Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10675


This item is only available as the following downloads:


Full Text
s
\
AKMO m WDMERO m
Por qiarlel pago dentro de 10 das do \. mti t :
dem depois dos 1." 10 dias do comecoe dentro do quartel. .
Porte ao correio por tres mezes ..*.,.,..,..,
5JQ00
61000
750

DE
ENCARREGAD03 DA SUBSCRIPQO DO NORTE
Parahyba, o ?r. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaqoim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fillios i Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPGO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claodino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Mirtins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Hibeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacoes da via Terrea at
Agoa Preta, lodos os dias.
Iguarass e Goyanna as segunda? e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito,Caruar,
Allinho, Garanbans, Buique, S. Bento, Bom
Consellu\ Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Piod'Alho, Nazareih, Limoeiro, Brejo, Peequeira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oaricury, Salgueiro e Exii, as quartas
feiras.
[Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
b ora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDES DjO MEZ DE MAIO.
2 Quarto cresc. a 1 h., 44 m. e 4(5 s. da t.
liO La cbeia as 6 h., 3 m. e 22 s. da t.
18 Quarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
124 La nova as 8 h., 29 m. e 45 s. da t.
TERCA FEHtA 23 DE MAIO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 dias do 1. mez ,,,.,. 19$000
Porte ao eorreio por um anno ,......., 3J00
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jolzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas e sextas ao mero
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados af
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
22. Segunda. S. Rita de Cassia viuv.
23. Terca. S. Basilio are.; S. Desidero b. m.
24- Quarta. Ss. Pelagia, Suzana e Afra mm.
25. Quinta. ega Ascensao do Senhor.
26. Sexta. S. Felippe Nery; S. Elenterio p. m.
27. Sabbado. S. Joop. m.; S. Ranulfom.
28. Domingo. Ss. Senador, Podio e Justo bb.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 54 m. da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Pernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propretariffs Manoel Figneiroa de
Faria & Filho.
PARTE OFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
LE N. 621.
Antonio Borges Leal Castello-Branco, prndente
da provincia de Pernambuco.
Fago saber a todos os seus habitantes, que a as-
sembla legislativa provincial sob proposta da c-
mara municipal da villa de Cimbres decreta as
seguinles posturas :
Art. 1. Fica prohibida a venda de agurdenle,
ou de qualquer outra bebida espirituosa aos escra-
vos, sem licenga escripia de seus senhores; os in-
fractores soffrerao a mnlta de 10*.
Art. 2. Todo o taberneiro, ou outra qualquer
pessoa que vender agurdente, ou qualquer outra
bebida espirituosa pessoas que j esliverem em-
briagadas, soffrerao a mulla de 5j.
Art. 3." Toda a pessea que abrir casa de nego-
cio ser obrigada a tirar licenga, por urna svez
para cada estabelecimento, sob pena de 4*000 de
multa.
Art. 4.* Todos os que comprarem ou venderem
fazendas ou gneros, que devam ser medidos ou
pesados, devero ter os pesos e medidas de que se
servirem, aferidos dentro do anno financeirq, e de
conformidade com o paflro da cmara ; os infrac-
tores pagaro a multa de 10*000, e soffrerao 5
dias de prisao.
Art. 5. Aquellos, cujos pesos ou medidas, de-
pois de aferidos ou revistos, se acharem inexactos,
alm da multa de 45000, soffrerao 2 dias de prisao
e o duplo na reincidencia.
Art. 6." O aferidor que aferir pesos ou medidas
por mais do marcado no padro da cmara, negar-
se a razer sem demora a aferigao ou revista que
he for pedida e nao documenta-la, sera' multado
em 105000.
Art. 7." O aferidor nao lara' aferigao de pesos
que levarem accrescimos por argolas ou ganchos,
qoe se possam tirar, fazendo no bilhete da aferi-
gao que passar, mengo do peso que accrescer, sob
pena de 4*000 A mesma disposigao se faz ex-
tensiva as balangas que para se equilibraren! for
necessarto se juntar tara, que sera' adherida ou li-
gada a balahga.
Art. 8.- Os donos de balangas e pesos que na
revista forerh achados sem tara pelo aferidor, se-
ro multados em 5*000.
Art. 9. O padrao de medidas e pesos adoptados
pela cmara municipal o das medidas de 8 t-
gellas de taroanho regular, e o de pesos, o de 800
ris; os infractores sero multados em 4*.
Art. 10. Todo o mscate, boceteira, ou qualquer
pessoa que vender a retalho fazenda ou miudezas
de qualquer qualldade, sera' obngado a ter aferi-
do a vara e o covado ; o infractor sera' multado
em 4*; morando o mscate ou boceteira em ou-
tro liisiricto, era por isso deiiara' de estar sujelo
a' rerenon ^m. -v nnr.acasp nSo mostrar bilhete
do respectivo aferidor. .....
Art. 11. A cmara fornecera esenrraes que fo-
rem precisos, para se recolherem os gados desii
nados a' malanga para consumo, pagando o dono
des gados 40 rs. por cada rez.
Arl. 12. Todo aquelle que derrubar arvore ou
matos sobre os caminos, sem que i inmediata men-
te os faga desembaragar, sera' multado em 4*.
Art. 13. Os proprietarios de trras, rendeirosou
oreiros, sero obrigados a rogar cada um as es-
tradas de suas comprehensoes, de modo que as
conservera sempre limpas, desembaragadas de ma-
tos, ramos, paos atravessados ou cahidos, ou outro
qualquer entulho, escavago que prlvem o transito
publico, devendo as referidas estradas ter a lar-
gura de vinte palmos, e serem rogadas no mez de
junho de cada anno ; os infractores soffrerao a
multa de 105 e c duplo na reincidencia.
Art. 14. Ficam revogadas as disposigoes em
contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execugao da presente resolugao
periencer, que a curapram, e fagam cumprir to
inteiramente como nella se contm. O secretario
dogovernodesta provincia a faga imprimir, publi-
car e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos a de
maio de 1865,44 da independencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Caslelle Branco.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 9 de
maio de 1865.O secretario do governo.
Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl.da IWro 7" de leis provinciaes. Se-
cretaria do governo de Pernambuco, 9 de maio de
1865'. O escript-rario da 4' secgao,
Theodoro Jos lavares.
LE N. 622.
Antonio Borges Leal Castello Branco, presidente
da provincia de Pernambuco:
Fago saber todos os seus habitantes, que a as-
serabla legislativa provincial decretou e eu sanc-
cionei a resolugao Agtate :
Art 1. Fica o presidente da provincia aulon-
sado a conceder um anno de licenga com todos os
vencimentos e para gosarem-na onde Ihes convier,
ao professor de geagraphia e historia do Gymnasio
Provincial, bacharel Antonio Rangel de Torres
Bandeira e ao empregado da secretaria da prest
dencia, Antonio Annes Jacome Pires.
Art. 2. Fica igualmente autorisado o mesmo
presidente a conceder ao empregado da thesouraria
provincial, Alexandre Americo de Caldas Braodo,
e ao professor publico da villa do Granito, Jos
Peixoto e Silva, seis mezes de licenga, sendo a do
nrimeiro com todos os vencimentos e a do segun-
do com o ordenado para trtarera de sua saude,
cando este ultimo obrigado a deixar na cadeira
pessoa idnea que o substitua.
Art. 3. Ficam revogadas as disposigoes em con
trario.
Mando, portanto, todas as autoridades, a quem
o conhecimento e execugao da presente resolugao
pertencer, que a cumpram e fagam cumprir to
inteiramente como nella se contm. O secretario
do governo desta provincia a faga imprimir, pu
Micar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 16 de
maio de 1865, 44* da independencia e do imperio
L. S.
Antonio Borges Leal Castello-Branco.
Sellada e publicada a presente resolugao nesla
secretaria do governo de PernambHce, aos 16 de
maio de 1865. _
O secretario.Dr. tranetsco de Paula Salles.
Registrada a folhas do livro 7 de leis provin-
ciaes. Secretaria do governo de Pernambuco, 16
de maio de 1865. ,
O escripturario da 4 secgaoTheodoro Jos Ta-
rares. ...
Expediente de da it d maio de 186$.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia da Para
hyba.Constando de offlcio do delegado do termo
de Ingazeira de 20 de margo ultimo, junto por co-
pia, sob n. t, que pelo juiz municipal do mesmo
termo foram despronunciados os individuos cons-
tantes da pronuncia e despronuncia por copia, sob
D. 2, em processo instaurado pelo crime de redn-
rir escravido a urna mulher livre de non Aa-
gelica, que fui vendida nessa provincia, rogo a V.
Exc. que se digne providenciar em ordem a que
seja restituida mesma Anglica a sua liberdade,
e ministrados os esclarecimentos tendentes ao des-
cobrimento e punigio dos autores Qaquelle
crime.
Dito ao coronel comraandante das armas.D
V. S. suas ordens para que s pragas do 2 corpo
de Voluntarios da Patria, Alberto de Brito Caval-
canti, Lourenco Bezerra de Espindola e Francisco
Pereira Maciel, sejara entregues fardamentos
ames.
Dito ao mesmo.Queira V. S. informar sobre a
falla que me consla ler havido de tambor ou cor-
neta na guarda do palacio da presidencia, visto que
est a cargo desse commando de armas o detalhe
do servigo da guarnigo nos dias uteis, segundo
declarou o commandante superior da guarda na-
cional do Recife em offlcio de 16 do corrente.
Dito ao mesmo.Remello incluso o requer men-
t que me enderegou Francisca Maria do Monte,
para que V. S. se sirva de Informar em que data
assentou praga no 1 corpo de Voluntarios Joo
Paes Francisco, filho da supplicante; porque razio
deixou de acompanhar aquelle corpo; se alguma
reclamago foi por elle feita contra o constraogi-
mento, que se allega no mfismo requerimenlo ; fi-
nalmente, se pelo desenvolvimento physico desse
voluntario pode suppor ter a idade legal.
Dito ao Dr. chefe de polica.Em vista de que
solicitou o commandante do corpo de polica, em
offlcio n. 309 de 11 deste mez, mande V. S. remo-
ver da prisao em que se acha no quarlel do mesmo
corpo para a casa de detencao, o soldado Antonio
Francisco da Silva, de que tratam os offlcios de V.
S. n. 684 e 701 de 12 e 13 do corrente.Coramu-
nicou-se ao commandante do corpo de polica.
Dito ao mesmo.Participando-me o delegado de
Ingazeira, em dala de 20 de margo ultimo, ter le-
vado ao conhecimento de V. S. que pronunciou
prisao e livramento, os individuos constantes da
pronuncia jaita por copia, pelo crime de reduzir
escravido urna mulher livre de nome Anglica,
que fui vendida na provincia da Parahyba, recom-
mendo a V. S. que se dirija ao chefe de polica
daquella provincia, para quo proceda as deligen-
cias necessarlas, afim de ser restituida mesma
Anglica a sua liberdade, e ministrados a V. S. to-
dos os esclarecimentos tendentes ao descobnmento
e panigao dos autores do crime, visto como pelo
juiz municipal foram despronunciados os indivi-
duos que haviam sjdo pronunciados pelo referido
delegado.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
Recommendo a V. S. que em vista do recibo junto
em duplcala, que me remetleu o coronel comman-
dante das armas, com offlcio de hontem, sob n. 879,
mande pagar ao lente do corpo de polica. Ma-
noel Germano de Miranda, a qnantia de 15*000,
despendida com o fornecimento de luz para o quar-
tel das Cinco-Pontas, durante o tempo que ali per-
rraneceram sob seu commando os Indios de Cim-
bres, podendo esse pagamento ser effectuado sob
^ea^nT^mulLJf iMTHllll JUlll'
dante das armas.
Dito ao mesmo.Tendo o lente coronel direc-
tor da aldea de Panema, Luiz Paulino de Hollanda
Valenga, apresenlado nesta cdade 31 voluntarios,
fazendo com elles e a sua custa nao pequeas des-
pezas ; e devendo voltar para continuar a prestar
(o patriticos serviros, precisa para poder reali-
sa-los ser auxiliado com o adiaotamento de 700*,
para as despezas fazer com os voluntarios que
houver de obter, por Isso aotoriso V. S. a mandar |
entregar-lhe sob minha respensabilidade e sem
anga a mencionada qnantia.
Dito ao mesmo.Intelrado do contede do offl-
cio que V. S. me dirigi hontem, sob n. 343, tenho
a dizer em resposta, que mande pagar integral-
mente a qnantia de 15*000, a que tem direito Jos
Francisco Thoroaz do Nascimento, por haver apre-
senlado 3 voluntarios aptos para servirem na ar-
mada, visto nao estar provado que houvesse m f
da parte delle, apresentando outros dous que foram
julgados incapazes do servigo, e com os quaes gas-
tou-se 11*000.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Ac
cuso recebido o offlcio de hontem, e sob n. 195, em
que V. S. me participou haver Francisco de Mi-
randa Alves Varejao, dando por iador o commeo-
aader Manoel Jos da Costa, arrematado com o abate
de 2 por cenlo, no prego do respectivo orgamento
a obra dos reparos da estrada do Pprto de Gali-
nhas, e em resposta tenho a dizer que approvo
essa arrematago.
Dito ao mesmo.Declaro a V. S., para seu co-
nhecimento e lim conveniente que, de conformida-
de com o que solicitou o Dr. chefe de polica em
offlcio de hontem, sob n. 721, deve ser entregue a
Simplicio Jos de Mello, e nao a Theodorico Xisto
Rodrigues, a quantia de 271*800, de que trata o
meu offlcio de 11 do corrente, relativamente as
despezas feitas com o sustento dos presos pobres,
da cadeia de Cimbres, a contar de outubro do anno
prximo passado, at margo ultimo.Communi-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo De conformidade com o que
solicitou o Dr. chefe de polica em offlcio de hon-
tem, sob n. 722, recommendo a V. S. que, nao
havendo inconveniente, mande pagar a Antonio
Domiogues d'.Vmeida Poca-, a quantia fe 30*000,
despendida, como se v da inclusa conta, com o
sustento dos presos pobres da cadeia da cidade de
Santo Anio, durante o mez de abril ultimo.Com-
municou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Nao havendo inconveniente,
mande V. S. pagar a Thomaz de Aquino >lves a
quantia de 91*720, proveniente da lavagem da
roupa da enfermara da casa de detengio durante
os mezes de fevereiro at maio corrente, como se
v da conta junta em duplcala, que me remellen
o Dr. chefe de polica com offlcio de hontem, sob
n. 719. Dommuoicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Dito ao comraandante superior da guarda na-
cional do Recife.Expega V. S. suas ordens. nao
s para que um dos corpos da guarda nacional sob
seu commando superior, preste urna guarda de
honra para assistir a festa do Divino Espirito San-
to, que deve ter lugar no dia 4 de junho prximo
vindouro, na igreja do eollegio, mas tambera para
que urna brigada acompanhe naquelle dia a tarde
a procisso que tem de sahir da mesma igreja.
Dito ae commandante superior da guarda na-
cional do Cabo Em vista do que representou V.
S. em offlcio de 11 do corrente, com refencia ao
lenente-coronel Jos de Moraes Gomes Ferreira,
tenho a dizer-lhe em resposta, que estando este
nomeado chefe de e-tado maior desse commando
superior, por decreto de 20 de fevereiro de 1864,
como consta de participagao da directora geral da
secretaria de estado dos negcioj da jusiiga de 27 do
mesmo mez e anno, faga-o V. S. entrar em exer-
cicio e remelta-me a sua patente, aflm de ser apos-
tillada naqnella secretaria de estado.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional do Po-d'Alho.Expeca V. S. suas ordeus
para serem dispensados do servigo da guarda na-
cional Olegario Jos Peixoto, Manoel Noya de Car-
valh e Joaquim Damasceno Marrano, emquanto
estiverem empregados o i* no lugar de administra-
dor do cemiterio publico dessa villa, O T e 3* nos
de fiscal da respectiva cmara municipal.Com-
municou-se a prediia cmara municipal.
Dito ao commaadaate superior da f uarda nacio-
nal interino do Bonito.Inteirado do conteudo do
offlcio de V. S. de 15 deste mez, relativamente aos
guardas nacionaes que tem de destacar em defesa
do imperio, tenho a dizer-lhe em resposta, que me
remella urna lista de todos os guardas1 do munici-
pio do Bonito, designados para aquelle servigo, afim
de providenciar-se a tal respeito como f&r conve-
niente.
Dito ao director do arsenal de guerra.Determi-
nndolo Exm. Sr. ministro da guerra em aviso de
6 do corrente, que se nao fornegam mais ao corpo
de guaroigao da Parahyba que se acha na corte o
fardamento que se mandou apromptar para o mes-
mo : assim o communico a V. S. para seu conhe-
cimento e exeengo.
Dito ao mesmo.Mande V. S. admiltir na cora-
panhia de aprendizes desse arsenal, depois de- sa-
tisfeitas as disposigoes do art. 4 do
de 3 de Janeiro de 1842, o menor PeJro que, Ihe
ser apresenlado por parte do Dr. Cypriano Fene-
lon Guedes Alcoforado.
Dito ao mesmo.-Mande V. S. pdr a disposigao
do Dr. chefe de polica como este solicitou em 15
As carias cora enderego Italia e aos Estados
Pontificios pagam 430 rs. por peso de duas oitavas
ou fraegao d'ellas ; e a Tunes, Malla, Grecia e Ale-
xaodria do Egypto 540 rs. por igual peso. Os jor-
naes e impressos de qualquer natureza, porm,
para a primeira ordem de direegao sao porteados
em 52 rs. por onze otavas ou fraego d'ellas ; e
para a segunda em 100 rs. por peso da mesma
quanlidade.
Alm disto o porte das cartas facultativo, mas
o de jornaes obrgaturio, podendo se segurar
quer as cartas quer o* jornaes.
oeiras Comraunicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ae cormadante do corpo de polica.Aos
alteres do corpo sob seu commando, Herculano
Pereira Caldas Jnior e Leodegario Liberato Pe-
reira Caldas, que se acham respendendo a conse-
Iho de julgamento, fica concedida por menagem
revista da guarda nacional do muoiipio de Carua-
r. Responden!) ao offhio que rae dirigi ocon-
selho de revista da guarda nacional do municipio
de Caruar era dala de 26 de abril prximo (Indo,
tenho a dizer-lhe que, estando j reunido o referido
conselho, deve este tomar conhecimento de todos
os recursos interpostos, embora nao tenham func-
conado segunda vez os conselhos de qualieaco
da mesma guarda nacional.
Portara.O presidente da provincia resolve no-
mear ocidadao Eduardo Sereriano de Almeida Cv
tanho e o oaete Joaquim Agripino Furtado de sien- ,
doea paraoceuparera provisoriamente, o primeiro Por falta de numero de senhores deputados
o posto de capitao e o segando de alteres do segn-; nao funecionou hontem a assembla provincial,
do corpo de Voluntarios da Patria.Fizeram-se as
Docenaria communicagoes.
DitaO presidente da provincia, resolve nomear
regulamento o capuo do corpo de polica Francisco Antonio de
Sa Brrelo para o posto de major do mesmo corpo
e bem assim para capilao da segunda companhia
o lente lanoel Germano de Miranda.-Commu-
nicou-se a thesouraria provincial.
Dita.O presidente da provincia resolve nomear judicando assim a sade dos
para oceupar ra.
capito do segundo Importa que a autoridade competente preste
do cerrente, pata serem remeltidos ao delegado do! o bacharel Amaro Xavier de Moraes
Rio Formoso 80 carluxos embalados e 16 peder-1 provisoriamente o posto le
Come^ou hontem perante a directora geral
da inslrucgao publica o concurso para o provimen-
to das cadeiras vagas de instruego elementar do
sexo feminino.
Chamamos a atiengao do Sr. fiscal do Recife
para a ra dos Guararapes em fra de portas, que,
com as chuvas torna-se intransitavel, ficaodo, mui-
tos dias depois d'ellas, as aguas all estagoadas, pre-
moradores d'aquella
corpo de \ oluntanos da Patria. Fizeram-se as sua atiengao a um jogo de bolas que ha na ra do
necessanas communicagoes. Brum, os amantes de semelhante divirtimento en-
una.o presidente da provincia, tendo em con- commodam at alta noite aloda a visinhauga. Alm
siJeragao a proposla do director geral ioterino da disto ahi alguns individuos vao perder nos sabba-
rastruegao publica de 18 do corrente, sob n. 151, dos o dinheiro que ganharam durante a semana
Manoel Vieira de Fontes Feitosa, com um jogo da banca, que dura s vezes at ama-
isto de porta fechada para nao serem
esta cidade : como ponderara no requenmento \ para reger interinamente e mediante a gratillcaco nhecer, e"
sobre que versa a sua informagao de 13 do cor-janoual de 600*000 a cadeira de instruego prima- vistos,
rente, o que V. S. Ibes fara constar.' i ra de Fazenda Grande, que se acha vaga. Com-
Dito ao mesmo.Aotoriso V. S. a dar baixa ao municou-se ao director geral.
soldado da secgao urbana do corpo de seu com-; Dita.O presidente da provi
presidente da provincia, atteodendo ao
mando, Joaquim Adolpho Pereira Mairalbes, visto; que requereu o soldado da 4- companhia do corpo
que, segundo a sua Informagao n. 333, de 17 do (de polica, Joao Ramos da Luz, que em inspeccao de
corrente, foi considerado incapaz do servigo era
inspecgo de saude.
Dito ao engenneiro Gervasio Rodrigues Cam-
pello. -Tendonomeado V. S. para com o engenhei-
ro Jos Carneiro da Rocha, examinar se a obra do
aterro da ra do Lima, e de que arrematante An-
dr de Abreu Porto, acha-se concluida de confor-
midade com o orgamento Junto per copia, devendo
tambem assistir a esse exame o chefe interino da
repartigo das obras publicas, com o qual Yv. Ss.
se devera entender acerca do dia em que ter iu
sade foi considerado incapaz do servigo, resolve
aposenta-lo com os vencimeotos que Ih'i compel-
rem pelo tempo de servigo que houver prestado em
dito corpo, de conformidade com o disposto no ar-
tig) 2 da lei provincial n. 276 de 7 de abril de 1851,
combinado com o artigo 3 da lei n. 436 de 26 de
maio de 1858.Fizeram-se as necessaras commu-
nicagdes.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o 1 sargento da 2* companhia do
corpo de polica, Theotonio de Barros e silva, que
gar o exame de cujo resultado me daro conta, as- em inspecgo de sade fel considerado incapaz do
sim Ih o communico para seu conhecimento e di- servigo, resolve aposenta-lo com os vencimentos
reegao.Expediram se as coraraunicag5es neces- que Ihe compelirem pelo lempo de servigos que
as- houver prestado em dito corpo, de conformidade
Dito ao vigano da freguezia de Ageas-Bdllas, pa-
dre Antonio Eustaquio Alves da Silva.A excep-
go dos individuos de nomes Antonio Ferreira dos
Santos, Alexandre Custodio dos Santos, Galdino
Jos da Silva, Thomaz Bezerra da Silva e Antonio
Pereira Ooga, chegaram a esta capital com o te-
nenie Lourenco Bezerra de Albuquerque Mara-
com o disposto no artigo -2 da lei provincial n. 276
de 7 de abril de 1851 combinado com o artigo 3 da
lei n. 436 de 26 de maio de 1858.Fizeram-se as
convenientes communicagoes.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
o que requereu Joo Agostinho de S Pereira, ar
rematante da obra di ponte de Itamarac, e bem
nbao, os demais voluntarios mencionados na reljassim a que a esse respeito inforraou o chefe inte-
go de que trata o offlcio de V. S. de 2 do corren. rio da repartigo das obras publicas em offlcio de
Agradecendo muito a boa vontade com que V. 13 do corrente, sob n. 140, resolve conceder ao
N.e.0 coronel Jos Afro de Albuquerque Maranhao nuoonado arrematante mais 35 dias de proroga-
de voluntarios, cabe-me ~Iouvat'aaTrfo%',poHft3'i fcw./^ii&ItfJujsao daouefla obra, a contar do dia
prova de patriotismo, e espero que conlinuarao gipeieale de secretarle do goreTT (nnmrTr
na honrosa tarefa de que acertadamente os in-
cumb.
Quanto as despezas de que falla V. S. no final do
outro offlcio seu de igual data, nao podendo o respec-
tivo pagamento ser effectuado se nao por meio de
dedugo no sold dos referidos voluntarios, deixo
por isso de manda-lo fazer, em vista da declara-
gao feita em o dito offlcio.
Dito a Thomaz de Aquino Cavalcanti.-Respon-
dendo ao offl io de V. S. do 1" do corrente, tenho
a dizer-lhe que com outros voluntarios viudos de
Agoas Bellas, acompanhados do respectivo subde-
legado, tambem chegaram os 5 que V. S. commu-
nica-me ter remettido pelo mesmo subdelegado.
Agradecendo rauito a boa vontade cora que pro-
cura auxiliar-me Ha acquisigo de voluntarios, es-
pero qoe continuar nesse louvavel e patritico
empenho-
Dito ao director da aldea da Assumpgo, Hono-
rato Honorio Ribeiru Granja. Ficando inteirado
pe offlcio do 1" de abril ultimo, dos bons sent-
raentos que o animam de auxiliar o governo na
desafronta dos brios nacionaes, cabe me louva-lo
por essa prova de patriotismo, esperando que en-
vidar os seus esforgos, afim de obter entre os In-
dios dessa aldea o maior numero possivel para
servirem como voluntarios da patria.
Dito ao director da aldea de Cimbres, major Joa-
quim de Carvalho Cavalcanti.Pelos Indios da al-
dea de Cimbres que aqu chegaram ante-hontem,
soube que boatos falsas e perniciosos alli eram
propalados como lira dedissuadir os ludios de se
apresentarem como voluntarios.
Chamo para isso a attengo de V. S., que tendo
aqui estado ha pouco tempo, pode fallar-lhes com
perfeito conhecimento de causa, e convence-los da
falsidade de laes noticias, consegrando assim, que
muitos se decidam a apresenlar-se como volunta-
rios, confio que V. S., em desempenho das r- com-
memlagoes que Ihe fiz antes do s u regresso, ter
empregado a sua influencia para enviarme o mais
brevemente pdssivel um bom contingente de vo-
luntarios ; e para melhor o conseguir deve quanto
antes reunir a aldea, expor-lhe a verdade, con-
vence-la da necessidade do seu auxilio e da im-
portancia e merecimento de sua exponlaneidade.
Os Indios Alberto de Brito Cavalcanti, Lourenco
Bezerra de Espindola e Francisco Pereira Macel,
acompanham o capito de Voluntarios Eduardo
Severiano de Almeida Catanho, dos quaes V. S. pe-
der auxiliar-se para melhor informar os Indios da
maoeira porque sao tratados aqui os seus cama
radas.
Dilo a Flix Alves Machado.Applau nJo mui-
to os bons desejos que nutre Vmc. de auxiliar o
governo na acquisigo de Voluntarios da Patria,
cont que continuar a empregar seus esforgos em
coadjuvar o director da aldeia de Panema no alis
lamento que vai novamente promover entre os In-
dios da mesma aldeia.
Ditoao Dr. uiz de direito de Flores. Informe
Vmc, ouvino o promotor publico dessa comarca :
1. se este recorreu do despacho de despronuncia
proferido pelo juiz municipal de Ingazeira, em pro-
cesso instaurado contra Manoel da Costa Nogueira,
seus irmaos Anastacio Jos Nogueira e Meno Fran-
cisco Nogueira, e Joo Pereira Lima e Antonio da
Rocha,pelo crime de reduzir a escravido a urna
mulher livre de nome Anglica, e no caso de nao
ter recorrido, quaes as razoes em que se fundou
para assim proceder ; 2. qual o resoltado do re-
curso se tiver sido interposto, dando Vmc. o seu
parecer sobre o procedimento do delegado proces-
sante, do do juiz municipal que despronunciou os
suramariades.
Dito ao juiz municipal da primeira vara desta
capital. Remetta Vmc. com toda a brevidade, os
mappas sobre prisoes, exigidos por circular desta
presidencia de 25 de Janeiro ultimo, pan cumpri-
mento do aviso circular do ministerio da jusiiga
de 2 do mesmo mez, que por copia Ihe fot trans-
mitido, relativo aos mates de Janeiro, fevereiro,
margo e abril ltimos, tacando na inlellgenca de
que a citada circular deve ser fielmente observada,
enviando Vmc. no Io- de cada mea o raappa das pri-
sSes decretadas no. mez anterior, independen te de
nova exigencia. Igual a todos os de mais juizes
municipaes da. provincia.
Dito ao pceaidant e membros do conselho de
de mi de 1865.
Offlcio ao coronel comraandante das armas.-O
Exm. Sr. presidente da p ovincia manda commu-
nicar a V. S. que o juiz municipal da 1* vara des-
ta cidade declarou, em offlcio desta data, ter man-
dado recolher a respectiva companhia o soldado
de cavallaria que eslava empregado em delgencias
do jury.
N. 191. Dilo ao 1 secretario da assembla le-
gislativa provincial S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda transrailtr a V. S., para ser pre-
sente a assembla legislativa provincial, o incluso
aulographo da resolugao da mesma assembla de
9 do corrente, que resolveu nao sanecionar pelos
motivos nelle declarados.
Dilo ao Dr. Gullherme Cordeiro Coelho Cintra,
juiz municipal o de orphaos do termo de Serinhem.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, aecuso recebido o offlcio em que V. S. com-
municou ter entrado em 2 do correle no goso da
licenga de um mez que Ihe foi concedida.Com-
munieju-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao Dr. Antonio Colurabano Seraphico de
Assis Carvalho.-De ordem de S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia aecuso recebido o offlcio em
que V. S. partecipou que por doenle passou em 25
do mez passado ao respectivo supplente o exerci-
cio do cargo de juiz municipal e de orphaos do ter-
mo do Bonito.Comraunicou-se a thesouraria de
fazenda.
Dito ao Dr. Jos Antonio Correa da Silva, pro-
motor publico da comarca de Goianna.De ordem
de S.ISxc. o Sr. presidente da provincia, aecuso re
cebido o offlcio em que V. S. participou que por
molestia deixou em 8 do corrente o exercicio do
cargo de promotor publico desra comarca.Com-
municou-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao Dr. Antonio Salustiano de Abreu Reg.
De ordem de S. Kxc. o Sr. presidente da provin-
cia, aecuso recebido o offlcio de 20 de abril prxi-
mo lindo em que V. S. communicou ter em 15 do
mesmo mez entrado no exercicio do cargo de pro-
motor publico da comarca de Garanhuns para o
qual foi nomeado. Communicou se a thesouraria
de fazenda.
Despachos do dia 19 de maio de 18to. \
Requerimentos.
Antonio de Souza Braga.Prove o supplicante
com certido de baplismo ser de menor idade o re-
cruia de que trata.
Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcoferado.
Aprsente o menor ao Sr. director do arsenal de
guerra.
Francisco Alves de Miranda Varejao. Passe
portara prorogaodo o praso por quareota dias.
Francisco Silverio de Farias Jnior.Informe o
Sr. director geral da instruego publica.
Tenenle Jos Conegundes da Silva.Passe por-
tara aposeatando o supplicante com os vencimen-
tos que por lei Ihe competirem.
Theotonio de Barros e Silva. Passe portara
aposentando o supplicante com o sold correspon-
dente ao tempo de servigo.
Thomaz Tavares de Moraes.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Victorino Jos de Souza Travasso Jnior.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Numeragao dos bilhetes da lotera 17* offe-
recidos pelo ihesoureiro das loteras para o auxilio
das despezas da guerra.
Inteiros de ns. 204, 1102, 1456 e 2601.
Meios de ns. 338, 586, 1703. 1974, 2573 e 2849.
Quarlos de ns. 7, 136, 792, 838, 1027, 1211,
1297, 1869, 2008, 2i56, 2762 e 2919. .
* Os bilhetes das loteras 11- a 16* prWuziram
177*000.
ItEPARTIQAO DA POLICA :
Extracto das partes dos das 20 e 21 de maio de
1865.
Foram recolhdos casa de detengio no dia 19
do corrente:
A' ordem do subdelegado da Boa-Vista, Juliao,
escravo do Dr. Joaquim Jos da Fonseca, a reque-
rimento deste,
A' ordem do da Capunga, Paulino Jos Joaquim
de Sant'Anna, para correego.
20 -
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Francisco da Silva, que diz chamar-se Anto-
nio Ferreira da Silva, por crime de offensas phy-
sicas.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Felippe,
escravo de Manoel Grillo e Violante, liberto, por
infraegao do regulamento da estrada de ferro.
A' ordem do subdelegado do Recife, Braulio, es-
cravo de Antonio de Almeida, requerimento
deste.
A' erdejn do da Capunga. Manoel Draiz Bernar-
do, por insulte e' Lourer-C Antonio 4 vida ue Trmiii......i m i^Tiiirii j^uraliiiiio>n* a
O chefe da i'.scgaur-------
J. 6. de Mesquita.
H
I : I
M
I 3
>
o
>
^i
-J I 00
Masculino.
9
8
^j I Fcminino. *j- 1 > n 1 CA
i SI . ai i i 1 Masculino. SI \ M 1 o 1 ** \ o fc
1 1 1 1 Feminino. 1 2
Masculino.
Feminino.
a
>
o
Masculino.
Feminino.
: o
~l !
o
~1
s
Masculino.
a
Feminino.
o
TOTAL.
3
Urna petigo com despacho da presidencia de 27
de Janeiro ultimo, mandando a cmara informar,
na qual Manoel Alves Guerra declara a mesma
presidencia que tendo contratado arborisar as ras
que Ihe fossem designadas, e estando o mesmo
contrato dependente de approvago, sem a qual nao
pode dar comego ao seu trabalho, cora quanto fosse
pela assembla provincial autorisada a factura do
mesmo arborisamento marcande-se a devida quota
roga a S. Exc. se digne, tomando conhecimento do
dito contrato, deliberar como entender.
Posto em discusso, resolveu-.se Informar a S.
Exc. que a cmara transada havia com effeilo con-
tratado com e supplicante a arborisago da cidade,
e eslabelecido para isso condiges, que foram por
elle acceitas, mas tendo pedido autorisago ao an-
tecessor de S. hxe. para poder realisar o contrato,
este nao approvou, oor isso ficou de nenhum effeilo
ludo quanto se havia contratado.Que nao se ten-
do realisado o contrato pela razo exposta, entende
a cmara que pr-se em execugao agora a disposi-
gao da le, relativamente a arborisago, deve prece-
der annuncios para que novamente apparega a con-
currencia entre aquelles que quizerem contratar, e
se alcance o menor prego que for possivel acerca
do planto de cada arvore.
Outro do juiz de paz do I* districto da freguezia
de Muribeca, Jos Carlos Telxeira, communicando
que por encommodos de saude deixou de compa-
recer para prestar juramento, mas que havia dado
procurago a Eduardo Firmino da silva para em
seu lugar prestar dito juramento, e scientificara
ao immediato para entrar em exercicio. Inlei-
rada.
Outro do juiz de paz do 3 districto da freguezia
dos Afigados, Paulino Amonio de Sooza Ayres,
comrauoicando que tendo deixado o exercicio do
lugar de 1 juiz de paz do mesmo districto, Alexan-
drino Mallos Correa Barros, e nao tendo assumi-
do a esse exercicio o segundo, por nao estar jura-
mentado, entrara elle na qualidade de 3 volado.
loteirada.
outro do subdelegado da freguezia de S. Jos,
Jos Francisco de Souza Lima, dizendo convir a
bem da justica e fiel cumpnmeoto das posturas
municipaes, que aquella subdelegada se dirija a c-
mara para que seja orientada sobre o que passa a
expor : que na mesma freguezia existem diversas
casas onde se vende garapa, isto contra o disposto
no tit. 11, art. 8 das posturas municipaes, e a sub-
delegada se v coacta em fazer effectiva a mesma
dijposigo, por quanto j tendo feito corridas e
multado os infractores, estes se negam a pagar as
respectivas multas, appellando da deciso da sub-
delegada para o Dr. juiz de direito da 2* vara, e
este os absolve da condemnago, como litera com
Joo Francisco Bastos de Oliveira e Manoel Pereira
da Silva, visto que nao eslava provado que as ga-
rapas por elles vendidas fizessem mal, e por tanto
s havendo um medico para -assistir laes exames,
pedia para a cmara autorisa-lo a chamar dito me-
dico, e ser o mesmo pago pela referida cmara.
Poste em discusso, o Sr. Dr. Miranda, pedindo a
palavra, lonva o procedimento que tem tido o sub-
delegado em fazer que as posturas muuicipaes fos-
sem observadas e conclue requerendo que se offl-
nai.loe.mjL,
3?
C1
te
3
i
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes existem 165, sendo 107
homens e 58 muflieres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Ao 6 1|2, 7 3[4, 6 1|2, 6 1|2, 6 1|4, 7, 6 3|1,
pelo Dr. Ramos.
As 10, 8 3|4, 8 1|; 8 3|4, 8 3|4, 7 1|4, 8 3|4
pelo Dr. Sarment.
Kalleceram :
Mara Francisca do Nascimento ; anemia.
Manoel Passos ; tubrculos pulmonares.
Cbhitbhio publico. Obituario do dia 19 de
maio de 1865.
Maria da Penha Oliveira. Pernambuco, 86 annos,
viuv, S. Jos, dearrhea.
Sebastianna Mara da Conceigo, Pernambuco, 36
annos, casada, Santo Antonio, cacbelhia.
Mara, Pernambuco, 5 mezes, Santo Antonio, con-
vulsoes.
Joao, Pernambuco, 7 dias, espasmo.
Antonia. Pernambuco, 35 annos, solteira, escrava,
Boa-Vista, pihysica.
Rita, frica, 70 annos, solteira, eserava, Boa-Visto,
dearrhea.
PERNAMRUCO.
UfISTi MUA.
Hoje em recito extraordinaria repele o Santa Isa-
bel o Ceg e o Carcunda, sobre cujo desempenho
j tivemos occasiao de (altar, notando o quanto
fra elle satifactorio.
A comedia com que terretaa o espectculo as
Ms lentaroi-s, na qual toma parte a Sra. D. Euge-
nia, enc.arregando-.se- de wn bello papel.
as condiges- e com as vantagens da lei pro-
vincial o. 611 de- a do corrente mez, engajaro-se
pessoas para o servigo militar do corpo de polica.
Por fa'fea da convenga postal entre este Im-
perio e o reino- da Italia, a'agora por diapte expe-
dir-se-ha mala com destino ao correio ambulante
de Suz?, a Turin.
CAURI MUNICIPAL DO RECIPE.
SESSAO EXTRAORDINARIA EM i DE FEVEREI-
RO DE 1865.
Presidencia do Sr. Dr. Jos Joaquim de Moraes
Sarment.
Presentes os Srs. Pereira Simoes, Gustavo do
Reg, Thomaz de Aquino, Dr. Miranda, Santos e
Silva do Brasil, abre-se a sessaoMida appro-
vada a acta da antecedente.
L-seo seguinte
EXPEDIENTE:
Um offlcio do Exm. presidente da provine, de
25 de Janeiro ultimo, commuoieando ter tomado
posse na mesma data do dito cargo, para o qoal
fora nomeado por carta imperial de 19 de novem-
bro do anno prximo fiado.loteirada.
compela a elle
dito subdelegado, proceda a corridas necessanas
as casas em que se vende garapa, levando em sua
companhia um medico.-Assim se resolveu, man-
dndose remetler por copia, a requerimenlo do Sr.
Gustavo do Reg, o offlcio do subdelegado.
Outro do advogado, remetiendo como Ihe fora
exigido a relacao das causas municipaes que ora
pendem em juizo, e do estado em que se acham, a
qual seBdo fornecida polo solicitador foi por elle
advogado examinada, e vai assignada.Dando a
relago de que se trata, faz o advogado diversas
ponderagoes sobre a de Basilio Alvares de Miranda
Varejao, e dos herdeiros de Francisco Joaquim Pe-
reira de Carvalho e concluindo, reclama a altengao
da cmara sobre as mullas impostas no jury, cuja
cobranga raras vezes se realisa, porque nos proces-
sos intentados raro o multado que nao se defen-
de com certidSo passada pelo respectivo escrivo
de ter sido absolvido, o que as lisias remetiidas a
cmara figura como multad, sendo as cerlidoes
passadas com referencia a data anterior da remes-
sa das ditas listas, tendo elle em vio reclamado
contra este abuso, porque certa a absolvigo sem
que ao menos seja o escrivo responsabilisado.
Posto em discusso, mandou-se remetler ao Sr.
vereador Pereira Sim5es que fez a requisigo.
Outro do engenneiro cordeador, informando se-
bre o requerimento no qual Eduardo Ferreira Bal
tar pede que Ihe seja concedido estabelecer no lu-
gar da Passagem, na estrada projeclada que segu
para o sitio do Dr. Firmo, urna casa para banhos
doces, cora 8 palmos de largura e 200 de fundo,
encostaba a um muro, sendo dita casa feita de ma-
deirae concluida com decencia conveniente, ac-
crescentando que as aguas j servidas serio con-
sumidas sem prejudicar ao publico; diz que para
poder informar com oaaheci ment de causa sobre
esta pretengo, julga ncessario que o pelecionario
declare se a casa que pretende estabelecer ser
eollocada em terreno particular, ou em terreno des-
tinado para ra, assim como qual a mam-ira por
que pretende consumir as aguas j servidas.De-
firi se no sentido da informagao.
Outro do mesmo, Informando o requerimento,
no qual Ignacio Nunes de Oliveira pede para que
Ihe seja concedido fazer solea no sobrado n. 53 de
sua propredade, sita ra Nova desta cidade: diz
que nem o sobrado era que-tao tem as dimensdes
exigidas pelas posturas para a obra que o peticio-
nario pretende fazer, nem quando as livesse pare-
ce-lhe que nio poderla ter lugar semelhante pre-
tengo, visto que tem de ser o sobrado cortado em
toda a sua exteosio na largura de 5 palmos pouco
mais oo menos para dar largura a ra que atraves-
sando a Nova na direegao de S-nto Amaro tem de
faze-la communicar com a das Flores.A vista da
informagao, nao tem lugar. '
Onlro do mesmo informando o requerimento fei-
to por Jos Elias Machado Freir, ao Exm. presi-
dente da provincia, diz que verdade ter a cma-
ra concedido a Jacintho Elisbo e outro fazerem
estaleiros no terreno que fica a leste da fortaleza
das Cinco-Pontos, o qual est destinado para logra-
donro publico, e nunca pertenceu a nenhum parti-
cular, mas nao verdade, como diz o peticionario
que o terreno em que elle tem fundado o seu esta-
leiro seja pertencente ao governo, pois que a c-
mara que o desapropriou com dinheiro de seus co-
fres, como deve constar do respectivo livro de tom-
bo.Que se informasse neste sentido, accrescen-
tando-se anda a ioformacio o que se tem passsado
a respeito de tal preteagae.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento no qual Manoel Joaquim Ramos e Silva, pro-
prietario do sobrado n. 13 da ra do Apollo, pede
licenga para reparar a coberta do mesmo sobrado
e fazer frontio, assim como tambem permissio para
fazer andaimes e ter materiaes na roa, declara que
tendo sido denegada ao peticionario pela cmara
transacta a licenga por elle pedida em fins do anno
passado para fazer no sobrado de que se trata a
obra que elle pretenda, por ser contraria as pos-
turas, como leve occasiao de Informar, nao espe-
rn elle para fazer a obra que agora qcer fazer, a
ileenga pedida no requerimento que devolve, por
quanto sem esta licenga dep principie a obra e es-


.
MUT1L1DD


X.
Diario de Pernambnoo Terca rel*a SS de Halo de 18G5
-
t nella prosegoindo, e a n5o ser osla circnrastan-
cia que julga dever eommuuicar, nada tem que
oppor.
Posto em dicusso, e- constando a cmara nater o
fiscal respecBvo imposto .a multa pela falta da li-
cenia, coneedeu-se 'ao peticionario fazer a obra.
Outro do mesmo, remetiendo a planta que leve
ordempara farer,indicaudo aalleragoque acamara
transada havia deliberado propor o Eira, presi-
dente da provincia sobre oalinhamenlo actulmente
tratado na planta do lugar da Soledade.
Posto eni discussais resolveu-se que a referida
planta fosse remettida a eoBimtsssao de edifica-
$5e.
Outro do fiscal de Santo Antonio, comraunicando
que de confurmidade com a orden do Sr. presi-
dente da cmara, hara procedido em companhia dos
facultativos Joo Nepomuceoe Oias Fernandes e
Francisco Jos Genllo Leal corridas sanitarias
nos arnuzens de carne secoa, e em muitas taber-
nas, e nao encontrn carne secca alguma em es-
tado de corrur*gao, entretanto continuar uas mes-
mas dehgeocias em observaacia da citada ordem.
Inteirada.
Outro de fiscal da regnezla do Poco da Panel I a,
informando a petigo, na qual Marcelino Jos Lo-
pes requer providencias sobre diversos moradores
da estrada do Arra4al,os quaes allega o suplican-
te terera as vallas que correm pelos fundos de
seus sitios, tapagetn de taboas, privando asim e
curso natural das aguas e dimmuindo no sitio do
supplteanle e nos de oulros moradores, declara que
tende procedido todo o exame necessario, nao en-
contrn esse errrbarago de que se qoerxa o mesmo
suppiucante, e nenhuma reclamagao tiavia recetido
a resuelto.A vista da Informagao nao ha que de-
ferir.
O Sr. Dr. Miranda membro da commissao de
polica, apresentando o parecer que se segu, re-
citoa antesoma breve exposigb em sustenlaco
do mesmo .parecer depois do apreciaeao da cmara.
< A commissao de polica, procedendo ao exa-
me das parcellas da recelta e despezada cmara
municipal do Recife, que esto lanzadas nos tres
balangos, que foram submetlidos a sua oeriflcago e
estao organizados desde ootubro at e ultimo de
dezembro do anno prximo passado, achou-as exac-
tas com os litros e doenmentos que foram exhibi-
dos na respectiva secco da contadoria, onde estao
recoltiidos, pelo que de parecer, que ditos balan-
jos sejo approvados, paraqaeee passe a respecti-
va quitagao ae procurador que presin essas
comas.
Acerca porm, dos empregas que se acham
oreados e sens ordenados correspondentes, tambem
deopinlo qae nao sejam reduzidos, naos poique
sto lixados na ultima lei do ornamento da recei-
ta e despeza desta cmara, senao como, para que
nao haja demora no servico, expediente e escrip-
turago de tudo quanto perlence as suas attnbui-
ees e se encuntrem pessoas que a isso se prestem
sera terem necessidade de abusarem dos seus car-
Sos, pois que todos sabem, que a regra que se
evem marcar as funecSes publicas salarios qae
deem considerarlo a quem as oceupar, ou enta
devem ser as mesmas absolutamente gratuitas e a
respeito das habilitares, pericia e moralidade dos
empregados, que funcionaram perante a cmara
transacta, em sua cnscienca nao os desabona, an-
tes os entrega ao poder desericionario desta cma-
ra, que acerca dse fazerem novas nomeagesou
serem os mesmos reconduzidos na altribugiies de
que enlaoestavam investidos, deliberar em sua
abedorla o que for de Justina, equidade e interesse
do municipio.
Paco da cmara municipal do Recife, 90 de Ja-
neiro de 1865.-Thomaz d'Aquino Fonseca.'Dr.
Joaquim Jos de Miranda.
Posto em discussao, o Sr. Gustavo do Reg pede
a palabra que sendc-lhe concedida, faz diversas
ponderages com referencia ao parecer de que se
trata e conclue declarando que vota pelaapprvaco
do mesmo.
O Sr. Silva do Brasil pede tambem a palavra, e
com quanto nao se opponha ao pareoer, com tudo
nao concorda com a opiniao da commissao na se-
gunda parte do mesmo, isto de nao ser reduzido
o numero dos empregados, pols que emende que
o pessoal actual da cmara multo crescido.
O >r. Pereira Simoes, pensando como o Sr. Silva
da Brasil, opp5-se tambem a segunda parle do pa-
recer.
O Sr. Sanios, depote de appresentar alguma* ra-
ides acerca do parecer em discussao, pronuncia-se
contra todo elle.
Encerrada a discussao, e posto a votos o parecer
approvado, votando contra a segunda parte os
Srs. Silva do Brasil e Pereira Simes e contra todo
o parecer o Sr. Santos.
Mandou-se remelter a eommisso de pelicoes
(Srs. Barros Reg, e P<^9a Simoesl urna ne-
t^L"-^'\B^ MS pruuiP acceiur
urna composgao relativamente a questao que cora
a mesma cmara tem sobre o terreno onde est edi-
ficada a ribeira da Bca-Vista.
A cmara resolveu representar ao Exm. presi-
dente da provincia a respeito da permanencia de
grande quantidade de plvora na fortaleza ds Bu-
raco e pedir Ihe a transferencia da mesraa plvora
para um lugar mais remoto da cidade, visto que a
con ti miar o della all aviva aos habitantes desta
capital os antigos e mu fundados receios de urna
explose a to curta distancia, anlevendo-se a des-
truicao de grande parte-da cidade com as innmeras
desgranas que a devem acompanhar.
Resolveu-se tambem dazer ao Exm. Sr. presiden-
te da provincia us seguales ponderales :
t Que a lei do 1 de outubro de 1838, a qual
serve de regiment as cmara- municipaes, impoe
as das capitaes no art. 53 o dever de dar posse e
juramentar ao presidente, e de commuuicar as c-
maras da provincia dita posse. Por um abuso, cu-
jas ms consequencias poe-iveis, dadas hypolheses,
facis de prever, sao prevenidas pela letra e pelo
espiritodaquella lei; segue-se nesta capital desde
muitos annos a pratica d6 ser o presidente investi-
do da posse no palacio do governo pelo seu prede-
cessor j enlo demittido. Zelosa do cumprimento
de seus deveres e conscia do providente espirito da
lei, limitase a cmara a exporo facto, aguardando
para sua guia a decisao.
A requerimenlo do Sr. Silva do Brasil, mandou-
se que p fiscal da freguez-ia de Santo Antonio de-
clarasse qual a razo porque deixou que.es pro
prictarios das casas visinias em que se deu o
incendio ltimamente na ra das'Cruzes, as cobrU-
sem sera preceder licenca da cmara.
A requerimento do mesmo Sr. mandou-se orden
ao fiscal do Recife para quytfocedendo a nova vis-
tura no sobrado arruinadWda ra da Madre de
Dos, na esquina da do Encantamento, faga com
que seja o mesmo demolido, afim de prevenir se
com lempo o desabamento que pode ser bem fatal,
pois que admira-se como as escoras nelle postas
ainda o podem sustentar.
'feudo diversos individuos requerido licenca para
.poderem vender nos mercados pblicos das fregue-
zias de -. Jos oBoa-Vista farintue outros gneros
a cmara indeferio-lhes as petiges, votando contra
esta resoluro o Sr. Gustavo do Reg, por entender
ser ella contra a constiiuico do imperio.
Deliberou se que se nao pagassem ustas.de pro-
cessos, visto acharse e-xtincta a qaota, e bem assim
que uo se despacbassem petigdes neste sen-
tido.
Prestou juramento por procuracao o jujz de paz
primeiro votado do 1 di&riclo da freguezia de Mu-
beca.
Tambem prestou juramento para ser cidado
brasilwro Amonio Muim Machado, por procurafo
qae apresenlau Augusto Muait Machado.
O Sr. Silva do Brasil fez chegar a presenta da
cmara a seguinte represenlacio :
t Illms. Srs.Impellido pela gravidade de ma-
teria, venno trazer ao conheciraeoto de Vv. s. um
facto occorrido na secretaria dtota cmara no dia
18 do crlente mez, a&n de que Vv. Ss. se digoem
de providenciar como o caso exige. Termjdados
os trabalbos da sesso do referido dia 18, dirigimo-
aos eu e o Sr.Dr. Joai|uim!Qs de Miraoda.meinro
da commissao de polica, para ajudar a qual ha va
o Sr. presidente desta cmara me designado, bem
como ao Sr. major Luiz Jos Pereira Snoes, a se-
cretaria e ah pedindo ao respectivo contador que
nos apresenlasse os competentes livros para conti-
armos no exame, j eneetado em outro dia fiebre as
comas da procuradura.
< Em termos inconvenientes, senao brnsco6, fo-
ro os recebidos pelo referido contador, que declaren
nao se prestar a dar esses livros, por ato ser eu
membro da commissao de polica, e como eu Ihe
ponderaste que havla eu sido'designado pela pre-
sidencia e pe alm disto o Sk Dr. Miranda razia
parte da mencionada commissao, aleda em termos
inconvenientes replicn o dito contador que nao
recenhecla direito por parte do Sr. Dr. Miranda
para tal exigencia, por quanto por si s nao repre-
sentava elle a commissao pelo que continnava a
sustentar a negativa que Itera ao nosso pedido,
accrescentando que pastando de 2 horas e dispon-
do o regulamento da casa que os trabalbos se en-
cerraran) a essa hora, nao presiava-se a continuar
a trabalbar depois do tal hora.
Insistindo em tal proposito esse empregado,
sem altender ao modo porque proceda, que se di-
riga a membros desta cmara e em preseBca de
subordinados, tivemos de retirar-nos, sera levar a
effeito o trabalho que dse amos realisar em cum-
primento de nos dever.
Em tal faci cumpre prestar toda atteneio ao
modo brusco porque procedeu para comnosco o re-
ferido empregado, fundose ao justo pedido que
Ihe Bzemos alm do mais acircunutaneia do adian-
tamento da hora, ao que recorrea elle para so re-
cusar a continuacao do servico, convindo que fique
assentado se tao absoluta a designacao da hora
at que se deve trabaihar, que d direito aos em-
pregados a se recusaren ao servico, e tal vez mes-
mo a fazerem abandonar pago da cmara, quan-
do esta por motivos urgentes precisar prolongar
seustrabalhos por mais algum tempe.
D Vv. Ss. a bem da regularidade do servico, e
desta corporacao,
tado sublime na cousa que se chama assembl.
provincial. Se Mirabeau resuscilasse teria d cor-
var a cabeea ao novo thaumaturgo da eloquencla.
Mas o que oes nao soffre a paciencia que o Sr.
Reg Barros, era todas as suas arrancadas e in-
vestidas parlamentares, se nao esqueca de bicarar
o partido conservador. E porque ? porque este par-
tido tem o grande crme de haver nomcado o Sr.
Rege Barros, promotor publico da comarca de Flo-
res e d'alli remov-lo por conceiuncis do servi-
co para a de Bonito, na qual ainda se conservara,
se o partido progrtttitta o nao hoovesse julgado
urna subnjcdo as snas tileiras.
O parttdo cansen-ador nao faz coneessues a seus
advettarios, diz o Sr. Reg Barros. Urna de daas,
ou o Sr. Reg Barros falta a jusllca e a verdade,
ou nao era esse liberatao que se inculca. Era libe-
ral o Sr. Reg Barros quando foi nomeado promo
tor ? Se era, comoousa aecusar de exclusivismo o
partido conservador? K seo nao era, como ahju-
rou todepressaos seus principios? Em flm, dese-
cramos qae o Sr. Reg Barros nos quebrasse as
mos as ponas destes dillemas, para que sao fique
assentada una das duas cousas, ou que o Sr. Re-
1 da Torga moral dos membros
do esperar adequadas e justas providencias, sen- go Barros falla a verdade e a justifa, tachando de
do certo que a passar um tal precedente a desmo- exclusivista um partido que o fez gente, ou que
ralisago a Acetara toda a cmara, desprestigiando a
aos olhos de sens muoicipes.
t Dos guarde a Vv. Ss.Recife, 23 de Janeiro
de 1865.
c Illms. Srs. presidente e mais membros da c-
mara municipal do Recife.O vereador, Antonio
Jos Silva do Brasil.>
Posta em discussao, o Sr. Silva do Brasil declara-
se suspeito na questao
O Sr, Or. Miranda pede a palavra e faz vera
cmara de qae o facto constante da representado
cima, infelizmente se dea e expendendo muitas
considerares a respeko delle; concloe sendo de
oplnioque se admoeste ao empregado, fazendo-o
entrar no cunprimeoto de seus deveres, qoantoao
procediraento qae deve ter para cora os membros
da cmara.
O'Sr. Gustavo do Reg, pede a palavra, e sendo
da mesma opiniao do Sr. Dr. Miranda, nao desap-
prova a ultima parte do que acabava o mesmo de
exdor.
O Sr. Santos, pensando diversamente do Sr. Dr.
Miranda, diz que um empregado ,
de deve ser exonerado, e era seguida propoz-lhe lo
go a demisso.
O Sr. Pereira SimSes pronuncia-se a favor das
ideas remedidas pelo Sr. Santos.
! N5o havendo mais neuhum dos Srs. vereadores
que pedisse a palavra, foi posta a votos em pri-
meiro lugar a medida indicada pelo Sr. Dr. Miran-
\ da, de ser ademoestado o empregado, a qual nao
passou.
Depois seguio-se a proposta feita pelo Sr. Santos
! e foi approvada, sendo demittido o empregado.
Votaram contra os Srs Gustavo do Reg e Dr.
Miranda.
Declaro em tempo que o Sr. Gustavo do Reg
| votou contra a deliberagao tomada pela cmara de
ponderar ao Exm. presidente da provincia sobre
o juramento e posse dadas aos presidentes.
Despacharam-se as petigSes de Antonio Muniz
Pereira, Andr Lins de Louche, Alfonso Sergio de
; Mattos, Csemiro dos Reis Gomes, Chaves & Vian-
na, Eduardo Ferreira Bailar, Guilherme Joaquim
ida Silva Braga, Dr. Hcrmogenes Scrates Tavares
de Vasconcellos, Jos Goncalves Torres, Jos da
Silva Loyo, Joaquim da Silva tavalcante, Firmino
Alves Pimentel e outros, Joaquim Ignacio Ribeiro
Jnior, Dr. Francisco de Araujo Barros, Ignacio,]
i Lins de Brito Taborda, Dr. gnacio Firmo Xavier,
! Ignacio Nunes de Oliveira, Ignacio Barroso de Mel-
1 lo e Marcelino Jos Lopes, e levantou-se a ses-
sao.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, secretario
a escrevi.
Declaro em tempo, que o Sr. vereador Santos
] em vez de ter empregado a expresso demittido,
' usoa expresso de dispensado com referencia ao
'contador que funecionou peranle a cmara tran-
sacta.
Boa-Viagem o declarei.Pereira SimSes, pro-
| presidente. Santos. Dr. Miranda, Fonseca.
Reg.
--------------- .iii......
trnsfuga deste mesmo partido.
Ah I Sr. Reg Barros, mal estara o partido con-
servador, se nao oontasse um grande numero de
ingratos Por honra deste partido, que cada dia
se justifica as iniquidades de seus adversarlos,
todos aquelles que desertaram de suas bandelras,
para irem forragear era outro campo, levaram al-
forges, e matulotagem para comerem na sua deser-
eo; nenhum s ahio esbarrigado, e morto a fo-
me 1 E' islo o que eleva o partido conservador, e
que o hade collocar cedo na cpula do poder so-
cial, para confusao e desengao dos Bohemios po-
lticos, de que elle espera em Deus emancipar-se,
chamando ao seu seio lodos os borneas honestos do
paiz que nao vivera da barriga.
** ii 11 i n
tem sido publlcados emnossos artigas anteriores: quanto escrpulo ,nao deverla proceder a junta ou, nkea &> tstar conforme, nem poder ser cumpndo,
M.S;. nLf,t ,S;rim.d,na K; mSpeCl0r'*' e na P3d,era dei\" de ada"U,r qa* concordando com ai raides entZ expendidas^ que
bla legislativa provincial, a requerimento de nm s por nm engao poderiam ditas contas ser ap- rQrara mencionadas na acta da sessio damieiiP dV
de seas membros, resolvid" que de m.m fosse eii.' provadas; do qJe resalla, que o desmancho de tal io^me" mo
gldo : l. a declarago da disposigao de lei ou ro- engao era urna necessidade imperiosa, um dever g votando por esta forma enlendi que concor-
J S^?! TJTT1,S0 reVOga-r df 5" ^*0' a qQe; co'lol!aa,x posiCio em qae me <, para regulaVisar aquio, que eu logo consideret
do Sr. inspector effectivo, dadas em sessao da juu- acho, eu jamis poderia subtrahir-me. I irrJgular qifand0 y. S. levoa o negocio ao conheci-
e-otrelanto, com pesar vejo que o Sr. inspector ment da junta, como inspector interino, e pre.i-
dente della ; e que proced tambem do modo mais
conforme'aos interesses da fazenda.
i Nao oonhecolei que inhiba a junta da fazenda,
ainda que presidida por inspeetor interino, de re-
considerar suas decisoes, e reforma-las quando en-.
leuda que nao foram bem ponderadas ; e quando
| a jante assim procede por interesse da fazenda nao
I duvida de sua competencia por fazerem parte del-
la emprefados efectivos on interinos, e nem estes
tem menos attribuigdes do que aquelles no exerci-
ci das mesmas funeges.
E se portant) o Sr. inspector effectivo nao po-
ria duvida no exercicio deste direito, e mesmo des-
dinlieu-o, senao_ tambem que nao podiam ser exa- do cono flea dito," merece "e'stigmV'ou approv'aeo. I f ^m'plJSUS' segnnto celof nio 'pote V? s!
minadas, por nao ter anda o ex-collector, Joaquim! Por minha parte, aguardando com a serenida- exercicio de guaes funcroes iulWMei incom
Jos de Luna Freir, a quem taes contas diziara de e coofianga que pode inspirar a consciencia do
respeito, recolhido al ento as comas e livros do dever, ama tal declso, descango tranquillo que es-
exercicio seguinte, de 18* a 185*5, que se torna- ta sera sempre justa, e aaeioso a espero para nor-
vam necessarios para certas confronUgoes e con- ma de meu procedimento futuro, em quanto pego
ferencias, sem as quaes nao se podria proceder a i V. Exc. que se digne autorisar-me a remeCter
exame regular, como tudo consta das copias ns. 1 para a assembla provincial os livros do referido
e 2. Nestas cireumstanclas eaderecel ao Sr. ins- ex-collector, e em original as informacoes e despa-
pector effectivo as referidas contas, sobre a? quaes chos que Ihes sao relativo?, para que vista delle
dei a informagao constante da copla n. 3, pedindo possa devidamente ser avahada a conducta desta
a responsabilidad* do ex-coHeetor, que, posto j repartigo.
eslivesse sendo processado por alcance verificado i Dos guarde a V. Exc. Thesouraria provio- i
na col lectora no exercicio corrento, nao devia cial de Pernarabuco 15 de mam de 1856. '
coratudo deixar de responder por esse outro erime. \ i Ulna, e Exm. Sr. conselheiro Jos Benlo da!
at porque era de mister um exeraplo aos exacto-, Cunha Figueiredo, presidente desta provincia.
res da fazenda, que por ventura podessem cahir em; c O contador serviudo de inspectorJos dara
'gf e.nUeassa_ minha opiniao coucordou, em 6 de | Os'menlos de ns. 1, 3, 4 e 5, citados nesta' SrfSSS M
=
ta deste thesouraria : i:
publico me levou a nulliflcar essa deoisao, e subs-' effectivo, cuja inlelligencia e idoeidade tenho'sabi-
titui-la por outra : 3.* as copias do meu despacho,' do acatar devidamente, achou no meu proceder
qae fez este declarago, e do revogado do mesmo ama rregularidade offensiva de seus diretos e de
Sr. inspector effectivo, e da informarlo da coma- sua probidade principalmente, que nunca pretend
doria, a qae se refere este despacho 5 e me oru"*-' por em duvida, e fez conhecer que nao homo o en-
; aando V. Etc. a satisfagan de semelhante exigen- gano que eu presum, certamente porque leve em
I cia, cumpri-la liei fazendo urna fiel exposico de vistas oulros meios de fisoalisar e zriar os dinheiros
I todo o occorrido, para que melhermente possam da fazenda, e punir o criminosos.
ser completos os meus esclareclmentos Sejam quaes forem esses meios, eu os respailo,
< Quando foram submetlidas a exame as contas e devo suppo-los officiosos, sem que todavia renuu
dacollectoria do Rio Formoso, relativas ao anno ci opiniao em que me acho. V. Exc. e a illus-
I de 1853 a 1854, nolou a seceo encarrilada desse trada corporagao, a cujo seio foi levado esse neg-
i exame, que nao s se achavam ellas completamen- co, decidiro so obrei bem ou mal, e se janla le-
te irregulares, viciada, e revelando desfalque de vada pelos motivos que tenho exposto, e proceden
CORRESPONDENCIAS
CIIIIOMQ JUDIGIARI4
TRIBUNAL DA BELA^AO.
SESSAO DE 20 DE MAIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
BOBEA.
s 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores Santiago. Gitirana, Lourengo San-
tiago. Almeida Albuquer,Ue( Doria, eDomingues
da Sil*.,';"""^ lB s>". desemnargadores Assis,
Wierra procuradnp *~ ... =-, 2 o-mo-iwe*
^uui-ciiosT^lirio-se a sesso.
Passados os feilos, deram-se os seguintes
JULGAMENTOS.
Appellacoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Virissimo Xa-
vier de Barros.Improcedente.
Appellante, Joo Baptisla Muniz; appellada,
a justiga.Improcedente.
Habeas-corpus.
Mandou-se prestar Sanca a Jos Antonio Leite,
na ordem que requereu.
DESIGNACAO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento das seguin-
tes :
Appellagoes civels.
Appellante, D. Isabel Mara das Chagas Guima-
res ; appellada, D. Rita de Cassia Pereira Vianna.
Appellante, o escravo Aleixo; appellado, Joaquim
Barbosa da Silva.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gader Gitirana
As appellagoes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Joaquim Jos de
Sama Anna.
Appellante, o juizo -, appellado, Telesphoro Mar-
ques ua Silva Jnior e outro.
As appellagoes civeis.
Appellante, Dr. Maooel Carlos de Gouveia : ap-
pellado, o vigario Jos Antunes Brando.
Appellante, Eduardo H. Bramab ; appellado,
Joo Paulo Caroeiro de Souza Bandeira.
Appellante, Jos Domingaes Correia ; appellada,
a ordem terceira de S. Francisco.
Appellante, D. Emilia Cardim Cavalcante de Oli-
veira ; appellado, o prelo Jos, por 6eu curador.
Appellante, D. Maria da LuzTeixeira Costa ; ap-
pellado, Jos Joaquim Ferreira de Souza.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago
As appellagoes civeii..
Appellante, Albino Jos Ferreira da Cunha -, ap-
pellada, a fazenda.
Appellantes, bacharel Benjamn Pinto Nogueira
e outros ; appellado?, D. Margar id a Augusta Pinto
A appellago crime.
Appellante, Francisco de Paula Campos Quares-
ma i, appellada, a justiga.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuqaerque
As-appellagdes crimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Alexandre
Bezerra.
Appellante, o juizo ; appellado, Maooel da Costa
Pinheiro.
As appellagoes civeis.
Appellante, a fazenda 4 appellado, Joaquim Gon-
gaives Guerra.
Appellante,Joaquim Manoel Ferreira de Souza.:
appellada, a fazt-nda.
Ao Sr. desembargador Molla
A appellago eivel.
Appellante, Jos Luiz Pereira Lima ; appellado,
Joaquim Pereira laia.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Molla
A appellago crime.
Appellante, o juizo; appellado, Francisco Gabriel
da Silva.
A appellaglo civel.
Appellante, Honorato Jos de Oliveira Figueire-
do ; appellada, D. Josepha Joaquina de Brito.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr.desembargador Barros Vasconcellos
As appellagoes civeis.
Appellante, Manoel Montetro de Macedo; appel-
Iados, Borges & Mello.
Appellante, Agostinho Lucas Correia ; appellada,
a escrava Lina;
Ao meie-dia sncerrou-se a sesso.
Srs. redactores. Pois qae Vv. Ss. publica-
raro, em sua Revista Diarta de boje, urna noticia
qae assim proce-1 aimiamente ofensiva de minha houra, consintam,
eu Ihes ngo, que pela mesma Revislu, eu proteste
perante o publico contra essa noticia.
E' verdade que fui processado pelo Sr. delegado
de polica do primeiro districlo d'esla cidade, sob o
pretexto de ter eu escriptorio de penhores fra das
condigoes legaes, e qoe fui condemnado a seis
mezes de priso e a pagar orna multa de 5:000000
reis, mais tambem verdade que a causa real
d'esle processo e d'esta condemnacao outra, que
nao a de ter eu escriptorio de penhores. O zelo
excessivo do Sr. Dr. delegado de polica, as violen-
cias que comigo praticou, invadiudo arbitrariamen-
te a minha casa, ameagando-me, prendendo-rae, in-
quirindo testeraunhas em minha ausencia, e pondo
todo- o empenho em coHiglr provas de um crime
imaginario, tudo tsto deixa Iransparecer bem a ver-
dadera causa do meo processo e coudemaagao.
E' falso que eu ten lia escriptorio de penhores.
Tive-o, verdade, por muitos anuos, e o conservei
ainda por algum tempo depois de promulgado o oV
creto n. 269} de 14 de novemuro de 1860, por-
que, tendo requerido presidencia da provincia a
necessaria autorisago, e sendo o meu requerimen-
to enviado a secretaria de polica para serem all
satisfeitas as prescripges legaes, esperava a cada
momento licar habilitado para continuar com esse
negocio nos termos do dito decreto.
Suecedeu, porm, que o meu requerimento esti-
ves-e mais de um anno na secretarla de polica a
espera de despacho, o que me determioou a acabar
com esse ramo de negocio. Dahi por diante (1862)
nao ilz mais emprestmos sobre penhores, se nao
em algnm caso extraordinario, em qne qualquer
pessoa particular o fazia, em que o Sr. Dr. delega-
do de polica nao deitana de fazer, se fosse sus-
ceptivel de algum senlimento de humanidade.
Nao son um especulador miseravel, como quiz
inculcar a pessoa que dea a Vv. Ss. a noticia qae
publicaram. Ao trabalhojhonroso, a urna econo
mia rigorosa e protecgo divina devo eu esses
poucos bens que possuo, e que sao a mortilicago e
o tormento dos entes invejosos e misera veis, qae
juraram perder-me ? Ha por ahi sugeitos de
grvala lavada, que nao podem dizer, sem arriscar
a sua inculcada probidade, os meios por qae hou-
veram a casaca, que envergara.
Nunca exig de ninguem esses juros exhorbitaotes
e fabulosos, ds que trata a noticia da Revista.
Quando tive escriptorio de emprestimo sobre pe-
nhores, procurava lucrar com o negocio, mas nun-
ca tirei dV'i liaiorea lucro,. .,. *-'
ihwiin* r 1 im> garantidas. .Nao setque 11-
vesse cera isso corametlido algum crime, e que
deva ser exposto execrago publica. A milita
familia pobre livrei das garras da fome e da des-
honra, fazendo repelidos emprestmos sem lucro
algum. A' muitos perdoei parte dos juros e as
vezes todos conforme as circumstancias das pes-
soas.
Porque razao, pois, sou eu processado e se af-
flanga de bocea cheia que hei de ser infallivelmen-
te punido, apezar de nao ter, ha perto de tres an-
nos, escriptorio de emprestmos sobre penhores,
ao passo que nao sao processadas e punidos cer-
tas autoridades, que, abusando do cargo que exer-
cem, andam por ahi a fazer safra de rustas?
Dado, por hypothcse, que eu fosse o ente uzura-
rio que se diz em sua Revista, ainda assim haveria
esta nolavel differenga em meu favor, e que eu
nao melteria a faca aos peitos de ninguem para
exigir uns fallados juros exhorbitantes, em quanto
que as taes autoridades, vo safra de custas por
casa dos pobres contribuintes.
O publico, pois, que avalie, si justo que eu sof-
fra, nao tendo ha tres annos escriptorio de era-
prestimos sobre penhores, e qae andem por ahi
lampeiras as autoridades violentas, arbitrarias e
criminosas.
Felizmente, porm, ainda ha quem faga respei-
tar a lei, quem trate de reprimir as violencias,
quem cima de ludo faga Imperar a justiga.
Para o juizo desses que eu appello, e espero
que ser reconhecida a iojasliga que me fazem.
Sou, Srs. redactores, etc.Bernardo Alves Pi-
nheiro.
Recife, 20 de maio de 1850.
ptente para tal, na quaiidade de presidente da jun-
ta, e de inspector interino, que tem como disse to-
das as attribuigoes do effectivo, inclusive esta de
que langou mo V. s., qae ea considerei ento le-
gal, que em geral a julgo conveniente aos interes-
ses da fazenda, e por modo nenhum contrario
lei.
c Nao tendo duvida portante da competencia de
V. S. e da junta, dei o meu segundo voto mui tran-
quilamente sem me poder nunca persuadir que tal
despacho offendesse areilo que o Sr. inspector Jos
Pedro da Silva nao pode ter na quaiidade de ins-
pector effectivo.
Julgo ter assim satisfeito o pedido de V. S.
t Dos guarde a V. S. Recife 9 de maio de
pois que nao ha de deixar a thesouraria provincial.
sideradas approvadas -nos termos da informagao o 3 a informagao do contador acompahad do SSDriirm"ni rVr'nn Py*"^ "nr'r"
da contadoria-(que alias Ihes hav.a negado exa- parecer do procurador fiscal; o 4 o despacho Sto B^Q lb??^e nTo se maui'etfcom o?u
me), sem que fossem submeltidas discussao para da approvacao das -ontas, e o a ordem para que JJ""revendo e contrae coSotm ido
que os membros da junta sustenlastem sua opimao, a contadoria lavrasse lenm de approvago dessas
fazendo as precisas deelaraepes em acta, ou repre- contas e as archivasse. Faltara pois o de n. I", que
sentagdes presidenctot se assim entendessem de a Informagao, dada pelo 1" escriturario, o Sr.
seu dever. Francisco de Barros Cavalcanli, que contirraa o
Lavrado o despacho da junta, copia n. 4, que que disse o 2o escripturario, e nao merece ser pu-
fo dictado pelo seu presidente, e assignado por elle, blicada, e os oulros, que passaremos a transcrever,
o mesmo (iz-ram os outros membros, que ao de- allm de que os leitores possam ficar bem esclare- i
raaw nao tem admiftido o cosame de averiguar des- cidos.
paclws assim ditados, em razo da confianga e de- N. 6.Copia da parle da acta da sessao da
ferencia que volara digaidade do Sr. inspector junta da fazenda da thesouraria provincial de Per-
effectivo, o qual mandou depois por outro despacho nambuco de 26 de abril de 1856.
cumprir o da junta, copia n. 5. Estando eu, po- o Sr. inspector interino levou ao conhecimen-
rm. ainda no exercicio de contador, e passando a to da junte que lendo ella em sesso de 17 do cor
rente mez, ordenado que fossem approvadas as coa-
tas do ex-collector da cidade do Rio Formozo, Joa-
quim Jos de Lun 1 Freir, relativas ao anno de
1853 a 1854, na conforraidade da informagao da
contadoria, e lendo o Sr. inspeetor, por. despacho
execugo dessa decisao ao empregado competente,
que o i9 escripturario da 1 seceo, Barros Caval-
canli, este, vendo-se embaracado no acto de lavrar
o termo da approvago das contas, veio represen-
tarme verbalmentc (poueo antes de entrar eu em
exercicio interino dessa inspectoila) cerca da de 18 do mesmo mez, determinado que se lavrasse
inexequibilidade dos despachos, cujo cumprimeoto
Ihe foi ordenado, por isso que nao tendo havido
exame das contas, a approvacao deltas era anor-
mal, senao tllegal, e como tei impedia a escriptu-
rago do respectivo termo.
Acceitando a represenlaco do referido em-
pregado, e me parecendo que s por engao pode-
ra ter sido dictado o despacho de approvago, re-
cebi as contas, ecomo inspector submetti-as nova-
mente consideraco da junta, em sesso de 26
ainda de abril, expondo as razoes que para isso ti-
nha, copia n. 6. O Dr. procurador riscal e o con-
tador interino convieram entilo na revogacao do
despacho, e este foi lavrado como consta das copias
7e8.
o respectivo termo de approvago, para que fossem
ditas comas archivadas, hesitou o mesmo Sr. ins-
pector Interino, quando exercia o lugar de conta-
dor, em mandar lavrar o predilo termo, nao s por-
que nao tinha a primeira secgo procedido ao exa-
me dessas coalas, por julgar indispensavel, para o
seu complemento a apresenlagao dos livros do exer-
cicio de 1854 a 1855, que nao tinham sido entre-
gues pelo indicado collector ; mas tambem porque
se acham ellas inteiramente irregulares, e viciados
diversos livros, o que tudo constava das Informa-
goes que s mesmas comas so acham apensas : jul-
gava por ludo isto o mesmo Sr. inspector interino
de seu dever trazer este negocio novamente ao co-
' nheciraento da junta, para que por ella fosse re-
Senhores redactores.Como quer que as aecu-
sages que se tem feto ao Sr. lente Jos Pedro
da Silva se tenha tambera tratado do corpo de po-
i licia ; venho declarar que o major daquelle corpo
e mais offlciaes compromettidos, menos ocomman-
dante, sahiram delle pobres e o tio fallado major,
logo que foi demittido, vio-se forcado a vender
dous escravosque tinha para sustentar sua familia,
sendo nm des escravos da una sua fllha, aniada
do commendador Joaquim Aurelio, e por este a
ella dado ; e que hoje acha se rednzida a miseria
sem ter pao para alimentar a orto tilhos quasi todos
menores.
Tambem verdade que o Sr. inspector da the-
souraria e os empregados encarregados do exame
das relages de mostra foram os primeiros culpa-
dos, porque ou por conivencia ou negligencia dei-
xavara correr tudo a revelia.
O Columna.
0 Sr. Jos Pedro
TBSB
COMMUNICADOS.
O Sr. Joaquim lo Reg
Barro.
Este Ilustre repretentante do 4 circnlo lem es-
da Silva perante a assembla
provincial.
Em nosso ultimo artigo dissemos qae o Sr. Jos
Pedro da Silva, irritndose contra o Sr. Jos Ma-
ria da Cruz, por tnr este submeltido considera-
gao da junta da thesouraria provincial, em sua
ausencia, um seu despacho, que nao eslava as
condigoes de ser cumprido e fi por ella revogado,
havia apresentado assembla provincial, da qual
fazia parte, como deputado, um requerimento, em
que propunha que, por intermedio do governo, se
pedissem informacoes, e que, sendo approvado esse
requerimento, teve a presidencia da provincia de
mandar ouvir o inspector interino dessa thesoura-
ria. Assim, pois, coniinuemos na xposigao do
facto, de qae se trata, apresentando todos os docu-
mentos que servera de esclarcelo
Dependendo as informacSes, que .tinha de dar o
Inspector interino, de documentos e Informagoes
qae deviam servir-lhe para justificar sea procedi-
mento, sua resposta nao pode ser dada immediata-
mente, e por isto demorou-se oito ou nove das
as a demora servio para que fleasse bem escla-
recida a questao. Suas informagoes, datadas de 15
de maio de 1856, foram transmitlidas pela presi-
deacia da provincia a assembla provincial em 20
desse mez, como se ver do offleio de seu secreta-
rio que vai abaixo transcripto, e Iranscrevemos
esse offleio, porque ha de vir a servir para justifi-
car orna requisigo do Sr Dr. Atrillo feita na ses-
so de 23 de junho da assembla provincial.
Eis a copia do offleio :
4.* seceo. N. 49. Illm. Sr. S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, a quem foi presente o
offleio de V. S., de 6 do crreme, manda remelter-
Ihe, em original, afim de ser levado ao conheci-
raento dessa assembla, o offleio incluso, acora-
panhado de varios documentos, nos quaes o ins-
pector interino da thesouraria provincial ministra
as racSes exigidas pela referida assembla, qual
serao apretentadot os livros mais papis, a que se
refere o final do officio do inspector interino, se o
corpo legislativo provincial assim julgar conve-
niente. Dos guarde a V. 8.Secretaria do gover-
no da provincia dd Pernarabuco, 20 de malo de
1856.Illm. Sr. Dr. Luiz Ptllppe de Souza Lelo, 1
secretario da assembla legislativa provincial.
Jos Bento da Cooha Figueiredo JuoiorofJBcial
maior, servindo de secretario.
As informagoes de que se trata no oiTicio, que
flea transcripto, sao do theor seguinte, cauprlodo
notar qne alguna dos documentos nellas citados'j
t Exposla assim a direcgo que levou o negoeio, considerado ; e vendo a junta que as comas presta-
de que pede esclarecimeatos a assembla Jegilati-; as pe|0 mencionado ex-collector nao estavara nos
ya provincial, e que nao outro senao o de que termos de ser approvadas, pelo que acabava de ex-
cima me oceupo, relativamente s contas do ex- j pender o Sr. inspector interino,^ constava das pre-
collector do Rio-Formoso, Luna Freir, pssarei a j ditas informagoes, resolveu revogar o seu despacho
tralar dos quisitos que constituem a exigencia, que de 17 do presente mez, proferido as mesmas con-
me ordena V. Exc. que satisfaga. | u, e determinou que fosse o mencionado ex-col-
A junta deste thesouraria segundo minha' lector responsabilisado e se fizessem eteevas as
opiniao, muito competente para tomar conhecimento' disposicoes do decreto n. 657 de 5 de dezembro de
de suas decisoes, e reforma-las, quando entender |8*9, que Ihe sao applicaveis. Sendo langado em
que, em interesse da fazenda, e direito das partes! ditas contas o seguinte despacho.A junta revoga
o deve Tazer. Nenhuma lei ou regulamento existe, ] 0 despacho supra, e determina que se proceda na
.que ihe coarcte essa attribuigo ; ella portanto conformidade da informagao e contadoria e parecer
cmo primeira fiscal dos interesses da mesma fa-j fiscal.
zend, est em sea pleno e inconlestavel dirsilo Em sua informagao pedia o contador que fosse
sempre que entender que os interesses, que zela,! responsabilisad pelo novo crime. esse ot-muju
exigem revisan do cuan itA.Mditao /...j~"C|. prosaradni nsi.ii, 1 ouiurmando-se com isto, ci-
lomadas, como a Ue cjue se trau. I lava o decreto de 5 de dezembro de 1849, cuja*
Se nao ha lei, que expressamente Ihe d esse nisposigoes eram appliciveisa esse funccionario.
arbitrio, tambem certo que nenhuma o prohibe ; Fazemos sobresahir isto, porque teremos de oceu-
sendo que o silencio neste ponto pode deixar de: par-nos deste ponto.
ser tomado como urna aculdade ou liberdade de & 7 _A junta'revoga o despacho supra e do-
proceder sempre pelo modo que for mais condu- termina que se proceda na conforraidade da infor-
cente aos interesses e exigencias do fisco. magSo da contadoria e parecer fiscal.Thesoura-
Pelo que me diz respeito, era quaiidade de; ra provincial de Pernambuco era sessao da junta
inspector interino, emendo que entre este e o ef- da fazenda de 21 de abril de I806.-C1u3.-C.10a/-
fectivo nenhuma differenga ha no exercicio das I caM/ Cosseiro. Alcoforado.
funeges respectivas, vi 10 como ao cargo enao< y. 8.Remettido ao Sr. contador para proce-
ao individuo que a lei confere as regalas e altri- der na forma do despacho cima.Thesouraria
buigoes de direcgo, mando e inspecgo, etc., e que provincial de Pernambuco 2 de maio de 1836.-
no pdem ser separadas da entidade inspector, Cruz.
qur este effectivo ou interino, qur permanente Cumpre notar desde j que, nao obstante ter a
ou provisorio. O inspector uterino, pois, gosando junta, em sua sesso de 26 de abril, mandado que
as attribuigoes de effectivo, exercendo-as dentro fosse responsabilisado o ex-collector pelo novo cri-
dos limites tragados pelas conveniencias do servico me corametlido, o inspector interino nao se apres-
pubiieo, ou pelos interesses da fazenda, nio planta sou em expedir despacho para isto, s o fazendo
a desordem, a desmoralisagao e anarchia, que alias seis dias depois, para que sa nao pensasse que lia-
poderiam dar-se se o substituto legitimo devesse via de sua parte desejo de perseguir o amigo do
fogosamente permanecer adstricto a procedimen- Sr. Jos Pedro da Silva; entretanto assim nao havia
to, embora irregular do substituido i procedido este, por quanto logo no dia seguinte ao
E me parece essa doutrina to clara e crreme, do despacho assignado, por sorpreza ou por engao,
que al me julgo dispensado, para a sustentar, de isto em 18 de abril, mandou que se lavrasse ter-
recorrer ao disposto no aviso de 22 de noverabro ma de approvago das contas, e fossem estas archi-
de 1853 firmando a plenitude dos direitos que pas- vadas I
sam do effectivo inspector ao Interino. & 9.Illm. Sr. Chegando agora s minhas
Assim, com o que lica dito, e cora a copia n. mos o offlrio por copia incluso, em que o Exm.
10 da resposta do Dr. procurador fiscal ao meu offl- Sr. presidente da provincia manda que se satisfaga
ci copia n. 9, creio ter satisfeito ao Io quisito. I a exigencia da assembla piovincial baseada no re-
2. Quanto ao motivo d interesse publico que querimento de um de seus membros pedindo ex-
me levou a propr a revogacao do despacho do Sr.! clarecimentos cerca do procedimento que leve a
inspector effectivo, nenhum outro foi seno reco- junta desta thesouraria em sua sesso de 26 de
nhecer e reparar urna trregularidade evitando a abril ultimo, revogando o despacho da de 17 do
execucao de um despacho excntrico de todos os mesmo mez que, presidida pelo Sr. inspector Jos
direitos fiscalisadores, que mandou approvar con- Pedro da Silva, mandou abonar as contas do ex-
tas que nao tstavam examinadas ; operagao sem a collector da cidade do Rio Formoso, Joaquim Jos
qual nao regular a approvacao de nenhuma con- ] de Luna Freir, rogo a V. S. que tendo como mem-
ta, poisque o exame a liquidago completa de bro da mesma junta assistido a ambas as sesses
tudo quanto se despendeu e arrecadou, estabele-
cendo os saldos e organisando a conta crreme.
De todas as copias juntas se v que esse trabalho
nao eslava feito por faltarem as contas do exercicio
seguinte ; pelo que nao poda ter lugar o despacho
dado pela junta era 17 de abril ultimo. E com-
quanto o art. 64 do regulamento interno mande no-
tar no termo d'approvago, as irregularidades en-
contradas nos exames, d'abi se nao segu, e nem o
mesmo art. estatu, que sem exame se poder ap-
provar conlas.
c Taes foram os motivos que me levaram ao
procedimento que tive, e que sao sem duvida de
interesse publico, porque tendeu a conservar uni-
forme regularidade das decisoes da junta, a velar
na satisfago dos deveres de agentes desta thesou-
raria, e a zelar finalmente os dinheiros subtrahidos,
cuja cobranga cumpria promover por meio da res-
ponsabilidade do referido collector. E tanto foi
de interesse publico essa ultima decisao da junta,
que tres das depois se achavam recolliidos a esta
thesouraria os livros e contas do exercicio de 1854
a 1855, por falla dos quaes nao podiam ser liqui-
dadas as contas do mesmo ex collector.
c O 3 e ultimo quesito flea satisfeito com al-
gunus das copias juntas.
1 Ministrados por esta forma os esclareclmentos
que me cumpria dar, jnlgo nao dever concluir sem
affirmar a V. Ere que, se algum fim particular
tive para o motivo que me deliberou a esse passo,
tuto tomana o alvttre de revogar o despacho do Sr.
inspector effectivo em junta desta thesouraria, e
sim o de submelte-lo decisao de V. Exc., dando
ae negocio proporc5es e vulto que, considerado ni-
camente dentro desta repartiedo, elle nao poda ter.
O meu procedimento foi apenas filho do desejo de
zelar os interesses da fazenda, sem encarecer o fac-
to que eu reputva engao.
t E a minha asseveragao oeste ponto, Exm. Sr.,
est tanto mais no caso de ser acreditada, quanto
exacto qoe trlnta e tres annos de servigos nao
interrompidos em diversas repartigSes, e sob di-
versos ebefes, devem pr-me ao abrigo de qoalquer
suspeita, e ainda menos de ser considerado como
dominado por preveuges ms, qae possam arras-
trar a flhs occoltos e anarchlsadores, unindo a vin-
ganga ao patronato!
< Quem considerar que as contas em qaesto
do ex-collector Luna Fretre foram at discutidas
no anno passado na assembla provincial, e laxa-
se sirva declarar os motivos que teve para assignar
o primeiro despacho, sem opp)r-lhe suas retados,
apesar de ser esse despacho contrario ao parecer
escripto de V. S., entretanto que na sesso posterior
apre.-entando eu as duvidas em que me achava, V.
S. com ellas concordou, e foi de opiniao que fosse
elle revogado.
Me parecendo pois que V. S., como membro da
rOBLICACOES A PEDIDO
Continuacao da subscripgo agenciada em Igua-
rassu pelo Exm. Sr. bario do Rio Fermoso.
Donativos.
Barao do Rio Formoso.............
Major Manoel Julio da Fonseca Pinho
Manoel cavalcanli de Albnqnerque Lins
Brasiliano Rodrigues Campello
3005000
50,8000
30*000
305000
Luiz Carlos........................ 30*000
Miguel Pessoa de Araujo Cavalcanli... 254000
Luiz A. A. Maranho............... 205000
Jos Tavares Dornellas Araujo....... 15*000
Joaquim Mauricio Tavares de Barros.. IO50OO
Francisco de Paula Cavalcanli....... 10*000
Henrique Pereira do Valle Moraes----- 105 000
G
MME1GI0.
Cat\a filial de banco do Brasil em
_____________JUptHrtnbucO.
A directora desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Noy banco de Pernambuco.
Os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagara o 1 dividendo de dita massa.
na razo de 9 0/0 sobre o valor des ttulos ad-
mettidos : no novo banco de Pernambuco 1 ua
do Trapiche n. 34.
\tvob.inco de Pernambuco.
O banco paga o 14 dividendo na razo de 8*
dor acco.
\'ovo banco de Pernant-
bueo.
O banco desconla letras na presente semana a
9 por cento ao anno at o prazo de quatro me-
zes, e a 10 0|0 at o de seis mezes, e toma dinhei-
roa juros a praso nunca menor ds tres mezes*
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 20......
dem do dia 22...............
477:201*810
25:262*318
502:464*143
MOVIMEiNTO DA ALFADEGA.
Volumes entrados com fazendas.... 167
< c com gneros..... 241
Volumes sahidos com fazendas.
t t com gneros.
------- 408
135 .
112
------247
Descarregam no da 23 do crreme.
Vapor inglez Ohndamercadorias.
Rrigiis inglezParklide-cemento.
Escuna hollandeza -A'pcifanf- genebra e
gneros de esliva.
Brigue francez-Amafti/e Cclestvinhos.
Barca inglezaLojnfcdrdiogneros de estiva.
Barca ingleza-iloiid/if-feiro e mais gneros.
Barca portugueza S. Joaocharque.
Escuna portuguezaD. Jo&oidem.
Sumaca hespanholaMerceditaidem.
Brigue nacionalCardia dem.
Bri5ue nacionalImporaJor idem.
mais
junta nao recusar esclarecunento algum, que ten- Barca inglezaBelle Pontecarvo.
Ha a i l! difcil" CI11 CAtlHiliili nn -,\ nnnnnin .; .v. 1._____________~____~_ 0*1____---- J
da a justificar sua cooducta nesse negocio, assim
como a mim rae cumpre outro tanto fazer ; espero
que V. S. convir neste meu pedido satisfazendo-o
com a malor urgencia que Ihe for possivel. Dos
guarde a V. S.Thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de maio de 1856.Illm. Sr. Dr. Cypriano
Fenelon Guedes Alcoforado.Procurador fiscal des
la thesouraria.O contador serviudo de inspector
Jos Mana da Cruz. >
N. 10.Illm. Sr.Em resposta ao officio de V.
S. datado de hoje que acabo de receber sou a di-
zer-lhe que a razo que tive para assignar como
membro da junta da thesouraria provincial o des-
pacho pelo qutl em sessao de 17 de abril do cor-
rente anno o Sr. inspector Jos Pedro da Silva man-
dou abonar as contas do ex-collector do Ro For-
moso Joaquim Jos de Luna Freir, e isto sem ob-
servagooa protesto algum, apezar de ser e>se des-
pacho contrario ao m u parecer escripto, foi estar
eu na persuasao de que todos os despachos que nes-
se dta se lavraram, e este entre os outros. estavam
conformes aos pareceres escriptos, nao podendo por
forma alguma suppor que o Sr. inspector Jos Pe-
dro da Silva, que presidia a junta se equivocasse
em mandar abonar por despachoque ellediclou ao
secretario, contas que o no podiam ser em vista
dos pareceres escriptos, meu e da contadoria ; e
nem me era permittido, sem offender a dignidade do
Sr. inspector, que quem dicta os despachos ao se-
cretario, examinar se elles estavam conformes ou
nao aos pareceres, por isso que nessa hypothese,
apezar do voto deliberativo do Sr. inspector, nao
manda este lavrar o despacho contrario opiniao
escripia dos oulros dous membros da junta, sera
suscitar discussao em a qul cadaum justifica li-
vre e araplamente o seu parecer, para que qual-
quer dos referidos membros possa protestar contra
a decisao e recorrer della o.Exra. Sr. presidente
da provincia.
Na sesso segnjnte dd 2ff do dito mez, j pre-
sidida por V. S. como nsf ector interino, nao hesitei
das de irref alares, fcilmente comprebender com em votar pela revogacBo daquelle despacito, que co
Barca norueguense- Tasmaniaiem.
Importadlo.
Hiate nacional Dous Amigos, entrado de Penedo,
consignado a C. C. da Costa Moreira, manifestou o
seguinte :
368 saceos milho ; a ordem.
391 ditos dito ; a Joaquim Pedro, ausente o con-
signatario.
Hiate nacional Oliveira, entrado da Babia, con-
signado a Tasso Irmos, manifestou o seguinte :
2,040 alqueires farinha de mandioca e 6 pipas e
12 barris vaztos ; aos mesmos.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
PAUTA DOS PBEgOS DOS GNEROS SUJEITOS A DIREITOS
DE EXP011TACAO. SEMANA DE 22 A 27 DO HEZ
DE MAIO DE 1865.
Mercadorias. unidades. Valores.
Abanos......... cento
Agurdente de cana .... caada
dem restilada ou do reino
dem caxaca........
dem genebra ......
dem alcool ou espirito de agua- *
rdeme........
Algodo em carogo .... arroba
dem em rama ou em la *
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado .... .
dem branco....... t
dem-refinado.......
Azeite de amendoim ou menda-
bim ....... caada
dem de coco...... >
dem de mamona ,
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha o diara, propria para
embarque ...... ,
dem fina ....... ,
Caf bom ....... ,
1*500
800
800
400-
800
900
2*875
11*500
1*500
2*600
1*950
3*400
5*120
2*000
1*600
1*000
1*200
3*000
7*000
7*400


MfflLSDOl
ILEGVEL


:
ca MMHlklifi 4
dem escolha ou restolho. *
dem torrado...... libra
Caibros........ um
Cal.......... arroba
dem branca
Carne secca (xartrae) ...
Carneiros .-...... um
Carvo vegetal ? artoba
Cavernas de sicupira urna .
Cera de carnauba em bruta libra
Idem dem em velas ...
ha......... ,
Charutos ....... cento
Cuvados (porcos)..... um
Cocos (seceos) ...... cento
Colla........ libra
Couros de bei, salgados.
dem idem seceos espichados
dem idem verdes.....
dem idem cabra eortidos um
dem idem de onca ....
Doces seceos ...... libra
dem em gela ou massa
dem em calda .......
Espanadores grandes um
dem pequeos......
Esteiras para forro de estivas
de navio......... cento
Estopa nacional ... arroba
um
arroba
urna
arroba
alqueire 2500
arroba 4,5000
25800
55000
15000
83O00
85000
55000
600
25500
255000
25OOO
113000
G5000
240
900
35000
55000
55OOO
800
45OOO
15000
120
Farinha de de mandioca
dem de ararnta ....
Feijae de qualquer qudlidade
Frechaes ......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinhas ......
Gomma.......
Ipecacuanha (raz) ....
Lenha em achas.....cento
Toros........ 1
Linhas e esteles......um
Mel ou nielaco ....... caada
Milito......... arroba
Papagaios .......um
Pao Itrasil.......quintal
idem de jangada......um
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar ..... c
Idem de rebolo ......
Piassava ........molho
Puntas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento 35560
Pranchoes de amarello de dous
costados .......um 205009
dem de louro...... i 105000
Rap.........libra 15000
Sabio ......... 120
Sal...........alqueire 400
Salsa parrilha.......arroba 255000
Sebo em rama...... 55O00
Idem em velas ...... 75000
Sola em vaqueta......urna 25800
Taboas de amarello.....duzia 1405000
dem diversas....... 1 875000
'Tapiocas.........arroba 35000
Tatajuba........quintal
Travs ........urna
Unbasdebei ......Cento 200
Vassouras de piassava ... 105000
Ditas de timb....... > 83000
Ditas de carnauba..... 65000
Vinagre.........caada 500
Alandegade Pernambuco, 20 de marco de 1865.
(Assignados):
Os l." conferentes Francisco de Paula Gangal-
ves da Silva.Jos Miguel de Ltra.
Approvo. -Alfaudega de Pernamuc, 20 de maio
de 1865.A. Eulalia.
Conforme. O 3." escriplarario, Joao dos San-
tos Porto.
REEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimeolo do dia 1 a 20...... 17:9085000
Idem do dia 22................ 1 -.4715661
19:3805201
65000 4* Para o mala que nestas clausulas se nSo pre
440 vine, observar-se-ha o que dlspoe a lei 286.
360 Conforme,
80 A. F. d'AoDunciacio.
800 O Illm. Sr. inspector da tfiesoorarfa provin
35100 cial, em cumprimeoto da ordem do Exm. Sr. pre
459OO sidente da provincia de 10 do correte, manda fa
15000 ter publico qne no da 14 de junho prximo vin
85000 douro, perante a junta da fazenaa da mesma (be
300 souraria, se ha de arrematar, a quem por menos
300 Bter, a obra da cadeia da cidade de Nazarelh, ava-
15500 liada em 18:0935900 rs.
25500 A arrematado sera feita na forma da lei pro
155OOO viocial n. 343 de 15 de maio de 1854, sob as clau-
65060 stilas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem essa arremata-
pao, comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no da cima indicado, pelo meio dia, e com
potentemente habilitados.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarin da thesoiiraria provincial de Per-
nambuco, 14 de margo de 1865.0 secretario, A-
F. d'Annunciaeao.
Clausulas especiaes para a arrematado.
1." O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
eito de conformidade com a planta e orcamento
junto, na importancia de 18:0935&00 rs.
2.* O arrematante ser obrigado a dar principio
aos trabadlos no prazo de 30 das, e concluidos
no de um anno, ambos a contar da data da assig-
natura do contrato.
3.* Os pagamentos serao feilos era 3 prestacoes
iguaes correspondentes a rada terco da obra (Inda.
4.a Nao ser em tempo algum attendlda qualquer
reclamaco por parte do arrematante tenden-
te indemnisacao, quaesquer que sejam as allega-
coes em que se hajam para esse flm, anda ms-
mo por prejnizos provados.
5.a Para ludo o que nao estiver especificado as
presentes clausulas, seguir-se-ha o que dipoe o re-
gnlamenlo de 9 de Janeiro de 1864.
Conforme.A F. d'Annuncagao.
130
J40
105
350
105600
15000
320
500
45OOO
25OOO
155000
15600
OVIMEHTO PO gOlTO
Navios entrados no dia 22.
ilarhor Grace -21 dias, barca ingleza Fretutng, do
24) toneladas, capito George Flemore, equipa-
gem 10, carga 1,523 barricas com bacalliao ;
Saunders Brolhers A C.
Ar^caiy i8 dias. hiae brasileiro Micolo I, de 47
toneladas, capito Trajano Tneoaorairo de Mou-
ra, equipahem 7, carga algodo e outros gene-
ros ; a Prente Vianna & C.
Navios saludos no mesmo dia.
Jlio Grande do Sul Palhabote brasileiro Alberto,
capito Jos Augusto de Piuho Victoria, carga
assucar e outros gneros.
Observacao.
Apparece ao sul uiu navio e ao norte um brigue
iuglez.
lilil.
O r. Trislao de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa, juiz de direito especial
do cora nercio desla cidade do Rccife de Pernam-
buco e seu termo, por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o sr. D. Pedro II, a quem Dos
Guarde, etc.
Faca saber pelo presente, a requerimento des
commerciantes Ferrara & Loureiro, se acha ber-
ta a Mlencia do commercante Joaquim Antonio
Lopes Gomes pela sentenca do theor seguinte :
Vista a petieao a folhas 2, e a declararlo do
commercante Joaquim Antonio Lopes Gomes a fo-
lhas 8, por onde se mostra achar-se insolvente e
com cessaco dos seus pagamentos, hei por aberta
a sua fallencia, cuja data legal fixo no dia 12 do
corrate mez, e dispensada a apposico de sellos,
por estarem arestados os bens do fallido, mando
que se proceda nos termos da arrecadaco, e se
publique a fallencia por editaos na forma da lei.
Para curadores flseaes uoraeio os credores sappli-
cantes Ferreira & Loureiro, e afim de se nomear
depositario, sejam convocados os credores para o
dia 24 do crrante, pelas 11 horas da roanha, na
sala das audieacias.
Recife 18 de maio do 1865 Trsto de Alencar
Araripe.
Segurado o que assim continha em dita sentenca
o era observancia da qual o respectivo escrivao
Manoe! de Carvalho Paes de Andrade, que este
subscreveu e fez pas-ar a presente, pelo qual e sen
tlieor sao convocados todos os credores, afim de
reunidos todos no da 24 do corrente mez, pelas 11
horas da manhaa, na sala das audiencias, proce-
dan! a noraeacao de depositario ou depositarios,
que receba os bens~da referida -massa fattrda.-
E para que chegue ao coohecimento de todos,
mandei fizer o presente edital qne ser afiliado
nos lugares do costme, e publicado pela ira-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 20 de maio de 1865.
Eu Manoel de Carvalho Paos de Andrade, escri-
vao o subscrevi.
Trtslo de Alencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector da rbesoarrla provin-
cial, em cumplimento da ordem do Exm. Sr. pre*
sidente da provincia, manda fazer publico que no
da 24 do corrente, perante a junta de fazeuda da
mesma thesouraria, se ha de arrematar a quem
por menos flier, a pintara das postes de Jaboato,
Seraphim Pmto, Morenos, Berilo Velao eTapacu'r,
todas na estrada 4a Victoria, avahadas em rs.
-5305000 rs.
A arrematacSo ser feita ha forma da le pro-
vincial n. 343da 9 #eftiaio de 1854,e Sobas ela-
nas especiaes ataito declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata*
gao comparecam na sala das sessoes da referida
.j'iiua no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
'competentemente habilitados.
E para constar se andou publicar o presente
peto jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
raco 10 de maio de 1805.
O secretario,
A. F. d'Anaunciaco.
Clausulas especiaes para a arrematado.
Ia A pintura das diversas pontes cima menci-
nalos serao feitas de conformidade com o orca-
[irHiiio*a-m'^rt#Bcfr'!*3|p%0ttTSi
2* O arremaiaote dar eflYneco aos trabalhos no
prazo de 15 dias, e o& coocluir no de dous meses,
arabos contado* da data da arrematago.
3* O pagamento ser effeciuado em ema s
prestagSo, logo que tenha concluido todas as pfnj
turas.
Finda audiencia do juizo de orphios. ter'
ca*elra 2do corrate, I-" fle ir a p.eag. t es,-
da da casa e sitio denominado Santo Antonio da
Mourarla, no lugar do Manguinho, por tempo de
tres anno*, a comegar de 20 de maio corrente a
20_de maio de 1868 : a olrna pr^ga. ,,, ,
" No dia 26 do eorrent, -ldapbis da iltntib
do Br. jui'. municipal da i* rara, tera de ser ar-
Qawta-felta 24 do ereate, Anda a ndlenei
do Sr. Dr. juiz municipal da 2a vara, iro a praga
por venda, os movis peohorados a Francisco Bo-
teiho de Andrade, por execugo de Cascao a Pon
IjtaL ylo arteria do eseryi) Bapiista.
** VofcV^^ere-f&r 23 do co
corrente, pe-
rante o Illm. Sr'. D juiz municipal da primera
rematado a propnedade.siu na ra dos Gua/ar,a- vara miA dM'^diejKli, os Abrados da ra
pes, pela avaffacao el 1:4305, por exwugfo ^reitPds Afogas ns. 1 e 7 'a ca,a terrea ua
Joaquim Lopes de Almeida contra Domingos Jos mesraa ra n. 9, quem as mesraas quizer langar
DECUIACCES.
3505000
4505000
4505UO0
4i05000
4505OOO
5005000
725000
5505000
4505000
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illm.* junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico qne
no dia 26 do correte pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sessdes iro a praga para serem ar-
rematadas pelo tempo de i a 3 annos as renda
das casas abaixo declaradas.
Os licitantes devem comparecer acompanhados
de seus fiadores ou munidos de cartas destes,
Ra do Queimado.
Sala do 1 andar n. 1 particular e 33)
publico.........> 5205000
Loja n. 1 particular e 33 publico. .)
Ra do Crespo.
Sobrado de 3 andares n. 3 particular e
11 publico........i .5505000
Ra das Larangeiras.
Casa terrea n. o particular e 17 pu-
blico.......... 2065000
Ra do Raogel.
dem n. 6 particular e 56 publico. 3005000
Ra de S. Gongalo.
dem n. 11 particular e 24 publico. 1925000
Ra do Rosario da Boa-Vista.
dem n. 14 particular e 58 publico. 1685000
Ra da Madre de Dos.
Sobrado de um andar n. 25 particular
e 24 pubiieo........1:0005000
Casa terrea u. 26 particular e 22 pu-
blico..........9005000
dem n. 27 particular e 20 publico. 6005000
dem n. 30 particular e 14 publico. 6D05000
dem n. 32 particular e 10 publico. 6O050OO
dem n. 33 particular e 8 publico. 3005000
dem n. 35 particular e 4 publico. 8005000
Becco das Boias.
Sobrado de 2 andares n. 38 particular
e 16 publico........5OO50OO
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 41 particular e 2 pu-
blico..........1505000
Ra da Mocda.
dem o. 44 particular e 21 publico.
Ra do Amorim.
Idera n. 48 particular e 56 publico.
Idem u. 49 particular e 54 pubiieo.
llera n. 50 parlieulare 52 publico. ,
Idera n. 52 particular e 45 publica.
dem n. ."i:! nsrjioular e 43 publico.
Iidem n. 56 particular e 26 publico.
Kua do Azeite de I'eixe.
I lem n. 57 particular e 23 publico.
I .'em n. 61 particular e 15 publico.
Idem de um andar n. 62 particular
18 publico........1:9025000
dem n. 61 parlieulare 14 publico. 6OO500U
Idm terrea n. 64 particular a 2 publ
co...........4505000
Ra da Cacimba.
dem n. 65 particular e 5 publico. .
dem n, 66 particular e 12 publico. .
dem n. 67 particular e 10 publico. .
Roa do Vigario.
Sobrado de 3 aojares n. 71 particular
e 22 publico........
dem de 2 andares n- 72 particular e
27 publico........6485000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particular
e 11 publico........8395000
dem idem n. 77 particular e 13 pu-
blica..........8395000
Ruada Senza la Ve I ha.
Sobrade de 2 andares n. 78 particular
136 publico........ 5525000
dem idem n. 79 particular e 134 pu-
blico......... 5.05000
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico......*.-.'. 2005000
dem n. 82 particular e 16 publico. 2005000
Rna da Guia.
dem n. 84 particular e 29 publico. 1445000
Roa do Trapiche.
Sobrado de 3 andares n. 85 particular
e 30 publico. .......7205000
Ra da Lingoeta.
Idem de 2 andares o. 86 particular e
14 publico........6005000
Roa da Cruz.
dem idem n. 87 particular e 11 pu-
blico..........8825000
dem idera n. 88 particular e 29 publi-
co. .... .....7505000
dem idera n 89 particular e 14 publi-
co......... 7005000
dem idem n. 90 particular e 12 pu-
blico.......... 7505000
Roa do Pilar.
Casa terrea n. 92 particular e 103 pu-
blico......... 2005006
dem n. 93 particular e 101 publico. 2005000
dem n. 94 particular e 99 publico. 2555000
Idert n. 95 particular e 9 publico. 2385000
idem n. 96 particular e 2 publico. 725000
dem n. 99 particular e 106 publico. 2285000
dem n. 97 particular e 110 publico. 2285000
dem n. 100 particular e 104 publico. 2285000
dem n. 161 particular e 102 publico. 2285000
(dem n. 102 partioular e 100 pubiieo.. 2285080
dem n. 103 pasticular e 98 publico.. 2285009
dem n. 104 particular e 96 publico.. 2285080
Idera n. 105 particular e 94 publico... 2285000
Pereira da Costa e sua mulher, como mellior coas-
ta do escrlpto em mo do porteira.
Santa Gasa da Hisericonlia do Hecifa.'
A Illm.junta administrativa da Sania Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que no
dia 2 do corrente, petas 4 horas da tarde, na sala j
de suas sessdes, ir a praga a carne verde que se
houver de consumir nos eslabeieeimontos de cari-
dade nos dous collegios de orphos no mez de ju-
nbo prdiimo futuro.
Os pretendentes devem apresentar as suas n/o-
postas em carta fechada.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 22 de maio de 1865.
O escrivao
_______________F. A. Cavalcaati Cousseiro.
Santa Casa de Misericordia do~
Recife.
A Illm" jnnta administrativa da Sania Casa de
Misericordia do Recife manda f-zer publico que no
da 26 do crreme, pelas 4 horas da larde, na sala
de suas sessdes, Iro praga para serem arrema-
tados a qnem por menos fizer os reparos e obras
seguales:
Urna grade de ferro para o adro da igreja de N.
S. do Paraizo, com dons portees com 10 palmos,
tanto de altura como de largura, e tendo a grade
em toda a sua extenso 110 palmos e 5 de altara.
A mo d'obra de pedreiro do 2 lango da pare-
de da casa que se est edificando na ra da Gloria
para o collegio dos orphaos, Com 206 palmos em
ambas as frentes, 35 de fundo e 18 de altura, pr-
tlndo do travejsmento at a cornija, ficanao esta
em os so.
Os reparos do sobradp de dous andares h. 1 pu-
blico da ra do Azeite de Peixe, e da casa terrea
n. 19 da rna dos Burgos.
O fazimento de 18 calxilios de araarelo vinhati-
co, sendo 16 para as janellas e 2 para as portas da
galeria do 1 andar do hospital Pedro II, que de-
vero s*t iguaes aos do 2o andar, dando e arre-
matante a madeira e ferragens, e collocando-os
em seus lugares.
O tapamento do arrumbo do viveiro da ilha do
Nogueira pela maneira seguale : uro caes com 30
palmos de extenso e 18 de altura, 12 de grossura
na base a menor em5 ; bem como um aterrone
15 ualmos de largura.ao lado do cae?.
Os pretendentes devem apresentar as suas pro-
postas em cartas fechadas, podendo as mestnas
propostas comprrhunder todas as obras e reparos,
on cada urna de per si, e entendendo-se quanto aos
esclarecimentos de que precisarem com 03 senho-
res mordomos encarregados dos predios tenente-
coronel Justino Pereir deFariase Antonio Ramos.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 17 de maio de 1865.
O escrivao,
' F. A. Cavdlcanti Cousseiro
O conselho do compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguintes :
1,500 bonets redondos com paia para os guar-
das naeionaes destacados.
As pessoas que quizerem vender ditos bonets
apresentem suas propostas na sala do conselho no
dia 24 do corrente, ao meio dia ; podendo nm da
antes, na directora do arsenal, verem o fignrino,
para regularem suas propsstas.
Sala, das sessoes do conselho de compras do
arsenal de guerra 18 de maio de 1865
O encarregado da escripturaco
Manoel Jos de Azevedo" Santos.
13:1525674, stwlo em letras o eonfas de llvro, enja
relagio e balango se tena jtm poder do mesmo
.nenie a examc dos pretendenles.
mdesera effeciuado o
as 10 hor.' i
i era effeciuado o leilo.
comparega no diar cima as 12 horas da manbaa,
(o escrlpto edital se acha em mo do portlr-o.)
1445000
1445000
835000
8005000
TIIE1TR
DE
s
EMPREZA--COIMBRA
Terca feira 23 de maio de
1805.
Recita extraordinaria'.
Representar-seo mullo applau Jido e interessan-
te drama era 5 aclos
G0 E 0 CARCIYIIA.
Dar flm ao espectculo a gracfbsa comedia em
1 acto
MS TENTACOES.
Tomara parte os artistas D. Eugenia, D. Camil-
la, D. Jesuina, Teixeira, Pinto.
Principiar s 8 heras.
AVISOS MWITIIOS.
Leilo it orna casa terrea.
flOafE.
O ageula Pinto levar a leilo pela uliima vez,
por despacho do illm. Sr. Or. juiz de orphos a ca-
sa terrea sita na ra de S. Miguel n. 19, fregnezia
dos Afogados, serviudode base a offerla oblida ; s
10 horas do dia supradito em sea escrlptorio a ra
da Cruz n. 38.
Leilo em conliuuaco (te viniins ta H-
gueira das marcas IX, ARP, AMSG,
JA.4,
O agente Pestaa cuufnur o seu leilo de ex-
celentes vinhos da Figueira da bem conhecidas
e acreditadas martas cima mencionadas, sendo
vendidas sem reserva do pregos em lotes a vonia-
de dos compradores : terga-feira 23 do corrente,
pelas 11 horas da manhaa, no Largo da Alfau-
dega^_________________________________
Leilo de 1o qneijos soissos.
IIOJ
O agente Pestaa taTa tratan por conta e risco de
qnem pertencer tfe 15 qneijos suissos ramio novos,
era um ou irais loles voniade : trga feira 23 do
I corrente, pelas 10 horas da manha, na porta du
j armazem do Sr. AzeveJo, defronte da escadinha
da alfandega.
Leilo feraren -de 500 birrricus com
farinha de irigo avariadas a borda!
do patacho nacional Palma.
Quarta-feira 24 de maio.
Henry Forster 4 C faro leilo por intervengao
do agente Pinto, de cerca de 5u0 barricas com
farinha de trigo ^variadas, a bordo do patacho na-
I cional Palma, as 10 horas do dia aeiraa dito em
' seu armazem da roa do Imperador por baixo do
Gab'nete Porloguez de Leitura.
Participa se ios nobr s socios da sociedad* Nuv
Eul.rpina qne no dia de quInia-Mra 25 de maio
do corrente mi>z,as 10 horas da manha, haver
j assembla wral para so eleger novos inembros:
por isso a direcgo aciual se ufanar de ver reu-
nidos na mesma sociedado os de mais socios
para o fim cima.0 secretarlo,
Jos Annes Vieira de Sonza.
Manoel do Nascimento Vieira da CunhTvi
a Europa tratar de sha saude.
Jo<. dos Santos subdito porluguez vai a Por-
tugal.
Joaquim Jos Rabeilo, subdito porluguez,
vai a Portugal.
^i-
Convida-se as pessoas que estiverem niiscon-
digSes do servigo militar, a engajarem-se no corpo
de polica, e pozarera das vantagens que offerece
a lei provincial n. 611 de 2 do.corrente.________
Pela |thesouraria provincial se faz publico,
que a arremalagao da pintura da ponte pensil do
Casanga', oi transferida para o dia 24 do cor-
rente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 12 de maio de 1865.
O secretario,
A. F. da Aununciagao.
Pela thesouraria provincial se faz pubti'-o,
que a arremalagao dos reparosvJa ponte do liio
Formoso, foi transferida para o dia 24 do cor-
rele.
Secretarla da thesooraria provincial de Pernam-
buco, 12 de maio de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreira da Annum-iago.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematago dos reparus du ponte de Rujary,
foi transferida para o da 24 do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 12 de maio de 1365.
O secretario,
A. F. di AiiniHiciaco.
Finda a audiencia do juizo de orphSos (terga
faira 23 do corrente) tem.de ir a praga a renda
da casa e sitio denominado Santo Antonio da Ro-
mana, no lugar do Manguind, por tempo de tres
annos, a romegar de 20 de maio corrente, a 20 de
maio de ISS : a ultima praga.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 19 de maio de 1865.
O escrivao,
F. A. Cavalcanti Consseiro*
COMPANHIA.
DO
S3o convidados os Srs. accionistas desta
companhia a reunirem-se em assembla ge-
ral no dia 26 do corrate mez ao meto dia,
para em conformidade dos seu* estatutos
deliberar sobre as contas rio semestre findo,
approvar o orcamento e decretar o 31 di-
videndo.
Escriptoro da Companhia do Beberibe
22 de maio de 1863.
O secftarioi
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
O conselho de compras do arsenal de guer-
ra precisa comprar o seguinte :
Para o segundo batalhao de Voluntarlos.
285 covados de panno azul para fardaraento.
399 covdos de dito dito para capote.
135 covados de dito msela.
149 covados do'baet azul.
3800 varas de brim branco.
2014 ditas de algodaozinho.
57 bonets a cavanhaqUe.
50 bandas parn inferiores.
27 bonets para msicos.
27 pares de charlateiras.
15 cordoes de la para canudos de inferiores.
2 Espadas.
2 taiins.
2 fiadores de couro invernisado.
17 cornetas de toque.
17 cordoes para as mesraas.
2 coras troperiaes para divisa.
1 capa d brim para bandefra.
1 dita de oleado para bandeira.
24 malas forradas de sola.
Para o arsenal.
25 chapas de latd de 14 a 16 lib'as.
As pessoas que quizerem vender taes artigos
apresentem sa*s proposlas na sala das sessdes de
conselho, as 11 horas da manha do dia 24 do cor-
rrente.
Sala das sesioes do Conselho de compras do ar-
senal de guerra, 17 de mio de 1865. O encar-
regado da escnppiuracao,
Manuel Jos de Azevedo Santos.
0 conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para e presidio de Fernando.
1 livro de pape) de Hoilanda pautado com 400
folhas, capa de couro, cora 17 po legad as de com-
prim oto e 10 1|2 de largura.
6 ditos de 200 folhas do mesmo papel e com as
mesmas dimeusSes.
8 ditos de 100 ditas do mesmo papel e com as
mesmas dimens5M.
4 ditos de 50 ditas do mesmo papel e cora as
mesmas dimensdes.
I folhinha eom almanak da provincia.
t caivete Sao de aparar p -noa.
1 compasso pequeo de mola e chave para es-
cripta.
3 escrtvaninhas de lato galvanizadas.
2 duziasde cbelas de pinho.
6 pegas de eadaam de linlio de diversas cores.
6 rosmaa de papel almago pautado.
8 libfas fie galha.
2 ditas capa-rosa.
4 ditas gomma arbica.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos
apresentem suas propostas era carta fechada ao
meio dia do dia 24 do torrente toa sala do conselho.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra 22 de maio de 1865.
O encarregado da escripturaco
Manoel Js4 da Areveio Santos.
Xiivciiico costeira
para sr*a
Vai sahir breve o brigut porluguez Rafa //. ca-
ditao A. F. Vieira, recebe carga e passageiros; tra-
ta-se com o consignatario E. R. Rabeilo, ra do
T rapiebe n. 44.
lOMPiWHIi BR4SILEIR4
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' psperado dos portos do sul
at o dia 31 do corrente, o vapor
A ^DI/IV, Paran, coiiHnaudante o capilo
* de fragata Antonio Joaqaim de
Siuta Barbara, o qual depois da
demora do cosame seguir' para os portos do
norte.
Desdej recebem so passagelros c engnja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a 'jnal dever
ser embarcada no dia desna chegada, enconimen-
das e dinheiro a freie al o dia d
ras da tarde : agencia ra da Cruz
ri j de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
por vapor
A sahlda do vapor Jaguaribe
para os portos do norte fica
transferida para o dia 24 do cor-
rente. A carga ser recebida
desde o dia immedlato ao de sua
chegada do Rio de Janeiro at a vespera do da
sabida : esenptorio no Forte do Mallos n i.
Rio de Janeiro
Segu breve para aquelle porto a barca brasile-
ra llenriquela por ter motado do carregamento
promplo : para o resto Irata-se com os consigna-
tarios Marques, Ranos & C, largo do Corpo S.inlo
n. 6, segundo andar.
COMPANHIA BTASLEffiA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 26 do correle o va-
por Cruzeiro do Sul, comman-
dantc Alcoforado, o qual depois
t^ da demora do co.-tume seguir
para os porlos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja so a
carga qne o vapor poder condozir, a qnal dever
ser embarcada no dia de sua chegada, cncom-
mentase dinheiro a frete al o dia da sabida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. i, escriptorio de
AutogioLuizde Oliveira Azevedo & C.
Rio de Janeiro.
A barca brasileira Jotfnt Palmita de primeira
ciarse, segu cora brevidade, e lem nvia carga
contratada, para o resto, tratase com o consigna-
tario Joo Francisco da Silva Novaes : Travessa
da Madre de Deus n. o.
Deemaporco de saceos cain alpisia.
QUAKTA-FBIRA 24 DO COUBENTE
as 11 horas no grande armazem do agente
OLYMPIO
36--Rua da cadeia do Ueelie-3
Leilao
Demobilis e oattos trastes de casa
de fimia.
Cristiano .los T^vare
tendo de. retirar-se para Europa, expora a leilao
os trastes de casa de sua residencia, con lando de
I urna mobilia de Jacaranda a Luiz XV, urna dita,
de mogno tolas com lampo de pedras, e outros
"aida as 3i ho- i !"ste-usados Qna seriaenlaa\ho mencionar, cu-
4 esi-rinio ^ 'e''" sora eHoctuado por inU-rven:-i) do agente
oioHi A r Cordeiro Simoes, uo armazem a ra do Imperador
per
u. 47.
Quarla-feira 2 i do corrrnle as 10 horas.
____ (Anda que chova.)
i^-
Para a Babia
pretende sahir com multa brevidade a veleira es-
cuna Eliza por ter a inaior parte da carga, e para
o resto que Ibes (alia trata se com o consignatario ] objecos cima existentes ra do Imperador
Joaquim Jos Gongalves Delirio na ra do Vigario mero 37.
LEILAO
Cm conlinuaco e ultimo tos bastes do
ai-uzem a ra do Imperador 11. 47.
Quarla-feira 21 do frrenle as 10 beras
(ainda que chova.)
CH1UST1AN0 J )SE' TAVARES
tendo de retirar-se para Europa, ultimar no dia
cima dito, o leilao dos restos dos trastes de seu
armazem, por interveucaodo agente SiinOes.
Leao de um catiriolet amcricitue de
4 rodas com mallo.
Cordeiro Simoes por conta e risco de quem per-
tencer vender em leilao o cabriolet cima dito.
Quarta-feira 4 do corrente
as 10 horas, a porta do armazem da ra do Impe-
Ben$io dairaagem do Se-
nlior Santo Gliiisto, ban-
deira e novenas do Divi-
no Espirito Santo, ni sua
igreja do Collegio.
Qnntafeira 2o do corrente as 11 horas da ma-
nha lera lugar na igrda do Dlcino E-pirito San-
to, a bencio solemne da re>peiiavel imagen do
Seuhor Santo Christ (a imiac.io da que se venera
na igreja do convenio aas freirs de Nossa Senho-
fa da i*penraca na itlia de S- Miguel) para ser
inaugurada em um dos alteres ja destinados ua
mesma igreja, eahi recebera aaoracSo do-; is ca-
thoiicos.a quera se convida a ansi^tirem a este aeto-
religioso. O acto sera celebrado pelo illm. e Rvd.
Sr. conego Fraucisco Jos Tavares da Gama, com
assi.-tencia daquelles ltmvds. .-eishores que quize-
rem lom.r pane nesse acto de respeiio e veuera-
cOe. A termiuacao do aeio sera aonunciada por
urna grande gyrandola de fegnete e repique de
sinos. Roga-se a tolas as re|*iuvis irmaiidades
desla cidade o obsequio de mandaren) correspon-
der o repique em su a lodos os liis que a r^speiiavel imagem se aeda
em estado de veneracao publica.
Finda a missa do meio dia, a irmaodade encor-
porada e precedida da duas alas de laeninis-ira-
jaudo de brauco e acompauhada da barnia de m-
sica da sociedade Lnio ferinaueoie (qaa benig-
namente so presiou a vir locar) con Imir a ban-
deira do seu Diuo Padroeiro, em voila do pateo,,
e a fara arvorar em frenle da igreja, no re.-peiiivo
masiro, ao esirouio de urna grande gyrandola de
foguetes, ein Seguida um grande balao em forma
de earamaneho guarnecido de bandeiras, tendo a
docentrooemblertia do seu Divino Fadroeiro, far
a sua asseuco em frente a igrea,annoneiuiilo por
esta forma aos habitantes desla cidale jm tiverara
principios festejos doDiVin.1 E>pinl) Smto. A
7 huras da uoile do iiK'Sino dia e nas noi.es sjgnin-
tes al a do dia 2 inclusive, lero lugar as respec-
tivas novena^, tlnahsaodo sta' com versos canta-
dos por seuhora, sendo lirados a piano e o coro a
instrumental. O programma da festa sera pos-
teriormente annunciado, desde ja s;io convidados-
o nossos inuos a comparecer a estes artes.
Manoel Luiz da VtMga,
Escrivao.
Na rita larga do Rosario n. 31>, pri-
meiro andar, precisa-se de timi ann para
lodo o servido, de pouc fam lia.
a
Leilo de mobilia.
Sexta feira 26 do corrente.
O agente Pestaa autorizado pelo reverendo C.
A. Au.-tin, far leilo de teda a sua mobilia da ca-
sa de sua moradia, consi.-tiudo em mesas de Jaca-
randa, cadeiras de dito, sofs, consolos ludo com
pedra, guarda-vros e esenvaninha, mesa elstica,
guarda-louca, apparador, candi.-iros a gaz, camas
grandes de ca=al,dita de ferro, emuitos outros ob-
jectos que se acharo patentes, um cabriolet muito
leve e em perfeito estado, urna earroca de car-
gueijar,
Sexta feira 26 do corrento
s 11 horas da manfla*, na casa da residencia do
mesmo Sr. revere.udo Auslin, na ra do Hospicio
n. 26.____________
Le iiv*
Em con iouacao de livros, um prdo,
lypos, armco e objectos de ouro.
Marlins far leilao por ordem dos credores do
Rvd. padre D. Jos Antonio das Sintos Lessa, dos
nu-
n. 10, primeiro andar.
Para o Porto
segu cem brevidade para aquelle porto a barca
porlugueza Arminda, de Ia classe, por ter dous
tercos do carregamento prompto : para o rosto e
passagoiros, para os quaes tem excellentes commo-
dos, trata-se ou com o.capitSo Antonio Francisco
da Silva Nunes, ou com os consignatarios Marques
Barros A C largo do Corpo Santo n. 6, segundo
andar.^______________ _____________
Para Kio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bole Piedad, tem parte do seu carregamento a
bordo, para o resto oue Ihe falla e escravos a fre-
te para os quaes tem excellentes com modos, tra-
ta-se cora os seas consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no sea escriptorio rna da
Cruz n. 1._______i
Para Lisboa
Segu para all cora a possivel brevidade o lu-
gre porluguez Jubo, para o que se acha cora o
maior parte da carga engajada : para o restante a
passageiros, trata-se cora o consignatario T. de
Aquino Fonseca, na rna do Vigario n. 19, primei-
ro andar, ou com o capilo o Sr. Francisco Anto-
nio Melrelle?. ___________
MaranMo e Para
Segoe brevemente ais indicados portos o velei-
ro hiate Linio Paquete, capito Joo Jos dos Quei-
jos Jnior : para o resto da carga que Ihe falla
tratase com o seu consignatario Antonio de Al-
meida Gomes, ra da Croa ni 23, Io andar.
-
LEILOES.
Setta-feira 26 do corrente
s 10 horas do dia.
AVISOS DiTEfiSOS.
LOTERA
AOS 6:000^000.
Sabbado 27 do corrente mez, se exlrahi-
r a 31 parte da Ia lotera (17a) a be-
neficio da igreja de Nossa Senbora da Boa-
viagem, no consistorio da igreja de Nossa
Sen hora do Rosario da freguezi* de Santo
Antonio.
06 bilhetes.meios e quartos esto a ven
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de 6.000,5000 at 10)5000
ser5o pagos urna hora depois da extracto
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribui?5o das listas.
As encommendas s r5o guardadas so-
mente al a noite da vespera da extraccSo
como de costurae.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sonza
-- Aluga-se um pequeo armazem na ra da
Pat, proprio para qualquer estabelecimento em
ponto peqaeao : a tratar no pateo de S. Pedro na
mero 4.
LEILAO
-- Ho)e se ha de arrematar pelo julio de rirpbos
o ascravo Antonio, pedreiro, avallado em 20OA,
visto bSo ter havdo audiencia em V) o corrate.
a ultima pra^a.
t)e 1 siti no Gi |ula' com casa terrea de pedVa
e cal, cocheira ao lado, tendo baixa para capin e
arvoreh frWtiferas e t eans terreas de hipa no
me mo logar a beira da estrada e 1 cavalio para
serv}* do mesmo sitio. j.
Cordelre Mimo es
alrisaflo pelo liqnidatario da casa commercial
de Antonio Joaquim d Mello fara' leilo d'S pre-
dios cima descrilos. Os preleudentes desde j'
podero examiaa-los e qualqfier informacao o mes-
mo ng*nie satisfar', cujo leilao sera' efectuado a'
ra Uireila taberna n. 6
U94K__________
l.oilo da taberna e dividas da
esna rna DJrelta n. 6.
Cordeiro SimSes fara' leilo. autorisao pelo,. H-
quidatario da casa, commeteial de Antonio iia-
rra de Mello, dos gneros, araiacao e nuacHios
taherM cima mentieaada, como laubem as
dividas activas da mesoaa^na iuiportaacia <&------
Precisa-se de urna ama de
filho : na ra da Aurora n. 26.
lei te sem
Joao da Silva Ramos, mdico pela Uni'
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das4sda tarde. Visita os doentes
etn suas casas regularmente as horas
para iss-> designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em qual-
quer oeensio. l) consullas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
Sonde 6 encontrado diariamente das t
s S horas da manhaa.
T<- m sea casa de sade regularmente
montada para reeeber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commod^s apropriados e nella pra-
tica qualquer operaeao cirurgiea.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3000diarios.
Segunda dita.... 2B00
Terceira dita.... 23000 >
Este esiabeleeimeuto j bem acredi-
tado pelos bons ser vicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conflanca de que sem-
pre tem gozado.
I
Preeiso.
Precisa-se de 150?$ a juros sobre hypo-
theca em urna escrava pgandivse os juros
de 3 por cento : quem tiver dirija-se a ra
Velha n. 33, (pie se llie dir quem a pes-
soa.
WtBK
O tenente Antonio Vilella de Castro Ta-
5 vares,seguindoem virtu le de ordens su-
^^ periores para a corte no primeiro vapor
"ai 1uo se p?ppra do norte, e nao Ihe sendo
35 possivel pela presteza de sua viagera des-
JK pedir-se pessoalmenle de seus prenles e
amigos, o faz por este Diario, esperando
. de uns e outros a divida desculpa. Na-
3R quella corte ou para onde o destino con-
aK duzih) frrece aos mesmos sen fraco e
^ diminuto presumo.
m'MMmmm mmm mnnm
Precisase de um cezinheiro forro ou escra-
vo para urna casa de pouco trabalho : na ra no-
va deSantaRUan;19^bj!ka_fl!opeix^^
Desencarninhou-se umr carta remeiti-
da da Parahiba peSr. Primo Pacheco Bor-
gescontendo algurts documentos e entre el-
les diversos conhecimentos de couros em-
barcados n'que!le porto pelo mesmo P". P.
Borges, a bordo da barca ingleza tSJera|)hi-
na, capitoLamb, no mez de abr prxi-
mo pausado: avisa-se ao publico para que
n'nguem contrate ou faca negocio- algum
com os dito couros visto todos pertence-
rem a s negociantes Jolinsfon Paier de C,
desta [iraca
lili III ll
Antonio Fernades Ribeiro, subdito porta-
gaez, vai a Bnroga.
A partida do Club Commercial no corrate
mez ter lugar na noite do da 27. _________
Aluga-se urna sala do primeiro andar da rna
do Queimado n. 41: a tratar na mesma.______
Joo de Carvalho Raposo vai Europa tratar
de sua saude, deixando por seu bastante procura-
dor nes cidade ao Dr. Gervasio Pires Campello. I
Instituid Archcologico e Getgraphicti
Pemambcnno.
Baveri sessao ordinaria scxU4eira 26 do cr-
vente, s 11 horas da manha.
ORDEM DO B1A.
I. Discnsso do orcamento para o anno social
de 1865-66.
2." Trabalr.os e pareceres d commissSes.
Secretaria do lustifoi-J, 21 de maio de 186.1.
J. SOares de Azevede,
Secretarlo pefpetub.
m Quem precisar de alguma quaatia a premio
sob hypotteca de bras flxos on penhora-, deixe na
loja de livros na pra^n da Independencia A, 8 nina
carta fechada declarando a sua morada e a quantia
que precisa, cora as iniebe? Ti, T.^
Aluga se um mulatinho de 14 annos, proprio
para eriado, sabe coi nltar alguma cou-a, muito
fiel e de boa eniducta : quera pretender dirija se
a ra da Imperaniz n i, que ah achara com quem
tratar.
Precisase de urna ama de meia dade par*
casa de hornea solteiro : na raa do Crespo u. 15.
Precisa-se de urna serthora nacional 00 es-
trangeira para am 1 do meninos, e capaz de, na
anuencia da dona d casa, se encarregar da ca-
rencia domestica. para rasa da familia, que
paga e traa bem : na ra da Imperante,, sobrada
i, 15, primeiro anda.
- 1 1 n.------3;
Aluga-se urna casa cora 2. qoartos,- i galli-
neta, 2 salas, quintal morado cacimba, na ra
do Jasmim n. 8 : a fallar fe aaieo. 1& San.la Crut
n. 91
ILEGTVL


Blarlo de r ernamboco .- rerea felra e Mato de l 5.
GASA DA FORTiU
Aos 6:0000000.
Bilhetes garantidos.
V ra do Chispo n. 23 b casas do costumk.
O a baixo assignado vendeu nos seos metilo feli-
ces bilhetes garantidos da lotera que se acabeu
de extrahir, a benelicio do theairo de Santa Isa-
bel, os seguintes premios :
l'm meio n. 1976 com a sorte de 6:000*000.
Um meio n. 59 i com a sorte de 1:200*000.
E outras muitas surtes de 100*, 40*, 20* e
109000.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivospremiossem os descontosdas leisna Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da I* lotera
(17'J beneficio da igreja de N. S. da Boa-vlage m
ue se extrahir a 27 do crreme.
PRECO.
Bilhetes.....7*000
Meios......3*900
Quartos.....1*900
Para as pessoas que compraren de 1005000
para eina.|
Bi I heles.....6*500
Meios......3*250
Quartos.....i*700
^__________Manoil Martins Fiuza.
Sanucl Power Johnston k Conipanhia
Ra da Sen zal Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fnadlcao de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava I los.
Moendase raeias moendas para engenho.
Taixas de ierro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para um'e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados aer canos.
Machinas para tlescarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
"Anemia, chlorose, obstruceo
das vleeras abdominaes, qaer consecutiva a' in-
flammaoSes acudas, quer resultante das febres in-
termitentesDyspepesia, emtlm em tedos os rasos
em que reclamar urna medieaco tnica, ou reme-
dio a algum vicio de hematose
Pilulas e emplasto dejurubeba cura em 15
das.
Preparados por J. F. Lavenere
Villa do Bonito.
irmandade do Divino Espirito
Manto.
Determinando o 8 4o do arl. 11 do nosso com-
proraisso, que lodos os nossos irmaos lem por de-
ver possulr a sua cnsta urna capa da iazenda mo-
delo e cor que marca o lit. 123 do mesmo com-
promisso, com a qual assistiro a todos os actos
da irmandade. Sao convidados todos aquellos Ir-
maos que se quizerem prover das referidas capas
para a prxima procisso, a dirigirem-se a praca
da Independencia os. 37 e 39.
Manoel Lniz da Veiga
Escrivo.
AVISO.
Arrenda-se o engenho Minguito, meia
legua distante da cidade do Rio Formoso,
movido por agua de um grande acude
que nunca seca, com muitos paridos, si
Uos e moradores, tem proporcoes para
fazer-se grandes safras o lucrar-se mul-
le : os pretendentes dirijam-se ao Dr.
Christovo Xavier Lopes em sen enge-
nho Souza ou no Recifc, ra estrella do
Rosario n 23, segundo andar.
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite :
na ra do Rangel n. 7, primeiro andar.
Precisase de nma ama para cosinhar e en-
gommar : na ra do Vigario n. 22.
A tugase
nm sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, urna a em que morou o fallecido Thomaz de
Aquino Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
do todas as accommodacoes precisas, e outra com
boas commodidades para qualquer familia : na
ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
-r- Na ra do Imperador n. 14 loma se nma
ama para todo o servico.
Fabrica nacional de lecidos de Santo Aleixo
no Rio de Janeiro.
Para o servir interno desla fabrica se precisa
engajar servenluarios que estejam aessas condi-
Coes, como familias completas, meninos de ambos
os sexos, de idade de 10 a 14 anaos ; paga-se
bem, dando-se transportes gratatameute desta,
para aquella provincia : aos pas, tutores, ou ad-
ministradores dos menores se pagar mentalmen-
te, ou por qoarteis metade do qse ganhar cada
nm des engajados : os pretendentes podem diri-
gir-se ao largo do Corpo Santo *. 6, segundo an-
dar, oa no hotel da Europa, no caes da Lingoeta,
tambem segundo andar.
escontam-se notas do banco do Brasil e das
caitas filiaes: na praca da Independencia n. 22
Na praca da Independencia n. 33, loja de ouri
ves, compra-se ouro, prata, pedras preciosas e
tambern se faz qualquer obras de e&commenda e
todo e qualquer concert. ______
CALOS.
E chegado do Rio de Janeiro, onde se aperfei-
?oou na profi.-so de calista um joven brasileiro
que acaba de estabelecer-se no botel italiano, ra
do Trapiche n. 5, onde pode ser procurado das 7
horas da manha as 4 da tarde, e deatas at as 6
em casa dos pacientes.
Pedido.
Os curadores fscaes e depssitarios da
massa fallida de Joo Baptista. Goncalves
Bustos, pedem as pessoas a quem o fallido
confiou obras para fazer de seu estabeleci-
mento de fazendas e roupas feitas a ra No-
va desta cidade, hajarn de entregar as mes-
mas obras a ra da Imperatriz n. 40,
Aluga-se o segundo andar da ra da Impera
triz n. 34 : trata-se no mesmo._______________
CLUrTPERMMBCANO;
A partida do mez de maio ter lugar Da
noite do dia 24.____________________
O Loodon & Brazilian Bank, saca por doos
os paquetes,subre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQaO DE LONDRES *mmmmmmmmm
DE
THOMAZ TEIXEIRA BASTOS
N. 60-Rua da Gadeia do Eecife-N. 60
Todos os arligos abaiso mencionados, foram comprados receniemente pelo dono do estabele-
cimento as principaes fabricas de Paris, Londres, Birmiugham, Manchester, e em diversas cidades
da Allemanha, e tendo comprado ludo as melhores condi^es por ser a dinheiro, por isso vende lodo
! e qnalqner artigo barato, por menos do seu valor, e mni principalmente por querer Inteiramente liqui-
dar e ter de partir muilo breve para a Europa.
Ha oeste vasto armazem ricos objeelos com bnlhantes, como botoes, anneis, rosetas etc., e
bem assim, di versas obras de ouro, como trancelins, correntdes, oculos. face-mains, anneis, e muitos
outros artigos, relogios de ouro, ioglezes, do afamado fabricante Bennette ; completo sortimento de fa-
zendas finas e modernas ; miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e
i franceses, como L. T. PlVER, Lobio, L. Legrand, Ed. Pinand & Meyer, Delettrez (Parfumerie du
1 raoad legant), Violet, Societ Hygiemque, Monpelas, Mailly, Regnier, P. Gueland, empiezas de Eug.
Rimase! e outros ; ricas galaniarias em marfim, mar jle perola, etc., fabricadas na China e no Japo;
ricas pecas de cristal fino como anda nao appareceram nesta cidade, e bem a-sim modernos lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeites e adornos para cima de con-
solos e para grande toilletie, o que se lem feito de mais elegante em Paris, em Londres, Birmingham
JO Dr. Francisco Pires Ma-
chado Portella
Medico operador
PELA
FACLDADE DE PARS,
regressando a esta provincia acba-se
prompto para o exercicio de sua profis-
so, quer nesta cidade, quer fora della,
especialmente em molestias de olbos (ca-
taractas etc.) das vias urinarias (estreila-
mento de orethra ele ) e de pelle, para
cujo curativo se julga habilitado, atteota
a pratica que teve nos hospitaes de Pa-
ris, e os modernos instrumentos que pos-
sue.
Pode ser proenrado a quarquer hora
na casa de sua residencia no pateo do
Carmo n. 2, esqoina da ra de Hortas.
Sortes do S. Jcfto
Vendem-se lindos papis com estalo para a
AVISO
Os credores da massa do reverendo padre D. Jos
Antonio dos Santos Lessa pedem as pessoas que
teem penhores em dita massa, que venbam resga-
ta-los no praso de ojio das, entregando sua impor-
tancia ao preposlo Martins, sob pena de serem os
mesmos penhores vendidos em lello.
Alugam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara e outras commo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira '.
a tratar na rna da Senzala Nova n. 41
KM $* .
O bacharel Lourenco Avelino de Albu
5 querque Mello cootinoa a ter seu escrip-
K lorio de advogado nos auditorios e tribu
naes desta cidade : na ra do Imperador
n. 40.
s
larga do
etc. ^ modernos apparelhos de metal fino inglez para cha e caf, os quaes nada tem de inferior prata,------------------- r-r ---- ~'fl ,r
e muitas outras pecas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de se- sortes de S. Joao : na roa Nova n. 61 defronte da
nheras, excedentes luvas de pellica do afamad* Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, Ulma. cmara municipal.
.ditos para jantar, e immensos arligos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para Aeres, figuras,
etc. calcado dos principies fabricantes de Paris e ditos de panno o m sola de borracha, pianos dos
1 celebres fabricantes Pleyel, Wolff b C, realejos modernos de Cavioli A C, para se tocar na ra, ditos ojcajcoi*
com Hguras para saldes e ditos com figuras em movlmento ; modernos e bonitos instrumentos de physi-', Precisa-se alugar urna i ma captiva ou forra que tenceu a Manoel Pereira da Cruz nada tendo com
ea|(agica) para thealros ou saldes, ditos de phantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com saina bem eozinhar e coaprar : na ra de S. |quaesquer dbitos do mesmo Sr. Cruz.
Consultorio medieo-eiruraieo na rna
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exercicio de sua profisso nao
s na parle medica como tambem na cirurgica.
Aviso.
Jos Das da Cunha declara a quem possa inte-
ressar, para os fins convenientes, que comprou o
deposito sito ra do Codorniz n. 14, o qual per-
vistas novas, dia e noite ; stereocopios de nova invenco e com bello sortimento de vistas das principaes Francisco, ou Mundo Novo n. 54.
cidades da Europa ; grande sortimento de brinquemos finos para crianzas, e nonecas fallando papai,
reami; grande sortimento de candieiros a gaz, os que se tem feito de mais elegante e que tem mere-
cido toda a aceitacao na Europa, grande e magnifico sortimento de caixinhas, cesiinhas e outras galan-
teras feitas de crina e seda propnos para presentes; grande sortimento de estampas finas coloridas
com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com figuras e ditas com novas paysagens para
eosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de chrlstal, proprio
para meio de mesa de jantar ou para jardim ; cuteiaria (loa, coma taiberes com cabo de metal fino, co-1
Antonio Joaquim de Mello, anligo ad-
vogado nesta cidade, e procurador fiscal
aposentado da thesouraria de fazt-nda,
emprego que servio por mais de 22 ao-
nos, continua a advogar em todos os ra
Aluga-se um sitio na estrada do Arraial, cora-
boa casa, estribara, casa para escravo, muita fruc-
teira, cacimba -, o sitio fica ao p da taberna do
ternardino : quem quizer va a roa da Esperanza
B 60, no caminho novo, que achara com quem
, n. ar.
pal* uiciu ue uieaa uejauar uu par* jai uno i cuiciana iiua, cuiuw laiticiea cun vavv ac incid uuu, cu- \m* uw, l.uuiiuuh o tu'^ai ciu iuuus ua i Itieres, thesourasaas, ditas modernas para alfoiates, Ddvalhas finas, caivetes e outros arligos, diver- JR mos do civel e crime, com proviso do
ene irlirrac ttiit.a- An v.mh -.-1 n t.-. m_*ln.BBA J. n>Kn._o A n anllmln paim hAp nupikln n n rn t I Cen n.uu- .1 K,ii r npafirlanta An ralioA
Exm. conselheirj presidente da relaco.
Ra do Imperador n. 14.
sos arligos feitos de rame; completo sortimento de mascaras de velludo, selim, cera, papelo e ra-
me, doces/confeitos e chocolite em caixinhas e em vidros; camas de ferro dejtodos os tamanbos, lava-
torios, etc.; ricos quadros para cartoes de visitas e ditos grandes e pequeos para retrates; chapeos
de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
para quem faz po-de-l, bolnhos, etc.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos;
pannos para cobrir mesas, boleas grandes e pequeas para viagens, e outros arligos, como cobertores,
i malas, etc.; sortimento de violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galaniarias e outras pecas
de charlo para toillette ; machinas para varrer o cbo, excellentes machinas para photographia para
tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos baldes de papel fino transparente e lanternas coloridas para j
Iluminares moda de Paris, salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem
toai banhos em lugares fundos; ameixas novas em caixinhas, blscoitos ingleses em latas, graixa in-1
i gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, queijos ele., e muitos outros arligos
i que para enumralos seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e inuitu barato no grande ar-
mazem da Exposico de Londres, na ra da Cadea de Recife n. 60.
DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se moedas de onro e notas do Banco, e bem assim nma collecco desde um centesimo .\0 noite do da 16 do correle mez o cabo
al mil francos: vende-se barato no Recife ra da Cadea n. CO, ne armazem da Exposico de Londres, deesquadra da companhia de urbanos de nome
._____________________________t______________________________________ Prudencio.alugou na cocheira da rna do Calabouco
n. 20 um cavado rodado foveiro, todos os ps cal-
cados, frente abena, beco branco, tendo duas fe-
ridas nos lombos, com 7 palmos de altura mais ou
menos, novo, anda baixe obrigado, e bastante!
ardego. Ignora-se se aquello cabo deserlou ou
nao, visto que no acto de alugar o cavailo declarou !
que era para ir a Passagem, e que logo voltaria ;
entretanto ha noticias de ter sidj aquel le cabo en- j
cootrado no Rio Formoso com o cavatlo.
O abaixo assignado faz ver ao respel tave-
publico que pessoa alguma contrate a venda d
casa sita na ra Dreita dos Afogados n. 30, por-
que ha herdeiros ausentes e orphaos que se ha de
proceder inventario.
Manoel dos Santos Leal.
Na fabrica de calcados da ribeira de S. Jos ..------- -
n. 25, precisa-se de artistas de sapatana. I Alagase o segundo andar da casa n. 33 da
1 rna da Matriz, tem commodos para grande familia;
Tinturara
Na ra Direita n. 116 continua-se a Ungir para
qualquercor, e o mais barato possivel.
Manto Antonio.
Estando prximo o festejo do glorioso Santo An-
tonio previne-se ao respeitavel publico que est a
venda a trezena do mesmo glorioso santo, muito
bem confeccionado, impresso ntida e broxada :
na ra do Imperador n. lo defronte do convento
de S. Francisco.
M O bacharel
Francisco A agosto da Costa 9
SI AnveGADO j'
*M Ra do Imperador numero 69.
" A /\C* iAl>llAllA-
Precsase fallar com urgencia ao Sr. Remar i-
110 de Olivera Coragem, desenhista da reparticao
das obras publicas, a negocio de seu interesse : na
ra larga do Rosario n. 33, segundo andar._____
Aluga-se o 2o andar do pateo do Paraizo nu-
mero 89.
Precisa-se de urna ama para comprar e eo-
zinhar para casa de urna pessoa : na travessa de
S. Pedro n. 10, segundo andar, entrada pela ra
do Fogo._____________________________
Adverte-se ao Sr. Jos Soares Pinto Correia
Jnior que o Irabalho que mandou fazer na lythe-
graphia 4a ra da Cruz n. 46, que at o dia 25' vai
ser vendido para pagamento do mesmo.
Au-entou-se no dia 19 do correle, da casa
do seu senhor na ra da Aurora, um moleque
crioulo de nome Augusto, idade 16 annos, levou
caiga ecamisa branca, muito contiendo por ter
o quexo um pouco sahido e anda qnasi sempre
com a bocea aberla, julga-se andar nesta cidade
ou em seus arrebaldes : quem o pegar leve-o a
ra da Cruz n. 49.
Aos senhores alfaiates e'sa-
pateiros.
Per^s de algodSo de 20 jardas por 20
proprip para forro de obras por ser multo in-
corpado : na leja da ra da Madre de Dos nu-
mero 16.
mmmmmmmmmmmmmm
Precisa-sede urna ama para todo o ser- I
5 vicj de urna casa de familia : na ra das 5
Cruzes n. 9, segundo andar.
Aluja se a casa terrea na ra dos Burgos n.
17, cora 2 quartos e 2 salas, corintia fra e quin-
tal : a tratar com Manoel Martins de Carvalho, na
padaria da ra da Guia n. 56.________________
Creme.
Sorvete de crem-.- hoje ao meio da : na ra do
Trapiche n. 18.__________________________
Um mogo brasileiro com 18 annos propoe-se
ser caixeiro de loja de miudezas ou outro qualquer
estabelecimeoto oe seceos por ter pratica : a tra-
tar na ra da Imperatriz n. 74.____________'
Manoel Albino Bezerra agradece cordealmen-
te a todas as pessoas que se diguaram acompaohar
at o cemiterio publico ao enterro de sua prezada
ti ha Guilhermina Mara Bezerra.___________
Domingos Antonio Branco, pal de Cyrilo Pe-
reira da Silva, que empngado na armada de
guerra brasileira, ignorando onde se acha dito seu
lildo, roga a quera souber, se digne por obsequio
infrmalo por carta dirigida povoaco de Afo-
gado de Pajeii de Flores, ou neste Recife na livra-
ria ns. 6 e 8 da praca da Independencia.______
Alagase um grande sitio com suficiencia
para ter oito vaccas de leite, duas baixas para
planta de capim,casa eora commodos para grande
familia, prximo ao Recife, que se pode ir a p, e
muitos arvoredos de fructo : na rna larga do Ro-
sario, loja n. 31_______________,_____
-^AlugTse um escravo cozinhero muito fiele
bom comprador : quem quizer dirija-se a ra da
Mangnelra, sobrado n. 6.__________________
~Manoel Dias de Pintao faz sciente ao respei-
'avel publico que por haver outro de igual nome,
tica sendo Manoel Dias da Cosa.____________
Luiz Manoel Rodrigues Vaenca declara para
(ios convenientes que nada deve nesta praca nem
lora della.____________
Aluga-se urna casa terrea no Campo-Verde
ra do Socego n. 2, com commodos para familia :
na ra do Rangel taberna n. 7.
Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, onde pode ser
procurado a qualquer hora do dia e da
noite para o exercicio de sua profisso de
medico; sendo que es chamados depois
de meio da at 4 horas da tarde devem
ser deixados por escrlpto. O referido
Dr. do abandonando nunca o estude das
molestias [do interior, prosegue, com
o raaior atrinco, no das mais difficeis e
delicadas operacoes, como sejam dos or-
gaos urinarios, dos olbos, partos etc.
Antonio Correia ^vscocelc^covda
e roga aos parentcs e amigos de seu socio
Jos Moreira Lopes para assistirem a urna
missa que tem de ser celebrada na igreja do
convento do Carmo, no dia 24 do correnle
as 7 horas da manha, pelo repouso eterno
de D. Mara Adelaide de Magalhes Lopes,
mulher do referido seu amigo e socio Morei-
ra Lopes, fallecida em Portugal no dia 24
de abril prximo passado.
es
<
o*
o
o
coas
-
Precisa-se alugar urna ama forra ou escrava ,
para comprar e cosinhar para casa de pouca fa-
Para completa liquidaco vende-se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas e
novas chegadas recntenteme de Pars e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug.
Rimrael, R. Matheus & C, Lubin, Sociedade Hygienica, Piver, Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud & Vnilia : na ra Nova de Santa Rila n. 33.'
Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere etc., etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em
vidros e garrafas, agua de lavande, agna para limpar denles, oleo babosa, extractos em garrafinhas e
vidros de differentes modelos, pos para limpar dentes, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas
caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos outros artigos que se vende por ^
menos de seu valor, bem como todos os arligos em geral existentes no grande armazem da Expsito feOCiedade Qe SeCUXOS HTU."
de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60. \ a \ tt
___________________________________________ tuos sobre a vida.
A PREVDEME.
Para senhoras.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senbora, o que se tem feito de mais ele-
gante at o presente: vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Ex-
posico de Londres, na roa da Cadeia do Recife n. 60
Luvas novas de Jouvin.
dres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Fundada e administrada pelo banco
Allianc de Porte.
O seguro mutuo sobre a vida urra das mais
econmicas e moralisadoras institoic5es at hoje
conhecidas, e aquellas pessoas que a estudarem
cuidadosamente, com facilidade comprehendero
que com um pequeo desembolso cada anno adqui-
rirn em pouco tempo urna fortuna, que as poro
VenJem-se excellentes luvas de pellica recenlemente chegadas de Paris, tanto para homem co- ao abrigo da miseria, se por desventura sua esta
mo parasenhora por menos de sen valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposico de Lon- Ihe for bater porta.
Nenhurua das companhias existentes pode oTe-
recer aos scus associados garantas como as que
ihes eflerece a Prevtdente, que sao o capital de
4,000:0005000 do banco Allianca, que, na confor-
mdade do artigo 61 d.n octaluloc desla snr.ipitada,
responde aos seus socios pelos actos e boa admi-
nistrado da sua gerencia, bem como pelas dos
seus empregados e mais representantes.
Eia, pois, pas de familia, corre a inscrever vos-
. so nome na Providente, por vos ou por vossos filhos,
e veris assim, em pouco lempo, um futuro ebeio
de ventura e proficuidade, que por outra maueira
se nao conseguira e com lo pequeo dispendio e
sacrificio.
Subscriptores al 20 de abril prximo passado.
Subscriptores. Quantias subscriptas
Moeda forte
, Jos da Trndade Almeida.......... 500O00
DOa ad Manoel Muniz Tavares Cordeiro___ 1:2505000
i Antonio Joaquim de Vasconcelos... 2:0005000
1 Antonio Jos Silva do Brasil........ 2:5005000
Joo Jos Rod rigues Mendes........ 5:0005000
Joo do Coulo Alves da Silva....... 1:2305000
Luiz de Moraes Gomes Ferreira..... 3:7505000
Domingos Jos da Costa Amorim 3:7505000
e o segundo andar da mesma ra n. 35 : a tratar
com o Sr. Antonio Joaquim Ferreira Porto, na
Ponte Velha, ou com Miguel Joaquim da Costa, na
ra da Cadeia n. 12.
SI O Dr. Cosme de S Pereira conti- |jg
| na a residir na ra da Cruz n. 53,
m i e 2o andar, onde pode ser procu- i
j rado para o exercicio de sua profis- '
sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
i molestias de olhos ;
2o de peito:
3o dos org5os geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rio examinados na ordem de suas
entradas comeando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
I co que julgar' conveniente para o
I prompto restabelecimento dos seus
B doentes.
H WfiVttXSi HSBM fit E
AYI 0
aos capltes de campo e a polica.
i)05 de gratefieario.
Desappareceu no dia 8 do corrente mez de maio
de 1865, de casa de seu senhor o escravo de nome
Semio, de naco Massambique, com os signaes
seguintes : cor prela, alto, chelo do corpo, tem ta-
inos em circo redondo no rosto ao p das orelhas,
calca de casemira azul, camiso de baieta azul,
chapeo de massa redondo, reprsenla ter 45 an- 0
nos, pouco mais ou menos, de suppor que to-
masse a direceo de Porto Calvo, provincia d
Aiagaas, poique ful comprado ao Sr. Jos Vicente
Lindoso por seu bastante procurader Joaquim Ca-
valcanti de Albuquerque Mello, morador em Bar-
reiros.
Coinpanhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUT0R1SA.DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma fianca em dinheiro, depositado nos cofres de estado, garante
ministraco da cempanhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
DIRECCO GERAL
Madrid: Ra do Prado n. i
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos segur Domingos Jos do Amorim......... 3:7505000
sobre a vida. Manoel Fernandes da Costa......... 4:0005000
Neliapde se tazer a subscripto de maneira que em nenhum caso mesmo por monedo s Joo Carlos Coelho.da Silva......... 2:0005000
gurado se perca o capital nem os jaroscorrespondentes a estes. Manoel amos de Olivera......... ,:!5x?9^
Sao lo suprehendentes os resultados que produaem as sociedades da ndole de A NACI, Manoel Jos Pereira Marrano....... 1:2S5
DAL,que aiuda mesmo diminuindo ama ter$a parte do interesse produzido em recentes liquida- Manoel Ferreira Barinolo.......... :S5I55X
ces e;o nbinando-o co n i raortalidade da tabella de Depareeux que e adoptada Ipela companhia Manoel Francisco Marques......... :S2^
para sea-, ilculos e liquidares, em segurados de idade de 3 a!9 annos, urna imporsicaoannual Gregorio Paes do Amaral...:...... i:SSS5K
" Relojoeiro e dourador portuguez
Albino Baptista da Rocha, praca da
Independencia n. 12, faz qualquer
concert de relogios e doorados por
precos mais baratos do que outro
qnalquer e responsabilisa-se pelo
'seu trabalho, espera de seus ami-
gos e compatriotas.
de 1005 produz em effectivo metlico:
No fira de 5 anuos.......1:1195300
de 10........3:9425600
de.15
de 20
de 25
11:2085200
30:256*000
80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informacSes sero prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaqaim Piaz de Olivera, roa da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n.l2,estabel
cimento dos Srs. Raymnndo.Carlos.Leite & IrrriSo.
Aviso
D-se sobre hypotheca em bens de raiz at a
quantla de 1:0005 : na ra do Arago n. 8 se di-
r quera d_____________________________
Pede-se ao Sr. Jos ornes Silverio (de Santo
Anio) o favor de appareeer na ra do Queimado,
easa n. 7.
Duarte & C. establecidos no largo do Car-
mo, ra do Queimado e Imperador, pedem a todos
os seas fregaezes que se acham devendo, o favor
de mandaren) pagar at o dia 15 de junlio vindou-
ro, e fiado este praso publicaremos seus nemes por
estenso, e se assim nao 6zerem mandaremos co-
brar judicialmente sem excepcao de pessoa.
Pede-se ao 8r, Francisco Jos da Costa Gui-
mares, morador no engenho Cuiarabnco, o favor
de vir ra do Queimado n. 7.____________
Joaqnim Ferreira Valente como hqnidalario
daextiaeta firma de Duarte Carvalho & C. faz
Miente a todos 03 seus devedores, que o nico en-
arregado das cobraocas nesta praca 'o sen cai-
"ofro Josa Rodrigoes de Carvalho desde o dia 6
Tenis, o que faz publfro para conuecimento |
do Cv I
dejodos.__ -^alagar um pre:a c
o
33
3
.^ 2 5 3 B
2 B--G ct. tu 2
"O a Ti o 2"i "i Q
w u fis"
~> aini M>* m *]
S'J*'S a 2 I-
lili1
- i c S I Sj
I ge -"5
S 2
_ -^ SE. ji" o*
C TZ tai
B i s 2 ?
"2.8 I
a:
O.
"1
o
03
5
65 Sr o *
sra a a
5'= o S
BB5
fi t 1 H
B3
"2.
a>
9
00
Fofi,o,fog,o.
Para os festejados dias de S. Joo e S. Pedro
existe na muilo acreditada fabrica de fogos de ar-
tificio da ostrada de Joo de Barros, propriedade
da viuva Rufino, um completo sortimento de pis-
tolas, eraveiros, rodiohas e fogo buscap : como
seja penoso a algumas pessoas irem a fabrica pela
distancia, os pretendentes podem deixar snas en-
comroendas no armazem da bola amarella no oilo
da secretaria da polica.
... cozinheira
Precisa. 'n. 6, obrado etrcarnado,
roa do Pai .
D-se 5:0005 a premio sobre hypotheca em
predios nesta praca, ou boas firmas : a fallar na
loja n. 38 da ra larga do Rosario.___________
Precisa-se de urna ama forra on captiva pa-
ra eozinhar e comprar para casa de rapaz soltei-
ro : na rna do Imperador n. 40.
Preoisa-se de daas amas, sendo nma para
engommado o outra par* c-zinhar: na ra da
Ama de leite
Quem precisar de urna ama de leite procure na
roa do Pilar n. 93._________________
Precsa-se de urna ama que a iba en-
gommar bem para casa de pouca familia:
na ra das Cruzes segundo andar n 36.
O Sr. Luiz Cesar Pinto de Farias queira di-
rigir-se a rna da Madre de Dos armazem entre a
igreja e a botica. ______^_^____
Aluga-se urna prela para ama de leite para
casa de familia : a tratar na ra larga do Rosario
n. 28, luja. __________^___
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES E>1 PERNAMBUCO
Antonio Luiz de Olivera Azevedo 4 C,
competentemente autorlsados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
Joaquim Jos Goncalves Bellro..... 4:0005060
Joo da Silva Ferreira............. 2:5005000
Jos Joaquim da Silva............. 2:5005000
Antonio Jos Coimbra Guimares... 2:0005000
Antonio Joaquim Fernandes da Silva 1:2505000
Custodio J. Goncalves Guimares.... i: 2505000
Jos Goncalves Villaverde.......... 5005000
1 Alfredo Jos Anlunes.............. .',005000
j Manoel da Cunha Guimares........ 1:2505000
I Joaquim Cabral de Mello............ 2505000
Jos de Azevedo Maia e Silva..... 1.5005000
! Bernardo Pereira do Valle Porto.... 1:0005000
Ignacio Pereira do Vallo........... 1:0005000
Felisberto Ferreira de Olivera..... 1 -.2505000
Domingos Jos Ferreira Guimares.. 6 0005000
Manoel de Maitos Machado......... 1:'005000
Manoel Joaquim da Rocha ........ 1:0005000
: Seraphim de Senna Jorge.......... 50050OO
Manoel Joaquim Fernandes......... 1:2505000
Manoel Goncalves Ferreira......... 1:0005000
I Luiz Pereira Lima................ 5005000
! Antonio Henrique Rodrigues........ 7:5005000
Manoel Francisco dos Santos Maia... 1:2505000
Manoel Joaquim Ribeiro............ 1:2505000
;JoaoLicio Marques................ 6:2705000
Francisco Joo deJBarros........... 10:0005000
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello 10:0005000
Jos da Silva Loyo................. 8:7505000
Francisco Jos Alves Guimares..... 1:0005000
Caetano Cvriaco da Costa Moreira... 2:0005000
Jos de Melle Costa Oli> eir........ 1:2505000
David Ferreira Bailar............. 2:0005000
Antonio Jos dos Reis............. 5:0005000
Joo Ribeiro Lopes............... 1:0005000
Joaquim Claudio de Olivera....... 2:5005000
Jos Gomes de FreiUs............. 1:2505000
BerBardino Gomes de Carvalho...... 1.0005000
Antonio Baptista Nogueira........ 5005000
Joo Francisco dos Santos Jnior___ 1:2505000
I Francisco Ribeiro P. Guimares___ 1:0005000
! Alfredo Prisco Barbosa............ 7505000
Manoel Soares Ribeiro............. 1005000
Luiz Antonio de Siqoeira........... 1:2505000
Manoel da Silva Nogueira. -........ 2:5005000
9
COMPUAS.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Ferreira & Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66.
Compra-se efectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives._______
Compra-se um escravo cozinhero que sej
moco, robusto e sera vicios: a tratar no sobrado
n. 32 da ma da Aurora.
Compram-se libras sterlinas
Crespo n. 16, primeiro andar.
na ra do
Cobre, lato elchumbo.
Comprase cobre, lato e chumbo : ne armazem
da bola amartlla no oilo da secretaria |de policia.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de efloctivamenle escraves de ambos es sexos :
ra do Imperador n. 79, terreiro andar.
Na fabrica da ra da Lapa contiuua-se a
vender velas de 13 em libra a prego de 1*5000 a
arroba.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Compram-se 6escravos robustos e arostoma-
dos ao servico de trapiche, de idade de 30 a 32
annos, que nao sejam de naco Mina : na ra da
Cruz n. I.
- Compram-se libras sterlinas a 95500 : na
praca da Independencia n. 22.
Compram-se jornaes para embrulho
teo do Terco n. 22.
no pa
VENDAS.
141:6005000
AMA
Na rna da Cadeia do Recife n.
de ama para eotiobar.
Precisa-se de urna eferava i'ara o servico in- de um sitio perto desta praca, com as condicoes
temo de urna eau de familia a Vatar nesta ty-! Que a vista se tratar : no largo da ribeira de S.
pographia, los o. 19.
ANNUNCIO.
O Dr. Manoel Bernardino Bolvar, tendo de au-
nas e predios no seu escriptorio ra da S sentarse desta provincia por algum|tempo, e nao
Crui n. I. Hf podendo pessoaImente despedir-se de todos os seus
migos e namerosissimos freguezes tanto da capi-
tal, como de fra della, |que pelo espaco de cinco
annos sempre Ihe honraran) com urna crescidlssi-
ma e nunca interrompida clientella; falo por meio
da iraprensa.solemoemente agradecendo-lhes tanta
consideraco4es(ima e confianca; protestando-lhes
o mais indeclinavel reconhocimento e gratido. O
mesmo declara que se retira sem dever quanlia al-
guma a quera quer que seja ; assim como que d
quitacao a lodos aquelles que Ihe fleam devendo
menos de 505 rs.
Rio Grande do Norte, 18 de abril de 1665,
Feltor.
Precisa-se de nm para um sitio pequeo perto
da cidade, sendo pessoa capaz e dando boas infor
macoes, d-se casa propria : a quem convler diri-
50, precisa-se. ja se a ra Nova n. 19, primeiro andar.
Preclsa-se de urna pessoa para tomar conla
Aos Srs. acadmicos.
Vendem-se os seguintes iivros quasi no-
vos : Manuel de droit romain por Mackel-
d'y, 1 volume, por 6(S00o; Diccionaire
du conlenlieux commercial por Mass, 1
volume por 6/51(00; La fetnme por mar
dama A Seglas, 1 volume, cem estampd
linas por 50000; CEutres de Ranne, %
volume, com estampas finas por 60C0;
OEuvres choisis de Buffon, i volume, com
estampas finas, por 40000 ; Cdigo de cr-
dito predial, I volume, per 10200; Um
philosopho as aguas furtadas, romance
por E. Souvestre, i volume, por 10600 ;
Nocdes de partidas dobladas, por Fonseca
de Medeiros, 1 volume, por 1600; Flores
singlas, poesas por Paes d'Andrale, i vo-
lume, por 40000; Viagem ao Araguaya
pelo Dr. Couto de MagalhSes, 1 volume,
por 20000 : A velhice de Camdes, romance
por Trigueiros, por 20000 ; La efe des
sainls, 1 volume, por 10200; CEuvresphi-
losophiques d'Arnould, 1 volume, por 20 ;
Economie politique, por Garnier, 1 volu-
me, por 2000 ; Regras da escripturaco
mercantil, por Gomes Jnior, 1 volume,
por 20500; Organisation du travail, por
Louis Blanc, 1 volume, por 10200 ; L'Epi-
phanie, pelo padn Ventura, 1 volume, por
10000; Le jaidtnier des salons, 1 volu-
me, por 640 rs.: na ra do Cabug o. 2 A,
oja.
;
V
i
t r
Hrmiimim- i
TLJMVEL]
r
x





f
>
Diario de peraambuctt Terea felra 3 le Male de !&.
Vende-se duas carrocas, urna para boi e on-
tra para cavallo, seno esta com lastro somente,
ropria para carregar barricas de farinha de trigo,
enha, etc., ambas com aso, por preco maito cono-
modo : tratar no pateo de S. Pedro n. 4.
Vende-se um carro de carregar gneros da
alfandega, com uso, e todos os pertences de ootro
igual, lado por prego muito coramodo : a tratar
do pateo de S. Pedro o. 4.
FEIJO
RIVAL
SKM SJECiUXIlO
Roa do Queimado n. 49, luja de Jos & Azevedo
Maia e Silva.
Pulseiras e voltas muito bonitas a 500 rs.
Miadas de linha para bordados de superior qoa-
lidde a 60 rs.
Dozias de facas e garfos de cabo preto maito
boa a Si.
Meladas de liona frota para bordar a 20 rs.
Meiadas de liaba azulada superior a 60 rs.
Babado do Porto muito superior a 100, 120 e
160 rs.
Varas de franja de nho branca a 40 rs.
Caitas com 100 envelopes da melbor qualidade a
600 rs.
Caitas com 20 qaadernos de papel superior a
600 rs.
Grozas de pennas de ac muito finas a 300 rs.
,. -,ii* .. ., ... Pecas de tranca lisa prela e de corea a 40 rs.
- Vende-se um escra rade 25 annos insigne Gias de ^ mmnli para caraisas a goO
a: na travesa op e 7ao rs
____________________ Caixas com 50 novellos de llnha do gaz a 700 rs.
A ttencdo Varas de franja de cores a 80 rs.
'.._ X Novellos com 400 jardas superior qualidade a 70 rs.
Vendem-se pecas de esleirs para forro de sala, Carriteis de linha com 200 .arda!, dos ns 60 at
tinta branca preparada a oleo, em latas de 25 li- 200 a 100 rs
bras, para pintar casa, relogios para cima de me- Lirros para ass'entos de reupa lavada a 100 rs.
sa (i para pendurar, arreos para I e 2 cayallos, Pares de botoes de punho muito finos a 120 rs.
velas de spermacete ludo de superior qualidade, Thesouras para unhas e costura muito finas a
a 320 rs.
Feijo de mistura a 320 rs. a cala
Quarteis n. 22.
na roa des
official de carpina e bon>ta figura : na travesea op
Carrao n. I.
SALSA PARRILHA DE AYER.
Transciuevemos aqui alguns
dos muitos alteslados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
vindo dos Estados-Unidos
Trapiche n. 8.
noarmazem da ra do
Barato
Vende-se urna mobilia de Jacaranda (pequea)
assim como 1 cama rica franceza de Jacaranda, 1
banca cora pedra com toucador de Jacaranda, 1
piano de mesa em perfeiio estado, 1 commoda de
condur, 1 aparador de amarello, 1 mesa elstica
de amarello, 2 pares de lanlernas : a pessoa que
pretender dirija-se a ra Velha n. 69.
Feijito preto
Na ra da Imperatriz, armazemn. 6.
Na ra do Queimado, loja de ferragens n. 4
eende-se muito em copla um par de venezianas.
Pe chin cha
27--Rua do Queimado-27
A OO c 4o rs.
Chita franceza a 200 e 240 rs. o covado para
acabar, quem quizer venha comprar ; cambraias
finas de cores a 280 o covado, cortes de la muito
lindos com 15 covados a prego de 44500 cada cor-
te : no armazem de fazendas de Custodio, (larva-
llio A C : na ra do Queimado n. 27.
Tasso Irmos
Vendem no sen armazem roa do
Amoi-im n. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCheres.
San ternes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
AzeitePlagniol.
Rhe unatlsmo.
BE JOAO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
SoTri rheumatismo pormui-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
fylvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; e ames de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tava affectada d'esse terrivel encommode
que roubou-me tantas noites de somno.
Eriip^des, borbulhas postulas,
leers, e todas as molestias
da pello.
DO Sn. JOAO PAULA DE ABREU E SOUZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupeso sypbilitica em todo o corpo, mos
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos e consultei
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros das a erupeo aggravou-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
Doctor Don Jos Valdes Herrera, profe-
sor de medicina t cirurjia, subdelegado
em ambas as facultades del sesto dis-
tricto.Habana.
Certifico que he usado la zarzaparril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
tor y las considero como um porgante, cuya
accin ademas de ser -egura, ha sido muy
eficaz en el tratamento de las eufermidades
que xsigeu el uso de los porgantes, y no
vacilo en recomendar estas preparaciones.
Y para los fines que puedan convenir doy
la presente en Regla a 7 de setembro de
1860.
Dr. ios Y. Herrera.
Escrophula.
ATTESTADO DO 1LLM. SR, FRANCISCO FERRAZ
dos santos. Ouro Preto.
< Me aclio ha quasi dous annos affectado
de escrfulas, e tendo soffrido tanto que al-
gumas vezes quasi que chego a destnimar
ida vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
; ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, estava s,tm espe-
| rangas de recobrar a minha saude ; quando
AGRADAVEa -lanamente resolv fazer uso da 'Jalsa par-
rilha do Dr. Ayer. Completarn-se hoje
Acha-se a venda rico sorti- Infinitamente mais efficazes do que todos trinta e sete diasque comecei com este
ment de registros de muitas e variadas invoca- es mais remedios perigosos e nauseabundos santo remedio, e tantas memoras tenne
goes, proprios para serem distribuidos no mez de que existem para a expulso das lombrigas. sentido que tenho convierto de em breve
Mari, muito bemiropressos eai bom papel a'N0 causam dores e produzem seu effeito, recobrar a minha saude, perdida ha tanto
Ke%CeS^rcirad0-Iraperad0rn-,5de-;^m precisar logo depois de prgame ne- lempo. .
- vndeseS moieque com 15 annos de ida-in.hum e t5 nal*** em apparencia edeli-,Syphills c molestiasmercuriaes.
de: atrattraoarmazemda ruadaCadeiadoBe- Cl0sas em gosto, que as enancas estaoj Do Illm. Sr. Dr. Jacksoi'.
cife n. 36. promptas a tomar mais do que marca a re-'' Medico muito conhectdo as provincias do
ceita.
Uteis como um excellente mei de fazer
remover as bstraceoes do ventre, mesmo
por ser lavad*, a 4 : na leja decalcado da -ima no caso de nao eiistirem verme algum, as Syphilis constitucional e sempre
larga do ttosark) n. 12.____________________ PAST1LHAS VBRWIFGAS DE KEMPS S5K) promp- MIS leil/.es resultados; 6 u uiuiiiui
Escravo pedrelro. tas e infalliveisaa sua operacao por todos, te que conlieco.
Veade-se um esoravo pedneiro, moc> e sa&o : os respeitOS dtgaas de confianca-e approva-l Lcucorrlia c flores brancas.
23, esoripterio de Antonio de' c5o de todos ^ paes de familias. Prepa- Temos cartas em que nos contam casos
1 radas nicamente por Lanman & d, j inveterados que foram radicalmente curadas
Nova York. com um ou dous irascos d'esta Salsa par-
Vendem-se o Recife em casa Barboza e JeSfo da C. Rravo & C. O espaco nao nos permute trauscrever
i todos os atlestados que possuimos Jas vir-
tudes d'este extracto composto de Salsa
muito nova -e superior chefMa de Santa, parrilha do Dr. Ayer. Basta declarar ao
Catharina ^* publico que tem *ldo empregado ha ajis
Vende-se a bordo do pelado dinamar- de vin te annos pela proflssao medica tanto
Vendem se cinco mei-aguas de pedra e cal,
paredes dobradas, junto ao chatariz do aterro, de
os. 1,3, 5, 7 e 9: a tratar na ra Imperial n. 175.
Cavallo.
Vende-se um cavallocastanho muito novoe sem
achaques, e grande, proprio para um cabriole! : a
tratar na loja da ra do Queimado n. 18.
Loja das seis portas em frente
do Livramento
Vendem-se pecas de bretanha de rolo com 10
varas pelo baratissimo preco de i00 a pera, e
muitos outros artigos, e bem assim um variado
sortimento de roupa eila, que tudo se vende mais
barato do que em outra qualquer parte : de tudo
se do amostras com peotiores.
Registros,
PASTILHAS
VERMFUGAS
NOTA YORK.
DE COR CUBRO E SABOR
Liquida-cao
Pecas de algodaozlnho avadado, porm lunpo,
c
Br.
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa parrilha do
Ayer nos casos mais inveterados de
com os
dllciau-
Almeida Coie,<.
Farinha de mandioca
Ra do tuelmado o. 40
Oontinoa-se a vendor baratissimo as fazesdas
existentes oeste estabelecimeoto, em virtude de
ter fallecido um dos socios e se querer liquidar a
firma social. Entre outras fazendas ha as -se-
guidles :
Corles de vestidos de blonde-branco para casron-
los a 250,4ce ouU'ora se veodiam por 100$.
Ditos de-seda de cor muito superiores a 18}.
Ditos de grosdeaaple preto a 2o.
Ditos de phaotatia muito lindos a 8.
Ditos de cambraia branca bordados a 8.
Manteletes de gros preto'bordados a 10.
Cambraia organdv fina, covado 340 rs.
Cbitas fioas-larffas, covado a 2. 2i0e 280.
Gro6denaples decores, covado 300 rs.
Oal&es de arqarahos, modernos, a 25-
Lencos de cambraias brancos para algibeira, du-
ziaa U600e 25.
Cortes de colletes de velludo de cores lios, a^5-
Chapees de sol de seda para honsem a 45S0Q.
Ditos de dita inglezes a 65.
Camisas brancas de madapolao para homem, iwna
jai.
lelas te seda brancas e pretas para senhora a
15 e par.
Uitae te lala preus fiara padres a 15 o (tar.
Luvae de seda de cares a 100 rs. o fac
Mantas superiores para grvala de homem, ana
3 Peitos de cor para camisa de homem, duzia 20.
Cortes de caica de meia casemiral15- ________
Venderse a casa a. 1 da ra do Cae&, que se-
gu da cadeia nova m Imperial, logo depois da
mesma cadeia, na freguezia de S. Jos, caja, sendo
ja aseobradada pela parte do detraz, aseualhada e
repartida, com p> uco dispendio se aproaapta um
exceiieote gobradom raagaifica posicao, lea gran-
de quintal com cacimba e alguns quartiehof, que
tudo rende 375 msaes., ra o andar suprior::
quem, pois, se quizer a prove lar da disposteao do
actual propietario e a qniMir comprar, poupaado-
seamartiBeacaoe demora que resulta a quera edi-
fica, e aproveitar-se de um predio bem construido
e a moderna, qur para moraia propria, qur pa-
ra obter bom readimeato a seu dinheiro p 5de en-
tenderse com o done ao mesmo lagar.
quez Catharina)' ancorado defronte do das Ameritas como -da Europa, sem nunca
tr piche Daro do Livramento, ou no es- desmentir a sua afta repulacto.
criptoro de Manoel Ignacio de Oliveira &
Admirem
Admirein
Admirem Bem!!
As pechinchas que estao venda na loja e ama-
zem do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva, oaf se vendem todas as fazendas,
lano de luxo como de primeira necessidade por
precos muito rasoaveis, e com especialidade as"se-
guales, dando-se amosiras deixando ficar penhor,
ou mando-se levar em casa das familias pelos
caixeiros da mesma loja.
Madapola enfcslade a 4, ^jOOo 5f)000.
Vendem-se pecas de madapolao entestado com
12jardas pelo baratissimo preco de 45, 4o00 e
5, ditas sem serem eofestados de marcas muito
acreditadas a 75, 85, 95, e 105, ditas, francez
muito encorpado proprios para saias a 480 ris a
vara, isto na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60 de Gama 4 Silva.
Grande pecaincha.
Chitas a 220 ris o covado.
Ou 75600 a peca so o Pavo.
Vendem-se chitas inglezas de superior qualida-
de, afiancando-se as cores serem fixas, com muita
diversidade de padres, pelo baratissimo preco de
220 rs. o covado, ou 75600 a peca tendo 38 no-
vados, sendo fazonda esta que sempre se venden a
280 rs. o covado ou 10$ a pega, chitas largas a
280, 320 e 360 rs, na loja do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortes de chita franceza na loja do Pavio.
Vendem-se cortes de chita franceza, cores lixas
com lOcovados a 35, ditos com II covados |a
35300, ditos com 12 covados a 35600, ditos de chi-
ta ingleza a 25200,25400 e 29600, isto na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortea a liara Pia.
Grande pecbincba a 54000 e G?000.
Vendem-se os mais bonitos corles para vestidos,
sendo de cambraia branca com as barras e enfeites
bordados, de cor i crox, pelo baratissimo preco
de 55, ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
pelo baratissimo prego de 65 cada um, valendo
esta fazenda dobrado dinheiro por ser a mais mo-
derna que tem vindo ao mercado, isto na loja do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama A.
Silva.
Vestidos Braacos.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidos de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato preco de 125. 16 e 20 na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Grande pechlneha, vestidos a
3aOO.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passelos e bailes, por serem de primorosos dese-
nos, sendo todos os padres tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo prego de 35300,
sendo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se gronsdenaples preto a 1J80,15600,
15800 e 25 at 45, superior meuranlique preto a
35, setim da China, nova fazenda toda de la, pro-
pria para luto, com 6 palmos de largara, a 500,
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras muias fa-
zendas propnas para luto : na loja do Pavo, roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Crosdenaples de cor a MiO.
Rival sem segundo
fiiviil sem segundo
Roa do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos; Ra do Queimado n. 4, ivia vendendo ludo
ic Azevedo Maia e Silva, esla queimando que adi muito barato como ver abaii<>.
mira, a saber : Caixas de pennas de kalegraphia a 15000.
Frascos com superior bat ha a 200, 240 e 500 rs. | Massos com superiores grampos a 30 rs.
Latas com superior baoha a 200 rs. Pares de sapatos de tranca e tapete a 15500.
Frascos com superior agua de Culenia a 120 e Frascos de macaca perula a 200 rs.
400 rs. Calas cotn superiores aguilu* a 200 rs.
Francos com superior oleo de babosa a 240, 350 e ; Libras te la a suiiidas com ludas as cures a 7300O.
400 rs. Caixas 10:11 ."ii|>i 1 i< res brelas a 4') rs.
Garrafas da verdadeira agua Florida a 15280. Diuias de plmiphoros de seguranza a 120 rs.
Fraseos de superior oleo da sodedade Higienique Muas garrafas ron linw a 2S0rs.
a 640 rs. i! idfuhas rom alUm-ies franerzes a 20 rs.
Frascos de superiores cheiros santal e outros mui- Carlas de aliaus fiancezei muito linos a :00 rs.
tos a 15000. Resmas de pastel almaco a 25400.
Sabonetes de familia a 210 e 200 rs. 'Resmas de paiel d<- peso a 5OOO.
Sabonetes de superior quididades a 60,120 e 160 rs. Papis de ajiullias francezas a balao a CO rs.
Caixas cora 12 frascos de cheiros rauio tinosa Donis muito bonitos para meninos a 15000. "
5i00. Enfeites para senhoras fazenda muito moderna a
Caixas dito com 6 frascos melhor fazenda a 900 rs.' 25000.
Paos de pomada franceza grandes a 500 rs.
Sabonetes de bolla pequeos e grandes a 240
320 rs.
Frascos com superior opiata a 800 rs.
Frascos com superior agua para denles a 15000.
Escovas para roupa superior qualidade a 1000.
Grande sortimento de rouj;as feilas de lo-
Grande liquidacao de
fazendas
de todas as qualidade?. tanto para o mato como
para a praca. O proprietano da loja e armazem
das asqualidades,
Caigas de casemira a 65 e 75500, ditas pretas a
65 e 83, caigas de ganga a 25 ,158C0 o 15600,
duas brancas a 25, brim de lii:ho a 35, ;'-300 e
45, paletols do alpaca branca a 45500, ditos preto?
' a 35 e 35S0O, ditos de alpaca de cordo a i<3, o
de listra de seda a 45500, ditos sobrerasacos a 55,
palelots de casemira a 55, 55500, 5, S e 95,
ditossobrecasaecs pretos a 125. 15 e 165, ditos ti-
da Arara,est resolvidoa vender as fazendas mui-, nos a 255, de cores a 135, dito.-- fraques a li
lo baratas, comosejam, chitas, madapolao e algo- paletols de ganga a 35, 25500 e 25, dil s de tnn
dozinho, parase apurar dinheiro, Lourenco Pe-1 parde a 35, jaqueles de brim pardo a 33 ranno
reir Mendes Guimaraes. preto fino a 25 25600, 35500 5. 45:00 5 e 63 o
Chitas Iraueczas a 240 o corado.
Vendem se chitas francezas, sendo cores fxas, a
240, 280, 300, 320. 360 e 400 rs. o covado, duas
inglezas a 220 e 240 o covado, sendo cores fixas :
na ra da Imperatriz n. 56.
Cortes de caiga para homem
Vendem-sa cortes para caiga, bnnzinho, a 15.
ditos de ganga a 154C0, ditos a 15700, ditos de
brim de cor a 25 cada corle, dilos de meta case-
mira a 25500, ditos a 35 e 35500, ditos a 45500,
5 e 655OO o corte, damasco com duas largura> a
1&280 o covado, dito de urna largura a 640 e 800
rs. o covado, flanella branca a 600 rs. o covado,
dila de salpicos a 480 o covado, golinhas pra se- j
nhora a 200, 320 e 400 rs., ditas, gol e punho a
640 e800 rs., eamisinhas para senhora a 15600 e
25, muito finas a 45 e 45500, camhraias linas de
cores a 300. 320, 360 e 400 rs. o covado. ditas,
muito finas com borboletas a 440 o covado, lengos!
de linho finos a 400, 5'oO e 610, dilos de algodo a
240 e 320 cada urna.
Corles a Mara Pia e .
Vendem-se cortes a Mara Pa a 85, 9, 115,
125 e 135 cada corte, cortes muito tinos a 185,
lazinha lisa a 360, 410 e 500 rs. o covado, cortes
de la com palmas a 55 o corte, laas por covados a
300, 360 e 400 rs. o covado, casemira com li.-lras
sendo padrees azul e p-eto a 25500 o covado, ma-
dapolao enfestado com 12jardas a 35500, 45000,
45500 e 35, dito com 24 jardas a 55, 55500, 65, i
65500, 75 e 75500. n. 6 a 85 e 85500, elephante a ,
95, camisas francezas a 1,5800, 25,25240 e 25500
cada urna, ditas de pregas largas a 252i0, 25500,!
25800 e 35 cada urna, alpacas de cores a 320 o |
covado, ditas finas a 800 r?, o coaado, aberturas
de esguio a 15 cada um dita de algodo a 320 e!
400 rs. cada urna, pegas de algodozinho a ifSOO,
55 165, ditas com 20 varas a 75, dita marca T j
a 8)668 a pega, casemires finas mescladas a 35 o
covado, moreaDtique preto a 23600 n covado, sros-
denaple preto a 15500, 15800, 25. 23200 e 25300
o covado ; e outras muitas mais fazenda? que se
deixa de annunciar, o manda-e levar pelos caixei-
ros da loja da arara casa dos' prelt mientes. O
estabelecimento est aberio al as 9 horas da noite,
ra da Imperatriz n. 56. Mandes Guimaraes.
D'IODRETO DUPLO

de FERRueQUININA
Os elementos que compoem esla preparaco,
ferro, o ioit e a quina, a collocSo no primeiro-
grao das preparares ferruginosas. Basta altcstar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confrmrio sua poderosa efficacidade as
seguintes affecedes:
Vndese superiorgrosdenaples cor de caf,pro- covado,ditas'a 25800, 25240, 15800, 15600,
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 15600 15400 o covado, soulembarques decores a 65 e
o covado : na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 85 cada um, ditos pretos a 185, 195, 205, 225 e
60, de Gama & Silva. 255; capas a 205 e 25$, manteletes a 185 e 20
'iu>mii"i< a 4 lil (i cada aro, chitas para coberta a 320, 360 e 400 rs,
vHem t lILii; .lKXy ao .,,,... *'a 480 o covado, dilas adamascadas a 480
vendem-se casemiras garibaldioas de quadn-
covado, ceroulas a 15200 e 15500, ditas de linho
a 15800 cada urna, fil de linho liso a 640 e 700
rs. a vara, tarlatanas de cores e branca a 800 rs.
a vara, hamborgo a 95, 95500, 105500 e 125 a
peca : ra da Imperatriz n. 56, Mendes Guima-
raes.
I
Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
PECHMCHA
Ceroulas de meia muito finas a 45500, ditas-en-
trefinas a 15260: s na roa da'Cadeia do Recite
n. 5, laja de mtudezas de Silvestre Pereira da Cu-
nha i C
Farello a 4L0OOO aeeo.
Em saceos grandes.
XIIho a 4ho
Roa larga do Rosario o. 50 taberna da esquina
que volta para o da roa Estreita. ______
~Fio de~alg>dio~da Babia.
Venderse no escriptorio de Antonio Lalz de Oli-
veira Azevedo 4c C, raa da Cruz n. 1.
uachiiia* de serrote* azara
algodo
Chegaram as deeejadas machinas de serrotes pa-
ra descarocar algodo, havendo um completo sor-
timento desde 13at 40 serrotes, tarmVejn ha mo-
tores americanos para as mesmas maoiMnas, ven-
dem-se o mais barato possivel: na ra da Cadeia
do Recife o. 56 A, 4fa de ferragens de
ios Dastos Oliveira,
Para a cura radical de escrfulas e dYecces
escrofulos, syp'hilis e molestias syphi-
liticas, laceras, feridas, chagas,
erupnoes cutneas e todo
qualquer incomrr.odo que
jW'ovm d'um estado
impuro de sangue,
VOMEU A
SALSA PARRILHA DE AYER.
A' venda na ra Direita, ns. 12.26 e 76;
ra da Quitanda n. SI ; praca da Consti-
tuicSo, n. 30 e Hospicio, n. 40. E ra-
principaes pharmaetts e drogaras do ta-
pe rio.
Vende-se en Pernambaco:
a pharmaela Craaeexa de
P.MMJRER i C.
RA NOVA N. 18.
.4 eite de Garrapato
veade-se em grossoe a retal lio mais barato que
ioo Car- mtalos, em carga : na fabrica da traves-a do
Carioca n. 2, caes do Ramos.
Traques
a 165OOO a caixa de 40 cartas, e a relalho
rs.. a alies, antes que seacabem :
da estrella, largo do Paraizo n. 14.
IustruccOes para o servido
das guardas do exrcito, ente aladas do re-
a 160 guiamento de infantaria e aceommodadas ao
31 exrcito brasileiro; obra que muito convm
!aquellas pessoas que se alistam nos corpos
vazios proprios pa- e V(> Vende-se caixfes
ra faaholeiros, e funiteiros, a 2,5000 cada; 8 da praca da intendencia, a M.
um repara as pessoas que compraretade----------------. / .. .-----------
- Veade-se um jogo 4o bolas ; ,ii-,4 P^* cima 1^800, nastajjpographja.
go armazem do sol, na roa da Concordia n. 36 : a i
star no caes do Baos o. 36, |
Milho novo em saceos grandes: no tra
do Caoba, a tratar co Tassolrmos.
lene
jPechiucha
A 40000 rs.
Algod&o superior com toque do avaria a 35500 e
45000 : na ra do Queimado, esquina que volta
para a Congregacao os. 43 e 45, tojas unidas, com
/rente amarella.
instrumentos
Vende-se por prego commodo um instrumental
completo para alguma banda de msica militar,
1 achando-se todos os instrumentos quasi no vos e em
perfeito estado; a tratar na roa do Imperador nu-
mero 12.
ATTENQKO.
Cal de Lisboa
Na raa do Vigario n. 19, primeiro andar.
nhos e lizas, proprias para calcas, palitos e coletes,
pelo barato preco de 15600 o covado, assim como
caigas, palitos e coleles j feitos das mesmas : na
loja do Pavio, roa da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
Grande sortimento de roopa feita.
Vende-se na loja do Pavo um grande sortimen-
to de roupas feilas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditcs saceos, ditos de casemi-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
de cures, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
la de todas as qualidades, ditas de cor, ditas de
brim de linho branco e de todas as cures, coletes,
de brim, casemiras, setim. gorgurio, etc., etc., to-
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do que em outra qualquer parte : na loja do Pa-
vo, ra aa imperatriz ti. ou, ue uaua a 8wt.
Chales c manteletes de renda
Vendem-se os mais rios e mais modernos cha-
les e manteletes de renda, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por preco muito razoavel: na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Soutembarqaes de cor
Vendem-se os mais modernos soulembarques de
cor. ricamente enlejiados, e por barato prego : na
loja do Pavo, raa da Imperatriz n. 60, de Gama di
Silva.
Cavas pretas e soulembarques,
Vendem-se as mais modernas capas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soulembarques pretos e
manteletes, todo de seda prela e o que ha de mais
gosto no mercado, por precos maito em coma :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabeca.
Vendem-se os mais lindos enfeites para caneca,
a 35, 45, 55 e 65, os melhores baldes cronolinas :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
S o Pavo vende
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240
Chitas largas a 240. Raa da Imperatriz n. 99.
Acaba de chegar para a loja do Pavo a f raa-1 Os propietarios deste oovo estabelecimento es-
de M1HMM0 de chitas largas garibaldinas, por tao resolvidos a venderem por prego baratissimo
s rem todas lislradas e padres escaros e de cores para liquidaren!, como sejam : pega de brelanha de
fixas que e vendem pelo baiatissimo preco de 240 rolo com 10 varas por 35, dita de madapolao fran-
o ovado, sendo que em outra qualquer parle cus-' cez ctm 12 jardas a 3551)0 e 45000, dilas de cani-
ja a 360 o covado, notando qne os freguezes que ; braia braoca fina a 35301' e45oO0, lengos de cam-
comprarem porgo de pecas, tero um pequeao i braia com barrinha de cor a 800 rs. a duzia, ditos
abatimento : isto na loja do Pave a ra da rope-; grandes a 15*00, dilos brancos Anos a 25400, cor-
RA NOVA N. II
Loja franceza.
Tem para vender muito barato o se-
guale :
Molduras domadas
e tambera invernisadas de preto com fri-
tos dourados, largas e estrellas, proprias
Tambera se inenmbe de mandar fazer
os quadros para estampas ou retratos de
qualquer tamanbo.
Vidros para espelhes
de diversos tamanhos e superior quali-
dade.
Olla i-i nhos para camisa
a 155OO a duzia muito bonitos.
Retroz preto
maito superior em miadinhas a 85 a li- i
bra.
Laa para bordar
soriida de diversas cores ao5 a libra.
Botoes de louca para camisa
brancos e de cores groza a 100 rs.
Mingo* na aangae.
Fraques*.
Anemia.
Calorase aa Ictericia.
Menstrua.
Afreeeaes do nlere.
Supirruor ala re-
gra e dcnordc ua
menstruaro.
AfTeroaa pulmonar
hlhlalc.
Maleatlaa d'eatntaga.
Gastralgias.
Perda d'apprllle, etc.
Veja se ot bulletins de
Coaaleaeenca de laa-
(M moteadas.
Maleatlaa eserofula-
aaa.
r-aprlra.
Ofcstruccao das glan-
dnlaa.
Huiuarea filos
Rumorea braaeos.
Rarhltlamo.
Affeeces cancerosa
syphlllllcas.
Febrea lypboldea.
Varale*, etc., etc.
therapeuica medica
Muita attenQilo na grande li-
quidado de fazendas e
roupas feitas nacional na
nova loja de Guimaraes &
lrnuio.
s eirurgiea de 30 de novembre 1S60; a Gazeta
ios hotpitaes de 28 de julko 1860, etc., etc.
ilm quinina de Rebillon, os Mdicos aconselho
igualmente 0 Xarope d'iodure duplo de
farro e de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que nao goslo de medicamentos sob for-
ma pflular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope 'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se c de se nao poder conservar.
Peca-t o folheto que se di de graea em casa
dos pharmaceuticoj depositarios.
Para-se evitarem falsificagoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pillas ou Xarope a as-
JnniiiiM Hn nvntoc.
Deposito geral em Pans, pnannaeionMnuva,
442, rae du Bac, e em todas as boas phannaciat
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
BISMUTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos au bismulh de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismulh empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir
curaras
M. dlgratr.
Gaatrltea.
Gal (ral(las, ele.
Dlarrbraa ehraulcaa.
Pyasrnlrrlns.
Drea d'cslmaga
Dyapepslaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affecedes se manifesUo ordinariamente por diges-
tdes laboriosas, azidumes, falta appetile, pesos
'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacaes, t, muitas vezes, por espasmos nervosos
tdm vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidao, traz int-
vitavelmente, que seja:
Molestias ole Osado.
a Ictericia.
Palpitara ale coraeao
Prea aaa rlna.
Trastes com uso.
'' .Ye-nde-s J sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
cadeiras de amarello, 6 cadeiras americanas, 1
bea marquesa de Jacaranda, 2 carteiras de via-
gem e 1 carteara grande propria para taberna :
quem pretender dirijaVse a ra das Cinco Ponas
n. 110 defroote da es/cao.
PARA AWTI|4 ANTOSIO
AO IOAO
Vendern-se sortes muita bem feilas
papel muito bom 4*9 o cento : na ra das
Cruzes n.4i, taberna da porta larga.
Na ra da Aurora n. 6, junto a ponte de ferro,
vende se um bonito escrav o crioulo, idade de 21
INJECCAO BROW.
Remedio iafallivel contra as gnorrhbo-
antiga* t recentes, nico deposito r.a eas
ica franceza, ma da Cruz d. 22,. pre-
co U
, annos, cozinheiro o copeiro, sem vicios nem defei-
tos, e ao comprador se dir a razo por uue se
6 de i vende o mesmo escra vo.
Tesoura de Ciulmares.
A loja da Aurora, na roa Urga do Rosario o. 38,
i receben sortimento de tesonras de GaimarSes, tin-
to grandes como pequeas, muito Anas.
Farello.
I Vende-se excedente farello de Lisboa, deposita-
do no trapiche do Caoba; tratase na raa da Cruz
n. 23 (< andar, escriptorio de Autopio de Almeida
Gomas. -
"Acha-se l venda
na oflicina de eneadernaco da ra do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco, a
Biblia da Infancia do abbade Pascal, appro-
vada para as aulas publicas da provincia por
portara da presidencia de lo do passado.
As pesso2S que compraran) j a obra, e qui-
zerem ter um pequeo accrescimo, que se
lhe acaba de fazer, mandem-o buscar.
Attenco.
Urna pessoa que retirase para fura da provincia
vende duas casas na cidade de Olinda, por preco
commodo, sendo ama grande e outra pequea :
para informocoes, dirlja.ge a raa do Nogneiri nu-
mero 43.
ratriz o. 60, de Gama & Silva.
Lazinlias a 300 rs.
Lazinhas a 300 rs.
Laazinhas a 300 rs.
Vende-se um bonito sor: unen lo de lazinhas pro-
prias para vestidos e soutenv arques por serem li-
sas e de quadrinhos pelo barato preco de 300 rs. o
covado, sendo fazenda que sempre se vendeu a
500 rs. o covado, e veade-se a dinheiro a vista pe-
lo baratissimo prego de 300 rs. o covado : na leja
do Pavo roa da Imperatriz n. 66 de Gama &
Silva.
Pelerinas a 1.->G0().
Vendem-se as mais ricas pelerinas ou romeiras
de cambraia bordadas proprias para hombros de
senhora pelo baratissimo preco de 15600: na raa
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva.
Orgaiidy a 240 rs. o covado.
na loja do Pavio.
Vendem-se as mais bonitas cassas organdys, pa-
dres miudos e grandes, pelo baratissimo prego de
240 rs. o covado (doze vintens), esta pechincha
acaba-se logo : na loja do Pavo raa da Impera-
triz o. 60, de Cama & Silva.
Lanzinha transpa a 220 rs. : s aa loja de Pava*.
tes de chita franceza com 10 covados a 2C00, di-
tos de la a i000 e o000, ditos a Maria Pia mo-
dernos a 9*000 e 13000, la de ama s cor a 500
rs. o covado, ditas de quadrinho e palmas a 320 e
400 rs. o covado, chales de merino do ultimo gosto
rom pona redonda e borlota de seda a 65000 e
75000, dilos lisos a 45500, dilos do la a 15300 e
15600, chitas francezas finas a 360 e 380 rs. o co-
vado, preeales muito linas dos padies mais mo-
dernos que tem viudo ao mercado a 360 o covado,
panno de linho do Porto com 4 palmos de largara
a 640 rs. a vara, bramante de linho com 10 palmos
de largura a 25400 e 25500 a vara, dama>co de
la com 6 palmes de largura proprio para colcha,
forrar mesas e pianos a 15280 o covado, cortes de
casemira escoceza para caiga a 25800, ditos de
brim de linho a 15800, ditos de ganga franceza su-
perior a 15600 collerinhos de papel a 500 rs. a du-
zia, ditos de esguio de linha a 500 rs. um, grava-
I tinhas de senhora a 800 rs. do ultimo gosto, sou-
i tembarque de lanzinhas multo bem enfeitados a
j 55000 e 65000, ditos de grosdenaple rieamenle en-
I feitado a 205000, capas de dilo a 205000.
Roupa feita.
Paletols de panno fino, sobrecasacas, ditos sac-
eos, dilos de casemira lina prela de cor, dilos de
meia casemira, ditos de alparca prela, branca e de
cor, dilos de brim c ganga de lodas as qualidades,
jaquetas de meia casemira e biim pardo, caigas de
Vendem-se as mais modernas lanzinhas transpa-1 casemira de cor e pretas e de meia casemira, de
rentes, sendo todas de lisira-, quadros e lisas, fa
zenda esta que sempre se venden a 400 rs.; o Pa-
vo vende para liquidar a onze vintens o covado :
na loja do Pavo, a rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
avariado.
Francez barrica 55000
Portlaod idem 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portlaod idem 125000
No armazem de Tasso Irmlosces do Apollo.
Farinha de mandioca
Vendem se saceos grandes com farinha de man-
dioca por menos do qae em outra qualquer parte :
do trapiche 4o Cunha e na roa do Vigario n. 33.
brim branco e pardo, ganga e castor, coletes de lo
das as qualidades, meias, luvas. grvalas,coileri-
nhos e nimios cun s artigos de roura feita que se
vende por preco baratissimo por ter grande sorti-
mento ; venha o freguez a loja comprar que o pre-
co lia de agradar e muilas outras fazendas de le e
I de luxo. lano para homem como para senhrra que
' deixamos de annunciar por tornarse enfadonho
qne s a vista do freguez se far o preco: isto s
na nova loja loja de Guimaraes & Innaos. ra da
Imperatriz n. 72.
PROPRIO PARA SENHORA.
Vende-se um excellenie cavallo muito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheira do Paulino, rua de Santo Amaro.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodio ; na raa da Senzala nova o. 42.
Opprrsaes.
Drea de cabrea
Irrllarors de beslga e~
da matrls, ele.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas-
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando si o tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paize
estrangeiros.
comCOPABAdeLABLONYE
Estes confeitos que tem por base o ;irin^
cipio activo da vrimeira cubeba junio con*
a cupahyba pura, nao nausen n estomaga.
Elles fazem parar immedtatamente as maia-
rebeldes gonorrhas, mesmo as que res sti-
ram a cubeba o a cupahyba isoladamente.
Deposito?geral em Pernambuce rna da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbcza
Imperial manufactura~ de
Franca.
Tabaco (caporal) para fumar.-
Dilo (em p) para lomar.
Dito para matear.
nico deposito na provincia de Pernn-
buco casa de Izidoro, Nelto 4 C, ra da
Gauzn. 2.
Preco fixo.
Caporal 800 rs pacote de 200 grsmmas.
Rolao 520 r ., pacote Ce 100 grtimmas.
Qnanlidaile.
Caporal 50 pacoles ou lo ki los.
Rolao 50 pacotes ou 5 kills.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidde a
l&il a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.fB e ra do Trapiche Nevn. 8.
Em casa de Tset Frerea tua do Trapiche n.
9, tem para vender:
Vinho Bordeaux em barricas e em caixa?.
Dito de Sanlerne fino.
Dito de Champagne; muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
ILEGVEL



UlaHo de Peraaotbwco Terca letra tt de Halo e l8J&.
CHEGiRAJI OS MODERNOS GH4LES DE
FILO PRETO.
Superiores chales de fil preto chegados pelo ullimovapor francez, a
loja das columnas ra do Crespo n. 13, de An'onio Correia de Vasconcel-
os & C.
MORA BRILHANTE
CONSULTORIO
immmfmmwm
MEWCO-CIRt'RGICO
DO
DR PEDRO DE ATIADYDE LOBO MOSCOSO,
HBOICO, P.lllTIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Funda* o 3
O Dr Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
toras da manliaa,e das 6 e meia s 8 horas da noite, exceptan dos dias santificados
>\h- nini eipeeial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre e mais appropriado sortimento de carteiras
,lKv Uakos assim como tinturas de varias dymnamisacOes e pelos precos seguales
u"saVUlS Carteirasde42tubosgrandes. 12,5000
de 24 tubosjrandes. 180000
i> 5.D)>,'nnles. 2*0000
-i* 19 tn!ps {ttff'las. 300000
> d*60 tubos gran les. 350000
j.*diaMB iu'laerearteira conforme o pedido que se fizer, e com os remed
11 ifmufbo avulso oirfrasco de tfntura ie meia onca 10000.
Sende para cima de 12, custarSo >s precos estabelecdos para as carteiras.
Ha ubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LIVROS.
GRANDES RHiZENS
MOLHADOSI
VIMOS
ESPECIAES
'Largo da Santas
|Cruz n. 84, es-|
Equina da roa do]
[Sebo.
!-
V
ni ),)ithia, i Un ni di
Medicina Homeopathicodo Dr. Jahr
........ 200000
........ 100000
........ (50000
........ 30000
a i ik nn li i
m ihi nlattis :*.n licoioiano .
\Ul;na hJWtioah Dr. Hartng,.
t. j -torio l > Dr. lili) \I>raes.. .
Oicjionario de taran* de m idioma.
O <> le lias leste eUabelecimento sao por denais conhecidos e dispensam portan-
> /.'n'^vaiiinte -e^nmendadosaspisoaiae j izerem asar de remedios ver-
liUti nirsiico e laradjresrhatulo do njlhor qae se pide iesejar,globos de Ter-
iro car deleite.notaveis .etasua boa ;oa<8rvigo,tintarados mais acreditados
?')j eMiiia'oseuropos.a maisjxacta e accuradapreparacSo, portanto amaior ener-
ga Li'.a i n ai eflaitos.
Cata ds mi'i p-i*a eteravos.
Recebe-seiscravospara tratar de iualquer nfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
i i-i-3o para o que o i anunciante julga-se ifl;ie tem ante habilitado.
" 'r'atanento o melhor possivel, tanto na tarta alimentar, como na medica, e
funcionando a casa a mais de quatre annos, ha untas pessoas de cujo conceito se nao
i)')ie lavidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
i imites
Paza-se0OOO por dia durante 60 dias e d'ahi era diante 10500.
ls operacoes serao ;>r.ivia:nente-*justadas, se nao se [uizerem sujeitar aos preco?
i i i', i a i .>'. Ur > lauuncianle.
.'.i
Li'nrifcfldi) e.nb^o e cliimieo de F. P. Lebeuf e 0
ra Montinartre, 31, ein Paris.
Fabrica em Avgcntertll, prs Paris (Franca).
mfflp E FABiI]4(U0
Ojs vinhos, gurdenles e licores.
A.GUARDENTES.Essencia de cognac para dar
as agurdenle ..niinarias o sabor eo aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, i f._
Ktnoan c inoi.iiMU. Essencia 1 kirsch e
de absratho. para os fazer com ilcool e agua A
garrafa para 100 lilros, 5 f.
LICORES.Extractor para fabricar se todos os
licores conhecidossem fogo nem alambique, (in-
dicar-seos qo.e se leseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES.iara fabricar-se os licores finos ou
communs a lose paraJ i tu 2- lilros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho do<
vinhos,agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados 1e encommenda.
UTENCILIOS de laboratorio ede chimica.
engaado nossos
y\'IKImitieo dos viahos de todas
nli iil <,'* K '-t J" *! -, dose para 330
:,,r i f >; i'Rirlfi. 2 r, de Poraard, -3
Xwa Muscatel, Miiaga, dose para 2o ou 30 li-
iros, 4f-
Substancia ara fabricar eom o alcool e agua
o< v.nhos afihna e lodos os outres. A dose para
5)0 i i'.ros, 50 f.
<: .AOIFICACO.-Ps ingieres, pos dos vinhos
da rtesyanlu, da Franja, etc. A libra para 500
lilros. 5 f.
COLOR \CO.Purpirigine para colorear os
vinhos hrancose vinhos Uros. As duas libras
para 30 > tros, 16 f.
Alguna de nossos agentes tendo falsificado e mittlo nossas preparares, e
Vo-meies; leve-so exigir sobre as rolhas e rolulos asiniciaes F. V. L. Pars,
0 i'19'lo de usar-so daspreparces icha-se indicado no rotulo.
As encomraendas devem ser acompanhadasporurna letra - ;'ni! i .i .'irmilis ;nr imi casa-ta o-,i lo.-*)!rizir-seawSrs. Lebeuf & C. chimicos, rus
00 11
V;
11
u. 11. a a i'iris, o i su fabrici -om \r;enienil. prs Paris.
ii 'ni i ', uicdza, ra do Imperador-n. 38.
Nova loja de miudezas
oRaa A\ filien do (teeife-5
Silvestre Pereira da Cunha & C.
0> donisdest" novo estabelecimento abrindoo
a concurrencia do respjitavel publico, esperam
in;recerdesta toda a prolrtcgao, jpela delicaaeza
c seriedide que empregaro em seus aegocios, co-
mj pelo completo sortimento de miudezas e per-
fu nirias, como sejam tivlas com cintos, agulhas
imoeriaes as melhores iue tem vinlo ao mrcalo,
ditas cautofas, sapatos de Ira
seahira, rap do Rio, tumo
'lieiros para gai, chirutos mu
lotera, tallagarca e inultos outros objectos que se
na oofadonho mencionar, sendo estos vendidos pjr
pregoi to razoaveis que a pessoa que comprar a
n-imeira vez, ne delxar de continuar a vir sor-
;irse oeste novo estabelecimento.
gaz.
Cokc do
pitcli do gaz.
Aliiatco do gaz.
tonelladas rs. .
100000
800000
400
Goke
Pitch i
Alcatro caada.
O coke reoiihocidamente o carvao mais econ-
mico, torna-se por isso recomm9ndavel, bem co-
ma i -i') asseio que se nota as coziohas aonde
alie usdo. Pitch e alcatrao.alm das applca?oes
diversas a jua se prestam, como para callafetar
qualqaer ponto da cidde, segundo a vontade do
comprador. _____________________
O? Q O >r5g09'q-e
CTUai-oO -l '-< O Ofio
Francisco Jos Germano
nv\ %ov\ n. ti,
.iciba de receber um lindo e magnifico sortimento
de ocnlos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa. ________^^
Eufeiles a Maria Pa,
A loja da Aarora na" ra larga do Rosario n. 38,
recebeu grande e variado sortimento de enfaites a
M ira Pa para cabec^, dos mais modernos que
tem chegado.
reales de diailena pan atar cabello.
Pentes d; liodema jura alar cabello pois o al-
l mo g istu que agora su asa.
Liihas de crochet de (Jifferenies grossuras.
Volias zoes a Mara Pa, rioo sintos de filas
Urnu com (ivjlasdourada, finalmente sortimento
iiruaj a este s se cntnnira na loja da Aurora ra
haga do Rosario n 38, o qual sempre se eneonlra
prompto as ordens de qualqaer freguez que fr
c >n dinheiro, qaem duvidar mande ver para jus-
uiicar a verdade.
^ 3 -,
O. o> _
i*
o

'co
* _
: t 5S x aj
D
*
O. OS
ai
Cu-,
CO
Ci, '-' C6
O*- 3 O
?B2.?8 g-=Bc?
t3 "S, 3 <* S ca-^Sf"1
i;osi!3cos; .->75o
5-3 a"-Q
s 2:3-5 "
! 1 8 _
o o -
cr-2
- Vende-se a luja de colgado da ra
larga do Rosario n. 12. com toda a ferra-
m^nla, c instando de m .chiojs p ra cuer o
propno calcado, 4Hs pa a cortar sola tanto
para oleado deseohowi com). de liomem e
mininos : que a preten ler dirija-se ames-
aa que achara com qu3in tratir.
Ferros de encrespar
de diversos tamaahos e feilios : na ra do Cresp*
Damero 4.
B 5
o
cu
03
09
B 3
crj o
= "3
! B
m
B3

a.
B
b
B
o
o
n
ai
s
c?
5o
2S
o
Urna familia que se retira vende ama nobilia
de amarelle j usada, irem de cosinha, louga de
almocn* jaUr azul, urna mesa de jantar de ama-
relio ps torniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e muies outros objoctos a que ludo
se vender um conta : oa ra des rtres n. 62.
Vndese urna negr nha da 10 annos, tnuito
e*perta e sadia : no pateo da matri de Sanio An-
tonio a. 8.
Largo da Santal
roz n. 84, es-
ubs da ra de
Sebo.
IB
. 1 vo Pruprletano do j mallo acreditado armazera de moHiados denominado Au-
rora Dninanie, conilaaa a ter o mesmo sortimento de gneros de primeira flnalidade.
a seguinte tabella slrvira' a todos tle base para ajuste de comas aos portadores.
nin ,anJara arma*eni vender" mais barato e melhores do que a Aurora Bridante, ja'
?;,!,*. jumento que lem, ja' mesmo porque seu dono s deseia tirar diminuto In-
nmJin ch(gue pafa accumular s despezas do estabelecimento por .isso deixese a-,
tntes f prsprletarl ha dc a*er toda a diligencia, afim de servir bem os seas cons-
P?JoW 'bra^ dechour'as monovas,
Ditas grandes com peixe em postas intelras,
m9a0de ** lualidades, a 10000, 280 6
Ditas com ostras, excellente petisco para fri-
gideira, a 720 rs.
Pitas cora ervilhasnovas, ensopadas, a 720 rs.
Uitascom favas, a 6i0 rs.
.Uitas comamefxas a t?200, 10800 e 30500.
1 unas com marmeladado afamado fabricante
Abren, a 720 rs.
tDitascom massade tomate, a 500 rs.
lUl'a-Sl' Ros de comadre, novos, a 10500,
*^ e ZvoiHJ.
' VCSC1 ,,olach'a''a de-soda muito novas, a
-000.
'Ditascombiscoltinhos inglezesde rauilasqua-
lidades, a 10400.
Chocolate.
Calxinhas com ameixas enfeitadas proprias
lr. Pa"a mimo a 10200,25800 e 3-5200.
fuiocolate superior muito novo, a libra de
} 880 a 10000.
fMacarr3o,talharlameaietraaraare!la,alibra
i a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha, pevide, e outras mas-
I sas, a caixa 3*300.
'Ditas dita em libras a 640 rs.
ISag, a libra a 360 rs.
(Sevadinha para sdpa alibra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
jDitas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca mum nova, a libra a 280 rs.
**** de araruta verdadeira, a libra a
500- rs.
bra a 100 rs.
'Touclnho de Lisboa a 95300 a arroba e a 320
rs. a libra.
jDilo de Sanios, a.arroba 70000 e a libra a
260 rs.
.Molhoscom 12j' ceblas grandes, a -15280.
IMostarda franceza, caixa com 2 duzlasa
75000.
1 Fraseos com mostarda preparada em vinagre,
I a400rs.
Ditos eona conservas inglezas e francezas. a
640 e 800 rs.
Viafao verde sierir.
A caada a 30000 e agarrafa a 400 rs.
Gomnia.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira dse
engommar, a arroba a 30000 e a libra
120 rs.
Sabio raassa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Farinha.
Saccasgrandescomfarinhade Goianna mui-
to nova, a 30000.
Caf.
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 80,
80500 e 90000.
Cha.
Ch,temos nestes generoso melhor possivel,
hvson, a libra a 20600.
Dito perola a 30000.
Oilo uxim a 20700.
Dito hyson muito fino a 20800.
Dito redondo a 20500. rfgi
Dito preto de primeira qualidade a 20300. C*S
Dito mais baixo a 20000 e 10600. Sg
Erva mate. J&,
Excellente cha medicinal, a.libra a 240 rs. c|S
Espermacete. j*j
O masso com 6 vellas de espermacete a 600, Gffl
640 e 720 rs. 5^
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-i
prias para mimos a 40 e 20300. go
NoCS. rfr
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 40000. am
Alpisla c paineo.
Alpislae paineo, a arroba 40000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
5ff;
O
-3
O
a
Arroz do Maranhao, em sacco, a arroba a
20400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 30100 e-a II- Cartas finas para jogar, a duzia a 205no.
Caslanhas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 40000 e a libra a 200 rs.
Azeilonas.
Barriscom azeitonas novas a 10500
Manleiga.
Manteigasuperior, a libra a 10280.
Dita mais abaixo a 10500.
Dita menos suporior a 10 .
J)ita franceza nova, a libra a 880
Dita dita em barris e melos ditos, a libra
830 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 300 rs.
Ditoscora a verdadeira genebra delaranja, a Dita para tempero a 400 rs.
15000. \ Queijos.
Ditos de garrafas de Ilollanda verdadeira,a Qaeljos novos vindos neste vapor a 20800 e
,40 r
,Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafoes com 2 galoes com dita, a 60.
(Serveja boa, marca, a 300 rs. a garrafa, e a 1
I duzia a 65OOO.
Vinhe muscatel de Setubal, a garrafa a 10.
Marrasquinho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
a 10200.
^Champagne, a duzia 200000, e a garrafa a
, 20000.
JAzeiterefinado portuguez e francez,agarrafa
' a 10000.
Caixa de vinho Bordeaos muito superior,a
? 70, 80,90 e 100 a caixa.
J Ditas com dito branco, a 70 a caix.
1 Ditas com dito lagrimas do Doro verdadeiro,
a 200.
'Ditas cora duque do Porto verdadeiro,"a
180000.
iDitas com chamisso superior, a 140.
'Ditas cora Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 120.
>Vinbodo Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
] e 800 rs.
.Dito de Lisboa muito bom.acanada a 30200,
\ 30300 e 40, e a garrafa a 500 e 360 rs.
'Riloda Figueira, dasseguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (I. L. G.) (O. M.) a eanada a
) 40300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que jest engarrafado e lacrado com o
. rotlo do armazera.
JDitos de marcas mais desconhecidas, acana-
> da a 30500 e 40000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, agarrafa a 640rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
? 800 rs.
0*TOO.
Ditos londrlnos muito novos, a libra a
10000.
Papel.
Papel almago paulado, a resma a 45800.
Dito dito llzo de linho, a resma a 40500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
20500.
Dito deembrulho.bom a 10 e 10200.
Vinho Madeira.
Garrafas cora o verdadeiro vinho Xerez e Ma-1
deira a 10300 e 25000. ,
Temperos. c
Folhas da louro, pimenta do reino, coramho
e cravo, a libra a 400 rs. ,
Y.elas de carnauba. \
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Ainendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce. \
ealxSes de doce de golaba, grandes a 10400
6 pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde bo5es de graxa n. 97 a 20000, e'i
de latas a 10000, e os boioes a 240 rs. ca-|
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Babia por diversos precos, caixas e melas;
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da Gadeia do Kccifc, esquina da Madre de Deas.
Prestem atteocao ao discurso -do Balo.
A loja do Balo todas as semanas reforma o seu annucio m conseqnencia de
constantemente receber novas fazendas e novo sortimento de ronpa feila, os seus precos-
so os mais moderados como j' ninguem ignora, as fazendas que nao levam preco marca-
do porque ha diversas qualidades e diversos precos, e em loja alguma encontrar o pu-
blico um to completo sortimento de fazendas e roupas feitas, e nao bavendo a obra que
o freguez procurar toma-se a medida e em 24 Loras estaro sasfeitas as exigencias do
fregmez.
Pede-se atten$lo.
Chapeos de sol com 16 asteas a 12$.
dem idem com 12 asteas aS.->.
dem idem denominados acadmicos, fazenda inleiramente nova com 12 asleas a
12$, por este preco s na loja do Balo se encontra.
Baloes de arcos para senhoras, os melliores que lia a 3tf.
dem de arcos e de musselina para meninas a 2^, 2.^500 e 3500.
Vestidos finos a Maria Tia a 14$.
dem dos aais modernos que ha de flores matisadas a 18$.
dem com barras, fazenda ainda nao \ista em Pernambuco a 24$.
Pecas de cambraias que sempre se vendeu por 95, o balo wnde por 7$.
Chitas preclaras que todos vendem por 640 rs., o Balo vende a 560.
dem da m sma qualidade, porm de ouros pa Ires a 440 rs.
dem escuras a 300 rs. esto-se acabando.
dem estreitas a 200 rs. s na loja do Balo.
Las de accento escuro com flores matisadas denominada pelas senhoras que j
compraram (la econmica.)
Cambraia de cores as mais finas a 800 rs. a vara.
dem de cores com quadros brancos a 560 rs. a vara.
Madapolo a 8$ a peca, que vale dh, tambem ha fino.
dem francez proprio parasaia de senhora a 560 rs. a vara.
Camisas de meia muito Onas a 225 a duzia.
Meias cruas para homem de 6$ a 8$ a duzia.
Camisas de pregas largas a 2;$50O que todos vendem por 3$.
dem inglezas de IdIio muito finas a 485 ou 545 a duk.ia.
dem de flanella de cores muito finas.
Calcas de casemira pretas e de cores de 7-5 a 12-5.
Paletos de casemira decores e pretos, a 105. 115 c 12(5.
Colletesde casemira e deT)rim branco os melhores que ha.
Calcas de brim bra-co muito finas a 45500, 55 e 7$.
Paletos de alpaca branco a 55.
Mantas modernas para pescoco de homem.
Collarinhos de papel de cores a 800 rs.,
dem brancos a 400 rs. a duzia.
La preta para luto e de todas as mais cores a 500 r?. o covado.
Ceroulas de linho com duas costuras.
dem de algodo a 15600.
Cambraias para forro dc vestido a 25600 a peca ou a 360 rs. a vara.
Chales de merino estampado que custaram 85, vende-se por 55 em razan de es-
tarem um p ac desmaiados por ter estado a mostra, por estes precos s na loja do
caixas.
grande quantidade de gneros tendentes
estes estabeleciraentos, que deixam de an-
nunciar-se.
CORTINADOS BORDADOS
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A este ertabelecimento chegou ltimamente da Europa um grande e variado sorti-
mento de coriinados bordados o que ha de mai gosto em desenhos e bordados.
Lindos bonets de palha de Italia para senhoras.
Chapeos e chapelinas de palha de Iulia ricamente enfeitados.
Chapos Unos de seda para caneca de horneas e chapeos de sol de seda inglezes de
8,12 9 16 astes.
Bournus e chales de renda pretos superiores.
Pclisses e souterabar'qaes de seda preta para senhoras.
Cortes de la de barras de 140 a 220 de muito gosto.
BalSes de arcos e de musseilna finos, raangailos e camisinhas.
Saias bordadas muito superiores.
Moireantlque preto, grosdenaple preto e de cOres, panno preto fino de diversas qua-
lidades e casemiras pretas e de cores.
Luvas de pellica para homaro e senhoras.
E mullas outras fazndas que todo se vende barato na loja de Augusto Frederico
dos Santos Porto, aonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas
R. i i-Rui d8Queimado--N.H
Ta**so Irmo
vendem gesso era p para estuque de casas, tijolos
finos de feillo diversos para ladrilho, azuleijos de
diversos gostos, lijlos vidra-los para prele de co-
zmha, canos de barro para esgato, cemento- era
barris de 10 arrobas.
Caluogas finos c brtoqnedos
para menino*.
Uhegafem para-a leja de roindezas da roa do
Queimado r. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma toja se encontrar boro sor-
timento de mradezs s, |
0 6ASTELL0 DE GR1SYILLE
Traduzido do francrz por A. J. C. 4a Crm.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 2550C
na praca da Independencia, livrarians.
6 e8.
m m -i 1 T i la --
Ceaebra de Hollanda em fras-
qnelra.
Chegou a genebra verdadeira do Hollanda, mar-
ca VD. e vende-se somente no armazem de Rarroj
& Silva.
II4CUNASDEPATENT
de trabalhar uo |>ai:
d cscarooaraSgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machinai
podem descarocar
qaalquer especi
S;de algodao sen
estragar o be.
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pdt
descarocar ums
arroba de algfr
do em earoge
em 40 minuto
ou 18 arroba;
por dia oa 5 ar-
robas de algodc
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, qne descarocam 18 arrobas de algod<
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis (estas machinas
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a vfrem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Sauudcis BroUiei's & C.
N. II, praca do Corpo Manto
RECIFE.
Os aicos agentes neste paix.
Rival sem segundo
Ra do Queimado n. 49, loja de miudezas de Jos
& Azevedo Mala e Silva esta disposto a vender mui-
to barato que admira, pois seus freguezes ja eslao
scientes que nao ha sexuado competidor.
Pecas de cordo para vestidos a 20 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Duzias de facas e garfos a 20400.
Ditas de cabo preto cravado a 30000.
Baralhos fraocezes muito Saos a 200 e 210 rs.
Crozas de boioes de lonca a 160 e 200 rs.
Caixas com soldados de chumbo a 120 e 200 rs.
Bunecos de choro penuenos a 160 rs.
Varas 4*-coruau para espariilho a 20 rs.
Duziaslte colheres para cha a 800 rs.
Duzias de colheres para sopa a 10500.
Dan de melal principe de cha a 20000.
Ditas para sopa a 40000.
DROGARA.
34Ra! larga de Resarie-34
Bartholomcn Francisco deSouza k C.
Vendem:
Acido acetieo puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
GuarnicOes avelludadas.
Tima branca superior em Uta.
AlvaiadeVeneza, fino, em paeo\________^^
120 e 6<>0 rs.
nlval *em segando.
Frascos com agua de -olonia 120
Dazla de tbesoaras para costara 600
Caixas de soldados de chombo a 120 e 200
. Na ra do Queimado n. 49.
AGUA
DE
, Florida.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao urna tintara, fado es-
sencial a contestar, a mesma agna dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante qne elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a agua de
Florida entretem a timpeza da cabeca, destroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contribue poderosamente, com a agna de Flo-
rida a forga, a belleza e a conservacao dos cabel-
los.
Em Paris casa de Guilaur d. 112 rrfa de Rechl-
lieu c 21 boulevard Monnartre.
Todos os frascos nao tendo intacto e claTe. e tin-
clre prateado da casa, reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38.
Bxas hamhurpe/as.
Vende-sena rna Nova n. 61.
Vndese
na ra das Crazes n. 23 juneo e paThat mais bara-
to do que em ontra qualqaer parte.
No armazem de azen das ba-
ratas de Santos Coelho, ra
do Queimado n. 19, ven-
de-seo seguinte:
Lences u> panno do linho a 20100.
Ditos de bramante de linho de um s panno a
30500.
Cobertas de chita da India a 20500.
Lencos de cambraia brancos propnos para algi-
beira.pelo barato preco de tgOOO adozla.
Pecas de bretanha de rofo com 10 vara? a 30800.
Ditas de cambraia para forro de vestido, com 8
varas, pelo Laratissim preco de 20600.
Guardanapos adamascados pelo baratissimo preco
de 30500 a duzia.
Algodao entestado com 71il palmos de largara a
10200 a vara.
Cortes de lia de Itndos gostos eom 15 covdos a
60000.
Pegas de cambraia adamascada com 20 Taras, pro-
pria para cortinado, felo barato preco de 110.
Filo liso fino a 800 rs. a vara.
Dito com lpicos a 10 a vara.
Tarlatana branca floa a 800 rs. a vara.
Atoalhado de algodSo adamaleado a 20200 a vara.
Dito de linho a 30200 a vara.
Lazinhas lisas de todas as cores, pelo baratissimo
preco de 500 rs. o covado.
Pecas de cambraia de satpicos brancos e de cores
com 8 li2 varas, peto baratissimo preco de
40500.
Batees de SO reos a 20100. 0> a 30, de 30
ISIO* 4 35*0, de 49 4?M.
Toalhas felpudas a 130 a duzia.
Esteiras da India de 4, 5 e 6 palmos por menos
prego de que ni oe*a qoatfier parte.
Neste armazem se encontrar* um grande sorti-
meato de ronpa felta e por adida-.....__
Admirarel pechincha I
idcamiique a 300 rs. o eovado, b* toja
4a avao.
Vendem-se os mfs%WiWll*Jplb)bMjnf s de pa-
ra la proprios para wtttdoi e sootembamu*?,
sendo de quadrinhos de 11 arras e liaos, faxeada in-
leiramente nova, ero padrees e omito proprias pa-
ra as senhoras qne freementam o mez Mariano,
porqoe esta faadada Ibes faMwa fcieacw por pos-
eo dinheiro veailda muito decentes para qoelaner
acto, advertindo-se que es baratissimo -preco
devtdo a grande compra que olea lesta Mva fa-
:?da, que s vende a traze tattoee o covado i aa
loja do pavio, ra da imperatrlz n. 60, de Gama 4
Silva.
-
*
r.
X
QLESrVEL


\-
DUrlo de PenambiM ... Ter^a fe lr t3 de Mato de iS65

0
DO
.
AO PUBLICO
.1
Sena o menor constran
glmento se entregar o
Importe do genero qne
Mo agradar.
ATTENg&O
O precoa da seguate
tabella para todos, po-
deudo asslm servir de ba-
se para o ajaste de coutas
eom os portadores.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
vot sotm, m s murcia
AO
ltESl-EIT AVKL PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido ra Nova n.: 60 um magnieo sortimento de molhados,
que sendo era sua maxim.i parte mandados vir directamente de estrangnro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ;>ffiancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder no restricto cunprimento das seguintes promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua pose3o social gozam de corto tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cb sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicSo do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
rauitas patacas, afreguezando-se nesta casa,, onde se lhes vender e arroz, o caf, a man-
teiga o assucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes n5o po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir; pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
reis do quantoise pode vender barato.
Para os senhor s que compram para tornar a vender existe um sortimento spe-
cial, escolbido por pessoa entendida que certamente muito deve agradar aos senhores
compradores.
Nlo se tem poupado sacrificios, nemse deixar de fazer a diligencia para, agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DINHEIRO VISTA:

MANTEIGA ngleza e franceza ai0, 1,5120
1)5280 e em barril faz-se grande abati-
mento.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 600 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos presos.
P
PEIXE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
f Grande aroiazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
. O armazem de Untas um grande deposito de
productos chimicos uteosis e os mais empreados
; e usados napharmaeia,pintura, photoiaphia. tin-
turara, pyrolechinia(fagos de artificio) e en. cutras
industrias.
Montado em grande escala, e suppnndo-se di-
reclmenle as principaesdroganasdePar, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode ofTerf reer
productos de plenaconliancaesaiisfazcr qualqoer
encommenda a grosso trato e a retalho, por oreos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriad;,s satisfar
com promptldo qualquer pedido de lilas moldas
a oleo,cuja qualidadee pureza de sens iogn-dJen-
tes peder ser examinada pelo consumidor, o qne
nao e fcil fazer cora aquellas que sao in poi tudas
e que se encoulram nomercado em Islas fechadas.
Tem grande colleeco de vidros de. dien nie?
formatos, desde urna oilava at deze.-eis cncan u>
capacidade-, de vidros para vientas i diaa otes
para corta-Ios; de pincel para fingir madeia com
propnedade e outros; de papis donrados e pa-
Irados e folhas de gelatina para omsmtnto; de
papel grande epequero formato de vanas cotes
para embrulho, para forro de casa, para detento
cora fundo ja feito;de papel albun inado e Bris J,
verdadeiro saxe para photograi hia e para filtrar,
Senhore?fcs~nhoras, o aceio que presidio aos arraujos dt* novo.estabelecimento, e mais que todo a promptidao e intei- PW* 'mnS^S!I^iuV!l^\
reza com que serSo tratsje..-.{jaovida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvlda me darao a protecejo e preferencia na com-1 l?'; oleoraxo- oleo seceaiivo, oleo t utitc
pra dos gneros que precisares e. piando nao possam virpodexao.. maqdarseus portadores, ainda que estes sejam pouco urlicos, vKdefm Snl* l0,iVea,,iTO de !,aViir ''T
pots ser3o to bem seWidos como se viessem pessoaimente, hiendo para.com estes toda recommendaC5o, afim Jd q?X?S ^^^^^TuuS^^t^Z
vas proprias para confeitarias: lia de cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas rm utos e
RA DA CADEIA DO RECIPE N. 53
(Logo pascando o aneo da C onceico)
, PARA BEM DE TODOS.
ALPISTE E PAINgO a 120 rs, a lib a.
AMEND3AS novas a 28o rs. a libra.
AVELES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 90 rs, a libra a,..
AME1XAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANHA de porcoa660 rs. a libra, em por-
cao faz-se abate.
BOLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ing'ezesem latas de 4,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
c
CHOURICAS m lito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. ogigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
american s, bahiannos, fluminenses, etc.,
de 1.400 a 10,000 o cento.
CHA IIYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os taa-
nnos a

DOCES de todas as qualidades.
E
ERVILHAS seccas e em latas porluquezas e
francezas,
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portnguezas em lata a 600 rs.
o
GOMMA muito nova e alva a 140 rs. a libra.
GRAO DE B1C0 a 120 rs. a libra.
GENEBKA delaranja a 9 e 10,500rs.
CENEBRA de Hollanda im botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
QUEMO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 800 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.

SABO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8-libras se
far grande abatimento.
V
VINHO tinto de 360 a.. garrafa.
VINHO tinto em caada de 2,5G0
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4)5 rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.000, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cberry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os presos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qualidades e diversos presos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arroba.
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambeco.
(dem de gorgurSo preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem de gorgurJo de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2JJ400, 20600, 30, 30500, 40, 50, 60,
70 e 80 o evado: s-
Superioroi# Sarja preta- de seda,
Idenvpreta hespanhola.
dem idem lavrada a 20 o covSdo.
dem dem lavrada muito superior.
Completo % ttsdenaple preto a 10500, 10800, 20,20500, 30,
30500, 44r4l|iOOe80. <
Paono^re.to* i\yt qualidade de U a 120 o covado.
Casemira.preta.-ae 10600 a 50 o covado.
Lindos chals, boarmis, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pftes -d fft Wrprfetos.
'ftzebdM' de superior qualidade na leja das Columnas
na ra do-CN#pe- 13 jte Dtoaio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Mor eir Lopes.
tra rarte.
Manteiga ingleza especialuenteescclbidaa
1,000 e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
' ,r.s' a bra e 900 rs. em barril oumeios.
Lhanyssonde superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado, a
2*800 rs. a libra,
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muilo.proprio para negocio a 2,ooo
dem bysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
ero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
lnguidas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panel! ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a.2,2oo rs., ditosde navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inteiro sefaz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezasj preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muilo superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,.5oo
rs. aduzia.
dem idem para vinho a 2io rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocelate francez'espanhol e suisso a 9oo,
l.oooel,2oors.a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das m'trcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e61o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,oooell,ooors.a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-
bra e8,5oo rs. a arroba.
Cafdo Cear muito superior a 2 4o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arrozdo Maranh5o de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paine/) e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
Massade tomatesde superior qualidade a 64o
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-
lho.
Aletrla, macarfo e
bra e 6,000 a caixa.
anajsafti?* w- <&%&.r
talharim a 4oo rs. ali- Sal refinado em frascos de Tidro
com lampa
nha branca oMamarella a 64o rs.a libra e
3,000a cauta com-8 libras
Vinho do Porto muio fino'proprio para
marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a. garrafa, e 5,800, 6,000 e 6,5oo a du-
5SS?f 6m anC0r6a8 d<5 9 CaDadaS a ?h^?ha/e Fra^a o nova, a 2oo rs.
Vinho em nina Porto f*:, 1 k *Wu1os affamado fabricante Jos Furta-
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8bo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oors. a garrafa e em caa-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missaemcaixas de 1 du-
zia a 8^000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecea,Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,ooo e. 1 o^iooa caixa eom I duzia e 9oo,
l;ooo e l,5eors. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duzia e i ,00. rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos ej
64o rs. as meias latas;
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a,
barrica e 320 rs.'a libra.
Bolachinhas de soda -em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartoes com bolo francezmuilo propriospa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinbas enfeitadas
para mimo a 3,0.00 rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoasde casca mole a 4oors. alibra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJoao
deBrito no Beato Antonio, enlata de6 li-
bras por ,$00 rs.
Ameixas francezas em fiasco de vidro com
tampa do mesmo, a 105co.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos
tamanho8 com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l.fioo, 1 ;8ooe 2,000
cada urna.
Exppsicao Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
b.ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos-finos de diversas marcas e fabri-
caBte8>,como sejam: Flor do Norte, Ma-
nillas de Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
,Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
m 4 libras.,
Farjnba de araruta verdadeira a 32o rs.
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes,
2oo rs.
Sebollas. de Franca muito grandese novas
, a J,8ooocento e l,2oosoltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muito novo a32ors. a
libra e 8,5oo.a arroba.
Banha.de porco refinada a 600 rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinhado Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeo? ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
telas para retratos j tintas em pastis e om l pa-
raaquarella; essencia de rosa superliue. de ne-
roly.jasmim, bergamota, aspire, palchouly, an bar,
Dourjuet,limao, alcaraiva, mellssa, ortela pimenta,
looro, cereja, alfazema, juiopero, Portugal, lima,
ans da Russia, canella, cravo e muito- ontros ob-
jectos que so com a vista poderaoser rooslradcs.
Joao Pedro das Nctes,
Gerente.
..mmm
Venda de um sobrado
Vende-se o sobrado de 2 andar* s n. 21
da roa do Padre Floriano, que tem o ren-
diment mensal de 42, por prevo muito
corxmodo : a tratar na ra de ItargH n.
^5, segundo andar, das 6 horas as 9 da
mantaa e das 4 da larde as 7 da roite.
minHnn
Vinho do Porto superior em caixa de duzia
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Axeve-
do & C, no seu escriptorio ra da Cruz o. I.
ESCRITOS FGIDOS.
Aviso aos capitaes de campo e a
polica.
2(10$ do graticato por cada lu.
Desappareceu em principios do mez de outubro
do anno prximo passado de burdo du palhabote
nacional Arroro Malo, dous escravos de norr.e Ho-
berto, por appellido Macei, e Miguel; o i de 4
annos de idade, pouco mais ou menos, crioulo, cor
fula, estatura baixa. barba serrada, um pouco or-
to das pernas, e com alguns cabellos brancos, (an-
te na barba como na caheca. 0 2" alio, cheio do
corpo sem barba e falla gross, representa terde
zo a J annos ; cujos escravos descouia-se auda-
rem pelos arrabaldes desta cidade : quem os id.
prehender qoeira levar a ra do Trapiche n. 4.
Escroto fugt/o
Fugio no dia 17 do corronte o eeenvo Antonio,
bem preto, principio de barba, levou cal^a e cami-
sa azul, alio, bom corpo, chapeo de massa velho,
tem um i- por baixo comido de bichos, fui escra-
vo de Manoel Jos Rodrigues PiBhciro, cm Fra
de Portas : quem o prender leveo ra das Cal-
Cadas n. 9 qne ser gratificado.
Azeite doce reGnado hespanholou portuguez Champagne da melhor qualidade que
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo
Q gigo com 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. alibra.
Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potesj preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legurae para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propriamente dito a
a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o maco.
vem
ao mercado, a 2,ooo 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo ogigo.
Gomma de engommai muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosemsextinhas a 8o rs,cada urna e 72o
rs. aduzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes epeque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa ea l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a.caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre brancoj engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Fugio.
No dia 13 do corrente fugio de casa de Antonio
de Almeida Gomes o negro creoulo Braulio, que
representa ter 28 a 30 annos de idade, altura ic-
gular, cheio do corpo, cabello orapinhado, barba
pouca ; levou caifa e camisa de riscado, e tem sido
visto em Sanio Amaro no bairro da Ba Vista.
Quem oapprehtuder quura lvalo a m do an-
uunciante, ra da Cruz n. 23, que ser gr&ulicado.
GOMMA NOVA.
Em-paaeirosmuito lw a 4,ooors. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um, panel o para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
pelo
Novlfede.
A 1*000.
Leques de osso, gasto moderoo,
prwj *-#: *6:mnmu-Olm
leja da minderas de Silvestre Pereira
t Companlila.
-------! M"
diminuto
S,
da Coat*
Pwete a 8f 800
a ra da Imperatriz n. 6.
Chegaram os superiores
Curtes de seda.
Sopar ores cortes de sed de cor, vi n dos pele
I ultimo vapor francez : na toja das columnas a roa
do-Crespo n. 13, o> Antonio Crrela de Vascon-
j cellos i C.
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Continuase a vender em porc_ao e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocaltetrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onyebromantina para limpar as nnbas. Essa
tintura, cojo effello rpido e efflcaz, est bem co-
nheclda e apreciada para todos quantos della tem
usado, eos qne de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquelles, dingir-se manidos de
dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel e folhas para rosas
Aeaba de ebegar para a loja d'aguia branca, na
rna do Qneimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas; e
dito tambem verde e mui fino para cobrfr o ra-
me, assim como folhas de panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vertidos
Vendem-se na rna do Queimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'aco intjlt-
zas e francezas
A aguia branca alera do grande soriiraento de
penas d'aco que constantemente tem, acaba de
receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres A C, assim como as
verdadeira? blco de tanca n. 134 e-outras de pon-
ta dourada, continuando porm a vende-las por
precos commodos, com tanto que oeompradorcom-
pareca manido de dinheiro : na rna do Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu:
Bonitos e graudos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de ditos de guaes a agradareis cores.
Voltas pretas malores e menores todas de contos
grossas.
Pulceiras pretas tambem de conta.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e donrados.
Fivelas d'aco grandes e pequeas com cinto pre-
to e de madreperola.
Outras grandes de differentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leqnes de (madreperola redondos e de
otXra forma.
Ditos de sndalo Interinos e corredicos.
Capellas brancas para meninas.
ATTENQAO MEUS SENHORES
PARA
NOVA CALIFORNIA
Fazendas baratissimas loja da roa do Crespo d. 17 de Jos Gomes
Villa*, y
A nova crise omraercial permute que o poo em {feral nao possa comprar fazendas
caras, O proprietario deste estabelecimento, amigo qne do povo em geral, altendendo a
essas circumstancias est vendendo fazendas por precos que na real idade admira.
Correi, bom povo, a este- estabelecimento, e comprai fazendas, porque all se vende
por menos do que em outra qualquer parte.
Cassas organdyzes a 280 rs. o covado.
Chitas francezas escaras matizadas a 260 rs. o covado.
Ditas escaras muito finas a 240 o covado;
Ditas ciaras dem a 240 o covado.
Ditas escuras idem a 260 o covado.
Chitas para coberta muito largas matizadas a 240 o covado.
Madapol5s finos largos a 6J590, 7 e 8#.
Chales de fil preto mnito bons a 109000 cada ura.
Chales de merino estampados a SJfiOO, 6 e 7J>.
E outras moitas fazendas, que tudo se vender por presos que admiram.
AZEITE DOCE
refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
Azeite doce
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120libras a 4$, 45500 e 50 ; no grande armazem da Liga.
PECHINCHA SEM IGUA
- Madapolao muito fino cora, pequea toqne de avaria, por preco que admira : na loja
das columnas na ra do Graspo n. 13, de Antonio Corroa de Vasconcellos & C.
Fugio em principios do mez de feverero ac
corrente anno e consta estar acoutado nesta cidade
o moleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando A ffonso de Mello, de 12 annos de idade (cu-
co mais ou menos, cor prela, secro do corpo, ulh< s
regulares e afumagados, eabeca um pouco granee
e meia chata, beicos finos, denles bem alvos, ,s
seceos e muito ladino : roga-se por tanto a todas as
autoridades policiaes e capitaes de campo que o ap-
prehendam e levem-o a ra da Mangueira sobrado
n. 6 qne serao gratificados, proteslando-se usar dos
meios judiclaes contra qualquer pessoa que o ttuna
em seu poder.
Fugio no dia 7 do corrente, da casa do abai-
xo assignado o seu escravo Francisco, cabra, esia-
tura regular, grosso do corpo, cabellos nao cira-
pinhadus, denles perfeitos, sem barba, fes 9 naos
regulares, levando vestido ralea de ca.'tn.ira fre-
a, camisa branca, paleto! de alpaca e chapeo de
baeta preta, alm dos referidos signaos un elle
no brago direito um signo salomao abaixo do qual
lera um coraejio feito com tinta azul, m enjo cen-
tro tem as 6 iuiciaes seguintes WW1 UtN, tem elle
23 annos de idade pouco mais ou menos, consta ter
seguido a estrada do norte em busca da cata n
sen antigo senhor o tenente-coronel Joaquim Car-
neiro da Costa, a qual no lugar denoirinadj
Corral Grande da villa de Santa Anna provincia
do Cear. O abaixo assignado recommenda pola,
tanto as autoridades como aos capitaes de campo
de qualquer lugar a captura do referido escravo,
o qual poder ser entregue no primero andar do
sobrado a. 31 da ra do Imperador ou no sitio da
estrada de Joao de Barros residencia do abaixo
assinnado. A pessoa que o trouxer ser genero-
samente recompansado.
__________Joaquim Manoel de Mira Wander|eyi
Ittenclio
No dia 4 de Janeiro do anno de 1864, fugio do ep-
genho Conceico, comarca de Pc-d'Allm, o escra
vo Galdino, pertenrente ao abaixo assignado, com
os signaesseguinles : idade 26 annos, pardo, claro,
corpo, figura e altura regalares, cabellos meios ca-
rapiohados, olhos pardos, sobrancelhas e palpebras
salientes, tem em cada braeo uro sino de Salooi3o,
sendo um delles mal feito, e junto a este urna cruz,
tem na cabega urna cicatriz de urna polegada, e em
cima de um quarto ama outra cicatrix de tres po-
legadas, proveniente de ponta de pao e queda, lem
sobre as costas algumas marcas ou cicatrizes de re-
Ihadas oa chicote; um'pouco desembarcado quan-
do falla, tem principio de carpina e rarreiro, toca
viola e barbado. Foi soldado do corpo de polica no
Recife, e levou comsigo a b*a do theor seguinte :
Seccao urbana, 2' companhisre. 50, Antonio Caeta-
no de Oliveira, filho de Agoslinho Ferreira do Bri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos cara-
pinos, olhos pardos, offlcio nenhum, estado spltei-
ro, com 30 annos de idade, 60 polegada* de altura,
ao engajar-se. Engajou-se na forma do repula-
mento, em 17 de fevereiro de 1862, por offlcio do
Exm. Sr. presidente da provincia, datado de 28 de
abril do corrente, e publicado ao corpo em ordem
do dia i de maio, todo em 1862; leve baixa de
servico por ter dado em seu lugar o paisano JoSo
Pedro Ferreira da Rocha. Foi escravo do capillo
Jeo de Dos Barros, morador que foi na comarea
do Brejo da Madre de Dos, e boje morador ca
! Campia Grande da Parahyba do Norte, qne o ven-
den em dias do mez de novembro de 1863 ao abai-
xo assignado, pelo costume de andar fgido e a ti-
tule de forro com o nome mudado ; pelo que roga-
] se a alleacao das autoridades civis e militares, nao
s desta provincia como das demis do imperio, a
apprehensao do dito escravo, que a tltalo de forre,
nao tenha sido reerntado ou assentado prara em
alguns dos corpos de Voluntarios da Patria,'tam-
bem pede-se aos capitaes de campo e pessoas par-
ticulares a mesma apprehensao, e leva-lo ao sea
senhor no referido engenho ConceicSn, on nesta ci-
| dada ao capitao Mauricio Francisco de Lima roa
j do Brum n. 56, qOe ser gratificado com 200.
Jos Maria dos Saatos Cavalcan.
i .-'


V


Diario de Femaabuco Terea lelra 8 de Mal* de 18G5
LTER ATORA.
Doutr. das Acc. not. 2a ao 278, pode o nho ; poisque tambem o Manoel Igaacio, dous escravos para mover um engenho que,
consenhor, anda sem consentimento dos quepoiia concorrer arrernataeo da ren- podendo produzir quatro milpas de assu-
O Foriiiu.
AS DELONCAS KOBKN3BS.
Tomos el uado miis de urna \ez contra
o retarda ento na deciso dos procesaos, e
os faCtO que cada dia vo chepudo ao nos-
so conliecimento convenceni da si brada
outros, reedificar ou reparar o predio com-
mum, isto fazer. o que fr necessario
para sua comervaco. E quando o conse-
nhor nao quer concorrer para a conservacao
ou reparos, p Je ser judicialmente obrigado
vendar.Coelho da Rocha 467.
Si porm se trata de augmentar a cousa
eommum ou de fazer nella obra nao indis-
ra/.l i que nosassiste para nsi trr sobre este pensavel para a, comer cacao, embora seja
ponto. m/I, torna-se essencal o consentira *.nto dos
Cumprind) o doloroso dever de jtutifi- consenhores, salvo si o juiz suppri-lo.D.
car c >m fae os a nossa afirmativa, diremos p. Sil.
pir ;i ve alarais palavras sobre o que N(jle ponl0j pormj ^^ ^^
se passa q-j lo.o do Libo. g^ as Acc } ein a nola clada, presume
A oulro berdeiro.
c
A um orpho...,
36:000/1
20:0000
20:0000
3:000,5
1:0006
da em proveito proprio ou de um filho sen.' car, apenas fat uns vinte e cinco (o que im-
. i porta estar quasi de fogo morto, em prejui-
A*nda quando se tratasse da simples z0 at da fazenda pubica) 0bstina-se em
guarda da coma eommum em que segundo permanecer na posse do engeQno upan,
?uo^I^l*frl*r!' tZ;W 'Por ser' dil el,e' Primr,&eniu> de ';na io E' portanto Manoel Ignacio hardeiro de
tendo ca la um do, herdeiros parte igual. Francisc0> eporque d quelle predio um maiorquinh5o, ao passo que tem sido o
stv, s Sr r yris' *q vaior de "tim*-embora pr- prVSo x 0sa l e deion-
nlo poda isto aproyeitar a Joao Pae ,nepMejse vende lo a oulros herdeiros, e le-
tamiem o prianpio de que a guardada ^ al mostrado a intenc5o de
ao companhei- ,
gas resultantes dos pleitos que obrigam-no
subloca-lo, a sustentar. Acoa-se na posse de Arassua-
^s:BnXrP S^Hp'-^Sai86 acaso obtiver a preferencia na arrema- gy, engenho de pequea forca, que foi ava-
ro que nella t.ver maior parte .por quanto u 3o f d J v ^
^S^S^^^ E es, primognito, que se inculca pe,:^r^^ dentario de Antonio
tes iguaes, e pela partilba que se vai fazer, seguido
por ter sido aanullada a amigavel, pos si- requereu a annullac5o
vel que venba a ob!er Manoel Ignacio o | amigavel subscripto por elle.
OJU'ora dim-se: -Livre-me Deus da jus- o consentimento tcito dos companheiros, i maior qunh3o no engenn0 Mupan .
tic i le Sarinhaera Hoie. com muito bons quando elles, tendo a innovaco, deixarem E o mesmo que, tenuo pago renua aie
hldament? se"oplca essa especie de i i- de prohibi-la Os defensores de Joo Paes parecem fun-; 1860, ap$zar das bemfeilonas recusa sa-
&?ffiiKPttlSrSbo. i ,,- n, : dar-se na regra de que-em pariiade de; tisfaze-la desde esse lempo, allegando agora
| Lobao, Obng. recip notando ascontro- direitos, opossuidor de melbor condi- i as taes bemfeitorias, convertidas em razio
versias establecidas a este respeito, parece c5o que quaiqUer oulro. Dig. Port. L. Io magua para qualquer recusa a pagamento
decerto modoconcilia-las no 535, ibi : 8 53i ou reconheci ment de algum direito incon-
por seus prenles, o mesmo que I Ribeir. em vida de Ignacio Francisco. Nes-
de um inventario se eD?enho tem pequeas partes dous her-
deiros pelo inventario valido a que nos re-
ferimos em principio.
Acbam-se alli conclusos:
ha niiis de dez mezes, poaco
mais ou
menas, os autos entre partes Lo J.Rji ppe _g a cousa commum pre d D08suidor aue esl testavel.
t'.T^^US^SkMS:ttST'Z'.rm-?*9 reme"-SSSSi JSST-KS\ E'
[iimaisdesetemeicsosautobeuupdi dioe werpe/arjudicialmente o consocio, -mo-
te) -> comminJador
notificar eonsenao es reconhecidos, e dos direitos e
tro, devendo nest-5 caso presumirse que 0brigac5es reciprocas que della resultam.
nopoz faze-la como em cousa inteira- N3, existe disposico de le, era, opini.
'J'
_tie mais e roubando-lbes o
repouso e o lempo necessario para cuidarem
da sorte de seus filbos.
...terpellar judicialmente o consocio. nnirn nnPtamhpmalleci dominio mas'00 questoes interminaveis, trazendo-os em
ioAbX. d. 3T: Ainda.asr A 'TOt*" sent0 da PeQa !?^pS^ftSBSTirS Pagada oscil.aco quanto posse de seus
^?nnJ fZsdeiS S' COf em quest >, trata-se da re!ac5o entre dous bens, e-o q
aisim como os auios de aepej A C10 faz a deSpeza de refeico sem notificar nnalny,n J .ai.nnhal.;.in* m imiu* o repouso e o le
jmo Vieira da Gunba contra Jo.e Jjaqaim' oM
lia silva. 'se p
Hi mais deemeo mezs, pouco mm mente sua: 2o, si as, bemfeitorias nao eram de j c. quj-autorise a preferencia pelo
ou meaos, os autos entre parles Jos Joa-, necessanas. Quando porem ( 510) o coa- smp.es fact0 de acbar-se Jo5o Paes na pos-
mim e Antero Vieira da Cuaba : socio esta ausente, ou ha pongo na mora, M do engenho, como consenhor, Dor con
! o socio que fez
E' o mesmo que, convidado para urna
amigavel composigo, prope bases que nao
podiam ser aceitas, e aioal, tendo annuido
a certa condico essencial que punha termo
.a m mn7P, nq autos de! 0A?f10 ^ ftZ. a fd.e,SDeza da reedl^cac.ao.|Sentimento do outro, pagando urna renda 3S lides, reire-se posteriormenie, apezar da
lia m^iV^^S^'/'S^lP^^.^^^^H- 0(lue n0 fot convencional, por nao ter havido ainda ar- ntervencao benfica de oessoas conside-
embargode Tneotonio da Silva Vieira con- linterpellado tem direito de requerer que o reD
tra Antonio Francisco Lias Wanderley. ique jez a refeigao compense com as bemfei-
Ila mais deum anno uns embargo de l***** respectiws rendimentos. Aliter si
obra nova, sendo aulorPei.o Fe nandes da no foi mtcrpellado
Comprebende-se, com effeito, que o con-
Sllva, e reo Francisco Jo de Torres.
me
dio
rJ Manoel Celestino.
Uiin ou outrave'. ss publica algum des-
p.iibo de tarifa, ou quando muito algum
niiiiiocuiorio de desprez> ou recebment
de embargos.
Sao as mformages que temos, e falla-
fiaims nossa missao si as nao onsig-
n isc.nos, chamando a allcoc i
para o artigo que abaixo se le.
intervencao
radas.
benfica de pessoas
Pela sua parte
dos leitores
consenhores o interesse
cousa commum.
na conservacao
Incidentemente, e como urna das razoes
para a relenco allegou-se nos autos, por seno aquillo que de direito lhe compete,
parte de J j5o Paes a preferencia que este j Fo aHnallado um inventario em que elle
devera ter, pagan lo o mesm) que um es- Qgura como herdeir0> Ha mun0S mezes
que a relaco proferiu o accordo neste sen-
tido, e ainda n5o comecou o novo inventa-
rio. Entretanto a lei recommenda toda ce-
leridade nesses actos, que devem ser come-
cados dentro de 30 dias, prazo que s a
relacSopde prorogar (lei de 2 de setem-
bro de 1828 art. 2."| 6.) provando-se im-
JoaoPaes, contina em Mupan contra as
razoes que expozemos, e apezar do princi-
pio de quedeve prevalecer o consenhor
que quer cultivar o predio sobre o outro
que o deixa inculto:Dig. Port. L. Io
832,Lobo,obr. recip. 520.
Por ora Acarnos aqu: possivel que nos
vejamos forca Jos a tratar de outros fados....
ADVEKTENCIA
No artigo doForumsob a epigrapbe
Um processo monstruosopublicado no
Diario n. 86 de 15 de abril <8a pagina) co-
lumna 2a, linha 94, em lugar deimpro-
cedimenlo -la-seimprocedente.
Diario a. 87 de 17 de abril, col. 3a, 1.17,
em lugar demotimo la-se motivo ;
Manoel Ignacio n5o quer em vez de-oabida -la-sesabida.
cumpre notar : Io Que esga prefe-
nao era objecto do pedido : trata va
se mui simplesmente de se arrematar o
predio commum, e de saber se tinba lugar
a retenco por bemfeitorias ; era este o ob-
jecto da aeco, objecto mui diverso de pre-
Mas fazer o berdeiro consenhor, sem no-
ficacao e menos conseotimento, bemfeilo-1'fereDCa e a sen!enca. segundo urna "das' pedimento invencive. Nada mais justo do
ras que nena se reputam necessanas a con-' regras de direil0j deve ser restricta mate- que reclamar pelo cumprimenlo do preceito
} ria em litigio, n5o ju'gando miis do que se legal, cuja observancia o invntamete, que
Paes, devia ser o primeiro a promo-
Tendo fal'eco a mulher de Ignacio
Fraicisco Vieira de Laceria, procedeu-se a
partilba do bens do casal, avuliando entre
elles os engenhos Arariba de Cia, Mupan e
Arasroagy. A um dos a.-rdeiro), Minoel
Igoaci) de Albuquerque Miraobo, gearo
ae Ignacio Franciao, tocou urna parte de
mais de 11:000)5000 em Mujan, e a Joo
Paes Un reto de Laceria, outro herdeiro,
coube igual parte no mesmo engenho.
Fallecendo Ignacio Francisco, teve lujar
um inventario amigavel, usando Manoel
Ignacio com 26:0O(J00O em Mupan, e Juao
Paes com ijual quantia. alm do uso f oc-
io de 8:000^000 que por morte delle re-
vertero para os .bos de Manoel Ignacio.
Nao obstante haver assignido o inventi-
rio amigavel por sua li-re vontade, e na
mais parfiita concordia com os demaisher-
deirus, rejuereu J ao Paes a annul!a^5o
dess act), a qual foi decretida pe a rela-
ja > do districto, nio obstante a opposT.lo
dos mesmos herdeiros.
Ufo rer quem approva algn asto, no
pJe jamis invalida-l >. Eatrelanto a Ord.
L. 4o TU. 13 9o prohibe a renuncia de
lesao eno-me, e a Ord. L cit. Tit. 96 ||
18, 19 e 20 declara que ou seja errada
a partilba, ou o berdeiro se julgae damni-
:ado na Gl parte, ou mesmo alm da me-
tade, a di'a partilhi ainda nestes casos se
nao desfar ou revogar mas os herdeiros
comporio a parte que dire'tamente couber
ao lesado. Combnalas as disposifes ci-
tadas com as da Ord.L. 4o Tit 13, segue-
*e que a rescisao da partilaa s pode ter
lugar ou por leso irreparavel por meio de
emenda, ou por falla de qualquer solem-
nidade substancial. Neste sentido opina
Correia Telles, Dig. Port. L Io 1160.
Notando o respeito que a lei consagra
ao inventario, s permiltindo que elle se in-
valide em caso gravissimo, nao entra em
nosso proposito a apreciaco do caso jal-
gado pelo tribunal superior. Bast dizer
que aindi bavendo leso que se quizesse
vitar a Joao Paes, vem lia agora a recibir
nos outros herdeiros, par urna razomu
simples, alm de outras : os beas part-
Ihados a esses herdeiros naa teem soffrido
alterarlo alguma de valores, e antes aug-
mentaran!, po8 que as escravas tiveram crias
posteriormente, ao passo que existe apenas
um ou outro escravo dos que foram distri-
buidos a Jo5o Paes.
y Mettido na posse do engenho Mupan an-
da em vida de Ignacio Francisco, passou
Joo Paes, por morte deste, a pagar a ren-
da devida ao outro consenhor, at 1860
smente, recusando f?ze-lo dabi por diante.
Em abril de 1861, requereu Manoel Ig-
nacio a arrematar/u da renda triennal da-
quelle engenho.
Veiu Jo5o Paes com embargos de reten-
c3o por bemfeitorias, que qualificou de uteis
t necessanas, na importancia de 7:0000000.
Contestando a competencia delles pira o
-caso, allegou a parte contraria : Io Que
era insufficiente a prova quanto a existencia
das obras e a propriedade deltas reclamada
4>e'o embargante: 2o Que as mencionadas
eos autos, ainda sendo realmente existentes
ioSo eram todas indispensaveis para o cos-
teamanlo e conservacao do engenho, que
Ignacio Francisco mantivera moente e cor-
rente : 3o Que o beneficio de retengo n5o
pjdia ser invocado para obstar a providen-
cia legal da arrematado da renda triennal,
tanto mais quanto nao heuvera nolicac3o,
nem consentimento prevado do seohorio
'primitivo nem do herdeiro consenhor para
a refeico do predio commum : n5o cons-
istido, alm dist-), declaraco alguma ante-
rior do embargante a respeito das bemfei-
tM-ias, feitas em vida de Ignacio Fran-
tteo.
Segundo Coelho da Rocha, Dir. Civ. %
<7, uorreia Telles, Dig. Port. art. 840, e
servagao, residindo os outros herdeiros
mesmo districto, onde podiam ser fcilmente ^gm^g7WaslSCtas& "Trnt-
interpelhdos, n3o e proceder regularmente, les Qfd ^ > Tt gg to. y Qae JoSo
de boa f, e no intuito de *^9^&\TtftfaaritoLmmtBim prefereo-
co ii os irm3os co-berdeiros. Cada um pode c3t oncorrendo elle com um estranho, e
nao querer carregar com a despeza de urna1 n5o com o consenhor ou filho deste. Ao
obra til, o neste caso e favorecido pelo,passo qQ(ii attendendo-se restrictamente
principio de direito-m re commum melior: ,eUra enerica do accordo, que nem ao me-
esteonditw prohibentu.-E si nem sem- nos contem a deC|araca0 de tanto por
pre deve prevalecer urna prohibido rra-!ta,t0 parece que fica excluido at o pro-
cional, o remedio est no supprimento do
juz, e na obrigaco de vender o consocio
sua parte' na causa commum que elle nao
quer beneficiar.
O certo que Joao Paes nem mostro
devidamente seren necessanas para a con-
servarlo as bemfeitorias allegadas, nem pro-
prio consenhor Manoel Ignac:o.
A arrematado tem suas regras cuja ob-
servancia deve ser deixada ao juizo inferior,
encarregado de presidir ao acto. Elle
Joo
ver.
Arremata-se a renda de um engenho. Na-
da mais natural do que exigir o reconheci-
menlo de um direito firmado por aclo publi-
muito regular, que nao teve opposico op-
portuna de ninguem.
Um consenhor deve renda ootro. Nada
mais legitimo do que reclamar o respectivo \ appellava.
Diario n. 88 de 18 de abril, col. Ia,
I. 37, em vez demotimola-semo-
tivo.
Linhas 97, em vez. deaccessosla-se
acenos.
L. 100, em lugar de evitarenla-se
de se evitaren).
L. 122, emvezdecircumstanciala-se
inconsistencia.
L. 130, em lugar desentoula-se
leutou.
Columna 3\ 1.40, em vez depessa
pessas.
L. 133, em vez- dehonrala-se
prova.
L. 134, em lugar deannullva14a-se
retomara desde logo as proporces que an-
teriormente tinba. e que em breve teremos
o bom algodao americano, por precos bai-
xos.
Suppondo exacta esta idea, o que succe-
der, ser que os paizes que at boje nos
tem surtido deixaro de mandar, e o prego
do algodo americano subir.
Em vista dos precos actoaes de algodo,
teremos o seguinte resultado :
Ia. China e Ja pao 'que no anno passado
nos mandaram 52 milboes de arralis, dei-
xaram totalmente de mandar.
2". Bengala e at certo ponto Madras,
que no ultimo anno nos mandaram 350 mil
fardos, enviaran) para a China, como antes
faziam, e desde logo cessaram com a cultu-
ra, a que a subida dos preros os haviam
induzido,
3o. O supprimento da Turqua, que ha
pouco comecou a ser importante,ser oulra
vez precario.
4o. O Egypto e o Brasil tero tendencia1
a querer descar at o supprimento antigo
200.000 fardos como em 1860, em logar
de 460,000 em 1804em proporco cea
os precos baixaro ao antigo estado.
5o. As provincias oeedentaes da India,
que como Egypto teem augmento conside-
ravelmente a sua produeco, fallan do-I I es
terreno para a cultura d'alimentos, que ha-
viam applicado cultura de algodo, desca-
rao gradualmente al anlig* prodoeco,
e s- nos mandaro tres qnartos chim mi-
lho da fardos, em vez d'iim mi I bao e um
quarto como algumas pessoas- contara pa-
ra este-anno. Sural tambem nao'nos un
dar o mesmo swpprimento como al aqu.
De ludo isto parece-nos poisr que ac-
tual e a pesada descida no algodao em cm-
sequeneia dos snpprimentos da America
depois da paz, redazir os nossos- supprr-
mentos- a>menos de- metade da importancia-
actual.
-
pagamento
O que nao se pode port soffrer com
paciencia a delonga ou antes- paralysacao
decide o incidente da prelaco, fie indo ao, e todos esses negocios, quando a boa razo
tribunal superior o direito de julgar em eo Cdigo Crm. art. 129 ,6.? nao sao
tardancas- inexplica-
gru de recurso a reclamaco da parte que; ndifferentes a essas
vou a propriedade que nellas boba, nem pe-1J, j(].gar prejudcada. veis. O juiz efectivo deu parte de doente
sem nada ter decidido, e o sapplente, que
Paesr re
deixaadO' passar i
diu-as segundo ensina Pereira e Souza not.
885, para ser indemnisado, quando porven-; Antes de proferidos os Accoroos cima ,u_
t ira, pela falta de consentimento do senho- transcriptos, j i se havia arrematado a renda ja ^JSfSe? iSzJH! .-
rio primitivo ou do consenhor, nao tivesse' do engenho, por deciso da relaco, que ~*"* maio
perdido o direito de repeti-las. j negando com justica provimento a diversos im
aggravos interpostos por Joo Paes, (com o, Manoel Ignacio nao pede livor algum.
justica en* tempo, pois
preguiQosa, tardas insidiosa,
o que a injustga prompta que favo-
me o Alv. de 27 de novembro de 1804 5,' n. 143 do 15 de m?rgo de 18ii. : reCe os recursos opportunos para, os tribu-
nao Ibe caberia o beneficio de reler, quando ; superiores, ou ao menos desengaa
se tratava de arrematado por rae.o de urna! Sobre a renda lancarara em praga Joa0j poupando m pobre litigante a perda
aeco fundada na Ord. L. 4o Til. 96 g 5o in Paes e um genro de Manoel Ignacio, sendo | Z"iT nL*A* nar.ifinr.ia _
fin.
Col- VT\. 9, em vez-descienciala-se
sciencia propria ; em lugar dereli-
findo-sela-sereferem-se.
L, 11, em vez dosoccerrendo-sela-
se==soccorrea-se.
L. 20, em lugar deescriptolanse
inepto.
L. 41, em- vez de- wndala-sere-
cor da.
L. 55, en* lugar dedekar de amorte-
serla-sedeixar amortecer.
Insistimos neste assumpto, porque em
de tempo e a prolongada impaciencia,
verdade, ornada em sentido lateral a decisao! ignac0. Lavrou-se o respectivo termo, que
do accordo, que adianto se ver, ella pare-! fo assignado e lido, pagando o arrematante,
ce determiaar quasi o elferto de urna reten- ,n(m pm <.Mn\A ftS direitos nacionaes.
este ,dor. ^^%$?ft
o juiz entregar o ramo
UM rOUCO DE TUD8.
L-se o Patria o seguinte sob aseigna-
^a^ genro cKaoeTl aTn^anciT.^Tma4! 54^ sobre"
quasi
cao em beneficio de Joo Pae:, sendo certo,
alias, que nema principal allegaco deste,
sobre a propriedade, nao provada, das bem-
feitorias, podia favorece-lo na arrematado.
Os embargos de retencao na primeira ms-
tancia foram desprezados, e Joo Paes recor-
reu para a relago do districto, que proferiu
os seguales accordos, sendo o segundo
provocado po embargos de declaraco :
.... confirman a sentenca appellada
em vista das provas offerecidas pelas partes,
porm mandam que se tenha em attenco as
bemfeitorias do engenho na avaliaco do
mesmo ; ficando ao appellado (Manoel Ig-
nacio) o direito salvo para mostrar pelos
meios legaes nao terem sido feitas as obras
', logo em seguida, os direitos nacionaes.
innocente.
Faremos anda, duas considferaces para
concluidnos.
Er nossa opinio que o venerando accor-
do do Io de deaembro nao se-deve entender
no sentido litteral e absoluto^ pois que, no
At ento nao se proferiu a menor recla-
maco, como podem attestar testemunhas
om advogado.
Ora, entregue o ramo ao arrematante, nao
se retracta, nao se admit'.e novo lauco an-
da quando se ollereca maior prepo.Souza
Pinto, Prim. Im. % 191, que se refere s
ord. e let de 20 de junho de 1774 7.
Depois de ludo quan'o se passou parece
que urna s- questo se podia uasoavelmen-
' te ventilar: era a nullidade- da arremata-
cao, quando porventura se houvesse prete-
rido qualquer formalidade essencial. Fra
em questo com dinheiro do appellanle, disto, o acto eslava consummado; cumpria
(Joo Paes,) e sim de Ignacio Francisco de! manter a f do que se linia feito e conclu-
Lacerda, Pague o appellante as custas. do com autoridade do juiz; tinha passado a
Em 23 de abril de 1854. ; occasio de se disputare preferencias.
___confirman o accordo embargado I Aconteceu porm que depois da arrema-
com a declaraco de que no auto da arrema- j tofo, tomando o juU conbecimento de urna
suidos:
Ficaria invalidado uro. acto publico*, j
determinado pela relaco,. praticado antes
daqnelle accosdo, e revestido de todas as
solemnidades legaes, urna especie deoon-
trato cuja f se deve guardar.
O' tribunal superion,. sponte WK se
constituira em primeira e-ultima instancia o
supremo arbitro de urna questo que devora
ser decidida no juizo inferior, embona- fbsse
depois subraettida deliberaco do. mesmo
tribunal em gru de resurso.
Seria consagrada a doulrina dB que a
arremataco concluida,, entregndole- o ra-
mo a qaera offerecra o maior laceo, lavran-
do-se o respectivo termo, cuj i leilara nao
protocou reclamaco. alguma e pagando-se
o imposto por parte do licitante, urna cou-
Co ?eja preferido o appellante. ficando s'pefi^o, absolutamente segredada a u ,
partes o direiu salvo de raoslrarem pelos|profanos, e na qual sol.c.tava Joao Paalf e^r w nara^^,^ g
su-
menos,o Jeila pendencia originada por um requen-
I quemcompetem as ben-,preb^, la^sse, pmmau ^ou .^^
feitorias. Paguem as parles as custas.
3 de dezembro de 1864.
Em
O conseiboj de administraco da compa-
nbia de segaros de vida (TAe hondn- Pro-
denl Ufe Human compani) acaba de- deci-
dir, depois de serio inquerito, que as pes-
soas que se-trahm pelo systema boraeopa-
tbico se laca urna redueco no/ preco dos
seguros, atienta a menor mortalidade que
aprsente este tratameeto.
do certo que se reclamaco houvesse de-
A arremalac foi em setembro do anno vera ser conhecida no acto da arremaiaco.
O primeiro accordo nao considera liqui-1 passado. Cerca de dous mezes depois da- Seria tambem firmado o principio de
da a pr priedade das bemfeitorias, e por'quelle despacho, mandou o juiz dar vista as que, concorreado arremataCo um dosemv
um descuido, posterior mente, corrigido, im- \ partes. Ha muito que subirn os autos a, senhores do predio, e a legando t^rm*
ooz ao appellado o onns de prova-la; caben-' concluso. Tem decorrido oito compr.dos mente o titulo de consenhor oceupante. de-
1 veria absolutamente excluir o consenhor que
tivesse offerecido o maior preco na dila ar-
remataco.
Entretanto nem a posse convencional, em
que se achava Joao Paes, nem as bomfeilo-
do isto seguramente ao appellanle, que alie-, mezes depois que foi iniciada aquella uova
gava o direito sobre taes bemfeitorias, alias pendencia, e at hoje, 18 de mi. nao ro
contestado ex-adverso. Ao que allega, to- possivel obter urna deciso qualquer no To-
mando a posicode autor, incumbe a pro-'ro do Cabo. So para conseguir-se a arre-
va. O reo ainda que nada prove, deve ser mataco empregaram-se esfbrcoa n um longo
periodo de quasi cinco annos, passados em
absolvido.Moraes Carvalho % 388, Perei-
ra e Sowza not. 415.
O segundo acordSo deixa nio tmente a
urna, porm a ambas as partes o direito sal-
vo de provarem a quem competem as bem-
feitorias. Logo, nao havia prova suficiente
sobre a propriedade deltas, que deve ser di-
lucidada por aeco competente.
Mas declara o venerando accordo na
primeira parteseja preferido o appellante
noaeto da arrernataeo.
Si, como reconhecem os doutos juga-
dores, nao se acba demonstrado eja
o propietario das bemfeitorias, est claro
que o direito de prelaco, concedido a Joo
Paes em termos to absolutos, nio poda
fundar-se na propriedade das bemfeitorias,
a qnal era direito pode ser um motivo para
a retencao propriamente, mas nao para a
preferencia.
Nem tao pouco se firma este direito no
facto de8er Jlo Paes consenhor do enge-
subterfugios e delongas.
E vai correndo o mea de maio, era que de-
vara ter lugar a entrega do engenho para a
creaco da safra. Ainda decidida a ciusa
em primeira instancia, tem de subir prova-
velmente relaco por va de recurso.
Quanto tempo roubado pela cbicana e pela
indolencia, em prejnizo de legtimos inte-
resses l Por es>as e outras qu a justi-
ca inspira horror, em vez de ser considera-
da a salvaguarda do hornera honesto e labo-
rioso.
Manoel Ignacio, pae de numerosa familia,
com forca sufliciente para costear algum im-
portante estabelecimento rural, v-se hoje
encerrado em outro de acanhadas propor-
ces, que nem ao menos pode considerar
como seu fdepois da annullaco do inventa-
rio amigavel) tendo realizado nelle bemfei-
torias inconiestaveis, com o consentimento
dos consenhores.
Joo Paes, sera 6lhos, tendo apenas uns
Do Jornal do Commercio, de- Lishoa,
transcrevemos o seguate artigo db- Econo-
mista :
No coraeco d'este anno apresentmos aos
nossos leitores urna estimativa* de futuro
supprwnento do algodo, que podia ser til
para o consumo interno, durante o corren-
te anno e presenteaieate no vemos razo
alguma para desconfiar dos nossos clculos.
Em. quanto ao supprimento immediato,
nao nos deve assustar, apeza/ de terem sido
forte as ultimas entradas, saber-se haver
carregaces a recebar, e ser actualmente a
existencia maior que os annos anteriores.
A existencia de algodo era :
Em Janeiro de 1861, 700,000 fardes.
1862, 434,000 *
1863.328,000
> 1864, 575,000 *
Eem abril de 1865/700,000 >
Isto chegar para o consumo e exporta-
co de 20 semanas ; de naaneira que ne-
nhuma inquietaco deve existir presente-
mente.
Nao se pode negar a grande incerteza
dos futuros supprimentos, e tanto que os
E portanto a intenco menos repugnante que veem longe esto desassocegados, por
desw nao poda ser senoque se desse H .#, j i^^x
preferencia a Joo Paes noaSo da arroma- preverem teremos grande fata de algodo
mataco, tanto por tanto. E note-se que com' em 1856 e 1867, e asfluctuacSes dospre-
effeito o accordo usa das palavrasno acto cospodero sertamanhas eto prejudiciaes
da arrernataeo.Si esta porm j esta-
va feita regularmente, por mandado an-
terior relaco, nem um resoltado pode ter
Supponhamos que o suprimento dbs Es-
tados-Unidos nao vero*, porque nao existe-
at agora, e porque nao- pode ser creado de-
repente, qual ser a nossa posico ento ?
Nao ba possibilidade- d'uma falta d'lgo-
do to grave como a de 1862. e que os*
prego sejamio prejulieiaes como ento?
Agora quaes sao as probabilidades-razoa-
ves e sem exageraco do supprimenlo ame-
ricano ? os especuladores e fabricantes
nao esto assustados com'ama vi sombra ?
N'uma palavra, ha alguma razo real do
algodo, mesmo que houvesse immediata
paz, baixarv de tal maneira ; e nao devenios-
esperarenbreve urna reaeoo seria*?
Examinmosos fados-..
Segund' a informacO' mais verdadeira
que temos- podido obter, nenhum Hornern
prudente-basear seus calclos sobra-a exis-
tencia disponivel de algodo actualmente dos
Estados-Unidos, em mais de um milho de
fardos.
lUtimemente pouco se tem cultivado c tem-
se destruido e arruinado muito..
Mesmo- depois de restablecida a paz,.**^
fazendo toda a jus tira ac ti vidado americano,.
precisar-se-ha de muito-tempo primeiro quo
se reortaa populacoespalhad^ se reopga~
nise otrabalho, e se reparem as vas de cara-
munidaco.
Admittindo todas as supposices mais. f-
voravs a um grande e prompto supprimen.
to, nenhum algodo novo que tenha *alor
para se mencionar pode chegar a este paiz
antes de oto meaes da primeira semeateira
depois da paz, e da ordem restabelecida nos
trabalhos agrcolas.
ras cuja propriedade a Relaco reconheceu
nao estar provada, nem a falsa allegaco de
ter elle a maior parte, podem favorecer ju-
rdicamente a intelligencia litteral que se
quizesse dar ao venerando accordo.
O tempo da semenleira
passou.
d'este anno j
o accordo quanto mesma arrernataeo, a
como as qua temos experimentado
Abaixa que j teva lugar desanima, e
inquieta a productores, que se esforcaram
menos qua sepretenia estabelecer um effei- recenlemeDte para prcduzir o algodo ; e o
to re roactivo e injuridico.
Por ultimo observaremos que, tomadas
por base as avaliacoes do inventario amiga-
vel, que declarou-se aullo, vm a caber do
total da beranca :
A Manoel Ignacio 65:G00
A Joo Paes..... 46:0004
consumo nao" augmenta na esperanca d
urna nova baixa.
O estado actual devido simplesmente s
vanlagens dos federaos, prevendo-se
prompta concluso da guerra dos Estados-
Unidos, crendo-se que a cultura do algodo
Concedendo que esteja acabada a guerra
em julho, e que as plantacoes recomecem,
e ludo seja organisado com aqoelle vigor e
actividade proprios dos nossos irmos transa^
llanticos, s em fevereiro de 1866 se podetti
fazer a primeira sementeita, e s depois. de
oulubro e novembro chegar a Inglatersa
qoalquer quantidade da primeira colhea.
Para moderar as nossas esperancas p-
denos assegurar que a celheita do 1. anno
e mesmo do 2., nao ser como amigamen-
te de 3 1|2 milboes de fardos, mas s de 2
mlhes e isto em consecuencia dos estragos
da guerra.
D'esta moderada colheita.precisan os ame-
ricanos 1|3 pelo menos.
O casto do algodo deve ser maior do que
antes da guerra, e ser sobrecarregado com
um direito de 4 d. em arratel; de maneira,
que em lugar de costar em Liverpool 6 d.
o arratel, dando bom resultado, costar 10
d. a 12 d.
Sendo isto asaim o pnico presente pre-
maturo.
PERNAMBUCO.-TYP. DB H. P. DE F. 4K1UHU

i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC8YQK4AY_7S6H3T INGEST_TIME 2013-08-28T00:48:06Z PACKAGE AA00011611_10675
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES