Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10681


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AftHO IL1. ROMERO 124
Por qutrtel pago deitro de 10 dias do 1. mez ... i
dem (lepis dos i.0110 dias do comecoe dentro do quartel.
Porte to crrelo por tres em...........
$|000
1000
750
>
DIARIO DE
QDABTA FEIR 31 DE MAJO DE 1865.
Por auno pago dentro de 10 dias do 1. mez ,,,.,. 191000
Porte ao correto por um auno.........., 3J000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o 8r. Antonio Alexandflno de Lima;
Nata!, o Sf. Antonio Marques da Silva; Aracay, o
Sr. A. de Leraos Braga; Gear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr, Joaquim Marques B>
drizues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves&
Filhos Arnatooas, o Sr. Jeronyrao da Costa.
ENGARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claadioo Falcao Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves-, Rio de Janeiw, e Sr. Jos
iiibeiro Gaspariuho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.'
Iguarasse Goyanna nassegundas e sextas feiras
Santo AUto, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuaru,
Altinho, Garanhuns, Bnique, S. Bento, Bom
Conselho,, Aguas Bollase Tacaral, nastergas
feiras.
Pod'Alho, Nazarelh, Lirooeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quarlas
' as.
Segunda vara do civel:
Hora da tarde.
quartas e sabbades a 1
Serinhiem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agna Preta e Pimentelras, as quintas
feiras.
EPHEMERJDES DO MEZ DE MAIO.
2 Quarto cresc. a 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 Loa cheia as 6 h., 3 m. e 22 s. da t.
18 Quarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
4 La nova as 8 b., 29 m. e 45 s. da t.
AUDIENCIAS DOS TR1BUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Htlago: tergase sbados s 10 horas.
Fetenda : quintas s 10 horas.
Jlzo do commercio: segundas as 11 horas.
Oto de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Blmeira vara do civel: tergas e sextas ao meio
fia.
abunda vara do c vil: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
29. Segunda. S. Maximiano b.; S. Mximo m.
30. Terga. S. Fernando rei; S. Emilia m.
31. Quarta. S. Angela de Mericia v ; S. Cancio m
1. Quinta. Ss. Firmo e Felino min.
2. Sexta. S. Marcelino presb.; S. Finlano b.
3. Sabbado. Ss. Pergentino e Laurentino irs. mm
4. Domingo. S. Francisco de Caracciolo.
PREAMAR DE HOJE.
Primeara as 9 horas e 18 m. da manha.
Segnnda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez-, para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
noRecife, nalivraria da praga da-Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Pigueiroa.de
Faria & Filho.
PARTE ffiEKUL
MINISTERIO DA GtJEBRBA
DECUETO H- 3,468 DE 8 DB MAIO DE 1865.
Concede o uso de urna medalha ao exercito sob o
animando do manchal de campo Joao Propicio
Uenna i'arreto.
Atlendendo aos relevantes servigos prestados
pelo exercito sob o comraando do marechal de
campo Joao Propicio Menna Brrelo, hei por bera
conceder ao mesmo exercito o uso de urna meda-
lha; segundo os desenlio e iustrucgSes que com
este baixam, assiguados pelo visconde de Cainamu,
do mea conselho, mioisiro e secretario de Estado
dos negocios da guerra, que assim o tenha enten-
dido o o faca exequur.
Palacio do Rio de Janeiro, em 8 de roaio de
1863, 44. da Independencia e do imperio. Com
a rubrica de S. M. o Imperador. Vtsconde de Ca-
mam.
tSSTRUCgoES A. QUE
cmara e o juiz municipal do tormo de Barreiros
sou sobrinho, sirvam coojunctamenle no que tem
de fonecionar no municipio desse nome.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Cabrob.Dou solugo a consulla feta por
V. S. em data do Io do corrente, declarando quo no
impedimento ou falta do wlz municipal do termo
do Exu e seus supplentes, deve servir em seu lu-
gar e fazer parte do conreina de revista da guarda
nacional do municipio daqueHa-eome o respetivo
delegad* de polica, por vrifl.car-se a hypothese
prevista no 6." do artigo 43 de decreto n. 1130 de
12 de margo da, 1850.
Dilo ao commandante superior da guarda na-
cional d.e Goianna.-iAo offlcio de 20 do corrente,
em que V. S. comrounica eslar designado o con-
tingente de guarda nacional que a ceta municipio
coube dar para a guerra, e solicita providencias
para ao mesmo contingente abonar-so, o sido ne-
cessario sua viagem para esta capital, respondo
dizendo-lne que expedirei ordem nesse sentido,
Dito ao mesmo. Accuso recebido o cffleio du
d'essa fregnezia, recommendo a Vmc. que guar-
dadas as formalidades legaes, proceda referida
convocaco e rena a predita junta no^Bia 9 de
julho prximo vindeuro, que para isso flea desig-
nada, a qual dever ser-presidida por Vmc, visto
achar-se dependente de approvago do governo
geral, as eleigSes de veriadores e juizesdepaz
que ah se procedern em setembro do anno pas-
sado.
De pos-e da cidade de Corrientes e da povoagao
do Empedrado, dez leguas aqnem daquella, as for-
S paraguayas do mostras de alii quererem esta-
I
O nosso exercito acha-se ja em grande parle em
S. Francisco ao norte de Paysand, d'onde logo
que cheguem as ultimas divisd'es deve marchar a
juoiar-se a's Torgas que se encaminham pelo lado
da Uruguayana.
MONTEVIDEO.
14 do maio de 1865.
Sao sem grande inleresse as noticias de que
portador esle paquete quanlo a operagoes bellicas,
destes
mostram-se
mais disposto a auxiliar a ad-
SE REFERE O DECRETO DESTA
DATA.
Art. 1." Todas as pragas de linha e guarda na-
cional que compuzeram o exercito em operagoes
na repblica do Uruguay usaro da medalha dos
desechos juntos, sendo a fita azul ferrete e encar-
. oa4M-saiiesJgnae?..------ ___
Art. 2." 0$ offli-iaes-generaes trarao peuTer>
ao pescogo a medalha, que ser de ouro e de deza-
seis linhas de modulo, e os offlciaes superiores, ca-
pitaes e subalternos e pragas de pret ao lado es-
querdo do peito, aendo os dos primeiros do referi-
do metal, as dos segundos de prata, e as das ul-
timas de ama liga de cobre e estanto, com onze
linhas de modulo. i
Art. 3." Os individuos a quem concedido o uso
desla medalha nao poderam trocar as de um pelas
de cutro grao, mas sempre e em todo o tempo usa-
rlo daquella que fr correspondente ao posto ou :
prar.a que oceuparam na poca em que a praga de
Montevideo capilulou.
Palacio do Rio de Janeiro, em 8 de maio de
1863.Vtsconde de Camam.
fiOWRRG 0A PHOViNClA.
Expediente do dia 27 de maio de 1865.
Officio ao Exm. presidente da provincia das Ala-
goas.-Com copia da informagao do commandante
do presidio de Fernando datada de 10 do corrente,

conselho mutiieipat-jle revista da guarda nacional
desse municipio de D'do corrente, remettendo co-
pia authentica da acta dos trabalhos do mesmo, e
ontro de 20 do mesmo mez, em que V. S. commu-
nica ter providenciado para que seja-enmprida a
ordem constante do officio desla presidencia de 3
do corrente, sobre as referidas copias.
Dito ao mesmo.Ao officio de 22 do corrente,
em que V. S..: reclama contra o recrutamenio de
urna praga do balalho n. 15 da guarda nacional
desse municipio 'por autoridades da provincia da
l'araiKte.'V'.ftUP-a dizer-lhe em resposta, que nao
declarando V. S. as isengBes qoe nada ha a providenciar, porque o simples fado de
ser guarda nacional nao basta para isentar do re-
crulamenlo.
Dilo ao tenente-coronel Rodolpho Joao Barata de
Alineida. Tendo noineado V. S. pela inclusa
ecer a sua base de operagoes. Nao tralam mais
dpavangar; ao contrario, entrincheiram-se entre
Shiles dous pontos, e ahi aguardaro, sem duvi-
a, que as v procurar o o inimigo.
E'.-sobre o Riachuelo, rio bastante caudalosa, que
corro fralelo ao Paran, e a ires leguas de Cor-
Dito ao juiz de paz mais volado do l. dislricto renos, que se encontram as forgas de Lopex, cujo
da freeuezia de Igaarassu'.- Com a inclusa copia plano provavelmente tentar o primeiro choque .
do officio que n'esta data dirigi a cmara moni- fr do territorio do seu paiz, mas to perto delle mas nao assim quauto a siluagSo poltica
cipal da villa de Iguarasso', respondo ao que Vmc. que possa, em caso de revez, ter prompta e livre re- paizes.
me enderecon communicando os molivos pelos tirada. Veremos como Ihe sahirao os clculos. O congresso argentino, dando urna grande pro
quaes nao se pode-reanimo da 30 de abril ulli-J As forlilicacoes paraguayas do Riaehuelloacham- va de patriotismo, proclamou por unammidade, e
o a junta revisora-de-qualifieacao d'essa pa^ e ja guarnecidas de artiharla qne seas vapores,' sem discusso, a guerra ao Paraguay. Os partidos -
rochia .... i gragas a morosidade dos nossos, teem conduzdo dH, se fundiram em um so pensamentoo de vingar a
Dito ao superintendente da eslrada de ferro. Humait, para onde anda al agora naveg.m li-: honra nacional ultrajada,-e, e ardenles hontem na
ecomroendo ao Sr. superintendente da eslrada de vremenlo. i lula dos principios que seguem, hoje
ferro a expedico de suas ordens, para que tenha Gpmpnta-se o total das tropas do Paraguay con-: unidos e cada qual
transporte na via frrea da eswcao de Agoa Prela centradas em Corrientes em cerca do 16,000 ho- mimstragao.
para a das Cinco Ponas os voluntarios da patria mens. I presentado o tratado da trplice allunga ao se-
que se apresemarem acoropanhados do particular; Por seu lado o governo argentino nao tem sido nado, foi elle discutido em sessao secreta e igual-
1 amento Galdino Jos da Silva I menos diligente em preparar os meios de defeza. I mente approvado por unanimidade, manifestando
Portarla -O presidente da provincia, atienden-; Em qiiinze dias j tinha na Bella-Viita, quatorze penas alguns senadores a conveniencia deque es-
do ao que requeren o lente do l- balalho de .luas abaixo do Empedrado, de 2,000 homens de sa disrusso fosse publica Vai ser agora submet-
reserva da guarda nacional do municipio do Reci- cellente tropa de linha, e em caminho para o mes- tido a cmara dos deputados, onde se deve esperar _
fe Jos Rodopiano- dos Santos, e tendo em vista-a'-% destino, on promptos para seguirem, os restan-1 que tenha a mesma sanecao. As bases prmclpaes saDgue generoso dc seu jrrai0 7 ,
informacao do respectivo commandante superior MB bataihoes, alguns dos quaes linha feilo vir dos desse tratado imporiante, que veio trazer urna no- pjole-se que este peridico o mesmo que, pou-
n. 137 de 22 do corrente, resolve pa-,sar o refer-rfbntos mais affastados da provincia de Buenos- va poca para a America do sni,_ e que despena eos das aules de Drmar-se a pai, proclamava es-
1 do lente para a lista do servivo activo, ficando ,Ayres. Com esses contingentes haviam ido para por toda a parte a cunosidade, sao segundo putili- las doutrinas horriveis, e que hoje, comprado pelo
aggregado ao 2-batalhaode infantaria da mesmaiCorrniiies grand-s porcoes de armamento para acaafnnn cuarda nacional.Commaaicou-se ao commandan-; guarda nacional daquelle provincia, j reunida em que parece estar bem informada, as seguintes: os a||iaaos a fazer a pr0paganda a favor do mi-
te superior do Recife i numero de 8 ou 10,000 homens. Os alliados se preparam a fazer a guerra com
Dita para o consigo de Julgamento a que vai Com essa actividade contrasta a morosidade da todos os melos a' sua disposigao, em trra ou nos
^7 Mmiiiianinnnnin rtaTiArcAO -3tfaW% do cor- nossa esi|uadra, que em um mez.de viagem se acha-1 rios, conforme fr neces.-ario.
SdeTffi^ Da Bel,a-Visa- onda; As forgas ainadas se divid.rao em.tres cornos
lbam constantemente noticias de pretendidas der-
rotas de nossa esquadra, e por meio do seu orgao,
a Reforma Pacifica, exageram as forgas do tyran-
no, e pintam as alliadas na mais deploravel sitoa-
gao e reduzdas a um infimo numero.
Tem sido tal a audacia desie jornal que escan-
dalisa a toda a gente sensata, que nao pode com-
prehender como o general Flores o deixa ainda
viver.
Em um de seus ltimos artigos cbamou a todos
os raembros do supremo tribunal de justiga de la-
dres, dizendo que, sendo elles seis, e estando om
duente, os cinco repartirn) entre si o ordenado
deste, recebendo integralmente a quantia designada
: para o tribunal.
O fiscal chamou o responsabilidade, e amanba
responder o editor ao jury de imprensa.
Para que se conhega a virulencia da linguagem
desle peridico, basta transcrever um pequeo ar-
tigo que ainda hontem elle publicou, e que o se-
guinte :
< Rosna-se que o ministro da fazenda apresentoa
sua renuncia,
a Ser verdade ?
t Ter soado a hora do arrependimenio ?
Tera' chegado o momento de que o Sr. Gmez
deixe de estreitar a rao dos que as teem tintas no
migo.
t A (orea e o punhal devem ser as arma esco-
ihidas.
portara, presidente do conselho de julgamento, O Sr. tenente-coronel Rodolpho Joo Bara'a de Al
sentenciado
a que vai ser submettido o lente da seceo ur
baa do corpo de polica Joo Eduardo Pereira
Borges, remetto-lhe o precesso do conselho de in-
vestigago, alm de que o julgamento d comego
aos seus trabalhos.Gommuoicou se ao comman-
dadte do corpo de polica.
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.Man-
de V. S. apresentar ao Dr. chefe de polica, afim
de ter o conveniente destino, e menor Jos Anto-
nio do Nascimento, a quo allude o sen officio n.
90o de 24 do corrente, visto que nao est as con-
dgoes de ser alistado na companhia deaprendizes
marinheiros. Communicou-se ao Dr. chefe de
polica.
Dito ao vigario Manoel Lopes Rodrigues de Bar-
ros e AntonioJXavier de Moraes.Remetiendo
cesso de nvesigagao, nomo. nerai rauieru, que Muir ue nueuu Ayres neiBTr--;_^ t,tfn,.rai \iir ara o
Presidente seis das depois -\, Ib I ICssa lentidao tem sido aqu o argcnrtnt>- tem julgado severamen-! qaal se reunirao ura>TW:^tjnae urna bra-
esse respeito a Tribuna sileira o geneial Flores, e para o brasTrerF*CLJie;.
dessa provincia
do os vencimentos aos cidados viudos d'ahi com
remello inclusa a peco .fpfrie0 =;,.,'c",n,;r ihesouraria de fazenda para ser pago o prel tiran-
Manoel Francisco do> bantos, peae no ,.an,.imo,ne ,ni nMaane vinrtns d'ahi enm
de gales perpetuas, qne esta cum- < "u
mo presidio, a fim de que V. Exc. i'
perdo da pena de gales ff W es$ c"m; 0 capito Jos Pereira da Silva, e que se alistaram
pnndo no mesmo presidio, a_ flmdcfnue^ V.-Exc. no ^^ corpQ .
de voluntarios, a contar do dia
gao a Vmcs. at o em que jura-
satisfeitas as dinjosigoes do decreto n. 2566 ^28,^^.^ ^ ^ de(.|arar.lnes q^e dJeixa.
de margo de 1800. -i--,,* imam ram de assentar prag.i os de nomes Valdivmo Pe-
Dito ao vlce-pres.dente da pro ,ncia doi Amazo-, ^ da & Jo (m Fe.,
as Ionocencio Eustaquio terreira de Aranjo. -
Fico sciente de haver V. Exc. como me rmaiii-
coo, em seu officio de 8 do corrente, tomado conta
meida.
Aaditor.
O Sr. promotor publico interino desla capital, ba-
charel Jacinllio Pereira do Reg.
Vogaes.
O Sr. capito Manoel Germano de Miranda.
Dito Joo l'"ran Tenente quartel-mestre Luiz de Franga Mello J-
nior.
Dito Joo Pereira Lagos
Dilo Joaquim Herculano Pereira Caldas.
Remeiteu-se copia da portara supra ao com-
mandante do corpo de polica.
Dita.O presidente da provincia, resolve na-
mear-para o 2o corpo de voluntarios da patria os
oOiuiaes seguimos :
Capito.
O tenente da guarda nacional Manoel Rodrigues de
Araujo Lima.
Tenente Jos Elias de M-.llo.
Dito Gabriel Moreira Rangel.
Alferes Joaquim Jos de Mello.
Dito Francisco de Souza Ferrai Rabel'.o.
Fizeram-se as necessarias communicagoes
ordens imme-
ue serao : para
oriental, ao
lix de Fipoeiredo e Lino Jos de Siqueira, qnelles! Dita.-j-O presidente da provincia, tendo em visla
por serem incapazes do servigo, e esle por uo se a inforniago ministrada pelo tenenie-coronel com-
i ter apresentado. mandante do corpo de polica, em officio de 30 de
da administragao dessa provincia naqueua^ata ; &s tas al)onadas ao referido capito margo ultimo, sob u. 197, acerca do requerimnto
D,,t0 ? TmlCStrrt corront? com me individuos que nao so juramentaram, nao i do soldado da 4 companhia do mesmo corpo Joo
pondendo ao officio 885 de,20Mk'fn"f'^r^''", podem ser ellas pagas, devendo ser exigidas dos Hamos da Silva, que em inspeceo de saude foi
V. S irouxe ao tneu conhec,mento o MMkMlH P e ^J considerado incapaz de continuar no servigo, re-
do pharmaceut.co Braz M^H'0 d ^ Agradecendo muito a coad,uvago,que Vmcs. solve aposenta-lo com os vencimentos que Ihe com-
tenho a d.zer-lhe que o suppl.cante deve considerar, ^'^ &j ^^ ^ desaffr0l'Ua dvos yi05 0 dig. pelirem%e|0 lempo de servco ,]ue tem prestado
nidade do paiz, confio que proseguiro em tao pa-
tritico empenho.
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra. Auloriso o conselho de compras do arsenal
de guerra a comprar, nos termos do regulamenlo
de 14 dedezembro de 1852,30 cornetas de, loque pa-
ra serem fornecidas ao sepundo corpo de volunta-
rios e outros de dilferenies proviucias.Commu-
rescindido desde aquella data o contrato que cele
nrou para servir na pharmacia do hospital militar,.
visto que o fornecimento do remedios para a enfer-1
tnaria militar permanente, tem de ser feilo por con-
trato como se delerminou em aviso de 6 deste mez.
Commnnicou-se a ihesouiaria de fazenda. .
Dito ao mesmo.-Queira V. S. mandar inspec-
cionar novamente o voluntario indio Antonio Gue-:
des Leite, ^^Vnft^;e,rama j}* t nicon"-se ao inspector da thesuraria de fazenda.
ande, c m a informagao que exig, em office de D(Uj a, ^^ muni(.ipa, de Izuarassu. -Nao
hontem.
Dito ao mesmo.A vista do que V. S. expoz, em
sua informago n. 933 de 27 do corrente.o autoriso
a mandar dar baixa ao soldado do 2.- corpo de Vo-
luntarios da Patria Joaquim Jos da Silva, que ser-
ve do arrimo a sua familia.
Dito ao mesmo.-Mao.de V. S. inspeccionar o sol-
dado do 2. corpo de Voluntarios da Patria Jos Pe-
dro de Andrade, informando sobre o que elle pede
no requerimnto que aqui ajunlo.
Dilo ao mesmo.Em visla das inclusas relagoes
me scro devolvida", sirva-se V. S. de infor-
que
mar-m- com urgencia quaes das pracas pertencen-
tes ao 1. corpo de Voluntarios da Patria nellas
mencionadas, effeclivamenle liveram passagem para
o 2. corpo ; quaes as quo tiveram baixa, e final-
mente quaes as que deixando de embarcar com
aqnelle corpo, anda se nao apresenlaram, estando
por consfguinte consideradas como desertores.
Dilo ao Dr. chefe de polica. Remeti a inclusa
petigo que me inderegou Joo Kruise queixando-
se do inspector de quarteiro da povoagao dos Mon-
tes da freguezla de Agua Preta, Sebasii&o de Mello,
para que V. S. mande responsabilisar a este e-de-
mii-lo do cargo, a seren exactos os factos alle-
gados pelo snppicanle.
Dito ao inspector da thesuraria de fazenda.
Mando V. S. examinar e pagar com urgencia o iu-
cluso pret em dupnlicata na importancia de^.
1305500 reis, da elape a que
cas da guarda nacional da comarca de Garanhuns,
que vieram do termo do Bom Conselho a esta capi-
tal escoltando 6 remitas segundo declara o Dr.
chefe de polica no officio desta data por copia in-
devendo aquella quantia ?pr entregue ao ca-
Dilo a' cmara municipal delguarass. -Nao se
tendo installado no dia designado por officio desta
presidenciaWe 2U de margo ullimo, a junta remiso-
ra de qualineag da parochia de Iguarassu' por
motivos declarados no officio do respectivo primei-
ro fnii de paz, constante da copia junta, recom-
mendo a' cmara da villa daquelle nome, que ju-
ramente na'turma da loi, a am dos supplentes dos
juizes de paz, afim de substituir o lerceiro juiz,
que sendo celleclor nao pode exercer cumulatiya
mente as funegoes dos dous careos por serem \fr
compaliveis, segundo declarara os avisos ns. 330,
de 7 de agosto de 1660, e 18 de margo de 1854.
Ao juramentado, se por ventura continuar an-
da o impedimento dos outros juizes de paz, expe-
dir' essa cmara as ordens e mais providencias
precisas, para que, guardadas todas as formalida-
des legae?, se convoque a junta revisora para reu-
nir-se no dia 2 de julho prximo viodouro, que
para iso tica designado.
Dito a cmara municipal de Caruar.-Cor.stan-
do-me achar-se funecionando a nova cmara mu-
nicipal de Caroar, e estando dependentes de de-
ciso do governo imperial as eleigSes de vereado-
res e juizes de paz, a que se procederam em se-
tembro do anno passado, as freguezias desse no-
me, de Quipapa' e Allnho, nao lendo tarabem a
presidencia tomado resolugo alguma acerca del-
tas, cumpre que a mesma cmara, em vista do qne
7em dTreito 13' oral dispBe os avisos ns. 199, de 15 dejonho de 1858,
540 de 19 de novembro de 1861, e 191 de 3 de
maio de 1862, se dissolva immediamente, e ceda o
lugar aos vereadores do quadrienoio (indo, at
que venha deciso do governo gral, sendo nulla c
Ilegal toda e qualquer reunio que fuer depois do
depoi
mal vista, e a mprena a
le. Eis como se exprime a
de 12 do corrente : : fe que o governo imperial designar.
Al3 divisao da esquadra brasileira, que subi: O commaudo supremo dos tres e.\ercitos sera
ha cerca de um mez, acha-se ainda Tundeada em confiado a) g-neral sobre o territorio do qual tive-
Bella-Vista, a poucas leguas do porto de Corrien- rem lugar as operagoes, salvando assim o principio
tes, onde a esquadra paraguaya descansa tranquil- de soberana no caso eventual de que as ditas ope-
lamente ancorada. ragoes se realisem em differentes territorios.
- t Que faz ahi essa esquadra ? Porque nao sahio A soberana, integridade e independencia ter-
resolulamente para Corrientes t Porque nao se ritorial do Paraguay sao reconhecidas e garantidas,
langou sobre os Davios paraguayos, impotentes pa- Os pavilhSes alliados, quer mercantes, quer
ra resistir ao ataque de oito canhoneiras? de gnerr;., gozaro para o futuro das mesmas fran-
Euigma este que, se o Sr. Gomensoro nao quezas, privilegios ou concejsoes, na navegagao
Nossos irmaos de Paysand, assas3|lldos yil-
meuu cem contra um, reclamara um Quinteros, mil
Quinteros.
Vinganga, porm vinganga exemplar, tremen-
da
fj'ftcra de morte para nao cabir no precipicio
^ que os traidores, e Brasileiros cavaram rep-
blica.
Que o saDgue dos traidores fe .mUeQS, rafia
i a torrentes, para que a patria se salve.
Se falta plvora, lncese mo da {orea, porm
que os traidores morram.
t Entranhas de ferro e gana de tigre, o que a
patria necessita para salvarse.
Ora, pode haver tolerancia para um jornal que
se fez echo destas doutrinas?
- w..e...,. ~.~ .,-., ~~------------------------------ r -' a oo i uuuu uooiaa uuumuaa i Pode elle invocar a
explicar de una maueira satisfactoria, o collocara dos nos Paran e Paraguay, que sera aeciaraua iiberdade de imprensa para impunemente insultar
em urna posigao to desvantajosa nesses paizesque livre. Nenhum dos alliados podera obter memores 0 govern0i perturbr o paiz, que se vai organisan-
ninguem nem cou=a alguraa della o peder levan- condigSes que os outros nos tratados de commercio, d e dar fe ao inimigo ? Certamente que
Iar. navegagao, allianga, etc., que puderem ser celebra- u5'0 v s
O SrJHarroso, chefe da 2* diviso est ja em dos para o futuro com a Repblica do Paraguay. qs Argenljnos eslao iodisaados com os tres trai
caminho para Corriente. Como mais antigo em gra-
duago, lomar imraedialaraente o caminando de -
ambas as divisos. I que a da', como porque laes bases devera necessa
t Sera mais activo e enrgico do que o Sr. Go- mente ter sido ducutidas
mensoro ?
Todos o esperara e desejam.
~ ,.. ,,: ..._J.I.. w nifciiiuuuo vjwu luuif uaurj bull voiiconai-
eve-so acreditar que esta verao seja verdadei- dores e em Corrientes formara a junta governa-
ra, mu so pela qvalidade de semi-official do jornal t e se 0s apannassem lnes ajU8,ariam logo as
' coutas. Estes tratantes teem procurado arranjar
A proclamago da trplice allianga devia-se fa-
zer com toda a solemnidade nesla capital no dia 11
companheiros; mas nao encontram seno a repro-
vacao geral.
O ex-ministro Carreras, incommodado pelas in-
O Pueblo, por sou lado, no empenho de denegrir do eorreulo. O general Flores havia convidado aos forma?5es do ministro inglez, o honrado Sr. Leli-
l ..A* ,,-i.i, nn,.,!,.!,;!^! t?ii mia Vhn. nneene onnpracsde mar fl trra, e aos seus OuKiaes__ *______.._. .______ J. r>_.. D ,,,..
son, ao seu governo, escreveu de Entre Rios um
desmentid', no qual nos injuria horrivelmente. E'
um desabafo dessa hyeoa que nenhum mal nos
causa.
O celebre general Muoz est asylado na canho-
urna demora que sou o primeiro a lamentar, mas, indisposigao delle. Entretanto, a capital, que na-
SSSKSS1^185^5, ^oTSmS'munSa. -o Boni,-Gonstando
to$to^Si*Jlto Portugal averno imperial aseleiges dei vereadores e ,ui-
nesta provincia, tenho a dizer-lhe que de conformi- es de paz, a que se proceden em
dade com as ordens da presidencia j Ihe foi en-
tregue, como participou-me o inspector do arsenal
de imrinha, em cffleio de 18 desle mez, o indivi-
duo de.nome Jos Manoel Mendes, que havia-se
olferecido para servir na armada e o mesmo Sr.
cnsul o rectamou como subdito portuguez de me
or idade.
7 de setembro
do anuo passado, as freguezias desse nome, c na
de, Grvala' nao tendo tambem a presidencia toma-
do resolugo alguma acerca dellas, cumpre que a
mesma cmara em vista do que dispoe os avisos
ns. 199, de 15 de junho de 1858, 340 de 19 de no-
vembro de 1861, e o de maio de 1862, se dissMva
I immediatamente ecia o lugar aos vereadores do
Renov ao
Sr. Dr. Claudino de Araujo Gnima-' quadrienmo Ando at que venha^ deciso do gover-
res os meas protestos de estima e consideragao.
Dilo ao cnsul dos Estados-UnidosFicando in-
terado de haver o Sr. Adamson Jnior, cnsul dos
Estados-L'oidos Incumbido aoSr. W. William lien-
ry M. Grotte, como participou-me em officio desla
dta da gerencia do consulado durante a viagem
SS I?w"Yp^ M- se procederam era sete nbro do auno passa-
nXScao So o mesmo Sr. M. Grotte obnga- do, as freguezias desse nomo e na de Gravau
dfaapSt^ noprazo "- ,pn,.Q umhem a nres.denc.a tomado resolugo
no geral, sendo nulla e Ilegal toda e qualquer reu-
nio que zer depois do recebimento deste offlcio.
Dito ao presidente da cmara municipal do Bo-
nito do quadriennio rindo.Constando-me achar-
se funecionando a nova cmara muncipal do Boni-
to, o estando d'ep ndentes de decisao do governo
imperial as eleigSes de vereadores e juizes de paz
alguma acerca dellas, cumpre que Vmc, rennindo
da cmara trans
nne a funecionar, bem como os juizes de paz
%^o^S^SMSii os meus proiesios s debis "vereadores da camafa Niir,iwn-
a* l-ima l MMiderarao nae a fQnccionar. bem como 5 Ju,z.es de paz,.do
d6Dto i! c'mnSS' superior da guarda na- quadriennio findo daquellas freguems que at s,.
cioo de Saies.-Em solugo a consalta por V. jara approvadaspelogovernog eral-asreferidas ele -
Tfetia em 6 d^'corrente, tenh'o a dizer-lhe que por ges,, come, dispoe ^*\{%
paridade de diversas decisBes do governo imperial nho de 1858, o40 de 19 de novemDro ue 1001, e
e entre oolras as de n. 131 de 4 de ahrll de 1847 e 191 de 5 de mam de I8bl
218 de 24 de m>i0 de 1860, que declarara nao ha- Di;o ao joiz de paz mais votado do 1."^istricio
vriocrmualibifidadeon suspeigo de parentesco do quadrienio findo da freguez.a do Bonito.--
entr o 1 SbK do con'elho de qualificagao, e .Constando de officio da cmara, municipal dessa
SmsT recurro e or falle de declaracio villa, de 18 de aneiro ultimo, nao se ter reunido,
SreXalelS no prazo da. lei por falta da convocagao dos res-
guE nacionall nada obsta que o presidente da pecuvos eleitores, a junta revisora de. qualiBcagao
em dito corpo, de conformidade cora o disposto no
ari. da lei provincial n. 276 de 7 de abril de
1831, combinado com o art. 3o da de n. 436 de 26
de maio de 1838.Fizeram-se as necessarias com-
muoicacfles
Despachos dos dias 26 de maio dc 186o.
Requcrimetitos.
Augelo Ferreira do Nascimento. -Indeferldo em
visla da iuformagao do coronel commandante das
armas de 24 do crrenle.
IrraauJade do Sr. S. Sacramento da freguezia de
S. Lourengo da Matta. Fica satisfeilo o que soli-
cita a mesa com o orgaineuto por copia iuclu.-o da-
tado de 22 do corrente.
Joo Ramos da Luz.Passe portara aposentan-
do o supplicante com os vencimentos corresponden-
te aos aunos de servigos.
Capito Joaquim Albino de Gusmo.Informe o
Sr. commandante superior da guarda nacional do
Recife.
Jos Francisco Carnelro Monteiro. Em tempo
ser deferido.
Mana da Cortceigao Oliveira.Entregue-se, nao
havendo inconveniente.
Manoel Pi da Luz.-Volte ao Sr. desembarga-
dor provedor da Santa Casa de Misericordia.
Podro Jos dos Santos.Indefendo em vista da
informacao do Sr. coronel commandante das ar-
mas.
Tasso e Irmaos.Informe o Sr. capito do porto.
\V. Martineau. Dirija-sea thesuraria provin-
cial. ^^^^ 4
GOVERXO DO IBISPADO D12
PERX.1.VBIO.
DISPENSAS MATRIMONIAES.
Chegaram do Rio de Janeiro peticSes de dispen
sa constantes da lisia abaixo publicada, e cuja
concesso foi autorissda pelo Exm. e Rvm Sr. in-
ternuncio apostlico, em data de 17 de maio cor-
rente. Podera, poi?, ser procuradas ou em Olinda
na secretaria de bispado, ou no Recife em casa do
Illm. Sr. conego da capella Imperial Francisco Jos
Tavares da Gama, na ra da Cruz n. 56.
Olinda, 30 de maio de 1805.O conego, Joa-
quim Ferreira dos Santo', secretario do bispado.
Oradores ligados no impedimento de affentdade li-
cita em Io grao igual da linha lateral.
Joao Evangelista Ponce de Leo, e Florentina Cn-
dida de Jess.
Francisco Gomes de Araujo, e Antonia Mana da
Conceigo.
Joao Ferreira Dantas, e Helena Maria de Jess.
Manoel Gomes da Silva, e Cordula Maria da Con-
ceigo.
Oradores que se acham ligados no impedimento de
consanguinidade *m 2 grao attingente ao 1.
Joo Antunes Campello e Maria Aniunes Corren.
Flix Jos Ignacio de Lima e Felismina Francelina
de Carvalho.
Gregorio Jos Teixeira e Paulina de Jess.
Luiz Gonzaga dos Res e Maria Alexandrina de
Jess.
Jos Cesar de Mello Falco Filho e Franklina Be-
zerra de Mello.
Feliciano Baptista de Oliveira e Antonia Maria da
Conceigo.
oA ludo e portado o nome brasiieiro, vai mais fn- nossos generaesde mar e terr, e aos seus offldaes
ge em suas apreciares. do exercito e armada, para asistirem a esta func-
Como Brasiieiro. de-me ouvir estes juizos, que cao, que teria um carcter inteirameute popular,
Dlngaem capaz do justificar. Nao conhego as ins- pois quo depois da parada seria o povo admitndo a
truegoes que levara o chefe da nossa 1" divso, um grande banquete presidido pelo mesmo gene-
nem posee apreciar as razoes qne hajam motivado rai Foi, pprem.esiajesu^adiada por causa ae^uma nera d(J gUerr- heSpanhola Wad /tan, e consta que
nella segu para o Paraguay, se o deixar a nossa
esquadra.
Chegaram ante-hontem as tres corvetas porlu-
guezas, e immediatamente o no-so almirante foi a
bordo da bartholomeu Dias, em primeiro unifor-
me, e com seus ajudantes, cumprimentar a S. A. o
Sr. duque de Penthivre.
Parte amanha para essa corte o sympathico al-
mirante francez Chaigneaux, na fragata Astre, o
qual deixa aqui as mais gratas recerdagoes pela
parte activa que lomou para firmar a paz. Este
dislincto almirante amigo sincero dos Brasileiros
e como tal deve ser ahi apreciado.
Ha tanta confianga na nova situagao deste pai
que o commercio se anima e floresce, as emprz~s
industraes se organisam, e os melhorarnentos ma-
teriaes sao proposlos com empenho por notveis
estrangeiros. E' assim que, depois de contratado
o eslabeleciraento de urna linha telegraplilca sub-
marinha entre esla capital e Buenos-Ayres, surge
o projecto do estabelecimento de dous quebra-ma-
res, que tornarlo este porto excellente e darao
navegagao e commercio que para aqui se faz um
grande incremento.
Trata-se igualmente deum novo sy-tema de con-
servar as carnes, que Tara' urna completa revolu-
go neste grande ramo da industria do paiz, e Ihe
imprimir' um nolavel progresso.
Tenha a repblica Oriental paz, confianga no
Brasil, e eslabiiidade na sua administrado supe-
rior, que chegara' ao mais brilhante porvir.
lenho intima conviccao de que s causas fra de
toda, a previso a teao produzido. Gonhec o Sr.
SeoondMO Gomensoro, eposso garantir aue em va-
lor e conhecimentos profissionaes poucos o exce-
derao.
Foi submettido ao congre-so, e ja hontem appro-
vado pelo senado, o tratado da triplico allianca.
Comquanlo se lenham conservado era reserva as
suas estipuiagoes, que foraiu discutidas pelo sena-
do em sossoes secretas, a iraprensa de Mont*vidJ
ja tem levantado a pona do veo que as cobria.
Segundo as revelacoes do Siglo e da Tribuna, da-
quella capital, que soorgos seoi-ofcaes, as ba-
ses da allianga sao as segnintes:
e Os alliados concorrero para a guerra com t)-
dos os meios de que possam dispor, conforme a sua
necessidade.
t As forgas dos sitiados se divdiro cm tres
corpos de exercilo, cada um sob o commando dos
seus respectivos chufes, sendo o do argentino o ge-
neral Mitre, e do oriental, do que rormaro parle hoje chegadas d ali; de o do correnie
urna divso argentina e oulra brasilcffc, o general
Flores.
t O comraando supremo dos tres exercitos sera
confiado ao general em cujo territoritoriw comecem
e se praliquem as operacSes da guerra, salvndo-
se assim o principio da soberana para o caso era
que as dilas operagoes tragam a necessidade de
mudangad- territorio.
Ficam rcconliecidas e garantidas a soberana,
independencia e integridade territorial da republ
ca do Paraguav.
t As bandeirasadiadas, tanto mercantes como
de
HIEXOS AYRUS.
13 de maio de 1803.
Todo o interessse da situaco do Rio da Prata re-
surae-se na expectativa dos graves aconieciraentos
que se preparara no theatro da guevra, e que, ludo
leva a crer, em breve se realis.ro> No. roajs s
cousas pouco lem variado.
guerra, gozarao de ora em diante de Iguaes fran-
quezas, privilegios ou coucessoes na navegagao dos
rios Paran o Paraguav, que se declarar livre.
Nenhum dos alliados podera' obter melhores con-
digSas sobre os outros nos tratados de commercio,
navegagao, allianga, etc., que celebren) no futuro
com o Paraguay-
Alm dessas bases, sabemos que existem ouiras,
que se referem ao derrubaniento de Lpez, a' se-
guranca da navegagao do Paraguay, fazendo des-
apparecer essas barreiras levantadas pela poltica
ho.-til o desconfiada dos Lpez; e finalmente, ques-
lo de limites entre o Paraguay, a Repblica Ar-
gentina eo Brasil.
Nada snals nobre e generoso do que o objecto
desla allianga. Como se v de suas bases, ella nao
tem por fim a conquista nem a humilhacao de um
povo, mafPsim a sua redempgo. Nao sao tambera
simples vantagens de occasio, roudanga de gover-
no e desaffronia dos aggravos recebidos, quo vao
buscar na guerra as tres nag5es colligadas. Vao
mais longe; querem, derrubando o ultimo baluar-
te do barbarsmo, e reunindo um povo infeliz, as-
segurar tambem a iranquilidade e a paz no futuro,
discriminando os direitos e consolidando os legti-
mos intereses de cada um dos povos desta parte
da America.
E' tambem pela altura das miras dessa allianga
que ella tem sido to festejada nestes paizes, onde
todo o mundo faz a devida justiga aos seus habis
e distinctos signatrios.
Em Montevideo foi recibida com delirio a noticia
do tratado. O dia 11, marcado para solemne decla-
rago da allianga, foi all celebrado como um da
nacienal. .,
O governo oriental, declarada a allianga, cuida
com actividade dos meios de concorrer com o seu
contingente para a cruzada. No Salto o ganeral Ca-
raballo e om Montevideo o coronel Pallejas organi-
sam as forgas, que em breve rarcharo a incorpo-
rar-so ao exercito argentinggbrasileiro.
Para garantir ao mesrairTempo a paz interna
contra qualquer tentativa do partido decahido, o
governo trata tambem de reorgansar a guarda na-
cional, cujo commando deve ser conferido aoffl-
ciaes de confianga.
Diz-se que aquello governo pensa mandar ao Rio
de Janeiro urna mis o diplomtica enc?,rregada
ao dislincto D. Andrs Lamas. Nao sei que visos
de ceneja tenha esse boato, que comtu'jo ao tem
sido desmentido.
via amaniecido toda embandeirada, assim se con-
servou at a noite. Se nao fosse o ma'o tempo, se
effectuaria hoje esta proclamago.
As duas repblicas so armara com actividade
extraordinaria para tonurein a offensiva contra o
inimigo commum, e ha em lodo o Rio da Praia
graude enthusiasmo para esta guerra.
As nossas forgas tambem uo permaneceram
inactivas, e eslo quasi todas transportadas para
Paysand, afim de se aproximarem do theatro das
operagoes. No Cerro existem apenas uns 900 ho-
mens 'com o seneral Osorio, que devem embarcar
no vapor Apa, que regressar daquelle ponto nes-
tes tres das.
O cuntiugente que chegou no vapor Mage, en-
trado hontem, tambem segua para o mesmo
lugar.
Desta sorte, dentro de vmte das tereraos na
fronteira prompto a entrar em campanha um exer-
cito de mais de tlisOOO homens; porque noticias
e dignas de
too o crdito, do'o general Canavarro cora 8,000
homens, eo barao de Jacnhy com 4,000, cima de
uruguayana, eslaudo estes dous corpos as ordens
de marechal Gadwell, os quaes reunidos ao exer-
cilo commandado pelo general Ozoro elevam as
nossas forgas aquella cifra pouco maisou menos.
As mesmas noticias referem nao ser cerlo que
os Paraguayos tenham avangado, nem que haja
forgas delles em S. Thom-
Do lado do Uruguay esta a situagao dos belli-
gerantes ; do lado do Paran sabe-se que no dia 5
do corrente as vanguardas dos exercitos argentino
e paraguayo se achavam face a face sobre a altura
de S. Lourengo : a vanguarda argentina, comman-
dada pelo coronel Fermn Alsna, nao se compunha
de mais do que 500 homens, entretanto que a dos
Paraguayos se elevava a 5,000, e ainda assim estes
nao ousavam accommetter aquella. Algumas guer-
rillas teem tido lugar, em que o inimigo com for-
cas superiores tem sido sempre repellido.
Hoje deve estar completamente organisado o
exercito correntino, e os generaes Paunero e Ca-
ceres, de combinago com o chefe Segundino ou
chefe Barroso, devem ter tentado um ataque deci-
sivo, que livre a capital dos" seus barbaros inva-
sores.
O cnefe Segundino, commandanie da 3a divisao,
conforme as mais recentes noticias, ficra na Bella-
Vista requisigao daquelles dous generaes argen-
tinos, e para atacar a esquadra paraguaya simul-
tneamente com a acgo que elles iam offerecer ao
exercito ; mas o chefe Barroso, commandante da
2* divso, segundo consta, teve ordem para subir
at Corrientes, a baler a dita esquadra inmediata-
mente, sem esperar por aquella combinago, que
nos pode roubar urna grande e brilhante acgo na-
val, que d honra e gloria aos nossos offlciaes de
marinha.
O paquete Tevere, que se espera amanhaa de
Buenos-Ayres, talvez traga algumas noticias a res-
ITERI0R.
peito.
Temos um impedimenlo natural,
a baixante peridica
com que conta
nno : a baixanie penoan-a do ro Paran,
que j principiou, e que dificulta a subida de nos-
sos navios. ...
O Amazonas nncalhouponsso, apezar de guiado
pelo melhor pralico que aqu se conhece, mas sa-
fou logo nao succedeu, porm, o mesmo lvahy
e Araguarij, que devem talvez descarregar para
sabir dos bancos em que pegaram.
Para evitar de algama sorte estes inconvenientes
o accelerar o trausporle de nossas tropas, cotr.prou
o visconde de Tamandar tres grandes chatas e um
pequeo vapor, que foi baptisado com o nome de
Iejurjjf. As chatas teem sido empregadas na con-
dugao da arlilharia e de seu pesado trem.com gran-
de economa para o estado.
Os blancos trabalham oceultamente para ajndar o
presidente Lpez, no qual eslo ainda depositadas
todas as snas esperangas. .
O manejo que hoje estao empregando consiste
em plantar a desconfiauga contra o general Lrqui-
za, que dizem estar unido aqnelle. Tambera espa-

RIO DE JANEIRO
12 de maio.
Da ordem do di n. 443 publicada em 9 do cor-
rate pela repartigao do ajudanleguneral consta o
seguinte :
Circular.4" directora geral.2* secgo Rio
de Janeiro.Ministerio dos negocios da guerra, em
21 de abril de 1865.
Manda S. M. o Imperador, por esla secretaria de
estado, declarar aos inspectores das thesourarias
de (azenda, para sua intellgencia e execugo, que
a consignago annual destinada a remonta e con-
rervago do instrumental dos corpos fica reduzlda
a 150$ a contar do Io de junho deste anno.- Fis-
conde de Camam.
Nomeagoes.Do Sr. marechal de campo Fran-
cisco de Arruda Cmara, para commandante das
armas da provincia do Para.Decreto de 29 de
abril findo.
Dos Srs.: major reformado do exercilo Virgilio
Fogaga da Silva, para director interino do hospital
militar da guarnigao da corte.Aviso de 25 de abril
findo.
Capito do corpo de arlilharia do Amazonas, Joo
Roberto da Cunha Bacellar, para flear a disposigao
do Sr. coronel Jos Antonio da Fonseca Galvo,
commandanie da 1* brigada expedicionaria a pro-
vinera de Malto-Grosso, afim do ser conveniente-
mente empregado.-Em 26 de abril findo.
1 clrurgio do corpo de sande, Dr. Ayres de
Oliveira Ramos, para servir no exercito em opera-
goes no sul do imperio; ficando sem effeito a sua
nomeago para servir na provincia de Mallo Grosso.
Na mesma data cima.
Doutores em medicina Luiz Baodeira de Goufa
e Augusto Candido Fortes de Bostamante e S para
servirem no hospital militar da guarnigao da corte,
esle como Io cirurgio, e aquelle como Io medico,
percebeodo ambos os veucimentos de primeiros
cirurgi5es-capitaes. Aviso de 2 do corrente
mez.
Tenente do corpo de guarnigao do Amazonas, An-
tonio Rubim, para flear a disposigao da presideucia
da provincia do Rio de Janeiro, afim de servir co-
mo capito do 8o corpo de voluntarios da patria.
Em 29 do mez prximo passado.
2 tenente do t* batalhao de arlilharia a p Joa.

tffiJTIUUXJl


Mario de Vernanbaeo -- nula '?; 31 de Malo de 1865.


qum Antonio Pmheiro Ferreira, para seoretortodo Art. 11. De todos t meios consignados nos
mesmo batalhao-. > cinco artigos antecedentes para fundacao, dotago
Capillo da guarda nacional da provincia do Es
pirito Santo, Joaqurm' Lnli de Azevedo Qaintaes,
para servir no 9' corro.de .voluntarios da patria.
Em 29 do mez prximo passado.
Do l* sargento do 4 corpo d voluntarios da pa-
tria, Pedro Adolpho de Roumillac, para alferes de
commisso do raesrao corpo.
ExoneragSes,Dos srs. : coronel doeorpode
stado-maior de 2' classe Antonio Jos Fernandes
PizarroGabiso,do lugar de director do hospital mi-
litar da guarnido da corte.-JDecneto de 26 de abril
fiado.
Cirurgiiio-nir de divisao do corpo de saude Dr.
Manuel do llego Maoedo, do lagar de 1* medico do
mesmo hospital, porWaver tocerapatibilidade o mu
posto com o de director interino desse estabeleci-
roento.Decreto do'29 de abril lindo.
Dcmissat do servigo militar.Por decreto de 26
do mz prximo passado foi concedida ao Sr. cirur-
gio do oorpo do sande, Dr. Prudencio de Brito
Jtegipe, a demsso que pedio do ser?ico do cxer-
cito.
Transferencias.Do Sr. tMenentedo 4o batalhao
de Vtilharia a p Candido Jorge Somier Barbosa,
para o 3o btalhao da mesma arma.
Do soldado do 3 regnneato de cavallaria ligeira
Victorino 8a Silva Soares para o Io regiment a
mesma arma, ao qual se chava addtdo.E 2
do crrante mez.
Do soldado do 4 batalhao de artilharia a p Vi-
cente Ferrer da Silva Atsoquerque para o asylo de
invlidos thi corte.
Llcencas concedidas.Aos Srs, capitao do corpo
de eslado-maior de t*lasse Francisco Cesar da
Silva Amaral, 80 dras com sold simples, para
ir a Cabo-Fro. Km 28 do mez prximo pas-
swfo.
1 cirurgio do orpo de saude Dr. Trajano de
15ouza Velho, para esperar sua reforma na provin-
cia do Para.Aviso de 29 d dito mez.
e manutengo do Asylo de Invlidos, o governo
dar annaalmente conta especial assembla
geral.
Art. 12. A direccad e adminislragao do Asylo
de Invlidos pertencer ao ministerio da guerra.
< ArL 13. Nos rcgulamentos que o governo ica
autorisado para expedir, providenciar de conor-
midade com as les Acerca de tudo quanto conver
ao servico, adminislragao, flscalisaco, rgimen e
polica do asylo, e sujeitara approvacao da as-
senbla geral antes de executa-las quaesquer nu-
tras medidas que julgar indtspensaveis e excede-
rem os limites de suas attriftoigees.
Art. IV Ficam revogadas as leis e disposicSes
em contrario.
Paco da cmara dos deputados, em 20 de malo
de iM3.
A assembla peral resolve :
t Art. 1. Tem ireito ao sold por inteiro que
vencerem es ofRciacs e pracas do exercito e da
arenada, morios em combate durante urna guerra
ev.terna, ou em consequencia de ferlmentos nella
re cbidos, quelquer que seja o lempo de servido
que tiverem:
1." As torvas;
2. As fitoas, qualquer que seja o sen estado
e idade, e os filhos em quanto forem menores;
t 3." As mais, sendo viuvas,
a 4." As irmaas solteiras ou viuvas.
i | I." O sold pertencer por inteiro as vnvas,
se nao fcouver tilhas ou fllhos menores. No caso
de haver lilhas ou fllhos menores, pertencer meta-
de do -sold as viuvas e a outra metade repartida-
mente as lilhas e filltos menores.
t f 2." No deixando viuvas, o sold por inteiro
dos officiaos e pracas do exercito e da armada per-
tencer reparadamente as suas filhas e lilhos me-
nores ; e quando estes chegarem a maieridade, ou
algumas daquellas fallecer, a parte do sold corres-
pondente accrescer a favor tos que sobrevive
Alteres secretario do batalhao de cacaderes da rem. O mesmo lora lugar quinao fallecerem as
Babia, Firmiuo Correa de Moraes, para aguardar 'viuvas, cuja melade do sold revener repartida-
destino na provincia da Bahia, vista da inspec- j mente em beneficio das filhas ou fllhos menu-
cio de saude porqoe .passou.-Em 183 do correte res.
mez. 3." Nao deixando viims, nem filhas ou filhos
E' approva concedida pela presidencia da provincia -de Minas- dos ditos ofliciaes, urna vez que sejam viuvas ao
Geraes ao Sr. capitiio da compauhia de cavallaria tempo de seu fallecimento.
da mesma provincia Joo Candido Goulart, para
tratar de sua saude.
Antiguidade de servigo militar. Ao Sr. alteres
do 12 batalho de infantaria Antonio Raymundo
Caropello se mandn contar como tempo fle servi-
co militar na forma do decreto n. 1,021 de 6 di-ju-
llio de 1859, o tempo decorrido do Io de setembro
de 1843 a 21 de margojde 1846, em que servio no
corpo policial da provincia do Marauho.
Mudanca de nome.-^E' concedida :
'Ao Sr. capitao do corpo de guarnco do Piaohy
Antonio Jos dos Santos para accrescentar ao seu
no oappellido de Denles.
Ao Sr. 2o tenente doeorpodeengenhelroZozimo
Braulio Birroso, para supprimir o appellido de
Braulio.
Coudecoragoes.Cavallero da ordem imperial
do Cruzeiro "o Sr. teHente-coronel do Io regiment
de cavallaria ligeira Jos Antonio Correa da Cma-
ra. Beorelo de 18 de'tevererro e diploma de 11 de
marco do correle anno.
Cavalheirb da ordm da Rosa, o Sr. capitao do
4o batalhao de infantaria Joo Antonio de Oliveira
Valporio. Decreto de r8 de fevereiro e diploma
de 1$ de marco do correle anno.
Perdo. Por deoreto de 26 de abril Ando foi
perdoado ao soldado Manoel Lourenco da SU vM C
crhne de desercao que commetteu n.MiSo"'praga
do 3o batalhao de -cacadores. h.ojtf12 de infau-
tari.
Fe? fi"fS'uL-i:rtfr#e 29 do snpraertaflo mez Uve
rara perdo do resto do tempo que Ihes falta para
cnmprimenio das penas a qoe estavam condernna-
dos:: o Io sargento do 1 batalhao de arlilhaiia a
p Virginio Napoleao Ramos, e os soldados : do 1"
regiment de cavallaria ligeira Victoriano Baptis-
ta: do-7'batalhoo de infamara Jos Ribeiro da
Silva ; do batalhao de cacadores da Bahia Jo
Rodrigues da Suva, c do corpo de guarnicao do
Maranho Miguel de Araujo.
Reforma.Por decre o de 22 de abril findo, na
conformidade do 3 do plano que baixou com o de-
creto de 11 de dezeinbro de 1815 foram reforma-
dos com o respectivo sold por inteiro, visto lerem
sido impossibilitados em acc.ao do servico do exer-
cito os soldados : do 3 batalhao de infartara Ig-
nacio Alves de Carvaltio ; do 4 batalhao da mes-
ma arma Antonio Raymundo das Chapas; e do 12*
Francisco Manoel Joaquim da Conceicao.
Baixas do servico militar.Ao Sr. 1 cadete do
batalhao de cacadores da Baha Trajano Pinto Par-
ca e ao 1 sargento do '2 corpo de voluntarios da
patria Alexandrin^ Jos de Almeida Gomes, por io-
tapacidde physica.Em 29 do mez prximo pas-
sido.
Ao soldado do corpo de artfices da cOrte Fran-
cisco Jos da Silva, peto mesmo motivo.Em 28 do
dito mez.
Ao 2 sargento addido a companhia de cacadores
de Rergipe Manoel Tavares de Jess, pelo mesmo
motivo, tendo j concluido o tempo de servico a
que era obrigado.
Requerimentos despachados.Do Sr. capitao do
oorpo de guarnicao de Mioas-Geraes Joaqoim Jos
da Cruz, pedindo transferencia para o batalhao de
cacadores da Bahia.-Em tempo opportuno ser at-
tendido.
Do Sr. lente do corpo de guarnicio do Espiri-
to-Santo, Antonio Rodrigues Pereira, pedindo ser
reformado.Nao tem lugar avista da lei.
-II -
Hontem, na cmara dos depulados, o Sr. Limpo
de Abreu fundamentou os seguales projeelos:.
c a assembla geral decreta :
o Art. 1." Crear-se-ha na capital do Imperio,
com a denominaco de Asylo dos Jnvalidos, um
eslabelecimenlo onde sero recolhidos e tratados os
ofliciaes e pracas do exercito que estivrem as
condicoos declaradas nesta lei.
Arl.3." Sero admittidos no asylo dos invali-
lidos se o requererem :
1. Osociaes do exercito at o posto de coro-
nel inclusivamente, e os aiQkiaes e pracas justificaren) :
* 1. Cincoenta annos de idade e trinta de efec-
tivo e bom servico militar.
2." O gozo em que se acham do sold da
reforma.
2." Os. ofliciaes e pracas do exercito mencio-
nadas no paragrapho antecedente, qualquer que
seja a sna idade e o tempo que tiverem servido,
urna vez que justiiiquem :
< 1." A perda e um ou mais-memoro-, ou das
suas fuucces, ou a perda de visa em combale ou
em servico militar.
< 2." O gozo em que se adiara do sold de
reforma.
Art. 3." Os invlidos dentro do asylo serlo
orgamsados militarmente, sob o commando de
ofliciaes que poderao ser lirados i& classe activa
do exercito.
Art. 4." Haver deBtro do asylo urna capella e
enfermaras, botica e tudo quanto fr necessano ao
servico religioso e sanitario dos invlidos, com os
respectivos empregados, flue sero nomeados d'en
tre os que j extslem creados por lei, cojo numero
nao poder ser augmentado.
Art. 5." Os invlidos usaro do uniforme que
o governo estabelecer, e quando concorrer-em com
a tropa de Haba lomariio o logar mais dis-
ii neto.
Art. 6: Para fuadar-se o Asylo dos Invlidos
appllcar e governe > terreno nacional que para
isso for adaptado, se porventnra o houver, e iao
havendo podera adquir-lo por aieio de compra ou
de oulro qualquer contrato.
Art. 7. Para dotacao e mamrtencotJo Asyio
de Invlidos decretado o augmento de mais 10
por eento sobre cada um dos segofntes impos-
los :
1.* Decima urbana addicional das corporacOes
de mo iBorta.
< 2 Joas das ordene honorficas.
c 3.* Sello flxo do papel.
4." Doze por cento das loteras.
S. Doze por cento do premio de loteras.
t 6." Taxa de escravos.
Art. 6.* Para o mesmo um poder o governo
mandar extrahir annualmente por espaeo de 5
annos, successiva ou interpoladamente, urna lote-
ra, livre de impostos, com o fondo de mil eootos
de ris e a beneficio de duzentos conlos, conforme o
plano que ti ver por mais conveniente.
Art 9. O governo fica outro sira autorisado
para applicar dotacao e manutencao do Asylo de
Invlidos o producto de quaesquer subscripcSes e
doac5es qoe neste sentido se fizerem.
< Art. 10. Os invlidos que forem admittidos no
asylo concorrero com 5 % Jo sold da sua refor-
na para raanulencao do estabelecimento.
4. Na falta das pessoas designadas nos pa-
ragraphos antecedente, o sold por inteiro parten
cera, reparadamente, as irmaas solteiras dos ofli-
ciaes e pracas do exercito e da armada e as que
forem viuvas ao tempo de seu fallecimento, obser-
vando-so a reverso da parte dos que fallecerem a
favor das outras.
t Ari. 2. O direito reoonhecido no artigo ante-
cedente tornar-seha elfecli o no da em que falle-
cerem os ofliciaes ou pracas do exercito e da ar-
mada, e desde esse da perceberao o sold as suas
viuvas, filhas e fllhos menores, mais, viuvas e
irmaas solleiras.
Art. 3. O sold por inteiro concedido pelo
art. 1 nos casos a que elle se refere nao exclue o
montepo a que possam ter direito as viuvas, filhos,
mais e irmaas dos ofliciaes e mais pracas do exer-
cito e da armada ella contemplados.
i Art. 4. Os ofliciaes e pracas do exercito e da
armada que ficarem inhabilitados para o servico
militar em consequencia de ferimeutos recebidos
em combate n'oma guerra exlerna, se forem refor-
mados, tero direito ao posto ou lugar immediaio
com o sold ou vencimenio correspondon.t.e, -jai-
quer que seja o lempo ou. raje lue tiverem.
ArL ;.0 ,Yi disposicoes dos artigos anteceden-
es sao extensivas aos ofliciaes e. pracas da guarda
nacional e dos corpos policiaes e outros rorpos com-
batenles, qualqner que seja a sua denomiaacao,
bem como se suas viuvas, tilhas e filhos menores,
mais viuvas e irmes solleiras, ao tempo de seu fal-
lecimenlo.
Art. 6." A presente lei applcavel a todos os
rasos nellas previstos e regulados, posto que ante-
riores a sua publieaeao, aflm de que as pessoas
comprehendidas as suas disposicoes possam gozar
dos beneficios nellas outorgados.
Arl. 7. As coocessoes feitas por esta lei e o
direito que dellas resulla nao prescreverai se nao
findo o prazo de 20 annos, cornados da sua publi-
eaeao, revogados para este Ora smente os captu-
los 209 e 210 do regiment de fazenda, mandados
observar pelo artigo 80 do decreto d. 736 de 29 de
novembro de 1836.
a Art. 8 Ficam revogadas todas as leis, decre-
tos e disposic5es em contrario.
Paco da cmara dos depulados, em 20 de raaio
de 1863.
O Sr. Alvim fundamentou tambora o seguinte
projerto:
A assembla geral legislativa resolve :
< Art. i." Os limites da provincia de Santa Ca-
tharina com a do Paran se rao :
1. No litoral o rio Sahy-guass at a serra
geral pela aberla entre os picos da Araraqura e
lncherm, conforme o aoto de demarcaco de 2 de
maio de 1771.
2." Da serra para o interior do rio Negro e
o Iguass, ou Grande Cortiba.'at a foz do rio San-
io Antonio, como determina a provisao de 20 de no
vembro de 1719.
t Art. 2. Ficam revogadas todas as disposicoes
em contrario.
t Paco da cmara dos depulados, em 2Q de maio
de 1863.
Foram apresentados os segulntes projectos :
t A assembla geral resolve :
Art. nico. Fica o governo autorisado a conce-
der carta de cidadao brasileiro ao conde de Debba-
n, cnsul geral do Brasil em Alexandria, revega-
das as disposicoes em contrario.
Sala das se.-soes. 20 de raaio de 1863.Horta
de Araujo.
A assembla geral resolve :
t Art. 1. Fica o governo autorisado a mandar
passar carta de natmalisaco ao subdito portuguez
Joo Francisco Nunes, morador na provincia da
Bahia.
Art. 2. Revogam-se as disposigoes era con-
trario.
< Sala das sessoes, 20 de maio de 1863.-M.
Dantas. >
Foram approvds os 6egulntes requerimentos :
t Requeiro que se solicite do governo imperial
copia de todos os papis coocernentes ultima elel-
cao da cmara municipal e juizes de paz da cidade
de Pelotas na provincia de S. Pedro do Ro Grande
do Sul, assim como de qualquer decisao sobre a va
lidade ou nulhdade da eletco.
Paco da cmara dos deputados, 20 de maio de
1863.Alfonso Alves.
Requeremos que se pega ae governo :
t 1 .Copia da carta imperial de 17 de novem-
bro do anno passado, cora a qual a presidencia do
Rio Grande do Sul lem autorisado alguns de seus
actos sobre a guarda nacional.
< 2. Copia tarabem de quaesquer ordene pre-
sidencia da mesma provincia para a nao pxecuco
do decreto de 7 de Janeiro deste anno, que creou
os corpos de-voluntarios da patria; e quando por
ventura ordene taes nao tenham sido dadas, infor-
macoes acerca dos motivos por que nao tem all si-
do cumprido o referido decreto.
< Sala das sessoes, 20 de maio de 1863.Flores.
ASenso Alves.
t Requero qoe seja posto na ordem do da para
ser discutido no primeiro da til o projecto sobre
a navegacao do bati S. Francisco.
c Sala das sessoes, 20 de maio de 1865.A.
Lobo.
Enlrou em ultimo lugar em discassao o requeri-
mento do Sr. Chagas Lobato e outros, pedindo que
seja nomeada urna comraissao especial que exami-
nando os projectos relativos s carees verdes, exis-
tentes na secretarla da cmara, d com urgencia
sobre os mesmos seu parecer, indicando o que a
respeito desse servico eatender conveniente.
Nao havendo numero para se votar, fieou a dis-
cusso encerrada.
Ba ordem do dia n. 446 publicada pela reparli-
eo do ajndante general consta o seguinte :
Nomeacoes.Uos Srs. capeiio-capiao da repar-
ticao eclesistica do exercito padre Manuel da
Vera Cruz, para capeilao do presidio de Fernando
de Noronha.Aviso de 6 do crtente mez ;
L" teaente do corpo de engenheiros Antonio Pau-
lo de Mello Barreto, para ficar a dtsposicao do Mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras publi-
cas.Em 8 do correte met
1.* tenente do dito corpo Henrique Luiz de Aze-
vedo Marques, para ficar a disposlco a presiden-
cia da provincia de S. Paulo, afim de ser conve-
nientemente em pregado.Em 8 do correte mez;
2.o cirurgio do corpo de saude Dr. Lniz Fran-
cisco Murineily, para o logar de assistente do Sr.
efmrgio-mr da divisao encarregado de orgaoisar
o wvico de saude no exercito em operacSes ao sul
do imperio.Em 3 do correte mez ;
Luiz de Azevedo Coutioho Duque-Entrada, para
eoadjavar ao Sr. fi:cal da fazenda junio ao exerci-
to em operares ao sul do imperto* eom a grMoa-
eao de capitao, em substiluicao ao Sr. Jos T?lee-
doro Xavier, cuja nomeaco foi publicada em or-
dem do dia n. 414. -Aviso de 6 do correte mez >
Alferes de commisso Joaquim Marqaes da Cu-
nha Pinto, para servir no 5." corpo de voluntarios
da patria.
Adolpho Carlos Brusques, para alferes de com
misto do 9. corpo de voluntarios da patria.Em
23 de abril Ando;
Alfonso Anrora Terra e Jaio Jos da Silva Cos-
ta para alferes de commisso do 7. corpo de vo-
luntarios da patria, na provincia de S. Paulo.
Aviso de 6 do corrente mez ;
Por aviso e 21 de abril Ando foram tambem no-
meados os segoiotes ofliciaes de commisso para o
1 corpo de polica da provincia das Alagoas, que pas-
| sou a denominarse voluntarios da patria :
Tenentecoronel commandaMe, o Sr. major Car-
, los Cyrillo de Castro ; major o Sr capitao Manoel
i Correa de Aramo Silva ; alferes ajudaute, o Sr. al-
feres Zeferino Vieira Soares ; alferes quartel-mes-
[tre, oSr. alteres Felippe Santiago de Abren, todos
do referido corpo de potecia ; e alferes secretario
o Sr. Sotero.de Castro;
Cirurgio, o Sr. capto cirurgio-mr do com-
mando superior da goarda nacional da provincia
das Alagoas Jos Ignacio Buarque ;
Capiles, os Srs.: capitao Joo Xavier, Tito Ale-
xandre Ferreira Passos, Manoel Soares de Albu-
qnerque, Luiz Jos de Faria Lobo e Manoel de
Moraes Sarment, os tres primeiros do mesmo
corpo de polica, e os mais da guarda nacional;
Tenentes, ojSrs. : alferes Ildefonso Benevdes
taivflo, Fililo Elisio Pitombo, Pedro Jos de Mou-
ra, Joo da Silva Brrelo e Antonio Cavalcanti de
Altmquerque, os dous primeiros do dito corpo de
polica, e os mais da guarda nacional;
Alferos, os Srs. alferes : Joo Trajano de Mello,
Antonio Jos de Cerqueira Torres, Jos Gomes Le-
te Calassa, Guitherme Lias Calheiros e Francisco
Jos dos Sanios'Barros, este do mesmo corpo de
polica eaquelles da guarda nacional; Sr. 2
cadete 2 sargento do 8 bataluao de infantaria Jos
Alves da (raca Bastos, o sargento ajudante Maaoel
dos Santos Lima e o sargento quartel-meslre Ma-
noel da Cunha Mosquita, ambos do supracitado
corpo de polica ; e os Srs. 2o cadete Io sargento
Antonio Pinto de Araujo Leilo e 2** cadetes Tho-
maz Tenorio de Albuqerque, Candido Jos Tava-
res e Antonio de Oliveira liorges Jnior.
Transferencias.Do Sr. capitao de conrmissiio
Faustino Januario de Abreu, do 4o para o 9 corpo
de voluntarios da patria :
Do rr. alferes de cemmissao Joaquim Ribeiro da
Silva Peixoto, do 8o para o 4" corpo de voluntarios
da patria.Em 8 do corrente mez;
Do cabo de esquadra do 1 regiment de caval-
laria ligeira Manoel Joaquim de Sanl'Anna, para o
3* regiment da mesma arma. Em 12 do corren
te mez;
Do toldado do batalhao de engenheiros Francis-
co Marlins dos Santos Jnior, para a 1 batalhao
de -artilhana a p, visto ter sido reconhecido 1
cadete, nao podeodo por isso continuar a pertencer
qoelle batalhao ;
Do soldado do 1 regiment de cavallaria ligeira
Pacifico Pedro Vieira, para um dos regimentos de
cavallaria existentes no sul, como requereu.Em
8 do corrente mez.
Licencas concedidas.Aos Srs. : major o 3o ba-
talhao de artitis&ria. a p Joo Francisco Cllete, 4
CBSafcs, com sold e etape, para iralar de sua sau-
de na provincia do Para.Aviso de 8 do corrente
mez;
Io cirurgio do corpo de saude Dr. Antonio Ma-
noel de Medeiros, 6 mezes, cora sold e etape, para
tratar de sua saude na Europa ;
Io cadete do Io balaiho de artilharia a p, addi-
do ao corpo de artfices, Jovita Duarte e Silva, para
ir provincia de Sama Calharna Iralar da sua
saude.Em 6 do corrente mez;
Foi approvada a de dous mezes, con sold sim-
ples, concedida pela presidencia da provincia do
Para ao Sr. capitao do IIo balaiho de infantaria
Antonio Jos Pereira de Carvalho, para tratar de
sua saude na mesma provincia.
Resultado de exames de pratiea feilos na confprmi-
nade dos urls. 28 e 2!) do regulamento de 'Ai de
marr.o de 1831.
Arma de infantaria. Corpo de guarnicao do
Pauhy.Approvados plenamente, osSrs. capites :
Antonio Cabral de Mello Leoncio, Jos Aurelio de
Muura, Xilderieo Cicero de Alencar Araripe e 2o
cadete Io sargento Luiz de Alencar Araripe ;
Approvados simplesmeote, o 2o sargento Joao
Leoncio Bastos e 2o cadete forriel Cicero de Alen-
car Araripe.
Goodecoracao.Cavallero da ordem de S. Beato
de Aviz, o Sr. tenenle-coronel de corpo de enge-
nheiros, InnoceBcio Velloso Pederneiras.Decreto
de 17 de julho de 1861 e diploma de 17 do dito
mez.
Decisdes proferidas sobre pareceres de conselhos
de direccj e de averiguaco.Foi julgado habili-
tado para ser cadete e mandado reconhecer
como tal, o sargento quartel-meslre Flelo Izidoro
da Floresta de Miranda, do corpo de voluntarios da
patria, da provincia do Para, por haver provado
que filho legitimo do Sr. teoeute-coronel da guar-
da nacional da mesma proviucia, nomsitdo era vir-
tude da lei n. 602 de 19 de setembro de 1830.
Em 10 do corrente mez.
Foram julgados habilitados para serem 2' cade-
tes e mandados reconhecer como taes : os solda-
dos do corpo de voluntarios da palria da provincia
do Para, Hygino Amilcar Ribeiro e Francisco de
Moraes Navarro, porbaverera provado que sao li-
lhos legtimos, este do fallecido Sr. Alferes do exer-
cito Joaquim de Moraes Navarro, e aquello do Sr.
Manoel Fernandes Ribeiro, cavallero das ordens
de Lhrislo e da Rosa. -Em 10 do corrente mez;
O furriel do corpo de guarnicao da provincia do
Pauhy Jeremas da Cunha Araujo, por haver pro-
vado que filho legitimo do Sr. Jesuino da Cunha
Araujo, alferes da guarda nacional da mesma pro-
vincia, nomeado em virtude da lei n. 602 de 19 de
setembro dt*1830.Em 13 do corrente mez.
Foi julgado inhabilitado para ser 2o cadete, em
10 do dito mez, o voluntario da patria addido ao
batalhao de deposito, Manoel Joaquim Gervasio J-
nior, por ter apenas provado que seu pai profes-
sor publico de instruccao primaria na provincia de
Santa Camarina, pelo que nao est o justificante
comprehendido as disposicoes do decreto de 4
de fevereiro de 1820, para ser como tal reconhe-
cido.
Foram julgados inhabilitados para serem parti-
culares : o voluntario da patria, addido ao bata-
lhao de deposito, Joo Manoel da Silveira, por ter
apenas provado qoe seu pai oceupou o posto de te-
nente da antiga guarda nacional, e que actualmen-
te exerce o emprego de porteiro da mesa de rendas
provinciaes da provincia de Santa Catharina, po-
sico esta que nao pode ser considerada equiva-
lente de offlcial de patente.Em 10 do corrente
mez ;
Os voluntarios da patria, addidos ao baulho de
deposito, Domingos Francisco Coelho e Jos Carlos
Coellio, por lerem apenas provado que seu pai
exerceu o pos.o de capitao da antiga guarda nacio-
nal, e alguns cargos de eleico popular, como ve-
reador e eleitor de parochi, os quaes nao consti-
loem empregos de que provenha consideracao so-
cial equivalente a de offlcial de patente.-Em 10
do correle mez.
Requerimenlo indeferido.Do Sr. alferes do cor-
po de guarnicao do Pauhy Carlos Cesar Maciel
Aranha, pedindo perdo da pena de prisao a que
est condemnado pelo conselho supremo militar de
jostica.
\ 23-
0 Sr. ministra da fazenda apresentou a seginn-
te proposta, faontem na cmara :
Augustos e dignissimos Srs. representantes da
naco. As cireurnslancias extraordinarias em que
se tem achado o Imperio, desde os ltimos mezes
do anno precedente, e a insofflciencia das forcas
de trra, decretadas para taes cireurnslancias, obri-
garara o governo a exceder consideravelmente o
seu numero, do que resnltou a necessidade de des-
peras extraordinarias, que nao tioham sido previs-
tas oem determinadas, e qoe nio podiam ser adia-
das sem compromettimeoto da honra e da digoida-
de do imperio.
' Assumindo a respoasabi idade desse acto, o
foverno fundou-se principalmente na urgancia
os servicos da guerra a qoe fomos impedidos a
principio para exigir do governo do Estado Orien-
tal as sasfacoes que nos eram devidas, e poste-
riormente contra o governo da repblica do Para-
guay, no que se acba anda empenhado para vin-
Sar a honra nacional e repellir a injusta aggressio
o seu governo, o qual, sem a menor provoca cao,
esqueeido do que deve ao imperio, e contra as mais
solemnes estipulaces dos tratados, no meio da paz,
invadi remota e Indefesa provincia de Matto-
Grosso, levando eon suas forcas a esse psnto do
imperio a devasiaeio, o roano e a deshonra das
ramillas; e tora quanto a primelra eontenda fosse
Jtoriosamente lerminada, resta-nos ainta a segun-
da, tais grave pelas difOculdades qoe offerece a
distancia e a falta de vias de comraunlcacao ter-
restre e Qovial para poderraos transportar rpida-
mente os. meios de guerra.
< Na ausencia do coi po legislativo, d?a o gover-
no todas quanlas providencias eslavam ao seu al-
cance, e sao recuou diante de sacrificio algum
sendo patriticamente coadjtmniopor lodosos *ra-
sileiros, o que praz ao governo aaslgnalar com a
mais cordial satisfaco e vivo reconhecimento. A
honra nacional, a dignidade do imperio, a sua m-
tegridade impunham ao governo aquetle devar,
qne foi cwmprido cora zelo e lealdade. Ms os es-
forcos individuaes, por mais extraordinarios e leu-
va veis que sejam, nao bastan para prover tedas as
necessidedes do servico : e concurso do poder .le-
gislativo o anko efflcaz para habilitar o governo
com os meiasindispensaveis para continuar acam-
panha o leva-la ao seu termo, assegurando ao Bra-
sil urna paz duradoura.
Ahando-vos agora reunidos, o governo, pelos
ministerios competentes, trouxe j ao vosso conhe-
ciroento e deiiberaco as propostas para se fixarem
as forcas de mar de trra, indispensaveis as ac-
tuaes circumstanoias, e pois que o augmento da-
quellas Torgas exige tambera o das despezas do Es-
tado, para s quites Ihe faltecem os meios, achami-
se j esgolados os recursos que tinbam sido auto-
rizados para cireurnslancias ordinarias, o governo
solicita de vos que o habilitis com os meios que
vos parecerem mais convenientes.
t Venno, portan tu, de ordem de S. M. o Impera-
dor, apresentar-vos a segrate proposta, compre-
hendendo as despezas da guerra e da marmita, e
os meios para realisa-las, curaprinJo assim as dis-
posigoes da le n. 589 de 9 de setembro de 1830, e
acompanhando-a com as tabellas justificativas dos
crditos pedidos em cada -um dos ministerios.
Proposia.
Art. 1. '.aberto ao governo um crdito extra-
ordinario da quanlia de 40,743:847380,o qual se-
r distribuido pelos ministerios seguintes :
c Ar. 2. O ministro o secretario de estado dos
negocios da marioha autorisado a dispeuder a
-quanlia de 3,994:000*000 com os paragraphos se-
guintes :
| 1." Arsenaes .... 300:0005000
5 2. Forga naval 1,306:000,3000
f 3. Material .... 3,788:0(10,5000
t | 4. Eventuaes .... 600:0005000
Art. 3. O ministro e secretario de estado dos
negocios da guerra autorisado a dispender a
quanlia de 34,749.8475380 com os paragraphos se-
guintes :
1. Arsenaes de guerra 5,323:0005000
< 2. Corpo de saude e hes-
p taes......... 1,0005000:000
t 3." Quadro do exeroilo 15,317:7135000
i i.uCommisNjes militares. 106:71^5000
i 3." Gratificagoes, a j u das
de cusi e forragens 5,503:4955380
6." Diversas d ispezas n
eventuaes.......7,410:0005000
c 7. iieparligts de fazenda 83:9875000
Arl. 4 As dispezas decretadas nesta lei sero
levadas contados exeroioios em que ollas se ef-
fectuarem.
Art. 5." Para occorrer .s dispezas decretadas
no3 ans. 2 j",outttsi#oie secretario -de estado
dos nogeclos da fazenda autorisado a fazer as
operacoes de crdito que julgar convenanles den-
tro ou fra do Imperio.
Ro de Janeiro, 22 de maio de 1863. Jos" Pe-
dro utas de Carvalho.
Foi apresentado o seguiste projecto de. resposta
falla do throno :
t Senlior.A cmara dos deputados,oorrespon-
dendo confianca da uago, manifest V. M. Im-
perial o seu reconhecimento pelo jubilo com que
V. M. Imperial se digaou saudar a abertura das
se*soes de corpo legislativo. ..
f Comoserapre, especialmente-as actuaes cir-
eurnslancias, a reunlo do parlamento e a augusta
presenga de V. M. Imperial no seio da representa-
gao nacional sao a mais solida garanta da segu-
ranga e da estabilidade das iasliluigoes que nos re-
gem.
Com o maior prazer soube a cmara dos de-
putados que effectuaram-se oscasamentos das mili-
to amadas e queridas filhas de V. M. Imperial, es-
posando S. A. a Sra. princeza imperial o prin-
cipe D. Luiz Felippe Mara Fernando Galn D'Or-
leans, conde D'Eu, e S. A. a Sra. princeza D. Leo-
poldina o principa D Lniz Augusto Mara Eu-
ds de Coburge e Gotha, duque deSaxe; e faz
votos pela ventura desses consorcios que lo de
perto Inleressam a felicidade do imperio.
t A cmara dos deputados se congratula cora
V. M. Imperial por nao haver sido alterada, a tran-
qullidade publica era nenhuma das provincias do
imperio, bem como por ser ora geral satisfactorio o
estado da saude publica.
t E' agradavel cmara dos deputados-saher
que as iransacgoes coramerciaes tendem a reassu-
mir a sua marctia regular, depols do forte abalo
que experimentarara em setembro do anno passa-
do. E se medidas extraordidarias foi preciso adop-
tar para occorrer s ne^essidades indecUnaveis do
momento, espera a cantara dos depulados que o
imperio da lei seja restabelecido.
< Sentindo que contiauera interrumpidas as re-
lagSes entre o governo imperial e o governo da
Gra-Bretanha, a cmara confia em que para o res-
tabeleciniento dessas relagSes empregar o gover-
no imperial esforgos dignos, chegando a um accor-
do honroso para ambas as nacoes.
t A cmara dos deputados compraz-se com V.
Magestade Imperial por haver o governo dos Esta-
dos-Unidos da America reconhecido a justiga da re-
clamago do imperio relativa ao grave attentado
commeitiil i as agua* da Bahia de todos os San-
tos, com oflensa da soberana nacional. Da justa
apreciago das reciprocas exigencias dos dous go-
vernos, espera a cmara dos deputados que resulte
a consoldacao dos lagos de araizade que felizmen-
te existe entre es dous paizes.
c Fot satisfalorio 5" cmara saber que com o
restabeleciraenlo da paz da repblica do Uruguay
esto realadas as relceles de amisade entre o
governo imperial e o dessa repubiiea. A cmara
acredita que o governo imperial ser auxiliado
pela snceridade do novo governo dessa repblica
actualmente exereido pelo general Flores, o qual,
animado de bous desejos para com o Br.isll, a-se-
gura a fiel execugo de suas promessas e a per-
manencia das boas relagoes que com vantagem re-
ciproca devera reinar entre o imperio e aquella re-
publica.
c A cmara dos deputados cumpre um dever
rigoroso proclamando cora solemnidado e agrade-
cendo com fervor a bravura e nexcedivel intrepi-
dez que dsiinguiram as nassas torgas de mar e
Ierra'ao raeraoravel combate de Paysond.
t A aggresso injustificavel do presidente da re-
publica do Paraguay, os actos selvagens commelli-
dos pelas suas tropas, constituodo ao mesmo tem-
po um altentado contra as regras do direito inter-
nacional e contra a honra e seguranga do imperio,
oxigera prompta e exemplar reparago E pode o
governo imperial contar com o patriotismo da c-
mara dos deputados, bem como de todo o pa, pa-
ra o Gm de desaffrontar a soberana e a honra na-
cional ultrajadas, e assegurar ao imperio urna paz
duradoora. Penda em seu pundonor a nago bra-
sileira espera e confia qoe o governo imperial era-
pregara' todos os meios dignos eefflcazes pvra con-
seguir o desaggravo das offensas aleivosamenle
inferidas ao Imperio pelo governo do Paraguay.
A cmara dos deputados enehe-se de nobre or-
gulho ao observar que de todos os ngulos do im-
perio, e s guiados pelo incentivo do santo amor
da patria, surgem voluntarios em defeza da honra
e da integridade nacional, sem que nem o espirito
de partido e nem as divergencias polticas tenham
obstado de qualquer modo o desenvolvimento do
espirito publico em occasio lo solemne.
< A cmara dos depulados assegurando V. M.
Imperial o seu sincero e dedicado concurse, confia
em qoe a justiga da nossa cansa, o patriotismo dos
Brasileiros, e o valor iocootestavel dos nossos bra-
vos soldados nos darao brevemente um completo
triumpbo.
< A cmara estiraou saber que continuam in-
alteradas as relagoes do imperio com ,as diversas
potencias ; e fica inteirada de haver sido o impe-
rio do Mxico reconhecido pelo governo brasi-
leiro.
c Sabendo com prazer que as rendas publicas
cre.-cem, a cmara espera do governo qoe zelara o
emprego dos dinheiros publieos, observando a mais
severa economa.
< A cmara dos deputados cemprehende que,
alera das necessidads da guerra, outras recla-
mara igualmente a sollicitude dos poderes na-
ciooaes.
A reformas eleiloral, jodiciaria e da guarda
nacional, a organisaco das adrainistragSes provio-
cial e municipal, a legislago relativa ao exercito
e armada sao outras tantas necessidades a que a
praica do systema constitucional represedtatvo Mr.A!iZSoLSlSS'.vr
bragos livres e aproveitaraento dos existentes, ae
desenvolvimento emfira da lavoura e da riqueza
publica.
Senlior.A cmara dos deputados, confiando
na leal coadjuvaco do governo, saber* desempe-
nhar a sua missao ; e faz votos Providencia Di-
, vina, para que na prosiwrdade de V. M. Imperial
e de sua augusta fratilia se voja sempre interessa-
| da a felicidade do Brasil.
Paco da cmara dos depotados, em 22 de maie
de 1865.Manoel Pinto de Souza Dantas.Joa-
quim Saldanlta Marinho. Martinho Campos,
j vencido.
Pelo paquete nacional Brasil entrado hoje dos
) portes do sul, Ovemos dalas de Porto Alegre al 14
, e do Rio Grande al 16 do crrente.
Fra nomeado commandaole do corpo policial da
provincia o major da guarda nacional Jos de Oli-
veira Bueno.
O /'.'(7io Jaguarense de 22 de abril publicara o
seguinte :
t Os Srs. capitao Manoel dos Reis Nunes e te-
nente Jos Vieira Braga, ofliciaes do estado maior
do Exm. Sr. baro de Jacuhy, foram encarregados
da missao de investigar tniuciosamonle os prejui-
zosque soffreu o municipio de Jaguarao com a in-
vaso dos blancos era Janeiro do corrente an-
no, e obter dos che fes de cada familia prejudicada
urna relago dos objectos que aquella forga arreba-
lou, devendo cada um basear-se nos seguintes ar-
tgos :
t 1 Qual o numero de casas saqueadas com de-
clarago dos seus respectivos proprietaros, e va-
lor approximadodo que foi saqueado ou damnifica-
do e estragado.
2 Qual o numero de escravos que foram se-
dnzidos e ronbados, com declarago dos seus res-
pectivos seoiiores.
t 3 Quaes as familias que foram ultrajadas -.
quaes os estupros que se deram, com declarago, se
for posstvel, dos seus respectivos nomes, e di*s das
pessoas das mesmas familias, victimas desse nefan-
do crime.
t 4o Quaes os cheles que vieram cornmandando,
e que foram condecidos por seus nomes.
5o Qual o numero de cavallos roubados, com
declarago dos prejudicados.
Alora disso ledos-os mais prejuizos em movis,
arvoredos, joias, dinheiros, etc.
< Os referidos ofliciaes pretenden! ir tolas as
casas qoe souberera que foram saqueadas, pudendo
porm, escapar alguma que nao chegueo conhe-
ctmenlo da commisso ; ser bom que os cheles
cujas casas nao forera visitadas por elle, dirijara a
mesma tuna relago dos prejuizos que soffreram, e
insultos de que foram victimas, ou ao Exm Sr. ba-
ro de Jacuhy na segunda divisao ligeira.
i Cada relago deve ir firmada pelo respectivo
chefe ou por aiguem a sou rogo, quando alto nay
possa ou nao saiba fazer.
C'li StSfe de familia que d a.aia-rewe*o,
deve guardar urna copia em seu poder ; isto o
essencial.
Pedir exoneraco do commando da gnarnico
da cidade de Jaguarao o corooel Maaoel Pereira de
1 Vargas.
A presidencia fizera as seguintes nomeaces :
a Domingos Alves Branco Muniz Brrelo, ex-le-
nente do exercito, e o eidado Pompeo Jos de Sou-
za, para capites assistentes do deputado do aju-
dante e do quartel-meslre-general jauto a segunda
brigada da segunda divisan ligeira.
I i Napoleo Roverbel, para alferes ajudante de
I ordens do corone! coraraaudante da referida bri-
gada.
3o corpo provisorio. O major Joo Luiz da
Costa Lerina, para tenentecoronel commandante.
c O oapito Manoel Fernandes Dornellas, para
major fiscal.
O alferes Joo da Cunha Silveira Filho, para
tenenle secretario.
O sargento-ajudante Manoel Antonio Belera,
dito quartel-meslre Manoel Antonio do Oliveira Fi-
lho, e o Io sargento Antonio Rodrigues da Fonseca
Araujo, para alferes porta -estandartes.
2 sargento Claudino de Barros Lette, para
alferes da 2" companhia.
O alferes Joo Pereira Guimares, para te-
1 nente.
0 1 sargento Sesefredo Pereira de Azarabuja,
para alferes da 6' companhia.
t 21 corp* provisorio. O alferes Antonio Jos
de Moura, para tenente-ajudante.
30 corpo provisorio.O tenente Sebastio Br-
relo de Oliveira Meirelles, para capitao da 3* com-
panhia.
4o batalhao de infantaria (provisorio).O ca-
pitao reformado do exercito Gamillo Pinto Rangel
para fiscal.
L-se no Mercantil de Porto Alegre :
b A commisso administrativa da praga do
commercio desti cidade., annuindo ao convite da
praga do commercio da corle, fez hontem por dous
jornaes desta cidade, um convite, assignado por to-
da a directora, invocaudo o espirito de candado
de todos os habitantes desta capital, para concar-
rerera ao grandioso e humanitario lira da fundacao
de um asylo de invlidos.!
Funccionra o jary da capital, tendo enlrado
nessa sesso o processodos reos vuva Accioli, par-
da Firraina e crouio Venancio, pronunciados como
co-participes do assassioato de D. Anna Ferreira
Maciel.
A sesso do jury foi rooito interessante e con
1 corrida.
Descreve-a o Mercantil assim :
Hontem (9) s 3 horas da tarde findou a gas-
! sao do julgaraenlo dos aecusados pelo assassioato
de D. Anna Ferreira Maciel.
** t A's 5 1/3 horas da tarde do dia 8 findaram os
interrogatorios; s 10 da noite a leitura do pro-
ce sso.
c O orgao da justiga publica, o Sr. Dr. Eugenio
Malheiros, sustentou a aecusago, nao discrepando
em um s ponto da altura em que de principio a
collocou.
t O Sr. Dr. Pereira Rocha, defensor da viuva
Amelia Accioli, confirmou o crdito que aqu o
precedeu de hbil e talentoso advogado.
c O Sr. Dr. Correia de Oliveira, defensor do
crioulo Venancio, logo no principio da defeza sen-
lio-se ncoramodado, e foi substituido pelo Sr. Dr.
Francisco Pedro de Miranda e Castro, que muito
proraelte para o futuro na car reir da advocada.
O Sr. Dr. L Barcellos, defensor da parda Fir-
mina, raosirou a nenhuma culpabilidade de sua
defendida.
i Cada advogado fallou duas vezes ; pronuncian-
do-so oito discursos, todos elles dignos do numero-
so auditorio vido de curiasidade.
t Depois das 10 horas da manha de hontem,
enlrou o conselho para soa sala privativa, donde
voltou s 2 1/2 da larde. Em virtude de suas res-
postas aos quesitos que ihe foram propostos, o Sr.
presidente do tribunal lavrou a sentenga que
c Condemnou o crioulo Venancio pena de
raorte ;
Absolveu 4 viuva Amelia Accioli;
Absolveu a parda Firmina.
i Da sentenga de Venancio appellou na forma da
lei, e da de Amelia Accioli por nao se ter confor-
mado com a mesma.
t Depois de 29 horas de sesso, retiraram-se os
jurados exhaustos de forgas gastas na sesso mais
longa de que ha lembranga na nossa capital.!
Embarcara no da 10 cora deslino Mssoes- a
ala esquerda do 5a balaiho de voluntarios.
Chegaram no dia 11 capital o Sr. presidente
da provincia e o Dr. secretario da presidencia.
O presidente da provincia do Ro Grande em-
barcara em 10 do corrente e seguir de Pellas
para a capital.
No dia 15 havla embarcado o 26 corpo proviso-
rio com deslino ao Jaguarao.
A presidencia expedir em 6 do corrente o se-
guinte ofBcio ao general commandante Interino das
armas, por occasio de sua partida para o Rio Par-
do com destino campanba :
c lllm. e nxm. Sr. Acenso o recebimeoto do
officio que com data de 8 me dirigi V. Exc.
t Communica-me V. Exc. que boje (6) segua
para o Rio Pardo, pooderando-me a conveniencia
de ser autorisado pela presidencia, para chamar a
destacamento teda a guarda nacional que julgar ser
precisa, e bem assim para fazer as despezas que
forem necessarias.
Satisfazendo as requesigoes de V. fr-y^ pode
_ que ss corpos
gada estao todos armados, fatemdo-lhes apenas al-
gumas espadas. Mas quando elle offjcou rae era
data de 7 de abril, anda nio poda ter recebido
800 espadas que era dala de 30 de margo me cora-
roonicou o brlgadeiro Caoabarro commandante da
divisao que naquella occasiatazia seguir de Sania
Auna para os oorpo? da f* ti rifada.
> O mencionado commndaMe da divisao, ofll-
mndo-me < m data de 22 do mez findo, dcclara-me
em que a divisao est bem armada, mas que en-
tretanto nao era de mais o armamento que tinha
sido remetlido para o deposito de Algrete, onda
(cara em reserva para o que fosse preciso.
Quanto a munigoes alm das remessas que j
tnhant sido feitas, para armar os corpos da divi-
sao, liz um nao pequeo deposito em Algrete, de
que dei sciencia V. Exc.
De S. Gabriel e de Bag, onde tambem ha mu-
nigoes em deposito, mandei remeller para Algre-
le todas as de artilharia, por dizer-me o comman-
dante da divisao que nao era bastante a que havia
sido reraettida com as oito boceas de fogo.
t Declaro mais V. Exc que era carainho an-
da vai armamento de infantaria e de cavallaria
para Algrele, das remessas ultimas que deler-
minci.
A' vista do que deixo informado, a remessa de
armamento que V. Exc. requistou do arsenal, para
ir para Algrete, cem quanto nao possa dizer-se
de mais, todava perraittame V. Exc. que Ihe pon-
dere, pode depois fazer falta para outros corpos da
guarda nacional que seja preciso armar. Julgo
mais conveniente depostalo, de preferencia no
Rio Pardo ou em S. Gabriel.
t Pelo que respeita a fardamento, devo tambem
informar a V. Exc, qoe porgo delle est em cami-
nho ; ramio j tem ohegado a sen destino, e se to-
dos os corpos nao estao ja fardados, pela difflcul-
dade de manufasturar-se de promplo lodo o fardH-
mento que a um s lempo lem sido preciso forne-
cer. Providencias e ordens lera sido expedidas para
poderse acudir com a maior promptldao a todas
as reclamages {por fardamenlo. Alm do que se
manufactura no arsenal mandei tambem manufac-
turar algum aqni em Pelotas, e espero brevemente
poder declarar V. Exc. que todos os corpos das
duas divisSes, esto bem fardados, como declaro
que esto todos bem armados.
Vou expedir as ordens para raontar-se o ser-
vigo de postas mililares entre o Rio Pardo e Al-
grete, e desta cidade S. Borja.
Fica assim respondido o ohmio de V. Exc. de
3 do corrente.
lllm. e Exm. Sr. generara commandante das
armas,
t Deus guarde V. Exc. Joao Marcellino de
So.itfl Gcjasa. .--
24
Do peridico La Esperanza de 30 de abril, que
se publica era Coya, exlrahimos o seguinte :
t Cltegada da terceira dioiso da esquadra bra-
sileira.Imponente e magestoso era o panorama
que apreseniavam os vapores brasileiros desfilan-
do diante dos olbos da raullido entbusiasmada,
que vicloriava os nossos fiis aliados com gritos
entusisticos partidos do coragao.
t As vergas da capitana eslavam cobertas de
marinheiros, que davara hurrahs nobre nago ar-
gentina. O valente commandante da vanguarda
recebia poneos momentos depais cora a maior aH-
bilidade, os numerosos visitantes desla cidade, e
os escaleres o vapor conduziam os curiosos visi-
tar os outros navios da esquadra brasileira, que
erara recebidos cun a mesma cortezia pelos seus
coinmaudantes.
t Nesta visita admiramos a ordem e disciplina
que reina a bordo de toda a esquadra, e o desejo
de que se acham animados os bravos marinheiros,
de hnratlliaro delivo pavilho paraguayo.
a Ao ver tremulaudo as baudeiras argentina a
brasileira recordamos outra poca, nao raui dis-
tante, em que ambos os estandartes derrubaram o
tyranno, que por tantos annos havia subjugado
essa heroica nago, e ao considerar que hoje ire-
mulam de novo unidas para derrubar outro despo-
ta, conhecemos que arabas as nagoes se achara
sempre dsposlas a dar um exemplo de progresso e
adiantaraento, que estrella cada vez mais os lagos
de sympalhia, e amisade que uera as duas nagoes
mais civilisadas do coniineule Sul-Americano.
Quinta-feira 27 do corrente foi um dia de ju-
bilo para os hahttantes desta cidade. Nesse dia, as
4 horas da tarde, fundeou na Boca del Riacho a
vanguarda da esquadra brasileira, conforme noti-
ciamos aos nosso leitores.
o Sexta-feira 28, s 6 horas da manha, foram
os navios visitados por nossas autoridades e pes-
soas raais notaveis da povoago.
* A esquadra foi mullas vezes delida em seu ca-
rainho por obstculos que foram vencidos gragas a
pericia do seu abalisado e perito chefe, pois o gran-
de calado d'agua de alguns vapores atrazou a mar-
cha dos mesmos.
c Os nomes dos vapores e de seus ebefes sao os
segrales :
c Commandante da 3' divisao da vanguarda da
esquadra brasileira. com a insignia arvorada no
JequitinliQnJta, o Sr. capitao de mar e guerra Jos
Secuudino de Gomensoro ; secretario e ajudanle
de ordens o l tenente Fraucisco Jos de Frailas.
Vapor Jequilinlionha, commandante o capitao
tenette Joaquim Jos Pinto.
Vapor Beberibe, commandante o capitao-tenen-
l\ Bonifacio Joaquim de Sanl'Anna.
Vapor Betmonle, commandante o capito-le-
nenle Luiz Mara Piquet.
c Vapor Iguatemy, tenente 1 lente Justino
Jos de Macedo Coimbra.
t Vapor Meanm, commandante Io tenente EII-
srio Jos Barbosa.
a Vapor Ipiranga, commandaole o Io tenente
Alvaro Agusto de Carvalho.
t Vapor Itajaliy, commandante o Io tenente Tho -
raaz Pudro de Bittancourte Cotrim.
< Vapor Araguahy, commandante o 1 tenente
Antonio Luiz Vun Hoonboltz.
Resta-nos desejar aos valentes marinheiros
brasileiros a gloria de mu breve verera desfoga-
dos os piratas que tentara hoje medir suas torgas
com os nossos aliados, e urna recordagao grata de
ura paz que sympathisa cora o valor, de que era
tantas occasioes lera dado provas, e que possam
ver cumprida felizmente 'a profeca do nosso illus-
tre presidente, langando a ancora dos navios da
esquadra na capital da repblica do Paraguay.
Diz o Diario O/ficial de hontem qoe por cartas
particulares da Boltvia conslava em Buenos-Av-
ies que o general Belz de accordo com o coronel
Prez, chef" militar de La Paz, se apoderara des-
la cidade e ahi levantara a bandeira da repubiiea
contra o governo de Melgarizo, e qoe este alacan-
do-o, retomara a cidade depois de urna sanguino-
lenta peleja as ras, na qual perecern o mesmo
Belz e cerca de 200 homens de seu exercito.
De urna carta escripia a 3 do corrente por um
dos ofliciaes da divisao naval com mandada pelo Sr.
Secundino de Gomensoro, extrahimos e seguinte :
c Temos lido constantemente mullos obstculos
na subida do rio, como urna corrente contrae
muito rpida, e numerosos bancos desconbecidos
at pelos praticos que trazemos. Talvez haja quera
censure a demora da nossa marcha; porm, se
eslivessem aqu, veriam que se tem feto tudo qoan-
to humanamante posslve! para encunar a via-
gem.
Desde o dia 26 do mez passado esleve a bor-
do do Jequitmnonha o ministro do governo legal
de Corrientes, velo da parte do governador Lagra-
na communicar com o chefe acerca das operages
contra o Inimigo coraraum.
c Chegando a Goya desembareou o ministro, e
seguiu por trra aura de encorporar-se ao gover-
nador e participar-lbe que em breve nos adiara-
mos em Bel la-Vista, ponto em une o chefe deve
encontrr-se com o proprio governador.
< Os paraguayos acitara-s a 8 leguas abaixo de
Corrientes, e fortificara um ponto por onde deve-
nios passar ; porm isso nada vale, e nao nos im-
pedir a passagem.
< A torva de Corrientes j tomou a offensiva e
cora ella que vamos entrar em operages.
c O governicho de Corrientes completamente
nullo, e nem 50 homens de guerra conta de seu
lado.
i
j,
V. Ere. jolgar-se autorisado pora urna e outra cou-1 t Logo que chegar a nossa forc, Corrieoles li-
sa, e ne-ta data officio thesouraria de fazenda > cara livre dos invasores.
da"o-'ne' sciencia dessas aotorisagoes. < J estamos em Bella-Vista e em breve quei-
Diz V. Exc. qoe as reclamagSes de armamento e otaremos o primeiro cariucho contra os infames
de fardamenlo sao continuadas e que por isso de- i paraguayos.


(MUTJLfiDD)
^
,


*** 4* na* t- IM5i

PERNAMRUCO.
REYISTA DIUIL
Amanha effectua-se o concert em favor do
distincto rebequista bahiano Francisco Muau Bar-
rete Jnior.
Alm da parte lyrica do espectculo, este n-
ter Miado di? vari as-pega* utanjjticas'bem cscoihl-
das, e que tem sido evidamente apreciadas pelo
nosso publico, que sera duvida concorrer a este
concert atlmde render o preKo da sua admiragao
ao violinista brasileiro, que disto se faz cretlor pe-
lo seo lalent e pericia.
Segundo Boticias vindas do sul pelo Peluse,
foi em direitura a Baha o vapor francez Carnet,
que vai substituir no servigo postal entre o Rio de
Janeiro e o Rio da Prata ao vapor da mesma na-
cionalidade Saintonge ; o qual, de voUa a Europa,
de suppor que toque neste porto qualquer um
' d estes dias.
Das mesroas noticias consta igualmente, que o
Paran sahiria da curte para o norteo dia 29 des-
te mez, da sorte que 50 o teremos aqui de 4 de ju-
nho per dtante; e que o vapor inglez Flamingo,
pue ha pDiico passou para aquerfle lado, fura ao
Rio em tres dias e aJgumas horas- apenas d* via-
em.
Os Voluntarios da Patria em BtrmertJ de 24,
procedentes do Ourcary por va de Alagas, che-
: garam no Persinunga.
> Neste porto loroou o Pelote para a Europa 7
passageiros, osquae elevaram a 197 a lotalidade
paitar
Remetlem-nos o seguinle :
Sr. redactor da Revista Diaria.Queiraense-
rir em sua Revista a seguiute reclamago :
Os moradores de iado oriental do bairro de S.
Jos, comprehendido entre a ra Direita e a de
Santa Rila, esto nadando em aguas pluviaes ; o
quintal do heepieio da Penhae seus contornos, re-
presentara verdadeir* arclupelago, e o que mais
ainda, esse estado ameagador ser smente remo-
vido pelos raio^ do sol, com os enconvenientes que
d'ahi provm, quando poderia se-lo por meio de
-unicjno de esgto de 40 a 6u braga de exten-
3
M
a
3
S
3!
M
I s
2
>
>
o
o
>
OO
si
.55-
Masculino.
tu
Feminino.
>
n
o
Masculino.
Feminino.
n
-i
a
5
en S
a
Masculino.
sao
Feminino.
a
>
<
Masculino.
3
I
S
=
i.
estrangeiros S8--, molheresS; eseravos 49; anterior.Posio ewdiscossiG, rewrfeu-se a re-
cravas 6 ; total 340. i Alimentados custa dos cofres provieciaes 127 flseal respectivo sobre o qne tica etposlo.
~ | Outro do subdelegado < supptenta do districto
da Magdalena, Joao Bernardino Pereira de Brilo,
communfeande aclrarae e ewretef do raesmo
cargo por impedimento do subdelegado; declara
. que prevaleeendose da oceasiao, oforeee o sen
Erestimo em ludo quanto fdr a bem- de servio pu-
( Hco, e do particular da cmara.Inleirada.
i Outro do advogado, communicando o segara-,
te : que a irmandade de S. Pedro erecta nestacida-1
de, int-nton contra a cmara o libello qae remelle
sob D. 1, ao qual se oppdz a contrariedade sob
n. 2, cujas pecas contera a materia do pedido, e da
defezav a irmandade apresentou titulo de dominio,
le a cmara provou a posse immemorial pela serv-
j do que sempre exerceu. Foi proferida a senteo-
: ga da Ia instancia, que julgou procedente o libello
sob o fundamento de que a servido por immeiiu-
rial, que fosse, baria deixado de existir cent a alte-
rado que soffreu oo mudaoga para ootro terre-
no. Que esta seMeoca foi confirmada pela relacao
do districto, sem embargo de alegar-se que a posse
immeraoriai importa titulo, e dispensa sua apre-
sentacao, sendo dispensados os embargos que oppz
na chancejana, vencido sraente o desembargador
coanicio.
i
71
z
O I -
Feminino

m I I
1 I
g Masculino.
Feminino.
lo
i
*
-
I
H. I TOTAL.
81
^
35
PflAC.4 f>0 REaFE.
Cot.if Se ofOcfae.
394t> mato.
Algodlo d% Macei ^f1$00 por arroba poste a
bordo.
Acgee* do novo bao de PeraosbueotOia
Frele do aigodao par* Liwpeoli/i por libra
em pnniagero.
Dubearcq Jnior,
Presidente.
Guiraares,
Sdcretario.
\ovo b.iuf de Pernam-
O banco desnoitaletras na presente semana a
9 por oento ao atino at o prazo de quatro me-
zes, e a 100(0 at o de seis mezes
Caixa filial lo uibco de Brasil cni
reruaioBHeo.
A directora destaeairasaea sobro o banco do
sobre- a caixa' nhal do
dem n. 104 pafculir e 96 publico.. 2283000 Jos de Aquino PonaeM
dem n. IOS particular e 94 publico... 8^000 Jos de Barros Doarte.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Loiz Caeiauo Muoiz Ihrreto Fiilio
Recife 27 de mio de 1863. i Luiz Jos Gouzaga.
O escTtcf,- I Manoel Mximo dos Santo* Torres.
F. A. Gavaleagtf Coosseiro.; Pedro Aulran da Milla Albuquerque.
COMPANHIA.
DO
Peretti. Que mao-Jou interpr o recurso de revis- j Brasil no R"d*Taoro"e
ta, em que nao prosegua por entrarem logo as' mesmo banco na Babia.
ferias, e estando a flodar-se o temuo em que deve! ____
seguir, consulta a cmara se deve ou, nao seguir | Xav* h^awA- da l)i-n'iin!iacn
dita revista, para oque ser necessano fazeras Aa SST* "-----. ESSiiT
despezas do traslado dos autos. ^ Miniuistfidores da massa faltda de m
Posto em discussao, deliberou-se mandar declarar ot s,."**"'P*l?*"i o 1* d-tvideodo de dFia anssa-
ao advogado, que fizesse seguir o curso. n* rarao de 9 O/O sol/rte o valor des tifo**-ad-
Ootro do procurador, remetiendo o balanCeft da |r
receila e despsza da cmara, relativamente ao mez
de Janeiro lindo.A* commissao de polica.
do Trapiche a, 34-.
yoTOIyatrco de PeriranffyHeet.
O-hajico paga o 14* dividendo na razSodeS
dor aego.
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes existeml60, sendo 106
homeus e 54 mulheres.
NSo sabemos porque certos bairros da cidade Asr9m8V'|rti,1*S7ai l^n1"?*/'** e8tes dias :
teem o necessaroe at o superllo, ao passoque D 8' 8 *1*' 7 'l2- 9 'i*. 7 3|,4 8 1|2, pelo
outros sao desherdados de tudo; semelhante desi- s "', Q a i ,
aaldade no propno coragao da capital da nossa nr Sarmpni 9 10, 9' p8,
provincia re*ela o espirit com que se distribue Fallecerarri
juslica em nossa trra. M,nnoi ____..~.. ....
.E'de notar que desde 1854, anao de grande 5?^1,*D^.,B?l210.Xl,r,! he'MI,te-
endiente no rio Capifcaribe, se fz sentir a neces- *,"% p-VS Tf'7 ; P"1^16 Pulmonar,
sidde de providencia para este despresado bairro. 3 X'IVh!"J?,nte cnro.nica-
- Sr. redactor da /Trila-Por mintn parte e I i222f? 22?. KS'!la ; ascit8-
-de iodos quantos transllam pela estrada Magdale- r^l.Je{lJp^- .
a do Monteiro e Beberibe, dou-lbe os devidos i |5S" da GwBW5*>; lofecgao puru-
aaradecimenios pela promplido com que levantou J5 ',,-, ,. A
a sua voz acerca do mo estado de consorvago em i ,non"r10 Cednm dos Sanlos tuoercnlos pil-
que se acha e-=sa via de communicago, pela qual nomtnpi 9SP!i
Se paga avultado pedagio. Emftm vemos que a es- raT^STu.. f' f
tas horas esta se ja esgratando o macadam na al- Clau0d,0.a Mar,a da ^iceigSo tubrculos pulmo-
tura do Msndego, ao manos agora lia alguma espe-
. ranga.
. t No entretanto nao sera' mo que a sua Revis-,
4a grit tambe... contra um outro escndalo. I 'f'/cfA10 "co. -Obituario do dia 29 de
c Na ra do Pires al veja um mar de Herpanha,' 4 "," ," ,.!,??
assoberbando as calcadas das casas; pouco falta 1 An?f1'? d^alL!5_M?',)UC0' 26 anno?. v'uv".
para seren inundadas pelas aguas pluviaes.
t Se a Illma. cmara municipal nao tem dinhei-
nares.
Umbelina Joaquina dos l'rezeres ; tubrculos pul-
manares.
ro para calcar as ras, porque nao manda ao me-
nos abrir vallas lateraes para esgotar as aguas es-
tatuadas, como Ja se fez em algum tempo do fer-
renho dispotismo ?
< Pois nem para tanto chegaro as rendas mu-
nicipaes ?
Nao se d maior mizeria do que presenciar-se
urna cidade cortada de ros e canaes, como a nos-
sa, podendo ser espolada por todos os lados, con-
servar-se encharcada e lamaceoia, depondo horri-
velu.ente contra a nos^a civilisagao, eprovanlo o
noso imuerdea^el deleixo I...
1 Contine, pois, Sr. redactor da Revista a le-
vantar a sua voz em lieiielicio commum. qae Deus
lite ha de pagar, e opovo Ihe ha de agradecer.
Hoje 3 i do correule eleelua se o leilo do6
botes, velas, vergas, sobreselentes e mais pertea-
eesde navios, salvados dabarca iogleza Felisbelkx,
c existentes na alfandega onde tem lugar o leilo.
O agente Olympio em seu grande armazem
itia da Cadeia do llecife n. 36, vender' em leilo
mobis completas, escravos de ambos|os sexos, ri-
C'js quadros e muitos objetos de go Foram maisnomeados para o corpode vo-
kniarios da patria :
Capitao Manoel Rodrigves de Araujo Lima, l-
enles Jos Elias de Me loe G briel Moreira Ran-
.S.uza Ferreira (tabello.
Entrou hontmn de Lisboa por Tamandar, on-
"de esleve encalhado, o brigue portuguez Soberano,
setn grande avaria.
Numerago dos bilhetcs da lotera 18" offe-
recidos pelo thesoureiro das loteras para auxilio
das despezas da guerra.
Inteiros ns. 360, 1647,2720.
Meios ns. 642,850, 1473, 1493, 1711, 1711,
1771, 2534.
Quartos ns. 113, 122, 519,571, 787, 999, 13H,
1*33,1845,1861, 2092, 2879.
Oshilhetes das loteras 11* a 17a produziram
20D5500 rs.
HEPARTICAO DA POLICA :
Extracto das partes dos dias 27,28 e 29 de maio
de 1865.
Foram recolhidos casa de detengo no dia 26
-do corrente:
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio Vi-
cente de Souza Pereira, para correego.
- 28 -
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Cos-
me Jos Caalano e Constantino Liberato, sem de-
clararlo de mot'vo e posto logo em liberdade;
Jumo Honorato, Jos Ignacio de Freilas, Maxi-
cife ; leso cerebral.
Rita Mana do Sacramento, Pernarobuco, 86 an-
nos, viuva. Boa-Vista ; velhice.
l Adriaona Maria da Cdnceigao, Parahyba, 30 an-
uos, solteira, Boa-Vista ; apoplexia.
Umbelina Joaquina dos Prazeres, Pernambuco, 28
anoos, solteira, Boa-Vista ; phtysica-pulmo-
nar.
Alejandrina, Pernambuco, lo das. Sanio Anto-
nio ; dastros.
Luiz, Pemambuco, i mezes, Santo Antonio ; con-
vulsoe?.
Mara, Pernambuco, 10 mezes, Santo Antonio ;
dem. '
Manoel, Pernambuco, 1 hora, escravo, S. Jos:
fraqueza.
Luduvina, frica, 38 anuos, solteira, escrava, Boa-
Vista gastro eoterite.
CASARA IDNldP. DO RECIFE.
SBS6AO BXTRAOttDlfAfttA BM 2"DE FETEREI-
RO DE 1865.
Presidencia do Sr. Peieira Simoes.
Presentes os Srs. Thomaz de Aquino, Gustavo do
Reg, Dr. Miranda, Gosta Monteiro e Santos, fal-
tando com causa os Srs. Dr. Sarment e Silva do
Brasil, e sem ella o Sr. Barros Reg, abre-se a
sessao e lida e approvada a acta da antecedente.
Le-se o seguate
EXPEDIENTE :
m offlcio do Exm. pre-idente da provincia, de
e
.. sua
execugao, e bem assim da proclamaeao pela qual
sao convidados por aquella presidencia es Pernam-
bucanos a se alistaren) nos corpos de voluntarios
da patria, recommenda a cmara que d publc-
dade a essas pecas, invocando para esse flrn todo o
patriotismo della.Poslo em discussao deliberou-se
respooder a S. Exc. que a cmara vai fazer publicar
edltaes ne sentido exposto, e bern asskji que far
qnanto Ihe fr possivel para que o de<=ejo de S
Exc. seja satisfeito.
Outro do mesmo, de 11 do corrente, recomnwn-
dando a cmara que empregue todos os meios no
sentido de coadjuvar ao governo no empenho que
tem de fazer cessar todas as dissengSes amigamen-
te havidas nesta provincia, esperando que seme-
lhante recommendagao genrica para todas as au-
toridades, nao seja atlribuida a desconflanga, mas
somente ao zelo pelo servigo publico, ao de imprimir a todas as molas da administrago urna
direegao justa e uniforme, etc.-Posta em discus-
sao, resolven-se responder a S. Exc. que a cmara
ALFANDEGA.
Rendimento do dia la 29......
dem do dia 30...............
607:7115293
24:86*508
632:5131
MOVIME.NTO DA-ALFBEGA.
Volames entrados com fazendas____ 94
, t com gneros..... 234
Outro do eugenhetro cuedeador, informando
sobro o requerimento, em que Manoel Joaquim
Baptlsta, pede para que Ihe seja concedido fazer
um cano de esgoto qne do quintal de sua casa sita
roa dos.Patos n. 10, va dispejar no cano publico
que se esta constru mo na ra da Roda; diz qae
nada tem a oppr a pretengao do peticionario, posto
que Ihe cumpra observar que, nao sendo o cano da
ra da Roda construido a custa d cmara, nao
parece incito rasoavel qne a mesraa permitt a
particulares que delle se utilisem, todava resolve-
r o que achar mais justo.
Poslo em discussao, resolveu se que o peticiona-
rio requeresse permisso ao governo da provin-
cia.Neste sentido despachou-se a peticao.
Outro do mesmo, informando sobre o que repre-1
sentara o fiscal da Boa-Vista, em offlcio que devolve, \
declara que indo examinar as duas puntes a que
ella se refere, achou que com elfeito ambas preci-
sam de concertos, principalmente a do Maduro,fBirca inglezaLmnbardiaviohos e mais gneros
que se acha mais arruinada que a ouira. Que se Briee ioirlezPnrklide vinhos..
ordenasse ao engenheiro para orgar os coocer-, Escuna hollandeza/li/oiiemercadorias.
los. : Brigue portuguezSoberanomercadorias.
Outro do fiscal da Boa-Vista, communicando que Barca portuguezaS. Joaocharque,
tendo sido incumbido pelo Sr. camarista lente Escuna portuguezaD. J0S0dem,
coronel Feliciano Joaquim dos Santos, de exami-
nar as obras do sourado n. 39, sito a ra da Impe-
ratriz, procurou inforuur-se do seu antecessor, que
Ihe declarou ter representado a cmara sobre dia
O
Nao se tendo reunido numero legal dos
Srs. accionistas para ler lugar a assembla-
geral anminciada para hoje so novam nte
conviadasos mesmos senhores a se reu-
n rem no dia 31 do corrate mez, ao meio
dia, no escriptorio da mesma coropanhia,
afim de examinarem as contas do semestre
rindo, approvar o orcimento do semestre
vindouro, decret o pagamento do 34 di-
videndo e eleger a nova administrago, pe-
veniudo-se que na confornfidade do art. 16
dos estatutos a reuuio ser considerada
completa e funecionar com o numero de
accionistas que comparecerem neste dia.
Escriptor o da Companliia do Beberibe I
26 de maio de 1865.
O secretario,
_______Jos Eustaquio Ferrein Jacobina.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinle :
Para os guardas nacional destarados.
HOO bonetf com virola, seado de panno mi,
cem galo de casinra eicaroada>.
Para a compaohia de cavaliana.
63 bonets.
s
TiiM rito
DE-
EBIPBEZA--0OIMBRA
Quarta^era 31 d maio de
1865.
I31 reeita da asslgaatiira.
Suftira a seena pela .riinda vez neste- theatr
o bello e interessants drama em 5 actos de grande
espectculo
AVIK (FIl U.
DESOMI.VACAO DOS- ACTOS.
Volumes sanidosconfatendasi___
com gneros.....
328
98
87
------- 923
Descarregam no da 31 do corrente.
Brigne hanoveriano Jolmnes farinha de trigo.
tiuwuuuuuttMii. pre.-iaeate da provincia, dr
6 do crreme, acompanhado do decreto n. 3,371 d
7 de Janeiro ultimo, da portara contrnente a sus
miao Ferreira de Carvalho, Pedro Ferreira de conscl* do cumpnmento de seus deveres, nao dei-
xara de corresponder de aecrdo com os inleresses
do municipio que administra, a citada recoramen-
dacao de V. Exc, pols que ella se acha dominada
dos mesmos sentimentos.
Outro da cmara municipal da villa do Bonito,
actusando o da cmara desta cidade, em que Ihe
communicra haver o Exm. Sr. Dr. Antonio Bor-
ges Leal Caslello Branco, tomado posse e prestado
juramento do cargo de presidente desta provincial
no dia 25 de Janeiro ultimo.Inleirada.
Outro doSr. vaciador Antonio Jos Silva do Bra-
sil, dizendo que negocios de importancia o obri-
gam ausentar-se da cmara por alguns das.In>
teirada.
Outro do Dr. delegado deste termo, communi-
cando que no dia 16 do corrente Hzera urna corri-
da em seis tabernas ni paleo da Ribeira de S, Jos
e ra de Santa Rita, tendo sido acompanhado nes
se trabalho pelo Dr. Augusto Carneiro Monteiro da
Silva Santos, sendo que nessa oceasiao consderou
aos donos de taes estabelecimentos, a excepgo de
um, como incursos as disposigdes das posturas de
30 de de junho de 1849, tendo-lhes sido apresen-
lados os conheciraentos do pagamento das respec-
tivas multas, na quantia de 90.
Aln, desses eslabelecimentss foi larabem ao
agougue em companhia do raesmo doutor, que Ihe
declarou achar-se incapaz de continuar exposta
venda 24 libras de carne, pertencente a Bellarmi-
no AI ves de Arocha, o qual mandou deitar fra
considerando o dito Bellarmino incurso no dispos-
to em o art. 22 tit. 4o das posturas de 30 de junho
de 1849.
Roga a cmara que se digne mandar pagar ao
dito medico a reraunerago pecuniaria que tem
elle direito, attendendo ao trabalho e tempo gasto
superior a tres horas.A' commissao de pelicia,
requerimento do Sr. Dr. Miranda.
Outro do mesmo, remetiendo irese termos de in-
Lima, Antonio Barboza dos Santos e Damio Cor-
rea de Lima, para recrutas vindos do Bom Con-
genio.
A' ordem do subdelegado do Recife, Domingos
Soares da Silva e Sebastio Quintiliaoo d. Silva,
por ferimenlos; eLuiz de Picho Branco por furto.
A' ordem do de Santo Antonio, Firmino Jos de
Sai.t'Anna, por furto, e Marta Francisca da Con-
-eeicao, por ferimentos.
A' ordem do de S. Jos, Manoel da Hora do Es-
pirito Santo, por embriaguez.
-28 -
A' ordem do subdelegado do Recife, Maria, es-
-crava de Jos Xavier, por fgida.
A' ordem do de Santo Antonio, Joao, escravo de
Antonio da Costa Soares Guimares, por furto.
A' ordem do de S. Jos, Miguel Joaquim dos An-
jos, Henrique Pereira de Lyra, Herculano Telles
4a Paz^ Bernardino Amanera de Araujo, Ciaudino
Pacheco, Jos Germano Bezerra, Thomaz de Aqui-
no Rodrigues, Manoel Caetano de Souza, Claudia-
no Martina de Mello e Manoel Sotero do Espirito
Santo, todos por jogos prohibidos : Maria dos Pas-
sos Monteiro e Theodoro, africauo lvre, por of-
fensas a moral publica, e Jo5o da Costa por furto
A' ordem do da Capunga, Francisco Romo da
Silva e Manoel Joaquim dos Santos, por fnrtu, e
Manoel Barboza do Nascimento, por furto e armas
prohibidas.
29
A' ordem do Illm. Sr. Dr. ehefe de polica, Ma-
noel Antonio Barbosa, por crime de roub; Fran-
elino dos Santos Araujo, por ferimentos; Anto-
nio Vieira de Souza, por suspeito ; e Ildefonso
Carneiro Marques de Oliveira, sem declarago do
motivo, sendo postos logo em liberdade.
- A' ordem do Dr. delegado da capital, Gabriel
A' ordera do subdelegado do Recife, Jos e Mi-
guel, escravos, este de Antonio Pereira Dias, e
aquello de Mello & Irmo, ambos a.requerimento
de seus respectivos senhores.
A' ordem do de S. Jos, Joaquim Francisco dos
.Santos, por espancameoto; Gnilhermc Jos dos
Santos, por suspeilo da ser escravo ; Jorge da
C 'su, por embriaguez ; Auna Maria da Conceigo
e Fioriiida Maria do Espirito Santo, por distr-
Jiios; Francisco da Rocha, por crime de rapto.
O chefe da 2 secgo,
J. G. de Mesqua.
.Movimento da casa de detengo do dia 27 de
tnaio de 1865.
Exisiiara presos 328, entraram 16, sahiram 9'
tiste- 336 : a saber : nacioaaes 230, estrangei-
ro- 1H, mulheres 3, eslrangeiras 2, escravos 48,
seravas 5 Total 336.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 127.
Casa db DETENgio.Movmento.dodia 28 de
tnaio de 1865.
F.xin exi-tem 340, a saber : oacionaes 251; mulheres*,
obra, pois Ihe pareca estar contra as posturas,
tendo antes determinado ao proprietrio para no
continuar, e fura por elle desobedecido, e acamara
na mesma data Ihe responda que nao embara-
ga te em abrir o seu proprietrio as jancllas;tdiz o
actual fiscal, que a mencionada obra esta visivel-
mente contra as pos uras, Io por ter o seu proprie-
trio procedido o reboco da freute, e feto nova
cornija sem introduzr e cano pela parede; 2 por
que tendo a cmara consentido que se abrissem
janellas no oito, foram abertas ponas ecollocadas
varandas.
Posto era dicussao, resolveu-se que fosse ouvi
da a requerimento do Sr. Dr. Miranda, a commis-
sao de polica.
O Sr. Costa Monteiro, fez o seguinte requerimen-
to, que foi approvado, mandando-se expedir a>
ordens necessarias.
Requeiro que se ordene ao flcal da Boa-Vista,
que faga cumprir as posturas desta illustrissima c-
mara, relativamente as padarias que foram a pouco
construidas na praga da Bja-V'i.-ta, e Cantal
d'Agua: e bem assim a relinagao da ra da linpe-
ralriz.
t Sala das sesses da cmara municipal, 22 de
fevereiro de 1865. Costa Monteiro.
Mandou reinetter a commissao d.i polica urna
peiigao, na qual Joaquim da-Silva Carvalho e ou-'
tros que se empregavam na venda de farinha nos
mercados pblicos desta cidade, replican) do des-
pacho que obliveram em Io do corrente.
A' reqnerimenlo do Sr. Thomaz d'Aquino, man-
dou-se officiar ao medico da cmara para pre--'
tar-se as corridas sanitarias qae hofrvdsntn de fazer
08 (kcaes, ou imiieasse quem lixesso Mas
vezes.
Foram lidas qualro peUgoes, as quaes Antonio
Soares da Cunha Nobre, Jos Azevedo Sraza, Joao
do Prado Cmara Santiago, e Jos Justina de Sou-
za, pedem ser promovidos no lugar de fiscal da
freguezia dos Affogados por ler o actual requerido
do governo a sua aposentadora,e sendo as mesmas
postas em discussao, o Sr. Gustavo do Reg pedo a
palavra, e pondera que achando-se allecia a presi-
dencia, a aposentadora pedida pelo fiscal, nao devia
ser resolvida por ora esta questao, a qual elle ve-
rea-lor requera que fosse adiada al a declsfio da
presidencia.
Os Srs. Dr. Miranda, Santos, e Thomaz d'Aquino,
pensando diversamente do Sr. Gustavo, dizem que
o fiscal, lendo pedido aposentadora, reeonheceu-se
em estado de nao poder continuar no exerccio do
cargo em consequencla de molestia, e que neste
estado de cousas, soffria o servigo publico, sendo
por isso de opnio que fosse dispenso.
Posto a vot is se devia ser dispenso ou nao,
passoo votando contra o Sr. Gustavo do Reg.
Em seguida ileliberou a cmara preeu'.-her a
vaga, e foi nomeado para preencher-la o cidado
Antonio Soares da Cunha Nobre.
Tendo a cmara municipal resolvido contratar a
publlcagao dos trabalhos, e bem assim a impresso I
daquelles que esto a seu cargo, mandou que se !
chamas por ednaes aquelles que quizessem con-'
tratar apresentarem suas propostas em cartas
fechada no pago municipal em o dia I* de margo
futuro.
Sumaca hespanholaMtrceditaidem.
Brigue nacional Canlia idem.
Rrigue nacional innovador -idem.
Barca inglezaNvthnionbacalho.
RECEBEOORIA .DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia t a i)...... 23:0335480
Idem do da 30................ 7705116
21:8035396
MOVIMENTO M PQ&TO
Navios entrados no da 30.
Lisboa-39 dias brigue portuguez Soberano, de 138
toneladas, eapilo Manoel Bernardo Bugiganga,
equpagem 1-1, carga vinho e outro gneros a E.
R. Rabello.
Porto Natal (na costa da frica)44. dias, patacho
inglez Lnzzie, de 172 toneladas, capitn T. E.
Parker, equpagem 9, em lastro; a orden.
Navios stihiilos no mesmo da.
BflhiaEscuna hollandex Spaculantc, capilao Ny-
iand, carga parle da que trouxe de Rolher-
ilarne.
Barbades11 dias, vapor inglez Forito, de 664
toneladas, capilao James.
Ubsrrvardes.
Suspeiideu do lamaro para o Rio de Janeiro o
Irrigue austraco fciria, capil.io Baoorich, com a
inu-nia carga, que trouxe de Trieste.
Apparece a leste una barra haniburgueza.
D2GLE1CGES.
Santa Uasa da Misericordia
do Eecife.
A Illm." junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico qae
da tarde, na
a praga para
H
no dia 1" de junho pelas 4 horas
sala de sitas sessoes continuam a ir
seren arrematadas pelo tempo de 1 a 3 annos
remLu das casas abaixo declaradas.
Os licitantes devem comparecer acompanhados
de seus fiadores ou munidos de cartas destes,
Ra das Larangeiras.
Casa terrea n. o particular e 17 pu-
blico.......... 306*000
Ra do Raogel.
dem n. 6 particular e 36 publico. 300000
Ra de S. Goncalo.
dem n. 11 particular e 24 publico. 1925000
Ra do Rosario da Roa-Vista.
dem n. 14 particular e 58 publicu. 168*000
Ra da Madre de Dos.
Casa terrea n. 26 particular e 22 pu-
blico, ......... 900*000
I de i n u. 27 particular e 20 publico.
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 41 particular e 2 pu
blico..........
Ra da Moeda,
Idem n. 41 particular e 21 publico. .
Ra do Amorlm.
dem n. 48 particular e 56 publico. ,
P-elara.n juramento os doas fi3caea nomeaias Mein u. 49 particular e 34 publico,
na ultima sessao, e o contador; e bem assim o juiz
600*006
150*000
330*000
201 pares de botins.
205 ditos de luvas.
67 mantas de ia.
Para o presidio de Fernando.
1 barril de azeite dore
2 suts sorlidas.
40 colxoes.
40 travestiros.
800 varas brim branco.
Para o corpo de Voluntarios do Cear.
200 mantas de laa.
1 corneta de toque.
Para provimenlo do almoxarifado.
2 foles para laloeiro, tendo 2palmos de dime-
tro.
2tesnoras pmprtas para ofhYina de laloeiro.
2,000 pares de eolxetes preto.
10 caadas azeite de coco. ,
10,000 pregosde balis pequeos.
10,000 ditos cabega de pipa.
10,000 ditos guarnigao grandes
10,090 ditos ripaes da Ierra.
o-arrobas de pregos franceses de 2 1/2 f.olle-
gadas.
oOfechaduras para caixas.
50 pares de dobradices para as mesma?.
50 cadiados de ferro.
As pessoas que quizerein vender ditos artigos
apresentem suas propostas em carta fechada ao
meio da do dia 31 do corrente na sala do conselho.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra 27 de maio de 1865.
O encarregado da escripturaeo
Manoel Jos de Azevedo'Sanios.
Arremataco
Hoje 31 do corrente irao a praca diversos mo-
vis, depois de finda a audiencia da 2o vara, per-
lencentes a Francisco Botelho de AnJrade, por
execugao de Casco & Puntual. Escrivao Bautista.
Pela inspectora de Pernambuco se faz pu-
blico, que porta da mesma, no dia Ia de jonho
a 1 hora da larde.se ha de arrematar, livre de di-
reUos, os segrales objeclos salvados da barca in-
gleza Felisbella, naufragada na barra desta cidade:
1 pequea esca la de duas grades 53 uviites, 20
nvelos de linha de mialhar, 4 pegas de corda e 6
nvelos, 3silvas vidas, 2 pegase 1 pedago de lom
na, 1 cabo de linho bonado, 1 dito de manilh.i, 1
cavila cora 1 pao de sal, 12 vela de sebo, 2 car-
retis, 2 baldes, 1 lampio. 4 canecos de folha, 1
barril e 1 flliradeira, 1 bilacula, 2 ferros e cabo
de portlo, 1 linha o 2 prumos, 1 caixa com boli-
ca, 1 ocio, 1 relogio, 1 barmetro, 2 atraillas de
marar, 4 ampollielas, 1 hacia, 3 clices, 1 bozina,
1 balanga, 1 p, 2 ferros, 17 signaes e bandeiras,
1 colchan, 1 cadeira de brago, : mochos, 2 quei-
jos com 14 libras, 3 presuntos oom 40 ditas, 2: sac-
eos com 3 arrobas de caf, 1 caixa com 14 libras
de cha, 1 dila e 2 flandres com 12 ditas de dito,
24gerrafas com cognac deXeres,2 boioes cora do-
brada em salmora, 1 verga grande, 2 mastareos
jometes, 2 ferros de bolnetes, 1 verga grande, 1
retranca, 2 paos de bajarrooa, 4 vergas juanetes,
1 encharcia em cabo, 1 amarra, 1 ancora, 1 bote
pequeo com 4 remos, i dito maior com 4 ditos,
1 salva-vida de 2 remos.
Alfandesta de Pernambuco 30 de maio de 1863.
Pela subdelegada da Capunga foram preso-
em flagrante e recolhidos casa de detengo Fran-
cisco Ramao da Silva, VImiel J.icome dos Santos
e Manoel Barbosa do Xa-cimento perteucentes
companhia denominadaTiro, aus quaes foi ap-
prehendida u.na caixa con si bao, sublrahida do
carro deconduccao de Joao Jo< de ani'Anna, que
com outros gneros la entregar a Jo? Marques de
Souza.
Subdelegar da Capunga 29 de maio de 1863.
Francisco Antonio da Silva Cavalcanli
*e paz primeiro votado do 4o districto da freguezia
dos Affogados.
Despacharaw-se as petigoes de Aatonio -oares
da Cunha Nobre, Antonio Loureiro de Lemos, Bal-
tar & Oliveira, Felippe de Santiago (2), Jos de
Azevedo Souza, Jos Joatino de Souza, Jos do Pra-
do Cmara de santiago, Joao da Cunha Neves,
Joao Jos da Silveira, Manoel Joaquim R.iptista,
Marcelino Jos Gongalves da Fonle (2), Victorino
Jos Monteiro, e levantou-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario a
snbscrevi.-Pereira Sim5es, pro pres* "ente.Re-
g.Santos.Dr. Miranda.Fonseca.Silva do
Brasil.
P1LICACQES A FEMDO
Agua Florida de Marra y e Lanraan.
Na verdade cousa mais que agradavel o poder-
raos contribuir ou achar um novo e delicado meio
de deleilavel prazer para o genlil e bello sexo.
Lannun e Kemp por sem duvida alguma, con-
segunoesse desejado flm, introduzindo a agua
florida de Murray e Lanman, cujo artigo ha mais
de 20 annos tem sido o constante favorito para o
toucador em toda America hespanhola, ao conheci-
mento das senhoras deste paiz.
Nao sao, pois, as senhoras que o sentem reco-
nhecidas e obrigadas para com aquella firma em-
iracgoes, para que seja promovida judicialmente a | prehendedora, pols que se o artigo em questao ou-
ctoranga das multas respectivas, visto como nao torga e d ao leogode fina cambra um; fragran-
quizeram os infractores pagar independente de pro- cia delicio e summamenie refrigerante, e s fa-
cesso, a importancia das multas, cuja.cifra eleva se
a 190*. A' requerimento do Sr. Dr. Miranda,
mandoa-se remetter commissao de polica.
Iiem n. 50 particular e 52 publico. .
dem n. 52 particular e 15 publica. .
Idem n. 53 particular e 43 publico. .
Hdeot n. 56 particular e 26 publico. .
Ra do Ateite de Peixe.
Uem n. 61 particular e 15 publico. .
dem de um andar n. 62 particular e
18 publico........1:002*000
dem ierres n. 64 particular 2 publi-
co. ... *.......450*000
Ra da Cacimba.
dem n. 66 particular e 12 publico. 144*000
idem n. 67 particular e 10 publico. 83J00O
Ra do Vigano.
Sobrado de 3 anJares n. 71 particular
e 22 publico........800*000
Idem do 2 andares n. 72 particular e
Consulado provincial*
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
que os trinla das uteis marcados para a cobranga
bocea do cofre dos imposlos da decima dos pre-
dios urbanos de 20 0*0 do consumo de agurdente,
e de 5 0|0 sobre os bens de raz perteucentes
corporagoes de mo mora, se principiam a contar
i do dia Io de junho vindouro, Picando sojeitos a
! multa decretada no art. 50 do orgamento vigente,
! todos os que pagarem depois de findos os ditos 30
Vo Vh"io das.
45oSo00 Mesa <1 (,nsu,ad provincial da Pernambuco 29
ioO-3000
430*000
5005000;
72*000 No dia 2 de junho prximo finda a audien
cia do Sr. Dr. juiz municipal da 4" vara, ir a pra
de maio de 1M65.
Antonio Carneiro Machado Ros
Administrador.
430*000 g por venda urna casa com ora sitio no lugar do
Barro Vermelho, pela avaliagao de 3fl0*, a reqoe-
rimento de Dermino Doinlngues dos Santos, inven-
tarame dos bens deixados or Anio da Costa, sen-
do o terreno foreiro. Escrivao Cunha._________
Convida-se as pessoas que estiverem nascon-
digoes do servigo militar, a engajarem-se no corpo
de polica, e gozarem das vantagens que offerece
a lei provincial n. 611 de 2 do crreme.________
Estaro em praga peranle a cmara munici-
pal desta cidade nos dias 27, 29 e 31 do corrente
2? publico; ...... 648*000 os reparos e rncenos de que preclsam os arma-
Ra do Encantamento. zens de depsitos ra do Calabougo, orgados na
Sobrado de 2 andares n. 76 particular quantia de 218 : aquelles que pretenderen) arre-
cil publico........ 839*000! matar deverao cemparecer nos mencionados das
dem idem n. 77 particular e 13 pu- i no pago municipal, as 12 horas da manha.
blico.......... 839*000 i Pago da cmara municipal do Recife 24 de maio
ees urna alvura doce e juvenil, ella igualmente pos-
sue a rara efflcacia e vi nudo de fazer remover a
ardencla causada depois do fazer da barba, as.im
Outro do mesmo dizendo que no proposito em como dissipa o mo gosto depois de se haver goza
qne esta de auxiliar a cmara que por fados vai
mostrando interessarse pelo be estar e commo-
didade de seus municipes, fez seguir a praga da
do a bella fumaga de um charuto.
Devolvida em agua, serve ella de grande provei-
to para a conservago dos denles e gengivas, dan-
farinha nn carga desse producto, para a qual o I do ao paladar um gosto suave e agradavel. Aflm,
c !??5_2?-m,!ma. Procarava comprador, sendo pois, de se poder conseguir o disfrucle de todas
que estranhara rauito quando ao votar a sua or-
denanga, qne acompanhra o almocreve, Ihe de-
clarara que o fiscal se oppuzera a entrada delle
no mencionado logar, o que trazia ao conhecmen-
o da cmara para qne fique inleirada de que ha
tira seu agente, cujo proceder disvirtua seus me-
drares desejos.
Diz mais que nao pode achar motivo para se-
melhante proceder, salvo se bscalo na sua ida
ao agougue onde eslava dito empregado que nao
vio carne corrompida exposta a ven Ja, isto no d
estas vantagens, ndispensavel se torna o possuir-
se a real o preciosa agua florida de Murray e I .'to-
man, e aenhuma outra mais.
Haja o cuidado de se examinar na oceasiao da
compra desta agua, que 03 nomes de Murray e
Lanman, se achem inscriptos sob cada envoltorio,
letreiro o al mesmo gravados no pr^prio vidro
das garrafas e na ausencia dos mesmos, toJa a
mais falsa.
Acha-se venda as pharmacns de Cars &
Barbosa e J. da C. Bravo & C.
352*000
5l'0*000
RuadaSenzala Ve ha.
Sobrado de2 andares n. 78 particular
e 136 publico........
dem idem o. 79 particular e 134 pu-
blico..........
Casa-terrean. 8b particular e 18 pu-
blioo..........2005000
dem-a. 82 particular e 16 publico. 200*000
Ra da Guia.
dem n. 81 particular e 29 publico. 144*000
Roa do Trapiche.
Sobrado de 3 andares o. 85 particular
e 30 publico........720*000
Ra da Lingoeta.
dem de 2 andares n. 86 particular e
14 publico........600*000
Ra da Cruz.
dem idem n. 87 particular e 11 pu-
blico.......... 882*000
dem idem n. 88 particular e 29 publi-
co........... 750*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 92 particular e t03 pu-
blico..........
dem n. 93 particular o 101 publico. .
1 lem n. 94 particular e 99 publico. .
Idem n. 97 particular e 110 publieo.
I lem u. 99 particular e 106 publico. .
dem n. 100 particular e 101 publico.
dem n. 101 particular e 102 publico.
dem n. 102 particular e 100 publico..
Meo. 103particular e9% publica..
I de 1865.
Luiz Jos Pereira Simoes
Pro-presidente.
Francisco Canuto d Boaviagem
Secretario.
Crrelo.
Pela administrago do crrelo se faz publico qae
hoje 31 do corrente fechar-se-hao malas para os-
portos do sul at Macelo, as quaes lem de ser coa-
duzidas pelo vapor costeiro Mamanguape.
~GOEtL~
Relagao das cartas spfiirts rindas dn sol peto
vapor francez Pelase para os senhore s&aho
declarados:
Abren 4 Veras.
Augusto Pedro Gongalves da Silva.
Conselheiro Antonio Ignacio de Aiovedo.
: Alferes Antonio Soriaoo do Reg Barros (2).
Antonio Rodrigues Pinto.
Bernardino Jos da Silva Maia.
200*000 Carboniano de Aquino Fonsera.
200*000' Caries Miguel Isaacson.
255*000 Caetano Pinto de Veras.
228*000, Franeisoo Aatonio de Abreu Perira.
228SOOO, Herculano Mainart Franco.
228*000 Henriqueta Marganda do Nascimento.
328*000 Joaquim Gibson de Mesquita.
228*009 Joaquim Ignacio Ribeiro.
228*000 Dr. Joao Vai de Carvalho Sodr.
A oragao da familia.
Oladrao- aojogo.
A cestinne de nupcias.
O perdi dft fHha.
Reparagae-f morte.
ACTOHES. .
Amoedo.
Lisboa.
Porto.
AXlgBStO.
Guimares.
Santa Rosa.
Pinto.
Bernardino.
BOMQfc
D. Eugenia.
D. Leopoldina.
1). Isabel.
D. Jesuina
Io acto ___
* dito.....
3o dito.....
4o dito.....
5 dito.....
PEHSOSAfiENS.
I Andr Gerard, artista grnvador..
iThuphene....................
| Morand, general reformado.......
Henrique, seu filho..........
O doutor........................
Simao, mercader de gravuras___
Rechibourg....................
Goenerson......................
Varec........................
Tournn-........................ Manhoasa.
Jos, criado.................... F.u-ibo.
Cartas, lilira de Andr, 10 annos.. Jos.
Valentina, lilha de Andr 6 annos. X V.
Marganda, lilha de Andr...
I.niza, multar do general.....
Marcella, mulher de Andr.......
Rosa( criada particular de Luiza.
A scena passa se em P.ris em 1844.
Dar fim ao espectculo a interessante comedia
em 1 acto
ms wtmmM&m
Principiar s 8 horas.
Wfcefrf C^n'AOriIflUtTrr.
KM BENEFICIO DO VIOLINISTA BRXSILKIRO
Francisco Jlmii tinrreto Jnior.
Priaeira parte.
A Iin4a comedia em um acto
mTmms.
Sr i] linda parle.
Grande phantasia pelo beoeficiado sobra moti-
vos da opera
FILMA DO HKIRIMt
Terceira parte.
A chistosa comedia em 1 acto, intitulada
MS TENTACES.
a
Tomara parte nesta comedia as *ras. D Euge-
nia, D.'Camilla, i), Jesuiua e os Sis. Teixeira e
Piulo.
Qtiarla parle.
Grande phanthasia pelo beneficiado sobre moti-
vos da opera
ASmk koi,i<:Vi.
QiiinU parte.
Grande scena dramatioa pe o actor Amoedo en
carcter de marinheiro cega
Cerra^ito ao mar.
Sexta parle.
Variagoes burlescas pelo beneficiado sobre o
motivo da opera
CARNAVAL DE VENIZA.
Setina e ultima parle.
O applaudido duelo cantado pela Sr.1 D. Euge-
nia e o Sr. Lisboa.
0 ESTITOTE E A LlYADEIttL
Comegar s 8 horas.
O resto dos bilhetes acham-se a dsposicSo do
publico no escriptorio do llicatro.
UM
vctima
ggg martimos.
COMPANHIA BiASILEIRA
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperad
at o dia 31 do corrente o vap.
Tocanlins, commandante o pr-
meiro lenle Pedro Hlsppoli
Duarle, o qual depois da demo-
do costume seguir pora os a nos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
carga que o vapor poder conduzir, a qual devt
ser embarcada no dia de sua chegada, encom
mendas e dinheiro a frete al o dia da sabida a
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio d
Antogio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCa;A
DE
Vivegiv costeira pos vapor.
Acarac e Granja.
O vapor Piu-iilii/ln, segu para
os dous porlos indicados no dia
2 de junho as 4 horas da larde.
Recebe carga al dia Io, eneom-
mendas, passageiros e dinheiro
a frele ate as 2" hars da tarde do da da saluda :
escriptorio. no Forte do Mallo, o. t.
COMPANHIA PBHfMMORAirft
DB
Xaveg-dcao costeir |mw vapor.
Vacei e esnbs.
Segu no dia 31 do ccrrenius
5 horas da tarde para os ortos-
do sul o uapor Jf(irarif/ii(iF^com-
mandaote Moura. Recebe carga,
at o dia.30*; passageiros,encoiu--
mendas e dinheiro a frete at as 2 horas da tarde;
eeriptorio no Forte da. !tfr>ttos n. 1.___________
~Par Ri de Jwreifft.
Pretende seguir co/n rnwrw brevidaJa o palha-
bote Piedath, tem pane do seu carregameuto a
bordo, para o resto que Ihe falta e escravos a fre-
te para os quaes tem excellentes com modos, tra-
ta-se eom os sens coasignaiarios Aatonio Luiz de
Oliveira Azewdo & C, no seu eseiiptono ra da
Cruz n. 1.
c$mamia muau
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sul
al o din 31 do crrenie, o vapor
Parow, commandaBle o capilao
de fragala Antonio J laquim de
Saua larbara, o qu I dopois da
demora do costume seguir' para os portos du
norte.
Desdej recebera se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
serejmbarcada oo dia de sua chjwda, enco-mmen-
das i: dinheiro a frete al o dia d i sabida as 2 -ho-
ras da tarde : agencia roa da Cruz u. I, escripto-
rio de Antonio Luiz di Oliveira Azevedo & C
MLHOR EXEMPLR ENCONTRADO


>-
V -- ^MN|r*^
v


/
Mario de rernambnco .-- t|a* a
.->.
para iisboa ~N
Vat sahir breve o brigue portuguez Lea II. ca-
dito A. F. Vieira, recebe carga e passageiros; tra-
lase com o consignatario E. R. Rabello, ra do
Trapiche n.44.__________ __________
Vende se o veleiro e bem conhecido patacho
nacional Palma, de lote de 222 lonelladas, cons-
truido em 1861: a tratar com os consiguaunos
Henry Forster & C, rna do Trapiche n. 8.______
Cear e^Maranhao
Segu com brevidade o hiate nacional Lindo Pa-
quete, capito Joao Jos dos Queijos Jnior : para
alguma carga que ainda pode admetttr, Iraia-se
com Antonio de Almeida Gomes, ra da Cruz n.
23, escriptorio.
COMPANH1aPERNAMBUCANA
DE
ftavegaeo costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty e
Cear.
Segu o vapor Pemnunga,
commandante Hales, no dia 7 de
junho prximo. Recebe carga
at o dia 6; encoramendas, pas-
______ sageiros e dinbeiro a frete at o
da da sabida as horas da tarde : escriptorio no
Forte do Mattos n. 1._______
Har
Est carga o brigue escuna nacional Graciosu
capito Jacintho Annes da Costa, consignatario
Antonio de Almeida Gomes, ra da Cruz n. 23,
pnmeiro andar. ^^
Para a Bahia
pretende sahir com muita brevidade a veleira es-
cuna Elxza por ter a maior parte da carga, e para
o resto que Ihes falla tratase com o consignatario
Joaquim Jos Goncalves Beltrao na ra do Vigario
n. 10, primeiro andar.
LEILAO
De ama porcao le metale cabe velho.
Em um s lote.
Sexta-felra de junho
as ti horas no caes do Apollo armazem do Exm.
baro do Livramento.
OLYMPIO,
Atteneao.
Precisase de urna muiher de idade e honesta
para casa de pouca familia, dndose a comida e
roupa : na ru* das Crnzes n. 37, primeiro andar.
Precisa se alugar urna ama que seja escrava
para o servico de casa de pouca familia : na ra
pa Impera trie n. 17. ____________________
Precisa-se de urna ama para engommar e co-
ser, para urna casa de duas pessoas : na ra da
Imperatriz n. 34, primeiro andar.
LEILuES.
gTransfercacia do leilo de mobilia.
Para quarta-fei a 31 do correte.
Em consequencia do mo lempo nao pude ser
effectuado o leilo do Rvm. Sr. C. A. Austin an-
nunciado para sexta fera por enjo motivo fica
transiendo para quarla-feira 31 do corrente na
ra do Hospicio n. 26, as 11 horas da manhaa as-
-imcomoo cav.,llo tambem annnneiido. ___
LEILOES
Todas as semanas
No srande armazem do agente
OLYMPIO*
por ordem de A. S Jacobsem capito do brigue
escuna hamburguez iHamburg Packet, arribado
neste porto com agua aberta, vender em leilo
no dia, hora e lugar cima urna porgan de metal e
cabo velho por conla e risco de quem pertencer
em presenca dolllm. Sr. cnsul interino de Ham-
burgo coinautorisagao do lllm. Sr. inspector da
alfandega._______________
Leilao de escravos e divida*.
Cordelro SlnSes
por conta e ordem do liquidatario da casa com-
mercial de Antonio Joaquim de Mello, vender' em
leilo os escravos seguinies: Antonia, crioola, de
35 annos de idade ; Jos, de nacao, idade 30 an-
nos ; Luiz, de naco, idade 30 annos, assim como
as dividas activas na importancia de 18:152,5674
rs. em letras e coalas de livros, e outro debito dos
herdeiros de Jo< Fernandes da Cruz na impor-
j tancia de 1:6435, a re I a cao de referidas dividas
i so acham em poder do mesmo agente a exame de
jquem pretender, cujo leilo sera' effectuado
Sexta-feira 2 de jnnho
as 11 horas a porta do armazem do Sr. Annes lar-
go da alfandega.__________________________
Leilo le a a acedes da com pa-
nul* Pernambucana.
Sexta-feira 2 de junho.
O agente Pinto fara' leilo por conta e risco de
quem pertencer de 25 aec5es da Companhia Per-
nambucana, as II horas do dia cima dito a por-
ta da Assooiaco Commercial.
Leilao
Da parte de urna casa na Parahiba a ra das
Convertidas n. 15, em que existe um es-
taneleciraento, avaliado lodo predio em
2:000,$, e cuja parte em 7070303 rs.,
como tambem os alugueis de cerca de 2
a 3 annos
Terca-feira 20 de junho as 11 horas.
Cordeiro Simdes
authorisailo pelo liquidatario da casa commercial
de Antonio Joaquim de Mello, far leilo da parte
e alugueis do predio cima descripto podendo des-
de j safisazer aos pretendentes todo esclareci-
menlo, cujo leilao sera effectuado no dia e hora
cima dito a porta de armazem do Sr. Annes lar-
go da alfandega.
O bacharel Joo Franklin da Silveira Tavora
advoga no escriptorio do Dr. J. de Campos, praca
de Pedro II n. 2.
.>-Rna da Cadcla do ttecife-36
LLAO
Das velas, vergas, imsiarns, cabos,
moites, signaes, ? ga IJiPS,de*Eeirv
lona,We':'\' barmetro, sobre-
celcates e mais objectos da barga
ingleza iFetisbellaj, assim como 2
botes e 1 salva-vida.
IIOJE
."Va alfandega armazem n. 11
Jorge Milne, capito da barca ingleza Felisbel-
la, naufragada por forga maior ao entrar da bar
ra neste porto, far leilo com licenca do inspec-
tor da alfandega com a presenta de um emprega-
do da mesma reparlico para o fim nomeado, com
aut orisago e assislencia do cnsul de S. M. Bri-
tannica, por intervengao do agente Pinto e por con-
ta e risco de quem pertencer, de todos os objectos
cima mencionados, salvados da referida barca e
exisicnte na alfandega armazem n. 11, aonrfe se
efectuar o leilao as 10 horas do dia cima dito.
lil ILIO
De urna canoa de carreira que pega 10 pes-
soas e um batel que carrega de 30!) a
40 j f ixesde capim.
IIOJC.
Ao meio dia.
O agente Pinto far leilao a requerimento do
inventriante dos bens deixados pela finada D.
Francisca Mara de Carvalho S e Oliveira, e por
despacho do lllm. Sr. Dr .juiz municipal da pri-
meira vara, dos objectos cima mencionados per- AnproVado pelo Exm. Sr. presidente.
teneentesao mesmo inventario, o leilao sera enec- r *
tuado ao meio da do da cima dito no trapiche 3000 bilheles a 10^000............30:000,5000
da alfandega, por Wcasio da venda dos salvados Beneficio, sello e commissao 24 0|0.. 7:200,5000
da barca ingleza Felisbella
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
caixas Bliaes : na praca da Independencia n. 22,
Duarte & C. estabelecidos no largo do Car-
ino, ra do Queimado e Imperador, pedam a todos
os seus freguezes que se acbam devendo, o favor
de mandarem pagir at o dia 15 de junho vindou-
ro,e Sudoeste prasopublicaremos seus nomes por
extenso, e se assim nao Bzerem mandaremos co-
brar judicialmente sem excepeo de pessoa.
Precisa-se de um bom caxeiro ou officlal de
blica que queira ir para fra da cidade, por or-
denado, ou como interessado: a fallar na ra lar-
ga do Rosario n. 3i, botica. __________
Luiz Ferreira de Almeida e Francisco
de Azevedo Andrade, fazem sciente ao respeitavel
publico e com especialidade ao corno do commer-
co que nesla data dissolveram amigavelmente a
sociedade que linham na taberna n. 13 do largo do
Carmo, que girava ob a razao social de Almeida &
Andrade, cuja tirma lica extincta, pertencendo o
estabelecimento de hoje em diante ao ex-socio An-
drade, e sahindo o ex-socio Almeida pago e satis-
fe i lo da importancia de seu capital e lucros. Os
annunclantes juleam nada dever da extincta firma,
mas se alguem se julgar credor tenha a bondade
de apresentar sua conta no prazo de tres dias na
reforida taberna.
Recife, 26 de maio de 1865.
Luiz Ferreira de Almeida.
Francisco de Azevedo Andrade.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra Im
perial, sobrado n. 87. __________ .
CASA DA FORTUNA.
Aos 10:0000000.
Cavallos tetados.
Furlaram do engenho Papic, comarca de Naza
retb, da estribara de Antonio de Barros Lima, na \
\ noite de 21 para 22 do corrente, dous cavallos. um !
rugo rodado, de meio, de 7 a 8 annoj, bem feilo,.
inteiro.arrastaos casresdos ps quando anda e cor-1
tase as mos quando est minio trabalhado, tan-!
to que tem as marcas, s anda xoto, e lerdo; o
outro ruco vermelho, pequeo, bem feito, o es
pinhaeo um pouco baixo, lera urna roarqujnha de
cangaiha no quadril esquerdo, tanto que os cabel-
los que nascem neste lugar sao em p,, e a costella
minima deste mesmo lado esqnerdo mais longe
sortes de 10, 40,5, 20 e| do quadril que a direila, estradero baixo, estra-
i da de dous, e as vezes corta a estrada, e tambem
VEID1S.
Bilhetes garantidos.
A' ra doCrbspo n. 23 E casas do costume.
O abaixo assignado vendeu nos seas rouito fli-
tes bilhetes garantidosda lotera qne se acaben
de extrahir, a beneficio da igreja de Nossa Senho-
ra da Boa-viagcm, os seguinles premios :
Um quarto n. 33 com a sorte de 6:0002000.
Um quarto n. 703 com a sorte de 1:2005000.
Um meio n. 591 com a sorte de 4005000.
E outras muitas
10J>000.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivospremios sernos desconlosdas leisna Casa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 5* parte da 1* lotera
(18') beneficio da Santa Casa de Misericordia
para canalisa^o d'agua e gaz no hospital Pedro
II, que se extrahir a 6 de junho.
PREGO.
Bilhetes.....125000
Meios
Vendem-se slalos a 60 rs. a duzia : na ra
da Palma n.41, laberna.____________________
Vende-se o patacho nacional Eurico, cliega-
do ltimamente do Rio Grande do Sal, o qual se
acha bem prompto a navegar : trata-se na ra do
Trapiche n. 4.
inteiro, e tem ambos e^te ferroLABno quarto
direito ; furlaram tambem urna sella e freio da
mesma estribara,ludo em bom estado e condnziram :
nos mesmos cavallos : pede-se, portanto, as auto- I
ridads policiaes e as pessoas a quem forera offj-
recidos os referidos cavallos a apprehensao dos
mesmos, e levarem ao referido engenho, qua seo
recompensados.___________________
Precisa-so alugar una ama que seja escrava
para o servico de casa de pouca familia : na ra
Quartos.....3*?00aMA Para as pessoas que comprarem de 100000 N> rQ> da Cfm n 3 existe nma cam para
para cima. i a gra. D. Anna Francisca de Paula Botelho, que
Bilhetes.....115000 se ignora sua residencia, e que podera ser procu-
Meios. ...... 35500 rada.
Quartos.....25750
Manoel Martins Fiuza.
Criado.
Prerisa-se de um criado forro
ou escravo para
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA
Aos 10,O00\s000 e 2,000$000.
Tr^a-feira 6 de junho do corrente an-
no, se exlrabir pelo novo plano abaixo pu-
blicado, a 5a parte da Ia lotera (18a) a
beneficio da Santa Casa de Misericordia,
para canalisaco d'agua e gaz no hospital
Pedro II, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilbetes.meios e quartos esto a ven-
da narespectivathesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de 10.000,5000 at 20#000
serao pagos urna hora depois da extraeco
at as i horas da tarde, e os outros depois
da distribuieao das listas.
As encommendas s rao guardadas se-
ment at a noite da vespera da extraccSo
como de costume.
PLANO
Para as
Na ra da Aurora casa n. 38, precisa-
s de urna ama de leite: a tratar na mes-
ma casa a qualquer hora do dia.
Precisa-se de urna criada para comprar e
cozinbar : na ra do Torres n. 14, segundo andar.
Precisa se de um borleao que saiba tratar de
larangeiras etc. em um engenho distante 4 leguas
da cidade do Recife : a tratar na ra da Aurora
n. 28.
Quera annunciou precisar de urna senhora
para administrar urna casa de pou a familia di-
rija-se a ra da Gloria n. 6, que achara com quem
tratar._____________________________
^1 luyase
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, urna a em que morou o fallecido Thomaz de
Aquino Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
1 do todas as accommodacoes precisas, e outra com
boas commodidades para qualquer familia : na
; ra do Vigario n. 19, primeiro andar._________
Aluga-se a cxcellente casa terrea n. 20, sita
' na ra da Florentina, a qual tem commodos para
urna grande familia morar muito a sua vontade,
! assim como um grande quintal com parreiral, mui-
to boa agua para gasto, etc. : a tratar na ra do
1 Hospicio n. 50.__________________________
Alagara-se dous grandes sobrados cora com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara e oulras commo-
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira :
1 a tratar na roa da Senzala Nova n. 42.
O bacharel Lourengo Avelino de Albu-
querque Mello continua a ter seu escrip-
torio de advogado nos auditorios e tribu-
naes desta cidade : na ra do fmperader
n. 40.
Estrada de ierro do Kecite a anaar pe| mat pm uma pp5soa < pp-s
j-ioi.iuv.iau.x^iiv^ vxv wnv i* ; era cobrar dividas, cujo irabalho de criado sera
S FPflTlP/lSfiO cuidar no tratameoto de dous cavallos, paga-se
u. x i ttuwisw. i bem na rna d0 n: Al IMO. Precisa-se na ruada Calcada n. 10, pnmeiro
O superintendente interino desta estrada de fer- andar, do quem cozinhe e engomme.
ro, tem a honra de chamar a altencao dos Srs. es- j
peditores e recebedores de mercaduras, para os se-:
guintes artigos das 'larifas e Instruc^ocs, ofBcial-
mente reconhecidas como regulamento para os
transportes desta estrada de ferro, dos quaes se v :
que a companhia nao responsavel por perdas ou j
avarias de gneros dixados em seus armazens.
. Art. 35. Os objectos cujo transporte se effec-
tuar pela tarifa n. 2 tem direito a uma demora de
24 horas na estagao da cidade e de seis dias as do
exterior por conta e risco de quem pertencer.
Fin-'
Vende-se esta linda colleccao de sortes,
reunidas em um pequeo volume, com 25
assumptos, e mais 59 novas charadas, pelo
diminuto preco de 1# cada exemplar enca-
dernado : na praca da Independencia ns. 6
e 8^________________________________
Vende-se caixes vazios proprios pa-
ra bahuleiros, e funileiros, a 2$00O cada
um : e para as pessoas que comprarem do
i para cima 10800, nesta typographia.
Na ra do Queimado, loja de ferragens n. 4
eende-se muito em conta um par de venezianas.
Vinho superior em caxas de uma duzia :
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1,
Farinha de mandioca : tem para vender Aa
tonlo Luiz do Oliveira Azevedo & C, no sea es-
criptorio ra da Cruz u. 1. _______ _
Vende-se vinho de caj a 500 rs. a garrafa ;
na ra Augusta n. 76.
Vende-se um carro americano do 4 rodas,
em bom estado, e com arreios : quem o quizar
comprar, enicuda-se na ra da Imperatriz com Os-
ear Destibaux.___________________________
PR0PR10 PAR! SENHORA.
Vende-se um excellente cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheira do Paulino, rua de Santo Amaro.
do que seja o prazo Dxado pagaro a seguinte ar-
mazenagem por arroba e por dia.
. Pelos primeros 10 dias, 30 ris.
. De 10 a 30 dias, 50 ris.
. De 30 a 90 dias, 100 res. y
t Di'corrido este termo deverao elles ser retira-
das, e do contrario proceder a administracao na
forma dos arls. 63 e 6o do regulamento de 26 de
abril 1857.
. Arl. 40. As mercadorias cujo transporte se
! effectuar pela tarifa n. 3 tem direito a uma demora
' de tres dias na estacao da cidade e oito dias as
do interior, findos os quaes pagarao 200 rs. por to-
nelada e por dia de demora. A eompanhia em taes
casos nao responde pelos extravos ou dainos.
Por um offlcio do Sr. engenheiro fiscal interino
Extremamente penalisado pelo fa'.lecimen-
to do mea compadre e milito especial amigo
o tenente-coronel Manoel Florencio Alves de
Moraes, pretendo fazer celebrar por sua al-
ma uma missa no da 2 de junho pelas 7
horas da manhaa na matriz da Boa-Vista :
rogo portanto aos meus amigos e aos do fi-
nado o candoso obsequio de assistirem a esse
aclo de piedade pelo qual Ihes ficarei cor-
dialmente agradecido.
Jos dos Anjos Vieira de Amorim.
Attenco
Atlcma
Na noite do dia 2o para 26 do mez de raaio lu-
decidide-'que se g' d engenho Jundi da Escada o escravo criou-
nao se deve permittir a continuagao do abuso, que: lo de nome Alexandre idade de 20 annos, pouco
o nrntiea em varias esiacoes de eniresar gneros I ma's ou min0?. cor Prela> denles al70S> eslat
Vendem-se estalos para sortes de Santo Antonio
e S. Joao a 60 rs. a duzia : na livraria universal
ra do Imperador n. 54.____________________
Vende-se um escravo do nacao ainda mogo :
a tratar na ra da Lingoeta n. 4. ____
Vendem-se sanguesugas de superior qualida-
de, em caixas ou a retalho, a vontade do compra-
dor, o por preco mu razoavel; na botica franceza
de Ciors Barbosa, ra da Cruz n. 22.
Vendem-se as superiores te-
souras de Guimaraes.
Para unhas. costuras, cortes de fazendas e ca-
bello : na loja de ferragens na ra da Cadeia do
Recife n. 44 ; e assim como fio de algoaao da rnars
acreditada fabrica da Babia, por precos commodos.
la""por" d^e^loV s7raaas"fnTe'r"a"sera de7-1 C* jW5 dnen HSt^ Sant An-ti' G ]
1 pacho ; e que desta data em diante ser cobrada tentn alistar-se no batalhao
partes
Aos
capiaes de navios
Leilo
De botes, canoas, batel, velas, vergas, cabos, en-
charolas, moitoes, cadeiras, lona, oculo, oltan-
tes, sobrecellentes e mais pertences de navios.
HOJE 31 DE MAIO NA ALFANDEGA.
Por intervencao do agente Pinto.
Leilao
De um grande sitio na estrada do Ro-
sarinlio.
Martins far leilo precedida a competente au-
)risaco do melhor sitio na estrada do Bosarinho,
>m immensas frueteiras de todas as qualidades,
ma grande capoeira onde se encontram madeiras
3 qualidades, boa baixa para capim, grande casa
n ponto alto e a moderna, contendo 6 salas, 4
artos, copiar, cosinha fora, estribara para_3 ca-
lilos, finalmente urna excellente acquisigao pa-
a quem quizer morar fora da cidade.
Quinta-feira 1o de junho.
O leilo terlugar a ruada Cadeia n. 9, pri-
neiro andar, as 11 horas.
Leilo de IOO eaixas com cer
veja.
Quinta-feira t de junho.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem pertencer de 100 caixas com cerveja de
1 Premio de........ 10:0005000
1 Dito de.......... 2:0003000
i Dito de........... 8003000
1 Dito de.......... 4003000
1003000 6003000
40-5000 4803000
203000 4803000
103000 80403000
-------------22:8003000
6 Ditos de
12 Ditos de
2i Ditos de
804 Ditos de
850 Premios.
2150 Brancos.
Consultorio medieo-eirnrgieo na rna larga do
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exercicio de sua proflsso nao
s na parte medica como tambera na cirurgica.
Precisa-se de uma senhora nacional ou es-
trangeira para an de meninos, e capaz de, na
ausencia da dona da casa, se encarregar da ge-
rencia domestica. para casa de familia, que
paga e traa bem : na ra da Imperatriz, sobrado
n, 15, primeiro anda.
...i wmwm wmmmi
Precisa-se de uma muiher de ineia ida- j|
de para casa de pouca familia, que saiba s
cosinhare engommar : na ra das Cru- aa
zes n. 37. Jg
1 -......=*ooo. mmmm&mm mm mmmmm
Pede-se ao Sr. Jos Comes Silverio (de Santo
Anlo) o favor de apparecer na ra do Queimado,
casa n. 7.__________
O abaixo assignado, thesoureiro da
associaco protectora das familias dos vo-
luntarios da patria, comeca a pagar, no dia
Io de junho prximo futuro, em c^sa de
sua residencia, pnmeiro andar do sobrado
n. 24 do largo do .Livramento, das 6 as 9
horas da manhaa, e em vista das notas de
matriculas que Ihe forem api ese'ntadas, as
mensalidades a que para com as mesmas
familias est obrigadaa mencionada associa-1
cao. Recife, 26 de maio de 186o.
Luiz Jos Pereira Simes.
Os abaixo assignados declarara ao publico e
especialmente ao corpo do comraercio, que desde
o dia 17 do corrente se acha dlssolvida a socieda-
de que tinham no armazem de molhades denomi-
nado Pharol,sito na ra do Rangel n. 73, que gy
rava sob a razo social Je Castro & Lima, ficando
a cargo do ex-socio Castro a responsabilidade odtu
liquidago do activo e passivo da predicta flref
Recife 24 de maio de 1865.
Jos de Castro Redondo.
Joao de Almeida Lima.
armazenagem de taes gneros assim deixados 24
i horas depois de recebidos as estacSes de accordo
com a tarifa, pela qual se effectuar o seu transpor-
! te, e de conformidade com os presos taxados pelos
, artigos cima transcriptos.
Em virtude do offlcio citado foi tambem resol-
: vido que os cascos vazios flquem sujeitos a arma-
zenagem, se nao forem despachados dentro de 24
horas depois de serem recebidos na estacao espe-
ditora, ou nao forem retirados da estagao da clda-
I de depois de chegados. Este prazo ser de seis dias
! as estacoes do interior quando estas forem as do
destino de taes objectos, como dispoem os arts. 35
e 40 citados.
1 Tendo a companhia estabelecido o telegrapho
1 elctrico especialmente para o seu servico e o do
. governo se obriga someole a estender o seu uzo ao
publico em geral sob a condicao de nao ser respon-
, savel por daino algum ou prejuizo, que possa oc-
j correr na transmisso de qualquer aviso ; entre-
! tanto a administracao tomar todo o cuidado nao;
sopara'que esta como qualquer outra de suas re-j
particoes desempenhem seus deveres satisfactoria-
mente para com o publico.
Do 1 do junho prximo vndouro em diante a
estacao lelegraphica de Aripib ser supprimida.! prtcisa-se de uma ama para todo o
Villa do Cabo, 29 de maio de 1865. I de uma casa : na ra do Livraraenio n.
G. 0. Mann, engenheiro e superintendente interino, i gnnij0 an(]ar.
~Auga-se uma sala do primeiro andar da ra
do Queimado n. 41 : a tratar na mesma.
de voluntarios ; as-
sim pede-se as autoridades policiaes e aos capi-
tes de campo a captura do mesmo escravo, e a
sua entrega nesta cidade ao Sr. Albino Ferreira
da Cuaha, casa da esquina da ra de Hortas para
o pateo de S. Pedro, ou no mesmo engenho Jundi
aoseu senhor Manoel Antonio Das.___________
O abaixo assignado declara ao publico e es-
pecialmente ao corpo dj commerco, que nesta data
vendeu ao Sr. Jos Lopes Alheiro os seus eslabe-
lecimentos de molhados, sitos na ra da Impera-
triz n. 42 e roa da Conceieao n. 6, ficando a cargo
do mesmo Sr. a liquidaco do activo e passivo dos
mesmos estabelecimentos.
Manoel Joaquim Moreira.
Precisa-se ae uma criada forra ou escrava
para engommar e fazer mais algum servico em
casa de pouca familia : na ra das Cruzes n. 22,
Attenco.
Vendem-se sortes para Santo Antonio e S. Joao
a 33500 o cento, tambem d-se de veudagem a 80
rs. por pataca : na ra da Palma n. 41, taberna.
Vende-se
' segundo andar.
ma
Precisa-se de uma ama, preferindo-se escrava,
para comprar e cozinhar em casa de homem sol-
toiro : na rna do Queimado n. 40, loja.
servico
20, se-
3000 Bilhetes.
N. B. Os premios maiores de 4003000 estao su-
geilos ao descont da lei provincial, e os maiores
de 1:0003000 ao da lei geral.
Thesouraria das loteras 11 de maio de 1865-
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Manaei Lipes da Silva retira-se para fra do
imperio.
ATTENQUO.
Na rna do Pilar n. 125 lava-so e engomma-se
com perfeigo, por prego coromodo.
Precisa-se de um bom Cdzinheiro, prefere-se
captivo : na ra do Crespo n. 4.
O capito Porfirio, commandante de cavalla-
marca acreditada em um ou mais lotes a vontade:! ria, perdea hontem 29 urna carteira, ao sahir do
quinta-feira 1- de junho as 10 horas da manhaa no quartel as 2 horas da tarde at sua casa, junto da
armazem do Sr. Azevedo defroote da escadioha da! fundigo do Starr ra da Aurora. A mesma
alfandega. carteira eontinha 253 em dinheiro, certos lapeis
----------------__ _, j que s podem servir ao seu dono, e mais um bi-
TE*B A fc Hiele de loteria da corle : quem a tiver achado e
4BaMKjim^F i quizer restituir a seu dono, ser generosamente
De movis c outros olijectos de gosto.: gratificado
Quinta fetra 1" de jnnho.
Cordeiro Simes far leilo per conla de diver-
sos de todos os movis existentes no seu arma-
zem a' ra da Cruz n. 57, os quaes vender" pelo
maior pregD ao correr do martello afim de fechar
cuntas de venda do mez de raaio. Dar' principio
o leilo as 11 horas.
O mesmo agente roga a todos seus commilentes
e amigo", o;fa.vor de virem receber qualquer con-
ta que tenha lio referido armazem.
jLelio de fazendas liuipas e ava-
rladas.
Quinta-feira de junho as 10 horas em ponto, i
O afete Pinta fara' leilo por conla e risco de
quem pertencer de dfferentes fazendas, taes co-
mo : mauapolee, algodozinhos, algoddes azues
variados a bordo do brigue ingJez .Sarab Eilen,
jas 10 horas do dia cima dito no primeiro andar
do sobrado da ra da Cruz n. 9.
Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior agradece
cordialraente a todas as possoas, que se dig-
naram assistir as- exequias e acompanhar ao
remtero os restos mortaes de sua qu;nda
filha Julia Amelia Ribeiro e de novo Ihes
roga o candoso obsequio de assistirem a
missa do stimo dia, que pelo repouso de
sua alma manda celebrar quinta-feira i- de
jnnho pelas 8 horas da raaoha, na matriz
da Boa Vista.
Approveita a opportunidade para agrade-
cer a lllm.* emui digna rmandade do San-
tsimo SaeraWnto da dita malriz, bem co-
mo aos Illms.NSrs. ecclesiauticos que gra-
tuita e de to boa mente se prestaram a esse
caridoso acto e Ihes protesta sua eterna gra-
tido.
Fugio a negra da Costa de nome Maa, de
50 annos de idade, tem um defeilo em uma das
raaos, levou saia preta o panno da Costa velho :
roga-se a captura da mesma escrava, e levar a ra
das Tnncheiras n. 26, que se dir quem sea
| senhor. ________________^_
Precisa se de uma ama para esa de duas
pesseas para cozinbar: na ra da Pcnha n. 23,
primeiro andar.__________________________
Aluga-se na Passagern da Magdalena, ra do
Bemfica, os sobrados ns. 7 e 9, com bons commo-
dos para familia: trata-se na ra do Trapiche
! numero 4._______________________________
Precisa-se de uma pessoa qae tenha boa le-
tra e saiba escrever eom correccao : na ru da
| Aurora n. 26.__________________________
Precisa-se de uma ama qne lenha bom leite
e sem filho : na na da Aurora n. 23.
um balcao de 10 a 12 palmos, com tampo de ama-
relio : na ra do Rangel n 43. _______
AMBKDOS
confeitadas : na ra do Rangel d. 43._________
Cheguem ao barato.
Chitas francezas muito finas com um pequeo
furo de cupim a 240 rs. o covado, madapolao su-
perfino a 63 a pega : na loja da ra da Madre de
, Dos n. 16, defronte da guarda da alfandega.
: SAL DO ASSL"
A bordo do brigue escuna nacional Graciosa ;
! vende-se na ra da Cruz n. 23, escriptorio._____
Em casa de Tissei Freres ra do Trapiche n.
! 9, tem para vender :
Vinho Bordeauxem barricas e em caixas.
Dito de Smeme fino.
Dito de Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
Farinha de muribeca fina e alva, mais
barata que se vende no mercado, em sac-
eos : na ra do Vigarion. 29.
ea<
Reducco de preco
Vendem-se por pregos reduzidos machinas de
descarogar algodo, de serras de todos os tamanhos
a saber, de 14 a 60 serras ; assim como motores
para asmesmas, uma machina do 120 serras cora
a ompetente machina a vapor: a tratar na ra do
Trapiche n. 8 qu por baixo do Gabinete Portuguez,
armazem de farinha.
MTMtM
Antonio Jos de Araujo Braga, abaixo assigna-
do, declara que se despedio da casa do seu primo
Jos Correia Braga, deixando d'ora em dianle de
ser seu caxeiro.
Antonio Jos de Araujo Braga.
MBrflBBHMMHnnap
Tendo lido no Diario de I'ernambuco e ven-
do o meu come Pailet Nicols, que ma retirava
para fra da provincia, e que primeiramedte vies-
se pagar no hotel Trovador, pois me considero na
I da dever em todo Pernambuco, e muito menos em
1 um hotel igual ao Trovador, e se ainda nao me
i retirei no vapor fraueez, como disse, por nao ler
! tido passagern, o que fagj no primeiro vaqor in-
1 glez que aqui chegar.
Pailet Nicols.
Vende-se
Precisa-se de oflches de
n. 12 da ra dos Quarteis.
na ra das Cruzes n. 23 junco e palha, mais bara-
to do que em oulra qualquer pane.
Farinha de mandioca
muito nova e superior chegada de Santa
Cattaarina
Vende-se a bordo do pclacho dinamar-
quez Catharina ancorado defronte do
tr piche Daro do Livramento, ou no es-
sapateiro : na loja criptorio de Manoel Ignac o de Oliveira &
Filio, largo do Corpo Santo n. 19.
Atienen
o
Prcisa-se de um menine de 13 a 15 annos
de idade para caxeiro de taberna, ainda mesmo
com pouca pratica : a tratar na ra da Assurapgo
numero 12.____________________
Precisase de ara feitor que seja capaz, e dando
boas informagoes, sendo casado d-se casa propria:
na ra Nova n. 19, primeiro andar.

Leilao de ana taberna do Giqni e
duas casas terreas de taipa em chaos
foreiros a beira da estrada.
Cordelro itnc-cs
fara leilo por conta e ordem do liquidatario da
casa com err-ial de Antonio Joaquim de Mello,
d js gneros, armagao e utencilios da taberna ci-
ma dita avaliada pouco mais ou menos em 6003,
cujo balango est em poder do referido agenle a
exame ;assim esmonesta mesma occasio expora
em leilao as duas casas de taipa edificada a beira
da estrada do Ciquia, isto
Sexta-feira 3 de junho
s II horas a porta do armazem 00 Sr, Annes lar-
go da alfandega.
i'recisa-se de uma ama para casa de pouca
familia, paga-se bem agradando : na ra de Hor-
tas n. 130.______________________________
Roga-se ao Sr. Joo Silverio da Silva, ou
qaem desio senhor tiver noticia, de dirigir-se a
ra do Imperador n. 12, a negocio de sen inte-
resse.
AMA.
Precisase alugar orna escrava ou mesmo forra,
que compre e cozinhe para casa de duas pessoas :
na roa de S. Francisco n.54.________________
Ama
Precisa-se de urna ama coznheira : na ra do
Hospicio n. 36.
~ Alaga se o grande armarem do sol da ra da
Concordia, proprio para qoabiuer estanelecimento,
assim como a loja do sobrado da ra Dispjia n. 64.
da taberna ci- eom sitio no Jacar, com casa de pedra e cal,
eom muitos arvor.dos de fructo, e terreno para
plantacao e criacao de vaccas : a tratar na ra da
Confordia, no sobrado do armazem do sol n. 34.
ama"
Precis.vse de nma ama para o servico intern?
e externo u** cna pequea ; na ra do Corredor I
do Bispo n. 21 i
Ninguem faga transaccao alguma com os
\ escravos Ernesto, Adolpho, Luiza, Caetana,
| Mara e Rita, de propriedaie da Sra. D.
i Francisca de Salles Candida da Rocha, mo-
radora no engenho Amaragi de Serinhaem,
porquanto acham-se hypothecados, como
consta do cartorio do tahellio Salles, e es-
tando embargados no deposito geral foram
dahi retirados por mandado concedido ille-
galmente pelo Sr. Dr. juiz municipal sup-
plenteemexercicio da 2a vara, que nao teve
escrpulo em mandar assim cumprir sua
sentenca proferida no dia 19 do corrente
mez, antes mesmo de vencido o tempo para
interposicao de appellaco, que est j la-
vrada por termo nos autos III
Recife, 26 de maio de 1865.
Putlet Nicolao, deulisu universal, faz publi-
co que traspassou o seu segredo de tirar denles
sem dor e sem o menor incommodo, ao Sr. Ricar-
do Soares de Freitas, morador na ra Direita nu-
mero 31___________________________
" Precisa-se de um rapaz para eaixeiro de pa-
ctada, de 14 a 16 annos, e que saiba ler : na ra
Imperial n. 51. ___________________
Deseja-se fallar com o Sr. Ernesto Botelho
de Aadcade, na ra do Crespo n. 16, primeiro
andar.______________________
Deelareem alto e bom som, a bem da minha
dignidade. qm nenliuma parte tenhe na publicaco
feita no Diario de Pernambueo de 26 do cadente
mez, de um anuuneio fi mado pelo Guinja, acerca
da fallencia do ex-ambisla A. E. S. Fago effec-
tivo o meu direilo'a peito descoberlo, era offender
susceptibilidades.
Justino Martyr Correia de Mello. .
Gnilherme Jorge da Molla contricto pelo
passamento de seu compadre e amigo l-
ente coronel Manoel Florencio Alves do
Moraes, fallecido em Duas Barras no dia
26 do corrente, manda celebrar quinta-fei-
ra 1 de junho as 8 horas da manhaa, uma
missa na igreja do convento do Carmo pe-
los suffragios de sua alma, pede aos ami-
gos do fallecido para assistirem a este acto
religioso e de saudade, pelo que Ihe Picar
summamedte grato.
Coziuheiro ecopeiro
Precisa-se de um bom cozioheiro e um copeiro :
no hotel Trovador, ra* larga do Rosario n. 44; pa-
ga-se bem.
AVISO
Os abaixo assignados, moradores na ra da Ca-
deia do Recife n. 3, fazem sciente aos devedores
da massa fallida de Joaquim Vieira Coelho & C,
qne tendo arrematado as dividas pertencentes
mesma massa, sao ellos os nicos autorisados a re-
ceber taes dividas; portanto tem marcado o praso
de 30 dias para os senhores devedores virem ou
mandarem pagrseos debites, lindo o qual se pro-
mover a cobraoga judicial.
Jos Joaquim de Castro Moura.
Joaqnim Baplista de Araojo.
O Sr. Luiz Cesar Pinto de Farias queira di-
rigir-se a rna da Madre de Dos armazem entre a
igreja e a botica.________________________
JosCorreia Braga faz sciente ao respeitave'
publico, que Antonio Jos de Araojo Braga deixou
de ser seu eaixeiro
Attenco.
A pessoa que annunciou precisar de ama senho-
ra para encarregar-se da administrago de nma
casa de pouca familia, pode dirigirse a prag da
Boa-Vista n. 5, segando andar, que achara com
quem tratar.
Escravo fgido
Fugio na dia 7 do corrente, da casa do abaixo
assignado, o seu escravo Fraucisco, cabra, estatu-
ra regular, grosso do corpo, cabellos nao carapi-
ohados, denles perfeitos, sem barba, pes e maos
regulares, levando vestido caiga de casemira pre-
ta, camisa branca, paltol de alpaca e chapeo de
baela, pretos ; alem dos referidos signaes tem
elle no braco direilo um signa! Salomao, abaixo
do qual tem um coraco feilo com tinta azul, em
cujo centro tem as seis iniciaos seguintes: MMI
IMN, lera elle 23 annos de idade, pouco mais ou
menos. Consta ler seguido a estrada do norte,
era basea da casa de seu autigo senhor o lente-
coronel Joaqnim Oarneiro da Costa, a qual no
lugar denominado .'urral Grande da villa de San-
t'Aona, provincia do Cear. O abaixo assignado
recommenda nao s as auioridades, como aos ca-
pites de campO de qualquer lugar, a captura do
referido escravo, o qaal poder ser entregue no
primeiro andar do sobrado n. 81 da rna do Impe-
rador, cidade do Recife, ou no sitio da estrada de
Joao de Barros, resiitencia do abaixo assignado :
a pessoa que o trouxer lera a grniificacao cima.
Joaquim Manoel de Mira Wanderley.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Fernira < Matheus, na ra da
Cadeia do R _-jf_P'J>6._________________
Compram-se libras sterlinas : na ra da
Cruz n. 18, armazem de Jos Joaquim Lima Balro.
Compra-se efiecivamente ouro e prata em
ooras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.______________
Compra-se um escravo cozinbeiro que seja
mogo, robusto e sem vicios: a tratar no sobrado
n. 32 da rna da Aurora. _
Silvino Gnilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.________
FarelCo a 4000 o sacco.
Em saceos grandes.
Milito a4SOO.
Hoa larga do Rosario n. 50 taberna da esquina
que vulta para o da ra Estreita.
Fio ;e algodo st Bahia.
Veudefse no escriptorio de Amonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, ruada Craz_n._l._________
FWH\ DEllLIlO.
Vende-se a boa farinha de milho, uova, 120 rs.
a libra, diaaraen'e : na ra do Coioveiio nume-
ro 25.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praga da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.______________
Comprase
um par de consolos de Jacaranda, em segunda
mo : quero liver aoauncie para ser procurado.
Sortes avulsas.
Vendem-se folhas de sortes para as noutes de S.
Joao e Sanio Antonio, a 40 rs. e a 20 rs. e alguns
folhetos pregos diversos ; na ra do Imperador
n. 15, defronle de S. Francisco.
RIVAL.
SEJ91 SEGUNDO
Ra do Queimado n. 49, loja de Jos & Azevedo
' Maia e Silva.
I'ulseiras e vollas muito bonitas a 500 rs.
Miadas de linha para bordados de superior qna-
lidde a 60 rs.
Duzias de facas e garfos de cabo preto muito
boa a :i'j.
Meiadas de linha froxa para bordar a 20 rs. .
Meiadas de linha azulada superior a 60 rs.
Babado do Porto muio superior a 100, 120 e
160 rs.
Varas de franja de nho branca a 40 rs.
Caixas com 100 envelopes da melhor qnalidade a
600 rs.
Caixas cora 20 qoadernos do papel superior a
600 rs.
Grozas de peonas de ago multo finas a 500 rs.
Pegas de tranga lisa preta e de rres a 40 rs.
Grozas de botes madreperola para camisas a 500
e 720 rs. /
Caixas com oO'novelIos de linha do gaz a 700 rs.
Varas de franja de cores a 80 rs.
Novellos com 400 jardas superior qualidade a 70 r?.
Carriteis de linha com 200 jarda dos ns 60 al
200 a 100 rs.
Livros para assentos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de botoes de punho muito finos a 120 rs.
Thesonras para unhas e costura muito finas a
500 rs.


MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO L
1 ii i I i ........i-i.......i .i. i ii-i.i.i ...i., un !. .>..*. m i .........i -
^9/$


.*
Diario de peroambuco Quaria ieira 81 Je lalo de !&.
'.m"iu
k molestia ou infecQopecu-
lial conhecida pelo nome de Es-
crfula um dos males mais
prevalecentes e universaes que
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cele-
>bre escriptor da medicina que
' mais de urna terca parte de
todos aquelles que morrem antes
da velhice sSo victimas, ou dire-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si nlo t5o des-
Uva, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que n5o Ihe sao geral-
mente attribuidas.
E' urna causa directa da phihysica pul-
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e affeccdes do cerebro :Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetite ; o semblante pal-
lido e s vezes inchado, s vezes de urna
alvura transparente e outras corado &a-
marellento ao redor da bocea; fraqitia e
molleza nos msculos: disgesto fraca e
appetite irregular, falta de energa, ventre
inchado e evacuaco irregular; quando o
mal lem seu assento sobre os pulmoes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgSos digestivos, os olhos
tornam-se avermelhados:o hlito ftido,
a lingua carjegada, dores de cabeca, ton-
teiras etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequenteraente erupcOes na pelle
da cabera e outras partes do corpo, sao pre-
disposlas s affeccdes dos pulmOes, do figa-
do, dos rins e dos org5os digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
teceo contra os seus estragos; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivel flagello (e s vezes heri-
ditario) estao exposlos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
A phihysica, ulceraces do figado, do es-
tomago e dos rins: erupces e enfermida-
des eruptivas da culis; rosa ou crijsipela ;
barbullas, pstulas nascidas, tumores, rh-
cumacarbunculos, ulceras e chagas, rheu-
malismo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femininas, lores bran-
cas causada pela ulceraco interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-
to, enfraquecimento e debilidade geral.
Aos pulmoes a escrfula produz "tubrcu-
los e finalmente consumpcao pulmonar :
as glanulas ella produz inchaces e tornam-
se ulceras: nos orgSos digestivos causa
desarranjos que produzem indigestlo, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rins :
na pelle produz erupces e affeccOes cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrilha de Ayer
composta dos antdotos mais eficazes que
a sciencia medica tem podido descobrir,
para esta molestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias provado incontestavelmente pelas
curas notaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, erttpcdes cutneas, erysi-
pclas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, parebas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos -nos pulmes. Debilidade ge-
ral :Indigesto, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, ulceraces do tero, a nevralgia e con-
vulces epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certidoes no Alma-
nack e .Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribtte gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o fructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes provas
das suas virtudes: posto que 6 offerecido
ao publico sob o nome de Snlsa parrilha,
composto de diversas plantas, algumas das
quaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEITORAL DE CEKEJ.4 DE AYER.
Cura promptamenle a asthma, bronchite,
tosse, deluxo, angina, coqueluche,
phihysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmoes pdem ser curadas em pou-
co tempo pelo peitoiul de cereja do dr.
AYER.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro ra Direita n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
aa pharmaeia franceza de
.MAUBER A C.
RA NOVA N. i8.
e
Rival seiH segundo
vendendo
ludo

raes
GNEROS BARATOS A DINHEIRO
NOS
GRANDES ARMZENS DE HOLHiDOSl
DE i
DUARTE &, C.
pateo do (armo 11. 9 armazem Progressivo roa "o Queimado n. 7
Uio c Commercio roa do Imperador d. 40,
Principal ariuazem de molhados.
OS PROPRIETARIOS.
Ra do Queimado n. 49, est
muilo barato como ver aLaiio.
Caixas de peonas de kalegraphia a ijOOO.
Massos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de sapaios de tranca e tapete a 1>500.
Frascos de macaca perula a SOO rs.
Caixas cura superiores agulhas a 200 rs.
Libras de la surtidas cun todas as cores a 7000.
Caixas com superiores obreias a 40 rs.
Duzias de phosphoros de seguranga a 120 rs.
Metas garrafas com Unta a 20-rs.
Rxllnhas com alflnetes franceses a 20 rs.
Cartas1 de alflnetes francezes muilo tinos a 100 rs.
Resmas de papel alraaco a 2,5400.
Resmas de papel d< peso a 24000.
Papis de agullias fnncezas a bati a 60 rs.
Ilonets muito bonitos para meninos a 1000.
Enfeites para senhoras fazenda muito moderna a
2*000.
Escovas para roupa uperior qualidade a 1000-
Admiran
Admirem
Adrairem Beni! I
As pechinchas que eslo venda na loja e ama-
tea: do Pavao, na ra da Imperatriz n. 00 de Ga-
ma & Silva, ond< se vendem todas as fazenda-,
tanto deluxo como de primeira riecessiade pof
presos muito rasoaveis, e com especialidade as se-
guintes, dando-se amostras deixando ficar penhor,
ou maudo-se levar em casa das familias pelos
caixeirosNdVnesma loja.
Madapolo enfeslado a i&, f#>00c ot>000.
Vendem-se pegas de madapolo enfestado com
12jardas peto baratisslmo prego de 4,3, 45300 e
Eivalsem segundo
iua do Qnelmadn n. 40, ioja demud<-7.- I
& Azevedo Maja e Silva, esta (jueimando que ad-
mira, a saber :
Frascos com superior bauhaa 200, 240 e 50 rs.
Latas com superior bauna a 200 rs.
Frascos com superior agua de Colunia a 120 e
o r.-.
Fraseo; rrrr superior oleo de babaza a 210. ,
400 i.-.
Garrafas da verdajeira agua Florida a
Fraseos; de superfu mIm da sociedade Higi-mqne
a m rs.
Frascos da uperiores eheiros santal e ouiros aiui-
tos a 1#G00.
Jabonetes de familia a 210 e 200 rs.
f baratissimo!
baratissimo!!
baratissimo!!!
; i&, ditas sem seren enfestados" de marcas muito Sabonetes de suprior qoalldades a to. 120 a
acreditadas a 75, 8, 9, e 103, ditas, francez Canas; com 12 fr:-.sn,s de cheiros muito finos a
mullo encorpado proprios parasaias a 480 rcis a I 15S00.
vara, isto na loja do l'avao ra da Imperatriz n. Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a
60 de Gama 4 Silva. Ps *e pomada fraueeia grandes a 500 rs.
As pchinchas que esto se liquidando na nova
loja e armazera de fazendas de roupa feita de Gui-
maraes & Irmo, ra da Imperatriz n. 72, aond
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um so annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-!osfregu^esencntram um rico sortimentb de fa
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os ge :eros zendas de todas as qualidades, que vende-se por
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante- preco mais barato do que emoui
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar islo
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serao tam em servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor d mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que senab arrepender pessoa jardas pelo barajo_ preso
alguma que fizer sna despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
Manteiga ingleza flor a 10400 rs. a li- dem com 4 a 5 ditas a31200.
bra.
dem franceza muilo nova a 900 a libra, e
800 em barris.
Banha ile porco refinada a 720 a libra e 700
em barris.
Queijos frescos do ultimo vapor a 2)5800.
Cn uxim de superior qualidade a 2#()00.
dem perula miudinlio a 2#700
dem hvsson especial qualidade de 2#i00 a
25600 a libra.
dem prelo muilo especial a 2#000 e 2^i00
a libra,
dem fio Rio em latas de 4!000 e a 800 a
libra.
Latas com biscouto de todas as qualidades
a 1,5200.
dem da creditada fabrica de Bialo Antonio
(Lisboa) proprias para dar a doentes a
-:> v :Jo a lata.
Bolaxinha ingleza muito nova a 30500 a bar-
rica e a 240 rs. a libra.
Latas com bolaxinha de soda e oval a 25.
Presunto inglez para fiambre ebegado no
ultimo vapor a 8j0 rs. a libra.
Cbouricos e paios muito novos a G40 rs.
a libra. .
Caixas com macarrao talharim muito novo a
50000 e 320 a libra.
Aletria branca e amarella a 500 a libra.
Chocolate portuguez de especial qualidade a
800 a libra.
dem suisso de 800 a 1)5000 a libra,
dem hespanhol verdadeiro a iOOO a libra
que j vendemos a 10400.
Doce da casca de goiaba em caixoes de 6 li-
bras seguro a 10800,
dem vastos de todos os tamanhos a 20000,
10500,8Q0e 640 rs
para liquidarem, dao-se as amostras ou mandani-
se os caixeiros levar em casa das familias.
Madaplto enfestado a 30500^ 40000
e 4050 a peca.
Vende-se peca de madapolo enfestado com 12
rdas pelo barato preco de 35300, 4$ e 45500,
dita sem ser enfestado com 24 jardas das marcas
mais acreditadas a 65500, 75 e 85, dita elefante
muilo fina a 95 : so Guimares & Irmo, ra da
Imperatriz n. 72.
Admiravel pechincha,
Cuita larga a 2401 chita larga a 240 I! cliila
larga a240III Acaba de chegar a este estabeteci-
Vtnagre puro de Lisboa a 280 a garrafa O ment0 bonito sortimenfo de chita flna percala de
20000 a caada,
dem mais baixo a 200 rs. a garrafa e 10400
a caada.
Aze'.te doce de Lisboa muito fino a 600 rs.
a garrafa e 40600 a caada,
Toucinho de Lisboa novo e muito alto a 320
a libra, e em barril de 5 arrobas a 90400
arroba.
Cerveja Bass do fabricante Slilers & Bell a
60500 a duzia e 640 a garrafa,
dem Bass do fabricante T. F. Ashe a 60OOO
a duzia e 560 a garrafa,
dem marca H Victoria Alsope e outras
muitas marcas a 50 a duzia e 500 rs. a
garrafa.
Sabao primeira qualidade a 220 rs. a libra
e 210 em caixa.
padroes modernos, sendo clara e escora, e sendo
fazenda que val 400 rs. em outra qualquer parte, Silva,
e vende se pelr>.baratissimo prego de 240 o cova-
do, dita ingleza a 220 o covado, organdy dos mais
lindos padroes que tem vindo ao mercado a 240 o
covado, isto para liquidarem : s Guimares & Ir-
mo, ra da Imperatriz n. 72.
Cortes de chita fran-eza.
Vendem-se cortes de chita franceza com 10 co-
vados a 25500, ditos eom 11 covados a 25700, di-
tos com 12 covados a 25880 : s Gu maraes & Ir-
mo, ra da Imperatriz n. 72.
C les Mara Pa.
Vendem-se corles de la Mara Pa com 15
covados a 55 e 55500, ditos com lindas barras a
105 : s Guimares & Irmo, ra da Imperatriz
numero 72.
Fazendas pretas.
Vende-se grosdenaple prelo de seda pura a
15600, 25 e 25500 o covado, moreantique preto a
fazenda nova e toda de laa,
Grande pechincha.
Chitas a 220 ris o covado.
Ou 75600 a pega s o Pavao.
Vendem-se chitas inglezas de superior qualida-
de, aflancando-se as cores serem xas, com muita
diversidade de padrfies, pelo baralissime preco de
220 rs. o covado, ou 75600 a pega tendo 38 co-
vados, sendo fazenda esta que sempre se vendeu a
280 rs. o covado eu 103 a pega, chitas largas a
280, 320 e 360 rs, na loja do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Corles de chita franceza na loja do Pao.
Vendem-se cortes de chita franceza, cures fixas
eom 10 covados a 35, ditos com 11 covadts {a
35300, ditos com 12 covados a 35600, ditos de chi-'
ta ingleza a 25200,25400 e 2JS600, isto na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Corles a Mara Pia.
Giande pechincha a55000 e 60000.
Vendem-se os mais bonitos cortes para vestidos,
sendo de cambraia branca com as barras e eofeiles
bordados, de cor crox, pelo baratissimo prego
de 55, ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
pelo baratissimo prego de 65 cada um, val
esta fazenda dobradn dinheiro por ser a mais mo-
derna que tem vindo ao mercado, isto na loja do
Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama Sabonetes
320 rs.
de bolla pequeos e grandes a 240 o
Frascos com snperior opiata a 800 rs.
Frascos com superior asna para denles a 15000.
I *B
_vB3
- 5 a-58
3-5323 ISb-13
Vestidos Brancos.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidos de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato prego de 125. 16-5 e 20-3 na loja do Pavao.
ra da Imperatriz n. 60 de Cuma & Silva.
Grande pecklocua, vestidos a
300.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios rara
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
nos, sendo todos Os padroes tecidos e nao pipia-
dos, e vendem-se pelo baratissimo prego do 35500.
sendo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na
loja do Pavo, rita da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se pronsdcnaplcs preto a 15280, 15600,
15800 e 25 at 45, superior meuractique prelo a
dem segunda qualidade* 200 rs. a libra e &ffii^^
180 rs em caixa. (n^ r .,-,im!U n i,r o fctfetf o envadn. e ou-' P"a Para |Q'> '-om o palmos de largura a ow,
180 rs em caixa.
Sabo inglez superior a 180 rs. a libra e
160 rs. em caixa.
Caf do Kio primeira sorte a 280 rs. a libra
e 80 a arroba,
dem segunda dita a 240 rs. a libra e 70200
a arroba.
Arroz do Maranho 30209 a arroba e 100
rs. a libra,
dem da India a 20600, 20800 e 100 rs. a
libra.
Charutos Normas de Havana a 50500 a cai-
xa, de Simas (Jos Furlado).
| dem Londrinos a 50, dem,
i dem Parasienses a 40500.
dem em caixoes pequeos a 700 rs. e de dem Delicias a 10500.
50 para cima a 640. I dem Traviata do Bio a 505OO.
dem secco em hcelas ricamente enlutadas, dem varetas de Manoel Peixoto da
Silva
dem mais baixa de 180 a 200 e 10500 e Ervadoce dem a 400.
ItUA MPEIUAL
numero 198
VENDE SE
rap imperial, igual ao rap Lisboa, e outro fabri-
cado de novo Igual ao de ara preta, em porgoes a
500 rs. a libra.
Grande pechincha para os fumadores : qoem
quizer fumar bom e barato venha ca.
Charutos da Baha de superior qualidade, flor
da Muritiba e de differentes marcas, tanto avulsos
como encaixolartos, por pregos-mui commodos.
. VENDE-SE TAMBEM
grande pechincha para os senhores charntelros,
fumo da Bahia patente de primeira, segunda e ter-
ceira qualidade, por pregos mm razoaveis.
Instrucg5es para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convru
aquellas pessoas ^~tom^ a 6 fras.
de volunurios; vende-se na ivrana n. 6 e, e G40 Q fnscQ
8 da_praca_da Indopendencia, a 10.____ | M1 de Hamburg0 a 55!500 a frasqueira.
PARA SASTO ANTONIO E dem m m Q Ho||anda a 400 e 440
SAO JOAO re. o frsco.
Vendem se sortes muito bem fetlas e de
contendo pera, pesego, ameixa, rainha.
e oulras frutas a O0OOO cada urna.
dem em calda em latas feixadas hermtica-
mente muilo bem enfeiladas, contendo,
pera, pesego, ameixas e outras fruas a
640 e 700 a lata, tambem temos latas
grandes a 10200.
Marmelada dos melhores fabricantes, em la-
tas de 20000 a 10200.
dem em latas de 1 1|2 libra a-10.
dem em latas de 1 libra a (540 rs.
Ervilhas em latas cuegad;is neste ultimo va-
por a 700 e de 5o para cima a 640 rs.
Fejao verde ou carrapnlo cm latas j pre-
parado a 640 rs.'
Ameixas em fraseos.de vidro a 10500.
dem em calimbas ricamente enfeitadas de
i 200 a i>500.
Conservas Mexide muito novas a 700 rs. o
frasco.
dem de ceblas simples a 700 rs.
Molho inglez a 640 rs. o frasco com rolha
de vidro.
Mostarda em p a 700 rs o frasco.
dem j preparada a 320 rs.
Latas com massa de tomate de 1 libra a
600 rs.
dem em latas de 1 1(2 libra a 900 rs.
Vinhosom garrafas viudos do Porto, Madei-
ra Secca, Duque do Porto, Duque Semi-
no, Cascavallas, Mara Pia, D. Luiz, Pe-
dro V, Velho Secco, Lagrimas Doces, La-
grimas do Douro, e oulras muitas marcas
a 10 a garrafa e 90 a 120 a duzia.
dem Palraella a 10 a garrafa e# 110000 a
duzia.
dem em pipa de todas as marcas Porto,
Figueira e Lisboa a 400 e 500 rs. a gar-
rafa e 20800 a 30500 a caada.
dem em ancoretas e 8 a 9 caadas com su-
perior vinho Lisboa e Figueira a 240 a
ancoreta.
dem branco expecial qualidade proprio para
missa a 56o rs. a garrafa e 40 a caada.
dem mais baixo a 400 rs a garrafa e 30500
a cariada.
dem do Porto especial qudidade a 800 rs.
a garrafa e 50500 a caada.
Id m Bordeaux em caixas a 70 e 700 rs. a
garrafa.
Champanha a melhor do mercado vinda de
nossa encommenda a 300 o gigo.
Netto a 30500 e 10SOO a meia caixa.
dem suspiros do mesmo fabricante a 10300
a meia caixa e 50200 a caixa.
dem mececipes a 10700 a meia caixa e
30000 a caixa do mesmo fabricante.
dem orientaes do mesmo a 10800 a meia
caixa e 30400 a caixa.
dem jovens de Castanho & Filho a 20400
a caixa.
dem suspiros do mesmo a 10^00 a meia
caixa, c outras muitas marcas de fabrican-
tes.
Passas muito novas a 10500 o quarto e 50
a caixa de urna arroba hespanhola e 320
a libra.
Vermute bebida para abrir a disposicao de
comer a 10500 a garrafa e 140000 a
caixa.
Alpisla muito novo a 30800 arroba c 140
a libra.
Paingo a 40000 arroba e 140 a libra.
Peixe em latas j preparado a 10200 a lata
e em porc5o 10000.
Sardinbas de Nantes a 400 a lata.
Tijollo para limpar facas a 160 rs.
Esparmacete a 600 a libra e em caixa a
580.
Vellas de carnauba a 140000 arroba e 440
a libra.
Azeitonas de Lisboa muito novas em anco-
retas grandes a 10800 e a 400 rs. a gar-
rafa.
tendo 6 palmos de largura a 2*200 o covado, e ou
tras muitas fazendas como sejam, princeza e meri:
n, que vende-se por prego baratissimo : isto so
Guimares & Irmao, ra da Imperatriz n. 72>
Soutambarque de cores.
Vende-se soutambarque de cores ricamente en-
lejiado a 55 e 65, chale de merino estampado a
25 : s Guimares & lrmao, ra da Imperatriz
numero 72.
Brelanba de rolo com 10 varas a 35 a pega : so
Guimares & Irmo, ra da Imperatriz n. 72.
Loja das seis portas em frente
do Livramento
Existe grande sortimento de diversas fazendas
proprias da poca e por pregos to baixos que ad
mira, como sejam : pegas de bretanha de rolo a
2#00, chitas francezas escuras, padroes modernos
e bonitos, cores fixas a 240, 260 e 280 o covado,
cassas de cores, goslos modernos e cores fixas
220 o covado. madapoloes e algodozinhos de di
versas marcas e qualidades, a pregos mnitissimos
barato*, e muitos outros artigos por pregos muit
mais mdicos do que em outra parle.______
Vende-se a mesma : na rita Nova n. 26.
NOVIIIADE
A 1 1200 e laOO.
Leques de osso, ultimo gosto, a 15-
Ceroulas de meia a 15200.
Diitas muito finas a 15300.
S na ra da Cadeia do Keeife n. 3.
Francisco Jos Germano
RA "VOVA X. 81,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
deoculos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
Grande sortimento de roupas feilas de to-
das as qualidades,
Caigas de casemira a 65 e 75500, ditas prelas a
65 e 85, caigas de ganga a 25 ,15800 e 10600,
ditas brancas a 2-5, Lrim de linho a 35, 35500 e
45, paletots do alpaca branca a 45500, ditos prelos
a 35 e 35500, dilos de alpaca de cordo a 40, e
de listra de seda a yoOO, dilos sobrecasacos a 55,
Balaios do Porto muito grandes proprios j paletotsTde casemira'a 55, 55300. 65. 85 e 95,
para guardar roupa suja a 20500, 30000 ditos sobrecasacos.prelos a 125, lo e 105, ditos -
e 40uO '.
Batatas em gigos de 34 libras muito novas a
800, e a 40 rs. a libra.
Gomma em paneiros a 40000 arroba e 140
a libra.
Farinda do Maranho muito alva e nova a
240 a libra.
Sevadinha de Franga para sopa a 200 a li-
bra.
Sevada muito nova a 140 a libra e 40000
arroba.
Caixas com estrelinha, rodinha e pevide a
400 libra.
Alhos em canastras muito novos e mauncas
grandes a 80 e 200 rs. cada urna.
Canella muito nova a 10000.
Cravo muito novo a 500.
Cominho idem a 320.
Alfazema flor a 240.
Amendoas a 400 a libra.
Nozes muito novos a 160 a
libra.
30 a garrafa.
Licores portuguezes e francezes a 10000 e
10500 a garrafa.
Marrasquino de Zara, verdadeiro a 10500 a: ~papel greve a 40200 a resma.
garrafa. Mem tizo a 40000.
dem mais abaixo a 800 rs. a garrafa. i<\em e pez0 a 3,3000.
Geoebra de laranja ver'adeira a 1.10 a du-; ldem de emDruiho marca grande a 10200 e
zia e 10 o frasco.
papel muito bom 40 o cento : na ra das
Cruzes n. 41, taberna da porta larga.
enco.
5
Cassas finas padrSes do ultimo gosto a 220 rs. o
covado.
obtas largas a 200, 220 e 240 rs. o covado.
Na ra do Livramento, loja nova de tres portas
0.14.
Garrafoes com genebra de Hollanda com 24
garrafas a 80, com garrafao.
dem com 14 a 15 garrafas a 60.
10300.
dem azul para botica a 20000.
Copos lapidados a 50500 e 500 cada um.
Palitos de denles, magos grandes a 120 e
160 cada um.
Fumo americano de chapa, de superior
qualidade a 10500 a li ^ra, em porgo ter
abat ment.
nos a 255, de cores a 135. ditos fraques a 145,
paletots de ganga a 35, 25500 e 20, ditos de brira
pardo a 35, jaqueloes de brim pardo a 35, panno
prelo fino a 25, 206OO, 35500 53, 45300 5 e 65 o
covado, moreantique preto a 25600 o covado, gros-
denaple preto a <5500,10800, 25, 25200 e 20500
o covado ; e oulras muitas mais fazendas que se
deixa de annunciar, e manda-se levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos pretendentes. O
e tabelecimento est aberto at as 9 horas da noite,
ra da Imperatriz n. 56, Mendes Guimares.
GAZ GZGAZ
Veude-se gaz da melhor qualidade a
1S.0 a lata : nos armazensda ra do im-
perador n.16 e ra do Trapiche Novon. 8.
Tasso Irniaos
Vendem no seu armazem ra do
Amorim n. 3o,
Licor fino CuragSo em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas cora rolhas de
vidro e era lindos frascos.
VinhosCheres.
San ternes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Uordeaux.
Cognac.
, Od Ton.
Azeite Plagniol.
9c
rasmia
Saccas grandes com 100 libras de farello superior
Aclia-se venda
[ na offleina de encadernago da ra do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco, a
Biblia da Infancia do abbade Pascal, appro-
vada para as aulas publicas da provincia por
portara da pre-sidencia de 15 do passado.
i As pesso?s que compraran) j a obra, e qui-
zerem ter um pequeo accrescimo, que se
lhe acaba de fazer, mandem-o buscar.
Vende-se urna casa terrea pequea, no pateo
do Paraizo ao correr dn igreja : a tratar na ra
do Queimado n. 48.
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras muitas fa
zendas proprias para luto : na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Orosdenaplcs de edr a l400.
Vende-se superior grosdenaples cor de caf,pro-
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 10600
o covado : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Gasemii*9sa 1$GO0.
Vendem-se casemiras garibaldinas de quadn,
nhos e lizas, proprias para caigas,pautse coletes-
pelo barato prego de 15600 o covado, assim como
calcas, palitos e' colotes j feitos das mesmas : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Grande sortimento de roupa feita.
Vende-se na loja do Pavo um grande sortimen-
to de roupas feitas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditos saceos, ditos de casemi-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
de cores, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
ta de todas as qualidades, ditas de cor, ditas de
brim de linho branco e de todas as cores, coletes
de brim, casemiras, setim. gorguro, etc., etc., to-
das estas obras vendern-se por prego mais barato
do que em outra qualquer parle : na loja do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales c manteletes de renda
Vendem-se os mais rios e mais modernos cha-
les e manteletes de renda, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego muito razoavel : na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais modernos sonterabarques de
cor, ricamento enfeitados, e por barato prego : na
loja do Pavo, ra da imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Capas prelas esoulenibarques,
Vendem-se as mais modernas capas prelas lisas
e bordadas, os mais bonitos soulembarquespretos e
manteletes, tudu de seda preta e o que ha de mais
gosto no mercado, por pregos muito em conta :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gi-
ma c Silva.
Enfeites para cabeca.
Vendem-se os mais lindos enfeites para cabega,
a 30, 45, 55 e 65, os melhores baloes cronolinas :
na loja do Pavo, na da Imperatriz n. 60.
S o Pavao vende
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240.
Acaba de chegar para a loja do Pavo um gran-
de sortimento de chitas largas garibaldinas, por
s rem todas listradas o padroes escuros e de cores
fixas que se vendem pelo baratissimo prego de 240
o covado, sendo que em outra qualquer parte cus-
ta a 360 o covado, notando que os_ freguezes que
comprarem porgo de pegas, tero um pequeo
abatimento : isto na loja do Pavo a ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs. *
Vende-se um bonlo sortimento de laazinhas pro-
prias p-.ra Testidos e soutemiarques por serem li-
sas e de quadrinhos pelo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre so vendeu a
500 rs. o covado, e vende-se a dinheiro a vista pe
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na loja
do Pavo roa da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a 10600.
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou rorneiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo prego de 15600 : na ra
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Organdy a 240 rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais bonilas cassas organdys, pa-
droes raiudos e grandes, pelo baratissimo prego de
240 rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
acaba-se logo : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, da Cama > Silva.
Lanzinha transparente,
a 220 rs. : s na loja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lanzinhas transpa-
rentes, sendo todas de lislra-, quadros e lisas, fa-
zenda esta que sempre se vendeu a 400 rs.; o Pa-
vio vendo para liquidar a ouze vintens o covado :
na loja do Pkso, a ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
a & silva: _______
EPURATIYOS
DoDrSESVAX, dePariz.
Pliarmaccittico de 1" classe, ex-
interna dos hospitaes, premiado
com a medulia de bronze.
i *
Desde muilo lempo o publico
abandonou o uso das preparares
intituladas depurativas conhecidas
sob o nome do Arrobes, Xaiopes
de Salsaparrilha coraposlos, ele
(ajh Hccao, maior parte das vezes
nulla, e n'algunis casos perigosa.
Os Co.NFF.ITOS DEPURATIVOS TEM O ASPECTO
1: O COSO ACRADAVF.IS E COM til SOE CU
PEQDBMO TOLDMI SUBSTANCIAS CITO ACTI-
VAS QIE O SEO HODO H PDEPARACAO TOBNA
INALTEAVEIS.
O sncrcfctio iii estes ron-
f'U'isoliveraoeiu I'rftJi-
c sob o patrocinio das principaes
celebridades medicas, os poc cima
de ludo quaiilo lem existido a'he
boje.
Cura rpida sem o socorro
; de uetilium outro remedio 11-
M ilerno, das escrophulas ,
I herpes, affececes sypii-
W,\liticw hypertropfcias
;|go3 tea-ido celulares,;
~ IhydropisiaB e em geral
[todas as molestias produzidas
pela altcracao do sangue ; tal
o resaltado que queramos
conseguir e que lentos sem
pre obtido.
Urna expcocao accompanlia cada
vidro.
DesconCar-se, das falcificai-acsct imi-
tacoes.
Para as eiicouicixtns dirigir-sc aos
Snres. biseom et o1', 18, B< Prncc
Eugne, Parit.
avariado.
Francez barrica 5,5000
Portland idem 8,5300
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 12*000
No armazem de Tasso Irmos caes do Apollo.
Liquidado
Pegas de algodozlnho avariado, porm Itmpo,
por ser lavado, a 4: na loja de calgado da ra
larga do Rosario n. 12.
GRAGEASdeCUBEBINA
comCOPABAoeLABLQ
i
Estes confeitos cipio activo da vrimeira cbeba juuto
icpahybapnra, oaonansen o estomaga.
Ellos fazem parar inmediatamente
rebeldes gonorrlias, mesmo as qne res i
ram acubeba o a conahyba soladametr .
Depasito geral em PernamLnc* rv. i,
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbfla
A i > en cao.
Vendem-se pega? fl iras para forro e
lima branca preparada a oleo, em latas de i-
bras, para pintar casa, reiorios para eiflM 6
8*epara peudorar, arfekis para I e 8eav lo.-,
velas de spr-rmacte. nido de superior qOftli .
vindo dos Esta dos-I:1 ni dos : no arg^azem da r.
Trapiche n. 8,
Fejiio prto
Xa ra da nipeatri", annaemn. 6.
Vende-se um i.- wo dade 25 annos i: m
official de carplna < bonita figori : na travu-
Carmo n. I.__________________________
Vende-se um moleqtt de bonita : r.- -
ra e mogo: na ra da Cadeia do ftceic -
mero 22.
Millio
HOYO
Na ra do Gabuga n. 15, armazem de H i
Barbosa Ribeiro.
Vinho do Porto superior em caixa Ue ia a,
lem para vender Amonio Luiz de Oliveira Azeve-
do i\ C, no seu escri'ioriorua da Cruz n. 1.
frailes com U60.
Vende-se 1 so, 3Von?o!cs, 1 mesa redoudJ
cadeiras de amarelw, G cadeiras americanas,
bea marqueza de Jacaranda, 2 carteiras d
gem e 1 carleira grande propria para
quem pretender dirija-se a ra
o. lOdefronte da estagao.________________
Vende se o superior fio de ai^odii
a mais bem acreditada fabrica da Bahia, ntf pn>-
go commodj : ua loja de wragflBS T;
Fercandes da Cnnha, ua ra da Cadeia lo fl
numero 44.
I
lab :. :
das Cinco Ponas

UESEJ
: l


' y*
Dlar?o-de *ernam**ico 4*u*aa felra 3t de Malo de *G&
.
>
GHEGiRJIM OS MODERNOS U4LE8 DE
FILO NIETO.
S iperiores chales d fil preto chegados pelo ullimovapor franeez, a
lojadas columnasru do Crespn. 13, de Anlonio Correia de Vasconeel-
03 & C.
CONSULTORIO MEDICO-CMGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
EICO, PART-:IIIO E OPERADOR.
3 Rua du (for* casa Ido Fundao 3
O Dr. Lobo Mokom di consulta gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s *
aor.s da roanhaXe das 6 e nreia *ftboras da noite, excepco dos das santificados
> l *' /f ;f e-tpzcial komeopathica
No taesmo consultorio ha seopreo mais appropriado sortimento de carteiras
!,#- "iiit*os.a*sim como tinturssd varias dyranamisacoes e pelos precosseguintss
uw de 4 tubos ,'randes. 180000
i ii.im ,viu les. 245000
de i-Uu1)!}* |raa48. 300000
> i >ir-ss qualquer artera conforme o pedido que se fizer, e com os remed
Uta tubo avulso ou frasco de tintara de meia onca 1(5000.
Senda para cima de 12; costaran rs precos estabelecidos para as carteiras.
Ha ubos'aais pequenes cada=un>a SOOris.
MEVROS.
iiki Ja Glicina Homeopathico do Dr. Jaar
......... 2000Q
.......... '2KS
>r; >-5ll.)M)mes;............ 60000
. ;rnm Id nvlictaa........... 3^000
Ib, ,ien'sttrelecini*,nt0F850 por demais conhecidos dispensara portan-
\t i > ff.i:)va:n.iatft-omnenddospas,)5ss)aque q lizer&m usar de remedios ver-
i h WR603 e darid9res:hatud do melhor que se pode desejar.globos de ver-
i'rro macar deleite,nst*veis iasiia boa ,r>arvac"io,tintura dos mais acreditados
um insatos europt)5,!Fmaisi!cact*e accuradapreparaco, portanto amaiorener-
:: i a seaswiAWs.
Ca-ra fa strfe pira escravos.
Rcebe-seiscravospara tratar de [inlquer etifermidade ou fazer-se-lbe quakraer
i -Jo para o opte o itwawciantejulga-s'e ;il;ieatem9nte habilitado.
O r-iu'iaento o melhor possivel, tanto na larte alimentar, como na medica, e
fu i oiaado a casa a mais de quatreannos, ha militas pessoas de cujo conceito se nao
p4 Uvidar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar sea
'a*a-se 24000 por dia durante 60 dias ed'ahiem diante 10500.
Va iieracies serto previamente ajustadas. >e n5o se piizerem sujeitar aos preco?
,, i ; | i ', .. I 11 .'. lir
AURORA RRILHANTE
GRANDES ARJIUENS
DE
IMOLHADOS
qie
\
i.:
l
,,.- ) ci h nitii.ntlua, y A
,,lHMan;i -,).-n lisCiooUridi .
ar* liwid*itsk*l3 Dr. Ifcrirjg,.
\{ i >;,- >. r i 0 l i
i inviole
UPO niiiKi -l.___-------- .^---- J io3iiiu |iui iiup seu UUUU SU UBaria l
laotesioeKs? lda a'diii8nc,!aa'* *rt r
Li*73O0* 'l>fa* dMho*i8s mfl" ">
Ditas granees c 00
anunciante.

) )
timo etiol)^ioa e ciiiinio de F. P. Lebeuf e 0
rua Stontmartre, 31, em Paris.
Fabrica em Argenten! I, prs Pars (Franca).
KOHIICMJU E r.4BgIC\(lO
D >s vinhos, agu^rdentes c licores.
S
\. s.l '.Imitadlo dos vinhos de todas as
na nUles.EttraetO de.Medsc, adose para S30
i,:,,, i r.3,_l;R)rdBax, 2 f.,de Pornard, :
f.,-i-IJsboa, { f.,de Catalao, 2 f.,de Porto,
X-i- /. lascatel, Malaga, dose para 23 ou 30 li-
tros, 4 f.
S -isiincia oara fabricar cora o alcool e anua
os iahos ici-.na e todos os outros. A dose para
500 litros, oO f.
CLAfilFlGAfAOPfc In^lezes, pos dos vinhos
h r.nha, da Franga, ele. A libra para 500
.:; r.
r. ,>,\A0O.Purpirigine para colorear n>
;>* 'trancos e vinhos claros. As duas
pan SOI litros, 16 f.
AlL AltDE.NTEs.Essencia de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor eo aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIRSCH E Alfel.VTlIO. -Essencia de kirsch e
de absiniho. para os fazer com ileool e agua. A
garrafa para 100 litros, S f.
LICOHES.Extracto?para fabricar se todos os
licores conhecidos-om fogo nem alambique, (in-
ilicar-su os qne se leseja.) A dose para 20 ou 2o
litros. 3 f.
PERFt-'MES >ara fabricar-se os licores finos ou
commnns i dose paral) ni 23 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
/
vinhos. maardenles, licores, vinagres, etc., sao
librasjfabricidos le encommenda.
1 UTEN'GILIOS de laboratorio e de chimica.
Alguns de oossos agentes teodo falsificado e rain) i nossas oreparaijSes,e engaado nossos
iieitsj'ieve-se eligir sobre as rolhas e rtulos asinlciaes F. V.L. Paris,
0 modo dcisar-so daspreparafesieha-se indicado no rotulo.
As encommendas devera ser acompanhadaspor urna letra sobre Paris ou qualquer outra cida-
dd- rri-i. o'i ,'ira'Vili- mr ;ima casa i-i'vci la. '"r..ir-se ansSrs. Lebeuf & C. chimicos, rua
ma 11:', 1.11, -!Tl Plfi-s, o i su fabrica em Vri.>iil^ni!. prs Paris.
'. ||, ii ii ni i. frnnna. rna do Imperador n. 38.
fr:
mmmm
Largo da Santa
a m 84, a
utfa da rua do
ebo.
Largo da Sant
Cruz d, 84, es
quina da rua do]
ESPECIAES isebo. j
S?^? 'dojmuitoaoreflWo arftaz^m deBSSfehrM*lf
ninane continua a ter o mesnwi sortUMnto de getiee de prlnwlfa^oaJidad*.
NhimSI ^ -rV7fa a tod5s de base P"' a*s,e d* coma*, aos portador-es.
nl.,T? "rrazem VSndera' mais barato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja'
ero nna".n,.h^i!.15qu!-,^m'.J** mesmo PW s&n dono s deseja tirar diminuto lu-
f isso deixe se- a-
tantes fregu s '------------->^vi moa mMfaaqaRi ueserTir beifi'O'seatcw-
Vinhe vesde superior.
A caada a 3$000 e a garrafa a 400 rs.
MHML
Saccas de 4 arrobas, a- Verdadera de
enroomarv a- *iW** 3J000 e librar
120 rs.
Safcao massa, a libra a 200, 2i0 e 28"0 rs.
Fariuha.
Saccasgrandes com farinha de Goiaoaa nrai-
totwva, ifyWO. '
M
Cado Rio nwtrto superior, a arroba a 8*,
8600 e 90000.
Cha.
Chacemos uestes gneros o melhor possivel.
hysoff, a libra-a 231500.
Dilo perol a-3*060.
Mtoaxlra-a-2*7,00.
Dito hyson muito fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Drto preto d pritneira qualidade a2"*300.
Drto mafsbaixo a"2*00O-e 1*W0.
Erra mate.
Encllenlo cha-medicinal, a libra a 210 rs.
Espermacete.
O raasso com 6 vellas de espermacete a 600,
610 e 720 rs.
Passas.
Caixas de i6 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e 2*500.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpittta e painco.
Alpistae painso, a arroba i*000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
(3
3
-- .--- empostasnteiras,
S400 7 a im' l#280e
Bg1ffi a'Tie'r!Xt6lieale p6,,8W' P"8 fF"
^nut^ f v'"'a*ov!ts1e4sopada*, a.720 rs.
DiUMoit fa-va, a<>10 rs,
ln a,S coraame|x* t*WO, |*800 e 33O0.
p&T^ST*9 **m ,*britt0,e
iDitascom mass^de tomate, aaOO rs.
uitascora fi^os-decomaire, iwvos, a
a* e 2*o00.
Dl2S2oIachBha de soda nw>il9 novas
1*500,
Drtascomb'iscoijiahos inglezes do muitasqua-
lidades,a 1*00.
Catxnhas
Chocolate.
com ameitas enfeitedas proprjas
.n Pa!"a ""'o a 1*200,2ji800 e 3200.
1 *n t?.Sper,or mil aovo' a libra de
t 8b0 a 1*000.
,Macarrao,ialharfarr e alerrlaamarella, a itora
f a-480rs.
Ditediwdita branca, a libra a 400 rs.
uaixas com estrulinha, pevid, e outras ulas-
sas, a caixa 34M0.
Ditas dita em lAras a 640 rs.
Sag, a libra a 380 rs.
fSevadinha para sopa a libra, a 2i0 rs.
Krvilhasseecas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
fT-apioca muito nova, a libra a 280 rs.
f-arinha de araFOta vrdadetra, a libra-a
500 rs.
^Ara2^ 1Iaranhao, emsacco, a arroba a
2*400 e a libra a-80 rs.
.Dito da India-e Java, a-arroba a 3*z00e a II- Cartas flaas para logar, a duzia a'2*500.
Lbra' *W rs. | Caslanhas.
rioiKinno de Lisboa a 9*800 a arroba e a 340, Caslanhas novas viudas neste vapor,
>us.I'a i ra- w-. ba-4*00Oeairhraa30Ors.
' 26oer? s' a am1)a 7m e a "bra a MHmm,
tSflfeoscom 125 ceblas grandes, a 13280.
^l" rraaceza, caixa com 2 duzias a
7*000.
FraSftrt COm m05lar,a preparada em vinagre,
Barriscom azeitonas nova6 a 1*300
Manleiga.
Manleigasuperior, a libra a 1*280.
Dita mais abaixo a 1*200.
Dita menos superior a 1* .
Ditoseom conservas ingieras e francezas, a Dita franceza nova, a libra a 886
640 e 800 rs. Dita dita em barris e meios ditos, a
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 300 rs.' 830 rs.
Ditoscom a verdadeira geuebra delarania. a Dita para tempero a 100 rs.
.13000. i Qneijos.
D^o^deS garrafas de Hollaoda jrerdadeira,a! Qneijos novos vindos neste vapor a 2*800'e{
libra
i
>
2:300!!
Um corte de chita larga franceza
ma:-, na
com 10 covados, padroes escuros ou claros, cores ixisis-
Laja das varas
5Rua do Crespo5
Diio-se amostras deixaado penlior.
PadrSes moi mimosos e gosto moderno, laFgas, por300 rs. o covado, s na
Loja das varas
5 Rua d Crespo 5
M
Cii'egorio Paes do Amaral A C.
&

Chitas largas fraocezas
escuras e claras, padrees modernas e cores flnissimas a 240 o covado na
Loja das varas
5=>Rua do Crespo4
DR
Gregorio Paes do Amaral & Companhia.
>
A280RS.
cor Ja palha, padri5s mlaJiolios,
Gregorio
Chitas de linlio
a 280 rs. o covado, s na
Loja das -raras
5 Rua do Crespo 5
DE
Paes do Amara! k Companhia.
Cortes de fea t Mara Pia
com barras matizadas, do ullirao gosto, s na
I*oM!** rsrao
5 --Rna do Crespo 5
DK
Gregorio Paes do Amaral & C
Pao-sc amostra! deisando penlior.
640 rs.
Botijas cora dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafoes com 2 galues com dita, a 6*.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a I
duzia a 60000.
Vinho muscatel de Setubal, a garrafa a 1*.
Marrasquinhoverdadeiro.frascos a 800 rs. e
a 1*200.
Champagne, a duzia 20*000, e a garrafa a
TSflfJfli
retiiMuiapertugBMre fr,n,.i%mi jfti
a-1
Cixa. d vwlio Bmtwrr roeUo supaeror.a
7^85,01 e lOffa-cawf.
Ditascom-dit) branca, a 75 a <"xr.
-Ditas corml'ito-lartriH da !aMM
(m enm duque do Porto verdadeirff,"a
18*000.
^Ditas cora chamisso superior, a 14*.
Ditas com Porto velho e outras muitas nnr-
cas, a 12*.
iVinhodo Porto da pipa, a garrafaa 640, 720
e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 3*200,
3*500 e i5, e a rarrafa a 500 e 560 rs.
Dfoda Figueira, dasseguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
4*500, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que jest engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazm.
Ditos de marcas mais descenhecidas, a cana-
da a 3*500 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinhohrancofino, agarrafa a640rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
3*000.
Ditos londrinos muito novos, a libra a-
1*000.
Papel.
Papel almaco paulado, a resma a '*5800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
2*500. i
Dito deembrulho.bom a 1* e 1*200. i
Vinho Madeira. c
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma- (
deira a 1*500 e 25000.
Temperos.
Folhas de iouro, pimenta do reino, cominho"
e cravo, a libra a 400 rs. _
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Avendeas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixes de doce de goiaba, grandes a l*400i
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
D.uuasde boioes de graxa n. 97 a 2*000, e j
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Babia por diversos presos, canea e meias;
DE
AZEV EDO FLORES
Rm da Grieia do Recite-, esfuloa dhfafrc delte.
Prestem atten^lo ao discurso do Balo.
A loja do Balao todas as semanas reforma o seu annuncio em consequencia de
constantemente receber novas fazendas e novo sortimento de roupa feifa, os seos prefos-
so os mais moderados como j ningtiem ignora, as fazendas-que n3o letam pretro marca-
do porque ha diversas qualidades e diversos precos, e em loja alguna encontrar o pu-
blico um tao completo sortimento de fazendas e roupas feitas, e nao havendo a obra qne
o freguez procurar toma-se a medida e em 24 horas estaro stfisfeilas as exigencias do
fregmez.
Pede-se attencuo.
Chafkos d sol com 16 asteas a 12$.
dem idem com 12 astaas a 8,$.
dem idem denominados acadmicos, fazenda inleiramente nova com 12 asteas a
125, por este preco s na loja do^Balao se encontra.
Baloes de arcos para senhoras, os melhores que ha a 3<5!.
dem de arcos e de mosschna para meninas a 2-3, 2$500 e 3500.
Vestidos finos a Mara Pia a 14.
dem dos oais modernos que ha de flores matisadas a 18$.
dem com barras, fazenda anda nao vista em Pernambuco a 24$.
Pecas de cambraias que sempre se vendeu por 9j, o balo vi nde por 7$.
Chitas preclaras que todos vendem por 640 rs., o Balo vende a 560.
dem da m sma qualidade, porm de o".ros paJres a 440 rs.
dem escuras a 300 rs. estao-se acabando.
dem estrenas a 20O rs. s na loja do BalSo.
Laas de accento escuro com flores matisadas denominada pelas senhoras que j
comptaram (la econmica.)
Cambraia de cores as mais finas a 800 rs. a vara.
dem de cores com quadros brancos a 560 rs. a vara.
i Madaprrfo a 8$ a peca, que vale 96.', tamhem lia fino.
dem franeez proprio para saia de senhora a 560 rs. a vara.
Camisas de meia moito finas a 225 a duzia.
Meias cruas para homem de 6 a 8^ a duzia.
Camisas de pregas largas a 2-5560 que todos vendem por 3$.
dem inglezas de lioho muito finas a 48$ ou 54$ a dua.
dem de flanella de cqres muito finas.
Calcas de casemira pretas e de cores de 7$ a 12$.
Paletos de casemira de cores-e pretos, a I0;5. H# o 12$.
Cohetes de casemira e de brim^ branco os melhores que ha.
Calcas debrim braco muito finas a 4.^500, 55 o 70.
Paletos de alpaca bramo a 55:
Mantas modernas para pescoco de homem.
Collarinhos de papel de cores a 800 rs.
dem brancos a 400 r9. a duzia.
Laa prela para luto e de todas as mais cores a 500 rs. o covado.
Ceroulas de linho com duas costuras.
dem dealgodo a 15600.
Cambraias para forro de vestido a 25600 a peca ou a 3C0 rs. a vara.
Chales de -nerin estampado qe custaram 8->, vende-se por 55 em razo de es-
tarem ura p uco desmaiados por ter estado a mostea, por estes precos s na lo3Nilr,

A
caixas.
E grande qaantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
v-se
CORTIIADO^ BORD1DOS
N. 11Rua o QueimadoN. 11
A est eslabelecimenlo ebegou ullimaraente da Europa um crande e variado sorti-
mento de coroados bordados o que ha de mais gosto em desenhos e bordados.
Lindos bonete de palha de llalla para senhoras.
Chapeos e ehapelinas de palha de Iulia ricamente enfeilados.
Chapeos finos de seda para cabeca de homens e chapeos de sol de seda inglezes .de
8,12 e 16astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soalembarrraes de seda preta para senhoras.
Cortes de laa de barras de 14* a 22* de moito gosto.
Baldes de arcos e de musselina finos, manguitos e camisinhas.
Saias bordadas muito superiores.
Moireantlque preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
Luvas de pellica para bornea e senhoras.
E rauilas outras fazundas que ludo se vende barato na loja de Augusto Fredenco
dos Santos Porto, aonde tambera se vendem as melhores e ma4s baratas
Esteiras X. 11Rua do Queimado--X. 11
Tattso Irmios
vendem gesso em p para estuque de casas, lijlos
finos de feilo diversos para laurilho, azuleijos de
diversos gostos, tijolos vidrados para parede de co-
zintia, canos de barro para esgoto, cemento em
barris de 10 arrobas.
catangas fiaos c brlnqnedos
para meninos.
Lhegmm para a loja de miudezas da rua do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para brinquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesraa loja se encontrar boa sor-
timento de miudezis. }
0SASTELLO DS SRiSYI LLE
Traduzido do francex por A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pek) baratissimo preco de 2350C
na praca da Independencia. I'tvraria ns.
6 ej^_________________________
Cieuebra de Hollaada en fras-
quelra.
Chegou a genebra verdadeira de Hlland, mar-
ca VD, e vende-se somenle ao armazem de Rarros
4 Silva.
de trabalhar mo par!
descarocaralgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machina
__ podera descarocaj
^^qualquer espe'ci
"de algodao sen
estragar o fio.
"^ sendo bastante
duas pessoas par
o trabalho; pdt
descansar urna
arroba de algo-
dao em carocc
em 40 niluuto'i
ou 18 arrobas
por dia ou o ar-
robas de algodc
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaos, qne desearocam 18 arrobas de algodc
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutr;s dessas machinas.
Os masraostem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a. virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saanders Brolhers kG.
\T. II, praca do Cor po Santo
RECIFE.
Os nteos agentes neste pait.
Rival sem segundo
Rua do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
& Azevede Mala e Silva esta disposto a vender mui-
to barato que admira, pois seus freguezes ja estao
scientes que nao ha segundo competidor.
Pecas de cordo para vestidos a 20 rs.
Capachos redondos e compridos a 300 rs.
Taiheres para meninos a 240 rs.
Duzias de facas e garfos a 2*100.
Ditas de cabo preto cravado a 3*000.
Baramos fraocezes muito finos a 200 e 20 rs.
Grozas de boioes de louga a 160 e 200 rs.
Caixas cora soldados de chumbo a 120 e 200 rs.
Bunecosde choro paqueos a 160 rs.
Varas de cordo para esparlilho a 20 rs.
Duzias de colbercs para cha a 800 rs.
Duzias de colheres para sopa a 1*500.
Ditas de metal principe de cha a 2*000.
Ditas para sopa a 4*100.
AGUA
dos ca-
DE
Florida.
para restabelecer e conservar a cor natural
bellos.
A agua de Florida nao una tintura, fado es-
sencial a contestar, a rr.esma agua dando a cor
primitiva de cabello. Gompostas de plantas exti-
cas e de substancias inollensiveis, ella lem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles [em perdido.
De urna salubridade Incontestavel, a apea de
Florida entretem a limpeza da cabeca, deslice as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contribue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a forra, a belleza e a conservacao dos cabel-
Em Paris casa de Guiraurn. 112 rua de Rechl-
lleu e 2 boulevard Monlmartre.
Todos os frascos nao tendo iniacto e claro, e Un-
cir prateado da casa. reputado falso.
Deposito rua do Imperador pharmacia n. 38.
Bixas hamburgue/as.
Vende-sena rua Nova n. 61.
DROGARA.
34RuaJ larga do Rosario34
Bartholoraeu Francisco deSouza
Vende na:
Acido actico puro pra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres avelludadas.
Tinta brncasuperior em lata.
AlvaiadeVeneza, flno.em paes.
&.
Urna familia que se retira vende urna mobilia
de amarado j usada, trem de cosinha, louca de
almoco e jamar azul, urna mesa de jamar de ama-
relio pes torniados, mesas pequeas, coramodas,
cama de casal e rauitos outros objectos o que tudo
se vender em conta: na rua dos Pires n. 62.
Vende-se urna negr nha de 10 anuo?, muito.
esperta e sadia : no pateo da matriz de Sanio An-
tonio n. 8.
No armazem de azen das ba-
ratas de Santos Goelho,rua
do Queimado n. 19, ven-
de-se o seguinte:
Lences de panno de linho a 2*400.
Ditos de bramante de linho de um s oanno a
3*300. v
Cobertas de chita da India a 2*300.
Lencos de cambraia brancos propnos para algi-
beira, pelo barato prego de 28000 a duzia.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a 3*800.
Ditas de cambraia para forro de vestido, com 8
varas, pelo taralissimo preco de 2*600.
Guardanapos adamascados pelo baraiissimo preco
de 3*300 a duzia.
Algodao entestado com 7 li2 palmos de largura a
1*00 a vara.
Cortes de laa de lindos gostos com 15 cavados a
6*000.
Pegas de cambraia.adamascada com 20 varas, pro-
pria para cortinado, pelo barato prego de 11*.
Fil liso fino a 800 rs. a vara.
Dilo com salptcos a 1* a vara.
Tarlatana branca fina a 800 rs. a vara.
Atoalhado de algodao adamascado a 2*200 a vara.
Dilo de lioho a 3*200 a vara.
Lazinhas lisas de (odas as cores, pelo baratissimo
prego de 500 rs. o covado.
Pegas de cambraia de salpicos brancos e de cores
com 8 Ii2 varas, pelo baraiissimo prego de
4*300.
Baloes de 20 arcos a 2*500,' de 25 a 3*, de 30
3S500, de 38 4*, de 40 4*909.
Toalhas felpudas a 13* a duzia.
Esteiras da India de 4, 5 e 6 palmos por menos
prego do qne em ontra qualquer parte.
Neste armazem se encostrar um grande sorti-
mento de rooaa feita e por medida.
Admiravel pechincha!
Nocambique a 300 rs. e corado, na toja
do juivao.
Vendem-se os mais bonitos mogambiques de pu-
ra la proprios para vestidos e soutembarque?,
sendo de quadrinhos de lislras e lisos, fazenda id-
teiramente nova, em padroes e muito proprias pa-
ra as senhoras que 1 requemam o mez Mariano,
porqne esta fazenda lhes facilita fazerem por pon-
co dinheiro vestidos mnito decentes para qualquer
acto, advortindo-se que esle baraiissirco prego
devido a grande compra que se fez desla nova fa-
zenda, que se vende a freze tusloes o covado : na
loja do pavio.rua da Imneratriz n. 60, de Gama 4
Silva.


Mario de*effmiac dmrtn fe** 4 drmam e &.
. *
S


0
DO
6 PUBLIC
Sem o menor MoitiM-
glmento ge entregar o
inannrte do genero que
So agradar.
ATTENCO
o* .precoa da segnlnte
tabella para todos, no-
ciendo assim servir de ba-
se para o ajuste d cenias
com os portadores.
i00000
80,5000
4CU
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
PUBLICO.
HWA 2)3
AO
RESFEITAVEL
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe- no grande arma-
zent da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sor tmenlo de molhados,
que sendo em sua maxim parte mandados vir directamente de estrangiiro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estahelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm iffiancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder no restricto cun primen to das seguintes promessas:
ARMAZEM UNIAO MERCANTIL
* RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o reo da Coneeleo)
PARA BEM DE TODOS.
g senhors, o acolo qne presidio aos arranjos deste novo estabeleciracato, e mais que tudo a promptidao e intei-
) rali ?d?Convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darlo a protocolo e preferencia a com-
I Coke do gaz.
! pitch do ga.
lcali o do gaz.
; Coke tonelladas rs. .
Pitch .
AlcatrSo caada.....
O coke reconhecidameme o carvao mais econ-
mico, toroa-se por isso recoramendave, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aoooV
alie usado. Pitch e alcatro.alm das.#i pHeagdes
diversas a que se prestam, como para callafetar
embarcacoes.alcattoar madeiras,ete.,tetm efit a
prepriedadtyle preservar docupira, fi'rmigas,etc.
fc. entregar na fabrica dogaz on mandado por em
qualquer ponto da cldade, segundo a vortade do
comprador.
"lilil-
-. -? fia
3 M B =J
O. o: ^
8.
n
3
A
1/ Delfeftfesa no trato.
2' Fidelidade no peso.
3/ Sineeridade nos precos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo trtamete, acharo nesta
casa os memores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimes tnante'rga e cha semprede
primeira qualidade. etc., etc.
Qualqaer que seja a coodicao do freguez, elle deve contar que ser sempre-mul-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreg-uezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, aman-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhoresde frada cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, r>elo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quatvto se pode vender carato.
Para os senhor. s que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS SO SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
ALPISTE E PAINgO a 120 rs, a lib a.
AMENDDAS novas a 28o rs. a libra.
AVELES **40 rs. a libra.
ARROZ de O rs, a libra a,..
AME1XAS rancezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANHA de porco a 660 rs. a libra, em por-
cjfo faz-6e aoa*e.
BOLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHLNILAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ing'eaesem latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
C
CHQURICAS m lito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
americanas, bahiannos, fluminenses, etc.,
de 1, 400 a 10,000 o cento.
CHA IIYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os lma-
nnos a
I
DOCES de todas as qualidades.
2
ERVILHAS seccas e em latas portuqueza e
francezas,
W
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.
GOMMA muito nova e alva a 140 rs. a libra.
GRAO DE B1C0 a 120 rs. a libra.
GENEBRA delaranja a 9 e 10,500rs.
CENEBRA de Hollanda im botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
I
MANTEIGA ingleza "e fhrrrceza al0, 14120
1)5280 e em barril faz-se grande abati-
mento.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a360rs. a libra.
IASSA DE TOMATE a600rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos precos.
P
PEIXE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
m
QUEIJ0 do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 800 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.
n
SABO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se
far grande abatimento.
V
VTNHO tinto de 360 a.. garrafa.
VINHO tinto em caada de 2,560
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4$ rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.000,7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherrj a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arroba.
Senhore?
reza com que serlo
pra dos gneros que precisare e quando nao possam vir poderSo mandar seus portadores, anda que e'steYsVam"pouco p'raticos,
poisserSo t3o bem servidos como seviessem pessoalraente, havendo para com estes toda recommendaco, afim Ide que n5o vao en
tra parte.
35To^'''e"a'Kre'a, de S can'das '"ll*aJ'i''rai,5amioI,o,a2oors.
ViioZ S. : *, Rgeira LisfcM S-H? aricte Jos Fr
32o, 4oo-e Seo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,000 e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oors. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
'Vinbobraaco para missaemcaixas de 1 du-
zia a 8,000 e 68o ri. a garrafa.
Vinho do Porto das meluores marcas que
vemao mercado
-. en
g tt. -
c 3
o
a, -i
C 3 C "O C--C -, n S = ce'
B|fg-
. a Bg.8
-'g^.S'SKc
E.0.5 ^ 3 "- -
en ~
Ci. ce en
ce n-
DI
srlC
tt! C ^> ~ C- ^^
I3
'J.
Superiores cortes.de moirs preto com barra, o qne ha 4e melhor gosto em
Pernambuco. _~
dem de gorguro preto adamascado com barra a mperatnz Eugenia,
dem de gorguro de seda bordados oom barra.
Superiores moirs pretos e largos 2#400, 2^1600, U, 3^500, i|, 50, 60,
70 e 80 o covado.
Superior gorguro de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hes;ianhola.
dem dem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 10500,10800, 20,20500, 30,
35500, 45, 40500 e 50.
Pannos pretos de superior qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta Je 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de filo preto.
Mantas pretcs de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na hija dasColumuas
na ra do Crespo b. 13 de Antonio Correa de Vasconcelos & C. uccessores
de Jos Moreia Lopes.
Minteiga ingiera especale errte escollada a
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
Idemfrancezaa nwisflova do mercado a 96o
p,r.s- a ''bra e 900 rs. em barril oumeios.
uia nysson de superior qualidade a 2,600
( rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mewado.a
2,800 rs. a libra,
dem nysson muito superior em latas de 5
libras muito proprio paraneeocioa 2.000
rs. a libra. "*-
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras ai.Coors.
dem preto o que se pode desejar nesle ge-
, ero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abamenlo.
Chouricas e paosa 800 rs-.a libra.
Costelletas ngJezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino diegados neste ultimo va-
pora 2,2oo rs., ditos de navio devela a
2,000 rs.
Idemlondrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra,
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados paca agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. aduzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oors.
a duzia.
Chocolate francez 'espaabol e suisso a 9oo,
l.oooel,2oors. a libra.
Espermacele superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e 61o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.oooe 11,000rs. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a.28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java
roba.
Paincoe alpista a lo rs. a libra
arroba.
como sejam: Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
ra Secca, Maivazia fina a 16,000, IS.ooo,
12,ooo e lo,oooa caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,00a
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barricae"320ts. alifara.
Bolachinhas de oda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francemuito proprios pa-
ra mimo a 6*0 rs.
Passasmuito novas em caixinhas eufeitadas
para raimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 acaixae4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, enaJata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em Tasco de vidro com
tampa do mesmo, a I05oo.
Ameixas franc< zas em caixinbas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada nma.-
Azeite doce refinado hespanholou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas rauito novasa 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes.
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposieao Normal de Ha vana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,000, 4,5oo, 0,000,
6,000 e 7,000 a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhas de Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,000 a caixa.
ognac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da asea degoiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
F-arioba de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,encllente cha paraos navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franga muito grandese novas
a l,ooo cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
ToucdIio de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
. sentemenletem vindo ao mercado, a 2,000
a lata.
Farinhado Maranho muito alva echeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
i
ce *"
o3*o'g
-' g 8*35
as %
Ti o e en

6K
i2.ee
"8
c
oc
<
03
H_
en'
C-
o
o
03
i
Cu
ce
en
s.
cc
03
3
s
en
e Q. r~
Wa 3"
03-3
ws o 2 o

Cl
ce
as
o
r.
c
fi O.
rz ce
-1
= O"
a:
O
>
Peefaiiiel
1

4 e 45-RA DO QtEIMADO4.") e 45
Vondem-se cortes de casemira escore/a a ?! 11)
o corte, coberta de chita escocea a 2,8 p |8C0,
cortes de laa indiana para vesudo 8C0 ; todo se vende por este preco para ira-
bar restos de fazendas, assim amo chitas !; reas
a WO rs. o evado, camLraia organdv flosima a
S0 p 260 o eovado.
Vendem-se sapatos de borracha para hotnens
senhors, de superior qualidade a 1.3 cada par :
na taberna da ra do Imperador n. 83.
.U.^vUlM
ESCfiAVOS FGIDOS.
I a 800 rs. o frasco,
a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potesj preparada a
4oo rs. o frasco,
e i.ooo a Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-i 10 a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Iho.
Palitos de dente a 14o rs.-omaco.
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Aeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancoreta.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24, 000 e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar rauito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhasa8o rs,cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes epeque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia ecereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre brancoj engarrafado a 000 rs. a
garrafa.
Fugio era principios do mez de fevereirc dt
correte anno e consta estar acoutado nesta cidaoe
o moleque Euzebio, escravo da vmva do Pi. Fer-
nando AlTonsode Mello, de 12 annos de daiii pxr
co mais ou menos, cor preta, secco do corpo. olbis
regulares e afumagados, cabeca un pouco r-ioe
e meia chata, beigos finos, dentes bem ahros', |.t*
seceos e muito ladino : poga-6c por tanto a meas a.-
auloridades policiaes e capites de campo d>< ai-
prehendam e levem-o a ra da Hangneira sed raoi
n. 6 que serao gratificados, proteslando-se nsardot
melos judiclaes contra qualquer pessoa que o tenba
em seu poder.______
No dia 9 do coireute mez Aaaapparece da Ta
da ra da Iraperatriz n. 9, segundo andar, o esora-
vo pardo de nome Eugenio, com os signa, s fegoln-
tes : magro, falta de denles na frente, e tem a vis-
ta esquerda coterta com urna nevoa, consta vagar
pela cidade a ganhar, principalmente na esta^o
da via frrea, e na ribeira de Santo Antonia .
([nem o levar a casa cima ser gratificado.
Acba-se fgido o escravo pardo de como
Ignacio, idade 3! annos, pouco mais ou menos, U-
tura regular, cabellos annelados, olhos penenos,
e quando nr ficam quasi fechados, nariz nm pouco
chato, tem alguns dentes podres e falla de < otros,
corpo regular, falla bem, e muito eonheeido nes-
la cidade e em alguns lugares fra por onde tem
andado ; porlanlo roga-se as autoridades policiaes
e aos capites de campo, tanto desla provincia co-
mo das liroiTophes, que o fagam apprehenJer e
conduzi-lo casa de seu senhor o major Antonio
da Silva Gusmao, na ra Augusta, sobrada n. 99,
qne generosamente recompensar, e pagar todas
as despezas a qnem o condnzir.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,000 rs. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
Machinas e serrete para
Cnegaramos superiores
eortes de seda.
Chegaram as desatadas machinas de serrotes pa-
ra descarocar algodao, havendo nm completo sor-
timento desde 13 at 40 serrotes, tarobem ba mo-
tores americanos para as mesmas machinas, ven-
dem-se o mais barato possivel : na ra da Cadeia
do Recife n. 56 A, loja de ferragens de Joao Car-
los Bastos Oliveira.
Agua florida e tnico orien -
tal de Kemp.
Continna-se a vender em porgao e a retalho :
aa ra do Qoeimado, loja d'aguia branca n. 8.
Chromacomo
A agnia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocalletrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onychromantina para limpar as nnhas. Essa
tintura, cojo efeito rpido e eficaz, est bem co-
nheeida e apreciada para todos qaantos delta tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquelles, dingir-se munidos de
dinbeiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'agaia branca, na
rna do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folbas, e
dito tambem verde e mui fino para cobrr o ara-
ne, assim como folhas de panno e avllndadas
para ditas.
Aspas de baleia para vestidos
Vendem-se na ra do Queimado, loja d'agaia
branca n. 8.
Superiores penas d'ago ingle-
zas francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
penas d'ago qa constantemente tem, acaba de
receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, assim como as
verdadeiras blco de langa n. 134 e outras de pon-
ta dourada, continuando porm a vende-las por
precos commodos, com tanto que ocompradorcora-
parega munido de dinheiro: na rna do Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
a a venda pastas para .papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, receben:
Bonitos e grudos aljofares de cores para voltas.
Palseiras de ditos de igaaes e agradaveis cores.
Voltas pretas maiores e menores todas de coalas
jfrossas.
Pulcerras pretas tambem de eontas.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores a dourados.
Fivelaa d'aco grandes e pequeas com cinto pre-
to de madre perola.
Outras graneas da dJfferentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos laques de froadreoerola redondos e de
ATTENCAO MEUS SENHORES
PARA
Superiores cortas de seda de cor, viudos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a rna outra forma.
do Crespo n. 13, de Antonio Cerreia de Vascon-I Dito de sndalo Intericos e corredicos.
j cellos 4 C. 1 Capellas brancas para meninas.
NOVA CALIFORNIA
Fazendas baratissimas loja da rna do Crespo 11.17 de Jos Gomes
Villar.
A nova crise commercial permute que e poo em geral nao possa comprar fazendas
caras. O proprietario deste estabelecimento, amigo que do povo em geral, attendendo a
essas circunstancias est vendendo fazendas por precos que na realidade admira.
Correi, bom povo, a este estabelecimento, e comprai fazendas, porque all se vende
por menos do qne em outra qualquer parte.
Cassas organdyzes a 280 rs. o covado.
Chitas francezas escoras matiradas a 260 rs o covado.
Ditas escuras mnito finas a 240 o cavado.
Ditas claras dem a 240 o covado.
Ditas escuras Idem a 260 o covado.
Chitas para coberta muito largas matizadas a 240 o covado.
Madapoloes finos largos a 6J590, 7> e 8
Chales de fil preto muito bons a IO9OOO cada um.
Chales de merino estampados a S$SOO, 6 e 7.
E outras muitas fazendas, que tudo se vender por precos que admiram.
AZEITE DOCE
Azoite doce reOnadoem pequeas latas a 360 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120 libras a 40,40800 e 50 ; no grande armazem da Liga.
Desappareceu a escrava Luzia, com os sig-
naes seguintes : cabra, alta, magra, com (alta e
dentes, tendo um talho grande no beigo, olhos gran-
des, e quando falia aperta os olhos, bastante la.
dina, julga-se andar por Olinda : quem a pegar,
leve a ra da Cadeia do Recife n. 64.
Desappareceu na quarta-feira, pelas 8 horas
da noite, do hotel d'Aguia d'Ouro, ra estr<-i:;i do
Rosario n. 23, o moleque por nome Luiz, cora os
sigdaes seguintes: alto, secco do corpo, sem bar-
ba, tem urnas marcas por baixo de um olho, fheio
do rosto, bem preto, ps e maos grandes, bonita
figura, falla grossa, levon vestido caiga e camisa
branca, sem chapeo na cabega, costuma andar de
sucia com outros, pode ter a idade, pouco mal; ou
menos 18 para 20 annos : quem o pegar leve ao
estabelecimento cima, que ser recompensado
generosamente. O dito escravo n uito conoci-
do nesta cidade por ter andado com um taboleiro
na cabega, conduzindo alroocos e jantares.
Ausentou-se no dia 10 do correte o escravo
Luiz, estatura baixa, levou camisa e caiga branca
de algodezinho, tem sido visto as Cinco Puutaa.
ra Imperial e Afogados : quem o pegar leve o
em Santo Amaro, em casa de sea senhor Manocl
Custodio Peixoto >oares, ou na praga do Corpo
Santo, que ser grtificado.
"*
Itenc

PECHA SEM IGUA!
Madapolao mnito fioacora pequea toque de avaria, por prego que admira : na
das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vascencellos & C.
loja
No dia 4 de Janeiro do anno de 1864, fugio do en-
genho Conceigao, comarca de Pc-d'Alho, o escra
vo Galdino, perlenrente ao abaiio assignado, com
os signaes seguintes : idade 26 annos, pardo, claro,
corpo, figura e altura regulares, cabellos meios ca-
rapinhados, olhos pardos, sobrancelhas e palpehras
salientes, tem em cada braco um sino de Salomo,
sendo um delles mal feto, e junto a este urna cruz,
tem na cabega urna cicatriz de urna polegada, e em
cima de um quartc ama ontra cicatriz de tres re-
legadas, proveniente de ponta de pao e qneda, tem
sobre as costas algumas marcas on cicatriz..- de re-
madas ou chicote; um|pouco desembargado quan-
do falla, tem principio de carplna e carreiro. loca
viola e barbado. Foi soldado do corpo de'policia no
fiecife, e levon comsigo a baixa do theor seguinte:
Secgo urbana, 2* corapanhia n. 50, Antonio Cana-
no de Oliveira, filho de .Agostinho Ferreira de Bri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos cara-
pnhos, olhos pardos, offlcio nenhum, estado soltei-
to, com 30 annos de idade, 60 Delegadas de altura,
no engajar-se. Engajou-se na forma do re?nla-
mento, em 17 de fevereiro de 1862, por offlcio do
Exm. Sr. presidente da provincia, datado de 28 de
abril do corrate, e publicado ao corpo em ordem
do dia 1* de maio, tudo ero 1862; leve baixa do
servigo por ter dado em seu lugar o paisano Joao
Pedro Ferreira da Rocha. Foi escravo do capitao
Joao de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e hoje morador na
Campia Grande da Parahyba do Norte, qne o ven-
den em das do mez de novembro de 1863 ao abai-
xo assignado, pelo costume de andar fgido e a ti-
tule de forro com o nome mudado ; pelo que roga-
se a attengao das autoridades civis e militares, uo
I s desta provincia como das demais do imperio, a
apprehensao do dito escravo, que a titulo de forro,
nao tenha sido recrulado ou aseenlado praga em
algnns dos corpos de Voluntarios da Patria, tam-
bem pede-se aos capites de campo e pessoas par-
ticulares a mesma apprehensao, e leva-lo ao seu
eenbor no referido engenho Conceigan, on nesta ci-
dede ao enpita Mauricio Francisco de Lima ra
i do Brum n. 56, qne ser gratificado rom 2004.
Jas Maria dos Santos Cavalcenti.
/'

4
nanam
MtmDpji


8
Diarlo de rernambuco Qnarta felra 31 de Halo de 15.
EHAR'I.
01 P0UC0 DE TUDO.
Sobre a Semana Santa, em Sevilha, publica o
Jornal do Contmercio de Lisboa a seguate carta :
AmigoPediste-me noticias de Sevilha. O pro-
AM vai o que tive lempo para
As alaias e paramentos da cathedral sio riqms-
imos.
Um quarto de bora depois, a guarda militar
apresentoa armas e as trombetas tocaran), anona-
Discurso pronunciado por F. R. de Carva-
llo Jnior, na sociedade Athenu Philoso- mettido devido.
phico Litterario, por occasio de tomar por no pape|.
sent na mesma sociedade. a jornada por trra, a contar de Lisboa, de 38
S:ahores do Atbeneu Philosophico Litterario, horas, e casta uns vlnte e tantos mil ris.
ur-rae em vossasflleiras ea viessc silencio- De Ljsbda at Meri(ja na caminbo de ferro; de
si. e se nesse acto ea experimentas* o premio de herida a Sevilha faz-se a jornada em diligencia, e
mu virtude, eu assim me aprcscaiaria em vosso Q traject0 de gretnio ; e se a lioguagem tacita de meu cora;ao
poJ-sse exprimir a BObreza Sossenttmeotos que
ura doininam as minhas acedas, eu a fallara ; e
se esse moiueulo glorioso para roim, e para vos
pasapasa desapercebido satisfazendo a miaba e a
vos ;i expectativa, eu igualmente seria satisfeito. subidas e peior camiBho por dez.
;m, seahores, que vos sou devedor da gene- a Sierra Morena e as immediages de Sevilha
rosidade de vossos sentimentos, eu, de quem neste oftereccm excellentes pontos de vista.
i loto deveis esperar franqueza de peasamento,
A estrada et quasi toda concluida, com excep-
ro de urnas tres leguas, que sio de metter medo,
e para a gente ir sempre de Credo na bocea.
A carroagem vai puxada por oito mullas, e as
Tambem este templo possue admimeis qna* ciando a mudanga do caiio, que foi levado pelo
dros de Muriilo, Vargas, Valdez, Reellas, Cano, imperador Alexandre, por seos filos, e pelos
grandes dignitarios da corta.
Sua MagesUde ajudou a collocar o caixao no
carro fnebre, e cobria-o com o panno, Indo no
mesmo caixao a espada e o chapu armado com
plomas brancas do fallecido.
O prestito sahiu enlo na ordem que fdra in-
dicada no programma indo na frente da pro-
cissao um destacamento de gendarmas a ca-
vallo.
etc.
Nao te enumerarei todos os edificios que mere-
cen) ser vistos.
Ha milito que admirar, e a sua relaclo nao cabe
nos eslreitos limites desta carta.
Edificios industriaos tambem os ha importantes,
como a fabrica de tabaco, urna fabrica de louca, a
fundigo, etc.
A Semana Santa aqu annunciada por cartazos
A communa de Labor, no districto de Hestcbebn,
provincia de Shangai a sede do ebefe espiritual
dos donnganes, e forma por assira dixer a capital
d'este pai!, e foi d'ahi tambem que partlu o pri-
meiro impulso dado a todos os movimeulos nsur-
reccioaaes e a todas as revoltas, que por mais de
urna vez teem rebeetado entre os donnganes, e ain
Hfss Heut depois de ratificar a sua deeltraco,
foi enviada a Trowbridge, sede do tribunal, que
tem jurisdiegao no logar do delicio.
Ahi comparecen perantc a reuniao dos juizes de
paz, e conSrmoa as declarares que j havia feito.
Miss Hent, considerada como aecusada do crime
A cada passo se encontrara guardas civis, e as
vezes vao as proprias diligencias.
sada, e aellas o comer pessimo e caro.
ou que recebem hospedes, nao sso fcil.
Depois de bater a multas portas, alojei-me por
duus duros diarios em urna casa ao rez do chao, e
com poueas commodidades; mas a familia boa
. ate nao lonur usensivel a esse dever, nem
abrir una excepgao ordem social, veaho com to-
u i acatamento que exige a importancia de taes
-. e qa3 folizmeute me nao despreza, venho,
i.: lirigir-vos algumas palavras em testemuaho
de n.-conhecimento honra sincera que me aca-
Uii de prodigalisar, a que eu sement vos aango
a provari uio ser adinrente.
.Meus sehores, d3 todas as soienclas que
forman o eomulexo da civilteaea aotiga e aioder-
' cu",f,cw u -,,,,; cerne e faz todos os esforgos por bem servir,
na d todos os povos reco mecedores da veroadeira B v v
religiao, oeobuma ha, que ofterega mais eacantos SaLes lo bem como eu, ou melhor, a historia de
.tureza, mais ramiflcaeSes humanidade e to Sevilha e sua aatiguidade, e por isso deixarei em
penetradora dts segredos ethereos, do que a philo- paz os romanos, que tiveram em muito apreco esta
i ma moderna, nica scieucia capaz da soingo cidade; nao incoramodarei os reis godos Amalari-
ifos mais difflces problemas, capaz de sondar o co, Theudizelo e Hermenegildo, que aqoi tiveram
sbysmo do universo, qur oas investigages phy- a sua capital; nem perturbarei a memoria do bis-
. t, aaer moraes, qnr tlieologicas, a mventora po Opas, do general rabe Muza, que a conquistou,
de :j lo qaanto ha de bello e real ; e s a philoso-, e dos reis que a senhorearam at a conquista de
plua nadara entrar as in agacdes dos misterios S. Fernando, 2 deste anuo.
iaos, s ella poderia explicar a obra prima do : Podia alardear vasta erudigo, particularmente
Cf a l.ir, s ella saberia comprehender e admirar auxiliado por um livro hespanhol que comprei a-
a r-f-'ieio do ser creado, dividi-lo e deoomina-lo qui; mas iso nao para nos: deixemos a tare-
; toda eficacia e razo porque s a philosophia fa aos folbetinistas cerzidores de retalhos de pegas
emiim conhece e julga com acert do justo e do alheias.
e programlas, que at memoriam os melhoramen-
tos feitos nos aadores que vao as prociss5es. O general Corrard, commandante superior,
Os oficios, mesmo na cathedral, nao sao cousa ia a cavallo, levando a gra-cruz da ordem rus-
para admirar, nem mesmo para ver ou ouvir. sa de Sant'Anna, testa das tropas a mari-
Toda a pompa est as procissoes, que nao sao
da ltimamente em 1862. quando a revolta, que (confessado, foi conduzida prisao de Devirer, fl-
teve por ponto de partida Schangisi, se espalhou'cando mhecimento do caso para o oitavo dia a
pelas provincias de Hangson, Sitibouang e Young- contar do seguinte.
nang, de modo que o proprio governo calcnlava o | MIJ......
numero de revoltosos em mais de 100:000 ho-
meas, repellidos da provincia de Hangson para a j
provincia occidental de Orouratchl, onde, s no;
districto de Kouldja, se contam mais da 60:000 fa-
milias donnganes, e em toda a provincia propor-
E' do Sr. \V. e F. esta poesa :
Ves a fonte solitaria e crystallina
menos de 14, a saber : 2 no domingo de Ramos, 1
na qnarta-feira, 3 na quinta-feira, 3 na sexta-feira
de madrugada e 5 de tarde t
As prociss5es sao feitas pelas confrarias.
O prestito compe-se de padres e dos nazarenos,
Enconlram.se no caminho poucas casas de pou-! que assim se cnaraam os irmaos das confrarias, e
os individuos a quem pagam para figuraren) vesti-
Nesta poca impossivel achar quartos as hos- i dos de /orr,C(jCOJ.
pedanas de Sevilha, e mesmo as casas de pupillos n ___,. ', ,_il. a
O vestuario desta gento consta de urna tnica, e
na cabeca ama carapuca de 2 metros de altura;
da carapoca pende um panno que encobre a cara
Aadam as maos de todas as noticias histricas
de Sevilha, quem as quizer com pouco trabalho as
acha.
Sao livros que nao tem p nem traga.
Sao estreitas e tortuosas as ras de Sevilha, as
casas tem as janellas com grades, que ibes dao o
aspecto de prisoou convento; mas conta grande
actualmente
bollo, do uiil e do vero. Quando, meus s-'ohores,
i fallo do ser creado, o por exeelloncia dotado de
r ~ i, quando fallo da obra prima do Creador, te-
,i. i fallado do homem, e por urna deducao logi-
ea '. nho fallado em parle da homanidade. E pois
i homom e o homem typo do seu Creador, e
y.-ablo de saa graadeza, seria capaz de reunir em
ai untos e tao preciosos elementos, que o distiu-
ga ***** os outros seres creados. E aisla """'ero ^ palacios e construem-se
camino*-a l.umanidadc sem norte, por um mar """JJ puosas; vao alargando-se os |
, un borizoute, at que toque as plagas de seu des- '"es da c.dade, abr.ndose novas ras e pracas, |
Wt, esse porto de bencio, fonte de taatos bens, bora arbonsadas com acacias e larangeiras.
11 de luz eterna, que de louge Ihe acceaa o ler- A cada canto das ras e das pravas se encon-
a feliz do sua j irn ada. E nesse vasto theatroda tram barracas onde se vende leile, salsa-parrilha
v;da, meus seahores, que diris desse ^orlo dd caraniello e orxata, o ahi se ple tomar qualquer
Salvadlo oade a huiuauidde sequiosa vai saciar refresco, porque oo se assemelham aos dos nossos
aas aspiracoe na crenga do caiholicismo, e onde vendedores de capil de cavalliuho.
este maaifesta a sua preponderancia ? Qae palavra j As en,radM das liab[at0(i3 s0 fec|iadas com
ni Hagaagttn phiiowpnia podera desigaar esse prades de ferr0j e formam pateos, ornados de ar
peasaueuto ? Be terreno mata yuta, maja pro- ]bustos ede flore?, que os tornara raui apraziveis e'devidas distancias: outros levam-n'a no braco, e
fundo, mais resplandeceute, mais solemne, mais in- de mui[0 regalo no vera0j que 6 aqui araeDlis. i omros n5o lem caada e |evam capa_
oor.tes.avel, onde tudo eocontra seu destino, e que simo. Tod3 os VtSllla|.ios> band9iras, guioes, etc., sao
;' i decide, lem urna signiiicacao mais predoan- ,
Mite disse o Bloquame Laeordair,, chama ee l ara mesmo eIelt0 a ca5as Ieffl os seus terra" inovos de seda ou velludo e >"ag"'"camente borda-
soeiedade : porque meas seanores, o homem liao **' ^ deveni ser do rande relrigerio as noltes dos.
no- ser AHutA -.tirad un can liara vivar e mor';, calniosas- i A Alleluta na cathedral nao me prodnzio o effei
re'sombra ao de ,nt u de una A ^ ltra bf ** e a tdossobreleva to que nos nossos templos geralmente causa.
rer a somr.ra io0(,raaie ul ara locaeuo, ou ue urna ^ a gj^gj^^ no esty|o roniano g0l|,co e-que ura ; n ornan 4 macninco
rfJJ SuTo ^aX&ll! l dS nia0reS ,emP'0S depS de S- Pedr de R0ma- Ac eZr doLna'fazem tanto barutbo, como
i imanica suas ideas, suas paixSes, stus vicios, ] Ttm 9 l,ortas. s >. ^ pellas e um orgao depois do oficio de trevas; urna bulha que pare-
,aU virtudes, cy.n a influencia de sua existencia, 3i0 canudos, segundo diz o mea guia por-1 ce vir lado a baixo.
no o -o sasrado da tutefigeacU. Se a sociedade i Q"e eu, acreditas bem, nao os contei: Giralda, j Hoje ha touros: matara Cuchares e Dom.ngues.
, nil .ente de todos os peosameotos, e de todos, pe assm se chamo a torre, por ter a figura da Se obtiver bilhete darei conta da fun?ao.
esse I'"'' servindo de catavenlo, rnede 330 ps de al- A noite canla-se no thealro a Lucia, pela Uas-
do farrkco, e Ihe chega as costas.
Os andores on passos, como Ihe chamam, sao
collossaes. Imagina quadro dos que ahi apparecem
as procissoes todos unidos, e formando nm s.
Cada am dos passos levado por 20 ou mais
gallegos, de que se nao veem mais que as chancas.,
porque vao encobertos com nm rodap, que pende
do andor.
Dir-se-ha que aquellas machinas se moviam por
si, se se nao vissem os ps dos mariolas que as
conduzem, se se nao ouvissem o som das chancas
batendo as calcadas, e as vozes do que a manei
ra de capataz Ibes ordena que parem ou andem.'
Emquanto as imagens, vestimentas e adornos,
tudo riquissimo:sao de velludo fino bordado a
ouro, mas grssos bordados.
As coras das imageus sao de prata e ouro cora
pedraria fina : estes objectos valem contos e contos
de ris.
Mas para que vejas a impropriedade com que
sao celebrados todos estes actos, bastar dzer-te
que ama imagem do Senhor dos Passos leva urna
craz de tartaruga marchetada de prata, e a tnica
toda bordada de ouro!
Na noite de quinta-feira muita gente fica pelas
ras a espera das procissoes da madrugada de sex-
ta-feira.
Eu vi-as eram 6 horas da manhaa, e notei que
os garotos iam adianto dos andores dando vivas a
Nossa Senhora e a Christo, e o povo vociferava os
mais insolentes improperios contra os judeus que
martyrisavam o Salvador.... nos andores-
Esqoecea-rae dizer que alsuas dos nazarenos
levara cauda, de ao meaos de 6 metros, e laxo
I deixa-la ir de rastos, guardando os que segoem as
O imperador Alexandre ia com o uniforme de
oficial general, com casaco azul, caigas de ama-
ranto, capacete como plumas, e fnmo na dragona
e na espada.
O caixao foi levado pelo principe Dazilio Delgou-
ronki, ministro e ajudante de campo do imperador
da Russa, o conde Schouvaloff, gro-marechal da
corle, o almirante Bondoukoff, e M. Okenell, da
embauada da Russa em Pars.
O imperador era seguido pelos gro-duques
Alexandre, Wladimiro, e Aleixo; o duque de
Leuchtemberg, o principe Alexandre de Hesse, e
o duque Jorge de Mecklemburgo-Slrelitz.
Chegando igreja, o caixao foi levado pelo im-
perador e outros membros da familia imperial, e
collocado n'uma ega debaixo de ura docel f-
nebre.
Os dignitarios que pegaram no caixao col- i
locaram-se nos quatro cantos, e junto d'elles;
os oficiaos que levavam as insignias do fal-1
lecido.
cionalmente anda maior numero ; de modo que
os revoltosos all encentraran) a popalaco dispos-
ta a tomar parle nos seus planos de rebelliao, tan-
to mais porque a maior parle do corpo de volun-
tarios chinezes (20:000 homens) companha-se de
dounganes, nacionalidade a que pertencia tambem
0 ajudanle do commaadaate do corpo.
Foi sob o commaodo d'este ultimo e reforjados
pelos soldados do corpo, que no fiai do aano ulti-
mo os douufcanes so revoltarara em Oaroamtchi e
arrebaldes contra as autoridades, e se apoderaram
d'esta cidade qne saqaearam e queimaram.
Centro do commercio e da iadustria de todo o
occidente do imperio, Oaroamtchi tem orna popu-
laso de dous milhoes de habitantes, e grandes
depsitos de fazendas.
Segundo dizem os empreados e negociantes
estabelecidos mi Tchougoutchak, os revoltosos oc-
cupando a cidade, assassinaram 130:000 habitan
tes de todas as idades, e queimaram todas as fa-
zendas.
Todas as communicacoes com Konldja e Tchou-
goutchak foram interceptadas de modo que as au-
0 estandarte do czarwitch foi collocado defronte | toridades d'estas cdades viram-se na necessidade
movimeotos do homem ; se a sociedade
>ma lumiMo que se apreseott diante do ho-
ist a guiando o pira o caraiuho do bem ; se a so-
i lo, digo aiu'.i, o bem mais perfeito que o
.. : r: pdeeoeoolrar ueste mundo de abstracSea:
n js qne somos navegantes aos mares da scieucia, c
dominados peia crenca. uoi dia vira era que
Invenios de ser a satisfaco da patria <\\6 nos vio
aisc :; 3 ira oflem tanto condarn os nossos vin-
douros, devemos por meto do trabalho combinar e
unir os nossos esforcos, e devemos crer que nao
lu routade sem dse jo, c nem.desejo sem necessi-
dade ; assim, pols, o trabalho o principio d'onde
devemos partir para chegarmos ao nosso aperfti-
coa ment moral ; porque como bem disse um mo-
derno escriptor : o bornes nada conhecerase nao
livesse necesbldade de aprender, e o mais estupido
de todos os povos seria aquelIs que satisfizesse a
todas as -uasnecessidaies sem nenhum trabalho ;
e asslffl desenvolva-se a vootade em nossos espiri
.os, que opremioda virtude ser coroar nossos es-
(oreos, e bavemos de enejar ao termo feliz de nos-
sa jornada.
Tenho concluido, meus onhores, e pego-vos que
desculpeis as miuhas exageracoes.
rier, tenor Bignardi, e o Bouch.
Em Cdiz ha hoje combate de um leo com um
tura.
O Sacramento expoe-se na quinta-feira maior no
Monumento que tem 180 ps de altura,e consta de ; louro-
4 carpos; o 1, em forma de cruz grega, cora 16 A eenle f* es,a *ai e '"""meravei.
columnas poricas, e dentro delle outro da mesma i Na Semana Santa o transito difflcilimo; espe
conBguraeao, cora 4 columnas, Ddas de prata, no \ rava-se horas Para ,r de ura PODt0 a oulro- ''
centro do qual se colloca a custodia j o corpo
da ordem jnica tem 8 columnas e 8 estatuas o 3o'
Sou, etc.H. SI.
formado de 8 columnas corinthias, e o ultimo
oitavado, e sobre elle se v o Calvario; e alm ds
to tem o jfonMMmfo grande numero de estatuas e
de candelabros: esta machina arma-se e desarma-
se todos os aanos.
Admira-se pela grandeza. (1)
^1) Para maior expllcajao do famoso Monumen-
to tiramos do Diccionario do Sr. Madoz o segra-
te : O monumento de madeira e pasta. As co-
lumnas do primeiro corpo lem 22 pes de alto, c 3
de dimetro; as do segundo tem 13 ps. As esta-
tuas sao co'lossaes. Antes illuminava-se o Monu-
mento com 162 lampadas de prata e 722 vellas de
cora, pesando 3282 arrateis: em 180i reduziram- \
se as luzes de cera a 411. cora o peso de 2982 ar- um brilnan,e plendor, recitou as oracoes dos
ratpis, e posteriormente foi ainda aqueje numero defuntos, conforme o rito da igreja oriental.
r.-iuiido. A custodia peca primorosa dos nlti-l Alm dos fuaccionarios russos e francezes de
mos annos do seclo XVI; tem de alto 12 ps, e! Njce os re?iacnles russos e os visitantes desta ci-
e no estylo romano. E conduzida por 2i homens
O Journal de Nice publica a seguinte relajo
do funeral do grao-duque herdeiro da Russia.
A' hora fixada, o imperador Alexandre, auxilia-
do pelos membros da sua familia, os generaes,
ajudantes de campo de Sua Magestade, e as pes-
soas que pertenciam casa do fallecido czarwitch,
collocou o corpo no caixao.
O defunto eslava vestido cora o nniforme de raa-
jor general.
Ao mesmo lempo o clero, vestido com capas de
cobei'tosde vestimentas bordadas a ouro e prata e
com differentes passos da esenptura.
dade, e alguns de Pars, estiveram presentes a esta
pathetica ceremonia.
Sabia as
nem cachopo nem
FOLHETIH
0 CONDE DE CHANTELEINE.
Episodio (Continuarao.J
111
A VIAGEM POR MAR.
Kercan, como acabava de o dizer, nao tinha
embaraco em conduzir um barco ; fizera suas pro-
va- como pescador na sua juventnde, e as costas
da BretMha Ihe eram familiares desdo a ponte de
Croaste at o cabo Fmistere. Nao havia um s ro-
chedo que elle nao conhecesse, um s enseoda,
ama babia que nao livesse frequenlado 1
horas da raar, e nao tema
baixio.
Esta barca em que iam os dos fugitivos era urna
lancha de pesca lina e baixa na popa, porm
elevada na proa, e maravillosamente disposta pa-
ra resistir ao mar, ainda mesmo tempestado
ella tinha duas velas de cor eacarnada, ura tra-
quete e am corta vento.
A coberta em todo o sea comprmento apenas
oflerecia umaun.ca abertura destinada ao homem
do leme; portanto a barca podia passar impune-
mente por entre as vagas, o que Ihe aconteca mul-
tas vezes, quando ia pescar sardinhas atravs da
Uha-Bella, e vinha depois procurar a enirada do
Loira para subi-lo at Nantes.
Kernan e o conde nio eram mnitos para mano-
brarem-u'a. Mas urna vez preparadas as velas, a
barca deslou pelo mar alto.
Ajudando o vento de Sim, ella voava sobre as
ondas com rapidez. Bem que a brisa fosse forl3-
sima, o Breto nao quizera rretier as velas nos ri-
les, as quaes ioclinavam-se algumas vezes a pon-
to de molharem-se as suas relingas; mas, ou por
urna evoluclo audaz de leme, ou manobrando um
pcaco a escota, Kernan alteava a barca e tornava
a lanca-la ao vento.
A's*cinco horas da manhaa, ella passava entre
Ilha-Bella e a pennsula de Qniberon que, algoas
mezes dep'ois, ia ser inundada de sangue francez,
para vergonba da Inglaterra.
Algumas provises de peixe secco formavam o
abaste?: alo da lancha ; portanto ambos os fugi
tivos poa^rara tomar um pouco de alimento ; ha-
via mais de quinzo horas, que elles nao comim.
Dorante os primeiros instantes desta viagem. o
cande de Chnteteme cons?rvoa-se tacitnrno ; e>
Sim, disse o conde dando ara suspiro.
Nao ha dous partidos a tomar, continuou o
disse o conde com voz dolorosa.
Kernan ; a
lava em refens urna violenta comraocao. Seu es-
pirito raisturava confusamente as scenas do passa-
do com aquellas ane previa no futuro. No moraen- Bretao, ha ara s.
to cm que corra em soccorro de sua mulher e de Qual 1 perguntou o conde,
sua filia, estasflbe apparcciam cada vez mais Reunir todo o vosso dinheiro, nosso amo, o
aroeacadas. Elledlsculia os lauces de urna desgra- meu, procurar um navio por todo o prego, e fugir
ga possivel, e procorava recordar-se das ultimas para a Inglaterra,
noticias que recebera do castello. Emigrar I di
Esse Karval, disse elle emflm a Kernan.' bem I Torna-se preciso respondeu
conhecido no paiz, e de certo, se all lornasse a commissao de salvacao publica vai exercer tern-
apparecer, os habitantes do castello recebe-lo-ham veis represalias na Bretanha e na Vandea 1 depois
muito mal i de ttr vencido, vai fazer grande matanga.
Na verdade respondeu o Bretao, e nao del- E' como dizeis; ella ja eoviou os seus agen-
xariam de trata-lo, como merece. Mas se o velhaco tes mais craeis a Nimes. Expedir outros a Quim-
ahi fr, nao ir s, e demais, basta ama denuncia per, a Bresl; e as margens de Fmistere tresborda-
sua, para que sejam presas a Sra. condessa e mi- rao logo de cadveres como o Loire.
nha sobrinha Mara. Unas pobres mulheres inof- Sim I respondeu o conde ; miaba mulher
tensivas I Que tempo esle em que vivemos I nimba tilha I preciso salva-las primeiro que t-
Sim, terrivel / Kernan, am tempo no qual a do I pobres e doceis creaturas
Mas se emi-
do altar.
A ega de forma raooumental, eslava, assim como
o carro, coberto de veludo carmezim e sustentada
por columnas decoradas com franja de ouro e or-
namentos, tendo ama cpula que acabava com urna
grande cora ducal.
Em conseqneacia da peqaenez da igreja, s all
foram admiltidos os dignitarios russos e as autori-
dades francezas de maior graduagao.
O camarista da corte agradecen e despeda as
oatcas corporagoes.
Logo que Suas Mageslades, rodeadas pela fami-
lia imperial, os principes e os dignitarios da corle
tomaram os seus lugares direila do altar, prin-
cipiaran) as orages de defuntos no meio do mais
profundo silencio.
O imperador e a iraperatriz ajoelharam repeti-
das vezes, e a tristeza que os opprimia estendeuse
s oulras pessoas que se achavam preseates; a e-
renidade da sua attitude, nao obstante a sua dr,
de se corresponderem com o governo por Kobdo
e Ouliasoutai.
De Ourouoitchi os revoltosos avangaram em
dous corpos separados do lado de Kouldja e do
Turkestan.
O corpo que se diriga para Kouldja foi detido
em Kourkara Oassa pelas tropas enviadas de
Kouldja ao seu encontr.
Depois do oceuparem esta cidade, os revoltosos
foram ainda mais adianto para o occidente, e to-
maram posse, as visinhancas, da cidade de Akson,
ponto estratgico de grande importancia. O com-
mandante da cidade expeda, contra os revoltosos,
lodas as tropas e toda a milicia de qne podia dis-
pr, porm foram batidas pelos revoltosos.
Tal era a situacao durante a sexta la do anno
ultimo.
O chefe superior do Turkestan, receiando, com
razo, que a revolla so propagasse pelas oulras
cidades occidentaes da provincia, pediu auxilio
Murmurando docemente na espessnra ?
Tai meu corago ; nutre em segredo
Lm amor sem esperanga de ventura.
Vs as ternas rolinhas que brincando
Se beijam alegremente na planura ?
Tal mea coragSo, qaaudo delira
Um amor sem esperanga de ventara.
Vs as flores, qne ufanas se balongam
Perfumando a brisa que murmura ?
Tal meu corago, quando sonhando
Um amor sem esperanga de ventura.
Vs a forte tempestado que rugindo
Abala o carvalho em trra dar ?
Tal meu coiagao, quando sentindo
Um amor sem esperanga de venlura.
Vs o moribundo que eslorteja,
Em lua desigual co'a morte impura ?
Tal meu corago, quando combate
Um amor sem esperanga de ventura.
accrescenlava ainda mais a grandeza da ceremonia \ para Kouldja.
fnebre. Nao poderam porm ser mandados estes soccor-
Depois das orago^s o imperador aproximou se : r0S( e por oulra parle reCebeu-se em outubro ulll-
do caixao e beijou a testa e as mos do seu fllho,
mo a noticia de que os dounganes da provincia
roubado tao prematuramente ao amor de nm gran- de K|dja tambem se haviara revoltado as cida-
de oovu- des ^ue ficam a sle de Kouldja, e que eslavam
Depois, a imperalriz, reunindo todas as suas at effl dJsposicges de se apoderarem d'esta ul-
forgas, que se achavam quasi exhaustas n'este'
combate sobre-humano, foi vista subindo, por seu
turno, os degraus da ega, langar sobre seu fllho
um ultimo, olhar de adeus, e beijar-lhe repetida-
mente a face. O seu augasto marido foi por fim
obrigado a retira-la a forga d'aqaella occopacao,
qae Ihe cortava o corago.
Esta sceoa como se pode imaginar, fez rebentar
solugos a todas as pessoas presentes.
tima.
Em29 dejunho de 1860, foi assasinada nma
crianga no leito, ao p do quarto da ama, em casa
de M. F. Heut, iaspector das manufacturas, situada
em Road-Hill, perto de Selwood.
O cadver encontrou-se na latrna do jardim.
Mutas pessoas foram successivaraenle aecusadas
Aps Sua Magestade seguirara-se os principes,, do Cf a( 0 Q da vicljma e dono da
segundo a sna idade e graduagao; e depois d'cstes
os outros membros da familia, e por ultimo os dig-
nitarios da corte.
A's 10 horas acabou a ceremonia religiosa, e
Suas Magestades sahram da igreja para vollar a
sua residencia.
O iottmoJ de S. Pttersburgo, annuncia que
por ordem do imperador Alexandre, a corte da
Russia toma lulo por tres mezes, a contar do dia
12 de abril, em conseqneacia do fallecimento do
gra-duque herdeiro.
Todas as pessoas das cinco primeiras classes de-
vem trazer luto.
O Jornal do Commercio, de Lisboa publica o
seguinte:
Urna correspondencia dirigida da Siberia occi-
6 ... ,., cargo e relirou-se para fora do reino,
dental, em 7 de dezembro ultimo, ao Invalido Aean3 1jabe| GUg| fol para a Austria, onde fez
casa.
Heut era casado pela segunda vez, a primeira
mulher morreu douda, e dezoito mezes depois o
viuvocasou com a mestra, que havia 13 annos edu-
ca va os filhos do primeiro matrimonio.
Conslance Heut era lha das primeiras nupcias,
e tanto ella como seu irrao e irma tiveram gran-
de desgosto com o segundo casamento de seu pai,
e nulram profundo odio e ciuma contra seu irmo
consanguneo Saville Heut, sem empregarem o me-
nor d-sfarce, mas apesar disso maguera suspeitou
que elles fossem os assassinos do pobre innocente.
As invesligagoes da polica contra o pai da crian-
ga e contra a ama jjgli nao tiveram resultado
alguna,
M. Heut, profundamente impresionado pelas sus-
peilas suscitadas contra elle, demitlio-se do seu
Russo, d os seguinles pormenores relativos aos
musulmanos (dounganes) qne, pelo facto de se
haverem revoltado contra o governo chinez, to
hoje all o objecto da attengo geral.
Estes revoltosos, diz o correspondente, sao um
povo que os chinezes denominara icigour, e que
se acha hoje espalhado por todas as provincias do
um bom casameulo.
Pareca estar liado este negocio, e que o segredo
nunca seria descoberto, quando ha poucos dias
Conslauga Heut, que se havia retirado para uiua
casa religiosa, protestante de Brighton, chamada o
h :sptal de Santa Maria, declarou-se espontnea-
mente culpada do assassinato perante Mr. Henry,
mperio celeste, porm, sobretodo, pelas-provihcias "* de Bow-Street. Acompanhava-a urna religiosa
do norte e do oeste.
e R. Wagner, meaibro do clero aagelicaao.
O Dr. Barret, encarregado de lavrar as actas de
nascimentos e bitos no asylo de mendicidade de
Callejjar ( rlanda), havia achado um meo mui en-
genhoso e novo de augmentar os seus interesses.
Sabem o que fez o nosso doutor?
Inventou nascimentos e bitos, e delles hvrou
acta nos seus registros.
Ora convm sabei-se que a administraco do di-
to asylo Ihe pagava a quantia de tres libras sierli-
nas por cada bito, e duas por cada nascimento.
V-se portanto que o nosso inventor devia aufe-
rir pingues lucros.
Porm um dia, um triste dia, o inventor ficcu
com a calva mostra e foi engaiolado.
Instaurarara-lhe um processo.
Tal vez imagine o traigo leitor que foi condem-
nado ?
Pois nada disso acontecen.
Considerando que a primeira vez, disse o pre-
sidente dos jarados, qae se commette um crime
desta natureza, e que ao aecusado foi precisa mui-
ta iraaginago para leva-lo a effeito ; considerando,
alm.disso, que casado, pai de sele filhos e qi^eo
sea ordenado nao suficiente para satisfazer todas
as suas necessidades, pomos em duvida que elle
estivesse no seu jnizo quando falsilicou os seus re-
gistros, e por conseguate declaramo-lo isento de
cnlpa.
E' bem verdade que a Graa-Bretanha o paiz
das excentricidades.
As seguntes informages a respeito de Boolh,
assassino presumido de Mr. Lincoln, lem-se em
jornal dos Eslados-Unidos:
Wilkes Bouth, segundo so diz, filho de ura
trgico ioglez, nascido em Londres a 1 de maio de
1796, e que morrera na Nova Orleans, no Cincin-
nati, em 1832. Sendo em 1814 deputado em
Covent Gardm, no papel de Ricardo III, em quem
pcssoalmealese pareca de tal maneira que obtinha
o melhor xito, e mesmo podia rivalisar com o
Kean.
Em 1821, passou aos Estados-Unidos, oode se
tornou um actor popular.
Alguns-dos seus lhos herdaram o seu talento.
Seu filho, WiUr.es Booth, havia obtido grande
xito em Mobile, e o coahecimento que tinha da
scena, Ihe facililou provavelmente a fuga pelos
bastidores.
Ha tres Irmaos Booth: Io Junins-Brutus Booth, o
qual durante nimios annos foi actor mui popular
na California, regressou ltimamente a Nova-York,
onde emprehendeu o commercio do petrleo; 2o
Edwin Booth, trgico, nm dos directores do thea-
tro Winter Carden, de Nova-York; 3- John-Wkes
Boolh, que foi por algum tempo agente ou socio da
seu irmo Edwin, e que tentou sen) xito entrar
na tragedia.
O pai dos Booth, o celebre rival de Edmund Kean>
raploua rai desies tres mancebos; era ella italiana'
e mulher de um acrbata.
Deste modo, por seo pai, sao de origem ingleza o
italianos por saa mi.
O sangue americano nao corre as snas veas.
Nunca residirn) nosul nem ali possuem bens.
Nao tcem relacoes com essa parte do paiz, e a
sympathia dos Booth pela causa confederada pura-
mente senlimentai.
Pelo coairario, todos os seus inleresses fundara, se
no norte, onde dous delles Junis e Elwn, Gzeram e
fazem aiuda fortuna.
O vento era sempre favoravel, mas retrescava nha. O castello daiava do tempo de Luiz XIII, e
com violencia; Kerman, posto que quizesse nave- tinha essa rudeza camponia que as muralhas de
sar deoressa e apesar da impaciencia do conde, granito dao aos edificios; era tosco, grave, porem
nVtteu o seu traquete e corta-vento nos rizes. O indestructivel como os rochedos da cosa. Toda-
proprio conde poz-se a manobrar, e a barca, sem via, elle nao possuia nem torres, nem porjafalsa,
que a sua rapidez parecesse ter diminuido, levan- nem guanta suspensa no ngulo dos mu^os,7-omo
ton com a proa as vagas escumosas. ', ninhos d'aguia, e nao despertava a idea, de forta-
Havia quinze horas que durava esta terrivel na- leza-, na pacifica terra da Bretanha, os/sennores
vegago. i jamis se defendern) de alguem, ainda raesrao
A noute foi horrivel ; a tempestado soprou com dosjeus vassallos.
violencia; a vista dos penhascos de granito sobre
os quaes desferia a resaca, fazia medo aos ais
lar <
intrpidos ; a barca tomou o largo para evilr os
arrecifes qne tornan) to pengosas as ingremes
costas da Bretanha.
Os doos fugitivos nao poderam dormir um s
momento; um falso golpe de leme, um Instantejje
esquecimento, e a saa barca sossobrava ; lula
IKCSiaSiSa
Desde muitos annos, a familia do conde exercia
urna influencia feudal quasi inconlestavel sobre o
paiz. Os Chantelelne foram pouco cortezos, np
sendo de carcter condescender, e, em iresentds
annos, nao chegaram a ir duas vezes fazer corte
ao re; julgavam-se Bretes primeiro que ludo e| da. Os primeiros aaaos do casrot/ato do conde e>
reiro, desenvolveu grandes qnalidades militares
durante essa campan! da Vanda. Com f-e co-
ragem, se soldado em toda a parte. O 3ondo
porlou-se con>o here, elle cojo carcter pacifico
nao annnnciava taes disposigoes ; com effeito, as
primeiras tendeocias do seu espirito dirigiram-n'o
para a carrera ecclesiastica, e elle tinha passado
dous annos no grande seminario de ftennt-a; esla-
va oceupado com seus esiudos theologicos, quando
o seu casamento com sua prima, madaraoazella de
La Contrie, o langou era um caminho iaieiramento
opposto.
Porm o conde nao podia encontrar urna con)pa-
nheira mais digna da sua vida. Esta joven tao se-
ductora toroou-se urna mulher corajosa e de.lica-
separados do resto da Franga. Para elles, o casa
menlo de Luiz XII e de Auna de Bretanha jamis
dizer duas
grarmos, acompanhar-nos-has, Kernan.
Alcangar-vos-hei,j)osso amo.
-- Nao partirs comnosco ?
Nao ha alguem a quem quero
palavras antes de deixar a Brelauha.
Esse Karval t
Elle mesmo I
elle oo escapar a
colera de Dos nao nos poupa. mas devemos sub
metler-nos sua vontade. Felizes aquelles que,
sem familia, nicamente teem a temer por si sos.
Nos outros, Kernan, lutamos, defendemo-nos, bate-
rao-nos pela santa cansa I mas nossas mais, nos-
sas filhas, nossas mulheres, nao podem seno cho-
rar e rezar.
Felizmente estaraos l, responden Kernan, e Ah l denao, Kernan
antes de chegar al ellas, seria preciso passar por justiga divina. *:;.. ^j.
cima dos nossos corpos. Como quer que seja, nos-,. Nosso amo, pens que elle principiara pela
so amo, obrastes bem deixando madama e made- jnstiga humana. ,.AJT*
moaseila em Cbanteleine; as corajosas mulheres O conde conhecia a pertinacia do seu 'ado e
queriam senir-vos e fazer a campan! toda como quanto tena sido difflcil desarraigar as idea,
madama de Lescure, madama de Donnissante tan- de vinganga. Portanto calou-se, e, pai e mando,
tas outras I mas a cusa de que soffrimentos e todo o seu pensamento empregou-se em sua mu-
mi-erias 1 llier com sna niha- >,
- E com tudo, replicou o conde, lamento nao Assim seus olhos devonvam a costa. Elle con-
t-las a meu lado I estaran) era segnranga, e, de- ,ava_as |10.,:a'_os.r,.Q^SlIM" PTo5S
pois das ameacas desse Karval, tenho medo.
'de manhaa, se o vento nos os horrores desla guerra civil, na gltM^
que urna tempestado Ihe teria feito correr.
- Oh I imanba de manhaa, se o vento nos os horrores desla guerra civil, na qual as
protece,descobriremos a costa de Fmistere,e acn- des foram espantosas de parte a parte, viniiam-
teca o que acontecer, nao esureraos longe do cas- Ihe memoria. Jamis sua mulher e sua hall
tollo parecern) correr tantos pengos I A imaginagao
- FicarSo bem sorprendidas d* ver-nos, essas Ih'as representava atacadas, presas, ou em fuga,
pobres mulheres, disse o condo cora nm triste sor-' esperando em algum rochedo da praia um soccor-
ns0 ro inesperado, e mmtas vezes punha-se a escutar
- K todava felizes, prosegnio Kernan. Como se algoam Do chamava por elle,
minha sobrinha Mar vai saltar ao peseooo de seu 1 Nao ouves nada ? dizia o ce
pai e aos bragos de seu tio Mas convm nao
perder tempo para p-las em lugar seguro.
Sim, tu lens razo, os Aznes oo podem tar-
dar em visitar o castello; a mauicipalidade de
Quimper lera logo o aviso.
Entio, nosso amo, sabis bem o que devere-
raos saber chegando ao castello T
Nao I respondeu o Breto, nm grito de
goelano trazido pela tempestade.
A's dez horas Ta noule, Kerman reconheceu a
entrada do ancorfcouro de Lorlent e o fort de
Porto-Luiz, onde faiscava fofo oa obscoridade; el-
le atravessou o canal entre a costa e a ilha da
Craz, e langou-se em pleno mar.
duqueza, a quem chamavan) publicamente una
m allianga peior que isto, urna traigo.
Porm se succedesse-lhes reinar no seu paiz, po-
diam ser citados como modelos aos reis de Franga
e dar-lhes liges de governo. Alm de que, o re-
saltado o provava sem replica, porque eram e fo-
ram sempre amados dos seos rendeiros.
Esta nobre e estimavel familia, de natural mui-
to pacifico, forneceu poneos capites illnstres: os
Chnteteme nao nasceram soldados; em urna po-
ca em que pfiz nos hombros os arnezes de guerra
pareca ser o primeiro dever do gentilhomem, el-
heroicameate e tiravam novas torgas da lembifnga! te ve lugar, e sempre qjjizeram mal ^ essa altiva
dos seres queridos que iam proteger.
A's quatro horas da madrugada, o furaco per-
deu um pouco da sua violencia, e por urna aberta,
Kerman observou a leste a posgo de Trevignon.
Elle apenas podia fallar, porm mostrou com o
dedo ao conde de Chnteteme o claro vacillante
do pharol. O conde poz as maos enregeladas, co-
mo se murraurasse urna orago.
A barca chegava ento i. baha de Forets, que
eslende-se entro as aldeias de Concarneau e de
Fouesnant.
O mar era relativamente mais calmo, e as vagas
abrigadas da ventana do alto, ahi quebravam com
menos violencia.
Urna hora depois, a embarcago veio de encon-
tr aos rochedos do cabo de Coz com extremo fu-
ror. O choque foi horreudo, sem que livesse sido
possivel evita lo, nao obstante estarem os mastros
sem volas. O conde e Kerman, precipitados as
ondas, poderam alcangar a praia, ao passo qae o
barco desfundado sossobrava diante dos seas olhos.
Nada mais de impressoes, disse Kernan ao
conde.
Bem 1 respondeu este.
E agora ao castello, proseguio o Bretao. #
da condessa, com sua tilha Maria a criar, nessa.
antiga propriedade da sua familia, no oieio de ser-
ves, humildes amigos eoveliiecidos no servco pa-
terno dos Cbanteleine, foram tao felizes quanto 6
dado a um hornera passa-los nesrt* mundo.
Esta felicidade era partecipada por todo o pai*
que veaerava o seu senhor. Os habitantes julga-
vam-se anies vassallos do conde do que do nai de
Franga, e islo concebe-se; elles nao tiaham com
esto ullimo seno relages desagradaveis, ao passo
que a cada momento a (amilia de Cbanteleine soc-
corria-os. Assim, nao se encontrava ubi desgra-
ciado no paiz, um mendigo; desde tess^o imnie-
fhoravel, nenhnm crime tinha sido comraellido
nessa parle remota da Bretanha. Perianto cora-
les permanecern! tranquillos as suas trras e prehende-se o elteilo que produzio o roubo desse
satlsfi-eram-se com a felicidade qne criavam ao Karval, o qual todava era Breto, dous annos de.
redor de si. Desde Felippe Augusto, quando a, pojs de ter estado ao servigo do conde, quando es-
cruzada, isto a defesa da religiao arrasmu seus! te foi obrigado a expelli-lo do eastullo. Dtmais,
antopassados torra santa, nem um Cbanteleine
revestio ou cingio o boldri. Portanto comprehen
obrando assim, o senhor de Chnteteme nad,. raais
fez do que prevenir a justiga dos eampouezes, qne
de se que elles eram pouco conhecidos na corte, oao leriam soffrido um iadro no paiz.
qual jamis pediram favores, nao fazendo caso de| Este Karval era pois um Brelo, mas ui&Betraa
os merecer. j qae linha viajado, visto torras, e sem duvida mos
Seus bens patrimoniaes, judiciosameute adminis- exempios; dizia se que elle visitara Pars, a qual
trados, adquirirn) ama importancia consideravel.: esses caraponexes encaravam como um lugar chi-
Assm a propriedade de Chnteteme, em" pra- i meneo, e at mesmo, os mais supersticiosos, cumo
dos, salinas, e torras lavradas, contava-se entre a antecmara do inferno; na verdade devia assim
Sua viagem por mar dorara vinte e seis horas, as mais importantes do paiz, conservando-se intel- ser, pois que o unioo d'enire elles que se avena-
' ramente desconhecida alm de ama rea de cinco; rara a ir ali, voltou mo e criminoso,
ou seis leguas; gragas a' esta situago, e ainda Este facto, que causou um to grande escndalo,
que as aldeias circumvisiohas, Fouesaant, Sdo-1 tinha-se passado dous anaos antes, e Karval deixa-
. carnean, Pont-Labb, ja' tivessem recebido a sanara o paiz proferindo ara^ de vinganga. Pouco
Ploucastel, a menos de ama legua da cosa da! guinolenta visiui dos republicanos de Bresl e Fiis- caSo azorara disso
Bretanha. tere, o castello de Clunteleine escapara como por
Os bens qae compunham a propriedade de Chao-; railagre a' attonco das rannicipalidaies, qaando o
teleine pertenciam desde lempo immemorial fa- oonde o deixou pela primeira vez.
mllia do conde, uma das raau antigs da Breta-. O ooode, nao obstante, sor de genio pouco guer*
IV.
0 CASTELLO 0E CHANTELEINE.
O castello de Chanteleine estava situado a tres
leguas da aldeia de Fouesnant, entre Ponl-Labb e
f
LEGTVEL)
1


.
CContinuar-se-ha.J
PRMPUCO.-TYP. DE M. F. DE F. & FILHO
s.
[ MUTILSEH
1\
M

(




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYSUC0OO4_UTIDFP INGEST_TIME 2013-08-28T01:54:18Z PACKAGE AA00011611_10681
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES