Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10676


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*rr
ATO III WMEBO 119
Por qnarte! pag dentro de 10 dias do 1. mez ...-.:.
Iiiem depffstfts l." ludias do couiecoc deutrodo quarlel. .
Portea crreio por tres mezes ...,.,.,.,,,:
w
5|000
61000
750
DIARIO DE
QUARTA FEIRA 24 D MAIO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do 1. mez ,,,.,,. 49|000
Porte ao correio por iim anno ,......... 3|000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o "Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty.o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaqaim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Pililos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Faleo Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alvo?; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gaspartnho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextasfeiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho^ Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pol'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as qnartas
fe/ras.
Segunda vara do civel:
hora da tarde.
Serinhem, Rio Formse, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE5 DO MEZ DE MAIO.
2 Quarto cresc.a 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 La clieia as 6 h., 3 m. e 22 s. da t.
18 Quarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 45 s. da t.
quartas e saLbades a II AUDIENCIAS DOS TRIBUNAKS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: torease sbados as 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as i i horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia. .
Segunda vara do civil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
22. Segunda. S. Rila de Cassia viuv.
23. Terca. S. Basilio are.; S. Desidero b. m.
-4- Quarta. Ss. Pelagia, Suzana e Afra mis.
23. Quinta, cfc Ascensao do Senlmr.
26. Sexta. S. Felippe Nery; S. Elenterio p. m.
27. Sabbado. S. Joop. m.: S. Ranuifom.
28. Domingo. Ss. Senador, Podio e Justo bb.
PREAMAR DE BOJE.
Primeira as 3 horas e 42 m. da tarde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS. J
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
ala a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marro, maio,
julho, setembro.e novembro.
ASS1GNA-SE
noRecife, nalivraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PAUTE OFFICIAL
GOVBRNO DA PROVINCIA.
LE N. 623.
Autonio Borges Leal Caslello Branco, presidente
da provincia de Pernambuco.
Faco saber a todos os seus habitantes que a as-
sembla legislativa provincial decretou e eu sane
cionei a resohico seguate :
Art. 1." Os professores de nstruecao primaria,
que em virtude do art. 23 da le n. 598 de 13 de
maio de 1864, forera removidos para esta capital,
percebero os mesmos vencimentos que os deinais
professores de instruego primaria desta cidade.
Art. 2." Os que pela mesma disposigo da lei ci-
fada, ja liverem sido removidos para esta cidade,
tero direilo aos seus vencimentos, na conformida-
de do artigo antecedente, desde o tempo de suas
remocSes.
Art. 3." Ficam revogadas as disposicSes em con-
trario ,. ,
Mando portanto a todas as autoridades a quem o
conhecimenlo e execugao da presente resolugao
pertencer, que a cumpram e fagaro cumprir to in-
teiramente como nella se contera.
O secretario do governo desta provincia a faca
Imprimir,publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos Ib de
maio de 1865, quadragesimo-quarto da indepen-
dencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Castello Branco.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1863.
O secretario,
l)r. Francisco de Paula Salltes.
Registrada a fl. do livro 7. de leis provin-
cia es.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1865.
O escripturarioda 4* secgo,
Theodoro Jos Tavares.
LEI N. 624.
Antonio Borges Leal Castello-Branco, presidente
da provincia de Pernambuco.
Fago saber a todos os seus habitantes, que a as-
amblea legislativa provincial decretou e eu sanc-
.cionei a resolugao seguinte :
Artigo 1." Ficam creadas as seguintes cadeiras
do unsino primario :
1." Tres do sexo maseolino nos lugares de
Trombetas da comarca de Palmares ; freguezia de
8. Jos do Recife, e em Santo Amaro de Sa-
linas.
2. Sele do sexo feminlno, sendo urna na fre-
guezia de S, Jos do Recife, outra na da Boa-Vista
da mesma cidade, outra em Santo Amaro de Sali-
nas na mesma rreguezia ; na cidade de Goianna,
em Gamelleira, Correutes e Gloria do Goit.
Art. 2o. Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem
o conhecimenlo eexecugao da presente resolugao
pertencer, que a cumpram, e fagam cumprir lio
inieiramenle como nella se contm. O secretario
do governo desta provincia a faga imprimir, publi
car e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1865,44 da independencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Castello Branco.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1865.O secretario do soverno.
Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl.de livro 7o de leis provinciaes. Se-
cretaria do governo de Pernambuco, 16 de maio de
1865.O escripturario da 4a seceo,
Theodoro Jos Tavares.
LEI N. 625.
Antonio Borges Leal Castello Branco, presidente
da provincia de Pernambuco:
Fago saber todos os seus habitantes, que a as
serobla legislativa provincial decretou e eu sanc-
conei a resolucao seguiste :
Art 1. Fica o presidente da provincia autori-
zado a mandar construir os seguintes acudes :
$ 1. Um as proximidades da cada de Naza-
reth, despendendo para isto at a quantia de 4:000i*>.
2. Dous no termo de Buique nos lugares que
a cmara municipal designar, despendendo para
cada um a quantia de 2:OO05.
3. Um na villa do Limoeiro, no lugar desig-
nado pela respectiva cmara municipal, despen-
dend) para isto a quantia de 2:0003.
| i. Um na povoago da Tapada do termo de
Limoeiro, podendo para isto despender a quantia
de 1:500*.
Art. 2. Fica o presidente da provincia igual-
mente autorlsade a despender a quanlia de 1:000$
<;om os reparos do agude publico de Villa-Bella.
Art. 3." Ficam revogadas as disposiges em con-
trario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem
o conhecimenlo e execugao da presente resolugao
pertencer, que a cumpram e fagam
inteiramente como nella se contm.
do governo desta provincia a faga imprimir, pu-
blicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1863, 44* da independencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Castello-Branco.
Sellada e publicada a prsenle resolugao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1865.
O seereiario.Dr. francisco d Paula Salles.
Registrad a roldas do livro 7 de leis provin-
ciaes. Secretarla do governo de Pernambuco, 16
de maio de 1865,
O escripturario la 4 secgioTheodoro Jos Ta-
vares.
LE N. 626.
Antonio Borges Leatf Castello-Branco, presidente
da provincia de Pernambuco.
Fago saber a todos os seos habitantes, que a as-
sembla legislativa provinctal decretou e eu sanc-
cionei a resolugao seguinte :
Artigo 1." Fica decretada a abertura de urna es-
trada de sessenta palmos de largara e em linha
mais recta possivel, comecar da encruzilhada de
Belm seguTndo a direcgo mais conveniente para
terminar junto ao becco do Fundi da estrada de
Beberibe, aproximando-se o mais possivel da po-
voaeo desle nome.
Art. O presidente da provincia flea autorisa-
do a despender at a quantia de 12:0004000 com
esta obra, podendo applicar a sobra que houver, se
o orgamento *>r inferior a esta quantia, ao empe-
draraeoto da estrada de Joo de Barros.
Art. 3/ Ser creada urna barreira e colloeada no
ponto da referida estrada que parecer mai3 conve-
niente para a cobranga do competente pedagio que
ser regulado pelas leis j existentes em referencia
a este imposto, e podendo ser concedido por certo
prazo ao empreiteiro das referidas obras, segundo
as condigdes do contrato.
Art. 4. Ficam revogadas as djsposigdes em
contrario.
Mando, portanto, a todas as antoridades, a quem
o conhecimento e execugao da* presente resolugao
pertencer, que a cumpram e facam cumprir tao
inteiramente como nella se contm. O secretario
do governo desta provincia a faga imprimir, pu-
blicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1865, 44* da independencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Castello-Branco.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1866.O secretario,
Dr. Francisco de Paula Saltes.
Registrada a fl. do livro 7 de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1865.O escripturario da 4* secgo,
Theodoro Jos Tavares.
LEI N. 627.
Amonio Borges Leal Castello Branco, presiden-
te da provincia de Pernambuco.
Fago saber a todos os seus habitantes que a as-
sembia legislativa provincial decretou e eu sane-
cionei a resolugao seguinte :
Art. 1. A irrposieo estabellecida pelo 37, art.
44 da lei provincial n. 596 de 13 de maio de 1864,
nao comprehende aquelles que tiverem plaa-
gesdecapim, para o uso de seus animaes an-
da que empregados em emprezas de que auliram
lucros.
Art. 2. Tambem se nao compreheodem na dls-
posico do 18 do artigo e lei suppracitados quaes-
quer lugares que sirvam apenas de abrigo a m-
nibus, carrocas e animaes.
Art. 3. As disposiges desta lei, comprehendem
os execntivos pendentes, os quaes (carao sem ef
feito.
Art. 2." Ficam revogadas as disposiges em con-
trario.
Mando portanto a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execugao da presente resojugo
pertencer, que a cumpram e fagam cumprir tao in-
teiramente como nella se ontra. O secretario
desta provincia a faga imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 16 de maio
de 1865, 44 da independencia e do imperio.
Expediente do dia de 20 maio de 1865. I vicecnsul interino da Italia, em 9 do correte,
ornelo ^_^J^J?J- [^qu^i SE&TcqriS^K
caso de que trata o art. 7 da convengao annexa ao
luntarios da patria ao 1 sargento do batalhao 45 ,!--.., o y.~ m
J%S^!&I^^ Srerde,ros oaexecu,or lestamenlari*conhe-
ss? ^d JvoUSosro'que ie jtrtrS? swtsaaai
Dito ao mptmn -A' V S era entrecue com es-; Proximo lind0> era ine Vmc. participou
te Doffle?o, Tmmde r o^onSn^dTtino o l ^^??^r&^
sertor do 10* batalhao de infamara, Joo Baptista j CaTiro e Snnifernne ^SJiSSTJl
dos Santos, que no dia 4 do crrante, como melhor | gR ^T^^.^P00^.^^0^0:1^!118
se v do offlcio por copla inclusa, apresentou-se
voluntariamente ao subdelegado do 1 districto d
freguezia de Flores para servir na guerra.
Dito ao mesmo.Restituindo V. S. as duas re-
lagdes, que vieram annexas ao sen offlcio de hon-
lera datado sob n. 880, tenho a dzer-lhe em res-
posta que os individuos nellas mencionados se alis-
taran! no da 15 de abril ultimo.
Dito ao mesmo.Ordene V. 3. ao commandante
do 2 corpo de voluntarios da patria, que entregue
sem demors ao lenente-coronel, director da aldeia
de Panema, 4 fardamentos dos que receben para
o mesmo corpo.
Dito ao mesmo. Qaeira V. S. informar acerca
do que solicita o commandante superior da guarda
nacional do Recife no incluso offlcio.
Dito ao mesmo. Queira V. S. informar sobre o
incluso requenmento de Pedro Jos dos Santos.
Dito ao Dr. chefe de polica. Remello inclusos
por copia o offlcio, que dirigi o commandante do
presidio de Fernando no 1 de margo ultimo, e os
documentos de n. 1 a 5 a elle annexos, para que
foi aceito o offerecmento que este fez dos respec-
tivos alugueis para auxilio da guerra, em quaoto
esta durar, e por isso coniina a referida casa a
servir de cadeia.
Portarla.O presidente da provincia, usando da
attribuigao que Ihe confere o art. 7 da le de 12 de
agosto de 1834, resolve prorogar a prsenle sessao
da assembla legislativa provincial, at o dia 27 do
crreme.Fizeram-se as necessarias comrannica-
e<5es.
nio, declarou estar na casa de detengao acerca de
cinco annos, ser livre, ter sido lirado com .outros
de um navio ha mallos anno, e conduzido para
a casa de um Col depois de audarem pelos mal-
tos, ele, nao visse logo que nesses fados, a serem
verdaderos, se involviam crimes, e precisasse pa-
ra ve-lo, de receber o meu offlcio de 3 do corren-
te, no qual alias apenas Ihe deelarei a semelhante
respeito quea ser exarta a exposigo eita no di-
to interrogatorio, necessariamente se dara o cri-
me de reduzir a escravido pessa livre ou qual-
quer outro.
Anda'mais ; antes mesmo de Ihe ser remettido
aquelle interrogatorio teria lido V. S. conhecimen-
to dos fados, e pelo menos suspeita de enme, se
| sabendo, como devera saber, que o predito Africa-
no se achava na delengao desde margo de 1861,
o houvera interrogado e providenciado, como Ihe
cumpria, para que se nao prolongasse indefinida-
mente sua reclusao.
Quanto ao 3 : que enganava-se V. S. em sup-
por que o nico crime que pelo interrogatorio
se p''>de presumir, o previsto na lei de 7 de ni-
COMNANDODAS ARMAS.
Quartel do eommando das armas de Pernambuco
na cidade do liecifr. 23 de maio de 1865.
Ordem do dia n. 70.
O coronel commandante das armas interino faz
ceno para conhecimeuto da guarnigo e devido
elfeito, que a presidencia nomeou aoscidadaos Joo
Pereira de Govea Torres Galindo e Temislocles
de Orange dos Reis Lima, para oceuparem provi-
soriamente o primeira o posto de alferes, e o se-
gundo o de lente do 2 corpo de Voluntariosa
Patria que se est organisando nesta provincia,
sendo que aquelle por portara de 20, e este de 22
ludo deste mez.
(Assignado.) Jos Marta Ildefonso Jacome da
i etga Pessoa e Mello.
(Conforme) Antonio Francisco Duarte,i tenen-
te ajudante de ordens interino encarregado do de-
talhe.
1 a
V. S. em vista do que expoe aquelle commandan-: sana>) foj consldera(io inhabilitado para "continuar
te e dos assentamentos da casa de detengao, procu- a serviri res0|V6 ap0senta-lo com os vencimentos
re verificar pelos meros ao sen alcance se o con-1 que lhe competirn pelo lempo de servigo que ha
demnado Francisco Gomes da Silva, devolvido do presUd n0 referido crpo, nos termos do art. 2 da
mesmo presidio para aquella casa onde se neta, |e |)r?in,a| n. 276 de 7 de abril de 1851, combi-
e o mesmo que foi condemnado pelo jury de Santo nado com 0 arI 3 da |e W6 de M do maio
Antao a 4 annos e 8 mezes de priso simples, em de |858.-F.zeram-se as necessarias communica-
21 de dezembro de 1859, conforme se declara na c6es.
Diia.-O presidente da provincia, attendendo ao vembro de 1831, visto como tambem se pode sus
que requereu Alexandrino Chnstiano de Oliveira, peitar : Io illegalidade da ordem de priso, por
ajudante do inspector da alfandega do Rio Grande nao constar o motivo delta conforme declara a V.
do Norte, ora addido a desia capital, resolve pro- S. o administrador da detengao em seu offlcio de
rogar por mais 30 dias sem vencimentos, a fleenga 13 de abril; 2 infraegao das leis o do regulamen-
que obteve do governo imperial, para tratar de sua to daquelle estabelleclmento, e (alia do cumpri-
saude onde Iheconvier.-Comraunicou-se a thesou-1 ment dos deveres da autoridade, que para elle
raria de fazenda. i mandou o paciente, e das que nelle o esquecerara
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista por quatro annos.
o que informou o commandante do corpo de poli- Engaa se anda V. S aflirman lo que os crimes
ca, em offlcio n. 338, desta dala, acerca do reque- de que trata a le de 7 de novembro de 1831, sao
rmenlo do lente ajudante do corpo de polica todos da competencia do Toro privaiivo creado pe-
Jos Cunegundes da Silva, que em inspecgo de la lei de 4 de setembro de 1850, pois que, segundo
PERNAMRUCO,
guia junta sob n. 1.
Dito ao inspecDr da thesourara de fazenda.Se
Dila.-O presidente da provincia, attendendo ao
o art. 9 desta lei, ha crimes comprehendidos na-
i|nella, qae continuara a ser processados e julgados
no foro commum, para o que recommeuda o de
creto u. 708 de 14 de oulubro de 1850, na 2* par-
le do art. 25, que sejam remellidos ao chefe d.e
polica todos os indicios e provas que forera deseo-
bertas pelo juizo privativo.
Observo mais que justamente em relago ao
Africano em questae, deve-se pelo seu interrogalo-
maio de 1865.O secretario
Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl do livro 7 de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambo, 16 de maio
de 1865.O eocripturario da 4" secgo,
Theodoro Jos Tavares.
LEI N. 628.
so enme,
aiim de enviar a autoridade competente
indicios o provas que colligr.
Quanto ao 4: Em 4 de fevereiro deste anno poz
o subdelegado do Poco da Panella disposigo do
L S
Antonio Borges Ual Castello Branco. ac! aa0JD1!L^"r tJ2?SSI]fniJ,*2^!!!'"^! f|ue refIuerea 2 sargento da companhia do' rio presumir un des'ses enmes-o previsto no~ 4'
Sellada e publicada a presente resolugao nesta!^^JZm^^S^R^M^^^ COrp dt- Hicia- Manoel &*' Gmes,1de1Fariai- do art. 3 da lei de 7 de novembro. Mas, embora
S3crelaria do governo de Pernambuco, aos 16 de m-ef,m^mXK que em.nspecgao de saude foi considerado ncapaz assim nao fura, basta que se possa presumir, co
ue unnaa cora omero ae nao crreme, e, uao na- d servigo, resolve aposntalo com os vencimentos mo confessa V. S., a existencia de
vendo inconveniente, mande V. S "
mentos, a contar de
ment de guarda
su.Conimiioicou-
guarda nacional de
Dito ao mesmo. Inteirado do enntedo do seu Saras commiiniragoes
istello Branco, presidente om'io de h-Je .s?b ,n- 35i> ,e.nho l diierem rs; | Dita.-0 presidente da provincia, resolve nomear
da provincia ue Pernambuco pos,a, I"8'nao obstante as ponderagoes nelle felas, a Joio Perelra d 0Hva Torres Gallnd0i para ^
Fago saber a todos os seus habitantes que a as-1 "f* h"^^^^^^^^?^' *upar Pr1ov'S"''amen,fl Ps, de alferes do *"cor" i provedor b preto Autouio para dar-lhe o conve-
sembla legislativa provincial decretou e eu sane- "Ji *!?,!S2S- St21? !S^Sl!3r?I P de "oluntarios.-I-izeram-se as necessarias com-1 niente destino, visto nao apparecer quem recla-
cionei a refolugo seguinte : j ntd" ffiSr&'.'tg ^l V^**^* \. n masse o dominio do mesrao escravo, como daclara
Art. U Fica'creadoum terceiro districto de paz!Uon,*m,ans %2i^i?,h^ri, n^TnS _, Dua.-OsSrs. agenles da companhiaBrasileira 0 subdelegado e consta de inforraago do prove-
na freguezia de Santa Maria da Boa-Vista, o qual R ""s,frt SnrllaJra, ^^ ""*, ^,, nfilrml deJ,alaeles. fagam transportar para a capital da dor de 20 de abril, reraetlida por mim aV. S. em
considerando o escravo bem do
nos termos do art. 46 do decreto
de 1842, proceder a sua avaliago,
a uual se nao realisou por declarar Antonio ser
por cento, em que foi collectado o seu armazem de companhia do mesmo Dr. e de nma (ilha de 9 an-: ^ricao livre ; mas, tendo tambem declarado no
deposito, visto constar da informagao do admiras- nos de idade.-Nesle sentido offlcouse aoExm.
trador do consulado provincial de 12 deste mez,
que o mesmo engenheiro s tem em seu estabele-
cimento dous cajxeiros e ambos brasileiros : o que
V. S. fara constar ao mesmo administrador.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. os inclusos
requerunentos do lenente-ajudante Jos Cunegun-
des da Silva, 1 sargento Theolonlo de Barros e
| Silva, 2- dilo Manoel Ignacio Gomes de Farias, e o
' soldado Joo Ramos da Luz, todos do corpo de po-
lica, aos quaes resolv aposentar, aflm de que, em
vista dos documentos que vo inslruindo os mes-
mos requerimentos, possa essa thesourara calcu-
agoas
Art. 2.* Ficam igualmente creados na freguezia
do Sr. Bom Jess da igreja nova, dous distnctos de
paz : o primeiro denominado Cachoeira do Rober-
to, principiar da zenda Umary subiudo pelo ria-
" cho Pontal at os limites da provincia do Piauhy e
do termo do Pilo Arcado da provincia da Bahia,
e o segundo denominado de Petrolioa se estender
desde a barra do riacho Pontal pelo rio de S. Fran-
cisco acuna at o Pao da Hosloria inclusive as fa-
zendas Morros, Trras Novas e Aricury.
Art. 3. Fica igualmente creado um districto de
paz na freguezia de Scrra Talhada e comprehen-
der todo o districto policial do Belmonte.
Art. i. Fica igualmente creado mais um dis
presidente da provincia da Bahia.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana, mande dar transporte at o Rio Grande do
Norte no vapor Jaguaribe, em lugar de r destina-
do a passageiro de estado ao ajudante do inspector
da alfandega daquella provincia addido a desta
capital Alexandrino Christiauo de Oliveira.
Despachos do dia 20 de maio de 186o.
Requerimentos.
Antonio Jos Condeixa. D se.
': interrogatorio que pertencera ao finado Col, de
| termnou o juiz que se officiasse a qualquer dos
i herdeiros de Col para que preste as nformacoes
i que tiver. o que anda nao foi curaprido por nao
ter o escrivo descoberto nenhura desses herdei-
ros, como ludo consta da citada informago.
Eis o fado que est afL-clo a junsdicgo do pro-
vedor, e ludo o que elle tem feito a semelhante
respeilo e em observancia do mencionado decreto,
que manda se lagaui diligencias para descobrir
os donos dos bens do evento, a quem sero elles
entregues ou o seu producto se apparecerem an-
triclo de paz na freguezia do Bonito, com o
nome' 'ar os vencimentos que devem perceber os aposen-
e ir- c* r\ I .1.1 ** *fm*j*vn* **! W evu pe !***-
Amonio Alves Ca.npos.-Informe o Sr. Dr. chefe |es ou deuuis da arreniatav0.
de districto de Cabelleira e coniprehender o quar-
lero deste nome e os de Capivara, Onga, Caran-
queijo e Alexacdria.
Art. 5. Fica lambem creado outro districto de
paz na freguezia de Limoeiro com o nome de dis-
tricto da Maihadinha, o qual comprehender o dis-
trcio policial do mesmo nome.
Art. 6. Os districtos de paz na freguezia de Soa-
sa Senhor das Monlanhas em Cimbres, ficam di
vididos pela seguinle maneira, creando se para is-
so mais tres.
1. O primeiro comprehender os quarteirSes
da Matriz, da Serra, Flecheiras e Barra.
2 O segundo comprehender os quarteirdes
de Pesqueira, Carrapicho, Sanhar e S. Joo.
3. O terceiro comprehender os quarteroas
do Pao de Assucar, Acahy, Ponlado e AITectos.
4.* O quarto comprehender os quarleires de
Alagoinha, Maco e Joazero.
5. O quinto comprehender a povoago do
Olho d'Agoa dos Bredos, com a circumscripgo ac-
tual.
Art. 7. Ficam revogadas as disposgoss em con-
trario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execugao da presente resolugao
lados, bem como o sello que tem de pagar.
Dilo ao mesmo. Communico a V. S., para seu
conhecimento e execugao, que, attendendo ao que
me requereu a professora particular Mana ller-
raiBa dos Passos, e tendo em vsta a informago do
director geral interino da instrccO publica, de 19
do crreme sob n. 252, resolv nsia dala releva-lo
da multa que Ihe foi imposta, pela falta da apre-
sentago do mappa de suas alumnas no anno pas-
sado, visto haver ella provado nao ter ensinado
n'aquelle anno. Communicou-se ao director ge-
ral.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
Pela leitura do offlcio do Dr. chefe de polica, de
13 do corrate, constante da copia junta, lloara
V. S. inteirado dos motivos, porque deixaram de
seguir para esse presidio no vapor Parahyba os
sentenciados de justiga, Joaquina Rodrigues dos
Passos, Antonio Joaquim de Sania Anna, Antonio
de polica.
Benlo dos Santos Ramos.Aguarde o supplican-
te que chegue o augmento de crdito que se pedio,
segundo informa a thesourara da fazenda.
David Wiliam liuwman.Fica o supplcante
dispensado do pagamento do imposto de 20 % em
que foi collectado o seu armazem, visto constar de
informago do administrador do consulado provin-
cial que sao brasileiros os dous caixeiros emprega-
dos no mesmo armazem.
Jos Antonio Guedes da Trindade.Informe o
Sr. inspector da thesourara da fazenda.
Joaquim Martins da Costa.Em vista da infor-
mago nao tem lugar o que requer o suppli-
canie.
Capito Manoel de Mello e Albuquerque.Infor-
me o Sr. inspector da thesourara da fazenda.
Maria Hermina dos Passos.Fica a supplcante
relevada da multa.
Maria Venancia de Abren Lima Bastos.Infor-
Procopio dos Santos, Jos Velez de Abreu e Maxi- me o Sr. inspector da thesourara da fazenda.
miaa, escrava de Jos Fortunato da Silva Bulco, Alferes Thomar Jos da Silva.-Informe o Sr.
bem como de ser Jos e nao Joaquim o nome do commandante superior da guarda nacional dos
escravo do mesmo Bulco de que trata a relago municipios de Olinda e Iguarass.
que V. S. transmitti com o meu offlcio deste mez. _^_____
Communicou-se ao juiz municipal da 1* vara. ""'" '
Dito ao commandante superior interino da guar- 2'secgo.__Palacio do governo de Pernambu-
cumprir tao car e correr.
O secretario
pertencer, que a cumpram e fagam cumprir to; da nacional do Bonito o Caruar.Bespondendo ao Co, 13 de maio de 1865- -Illm. Sr.Em seu offlcio
inteiramente como nella se contm. O secretario' en offlcio de 10 do crreme, transmittp-lhe por co- de 6 do correte diz-me V. S. :
do governo desta provincia a faga imprimir publi- |P'a a informago ministrada luntem pelo inspector i .. qu n5o se recusou a fazer as averiguagSes
re correr 'da thesourara de fazenda, e della vera V. S. o mo-1 reeommendadas em meu offlcio de 21 de abril pa-
Palacio do governo de Pernambuco, 16 de maio do por qne vai aquella repartigSo e providenciara,; ra verificar a exactido do que referi o Africano
de 1865,44 da independencia e do imperio. Iatlm de remover as faltas de pagamento, que se, Amonio no seu interrogatorio, e apenas fez ponde-
S ',era dado com destacamento da villa de Caruar.! ra|5es razoaves.
Antonio Borges Leal Castello-Branco.! Dito ao director do arsenal de guerra.-Remella | |%o gue nj0 deseonhece qoaes os deveres da po-
Sellada e publicada aprsente resolugao nesta V. s. para a capital das Alagoas, no vapor da Com- cla, e todos sabem queum delles rastreare des-
secretaria do governo de Pernambuco, aos 16 de panha Pernambucana qoe tem de seguir no da. C0Drr os crimes; mas que no negocio do Africano,
maio de 1865. 22 d corrente, os artigos de fardameoto e mais e al o momento de receber o meu offlcio de 3 do
O secretario.Dr. tYancisco de Paula Salles. objectos que, segundo o seu offlcio de h&miem n. crreme, nao Ihe constava houvesse crime algum.
Registrada a foi lias do livro 7* de leis provin- 264, esto promptos para terera esse destino. 3.0 QUe o nico crime que se pode presumir
caes Secretaria do governo de Pernambuco, 161 N'este sentido offlciou-se ao gerente da Companhia pe|0 interrogatorio o previsto na lei de 7 de no-
de maio de 1865. Pernambucana.
O escripturario da 4" scelo.-Theodoro Jos Ta- Dito a cmara municipal do Recife. Remeti
incluso por copia o offlcio de 18 do correte, sob
vares.
LEI N. 629.
Antonio Borges Leal Castello Branco, presidente
da provincia de Pernambuco.
Fago saber a todojos seus habitantes que a as-
sembla legislativa provincial sob proposta da c-
mara municipal da villa de 9. Bento decreta o se-
guinte artigo,additivo as respectivas posturas :
Art. 1. Fica prohibido tirar-se couro de gado
vaceum neste municipio sem licenga do respectivo
dono, os infractores sorero a multa de 12f ou
tres das de priso.
Art. 2. Ficam revogadas as disposigo era con-
trario. ,
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execugao da presente resolugao zenda.
pertencer, que a cumpram e fagam cumprir tao
inteiramente como D6lla se contm. O secretario
do governo desta provincia a faga imprimir pnbli-
care correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 16 de maro
de 1865, 44 da independencia do imperio.
n. 81, em que o capito do porto representa achar*
se o caes da Lingueta convertido, por autorisago
do fiscal dessa cmara, em estaleiro para concier-
tos, limpeza e pintura de botes e lanchas, aflm de
que a caara municipal desia cidade nao s provi-
dencie a semelhante respeito, mas tambem preste
a informago que exig por despacho de 11, langa-
do em outro offlcio daquella capitana de 9 deste
mez acerca do mesmo objecto.
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra. Autoriso o conselho de compras do arsenal de
guerra, a comprar para supprimento do almoxari-
fado respectivo, os objectos mencionados no Inclu-
so pedido. Communicou-se a thesourara de fa-
Dito ao mesmo.Recoramendo ao conselho de
compras do arsenal de guerra que nos termos do
regulamento de 14 de dezembro de 1852, compre
para o 2* corpo de voluntarios da patria, os qbjec-
tos mencionados na relago inclusa.Commufiicou-
se a thesourara de fazenda.
Dito ao Dr. jui 1 de direito da i* vara desta clda-
Antonio Borges Leal Castello Branco. I de.Para satsfater a deliberago da assembla le-
jblicada nesta secretaria do governo1 gislattva provincial, informe Vmc, com urgencia,
Sellada e publicada
de Pernambuco, aos 16 de maio de 1865
O secretario.Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a ralbas do livro 7 de leis provin-
ciaes. Secretaria do governo de Pernambuco, 16
de maio de 1863.
O escripturario da 4* secgo.Theodoro Jos Ta-
vares.
vembro de 1831, o qual tem pela lei de 4 de se-
tembro de 1850 juizo privativo, sendo por isso a
polica incompetente para entrar era sua investi-
8a5ao- ... 4
4." Que sustenta a opimao de que procedera
incurialmente lomando conhecimenlo de um fado
ja affecto a outra jurisdiego, porque isto o que
se deve entender por avocar causas pendentes.
5. Que tanto reconheco a procedencia de suas
ponderagoes nesle ponto, que Ihe deelarei em meu
offlcio de 24 (alias de 3 do corrente) que as averi-
guagoes, a que mandei proceder, tinbam por fim
smente auxiliar o provedor de capellas e resi-
duos, declarago que so nao continha em meu of-
flcio de 21 do passade, e com o qual reconheco que
s como auxiliar deve V. 8. conbecer do fado ;
que por qualquer outra forma nao deve proceder;
qoe qualquer outro procedimento seria incurial, e
importara urna verdadeira avocago. Com essa
supposta declarago e reconhecimento fica V. S.
satisleito, e vai proceder de conformidade como au-
xiliar ao provedor.
Em resposta tenbo a dizer-lhe :
Quanto ao 1* ponto: qoe V S. mesmo reconheee
que se recosoua fazer as avengoagSes reeommen-
dadas, dzendo em seu citado offlcio o seguinte :
t E pois, ja v V. Exc. que o homem, discpulo
f desta escola, nao se recusara agora a averiguar
a respeito de um pobre Africano, a io ser as
< ponderaces que a respeito submeiti ao illustra-
de criterio de V. Exc.
Quanto ao 2 ponto : que extranno qoe.Jendo V.
se no eartorio do escrivo da 1* vara crime desta
cidade, nao existe o processo instaurado pela sub
delegaeia da fregnezia da Boa-Vista, contra Joo
Meodes, a quem foi attribuida a morte do despa-
chante da alfandega desta provincia, Miguel Car-
Mo ao Dr. juiz de direilo de Garanhuns.Re- [ S. aTl do (tusado receb'ido come meu o'fficio des-
meti incluso por copia, o offlcio que me dirigi atsa dota o interrogatorio em que- e Africano Aoto-
Nao esl por isso prevena a jurisdiego privati-
va do auditor de inarinha, que cerlamenle nao
avocara causa pendente de outro juizo se, verifi-
cada a existencia do nico crime que V. S. emen-
de poderse presumir (n. 3), passasse a tomar co-
nhecimenlo delle.
N.io est prevena a jurisdiego do V. S., que in-
dubilavelmenle nao avocara causa pendente do
juizo da provedoia, se procedesse criminalmente
depois de feitas as averiguages que Ihe recora-
mendei, e verificada a existencia de crimes de res-
pousabilidade de seros subordinados, ou previstos
na lei de 7 de novembro de 1831, mas que nao
pertemem ao juizo privativo, e para enjo proces-
so e julgrmento manda o ari. 25 do regulamento
citado remetler ao chefe de polica todos os escla-
recimenios descobertos pelo auditor.
Mas, supponha-se que V. S. proceda incurial-
mente lomando conhecimento desses crimes, pro-
cedera nesse caso por sua propria conta e delibe-
rago, sendo que nao Ihe determinei que instau-
rasse processo algum, e smente (forraaes pala-
vras) qoe procedesse as averiguages necessarias
ao conhecimento da verdade de todas as circuns-
tancias e facios referidos pelo interrogado, dndo-
me conhecimento do resultado, o que muilo bem
poda V. S. cumprir sera formar processos nem
avocar quesloes pendentes. Se islo ^ i.conte.-ta-
vel, foram mal cabidas suas ponderags, e Ulnas
smente desse pronunciado gosto que diz V. S. ter
discusso por amor da sciencia, gosto que nao
Ihe licito exercer quando se trata de cumprir or-
den* legaes, sobre as quaes apenas se admitte re-
presentar era casos especificados na lei.
Qnanto ao o. Foi ainda o desojo de dseulr que
Ihe fez ver no meu offlcio de 3 deste mez a decla-
rago de que as averiguages ordenadas tioham
por flm smente auxiliar o juiz provedor, sendo
que tambem Ihe manifestei que ellas se dingiam
igualmente (copia fiel) a verificar se nesse nego-
cio do Africano se acha volvido o crime de redu-
ilr escravido pessoa livre, ou qualquer outro.
urna autoridade zelosa e perspicaz, como an-
da crelo qoe V. S.. nao precisava eu declarar
quaes os fins das averiguages, porque ellas se de-
duzem dos propros fados e das leis.
O simples interrogatorio de Antonio nao devia
prudentemente servir de base a processos ; mas
lambem nao devia ser denreado, e convinha, an-
tes mesmo de declinar offlcialmente os crimes que
elle pode envolver, ao que forcoo-me V S., sojei-
ta-Io a tim rigoroso exame, e collgir Informages,
indicios e provas com qoe se possa auxiliar o Juiz
provedor, melhor qnaliflcar os fados e determinar
as comp-tenclas Foi para poder resolver com acer-
t a semelhante respeito, qoe no final do meu offl-
cio de 21 recommendei V. S. que trouxesse ao
meu conhecimento o resultado de suas pesquizas.
Resulta de todo o qoe tenho exposto, que nao
reconheci, e nem reconhego, a procedencia das
ponderagoes de V. S., qoe deve cumprir quanto lhe
tem sido ordenado por esta presidencia, e absler-se
de dar publkdade ordens, que lhe sao transmt-
lidas, embora sem nota de reservadas, em quanto
ellas nio forem, como ainda nao forara estas, pu-
blicadas pela secretara, salvo tendo para isso per-
mlsso, qoe reconheceu dever pedir, mas nao es-
pern.Dos guarde V. S.Antonio Borges Leal
Castello-Branco.Sr. Dr. chefe de polica.
ASSEMBLA PROVINCIAL
SESSAO ORDINARIA EM 19 DE MAIO DE
1865.
> PKBSIDENCU DO Sil. DR. SABINO OLEGARIO.
A's 11 horas e 50 minutos da manhaa, feta a
chamada, acharam-se presentes os Srs. deputados
Aquino Fonseca, Victor, J. do Reg Barros, Te-
xeira de Mello, Netto, S Pereira, Gervasio Cara-
pello, Baptista, Gaspar, Araujo Barros, Ramos,
Loureiro, Franga, Arminio, Amynthas, Reg Bar-
ros, Nabor, Gongalves da Silva, Rochael, Ribeiro,
Sabino, Buarque e Dodoro.
O Sr. presidente abri a sesso.
Foi lida e approvada a acta da sesso anterior.
Compareceu depois o Sr. Cunha Teixera.
Fallou pela ordem o Sr. Aquino, pedndo pro-
videncias a assembla contra o procedimento que
vai tendo o inspector da thesourara provincial no
desempenho dos seus deveres.
O Sr. 1 secretario leu o seguinte
EXPEDIENTE :
Um offlcio do secretario do governo remetiendo,
de ordem do presidente, a informages ministra-
das pela thesourara provincial relativamente ao
excesso de capital da empresa do calgaraento desta
cidade. A' quem fez a rquesico.
Um requermento nos segrales termos :
Requeiro que se pega ao Exm. Sr. presidente
da provincia que se digne de lr a portara, expe-
dida ltimamente pelo inspector da thesourara
provincial ao secretario da mesma reparligo rela-
tivamente ao escripturario da referida ihesourdi i
Miguel Atronco Ferreira, e Considerar nos ter-
mos em que essa portara foi escripia e na inten-
go que leve o dito inspector expedindo-a, aflm de
dar as providencias necessarias.Aquino Fon-
seca.
Posto era discusso, foi o requermento appro-
vado.
ORDEM DO DIA.
2.1 discusso do projecto n. 65 desle anno, que
aulorisa o presidente da provincia a rever o con-
trato feito com Carlos Cambronne para a limpeza
e esgolo da cidade.
Fallou sobre a materia o Sr. deputado Diodoro.
O orador, analysando o contrato celebrado com
Carlos Cambronne, observou que as suas clausu-
las eram incontcsticionaes desde que toroaram
obrigalorio o syslema de limpeza adoptado por
aquelle emprezano. Nolou mais o orador, que,
ser assim entendido o contrato langava este urna
imposigo directa sobre a populago, e ento ou-
tros deviam ser os meios para a sua arrecadago.
O illusire orador fez sentir que Cambronne nunca
exigi da assembla que no seu contrato se estipu-
larse a obrigago de serem acetos os seus appare-
Ihos; que (ratando-se da concesso do previlegio
para o servigo da limpeza, se declarou na assem-
bla que o syslema proposto por Cambronne nao
era obrigalorio, e sm facultativo. Accrescentou
mais o Ilustre deputado que os apparelhos adop-
tados por aquelle emprezario sao os peiores conhe-
cidos; que islo tanto verdade que o ex-adininis
trador da provincia o Sr. Souza Lefio mandou reti-
rar esses apparelhos de alguns estabelecimentos
pblicos. Diz mais o orador, que na admimsira-
go do Sr. Leto, Cambronne exigi que o empre-
go dos seus apparelhos fosse obrigalorio, e aquelle
presidente irouxe este fado ao conhecimento da
assembla, manifestando-se contra semelhante pre-
tengo. O orador leu um trecho do relalorio do
Sr. Ambrozio justificando as suas proposiges.
Ponderou mais o illusire memoro, que o Exm. Sr.
Antonio Marcelline, mandando formular as postu-
ras para a execugao do contrato Combronne, foi
Torgado a recusar-lhe a sua approvago por nao
se acharen) essas posturas nos termos legaes, tor-
nando obrigatoria a adopgo dos apparelhos pro-
postos pela empreza. Cambronne parecen ento
ter abandonado a sua desarasoada pretengo, por
quanto s muilos mezes depois e em 1863 veio a
osla assembla pedir a approvago das posturas,
que j baviam sido regeiladas pelo Sr. Amonio
Marcellioo.
O orador se estende ainda em outras considera-
goes e conciue mandando a seguinte emenda, que
foi apoiada e posta em discusso:
Accresceote-se, depois das palavras autorsa-
dos a fazer os regulamentos necessarios, o seguin-
leno sentido de ser facultativo dito contrato aos
propietarios e habitantes desta cidade, na confor-
midade do disposto no art. 2. da lei n. 443 de 2
de junho de 1858.Diodoro.
Sendo dada a palavra aos Srs. Buarque e Lourei-
ro cederam estes, para fallarem em outra occasio.
Orou em seguida o Sr. Nabor. O illa-tro depu-
tado fez longas considerages sobre o projecto; re-
ferio-se varios trechos do discurso do Sr. Theodo-
ro Silva pronunciado em urna das le&islaturas pa-
sadas ; mostrou que o contrato nao obrigalorio;
disse que s por raeos capciosos se havia appro-
vado na assembla esse contrato. O orador tratoo
aioda da materia pelo lado da diplomacia, mos-
trando qoe se nutria vaos receios suppoodo-se que
overno francez viesse intervir em semelhante
esto.
' Fez outras multas observagoes em ordem a mos-
trar tambem a conveniencia da limpeza da cidad,
podeudo este sen&jrser contralado com o mesmo
emprezario dos esgtos. Leu e aoalysou a petigo
do Sr. Cambronne, a quero o orador julga dema-
siadamente exigente.
Depois de rouitas outras considerages, o orador
cooclulo mandando i mesa urna emenda, que flceo
sobre a mesa para ser lida opportunamenie.
Dada a hora o Sr. Costa Ribeiro requeren a pro-
rogago dos trabalhos para a discusso do orga-
mento municipal. O Sr. Ramos pedio igualmente
para a discusso do projecto o. 71.
Sendo consultada a casa foi resolvido pela afflr-
mativa.
Entraram em ultima discusso as emendas apo-
sentadas em 3.* ae ercamento municipal.*
Fallaran os Srs. Gervasio Campello, Costa Ri-
beiro e Reg Barros.
Encerrada a discusso, forant novamente appro-
vadas todas as emendas e additivos approvados ero
3.* discusso.
O Sr. Araujo Barres requer novamente a proro-

.


<
7**"-
Alarle de Ptrnamhueo Quarta feira t4 de Male de 18S5.

gago da hura para discusso do pn jecto n. 68 e
outros
Consultada a casa decide pela afflrmative.
3.a discusso do pr*jecto a. 28.
E' epprovado sem debate.
Re&mhecendse- nao hver casa, o Sr. presiden-
te levanta a se.-so s 4 horas e 33 minutos, dando
para ordcm do da a comlnuaco da anterior.
SESSO ORDINARIA EM 20 DE HAIO DE 1865'.
PRESIDENCIA DO Sil. SABINO OLEGARIO.
As onte horas e 53 minuto? da manha acha-
vam-se presentes os Srs. deputados Aquino, Reg
Barros, Nelto, Ueodoro, Teixeira de Mello, Vctor
Correa, Jacobina, Baplista, Ramos, Gervasio, Na-
bou, toarque, Sabino, ltibeiro, Loureiro, SoaTcs,
urando, Arrainio, Rochael, Gangalves 4a Silva,
Gaspar, e Aiiiyolas.
Lida e approvada a acta da sesso anterior,
o Sr. Io secretario leu o seguinte
EXPEDIENTE :
Um offlcio do secretario do governo, remettendo
opia da portara pela qual S. Exc o Sr. presiden-
te da provincia, j.rorogou a presente ses*o da
assembla legislativa, at o dia 27 do corren-
le.Inleirada.
Ontro do mestno secretario, remetiendo os auto-
graphos dos actos desta assembla ns. 688
38.-Archiv5u-se.
Outro devolveodo e autographo do acto desta
assembla, que conceden abates a Francisco 4o
Valenca, e Franci*eo Calateante, que detxoo de
ser sanccienado.A' commisso de constiluigao e
poderes.
Fallou pela ordcm o Sr. Dr. Aquino, apresentan-
do considerado da assembla urna carta anony-
m.i qoe denuncia o Sr. inspector da thesouraria
provincial, como socioda empreza de carnes verdes
oulr'or-a estabeleeida nestaridade.
Km seguida fui approvado, depois de Tallaren)
os Srs. Jacobina, e Aq.iiuo, o seguinte requeri-
mento :
Requeiro que se peca ao'Exm.'Sr. presidente
da provincia, qoe se digne de mandar proceder,
Em segiuda tomou a-palavra o Sr. Gaspar em Casa dk dktbncao.Movltneoto dodia Jld.
sustentacao do projecto. maio de 1863.
O orador passvu a responder aos argumentos Existum presos 333; entraren) 3; falleceu i ;
presentados na casa em irapugnago, e aquellas ] exislem 334, a saber: nacionaes 249; molheres',
das proposicdes que Ihe parecerem offensivas. estrangeiros 23; mojheres 3; eseravos 50; esera-
Disse o orador que havta solicitado o apoio de | vas 5 ; total 334.
seus collegas para qoe lodos se convencessem de Alimentados easta dos cofres provineiaes 143
que se tratara de urna questo de interesse para. Movirrento da enfermara do dia 23 de malo
a provincia e nao poltica. I de 1863 :
O orador declara que a questo da indemnisacao Tiveram alta :
levantada pele l* distrieto decahe por si m-sma, Luiz Gonzaga da Silva.
desde que o emprezarie noreclamou essa indem-1 .Manoel do Nascimento Lima.
nisago. A quesio Cambronne grave, dii o no-j Manoel Joaqaim do Espirito Santo.
bre deputado, e ja foi eqoi largamente disentida ; Manoel Gomes de Mendonca.
qoando na assembla foram apresentadas as pos-
turas, diversos senhores deputados toraarara parte
na discBsso.
Dlse o nobre deputado que quando se discuti o
contrato nenhuma voz em opposigo se levantou,
e que s na presidencia do Sr. Ambrosio recorreu
Cemiterio publico. Obituario do dia 20 de
malo de 1865.
Guillermina Hara Bexerra, Pernambuco, 19 en-
nos, solleira, S. Jos, pbtbysica polmonar.
Manoel das Neves Barros Le to, Pernambuco, 12
annos, solteiro, S. Jos, eplepria.
o Sr- Cambronne ao overeo pedindo a execuco Francisca de Paula Barboza de Almeida, Pernatr
de um artigo do sen contrato, e que para este Um baco, 71 annos, vinva, S. Jos, pbthysiea pol-
se dirigi o Sr. Cambronne a cmara. Esta redigio mooar.
urnas posturas, que na foram aceitas peioSr. Mar- t Hermelioda, Pernambuco, 11 mezes, S. Jos, inte-
cellino, mas qne sendo modificadas, foram poste- rite.
riormente approvadas por esta casa. A questio re- Leonor, Pernambuco, 18 mezes, escrava, S. Jos,
doz-se, pois, diz o orador, saber-se o que est es-1 intente.
la beln do ou nao 4ei, faz ou nao parte do contra- 21
to ? O iliustre memoro pensa que stm ; que essas Anna, Pernambuco, 20 dia, Santo Antonio, apatas.
posturas sao lei. Perguuta o orador se a assembla jj
provincial poda-revogar aquellas posturas sema Jeaima Francisca da Conoeico, Pernamboeo, 77
proposta constitucional da cmara t claro que annos, viuva, Boa-Vista, intente.
nao ; e assim ftca demonstrado que o acto desta Jos Vaz de Araujo, Pernambuco, 98 annos, casa-
assembta, revogando laes posturas nao fol regu-, do, S. Jos, diarrha.
lar. Seraphina Mana da Conceicao, frica, 60 annos,
O orador responde ao argumento do sobre deM solleira, Boa-Vista, diarrha.
putado oSr. Diodoro, que diz ser inconstitucional Mana das Neves Ferreira, Pernambuco, 33 annos,
a postura.por permillir a entrada as casas parti- viuva, Boa-Vista, phthysica polmonar.
otilares para o estaneleclmento dos apparelhos; diz Mara dos Aojos Ponte.', Pernambuco, 18 annos, sol-
que lratatido-se da utilidad1 publica a postura po-
da estebelecer aquellas clausulas ; que em 1863
tratou-se da questo da constitucionalidade, e que
sobre esta a casa ja se prenunciou.
O orador pondera ao nobre deputado pele 2* dis-
teira, Santo Antonio, congesio cerebral.
Manoel Carrea de Santa Clara, Pernambuco, 30 an-
nos, solteiro, S. Jos, congesio cerebral.
Mara das Mercs de Mello, Pernambuco, 54 annos,
viuva, intente.
AGGRAV08 NTEIIPOSTOS DO JUIZ0 ESPECIAL
DO C0MM8RCI0.
Aggravante, Antonio Joaquim Silgado ; aggra-
vados, Luiz Fonseca de Macedo e Joo Altes de
Moura.
Aggravante, Antonio Leite de Magalhaes Basto ;
aggravado, o juizo.
O Exm. Sr. presidente neg* prormento.
Aggravante, Severlna Frauelsea Emilia ; aggra-
vado, exequente Miguel Ardante de Flgueiredo.
Executado, Manoel do Amparo Caj.
O Exea. Sr. presidente deu provimento.
Nada mais ha vendo a tratar-se o Exm. Sr. pre
dente eaeerron a sesso 1 horae um quarto da
tarde.
tricto, que nenhum extravio de papis houve, como Bauoel Antonio Irozoja, Aracaty, 33 annos, sollei-
, alBrmou, e que isto mesnio tena elle reconhecido ro, Boa-Vista, interite.
pelo9 raeios Irgaes, o exatne nos livros das compa- se dsse mais attenco ao discurso do Sr. Tbeodoro Eduardo, Pernambuco, 10 mezes, Boa-Vista, bron-
nhias de carnes verdes que exi>tiam nesta provn
cia, afim de ver-se nelles figura como um dos
socios o Sr. inspector da thesouraria pro.inclal,
Silva. chite chronica.
Traton o orador da veluntariedade, mostreado Mana, Pernambuco, 2 annos, S. Jos, gastro inte-
que a aceitago dos apparelhos de Cambronne es- rile.
Jos Pedro da Silva, e poder dar as providencias tava decretada, e que s aos poderes coir.peteotes, Jos, Pernaabnco, 7 mezes, Santo Antonio, opteni-
qne S. Exc. julgar prensas. S.R.-Aquino Fon- e pela forma regular, compela revogar a condicSo I tes.
que ella se refere. Um prvulo (morto) encontrado na porta da Igreja
Respondendo ao nobre deputado pele 2* distric-! da Conceicao, SanU- Antonio.
to, dirse o orador que a cmara tetn propugnadores Joanna, Pernambuco, 10 annos, S. Jos, iatermit-
da idea da revogaco das posturas, e se esta revo-! tente.
gafo levo lugar, elladevia ter sido apresentada na Jos, Pernambuco, 16 mezes, Recife, convulsSes.
qne foi poiado,
e despeosado da
-seca.
Foi lido o sepumte projecto,
julgado ohjeclo de deliberadlo
impressao
t Artigo tnico. Fica aberto um crdito supple-
mentar a verba do orcamenloajuda de cusi aos
depulados provincias, na importancia de.......
320*000 -Buarque.
ORDEM DO DA.
Segunda discusso do art. Io do projecto n. 71,
reformando o regulamento da thesouraria provin-
cial.
Fallaram os Srs. Jacobina, pedindo exphc {oes
ao autor do projecto, e o Sr. Aquino em susten-
tacao.
Oraram anda o Sr. Jacobina em epposicfo ao
projecto, e a favor o Sr. Or. Baplista.
Encerrada a discusso foi o art. 1 approvado.
Entrou em discusso o art. 2, que foi approvado
depois de una expllcaco ao Sr. Dr. Aquino.
Continuarn da t' discusso do projecto n. 6
deste auno, sobro a empreza Cambronne.
casa.
O orador pensa que Carlos Cambronne tem di-
reito a indemnisacao por qualquer mcdificaco no
seu contrato, mas que esse direito ful renunciado
pelo proprto Cambronne. Para mostraresse direito
o orador l o artigo do contrato que a elle se refe-
re, e diz que foi para tornar eftectiva essa renuncia
que elle a estabeleoeu bem clara no seu substitu-
tivo.
O nobre deputade diz que foi sobre a mudanca
dos app.relhos que elle estabelecen e exigi o ac-
cordo do empresario, e nao sobre os reglamentos
que tiverem de ser expedidos pelo governo.
Mepondendo ao obre deputado pelo 2 distrieto
o Sr. Campelln, diz o orador que o projecto subs-
titutivo apresentado por aquello deputado s
Malbeus, frica, 45 annos, solteiro, eseravo, Santo
Antonio, garrotilho.
CIIHOMCA JUDICIAItlA
tbibcmajl do cohhiercio
acta da sessao administrativa de 22 de
MAIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOS
ANSELMO FRANCISCO PEHETTI.
s 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desembargador fiscal, o
pode Exm. Sr. presidente declarou .aberta a sessao.
ser acento com a emenda offerecida pelo orador, Lida, foi approvada a acU da seso antece-
TRinr^AIi I V RKIiATlO.
SESSO DE 23 DE MAIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOOZA.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores Santiago,-Gilirana, Lourenco San-
tiago, -Almeida Albuquerque, Assis, Dorie, Metta,
Domngues da Silva, e Barros Vasconceltos, faltan-
do o Sr. desembargador Guerra procurador da
corda, abrio-se a sesso.
Passados os feilos, deram-se os seguiotes
JUUG AMENTOS.
Recurso crime.
Recrreme, o juizo ; recorrida, a escrava Rita.
Relator o Srr desembargador Motta. Sortea-
dos os Srs. desembargadores Almeida Alboquer-
qne, Gilirana e Doria.Improcedente.
Denuncia.
De Thom Lelo de Castro, contra o juiz de di-
reito de Pao d'Alho Dr. Delphino Augusto Caval-
canti de AlbuquerqueRelator e Sr. desembarga-
dor Vasconcellos Sorteados os Srs. desembarga-
dores Santiago, Gitirana e Metta.Improcedente.
Habeas-corpus.
De Jos Antonio Paes da Porciuncola, foi conce-
dido para o da 27 do correnle, em sesso, s 11
horas do dia; e o de Antonio Vicente dos Santos,
para o dia 30 do correnle, s 11 horas do dia, sen-
do ouvidas as autoridades competentes.
AppelUtcoes crimes.
Appellante, Francisco Ferreira de Souza ; appel-
lada, a jusiica.A nevo jury.
Appellante, Marcolioo Antonio do Nascimento ;
appellada, a justica.Improcedente.
Appellante, Joo Soares de Macedo ; appellado,
Joo da Fonseca e Silva. Absolvern) o appel-
lante.
Appellante, Rosa Maria Borges ; appellado, Ma-
noel da Cunha Freir. A novo jnrv.
Appellai;o civel.
Appellante, Francisco Ferreira de Andrade; ap-
pellado, Manoel Jos Taboca.Confirmada a sen-
tenga.
DILIGENCIA C1VEL.
Com vista ao Dr. curador geral
As appellacoes civeis.
Appellantes, os herdeiros de Francisco Joaquim
Pereira de Larvalho ; appellada,
cipal.
Appellantes, Pantaleo e Margarida ; appellados,
Joo da Silva Farias e outro.
Com vista ao Sr. desembargador procurador da
cora
A appellaco civel.
Appellantes, Firmino Theotonio da Cmara San-
A appellaco crime.
Appellante, Marcolinp Bezerra Torres; ^ppelle-
de, e justica.
Appellante, Joaquim Gomes Camello ; appellada,
a justica.
Appellante. Antonio Luroco Gomes ; appella-
dos, o juizo, e Trajano Francisco Brasileiro e ou-
tros.
Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Cactano Santiago
A appellaco crime.
Appellante, o promotor ; appellado, Joo Fran-
co Moreno.
A appellaco civel.
Appellante, Dr. liento Jos da Costa Jnior; ap-
pellada, a irmandade de Santa Anna.
A* 1 1/2 horas encer'ccae a sesso.
COMHffICIBOS.
Foi lida, apoiada e posta em discusso a seguinte isl -,sem PreJttta) da aiitorlsacao. Para isto entra dente.
emenda do Sr. Nabor
< Depois das palavras notos ontis eem Ingar das
palavras a provincia-e aos particulares, dganse aos
particulares, que delle se quiterem ulisar, e nao
pague a provincia annuidade superior a 30:0O0
jie'o servicn, que o emprezarlo ser obrigafo a
prestar aos pobres dos hospilaes e as repartiySes
publicas provineiaes. /
Em lugar das palavrase que nao teha o
empresario diretto a ndemmsaco alguma, o que
dever ter expressamente renuncuflffdiga-se:
VeVulindo o "mprezar* aos que lejfnto uso do ^It?^*"0 suPP1tnmn,ares
seu sustema lodos as despezas inutisados e renun-
ciando expressnmenl.e toda e quaUfue.r indemmsaro
a que se considere com direito em face do premitivo
contrato.
t Depois da palavra : ficando, accrescente se as
palamts o ninmn presidentee substltuam-se
as palavras tinaes-de accordo com o respectivo
empresariopelas segnintes por parte do empreza-
rie, fieaudo-lhe improrogavelmente a data certa e
nao condiccional em
previlegio concfdido
o orador em outras muitas considerarles, e con-
clue declarando que necessaro que* a assembla
tome urna medida, qualquer que ella seja, por
termo a questo, visto serem incontestaveis hoje os
direitos de Cambronne. este em 2 do referido mez.Mandou-se archivar.
Orou em seguida o Sr. Nabor, que oceupou o i Outro offlcio da junta dos corretores, datado de
s considera- hoje, remetiendo a cotaco dos precos correntes da
tes
EXPEDIENTE.
Um offlcio do secretario do tribunal do commer-
cio da Babia, de 11 de maio do correnle anno, ac-
cusando o recebimenio do que Ihe foi dirigido por da sFveira.
Appellante,
tiago e ootros; appellado, major Joo do llego
Barros Falco.
DESIGNADO DE DIA.
Assignon-se dia para julgamenlo
das seguin-
Appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Raymando Alves
c5es da sesso anterior.
Finda a hora o Sr. presidente levanta a sesso
s 4 horas da tarde, d.indo para ordem dn da a
continuace da anterior e mas : 1* discusso di s
e n. 73,
todos deste anno.
lio
I
de 1858, com approvaco desta assrmhla e sem
pn juizo da constiUicionalidade em que est con-
cebida esta inesma lei. S. R.Nabor.
Falln sobre a materia o Sr. Naber, que apresen-
tou ainda a casa o seguinte substitutivo ao pro-
jecto :
Artigo nico. Fica o presidente da provincia
aulorisado a renovar o eontrato celebrado com Car-
los LuizCambronne, e fazer substituir o systema de
efgoto e limpeza por elle actualmente empregado
pelo de canalisaeo geral e servico d'agua, ou
qualquer outro mais aprfeicoado e conhecido
como o mclher da Europa, com tanto qoe se nao
imponha no vos onus aos particulares que delle se
quizerem utilisar, e nao pitrue a provincia annui-
dade superior a 33:000:000 pelo servico que o
empresario ser obrigado a prestar aos pobres, aos
hos|itaes e as reparticoes publicas provineiaes;
renunciando expressamente o empresario toda e
qualquer indemnisacao e que se considere com
direito em face do premitivo contrato : devendo o
mesmo presidente fixar improrogavelmente a data
certa, e nao condicrional em que deva comecar o
praso do previlepio conced 1o pela le n.413 de 2
de junho de IS58, nao dando interpretado alguma
a esta lei em sentido de tornar o emprego do syste-
ma do emprezario obrigario aos particulares, ser
smente a provincia no sentido cima declara-
do. S. R.-Nabor.
O Sr. Campello, tomando a palavra fezconMde-
raroes sobre o projecto. Disse o orador que nao se
devia riespresar a questo pelo lado diplomtico;
que Carlos Cambronne collorou-se sob a proteceo
do governo francez, que nao se acha em bas rea-
c5es com o brasileiro, e que este facto poderia dar
lugar reclamacoes maiores da parte daquelle
governo.
O Ilustre membro accrescentou que Carlos
tambroune nao devia contar que esta assembla
assentisse na connuaeo de posturas, que haviam
sido regeitadas p los dous presidentes.
Enteude o orador, entretanto, que a autorisacao
deve ser concedida.
Pensa o (Ilustre deputado que a autorisacao deve
ser formulada em termos que, concedam urna ga-
ranta ao emprezario para rom ella levantar os
capitaes necssarios a empreza, at que o systema
dos apparelhos seja aceito livremenle.
O orador l na casa um projecto substitutivo, no
qual se acham consignadas as suas ideas.
E' Ifdo, apoiado e posto em discusso o seguinte
substitutivo do *r; Camperto;
Art. P> Pica o presidente da provincia autorlsa-
do a rever o contrato com Carlos Luiz Cambronne,
obrigando-se este a empregar um systema que of-
fereea vantagens incontestaveis, renunciando ex-
pressamentea qualquer indemnisacao.
Art. i. O novo systema ser claramente deter-
minado no contrato depois de ouvida urna commls-
sao nomeada pelo presidente da provincia.
Art 3. Todas as obras geraes flearao concluidas
no flm de tres annos a ontar da data do contrato.
Art. 4. Findo este prazo, a empreza receber
urna subvenco mensal de 2:060$ durante dez1
annos.
Io Serexpressamentedeterminadoque a em-
preza nao podera augmentar de subvenco, nem
prorogaco de prazo.
Arl. 5. Ser maolida a dtsposicao do contrato
primitivo no sentido de nao ser obrigatorio aos
particnlares a adopeo dos apparelhos.
Art. 6. G presidente da provincia solicitar do
poder legislatH>o a creaco de imposto sobre os
predios urbanos ctmprehendidoe na planta das
obras que oo tiverem os apparemos da empreza
no caso de 6e acnar plenamente demonstrado, qne
ellas fuoceionam perfei lamente e a comento da
maioria dos habitantes desta cidade.
Art. 7. Logo que se estabeleca o imposto indi-
cado no artigo precedente, o presidente da provin-
cia far nma convenci com a empreza para es-
iabelecer os apparelhos em todos os predios, res-
ponsabilisando.se pelos pagamente* respectivos.
Campello.
O Sn. Aoumo, tomando a palavra, mostrou qne
sendo o sistema dos apparelhos do Sr. Cambronne
o menor e mais adoptado as nossas condlgfes, to-
dava elle se tornou mo pelas imperfeicoes com
qne foi aqol apresentado, e pelos hbitos da popu-
ladlo.
O orador tratou ainda da constitucionalidade do
projecto; Tez outras murtas considracoes.
praca na semana finda.Archvese.
Foi distribuido ao Sr. deputado Alcoforado o co-
piador de Jos Joaquim Dias Fernandos.
DESPACHOS.
No requerimento de Jos Luiz Goncalves Ferrei-
j ra e Manoel Alves Goncalves Ferreira, pedfndo o
; registro do seu contracto de sociedade :Viste ao! de Lima
Sr. desembargador fiscal.
No de Manoel Antonio Rbeiro, Joo Francisco
dos Santos e Belarmino Goncalves de Albuquerque,
A irmandade do Divino Espirito Santo, erecta replicando do despacho de 15 do correte, afim de
convento de S. Francisco, celebra na quinta- serem transferidos os livros da firma de Rbeiro &
C, para a de Manoel Antonio ltibeiro C. :co-
mo requerem, a vista da explicaco que do.
N'outro dos mesmos, pedindo o registro do con-
trato de sua sociedade :Vista ao Sr. desembarga- j
. o juizo ; appellado, Alexandre Jos
Barbosa.
Appellante, Francisco Rodrigues de Freitas ; ap-
pellado, Manoel Francisco do Espirito Santo.
Appellante, Manoel Joaquim do Nascimento; ap-
pellado, Eleuterio Jos Goncalves.
Appellante, o juiz j ; appellado, Severino Rodri-
gues.
Appellante, o juizo ; appellado, Joaquim Correia
REVISTA DRU.
feira 25 do correte a 1 hora da tarde, o acto da
hora, com missa cantada, depois do que U-vantaro
quedeva comecar o praso do i a handeira da festa do padroeiro da mesma irman-
pela lei n. 443 de4 de junho dad t,ndo comeco n'est mesmo dia as novenas.
appellada
Appellante, o juizo ; appellado, Jos de Souza
Lima.
Appellante, Andr Ferreira da Silva
a justica.
Appellante, o promotor ; appellado, Manoel Ber-
nardo da Guerra.^
Appellante, o Juizo ; appellado, Manoel da Costa
Pinheiro.
O ririgue poruguez Soberano, que vinha de dor fiscal. Annptlanto HumES UnZtMrn doMaradn annot-
Lisboa para o nosso porto, galpn na madrugada No de Jos de S Leito Jnior, pedindo certido! ladosBorgS 4 Me*o *
de hontem os baixos de Mana Farinha, ficando a de sua matricula de commerciants : Como re-1 AnUllante o cnsul nortncnez annellada D
nado e sem grande damnolio canal interior. Ape- quer. | Aona Lopes dos leis porluguez aPPe"aaa' u-
m S!!0'seeuiram para luar os soccor'' dHe J,aq,U,rn Fr"cf*> La*. Brasileiro, de 361 Appellante, o brigdeiro Gaspar de Menezes Vas-
ros necesarios. anno de idade, estabelec.do nesta cidade com teja concellos de brumrnond ; appellada, a Santa Casa
Osj.rnaes, que se destinaren) aos Estados de fazendas em grosso e a retalho, pedindo ser ad-1 ,ja Misericordia
Pontificios, segundo a convencao postal italiana, de- mettido malricula :-Vista ao Sr. desembargador. Appellante, Dr. Joao Jos Pinto; appellado, Joo
Nada mais ha vendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso s onze horas e meia da
manha.
22 DE MAIO
SESSAO JUD1CIARIA EM
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
PERETTI.
io Guimaraes.
ha o Exm. Sr. presidente
'o .rsunidos os Srs. desembar-
Silva Guimares e Accioli e
a, Candido Alcoforado, Basto,
Secretari
As UX horas d
abri a sesso e
gadores Reis e
os Srs. deputadl
e Miranda Lea.
Lida, foi approvada
dente.
vera pagar 100 rs. por cada onze oitavas ou frac- fiscal.
coes d'ellas. i No de Jos Monteiro de Siqueira. pedindo o re-
No lugar Queimadas da freguezia de Boin gistro de um papel de arrendamento que apresen-
Jardim appareceu enforcado em urna arvore oes- ta :Coreo requer.
cravo Miguel, de Antonio Manoel de Parias Leile. No despacho de 18 do correnle, que mandou fa-.
Segundo o corpo de delicio foi elle proprie o autor zer eflernva a concesso de matricula a Domingos
do -Time. Jos Ferreira Guimares, foi voto vencido o do
Acha-se marcado o dia 12 do mez vndocro, Exm. Sr. presidente, que o fundamentou com urna
para o txame de habililaco de senhoras que quei- cenido, a qual foi mandada archivar,
rain oppor-se ao magisterio.
Por portara de aotehontem foi nomeado te-I
nenie do 2." corpo de Voluntarios da Patria, o Sr.
Themistocles d'Orange d'Albuquerque Lima.
Amanha devem ter lugar, na igreja do Es-'
pirito santo, a devoco da nova imagem do Senhor
Santo Chnsto, pelo Rvm. Sr. conego Tavares da
Gama, e o levantamento da bandeira do Espirito
Santo. O programma do acto vai em outro lugar.
Hoje Cordeiro Simoes far o leilo dos restos
dos trastes existentes no armazem da ra do Impe-
rador n. 47 e tambem dos trastes de sua residencia,
cujos leiloes sero effectuados no armazem a ra
do Imperador n. 47, as 10 horas da manhSa.
Escrevem-nos de Pao d'Alho, em 21 do cor-
renle :
Nada sei de importante para referr-lhe. As
chuvas continuam e s nos falta alguma cneazinha
para complemento do invern.
Nao consta que tomasse anda conta do cargo
o novo d legado.
O jury foi marcado para 16 do prximo e nao
para 12, como por -ngane Ihe disse.
Esquecia me dizer-lhe que, domingo passado,
seriam 7 para 8 horas da noite, adaram nesta
villa alguns nimos em alvorogo ; fallava-se com
roysterio de dous vultos, que por alguns momentos
foram observados no pateo da feira, e que apezar
de encapotados deixavam ver o qaer qne fosse de
occnlto, e que, sendo secuidos al urna casa velha, i
all se recolheram, e foram agarrados por dons ou
tres soldados, de cujas raaos lograram evadir-se,
deixando o capote, e espingarda ou bacamarte.
Houve quem enchergasse nos taes embragados
dous assassiuos, e chegou se mesmo a indicar a
vilima.
c Mas, por flm de comas conheceu-se que era
tudo isto houve muia exageraco, que os mencio-
nados vwUos nao passaram de um pobre e6cravo
da Costa Rbeiro.
Appellante, Luiz Antonio Annes Jacome ; appel-
lado, Francisco de Salles CardozoLima.
PASSAGBNS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirana
As appellacSes crimes.
Appellante, Ricardo Lopes da Normandia ; ap-
appellada, a justica.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Luiz de
Santa Anna.
Appellante, o promotor; appellado, Malhias da
Cunha.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago
ap-
a acta da sesso
JULGAMENTOS.
Appellantes, Guimares Alcoforado"; appella-
dos, Manoel Moreira da Costa o outra.
Adiado nassessoes de 11 e 15 do correte.
Retirou-se da sala das sessoes o Sr. deputado Can-
dido Alcoforado.Foi anuullado o processo^de fo-
Ihas 227 em diaute.
As appellacoes civeit,.
Appellante, D. Maria da LuzTeixeira Costa
pellado, Jos Joaquim Ferreira de Souza.
Appellante, Eduardo H. Braraah ; appellado,
Joo Paulo Carneiro de Souza Bandeira.
Appellante, Dr. Manoel Carlos de Gouveia ; ap-
pellado, o vigario Jos Anlunes Brando.
Appellante, Jos Domingues Correia ; appellada,
antece- a ordem terceira de S. Francisco.
Appellante, Joo Lopes Cavalcente
; Jos Antonio de Mendonc...
pe
Appellante Miguel Jos Barbosa Guimares, ap-
ilado J. F. G. Kladt.
Adiado na altima sesso.Desprezaram-se os em-
bargos.
Appellante, D. Maria Magdalena de Almeida Ca-'
tanho ; appellada, D. Anna Josepha Pereira dos
Santos.
Adiado na ultima sesso. Contina adiado a
pedido de outro Sr. deputado.
Appellante, Joo Joaquim da Costa Leite cono
adminisirador de sua roulher; appellado, Manoel
de Souza Pereira. Adiado o julgamento a pe-
dido de um dos senhores deputados.
Appellantes, os administradores da massa fallida
,0 de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
de Antonio Pereira da Luz Borba, do engenho Var- Lan los.6 da Sllva Guimares. Adiado a pedido
te Grande, cidadao inoffensivo, e de Fulano Barrei- de.ora d,os Srs- deputados.
ra, morador do dito engenno, que o eseravo fura i Ap1eJ'a?,e tvlscode de Suassuna ; appella-
cacar e sea coropanheiro, com quem voltra por
aqui para baborem, e espreiterem a Dulcinea- de
um delles, de cuja lldelidade duvidavam, e que
fazia na referida casa os seus rendez voui.
* Nao ha en tola esta comarca, fallo sem excep-
cao, quem seja capaz de mandar matar a ootrem,
e nem vejo caso para isso, se caso ha qu possa le
var algoem a to grande crime, pois todos azera
juetica ao carcter pacifico dos pao d'alhenses. Po-
rem o que (fuer men amigo, se em toda parte ha
gente que procura tirar partido at dessas eousas f
* A noticia de que ra chamado ao pago o Sr.
conselheiro Nabuco para organisar um ministerio,
e o-ne ter podido o vapor pelas horas, em que sa-
hio, trazer a lista de novo gabinete, deixoo-em so-
bresalto a mu i tos. que s no flm do mez ter o des-
engao, alvo se algura patacho................
o viscoode
dos, Patn Nash & C. Desprezaram-se os em-1
bargos.
Appellantes, Jos Antonio Pereira e sua mulher;
appellados, a viuva' e herdeiros de Joo Ferreira
dos SaBtos.Adiado o julgamento a pedido de um
dos senhores deputados.
PASSAGBNS.
E' verdade, porra, ^ue o nome do distwete
Sr atoco deve inspirar euaiacca. i-
HBPART1CA0 DA POLICA
Eitracto da parte do dia 23 de maio 3e 1865.
Foram recolbidos casa de detenco na dia 22
do crreme;
A appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Joaquim Jos de
Santa Anna.
Ao Sr. desembargador Assis .
A appellaco civel.
Appellante, D. Emilia Cardim Cavalcante de 011-
veira ; appellado, o preto Jos, por seu curador.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellacoes civeis.
Appellantes, bacharel Benjamn Pinto Nogueira
e outros ; appellados, D. Margarida Augusta Pimo
e seus lilhos.
Appellante, Albino Jos Ferreira da Cunha ; ap-
pellada, a fazenda.
A appellaco crime.
Appellante, Francisco de Paula Campos Cuares-
ma ; appellada, a justica.
Do Sr.desembargador Almeidae Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
As appellacoes civeis.
Appellante, Joaquim Manoel Ferreira de Souza ;
appellada, a faztnda.
Appellante, a fazenda ; appellado, Joaquim Gon-
calves Guerra.
O conflicto de jurisdieco entre os juizes muni-
cipaes de Bonito e Agua Prota.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
As appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Domingues
Correa.
Appellante, o jnizo ; appellado, Henriqae Pereira
de Lima.
Appellante, o juizo; appellado, Francisco Lniz
Do Sr. desembargador Reis e Sllva ao Sr. des-
embargador Silva Guimares:
Appellante, a embaagante 3 Esmeralda Maria
da Conceicao ; appellados, Schaffeillin & C.
Appellante, Francisco Josa de Campos: appella-! & Souza Baha,
dos, Roberto Lightborn & c. Appellante, o jnizo ; appellado, Joao Paulo, es-
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar- crav0-
gador Res e Silva: As appellacoes civeis.
Recrreme, Francisco Teixeira Guimares ; re- Appellante, Bernardino Joaquim da Silva ; ap-
corndos, Teixeira, Leite, Companhia & Sobrinho. \ Pelado, Joo Cardoso Pereira Guimares.
Appetlaotes, os administradores da massa fallida' Appellante, a fazendaj appellados, Joo Vieira da
d Bastos & Lemos -, appellados, os administradores Cunha e outros.
da massa fallida de Pacheco & Mendes. Appellante, Dr. Manoel Carlos de Gouveia ; ap-
Do Sr. desembargador Sllva Gulraaies ao Sr. i Pel,a*. Y.lgario Jos Rutones Brando.
desembargador Accioli: Do Sr. decambargador Doria ao Sr. desembar-
Asellanteg, Jos Goncalves Malveira e ootros ; 6ador Motta
appdlados. James Crabtree C.
Appellantes, os administradores da massa fallida
2^fciL^^.ft*^mK^^
As appellacoes crimes.
Appellante, Manoel Antonio Laguna; appellada,
noe!, eseravo de Joaquim Manins Moreira, a dis-
{osic do Dr. delegado da capital, por infraeco
3 posturas.
A' ordem do subdelegado da Capunga, Joaquim,
dscravo de Joaquim Vianna, para correceo.
No impttfrmento do oilefal da 2*. secfo, o ama-
nuense ^nfonio Affonio Ferreira.
!?' i de Olireira.
DtTRIBOigAO.
Ao Sr. desembargador Reis e Sil*a :
Appellaates, silva e Alves; appellados, os ca-
radores Sseaes da massa fallida e Jos Marques
. dos Santos Agaur.
Appellante, o juizo;. appellado, Antonio Ferreira
Martins Cateado.
A appellaco civel.
Appellante, D. Joanna Fraoclsea dos Reis 4 ap-
pellados, Jos Malhwros de Albuquerque e ontro.
Do Sr. desembargador Motta aoSr. desembar-
gad) r Domingues da Siiva
Propaia-se que nao ser saccionado o projecto
de lei, que passou ltimamente na assembla pro-
vincial, pondo termo s accumulacoes de empre-
gos, e dizem qoe Isto se dever a empenhos da-
quelles que tero de ser prejudicados cora a exe-
cuco desse projecto, se for sanecionado.
Desde 1627 at hoje se encontram na legislaco
do paiz alvars, resolugoes, evisos e leis, que se
oppe s accumulacoes, e se urna oulra disposiQao
de data amiga as permittio alguma vez, como a re-
sf lucio da consulta de 24 de abril de 1818, deca-
rou-se logo que s seriam permiltidas, quando os
officios fossein de pequeo rendimento; mas o aviso
n. 89 de 4 de juibo de 1847, na intencao de evitar
abusos, qnento os empregados geraes, estabeleceu
as regras que devem servir de norma, nao seesque-
ceado o governo de declarar que os empregos eram
creados para o bem-publico, e nao para beneficio
de quem os oceupava.
Em 1845, reconhecendo a assembla provincial,
da qual fazia parte o Exm. conselheiro Nabuco de
de Araujo, a necessid.ide que havia de pr-se termo
ao abuso das acccumulacdes, que se ia itroduzio-
do, comignouna lei n. 140 de 7 de maio desse an-
no, e de um modo absoluto, que nao poderia haver
accumulacao de empregos provineiaes, e ninguem
disse que isto era illegal, ou se oppunha aos inte-
resses da provincia ; e sendo essa lei sanecionada,
nos recordamos de que o tinado Dr. Simplicio An-
tonio Mavignier, que era professor da cadeira de
obstetricia, e cirurgio-mr do corpo de polica,
leve de perder esta logar, que passou a ser occu
pado pelo finado cirurgio Miguel Felieio da Silva,
s li ando com aquelle, e ninguem gritou com a
injiistica do acto.
Sendo a disposico, que prohiba as accumula-
coes, incluida em uraa lei que garanta certos em-
pregos por meio da vitatteiedade, e sendo isto feite
pela assembla provincial em favor do partido 6a-
ronista, que ia ceder as posicoes offlciaes ao libe-
ral, o Exm. conselheiro Chichorro da Gama, reco-
a cmara moni-1 nhecendo que nao poda administrar bem esta pro-
vincia com as peas que Ihe haviam sido postas,
poisque at na secretaria da presidencia emprega-
dos corregan provas de artigos de jornaes e pe-
ridicos da opposico, propoz assembla provin-
cial, era 1846, a revogaco dessa lei, e foi ella revo-
gada. Sendo revogada, desappareceu a disposico
que prohiba as accumulacoes ; mas desde euto
se tem sentido a necessldade de restabelece-la, tan-
to mais quantoos abusos tem Ido em augmento.
As accumulacoes existentes nojse deram, nem
porque os ordenados fossem pequeos, nem porque
s os individuos, qoe oecupam mais de um lugar,
fossem os nicos que offerecossem as habilitacoes
precisas para taes logares. Poderiamos mostrar o
que dizemos, oceupandonos de cadaum ; masdei-
xamos de faze-lo por nos parecer intil. as aecu-
mulagdes de que se trata, nem mesmo ha conve-
niencia para a provincia : pelo contrario esses indi-
viduos, oceupando mais de um lugar, nao podem
desempenhar satisfactoriamente todos, c com isto
soffre o servico publico, e o que dizemos vem mos-
trar que do interesse da provincia que cesse esse
abuso, que faz crer que oo temos pessoas habilita
das ; e foi em attcnso a isto que a lei, que vai ser
submeltida sanego da presidencia, teve a quasi
unanimidade dos votos dos deputados provineiaes,
declarando em discurso os dous, que contra ella
votaram, qoe reconheciam que a idea era boa.
A assembla provincial nao pode oppor-se a que
a pre.-idencia da provincia noineiiara commissoes
provineiaes empregados geraes; mas, s podendoa
presidencia faze-lo de conformidade cora o aviso n.
12 de 21 de Janeiro de 18i6, que estabeieceu as
condigas, declarando que a altribuico conferida
aos presidentes de provincias pela lei de 3 de ou-
tubro de 1834 nao devia ser entendida como regra
geral, nem com tal amplitude, que comprehendesse
ocaso de commissoes, cujo exercicio fosse incompa
tivel com o dos empregos geraes, como o o de ins-
pector da thesouraria provincial com o de professor
de geometra do Collegio das Artes, pelas razoes
eslabelecidas no aviso n. i8 de 22 de maio de
1850, a isto attendeu a assembla, declarando no
projecto que os empregados geraes s poderlam
ser encarregados de commissoes provineiaes nao
permanentes, (porque no caso contrario essas com
mssdes se tornariam empregos effectivos) e quan-
do se dsse indeclinavel necessidade, que sao as
condigoes estabelecidas pelo aviso n. 12 de 21 de
Janeiro de 1856 supracitado.
Assim, pois, nos parece que hao haver razo
para que o projecto, de que se trata, nao seja sane
cionado, e s dexar de s-lo, se su quizer alten
der a iiileresses individuaes, cedendose a empe-
nhos, e prevalecendo-se de hypothesos gratuitas,
que nao devem servir de fundamento para a regei-
co de urna lei.
Como lemos visto milita cousa censurare! em
nossa trra, nao nos admirara muito que o projecto
nao seja sanecionado. Pelo menos j se aposta que
o nao ser, e eremos que o Sr. Jos Pedro da Silva
nao o dos menos empenhados oisto.
At ver nao larde. Em todo o caso vai abaixo
transcripto o a/iso n. 12 de 21 de Janeiro de 1856,
e o projecto de que se trata, para conhecimento do
publico.
Copia.N. 21.Aviso de 12 de Janeiro de
1856.
t Resolve sobre os casos em que os lentes das
Faculdades de Direito podem ser empregados em
commissoes de ordens diversas da de suas fuuc-
Ces.
t 2 seceo. Rio de Janeiro. Ministeri 1 dos
negocios do imperio em 12 de Janeiro de 1851.
t Tendo sido presente a S. M. o Imperador o of-
flcio que V. S. me dirigi, datado de 7 do mez findo,
solicitando em nome da congregaco dessa Facul-
dade, e em cumprimento da resoluco tomada por
ella, providencias afim de cessar a pratica de se-
rem dispensados pela presidencia da provincia da
ellectividade das suas funejoes os lentes da mesma
Faculdade, por motivo de os empregarem era ser-
vico de ordem diversa. Houve por bem o mesmo
Augusto Senhor, conformando se cora o parecerdo
conselheiro procurador da cora, soberana e fa-
zenda nacional, mandar declarar que, com quanto
seja permitttdo aos presidentes de provincias, pela
le de 3 de outubro de 183 i, commetter a emprega-
dos geraes negocios provineiaes, esta altribuico
nao deve ser entendida como regia geral, nem com
lal amplkitude que comprehenda o caso de commis-
soes, cujo exercicio seja incompativel com o dos
empregos geraes, ou possa mestno prejudicar o des-
empenho das funecoes que lites sao annexas, salva
com tudo os casos em que por circumstancias ex-
traordinarias e excepcionaes, que o governo apre-
ciar, os ditos presidentes jolgarem indtspensaveis
taes servicos, como o em que se achon o presidente
dessa provincia, segundo se deprehende dos papis
que acompanharam o offlcio de V. 8. Expedindo-
se para observancia da doutrina que fica expendi-
da, as convenientes providencias, assim o coramu-
nico V. S. para conhecimento da congregaco
dessa Faculdade, e em respostaao citado offlcio.
Deus guarde V. S. Luiz Pedreira do Couto
Ferraz, Sr. director da Faculdade de Direito de S.
Paulo.
A ?ssembla legislativa provincial de Per-
nambuco, resolve
Art. I* Os fonccionarlos provineiaes e muni-
cipaes nao podero accumular empregos, que se
jam retribuidos pelos cofres pblicos, quer provin-
eiaes, quer rounicipaes, era mesmo como gratid-
cago.
Art. 2 Os fdneelonarios provineiaes bu mual-
cipaes aposentadas nao podero oceupar empregos
provineiaes nem municipaes; e os jubilados s po-
dero continuar no magisterio percebendo apenas
uraa gratificacd, que ser ulereada pelo presiden-
te da provincia e approvada pela assembla pro-
vincial,
c Art. 3 Os
sentados ou jubilados nos lugares em que se acha-
rem em eemmisseo.
< Art. 4* Os funecionaries de que treta o art. I*,
que actualmente oecupam mais de om emprego
retribuido por quaesquer cofres pblicos, tero di-
reito i opcao.
Art. 5* Ficara revogadaa todas as leis e dis-
ppsiedes em contrario.
PUBLICARES f PEDIDO
Qoando urna autorilede compre restrictamente
cora os deveres de seo cargo no desempenho de
urna empreza ene beneficio do pobhco, este mesmo
publico Ihe deve fazer jusiiga, para que nao passe
no olvido essa acgo meritoria.
O subdelegado do 4 distrieto do termo de Inga-
zeira, veneravel ancio Flix Ferreira da Silva,
pois havendo-se portado cora lino, prudencia e
energa era reivindicar um roubo eilo em Campi-
a Grande (provincia da Parahibal ao Sr. J. R. B.
C negociante do Ico, na quanlia de 16:4005000 de
urna mala que conduzia um cargueiro de sua coa-
flanea para essa capital, acontece que o roubador
conseguid tirar para um lugar afastado do rancho,
onde jazia entregue ao somno o dito cargueiro, a
mala que conduzia o dinheiro, e arrombando-a ti-
rou a dita quantia, evadndo-se com ella para esta
proviocia, jide atravessar varios termos escapan-
do serapre a acgo da polica, al chegar ao dis-
trieto de Flores onde foi menes feliz que nos ou-
tros ; vindo porra o roubado no encalgo do rou-
bador, apresentou-se ao mesmo subdelegado pedin-
do a sua coadjuvaga para poder seguir o rouba-
dor, que Ihe constava haver alravessado esse dis-
trieto em direcgo ao sul, Immedialamenle o dito
subdelegado preslou-se a isso dando-lhe at cartas
de recommendago para seus amigos de outros lu-
gares : passados das tem o subdelegado noticia
de que o ladro se achava no distrieto de Flores,
e nao havendo lempo para comraunicar-se a auto-
ndade competente, segu in continenti com algu-
raas pessoas para onde esta o ladino, prende e o
conduz ao subdelegado do distrieto, recebendo em
presenga do mesmo e de mais algumas pessoas a
quantia de lo:229000, algumas joias de ouro e
prata e um cavallo, que se tornou ao dito ladror
e das depois entregou tudo intacto ao roubado em
preseoga das mesmas pessoas, de que se mandou
pelo escrivo tancar o termo competente.
Para qoe o publico e o Exi. presidente da pro-
vincia teanam conhecimento deste facto e apreciem
a integridade de carcter do Illm. sr. Flix Ferrei-
ra da Silva, que recorremos a seu conceituado
jornal.
Povoago de Afogados do termo de Iogazcira. 20
de abril de 1865.
Manoel P. de Dnto.
Agua
appellado,
de Florida de Huarray k
Urna.
Os perfumes coropem a parte potica, a verda-
dera poesia do Toilel, e as senhores de elegancia
e retinados goslos sao do ordinario mais ou menos
fastidiosas e dificultosas de contentar, relativa-
mente a escolha destes artigos. As bellas habitan-
tes da America do Sul, as quaes sao perfeitas co-
nhecedoras de taes objeetos, teem dado para mais
de vrate annos a esta parte urna decisiva preferen-
cia a esta refrigerante e odorfera agua para o tou-
cador. Ella tem sido manufacturada quasi que
exclusivamente para o consumo da America Cen-
tral e do Sul; porem bem pouco lempo ha que
neste paiz se fez a descoberta da soa avanlajada
superiorldade sobre os perfumes de'urna qualidade
imperfeita e demasiadamente oppresslvos importa-
dos da Europa ; em conseqnencia, pois, deste novo
augmento em seu consumo, os proprlelarios eslo
empregando todos os seos esforgos, afim de salis-
faloramente supprirem to vasto pedHo. Alm de
suas muitas virtudes era qnalidade de um deli-
cioso e vvente perfume, ella torna-se, quando
misturada n'uma pouca d'agua, urna excellente
preparagao para a pelleV assim como pode servir
como urna admiravel lavagem para os denles e
gengivas. deixando ora agradavel e aromtico chei-
ro na bocea.
(Vede que os nomes de Murray e Lanraan, se
achara devidamente inscriptos sob cada envoltorio,
letreiro e at mesmo gravado no vidro das pro-
prias garrafas, e na falta ou ausencia dos mesmos
claro se torna a falsidade da mesma.)
Vndese as pharmacas de Caors 4 Barbosa e
J. C. Bravo Si C.
C0MME1CI0.
PIUCA DO RECIFE.
Coaves offlciaes.
23 de maio.
Algodaodi Paralaba 1" sorte:4500 por arroba
posto a bordo,
Dubourcq Jnior,
Presidente.
Guimares,
Secretario.
Caixa filial do iiaoco do Brasil em
Pernambuco.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no ilio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Novo banco de Pernamboco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagam o Io dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
mettldos : no novo banco de Pernambuco
do Trapiche n. 34.
a ra
funccionarlos geraes nao podero
ser empregados em commissoes provineiaes per-
manentes, e sim apenas as temporarias, em que
forem de jndeclinavel necessidade, e neste caso
nao podero contar' annguidade para serem apo-
>';>vobuaco de Pernambuco.
O banco paga o 14* dividendo narazode8A
dor acgo.
\<>vo banco de Pernam-
buco.
O banco descontaletras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de qnatro me-
zes, e a 10 0|0 at o de seis mezes, e toma dinhei-
ro a juros a praso nunca menor da tres mezes'
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 22...... 502-4641148
dem do dia 23............... 18:972*953
521:43741101
MOVIME.NTO DA ALFADEGA."
Volumes entrados com fazendas___ 213
com gneros..... 262
------ 475-
Voluraes saludos com fazendas..... 73
t com gneros..... 514
Descarregam no dia 24 do correnle.
Brigue (raacez-Atnabile O/cs-vinnos e outros
gneros.
Escuna hollandezaAntlopefarelo e genebra.
Barca ioglezaLomoflrrfiadiversos gneros.
Barca mgieza-Ronuht fero e gneros de estiva
Rnge iuglezParWfde-cemento e vinhos,
Escuna hollandeza -Spcnlani- diversos generos-
de estiva.
Barca inglezaAnn Kaytijolos.
Barca portugueza S. Joocharque.
Escuna portuguezaD. Jo&oidem.
Sumaca hespanholaMerceditaidem.
Brigue nacional Cardiaidem.
Bri5ue nacionalimporador- idem.
Barca inglezaBei/e Poulecarvo.
Barca uorueguense Tasmaniaidem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 22...... 19:380*261
dem do dia 23................ 429*032
19:809*393
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da 1 a 221
dem do dia 23..........
60:644*83
1:227*162
61:872*000
I0YIMHTT0 DO POETO
Navios entrados no dia 23.
Anvers-50 dias, escuna hollandeza Antlope, de
137 toneladas, capito H. H. Panger, equipagem
/ -
V


um r*"
-V
Marte *+*,mmmh&m ,4jfH k_
7, earmdifferentes gneros; a Rotbe Bldoalac.
Assu-14 da, lancha nacional firocila, de 90
toneladas, capilao Joao Gomes da Costa, equipa-
gem 5, carga algedo e outros generes; a ordem.
Liverpool -47 dias, brigue ingles Lathsan, de 83
tonelada.., capillo John, Lwcock, equipagem 8,
carga carvao; a Willson ilMt.
Liverpool-42 da?, brigue inslez Rosalie, na 176
toneladas, capilao I. Roland, equipagem 6, car-
ga (cendas; a John-ton Pater & C
S. fclaiheus-9 das, hiate Baeiooal Pito $r*ro,
de 47 t meladas, capilao Marcelino Borges da
PuriHeaco, equipagem 7, carga Uto) afciuaires
de farinha de mandioca; a Joao Francisco da Sil-
va Novaes.
Ass -9 dias, brigue escuna .nacional Graciosa,
de 218 toneladas, capitio Jacioiho Nuoas da
Costa, equipageni 10, carga sai; a Antonio de
Alraeida Gomes.
ObservagSo.
Suspendeu do lamarao para a Babia a barca Id-
gleza Fleltoing, capitao Filmore, com a mesan car-
ga que trouxe de Harbor Grace.
dem para a Baha a barca isgleza Filisbella, ca-
pitao Mime, com a mosraa carga que trouxe de
Sunlerland.
Fundeon no lamarao um brigae hinoveriauo,
mas nao teve coramunicacao com a trra.
E UTA ES.
6005000
6D0003
600*000
300400D
80O#OO0
dem d. 27 particular e 20 publico,
dem n. 30 particular e 14 publico,
dem o. 32 particular e 10 publico,
dem o. 33 particular e 8 publico.
dem n. 35 particular e 4 publico.
Becco das Bolas.
Sobrad* de 2 andares n. 38 particular
e 16 publico........300*000
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 41 particular e 2 pu-
Wieo.........150*000
Ra da MoeJa.
Idea n. 44 particular e 21 publico. .
Roa do Amoros,
dem n. 48 particular e 56 publico. .
dem o. 49 particular e 54 publico. .
Hem n. 50 partieular e 52 publico. .
dem o. 52 particular e 45 publica. .
dem n. 53 particular e 43 publico. .
lidan d 56 particular e *j pu Mico. .
Ra to Azeite de Felie.
dem n. 37 particular e 23 publico. .
Uem n. 61 particular e 13 publico, .
dem de um andar n. 62 particular e
* publico........1:902,0)0
dem n.63 particular e 14 publico. 600JBDJ'
dem terrea n. 64 particular 2 pnbli
CO.......... .
Ra da Cacimba,
dem n. 65 particular e 5' publico. .
Mam o, 66 particular e 12 publico. .
dem n. 67 particular e 10 publico. .
Roa do Vfgario.
Sobrado de 3 anlares n. 71 particular
e2 publico........8005000
dem de 2 andares o. 72 partieular e
27 publico........648*000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares o. 76 partieular
e 11 publico. ....... 839*000
dem idem n. 77 particular e 13 pu-
blico. ......... 839*000
Huada Senzala Velha.
Sobrado de2 andares 78 particular
e 136 publico ....... 552*000
e (34 pu
Santa Casi de tricordio di
ttecf.
Deordem da Iilm* junta administra/iva di SaU--
la Casa de Misericordia do Recife convido aos n-
teressados pelos educandos do collegiide orpwos,
abano declarados, que os io raetber no praso da
5 das, contados desta data, visto terem de ser elles
expulsos por dejiberacao da mesraa Iilm' juota,
com autorisaoao do.Eim. Sr. presidente da pro
vincia,dndose aos que nao forem reclamados no
.,,, referido praso o destino que a junta iulgar conve-
350*000 n lente.
a.,* Heorique d'Anaunciacao Mello e Albuqaerque.
450*000 Tiao Ignacio Crrela.
450*000 J,o Gaudencio da Silva.
4WS0O0 Sabino Silvano do Patrocinio.
450*000 Auslricliaoo Fernandes da Cosa.
500*000 Paulino Francisco da Rocha.
72*000 Antonio Joao Marques da Cruz.
I Prxedes Augusto de Aaraujo.
550*1900. Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
450*600 cite .23 de maio.de 1865.
Bio Segu brVa pa.'.l aquelle porto a Larca brasile-
ra Henriqueta por ler melada do earregamento
Soifipto : para o resto trata-se com os consigna-
rlos Margues, Barros & C, largo do Corpo Sao lo
d. fl, afgun^o aadar.
.CUMPIIHIA PASILEIEA"
DE
PAQUETES A VAPOR.
para os po
4-50*000
144*000
144*000
83*000
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, fflcial da Im-
perial ordem da Rosa, ett-de direffo especial
do com nercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o ^r. D. Pedro II, a quem Dos
Guarde, etc.
Faco saber pato presente, a requerimento des
eoramerciaates Perreira & Looreiro, se acha aber-
*a a fallencia o comiRwciante Joaquim Antonio
Lopes Gomes pela senlenca do theor seguinte :
Vista a petteSb a fdlbas 4, e a declararle do
commerciante Joaquim Antonio Lopes Gomes a lo-
ibas 8, por onde se mostra acharse iosol vente e dem idem n. 79 particular
cam cessacao dos seus pagamentos, hei por aborta! blico.......
a sua fallencia, cuja data legal flxo no dia 12 do Casa terrea n. 81 particular e 18 jm-
eorrente mez, e dispensada a appostc de sellos,! blico..........
per esta rem restados os beos do fallido, mando Idemn. 82particolar e 16 publico. .
?ue se proceda nos termos da arreoadacao, e so Ra da Guia.
jublique a fallencia por editaes na forma da lei. dem n. 84 particular e 29 publico. .
Para curadores Oscaes nomeio os credores suppli-! Rna do Trapiche.
antes Perreira A Loureiro, e am de se nomear Sobrado de 3 andares n. 83 particular
depositario, sejtm convocados os credores para o e 30 publico........720*000
lia 24 do corrente, pelas 11 Wras da manhaa, na! Roa da Lingoeta.
sala das audiencias. ; dem de 2 andares n. 86 particular e
Recife 18 de maio do 18G3Tristo de Alencar 14 publico........600*000
Araripe. Ra da Cruz.
Seguindo o que ssim eohtinha em dita sentenca dem idem n. 87 particular e 11 pu-
em observancia da qtfal o respectivo escrivo blico
Dos porlos do norte eppera
tfo at o da 26 do correle o va-
por Cruinro o 3f, comman-
daote Alcoforado, o qual depols
da demora do c>tume seguir
do sol.
Desde j reeebem se passageiros e engaja se a
targa qu rapor poder conduzir. a quf dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
reendas e dinheiro a frete al o dia da sahida as
0 escrivSo, i J horas eneia ra da Cruz o. 1 escriptorlo de
F. A. CaeaJauti Coussero.\ala8,otMilem'eT!i ATto 4 C.
I de tJtmelr.
A barca brasiler /orn Palmira de primelra
Inspeoct do arsenai fie mariiiba.
Faz-se publico que a commissio de peritos en-
cartas, 2 cadeiras de balanco. II di? ** l"nl
cao, 1 mesa elanica, 1 cama de ferro, Curador,
2 marquezas, H cadeiras do Jacaranda, der>s
copos, garrafas, clices, aparelho para cli, .""l0"
gios de parede, ditos de alglbeira, aderemos de on-
ro e outroamultos objeclos que esiara patente ao
comprador.
Leiio d fabrica de holius e zapatos
cm arnaeo, machinas de cser t
cortar sella e tolos as mais per-
(ences.
Sabbado 27 do correle,
O agente Pestaa Jeealmente autortsaJo ara'
leilio por coala e risco o* quem perleacer da fa-
brica de calcado da ra larga do Rosario n. 12,
constando da armago. obras corladas, calcado fei'
lo, couros, sola, toeaerros, formas, nina graude
machina de cortar sola, diversas para coser obras
e mais avjamentos, em un ou mais lotes a vonta-
de : sabbado 27 do crreme pelas 11 horas da ma-
nha na mesma fabrica.
Leode dividas-
Sabbado 27 de maio.
O agenle Pinto fara' leilo a requerimento dos
A quem pretender.
No dia 12 de junho corrente b>m de ir a prac
itublica por arrendameulo pelo juizo de orphaos
da comarca de Goianna, n engenho Repoblicano,
ojo rngenhn lalvrz o que "inethor t-*rrpn') tem
"ella comarra, boas mata< annexas, boas o es-
'" cas^s de engenho, de porgar assucar e de
P*c. hoag ,gDaP- ijm ^0! ocrdeiros ema-
1 enoa. e enaenho ubriga se a Vendtr por
becad, em dito le UH |em nas ol)ras e ,erra,
preeo commodo a o*. .!, 0 arremMar naem o
do dito engenho a no*.. ,.,,, 4irija se ao mes.
pretender e querendo e*f>.. lu!m ,ra,,r
mo engenho qoe ahi a:.'' n ^
Quem preciiar de una ?W (rafa yjt*,
vico de portas a deatro.dinj.i-JC ifta das C5B-
iji.iIi?; .1 42.
minando na tdftn* determiaada no regalamenlo! se se'^iK com oreviaade, e tem meta carea curadores nscaesUa massa fallida de Jos Antonio
anuexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de 01tra,a',a> nn o resto, trata-se com oconsigna-
1854,0 casco, machina, caldeiras, apparelho mas-r?no.,,>io Francisco da Silva Novaes : Travessa
o.0*001
200*000
900*000
144*000
treacao, veame, amarras e ancoras do vapor Ja
guaribe da companhia Peroambuooa de navega-
gao cosleira, aehou todos estes objeclos em est.do
de poder o vapor navegar.
Inspeccao do arsenal
co, 22 de maio de 1865.
O inspector,
H. A. Barbosa de A Uncida.
da Madre de Dens n. 6.
fara a Bahia
ilves de Miranda Guimaraes e por despacho do
Iilm. Sr. Dr. juiz especial do commercio das divi-
das activas pirteocemes a moma massa, na im-
portancia de 1:153*290 rs., s 10 horas do dia
acmia 1I110 tm seu e.-cript.irio a ra da Cruz n.
M, aonde encontraro os pretendeutes a relaco
No dia 26 do corrente, depols da audiencia
do r. juii municipal da vara, tem de ser ar-
rematado a propriedade sita na ra dos Guarara-
pes, pela avalacio de 11:490*, per execucao de
Joaqim Lopes de -Almeida contra Domingos Jos
Per eir da Costa e sua mulher, como melltor eons-
ta do cscripio em mao do porteino.
o resto que Ihes falla trata se eom o constgaatario
Joaqmm Jos Goncalves Beltro na ra do Vigario
o. 10, primeiro andar.
rw
J! ti
Para o Porto
AVISOS DIYEBSS.
segu wra brevidade para aqoetle porto a barca
portuRiieza Arminii, de 1' classe, por ter dous
tercos do earregamento prompto : para o rosto e
passagoiro?, para os quaes lew exeellenies comino I
dos, trata-se ou com o cai>ito AntoBio Francisco!
O conselho de compras Uo arsenal de| guerra da Silva Nunes, ou eom os consignatarios Marques I
Manoel de Carvalho Paes de Andrade, que este
iibscreveu e fez passar o presente, pelo qual e seu
dem Idem n. 88 particular e 29 pbli-
co.
co.
Idem idem o. 00 prtcuiar e 12 pu-
DECimCflES.
5anta Casa da Misericordia
do Recife.
A Iilm.* junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
no dia 26 do correte pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sessoes iro a praga para serein ar-
rematadas pelo lempo de 1 a 3 annos as renda
das casas abaixo declaradas.
0< licitaotes devem comparecer acompanhados
de seus Dadores eu munidos de cartas destes,
Ra do Queiraado.
Sala do 1" andar o. 1 partieular e 33 j
publico. ......V 520*000
Loja o. 1 partieular e 33 publico. .)
Ra do Crespo.
Sobrado de 3 andares n. 3 partieular e
11 publico........1:550*000
Ra das Larangeiras.
Casa terrea n. 3 particular e 17 pu
blico.......... 750*000
RUa do Pilar.
Casa terrea n. 92 particular e 103 pu-
Mico.......... 200*000
dem n. 93 particular e 101 publico. 200*000
dem n.94 partieular e 99 publico. 255*000
dem n. 95 particular e 89 publico. 23S*O00
dem n. 96 particular e 2 publico. 72*000
dem n. 99 particular e 106 publico. 228*000
dem n. 97 particular e 110 publico. 228*000
Hem n. 100 particular e 104 publico. 228*000
dem n. 101 particular e 102 publico. 228JU00
Idemn. 10 particular e 100 publico.. 228*000
fdem n. 103 particular e 98 publico.. 2285000
demn.i04 particular e96 publico.. 2285000
!dem o. 10o particular e 94 pblico... 228*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 19 de maio de 1865.
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Consseiro-
COMPANHIA
DO
theor sao convocados todos os credores, afim de dem idem n 89 particular e 14 publi-
reunidos todos no dia 2i do corrente mez, petas 11
horas da manlia, na sala das audiencias, proce-
dam a nomeacao do depositario ou depositarios,
que receba os bens da referida massa fallida.
E para que cnegue ao conhecimento ue todos,
mandei Iht o presente edilal que ser affixado
nos lugares do costme, e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesla cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 20 de maio de 1865.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tnstfio de Almcar Araripe.
O Iilm. Sr. inspector da thesourana provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico que no
dia 24 do correte, peranle a junta de fateoda da
mesma thesouraria, se ha de arrematar a quem
por meos lizer, a pintura das ponles de JalwatSo,
Seraphim Piulo, Morenos. Bento Velho eTapacur,
todas na estrada da Victoria, avaliadas era rs.
530*000 rs.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e seto as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
_ As pessoas que se propozerem a essa arremata-
gao comparecen na sala das sessoes da referida
(anta no dia cima mencionado, pelo meio da, e
Qumpetentcmente habilitados.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
-buco, 10 de maio de 1865.
O secrelano,
A. F. d'Annunciacjio.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1* A pintura das diversas ponte cima mencio-
nados sero feitas de conformidade com o orca-
inenlo na importancia de 530*000 rs.
2" O arrematante dar comeco aos trabalhos no
prazo de 15 dias, e os concluir no de d.uus >v.tz'",,
ambos contado- 4&tt'.i a arrematagao.
j' O pagamento ser effectuado em urna s
prestagao, logo que lenha concluiJo todas as pin*
turas.
4' Para o mais que nestas clausulas se nao pre-
vine, observar-se-ha o que dispoo a lei 286.
Conforme,
A. F. d'Anounciacao.
O Iilm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 10 do corrente, manda fa-
zer pnblicn qne no da 14 do junho prximo vin-
douro, peranle a junta da fazenaa da mesma the-
souraria, se ha de arrematar, a quem por menos
.iizer, a obra da cadeiada cidade de Nazareth, ava-
hada em 18:093*900 rs.
A arrematago ser feita na forma da lei pro
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem essa arremata
jio, comparegam na sala das sessSes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habilitados.
K para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarin da thesouraria provinci! de Per--
nanibuco, 14 de margo de 1865.O secretario. A-
P. d'Annunciago.
Clausulas especiaes para a arrematagio.
1.* O edificio para a cadeia de Nazreth, ser
fe.it,1 de conformidade com a planta e orgamento
junto, na importancia de 18:093*900 rs.
2.' O arrematante ser obrigado a dar principio
aos trabalhos no prazo de 30 dias, e concluidos
10 de um anoo, ambos a contar da data da assig-
natura do contrato.
3.* Os pagamentos serao feitos em 3 prestagSes
iguaes correspondentes a cada terco da obra linda.
4.a Nao ser em tempo algum attendida qualquer
reelamacio por parte do arrematante tenden-
te indemnisaglo, quaesquer que sejam as allega-
tno por prejuizos provados.
5." Para ludo o que nao esliver especificado nas
frsenles clausulas, seguir-se-ha o que dlpSe ore-
4ulamento de 9 de Janeiro de 1864.
Conforme.A F. d'Annunciago.
882*000
750*000
700*000
Sao convidados os Srs. accionistas desta
companhia a reunirem-se em assetnbla ge-
ral no dia 26 do corrente mez ao meio dia,
no escriptorio da mesma companhia; para
em conformidade dos seu; estatuios deli-
berar sobreas contas do semestre lindo, ap-
provar o orcamento vindouro e decretar o
34 dividendo.
Escriptorio da P.nnyjn'.v v. B!b3M
*iAe maioae 1865.
O secretario,
_____Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Sania Casa ta Misericordia dm Kecifc.
A Iilm.junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que no
dia 2(5 do corrente, pelas 4 horas da tarde, na sala
de suas sessSes, ir a praca a carne verde que se
bouver de consumir nos estabeleeimentos de cari-
dade nos dous collegios de orphos no mez de ju-
nho prexlmo futuro.
Os protendentes devem apresenta as suas pro-
postas em carta fechada.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 22 de maio de 1865.
O escrivo
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Coiiscllie ilc coiiipiMs oavaes.
0 conselho promove em 29 do corrente, sobas
condigdes do esj'lo, a compra dos objeclos abaixo
declarados, e convida aos que pretendem vndelos
a' apresentarm suas proposlas em carias fechadas
no referido dia, ate as 10 horas da manlia.
Objeclos.
50 bandeijas forradas. 4 arrobas de chumbo em
lengoi, 10 arrobas de colla, 5 arrobas de estanho
em verga, 12 ehchamis de qualidade, 10 arrobas
de eslpa de algodo, 100 covados de fileli encarna-
do, 100 covadds de fileli azul, 420 toneladas ingle-
sas de ferro bruto, 4 arrobas de mi al liar para ga-
xetas, 200 momos do piassava, 400 pucaros de fo-
Iha, 50 latas de tinta preta, 50 latas de tinta verde,
e 36 laboas fle assoalho de araarello.
Sala do conselho de compras oavaes, 23 de maio
de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anfos.
Consulado de Por(11 al.
Por ordem do Iilm. Sr. Dr. cnsul de Portoga-
em Pernambuco, se faz publico que vo em praca
as dividas perteoceotes aeestabelecimento, que foi
do ausente subdito portuguez Antonio Jos Vieira
Braga, na rna da Liogueta n.. -, e n?. importancia
de 1:600*800.
Chancelleria do consulado de Portugal em Per
oambuco, aos 23 de maio de 1865.
Aniones Goimaraes.
precisa compraroseguinte
Para o presidio de Fernando.
i llvro de papM de Hollanda pautado com 400
flha>, capa de conro, com 17 polegadas de com-
prim nto e 10 I [2 de largura.
6 ditos de 200 felhas do mesmo papel e eom as
mesuras d i mensoes.
8 ditos de 100 ditas do mesmo papel e com as
mesmas dimensoes.
4 ditos de 50 ditas do mesmo papel e com as
me.-mas diineusoes.
I folhinha com almanak da provincia.
1 caivete fino de aparar p-nna.
1 compasso pequeo de mola e ehare para 'es-
cripia.
3 esenvaninhas *e lati glvanlsadas.
2 duzias de caetas de pinho.
6 pegas decadas 6 remas de papel almago pautado.
8 libras de galha.
2 ditas capa rosa.
4 ditas gorama-aranica.
As pessoas que quzcrem vender ditos artigos
apresentem suas propostas em carta Tediada ao
meio dia do dia 24*) crtente na-sala do conselho.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra 22 de maio de 1665.
O eocarregado da escripturagao
______________Manoel Jes de Aieredo Santos.
Arrematadlo.
Quarta-Tertra 24 o crtente, finda a audiencia
do Sr. Dr. juiz municipal da 2* vara, iro a praga
por venda, os moris penhorados a Francisco Bo-
telho de Andrade, por xeeigfio de Cascio V Pon-
tual, pelo cartorio do escrivo llaptista.
Corris geral
Pela admioistrago do crrelo desta cidade se
faz publico, que em virtude da convengo postal de
6 de setembro de 1963 celebrada pelos govejno*
brasileiro e italiano se expedir* tro dia 30^0 cor-
rente pelo vapor francez mala destiuada ao correio
ambulante de Suza -a Turin. As cartas destina las
Italia e aos estados do Papa pagaro 430 rs. pelo
tieso de 2 oitavas ou fracgao'de 2 eitavas ; para
Tunes, Malta, Grecia e Alexandria do Egyptb 340
rs. pelo mesmo peso ; os irnaes e rmpressos de
qualquer nalureza para a Italia pagaro 30 rs. por
II oitavas ou fraegao de II oitavas, e para os ou-
tros lugares cima mencionades 100 rs. pelo me<-
mo peso, sendo o porte das cartas facultativo e o
dos jomaos obrigatorio.
As cartas serio receidas ale. 2 ho*e '...*. .'..
que for marcada oara **.;-*o vapqr, e ds'jor-
-- ue 4 horas antes.
Admittem-se a seguro taat^ as cartas como os
jornaes.
Correio de Pernambuco 20 de maio de 1805.
O administrador,
Domingos dos Pasaos Miranda.
THEvmo
DE
EMPREZA--OOIMBRA
Quinta feira 25 de maio de
1865.
Recita extraordinaria.
cuj) rnoDCCTo r-xna a co*pr\ dos paramentos
E ALPAIAS DA CAPBLI.A DE S. 6A CoS-
CEIQAO DA ESCADA.
Finda a ouverlura a companhia dramtica re-
presentar o lindo e muito applaudido drama em
5 actos, traduego franceza
CGO E 0 CARCIW4.
Dar tim ao espectculo a comedia em 1 acto
Os irmaoi das almas.
Urna banda inercia! estar collocada no salao e
tocar varias pegas de msica para m.is briihan-
lismo do espectculo.
O pequeo resto de bilheies esto a venda no
escriptorio do thealro. i
Principiar s 8 horas.
Co o solado de Portugal.
Por ordem do Iilm. em Pernambuco, se faz publico qoe vo em praga
as dividas pertenceotes ao etabelecimento que foi
do finado subdito portoeoez Firmioo Pacheco Go-
mes, na praca da Boa-Vista o.... e na importan-
cia de 3:184*230.
Chancelleria do consolado de Portugal em Per-
oambuco, aos 23 de maio de 1865.
Aotuoes Guimaraes.
A subdelegad da Capanga entregan' orna
vacca, de edr ca.nanba e bastaote magra, a qual
foi encontrada no sitio do Sr. Jos da Silva Luyo ;
quem se julgar com direilo a mesma, provando,
loe sera' eotregne.
Subdelegada da Capanga, 23 de malo de 1865.
O subdelegado em exercicio, Fraocisco Antonio
da Silva Cavalcaoti.
HOJE
Nos sal5es do Caes do Eamos
Em beneficio de um particular,
Entradas para homens 2* e senhoras gratis.
Ser camprido o regu I amento da polica.
avisos martimos.
para Lisfco
Vi sahir breve o bngue portorre"z f>in II. ca-
dito A. F. VlPira, recebe carga e passageiros-t tra-
ta-se com o consignatario E. R. Rabello, ra do
Trapiche n.44.
GOiWiTfHU BRISILEIRA
DE
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguiotes :
l.ffoOboBets fedoodos eom paia para os gnar- _. h *.*,*****.*"" ** ^^^. oi>i''clo<. aclma existentes a ra do imperador nu-
| das nacional* destacados. PAQUETES A VAPOR
As pessoas que quizerem vender ditos bonets ^ E- Orado dS portos ,, w
blico. ........208*000 presentera soas propostas na sala do jWho no ^1^ at o di31 do corrente, o vapor
Ra do Raogel. ^ 2* do corrente, .o meio da podendo um da n|^ Parmi, commandaote o capilao ]
Uemn. 6 particular e 56 publico. 300*000 antes, na directora do arsenal, verem o gnnno, W| ^^ de fragata Antonio Joaquim de!
Ilua de S. Gongalo. para regnlarem suas propsstas. ^ Santa Barbar, o qual depois da |)e RIOTeis, CrVStae*. J0aS fie OUI'O e
dem a. II particular e 24 publico. 192*000 Sala das sessoes do Mnselho de compras do d(W,ra flo f0s(alne segBJra. ^^ J^ do i
Roa do Rosario da Boa-Viste.
f Jem n. 14 particular e 88 publico. .
Ra da Madre de Dos.
Sobrado de um andar n. 25 particular
arsenal de guerra 18 de malo de 1865
168*000 O encarregado da escriptnraco
Manoel Jos de Azevedo' Sanios.
Barros A C-, larglo Corpo Santo o. 6, segundo
andar.
Para w Rio de Janeiro.
Pretendo seguir com rauia brevidade o palha-
bote Ptedade, lera parte do seu earregamento a
bordo, para o resto pie Ihe falla e esrravns a fre-
te para os quaes lem encllenles coimnodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonia Ltuz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz o. 1. ______
Mauanhlo e Para
Segne brprcmente tts indicados portos o velei-
ro liiat i Lindo Paquete, capilao Ji>ao Jos dos Quei-
jos Jnior : para o'resto da rarga que Ihe falla
trata se com o seu consignatario Amonio de Al-
meida Gomes, ra da Cruz o. 23, Io andar.
LE LOES.
fceiia oe ceica de 500 barricas com
farinha de Irigo avanadas a nordo
do patacho nacional Palma.
iiori2
H;nry Forsler S C. farao leilao por intervengao
uo agente Piuto, de cerca de 5U0 barricas com
riuoa de trigo avariadas, a bordo do pataeSM na-
LOTERA
AOS 6:000#000.
Sabba'lo 27 do corrente mez, se extrahi-
r a 31 parte da f lotera (17a) a be-
neficio da igreja de Nossa Senhora da Boa-
viagem, no consistorio la igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santu
Antonio.
Os bilhetes.raeios e quartos" estao a ren-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. la.
Os premios de 0:000*000 at 10.4000
serao pagos tima hora depois da extraegao
at as i horas da tarde', e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommefidas s r3o guardadas so-
mente at a noile da vespera da extractad
como de costume.
0 thesoureiro,
_____Antonio Jos Uodrigu.es de Souza.
Aluga-se ilm pequeo armazein na ra da
Paz, proprio para qualquer eMahcleoimrnto em
ponto pequeno : a tratar i.o paleo de S. Pedro nu-
mero 4.
Predsn-sn de urna arr.a de leile sem
Glho : na ra da Aurora n. 2G.
A part Ja do Club Commerclal no corretile
mez ter lugar na noite do da 27.
Aluga-se urna sala do primeiro andar da ra
a tratar na mesma.
Paulino 5t VuscoQceUug piiSolVcram amiga-
velmeute a soCiedado mercantil que linham na ci-
dade de Mainanguap, c nada devem a pessoa al-
gnma por terem pago todas as leiras qoe aceita-
rara nesta prafa.
Manoel CarpiTiro da Silva faz~pnbficoa
quem iuleressar posna que cedeu a Manoel Peres
Barca o esiabeleeimento de taberna (m linh na
Gasa Foe, da pial era gereote liento a Ivs : pefo
que de hoje em diante fie* pertenc-^do ao eedide;
o annunciante supi>5e nada dever do referido es-
tabelecimento, mas, se alguem se julur credor,
queira apreseutar sua reelam.ivo uo praso de trs
das para ser immrfdiataimmte satisfeilo. i erife
23 de malo de 1W5.
ciooal Palma, as 10 horas do dia cima dito em ''do Queiraado n. 41
Antonio Joaquim de Faria Junior por ha ver
outro de igual nome ne.la provincia, se assignar*
do de iunho prximo in diaiiie Antonio da vi-
va Paria.
Aluga-se a saU da frente lo sebrado nT 15
da ra do Queimado, proprio para esrriptono oa
advogado : a tratar na mesma ra, botica n 15.
Soetedatle flira rnlerioaiT^
O 2* seercfario da dita soriedade deelara, qne
nao foi por elle feitoo annunrio in-ernlo no Ihnrto
de tiuniem, n<-m lo noueo airtorisou ao Sr. the
soureiro Jo> Bernardo da Mniiil. para usar do sea
neme para aquello flin, visto nao Ihe compeiir se-
melhaote dever, e sim a mim como secretario o
we declaro n!-' o djia mwd pelo mesara para
aqnelle lim, ea I-rap uimpelente aVisarei coio
de meu dever. Recife 24 de maio de 18t5.
No impedimento do \ secretario,
1. \. V. de S-ii'j.
mus EioldtoKiKfrigns Vianna e .-ua mu-
lher U. Mara Firmina de Souza Vianna con-
vidam aos conhecidos e as pessoas carido-as
para SssisUrem qointa-feira 25 do crreme,
a mioa que se lem de celebrar na matriz d
Uoa-Visia, as 7 horas da manlia, pelo re-
pooso eterno de seu tallec lo pai e sogro.
Alugam-sn a^ tojas do sOtintdii n. 2 jonto a
igreja dos Martyrio', muito proprias pai un bom
eslabelecimeuto de motilados por te* bom arma-
zem e moito bem localisa o para f.irnecer-si- vive-
res an grande numero do ca-as de suas immedia-
coes, podendo nelle. residir familia por ler 1 quar-
tos, cotinha fora, qoinial e cacimba, podendo lam-
bem di-.-fazer se a alcova para manir orj") do es-
labelecimcnto, e fazer-se sahida t*4js_fundo* para
a rna flo Caldirelro, para BwllWr con-modidado
da familia : a tratar na ru do Cres.io n. lo, ou
eslreita do Rosario n. M.
A iruwndaie de K S. da i; .nceico dos Mi-
litares precisa contratar a capeliaoia "rom qual-
quer reverendo sacerdote ; devemlo entender se
com o thesoureiro lenle Manoel Joaqmm Macha-
do. As missas nos domingos e >'n is santilicado*
sero celebradas as 8 horas era ponto.
de leile: na ra lm-
De umap'UTAo de saceos cjiu alpista.
as 11 horas no grande armazem do agente
OLYMPIO*
3<*-khi da i adela do Reele--aii
Leilao
De inobili.is e outros trastes >i
de sua saude, d-ixando por seu bastante procura- i l'recisa-se de urna ama
dor nesta cidade ao r. Gervasio Pires Campelio. I perla!, sobrado n. 87.
Instituto Archcniugico e (cogra|)liico
a'
rcinainhucaho
llavera sesso ordinaria sexta-feira 26 do cor-
rente, s 11 botas da manlia.
OllOF.M no ni v
1." Discnssao do orea'niento para o anno social
de 1865-66.
i." Trabalhos e pareceres de commissoes.
Secretaria do Institu o, 22 de maio de 1865.
J. Soares de Azevede,
Secretario perpetuo.
% liUDlt va i
Manoel do fascjinfioio V1 '=-
t*S*n-Ouiopa traanse siia saude.
americano de
avallo.
seo de quem per-
lei cima dilo.
uo familia.
Cristiano Jos Tarare
leudo de retirar-.se para Europa, ex pora a leilo
os trastes de casa de sua residencia, con:lando de
urna mobilia de Jacaranda a Luiz XV, urna dita
de inogiio tolas com tainpo de pedras, e outros
trasteWSadOS que ,-ena enlad oilio mencionar, ;:u-
jo luito sera elTeiiuado por interven,.o do agente
Curdeiro Simdes, no armazem a ra do Imperador
n. 47.
Qsarla-feira 2i do eoircnle as 10 horas.
(Ainda que chova.)
LEILAO
l.m continuarn e ultimo dos trastes do
aruii zem a ra do Imperador n. 47.
iio.ii:
Quarla-feita 2 i do torrente as 10 horas
(anda que chova.)
CIIltlsTIAXO J JSE'TAVAUES
tendo de retirar se para Europa, ultimar no dia
acuna dilo, o leilo dos restos dos Iranes de seu
armazem, por interveuco da. agente Simoes.
Lei'tj de um c
4 rodas
Cordelro Simoes por coi
lencer vender em leilo o
no
as 10 horas, a porta do armazem da ra do Impe-
rador d. 47.
Leilo d certa de 150 barricas com
bolarhinhtis a variadas.
Hoje 24 de maio.
Henry Forsler & C. faro leilo por onta e ris-
co de quera pertencer e por intervengao do agenle
Piulo, de cerca de 150 barricas com bolachinbas
avahadas a burdo do patacho nacional Palma, as
10 l|2 horas no armazem da roa do Imperador
por baiio do Gabinete Portuguez de L-itura, aon-
de anteriormente havora' leilo de farioha de tri-
go tamben) avarlada.
Leilo de inobilia.
Sexta feira 26 do cjrrente.
O agente Pestaa atttorisado pelo reverendo C.
A. Auslin, far leilo de toda a sua mobilia da ca-
sa de sua moradia, consisndo em mesas de jaca-1
raod, cadeiras de dito, >ofs, coosolos ludo com
pedra, guarda-livros e esenvaninha. mesa clstica,!
guarda-louca, apparador, candieiros a gaz, camas
grandes de casal, dila de ferro, e muitos outros ob-
jeclos que se adiarn patentes, unucabriolet muito
leve e em perfeito estado, umaatarroea de car-
gueijar,
Sexta-feira 26 do corrente
s 11 horas da manlia, na casa da residencia do
mesmo Sr. reverendo Auslin, na ra do Hospicio
o. ?6.
Na mesma ccasio e logar vender-se-ha nm
cavallo muito txnita figura e manso, proprio para
carro e Sella.
Leila'f
Emeon inuace de ivros, um prelo,
tvpos, armaco e objectos de ouro.
Marlihs far leilo por ordem dos credores
Joi dos Sanios subdito portuguez vai a Por-
tugal.
Joaquim Jos Rabello, subdito portuguez,
vai a Poitugal.
- Apparecendo nm annuncio n Dinrio de Per-
nambuco do dia 23 de maio em qne diz que vai a
praca no dia 26. a nroiuiedaile na ra dos Gua-
rarapes peiienci-nte a Domingos Pereira da Costa
e sua mnllier, faz v-r o abaixo assigeado nue ten-
do vendido an dito Domingos Pere.ra a Costa a
oelade do terreno que se ai ha em queotlo e romo
este nao salislizesse a importancia do dito terreno,
vio-se o supphcante na neceasidade de por aerio
de reivindicaco do dilo Isrreno de rujo j se acha
de po-se por urna sentenca daila 1...1..i>>- -* i"
niiuJaiv-.i -r-vf" na e las bem'eilorias que
no mesmo existe, tl) de Fazer penitora para pa-
ment de cusas e dinheiro que adiaut m ao 800-
plicado. para dlfleaco do momo terreno.
Hecife 24 de maio de H63
Manoel Marttns de Carvalho.
Carlos II ftaeson vai para o Rio de Janeiro.
Maria da Natividade F.-rrera,
vai a Europa fatar de sua .ande.
Rapha! Stnrez. subdito francer, pretende!
Jos Alves Lima declara ao respe uve] pu"
IiIim, que nenhuma narte directa ou indirecta te-
ve no abkixoass-gndo que alguna commerciantes
Brasileira, diriyiram a associaco coininercial e iiublicado no
| n. II do peridico Nora Crut, embora ahi venha
o seu nome,o que elle altnbue a lgrim engao.
sabir par Franca m dia 30 de?te mez no paquete
francez Pehise.
Precisa se alugar um pretn para o servico
[de casa : na ra das Grases n. 42.
XAROPE DEPURATIVO
GOUX
BROrVTOSULPHO-IODRADO
Este novo producto resultado de urna trplice combinacao de tres mctalloides cujas proprie-
dades sao mu conhecidas, o Bromo, o Euxofre e o Iodo, oceupa boje a primeira ordem de>'.|
entre todos os depurativos dos quaes o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notaseis dios hospilaes de Pars, os senhores Cazenave,
Puche, Bazin, Blache, Cuibout, Baroscbet, Danet, Legroux, Vasse e Aubry, etc., demonstraran
sua poderosa efficacia nas affecc5es seguientes:
Docnraa de pelle,
Dartros borbulhas de teda a t-npacle,
Piaras mncoaaa,
Obatrurrrn Ijmphatlroa,
Papel raa,
Enrrofula,
Abecaaoa, poalcmaa,
Caacroa,
ciccraa,
Tlaha,
Eaearknta,
riaa ou Boubaa (do Brasil;,
O Xarpe de Le Goux, de nma fcil digestlo e de gosto delicioso, se emprega tambem
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachiticas ou sobre a influencia de om tco hereditario, e mni
superior neste emprego ao oleo de flgado de bacalho e aos xarpes depurativos e anti-escor-
buticos que se administravio at agora.
Deposito geral, em Paris, na botica Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
Paris, official d Legio de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Frambaeala,
Humorea triaa,
Racblllaaaa,
Opblhalmla racrofulaaa e rhrsulca,
Tnica eaerafnlaaa,
Arfccroe ayphlllllcaa,
Elepliaallaala doa Grevaa,
E todas as doencas ocetsionadas por um vicio do
sangue, e j tratadas tem nculium successo pelas
preparares vegeues, iodadas e o oleo de figado
de bacalh.
por ordem dos credores do
Rvd. padre D. Jos Antonio (Has Santos Lessa, dos
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdadede Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legio de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Pars.
Est xarope composto i mais de vinte annos pelo sabio lente Boiillsy, eonstue a melhor
maneira de administrar o Ether. He empregado com successo m fdis as SbBil pte Orlo sna
origem de nm erilbismo nervoso, como sio as:
Calaahraa de estomaga,
CaaValaara
AeceHM nyalerlcaa S f^V^l^lA^ Wr^atesIt^eSlU,
andrlacaa, 1 IBlwBfJwBi
Clicas ealmi ou aJUl-1
Deposito geral, em Paris, na botica de Boullay, doutor fan J^tJK~&Mfid4fatLdfta
imperial de Medicina de Paris, official da Legio de Honra, ra des IflHR-ffoiiTmartrc'', 17, e
em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
' i 'I' i "' i i h I" I" ''l "" SSStS
Enxaa|Meca,
\cvral(1,
Espasmo*,
Attatiacs de ifriM
Tertlgeaa,
syncapcs,

objeclos cima existentes ra do Imperador
mero 37.
Sexta-ftra 26 do corrente
s 10 doras de (fa.

LEILAO
Gonvida-se as pessoas qaeesliverem msc-
e 21 publico........1:000OOO diedes do servico miliiar, a enfajarem-s no corpo
Casa terrea o. 26 particular e 22 pa- de polica, e gozaren) das vaotageas qoe oftereee
aVlico..........900JWOO a lei provincial fe. til de 2 do correal.
oorle.
Desdej reeebem se passageiros e engaja-se a
carga qoe o vapor poder conduzir, a qaal dever
ser embarcada no dia de sua ehefda, encommen-
das e dinheiro a frete ateo dia di sabida as 2 ho-
ras da tarde : agencia roa da Cruz. n. I, escripto-
rio de Antonio Lwix de Oreira tete** A C.
reffgits.
Soxla-ffirs 26 do correte as 11 horas.
Cordeiro Simoes far leilao de t motaba de Ja-
caranda com aso, I cama francesa de jacaraaV,
1 mobilia de amarello, 1 rice guarda louca, 1 es-1
tante para livros, 1 secretaria, 1. guarda roupa,
i carteira para eteriptorio, 1 prer.ca para copiar [
ASTHMA ASTHlflA ASTHMA
SFFOCQO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio effieaz para eombattir estas molestias, acalmar nm attaqne d'asma e impedir a
volla o Xarope aromtico de Succino (mbar araarello} do D' Danet. Deseeberta nleiramente
recente, este novo prodneto se tem propagado cora extrema rapidez graeaa aos adnsiraveis resal-
tados que tetn sempre prodrrzido.
Deposito geral, na botica Chanveand, 51, roe do CninertOi Paris-tSrenell*, t em todu as
boticas de Franca do estrangeiro.
t
V
Deposito geral em Pein mbico ra da Gt\y n. 22 en cisa de Ciros & Barbosa.
'
ILEGTVELl




I
4
- .- ". j
--*
V
V*
~-> "V-
Diarto e Fernfttnbttco o orto feira t4e Mato de 19&.
Aviso
D-se sobre hvpotheca em bens de rais al a
quantia de 1:0005 : na ra do AragSo n. 8 se di-
r quem d_________________________________
Pede-se ao Sr. Jos Gomes Silverio (de ^anto
Anto) o favor de apparecer na ra do 'aeimado,
casa n. 7. ^^^^^
Duarte & C. eslabeleci<*os no largo do Car-
rao, ra do Queimado e '.'aperador, pedem a todos
os seas freguezes que se acham devendo, o favor
de mandarem pagsr at o da 13 de junho vindou-
ro, e Ando este praso publicaremos seus nemes por
extenso, e se assim nao fherera mandaremos co-
brar judicialmente sem excepcao de pessoa.
Pede-se ao Sr. Francisco Jos da Costa Gui-
mares, .morador no engenho Cuiambnco, o favor
de vir 'rna do Queimado n. 7.
Aluga se a casa terrea na ra dos Burgos n.
17, com 2 quartos e 2 salas, cozluha fra e quin-
tal : a tratar com Manoel Martins de Carvalho, na
padaria da ra da Guia n. 56.___________________
UnTmoco brasileiro com 18 annos propoe-se
ser caixeiro de lojj de miudezas ou outro qualquer
estabelecimento ae seceos por ter pratica : a tra-
tar na ra da Imperatriz n. 74._________________
Precisa-se de urna ama que tenha bora leite:
na ra do Raogel n. 7. primeiro andar.
'Aluga-se um grande sitio com sufflciencia
para ter oito vaccas de leite, duas baixas para
planta de capira.casa eom commodos para grande
familia, prximo ao Recite, que se pode ir a p, e
muilos arvoredos de fructo : na ra larga do Ro-
sario, loja n. 32.____________________.______
Aluga-se nm escravo cozinheiro moito fiel e
bom comprador : quem quizer dirija-se a ra da
Mangueira, sobrado n. 6^______________________
"^"Manoel Dias de Pinho faz sciente ao respei-
tavel publico que por haver outro de igual nome,
fica sendo Manoel Dias daCosta._^__________
Luiz Manoel Rodrigues Valenca declara para
fias convenientes que nada deve nesla praca nem
fra della.
C&5 DA FORTflfU.
Aos 6:000#000.
Bilhetes garantidos.
A' ra do Crespo n. 23 t casas dcostumk.
Oabaixoassignado vendeunos seas mullo fli-
tes bilhetes garantidos da lotera que se acaben
de extrahir, a beneficio do theatro de Santa Isa-
bel, os seguintes premios :
Um meio n. 1976 cora a sorte de 6:000*000.
lira meio n. 59 i cora a sorte de 1:2005000.
E outras muitas sortes de 100*, 40*, 20* e
109000.
Ospossuldores podera vir receber sens respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra da Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da lotera
(I7) beneficio da igreja de N. S. da Boa-vlagem
que se extra ti ira a 27 do corrente.
PRECO.
Bilhetes.....7*000
Meios...... 3*500
Quartos.....1*900
as pessoas que compraren! de 1005000
para cima..
Bilhetes.....6*500
Meios......3*250
Quartos.....1*700
Manoel Martins Fiuza.
Para
GRANDE- ARMAZEM DA EXPOSICO DE LONDRES
DE
Alugam se dons grandes sobrados com com-
I modos para numerosa familia, dovos e aeeiados'
Vendem-se lindos papis com estalo para as I com jardira, cocheira, estribara e oniras commo-
[ sortes de S. Joo : na rna Nova n. 61 defronte da didades, na travessa de Joio Fernandes Vieira :
Sortes do S. Jco
THOMAZ TEIXEIRA BASTOS
N. 60Ra da Cadeia do Recife-N. 60
lllma. cmara municipal.
V-j ?M
Todos os artigos abaixo mencionados, forara comprados recentemenie pelo dono do estabele-
cimento as principaes fabricas de Pars, Londres, Birmingham, Mancbesler, e em diversas cidades
da Allemanba, e tendo comprado tudo as melbores condrfoes por ser a dlnheiro, por isso vende todo
e qualquer artigo barato, por menos do sen valor, e mni principalmente por querer Inteiramente liqui-
dar e ter de partir muilo breve para a Europa.
Ha neste raslo armazem ricos objectos com brilhantes, como botSes, anneis, rosetas etc., e
bem assim, diversas obras de ouro, como trancelins, correntoes, oculos, face-mains, anneis, e muitos
outros artigos, relogios de ouro, inglees, do afamado fabricante Bennette -, completo sortimenio de fa-
zendas finas e modernas ; miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e
francezes, como L. T. PIVER, Labio, L. Legrand, Ed. Plnaud & Meyer, Delettrez (Parfumerie du,
mond lgantj, Violet, Societ Hygienique, Monpeias, Mailly, Regnier, P. Gneland, e inglezas de Eug.
Rimmel e outros ; ricas galaniarias em marfim, mar de perola, etc., fabricadas na China e no Japo;
ricas pecas de cristal fino como anda nao appareceram nesia cidade, e bem a.-sim modernos lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeites e adornos para cima de con-
solos e para grande loilletie, o que se tem feto de mais elegante ero Pars, em Londres, Birmingham
j etc. ; modernos apparelbos de metal fino inglez para cha e caf, os quaes nada tem de inferior prala,
e muitas outras pecas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da nltima moda para trancas de se-
nhoras, exceilentes luvas de pellica do afamada Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf,
: ditos para jamar, e immensos artigos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras,'
! etc. y calcado dos principaes fabricantes de Pars e ditos de panno C.m sola de borracha, pianos dos.
a celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na ra, ditos \
JjGIICO a lIRa&Oni dO DO" icom u8aras Para sal5es e ditos com figuras era raovlmento ; modernos e bonitos instrumentos de physi
Antonio Joaquim de Mello, tigo ad-
vogado nesta cidade, e procurador fiscal
aposentado da thesouraria de fazenda, 9
K emprego que servio por mas de 22 an- WL
5 nos, continua a advocar em todos os ra- 5
m mos do civel e crime, com proviso do Jm
C Exm. conselheiro presidente da relacao.
| Ra do Imperador n. 14. m
RR^jWJR SEJRSk 55JB3sRfR
' Na fabrica de calcados da ribeira de S. Jos
n. 23, precisa-se de artistas de sapataria.
a tratar na roa da Senzala Nova n. 42.
O bacharel Lourenco Avelino de Albu-
querque Mello cootinua a ter seu escrip-
torio de advogado nos auditorios e tribu
naes desta cidade : na ra do Imperador
n. 40.
Antonio Crrela de Vasconcellos convida
e roga aos pareles e amigos de seu socio
Jos Moreira Lopes para assstirem a urna
missa que tem de ser celebrada na igreja do
convento do Carmo, no da 24 do corrente
as 7 horas-da manha, pelo repouso eterno
de D. Mara Adelaide de Magalbes Lopes,
mulher do referido seu amigo e socio Morei-
ra Lopes, fallecida em Portugal no dia 24
de abril prximo passado.
Censnltorio medico-eirurgico na ra larga d
Resane n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva rogressando asna
casa, contina em o exercieio de sua profisso nao
s na parte medica como tambera na cirurgica.
Aluga-se o segundo andar da casa n. 33 da
roa da Matriz, tem commodos para grande familia;
| e o segundo andar da oiesma ra n. 35 : a tratar
com o Sr. Antonio Joaquim Ferreira Porto, na
' Ponte Velha, ou com Miguel Joaquim da Costa, na
ra da Cadeia a. 12.
s
Aos senhores alfaiates e sa-
pateiros.
Pecas de algodao de 20 jardas por20
proprip para forro de obras por ser muito in-
corpado : na loja da ra da Madre de Dos nu-
mero 16.
nmiiiiiiifH
O Precisa-sede urna ama para lodo o ser-
vigj de urna casa de familia : na ra das s
Cruzes n. 9, segundo andar.
CALOS.
chegado do Rio de Janeiro, onde se aperfei-
eooa na profUsao de calista um joven brasileiro
,ca|(magica) para theatros oo saldes, ditos de phantasmagona ; lanlernas mgicas, cosmoramas com quoacaba ,je estabelecer-se no hotel italiano, ra!
nhOrnantO OnrStO. han-:vistasmms'diaenoile; stereocopiosdenova invencoecom bello sortimento de vistas das principaes do Trapichen .5, onde pode ser procurado das7
' *-'t*"wv Viii a i\ cidades da Europa ; grande sortimento de brinquedos finos para enancas, e bonecas fallando papai, horas da man|,;a as 4 da larde) e estas at as 6
lfiira, fi TlOVftnaS AO UlVl- m*"*'; grande sortimento de candieiros a gaz, os que se lera feto de mais elegante e que tem mere- em casa dos pacienles.
nona o us/y vxao a" 1/1. c|(Jo toda alceu0o naEaropa, grande e magnifico sortimento de caixinhas, cestinhas e outras galn- ----- ^
TO EsmritO SantO na Slia 'erias W de crina e seda propnos para presentes; grande sortimento de estampas finas coloridas Prnec'sa-se a'Qp" 0l"a ma orra^ou esarava
11U ri^nriCU OaULU, lia SUa com q fundo e de mu^ ^ |od^s os PMlo d(s COfn figuras e di(as com Bom pavsagens para para.comprar e coMhar^para ca.a de pouca fa- j
lfTOia dO Ool AfiTIO i cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de christal, propno "
P .J r, vv-4Voxy para meio de mesa dejantar ou para jardim ; cuidarla fina, como lalberes com cabo de melal fino, co-
Quiota-feira 25 do corrente as 11 horas da ma- ,nere ,besouras nag djtas raodernas para alfaiates, navalhas finas, caivetes e outros artigos, diver-
nhaa ter lugar na igreja do Dleino Epinto Sao-1 m artJg0S fetog de arame. ^^^ sor,lmDto de mascaras de velludo, setm, cera, papelao e ara-
dme, doces, confetos echocoli te em caixinhas e em vidros; camas de ferro de|todos os umanhos, lava- CU/m/wIoIa Ip CKflirAQ 11111-
lorios, etc. ricos quadros para carloes de visitas e ditos grandes e pequeos para retrates chapeos uVULCUaut? uo ocguiv/o iiiu
de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
para qaem faz pao-de-l, bolinhos, etc.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos ;
pannos para cobrir mesas, boleas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores,
malas, etc.; sortimento de violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantarias e outras pecas
de charlo para toilleile j machinas para varrer o cbo, excellenles machinas para photographa para
tirar retratos, grandes e pequeas; lindos ba!5es de papel fino transparente e lanternas coloridas para
illuminagoes moda de Pars, salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quera
toma banhos em lugares fundos ; ameixas novas em caixinhas, blscoilos inglezes em latas, graixa in-
gleza 97 ; cerveja era barricas das principaes marcas de Londres, queijosetc, e muitos outros artigos
que para enumralos seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e muilo barato no grande ar-
mazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Aloga-se urna casa terrea no Campo-Verde
ra do Socego n. 2, com commodos para familia :
na ra do Raogel taberna n. 7._________________
Aloga-se o segundo andar da ra da Impera
triz n. 34 : trata-se no mesmo.__________________
"Dentista universal.
Tira dentes com um palito, aos pobres gratis :
quem precisar procure para o presumo cima.
Attencao.
No armazem do pateo do Carmo esqnina da ra
deHortasn. 2, venle-se queijo do Sendo muito
freseal a 760 rs. a libra, dito de coalha a 640, di-
to suisso a 600 rs._____________________
1 i ve r sao em moda.
Quem pode sublrahir-se ao dominio da moda ?
Todos mais ou menos Ihe prestam homenagem,
por isso que os moradores do Corredor do Bispo e
da ra dos Pires, tambem se lembraram de fazer
am passeio naval no mar Gaspio, encravado nessas
ras, para o que convidam a' todos os amadores,
que quizerem tomar parte no diverlimeuto, que
devera' ter lugar amanhia a's 2 horas da tarde, a
comparecerem no lugar conhecido porCongresso
Paraguavo-na ra do Corredor do Bispo, d\nde
sera' o ponto de partida para o sitio denominado
Bestunlo do Lpez-na ra do Pires. Como ha fal-
ta de msica, ter-se-ha em ubslituicao a coaxacao
~2".r '3V*,i,fllie. oromette estar lao melindrosa como
que Trata lirc'omii.uu.0a!.l^r^.>J^K{re!l9,1\!,u,,ne
cofres pblicos, e um par de oceulos do lav'r'.">
intretenimento deve ser |agradavel : nao percam'
senhores do asseio publico.
~Perganta que nao offeside
Ao subdelegado da freguezia de S. Jos se o reo
Mooel Ferreira Gomes, afiancado, se pode andar
armado de urna bengala e.......I, isto durante
dia e noite, como ha teslemunhas, e se isto per-
mettido por lej, e com sua resposta ficar satis-
feits.O offendido._______________
Ensino primario.
Balbioa Firmina da Silva Rosa, professora par-
ticular, avisa aos pais de suas alumns e aquel-
las pesoas que de seu presumo se quizerem uti-
lisar, que mndou sua aula para a ra da Cadeia
do Recife n. 29, segundo andar. O ensino consis-
te em leitura e analyse graramalical, dontrina
cliristaa, arithmetica sebre nmeros inteiros ; e
quanto aos trabalhos de agulbas, consiste em cos-
turas chas, fabyrinihos, potito de marca, borda-
des de tapete, branco, matiz, ouro, froco, mrssan-
ga. ensina-se tambera touquinhas e sapatinhos
de lin.
to, a bencao solemne da respeilavel imagem
I Senhor Santo Christo (a iraita^o da que se venera ^ ,
I na igreja do convento das freirs de Nossa Senho- A kn,
ra da Esperanza na ilha de S. Miguel) para ser
1 inaugurada em um dos altares ja destinados na
mesina igreja, eabi receber a adoracao dos fiis ca-
Iholicos.a quem se convida a assstirem a este acto
religioso. O acto ser celebrado pelo Illm. e Rvd.
Sr. conego Francisco Jos Tavares da Gama, com
assistencia daquelles Rmvds. senhores que quize-
: rem tomar parle nesse acto de respeito e venera-
cSo. A terminacao do acio ser aonunciada por
: urna grande gyrandola de foguetes e repique de
sinos. Rogase a todas as respeitaveis irmandades
desta cidade o obsequio de mandarem correspon-
1 der o repique era suis igrejas, adra de annunciar
a todos os liis que a respeilavel imagem se acha
em estado de veneracao publica.
Finda a missa do meio dia, a irraandade encor-
porada e precedida de duas alas de meninas ira-
jando de branco e acompanhada da banda de m-
sica da sociedade Unio Permanente (que benig-
namente se prestou a vir tocar) conduzir a ba-
il tira do seu Divino Padroeiro, em volta do pateo,
e a fara arvorar em frente da igreja, no respectivo
masiro, ao estrondo de urna grande gyrandola de
foguetes, em seguida um grande balo em forma
de caramancho guarnecido de bandeiras, tendo a
do ceatro o emblema do sea Divino Padroeiro, far
a sua assenco em frente a igreja,annunciaodo por
esta forma aos habitaules desta cidade que liveram
pri un pi os festejos do Divino Espirita Santo. As
7 horas da noite do mesmo dia e as noites seguin-
tes at a do dia 2 inclusive, tero lugar as respec-
tivas novenas, finalisando estas com versos canta-
dos por senhora, sendo tirados a piano e o coro a
I instrumental. O programma da festa sera
A PRNDEME.
tuos sobre a vida.
Fundada e administrada pele banco
AIIianc do Porto.
O seguro mutuo sobre a vida uira das mais;
econmicas e moralisadoras instituic5es al hoje:
conbecidas, e aquellas pessoas que a estudarem .
com facilidade comprehendero
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre 9 seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgSos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalbo pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 40 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus J
doentes.
Illllilllilll
DINHEIRO FRANCEZ.
cuidadosamente,_____________________ __ _____
que com um pequeo desembolso cada anno adqui-! m, na,.m i.im,,!.. i f-..i,;
nrao em pouco lempo urna fortuna, que as porio Samuel Power JOBIlSton & tompanhia
ao abrigo da miseria, se por desventura sua esla
Ihe for bater porta.
Vendem-se moedas de ouro e notas do Banco, e bem assim urna colleceao desde um centesimo
al mil francos : vende-se barato no Recife ra da Cadeia n. 10, nearmazem da Exposicao de Londres.
ce
<
M
<<
o*"
o
as
o
ski
tOfC
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Nenhuma das compaohias existentes pode offe- FisndicSio de Low Moor,
reeer aos seus associados garantas como as que wi- __L a. i n 1
loes offerece a Prndente, que sao o capital de Machinas a vapor de 4 e 6 cavailos.
4,000:000ooo do banco Aiiianea, que, na confor- \ Moendas e metas moendas para engenho.
midade do artigo 61 dos estatutos desta sociedade, Taixas de ferro coado e balido para enge-
responde aos seus socios pelos actos e boa admi-' _u0
nislracao da sua gerencia, bem como pelas dos,
seus empregados e mais representantes.
Eia, pois, pas de familia, corre a inscrever vos-' Arreos d carro para nm'e dous cavallos.
so nome na Providente, por vos ou por vossos filhos, Relogios de onro patente inglez.
e veris assim, em pouco lempo, um fuluro cheio r,jnc omoricanne
de ventura e proficuidade, que por outra maceira f, WW'
^S se nao'conseguira e com to pequeo dispendio e Machinas pari (leSCarOfar algouuo.
q sacrificio. Motores para ditos.
Para completa liquidaco vende-se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas e Subscriptores al 20 de abril prximo passado. Machinas de costura,
novas chegadas recentemenie de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug. \ Subscriptores. Quantias subscriptas
Rimmel, R. Matheus 4 C, Lubin, Sociedade Hvgienica, Piver, Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud & ..._... ., Moeda.-^r.'Ln!
Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere ele, etc., "dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em Jos da Tnndade Alraeida.......... ^X?XX
vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em ganafinhas e Manoel Muniz Tavares Lordeiro.... 1:k>0*OO ,
vidros de differentes modelos, pos para limpar dentes, banha era potes e em vidros, pomadas, ricas Antonio Joaquina de.vasconcellos... UU*UUUI
I teriormente annudciado, desde j sao convidados
os nossos irroos a comparecer a estes actos.
Manoel Luiz da Veiga,
Escrivo.
Na ra larga do Rosario n. 36, pri-
meiro andar, precisa-se de urna ama para
toda o servico, de pouca fam lia._______
Irmandade do Divino Espirito
Santo.
Determinando o 4 do art. 11 do nosso com-
proinisso, que lodos os nossos irmaos lem por de-
ver possuir a sua custa urna capa da iazenda mo-
. dlo e cor que marca o lit. 123 do mesmo com-
daTrmaurtUc?,?rl:/fua : mos que se quizerem prover das retefidai Capis
para a prxima procissao, a dirigirem-se a praga
da Independencia ns. 37 e 39.
Manoel Luiz da Veiga
Escrivo.
nos- i caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos outros artigos qu se vende por Antonio Jos Silva do Brasil........ ?:5?019?9
-----------... u------r-------j------1..:---------1._., ':-.---------------a. .?A_. a. _-.! Joao Jos Rodrigues Mendes........ 3:000^000
menos de sen valor, bem como todos os'arligos emgeral existentes no grande armazem da Exposicao
de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Joo do Couto Alves da Silva....... i:_50000
Anemi 1, chlorose, obstruccn
das viceras abdoraioaes, quer consecutiva a' in-
fiammacoes acudas, quer resultante das febres in-
termitentes Dyspepesia, emfim em tedos os casos
era que reclamar urna medicacao tnica, ou reme-
dio a algum vicio de hemalose
Na ra do Imperador n.
ama para todo o servico.
Ib tomase urna
Domingos Jos da Costa Amorira 3:750W00
, Domingos Jos do Amorim......... 3:7304000
; Manoel Fernandes da Costa......... 4:0005000
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feto de mais ele- Joao Carlos Coelho da Silva......... 2:009,8000
Para senhoras.
gante ateo presente : vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no
posicao de Londres, na ma da Cadeia do Recife n. 60
grande armazem da Ex- Manoel Ramos de Oliveira......... 1:250000
Manoel Jos Pereira Mar i n lio....... i:.o0000
______________ Manoel Ferreira Barlholo.......... 1 :5'05000
Manoel Francisco Marques......... 2:5005000
Gregorio Paes do Amaral.......... 3:7505000
Joaquim Jos Goncalves Bellro..... 4:0005000
Vendem-se exceilentes luvas de pellica recentemenie chegadas de Paris, tanto para hornera co- ]0^0 ,ja Silva Ferreira............. 2:3005000
mo para senhera por menos de seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposicao de Lon- jos joaquim da Silva........_..... 2:3005000
dres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
ffiStfo^G^SS.:.::: ;8oPilu,ase emp|asto d,eiurubeba cura ** ^
das.
Preparados por J. F. Lave-ere
Villa do Bonito.
Luvas novas de Jouvin.
Preciso.
Precisa-se de IfHMI a juros sobre hypo-
Iheca em urna escrava pagando-se os juros
de 3 por cento: quem tiver dirija-se a ra
j Velha n. 33, que se llie dir quem a pes-
1 soa.
Precisa-se de um cezioheiro lorro ou escra-
! vo para urna casa de pouco trabalho : na ra no-
va de Santa Rita n. 19, ribeira do peixe.
Vantagciu.
Pr cisa-se de urna senhora que se enearregue
da a ministraco de urna casa de pouca familia, e
que )tne interesse como te sua fosse ; recebendo
com pagamento todas as commedidades, e garan-
"le-se 1 sua estabilidade : quem pretender, annun-
ce por este jornal.- _______________
Precisa-se de um bom caixeiro on official de
betica que queira ir para fra da cidade, por or-
denado, ou como interessado : a fallar na ra lar-
ga do Rosario n. 3i, bolica. _________________
Precisase de urna ama de leite, sem fllho :
na ra da Guia n. 20.
Ama
Precisas : de urna ama para cozinhar : na ra
Nova n. 20.___________________________________
Tendo Luiz Antonio Goncalves Ferreira per-
^nulado as partes que tem no engenho Aliaoca com
Sr. Joaquim Salvador Pessoade Siquelra.Caval
laoti com o engenho Mussahiba, pede o cima que
: alguem quizer por embaraco apresente-se com
mbargos. ______________
Na ra do Livramenlo n. |9, segundo andar
Ingase um escravo para todo o servico.
' Na ra estrena do Rosario n. 6, precisa-se
-ie ama ama de bons eostumes o qne seja livre,
para casa de pouca familia.
Ama de leite..
Quem precisar de urna escrava com bom lejte e
novo, dirija-se a ra do Rangel n. 3.
Francisco Antonio C. Cardoso convida seas
credores a receberem o 3 pagamento de sua con"
cordata.
^
&
S>fc
em
t
0U0 G?
FIGADudeBACALHAU
P eo processo de berrier, pharmaeeulico
Paris, ra de Faubourg lien imarte 24.
Este oleo de um cheiro agradavel, e de
um sabor assucarado o nico que nao tem
>nem o goslo, nem o cheiro do peixe. Ob-
jecto de numerosos relatnos scientiflcos e
mdicos, este mdicamente que goza era
Franca de um successo to raro como bem
merecido, receitado diariamente pelos
principaes mdicos dos hospitaes de Paris.
O OLEO DE FIGADO DE BACALHO DESINFECTA-
) febrcginoso ewprega-se com os maiores
ceetcoc as molestias em que se emprega
oleo quaudo sao acompanhada de iebili-
dude e atoma.
Antonio Jos Coimbra Guimares... 2:00i5000
Antonio Joaquim Fernandes da Silva 1:2505000
Custodio J. Goncalves Guimares.... 1:2305000
Jos Goncalves Villaverde.......... 5005000
Alfredo Jos Antunes.............. 5085000
Manoel da Cunha Guimares........ 1:2505000
Joaquim (ladral de Mello............ 'au'i- i u
JOSr-Wwft.aw-lo Mt c Silva...... 1:5005000
Bernardo Pereira do Valle Porlo.... ~1^0005O00
Ignacio Pereira do Valle........... 1:0005000
Felisberto Ferreira de Oliveira..... 1:2505000
Domingos Jos Ferreira Guimares.. 6 0005000
Manoel de Mallos Machado......... 1: 5O05O00
Manoel Joaquim da Rocha ........ 1:0005000
Seraphim de Senna Jorge.......... 5005000
Manoel Joaquim Fernandes......... 1:2505000
Manoel Goncalves Ferreira......... 1:0005000
ma llanca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad SS^l^'i^^\:::::;. 7:5005000
! Manoel Francisco dos Santos Maia... 1:2505000
Manoel Joaquim Ribeiro............ 1:2505000
Joo Licio Marques................ 6:2705000
Francisoo JoodeJBirros........... 10:0005000
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello 10:0005000
A NACIONAL
Oompanhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUT0R1SA.DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ministraco da companhia.
m
m
Crvs
Arrenda-se o engenho Mioguito, meia
legua distante da cidade do Rio Formoso,
movido por agua de um grande acude
que nunca seca, com muitos paridos, si
tios e moradores, tem proporcoes para
fazer-se grandes safras e lucrar-se mu-
te : os prelendentes dirjara-se ao Dr.
Christovao Xavier Lopes em seu enge-
nho Souza ou no Recife, ra estreila do
Rosario n 23, segundo andar.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespaaha
Desencaminhou-se umr carta remetti-
da daPrahiba peloSr. Primo Pacheco Bor-
ges contendo alguns documentos e entre el-
les diversos conhecimentos de couros em-
barcados n'aquelle porlo pelo mesmo P.P.!
Rnr<7P< a hnrrln a harra inoleya Sprinhi g^no se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes,
borges, a Doruo aa Darca ingieza t&erapai- sotfl SUprehendeates os resaltados que produzem as
DIRECCAO GERAL
Madrid: Rna do Prado n. I
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinares de supervivencia dos segur S .'co'JosAlves Gnimares*.'.'.'.'. 1 oooJoOO
6 NeUa'pde se lazer a subscripcao de maneira que era nenhum caso mesmo por "monedo s I **&!** da ?osU Moreira... 2:0005000
Jos de Melle Cos Oliveira........ 1:2505000
. David Ferreira Bailar............. 2:0005000
1 iniP amh nr. me? rlp ahrll nrnvi V, -""-y -prehendepta os res ultados^que produzem as sociedades da ndole de-A NACI: AoIonio J dos Rejs............. 5:0005000
na, capttao LamD, no mez ae aorii proxi- DAL,qae anda raosraodimlnaindo ama ter^a parte do interesse produzdoem recentes liquida- !joo Ribeiro Lodos 10005000
mo passado: avisa-se ao publico para que ces ecoubinaado-o con a raortalidade da tabella de Depareeux qae e adoptada Ipela companhia JoaJm Claudio de iiveira.V.' 25005000
para seasiilculose liquidacoes, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imporsicaoannual joseGomes de Freitas........".'. 12305000
de 1005 produz em effectivo metlico:
ninguem contrate ou faca negocio algum
com os ditos couros visto todos pertence-
rem a s negociantes Johnsfon Paler & C,
desta praca
a Si. -2 a ce n1 a (-1 I 0 9 0 =0 -y> si 0 0 C O i 3 B rs. s> a. 'Si a 6 "O -1 O c -1 CU 0 0 V 11 O cr B -a' "" u a-. s P-c s w ce a t 0. V B e> c 2. 5' g i V 0 0 er 1 n. 0 w O V ce CA a. ce a 0 M 9 > ce B C O ? n1 w 1 a 0 2 z f 0 es > 2 O er t> n a-B -) a jf1 7


No fim de Sanaos...... 1:1195300
> de 10 .......3:9425600
de 15........11:2085200
i de 20........30:2565000
. de 23........80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Propect>s e mais informaedes serlo prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuz de Oliveira, roa da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.12,estabel
cimeoto dos Srs. Raymundo,Carlos,Leite & Irmiio.
2305000
Bersardino Gomes de Carvalho...... 1.0005000
Antonio Baptista Nogneira......... 3005000
Joo Francisco dos Santos Jonior___ 1:2505000
Francisco Ribeiro P. Guimares.... 1:0005000
Alfredo Prisco Barbosa............ 7505000
Manoel Soares Ribeiro............. 1005000
LuizAntODio de Siqueira........... 1:2505000
Manoel da Silva Noguelra. -........ 2:5005000:
mmmm mmmmmwM
- -CLUB PERNAMBUCANO.
A partida do"m^niFTnaifHf4ug3JLna
noite do dia 24.
O London 4 Ifrazilian Bank, saca por doos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porlo.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
Tinturara
Na ra Direita n. 116 conlinua-se a tingir para
qualquercor, e o mais barato possivel.
141:6005000
Ama de leite
Quem precisar de ama ama de leite procure na
rna do Pilar n. 93._____________
Precisa-se de urna ama que saiba en-
== Quem precisar de alguma quantia a premio gommar bem para casa de pouca familia :
sob hypolhecade bens flxos ou penhora, deixe na na .. j., pri]7p(, cp~nnrln anrlar 11 3fi
loja de livros na praca da Independencia n, 8 urna n_La
carta fechada declarando a sua morada e a quantia
que precisa, com as inici&es Z. T.
O Sr. Luiz Cesar Pinto de Farias queira di-
rigir-se a-rna da Madre de Dos armazem entre a
igreja e a botica._______________________________
Aluga-se
casa de familia
n. 26, loja.
nina preta para ama de leite para
: a tratar na ra larga do Rosario
Aluga se um mulatinho de 14 annos, proprio
para criado, sabe cozinhar alguma cousa, muito
fiel e de boa craducta : quem pretender dirija-se
a ra da Imperatriz n 2, que ahi achara com quem
tratar.
Precisase de urna ama de meia idade para
casa de homem solteiro : na ra do Crespo o. 15.
_________________________________________ Na rna da Cadeia do Recife n. 50, precisa-se
Precisa-se de urna senhora nacional ou es- de urna para cosinhar.
trangeira para ama de meninos, e capaz de, na
ausencia da dona da casa, se encarregar da ge-
rencia domestica. para casa de familia, que
paga e trata bem : na ra da Imperatriz, sobrado
AMA
Compra-se urna escrava que saiba fazer todo
o servico interno de urna casa de familia : a tratar
nesta typographia.
n, 15, primeiro anda.
Aluga-se urna casa com 2 quartos, 1 gabi-
nete, 2 salas, quintal murado e cacimba, na ra
do Jasmim n. 8 : a fallar no paleo da Santa Cruz
n.92.
Joaqnim Ferreira Vleme como
da extinea firma de Duarte Carvalho
sciente a todos os seus devedores, que o nico en-
carregado das cobrancas nesta praca o seu cai-
xeiro Jos Rodrigues de Carvalho desde o dia 6
do corren ie, o que faz publico para ccaecimento
de todos.
' Fabrica nacional de tecidos de Santo Aleixo
no Rio de Janeiro.
Para o servico interno desla fabrica se precisa
engajar servenluarios que eslejam nessas condi-
______ goes, como familias completas, meninos de ambos
iquidaiario os sexos, de idade de 10 a 14 annos ; paga-se
5i C. taz bem, dando-se transportes gratuitamente desta,
para aquella provincia : aos pais, tutores, ou ad-
ministrador- s dos menores se pagar mensalmen-
le, ou por quarteis melado do qae ganhar cada
nm des engajados: os prelendentes podera diri-
gir-se ao largo do Corpo Santo n. 6, segando an-
dar, ou no hotel da Europa, no caes da Liogoeta,
tambem segundo andar.
s
Precisa-se de ama mulher de mei ida-
de para casa de pouca familia, que saiba
coainhar e engommar: na ra das Cru-
jes n. 37.
Precisa-se de nm ama que saiba
e engommar para casa de pouca familia :
da Cadeia n. S, segundo andar.
Desconlam-se notas do banco do Brasil e das
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
establecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PBRNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam segaros de navios, mercado-
ras e predios no sea escriptorio ra da
Crai n. 1.
----------------------------------K'
Prrclsa-se de urna pessoa para tomar conta
de um sitio perto desta praca, com as condicoes
que a vista se tratar : no largo da ribeira de S.
Jos n. 19.____________________
Para os festejados dias de S. Joo e S. Pedro
existe na muilo acreditada fabrica de fogos de ar-
tificio da estrada de Joao de Barros, propriedade
da viuva Rufino, um completo sortimento de pis-
tolas, craveiros, rodiohas e fogo busrap : como
seja penoso a algumas pessoas irem a fabrica pela
distancia, os pretendemos podem deixar suas en-
commendas no armazem da bola amarella no oito
da secretaria da polica.
ANNUNCIO.
O Dr. Manoel Bernardino Bolvar, tendo de au-
sentarse desta provfhcia por algum Jtempo, e nao
podendo pessoalmeole despedirse de todos os seus
migos e nomerosissimos freguezes tanto da capi-
tal, como de fra della, |que pelo espaco de cinco
annos sempre Ihe honraram com ama crescidlssi-
ma e nunca interrompida clientella; falo por meio
da imprensa,solemnemente agradecendo-lhes tanta
consideracao,|estima e confianca ; proieslando-lhes
o mais indeclinavel reconhocimento e gratidSo. O
mesmo declara que se relira sem dever quantia al-
guma a quem quer que seja ; assim come que d
quitacao a todos aquelles que Ihe fieam devendo
menos de 505 rs.
Rio Grande do Norte, 18 de abril de 1865.
"i'M S_S_IfS_ _f-K__-tk'-u'
O Dr Carolina Francisco de Lima San- {g
tos, contina a residir na ra do Impera- ^g
dor n. 17, segundo andar, onde pode ser J|
procurado a qualquer hora do dia e da jar
noite para o exercicio de sua proflssode J
medico ; sendo que os chamados depois de meio da at 4 horas da tarde devem
ser deixados por escripia O referido
Dr. nao abandonando nunca o cstudo das
molestias Ido interior, prosegue, com
o maior affinen, no das mais difficeis e
delicadas operajoes, como sejam dos or-
gos urinarios, dos olhos, partos ele.
D-se 5:0005 a premio sobre bypolheca em
predios nesia praca, ou boas firmas: a fallar na
loja n. 38 da ra larga do Rosario.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva pa-
ra cozinhar e comprar para casa de rapaz soltei-
ro : na roa do Imperador n. 40.
Itelojoeiro e dourador portoguez
Aliiino Baptista da Rocha, praca da
Independencia n. 12, fas qualquer
concert de relogios e dourados por
precos mais baratos do que oulro
qualquer e responsalnlisa-se pelo
'sea trabalbo, espera de seus ami-
gos e compatriotas.
Precisase de duas amas, sendo ama para
caixas fihaes: na praca da Independencia n. 22. ongomma(,0 e oulra para cozinhar: na ra da
cosioliar
ua rna
- Na praca da Independencia n. 33, loja de ouri
ves, compra-se ouro, prala, pedras preciosas e
tambem se faz qualquer obras de ecommenda e
rod e qualquer concert.
Precisa-se alugar urna prea cozlnhelra : oa
j-na 4o Pilar n. 6, sobrado encarnado.
A tugase
nm sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
O abaixo assignado avisa ao respeilavel pu- sas, urna a em que morou o fallecido Thoroaz de
blico, que Jos Custodio Braga deixoo de ser seu Aquioo Fonseca Jnior, feila a moderna, e conten
Cruz n. 30, i- andar.
caixeiro
sado
desde o dia 27 de aoril prximo pas-
Jos Mara fioajalves Vieira Guimares.
do todas as accommodacoes precisas, e outra com
boas commodidades para qualquer familia : na
roa do Vigario n. 19, primeiro andar.
Joo da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren) no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 25000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
1
Santo Antonio.
Estando prximo o festejo do glorioso Santo An-
tonio previoe-se ao respeilavel publico qne est a
venda a trezena do mesmo glorioso santo, muito
bem confeccionado, impresso ntida e brozada :
na ra do Imperador n. 15 defronte do convenio
de S. Francisco.
?*** mmm-ummmMmm
O bacbarel jft
Francisco Augusto da Cosa K
ADVeGAOO W
Ra do Imperador numero 69.
COMPRAS.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Ferreira & Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66.______________
Compra-se efectivamente ouro e prata em
0nras velhas, pagando-se bem : na rna larga do
^osario n. 24, loja de oorives.__________________
Compra-sc um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sem vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da rna da Aurora.
Gotnpram-se libras sterlinas a 9c$505
e tambem ouro amoedado brasileiro e por-
tugus: na ra da Cadeia do Recife n. 22.
.1

MUTILADO I
ILEGfVELJ


- .- -: ,*.*"^ *
"I-
* -
'I*
)
Diario de peraanibuco muta feara 4 Je Malo Je 1&.
Comprara-se libras sterlinas
Crespo n. .16, priraeiro andar.
Silvino Guilberme de Barros compra e.ven-
de elTectivamenie escraves de arabos ot sexos: i
rna do Imperador n. 79, terceiro andar.________
Na fabrica da ra da Lapa eontiuna-se a
vender velas de 13 em libra a preeo de 120000 a
arroba.
Oiiro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Iude-
pendencia n. 22, loja de bl I heles._________
Compram-se libras sterlinas a 90500 : na
praca da Independencia n. 22.___________
Compran se jornaes para embrnlho : no pa-
teo do Terco n. 22.
TEID1S.
Ao8 Srs. acadmicos.
Vendem-se os segnintes
vos : Manuel de droit romnin por
dey, 1 volme, por 6000o; Diccionaire
du conlentieux commercial por Mass, 1
volnme por 60000; La femme por ma-
dama A. Seglas, i volume, com estampas
finas por 50000; OEuvres de Racine, ^
Tolume, com estampas finas por 60QOO;
OEuvres choisis de Buffon, l volume, com
estampas finas, por 40000 ; Cdigo de cr-
dito predial, 1 volume, por 10*00 ; Um
philosopho as aguas furiadas, romance
por E. Souvestre, 1 volume, por 10600 ;
Nocdes de partidas dobradas, por Fonseca
de Medeiros, 1 volume, por 1600; Flores
singelas, poesas por Paes d'Aorarte, i vo-
lume, por 20000; Viagem ao Araguaya
pelo Dr. Couto de Magalhes, 1 volume,
por 20000 : A velhice de Camoes, romance
por Trigaeiros, por 20000 ; La tie des
sainls, 1 volme, por 10200 ; OEuvres phi-
losophiques d'Arnould, 1 volume, por 20 ;
Economie politique, por Garnier, 1 volu-
me, por 2^003 ; negras da escripturaco
mercantil, por Gomes Jnior, 1 volume,
por 20500; Organisation du travail, por
Louis Blanc, 1 volume, por 10200; L'Epi-
phanie, pelo padn Ventura, 1 volume, por
10000; Le jaidinier des salons, 1 volu-
me, por 640 rs.: na ra do Cabug n. 2 A,
oja.____________________________
Yende-se duas carrogas, uraa para boi e ou-
tra para cavallo, sendo esta com lastro somente,
propria para carregar barricas de farinha de trigo,
lenha, etc., arabas com uso, por prego muito com-
modo : a tratar no pateo de S. Pedro n. 4.______
Vende-se um carro de carregar gneros da
alfandega, com uso, c todos os pertences de outro
igual, tudo por preco muito coramodo : a tratar
no pateo de S. Pedro n. 4.___________________
Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luir de Oliveira Azeve-
do Vendem-se cinco mei-aguas de pedra e cal,
paredes dobradas, junto ao chafariz do a'erro, de
ns. 1, 3, 5, 7 e 9 : a tratar na ra Imperial n. 175.
na rna do RIVAL
EM SEGUIDO
Roa 40 Queimado n. 49, loja de Jos & Azevedo
Miae Silva.
Pulseiras e voltas muito bonitas a 500 rs.
Miadas de linha para bordados de superior qua-
lidde a, 60 rs.
Duzias de facas e garios de cabo preto muito
boa a 30.
Meladas de linha froxa para bordar a 20 rs.
Meiadas de linha azulada superior a 60 rs.
Babado do Porto muito superior a 100, 120 e
160 rs. .
Varas de franja de nho branca a 40 r?.
Caixas com 100 envelopes da melbor qualidade a
600 rs.
Caixas com 20 qnadernos de papel superior a
t C0O rs.
Grozas de pennas de ac muito finas a 500 rs.
Pecas de tranca lisa preta e de cores a 40 rs.
- Grozas de botSes madreperola para camisas a 500
e 720 rs..
Caixas com 50 novellos de linha do gaz a 700 rs.
nn- Xaras de ,raDa de cres a 8 rs-
quau no Novellos com 400 jardas superior qualidade a 70 rs.;
Carriteis de linha com 200 jarda
200 a 100 rs.
SALSA
PARHILU DE AH. |
Tsanscrevemos aqu algons
dos moitos aitestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrrilha do Dr. Ajer.
Rheumatlsmo.
dos ns 60 al
Livros para assenlos de roupa lavada a 100 rs.
Pares de bot5es de punho muito finos a 120 rs.
Thesonras para uuhas e costura muito linas-
500 rs.
Tasso Irm&os
Veuderu no sen armazem roa do
Amorim n. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos era garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
Cavallo.
Vende-se um cavallo castanho muito novo e sem
achaques, e grande, proprio para ura cabriolet : a
tratar na loja da ra do Queimado n. 18. _____
Ferros de encrespar
de diversos tamaitos e feitios : na ra do Crespo
numero 4.
Registros.
Acha-se a venda um grande e mu rico sorti-
raento de registros de muilas e variadas ipvoca-
oes, proprios para serem distribuidos no mez de
laria, muito bem impressos e em bom papel, a
precos commodos : na ra do.Imperador n. 15 de-
fronte de S. Francisco.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodao : na ra da Senzala flova n. 42._______
2J300
Um corte de chita larga franceza com 10 cova-
dos, padres escuros ou claros, cores flxissl-
mas, na
Loja das varas
5 Ra do Crespo 5
Dao-se amostras deixandopenuor.
A 280 !!
Chitas de Unto o
tr de palha, padroes miudinhos, a 280 rs. o ca-
vado, s na
Loja das Taras
3 Ra do Crespa o
BE
Gregorio Paes do Anaral k C.
A S40rs.
Coilas largas fraocezas
escuras eclaras, padroes modernas e cores unissi-
mis a SO e ovado na
das varas
do Crespo&
DE
trejoriu Paes do Anaral C.
A 300 RS. 11
Messelioas t cores
padroes mui mimosos e gosto moderno, largas, por
300 rs. o covado, s na
Loja das varas
Rea do Crespo 5
DE
regorio Paes do Amara! A C.
A 60OO !!1
Cortes de lila Maria Pia
eom barras atisadas, do ultimo gosto, s oa
Loja das varas
S-RCA DO CRESPO-5
DE
Gregorio Paes do Amaral A C
Dao-se amostras deixando penlior.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
Solri rheumatismo por omi-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa partilha de Dr. Ayer., re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; e aoies de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sera sentir a mais lev\
ddr nos jeloos ; a parle do corpo que es-'
tava affectada d'esse terrivel encommode
qoe roubou-me tantas noiles de somno.
ErupeSes, borbulhas pustnlas,
nleeras, e todas as molestias
da pelle.
DO SR. JOO PAULA DE ABREU E SOZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
< Soflria mais de dous annos de orna
erupcSo syphililica em todo o corpo, mos
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, prove moitos medicamentos e consultei
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
qoando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros dias a erupco aggravoo-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
Doctor Don Jos Valdes Herrera, piofes-
sor de medicina y .cirorjia, subdelegado
em ambas as facultades del sesto dis-
tricto.Habana.
Certi6co que he usado la zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resollados en
les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
tor y las considero como um porgante, cuya
accin ademas de ser segura, ha sido muy
eficaz en el tratamento de las enfermidades
que exsigeu el uso de los porgantes, y no
vacilo en recomendar estas preparaciones.
Y para los fines qoe puedan convenir doy
la presente en Regla a 7 de setembro de
1860.
Dr. ios V. Herrera.
Escrophala.
ATTESTADO DO 1LLM. SR, FRANCISCO FERRAZ
dos santos. Ouro Preto.
Me acho ha quasi dous annos affectado
de escrfulas, e tendo soffrido tanto qi.e al-
gumas vezes quasi que diego a desr nimar
Vende-se gaz da melhor qualidade a ^ ?da e mardzer da minhS infeliz sorte;
P* a i n0S ar"laxJ?n8d.a. ru* d0 "5- tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
perador n.16 e roa do Trapiche Noven. 8. ta cidadej e nenhu'm pde vencer i tenaci-
Farinha de mandioca 'dade de minna molestia, eslava sen espe-
muito nova a sonara* rheoada dp anta ranas de recobrar a m'Qna saude quando
muito nova e superior cegada de santa ultimamenle resolvi fazer uso da -Jalsa par.
Vende-se a bordo do pelacho dinamar-! \iUl" do T' ^r. Coi^letan-se hoje
quez Calharina ancorado defronte do trm,ta e se'e das qao comeoei com este
tr piche barao do Livramento, ou no es-'8*1* remed'\e SfiU? !S
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & sent,do que l^5 co"v,cCao deHnem^re!e
Fillio, largo do Corno Santo n. 19. recobrar a minha saude. perdida ha tanto
tempo.
*y philis e molestias mercnrlaes.
Do Illm. Sr. Dr. Jacksoi'.
Medico mnito conhcctdo as provincias do
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa pevrilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
i Syphilis constitucional e sempre com os
mais felizes resultados; o melhoi alteran-
te que conheco.
kLeucorrha e flores brancas.,.
Temos cartas em que los cntam casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
rilha.
O espaco nao nos permilte trauscrever
todos os attestados que possuimos Jas vir-
tudes deste extracto composto $e Salsa
parrilha do Dr. Ayer. Rasta delarar ao
publico que tem "sido empregado ha mais
de vinte annos pola profiss5o oiedv^a tanto
Imperial manufactura de
Franca.
Tabaco (caporal) para fumar.
Dito (em p) para tomar.
Dito para mascar.
nico deposito na provincia de Perna i
buco casa de fzidoro, Netto 4 C, ra da
Cauzn. 2.
Preco fixo.
Caporal 800 rs pacote de 200 grammas.
Rolo 520 r-., pacote tfe 100 grammas.
Qnanlidade.
Caporal 50 pacotes ou 10 kiils.
Rolo 50 pacotes ou 5 kiils. ____
PECH1NCHA
Ceronlas de mela mnito Anas a I5.'i00, ditas en-
treGnas a I1200: s na roa da Cadeia do Recite
n. 5, laja de miudezas de Silvestre Pereira da Cu-'
nhajtC
Farello a 4^000 o sacco.
Em saceos grandes.
Mllho a-ftHOO.
Roa larga do Rosario n. 50 taberna da esquina
qoe volta para o da roa Estreila.
Fio de algodao da Babia.
Vendefse no escriptorio de Antonio Ldz de Oli-
veira Azevedo & C, ra da Cruz n. i.
Machinas de serrotes para
algodao
Chegaram as desejadas machinas de serrotes pa-
ra descarocar algodao, havendo um completo sor-
timento desde 13 al 40 serrotes, tambem ha mo-
tores americanos para as mesmas machinas, ven-
dem-se o mais barato possivel : na ra da Cadeia das Americas Como da Europa, Sftil nunca
f4 i-i Dnm (a i -. il i I -. n .4 t .^ _^__ m i lila f*__
Loja
5=Bna
do Recife n. 56 A, loja de ferragens de Joao Car-
los Bastos Oliveira.
desmentir a sua alta reputacao.
Traq
Milho
novo
5a rna do Cabuga n. 12, armazem
Barbosa Ribeiro.
de Manoel
Veu'ie-se um escolenle fot-a i de ferro, a.iie-
rieaaa, com perteaces e sebresalentes : na ra do
Cabuga n. 18, Photographia Villeta.
Armacao.
Veside^se a mesma : na ra Nova n. 26.
ues
a 65000 a caixa de 40 cartas, e a rtalho a 160
rs.. a alies, antes que se acabem : so no armazem
da estrella, largo do Paraizo n. 14.
Vende-se caixoes vazios proprios pa-
ra bahuleiros, e funileiros, a 2)51000 cada
um: e para as pessoas que omprarem de
4 para cima 1(51800, nesta typographia.
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
de Cnnha, a tratar com Tassolrmos.
Xesouras de Guhnaraes.
A loja da Anrora, na ru.-. larga do Kesario n. 38
recebeu sortimento deiesonras de Guimares, un-
to grandes como pequeas, muito tinas.________
Farello.
Veode-se excellente farello de Lisboa, deposita-
do no trapiche do Canoa; traia-se na ruada Crac
n. 23 1 andar, escriptorio de Antonio de Almeida
Goms;________i________________________________
Vende-se a casa n. 1 da ra do Caes, que se-
gu da cadeia nova ra Imperial, logo depois da
meswa cadeia, na freguezia de & Jos, cuja, senda
ja assobradada pela parle do detraz, assoalhada e
repartida, com p.-uco dispendio se aprompta um -
excellente sobrado em magnifica posicao, tem grao- 'xercito brastletro; Obra que multo CODVem
de quintal com cacimba e alguas quartinlios, oue aquellas pessoas que se alistam nos corpos
tudo rende 37* mtnsaes, fra o andar suptrio'r: fa VOlunUrOS: vende-se na livraria n. 6 6
quem, pois, se quizer aproveitar da disposicaodo u j j 't i,msnjOB, i*
actual proprieurio e a quizer comprar, poupando,** aa Praca
se a mertiflcacjio c demora que resalta a quem edi-
(ira, e aproveitar-se de um predio bem construido!
e a moderna, qur para moradia propria, qur pa-'
ra obter bom reodimenlo a seu dinheiro pide en-
tenderse com o dono no mesmo lugar.
Vende-se um moleque de bonita figu-
ra e moco: na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 22.
RA IMPERIAL
numero 193
VNDESE
rap imperial, igual ao rap Lisboa, e ontro fabri-
cado de novo igual ao de ar i preta, em porches a
500 rs, a libra.
Grande pechincha para os fuma lores : quem
quizer fumar boro e barato venha c.
Charutos da Baha de superior qualidade, flor
da MurKiba e de diferentes marcas, tanto avulsos
como encaixoiartos, por precos mui eommodos.
VENDE-SE TAMBEM
grande pechincha para os senhores charuleiros,
fumo da Baha patente de primeira, segunda e ter-
geira qualidade, por precos mu razoaveis.______
Vende-se na ra da Santa Cruz n. 7 urna
preta da Costa boa rendedeira e um moleque filho
da meima preta de 12 a 13 annos,, sadio e boa fl
gura, proprio para pagem.
Para a cura radical de escrfulas e iffecces
escrofulos, syphilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, feridas, chagas,
orupces cutneas e todo e
qualquer incomn.odo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TOMEU A
SALSA PARRILHA OK AYER.
A' venda na roa Direita, ns. 12.26 e 76;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuc3o, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pbarmacias e drogaras do im-
perio.
Veode-se em Pernambuco:
na pharmacla raaccia de
P.WAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Admirem
Admirem
Admirem Bem!!
As pechinehas que esto venda na loja e ama-
zero do Pavao, jia ra da Imptratriz n. 60 de Ga-
ma 4 Silva, end> se vendem todas as fazendas,
tanto de luxo como de primeira necessidade yor
precos multo rasoaveis, e com especialidad as se-
gutntes, dando-se amostras deixando licar penlior,
ou mando-se levar em casa das familias pelos
caixeiros da mesma loja.
Madapolo entestado a <(J>aOO e a^OOO.
Vendem-se pe^as de madapolao enfestado com
ljardas pelo baratissimo preco de 4, 4^500 e
3, ditas sem serem eneslaios demarcas muito
acreditadas a 7$, 8$, 9$, e IOS. ditas, francez
multo encorpado proprios para saias a 480 rls a
vara, isto na loja do l'avo ra da Inperalriz n.
60 de Gama 4 Silva.
(jiaude peekincha.
Chitas asHO ris o cavado:
Ou 7,1800 peca s o Paiao.
Vendem-se chitas ioglezas de superior qualida-
de, atiancando-se as corea serem llxas, com muita
diversidade de padres, pelo baratissimo preco de
0 rs. o covado, ou 76O0 a peca tendo 38 co-
vados, sendo fazenda esta qne sempre se veodeu a
280 rs. o covado eu 10# a peca, chitas largas a
280,320 e 360 rs, na loja do Pavo, ra da Impe-
ratrlzo. 60 de Gima & Silva.
Corles de chita franceu na leja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita franceza, cres lisas
eom lOcovados a 35, ditos com 11 covados |a
3^300, ditos com 12 covados a 30600, ditos de cin-
ta ingleza a 2290,20400 e 29600, isto na loja do
Pavao ra da Iraperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortea a Mara Pia.
Giande pechincha a5000 e (i#000.
Vendem-se os mais bonitos cortes para vestidos,
sendo de cambraia branca com as barras e enfeites
bordados, de cor crox, pelo baratissimo preco.
de o0, ditos do mesmo gosto mais sendo de cres,
pelo baratissimo preco de 60 cada nm, valendo
esta fazenda dobrado dinheiro por ser a mais mo-
derna que tem vindo ao mercado, isto na loja do
Pavo na rna da Iraperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Vestidos Brancos.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestides de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato preco de 120. 16# e 20# na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Grande pechincha, vestidos a
804. eo.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
nos, sendo todos os padres tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo preco de 30500,
sendo fazenda que val mnito mais dinheiro: isto na
loja do Pavao, ra da Imperatriz d. 60, de Gama &
Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se gronsdenaples preto a 18280,10600,
10800 e 20 at 40, superior menrantique preto a
30, selim da China, nova fazenda toda de la, pro-
pria para luto, com 6 palmos de largura, a 300,
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras muitas fa-
zendas propnas para luto i na loja do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Rival sem segundo
do Queimado n. 49,
Rival sem segundo
Roa do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos Una do Queimado n. 49, e>ta vendeudo ludo
& AzeveJo Maia e Silva, esta queimando que ad-, muio barato como v.-ra aLaixo.
mira, a saber : Caixas de pecinas de kaleprapliia a 10000.
Frascos com superior banhaa 200, 240 e 000 rs. Miss* s rom sojse toies riapipos a 3o rs.
Latas com superior bauha a 200 rs. Pares de sapatos dr tranca e hipele a 10300.
frascos com superior agua de Colonia a 120 e ; Frascos de macaca i erula a 200 rs.
100 rs. f.aixas com supeiiurcs auha. a 2(0 rs.
Frascos com superior oleo de babeza a 240, 320 c Libras ifts ISa sui lidas cun i.-oas as < ores a 70000.
*00 rs. i Caixas com .-ii| i ii.res obrea a 41 rs.
Garrafas da verdadera agua Florida a 10280. ; Duzias do pliu.-clioius iie sei;iiraiic.i i 120 rs.
Frascos de superior oleo da soeiedade lligieniquc \ Meia?. garrafas mn :iui.i : ,0 r.-.'
a 640 rs. u idiuhas rom alii< tw fraiui u* a 0 rs.
Frascos de superiores cheiros santal e outros mui- Crias de alburies, .'laucczo n.u:iu liuoi a 00 rs
tos a 10000. lU-Moas da (Mpel alwaco a 20400.
Sabonetes de familia a 210 e 200 rs. Itesinas de papel d* pese a 20000.
Sabonetcs de superior qualidades a 60, 12Se 160 rs.' Papis de apullias frsncezas a balao a 60 r?.
heiros muito Buos a IBoneis muito Looitos para nicuhios a 10000
i
Caixas com il frascos de
10100.
Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a 900 rs.
Paos de pomada franceza grandes a SOC rs.
Sabonetes de bolla pequeos e grandes a 240 e
320 rs.
Frascos com superior opiata a 800 r*.
Frascos com superior agua para denles a 10000.
Grande liquidacao de
fazendas
de todas as qualidades, tanto para o mato como
para a praca. O propnelario da ioja o armazem
da Arara, esta resolvidoa vender as fazendas mui-
! Enfeites para senhoras fazenda minio i
j 20000.
i Escovas para roupa superior quali.hie a 10000.
Grande sortimento de raspas feilas de to-
das as qualidades,
Caigas de casemira a (0 ? 70300. ditas pretas a
60 e 80, calcas de ganga a 20 ,10810 e lS<100,
ditas brancas a 20, briin de linho a 30, ?03OO e
40, paletots do alpaca branca a 40800, ditos preios
a 30 e 30500, ditos de alpaca de cordao a 40 e
de listra de seda a 40500, ditos sobcecasacos a l>b.
paletots de casemira 30, 30500. f 0, t-'0 ,. o^^
ditossobrecasacos pretos a 10, 15 e 160, ios li-
. nos a 250, de cores a i30. ditos fraques a l'i0
to baratas, como sejam, chitas, madapolao e algo- j paletots de ganga a 30, 20300 c 20, du s de drim
daoznho, para >e apurar dinheiro, Loureoco Pe-| parda a-30, jaquetoes de brim parco a 30, panno
reir Mendes Guiraaraes. j preto fino a 20. 20600. 30500 o>. 40:00 3 e 150 o
Cbitas Iraucczas a 210 o covado. covado, moreantiqne preto a 20600 o covado, pros-
Vendem se chitas francezas, sendo cores llxas, a j denaple preto a 10SOO, 10800, 20, 20200 e 20500
240, 280, 300, 320. 360 e 400 rs. o covado, ditas
inglezas a 220 e 2 iC o covado, sendo cores 6xas :
na ra da Imperatriz n. 56.
Corles de calca para liomcm
Vendem-Si cortes para caiga, bnnzinho, a 10,
ditos de ganga a 10400, ditos a 107UO, ditos de
brim de cor a 20 cada corte, ditos de meia case-
mira a 20500, ditos a 30 e 30500, ditos a 40300,
5 e 60500 o corte, damasco com duas largue a
15280 o covado, dito de urna largura a 64U e 800
rs. o covado, flanella branca a 600 rs. o covado,'
dita de salpicos a 480 o covado, goiinhas pra se-
nhora a 200, 320 e 400 rs., ditas, gol e punho a
640 e800 rs., camisinhas para senhora a 10.600 e
20, multo finas a 40 e 40500, candir las tinas de
cores a 300, 320, 360 e 400 rs. o covado. ditas
muito finas com borboletas a 440 o covado, lencos
de linho linos a 400, SqO e 610, ditos de algodao a
240 e 320 cada urna.
Cortes a Maria Pia e 80.
Vendem-se cortes a Mara Pa a 80, !>, 110,
120 e 130 cada corte, cortes muito finos a 180,
lazmba lisa a 360, 140 e 500 rs. o covado, corles
de la com palmas a 50 o corte, lias por covados a
300, 360 e 400 rs. o covado, casemira com lislras
sendo padroes azul e peto a 20500 o covado, ma-
dapolao enfestado com 12 jardas a 30500, 40000,
40500 e 50, dito com 24 jardas a 50, 50500, 60.
60500, 70 e 70500, n. 6 a 80 e 80500, elephaote a
90, camisas francezas a 10800, 20, 20240 e 20500
cada urna, ditas de pregas largas a 20240, 20300,
20800 e 30 cada tima, alpacas de cores a 320 o
covado, ditas finas a 800 rs, o couado, aberturas
de esguiao a 10 cada urna, dita de algodao a 320 e
400 rs. cada urna, pegas de algodaozinho a 43500,
e 60, ditas com 20 varas a 70, dita marca T
o covado ; e ontras muitas mais fazendas que se.
deixa de annunciar, c mandare levar pelos caixei-
ros da loja da arara a casa dos preleodenles (i
estabelecimento est aborto at as fl horas da ooite,
ra da Imperatriz n. 56, Mendes Guimares.
Cirosdenaples de Cdr a I#GOO. ^a'SjSOO'apega.casemirBViinas mescadas a 30 o
Vende-se superior grosdenaples cor de caf, pro-1 covado, ditas a 20800, 20240, 10800, 10600. e
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 10600110400 o covado, soutemharques decores a 60 e
o covado : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.; 80 cada um, ditos pretos a 180, 190, 200, 220 e
60, de Gama it Silva.
tasemirasa lJiGOO.
Vendem-se casemiras garibaldinas de quadri-
nhos e lizas, propria para calcas, palitos e colotes,
pelo barato prego de 10600 o covado, assim como
caigas, palitos e coletes j feitos das mesmas: na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Grande sortimeato de roupa feita.
Vende se na loja do Pavao um grande sortimen-
to de roupas feitas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditcs saceos, ditos de casemi-
ra, saceos o sobrecasacos, ditos de brim branco e
decores, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
ta de todas as qualidades, ditas de cor, ditas de
brim de linho branco e de lodas as cores, coletes
de brim, casemiras, setim, gorgurao, etc., etc., to-
das estas obras vendem-se por prego mais barat
do que em nutra qualquer parte : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz u. 60, de Gama & Silva.
Chales c manteletes de renda
Vendem-se os mais tcjs e mais modernos cha-
les e manteletes de renda, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego muito razoavel : na toja
do Pavio, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais modernos soutembarques de
cor, ricamente enfeitados, e por barato prego : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Capas pretasestBleinbaiqnes,
Vendem-se as mais modernas capas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e
manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
gosto no mercado, por pregos muito em conta :
oa loja do Pavao, ra da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabeca.
250, capas a 200 e 23, manteletes a 180 e 20*
cada um, chitas para coberta a 320, 360 e 400 rs,
dita a 480 o covado, ditas adamascadas a 480 o
covado, ceroulas a 10200 e 10500, ditas de linho
a 10800 cada urna, fil de linho liso a 640 c 700
rs. a vara, tarlalanas de cores e branca a 800 rs.
a vara, hamburgo a 90, 90500, 100500 e 120 a
pega : ra da Imperatriz n. 56, Mendes Guima-
res.
Muita atten$io na grande li-
quidado de fazendas e
roupas feitas nacional na
nova loja de Guimares &
lrmao.
Rna da Emperatriz n. 99.
Os proprlotarios deste novo estabelecimento es-
lao resolvidos a venderem por prego baratissimo
para liquidaren), como sejam : pega debretanhade
rolo com 10 varas por 30, dita de madapolao fran-
cez c(m 12 jardas a .10500 e 40000, ditas de cam-
braia branca fina a 305OC e 40500, Icngos de cam-
braia com barrinha de cor a 800 rs. a duzia, ditos
grandes a 10800, ditos brancos finos a 20400, cor-
tes de chita franceza com 10 covados a 20600, di-
tos de la a 40000 e 50000, ditos a Maria Pia mo-
dernos a 90000 e 130000, la de urna s cor a 500
rs. o covado, ditas de qnadrinho e palmas a 320 e
400 rs. o covado, chales de merino do ultimo gosto
com pona redonda e borlla de seda a 60000 e
70000, ditos lisos a 40500, ditos de lia a 10300 e
10600, chitas francezas linas a 360 e 380 rs. o co-
vado, precales muito finas dos padroes mais mo-
dernos que tem vindo ao mercado a 360 o covado,
panno de linho do Porto com 4 palmos de largura
a 640 rs. a vara, bramante de linho com 10 palmos
de largura a 20400 e 20500 a vara, dama-co de
la com 6 palmos de largura proprio para colcha,
Vendem-se os mais lindos enfeites para caneca, forrar mesas e pianos a 10280 o covado, cortes de
Instruoooes para o servido
das guardas do exercito, exlrahidas do re-
gulamenlo de infatuara e accommodadasao
Cal de Lisboa
Na ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Trastes eom aso.
Vende-se I sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
Vende-se om jogo de bolas montado no anli- cadeiras de amarello, 6 cadeiras americanas,
go armazem do sol, na roa da Concordia n. 36 : a
tratar notaes do Ramos n. 36.
PARA MA.VrO A\TO\IO K
SAO JOAO
Vendem *e sones muito bem feilas e d
papel muito bom 4$ o cento : na ra das
Cru/.es n. 41, taberna da porta larga.
i
bea marqueza dejaearand, 2 carteiras de via-
gem e 1 carteira grande propria para taberna :
quem pretender dirjase a rna das Cinco Ponas
n. 140 defronte da estago.
Acha-se venda
na officina de encadernaco da ra do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco,
- Vende-se um escravo idade 25 annos ios'gne Biblia da Infancia do abbade Pascal, appro-
ofBciai de carpioa e bon'ta figura: na travessaop vada para as aulas publicas da provincia por
Carreo n. i._____________________________ poriaria da presidencia de 15 do passado.
AttencO. As pessoas que compraram j a obra, e qui-
Vendem-se pegas de esleirs para forro de sala J zerem ter um pequeo accrescimo, que se
tinta branca preparada a oleo, em latas de 25 h- lhe acaba de fazer, mandem-0 buscar.
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-.------------------.--------------^----------------~
saepara pendurar, arreios para le cavados, XttPllCdO.
velas de spermacete, tudo de superior qualidade, .
viudo dos Estades-Unidos: no armazem da ra do Urna pessoa que retirase para fra da provincia
Trapiche n. 8. vende duas casas na cidade de Olimla, por prego
: commodo, sendo urna grande e outra pequea :
para informaces, dirija-se a roa do Nogue.'ra nu-
PROPRJO PAR.1 SENHORA.
Vende-se um excellente cavallorouilono-.H2_*!:
vo e manso com todos os andares: na co-
cheira do Paulino, rua de Santo Amaro.
Feij&o preto"
Na ra da Iraperatriz, armazem n. 6.
Em casa de Tisset Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho Bcrdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito de Champagne mnito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
a 30, 40, 50 e 60, os melhores baldes cronoiiuas :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 00.
S o Pavo vende
Cbitas largas a 240
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240.
Acaba de chegar para a loja do Pavo um gran-
de sortimento do chitas largas garibaldinas, por
s rem todas listradas e padroes escuros e do cores
fixas que fe vendem pelo baiatissimo preco de 240
o covado, sendo qoe em outra qualquer fiarte cus-
a a 360 o covado, notando que os fregueses que
compraren) porgue, de pegas, terao um pequeo
abatnenlo : isto na loja 'do Pave a rna da Impe-
ratriz n.43G, de Gama & Silva.
Laazinhas a 300 rs.
Lazintias a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se nm bonito sonimento de laazinhas pro-
prias para vestidos e soutem arques por serem li-
sas e de quadrinhos pelo barato prego de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se veodeu a
500 rs. o covado, e veode-se a dinheiro a vista pe-
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na leja
do Pavo roa da imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Pelerinas a 1,5600.
Vendem-se as mais ricas pelerinas on rom?iras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo prego de 10600: na rna
da Imperatriz n. 60, leja de Gama Si Silva.
Organdy a 240 rs. o covado.
na loja do Pavo.
Vendem-se as mal* bonitas cassas organdys, pa-
droes miudos e grandes, pelo baratissimo prego de
240 rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
acaba-se logo : na loja do Pavao ra da Impera-
triz n. 60, de Cama & Silva.
Lanzinhu, transparente,
a 220 rs. : s na loja do Pavo.
V*endem-se as mais modernas lanzinhas transpa-
rentes, sendo tolas de listra-, quadros e lisas, fa-
zenda esta que sempre se venden a 400 rs. ; o Pa-
vao'vende para liquidar a ouze rintens o covado :
na loja do Pavo, i ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
casemira escoceza para caiga a 20800, ditos de
brim de linho a 10800, ditos de ganga iramvza su-
perior a 10600 colleriohos de papel a 500 rs. a du-
zia, ditos de esguio de linha a 500 rs. um, grava-
tinbas de senhora a 800 rs. do ultimo gosto, sou-
tembarque de lanzinhas muito bem enfeitados a
50000 e 60000, ditos degrosdcnaple ricamente en-
feitado a 200000, capas de dito a 200000.
Roupa feita.
Paletots de panno lino, sohrecasacas, ditos sac-
eos, ditos de casemira lina prea de cor, ditos de
meia casemira, ditos de alparca preta, branca e de
cor, ditos de brim e ganga de lodas as qualidades,
jaquetas de meia casemira e brim pardo, calcas de
casemira de cor e pretas e de meia casemira, de
brim branco e pardo, (anga e castor, coleles de to-
das as qualidades, meias, luvas. gravatas,colleri-
nhos e muitos outros artigos de roura feita qne se
vende por prego baratissimo por ter grande sorti-
mento ; venha o freguez a loja comprar que o pre-
go ha de agradar e maitasj)ulras fazendas de le e
de luso, tanto [para homem como para seolura que
deixamos de annunciar por tornarse enfadoliTrh
que s a vista do freguez se far o prego: isto s
na nova loja loja de Guimares & Irmos. ra da
Imperatriz n. 72.
Desde mnilo lempo o publico
.ibaiiilniioii o uso das preparacoes
iniiluladas depurativas condecidas
pob nomo do Arrobes, Xaropes
le Salsaparrilha comoslos, ele
Cuja ;u-cao, niaior parle das vezes
nlla, e ifalgnm* casos perigon
Os GOKNUTOS DKI'CI'A JIVOS ta O MUG
E O COflTO AGUADA* Kl> K COMrM Sllf IM
rr.i.HKNO M.l.i Mt. SUBSTANCIAS >C1T0>CTI-
VAS I.H i. n SFC MODO DR PKKI'ARACAO TUllKA
WAUERAVIJS. "
O HncreikKc (fito. es.*!* con
relloNoliilK'iaii <>lll l'raii-
f a sol o patrocinio das pi'incipac
celebridades medicas, o< poe cima
de ludo quanlo tem existido alh
hoje.
Cura rpida sem o socorro
de nenhiini outro remedio in-
terno, das escrophuia.-i ,
herpes, alfeccoes syphi-
liticas hypcrtropliiac
dos tessidos celulares,
hydropisias e em gen
todas as molestias |iroduzidas
pela allenicao do sanguc ; tal
o resultado que tjncriamos
conseguir e que (cutos sem-
pre oblido.
l'iua expc.ii;.:.) acronipanlia cada
vidro.
Descoiifhr-sc, das f.i c'ficacwiel mi
liieocs.
Para ax eueomci ffnj oii -jir-ic w*
5m'. buisson ct c 13, H'l'iiuce
EugHC, Puriz.
'%

( MASSAEXAROPE
avariado.
Francez barrica 50000
Portiand dem 80500
Em perfeito estado:
Francez barrica 100000
Portiand idem 120000
Vo armazem de Tasso Irmos caes do Apollo.
Liquida cfto
Pegas de algodaozinho {variado, porrn hmpo,
por ser lavado, a 40: na loja de calcado da ra
larga do Rosario o. 12. .
Rna do Queimado n. 40
Coniin"a-se a vender baratissimo as fazendas
existentes neste estabelecimento, em virtude de
ter fallecido um dos socios e se querer liquidar a
(Irma social. Entre outras fazendas ha as s?-
guinles :
Cortes de vestidos de blonde branco para easamen
(ujs a 250, que outj'ora se veodiam por 1000.
Ditos de seda de cor muilo superiores a 180.
Ditejs ule grosdenaple preto a 250.
Ditos'de phantazia muito lindos a 80.
Ditot-vle cambraia branca bordados a 80.
Manteletes de grs preto bordados a 100.
Campraia organdv lina, covado 241 rs.
Chitas linas largas, covado a 220. 2i0e 280.
Grosdenaples de cores, covado 500 rs.
Baldes de arquinlios, modernos, a 20.
Lencos de camhraias brancos para algibeira, du-
zia a 10600 e 20.
Cortes do clleles de velludo de core, fiaos, a 20.
Chapeos de sol de sed para homem a 40500.
Ditos de dila ioglezes a 60.'
Camisas brancas de madapolao para homem, urna
10000.
Meias de seda brancas e pretas para senhora a
10 o par.
Ditas* de laia pretas para padres a 10 > par.
Luva > de seda de cores a 100 rs. o par.
Mantis superiores para grvala de liomcrn, urna
50Q rs.
Peito de cor para camisa de homem, duzia 20.
Cortee de calca de meia casemira 10.
Ni ra do Qneimadj, loja de ferragens n. 4
eenda-se muito em cania um par de venezianas.
n
BERTHE
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Di-fluxos, a i.np/is e todas as rritacBes
do peito.
AVISO
Falsificac5cs reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Massa de Berth,
nos obrigio a recordar que esses productos
to justamente
nomcados nSo se
onircgao senaocm
hcelas e cm fras-
cos com a assigna-
lura aqui indicada. rk"m"*,iri*i**sriimut
151, ru Saint-Honor, na Pharmacia, no
. luyke, e cm todas as pharmacias.
\f
DepositoSgeral em Pernambuc rna da..
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbn '
f*echincha
A 40000 t.
Algodao superior com loi.oe de ivaria a 30500 .
40000: na rna do Qut-iin; do. espiina que volt
para a Congrtgacao ns. 13 e 45, lujas unida?, cor
trente araarella.
f
ILEGIVEL


I
V
Diarta de Peraaatbiieo
felra I4llflltdc !&.

CIIEG\R4M OS MODERNOS CHILES DE
FILO PRETO.
Superiores chuls de fil preto cliegados pelo uliimovaper fmnez, a
loja das columnas roa do Crespo n. 43, de An'onio Correia de Vasconcel-
os & C.
CONSULTORIO
MEDICO-CIRIRGICO
DO
DR PEDRO DE ATTAIIYDE LOBO MOSGGSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa_do Fundao 3
O Dr Libo Mocoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 i i
aoris da maaliSa.e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepto dos dias santificados
*Ji-" i eipisial lomeopathica
No mesmo consultorio ha sempre mais appropriado sortimento de carteirai
?ih^avnlsos assim como tinturas de varias dymnamisacSes e pelos preces seguales
H>Jia Garteirasde l2tubosgrandes. 20OOO
de 24 tubosraudos. 180000
. Ja tium-Trinles. 24J008
> id i tui))S-Malas, 30JI000
. de60 tubas grandes. 350000
PrdHi*a-sc j lalquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remed
,B^ Umuibo avulso ou frasco de tintrale meia onca 10000.
Sendo para cima de 12, custar5c >s precos estabelecdos para as carteiras.
Ha ubos mais pequeos cada nm a 500 ris.
LITROS.
V o'.)!- '' U'i u i^itliia, ) Mmil de Melicina Homeopatliicodo &r. Jahr
in\ rnlHv.)luui ^Ja l^cienario........... 20J900
\ lisia ioinestica l> Or- Tlaring,........... IO0OOO
a,j,rtarioU l*. dUloHiraes............. 6000
Diccionario lo lar n->* la a ii-sioa. ..... ... 3$00
O i e ae li^s leste estabelecimeatoo por demais conhecidos e dispensara portan-
to dj'rtrn'ovaneate.eco.u-nindadosaspsssoasiue iiheram asar de remedios ver-
dtlrjs i ivaicos e ktradwesrhatudo do malhor que se pode lesejar.globos le ver-
ixiyso tYunr deleile.notaveis >elasua boa -.o n servlo, tintura dos mais acreditados
aj!iL>3'.tii?ntosenrope&,a:mai6}xacta'e accurada preparadlo, portanto a uaior ener-
ga i ;,.3.a i a ;is eleitos.
Cura w sK'ili pi^a ewravos.
Recebe-se:scravo?para tratar de malquer enfermidade ou fazer-se-lhe jualquer
wri-ao para o que o anunciantejulga-se; tiiienle.'Onte habilitado.
O ratamento o melhor possivel, tanto na >a--te alimentar, como na medica, e
fj ik'-i.nano a casa a mais de quatro annos, ha n'iitas pessoas de cujo conceito se aae
o>i ijvidir, que pdem ser consoltados por aquelles que desejarem mandar seas
Pa*a-se 23000 porcia jurante 60 dias e d'ahi era diante 10500.
vs "parieres ierao.iwe-vtamsnte^justadas, t -...- !ii i m -'. i u i > ^i* amiuueiaule.
Ln
>?it>rio e^t^ieo e cliiinicD de F. P. Lebeuf e C
ra Montmartre, 31, era Paris.
Fabrica em ArgenteuH, prs Pars
80WIAC& E FABI(1\{10
Djs vinhos, agurdenles e licores.
(Franca).
T
V]\( ()>._[ nitioTo dos vinhos de todas
n i'lalM.'Sclraeto de .Ml-fC. adose para 130
Sur-vi r. -;._t B 'i; ix. 2 f., le Pomard, 3
f., i; Lisboa, f.,ie Catatan, 2 f.,-de Porto,
K-fsw!. Mascatel, Malaga, dose para 23 ou 30 l-
iro, 41.
iu'ostancia ara fabricar com o alcool e agua
n< vrIos cima e todos os oulros. A dose para
SJ i tros, 50 f.
ll.ACIFICACO.-Ps Inglezes, pos dos vinhos
da rle o f.
7}I,')!WCA0. Purpirigine para colorear os
nabos brancos e vinhos -.laros. As duas libras
para >)> litros. 16 f.
Alguas Je aasos agentes tendo falsificado e mita i) nossts nreparacSes, e
fra^aeidSjidve-sa exigir sobre as rolhas e rotnlos asintciass F. V.L. Paris,
kirsch
agua.
as AGUARDENTES.-Essencia de cognac para dar
as aguarJentes ordinarias o sabor eo aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, SI
KIItSH t AIJSINTHO.-Essencia le'
de absintho, para os fazer cora Icool e
,'arrafa para 100 litros, S .
LIGOHES.Extractosnara fabricarse todos os
licores conhecidossem fugo ncm alambique, fia
Jicar-se os que se I ;so;.i.) A dose para SO on 25
litros, 3 f. ,
PERFUMES jara fabricar-se os licores finos oa
commnns a Jos para if) m i' litros, l f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
vinhos.iguardentes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados le encnmmenda.
UTEXGILIOS de laboratorio e de chimira.
engaado nossos
I.
0 ni densar-so lasprftparaces icha-se inrado no rotlo.
As enemraendas deve.m ser acompanhadaspor urna letra sobro Paris on qutqner nutra cida-
'( iv.. ii 'hm ri lis Dir nnicisa mu-.i 11. IVrijir-se ios ^r. Lebeuf 4 C. chimicos, rui
u >i. U >n Pi-is. o i sai fabrica en Vrntnnil, prs Paris.
il
11
!i>ti".a fraaeda, ra do Imperador n. 38.
Nova l)ja de miudezas
o-- Run da Cittleii do Recife-3
Cike do gaz.
pitcli ilo gaz.
Al-ati o do gaz
Coke toneadas rs. . 103000
Pitea ..... 800090
Alcitro cauda..... 400
O o)k-j ncmlieiiidamante o carvo mais econ-
mico, torna-s por isso recommanlavel, bem ca-
DR
Silvestre Pereira da Cunha 4 C.
O don is Jsst" novo estabelecimento abrindo-o
> oocorr-mcia do respiitavel publico, esperam
tmnsetdoste tola a protecc.il), jpela delicadeza
e seriedade que empregaro em seus negocios, co-
!i pilo completo sortimento de miudeas e per
finiras, coma s
i nriaes as menores
anudado por em
segundo a vontade do
e am nv^ ^n c n^^uhas S^riStlR -"M "T^ SS
Ihores ina tem vindo ao mercado '.,e m,, 'l!,:n e l>atrao,alm das applicacoes
Z de ln'l oafa Kem e Jivrsas _a i* ^e "*M>5 P"a callafetar
i Rio f,,mn da n-rheck can* eab"cl^^ ib-atroar madeiras
ros para ga. t %SL3* RK faSao^ 2
loterta. t^llagarca e muitDS outros objectos que se- ^r."f;1" "''?, "f ?,i'g L
ri. eafadba mencionar, sendoestes vendidos por ?Z ralr *" ^
pracos to razoaveis que a pessoa que comprar a
^rimeira vez, nae deixar de continuar a vir sor-
'.ir-se neste novo estabelecimento.
comprador.
23-ttJaj-oO- < O O a
3 tj 5 a s m o* B m S" a 2 ll
v>
cw
/
Francisco Jos Germano
IU 1 \OVl X. 91,
srha de recebar oai lindo e magnifico sortimento
teocalis, lunetos ebinocnlps, do ultimo e mais
parado gosto da Europa._____________________
Enfeites a Hara Pa.
A toja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38,
TacAeu grande e variado sortimento de enfeites a
M ira Pa para cabeca, dos mais modernos que
lenuphegaio.
Peses de dilema par attr cabello.
l'-nies d- diadema pira atar cabello pois o ul-
tmi g isto qne agra sa u.-a.
Lianas de crochet d InTrenies (rrosoras.
V.lus ames a Mari Pa, reos sintos de litas
?aricas roffl !tv la.sdourait^, fiaalmentrt sortimenlo
.kaJ a .mi so se ean.aHra aa toja da Aurora ra
iaag do R-jsario n 18, o qnal sempre se enrontra
prurito as orden? de qualqu-r freguez que fr
*v *nb-iro, qaem dilvidar mifl'de tr para jus-
tit :sr a terdade.
-i 3S W
SI 3 = 5a
o
a
a
-o
a
. a. Si 3
o M 3.o CB.B g
S9 5"-a Ll q
a
^3
ttil
co
va
ltfI:IaifH3
M 2. o 5 a
_ b a
O
Venle se nm Wileifne com to anaos u Ma-
tfe : a tratar no atnazej da ra da Cadeia do Re-
eifo n. 36.____^^__^______________
L'j'a ilas seis portas em frente
do Livr.imento
Vendem-se peeas do bre.lanha (lt rolo com 10
ara- pelo haratissicio praoo de 29100 a peca, e
itos outros artigos, e bem assim um variad >
tmenlo de roupa feita, que tudo se vende mais
jto do que em oxttra aualquar pirt*^:^^!^ tudo
lo amostras com penhores.
&HAr
Urna familia qm se retira vende urna moailia
le am irello j usada, trem de cosinha, lotica de
almoco e jaatar azul, urna mesa de jantar de alma-
relio ps torniados, masas pequeas, eommotas,
cama de casal e muitas outros objectos o que todo
se vender em conta : na ra dos Pires n. 62.
Vende-se urna negr nha de 10 annos, muito
esperta e sadia : no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 8. f ,,,
AURORA BRILHANTE
GRANDES AIHAZEKS
MLHADOS
% V,
*******
Largo da Santa'
raz n. 84, es
juina da nm dd
Sebo.
VINHOS !T rt
O
ESPKCIAKS
quuia
Sebo.
da ra do]
Tora
'DinMr?l,y """P*'*6 emposiasinteiras,
15400 ,'""*,de" a 1*000 ***80 e
DSs,?SB'rirM,,,-te P-*-
&ll 2? ame'fxas"a 'O, 1*800 e 3^00.
i *2e,,la d0 armado fabricante
Abren, a 740ts.
Ditasoom massa de tomate, a 500 rs.
' S e3Slj08 a* com<,re' nom' a l*50.
Dl33oomb0lacM*a e*oda muit0 no' a
Dl|Smbis?iD,W8 Inlerosde moitasqffa-
_ Oliclatf.
caiaiahas comameitas enfeitadas proprlas
trh Pra,mimo a 1|*W, S800 e 300.
rtewis5* nov'a,ibraaB
MaCa1r^0'u",ariameal*ri amrella, a libra
l a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Canas com estrelinha, pevide, e outras mas-
sas, a cana 34*00.
Ditas dita em libras a 640 rs.
!Sagii, a libra a 360 rs.
fSevadioha para sopa a libra, a 240 rs.
brwihasseccas, a libra a 460 rs.
HJKM descascadas, a libra a 200 rs.
|Taproca muito nova, a libra a 280 rs.
Sn de araruta verdadaira, a libra a
500 rs.
'Ar2nn Maranhao, em sacco, a arroba a
24400 e a Irbra a 0 rs.
D*to da Indiae fava, a arroba a 3#M e a li-
bra a 100 rs.
'Toncialio de Lisboa a 9tf500 a arroba e a 320
> rs. a libra.
(Dito de Santos, a arroba
260 rs.
BrSiJTS? d0J' rau" ^reditado armaaem-ie mlllhaMs ^S^T^
SI kT a teT eamo-aorUoMaio de gneros de primeira alidada.
Rnifnm S'rV!.ra ? lodos de bae P*re *lU6te ae contas aos portdores.
nelo 3 i/SSS1" Tendera raa,s barato e melhores do qne a Aurora Brilhante, ja'
ero SZZTm qa* ,em,,Ja mesrao P^ina "tono s deseja tirar diminuto ln-
proveMar n t^,? .ra.acCKUTla,r "* ^P68 d0 estabelecimento por sso deiie ae a-
KftSriitil? *''*,ertodaaidileW',aGrodeaervirboaxos seuacoos-
itts eom 8 libras de chooricas multo novas, TnU Terde 8HpeW#r<
A caada a 34000 e a garrafa a 400 rs.
Gomma.
Saecas de 4 arrobas, a verdadrrade st{
enffommar, a arroba a 34000 e a Vibra
120 rs. (
Sabio massa, a libra a 200, 240 e 280 rs. j
Fariuha.
Saccasgrandes com farnhade Goianna mni-J
to nova, a 34000.
Caf.
Cafio Rio muito superior, a arroba a 84,|
84500 e 94000.
Cha.
Cb,temes nestes gneros o melhor possivel.j
hyson, a libra a 24600.
Dito perola a'34000.
Dito uxim a 24700.
Dito hyson muito fino a 24800.
Dito redondo a 24500.
Dito preto de primeira qualiaade a 24500.
Dito mais baixo a 24000 e 14600.
Brva matf.
Exctillente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Etperraaeete.
O masso com 6 vellas de esperraacete a 600, |
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16e 8 libras de passas notas pro-,
prias para miraos a 44 e 24500.
Notes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 44000.
Alpisla e paiiifo.
Alpistae pain$o, a arroba 44000 e a libra a.
160 rs.
Cartas.
Cartas finas par jogar, a duzia a 245"0.
Castanlias.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 44000 e a libra a 200 rs.
Azei tenas.
Barriscom azeitonas novas a 14500
Manteiga.
Manteigasuperior, a libra a 14280.
Dita mais abaito a 14*00.
Dita menos superior a 14.
Dita franceza nova, a libra a 88C
Dita dita em barris e meios ditos, a libra
850 rs.
74000 e a libra a
.Molaos com 125 ceblas grandes, a 1$280.
7SIann ,nacez3> <" com 2 duzias a
(Frascos com mostarda preparada em vinagre,
{ a 400 rs.
^^n'0^ c,"iservas inglezas e francezas, a
j 640 e 800 rs.
poscom sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.,
Ditos cora a verdadeira geoebra de Urania, a | Ditapara tempero a 400 rs.
I lOOO. Qiimj'os.
{Ditos de i garrafas de HoIIanda verdadeira,a
640 rs.
^Botijas com dita proprla para negocio, a
400 rs.
Garrafoes com 2 galoes com dita, a 64-
iServeja boa,marca, a 500 rs. a garrafa, e ai
| duzia a 65OOO.
Vinho muscatel deSetubal, a garrafa a 14.
Marrasqomhoverdadeiro,frascos a 80C rs. e
a 15200.
jChampagne, a duzia 204000, e a garrafa a
24000.
6 Azeite refinado portuguez e francei, a garrafa
P a 14000.
Caixa de vinho liordeaux muito superior, a
3 74, 84, 94 e 104 a caixa.
JDitas com dito branco, a 75 a caixa.
5 Ditas com dito larimas do Douro verdadeiro,
6 a 205.
'Ditas com duque do Porto verdadeiro'a
j 185000.
Ij Ditas com chamisso superior, a 145.
'Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12-3.
)Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
] e 800 rs.
.Dito de Lisboa muito bom, a caada a 35200,
J 35300 e 45, e a jarrafa a 500 e 560 rs.
'Dito da Figoeira, das segnintes marcas (K.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
> 45300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
f que j est engarrafado e lacrado com o
. rotulo do armazem.
kDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
> da a 35500 e 45000, e a garraa a 480 e
520 rs.
\Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj mnito superior, a garrafa a
> 800 rs.
Qoeijos novas vindos neste vapor a 25800 e?
35000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
15000.
Papel.
Papel almaco paulado, a resma a 45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 44300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
24300.
Dito deembrulho.bom a 14 e 15200.
Vinho ladeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-1
deira a 14500 e 25000.
Temperos.
Folhasdelouro, piraenta do reino, cominho'
e cravo, a libra a 400 rs. -
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Ainendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Dece.
Caix5es de doce de goiaba, grandes a 14400'
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limitar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duzias de boiSes de graxa n. 97 a 24000, e<
de latas a 14OOO, e os boiocs a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e meias'
DE
AZEVEDO *
i Ra ib Cadeia do Hecife, tapia dn H^dre Ae Dens.
Prestem atteagao ao discurso do Balo.
A loja do Bailo todas as semanas reforma o sea annuneio em cossoquencii de
constantemente receber novas fazendas e novo sortimento de roupa faifa, os seos preree-
*io os mais moderados como j ningoem ignora, as fazendas que nao Jevm prefo marca-
do porque ha diversas qualidades e diversos precds, e em loja alguna encontrar o pu-
blico um to completo sortimento de Tazendas e roopas feitas, e n3o hacend a obra que
o freguez procurar toma-se a medida e em 24 horas estarao salisfeilas as exigencias do
fregmez.
Pede-se attenco.
Chapeos de sol com 16 asteas a i2#.
dem idem com 12 asteas a s>.
dem idem denominados acadmicos, fazenda inleiramente nova com 12 asteas a
{1$, por este preco s na loja do Balo se encoritra.
Bal5es de arcos para senhoras, os melhores que lia a 34.
dem de arcos e de musselina para meninas a 2$, 2^500 e 3#J00.
Vestidos finos a Mara Ta a 14&.
dem dos mais modernos que ha de flores matisadas a 18$.
dem com barras, fazenda ainda nao vista em Pernambuco a 244".
Pecas de cambraias que sempre se vendeu por 9$, o bao vi nde por 70"
Chitas preclaras que todos vendem por G40 rs., o Balo vende a &60.
dem da m sma qualidade, porcm de ou'ros pa !roes a 440 rs.
dem escuras a 300 rs. esto-se acabando.
dem estreitas a 200 rs. s na loja do Balo.
Las de accento escuro com flores matisadas denominada pelas snheras que j
compraram (la econmica.)
Cambraia de cores as mais finas a 800 rs. a vara.
dem de cores com quadros brancos a 5G0 rs. a var?.
Madapolao a 8$ a peca, que vale 9, tambem ha fino.
dem francez proprio para saia de senhora a 560 rs. a vara.
Camisas de meia muito finas a 220 a duzia.
Meias cruas para homem de 6 a 80 a duzia.
Camisas de pregas largas a 205OO que todos vendem por 30.
dem inglezas de linho muito finas a 480 ou 540 a duzia.
dem de flanella de cores muito finas.
Calcas de casemira prelas e de cores de 70 a 120.
Paletos de casemira decores e pretos, a 100. 140 < 120.
Colletesde casemira e debrim branco os melhores que ba.
Caigas debrim bra-co muito finas a 40500, 50 e 70.
Paletos de alpaca branco a 50.
Mantas modernas para pescoco de homem.
Collarinhos de papel de cores a 800 rs.
dem brancos a 400 rs. a duzia.
La preta para luto e de todas as mais cores a 500 r?. o covado.
Ceroulas de linho com dnascostoraS.
dem de algodo a 10600.
Cambraias para forro de vestido a 20600 a peca ou a 360 rs. a vara.
diales de merino eslampado que custaram 80, vende-se por 50 em razao de es-
tarem um p uco desmaiados por ter estado a mostra, por estes precos s na loja do
m
s&
pars
caixas.
E grande qtiantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que dexam de an-
nunciar-se.
N. 11 Raa do QueimadoN. 11
A este estabelecimento chegon ltimamente da Europa um grande e variado sorti-
mento de eoriinados bordados o que ha de mais gosto em desenos e bordados.
Lindos bonets de palba de Italia para senhoras.
Chapeos e ehapelinas de palha de Italia ricamente enfeitados.
Chapeos Saos de seda para caneca de homens e chapeos de sal de seda inglezes ~de
8,12 ifi astes.
Bourous e chales de renda pretos superiores.
Pelisses e soutembarqaes de seda preta para senhoras.
Cortes de 13a de barras de 144 a 224 de mnito gosto.
Baloes de arcos e de musselina finos, manguitos e camisinhas.
Saias brdalas muito superiores.
Hoireantique preto, grosdenaple preto e de cores, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas a de eores.
Lavas de pellica para nonnm a senhoras.
E muitas outras fazi-.ndas qne todo se vende barato na loja de Augusto Frederico
dos Santos Porto, aonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas
N. 11--RH do Qucim ido- N. 11
Ta^so IrmSos
vendem gesso em p para estuaue de casas, tijolos
linos de feitlo diversos para ladrilho, azuleijo; de
diversos costos, tijolos vidralos para prele de co-
zinha, canos da barro para esgoto, ceraento em
barris de 10 arrobas.
Can o gas fiaos e tarn uedos
para menlaoH.
thegaram para a toja de miudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais fiaos e lindos calungas
tanto para brinquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrara bom sor-
itmento de miudezis. |
OGASTELLODEGRISVI LLE
Traduzido do francfz por A. J. G. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatt
tomos pelo baratissimo prego de 250C
ua praca da Independencia, livrarisns.
6 e_8:__________________________
Genebra de Hvitanda em Irs-
queira.
Chegon a genebra verdadeira de R>llaada, mar-
ca VD. e vende-se somante ao armaaem de narro*
& Silva.
MACHINAS DEPATENT
de t rabalbar u.So
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machina:
podem descarocar
qualquer espe'ci
de algodo sen.
estragar o He
sendo ba*tantf
duas pessoas para
o trabalho; pode
descarocar um:
arroba de algo
dao em earocc
em 40 minuto^,
ou 18 arroba;
por dia on 5 ar
robas de algodi
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algoda<
limpo, por dia; e motores para mover orna, duas,
eutDs dessas machinas.
Os meamos tem para vender nm beffissimo va-
por que pode fazer mover seis tfestas machina;
mencionadas; para o qne convfda-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no larga da ponte nova n.47.
Saatders Brslhers k C.
IV. II, praca do Corno tanto
RECIFE.
Os aicos agentes neste paii.
Rival sem segundo
Ra do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
& Azevedo Mala e Silva esta disposto a vender mui-
to bar?to que admira, pois seos fregoezes ja esto
scientes que nao h i segundo competidor.
Pecas de cordo para vestidos a 20 rs.
Capachos redondos e corapridos a 500 rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Duzias de facas e garfos a 24400.
Ditas de cabo preto cravado a 34000.
Baraihos Trnceles mnito fiaos a 200 e 240 rs.
Grozas de botos de louca a 160 e 200 rs.
Caixas cora soldados da chumbo a 120 e 200 rs.
Bunecos de choro pequeos a 160 rs.
Varas de cordao para espartilho a 20 rs.
Duzias de colheres para cha a 800 rs.
Duzias de colheres para sopa a 14300.
Ditas de metal principe de cha a 24000.
Ditas para sopa a 44000.
AGUA
DE
Florida.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agna de Florida nao urna tintura, faeto es-
sencial a contesiar, a mesma agna dando a cor
primitiva de cabello. Composlas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a apna de
Florida entretem a limpeza da cabera, dtstroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contnbue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a forca, a belleza e a conservaco dos cabel-
los.
Em Paris casa de Guilaur n. 112 ra de Rechl-
lieu e 21 boulevard Montmanre.
Todos os frascos nao tendo intacto e claro, e un-
cir praleado da casa, reputado falso.
Deposito roa do Imperador pharmacia a. 38.
Bixas hamburpe/as.
Vende-sena roa Tova n. 61.
DROGARA.
34Raa! larga da Rasarla34
Bartholonicu Francisco deSooza & C.
Vendem:
Acido actico puro p.\ra retratistas.
Esmaltes para onrives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres avellndadas.
Tinta brancasnperior em lata.
AivaiadeVenca, tino.em paes._____________
120 e 6"0 rs.
Rival sena segundo.
Frascos com agua de colonia 120
Duzia de thesouras para costura 600
Caixa i de soldados de chomba a 120 e 200
Na roa do Queimado a. 49.
Vende-se
na rna das Cruzes n. 53 jnaeo e palha, mais bara-
to do qne em oulra qualqaer parle.
No armazem de fazen das ba-
ratas de Santos CoelO,rua
do Queimado n. 19, ven-
de-se o seguate:
L^nges de panno do linho a 24400.
Ditos de bramante de linho de um s panno a
34500. -
Cobertasde ehita da-India "2*4506.
Lencos de cambraia brancos proprios para algi-
beira, pelo barato preco de 2J000 a duzia.
Pecas de brelanha de roo com 10 varas a 34800.
Ditas de cambraia para forro de vestido, com 8
varas, pelo Larassuno preco de 24600.
Guardanapos adamascados pelo baratissimo preco
de 34500 a duzia.
Algodo entestado com 7 Ii2 palmos de larsuraa
14200 a vara.
Cortes de la de lindos gostos com 15 covdos a
64000.
Pecas de cambraia adamascada com 20 varas, prc-
pria para cortinado, pelo barato preco de 114.
Fil liso fino 1 800 rs. a vara.
Dito com salpicos a 14 a vara.
Tarlatana branca lina a 800 rs. a vara.
Atoalhado de algodo adamascada a 24260 a vara.
Dito de linho a 34200 a vara.
Laazinhas lisas de todas as eores, pelo baratissimo
prego de 500 rs. o covado.
Pegas de cambraia de salpico? brancos e de aeres
com 8 ii2 varas, pelo baratissimo preeo de
445OO.
Baloes de SO arcos a 4500, de 25 a 34, de 30
3500, de 35 44, de 40 44500.
Toalhas felpudas a 134 a duzia.
E>teiras da ladia de 4, 5 e 6 palmos par metio&
preco do que em oulra qualquer parte.
Neste armazem se encontrar nm grande sorti-
mento de roupa feita e por medida.
Adniiravel pechincha J
flor ambique a 300 rs. o covado, na toja
oo pavo.
Vendem-se os mais bonitos mocambiqoes de pu-
ra lia proprios para vestidos r scutembarques,
sendo de qnadrinhos de listras e lisos, fazeada in-
teirameate nova, em padres e mnito proprias pa-
ra as senhoras que frequenlam o rrez Mariano,
porque esta fazenda Ihes facilita fatere por pos-
eo dinheiro vestidos multo decentes para qualquer
acto, advertindo-se qne este baratissimo prego
devido a grande compra que se (ex desta nova fa-
zenda, que se veade a freze tustoes o covado : na
loja do pava, ra da Imperatrii n. 60, de Gama ^
Silva.
\
i^am^tAE]
. ,*.-


:;

>

.
i
i
i
>.



i,
Mari* Pe !***> c ~ Qnarta >lra 14 i!e Balo de tM&.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
V3SI H&BM 3)3 83 'MlOTIi
AO
RESrE1TAVEL ITBf.ItO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma
SO PUBLICO
era o menor constaanr
glmcnto se entregar o
Importe do genero que
lo agradar.
ATTENCAO
O* presos da segnintc
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
RA DA CADEIA DO RECIPE N. 53
(Logo passnndo o arco da coneclcio)
PARA BES DE TODOS.
reza com
Senhorer fi.c?,horas, o acete qn presidio-aos arrams deste nova estabelecimento, e mais que todo a promptidao e intei-
que serio twU j?oonvda a urna visita ao mesmo, certos de que sem davida me darao a prolecco e preferencia na coni-
Grande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito Ai
productos chimicos uttusis e os mai en.piteados
e usados uapharmaeu, pintura,) notora|hia.tin-
turara, pyrotechima(fotos de artificio) ett outm
udustrla. >
Moudo em grande escala, e suppnndo-se di-
rectamente oas princlpaesdrogariasdt Pars, Lon-
dres, Haraburgo, Anvers e Lisboa, pode ol.iecter
productos de plenacoHancaesaibfazrr qualquer
encoromenda a grosso trato e a retalho, i.or prtcos
razoaveis.
Prvidos de machinas approprisdas satisbf*
com promptidao qualquer pedido de ifoitas ir .ida
a oleo,cuja qualidadee pureza de seus irpndien-
tes poder ser examinada pelo consun iCi r, o (ce
nao fcil fazer com aquellas que sioin Hadas,
e que se encontram no mercado em Isla* >t hadas.
Tem grande colfecgo de vidros de diRVxnK*
formatos, desde urna oilava al de; ex is i m as capacidade ; de vidros para vidragus t di ni ii i
para corta-Ios; depinceispara fingir madeiu ctau
propriedade e outro; de papis d( uiac si i la-
teados e folhas de gelatina pan orni.ir.tBto; de
papel grande e pequeo foro alo de varufs cflr
para embrulho, para forro oe cafa, tata < cem fundo ja eiio;de papel albunirao e Br*...!,
verdadeiro saxe para pholiaraphja t ina lilirrr
e outros ; vemizes de esstncia para r,carir espirito para madeia, copal para o iiitriu < ei-
ie.,lP ?leo8raxo, oleo strealivo, oler di l i :ra
pra dos ^eneros que precisare e quando n5o possam vir poderlo mandar seus.portadores, anda que estes seiam doiico orticos" Srffifrn fit0. /e loiel(^ seca"vo t ,l;"lin'*'"
nois ser3o tur. hPm tva fmn co viMAm nessoalmente. havend nara rom mu< inris rAf.nmmpn,i,^ ,. Jj 5.:._r..tl._ hr'," '. P.i 'rala- eur.e to' to-
zan da Liga estabelecido ra Nova n. 60 tim magnifico sortimento de molhados, | pois serSo tSobem servidos como seviessem pessoalmente, havend para com ests toda recommendaca'o, afim de ihp nao vio pm has
que sendo em sua maxim.i parte mandados vir directamente de estrangtiro podem ser
vendidos por preces asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pode-se. porm (Sanear, com toda a seguranca de que
nenhum ou.ro. o exceder no restricto cumprimento das seguiotes promessas:
V Delicadeza no trato.
2.j Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos precos.
As pessoas que por sua posieifo social gozara d certo tratamento, acharo nest .
casa os methores queijos londrino<, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
priroeira quaKdade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to beta servido;
Aquellos que sio pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nestacasa, onde se lb.es vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualdade pelopreco que em algumas parles n5o po-
dem ou nao queren vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devera vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren, do quanto se pode vender barato. -
Para os senhor- s que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escoltado por pessoa entendida que cortamente muito de?e agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEG1NTES PREGOS S SE VENDE
A DINTHEmO VISTA:
ALPISTE E PAINCO a HO rs, a lib a.
AMEND JAS novas a 28o rs. a libra.
AVELESa240rs. a libra.
ARHOZ de 90 rs, a libra a,..
AME1XAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc ele.
AZEITE doce a G0O rs. a garrafa, cadada a
B
BANIIA de porco a C60 rs. a libra, em por-
co faz-se abate.
BOLACHNFIAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ng'ezesem latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000rs.
C
CHOURICAS m ito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
american s, habannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os tama-
itos a
D
DOCES de todas as qualidades.

ERVILHAS seccas e em latas portuquezas e
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a I e 5,1)00-rs. a sacca.
FAVAS portugezas em lata a 600 rs.

GOMMA muito nova e alva a 140 rs. a libra.
GRAO DE BICO a 120 rs. a libra.
GENEUW delaranja a 9 e 10,o00rs.
CENEBRA de Hollanda < m botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
MANTEIGA ingleza efranceza ald, 10120
1^280 e em barril faz-se grande aba ti-
men lo.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE aGOOrs. alala.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos precos.
P
PEIXE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
m
QUEIJO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 800 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.
H
SABO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se
far grande abatimento.
v
VINHO tinto de 360 a... garrafa.
VINIIO tinto em caada de 2,560
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 40 rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.000, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINnO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arreba.
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco.
dem de gorgurSo preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem do gorgnrSo de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 20100, 20600, 30, 30500, 40, 50, 60,
70 e 80 o covado.
Superior gorguro de seda preto, a< melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda.
I dem preta lies; anhola.
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 10500,10800, 20,20500, 30,
30800, 45, 40500 e50. '
Pannos protos de sopen *r qualidade de 30 a 120 o covado.,
Casemira preta d 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes cfo'fil e loa pretos.
E murtas ootras fazendas de superior qualidade na leja das Columuas
na ra do Crespo n. 13 de AntoBio Correa de Vasconcelles & C. successores
de Jos Moreira Lopes.
tra p?rtp.
Manteiga ingleza especala ente escollada a
l,ooo e Soo rs. a libra e em barril se faz
aba tunen to.
Idemfrancezaa maisnova do mercado a 96o
rs a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Uzanyggon de superior qualidade a 2.60O
rs. a libra.
Perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muitoproprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6 oo rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
. ero a 2,000 e 2,2oe rs a libra.
Linguicas muito nova&a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento*
Chouricas e paios a 800 rs^a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino ehegados neste ultimo va-
pora 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portugezasj preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 8,000 e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez'ie*panhol e suisso a 9oo,
l.oooel,2oors. a libra.
Espenaacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das mircas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e 64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde-genebra de Hollanda a 6,800
e 04o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e 11,000rs. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do MaranMo de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paincoe alpista a 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
"Sft a,oCoaorfca.W''1'rim **"*' S/*** f"* Oe .dro eom Mp.
do mesmo, a 5oo rs.
bra e 6,000 a caixa.
^KS^23! a*6frde Vk0*' ****" O** "cas mais acreditadas
3,500 a ^T*^*"-' 1,br.a ; ft^sr ?eorcado' a 560' 56 e 64
Vinho do Porto muito fino proprio para1 l e'8' 6'000 e6'5 a ^
f'Zrl: em 3DCOrelaS de CaMda8 Sr^* &? mto nova, a 2oo rs.
Vinho em DDa P^rto __-- T -w ^arulos do aTamado fabricante Jos Furta-
32oToot 5oo rs l'I^fJ Ll9b3va de S,m38' das *W** qualidades:
a 2 o 3 ooo ff4 6 e,DCanada ?xp^sic5 Normal de H, vana, imperiaes,
2,500, j,o( 3,8oo. Londrmos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,000, 4,5oo, 5,ooo,
0,000 e 7,oooa caixa ouera meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,000,2,5oo e
3,0 a caixa.
I ognae iuglez das melhores marcas, a 8ooe
l,2oo a garrafa.
Doc>da casca degoiaba a 2,ooo a lata com
4 libra*.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a l,8ooo cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
TOucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
librae'8,5oo a arroba.
Banlia de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Fariffhado Maranho muito alva echeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fractas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e 1,5c o o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamaDhos, muilo proprias para
mimo, a l,6oo, 2,Coo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, exctllenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prefo.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandesde
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portugezas a 5oo rs. a garrafa e
l',5oo cada urna ancoreta.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,000 e 26,ooo o gigo.
Gomma deengommarmuito alva a 12o rs.
Vnho branco de Lisboa de. excellentoquali-
dade a 4oo e 5oors. a garrafa e em cni-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para, aissaem caixas de 1 duf
zia a 8,000 e 08o rs. a.garrafa..
Vinho do Porto das melhores marca que
vem ao mercado como sejam-: Lagrima
do Dewro, DuqwadPofto, Raiaba de Por-
tugal, Duque genuino, D.- LuteJ, Madei-
raSecca.Jtalvazia fina. a..l6^000,llvoooi
13*009:6 10,000a aixa. coa*! doziaeSoo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafal
Viaho Citerex de superior nnln 16,ooo
a duziae ijioors.a garrafal,
Sardinhas de Nante* ai 4oo rs.os quartosei
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a5,oooa
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinha*- de seda-e latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartoes com bolo francezmuito propriospa>
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rsc
a libra. '
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoao
deBrito no Beato Antonio, en. lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em Tasco de vidro com
lampa do mesmo, a 105go.
Ameixas franc zas em csixiobas de diversos
tamanhos com bonilas estn-pas na cat-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, I,8ooe2,ooo
cada urna.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novasaBo rs. a librae2,5oo
o gigo com 36 libras.
de varias rOres; tintas vrgeiai?, ir.( f-, n-
vas proprias para confritarlas; la de rorc?, <
olhos de vidros para imagens ; limas tm tutos e
telas para retratos ; tinUs em pastis e em a na-
ra aquarella; essencia de rosa raperflaa.tka.
roly.jasmim^ bergamota, aspice, palchiulv. ambsr
pouioef,limao,a|carava,melissa,ortfl;ia'rirrerf?
^{^''"M.JniBlero, Portugal, lina!
ans da Russia, caneila, cravo e muios ouiros of>
jectos qaescom a vista poderaoser mostrados.
Joo Pedro das eves,
Gerente.
m
m Yenda de hm soirailo |
|H Vende se o sotrado de 2 andsrfs n. 2! j
*da ra do Padre Fluiano, queUm o ren-
dimeoto rren.'al de 42, por puco muito
m con mudo : a tratar na iv:< do H; 1 gi: n.
S 25, segundo anfl*r, das 6 hirfs ;s 9 da
JP manl.aa e das 4 da larde as 7 da roiie
Kscravo pedrelro.
Vende-se um escravo pedreiro, moc e sado
na roa da Cruz n. 23, escriplorio do Antonio d
Almeida Gomes.
Pechiiiclif
27--Rna do Qneimado-27
A OO e o rs.
Chita francea a 200 e 240 rs. o covado tara
acabar, quem quuer ventaa comprar ; cambraiss
finas de cores a 280 o covado, cortes de laa muite
lindos com 15 covados a pre^o de 4500cada cr-
te : no armazem de farendas de CuMcdio, Catva-
Iho & C. : na roa do Queimado n. 27.
ESCBAVOS PUGIECS.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. alibra.
Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potesj preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propiamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-1 13 a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Ibo. I Palitos de dente a 14o rs. o maco.
a libra.
Figosem sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite docedeLisboa a 4,8oors. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
GOMMA NOVA.
Em paneinos muito,alva a 4,00rs. a arroban 16o rs. tibra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na nra do Imperador n. 40.
VoTldade.
A iJOOO.
Leqaes de oeso, gosto moderno, peo diminuto
Seco 0 iS 6 na rtel da C**ia do rYectre H. 5,
a de mindezas de Silvestre Pereira da Cunda
4 Companhla.
Farelo a SJ(800
na roa da Imperatriz n. 6.
Chegaram os superiores
cortes de seda.
Sopet-lores corte? de seda de cor, vlodos pele
I ultimo vapor francs : na foja das colomnas a roa
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
j cellos 4 C
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Continuase a vender em por<;o e a retalho :
na ra do Queimado, luja d'agui branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na roa do Queimado o. 8, acaba
de receber um novo sortimento de eaixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bera assim
frascos com hydrocalleirichin, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onychromantioa para hmpar as nnhas. Essa
tintara, cojoelTeito rpido e efflcaz, est bern co-
nhecida e apreciada para todos qoantos della tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquellos, dingir-se munidos de
dinheiro a roa do Queimado, toja d'agui branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
'Acaba de ehegar para atoja d'agoia branca, na
roa do Qoeimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosa?, dito verde para- folhas, e
dito tambem verde e mu fino para cobrir o ra-
me, assim como folhas d panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vertidos
Vendem-se na roa do Queimado, loja d'agui
branca n. 8.
Superiores penas d'aco ingle-
zas e francezas
A aguia branca alm do grande' sortimento de
penas d'aco qu constantemente tem, scaba de
receber mais outro de superior'qoalidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, asslm cotro as
verdadeira.' blco de langa n. 134 eoutras de pon-
a dourada, continuando porm a vende-las por
precos commodos; com tanto que ocomprador com1-
pareca manido de dinheiro : na rna do Qneimade
loja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastapara papis.
A aguia branca na- ra do
Queimado n 8, receben:
Bbntts-e graods aljofares d eores ira ttfas.
Poserr9 i Voltas prelas maiores e menores todas de conf.s
grossas.
Pulceiras prets lanibem d contas.
Ootras d differentes qoalidades e gosto?.
Brincos de aljofares de cores e doorados.
Plvelas d'aco grandes e pequeas con cinto pre-
to e de madreperola.
Outras graudes de differentes qoalidades e re-
dondas com pedras.
BoaHes ieqo.es de {madreperola redondos e di
ootra forma.
Ditos de sndalo intericos e corredigo?.
Capella? brancas para meninas.
ATTENQflO IV1EUS SENHORES
PARA
Aviso aos caplte de campo e a
polica.
2 Drsappareceu em principios do mez de oulubro
do anno prximo passado de bordo do palh.lir!
nacional Arrow Molo, dous escravos de nini Ro-
berto, por appellido Macelo, e Miguel; o t c 45
annos de idade, pouco mais tn menos, crenlo cor
fula, estatura baixa. barba serrada, um pooco toc-
to das pernas, e com alguns cabellos braneof, tan-
to na barba como na cabega. O 1" alio, cheio do
rorpo sem barba e fallagrossa, reprtsfnla l.rde
za a JO annos ; cujos escravos descenfia-se anda-
rem pelus arrabaldes desala cidade : qu< m m ai^
prehendt-r queira levar a ra do Trapiche n. 4.
Escravo fagufo
Fugio no da 17 do crreme o escravo Antonio,
tem preto, principio de barba, levou miga r c-ini-
sa azul, alio, bom rorpo, chapeo de massa veltio.
tem um t por baixo comido de. bichos, U i escra-
vo de Manocl Jos Rodrigues Pinlieiio, (m Fcm
de Portas : quem o prender leve o ra ta Col-
gadas n. 9 que ser gralilicado.
Fugio em priocipios do mez de fevereiro do
correte anno e consta estar aromado nesia cidade
o mnleque Euzebio, escravo da viuva rio Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade poo-
co mais ou menos, cor preta, secco do corpo, olhoa
regulares e afumagado*, rabega um ponco grande
e meia chata, beigos finos, denles bem alvos, ps
seceos e muito ladino : roga-se por lano a tedas a
autoridades policiaes e capiles de campo que o ap-
prehendam e levem-o a ra da Maopiieira sobrado
n. 6 que sero gratificados, prniesiaudo-se usar do
melos judiclaes conlra qualquer pessoa que o lenta
em seu iioder.
AVI O
Fazendas baratissimas loja da rna do Crespo d. 17 de Jos Gomes
Villar.
A novacrise commercial permute que o po*o em geral nao possa comprar fazendas
cara?. O proprieta rio deste estabelecimento, amigo que do povo em geral. attendendo a
essas circunstancias est veadendo fazendas por precos qne na realidadeadmira.
Correi, bom povo, a este estabelecimento, e. comprai fazendas, porque all se vende
por menos do que em outra qualquer parte.
Cassas organdyzes a 280 rs. o covado.
Chitas francezas escoras matizadas a 260 rs o covado.
Ditas escaras muito Boas a 210 o coVado.
Ditas claras dem a 240 o covado.
Ditas escoras idem a 260 o covado.
Chitas para coberta muilo largas matizadas a 240 o covado.
Madapoloes finos largos a 65590, "& e 8JI.
Chales de Ol preto muito bons a 105000 cada um.
Chales de merino estampados a 530O, %f e ".
E ootras mnitas fsfzendas, que ludo se vender por precos que adrniram.
aos eaplles decsimpo e a polica.
500 de grateficagao.
Desappareceo no dia 8 do correte mez de mato
de 1865, de casa de seo senhor o escravo de none
Semio, de nacao Massambique, rom os Biguaes
seguintes : cor preta, alto, chelo do corpo, tem ta-
inos em circo redondo no rosto ao p das orcinas,
caiga de casemira azul, camiso de haieta ail,
chapeo de massa redondo, representa ter 4o an-
nos, pouco mais ou menos, de snpper que to-
masse a direcgo de Porto Calvo, provincia dv
Alagoas, porqoe foi comprado ao Sr. Jos Viente
Lindoso por seu bastante procorader Joaquim i^i-
valcanli de Albuqnerque Mello, morador em Dar-
reiros.

Uencm
Azeite doce refinadoem pequeas latas 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80, iOOe 20 libras a 4^4^500 e SQT;'no grande armazem da Liga.
Madapolao molt* fino com pequea toque de avaria,.por proo qne admira : na loja
das coJarnoas ot roa do Crespo o. 13, de Antonio Correa de Vascencellos & 0.
No dia 4 de aoeiro do anno de 1864, fugio do ea-
genbo Conceigao, comarca de Pc-d'Alho, o escra
vo Galdino, pertem'enle ao abaixo a?signdo, com
os signaes seguintes : idade 26 annos, pardo, claro,
corpo, figura e altara regulares, cabellos mf ios ca-
rapiohados, olhos pardos, sobrancelhas e palpeliras
salientes, tem em cada brago um sino de Salotr.o,
sendo um delles mal feto, e junio a este urna croz,
tem na cabega urna cicatriz de urna polegada, e *ai
cima de nm qnarto urna outra cicatriz de tres po-
legadas, proveniente de pona de pao e queda, tem
sobre as costas algumas marcas ou cicstnzes de re-
inadas ou chicote; om'pouco dpsernharagado quan-
do falla, tem principio de rarplna e carreirc, loe*
viola e barbado. Foi soldado do corpo de nolicia no
Recife, e leven comsigo a haixa do theor seguinte:
Secgao urbana, 2" companhia n. 50. Antonio Caeta-
node Oliveira, ftlfio de Agoslinho Ferreira de Pri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos cara-
pinhos, olhos pardos, offlcio nenhum, estado solte-
ro, com 30 anais de idade, 60 pelegadas de altora,
ao enga]ar-se. Engajou-se na forma do regola-
ment, em 17 de fevereiro de 1862, por offlcio de
Exm. Sr. presidente tfa pwtaria, dtalo de 28 de
abril do crreme, e publicado ao corno erfrontem
do dia 1* de maio, todo em (862; leve baixad*
servicopor ter dado em seu logar o paisano Joa
Pedro Perreira d Rocha. Foi escravo do caprtae
Jo5o de Dos Barros, morador qne fl na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e hoj morador na
Campia Grande da Parahyba de Norte, qoe o ven-
dea en das do mez de oovembro de 1863 ao abai-
xo assignado, pelo costme de andar fogldo e a ti-
tulo de forro com o nome mudado -, pelo qne roga-
se- a'atteoeaodas autoridades civis e miniares, nao
s dest provincia como das demais do imperio, a
apprehessao do dito escravo, que a Ululo de forra,
nao tenha sido recrotado oa assentdo praga ea
alguns' dos cbTpos d* Vohmtarios da Patria, tara-
' bem peder aes oaplties de campo e pessoas par-
ticulares a- mes-rta apprehensao, e leva-lo ao sen
, senhor no referido enpenho Conceigao, oa nestaet-
I darte ao capito Mauricio Francisco de Lima roa
do Brom n. 56, qne ser gratificado com fflO.
1 Jes Marra-dos Santos CavalcantL
**.
.- ,i i *-
._-.
-_ ^_



Diario de lemantbiico sarta leira 4 de Mala de 185.
LITTER ATORA.
a leste, pelo ocano atlntico, ao sul pelo
rio - gipe ; a oeste pela raesraa provincia, na li-
Elatistici eccleslasiica da pre->l, do mesm0 rio ; e com Pernambuco a
vlncia das tlaeoas orgaulsada VAm ; e peo norte, souienle, coma ines-
pelo padre n moel Amnelo. ma provincia de Pernambuco
das I>08-es charca.
A sua povoago bem difficil de ser fixa-
i'lvm. o nena. Sr. Dr. vigario capitu- ,la: principalmente para nos, mesmo avan-
!>n:-Honrado por V. Exc. Revui. comodi- Cando alguma probabilidade
:, acareo de oreaniwr urna Esiaii.tiea Segundo o systema seguido, e indiflerenca
. esiasiica da provincia das Alagoas, en o governo, jamis se chegar a urna verda-
alelamente por obediencia V. Exc. ra estatmiea.
i. Miia., 13o penosa laiel'a, Ordinariamente se diz que os parochos
Digo que. somonte por obediencia, nao sao a causa eflicicnle deste mal, por seu des-
porque me recuse ao trabalho. muilo prin- ido e; negligencia na orgamsacao da esta-
analmente quando o f.ucto d'elle pode re- f^'ca de suas freguezias, como Ibescumpre.
dundar em beneficio publico, e quando esse Nao cont-tamos islo em parte; mas rel-
n-dbaLo ordenado por um superior to vasempre renect.r e ponderar, que e bem Atajara.
.lustrado, to disiincto, elao digno, como o d.fflcil mesmo paraos parochos zelosos es-
anual chele da i.reja Pernambucana; ms te desidertum. .....
, que, se por um lado eu anlev.a toda a O cholera-morbus, que tem consecut.va-
arJuidade d'csse commetiimento por outro. mente invadido esla bella provincia desde o
na
d^m^'f^r^^^ tem-se arraigado o grave
das ininlias azas, nunca me abalancei a em-.afoso de formar cada um urna estacada que
nrezas ene ...e trowessem em resultado a; chamara cemtterw, anda mesmo sem as
soi te de Icaro presenpeoes da igreja, para alu sepultarem-
' liu tinha a certeza de que esse peso nao 5 lodos os cadveres, sem a competente li-
ei un para comportar os meas debis hom- cenca; e deslarte despojando-se o parodio
bios; omeu desalent, pormsubi de pon- dos seos dueitos, prejud.ca-se ao mesmo
to, quando, ao encelar o trabalho, vi que lempo a otatnttcclobitoana. Proplanos
folla'am-me todos es dados estatizeos, e que \ mesmo, pessoas abastadas, e alguns ate que
eu tinha de soccorrer-me somente, para a exercem o poder publico, nao escrupul.sam
pane phisica da estatistica, ao auxilio de al-; praticar este abuso, que de da em da, se
guns amigos e aos conhecimentos pracos vai mvelerando no animo do poyo, o qnal
que Lenho deste provincia onde resido a 22;ja era sent a profmacao dos restos daquel-
anaos; e, para as cifrase datas, miaba cor- '
Miguel comprehendem :A freguezia de.
Nossa Senhora da Gonceigo, da cidade das
Alagas.
A de Nossa Senhora do O' do rio de S.
Miguel, na cidade do mesmo nome.
Comarca de Anadia.
A villa de Anadia, Poxime e Palmeira dos
Indios comprehendem: A freguezia de S."
Joao, ua villa de.Anadia.
A de Nossa Senhora da Madre de Deus,
na villa do Poxim.
A de Nossa Senhora do Amparo, na villa
da Palmeira.
Comarca de Atalaia.
A villa de Atalaia e a villa do Pilar com-
prehendem :A freguezia de Nossa Senho-
ra das Brotas e Santo Amaro, na villa d
A de Nossa Senhora do Pilar, na villa do
mesmo neme.
Comarca da Imperalriz.
A villa da lmperatriz e a villa da Assem-
^S^^iSS&hmttSeB!^ anno de 1856, a causa maior deste, incon- I lea comprehendem :-A freguezia de Sao-
., K PSJEJT5 inferioi idade veniente. as freguezias do campo, muito! ta Maria Magdalena, na villa da lmperatriz.
Iiscripcab, l>ia leconhccer a uter onuaue ..... .* o ,rr .,' _pava A ^ les que lhe tocavam mais de perto.
Em balde a humilde voz dos mesmos pa-
ta memoria do que lenho lido e ouvido.
Via-me a bracos com um Admastor de no- **" se ergue a profligar este mau vezo,
vi especie em va0 os c e lgreja Procuram Provi_
VExc. Revma. sabe em que atrazo se! dencias para a etipacao d'elles ; o_ poder pu-
acha no Brasil a seien ia de Achenwall e- bkfc falisfazendo taes requisita;, oac.se
que na propria Europa ainda a pouco maisempolla com ludo que ^s ordens n este
de ums culo se achava em germen ; quan-, seot.do se toera letra mora, urna cjJoi-
to mais nesia provine a que, ha apenas 42 de no terreno da le.
anuos, deixou de ser comarca de l'ernara-i Mesmo nos lempos normaos..coilas mhu-
kuco i macoes se teem dado, e se vao dando nesses
1 Pense! que nesse trabalho podia ser tam-! cemiterios improvisados, sem licenca do res-
uem instruido pelos Revd. parochos; e nes- peclivo parocho, ou sem seu conheciraento,;
so intento dirigi-me a cada um delles em;e as capellas mais distantes das matrices,
nome deV. Exc. Revma pedindo-Hies os onde nao pode chegar a sua vigilancia, este
necesarios cscla.ecimentos. em ordem a sa-,mal campea l.vremente, entrando ja as re-
tisfazer ludo quanto exigi "V. Exc. Revma.; gras do coslume.
em seu respeitavel oflicio. Crescente como va. este abuso di. al,
Frusten-se a minlia esperanga
poique! seno se lhe pozer um paradeiro, arraigar-
passagem
V. Revma que
sidenteDr. Cal
presidente E
ves Campos, franqnearam-mc todos os ar-
chivos pblicos.
Ainda ahi nada me adianlei; porque sen-
do a creacaod'essas estacos posteriora crea-
Cao de grande numero das freguezias da
provincia nao podia encontrar nellas ngis-
A de Nossa Senhora da Graca, aa po- j
voacSo do Murici, municipio da mesma!
villa.
A do Senhor do Bomfim", na villa da As-,
sembla.
A do Senhor Bom Jezus dos Pobres, na
povoacao de Quebrangulo municipi > da I
mesma villa da Assembla.
Comarca do Penedo.
A cidade do Penedo e villa do Porto da
Folha comprehendem :A freguezia de
Nossa Senhora do Rosario ua cidade do Pe-
nedo.
A de S. Francisco de Borja, na povoacao
Piassabuss, no municipio da mesma pro-
vincia.
A de Nossa Senhora da ConceicSo do Por-
to Redi, ou Collegio, municipio da mesma
cidade.
A freguezia de Nossa Senhora do O', na
villa do Porto da Folha.
A freguezia de Sant'Anna da Ribeira do
Panema, no municipio da mesma villa do
Porto da Folha.
Comarca da Malta Grande.
A villa de Matta Grande e a de Pao de
Assocar comprehendem : A freguezia de
Nossa Senhora da Conceico, na villa da
Matta Grande.
A freguezia do Santissimo CoracSo de Je-
ss na villa de P5o de Assucar.
E a freguezia de Nossa Seubora da Con-
ceicSo da Agua Branca.
(Continuar-se-ha).
n i ni ii i i i
ua POUCO DE TUPO.
E'do'Sr. Teophilo Braga este folhetim :
O SONHO DA ESMERALDA.
Obi meu amigo, oh meu poeta, tu nao
sabes o que um rapaz que sahe aos vinte
annos da sua agua furtada, sem conhecer o
teem um pequeo tombo", os archivos !e to-: lavara os seus era cem.ler.os IWMM
das as nutras constam de esburacados alfa,- contento de cada um, as bordas das estra-
rabiosquasi illegiveis, verdadeiros palimp-! das, a sombra das inmres,_***** jp
sestos, que nao alcancam as datas das crea-, no, do que anda boje existe* vestigios,
Ses ds rreRuezias 1!,e os ajantes admirara e registrara ; com
Voltei os Slhos para a secretaria dogover-! diflerenga notayel, LO.em, de que estes,
no e tl.esouraria eral e provincial; e, de sem seren calhobcos, mu.io se esmeravam
tenho a salisfacao de declarar a na arcluleclura desses famososi mementos,
oue io so Exm Sr vice-pre-! de que se va enriquecida, a \ia Appia e
Jalneicos de Mello' como o ac nal outras, osientando, alm de aceio e decen- mundo, ignorando a vida, lendo vivido ali-
Fim Sr desembarsadorGoncal-'cia, o mais admiravel primor d'arte. j mentado por sonhes impossiveis, rico de
A cerca de baptisamentos, quemde a que'todas as leiluras, levado por ambiges alti-
se nr. lamentasse o mesmo 1 Gracas ao es- vas, que o fazem grande, sentindo muito,
pirito evanglico de nosso povo, todos rece-! amando tudo, e que o acaso atira ao meio
bem as regeneradoras aguas do baplismo; de urna cidade opulenta, onde ninguem se
mas nos archivos parochiaes todos os as-en- condece, onde todos se igua'am e atropel-
los nao sao recolbidos ; porque salvas sem-jlam.
rizesseinTe muito menos! pre muito dnrosas excepcoes, dos baptis-; Fui quando comprehendi aqoelle tercetto
dados oblara eu coadiuvaco do illm.Sr. tdesoureiro da pro- tivos assentos nao sao reraetiidos aos viga- rae abysmava, cada vez que o repeta na
vincial maior Chelderico Cicero da Gama; 'ios ; cahem no vrtice do esquecimento ou,mente :
Leite moomuilo irtelligentee prestimoso,: da indifferenva, apezar das mais repetidas No meio do caramho d'esta vida
jSe comTmelhr boa vontade se dignou au- (admoestacoes. :| Dai por ra.m na ampl.dao de selva escura,
... I. /^-kririA nAi
xitiar-me
Pede a j
muito hon
piiS ma^riFn-irafVs'X'iHovinda" ^ perante Deus e os'ho-'vam solitario no meio das multides.
^S^^S^nXiA*^ escravo publico de todos os seus' Tantas vozes perdidas no ar, enenhuraa
ai visiiilm- Camillo le Mendonca Furlado ifreguezes. o domem nico e inactivo, que para raim 1
empreheiKlido um i^ua trabalho, j muilo teja sempre de lu;lar cora tantas ndoles, Tantos olhares distrahidos, e eu confun-
adiantado, franqueou-m'o com a generosida-
E como, pois, inexoravelmenle se recri-Pois que a vereda certa era perdida.
Parecia-me o tumulto como um naufragio
em que a ancia do salvamento nos torna
nao e por certo o nico refractario a este dindo-me desapercebido !
dever. Nao vale tanto a palavra, o conse-! Tantos bracos cabidos com desdem, e sem
Iho, como a forca, a punicao da parte do po- nenhum me estreilar a si
der publico.
Alguns mais restrictos em suas obriga-
ces, almejando ligar o seu obscuro nome' egosta, insensiveis para as agonas dos ou
benevolencia de seus superiores, e as n- j tros.
voas de um futuro, para elles sempre tardo | Todas as aspirace que me fizeram dei-
abrem n'esie empenho urna valla, em que se xar o retiro benigno em que me voaram os
precipita > os seus exforcos, e de que nascem primeiros annos, mostrando-me o mundo
desgoslos e contrariedades, no proprio seio;como urna grande fesla, e me desperta.ram
do seu rebanho : porque, no seclo adan- [ o desejo de ser lambem um dia conviva,
Per e V Exc Revma bem conhp- **w das Inzes e do progresso vivido, o exac-! iam-se apagando, abandonavam-me como no
cido por seus variados conhecimentos e amor t" cumprimento do dever o commentario. encontr fortuito de um desconhecido.
real de urna exagerada censura de despeitos! Sentia-me pequeo, incapaz de lutar. de
e de injusticas manifiestas, rae impr admiracao dos outros.
de que lhe propria. Sao txtualmente
d'elle as poucas paginas d'esta eslatistica.
Grnete auxilio enconlrei lambem no mui-
to Ilustrado juiz de direito d'esta capital,
Sr. Dr. S. F. de Araujo Jorge, verdadeiro
arcdeologo da provincia das Alagoas e espe-
cialmente da freguezia do mesmo nome, lor-
ro do seu nascime.iio..
Os Revms. parocho?, das Alagoas Domin-
gos Jo da Silva; de S. Miguel, Satirio
Jos Barbosa : e da Anadia, Francisco Duar-
eixol
por
de classe, dignaram-se offerecer-me precio-
sos irabalhos que muito me ajudaram.
Ahi vai pois, Exm. e Bevm. Sr. a estatis-
tica ecclesiastica da provincia das Alagoas
toda cheia de lacinias, truncada e imperfei-
ta. como s em ser a obras de qualque- ge-
nero, feilas por mos inhabeis. Mas, se
certo que mais faz quem quer do que quem
pode, e i posso asseverar a V. Exc. Revma.
que em vista da deficiencia dos dados pre-
cisos, eu flz mais do que pude, pela minha
forca de vontade em bem servir ao publico
e em obdecer a V. Exc. Revma.
Deus Guarde a V. Exc. Revma. como
mister, para o I era da igreja Pernambu-
cana. Macei 8 de margo de 1865.O pa-
dre, Manoel Amando das Dores Chaves.

A provincia das Alagoas foi desmembrada
da de Pernambuco em 1818, da qual at
entao era apenas urna simples comarca; mais
o decreto que a elevou a cathegora de pro-
vincia no quebrou os lagos que prendiam-na
a esta, a quem ficou sempre sujeita, alm
de civil e judicial, religiosamente; porquan-
to contina a ser parte integrante do hispa-
do de Pernambuco.
Nao se pretende entrar era-ampios deta-
lhes geograpbicos e topographicos, plano
alheio ao nosso intento, e superior as uossas
forcas; diremos sempre, per accidens, que
a 8tuagao da provincia das Alagoas demora,
segundo alguns entre 9 e JOgruse meio
de latitude sul, e 37 a 39 grus e 50' de lon-
gitude a ste (meridiano de Pars) sendo de
50 a 60 leguas 9 seu littoral, desde a barra
do rio de S. Francisco al a do rio Persinun-
ga, em raz3o das voltas e obliquidade da
costa.
A sua figura topographica, assemelha-se,
no dizer de todos a um compasso aberto
era triangulo, ficando a ponta inteira em
Persinunga, o eixo na foz do S. Francisco,
e a outra ponta pouco cima da catadupa de
Paulo ^ffonso, no mesmo rio de S. Fran-
cisco, onde a provincia de Pernambuco lhe
corta esta ponta.
Os limites da provincia das Alagoas s5o 1
menos justos,
principalmente na ordem parochial, onde tu-i O que teria silo de mira as horas mo-
do quer ingresso, e a qual vive aclualmen- notonas do deslente, nos longos dias do
te toda absorvida. desamparo, sen5ofraa poesa I
Comtudo o5o protrahindo o nosso fim,' Al ent5o tinha ella sido um folguedo,
reactando o nosso nico intento, a povoago um brinco infantil, innocente, um vagido ti-
desta provincia por um calculo aproximado mido e suave da alma, que anceava a luz,
actualmente d 270:7156 babitautes, segundo como urna borb Jeta prateada antes de rom-
0 importante trabalho do Ilustrado Sr. D". per achrysalida nocturna.
Thomaz de Bomflm Espindola, nasuageo-j Sem ter quem me fallasse, pedi poesia
graphia d'esta provincia, e os dados estatis- es seus amigos carinhos, um alent de es-
ticos que podemos colher, permiltindo-se- perangas, um orvalho para refrescar a aridez
nos dizer de passagem que nesta parte n5o do deserto em que me va.
ha censo verdadeiro nem cadastro estatisti- Ella, a irma dos tristes, a ?lma dos que
co na flxag3o de cinco deputados geraes que soffrem, como veiu terna, espontanea, com-
represento esta provincia. passiva para consolar-me I
divisao ecclesiastica. \ Cantava, como urna enanca, quando tem
as oito comarcas e quatorze villas que medo e p ocura esvaecer os vultos capri-
conlra esta provincia, se encerrara. 26 fre- c :osos que lhe voejam na pliantasia.
guezias, ^cannicamente instituidas, como Foi a poesa tambem que salvou o des-
melhor s ver no quadro abaixo descripto, gracado Jacopone, quando, abalado pelos
e no qual se registra tambem cada urna das desastres da vida, errando pelas ras des-
comarcas e villas em que ficam encravadas vairado e doudo, apupado da peble, perse-
as mesmas freguezias, por maior clareza, guido, veiu bater as portas de um mostei-
Comarca de Macei. ro, d'onde igualmente o repelliam.
A cidade de Macei e a villa do Norte, Foi ella que lhe deu a paz da celia e a
comprehendem :A freguezia de Macei, serenidade da contemplago.
sob a invcago de Nossa Senhora dos Pra-j Oh santa e divina poesa, bem hajam os
zeres. que choraram porque te descobrirara e trou-
A de Ipioi a, sob a invcago de Nossa xeram vida, como urna perola nunca vista
Senhora do O', do rio Meirim, no mesmo trazida do fundo do ocano 1
" A^'sata^S do Norte, na villa do Bem hajam os que ainda chorara porque
mesmo nome te 8Mrdam era si, como urna vestal sollic.ta
Comarca do Porto Calvo. aleando continuamente a labereda do altar !
A Villa de Porto Calvo e villa do Passo de **m hajam os que h5o de v.r para sof-
Camaragibecomprehendem-A freguezia de frer,em- RW ?os comprehenderao sen-
Nossa Senhora da Apresentagao, na villa de lmdo-se all.v.ados f
Porto Calvo. Andava pela cidade sem destino, vagabun-
A deS. Bento no mesmo municipio. 'do ; eu mesmo a cpmprar o alimento para
A de Nossa Senhora da Gloria, na povoa- 0 au, e enojava-me esta guerra mesquinha
g8o de Porto de Pedras, municipio do Passo j e vil do pequeo coramercio para os que
de Camaragibe.
A de Nossa Senhora da ConceigSo, na vil-
la do Passo de Camaragibe.
Comarca das Alagas.
A cidade das Alagas com a villa de S.
I ebegam incautos, inexperientes.
Os fundos, e bem poucos que eram iam-
se reduzindo de dianpara dia ; esteva qua-i
sem dinheiro, e com um orgulho e altivez
incrivel para affrontar o futuro.
Enrolado, dentro de urna gaveta, tinha
um manuscripto, que escreveri para distra
hir-me na solidab das minhas horas.
Quando me lembrei d'elle. comecei, en-
t5o a dar-lhe o valor que at all n5o conhe-
cia a necessidade, que se a prxima va a
cada instante, fazia-me procurar n'elle te-
das as esperangas.
Pobre manuscriplo *^
Quem o poder entenae-, quem dar
dinheiro por essa- paginas sem sentido, que
a ninguem tocara e que nem ao menos fa-
zem rir ?
Demais,^ elle eslava esenpto com urna
letra intelligivel, enterlinhado e sublinhado,
em um papel repassado de tinta amarella,
que mal se percebia.
Quando me vi quasi sem dinheiro por-
xa infer, tornei a enrolar o manjjsoripto,
mettio-o debaixo do brago, e sahi.
Passava pela porta dos editores e nao me
atreva a entrar: tinha medo que me insul-
lassem com um riso de escarneo por me
verem lao crianga, e j cora pretenges a
autor.
Guardava sempre para amanli5a a extre-
ma resolugSo, e tornava a trazer o livro pa-
ra casa e fecha-lo na gaveta.
Nao imaginas que horas de tormentos !
Eu tema que me levassem com um riso
todas as minhas esperangas, e me conven-
cessem com argumentos assim da minha
nullidade ; bem conhecia o que me haviam
dizer, previa-o, cheguei a escrever a res-
posia que os editores me dariam.
O seu manuscripto nao tem leitores ; nao
e um romance nem um cont ; tem algumas
paginas excellentes, mn nao pode dar lu-
cro de maneira alguma.
Era esla a resposta que eu anticpava,
para me nao doer tanto depois, quando a
reeebe^se.
Umdia, o ultimo, sahi a tremer com o
manuscripto.
Oh meu amigo, para que te hei de fallar
oestes cousas ? Nem eu quera chegar a
este ponto, qua ido te prometti contar a his-
toria d'e-isa mulber, que tu conhecias me-
lhor do que eu.
N'esse dia, comecei a sentir povoar-se-
me a soledade da vida, mas com outras do-
res, desesperances novas.
Nos primeiros mezes que passei n'aquella
cidade, tinha lido e estudado desesperada-
mente ;a meditago fra o refugio do tedio,
mas era como um abutre que me lacerava
as entranhas.
Vi-a 1
Leve, delegada, divertida, oldindo para
todos, com urna graga encantadora de in-
fancia, com urna gentilesa de senhora, con-
fundida pelo meio da plebe, sorrindo para
o que a fltavam.
Foi um d'esses sorrisos que me levou a
alma presa.
Que lula obstinada e escura dentro desta
pobre alma! o estudo e a paixo debatiam-
se, aroavain, procuravam mutuamente sup-
plantar-se. Eu tinha acabado de lera No-
tre Dame de l'aris e acha-a em mim nao
sei que analogas sinbtras com Claudio
Frollo.
A Notre Dame de Vctor Hugo e a rosa
emurchecida, que rejuvenesce ao jol do
myst'cismo, a Turris ebrnea por quem
o poeta se apaixona no sublime delirio da
arte.
Claudio Frollo o desgragado arcediago
deixou tambem correr tranquilla a mocida-
de no retiro do estudo, depois, a Esmeral-
da enfeitiga-o, no voltete vertiginoso das
pragas.
S5o duaspaixesque se combatem.
Qual d'ellas triumpbar ?
A f italidade do impossivel ?
Eu nao conhecia o labyrinto de ras da
cidade populosa e immeosa.
la em busca delta sem saber para onde :
encontrava-a quasi sempre por urna coinci-
dencia fatal.
De urna vez lembro-me ainda, foi quan-
d a vi mais bella do que nunca, mesmo do
! que todas as mulheres : eslava confundida
entre a multido, que a abafava na sua on-
da ; mas para mim realgava tanto como um
carbnculo que reflecte em si a luz de to-
dos os cirios. Via-lhe da expressSo ln-
guida e curiosa a alma de lo las as almas dos
que a cercavam.
O povo amontoara-se para ver subir aos
ares um balo.
Era um dia de alegra e de festa ; quando
a descobri, eslava com os olhos erguidos
pa a o co.
Oh se ella soffresse, se implorasse a
Ddus urna con blime e radiante.
O que a fjzia coafuuiir o azul dos seus
olhos com a limpidez do firmamento era a
curiosidade de crianga.
E contemplava o balo que subia, alheia
vozeria da gentalha.
Desejaria elevar-se tambem s alturas, e
emito eslava scismand > no devnete desse
desejo ?
Quem sabe os caprichos que passam
pela alma de urna mulher ?
Quem pode conlar todas as ondas que faz
urna brisa prepassan lo levemente flor das
aguas ?
Quem pode dizer como se formam todas
as visiculas da espuma alvejanle que se des-
faz ?
Quando baixou os olhos trra, deu com
os meus, que a contempla vam. sorriu-se.
Oh como aquello son iso me faria es-
quecer todos os pezares, me daria coragem
para todas as lutas, me insuflara alent para
os mais in-iuditos esforgos, se ella se nao
sorrisse assim para todos.
Para todos I
E' este egosmo do senlimento que gera
os nossos males, e exacerba a mais ter-
rivel das paixes, a mais selvagem e vil que
s grande pela loucura.
Eu 'tinha ciumes de todos, porque ella
sarria prodiga de encantar, tanto para os
que passavam indifferentes, como para o
que a contemplava com o d-sinteresse com
que se olba para um marmore antigo e ado-
ravara a sua morbidez de Madona. como
para aquelles espirites baixos e abjectos
que a fltavam desassombrados, preocupa-
dos de um desejo saminto e estupido de
sensualidade.
Crianga e indiscreta, seria a innocencia
que a fazia sorrir para todos, como urna
borboleta que va de flor em flor, ou como
urna rosa que embalsama de perfumes to-
das as viraces que passam ?
Eu nao sabia e tinha medo da verdade.
O amor Iriumphra completamente do
estudo.
A verdade que procurava incansavel no
ardor das vigilias, agora j me nao mostrava
os mesmos encanto;.
Queria que se escondesse, que se no.dei-
xasse locar por mim, como arcano divino.
Queai pudesse vi ver sempre illudido !
Oh verdade verdade! para que vens
agora, que le nao busco acordar-me to ce-
do do sonho douradu ?
A mullida) dispersou-se ao vir da noute ;
e fui seguindo para onde ella habitava.
la perdido a distancia, sem conhecer as
ras; a pequea distrahida como por des-
cuido olhava para traz. )
Depois que soube onde morava, procura-
va a cada inflante ve-la: havia urna falali-
dade que me atirava para essa mulher.
S, no meio de urna cidade grande, des-
conhecido, amava a perdigo, e sentia-me!
arrastado, sem ter ao menos um Tiberge
que me salvasse, como o amigo do infeliz
Des Frieux.
O futaro! nem j poda ve-lo, com a ver-
tigem que um olhar fascinador me causava;
apagava-se esse ideal que me dera tantas
vezes coragem nos transes e provages da
vida.
Ria-me do futuro.
E que o futuro ? De que me vale pre-
para-lo. consumindo a vida, se me foge an-
tes de o gosar ?
Viver obscuro embora n'uma mansar-
da, mas ler um dia, ao menos, amis pe-
quea realidade de tantos sonhos Ter que
apalpar entre as vises brilhantes, sem cor-
po, e que nos raantem sempre.
Viver obscuro I Que haver melhor,
quando se tem ao lado aquella que se ama
e resume todas os encantos e riquezas do
mundo na mais pequenina de suas faltas ?
Sentia-me escorregar lentamente para o
precipicio ; a paixao dava-me urna lucidez
com que explicava a loucura e a justificava
diante da consciencia que me aecusava de
istinctos baixos, sem dignidade. Appare-
cia-rae janella todas as tardes, sentava-se
all e costurava.
Tinha um orgulho indisivel ao lembrar-
me que de entre todo aquelle bulicio de
gente desconhec da, havia urna mulher que
pensava em mim e me esteva esperando.
O amor.tornava-me tmido ; queria fal-
lar-lhe e nao sabia : pedi ento poesa que
fallasse por mim.
Para um amor puro, elhereo, que se es-
conde e nao se atreve a declarar-se, nada o
exprime melhor no seu vago do que um so-
neto.
Esiude esta forma, a mais completa das
formas lyricas.
Elevado como a ode, melifluo e simples
como o madrigal, sentencioso como o epi-
gramma, a synihese de todas as formas
do lyrismo.
Como o nao desenvolveu o genio da Ita-
lia, as suas elevages erotico-mysticas.
as duas primeiras strophes do soneto, o
sentiment revela-se pela imagem, occulta-
se sob ella como indefinido, inlangivel; o
predominio da imagem tem a quadra. forma
livre para as representages do mundo ex-
terior.
Depois que o sentimeoto se mostra no
seu explendor absorvendo em si todas as po-
tencias d'alma ; o terceto, que o revela,
numero fatdico, que se imprime mysterio-
samente em todos os fados do espirito.
Do accordo entre a imagem e o senli-
mento, provm a diversidade das formas
poticas Se a imagem se mostra na sua
complexidade finita, a poesa tem um carc-
ter didctico e descriptiva ; se o sentimento
se sobreeleva imagem e se manifesla na
sua subjectividade, eiso lyrismo puro.
E' por isso que o soneto a forma mais
completa do lyrismo.
Santilicam-no Dante, no retrato do amor
ideal, na Vita Nuova ; Petrarcha exaltando
0 amor religioso de Laura na solido de
Vauclusa : Miguel Angelo, esse Protheu que
encarna todas as formas do bello, e Viltoria
Colonna, confidenciando ambos com os so-
nhos da arte, de um modo que ninguem
comprehendia o seu platonismo radiante.
E" tambem nos sonetos religiosos de Lope
de Vega, que se conhece a profundidade de
sua alma sensivel, e nos de Camoes, que se
aspira o perfume da saudade de seus
amores.
Esquecia-me a discorrer sobre o soneto
para evitar o rediculo de ter assim cantado
ese desvario.
Eu a va todas as tardes janella ; tinha
a seu lado um passarinho, qm saltitava,
chilr ando contente, para quem fallava,. di-
zendo o que queria que eu ouvisse.
Como nao perceberia elle estes segredos
de amor, quando o eslava embalando com o
seu canta/ soffrego. tremente.
De urna vez atirei para dentro da janella
este soneto que traduzi do hespanhol de
L pe de Vega.
Nao ha expressoes humanas que possam
dizer mais.
Dava alimento a um passarinho um dia
Lucinda, e pela estreita portinhola
Foi-se-lhe a ave das grades da gaiola
Ao vento livre, onde a cantar vivia.
Entre rindo, a mosinha ella eslemba
Para o susler ; na dor que a desconsola,
Diz (pois como a vergontea se eslila
Sem luz, sua face a pallidez tingia).
Onde vas ? Porque deixas este ninho
1 Que de frouxel leceu a doce amiga,
Que a brincar com teu bico se enamora ?
Ouviu-a enternecido o passarinho,
Bate as azas para a priso antiga,
Que tanto pode urna mulher que chora.
l)isseram-me.... nem en sei o que rae
disseram. Fra a mi, a mesma que a suste-
ve nos joelhos quando a alirou vida e a
amamentou de seu leite, quem a arrojou
perdigo. Quem havia de adivinhar que sob
um ar de candura, que a cercava de urna
aureola divina, vergava urna alma oppressa
pelos insultos dos que lhe pagavam I
O que urna cidade grande I
Nao se devoram com os he ores da an-
tropophagia, msa vida, vai continuamente
alimendo-se da vida. Nao sei, nao posso
conlar-lhe tudo.
Um anno depois encontramo-nos ; o po-
bre rapaz esteva possuido novamente da
paixo dos livros.
Era urna anciedade de saber, nao menos
funesta, que o amputava para todos os gozos
da vida. Nao me atreva a fallar no antigo
amor ; tinha medo de acordar-lhe as agona
que estariam talvez j adormecidas.
De urna vez, eslavamos juntos, vi passar
a distancia urna rapariga, um typo raphae-
lico de candura, ia seguida por urna mulher
velha e tropega.
Era urna antithese que fazia pensar mnito.
Elle olhon-a e foi acompanhando-a com a
visla, com certa anciedad < ; depois, como
refriando pela reflexo,olhou para mim en-
vergonhado, crou e disse procurando es-
cander esta impresso repentina.
E' ella.
Nao comprehendi immediatamente ; fui
brbaro pedindo que me explicasse o mys-
terio dessas palavras intercortadas.
Elle apenas pode proferir urna, mas que
era o resumo de todas as dores e decpoces.
da comnaixo que anda senta, dn ideal a
aa tinha aspirado, da fatalidade a que tinha
suecumhido. Olhon-a. ella j ia longe de--
pois une a vin desapparecer, disse, contem-
plando ainda:
Urna ruina !
O que haver na poesia antiga que ex-
ceda este primor ?
Quem soube idealisar assim urna lagri-
ma?
Comprehen ieria ella a profundidade deste
sentimento ?
E sorna-se de cada vez que lhe enviava
novas confidencias, mas do mesmo modo que
sorria para todos.
Para todos !
Sempre esta idea infernal a envenenar-
me todas as horas da vida.
O poder das lagrimas que lhe descobri,
a fraqueza que vence todas as forgas, nao
tinha esse mysterio, quando as derramei ao
ver-me n, abandonado pela esperanga fa-
gueira, que fugira como o passarinho de
Lucinda.
S^he-sp T110 denos di sna ondemnngo.
escreven Mnller urna carta a sens pas.
Dma-SA me nessa carta alliHia elle ao
saii crim : mas n5o eva-fn. como se vai
vor nplalfinra della, qne proporcionamos
ao publico.
T.nnlne. Vpwirate. da nrwmi'ro rtp
lft mQW?A cnnWidos.rnm a mlfn tramilla
p com ft CTacTo MMrtiCtfftAn nfiCW na PPnna
nara Uips contar mais mmdampnfp a nv'nha
'lpserara. mp a fnnsprptpncia dn minha
rtp?^rip curso da mteha existencia.
F,' acora que au comnrehendo esta pas-
sagpm da Bih'h : N?o morrar vplho quem
nao honrar spii pai a sua mi. Desgra-
gadamente j e mnito tarde.
Todava amero qnp. amando-os pii tanto
como amo. nao me 'pnolliro agora, quando
todo o mundo contra mim.
Vnn explicar-Ibes o mais brevemente pos-
sivel como qne estn para reepher o golpe
da morte. que em verdade nao merecn.
En trahalhava com um sujeito chamado
Luis Wild e tornei conhecimento cora Garcia
Mathews. As consas chegaram a ponto de
pensar em casar com ella. Como tambem ti-
nha travado relaces com sen irmo Joo
Matthews.pedi a este que me comprass um
chapen. Este chapen a cansa da minha
morie, por en ter quebrado as minhas re-
lagoes com Garcia.
Em 9 de julho foi assassinado um domem
em um wago. Tiraram-lde o chanu. o re-
logio, e cadeia ; e no lugar desse chapu dei-
xaram nutro, que se parece em tudo com o
chapu qne Mathews comprara para mim,
Offereceu-se urna recompensa de 2,000 tha-
lers a quem podesse dar exactas informa-
ges,
Como sabem, eu tinha resolvido ha
muito lempo ir America. Em ^i dejunho
fui agencia pagar a minha passagem, e no
caminho offereceram-meum relogiocom ca-
deia. Provou-se depois, qne era o relogio
da pessoa assassinada em 9 de julho.
Embarquei para a America no dia 14 e
ch guei a Nova York em 24 de agosto, onde
fui preso, porque Joo Matthews me tinha
acensado daqu-dla nurte. e de l fui con-
diuido a Londres. Eu nao podia apresenlar
o homem que me vender aquelles obje :tos,
Matthews jurn que o chapu achado n car-
ro era o msmo que elle tinha comprado
para mim em i 4 de novembro de 1863.
Quzeram que eu dissesse onde esteva
em 9 de julho e o que tinha feito ; e as tes-
tera'inhas disseram qne nao se lerobravam
por ter passado mnito lempo. Por isso en-
tenden-se que eu eslava culpado e fui con-
demnado morte. Mas Deus Omnipotente
sabe que estou innoce te, por isso morre-
rei em paz.
Agora, que Ihes tenho ja dito tudo, con-
cilio a minha carta dizendo-lbes para sem-
pre.
A minhr vida chega at 14 de novembro, e
apresso-me a escrever-lhe para mais bre-
vemente ficar tranquillo, o que nao pode
ser seno quando eu tiver a certeza de que
me perdoam de todo ocorago, o que espe-
ro que nao me recusarlo.=Seu affeigoado
filh > e irmo, Franz Muller, que fui vendido
como escravo em Londres por Joo Mathews
pela quantia de 2,000 tbalers.
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. 4 r'ILHO
^
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZY96BBA0_7CCJF6 INGEST_TIME 2013-08-28T02:03:45Z PACKAGE AA00011611_10676
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES