre elles mostravam Ibe
os punhos, qnando passavam por diante deila ; on-
tros persignavam-se, e snas mulberes ameacavam
os Albos naos con a ilha maldita.
Dir-se-hia qne ella contioha nm hospital de le.
prosos ou um lazareto. Era nm verdadeiro lugar
de presenpeao e de qne ttnha-se modo.
Os pescadores dlziam algunas vetes :
O vento sopra do lado da ilha le Tristan, a
mar ser rnim, e ais de nm ficar sella-
Este temor sao era endeotemento jastiBcado;
A L'iiiii Catlolica acaba de publicar o segniote
resumo dos assassinaios tentados ou consumados
desde 1830, contra os soberanos de todas as catbe-
gorias, seberanos absolutos, coastitucibnaes, pre-
sidentes de repblicas, etc., no amigo e novo
mundo :
A RAI.NHa DE INGLATERRA.
A raioha victoria conta quatro attentados contra
a sua vida. Em 28 de junho de 1850, ella recebeu
urna vilenla bengalada de um certo Roberto Pate,
tenente do 10 bussares, em disponibilidade.
O RE DA PRUSSIA.
Em maio de 1830, o fallecido re da Prussia, ao
entrar n'um wagn, recebeu no braco direilo nm
tiro de pistola de grande calibre ; o assassino, Se-
felage, de Wetzlow, gritou, depois de fazer fogo
Viva a liberdade t
0 IMPERADOR D'AUSTRIA.
Em 18 de fevereiro de 185J, em Vianna, Fran-
cisco Jos I, fol ferido na nuca com urna facada. O
assassino chamava-se Libeny, da Hungra, com 10
annos de idade, domiciliado era Vienna, exercendo
o offlci deylfaiate.
0 DUQUE DE PARHA.
Em 20 de marco de 1834, Fernando Carlos III,
duque de Parma, ao regressar de um passeio, foi
acolovelado por um desconhecido, o qual nessa oc-
casio Ihe deu urna punhalada no baixo-ventre, e
evadi se deixando o punhal na ferida. O duque
morru ao cabo de vintc e tres boras de crueis
soffrimentos.
A U.U.M1A DE HESPANHA.
Em 28 de maio de 1836, a rainha Isabel II, pas-
cando de carruagem pela ra do Arsenal, em Ma-
drid, um mancebo por nome Raymundo Fuentes,!
sacou urna pistola da algibeira, e preparava se a
descarrega-la contra sua magestade quando um
agente de polica o desarmou. Era segundo atten -
tado.
I
o re de aples.
Em 8 de dezembro de i830, na occasio em que
Fernando 11 passava em revista a guarnico de
aples, um soldado, por nomo Agesilao Milano,
ferio-o com urna bayoneta.
NAPOLEAO III.
No mez de outubro de 1832, estando Napoleao
em vesperas de ser proclamado imperador, o achan-
do-se em Marselha, foi preparada urna machina in-
fernal, formada de quatro canos de grande calibre,
e de duzentos e cincoeuta canos de espingaala car-
regados de 1,500 balas, e que devia fazer exploso
ao mes.no tempo contra a pessoa do principe e
sua mitiva. Porm este attentado nao se levou a ef-
feito.
Em 5 de julbo de 1833, fez-se nova tentativa
para assassinai Napoleao III, na occasiao em que
se encaminhava ao theatro da Opera Cmica. Doze
francezesque tinham tomado parte na conspiracao
Paris, Greco, Trabuco, Imperatore.e Scaglioni, che-
gados de Londres, coa o plano de mataren o im-
perador dos franceses.
.o am DAPRDSSIA.
O novo rei da Prussia, achando-ae em Badn,
' corren perig > de vida na manba d 11 da julho
| de 1861. Dour tiros de pistola Ihe roram atirados
I por Osear Bcker, estucante de dlreito em Leipzig.
! O regicida declarou que quera matar o ra, por
elle ser incapaz de levar a effeito a unidade alie-
na a.
A RAINHA BA GRECIA.
Em 18 de setembro de 1862, a rainha da Grecia,
a qual, durante a ausencia do rei, tinha as suas
naos as redeas do poder, regressava de nm pas-
: seio a cavado e achava-se junto do palacio real,
qnando Arisiides Dousios, estudante de 19 annos,
'be deu um tiro de revolver, que falbon.
VCTOR KMMANUBL.
t En 1858, attentaram tambem contra a vida do
nosso soberano, e o conde de Cavour fez a cmara
dos deputados a narracao deste attentado na ses-
sae de 16 de abril, cono se poder ver as actas
officiaes daquella cmara, n. I8, pag. 597.
o cardbal antonelli.
Em 12 de julho de 1855, attentaram contra a
vida de sua eminencia o cardeal Antonelli, no mo-
mento em que descia a escadaria do palacio apos-
tlico. O assassino chamava-se Antonio Defelici,
chapelleiro de profisso.
0 PRESIDENTE LINCOLN.
Em la de abril de 1865, no theatro Ford, em
Washington, Abrabam Lincoln, presidente dos Es-
I tados-Uuidos da America, foi assassinado por um
artista dramtico chamado Booth.
celebrados en Florenca en honra de Dante. Ac-, (E de to mi ndole, e tao feroz, qne jamis se
cresceotaremos agora alguns pormenores, qne nos ">e sacia o appetite, e qne depois de comer tem
parecem dever merecer a attencao. mais fome que d'antes.)
Vtrr, ehi la far morir di dogtia.
Questi ta caccier per ogni villa.
Fi* c* tavr rime-sa nelinferno.
(Vira quem a far morrer de tristeza. Dar-lhe-ha
O dia 14 deste mez ser memorara! na historia
da independencia do povo Italiano.
O magnifico espectculo da procissSo de nume-
rosissimas depntages; a ceremonia da ioaogura-
Sri.?*.?,aa-M8 Pa.nle n* ,Presen* d0 Pr'"eiro a caca por loda a parte, at que a mandar para o
rei dessa humilde Italia, pela qual pugnaran, es- nferno v
creveram e morreram tantos vares ilustres; as ,,..' ... ...
..-..fe-- .. E inpos-ivel descrever o enthusiasmo provocado
3 L Pr0mCl,aS reUD,,aS P"a Pr eta u""a ^ophe.
prestarem homenagera ao altissimo poeta; a, Os applausos romperam com furor, e os gritos
ctdade loda vestida de gala paia festejar o sen de ,Pa o rei sahirara esponunoamente de todas as
compatriota e cidadao, foi urna cousa imponente e ^,8
magestosa.
Os Japonezes comecam a ter mais apego vida
e ja nao gustara de abrir o ventre com o sabr
que o seu imperador Ihes enva.
A este respeito conta-nos nm jornal-francez o
seguinte caso :
Tendu o imperador do Japo graves queixas de
nm dos seus offlciaes, mandou-lhe o famoso sabr
com o qual os Japonezes costumam abrir-se o ven-
tre, sendo este o ultimo dia da sua vida, senao o
melhor,
Attendendo a que o e tado efficial tinha ama
graduaclo elevada, e servir bem at all o seu
soberano, este, para attenuar o mais possvel o ef-
feito da implcita e desagradavel ordem, envou-
Ihe por via do seu prlmeiro ministro nm dos seus
melberes sabres, guarnecido de diamantes e pe-
rolas.
O official recebeu o objecto em questao.
Sabia perfeitamente o que Ihe cunpria fazer, e
o oso para que estava consagrado.
Depois de contemplar com todo o respeito o
instrumento do seu supplicio, sahio de casa tran-
quillamente, dirigio-se ao porto, embarcou a bordo
de nm navio francez, que parta para o Havre, fez
urna travessia feliz, chegou a Paris e vendeu o
sabr a um ourives, mediante a quantia de trinta
contos de ris, que comegou a gastar agradavel-
nente.
O imperador do Japao, a estas horas, ainda es-
pera naturalmente a preciosa e suicida arma.
No da em que chegou a esquadrilha russa,
convervasam em S. Bento tres deputados.
Que tiros sero estes ? pergunton um delles.
Naturalmente o cadver do principe im-
perial da Russia, que chegou.
Para onde ir elle, sendo do rito grego ?
perguntou outro, querendo dizer, se ira para o
cu ou para o inferno, por ser de nm culto dissi-
dente.
Onde o Rito Grego ? acudi o terceir, jul-
gando que o rito grego nome de alguma trra.
Um deputado encareca a um seu amigo nm
dos discursos pesades do Sr conde d'Avila, e o
amigo perguntou ihe :
Entio o que disse elle ?
Oh I foi um discurso famoso, nostrou que o
paiz est araeacado de um cathecismo.
foram presos. La-se o Moniteur de 7 de jnlho de ,
1833.)
Em 28 de abril de 1835, Joao Leveraoi, nos Cam-
pos Elysios, atirava dous tiros de pistola contra o
imperador dos francezes.
Em 1857, Tibaldi, Partolotti e Grilli partiram de
Inglaterra para Franca, e dirigiram-se a Paris
para ah assassinarem o imperador; foram porm
descoberlos, presos julgados e punidos.
Em 14 de Janeiro de 1858, Orsini, Gmez, Petre
e Rudio lancaram bombas homicidas contra o im-
perador dos francezes, matando e ferindo nm gran-
de numero de honrados cidados.
Em 24 de dezembro de 1863, foram presos era
Segundo se l n'uraa correspondencia do Seo de
Vrgel, diz a poca, os montes que rodeiam o val-
le de Andorra, minados em todas as direcges por
correntes de aguas sulphurosas, devem ter soffrj.
do algum abalo vuleanico na noute de 16, por-
quanto a parle que fi.-a voltada para a capital d'a-
quella repblica, que a vertente das Escaldas,
desprehendeu-se repentinamente, causando o sen
desabaraento a destruicao total de urna igreja e
treze casas, de que se compunha a pequea aldeia
de Fen.
L-se no Jornal do Commercio de Lisboa :
J demos conta aos nossos leitores, dos festejos
comiedo tal lugar passava por perigoso e funesto.
E entretanto era habitado, porque de vez em qnan-
do descobria-se errando sobre os penhascos nm ho-
rnero vestido de preto, que os moradores de Donar-
nenez mostravam con o dedo uns aos ontros excla-
mando :
Ei-lo! ello!
Muitas vezes at estes gritos eram acompanhados
de ameacas.
A morte ( a morte! repetan os pescadores
encolerisados.
Entio o bonem vestido de preto enlrava em orna
cabana armiada, situada no cume da llheta.
Este incidente renovou-se frequentemente ; Ker-
nan f-lo observar ao conde, e elles interrogaran!
Locmaille a tal respeito.
Ah I exclamou este I J o viste ?
Sim I responden o conde; podis dizer-me,
meo amigo, quem seja este infeliz que parece ex-
pelhdo da sociedade dos homens ?
Ora pois I o maldito I replicn o pescador
con ar aneacador.
Mas qne maldito ? perguntou Kernan.
Yvenat, o jurador.
Que Yvenat, que jurador ?
E' nelhor nao fallar nisso, replicn o bom ho-
nen.
Nao se poda tirar nada do velho cabecudo ; po-
rm una noite, nos primeiros dias de fevereiro,
'ornou-se a fallar acerca disso por occasio ne una
reflexao feita pelo proprio Locmaille.
Toda a familia eslava reunida diante de una
grande fogoeira na sala terrea. O tempo era nao;
ouviam se as taboas da porta e das janellas darem
penosos gemidos; tambem sahiam pelo largo cano
da cbamin grandes golfadas de ar qne acoutavam
as cbamnas e o fumo.
Cada nm estava mergolbado nos sens peosamen-
tos; ouvia-se rugir a tenpestade, qnando o bom
bonem disse, como ae fallasse comsigo raesmo :
Um bom tempo e urna boa noite para o ju-
rador i
Ah I estis fallando desse Yvenat, diese H^n-
rique.
Do maldito! slm! mas brevemente, se ain-
da se fallar delle, ao menos, ninguem o ver
mais.
Que queres dizer ?
Eu c sel.
E o bom nomem tornou a cahir as snas refte-
xes, prestando comtudo altencao a qualquer ru-
mor.
Henriqne, disse ento o conde, parece qne
sabis a historia deste infeliz, podereis dizer-nos
qnem seja Yvenat, esse maldito?
Sim, senhor Henriqne, accrescenton a don-
zella, onvi fallar delle, at vi nm desventurado na
ilba de Tristan, mas nao rae tem sido possivel saber
mais nada.
Mademoasella, responden Tregolan, este Yve-
nat um sacerdote constitncional, nm juramentado
nm jurador, coma dizem, e desde que a mnnicipa-
lidade de Quimper deu-lhe posse para exereer as
funecoes de cura, nao teve outro recurso senao re-
fugiarse nessa ilba para escapar ao furor dos pa-
rochianos I
Ah I exclamou o conde, um juramentado,
nm desses sacerdotes que adherirn constituicao
civil do clero!
Tal qual, senhor conde, respondeu Tregolan;
assim, logo que a forca armada qne empossou-o,
retirou-se, vedes o que succedeu a este desgranado.
Fol obrigado a fugir n'um barco, ea refugiarse no
cume dessa ilba, onde vive de alguns mariscos.
E porque n3o fugio ? perguntou Kernan.
Nao se deixa neohnm barco approximar se
da ilba, e este infeliz acabara de perecer.
Nao tardar, murmurou Locmaille.
Infeliz I disse o conde dando on profundo
suspiro, els portante o que ganhou en abracar a
consiiiulcao civil 1 Nao conprebendeu o papel su-
blime de sacerdote nesta p ca de confusio e ter-
ror!
Sim, respondeu Tregolan, orna nobre mis-
sao I
De certo, responden o conde, com entusias-
mo, al mesrao mais bella do qne a do Vandeano e
E, em verdade, com a celebraco do centennario
de Dante, est concluido o ultimo capitulo da histo-
ria de onze seclos de aspiracoes, depois do ale van -
lamento do edificio da unidade poltica prognosti-
cada pelo Alighiera, fundador da unidade da liogua,
e a qual falla s o complemento da unio de Roma
e Veneza.
A praca de Santa Croce aprsenla va um espect-
culo, como nunca se vio outro igual, e mais que
aos olhos fallavam ao coraco e ao espirito os
pendes das varias provincias e os representantes
de toda a Italia reunidos n'uraa s provincia, aps
tantos seculos de odios Intestinos, aps taotas diffl-
caldades sobrepujadas.
A provincia de Turin mereceu urna syrapathlca
demonstrado de affecio, por ser a mais benemri-
ta enlre todas: o estandarte e os seus representan-
tes foram acclamados frenticamente por todas as
ras da cidade; applausos nao menos entbusiaslas
receberam as deputaces e as bandeiras cobertas de
crep, de Roma, Veneza, Trieste e Istria.
Tambem obtiveram a sympathia e os applausos
do publico, dous frades, representantes das asso-
ciaces emancipadoras do clero italiano, que tra-
ziam urna bandeira sobre a qual estava escrip-
ia : Italia unaRoma capital.
No acto de se descobrir a estatua, o gonfaloneiro
de Florenca proferio alguraas palavras cheias de
patriotismo,'e seguio-se-lhe um eloquente discurso
do professor Giuliani.
Vctor Emmanuel, coraraovido, apertou-lhe a
mao, e respondeu-lhe, com palavras dignas do
primeiro soldado da independencia, que, como
dissera que a Italia devia muita gratidao ao rei
que tanto fizera em pro della.
Fiz, disse, aquillo que pude,.e estou prompto a
fazer o.resto.
Que Deus abencoe a vossa espada, accrescen-
tou o professor.
Empunheia, Ihe retorquio Sua Magestade,
pela causa da justica e pela causa da Italia.
Aq cahir do vu que encobria o monumento,
milhares de vezes soltaram um grito de jubilo.
No dia 15 a academia Della Crusca celebrou
urna sesso extraordinaria, a qual assistio o minis-
tro da instrocao publica. AII o professor Centofaoti
proferio um esplendido discurso acerca das obras
de Dante.
Em a noute de 16, houve urna repre.>entacao
brilbanle, a qual assistio o re.
A comraissao dos festejos de Dante imaginara
aos sens convidados urna serie de quadros vivos,
representando as principaes scenas da Divina Co
media.
Os primeiros artistas de Italia, a Ristorf, Salvini,
Gattinelli, e Rossi, deviam ao mesno tempo reci-
tar os trechos do poema, proprios para explicar ao
publico essas mesmas scenas, representadas por
actores mudos.
pensamento achou interpretes
Este excedente
ntelligentes.
Os quadros vivos produziram um bello eSei o; os
actores que declamaran) os versos do Dante em
nada desceram da altura da sua repntacSo.
As oito horas, entrn Sua Magestade no seu
camarote.
O theatro PagHano mu vasto: tem seis ordens
de camarotes, com 35 em cada ordem. Nessa
noute achavam-se al reunidas seis a sete mil
pessoas.
O primeiro quadro representa va Dante saudando
Beatriz.
O segundo figurava Dante atacado pela loba, do
primeiro canto da Divina Comedia, e soccorrido
por Virgilio.
Esta loba, no pensamento de Dante, e-na opinio
da maior p^rle dos seus coramentadores, represen-
ta a corte de Roma, a qual apoiava naquella poca
o partido guelfo.
Este prlmeiro canto, recitado por Salvini com
um talento incontestavel, est recbeado de al lasos
polticas, que enlhusiasmaram o publico.
Bd ha natura si malvaggia e ria,
Che mai non empie la brumosa voglia
E dopo il pasto ha pi (ame chepria.
Breto que corrern- s armas em defeza da santa
causa t Vi de perto esses ministros do co I Vi-os
abencoando e absolvendo nm exercito Inteiro de
joelho antes da batalha I Vi-os celebrando a missa
sobre nm cabeco solado com urna cruz de p, va
sos de barro, e ornamentos de- panno de linho;
vi-os depois lancando-se na refrega com o crucifix
na mao, soccorrerem, consolaren), absolveren) os
feridos at debaixo do fogo dos canhes republica-
no?, e all, me parecern) mais invejaveis do que
outr'ora na pompa das ceremonias religiosas.
Fallando assim, o cende pareca animado do fo-
go sagrado dos martyres ; seus olhos briHiavara
com ardor todo catholico ; senlia-se nelle ama n-
abalavel conviccao, que o tera feto um confessor
resoluto da f.
Eraftm, disse elle, ueste terrivel tempo de pri-
vaces, se eu nao fosse nem esposo era pai !....
desejaria ser sacerdote !
Todos olharam para o seu rosto. Elle resplan-
deca.
Neste momento um sardo rumor fez-se ouvir no
meio dos assobos da tempestado ; ameacas huma-
nas confundiam-se com as dos elementos. Nao fal-
tava nm ruido indeciso; mas sen duvida Locmail-
le sabia o que era, porque levantou-se dizendo :
Bom t ei los ei-los !
Ento que succede ? perguntou Kernan.
Elle dirigio-se porta ; esta, apenas entre-aber-
ta, fot to violentamente repellida pelo vento, que o [
robusto Breto nao pode com toda a sua forca fe-
cha-la.
Mas por pouco que olbsse para fra, tinha des
coberto na praia archotes accesos que agtavam-
se ; gritos terrlves retumbavam durante os cortos
apaziguamentos da borrasca. Sinistras scenas pre-
paravam-se para a noite.
Outr'ora, antes da revolncao, os sacerdotes eram
muito venerados era toda a Bretanha; elles nao
tinham-se engolpbado dos exce.sos era nos abo-
sos do poder que assigoalaram o clero das provin-
cias' mais diantadas. Neste capto da Franca,
eram bous, humildes, servicaes, e feitos por assim
dizer do melhor da populacio. Couim-se nm gran*
O flm evidente do publico era attrabir o rei para
a dianteira do camarote, afira de aclama-lo mais
frenticamente; porm esta roanifestacio bouvera
sido demasiado significativa, e o re absteve se.
A Ristori declara ju em seguida com muita viva*
cidade a narracao que faz a Dante Francesca di
Rimini, snrprehendida por seu marido e mora nos
bracos do seu amante.
O quadro de Farinata degli Uberti,esse chefe fe-
roz dos Gibelinos, o qual appareceu a Dante rodea-
do de chammas.
Dalla cintola m m ,
da cintura para cima, e que se alevanlava
Com'avesse V inferno m gran dispetto.
como se despgsasse o inferno, era imitado de nm
magnifico desenho de Gustavo Dor, no seu Dante
Ilustrado ; foi julgado um dos melhores, na opi-
nio dos entendedores.
A narrativa da morte dos (lirios de Ugolino, feita
por Salvini, electrisou aquelle publico ardente.
Nunca pareceu Dante mais sublime.
Ristori declamou em seguida o 5 canto do Pur-
gatorio, o da Pia de Tolomei :
Ricordati di me, che son la Pa:
Siena mi f, disfecemi Maremma.
(Lemara-le de mira que sou a Pia : Sienna fi-
me nascer, e Maremma morrer.)
Esla represenlacao, que se prolongou at urna
hora da noute, deve ter deTtsdo recordaces dura-
doura no coracao dos assistentes.
Ao mesmo tempo havia um baile popular no pa-
lacio Affizi, onde urna orchestra monstruosa tocara
lindas pecas de msica.
As salas d'este magnico palacio estavam ornadas
com muita arle e gusto, de espelbos, flores, luzes
e cscalas.
M. Z. recebeu ltimamente em sua casa o casei-
ro de urna quiola que possue, o qual Ihe. leva va um
presente de dous magnficos coelhos.
Depois de ter aceitado o presente, convidoa o
seu hospede a descancar das fadigas da vagem, e
mandon-lhe servir cerveja, pao, manteiga e um
bom pedaco de queijo de Hollanda.
Ocaseiro senlou-se a mesa, e um ojiarlo de hora
depois j tinha desapparecido a cerveja, o pao, a
manteiga e urna quinta parte do queijo.
N'este momento entra casual mente na casa de
jaular a mulher de Z., a qual, concebendo serios
cuidados pelo resto do queijo, chamou seu marido
para o qaarto contiguo, e lbe disse :
Se ebega alguem e pede queijo, nenhum te-
remos para Ihe dar.
E' verdade ; mas socega, que eu prometi
salvar aquelles restos.
Z. aproximou-sedo seu hospede.
Pelo que vejo voc gosta muito de queijo,
nao assim ?
Sim senhor, la isso verdade quando elle
bom, como esse que estou trincando.
Todava, devo adveriirlhe que o queijo de
Hollanda tem um grave inconveniente, e vem a
ser----que quando delle se abusa-----perde-se a
falla.
Que me diz V. S. ?
O que acaba d'ouvir.
Ora, louvado seja Deus, at que a final achei
aquillo que ha tanto tempo andava procurando : o
mel de fazer callar mtnha mulher.
E dizendo isto meileu o resto do queijo na algi-
beira.
Giuseppe Mazzini, eagenho expiendido, escriptor
sublime, acompanha eon as seguintes regras um
irabaiho critico r^hre a. vid* de Juho Cesar de Na
poleo III, e nestes termos se dirige aos estudante
da universidade de Palermo :
Eoviastes-me, ha pouco, urna palavra de adhe-
so minha carta dirigida a PiIX.
Escrevi, pensando era vos, as seguintes paginas
sobre o cesarismo, que o papismo applicado
vida poltica das naces.
Considerae-as como a expresso do meu pensa-
monto e como um penhor de fraternal affeiQo
Maio
Do vosso na f
Jos Mazzini.
O CESARISMO
O livro qne saiu recentmoste a lame, assigna-
do por Luiz Napoleao, nao merece, eono narracio
histrica, qne se detperdknm coa elle palavras e
tempo.
E' nm livro menos qne mediocre.
O resumo da historia de Roma anterior a cesar,
nio tem on acto sequer ou urna investigacao, que
nao se possa encontrar em qualquer compendio coos-
ciencloso : ignora os estudos feitos por alguns es-
criplores Inglezes : coraprehende por rezes err-
neamente os antigos e delles traduz inexactamente
os fragamenlos citados.
Se no fin da introdcelo nao apparecesse um
nome, que intima o appluso aos jornalslas ser-
vs, poneos teriara feito caso desse livro : ninguem
o teria elogiado.
Porm a introdcelo desenvolve e sustenta urna
iheeria, de que se serviu -para narrar a vida de
Julio Cesar, que tendo a falsear systemalicaraente
a historia, lancando ao despreso as suas liciJes, e a
corromper os jorens e ioexperientes intellectos,
despojando de teda a doulrina moral os juizos so-
bre os factos consummados.
E' esta mesma theoria que prevalece em muitos
irablahos histricos do ultimoquarto deste seclo, e
traz a sua origen) de nma philosophia, allegel, que
hoje tal o amor de quem preside a educacao da
nascente Italia Iso ensina na universidade de
aples mocidade, e que insina, inadvertida-
mente, nos nimos a adoracio da forca manifestada
nos factos consummados.
Em nome da conscenca humana e da moral of-
fendida, mister que alguem proteste contra se-
melhanle theoria.
Um soldado separatista foi ferido e cooduzido
para Richmond.
Chegando ao hospital foi examinado por um el-
rurgio, que decidi ser necessaria a amputac > de
urna pema do ferido.
Era quanto o crurglo preparava os seus ins-
trumentos, o paciente entrava em negociaces com
outro ferido, e vendia-lbe a bota, que se ia tornar
intil por causa da operagao.
O grao conselho de Berna, na Suissa, acaba de
abolir, ou para melhor dizer, reformar urna le que
remoniava ao seculo passado, e, segundo a qual>
todo o candidato ao matrimonio devia apresentar
autorldade eclesistica, nao o attestado de se ha-
ver confessado e commungado, como de rigor
era outfes-paize, mas urna espingarda.
Esta lei foi sempre observada com escrpulo :
se nao havia espingarda a boda nao poma ter lu-
gar ; por consegrante ninguem poda approximar-
se ao altar do hymeneu sera ir convenientemente
armado.
Os legisladores bernenses resol veram aeabar com
este coslume amigo, exigindose de ora avante do
noivo 65000 destinados compra de armas e rnu-
nicoes.
as alturas do cabo Halteras, desenvolveu se eora
tal torca um incendio n j vapor americano Gene-
ral Lwh, que nao foi possivel alalba lo.
O vapor afflrma-se que transportara seis centos
passageiros e destes e da tripulacao salvaram-se
apenas sete pessoas.
Entre os passagoiros vinham trinta. senboras e
vinle e cinco enancas.
Nao imaginamos que possa haver urna scena
mais horrorosa do que a que se passaria a borde
do Geueral'Liun.
- iiBIII B-UL. ------ .
Um engenheiro francez depois de 3 anuos de tra-
ballio conseguio o meio de levar a cabo a perfura-
c;io do islhmo de Panam, conslruindo um canal
sem repreza alguma, que dever pretorrer urna
distancia nao excedendo a 62 kilmetros.
A despeza total desta obra de grande- importan-
cia para a navegaco se avalia em 200:000)000
francos.
Parece-nos que estas palavras se poden applicar
com exaciidao ao fallecido duque de Moray.
Deixando a parte poltica d'este hornera para nos
oceuparmos do urna parte, diremos- que se oceu-
pou bailante do theatro, sob o pseudnimo de M.
de Saint Jenny e que as suas pecas foram bem re-
cebidas pelo publico.
Conlam-se .entre as suas produecSes a opereta
.1/. Choufteury de que compoz o libreto e a msica,
Le mari sans le savoir, Les bons oomseilles, II n'i/ a
pas de fume sans un peu de (eu, Ea manie des pro-
verba e outras comedias.
-Mg>-
de numero delles, ninguem tinha queixas a seu
respeito ; havia ciuco sacerdotes por parochia, e
at, algumas vezes, doze; em summa, mais de mil
e quinhentos religiosos no departamento de Fi-
nistere. Os curas, ou, para chama-Ios como na
li retan lia, os- reitores, gosavam de ura poJer con-
sideravel. Nomeavam seus serventuarios, regista-
vara os testamentos; eram quasj todos inamov-
veis e obedeciam-ihes innumeraveis cleros mocas
que vivam com oe caraponezes, instruindo-os nos
seus deveres- religiosos e ensinando-lhes caticos.
No tempo do juramento, quando a constuicao
civil do clero fol decretada, quando todos os sacer-
dotes da Franca foram obrigados a aceita-la, o cle-
ro francez dividio-se era juramentados e nao jura-
mentados. Estes foram os mais numerosos; re
cusaramjurar, e viram-se na necessidade de optar
enlre a prisao e o exilio ; um premio de trinta e
duas libras fe concedido a quem cooduzisse os re-
calcitrantes ao districto, e afisal a lei de 26 di
agosto de 1792 decretou sna deportacao em massa.
Entio as municipalidades admltram os sacer-
dotes constilucionaes; as parochias nao quizeram
recebe-los. Houve lula e combate em mais de um
lugar; os camponezes expelliram os juradores ;
muitas posses de curas foram ensanguentadas.
Em Douarnenez, a 93 de dezembro de 1792, os
guardas nacionaes de Quimper vleram empossar o
padre Yvenat; nio era um mo humen, ao con-
trario ; antes desta infeliz questao de juramento,
elle tinha sempre cumprido dignamente o seu mi-
nisterio ; era sem duvida um hornera de bem, a
quem sua. conscenca nio prohiba adherir urna
constituiQio que Luiz XVI assignra, e, posto que
juramentado, elle de certo teria cumprido com dig-
nidade as suas funecoes.
Mas era um jurador ; os caraponezes nao o qui-
zeram ; nao admittiam razes a este respeito;
era questao de sent ment ; perianto, desde o
principio, aborreceram o padre Yvenat; elle nio
achou ninguem que o. servlsse no presbyterio ;
cortarara-lhe as curdas dos sinos; elle nio poda
locar os odelos nenhum menino quera ajudar-
O Mornmg Avertisser annuneia que Lady Herbt
se converteu diffioitivaraente a f romana.
Ihe a missa, os pas nao o permittiam ; prefera
nao ouvi-la; emflm, faltava-lhe o vinho para o
sanio sacrificio, nenhum estalajadeiro ousaria veo-
de-lo. Yvenat rogou, usou de prudencia, nada ab-
leve ; nao fallavam com elle, e quando viera a
fallar-lh, foi para injuna-lo ; das injurias s of-
fensas s havia um passo, este foi transposto ; de-
pois chegou a superslicao ; vio-se neste jurador o
mo genio ; aceusoo-se o maldito por causa das
tempestades; attribuiram-lhe a perda dos barcos;
amotlaaram-se, e finalmente a colera publica to-
rnou taes proporfes, que o sacerdote foi obrigado
a abandonar o presbyterio; elle rebigiou-s; na
ilha de Tristan, oode os pescadores deixiram-n'o
morreado de fome ; havia mais de um m u q te
habitava esta rocha solada, vivendu de maos le-
gumes, e na falta destes pescando i pareca que a
t ridade nio existia para elle.
Mas a paciencia dos camponezes devia ter na
termo, e sua colera voltou con as calamidad -s-,
que, cada dia, cahiam sobre elles. Os Breles que
escaparan) as balas republicanas durante a guerra
da Vanda, regressavam a seus lares, esgoiados,
feridos, arrastando-se ; a miseria aagmentava ; a
fome ameagava o palz. Tant n males nao padiam
ser imputados senio ao maldito em nu paiz su-
persticioso. Depois de ter deixado este iufeliz ve-
getar n'um rochedo n, a raiv voliou-se contra
elle ; at aonde ira ella da parte destes,rudes
camponezes, nao se poda prev lo. Finalmente o
dia da exploso chegou. e foi annunoiado por gri-
tos que Kernan aeabava de ouvir.
Henrique de Tregolan referir todas as particu-
laridades da vida de Yvenat e seos eompanbeiros.
E quando Kernan declarou-lhe o que tinha vi.-to
pela porta entre-abena, eomprehendeo que essas
ameacas dirigiam-se ao jurador, e que se alienta va
contra a sua vida.
i




(Co*tinuar-$t--ha)
PERNAMBUCO.-TYP DE M. F. DE F. & FILHQ
V





Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9D0N1L45_F4JVJ9 INGEST_TIME 2013-08-27T20:38:57Z PACKAGE AA00011611_10693
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES