Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10686


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
..
AMO lll NUMERO 129
Por quartel pago dentro de 10 das do 1. mez r r .
Mein epois dos l. 10 dias do comecoe dentro do quartel. .
Porte ao correio por tres mezes............:
51000
6J000
7S0
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. debemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivetra ; Maranhao, o Sr. Joaqulm Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filaos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Oias; Babia, o
Sr. Jos Mirtins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
TERCA FEIRA 6 DE JNH0 DE 186S.
Por anno pago dentro de 10 dias do l. mez ,,,.,.. 191000
Porte ao correio por nm anuo........... ? 3 J000
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias."
Iguarass e Goyaona as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho Aguas Bellas e Tacaral, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
bora da urde.
Serinhaem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agna Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JNHO.
1 Quarto cresc. as 6 h., 1 m. e 58 s. da m.
9 La cbeia as 7 h., 21 m. e 16 s. da m
16 Quarto ming. as 4 h., 33 m. e 28 s. da m.
23 La nova as 5 h., 37 m. e 31 s. da m.
30 Quarto cresc. as 11 b., 20 m. e 51 s. da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julzb do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do c vil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
3. Segunda. S. Parifico f.; S. Nicacio m.
6. Terca. S. Norlrerlo b.; S. Eustorgio b.
7. Quarta. S. Roberto ab.; S. Licanao diac. m.
8. Quinta. S. Maximianoab.; S. Gildardo b.
9. Sexta. S. Pelagia v.; S. Feliciano m.
10. Sabbado. S. Margarida rainha; S. Getulio.
11. Domingo. Ss. Flix e For'unato irs. mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primira as 2 horas e 6 m. da larde |
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Pare o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, mato,
julho, setembro e novembro.
"N*
ASSIGNA-SE
noRecife, nalivraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figneiroa de
Faria & Filho.
PAUTE OFFICIAL
MINISTERIO A GVERBRA
DECRETOJN. 3,470 DE 22 DE MAIO DE 1856.
D nova organisago commissao de melhoramen-
los do material do exercito.
Art. I. A commissao de melhoramentos do ma-
terial do exercito, creada pelo decreto n. 663 de
24 de dezembro de 1849, d'ora em dianie sera
composta do director do arsenal de guerra da cor-
te, dos seus 2o e 3o ajudantes, de todos os chefes
das repartieres dependentes do mesmo arsenal, e
do director da fabrica da plvora.
Art. 2." Cuando reun r-se a commissao, ser seu
presidente o membro mais graduado em patente, e
em igualdade desta o mais antigo ; e servir de
secretario o menos graduado, e em igualdade de
graduaeo o mais moderno.
Art. 3." Os membros da commissao nao percebe-
rao outros vencimentos alm daquellcs a quetive-
rem direito pelos respectivos empregos.
Art. 4. Emquanto nao forem expedidas pelo mi-
nisterio da guerra instruccoes especiaes para o
desempanhodas funegoes da commissao e econo-
ma dos seus trabalhos, ser regida pelo regula-
memo que baixou com o referido decreto.
Art. o. O laboratorio do Campinho passa a ser
urna dependencia do arsenal de guerra da corte.
Art. 6." Ficam revogadas as disposicoes em con-
trario.
Angelo Moniz da Silva Ferraz, do meu conselho,
senador do imperio, ministro e secretario de esta-
do dos negocios da guerra, assim o tenha enten-
dido e faca executar.
S. me dirigi hoje sob n. 379, tenho a dizer que o
autoriso a despender sob minha responsabilidade
nos termos do decreto n. 2,884 do Io de fevereiro
de 1862 e por conta da verba Gratiflcagoes diver-
sas, ajuda de custo, etc., cujo crdito se acha ex-
tincto, a qnantia de 550j que se torna necessaria
para que essa thesonraria, segundo consta do sea
citado offlcio possa realisar o pagamento dos prets!
relativos a segunda quinzena do mez de maio ulti-
mo do 4o batalhao de arlilharia a p e da compa-
nhia de artfices.
Dito ao mesmo.Por nao haver crdito, segun-
do consta de seu offlcio de 26 de mio prxima
lindo, sob n. 363 a que respondo, mande V. S. pa-
gar sob minha responsabilidade nos termos do de-
creto n. 2,884 do Io de fevereiro de 1862, a quan-
lia de 45(3714, a que tem direito o ajudante do por-
teiro e tiel do almoxariFe do extincto hospital mi-
litar Manoel Pereira Camello Pessoa, proveniente
da gratilicago que venceu, a contar do Io de de-
zembro do anno prximo passado at 8 de fevereiro
ultimo, lempo em que esleve no gozo de licenca.
Dito ao mesmo Transmiti a V. S. os inclusos
documentos, alim de que, nao havendo inconve-
niente, mande pagar sob minha responsabilidade
nos termos do decreto ti. 2,881 'do*l de fevereiro
de 1862 a importancia dos vencimentos relativos a
segunda quinzena do nuz de maio ultimo da for-
ra da guarda nacional do 3o batalhao de infantaria
deste municipio chamada a destacamento para au-
xiliar a tropa de primira linha no servigo da guar-1
nicao da praga.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. de conformidade i
com a sua informago de 27 de maio ultimo, sob
n. 361 a mandar pagar a Jos Augusto de Araujo, |
arrematante da obra da collocacao dos trilhos de
ferro na alfandega desta capital, a quantia de 5 ~
n. 232 de 30 de dezembro de 1854, observando derem prestar servico activo, ficando osdemais ou
restrictamente por essa occasio o disposto no aviso na 2" classe ou reformados.
circular de 23 de outubro de 1861, remettido por
copia a esse juizo em 28 de novembro do mesmo
anno, do qual Ihe envi incluso nova copia, e apre-
sente-me copia do edital que ahi fot publicado para
ser reproduzido nesta capital.
Portarla.O presidente da provincia, ajtendendo
ao que requeren o brigadeiro Gaspar de Menezes
Vasconcellos de Drumraond, resolve abrir-trm cr-
dito supplementar na verbaEventuaespara
pagamento da quautia de 5:000,5000, que o mesmo
brigadeiro concordou com o procurador fiscal da the-
sonraria provincial receber como indemnisacao do
terreno de sua propriedade denominada-Engenho
Trapiehe-ocoupado pelo canal dejunego dos ros
Serinhaem, e Formoso e das perdas que soffreu
com a construego daquella obra.
Dita.Os senhores agentes da companhia brasi-
leira de paquetes, facam transportar para a corte,
por conta do ministerio da guerra, no vapor que
seguir para o sul a Joo Climaco Pereira de Azeve-
do, que se conlratou para servir no arsenal de
guerra daquella curte como operario serralheiro
de 1* classa.
Os offlciaes da 2* classe nao vencerao
para.promocao durante* guerra.
lempo
Fica o governo aatorisado a conferir, durante
a guerra, poptos de coawaissao.
t Sala das sessoes da cmara, em 24 de maio de
1863.Moreira -JUrao de Porte-Alegre.De La-
mare.
um s homem a menos urna partida, succedendo
islo sempre como tenho dito a V. S.
E' mister que comprehenda, Sr. general, que
Palacio do Rio de Janeiro, em 23 de maio de a que lem direito por haver feito o lageamento da
36, 44 da independencia e do imperio.Com a respectiva guarda-moria obra essa que nao se acha
1836. .
rubrica de S. M. o Imperador.Angelo Moniz da
Silva Ferraz.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do da 2 de j un lio de 1865.
CfficioaoExm presidente da provincia da Para-
hyba.-Pelo seu offlcio de 26 de mai prximo
findo, fiquei inteirado de haver V. Exc expedido
ordem para ser indemnisada a Ihesouraria de fa-
zenda desta provincia a quantia de 130300 rs.,
que mandei adiantar as duas pragas da guarda
nacional dessa capital Francisco Pedro de Alcn-
tara e Joo da Cruz do Nascimenlo. que d]ahi vie
ram escoltando um criminoso.Communicou-se a
Ihesouraria de fazenda.
DitoaoExm. presidente da provincia do Para.
Upportunamente vai ser transmitido ao envia-
do extraordinario e ministro plenipotenciario do
Brasil em Lisboa o offlcio que para ter csse desli-
no V. Exc. me envlou com o seu de 22 de maio
prximo findo.
Dito ao coronel commandante das armas.Sir-
va-se V. S. de informar acelf J guaquead a<.| i nyjp a portara de hoj pe' qual resolv _afcrir
UDl creditu aapylvi.iuiiUM- ni .WfTaac- il.j n-C
para pagamento de igual quantia, que o brigadeiro
cluso requerimento Jos Antonio Pereira Vinagre,
procedendo as precisas indagacoes.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar alis-
tar no 1 corpo (Je Voluntarios da Patria o Io sar-
gento da guarda nacional Gustavo Lustoza Qui-
naquina, permittindo-Ihe o uso das insignias de
2o cadete a que temdireilo.
Dito ao mesmo.D V. S. suas ordens, para que
o tenente-coronel commandante do 2o corpo de Vo-
luatarios da Patria, organise um pret dos venci-
mentos dos voluntarios Antonio Joaquim de Lo-
mos, Manoel Francisco Soaros e Marcolino Perei-
ra de Olivera, a contar de 26 de margo ultimo,
em que so alistaram no Altinho at o em queju-
raram bandeira, entregando a respectiva impor-
tancia ao bacharel Miguel Bernardo Vieira de
Amorim, procurador do subdelegado daquMIa fre-
guezia para indemnisacao da quantia de 105, acaba um dos mesmos voluntarios abonou o pret
dito subdelegado confirme declarou meem offlcio
de 17 de abril prximo findo.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de designar um
offlcial de confianca para ir a comarca de Flores
levar a respectiva"collectoria, alm da quantia de
1.500$ para pagamento das pracas do corpo de
guarnigo destacadas em Villa Bella e do destaca-
mento de guardas nacionaes do municipio daquel-
le nome, mas tambem a somma precisa para oc-
correr as despezas com o contingente de guardas
nacionaes que d'alli tiver de marchar para esta
capital com destino a guerra.
Dilo ao Dr. chefe de polica.Para que possa
ter lugar o pagamento das despezas feitas com o
sustento dos presos pobres da cadeia da villa do
Brejo desde dezembro do anno prximo passado at
feveiro ultimo, faz-se preciso, segundo declarou o
inspector da thesourana provincial em offlcio de
hontem, sob n. 222, que V. S. exija do delegado
daquelle termo, e remeta a secretaria do gover-
no a relaco dos presos recclhidos a predita ca-
deia nos mezes cima indicado?.
Dito ao inspector da thesourana de fazenda.
Recommendo a V. S. que, se nao houver mconve
comprehendida no seu contrato por se ter reconne- i
cido necessaria depois de feito este, segundo coos-
la de sua citada informago.
Dito ao mesmo.Ao tenente-coronel comman-
dante do 2o corpo de voluntarios da patria, mande
V. S. pagar em presenga do pret, que Ihe ser (
apresentado a importancia dos vencimentos que
compelem sos voluntarios Antonio Joaquim de Le-'
mos, Manool Francisco Soares e Marcolino Perei-
ra de Oliveira, a contar de 26 de margo em que se .
alistaram no Altinho at o em que jraram bau-|
deira.
Dito ao mesmo. ?oo minha responsabilidade'
nos termos do decreto n. 2884 do primeiro de fe-
vereiro de 1862, mande V. S. pagar opporlunameu- i
te como pede no incluso reqnerimanto o Dr. Er-
nesto Feliciano da Silva Tavares, segundo cirur
gio do crpo de sade do exercito, a Importancia ;
do saldo de sua patente e relativo ao mezes de maio
e juoho deste anno, por elle consignado a sua fa-
milia nesia provincia, visto nao haver crdito para
esse pagamento.
Dito ao inspector da Ihesouraria provincial.
Transmiti a V. S. para seu conhecimento, e exe-
IJTERI9R.
RIO DE JANEIRO
25 de ma A cmara dos deputados approvou hontem em 3a
discussao, sem debate, o projeclo que lixa a forga
naval para o anno financeiro de 1866 a 1867, buru
como os seguintes artigos additivos :
c O governo autorisado :
c Artigo. A alterar a organisago do batalhao
naval, transformando mais algunus companhias de |
fuzileiros em nutras de artilhelros.
Artigo. A rever o regulamento do corpo de of-
fiemes de fazenda da armada, reduzindo s classes!
de commissarios e escrives a urna nica, sem
augmentar a despeza.
Arligo. A preencher por morecimento, duran-
te a guerra, todas as vagas nos corpos da armada
e classes annexas, dispensando as regras estabe-
lecidas na legislago de marinha, nos casos e pela
forma prescripta no Io art 17 do regulamento de
31 de margo de 1831, para execugo da lei n. 585
6 de setembro de 1850.
Expedio-se ojrfboseguinto :
S. M. o Imperador, a quen fot presente a repre-
sentago djcnmefflada do inspector da ihesouraria
de fazenda dessa prosincia, remettida pressa pre-
sidencia ao ministerio da fazenda em 17 de maio do
anno passado, contra o juiz especial do commercio,
por haver infringido as dsposices do regulamen-
to do Io de dezembro de 1845 acerca dos depsitos
de dinheiro, joias* papis de crdito, houve por
bem mandar.declarar que, em vista do Io do art.
526 do regulamento n. 737 de 25 de novembro de
1830, fra de duvida que, sendo o objecto do de-
posito dinheiro, ouro, prata, pedras preciosas ou
papis de crdito, s pode ser recolhido ao deposi-
to geral onde no-bou^pt^mblici).
Esta doutrina foi rcomfcida pelo aviso n. 6 de
15 de janro de 1846, quir jclarou manifesta-
mentn abusiva e Ilegal a prn^fca de se fazerem de-
psitos judlciaes de moea, joias de oqro, prata,
diamantes e ttulos de divida, fra dos cofres de
deposito publico ; porlanto, a estes deve ser reco-
lhido o dinheiro proveniente da arremalago do
predio penborado, visto como nao se trata mais de
psitos de beus de raz, mas sim de moeda.
Dos guarde a V. ExcJos Thomaz Nabuco de
Araujo.Sr. presidente da provincia de Pernam-
buco.
Era presenca de um escolhido numero de convi-
dados experimentou-si; hontem em nossas aguas a
marcha do vapor inglez Flainengot< que sao con-
signatarios os Srs. Fhipps, lrmaos & C.
Foi um bello passeio. De Santa Cruz a ilha Ra-
za gasluu o vapor com mar e vento contra 1|2 ho
ra, fazendo na volta o mesmo. trajecto
nulos. Venflcou-sc que cala
16 a 17 milhas por hora.
Defronte da liba Raza foi servido um mimoso e
profuso lunck aos convidados, ;esmerando-se em
obsequia-los o commandante do flamengo e o Sr.
Alien socio da firma Phlpps, lrmaos & C,
26 -
nada pude fazer com a columna sob meu comman
do, pela razao exposta, pois, repito, que aquella
marcha toda junta, pelejando com as tres armas,
sem destacar nenhuma partida. Apezar disto, po-
rm, amanha codo marcharei outra vez sobre o
inimlgo, tend- julgado conveniente regressar at
leste ponto paia descancar e carnear, como hei
feito.
O inimigo psson o Peguahe deteve-se, sendo
provavel que nao saia hoje d'alli pois nao creio de n
que pretenda ir alm, tanto mais que piles mesmos
repetera que van todos reuuir-se no Reachuelo e
all esperar a batalha.
A divisao de Goya vem apiz a minha e ia me
entendo com o seu ciefe.
Acabo de saber que o gro^so do inimigo est
ha tres dias eslendido em linha de um a oulro
Sombrero, achando-se sobre o Smbrenlo a van-
iNossas forgas apenas constam de 1,200 mal
armados, e que pdenlo lazer contra 12.000 horoens
auo o numera que se calcula tero os para-
guayos I K
As tropa* brasileiras vindas de Montevideo esta-
vam acampadas em S. Francisco, cima de Paysan-
au. A esle respeito escrevem ao Siglio :
' sior5as brasileiras permanecem acampadas
em S. Francisco, e hoje passou por Paysand um
vapor braslleiro, e alguns dizem dous carregado do
gente para a mesmo acampamento, que nos dizem
'areeer una povoagao. Hi all maltas carocas
ocie e at vai dar la' alguraas representa-
goes urna companhia de prestidigitadores. Nada
I Ibes faltar para se entreterem.
Um italiano por nome Caetano Pezzi offereceu-se
-fv?'iVern ar8''Qliao Pa" organisar urna legio de
ao dos seus patricios para guarnig-lo da cidade de
Buenos-Ayres.
I As folhas denunciam que no Havre tinham em-
: ^a.r^a_do. riquissimos trastes e preciosas alfaias para
Sm %!S"^l&ZLM^K U3S? *'- 1- ^ -astruidb na
tent Fernandos Sombrero cima, e que est com- jin pLii, nmnu >..
ixo staao uriental proseguiam os preparativos
para a campaoha do Paraguay. Nomeavam se
migo.
guerra c marinha |
da manhaa. Sr. ministro da
D. Juio A. Geilv v Obes.Meu caro amigo.Acho- v-i me a bordo da esquadra hrasileira embarcado com occasiaV u 5 g P
os batalhes; a arlilharia, as pegas, etc., etc., na
escuna Nueva Tereza, que torne) a fretar, alim de
nao deixar nada atraz.
Quando cheguei, o inimigo em numero de
3,0 0 homens das Ires armas, conforme alguns
dias depois se pode averiguar, oceupava o Empe-
drado como Vine, ver pela minha corresponden-
cia offlcial, c para nao repetir, porque me falta o
leirpo, accrescenlarei nicamente que o inimigo
retirou se do Riachuelo aute-hontem ao meio dia,
indo em sete vapores, que subiram rio cima urna
parte da forca e o resto por trra.
O general Cceres tem ha dias ordem de hos-
de o oe seiemnro oe ioou. amammaam I S. M. o Imperador, acompanhado dos seus- sema
Artigo. Os aspirantes que forera reprovados: narios e dos Sr. raiulslrosKda marD|)a e da guer
emqualquer das materias do curso da escoU de ra iuspect0|. do arsena, dt marinha ch(
marinha e os que perderem algum dos annos do d|strj(.t^ encarregado do quarte
me.mo curso, em vlrtude do disposto no Io do ^.roi,* ,rmi,o n,n;i5. h.> .,
art. 41 do regulamento que baixou com o decreto
n. 2,163 do i" de maio de 1858, podero repetir as Je arseual) ^ dngio.se- as corvetas mperlal ^
lilisar activamente o inimigo,e o lem feito,a ponto
em 29 mi-1 de se ter dado ante-hontem entre o coronel Alsina
8 pos d'agua e anda e os Paraguayos o encontr mais singular nos an-
\ naes da guerra americana, pois com 800 homens
de cavallaria fez frente a urna forga de 5,000 ho-
mens das tres armas, que respondia com a artilha-
i lia aos tiros dos uossos guerrilhas de cavallaria,
! sem destacar urna s guerrilha era de infantaria,
! j que nao se resolve a receber com a sua a nossa
! cavallaria.
Como nao tenho certeza de que esta corres-
' pondencia cheguc opportunamente a mo de Vmc,
i -general, accrescenlarei sement que sigo com a esquadra
porto, em- ale Corrientes, resolvido a ludo, sn o inimigo
barcou hontem, s 8 i horas'da mannaa, naquel- nos esperar, e a persegui-lo quanto fr possivel.
* De Vmc. affecluosissimo amigo. W. i'aunero.
brigue barca Itamaiac, que Depois da minha chegada nada me consta de-
horas para Santa Calharina baixo.
Bella Vista. 12 de maio de 1865. Amigo Va-
relia.Antes de urna hora largamos para Corrien-
tes na esquadra com a nossa forga, pois acabamos
de saber que o inimigo se relira precipitadamente
nluiroa ua'enice e
partirm as 10 lf2
com 6D0 pragas, segundo noticiamos.
Depois 4e>.ssisiir ao embarque dos diversos con-
tingejuc a spida daquclles navios que foram re-
Gaspar de Menezes Vasconcellos de Drumraond
concordou receber como indemnisago do terreno
de sua propriedade denominadoengenho Trapi-
che oceupado pelo canal de junegao dos Rios Se-
rinhaem e Formoso, e das perdas que soffreu com
a construego d'aquella obra, devendo nessa occa-
sio ser descontado um cont de ris por elle offe-
recido para auxilio das despezas com a guerra, o
qual ser entregue na thesourana de fazenda para
ter a conveniente applicago.
Dilo ao direct r do novo banco.Tendo os ha-
bitantes da freguezia de S. Vicente da comarca de
Nazareth desta provincia, subscripto para a funda-
gao do asylo para os desvalidos da patria na cap- j
tal do imperio a quantia de 1:12200', e sendo
conveniente quo emquanto nao fr remettido ao
seu deslino o producto da subscnpgao que para
aquello fim se vai promover nesta provincia,- seja
aquella quantia depositada em algum estabeleci-
mento de crdito, sirva-se V. S. de a receber do
portador, e conserva-la a juros a disposigo desta
presidencia.
Dilo ao commandante do presidio de Fernando.
Para que o governo imperial possa resolver
acerca do abono por V. S. pedido dos vencimentos
de engenheiro em commissao activa, faz-se preci-
so que, de conformidade com o aviso expedido pelo
ministerio da guerra, em 20 de maio ultimo, me
informe se nesse presidio ha servigo de engeuha-
na que por V. S. possa ser accumulado na quali-
dade de commandante do mesmo presidio, que
classilicado fortaleza de primira ordem.
Dito ao coronel Jos de Carvalho de Araujo Ca-
valcante.A offlcio de V. S. de 6 de malo ultimo,
respondo dizendo-lhe que, segundo a opinio do
coronel commandante das armas, expressa em offl-
cio de hontem datado, sob n. 958, nos conselhos de
habilitagao para cadetes, a carta de perlilhago
suppri a ceriido de baptismo, podendo conseguin-
temente o filho de V. S. Julio Cesar de Carvalho
Araujo, servir n* corpo de Voluntarios da Patria,
raesmas materias ou annos como alumnos externos
e ser de novo admittidos aointernato se obtiverem
approvago plena e forem menor de 18 annos.
Artigo. Os alumnos externos que forem ap-
provados plenamente nos tres annos do curso, u-
vetem feito os respectivos xercicios praticq^.* 'K^S^''^ili^-~^4nrtaiWt'MVam~vmimr
hoayerem-MODP^U* uum w..l|W,w..y,,Tft ^&l^r4nfeKron^r. Z S per te, ^
derao ser admittidos ao servigo da armada como ajnon C a.mnrtelamento do I5om-Je'u< e re- Nao sabemos onoTT'Sera o aescmtrarqtrej guardas-marinhas, urna vez que satisfagam as con- ressou ao arSeual a i j.j hora da tarde" retiran- pende do porto em que alcangarraos o inimigo.
digdes estabelecidas para admissaaos alumnos m- ^.^ |0O0 Bella Vista, 12 de maio de 1863.Sr. D. Jouo
temos, e nao tenham do idade mais de 21 amaos. "* "---------------~y?--------_____ I Jos Mendes.Meu prezado amigo, escrevo-lhe
Pago da cmara dos deputados, 23 de maio de .
1895.-De Lamare.-Barao de Porto-Alegre.-Mo- -? Por carta imperial do 23 do corrente mez,
hiente, mande sobrestar al deciso do governo; na cathegoria de ^ cadete, bastando para isso que
imperial como pede no incluso requerimento o te-: ao requerimento de habilitagao junte elle a carta
nenie-coronel commandante do 2o corpo de Volun-1 de perfilhiagao, e a certido ou original da patente
tarios da Patria Apolinio Peres Campello Jacome de V. S.
Dito ao inspector do arsenal de marinha. lufor-
me V. S. se existe alguma vaga na companhia de
da Gama, no descont
pela quinta parte dos
a que se est procedendo
vencimentos daquelle offl
cial para reposigao da importancia, que receben aprendizes artfices desse arsenal,
para nma cavalgadura como major de estado-i Dito ao mesmo.Mande V. S. por a disposigo
inaior de Ia classe e cujo direito foi contestado pe-! do coronel director das obras militares logo que
la contadoria geral da guerra.Communicou-se requisitar um dos esraleres empregados no servigo .
ao coronel commandante das armas. i desse arsenal, afim de que possa elle desempenhar
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicilou o a commissao de que se acha Incumbido.Coramu-
coronel-commandante das armas era offlcio de nicou-se ao director das obras militares.
rejra naturasado cidalo brasileiro o subdito porluguez
Approvou depois um requerimento de adiamen- ^o de Souza Pauperio. _______
to por 48 hora?, otferecido pelo Sr. Martina Fran- -.-=ai>( -
cisco ao projecto que autorisa o governo a fundar Por decreto de 18 do correle foi nomoadoocon-
ires colonias militares as margens do Uruguay. selheiro Francisco Jos Furtado membro da com-
Approvou igualmente outro requerimento de niisso encarregada de examinar o projecto do
adiamento, otferecido pelo Sr. liona de Araujo ao cdigo civil do imperio, redigido pelo bacharel
projecto que reslabelece pela serra dos Piles a di- Augusto Teixeira de Freitas.
visa da provincia de Minas-Geraes com a do Espi- 27
rito-Santo na parte comprehendida entre os muni- Entrou hontem do Rio da Prata o vapor n-
cipios de S Paulo doMuriah e do Iiapemirim. glez Gulilo da linha de Liverpool com datas de
Approvou em l1 discussao o projecto determinan- Buenos-Ayres al 18 e Montevideo 20 do cor-
do que os offlciaes e praga da guarda nacional, fe- rente,
ridos ou inutilisados em acto de servigo, tenham Em Corrientes do lado da capital principiavam
as mesmas remuneracoes qu-3 os offlciaes e pragas os Paraguayos a retirar-se, embarcando apressada-
de pret do exercito. mente as forgas que tinham no Riachuelo e se-
Approvou finalmente, tambera em Ia discussao guindo rio cima. Sobre esl" successo publica-
depois de algumas observagoes do Sr. Silva Perei- ram-se as seguintes partes offlciaes das quaes se
ra, o projecto que aulorisa o governo a mandar depreliende tambem qual era ltimamente a posi-
abonar a D. Joaquina Veridiana de Frias e Vas- gao da 3.a divisao da nossa esquadra s ordens do
concellos o meio sido do seu finado pai. capitao de mar o guerra Gomensoro.
Foi apresentado o seguinte parecer : I Quartel-general, Empedrado II de maio de
A conuussao de marinha e guerra,examinando 186.3, s 7 1)2 horas da noite.Exra. Sr. governa-
a proposta ao governo para a fixago dawforgas de dor D. Manuel I. Lagraa. Meu distincto amigo.
trra no anno financeiro de 1866 a 1867, entende Neste momento fundeou um navio sahido ha tres
que ella deve ser convertida em projeclo de lei dias da capital e demorado no Riachuelo onde es-
coma emenda e os additivos que a commissao of- lava a esquadra paraguaya. O patrio chamase
ferece. Agostinho Piay.
A assembla geral decreta: i Hoje ao meio dia a esquadra composta de sete
Art. 1." As forgas de trra para o anno finan- vapores que se achava no Riachuelo levantou an-
ceiro de 1866 a 1867, alm dos offlciaes dos diffe- cora precipitadamente e subi rio cima, receben-
rentes corpos do exercito, na forma da legislago do alguns soldado que haviam litado em trra,
permaneute e em vigor, nao podero exceder em Do mesmo modo desappareceram como fumo todas
circumstancias ordinarias a 18,000 pragas de pret, as forgas que se achavam em trra.
e eaextraordinarias a 60,000, podendo o governo, E' necessario que V Exc. mande-me por ter-
se julgar conveniente ao servigo publico, extinguir ra e poncargueiros todas as munig** que tiver
os corpos da guarnigo e augmentar o numero dos disponiveis, e igualmente desejma que roan-
moveis, dando a estes uaV nova organisago. dasse espingardas para a infantaria que aqui
t Art. 2." Continuam em vigor asdisposigoes dos fjfcste.
aris. 1 e 6 da lei n 1,220 de 20 de julho de 1861 J Esta madrugada sigo em perseguigao do in-
e do art. 7o da lei n. 1,163 de 31 de julho de 1862, time invasor, que j foge espavorido teniendo
. esta com o p no estribo para o Empedrado
Por urna parlicipago do general Cceros, cu-
jo original remello ao Sr. presidente, sei que os
Paraguayos acampados no rincao do Riachuelo La-
graa e.-"tavam embarcando em sete vapores e se-
guiam rio cima.
t Creio que duas causas tero icduzido aquelles
barbaros a este passo, primeiro, um forte tiroteio
que liveram com o coronel Alsina, e em que para
resistir a 800 homens liveram de mover quasi
lodo o exerciiodas tres aunas; segundo, a noticia
que Ihcs daria um vapor inglez que passou para
cima, de estareni embarcando nos navios brasilei-
o 2. o a legio mili-
No dia 17 e general Flores proclamou em Monte-
"-i allianca, '
um banquete popular a perto de 5,000
pessoas.
Sem rodeio de etiqueta o general Flores metteu-
se entre o povo frateroisando com elle, e dirigio-
Ihe esta proclamago :
Orientaes I Sao notorios os malos que a inge-
rencia do Paraguay causou ao nosso paiz, na guer-
ra que tenninou a 20 de fevereiro.
c Fomos o pretexto de que se valeu aquelle
governo para por era pratica seus planos ambi-
ciosas.
Consequente com a poltica fallaz e egosta du
que faz osientagao, abalou elle profundamente a
paz destes paizes, declarando a guerra ao Brasil e
repblica argentina.
O Paraguay o ultimo refugio dos inimigos da
liberdade e do progresso sul-americano.
i All geme na escravdao um povo irmo ; all
estao as esperangas do predominio e do barbarisrao
com que nos ameagara seus oppressores.
Orieniaes I A rendigo do Paraguay debaixo
da base de respeito a' sua integridade e indepen-
dencia, foi estipulada na nossa allianga com o Bra-
sil e a repblica Argentina.
Nos outros, que tao zelosos temos sido da nos-
sa soberana, jamis alternaremos contra a de ne-
nhum povo irraao. Alliarao-nos ao Brasil, para
castigar o crime e derrubar a lyrannia na nossa
patria ; e agora em unio cora a repblica Argen-
tina, tomamos as armas para salvar o Paraguay dos
seus oppressores.
t Orientaes I O sacrificio que vos pego em do-
me dos grandes interesses da patria sera' compen-
sado com a prosperilade e a gloria.' Vamos aprip
um grande campo ao commercio e navegago'do
mundo inteiro, e nossa bandeira tremulara' triura-
.jjliau:,; uj paUcio do tyranno da AssumpcSu, como
ireiimluu em Caseros.
Ento como agora, (vemos por alliados a Bra-
sileiros e Argentinos; agora como entao derrama-
remos nosso sangue para derrubar a tyrannia. Ha-
bitantes da repblica Confiai no nosso ultimo es-
forgo.
t Tende fe nos nossos sacrificios para arraigar
ipuet prosperidade da patria de vossos lilhos.
Ortentaes, as armas I A paz, a liberdade e o
progresso vos esperara depois da victoria, que vos
promette vosso general e amigo.
t Viva a liberdade do Paraguay !
t Vivam os exercitos alliados I
Venancio Flores.
Montevideo, 10 de maio de 1863.
O decreto de pprovaco do tralado concebido
uestes termos precedidos de consideragoes serae-
ros dous batalhes de linha, o 2." e a legio rain- lnanles as da proc|amaca0 .
lar, e recelaran) ser balidos e tomados. 1 Arl j Approvam-se i
hontem, sob n. 932, recommendo a V. S. que visto
nao haver crdito para pagamento dos venc'men-
tos relativos ao mez de maio ultimo dos emprega-
dos e calcetas da fortaleza do Brnm e F. rtedo Bu-
raco, mande effectuar esse pagamento sob minha
responsabilidade nos termos do decreto n. 2,884
do 1 de fevereiro de 1862.Communicou-se ao
coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.De conformidade com o que so-
licilou o chefe de polica em offlcio de hoje, sob n.
887, recQtnmendo a V. S. que sob minha respon-
sabilidafle e em vista do incluso pret em duplicata,
mande abonar, urna dala de sold e etape aos guar-
das nacional* destacados na provincia da Parahl-
Severino
Dito ao commandante do corpo de polica.Em
vista de sua informago n. 367 de 31 do mez findo,
e do alteslado a elle junto autoriso, V. S. a mandar
dar baixa a praga da secgo urbana do corpo sob
seu commandando Felippe Pedro Cavalcanle.
Dito a Basiliano de Barros Correa.Ao seu pro-
curador nesta cidade bacharel Miguel Bernardo
Vieira de Amorim, mando nesta data seja entregue
conforme Vmc.-solicilou em offleio de 17 de abril
ultimo, a importancia do prot vencido por 3 volun-
tarios apsesntados por Vmc, afim de ser indemni-
sado da quantia que abonou a cada um delles,
cabendome declarar-lhe que nao constando ter
sido alistado o de nome Jos Claudino Gomes Ri
beiro, deixa por isso de ser contemplado em dito
ba, Rufino Vaz Barbosa e Severino Ferreira da
Costa, que vierara esta capital escoltando um cri- pret.
minoso, pois que segundo cons(a do citado offlcio, Dito a cmara municipal do Recife.Em respos-
acham-se elles sem meios para alimentarem-se. ta ao offlcio que me dirigi a cmara municipal do
Fizeram-se as necessa'rias communicagoes. Rece em 26 de abril ultimo, sob n. 25, solicitan-
Dito ao mesmo.Pode V. S. em vista das razoes do providencias para que a repartigo das obras
apresentadas em seu offlcio de 24 de maio ultimo publicas nao continu como tem acontecido algu-
sob n. 360 a que respondo, remetter a collpctoria mas vezes a fazer alteragao na planta da cidade
do municipio de Flores, a quantia de 1:5005. que por occasio de construegoes de obras nella desig-
se faz precisa para pagamenlo dos vencimentos s nadas, transmiti em original a informago que a
pragas do corpo de guarnigo destacadas em villa
Bella e ao destacamento de guardas nacionaes da-
quelle municipio, podendo essa remessa ter lugar
quando effectuar-se a da somma necessaria as des-
pezas cora o contingente de guardas nacionaes quo
d'alli tiver de marchar para esta capital com desli-
no a guerra come recommendei em offlcio de hon-
tem, e por intermedio de um offlcial de primira
em original a
esse respeito minisirou o chefe daquella repartigo
em 24 de maio prximo findo, seb a 151, a qual
me ser devolvida, com os documentos quo a ella
acompanham para ser archivada na secretaria,
reflexionando a cmara com o que ihe parecer
justo.
Dito ao juiz municipal de Cimbres.Abra Vmc.
concurso para provimento dos dous officios vagos
finha que para esse fim fr designado pel coronel de escrivo e tabellio desse termo pela forma
commandante das armas, a quem nesta data me di- determinada no art. 2o da le provincial n. 617 de
rijo a esse respeito. 9 de maio prximo findo, de conformidade com o
Dilo ao mesmo.Respondendo ao offlcio que V. decreto n. 817 de 30 de agosto de 1851 e aviso
na parte relativa aos arsenaes de guerra, suas de
pendencias e depsitos de artigos bellicos.
f 1. Os voluntarios que se alistaram as filei
ras do exercito, em vlrtude dos decretos ns. 3,371^
de 7 de Janeiro, 3,409 de 1 de margo e 3,128 do 1
de abril do corrente anno, conlinuaro a gozar das
vantagens que Ihes foram garantidas pelos mes-
mos decretos durante o tempo dd seu engajamento.
Art. 3." Sao permanentes as dlsposigoes da 1"
parte do art. 7o da citada lei n. 1,163 de 31 de ju-
lho de 1862, dos arts. 2o, 3o e 9o da referida lei n.
1,220 de 20 de julho de 1864, e do art. 5o 3 da
le n. 1,101 de 20 de setembro de 1860, que com-
prebende os voluntarios e engajados de qualquer
nalureza.
t Art. 4. A presente lei lera vigor desde j.
t Art. 5. Ficam revogadas as disposices em
contrario.
Emenda da commissao.
Ao art. Io da proposta : depois das palavras
n )va organisagoaccrescente-sesto durante a
guerra.
Additivos.
t Os empregados pblicos, que como guardas na-
cionaes ou voluntarios esliverem servindo as for-
gas em operagoes, nao perdero stus empregos e
sero considerados em commissao.
i Fica o governo autorisado a nomear, em com-
missao, at quatro auditores para servirem no exer-
cilo em operagoes; e estes servigos garantiro aos
hachareis, que os desempenharem satisfactoria-
mente, a preferencia para oulro qualquer empre-
go, para que tiverem habilitagoes, quando concor-
rerem com outros cidados igualmente habili-
tados.
Fica o governo autorisado, durante a guerra,
a deixar vagos os commandos de armas que julgar
conveniente, e a crear outros provisoriamente, eom-
' tanto que se nao augmente a verba para tal servi-
* go decretada.
Fica o'governo autorisado a eliminar do qua
dro do exercito a 2" classe do estado-maior, disiri-
o denodo e bravura de meus valentes Corren-
tinos.
t Eslimaria tambem que, sendo possivel, V. Exc.
mandasse marchar o batalhao de cavallaria que
ahi se acha, e do qual V. Exc. coinprehende que
ha urgente necessidade, visto que reunindo-o
infantaria teriamos muito cora que nos fazer
temer.
Sem mais que dizcr-lhe sou de V. Exc. affei-
goadissimo amigo. Nincanor Cceres.
t O commandante em chele do 1." corpo do
exercito nacional Porto de Bella Vista a bordo do
Jequihnhonlia 12 de maio de 1865, s 8 horas da
noite.Ao Exc. Sr. ministro e secretarlo de estado
dos negocios da guerra e marinha general D. Joo
A. Geliy y Obes.O abaixo asslgnado tem a hon-
ra de enviar V. Exc. por copia legalisada as ulti-
mas participagees que acaba de receber das forgas
da vanguarda, noticiando que o inimigo se retira
por agua e ierra.
t Como j leve a honra de annunciar a V. Exc.
o abaixo assignado segu para Corrientes com a
ferga do seu commando, a bordo da esquadra bra-
silera, no intento de desembarcar o mais cima
que fr possivel.
t Dos guarde a V. ExcW. Paunero.
a O coronel chefe da vanguarda Empedrado,
Pago do Rincao, 10 de maio de 1863 s 4 3|4 ho-
ras da tarde Ao Sr. commandante era chefe das
forgas mobilisadas da provincia general D. Nica-
nor Cceres.Na minha ultima parlicipago an-
nunciei a V. S. que o inimigo avangava em gros-
sas columnas sobre o Ahorna onde ento rae acbava
com a minha vanguarda; cffectivamente urna hora
depois tivemos de deixar aquella posigo, cedendo
ao numero e armas com que vinbam, e mais tarde
tambem deixamos o Peguah por igual motivo.
i A forga immiga era numerosa e composta das
tres armas, atirando com a arlilharia sobre os
nossos guerrilhas, isto em ambos os passos, pelo
que me retirei, irazendo em ordem a tropa.
Calculare ser a columna de 5,000 homens,
Sinto muito o que se'tem passado (porque nao
eslavamos preparados) e que nos, os Correnlinos,
nao livessemos a fortuna de Ibes dar urna boa li-
go ; creio, porm, que onde quer que seja os al-
cangaremos.
t Escrevo-lhe es a por via da Concordia.
Tenho a felicidade de dizer-lhe que providen-
cialmente me salvai das garras dos traidores, e te-
nho promovido a reunido de todos os elementos de
que dispunha a proviucia, pondo-os em oito dias em
frente do inimigo.
Creio que humanamente nao se poda fazer
mais em urna proviucia em que nada havia, on-
de sem meios era mister fazer talo. Foi um mi-
la gre.
Seu alfeigoadissimo amigo Manuel S. La-
grana.
O exercito entre-riano tinba j na fronteira de
Corrientes uus 10,000 homens, com que o general
Urquiza ia marchar sobre o inimigo apenas che-
gassem o armamento e roupa esperados de Bue-
nos-Ayres e parte j a caminho. Sobre o Uruguay
organisava o general Gonzales um batalhao de ve-
teranos.
Pelo lado oriental de Corrientes, separado do
occidental, em que fica a capital, pela immensa la-
ga Ivar, tinham os paraguayos avangado at oc-
cuparem S. Thoni, defronte de S. Borja na nossa
fronteira.
As suas forgas eram calculadas em 12,000 ho-
mens.
Urna carta datada de Federacin 13 de maio, e
publicada era varias folhas, diz assim :
c Os paraguayos era numero de 3,000 invadem
pela fronteira de S. Thom, achaudo-so a 10 nos
suburbios da povoagao as suas avancadas, tirotean-
do-se com as guerrilhas.
Os coronis Payva e Reguera fazem frente aos
invasores com urna columna de 1,200 homens an-
da que mal armadas, pois todos sao lanceiros a ex-
cepgo de uns cein aliradores.
t Ao fechar esta correspondencia participam-me
que os paraguayos lomaram j posse de S. Thom.
Nao importa; S. Thom nao nenhuma forta-
leza. >
Outra diz :
t No dia 10, s 8 horas da manhaa, os para-
guayos eslavatn em S. Thom preparando-se para
seguir avante. _^
t O coronel Payva com 1,000 homens muito al
armados esperava a cavallaria paraguaya para ba-
t-la, e segundo referem as cartas que nos do es-
las noticias, nao havia que duvidar do Wompho
da nossa parle, pois o enthusiasmo chegava lou-
cura.
Um proprio vindo hoje da Federacin nos com-
munica que a 12 urna columna de 3,000 para-
guayos, vanguarda de 16,000, se aproximava de
S. Thom, sendo hostilisados por 1,200 correntinos
s ordens dos coronis Payva e Reguera.
Anda outra :
No da 11 urna columna de 3,000 paraguayos
Approvam-se em todas as suas partes
os tratados e convenios celebradas pelo plenipo-
tenciario da repblica na ciiade de Buenos-Ayres
no Io e a 8 do corrente com os plenipotenciarios da
repblica Argentina e de Sua Magestade o Im-
perador do Brasil, e tenhara-se como lei da na-
4o.
Art. 2." Expegara-se as precisas ractificagoes
do datado do Io do corrente.
Art. 3." Pelas autoridades respectivas pass:m-
se as ordens convenientes para sua tiel execu-
go.
Art. 4. Communique-se, publique-se e dse
ao registro. Flores. Lourenzo Baile.Jouo H.
Gmez.Francisco A. Vidal.
Foi nomeado encarregado de negocios da rep-
blica do Uruguay junto ao governo argentiuo, D.
Heilor F. Varella,que contina no cargo que exer-
cia de cnsul geral da mesma repblica.
A Reforma Pacifica, de cuja aecusago offlcial
tem noticia os nossos leitores, foi condemuada pelo
primeiro mas absolvida pelo segundo jury por via
de appellago, nao se julgando crime publico os
ataques daquella folha contra os membros do tri-
bunal de jusliga, mas delicto particular do que po-
deriam querelar os offendidos.
O Siglto, adversario.poiillco da Reforma, exulta
com este triumpho da liberdade da imprensa, e
louva o governo provisorio por nao ter, imitando o
seu predecessor, feito calar as melindrosas cir-
cumstancias era (jue anda se acha o paiz, urna fo-
lha de opposigao violenta e descomedida.
Consta-nos que o governo imperial fretou o va-
por Presidente para levar para o sul material para
o exercito e algum contingente de tropa.
Escrevem-nos de Uberaba (Minas-Geraes) em 7
! do corrente :
a Sepultou-se no dia 2 do corrente, na capella
de Nossa Senhora das Dores do Campo Formoso,
o padre Antonio Lisboa Bima, vigario daquella fre-
guezia.
Tambem fallecen no dia 4, Manoel Antonio de
Azevedo, natural do reino de Portugal, mas resi-
dente no Brasil desde antes da independencia. Ser-
vio varios cargos pblicos de jusliga, administra-
tivos e de flscalisagao : foi capitao de milicias na
provincia de S. Paulo.
c Era ainda contador e distribuidor judicial, e
al ha poucos dias foi procurador da cmara mu-
nicipal, onde me consta ficara alcangado em mais
de 4005.
A' 4 do corrente entraram na cidade 95 vo-
luntarios da patria, enviados pelo commando supe-
rior da guarda naci da villa do Araxa'. Foram
fesperados pelas autoridades, inclusive o comman-
dante superior, a' meia legua, e na entrada, pela
msica da guarda nacional, que os acompanhou
at o quartel, onde tambem os esperava a msica
particular dirigida por Jos Maria do N cimento,
onde cantou o hymno patritico coraposto por An-
tonio Cesario ; tudo bem entendido, animado por
tomou S. Thom. Parto desta forga dirigia-se ao muitos fogos do ar.
rio Aguapey como que em direceo a Cruz.
Esta forga hostil isa va-a o coronel correntino
Payva com 600 homens, mas sem poder conl-los,
porque a sua gente, como a major parte da daquel-
la provincia, estava completamente desarmada, a
buindo pelos corpos os offlciaes da mesma que pu-1 advertndo s que marcha toda junta sem destacar
Estes voluntarios, com os que vieram de Pas-
sos, e os que se alistaram nesta cidade formaram
dnas companhias de 80 pragas cada nma, e urna
de 75.
t A portara do governo provincial creou aqui
*\
poni de nao ter mais do que langas de taquara! este batalhao com numeragao de 3o, cora quatro
om lacas engastadas. I companhias, cinco offlciaes do estado-maior, tres
ILGTVL


Diario de Pernambuco Terca letra O de Junho de 1805.
i
i

do menor, capitSo, teoente, alfrs, prlmeiro sar-
gento, um furriel, dous segundos sargent s, oito
cabos, duus cornetas e 80 soldadas em cada com-
paa*.*
- 28 -
Hontem nao houve sessao no senado ner na
amara dos depattdos por falta de numero
legal. _____________
Expediram-se os avisos segrales:
2.a secgo.-Ministerio dos negocios da Justi-
na.Rio de Janeiro, 19 de maio de 1865.lllm. o
No-sautestFe-de^tw rae tenho occupado, (relatorio de 4864, de verdes englobada- dewwposta queassignou cencido no projecto qu
forara capturados 21 criminosos, sendo :
Por crime de homicidio........... 5
Porcrime de fermeatos e offensas..
phisicas...................... 6
Por crime de roubo.............. 1
Porcrime de estellionato......... 1
Por crime de deserto........... 8
Total
21
Exm. Sr.-Expde, V. Exc. em cfflcio n. 14,707 de 8 s lJ?"1 *\
do mez prximo nodo, que, tendo o municipio de VlLHaAU L1V1L, JUDILlARtA, POLIUAL
Saquarema urna so freguezia, a de Nosso Senhora E EGCLESIASTICA.
de N'arareth, e comprehendendo ella tres Astrictos Attendendo exlfaordinaria extesso da
de par, o tareero dos quaes abrauge todo o recinto subdeiegacia dt CratG> no do Maderaf e
da villa daqttelle neme e alguns quarteiroes mais,
entenderam os escrives do primeiro do segundo a conveniencia da presenca de um agente
que, por eslarem fr desla villa, pertenciam-lhe da authoridade n'aquelle limite da provin-
as atinbnic^es de tabHiiaes de notas, que a loi de ca, ondeoulro nao existia alem de um ins-
30 de outubro de 18 da nos das freguczias ou npc.n (, miai.|Prsrt anas leonas rim ra
capellas de fra das cidades ou villas: em conse- J ?e quarieiMO, Ciuas leguas a Cimaa
qaencia do que, exerceram por muito lempo taes ,oz 0 Jamary, crcei, por portara de 22
attribuiefies at ijue, tendo o v tabeiliao da villa de fevereiro, que vos farei apresentar, a
rer.iamado contra essa interpretago daqueiia le, o subdelegada de Santo Antonio, desmem-
juiz de direito interino da comarca, consultado
sobre ocas, raandou que os ditos escrives se
abstivesseui submelteu a questao ao ocnhecimento dessa presi-
dencia.
V. ExcL, porm, enlendendo que se trata da in-
terpretage de urna lei peral, que deve ruinar um
principio, consulla ao governo imperial fia, pela
supradita lei, pertence aos escrives de paz dos
districtos de urna mesma freguezia, mais ou menos
remotos da villa ou ciclarle sitnada nella, exercer
as attribuigoes de'abellies de notas; i-aecendo
a V. Exc. que se pode adoptar a affirmativa, por
brada da do Crato,
Insisto no pensamento de ser revogado
o acte de 40 de dezembro de 4857, que
eslabeleceu o municipio de Borba, bem co-
mo na vantagem de ser mudada a sede da
freguezia de Fonte Boa para as barreiras
desse nome, a margena do SolimOes.
FORgA PUBLICA.
Tendo sido mandados seguir para a cor-
te, alim de se reunirem ao exercito em
quanio dase na njpothesc a razaodaiei, a'q'uai operagoes as repblicas d) Uruguay e Pa-
teve seguramente por fim facilitar aos cidad >s o Iagu y, OS corpos de cuarnicao d'esta pro-
exercicio de certcs direitos, que requer a interven-; vjnr, n \nt m>Pli.,tampniP nadir na na
gao de um funcoionario de f publica. vinua, u-ios imtnei.itamente partir no pa-
Sua Mage.-tade o imperador, a quem tive a honra! (lliete Tapajoz, a 27 do mez da fevereiro,
de apresentar o offlcio de V. Exc, houve por bem com a parte do contingente do 5o batall5o
decidir que a davia cima expo>ta deve ser resor- de infantera que j se havia recolhido ca-
vida conforme a opioiao dessa presidencia; con- [ n,i
vindo que em tal senlido expee as convenientes ",' .. .
commuuicactes. E me em exlremo grato noticiar-vos que
Deus guarde a v. Exc.-Jos thorcaz Nabuco' estes corpos do nosso exercito deram por
de Araujo.-Sr. presidente da provincia do Rio de essa occasio provas de adm:ravel disc pli-
T'"se'cco.-Mioisteno dos negocios da jasii- na .e enlhiisiasmo, partindo animados do
a. -Rio de Janeiro, 19 de maio de I8oo.-liim. e ll'ai nf,bre contentamento e sem que deser-
Exm. Sr.Foi presente a Sua Magestade o Impe- tasse uma S de suas pravas, sendo alias
rador, o offlcio de io do mez passado, em que v. ne:a maior parte naturaes d'esta provincia.
Exc. communica ao governo imperial, que encarre- pira snhsli'iir pssa frr.ni tivp rio rii> gara o promotor publico da comarca dessa capital, i l ara SUOSU.llir essa tropa, tl\e de (lesta-
bacbarel Olympio JilTenig Niemcyer, de reger a car a guarda nacional,
cadeira de historia c grammaiica esiabelecida: Cotiheceudo, entretanto, quio oneroso
tambem nessa capital, e pede que seja approvada! este servico se [orna no Amazonas, onde os
essa aecumu agao, visto como nessa provincia ha: i > i
falta de prssoal habilitado para os cargC puhlcosj 8uardas resdtim a normes distancias de
e os veuciuieulos de ambos os 'lugares sao lao exi-
guos que impossivel viver decentemente com I
qnalquer delles ; anrrestendo qne, provida a nova
comarca dos Res Magos, ltimamente restabele)a
pela assembla, o circulo territorial da referida
promotoria ser re.-tringido e o mesmo augusto
senbor considerando ruvogavis e alP-ndiveis os
motivos apresentados por V. Exc, manda aprovar
a mencionada accumolagao, o que participo a V.
Exc para seu conliecimenlo.
mente a verba de 3:00 priraento de alumnos n'este e dos semina- ? ?xc-' P"6004 jostiflcar a sna posico,
rinsria Pnrona onimd roanifeglou as apprehensdes qoe o levaram assig-
riosaa curopa. \wu-to venext.
Loncluiram-se as obras que mandei exe-, sncceden-lhe o Sr. conselheiro Saraiva, mi-
CUtar no ediGcio, o qual acba-se agora dota-. n'8lro 4a marlnha. Provocado direcumente, bem
lXTJrmT\ AS -qae K S^eCS^ri^"s. Exc^latou^mT
anda S6 fazem precisas, e nao s8o multas, delidade e franqueza os acontecimentos eiscir.
poderao ultimar-se dentro do exercicio eumslancias que o obrigaram a declinar da tarefa
vindouro, se fr mantida a verba que, nos lw Lherdra '"combida.
m^Sn'nndl?^!?" eStabe'eC' ^P^'^WSrtJueVest
menlO pelos poderes_geraes. do devidamente os interesses do paiz e vendo que
INSrKUCQAO PUBLICA. ; as circumstancias tinhara inhabilitado esse minis-
Pooco me cabe accrescentar ao que ex- terio Para bem servir caasa publica, e compre-
r5n^2frS-?aS"d SOb'"e ^Stad ^f^^SvStJ^ Seaanao
da instruccao publica na provincia. da cmara e o exacerbamenlo das paixoes polilicas
Pende anda de VOSSa approvagO O regu- embaracassem a aeco administrativa e a esterili-
lamentO que exped em dala de 34 de agos- sassem> decidira-se afmal a significar com seu vo-
to rio anno na II n,r!h, S"". [/ \ !?' "nisCerio se retirasse antes de offerecer edeac-
em parte na podido ser executado, deixan- ceitar combate.
do assim de produzir os beneficios que pro-; Chamado enio pela corfia, disse
suas paradas, nao su procurei reduzir o
mais possivel a orga dos destacamentos,
como os mandei compor de pracas das
respectivas localidades.
Para a guarnigo das fronteiras e pontos
militaresforam chamados 114 guardase ()
oilicaes.
Na capital, onde convinha concenlrar
Deus guarde a V. ExcJos Tliornaz Nabuco maior forca, para acudir de prompto a qual
de Araujo.Sr. presidente da provincia do Espirito quer emergencia, fi7. destacar duzentas pra-
cas da secgio do batalhaode artilliaria, e no-
curet assegurar ao ensino oflicial e ao der- sea "*** dente desojo e seu primeiro cuidado
ramampnirt /la incimr, ~m restabelecer a nniao do partido que se scindira.
t! ? ^ a k,- ^ra isso dirigio-se s influencias principaes dos
Aguardando essa sanecao da assembla dous grupos, procurando o apoio de seu patriotismo
legislativa provincial, absti\e-me de organi- para coojurar-se a crlse em que se achavam o par-
sar os regimentos internos dolycen eesco- "doeopaiz.
- E nesse Intuito entendeu
ao nsiadista nobre convencido, para quem as
ideas sao ludo e os interesses pessoaes nada; praz-
nos reconbecer qae pela sna franqueza e lealdade
pela elevajlo de suas vistas polticas e pela seve-
ridade do seu carcter, o Sr. conselheiro Saraiva
boje com razo considerado um vullo proeminente
do paiz e um dos sustentculos do partido liberal.
Chega'ra, procedenle de Inglaterra, a fragata
ingleza Narcissus, sob o commanio do capito'de
mar e guerra Gampell, para substituir a na'o Bom-
bay, na estaco da America do Sal.
Eslava a' carga, para Pernambuco, o brigne
liara Alfredo.
Chegono bngue-escuna Nao Sei, com 23 dias'
de Pernambuco.
L-so no Correio Mercantil :
< De ama carta que escrevem da cidade de|Cas-
tro ao Jornal de Coritiba, e que relata o assalto dos
Paraguayos contra Nioac, de queja demos noticias
aos nossos leilore?, exlrahimoso seguinte, respeito
os soldados paraguayes.
Nesta occasio poderam os nossos examinar be "a
os soldados paraguayos, que sem duvida foram" es-
colhidos para formar a vanguarda. Eram mocos,
_, vistosos, quasi lodos brancos, montados em muito
i bons cavallos e bem armados, consistindo o unifor-
me em camisolas vermelhas (de bala) xirip e ti-
rador, sem esporas, bonet de couro Cavaignac,
alguns com bollas cinta ; trajando os olhViaes
urna especie de jaqueio de panno ordinario com
vivos largos encarnados e calcas tambem de panno
ordinario.
nomia interna das aulas em conferencias com S. Exc. depois de apreciadas
Todas as psrolas nrinciniando npl do varias cirfums|ancias, Ihe apresenlra a combina-
., r P < P,anao peia 00 cao a que cliegra ; e que o Sr. senador Olloni ob-
SCX0 masculino da capital, expenmentam jectra, observando que uessa combinado entra-
absolita necessidade de movis e UlencillOS, vam apenas dous senadores, quando mais um se
e toroa-se indispeusavel a COnsignapao de fazia Preciso- Notando enio o Sr. conselheiro Sa-
verba nara psfp mislpr v ..,:., raiva que a allera^ao da lista dos ministros que or-
cnljuuJ misier, A quanlta Ue ganisara) mp0ruva a annullaco do seu pensa-
O W)0O paiece-me suffidente para ir pro meato cardeal, que era obler uma organisaco po-
vendo aquellas que mais Urgentemente re- 'tica, homognea e forte que dsse garanta nos
clatnam este melhoramento. aos Problemas da administrago interna como s
No relatorio do rliono rlirprtor Pral n.ecfsWdes imperiosas da guerra, a que o iinpe-
u leidUMio 00_ aiguo Oirector gerai, m fra provocado, emendeu ser do seu de ver pedir
aunareis informagoes mais minuciosas so- escusa a' cora e que accelta ella, oi entao chama-
bre todos OS negocios relativos sua repar- do o Sr. conselheiro Nabuco.
IJCo. Succedeu na tribuna ao Sr. Saraiva o Sr. con-
ESTABELECI VIENTO DE EDUCANDOS 2S^"SSafflSS ^rTL 5t
ARlIFICES. razoes polticas que liuha para julgar-se impossi-
Ligando a mais elevada importancia sor- bilitado de organisar um gabinete que satistzesse
te deste estabelecimento, deque tantos be- completamente as exigencias dasiluago em que
... ., Qi'haua n rnn *. 11,1("nl, i
nencios come ja a provincia, assim como
serra, levando prisioneiro todos os habitamos e ar-
rebanhando todo o gad j. Cerca de 330 pessoas con-
seguiram refugiar-se e achavam-se em Santa Anna
do Paruahyba.
Baha Foi designado o dia 9 do corrente para
a eleigo de um deputado assembla geral, em
substituico ao conselheiro Saraiva, que foi Hornea-
do ministro da marinha.
L-se no Diario :
t O Sr. senador do imperio Candido Baptista de
Oliveira, que ia para a Europa no vapor Pelase tra-
tar da sua saude, falleceu a bordo do mesmo vapor
no dia 26.
Seu corpo foi depositado hontem (27) no Hos-
Santo.
Hontem de
- 29
tarde embarc?ram
no arsenal de
ve officiaes; considerando adidos a este
guerra para bordo do vapor Presidente, fretado contingente os destacament s do interior,
pelo gov.-no para conduzi las a Montevideo, du-0 total da fo ca destacada de 311 pracas
pracas do baialhao n. 9 de volunta-
O Presidente leva tambem material
zentas e tantas
ros da patria,
de guerra.
Assistiram ao embarques. M. o Imperador, e os
Srs. ministro da guerra, inspector do arsenal e
capilo do porto. S. M. o Imperador" foi a b'irdo
do vapor, onde examinou as aecomodapes para a
tropa, e veio desembarcar as 3 horas da tarde no
arsenal de marinha.
E Tivemos noticias que no dia 19 do corrente
chegou a nxpedicao mineira ao Coriseo, lermo de
S. Jos de EIRel, tendo de seguir no dia immedia-
to para a ponte-Alta, distante 8 leguas pouco mais
ou menos da cidade da Oliveira.
Temos a vi*ta uma carta do Sr. Dr. Casiano,
e 45 officiaes. A sua distribuico consta
do mappa que ser presente a esta assem-
bla.
Por decnto de 21 de Janeiro ultimo, fo-
ram chamadas servico de corpos destaca-
dos "230 p acas da guarda nacional da pro-
vincia, para a defesi das pragas e fron'eiras,
e para o servigo da guerra no Lslado do
Paraguay.
Em vista, p rm, das circumstancias em
que nos achamos, l mei a deliberagao de
chamar 300 pragas. finid do na faculdade
do art. I do decreto n. 2,09 de 48 de
morador em S. Juo de El-Rei, e que foi ao Coriseo novembro de 4857.
ver passar a expedicao. Diz este disuado medico Na porlaria que para este eTcito exped
que o estado sanitario das pracas era satisfatorio,
tei OS
e ambulancia l>em prvida. 'encontrar as instrucges para a designago
maisedst.!nri;_nliI'p!Ii'|nP, a.brigada dos guardas, assim como o plano definitivo
de organisagao do corpo destacado.
vai salisfeita com oseu digno commandante, o ve
terano coronel Galvao,e que peucas desergoes teem
liavido, e estas mesmo de recrutas.
A.IZAZOV1S.
$ de maio Relatorio eom que o Dr. *. pho de Barros Cavaleaisti de
A. Lacerda eatregou a admf-
nfstraeodaprovineia dVAma
zonas, no dia M de maio de
!*.>. ar> 4. viee-presideute.
(ContinuaciioJ
ADMLXISTRACAO DA JUSTICA.
Por portara de 49 de Janeiro ultimo
conceda exoneragao que pediu do cargo
de promotor publico da capital o cidadao
Joaquim do llego Barros, e nomeei jiara
substitui-Io o bacharel Gt.ilherme de S
Amazonas-
No ultimo semestre do anno que acabou,
sement no lermo de Vi la Bella funeconou
o tribunal dojuiy, sendo submeitido a jul-
gamento um reo de estellionato, que foi
absolvido. No de Manes, da mesma co-
marca, dexou de haver sessao por falta de
processo para juramento.
Na comarca de Solimes, bem como em
ambos os lermos da da capital, nao leve lu-
gar a segunda sesso determinada por lei,
sem que me sejam conhecidas as causas de
semelliante omisso.
N'aquela, foi julgado e absolvido um
reo processado por crime de responsabili-
dade.
Pelos juizes de direito das duas comarcas
fronteiras foram jtilgados, em virtude da
lei n. 56 de t de julho de 4850,oio reos
compreliendidos em tres processos ; sendo
por crimes de :
Homicidio.................. 7
Roubo........,............. i
Era meu proposito i xpedir quanto antes
o corpo destacado em estado completo ; mas
vendo que se demorava a chegada dos con-
tingentes do Rio Negro e otitros pontos
igualmente remlos, delibere! faze-lo partir
no paquete de 2o de abril passado com as
21 < pragas de seu estado effectivo.
se achava o paiz col locado.
A impossibilidade poltica, a que S. Exc. se
urna parte di infancia desvalida, que n'ella referi, foi o seu notavel discurso proferido no se-
encontra abrigo e educago, sinto verda- nado, no anno passado.
deiro jubilo em communicar-vos que O seu ton^'o eote, disse S. Exc. de nao poder che-
oslado p nrpqpnfpmPnlP n mais linn Cbiduo e presentemente O mais llsongeiro aeMjavaf e nao se considerando um homem neces-
que se pode de3ejar, ltenlo O grau de des- sario, pedir escusa a" cora. Que esta, pooderan-
credito a que attingira. do-lhe ento as graves circumstancias do paiz, con-
Esta obra de regenerago, to prompta e *4** reconsiderar o assumpto, e qoe, no dia
j to adiantada, faz o elogio do respectivo Jfelga"? nreVpVr!." Pafa "" raZeS *"'
director, major Arislides Justo Mavignier, Tanto S. Exc, porm, como o Sr. Saraiva, de-
C constitue gtialmento um dos motivos do clararam que, quaesquer que fossem as conside-
meu maior COiitenlamentO ra25t!S 1ue anles os demoveram de organisar ga-
PrflwIrtflftnHn.n.fl Ht aninrisacSo conepdi- binele. danam triste idea do seu patriotismo se
fre\?iecfinuo-,ne da au o; isagao conced- instados para coadjuvarem o nobre presidente do
ItapelO art. 3 da le provincial n. couselho no empeuho de salvar o paiz, terminando
123 de 21 de junbo de 4862, dei a este com gloria a uerra a quo foi arraslado, a isso se
instituto um novo regulameuto, que se acha recusassem.
m ;nn a**a* iij___i. .,n; E, concordando ambos em que a missaopnn-
em vigor desde o 4o do mez de margo ulti- cipa, a'ogabiQete era ,,,. JSm, esperavam
mo- que, terminada ella pela victoria, chegasse a occa-
Simplilicar quanto fosse possivel O reg- sio propria para o ajuste de comas,
men da casa, e alargar a esnbera do ensino, k Sr- deputado Mariinho Campos voliou entao
* tribuna para corroborar algumas das suas pro-
j em relacao ao numero de aulas e offici-
posigoes e esclarecer outras emiltidas pelos prece-
nas, j em relagO ao dOS aprendi/.CS, ad- denles oradores! S. Exc. declarou eniaoque.de-
miltindo a classe de externos gratuitos, fo- diado o nome doSr. senador Theophilo Ottoni,
ram as bases da reforma que effectuei. Di-
minuindo o pessoal, e recompensanilo-o
melhor, acreditei que attendia tambem
uma das mais reeonhecidas conveniencias
de estabelecimentos d'esta ordem.
Ficou dependendo, entretanto, de appro-
vagao vossa o augmento de vencimentos a
que venho de referir-me, assim como o uso
devia explicar a razio por que S. Exc. n:io podra
adherir a combinago feita pelo Sr. Saraiva e que
essa fura a impossibilidade de S. Exc. pelo seu
mo estado de sade, de fazer face s discussocs
do senado, nao tendo para auxia-lo mais um sena:
dor alm po outro que entrava nessa organisagao
e que tambem era doente.
t Ao Sr. Mariinho Campos respondeu o^r. se-
nador Dias de Carvalho, Ministro da fazenda. S.
Exc. declarou que nao podia de modo alguin con-
fias 88 pragas que faltam, e devero se-
guir com um alferes, que para este fim teve
ordem de ficar na provincia, algumas j se
acham nesta capital, tendo sido mandadas
encostar guarda nacional destacada para
servigo da guarnigo.
Por decreto de 3 de dezembro prximo
findo, foi reinlegrado no posto de ch fe do
estado-maior o tenenle-coronel Raymundo' tao, como aiuda boje.
que fiz da autorisago conferida por esta as- cortar com as proposites e com os recelos d>,
sen hlr>a l precedeite orador. Que entrara para o ministerio,
suuuiejt. -j oom sacrificio dos seus cqmmodos e dos seus inie-
traccrescimo da deioeza. joyao***?', pof rwp^ pm u^i .<&. cSui.-t* ^ mnuJu que ?e nao
em (janto, em 300^000 ; e etn 1:3005000 devia escusar em urna tal situacao. Que nao se a-
quando as Circumstancias da provincia per- cnava justas as appreliensoesjmanifesiadas pelo Sr.
niiram r> n-,;... .>i ,i >,!:.,.. ,i- Mariinho Lampos em referencia ao nobre pi esiden-
imlirem o provimenlo da cadeira de ens le do CnCihoTqae elle considerava aioda boje co-
no secundario. tno o creador da situagao : e que achava injustas
Tendo-se tornado incompalivel O exerci5 as proposigoes emiltidas pelo mesmo Sr. Martinho
CO aa primeira cadeira com 0 do empreo 9amP">s. desfavoraveis ao Sr. minisiro da guerra,
nue cm n'outra ipnorlicio ocidadioNi e ,)uem loraara a defeia uor estar ausenle- s-
que cm noutra lepartigao O cidadao INi- Exc. accrescentou que se as theorias econmicas
COlao Jos de Castro o Costa, exonerei-O, por do Sr. ministro da guerra despertaran) outr'ora
portara de lOd'este mez, do cargo de pro- contra elle desgostos e'opposigo, nao era motivo
fessor de primeiras letras do eslabelecimen- esse Para ,''ue s. seus ,alenlos deixassem de ser
tn n nmnn; .. i____j i- nr ipTOveiUidos, hoje que se presta a concorrer com
to ; e nomeei em seu lugar o ctd.dao Pli- seuS collegas para servir o oaiz.
niJansen Aluller, que,na formado novo re- t Occuparam tambem a tribuna os Srs. Figuei-
gulamentO, accumular as funeges de es- redo, Saldanha Marinho e Urbano.
picio da Piedade, e sera' hoje sepultado no ceraile-
rlo do Campo Santo.
O finado era senador pela provincia do Cear,
e um dos nossos vultos scienticos.
S. Exc. o Sr. vice-presidenle da proviucia of-
ficiou s autoridades militares para que fossem
prestadas ao Ilustre finado as honras correspon
deutes a sua alta hierarclua.
t Os candidatos cadeira Jde phvsiologia da Facul-
dade de Medicina tiraram hontem 31, poni para a
prova oral, que deve ter lugar hoje a i hora da
tarde. O ponto sshre que versa a lecco Rui-
dos do coragao e theorias sobre as causas delles.i
L-se uo Jornal:
* O casco do vapor Bearnesl Inteiramentc per-
dido. A tempeslade abrio-o completamente, nao
sendo possivel mais do que aproveiiar-sellio os
restos.
Achavam-se carga para Pernambuco : o
patacho Gloria e ascnu.t Oeorgina.
Chegou, procedente de Pernambuco, no dia
2o, a barca ingleza Flertwing.
Alagoas. Nosso correspondente diz nos o se-
guiuie em 4 do corrente :
t No Tocantins, que, largou deste porto hontem
s 9 horas do dia, embarcou uma ompanliia de
voluntarios, ao mando do capilo Alvino Cesao. A
outra, nao estando preparada para seguir, partir
na primeira opnoriunidade. E-ta provincia tem
remedido cerca de 600 voluntarios da patria, in-
clusive o corpo de polica
t O Paran conduz para o Cear o seu presiden-
te Dr. Homem de Mello, que saltou em trra e hos-
pedou-se em palacio.
A guarda cvica continua a funecionar, e pres-
ta relevaotesj servicos ao bom policiamento da ci-
dade e accordo com a utilidade e servigo pu-
blico o Sr. Dr. chefe de polica, commandante da-
quella corporago, dividi a cidade em 8 disiriclos,
augmentando mais tros, e emquanto durar a esta-
go iuveruosa o servigo nocturno s ira' at raeia
noite.
c Se passar na assembla o projecto do corpo
provisorio de polica deve terminar sua patritica
misso a guarda cvica.
- A presenca de qualro senadores do mrito e
prestigio no ministerio causn vivas sympalhias na
populacio, que espera a realisagao de seu pomposo
4jaryj?rauioa Ixllioo. -A entrada ilo cucigico Si".
couselheiro Ferraz para a pasta da guerra foi uma
feliz acquisigio do gabinete de 11 de maio, os prin-
cipios de ordem e liberdade na poltica interna, de-
ven), ja' lempo, ir debellando o progresso de cor-
la escola, que lende relachar os lagos que devem
estreitar as autoridades.
t O actual ministerio bem poder ser a aurora
de uma poltica firme e consistente, era substitu-
gao o canos que existe.
A assembla vai funecionando aqui, de vagar,
mas sem novidade.
crivao.
Tendo anteriormente solicitado demissao
o individuo que oceupava este emprego.
o O primeiro manifeslou as apprehensoes que o
inquietan).
O segundo declarou que nao tendo sido ataca-
do o projecto de resposta falla do throno em
Total
8
Dos pt imeiros, apenas foram condemna-
dos 2 ririso com trabalhos, tendo o mi-
nisterio publico appellado das absolviges.
Todos esses crimes foram perpetrados em
4860.
POLICA.
Tendo sido exonerado do cargo de chefe
de polica o bacbarel Caetano Eslellita Ca-
valcanti Fessoa, e nao se apresentando o
successor nomeado, bacbarel Sebasto Car-
dozo, designei, por portara de 22 de outu- dos >' outros vi
bro, para interinamente dirigir a respectis|iindispensavei.
repartico, o juz de direito de SolimoesTin*la dependeram os cofres pblicos.
ra-'
Egidio da Costa Barros, que servia interina-
mente de commandante superior, sendo cas-
sado o decreto de 40 de marco de 486i,
que dava aquella graduago ao capitao An-
tonio Inopes Braga.
Fallecendo logo depois o tenente-coronel
Costa Barros, designei para desempenhar
as funeges de commandante superior o ma-
jor Francisco Antonio Monleiro Tapajoz.
Nao passarei adiante, sem manifestar a
confianga que deposito no civismo da guar-
da nacional da provincia, e ao mesmo tem-
po proclamar o meu reconheciment pelo
auxilio efficacissimo qae, em conjunctura
tal, tenho encontrado da parte do digno
commandante superior nterin1.
CULTO DIVINO.
Acha-se no gozo de licenea o reverendo
vigaro geral da provincia e parodio encom-
mendado da freguezia da capital, cuja diiec-
cao, por algum lempo conliada ao coadjutor,
reverenno padre Auguslo Cutiere, est hoje
a cargo do vigario interino fre Samuel Lu-
ciani.
Muitas freguezas anda se acham priva-
das do pasto espiritual. Esta falta nao s
paralysa a difus5o tao necessaria das luzes
do catholicismo, como faz que esmoreea e
quasi se perca, pela ausencia das pratieas e
ceremonias do culto, a crenganda bem p u-
co firme das populagoes do interior.
Penetrado, mais do que ninguera, d'esta
dolorosa verdade, o Exm. diocesano trata
com desvello de prover de zelosos pastores
e^es abandonados rebanhos de fiis.
O estado dae matrizes contina a ser o
que desetevem os passados relato ios.
Alguns cemiterios teem sido resiaura-
vao obt-ndo os reparos mais
Com estes ligeiros servigos
fra-lhe ei'a denegada por mim, de accordo nenhum dos seus pomos, nada traba a dizer sobre
com o director, at que pozesse em dia a elle-.Que Pao tDa aecusagoes a fazer, em rtfe-
ot,.rmi.^s ., ._ .. i ^ rencia a siluagao, limilar-se-hia a defender-se se
1 fs 1 '.av i S,eU Carg0' mui atrazada en osse atacado. Que o seu procedimento anterior fu-
ra solemnemente saccionado pela cmara dos Srs.
tem sido depulados, bastando-lbe isso para satisfago da sua
rea cn Kts.-.rasvrai
O material doestabelecimento
q tiasi todo renovado conspiencia.
cirnni.... j Comrelagaoasobservacoesfeitaspelobr.de-
Effecluou-se O concert de que precisava putad0 Mariinho Campos, quando dissera que o
a Cubera do edificio das Olicinas, que COU actual gabinete seria o incumbido de fazer os fo-
todo retelhado. I neraes da sltuago, tinha a oppor que quando os
E' de grande necessidade reparar quanto' ctl?fes do sea Partido ,'ne aconseibaram a adherir
,,. i ,i^,- .i i i1 j j- a liga, apresentaram-lhe como garante os vultos
antes o lango destinado a habitagao do di- priI1cipaes que estao frente do actual mmisie.io.
rector e do esenvao, que nao podem, sem E que por tanto, longe de nutrir as mesmas ap-
nconveniente, permanecer nos estreiios Preuensoes do Sr. Martmho Campos, e de supi ora
aposentos que por ora OCCUpam no COrpo iluaCao ameagaoa, confiava em que ella fosse sin-
do edificio nrinr-inal w*uV*m uu wt l'" ceramenle sustentada pelo gabinete. Que tinalmen-
uu cuintio pnncipdi. te> (,uanto a" presenga no gabinete do Sr. ministro
Lm vista do plano e orgamentO da Obra, da guerra, continuara a ser, como em 1860, seve-
que vos farei apresentar, melhor resolve- ro apreciador dos seos actos, conundo, pq^m.
reis sobre a votarlo da rpsnpctiva rlP<;nP7a agora com a garaulia que Ihe olferecem osTeus sentado praca no segundo corpo de voluntarios, fez
icisbourea \otagao aa respecti\ a aespeza. cumoanheiros. absiencao nao .-o das datas de Ierra, cmodos
REVISTA Dlttli.
Car'as da corte sao accordes cm' noticiar o Ira-
tamcnle distincto, que all se (leu por todas as
classes da sociedade fluminense aos nossos Fofon-
larios da patria, aos quaes durante sua estada
nada faltou de commodos e de atlencoes da parle
da populago, que nelles se revia como uma evo-
cagao symbolica dos nossos maiores.
A ofllcialidode foi procurada sempre, e admltlida
com prazer a todas as reunies dislinctas da corle,
onde por certo nao desmereceu ella do nome per-
nambucano, que sempro soube celar com um pro-
ceder elevado e digno dos lilhos desla Ierra.
E hoje, nos campos do Prata, soldados e officiaes
nao se esquecerao d'onde proceden) ; e pugnando
pela honra nacional, guardarao a heranca paterna
intacta, seno accrescida pelos louros que obterae
na campanha que se abre, e qual, em breve cou-
correro esses oulros bravos que forman) o segun-
do batalho de voluntarios, afim de partilharem
das fadigas e das glorias dos seus irmos.
Foi transferida para domingo 11 do corrente,
a procissao do Espirite Sanio, que devra ter tido
lugar ante-honiem.
- O Sr. Antonio Garcia de Miranda, tendo as-
companbeiros.
A receita propr a do estabelecimento, no o terceiro orador, o ir. Urbano, declarou que,
semestre de julho a dezembro do anno pa- na actual emergencia prestara o seu apoio a qual-
sado, foi de 4.742#020. quer gabinete. Que a necessidade da guerra '
im-
NtSSP mesmo nprinilo a rlpnpva Ipvnn i,unha a lodos os maiores sacrificios. Ms que res-
coVa An>?A Peri.oo a aespea elevou- citando o carater dosmembros do gabinete, nao
se a b.40#0, sendo a differenga suppnda se dispensava de manifestar umbem os seus re-
pelos corres pro vi acial e geral. ceios.
A elevacao da despeza nesse semestre I" Na opinio de S. Exc, a libordadp nao tem ainda
oroveio da arnuisirn dp ohip.tos indisnpn.isufflcientes Parantias "' noss Pa'z; governo
f" "d ^l^y? ae onjeaos inatspen- de facl0 ab o(ulo [n [udo ,0 r
sa\eis ao estabelecimento, que delles se e o systema consfitucional represenUlive s existe
achava desprevenido, bem como da compra \ em nome. S. Esc. fez mais algumas consideragoes
de panno para roupa des educandos no relativas a provincia de Pernambuco.
Correte anno Kespondeulhe o Sr. conselneiroSaraiva. S.Exc.
vr i A declarou que voltava a tribuna para, com a fran-
INa proporgao da despeza, cresceu tam- queza que Ihe propria, firmar melhor as suas opi-
bem a receita, que chegou quasi ao duplo nies e a sua conducta em referencia a's aprehen-
da do semestre anterior, e teria feito face s5es manifestadas pelo Sr. Urbano.
aquella, se nao se dessem as cricumstancias
a que venho de alludir.
(Continuar-sc-ha.)
"** 1 "rr*r,MH-*"*.T*"*aoe *K*"?)VE*Mtt||
DIARIO DE PERNAMBUCO
SEMINARIOS.
bachu-el Romualdo de Souza Paes d'Andra
de, que esteve frente d'ella at entrar
em exercicio o bacharel S lustianno Orlan- \ fazem-se cada dia mais sen iveis.
do de Araujo Costa, nomeado. por decreto j Uma d'reccao zelosi e esclarecida vae
de 7 de novembro, em substituicjlo do se-' preenchendo as vistas do virtuoso prelado,
gundo, que passou no mesmo carcter para e tornando proficuos os sacrificios do the-
a provincia das Alagoas.
A falta de pessoal idneo e a geral repug-
nancia por cargos policiaes continsam a ser
os maiores embaracos que se encontram
n'este ramo da administracao.
Contessando-se franca e lealmente liberal. S.
Exc. declarou que o era sem carecer da licenga de
ninguem. Que nao tinha escrpulo em afBrmar
mais uma vez que fra conservador, quando jnl-
gou a ordem publica ameagada pelas faegoes. Mas
que eslando hoje convencido de que os interesses
permanentes do paiz nao sao n-m de leve ameaga-
dos, e que a conslituigao do c.-lado considerada o
palladlo de todas as liberdades, nao se arreceia de
manifestar francamente as ideas livres que sempre
Recebemos jornaes do sul do imperio, pelo vapor forara as sua'-
R^j'i'f*^'*".*10; d ?' W d0 passad0' da ^^sviando-se entao das pratieas at aqui segoi-
Sh ?rr, ^ / an irrre1te-- das e 1uerendo coiTespondeV de um modo solem-
>ob as rubricas Parte Oflicial e Interior vai por De a' expectativa de que S. Exc. hoje o alvo e
extenso o que ha de mais importante ; alm do qae o constitue a garanda do partido liberal, o r.
que s encontramos o qne segu. Saraiva declarou que se tivesse chegado a formar
Os progressos deste pi eslabelecimento apoVoVa^Tm^r^
. *.. "_.,_ .,-_ .... ,aVn- ,erce ra ,^>sProJeclos de mam at os ltimos limites das reformas liberaes,
flxagao da forga naval para 1866-1867 e o rela(i- exigidas pela opiniao mais adiantada e que se po-
vo a linha de navegagao directa entre a corte e os dem conseguir denlro das raias da consliluico.
tdos-bnife Qae nesse sentido os recursos legaes do novo pa-
O Diario do Ro resume assim os trabalhos des- ra melhor resistir a' coaegao dos governos, seriara
sa cmara, no da 25 : ampliados e firmados; e que a electividade torna-
Comecou hontem a discusso do projecto de ria ser o elemento regulador do machioismo so-
resposta a falla do tbroao. Esteve prsenle todo o cial.
ministerio, com excepgao do Sr. ministro da I S. Exc. abundou em outras consideragoes neste
Buerr,a- .. i senlido e suas palavras foram cobertas de applau-
' Occupou a tribuna, era primeiro lugar, o Sr.: sos geraes.
depulado Mariinho Campos, membro da commisso Pela nossa parle, praz-nos render homenagem
scuro provincial.
A entrada de alguns pensionistas parti-
culares, e de alumnos externos da aula de
primeiras letras, a!i ltimamente creada,
justifica o expediente, que vos lembrei no

abstengao nao .- das datas de ierra, cmodos
3005, concedidos ao voluntarios pelo governo.
O proceder do Sr. Miranda digno de elogio
pelo patriotismo e abnegagao que a elle ha, lanto
mais quanto fez o mesmo senbor um donativo para
as oceurrencias da guerra.
Por aviso de 24 ae maio, ordenou-se que d'ora
em diante sejam transmittidas livre do porte toda a
correspondencia que se dirija alguma praga do
exercito de mar e ierra no rio da Prata, volunta-
rios ou nao, e a que delles fr enviada para qual-
quer parle do imperio, devendo declararse no
subscripto a que navio ou corpo pertence, e no se-
gundo caso que seja remettida por intermedio do
re>peclivo commandante.
Por aviso do ministerio da guerra, de 18 do
corrente, ordenou-se a presidencia da provincia
que fizesse seguir para a corte sem demora, qur
em vapores naclonaes qur em estrangeiros que
offeregam a necessaria seguranga, todos os corpos
de linha, da guarda nacional e de voluntarios da
plria, bem como os Tecrutas apurados para o
exercilo, que esta provincia vierem das do norte
com destino ao sul do imperio.
O vapor francez Samlonge, da companhia des
Messageries Imperiales, que foi substituido pelo Car-
nuil, tocn na Baha no dia 30 do passado, era va-
gem para Marselha.
Seguem bordo do Paran, para o Cear, o
Exra. Sr. Dr. Homem de Mello, presidente ltima-
mente nomeado, e para o Para, a artista dramalica
Emilia das Xeves.
Nestes ires dias deve locar no nosso porto o
vapor ingli-z Galileo, que parta do Rio na tarde de
29 do passado.
Chegou domingo Urde a crvela a vapor
americana de guerra Wyoming, de 986 toneladas
procedente de Norfolk, na Virginia, cora 29 dias d
viagem. Apenas tomar carvao, seguir para a Chi-
na com escala pelo Rio de Janeiro.
Em virtude de se ler demiltido o conselho
director da sociedade recreativa Corybantina fo-
ram eftitos no domingo (4) os socios
Presidente,
Joao Nepomuceno Alves Macil.
Vice-presideate,
Jos Clemcntino Henrique da Silva
Primeir j secretario,
Francisco Marcelino do Amara!.
^eguinies
Segando dito,
Francisco Rodrigos Pinheiro Jnior.
Tbesoureiro,
Luiz Bernardo Castello-Branco da Rocha.
Procurador,
Turquino Henriuue da Silva.
Funeconou hontem em primeira sessao o
cooselno de julgamento, presidido pelo Sr. tenenle-
coronel Rodclpho Joio Barata de Almeida, que
responde o lente da seccao urbana Joao Eduardo
Pereira Borges, oficiando como auditor o Dr. pro-
motor publico interino.
Amanha se extrahira a quinta parte da
primeira lotera da San a Casa de Misericordia
para canalisago d'agua e gaz no hospital Pedro
ivi ) sendo os dous maorespremios 10:000$ e
Terminaran) domioho as festividades do Es-
pirito Santo, no convento de S. Francisco e em a
iureja aaquella invocago.
Era arabos os templos houve gosto e riqueza nos
ornatos, reaiisando-se os programlas publicados.
A' noiie foi grande a concurrencia, apezar da
chuva.
Consta por noticias chegadas do Penedo ter-
se perdido prximo a barra a barcaca que aqui
carregou de sua coota para aquella porto Fran-
cisco Goncalves Torres, e alguns salvados foram
roubados pelo povo na praia.
Remettem-nos o seguinte artigo :
Srs redactores.Como Vmcs. leera tomado a
seu cargo curar os males de nossa ierra denun-
cindolos s autoridades eao publico, chamo a sua
aitengo para a celebrrima ponte da Tacaruna.
Era toda a part-> do mundo, quaodo se concerta
urna ponte, faz-se um passadigo ou ponte proviso-
ria (do bairro de Saulo Antonio para o do Recfe
chegou-se a fazer duas) para nao ser interrompido
o transito publico, mxime quaudo este transito
de uma cidade para outra.
Form agora vemos que se n3o quiz tomar esta
precaugo, e com o concedo da referida ponte da
Tacaruna se cortou inteirameole.o transito para
Olinda pelaesirada uova de Santo Amaro 1
Infelizes cre.itur.is sao aquellas que morara em
Olinda II...
Parece que nao pertencem unlo social desta
provincia, a cujas coramodidades tem igual di-
reito I
Um presidente comecou a construir um canal
para desseccar o pantano, conduzir agua potavel,
pura, saudavel, do rio Beberibe para a cidade ae
Olinda, e dar occasio a que cada om proprietario,
aproveitaudo os seus terrenos alagados, lizessem
daquelles arrebaldes um grande jardim, um pa-
raiw. Masque?... Foi um sonho I... O presi-
dente por isso mesmo que era emprehendedor ob-
leve a sua demissao antes de concluir a obra, o
com elle desappareceu tao feliz, como proveitosa
idea I A obra ficou no ponto em que se achava,
sem que outro presidente a promovesse, e vai-se
perdeudo os diolieiros pblicos nella erapregados.
A misera Oliuda, porm, ficou sera o seu aulgo
pantauo (que bellos banhos outr'ora tomei nelle
quando eslava replecio I) sem agua boa ou ni, o
esl ha muito lempo soffrendo s maiores penu-
rias.
Collocaram 'um barreira no Pira, para com o
rendimento do pedaglo termos a estrada bem con-
certada : mas em lugar disto temo-la sem empe-
dramento, e com laes excavagoes, que arrebentam
quaula mola de carros tem a'infelicidade de tran-
sllar por alli.
Agora, para cumulo de desprezo aos habitantes
de Olinda, se mandou desmontar a ponte da Taca-
runa, e sem se dar passagem a quera a ella tem
direito, se proinove um concert, em cuja obra se
dorme a somno sollo!!...
Va a autoridade por alli de modo que de longe
nao seja conhscida, e ver com os seus proprios
olhos como se passara as horas, e se ganham os di-
nbeiros da nago.
Todos sabem que o transito pela estrada velha e
pelo isthmo nimiamente incomraodo, e para iivrar
o publico deste iocommodo, foi confluida a estrada
uova de Santo Amaro, cujo transito deve ser quan-
to antes restituido ao povo : e para que assim
acootega, rogamos ao mui diguo Sr. presidente da
provincia, queira langar suas vistas sobre aquella
obra de Santa Engracia. Um recifense que secn-
duca dos Olinilenses.
De Pao d'Alho nos enviam em data de 4 do
corrente :
Nada tenho a referr-lhe, porque nada sei que
por ca baja acontecido.
As chavas continuara, o invern, pois, erabora
tarde coaiegasse, promeite abundancia.
A filiaba de tioalem na felra de 330 a 400 rs-
a cuia, o milho de 400 a 440, o feijo do 15 a
1280, e a carne ds IS a 20 patacas por arroba.
Acha-es esta comarca no maior estado de salu-
bridade, e o mesmo me consta das comarcas visi-
nhas. O que qur mais que Ihe diga ? Adeos.
Cdnsta, por noticias chegadas do Pener"o.
terse perdido prximo a barra, a barcaga qne
d'aqui carregou de sua conta para aquelle porto,
Francisco Goncalves Torres, e alguns salvados fo-
ram roubados pela povo na praia.
ItEPARTIQAO DAiPOLICIA:
Extracto das partes dos dias 4 e 5 de junho de
1865.
Foram recolhidos casa de detengo no dia 4
de junho :
No dia 3 nao gouve prisao alguma.
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Ama-
ro, escravo de Bailar Jos de Magalhaes Bastos,
viudo das Alagoar como pronuuciado no termo de
Serinhem,
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Jo'o Perei-
ra de Miranda, por briga o uso de armas prohidas
Severo Jos Francisco Cavalcanli de Oliveira, por
disturbios; Venerando Aulouio de Oliveira, por
briga.
A' ordem do da Capunga, Joaqnim Pereira de
Mendoiiga, para correcgo ; e Miguel, escravo de
Tranquilino Mafaldo de Souza Magalhaes, como
livre, para recruta, e posto iogo ero liberdade.
O chefe da 2" secgao.
J.G.de esquita.
Casa de detenco.Mov ment do dia 3 de ju
nho de 1865 :
Exisliam 340; entraran) 2 ; sahram 3 ; exis-
ten) 339, a saber : naciouaes 253, mulheres 3, ej-
tringeiros 22, mulheres 2, escravos 5", escravas
7,-total 339.
Alimentados cu-la dos cofres pblicos, 133.
Exisliam 339 ; entraran) 6 ; sahio 1 ; existero
344. a saber : nacionaes 239 : mulheres 3 ; es-
tranoeiros 22 ; mulheres 2 ; escravos 51 ; escra-
vas 7 ;total 344.
Alimentados cusa dos cofres pblicos, 133.
Movimento da enfermara .
Tiveram alta :
Joao Vicente Ferreira.
Jeronymo Ferreira de Albuquerque.
Amonio Francisco de Souza.
Passageiros do vapor brasileiro Paran viu-
do do Rio de Janeiro e portes intermedios :
Jos Joaquim Gomes de Abreu, sua senhora e 1
escravo, padre capellao Manoei da Vera Cruz, Joa-
quim Augusto Ferreira Jacobina, ex-cadete Jos
Antonio de Sooza Correa, ex-praga Americo Jero-
nymo G. Alves, John Lengan Bretech. Angelo Epl-
phanio V., Angelo Exposite, upiphano Pietro, Mi-
guel Corre, 1 escravo de Jos da A. Valenle, Ma-
noei da Silva Pereira, padre Sebastio de Andrado
Pereira, capilo Nicacio Alves de Souza, Jos Ani-
ceto Rangel, Aaloaio Francisco de Araojo, Jos
Mana Chaves, Isidoro Lalowrlt, Antonio Jos Soa-
res Jnior, Maria (liberta), Manoei Goncalves de
Oliveira Santo.-, Isidoro Jos Capanca, Joao da
Co.-ta, Francisco Carvalho, Antonio da Costa, Feli-
cidade Mena, Antonio Jos Alves da Cruz, Jos
Duarte Ribelro Pernambuco, Belmiro Duarte Cou-
to, Maria Joaquina dos Prazeres, Jos Marques dos
Santos C, Joaquim de Azevedo Maia, Jaciolho Jos
iNunes Leite, Antonio Jen nymo Marques, Joaquim
Jos de Oliveira, Jos Manoei Baptista, Pedro da
Silva Reg, sua sogra, 1 filho menor e 1 escra-
va, e 3 escravos a enregar.
Seguem para o norte :
O presidente da provincia do Cear Dr. Francis-
co Ignacio H. de Mello, sua senhora, 1 criado e 4
escravos, major Joao Antonio Capote e i escravo,
Dr. Antonio Manoei de Medeiros, Francisco Nones
T. de Mello, Antonio Cesar CataDbede e i criado,
Dr. Ricardo Decio Salazar, Guilherme Ford, Anto-
nio I de Aguiar Magalbes, Manoei Pereira Gui-
maraes, Jo Varanas de Carvalho, Mano=l Julio
de Almeida, Dr. Macario Pamplona Nogueira, coa-
selhe.ro Manoei Antonio Magarona, Jos Courando
de Souza Mascarenhas, D. Juan Francisco Salaze,
major Joao Francisco C. e seu fllho, D, Emilia das
Neves Souza, D. Maria Ignez, Dr. Hiliodoro Maria
Almeida Franco.
Passageiro do patacho sueco Jart, vindo do
Rio Grande do Sul :Joao Guerre.
\
ILEGVEL


-^
-
Diario tVrumuhum Ttei** l*LA de

CORRESPONDENCIAS
Srs. Redactores.Li boje no Jornal do Recife urna
publicagao a pedido, ero que o Sr. Dr. Ignacio Fir-
mo Xavier se queia da parte do relatorio que eu
e o Sr. Dr. Ayres de Albuquerque Gama, apresen-
tamos assembla provincial, relativa ao servi-
do medico dos hospitaes dos Lazaros e dos aliena-
dos.
Tendo eu a honra de coohecer desde a infancia
o Sr. Dr. Firmo, supponho que a mim se dirige,
quando estranha o procedimento da commissao,
tendo um membro della conbecimento pessoal do
seu telo e caridade.
Ignora va que os dous estabelecimenlos tivessem
nm s medico, e que este (osse o Sr. Dr. Firmo.
As pessoas preocupan) me pouco no exame das
cousas publicas, confiadas a' minha responsabili-
dade.
A commissao as visitas que foz aos estabeleci-
menlos d* caridade iodagou de tudo, como era do
seu dever, para ter a possivel certeza de dizer a
verdade assembla provincial.
Nio frequentando habilualmeoie nem um de
seus membrcs aquelles estabelecimenlos, era natu-
ral que su informassem como tinham corrido os
diversos servigos, dirigindo-se.corao aprudencia
lhes dictava, a's pessoas que mais habilitadas lhes
parecossem, e maior cuntianca lhes merecessem.
O Sr. Dr. Firmo nao deve ignorar que urna com-
missao da Santa Casa, acompanhou a commissao
da assembla, na revista que esta fez n'aquelles es-
tabelecimentos.
Nenhuraa inexaclido voluntaria se pode cons-
cienctosamente imputar commissao, que s pro
curou a verdade e o bem do servieo.
E' certo, porin, que indo a commissao veriucar
se contra a morpha se tentava alguma medicacao
curativa, e so aos doudos se faziam os tratamentos
espeeiaes da loucura, reconheceu que nada disso
se praticava euto, e foi o que afflrmou, lamentan-
do o facto sem entrar no exame das suas causas, e
sem inculpar pessa alguma.
Creio, p.iis, que a commissao nao faltou a verda-
de, nem a justiga, e muito menos a lealdade.
Ella nao tinba de certo em vista molestar lao
inolensivo cavalheiro, mas to somenle preencher
um dever de consciencia, para o que nao ncuaria
perante o inerecimento e mais qualiaades do Sr.
Or. Firmo.
Recife, 3 de junho de 1863. .
F. Rochad P. B. Medeiros.
>
um
>
dem em gela ou massa
dem em ealda .....
Espanadercs grandes .
dem pequeos......
Esteiras para forro de estivas
de navio. ....... cento
Estopa nacional .....arroba
Farinha de de mandioca .
dem de ararnta ....
Feijae de qualqoer qndlidade
Frcchaes ......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinhas
399 Antonio Jos da Canha Guimares...
500 Loia Francisca da Costa, viuva de
45000 Francisco Firmo Montelro........*
jyiOOO Pedro de Alcntara Perrier-----
Jollo Pi de Senna.................
154000 Alexandrina Francisca Romana, vlnva
de Antonio Joaqun de Souza Timb
alqueire
arroba

um
arroba
>


urna
404903 corporales de maVmortn, se principian! a eonlf Desembaruador Jos fjpfacl* Accloly (a y*scon
do da t* de junbo vindouro, ficando sujeitos a cellos
694668 multa decretada no art. 50 do ergametrto vigente, Jo3 Jotqaim Ferrein de Cirvalha
1834530 todos os que pagaran) depois de flndos os ditos 30 Dr. Jis Joiqolm Rihiiro de Cim?os.
34*140 dias. Dr. Jos Sergio Perreira.
Mesa do consulado provincial da Pernambuco 39 Dr. Leandro Francisco Borges.
60J4000 de malo de 1865% D. Luiza de Almeida Pinti.
Antonio Carneiro Machado RioS Loiza Vianna.
Administrador. t)f, Marcolino do Morelra e Albuquerque.
Cormrrendador Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
14600
24500 Antonio Joaquim de Souza Timb
4SOO0 (tres filhos de).................. 6034000
8 SSe^::.: 'SSS Santa Uit da Misericordia ==?F
14400 Joaquim Meqoiliuo de SouzaTao.iago. 86*60 ^ J^jfo
Gomma........arroba
Ipecacuanha (raiz)
84000
84090
04OOO
600
24500
255000
865 460
205OOO
445906
900
34000
105000
1 s n r\y 9
lilfj&yUJ
psmbo
fcna^nje ar-i-at-^ -*
para o E\m. Sr. presidente da provin-
cia ver.
Cnmpre-nos declarar por honra nossa e do nosso
patriotismo, que nao viemos alistar-nos no corpo
de voluntarios da patria porque fossemos influen-
ciados por ninguem do Ouricury; mas sim trasi-
dos por impulsos proprios a preencher a sagrada
misso de cidados livres, quando se irata de de
ender os patrios direitos ameagados pela audacia
estrangeua : por tanto, nao se deixam paes, espo-
sas e prenles, por outras consideragoes que nSo
sejam as do verdadeiro patriotismo, e quem se ar-
rogar do cnntrario perde o seu lempo. A' costa
nossa neohum esperlalho far turma.
Recife, 28 le maio de 1865.
Francisco Lopes de Siqueira Granja.
Joo Evangelista de Souza Lustoza.
Floriaoo Ferreira Paz.
Manoel Ferreira Lopes de Siqueira.
Mauoel Ignacio do Espirito Satuo.
Lenha em achas.....cento
Toros.........
Linhas e esteios......um
Mel oumelaco......caada
Milho.........arroba
Papagaios .......um
Pao Brasil.......quintal
dem de jangada......um
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar .....
dem de rebolo .....
Piassava........molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento
Pranchoes de amarello de dous
costados.......un
dem de louro.......
Rap .........libra
Sabao ..........
Sal...........alqueire
Salsa parrilha.......arroba
Sebo em rama......
dem ^m velas......
Sola em vaqueta......urna
Taboas de amarello.....duzia
dem diversas.......
Tapiocas.........arroba
Tatajuba........quintal
Travs ........urna
nhas de boi ......Cento
Vassouras de piassava ...
Ditas de timb........
Ditas de carnauba......
Vinagre.........caada
Alfandega de Pernambuco, 3 de junho de 1865.
(Assignados):
O 1. conferente, Manoel Caldas Brrelo.
O 2. conferente, Jos Thomaz de Agutar.
Approvo. -Alfandega de Pernamuc, 3 de maio
de 1865.A. Eulalio.
Conforme. O 4. escriturario, /. de Avila ai-
RECEBEDORIA DE RF.XDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 3...... l:5iH2I!
IJemdodia5 ................ 6/05746
Quinteiro & Agr
Francisco Jos Falco..............
Guardiao do convento dos francisca-
nos, (Fr. Joo Baptista do Espirito
Santo).........7............... 39559G7
Fr. Joo Baptista do Espirito Santo... 3004000
24000 Ignacia Senhorinha de Souza Folgado 1024822 jeudas das casas abi'xo declaradas.
114000 Carolina Augusta de Moraes Folgado. 1024822 Os licitantes devem comparecer acorapanhados
64000 Dr- Christovo Xavier Lopes........ 145400 jQ seus Qadores ou munidos de cartas desta?,
240 Empregados dojuizo des fetos. Ra das Larangeiras.
Jos l'olycarpo de Freitas......... 905238 Casa terrea n. 5 particular e 17 pu-
Francisco Xavier Pereira de Brito... 224531 D|co..........
Jos Francisco de Paula............ 695432 Ra do Rangel.
) Ricardo Jos Santiago............. 125830 dem n. 6 particular e 56 pblico. .
800 Secretaria da thesourana de fazenda de Pernam- Ra de S. Gongalo.
UOOfi buco em 31 de maio de 1865 1 dem n. II particular e 24 publico. .
tJIOfiO' Servindo de official-maior, Afano*/ Jos Pinto. Rua do Rosario da Boa-Yisia.
*Y9q : O Htm. Sr. inspector da thesouraria provin-, dem n. 14 particular e 58 publico. .
' cial, em cumprimenlo da ordem do Exra. Sr. pre- RUa da Madre de Dos.
pu-
ternas e I lobo, 1 marqueza, 1 mesa para
ianiar, 1 bab de amarello, 1 carleira e
raoJl>o. barco. 2 armarios de amarello, i
cama de ierro, l mesa pequea e lavatorio.
^ORDEIRO SIME3
a re-Huriment de Ijaqui" Francisco Silva J-
nior e mandado do Ulm. Sr. ur..miz especial d)
commercio, far leilao dos movis cima descrip-
to,i)s qoae foram are3tados ao fallecido Joao
Antonio Soares Vivas e exist-.nlps no predio da
ra do Rruro n. 35, aonde ser effectuado o leilo.
UOJ
Crrelo.
A IIIm.'junta administrativa da Santa Casa da Pela administrado do correio desta cidade sa : as 10 1|2 hora?.
Misericordia do Recife, manda fazer publico que faz pan|ico qUfl hjjP) 6 de junho, as 3 horas da tar-;' .. ~ UUavnt AiAq
no dia 8 de junho pelas 4 horas da Urde, ua de, fecharse ho as malas que o vapor Paran L'liaO lie llfln WUemd L UlTlOg.
sala de suas sessoes contiouam a ir a praca para temde conduzir para os portos do norte. A ra d: Brum n. 3.'i.
serera arremaiadas pelo lempo de 1 a 3 annos as qs jornaes serr,0 recebidos at 1 1|2 hora da tar-! COUDEIRD SIMES
! dee as cartas admetlidas a seguro al 2 horas.
ra1
2065000
3004000
1925000
1684000
s
DE
oSfto' sidente da prpvincia de 22 do correte, manda fa- j Casa terrea u. 26 particular e 22
* zer publico, que no dia 22 de Junho preximo vin- bico........
'OAOOO douro, perante a junta da fazenda da mesma the-
- souraria.vai novamente a praga para ser arrema-
400
254000
54000
74000
25000
1405000
875000
35000
65000
200
103000
85000
65000
500
3:2855618
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dala 3 ...... 5:?a
dem do dia 5 .............. 3:53SW
12:7505990
MOYMEKTO 10 PORTO
*
6
0
Sl'JIO.
ovobaueo de Pernambuco.
O iiancopaga o 14" dividendo na razaode85
dor acco.
.^oro banco de Pernam-
buco.
O hauco Jesconta letras na presente semana a
3 ior cento ao anno al o prazo de quatro me-
zes, e a 10 0(0 at o de seis mezes
Cnka filial to banco do Brasil em
Pernambuco.
A .lirectona desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
m<'s:no banco na Bahi.
Novo banco de pernambuco.
Os s.iministndores da massa fallida de m
Jos Sveira pagam o Io dividendo de dita mis^a
na razio de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
mt-Uldos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
Navio eulrado no dia 4.
Rio Grande do Sul21 das, patacho suecoJarl.de
164 toneladas, capilo Anderson, equipagem 9,
carga 11,132 arrobas de carne; a Maia & Espiri
to Santo.
Navtos entrados no da 5.
Rio de Janeiro e portos intermedios 6 dias e 18
horas e do ultimo porto 13 horas, vapor brasile-
ro Paran, de 810 toneladas, commandanie o
capilo de fragata Antonio Joaquim de Santa
Barbara, eqnipagom 56.
Bahia7 dias, lancha brasileira Morena, de 08 to-
neladas, capilo Joao Theobaldo dasNeves, equi-
pagem 7, carga' 1,600 alqueiresde farlnha do
mandioca ; a Fernandes <5 Irmo.
Havre- 36 dias, barca franreza fgaro, de 220 to-
neladas, capilo Micliel, equipagem 11, carga
merraduiia ; a v. Soavnae & C.
Norfolk29 das, curveta americana a vapor w^>
mmg, commandant W. Bankhead ; entrou.
Navio saluda no mesmo dia.
Uraguavana por Montevideo Brigue inglez By-
kontiiim, capitao I. V. Sant Clair, carga assucar
a outros gneros.
ObservaQo.
B >rdeja no lamaro o brigue Trovador.
ALFANDEGA.
IVndimento do dia 1 a 3...... 63:832*684
dem do da S............... 19:2575278
82:4895962
MOVIMENTO DA ALFADEOA.
Voluntes entrados com fazeodas..
c > com gneros.
Volunies sabidos com fazendas.
< t com gneros..
73
144
------- 217
60
375
--------435
IDIT1ES.
Descarregam no dia 6 do crrante.
Briso''. iaglez Rosaliemercadorias.
Brigue inglez -Ii)i>eradordiversos gneros.
Brigue iunowriaao Jnhanesfarinha de trigo
ilarca iogleza -AnnLizzie -farinha de trigo e ma-
chinas de descarocar algodao.
Barca frauceza Cotognydiversos gneros.
Brigue inslez Parklide -vinhos e cemedto.
cjna portuguezaD. Joochanjue.
Sumaca hespaoholaMtrceditadem.
Brigue nacional Cardia-idem.
BriRM nacionalmporadoridem.
Eatacho hollandezDenyidem.^
Birca inglesaMary Botidcarvao.
Barca iogleza Avenaidem.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
* VITA DOS PBEgOS DOS GNEROS SUJEITOS A DIREITOS
DS EXPORTACAO.SEMANA DE 5 A 10 DO MEZ DE
Jl'ftHO DE 1865. ..... ,r ,
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........eento 15500
Agurdente de cana .... caada
dem restilada ou do reino 800
dem caxaca.......
dem goncbra.......
Idem alcool ou espirito de agua-
ardente ...-,
Algodo em caroco .... arroba
dem em rama ou em la
c
t

caiada
>
>
arroba
>
A T'iz com casca.....
dem descascado ou pilado .
A"s :'ar mascavado ....
dem branco.......
dem refinado......
Azi'i te de amendoim, ou mendo-
bfo ........
dem de coco......
dem de mamona ....
Btalas alimenticias ....
Bolacha o diara, propria para
embarque ......
Idem lina .......
>Caf bom .......
dem escolha ou restolb.0.
idem torrado......libra
Caluros....... um
Ol..........arroba
dem branca .... >
Carne secca (xarque) ...
Canwicoa .......ura
Carras vegetal .....arroba
Cavughxs de sicupira,. urna
Cera d.i'casnaba em bruto. libra
jdern idem em volas ...
Cha .........
Charutos .......cento
Cev;ulos (poroos).....um
' Cocos (seceos)......cento
Colla.......
Cauco de boi, salgados t. .
lievA i'K'm seceos espichados
dem idetn verdes .
dem idem cabra cortidos .
dem idem de onoa .
Pocos seceos ......libra
O Dr. Trlstio d: Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio, nesta cidade do R-cile de Per-
nambuco, por Sua Magestade Imperial e Cons-
titucional o Sr. D. Pedio II, a quem eus guar-
de, etc.
Fago saber aos que o presente ediul virem e
d'elle noticia tiverem, que por parte do adminis-
trador da massa fallida de Rosiron Roccker i C,
me foi dirigida a peticao do theor seguinle:
lllm. Sr. Dr. juiz do commercio. O adminis-
trador do massa fallida de Roslroo Roocker & C,
que sendo devedor a mesma massa Antonio Primo
Soares da quantia de ris nove ceios trinta e dois
mil sete centos o dez, importancia de urna letra
mercantil ja vencida a 31 de maio de 1860, quer
o supplicnie para reserva do direito da mesma
ina*sa, afim de que a mesma letra nao prescreva,
nterpr o competente protesto, para que fique
enlerrompida a prescripcao, requr a V. S. se dig-
ne mandar tomar por termo o seu protesto, inli-
ma-lo ao supplicado, e porque este esteja ausente,
reqner o supplicante V. S. admitta a justifica-
gao do estylo, afim de que, julgada por sentenga,
se passe carta editai para por ella ser o supplicado
intimado.
Pede V. S. deferimento E. R. M. G. Aleo-
forado.
Nada mais se continha em dita petiga^ aqu co-
piada ; na qual dri o despacho do theor seguinle:
Justifique no dia 26 do corrente mez as 11 horas
da manhaa. Recife 24 de maio de 1865.Alencar
Araripe.
Nada mais se continha em dito despacho aqu
copiado. Em virtude do qual fora a mesma peti-
go destribuida ao escrivo destejuizo, Manoel Ma-
ra Bodrigues do Nascimento o qual fe/, lavrar o
termo de protesto do theor seguinte : Termo de
protesto.
Aos 24 de maio de 1865, em meu cartono com-
parecern! os supplicantes por seu bstanle pro-
curador Rodolpbo Joo Barata de Almeida. e por
este fora dito perante mim e as testemunbas infra
assignadas, que reduzia protesto e contedo de
sua pedigo retro, a qual oTercceu como parte do
presente, no qual depois de lido se assignou com
as referidas testemunhas: eu Adolpho Liberato
25600 pereira de Oliveira escrevente juramentado o es
crevi: eu Manoel Maria Rsdrigues do Nascimento
escrivo o subscrevi, Rodolpho Joo Barata de Al-
meida, Caetano Alherio Carrilho, Secundino Elio-
doro da Conha. Nada mais se continha em dito
protesto aqui copiado.
E tendo o supplicante produzido suas teslemu-
pre parados os autos, suhiram
VSJCvj lada a quem por menos izer a obra da conclusao
&\in da casa da cmara e cadeia da villa do Bonito,
avahada em 8:3095-
A arrematago ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaos publicadas anteriormente.
E para constar se mandou pablicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 24 de maio de 1865.-0 secretario,
A. F. d'Aununciaco.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, por deliberago da junla da fizenda, manda
fazer publieo, que se acha eucorporado aos pro-
pri s provmciaes a fabrica do Monleiro de relinar
assucar, por execugo que promoveu contra Jos
Guilherme Guimares, e que essa encorporagao
houve lugar pela quantia de 8:1465219.
E porque o erlabeleciraenio fabril de que se tra-
ta seja de grande importancia para a provincia, e
convenha mante-lo, urna vez que bem montado
como est e prvido de todos os apparelhos neces-
sarios, seja dirigido por quem tenha conhecimentos
profissionaes, e possa dispor de capitaes relativa-
mente abundantes, manda convidar pelo presente
edilal aos que se achara em taes circumslancias a
compar.cerem na mesma thesouraria, aonde se
lhes dar a faculdade de visitar o referido estabe-
lecimento, afim de que bem informados possam
apresentar suas propostas com d^clarago dos
meios que lem para manejo da dita fabrica. O que
preenchido, e estabelecido por tal meio a ualdade
de meios em diversos proponentes se abrir entre
estes a concurrencia final sobre o prego e mais
coodigOes da sua venda, com a declaraco, porm.
de que taes propostas nao sao delinitivas, ticando
ao arbitrio do Kxm. Sr. presidealo da provincia
acceila las ou nao, se no seu entender nao offcre-
gam os concurrentes meios que garantan) e segu-
ren) a con'.inuago de una indnstria que a todos
os respeilos mu vamajosa provincia, tendo-se
mais em altengo aanimagao della, do pie o maior
ou menor prego que possa ser alcangado, com tan-
to que elle salde a divida da fazenda.
A fabrica do Monteiro s tem deixado de medrar
pelas circunstancias pecuniarias de seus possui-
dores, e islo que se pretende evitar, adjudican-
do a com attengo para esta circunstancia, a quem
melhor prego offerega.
De um valor muito subido em seu primitivo as-
sentamento, com apparelhos os mais aperfeigoados,
e todos de grande prego, a fabrica acha-se hoje por
seu valor mnimo, e tal que nao pode deisar de
dar vanlajososresultados a quem empreender dia-
riamente, e com ampios meios de execugo o seo
manejo, e a junta f levada do de>ejo de nao ser
destruida esta industria, que prefere vender a fa-
brica com as condigSes expostas, a relalha-la, ape-
lar de ser a venda nesta ultima especie, (a que re-
correr, se nao forera preenchidas as suas vistas),
muito mais vanlajosa para a fazenda, segundo o
pensar t* nnhep.em O valor da mix^""". >l
deiras e outros apparelhos de qno eil <* cumpOr.-
A junta recebe igualmente quaesquer outras pro-
postas, sem as condig5es cima, ou com difieren-
tes. Da-se para apreseutago das propostas o pra-
zo de 15 dias.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam
buco 26 de maio de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciagao.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em fumprimenm da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 10 do corrente, manda fa-
zer publica qne no da 14 de junho prximo vin
douro, perante a junta da fazenua da mesma the
souraria, se ha de arrematar, a quem por menos
fizer, a obra da cadeia da cidade de Nazareth, ava-
llada em 18:0935900 rs.
Ra da Lapa.
41 particular e 2
pu-
. Casa terrea n.
i blico. .
Ba da Mocda.
I (dem n. 4't particular e 21 publico.
Ra do Amorim.
dem n. 48 particular e 56 publico.
Idem n. 49 particular e 54 publico.
I Jera n. 50 particular e 52 pupheo.
dem n. 52 particular e 45 publico. 4505000
Idem n. 53.particular e 43 publico. 5005000
Iidem n. 56 particular e 26 publico. 725000
Ra do Azeite de Peixe. !
!Jem n. 61 particular e 15 publico. 4505000
dem terrea n. 63 particular 2 publi-
co........... 6005000,
Ra da Cacimba. \
dem n. 65 particular e 5 publico. 1445000
dem u. 66 particular e 12 publico. 1445000
dem n. 67 particular e 10 publico. 835000
Ra do Vigario.
Sobrado do3 anlare-i n. 71 particular j
e 22 publico........8005000
dem de 2 andares n. 72 particular e
27 publico........6485000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particular
e 11 publico. ........ 8395000
dem idin n. 77 particular e 13 pu-
blico.......... 8395000
Ruada Senzala Vellia.
dem idem n. 79 particular e 134 pu-
blico.......... 5i05000
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico..........2005000
dem n. 82 particular e 16 publico. 2005000
Ra da Guia,
dem n. 84 particular e 29 publico. 1445000
Ra do Trapiche.
Sobrado de 3 andares u. 85 particular
e 30 publico........7205000
Ra da Lingoela.
Idem de 2 andares n. 86 particular e
14 publico. ...... 6005000
Ra da Cruz,
dem idem n. 87 particular e 11 pu-
blico..........
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 92 particular e i03 pu-
blico., .........
dem u. 93 particular e 101 publico. .
EMPREZA-OOIMBRA
8OO50OO Recita extraordinaria
Cajo producto para as obras Ja igreja
1505000 de Sania Rita de Cassa.
3565000 Ter#i-fei>;i 6 de junho de
4505000' IODO.
45050001 Apedido de muitas pessoas subir
4-05000; ieressante drama em 5 actos
,\\RE !UI Kl.
DEXOMINAQAO DOS ACTOS.
1 arto..... A orago da familia.
2 dilo...... O ladro ao jogo.
3 dito...... A cesiinlia de nupcias.
4 dito...... O perdo da lilha.
5 dito...... Reparago e morle.
Dar fim ao espectculo a graciosa e muito ap
plaudida comedia em 1 >cto ornada de msica
tradueco da Sr." D. Eugenia J. da Cmara
0 irmo das almaSj
A Ilustre soeiedade musical Unio Cummercial
para mais brilhantismodo espectculo tocara' lin-
das e variadas pegas de msica no salao do
theatro.
Principiar s 8 horas.
O pequeo resto de billietes esto a venda no
escriptorio do theatro na vespera e no dia do es-
pectculo.
far feitn a requerimento de Joaquim Francisco1
da Silva> Jnior e por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz
especia! do commercio, dos- yene ros, arraagao e
utensilios da taberna cima dHa, em um ou mais
lotes a vontade dos concurrentes ; como tambera
i as dividas acBivas na importancia de 5725810; en'
jos bens foram arestados ao fallecido J jo Antonio
Soares Vivas.
Terga-feira 6 do corrente, s 10 horas, na mes-
ma taberna.______
Lcilii < ile Sin deposito e limitas
A' rita do Pilar 78, rm Fora de Per Ja.
CORDEWO SIMES
A requerimento-de-Joaquim Francisco da Silva
tomona mandado do Slm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, far leilo dos gneros armago e
u'en-ilios do deposito cima dito, oqual foi aresta-
doao fallecido joo Antonio Soares Vivas asstm
como as dividas do mesmo na impurtaucu de
-;"* .,,
Terga-feira 6 do corrente,. s 11 horas, no mes-
mo deposito.
LEILAlT
DE
Ump l e dividas
Martin far leilo por ordem dos credores do
Rvd. padre D. Jos Antonio dos Suatos Lessa, de
um prlo com seos pertences e dividas, na impor-
, tancia de 5:W65470. cuja relaco se acha em po-
der do mesmo Marlins, onde poder ser examina-
dos.
Quaria-fcira 7 do corrente
em o arm.izera da ra do Imperador 37, as 11 ho-
ras do da.
I1:ila&
iISOS M1MIIMQS.
I'ar
Est carga o brisue escuna nacional Graciosa,
cajjito Jacintho Anues da Costa, consignatario
Antonio de Almeida Gomes, rua da Cruz n. 23,
prmieiro andar.___________________________
8825000
dem n.94 particular e 99 publico. .
dem n. 97 particular e 110 publico,
dem n. 99 particular e 10$ publico. .
tem n. 100 particular e 104 publico.
dem n. tOl particular e 102 publico,
lem n. 102 particular e 100 publico.,
dem n. 103 particular e 98 publico.,
dem n. 104 particular a98 publico.,
dem n. 105 particular e 94 publico. .
O sitio da Mirueira com a condiego de
nao se fazer ca vo nem tirar lenha,
pela quantia animal de.
Para < Rio de Janeiro.
Pretende seguir com milita brevdade o palha-
bote Piedaile, tem parte do seu carregamento a
bordo, para o resto que the falta e escravos a fre-
| te para os quaes tem excellentcs commodos, tra-
., ta-se com os seus consignatarios Antonio Lmz de
&!; Oliveira Azevedo & C, uo seu escriptorio rua da
585 *"<'
2285000
Para a Baha
2285000
2-285000 j pretende seguir para este porto com brevdade o
2285000 | ve|ero e tem conbecid) patacho nacional D. Lmz,
2285000 (|Ue se a,.|);l Maj parte da carga prompta : para o
2-285000 re8,0 iralvse rom Jo- Miria Palmeira em seu es-
2285000 Criotorio no largo do Corpo Santo n. 4.
2285U00, .1
Parao Porto
Secretaria da Santa Ca-a
uh.h-5) O esen-vao-,-
F. A. Cavalcanli Cousseiro
1005000 segu sem maior demora e com a carga que tiver
da Misericordia do! a barca portugueza S. Joao, capito Manoel Parral-
raLeite : recebe carga a froto barato : a tratar uo
escriptorio Amorim Irra;ns, rua da Cruz n. 3, tu
com o capft.lo nJ pp nnmmurcio..-----------
COMPANHIA
DO
O caixa desta companhia corninendador
Tlio.naz de .4quino Fonseea aclia-se autori-
sado a pagar no seu escriptorio rua do Vi-
gario n. ti), das 10 lloras as 3 da lar 'e do
dia2do corrente etn diante o 34 dividen-
A arrematago serTfeita na forma da lei pro-Ido desta compartida na proporfao de ^|.Portd
COMPANIH v PEHNAMBCANA
DE
XaTegavo cosieira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty,
Cear c Aacrac.
Segu o vapor Persinunga,
conimandante Rates, no dia 7 de
junho prximo. Recebe carga
al o dia 6; encomnundas, pas-
sageiros e dinheiro a frete at o
da da saluda as -2 horas da larde : escriptorio no
Forte 'lo Mallos n. 1.
800
900
35000
125000
vlucial n. 313 de 13 de maio de 1854, sob as clau-
sulas espeeiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propuzerem essa arremata-
go, comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no dia 'cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habilitados.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarin da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 14 de margo de 1865.O secretario, A-
F. d'Annunciagao.
Clausulas espeeiaes para a arrematago.
1.a O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
feito de conformidade com a planta e orgamento
junto, na importancia de 18:0935900 rs.
2.' O arrematante ser obrigado a dar principio
aos trabalhos no prazo de 30 dias, e concluidos
no de um anno, ambos a contar da dala da assig-
nalura do contrato.
3.' Os pagamentos sero feitos em 3 prestagoes
iguaes correspondentes a cada tergo da obra linda.
4.* Nao ser em lempo algum attendida qualquer
reclamago por parl do arrematante tenden-
te indemnisaco, quaesquer que sejam as allega-
kon em que se lujara para esse fim, anda mes-
mo por prejnizos provados.
5.a Para tudo o que nao estiver especificado as
presentes clausulas, segr-se-ha o que dipoe ore-
gulamenlo de 9 de Janeiro de 1864.
Conforme.A F. d'Annunciagao.
poreda apoicc, previne-se aos Srs. accio-'
11 stas que este pagamento deve ser em moes
da de cobre que na especie que o mesmo
Sr, caixa tem recebido d.s arrematantes dos
chafarizes desla companhia.
Escriptorio da Companliia do Beboribe Io
de jucho de 1863.
O s cretario,
Jos Eust juo j? erreira Jacobina.
R e Janeiro.
Segu em poneos dias o patacho nacional Dha
lia : para o resto da carga que Ihe falta trala-se
na rua do Trapiche n. 4._____________________
a7 H. JacobsenT capilo do brigue escuna
hamhurguez Hamburg Pocket, viudo de Santos
com carga do caf, com de.-lino para Hamburgo.
entrado ueste porto para coucertar as avarias que
o dito navio solTren, pr<
rgidas ao consulado
u. 4.
I aiDim-iaw^f
15300
35500
55120
25OOO
15600
15000
15200
libra
<

um
35000
75000
75'i00
65000
440
360
280
500
35200
45000
15000
35000
300
300
15500
25500
155000
65000
600
150
240
105
350
105000
I5OOO
aSGLAUCfiES.
Companhia do Beberibfl.
Sao convidado* --s Srs accionistas desta
companhia a se reonirem em assembla ge-
ral exlraordinaria no dia 6 do corrente ao
meio dia no escriptorio da mesma compa-
nhia afim de tratar-se da reforma de seus
estatutos.
Escriptorio da Companhia do Beberibe
3 de junho del 805.
Pelo secretario, o escripturai io,
Marcolino Jos Pupe.
nhas. sellados e preparados os autos, suhiram a _-----.----------.--------------, ,......rr
minha conclusao, e nelles dei a sentenga do theor: Pela thesourana V^^JSS
seoninte- que a arrematago das pinturas das ponte.-de Lna,
Procede a jostincago; e mando, que o ausente JaboatSo, Seraflm Pintos, Morenos Rento \ elnoe
Antonio Primo Soares seja citado por editos de; Tapacur, foi transferida para o da 8 de j
trinta dias para o fim requerido a fK 2, pagas as; prximo vindonrn.
cusas ex causa. Recife 27 do maio de 1865.- Secretaria da Ihesourar.a provincial de Pernam-
Tristo de Alencar Araripe. .: buco 24 de maio de 1865. o ^eur.o
Nada mais se continha em dita sentenga aqu ____________________A. K d Aununciagao.
copiada. Por forga da qual o referido escrivo fez. convida-se as pessoas que estiverem as con-
passar o presente editai, pelo 5^1 IniBap.^e bel aitCes d0 serVic0 militar, a engajarem-se no corpo
cisa tomar risco marti-
mo cerca de 12:(i00500 rs., sobre o casco, frete e
carga do mencionado navio. Os pretendentes
Pela recebedoria de rendas internas geraes f|,lejram f,lZ^r suas propoMas em carta fecha-
se faz publico que ueste corrente mez que os de- da alL; dja 7 ao corrente mez, ao meio dia, di-
vedores dos impostes seguales : renda dos pro-
prios nacionaes, dcima adicional de mo-mor a,
imposto de 20 0/0 e dito especial, relativos ao 2o;
semestre do exercicio corrente, tei-m de pagar seus \
dbitos sem multa, depois do que serao pagos com
ella. Hecebedaria de Pernambuco 2 de maio de.
lb65.-Oadminisirador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Pela subdalegacia do 2o dislricto d> Curato
da S de.Olinda se faz, saber que foi apprehendido
no dia 30 do mez de maio do correnlc anno, em
M
1 mobilia de Jacaranda usada.
1 mobilia de amarello nova.
1 santuario de Jacaranda.
1 guarda-louca.
1 guarda-rou|>a.
1 toilette de amarello.
1 secietaria de dito.
1 coinmoda de dito.
1 grande mesa de dito.
1 mesa elstica de dito.
2 eadeiras de balasen de dito.
1 machina de costura.
2 carteiras de escriptorio.
e outros muitos movis novos < usades.
Cordeiro Wimdes
far leilo d"s menciouados objectos, por coma de
diversos ; isto
(Juarta-feira 7 do corrente
as 11 horas em ponto, em seu armazem, rua d
Cruz n. 57._______________________________
luilAO
Jfo um cabriolel amerieaoo de 4 roda*
com cav>llo.
Cordeiro Sinies
far leilo de um cabriolel americano de 4 rodas-
para um ou dous cavallos e com 4 acentos, com
lodos os arreios; e tambera um cavado para o
mesmo, isto
Qu^rta-feira 7 do corrente as 12 oras.
No arniaifin nu da (liuz n 57.
LE1LAO
De9 taboas e 2 bacuiiulios objecto*
~fmtsmmte* m1* s-ih'i.Jos 4 barca
iiiglcza Fclisbella
Quarta-fe ra 7 de junho
a 1 hora em ponto, na praga do commercio e por
iutervengo do agente Pinto _______________.
Lcilio d iODchapeos do Cfcili.
Quarta-feira 7 do corrente as li horas em
ponto.
Cordeiro Simoes vended era leilo por eonta e
risco de quera perteocer 109 cliapos do Chili em
um ou mais lotes a vontade dus oompradores, pelo
maior prego afim de liquidar cuntas de venda.
Sera elfretuado o leilo no armazem a rua da
Cruz n 57.________________________
Leilo
de cerca de I OU barricas cora faiinii
(cora av-aiia.)
Quarta-feira,7 de junho as 10 horas em ponto.
O agente Pinto fara' leil per cunta e risco de
quem pertencer, de cerca de 100 barricas com fa-
rinha, desemoarradas do patacho hollandez Fenne-
china, e existentes no armazem do caes ilo Apollo
n. 57, junto ao armazem dos Srs. Jos Duarie &
Quirino, onde se illecvuara' o leilo, as 18 horas
de Hamburgo, rua da Cruz em ponto do dia cima dito.
Tara a Bahia
Leiiau
de 400 duzia de cticos a*arta-
d=>s.
Quinta-IVira,8de junho.
pretende sabir com muita brevidade a veleira es-
cuna Miza por ter a maior parte da carga, e para ~ |p ,- -,
o resto que lhes falta tratt-se com o consignatario fjSJS^m^Sm autorisaca
Joaquim Jos Gongalves Reltrao na rua do Vigario l
n. 10 primeiio andar. ___ __
Vndese o patacho nacional Eurico, chega-
do Rio Grande do Sul, o qual se
oder de~Ttlloo Jos de Souza, 3165000, o qual I do ltimamente do Rio Grande do sul, o
diz ter adiado ao entrar das matas de Itapiruss acha bem prorapto a navegar : trata-se na rua do
Trajuche u. 4.
Para a Bahia
pretende sabir era poneos dias o veleiro hiate O/i-
veva por lera maior pirle da carga prometa, e
para a piuca que lhes falta, trata-se com o consig-
natario Joaquim Jo- Gongalves Bellro, na rua
do Vigario n 10, primeiro andar._______________
em seguimento de Uuarass. para Goianna, cuja
Buantii se acha em deposito : quem for seu dono,
provando, Ihe ser entregue.O subdelegado
Manoel Deonizio Gomes do Rego._
Pela thesouraria provincial se faz publico
que a arremataco da obrado empedramento do
lugar denominado Areias do Giquia foi transferida
para o dia 14 do corrente
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 2 de juuho de 1865.
O secretario,
A. F. da Annunciagao.
Pela thesouraria provincial se faz nnblico
que a arrematago da obra da reforo a afazer-se
ua casa da cmara municipal de Serinhem, para
que se presse tambem para quartel do destaca-
mento, foi transferida para o dia 22 do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 2 de junno de 1865.
O secretario, _
F. F. da Annuciaco.
"_ Pela thesouraria provincial se faz publico
qne os 30 dias uteis para o pagamento da primei-
ra preslago do imposto de 15 por cento para os
passeios das ras da Aurora, Imperador e Crespo
comegam a se contar do lc do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial da Pernam-
buco 2 de junho de 1865.
O secretario,
A. F. da Annunciagao.
PAIU LISItOA
O palhabote 19 de unlio pretende seguir com a
carga me liver at o dia 20 do crreme : para o
resto que Ihb falta, o qual se recebe a frete barato,
trala-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio rua
da Cruz n, 1.
requerimento de
o e era pre.enga
do cnsul de Franca,, e por conta e risco de quem
pertencer, de nina "caixa marca L. \V. iC, n. 23,
cora 400 duzias de leugos avariados a bordo da.
barca raocexa Sphsre, as 11 hoyas dodiaaci.ua.
dito, em seu escriptorio, rua da Cruz n 38.-
YBK DIYEMOS.
LE IL OES.
por intimado o referido supplicado Antonio Pruno de poMcia e ROzarem das vantagens que offerece
Soares, para que comparega ne.-te juiza dentro do a )ej provinci8| D. 611 de 2 do corrente.
maEndPerPTaerCoXente, que sera-publicado pela ^^n37^ittCrrnst!dalUpraarado dTa"^ RS
imprensa, e affixado nos lugares do costme. Re- Cachanga, foi transferida para o oa a ue junno
- i.i.d ,i lafix oroximo vindouro.
Leilo
Da parte de uma casa na Parahiba a rua das
Convertidas n. 15, era que existe um es-
Jabelecimenlo, avallado todo predio em
2:0005, e cuja parle em 707,5303 rs.,
como tambem os aiugueis de cerca de
a 3 annos
319*913
O Ven.-, da Aog.\ Loj.-. Lap.-. L'nio. o Bcna-
ficencia hll.\ ao-Sapro.-. Gr.-. 0rj.nl/. do Una.*.
ao Val dos Benedictinos manda canvidar a todos
os seus dig.-. niMDb.-. para ser.-. Famill.*. terga-
feira 6 do corrente. pelas 6 1|2 horas d tarde, pa-
ra ser apreseniada a pranch.-. deaomn unicagao de
que os SSapms.-. GGgr.-. OOriant.-.. de Franca e
Portugal reccnheccm o Sapm.\ Gr,-. Oriente, ao
Val dos flenedKlinos como o nico legal eo Impe-
rio do Brasi!.
Azevedo Santos.-.
Saeretj_______
Joaqutm da Silva Cos faz ver publica e
comespecifthdade ao respeiiavel corpo do commi-r-
cio, (iue jolga nada deve nesta praga e nem fra
della, das- e.-tmetas firmas Je que foi sucio capitalista
Joaquim da Silva Cosa & C. JnaqMim da Silva
Costa & Irmo e CanholShi C, poiui se alguem
se jn'.gar credor apreswit^ a conl* mi prazo de
8 dias da data deste, para miBediataiuenie .-er
pagtx___________________
~ Cosme Jos do> Santos Callado anda sacea
sobr8 a prca do Parta._______________________
Jos da Silva ftiimro,
cesidenta em Goianna, e d pres. ate nesta cidade.
es-
cife 2 de junho de 1865.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimegp,
crivo, o subscrevi. p
Tnstao de Alencar Araripe.
De ordem do lllm. Sr. inspector da ihesouMr
ria de fazenda desta provincia te faz publico, para
conhecimento dos interesssdos, que o tribooal do
thesouro autoaisou o pagamento^ de dividas de
exercicios Bndos, cojos credores sio 03 seguintes :
Licinio Purcinio Nestron e Andrade.. 120JW0O
Loureno Jostiniano de Souza Lima.. IG&Vt
prximo ...
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 24 de maio de 1865,-0 secretario
A. F. d'Annunciagao.
Consulado provHeial*
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
que os trinta dias uteis marcados para a eobraga
bocea do cofre dos impostas da dcima dos pre-
dios urbanos de 20 0\0< eoasumo > agurdenle.
e de 5 0;0 sobre o? r,aa& de rail petencoutes .
Relaeao das carta sejura vimUa do sai
Tapores.eosteiru c brasileiro para os saibores
ahaia declaradas:
Augn-t i Alves Guimares.
Adolpho Lemenha Lms.
Antonio Jo; de Souza Freitas.
Anjorao Nobrede Almeida.
Antonio de OMveira Cavalcanli.
Amonio Pereira de Carvalhn Guimarass.
Oesem hurgador Bernardo Machada da Costa Doria.
Ralbioo- Jos de Andrade.
Frederico Mariaho de Araujo.
ioaoSilveira de Souza.
Jos Carueiro Frlao.
Tirga-ffira20.de jnnba as 11 horas. j^a a senbor qwe reshle M naa do Baiiholcmei
Cordeiro MiineS -f. 45, o favor da declarar n lira para qn^ o convida
authorsado pelaUqpidaUrio daTsa commerrial a comparecer em ^.n^tei^ancaMm;
de Antonio aonim.de Mello, far leilo da parte lo do respe.tr.vel publico, nao em-arand pelas oVs-
e aiugueis 4a predio cima descr.inlo;(Dodendo.des
de i.safisfaar aos pretndeme todo esclarec-
menlo, cojo, teilo sera efectuado no di e hora
cima dilo a porta de armazem do Sr. Anues lar-
go da'aifandega.
'pe/ase desgostos.une. di quejer p>mar
nunciame.
iMtitttO
a o ;.a-
Le lao
De um oratorio de Jacaranda, 2 guardas
roupa de pitillo c louru, 2 commodas do
amarello, 1 mesa remnd-J, > ca|iras de
amarello, t toucador de Jacaranda, 1 mesa,
de amarello, 12 quadros, 2 pares de la*
Areneolafic e titugraprtico Vwnam-
aeaa.
.>,Baver seRao ordinaria quinta-f'-ira 8 do cor.
rente, as ti horas ;\ n.anha.
Ordem do da.
! DIscussIq do orgament) para o anno social
de 1865 66 ,
J Trabalhos e pareceres d* rommi>soe>.
Secretaria do lntitoto.ide Jnno te 180o.
J. Soares de Azevedo,
Secretario, perpetuo.
-**
^H
MUTILADO)
ILGVEL



Diarlo de Pernambuco .. Terca lelra c luaho de 1S&.
LOTERA
Aos 10,000*000 e 2,000*000.
Corre amanhSa.
Quarta-feira 7 de junho do corrente an-
no, se extrahir pelo novo plano abaixo pu-
blicado, a 5* parte da Ia lotera (18a) a
beneficio da Santa Casa de Misericordia,
para canaltsacao d'agua e gaz no hospital
Pedro II, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes.meiose quartos estSo a ven-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de IO.OOOiJOOO at 20,3000
ser5o pagos urna hora depois da extraccao
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuicodas listas.
As encommendas s^rSo guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos<"' Rodrigues de Souza.
Manoel da Rocha relira-se para Portugal com
sua familia, a tratar de sua saude ; jolga nada do-
ver pessoa algum, todava se alguem se julgar
sen credor apresente-se ao annuociante do prazo
de 15 das, ero casa de sua residencia na tilla do
Cabo.
Alaga se ama escrava moca que cose, cosi-
nha e engomma para servigo interno de casa de
familia : quem precisar dinja-se a Santo Amaro
sobrado junto ao cemiterio inglez.
insino primario c secuudario.
Pessoa habilitada e j conheclda nesta
cidade continua a leccionar por casas
particulares, a pessoas de ambos os sexos,
medanle razoavel ajuste, tambera pode
leccionar era algura collegio, das 9 da
rnanhaa as 3 da tarde, para o que pode
ser procurado na ra do Imperador n.
41,' loja.
Offerece-se para caixeiro de armazem ou es-
critorio um rapas portuguez, cora boa letra e qne
d fiador a sua con neta : a tratar no largo do
chafariz da ruado Brum n. 47.
Precisa-se de urna ama
triz n. 26, loja.
na ra da Impera-
Aviso interessante.
Pede-se a alguma das pessoas que tomaram era
casa do Sr. Domingos Alves Malheus, urna raiz
que veio do Para, remedio para phlhisicos, que
tenha alguma porgo, que queira dar ou vender,
dirija-se a ra da Cadeia n. 57, primeiro andar,
que faz nisso urna obra de caridade.
Antonio de Souza e Silva faz publico
comprou a botica da ra Imperador n, 38.
que
lenea<
Perdeu-se no da Io do corrente, a' noite, urna
pnlseira de ouro, engrazada, e formando juntinhas,
na direcgo da ra das Cruzes, travessa do Ouvi-
dor, ra do Imperador, e ao sabir na ra da Flo-
rentina : quem a restituir haja de leva-la a' ra
das Cruzes, n. 9, segundo andar, que ser recom-
pensado de seu trabalho.
Engomraa-so com muita perfeigfio
precisar dirija-se a' ra da Itoda a. 30.
quem
tsr Na ra da praia de Sania Rita, con-
fronte a ribeira do peixe, casa n. 13, segundo an-
dar, neebe-se encommendas de bolos de bacia para
as vesperas de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro,
affiangando-se nao s a bemfeiloria pela pratica
que ha, como tambera commodidade nos presos,
em vista da boa quaiidade : as pessoas que quize-
rem, podem ali so dirigir a qualquer hora do dia,
que acharao com quem tratar.
Offertce se urna senhora para ama de porta
para dentro, para todo o servigo de urna casa : a
tratarnobecco do Padre n. 14.
Morada gratis
D-se pessoa de boa conducta para morar, o
sitio da travessa do Remedio, freguezia dos Afoga-
dos n. 21, residindo na casa do mesmo sitio, no
estado era que ella se acha, on como Ihe aprouver,
com a condigo de tratar da conservacao dos ar-
voredos e das cercas, sem nada pagar de aluguel,
at que assim convenha a seu proprietario, poden-
do fzer alguma plantacao : quem assim o quizar,
dirija-se a ra de S. Francisco, como quem vai
para a ra Bella, sobrado n. 10. ___________
Offerece-se urna mulher para lavar roupa :
quem precisar, dirija-se a'rua da Gloria, no becco
do Fundo n. 8.
Preciase de um caixeiro para tomar conla
de urna taberna, dando fiador a sua conducta, ou
tendo algum dinheiro para Ihe dar sociedade: a
tratar na ra do Hospicio n. 24.
Alngi-se urna escrava para todo o servico,
menos engommar e sahir a ra : no Hospicio nu-
mero 2 i.
Precisa-se de um preto para cozinhar e com-
prar, prefere-se escravo : na ra Direita n. 8G
padaria.
Precisase de ura caixeiro com a idade do 10
a 12 annos: na ra do Ransal n. 8, deporto.
m
GASA DA FORTilt
Aos 10:000^000.
mM*
Antonio Jos de Araujo Braga, abaixo assigna-
Hliheles garantidos. do, declara qne se despedio da casa do seu primo
A' hua do Crespo n. 23 b casis do cosiumb. J Correia Braga, deixando d'ora em diante de
O abaixoassignado vended nos seus muitofelt- ser seu caixeiro.
ze-| bilhetes garantidos da lotera que se acaboa, Antonio Jas de Araujo Braga.
S^^^SS\^^SmAo- San",el Power Johnston A Companhia
Um quarto n. 35 cora a sorte de 6:000000. Ra da vnzala Nova n, 4.
Ura quarto n. 703 com a sorte de 1:2003000. agencia da
Um mel n. 591 cora a sorte de 400,5000. Fnndico de Low lloor.
10*000raS mUUaS SrteS de 10*' m' 2*e Machinas n vapor de 4 e G cavallos.
Os possuidores podra vir receber seus respec-! Moendas e meias moendas para engenho.
tivospremios sera osxdescontos das leisna Casa Taixas de ferro coado e batido para enge-
da Fortuna ra do Crespo n. 23. nl)0,
Acham-se a venda os (ia 5* parte da 1" lotera ____
(18) beneficio da Santa^Casa de Misericordia .. ,,
para canalisagao d'agua e gaz\no hospital Pedroirreios d- carro para um e dous cavallos.
U, que se extrahir a 7 de junhot Relogios de oiro patente inglez.
PREgo. I Arados americanos.
Eos165: : : : : 'IB a;hinas para <*w igodo.
Quartos.....35000 I Motores para ditos.
Para as pessoas que comprarera delOOflOOO Machinas de costura.____________________
para cima.
Antonio Pedro de Souza
Soares
Ra Nova n. 28.
COMPRAS.
Compram-se libras sterlloas : na ra da
Cruz n. 18, armazem de Jos Joaquim Lima Bairao.
Comprase efectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagaDdo-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Bilhetes. .... U5000
Meios......55500
Quartos.....25750
Manoel Martins Fiuza.
Deseja-sefallar com o Sr.
de Andrade, na ra do Crespo
andar.
Ernesto Botelho
n. 16, priraeiro
Troca-se um moleque na idade de 15 annos i
por urna mulata ou negra costureira : no pateo <
do Carmon. 1.
Onro e prata
em obras velhas : compra-se- na praga da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Botijas vazias
Proprias para genebra, compram-se na ra do
Apollo o. 7.
Compram-s^ libras sterlinas a 95300
praga da Independencia n. 22.
Joaquim Jos da Fonseca, Emilia Amalia
Gomes, Francisco Apoligorio Leal, Franceli-
no Isidoro Leal, Anna Maria de Jess Leal,
Maria Eufrazia Leal, Joao Baptista Ferreira
da Annunciagao Jnior, Francisco Ferreira
da Annunciagao, Antonio candido Ferreira
da Annunciagao, Francisco Antonio de Brito
e Francisco Faustino de Brito agradecem
cordialmente a todas as pessoas que se dig-
naram assistir as exequias de sua muito
presada mai, av, tia e prima, e acompanha-
ram ao cemiterio publico.
Irmaudade do Divino Espirito Santo
do Collegio
Nao tendo podido ter lugar a procisso do Divi-
no Espirito Santo no domingo 4 do corrente, em
consequencia de ter sido um dia chuvoso, de or-
dem da mesa regedora, fago publico que ficou
transferida a referida procisso para domingo 11
do corrente, se o lempo o permitlir. Igualmente
que os devotos da imagem do Senhor Santo Christo
dos Milagres (Eccc Homo) cuja imagem foi nesla
igreja inaugurada em um dos altares no dia 25 do
mez prximo passado, resolveramfazere principia-
ain no mesmo domingo 4 do corrente o setenario da
mesma imagem, o qual dever Hadar sabbado 10
do corrente, e no domingo 11, fesla e Te-Deum a
noite. Outro sim que fica instituida a devoro da
reza do Terco, e todas as quintasfeiras as 7 horas
da noite, para lodo* os fiis que Quizerem tomar
parte nesta devogo. Igualmente que haver mis-
sa no mesmo altar todas as sextas-feiras as 7 ho-
ras da rnanhaa, e por Intengao daquelies fiis que
concorrerem com suas esmolas para a mesma ima-
gem.O escrivao,
Manoel Luiz da Veiga.
Aluga-se a casa terrea da ra das Calcadas
n. 45 : a tratar na ra do Queimado n. 32 com
Azevedo & Irmaos.
mmm mmmm mmmmm
O Dr Carolino Francisco de Lima San- 2|S
j?3 tos contina a residir na ra do Impera- ^
dor n. 17, segundo andar, onde pode ser |fs|
;& procurado a qualquer hora do dia e da jf
s noite para o exercicio de sua profissaode **:
j medico; sendo que os chamados depois 3R
)j/ de meio dia at 4 horas da tarde devem 'M
^ ser deixados por escrlpto. O referido 5
^fe Dr. nao abandonando nunca o estudo das gi*
>3f, molestias do interior, prosegue, cora g
-'-J o rnaior affinco, no das mais difflceis e ^
|H delicadas operagoes, como sejam dos or- sJgfc
as gaos urinarios, dos olhos, partos etc. ^
na
AJ.Ugdr5t5 O bscharel Americo Fernandes Trigo de1 Compram-se 2 ou 4 casas ternas em boas
urna casa terrea na ra dos Prazeres da Boa-Vista Loureiro, professor particular de Instrucgao se-1 fDas ou mesme sobrado : quem as tiver deixe e
I n. 1 A pelo prego de 164 mensaes : a tratar na ra cundana provi?ionado pelo governo provincial, prego, ra e numero em caria fechada na pracinha
estreita do Rosario n. 28. continua a ensinar preparatorios na casa de sua i d"a Independencia ns. 6 e 8 cora as iniciaes A. A.
Quem julgar-se credor do abaixo assignado, res|uencia, ra da Saudade n. 9 ; assim como en-1 Compra se um preto velho pue sirva para
quei.-a apresentar suas conlas no pra*o de 15 das.; s,na a.s raes,nas materias por casas particulares e pasturar gado : na ra do Padre Fioriano n. 34.
Joiio Baptista Gomes Penna collegios a pessoas de ambos os sexos, mediante
------, n-7T-----4- razoavel paga : para o que pode ser procurado na
Joao Baptista Gomes Penna querendo tratar dita casa das 7 horas da rnanhaa ao meio dia, ou
das 3 as 5 da tarde.
de sua saude gravemente alterada, tem resolvido
vender seu mui acreditado armazem de molhados
da ra do Imperador n. 46 : a quem Inleressar,
dirija-se ao mesmo estabelecimenio a qualquer
hora do dia.
seguros
Casa.
Aluga-se urna casa com 2 salas, 3 quartos gran-
des, cozinha fra, cacimba, quintal murado, e por-
ta ao lado para onde tem um terreno perrencente
a mesma, na Soledade, no (im da ra da Conquis-
ta : a tratar no Caminlio Novo n. 8a, ou na ra da
Cadeia do Recife n. 3. Aluga-se tambem o tercei-
ro audar da casa da ra Direita n. 36, com muitos
commodos para grande familia : a tratar na ra
da Cadeia do Recife n. 3.
$> Companhia fidelidade de
S martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
pR AGENTES EM PE11NAMBUCO
jH Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G,
ag? competentemente autorisados peladirec- ifi
^ toria da companhia de seguros Fidelida- n
jJK de, tomam seguros de navios, mercado- |
^3 rias e predios no seu escriptorio ra da H
Wd Crui n. 1. I
wmmmmmKmsm wmm*
Joao Baptista Gomes Penna roga a seus deve-
dores que vuham liquidar seus debito na rra-o
de 15 dias; se nao satisfizerem forgam-o a entre-
gar ao seu procurador para receber judicial ou
amigavehnente._________________________
Precisase do urna ama para comprar, cozi-
nhar e engommar : na travessa da ra das Cru-
zes n. 14, segundo andar.
O bacharel Lourengo Avelino de Albu- Oi
S querqne Mello continua a ter seu escrip-
S torio de advogado nos auditorios e tribu jg|
g^ naes desta cidade : na ra do Imiieradcr r^
mmmmmm mmmmm mmm
Precisa-se de urna ama para engommar e co-
ser, para urna casa de duas pessoas: na ra da
Alugam-se dous grandes sobrados com com
mudos para numerosa familia, novos e aceiados, Imperatnz n. 34, primeiro andar,
cora jardim, cocheira, estribara e ootras commo-
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.

usa
J-itei,
m

O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre g seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da rnanhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e^foalquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
A pessoa que tiver para vender ou alugar urna
liteira, apparega immediatamente na ra dos Pires
ns. 13 ou 34._____________________________
Precisa-se de um pequedo de 12 annos, bra-
sileiro ou portuguez, para caixeiro de taberna : a
tratar na ra Direila dos Afogado s.casa n. 20.
i Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
: engommar para servir a um moco solteiro em um
' sitio prximo da ciJade : a tratar na ra do Im-
\ i perador n. 22, Io andar.
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
! caixas filiaes : na iraca da Independencia n. 22,
O Sr. Rodolpho Lauribzen tem urna carta no
escriptorio da ra da Cadeia n. 18.
AMA
Precisase alugar urna escrava, ou mesmo forra,
que compre e cozinhe bem para duas pessoas : na
ra de S. Francisco n. 54.
Antonio Jos Moreira Jnior, subdito portu-
guez, retira-se para Portugal.
-^~Na ra do Livramento n. 19 ha para alugar
um criado escravo, e 1 moleque.
Quem precisar de urna ama de leite dirja-
se a ra da Imperatriz, sobrado n. 86, primeiro
andar.
Ronbaram de urna imagem de Santo Anto-
nio, do sobradinho do Muniz defronte do viveiro.
encarnado de novo, tendo o menino Dos pegado,
com resplandor de ouro e a cruz tambem de ouro:
roha-se, portanto, aos ourives e s pessoas a quem
for offerecido, o favor de o apprehender e levar a
meesma casa, que muito se agradecer.______
Precisa-se de dous trabalhadores para pada-
ria : na ra larga do Rosario n. 16^__________
Engenho.
Arrenda-se o engenho d'agua, n freguezia de
Ipojuca, denominado Jussar de SantAnna, urna
legoa e meia distante das estagoes da Escada e Ipo-
juca, Com ierras excellentes de massap para se
safrejar em grande escala : a tratar no pateo do
Livramento n. 23 com o Dr. Ignacio Nery da Fon-
seca.
Precisa se de um bom cozinheiro para o ho-
tel italiano, ra do Trapiche n. 5.
Precisa-se do urna pessoa que tenha boa le-
tra e saiba escrever com correxco.: i" ^
Aurora n. 26. -*------- .1
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cozinhar
para casa de homem solteiro : na ra Nova nu-
mero 6.
Vendem-se
Cruz n. 13.
Amendoas
amendoas confeitadas
na ra da
Fog^fogf
Precisa-se de urna boa engommadeira forra:
na ra da Cadnia do Recife n. 52, terceiro andar.
- Avisa-se ao Sr. lente do 4." batalho de ar-
tilharia a p, Jos Joaquim Ferreira de Paiva, ora
destacado na provincia da Babia, que a pessoa por
S. S. encarregada do pagamento do aluguel da
casa em Santa Thereza de Olinda, cuja chave o
mesmo Sr. tenente recebetrno dia 16 de setembro
de 1862, nao tem cumpndo o que S. S. Ihe orde-
nara, e apenas deu por conta 105000 rs., restando
ainda por pagar 17W00 rs.: e para que o Sr. te-
nenie Paiva saiba do que se tem passado e possa
dar as suas providencias, afim de effectuar-sc este ,
pagamento, que se Ihe faz o presente aviso, visto dislancia> os Pendentes podara deixar suas en-
que as cartas que se Ihe tem dirigido neste sentido commendas no armazem da bola
os7aquetTsSnb?eBm,lanank'SaCa "or dow; dama A Seglas, I volume, com estampas
Lisboa.
Grande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito do
productos chimicos utensis e os mais empregados
Acaba de receber enfeites para senhoras- muito X^P^n
modernos, pentesenfeitados.chaposinhos para bap- industrias uiut.ii.;eeiBooirai
lisados, sintos e outros mullos objectos tendentes ao Montado em grande escala, e suporindo^se dl-
sorumento de sua nova loja de m.udezas, ferragens rectamente as priccIpaesdrop.UsTparisLon-
e qu.nquilhar.as, vende por commodos pregos. dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, podeToffereceer
i.....iww **______.. Productos de plena conflanga e satlsfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por precos
razoaveis. r v
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptldao qualquer pedido de tintas moidas
a oleo.cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas qne sao Importadas,
e que se encontram no mercado em lalas fechadas.
lem grande collecgao de vidros de diferentes
lormatos, desde urna oilava al dezeseis ongas de
capacidade ; de vidros para vidragas e diamantes
para corta-Ios; depinceispara fingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados e pra-
teados e folhas de gelatina para ornamento: de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
para erabrulho, para forro de casa, para desenbo
com fundo ja feilo; de papel albuminado e Brisiol,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
tenor ; oleograxo, oleo seccativo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de toiele, secativo de Harlim, ouro
verdadeiro em p ; prata, ouro, e estanho em o-
tnas de varias cores; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para confesarlas ; la de cores, e
olios de vidros para imagens ; tintas em tubos o
Ulas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
;'"S l,erP">.'a. a & ',atlcaraiva' melissa>orteIaa Pimenta
Kl n613'- alfaei,a' JQinPero, Portugal, lima
an s da Russ.a, canella, cravo e muitos outros ob-
jertos que so cora a vista poderao ser mostrados.
Joo Pedro das Neves,
Gerente.
PASTLHAS
VER
Vende-se esta linda collecgao de sortes,
reunidas em um pequeo volume, com 28
assumptos, e mais 39 novas charadas, pelo i
diminuto preco de \# cada exemplar enca-
dernado : na praca da Independencia ns. 6
ej^_____________________________
Aos Srs. acadmicos.
Vendem-se os seguintes livros qnasi no-
vos : Manuel de droit romain por Mackel
dey, 1 volume, por G50Ou; Diccionaire
du conlenlieux conmercial por Mass, 1
volume por G^OO; La femme por ma-
Compn-so a obra intituladao Collegio In-
cendiado : na llvraria econmica, ra do Crespo
n. 2, defronte do arco de Santo Antonio.
VENDAS.

Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
A luga-se
finas por 5(5000; (Euvres de Racine, 1
vidume, com estampas finas por 6^000;
(Mucres cfwisis de Buffon, 1 volume, com
estampas finas, por 40 ;l Cdigo de cr-
dito predial, 1 volume, por <($20u ; Flores
singelas, poesas por Paes d'Andrade, 1 v-o
lume, por 200O; Viagem ao Ar aguaya
pe!o Dr. Couto de Magalhes, 1 volume,
por 2(5000 : A vel/iice de Camdes, romance
por Trigueiros, por 2^000 ; La vie des
saints, i volume, por tij; Economie po-
por Garnier, t volume, por
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, urna a em que morou o fallecido Thomaz de
Aquino Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten- ...
do todas as accommodagoes precisas, e outra com Migue,
bois commodidades para qualquer familia : na; Regias da escripturaco mercantil, por Go-
rua do Vigario n. 19, primeiro andar. mes Jnior, 1 volume, por 2)5500 ; Organi-
sation \du travail, por Louis Blanc, I volu-
! me, por 1(520").; L'Epiphanie, pelo padre
Na ra do Pilar n. 125 ava-se e engomma-se. Ventura, 1 volume, por. 1^000; Le ja: di-
cora perfeigao, por prego coramodo.___________Inierdes salons, i volume, por fi 40 rs.: na
Precisase de um bom cozinheiro, prefere-se: ra do Cabuya n. "i A, loja.
Na ra do Queimado, loja de ferragens n. 4
eende-se muito em coma um par de venezianas.
ATTENQftO.
C3PU*U ." na ron do Crespo u. *.
Aiiiga-se urna sala do primeiro andar da ra
do Queimado n. 41 : a tratar na mesma.______
Precisa se de urna ama para casa de duas
pessoas para cozinhar : na ra da Penha n. 23,
primeiro andar.
Farinha de mandioca : tem para vender Au
tonlo Luiz de Oliveira Azevedo iS C., no seu es-
criptorio ra da Cruz u. 1.
Queijo do sertao.
De raanteica a 6i0 rs. a libra, ditos do reino
Trapiche frescos a 25200 rs. cada um, manteiga ingleza
_______ flor a 15200 e 1^120 rs., franceza a 900 rs.; no
da ra do armazem aa Estrella, largo da Paraso n. 14.
Aluga-se na Passagem da Magdalena, ra do
Bemfica, os sobrados ns. 7 e 9, com bons commo-
dos para familia : trata-se na ra do
numero 4.
Aluga se o 1 andar da casa n. 7
Burgos : a tratar na Senzala Nova, refioagao nu-1 ""Vendem-se estalos~a 60 rs. a duzia : na ra
mero 4.________________________________ a pa|ma n. 41, taberna.
NOVA YORK.
DE COR CHORO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais eflicazes do que todos
os mais remedios perigosos e nauseabundos
que existem para a expulsao das lombrigas.
Nao causam dores e produzem seu eUeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
nhum e tao incitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as criancas esto
promptas a tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstrueces do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
pastosas vermfugas de kemps sao promp-
tas e infalliveis na sua operacao e por todos
os respeitos dignas de conanca e approva-
Co de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Vendem-se no Recife em casa de Caors &
Barboza e Joao da C. Pravo & C.
k
confeitadas : na ra do Rangel n. 43.
A 50500 O SACCO.
De ariuha da trra com
Para os festejados dias de S. Joao e S. Pedro 22 CUiaS, lia TUa (lO Illipe- S
existe na muito acreditada fabrica de fogos de ar- i yn Jn^niita rio no
Unci da ostrada de Joao de Barros, propriedade I clU.01 11. \), UtJlIOlllt} lid td-
da viuva Rufino, um completo sortimento de pis-
tolas, craveiros, rodinhas e fogo buscap : como
seja penoso a algumas pessoas irem a fabrica pela
Vndese
na ra das Cruzes n. 23 junco e palha, mais bara-
to do que em outra qualquer parte.
Fio de algodo da Baha.
Venderse no escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
[ veira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
II
amarella no oitao
da secretaria ,da polica.
ciiEGHMi os mmmm chales de
FIL PRETO.
Superiores chales da fil preto chegados pelo ultimo vapor francez, a
loja das columnas ra flo Crespo n. 13, de Anionio Correia de Vasconcel-
los & C.
- Na praga da Independencia n. 33, loja de our
1 ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de eicommenda e
odo e qualquer concert.
provavelmente Ihe nao terao chegado mo.
Recife, 4 de junho de 1865.
____O inleressado.
Irmandade do Santissimo Sacramento
da tregaezia dO ReClfe. | preCisa-se alugar um escravo para todo o
De ordem do Illm. Sr. juiz da irmanda- servigode urna casa de familia : na ra da Cadeia
de do Santissimo Sacramento do Recife con- do Recife n. 52, terceiro andar.______________
vido aos irmOS da mesa actual, bem Jomo Na ra de Hortas n. 86, lavase e engomma-
a todos os que tem feito parte das mesas se com ,oda prompdo e por prego muito rasoa-
1 anteriores para que tenham a bondade de vel, tanto para casas particulares como para qual
II
m
m
Mi
Sf
rng


. comparecer no consistorio da mesma ir-
mandade quarta-feira 7 do correute ao meio
dia, afim de tratar-se de interesses da ir-
I mandade. Recife 3 de junho de 1865.
O escriv5o,
____________A. G. Miranda Leal.
O bacharel Joao Francisco Teixeira tem o
seu escriptorio de advocada na ra do Queimado
n. 15, primeiro andar, por cima da botica do Sr.
Kibeiro, onde pode ser procurado das 9 horas da
quer pessoa.
1
A NACIONAL
Coinpanhia geral liespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma fianca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garaBte a boa ad
ministra cao da companhia.
Sortes deS. Jcao
Vendem-se Irados papis com estalo para as
sortes de S. Joao : na ra Nova n. 61 defronte da
i Illma. cmara municipal.
Ha para alugar-se na ra dos Pires n. 39
um preto e um moleque de 14 annos, aquelle pro-
prio para lodo o servigo qur do campo qur da
praga, e este para copeiro._________________
!sa em que foi a cadeia.
Vende-se um negro mogo bonita figura peri-
to canoeiro e de conhecida con meta : quem o
pretender dirija-se a ra do Imperador n. 43, ter-
ceiro aodar._____________________________
Selecta ingleza
(First Class Keader.)
Por G. S. Hillard.
Chegou esta selecta adoptada de novamenle : a,
livraria Universal, ra do Imperador n. 34.
Ferros para cngoinniar
Vendem-se caixinhas contendo o mais completo
sortimento de ferros para engommar, encrespar
babados, pafos e toda roupa de senhora : na ra
Imperial.Tbrica de vinagre,
O reverendo Carlos Adye Austin retirase
rnanhaa as 3 da tarde e dah por diante havendo para Europa com sua senhora.
de urgencia era casa de sua residencia, na mesma i CTr?r-^:^?-------?;------------.
rna n 12 lerreirn andar O Sr. Miguel Xavier de Souza Fonseca quei-
ra vira ra Augusta satlsfazer certo favor.
Quem tiver urna escrava de meia idade nara ------r,-----------------1-----1-----s------t~
alugart dirija-se ao pateo da Ribeira n. 3, ou an-! ~ A'URa.se segu?do a"dar do sobrado
nuncie. da rua da Ga,a : no andar.
a.
D-se 1:0005 sobre hypotheca em predios
informacoes na rua da Cruzes o. 41
Ama
Precisase de urna ama
de leite
de leite : a tratar na
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Baueo de Hespanha
DIRECCO GERAL
Madrid: Rna do Prado n. IO
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervivencia dos segur
sobre a vida. O
Nella pdesetazer a subscripgao de maneira que em nenhnm caso rrcooici noli os
gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Soto suprehendentee os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
DAL,que ainda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ces ecorabinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada 'pela companhia
p&ra seuscalculos e iipidacSec, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna Imporsigaoannnal
e 105 produz era effectivo metlico:
No tim de 3 anuos.......1:1195300
de 10 t.......3:9425600
de 15 /......11:2085200
de 20 .......30:2365000
de 25 .......80:3315000
O representante da sociedade a Previdenle
do Banco Allianga do Porto, que se acha de passa- Praga do Corpo Santo n. 17.
gem nesta cidade, participa aos seus amigos e co- AMA.
nhecidos que seguir para o sul do imperio no pro- No pateo no ierro n. 1, precha-se de urna ama
ximo vapor francez, d'onde espera regressar o para lavar alguma roupa e fazer algum servico de
prximo mez de novembro.
cozinha.
Ama deleite.
Precisa-se de urna ama sadia e com bom leite :
na rua Imperial, sobrado n. 87.
Offerece-se urna pessoa de toda a capacida-
de para tratar de meninas em alguma casa de fa-
milia decente nesta praga, ou fra em pequea
distancia; a pessoa que precisar aonuncie para ser
procurada, que recebera toda a informagao.
Aluga-se a metade da casa n. 92 da rua das
Aguas Verdes: a tratar na mesma.
O** N0V4 EXPSI-
TO
de 2.ooo candieiros de gaz coloridos,
com glob'is de cryslal e delicadas
gravuras, novo gosto, fingindo Im-
tenlas, por todo o preco, cima da
faciera, no armazem da rna da
Imperatriz n. 22.
O proprietario deste importante estabelecimento,
tendo muito breve de relirar-se para a Europa, re-
solveu fazer urna liquldagao a dinheiro vista por
todo o prego, contentando-se soraente com urna pe-
quea porcentagem cima do custo da factura. Es-
pera que o respeitavel publico o coadjuve com sua
presenga a honrar seu estabelecimento e admira-
ren! os pregos de semelhaotes objectos de candiei-
: ros de gaz.___________________________
Vendem-se 9 escrava--, algumas com habili-
dades, e bem assim 1 escravo pardo, mogo, proprio
para o servigo de casa, ou mesmo de engenho :
na rua Jas Cruzes n. 18.
QUADROS
uii:nimdi:
aquarella
Vina scena de nossos dias.
Drama
Por Pedro de Calasans
Vendem-se estas obras mpressas en Bruxellas-
e Leipig : na livraria de Jos Nogueira de Souza,
rua do Crespo.
Vende-se caixoes vazios proprios pa-
ra bahuleiros, e funileiros, a 2000 cada
um : e para as pessoas que comprarem do
4 para cima 1800, nesla lypographia.
Vinho superior em caixas de urna duzia :
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1,
Vende-se ou troca-se por propriedadeTesta
praga um sitio em chao proprio, com duas casas,
cada urna com commodos para grande familia, ar-
voredos de fructo e trra de planto, sa povoago
de Beberibe : a tratar na mesma povoacio com a
proprietaria Anna Mara da Luz Dourado, ou no-
Recife, rua da Guia n. 2o.
kteneaOs
Pede-se ao Sr. solicitador Joao Joaquim de
Figueiredo que diga a soa morada aonde se na
ilha do Pina, ou no Recife para se poder procurar.
Anda se precisa de urna ama para cozi-
nhar e engommar para tres pessoas: na
rua das Cruzes n. 37, sendo pessoa mori-
gerada e que se possa entregar urna casa.
as idadej menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectos e mais ioformacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuz 4e Oliveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vi?!a ma imperatriz n.12,eslabel
fRiento dos Srs, Ray7undo,Carl98,-M>!!e & Irm5o.
Sabbado, 3 do corrente, junto a casa gran-
de do Sr. Marcelino Lopes no Mondego, se perdeu
orna trouxinha contendo um par de borzegains de
Desappareceu do Campo das Prlncezas, na nralher, 1 dito de argolas de ouro e coraes, 1 al-
rnoite de l para 2 do corrente, um cavallo alazao,finele de nr<> e coraes, 1 annel de ouro, urna blu-
um pouco magro, com urna estrella na testa, com ,zae calcas azues de um menino, urna camisa do
nm signal de um girimura no cabello louro da cri- mesmo com botSes de vidro nos punhos : quem
na, com um p caigado, tendo no quarto esquerdo achon es'es objectos e os quizer restituir, leve-os
a marca n. 11 por ter pertencido companhia de ao collegio da Conceigao nos Coelhos, que ser
cavallaria : quem o pegar ou delle souber, queira Dem recompensado.
Vende-se a taberna do pateo da Haz, nos
Afogados, n. 23, que Pica na quina, e oilo para a
rua de S. Miguel, propria para um principiante
por ter poucos fondos e commodos para familia :
a tratar na mesma ou na rua da Imperatriz n. 74.
Vendem-se 23 aegoes da companhia da estra-
da de ferro e 30 da de vapores costeiros, por pre-
go multo razoavel: a tratar na loja da rua do
Queimado n. 18. _____^____
Vende-se urna porcao de escomidos coquei-
ros, juntos ou retalhados, assim como ps de Jabo-
ticaba e de pimenta da India, tudo era bom estado
de mudar-se : no sitio do Salgadmho de Francis-
co FerrWra de Mello.
Vendem-se H vaccs, sendo 3 paridas de pou-
co e 2 solteiras : a tratar na rua Imperial n. 27.
Vende-se urna taberna no bairro da Boa-viaU
muito afreguezada para a trra, e propria para um
principiante por ler poneos fundos : a tratar na
praga da Boa-Vista n. 17.
Vende-se um negro de 40 annos, pouco mais
ou menos, bom official de carapina : no escripto-
rio da praga do Corpo Santo n. 4.
Baldes
A leja de calungas na rua do Rangel n. 24 aca-
ba de receber um completo sertimenlo de baldee-
de todas as cores paTa os festejos de S. Joao, Sants-
Antonio e S Pedro : vendem-se o,uito barato.
Vendem-se sanguesugas de superior qualida-
de, era caixas ou a retalho, a vontade do compra-
dor, e por prego mui razoavel; na botica franceza
de Ciors Barbosa, rua da Cruz n. 22.
Attengao.
Na taberna da rua da Palma n. 41 vende-se fa-
rinha da trra a 180 rs. a cuia, era saccacom 32
cuias por 55309.
Ferros.
dingir-se ao quartel da mesma companhia que se-
r recompensado.
Ama
Farinha de mandioca
da Bahia, S. Matheds e Santa Catharina, em saccas
Precisa-se alugar urna ama forra ou captiva que, de algodo da Bahia, de 2 e 3 alqueires: vende se
Jes Antonio Alves di Miranda Guimares i
I deixou de ser caixeiro da liqoidagao de fallencia' saiba cozinhar e comprar, para casa de pouca fa- no largo do Corpo Santo n. 4, escriptorio de Jos
i Thom.az de Aauioo Jnior. milia : na tejada rua Nova n. 11. Maria Palmeira.
> Tbomaz }e Aquino Jnior.
Chegou um completo sortimento de ferros de di-
versos modelos para encrespar e engommar baba-
dos, pafos e todos os objectos de roupa Dna penen-
cente ao toilet de urna senhora, a hoje indispensa-
veis, e pelo diminuto prego de 500 rs. cada nm,
ditos mclhores a 700, 800, 15 e 15200, de diver-
sos tamanhos. __________________
Vende-se a taberna sita na rua da Aurora u.
74, muito propria para um principiante por ter
poucos fundos e bons commodos para familia : a
tratar na mesraa.
Vende-se 30 palmos de terreno prompto para
ser edificado na rua Imperial, e (lea entre propie-
dades : a tratar na rua do Alecrn), casa com por-
tao de ferro na frente.
ILEGIVEL
MUTILADQ)


Diarlo de pernambnco Terca felra Je Juuko de 15.

4 Pt

I


I
)
A olestia ou infecto pecn-
*lial conhecida pelo nome de Es-
crofula um dos males mais
ervalecentes e oniversaes que
a em toda a exteDsa lista das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cela-
mbre escriptor da medicina que
' mais de urna terca parte de
todos aquelles que morrem antes
da velhice sao nctimas, ou dire-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si n5o 15o des-
tiva, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que n5o Ihe sao geral-
mente attribuidas.
E' urna causa directa da phihysica pul-
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e affeccde do cerebro:Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetite ; o semblante pal-
udo e s vezes inchado, s vezes de urna
alvura transparente e outras corado e a-
marellento ao redor da bocea ; fraqueza e
molleza nos msculos: disgestdo fraca e
appetite irregular, falta de energa, venlrt
inchado e evacuacao irregular ; quando o
mal tem seu assento sobre os pulmes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgos digestivos, os olhos
tornam-se avermelhados: o hlito ftido,
a lingua carregada, dores de cabeca, ton-
teiras etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupcoes na pelle
da cabera e outras partes do corpo, sao pre-
dispostas s affecces dos pulmes, do figa-
do, dos rins e dos orgos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smenle, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivel flagello (e s vezes heri-
ditario) estao expostos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
A phihysica, ulceracoes do figado,'do es-
tomago e dos rins: erupcoes e enfermida-
des eruptivas da culis; rosa ou erysipela;
borbulhas, pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbnculos, ulceras e chagas, rheu-
matismo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femininas, flores bran-
cas causada pela ulceraco interior, e en-
n
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
gra\des mmm m molhmm
Rival sem segando
vendendo
ludo
DE
Roa do Queimado n. 49, esta
muilo barato como ver abaixo.
Caixas de peanas de kalegraphia a 15000.
Massos cora superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 15500.
Frascos de macaca perula a iOO rs.
Caixas com superiores agullias a 200 rs.
Libras Ue laa sortidas eum todas as cores a 75000.
Caixas com superiores obreias a 40 rs.
Duzias de phosphoros de seguranca a 120 rs.
DUARTE & C.
Pateo do Carmo n. 9 arujazera Progressivo roa do Queimado n.
l'Hio e Commercio rua do Imperador n. 40,
Principal armazem de molliados.
OH PROPRIETARIOSe
jTj 2 fH Meias garrafas com tima a 240 rs.'
S K B >dihas com alimtes francezes a 20 rs.

Cartas de altinetes francezes muito unos a IOO rs.
Resmas de papel alraaco a 2,5100.
Resmas de papel di- peso a 25000.
Papis de guilas franeezas a balo a 60 rs.
Uonets mailo bonitos para meninos a 15000.
Enfeites para senhoras fazenda muito moderna a
2^000.
Escovas para roupa superior qualidade a 15000.
baratissiuio!
baratissimo
baratissimo!
Fazem scientc ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli- As pichinchas que estao se liquidando na nova
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus eaUbeleci-, S?rsr*,iIe,? drnd^ i^oertSffn "i dlondV"
mentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette- os fr'eguezes^ncntram'um rico sort.ment'o de ra-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros zendas de todas as qualidades, que vende-se por
por um prego, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante- Pre mai5 barat0 4o iue era ou,ra mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto c ,m'd:
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tam" em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senao arrepender pessoa
alguma que fizer sua despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
dem com 4 a 5 ditas a 30200.
dem vasibs de todos os tamanhos a 2#000,
10500,800 e 640 rs
Vinagre puro de Lisboa a 280 a garrafa e
20000 a caada.
1,3500 rs. a li-
900 a libra, e
Manteiga ingleza flor a
bra.
dem franceza muilo nova a
800 em barris.
Banba de porco refioada a 720 a libra e 700
em barris.
Queijos frescos do ultimo vapor a 2$800.
Cti uxim de superior qualidade a 2)5600.
dem perula miudinbo a 2#700
dem hysson especial qualidade de 2#400 a
20600 a libra,
dem pelo muilo especial a 2>000 e 2;>i00
a libra,
dem do Rio em latas de 4000 e a 800 a
libra.
Latas com biscouto de todas as qualidades
a 10200.
dem da credilada fabrica de Bialo Antonio
(Lisboa) proprias para dar a doentes a
fi%s itsfit sr S: rssra wo a bar-
A0S ESS ZJL0dUZ/UberCU' ^ 'ofaxmha e oda e oval a 20.
consumpcao pulmonar : Presunl0 nglez para Dambre chegado no
ultimo vapor a 800 rs. a libra.
Cliourigos e paios muito novos a 640 rs.
a libra.
Caixas com macarrao talharim muito novo a
50000 e 320 a libra.
Alelria branca e amarella a 500 a libra.
Chocolate portuguez de especial qualidade a
800 a libra,
dem suisso de 8C0 a 10000 a libra,
dem hespanhol verdadeiro a 150C0 a libra
que j vendemos a 10400.
los e finalmente
as glanulas ella produz inchacoe's e tornam-
se ulceras: nos orgos digestivos causa
dcsarranjos que produzem indigestao, dis-,
pepsia, molestias do figado e nos rins :!
na pelle produz erupcoes e affecces cuta-1
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrilha de Ayer
composta dos antdotos mais efficazes que
a sciencia medica tem podido descobrir, Do^d'VasMdeloiabTem aixoes de 6 li-
para esta m desla assoladora e para a cura b f800
de todos os males provenientes d'e"a que idem em caixoes pequ'enos a 700 rs. e de
contem virtudes verdaderamente extraordi-- Kn ;.*,., n /.A
narias provado incontestavelmente pelas
curas notaveise bem conhecidas que tem. contendo e e 0 ameixa, rainha.
fe. o de tumor*,, erupedes cutneas, erysi- e oulras frutas a ^000 cada urna.
pelas, borbulhas, nascidas, chagas ant,gas, I(]em em calda em latas feixadas hermetica-
tdceras.rheuma sarna parebas, hydrope- menle muil0 bem enfeitadas, contendo,
sta, tosse quando causada por depsitos tu- pera> peseg0j ameixas e outras fru|as a
berculc-sos nos pulmes. Deb.hdade ge- 40 e 700 a lata, tambem temos latas
ral:Indigestao, Syphihs constitucional e, grandes a 10200
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-: Maferme|ada dos melhores fabricantes, em la-
res, ulceracoes do tero, a nevralgia e con- las de 23000 a l^OO
vulces epilpticas e em summa toda serie Idem em latas de 1 l".2 libra a 10.
de enfermidades que nascem da impureza Idem em lalas de { liblra a 610 rs.
do sangue. Vede as cert.dtjes no Alma- Ervilhas em |alas cnegadas Desle uitm0 va-
nack e Manual de saude do Dr. Ayer que; por a 700 e de 5o para cima a 640 rs.
se distnbue gratuitamente nos lugares onde Fej~0 verde 0ll carraal0 em latas j pre-
se vendem os remedios parado a 640 rs.
Este remedio o fructo de longas e labo- Ameixas em frascos de vidr0 a ^500.
nosas experiencias, e ha abundantes provas Idem em caixinhas ricaffiente enfeitadas de
das suas virtudes: posto que e offerecido; 1,5200a 20500
ao publico_sob o nome de Salsa parrilha, Conservas Mexide muito novas a 700 rs. o
ou mandar
se os caixeiros levar em casa das familias.
Madapolo enfestado a 30500, 40000
e 40501 a peca.
Vende-sepeca de madapolo enfestado com l
jardas pelo barato prec,o de 35500, 4$ e 4,5oCO,
dita sem ser enfestado com 24 jardas das marcas
mais acreditadas a 65500, 7& e 8>, dita elefante
muito lina a 95 : s Guimaraes & Irmao, rua da
Imperatrizn. 72.
Admiravel pechincha,
Chita larfraa 2401 chita larga a 240 II chila
larga a 240!!! Acaba de chegar a este estabeteci-
mento bonito sortimenfo de chita fina porcala de
padros modernos, sendo clara e escara, e sendo
composto de diversas plantas, algumas das
quaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEITORAL DE GEREJA DE AVER.
Cura promptamenle a asthma, bronchite,
tosse, defluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmes pdem ser curadas em pou-
co tempo pelo peitoral de cereja do dr.
AYER.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central de
Rio de Janeiro rua Direita n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacla franceza de
P.MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
InstrucgSes para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se al islam nos cor pos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6ie
8 da praca da Ind'pendencia, a 10.
Trasics com uso.
Vende-se 1 sota, 3 consolos, t mesa redonda, 9
cadeiras de amarello, 6 cadeiras americanas, I
boa marqoeza de Jacaranda, 2 carteiras de via-
gem et cartelra grande propria para taberna]:
quem pretender dirija-se a rua das Cinco Ponas
d. 140 defronte da estaco.
Vende-se vinho de caj a 500 rs. a garrafa
na rua Augusta n. 76. ________________
Attengdo.
\iendem-se pecas de esleirs para rorro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendnrar, arreios par; I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-Unidos : no armazem da rua do
Trapiche n. 8. ___________
Feijlo preto
Na roa da Imperairiz, armazemn. 6.
Sortes avulsas.
Vender se folhas de sortes para as noutes de S
Joao e Santo Antonio, a 40 rs. e a 20 rs. e alguos
folhetos precos diversos ; na rua do Imperador
n. i 5, defronte de S. Francisco._____________
Attencao.
Vendem-se sortes para canto Antonio e S. Joo
a 353OO o cento, tambem d-se de vendagem a 80
rs. por pataca : oa roa da Palma o. 41, taberna.
a caada.
Azelte doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
a garrafa e 40600 a caada,
Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 320
a libra, e em barril de 5 arrobas a 90400
arroba.
Cerveja Bass do fabricante Shlers & Bell a
60500 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashea 60000
a duzia e 560 a garrafa,
dem marca H Vicloria Alsope e outras
muilas marcas a 50 a duzia e 500 rs. a
garrata.
Sabo primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 210 em caixa.
dem segunda qualidade a 200 rs. a libra e
180 rs em caixa.
Sabo inglez superior a 180 rs. a libra e
16o rs. em caixa.
Caf do Rio primeira sorte a 280 rs. a libra
e 80 a arroba,
dem segunda diaa 240 rs. a libra e 70200
a arroba.
Arroz do Maranho 30200 a arroba e 100
rs. a libra,
dem da India a 20600, 20800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 50500 a cai-
xa, de Simas (Jos Furtado).
dem Londrinos a 50, idem.
dem Parasienses a 40500.
dem Delicias a 10500.
50 para cima a 640. i dem Traviata do Rio a 50500.
dem secco em hcelas ricamente enfeitadas,; dem varetas de Manoel Peixoto da Silva
Netto a 30500 e 10300 a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 10300
a meia caixa e 50200 a caixa.
dem mececipes a 10700 a meia caixa e
30000 a caixa do mesmo fabricante,
dem orientaos do mesmo a 10800 a meia
caixa e 30400 a caixa.
dem jovens de Castanho & Filho a 20400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 10600 meia
caixa, e outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 10500 o quarto e 50
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposico de
comer a 10500 a garrafa e 140000 a
caixa.
Alpista muito novo a 30800 arroba e 140
a libra.
Painco a 40000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em porc5o 10000.
Sardinhas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 140000 arroba e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
Balaios do Porto muito grandes proprios
para guardar roupa suja a 20500, 30000
e 40UOJ.
Balitas em gigos de 34 libras muito novas a
800, e a 40 rs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranho muilo alva e nova a
240 a libra.
Sevadinha de Franca para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muilo nova a 140 a libra e 40000
arroba.
Caixas com estrelinha, rodinha e pevide a
400 a libra.
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 80 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 10000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Ervadoce idem a 400.
Alfazema flor a 240.
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a libra.
Papel greve a 40200 a resma,
dem lizo a 40000.
dem de pezo a 30000.
Idem de embrulho marca grande a 10200 e
10300.
dem azul para botica a 20000.
Copos lapidados a 50500 e 500 cada um.
Palitos de dentes, macos grandes a 120 e
16ucada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 10500 alkra, em porco ter
abat meato.
dem mais baixo a 200 rs. a garrafa 6 10400. fazenda que val 400 rs. em outra qualauer parte,
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
Molho inglez a 640 rs. o frasco com rolha
de vidro.
Mostarda em p a 700 rs. o frasco.
dem j preparada a 320 rs.
Latas com massa de tomate de 1 libra a
600 rs.
dem em latas de 1 1(2 libra a 900 rs.
Vinhosem garrafas vindos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e outras muitas marcas
a 10 a garrafa e 90 a 120 a duzia.
dem Palmella a 10 a garrafa e 110000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 30500 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 240 a
ancoreta.
dem branco expecial qualidade proprio para
missa a 560 rs. a garrafa e 40 a caada.
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 30500
a casada.
dem do Porto especial qu lidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a caada.
Id m Bordeaux em caixas a 70 e 700 rs. a
garrafa.
Champanha a melhor do mercado vnda de
nossa encommenda a 300 o ggo.
dem mais baixa de 180 a 200 e 10500 e
30 a garrafa.
Licores portuguezes e francezes a 10000 e
10500 agarrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 10500 a
garrafa.
dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa.
Genebia de laraDJa ver adeira a 110 a du-
zia e 10 o frasco.
dem de Hollanda verdadeira a 60 a fras-
queira e 640 o frasco.
dem de Hamburgo a 50500 a frasqueira.
dem em botigas de Hollanda a 400 e 440
rs. o frasco.
Garrafoes com genebra de Hollanda com 24
garrafas a 80, com garrafo.
dem com 14 a 15 garrafas a 60.
e vende se pelo baratissimo prego de 240 o cova
do, dita ingleza a 220 o covado, organdy dos mais
lindos padroes que tem vindo ao mercado a 240 o
covado, isto para liquidarem : s Guimaraes & Ir-
mao, rua da Imperatriz n. 72.
Cortes de chita franceza.
Vendemse cortes de chita franceza com 10 co-
vados a 25300, ditos com 11 covados a 25700, di-
tos com 12 covados a 25880 : s Gu maraes & Ir-
mao, rua da Imperatriz n. 72.
C les Maria Pia.
Vendem-se cortes de laa Maria Pia com 15
covados a 55 e 55500, ditos com lindas barras a
105 : s Guimaraes & Irmo, rua da Imperatriz
numero 72.
Fazendas pretas.
Vende-se grosdenaple preto de seda pura a
15000, 25 e 25500 o covado, moreantique preto a
35, setim da China, fazenda nova e toda de laa,
com um trancado muito Dno, proprio para luto,
tendo 6 palmos de largura a 2j200 o covado, e ou-
tras muitas fazendas como sejam, princeza e meri-
no, que vende-se por preco baratissimo : isto s
Gujmaraes & Irmo, rua da Imperatriz n. 72.
Soutambarque de cores.
Vende-se soutambarque de cores ricamente en-
reitado a 55 e 65, chale de merino estampado a
25 : s Guimaraes & Irmao, rua da Imperatriz
numero 72.
Bretanha de rolo com 10 varas a 35 a peca : s
Guimaraes & Irmo, rua da Imperatriz n. 72.
Admirem
Admirem
Admirem Bem!
Rival sem segundo
Rua dj Queimado n. 19, loja demiudzas Je k
'. i- Ateredo Mala e Silva, esta queimaudo que ad-
' mira, a sabtr :
Fia-rus com mperior baniua 200, 210 e o'OO rs.
As pechinchas que estao venda na luja e um.-.- Latas rom sn cri^r bauha a 200 rs.
zem do Pavao, na roa da Imperatriz n. CO de Ga- Frascos com superior ngua de Culenia a ISO e
ma i Silva, ond* se vendem todas as aztnda--, I 40o iv.
tanto de Inxo como do primeira necesidad* p( r Frascos com (npcrli r 1 leo do baboza a 240. 330 e
precos muito rasoaveis.e com especialidade as >e '. 400 r.
guiles, dando-se amostras donando ficar penhor, Garrafas da erdadern apna Florida a 15280.
ouraandao-se levar em casa das familias pelos Frascos dfroperior J.o da edade Higieniqne
caixeiros da mesma loja. a 40'rs\
Madapolo eufeslado a 40, 10oOOe 50000. Frascos rio wperiores rticiros sauml c caires n;ui-
Vendem-se pegas de madapolo enfestado com I0* a 15000.
12jardas pelo baratissimo preco de 45- 45500 e Saboneta .1,- ramilla 21G c 200 rs.
"*,dtassem serem enfestados de marcas rouiiu SaboneleMc sperirqoalidadesa60,12fle 160rs.
acreditadas a 75, 85, 95, e 105, ditas, francez
multo encorpado proprios para saias a 480 res a
vara, islo na loja do Pavao rua da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Vestidos Hiancos.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidas de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato preco de 125. 16* e 20$ na loja do Pavao,
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Grande pechincha, Ycstidos a
3oo.
Acaba de chegar um bonito sortlmento do; mais
indos vestidos transparentes, muito proprios p.ra
passelos e bailes, por serem de primorosos Ue?_-
uhos, sendo todos os padroes tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo preco de .15000,
sendo fazenda que val muilo mais dinheiro: islo na'
loja do Pavao, rua da Imperatriz 0.60, de Gama &
Silva.
Grosdeaaples tic cor a !??.
Vndese superiorgrosdenaples cor de caf,pro-
prio para vestido, sendo muilo encorpado, a 16U0'
o covado : na loja do PavAo, rua da Imperatriz u.
60, de Gama & Silva.
(irande sortimenlo de roupa fei'a.
Vende-se na loja do Pavo um grande sorlimer.-
to de roupas feitas, consiando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditcs saceos, ditos de casemi- j
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e !
de cores, dilos de casineta, calcas de cn-emira pre-
la-de todas as qualidades, ditas de tur; ditas de;
brim de linho branco e de todas as cores, cok-les ;
de brim, casemiras, setim. gorgurao, etc., etc., to-1
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do que em outra qualquer parte : na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Soutembarqucs de cor
Vendem-se os mais modernos sontembarques de
cor, ricamente enfeitados, e por barato preco : na I
loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama I
Silva.
Capas prelas e soulembarqucs,
Vendem-se as mais modernas cipas prelas lisas
e bordadas, os mais bonitos soutembarques prelos e
manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
goslo no mercado, por precos muito em centa :
na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma (c Silva.
Grande liquidagao a dinheiro.
Ka loja e armazem do Pauto.
Rua da Imperatriz n. ttO de Ga-
ma fc Silva. v
12 ir: ;
:os de iheiros naiiio Dnos a
Gaitas com
15106:
Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a E^O rs.
Paos do pomada fraoreza grandes a 50C rs.
Sabonetes de bolla 1 equinos e grande; a 240 e
320 rs.
Frascos com superior opiata a 800 r?.
Frascos com superior agua para denles a I50C0.
D'IOPURETO DUPLO
Os elementos que compocm esta preparaeSo. o
ferro, o iode e a quina, a collocao no primeiro
grao das preparacocs ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e osrelatorios dos prcticos maisemin^r.'.-'-s,
que confirmrao sua poderosa efficacidade as
seguintes affecces:
Mlngoa no Miigue.
Fraqueza.
Anemia.
Chloroar ou Ictericia.
Menstruo.
Affeccoc do tero.
SuppreuBen das re
|ra> e desorden na
enatruaeo.
Affeccao pulmonur e
phlhlxlc.
Molestia, ri'eatdmago.
Gastralgias.
Perda d'appetltr, etc.
Vejas se os bulletins de therapeutica medir
e eirurgica de 30 de novembre 1660; a Gazcla
dos hospitaes de 28 dejulho 1860, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e dt
quinina de Rebillon, os MciUcos aconsoiUSo
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
mito e de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que n5o gosto de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tero
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
Coiivalcncenea de lon-
HM* molestias.
Molestias cscrofito-
HIIS.
Papclra.
Obstruccao das k!ho-
il ulas.
Humores fros.
Humores hr/inco*.
nucbltisuio.
Affecces cancerosa*
e syphlllllcas.
Febres lypboides.
Variles, etc., etc.
Loja das seis portas em frente
do Livramento
Existe grande sorlimento de diversas fazendas
proprias da poca e por precos to baixos que ad-
mira, como sejam : pegas de bretanha de rolo a
25'00, chitas franeezas escuras, padroes modernos
e bonitos, core.s fixas a 240, 260 e 280 o covado,
cassas de cores, gostos modernos e cores fixas a
220 o covado, madapoloes e algodozinhos de di-
versas marcas e qualidades, a precos moitissiraos
baratos, e muito? outros artigos por pregos muito
mais ruodicoi do que em outra parte. ___
NOVIUADE
A 10 100 e 105OO.
Leques de osso, ultimo goslo, a 15-
Ceroolas de meia a 15200.
Diitas muito finas a 15500.
S na rua da Cadeia do Hecife n. S.
Saccas grandes com 100 libras de farello superior
Francisco Jos Germano
lUMSOVi X. ti,
acaba de receber um lindo e magoiGco sortimento
deoculos, lunelos p binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.__________________
Grande sortimento de roupas feitas de to-
das as qualidades,
Calcas de casemira a 65 e 75300, ditas pretas a
65 e 85, calcas de ganga a 25 ,15800 e 15600,
ditas brancas a 25, brim de linho a 35, 35500 e
45, paletots do alpaca branca a 45500, ditos prelos
a 35 e 3:3-*00, dilos de alpaca de cordo a 45. o
de listra de seda a 45500, ditos sobrecasacos a 55,
paletots de casemira a 55, 55300, 65, 85 e 95,
ditos .-obreessacos prelos a 125,15 e 165, ditos fl-
nos a 295, de cores a 135, ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 25, ditos de brim
pardo a 35, jaquetoes de brim pardo a 35, panno
preto fino a 25, 25600, 35500 53. 45300 5 e 65 o
covado, moreantique preto a 25600 o covado, gros-
denaple preto a 15500,15800, 25, 25200 e 25500
o covado ; e outras muitas mais fazendas que se
deixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento est aberto al as 9 horas da noite,
rua da Imperatriz n. 36, Mendes Guimaraes.
GAZ GZ"GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
li5 a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.lB e rua do^TrapicheNovon^i.
Tasso Irmaos
Vendem no sen armazem rua do
Amorim n. 3o,
Licor fino Curado em botijas e meias botijas.
Licores unos sonidos em garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosGheres.
Santernes.
"Cbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordea qx.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
lem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C., no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
Para-se evtarem falsificares, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas oa Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon,
442, ru da Bac, e em todas as boas pharrnacias
de Franca a dos pnizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
LsOE bismuth:
DE CHE;V!RIEKffl
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacocs de
Stmatcn empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Ma dlgestoa.
Gastrltes.
Galtralglaa, ete.
Os dones desle estabelecimento tem resolvido l\
quidar suas fazendas por pregos baratsimos, s- deaeraT-seV de'se na'o poder conservar,
com o fim de apurar dinheiro, e prcvinem as pes- Peca.se 0_folheio que se d de graca em casa
soas que negociam em pequea escala com fazen- dos pharmaceuticos depositarios,
das, que nesla loja c armazem encontrarao um
grande sortimento por precos que muilo Ihes hao
de agradar, tanto em pega como a retalho, a sa-
ber :
Chitas largas a 200 rs.
Yendem-se chitas franeezas, listradas muito lar-
gas, padroes escuros, pelo barato prego de 00 rs.
o covado, tendo muito bom panno ; ditas escuras
padroes novos, por serem todas escossezas e cor
Hxa a 240 rs. o covado ; ditas miudinhas escaras
e claras a 240 rs., afiancando-se que esta fazenda
nao tem o mais pequeo toque de mofo, nem outro
qualquer deleito. Isto s o Pavo, na rua da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Fazendas brancas baratas vende o Pavo.
Pecas de algodozinho largo, marca T com 24
jardas a 85, ditas T com 20 jardas a 75, ditas de
outras marcas, como sejam sicupira, carne de vac-
ca, etc., a 40. 55, e 65 ; madapolo Gnissimo com
24 jardas a 65500 e 75800 ; panno de linho. mui-
to inferior proprio para lenroes e loalhas a 700
rs, a vara ; bramante de linho com 10 palmos de
largura a 25500 a vara. Isto s na loja do Pavao,
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Esparlilhos, na loja do Pavo.
Vende-se um bonito sortimento de esparlilhos
proprios para senhoras, sendo dos mais modernos
e bem feitos que lem vindo ao mercado, tendo de
todos os tamanhos e de diversos precos trazendo to-
das as competentes filas para apenar. Islo s na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n, 60 de Gama
& Silva.
Cambraias liraucas.
Vende-se um bonito sorlimento de pegas de cam-
braia brancas lizas, tendo tapadas e transparente*,
pelo prego de *5,45500, 55 e 65, havendo muito
superior da Escossia por 105 e 125- Isto s na lo-
ja do Pavo. na rua da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
Gros do qiiailnnlius a 1^'fiOO.
Vendem-se o*\mais modernos gros de quadri-
nhos, proprios para vestidos de senhoras e meni-
nas, sendo estes gros dos mais modei nos que tem
vindo ao mercado, vendendose pelo barato prego
de 600 rs. o covado. Isto s na loja do Pavo, rua
da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Ricos houznmils de Gnipure.
Vendem-se os mais ricos bouznouls de Guipure,
sendo os mais modernos que tem vjndo ao merca-
do, pelo baratissimo prego de 255, cada um, as
Dlarrkcas rkronlcas.
Dysscntcrlas.
Dore d'cstOmaso
Dispepsias.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affecces se manifestao ordinariamente por diges-
tSes laboriosas, azidumes, falta d'appelite, pesos
'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o dcscuidSo, traz
vitavelmenle, que seja:
Molestias de flgado.
A Ictericia.
Pal pltaco de coraco
Dores nos rins.
Opprcssoes.
Ddrcs de cabeca.
Irrltacdes de bcmlga e
da iiintrlz, ete.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Bepdsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharrnacias de Franca e dos paizoa
estrangeiros.
GRAGEASdeCUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYI
Estes confeitos que tem por base o prin.
cipio activo ivrimeira cubeba juulo rom
sim como chales de 3 e 4 ponas da mesma fazen- a cupahyba pura, r.ao nausen 0 estomaga.
da, sendo de varios prego-. Isto t na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
S o Pavao vende
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240
i. Chitas largas a 240.
^caba de chegar para a loja do Pavo um gran-
de sortimento de chitas largas garibaldinas, por
s rem todas listradas e padroes escuros e de cores
fixas que se vendem pelo baratissimo prego de 240
o covado, sendo que em outra qualquer parte cus- rap imperial
Elles fazem parar immediatamente a^ mais
rebeldes gonorrbas, mesmo as que re- :-!i-
rara a cubeba o a cupahyba soiadamente.
Deposito gera! em Pernaubrcr rit da
Cruz n.22 em casa de Caros 6 Rarboz
numero 19*
ta a 360 o covado, notando que os freguezes que
comprarem porgo de pecas, tero um pequeo
abatimento : isto na loja do Pavo a rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Laazinhas a 300 rs.
L5azinlias a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sorlimento de laazinhas pro-
prias para vestidos e soutenuarques por serem li-
sas e de quadrinhos pelo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
500 rs. o covado, e vende-se a dinheiro a viatt pe-
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a lG0O.
'K.VDE SE
igual ao rap Lisboa, e oulro
tri-
cado de novo i>;ual ao de rea pela, cm porgues ..
300 rs. a libra.
Grande pechincha para os fumadores : qnem
quizer fumar bom e barato vmha c.
Charutos da Bilna de superior qualidadi. flor
da Muritiba e de differentes marcas, tanto avulsos
como encaixotados, por pregos mu comfflcd< s.
VENDE-SE TAMBEM
grande pechincha [ara os senhores Cttamtelros,
fumo da Babia patente de primeira, segunda p tei
ceira qualidade, por precos mui razoaveis.
Em casa de Tissel Frercs rua do Trapiche n
9, tem para vend- r
Vinho B.rdcanx ta; barricas e em caicas.
Dito de Santtrne fino.
Dito dr Champagne milito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
avariado.
Francez barrica 55000
, Portland idem 85500
Era perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 125000
No armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
Vendem-se 66 palmas de terreno sito na rua
Augusta prompto para se edificar: a tratar na
roa do Alecrim casa com porto de ferro na frente.
Vendem-se s mais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de1 T ato Aaa (\ nrntoo am fintitn
senhora pelo baratissimo prego de 15600: na rua ^"J" Urt_ v_ IJUI lcl9 CI
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Organdy a 240 rs: o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
droes miudos e grandes, pelo baralissimo prego de
240 rs. o. covado (doze vinlens), esta pechincha
acaba-se logo : na loja do Pavo rua da Impera-
triz n. 60, de Cama & Silva.
Lanzinha transparente,
a 220 rs. : s na loja do Pavao
Vendem-se as mais modernas lanzinhas transpa-
rentes, sendo todas de listra:, quadros e lisas, fa-
zenda esta que sempre se vendeu a 400 rs.; o Pa-
vo vende para liquidar a ouze vinlens o covado :
na loja do Pavo, a rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Vende-se um escravo idade 15 nnos ins>gne
offlcial de carpina e bon'ta figura : na travessa op
Carino n. 1.
SAL DO ASSf
A bordo do brlgue escuna nacional Graciosa ;
vende-se na rua da Cruz n. 23, escriptorio.
do Livramento.
Chita larga escura a 240 r?. o covado.
.Ha loja das 6 portas.
Cassas franeezas tinas a 220 e 240 r*. o covado.
SO na loja das G portas.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a 5i0.
.\a loja das 6 portas.
Cortes de casemira e.-cura e lina a 45
S na loja das G portas.
Pegas de cambraia branca a 35, 5, 455u', 5,
55500 e 65: na leja das 6 portas.
E outras muilas fazendas que se vendem por
menos de seu valor, de iudrse da amostras.
Fazenda barata.
Mada; olo muito fino a 400 rs. a vara, algodao-
zinho Ci m.20 jardas a 25 a pega, chales para rs-
era vas a 500 rs. cada um, c<-berta >. algo 13o a
1150OO, e 15200 mais limpes, latas d 1 sardwha de
j Nantes a 280rs. cada laiinha, todo Isto pr ir un
pequeo defeito,caf en grao 1* sortJ iin ...
I ou mesmoa retalho a B5400 a arroba : na ru 1 J1
, Concordia n. 62, taberna.

^
LEGTVL
ttkm


:
....
I
r
i
Diario de Pernaabac' Terca Mra de lunho de e&.
CONSULTORIO MEDICOCIRUUGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
MEDICO, PARTEIR O E OPERADOR.
3 Rna da Gloria, casando Fundi 3
:) Qr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s
horas da minii5a,e das 6 e meia as 8 hor;is da noite, excepcao dos das santicaaog
:J a,' ni 'i especial komeopathka
No mesrao consultorio na sempre p mais appropriado sortimento de carteiras
trias "ivulsos.assim como tinturas de var as dymnamisaces e pelos presos segumtes
Carteirasdei2tubos grandes. 120000
de 21 tubosgrandes. 18#000
I) ii;i)n VM'iIas. 24^000
la 14tatos rnatas. 303000
i de60 tubos ,'-andes. 350000
v-mn-si i n'.i er carteira contorne o pedido que se fizer, e com os remed
Uta tubo avulso ou frasco de tintura le meia onca 10000.
Sendo para cima de 12, custaro-s precos eslabelecdos para as carteiras.
Ha ubos mais pequeos cada um a OOris.
LIVBOS.
^ a l(- .,;. [i :> n i >l)ithia, > Miual Ja Melioina Homeopatco do Dr. Jahr
1 111 -.u a1; a ti>:.;o;urio........... 200000
' \!l'!-n bniiical) i)r. (Ijring,........... 100000
uptfbKioh */*"".............. 60000
Dioctoiurto de ur a s da audteuva. <>uuu
') 'emito* loste ltabelecimentosao pordernatsconneciaose dispensan pmu-
lo la o-o avivaimite racommendados as )essoasjue i tizerem usar de remedios ver-
di i1 i)3- i;;-'ico4 eduradores.-hatudo d< melborque se pode hsejar.globos de ?er-
daliD iVsacir deleite.notaveis elasua boaconservaco.tinturados mais acreditados
ftsw>j >; a?ato3 europeos,a maisexacla e iccurada preparacSo, portanto a maior ener-
va -.lu e 13 eeitos.
Cata de *mtw pi>' escrauos.
Rucebe-seiscravospara tratar de ualijuer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
oot- V), para o que o mnunciantejnlga-.e; ifiieatenante habilitado.
'r'ihmeQto o melhor possivel, tanto na i arte alimentar, como na medica, e
faae uni a casa a mais de quatreanno,!, ba muitas pessoas de cujo conceito se nao
,)i ividar, que pdera ser consultados por aqaelles que desejarem mandar seas
P^i-se20OOO por dia durante 60 dif s e d'ahiemiiante 10500.
A.S operantes serao previamente ajustat as, se nao se laizerem sujeitar aos preco?
) annnnciante-
az)i-;i3 11) : ';r. i ai :>'. l
LiSmfrrio euotapu e chjuaio) d9 F. P. Lebeuf e C
ra Montmartro, 31, em Pars.
Fabrica em Argeataril, prs Pars (Pvaaca).
iMNMG
U-
E FABMCMJW
Dosvinhos, agnatdentes e licores.
'-.';[")?. Imitieo dos vinhos de todas a<
Mi Ul^.'SttTW a edae, dnse para 230
!.);. > Rairdmrt, i f., 'le Pimard, :!
_ Lisboa-, f., de Cataln, 2 f.,de Porto,
(. iscat*l, Malaga, dose para 25 ou 30 l-
r i f.
- oaaeia "ara fahrr.ar com o alcoo! e agna
s r. i >s cima e lodos os outros. A dose para
SO ;:-os, SO f.
II. \OtWGACiOP* inglezet, pos dos vinlro*
. : > inha, da Franga. ele A libra para 500
'(\r.\o.Purpirigine para colorear os
iraoeos e vinhos taroa, As duas libras
:..,-, "' > 'tris, 10 f.
OtuM de nosso- agentes tendo falsificado e
.. iitsIJave-aa exigir < ibre as rolhas e roalos a
AGUARDENTES.Esseocia de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor eo aroma de
coinac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIKSCHE AUSINTIIO.-Essenciade kirsch e
de absintho, para os fazer cora alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, o f.
LICORES.Extractospara fabricar se todos os
icores conhecidossem fogo nem alambiqne. (in-
dicara os que sedeseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES;jara fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para l na 25 litros, l f. 25.
TODOS )>)utros productos para o trabalhodos
Mohos,agurdente*, ncores, vinagres, etc., sao
fabricados le encommenda.
UTEXCIUOS de laboratorio e de chimica.
rnitado nossas orenarac5es,e engaado nossos
sinlciaes F. V.L. Pars,
Omnila dp :isar-so daspreparacesicha-se indicado no rotulo.
\- encommenda? devern seracorapanhadastorurna lelrasobre Paris ou qualquer outra cida-
Diriiir-se aosSrs. Lebeuf 4 C. chimicos, ra
nteail, iirijs Paris.
i m. >! un it| li< i'r H'ni em n'iv.a.
a) s : !,!. m Par*, n *tt fabrin vn \.?
i\':,c.\ triiMZi, na di lmnjrdi r n. 38.
dmiraveis pechinchas
*p > slao ;i venda na ja c annazim
ta Ara**, na cu Iiaperatriz n. oH,
de L!i' h;i) Pcreira Mendos Guim;i-
BreUnlia de rolo a 30.
Vendem-se pecas de bretanha com 10 varas pe-
io haralissiino prceo do :;.3 a pe^a.
Madapolo enfestado a 30500.
o lri-se madapolo enfestado com 12 jardas a
. 'j < iSSOD,
com 2 i Jarda* a 5^,.
. C>SS(X), 75. N. W 75500, L. 10 75500, N. 6
83, E:ephante 8-3500.
Soutcmbarquei de cores a 66.
- ^doni-se boutembarques de cores a 6J>, 75 e
: is de seda a 13-, 205 e -'>
Chapeos para liomem a 108OOi
V^ndeniseehapeo para homam a 15W0- cada
bii, lapos de sul de panno a 2.*}, ditos de seda
i: nomem a 65 e 75 : Arara, ra da Impe-
i -ti. 56, de Mondes tiuimaraes.
:';: -j-ni v.ade cliitas fiaucczas a 210 rs. o co-
lado.
v..iiom-se cliias francezus sendo cores fixas,
.> como sejam padroes delicados sendo cores
de cana o rxas, se vende por baratsimo preco
de 2iOo covado, ditas a 260, 280 e 300 rs., ditas
nutisadas tinas a 320 e 360 o covado.
Chitas frauccias escHras.
Vendera-sa chitas francez.is sendo padroes escu-
cores fixas a 360 e 400 o covado, ditas miu-
dmhas claras a 360 e 400 rs. o covado : isto na
!oj. o armazem da Arara rna da Imperatriz n. 56.
Corles a Mara Pa a 18#.
v^ndem-se os mais molernos cortes a Mara
i' 185, dito a 145, 125, 115. 105 e 85, cortes
do i;i:; sem barra a 5311'") 15 eovados o corte.
iliiis.o de duas !aguras a l;j2S.
Vende-se damasco de doas larguras a 15280 o
bqv : I i. dito ile urna larsnra a 800 e 610 rs. o &j-
\a le, lencos de llnho a 5,3, ih% e,75aduzia.
CansM francesas a 1^600.
Ven lera-sa camisas francesas a 15800, 25. dita
I pregas largas a 25 o 25240, ditas de lioho a
! '.'. -23800 o, 35 cada urna, eroulas franceas a
le 15500, dita de lioho a 13800 e 25, co-
beri de chita a 23 e 350.' rada urna, carabraia
a a 35, 3.5300 e4-3 a pe, ditas de cores a
Cambrains (c cores a 300 rs.
V'onde-se cambraia Je cor a 300, 320, 360 e 400
rs i vado, cam' raia do salpicos a 25500 e 35 :
na rna da Imperatriz n. 56.
Cba!cs de meriu a 2.
Vindem se Chales de marin a 25, ditos de rhi-
M a i,300, lj>280 e 15 cada um, chales flnns rom
redontfi e borlla ti seda a 65 e 75 cada
i"> i obertores de algodao ar!3 cada um : na ra
u.* 'iiperatriz n. 56.
Mackiaa
{claccao do preco.
Vendem-sc por grecos r> dzidos machinas do
il, irocar al' r do li a 60 serra>, assim como motores
pira as mesinas o urna machina de 120 sorras com
lpleme machina a vapor, a*quacs se achara
a v!-i. no aniKizom do farmb por baixo do (iaiii-
nt-U t'orlugaoz : a tratar no raesmo annaiem ou
na r.ii da Trapirh'1 n. 8, uotro sin recommeada-
so aos compralores das mesmas quen^om do azoi-
lt' doce ou de coco em lagar do^azjite de earrapat-i.
Familia de ttmrbeea (na e alva, mai
barata que se venje no mercado, em sac-
eos : na u*4o Vigarion. 29.
PARA N.1STO AXTOXIO 12
s i o .io.io
Vendem se sones muito hem feilas e de
' papel muito bom ^ '>$ o cento : na ra das
. Cruzes u. 41, taberna da porta larga.
g Si 8
^ 7- 2i ^ '*
8
.PSgr
1-BlS.g g i
o -
a
Q,

(5 U -'
_.Q,
3*S*S
5 3
-i
o sj =- s s. 3
Sff*
to
3 ^
"> c
_3 S
?B =
3 S
en 95
03
Ba
-
ti
"3"
o.
3
w
B
*.
05
a>
3
M-3 a.
o
09
o
-3
M
|3
"3 CD
w -J
- _.
> "1
11
03
Coke do gaz.
pitcli do gaz.
Alcatrao do gaz.
Coke tonelladas rs. 105000
Pitch 805000
Alentro caada..... 400
O coke recjnheoidamonie o carvao mais econ-
mico, torua-se por isso reoommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
alie usado. Pitch e alcatro,al6ra das applicafSes
diversas, a que se prestam, como para callafetar
embarcarles,.iloatroar madeiras,etc, teem este a
propriedade de ureservar do cuplm, formigas,etc.
E' entregar na fabrica dogaz on mandado por era
quabjuer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.___________^______
Pede-se toda a atteneo.
a
Algodiio muito superior, sendo a peca 20 jardas
por 23700 e 'ki ; madapolao muito tino e largo, fa-
zenda de 125000, agora por 75 e 35 a pega de 24
jardas, e muitas eohertas a 220 rs. o rovr.do : na
loja da ra da Madre de Dos, n. 16, defronte da
guarda da alfaodega.
ecaiiicua
Vi e 45-RUA PO QuEI\UDO-i3 e 45
. Vondemse cortes de rase mira esenceza a 25500
o corle, coherta de chita escuceza a 23 e 13800,
corir- de la indiana para vestido. d senhora-a
3>>00 ; ludo se vende pur esta preco para ana-
bar restos de fazendas, assim 1 orno chitas largas
a 200 rs. r covado, cambraia organdy fioissima a
280 e 260 o covado.
"'PROPRIO f* SENHORA.
VenJe-se uaa escolente cavallomuito no-
vo e mins) com tod >s os andares: na co-
chera d) Paulino, rua de Santo Amaro.
fe.
AURORA BRILHARTE
G
ANDES A1N
DE
ZENS
MffLHADOS
VINHOS
- LargiO daSantaS
UGruz n. 84, es-J
__ ^ SiSquina da ra doS
ESPECIAES pebo.
Largo da Santa
Cruz n. 84, es-i
uina da ra do'
'jSebo. i
MwmmmaL
rora nrt?hniProprI^ano doJ muito acreditado armazera de molhados denomiSae^o-
A ni ,Conf .a a ter megnio sortimento de gneros de prlmeira qualidade.
vJnh ,intfi lai)e,,a s'rvira* a todos de base para ajuste de comas aos portadores,
pelo aran J "Ji3"1" vendera' mais barato e raelhores do que a Aurora Brilhante, ja'
ero nnintn nh f|ue temi i'*' raesmo Pr1tie seu dn0 *6 dBSeJa 'irar diminuto la-
' proveitar n n-Ue para accumular as despezas do estabelecimento por isso deixe se a-
tante? freguezesI!tar ba d azer toda a dili8encia.aflm de servir bera os-seuscons-
Ua7im,8-Ubf dechouricas muito novas,
<
O
c
o
.a 75300.
Dmlir-n1? rapeixe em postas nteiras,
Soo lual,dades' a l000' 1*280e
SKI comSx n6S?ft"sopadas>a 72rs-
n!St^a,ne,XM* 1**". 5300 e 35300.
Ahr.n m-armelada d0 amado fabricante
Abreu. a 720 rs.
Ditascom massade tomate, a 500 rs
' 25S,e025SoSSaeCOmadre' D0V0S' a i$m-
Dlggn>bolachnha do soda muito novas, a
rdSiS08 ingIews de rauitas,iaa-
Chocolate.
i'n as comameixas enfeitadas proprias
para mimo a 15200,2*800 e 3J00.
jwnat?.J?erior muit0 D0V0> a libra de
ob0a_15000.
t /rA'lalhariam e aletria amarella, a libra
i a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
uaixas com strolinha, pevide, e outras mas-
f sas, a caixa 33500.
Ditas dita em libras a 640 rs. -
Sagd, a libra a 360 rs.
SSevadinha para sopa a libra, a 210 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
SUitas descascadas, a libra a 200 rs.
OTapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinna de araruta verdadeira, a libra a
l 500'rs.
'Ar27? Maranbao, em sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
jDito da India e Java, a arroba a 35200 e a li-
bra a 100 rs.
roucinho de Lisboa a 9*508 a arroba e a 320' Castanhas novas vindas neste vapor,
lni"-,a ''bra- ba 43OOO e a libra a 200 rs.
260rsa '3a 700 ealibraa; Azftitonss.
.Mohosrcom 1K ceblas grandes, a l280. Barris com azeitonas nBWS a !30
> 7StnJ?a franceza caxa com 2 duzias a
Viuho verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
Gonnna.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
eneomraar, a arroba a 33000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. f
Farinha. .
Saccasgrandescomfarinhade Goianna mui-a
to nova, a 55000. 0
Caf. 1
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 85,3
85500 e 95OOO. C
Cha. r
Cha,temos nestes gneros o melhor possivel.G
hyson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 25700.
Dito hyson muito fino a 23800.
Dito redondo a 25500.
Dito pretode primeira qualidade a 23500.
Dito mais baixo a 25000 e 15600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espermacete.
0 masso com 6 vellas de espermacete a 600,'
640 e 720 rs. i
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas oras pro-
prias para mimos a 45 e 25500. ]
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 43000.
Alpisla e pataco.
Alpistae painco, a arroba 43000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas (loas para jogar, a duzia a 25300.
Castanhas.
arro-
D Frascos com mostarda preparada em vinagre,
U a 400 rs.
r Ditos com conservas i nglezas e francezas, a
L 640 e 800 rs.
MDitoscom sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.
ODitoscoma verdadeira genebra delarania. a
Q 1-5000.
gitos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
r 640 rs.
1 Botijas cora dita propria para negocio, a
g 400 rs.
jGarrafoes com 2 galoes com dita, a 63-
aServeja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
6 duzia a.63OOO.
rVinhomuscateldeSetubal, agarrafa a 15-
l Marrasqninhoverdadeiro, frascos a 800 rs. e
g a 15200.
JChampagne, a duzia 205000, e a garrafa a
5 25000.
DAzeite refinado portuguez e francez,a garrafa
P a 13000.
. Caixa de vinho Bordean* muito superior, a
3 73,83,95 e 103 a caixa.
jDitas com dito branco, a 73 a caixi.
^ Ditas com dito lagrimas do Douro verdadero,
b a 20-3.
"Ditas com duque do Porlo verdadeiro'a
185000.
Ditas com chamisso superior, a 143.
'Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 125-
6 Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
? e 800 rs.
.Dito de Lisboa milito bom, a caada a 3-3200,
i 33500 e 45, e a carrafa a 500 e 560 rs.
B'Dito da Figneira, das segnintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. Sf.) a caada a
b 45300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
? que ja est engarrafado e lacrado com o
: rotulo do armazem.
Ditosde marcasmai-=desconhecidas, cana-
O da a 33500 e 45000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
tynbobranco fino, agarrafa a 640rs.
)to de caj muito saperior, a garrafa a
800 rs.
Manleiga.
Manteiga superior, a libra a 15280.
Dita mais abaixo a 13200.
Dita menos superior a 13- |
Dita francesa nova, a libra a S5*".
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
850 rs. I
Dita para tempero a 400 r?.
Qiieijos.
Queijos novos viudos neste vapor a 25800 e>
33000.
Ditos londrinos muito novos, a titira
15000.
Papel.
Papel al maco paulado, a resma a 45800.
Dito dito liso de linho, a resma a 43300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
25500.
Dito deerabrulho.bom a 13 e 13200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-$$ j
deira a 13300 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, piraenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amcndoas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaha, grandes a 15*00
e pequeos a 640 rs. ff
lijlos de limpar. fcj?
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde boioes de graxa n. 97 a 23000, e
di latas a 15000, e os bo5cs a 2V0 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhore- fabricantes da
Bahia por diversos procos, caixa.- e meiasg
DE
AZEVEDO FLORES
Roa da frtdeia do Kecife, esquina da Madre de Dens.
Prestem atteneo ao discurso do Balo.
A loja do Balo lodas as semanas reforma o seu annuncio em consequencia de
constantemente receber novas fazendas e novo sortimento de roupa feila, os seos precos-
sao os mais moderados como j ningnem ignora, as fazendas que n5o levam preco marca-
do porque ha diversas qualidades e diversos precos, e em loja alguma encontrar o pu-
blico um to completo sortimento de fazendas e roupas feitas, e n5o liavendo a obra que
o freguez procurar toma-se a medida e em 24 horas estaro satisfeilas as exigencias do
fregmez.
Pede-se attenco.
Chapeos de sol com 16 asleas a 12(5.
dem idem com 12 asteas a8&.
dem idem denominados acadmicos, fazenda inleiramente nova com 12 asteas a
12$, por este prego s na loja do Balo se encontra.
Bales de arcos para senhoras, os melliores que lia a 3)5.
dem de arcos e de musselina para meninas a 2)5, 2j5500 e 36500.
Vestidos finos a Mara Pa a 14(5.
dem dos nais modernos que ha de flores matisadas a 18$.
dem com barras, fazenda anda nao vista em Pernambuco a 255.
Pecas de cambraias que sempre se vendeu por 9$, o balo wnde por "#.
Chitas preclaras que todos vendem por 040 rs., o Balo vende a 560.
dem da msma qualidade, porm de ou'ros pa roes a 440 rs.
dem escuras a 300 rs. esto-se acabando.
dem estreitas a 200 rs. s na loja do Balo.
Las de accento escuro com flores matisadas denominada pelas senhoras que i
compraram (la econmica.)
Cambraia de cores as mais finas a 800 rs. a vara.
dem de cores com quadros brancos a 560 rs. a var?.
Madapolao a 83 a pega, que vale Os, tambem lia fino.
dem francez proprio para saia de senhora a 560 rs. a vara.
Camisas de meia muito finas a 223 a duzia.
Meias cruas para homem de 65 a 8 a duzia.
Camisas de pregas largas a 2f$500 que todos vendem por 33.
dem inglezas de dIio muito finas a 48$ ou 54,5 a du^ia.
dem de flanella de cores muito finas.
Caifas de casemira pretas e de cores de 7$ a 123.
Paletos de casemira de cores e pretos, a 103. H> 123.
Golletes de casemira e de brim branco os melhores que ha.
Calcas de brim bra co muito finas a 43500, 53 e 73.
Paletos de alpaca branco a 53.
Mantas modernas para pescofo de homem.
Cnllarinhos de papel de cores a 800 rs.
dem brancos a 400 rs. a duzia.
La prela para hito e de todas as mais coros a 500 rs. o covado.
Ceroulas de linho com duas costuras.
dem dealgodo a 15600.
Cambraias para forro de vestido a 23600 a peca ou a 360 rs. a vara.
Chales de merino estampado que custaram 85, vende-se por 53 em razo de es-
tarera um p uco desmolados por ter estado a mosira, por estes precos s na loja do
&3m&
de
CHINaSDEPATENT
trabalhar nto par*
desearecar agodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
LDAU
a#l&
*^1
AGUA
Estas machina!
! 4%\Y '\ 4 r mW. podemdescarocar
M '^'v .V quabiuer especii
___:-.de algodao serr.
\i^ oh

estragar o no.
sendo bastantf
duas pessoas pan
a^fF^otrabalho; pd*
desea rocar um
arroba de algo-
dao em carocc
em 40 minlos
ou 18 arroba^
por diaou > ar
robas de algodac
limpo.
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
s"
mmm
N. 11Eaa do Qneimado~N. 11
A este estabelecimento chegou ltimamente da Europa um grande e variado sorti-
mento de coriinados bordados o que ha de mais gost cm desenhos 8 bordados.
Lindos bonets de palha de Italia para senhoras.
Chapeos e chapelinas de palha de Itilra ricamente enhilados.
Chapeos finos de seda paracabeca de homens e chapeos de sil de seda nglezes _de
8,12 e 16 astes.
Bonrnus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarques de seda preta para senhoras.
Cortes d8 la do barras de 145 a 225 de muito gosto.
BalSes de arcos e de musselloa finos, manguitos e camisinha?.
Saias bordadas muilo superiores.
Moireantique preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
Luvas de pellica para honnm e senhoras. .
E muitas outras fan-ndas que ludo se vende Lar2to na loja de Augusto treaerico
dos Santos Porto, aonde tambem se vendem as melhores e mais biratas
Esteiras da India para forrar salas
R. 4I-Rui de Queiraado-N. H

TaSso rmeos
vendem gesso em p para estuque de casas, tijolos
finos de felllo diversos para laarilho, azaleijo? de
diversos gostos, lijlos vidcadjs.paGa parede de co-
zipha, canos de barro para esgoto, cemento em
l
barris de 10 arrobas.
Calnngas finos e
par meninos.
Lhegaram para a loja de miudezas da rna do
Qoeimndo n. 69, os mais fino e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timelo de miud9z;s.
0 GSTELLO BE VIRAGS
Traduzido do francez por A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quitr
tomos pelo harassimo preci deOC
. ua praoa da Independencia, livram ns.
l>rln<|iiedos g e g.
Oeaebra de Hollanda e.n fras-
qnelra.
Chegou a genebra verdadeira de Hi'landa, mar-
ca VO, e vende-se somenie no armazera de Rarros
4 Silva.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarojam 18 arrobas de algodc
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
euir?s dessas machinas.
Os mesmostem para vender um bellisslmo va-
por que pode fazer mover seis des'as machina:
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zera de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sauuders Brothers &, C.
-\\ II, praca do Corpo Manto
RECIPE.
Os micos agentes neste paiz._________^^
Rival sem segundo
Rna do Qiieimado n. 49, loja de miudezas de Jos
& Azevedo Mala e Silva esta disposlo a vender mni-
lo barato que admira, pois seus freguezus ja estao
scientes que nao ha segundo competidor.
Pecas de cordao para vestidos a 20 rs.
Capachos redondos e compridos a 100 rs.
Talheres para meninos a 2i0 rs.
Duzias de facas e garfas a 25i00.
Ditas de cabo preto cravado a 3000.
liaraihos fraocezes muilo finos a 200 e 240 rs.
Grozas de boioes de louca a 160 e 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo a 120 e 200 rs.
Bunecos de choro pequeos a 160 rs.
Varas de cordao para espartilho a 20 rs.
Duzias de colheres para cha a 800 rs.
Duzias de colheres para sopa a 15500.
Ditas de melal principe de cha a 25000.
Ditas para sopa a 45000. ____
DE
Florida.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao urna tintura, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. C.ompostas de plantas exti-
cas e de substancias inolTensiveis, ella teni a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles lem perdido.
De urna salubridade incontestavcl, a apea de
Florida enlreiem a limpeza da cabeca, desiroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oeo de Florida
Composto de substancias vegetacs exticas, elle
contribue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a torca, a belleza e a conservacao dos cabel-
los.
Em Paris casa de Guilaurn. 112 ra de Rechi-
nen e 21 boulevard Monlmartre.
Todos os frascos dSo lendo inlacto e clare, e Un-
cir prateado da casa. reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38.
lixas hamburgne/as.
Vende-sena rna Nova n. 61.
DROGARA.
3-iRua larga do Rosario34
Bartlioloraeu Fraucisco deSouza &. C.
Ve Je ai:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para onrives.
Papel para forrar casas.
Guarnicoes avelludadas.
Tinta bfaneasuperior em lata.
AlvaiadeVeneza, fino,em paes.
Urna familia que se retira vende urna mobilia
de amarello j usada, trem de cosinha, louca de
almogo e jamar azul, urna mesa de jantar de ama-
rello ps torniados, mesas pequeas, eommodas,
cama de casa1 o militas outros bjee.tns o que tild-
se vender era conla : na ra dos rtres b. 62.
-^"Vend-se urna negr nha de 10 anaos, muito
esperta e sadja : no pateo d matrU de Sanio An-
tonio n. 8.
No armazem de iazen das ba-
ratas de Santos Coelho,rua
do neimadon. 19, yen-
de-se o segninte:
Lences de panno de linho a 254C0.
Ditos de bramante de linho de um s panno a
35500.
Cobertas de chita da India a 25500.
Lencos de cambraia brancos proprios para algi-
beira, pelo barato preco de JjOCO a duzia.
Pegas de breanha de roo com 10 varas a 35800.
Ditas de cambraia para forro de vestido, com 8
varas, pelo baratissimo preco de 25600.
Guardanapos adamascados pelo baralissimo preco
de 35500 a duzia.
Algodao enfestado com 7 I 2 palmos de largura a
15-200 a vara.
Corles de la de lindos gostos com lo covdos a
65000.
Pecas de cambraia adamascada com 20 varas, pro-
pria para corlinado, pelo barato prego de 115.
Fil liso lino a 800 rs. a vara.
Dito rom .lpicos a 15 a vara.
Tarlatana branca fina a 800 rs. a vara.
Atoalhado de algodao adamascado a 25200 a vara.
Dito de linho a 35200 a vara.
Laazinhas lisas de todas as cores, pelo baralissimo
prego de 500 rs. o covado.
Pecas de cambraia de salpicos brancos e de cores
com 8 1|2 varas, pelo baralissimo prego de
45500.
Bales de 20 arcos a 25500, de 25 a 35, de 30
3S80O, de 35 45, de 40 45500.
Toalhas felpudas a 135 a duzia.
Esleirs da India de 4, 5 e 6 palmos por menos
prego do qoo em ootra qualquer parte.
Neste armazem se encontrar um grande sorti-
menlo de roupa feita e por medida.___________
Admiravel pechineha!
Micambique a 300 rs. o covado, na loja
do. pavflu.
Vendem-se r.s mais bonitos mogambiques de po-
ra la proprios para vestidos e soutembarques,
sendo de quadrinhos de listras e lisos, fazenda in-
leiramente uova, em padroes e multo proprias pa-
ra as senhoras que freqnenlam o mez Mariano,
porqne osla fazenda Ibes facilita fazerem por poo-
co dinheiro vestidos muito decentes para qualquer
aeio, advfrtiodo-se que este baralissimo prego
devido a grande,compra que se fea desta nova f-
:?Dda que se venda a freze tnstes o covado ; na
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
[TLETVEL


/
>
Diarlo de Pernambuco Terca letra de Jimho de 184.
ESTABELECIDO A R JA NOVA N. 60
V3m a iitim& idx
AO
RESPE1TAVJEL
83 MM&lIILi
P1BI.KO.
A apreciaca dos habitantes desta heroici provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua maxim parte mandados vir directamente do estrangaro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novp e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se pormUffiancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimeito das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.; Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos precos
jlle deve contar que ser sempre mui-
As pessoas que por sua psito social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinh )s finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicSo do freguez,
to bem servido. ,
Aquellos que sao pouco favorecidos da sortB faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender e arroz, o caf, a man-
teiga o assucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devern vir, pelo seu proprio inleresse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhor s que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escoltado por pessoa entendida que certamente muito dore agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacriQcios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos. -..
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DINHEIRO VISTA:
A I M
MANTEIGA ingleza efranceza a 10, 1I20
1#!80 e em barril faz-se grande abati-
me to.
MACAKRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 3(0rs. a libra.
MASSV DE TOMATE a GOO rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MAR&ELLADA de diversos fabricantes e
diversos presos.
P
PEIXE em latas a l.OOOrs.
PERA SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
ALPISTE E PAINQO a 120 rs, a lib a.
AMENDOAS novas a 28o rs. a libra.
AVELES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 90 rs, a libra a,..
AMEIXAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANIIA de porco a 660 rs. a libra, em por-
co faz-se abate.
BOLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHLNHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ing'ezesem latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
c
CHOURICAS m ito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
amoricans, bahiannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
'COPOS lisos ladidados de todos os taa-
nnos a
D
DOCES de todas as qualidades.
E
ERVILHAS seccas e em latas portuquezas e
francezas.
F
FARNHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
F\RINHA do Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5.CO0 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.
GOMMA muito nova e alva a 140 rs. a libra.
GRAO DE B1C0 a 120 rs. a libra.
GENEBRA delaranja a 9 e 10,500rs.
CEEBRA de Hollanda tm botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
QUEIJO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM u'isso a 800 rs. a libra.
DEM jirato a 800 rs. a libra.
SABAO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abato emcaixa.
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se
far grande abatimento.
V
tinto de 360 a.. garrafa,
tinto em caada de 2,560
branco em caada de 3,500 a
verde a 45 rs. a caada.
Bordeux em caixa a 6.000, 7,000 e
VINHO
VINHO
VINHO
VINHO
VINHO
VINHO
VINHO
VINHO
de Grave a 6,000 rs. a caixa.
Cuerrya 1,000 rs. a garrafa.
do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
V1NAG tE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs.
arreja.
M
2600, 3, 33500, i#, 50, 60,
Superiores cortes de moirs preto com barra
dem deCgorgS preto adamascado com barjra a imperatriz Eugenia,
dem de gorguro de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2$400,
sJperior0gorgudr5o de seda preto, a melhor faienda que ha para vestido.
Sarja preta de seda.
dem preta hes;>anhola.
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a
30500,49, 40500 e 50.
Pannos pretos de sopen ir qualidade de 30 a
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algenennes e retoudes de filo preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidada loja das Columuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa
de Jos Morena Lopes.
o qne ha de melhor gosto em
A
A0 PUBLICO
Sena o menor constran
glmento se entregar
importe do genero qne
">o agradar.
ATTEHCO
Os precos da segninte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de eontas
eom os portadores;
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Concelcao)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore- r. swihoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptido e inlei-
reza com que serao ;-s. :.v :uvida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteceo e preferencia na com-
pra dos gneros qne precisaren e quando n5o possam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos,
pois serio t5o bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacSo, afim |de que nao v5o em
tra parte.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a 1- Sal refinado em frascos detidro com lampa
" mesmo, a 5oo rs.
Minteiga ingleza especialnente escclhida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muiloproprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
ero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
do mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo,
l.oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo,l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,ooo e H.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8o a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java
roba.
bra e 6,ooo a caixa.
do
^Sbnn^ e,rK0d- gerV6Ja brana das Pasmis acreditadas 2"fij?.*
o ,? oeS? a 64 rs-a llbra e que v em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
Vinhn rio Po'io001"1 lbaS- a- ga,Tafa' e 5'800' 6'000 e 6>*00 3 du-
Vinho do Porto muito fino proprio para zia.
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
...5000 r? Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
Vinho era pipa : Porto, Figueira e Lisboa a do de Simas, das seguintes qualidades:
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
i RIVAL
> SEM SE&UJVDO
I Hua do Queimado o. 49, luja de Jos & Aicvedo
Haia e Silva.
Pulseiras e vollas tuuilo bouitas a 500 rs.
Miadas de Unta para bordados de sopenor qua-
lidade a 60 ts.
Datias de faras e garios de cabo preto multo
boa a 3.
Meiadas de linha froxa para bordar a 20 rs.
Meiadasde linha azulada superior a (O rs.
Babado do Porto muito superior a 100, 120 e
160 rs.
Varas de franja de nho branca a iO rs.
iixas com 100 enveiopes da mellior qualidade a
600 rs.
Caixas com 20 quadernos de rapel superior a
600 rs.
Grozas de pennas de ajo muito (loas a 500 rs.
Pecas de tranca lisa preta e de c ores a 40 i:-.
Grozas de botes mareperola para camisas a 500
e 720 rs.
Caixas com 50 novcllos de linha do gz a 7C0 rs.
Varas de franja de cores a 80 rs.
Novellos com 400 jardas superior qualidade a "O rs.
Carriteis de linha com 200 jarda* dos i.s CO at
200 a 100 rs.
Litros para assentos de rcupa lavada a ICO rs.
Pares de botOes de punho muito taat a i O is.
Thtsouras para unas e costura rtnito finas a
500 rs.____________
A lttengao dos Srs. afiSas,
sapateiros e femanqueiros.
Pe^as de algodao largo e encorpaito. prop io pa-
ra obras daquelles senhores, por 270 a | c. a do
20 jardas, esl^em perfeito esladu : na loja da ra
d. 16, defrente da guarda o'a
a 2,5oo, 3,oo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaem caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainhade Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, I5,ooo,
12,ooo e Io,oooa caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo o l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as raeias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francezmuito propriospa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo acaixae4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas do casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolacbinha d'agua e sal, da fabrica de Jo3o
de Brito no Beato Antonio, emlata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezis em f-asco de vidro com
tampa do mesmo, a 1(5500.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos
tamanlios com bonilas estati pas na cai-
xa exterior,.aJ,4o?,1,600, l,8ooe 2,ooo
cada urna.
Azeitedoce refinado hespanholou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra-.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,000 a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. alibra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes.
l a 800 rs. o frasco,
a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- j Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa. Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propiamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-! y a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Iho. Palitos de denle a 14o rs. o maco.
ExposicSo Normal de Ha vana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ouem meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo
3,ooo a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinba de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolacbinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva echeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanbos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandesde
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada umaancoreta.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24, 000 e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeitedoce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para des
algodo : na ra da Seuzaia .Nova n. 42.
rorar
BMHHBBIAW'rO'/^MMDIBS
ESCHAVOS FSIPOS.
Fugio no dia 16 de maio prximo passadoo
preto crioulo de nome Oraziliano, dade de i;G Mi-
nes, estatura regular, cor fula, lendo um dos den-
les da frente quebrado, sem barl-a apenas aigUDs
cabellos a roda da garganta e olhar amortecido, 6
bem fallante, sabe ler e escrever e hlia um pouco
o inglez, bom copeiro, cosinha e lava bero, levo
vestido camisa de algodo branco e ralfa daOtto
azul, conduzindo alguma roupa Sua, como nun
calcas de casemiras de lisias, jaqnela bratti a e ca-
misa de madapolao, lences e mais roopa qne l< na
marcada com a letra B de linha de njarx-a,algumas
pecas e outras com o nome por exiento ini tinta
de marcar, levoo clupo de palha imftatWo man-
Iha, chapeo de sol de seda verdeja osado, saples
e meias, de supior que se inculque de forro :
quem o apprehender condnzimlo ao sitio de Jft3to
Matheus, no Po?o da I'aneila, ser generosamenle
gratificado por seu senhor Juvino Uandeira.
IOOj? de giatificacao.
Fugio no dia 7 de maio de 186o, da casa do abai-
xo assignado, o seu eseravo Francisco, cal ra, 1 si
tura regular, grossodo corito, cabellos nao 1 arapt-
nhados, denles pefeilos, sem barita, ps e miios
regulares, levando vestido cal^a de casemia pre-
ta, camisa branca, palctol de. alpaca e 11;i| o di
baeta, pretos; alem dos referidos sigrais leit'
elle no braco direilo um sino Salomio, fbaiXo
do qual lem um coraoao feilo eom tinta aiol, 1 n*
cujo centro tem as sois iniciaes stguintes : MU
IMN, tem elle 23 annos de idade, penco mais; D
menos. Consta ler seguido a estrada do norie,
em busca da casa de sen aniipo Baoboro leneiite-
coronel Joaqnim Carneiro da Gesta, a noal ^ no
lugar denominado urral Grande da villa de San-
l'Anna, provincia do Cear. O alaixo assignado
recommenda nao s as autoridades, como aos ca-
pitaes de campo de qualquer lugar, a capturado
referido eseravo, o qual poder ser entregue do
primeiro andar do sobrado n. 81 da roa do Impe-
rador, cidade do Recife, ou no sitio da estrada de
Joo de Barros, residencia do abaixo assignado :
a pessoa que o trouxer ter a graiificaco cima-
Joaquim Manoel de Mira Wndei k v.
A t tenca
1^500,1,5800,2^2^500, 3,?,
j
12)5 o covado.
e Vasconcellos & C. successores
GOMMA NOVA
Em paneiros muito alva a 4,ooors. a
do de um paneiro para cima se far abattmen
arroba e 16o rs. libra e compran-
0 na ra do Imperador n. 40.
Machinas de serrotes para
algodo
Chegaram as desojadas machinas de serrotes pa-
ra descarocar algodao, havend ora completo sor-
timento desde 13 al 40 serrotes, tambera ba mo-
tores americanos para as mesmas machinas, ven-
los Bastos Ollveira. 1 cellos &C.
Chegaram os superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, vlndos pelo
nltimo vapor francez : na loja das columnas a ra
^
Agua florida e tnico orien -
tal de Kemp.
Continua-se a vender em porc.o e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocallelrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onychromaotina para hmpar as unhas. Essa
tintura, cujo effelto rpido e efllcaz, est bem co-
nhecida e apreciada para lodos quantos della tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aqoelles, dingir-se munidos de
dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
dito tambem verde e mui fino para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para venidos
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'aco ingle-
zas e francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
penas d'a(;o qua constantemente tem, caba de
receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, asslm como as
verdadeiras bico de lanca n. 134 e outras de pon-
a dourada, continuando porm a vende-las por
precos comraodos, cora tanto que ocompradorcom-
pareca munido de dinheiro: na roa do Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambera achar-se-
ha a venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu i
Bonitos e graudos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de ditos de ignaes e" agradareis cores.
Voltas pretas maiores e menores todas do cont s
grossas.
Pulceiras pretas tambem de eontas.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Fivelasd'aco grandese pequeas com cinto pre-
to e de madreperola.
Outras grandes de differentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leques de madreperola redondos e de
outra forma.
Ditos de sndalo intericos e corredicos.
Capellas brancas para meninas.
ATTENCftO MEUS SENHORES
PABA
Na noile do dia 2o (ara 26 do n gio do ecgenho Jundi da Escada o estrave crin-
lo de neme Alexandr, idade de 20 arr< >. no
mais ou menos, cor preta, denles al'es. o-aira
regular; rnjoeseravo ful ancmalado th: prae;a
publica dojuizo de orpbaoa de Santo Ante, e.
tentou alislar-se no batalbio de voluntarlos ; as-
fio pede-se as autoiidades polica > e aos capi-
lla de campo a captura do mesmo rsciavo, e a
sua entrega nesta cidade au Sr. Albino V da CBha, casa da esquina da ra de Horias (ara
o pateo de S. Pedro, cu no mesmo engesho Jundi
ao seu senhor Manoel Antonio Das.
Fazendas baratissiraas loja da rna do Crespo d. 17 de Jos Gomes
Villar.
A nova crise commercial permute que o povo em geral nao possa comprar fazendas
caras. O proprietariodeste estabelecimento, amigo que 6 do povo em geral, attendendo a
essas circumstancias est vendendo fazondas por presos que na realidade admira.
Correi, bom povo, a este estabelecimento, e comprai fazendas, porque alli se vende
por menos Cassas organdyzes a 280 rs. o covado.
Chitas francezas escuras matizadas a 260 rs o covado.
Ditas escuras muito finas a 240 o covado.
Ditas claras dem a 240 o covado.
Ditas escuras idem a 260 o covado.
Chitas para coberta muito largas matizadas a 240 o covado.
Madapolocs finos largos a 6590, "5 e 85.
Chales de fil preto muilo bons a tOjOOO cada um.
Chales de merino estampados a o^oOO, 65 e 7$.
E outras muitas fazendas, que tudo se vender por precos que admiram.
Azeite doce
da Liga.
ITE DOCE
refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem

Saceos de 80,100 e 120 libras a 4& 441500 e 5/1
"4M
no grande armazem da Liga.
Fugio em principios do me/, de f vereiro co
crreme anno e consta .'star acontado nesta ctdat
o moleque Euzebio, eseravo da viuva do Dr. Fer-
nando Alfonso de Mello, de 12 annos de idade pou-
co mais ou menos, cor preta, secco do eorpo, ulnos
regulares e afumagad.ts, calera um pouco grande
e mcia chata, belgos finos, denles em alvos, ps
seceos e muito ladino : roea-se por tantt a tedas as
autoridades policiaes e capilaes dt campo que o ap-
prehendam e levem-o a ra da MaLgneira sobrado
n. 6 que serao gratificados, protestaLdo-so Qsardoi
melos judiclaes contra qualquer pessoa que o tenba
em seu poder.
Fugio no dia 28 do corrnte, a noite, a es-
crava Januaria, pertencente a D. Amelia Felicia
Deschamps senhora de Mr. Leen Chapelin, retra-
tista, cuja escrava houve por compra que fez ao
Sr. Pi Pierres Vareila Barca em abril ultimo por
intermedio de seu procurador Joao Francisco Ca-
bral, desconfia-se que a dita escrava lenha se-
guido para Paje de Flores e que procure o ei.ge-
nho do Exrn. barao de Vera Cruz, a quem a lem-
pos passados pertencu : a dita escrava tem pom a
mais ou menos 0 annos de idade, de sstatara
pequea, de cor fula, lem os dentes limados, testa
eolhos muito pequeos, gratiQca-se bem a quera
apprehende-la.___________
:.-.'.
xr-gs
SEM IGUA
Madapolao muito fino cora pequea toqae de avaria, por preco que admira : na
das columnas na ra do Crespo n. 13, da Antonio Correta de Vasconcellos & C.
ncao
No dia 4 de Janeiro do anno de 1864, fugio do ec-
genho Concei^o, comarca de Pc-d'Alho, o escra
vo Galdino, pertencente ao abaixo assignado, com
os signaes seguintes : idade 26 annos, pardo, claro,
corpo, figura e altura regulares, cabellos meios ca-
rapinhados, olhos pardos, sobranceras e palpebras
salientes, tem em cada braco um sico de Salomc,
sendo um delles mal feilo, e" junto a este urna cruz,
tem na cabeca urna cicatriz de urna polepada, e em
cima de um quarto urna outra cicatriz do tres po-
legadas, proveniente da poma de pao e queda, tem
sobre as costas algumas marcas ou cicatrizes de re-
Ihadas ou chicote; umfpouco desembarazado quan-
do falla, tem principio de rarpina e carreiro, oca
viola e barbado. Foi soldado do corpo de polica uo
Recife, e levoo. comsigo a baixa do theor seguinte:
Seegao urbana, 2* companhia n. 50, Antonio Cana-
no de Oliveira, tllho de Agostinho Ferreira de Bri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos cara-
pinhos, olhos pardos, offlcio nenhum, estado sokeV
ro, com 30 annos de idade, 60 polegadas de altura.
ao engajar-se. Eogajou-se na forma do regola-
menlo, em 17 de fevereiro de 1862, por offieto d)
Exm. Sr. presidente da provincia, datado de 28 de
abril do corrente, e publicado ao corpo em ordem
do dia 1* de maio, tudo em 1862; teve baixa do
ser vico por ter dado em seu lugar o paisano Joao
Pedro Ferreira da Rocha. Foi eseravo do eaj ;3o
Joo de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e boje morador ca
I Campia Grande da Parahyba do Norte, que oven-
^"?3r5 deu eni das do mez de novembro de 1863 ao abai-
&fGSsivUKZ !xo assignado, pelo costume de andar fgido e a li-
' tulo de forro com o nome mudado ; pelo que roga-
se a attencaodas autoridades civis e militares, nao
s desta provincia como das ciernis do imperies
napprehensao do dito eseravo, que a titulo de foro
rn ouenha sido recrutalo ou assentado praca m
ialgtns dos corpos de Voluntarios da Patria, tam-
de h pede-s aos capitaes de campo e pessoas par-
ddmulares amesma apprebensao, e leva-lo ao sea
,aeteor noreferido engenho Conceico, ou nesta ci-
eose ao capitao Mauricio Francisco de Lima roa
be Brum n. 56, que ser gratificado com 200,5.
Jos Maria dos Santos Cavalcanli.
wm
''A
m
loja


LIXTERAIORA.
CLARA.
(CANTO POPL'LAR.)
(Concluso)
1., ra o qovo e o> convidados esperavara a
i, \ >ara conduz-Ia a igreja.
M .riano eslava booilo ; liaba uns colarnos que
ia : paucas compra aa sapateiro do lagar;
; branca, colelc de cor duvidosa e vesta a ca
bu .: cju que sea avo casara,casaca que ha mu-
to .iunos servia a todos os uolvos di poToaeq e
aricores.
Os padrinlios trajavam pouoo mais ou meaos aoj
mesio gosto.
Cairo os coavidados reinara a liberdade no ira
j v Mattel de Luiza primava com sua camisa
.i. lita rlscaJo, aberla no peito, e de collarinho
..... a moda dos luanaliL-iros; o Jo-e da Tapis
u. j me :i ava airaz, com seu chapeo de palha eu
Diarlo de Pernambuco -- jTerca felra e de JuDho de 185.
ler um filhioho tParece-se tanto comtigo, diria
Clarinba, com sea olhar de ternura :Sim, mas
esles olhos sao os teas, Clarinha. Seas pais sriam
os padrinhos... e qae festas no baptisado Todos
viriam sauda-lo, a elle, ao Mariano.. O menino
dormira n'uma redinha ao lado da sua : se acor-
dasse a noile, elle nao deixaria Clarinha erguer-se,
i :vantar-se-hia mesmo, e com todo o geilo o tirarla
da r6ie, para leva-lo aos peilos maternos...
Assim pensava Mariano tremolo de amor e de
feliotdade.
Entretanto Clarinha chorava, chegando as vezes
asolugar.
Todos admirados perguntavam a si Porque
tanto chorava a noiva t
Clarinha mesmo uao sabia porque chorava ; ama-
va Mariano, casava-se com elle por vontade sna ;
mas tanto Ihe apertava o corago, que nao podia
deixar de chorar.
Acabala a ceremonia, saudavam todos os noivos,
e ja preparavam-se para sahir, quando o som de
1 una queda, acorapanhado de longo gemido, des-
:.a..]j de las encrnalas : Raymundo do Laga
mar flava orgulhoso com seu paletot de caeiit^ pertou a attengo de todos.
.., ornada : e .-issim os outros.
A./ureceu Ciannha aeouipanhida das madr;
i de saas amigas de infancia e todos n'uai
v i .rita-am : Viva a noiva !
T:-do* a applaudiara, todos a julgavam a mai[
irosa Je todas as douzellas ; a ariano litava
co:.. olhos "de voladores ; o entretanto Clarinha e
lava trate, e se ha muito oosto consegua desfl
i um sorriso, l vinha urna lagrima temosa a
hif gcossa e pesada em seu eolio moreuo.
Chgono momento de sahirera para a igreja ;
naivaao lado das madrinlus caminiiavaadaote,
Era o forastelro que desmalando cahlra.
Correram toaos e cercaram-no piedosos, procu-
i raudo chama-lo vida ; nesse empenho aproxima-
se Clarinha, (ita-o empallidecendo rauito elogo pro-
; rompe em gritos o solucos ;
Bernardino I E' elle... mea Dos I mea Dos I
e como lauca arraijcava es cabellos.
Ao escuta-la, todos emmudeceram de pasmo re-
- couheceudo Bernardino no misero forasteiro e re-
cordando as scenas de amor de oulr'ora.
ticamente gniavam.
Vivam os noivos I
Vivam os noivos I
Ciiegaram a igreja.
Ja o vigtrio os esperava paramentado porjla
prir.cipaL
Eutraram e comegou a ceremonia.
va
Era elle, sim, que voltando do sea longo captl-
veiro vinha cumprlr a sua palavra dada a vireera
log aps o noivo e os convidados que enihusu de seu prmejro 0 unjco amor. e qQe> ^^
pela >greja entrara para agradecer a Dos a cons-
tituico de sea lar, e presenciara o casamento de
. sua noiva com Mariano, com esse irmao que tanto
elle eslimava.
Tornando a si, ergue-se Bernardino, e trmulo e
solugoso, dirtgio-se a Clarinha, segurou-lhe a mo,
unio-a a de Mariano, e abragando-os, disse-lhes :
C nao reparn ninguem n um forasteiro, que ora-; .__ .
:, .... ~ sejam felizes, raeus rmaos, tanto quanto te-
porto, e que ao ve os estremecer como se fu-a ... u H" utu lo
nho eu ?ido desgragado I
Perdoai-me... Perdoai-me, Bernardino I
u..a um homem anda moco, de Jungas barba1?, bradou Clarinha, pondo-se de joelhos.
il .-los de andrajos e p, e revehm davenco ro^to faudas dores, continuados soli i-
ID
A" meia hora que enlrara e se ajor-lhara em or-
' ; indo no chao o sen bordo de caminheiro.
Dual: vinha, para onde ia, o quem era nao pro-
curo-a sal>e-lo o vjaario u o sacristn quando o <
raai entrar : -era,pelo que pareca, um pobre h
. .. |ue passandj era viagem, vira abena ea
do Stfihor, e nao esqaocer
CBlistS.
Irmao, mata-me... soa ea o culpado! gri-
tava Mariano, ajoelhando-se tembem. "
E os circamstantes choravara dizendo:
Bernardino, aqu affirmaram que bavieis mor-
rido no sul...
Emquanlo o vigaro, nao podendo tambem repri-
mir as lagrimas, exclamava :
Meas fllhos, nao desesperis... coragem, re-
o seu dever de bom signa5ao---
Bernardino ento tornou-ce ardente e as vezes
terrivel; j nao tinha lagrimas nos olhos; parecia
m sentir em si borrivel lata entre os sentimentos ge-
i-
o-
:a
Porque, porm, estremecer, e agora ergaend
se, cruzara us brayus, e co:i semblante torvo, e ci
oiiur aioargorado, assistia ao acto que nao Ion ge uerosos que a principio manifestara, e os anhelos
. ava-se ?
Porque balia-liie Unto o coracao ?
Porque tanto interesse, tanta pallidez t
Sria acaso um lonco, ou u:n desgraeado ; dm
coa arle trabido, un um amante Jesprezado
Lj. nao rosuoujo, porque agora nao o devo; d|
.\oiiio-lo com suas amarguras e assistamos ao
sameato. ^
A ceremonia prosegua.
Uarano, trmulo de .".mor e felieldade, va r
. o sonho donrado de soa vida.
Marido do Clarinha, elle, Mariano,elle que j
gava tanta ventura impossivel ? E ja nao era di
sonho ; era um faci ; sahmdo da igreja ja po
duarClarinha minha malher. Dtpois, em
ca-ioba de palmas de carnauba.- que vida entfii
como i.maria exliemosa a sna Clarn ia I De irj
nhSa acordarla com ella ao cantar c as grauna:
de vinganca e as dores de tao ferino golpe.
D^pois fallou assim, e fallando era as vezes sar-
castico, as vezes doloroso, e as vezes tinha um sor-
riso gelado nos labios.
Queres, irmao, que te mate... e tu Clara
I. queres que te perdoe? Porque? Nao havia ea
moni Jo no sul, meus amigos? Quem fiel ao
morto ? Quem morre nao se vinga, era mesmo
pode voltar ao lugar em que o alraicoam, e des-
prezam... Mas nao sempre assim I Por Deus do
fa- co, que nao 1 Pobre soldado, chorando parti desta
trra: aqui licava-rae a felicidade em um amor ex-
[il- tremoso e santo; mas partindo ouvi um juramen-
m*to... dizlani-meVal... que se um dia voltares
a me acharas del... sempre, sempre fiel at a mor-
a te Fui-ine che.to de esperanza. Embarquei. JNo
meu exilio alliviava-me as dores d'alma saudosa
esse divino balsamoa esperanza. Eu dlzra:
Espera, meu coragao, espera, que um dia sers
como as graunas eantariam bonito i essas suai ss venturoso. Esperei muito, e sempre firme, e sea-
las Correra ao rogado ; la que saudades
Clarlnh lando, dfaja :Clarinha, nio posj
viver longo de li.. Que mlias os seus... talve;
mhasse larde... ai que amor, que exli e
m r- i'amorl epois os filos :quem uo dest
rr: ''n^.,v'i_.i&mf%\~m\MM!M>j>mmamnwi' a
ie pre coustante. Se era tarde, eu dizia: A esta ho-
so ra suspira ella recordando se de rainhas palavras-
o a sombra do arvoredo do valle. Se era noite, eu
dizia :Sonha era mim... Se rompa a aurora
ja acordava chorando de saudade... E en tambem
a-
te
lo
FOLHETM
O CQfNiiE DE SHANTELENE.
Episodio ta i-cvoiuci).
Vi
(Contiuuaro.J
Ke.-uan toraou a descer sala terrea e achpu
Scevola na porta.
Ento I... e leu irmao? perguntou-lhe o es
lajaJeiro patriota.
Dorme I isso nao ser nada 1 mas que nfio
seja elle incommodado I emendes ?
Destanca !
Agora, disse Kernan, eu ts escuto.
Ah I queres que le reara a pega ? Sim, par
cebo-te I accrescentouele rindo se. Fizesle pai
dos espectadores, mas tlcaste na retaguarda e n io
i idale entrar 1 Havia muita gente I
Precisamente.
Mas que podes ouvir Sera beber, tu, cidti-
dio ? Quanto a mim, nao posso fallar sem hun
; as miuhas palavras!
Pols bem! iraze urna garrafa, dissse Kernsju,
e um pao de dou arralis. Ouvir-te-hel comen
um pedco.
Esl dilo, respondeu Mulias Scevola.
Enco=taiain-se, logo depois, sobre o colovejllo
diauie de urna mesa, e o cidado Scevola razalas
honras della era seu proveo. I
Eis como a cousa se deu, Jisse elle depoisl de
ler ;uguldo um copo de flnho. Ha dous metes,
que as cadeas da cdade eslavam cheias. Os tu|iti
vos da Vanda cahiam muito, e via-se o mom
em que nao se poderia mais fazer prisioneros,
fai de pmoes; por tanto era preciso despeji-las
com toda presteza. Infelizmente, o cidado G er-
mr.r era ara bom patriota, mas nao tem a imagi
nagao de Carrier ou de Lebon, e quera proceder
com formalidades.
Os punhos de Kernan arrepiavam-se debaxo da
mesa ouvindo estas palavras. Todava elle
bas'.anle poder sobre si proprio, n5o smente
cor.ter-se, com tambera para responder :
E' umbom homem, Carrier !
Sim, t'o afflrmo eu I com suas afogadu
Alm disso, ha um tao bello rio sua disposi
Emilm, fizeraos o que podemos, durante dous
zes: procedase por distincto ; ningaem tinha o
direito de se queixar ; todos mornara juntamente
Afinal, andamos com tanto acert, que qus
cara vasias as prisfles; mas trati-se de enchilas.
esta raanhaa, perguntou Kernan, n$o se
execatou ama outr'ora senhonta de Chanteleine ?
Sim, ama bella rapanguinha, eu o juro I e
seu cura com ella para mostrar-lhe o caminhc
E' Karval quem deu esto golpe !
teve
para
as t
o 1
me-
sifi-
*
Al:! o celebre Karval.
Elle mesmo I eis-ahi um rapaz que vai bem I
tu o conheces ?
Se o conhego I somos dous amigos I dous
dedos da mo respondeu tranquilamente Ker-
nan ; elle esta' aqui ?
Nao ha oito das que sahio e anda era giro I
Deve-se dizer que o seu golpe nao foi completo I
Quando fez a sua empreza em Chanteleine, espera-
va prender o outr'ora conde, acerca de quem elle
tem projectos. Mas o passaro voou I
Ento ? perguntou Kernan.
Ento elle reunise ao exercito de Kleber no
pensamento de agarrar o seu homem, e nao me ad-
mirara se, durante a derrota de Savenay, elle ti-
vase conseguido os seus fins.
E' possivel, porque elles foram sacudidos all,
os Brancos I... respondeu o Breto. Mas dizeme,e
a rapariga ?
Que rapariga ?
A outr'ora fidalga desta manha... como se
| portn ella ?
Muito mal, respondeu o estalajadeiro, levando
seu copo bocea ; nao causou prazer; estava meio
mora de raedo.
Assim, disse Kernan, custando a conter se,
ella est bem morta ?
Ora essa a menos que nao livesse um se-
1 gredo !... disse rindo-se o estalajadeiro. Ah I mas,
por exemplo, passou-se um fado curioso durante a
ceremonia.
Qae facto, cidado Scevola ? respondeu Ker-
nan ; es interessantissimo I
Sim, continuou o monstro, empertigando-se,
mas eu preferira antes nao ter occasio de referir
o que voo dizer-te.
Porque ?
Porque nao em honra da commissao de sal-
vacio publica.
Como I a commissao ?...
Um dos seus membros perdoou 1
Qual delles.
O virtuoso Couthon I
E' possivel ?
Julga-o l I esta manha a machina trabalha-
i va tranquilamente ; caraponezes, nobres, sacerdo-
1 tes, tudo isso equilibrava-se cora igualdade repu*
I blicana ; tinha passado a pequea Chanteleine, e
] nao reslavam mais do que dous ou tres condemna-
; dos, quando apparecea um ruido na multido ; um
rapaz, rom os cabellos em desorden), montado em
1 um cavallo que cahe morto na praca, corre gritan-
j do : c Perdo I perdo para mlnha irma 1 > Elle
rompe o povo, chega junto do cidado Guermeur,
I entregalhe am papel assignado por Couthon con-
tendo o perdo de sua irma.
Pols bem ?
Pois bem I nao se podia resistir I e com tu-
do, esse rapaz era am outr'ora nobr !
scismava a tarde, sonha va a noite, e acordava cho-:
raudo... Ah... ah... ah... Era um doido, sim... \
um pobre doido... Tao doldo que pergutava a
brisa se escutra... e fita va a la, para nella en-
contrarem-se nossas vistas... Depois morri, nao
foi assim ? E ento mlnha alma j liberta, volve
aos lares, entra no templo... e v a infidelldade,
a iraigio. Oh I mas tambem os mortosse vingam...
tambem...
Dizendo isto Bernardino avangava terrivel, mas
de repente, como por um encanto, levou com de-
sespero as mos aos cabellos e exclamen em solu-
gos.
Sou muito desgragado I... Meu Dens 1 Nao
receeis, Clara, nada receeis, mea irmao... Sede
felizes... mas longe... que eu nao possa ver-vos...
Nao posso... adeus 1...
E logo retirou-se, correodo em direcgo ao rio'
que perto passava, sem que Ihe suslassem os pas-
ses, pois grande era o pasmo de todos.
Ento, Clarinha, alucinada, seguio-o gritando
Bernardino... Espera... Vai morrer
Quem o salva... Bernardino I Bernardino!...
Immediatamente correram todos para o rio, afira
de previnir um suicidio, maschegaram tarde: ao
longe, levado pela forte corrente, era Bernardino
as ancias da morte.
Clarinba, vendo morrer Bernardino, cahra ful-
minada ; levaram-n'a desmaiada para a sua casi-
nha, e all algumas horas depois,despertou... rin-
do, gritando, e chorando : a desgragada enloque-
cer.
No dia segrale via-a furiosa, havam-na amar-
rado recelando que ella fosse procipitar-se ao rio,
e ento ella gritava de um modo lo dolorosa, que
dilacerava o corago:
Deixem-me... quero ir ao rio... Bernardino I
E' elle mesmo I eu o vi... l corre... segurem-
no... depressa... depressa... chega a ribancei-
ra... oh I... tarde... morrea I morreu o mea
Bernardino 1
Nao pude ouvi-la por mais lempo, que o pranlo
me suffocava.
E Bernardino ? me perguntaro agora.
Por muilos das ninguem soabe noticias soas;
desapparecera o infeliz na hora em que supponba
chegar a sua ventura.
Algum lempo depois, assistindo eu ao embarque
dos voluntarios, chegou-se a mim um homem pal-
udo e desfigurado, apertou-me a mo, e dlsse-rae :
Adeus... vou procurar a morle por entre as
balas...
Ento conbeci-o: era o desgragado Mariano,
que, como voluntario da patria, marchava a guer-
ra, em demanda do esquecimento eterno de suas
desventuras.
Vai, disse-lhe en, vai que as dores do cora-
go nao se curara na paz dos rmos... Vai e luc-
lando contra o vil Paraguay que nos ultraja, pro-
cara alm do esquecimento e consolagoes ganhar
louros a esta trra que nos vio nascer :trium-
phar, ou morrer I seja a la divisa, e leu fim a
gloria da patria ; adeus I
E abracei-o chorando, emquanlo os hymnos do
enihusiasmo popular saudavam em seu adeus, aos
voluntarios da patria.
UM POUCO DE TUPO.
L-so na Semana Ilustrada :
NOTICIAS DA SEMANA.
Eslo aquartelados no campj de Sanl'Anna, que
tambem d pelo nome de campo da Acclamago e
da Honra, os voluntarios da patria, chegados da
heroica provincia de Pernambuco, sob o comman-
do do distracto Sr. coronel Antonio Gomes Leal, j
muito conhecdo e conceituado como organisador
de corpos militares.
O bello batalho teve esplendido recebimento.
Vimo-lo desfilar galhardaraente por diversas ras
da cidade e applaudiraos o fervor com que os flu-
minenses e pernambucanos, unidos em urna s
vontade, victonavam os Jovens guerreiros da mau-
rica, era cujos semblantes transluza o desejo inti.
mo de vingarem a honra e a soberana nacionaes
com o justo execo do malvado Paraguay.
Acclamacoes enihusiasticas, ovagoes espontaneas
e significativas acompanharaq o lazldu batalho em
todo o sea demorado trajelo at o quarlel, qae Ibe
eslava destinado, e dentro do qual ainda receben
muilas manifestagoes de sympathia.
Foi ama das mais bnlbantes recepgoes de vo-
luntarlos que tem havido nesta corte.
Assistiram ao desembarque e ao acompanhamen-
to os membros das duas comroissdes nomeadas para
receberem os dignos fiihos de Pernambuco e cura-
ren! de sua accommodago e necessario gazalhado,
misso que ellas desempenharam com infatigavel
zelo.
A' esta manifestaclo patritica nao pode compa-
recer um dos mais distinctos representantes da pri- j
meira commissao, o Ilustrado Sr. depntado Dr. Ur-
bano Sabino Pessoa de Mello, qae tantos esforgos
empregra no sentido da boa bosp.'dagem, confor-
to e recebimento dos seus comprovincianos.
No dia em que elles desembarcaran!, o anjo da
morte, com sea habito glacial, havia interinado o
cadver da virtuosa esposa do eminente parlamen-
tar.
A' dr, que o pungi por acontecimento to triste
juntou-se o sentimento de nao poder de prompto
abragar os guerreiros ao seu torro natal.
CONVERSA COM AS MULHERES.
Conversemos.
Primeramente devo dizer-vos que eu sou o mais
fervoroso amante de mulleres que o sol ainda
cobro.
Nao ha para mira honra ou posigo qae iguale a
posigo do homem quo se ajoelha aos ps de urna
mulher, nem honra tamanha como a de Ihe beijar
a fimbria do vestido.
Porque da fimbria do vestido passa-se aos labios
e os labios sao a fimbria dos cortinados celestes...
Perdoera o arrojo da metaphora; mas o pensa-
mento sincero.
J vm que conversara com um amigo, um ado-
lador, e, com certeza, um conhecido.
Sim, um conhecido.
Se eu pozesse no fim destas llnhas o mea nome
haver-me-hleis de conhecer por te-lo visto j em
alguns ostros lugares o escriplos, nao sel se bons
ou mos.
Basta qne ca lhes affirme isto.
Sendo assim, posso dizer, com toda a liberdade
o que pens das qnaldades e dos defeilos das mu-
Hieres, pois que nao me anima nenhum sentimen-
to de averso.
E' urna pessoa de casa que falla.
Cumpre-me ainda declarar que, fe fallo em de-
feilos, somente por espirito de amor ao sexo,
desejo de que elle se corrija ; mas se se nao corri-
gir, nem por isso eu reneg o meu culto; urna mu-
lher com cem defeitos preferlvel a um homem
com dez defeitos apenas.
Fallo dos defeitos moraes, porque os physicos...
Vamos l, ninguem pode amar as mulheres de
feituosas.
Comprehendo que se amo as feias ; mas as co-
xas, as caolhas, as carcundas...
Delxemos dizer a historia que Lulz XIV gostou
de urna coxa.
Acredito que assim fosse: mas Luiz XIV era
primeire em tudo, aleas extravagancias...
La Valllere nao obteria de mira um bilhete.
Dos Ihe perdoe I
Talvez as minhas bellas interiocutoras queiram
saber qual o meu ideal a respeito da mulher, e
de que modo defino as minhas preferencias.
Eu lhes digo : prefino todas as bellas.
Louras ?
Sao deliciosas.
Morenas ?
Sao magnificas.
Franzinas ?
Sao poticas.
Vigorosas ?
Sao soberbas.
De qualquer cor, de qaalquer apparencla, de
qualquer genero, a todas aprecio, a todas adoro, de
todas sou humilissimo servo e dedicado adorador.
Taes sao as minhas opinioes.
Como se chama ?
O cavalleiro de Tregolan, disseram-me.
Nao o conhego, respondeu Kernan.
Elle avangou para a gmlhotina, e isto produzio
um singular effeito, porque levantou os bragos com
desespero; dir-se-hia.que ia desfallecer de dor I
Mas Tez bem em nao perder lempo, porque sua ir-
ma j subia os degros, desmaiada nos bragos do
cidado carrasco. < Minha irma I minha irma! >
Mas Guermeur, avista da assigoatura do virtuoso
Couthon, foi obngado a inclinarse. Nao importa !
isso urna nodoa para a commissao de salvago
publica.
Est bem I respondeu Kernan, teve bom xi-
to, esse Tregolan...
E depois ?
Depois, conduzio sua irma, e continuou-se a
tarefa I
Bom I a toa saude I Scevola I disse Ker-
nan.
A' tua, meu rapaz 1 respondeu estalaja-
deiro.
Ambos tocaram os copos.
E agora, que vas. fazer ? perguntou o pa-
triota.
Vou ver se meu Irrao continua a dormir, de"
pois irei dar urna volta pela cidade.
A teu gosto, nao te incommodes.
Nao me incommodo.
Tenciooas ficar algum lempo aqui ?
Desejaria ver Karval e apertar-lhe a mo,
respondeu Kernan com ar desembaragado.
Mas elle pode chegar Quimper de um da
para outro.
Se eu estvesse certo disso, esperara, disse o
Breto.
Ora essa I nao te posso dizer mais.
Em todo o caso, disse o Breto encontra-lo-
bei mais das ou menos das.
Bom I
Elle vem tua estalagem ?
Nao, assiste no palacio do bispo, com o cida-
do Guermeur.
Est bem, ire v-Io.
Neste ponto, Kernan deixon o estalajadeiro; o
esfo*go que Azora para conter-se, dorante toda essa
conversaofio, tinlia-o prostrado a ponto de nao su-
bir a escada.
Sim, Karval I repeli elle, eu o encontrare! I
E' impossivel descrever-se o accento com que
elle pronunciou estas palavras.
Finalmente, voltou para junto do ctrade ; achou-
o abismado em urna dr profunda, porm resiena-
da. Foi preciso que Kernan referisse lodo quanto
soubera; depois de ter verificado bem se nao po-
derla ser ouvido, depois de ter observado as pare-
des, fez em voz baixa soa dolorosa narragao, du-
rante a qual nao cessaram as lagrimas de correr
pelo rosto alterado do conde.
Kernan chamou sua attengo para o que resta-
va Ibes fazer. ^
Nao tenho mais ranlher nem filha, respon-
deu o conde, s me resta morref, e morrerei pela
santa causa 1
Sim, disse Kernan, iremos a Anjou reunir os
chuans que agitara.
Iremos.
Hoje mesmo.
Amanhaa; tenho esta noite um ultimo dever
a cumprir.
E qual nosso amo ?
Quero irao cemiterio, esta noite, orar sobre
esse fosso commum onde arremegaram o corpo de
minha filha.
Masy.. observou Kernan.
Eu o quero, respondeu o conde com voz
branda.
Hozaremos junios, disse docemente o Breto.
O resto do dia passou-se era chorar; estes dous
pobres horaens, segurando um na mo do outro, s
despertaram do seu doloroso silencio por cantos,
deraonstragoes de alegra, que relumbaram na
ra.
O conde nao moveu-se I nada poia distrahi lo ;
Kernan foi urna janella; devia escapar-lhe um
grito terrivel, mas elle conteve-se e al mesmo nao
quiz dar parle ao conde do que acabava de ver.
Karval, acompanhado da sua horda cruel, torna-
va a entrar em Quimper, horrendo, ensanguenta-
do, quasi ebrio, levando aos empuxoes diante de si
velbos feridos, mulheres, meninos, pobres orlsio-
neiros vandeanos arrancados do desbarato do gran-
de exercito e destinados a cadafalso.
Elle eslava a cavallo, e todos os bandidos da ci-
dade seguiam-no, enchendo-o de estrondosas accla-
macoes.
Decididamente, este Karval lornava-se um per-
sonagem.
Quando elle acabou de passar Kernan voltou
para junto do conde e disse-lhe em voz baixa :
Tendes razo, nosso amo, nao devemos partir
hoje.
VU
0 CEMITERIO.
Veio a nolle. O tempo tinha mudado; a nev ca-
hla. A's oito horas, o conde levantou-se e disse :
- E' lempo, partamos 1
Kernan, sem responder, abri a porta e toraou a
, frente. Elle esperava evitar o encontr de Scevola,
' mas este, ouvindo-o descer, deixou a sala terrea
' por instinctode estalajadeiro, e acbou-se na passa-
gem do Breto.
Como I disse elle, partes, cidado?
Sim, meu irmo passa melhort
Um mo tempo para pdr-se a caminho I elle
nao pode esperar para amanhaa ?
Nao 1 replicn Kernan, que nao sabia muito
o que havia de dizer.
E' do Sr. F. M. esta poesa :
i.....
Quando a brisa rogar-te n'um suspiro
Soa ea que gemoque por deliro
Em lagrimas e dr:
Paluda imagem do ten rosto linda
Vem meus olhos banhar de luz ainda.
De pranlos e amor I
Soffro tanto por ti I de amor doente
Levo em noites de insomnia e febre ardente
A minha mocidade...
Mrbida sombra rae consom a vida...
E' que em sonhos te vejo esmorecida
De prantos e saudade I
Nao duvides de mim' doce amada,
Do meu insano amor, da f jurada,
Das minhas esperangas1
Oh I porque esse palo; na tez morena ?
Sero do nosso amor senlida pena,
Ainda essaslembrangas f
Oh 1 eu amo-te muito... luz da aurora,
Da tarde ao arrebol que as nuvens cora
E da la ao scismar...
De ti nunca me esquego em meus delirios,
Nem na agona de crueis martyrios
Por ti sempre a pensar I
Vem tu, doce illuso em noites puras
Gosaremos um co de mil venturas,
Aquicomtigo aolago :
Os meus sonhos ters de riso e flores,
E o meu peito inda ardente dos amores,
De rosas perfumada 1
Se poderas ouvir raeus ais sentidos,
Os thronus deste amor to doloridos
Que nem conta-los sei...
Talvez que assim de mim te lembrarias,
E era troca deste amorteu amor daras,
Talvez como te amel I
Mas se foges de mira, mulher querida,
Das docaylu?es de minha vida
Porque sou infeliz,
Quando eu morrana campa lutuosa
Oh I derrama urna lagrima saudosa
Dos leas olhos gentis I
Que l na palria de um porvir seguro
Gosaremos talvez de um amor mais puro,
De flores perennaes:
All comtigo as luzes da alvorada
Sonhare na ventura suspirada
Sem lagrimasnem ais 1
M... astendido commodamente no seu caixo, com
urna fofa almofadtnha debaxo da cabega.
O caixo de M... nm movel mu simples e
conforlavel.
Foi qoerendo experlmenta-lo para ver se era ne-
cessario algum retoque, que M... se acbon preso
como om rato n'uma raioeira.
Depois desta experiencia que ihe la sahmdo ca-
ra, M... mandou abrir um buraco na lampa para
poder respirar e chamar em caso necessario, qua-
renta e oito horas passadas dentro do seu caixo
Ihe fizeram reconhecer a utildade deste aperfeigoa-
mento.
------------ .1 Bill? l -----------
Effectuou-se ltimamente em Pars, na presenga
de alguns homens de sciencia e de varios typogra-
phos, o ensaio de um novo systema de impresso,
que nao pode deixar de attrahir a atiengo das pes-
soas entendidas.
Se acaso a experiencia justificar as promessasdo
qne o inventor declara poder obter, as quaes se ci-
frara nada menos, que era poder imprimir-so sem
se empregar especie nenhuraa de tinta, ter-se-hia
conseguido muito.
Obtem-se a irapressao em um papel preparado
chimicaraeule, o qual, recebendo o contacto dos
caracteres por meio de presso, faz eom que todas
as leliras marcadas apparegam nelle relas.
Accelera-se por nielo desle novo prpeesso lo uia-
ravilhosameule a impresso, que pode conseguir-se
urna tiragem de 12o bilbetes de visita em um mi-
nulo, que assim se fez no ensaio.
#
Os habitantes de urna aldea, em Franga, sobre-
saltaram-se ha das com urna oceurrencia, que va-
mos narrar.
M......proprietario, desappareceu repentina-
mente.
Foi visto por muita gente pela manha; porm
ao meio dia nao appareceu a jantar.
Procuraram-n'o durante dous das, e na occasio
em que precuravam no seu quarto papel e unta
para cscreverem um annuncio que os jornaes de-
viam publicar, ouviram um gemido surdir do so-
brado.
Passaram a examinar debaxo da cama, e viram
urna caixa comprida hermeticamenle fechada.
Foi trazida a caixa para o meio do quarto e com
espanto reconbeceu-se ser um caixo para de-
tuntos.
Os gemidos recomegarasi.
Os mais timoratos deitaram logo a fugir, porm
honve alguns que nao se acobardaram por lo pou-
co e que, nao acreditando era almas do outro mun-
do a fallar ou gemer neste, suppozeram que M...
estava encerrado na caixa.
Tenlarara abr-la, mas intilmente, porque a fe-
chadura era de segredo, e como nao tivessem mar
tello nem outro qualquer instrumento, mandaram
chamar um serralheiro, o qual d'ahi a pouco che-
gou com um maco de chaves.
A fechadura resistiu, e ja havia quera aconse-
Ihasse o fazer-se o caixo em pedagos, ao que tor-
malmenle se oppoz a esposa de M...
Finalmente, depois de duas horas de trabalho, a
fechadura cedeu e levaulada a tampa appareceu
A proposito, disse Scevola, sabes que o vir-
tuoso Karval voltbu a Quimper?
Precisamente, respondeu o Breto, vamos ao
palacio do bispo fazer-lhe urna visita.
Pronunciando estas palavras, elle linha-se vol-
tado para o conde, que felizmente nao ouvira esle
nome fatal.
Ah ides velo no palacio do bispo? conti-
nuou o estalajadeiro.
Como dizes, e ssegurote que a nossa visita
nao Ihe ser desagiadavel.
Ah I ah I respondeu Scevola rinda-se grossei-
ramente, alguma denuncia de sacerdotes ou d e
emigrados.
Talvez proseguio Kernan tomando o brago
de seu amo e arrastando-o para a porta.
Vamos, boa fortuna, cidado 1
At a vista respondeu o breto.
E finalmente sabio da estalagem.
A cidade parecia deserta; profundo silencio rei-
nava as ru. s ensurdecidas pela nev.
O conde e seu companheiro passavam rente das
casas; o primeirose deixava conduzir; nao senta
fro. Desde a sua resolugo de ir orar sobre o t-
mulo da filha, nao tinha mais pronunciado urna
palavra e conservava-se completamente absorto na
sua dor.
Kernan respeilava este silencio.
Passados vinte minutos, os muros do cemiterio
appareceram na obscundade. A essas horas, as
portas eslavam fechadas. Pouco importava ; o Bre-
to nao linha inteago de penetrar nelle pela en-
trada publica e de se fazer ver do guarda.
Rodeou porlanto os muros para procurar um lu-
gar propicio sua escalada. O conde seguia-o com
obediencia passiva, como urna changa ou como um
ceg. *
Depois de ter procurado pqrtnuito tempo, o Bre-
to chegou a um lugar em que o muro escavado
tiniia cedido em parle, e deixava urna brecha pra-
ticavel. Kernan langou-se as pedras, apenas segu-
ras por um cimento de nev e lama; d'alli, estn-
deu a mo a seu amo, e penetrou com elle no ce-
miterio.
A alvura deste campo de repouso offerecia pe-
nosa conlemplago aos olhos. Alguns tmulos de
pedra, numerosas cruzes de madeira preta, esta-
vam revestidos da raortalba branca do invern ;
era um espectculo triste este cemiterio coberto de
lato I O espirito involuntariamente recordava-se
desses pobres finados que deviam ter bastante fri
debaixo desta trra enregelada, principalmente
aquelles que urna rounicipalidade indiferente aca-
bava de precipitar no fosso commum.
Kernan e o conde, depois de terem percorrido
algumas ras desertas, chegaram a esse fosso ape-
nas entalhado, e coberto de extumescencias irregu-
lares que a nev debuxava fielmente.
Importunado pelas supplicas de un mendigo, que
nao se dosviava do lado de um sujeilo, que se acha-
va em um grupo de amigos, voltou-se este final-
mente para o pobre e disse-lhe :
Vocd tem troco de ama moeda de 205 ?
Nao, meu rico senhor.
Eulo nao Ihe posso dar esraola.
Bemdito seja Deus 1 exclamou o mendigo sol-
tando um profundo suspiro. Chegamos a um tem-
po em que at para ser pobre, preciso ler di-
nbeiro !
O Jornal de Roma annuncia que, segundo o ul-
timo computo do dinheiro de S. Pedro, entrou no
thesouio poutifical urna soraraa de 5,376,000 fran-
cos. Desde o mez de selembro de 1859 at o dia
13 de abril do corrente auno 43,010,400 francos.
A mesma gazeta aecrescenta, que nunca se viu
tantos estrangeiros como durante a semana santa
de 186 ; calcula-se para cima de oO.OO, o que
prova a veuerago que sempre se augmenta dos
catholicos para Roma papal.
E' nolavel, diz um jomalista italiano, toda a vez
que os papas estiveram na cdade Eterna, a soa
populago augraentou-se de urna maneira adnil-
ravel. '
Apenas dtixou ella de ser dos papas, ura decres-
cimenio espantoso nolou-se no numero dos seus
habitantes.
A invaso dos barbaros, a guerra aos papas, fei-
ta por trederico 1 e por Henrique IV, a devastago
dos normandos e de Hoberlo Guiscardo, fizeram
de tal modo diminuir a populago de Roma, que no
tempo de Innocencio III contava apenas trinla e
cinco mil habitantes.
Voltando Gregorio XI do seu captiveiro de Avi-
nho, contava-se 17,000!
Chegou a 50,000 no reinado de Leo X, reduziu-
se a 33,000 depois do saque de Carlos de Bor-
gouha.
Quando Po VII eslava prisioneiro, Rama de
10,500 almas que tinha em 17U6, ficou reduzida a
12,300, diuunuigo que egualraente reproduzu-se
no reinado de Po IX, quando loi parar em
Gaella.
Ponde em Roma o parlamento italiano, com os
discursos de todos esses deputados, com todos os
seus escndalos, e vejamos quantos estrangeiros
correro cidade Eterna o que utildade provir
disto aos Romanos 1
c<^-';<
Os projectos do visconde de Jequilinhonha apo-
sentados no senado sobre aboligo de pena de mor-
te e emancipago dos escravos, nao foi apoiado.
As ps e as enxadas Jos coveiros ficaram all
para o irabalho do dia seguinte.
No momento em que approximava-se, Kernan
julgou ver urna forma humana, curvada para a
trra, que levautava-se sbitamente e procurava
occullar-se alraz da negra folhagem dos cyprostes.
A principio ello suppoz que seus olhos soffriam
urna alluci.oago involuntaria.
Nao me engao, disse ellle, alguem aqui es-
ta hora ? no possivel!___
Com ludo, olhando attentamente, vio a forma
agitarse debaizo das arvores; ao mesmo tempo
notou pegadas frescas. Evidentemente alguem aca-
bava de fugir.
Era um covelro que rondava, um guarda, um
roubador de morios ?
Kernan fez parar o conde com a mo; espern
alguns instantes, e nao tendo o individuo tornado
a apparecer, elle camnhou para o fosso commum.
E' aqu, nosso amo, disse elle.
O conde ajoelhou-se na trra enregelada, tirou
seu chapeu; e, com a cabega descoberta, poz-se a
orar e a chorar ; suas lagrimas cahiam no chao,
e a nev derretia-se a seu ardente contacto.
Kernan, igualmente ajoelhado, tambem orava,
mas observava e vigiava os arredores.
Pobre conde de Chanteleine I elle quiz com as
suas proprias mos atfastar esta trra que occulta-
va-lhe sua filha, tornar a ver urna ultima vez suas
felgSes queridas e dar um tmulo mais decente a
seus restos inanimados I Suas maos entranhavam-
se na nev, e suspiros, a Ihe fazer saltar o corago,
Ihe escapavam do peito.
Havia nm quarto de hora que elle estava assim -
Kernan nao ousava inlerromper a sna dor. Mas te;
mia que os aolugos do conde nao fossem sorpren-
didos por algum espio espreita.
Neste momento elle julgou onvir passos; voltou-
se com inquietago ; vio distinctamente desta vez
urna figura humana deixar os cypresles e dirigir- v
se para o fosso.
Ah I exclamou o Breto, se nm espio, pa-
gar caro!
E, com o ctelo na mo, precpilou-se para um
incgnito, que nao procorava evita-lo; ao contra-
rio, este parecia esperar o sen aggressor de p fir-
me Logo esses dous homens estiveram a Ires passos
ura do outro, na attitnde da defeza.
Que vindes fuer ? perguntou ruderaenle o
Breto.
( Conttnuar-se-ka )
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. & FILtO
\

*

[ LEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDCOLXZMT_CD6DXG INGEST_TIME 2013-08-28T01:50:37Z PACKAGE AA00011611_10686
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES