Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10691


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL. HOMERO 124
-
,.
Ut qUrtelia{dntrdei0 4itsdti.ottz ...ti.. 31000
Uta iftis dos i." 10 dfcts |i Cftjnecee (tafodt qaartel.... 68000
Frtectrwi#pr tri Mees.......,..,,:. 750
Por dio fago deitro de 10 das do i. mez
Porte ao correio por in anuo.......
E.NGARREGADOS DA SUBSCRIPgO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Ceari, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geralde Antonio Alves &
Filaos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claadioo Falclo Uias; Bahia, o
Sr. Jos Mirtirn Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparlaho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas fei ras.
Santo Antao, Gravat, Bezsrros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Buiqne, S. Bento, Bom
Conselho, Aguas Bellas e Tacarat, aastergas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Mraoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricnry, Salgueiro eEx, as quartas
(eiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbadM
hora da tarde.
Serinhiem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta e Pimenteiras.nas quint
feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JUNHO.
1 Quarto cresc. as 6 b., 1 m. e 58 s. da m.
9 La ebeia as 7 b., 21 m. e 16 s. da m
16 Quarto ming. as 4 h., 33 m. e 28 s. da m.
3 La nova as 5 h., 37 m. e 34 s. da m.
30 Quarto cresc. as 11 h., 20 ra. e 51 s. da
SEGUNDA FEIRA 12 DE JUNHO DE 1865.

i9$000
SfOOO
^AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
fribanaldo commercio : segundas e quintas,
lelaco; tercas e sbados s tO horas.
renda : quintas s 10 horas.
Hizo do commercio:'segundas as 11 horas.
Sito de orphos: tercas e wxtas s 10 horas.
rimeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
gunda vara do c vil:
hora da tarde.
quartas e sabbados a 1
DFAS DA SEMANA.
12. Segunda. S. Joao de S. Facundo; S. Onofte.
13. Terca. S. Antonio de Lisboa f. padr. do bisp.
14. Qusrta. S. Basilio magno b. doul. da egr.
15. Quinta, cgs Corpo de Dens. S Modesto m.
16. Sexta. S. Joo Francisco Regis; S. Julia m.
17. Sabbado. S. Thereza r. de Lyo; S. Rainero.
18. Domingo. Ss. Leoncio,Tribuno e Theodulomm
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 m. da manhaa.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos das 14 dos mezes de Janeiro, marco, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
municipios sob sen comraando superior coube dar
para a guerra.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal da Boa-Vista.loteirdo do conteudo do offlcio
de V. S. de 16 de abril ultimo, tenbo a dizer-lhe
em resposla que ja providenciei como Ibe commu-
uiquei em 30 do mez lindo, sobre o adiantamento
de sold aos contingentes da guarda nacional de-
signados para o servio da guerra, e qnanto ao que
V. S. pondera a respeito dos guardas, remetta-me
urna lista dos que desertaren) como determinei em
circular d'aquelia mesma data.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Garanhuns.Respondo ao offlcio de V. S.
n. 27 de 17 de maio prximo lindo, dizendo Ihe que
faca seguir para esta capital os guardas nacionaes
designados para o servico da guerra, com qualquer
offlcial, por que este voltar, se nSo for aqu esco-
llado para o mesmo servico.
Dito ao commandante do corpo de polica.D
V. S. baixa do servico ao soldado Domingos Jos
da Luz e ao guarda Raimundo Jos Ildefonso do
Sacramento, este da seceso nrbana e aquello do
corpo sob seu commando
Dito ao mesmo.D V. S. baixa do servico ao
soldado do corpo sob seu commando Bernardino de
Lima Ferreira, visto que serve de arrimo a urna
irma.
Dito ao Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho.
Teodo nomeado urna commissso composta de V.
S. e dos Srs. Drs. Joaquim de Aquino Fonceca, Jos
Joaquim de Moraes Sarment, Manoel de Barros
Brrelo, Manoel Buarque de Macado, e engenhei-
ros Gervasio Rodrigues Campello e Jos Tiborcio
Pereira de Magalha%s para nao s examinar a pro-
posta que me apresentou com un requerimento
Carlos Luiz Cambronne, ao sentido de ser alterado
Damiana de -Albuquerque Mello.Flca o filho
da supplicante dispensado do servico da guerra.
Tenenle Francisco Pierre Bezerra Cavalcanti.
Ioforme o Sr. commandante superior da guarda
nacional do municipio de Goianna.
Padre Francisco Joo de Araujo.Informe
Sr. director geral interino da instruccao publica.
Joanna Mara da Conceiclo.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa de Miseri-
Expediente do dia 8 de jnnho de 18115.
Offlcio ao Exm. commendador Domingos de
Souza Leao, presidente da Associacao Protectora
das familias dos voluntarios da patria.Satisfazen-
do ao que sollicila V. Exc. em seu offlcio de 27 de
malo ultimo, remedo inclusa a relajo que me foi
apresentada pelo coronel commandante das armas,
coniondo os noraes das pracas do 1* corpo de vo-
luntarios da patria que deixaram de embarcar pa-
ra a corte o esto considerados dezertores.
Por esta oceasio peco particularmente a atten-
gao dessa associacao (que estou corto prestar toda)
para as familias dos indios, que se acham alistados
no 2 corpo de voluntarios iu patria.
Dito ao bario do Livramento. Reconhe-
cendo ser de grande utilidade a creaco de um
Asylo de Invlidos da Patria, que a praca do com-
mercio do Rio de Janeiro animada dos melhores
desejos se prope fundar para olferecer ao impe-
rio, de conformidade com a proposta por ella ap-
provada em asembla geral no da 25 de feverei-
ro deste anno; e convindo auxilia-la em to notre
empenho, como sollicitou em offlcio de 27 de mar-
co ultimo, resolv nomear urna commisso com-
posta de V. S. o dos Srs. Dr. Ignacio Joaquim
de Souza Leo, capito Luiz Cesario do Reg, te-
nente-corooel Antonio Carlos de Pinho Borgese
Antonio Pires Ferreira para promover nesta capi-
tal e em toda a provincia pelos meios a sea alcan-
ce urna snbscripcao para to justo fim.
O que communico a V. S., esperando do sea ze-
lo e patriotismo, que >e prestar a servir em dita
commisso, concorrendo para que a praca do com-
mercio da corte receba desta provincia a coopera-
cao que sollicita.Offlciou-se neste sentido aos do-
mis membros da commisso.
Dito ao coronel commandante das armas.Ex-
peca V. S. as saas ordens para que da companhia ,
de cavallaria de 1* linha que tem de seguir para a i munico a V. S. esperando do sen zelo e patriotismo i armas,
corte na forma das ordens imperiaes. Piquero nesta Ia8 se Pastara a esse servico, empregando todos I Manoel Candido Pereira de Lyra.J fol provi
os seus esforcos para o bom resultado.Offlciou- do o lugar.
se neste sentido aos demais membros da commis- Manoel Pedro da Paixo. Informe o Sr. com-
sao-. mandante superior da guarda nacional de Goianna
Dito ao padre C. A. Austin.Mandando expedir
cordia.
Joaqnim Goncalves Ferreira Jnior.Informe o
Sr. desembargador prowdor da Santa Casa de
Misericordia.
Joaquim Marcolino da Silva.Prev com do-
comento o qne allega.
Jos Cavalcanti de Albuquerque Maranhao.
u se.
Padre Joo Jos Pereira.Era vista da informa-"!
Co nao tem lugar.
Ju venci Temporal. Dirija-se a' thesou
provincial.
Alfares Luiz Leocadio Rigaeira Pinto de Souza.
Informe o Sr. commandante superior da guar-
da nacional do Rio Formoso.
Manoel Antonio Rodrigues Saraico.Ja' foi pr-
vido o lugar.
Tenente Manoel Barbosa Cordeiro. Inform eo
Sr. commandante superior da guarda nacional do
municipio de Goianna.
Mara de Hollanda Cavalcaote Capistrano. In-
forme o Sr. inspector da thesonraria da fazenda.
Manoel Amonio Teixeira. -Passe portara conce-
dendo a prorogaco pedida.
Manoel do Carmo do Nascimento. Apresente-se
no quartel do commando das armas para ser ins-
peccionado.
Manoel Heraclito de Albuquerque. O requeri-
Estou resolvido a mandar pessoa habili-l No intuito de dar maior desenvolvimento baixo das maraAn* ma ,, ,i,nJ,ift am
resolver, com seguro ronhecimento, como
melhor convier a tal respeito. Em traba-
lhos desta ordem, tudo quasi sempre de-
pende de estudos preliminares, sem os
quaes imprudencia despender os dinhei-
ros do Estado.
Urna das mais instantes necessidades da
provincia refere-se sem duvida, como te-
n-.A a~ '--------r J, 151 anuo cAieiisau. as varzeas sao tatoDem
Smsr! H2iPSiS Tmbr0S da aS" terras baixas>mas s alagadas pelas grandes
semble-a provincial, colligi de urna nteres- enchentes b h^ !STra i d r- CUln,h Sbr| a A subida e de3cida das aga* caminham,
hydrgraph.a da provincia algumas das termo medio, 10 milhas em 24 horas No
2!?amqi SfS 3 "V ne 3ae me P' iSolira5es' a distancia Percorrida, nesse espa-
^m$mK&^n*k* f tempo r poucomoi
a i : r PRtLIMIiNARES. a pequea elevacao do slo e a grande
A pequea dtfferenca de nivel do terreno altura que chegamjas aguas determir
o seu contrato para limpeza e esgolo desta cidade,' ment de que trata o supplicante, j foi devolvido
mas tambera procurar chegar a um accordo com o 't com oatros a repartico da jastiga em 18 de maio
contratante sobre as modilieanvs que con vera fazer ultimo.
no mesmo contrata, afim de melhor estabelecer-se | Manoel Malaquias Franco. Passe portara pro-
o servio de llmpeza constante do raesmo contrato xogando o prazo por trila dias.
sem nenhura croprometlraento de onus para a
provincia ou para os particulares: assim o com
nho dito por vezes a alimenta^ publica, da provincia, que pouco maior de 56 me- S exZ z% bliSo dTZZT
que alem, de barata, deve ser 3d, e subs- limetros ja directo E. O, ea diminuta ele- TtoSSS do'SSK VStt
o va?ao d0 sol- as chuvas copiosas e prolon- em mais de metade dn s.ia AvtPnsSn *m
Sem embargo, porem. do cuid do que gadas de novembro m.^ e_a Jersida- ^^S^^S^JS
convertem-se
_ taraps em rios
. quando n>) futuro conveniente- caudalosos p pstes tranhnr jas na Wm*d yia flavial, qooa- mente estudada e aproveitada, o maior ele- tfffSmtt ^!
as em urna
leguas.
do tantos assampios de maior momento re- ment da riqueza" da provincia" e da gran- E^n^1SLiTaiidTta
clamara a preferencia do auxilio prestado deza do imperio. '
Mara Fiorinda das Virgens.Indeferido em vis-
ta da informagao do Sr. coronel commandante das
c,frp oprao extetiso que varia de 1 at 20 i
pelos cofres gomes. Os bracos da margem direita do Amazo- E' poristo que muitos affluentes de nri-
A abertura de urna estrada entre estaca- as teem as suascabeceiras 340 leguas d.s- meira e segunda ordem 7S2S
pita, eos campos do R.o Branco tambera tantes das dos que corren, pola esquerda. SS2 o M^TMnCteS!^oS?
expediente sugger.do por mudos como de- O Ucayalli, Hyuru e Tapajo* ebegara a si por meio^SZLs7TEESZX-
!.1S7' i k Qa? Made,ra e Purus- 0s Rl0S Ne*ro imei0 eque de suas aguas em parte se ali-
A respeito desta idea, chamo a vossa es- e Branco vo a 3 e 4 N. meotam Os chamados lamo -"-
r-ecida attencao para o importante traba- As chuvas comecam ao sul *e caminham' deiras bacias desses canaes F
SStf*S22^:^g?l^Q,t Pon'^oate08ndo por istoqueas'oaomaisnoiarelefreqneote entre o rio
tinho. ProvaJas aie a evidencia achiris enchenles e vasantp* na linr-.idpm nns L u........
ah, nao s a inopportunidade, como
conveniencia de semelhante obra.
Com effeito, desprezar mais de cem le- querda teem anda grande vol
guas de franca nvegaeo, para ir empre- j O Hyupur, Ic, apo, MaranhiSo. conti-
hender um caminho terrestre, dispendio-: nuacao do Solimoes, Ucay.lli e lalaga dima-
sao verda-
Esla dispesi-
cla ecida attencao para o importante traba-
Iho, que veris appenso, do engenheiro Cou-
tinho Provadasai a evidencia achiris htmiT^STmo "ZbEJlZ tt7!%^7B&7Z
- ain- difTerentesrios: quando os da margem di- este o o Madoira. etc. G^llm S
i reita estao vazios as cabeceiras, os da es- ciso transpor alguma distancia por trra
a le-.querda teem anda grande volme d'agua. Ouando mais tarda a nnnnia^n nnaihor.
provincia 8 pragas para servirem de ordenancas,
i a presidencia, 1 ao ajudante de ordens, 2 a esse
commando de armas, 1 ao seu ajudante de ordens
e 2 para a entrega do expediente das respectivas
secretarias.
Dito ao mesmo.Mande V. S. inspeccionar pela
junta de sade o soldado do corpo de polica Cy-
pruno Jos de Santa Anna, que assim o pede.
. Dito ao mesmo.Srvase V. S. de informar so-
re o que pede o voluntario Pedro de Souza Na-
zareth no incluso requerimento, mandando-o ins-
peccionar novamente.
Dito ao Dr. chafe de polica.Quelra V. S. de-
clararme :
Io Se alguma vez exig de V. S. que propozesse
para lugares policiaes pessoas sobre as quaes mos-
trasse V. S. escrpulo ou repugnancia.
2 Se Ihe dirig algura offlcio ordenando ou indi-
cando ao menos que propozesse certos e determi-
nados individuos para aquel les lugares.
3 Se depois jda carta que pessoalmente Ihe en-
xreguei 'quando V. S. aqu me appareceu em Qns
de abril, na qual creio que Ihe apontava 2 nomes
para os lugares de subdelegado de Bebedor, e
eupplente de Calende, se sobre elles nao tivesse
duvidas, lii-liie qualquer outra iudicago de nomes.
Dilo ao mesmo.Visto que das averguag5es fei-
tas pela delegacia do Io districto deste termo se
concloe, segundo o seu offlcio n. 8(8 de 6 do cor-
rente, que escravo de D. Helena Rosa de Ramos
o pardo Tbeodoro que mandei por a sea disposi-
Sao, pode V. S. entrega-lo a respectiva senhora,
que o reclama.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti a V. S. os inclusos documentos era du-
plicata, afim de que nao bavendo inconveniente,
mande pagar a 2 tenente do 4 balalhao de arti-
lharia a p Manoel Gongalves Rodrigues Franca,
conforme sollicitea o coronel commandante das
armas em offlcio de bontem sob n. 1001, a quaniia
de 165000 res por elle despendida com o expe-
diente da 6* companhia d'aquelle batalho, que
comuianduu interinamente do 1 at 25* de maio
ultimo.
Dito ao mesmo.Em vista do pret junto em du-
plcala qae me remenea o commandante superior
de Olinda e Iguarass com offlcio da 4 do correnle,
e nao havendo inconveniente, mande V. S. pagar
os vencimentos relativos a 2' quinzena do mez de
maio prximo lindo do destacamento de guardas
nacionaes do ultimo d'aquelles municipios; cum-
prindo que como sollicita o mencionado comman-
dante superior, expela V. S. suas ordens para que
de hora era diante taes vencimentos sejam pagos
pela collectoria de Olinda, logo que all forem apo-
sentados os competentes prets.Commuaicou-se
pela secretaria do governo a portara qae solicitoa
V. Rvma. em seu offlcio de bontem datado, facili-
tando a sua sahida nesta provincia, cabe-me agra-
decer-lhe as expressoes lisoogeiras que me dirige,
desejando-lhe urna feliz viagem ao lugar de seu
destino.
Dito a commisso eocarregada de promover mo-
difleacoes do contrato da limpeza e esgoto desta
cidade.Remello inclusas por copia a Vv. Ss. para
o m indicado em mea offlcio desta datan proposta
c roquorimooto, <|a m .pv.oanl.il O' w\m T.niv
Cambronne contratante da limpeza e esgoto desta
cidade.
Dito ao |aiz de direito de Goyanna. -D Vrac.
as convenientes providencias para que me seja re-
mettida a guia do reo Jos Antonio Corroa de Mel-
lo, sentenciado no jury desse termo em abril do
anno passado e que pede para ir cumprir a sen ten
Ca no presidio de Fernando.
Dito ao juiz municipal de Carur.Responden-
do ao offlcio que me dirigi Vmc. em 20 de abril
ultimo, tenho a dizer-lhe que se Manoel de Souza
Braga preferir continuar no commando do desta-
mento dessa villa como offlcial da guarda nacional,
deve Vmc. considera-lo impedido temporariamente
e nomear-lhe substituto nos (erraos do decreto n.
817 de 30 de agosto de 1831 ; no caso contrario
deve elle requerer a dispensa do servico da guarda
nacional como for de lei.
Portara.O presidente da provincia, conformn-
dole cora a proposta apresentada pelo comman-
dante do batalho n. 1 de infamara da guarda na-
cional do municipio do Recife e sobre que informan
o respectivo commandante superior em cfflcio n.
8 de 6 do corrente, resolve, de conformidade
com o art. 48 da lei n. 602 de 19 de setembro de
1850, promover a offlciaes do raesmo batalho os
cidados abalxo declarados :
Estado-maior.
Tenente quartel-raestre o alferes da 7 companhia
Hermino Ferreira da Silva.
2* companhia.
Capito o lenle da 8* Joo Heoriques da Silva.
Alferes o guarda da 8* Lydio Alerano Baodeira de
Mello.
4* companhia.
Capito o tenente da mesma Manoel Gomes de
S.
Tenente o alferes da mesma Antonio Norberto Ma-
laquias Pacheco.
Alferes o guarda do 3o batalho de infamarla Mi-
guel Archanjo da Cruz Muniz.
5* companLia.
sobre o que allega 0 supplicante, e por jue ramo
fol este designado estando comprehendido na quar-
ta classe do arligo 121 da lei n. 602 de 19 de se-
tembro de 1850. O que faca cora urgencia.
Rita de Cassia Pimeulel. Informe o Sr. com-
mandante do corpo de polica.
Dr. Silvio Tarquinio Villasboas. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Salvador de Sonza Braga.Informe o Sr. lenen-
te-coronel ex reerntador.
Sizenaodo Antonio Ramos. Informe o Sr. direc-
tnr aaml A in;tni Thomaz Pompea Lins wanderley.Ja loi prvi-
do o Ingar.
Wenceslao de Camino Paes de Aodrade. J
foi prvido o lugar.
rtssssar s..-^ as comas *& o **** *+*+**
raSeU^^ *"" *
a 1804 aflra de rarificar as difirelas que.se lem g 0 guarda d?oesquado de cavallaria Fran-
encontrado ngs respectivos balancetes, naja V. S.; *' A,nsn pftrrJn
de designar um empregado da contador dessa re- i CISC0 Airanso perA o anhia
parligo para proceder esse exame com o eonuilor c d ^ da Cunha Soares
da mesma cmara.-Comraunicou-se acamara mu- |jamar5-es
"SiSS-Nio obstante o que pondera V. Cnente o alferes da 8-companhia-Joaqaira Amo
S. era sua iolormacio de 6 do torrente sob n 384 ^^Sil da J- Joo Jos de Almeida Per-
recommendo-lhe que, sob minha responsabilidade,. !l.h'!
nos termos do decreto n. 2884 do 1. de fevereiro oamoaco. eomoanhla
de 1862 mande adiantar a^Manoel .t??^ Tenente o alferes da 6" Vicente Nanes daSerra.
nes, contratado para frff^ff^J^t' AfierTo goarteOo esquadro de cavallaria Manoel
teo arsenal de guerra da corte, a quantia de rt p .. .
60*000 reis, como Pde no incluso requenmento. ^SZ^VSS^SSS superior do
Dito ao mesmo. Communico a V. S. para os una j .
conveniente, que era 3 do frente foi nomeado : ;_<, idenle da provincia, attendendo ao
para o emprego de a moxarife ^ forlalea de Ta-1 ^ rr^aQ & ,ro da Cq.
mandar o 1. sargento do 4. batalho de arl Iha- ^ ^lbu,,aerque, resolve pTorogar-lhe por 3 me-
na a pe Jos Hyg.no Xavier da Fonceca, segundo na todo| do^. d8 maio v -^ ^ 0 praz0
declarou-rae oi coronel ^^nm.dante das armas, fraconcedido para presentar sua carta
emDu?ao insp?cor 'Sh> prov.ncial.-De de U municipal e d/orphaos do termo de Santo
conrormidade com a Informagao do directorge* I AnDita;_0presi(iente(iaprovinca,attendendoaoque
T^lM-S^P^^m^^1^^ Jos Franc1ScoPRibeiro de Souza e tendo
sobn. loo, u,0"* y-**K,g" ?, P1?. em vista a informaco do director gera interino
essor Ju^enc.o Teraporal .remov.de.da cadeira de e ^ s sob m
i'M^^^^*^"^Ha^^^*Jt--Tetin noraea-lopa.a reger interinamente e rae'
gunda da vffla de Cimbres o que se Ihe estiver a gralllkac5o annual deHOO^OOO a cadeira
Sevar proveniente do exped.enie de raes cadelras, 5 $Zri* de Santo Amaro das Salinas
sendo o da pr.me.ra na razo de 1*850 re. meo- n f P m de 16 de majo do correnle
saes, correspondente a segunda ca se e o.da^se- anno._tommanicou.se ao director geral interino
gunda na de 2*675, tambem mensaes, como de
i da instraeco publica.
W DUo'aocomraandantesaperior da guarda nacional *** *" ^ % i* .
doRec.fe.-Approvoadeliberacaoque V. S. tomou,; Hequertmtuos. ,...
segundo- 5wu offlcio de 6 do corrente, de mandar! Bacharel Antonio Luiz Cavalcanti de Albuquer-
rS-no dia 11deste mez, o conselho do 3. bata- qne.-Exped.o-se ordem para ser entregue o me-
lhSo de Infatuarla da guarda nacional, sob sen or ao suppl.canie.
commando superior para rever a respectiva quali-1 Antou.o AveUoo da Tr d,ad--^dnpna "P;
flcacSo, visto qae nao teve lugar essa reonlo no pl.cante dispensa sement fio aquarlellamento pelo
tempo marcado por lei, em ccnseqqpncia de estar lempo de Mis-oietei., e nos termosido art. J8 do
aanirtellado o mismo bilalhio. dert".l|- i554 de 6pde a?ri' ,de ^L*. a au.
Dito ao commandante superior da guarda naci- Candido Severlno Cavalcanti.-Concedo dex das
nal do Cabo.-Ao sen offlcio n. 79 de 5 do corren- de Hcedca.
te, respondo dizendo a V. S. que fa?a reunir Sem Constancia Carol na de nvlgg^^Wr^ea
demora o conselho de revisu para tomar cooheci- ao Sr. director geral interino da instrnego pn-
mento das deelsSes dos conselhos de rraallflcacao blica. ... .._. n.iU ,a _
da guarda nacional, como foi determinado em cir-1 Cf pnanno Jos de SanU Anna.-Dinja-se ao
cular de 3 de maio prximo Ando, depois do qae Sr. coronel commandante d*s armas para ser lns-
faca segair para esta oapllal o contingente, qae aos peccionado.
INTERIOR.
AMAZONAS.
8 de maio de 1863.
Relatprio eom que o Dr. vdU>I-
pho de Barros Cavaleauti de
A. Lacerda entregon a adml-
nlstraeo da provincia do Ama-
zonas, no da 8 de m:\lo de
18B&, ao 4 vlcc presidente.
(ContinuagaoJ
TRAVESSIA UO PURU'S PARA O MA-
MEIRA.
Como vos annuciei por oceasio da aber-
tura da sesso passadi, eocarreguei o prali-
co Manoel Urbano da EncarnacSo depassar
do Purs ao Madeira, por via do Ituxy. af-
fluente do primeiro, para o fim de verificar
a existencia da t ave$sia, de 13o grande al-
cance futuro, entre um e outro rio.
Pelo relatorio do engenheiro Coutinho,
que tirou a limpo as informacoes transmi-
tidas pelo pratico, veris que o rio Mucuim
pode ser navegado durante 11 dias em ca-
nda grande, e ainda mais 5 em igarit. A
demora que leve o pratico em refazer-se de
alimentos persuade que essa distancia pode-
rser vencida em muito menos tempo.
Do extremo ponto navegado at a cachoei-.
ra do Theotonio, sitio "era que sabio no Ma-
deira, gastou elle tres e meio dias, poden-
do a distancia ser calculada em 10 leguas. \
Entrou depois no Ituxy, mas por esse ca- j
niinlio deixou de chegar ao Madeira, em
consequencia de acabarem-se-lhe de todo;
os mantimentos,
Do lugar d'onde voltou ouvia distincta-1
mente o ruido de umacachoeira.
No Mucuim, como no Ituxy, encontram-se
bordando os rios vastos campos naturaes,
que, segundo informara os indios, sao urna
prolongaran dos do Madeira.
Ser de grande conveniencia o reconheci-
mento d'esses campos, pois que, podendo-
se transportar por ahi o gado da Bolivia,
evitam-se os obstculos das cachoeiras, e fa-
cilita-se assim a criago, que offerecer des-
de ent5o lucros bastantes a qem for era-
prehende-la as margeos dos dous rios Ma-
deira e Purs, ambos os quaes ser com-
mum o beneficio.
A questo da alimentac5o, urna das mais
importantes da provincia, ficar por este
modo resolvida satisfactoriamente.
DESOBSTRUCgAO DA CACHOEIRA DO
RIO BRANCO.
PKOJECTO DE UMA ESTHADA ENTRE ESTA CAPI-
TAL E OS CAMPOS QUE BORDAM AQELLE
RIO.
Anda n5o poderam ser contractadas no
Para, conforme recommendou o governo
imperial ao presidente d'aquelia provincia,
os d'iuscavoqueiros que solicite!, para se-
rem empregados na remocSo das pedras que
formam a cachoeira do Rio Branco.
Acha-se intacta, por Unto, a quantia de
2:000|00o concedida pelo mesmo go-
verno para auxiliar o trabalho que o capi-
t5o Benlo Ferreira Marques Brazil offereceu
levar a effeito.
Como, poim, estes phenomenos deixam
quasi sempre de realisar-se ao mesmo lem-
po, acontece umitas vezes que, quando al-
gn d'aquelles rios teem apenas attingido
o termo da vasanle, outros j se aproxi-
mara da mxima endiente, segundo a maior
ou menor massa de suas aguas.
Por esta razo o Alimonas recebe por
muito lempo em seo immenso seio um
sissimo de construir, impossivel presente-! nam da cordilheira dos Andes,
mente de ser asiduamente percorrido, e
por tanto impossivel de se manter em esta-
do de consemcao, fra grande desicerto.
O habito da viacSo fluvial t5o arreiga-
do n'este povo, que nao foi aproveitada,
antes veio a fecliar-se dentro de breve tem-
po, a estrada mandada abrir pelo governo
para evitar a travessia da cachoeira grande;
e todava a sua extensSo n5o exceda de 4
leguas !
E nem poda deixar de succeder assim,
sendo a provincia profusamente cortada de
limtadissiAfl populaco.
Um dos meios que mais acertados reputo
para desenvolver a criacao no Ro Branco,
cuja* pastagens sao realmente de inestima-
vel valor, a venda das fazendas nacionaes,
Empenh ndo o interesse particular, essa to
til industria, de que alias o Estado all> s
retira prejuizos, nao deixar de tomar mui-
to maiores proporcoes do que tem actual-
mente. Mais prosperou ella n'outro tempo.
Em Barc los e oulras partes do Rio Negro
e Amazonas, abundavam, ha pouco mais
de 60 nnos. o xarque e outros productos
das fazendas nacionaes do Rio Branco. De
certa poca em diante, nao cessou a fecun-
didade provavelmenie, mas certo que
aquelle progr ssj desappareceu.
as fazendas do Estado crescem as des-
pezas e diminue a produeco, ao passo que
as particulares, que Ihe ficam adjacentes,
incremento acoderado e os lucros su-
bidos.
as primeiras, segundo a contagem.a que
se procedeu em margo de 1864 existen
6,608 cabegas, sendo 5,9H de gado vac-
cum, e 667 de cavallir. Entretanto, a ren-
da procedente d'estas Tazendas tem sido
sempre muito inferior ao seu costeio, com
excepeo dos annos financeiros de 1812
1861 e 1863 1864, no primeiro dos quaes
houve a receita de l:002#25i, e no se-
gundo a de 237*088.
Releva advertir que, durante a mor par-
le do anno, navegara batelles grandes na
parte superior do rio, evitando-se na en-
chent*, pelo furo do Cujubim, a passagem
da maior cachoeira.
RIOS E LAGOS
A necessidade de fallar-vos dos rfcn da
provincia avulta presentemente, pois que
nao pode estar distante a poca da aber-
tura do maior del les, o Amazonas, s nages
amigas.
Verdaderamente prodigioso, e superior
ao de outro qualquer paiz, onosso syste-
raa hydrograpbico.
O Amazonas, o Solimoes. continU&gSo
d'aqoelle, o Madeira, o Purs e o Rio Ne-
gro sao todava os nicos rios q ie contam
habitages fixas, sen Jo por isso os mais
frequentados.
Entre os affluentes, contam-se, em pri-
imeiro lugar o Rio Branco, igualmente ha-
> bitado, e tao extenso como os tributarios
i de segunda ordem do Amazonas; o Mau-
Quando mais tarde a populago espalhar-
se pelo interior, e a industria exigir em
toda a parte o aperfeigoamento dos trans-
Nestes, portes, poder-se-ha, com pouca dispendio,
portete, as enchentes dependem simulta-canalisar a provincia quasi toda, evitando-
neamente dodegeloe das chuvas.
-se por largos annos as estradas, os mais
custosos dos caminhos sobre tudo no Ama-
zonas.
Por mais de um ponto sa pode penetrar
nos ros, naquadra da encuerne, em conse-
quencia da ipnundac3o do terreno de que
cima tratei. Deu esta circumslancia lugar
ao erro commeUido por alguns viajantes,
principalmente respeito do Hyupur,
quem quasi t dos do 8 barras, quando re-
consideravel volume d'agua, e nao expen- almente nao tem elle mais do que duas
sens numerosos tribuanos Ihe tallara op- Os canaes que durante a estaco das cnu-
portunamente com a cola devida, pois que
outros se apreslo em offerecer-lh'a com-
pleta.
O valle do Amazonas, at as cachoeiras
de seus affluentes, pode ser considerado
como um plano horisontal, atienta insig-
nificante dfferenga de seu nivel, inferior,
em todas as direeges, a um e meio palmo
por legua. As aguas teem por isso corrente
fraca, logo que cessam as chuvas as cabe-
ceira. Nos mezes de maior baixa, parecem
estagnadas as b rras.
E' sempre maior que a dos tributarios a
corrente do Amazonas, calculada em tres
milhas, termo medio.
Para este phenomeno contribue a cir-
cunstancia de nao coiuoidir a poca da os-
cillagao d'aquelles.
Comega quasi sempre em novembro a en-
diente e termina em jnnho. Em 1861, o
Rio Negro declinou a 25 de junho no por-
to d'esta capitel, e em 1862 a 5 do mes-
mo mez. Nos nnos de 1859 e 1860 ex-
traordinarias foram as enchentes, igualan-
do-as as vasantes de 1861 e 1862. A am-
ptude da varagao chegou a 67 palmos,
enlre as mximas oscillagoes.
Nao se encontra tradiego de terem as
aguas transposto os limites a que subiram
era 1861 e 1862 ; e pois pode-se admiltir
como exacto o mximum de 67 palmos, o
mdium de 57, e o mnimum de 40. Os
limites de 1861 gnardaram ent-e si a dis-
tancia de 44 palmo< e 2 polegadas. A en-
chante desse anno foi 10 palmos menor que
a do anterior, e a vasante excedeu na mes-
ma proporgo o termo ordinario.
O movimento ascencional das aguas do
Amazonas quasi insensivel no comego da
enchente, Espagos iguaes vo sendo logo
aps percorridos em prasos cada vez me-
nores. De dia para dia accelera-se a subi-
da e avulta o crescimente. esapparecem
primeiro as praias nas. alagam-se em se-
que durante a estago
vas do ingresso aos rios, independente-
mente d j suas barras, seccam pelo vero ;
mas em quanto teem agua sao aproveita-
dos com vantagem. visto como encurlam as
distancias e permiltem evitar a corrente do
rio, que forte na enchente.
O termo Paran-merim (rio pequeo)
applicado ao brago mais estreito.dos rios no
lugar onde ha ilhas, ou aos canaes que ser-
penteiam pelo interior, ligando entre si os
lagos e pantanaes. Muitas vezes as suas
embocaduras acham-se na distancia de 50
leguas urna da outra. Entre o Purs e
Hyavary onde se encontrara os mais ex-
tensos paran-merins, por ser essa a re-
gio mais baixa do Amazonas.
As margens dos rios sao geralmentc bai-
xas;eraras asbarreiras, ou terras alias.
So os igaraps lo bordados de trra fir-
me em maior extenso, e por este motivo
preferem-nos os raros habitantes que se de-
dicam algum genero de cultura.
Quando o Amazonas enche, repreza os
tributarios na extenso de dous tergos de
seu curso, phenomeno fcil de verificar, era
razo da diminuta correnteza as proximi-
dades das embocaduras, bem como pela
circustancia de conservar-se inalteravel a
cor das a^uas junto a foz dos rios pretos.
Em comegando a vasante, tem lugar o es-
coamento, cresce a corrente dos affluentes,
e cursam ento as suas aguas.
Nessa poca, da confluencia do Rio Negro
at quasi a villa de Serpa distinguem-se. ca-
da vez mais pronunciadas, duas gradagoes
na cor das aguas do Amazonas: urna mais
amarellenta junto margem dreita, outra
escura do lado opposto. Figuram do.s
rios correndo unidos no mesmo leito, mas
nao confundidos inteiramente. E se com-
bate gigantesco prolonga-se por 30 leguas.
Na enchente nao succede o mesmo : nao
se v no Amazonas o menor vestigio das
aguas do Rio Negro. Som nte mui perto
berbar do rio tem chegado a igual distan-
cia dos pontos extremos.
Ento, pouco e pouco, torna-se a mar-
ass, de pequeo curso, porm de grande'cha mais lente, e vae at tornar-se quasi
importancia, em razo da cultura estabelle- insensivel as proximidades do limite su-
cida em suas margens ; e muitos outros de perior. Nos mezes de novembro a dezem-
menor considerago. bro o crescimento alimentado expensas
Merecem ser igualmente mencionados o dos tributarios mais prximos fz, e co-
Hyupur e Hyuru. ambos de primeira or- m0 estes sejam pequeos, nao avulta mui-
dem, o Hjutahy, Hyavary, Uatuman, Teff, to o reforgo. As aguas das cabeceiras e
Coary e Urub, frequentados, a excepgo dos principaes affluentes chegam no come-
do ultimo, pelos collectores de drogas. De
\ todos estes, consideraveis por sua exten-
so. e riquezas naturaes, foi explorado ape-
nas o Hyupur.
Gom impropriedade d-se na provincia o
nome de lagos ao qoe nao sao seno depo-
! sitos mais ou menos consideraveis, ora ali-
a nlados directa ou indirectamente pelas
' chavas, ora por algumas correntes ; mas
sempre com communicaco para s rios,
excepto as pocas de vasantes extraordi-
narias.
guida os terrenos baixos, cobrem-se depois! da fz deste observam-se espagos algu-
as ilhas de recente formago ; mergulham mas largas manchas escuras que sobrena-
asarvores, afundam as barreiras, estrei-'dam as aguss barrentas do grande rio.
tam-se as ribanceiras; as aguas se espraiam A causa da enchente dos tributarios ,
as margens recuam. os horisontes se affas-ipois, dupla, resultando d'ahi elevarem-se
tem ; e em meiados de margo aproximada- elles, em certo tempo, perto da fz, ao ps-
mente esse ioconcebivel e fabuloso asso- so que j teem baixado consideravelmente
na parte superior.
D'ahi se deve inferir naturalmente que o
Amazonas, durante a cheia, nao recebe gran-
de tributo dos affluentes de Tabatinga al
a foz,
Logo, porm, que comega o periodo da
declinago, isto quando vo seccando as
fontes. acdem-lhe os volumosos bragos
inferiores eom o contingente de suas aguas,
e o gigante sustenta-se na mesma altura
por algum tempo ainda. Se o Amazonas
go, e ist o que produz naquella pea'enche, os seus tributarios ho de encher
urna to pronunciada differenga de nivel I tambem, ou melho-, ho de entumecer, as
De abril junho os pequeos rios p> proximidades dos confluentes, embora rc-
dem ser navegados por grandes navios, almente estejam vasando.
Nesses m zes a navegago nao se limita s
correles : sobre as margens passara, em
muitos lugares, canoas de 8 a 10 palmos
de calado ; e varando-as pelo centro das
florestas que se atalham as maiores voltas
dos rios. A estes caminhos de fluvial tra-
AMAZONAS.
O* rio Amazonas, o maior e mais impor-
tante do globo, atravessa quasi pelo centro
da provincia, seguindo a direceo geral de
E. O.
A sua largura media de 2,000 bragas.
vessia d^se no paiz o nome de furos ou e a corrente ordinaria de duas e meia a tres
parans-mirins; e o de igap ao terreno | milbas. Em alguns lugares, entretanto, por
n
ILEGVL
'


Otarlo de rernanbiteo Segunda letra 13 de Jtinlio de 18G5.
virudc da interposigao das-HWas, as UHH'gens
se affastam, g ardaado a distancia de mais
de quatra on cinc milbas.
Na extenso d> rpais d,e 370 leguas que
o Amazonas percorre a provincia, do morro
de" Pariotins Tabatinga, recebe pela mar-
gem direitaos affluentes Maeira, Auaes.
As suas cabeceiras cara na encosta dos Andes,
a E. de Cuzco.
RIO HYTAHY.
Este rio de agua preta, e entra no Amazonas
79 milhas cima do Hyuru. Os praticos leem na-
vegado por elle dous mezes em canda mediana, e
gastara na volta -20 das. No ponto extremo, a lar-
ser &.Madr-de-8is, e-qaal com mahr samma de nao sao todava, como olles, desmoralisados ealta-
probabilidade cahe para o Beni o Madeira. tieiros. Usara de camisolas guata sdnqneHes, e
Aiuda menos fundada parece a meu ver a opi-, tambera fabrfeam panno, posto que inferior. Ka
nio de que jeja o A'quiry a cabeceira do Purs, cabera, era vez de capuz, trazem oraalos de peanas
nao s pela difierenca de suas aguas, mais claras escolhidas e de cores brillantes.
e rias que as deste, como pelo seu menor curso e i Eotre elles tera o Purs o nomo de-Paaay.
profundidade, como foi reconbecido pelo pratico! Alm da foz do Cammah existera os indios Ca-
Manoel Urbano, que o percorreu durante viute tiaus, trajados como os Canamarys, ornados de gura de 30 a 40 bracas. Ditera es indios que as
das, no m dos quaesteve de retroceder por falla peonas na.cabeca como estes, porm no mais se- cabeceira deste rio cam perto Mas do Hyamry.
Purs, Coary, Teff, Hyuru, Hyulaby 6 d'agua. I melhantes aos Mauetenerys, de caa ndole partici-! At o ponto a que chegaram os praticos, recebe
Hvavarv alinde outros de menor impor-i Segurado esse caminho, o A'aairy, o limite na-1 pam, posto naj sejam com eHes parecidos nem as o Hyutahy as aguas de muitos lagos e de seis ros.
,'. paia in,P(rom *an..nrila pntram-lliA' vegavel foi aproximadamente de 1,058 milhas da feicdes era na estatura, que a teem menor. ielo invern presta-S9 navegacoatea distan-
foz do Purs seguiado at o flm o no eonhecido j Cultivara o fumo, o algodo, o milho, e colhem cia de460 leguas, nao podendo pelo verao paaur
estendeu-se a 1,620 a seringa, que all ainda se eucontra cm abundan- senao igarits de 3 4 palmos de calado,
cia^e com a qual se alluraiam. A cor das aguas do Hyutahy indica qoe
o Hyamund, Uatuman, Urub, Rio Negro/ por oste BBinej a navegago
Hyopar.Tocantins, 10 e mais alguns de,milbas.
pequeo curso.
Neste grande espado de 370 leguas, ba
apenas 9 povoaoees, que sao, na ordem da
sutitda, Villa-Bella da Imperalriz, quasi no
A differenga, pois, de 562 milhas para mais esta-
belece a decidida primazia do segundo, e excine a
opraio que assigna-lo, e que parece todava com-
partiihar o explorador Chandless.
Entrara no alto Purs, pelo lado dreito, tres
candas medianas, removendo-se algumas pedras
que (Irani submergidas, oceasionando correles
fortes em differentes sentidos.
Seis leguas alm da cachoeira grande, ha-uma
restinga denominadaCachoeirlnha, que nao
oppoe o menor obstculo navegago.
Aquera do Rio-Branco, o Rio-Negro recebe,
tambera pela margem esquerda, o Hyauoery, e
alera o Padauary e CaBaberys, os quaes, posto que
Inferioras ao primeiro, sao todava muito importan
tes, e podem ser navegados em grande ex-
tenso.
O Hyauperyja fui navegado 150 *ftgBas,efun-
do a estimaiwadjs-iW'mljros de una expedigo,
que a este rio fotwliada era f855.
O maior affluente da margem direita do Rio-Ne-
. as saas
Essa tribu a ultima do alto Pnrs. D'ahi por raaiores ontes se acham em -terrenos pautaaeeos.
diante raros vestigios se observam da-existencia, RIO HYAUARY.
ou antes da passagem de indios. Todava, parece. O-rio Hyauary de agua branca, e serve de li-
que outras tribus habilam o interior das trras, que mite entre o imperio e a repblica do Per, at1 gro, o aps^q'ue entra" cima das cachoeiras;
raro abandonam, ou s o fazem temporariamente, encontrar o paralello que passa pela cachoeira do depois seguem-'seo Icana e o Xi.
extremo inferior da provincia, e distante de grandes affluentes: e Arac, o Hyuac e o A'qui- para virem ao rio em busca d'agua, quando, na Santo Antonio no Madeira. A 8 leguas de sua fzt Alm destes, o Rio-Negro recebe mais 62 tributa-
Rpir-m (\IQ milrm ai villa Ip Sprna ann-1^' O Arac na embocadura mais estrello que o maior forga do verao, seccam provavelmente as o rio birurca-se ; o brago mais occidental toma rj0s de menor grandeza, sendo quasi todos de
" V, ; d;,l",ut'. ^'F l,u furs; nao augmenU sensivelmeote a largura fontes e igarapes. o nome Hyauarvsinho.e a outra odeJacarau, que agua preta e alimentados com as aguas de laeos
VOaCSO ile CiMajaz, a Ireguezta de UHry, a d'esle, mas chega qoasi a duplicar a sua profunda- i D isto persuade a existencia de trilitos estreitos, muito maior, e j foi navegado por mais de um '' principalmente na parte inferior das cachoeiras. :
t'idade de Teff, freguezia de Fonte-Boa, a de. Hyuac tambera raais estreito, porra al- e quasi obstruidos, partindo das margeos para o mez. Este segu a direcgo de NE at a juocgo por esta razao que ape novoacao de Tonantins, a freguezia de S.!6Uraaco"8a mais fondo que o Purs; enadai Ihe centro. [ com o Hyanarisinho. Ah, perdendo o nome, perde, de agua branca, predomina a cor preta no rio. Esta
" ao. ai ao, r uo. c no. in : oara E. explicagao nao parece rasoavel a aluns. Entretan-
to as aguas pretas provm invariavelmenle dos
aAliumea,""oni'n\nTn'mflnr*"rlp"Ti" i acrescentando nesta relago, augroenla-lhe todava i Esto, portanto, confirmadas em quasi tudo as tambera b rumo, inolinando"-se para E.
l auto ut uuvuiga, t o puiuu iuiiiui uc ld" consideravelraente a largura. O A'quiry, sendo i noticias dadas pelo primeiro explorador desse rio, O Hyauary tea um grande affluenteo Curissa-
batinga, que e tambem freguezia. j tao largo como elle, e um pouco mais fundo, posto importante. tuba, e outro meoor denominado Tucuhy.
Os lagos mais nolavei s5o : OS de Sara- que de menor curso, despeja as soas aguas,de en- j Sera urna s cachoeira que Ihe interrompa o Este rio foi explorado pela comraisso de limites
<>4 Utnininiir Minainprv Pndaiiz Ano.'chfinte e vasante, com dobrada velocidade e im- curso, o Purs offerece urna navegaefio regalar e em 1770.
ca, Manacapuru. ft ana es> ei u Da margem esquerda os afflaentes principaes. uma grande parte do anno, com excepcao smente rem nesta graode planicie da margem direita
do Solimes, extraordinariamente torlneso. A
a pr jfundidade perto distancia em lioha recta igual a 1/3 da absoluta.
A feicao que aprsenla o Purs al Hyutanahan da foz de 8 a 9 bracas o canal, e 40 leguas aci-. Tem mais de 250 leguas de curso, e pode ser na
c.ommaiHoam-se com O Amazonas, mesmo sao, o Maioria-Grande, o Pauynim e o nauynim, j dos mezes de maior vasante.
no vero. S as vasantes exlraordinari.S que anda nao foram explorados. Em meja altura da< aguas
seccam complelamente afguns canaes.
,..a mesma, com pouca differenca, que offerece d'a-, ma eacoatra-se ainda o mesmo fundo, no lempo da vegado llvreuienle, na maior parte do .anno, em
Pelo invern, no interior dos lagos, de hi di comente, como natural, pro- eaehente. I-STS-SI3-
A extenso do Igap, especialmente no baixo Pu
rus, raostra a enorme mudanza do canal do rio em
hi por dame. Smente, como natural, pro
que alguns teem mais de 40 palmos de pro- pjreio que diminue a largura do rio, tornam-seas
fundidade, navegam grandes canoas. E' nos curvas menores e mais numerosas,
lagos que, durante o ver3o, fazem-se as
mais abundantes pescaras, principalmente
do piraruc, que constiiue um ramo im-
portarite do commereio da provincia.
As povoacoes apotrtatlas tao pontos de
escalados paquetes da companhia de nave-
gagao e commereio do Amazonas.
Em geral os navios podem fundear sem
perigo em qualquer po:ito do Amazonas,
evitando-se todava os lugares de forte cor-
rente e os que teem fundo de pedra. Du-
rante o invern perigosa a visinhanga das
barreiras. por causa do esboroamenlo das
trras, o que tem sido causa de n3o poucos
sinistros. No intuito de evita-los, devem-se
procurar sempre as partes convexas das
margens, onde, da mesma forma que as
abas dos bancos e nos remansos, o fundo e
a corrente nao s3o grandes.
O Amazonas, como a pratica de muitos
annos tem mostrado, nao offerece obstculo
navegafo vapor, desde a foz at o af-
fluente Uallaga, n'uma distancia estimada
em 810 leguas. D'alli eo pongo de Manse-
riche pode ainda o grande rio ser navegado
durante o lempo das aguas, segundo mfor-
mam os viajantes.
Como acontece em todos os rios, os ban-
cos do Amazonas sao mu variaveis ; mas o
volume d'agua tal que os conserva pro-
fundamente submer^idos grande parte do
anno, permiltindo livre direcgio aos navios
de maior calado. Pelo vero, o caminho
torna-se mais extenso, porque preciso
acompanhar as voltas do canal; porm o
excesso da distancia compensado pelo en-
fraquecimento da corrente.
O trecho do Amazonas em que se encon-
CalcuJaado-secem um abaixaraento mdio de 50
lagos e dos terrenos pantanosas, seja qual fr a
, sua consiituicSo; as aguas brancas, das collinas
ou das serras. A cor preta, portanto, devida
presenga de materias vegetaes era dissolucjic; e as
| aguas brancas, smatorias nneeraes, (argiks.)
Os pontos das povoa<;5es do Ro-Negro, segundo
Informam os praticos, prestam-se mais ou menos
ao trafego dos navios, sem incommodo notavel.
O Rio-Negro communica com o Orenoco na sua
parte superior'porTncio do canal Caciqurare, enja
fGnut*m wQ.t)
DIARIO DE PERf AHIBIIC0
urna grande extenso.
A fz do Hyauary flea a 15 miMias tfuem de Ta- :Bavegaco nao ainda *em oonhecWa.
palmos, ve-se que anda no limite da vazante, os batiuga, do xado opposto, e esta na lallilude de 4
maiores-navios podem ebegar a essa distancia, pos 28' S., e longitude de 70 o' O G.
que ainclinaeo do lelto do no diminuta at o' AFFLUESTES MAIS NOTA VEIS DA MARGEM
lempos rcenles. rio Mucuim, e s se torna bastante pronnnciada do i ESQUERDA.
A varzea mal resiste forca da correoteza aas rio Pauynim em diante- mo nhamund. *
cnseadas. Aim disto, as aguas supsrficiaes da Em alguns lugares prima do Hyutanahan, en-] A liaba divisoria ire as provincias do Para e
varzea alagada penetrara, no lempo da vasante, at contram-se rochedos encostados s margeos, e pou- Alto Amazonas, ao norte desle rio, oMiaraun-
cainadas (ifra/(i) de barro pouco permeaveis, eso- cas veaes no meio do rio. Os mais notaveis sao o d, tao clebre pelo combate que em sua fz sus- u vaPor. *^"^ butenne, chegado hontem da
breesus passam para o lveo, desprendendo e fa- baixioide Camary, formado por uma lage, eque tentou a tribu valale-das Amazonas contra o pri- J?u_rfa*,; IR0!,1,a??.rdlcalae-J0r.ntaio: ..! r!"
zendo escorregar grandes massas de terreno cora a nos annos de secca rigorosa dilfkulta a pa>sagem ; meiro explorador do grande rio, segundo a tradic-,
vegetaco ein p. e as pedras de Yablturi, que nao irapelemana- r.\o, mais romanesca que exacta, que elle nos
Assira, o rio vae levando sempre a varzea, e aug-; vegaco, visto como passa um bom canal pela mar- deixou.
meutando as praias at chegarem altura propna -geai direita. Sobre todas as mais, qualquer vapor Este rio pouco eonhecido ; e, segundo referera
para a vegetagao, ese converlerem entao em igap, proprio para essa navegacao pode passar livremen-: alguns collectores de drogas, tem grandes ca-
cera o que augmenta tambem a turtuosidade e te na meia vazante. Na endiente, nao bao menor choeiras at suas verleoles, que vera da cordilheira
comprimenlo do canal. j perigo, porque sobre ellas passam 4 a 4 c mela bra- Pacaraima. Corre na direcgo geral dasul, en-i
A [ormacao geognoslica do Purs, segundo o pa- cas d'agua. No termo da vazante fleam desco-
rrer do viajante a que me tenho referido, perten-
c^ classe terciaria.
1 Como quer que seja, a parte superior das bar-
reiras, que sao altas e successivas, consiste sempre
em barro colorado, sem slrali(icae_ao : abaixo d'es-
10, e ordinariamente abaixo da linha da cchenle,
eucntram-se varas carnadas de ara e barro stra-
tificadas, algunas baslaues iueliuadas, e em certos
berto, e com facilidade sao evitadas.
E' por eonseguinle o Purs o mais importante
affluente de Amazonas at hojo eonhecido. O Hyu-
ru, segundo as informages dos praticos, nao faz
grande differenga deste, ma< anda no foi devida-
mente explorado. Sem cachoeiras, sem grandes
correnlezas, sem ilhas que Ihe obstruam o leito,
diminuindo a profundidade pela diviso das aguas,
pontos deixadas all ames da deposigao das cama-; o Purs, nao s offerece livre e mais extensa nave-
das superiores. j gaco do que qualquer outro dos tributarios do
Nos regos pequeos produzidos pelas chuvas, na grande rio, como estabelece commumeaco para
base das barreiras, bem como as praias, existem a parla mais rica da America do Sul.
pedacos de quartzo arrendondados; mas nao lia RIO COARY.
noticia de alguma pedra gnea. O rio Coary desagua no lago do mesmo nome,.
Em um pseudo conglomralo, nao. de pedra, que dista 132 milhas da fz do Purs. O lago lem
mas de eoncreccoes de barro, com dous ou tres doze milhas de comprimenlo, e 5 de largura. A
palmos de grossura acham-se, especialmente cima antiga freguezia de Alvellos esleve assentada no ex-,
do quiry, pequeos pedacos de pao petrificado tremo do sul, na confluencia dos tres rios Coary,
ou meio petrificado ; e em maior porcao sobre os, Urm--paran e Ouran. O Coary o maior, e fl-
montoes de dbris. ca do lado de E. Conhecem-no somenle as pessoas
Tambera se ho descoberto pedacos de ossos fos- que se empregam na colheit e extraeco de dro-
seis, gastos pela agua, e mesmos alguns nleiros.' gas. Tem-se chegado a caminhar por elle 35 e 40
Um ou outro desses exemplares de fosseis contem dias. No invern, de margo a julho, navegam grao-
algum azufereto de ferro j decomposto e com o \ des canoas do 8 a 10 palmos de calado. No vero,
sabor de sulfato de ferro. Existem, trazidos pelo i como o abaixamento das aguas regula
pratico Manoel Urbano, amostras de pao, nao ver- termo medio, s passam igarits na parte
dadeiramente petrificado, mas maio carbonisado. e O seu curso nao longo. Segundo o testemunlio dos co cima de sua fz.
____.n_______. a. _.:.-. ._ _____ i I ...;___ _.j:.___.-..:_J.___u" ., mi i.,.,,...- i>
trande no Amazonas na lattltde de 2 16' S., e 21
50' de longitude a oeste de Olinda.
Communica com o lago do Faro ; e, alm da
embocadura puocipal, ba um canal que entra no
Amazonas cima 14 leguas.
Allendende elevacao das aguas pelo invern,
pode se al cero ponto admitiir que nesse lempo
cheguem navios de 10 palmos de calado al pri-
ineira cachoeira desle rio.
RIO UATUlLiN.
burgo at 20, de Londres e Paris at 23, e de-Lis-
boa at 28 do passado.
Chegara a Paris oSr. baro do Penedo, encarre-
gado pelo nosso governo de uma missao especial
naquella corte ; foi recebido co da 21 pela impe-
ralriz Eugenia e em audiencia publica. .
O imperador Napoleo contina a ser acolhi-
do com euthusiasmo em Argel. Concedeu o perdau
aos habitantes da tribu dos Ilutas, comprometidos
na ultima iusurreicao.
O corpo legislativo francez prorogou as sua=
sessojs at 14 de juotio -, mas parece que este novo
prazo pequeo em attengao ao grando numero
de projectos de le que ha a discutir, e principal-
mente o ornamento que j est dado para ordem
do da.
Publicou-se a brochura annuncada de Mr. Per-
com efflorescencias de salitre ou outro sal seme-
ntante.
Nenhnraa concha fossil foi anda encentrada na
baca do Purs; o que, era falta dos mamferos, de
que tambera nao ha sufficienles vestigios, serveria
ira maior numero de bancos enlre Teff e para determinar cora a exaciido necessaria a con-
o rio Hyutahy. Este phenomeno produci-
do, na opiniao dos profissionaes, pela cir-
cunstancia de confluirem qua fronteiros,
' nessa regio, os dous grandes rios Hyuru
zonas toma o nome particular de Solimes,
e dalli por diante o Marann.
AFFLUENTES MAIS NOTA VEIS DA MAR-
GEM DIREITA.
RIO MADEIRA.
Tendo traclado largamente deste rio
quando dei conla de sua recente explora-
gao, nada me cabe accrescentar aqui seu
respeito.
RIO PURtS.
Quarenta e cinco leguas cima do Rio Negro, af-
flue no Solimes o rio Purs. J sabis qual a sua
importancia, em vista da extensa navegado a que
se presta.
Acaba de explora-lo, em busca de suas cabecei-
ras, o viajante inglez Wiliam Chandless, que, ape-
zar de ler avancado mais que o pratico Manoel Ur-
bano, nao logrou resolver aquelle interessanle pro>
blema hydrographico. Chegou at 10" 5' de lat. S,
e a distancia de 1,020 milhas geographicas da fz.
Sendo de 715 milhas, segundo o engeoheiro (.'ouli-
nho, e de 703, segundo o referido explorador, a
distancia da fz s barreiras de Hyutanahans, onde
aquelle chegou na viagem do Piroja, v-se que o
rio foi agora estudado era muito mais do duplo da
extenso que primitivimente tinba sido.
A l,5oa milhas da foz, no parallello de 10 44"
divide-se o Purs eoi dous bracos quasi iguaes ner
nhura dos quaes representa, entretanto, a metade
de volume de ambos, quando reunidos.
Al e?se ponto o Purs tem ainda bastante lar-
gura, mas em geral muito raso, mesmo em da-
zembro.
De 11 a 23 desse mez, subi o viajante o braco
dreito, que apresentava no principio uma largura
de 32 e 3ti bracas, e mu pequea profundidade,
sendo as vetes preciso arrastar a canoa. A 60 mi-
lhas do enlroncamento, esse braco do Purs sub-
divide-se em dous pequeos ros quasi de idnticas
proporges.
O maior, com 6 a 8 bracas de largura, nao p$-
de ser percorrido em distancia maior de 8.a 9 mi-
lhas, em virlude do pouco fundo e forlissima cor-
remeza.
O brago do N, posto seja rrais raso, at 20 u
25* milhas, mais largo que o primeiro, e parece al-
guma cousa maior. Tem alm disto um affluente,
o que nao se encontra no outro.
O leito de ambos obstru-do por pequeas cboeiras.
JE' opinto do explorador ffue ascenla deles
nao pode estar muio longe do ponto a que levo a
sua exxurso, e tal vez nao ultrapasse de 11 de
lat. S.
At a embocadura do Gufflmah, que desagua na
margem esquerda, e na distancia de 1.480 milpas
da foz do Purs, lera este a largura media de 60
a 100 bragas, cOm 2 a 2 e meia da profundidade.
D'ahi para cima a corrente adqulre imMensalve-
ocdade, por virtude da dHTctenca e nivel, qdi ,
entre esse lugar e o eraijue o> rio e divioe, nHma
dislancia de 12o milhas., de 470 palmes, ou del3,5
palmos por milha; sen :o que a altura das aguas
no ponto da bifrcacao sobre a 1,308 palmos cima
do nivel do mar.
Uma tao spera inclina?lo explica a rpida os-
cillacao do no, quando succede desabarem fortes
aguaceiros. 0 viajante Chandless leve occasio de
observar um desses curiosos phenomenos, e q re-
fere assm:
Esta enchente offerecen^me exemplo da ex-
trema rapidez com que ellas se operara no auo|Pn'
da
dieco geognoslica do terreno.
A' cima de Yabituriexiste a nltmi maloca da
tribu Jubery. A grande natulo Hypurm eslende-
se pelo Purs, e mais ou menos por todos os af-
fluentes, desde o Sepatinim at o Hyuc, n'uma
extenso, deixando as voltas do rio, de 230 milhas.
do rio,os Jamaraadys, entre o. Mamoria Grande e o
Pauynim ; porm na margem dircilanilo se coohe-
cem oulros indios se nao os Hypurns. Filhos do
mato e nao do no, elles preferem morar no centro
das trras. Mesmo os qoe j sao mansos ( e o
derem ao pratico Manoel Urbano) estabeleeem suas
malocas cena de meia legua para onnteror. S-
mente na poca das tartarugas, sahera ledos do
centro e installam-se as praias, onde se abrigam
do sol e da chuva sob nma ligeira choca de bracos
de oirana.
Guerreiro por ndole, e sempre preparando ou
esperando o ataque, o Hypurina raras vezes larga
arco e flexa, desconfiando de quantos nao conhece.
Entretanto, guerrcia mais os ue sua propria naeao
e seus visinhos, do que as outras tribus; e nao
consta que tenhara morto neuhura hornera civili-
sado.
Apezar de viverem ns e serem completamente
selvagens, sao por natureza cavalleirosos, doceis e
delicados.
Os homens, quando fecham o templo de Jaoo,oc-
cupamse na caca e na pesca ; as mulheres, na
pouca agricultura que Ihes conhecida. A poly-
gamia, as outras tribus privilegio quasi sempre
do tuxua, geral entre esses Indios, no meio dos
quaes a inulher oceupa por isso condicao muito In-
ferior.
praticos, podia ser estimado em 85 a 90 leguas.
Alguns indios teem passado do Purs para o
Coary, e dao noticia de existirem campos de gran-
de extenso as cabeceiras deste rio, os quaes vo
confinar na margem esquerda. No Purs ha um
lugar chamado Campia, distante da fz 63 leguas.
AH nao se v nada que justifique o nome do lu-
gar, pormpaiao interior informam que ha cam-
pos agrestes, qoe j tiveram principio de cultura.
E' provavel que sejam estes os campos de que do
Como o Nhamund, tambem o Uatoman s co-, signy. O antigoministro do imperador exprmese
onecido dos collectores de drogas. Sao escassas as em termos mu favoraveis a Italia, mostrando que
informacoes sobre este rio. Crea de 9 leguasaba- a unidade italiana ja esta definitiva e slidamente
xo do furo deSarac, entra elleuo Amazonas, com estabelecida, e que era brexj a Italia sera suffl-
200 bracas de largura, offerecendo livre navegaco cientemente rica para poder comprar Veneza. Ac-
pelo invern al o luaar denominado .Maximiano,' crescenta Mr. de Persigny que a branga foi a Ila-
onde ha urna pequea cachoeira. Navegando 60 Ha para destruir all o dominio austraco, e nao
dias era canoa, chega-se a.um canal, na margem para substituir esse dominio. Censura vivamente
direita, pelo qual dizem os praticos que se passa o partido dominante em Roma, pela hostilidade que
para outro rio, que corre para oeste. Na parte ex- manHesta a respeito da Franga, e conclu-, dizendo,
terior atravessa grandes campias, provavelmente Que espera tera brevemente lugar a reconciliagao
as da margem esquerda do rio Branco. Al um 1/3 entre o papa e a Italia unida, livre e independente.
de sen curso, segu a direcgo de E. S., inclina se! Contiua a a3severar-se que o imperador apo-
depois para E., e assim entra no Amazonas. O seu leo em sua volta de Argel se dirigir a Uvua-
,, affluente mais notavel o Jalapu', que corre pela, Vecchia, para ter com o summo pontfice uma en-
i 40 palmos, | margem esquerda. O furo de Saraca, que recebe "trovista, que se espera tera uma inlluencia detim-
arte superior.! as aguas do lago de Silves, entra no Ualuman pou- Hf na solugao da questao romana.
stemnnho dos m cima ia u> fn? As negociarles eslabelecidas em Roma por
Mr. Vegezzi eontinuam a dar incremento expec-
tativa publica; conlinuam os assumptos que dellas
zeram pisto a conservarse em mysierio ; julgara
porm alguns que nao ultrapassaro os limites de
RIO URUB'-
Da viagem de Favella, nem ao menos resultou
uma noticia da navegago do Urub ; e assim de-
via ser, pois que o tim exclusivo de quasi todas
que
forgad
com
Ac
te, desagua o rio Urub, tendo recebido pouco an
tes um canal do lago de Silves denominado Ara
tece o mesmo em algnos pontos.
as vizinhangas desta capital ha exemplos bem
notaveis disso. A extenso dos campos naturaes
variavel, mas com algom trabalho conseguem-se
prados extensissimos para a criago.
O Coary nao tem cachoeiras ; as suas aguas sao
pretas, bem como as dos outros dous rios, que com
elle concorrem para o lago.
Ha s um canal que communica o lago com o
Solimes ; flea do lado oriental, e tem 2 milbas de
extenso. S as vazantes extraordinarias que
nao permute a passagem de navios que calem de
8 a 10 palmos.
RIO TEFF.
O rio Teff tambem desagua em um lago do mes
. como este, atravessa elle gran-
des campias.
Os praticos teem subido 40 dias, e do noticia
de cachoeiras. Como acontece em outros nos, o
Urub nao deve apresentir obstculos navega-
go, nos mezes de endiente, al o primeiro salto.
Q Urub s habitado pelos selvagens.
RIO NEGRO.
A' 908 milhas cima da fz do llio Amazonas
afflue o Rio Negro, que segu a direcgo geral de
ESE. | patriota italiano teocionaeffectivamente percorrer
A cidade de Manaos flea era sua margem es- as differentes provincias, para julgar pessoalmente
querda, 7 milhas distante da embocadura. Neste das tendencias do paiz-em relaco s negociaedes
ponto o Rio Negro lem uma milha de largura eco pendentes.
lugar niais estreno. Na fz contam-se 2 milbas, e A subscripgo do emprestimo italiano tinha
"s-! cima da cidade 4 leguas e mais, em consequencia chegado no da 21 a 86 milhes.
mo nome, e fica superior ao Coary ; o seu corapri-' das ilhas que lera este rio em grande numero. Em O rei Leopoldo da Blgica tem experimenta-
mento consideravel Parece mais que o ro,
que alargou-se muito, 10 leguas antes de chegar
fz, do que um lago, que recebe o rio na parte
superior.
O Teff de agua preta, e seu curso, segundo
os praticos, pode ser estimado em 150 leguas
Tambem eonhecido exclutivamenle'dos expo
alguns lugares, de uma das margens nao se pode do; algumas melhoras; dizendo os telegrammas
avistar a outra, que se aeha quasi completamente curado ; mas
Observam-se tambem aqui magestosos golphos, acredita-se geralmente que na sua avancada idade
como nos canaes que affluem no Purs, e que do s,e pode considerar completamente perdido. Diz-se
ao rio umafeigao curiosa e sem igual. A corrente que a existencia d'elrei o tnumpho da medicina;
por esta razo muito iraca. Na vazante, ao con- era Bruxellas e outros 'pontos pensa-se muito s-
trario do Amazonas, quando ella augmenta. Na riamenle as difflculdades que sobreviro com o
radores de drogas. Pelo invern podem subir gran- enchente as aguas flcam represadas por esle no, e seu fallecimento. O rei lem pouca inclinagao a
des navios at quasi s suas cabeceiras, e pelo ve- correra lentamente. seu filho primognito o duque de Brabante, e pre-
rao navegam sem obstculo canoas de 6 palmos de O Rio Negro foi sulcado pelos barcos da compa-' fere-lhe o conde de Flandres, que tem um tlenlo
calado. Segu a direcgo de N. E., como o Coary. nhia durante tres annos, estando por isso fra de mais claro, e possne maior elevago de ideas, reu-
- O lago communica com o Solimes por meio de duvida a sua navegabilidade. nindo qualidades de grande valor n'um principe;
Apezar desses defeitos, a catechese dos Hypun
ns dar grandes resultados. Neohuma outra na-1 dous canaes ; o maior fica ao lado de K. e por elle
gao do Purs tao grande e neohuma promette transitamos paquetes da companhia ;o segundo d
lautas vantagens, sem exceptuar os Pammarys, n- passagem pelo invern smente e acha-se do lado
felizmente j muito entregues ao vicio da embria-1 opposto.
guez, fruclo de seu primeiro contacto com a civi-| Grandes navios podem navegar no lago durante
lisagao bastarda que la os foi procurar. i os quatro mezes de maior enchente, e pelo verao,
Os Hypurns sao ainda como os mattos virgens. | quando a vazante nao extraordinaria, aodam bem
teem todas as boas disposigoes da ndole primitiva, canoas de 6 a 7 palmos de calado. Em qualquer
porm branda, sem os vicios e a depravago dos: ponto pde-se dar fundo com seguranga.
rus. A chuva principiou s 8 e meia horas
nianha e vajoo rio aelrna : s 2 llorar da lar le o
pal-
011
meios civilisados. Amansados e doutnnado"s serao
no Purs o que sao os Mundurncs no Tapajoz.
O Hyuac o limite dos Hypurns. D'ahi era
diante comega a regio habitada pelos Manetene-
rys, encontrando se, na distancia de 6 a 7 dias de
viagem daquelle rio, a estrada de que se servem
esles, quando atravessm para o Hyuru, que des-
emboca no Solimes; travessia qae tambera rea-
lisarn pelo pequeo rio Tarauac.
Os Manetenerys sao uma nagao d'agua. Aban-
donam frecuentemente os malocas, randam rnuilas
vezes de babitacjio, e a maior f arto do lempo gas-
tam-no em viagens, ou antes em passeos. Toda-
va cultivam o fumo, de que fazem uso, colhem a
salsa e o algddSo.que flam e tecem com admiravel
esmero e delicadeza, dando-lhe cores variadas e
seguras. Com elle preparam as camisolas corapri-
das de que se veslera, e os capuzes com que se co-
bren), trajo que bem revela o antigo coniacto des-
ses Indios com os missionaros cathoheos.
Teem em grande estlmacao o panno que fabricara,
e que os sermgueiros do baixo Purs eompram
por l#000 a vara para fazer redes ; e s o trocam
por instrumentos e utensis de ferro, de que sao mu
cobleosos.
Mawfcos e Istelllgentes, vio alegres ao encontr
dos brancas, e acolhera-nos sera desconfanga, mas
cora alguma sobranceria. infelizmente, se sao mais
civilisados que os Hypurns, sao tambem mais
corrompidos. Furlam, r/nando podem, o que se
Ihes no quer dar ou vender, e raercadejam, sem
RIO HYURU'.
cima de Teff afflue no Amazonas o Hyuru,
A navegago terminava no ponto de Santa Isa- mas pelo dreito hereditario nao pode ser chama-
bel, 130 leguas cima da fz. | do ao throno.
Pouco abaixo desse porto chegou em o anno de O duque de Brabante acha-s-? com uma sade
1861 o vapor Piroja no moz de seterabro. muito melindrosa, tem uma affecgao no peito que
De Santa Isabel era diante cemegara as cachoei- oobriga multas vezes a r procurar allivio em pai-
ras, que oceupam uma extenso de 73 legua pou- zes quemes-, nao promette uma longa vida, e gran-
eo mais ou menos. de remado.
Diz o Dr. Souza Colho. em san relatoro sobre Tem um filho ainda creanga, cuja elevago ao
o Rio Negro, que se podo eslabelecer constante na- throno a opioo publica aceita com grande re-
vrgago a vapor entre esta capital e a povoaoo de pugnancia, segundo vemos de alguma correspon-
S. Gabriel, e d'ahi fronteira do Cucuhy pelo iu- dencias d'aquclle paiz.
. verno somenle, sendo a distancia at Manaos esti-1 No Schleswig septentrional foi assignada nma
wrh -, nWS? S i l ii T mada en 25 leguas. I mensagem pelas pessoas mais nolaveisde Waders-
tle ZsE SK com aSum funda' Ullimaraenl "" *!*> rindes batelles de' leben, Apenrade e Flenshurgo, que se pode consi-
raento>SlSJf!k in nn?ff S> Car,os' V cA acima d0 Cucuby> na repblica derar como uma nova prova de dedicago a Dina-
conhce KrVKal S i aSemelhi Ide VenezueJla I e inf-am os navegantes que-a marca e a lingua dinamarquesa. Diz aquelle do-
Sabe se qu? em d.sSia soerio? TOO leeuas passagem pelas cac1oeiras nao apreseuta grandes cumento quo desde que tinham sido desligados da
da fr,7 -ipi/n. ri ^2 ., g diffltuldades. i Dinamarca, nao tem gosado de uma admmisiragao
de um'cana de ce 5? de 18 K ^ le ahiTao' Mq,, maiores- 1ua5i saperaveis, encontrara benvola e imparcial; que os avenlure.ros partida-
dille em muito um do ou ro aue flnlL.e as 6sses "P5805 vismhos' BUindo pelo Orenoco; por rios do duque de Augustemburgo, tem langado
s causa dos grandes saltos que tem este rio. ; mao da administrado, e pretendido representar a
Sena muito conveniente estudar o Rio Negro, maioriada ponulago; que se nao podem conside-
por occasio da vasante, na parte superior, boje rar livres, e que por consequencia nao devem o
principalmente que se vai deaenvelvendo o cora- raanor reconhecimento as grandes potencias alle-
mercio com Venezuella. maas; que depois de terem sido separados vlolen-
Na descida, a passagem das cachoeiras nao tamente do paiz, a que se julgam ligados por sen-
muito perigosa, mas nao acontece o mesmo na su- limemos muito ntimos, julgam ler o direilo de pe-
bida, particularmente nos saltos de Camanos, dr que os seus desejos muito naluraes e equitati-
Furnas, crucuby e S. Gabriel. A difflculdade nao v?s nao deixem de ser attendidos por fuocciona
provm da falla de profundidade, porm das cor-
reutes fortes e desencontradas, que formam rede-
moinhos perigosos. Talvez a remogo de algumas
talvez
abertura de um canal raqoeasse a
passagem.
as rochas que constituem as cachoeiras, cresce
agnas teem a mesma cor branca. Por aqu v-se
que ambos chegam a quasi Igual dislancia ; e, to
vizinhos-eomo sao, teem dado logar a apreciagoes
talvez nao mui exactas de alguns viajantes, era
consequencia de nao ser bem conhecida uma parte
da regio que elles regam.
O Hyuru nao tem cachoeiras, e segu a direc-
cao geral de N. E. A 70 leguasUa fz encontram-
se em alguns pontos roebedos de psamraitos en-
costados as margens, ou sabindo mais fra do rio.
Pelo invern, estes cachopos ficam mergulhados 30
e 40 palmo, e nao causara embaas agrande ^T^K ff^Sr^";
navegaco. Quando o rio secca lambem nao ha pe- f',"\rm .
'rigo, porque as pedras afiloran). Sem meia en-
diente ou vazante que deve haver cuidado-em
seguir o cfnal.
A profundidade regola com a do Purs: 8 bra-
gas prximamente na maior enchente, sendo a va-
zante media de 0 palmos. De dezembro a abril,
escrpulo, com a*onra das mulheres, 'que alias ParanawKar''tremente grandes navios at uma
sao tratadas por elles era certo p de Igualdade. dlilancia m.'t de 200 leguas.
uma planta de folhas carnudas e mui salitrosas, a trional.
que os nataraes do o nome de carur. Desenvol-! Na Prussla contina a luta entre a cmara
ve-se em grande abundancia, e forma assim sobre dos depulados e o governo; a commisso da cama-
as pedras um como colchad macio por onde escor-; ra dos depulados encarregada do exame do projec-
regam fcilmente as canoas, sem que soffrara a m de lei relativo aos crditos para a marinha. pe-
menor avaria. Os moradores visinhos, principal-; dldos pelo governo, regeitou unnimemente o pro
lmgo;i,Sa1r*0e]aMneteeryS diyersasPalavs n*Zl^&^!*^ZVo mente 0S1'nd'S' P""*1"-" della P^a estrhi-g
Quas, todos fallara raais ou meos no Hyuru, e i dar*ate em flns de **l- **** iim^ *^ ^E^l^ SrTrfura Inestiraavel recurso
PXitff^tSSS. suppsigodo! V"Taeam a nica deque fallaran WJ* P d_oa,to RmNegro.
rio comeewu a enchr; S e meia enehia
mos por non.
Mais larde, a forga da eorrenleza nao eos del
iajan No oulro dia pela mauha comeou a va. douro para'o cayati, por cujas aguas costuraam
sanie : ao meio da tinham as aguas bailfado 12 a descer para aquella povoaco peruana.
13 palmos; de Urde esta va o rio bafro coww tes, e outra vez estavamo* arrasiando as1 ca Puns e a de Sara yaco affasiam aidadeseme-
nas. Waotriproximidade.
Isto confirma gijpposigao de que as fontes do Refere o explorador inglez que de um velho Ma-
Pur* se despenham de grandes altaras. Sem con- "
trariar essa idea, o referido Clmntfless, 3o hesita
pratico Manoel Urbano, quabdo jalgou ler chegado ( Pra,IC0S-
pelo Purs perto de Sarayaco. Sem duvida quize- NbTJyoru desagoam at a distancia navegada' tamenie pela cor das-aguas. Entra i
rara esses Indios tfizer-Uie qae nao eslava longe do 8 rios, dos quaes o maior o Taranac. Os lagos' esqnerda, 54 leguas cima da fz, segolndo a di-
o erue_e*taofeachava elle pralieo o vara- (fue se enoeniram nessa mesma extenso sao em receo geral do sul. Percorre vastas e fertilissi-
grande numero.. mas canpinas, as quaes vai so desenvol vendo bem,
Por este rio algnns collectores de drogas teem a creagd de gado at a distancia de 70 leguas de
subido tres mezes, sem loterromperem a viagem ; sua fz, onde se acha-a cachoeira grande. A excep-
outros nove, demorando se algdm tempe nos f-' cao dos mezes de vazante, chegam at este ponto
fluentes. Do ponto mais distaMe para vollar a fz navios que demandam de 6 a 7 palmos do cala-
gasUin um mez de viagem seguida. do; na parte superior navegara tambera canoas
nefewryouvio que casura dous das em vararas1 Os indios do noticia de existirem grandes cam- grandes durante a enchente. De maio a jonho
oas,'d-Wras, rio ablxo,, pelo Ucayalli, al Sa- pos as cabeceiras, onde se eneontra gado vac- quando as agoaes teem chegado maior altu-
propozeram. ^
Esta regeicao nao esta' de aecrdo cora as ideas
manifestadas pela cmara a favor da creagao de
Affluentes.Entre os tributarios do Rio-Negro,! uma poderosa marinha allemaa. O principal rao-
avulta o Rio-Branco, que cora elle contrasta perfei- \ ''vo 1ue 'evou a cmara a regeilar aquelle projec-
to; foi a resolugo firnUmente adoptada de nao
Na poca da maior varante, o salto tem 5 palmos! ses das ideas ooliticas do poder superior e Ihe re-
-a orlLeJ?a ench!if podeewni na^aftr por^ah eommendava que tnandasse ospender aegao da
jusliga segondo as circunstancias. O governo gre-
go reunise era conselho, e resolveu que se no-
measse uma commisso de inquerlts dar exami-
nar aquelle extraordinario documento, quo auca-
va os direitos eleitoraes. A commisso deu um pa-
recer centra o fonccionarhMtiministrativo que foi
autor d'aquelle documento.
_ Tem excitado virameie-a opinio publica a
promessa feita pelo oovo pMVidente dos Estados-
Buidos da America, de cenMMl dolars pela captu-
ra-do-presideote dos-eetadoe^Winfederados Jeffer-
oi Davis. Di os^wnaePWrte americanos que
"seeireouiraram a BoomsUpnis papis que com-
prorrretiem Mr. Oavis e Bf^WHjUderados refugiados
'no Canad, e*rfne HarrrJ!a"*,rftera declaragoas no
mesmo sentido.
Entretanto o general confederado Lee declara
em urna caria que se publicou, que nenhum offlcial
dos estados confederados autorisra, nem mesmo
conbecia o projeclo de assassinalo ; e que ouvira
ao presidente e ao secretario de estado, manifestar
em relaco poltica que deviam seguir os estados
confederados, opinies oppo>tas i seniimentos
que deixassera suppor a vergonbosa aecusago que
faz o secretario federal, e que est certo que elles
nao conspiraram, nem sanecionaram o crime.
Entretanto o presidente Johnson manifesla n'uma
proclamagao que est convencido de que o assas-
sinalo de Lincoln, e a tentativa contra Mr Seward
foram excitados, regulados e preparados por Davis
eperorpTtnctpaes chefes separatistas.
O governo inglez apprvou o procedimeto do re-
presentante brilannico em Washington que decla-
ma ao presidente Johnson que a Gra Bretanha
considerava iuviolavel o dreito de asylo no Ca-
nad.
A Inglaterra maniendo a inviolabilidade de asy-
lo naquella colonia, garanto a seguranga dos refu-
giados e parece preparar se pura recusar qualquer
pedido do governo americano, que tenha por lira
a extradiceao dos confederados que procuraren! o
Cimad.
Em Inglaterra nao se desconhece a gravidade da
situae/to, se porvenlura a America flzcr reclama-
goes neste sentido.
O tornmg-Post puWieou o protesto que Mrs. Be-
verley Tacker e .George Saunders dirigiram ao
povo de Canad e ao presidente dos Estados-Uni-
dos ; declaram que falsa e calumniosa a procla-
niacao em que Mr. Johnson os acensa de cmpli-
ces de Boolh, offerecem-se a dirigtr-se for-
laleza federal de llouls Point para alli serem jul-
gados por um conselio de guerra, composto de no-
ve raembros que o presidente Johnson escolher
de uma lisia de 25 generaes do norte, cujos no-
mes elles indicaran.
Em visia desies protestos a opiniao publica da
Europa absolveu-os da impolago. Os jornaes fran-
cezes admiraram-se de quo Mr. Johnson tenha ac-
cusado os chefes confederados de haverem toma-
do parte no crime de Booth, sem poblicar as pro-
vas de sua aecusago. Entendera que pouco
o procedimento do chefe de uma repblica quo
concorre paTa a prisode genle suspeita, entregn-
dole barbara pratica de ofierecer premios.
Lord Palmerston declarouque nao ha a menor
intengode dirigir representages ao governo ame-
ricano, relativamente sua maneira de proceder
para com os chefes dos confederados.
O general Taylor rendeu-se com as forgas do
seu commando.
O general Kirby Smith proclamen aos seus sol-
dados para continuar a guerra.
A noticia de haver a rannicipalidade de Nova-
York excluido os negros do acompaohamento f-
nebre de Mr. Lincoln causou impressaona impren-
sa europea. A Mr. Gnnther pertence toda a res-
ponsabilidade da excluso. Mr. Guntber um
demcrata exclusivista, que foi eleito debaixo da
impresso dos tumultos provocados naquella cida-
de por occasio do recrutamento, em opposico
um candidato republicano. O subsecretario do
governo, que ento se achava em Nova York, re-
vogou a ordem da autoridade municipal, determi-
nando que fossem admittidos os bomens de ror a
fazerem parte do cortejo fnebre. Os negros con-
sideraTam como uma honra a sna presenga na-
quelle acto, e conduziram-se com a maior dignida-
de e compostura.
Os jornaes europeus, cendemnando as ordens de
Mr. Gunther, fazem os maiores elogios ao subse-
ereiarin, q.\xe proenrou deste modo honrar a memo-
ria de Lincoln, recordando eom a presenga dos ne-
gros, que o fallecido presidente fora o libertador
da nagao africana na America.
A aboligo da escravido um grande recurso
para a America. Dos quinze estados onde havia
escravos, Tennesse, Kenluky, Missouri, Luisiania,
e Maryland, comegaram em 1864, a adoptar e ap-
pliear o principio da aboligo; Texas, Arkansas e
Delwre, nao tomaran) parte na lata ; a Carolina
do norte protesten contra guerra, e a Virginia
dividiu se em dous campos, um dos quaes ficou
fiel Unio ; s seis estados tomaran) a defeza da
escravido; questo que hoje est militarmente
decidida.
A emancipagao dos negros est decretada ; s
resta saber quaes sero as consequencias da subs-
lituigo do trabalho livre ao trabalho servil, nos
estados productores do algodo.
Acreditamos que se nos primeiros annos esta,
substitoigao deu uma desvantagem pronunciada,
dentro em pouco os productores e os consumido-
res sentirao as vantagens do.systema de liber-
dade.
A situagao actual da America chamar ainda
por muito tempo a altengo geral.
Foi preso prximo de Macn o presidente confe-
derado Davis, com toda a sua familia e estado
maior, sendo todos condiuidos para Washington.
At hoje nao ha nm unico testemunho positivo que
possa comprometier Mr. Davis.
Mr. de Monlholon j apresentou as suas creden-
ciaes ao presidente Johnson.
A rain ha Isabel dirigi um convite ao impe-
rador Napoleo para qne airavessassem a Hespa
nha no seu regresso Paris, mas que o imperador
agradecer, acre-centando que Ihe era impossivel
aceitar aquelle convite.
A esquadra italiana sahio de Palermo para Ar-
gel, para assistir sahfda do imperador Napoleo
daqtiella colonia.
Abrram-so em New-York estages para o
alistamento de voluntarios contra o Mxico. O go-
verno francez expeliimmedialamente instrnegoes
ao seu representante nos Estados Unidos, recom-
mehaaudo-lhe pedisse explicages sobre os fados
conhecidos.
Affirmase qne em Londres se encetavam nego-
ciages para se constituir uma allianga olfensivao
delfensiva, com o proposito de conter os impetos
da democracia americana, contra o Canad e con-
tra o Mxico.
Parece, porm. que as explicages do governo
americano raostram a intengo de manter a neu-
iralidade respeito do novo imperio, e consta que
o presidente Johnson dera testemunhos muito ami-
gaveis ao representante francez, no acto daapre-
sentagao das suas credenciae?.
O ministerio portnguez anda se nao tinha
completado.
Em Lisboa, ferviam os trabalhos eleitoraes para
a eleigo geral de depulados que ha de verificar-
se a 9 de julho.
As corles abrir-se-ho a 30.
No Porto ia em grande andamento o palacio de
crystal, para a exposigao internacional que se ha
de celebrar em agosto.
O imperador Napoleo III, volta da Argelia
tfMtarfa H'spanha e Portugal.
O infante D. Sebastio de Hespanha era espera-
do em Lisboa. Tinha um palacio alagado em Pe-
drougos para tomaros banhos do mar.
S. Alteza a sennissima princeza imperial do-
Brasil era esperada tambem brevemente em Lis-
boa, de volta da sua viagem ao norte da Europa.
No dia 28 de maio, pelo paquete Gmenne de
Bordeaux, chegou a Lisboa o marechal Saldanha,
regressando da embaixada de Roma. Foi recebi-
do com grandes demonstragoes festivas. Algnns
amigos seus pensavam em constitui-lo chefe de
um novo partido poltico.
Foi agraciado com a gra cruz de S. Tbiago r>
Sr. Mendes Leal, poeta e escrlptor distincto.
tas negociages
Diz-se que o santo padre Po IX deseja lindar o
slejara de accordocom a civiiisago
Em aples tem causado grave sensago a no-
ticia destas negociages ; nunca a opiniao publica
se manifestou alli to unnime.
Em Roma e era toda a Italia os espirites nao es-
tad tranquillos. Dizem os jornaes napolitanos que
o general Garibaldi resolver deixar Caprera, para
se dirigir ao conlinen. A Italia desmente est
noticia, dizendo que nao tem conhecimento desta
resolugo de Garibaldi. Sastcola-se porm que o
rios quo nao gozara da eslima, era da coufiaoga
dos povos,
Os signatarios desta mensagem dizem que sub-
mettem as suas queixas aos governos alliados, e
que quando se ponba em duvida o que se allega,
se procure colher pelo sufiragio a seguranga de
mais de vinte mil habitantes do Schleswig septen-

assegarar qoeo Prus nao parte d ttttovjcM lyscnji^We -atecen o padre Annio e vira fa- ara. Tambem informam qne nao distara mnrto'os; re, evla-ee a passagem da cachooira grande,
firmando-o n essa creoga a circamstanc.a da1 nao ie0 d* fado. eslabelecimento* dos Peruanos, com quera aitre- guindo o faro do Cujubim, na margem esquor-
se eocomraMiBi seu leiioojien) suas margen pe- j Do.ripCaryia at o Rixala, nao ha Indios.. Das tem relacSes. da. Por ahi paseara batelloes carregados de ga-
lo proximidades deste ultimo era dante comega-se a A informablf accorde dos praticos combinada do; e quando o furo secca, nao pwmittindo mais a
encostrar os CJflamarys. Esta raga, qne nSo com Odlt>do*ifdlMaeon}manicagSo como Pu- navegaco, malteseanoeiros deseem mesmo na
u ah sauzqoe, te no qne seglo i c-;ve deiroPars, como nao ha duvidar, este nao de os Mantnerys, ernbora menos emprehendedores,; cia para jalgar-se do Hyuru. ra vel o obstculo.
conceder ao governo presidido por Mr. de Bismark
nenhum crdito extraordinario sem que se tenha
regalado a questao relativa a votacao do orga-
mento.
Na Grecia a agitaco eleitorel contina em
todo o reino, mas em meihor ordem; sao irapune-
raveis os candidatos qne se gladiam. Nao ha rae-
nos de 90J candidatos, e a cmara compe^se de
177 depulados.
Nesta lula nao se trata de principios aera dos
ioterestos do paiz; a luta teda de ambiges pes-
soaea, e de oteresses parlicn lares.
A imprensa da epposigo tem levantado altos
clamores contra uma circular de tostruatoes^ada
por um dos prefeos das provincias do reino, que
recommendava ao procurador do rei, que por oc-
casio das eleiges se Qzesse uso da lei nos nteres-
Nosso correspondente de Lisboa enviou nos
o seguiote post scriptum, era data de 28 :
f O centro progressista da opposigao publica
ura manifest eleiloral boje as folhas de Lisboa.
E' assignado felos Srs. duque de Loul, Joaquiu
Antonio de.Aguiar, Anselmo Braancarap, Fontes,
A. R. Sampaio, Antonio de Serpa Pimeutol, Au-
gusto Correia da Costa, conde de Castro, conde de
Fialho, conde de Peniche, Rodrigues Cmara,
Mendes.Leal, Alves do Rio, e Vicente Ferrer Neto
Paaya,
* Conjioua o boato de que o Sr. Carlos Beato,
ministro das-obras publicas, sahir do gabinete
Ficar, pois, o ministerio era cnse.
ILEGVL




larl d **mMn]m*i> *fflirmJn I Ir* g tte TOcha drtSYS.
Ricanta Jj.- Fr-Mscd Tei_eifa l dem do.dia 18.
t Foi agraciado cara o titulo d_.baTC da Sjum,.
o Sr. Umtcj da Suuza Leile e Azave4o, do con-
saino de S.. M., eoc4tr.egad_.de negoaos- e caosul
de Portugal aMwwJjlicas.Araatiaa.jJriea* do
Uruguaya do Paraguay*
Nossb correspondente* de Londres- e Hamtnugo
dio-nos as seguiB_s.noiicas mamuitev:
Londr_*23.
c As acoS.'s da.esteftda de ferra da DahubMm
di 13 l(i a 14, as de, Poraainbuoo de .14 a
"15 e as de S. Paulo de Sk 17 I fia Jrifc.
O*fundos brasiHros de 5 por eemrr estilu ae
99 a 10 fe* o; de 4 i|2 par ceoio.de 1863 a 81 1|2
o*.
O algodao do Pernambuco vende-se era Liver-
pool de 14 1)2 a 16 d. par libra, o do Maratrho a
17 l]i d. e o da Baha, a 15 d. por libra.
O cacao do Brasil dem de 37 s. a 59 s. par Christlano de Oliveira, sua snhara, 9 fllhos a 1
cw,'r, ., | criado, 380 pracas voluntarios da patria. 25 offi-
O caf de priraclra qualidade idem de 71 s. a. ciaes, 10 cadete, 33 recrulas, para o esereito, 2
80 s., o de segunda dita.de 64_.,a,70 s. o o ordi- desertare*. 16 recrutasie 14 voluntario* para ar-
aano de 52 s. a 63 s. per.cwt. mada tod j. nertencente. ao Ro Grande do Norte
t O assucar branco de Pernambuco a da Para- e 1 escravo-a entregar
hiba idamde 23 a2fi s. 6 d.,.o mascavado de 18s. a (buitmio pnico. C_ll_ario do di 9 de
z2 s. ; o branco da Baha de 22 s. a26 s., o usna- junho de.l8*t
vado de 18 s. 6 d. a 21 s. 6 d. per cwt. Isabel, Pernambuco,.9 rae_e_,-.S. Jos, deooo.
Os cooros seccos-do Rio de Janeiro de 6 t|2 d. Mara do Espirito Santo, Piauhy "
a 8 li_ d. por llera,en do Rio Grande salgados-4* Ta,B_-Vista : anemia.
d. a 3|4d.
< HauUurgo 20.
Contintnmr firmes o assucar e o ajgodo, sem
alteracao de-.preco.
< O caf ordinario do Rio venJe-se de 6 3)4 a
0-4 [2 sch.
Couro inteirarnente fronsns.
Limbarli 8
Bastos.
Passageiros do vapor bra viudo do Acarac e portar intermedios :
Vjgtfnto 4 An Jr**s 4eSsoe,- O. Carato Mara '
da Concatoao, Manad de Aranjo e Silva, Manoel i
Pereira de Carvalbo, Huno*! B "Jnior, Elviro da
Silva Calas, Guilherme Crrela da Cunha, Antonio '
Itolla, Domingos Rolla, Jos Irindo, D. Tbereza
Anglica de Castro e 1 criada, Silvestre da Costa,
L F. Soares, Joo F. de Araorm, Thomaz de A.
Vasalla, fepomuceoo Barbosa, Amaro t. de Al-.
buquerque Maranhao, Manoel Sim5e* Ro*a, Jos
Moreira, Jos Jeronyrao, Joao P. da Matta Silveira,!
Roberto F. da Silva Barros,Jos L. Amora, Manoel
Joaquim L. Barata, Urbano Joaquim Loyoila, D.
Mara L. Cavalcaoti de Albuquerque, Alejandrino
3:984*116
33:382*313
32 annos, soltei-
-S
PERimiMuni.
COMESFOKDENCIAS
misa fiuiu.
Por portara de 10 do oorcenta fosara, comeadas
professoras das cadelras de nstruceao primarias
das villas de Granito,-Sophia Guilhermina de Mel-
lo ; de Garanhuos, Francisca Marganda da. Cunha
Cesar; da E ra; de Serinhem, Camilla Amethista de Carvalrio
Calumby ; e para a povoacao de Buza Verde, Ma-
ra Florentina Seraphico de Assis Car.valho.
Entra de semana nos protestosde letras o es-
crivao Torres ; cartorio na roa.eslrea. do Rosario
D. 12.
Amaohaa se exlrahir a t parte da; 1* lote-
ra de Nossa Senhorado LvrameBle-d_-Var-e*(19)
se-dir>o maior premio 6:000,0-.
Foi nomearhr para reger interinamente a ca-
deira de instriirco-primaria de santo Amaradas
Salinas, o Sr. Jos Francisco Ribeiro de Souza.
Pela presidencia foi nomeada nmacommrs-
sao, composta do'Sr Barao- do Livrameoto, Df.
Ignacio Joaquim de Soiua Lelo, Luir Cetario do
Reg, Antonio Carlos de Ptoho-Borges e Antonio
Pires Ferreira, para promover urna subscriprao
para o Atyh de Invlidos da Patria, que se vai
funiar na curte.
Vieran) do Rio Grao le do [forte, bordo do
vapor i-tfjmrihe, o primero corpo de voluntarios
da patria, com 1-1 pracas, 3 rearutas para o
eierofci e H voluntarios pina a armada.
Neaianm ni)tiad!m|ioBtanaiatnoiKe ste va-
por, a aaa ser o pe sefle^xtaahidl) do Projres-
sislu :
Os mezesa de maio e junho tem desmentido
comi'l.;timentaa4previsoesdaquelles que no anno
de 1863 viam o transumpto dos annos hebomati-
cos oa seceos. O agjreste acha-se bem chovido e
a lavoura promette urna colheita abundante, e de
artas ltimamente recebdas, sabemos que a baiso
seio, que anda nao ha milito annunclaraos adrar-
se eni estada pouco lisedijeiro ou antes desanima-
dor, tem-ee banhado-nltimamente em chuvus co-
piosas, que viro salvar o resto do gado dzimado
pela looga secca e oroel epioDtia,.com que este-
ve a braoos desde o mez de novembro do anno
prximo pastado. >
Teve hontem. lugar a mise-mandad cele-
brar a Nossa"Scnnora da Estancia, por diversas
pesso; pedlndo sua proteceo para a prtmeira
companhia de homens pretos.
Ao vallan, fez a coaipanhia um passeio, por al-
gumns roas do bairro de Santo Antonio, causando
verdidriro enthnsiasmo ver o garbo earreganho
mcliiar das pravas, bem como a disciplina. De
mil lenvore, pois, digno o Sr. lente Maniva.
Urna carta da. villa de lugazeira de 31 do pos-
sado. exprme-se do modo seguinte :
Agora ni.'smo se esla' sepultando na matriz
dwta villa o cadver de um infeliz moco, a>sassi-
nado brbaramente por uma-patralha comnmnda
da. pelo subdelegada do dUtricto de Ajiua-Branca.
A rauio nica desteespingardeamento foi o ter res-
pondido o infeliz 111050, ao receber ordem de pr-
so, que nem era criminoso, nem se achava em
trciunstancia de ser recrutado I Posso asseverar-
llie que eslava inerme, e nenhuma resistencia fez I
Ko sei onda iremos parar com tanta impundade :
arada ha pouco no mesmo distrcto foi assassin-
do Juan Mandes.
Dirigera-nos o seguinte pedido :
t Peca a Vmc. queira declarar em sua concei-
tuada alista, que asociedade musical Bella Unio,
tocn no da da festa do Divino Espirito Sa,nio, no
convento de Sonto Antonio, nao por offerecimento,
coaio diz o chronista da mesma festa; mas sim por
uiu convite que receben da irmandade respectiva.i
T.-ndo, anda ba bem pouco lempo, sido con
cluido o caes da ra do Sol, para lamentar que
ja" ha) junto a elle montes de entolho, que, em
alguns ligres, fazem desapparecer a parede.
auloridada competente pedimos lance suas vistas
beneOea?.
Ja' o cal^araento da ra da Aurora se acha
abatido em dous lugares, de forma bem saliente,
em consequencia de se nao acharem convenienta-
ment- construidos os canos de esgoto de algumas
ca-as dessa ra, nao s com grave detrimento pu-
blico, como de vexame para o empreiteiro da con-
servarlo. Parece rasoavel que se dera providen-
cias para a prompta reparacao desses canos.
Sabbado ultimo suecumbio alfecQao pulmo-
nar de que soffn'a o Sr. Joaquim Bessonl de Al-
meiia, cujo corpo foi dado a sepultura no mesmo
da no remilerio publico desta cdade.
E' um talento esperanzoso que se desprende da
trra, a que promettia honrar com os fructos de
sua iniciligencia ; e essa trra no entretanto Ihe
foi imis madrasta que outra cousa 1
Chamamos a altenco do Sr. fiscal da fre-
ffuezia de S. Jos para o abuso que nella se da'
com relacao a fazer-se das ras pasto para a cria-
rn de ammaes, principalmente cabras ; as quaes
alm di-to iovadem e emporcalham quanta porta
de ra ha, bem como adros de igrejas, etc., etc.
Em sentido prohibitivo eremos que ha postura
municipal; e, assim, como tolerar-se isto ?
Esta lembranca, a proposito, fazemos extensiva
aos dentis Srs. flscaes, pois as outras fregaezias
da-se o mesmo, anda que em menor escala talvez.
ItEPARTIQAO DA POLICA:
Extracto das partes do da 10 de junho de 1865.
Furain recolhidos casa de detengo no da 9
de junho :
A' ordem do Iltm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Manoel do Nascimento, por ser criminoso de
morte na provincia da farahiba ; e Antonio, es-
ravo de Manoel Foutes, sem declaragao de moti-
vo e posto logo em liberdade.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Joao Gal-
dinn Pererra, para recruta.
A'-ordem do subdelegado de S. Jos, Antonio Pe-
reir da Silva, por off-nsas physicas.
A' ordem do da Boa-Vista," Antonio, Matheos,
Manso to, Severo, Manoel, Antonio, Samuel e Joo,
escravos, o de Francisco de Paula Albuquerque,
o 2o <\'. Joo de Barros, o 3* de Tertuliano Delga-
do, o 4 de Francisco Goncalves Justo, o 5 de
Anna da Barros Correa, o 6o de Jos Paulo, o 7 de
Alfredo AfTanso Ferreira e o ultimo de Francisco
Pacheco Soares, sendo o Io a requerimento deseu
respectivo senhor, e os dermis a disposieao do
Illm. >r Dr. chefe de polica, por desordens.
O chefe da 2* seceo.
J. G. de Mettptita.
Ca-.\ de detenqao.Movimento do da 9 de ju-
nho de 1865 :
ExKiiam 347; entraram 12 ; sihiram 16 ; exis-
tem 343, a saber : nacionaes 255, mulheres 3, ei-
transpiro*- 21, mulheres 2, escnr\-os 53, escravas
6,total 343.
Alimentados cusa dos cofres pblicos, 136.
l'a-igeiros do vapor GiMnr*, vindo da Eu-
ropa :
Po\v/.jt Gilbert, Francisco Lagratta, Theodorco
Ghneppa llaaggio Jureati e 2 Qlhoj, Felice Fe-
nizzola, Vicenzo Danticona e 1 fllho, Vicenzo Fe-
nizzoh, Uiessard Helene Angeline, Mara e Mar-
gnerit't innUs dt caridate, Bjmbt Samuel, Vil-
lard E l-n-ind, Carolina Felippe de" Oliveira Lopes,
Justiuo Rolrigues da Paiva Machado, Pasquale
Senharet redatara.*-Venbo restabeleeer a ver-
dada de um faato, que j foi oonUdcneste Aum'o,
de modo.inexactsimo, altribuiodo-se a oulram-as
glorias, que rae perlencem, se glorias podem re-
sultar do comprimento- de nm de ver de honra, ede-Aatedocei..
humanidades
E' o caso : no da 16 de abril pateado, vindo-eu Bacalho.......Em ataoado vendeu-se de llfioOO
para esta cidade,. encontse na. fazenda de Poco i a 12JR50O, por barrica, e a reta-
Grande, distante quatro leguas da villa de Flores, i Iho de 4000 a 135000, ficando
um* sugeito de nome- Jesnina,- com o quai tive de i em deposito 3^00 barricas.
panButar.na-mesma casa de rancho. Batatas........Venderamrs a 15100 re.
Durante a noute pude conhecer pelas coatersas! >' roba.
PRACADORBCI
O lS Jl \IIO lUMHUi.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Hevlsa semanal.
Cambies........ Saocoa>seaolrreLawiw 8W/t,
25 e 25 >/, d. por I0WO; sobre
Paris a 385 rs. por fr.; e sobre
Lisboa de 106 a 112 por canto
de premio ; montando"os saques
efectuados durante a semana a
SU 80,000.
Algodo......... O de Pernambuco vendea-s de
13*000 a 13*200 por arroba, o
de Macei, posto a bordo,- de
12*300 a 12*800, e o da Pa*a-
hyba, tambem posto a bordo,.de
14*000 a 14*100.
Algodao........Os precos regularam os mesmos
da>semana-paseada.
Aguaedente.....Vendau-sede-70*OB8 a 72*X)
a pipa.
Couros ........Os seceos e salgados venderam-
se a 150 rs; a libra.
Caraeseceav-----A de Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 2*600 a 3*000 a arroba,
ficando em deposito 199,479 ar-
robas; e a do Rio da Prata de
2*200 a 2*600, ficando em de-
posito 77,300 arrobas.
Arro*.......... Vendeu-se o pilado da India a
2*900 a arroba, e o do Mara-
nhao a 3*200.
O de Lisboa vendeu-se a-2J300
o galio, eo'do Estreito"a 2*000
Rn*^'Rrrio Ha-Boa-Vista
dem d. 14 partfcaltre srpnkiico. lW*00t
Ra da Lapa.
Casa terreno* 4* pxrtieuUr e 4 pu-
bllC0.........130*000
Compaahia de fafi'fctr i Pernambuco. Imassado Rvd. psdre D. Jo= Antinio dos Sant*
A mesma companbia tffrt, em vfrtude de ordem | ^-aaa, das dlvias srtlras da mesma massa na im
Is0f"?0^'1.9 vB*rem.-has{ofliuWica W cavan., 1 portidcla de 0.9:)di7t) rs., em letras e docu-
e jactancias de Jesuino, que era elle homem.de (
suspeita, visto como nao era possivol capacitar-me
de qae um individuo de to baixa conds5o podesse
possuir o dinheiro que alardeiava.
Manifestei logo as minhas supeitas ao donoda
casa, e Ihe pedi que entretivesse Jesuino por ali
at que chegasse eu a povoacao de Affogados,
Bolaxinhas.....Venderam.se a 2*300
quinha.
Caf.......... Veudeu se de 6*400 a
arroba.
Cha............dem de 1*800 a 25200
Cerveja.........Vendeu-se de 4*300
duzia de garrafas.
Ba da Hbcda.
ftJemn. 41 partiealare21 publico. 350*000
Ra do Amorim.
Mearn. 48-parrfulaT e o(3 mibllco. 400*000
lera-Tr. 49*pwmrlar e Si ptiwwo, 400*000
dem n. 50 particulare 52 publldo. 420*000
ItfBm-n. 53 particular e 43 publico. 800*000
mleiTi n. 56 (Tarticular e 26 publico. 71*000
RuadoAzeite de Peixe.
[Jera n. 61 particular e 15 publico. 450*000
dem terrea n. 63 particular e 14 publi-
co...........600*000
Ra da Cacimba.
dem n. 65 particular e 5 publico. 144*000
Idtmrn. 67 particular a la publico. 83*000
Ra do Vigario.
SobradffdeManlares n. 72 particular
e27 puBHCo........500*000
,._, Rn* do Edcantamento.
Sbnrado de-2 andnrey n. 76 particular
e 11 publico........900*000
dem iden*:77 particular, e 13 pu-
blico.'..........900*000
Ruada Senzala Velha.
dem i Jem a. 7 particular e 134 pu-
blico.......... 5.0*000
Cisa terrea n. 81 particular e 18 pu-
bllfco..........200*000
dem n~8partkuU-e-16 publico. 200*000
Ru dft-Gnta.
Iifenvn. 84 parlicWSj e-2 pobHco. 144*000
Ra do Trapiche.
Sobrado de 3 andares n. 83 particular
e 30 publico.,.......720*000
Ruada Lingoeta.
dem de 1 andares n. 8tV partiootar e
14 publico........609*000
Ra da Cruz,
a ar- Idemidem^n. 87 particular e 11 pu-
blico..........882*000
Ra do Pilar.
Casa larrea n. 92 particular a 103 pu.
bUco.......... 200*000
! no din 30 do correnta, pelas 10>fioft.
Qnarft no Campo dis Priucezas 10 de junbo de
1865.
Manoel Porfirio de Castro-'Afaojo
Capita commandanfl.
s
tiie vriio
DE
I mental
I M primero artrlar do sobrado irfttt da Cadeia
, do Recife n. 9, as II hyras ; a re1ac/ao das mesttias
dividas pode sar examinad, pvlos pratendentes
em mao do referido Mariins.
Leiro d#fwirfordc rfgo.
Sejunda-felra 12 do correnteas 11 horas.
a barr-
7*200 a
a libra.
a caixa.
por ar-
de
Massas.........Venderam-se a 5*000
Oleo-de-linhaer.. Idenva 1*060 o galao.
Passas.........dem a 3*600 a cai**.
Presuntos.......Venderam-se a 16*000
raba.
Qtterjos........Os flamencos venderam--se
1*600 a 1*860 pada.ui
Sabao.......... O ingtez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 240
rs. a dita.
Toucinho.......Vendeu-se o do Rfn-Grande do
Sul de 7*00'a 8*900 por-arro-
ba e o de Lisboa a 10*500-.
Vinagre........O da- Portugal vendeu-se de
90* a 105*apipa.
Vnhos.........Vndram-se os de Lisboa a
donde tinha elle vindo, aflm de informarme de seu Farrana.........A de mandioca vendeu-se a 8*
proceder. | o sacco.
Chegando a dita povoacao, sonta que eram bem FeiJa..........Vendeu-se de 10*000 a 12*000
fundadas as minhas suspeitas a respeito de Jesui-' sacco.
no: immediatamente me dinji ao subdelegado do Lon?8---........ A ingleza vendeu-se com 320
lugar Flix Ferrerra, nao-para pedir=he auxilio,1 por cento de premio sobre a fac-
como autoridade, pois o homem se achava em dis- lura-
tricto alheio, mas para pedif-lhe nformacoes de Manteiga....... Vendeu-se a ingleza de 960 a
um mofo do Ico, que se diziaToubado em Campia 1*000 a libra, e a franceza de
Grande, na quanta de deseis cont?, exactamente r?- a dita,
a quarnia que Jesuino me havia dito que pos-
suia.
Sabendo o subdelegado qual o Dm da minha in-
dagacao-,^ instoo'coraigo para me acompanhar.. a
lugar de Poco Grande, ondesaacliava Jesuino: com
effeilo consent* iste.
Chegando pealo o lugar-, o mesmo subdelegado
receiou apprwximar-se da casa onda eslavn o
Udio, e effectivamente escondeu>e, em quanto
eu e mas tr*s companhoiro cercamos a casa, e
em contiuente prndeme o ladrad, e tomei-lhe
quinze conlos e dusenlos miaris, que os contei
em presenca decuceiestomunhasw
Momentos depois, appareceu ento o subdelega-
do; em cujas maos depositei o dinheiro perante as
ditas testemunhas, e segu para os lados de-Bwque
em.busca do-muco roubadoi
Eacontrando-o em Moehot, Ihe fiz a agradavel
surpreza de declarar-lhe que havia retomado o seu
dinbeiro-, sendo- fcil comprebender qnal seria o
seucontentamento.
Voltamos para AfTogados, onde recebando elle o
dinheiro, deu-me cem mil ris, que os dei ao subde-'
legado Flix Ferreira.'em paga de me haver elle
acompanhado, para serem repartidos pelos outros
tros companheiros, oabendo a cada um 25*.
Taiabem fui pouco compensado; nao importa.
Ora, tendo este faci se passado exactamente
como acabo de narrar, fiquei bastante indignado
quando soube que o subdelegado Flix Ferreira
ou alguem por elle, fizeram contar este mesmo
facto por este Diario, arrogando a si tolas as glo-
rias do acto, e por tal arte inouicar-se ao publico e
ao governo como autoridade activa, e zelosa I
lsto que se chama descaramento I
Tomar cu o dinheiro do
fin de tudo o Sr. subdelegado, que recebeu em
paga de seu trabalho 25*, como j referi, passe
por bom velho o deligente autoridade I
Eisaqai os iuduiduos, que nesti triste situacao
se acham investidos do carcter da autoridade I
Quando nao commettem assassinatos, como ouvi
dzer que o subdelegado do districto de Agua-Bran
ca, termo de Ingazeira, no da 30 do passado, sem I
dem n. 93 particular e 101 publico. 200*000
dem n.9 particular e 99 publico. 2555000
a bOOe'a dem n. 97 particular e 110 publico. 228*000
dem n. 99-parlicular e 106 publico. 2*8*000
dem n. 100 particular e lOi publico. 2285000 [
dem n. 101 particular e 102 publico. 228*000
demn. 102 particular e 100 publico.. 228*000
dem n. 103 particular e 98 publico.. 2285000
Idam-n. 104 particular e06 publico.. 228*000
dem n. 103 particular e-94 publico-. 228*1100
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 10 de junho de 1865.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti Cousseiro
D9
Velas.
O caixa desta companhia commendador
Thomaz dcAqnino Fonseca. acha-se autori-
sad. a pagar n seu eseriptorio ra do- \\-
gario n. i!)* das- I0-hoas-a*3 da laple-do
da 2 do correnteem diante o 34 dividen-
do desta compaaliia na. propxwcao de 35
por cida apolice, previne-se aos Srs. accio-
180*000 a pipn,. e os de outros I u slas que este pagamento deve ser emmoes
paizs de 176* a 180* a dita, j da de cobre qne na especie que o mesmo
kS Wi?2^eVdedseT8mve-r' caa temrecebto dWMTCUffafltn dos
a O
las
de
Descontos.......O rebate de-letras regulou-
9 a 16 porcenw ao- anno.
Frotes.......... Para o Caoal>30^ 5 /o de Macei
e ParahybB; para Liverpool pelo
algode^ d. por libra sem-pri-
magenv, e 5/s 5 % pelo vapor;
mwmn w fgeto
Navios saludos no da 10.
Bahia Vapor Inglez Salaatn, eemaaaahta J.
Marr, carga parte da qim trouxo da Liverpool,
poder do ladran, e no HavreBarca fruocezaflio Gratule, capito Par-
rol, cirga couros e outro-i gaera.
Maranhao pelo CearPalhabote nacional Lindo
Paquete, capito Joao J )Su djs Queijos Jnior,
carga differentes gneros.
Observacao.
Nao houveram entradas.'
Navios entrados no dia 11.
Bordeaux enortos intermedios 16 dia, vapor
francez Guienne, de 1162 tonollalas, comman-
dante A. de la No, equipagem 116, carga fa-
zendas e outros genenos.
Acarac:e portas interaadios manes Paexhyba
6 das, vaporbrasileiro Jaguaribe, ddi44* lonel-
ladas, commandante Joaquim Jos Martias,
equipagem 29, carga varios gneros.
o menor motivo, raandou fazer fogo n'um pobre :
rapaz, que quera prender para recruta, e cujo ''
cadver no da 31 fui sepultado na Ingazeira, tuau-
tem despejadamente, como Flix Ferreira, ou
alguem por elle I
Em concluso direi, que o raesmo moco, dono do
dinheiro lomado, disse a todas as pesssas dos A fri-
sados, que outro subielegado, o de Flores, Izidoro
Mascarenhas, sendo-llie requisitado a entrega do
preso Jesuino, respndela, que s o entregara
parta pela quanta de um cont de ris, ainda que
o matassem no fim da ra da villa I
Este facto me foi referido, por muitas pessoas, Dr- Tnstao de Alenrar Araripe, offkial da.ra-
que o ouvirara propria pessoa, a quem talquu- Pert*' ordem da Itosa.c juiz de direito espacial
lia foi pedida. E por tudo isto, poda o Exm. presidente avaliar' Magestade imperial, que Dos guarde, etc.
o carcter dos individuos a quem est.confiada, a f.a8 saben aos que o presente edita! virem, e
autoridade dos nossos infelizes serlOes I
IBITAES.
Recife, 10 junho de 1865.
Jos Robera Ferreira.
COMMEB010.
Voto banco de Pernan-
hMM
O banco desmonta letras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de quatro me-
zes, e a 10 00 at o de seis mezes
Caixa liliai I'e mam tilico.
Adirectoria desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do | Pasando se
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de peroaroJiuco.
Os administradores da massa fallida de l< m
Jos Silveira pagam o 1 dividendo de dita massa
na razao de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
jdelle. noticia .iverem, que por estoijuizo peudem
uns autos de execuco entre partes,.a saber, como
I exequenle Francisco Jos Leile, e como executados
I os administradores da massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & C, a qual proseguindo seus de
devidos termos, se fizara peahora na quantia de
5.641*810 rs., prtencentes aos mesmos adminis-
tradores.
E sendo em publica audiencia deste juizo, no
dia 29 de maio, nella pelo solicitador Ignacio Bar-
roso de Mello, procurador do exequeute, me foi fei-
to o requerimento dotheor seguinte :
Aos 29 de maio da 1865, em publica audiencia
que aos feitos e partes dava o Dr. juiz especial do
commercio Trlslao de Alencar Araripe, pelo solici-
tador Ignacio Barroso de Mello, por parte do exe-
quente aecusou a penhora feita em dinheiro dos
executados, e requereu que Ibas flcassem assigna-
dos os seis dias da lei, e dez aos credores ineertos,
os respectivos editaes; o que ouvido
ALFANDEGA.
Rendimento do da 1 a 9 ......
dem do da 10...............
chafarizes desta-companhht.
Escriplorio da Companliiaedo Feberilie Io
de junho da-i86i).
O s-cretario,
______Jos Eustaqipio rerreira Jacobina.
Pela recebedort d rendas internas geraes
se fazpnblico qne oeste forwnte mez que os do-
vedores dos impostos seguintes : renda dos pro-
priosnacionaes, decima a-'dicional de mao-mora,
imposto de 20 0/0' e dito especiar, relativos ao 2o
semestre do exercicio crreme, teem de pagar seus
dbitos sent muJta,.dHpois do (|ue sarao pagus com
nlia_ npcebediria de Pernambuco 2 de raaio de
1^65.-0 administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Convida-se as pessoas queestiverem nascon-
dipoes do service militar, a engajarem-se no corpo
de polica, e gozarem das vantagens que offerece
a lei provincial n. 611 de 2 do crreme.
Couscltro de coinpp.is navaes.
Contraa o eonselho nos das abaixo deelarados,
snbas condic5es do estylo e vista de propostas
recebidas at as II da unnha, o seguinte :
No dia 10 do correte mez,
O fornecimento de fardamenlos 00 trimestre de
julho a seterabro prximamente vndouro, compos-
to do seguintes objectos :
Para.o'- aprendices arlifices.
Bonets da uniforme, dito do servico, blusas de
briol branco, ditas de algodo azul, caigas de pan-
no aznl, ditas de brim branco, caigas de algodao
azul, camisas de algodozinho, cobertores de laa,
colchas de algodo, colchos de linho cheios de
patita, frontes da algodaonlio, frdelas de panno
azul, lencos da seda pn>ta para gravatas, lencoes
de algodozinho, sanatoes feitos no-paiz, saceos de
guardar roupa, e travesseiros de linho cheios de
palha.
Para os imperiaes marinheros e aprenlizes
ditos.
Bonets de panno azul, camisas de brim branco,
cal?as de algodo azul, ditas de brim branco, cal-
,(jas de panno azul, lrdelas de panno azul, lencos
- de seda preta para grvala*, sapatdes feitos no
paiz, e saceos de lona de marinbagem.
Para o< fuzileiros uavaes.
Bonets de chapa.e palla, caifas de brim branco,
ditas de panno azu\ camisas de brim branco, fr-
delas de panno aznl, fardas de brim branco, gr-
valas de couro de lustre t> polainas de panno preto.
Em 12 do crranle mez.
O fornecimento de ambulancias para
da armada, servicos de barbeiro enfermara de
mariuha, e o aviamento do receituario da mesma,
ludo-por tempo de um anno, a decorrer do 1* de
julho prximo; e a lavadero de-roupa da dita en-
fermara e dos estabeleciraentos da marinha du-
rante o mencionado trimestre da julho a setembro.
Tambem o eonselho por igual lrma promove
no referido du 10 do crrante mez a compra nao
s de 100 covados de flelo azul e 100 ditos de dito
encarnado, como de 420 toneladas inglezas da
ferro bruto.
Sala do eonselho de comoras navaes, 7 de junho
de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos An/os.
EMPREZA-OOIMBRA
Quart-foir 14 de junho de
186o.
Prttneiro e ultimo concert
A BENBnctO DO RABEQUISTA PORTUQUEZ
Franeise* Peretra--d Cesta.
Msico da real cmara de Sua Magestade \
Videlissima o Sr. D. Luiz I.
Primeira parlf<
O Sr. Amoedo1 exeeutar a scena dramtica:
Cerrado nomar.
Segunda parle.
Grande phantasia pelo beneficiado, sobre moti-
vos da opera
XOUMA.
De D. Alarde.
Terceira parle;
A chistosa-comedia em um acti
Quarla parle.
Dfflcultosa phanlasTi pelo brnefic.iado
SQVENIRS DE BELLIME
De J. Arlo).
Qainte- parte.
A Sr. B. Eugenia reprasealar o sirapre ap-
pludido entreacto
&EATHA DE CASTIGO.
Sexta e ultima parte.
Brilhanta.phantasia palo beneficiado sobre mo-
tivos da opera.
TROVADOR
De D. Alarde.
Urna banda de-msica locara no sallao, em ob-
sequio ao beneficiado.
Principiar as 8 horas.
O resto dosbilhetes *stao a disposieao do publi-
c,o no escriplorio do ih ;atro.
OLYIV1PIO
vender em leilo cerca da 800 barricas de furi-
nba de irigo marca Fontana, em lotes a vontade
dos c- miradores, no caes do Apolle em frente da
ponte.
marca t.-i-
c.iin bichas de
rsus
odas as spmaurrs
No grtflde anna?em-do-ateuie
OLYMPIO-
36-^R^nda CatWftr do r.rrlfc-:;
. LILAO
De 150 Itarris com t* s
manle \V c 2 caixas
lliibii lio
Cotnlelro Minutes
por mnta-e risco de qn^m peYfencer fart Icrlo de
150 barris com figos e 2 caixas com 1,000 bichas
de Hamburgo, isto
Segunda feira 12 do curre;e
as II horas no armazem do -r. Aunes largo d
alfandega.
WLM}
Dediviilas duroassa de Amorra, Fra-
goz*8aotos C.
i i>ri>iro HinuM's
fara leiliioa requtrimenlo dos administradora da
massa fallida da Amorim, Fragozo Banfm ifllfc,
e mandado do Illm. Sr. I)r. juiz especial do com-
mercio das letras da firma particular do socio ge-
rente daqueHa sociertade Joao Bkffeta Fragii,
na quantia de 20:807*360, cujas letraewe acban
em poder d) mesrao agente a oame ue quem pre-
tender.
Terea-Zeira 13-do corrente
as II horas a perta da-Asseeiauao QoaaBsnMl
"
Co mpaabia a- We usage r le. Im.-
Al o dia l
do crrente mez
espera-s- da Eu-
ropa o vapor
francez Cutenif,
o qual depois.da
demora do. cos-
tme seguir pa-
ra Babia e Rio
de Janeiro.
Os passageiros'de Pirnambuco. para os portos
da Europa que queiram^egutar as suas passagens
a bordo dos paquetes desla companhia nos mezes
de maior affioencia, tem a faculdade de os tomar
no dia que os vapores seguem- para o sul, pagan-
do porm como se osse do Hio de Janeiro.
Para eendieOae, freas e passagens trata se na
agencia ra do Trapiche n. 9. _____________
COMPANHIA PEKNAMUl'A.NA
DR
X'aveaiaao i-o^iefa por vapor.
Macei e escalas, enedo e Aracajil.
. O vanor lamnguape, segu
no dia 14 do correte as 5 horas
da tarde. Recebe carga do dia
10 a 13; encommendas, passa-
igeiros e dinheiro a frote al o dia
da sahid as 2 horas : escriplorio no Forto do
Matos-n. 1.
COMPAIHIA BRASILEIR1
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o dia 23 do corrente, o vapor
Paran, commandante o capito
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir' para os portos do
sul.
Desdej recebem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder coodnzir, a qnal dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das u dinheiro a frele at o dia di saluda as 2 ho-
ras da tarde : agencia roa da Cruz n. 1, escriplo-
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote Piedade, tem parte do seu carregamento a
bordo, para o resto que Ihe falta e escravos a fre-
te para os quaes tem excellentes commodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptono ra da
Cruz n. 1.
Para a Balda
Pretende seguir para este porto com brevidade o
os navios veleiro e bem conhecid patacho nacional D. Luiz,
que se acha com parte da carga prompta : para o
resto tratase com Jos MaraPalmeira emseu es-
criplorio no largo do Corpo Santo n. 4._________
EJEILAO
De 20 barr --as ciun bacallutiH
Martins fara' Mio por conta e risco do qiiom
pertencer, de 20 barricas com superior baealne,
que se acham no armazem do Sr. Avila, no I-\ re
do Manos, onde ter lugar o leilfio
____Terqa-feira 13 do corrente, s 10 horas.
De urna anmicao, baleo e gu, c 1 (
b^rriscufflsal reu'na Quarta-fcira 14 do corrente.
O agente Pestaa vender' por conta de quem
pertencer a armacao, baleo e gaz existente na luja
da ra do Crespo n. 9, esquina da ra do Impera-
dor, e 10 barris com sal reinado, sem limites :
quarta-fe.ra li do carrealepp.elas 10 horas da ma-
nbaa, na mesma laja
- Lmfn
; De movis.
QuarU-fein 11 do corrente.
Cerdeir liines
far lellao de diversos m >veis, como seja urna me-
sa elstica, um guarda-louga, urna commoda, um
jaardi.vo.-lido, urna sstanta para livros, dlias se-
cretarias, urna mobilia de a ira relio, 12 cadeiras de
Jacaranda, 12 ditas de faia, um poria-lieor, diver-
sos trens de cozinha, um tacaz, urna machina para
costura, tres relogios de pare.ie, duas escarradel-
ras, um berco, urna cama franceza, um lavatorio,
una carteira, um cofre de ferro, urna prensa para
copiar cartas, e outros muilos objectos. Ser ef-
fectuadoo leilao a ra da Cruz n. 57.
MOVIMENTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas___ 389
com geoeros..... 677
Volumes sahldos com fazendas..... 57
c i com'gneros..... 2,418
Descarregam no dia 12 do corrente.
Barca inglezaafirandnmercadoras.
Barca franceza/ijaromercadotias.
Barca francezaColognycemento e asfalto.
Barca americanaAnacouda farinba de irigo e
maie gneros.
Briguo tnglez/mpn-aor-^versos gneros.
Escuna hanoverianaAnna*diversos gneros.
Escuna portuguezaD. Joocharque.
Sumaca hespanholaMerceditaidem.
Brigue nacional Cardia idem.
Brigue nacional mnorador dem.
Patacho hollaudezDenyidem.
Barca-iogieea~-Mry toudcarvao.
Barca ingleza AVmaidem.
Barca inglezaFavoriteidem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 9...... 8:8395866
dem do da 10................ 2:O97900
pelo indicado juiz, assim Iha deferio, procedido o
prego do estylo; do que fiz o presente do procol-
lo das audiencias a que juntei o mandado e termo
de penhora que seguem.
Eu Adolpho Liberato Perera de Oliveira. escre-
vente juramentado, o escrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, o subscrevi.
E nada raais se continua em dito termo aqu co-
piado. H Arsenal de guerra.
E em cumprimento do meu despacho, o referido O eonselho de compras do arsenal de guerra
iifontn o escrivao fez passar o presente edital com o prazo precisa comprar o seguinte :
11:689*928 de dez dias, pelo qual chamo, cito, e hei por cita- Para provimento do almoxarifado.
~~"-------dos os crederes ineertos dos sopraditos ezeentados, i 20 arrobas de salitre refinado, preferindo-se o
85:7584861 afim de que dentro do indicado prazo eomparecsm i de Londres,
neste juizo, munidos do seus respectivos documen-
tos, para allegarem o que fr de direito e justiga,
sob pena de revelia.
E para que chegue ao conhecimeato de quem
".066 interessar possa, sera' publicado pela imprensa e
affixado nos lugares do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 30
-------2,475 de maio de 1865.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, o subscrevi. -
Trotn de Alencar Araripe.
DEGUBAGOES.
10:9575756
CNSUL A HO PROVINCIAL.
Rendimento do da la 9 ...... 29:398*097
Santa-Casa da Misericordia
do Recife;
A Illm.'junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que.
no dia 16 de junho pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sessoes continuam a ir a praca para
serem arrematadas pelo tempo de 1 a 3 annos. as.
jendas das casas abaixo declaradas.
Os licitantes devem comparecer acompanhados
de seus fiadores ou munidos de cartas destes,
Ra das Larangeiras.
Casa terrea n. 3- particular e 17 pu-
blico.......... 206*000
Ra do Rangel.
dem n, 4* particular e 55 publico. 3003000
segu sem maior demora e com a earga que tiver
a barca portugueza S. Joao, capito Manoel Ferrei-
ra Leite : recebe carga a frete barato : a tratar no
escriptorio Amorim Irmaos, ra da Cruz n. 3, cu
com o capito na praga do commercio.________
10 arrobas de enxofre de cor strinica. Pava O "Rflllll
1 taixo de cobre de 19 a 20 libras de peso, e 18 JI ai tt a uauu
a 20 polegadas de bocea. i prebende sahr com muita brevidade a veleira es-
1 espumadeira de metal. cuna Eliza por ter a maior parte da carga, e para
15 resmas de papel pardo de formato grande. | o resto que Ihes falta trata se com o consignatario
300 acnas de lenha de mangue. I Joaquim Jos Goncalves Beltro na ra do Vigario
10 caitas com folhas de (landres com 16 polega-; n. 10, primero andar._____________________
Para Lisboa.
O brigue portuguez Soberano, capito U. B. Bu-
gigange, vai sahir breve, recebe carga e passagei-
ros ; tratase com E. R. Rabello, ra do Trapiche
n. 44 ou com o capito.___________________
Para o Aracaty segu em poucos dias a bar-
caga Flor de Camaragibe : para o resto* da carga
que Ihe falta, traa se na ra da Madre de Dos,
armazem junto a igrejo.____________________
Para o Porto
das decomprida e II de largo.
6 ditas ditas, marca pequea, boa qualidade.
500 caadas de azeite de carrapato.
10 arrobas de cobre velho.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos
apresen tem suas propostas em carta fechada ao
nwio da do dia 14 do corrente,na salado eonselho.
Sala do conseibo de compras do arsenal de
guerra 10 de junho de 1865.
O encarregado da escrpturac5o
Para a Baha
pretende sahir em pontos dias o veleiro hiate O/i-
veira por ter a maior parte da carga prometa, e
pan a pouca que Ihes falta, trata-se com ^consig-
natario Joaquim Jo- Gongalves Beltrao, na ra
do Vigario n. 10, primero andar. ______
PAR\ LISBOA
O palhabote 19, carga que liver al o dia 20 do corrente : para o
Manoel Jas de Azevedo "Santos, resto qne Ihe.falta, o qual se recebe a frete barato,
. trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio roa
guerra da Cruz n, 1._________________
Leilio.
Da loja de fazendas da ra Xva.
Massa fruida de Joo Baplista Goncal-
ves Bislos.
Mariins Tara leilao a re.|uerimento dos curado-
res fiscaes e depositarios da massa fallida de Joao
Baptista Gongalves Bastos, da armagao, fazendas u
pertences existentes na loja da ra Nova u. 47,
prtencentes a mesma massa.
Sabbado- 17 do corrente.
O leilao tera lugar na mesma loja as II horas
do da. Os preteudenles podem examinar a rela-
clo das fazendas em o escriptorio Jo referido Mar-
iins a ra da Cadeia n. 9.
Leilo
Da parte de um. casa na Parahiba a rita das
Convertidas n. la, em que txisle um es-
tabelecirnenio. avaliadb lodo predio em
2:( 000, e cuja parte em 7070303 rs.,
como tambem os alugueis de cerca de 2
a 3 annos
Terca-fcira 20 de junbo as 11 horas.
Cordelro ftitndes
aulhorisado pelo llquidatario da casa commercal
de Antonio Joaquim de Mello, far leilao da parta
e alugueis do predio cima descripl > podando des-
de j safisfazer aos pretendentes todo esclareci-
mento, cujo leilao sera effectuado no dia e her
cima dito a porta de armazem do Sr. Aunes lar-
go da alFandcga.
avisos mam.
LOTERA
AOS 6:000$00G.
Corre amanha.
Terca-feira 13 do corrente me, se ex-
trahir a 1* parte da. Ia lotera (19?) a
beneficio da igreja de Nossa Seoliora do Li-
vramento da Varzea, no consistorio da igre-
ja de Nossa Senhora do Rosario da regue-
zia de Santo Antonio.
Osbilbetes.meiose quartos-e-sto a ven-
da narespecii va thesouraria ra do Cres-
po n. 15.
Os premios de 0.0000000 at 100000
sero pagos urna hora depo. da extraccSo
at as I horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas s Filo guardadas so-
Eaente at a noite da vespera da extracto
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Arsenal de goerra.
O eonselho de compras do arsenal de
precisa comprar e seguintes : .
Para o completo do corpo de voluntarios
1,208 covados de-pauno azul para fardamento.
Para blusas que lem de ir para a corte.
6,000 covados de panno-azul.
As pessoas que qaiiorem vender ditos rticos
apresentcm suas propostas na sala do eonselho no
dia 14 do correte, ao meio da.
Sala d_ seesdes do eonselho de compras do
arsenal de guerra 10 de junho de 1865
O encarregado da escripturaco
Manoel Jos de Azevedo' Santos.
Freta-se para qualquer porto do Rao da Pra-
ta o brigue portuguez _ ricas pouco mais ou menos; trata-sa aom _. R.
Rabello, ra do Trapiche n. 44.
LEILOES.
MUID
Convidamos os nossos amigos a Iciem no Jornal
do Recife de hnje um bello discurso recitado por
um Dig/. Mac.-, no recinto da urna Loj.-. do 0-
rient.-. Lacradio, e que foi interrompido, segundo
nos infonra urna caria fidedigna, pelo sabio ma-
lhete Dr. Menezes Gr.-. 33.-.
Pissollo (S 1.
Leilo de dividas.
Martins far leilo por ordem. dos credores da
Macario Brando, subdito
se para fra da provincia.
nnpohtauo, retira-
Prancl-co Camino subdito hespantwl re'.i-
ra-se para Furopa.

!"f
ILEGVL


Diarlo de rernaMbueo ... Segunda lelra 19 4e Junho de !*.
Joaquim da Silva Costa vai a Portugal.
Jos Teixeira Luna, subdito portuguei, vai a
Europa tratar de sua saude.________________
Archibald Reid, subdito ioglez, retira-se para
Europa.________________________________
Zacaras fereira d i Cruz relira-se para o
Aracaty. _____
Mapoel Ignacio Rodrigues Praca, subdito
portuguez, vai a Europa.__________________
Joo Antonio Gomes Gnimares, vai a Europa e
leva em sua companhia sua mulher e urna cria
menor.
AMA
Januario Marsecano. subdito italiano, vai pa-
ra Enropa.______*______________________
" Jayme Esnaty, subdito rancez, vai para Bue-
nos-Ayres._______________________________
A LEGITIMA [
UIUFIUIIU
Precisa-se de urna ama para comprar e cosinhar
n'ama casa de muito ponca faraila, paga-se bem :
no pateo de S. Pedro n. 3.__________________
Manoel Jos Fernandos retirase para Por-
tugal.
Charles William Ryder vai para Europa.
Antonio Francisco Monteiro e sua irmaa Ju-
lia Loopoldina Monteiro e um Gibo menor da mes-
ma retiram se para Montevideo._____________
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante do passa-
porte, lira-os para dentro e fra do imperio por
commodo prego e presteza : na ra da Praia, pri-
meiro andar n. 47.
DE BRISTOL.
PREPARADA NICAMENTE POR
LANlAN.fcKEIP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando de
propriedades eminentemente depurativas;
approvada pelas juntas e academias de me-
dicina ; osada nos principaes hospitaes, ei-
vis militares e da marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
f icultativos os mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhola
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientes d'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitacoes e
falsificacoos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. 3ravo & C.
Vendem-se no Recife em casa de Caors &
Barboza e Joo da C. Bravo A C.
O abaixo assignado faz scieote ao Illm. Sr.
inspector da thesouraria provincial,qae mudou sua
residencia do lagar do Soceorro, fregnezia de Ja-
boato, para o lugar do Peres, freguezia dos Ato-
gados, Isto desde o dia 18 de fevereiro deste cor-
rente, e deixou de continuar com o sea eslabele-
cimento desde esta data, e por isso pede ao Rlm.
Sr. inspector que Ihe mande dar bal xa aos i m pos-
tos que papn nena thesouraria. Recite 8 de ju-
nho de 1865.Antonio Joaqoim da Costa.
A escrava parda Aguida, que se achava alu-
jarla na ra do Pilar n. 6, ausentou-se desde o da
8 do corrente, lavando comsigo urna porco de
roupa ; faz-se este annuncio por se ignarar a re-
sidencia da senhora de dita escrava, e para preve-
nir qaalquer eventaalidade._________________
Offerece-se ara moco com pratica de taberna,
padaria e refinagao : no pateo do Paraizo n. 2.
Xs. ra das Trincheiras n. 48, primeiro an-
dar, deseja-se fallar aos Srs. Drs. Gonzalo de A-
guiar Botto de Menezes e Antonio Pinto da Rocha,
Francisco de Paula Cavalcanti Wanderley Lins, Jo-
s Francisco Graciano, Lourenco de Carvaiho de
Araujo Cavalcanti, Jos Francisco Martins de Al-
meida, a negocio que nao ignoram.
Aluga-se a casa terrea na raa da Conquista
. 8 : a tratar na ra do Sebo n. Si, tabernr
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Silo Francisco.
AVINO
O superintendente de*ta estrada do forro chama
pelo presente a attenyo de todos os senhores ex-
peditores de gneros, que desejem gozar da van-
tagem concedida pelo art. 74 do regulamenlo do
trafego para a neces.-idade de meucionarem nos
coohecimentos de expedido a ra e numero da
casa dos destinatarios quando esles morarera na
cidade do Recife, ou simplesmente a morada quan-
do residirem as proximidades das estacoes do
interior, aflm de que os chefes de estacSes'possam
avisar a chegada dos gneros.
Sendo contrario aos inleresses da companhia a
continuago das estacoes telegraphicas de Frexei-
ras e Agua Preta, establecidas o anno passado, fi-
cam ellas snpprimidas do Io de julho prximo vin-
douro em diante.
Roga-se particular mente aos senhores, passagei-
ros, nSo s para sua seguranca pessoal, como a
bem do servico, que nao continuem na pratica de
sahir dos carro* para as plataformas em todas as
rstac-'s intermedias durante a viagem, salvo as
estagoes principaes, isto Cabo, Escada e Gamel-
leira, onde os trens lem maior demora.
Villa do Cabo 12 de juoho de 1863.
G. O. Mann,
Eugenheiroe superintende interino.
Repartico liscil.
Recite lo deJunho de 1865.
O abaixo assignado roga aos Srs. passagelros,
expeditores ou oatras pessoas que tiverem rela-
c5es com esta estrada de ferro, o favor de traze-
rera ao seu conheci ment as irregularidades ou
faltas de toda ordem commeltidas no servigo da
mesma estrada e de que tiverem sciencia. Previ-
ne igualmente aquelles senhores que podero ap-
pellar para o abaixo assignado ou directamente
para o presidente da provincia das declsdes profe-
ridas pela administrado desta estrada de ferro so
bre quaesquer reclamares.
Para os fins cima indicados se encontrar o
abaixo assignado oa o seu aiudante o Sr. Dr. Car-
neiro da Rocha na repartico fiscal, onde podero
tambera os reclamantes escrever as suas queixas
em um livro para isto destinado.
M. Uiiarque de Macedo,
Eogenheiro fiscal.
O abaixo assignado declara pelo presente a
todas aquellas pessoas a quem o abaixo assignado
deu dinheiro por emprestimo sobre letras e ontros
ttulos, que, se com a maior brevidade nao os vie-
ren) resgatar, serem assionados, e isto sem reserva
de pessoa algnma.
Antonio de Farias Brando Cordeiro.
Faz-se qualquer transaccao com duas letras
j vencidas, aceitas ama pelo Dr. Goncalo de A-
guiar Botto de Menezes, a outra aceita pelo Dr.
Antonio Pinto da Rocha (da Babia): a quem con-
vier proenre na ra das Trincheiras n. 48, primei-
ro andar._______________________________
Constando-nos que pretende retirar-se do nos-
so palco o di>tincto artista dramtico Lisboa para
fra da provincia aflm de engajar-seem onlra com-
panhia, como apreciadores do mrito do distincto
artista, rogamos ao digno empresario Sr. Coimbra
queira empregar seus esforcos, aflm de que nao fi-
quemos privados de apreciar per mais tempo o
mencionado actor, e mesmo porque ser bem sen-
sivel empreza, a retirada de um de seas dignos
membros.
Com isto o mesmo Sr. emprezario, a quem o pu-
blico desta cidade Ihe vota muita gralido, far nao
s um grande servico a sua empreza, como tam-
bem dedicacao e affecto que o publico em geral,
e especialmente dous amigos do mencionado actor
e do mesmo Sr. Coimbra, Ibe consagram.
Por dous amigos.
Irmandade do Divino Espirito Santo
do convento d* S. Francisco.
Por ordem da mesa regedora convido a todos os
nossos irmos para comparecerem em o nosso con-
sistorio dominro 11 do corrente, pelas 3 horas da
tarde, aflm de encorporados acompanharmos apro-
clsso do Divino Espirito Santo que tem de sahir
da igreja do Ccllegio.
Consistorio 9 de junho de 1865.
Joao Walfredo de Medeiros,
____________________Secretario.
Saques.
Saca-se sobre a praga da Baha: no largo do
Corpo Santo, escriptorio de Jos Mara Palmeira.
Precisa-se de urna ama que sfja forra para
comprar e coinbar : na ra Direila n. 80.
Despja-se saber qnem nesta cidade o cor-
reepondonu do Sr .baqaim Joc Coimbra do n-
drade Jnior, do engenho Leao, na Escada.
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar e
engommar : na roa da Palma n. 41, taberna.
Estrada de ferro.
O solicitador Pedro A. da Costa Machado pre-
cisa fallar com o Sr. Joao Krenzer, a negocio que
nao ignora : na ra do Rangel n. 38, primeiro
andar,_________________________________
Na praga da Independencia n. 33, loja de our
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de erxommenda e
odo e qualquer concert.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 62
da ra da Guia : no 1 andar.
wmm mmm-mmmmmm
M O bacharel
W< Francisco Augusto da Costa 9L
ADVOCADO MI
GASA DA FORTOiU.
Aos 6:000#000/
llilhete garantidos.
A'ra do Crespo n. 23 e casas do costumk.
Oabaixoassignado vendeu nos seas muitofeli-
zes bilbetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir, a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia, os segnlntes premios :
Um quarto n. 538 com a sorte de 2:000*000.
E oatras muitas sortes de 100*, 40*, 20* e
lOflOOO.
Ospossuidores podem virreceber seas respec-
tivospremios sem os descontos das leisna Casa
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 1* parte da 1' lotera
(19*} beneflcio da igreja de N. S. de Livramen-
to da Varzea, que se extrahir a 13 do corrente.
PRECO.
Bilhetes.....7*000
Meios......3*500
Qaartos.....1*900
Para as pessoas que compraren de 100)5000
para cima.'
Bilbetes.....6*500
Meios......3*250
Quarto?.....1*700
______________Manoel Mabtins Fiuza.
Precisa-se de urna ama para o servigo inter-
no e externo de casa pequea : na roa das Cruzes
n. 35. primeiro andar. ;______________ I
Aluga-se a casa terrea da ra das Calcadas
n. 45 : a tratar na ra do Queimado n. 32 com
Azevedo Irmos.
Engenho.
Arrenda-se o engenho d'agua, na freguezia de
Ipojuca, denominado Jussar de Sani'Anua, urna
legoa e meia distante das estacoes da Escada e Ipo-
juca, cum trras excellentes de massap para se
safrejar em grande escala : a tratar no pateo do
Livramento n. 23 com o Dr. Ignacio Nery da Fon-
seca^___________________________________
xsr Na ra da praia de Santa Rita, con-
fronte a ribeira do peixe, casa n. 13, segundo an-
dar, recebe-se encommendas de Lulos de bacia para
as vesperas de Santo Antonio, S. Joo e S. Pedro,
affiangando-se nao s a bemfeiloria pela pratica
que ha, como tambem commodidade nos precos,
em vista da boa qualidade : as pessoas quequize-
rem, podem ali se dirigir a qualquer hora do dia,
que acharo^com quem rtatar.______________
Na ra do Rangel n. 60 ha para se alugar
um ptimo criado muito liel, e duas pretas com as
habilidades necessaras para o servigo interno de
casa de familia,
A irmandade do Divino Espirito San-
to de S. Francisco declara que nada deve a
pessoa alguma, mas se alguem se julgar
credor aprsente a conta para ser incon-
tinente pago. Recife 8 de junbo d 1865.
O thesoureiro,
Francisco Jos Coelho.
Ama para casa
Precisa-se de urna ama para cozinhar e engom-
mar para urna casa que s tem duas pessoas: no
becco das Boto n. 2, r andar.______________
Sociedade Recreativa Curyban-
tioa.
De ordem da directora desta sociedade commu-
nico aos senhores socios que ter lugar no dia 17
o recreio do corrente, e que os convites s se po-
dero (azer at o dia 16 do mesmo.
Secretaria da sociedade recreativa Corybantina
8 'de junho de 1865.
F. M. do Amaral.
i secre'ario,
Ama deleite.
Precisa-se'de ama ama sadia e com bom leite :
na ra Imperial, sobrado n. 87.
Ama de leite.
Precisa-se de ama ama de leite : na ra estrei-
ta do Rosario n. 32, 2 andar.
KBffttSttKJlttBM
O Dr. Cosme de S Pereira conti- SI
na a residir na ra da Cruz n. 53, |
Io e 2o andar, onde pode ser procu- i
rado para o exercicio de sua prolis- 5
slo medica, e com especialidade *
sobre
q segumte
Io molestias de olhos;
2o de peito
3* dos org5os geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olbos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
gao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seu's
dOentes.
O Dr Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, onde pode ser
procurado a qualquer hora do dia e da
noite para o exercicio de sua proflssode
medico; sendo que os chamados depois
de meio da at 4 horas da tarde devem
ser deixados por escripto. O referido
Dr. nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com
o maior affinco, no das mais difllceis e
delicadas operacoes, como sejam dos or-
gaos urinarios, dos olhos, partos etc.
m
Samuel Power Johnston k Companhia
Ra da .-enzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Faadleao deJLow Moor.
Machinas a vapor.de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d.' carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarogar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura^________________
Desde o dia Io do corrente mez de
junho acha-se fgido de um dos estabeleci-
mentos do Exm. Sr. barSo do Livramento,
onde permaneca empregado ha 2 annos o
escravo Panialeao, de propriodade do de
setnbargador Custodio Manoel da Silva Gui-
maraes. Foi vestida de roupa grossa, pro-
pria do servico em que' estava, de cor
preta-cabra, de idade que representa 22 an-
nos pouco mais ou menos, olhos um tanto
pequeos, enfumacados e vermelhos.cabeca
um pouco pequea e redonda, beicos regu-
| lares, de estatura um pouco menos que re-
! guiar, cheio do corpo, ps largos e apalhe-
tados, etem o andar inclinada para traz e
cambaleante: roga-se por tanto a todas as
authoridades policiaes e cap taes de campo
que apprehendam dito escravo que j fui
encontrado emApipucos, onde estar talvez
acoutado, e o entreguem ao seu referido
senhor, na ra da Aurora n. 60, que grati-
ficar generosamonte, protestando entre-
tanto usar dos meios judiciaes contra qual-
quer pessoa que tenha dito escravo em seu
peder,____ ___________________
AYI 0
Segundo dividendo
da massa fallida de Amorim, Fragoso,
Santos & G.
Paga-se o segundo dividendo a razito de 2 por
cenlo, no escriptorio da administracao da massa, a
raa do Vigario n. 13 primeiro andar, as quartas
feiras e sabbados do mel dia as 2 horas da tarde.
AMA
Precisa se alugar urna escrava, ou mesmo forra,
que compre e cozinhe bem para duas pessoas : na
ra de S. Francisco n. 54.__________________
Precisase do urna ama para comprar, cozi-
nhar e engommar : na travessa da ra das Cru-
zes n. t 'i, pgnndo andar.
Precisa-se de urna ama que saiba bem cosi-
nhar e engommar : a tratar na ra Bella n. 33.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado ra
da Cruz n. 57, proprio para escriptorio : a tratar
no armazem do mesmo.
Amendoas
Vendem-se amendoas confeitadas: na ra da
. Cruzan. J3._____________________________
distilador de agurdente, e que enlenda bastante
de sua proGsso : a pessoa que estiver nestas con-
| dicoes dirija-se ao mesmo, a entender-se com o sea
proprietario.
Aluga-se a raetade da casa n. 92 da ra das
Aguas Verdes: a tratar na mesma.
CLUB i'EBR 1IIIUCW0
A partida do mez de junho ter lugar na
noite do dia 2i.________________________
O abaixo a&t|mado previne a todos os fre-
guezes do estabelecimento de molhados que tem
gyrado na razo social de Davyni & Cavalcanti de
l a o pagarem seno ao abaixo asignado, visto que
seu socio Antonio Bezerra Cavalcanti, tendosahido
para o norte cobranza no dia 12 de maio prxi-
mo passado, at o presente nao regressou nem an-
da se quer se dignoa dar noticias suas, apezar de
ter-lne o abaixo assignado escripto por diversas
vezes para voltar ou remetter as quantias recebi-
das, para occorrer aos empenhos da referida lirma,
por cuja falta e da retirada que fez sem duplicata
de sen capital, se acha em estado de nao poder
proseguir em suas transaeges. Recife, 10 de ju-
nho de 1863.
Jos Lopes Davym,
SOCIEDADE |
l'niao Bendicen te Mari lima.
Por ordem do Sr. presidente sao convidados to-
dos os senhores socios a se reunirem era assembla
geral no da qainta-feira 15 do corrente, as 10 ho-
ras da manhaa, na sita de suas sessoss, aflm de se
proceder a eleigo para a nova administraba?, con-
forme marca o art. 39 dos estatutos.
Secretaria da sociedade Unio Beneflcente Mar-
tima 9 de junho de 1865.
Joo Rodrigues Bandeira
2 secretario.
Aluga-se urna meia agua sita na ra do Pa-
dre Floriano n. 4 : a tratar na raa da Praia n. 36.
Na ra da Im;-.eratriz n. 9, segundo andar,
precisa-se alugar um cozinbeiro para o servico de
pouca familia. ______________________
D-se 1:000$ sobre hypotheca em predios :
informacoes na ra da Cruzes n. 42.
mmm mi
bacharel Lourenco Avelino de Alb
querque Mello continua a ter sea escrip-
torio de advogado dos auditorios e tribo-
naes desta cidade : na ra do Imperador
n. 40.
O London & Brazillan Bank, saca por doos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianoa.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
.4 luga-se
ATTENCQ.
Quem precisar de urna ama que sabe lavar, en-
gommar e cozinhar, dirija-se a ra da Lapa n. 1.
Precisa-se saber onde mora o Sr. Claudino
de Hollanda Cavalcanti afim de ser entregue ama
carta viada do Rio de Janeiro, oa dirija-se a ra
da Impeeatriz n. 40^________________
Precisa-se alugar um Io ou 2 andar em urna
das seguintes ras : Imperador, larga do Rosario,
Nova, Cruzes, praca de Pedro II, Concordia, Auro-
ra, Imperajriz e praca da Boa-Vista : a tratar na
ra de Santo Amaro de Santo Antonio n. 6, pri-
meiro andar, das 7 as 9 1|2 horas da manhaa, oa
a tarde, das 4 horas em diante.
O Sr. Jos Antonio Alves de Miranda Guima-
res deixou de ser caixeiro da llquidacao do falle-
cido Thomaz de Aqnino Fonseca Jnoior.
Aluga-se urna preta para todo o servico da
casa.e um preto para trabalhar em sitio : na ra
do Sebo n. 14.
Aluga-se nm bom morque de 18 annos : a
tratar na ra do Crespo n. 20. esquina.
Precisa-se de urna ama que saiba coser e
cozinhar: na ra do Imperador n. 71. segundo
andar.
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, ama a em que morn o fallecido Thomaz de
Aquioo Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
do todas as accommodac5es precisas, e outra com
boas commodidades para qualquer familia : na
roa do Vigario n. 19, primeiro andar.
Aluga-se ama sala do primeiro andar da ra
do Queimado n. 41 : a tratar na mesma.______
Precisa se de urna ama para casa de duas
pessoas para cozinhar : na ra da Penha n. 23,
primeiro andar.
Aluga-se na Passagem da Magdalena, ra do
Bemflca, os sobrados ns. 7 e 9, com bons commo-
dos para familia : tratase na raa do Trapiche
nnmero 4. usB
mmmmmmmm mmmmmm
mk Anda se precisa de urna ama para cozi- H|
S nhar e engommar para tres pessoas : na 5
ra das Cruzes n. 37, sendo pessoa mor- 1
ag gerada e que se possa entregar urna casa.
Massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos &0.
Os senhores credores que ainda nao receberam
o primeiro dividendo, queiram til recbelo no
prazo de cinco dias, fiados os quaes, os abaixo as-
signados recolherao as quautias existentes ao de-
posito publico, na forma da le. Pemambuco, 6 de
juoho de 1865.Os administradores,
Jos Jeronymo Monteiro.
_____________Justino Jos de Souza Campos.
Precisa se de um bom cozinheiro para s> ho-
tel italiano, ra do Trapiche n. 5.
Morada gratis
D-se pessoa de boa conducta para morar, o
sitio da travessa do Remedio, freguezia dos Afoga-
dos n. 21, residindo na casa da mesmo sitio, no
estado em que ella se acba, oa como Ihe aproaver,
com a condicao de tratar da conservarlo dos ar-
voredos e das cercas, sem nada pagar de aluguel,
at que assim convenha a seu proprietario, poden-
do fzer alguraa'plantacao : quem assim o quizar,
dirija-se a roa de S. Francisco, como quem vai
para a ra Bella, sobrado n. 10.______________
Aluga-se orna escrava para lodo o servico
menos engommar e sahir a ra : no Hospicio nu-
mero 91.
Offerece-se para caixeiro de armazem ou es-
criptorio ara rapaz portuguez, com boa letra e que
d fiador a sua conducta : a tratar no largo do
chafariz da ra do Brum n. 47.
Na ra do Livramento n. 19 ba para alugar
um criado escravo, e 1 moleque.
Nos abaixo assigaados participamos ao respeita-
vel publico e principalmente ao corpo do commer-
cio, que flzemos sociedade no deposito da ra do
Pilar, em Fra de Portas n. 76, que gyrar de
hoje em diante debaixo da Arma de Beato Jos
Correia & C, e para a mesma sociedade eutrou o
socio Joaquim Jos d Silva -antos com o capital
de 1:280^220, quantia esta por quanto foi arrema-
tado o mesmo deposito, como consta da conta dada
pelo agente Simoss. Recife 6 de junho de 1865.
Bento Jos Correia.
Joaquim Jos da Silva Santos.
BOLOS
Fazendas baratas.
Madapolao muito fino a 400 r. a vara, algodo-
zmho com 20 jardas a 2*600 a peca, chales a
500 rs. cada um, lencos braocos muito Anos a
1*200. 1*500 e a 2*000 rs. a dizia, cobertas de
algodo a 1*000 rs., caf de !. sorte a 6*400 rs.
arroba, ou sacco de 5 arrobas 30*000, latiobas de
sardinhas de Nantes a 280 rs. tambem. A um
resto de chitas que se vendem em conta: roa da
Concordia n. 62 taberna. ______
AlHSMIBOtS
confeitadas : na ra do Rangel n. 43.
Vendem-se 5 vaccs, sendo 3 paridas de poa-
co e 2 solteiras : a tratar na raa Imperial n. 27.
1:800*000.
Vende-oe urna typographia com todos os utenc-
lios e preparos neressarios publicaco de urna
folha de pequeo formato, e impressoes commer-
ciaes: a tratar na mesma typographia, no porto
deTamandai da comarcado Rio-Formoso, ou na
ponte dos Carvalhos com o conductor Flix Ramos
Leotier.___________________
Vende-se ama victoria e urna parelha de be-
nitos cavallos; na ra do Imperador n. 23.
Na ra do Queimado, loja de ferragens n. 4
eende-se muito em conta um par de venezianas.
Gazy gaz, gaz
A 11*800 a lata com 26 a 27 garrafas, e 480 a
garrafa, vinhopuro da Figueira, e verde especial a
500 rs. a garrafa, e 3*500 a caada, verdadeiro
Porto a 800 rs., superior caf a 7*200 a arroba, e
240 rs. a libra : s na ra Direita n. 91, esquina
do becco do Serigado.
Na botica e casa e drogas de Francelmo
Ferreira Crespo, na cidade de Goianna, vende-se :
Salsa parrilha de Bristol verdadeira.
Pillas assucaradas de Bristol.
Plalas assucaradas de Kemps.
pastilhas de Kemps.
Peitoral de Anacahaita de Kemps.
Pilulas reguladoras de Cadwar.
Prompto alivio.
Resolutivo
Pilulas do Dr. Alizon.
Pilulas americanas contra as intermitentes. Pila'as
reguladoras.
Plalas de Holloway.
Uuguento de Holloway.
Agua florida de Kerapes.
Em casa de Rothe & Bidoulac, ra do Tra-
piche n. 18, escriptorio, vende-se :
Champanha chegada pelo Sphere, primelra qaa
lidade.
Vinbo Xerez fino em caixa de ama duzia.
Cognac fino em caixa de urna duzia.
Ferro da Suecia.
Estanhoem barris.
Cerveja Bass.
Dita preta.
Cemento branco.
Plvora.
Na ru de Santa Rila n. 10 fazem-se bolos para
S. Joo de todas as qualidades e cora perfeico, as-
sim como pastis de nata, pudins, e preparara-se
bandejas de boliahos muito delicados para cha :
quem de ludo isto precisar, procure a sobredita
casa, que achara com quem tratar, e pelo prego
mais barato do que em outra qualquer parte.
Precisa-se alugar urca escrava de boa
conducta que enlenda bem de costura een-
gommado, paga-se bem agradando os seus
servicos: a tratar na C punga porto do La-
cerre casa do lado direito que tem a cornija
de arcos.
de fazendas
COMPRAS.
Desconlam-se ootas do baaco do Brasil e das
caixas filiaes: na praca da Independencia n. 22
Comprara-se libras sterlinas : na ra da
Crnz n. 18, armazem de Jos Joaquim Lima Balrao.
Compra-se eirectivamente ouro e prata em
ooras velhas, pagaodo-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effecilvamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.________
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Compram-se libras sterlinas a 9*500 : na
praca da Independencia, loja n. 22.
Cosme Jos dos Santos Callado
sobre a praga do Porto.
Constando-me que alguem serve-se
de rainha firma para cartear as festas cos-
tumeiras do convento, e prximamente tem
dado passos para a festa de Santo Antonio,
declaro que a ninguem autorisei para o a-
zer e nem mesmo pretendo festejar com
pompa o Santo Padroeiro, por me acbar
oceupado com a obra da igreja e bastante
compromettido. Digo mais que as treze-
nas sao feitas de madrugada pela cantona
das mulleres, e no dia 13 as 4 i|2 horas
da manida cantar-se-ha urna missa solemne
e as 7 da noite u na ladaioha em louvor do
mesmo Santo.
Convento de Santo Antonio do Recife 7
de junho de 1865,
Frei Joo Baptista do Espirito Santo,
Guardiao.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas: na ra da Cadeia do- Recife,
aioda sacca loja de ourives no arco da Concei^ao.
i------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
I Compra-se um cylindro propria do padaria,
ainda que seja usado, com tanto que esteja em bom
estado ; assim como vende-se urna carroca e um
boi: quem pretender vender urna e comprar outra
cousa, dirija se a loja de ferragens n. 4 da ra do
Queimado.
T.jolos
Quem tiver para vender 30 ou 40 millieiros de
tijolos de al venara grossa das olanas do Monteiro,
ou que seja feitocom barro de auna doce, appareca
para tratar, ra Imperial a. liii, ou a ra do
Brum no Recite n. 57, i-sto com brevidade.
No caes do Apollo armazem n. 55,
compram-se duas escravas mocas qu^- sai-
bam cosinhar e engomman.
YENDAS.
m
ANA
se
o andar da casa da ra do Queimado n. 29, pro-
prio para escriptorio de advogado : a matar na
loja do mesmo.
Sabbado, 3 do corrente, junto a casa gran-
de do Sr. Marcelino Lopes no Mondego, se perdeu
urna trouxinha contendo um par de borzeguins de
mulher, 1 dito de argolas de ouro e coraes, 1 al-
nele de ouro e coraes, 1 annel de ouro, urna blu-
za e calcas azues de um menino, urna camisa do
mesmo com botoes de vidro nos punhos : quem
achou estes objeclos e os quizer restituir, leve-os
ao collegio da Conceico nos Coelhos, que ser
bem recompensado.
Precisase de nma ama que saiba mui-
to bem cosinhar e faca compras para
tratar de urna casa de pouca familia : na
ra da Cadeia do Recife n. 38, primeiro
andar.
Relojoeiro e dourador, portuguez,
Albino Baptista da Rocha, faz qual-
quer concert de i elogios e doura-
do por presos mais baratos do que
oulro qualquer e responsabilisa-se
pelo seu trabalho, por isso espera
prolecco dos seus amigos e com-
patriotas.
O abaixo assignado declara ao Sr. Augusto
Milet, que venba casa d<* abaixo assignado mu-
nido da carta de flanea para receber o restante do
alugnel do sito que Ihe ficoa deveado o Sr. Clemen-
te Soares de Carvalho.
Amaro Jos dos Prazeres.
Jos Marcelino Alves da Fonseca declara ao
Sr. V., lojista da raa do Crespo, que no joizo com-
petente, para onde vai levar a S. S., responder
ao feu aunando publicado oeste Diario.
Hotel de Franca.
Precisa-se para este hotel de um bom copeiro.
Alugamse dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com j-ardim, cocheira, estribara e ontras commo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira :
a tratar na rna da Senzala Nova n. 42.________
Ao Sr. Alexaodre Jos dos Santos, morador
no termo de Iguarass, e senhor da parda Roma-
na que se acha alagada na casa n. 48 da ra da
Assampcao, previne-se que a referida sua escrava
desapparecea desde noatem. Recife 10 de junho
de 1865.______________________________
Precisa-se de um bom forneiro para a pn-
voaco de Trombeta ; d-se 50* mensaes : diri-
ja-se a ra Direita, botica do Sr. prannos para
tratar.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERMAMBUCO
5|| Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & G,
jfg competentemente aotorisados peladlrec-
8W toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam segaros de navios, mercado- f
rias e predios no seu escriptorio ra da gg
A ttenca.
Os abaixo assfgnados declaram ao publica e es-
pecialmente ao corpo do comraercio que dissolve-
ram a socledado entre amnjs contra hida son a ra-
zio de Joo Lniz dos Santos A C, ficando a cargo
do socio Joo Luiz dos Santos, o activo e passivo
da extincta firma. Recife 9 de junho de 1865.
Joo Luiz dos Santos.
Romao de Castro. J
Precisa se de urna ama para todo servigo de
urna casa de pouca familia que seja forra ou cap-
tiva : a tratar na ra do Cabug n. 4, loja de raiu-
dezas^_____
Do annuncio do Sr. Manoel Ignacio de Siqueira
Cavalcanti, publicado no Diario de 8 do corrente,
temiente ao engenho Mussayba, s se pode prezu-
mir que esse senhor perdeu no todo a cabega ;
mas-com tudo semp*e diremos ao deudo, que o en-
genho de que se trata, perteoce de hoje para sem-
pre ao Sr. Luiz Aotonio Gongalves Ferreira, e que
nao foi veodido com os escravos, que Smc. agora
fizera'alienar para nao pagar a Jorge Guerra, e
nao dar cumprimento ao que havia tratado com
seu irmao Joaquim Salvador, de cuja boa f aba-
sou indignamente.
FogOyfogo.
Para os festejados dias de S. Joao e S. Pedro
existe na muito acreditada fabrica de fogos de ar-
tificio da ostrada de Joo de Barros, propriedade
da viuva Rufino, um completo sortimenu de pis- (
tolas, craveiros, rodinhas e fogo buscap : como j
seja penoso a algumas pessoas irem a fabrica pela
di'tancia, os pretendentes podem deixar suas en-
commendas no armazem da bola amarella no oitao
da secretaria da polica.
Sortes de S.oJcao
Vendem-se lindos papis com estalo para as
sortes de S. Joo : na raa Nova n. 61 defronie da
Iiloia, cmara municipal.
Vende-se esta linda colleccao de sortes,
reunidas em um pequeo volume, com 25
assumptos, e mais 59 novas charadas, pelo
diminuto preco de 4# cada esemplar enca-
dernado : na praca da Independencia ns. 6
ej_____________________________
SAL DO ASSIT
A bordo do brigue escuna nacional Graciosa ;
vende-se na ra da Cruz n. 23, escriptorio!___
Vinho superior em caixas de urna duzia :
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no sea escriptorio raa da Cruz n. 1,_______
Vende-se um negro de 40 annos, pouco mais
ou menos, bom official de carapina : no escripto-
rio da praca do Corpo Santo n. 4.
Vendem-se palmeiras imperiaes, em estado
de serem transplantadas: no sitio murado es-
querda, depois do beccj do Espiuheiro, nos Af-
ilelos.
Vende-se vinho de caj a 500 rs. a garrafa i
na ra Augusta n. 76.
Novena de \ovsa Senhora do
(armo e de Saiil'Anna.
Vende-se na na do Imperador n. 15, oflkina
de enea lernago : oofflro, salve e versos, nove-
na e salve de Nossa Senhora do Carmo, tres fo-
lhetos por 500 rs.,e a novena de Sant'Anna por
320 rs.______[____________________
Vende se urna taberna na E-trada Nova no
correr ds casas da Sr.* viuva Villa-seca, com pou-
cos fundos e mesmo s se vender a armaco se
convier ao comprador : a tratar na ra da Santa
Cruz n. 7.
Atten#o.
Vendem-se estalos para sortes de Santo Antonio
e S. Joao a 60 rs- a duzia : na livraria universal,
rna do Imperador n. 54.
Llu-ouometro inglez
Vende-se um, e afiarca se que bom regulador:
na raa da Matriz da Boa-Vista n. 4. _____
Vendem-se tres moradinhas de casas no bec-
co do Marisco ns. 26, 36 e 38, as quaes rendem
26* mensaes : a tratar no pateo do Carmo n. 7,
segando andar.______________________^^^
Vende-se vinho verde muito superior a 500
rs. a garrafa: na taberna do Pimenta, ra do A-
morira n. 36.
Madapoles muito finos, peca de 24 jardas, por
5* e 7*, sane a jarda por 250 e 290 rs., algodo-
zinho, peca de 20 jardas, por 2*700 e 4*, a jarda
por 135 ou 200 rs., chitas (rancezas a 240 rs., pe-
gas de cassas para cortinados a 1*800 : na loja
do barato, ra da Madre de Dos n. 16, defronte-
da guarda da alfandega.
LOJA DO BEUA-FLOR,
Na raa do Queimado n. 63.
Tendo recebido um sortimento de bone-
cas de choro, que chamam papai e mam i,
com cabelleira de cachos.
i Tendo recebido um variado sortimento de
brinqnedos para meninos, sendo espadas,
espingardas, pistolas, tambores ; ditos
para meninas : apparelhos de almoco e de
i jantar de porcelana e de metal, porta-cor
I e faquinhas a 280 rs. o par ; e n3o queren-
do continuar, vende mais barato do que em
. outra qualquer parte.
Vende-se tiras bordadas de diflerentes
largurasa 15. e babados,collarinhos e pu-
nhos para senhora. bordados e abertos de
renda e lisos, os mais modernos que se
podem encontrar.
Vende-se 15a para bordar de diverjas
qualidades e de cores claras a 7$ a libra, es-
pelhos de columnas de Jacaranda a 2(5500,
ditos brancosde diversostamanhos, candabas
| para estojos de navalhas,
Vende-se pentes de alisar com costas de
metal a 1, ditos de diiTercnles qualidades,
i lindas gravatinhas para senhora de differen-
: tes gostos.
CoIhere de metal principe.
Vende-se colhere de metal principe para
; tirar soupa a -26. ditas para cha a 2300,
I (lilis para soup a 4-S200 a duzia: nesta
loja se encontrar sempre um grande e va-
riado sortimento demiudezas: ra do Quei-
mado n. 63, loja do beija-flor.__________
Vende-ee urna parte de um sobrado no bair-
ro do Recife : quem pretender dirija se a praca da
Independencia n. 12, que achara com qnem tratar.
Attencdo
Vende se urna taberna no bairro da Boa-Vista,
bem afreguezada para a trra, propria para um
principiante por ter poneos fundos : a tratar na
praca da Boa-Vista n. 17.
Trastes com uso.
Vende-se 1 sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
cadeiras de amarello, 6 cadenas americanas, i
bea marqueza de Jacaranda, -2 carteiras de via-
gem e 1 cartelra grande propria para taberna :
quem pretender dirija-se a ra das Cinco Pontas
n. 140 defronle da esiacao. _____ _
Ein casa de Tisset Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito de Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee. _________
Cllegramos superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
ultimo vapor rancez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
cellos* C.
Raides
A leja de calungas na ra do Rangel n. 24 aca-
ba de receber um completo sertimento de baloeo
de todas as cores para os festejos de S. Joo, Sants
Antonio e S Pedro : vendem-se u uito barato.
Bichas deHamburgo
Vend-m-se na ra Nova n, 61.
Fo>*0. foffO
No pateo do Carmo n, 4 vende se qualquer qua-
lidade de foguetes para brinquedos dos meninos,
assim como se recebem encommendas para o*
mandar fabricar fra da cidade. nao podeodo a
encommendas demorar-sc mais de 24 horas.
- Vende-se urna negr nha de 10 annos, muito
esperta e sadla : no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 8.
Farinha de mandioca : tem para vender Au
tonlo Lniz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz u. 1.
Vende-se um escravo idade 25 annos ins'gne
official de carpina e boo'ta figora : na travessa op
Carmo o. 1.
: I
ILGVEL


AGUA

Diario de pernambuco Seguida ida lt de funbo de la tt.
principio co
a agoa de
destroe a
xotlcas, elle
6*
Florida.
para resubelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao ama tintura, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias iuoffcnsivets, ell tero a pro-
priedade de restituir aos cabellos o
rante que eiles tem perdido.
De ama salubridade Incontestave
Florida entreten) a limpeza da rabega
caspas e empede os cabellos-de cabir
Oleo de Florida
Composto de sobstancias vegelaes
contribue poderosamente, com a afeua de Flo-
rida a forga, a belleza e a conserva^ o doscabel
los.
Em Pars casa de Guilaurn. 112 roa de Recbl-
lieu e 21 boalevard Montmartre.
Todos os frascos nao tendo intacto e clare, e un-
cir prateado da casa, reputado falso.
Deposito roa do Imperador pharmacia n. 38.
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
3
o
o
a
1
DE
Os elementos que compoem esta preparado,
ferr, o iode e a quina, a colloco no prmeiro
grao das preparacoes ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confrmrio sua poderosa efficacidade nat
seguinies afleccSe:
Mlacoa uaiu.
rrM|nnt.
Aacaria.
Chlsrasr u Ictericia.
Meaatraa.
Affeefea alera.
aaareaaea aaa re-
irs e aenardc na
ncMlruauo.
Affeeeae pulmonar e
kttilsle.
Melca tas de .tima o
Gaatralclaa.
Peraa apar tlic, etc.
Veja se os buletins
i cirurgka de30 de novembre 1860 o Gazeia
des hospitats de 28 dejulho 1860, ete.. ele.
Alm das pulas de lodureto duplo de ferro e de
quinina de Hebillon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
tarro e de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que nao gosio de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nSo tea
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nSo poder conservar.
Peca-se o folheto que se di de gijaca em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para-se evitarem falsifica?5es, etja o com-
prador em cada fraseo de Pulas ou Xarope a as-
signatura do inventor. J
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon,
142, rae da Bac, t em todas as boas pnarmaciai
d Franca a dos poizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
C*avalcaeeaea ale le a-
aaa melrallaa.
Melerilaa eeerefale-
aaa,
Paaelra.
ObatrceW das glaa-
dulaa.
Humores fres.
Humores braaeo.
Rachltlame.
Affeeees jeaaeerosaa
e ayphlllllcas.
Febres typheldea.
Vareles, etc., ete.
de therapetica med\
Admirem
Admirem
Admirem Bem!!
As pechinchas que esto venda na loja e ama-
zem do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma d Silva, onde se venden todas as fazendas,
tanto de laxo como de prlmeira necessidade por
precos mallo rasoavets, e com especialidade as se-
guinies, dando-se amostras deixando flear penhor
ou mando-se levar em casa das familias pelos
caixeiros da mesma loja.
Madapolao enfestado a 40, 40500 e 50000.
Vendem-se pegas de madapolao enfestado com
12jardas pelo baratissimo prego de 4, 4300 e
SaS, ditas sem serem enfestados demarcas muito
acreditadas a 7,5, 8*5, 95, e 10$, ditas, francez
multo encorpado proprios para saias a 480 ris a
vara, isto na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Vestidos Brascos.
Vendera-9e os mais ricos cortes de vestidas de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato prego de 12. 16$ e 209 na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Grande pechincha, vestidos a
30&OO.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais l
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dse- \
nbos, sendo lodos os padrees tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo prego de 35500, todas as suas fazendas, e pede a Vv. Excs. que nao o esquecam, pois o Balo empeDha
^^Zlis^SitiTS^l ^os os.sfs esforgos para bem as servir e alm de ludo isto minhas senhoras, um
Silva. | objecto mdispensavel s senhoras amantes do progreso.
Cirosdenaples de cor a IgttOO. Agora minhas senlioras peco que lancem suas? vistas em toda a minha .circumsfe-
Vendese superiorgrosdenapies cor de caf,pro- reDcia e verao queencoDtram muilos objectos que necessitam e por precos que convi-
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 1,5600 dam a comprar, como seiam:
60CdVeaGamanasiv Pava' dI ,mperatriz n-;Os ricos baloesde 40 arcos, com urna roda que admira. .
Grande sortimento de roopa feto. \Z mSsTeVanno^t lannos
Vndese na loja do Pavao am grande sort.men-! "*m. pa.ra eDm*s de 2 annos a pannos,
to de roupas feius. constando de palitos de panDo ^ampraia bnissima que era de \)& a 70.
preto, sobrecasacos, ditcs saceos, ditos de casemi- dem das de 60 por 50.
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e Os mais lindos padroes de cambraias de cores, verdadeiras franeezas.
?a%T^rasSdqeaaaiS ,Rrt : h h
brim de nho branco e de todas as cores, eoletes i Ch'tas escuras a 240 e 280 rs., que eram de 360, tambem na superiores.
de brim, casemiras, setim. gorgaro, etc., etc., to- dem perclaras superiores a 440 rs.
Lia preta para luto e de todas as mais cores.
Chita encarnada adamascada muito superior a 560 / s. o covado, 7 covados d urna co-
berta para cama franceza.
Vestidos a Maria Pia os mais ricos que ha de 140, 180 e 200.
Calcas de casemira de muito bonitas cores.
I Colletes de casemira preto e de cores.
I dem de brim branco.
Paletos de.casemira sacco a 10 e 120.
AZEVEDO FLORES
Ra da (adeia do Itecifc, esquina da Madre de Deas.
Excellentissimas senhoras o Bal3o partecipa a Vv. Exc. que reduzio os precos de
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do qne em outra qualquer parte : na loja do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Soutembarques fie cor
Vendem-se os mais modernos soutembarques de
cor, ricamente enfeitados, e por barato prego : na
loja do l'avo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Capas pretas e sonlembarqnes,
Vendem-se as mais modernas capas pretas lisas dem de brim branco.
e bordadas, os mats bonitos soutembarques prelos e manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais ij._ nroi0e k & o K S
gosto no mercado, por precos muito em cont : *u r""* *0 P
na loja do Pavao, roa da Imperatriz n. 60, de Ga-, Calcas de bnm branco, pardo e de outras cores.
ma & Silva.
! Ceroulas de linho com duas costuras a 20500.
Grande Mquidacao a dinheijo.ide1miali60o- M
M. ufa ZmmmtZm Coates de casemira a 40 e 50.
Camisas com pettos de cor.
BISMUTH
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Ch< vrfar bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth empreadas antes com o mi ior successo
pelos mdicos de lodos os paizes, paia prevenir
corar as
Ms dlgestoea.
Gastrlles.
GaltralKti a, ete.
leas.
Na loja earmazem do Pavao.
Ra da Imperatriz n. SO de Ga-
ma A Silva.
Os dones deste estabelecimento tem resolvido li-
quidar suas fazendas por pregos baratissimos, s
i com o fim de apurar dinbeiro, e previoem as pes-
I soas que negociam em pequea escala com fazen-
i das, que nest loja e armazem encontraro um
grande sortimento por precos que muito Ihes ho
de agradar, tanto em pega' como a retlho, a sa-
ber :
Chitas largas a 200 rs.
Vendem-se chitas franeezas, listradas muito lar-
gas, padroes escaros, pelo barato prego de -200 rs.
o covado, tendo muito bom panno ; ditas escaras
padroes novos, por serem todas escossezas e cor
bxa a 240 rs. o covado ; ditas miudinhas escaras
e claras a 240 rs., afllangando se que esta fazenda
nao tem o mais pequeo toque de mofo, uem outro
qualquer defeito. Isto s o Pavao, na ra da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Fazendas brancas baratas vende o Pavo..
Pegas de algodozinho largo, marca T
iralgli a,
l*tfafsasj fi
nlarrhra. obro
Dysseaterlas.
Dores d'e.toniago
Dy.prp.laa.
Os primeiros symplomas d'essas formidaveii
affecces se manifestio ordinariamente por diga-
toes laboriosas, azidumes, falla d'appetite, pesos
"estmago depois de cada comida, caimoras es-
tomacaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidJo, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Molestias de ligado
A Ictericia.
Palpllaro de eorac&o
dem brancas a 10800 cada urna.
dem brancas finas pregas largas a 20240 e 20500.
dem de linho superiores a ;*0.
dem de linho inglezas muito finas de nmeros 34, 35, 37 e 39.
dem de meia abertas fazenda superior.
CHAPEOS DE SOL
Chapeos de sqI de seda de 12 asteas a 80.
dem superiores de 16 asteas a 120.
dem de seda trancada asteas de meia cana a 140.
Que tudo se vende na loja do
JAAO
jardas a 8#, ditas T com 20 jardas a 75, ditas de
outras marcas, como sejam sicapira, carne de vac-
ca, etc., a 49. Si, e 6 ; madapolao Onissimo com
24 jardas a 6500 e 7800 ; panno de linho mui-
to inferior proprio para lenges e toalhas a 700
rs, a vara ; bramante de linho com 10 palmos de
Rival sem segundo
Ra do Quelmado n. 49, est vendendo
cora 2i raailo barato como ver abaixo.
tudo
Caixas de pennas de kalegraphia a ltWOO.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranga e tapete a 15500.
Frascos de macaca per la a 200 rs.
Caixas com superiores agulhas a 200 rs.
Libras de la sortidas com todas as cores a 75000.
largura a 2*300 a vara. Isto s na loja do Pavo, Caixas com superiores obreias a 40 rs.
DorcB noa ras.
Oppressoes.
Ddres de eafceea.
Irrltaees de healga a
da naatrla, ete.
Os granulos Chevrier slo ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sSo tomados
lempo.
0 preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Pars, pharmacia Ghevrip,
e em todas as pharmacias de Franca e dos
estrangeiros.
FIGADOoe BACALHAU
\Vai
P>
em
P eo processo de Cherrier, pbarmaeenlieo
Pars, ra do Faubourg Mon Imarte 21.
Este oleo de um cheiro agradavel, e de
um sabor as nucir a do o nico que nSotem
nem o gosto, van o cheiro do peixe. Ob-
jecto de numerosos relatnos scienlificos e
mdicos, este mdicamente que goza em
Franca de um successo to raro como bem
merecido, receitado diariamente pelos
principa-es mdicos dos hospitaes de Paris.
O OLEO DE FIGADO DE DACALHO DESINFECTA-
DO ferruginoso emprega-se com os maiores
successos as molestias em que se emprega
o oleo quaudo sao acompanhadas de debili-
da de e atonta.
Deposito geral em Pernambuc* ra da
Cruz Q.22 em casa de Caros & Rarboza
Admiravel pechiucba!
Mccamliique a 300 rs. o covado, o toja
do pavo.
Vendem-se os mais bonitos mogamluques de pu-
ra lia proprios para vestidos e soutembarques,
sen-do de quadrinhos de listras e lisos, fazenda in-
ternamente nova, em padroes e muito proprias pa-
ra as senhoras que frequentam o mez Mariano,
porqne esta fazenda Ihes facilita fazerem por pou-
co dinheiro vestidos muito decentes para qnalqaer
acto, advertindo-se que este baratissimo prego
devido a grande compra que se fez desta nova fa-
zenda, que se vende a freze tustes o covado : na
loja do pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. -
Instruc^Ses para o servido
das guardas do exercito, exirahidas do re-
gulamfinto de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito con vena
aquellas pessoas qne se alistam nos corpos
de roluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Ind pendencia, a 10.
Miiho 4'^500
Farello 4^000
Na roa Urg (Jo Resari p. 30, taberna da 63
qnina.
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Espartilhos, na loja do Pavao.
Vende-se um bonito sortimento de espartilhos
proprios para senhoras, sendo dos mais modernos
e bem feitos que tem vindo ao mercado, tendo de
lodos os lmannos e de diversos pregs trazando to-
das as competentes Titas para apenar. Isto s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n, 60 de Gama
& Silva.
Cambraias brancas.
Vende-se um bonitosortimento de pegas de cam-
braia brancas lizas, tendo tapadas e trinsparenle^. i
pelo prego de 45, 45500, 55 e 65, havendo muito :
superior da Eseossia por 105 e 125- Isto s na lo-!
ja do Pavo. na ra da Imperatriz n. 60 de Gama I
& Silva.
(iros de quadrinhos a i 000.
Vendem-se os mais modernos gros de quadri- i
nbos, proprios para vestidos de senhoras e meni-
nas, sendo estes gros dos mais modernos que tem
vindo ao mercado, vendendo-se pelo La-ato prego
de 600 rs. o covado. Isto s na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Reos bonziiouts de Guipare.
Vendem-se os mais ricos bouznouts de Guipure,
i sendo os mais modernos que tem vindo ao merca-
I do, pelo baratissimo prego de 255, cada um, as-
| sim como chales de 3 e 4 pontas da mesma fazen-
da, sendo de varios pregn Isto s na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
S o Pavo vende
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240.
Acaba de chegar para a loja do Pavo nm gran-
de sortimento de chitas largas garibaldinas, por
s rem todas listradas e padroes escaros e de cores i
fixas que se vendem pelo baratissimo prego de 240
o covado, sendo que em outra qualquer parte cus-
ta a 300 o covado, notando que os freguezes que'
comprarem porgo de pecas, tero um pequeo'
abatimento : isto na loja do Pavo a ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito soriimento de lazinhas pro-
prias para vestidos e soutem; arques por serem li-
sas e de quadrinhos pelo barato p*rego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se'vendeu a
500 rs. o covado, e venda-se a dinheiro a vista pe-
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo roa da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a 10600.
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo prego de 15600: na ra
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Organdy a 240 rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa*
droes miudos e grandes, "pelo baratissimo prego de
240 rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
araba-se logo : na loja do Pavo roa da Impera-
triz n. 60, de Cama & Silva.
Lanzinha transparente,
a 220 rs. : s na loja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lanzinhas transpa-
rentes, sendo todas de listras, quadros e lisas, fa-
zenda esta que sempre se venden a 400 rs.; o Pa-
vo vende para liquidar a ouze vintens o covado :
na loja do Pavo, a ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva
Duzias de phosphoros de seguranga a 120 rs.
Meias garrafas rom tint a 240 rs.
Rodinhas com alfinetes francezes a 20 rs.
Cartas de alfinetes francezes muito finos a 100 rs.
Resmas de papel almago a 25400.
Resmas de papel de peso a 25000.
Papis de agulhas franeezas a balo a 60 rs.
Bonets muito bonitos para meninos a 15000.
Enfeites para senhoras fazenda nimio moderna a
25000.
Escovas para roupa superior qualidade a 15000.
wmw
A 1$ lSOO e l#&00.
Leques de osso, ultimo gosto, a 15-
Ceroulas de meia a 15200.
Diitas muito finas a 15500-
S na ra da Cadeia do Recife n. 5.
Attengdo.
Vendem-se pegas de esteiras para forro de sala,
tint branca preparada a oleo, em latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para i e-2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-Unidos : no armazem da ra do
Trapiche n. 8. _____ ____
Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
tera para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C., no seu escriptorio rna da Cruz n. 1.
OPIIENISi.
QUADROS
WIESBADE
AQUARELLA.
Urna scena de nossos das.
Drama
Por Pedro de Calasans
Vendem-se estas obras Impressas e"i Braxellas
e Leipig : na livraria de Jos Nogueira de Soaza,
ra do Crespo.
Rival sem segundo
Ra do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
& Azevedo Maia e Silva, est queimando que ad-
mira, a saber :
Frascos com superior banha a 200, 240 e 500 rs.
Latas com superior bauha a 200 rs.
Frascos com superior agua de Colonia a 120 e
400 rs.
Frascos com superior oleo de baboza a 240, 320 e
400 rs.
Garrafas da verdadeira agua Florida a 15280.
Fraseos de superior oleo da sociedade Higieniqfle
a 640 rs.
Fraseos de superiores cheiros santal e oulros mui-
tos a 15000.
Sabonetes de familia a 210 e 200 rs. '
Sabonetes de superior qualidadesa60,120 e 160 rs.
Caixas cora 12 frascos de cheiros muito finos a
15100.
Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a 900 rs.
Paos de pomada franceza grandes a 500 rs.
Sabonetes de bolla pequeos e grandes a 240 e
320 rs.
Frascos cora superior opiata a 800 rs.
Frascos com superior agoa para denles a 15000.
A 50500 O SACCO.
De arinha da trra com
22 cuias, na ra do Impe-
rador n. 26, defronte da ca-
Farinha de muribeca fina e alva, mais
barata que se vende no mercado, em sac- Sa em Qlie TOl a CaUcia.
eos: na ruado Vigaron. 29.
Vende-se um negro mogo de bonita figura,
perito cozinheiro ede reconbecida conducta: quem
o pretender, dirija-se a roa do Imperador n. 45,
terceiro andar.
Ferros para engommar
Vendem-se caixinttas contendo o mats completo
soriimento de Ierres para engommar, encrespar
babados, pafos e toda roapa de senhora : na roa
Imperial, fabrica de vinagre, 1
Tasso Irm&os
Vendem no sea armazem ra do
Amoiini d. 35,
' LIBcr flno Curago em botijas e meias botijasv
Licores finos sonidos em garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Charaberlin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne. > ,
Muscatel. \
Reino. \
Bordea ux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
Francisco Jos Germano
RA \OV 1 X. ti,
acaba de receber am lindo e magnifico sortimento
deocalos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
aparado gosto da Europa.
Farinha de mandioca
da Baha, S. Matheus e Santa Catharina, em saccas
de algodao da Bahia, de 2 e 3 alqaeires : vende se
no largo de Corpo Santo n. 4. escriptorio de Jos
Maria Palmeira. ___________ '"___________
Vendem-se sanguesugas de superior qualida-
de, em caixas ou a retlho, a vontade do compra-
dor, c por prego mui razoavel; na botica franceza
de Ciors & Barbosa, ra da Cruz n. 22.
Grande sortimento de roupas feilas de to-
das asqualidades,
Caigas de casemira a 65 e 75500, ditas pretas a
65 e 85, caigas de ganga a 35 ,15800 e 15600,
ditas brancas a 25, brim de linho a 35, 35500 e
45, paletots do alpaca branca a 45500, ditos prelos
a 35 e 35500, ditos de alpaca de cordo a 45, e
de listra de seda a 45500, ditos sobrecasacos a 55,
paletots de casemira a 55, 55500, 65. 85 e 95,
ditos sobrecasacos pretos a 125,-15 e 165, ditos fi-
nos a 285, de cores a 135, ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditas de brim
pardo a 35, jaquetoes de brim pardo a 35, panno
preto fino a 25. 25600, 35500 50, 45500 5 e 65 o
covado, moreantique preto a 25600 o covado, gros-
denaple preto a 15500,15800, 25, 25200 e 25500
o covado ; e outras maltas mais fazenda1 que se
deixa de annanciar, e roanda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento est aherto at as 9 horas da noite,
roa da Imperatriz n. 56, Mendes Gulmares.
GAZ GA2 GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
*li0alata: nos armazensda ruado Im-
perador n.l 6 e ra do Trapiche Neyon. 8.
Goke do gaz.
pitcli do gaz,
Alcalio do gaz.
Coke tonelladas rs. 105000
Piten 1 80/>000
Alcatro caada..... 400
O coke reconhecidarnente o carvo mais econ-
mico, iQroa-se por issi recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhai aonde
elle usado. Pitch e ilcairo,aleVu das applicagSes
diversas a qne se prestam, com para callafetar
embarcagoes.alcatroar madeiras.etc.teem este a
pTOpriedade de preservar do cupim, formigas,etc.
E' entregar na fabrica dogaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, seguudo a vontade do
comprador.
PROPRIO PAR V. SENHORA."
Vende-se um excellente cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheii:a do Paulino, rua de Santo Amaro.
eir do Paulino, rua de Santo .a
g?QP-o w w > '>'n s? 3
CTJ ai c O O i rr< a O O
"* a "o O, a 5a2.T=
O is 5"0 o.c S-C 1-1. m__. "O
g o." S D?S o 2^ 8}
^ 3 b.B'6"
a ,
CU
- as
cp en


.0.3 3
eS S 2
-

a a o*. 3 o o > 3 Zs.o-zz
< S D.^ ST v o. 2 3 c
^ xji
- -S. 3 I S
^ o o OT
I

-i
09
w w <"
srli.
3 2,8 .
S ? o s
B
o
Pili
o
O
8
3o
1
as 13
cu
^ as
as
Cu
O
as a>-
P
3

>
m^~ NOVA EXPOSI-
CAO
de 2.000 candieiros de ?az eoloridos,
com globos decryslal e delicadas
gravaras, novo gosto, fioginde lan-
ternas, por todo o preco, cima da
factura, no armazem da roa da
Imperatriz n. 22.
O proprietario de.Me importante estabelecimento,
tendo muito breve de relirar-se para a Europa, re-
sjlveu fazer urna liquldacao a dinheiro a vista por
todo o prego, contentando-se tmente com urna pe-
quea porcentagem cima do cusi da factura. Es-
pera que o re.-peitavel publico o coadjuvecom sua
preseDga a honrar seo estabelecimento e admira-
ren! os pregos de seoielhaotes objectos de candiei-
ros de gaz.
PARA *A\TO tMOMII :
SAO fOAO
Vendem se sones muito bem feitas ede
papel muito bom 4$ o cento : na ra das
Cruzesn. 41, taberna da porta larga.
Admiraveis pechinchas
que estiio a venda na loja e armazem
da Arara, ra da Imperatriz o. 56,
de Lonrenco Pereira Hendes (1 ni ma-
raes.
Bretanha de rolo a 30.
Vendem-se pesas de bretanha com 10 varas pe-
lo baratissimo preso de 3# a peca.
Madapoln enfestado a 3500.
Vende-se madapolao enfestado com 12 jardas a
3,5500,45 e 4600, dito com 24 jardas a o,
5,5300, 65500,75, N. 40 75500, L. 10 75300, N. 6
85, Elephaote 85500.
Soutembarques de cores a G^.
Vendem-se soutembarques de cores a 6#, 75 e
85, ditos de seda a 18?, 205 e 255-
Chapos para homem a 1(5800.
Vendem-se ehapeos para homem a 15800 cada
am, chapeos de sol de paouo a 2, ditos de seda
para homem a 65 e 75 : s Arara, ra da Impe-
ratriz n. 56, de Mendes Guimaraes.
S Arara vende chitas franeezas a 240 rs. o co-
vado.
Vendem-se chitas franeezas sendo cores fixas,
assim como sejam padroes delicados sendo cores
de cana e rxas, se vende por baratissimo preso
de 240 o covado, ditas a 60, 280 e 300 rs., ditas
matisadas finas a 320 e 360 o covado.
Chitas franeezas escaras.
Vendem-S9 chitas franeezas sendo padrSes escu-
ras e cores fixas a 360 e 400 o covado, ditas miu-
dinhas claras a 360 e 400 rs. o covado : isto na
loja e armazem da Arara ra da Imperatriz n. 56.
Corles a Maria Pia a 1S.
Vendem-se os mais modernos cortes a Maria
Pia a 185, dito a 145, 125, U5, 105 e 85, cortes
de la sem barra a 55 tem lo covados o corte.
Damasco de duas larguras a I->2m>.
Vende-se damasco de duas larguras a 15280 o
covado, dito de urna largura a 800 e G'iO rs. o co-
vado, lencos de linho a 55, 65 e 75 a duzia.
Camisas franeezas a llHHi.
Vendem-se camisas franeezas a 15800, 25. dita
de pregas largas a 25 e 252S0, ditas de linho a
25500, 25800 e 35 cada urna, seroula- franeezas a
15280 e 15300, dita de linho a 15800 e 5, co-
bertas de chita a 25 e 2550} cada urna, cambraia
wanca a 35, 35300 e 45 a pesa, ditas de cores a
35000.
Cambraias de cores a 300 rs.
Vende-se cambraia de cor a 300, 320, 360 e 100
rs. o covado, cambraia de salpicos a 25500 e 35 :
na ra da Imperatriz n. 5G.
Chales de merino a 2#.
Vendem-se chales de merino a 25, ditos de chi-
t a 15600, l{}280 e 15 cada um, chales finos com
ponta redonda e borlota d- seda a t>5 e 75 cada
um, cobertores de algodo a 15 cada um : na roa
da Imperatriz n. 56.
RIVAL
SEM NlGlLYflO
Ra do Queimado n. 49, loja de Jos & Azevedo
Maia e Silva.
Polseiras e voltas muito bonitas a 500 rs.
Miadas de lioha para bordados de superior qua-
lidade a 60 rs.
Duzias de facas e garfos de cabo preto muo
boa a 35-
Meiadas de linha froxa para bordar a 20 rs.
Meiadas de linha azulada superior a 60 rs.
Baba do do Porto muito superior a 100, 120 e
160 rs.
Varas de franja de nho branca a 40 rs.
Caixas com 100 envelopes da melhor qualidade a
600 rs.
Caixas com 20 qaadernos de papel superior a
600 rs.
Grozas de pennas de aso muito finas a 500 rs.
Pesas de transa lisa preta e de cores a 40 rs.
Grozas de botoes raadreperola para camisas a 500
e 720 rs.
Caixas com 50 novellos de linha do gaz a 700 rs.
Varas de franja de cores a 80 rs.
Novellos com 400 jardas superior qualidade a 70 rs.
Carriteis de linha rom 200 jarda dos ns 60 at
200 a 100 rs.
Livros para assentos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes de punho multo finos a 120 rs.
Thesouras para uohas c costura muito tinas a
500 rs.
avariado.
Francez barrica 55000
Portland dem 85300
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland dem 125000
No armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
Vende-se caixoes vazios proprios pa-
ra baholeiros, e funileiros, a 2#000 cada
um : e para as pessoas que comprarem do
4 para cima 1^800, nesta typographia.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarorar
algodao : na ra da Senzala ova B. 42._______.
Vende-se
na roa das Cruzes n. 23 junco e palha, mais bara-
to do que em outra qnalqaer parte.
SALSA PARRIIA DE AYER.
Tiiaxscuevkmos aijui ligUHS
dos muitos aitestados que temos
recebido das virtudes da saisa
panilha do Dr. Ayer.
Rheiimatlsmo.
OE JOAO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
Soffri rheumaismo por mui-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa panilha de Dr. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
o ella ; e antes de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
dor nos joelhos ; a parte do corpo que es-
ta va alTectada d'esse terrivel' encommodc
que roubou-me tantas noites de somno.
i:i (iji. o.s. borbnlhas pstulas,
ulceras, e todas as inosestias
I; pe le. t
DO SR.-JOO PAULA DE ABBEC E SOVZA.
Ra de S. l'cdro.Rio de Janeiro.
Snffria a mais de duus annos de tuna
erupeo syphilitica em todo o corpo, ...
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos e consulte!
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilhp
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'eHa <
nos primeiros das a erupe ggravoo-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
Doctor Don Jos Valdes Heriera, propes-
SOR DE MEDICINA Y CIRl'iiJIA, SUBDELEGA .t;
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SESTO D1S-
tricto.Habana.
Certifico que he usado la zarzaparril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo lie oli-
tenido de ella los mas felices resultados en
es casos de ulcera crnica, asi mismo au-
tor y las considero como nm porgante, cuya
accin ademas de ser segua, ha sido muy
eficaz en el tratamento de las enfermit! i(
que exsigett el uso de los porgantes, y no
vacilo en recomendar estas preparaciones
Y para los unes que puedan convenir doy
la presente en Regla a 7 de setembro de
1860.
Dr. ios V. Herrera.
Escrophula.
ATTESTADO DO 1LLM. SB, FRANCISCO FER1UZ
dos santos.Otro Preto.
Me acho ha quasi do:is annos affectado
de escrfulas, e tendo soflrido tamo (j'..e. ai-
gumas vezes quasi que diego a desfnimr*
da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos medico? ('es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci*
dade de minha molestia, estava tem e?p<-
raneas de recobrara minha saude ; quandi
ltimamente resolv fazer uso da 'alsa por-
rilha do Dr. Ayer. Completa n-se
trinta e sete das que comecei com este
santo remedio, e tantas melhi-ras lenhr
sentido que tenho convieco de em brev*
recobrar a minha saude, perdida ha toiitt
tempo.
Syphllis e molestias merruriac*
Do Illm. Sh. Dr. Jackso;'.
Medico muito covhecido as provincia* -
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa panilha dt
Dr. Ayer nos casos mais invett rados de
Syphilis constitucional e sempre com os
mais felizes resultados; o melhoi alteren-
te que conheco.
JLeucorrha c flores brancas.
Temos cartas em que nos conlam casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous fifascos d'esta Salsa par-
rilha. f
O espaco nao nifc permilte traiisciever
todos os attestados que possuimos .las vir-
tudes d'este extracto composto ce Salsa
parrilha do Dr. Ayer. Hasta destarar ao
publico que tem sido empregado ba mais
de vinte annos pela profissao med ,a tanto
das Americas como da Europa, sem nunca
desmentir a sua alta repuiacao.
Para a cura radical de escrfulas e iffeeces
escrofulos, syphilis e molestias sypbi-
liticas, ulceras, feridas, chagas,
erupces cutneas e todo e
qualquer incomrr.odo que
provm d'um estado
impuro de sangue
TO.MEM A
NALS.t I" \IIIIII l DE AYEft.
A' venda na ra Direita, ns. 12 26 e 7ti:
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuicao, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pharmacias e drogaras do im-
perio.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Sl\W(J4i DOIMY-
k\
Ra da triiui numero 38.
Neste elabelecimenti aeliam-se venda os >e-
guiule bject, todi da primeira qualidade. i
construidos especialmente para esta casa, pelo,
mais acreditados fabricantes inglezes :
Machinas a vapor de i 1|2 a 8 cavallos, com
moendas, juntas e sem ellas ; e tambem proprias
para descaroaraeuto de algodo, afamada; pela
fortidao, simplieidade e economa em coobastirel,
i por nao precisar de obra qualquer para seu as-
enlmenlo.
Rodas d'agua de ferro, systema mui proveitos>
da forga d'agua.
Rodas de espora, e angulares, e de escuadrilla
para animae?.
Moendas e meia-mmondas.
Taixas de ferro batido e fuudldo, e de cobre.
Machinas para descarorar algoOito, systema
Platt, cem os ltimos mclnoramentos.
Boceas e envos de patente para forualhas, di:ni-
nulndo muito o gasto d > combustivel.
Machinas c machinlsmos.para moer mandioca,
movidas a vapor, agua cu cavallo.
Fornos e chapas de ferro batido para coser fa-
rinha.
Alambiques de ferro, e fundos.
Guindastes, fuos porttil*.
Prensas para copiar carta?.
Rodas para carro de engeuho com eiios e luda-
gas de patente.
Formas de ferro batido galvanizado para purgar.
Serras de a$o e armagSes de serrara.
Arados de ferro singelos edobradjs, grades para
cubrir caana, enxadas a cavallo, e outros instru-
mentos de agricultura.
Vende-se um escravo cosinheiro coupeiro e
com mais habilidades, moco, de idie de 25 a 26
annos : quem o pretender dirijvse a ra do Cres-
po n. li, terceiro andar, que se tlfra quem vende.





mmm
-. i -
ILEGIVEL


^ :..
Dlar.'o de eenianabaco --- segunda leira l& de-Junto de !&.
i
:l
N
p|
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS

GRWDES 4BN iZE\S DE UOLUlDOSif
DE II
DUARTE & C y
TE

0)
p Pateo do Carmo n. 9 armazem Progressive roa do Queiniado n. 7
Uaio e Coimoercio ra do Imperador n. 40,
Principal armazem de molhados.
OS PROPRIET1RIOS.
Fazem scienle ao respeRavel publico, e com especia I id ade aos senhores de en-
gi i ios, bvradores e mais pessoas do centro, que paramis facilitar suas compras delir
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reonir todos os seus estabela-
mentos em um s annuncio, pelo qual o preso de um ser de lodos, promeite
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gejero
por mu prcco, e na occasio da compra quererem por outro, como socede constante
mele em oulras muitas casas, porem nos nossos estabelecimentos nao se dar bt
anda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sen) tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar se.ua.
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna caata
pela qual se vera os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrependeri pesaoa
a goma
em
nossos estabelecimentos; pois poupan mais d
que fizer sua despenca
3 por ceoto na sua despeza diaria,
Maoteiga ingleza perfeitamente flor chafada dem com 4 a 5 ditas a 30200.
nilimamenie no vapor Saladim, de 10 dem vasios de todos os tamanhos a 20000^
a l^uO a libra e em barril ter^bati- 1)5(500,800 e 640 rs.
ment. Queijos d 20300 a 20500 os mais frescos.
dem Iranceza muito nova a 900 a libra,, e Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
800 em barris. | 20000 a caada.
I! aba de porco refinada a 720 a libra ( 700 dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 10400
em barris. a caada.
Coa jx'un de superior qualidade a 24600. Azeite doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
dem perula miudinho a 2)5700 a garrafa e 40OO a caada,
Id m hysson especial qualidade de 20OO a Toueinho de Lisboa novo e muito alto a 320
24600 a libia. | a libra, e em barril de 5arrobas a 90400
dem prelo muilo especial a 20COO e 2piOO arroba.
a libra.
dem do Rio em
libra.
L
latas de 40000 e a 8DO
I Ceneja Bass do fabricante Slilers A*BeIr a
a 6^500 a duzia e 640 a garrafa.
| dem Bass do fabricante T. F. Ashea 6W00
l-is com biscouto do todas as qualiflades a duzia e 560 a garrafa.
i >00. dem marca H Vicloria Alsope
Id.mu (a crcditada fabrica de Bialo Antonio
i i
(Lis-boa) proprias para da/ a doenjtes
.' > e 3* a lata.
e o otra
e 500 rs. a
no
)vo a
Bolaxinha ingleza muilo nova a 30500
i ica e a 240 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de oda e oval a 2
Presunto inglez para fiambre cbega
ultimo vapor a 8U0 rs. a libra.
Cliouricos e paios muito novos a 640 r
a libra.
1 : is com macarro talharim muito
ifJO i! 320 a libra.
'. :ia branca e amarella a 500 a libr
(,,ii luale porluguez de especial qualidiadea
. u a libra.
Id o soisso de 800 a 10000 a libra,
n hcspaohol verdadeiro a 190C0 a
ijue j vendemos a 10400.
i. da rasca de guiaba em caixoes de
ras seguro a 10800,
em catoes pequeos a 700 rs.je de
para cima a t?40.
das.
muitas marcas a 50 a duzia
a garrafa.
Sabao primeira qualidade a 220 rs. a-libnj
bar- e 210 emcaixa.
! dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabao inglez superior a 180 rs. a libra e
160 rs. em caixa.
Caf primeira e segunda sorte a 60500
70500 e 80 a arroba, e de 220 a 280 rs.
a libra.
Arroz do Maranhao 30200 a arroba e 100
rs. a libra.
6 li-
:
Lie i secco em hcelas ricamente enfeiti
..-lleudo pera, pesi'go, ameixa, ra
e oulras frutas a 30000 cada urna.
dem em calda em latas feixadas hermdti
mete muo
p ra, pesego,
640 e 700 a lata, tombem temos
crawles a 15200.
dem da ludia a 20600, 20800 e 100 rs. a
libra,
libra Charutos Normas de Havana a 50500 a cai-
xa, de Simas (Jos*'; Furiado).
dem Londrinos a 50, idem.
dem Parasienses a 40500.
dem Delicias a 10500.
dem Traviata do Rio a 5>500.
dem varetas de Manoel PeixoJo da Silva
nha.' Netto a 30500 e I0SOO a meia caixa.
I dem suspiros do mesmo fabricante a 10360
ca-! a meia caixa e 50200 a caixa.
bem enfeitadas, cont ido,' dem meceMpes a 10700 a meia caixa e
ameixas e outras Crujas a! 30000a caixa do mesmo fabricante,
atas dem orientaes do mesmo a 10800 a n
caixa e 30400 a caixa.
ftlannelada dos melhores fabricantes, e^i la-' dem jovens de Castanho & Fillio a 20400
tas de 20000 a 10200.
i i em latas de I IjS libra a 10.
dem oui 'alas ue I libra a 640 rs.
Eryilhas'em latas cbegadas neste ultimo1 va-
l r a 700 e de 5o para cima a 640 r
; o verde ou carrapato em latas j bre-
n-irado a GiO rs.
\meixas em frascos de vidro a 10500.
em caixinbas ricamente enfeitadas!
10200 a 20500.
'.i.Minas Mexide muilu novas a 700 r^.
irasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
',', ilho inglez a GiO rs. o frasco com rlba
de vi Iro.
ida em p a 700 rs. o frasco.
I lem j preparada a 320 rs.
s com massa de tomate de 1 libr
(00 rs.
Id ni em laias de I 1|2 libra a 900 rs.
Vi. hosem garrafas viudos do Porto, Mad
ra Sueca, Duque do Porto, Duque Se
.1 .:>, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pte-
dro V, Velbo Seeco, Lagrimas Doces, La-1
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 1050) a meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 10500 o muito e 50
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a l.bra.
Vermute bebida para abrir a disposicao de
comer a 10500 a garrafa e 140000 a
caixa.
Alpista muito novo a 30800 arroba e 140J
a libra.
Pataco a 40000 arroba e 1 i
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em porcao 10000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 1G0 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 140000 arroba'e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa,
grimas do Douro, e outras muitas marcis i Balaios do Porto muilo grandes proprios
a 10 a garrafa e 9) a 120 a duzia. para guardar roupa suja a 20500, 30000
IJem Palmeila a 10 a garrafa e 110000 a e 40UOO.
duzia. Batatas em gigos de 31 libras muito novas.a
dem em pipa de todas as marcas Porto, I 800, ea40rs. libra.
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a garf' Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
rafa e 20800 a 30500 a caada.
a 9 caadas com sur
e Figueira a 240;
a libra.
1 Farinda do Maranhiio muito alva e nova a
240 a libra.
Sevadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muilo nova a 140 a libra e 40000
arroba,
a caada. i Caxas com estrelinba, rodinha e pevide a
dem do Porto especial qu ilidade a 800 rs. 400 a libra.
a garrafa e 50500 a caada. | Alhos em canastras muito novos e mauocas
J m Bordeaux em caixas a 70 e 700 rs. ai grandes a 180 e 200 rs. cada urna.
garrafa. A (Canella muito nova a 10000.
Champanha a mellipr do mercado vinda de.Cravo muito novo a POO.
dem em aucoretas e 8
penor vinho Lisboa
ancoreta.
11 ni branco especial qualidade proprio para
missa a 56o rs. a garrafa e 40 a caada.
dem mais baiso a 400 rs a garrafa e 30500
nossa eneommenda a 300 o gigo.
dem mais baixa de 180 a 200 e 10500 e
:0 a garrafa.
Licores portuguezes e francezes a 10000 e
1 $00 a garrafa.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.

m Largo da Santa
Cruz n. 84, es
quina da ra d
Sebo.
BSPECI.1E9
Largo da Santa,
ruz n. 84, es-;
fruira da ra do
Jebo.
C\StLHH!W NEDlCO-GittLiMHCO
do
MR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOS,
U1IC9, P.kltTlao E OPERADOR,
3 Ra da Gloria* casa'do FundSo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s s
aoras da manb5a,e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcSo dos dias santificado
Pk ir,n%2*i especial homeopatkica
No mesmo coasoltorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tobos avulsos.assim como tintaras de varias djtmaamisaoes e pelos, pre?)s seauintes
120000
S^CS^^0ii mi*Jto acreditado acmaiem.dBSl*SB^fflKaP
A sei?iiiniT?rMi raesrao sortimento de geoeros de primeira qualidade.
NeiS?r2fS lrvl? ,odos de base P4 a)uste de c"'as aos PorHdwes.
P*o erandp ,rim^?'Wl-ai*' ffl-bwto e owIIiomb do que* Auro^a.BrilbalUe1>ja,
mmmim Jmui^J,*m*t* n>enio,poriia.seu dona s&dsseia tirar.dimiauto la-
proveitar, o7r Si TT'f as despezas do estabelecimealo por. isso deixe se a-
tantes freguezes azer loda a dlJKfincia, afim de servir bem os seas cons-
*Laa,a7S8 Ubfas dech0CM muito novas,
Carteiras de i 2.1 ubos grandes.
da 24 tubos grandes.
d 3*itul)os graales.
de-48 ta!>09*ran ls.
de-60 tabas gTandev
Pr.3pjra-so qiulqaarcarteica. conforme o pedido qu
qie se pedir.
Umtubo avulso ou frasco de.tfnturade meia o
Sende para cima de 12, custarao is precos "ThtnhirWn^ pawi
Ha.ubos mais pequeos cada um a 50r.
180000
240000
300000
350000
m os remed
,DmaSif,LD7SS (i0n,p5ixe em Postas nteiras,
>40 7 es' a 15000' 1280e
!s!SSS:SS5Wf;eM0,,rt-^71D*
l'i,taLCnmameXa.s a 15200> WOO e 3300.
Abren? O ?1 d afamad abricante
iKf* massade tomate, 500 rs.
25e255f)0S,leCOraadre' novos' a 15500'
DfCoonbolachinl>a de soda muit0 D0Vas> a
ruSSgBf ******* rauitasiaa-
Caixinhas
Chocolate.
com ameixas enfeitalas proprias
ffh,a>a,m"D0 a I**. S*800 e 3J00.
1 880f00flrIo|i mUt nV0' alibrade
:Macarr5o,ialbarara e aletria amarella, a libra
a 4uu rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
uaixas com estrolinha, pevide, e outras mas-
f sas, a caixa 341500.
Oitas dita em libras a 610 rs.
LSag, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sopa a libra, a 2i0 rs.
brvilnasseccas, a libra a 160 rs.
junas descascadas, a librea 200,rs.
(Tapioca muilu nova, a libra a 280'rs.
i 55?* de araruta verdadeira, a libra a
[ 500 rs.
' 2f '^aranhao, em sacco, a arroba a
23400 e a libra a 80 rs.
.Dito da India e Java, a arroba a 3SS00 e a II-
bra a 100 rs.
Toueinho de Lisboa a 9500 a arroba e a 320
rs. a libra.
(Dito de Santos, a arroba 73000 e a libra a
260 rs.
.Mlhoscom 125 ceblas grandes, a l#S80t
?M_sada franceza, caixa com 2 duzrasa
l /jjOOO.
'Frascs cora mostanda preparada em vinagre,
i a 400 rs.
Ditos cora conservas inelezas
i. 64Oe8e0Ts.
{Ditos cora saliafinarialno, a 640 e a 500 rs.
LDitoscoma verdadira.iren8br.dalaranl. a
L 13000.
{Ditos de2 garrafas de Hollanda verdadeira.a
640 rs.
Botijas cora dita propria para negocio, a
J 400 rs.
(Garrafdes com 2 galoes com dita, a 63.
iServeja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e al
| duzia a 63000.
'VinhomuscateldeSetubal, agarrafa a 13.
Marrasqumhoverdadeiro.frascos a 80C rs. e
a 13200.
Champagne, a duzia 203000, e a garrafa a
23000.
Azeite refinado porluguez e francez, a garrafa
a 13000:
Caixa de vinho Bordeaos muito superiorra
73,83,93-e 100 cates,
lias com dito branco, a 73 a caixi.
Ditas comditolagrimas, do Doaro verdadeiro,
a 203.
itas cora duque do Porto verdadeiro,"a"
A ranada a 33000 e agarrafa-a 400 rs.
Guama.
Saccas de 4 arrobas, a vardftieiw dese
engommar. a. arroba a 33000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200; 240 e 280-r?.
Friirt*.
Saccasgrandes omfsrinha d Gotenaa; mni-
to novas ^ 53000.
C..
Cafdo Rio miiila sunetijr, a arroba a 83,'
83500 e 93000.
Cha.
Ch.temos nestes gneros o melhor possfvel,)
hyson, a libra a l#Nl
Dito perola a 33000.
Dito uxim & 23700.
Dito hyson muito fino a 23300.
Dito redondo a 23500.
Dito pretode primeira qualidade a 23300.
Dito mais baixo a 23000 e 136fiU.
Erta mate.
ExctlJente ch.n&ediciaal,.a libra a. 240 rs.
Esperraacete.
O masso com 6 velfas.de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Psssas.
Caixas de 16 e 8 tibra* Ja pillan pro-
prras pararahno^a 43. e 23300-
Nozs.
Notes, a libra 160 rs. e arroba a 43000.
Alpista. e painco.
Alpsta-e^aiaco, a arroba 4J000 e a libra a
160-rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar, a duzia a 23500.
Castanhas.
Castanhas novas vinlas neste vapor, arro-
ba 43000 e a libra a 200 rs.
Aieitonas.
Barris comiazeftonas novas a 13500
Manteiga.
Manteiga superior, a libra a 13230.
Dita mais abaixo a 13200.
Dita menos superior a 13 .
e franeezas, a Dita franceza nova, a libra a 880 ,
Dita dita era barris e meios ditos, a libra a.
Ditas com chamisso superior, a 143.
Ditas com-Porto veHio e outras muitas mar-
cas, a 123..
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 35200,
33500 e 4,3, e a garrafa a 500 e 560 rs.
to da Figueira, dasseguintes marcas (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. 51.) a caada a
i 43500, e a garrafa a560e640rs., desle
f. que jest engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 33500 e 43000, e a garrafa a480e
520 rs.
Vinho branco fino, agarrafa a 6iOrs.
ito de caj mnito superior, a garrafa a
800 rs.
850 rs.
Dita para tempero a 400 r?.
Queijos.
Queijos novos viudos neste vapor a 23800 e
33000.
Ditos londrinos muito novo?, a libra
13000.
Papel.
i Papel al maco pautado, a resma a 43800.
Dito dito llzo de linho, a resma a 43500.
Dito de peso liza e pautado, a resma
23500.
Dito deerabrulho.bom a 13 e 13200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verrtaieiro vinho Xerez e Ma-"
deira a 13500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho"
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amenosas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a 13400\
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde boioes de graxa n. 97 a 23000, e 1
de latas a 13000, e os boioes a 240 rs. ca-|
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finas.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e meias;
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nuneiar^se.
isquino de Zara, verdadeiro a 10500 a Papelgreve a 40200 a resma.
garrafa.
! i 1 mais abaiso a 800 rs. a garrafa.
G bra de laranja verdadeira a 110 a du-
y.ia e 10 o frasco.
Id: m de Hollanda verdaJeira a 60 a fras-
oueira e 640 o frasco.
dem lizo a 40000.
dem de pezo a 30000.
dem de embrulho marca grande a 10200 e
10300.
I dem azul para botica a 20000.
, Copos lapidados a 50500 e 500 cada um.
dem de Hamburo a 50500 a frasqueira.
dem em boligas de Hollanda a 400 e 410 palltos decentes, macos grandes a 120 e
rs. o frasco. | 160cadaum^
Garrames com genebr-a de Hollanda com 24 Fumo americano de chapa, de superior.
garrafas a 80, com garrafo. | qualidade a 10509 a libra, em poreSo ter
5 garrafas
CO-RTItfJl1H>$ ttMJJIilililMM
.N. 11Ra do QueimadoN. 11
A este estabelecimento chegou ltimamente da Europa um grande e variado sorti-
mento de coriinados bordados o qua ha de mais goslo em desennos e bordados.
Lindos bonets de palha de Italia para senboras.
Chapeos e chapelinas de palha de Italia ricamente enfeitados.
Chapeos Anos de seda para cabeca de homens e chapeos de sjl de seda oglczes 'de
8,12 e 16 astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarqaes de seda prota paca sen-hora.-.
Cortes de laa de barras de 143 a 223 de mnito ^osto.
Baldes de arcos e de musselina finos, manguitos e camisinhas.
Saias bordadas muito superiores.
Moireantlque preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
I.uvas de pellica para hornera e senhoras.
E muitas outras fazndas que tndo se vende barato na loja dn Augusto Frederico
dos Sartfos Porto, aonde tambera se vendera as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas
K. \\-Rn do Queimado-X. 11
carteiMs.
V ntl'nr o.bfti h hMiaapttiiia, o MmuairtteSlMheior Hflmeepathice-do-0t> JAr
n'.i r i il^s volam3s.',am diccionario........... -Optan
Wricina domestica la 9r. Hering,. ....... i lOdBfK)
rUoirtorio lo Ur. Millo Maraes..........".'.'.' Soo
Diccionario de t Os remedios deste estabelecimento sao por donis eonhecidos e' dispesam prtan-
to de ^reaiovimjnterdstmnMndados aspessoastnaquizerem usar de remedios ver-
daderos, i lgicos e duradoresrha tudo do melhor qu se pode desejar.globos de ver-
dadeiroassacar deleite.notaveis pela sua boa conservac5o,tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europos.a maisexacta e aecuradapreparaco, portanto a maior pnpr
gia-i certeza em seus effeitos.
Casa de sade pwa eserewos.
Recebe-seescravospara tratar de lualqiiapentontidade ou fazer^se^he aoatowr
operaco, para o que o innunciantejulga-se rrnlferentemente habilitado ^^
Otratamento o melhor-possivel, tanto na larte alimentar, como na medica, e
ranccionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito s&do
pode davidar, que pdem ser consaltados porwjrelles qne desejarem mandrseos
uOCQlcS. ,
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e Asoperacoesser5opreviamenteajustadas.se nlo.se qaizeEenLsuieiiaxaos dco
azoaveis que ;ntni pidir o annunciante. -i*w
Laboratorio eaolo^ico e cliimioo de F. P. Lebettf ^-C
ra Montmartrtv31, em Parik
Fabrica em ArgenteMlI, prs Pars (Franea).
VNFWS.tmitacao dos vinhos de todas as
qoalilades.Gitrasto de Med-ac, adose para 230
litros, I f. i *,1e BordiMX, 2 f., de Poraard, 3
f.,d Lisboa, -f.,de Cataln, 21.,de Porto
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 2o ou 30 li-
tros, 4 f.
Das vinhos, aguardantes c Ikores.
AGARDENTEi-Essencia
Substancia para fabricar com o alcool e a$ua
os vinhos cima e todos os outros. A dose para
500 litros, 50 f.
CLACIFICAGAOPos inglezes, pos dos vinhos
da Hespanha, da Franca, etc. A libra para 500
litros. 5 f.
a*aguar Kl&CH.E.ABhlilUO.-EsseiMa.de kimh e
de abs.ntho, para os-fawr coiB^awi.e J^f A
UGO&B&^S&Uaetaspm&bimat se- tod>- o-
licores conhecidossem fogoioMavalamUaou fin'
tommmmimmmiui MmhimSd2S
lilro%-}.I.
PERFLTMBSpaTOai?ricaa^3vHcTiftnWon
, 1WIWSsi8iiijs^)aitoai o li%lhiwlo<
colorear os vim,fardantes, iiror, Vmagjes etc s?
duas !ibrasjfataacad.>s de encanwnenda. '
s de nossos agentes tendo falsificado eioEKS? ^Venara^a n^S'
(regueZes|deve-s3 exigir sSbre as rolhas e roiulos ashSSSesTv L.TSrfs eDganado nosso'
0 modo de usar-so daspreparacoewrlnr-se-hittfca*r no rolah
As encommeodas devera seracorapanhadaspomma letra sobre Pars ou qualquer outra cida-
-ulas pornmra^ntrocMa.^irtprw ao,Srs. Lebeuf & C chimicos r
Pan>, ou a sua fabrica era Anrratmnl. prs Pars. mmicos, ra
COLORAQAO.-Purpirigine
vinhos brancos e vinhos :laros.
para 500 litros, 16 f.
de- Franga, on garantida
memirtro, n. 31, em
para
As
Veal!-S3 :a ntica franceza, ra do Imperador n. 38.'
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
' Pernambuco.
(dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem de gorgurao de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 20400, 20600, 30, 30500, 40, 50 60
70 e 80 o covado. '
Superior gorgurao de seda preto, a melhor /azanda que ha para vestido.
Sarja preta de seda.
dem preta hespanhola. t
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple prrto, a 1,0500, 10800, 20, 20500 30,
30500, 45, 40500e50. ,
Pannos pretos de soperhr qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes'de Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na loiaidaaCohiimjaa
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de VasconceilosA.C. sueeeswnt
de Jos Moreira Lopes.
SS3
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e compran
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
para
de trabalhar a uio
descarocar algodSo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machina
podom descarocar
qualquer especi*
Kival sem segundo
Ta*g Irmios
venittn gaso em p para estuque rte casas, lijlos
finos de feitfo diversos para ladrilho, azuleijos de
diversoS'gostos, tijolos vidrados para parede de co-
zinha, canos de barro para esgoto, cemento em
barris de 10 arrobas.
s>ra
Saccas grandes com 100 libras de farello superior
Calnagas unos e brlnquedos
para meninos.
tlwgaram para a loja de miudeas da ra do
Queimado n. 69, os mais linos e lindas calungas
tanto.para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesnuloja se encontrar bom sor-
limca'c de miudezis.
0 GASTELLO DE V1AGS
Traduzido do francez por A. J. da Cruz.
Veode-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo prego de 2 J50C
ua praca. da Independencia, livraria ns.
6 e8.
Attenea^
Vendem-se sorles para ^anto Antonio e S. Joan
a 33200 o cento, tambem d-sa de vendagem a 80
rs. por pataca : Da ra da Palma n. 41, taberna.
sendo
duas pessoas para
o trabalho; pd
descarocar urna
arroba de algo-
dao em earoco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 8 ar-
robas de algodo
limpo.
Assim como machinas para sertm movidas por
animaos, que descarocam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutr;s dessas machinas.
Os raesmostem para vender nm bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina!
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n .47.
Saawleps Bretters & C.
M. II, pjraea do Corpo Santo
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
Ra do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
& Azevedo Mala e Silva esta disposto a vender mui-
lo barato que admira, pois seus freguezes ja esto
scienles quo nao ha segundo competidor.
Pecas de cordo para vestidos a 20 rs.
lapachos redondos e compridos a SOO.rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Duzias de facas e garfos a 23400.
Diias de cabo preto cravado a 33000.
Raralhos francezes muito Gnos a 200 e 240 rs
Grozas de bolSes de louga a 160 e 200 r
Caixas com soldados de chumbo a 120 e 200 rs
,de algodao sem Bunecos de choro pequeos a ICO rs
estragar o fio, Varas de cordao para espartilbo a 20 rs
bastante Duzias de colheres para cha a 800 rs.
Duzias de colheres para sopa a 13500.
Duas de metal principe de cha a 23000.
Ditas para sopa a 43800.
DROGARA.
31Rui] larga do Rosario34
Bartliolomeu Francisco deSonza
Vendern:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnicfies avelludadas.
Tinta brancasuperior em lata.
AlvaiadeVenea, fino, em pes.
3UHJ&
Urna familia que se retira vende urna mobilia
de amarello j usada, trem de cosinha, louca de
almoco e jamar azul, urna mesa de jantar de ama-
rello ps lorniados, mesas pequpnas, commoda?,
cama de casal e muites outros objeetos o qne tudo
se vender em conta: na ra dos Pires n. 62.
ILEGVL
R-..;rn^rr-^-.



'<
s
i
.
M! -


| ">*4
Wiartcr*JrtWiiamiMtwnrifffclp/l^^c'Mfcr^i -W:
so ffiueo
ESTABELECIDO A RA NOVA N.
vim DniaA di Sa diiws
AO
A apreciado dos habitantes desta heroica
PLBI.HO.
provincia existe no grande arma
zem da U^a estabelecido ra Nova n. 60 nm magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua maxim i parte mandados vir directamente do estrangtiro podem ser
vendidos por presos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este nove e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm bDancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das segaintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posicSo social gozara de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira quanda'de. etc., etc.
Qualquer que seja a condifo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preeo que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, i elo sen proprio interesse, a este estbelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhor. s que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Sem o menor constran
gimeno se entregar
e do genero que
nao agradar.
TTENtfQ
Os oreos da egvtnte
tabella para todos, po-
dendo assim serrir de ba-
se para o afuste de costas
com os portadores.
RA DA CADEIA O RECIPE N. 53
(Logo passando o arco da Concefifo)
PARA BEM DE TODOS.
i Graudc armazem de tintas.
WJA DO IMPERADOR N. 22.
.0 armazem de tintas un graude deposito de
; producios cnimicos uteosis e os mal entregados
e usados na ptianmacia, pintura, photoraphia tin-
turara, pyrotecflimatfogos dearlicioieem outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo- rectamente as prtnclpaesdroganasdeParis,Lon-
dres, Haraburgo, Anvers e Lisboa, pode olferoceer
productos de plenaconfiancaesatisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadss atisfara
com promplidao qnalqner pedido de linfas moldas
a oleo, coja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas
e que se enconlram no mercado em latas fechabas.
Tem grande collecco de vidros de dlffere l< s
formatos, desde uma oltava al dezesei:. eneas i
eapacidade ; de vidros para vidracas e di maules
para corta-Ios; depinceispara fingir madeira com
propnedade e ouiros; de papis donrados e pra-
teados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo frmalo de varias cores
para embrulbo, para forro de casa, para deseoho
com fundo ja feilo;de papel albuninado e BrisU,
verdadeiro saxe para phottgraphia < para b.irar
e outros ; vernizes de essenria para qnatfri de
espirito para madeira. copal para o nterin r e*-
teiior ; oleograxo, oleo secralivo, i
Senborez r*t horas, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptido e intei-
rezacom que serSo tr3jD59Gnvida a uma visita ao mesmo, certos de que sem dnvida me darSo aproteefao e preferencia na com- ^"; oleograxo, olee mccmh-o,oleoHinhara
pra dos peneros que precisare e quando n3o possam vir podero mandar seus portadores, ainda que-estes sejam pouco praticos, i Sadeiro cmn?-10'8'^ feca"vo d<* ,,;"'"' 'cro
pois ser2o tSo bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendac3o, aflm jjde que n5o vo em ihas de wrisisW bS^S?So?b5-
, vas proprias para confutarlas; ria'dei
Aletria, macarro e talharim Ann re a li. ial rpfinaHn < ., oinosae vidros para imagens; tintas rm lutos<
bra e 6,000 a caixa r?m* m ascos de v,dr0 com [m^ S Para,etratos i em pastis e em p l
Marinar Tn It^v 1 -, ,- L d mesm- a 5oo rs. "ffJP^ella; essencia de rosa supe, fina,,:, ,.
massa para sopa, estrehnha, pevtde e redi- Cerveja branca das marras mais ar miliarias [oly--|as?.imber8amota.a5pice,paichoi1!v,;mbnr,
nha brancaouamarella a 64o rs a libra.e aue vom anJlSK ?5*2 l tl^at'iim^>*^n\va,mtfA,mtis mml
3,5oo a caixa com 8 libras 2s3? ?S d 5oo*5J 6 ? Eft?S& alfazem,a' juin')ero-' "M' 8
Vinho do Portn mt fi g-arFafa' e s;800, 6,000 e 6,500 a du- ?ms da Russia, canella, cravo e mulos Sulros ot-
jectos que s com a vuia poderao ser mosirados
JoaJ'cdro iat Km s,
_____ tereie.
tra parle.
Minleiga kgleza especialmente escollada a
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril sefaz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Ghhyssonde superior qualidade a 2,600
< rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra,
dem hysson muito superior em latas de 45
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l.Goors.
dem pretoo que se pode desejar noste ge-
ero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
ngulas muito novas a 800 rs. a libra e-em
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agr-! Para temperar panella ou para fiambre,
dar a todos Uueijos do reino chegados neste ultimo va-
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE | BUS'rs-dl,osd9 MVi0 devella a
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
Graixa em latas, muito nova, a 80 rs. cada Idem P.rat0i? 8o rs- a libra e inleiro se faz
abatimento.
A DIMHEIRO A VISTA:
ALPiSTA a 120 rs. a libra.
dem e painco de oito libras para cima a
100 rs.
Annoz de 90 rs. a libra a........
Amendoas, casca molle, a 280 rs. a libra.
Avellaas a 240 rs. a libra.
Amebas francezas em latas de todos os la-
manhos.
dem idem em potes de lodos os tamanhos.
dem idem em bocetas de todos os tama-
nhos.
dem idem em fraseos de lodos os tama-
nhos.
AzErrE doce de primeira qualidade a 560-rs.
a garrafa.
Alhos a 200 rs. o raolho.
Absyntho a 2#00Q a garrafa.
B
BOLACHINHAS do Beato Antonio em latas
grandes e pequeas.
dem do Principe Alberto a 20000 a lata, e
de cinco para cima a 108OO.
dem de so Ja em latas grandes a 2#000 e
de cinco para cima a 1#800.
Biscoitos inglezes de todas as qualidades a
1!200, i250 e 1^300.
Bolo francez em caixinhas a 300 rs. cada
uma.
Batatas inglezas.
Banha de porco refinada.

CHOCOLATE francez a 700 e 800 rs. a li-
bra, e em porcao a 600 e 700 .rs.
dem suisso a ljj a libra.
dem de musgo a 10500 a libra.
Ciiouricas muito novas a 800 rs. a libra.
Caf a 240 e 260 rs. a libra, e em porcao
se far abatimento.
I Jen de primeira qualidade a 70000 a ar-
roba.
Conservas em frascos .a 320 rs. cada um,
sao muito novas
dem inglezas, frascos grandes.
Champagne de todas as marcas.
Charope de grosella, orchala, etc., etc.
Chicaras e pires a 10800 a duzia.
Cerveja da superior marca Tenente a 500 rs.
a garrafa, e em duzia se faz grande aba-
timento.
dem Victoria Bas tres X e de outras marcas.
Charutos das mais acreditadas marcas, co-
mo sejam: Normas d'Havana, Expsito,
Flor do Brasil, Parisienses, Delicias, Gua-
nabaras, Trovadores, Regala; Missjssipes,
Panetellos, Apraziveis, Varetas, Brasilei-
ros. Americanos, Fluminenses.
Cha de todas as qualidades e de todos .os
precos, hysson, huxim, aljfar, preto, e
preto ponta branca, etc., etc., a 20000,
202' 0,20560 e 20800.
Copos lisos de todos os tamanhos de (20 a
320 rs.
dem lapidados de todos os tamanhos a du-
zia a 20500, 30500, 40 e 50.
Clices de todos os tamanhos.
Cognac superior a 10 e 10500 rs. a garrafa.
Cigarros do Rio, pardos, a 80 rs. o maco
de cinco maciuhos.
m
DOCES de todas as qualidades: brasileiros,
portuguezes, inglezes, francezes, etc. etc
uma.
K
KIRSCH de Wasser a 20 a garrafa.
JL
LATAS com graixa a 80 rs. cada urna.
Letria a 400 rs. a libra.

MANTEIGA ingleza e franceza de primeiraJ
qualidade a 10, 10120 e 10280, em bar-
ril se faz grande abatimento; a que ven-
demos por 10280 a lib-a, vende-se em
outra qualquer casa por 10400 e 10500.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feij5o verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
Marmelada dos mais acreditados fabricantes.' I EsPermacete superior a 600 e 64o rs. a li--
Macarro e talharim a 320 rs. a libra.
Massa de tomate a 6U0 rs. a lata.
Mostarda ingleza a 800 rs. o frasco.
Moliio inglez de todas as qualidades.
Marrasquino verdadeiro de Zara a.....
Massas finas para sopa branca e amarella a
60 rs. a libra, em caixas com 9 libras a
3,500.
MiLto painco e alpista, sendo mais de 8 li-
bias a 100 rs.
IV
NOZESa 120 rs. a libra.
Nab< s em latas a 800 rs.
O
Osir\s inglezas e americanas.
P
PE1XE em posta, latas grandes, a 10COO, de
todas as qualidades, como sejam savel,
gotas, corvina, pargr>, salmo, pescado e
pejeadinha, linguado, sardinha. etc., etc..
Peras em latas, excellente preparaco.
Palit)s para dentes a 120 rs. o maco muito
grande.
Passs em quarto a 10400.
dem muito novas a 400 rs. ;i libra.
Pomaha muito nova a 280 rs. a duzia.
QUEI
OS flamengos.
a
dem prato a 800 rs. a libra,
dem suissos a 800 rs. a libra,
dem londrinos a 800 rs. a libra.
QUARTINHAS OU MORINQUES a 60, 80 e 100 0
par.
R
RAPli' Meuron a 10 a libra.
dem Princeza do Rio a 10200 a libra.
dem francez a 20500 a libra.
SABaO massa a 160 rs. a libra, em caixa se
fa; abatimento.
Sal -elinadoem frascos a 500 rs.
Salame de Len a 25>. ,
Sardinhas de Nantes de todos os fabricantes.
dem de-Selubal em latas -uuilo grandes a
720 rs.
Stearinas a 600 rs. o maco.
T
TOUCINHO de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tomate em latas a 600 rs.
Tinta azul e preta para escrever.
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso morcado a 7,ooo e
8,000 a caixa e64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,ooo e H.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do MarahhSo de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paincoe alpista a 14o rs. a libra ei,oooa
arroba.
muito fino proprio para, aia.
3?ooo rs CrelaS ******** Cevadinha de Franca muito nova, a2oors.
Vinho em nina Pnrm v i u **"? do aflamado fabricante Jos Furla-
32o ToSTV r^' F,gUfe,ra e LubV de Simas' das egnintes qualidades:
zo, 400 e 5oo rs.-a garrafa, e em caada i?~---- *..
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinhobranco de Lisbo*de excellente qaali-!
dade a 4oo e 5oors. a garFafa e em cana-!
da a 3,ooo e 3,5oo.
Exposicao Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 6oo e
l,2oo a garrafa.
a 16,ooo, 15,ooo, (Doce da casca de goiaba a 2.ooo a lata com
om-1 duzia e9oo, 4 libras.
Vinhobranco para.-missaemcaixas de i du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do. Porto,Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1,-Madei-
raSecca.Malvazia fina a li
12,ooo e I o,oooa caixa com
1 ooo el ,5oo rs. a garrafa. 'Farinha de araruta verdadeira a 32o rs.
Vinho Cnerexde superior qualidade a 16,ooo libra,
a duzia e 1.5oo rs. a garrafa. JMatte.excellente cha para os navegantes,
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e | 2oo rs.
64o rs. as meias latas.

Vendem-se os utencilios de
traiar na roa Imperial n. 124.
..
urna refinar
fa roa da lmierairiz n. 15, segundoaodar
ver.de-se uma escrava boa' para iodo o servieo do
uma casa de familia. Na rr.c-nia ra-a .
um moleque para eepeiro, e paga-se bem -tndo
bom.
ESGBiYOS FB6IP0S."
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
CartSes com bolo francezmuito propriospa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em frasco de vidro com
tampa do mesmo, a 105oo.
Amoisae franc zas em caixinhas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada uma.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libras.
No dia 9 de maio prximo passado
fugio da ra dalmperatriz casa n. 9. segun-
do andar, o escravo pardo de neme Eoge-
I ni, que le'm os signaes seguimes : magro,
a sem barba, tem falta de denles na frente, e
a vista esquerda cubera com uma nevoa
Sebollas de Franca muito grandese novas! branca, lem sido encontrado a ganhar na
a l,8oo o cento e l,2oo soltas. i ribeiras e na esiacao da estrada re ferro em
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,'oo a duzia.
Vassouras* de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de to'matesde superior qualidade a 6 4o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de uma libra e56o rs. a reta-1 10 a garrafae II,ooo a duzia.
lho. I Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.s
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
FarinhadoMaranho muito alva echeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada uma.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Awitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada uma ancoreta.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e3,5oo a garrafa, e
24, ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 8o rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oors. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagrehrancoj Anjrarrafado a 3uo rs. a
garrafa.
S. Jos : quem o levar a casa aciina seta
bem gratificado.
- Fugio no dia 10 de maio prximo passado o
prelo crioulo de nome'Branliano, idai'e de :C Mi-
nos estatura regular, rr fula, tendo um dos dtn-
tes da frente quebrado, sem barba, apenas aleaos
cabellos a roda da garganta e olhar amorlti-ido, i-
bem fallante, sabe ler e escrever e falla um pnru
o inglez, bono copeiro, cosinha e lava brm, lev u
vesndo camisa de feodo branro e calca de ti
azul, conduzindo alguma roupa fina, retro bfm
calcas de casemiras de lisias, jaquea biatra e ca-
misa de madapolao, Icnces e mais roupa i:\.r m
marcada com a letra B de linha derorca,alcuiT'as
pefas e outras com onome por extenso cm tinta
de marcar, leveu chajo de palha Imitando nani-
Iha, chapeo de sol de seda verdeja usado, sapatos
e meias, de suppor que se inculque de forro :
quem o apprehender condnzindo ao silio de Joao
Matheus, uo Poco da Panella, ser generosamente
gratificado por sen senhor Juvino Bandeira.
Escravo fvgido
1000000.
Ainda se acha fgida a escrava pards, Rnflna, a
qual ausentou-se no dia 2 de dezembro de I89,
com uma cria de nome Maria. de anno e meio de
idade, do sitio da Piranga da freguezia dos Afosa-
dos, perteocente a seu senhor o engenheiro Hcn-
rique Augusto Milltt. Tinha naquelia poca 18
annos, lilba do Kecife, sabe ler e tem os signues
seguintes : baixa, cara bexigosa, cabello "carapi-
nho, olhar desconfiado, sendo uma perna ni Is
grossa que a outra por lite ter dado varias vezes
erysipella : dase a gratifloacao cima a quem ie-
va-la ao seu senhor no engenho Saltinho da lie-
guezia de Una, ou recolhe-la casa de deteneo da
cidade do Recife.
E
ERVILHAS seccas a 120 rs. a libra.
ervadoce a 400 rs. a libra.
F
FARINHA S S Sde 8 libras para cima a 120
rs. a libra.
dem de araruta a 320, 400, 500 e 800 ti.
Figos de comadre a 160 rs. a libra.
Feuo verde em latas a 600 rs.
Favas em latas a 600 rs.
Fi mo do Rio a 500 rs. a libra.
dem americano em latas a 20.
Farello h sempre em deposito de 500 a
800 saceos, de todas as qualidades, de to-
dos os tamanhos e de todos "os precos.
GOMMA a 50 r*. a libra.
dem a 140rs. a libra, muito alva.
GnAo nE bco a 120 rs. a libra, e em porcjSo
se faz grande abatimento.
Genebra de laranja verdadeira a 10000 o
frasco.
dem idem a 700 rs. o frawo.
dem de Hollanda em frasc3 e botijas.
v
VINHOS!!!
Principe Alberto, de 1831, a 50000 a gar-
rafa ; d vida aos velhos.
Velho secco a 20 a garrafa.
Lagrimas do Douro a 10500 a garrafa.
Duque do Porto verdadeiro a 20 a garrafa.
Duq)ue a 10 e 10500.
Chamisso a 10, 10200 e 10500 a garrafa.
D. Luiz a 10 a garrafa.
Moscatel verdadeiro de Setubal a 20 a gar-
' rafa.
Carcavelos a 10.
Colares a 900 rs. a garrafa ; o nico vi-
nho que se pode beber por nSolercona-
posicSo alguma.
Lanterne a 800 rs. a garrafa.
Bordeaux Medoc a 800 rs. a garrafa.
dem S. Julien a 600, 800 e 10 agarrafa.
Absyntho a 20 a garrafal
Kirsch a 20 a garrafa.
Agua florida e tnico orien -
tal de Kemp.
Continua-se a vender em porcao e a retalho :
na ra do Queimado, luja d'aguia branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
frascos com hydroealletrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloricomo para lustrar os ditos,
e onychromantina para limpar as unbas. Essa
tintura, cujo effeito rpido e efficaz, est bem co-
nbecida e apreciada para todos quantos della tem
usado, eos que de novo a-quizerem jareeiar, po-
dem, assim como aquelles, dirigir-se munidos de
-dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel eMhas para rosas
Acaba de ebegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folbas, e
dito tam ti em verde e mui fino para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vertidos
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'ago ingle^
zas e francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
penas d'ago qua constantemente tem. acaba de
receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, assim como as
verdadeiras blco de lanca n. 134 e outras de pos-
ta donrada, continuando porm a vende-las por
precos comnu>4os, com tanto que comprador com-
{>areca manido de dinheiro : na ra do Queimado
oja 4a aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastas para papis.
A aguia branca na -ra do
Queirnado n 8, recebeu:
Bonitos e graudos aljofares de cores para tollas.
Pnlseiras de ditos de Ignaese agradareis cores.
Voltas pretasmaiores e menores todas dconts
grosMs. .
ulceiras pretas tambem de contas.
!Ujras de diferentes qualidades e gostos.
rincos de aljofares ie cores e donrados.
ATTENCIO IflEtfS SENHORES
PARA
Fugio em principios do mez de fevereiro do
corrente anno e consta estar acoutado nesia cif'at
o moleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Aflbnsodo Mello, de 12 annos de idade pen-
co mais ou menos, cor prela, secco do corpo, (Ihis
regulares e afumacados, rabeca um pouco grana
e meia chata, beicos finos, dentes bem alvos, pes
seceos e muito ladino : roga-se por lanos la!; s as"
autoridades policiaes e capitaesde campo que oap-
prehendam e levem-o a ra da Mangneira sobrado
n. 6 que serao gratificados, prolestando-se usar dos
meios jndiciaes contra qualquer pessoa que o enha
em seu poder.
Fazcndas baratissimas loja da rna do Crespo n. 17 de Jos Gomes
tflhsr.
A nova crlse eommereial permitte qne e povo eahgeral nao possa comprar fazendas.
caras. O proprietariodeste estabelecimento,.amigo que do povo em geral, attendendo a
essas circumstancias-est vendeodo fazendas por precos que na realidade admira.
Correi, bom povo, a este estabelecimento, e comprai fazendas, porque alli se vende
por menos do que em ontra qualquer parte.
Cassas organdyzes a 280 rs. o covado.
Chitas francezas escoras matizadas a 260 rs. o covado.
Ditas escuras muito finas a 240 o covado.
Ditas claras dem a 240 o covado.
Ditas escoras idem a 260 o covado.
Chitas para coberla mallo largas-matizadas a 240 o covado.
Madapoloes finos tangos a 6J590, "i e 8.
Chales de fil preto muito bons a i0$000 cada um.
Chales de merino estampados a 55500, 6 e ?.
E outras muitas fazendas, que tudo se vender por precos que admiran).
Wermoulh a 20, e a caixa a 180.
Bitter Maurer a 10 a garrafa,
Grave a 800 rs.;a garrafa^jende-^por este pivela8 coa
. preco. por liaver, sempre em deposito 50 to a de .adinerla. V? ........
nd,uzias. Outras grapoes de differentes qualidades rp
De caj, de 1852, a 10200 a garrafa.
Yelho dotorto, em ancoretas de 9 caadas,
a,35O0o ; 'vinhoque, estando engarra-i
'fado, vende-se a 10280 e 10500 a garrafa, j
dondas com pedras.
Bonitos loques de |JHreperola redondos e de
outra forma.
Sitos, de sndalo intericQS e porredicos.
tpellas brancas para meninas.
Fugio no da 28 do corrente, a noite, a f s-
cravaJanuaria, pertencente a D. Amelia Felicia
Deschamps senhora de Mr. Len Chapelin, retra-
tista, cuja escrava houve por compra que fez ao
Sr. PioPierres Varella Barca em abril ultimo por
intermedio de seu procurador JoSo Francisco Ca-
bral, desconfia-se que a dita escrava lenha se-
guido para Paje de Flores e nho do Exra. barode Vera Cruz, a quem a lem-
pos passadospertenceu : a dita escrava ti'm i neo
mais ou menos 20 annos de idade, de estatura
pequea, de cor fula, tem os dentes limados, lesla
eolhos muito pequeos, graliflca-se bem a quem
apprehende-la.
fe i

Azeite doce reflnadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100. !20hbra6 a 40,40500 e 50 ; no grande armazem da Liga.
H SEM IGCA
Madapolao muito fino com pequeo toque de awia, por prec^e admira : na loja,
das Wboa!n roAtoCwapon.:a, de Aplwio Correi de Vas^pncellos & C.
No dia 4 de Janeiro do-anno de 1864, fiifrio do en-
genho Conceigao, comarca de Pc-d'Alho, o e-era
vo Galdino, pertencente ao ahaizo asignado, com
os signaes segnintes : idsde 26 annos, pardo, claro,
corpo, figura e-altnra regolares, cabellos meio? ca-
rapinhados, olhos pardos, sobranceras e palpebras
salientes, tem em cada trago um sino de Salcmao,
sendo um delles malfeito, e junto a este uma cruz,
tem na cabeca uma cicatriz de uma polepada, e em
cima de um quarto uma outra cicatriz de tres po-
legadas, proveniente de ponta de pao e qneda. tem
sobre as costas algumas marcas ou cicatrizes de re-
Ihadas ou chicote; umjpouco desembarcado quan-
do falla, tem principio de carplna e carreiro. toca
viola e barbado. Foi soldado do corpode'policia no
Recife, e levou comsigo a baixa do theor seguinte :
Secgao urbana, 2* companhia n. 50, Antonio Casta-
no de Oliveira, filho de Agostlnho Ferreira de Bri-
to, natural de Tngazeira, cOr parda, cabellos cara-
pinhos, olhos pardos, ofllcio nenhum, estado soltei-
ro, com 30annjs de idade, 60 polegadas de altura,
ao eugajar-se. Engajou-sa na forma do regula-
mento, em 17 de fevereiro de 1862, por ofllcio do
Ezm. Sr. presidente da provincia, data lo de 28 de
abril do eorrente, e pubtteado ao corpo em ordem
do dia i de raaio, tado eml862; leve baixa do
servioo por ter dado em seu lugar o paisano Joao
Pedro Ferreira da Roeha. Foi escravo do capillo
Jeao de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brjo da Madre de Dos, e ioje morador na
Campia Grande da Parahyba do Norte, qoe o ven-
den em dias do mez de novembro de 1863 ao abai-
xo assignado, pelo costume de andar fgido e a ti-
tule de forro com o nome randado ; pelo que rega-
jo se a attencaodas autoridades civis e militares, nao
- [ 96 desla provincia como das demais do imperio, a
napprabensao do dito escravo, que a titulo de foro
rnalouenha sido recrutado oa assentado praca m
ialgtns dos corpos de Voluntarios da Patria, lam-
lidoh pda-s aos capitaes de campo e pessoas par-
ddmulares amesma appreaensac, e leva-lo ao sea
.aeteor noreferido engenho Conceigo, oa nesta c-
ense ao capitSo Mauricio Francisco de Lima roa
BEg | be Brum n. 56, que ser gratificado com 200^.
"ww 1 Jos Maria dos Santos Cavalcanti.
x

LEGTVEL
1



Diarlo de Feraambnco Krgnmda felra 11 de Junho de f
LinfiEATORA.
UM PUCO DE TUD6.
li.ua correspondencia da Italia, dirigida a uin jor-
nal fraucez, narra o seguate :
Hi j alguus metes que era Turin uo se falla
de butra cousa senao do profossor Gorini e das
itias invences.
Fiz o ijue lodos flzeram.
Alguus aimgos me proporcionaram a occasio ^osiasmo ?
de assitir a serie de experiencias ejecutadas pelo
proprio inventor perante una reuoiio de sabios
de homeus polticos e jornalistas.
Vou dii*r o que .vi :
PRIMEIRA EXPERIENCIA.
O Sr. Gorini nos fez assistir a formago do mun-
Ao menos, que o tea ultimo arranco afaste para
bem longa o bando dos abatres selvagens que
pairam sobre ti, Prometheu vencido cm trra, mas
que, aiuda as coavulses da agona, mostra a
aoimago do fogo divino da liberdade.
Ob mas que vale ao poeta desterrado contem-
plar a ruinada patria.
Para que ha de elle pedir a sua harpa um can-
to de angustia e saudade, se aquellos que o esca-
tara e se sentecn fortes para lutar, confortar esfor-
gos sobre humano, sao d>pois martyres de sea en-
Que tristeza profunda o lembrar rae que o mea
poema Tentaqao, exaltando os esUdantes de Li-
i thuania para sacudirem os tyranos, fea com que os
:oDpressores arrojassera para os steppes e minas
da "iberia a flor da mocidade da Polonia I
da, da ciusta terrestes, das montanhas e dos val-; Pobre Karl! ainda tenho aqui a carta em que
ros em urna tina de metal, zinco, se nao me elle rae conta os trabalhos da jornada para o des-
. i.rao. : trro :
DE UM ESTUDANTB BA L1THUASIA AO POETA
ANONYMO DA POLONIA.
< Em todos os lempos a poesa tem sido a ex-
presso dos sentimentos mais profundos da huma-
Vaso u na mencionada tina um liquido que exha-
la um rtissimo cheiro de enxore.
Depois daaiguns minutos de expectativa, vimos
tormar-se urna fina pellicala superficie, a qual
> ?l!i.;ala solidificou-se poucoa pouco; surgiram en-'nidade; chora cara as snas dores, e ella qne val
ti i m )atan!ias, e alguns vulcSes comegiram a vo- 'ao sepulchrojlas nagoes proferir o surge et ambula
mitar lava, a raga supplantada pela presso dos dspotas.
.Na superficie deste globosiabo recem-tormado Desde os prophelas de Israel, e Tyrten e Gallino
aoriram-se fendas precedidas de verdadeiras deto-
uace?.
allit v-la sujeita i irrisao e malvadez dos que vi-
nham para prender-nos t
Pobre Hedwige; ella abragou-me e sornu-se :
Teas medo ? vejo-te to paludo i Recelas qae phim. Naqaella elevagao sorprendente, a commo-
ea nao tenha caragdm para correaponder a toa. cao embaragou-lbe a voz; nao pode fallar flcoa
ge, como a sulamite dos cantores, comparada i
torre que olha para o occidente, parecia suspensa
o semblante com a graca diaphana de um sera
bravura ?
Eu vou mulher, verdade. Fra ao suspiro de
nma mulher que a Iiberdade romana acordava
para sempre. Lucrecia e Vergfnia ensinaram-me
tambem a ser forte um dia. Korl! eu sinlo que
n'este instante nos une um amor mais alto e desio-
teressado, que nada tem das paixoes terrenas. Da-
me o abraco qne ha de fundir, n'uraa s, as nos-
sas almas para sempre. Agora j te posso dizer
hirta, lvida, como na concentradlo violenta do x-
tasis.
Era o genio da Polonia incarnado em urna mu-
lher que soffria.
Hedwige flcoa silenciosa, nem um qaeixume,
ama lagrima se quer, quando ihe roxearam os
pulsos.
Quando tornou a si e conheceu qne ia comparli-
Ihar comigo a raesma sorte,- sorrio-so, com a ex-
solel I
O tumulto, o som confuso das armas, o tropear
dos soldados, nao me deixaram onvi-la mais.
Entrarara na sala sombra, como ama onda turbu-
lenta qae irrompe os diques e se precipita como
um vrtice freraente.
As armadoras relusiam, e nos causavam a ver-
tlgem do terror.
Um fro lethal se escooa por mira; lembrou-rae
luctar para defende-la.
Reinava ara sileocio de raorte.
J sabamos a sorte qae nos espera va. .
Depois vieram lanzar-nos as cadeias pezadas, as
at Ronger de l'lsle, Kerner e Poeteli, a poesa tem gargalheiras infamantes da escravido, ultrajando
dirigido as revoluc5e3 5 camo a columna de fogo cora risos aquello seolimento puro, que nos dava
como Arria se te visse esmorecer no perigo, o que presso divina da alegra dolorosa, e da resigna-
ella disse levando o punhal ao paito: Pmtut, nom gao.
Das depois, leram-nos a senteoca.
Doze annos de desterro e trabalhos na Sibo-
ria.
Hedwige escutou impassivel.
Gustava-me tanto ve-la soffrer era silencio; ella
Em urna paiavra assitimos a urna reproduccao que leva a trra promettida atravez dos errores do constancia para o martyrio.
exacta de alguns vrselos do primeiro capitulo da
(?nesis.
O Sr. Gorini disse : tFaga-se o mundo e o
mundo fez-se.
ludo isto nao passa de um simples divert-
manto.
::ic espectculo original serve de demonstrarlo
.um ttieoria nova e assaz engenhosa, acerca da
rorroaco da trra.
O Sr. Gorini afasia a hypolhese do fogo interior,
produzlttdo o levantamento das montanhas e as
erupgoes do? volces.
Eile explica todos os pteoomenos geolgicos pela
energa propria o intima do liquido, que precedeu
as trevas da chronologia a forraaco da crusta
terree*.
M sea entender, esse liquido serviu-lhe ao raes-
:no lempo de principio e de materia.
Qual a substancia dessa liquido1?
E' um serrado que o professor Goriui ainda a
ningnem revelou.
D'.\'is fcilmente comprehender que a theoria
de que vos estoa fallando, suscitou numerosas ob-
occea, porem n:lo conseguirn! abalar no mnimo
ponto as convec5;s do nosso sabio.
Elle nao discute com os seus adversarios; pede,
iiies simplesmente que o acompanhem a casa para
ihes mostrar a sua tina.
SEGUNDA EXPERIENCIA.
Depois ia nos ter fabricado muitos mundozinhos,
;ordilheiras Je montanhas lillipulianas, vulcoes em
n-ni.itura, o Sr. Gorini cjuluzio-nos a urna sala,
le que elle fez um verdadeire- hypogeu.
All nos moslrou urna serie de cadveres redusi-
dospor elle ao estado de muraias; que digo eu?
ao estado de estatuas, e isto mediante um proces-
so inventado por elle, e que ainda nao revelou.
0 que osta preparago tem do maravilhoso
qie conserva >s cadveres inteiros. Eu me ex-
plico nao somente os cabellos, as unhas e apelle ;
mas lawbem o s.iugu&.03 pulrades, o coragao, o
tuna intestinal, o figaio, o bago, os rins, etc., etc.,
Acara intactos, cora os seus caracteres naturaes de
forma, er e dmenso.
,-iiuda nao Indo.
Humedecidos e roetlidos em agua por um corlo
lapso do lempo, os cadveres readquirem a fres-
cura e a mollesa da carne.
lato nao vi eu, mas assira o atiesta um relatoro
feito academia das sciencias de Turin, e assigna-
do palos principes da sciencia italiana, Berruti,
S)brero Molescotti e De Filippe.
O mesmo relatom demonstra todos os servigos
que a petrificagao dos cadveres poderia prestar
son o ponto de vista dos estudos anatheraicos.
Este preparo nao custa mais de 2,000.
deserto. Era impossivel resistir; todo o esforgo era
Nos eramos criangas, animadas dos sentimentos intil.
mais puros, que a idade nao deixa contaminar; Deixei tambem lgeraarem-me.
choravaraos de magoa e despeito.com vergonha de m olhar Arme de Hedwige inspiroume urna
verraos envilecida, sob o jogo obscurante dos cza- reslgnagao indizivel.
res, esta pobre patria esraagada por nm colosso de Nao sei que apparencia divina, que irradiago
inercia e de barbaria, m dia appareceu-n um sublime, etherea, envolver o rosto da ramha aman-
poema estranho, novo, um grito ancioso em que se te, qne os soldados nao se atreviam a aproxi-
exhalava urna alma. Parecen-nos a voz da Polonia mar-se.
qne nos chamava, em seu desalent ; sentimos-nos
fortes no primeiro impulso.
Estuavamus em Lilhuania; ama noite reuni-
mos para l-lo.
Brilhava em cada rosto am lampejo de colera e
esperanga.
Cada strophe era um sobresalto, a anciedade do
sacrificio.
Eramos como aquelles crentes dos primeiros se-
cutas do christianisrao, tinhamos a sede do mar-
tyrio.
A noite da conjuragao era tempestuosa como
os pensamentos que nos agitavam.
Juramos aili, com as raaos sobre as essencias
mysteriosas que nos vieram despertar do letargo
da oppresso, abnegar do amor, da familia, da vi-
da, tudo por esta Polonia.
A alampada solitaria que illurainava o aposento,
deixava urna penumbra phantastica e terrivel,
como em um tribunal whemico ; os olhos corusca-
vara com um brilho de alegras sanguinarias.
O enthusiasmo precipitava-nos. Sentamos tor-
gas de Atlante, urna audacia e tenacidade para a
lucia ; mas via-se ao mesmo tempo em cada rosto
a sombra, uo sei de que presentimento funesto, de
urna aspirago irreallsavel.
Seria urna desgraga inminente ?
Quando nos abragmos como irroos na mesma
crenga, para as lagrimas, ferventes, como nos mo-
mentos rpidos de urna despedida para sempre.
Havia um silencio augusto.
Parecia que o cu e a trra escutavam o nosso
Seria o terror, qae fazia cahir em trra fulmina-
dos, os que tocavam na arca sacrosanta?
Na serenidade altiva qae ella mostrava n'esse
instante, conheci-lhe ama resolugao extrema; Hed-
wige quena tambem ser prisioneira, para soffrer
comigo as dores do desterro.
Ella langou mao do poema que eslava sobre a
mesa, e coraegou a proferir algamas das strophes
mais arrebatadas com ama voz prophetica no tom
mysterioso de nma sybilla.
A magia d'aqaella voz sentida prenda; Qcaram
immovels quedos, escu'.ando-a :
FRAGMENTOS DE UMA ELEGA POLACA.
c E lentamente, mui lentamente, por detraz do
Homem Dens, avanga deslumbrante de -belleza e
sem vestigios de mortoa raioha i 1 leda Polonia.
Ella para sobre os umbraes da Sio promettida
a todos os povos, e, d'estas alturas sagradas sua
voz retumba, dirigiodo-se s nagoes reunidas
muito longe, la era baixo, nos trminos do es-
pago.
A mim, a mim, oh vos, ragas fraternas 1
A ultima lata do nltimo combate terminoa; os
embustes das traigdes e das mentiras terrestes es-
to destruidos. Subi comigo para o reino de
paz.
E o coro das nagoes Ihe respondeu :
Bengo e gloria a ti, oh Polonia I porque ain-
da que tenhamos todas soffrido, t supportastes
mais tormentos que nenbuma de nos. Pela enor
midade das injusligas accumuladas sobre ti, con-
servavas constantemente o inimigo debaixo do raio
de Deus I No transe do martyrio, tiravas de teu
coracae urna vida mais enrgica que a dos teas
juramento; que a patria agrilhoada interrompera 0ppressores, e pelo teu sacriOcio nos salvastes.
os lamentes para escutar a voz consoladora de Bfi -;) g|ora a oh Po,on|a ,
seus Olhos; que esperavam o da da redempgao. Qh, qaan[as ^ ^ uma noite sombria do
Foi entao que ella appareceu, Hedwige, a mu- outono, a voz de mlnha mi ou de algum antepas-
Iher que eu amava, cora o cabello desmugado sado sai do tmulo, e chega at mira para me fal-
pelo vento da noite, cangada, offegando, sem cores, lar do futuro,
enriada de susto. E eis que a este ruido mysterioso, visSes estra-
Julguei a uma appargo anglica, que baixava nhas me apparecem.
Julgava-a j raorta, crianca e dbil como era.
Sem Hedwige, para qae quera en a vida 7 Oh I se
a visse ainada ama vez, morreria contente, resigna-
do, perdoando todo quanto os qne se dizem meas
semelhantes me flzerao soffrer.
Era ana loucura esta idea.
E cootinnavamos silenciosos a romper a mina
lbrega e funda.
Cotnegamos a sentir nm echo sardo ; eram os
trabajadores de outras minas, que se encon-
travam.
Comecei a trabalhar com mais afao, na direcgo
d'onde vinham os sons abafados.
Encontramo-nos das depois.
Que alegras, que abragos ntimos entre aquelles
socios da desgraga.
Se eslivesso aili Hedwige I
Que fatalidade I o meu desejo era o presenti-
mento.
J te esqaeceste de mim ?
Sent am abrago sem vigor; fltei as sombras o
fazia um esforgo inaudito para nao vergar com as vulto, qne me fallava o me estreilava a si.
dores excessivas; nao quera redobrar o meu sen- | Era ella, lvida, desconhecida, com a magreza da
tmenlo. {consamicao ; o mercurio peoetrara-lhe a parte es-
Oh I meu poeta I foi entSo que rae convenci que ponjosa dos ossos.
o lioraem o lobo do homem ; peior anda que o T'? horror do ente que amava, era s a com-
lobo cerval, porque espia os segredos da nossaal- Paixo_ aoe rae prenda a ella.
ma, e antes que nos infliojam as sevicias do corpo,
tortorara-nos o espirito insultando os sentimentos
mais recatados e santos, que nos do coragem nos
deslenlos da vida. *
Partimos todos na carroga dos desterrados, um
kibitka peior que o tormento inventado para matar
o ntegerrmo Aiilio.
As rajadas do invern erara constantes, e lira-
varanos todo o vigor para avangar ; depois, vie-
ram araonluando-se os gelos, e nos obrigaram a
proseguir a p; a desolago dos steppes, por onde
panamos, despertava-nos nao sei que sympathia, | svei" do'snpportar ; eu nao viva, vegetava como o
Lembras-te das palavras de Simeao, quando
no templo vio o Messias em seus bragos ? Hoje di-
go-te o mesmo, Karl; j posso morrer.
E eu continaarei a vlver para ver prolongados
miseria e os flagicios incriveis, que me cer-
cavam.
J nao tinba o amor que alimentava s horas da
minha solido : Hedwige tinha-me expirado nos
bracos ; soltara a alma candida, acrysolada as
tribulages, no ultimo beijo, que recebeu de
mim.
Dahi por diante a vida pareceu-me mais impos-
talvez porque eram urna seraelhanga visivel do
linchen no fundo de ama caverna escura. A im-
abandono e ruinas era que estavam nossas almas. ;beci|dade proven,ente da atona e dos pezares m-
Hedw.ge, delicada e frgil, nao podia cammhar disCriptiveis prolongaram-me a existencia,
mais; via-a desmaiar pouco pouco, a lividez do, Lembrava.me minha me.
< Tua mai tem nobre alma
t Em qae se abriga a grandeza
Manancial de pureza
< Chama-a de mai exemplar I
< Para a vlrtnde ella aojo
t Para o esposo o archanjo
Para li o tea altar.
< E' obra prima, completa
Do genio do Creador
Tem as gragas o primor
Qu' o mundo ingrato admira f...
1 E' alma da toa vida
Fonte perenne querida
< D'amor que abriga e qae inspira
Mas prestes o aojo liado
Suas atas estendendo
Foi breve se esvaecendo
Como perfume de flor;
E voou meu temo amigo
Deixando por meo abrigo
De minha mai o amor
Desde a infancia me proteges
E se me vez padecendo
Tambem te vejo soffrendo
Sem um alivio se qur!....
Diz-me o peito que palpita
A minh'alma qne se agita
Vs este anjo ?! E' mulher I...
E' mulher. mas moHier mi
Meu ser e meu coragSo
A quem com tanta emogo
Eu rendo continuo preito
E eu sou paluda flor
Que sencontro vigor.
No santo amor do sen peito '
E' do Sr. Ttieophilo Braga este cont polaco
AS AGUIAS DO NORTE.
Harpa sacrosanta orvalhada pelas lagrimas dos
valeotes, que repousavam sobre ricas frontes en-
canecidas, banhadas no pranto.do captiveiro, quan-
do a tarde abandonada na solido do exilio, Dei-
ra ;la torrente, a aragera vespertina vinha gemer
em tuas cordas, o cntico remoto era como o en-
leio de um corago.oppresso ; ai queseperde coo-
fundido com o rojar das cadeias.
Inclina-te agora em raeus bragos e vibra-me um
canto de desespero, insofrido, eterno para acordar
a lodos que dormem sobre o peso das algemas.
O vento livre saber levar atoada longinqua, pa-
ra achar echo no peito dos desgiagados.
Patria I patria 1 esla tnica inconstil sobre que
rollara os dados do inurtunio.
Polonia I tu s o peito exaugue, ferido pela lan-
ga do incrdulo 1
Podesse o teu sangue dar a vista ao que te fere
cora mao obstinada I
para trazer nos a palma do martyrio, a annunclar
os transes d'este horto em que estavamos recordan-
do as agonas da Polonia.
Como ella estava bella, radiante I
Era urna prophetisa, altiva como Dbora quando
proclamava s gentes a lei sombra das palmelras
entre Rama e Betbel, sobre as fronteiras de Ben-
jaraim e Ephraim.
Ficamos suspensos, esperando o bymno que ha-
via romper dos labios sellados por um mysterio
profundo.
Como deixou ella a casa de seus pas, as som-
bras da noite medonha ?
Como soubo alia onde p.stavamos, quem a trouxe
aqu ?
Fra o amor; esta illuminage da segunda
vista.
Hedwige proferto, depois de alguns instantes de
repouso, -com a voz entrecortada e trmula :
Ainda tempo I Os soldados russos vm em
busca de nos; ellos sabem da conjuragao, e per-
seguem-nos. Eu nao aconselho uma fuga ignomi-
niosa ; poupemo-nos para a hora suprema do
Matate
Depois ella veio para mim e abragou-roe.
Ia comegar a fallar, quando se seotio na ra o
estrepito de armas, e vozeria de uma soldadesca
brutal e desenfreada.
Nao me custava a vida ; mas te-la a meu lado,
O canto de tnumpho soltando-se do peito de mi-
IhSes de homens, resoa ao derredor.
Os vencedores passam em phalanges innmera-
veis, eu vejo as brancas, resplandecentes figuras
das irmaas e dos irrros libertados da escravido,
a centelha da immertalidade faisca de todas as
frontes. Mesmo sera azas, elles vogam no ar;
como se fossem alados; sera coras brilham como
se fossem coroades.
E eu mesmo prosigo no meio d'elles, e me sinto
era uma especie de cu descoohecido, antecipado
E, quera sabe? Talvez que a propbeoia dos
meas sonhos se realisasse j sobre o tmulo da
Polonia I
E nao bavia seno eu, em cadver, que faltava
entre os resascitados I
Oh, atravez d'estas grades e d'estes muros qne
me fechara como as taboas de um ^retrr, o mea
espirito se Ilumina, e se expande ao longe, trans-
pondo o tempo e o espago I
Hm, en o vejo: alm, por toda a parte, myria-
das de estrellas e flores; o mundo regenerado
celebra suas nupcias com a jeven iiberdade I
Na aresta dos Alpes, no cimo dos Carpatiros, o
cea resplandece com os raios da mesma aurora,
e todos os povos unidos, ou fundidos, pareeem for-
mar um s ocano, por sobre o qual levado o
espirito de Deus.
A' medida que ia proseguidlo 00 canto Hedwi-
sepulcro no semblante desbotado 1
Parecia-rae a flor mimosa, emmurebscida com '
as geadas da noite.
As pancadas do knout, um latego formado de
couro cru e rosetas de ferro, com quo as verbera-
vara para adiantar caminho, esgotaramlhe as
forgas.
Eu nao sei que haja patarras humanas para ex-
primir a dr e raiva que sent n'esse instante, por-
que o coragao do homem nunca soffreu tanto, para
descobrir ama expresso para o InBnito da angus-
tia.
Hedwige nem se atreva a olhar para mira ; de
Se a tornara a ver ainda I Estara ella j no
sepulcro, ralada com a saudade da ausencia, can-
gada de esperar a volta do captiveiro?
Sem successos nem distragoes que me preoecu-
passem a vida, cada momento parecia-me nm se-
cuto de desesperago.
Estes doze annos foram uma outra existencia.
Quando voltei patria, julguei um renascimento,
mas tornava a apparecer luz do mundo para
mais provagoes e dores, porque minha mi estava
mora ; a patria, o qne arada me fazia palpitar o
coragao com vida, vejo-a esquecida, Inerte sob o
jugo prepotente da Russia. Hoje escrevo-lhe, meu
FOLHETIM
0 CONDE DE CHANTELEINE.
Episodio da revolnco.
IX
(Continoago.)
E' muila honra, disse o velho pescador.
Muito bem, a familia licar completa, uma
familia de pescadores ; nao ser a primeira vez
que nosso amo e eu usamos deste pfflcio, na nossa
juventude nao eramos mal geitosos, e espero que
pouco tenbamos perdido.
Muito bem, disse o cavalteiro, amanhaa pela
manhaa, correremos a bahia de Douarnenez 1 o
barco est preparado, Locmaill ?
Nao Ibe falta nada, responden o bom ho-
mem.
Meus amigos, disse entao o conde, se deve
mos flear neste paiz, se nos preciso affronlar a
tormenta revolucionaria, se nae podemos fuglr pa-
ra mais longe de nossos inimigos, approvo sem re-
serva os vossos arraojes ; mas de ve mos renunciar
a esperanga de passar ao estrangeiro?
Senlior conde, respondeu Henriqae, se seme-
Ihante projecto tivesse sido praticavel, crde >em
que eu vo-lo teria j proposto ; mas eu pcpprk, ba
muito tempo, tenho querido faglr para Inglaterra, e
ainda nao se me apresetrtoa nenhum meio ; indo
quanto posso prometter-vos, que se se offerficer
occasio, nos nao a perderemos, e tal vez, a peso de
ouro, ella se nos facilite.
Infelizmente, restam-me poneos recursos,
E quanto a mim, nao tenho p/ra ver s^no
meus bragos e meu barco.
Bom I bom I disse Kernan, veremos mais
adiante 1 Actualmente, nosso amo, fosseis vos dez
vezes mais rico, e tivessemos um excedente navio
a nossa disposigo, eu nao aconselharia a ninguem
qae se embarcasse. Estamos nos mezes raaos de
invern e o mar terrivelmente bravo fra da ba-
hia. As tempestades nos langariam logo sobre al-
gara ponto da costa, onde poderiamos ser muito
mai recebidos, e minha sobrinba Maria nao deve
expor-se a semelhante perigo. Quando vierem das
mais felizes, e Dos se compadecer da Franca, ver-
se-ha o que cumpre fazer; mas presentemente, em
nada melhor devenios pensar do que em pescar,
pols que somos pescadores, e em viver tranquillos
neste paiz.
Fallastes ptimamente, Kernan, accrescenton
o cavaiieiro.
Muilo bem, mea bom Kernan, responden o
conde; portanto safbamos resignar-nos com aqnillo
que o co nos concede.
Meus amigos, disse entao a donzella, se mea
tio Kernan fallou, devemos ouvi-lo, porque bomi
conselheiro; elle sabe bem que eu nao recuaria
avista dos perigos do mar; mas j qae ama via-
gem ihe parece Impraticavel, preciso considerar-
mo-nos como ebegados ao porto e esperarmos -. nao
somos ricos, pois bem trabalbemos, e quanto a mim
quero concorrer com o meu fraco contingente para
a commuoidade.
Oh I madamoasella, exclamou vivamente o
cavaiieiro, o nosso offlcio. doro; nao rostas cria-
da como as omitieres e filhas dos pescadores; nao
podemos expor-nos a semelhantes fadigas. De-
ntis, nos. ganharemos para vos o pao quoti-
diano.
Porque, senhor Henriqae, responden a don-
zella, se posso empregar-me era um trabalho qne
nao superior as minhas torgas? Ser nm prazer
e nma consolagao para mim. Nao posse cozer ou
engommar ?
Como isso, exclamou Kernan, mas minha
sobrinba Maria trabalha como ama fada, e via-a
bordar frontaes para a igreja de Palud, dos qaaes
Sant'Anna devia flear orgulhosa I
Ah / meu tio Kernan, respondeu Maria com
tristeza, ao presente, nao se trata de frontaes ou or-
namentos de igreja I Mas ha outras obras mais
baixas, mais lucrativas I...
Juro-vos qae percebo poaco disso, disse Hen-
rique, que nao quera qae a donzella se empregas-
se em trabalho manual; assegura-vos que nao
acharis nada a azer no paiz.
salvo se quizerdes cozer camisas grossas de
pescadores, ou dos Azues de Quimper, disse Loc-
maill.
Oh I
Aceito de boa vontade, disse Maria.
Mademoasella I esclamou o cavaiieiro.
E porque nao ? disse Kernan, afflrmo-vos qae
minha sobrinba se sahir maravillosamente.
Siro, accrescentou o bom homem, porm a 5
sidos a pega I
E' bellissirao, cinco sidos a pega, excla-
mou Kernan ; assim,-minha sobrinha, sers fan-
queira I
Era o offlcio de madamoasellas de Sapinaud
e de La Lezardiere depois de sua faga de Mans,
responden a donzella, e posso muito bem fazer co-
mo ellas.
Nao ha duvida. Locmaill procurar-te-ha obra.
Est entendido.
E agora, Maria, agora, nosso amo, descangai
A Iiberdade da Polonia fra o sea ideal, a nica
inspirago ; ella sempre que apparece as ma-
ravilhas com que enriqueceu a litleratura polaca,
nos Psalmos do Futuro, no Iniion, na Comedia
Infernal e na Tentaqao, a que anda ligado este fac-
i que narramos.
<*0t*
pois via-a cahir transida de fri e cangasso ; esgo- l poeta, porque a nica pessoa que me resta no
tara o ultimo esforgo. mundo, e s rae prende a vida o juramento que flz
Quizeram dena-la sepultada entre o gelo. | de immola-la no altar da patria.--Kart.
A noite vnha a fethar-se asperrima, atroz ; eu I o poeta anonymoda Po'.onia produzio com os seos
nao podia sequer lembrar-me que o corpo da mi- poemas o mesmo que Mickiwich, o autor do Ban-
nha amada ia ser em breve pasto dos abutres. Es.! pufe de Wolenwod. S depois de morto que se
tava j tambera sem torgas. Ped para leva-la aos ^^q 0 sea nomei era 0 conde Sigismundo de
meas hombros. Kransnski.
Ej-a a loucura e egoismo do amor, que fazia
cora que a conduzisse, para sentir ainda agonas
mais violentas que a raorte.
Oh I antes me deixasses sepultada na solido
dos steppes, exposta s apas nocturnas, do que ver-
mo-nos ahora sepultados para sempre I dlsso-me
ella a abragar-me phrenetica, louca, quando nos
separaram, mal que chegamos s minas da Si-
beria.
Os meus companheiros de infortuneo, nao os tor-
nare! mais a ver; Hedwige foi condemnada ao
trabalho das minas de mercurio, muito longe. Nao
soube mais delta.
A mim ; enliarara-rae um capote de feltro e des-
ceram-me por uma corda pelas gargantas da trra,
por um boqueiro escuro ; medida que ia bai-
xando, ia sentindo vozes confusas, ruido de en-
chadas
Entao vi na obscuridade profunda da luz baga e
mortiga das lampadas de seguranga, e uma mulli-
dlo de homens, escaveirados, magros; era uma
cidade demumias.
Era aquella a minha habitago para doze annos
de existencia.
Admirava-me de ver all criangas, fllhos dos des-
gragados obreiros, rachiticos, enfezados, nao co-
nheciam a luz do mundo, a vida resumia-se no tra-
balho insano.
As dores que supportava, haviara-me embotado
o sentimento, tinba a impassibilidade do idiotismo,
a mudez do assombro.
A's vezes uma lerabranga longinqua de Hedwige
e de minha mi, a quem nao pude dizer ao menos
o extremo adeus, me davam a consciencia de que
ainda vivia; mas nao podia alliviar-me com as la-
grimas.
Os que me viam, nunca se atreveram a perguntar
o meu crime.
Nao sei que esperanga me prenda vida, para
que me nao despedagasse contra as rochas, que ia
arrancando.
Estava j acostumado obsenridade.
Um dia coraegou a lembranga de Hedwige a oc-
cupar-me a imaginago
Seria uma saudade viva? algum presentimento ?
Lembrar-se-bia ella tambem de mim nesse ins-
tante ?
Era impossivel torna-la a ver.
Um guarda nacional chamado diante de conse-
Iho de disciplina, o presidente pergnntou-Ihe :
Porque razao nao comparece o senhor para
montar uarda, quando para isto avisado?
Porque nao estou fardado, responde o guarda.
E porque nao se farda ?
Porque minhas posses nao me permittem.
Nao possivel, visto que o senhor mora em
nma bonita casa que nao pode custar menos de
tresentos a quatrocentos mil ris de aluguel e isto
faz supr de sua parte alguma abastanga.
E' verdade, Sr. presidente, mas eu nao pago
nunca o aluguel das casas em que moro, V. S. pode
nformar-se dos proprietarios.
Ah ealao bem difireme.
E' do Sr. X. esta poesia :
MINHA MAL
Minha mai, na flor da infancia
Para o cu eu sempre olhava
Mas por que me revelava
Um aujo a tua misso I...
E com elle eu me abracava
No meu bergo e Ihe offerlava
Risos d'alma e coragao l
Tua mai diza elle
a E' maravilha celeste ;
Candura de lyrio veste
t Nos seios da alma feliz ;
t E' do esposo metade
1 Que era suprema ebriedade
c Elle abenga e bem diz.
< Tua mi, do jardim da vida
t E' a flor uiais recendente,
t Vigosa pura innocente,
1 E' de mais explendido brilho ;
Assim resume a poe
Quando doce pronuncia,
c Quanto te adoro meu fllho I
t Se o coragao se dilata
c Quando um sorriso divino
Abre o boto matutino
c Dos labios do seu amor I...
c Ella acolhe o doce riso
t Com mil beijos... Indeciso
a Comteraplando o seu penhor I
t Uma mai, v no seu filho
t Doces sonhos do passado,
O seu futuro adorado
c Do templo do coragao !...
a Chega da ventura ao cimo
1 No amor de seu caro mimo
1 Vindo da etherea manso I...
o resto do dia ; vou visitar o barco com M. Henri-
que, e amanhaa, iremos ao mar.
Dito isto, Henrique e Kernan sahiram; Locmail-
l foi correr a aldea, e a donzella, ficando com seu
pai, poz-se a arromar a casa.
O cavaiieiro e Kernan, chegando ao pico de Guet
acharam o barco em perfeito estado; elle tinha
duas grandes vetas vermelhas, e era construido
para resistir as borrascas do mar.
Aili, alguns pescadores, oceupados em concertar
as suas redes, vieram conversar por conversar e
Kernan responden as suas perguntas como mari-
nheiro perito ; deu sea parecer acerca de uma pe-
quena nuvem negra que nao era de bom agouro, e
todavia fez preparativos de vlagem como hornera
entendido. Com effeito, na manha segninte, elle
embarcou-se com o cavaiieiro, por quem sentia
muita affelgo.
Na verdade, este joven era um bom e excedente
coragao; tinha encarado com coragem a situagao
terrivel que a revologao creara as pessoas do seu
nascimento e idade; posto que apenas contasso
viole e cinco annos, oscontecimentos amadurece-
rara singularmente o sen espirito no meio dessa
albmosphera que abrasava a Franga. Depois de
perdido tudo, sem familia, s, parecia natural qne
Henrique de Tregolan empregasse toda a sua af-
feigo e dedicaco no conde e sua filfaa. Kernan
muito bem o conhecia e desde j entrevia, para o
futuro, cortos arunjos que nao Ibe desagradavam;
ao contrario.
Alm do sangue fri sobrehumano qne o joven
Tregelan mostrou, salvando- Madamoasella de
Chanteieine, alm da corfeem que desenvolva no
sen offlcio de pescador, Kernan reconheeen nelle
sagacidade, prudencia e resolugao. Era nm ho-
mem em toda a accepgao da paiavra, isto um
apo'io certo que nao se devia despresar nessa poca
de transtomo social.
Quando Kernan amava algaem, araava-o muito,
e tornava patente o qae sentia; muitas vezes, for-
mnlou dianle do conde a sna opinio bem decidida
acerca de Henrique, e nao esperava que Mana es-
tivesse ausente para dize-la.
Alguns dias depois da sua chegada a Douarne-
nez, o proprio conde quiz ajudar os companheiros
no seu penoso trabalho ; embarcou-se com elles;
eslava sempre triste, mas os incidentes da pesca
iraziam uma feliz diverso s snas ideas. Aigumas
jornadas eram boas, porm de cinco a oito dias, o
mo tempo impedia a sahida dos barcos.
O peixe vendia-se na praga a atravessadores
que o enviavara a Quimper ou Brest; tambem con-
suraia-se em casa. Em sumroa, oque a pesca ren-
da e alguns sidos gaobos pela donzella em suas
costuras baslavam para fazerem viver esta pouca
gente, que se considerava quasi feliz na sua mi-
seria.
Kernan nao qneria quera que se tocasse no
dinheiro do conde ; as circunstancias podiam tor-
narse graves, e era preciso gnarda-lo como um
thesouro precioso, para o cso em qae fosse neces-
sario ou possivel deixar o pait.
Quanto elle, se jamis se visse na obrigago de
rugir da Bretanha, fa-lo-hia, nao abandonara seu
amo; mas seguramente, voltaria a satisfazer cer-
ta vinganca que nlo Ihe sabia do pensamento. S
gnardava silencio acerca disto, e nao fazia a me-
nor allnso a Karval.
Dorante a pesca, arranjavam-se sempre de ma-
neira, qae a donzella nao flseasse s, e ou sen pai,
A cmara dos depulados da Bavlera votou em 36
de abril a aboligo dos direitos sobre a eerveja, e
de supr que o senado faga qutro tanto.
Os bavaros nunca perturbaram o soeego publico
seno quando havia alta no prego da eerveja.
Os bavaros podem passar sem circo e sem Do,
mas nao querem pagar demasiado cara a sua bebi-
ba favorita.
t por isso que hoje esto contentes e querem
celebrar com um festejo publico a franqua do
lpulo.
Em Franga est ocenpando-se ura tribunal de
justiga de um caso mui curioso.
As abelhas, to intelligentes e laboriosas, leem
um instincto maravilhoso para se apoderaren! do
alheio.
Se se trata de assucar em pedra, que nao podem
atacar nem com o seu ferro nem cora as suas
mandbulas, enchem o estomago d'agua no primei-
ro sitio onde se acham, e vam rpidamente para
vert-la sobre a montanha de assucar, e fazer com
que se derrota, para leva-lo em seguida s suas
clmeos.
Para levar a cabo esta operago, necessita de
pouco tempo um enxame regular de dezbito a vnte
rail abelhas.
Os donos das fabricas de refinaco de assucar
que se veem despojados do sen producto, pedera'
que os don s das colraeas as levem para longe dos
estabelecimentos.
Alera disso preteudem torna-Ios responsaveis
pelos prejuizos que Ihes cusam, dos pies de assu-
car avanados ou desapparecidos.
Os proprietarios das colraeas allegam que a sua
industria livre, e que nao podem transporta-las
para o meio dos campos.
A justiga ter de resolver este negocio.
Acaba de descobrir-se na America do Norte, as
margens do Lago Superior, que fica em frente do
Canad, a 70 metros de ura lugar chamado o Salto
de Mana, urna verdadeira montanha de ferro, da
altura de 200 metros e de 12 a 13 kilmetros de
exieoso.
Conlm na superficie 60 p. c. de metal de uma
rara pureza.
Se isto assim a 4 ou o metros do solo, que far
quando a explorago descer aos jazigos inferiores,
visto qne segundo as nogoes mais provadas da mi-
neraloga, a pureza e riqueza do forro augmenlam
a medida que o veio penetra mais profundamente
na ierra ?
ou o bom homem Locmaill, havia sempre alguera
junto della.
Alm de que, a chegada de gente nova ao paiz
nao tinha sorprendido a ninguem ; de nenhum
modo Incommodava a sua presenga ; erara aceilos
como prenles do bom homem Locmaill, e como
eram muito servigaes, foram aflnal queridos de to-
dos. Demais, linham poacas coraraunlcacoes cora
os de fra, e os ruido. da revolugo vinham expi-
rar na porta de sua cabana.
No 1 de janeiro de 1794, Henrique veio procu-
rar a donzolla em presenga de seu pai e de Ker-
nan, e offereceu-lhe um annel, como pfesente de
auno novo.
Aceitai, mademoasella, disse elle com voz
commovida ; mea coragao qaem vos d este
annel.
Ah I Sr. Henrique, murmurou Mara.
Ella parou, olhon para sea pai e Kernan, tan-
gou-se nos seus bragos lavando-es com suas lagri-
mas ; depois vollou para junto do cavaiieiro.
Henriqae, disse ella apresentando-lhe tmida-
mente a face, nao tenho outro presente a dar-vos.
O joven tocn de leve com seos labios face
fresca da donzella, e sendo qae seu coragao balia a
querer saltar do peito.
Kernan sorria, e o conde confunda involuntaria-
raente no seu pensamento os nomes de Henrique
de Tregolan e de Maria de Chanteieine.
fContinuarse-ha.)
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. & FILMO
ILEGIVEL
-.



<
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETHLLKE3T_X27S7A INGEST_TIME 2013-08-28T01:48:49Z PACKAGE AA00011611_10691
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES