Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10668


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
AJO Il, KOMEHO l
.? 9f> olr.fr ->h Z^rtl
Por furfel >agt ieilrt de 40 diis 9 i. mez 1 siqaa
dem dcpois(fsl." 10 dias do comecoe dentro da iurtel. HJJJ
Porto oo corredor tros MM .......? ,' ', ^J
rfWiTf^T *& W-
SEGUNDA FEIRA 15 SE MAIO DE 1865.
------------------------------
Por amo pago dea tro del Odias do 1. mez ,,,.,. 191000
Porte ao crrelo poma aaao.............. 3J00O
E.NCARREGADOS DA SBSCRIPgAO DO NORTE
Parahvba, o ?r. Antonio Alexandrino de Lima;
nal o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
;r \. deLemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Xio.iir; Maranhao, o Sr. Joaqaim Maraes Ro-
Olivira
Joaqaim Marques
triae'; P*r*' os Srs- Geraldo Antonio Aires &
Pililos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARRILADOS DA SUBSCRIPgAO DO SL.
\lagoa--, o Sr. Clandino Falco Das; Baha, o
Sr Jos Martins Al ves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna nassegnndas e sextasfeiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros.Bonito.Caruar,
Altinho, Garanhnns, Bniqae, S. Beato, Bom
ConselhOj Aguas Bellas e Tacaral, as tercas
reirs.
Piod'Alho, Nazarelb, Limoeiro, Brejo, Pesquelra,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oarlcnry, Salgueiro e Exi, as quartas
feras.1
Segunda vara do civel:
Hora da urde.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta e Pimental ras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
2 Quarto crese. a 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 La cbeia as 6 h., 3 m. M s. da t.
18 Quarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 48 s. da t.
quartas e sabbades a II AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Reiaoo: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jone do commercio: segundas s II horas.
Dito de orphSos: tercas e sextas s 10 horas.
PrJeira vara do crel: tercas e sextas ao meio
Segunda vara do civil: quartas e sabbados a I
hora da Urde.
DAS DA SEMANA.
15. Segunda. S. Isidro lavrador; S. Egydio f.
18. Terca. S. Joo Nepomucene conego m
17. Quarta. S. Paschoal Baylon f.; S. Aquilino m.
18. Quinta. S. Flix de Cantalice f.; S. Prisco rei.
1. Sexta. S. Pedro Celestino f.; S. Ivo f.
20. Sabbado. S. Bernardino de Senta f.
21. Domingo. Ss. Marcos, Cheopompo e|Valente,b.
PREAMAR DE HOJE.
Prfmeira as 8 horas e 30 m. da manhla.
Segunda as 8 boras e 54 minutos da tarde.
PARTE QrnClAL_
fiOYERO DA PROYOCIA.
LE N. 614.
Anlonin Borges Leal Castello Branco, presiden-
te da provincia de Pernambaco.
Faro saber a todos os seus habitactes que a as-
sembla legislativa provincial decrelou e eu sanc-
cionoi a resolucao seguinte :
Arl. Io Ser arrecadada pelo consulado provn-:
cia'l a decima urbana dos predios comprehendidos
no municipio do Recife, e que tem sido cobrada
cela col lectora de Olinda.
Arl. i.a Ficam revogadas as disposie/ies em con-
trario. .
Mando portanlo a todas as autoridades a quem
o f..iihecimento e execugao da presente resolucao
perteucer, que a cumpram e facam cumprir to in-|
tetramente como ne'.la se contm. O secretario
de'ia provincia a faga imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 2 de
miio de 1865, 44ida independencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Castello Branco.
Sellada" e publicada a presente resolngao nesta
secretaria do governo de Pernambuco em 2 de
man de 1865.O secretario, Dr, Francisco de
Paula Salles.
Registrada a fl do livro 7 de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, 2 de maio
de IS65.O escripturano da 41 seceo, Theodoro
Jos Tavares.
LE N. 615.
Antonio Borges Leal Castello Branco, presidente da
provincia de Pernambuco.
Face saber a todos os seus habitantes que a as-
sembla legislativa provincial decretou e eu sane-
cionei a resolucao seguinte :
Artigo 1." Ficam concedidas as seguictes lote-
ras:
S l. Urna de cento e vinte contos de res para
a irmandade de Nossa Senhora da Escada erigida
na igreja da Conceico dos Militares desU capital,
edificar urna capella para a mesma Senhora.
$ 2." Oulra de igual quantia para a concluso
das obras da igreja dos Martyrios na cidade de
Guianna.
!? 3. Outra da mesma quantia para as obras da
igreja da irmandade de Nossa Senhora do Livra-
mc-nto da cidade do Rio Formoso.
S 4." dem dem para as obras de Santa Rila de
Cassia desta capital.
S o. Urna de cem contos de ris para o conven-
to de Ipojuca.
ji 6> dem idem para o convento de Nazarelb
do Cabo.
Art. 2." Ficam revogadas as disposicoes em con-
trario
Mando portanto a todas as autoridades a quem o
conhecimenlo e execugo da presente resolucao
i :tencer i/uo a cumpram e facara cumprir to in-
li iramente como nella se contm.
0 secretarlo desta provincia a faca imprimir, pu-
blicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco,
maio de 1865, quadragesimo-quarto da
dencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Castello Branco.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretaria do goverco de Pernambuco. aos 2 de
maio de 1863.
O secretario,
r. Francisco de Paula Sallles.
Registrada a fl. do livro 7. de leis provin-
ciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 2 de
maio de 1865.
O escripturario da 4* secgao,
Theodoro Jos Tacares.
LE N. 616.
Antonio Borges Leal Castello Branco, presidente
da provincia de Pernambuco:
Fago saber todos os seus habitantes, que a as-
sembla legislativa provincial decretou e eu sane-
cionei a resolucao seguate :
Art. 1. Fica elevada cathegoria de villa a po-
voacao de S. Jos dos Bezerros, cuja freguezia reu-
nida a de Grvala formar um termo annexo ao
do Bonito.
Arl. 2. Fica pertencendo ao termo do Bonito a
(r^jtuezia de Quipap.
Art. 3. Ficam revogadas todas as disposs5es em
contraria.
Mando, porUoio, a todas as autoridades a quem
o eonhecimcuto e execueo da presente resolucao
;::':;> que a cumpram, e facam cumprir to
inte-Varaente como nella se contm. O secretario
governo desta provincia a faca imprimir, panu-
car e correr.
Palacio do trovero- de Pernambuco, aos 9 de
maio do 1803,44 da independencia e do imperio.
L. S.
Antonio Borges Leal Castello Branco.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretarla do governo de Pernambuco, aos 9 de
maio de 1865.
0 secretario do governoDr. Francisco de Paula
Salles.
Registrada a folhas do livro 7 de leis provin-
cia-'-. Secretaria de Pernambuco, 9 de maio de
1865.
0 escripturario da 4" sec lares.
Almeida, e por quero foi enviado a esse comisando
das armas.
Dito ao Dr. chefe de polica.Ordene V. S. ao
delegado de logazeira, que se justifique e chame a
responsabilidade o autor de nma correspondencia
publicada no Constitucional de -3 de maio, no qual
acensado :
1." De ter rido em sen servco o desertor Vicente
Loiz Seabra.
2." De haver despronunciado Joo Pimeniel, por
113J000.
3 De haver mandado metter no tronco um pre-
so gravemente ferido por uro tiro que Ihe deu a es-
colta que o conduzia.
4.a De nao pagar ha quasi dous annos aos pre-
sos pobres as diarfas que cara files recebe, con-
vindo que'V. S. informe se verdadeiro o facto
de ter aquella escolta atirado no preso, e nesse ca-
so, se foi por isso processada, e qnal o esUdo on
resultado do processo.
Dito ao mesmo.- Informe V. S. sobre os ferimen-
tos feitos por Manoel da Cruz Coelho na parda Ge-
noveva, e sobre o procedimento do inspector de
quarteiro e auloridade policial da Varzea relata-
dos no Constitucional de 3 do corrente, dando lo-
go as providencias que no caso conberem.
Dito ao mesroo.Queira V. S. informar sobre o
resultado do processo instaurado contra o soldado
do corpo de polica Antonio Ferreira da Silva, de
que trata o meu officio de 11 de Janeiro ultimo.
2S
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o aorta
ata a Granja a 7 e 22 de cada mz; para Fernan-
do nos dias 14 dos raezes de Janeiro, marco, maio,
julho, setembro e novembro. /
/
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praea da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprieUrios Manoel Fieneirna fl- S
Faria & Filho.
aquella quantia, logo que para isso venha orden \. Dito
do thesouro nacional.
Dito ao director do arsenal de Guerra. Emad-
ditamento ao meu officio de & do corrente, declaro [ e
a V. S. que approvo a compra dos objectos que, au-: di
torisado por ordens verbaes desla presidencia, ef-. lajlpsouraria provincial, reiativaraaota ao-ea tbe-
fectuon, os quaes constara da relacio a que se re- sdgrelro das loteras Francisco Antonio d'Oliveira.
fere o meu supracitado officio, sendo Ues objectos
para o primeiro corpo de Voluntarios, Indios alis-' si
tados para o servico da guerra e para a illomina-
Cao externa de palacio.-Com ni un icou-se a tbesou-
rara de fazenda.
Dito ao raesmo. Declarando o almoxarife do
presidio de Fernando na inclusa requisiclo, que os
objectos nella contemplados j foram pedidos em
20 de novembro do anno passado, haja V. S. de
informar com brevidade se foraeceram-se taes ob-
jectos.
Dito a Francisco Cordeiro Falco. Applaudo
milito os sentimentos de patriotismo, que o aconse-
Ibaram a offerecer os servieos de seu sobrinho An-
tonio Cordeiro Moniz Falco na drfeza dos brios
nacionaes, e mandando-o alistar como Voluntario
da Patria, cabe-roe dizer a Vrac. que no caso de
querer ainda offerecer tambem os servicos de dous
lhos seus, conforme declara em seu officio de 9 do
corrente, leve a effeito quanto antes essa lonvavel
prova de civismo.
Dito ao chefe interino da reparticao das obras
publicas. Declaro a Vmc. para seu conhecimenlo
a ^? ")esrao-Passo s raaos de V. S. de or- Montevideo e no Rosario. Esta operacao tica toda
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, para i via dependente da approvago da asserabla gera
m presentes a essa assembla as oforraacoe-s dos accionistas, que ser brevemente convocada
idas nos 3 quisitos mencionados em seu officio para dar sua opinio sobre to importante assump-
5 de abril ultimo, sob n. 89, e ministradas pe- to. A amalgamaco dos seus bancos lera lugar por
raelo de uro capital nominal de cinco milboes es-
- terlinos, distribuido em 250 rail accSes, das quaes
Dito ao mesmo.De ordemdes. Exc. oSr. pre- comodlsse, 150 mil ficaro pertencendo a llrma
te da provincia passo s raaos de V. S. em
adoTtamento ao meu officio de 4 do corriste sob a.
158, para ser presente a assembla a inclusa cer-
tidio e copia do efflcio do procurador fiscal da
ttiesopraria provincial, que reraetleu o respectivo
inspector para o completo das informagSes pedidas
pela mesma assembla no officio que V. S. me de-
rigfo em 21 de abril sob n. 86.
Qilo a Jacintho Paes de Mendonca Jaragu. -
Pea secretaria do govirno se communica ao Illm.
ciuiho Paes de Mendonca Jaragu para seu
imento, e aura de que mande solicitar o lis
do lugar de engenheiro da reparticao das
publicas enearregado, do respectivo 1 dU-
Dito ao mesmo.Sciente do que V. S. me eom-ie direccao que por portarla de hontem foi nomea-
aos 2 de
indepen-
municou em elficio de 9 do correle, sob n. 657,
com referencia a Guilberme Pantaleo Dantas, te-
nho a dizer-lbe em resposta, que convem declarar
ao subdelegado de Gravat que s deve proceder
ex-offklo no caso de serem graves os ferimentos
de que se trata.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.A
Jos Francisco Thomaz do Nascimento, que se
acha encarregado por esla presidencia de agenciar
voluntarios para o servido da armada, mande V.
S. abonar de conformidade com o arl. 8o do regula-
memo de 14 de abril de 1855, a grallflcaco que
Ihe competir por haver apresenlado os voluntarios
Manoel Antonio Francelin-\ Manoel Baptista de
Araujo, Jos Manoel Mendes e Miguel Caravelo,
como consta de officio do inspector do arsenal de
marinha de 10 do corrente.
Dito ao mesmo.Participando me o director do
arsenal de guerra em officio de hontem sob n. 250,
que por falta de crdito deixou essa thesouraria de
pagara quanlia de 40.5300 proveniente de objectos
comprados para a enfermara da provincia das
Alagoas, recommendo a V. S. mande effectuar esse
pagamento sob minha responsabilidade nos termos
do decreto n. 2884 do lde fevereiro de 1862, afim
de que nao seja embancada a marcha regular da-
queila reparticao, segundo declara o mencionado
director.Communicou-se ao director do arsenal
de guerra.
Dito ao mesmo.Reslituo a V. S. os prets em
duplicata, e o officio do tenente-coronel comman-
dante do batalho n. 48 de infamara da guarda
nacional do municipio de Cabrob Antonio da Sil-
va Souza Araquan, relativos ao pagamento de -ti
pracas da mesma guarda
iespachos do dia 11 de maio de 186o.
flefluenmen/os.
r de Abren Porto.Era vista das informa-
do chefe interino da reparticao das obras pu-
nao tem lugar o que requer o supplicante,
8 do corrente expediram-.e as convenientes
s para ser encampada a obra, de que se Ira-
do Jacintho de Mendonca para o lugar de enge- ta, e concluida por adminislracao.
nhpirn lltieaa rtinirllMA nnpl rriii'i.'la Ha racnantitrrt Vmarin ItVinnicitst Prl....... t t u
nheiro dessa reparticao encarregado do respectivo
terceiro dislricto.
Dito ao mesmo.Comraunicaude a Vmc. que os
empreileiros da estrada de ferro ou trlhos urbanos
desta cidade at Apipucos j de rain comego aos
seus trabalhos, recorameudo-lhe aue cumpra na
parte que Ihe tocar o contracto celebrado cora os
;ario Francisco Urbano de Albnquerqne Mon-
ro.Dirija-se thesouraria provincial,
ngalo Jos de Santa Anna.Indeferido em
vista da informago do lenente-coronel recrutador.
Jd|o Baptista de Souza Pinto.Remedido ao Sr.
conafcandante do corpo d polica para mandar
iospfccioaar o supplicante e informar sobre sua
referidos empreileiros cara a construyo daquella' pretlhgio.
estrada, o qual j Ihe foi remedido por copia era| OgJoanna Francisca de Albuquerque Barrete.
27 de Janeiro do auno prximo passado. D-se.
Circular a todos os juizes de direito. Tendo sido j Mircelllno Amonio Pereira.Pague o supplican-
prorogados por raais um mez (al 29 de junho pro-: le os dreitos da folha corrida que juntou.
ximo vindouro) como consta do decreto do Io de | Mria Francisca da Conceiyao.-D-s* passagera
abril nltimo, os prazos marcados no artigo 14 do: de proa.
decreto n. 3371 de 7 de Janeiro e decreto n. 3409 Mlnoel AI ves Pereira.Remettido ao Sr. Dr.
do Io de marco, tudo do anno corrente, recommen- juiz de direito da comarca do Bonito para proceder
do a Vmc. que empregue todo o emtenho para ob- na forma da le contra o juiz municipal aecusado.
ter, com brevidade o maior numero de VolunUnos Tibarcio Valeriano Baptista.Informe o Sr. ins-
da Patria que for possivel, remelteudoos para esta pector da thesouraria de fazenda.
capital de conformidade com as ordens expedidas.'
Recommeodo mais a Vrac. que d conhecimenlo
desla circular aederaais autoridades dessa comar-
ca encarregadas de promoverem o alistaraento de
Voluntarios.
Officio ao Dr. juiz de direito do Bonito.Sciente
pelo seu officio de 29 de abril prximo Ando, de
que Vmc. passa a cumprir o accordo proferido
pelo tribunal da relacio no processo instaurado
contra o juiz municipal do termo de Caruarii, ba-
li (j) iM II
DE
GaVERXO DO BISPADO
ii:r\a,iiho.
SEDE VACANTE
JCONCRSO A'S FREGUEZIAS VAGAS.
Te|do o governo de S. M. Imperial declarado
aulla* as 17 propostas restantes do concurso a que
que pot Msa occasiolome conhecimonto,d*Inclu-
sa rpresentacjio em original e documental^ que
nacional qne estiveram
destacadas naquelle municipio nos mezes de mar- contra o referido juiz municipal iroaxe ao meu'co-
S9 e abril de 1861 solicitados em seu officio n. 160 nhecimenlo Manoel Alves Pereira, e em vista da
e 14 demarco ultimo resposta do aecusado umbem em original, contra
Dito ao mesmj. Ao delegado do termo de Inga- elle proceda na forma da lei como deterrainei por
seira ou a pessoa por elle autorisada, mande V. S. despacho desta data.
Eipeiljcntc do dia 11 de maio de 186o.
Officio ao Exra. deserobargador provedor da San-
ta Casa de Misericordia.Respondendo ao officio
^ V. Exc. de 9 do crreme, sob n. 179, tenho a
dizer, que nesta data, recommendo a cmara muni-
cipal do Recife, que tome era consideracao e atien-
da ao qae V. Exc. requisita em seu citado officio
com referencia ao ponto de despejo no lugar dos
Hrms, propondo a esta presidencia as medidas
qae della depender.
Di'o ao mesmo.-Queira V. Exc. declarar-me se
a alienada Amelia Felippa da Silva, e de que trata
o Dr chefe de polica no officio n. 640 de 6 deste
m-z. jnnto por copia, pode ser admiltida no hospi-
cio de Olinda.
Diloao coronel coramandante das armas.Cons-
tando rae que se acham aqu sera ordem de em-
barcar, o lente Antonio Villela de Castro Tava-
f?s e o alferes Clemente Francilio Tavares, queira
'S. informar rae se podem alies seguir nopri-
N'-iro vapor que se espera do norte.
Dito ao mesmo.-Sirva-se V. S. de mandar alis-
tar como Voluntario da Patria a Augusto Jos de
Azevedo e Antonio Cordeiro Muniz Falco.
. Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar
acerca do que pede Felismina Maria da Conceico,
o incluso requerimento documentado.
. Dito ao mesmo.D V. S. as convenientes pro-
cidencias, para que as pracas dacorapanhia de vo-
luntarios de oomens prelos.mencionada na relaco
"nta, eulreguem quanto antes ao coramandante do
j0 batalho de infamarla da guarda nacional deste
monicipie os artigos de ornamento e fardameoto
lie receberam como guarda do mesma batalho,
ec?stam da referida re lagao.
Hltoa mesmo.Informe V. S. se existe no de-
posito de recrutas um le Dome Bellarmino Jos de
pagar, conforme solicitou o chefe de polica em of-
(icio de hontem, sob n. 672, e nao havendo incon-
veniente, a qnantia de 20^160 proveniente das
diarias alionadas aos recrulas Athanaslo da Rocha
Marinno, Atonm Jos de Oliveira, Manoel Fran-
cisco de Lima e Ignacio Ribeiro ao Mciio, 1-i vie-
ra m daquelle termo, e foram remeitidos ao coronel
commandante das armas para o servico do exer-
cilo, com excepgao smenle do primeiro que o pre-
dito chefe poz em liberdade segundo consta do ci-
tado officio a que veio annexa a inclusa relaco.
Dito ao mesmo.Em vista do que V. S. ponde-
ron em seu officio de 6 do corrente, sob n. 307 te-
nho resolvido que fique de nenhum effeito a ordem
constante do officio que Ihe dirig no dia antece-
dente e que junto devolvo, mandando abonar as
gratiflcaces de exercicios correspondentes ao mez
de abril ultimo, nao s ao 1 clrurgio do exercito
Dr. Francisco Goucalves de Moraes e 2o, Dr. Joo
Honorio Bezerra de Menezes, mas tambem aos ou-
iros Gficiaes'da'fcorpo de sade que estiverem em
idnticas circumslancias.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Transmiti a V. S. as inclusas contas, am de que,
nao havendo inconveniente, mande pagar a Anto-
nio Domingues de Almeida Pocas, a quantia de
107-5-ioo, despendida com o sustento dos presos
pobres da cada de Nazarelb durante os raezes de
Janeiro a abril deste anno, como se v das inclu-
sas coalas que me foram remeltidas pelo chefe de
polica com officio de hontem sob n. 667.
Dito ao mesmo.Transmillo a V. S. para seu
eonlu cimento e directo, copia da lei provincial n.
613, approvando os crditos supplementares abor-
tos pela presidencia dentro do trimestre addicional
do ejercicio de 1863 a 1864.
Dito ao mesmo. Anuindo ao que requereu
o vigario collado da freguezia de Una padre Fran-
cisco Urbano de Albnqueruue Montenegro, recom-
mendo a V. S que mediante flanea edoaea mande
entregar ao supplicante a quantia de 1:0005 vota-
do na lei do orcamenio vigente para as obras da
matriz daquella freguezia.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que em
vista das 2 inclusas contas e nao havendo inconve-
niente mande pagar a Theodorico Xisto Rodrigues
conforme solicitou o chefe de polica em officio de
honlem, sob n. 668, a quantia de 27 i 5800, despen-
dida com o sustento dos presos pobres da cadeia do
termo de Cimbres, durante os mezes de outubro do
anno prximo passado at marco ultimo.
Dito ao mesmo.Respondendo ao officio que V.
S. me dirigi hontem, sob n. 182, tenho a dizer
que concedo a autorisa^o nelle pedida para des-
pender a quantia de "05 com a impresso dos t-
tulos, que devem ser emittidos para pagamento do
calcamento das ras desta cidade que se lizer alm
da importancia das consignaedes voladas, levndo-
se essa despeza a consignacao do art. 14 4" da lei
do ornamento vigente.
Dito ao mesmo.Em vista do competente certi-
ficado, mande V. S. pagar ao empreiteiro do cala-
mento desta cidade, a quanlia de 19:3905500, a
que tem direito por haver no mez de abril ultimo
execntado servico naquelle valor, como se v do
officio junto por copia que me dirigi o chefe inte-
rino da reparticao das obras publicas, com data do
hontem e sob n. 137.Communicou-se ao chefe in-
terino da reparticao das obras publicas.
Dito ao commandante superior de Cabrob.Ao
tenente-coronel commandante do batalho n. 48 de
infamara da guarda nacional do municipio de Ca-
brob, Antonio da Silva e Souza Araquan, para seu
conhecimenlo, e em resposta ao officio, que em 16
de dezembro de 1863, dirigi a esta presidencia,
relativamente ao pagamento da quanlia de 4865170
importancia dos prets das 12 pracas da guarda na-
cional que esliveram destacadas' naquelle .munici-
pio nos mezes de marco 6 abrH de 1861, transmit-
a V. 3. as Inclusas inorroafes por eepla, minis-
tradas pelo kigpecler da thesouraria de fazenda, em
officio de 16 de marco ukiroo, sob n. 160, accres-
centando qne os guardas nacionaes mencionados
nos referidos prets podem em ama s procuraeio
constituir procurador nasta eidtde para reeeber
Dilo a cmara municipal do Recife. Recom-
mendo a cmara municipal desta cidade que to-
mando em consideracao oque expe no officio in-
cluso por copia o desembargador provedor da San-
ta Casa de Misericordia attenda a sua reqaisico
propondo a esta presidencia as medidas que della
depender.
Portara. O presidente da provincia, i.u.
em consideracao o que expoz o chefe interino da
reparticao das obras publicas em officio de 8 do
corrente, sob n. 136, resol ve approvar nao s a
demisso dada ao guarda conservador do segundo
termo da estrada do sul Joaquim Pedro Barreto do
Reg, mas tambem a proposta que fez o mesmo
dar affixar as editaes para proceder ao concurso
d todas as pantehia?, qne se achara vagas nesta
diocese.
Cidade-de Olinda, 24 de abril de 1865.Conego
Joaquim Ferreira dos Santos, secretario do bis-
pado.
SANTOS LEOS.
0 Exm. e Revm. Sr. vigario capitular manda fa-
zer publico aos Revms. parochos desla diocese, que
lendo chegado da Baha os santos oloos que no
crreme anno eccleslasfico tem de servir na ad'cb-
nistraco dos Sacramentos, devem os Revms. viga-
ros prover quanto antes as suas parochias de oleo
novo. O mesmo Exm. Sr. manda declarar ual
Jlente. etenninages das constituicoes diocesanas, como
as penas impostas pelo Exm. prelado de gloriosa
memoria quelles parochos que deixara de refor-
mar os santos olees as suas matrizes no lempo
competente; e que, sendo conveniente averiguar
se algum parocho deixou de cumprir com este de-
EXTERIOR.
chefe de Felenano Pinto' de Vasco'ncellos para oc- ver ^u 'oi moroso no seu desempenho, devem os
cupar aquelle lugar.Communicou-se a thesoura- portadores declarar ao Revm. cura da calhedral,
na provincial. ou a quem suas vezes flzer, qual a matriz a que
Dita.O presidente da provincia, resolve demit- Per*e"cem os vasos dos santos leos, bem como
tir o bacbarel Miguel Bernardo Vieira de Amorlra ser mitado o da, em que estes sao apresentados
do cargo de delegado litterario da freguezia de'Ca-. na calhedral.
ruar.Communicou-se ao director geral da ins- Cidade de Olinda, 8 de maio de 1865.Conego
trurco publica. Joaquim Ferreira dos Santos, secretario do bis-
Dita.O presidente da provincia, resolve denjit-. Pad0,
lir o bacbarel Miguel Bernardo Vieira de Araorim __________________________________
do cargo de delegada de polica do termo de Ca-
ruara.Communcou-se ao r. chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia, resolve nomear .
o lente reformado do exercito Jos Caetano da; _
Silva para exercer interinamente o lugar de aju-
dante do director do arsenal de guerra, vago pela
nomeaco do major Apolonio Peres Jacorae da Ga-
ma para tenenle-coronel coramandante do 2o corpo
da voluntarlos.
Dita. -O Sr. gerente da Companhia Pernarabuea-
na faca transportar para o presidie de Fernando
por conla do ministerio da jnstiga no vapor Para-
hiba os 15 sentenciados mencionados Da relaco i'.
junta e bem assim a 20 pracas do corpo de polica
que vo escoltando os referidos sentenciados at
aquelle presidio.
Dita.-OSr. gerente da Companhia Pernamba-
cana, mande dar transporte at ao presidio de Fer-
nando no vapor Parahtba, em lugar de proa desti-
nado a passageiro de estado a Maria Francisca da
Conceico que consta ser desvalida.
Expediente do secretario do governo do dia 11
maio de 186o
Officio ao inspector da thesouraria de fazenda-.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda trafis-
mitiir a V. S. a inclusa ordem do thesouro nacio-
nal sob n. 44.
Dito ao tenente-coronel reformado Fernando
Francisco de Aguiar Monlarroyos.Pela secretaria
do governo e ordem de S. Exc. o Sr. presidente di
provincia se communica ao Sr. tenentecoronel re-
formado da guarda nacional Fernando Francisco
de Aguiar Monlarroyos, qne o governo Imperial
aceilou e manda ionvar a V. S. pelo acto de abne-
gaco e patriotismo que praticou, apresentando pa-
ra serem alistados no corpo de voluntarios da pa-
tria, seu lilho Joo Capistrano de Aguiar Monlar-
royos, e seus netos Fernando Pacifico de Aguiar
Monlarroyos e Laurianno Germano de Agotar Mon-
larroyos, cedendo ao mesmo tefflpo para as despe-
zas da guerra, e emqnanto esta durar a 3" parte
do sold quo percebe como offlcial reformado do
exercito.
Dito ao 1 secretario da assembla legislativa
provincial.S. Exc. o Sr. presidente da pro incia
manda iransmittir por copia a V. S., para ser pre-
sente a essa assembla, afim de ser temado na de-
vida consideracao o ofcio do inspector da thesou-
raria provincial de 10 do crreme sob o. 181, a
deraonstragao a que elle se refere, pedindo um ere*'
dilo supptanentar na importancia de 3205000, pa-
ra occorrer despeza de que traa o art. 2 2 da
lei do oreamento vigente, visto que no eredile pa-
ra a mesma despeza, ltimamente pedido e decre-
tado pela tai n. 612, nao se comflrehenden a ajada
de cuelo do Sr. depntado Eslevo Benedicto Fran-
ca, o- qaal deixou de ser concedido pelo mesmo
Exm. Sr., por ser contrario, a disposIcSo do arl. 4
>da lei 575 de 5 de abril do anno- passado."
CORHESPOSOEXCIAS DOBIA
RIO DR PERYAMBUCO
LOXDKEN.
23 de abril de 1803.
Com a chegada da mala de Brdeos, que aqu
recebemos a 19 do corrente, ti vemos noticias do
o satisfactorias. A imprensa ingleza faz hoje
il jnstiga poltica do Brasil na questo de
levido, e dando noticia da demisso do Sr. P-
rannos, attribuio esse acto do governo imperial
necessldade de resalvar o pundonor nacional ; ella
acredita, entretanto, que o gabinete do Rio de Ja-
neiro aceilou de boa f tudo quanto aquelle dipl-
mala havia firmado em neme do Brasil. Pelo que
respeita nossa guerra com o Paraguay, se espera
aqui que o Brasil sahir completamente triumphan-
te, de modo que
Maua e o resto nova companhia ; cada aeco se-
r 4e 20, flevendo entrar com 10.
Esta transaeco tera-se apresenlado aqui como
muito fayoravel para o London and Brasilian Bank,
contribuindo para que as acedes deste tenham su-
bido a 10 de premio ; mas na minha opinio
creio que as difflculdades administrativas de urna
tao vasta empresa fra da Inglaterra bao de amor-
tecer um pouco esse enlliusiasmo, sem fallar nos
embaracos da liquidado da firma Mau no Brasil
e no Rio da Prata.
Oalgodo de Pernambuco fica a 11 3|4 d. por
libra ; o do Maranhao a 16 Ii4 d. por libra, e o da
Bahiaa 13 l|2d.
Cacao do Brasil de 57 s. a 59 s. per cwt.
Caf de 1* qualidade de 71 s. a 80 s.; dita de
64 s. a 70 s., e ordinario de 52 s. 63 s. per cwt.
Pao Brasil de 60 s. a 70 s. por tonelada.
Assucar branco de Pernambuco e da Parahyba
de 22 s. a 25 s. 6 d. per cwt; mascavado de 16 s.
6d. a 21 s. 6 d. per cwt.
Couros seceos do Rio 6 ii2 d. a 8 1|2 d. por
libra. '.
Do Brasil chegaram Felisbelle (10) de Pernam-
buco a Sunt'erland ; e do Maranhao Edouard (21)
a Liverpool.
que bajara por vezes declarado que nada autorisa
a crenca de um rompimento cera os Estados-Uni-
dos, proseguem com actividade nos armamentos
navaes do paiz.
A Inglaterra tem actualmente 34 navios encou-
ragados e com este poder immenso esta habilitada
para destruir toda a esquaura o os portos da Unio;
mas nem por isso se desoja aqui essa exiremidade,
porque tendo a Gra-Bretaoha imeresses importan-
tes vinculados nos Estados-Unidos, ella nao deseja
po-los em grave risco, como suceederia no caso de
um rompimento.
Resulla por conseguinle do que levo dito, que a
situacao poltica entre esses dous governos ma-
liodrosa, mas nao desesperada, porque pedendo ser
mimigos poderosos ambos parecera dispostos a es-
gotarem os recursos da prudencia antes de empre-
henderem a luta.
Mr. Seward, primeiro ministro do presidente
Lincoln, disse ha pouco qne eram infundados os
recetos de que a Unio tivesse em vista invadir o
Canad, tanto raais que elle eslava convencido que
para evitar qualquer desaveaca enlre os dous go-
vernos bastarla que os dous gabinetes de Londres
estivesse disposlo a fazer jusiica a Unio I Esla
linguagem duvidosa veio augmentar o recelo da
guerra, e julga-se que na sua reclaraaco genrica
da justiga era favor do seu governo, Mr. Sew.rd
quiz referir-se ao inqualiflcavel pedido que aqui
sustenta o ministro da Unio Americana.
De Inglaterra lera seguido para o Canad alguns
reforcos, e Quebec e Montreal proseguem com ac-
livdade na concluso
---------- das suas obras de defesa ,
Seguiram para o Brasil os seguinles : de Liver- 5S"J5ftSllf*!l guerra, os pontos escolhi-
pool Tweed (12) para Santos ; de Dieal Amele (12) SCf,l?*S1^^*r*ce?.lro da?/aa? Pera^es
para o Rio ; de Liverpool Monitor (17) para a Ba- ?'"es' oai& lem ella Ja reunidas importantes
hia ; de Liverpool Diamant (20) para o Rio A". j ,
Grande Io ProJecto de confederaco discutido no parla-
os consolidados 3 0i0ficama91. Os 5 0i0 do mre"'V Brasil a 100; os 4 l2 110 a 82 1|2. Portugueses 3'eartgf aS1 aCh,a sob1raetl,ao ^PP/ovacao
3 Oo a 46 1|2. Mexicanos 3 0|0 26 1,2. Sardos 5, l*?il%?ridtMr,lr0pole'. raini,sleno da1uel a
0|o 76 ; e turcos 4 Ora a 101. ico,ou,a v,ra expressaraenle a Londres para expor
>o dia 21 do crreme seguioS. M. a rainha com 2S *\ ri?,ai* convenieQCa adoP5a<>
a real familia de Windsor para Osborne na ilba I 3S*9 a"2' &* *Pproado em prm-
deWihgt, (endonando demorar-se all al 12 d3; gobernador gera?do Gaafa83 raiQha COrao
Acaba de ter lugar em Rochdale a eleico de uui
proiimo raez, em que regressar aquelle castello,
onde permanecer algum lempo antes da sua via-
gem a' Escossia. Esta' Qxada para o meado de
agosto a viagem dessa augusta senhora a' Golha,
em cuja capital S. M. a rainha devera' assistir a'
inauguraco da estatua que sera' levantada ao fal-
lecido principe Alberto. De regresso d'Allemanha
a rainha vollara' a Balmoral, devendo alli residir
at o fim de outubro, em que de novo ira' oceupar
o castello de Windsor. S. M. se acha no caso de
perfeila saude, e o seu estado moral que desde a
morte do principe consorte havia experimentado
um grande abalo, vai progressivamente raelhoran-
do, gracas a aec/io do lempo. O publico inglez ob-
serva cora satisfaeco esta raudanca, tomando sem-
pre vivo inieresse em tudo que diz respeite ao
bem estar da familia real.
SS. A A. RR. o principe e a prineeza de Galles
acharase, em Sandrigham Hall, residencia de cam-
po onde sses principes foram passar as festas da
Paschoa. O principe Alfredo qae alh esleve alguos
dias com seu irmo, chegou a esla capital hontem,
indo habitar o palacio de Buekingham.
deputado que devia substituir a vaga d Richard
Cobden. Mr. Potter, demcrata e amigo daquelle
Ilustre finado, foi eleito para esse cargo e ser bre-
vemente proclamado deputado por aquelle dislricto.
Este candidato havia sido fervorasamente recora-
mendado aos conslituintes da Rochdale por Mr.
Bright, que o inculcou como depositario dos segre-
dos do grande Cobden.
Os principios polticos inculcados por Mr. Potter
sao os mesmos do seu antecessor, prometiendo ad-
vogar nerante o parlamento a extenso dos princi-
pios sobre a liberdade poltica e de commercio na
Inglaterra, alm da raisso ihumanilaria com que
advogar igualmente o problema da paz geral que
havia merecido a constante atieneio do seu ilus-
tre antecessor. Esta escolha foi um triumpho para
o partido ultra-liberal, e com ella se achara forti-
ficado Mr. Bright e seus adherentes.
Na minga antecedente, referindo-me aos succes-
sos polticos na Allemanha, disse:que a Confedera-
co Germnica se achava em conflicto com a Pru-
ju uduiidi u palacio ue uucKingnam. *, --------------------. ~ "" ""?**""" "-"" "
Antes da partida de Windsor da rainha, havial813* ?rmae esta resista ao projecto das potencias
deixad) aquelle castalios lacrees' Blgica 9.
M. o re Leepoldo, que con eu havia annunciado
viera aqu passar algum tempo com sua augusta
sobrinha. Esse soberana AvUtniuse vana* veia&
eom a prineeza imperial do Brasil, qde actualmen-
te esta' viajando na Blgica.
Depois de haver percorrido os dislrictos manu-
faetnreiros da Gra-Bretaoha. taes como Birning-
ham, Manchester, Sheffield e Liverpool, a herdeir
do ihrono brasileiro regressou com seu marido a'
Claremont afim de despedirse da familia de Or-
leans. No dia 17 do corrente deixou aquella resi-
dencia, c atrevessando a Mancha de Dover para
Oslende entrou no territorio belga, que agora per-
corre com sua alteza real o conde d'Eu e sua co-
mitiva. NO dia 21 do corrente ficavara esses prin-
cipes era Liege, cujos principaes estabeleciraentos
visitara em companhia do capilode estado maior
Moraes Ancora. Da Blgica SS. AA seguiro para
Vienna d'Austria, devendo terminar sua viagem na
Europa por Hespaoha e Portugal.
A morte do Ilustre Cobden, successo que encue-
ra de lulo a Inglaterra, contina a provocar as
sympalhias deste povo ero favor da memoria de um
lo distincto cidado. Manchester, Birmingham e
Liverpool que tanto devem ao Ilustre finado, abri-
rn) nma subscripeo a bem da viuva e filhos desse
genio econmico, subscripeo que j conta cem mil
libras slerlinas.
Os principaes negociantes de Manchester abri-
rara de mais urna outra subscripeo destinada a
elevar urna estatua aquelle grande boraem ; todas
as classes daquella importante cidade, porm, tem
concorrido para aquelle tributo de honra, querendo
assim pagar em sienal de respeito geral devido
memoria do Ilustre Cobden.
Na ausencia das discussdes parlamentares por
que s amanha o parlamento britnico recomeca-
r as suas funecoes, a imprensa desta capital tem-
se oceupado exclusivamente por asiim dizer com a
situacao poltica do Canad, em relaco aos Esta-
dos-Unidos.
A imprensa bem como a opinio publica aqui,
unnime em proclamar que enmpre a honra da
Gra-Bretanha defender aquella colonia contra
quaesquer projectos ambiciosos do presidente Lin-
coln ; exfgindo somenle qne no proseguiraentodes-
se lira o governo daquella colonia tome sobre si a
ate este momento nao lem exist
do neste paiz um partido em favor daquella rep- parte dos encargos qae Ihe compete.
Mica, cu,os antecedentes em relaco Inglaterra, Foi assim que por occtsio da discusso no par-
sVde mais pouco sympathicos a este povo. Algu- (lamento da questo sobre as defesas do Canad, a
mas folhas desta capital lem ja annunciado que. raaioria se pronuncion por nm systema de defesa
urna importante emigrado do Paraguay tem vindo effectivo, reconbecendo todava que no Canad
angrossar as fileiras brasileiras, desejosa de ani-, curapria concorrer cora ama importante parte das
quitar o despotismo do general Lpez; comecando
a popularisar-se assim na Inglaterra a Idea do des-
pparecimenlo poltico daquelle despota. Queira
Deiut que o Brasil, comprehendendo bem os seus
inleresses, execute seraelhame pensamento, porque
em verdade Ihe cumpre acabar rom to roo visl-
nlio, embora haj de substituido, visto como nos
repugna a dontrina poltica das annexacoes.
Nada Iranspirou por emqnanto nesia capital
cerca da resposta dada pelo governo imperial ul-
tima proposta do gabinete de Londres no conflicto
anglo brasileiro; mas nao deixa de ser favoravel-
mente significativa a abstenco do Globe em dis-
cutir novamente essa questo, parecendo .que se
tivesse havido recusa formal por nossa parle, Mr.
Christie leria j recebido nova permisso de lord
Russel para invectivar-nos naquella folha. E' pro-
vavel que por occasio de recomegarem seus tra-
balhos as duas cmaras, lord Russel I seja interpel-
lado acerca daquelle conflicto, e entao saberemos o
qae ha de positivo nessa questo diplomtica.
Acaba d fazer-se nesta praca ama transaeco
mercantil, que por certo interessa mnito aos leito-
res, pelo que julguei devar noticiar esse facto, A
despeza* para semelhante resultado.
As successivas e importantes victorias que o
exercito federal tem obtido ltimamente centra a
confedoragao. deixam recetar aqu qae a paz seja
brevemente feiU entre esses beligerantes, trazan-
do por conspqncla a abertura de hostilidades en-
tre os Estados-Laidos e a Gra-Bretanha, visto o
estado latente das relaces polticas enlre este, ga-
binete e o de Washington.
Affirma-se al qne presentemente Mr. Adans,
ministro dos Estados-Unidos nesta corte, reclama
do governo britannieo urna compensaco na som-
ma de sessenta milboes de dolars pelos prejuizes
que o commercio federal tem soffrido era conse-1
quencia dos corsarios confederados armados n"s'
portos da Gra-Bretanha I Por outro lado ninguem
acredita que o gabinete de Londres venba a ceder
a esta lntlmacjn> inqualiflcavel; sendo que disto
mesmo resulta o receio de que o presidente Lin-
ela aproveMe e ensejo, para romper com" a Ingla-
terra.
E' geral' oeste paiz o sentimento da gravidade em
que se acham coMocadas as relacQes polticas da
Gra-BretaBa> eom os Estados-Unido : entretanto
firma Mau Mac Gregor & C. contratou ha dias coaT; a nago contacom a fidelidade do Canad na omer-
os directores do London and Brasilian Bank a fu-' gencia de urna guerra, e demais' poder eventual-
sao das suas casas coramereiaes no Brasil e no Rio mente contar eom a allianga da Franca que agora
da Prata, mediante o pagamento de 150 mil acefies se moslra descontente cem o governo de Washing-
firma Mau,. qne por sua parte se obriga a entre- ton pela insistencia deste em nao reconhecer o no-
gar como garanta todo o dinheiro em cae, tita- vo goviirao mexicano sobo sceptro de Maximiliano,
los qne Ibrem reputados salvareis, bem. como a. ce- O misterio PaTnrenton-Ruasell nao desconhece
der do privilegio que tinha de ematir-notas em' o panigO' que corre a paz da Inglaterra, e, se bem ra, mas com todo o ouro ficava a 146.
secundarias, teaente entrega dos ducados ao
duque de Augustenbourg. Com effeito, o plenipo-
tenciario prussiano votou contra aquella proon,
ituii foi ai>Drovai!.t v> nm grande maioria, na
TfrjSr iigura tambem a Austria; mas por era quanto
o gabinete de Berln nao decidi retirarse da Con-
federaco, nem mesmo execuiar a sua ameaca de
manler pela forca o statu qiw nos ducados.
A Austria nao tolerarla por certo ser excluida
da herauca dos ducados, quaodo mesmo isso tenha
de cuslar-lhe una guerra conira a Prussia; accei-
taria, porm, a soluco violenta do gabinete de
Berln, urna vez que este Ihe olfereca compensa-
Cdes equivalentes. Esperase a todo o momento
que a esquadra prussiaoa de Danlzlc va oceupar
Kiel, e nesse caso a Austria mandara para alli as
suas forcas navaes: ja se v, pois, que a lolermi-
navel questo dos ducados conlina sem soluco
plausivel.
O estado poltico da repblica do Per, que pa-
reca encaminhar-se para a consolidaco do paiz,
acaba de sotTrer um novo abala. As noticias da-
quelle paiz chegam a 28 de fevereiro ultimo, e por
ellas conslou aqui que urna imprtame nsurreico
rebenlra em Arequipa, Arica e ouiros pontos,
com o fim de tirar o poder do general Pezel. O
grito dessa iusurreico se funda na huunlhaco
qae o paiz foi sujeito p'elo recente tratado com a
Hespanha, e d'ahi concluera os insurgentes em fa-
vor da necessidade de aniquillar o amor desse tra-
ma Alguns regimentos e duas fragatas de guer-
ra se donara passado para os insurgentes: mas o
presidente contiava que o exercito se prestara a
pacificar a repblica : a capital ficava tranquilla, e
ahi eslava o general Pezel reanindo as suas forcas.
O almirante Pareja protestara contra o grito da
insnrreico, declarando que oceuparia de novo as
Ilhas Chinchas, se jamis as autoridades da rep-
blica buscassem contestar a efflcacia do tratado
Vivanco Pareja.
Dos Estados-Unidos temos noticias militares do
maior alcance, as quaes chegam a 13 do crreme.
A capital da Confederacao capituloa no dia 5, de-
pois d'uma sanguinolenta batalha, que durou tres
das, entre o exercito de Lee e o de Granl. Aquelle,
enfraquecido pelos reforcos que Uvera de mandar
a diversos generaes confederados, qne se achavam
era grande risco, leve de acceitar em Petersburg
batalha decisiva qne, apesar das posigoes fortifica-
das, Ihe foi contraria, perdendo 15 rail horaens en-
tre raortos e feridas, e, o que e mals, sendo obriga-
do a abandonar a sua inha de defesa, que era a
salvacao de Richmond.
No dia 5 fez a sua entrada irinmphanle na capi-
tal da Confederacao o general Grant frente d'um
numeroso exercito, que sem demora poz logo em
marcha na persegulco do inimigo derrotado; e
com tanto successo o fez, que a 9 o general Lee foi
obrigado a capitular com. viole e cinco mil nemens,
seguindo-se a entrega de l.inchbewg onde os con-
federados se achavam com forca...
I ...
N*estas circumslancias a guerra civil d'Amertca
acaba de entrar n'uma nova phase, e tudo parece
indicar que essa luta se encamluba para um termo.
Sempre disse que s ama serie de victorias bem
aproveitadas podena resolver aquella cooteoda sob
o ponto de vista militar, e, com effeito, desde a sa-
luda de Sherman de Allanta, os federaos nao per-
dern) nma s aeco; mas resta agora que a in-
snrreico qnelra terminar a sua correra, deixando
de recorrer ao expediente das guerrilhas que eter-
nisaria a lula.
O enthusiasmo, qae no norte (em produzido a
qoeda de Richmond, immenso ; e felizmente o
presidente Lincoln s moslra inclinado clemen-
cia
Mobile conserva-se ainda era poder dos confede-
rados, ms nao poder resistir por mais tempo. O
presidente Davis fugira com o governo para o in-
terior, e se suppoe que ir oceupar o Texas.
O cambio de Nova-York sobre Londres melbor-
:
TILSEH
ILE6V L
------------ mm im



fvrir|
0
Islario de TernaMbneo Segunda letra 15 le Malo de 1885.

ni
*
.
W
I

i
IRTERIOfr.
1 BE JAXEIBO
5 de maio de -I86S.
Expedio-se a circular siguite :
lllm. e Exm. Sr..Declaro a V.. Exc, par* seu
conhecimento e execucao, 'me os delegados do ci-
nirgio mor do exercito nao eslao com pretendidos
na disposico da circular de3 de marco ullimo, de-
terminando que se recolhanj com a possivel brevi-
dade-lodos os cirupiOes militares.
Dos guarde a V. ExcVisconne le Camama.
Sr. presidente da provincia de-----
Expedio-se a todas, as provincias 4o norte, com
excepeo da da Bahia.
--------- .
De urna carta particular, escripia de Montevideo
a 28 do correle, extractamos o seguate :
Os Paraguayos j esto em Cerrienles a van-
eara ousadaroeaw.
Montera parti a Nytuti-eky para Buenos Ayres,
conduzindo o general Flores e sua familia, minis-
tro dos negocios eslrangeiros e os secretarios do
general e delle viseando de Tamandar, general
Osork), general Netlo, general Carabalio, ceroneis
Fidelis e antros. V3o per-se de accordo, sobre a
campanha, com o general Mitre, e vo por convite
Jesle general e do Sr. Ootavlano.
A demora li do general Plores ser mu
curta.
Creio certo que o general Mitre, como chele
citos alliados e nos aleda nao temos general em
chefe p'nVclivoll
Parti tieniem :a prlmefra livisao do ejercito
para o Rio S. Francisco ao norte de Paysand, oos
transprtese urna anhoneira: cumpunha-se de
3,500 horneo; 0s "vapores vollaro para continuar
o transporte de tropas.
Hoje podrm es nossas tropas desembarcar no
'Salto a 30 leguas de Uruguayana, pois o Uruguay
est mui cheio; porm infelizmente entre oes ludo
anda iodeciseo, por que j dzem que um exer-
cito paraguayo de 2>a 30fJO homens, com Lpez
frente, passar < a Traoqoeira de Loreto e mar-
chava sobre o o Grande.
Mesmo a osss cavallaria podia ir toda embar-
cada, deixando apenas 900 a 600 homens para
acompanhar os romboU e cavalhadas.
A confusao chegou a ponto de fazerem toda a
cavallaria partir por trra com os poucos cavallos
que tem o exercito ; de sorte que, quando chega-
rem a Paysand, estaro a p, tendo gasto grandes
.sommas de dinheiro.
Esta improvidencia e balburdia nao sao de
certo culpa do general Osorio.
Homero que principiou a mover-se o exerci-
to, quaodo j devia estar em Fray Denlos ha mez e
meio.
Vivo irritado eencommodado por tanta iodo-
ci.-ao e demoras. Nada prevemos, ludo frite
no ar I
Os mesmos amigos do Brasil aecusam tanta
falla de aceo e tanta molleza.
Parle do exercito argentino j marchou com o
seu general, e !a se desenvolvem urr.a actividade c
energa admiraveis, que nos eausam vergonha a
iodos os Brasileiros ; ver, meu amigo, que elles
sero os primeiros a baterem-se com os Para-
guayos, e ha apenas oito das que a guerra lites fo
declarada I
t A nossa esquadra de oito vapores, que seguio
com o Segundino, vai a passo deboi ; o comman-,
dame escrevo ao seu almirante no dia 21 que es-'
tava recebendo carvo e segua aguas cima. Por
ra chamado a' seu bordo, onde o retiveram por
qualro boras, deixando segoir-'com o sea avio,
j onde linda a familia, depois de asclgnar umaobri-
I gacao pagavel quande terminar a guerra.
Da o meeoio capito que o 8*om mtk*WH i
proa una tnorme eca, duas menores emoma
torro, e a proa un espolio capte de raetier a pi-
que qualqoer embarraeio me solque o oeeaae.
Accresceata que fol muito bera
coromaodaele e seos oflleiaes.
-9-
Oelebrou-se hontem do pago do secado, a' hora
annunciada, a sessao imperial da abertura da as-
serabla feral, com o ceremonial do estylo.
A falla do tlirono fo esta :
Augustos e dignisslmos Srs. representantes da
nacao. Participo cordiaimeote das esperanzas
que desperto a vossa reunio.
t Sinlo o maior prazer em annunciarvos que
efectuaram se os casaoieolos de minhas muilo
Befre o capito da barca americana .Ve Light,] lamente As armas todos o cidadarj* matares d<# 17 infteeneta poder do governo provincial tornece-
er.rradB ame~hohlcffi deTTalinnore, que, lendo en- e menores de 60 annos, e declaraaaia roca de mor-- rtam os, recureoo precisos.
con irado em lau 23 15' N. e long. 33 O o vapor te todos os que voluntariamente y obedeces a*
reacouracado Slonncoit, da eeajnaft ooafaderada; autoridade.- paraguayas ou tomaMam<.as*rmM em
defeza dellas.
Estas medidas foram acorapanhaoBasd preoia-
macao seguinte:
i O governador da provincia a todos osseus ha-, cong
bitaates. por
Compatriotas. O presidenta do Paraguay inva-
di a provincia, captarando- doas avos da mari-
nha aacional, e occaaoo a capital- com torcas da
tratado pelo' sua aaco, csfaaa*-ta> plena paa com a nossa e
sem ova tenha aavldo dedaracao da guerra.
< Correntiwi. Ao aaounclar esta-tacto inaudi- de cavallarla'da raesma guarda,
lo, exparmeniaaaobre indaacao<|uodeves sen- O governo argentino permittio aos Paraguayos
tirao ver ultrajada em nosso solo a bandeira e a emigrados fcrmarem uma legio com offlciaei es-
honra da nossa chara patria- colhidos dentro si para, debalxo da sua propria
Hroes de Casguaz, de Caseros e de cem com- bandeira, marcharen) na vanguarda do exercito
bates gloriosos, o Paraguay vos insulta barbara- argentino, pois que a guerra contra Lope eseu
mente e pretende offoscar com esta affronla as governo; e nao contra o povo do Paraguay.
vossas glorias de todos os tenajOg. Na cidade do Rosario o povo arrancou o escu-
Sois, pois, nestes momentos os primeiros de- do de armas do consulado paraguayo, arrastou-o
tensores da honra nacional villipendiada, e ne- pelas rnas, e, depois de espinj?ardeado juntamente
amadas e queridas flihas, esposando a princeea cessario que um escarmaato digno de vesso nome cero afOgie de Lpez, fui ludo alirado ao rio. La-
imperial o principe D, Luiz Felippe Mana Fernn- ensine ao estrangeiro brbaro, que os Argentmos vreu-se disto uma acta, assignada pelos InQuentes
_ precisos.
Nao savia ainda certeza que o congresso da Re-
publica chegasse a reunir-se no 1 de maio, como
(,,?r**e'' por 'ilUrem muitos senadores e depu
Udof i.ceeditava-se, porm, que o presidente Mi-
tro nao aguardava seno a inslallacao do mesmo
ngreaao para dar conU do en tilia da situacao e
r-serfaB4e do exercito.
A legislatura provincial, essa sin, contava-so
que reunase no 1 de maio.
Afora Qt olio batalhdes de infautaria da guarda;
nacioaal jue a provincia de Buenoa-Ayres forneco
para a gaara, mandou-se organisar um regiment
nao aasceram para ser burolliados por ninguem.
c Antes de oito dias mais estaro comnosco nu-
merosas Iegi5es de valentes e umaesquadra inven-
individuos, produzlo no mez de setembro ; ca-los na fronte da patria, em desaggravo do viili- a clieg.da do general Flores para
assado uma crise assusladora, que abaloo pendi que Ihe querem impOr. tratado seja igualmente ass'goado
desta manifestacao,-que a imprensa quiz deseulpar
dizendo que a Inlencao era quebrar o signa! da
nefanda autorldade de Lpez e n5o o symbolo de
uma oacionalidade irma.
Asbaeei do tratado de allianca entre a Rep-
blica Argentina e oBrazibdizia-se que estavam
ajustadas j entre o governo de Mitre e o nosso
representante o Sr. Octavian, aguardando-se para
que o mesmo
em nome da
que lambem toma parte na
do Gastn de untaos, conde d'Eu, e a princeta
Leopoldina o principe D. Luiz Augusto Maa Eu-
des de Coburgo e Gotlia, duque de Saxe.
A iranijiniidade publica nao sotTreu alteraco; civel, cujo Impulso powoso arrojar mui I o n ore do
em nenhuma ral satisfactorio o estado da saude publica. quando nos v indefezos descansar na seguridade
A fallenoia de algumas casas bancarias, as da paz; porm indispensavel entretanto que cor-
quaes se achavam deposuadas as fortunas de mi- 'temes os primeiro* lotrros dtrtrramplio para collo-
Ihares de "
do anuo passado
profundamente os ioteresses commerciaes. As me- Cidadaos de lodos es jjartidos, a patria neces- Repblica Oriental,
didas do governo auxiliadas pela boa ndole dos sita de vos e vos ehama'em sua defeza : reunt-vos guerra.
habiianles, reslabeleceran a contianca, e as rea- em Wrno do vosso governador e acompanhai o na Tendo partido de Montevideo a 27, devia este
goes commerciaes vo reassumindo sua marcha empreza invejavel de salvar a provincia do domi- general chegar a Bueuos-Ayres do da 28, onde o
regular. Diodos Paraguayos, e de htvar esta mancha que povo Ihe preparava uma recepcao esplendida. Foi
t Continuam interrompidas as relacoas entre o acaba de imprimirse na fronte de todos os Argn- elle acompanhado do seu ministro de estrangeiros,
Brasil e a GraBretanba ; desojando o restabeleet- tinos, e que nos escarnece e envergonha. \ que ia em misso especial junto do governo ar-
menio dessas relacde, o governo brasileiro espera Com estes entimentos entra em campanha, e gemino para assignar o tratado de trplice aliian-
que a mediaco offerecida para tal lim, sejasegu d>: vos aguarda decidido o vosso governador e amigo. 5a, e embarcaram ambos com mais algumas pessoas
de um acerdo honroso para ambas asnaeSes. Manuel y Lagrana.Empedrado, 15 de abril de de consideracao na nossa corveta Mherohy, en
1863. qu foram taubem o Sr. visconde de Taman'dar
Aiem das forcas que a provincia de Cimentes e os generaes Osorio e Netto.
poriajmmediaumenle em p,_accudriam em bre- O EsUdo Oriantal iacolhendo benficos fructos
as aguas da bahia de Todos os Santos com-
metteu-se no mez de outubro do anno passado um
grave attentado contra a soberana e 11eniraliclr.de
do imperio: o vapor dos Estados federaes norte-! ve 10 ou 12,000 homens de Entre-Rios. Urquiza, da suanova, adminstracao." ~AsT difflcudades"qe
americanos, Watsucliets, apresou o vapor Fiorifa esqu'cendo antigs desavengas, hoje que se trata existan) entre o governo e o ministro da Italia
dos Estados confederados. Foi, porm, reconhecida de desaggravar a honra argentina quer ser o prl- sobre a posse da ilha da Liberdade foram removi-
ajusiica da reclamacao do governo brasileiro. metro a vingar a patria commum. Aceitando a mis- das, protestando este ullimo qua o seu governo
Est;io restabelecidas as nossas relacfies de paz : sao de conimandante das torgas da sua provincia, cumpriria religiosamente o contralj, sem fallar a
e araisade com a repblica do Uruguay. O conve- ( convoca as milicias entre-riauas dirigindo-lhes es- neobuma das suas clausulas
uto de 20 de fevereiro, estipulando a satisfcele la proclamacao: A admiolstraco gerl dos'correios foi quasi to-
das nossas reclamaeoes que, desattendidas, origi-' O caplo-general, coramandante em chefe das talmente reformada, confiada a sna direceo a D
naram a guerra, deu fim a esta ; e restabelecendo torcas entrerianas. Alexandro Gutirrez, conhecido por ler feilo*
a tranquilidade interna da repblica, elevou ao Compaoheiros! A autoridade nacional nos estudos especiaes sobre este importante ramo de
cargo de seu governador provisorio o general Fio- chama s armas, chama-nos a honra nacional, servico. O privilegio para construccao de um lo-
res, o qual animado de boas desejos para com o atrozmente vulnerada; chama-nos a defeza dos legrapho elctrico submarino entre Buenos Ayres
Brasil, assegura a fiel execucao de suas promes-' nossos irmSos de Corrientes, cujo territorio pisa ja e Montevideo foi concedido a Hall A Carrich de-
e a permanencia das boas relacoes que com com despreso do poder e coragem argentina, es- vendo o mesmo telegrapho principiar a trabalhar
sas,
vantagem reciproca devem reinar entre os dous! trangeiro invasor."
povos. c Entre-rianos I A nos que iniciamos a gloriosa
O presidente da repblica do Paraguay, con- revolncao de maio, que deu em trra com a lyrao-
Ira todas as regras de direilo internacional, man- na, fundada na repblica a era da liberdade eda
dou apresar o vapor brasileiro Mrquez de Ohnda | organisacao, toca-nos o primeiro lugar, quando es-
que a" sombra da paz se diriga para Maito Grosso,' tranho inimigo pOe a mao sobre esta bandeira, que
e tevava o presidente nomeado para essa provin- jamis foi impunemente ultrajada. Desta vez o
ca, o qual, assim como oulros Brasileiros, anda j anniversario de maio nos encontrara de novo pro-
hoje se acha preso. j metiendo a nossa patria, com a victoria, a vindica-
As tropas paraguayas, invadiram depois por; gao da sua honra, a reorganisaco da ditosa paz,
uro modo inaudito a mesroa provincia de Mano- e, o que nao pode faltar-nos, a gloria, que engran-
Grssso. i dece os povos e garaDte a sua soberana.
O governo brasileiro, no firme empenho de A'soberana nacional, compaoheiros, offendi-
vmgar a soberana ea honra nacional ultrajadas,, da, e suslentacao da qual nao pode rallar ne-
tem empregado todos os meios ao seu alcance na Dhum homem de honra, quaesquer que sejam suas
rallar nenhura
famosas tradiccoe?,
Ferreira Jnior e 2* cadete do 5 batalhao da mes-
ma arma Joo Jos da Silva Vivaiws; para alteres
de commisso do 9 corpo de voluntarios da pa-
tria.-Em 21 de abril flado.
Altores da guarda naciona da provincia de San-
la Camarina Manoel Marques Gumar$er Jnior,
para lente de commisso do cerno de voluntarios
que se esta' organisando na mesma provincia.
Foram nomeados oflleiaes de commisso para o
3 corpo de voluntarios da patria em 22 de abril
Ando, os Srs.:
1 cadete 1' sargento do esquadrio de cavallaria
da Bahia, addido a' companbia de cacadores de
Sergipe, Francisco SalusNaaaJda -Silva, para alte-
ras ajodante.
Altores do 8 balalho de'infantaria Joaqoim Ma-
ra Seabra, para lente quartel meatre.
2 cadete 1 sargento da. companhia de Seripe,
Alexandrino Jos de Ges, para altores secreta-
rio.
Altores do batalhao de cacadores da Baha Joao
Nunes Sarment, da guarda nacional Plinto de Sa'
Biltencourt Cmara, Amando Geltil e Manoel Joa-
qoim de Mallos, e de commisso Jos da Rocha Gal-
vo Jnior, para capitaes
Altores de commisso JooMarinho Falcan Bran-
do, e da guarda nacional Theotonio Jos de Santa
Anna para lenles.
i" cadele 2o sargento do esquadro de cavalla-
ria da Bahia Arsenio Delcarpio Velloso da Silveira,
i" cadete Joaquim Silvno Ribeiro, 2 cadele sar-
gento ajudante concordio da Silva Ce.-imhra, 2'
cadetes Rosendo Jesulno de Souza Brito e Felicia-
no Augusto dos Sanios, sargento quartel mestre
Eduardo Emilio Martinelli, la sargentos Dulval
Candido de Pinho Tourinho e Luiz Francisco do
Nascimento Cavalcanti, 2o sargento Joo Barlameu
Paulo Nobbat, todos do referido 3 corpo de volun-
tarios, e o pralicante da alfandega da corle Joo
Eugenio da Rocha Galvo, paraalfeies.
Demisso do servico militar. Foi concedida :
Por decretos de 5 de abril lindo, aos Srs. : 2o
cirurgio do corpo de saude Dr. AoIodo Luiz de
Almeida, tenente do corpo de guarnicao do Ainazo
as Joo da guerra Passos, capello altores da re- reforc(is
pariicao ecclesiastica padre Autonio de Mello e Al-
buquerquo, 2 tenenie do Io regiment de ariilha-
ria a' cavallo Francisco Carlos Pereira Caldas, alto-
res ajudanle do 13 batalhao de infautaria ilercula-
no Jos de Almeida Lobo.
Por decreto de 22 do referido mez, ao Sr. 2 ci-
rurgio do corpo de aude Dr. Jos Antonio Lopes.
Transferencias. Dos Srs. : capitaes Joo Amo-
nio de Oliveira Valporto, do 1* batalhao de infau-
taria para a 6* compaDhia do 4 da mesma arma,
e Juo Baplisla Lopes de Carvalno, ^deste batalhao
para a Ia companhia daquelle. Decreto de lo de
abril lindo.
Altores do 8o balalho de infamara Arislides
Balthazar da Silveira, para o balalho de cacadores
da Bahia.Aviso de 6 de abril lindo.
Licencas concedidas.Aos Srs.
po de guaroicao do
Costa, 6 mezes com sodo e etapa,
e tencionava publicar urna proclamacaccmciiia
on.
Quando porm, se esperava que os prelrninares
da paz rossem seguidos de um tratado exequjy.i
notieia o letographo com raats^parmeaores nQe
presidente Lincoln e o ministro da guerra Seward
tinham sido victimas de um assassinaio, morrendn
immeaWamente e presidente aleando Mr. Sewari
to gravemente ferido que de eeMtmo poderia -c
breviver.
ii-Mjue os asaassinos rora-Jaus fanticos se
paralistas os Ir maca Broth.
O ffelto que destaaolicia prodatia em toda a Eu-
ropao.se pod* dascrever, e Mas se enfreeam -
coajeeiaxas falta ae detalhes. "
Diz o jornal franaaz La Fhmet que Mr. Lincoln
tono*onavpedlr-'a Inglaterra urna indemnisarao
^*rcem~mrmoesde dollrs pelos prejuizos caosaiio-
ao commercio americano pelos corsarios separaiis*
tas armados em Inglaterra.
Esta exigencia equivaldra a uma composico das
duas potencias sobre o Canad, e a sua cedncia a
America, o que de certo o gabinete de S. James nao
parece disposlo a conceder.
Diz-se, mas nao respondemos pela veracidade da
boato, que a uiorle do presidente da America tem
I gacao com esta questo; querem oulros que o ge-
neral Granl, afano com sens ltimos triumphos e
com a popularidade que tem conquistado, aspire'
presidencia da America, e que nao Ihe soffrera o
animo esperar qualro annos pelas primeiras elei-
efies presideocaes.
Suspendamos porm, os nossos juizos. 0 tempo
explicar estes myslerios, se nisto os ha.
Parece bavrr em Franca serias apprehenso^a
respeito da poltica da America em relacao ao M-
xico, e diz-se que ao representante da Franca nos
Estados Unidos foram remettidas instruccoes para
manter a maior circumspeccao na sua poltica e
para evitr quanto poder que o gabinete americano
se aliaste da sua poltica de nao ntervencSo quj
havia sido annunciada por Mr. Seward como ni-
ca consequencia do actual governo. Entreunte
11 corra que a Franca vai mandar para o Mexicn no-
e que esto preparando os
necessarios transportes.
A imprensa ingleza era vista das noticias da
victorias federaes. nao Iheseuer em geral licar a
importancia que parecem ser, e chega a allirmar
que a evacuacao de Richmond fazia parte do plano
dos generaes confederados, e que a lula ia tomar
novo incremento no interior; tendo o governo
confederado ainda nos seus cofres tres milhes de
dollars em ouro.
Morreu em Niza o principe herdelro da cora
prussiana. vctima de uma congesto cerebral, que
o roubou a seus paes era poucos dias. 0 impera-
dor da Russia atravessou Pars rpidamente em
direceo do caminho de ferro donde o czar se di-
rigi a Niza. O czarewitch foi visilado antes de
pan tan da cor- morrer Pela sna "oiva a prioceza lilha do re da
"?. I Dinamarca. O fretro seria embarcado em um
sua saude onde Ihe convier, nos termos do parecer' hnnV.ai; *,,.hr0S
da junta que o inspeccionou. Em 21 de abril,ab n i^ 1I,h
dentro de anuo e mel.
Charaaram-se a comas todos os que com obr-
gncao de presta las tinhao recebido dinheiros da
administrafSo transada.
0 baile ffltial dado a 23 no Ihcatro de Solis aos
alliados toi uma das festas mais sumptuosas de ues Pires, 15 dias de favor.Em 22 do dito mez.
que desde muitos aunos
Amazonas Manoel Joaquim da j navj de guerra russQ que g ^^.^ a ^^
' Era esperado em Lisboa onde se Ihe deviam fazer
junta q
findo.
2o cirurgio do corpo de
O re Leopoldo da Blgica foi accommetiido
sao ja aqu dizem que elle vai com receio de abor- organisacao do oxcrcito e da armada para a guerra; opinioes polticas, a que nao pode I
dagem. Este receio, se fosse possivel existir, sena a que tomos provocados por aquella repblica. Argentino, sem abjurar suas ramos;
KSAS D0S u8 Vap0reS S5 de gfUerrac e Appellando para os sentimentos da nacao, tero a qUt nao pode rallar nenhum Enlre-nano, 'sera S^PauIV
bem tommandados. Veremos como se safa o Sr. elle sido correspondido da maneira a mais nobre e! escurecer a sua fama como cobardo ignominia, o
havia memoria em Mon-
tevideo. Reinou umita alegaia o a maior cordia-
lidde.
Por decretos de 28 de abril, e 13 do correte
foram nomeados:
r O uiz de direito Manoel Pedro Alvares Moreira
Villaboim, para o cargo de chefe de polica da pro-
vincia de Minas-Geraes;
O juiz de direilo Joo Jos de Andrade Pinto,
para o cargo de chefe de policia da provincia de
Segundino, pois esl em uma linda posicao de bri
Ihar.
O Barroso devia partir hontem com o Amazo-
nas, Parnahyba e outra canhoneira, tendo a seu
bordo mil e tamas pracas de infamara. Vo reu-
uir-se a esquadra com urgencia, porm tudo anda
to devagar que so partiro hoje.
Como sabe, depois do ataque dos dous vapores
de guerra argenlinos, presas dos Paraguayos, esles
oceuparam nodia 14 Corrientes.
Diz-se que Caetano Virasoro, irmo do general
desle nome, toi nomeado governador pelos Para-
guayos. Por isso lambem se diz que outro corpo
do exercito paraguayo invada o Rio Grande.
O general l'rquisa esta1 de accordo >iii o ge-
neral Mitre. Todas as suas divisoes esto em mar-
cha sobre Corrientes, para reunirem-se s forcas
correntinas.
t Nao dnvido nada que Lpez tenha tenco de
dar um golpe sobre S. Borja ou Uruguayana. cha-
mando assim a nossa aiienfo para diversos pontos.
Em verdade sera' uma vergonha para o nosso po-
bre Brasil, se os Paraguayos occoparem alguro
daquelles pontos.
Eslou ancioso por saber novas da esquadra :
. capito Miguel Jos Cardoso, para lente
a mais digna; de todos os ngulos do imperio .temos que olTerecer ante a nacao e o mundo a pro-; coronel chefe do eslado-maior do coiumando
surgem voluntarios para defender a honra de sua va mais nobre e honrosa da torca e lealdade do superior da^uarda nacional dos municipios do
paina. nosso patriotismo, que tero tornado ramoso o nosso Principe Imperial e Marvo, da provincia do
A justi^a da causa, o patriotismo da nacao e o, pcv0 nos Tastos guerreiros da repblica. Piauhy ;
valor de nossos soldados, ananeam-nos o mais Soldados de Caseros. Es guerra, como aquel- O tenente Manoel Goncalves de Albuquerque e
completo iriumpho. la, reunir sob uma nica bandeira, a bandeira de Silva, para capilo quartelmestre do commando
De vossas luzes e dedicacao a cau> publica,; s. Martn e Belgrano, a todos os Argentinos : e ao superior da guarda nacional dos municipios de
spera o governo que vos occupelsproii.piainentejaperiarem-so desta ver suas mos para fazerem Mamanguape e Pilar, da provincia da Para-
brilharo symbolo do nosso escudo, daremos para hyba.
pro va de que, destoilas nossas dissen-1 Foi removido o juiz de direito Manoel de Araujo
das medidas reclamadas pela gravidadj das cir
cumstancias.
< Continuam pacificas as relacoes internacionaes
do imperio com as demais potencias.
Foi reconhecido pelo governo brasileiro o im-
perio do Mxico.
A reuda publica nao diminuio no corrente exer-
cicio, devendo aitiogir a uma somroa a que nunca
chegeu nos annos anteriores.
O governo observa a mais severa econorbj do
dispendio dos dinheiros pblicos.
< Augustos e dignissimos Srs. representantes da
nacao.
c Invocando o vosso amor pelo bem publico, es-
lou certo de que, habilitando o governo para a
guerra de honra que devenios sustentar, cuidareis
tambern com esmero da reforma eleitoral, da judi-
f|l^?^Stfi.r:3ul,oo lne falle ombuslivel ou qoal-1 ciara, da organisacao das administrocoes provin-
couas tero corrido tSr&WWm ^mm\^\M9fMi^rtS^i^iMl%a^\
6 nl'Tr0 ESft da 'egislacao relativa ao exercito e a1 araada, bem
,!!, i MW0 co"lwda' coin dS ",eios de corarounicaco e transporte,
te miliar ao or e do Rio-Negro. introdueco de novos bracos livres e aproveita-
iJ^t m?TDle-a 'dea qDe E**0-!' mnto dos exislenjes, dando assim o maior des-
ul deve dar uma divsao para a guerra, ficando envolvimento possivel a' iavoura e a' riqueza pu-
aqui torca igual de Brasileiros. I D|ica.
Ultima hora.Corre que o exercito argentino j sia' aberta a sessao
se organisara' na Concordia, e que o general Mitre I ,__
partir' mu brevemente. cu. n
O general Flores lem estado teimoso em que- > M o .'mperador mandou entregar ao Sr. eom-
rer ir ao Paraguay, lodos os seu-amigos se empe- m?ndado'" Bernardo Casimiro de Freitas, thesou-
nham em contraria-lo. E' a nossa garanta de paz rei daJcomm,lssao incumbida de promover a ros-
os mesmos blancos ja' o confessam. utuico do asylo de invlidos da patria 5:000$ com
que ooncorre para este fim.
aqu
6
Por caria imperial de 3 do crreme mez, toi
naturalizado cidadao brasileiro o subdito porloguez F<^ expedida a circular seguinte :
Gaspar Luiz Machado Brando. !* directora geral.1.a seceo.Rio de Janeiro
Foram nomeados-: Ministerio dos negocios da guerra, em 3 de
O Dr. Paulo Antonio do Valle, para o lugar de' maio de. 1867.lllm. e Exm. Sr.--Coaviijdo que
professor da cadeira de rhetonca e potica das' sejam dispensados os recruiadores, cessaodo por
aulas preparatorias da faculdade de direito de S.: oonseguiote a despeza que com elle se faz. -, assim
Paulo; o commnico a' V. Exc para seu conhecimenio e
l'.avalheiro da ordem de S. Bento de Avlz, o expedico das necessarias ordens. Dos guarde a'
capito Jos Joaquim Colho. IV. Exc-Visconde deCmamu'Sr.prasldnle da
Foi concedida a medalha humanitaria de 2a provincia de.
classe a Frederieo de Araujo e Silva a Francisco
Lourenco da Silva, por haverem salvado eom risco
de vida a Francisco Jos Garca, qne de bordo de Enlrou esta manhaa do Rio da Prala o paquete
uma corda em qu passeava defronte da praia do ifrtoitowj/ com datas de Buenos-Ayres al 2
Flameogo cabio ao mar.
?-!&-
Por decreto do i do correnle foi ,
soldado da batalhao naval Belarmioo A
1 pena em que ineotTe: .p^'|jrliS|e ^ 1S?Z
e Montevideo 29 do passado.
Nao se contentaram os Paraguayos com o trai-
coeiro aprezamento dos dous vapores argentinos
Vinte e Cincodt.Maio e Gwkguay, e, amontoaado
deserco aggravada.
Foi expedido xa data de 3 de corrate ao
contador da marinha a avi#o segoinuy: .- "
Para obviarem se dvidas, qoe de quaDdo en
ijuaado se levanUm, e par* resumirem-se exfhca-
<;<3es, que em dilferentes dalas se leem expedido e
nao decabiram de sea ioteiro vigor, fi.jtie V.-S. aa
intelligencia, para os devidos etfeUo, de que aa
techoolegia offlcial a palavra imcimeMos exprime
o coojuocio das que m
gado, quaesqner que s<
verbas especiaes ouje o
Qtnt exprime indo mais qoef.
lei: casa.criados, racoes em 944
sim, tendo (ido tala imperial r
fevereiro de iUoaderades _
secreurios e ajudaali aort 4
forjas aavaes, 1 ontpaicmhlaea todos o*
e vaoiagea8 uaberaatea aquella poefst,-
suas fTadajrcaes, e oeste caso-asno os
foram aereados para qoalquer cnmiaMa e.
rm diraata a ut veocimeoto.-Fraaeco Xa;
Pinte Lbm. *
poico lemaoqae
(asujTX
Nvdia segotHad aqoHa'feHofeappareceratB
s|7 horas da manlia. paraguayosdhintda lttede de Coftlentes, dW-. *
gndo-separa varios pontos no visjvel tttuito de
dar um desemxwgB.-omo effoeSvaroeBte fizera*,'
0ondo na ribeira t,500 homens. Ao mesmo lempo
sempre a prova de que, desreitas nossas
sSes, somos poderosos e invenciveis; e de que, so- i da Cunha, da comarca de tagahy'.de 1' etrancia!
bre a gloria de to honroso tollo, repousa inviola- na provincia do Rio de Janeiro, para a de Santos,
vel o principio incontrastavel da nossa querida n- de 2a na de S. Paulo.
dependencia. Foram dispensados do exercito por tempo inde-
t Quando gozavamos mais tranquillos da pros- terminado : %.
peridade, que a paz desenvolva com poderoso lm- O coronel coramandante superior da guarda
pnlsa, veto sorprender-nos a voz da patria pilen- .ipoionaj. dos municipios de Pastos Bons a f^ssa-
dida, que aos chama ao cumprlmrHi *o ora de-aem-Franea, na provincia do Maranho, Antouio
ver sagrado. Em vosso nome hoi respondido ja, Carneiro da Silva e Oliveira;
que estaes prompios,-e que pouco.-das faltara para! O coron! commandante superior da guarda
estardes na fronteira. nacional do municipio de S. Bento, na mesma
Da vossa lealdade segura e do vosso acredita- i provincia, Trajano Belmude Mendes.
do valor, depende engrande parte salvar-sea! Por aviso de 2 do corrente foram nomeados para
nossa provincia da guerra, e volvem breve para iieryirem.no hospital militar da guarnico da corte,
loda a Repblica dias glo:iosos de paz e de ven-1 como 1 medico o Dr. Luiz Bandeira da Gouva, e
tura- I como Io cirurgiao o Dr. Augusto Candido Feries
. rnmpanhoiroo l Maroho a collocarme vos-ide Bustamante Sa, te.ndo ambos os vencimentos de
sa treme. A nagao inteira est de p I Nao lar- irlmeiros crurgiSes capitaes.
dar a rechassar coro, bro a torpeza da affronla. f Ba ordem do da n. 4ii publicada ante-hon-
rraiLc can,Pan.haum robusto esforco, e a glo-, tem ojela reparticao do ajudante-general eo-tm ...
na sera grandp e. immarcessivel. seguinte:
Aguerridas divuoes cnamauas para formar a I oauroete do ministro.Ministerio dos negocios
primeiras do exercito entre-riano em campanha :, da guerra.Rio de Janeiro, em Io de abril de
As armase a cavallo 11 .1865.-Havendo disposicoes anteriores sobre a
vos.espera o vosso general e amigo.Justo j maneira porque devem ser concebidos os termos
J. de Lrquiza. j de inspeccao de saude dos oflleiaes do exercito,
JIJO e crivel que Lpez in.adindo Corrientese nao devendo empregar-se outras palavras que nao
nao para saquea-la, pois que nao ha possibilidade j sejam as consignadas no art. 9* da le n. 618 de 18
alguma delle all sustentar-se como ponto eslrale-jde agosto de 1852, devolvo a V. S. os requerimen-
gico. Cora elfeilo, assevera-se que as suas hordas. tos constantes da inclusa relacao para se reforma-
deixaram o camroho por onde passarara assigaa-! rem os termos, ficando V. S. intelligenciado de que
do por depredacoes e cruezas inauditas. Na pro-' nao deve admitlir aquelles em que se encontrara
vmcia de Mato Grosso temos nos mesmos uma! palavras nao autonsadas pela citada lei.
amostrado que podem fazer os selvagens deLo- Deus guarde a V.S.Visconde de Camama-Sr.
Pez- Pelydoro da Fonseca Quintanilha Jordo.
At agora ao norte e ao snl lem elle toito uma
guerra de sorpresa, cahindo sobre povoacoes uide-
fesa e desprviDids: nao lardaremos, porm, a
ver como elle spleoja o encontr de torcas deci-
didas a eetabter.
O circuid aparta-ie de todos os lados. Os pri-
meiros aawgar se.ro seguramente os nossos bra-
vos marlnneiros, que no da 20 estavam em Sania
Helena, a 30 leguas do hiinjigo, Infelizmente, po-
rm, os Paraguayos nao os ho de esperar, antes
irao a todo o vapor aeobtar>se -atrados canhds
do seu Humait, aonde a seu lempo iremos bsca-
los, nao haja duvida.
Por trra a maior proximidade a qne se ach
permittir talvez aos Argentinos infligir aos
.castigo; J;
Desisiencia de licenoa. O Sr. altores db corpo
de uarnico do Piauhy Domingos Pereira da Sil-
va desisti da liceuca de 3 mezes que Ihe toi con-
cedida na ordem do da n. 430, apresemando-se
para seguir para esta corte com o corpo a que per-
tence, procedimento eslo pelo qual S. Exc. o Sr.
ministro da guerra o manda elogiar.
Decisoes proferidas sobre pareceres de consa-
Ihosde direcgo e de avenguaco.Foijulgado ha-
bilitado para ser Io cadele e mandado reconhecer
como lal o 2 sargento do i balalho de arlilhara-
a p Joo Fernaudes Viera Camello Pessoa, por
baver provado que por seu pai e lodos os seus qua-
lro avs lem nobreza notoria, sem faina em contra-
rioEm 22 de abril findo.
Foram juigados habilitados para serem 2- cade-
tes na mesrna data, e mandados recouhecer como
taes, os voluntarios da patria :
Addido ao Datalho de deposito Amonio Augusto
Vidal e Manoel Pires Bello, por haverem provado
provado que sao filhos legtimos, este do Sr. Ma-
noel Pires |Ferreira, e aquelle do Sr. Vidal Pedro
Moraes, capitaes da guarda nacional da provincia
de Sania Catharna, reformados em virtude da le
602 de 19 de setembro de 1850.
Adido ao corpo de guarnico da Parahyba, An-
nio Francisco de Oliveira Jnior, por haver prova-
do que e lilho legitimo do Sr. altores da exlincta 2a
linha. Ameaie-F4ancisco de Oliveira
Addido ao arpo de artllharia do Amazonas,
snnde Dr Fvarktn Nu- em In8|aterra de uma forte broochiles, a que se-
guio uma grande prustracao.
O ultimo bolem do medico do decano dos sebe-
ranos europeus diz que o seu estado mais sals-
ratorio, entretanto pode-se dizer que eslava grave-
mente doenle.
CoDtinuam a correr em Franca os boatos da
modficacao ministerial que tinham eessado du-
rante a discusso da mensagem imperial.
A Independencia Belga desmentindo estes tontos
considera como um absurdo, pensar-se qne o im-
perador tratava de substituir o governo, no mo-
mento em que deve ausentar-se do imperio.
A imprensa oceupa-se muilo da viagera do im-
perador a Argel, que eslava destinada para 29 de
abril.
Os correspondentes de Pars tollam de algumas
apprehensoes, e querem que esta viagem hoje de-
finitivamente resolvida tenha um carador poltico*
Mr. Lavalelte dirigi ltimamente aos prefeilos
do imperio uma circular chamando-lhes a alteo-
cao, sobre a necessidade que tem de esludar todos
os inleresses das localidades. O ministro nota que
para os interessados nao ha nteresses insignifi-
cantes, e que muitas vezes uma simples questo do
alinhamenio preoecupa mutas vezes mais o cida-
dao a que diz directamente respeito do que uma
questo de nteresse geral.
O discurso proferido no corpo legislativo por
Mr. Thiers, ou para melhor dizer a attilude que
este lem lomado na cmara, continua a ser o as-
sumplo dos coramenlarios da imprensa franceza.
'' A questo do movmeulo, saber a qual das frac-
sagem em resposta ao discurso da cmara. Mr.
Rouher, ministro, deu a entender que ta em Mr.
Thiers o cheto da opposico, mas Mr. Thiers de-
clinou esta honra, e as tolhas opposicionislas decla-
ram, que asepini5es do Ilustre estadista a respei-
to do poder temporal eslo longo de exprimir as
ideas bem conhecidas, que a oppesico professa a
osfe respeito, ideas qne foram interpretadas no dis-
curso de Mr. Emito Olivier. Algtras jornaes clas-
do Espirito Sanio, tenenie da guarda nacional da
provincia do Para' reformado era virtude da |e n.
602 de 19 de setembro de 1850.
Foi julgado inhabilitado para ser 2 sargento do
batalhao de cacadore9de Matio-Grosso Antonio An-
nibal Alves Pereira da Molla, por nao ler apresen-
tado escriptura publica de Alimentos na forma da
lei.Em 22 de abril findo.
Na mesma dala toram juigados inhbjaos
pavo1orio7a'pa,iriI addido ao batalhao de de- ^cam Mr- TWers como cheto do partido clerical,
psito, Manoel Franciscojdas Neves, por nao provar
com documentos legaes e aulhenlicos, o valor e li-
vre dominio dos bens que possue seu pai.
O voluntario da patria, addido ao mesmo bata-
mas arriscado garantir esta classilicaco, mas o
que 6 tora de duvida, que Mr. Thiers se man-
tem em opposico ao governo.
Em Inglaterra, o partido tory quiz disputar
Iho, Francisco Goncalves da Luz Jnior, por nao a"dl, mmZ .,,.. .: !.,.----o a '^Mr.. monedo Mr. Cobden. A campanha
provar que seu pai exerce emprego de considera
gao social equivalonte a de of&cial de patente, nem
o valor e llvre dominio dos bens que possue o
mesmo seu pai.
as'tropas de Corrientes
estaran no principio <*e mato perto
*ns no theatro da guerra,
pontos no visjvel ibtolto de Auossas torcas de terr a principiaran! tambe
^^MWf^se/eonw se v do segqinte trecha de u~
fa qne de Montevideo nos escrevem eom
se aproxiraava vioda por ierra ama/orea de 5,0Qtf d% f ultima hora :
Paraguayos, infamara e cavallaria.
Na vespera o Sr. Lagrana, governador da pro- 3,300 homens nossos, embarcados eos vapores A
vendo que, tomado de sorpiwa: emo fra,
" i defender uma cidada adormecida
ra mo-
(i(^aram^ipiul| paquete ioglez Paran.
30t prapf qOH^jSapo de voluntarios e se-
gunda companhia de xoavo* d Baha, e no vapor
T. Francisco 879 pags doprlmeiro corpo de vo-
luuurios da Bmiatibaco e 70 prasas avolsa g a>
Ul, 1^20 pracas.
O desembarque a^^awtMarws de PeraaarfMMa,
effeciuado no arsenal de mariaba, foi nwnsiaati
carnete festejado. Acbavam-se ornadas de bao
deiras naeiooaes e caberlas de poro asmas pon et
onde desfllou o eor.io,_a mja freate iam os irt seo
nadores mvwaej&OTiaa, baro de Papama e
ronselbeir^A^Hpaqoerque. deputades Drs.
Saldaima Mariaao elfteM Carvho, tidanie-ge-
neral iaserlao a md.tos dataos. *m"nr**
Tres bandas Aquaneliram es veinntario* : do Mira&hao; na
fortalea de 8. Jlo ; de Pafitroboco do quartel
do caaspo da Aetania{to eda Babia na Gambo.
. qtte'Mta notjcbx ehegoo a Goya, augmenf
lad at s proporc5es da' esquadra paraguaya se
atercar de Bella-Visto, 90 passo que o exercito de-
via char-se em Paladas. Sabla-se, porm,.posltl
varrlente que at a ultima data nao tinham os Pa-
raguayos sabido da cidade de Corrientes, destacan-
do abenas om "vueer par deronle de Empedrado,
sem do vida* ^'vImW wquadra brasileira.de
eaj approximacao A tinham noticia.
arralada na eapltal de Corrientes f"
ayos, i aSo efl^ctuarem nma prmffia
lo tardaViam a ver-se cortados do. resto J
cahintjo miseravelmento as
adsmos que elles ofTeaderam de
agnawfliiieo
Prl
No mesmo dia 27 seguiram para Paysand
hni vapores condosiram a reboque
e leva nma- batera completo
-ba.
onira Igual que os mes
r,~e depois de reunida mare
jusyaaa, ama de incorporar-se ao 1
A* visto, pois, do presidente aviso, e do que foi
determinado em outro de 11 do mesmo mez, devera
as juntas de sade, quando inspeccionaren! qnal-
quer offlcial ou pr&ca de pret, declarar no termo
iWpor lesoes ou moleslias curaveis ou Incuraveis
se acha o inspeccionado inhabilitado ou nao de
continuar no servico.
Por aviso de 7 de abril findo, expedido ao
commandaote em chefe do exercito em operacoes
a o sul do Imperio, mandou-se dissolver a diviso
jigeira sob o commando do Sr. general Antonio de
Souza Netto, attendendo-se que, se desta torca fizer
parto alguma pertencente ao exercito, deve a elle
incorporar-se e bera assim os voluntarios que o
,uerera, iodo o restante para onde melhor Ihes
rover.
Por outro aviso de 20 do dito mez, determi-
Taou-se ao Sr. chefe de esquadra Augusto Leverger
,. e assuraisse inmediatamente o commando inle-
deilino das armas da provincia de Matto-Grosso,
ando sob suas ordens todas as torcas existentes
mesma provincia, e fazendo seguir para esta
te, sem perda de tempo, o Sr. coronel do estado
alor de 2 classe Carlos Augusto de Oliveira,
ompanhado de todas as partes, documentos ou
aesqaer pecas oflleiaes que possam esclarecer
governo na apreciacao do procedimento deste
>iai por occaso da invasao inimiga daquella
vincia.
i- Ordeaou se a presidencia da provincia do Rie
, ffcaade do Sul, por aviso da mesma data, que fosso
empregado em servico militar, como j esleve

'
i dejwfsa taria r
.rompas e enrgicas foram as pe-
3o gobernador. Decreto* do mesmo dia 11.
No* dia 8 pela manhaa partir lambem par-
o Patona o Aniazonas, Parnahyba t itaajt, qne ha.
viam recebido 1,200 homens. O chefe Barrosa
toi commandando esta diviso, que vai augmentar
a nossa esquadra bioqoeadora.
,*Oyapock anoitecen aqal no dia27, amicii'-.
pando-se Boras ao paquete francez.
., Est recebendo carvao, e creio que condut a
gente que irouxe a Paysand. Nao desembarcoa
senao qualro doentes 1 Todos esli satisfeitos coa
dado pelo coramandante. >
escrevem A fltoaaa Argentina, com
^[06 9ttmUMSanm nasimme-
de Corrientes as 16,000 aaaaaaa, ae ans
mveram p^^our, as torcas entradas
rtontes *W*m qtt^tara invadir o Rio
.. anda, Esu oi#a bjtpotbese podemos
Us OT sega/i-jc?.
EttretantO delnvotvla o toveano de Mitre aelt-
acndindo com medidas proraptas a toda*
os ramea.do servico da guerra, e recebendo de a>*
dos os gevernadores de provincia o ais dtoMde
16. Para fater face as despaias ia a Dr. Nor-
deURfestra a Londres coniramr na-em-
graduaco de tenente, ou de qualquer outra
neira, o cidadio Feliciano Alves de Car val ho,
te tem tornado digno de consideracao.
Beclarou-se a presidencia da referida provin-
e ao commando em chefe do exercito era ope-
:des ao sol do Imperio, por aviso de 18 tambem
dito mez, haverem sido nomeados, nesia data,
para coadjuvarem ao Sr. fiscal da fazenda junto ao
asasrao exercito, o Sr. inspector da alfandega de
fafanagu, Sebastiao Marques de Souza e o Sr.
Jase Thecdoro Xavier, este com a graduacao de
e aquelle com a de major.
ates.Dos Srs.: capito do corpo de enge-
Joaquim de Souza Mursa, para director
rica de torro de S: Joo de Ypanema. -Por-
215 de abril findo.
Antonio Francisco Aras, para capello
da reparticao ecclesiastica do exerci-
creto de 15 do dito mez.
ole do corpo de engenheiros Antonio
da Mello Brrelo, para secretario interine
corpo.Em 19 do dito mea.
alumno Pedro Augusto Xavier de Cas-
[para servir do exercito em operacoes ao
Imperio, como requeren.Em 22 do dito
asignados ainda m Empedrado deram organls-i prestio, e oeste meio lempa o banco da pravin
cao ao exercito da provincia, ctwnuuwlo imasedia-1 ela de Busnos-Ayrea, algn capitalisias t toda a
lie do 1* corpo de voluntarios da patria,
idido Piquet, para capillo de commisso,
companhia do mesmo corpo.-Aviso de
I! da mareo ultimo.
Peto vapor Tocantins, recebemos jornaes do Rio
de Janeiro at 7, da Bahia ate 11 e das Alagoas
at 13 do corrente sob a rubrica Interior vo por
exteu-o ae principaes noticias; alera das quacs
apeoas encontramos o seguinte :
S. Paulo.Elevava-se 789 o numero dos vo-
luntarios alistados.
Ro de Janeiro.Regulava o cambio sobre
Londres 24 i/2 e 24 3/*, sobre Paris^82 385 r.,
sobre Antuerpia 380 rs.
As apolices geraes de 6 % toram vendidas a
94 % e as aceces do Banco do Brasil com 83000
de premio.
Sagiram para Pernamboeo : do dia 3, o bri-
gue Flamengo ; S, 0 cter Equador ; e 6, a
barca 7ot>n Palmyra.
O vapor Jaguaribe devia seguir para Per-
nambnco no dia 7.
Baha.No dia 7 celebrou 0 Instituto Histrico
0 seu '." anniversario, presidindo sessao o Exm.
e Revm. Sr. arcebispo.
O cambio regulava : sobre Londres 24 3/4 e
25 d.; sobre Paris 375 rs.; sobre Haroburgo 675
rs.; e sobre Portugal 98 102 %,.
Sahiram para Pernambuco, no dia 6, as es-
cunas Georgina e Eliza.
Sergipe e Alagoas.Nada occorreu, digno de
mencao.
Temos a vista cartas e jornaes da Europa, trazi-
dos pelo vapor francez Peluse, com dalas : de
Hamburgo at 21, de Paris e Bruxellas 24, de
Londres 23 e de Lisboa 29 do passado.
A noticia que maisjnos impressionou d'ente as que
recebemos da Europa neste ultimo paquete a do
desenlace que actualmente vai tendo a questo
americana.
Nao se conhecem os pormenores; mas antes da
lomada de Richmond, o general federal Granl, cer-
cara a ala direito do exercito inimigo, apoderndo-
se ao primeiro movimenlo do caminho de ferro que
une Pelr.'burgo e Danville, e obrlgando por meio
desta manobra as forcas confederadas do comman-
do do general Lee a evacuarem as posiedes que oc-
cupavam.
j) corpo de cavallaria do general Sheridan con-
curren mallo para ete resulttado. Empeohou-se
ento uma sanguinolenta batalha, que deixou Lee
n'uma posicao desesperada porque cercado por lo-
da a parte Acara completamente privado da com-
munico, e por consequencia dos meios de occor-
rer aos seus provimentos; o que obrigou o gene-
ral confederado Lee a render-se com 25,000 homens
do sea exerciio.
Os oflleiaes e soldados do general Lee torara au-
tonsados a retirar-se para suas casas, e os oflleiaes
a conservar as suas espadas.
O presidente Lincoln mandou suspender a cons-
cnpcao e o reerntamento, a que se estova proce-
Capitutou Lyncbburg O presidente rede-
dea do.
IN0*. f batolbo de infamarla ***,' SaZftJSSaV. cSst'dpa?!
eleitoral Ii
um choque para o partido tory.
Os eleitores de Rochclale elegeram a Mr. Plter,
com o successor de Mr. Cobden. Mr. Bright, que
advoga a poltica coraraercial de Cobden, patroci-
nava esta candidatura.
Vai-se abrir era Inglaterra, por iodicaco de Mr.
Gladostons e de lord Palmerston uma sobseripcao
oaciooal a favor da viova e filhos de Mr. Cobden,
em prejuizo da penso que o estado Ihes cooceder,
diz-se porm que o fallecido estadista prohibir a
sua esposa acceitar do goveroo qoalquer remune-
racao dos seus servicos.
Na cmara dos deputados italiana terminou a
discusso sobre a questo liuanceira.
Sobre o protesto dos possuidoresdos timlos de
emprestimo Hambre, a commisso manifeston
unnimemente a opinio de que se nao podia duv.
dar da boa f e da lealdade do governo, e que a
venda do camiuhos de ferro nao diminua, nem
violava nenhum dos dlreitos dos possuidores dos
ttulos de emprestimo. O ministro da fezanda sus-
lentou que o governo linha direilo e necessiiava
vender os carainhos de torro a uma sociedade j
constituida, e que o engrandecimenlo do remo nao
permitlia a concesso a uma sociedade nicamente
das linhas de Turin, Genova e Arona, e que por
conseguate o emprestihio Hambro oo podia ser
convertido em acedes da mesma sociedade j cons-
tituida ; declarou todava que os possuidores dos
ttulos do emprestimo podera pretender uma 0-
demnisaco recorrendo aos tribunaes, mostrando
que o governo ha de otedecer s sentencas dos tri-
buuaes; e sustenlou que nao havia lesao de direi-
tos, e que o ministerio julgava que a votaco do
contrato de venda muito podia prejudlcar o crdito
publico da Italia.
Sendo esto quesio considerada como uma ques-
to ministerial, Mr. Ratozzi reuunciou a palavra,
sendo o projeclo approvado.
Come$ou logo depois a discussp do projeclo da
suppresso das corporac,des religiosas; sendo adop-
tados pela camara os artigos do projeclo ministe-
rial.
O senado rejeitou o projecto sobre a abolicao d
peoa de morte.
Houve ba pouco em Roma um cooflicto entre
o cardeal Antonelli e o ministre inglez n'aqoella
corte. Por occasio de urnas corridas de cavallos,
Mr. Spiers, que montova o cavallo do principe Du-
rin, appareceu com uma roseta tricolor no braco-
verde, branca e encarnada. Assim que appareceu,
leve uma ovaceo plena, oque se traduzia n'uma
manfestaco italiana. A rainha de aples leve o
bom espirito de toser eom qtie Ihe fosse apresen'a-
do o geniletnan-rider, e olTereceo-lhe um bouquet;
mas, Mr. Maitonsi, governador de Roma, consul-
tando cora o cardeal Antonelli, expedio uma ordem
terminante para Mr. Spiers sahir de Roma em 2*
horas. Nessa noite expedio-se por toda a parte um
convite a lodos os subditos ingleses para se leaoi-
rem era casa do cnsul, afim detomarm uma deli-
beraco contra aquella ordem, e dizendo que o cn-
sul, Mr. Rapell, seria incumbido de fazer conhecer
ao governo romano a deliberacao tomada pelo mee-
ling, e que, se este fosse prohibido, a quesio seria
entregue ao arbitrio do governo ingles. O gover-
no romano propoz o seguinte accordo : que Mr.
>pers sahiria de Roma, podendo regressar 24 ho-
ras depois, nao se verificando porm o nueting.
Lord Vane, eome represntame dos subditos ingle-
ses, recusou a conciliago. O cardeal Antonelli sa-
tistoz completamente eom as expicacoes dadas por
Mr. Spiers, e retirou a orden expedida.
\

ILEGVEL


!> i oiir t^B^wn *et*drt fmmt*tf%m*+$ivim
O capilo italiaao, eoodVBraudolrol, qae ero Ro-
ma a-sisiiras celas da Paschoa, fo intimado pela
uocia sahir da eidade immediatementt depojs
5 corridas de.oavaMos,.diende que awaton-
sacao s'fdr ince4Mvpa.*aistH; a.aaa;cor-
a qoestao dos ducados aoba-se no me* mo es-
nn O**'11616 Kt"*co pe tev.twtlcia
L ordendo 0**.00 P>ss para a transfe-
rencia dos estaV^lecimentos martimo* da Daatrig
rara Kiel eocarriv',B representante, o conde
de Karolv, de offerecer ;e9to' respailo as-eonve-
nieoies c'onsideractes s *" de Bieroark, declaran-
do que se nao rerogassnr atraes ordene, a Aus-
tria protestara solemnemente contra un medida
attentaturia dos seos dlreitos, como potencia que
lambem t-rn parte nos ducados.
Mr. de Bismark responden s ohserra^Se do
represen'&ute aostriaco, que a medida que se tra
lava era urna simples transferencia de Torcas, au-
torisada pela occupacao-e deeza dos dncados; qne
lano em Vienoa como em Francfort, se hara ad-
mitido o direito que a Prussia tinha de possuir
Kiel, ou pelo menos de estabelecer ali a sua mari-
nha militar.
0 representante aostriaco observou anda que
semelhante combinaco se nao poda comprehender
u accordo geral em relacao ao Begocio relativo aos
durados, e que a posse definitiva de Klel, prodo-
lindo a questo de soberana, se nao pedera ad-
miiiir.
0 representante (austraco declaroo que se a
P.ik-u niio reronsiderasse, nao deixaria de sob-
melter o seu protesto em norae do seu governo.
Esta atlitude do governo aostriaco parece ter
osppndido um peuco a poltica prossiana ; mas
jjr. Bismark nao descansa do seu proposito, e pro-
cura distrahir as opioloes, dirigindo urna nova cir-
cular aos seu* agentes na Alternaba acerca da
ultima votacao da dieta.
Mr. de fi'smark qoer proirahir o negocio, pois
nao deixando de .-ostentar os seos anteriores pe-
didos, da clarrroente a entender que o governo
prussiano estiprompto para tomar orna legitima
dtfeza c tura as intrigas movidas pelo duque de
Auftostemhnrgo.
Parece que a Austria tenciona mandar para
Kiel os seus navios de guerra ; este passo consi-
derado como ama demoostraco contra a poltica
seguida pela Prussia, mas dovida-se moito que
a jiielle impeno tenha a forca de manter ama atli-
iu le forte contra as preteocoes de Mr; de Bis-
mark.
O exercito inglex na India qne combata em
'ootao foi abrigado a evacuar a fortaleza de
Dewaogire de que se havia apoderado. O gover-
nadnr do Caar mandoo promptamente retornos
para o theatre da guerra.
Os rebeldes da China coahecidos com o no-
me de Mahometanos tem alcancado rpidas Tanta-
sen?, e haviam-se apoderado de Tengchang, capi-
i:.l de um dos districtos situados no grande canal.
Os insurgentes, conhecdos rom o nome de tae-
(.._-. que se julgaram eatraquecidoe depois da to-
mada de Nankinp, appareceram novamente com
I ras muito respeitaveis. Praticam muitas de-
vas'taroes e assassinatos, e sao tmidos em todas
as novoarSes por onde atravessam.
Era forli simo em Hespanha a opposicaO|
rvotra o ministerio Narvaez, sobre todo por parte
da imprrnsa. as provincias 25 jornaes comba-1
tem a poltica do gabinete, juntos aos da opposico j
em Madrid prefazem ao todo 45.
Yum s dia foram denunciados 22 jornaes.
O governo insista ero governar, apezar das roa-
nifestiiccs da opinio publica.
Alm das medidas preventivas tomadas por oc-
casiio dos tumultos de Madrid a 10 de abril, exis-
lera columnas volantes, concentram-se tropas na
eapilal e outros pontos e principiam a reslabele-
eer-se as pracas e fortalezas.
Aos governadores militares tem-se recommenda-
do a maior vigilancia.
O Sr. Emilio Castellao foi suspenso do exercicio
universitario por um decreto publicado na folha
i ffi.nl hespanhola de 22 de abril. Aquella exo-
neracao produzio grande irntacao nos nimos.
A lula dos partidos chegra ao maior extremo.
O rgimen contra a impreosa cada vez mais se-
vera a ponto de ter pedido o mz encarregado da
censura, a sua demisso. Este protesto parece
nuiiio significativo.
Km Sevilha, Barcelona e Saragoca cansava se-
n s recelos a disposi^ao dos nimos.
Grande n. de lentes da mversidade de Madrid
tinham pedido a sua demisso. as outras escolas i
e academias tem os cstodantes feiw Igualmente os
seos pronuncamelos.
Na sessSo de 21, foi o governo interpellado sobre
os scoulecimentos do da 10.
O Sr. tionzales Bravo, ministro do reino, respon-
deu que o ministerio aceitava a responsabilidade
dos tactos occorridos no dia 10, porquanto a maui-
festaej) dos estudantes occoltava urna revoluclo
que atacara o throno e a dymnastia hespanhola.
Uizia-se que n'um dos ltimos conselhos de mi-
nistros se concordara em que neste anno se nao ce-
leliras.se o dia 9 de maio, anniversarlo da inde-
pendencia daquel le paiz.
O ministerio constava, lo obstante, com 160
votos na cmara contra 90.
As complicacoes do ministerio, nao sao nica-
mente polticas".
Fallecen em conselho o ministro Alcal Galiano;
ltimamente havia adeecido odtro ministro, o Sr.
Benavides quando eslava em despacho.
Os Srs. Seijas e Balda tambem estavam doentes.
Etn> retes se espalhra em Lisboa que a revolucao tinha
Qnvamente rebentado em Madrid.
De Portugal consta que as cortes do dia 24 de
abril se tinham reaberto para acabar nessa o ad-
di.imenlo. A scisao qoe lavrava na maioria, a
ubrigar o gabinete a propr cora a dissolu^ao.
0 re de portugal, S. M. o Sr. Luiz I, la rece-
ber a ordem da Jarreteira no dia 4 de maio, para
> que j se ac.hava em Lisboa lord Sephton, como
embaixador de S. M. a rainlia Victoria para esta
solemnidade, aitn de um numeroso squito.
I'rogrediaro as obras do palacio de chrystal no
Porto, para a prxima exposigao universal.
As eleicoes supplemeotares para deputados ti-
nham sido feitas no dia 23 de abril com toda a
tr-nqoiltldade.
a*Z.****** WB^ioifio OHlsraites nota* do
governo, seaviria que se determinasse a que serle
erteaceta ellas; pota poocos podero saber qoaes
ellas sejam seo esta deaignacao. m
nS". V TfVM!f vei0 d* BaWa o insigne rebe-
qsia hraaileiro Francisco Muniz Barrete com o
miento de dar algn* toncerios nesta cidade, qoe
poroertq^|Nreelara.devidaraeBte a maestra do dig-
no bahno no instrumento, qae celehrisou a Paga-
0 Sr. Manit Barreta estodoa em Pars onde ja o
seo genio se distingua de modo bi libante e entra
nos cao tem desmentido o concert que Ibe creon
v t!Bto *lta capiul.
a Bahia den algon concertos com applaosos
geraes, e na corte teado permanecido por espaco
uS oons annos, atri sempre exhibi as provas mais
exuberantes do sea mrito artstico, recebondo
tambero as demonstrares mais vivas de apreco do
poblico fluminense.
Podemos, por tanto, angurar ao distincto rebe-!
quista bahiano qne nos,' nao menos enthosiastas
que os noesos irmfios do sul, o havemos de apre-
ciar como couvem ao seo mereeimento.
L-se nos Jornaes de Poriogal, ero referencia a
soas altezas os condes e a condess tt'Eo :
A princeza do Brasil e sen augusto esposo, de-
pois debaverem visitado.'todos os districtos mano-
faetoreiros e os mais notaveis eslabelecimentos e
fabricas, deixarara Inglaterra no dia 17.
< No dia 14 furaro soas altezas despedir-se da
rainha Victoria, ao seo palacio de Windsor.
i No dia 18 chegaram a Broxellas. Suas altezas
foram esperados pelos duque e doqueza de Bra-
bante, e pelo conde de Plandres.
A princeza Imperial tem sido muito estimada.
Vef-lade que este mea ftitaito encargo, te* raSi ji-prkVKSi9tt (sedi dttvMa i da kblacao
de ser P^? moitos Julgado noaciosn, mrmente'prepucio, e a abertura da fstula qae tenda a fe-
ero tempo? calaroitoeo, ero que a ermKpoitama das har;, seguir-se-ha a extraerlo da pedra, o qae tere
austera* InvOfte todas as ooosas, todo cenfond, iBfar n*dia ja designado, restando depois de cica-
at" os egos cen os que o nao sao, resoMimJo| Irisada a ferM em'ua mxima extensio, o reua-
desl'arte, para torpor da? waaclenciav (jue- em lo- belecimeato da orethra na-sua parle crin la ahite-
doaos lagos aoeiaes sobreaaden coreo qw, alias' roda, atroeote a uretroplastia opnlra a perd*
por seo proprie peso, estariam seinore'n* profua- i de substancia que se apresentar. Dest'arte, 6 pro-
de, a nao ser a impulso inversora da natareza das vavel quaedoente se restabeleca em pouco temoo
coosas. | no sbffriaVfca^era^es a qun dever a sua
Nao obstante cumpra-se a jura proine|tid*; ,cra radical...... Oh I quanu sabedoria e prati-
o erro seja sempre combatido como erro, i oslen- ca assenfadas por essas aas ultimas palavras I..
tosa ignorancia como igaoraocia ostehtativa. jobre Cumpre'i'lirjta las, sem demiivi,^eno urna orna
elles iriumphe a soberania da setnela, da cjiij- i ao raencri as e*neiaes
sciencla e da verdade, por toda a parte, a todo Esta at ztf alcance do boro senso o qae a prati-
cuik), al que de urna es desappareem essas ra- ca, Tpathologia, 8 i drorgia eosinam que se faga,
laeachetas, que em lugar de polido ouro, tanto io- i em primeiro lugar, em doebies as clrcumstaDcias
eulcam os ouis pernieioioj" jollheiroi do roeio de Jtalrjni 'M^riotio. ITma pedra exista, ou roes-
social. mo muitas pedriohas reunidas, como nao raro se
Entretanto, nao possaro essas minhas ideas ge- tero visto, na parte iafero-posierlor e dlrelta do
raes ter applicaco ao Sr. Dr. Moras* Sarment, escroto: eslapedra era todo caso era'UM obstculo as
seno na parte relativa aos erro* crassos qae coro- tentativas e manobras do catheterismo tanto que
metiera; com tamanha ostenlago ; e nanea ao que obslou a qae o Sr. Or. Moraes Sarment peaetrasse
I orethra, para irse a betiga teui de ser perroitido i
a espaco, comprehenilidu eotre os dous ditos orifi
^es, que mais ou meaos' eltenso conforme sua '
direccao e tortuosidade. i
Claro po' tanto, urna vez qu- sd'fac a devida i
applicaco ao caso vertente, qoe, ai dialcilliJadee
enceoiradas pelo Sr. Or. Moraes Sarniflrto ow ea- i
tlrderismo felto pela stula, com o fltn de t ibe-\
xiga, foram devldas, ao menos em grande parAv a '
resistencia das paredes da fistola arethro-esponjoa,'
qae alias estar em raminho de desapparecer, par
terem as ourinas encontrado sahida quasi que ex-
clusivamente por urna das ootras ; roas que o refe-.
rldo Dr.Teaovoa e dilatou al chegar a orethra e '
de l bexiga; atlnboiod>) ao depois taroanhas dif-
ticuldades ao aperto da parte curra da orethra,'
qaando foram ellas deridas, como hei dito, a resis-
tencia das paredes da Asala.
O seguate preceito, escripto^e apr,egoado por'
um dos mais modernos e habis cirurgles fran-
ceies, acerca da iairoducco das sondas na bexiga
pelas fstulas urinarias orethraes, nodeixa de ter
vttitftiittf tanto
. ennna aoque odsiou a qae o Sr. r. Moraes Sarment peaelrasse!aqai a devlda applicaco ... La sonde intraduite
toca a sua digoidade pessnal, porque essa respei- a bexiga'pela fistola qae dava passageui a maior, dans la vessupar 1$ perinea vresaue touwurs t
]^eU^x(^!^^^^^^^ae'^r^,^t0,^:-t- ^f Pediera aioda orna ca-1 impussanie; elU ne prodnt aucun chngement
neata nMnhacoa^an^^^Ba^aTOrareltMiasd pa- sa irritante e permanente dos tecidos molles mais i dans la forme el dans la texlurt de* crs conduitrs
larra do qaedisse dSr.'BA Maraes Sartwato em ou manos conligoos a orethra,do propripescroto\antrrmaux. ... E quando o autor diz dans la
sua expoBicio, como nao descerei a combate-lo f dentro do qoal ella se achara incravada,;entreten- vessie par leperme nao excloa por modo algum
as fstulas, que se rae abrir no perineo e cojo orifi-
cio Interno existe na poreso bulbosa oo membra- i
ra da coosciencia e dos principios mais rigorosos | do necessanaroente as alleracdes roorhdas prove-
da arte. | mentes da rotura da aretbra e da slphilis; por
O acta que motlroa o uommunieade qoe, sem consegolnte, essa pedra deveria logo e loao ser ex- nosa da arethTaVaconirario,%l7"eos1de7a'corao
dorida alguroa, foi elaborado pelo Sr. Dr. Sarroeo- (tranida por meio dessa apregoada operacao, marca-1 causa mais freqaente das fstulas urinarias peri-
to, e estampad* po Otario de 4 do correte, o se- da para o dia 6 d corren!e, e que em nada mais' neaes a rotura oa perda de substancia da porcao
guinte, que passo a expor, antes de sobre elle fazer consiste do que em urna simples1 inciso, asss ex-! membranosa ; e qaando tambem diz oue iraio
Bastantes jornaes failam da sua nolarel iusiruc- Hiwo,de W-aanos de'jdade, ttotrou-parif hesp- seatido vertical, ero o poni da r "'responden-
cao e da agradarel orbanidade das suas manei-
ras.
O vapor inglez, portador da mala de Sou-
(hampton no correflle mez, o La Plata.
Consta-nos qne foi apprebendido, pelos guar-
das da aifandega destacados no quarto posto fiscal,
tres bahs com cigarros, que um individuo preten-
da passar por alto, sendo a presa remettida re-
particao competente.
Kepartiqao da polica .
Extracto da parte do dia 13 de maio de 1865.
Foram recolhidos casa de dotenco na dia 12
do corrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Cy-
pri mo, escravo de Joaqoim de Altneida Pinto, sem
declaracao do motivo e posto logo em liberdade.
A' ordem do svbdelegado do Becife, Migue^' An-
gosto Fernando e Luiz Vicente Pinto, para averi-
guares sobre crime de rubo.
O chefe da2'.seec5o,
J. O. deMesquita.
Casa de dktenqao\ Movimento do da 12 de
maio de 1865.
Existum presos 359; entraram 5 ; sahiram 9 ;
as devldas- eei
Bin*%)len,*
tatde cartdade* ncniiariMiratTrfr prcrmirpaisa
do, declarando qoe ha 27 annes Ihe apparecera
ama blenorrhagia, vulgo purgacSo, sem duvida oc-
casionada por cotto impuro ; que desse mal nao se
tratando convenientemente, oa nunca se tratando,
proreio-lhe urna urethrosienia ou aperto ureitiral,
a ponto de difflcultar-lbe a excrec^ao das ourinas,
occasionar-lhe dores, tenesmos vesicaes, etc. Que
ha dous aonos, porm, no correr dos ditos solTri-
iremos, de repente a oorina sahira-lhe pelo escro-
to, principio de mistura com pus e depois cada
vez mais lmpida. Sendo eert que do euto ate
boje, s oorina por essas aberturas, e que, ha ura
anno, pouco mais ou menos, comecou a sentir no
mesnio escroto om corpo doro e resistente.
A esta historia contada pelo doenle, e qoe se nao
pode com fundamento dizer qoe nao exacta, soc-
cedeu logo o exame do Sr. Or. Moraes Sarment,
que deu em resaltado o seguinte adiado : Phi-
mosls consideravel ou conslncgo da abertura do
prepucio adiante da extremidade do penis, que oc-
cnltava toda a gland e permitlia apeuas o gotejar
- a.^^ : ,enu*a. para dar P988'0 a o pequea pinga o tente; apezar de ter penetrado bexiga, etc., para
raaopardi>, sabida ao corpo estranho, prati-ada, porm, no mostrara ideonreniencade orna tal pratica.
que. as mais das
te ao mesmo corpo estranho.
Acresee-ao que dito flea,acerca da accao irritan-
te do calculo crarado entre ostecidos vaos e mr-
bidos, que este calculo poderla al servir d esior-
vo ao caiheterismo oecessario a abertura d ure-
thra, pelo desvio provaval por elle dado ao canal,
tanto aceideolalHfeule as manobras do catheteris-
mo, come pelo volme em relacao aos tecidos.
Mas o dr. Dr. doraos Sarment, sem duvida enn-
Compre mais notar, que, as mais das vezes a '
diffleuldade, qoe encontra o caiheterismo na curva
do canal arethral.nas porcoes bulbosa e prostatica,'
quando om desenvolvimpnto mrbido da pros-
tata oo nao existe, ou nao muda a direec' na
toral da orethra.e que as ourinas ebegam livremfQ-
te ao exterior mediante ?s Astutas, como no pre-
sente caso, derido a nao poder o instrumento al-
canzar a contiooidade do canal no ponto rompido ;
e nao por qae a urethra nessa parte esteja, cerrada
rielo de soa aotoridade para as boa* innovares, a nao poder ser tenteada.
segoe rumo direrso; e antes de excisar o prepucio,
por esto, alias fortemente cerrado de modo a 'cons-
tituir urna phimosls completa, tenia penetrar a ure-
thra, por seu orificio externo, mediante tenues al-
galias, nao obstante a probaWlidade, por elle pre-
vista, de estar a ureihra obstruida por callosidades
e perda de accao por longo tempo; e como nao
cousegoe a introdueco de algum desses delgados e
tenues instrumentos, excisa o prepucio e descobre
a glande, reconhece a conglutinado do meato uri-
nario, a probabiiidade de ser ella extensiva ure-
thra at sua curvadura.
de algum pus por ama dimiaotissima abertura no E nao tendo aberto o orificio ureihral nem raes-
prepucio : nodosidades em moitos pontos da parte mo nelle locado, esqiiectdo de qae maltas vezes na
EiAiMiaui incala os, ciiiididiu o 34>iiu(iiii v k,diju,'iu ? "vwwn**"*"' -" Kv...^^ ... r..... ..- uw..^ ,w, .-., ,..,,...,,., uo ^Uo "">' 'ctw.Hs sus, upericHo, ainO, para cuia exe<
existem 355,asaber: nacionaes 261; molheres3, inferior do penis no trajete da urethra ; orna tls- pratica se tem observado qae pode o orificio estar doa os collegas, marcando dia e
estrangeiroe 32; molheres 2; escravos 51; escra-1 tula oa uoiao do mesmo penis ao escroto, com al- conulutinado sem que o esteja o resto da urethra, ter feito o que nao devia; em
vas 6 ; total 355. guma perda de substancia ; um calclo duro na apesar de- por fra se notarem nodosidades, volta '
Alimentados custados cofres proviaciaes 119., parte inferior do dito escroto, do Uda direito, o de romo, nao para extraftir a pedra e esperar ao
Movimento da enfermara do da 13 de maio
de 1865 : SfiB
Tevebaixa :
Joaqoim Bodrigoes dos Passos, febre beliosa.
Passageiros do vapor fraocez Pelase, sahido
para o sul :
Comingio Cagliano sua raulher e 1 filho menor,
Dr. Francisco Gome3 de Moraes, Or. Ernesto F. da
Silva Tavares, Dr. Amtrozio Leito da Cunha, Dr.
Francisco Carlos Brando, Jos P. Ribelro G. So-
brmho, Dr. Joofl. Bezerra de Meaezes e 1 criado,
qual, por urna das fistolas disseminadas nesse lu-
, gar, ple fcilmente por elle assistente sur tocado,
j com orna lenta, e seguido na extensao de urna
pollegada ; ocurso das ourinas. tendo luqar quait
que exclusivamente por urna das/Ululas mais em
! contacto com o calculo, tendo sido por isto mais ou
menoo obliteradas algum is
mesmo assim, callosidade na
croto
Acresce ao adiado, que ao Sr. Dr. Moraes Sar-
das outras; e alinal
parte inferior do es-
menos a cicatrfsacao da
c.ao do prepucio, para
mo encelado, se
o encetasse, e
mas.... para (
fstulas urethro-esi.
urna por onde padb.
xigal....
Nada consegaindo nessa sua magnifica tentativa,
porque, segando afflrmoii, a pedra o impedio, d
a resultante daabla-
) regra.o calnelens-
de.dizer que elle
ira regularmente;
. latear urna das
is ellas, ale adiar
udo-a, ir a be-
. ment parecendo qae em taes circomstaucas, a de mo, e vem ter fstula cora perda de substancia
Dr. Joo Silveira de Sooza e 1 criado, Dr. Caetano I primera tentativa devia ser o caiheterismo expo- : eu que se achava mais prxima ao penis; e alii
X. Pereira de Brito, e 1 criado, Dr. Jos Leandro
Godoy de V. 2 criados, padre2 Jos Brrelo do V.
Jos Mara da Conceicao, soa molher, I filho me-
nor e 1 criado, O Mara Francisca de- Carvalho, 3
filnos menores e 1 criado menor, Pedro Bartholo-
m, Manoel da Costa Ferreira, JoannaEofrosina e
Isabel, prelas forras.
passageiros de vapor braslleiro Parahyba,
sahido para Fernando :
Henrique Jos Vleira da Silva, Feliciano Jos
Machado, Umbelina Mara de Jess, Jeronyma Ma-
ra da Conceicao, Francelma Mana da Conceicao,
Leonor Maria da Concedi, Manoel, escravo de
Mara C. B. Doorado, 10 seo (enriados e 20 pravas
de polica.
Passageiros do vapor brasileiro Toeantins,
vindo dos portos do sol :
Capito Mathias Vleira de Agoiar, Manoel Igna-
cio de i Hireir Jnior. Ricardo Pereira da Cosa,
Fraocisco Mooiz Brrelo Juoior; Julio Figueira,
Africaoo lirre, Jos Ramos das Neres, Jean ierre
Maurille, Aurelio Soares de Albuquerque e 2 Qlhos,
Cnetelo Amancio dos Santos.
Seguem para o norte :
Tenenle coronel Jos aues de Mello, capitao
Antonio C. Trarasso, o 1 um irmo, Candido Jos
A. da Fonseca, Antonio A. de Luna, Joseph Michel
e 1 criado, Samuel Weil Cernan llun e 1 escra-
vo, Joaquina Mana da Conceicao Rocha, Alfonso G.
de Mallos, Jos Baptista Rodrigoes, 1 guardiao e 1
corneta.
Passajieiro da Bahia : Joao Barbosa Franca. -----
Passageiro do brigue brasileiro Flamengo.
entrado do Rio de Janeiro : D. Anna Mara da C,
Ferreira.
Passageiro do vapor francez Pe'.use, entrado
dos portos da Eoropa : Norat Isidori.
O.MITBRI0 publico. Obituario dodia 12 de
maio de 1865.
Francisco de Paula Correa Lima, 46 annos, soltei-
ro, S. Jos : tubrculos pulmonares.
Manoel, Pernamboco, 2 annos, S. Jos ; in'.crite.
Thomaz, Pernambuco, 16 mezes, Boa-Vista ; va-
rilas confluentes.
Minervlna, Pernambuco, 7 mezes, S. Jos ; inten-
te aguda.
Mariana, Pernambuco, 7 mezes, escrava, Boa-Vis-
ta ; dyanha.
Jorge, frica, 30 annos, solteiro,
Antonio ; hepatite chronica.
rador, depois de t lo einpregalosem proveilo, por
ser-lhe impossivel a introdueco dos>inslruin"iitos,
e de-haver descooerto a jlsnle por meio da exci-
so do prepucioencontrn o meato urinario, ou
o orificio externo da urethra, completamente obli-
terado; concluindo d'ahi que a totalidade da ure
thra, ou quasi totalidade, estara do mesmo1 modo
completamente obliterada-, sendo que sobre a glan-
de existia de mais a mais urna ulcera. Portante,
em resumo, temos o enfermo Antonio Mariutio, sof
freudo o tegointe :de urethraphraxiaou-obstrue,-
Cao mais ou menos completa, senao di totalidade
da urethra, ao meaos de grande parte, a corae$ar
da curva do canal ao meato ou abertura externa
urethral inclusive; urna fstula com perda d: subs-
tancia na uniao do penis com o escroto, chamada
orelhro-escrotal; varias ootras fistolas tambem
orethro-escrotaes do lado direito iofero-posterior,
sahiudo por umadestas quasi toda a ourina; mais
urna pedra, ha um anno, formada em um dos tra-
lida e forceja pararaao ser vencido, al que sempre
rence-; isto av.untando abre uma.Gstola que
tenda a fechar,! diljia-a at ch gar a bexiga, e
nella penetrar urna algalia n. 6.
Aps o que exclama; eandicSo essencial de cura
para o doente.
Eis aqui fado!
.....Meo Deus, como se fazc-m e se escrevem
taes coasas, nesia trra onde ja reflecte tanta
luz !?
...E, a este delicio'de lesa-sciencia, appeliiJa-se
secunda operaeo.
De raaneira que, segundo o principio do Sr. Dr.
Moraes Sarment, dando se em urna mesma ure-
thra duas ou tres obslniccoes, com roturas, fstu-
las, e espacos intermediarios estrellados, intervindo
o cirurgiao por meio do catheterismo, ter pratica-
do tantas operacSes qoantas forera as porgoes di
uielhra dilatadas, cada urna por sua vez I
Sem duvida, foi fundado em tal priucipio, que
jectos fistulosos referidos, e sita ao lado inferior do o Sr. Dr. Moraes Sarment qualificoo de segunda
escroto ; e emflm, constricciio do prepucio ou phi- operacao, entre a< cinco projectadas, o espago per
moss completa, cobrindo
por sede a glande.
De feto, a syphilis havia corrompido quasi todo
o apparelho sexual do pobre homeml Caso porm
qne nao raro, e qoe tem sido observado muitas
vezes nesta capital. .
Mas, o que fazer em taes casos ? Qual o plano de
(ratamente mais conveniente? Qual o prognoslico
firmado no valor reciproco dos syrriptomas apre-
sentados, e de cada um em particular ? Praticar o
que pralicoa o Sr Dr. Moraes Sarment, pronosti-
car cuuiu prognnsMcoo elle ?...
A licao que a isso o levou. uau ^ojo aii
ser proficua, por infundada, perniciosa e arbi-
traria.
orna ulcera, qoi uoha *-Corrido por elle entre essa fstula e a bexiga; o
menor provavelmente' em rela'cao ajollldade da
urethra ainda nao desobstruida.......'............
Ah! Benserat, lenserat: ---- s aqui cabem
beni leus verses:
(jrand savanl el grand medecin
Quel gente esl gal aa votre ?
Se nao havia relencode ourinas, se sui emlsso
se fazia sufflcientemenle, bem que sob as icis da
n..r....i. ido, |.oio ii.-iiii.i- vismhas a pedra, e
principalmente f or urna deltas; se, o eatheterismo
pelo'orittciodrgtand'e flao tinha ainaa sido mesmo
de leve executtdo, depois de ^i estar a glande des
PERNAMBUCO.
B8VI8TA DIARIA.
L'm despacho telegraphico da agencia Havas, da-
ta lo de Madrid, 28, as 5 horas e 10 minutos da
tarde, expedido para o Jornal de Lisboa, com refe-
rencia a oolro de New York sem dala, noticia :
w o ministro Seward evitara a morte atirando-
se tora do leito
G0MMNIG1DGS.
E, a proposito do plaoo dado pelo Sr. Dr. Sar-
ment, e de sua bella execufao, de passagem dire coberta; e, se ainda nao tinh i'sido julgado impossi-
aqui orna verdade, e a seguinte:Que farejar as vel, pois que dsse o Sr. Dr. no fim da historia o
tumbas, no proposit, alias vo, de por meio do seguinte................ R-slando depois de
ideal, transportar os mais ptridos e mirrados cor- j cicatrtsada a fenda(a resultante da pedra)
pos posteridade, sem duvida tarefa menos dif- : restabeleamento da orethra na sua parte ainda o
licil, mrmente se .empreza lga-se um pouco de hliterada.............................. Dest'arte
habitidnde no sacudir do p das roupagens B dos provavel que o doente se restabeleca em pouco
vermes, que sob ellas os devoraram; do que d esc re- lempo >; se havendo probabiiidade da olililerarao
ver no horaem vivo os solTrirmints profondos de completa, esta eslava toda'da parte da porgo
soas carnes, desenriar lodos os enlaces, penetrar o membranosa da oretlira em direrjio a seo orificio
acert das indicares, urognosticar todos os resol- externo, e no ao interne-ou vesical, por Isso que
escravo, Santo lados benignos e os qoe sao fataes, sempre de mo- se as ourraas eorriam com franqueza pelas Hstulas,
i do respeiloso para si e para a sciencia. porque havia passagem na porcao vesico-bolbosa
Em verdade, o Sr. Dr. Moraes Sarment andou oo esponjosa da urptbra e'sempre mais ou menos
S5!=^^ bem, mal-avisado, quando, as circumstancias era larga.......comique Om, e debaixo de que pre-
i qoe se achava o doeote, precedeo como se vai ver.' ceitos penelrou o Sr. Dr. Sarnieotp a flstala, a
Diz elle : Nestas circumstancias pareceii-im abertura urethral anormal ate a bexiga, quando
0 Sr. Br. Moraes Sarment e o sea envite de 4
do corrente, feito por este Diario, acerca de
um doeole de listulas urinarias, recoluido ao
hospital de caridade desta cidade.
O Sr. Dr. Moraes Sarmenio, sempre muito bem
ligado por beaeficios. esta porcao da ho-
manidade, pleno de talento e profaodos conheci-
mentos medico ctrurgicos, como de si tem dado e i
contina a dar lio bella copla, acaba de levar a
estampa no Diario Ae 4 do corrente ora facto dioi-
co, por baixo do qoal se assigoou, e que diz ser
raro e curioso na ordem das enfermidades ; e nao
No tomo 4o da BiHioHca do Medico Pratico,
assim se exprime Fabre acerca da nrethroplastia:
qae a primera tentativa der.a ser o catheterismo essa fstula tal vez a mais diilicil de cura por ser e e J^^"^"",?^1*^^
explorador, para proseguir na descoberia de certas tamben, a mais curta, a menos tortuosa : quando feP" team ftSS^! oa^ na comTtabios
lesees possrelse outras pro va veis, rodas as mi- certo, e todos os praticos antigos e modernos j dentemnte ao contacto da our.na com os ramos
nhas tentativas foram baldadas, sendo absoluta-affirmam, que um P^d" dve ter logar d> ^
mente impossive a introdueco na urethra de qoal- tornando se impossivel, apesar de todos os meios veipeau. tiom. w,wj[ ""* .
quer instrumento, por ouis tenue que fosse Resol- \ conhecidos, o caiheterismo I regalar ou abertura I 'rentos de an^^^^^^"'^
vi entao descobrlr a glande por meio de urna in- j urethral pela extremidade da glande, e dadas as omm* ^ -^7 a ama o ra. de urna
ciso do prepucio, para melhor apreciar e remover! circuinstancias cima mencionadas 1...... 22-3- (lil ,.r a cura em ceral
E praticando o Sr. Dr. Sarment o que acabo de Lgfda de substancia qnaIquer, a cura e em gerai
expor, de fado nem um resultadoobteve quando!de urna extrema diffleuldade .................
abri e dilatea essa fstula por onde j nao corra .g ab|ix0 de9Sg res0pitvels opimSes. e=t tam-
oorina, apesar da perda de substancia, ja aaencio- bm ^Ami ra,iCi, minha prnprh, na qnal tendo
nada; porque nao coasistlndoo grande mal da ure- nt)Servafj0 moitos doenK>s fn5o como mo apren-
thra em aperto algum, que por ventura honvesse dj7 somBnle melico, mas como cirnrgio alten-
bexiga, a cura s
aquelle obstculo extraordinario. Como era de es-
perar encontrei a abertura da urethra completa
mente obliterada.
J convm notar aqui que, as tentativa infructi
feras de qae falla o Sr. Dr. Moraes Sarment de
ram se, existindo anda aphimosis, ou antes de ter
in'ii) de cirurgiao, chegar a restabelecer no ponte
"da rotura ou da perda de substancia da urethra a
relacao dos labios da solucSo da continuilade,
; sendo qoe a dita operago constitoiria a Continuando diz mais: Sendo provavel que raggravado e intretido pela celebre dilatacao.
terceira d'entre dnco, a que estara rotado o en- essa oblileracao (a da abertura da urethra) se es-1 Insisto neste ponto. Ningoem ha que, dndose,
fermo tenda muito alm da glande, como parecem indicar: por pooco qae seja, ao estodo das molestias das ras
Ora, se o Sr. Dr. Moraes Sarment ao tracar esse as durezas existentes no trajelo da urethra, e procorasse o
diffieuldades mailas vezes nsnperaveis no trata
monto da urethrophraxia com perda de substan-
cias.
Em face do exposte, como e qoe o Sr.Dr. Sar-
ment, tendo entre mar* om doente asim fistuto:o
condemnado a urelhroplasria opera^So esta que
em seo entender tem de completar as cinco tao
elle dado a inciso; e que foi depois dellas que,: do orificio Interno da fistola a bexiga, a cura so ("0"i"eon"ta'na0 e|les padeoimentos profundos e vara
tu* na pasta dos negocios estrangeiros William julgou indispensavels a seos flus, alias sempre con- co, com o fim de melhor apreciar e remover aquel-1 desobstruido na maioria de soa totalidade a partir apertos nre|hraes de toda sorte, ftstulas. calcarla,
Hunter oue oara isto fora oomeado ] gruenles, como convida os collegas a o observarem le obstculo extraordinario, nao o fez, e nem mais | da glande; e se p catheterismo, manobrado por rolnras perdas de sobstancia, ele tenho achado
Lm utro despacho do da anterior, trazendo a ^ apreciarem, e umbem a assislirero a ama opera-; tentoo faz-lo, para se oceupar em praticar o que '
da'a de New-York 15 diz ', Cao, qoe no mesmo doeole tinha de praticar elle, nao convinha. mrmente antes de exlrahir a pedra,
Que os jornaes e o po'vo exprimem o maior horror | no dia 6, cujo llm era exlrahir urna pedra dos es- cerno demons
pe'o assassioato de Lincoln ;
Que havia lambem o projecto de assassinar o ge-
ne'al Giaol e Slaonlon;
Que o vicepresidente Johnson ao lomar posse
da presidencia, disse qae havia de cumprir os seus | commoocado
devores, sem se importar com as conseqoencias,' "
que s a Dos nertencem, produzindo favoravel im-. -
P "sso e-ta arttde de Mr Johnson Ideaeonhece que me sao superiores p^lo estbdo, ae, dehberet coordeoar, cerno convinha, a sene de
- Na madriiMda da 12'do corrente alguos in-' pratica e illostraco proflssionaes ; se em r de operacoos Indicadas pelo estado do doente, e neste
divdaos eneEES no rroazero o 7 da* roa da Unsiro, a emitlir op.niSo soa, antes e oppornna- proposito pratqueii logo a. crcuraclsao ^-
M'-da onde te^rens de algodo o Sr. raajor Be-' mate procorasse ouvir, por amor de si mesmo e Feila a exciso do prepucio depois de ter t.lla-
armio do itero BaTros e ", elles a escipar-se do misero eofermo, aos qoe esto ae caso de doa- do o meato urinario e sem duvida irritado a ol-
co.il o resultXaue haViam colhZ, quando foram trioa-lo, ningoem, apezar dos erras cirnrgieee, cera, coja sede era a glande, qoe estva encerrada
vis-o" S unfiorado deiu ra%uel lutllisou praticos e scien.ificos, que perventura ainda Wm-, pelo mesmo prepucio, alias totalmente retrah.do
roettesse ao referir a historia acerca desse doente, em sua circumferencia lirre, continua do segointe
modo: Segtria-se a exploraco da urethra,alm
das oblitera^des, por urna das fstulas; e como a
ourina sabisse em maior quantidade pela qae iicava
mais junto a pedra, por essa comecei as miaras
tentativas. Ellas foram infructferas, porque a po-
dra oppunha obstculo a passagem dos instromea-
oraa fistola orethra I e
modo mais "eonre- vendo na minha opimdo preceder ao restabeleci-', urethro escrotal,debixo do ponto de vista da anato-
mte de nao se collocar frente a frente aquel- ment d-isle canal a passagem de urna algalia al ma palhologica. De feito, rota que seja a urethra,' anreaoadaschega a dizer. hem ancho, que pro-
les de seus collegas, que em sua censciencia nao a bexiga, pela fistola qoe a isso melhor se prestas- ero um s ponto, porexemplo (o qne em geral socce I vavel que o enfermo se restabeleca em pouco tempo t
^'ArhaTse^esoSemspeitos de aotores oa v77" mp'reasa conlesla-lo. por m^is fandamen.
ocurrentes t, facto, Luiz Bornes de Pinho e Mi-; tos qoe tivesse ; posto qae
I Fernandes de tal.
primeiro por ter em seo poder a chave da casa
'I Fernandes da n fs em ciencia, sendo publicados por sea au-
'primeiro por ter e'roseo poder a chave da casa :tor, devam sempre ser combatidos por amor do
Pro zima a dito arraazem, por onde entraram oslprogresso e da propria scienCiaf que
alias, nao
dos menos
"^.r^ipt^ e robora coosciencia aqqelle 4a nrelhra<**%**.-*^J*&*
*,l<' reennhecido
que ha
Clamar
del"'trla nlrM &Sfc- lAThiaiia mnnici-' sTe7crr?gteoTp7trca ns"dffleelTopea'e^ao1 Aflnal. ermina o etrurjilo; soa historia, sempre
*>7. Chamara08 a Metuil "" T^SrJSS^ terono, nae oonvida oa collegas a verra onveaau dogmticamente
E aS u18S *-g0M' <|Uea8Cba?.'JtoS^ raroP\a coXropIa-lo a p*aSea,d orna aiea^ea torca, e moita
XftSSR SUnn&^K-lo "cTsao ero Lto p.raP o Uro de vencendo obst,
'os-im grande encommodo aos moradores, e crean- ou
d" um foco de rafetcao com detrimento da 'ande em
puldiea.
de em sua porcao membranosa por ser esta a parte
meaos resistente de todo o canal ) parundo a oun
CURA
fispaaitoKa e Admirave
DE MA CHAOA
CASCIIOSA E ROEDORA
oc
PLIPO NO NARIZ.
Taoto assim que os praticos aconselham a ure- j
throtomia perinealoperario que consiste em di- j
vidir o estreilamentn, por meio de irma inciso, so-!
breoeathet-;r de Maras Sanrtusnos casos de
forte retencao de ourina, e de impossibifldade ab-j
soluta em sa praticar o caiheterismo pelo meato
armario, etr.
Provado, pois, como est, que o Sr. Dr. Moraes i
Sarment devia s-*r aconselhado a praticar n'esse '
doente. em primeiro lugara extraccao da pedra !
pela simples operacao chamada boulonntere, que
consiste em urna inciso no perineo ou no penis ou i
mesmo oo escroto parattirar clculos ou ahrirabees-.
sos, operac.ao, digo, para cuja execu$3o elle convi-'
e hora, depois de
segundo abrir o
orificio da urethra depois da ablaco do prepucio,
e eropregar por elle o catheterismo necessario at.
alcanzar a corva do canal e Ir bexiga ;e mais
tendo provado eo que nao deveria o Sr. cirurgiao
penetrar a bexiga por ama das fistolas, por essa !
justamente mais diflHI de cura, pela sua exten-
sao, mais curta direccao, mais recia e perda de I
substancia, concludente qne anin sempre atro-
pallado, fra das regras pratlcas estabelecidas, a
commelter erros intoleraveis, que, em vez de vi-
rem com ostentado ao prlo, conviria antes que i
na caridade esiivessem abafados ou sepultados.
E o Sr. Dr. Sarment descendo a praticar taes i
erros, um outro nao menos grave ainda commetteu
quando nisse o seguinte :que a condigno assen -'
rial da cura para o doente era ter alcancado a be-
xiga pela fstula da regio esponjosa ; e que era
provavel que o me-mo doente se restabrler.esse em
pooco lempo, niel balante carecer a urethra de
urna das cinco acSes projectadasa nrethro-
plastia ; e IsK certeza do estado real da mes-1
ma urethra, mo aps o descobrimento da
glande, segu. werou, nem ao menos tecou
oo orificio do cai._.)bupposto obstruido.
An per hicunlationes fit curatio ? As>im inter- ;
rogou um dia certo sabio a um dos cirurgioes do
seu lempo.
Que a condicoessencial da cura para o doenle,]
nao era ter-se alcanzado por una das fistolas pe-
netrar a urethra at a bexiga. j o demonsfrei fa-
zendo sebresahir n facto pratico de nada se adian-
tar quando o aperto esta alm da rotura, e que
as ourinas dispedem hem pelas fstulas ; e quanto
ao progoostico, isto quanto a dizer e escrevero
sr. doutor que era provavel que o doente se resta-
belecesse em pouco tempo, delle sobresalte grande
absurdo pelas segrales consideraedes.
Nao ha pratico, nao ha cirurgiao, qae tenha ob-
servado e escript) sobre as i-mla- urinarias anti-
gs, provenientes da rotura da urethra, cora per-
da de substancia, que nao as plassiOqne na ordem
das molestias mais rebeldes ao tratamento, de cura
As perdas de suhstanrias da urethra unidas s
callosidades das fisiula-;, as mudancas anormaes
da direccao do canal, as fungosidades aos apertos,
ou mesmo plena oblileracao da urethra alm e
quem das roturas, a falla de relacae na continui-
dade do canal, ludo tem encarnecido os mais ce-
lebres praticos. ludo tem sido objeeto de longos
estudos e serias meditagoes, por falta de novos
meios curativas contra h falibilidade dos conhe-
cidos : e tanto mais a incerteza da cura, se a
perda de substancia da urethra tal, que reclama
o emprego da prothse ou da urethroplastia segun-
do o melhor dos tres methodos conhecidos.
Acerca da urethroplastia, que consiste na subs-
tuico da perda de substancias por meio dos tecidos
contiguos, assim se exprime am distincto cirnr-
gio francez : ..E5ta operacao, sempre difOnI de-
ve ser executada excepcionalmente, e somente
quando a sitaago da fstula e a extensao da perda
de substancias deixem poucas dovidas sobre um
resultado feliz ................ .........
tima creada de servir residente em Feraam-
bnco e pertencente Ex"" SeBr". Viscoitdjbba
de Goiauha, foi attacada d'rftim terriret da,
ga amorosa e roedoraou Pofrpo no Naris.
A mesma i n volva e toma va to*> a parte in-
ferior do naris, ameacando j distrair tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso; Come-
cou primeiro por apparecer sob a beco supe-
rior e parte da face, extendendo-w por tal
forma e com tal rapidez, que em pouco amea-
cava transformar todo o meto a'nma norma
cbarga viva e asqartroan. Darante todo este
terrivel eatndo, todos os recuraos medienae
que em taes cmzom se nio forilo abundante-
mente emiiregados, sem que de leve fiaesae-
parar a marcha lenta e distroiilora de tao hor-
rivel enferniidade, e todos oa meio e eaforro
forao baldados, a no em tu uto o mal creeca eh
que por milagrosa fortuna da infeliz eatando
as couzas neste ionio, se experimentou pofis
vez primeira a
SALSAP ARRIMA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, quasi que instantneo
por este lnestimavel remedio foi verdadeira-
mente maruvilhoso e sem igual este grande
purificador do sangue e dos humores do sys-
tema, immediatmentc jh* um termo mar-
cha i lisas troza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-si- atrara dos tecidos os mais
delicados do corpo, expellindo at>' i ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espaco de lempo produzio
urna
CURA
Completa e Radical.
Este feliz quSo adniiravel resultado foi obti
do apeniui com o simples uso
Duina so 4itiii;i Carrafa!
d'este incomparavel e inaprecinv.-l deporatorio,
recommeiidamos portante todos os Doentes
que procurem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
L ANMAN & KEMP,
De XOVA YORK,
na certeza de que, todas as mais preparacdsa
imitativas nfio valem para couza alguma
VenJe-se as boticas Je Caors & Barbosa
e C. Bravo & C.
------------ a ii i r -----------
I in impoTlaiile ciH-rtlivo.
Nao temos conhecimento algum de nenhum ca-
so, que to perfeitamente mostr de urna maoeira
mais clara e persuasiva o poder da sciencia medi-
ca sobre a molestia, como o qoe se deu com o filho
do Sr. coronel Tihurtino Pinto d'Almeida da cida-
de da Victoria. Este moco, que_
s mais atrozes e
va inutillc-a^ *: --"'
pungentes, provenientes de excrescencia, ou exos-
tosis nos ossos, acha-se hoje restubelecido e com
pra^a de teuente no balalhao d* voluntarios da pa-
tria, que seguio para o campo da batalha em desa-
fronta dos nossos brios. Soffria elle em dTerentes
partes do corpo dores as mais agonisanles, quer
de dia, quer de noite continuamente atormentado
por laes afBiccdes e dores, quasi que aborrecido
da existencia, tendo posto de parle toda f e con-
lianca na medicina, porque experimenten todos os
remedios por ellr conhecidos; e na realidade pa-
reca, que para elle nao reslava esperance algu-
ma : eis que se resolve a submelter-se ao uso do
xaropp alchoolico de veame, e inmediatamente
pela chicada e excellencia deste xarope o'mesmo
se achou, dentro de pouco'iempo, livre dos padeci-
menios, e a risonha esperanza tornou de novo a
revi ver em seu rora^io sob a poderosa e benfica
influencia desle admiravei medicamento; o cresri-
mento da testa, e de outras partes do corpo em
breve principiaram assumir um carcter favoravel.
diminnindo o aspecto de sua malignidade. Amas-
sado sangue, e mais humores do systema, lorna-
ram adqoerir urna apparencia clara e saudavel;
as dores atormentadoras d'outr'ora o deixaram, e
urna doce e suave tranquillidade principiou a per-
correr lodo o sea systema, restaurando Ihe a dese-
jada paz e socego de espirito; os lugares cresci-
dos do seu corpo, regularisaram se, pondo se no
seu estado normal, e hoje se acha perfeitamente
sao, gosando de um perfeilo estado de sade, de-
pois de se ter visto privado desle grande gso du-
rante bastante lempo. Elle durante esta sua cura,
apenas lez oso de uito garrafas do xarope akhoo-
lieo de relame preparado pelo abaixo assignado
e.tabelecido com botica na ra Direila o. 88. Re-
comn>enda-se mui particubrmeote aos doentes,
que empreguem toda eautella na escoma desle ad-
miravei remedio, afim de que nao obtenlian nutra
composieao, pois qne todas as mais preparacoes e
imita?5es desta naturesa sao falsas. Vendes^, co-
mo llca aeima dito, na botica da ra Direila n. SS
de
Jos da Rocha Paranhos.
Esse nmenostico, por baixo do qoal se assignoo
M^'bexiga'Tahrchegan'do,^ o Sr. Or. Moraes Sarment, serla admissivel se por
lios, uro que segu cora maisou menos diffleuldade ventora as de*ordens mencionadas oo tivessem
o canal natural, e outro, que airavessa a abertura por causa a existencia da pedra, porone entao ex-
aeormal, e se extravasa muius vezes nos escrotos; tfattWa esta por urna simples Inciso. removrda
oo se n3o divide, e toda ella lende a derramar-se eslava a cansa continente flos males os etfertns
no escroto.se ominvencivel obstculo existe adianto tenderiam a desapparecer no quanto osse possi-
4a abertura ; sendo que na geoeralidade essa por- vel ; oo entanse nao havendo perda de snhsiancia
eao orethral, a partir da bexiga at a dita rotara, tie auriga e corrupta, j se tivesseconseguirlo abrir
nao se oblitera por isso mesmo que por ella passara a urethra nos Ineares snspeite o> maior ohsrrnc-
as ourinas. cao e aperto. Fra densas condteoes o nromostfco
ni a *
Sr. TH-. Sar-
C0MME1C10.
Nv baac de l'erna mbiirn.
Ob admimstradores da massa fallida.de Joaquim
Jos-Silveira nagam o 1" dividendo de dita massa,
na razao de a 0/0 sobre o valor das ttulos ad-
raeltidos : ao aovo banco de Pernamboco a ra.
do Trapiche n. 34.
Cala O lia I do tee* do lira*3-*
ein Pcrnamhneo.
19 de abril de 65.
Teodo-se deseocaminhado do espolio de Bernar-
do Jos Pinto a cautela de'45 acedes das localisa-
das oesla calxa, sob n*. 1339 a 1181, a directora,
faz publico a qoem interossar possa, qne por parte-
de Antonio Jos Ramos d Oliv'ira, do Hio de Ja-
herdeiros do duo Pinto, se vai
"""V ^ Beiro,autordoslierdairos do duo Pinio, se va
Era lodo caso, se a arle interven logo, a cora d- Un absurdo qoanto n t a segnnna rmeracao vrQMer a traas(drencia das referida> arc,oe
\ se com jTOa oq meos fcil idade; mais, se, a oo- > pratlcada, na ordem esrabelecida pelo Sr. Dr. 5ar- j ^ 0- n )fne d)5 m^mos herdeifos.
lesna "abaldonada a si mesroa, essas ou-ritias ex-: mente. o guarda-livro>,
trava^adas, quando nSq produzem abcessbs e mfil- ^^ (to.WDftsl0.-(M,tio f qne o Sr. TV. Moraes Ignacio Xiioes Crrela.
trac5n., detarmihain flsiuUs vana veis quant a di- rm(,m re$ao. longura, siiua?ao e nurafero; seado certo, chweH, mb\Y>T aeonsemar no modo deprose- \ero anco de PerBJiUi
como dis Civiale, que o numerodas aberturas ex-.i nlrem seQS trr>a4hos cirurgicos, e praza a Des, buco.
fe#^..*!t sempre coroadoa como hSo de; Obanco descoma letras na presente sen*,,.- a
ser os que tem sido empreados em Antonio Ma-, 10 ^ cen|0 M anD0 4J 0 prI t Qualr n,..
mezes, e toma dintel-
roeuot dr tres mens*
di vi duo, e que muitas vezes nos trajelos fistol osos "
u ,,,,,'yK*, lusRiir*, xsinpre """". H"c """ '"?' -~ "f ,,: <"~~ g, M orlft tem smo empreganos em amonio na-1 ... ,
: A' cusaporra.'de raaiores.es- se encontrara um oo muitc* calcotozlnaos reuniv-^ g,^ hoa110rte, porm, pode tambem depen- ,SB" d \
i.paeiaaoa, .fui' pooco pou- flos. ^ .4er de ceriossoccorros sopeemos. ra^i^Tnralo nunca i
bstacuiw, fradoalraaiue atan- Por e maltes caicaloirohos, que as odrinas formararo pmda, (poraqui se conhece melrior o dedo do gi- isto que urna flslula araihi*eama,oii ^or\ ^.
uaassaBeM odr ma fistola,ttfo. fcnJ re. gante) at qae anoat pode ateancar a rego-pros- tal completa tea enpre dous orifteic*, um \n(ra| ra0 Vy^
io chamaTo ao inflar qoe Ihe corpaele latica, e-depote da hotos umtiMafus ehegar a be- i que se abre na nrethra e outro exteraoua cuuaeo,1
-raiao e como oacrader : e onefar-tMOa Jiga !.... (Oofunrntum f f> Gontinu; Gra- i que se acha Da pelle do escroto, s a^Ue, em wi
pirem-nos qoe cesiarao fodoa esses Ff-1 ^ ^3rar os erroTde pralle o> DrloeK dualmente driatada essa paite da urelhriv, tomn- de ser recta e pouco oWiqua e rertA'il; e eoaclue-
qar as iadlca5es, q'or se p^slre*_9m_poaco3 _**s a intradueejto de ama se mais que, para salegar po Wilo de ama son-
raed
' m-lle terreno, qne'acha-se todo accidentado de' f'^-^^""^"If^ blamWro?""" algalian, 6. Prepaa* doente laet'rf n op*- da a penetrar sea orificio" tatema, cuja sede a.
uto. e d, uma cantada d'areia srrore ene. prugow i
o temp e n Providencia ho de dar Ca.M filia! d MlCt % %t\l tl
i, etfntgia a ordem njt t roirvm; restabelece-1 Pf-rnIullfO
rao o grande prnelpina ****** da arte em se.as dj ^ gaca ,. 0 banco do
meios, em Sens projressos e em sea (im. J^^ qo Riq @ Jaaelro e sobre B cai fl|iJll tf0
Gn PatIk. mesmo banco na Bahia.

i'
1
.."
.'i
ILEGfVEL


'^

I
w
!i':

_ I I
I. I I
b
_ i
iP-1
P
\ovol>auc de Pcfwla*.
O bioco paga o IV dividendo duk-ra-o d8*
dor acco.
ALFANDEGA. *t
Rendimento do dia 1 a 12...... 32?_
dem do da 13...........'/.IV Wl^'- tt W
1 3l8:3io*iil
MOVIME.STO DA ALFADE3A.
Voluntes entrados com fajeadas....
c c com gaoeros..... A32
------ 552
Volames sahidos com fazendas..... 103
c com genojos.. ..,, 945
Para Lisboa
Babia-6 dias, escuna brasilera GeorytMU, toneladas, canteo Antonio Goncalves Torres, tarao em pra^a oes das 13 15 e17 do-corrento
eqaipagem 10, carga farinba de mandioca o ou- para re ariomatados r*>r o^em por meaos flzer
iros teneros, a Tasso 4 Irma, os eoncertos fe V^^om^do^uri^
Re de Janeiro-10 dias, brigue brasileiro firmen- e do Madure,os desta oreadas tm 77*000,, os
no, de 17 toneladas, capital Domingos Francis- daqooUa 37o* aquelles que pretendere
eodaSlv equtaagem 13 carga arinba do rematar ditos eoncertos, pode. comparecer nos Aquiao Fonseca, na ra do Vigario n. 19, primei-
, SoeiedadeCoryhtitrM. itfl_
I De ordem do Illm Sr. Dr. presidente, scieotiflco
EfiJW* Pm.1ae 8e b*a partida do crreme mez; e, ontro sim, que na
maior parle da carga engajada : para o restantei a ^ do a w dos estatotos, devem_ procurar
passageiros, trau-se com o consignatario T. de seasbjlhetfs de entrada at 19 em mao do Sr.
mandioca e outros gneros, a Amoro Irmo. mencionados dias no paco da mesma cmara onde ro andar, ou com o capito o Sr. Francisco Anto-
Aracat-1* dias, hiate brasileiro JVooo Invencivel, |caro os orcamentos para consohar.
de 33 tonelada, capitao Joaqaira Antonio de FI- fio *> camar> municipal do Recito 10 d* malo
guelredo, equtpagem 5, carga algodio e outros de 1865.
gneros, a Al ves & Silva.
Marsellle, Gibrallar e S. Vicente-15 das, vapor,
fraocex tenue, de 1500 toneladas, capitao Jeret,
nio MeireUes.
_
1,048
gneros...... _945
Descarregam no da lo do corrento.
Barca 1 ngleza OUndamercaduras.
Brigue francez-AmaMevinhos.
Rrige ioglezParklide -diversos gneros.
Barca ingieraA Say-diversos gneros.
Barca portuguezaS. Joocharque,
ticuna hanoverianaJeztna -dem.
Sumaca hespanholaMercedttaidem.
Brigue nacionalCardia idem.
Barca ingleza-Commodor-carvo.
Barca inglezaBelle Pontedem.
Brigoe ingleztabellaidem.
Barca norueguense Tasmantadem.
Barca inglezaEleo or idem.
Brigue inglez-Byzantrumidem.
Barca ingleza -Ronald -diversos eneros-
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimeolo do dia 1 a 12...... Il:__5*4?
dem do dia 13................ _____
12:1595149
I equipagem 104.
Navios sahidos no inesmo dia.
Ilha de Fernando vapor bralileiro Parahyba,
commaodante'I. I. Martins.
Rio de Janeirovapor inglez Ftamengo, comman-
dante Collier.
Portos do solvaporfrancez Peruse, commandante
Joret.
EDIT1ES.
GE-
Rendimento do da
Nem do dia 13..
CONSULADO PROVINCIAL.
la 12
35:8805128
4:325*780
40:1955908
PRAQA DO RECIFE
13 IDE WAIO DE ISG5.
A'S TRES DORAS DA TARDE.
Kevista semanal.
Cambios........Saecouse sobre Londres a 25
e 25 /, d. por 1*600; sobre Pa-
rs a 385 rs. oor fr.; andando o
valor dos saques efferluados pa-
ra Europa em 370,000 .
Algodao........O de Pernambuco vendeu-se a
125500 por arroba, o de Ma
cei, posto a bordo, de 125300 a
145500.
Couros ........Os seceos e salgados venderam-
se de 145 a 150 rs. a libra.
Carnesecca.....A do Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 25000 a 35500 a arroba,
flcando em deposito 196,000 ar-
robas ; e a do Rio da PraU ven-
deu-se de 25400 a 35200, ficando
em deposito 42,000 arrobas.
Arroz.......... Vendeu-se o pilado da India a
2*800 a arroba, e o do Mara-
nbo a 35200.
Azeitedce......O deLisboa vendeu-se a 25300
o galao, e o do Estreito a 25-
Batatas.........Venderam se de 500 a 15500
o gigo.
Bolaxmhas.....Venderam-se a 25500 a barr-
quinha.
Caf..........Vendeu-se de65500 a 75200 a
arroba.
Cha............dem de 15900 a 25200 a libra.
Cerveja........Venden-se de 45400 a 55000 a
duzia de garrafas.
Farlnha de trigo. A de Philadelphia e NewYork
retalhou-se de 185000 a 195000
per barrica, a de Bal ti more a
185000, a de Trieste a 205000
e a do Chile a 75500 o sacco de
cem libras ; ficando em deposito
400 barricas da primeira, 6,600
da segunda, 1,200 da terceira,
9,000 da quarta e 7,000 saceos.
Louca.......... A ingleza vendeu-se com 320
a 330 por cento de premio sobre
a factura.
Manteiga.../... Vendeu-se a ingleza a 15200 a
libra, e a franceza a 800 rs. a
dita.
Musas.........Venderam-se a 55400 caixa.
Oleo de linhaca.. dem a 15601 o galo.
Passas.........dem a 35500 a caxa.
Presuntos.......Venderam-se a 165000 por ar-
roba.
Queijos........Os flaraengos venderam-se de
25OOO a 25300 cada um.
Sabao.......... O ioglez vendeu-se a 145 rs. a
Ultra, e o do Mediterrneo a 240
To'jcinho.......Vendeu-se a 75003 a arroba o
do Rio-Grande do Sul, e o de
Lisboa a 95500.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de
905 a 1 '05 apipa.
Vinhos.........Venderam-se os de Lisboa de
1805000 a 2005 a pipa e os de
outros paizesa 1805 a dita.
Velas..........As de composicao venderam-se
a 530 rs. por pacote de seis ve-
las.
Descontos....... O rebate de letras regulou de
10 a 14 por cento ao anno.
rtte...........Para o Canal carregando na Pa-
rahyba e Macei ou Rio Grande
do Norte35pelo algodao ; e
para Li-ernool % por 5 /
Joaqaira Jos Silveira, ofBcial da imperial ordem
da Eosa, tenente-coronel commandante do 1- ba-
ulbao de artilheria da guarda nacional do mu-
nicipio do Recife por S. M. o Imperador a quem
Dos guarde etc.
Faco saber a quem interessar possa que em vir-
tude da lei tenho convocado para o dia 21 do cor-
rente mez o coaselho de qualificago da parochia
de S. Frei Pedro Goncalves, aSm de se proceder a
revisao da mesma qualiQcacao, cojos irabalhos du-
rar por 15 dias consecutivos, funecionando o dito
conselho no consistorio da respectiva matriz. -
E para constar mandei fazer o preseute que
ser publicado pela imprensa e afiliado na porta
da referida igreja.
Quartel do commando do 1* balalho de artilha-
ria da guarda nacional do municipio do Recife 11
de maio de 1865.
Joaqnim Jos Silveira.
Tenente coronel commandante.
O Dr. Trlstao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e Juiz especial do commer-
co desta cidade do Recife de Pernambuco e seo
termo, por Sua Mageslade Imperial, que Deus
guarde, etc.
faco saber pelo presente, que no da 15 de mez
de maio do correte anno se ha de arremaiar por
venda a quem mais dr, em praca publica desle
juizo, depois da audiencia respectiva, os bens se-
guintes : um terreno de marinha situado ao lado
do Theatro novo, com 150 palmos de extenso, co-
berto de telhas no centro, o dito terreno acha-se
muito falto de trra, occasionando este estrago
de dia em dia o rio que o rodeia, avallado em
2:2005000. A casa terrea sita por detraz do quar-
tel n. 20, com quintal, cacimba e sahida para traz,
avahada em 2:5005000. Os quaes bens sao per-
tencentes aos berdeiros de Julio Beranger, e aos
mesmos penborados por execucao de Jos Moreira
da Silva.
E na falta de licitantes, ser a arreraatacao feita
pelo preco da adjudicarlo com o abatimnlo res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conbecimento de todos,
mandei fazer o presente edita), que ser afiliado
nos lugares do costume, e publicado pela imprensa.
Dado o passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 7 de abril de 1865. Eu Manoel Ma-
ra Rodrigues do Nascimento, escrivo, o escrevi
no impedimento do escrivo companheiro.
Trtito de Alencar Araripe.
O Dr. TristSo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo per Sua Magestade imperial e
Pedro II, a quem
1 dia 15 do mez
arrematar por
publica, depois
..tos seguintes
Maaburgo. ti ae abril de 1865.
Relalorio commerctal.
Em consequencia das testas da Paschoa, como
sempre acontece, o mercado conservou-se mullo
tranquillo.
Caf.O mercado continuou sem movimento, e
s desde alguns dia?, depois das ultimas noticias
da America do Norte, que dan esperances de paz,
mostra-se mais.animacao, e alguma vontade para
especular. Entraram na quinzena 13.847 saceos do
Rio e 12,491 de Santos. As vendas foram de cer-
ca de 20000 saceos a 6 7 7|8 sch.
Assucar.-S honveram transacc5es mnito infe-
riores ; es precos baixaram mais 4 cb.
Tabaco.Temos s de notar a venda de 500 bal-
las da Babia. Em ser desse tabaco 1,200 bailas.
Coures.-Sem alteracao. Venderam 8,000 couros
do Rio Grande do Sul, 10,000 de Pernambuco, e
2,500 do Ceara*.
Cacao. Firme e procurado para o consumo.
Algodao.Frouxo, e os precos baixaram ja' 1
sch. Sem procura.
Nattos entrados.
Do Rio de Janeiro :
Najade.
iadem.
Jenne Marte.
Glanmire.
De Santos :
Mathtlde.
Hiurich.
Bo*no& Marte.
uo Rio Grande do Snl:
lohanna.
Do Ceara':
Libertado.
Navios partidos.
Para PernambanoTamno Sytre.
Para a BafiaCmaordia.
Para SantosAvilde.
Cambios.
Sobre Londres 3 m. d. 13 marcos 5 1|8 sch.
banco por libra.
Prazo curto, 13,6 7|8 idem idem.
Sobre Pars, 3 m. d. 188 718 francos por 100
marcos banco.
Prazo corto, 187 idem idem.
Sobre Lisboa 3 m. d. 45 1|8 sch. banco por
mil res.
Descont 220.
OTMEITO BO P01T0
im ..iM
iVcnM entrados no dta 13.
Partes do snl* 1/2 dias, sendo U horas do ulti-
mo porto, vapor, brasileiro Tocanluu, de 710 to-
neladas, commandante o 1 tenente Pedro H
Diiarto, eevoipagem 51.
Baha6 dias, escasa brassleira Elisa, de 123 te*
neladas, capillo Je* Mara Pestaa Jnior, equi-
pagem 10, carga fariaha de mandioca e outros
gneros, a Joaqun) Josa 0- Beltro,
Constitucional o Sentir, r
Dos guarde etc. "pe
Faco saber pelo prc; na n
de maio do correte "''"o co
venda a quera mais do ass,
da audiencia respectiva 03\ s.
1 solfa de amarello j uzado avahado em 105000,
1 banquinha de Jacaranda uzada por 15000, 3 ca-
deiras quebradas, sendo 2 de amarello e 1 de Ja-
caranda por 35OO, 1 dito de balanco de pinho
sem valor, I lanterna com castical por 15000, 1
mesa de meio de sala com tampo de pedra por
IO5OOO. 1 caixo de pinho para deposito por
2050OO, 1 dito dito por 20j000, 12 barricas vazias
a 200 res 25800, 1 balanca grande com peso de
6 arrobas por 2O9OOO, I dita pequea com pesos
at de 8 libras por 85000, 1 maceira de amarello
por 205000, 1 tendeira de louro por 8000, 1 bar-
rica de tarinba de trigo sem valor, i relogio de
parede americano por 55000, 9 latas para depsi-
tos por 95000, cujos objectos sao pertencenles a
Joo Francisco da Costa, e ao mesmo penhorados
por execucao de Sanders Brothers & C. E na
falta de licitantes ser a arremataco feita pelo
preco da adjudicacao com o abati ment respectivo
E para que chegue ao conheciraento de todos
mandei passar o presente, que ser publicado pela
imprensa, e affixado no lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 28 de abril de 1865.
Eu Manoel de Camino Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Trstao de Alencar Araripe.
O Dr. Eduardo Augusto Pinto de Oliveira, juiz
municipal e provedor do termo de Olinda, por
S. M. I. e C. que Dos guarde etc.
Fago saber aos que o presente virem.que no dia
16 do correte mez, pelas 10 horas da manha, a
porta da casa de minha residencia se ha de arre-
matar por venda um cavallo de cor foveiro, frente
aberta, com os ps calcados, a quem maior lanc
offerecer sobre o valor de 255, cujo cavallo vai
ser arrematado como bem do evento, visto nao ter
apparecido pessoa alguma que o reclamasse.
E para que chegue a noticia de todo, mandei
passar o presente que sera' affixado no lugar do
costume e publicado pelo Diario.
Dado e passado sob raeu signal e sello deste jui-
zo va Iha sem sello ex-cansa aos 12 de maio de
1865.Eu Francisco das Chagas Pessoa, escrivo
da provedoria o escrevi.
Eduardo Augusto Pinto de Oliveira.
DECUlaCuES.
Pela thesuraria provincial se faz publico jqoe
arremataco da obra dos reparos do empedra
ment do lugar denommado=Areias do Giqnia
na estrada da Victoria, entre os marcos de tres a
quatro mil bracas, foi transferida para o dia 18 do
corrente.
Secretaria da thesourara provincial de Peroam
buco 5 de malo de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Luiz Jos Pereira Simoes,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boa-Viagem,
Secretorio.
Pela thesourara provincial se faz publico,
que a arremataco .da pintura da ponte pensil do
Caxanga', (oi transferida para o dia 24 do cor-
rente.
Secretoria da thesourara provincial de Pernam-
buco, 12 de maio de 1865.
O secretario,
A. F. da Aununciacao.
Pela thesourara provincial se faz publico,
que a arremataco dos reparos da ponte do Rio
Formoso, foi transferida para o dia 24 do cor-
rente.
Secretaria da thesourara provincial de Pernam-
buco, 12 de maio de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreira da Annunciacao.
Pela thesourara provincial se faz publico,
que a arrematars dos reparos da ponte de Bu jar y,
rol transferida para o da 24 do corrente.
Secretoria da thesourara provincial de Pernam-
buco, 12 de maio de 1365.
O secretario, -'.
A. F. da AnnunciacSo.
Terga-feira 16 do corrente vai novamente
praca o sobrado de tres andares e soto da ra da
Lapa n. 13, em chaos proprios, avaliado por 4:0005
rs., rende 6005 nnuaes : as 11 horas, depois da
audiencia do Sr. Dr. juiz de orphos.
mmw f&M
Kelaeo das cartas seguras rindas do sur pele va-
per Tocanlias para os senhores abaixo decla-
rados :
Dr. Antonio Alves de Souza Carvalho.
Ignacio Candido Antunes Moreira.
Joaquim Leopoldino Barrete Maciel.
Joaquim de Oliveira Mattos.
Joo de Freitas Barbosa.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Jos Goncalves Beltro.
Jos de Oliveira Maia.
Jos de Vasconcelos.
Dr. Luiz Felippe de Souza Leo.
Marques, Barros & C.
Mariano Francisco Belem. ,,
Marcolino Pinto Cabral (2).
Miguel Jos de Almeida Pernambuco Filho.
Manoel Jos de Sant'Aona Araujo.
D. Thereza Augusta Lins Correia de S B.
Visconde de Suasf \
Rio de Janeirt.
O patacho Polycena, capto Francisco Jos I'ra-
tes, segu com multo brevidade : para a pouca
carga que Ihe falta e escravos a frete, trata se com
Miguel Jos Alves, ra da Cruz n. 19.
thesoure!ro,~ quem apreseotaro Igualmente at
18 as suas proposlas de envite, afim de obser
var-se o disposto no 8 4 do art. 17 dos mesmos
estatutos, nao recebende mais depois desse da o
conselho director proposta alguma.
Secretoria da sociedade recreativa Corybanlina
9 de maio de 1865.
O secre'arlo,
Faustino Jos da Fonseca.
LE IL OES.
^ Feira semanal
GRANDE ARMAZEM DE LEILES
NO
Precisa se de urna ama
sa de pone: familia : na roa
segundo andar.
jue cosinhe paraca
jo Queimado n. 17,
DO AGENTE
OLYMPIO,
36-Raa da Cadela do Reelfe-<36
I Harcr leilies todas as semanas_____
Leilo de caf.
OLYMPIO
Precisare
de urna pessoa, que traduza correctamente
a ngua ingleza, com facifidade e prompti
dao ; a deixar carta com seu nome e mora-
da e com um specimen
Pedido,
Os curadores fiscaes e depssitarios da
massa falHda de Joao Baptista Goncaive.
Bastos, pedem as pessoas a quera o fallido
confiou obras para fazer de seu estabeleci
ment de fazeodase roupas feitas a roa No-
va desta cidade, hajam de entr gar as mes-
mas obras a ra da Imperatriz n. 40,
Tamben nao fra forncida~pelo~abaio'a-
signado a copia de que trata o offlcial mjr A"
secretoria do merUissimo tribunal do coinmenh
e o prlmeiro escrivo do juizo especial do com'
mercio, convindo declarar que nunca attendeu
amis attender a pedidos de semelhaote ani-m
lecife 13 de maio db 1865.-0 esenvj inier;
de appellag5es e aggravos, Innocencio Antunes ii
Parias Torres. ue
por ordem de A. S. Jack-eo, capitao do brigue es-
cuna hamburguez Hamburg Packeu, com auto-
risacao do II m. Sr. inspector da alfandega e em
presenca do Illm Sr cnsul interino de llambur-
go, vender em leilao publico por conta e risco de
quem pertencer 242 saceos com caf a variados na
recente viagem do mencionado navio de Santos
para Hamburgo. Ter Ivgar o leilao terca-feira
16 de corrente, no armazem do Exm. baro' do Li-
vramento, no caes do Apollo.
Leilao de vinhus da Figneira da bem
CdDhecidas mares abaixo sem
reserva.
Tercafetra 16 do corrente.
O agente Pesia a far le.lo por conta e risco de
quem pertencer e sem reserva de preco de upas
com vinho da Figueira das acreditadas marcas
! JAA, ARP, N, AAST, ASMG, diamante R, chegados
ltimamente pelos navios Maria da Gloria, Henri-
que, Julio e Laia II, em lotes a vontade dos com-
pradores : terca-feira 16 do correte, pelas 12 bo-
ras da manha na porta da alfandega.
Leilao de movis
Quarla-feira 17 do corrente as il horas,
No armazem a roa da Cruz n. 57.
Cordeiro Simoes tara leilao por conta de urna
pessoa de sua amisade dos objectos seguintes co-
mo seja : 1 mobilia de Jacaranda, 1 dita de ama-
rello, 1 guarda roupa, 1 guarda louca, 1 guarda
vestido, 1 mesa elstica, 1 commoda, 1 cabide, 1
quarttnheira, 1 santuario, 3 dnzias de camisas, 1
cama franeexa, eadeiras, marquezas e outros mu-
tos movis, joias de ouro e prata, adarecos de nit-
ro e outros muitos artigos de gosto que se torna
! enfadonho mencionar.
\ Leilao quarta-feira i7, as 11 horas, a
Quarta-feira 17 de maio de' roa daCadeia armazem n, 53.
^nnr ^e U!n cav&" castanho, grande, esta gordo.
J.OUU. De uraa PorCo de joias de aniante e ouro, sen-
a ,nii Mln* .14. recita aa assignatiira. ihante grande, pulceiras.argoiis eoutros objectos.
Subir scena o magnifico drama em 5 actos jjraa mobiha de Jacaranda nova, uma secretaria,
original francez de M. M. Ancet Bourgeois e Ad Derco e costureira, guarda roupa, guarda louga,
TI
RO
S. ISABEL
EMPREZA-COIMBRA
D'Eunery
camas de ferro, dita de amarello, candelabro e 4
eadeiras de armar ou palanquins, tudo ser ven-
dido pelo ogente Euzebio naquelle da e hora.
Lei com oleo de liohaca.
Quinta-feira 18 do corrente.
A requenmento de Francisco Alves Monteiro J-
nior teslaraenteiro inventarante dos bens do fina-
do Joaquim da Silva Lopes e por despacho do
Illm. Sr. Dr. supplente do juiz municipal, o agente
Pestaa far leilao de diversos objectos de mobilia
e roupa de usa do finado, asuim como de 10 barris
com linhaca as 10 horas do dia quinta-feira 18 do
, corrente na travessa da Madre de Dos n. 8 e o
! oleo no armazem da roa do Vigario n. 31, ae meio
dia.
CEG E 0 CAKCIMH.
PERSONAGENS. ACTORES.
Alberto.........Araoedj..
Duperrier........Porto.
Dareey, Dr. em medielaa. Lisboa.
Rosseau, Ubellio......Pinto.
Ressy...........Manhonso.
Luiza, filha de Rosseau.....D. Eugenia.
Genovena........O. Caroajt.
Suzana.........D. Leopoldina
Juhetto. ....... N. N.
Armando, descontiecido. Borges.
Um criado.........Faustino.
Recomraenda-se ao publico este excellente dra-
ma, que tanto enlhusiasmo produzio em Pars em |,eilt> em f.OQnuacO de VrOS, ire-
mais de cera representares seguidan. No Rio de. *
Janeiro e Babia causou tambera grande effeto em IOS t papel para llliprt'SSao.
amorosas represvauyes, onde foi classificado 1 Martins far leilao em continuaco por ordem
cerno um dos raelhores dramas do repertori* dos credores do Rvd. padre D. Jos Antonio dos
francez. Santos,de sua importante livraria, dous prelos e
Dar' fim ao espectculo a maito applaudida co- pertences e papel para impresso ; o""'
media em t in
MAS TENTACOES.
Os bilhetes acham-se desde j no lugar do cos-
tume.
Principiara s 8 beras.
os
as
Sita 1'
ras de
T
AVISOS M1SITIM0S.
ireteoileni^- iru mur
o, Rtteratura e religiosas.
Quinta-feira 18 do corrente.
O leilao ter lugar na ra do Imperador n. 37,
as 10 horas.
ATOO PITUSOS.
LOTERA
AOS 6:000#000.
Sabbado 20 do corrente mez, se extrahi-
r pelo novo plano abaixo publicado a 3a
parte da 4a lotera (16*) a beneficio do
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\aTegac5o costelra por vapor.
Macei e escalas, Penede e Aracaju".
O vapor Persmunga, segne no
dia 17 do corrente as 5 horas d
larrip lPPpIiP Piri7A St" O ll '
16 ;ncommendas,passageirose! fheatro de Santa Isabel, no consistorio da
aa as 2
mero I.
dinheiro a frete at o di da sahi-
escriptorio no Forte do Mattos nu-
igreja de Nossa Senhora do Rosario da fre-
guezia de Santo Antonio.
Os bilhetes,meios e quartos esto a ip-
Rio de Janeiro
Segu breve para aqaelle porto a barca brasilei-
ra Henrtqueta por ter metade do carregamento
prompto : para o resto trata-se com os consigaata- .. ._ rlpnnis i t extrzccr
rios Marques, Barros i C, largo do Corpo Sauto^ff30 Pap._ ..-" !\ JSS ".
n. 6, segundo andar.
po D. 15.
Os premios
de 6:0000000 at 105000
ftrreio
Pela administraco do correio desta cidade se faz
publico que, em vrtude da convencc postal cele-
brada pelos governos brasilere e francez, sero
etpedldas malas para a Europa pelo vapor inglez
Paran. As cartas serlo recebfdas at 3 horas
antes da que for mareada para a sahida do vapor-,
e os jornaes at 4 horas antes.
Administraco do correio de Pernambuco 10 de
maio de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Arseail de guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa de comprar fardamento feito, a saber :
1,500 frdelas de brimbranco, 1,500 camisas de
algodozinbo.
As pessoas que qulzerem contratar todo esse
fardamento on parto delle, apresen'em suas pro-
postas no dia 19 do corrento mea, as 11' horas do
dia ; devendo dous dias antes receberem no mes-
mo arsenal as respectivas medidas, as amostras
das fazendas de que o fardamento deve ser feito, e
a tabella do custo.
Arsenal de guerra.
O Sr. tenente coronel, director do mesmo, man-
da fazer publico que no dia 16 do corrente mez, as
11 horas da manha, recebe propostas para o fa-
brico de 100 frdelas de brim, 100 calcas de brim,
11,00 camisas de algdozqho e 113 calcas de
panno azul; foroecendo o arsenal a materia pri-'
ma j corlada.
Os propouents apreseotaro nesta reparticao,
na vespera da arrematado, as nablliucoes do
costme.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacao costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear
Acarac.
O vapor Jaguaribe, comman-
dante Lobato, segne para o norte
no dia 22 do corrente, as S ho-
ras da larde. Recebe carga al
o da 20 ; eneommendas, passa-
geiros e dinheiro frete at o da da sahida as 2
horas: escriptorio no Forte do Mattos n. 1. ____
at as i horas da tarde, e os outros depois
da distribuicao das listas.
,, As eneommendas s rao guardadas so-
monte at a noite da
e' como de costume.
PLANO
Para as parla
DE
Ama seca.
Precsase de uma mulher que seja d boa con
duela e esteja acoslumada a tratar de eriancas
para oceupar-se da criaco de um pequeo de 3
aa e com i speo.mcu, na" livraria ns. 6 eJS^P^^gW^^.; ra ix
8 da praca da Independencia, em carta fcrauul chada com a inicial Z._________________
Joo Martins de Barros manda para Ingla-
terra sen filho Joo Martins de Barros Jnior, me-
nor de 13 aneo;.________________________
Precisa-se de uma ama para comprar e co-
siohar para uma pessoa : no becco do Lobato n. 3,
entrada a direita._________________________
~Precisa-se de uma ama que saiba cozinhar e
tambem para comprar : na ra do Pires n. 24.
GASA DA FORT JAI
Aos 6:000$000.
Bilhetes garantidos.
A' ba do Crespo n. 23 b casas do costi'iib.
O abaixoassignado vendeu nos seus muilo feli-,
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio da matriz da Boa-Vista,
os seguintes premios :
Um meio n. 31U com a sorle do 6:000*000.
Um meio n. 501 com a serte de 1:400*000.
Oous oaarlos n. 715 com a sorte de 500*000. ,
E ostras rauitas sortes de 100*, 40*, 20* e
10*000.
Ospossoidores podem vir receber seos respec-
tivospremiossem os descontos das leisna Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da 4* lotera
(16a) beneficio do theatro de Santa Isabel, que
se extrahtr a 20 do corrente.
PREGO.
Bilhetes.....7*000
Meios......3*500
Quartos.....1*900
Para as pessoas que compraren) de 100(5000
para cima.
Bilhetes.....6*500
Meios......3*250
Quartos.....1*700
Manoel Martins Fiuza.
Ama
Precisa-se de uma ama para casa de pouca h.
milia : a tratar na praca do Corpo Santo n. 17
terceiro andar. '
Na fabrica de caicaaos ua riDeira de s. Jc.r
________n. 25, precisase de artistas de sapaiana
GZETA
Dp Norte.
Sabio hoje o n. 5* e est a venda na linaria
acadmica, ra do Imperador n. 79.
Precisa-se sempre de vendedores para a mesma
e melhor a cninos. Paga-se 20 |
Felor.
Precisa-se de um para um sitio pequeo perto
da cidade, sendo pessoa capaz e dando boas infor
macoes, d-se casa propria : a quem convier diri-"
ja se a ra Nova n. 19, primeiro andar.
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
caixas filiaes: na praca da Independencia n. it.
A luga-se
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca-
sas, uma a em que morou o fallecido Tliomaz de
Aquino Fonseca Jnior, feita a moderna, e comea-
do todas as accommodaedes precisas, e outra com
boas commodidades para qualquer familia : na
ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Alugam-se duas ptimas casas novas muno
frescas, no melhor lugar da Capunga, e preco com-
modo por ter commodospara familia : a tratar no
mesmo lugar com B. Jos Lello. ____________
Precisase de uma ama que saiba cozinhar :
na ra das Cruzes n. 11, segundo andar.
Precisa se de uma ama para cosinhar e en
gommar e comprar para uma pessoa: na roa do
Para una casa estran MoB** "37- paga-se bem
Aluga-se uma escrava moca
geira
Precisa-se alugar uma perfeita engoraraadeira,
dndose a preferencia a escrava : quem tiver ou
quzer alugar, dirija-se a ra do Trapiche n. 14,
primeiro andar. ^_______^^
para o servir,
interna e mesmo para comprar na ra: na ra
da Imperatriz n. 51, segundo andar.
8
m
5
Precisa-se de uma ama livre ou captiva
para todo servico de uma casa de peque-
familia, menos o servico de cosinha : na
ra do Rangel n. 25, segundo andar.
Um menino portuguez com 12 annos de ida-
de e que d fiador a contento a sua c nducta,
deseja arrumar se em uma loja de fazendas i ro-
bora sirva de graea o lempo que se convenci-
nar : na travessa da Madre de Ueos n. 57.
Convida-se as pessoas que esttverem as con-
dicSes do servico militar, a engajarem-se no cor-
po de polica, e gozaren) das vantagens que offe-
rece a lei provincial n. 611 de 2 do corrente.
Sortes S. Joao
Vendem.se lindos papis com estalo para as
sortes de S. Joo : na ra Nova n. 61 defronte da
Illm" cmara municipal.
Da-se 2-j* de aluguel por uma preta captiva
de afiancada conducta, que seja perfeita engom-
madeira, e que lenha geilo para tratar de eriancas:
na ma do Pilar n. 6, sobrado encarnado.
Aluga-se um moleque muito bom para co-
peiro; na mesma asa precisa-se alugar uma ne-
gra que atonda ao servico de casa, e saiba ven- ra comprar e cozinhar em casa de pouca familia :
der na ra : no'Corredor do Bspo dofronte de pa- na ra de S. Francisco n. 54.
Aluga-se um escravo de cor para cuzwheiro
ou copeiro, afianca-se o comportamento : a tratar
na ra do Sebo n. 22.____________________
%&%. .
Preci6a-se alugar uma ama captiva ou forra pa-
lacio.
Precisa-se por aluguel, compra on hypolhe-
ca de uma escrava ainda que seja de meia idade,
mas com habilidades : na Capunga, ra das Cri-
onlas n. 3 A.
Quem tiver um preto para alugar ou hypo-
thecar, ou vender, e uma preta de meia idade, pro- ves, convido aos roaos da mesa' actual.bem como
h'iuaiiilaic do Sautissimo Sacramento
de S. Frei Pedro Goncalves do Kc-
cife.
De ordem do llim. Sr. juiz da irmandade do
Santissimo Sacramento de S. Fre Pedro G ncal-
cure na ra do Rangel, segundo andar n. 7.
Quem quzer comprar um terreno com osa
e boa baixa para rap, no ureiro, a margem
a iiu capibaribe, junto ao sitio do Sr. Gabriel An-
tonio, o qual tem muilo bom barro para lijlo, e
proporcSes para se levantar uma boa olaria, diri-
ja-se a ra do Livramento n. 38, segundo andar,
das 6 as 8 horas da manha. e depois de o horas
da tarde.
AMA
Na ra da Cadeia do Recife precisa-se de uma
ama para casa de pouca familia.________________
Precisa-se de dous trabajadores para pada-
ria : na ra larga do Rosario n. 16.
Na ra do Rangel n. 38, primeiro andar, preci-
sa-se de uma ama que compre, cozinhe e engem-
rae, para casa de pouca familia.___________________
Ezcravo fgido
Desappareeen no dia 5 deste mez de maio, da
cidadeOe Olinda, o escravo Egidio, do abaixo as-
sjgnado, com os signaes seguintes : cabra acabo-
dado, com 13 a 16 annos de idade, cabello estira
os irmos designados, para comporem a mesa con-
juncta que deve ter lugar no consistorio da me;-
ma irma.ndade as 4 horas da tarde do dia 15 do
corrente, para tratar-se de interesses da irmanda-
de. Recife 10 de maio de 1865.
O escrivo,
. Antonio Gomes Miranda Leal.
O London A Brazillan Bank, saca por doos
os paqueles,sobre
Lisboa.
Porte.
Braga,
^ianna.
Guirbarias.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
Tinturara
da na respectiva thesourara ruado Cres-, a< "po regular, levou vestido caica de cisomira
' azul e camisa de algodao de listra, aberta na
Na ra Direita n. 116 continua-se a tingr para
qualquercor.j o mais barato possivel.
Na praca da Independencia n. 33, precia-?e
de uma ama para compran, cosinhar e fazer todo
o mais servico de casa de pouca familia.
Wa-to Antonio.
Estando prximo o festejo do glorioso Santo An-
tonio previne-se ao respeitovel publico que est a
venda a trezena do mesmo glorioso santo, muito
bem confeccionado, Impresso nitida e brojada :
na roa do Imperador n. 15 defronte do convento
de S. Francisco._____________^_
~0 conselheiro Jos Benlo da Cunha Figuei-
redo e o bacharel Jos Bento da Cunha Figueired
Jnior mudaram o seu escriptorio de advocada
pal Jacintho Gomes dos Santos, morador no mesmo |ara *do da ruado Crespo n. 1, esquina ds
vespera da extraccSo ser.ao de Paje ; roga-se s autoridades policiaes ras>el-_______________________________
e capites de campo a captura do dito caboclo, e o Sr. Jos Soares Pinto Correa, lera
lvalo ao seu senhor Jos Figueira Curado, na!
cidade de Olinda.
frente, com dous boleos dos lados; foi para o Re-
cife, e provavel que v para o serto de Paje,
d'uode veio ha pouco em icompanhla do seunor
moco Jos Pires dos Santos Barros, o qual por oc-
casio de tr ordenar-se no Rio de Janeiro, o ven
dora ao abaixo assignado por autorisaco de sen
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir com moita brevidade a barca
Rio de Janeiro, lendo parte do seu carregamento
engajado: para o resto que Ihe falta e escravos a
fretes, para os quaes tem excellentes commodos
rata-se com o sen consignatario Antonio Luiz .'de
Oliveira Azevedo, no seu escriptorio na ra da
Cruz n. 1.
LOT1HIM
Approvado pelo Exm. Sr. presidente.
3000 bilhetes a 6*006.............18:000*000
Beneficio, sello e commisso 24 0(0.. 4:320*000
Directora do arsenal de guerra de Pernambuco
13 da maio de 1865.
0 escriptnrard,
Jos Alfredo de Carvalho.
Para Kio de Janeiro.
Pretende seguir com multa brevidade o palha-
bote Ptedade, tem parte do seu carregamento a
bordo, para o resto que Ihe falta e escravos a fre-
te para os quaes tem expelientes commodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio roa da
Cruz n. 1.
COMPANHIA B1ASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 26 do corrente o va-
por Cruzeiro do Sul, comman-
dante Alcoforado, o qual depois
da demora do costume seguir
para oi ortdo snl,
Desde j recbera se passageiros e engaja-se a
carga m o vapor poder eonduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, eneom-
mendas e u\heiro a frete at o da da sahida as
2 horas : agencia ra da Crol n. 1, escriptorio de
\ onjojo LohaV Oliveira Azevedo & C.
Liquido...... 13:600*000
1 Pnmio de........
I Dito de..........
1 Dito de...........
4 Ditos de 100*000
8 Ditos de
15 Ditos de
35 Ditos de
785 Ditos de
850 Premios.
2150 Brancos.
40*000
20*000
10*000
6*000
6:000*000
1:200*000
400*000
400*000
3-20*000
300*000
350*000 -
4f710*000
-------------13:080*000
O Sr. Luiz Cesar Pinto de Parias queira d-
rigir-se a ra d Madre de Dees, armazem entre
a igreja c a botica.
o dia 18 de corrente mez de maio vai
praca do renda tnennal o engenho Novo do termo
do lguarass, em praca do juizo municipal e de
orphos daquelle termo, pelo diminuto preco de
500* annuai III; quando a um ou dous annos
atraz estove arrendado metade deste engenho pelo
preco de 2:600* annuai. Avista, pois, do expen-
dido, espera-se que os pretendentes concorrerac
referida praca anm de usufruirem uma excellente
propriedade que contm todas as proporgoes e
commodos necessarios, como bem ptimas torras,
porto de embarque muito pone, pedreiras e fornos
de queimar cal, etc.
. Ojusticoiro.
| uma carta na praca da Independencia
ria n. 6 e 8.
Iivra-
3000 Bilhetes.
N. B. Os premios maiores de 400*000 esto su-
geitos ao descont da lei provincial, e os maiores
de 1:000*000 ao da lei geral.
Thesourara das loteras 9 de maio de 1865.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Aluga-se um pequeo armazem na rna da
Paz, proprio para qualquer estabelecimento em
ponto peqneno : a tratar no pateo de S. Pedro t,xi-
mero 4. .___________________________________
Queta precisar de 800* a joros cem hypo
theca em alguma casa diria-se a ma Direita n.
39; sobrado de um andar, das 7 as 10 horas da
manha e das 2 as 5 da tarde. \
Aluga-se a casa terrea n. 105 da ra de San-
ta Rita : na ra da Aurora n. 36^__________ _
Aluga-se nm sitio na Capunpa Velha cem
uma boa cana de pedra e cal, cora 3 salas ee
quartos, cozinha fra, casa para escravos, dita
para fetor, tanque para banho, cocheira, estrila-
ra, viveiro com peixe, e multas fructelms com
fructo: quem pretender dirija-se a Capunga Ve-
lha, sitio junto ao Sr. Antonio Roberto e Jacobino
que achara com quem tratar.
Aiemia, chlorose, obstruir*
1 da' viceras abdominaes, quer consecutiva a' jo*
flammacoes agudas, quer resultante das febres in-
termitentesDyspepesia, cmtlm em ledos os casos
em que reclamar nma medicaco tnica, ou reme-
dio a algum vicio de hematose
Piiulas e emplasto dejurubeba cura em 15
dias.
Preparadas por J. Y. Lavciere
Villa do Bonito.
1HIE
Fugio no dia 7 do corrente, da casa do aba.
xo assignado o seu escravo Francisco, cabra, esta-
tura regular, grosso do corpo, cabellos nao cara-
pinhados, tientes perfeitos, sem barba, ps e mos
regulares, levando vestido calca de casemira pre-
ta, camisa branca, paletot de alpaca e chapeo de
baeta preta, alm dos referidos signaes tem elle
no braco direito um signo salomo abaixo do qual
tem um coraco feito com tinta azul, em cujo cen-
tro tem as 6 iniciaes seguintes MMIIMM, tem elle
33 annos de idade pouco mais ou menos, consta ter
seguido a estrada do norte em busca da casa de
seu antigo senhor o tenente-coronel Joaquim Car-
neiro da Costo, a qual no lugar denominado
Curral Grande da villa de Santa Anna provincia
do Cear. O abaixo assignado recommenda pois, sera gr"'-do-____________________
tonto as autoridades como aos capijies de campo Aluga-se um sitio margem do rio, na Ca-
de qualquer lugar a captura do referido escravo, punga Velha, em terreno alto, lendo casa espato-
o quat podera ser entregue no primeiro andar do com grande soto, e casas fra, constando de dm>
..? a' -dara_d0 ,mPer!(lor 0D >o s'l'o da estribaras, duas cocheras, quartos para criados
estrada de Joao de Barros residencia do abaixo feitor, etc., cacimba de agua de beber com bombas
*Im^, pesso\que ,roaxer sera *ener- e lauques, sendo um proprio de banho, pomar, jar-
ament recompansado. t, n I pira, balxas de eapim e viveiro de peixe : tr.tt-s*
Joaquim Manoel de Mira Waoderley. na ra larga do Rosario n. 20.
um alnete de senbora, sendo de ouro liso, cora
uma flor sem esmalte, na noite de 8 do corrente,
da ra do Palacio do Bisp o ao sabir no Hospicio:
quem o achar leve a ra da Soledade n. 38, qae
?->
v
[LEGTVEL


^*HMmWW+*f*' J*** '*t%ft **** i
Ao Sr. acadmico. Aktoi\io Jbs Lopes Filho, ro-
ca o proprietario da cas n. Ir roa do Mondego,
|a qual residi soa merc o aono passado, antes
de retirar-se para.a Babia, da dar cumprlmento ao
que asseverou em sua carlialja dirigida ao dilo
proorietario etc. |
-^Precisase d urna ama quecosinhe e engom-
me para daas pessoas : a roa da Cadeia n. 4, e-
pando andar. _. ni'
~Z Joao de Soma Gafraaries respoadendo ao
nnaucio qae o ex gerente da casa de Antonio Joa-
niiio de Mello fez publicar nao foi exacto em dizer
,'ue ma conformei cora a conta que me foi apre-
oada. nem s por nella ter o que nao evo, co-,
mo por nao estar acreditado pelo que pagoei, e
como provo com doeumenlos que ao actual procu- [
rador do cr. Mello os apresentei, cujos se acham i
miados pelo mesmo Sr. Coelho, e que levarei a
mUo se a isso for abrigado, e nessa occasio pro-
varei com mats documentos em como pagoei pelo
Sr Jao Gomes de Monra e Silva quantia superior
a 20050U0. e que essa mesma coma se acba em
abert-*; faltos desta ordera sao dignos de publica
veaeracao,... em quanto ao convidado para pas-
car alguns Jias em mlnha casa, o5o vejo nesse
meu delicado procedlmeuto para com o Sr. Coelbo
nada de extraordinario, visto que eslava na melbor
boa fe possivel para com sua merc, e suppunha
que o augmento de mlnba conta nao era mais do
que algo.ni engao de sna parte._______:
Solicitador.
O solicitador Pedro Alexandrino da Cosa Ma-
chado transfen soa residencia da ra Imperial n.
3 para a roa do Rangel n. 38, primeiro andar,
onde pode ser procurado para os misteres de soa
nrofisso, qnr no foro desla cidade, qor nos do
Cabo, Ipojuca e Escada, para onde se encarrega de
cobrancas.__________________________________,
Mugara se doos grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com ardim, cocheira, estribara e ontras comino-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira :
a tratar na roa da Seniala Nova n. 48.
Ao~Sr. da ra do Bartho-
lomeu.
Oabaixo assignado tendo sido por diversas ve-
zes chamado ra do Barthoiomeu, e insciente do
motivo de laes chamados, roga ao autor dos mes-
mos o obsequio de declarar por este jornal qual a
razo que o indui a fazer semelhantes annuncios ;
na certexa de qoe a nio declara la, nenauma al-
tencao presura aos seos chamados.
Jos Feliciano Machado.
CASA M BANIIOS
l.argo do Carino numero 26.
Este estabelecimento 15o bem montado na sna
origcm, achavase de a rauito em quasi completo
abandono pelo pouco interesse de sua admlnis-
tracSo. _
Hoje que o novo proprietario emprega todos os
meies para restabelecer a grande utilidade deste
eMabelecimenlo, pode assegurar ao publico que
qualquer que seja o numero dos concurrentes actia-
rao desde j promptido e aceio nos boobos frios,
momos ou medicinaes, a casa dos banhos se acha-
ra aberta todos os dias'das 6 da manhaa as 11 da
noite.
Precos. km
1 banho fri on morno......JO
1 dito de farello...... 1*000
1 dito medicinal ser segundo a qoalidade.
Scartdes.........04000
12 ditos..........S*000
mmmmmm MMM&g
a O bacharelLourengo Avelino de Albu-Jj
querque Mello continua a ter seo escrip-
I torio de advogado nos auditorios e tribu
naes desta cidade : na ra do Imperador
MM MMMM
Consultorio medieo-eirurjico ta roa larja i
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferrelra da Silva rogressando a sua
ca na parle medie orno tambem na cirurgica
ALMANAK.
Aca># <& *ahir dos pr-
los de nossa typograpbia ot
Alinanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta}
provincia, correcto at. 31
de dezeinbro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e8
da praca da Independencia.
FEIJAO
a 320 rs.
FeijSo de mistura a 320 rs. a cuia : na ra dos
Quarteis n. 22.______________________________
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
de Cunta, a tratar com Tassolrmos.
Vende-se
no sitio da Cruz de Almas ao voltar para a estra-
da de Beberibe, coqueiros pequeos proprios para
mudar-se.______________________________
Vende-se urna negr nha de 10 annos, muito
esperta e sadia : no pateo da matriz de Santo An-
lonio n. 8.__________________________________
Vinho da Figtieira.
Superior vinho da Figoeira da acreditada marca
JAA a 254 a ancoren grande, garante-se a qua-
lidad.- : no grande arraazem da Liga a ra Nwva
b. 60.
AURORA BRILHANTE
i
lotfVO*
GRANDES 4RM4ZENS
DE
Na ra da Cruz n. 21, priraeiro andar, ven-
de-se urna prela que lera todas as habilidades ; na
mesma casa vendem se duas besras de rola sendo
orna velha e ontra nova.
Traques
a 6*000 a caixa de 40 cartas, e a retalho a 160
rs.. a alies, antes que se aoaliem : s no armazern
da estrella, largo do Paraizo a. 14.
Acha-se venda
na officina de encadernacSo da ra do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco, a
Biblia da Infancia do abbade Pascal, appro-
vada para as aulas publicas da provincia por
portara da presidencia de 15 do passado.
As pessoas que corapraram j a obra, e qui-
zerem ter um pequeo accrescimo, que se
ihe acaba de fazer, mandem-o buscar.
Largo da Sai
|Croz n. 84, es
quina da ra d
iSebo.
ESPEC1AES
Largo da Santa!
Cruz n. 84, es
i ti a da roa dol
Sebo.
O novo proprletar-"do j muito acreditado armazem de molbaiol^enomibao Au-
rora Brllhante, continua a ter o mesmo sorlimento de gneros de primeira qualidade.
A seguinle tabella sirvira' a todos de base para ajuste de contas aos portadores. >
Nenhnm armazem vender' mais barato e melhores do qoe a Aurora Brilhante, ja
pelo grande sorlimento qne tem, ja' mesmo porque seu dono s deseja tirar diminuto lu-
cro quanto chegue para accumulr as despezas do estabelecimento por isso deixe-se a-
proveitar, o prspneUrlo ha de fazer teda a diligencia, afim de servir bem os seus cons-
tantes freguezes.
Latas com 8 libras de chouricas muito novas,
AZEVEDO FLORES
Ra da Cadeia do Hecifo, csqutrn da SMre le Dcns.
Prestem attencao ao discui'so' do Balito.
A loja do Balito todas as semanas redima o seu anuuncio em oeosequencia de
constantemente receber novas fazendas e novo sorlimento de rouj)a feia, os seus presos-
sao os mais moderados como j ninguem ignota, as fazendas que nao levam prefo mal ca-
en postas inteiras,
a 1S000, 1^280 e
Balco.
Vende-se um balc&o de amarello pouco usado e
tres fUeini- para amostras: na roa da Cadeia do
Recite n.50.
Vendem-se cerca de 20 saceos de feijo mu-
latinho por barato prego, para animaes : na ra
Nova de Santa Rita n. 19, ribeira do peixe.
Ferro da SMcia.
Vrnde-se no escriptorlo de Rothe Bidonlac, ra
do Trapiche n. 18.
PICHINCHA
Ceroulas de meia muilo finas a 1*500, ditas en-
trefinas a 15200: s na roa da Cadeia do Recife
n. 5, laja de miudezas de Silvestre Pereira da Cu-
nha & C________________________________
Vende-se a taberna da ra dos Acouguinhos
n. 20 : a tratar na mesma.
m
Antonio Joaquim de Mello, antigo ad-
vogado nesta cidade, e procurador fiscal
apo-entado da thesooraria de fazenda,
emprego que servio por mais de 22 an-
nos, continua a advogar era todos os ra-
mos do civel e cri me, cora provisao uV
Exm. consetheiro presidente da relaco. ^
Mi \\ni do imperador n. l
mkmmmmmmmmmmm
Aluga-se urna preU e um mulatinho; aquel-
la prepria para vender na ra ou n'outro qualquer
servico, e este para servir de criado, para o que
lem bastante desenvolvimento e
tratar na typograptiia da Ordem.
GAZ GAZ GAZ
Veade-se gaz da melhor qoalidade a
li.alata: nos armazensda ra do Im-
perador n.16 e ra do Trapiche Novon.8.
muito fiel : a
- O padre Pedro Alegre, subdito francez, reti-
ra-se para a provincia da Bahia.______________
l'recisa-se de um forneiro : na ra larga do
Rosario n. 16 ; e na mesma casa se alugam 2 pre-
tos para o servico rual de padaria.
CONFIAS.
Compram-se libras sterlinas:
mazem de_r.Ferr -ira & Matheus, na
Cadeia do Recife n. 66. ^^^^
no ar-
rua da
Comprase etTectivamente ouro e prata em
.oras velhas, pagando-se bem: na ra larga do
"tusarlo n. 4, loja de ourives._________________
Compra-sc um escravo cozinheiro que seja
moo, robusto e sem vicios: a tratar no sobrado
n. 32 da ruada Aurora. ^^^^^^_____
Compram-se libras sterlinas : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar.
- Em casa de Tissel Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vraho Bordeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Hilo d- Champagne muilo superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
frides e picadeiras d
ipojuca.
Vendra-se as verdaderas brides e picadeiras
de Ipojuca : na ru do Oueimado n. 32, loja de
Azevedo & Irmo. |________\______
MEZ MAffiLlNO.
Versos proprios para se cantarem na de-
voco do mez mariano, corrigidos e aug-
mentados, e mu bem impressos em follietos
de 16 paginas, e que se vendem brochados
com suas capas pelo diminuto preco de 160
rts cada um, na ra do Imperador n. 15,
defronte do convento de S. Francisco.
"Trastes com so.
Vende-se 1 sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
cadeiras de amarello, 6 cadeiras americanas, 1
bea marqueza de Jacaranda, 2 carteiras de
gem e 1 carteira grande propria para
quem pretender dirija-se a ra
n. 140 defronte da estacao.
Chre, lai e.ehumbo.
Comprase cobre, lalao e chumbo : no armazem
a hola amarla no oito da secretaria |de polica.
- Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de electivamente estrave* de arabos os sexos : a
ruadohnpeMdor n. 79, terceiro andar.________
Ouro e praia
em obras velhas : compra-s na praca
r-ndencia n. 2, loja de bilbeles.
da Inde-
Potassa.
Compra.se potassa velha em barris des-
concertadas : na livraria da pra?a da Inde-
pendencia n. 6 e'8.
via-
laberna :
das Cinco Pontas
.4 eite de carrapato
Vende-se em grosso e a retalho mais barato que
os malulos, em carga : na fabrica da travessa do
Carioca n. 1, caes do Ramos.
~~Vende-se 1 linda mulatinha recolhida, de 13
annos de idade, com hahilidade, 3 eecravas, sendo
nma de meia idade, ptima cozinheira, 1 escravo
para todo o servido : na travessa do Carino n. 1.
a 7*300.
Dilas grandes com peixe
mais de 12 qualidades,
19400.
Ditas com ostras, excellente petisco para fri-
gideira, a 720 rs.
Ditas cora ervilhasnovas, ensopadas, a 720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
Dita? com araeixas a 15200, 15800 e 35500.
Ditas com marmelada do afamado fabricante
Abreu. a 720 rs.
Ditascora massade tomate, a 500 rs.
Ditascom figos de comadre, novos, a 15500,
25 e 25500.
Ditascom bolachinha de soda muito novas, a
25000.
Ditascombiscoitinhos inglezes de muitasqua-
11 dad es, a 15400.
Chocolate.
Caixinhas com araeixas enfeitadas proprias
para mimo a 1JJ200,2&800 e 3$100.
Chocolate superior muito novo, a libra de
880 a 15000.
Macarrio, lalhariam e aletria amarella, a libra
a 400 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estreiinha, pevide, e outras mas-
sas, a caixa 34500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinha para spa a libra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca inaiti nova, a libra a 280 rs.
Farinha de aramia verdadeira, a libra a
, 300 rs.
Arroz do Maranhao, era sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 33200 e a li-
bra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 9$300 a arroba e a 320
rs. a libra.
Bito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
260 rs.
Molhoscom 125 ceblas grandes, a 1*280.
Mostarda franceza, caixa com 2 duziasa
7j>000.
Frascos com mostarda preparada em vinagre,
a 400 rs.
Ditos cora conservas inglezas e francezas, a
640 e 800 rs.
Diloscom sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.
Diloscoma verdadeira ganebra delaranja, a
19000.
Ditos de2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
640 rs.
Botijas cora dita propria para negocio, a
! 400 rs.
Garrafoes com 2 galoes com dita, a 65.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 6-5000. .
Vinho muscatel de Setubal. a garrafa al5.
Marrasquinho verdadeiro, irascos a 86C rs. e
a 15200. ,
1 Champagne, a duzia 205000, e a garrafa a
25000. ,
? *jit refinado portuguez e francez, a garrafa
Caixa de vinho Bordeau'x' mtmu j^.......
75, 85, 93 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 74 a caixa.
Bitas comdilolaKriraas do Douro verdadeiro,
Ditas com duque do Porto verdadeiro'a
185000.
Ditas com chamisso superior, a!45.
Ditas com Porlo velho eootras muitasmar-
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e800rs- a .MA
Dito de Lisboa muito bom, acanada a 3$.uu,
34500 e 44, e a garrafa a 500 e 06O rs.
Bito da Figueira, das seguales mareas (.V)
(1 A A ) (J. L. G.) (O. 11.) a caada a
4500, e a garrafa a560e640rs desle
que j esta engarrafado e lacrado com o
, rotalo do armazem.
Uitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
> da a 35500 e 43000, e a garrafa
520 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 34000 e a garrafa a 400 rs.
fiomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se<
engommar, a arroba a 34000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libraa OO, 240 e 280 rs.
Fariiha.
Saccasgrandes com farinha de Goianna mui-j
to nova, a 64000.
Cafe.
Cafdo Rio muito superior, a arroba a 83,}
84500 e 93000.
Cha.
Ch.teraos nestes geueros o aelhor possivel,;
hyson, a libra a J5600.
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 3700.
Dito hyson rauito fino a 25800.
Dito redondo a 24800.
Dito prelode primeira qualidade a 230U.
Dito mais baixo a 24000 e 14600.
Erva mate.
ExCellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Kspermaeete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 60O,|
640 e 720 rs.
Passas.
Cafos de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 44 e 24500.
Noxes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 44000.
Alpisla e paineo.
Alpistae paineo, a arroba 44000 e a libra a.
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar, a dozia a 24500.
Castalias.
Castanhas novas vindas neste vapor,
La 45000 e a libra a 200 rs.
A ze i tonas.
Barris com azeitonas novas a 15500
Manteiga.
Manteiga superior, a libra a 13200.
Dita mais abaixo a 13120.
Dita menos superior a 14.
Dita franceza nova, a libra a 5in>
Dita dita em barris e meios ditos, a
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Qaejjns. novos viudos neste vapor a 24800J
34000.
DHos londrinos multo novos, a libra
14000.
Papel.
Papel alma?o paulado, a resma a 44800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 44500.
Dito de peso liza e pautado, a resma a(
Dito deembrulho.bom a 15 *#ao-
Vinho Hadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e *
procurar
que
do
a arro-
libra
fregt
fregmez.
Pede-se attencao.
Chapeos de sol com 16 asteas a 12^.
dem idem com 12 asteas a 80.
dem idem denominados acadmicos, fazenda inteiramente nova com 12 asteas a
120, por este preco s na loja do BalSo se encontra.
Bales de arcos para senhoras, os melhores que ha a 30.
dem de arcos e de musse'tna para meninas a 20, 20300 e 30500.
Vestidos finos a Mara Pa a 150.
dem dos nais modernos que ha de flores matisadas a 180.
dem com barras, fazenda ainda nSo *it em Pernambuco a 240.
Pecas de cambraias que sempre se venden por 90, o baio v. nde por 70.
Chitas preclaras que todos vendem por 640 rs., o Balo vende a 560.
dem da m sma qualidade, porm de ou'ros pa 'roes a 440 rs.
dem escuras a 300 rs. estao-se acabando.
dem estreitas a 200 rs. s na loja do Balo.
LSas de accento escuro com flores matisadas denominada pelas senhoras que j
compraram (la econmica.)
Cambraia de cores as mais finas a 800 rs. a vara.
dem de cores com quadros brancos a 560 rs. a vac?.
Madapolo a 80 a peca, que vale 90, tambem ha fino.
dem francez proprio parasaia de senhora a 560 rs. a vara.
Camisas de meia muito finas a 220 a duzia.
Metas cruas para homem de 60 a 80 a duzia.
Camisas de pregas largas a 20500 que todos vendem por 30.
dem inglezas de linho muito finas a 48-5 ou 540 a dua.
dem de flanella de cores muito finas.
Calcas de casemira pretas e de cores de 70 a 120.
Paletos de casemira decores e pretos, a 100, 110 e 120.
Colletesde casemira e debrim branco os melhores que ba.
Calcas debrim bra co muito finas a 40500, 50 e 70.
Paletos de alpaca branco a 50 a duzia.-
Mantas modernas para pescoco de homem.
Collarinhos de papel de cores a 800 rs.
dem brancos a 400 rs. a duzia.
L3a preta para luto e de todas as mais cores a 500 r?. o covado.
Ceroulas de linho com duas costuras.
dem dealgodo a 10600.
Cambraias para forro de vestido a 20600 a peca ou a 360 rs. a vara.
Chales de merino estampado que custaram 80, vende-se por 50 em razio do es-
tico desmaiados por ter estado a mostra, por estes precos s na loja do
tarem um p
A&&Q
cominho
a480e
A;r, o uwnn ..S000.
Temperos.
Folhas de louro, piraenta do reino,
e cravo, a libra a 400 rs. 1
Velas de carnauba. ;
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a 14400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de lirnpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
6raa.
Duziasde boi5es de graxa n. 97 a 23000, e 1
de Utas a 13000, e os boi5os a 240 rs. ca-j
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charuto finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixa e r
caixas.
_____
- Compram-se dous Diarios de Jerjam-
buco, sendo um do mez de agosW de m>
e outro qualquer dos ns. H7,4*8 e i
de juuho de 1856> em os .flttqs.trjam rela-
tivamente das trras do .engaito Son, ae
Jos Antonio Pereira, qaem os ttver oirt-
ja-sea ra do Queimado loja n. 14, que se-
r bem pago.________,'
- Precisase de umamassador na padaria
ra Real do Manginho n. *- ______
da
Atlencdo.
' Vendem-se pec,as de esleirs para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 2o li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-Unidos : no armazem da ra do
Trapiche n. 8.
I 8nrE grande quantidade le gneros tendentes
* estes estabelecimentos, que deixam de an-
___
nunciar-se.
. Vende-se caixes vazios proprios pa-
ra bahuleiros, e funileiros, a 20000 cada
um : e para as pessoas que comprarem do
4 para cima 10800, nesta lypographia.
120 e 600 rs.
Rival m segundo
Frascos com agua de iotonla
Duzia de thesouras para costura
Caixa de soldados de chumbe a 120 e
Na ra do Queimado n. 4j|
120
600
200
N. 11Una o Qaeimado-N. 11
D..ores cortes de seda preta com lindas; barras
Superior seda faconno dfie ha d _gor3] So e 4, covado-
Moreantioue preto muito bonito a t#_W0,_J#, *f?"ee

para s: nheras.
- Precisa-se de om feltr para um sitio ie um
estrangeiro : na roa da Crnz n. V_______
MOC|D^THSTEZ\
Poesas de Victoriano Palhares : ,f*_e";
ma do Imperador, a J4uw
livraria acadmica,
volme.
fENDAS.
"I^Vendem-se moedas Prtuguezas de ouro.
proprias para abotoadoras a t#20 cada urna na
ra Direita n. 21, padaria.
Grande pechiicha
A 200 340 rs. o eovado.
Chu froncera pelo barato preee de a
rs. o ovado : na roa do Queimado n. 27, loja de
Custodio, Carvalho & C
Pannos pretos e casemiras de _.fMaH.
Bonrnas, chales e los de renda pretos soper.ores.
Superiores pelisses e soutembarques de sena
S^*CE^VlMSirtS,'
Santos Porto aonde tambem.se vendem as melhores e mais oa
)r!o aonde tamDem se yenuein ...... nninD
Esteiras da India para forrar salas.
f. il-laa do Queimado J. H_____
MCHIMSbEPATEM
de trabalhar ino ai:
descarocar algod&>
FABRICADAS
Por Plant Brotkoro & O.
LDAM
Estas machina*
podem descarocar
qualquer espec
'de algodao sea
estragar o fit.
sendo bastante
duaspessoas para
o trafialho; pd*
descarocar ums
arroba de algo-
dao em earoct
em 40 minutos
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodat
limpo.
Assim como machina* para erem movidas por
animaes, que descaroyam 18 arrobas de algodat
limpo, por dia; e motores para mover ums, duas,
euire dessas machinas.
O mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis desias machina
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e exaraina-lo, no arma-
zem de algodao, uo largo da ponte nova t.47.
Saunders Brothers k C.
ft. II, praca do Corpo ante
RECIFE.
Os aicos agentes neste pair.
ATTECifl
Chegaram livraria encyclopedica de Jos Bar-
bosa de MHlo, ra da Cruz n. 52, as segmntes
obras do Dr. Chernoviz :
Formulario ou guia medica,
ane contm a descriprao de todos os medicamentos,
sexta edicao, com 121 figuras no texto, que repre-
sentara as plantas medicinaes ; 1 volume de 820
paginas, encadernado, preco 64-
Diccionario de melicina popular
que contm a descripcao das molestias e o seu tra-
tamento, tercelra edigao, com 231 paginas; i vo-
lumes encaderoados, prego 204-
Historia natural
para os meninos e meninas, ou converacao de
um pat com seus filhos f obre muitos animaes e ve-
getaes; l volume encadernado, com 13i figuras,
preco 44-
Tambem chegaram mesma livraria a gramma-
tica franceza de Burgain, nova edigao, -
nario do bom gosto.
AGUA
DE
Florida.
para restabelecer e conservar a ccr natural des ca-
be!li;......u,,Ud lbo e nma tiotura, fafto es-
sencial a contestar, a mesma agua d..cCt. a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella um a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade lncontcstavtl. a apua de
Floria entretem a lirapeza da cabega, deslroc as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Oleo de Florida
Composlo de substancias vegetaos exticas, elle
contribue poderosamente, com a agua de Flo-
rida aforga, a belleza e a conservgao dos cabel-
los.
Em Pars casa de Guilaurn. 112 ra dt Rechi-
nen e 21 boulevard Montmarlre.
Todos os frascos nao tendo intacto e are. e no-
cir prateado da rasa, reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia d. 38.
Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, no seu escriptorio ra da Cruz p. 1.
de coUdotlr gneros da
roda, muito forte, P_r
1 tratar 00 pateo
deS.
Vende-se nm carro
alfandega, falundo-lhe nma
prego mor eommoo
Pedro n. i. '*y "-----------_Tv,
~ Vende-se ^'SSuSrSS&V*** boj
em boro estado, por prego mnl
tratar no pateo de *. Vtfre% .
commodo : 8
Vende-se u
jssim como
banca com
piano de me:
VENDEM SE
caixes vastos propri s rara bahnlei-
Brato
^ZtJSZtVXSl rS cfwileiros'a 2,000 rs.;
tomador de Jacaraada, 1
Caiio eelado, 1 commoda de
1 mesa elstica
K^TSaradi de amarello
STmarello, 2 pares de Uoternas : a pessoa que
_reder mrita-se a roa Velha 69.-----------_
----------:--------V JMWL1A.
'ofSfU I, I"0 ***.
aestiteiBcita,
Vinho Madeira fino
tem para vender Joao do Bego Lima, na ra do
Apolle o. 4.
Vende-se um escravo Idade 25 annos insigne
oracial de carplna e boniu fijara : najravessa (
i Carmo o. 1.
avariado.
Francez barrica 54000
Portland idem 84MM)
E^a perfeito estado: IAm#M1<,
Francez barrica **W
Portland idem 1S*__ _.u
No armazem de Tasso Irmaos cae do Apotlo.
FU de algedio da Baha.
Vendefse no eeripiorio de Antonio Luli de OIi-
I veira Azevedo k a, roa da Crox n. 1.
e o diccio-
Carta chorographica
DO
THEATRO DA GUERRA.
Acha-se exposta a venda, as lojas abaixo men-
cionad .s, a carta chorographica do theatru da guer-
ra nos Estados do Sul da America Meridional, eon-
tendo as plantas do l-aysand, e do bloqueio e cer-
co de Montevideo. Ella torna-se recommendavel
nao s pela lacuna que vtio preencher, como pelo
esmero do trabalho lythographico.
Vende-se pela mdica quantia de 2.000 as livra-
riasdosSrs. Memein. ra do Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayw{ n da Cadeia do Recife, assim como
os lojas da Sbeiltao de Londres e na lytbogra-
phia do Sr. Carlos, a mesma roa n. 52, e na loja
do Sr. Cardozo de Almelda, roa da Cruz.
C'd Wlw
Na roa do Vigario n. 19, prim?iro andar.
Barris vastos.
Vendem-se barris vastos de manteiga a
na ra da Cadeia do Recife n. 53.
150 rs.
Admiravel pechincha!
Mflcaiubiquc a 300 rs. o covmh', v,< (ja
do \ia\ao.
Vendem-se os mais bonitos mogamb:qafs de pu-
ra laa proprios para vestidos e sonlfmbarqnef,
sendo de quadrinhos de Hstras e i:sv?. rszoiida in-
teiramente nova, em padroes e muito proi-iihs pa-
ra as senhoras (|ue (reqnoniam c mes Maane,
porque esta fazenda Ibes facilita fezerem [.r pi u-
co dinheiro vestidos mnito decentes para qualquer
acto, advrrtiodo-se que este beratiSFisso preco .
devido a grande compra que se iz dista nova fa-
:nda, que se vende a freze tnsles o cevado na
loja do pavo.rua da Imperatriz n. CO, de Gama &
Silva._________________________________
Jumentos
Vende-se um linde casal de jumeclcs de bella
raga, grandes e novos, proprios para a conserva-
gao da mesma raga e cruzamento, do que so eolhe-
ra magnificos machos, mullas carro e carga ; ruja
jumenta esta' prenhe, assim como orna linda ju-
mentlnha com poaco meos de um anno : ver e
tratar com Jos Pereira Cesar no sitio Pirahujra.
arrabalde da villa do Limoeiro._______________
" le^ Mariano.
Ainda est venda na roa do imperador n. li,
defronte de S. Francisco, a rica edigao do mez .Ma-
riano, ornada com estampas e vinhetts, eeocadei-
nada, por 14 e 14500 cada livro.____________
CalitBga fcrlnfluedo*
para meninos.
Chegaram para a loja de miudezas
Queimado n. 69, os mais finos e lind
tanto para brinqoedo de menioos como par;i nma
de mesa : na mesma lojase encontrar bom sor-
limento de miudez:s. 1
Maehlnas de serrotes para
algodao
Chegaram as desejadas machinas de serrolf s pa-
ra descarogar algodao. havendo um completo sor-
limento desde 13 at 40 errles, tambem ha mo-
tores americanos para as mesmas machinas ven-
dem-se o mais barato possivel : na ra da Laaea
do Recife n. 56 A, toja de ferraf ens de Joao (-ar-
los Bastos Oliveira.
linas uimbur^Hens.
Vende-sena ra Nova n. 61.
da ra d><
indo? nalnr.pas

ILEGfVEL


*
l
I
I
I
1
>**+m*** ~. ***** tiiiMrwmttf+M.
RENT
f^
ai
AO PUBLICO
rft- .
anenor irn
do genero que
Importe
..:.-. 5 ** gradar.
ATTEHQ0
PILUCAS TBtHTAl-H
Os precoa da fcegutnte
tabella pafa todos, pu-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de con tas
con es portadores.
DR. kfl.
V -m
ESTABEHECTBO A RA 3OTA N. 60
ama a uferatit si si Dxaa&m
AO
KESPKITAVffX PUBLICO.
A apreciarlo dos habitantes desta heroica provincia existe no grande araaa-
mem da Liga estabelecido roa Nova n. 60 um magnifico sortiment de molhados,
que sendo em sua mann-i parte mandados vir directamente de estrangeiro podem ser
vendidos por-preeos asss razoaveis.
Sem a fctodade de querer que este novo e i
pnmeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranca de'que
nenhum oulro o exceder noreetrteto cumpriraento das seguiotes promessas:
ARMAZEM NIO M
RA DACADIIA DO MGIFE N. 53
(Logo passando o areo da Coneeleio)
PARA BEM DE'TODOS.
Nio ha oececsidade mais #e.
rarta,:ik>8llos*pzes doqo5a
de m 'purgante que seja -ao
T-mesmo lempo innocente, efficaz
digno de toda a confianza.
As pi lulas que ora efferece-
"Tnosao pttbttco Tjreencbem estas
condiefies; pois pdem ser to-
madas pelaspessoasi mais fracas
sem prigo alguna, nao tende em
sua composicao' mercurio nem
utro ingrediente nocivo a sau-
de, ns sendo composte dea-
vegeUes mu i fortes, sao bastante
eflicienle6 e aetivas para parificar os cornos
mais robwtos.
Estas, pimas exploram e purificam toda
a extensao do canal alimenticio, e dio vigor
a todas as partes do'organismo, corrigindo
sea aceSo viciada e fazendo
gentes
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
>
As pessoas que por sua posicjto social gozam de certo tratamento, achrao nesta,
C3sa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
pnmeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a cndilo do freguez, elle deve contar que ser sempte mui-
to bem servido.
Aquelles que s5o pouco favorecidos da sorle faro mensalmente urna economa de
minias patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender arroz, o caf, a man-
teiga o assucar, etc.,.etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes h5o po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra'da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo sea proprio interesse, a este eslabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhor. s que compram para lomar a vender 'existe um sortiment espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito dere agradar aos senbores
compradores
N5o se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEG1NTES PRECOS S SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos dftenoro eslabelecimento, e mais que todo a nromntidSn nt-' vltallS recuperar sua
reza aera que serao tratados, convida a urna visita aomesmo, certos de que sem dovida me daro a poteccaoe pVefSna na ^SU' m reiedio inesmavel costra *, a
prados generes que prec?88rem, e quando nao possam virpoderao mandar seus portadores, aindaI que estesaKS2a cabeVZZa enxaT^ca 2?,5 i *
rtrTar^bemSmdO8"Om08eVeSSemPeS ^ Paracomesles^r^ommendaco, afimTqCXaoTm t^SS!BS&^^
3,500 a caixa com 8 libras jue > era ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
Vinho do Porto muito fino proprio para zia e 3'800' 6*000 e 6,5o a du'
engarrafar, em ancoretas de S canarias a rpvaiinha a v
35,ooo rs. cananas a tevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a affamado fabante Jos Furta-
oleres^ *****i" ?Z\tZ .fS ?%
ALPISTE E PAINCO a 10 rs, a libia.
AMEXJ) iAS novas a 28o rs. a libra.
AVftLiBSaMOra. a libra.
Alti. i ; de 00 rs, a libra a,..
AMKIX.AS francezas em latas, potes, fras-
'"cetas, etc., etc.
AZBITg doce
BANHA .Iri
a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
porco a 660 re
' M/.-se abate.
BOJ MIMIAS do beato Antonio a
i'-)- VOIINAB de soda lata grande a 2,000
Bls;< ifTOS ing ezes em latas de 1,200 rs. a
Bi) \;:iMIAS principe Alberto a 2,000 rs.
c
CHOUligAS m- CAF de260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a t.> 000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
am.'rican s. bahiannos, fluminenses, etc..
da 1.400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSONdea.ZWya
COi'OS I sos ladidados de todos os tama-
ngos a
D
DOCES de todas as qualidades.

Efi VILIAS seccas e em latas portoquezas e
francezas.
F
FAIUNHA de araruta rerdadeira a 800 rs. a
libra.
FAIUNHA doMaranhao ou tapioca a
FAlttiLLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FA VAS portiiguezas em lata a 600 ts.
O
G0MMA muito nova e alva a 140 rs. a libra.
GRAO DE BICO a 120 rs. a libra.
GliNK'tlU deiaranja a 9 e 10,500 rs.
CliNEBRA de Hollanda garrafas. etcn etc.
MANTEIGA ingleza efranceza at^l, 1^120
1)5280 e em barril faz-se grande abati-
mento.
MACARR0 a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 600 rs. a late.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara,
a libra, em por- MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos precos.
P
PEIXE em latas a 1.000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
abatnenlo,
ideafrancezaa mais aova do mercado a 96o
rh8k a ,bra e ^ rs# em barr' ou meios.
cna hjrsson rs. a libra.
^t Perola o mais superior do mercadea
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
bras muito propriopara negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem pretoo que se'pde desejar oeste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muitonovas8oors.a libraeem
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs-.wa libra.
Costelletas inglezasa 64o tsiM libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino ohegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs.,: ditos de-navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oors. a libra.
dem t>ratoa"8o rs. a libra, nleiro se faz
abatimento.
dem 8uisso o mais superior que tem vindo
o mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portufcoetas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados'para agua a 5,o*oo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo,
l.ooo e l,2oors. a*lBra.
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8os.
Vinho branco de Lisboa de excedente quali-
dade a 4oo e 5o.Ors. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
do de Simas, das seguintes qualidades:
Lxposicao Normal de H ivana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
0,000 e 7,000 a caixa ou em meias.
Espermacete superiorT a'600 e6io rs. a li-! Milo deamendoasa 5oors.
Vinbobranco para missaemcaixas de 1 du-i^S nmn^^^^.03/688 e fabr"
ziaa 8,ooo e 68o rs. a garrafa 3MC SCjam'' Fl6.r d Norle'Ma"
Vinho do Porto das mellfores marcas que ^SSSJSS^^T!^
vem ao mercado como sejam : Lagrimas 3 oo a caixa SP,rS' i'' *M 6
sss. ^r:fiva.i.a! ^^de **a-a iata -
^^ZtfS^ verdadeiraa32ors. a
K'dfi?^ a' Kos quartos .]*&** ** ^ S ~ a
64o rs. as meias latas. j Sebollas de Franca muito crandese novas
Bolach.nhas inglezas muito novas a 5,ooo a a l,8oo o cento e 1 2oo soUas
barrica e 320 rs. a libra. Palitos do gaz a JM ios.
mlifldJslf em lat3S dediversas Toucinhode Lisboa maito8novo a 32o rs. a
r9SSJ \ '? rs' libra e 8-5o a a"oba.
T^- ,franCezmuit0propr'OSpa" ^''a de porco refinada a 65o rs. a libra.
ftiLL rS- k /-. s Bo,acllnl'a Alberto, as melhores que pre-
Fassas muito novas em caixinhas enfeitadas sentementetem vindo ao mercado, a 2 ooo
para mimo a 3,ooo rs. a lata.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs. Farinhado MaranhSo muito alva e cheirosa
D-aIla- ai ,., a 2oo rs. a libra.
F*gos de comadre a 24o rs. ahbra. Frascos com fructas em calda de diversas
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra. qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco
QUEMO do reino de 2,000 a
IDEM (ondrino.
IDEM suisso a 800 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.
H
SABO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINH a 200 rs. a libra e 8 libras se
fara grande abatimento.
v
VINHO tinto de 360 a. garrafa.
VINHO tinto em caada de 2,560
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4$ m. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.000, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a Cflia.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arroba.
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco.
dlem de gorgurSo preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem do gorguto de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2o'iO0, 20600, 30, 30500, 40, 50,60,
75 e 80 o covado.
Superior gorguro deseda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta liesj.anhola.
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortiment de grosdenapte preto a 10500, 10800. 20,20500, 30,
30500, 45, 40500e50.
Pannos-'pretos de soperi r qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournns, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E militas outras fazendas de superior qualidade na lo ja dasColumuas
na ra do Crespo 'n. 3 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Moreira Lopes.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooors. a arroba e 16o rs. libra e compran-,.
lo de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n 40.
Xevlaae.
A 14000.
I -ques de osso, gosto motno, pelo diminuto
prero de 1A : ? na fas da Cidria do Recite q.$,
taj de andms de Stftettre Pereira da 'Gdbh*
& Coropanhia.
Farlo a 38tfO
O ra da Imperatriz d. 6.
Ckegaram os superiores
cortestfe seda.
Superiores cortes da aaia de cor, vindo pelo
ultimo vapor francs : oe laja da columnas a roa
do Crespo n. 1", Jo AbVobo trrela-da Vascon-
cellos* C.
ora e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.oooe l,2oors.
Vinho Bordeaux das; marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris 'gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,ooo ell.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Cafado Guara muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranh5o de f qualidade a loo
rs. aibr..o 9 no a arroba.
dem da India a loo rs. a iiDra es.ouu a
arroba.
dem de Java
roba.
Paincoe alpista a 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
Bolacbinhad'agua e sal, da fabrica deJoSo
de Brito no Beato Antonio, en. lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em frasco de vidro com
tampa do mesmo, a 105oo.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excedente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vjsta se
far o preco.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos; Azeitonas de Rivasem ancoretas grandesde
tamanhes com bonitas esta pas na ca-1 g garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
xa exterior, a 1, 4o), 1,6oo, 1,8oo e 2,ooo
cada urna.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa.
Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra-:.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8i5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho'inglez em garrafa de vidro com ftStt*
do mesrnA- O "
tuostarda ingleza dos melhores fabricantes.
a 8oo rs. o frasco,
a 8o rs. a libra e 2,4ooa ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excedente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomatesde soperior qualidade a 64o '< Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e 56o rs. a reta- f $ agarrafa r 11 ,ooo a duzia.
,B0- 'Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24, ooo e 26.000 o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 8o rs.cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a re-
Balaios nar mop ouja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia ecereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite docede Lisboa a 4,8oo rs. a caada
Miom que tem sua ori^m' no entorpeci-
mento do ligado que causa a escassez da
bilis na inflammace d'este org3o que pro-
dua derramamento da bilis no estomago ou
em um desarranjo gerat dos org3os diges-
tivos.
A Ictericia
produzida pela absorpelo da bilis no
sangue, dando a* pelle e aos olhos urna cor
amarellenta; n3o smente dolorosa por
si, porm conduz aos mais serios soffrimen-
tos.
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas to-
das as manhas, isto bastante para mover-
o ventre sement at que se recupere a ac-
f5o saa do systema.
Mal [do figada, febre gastro-hepatica,
diarrhea biliosa, indigestan, a netralgi'a
ou tic douleurenx, sao todas molestias qne
tem seu comeco n'um desarranjo da bilis.
A observaco dos ductos da bilis faz esta
volver ao sangue, com que circula depois
em todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innu-
meravel de males.
Todos estes incommodos s5o curados com
as pilulas do Dr. Ayer.
Direccoes minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmaeia franceza de Mau-
rer C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Una DIrelta 15
RIO DE .1 \M.iito
Vende-se em Pernambuco:
na pharniaela franceza ele
P.MAURER i C.
________RA NOVA N. 18.
A LEGITIMA ~
SMPAHSll
e640 rs. agarrafa.
Vinagre branco i a engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
DE BRISTOL
PREPARADA NICAMENTE POS
-LANUK & Eflir,
NOVA YOEK.
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Cootinaa-se a vender em porgo e a retalho :
na ra do Queiraado, luja d'agoi branca n. 8.
Chromacomo
A aguia branca, na roa doQaeimado n. 8, acaba
de receber ara novo sortiment de caixinhas rom
chmmacomo para tingir cabellos, e bera assim
(rseos com hydrocailetrichlna, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lastrar os ditos,
e onychromantina para limpar as nnhas. Essa
tintara, cajo elTelto rpido e efficaz, esti bem co-
nheeida e apreciada para todos quanios della tem
usado, e os que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim cono aquelles, dirigr-se munidos de
dinheiro ra do Qaeimado, toja d'agaia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Acaba de chocar para a leja d'aguia branca, na
ra do Queimado n. 8, um bello sortimeoio de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para afolhas, e
dito tamliem verde e moi fino para cobrir o ra-
me, assim como felhas de panno e aveiludadas
para ditas.
Aspas de baleia para virtios
Vendem-se na roa do Quelmado, toja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'aqo ingle-
zas e francezas
A aguia branca alera do grande sortiment de
penas d'aco que constantemente tem, acaba de
receber mais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres & C, assim como as
verdadeiras bfeo de lanca n. 134 contras de pon-
la dourada, conlinuandw porm a vonde-las por
precos comroodos, com tanto que ocompradorcom-
Siareca manido de dinheiro: na ra do Qaeimado
oja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
haa venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu :
Bonitos e grandos aljofares de cores para rollas.
Ptseiras de dito de iguaes e agradareis rores.
Voltas pretas raaiores e menores todas de com. s
grossas.
Pulceiras pretas tambera de contas.
Outras de diffcrenles qualidades e gestos.
Brincos d aljofares de cores e dourados.
Fi velas d'aco grandes e pequooas com cmlopre-
lo e de madaoeawla. "
Outras graM4es de differentes qualidades e re-
donas cera'pedras. ,
BoBrtostoffner do-|madreperola redondos e de
entra foTfna.
Ditos de sanalo Interinos corredicos,
Capellas brn*aiHra meninas.
*
ATTENQflO MEUS SENHORES
PARA
NOVA CALIFORNIA
Fazendas haralissinias loja da rea de Cresee n. 17 de Jas Gomes
Villar.
A nova erise commercial permita qne o povo em geral ni5o possa comprar faiendas
caras. O pmpneiario-deste eslabelecimento, amigo nne do povo em geral, attendendo a
essas circumstancias est vendando fazendas por precos .que na realidade admira.
Correi, bom povo, a este Mabelecimento, e comprai fazendas, porque all se vend
por monos do que em outra qaalqaer parte.
Cassas organdyies a 280 rs. o covado.
Chitas franceas escuras matizadas a 260 rs. o covado.
Bitas escuras muito finas a 2V0 o covado.
Ditas claras idom a 240 o covado.
Bitas oseuras' Idem a 260 o covado.
Chitas para, coberta muito largas matizadas a 240 o covado.
Madapol3os Anos largos a 65590, 7# e 84.
Chales de fil pretd muito bons a. 109000cada um.
Chales de merino estampados a 55500, 65 e 75.
E outras militas fazendas, que ludo se vender por precos que admirara.
AZEITE DOCE
Composta de substancias, gozando de
propriedades eminentemente depurativas;
approvada pelas juntas e academias de me-
dicina; usada nos^rincipaes bospitaes, ci-
vis militares edamarinba naaAntilbase
no continente americano; receitada pelos
facultativos os mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanbola
CUBA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriaes, ehagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientes d'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitacBes e
folsificacoos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO A C.
Jo3o da C. Bravo & C.
Vendem-se no Recife em casa de Caors &
Barboza e Jo3o da C. Bravo & C.
deLABELQNYE
BTMIld 00* lVimMi HtMtU Km mucos 4o Moo m boooo costra m moltatiis
MCU, M 4TTMt hy-
Mtiai '
refinadoem pequeas Tatas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
Vzeite doce
da Liga.
Saceos te 80,100 e* 120 fibras a 4A W500 e 5*
m
no grande arma?.em da Liga.
orguicii ou bo orflfii o e
irtpiwa a suior ptsit das aoUsUu do wiio t aa
iaUmmasStt tuntuti^nMH, nfrrMru.tlc...)
O XAROPI del.AfeH.Wm M M TMdtOHio M
prrafw co* r.tulM de ar foehaoo mimijii
HvaaM ibu d ureitor.
afea-ann. r>! watwie, ib.
Deposito geral em Pernarnboc* ra di
Cruz a.'i'i em casa de Caros & Barboia
DTOGATtlAT*""
3JKua! larga do Rasarlo34
Bartliolonieu Francisco deSoaza k C.
Venden:
Acido actico puro p^ra retratistas.
Esmaltes para oorves.
Papel para forrar casas.
GaarBio6e8 aveiludadas.
Tinta bnancasiBerior em brta.
Alvatade Venosa, fto,em pes.
' MadapolSo nito Bao com pequeo toqae de avaria, por proco qae admira na
das columnas na ra do Croipo a. 13, de Antoab C-wreja de VaseoMUos-^ C.
ua
6 a "8.
loja M' _
O 6STEL10 DE GRASYILLE
Tranrido dofraneei jnr A. J. C; a Crfei.
Vende-se eate-rbetlo romance em qnatr
tomos pelo baratissimo preco de 250C
praga da Independencia, livraria as.
vendem-se
achina americanas de serrote para esearofar
aljoASo : na ru& a^ott! ova n.'tf.
ILE6WEL1
.
i
^_a>




*-*-
t
Admire
Admireai
Admirem Boa 11
As pcchinchas que eslo vena na leja e ama-,
ib do Paao, na roa da Imperatrz n. 0 de Ga-
ma Silva, ond .se leadam. todAa_as.Jaiendas,
ijnio de luxo como de primeira necessidade por
oreos bbio rasoasws, e coanespectajidade as e-
cuiaies, daodo-se .amostras deiMHdoflcar penhor,
oumaodo-se levaren casa das familias .peto*,
.aaeiros da mesma toja,
Alytiipaha O Pavit.
Vendem-se pecas de algodoiinbo marca T, mai-I
to largo, proprio para, lenctes e toalhas, tendo 34 <
.cus pelo baraiissAmo preoo de 6* a pee* ; dito i
lanre cora viole jardas a o*, pechiocha
cora. m, mam
O propnettrlo da toia Mrna*em4aiffarveiU
rasolvido a tender as fazenda's de todas 48 qoali-
d*s por fcaratvprecd fim 0. s* aperar dimVelre
na. toja da Arara n. 50, de LoortDfo Perwa Mm-
d* VujMr*j- : '
M^Ufeotio Bao. ,
Veote-je madapojo coro ojudas i.
n. ,30 a 6*. n. 2 a 7*, n. 40 a *
PWR!0.PJIR*^||A/'
Vfefto^e'a eeBeBtrea^oraaitoiie-
Vo mrjso com^odo* osMKUpte;: nt co*
(Ma'doflwfiW, tHdtranio-Aare.
naodes^Vei
para pessoa que qulra principiar con!-
por ser
_ re.
Venden- Al eMUf.aodtru* liazinhaa trasw-
preme, proprias para vestidos, tasto de quadrj-
pbos como de Ostras, coro as cores mnito bonilas,
pelo aaratis,^mn nraflfl da JJslM. o covado j ditas
con palminbas de seda, padrCes muito bonitos, a
2^'G5.KSliraP*,^m l*-1-"*
, J2Sd0*f,*n,*,pl8 prete a i280, 1*600,
fw,e'f "j ** superior meuraitique prew a ----------------------------------------------
J*,j*eui.Aa Chin*, nova aienda toda de la, pro- if*llZ \I* : roa da imperatfix. n. 50, toja 4e i***:- as^essoas qae pre
&f PJK 0& com 6 Palmos de largara, a 500, "
oooy ttuw e 800 n. o covado, e outras moitas fa-
zendas propnas para lulo; na loja do Pavo, roa
da Imperairii o. 00, de Gama & Silva.
Cirosdenaples de edr a l#00.
Vende-se superior grosdenaples cor de ca,*ro-
ijiso aoa reverQnilisfflmOS
N* ra 4* Crespo n. 5 amiga toja de Sorraerme
- Vende-se um ubea, na^ua jle JeJFer- ,d^ Grates; boto .dftGrrforlaPi^icrtma
jgadfl por conli de oraada^melbores fabricas, d
dftlabewn Verjd^.*mk*ma wawoa#rin^ LI-sbo*'
'mareas esm 8*500, K0R-
cipiads.a.sfi
taberna, sita
ssoas qae pretendere algam- defttes fE!.?' *"A
es seguinies objefcfos proprioe para os
que serio vendidos por preces
Mendes Gulm.res. "r nef^e^lirijavWam *'Joto^mwdeJrW,
Alara vende caiemiras fia** -a 2#&O0 o CO- ra n. 64, que tratar do negocio, qoe-soaveactoao.-,
Vende-se casemira prela e azul eom listas tendo
dnas larguras pela baratsimo prego de 23C0 o
"""-Sg^.OTSg'g.S*
ieda que se vende em potra, qualquer parte! 5" p jCa ve8lWo. sendo mullo encorpado, a 14600 de Mendes Guimares.
'or 10 e ISAisto na toja do Pavao, ra diili covado "
covado : na ra da loiperatriz loja da Arara n. 56,
na loja do Pav3o, ra da
|60,deGamaASifva..
Imperatrz n.
TiUa a. 0 de Gama 4 Silva.. '" 1w' "e-w a sirva.
Uadjpolo festad a 4^, 4o0 e 5;500O. lasCBras a 1 $600.
Vendem-se pecas de raadapolo enfeslado eom* Vendem-se casemiras garlbaldlnas de quadri-
lijardas pelo baratissimo prego de i, 4300 enhos,f ,zas proprias para calcas, palitos e coletes,
o dilas sem serem eofestados de marcas muito Pe' barato proco de 1600 o covado, assim como
acreditadas a 7, 8& 9#, e 10, ditas, franeez "'$*? Palltos coletes j feitos das roesmas : na
multo encorpado proprios para saias. a 480 ris a' '|a..do Pa,3.rua <*a Imperatrz n. 60, de Gama &
vara, isto na loja do Pavao. rua, da Imperalrix n.
IX) de Gama & Silva.
Grande eehincha.
Chitas a i20 ri o covado.
Ou 7600 a peca s o Pavo.
Vendem-se chitas iogleas .de superior qualida
Silva.>
Granee sortimente de rop Teila.
Vende sena loja do Pavao um grande sortimea-
to de roopas feiUs. constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditts saceos, ditos de caerai-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
de, aliaagando-se as cores serem fixas, eom muiu ;de cOres, ditos4e easlnela, calcas de casemira pre-
iliversidade de padrdes, pela baratissimo preco de, ta de todas as qualidades, "ditas de cor, ditas de
W) rs. o covado, ou 7600 a peca tendo 38 co- brim de linho braneo e de todas as cores, coletes
vadd>, sendo (azoada esta qoe sempre se venden a de brim, casemiras, setim. gorgurao, etc., etc., to
2*0 rs. o covado eo 10 a peca, chitas largas a' das estas obras veodera-se por preco mais barato
280, 320 e 360 rs, na loja do Pavao. rua da Impe- do que em outra qualquer parte : na loja do Pa-
ralrir n. 60 de Gama & Silva.
Cortes de chita francesa na loja do Pavao.
Veodein-tse cortes de chita francesa, cores fixas
10 covados a 3, ditos eom 11 covados a
vio, roa da Imperatrz b. 60 de Gama & Silva.
Chales e manteletes de renda
Vendem-se os mais rios e mals modernos cha-
Tingeza a 2200,2*400 e 29600, isto na tola do "Pfvao Z'dTlEatz n "Pd Vfi
Pavo rua da l.nperatriz n. 60 de Gama & Silva, ani U da ,mPeratr,z n- 60> de Gama 4
Cortes de chita a 2400.: .
Vendem-se corte,de fitela.,comi40 covaMi a
2*400, ditos a 2*800, vende-se tambera chitas in-
glezas a 240 e 280 o covado, ditas francezas a 280,
300, 320, 360 e 400 rs. o covado : Arara, de
Mendes Guimares.
Liquidacao de soutembarquesde cores >
a 6*, C*. 8* e 10*, ditrs pretos a 18*, 19*. 20*
e 23*, capas pretas de grosdenaple a 20*,. ,25* e
30, manteletes a 18*, 20, 22* : na rna da Im-
perairii n. 86, de Mendes'Guimarles.
Conesde cambraia decores a 3|J.
Vendem-se corles de cambraia de cores -eom 7
varas por 3*. cambraia branca a 3*300, *,
4*300,5*, 6* e 8* a peca, alpacas de cores a 320
o covado. cambraia de cores a 320, 360, 400 e
440 o covado, lazinbas muito finas lisas a 400,'
500 e 560 o covado, lencos de linho a 400, 500,
640 e 800 cada om, aberturas de esquio de linho
7 -- Ok
ai a
vlilg.FS'Hf
i-

E8&
tu; .
KfSw
'3 o
o o-
Id
SIp'I8*

la
atff

'S.3I
0. J
o
= Sf" K
o
cu
55" *
9* I
w S H
B-ro
a
=
B -J
mojo
o
as
M
ce
cu S>.
O B3
CasM
, Silva.
Soutembarques de cor
finas de c-' e Vendem-se os mais modernos soutembarques de
t'rauceas a 300, 320 e 360 na loja da i
Pavo.
Vendem-se cassas francezas mnito finas, de c-' ,
res tioas pelos baratos precos de 300,320 e 360 rs. c0.r "camenle enfeitados, e por barato preco : na
o covado, pe^as de cambraia cora salpicos de cor p {.Ja d0 pavao>raa da Imperatrz n. 60, de Gama A
ieodo8 l|2 varas a 4*, ditas salpicos brancos a s>1'v*'
a 25500 e 3*. ditas adamascadas para cortinadas < apas pretas C SOUleibarques,
a 4, na loja do Pavo rua da Imperatrz n. 60 de I Vendem-se as mais modernas espas pretas lisas
Gama 4 Silva. e bordadas, os mals bonitos soutembarques pretos e
Corfes a Mara Pia. | manteletes, todo de seda preta e o qae ha de mais
Giande pechincha a 50000 e 6#00O. gosto no mercado, por preces muito em conta :
Vendem-se os mais bonitos corles para vestidos, na ,0ja d, Pavao- rua ** Imperatrz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabeca.
Vendem-se os mais lindos enfeites para cabera,
a 3*, 4*, 5* e 6*, os melhores baldes cronolinas :
-indo de cambraia branca eom as barras e enfeites
bordados, de cor crox, pelo baratissimo prego
de "i-5. ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
[lo baratissimo prego de 6* cada nm, valendo
esta fazenda dobrado dinheiro por ser a mals mo-
derna que tem vindo ao mercado, isto na toja do
Pavo na rua da Imperatrz n. GO de Gama &
Silva.
Grande Btehincha a 8000.
Vestidos de 13a a Mara Pia.
Vende-se um bonito sortiraento de vestidos de
laa eom barras bordadas Mara Fia eom as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo baratissimo
ireco de 8* cada um, pechincha por ser fazenda i
que sempre se vendeu a 12*, e por ter chegadoj
una nova e grande perce, resolveram-se a fazer i
este crande abatimento na loja do Pavo, rua da
I" tratriz n. 60 de Gama & Silva. j
Vestidos Bramos.
\'endem-se oc mals ricos cortes de vesildes de
cambraia branca' primorosamente bordados, pelo
barato preco de 12*. 16 ^ n] loja do Pavo,
rua da Imperatrz n. 60 de Gama & c>iVa.
Laa iiurilialdiua a 400 ris.
Vendera-se as mais modernas laziohas trampa, j
rentes, eom lisiriBhas miudinhas, pelo baratissimo
preco de 400 rs. o covado, ditas enfestadas, cor de
havana, cora listras dflerentes, sendo das mais mo-
ii-rnas e muito encorpadas a 500 rs. o covado : na
loja do Pavo, rua da Imperatrz n. 60, de Gama
A Silva.
Grande peeliineha. vestidos a
na loja do Pavo, rua da Imperatrz n. 60.
Francisco Jos Germano
RIJA NOVA X. I,
acaba de receber um lindo e magnfioo oortimonto
de oculos, lunetos e binculos, do nltimo e mais
apUI'adu gusUf da Europa.
Nova loja de miudezas
5- Raa da Cadcia do Reoife-5
DE
Silvestre Pereira da Cunha C.
Os don is deste novo estabelecimento abrindo-o
1 a concurrencia do respeitavel publico, esperam
' merecer deste toda a protecQo, ja pela delicadeza
i c seriedade que empregaro em seus negocios, co
; mo pelo completo soriimento de miudezas e per-
! fumarias, como sejam fivelas eom cintos, agulbas
: imperiaee &b melhorp onn tem viudo ao mercado,
Acaba de chegaruaT bonito sortmento dos mais ditas cantofas, sapatos de iranga para nomem e
lindos vestidos transparentes, muito proprtos para senhora, rap do Rio, fumo de Herlebeck, can-
passeios e bailes, por serem de primorosos dse- dieiros para gaz, charutos muito finos, blhetes de
nhos, sendo todos os padrdes lecidos e nao pinta-' lotera, tallagarca e mullos outros objeclos que se-
dos, e vendem-se peto baratissimo preco de 3*500, ra enfadonuo mencionar, sendo estes vendidos por
eodo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na precos lo razoavels que a pessoa que comprara
ioja do Pavao, rua da Imperatrz n. 6*0, de Gama & primeira vez, ne deixar de continuar a vir sor-
Silva. tir-se neste novo estabelecimento.
5 .
o
S'
CO
C3,
'a
damasco braaco de seda muito rico.
3 caalas eom os competentes preparas-
Barretes de seda preta a lavas.
' Meus de seda rouxa, pretas, a encarnadas, pro-
prfiOKpara as diversas dignidad* ecclesiaslicas.
Novidade;
IHa mesma loja tambem se vendem chitas de l-
1 nho cor de palba eom salpicos de cor i 320 rs. o
covado; seado estas fixas, assio como contina a
Uro mais escoluido sortiment de fazendat fiara
graiide loilet e uso ordinario para todas.as .clasies
Instmc^es para o servido
das guardas do exercito, cxlraliidas do re-
gulameDto de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; veode-sc na livraria n. 6 e
8 da praca da Ind pendencia, a li>.
Eseravo ftijjido
_ du8.deantoje 1863. decaa
do seo sjofcor ojwrafo de ohm SinHo, de nat*i
MossamWqne, tem aftW^cWhlas' orlhas eitr-
dos em dr* aedaodo, idada fe aaaos, poeco mais
oo menos, estatura alta, ebeio do corpo, cor fula,
levou vestido calca de casemira osada e um ca-
misio de bata azul j osado, chapeo preto peque-
no redondo de massa : roga-se, por tanto, a lodas
as autoridades caailes de campo a appreneosao
delle, e leva-te a roa Direila n. 30, que sero g-
nerosamente recompensados.
ATTO1
50
Grande liquidando de
fazendas
na nova toja de Jazendas e roupas feitas nacio-
naes, na roa da Imperatrz n. 72. Os pronrieta-
rios deste novo estabelecimento tem a honra de
o covado, organdy
ESCRITOS FGIDOS.
a
finas a 1* cada urna : isto s. na loja e armazem
da Arara, de Mendes GuimaraeS.
Vende-se chales de merii liso a 40500,
ditos estampados a 5500, 6* e 7*, gollinhas para
senhora a 320,400 e 500 rs., cada urna, golas e
punhos a 800, manguitos egola a 1* .cada urna,
camisinbas para senhora a 2* e 4*, ditas muito
finas bordadas eom gravallnhas a 4*500 e 5*,
meias de seda para senhera a 1*500 o par, ven-
de-se paninho eom 12 jardas a 5*, pega de mada-
polo entestado a 4*, 4*500 : s Arara n. 56, loja
de Mendes Guimares.
Ricos cortes a Mara Pia.
Vendem-se os mais bonitos cortes a Mara Pia a
8*, 10*, 12*, 14* e 16*, dilos muito finos a 18*:
na rua da Imperatrz n. 56, toja-.de Mendes"Gui-
mares.
Cortes de casemira finas
3IoOdu"'5/erte75de SSSR tranco vadosa Par,lciPar ao re6Pei ** es,3 reselvi'
des finas a 3*200 o covado, cortes de ganga de\^!^n'*^*?^'***n m,-?**r
cor a l*600t l*800,gangas para-cavados ES, JJ J JJJ^jJ 3w ^rs mU
500 e 560, bnmzinhos a 280 o covado, brim pard0' -
a 720,800, 900,1*. 1*200 a vara, brim branco de
das as qualidades, do fazenda muito encorpade e fina a 4* e 4*500 a
Vendem-se paletots de brim de cores a 2*, ja-, pega, cortes de la a 4*, 4*500, 5* e 5*500, ditos
quetoes a 3* e 3*500, paletots de casemira a 5*. a Mara Pia eom barra, endo os mals modernos
6*, 7*, 8* e 10*, ditos do panno preto a 5*500,. que tem vindo ao mercado a 10* e 13* o corte.i|
ditos a 6*, ditos finos a 8* e 10*, ditos sobreca-1 pechincha, lenco de casta eom barrinha de cor
sacos? panno pr?lo a 12*, ditos de cor a 14*, di- a 100,160 c 200 rs., ditos eom bico a 240 e 320,9
tos pretos a 16* e 20*. ditos mullo finos a 25*, i dozia 2*500, crinolinas ou balSos de 30 arcos a
caigas de brim branco de linho a 3* e 3*500, di- 3*500, ditos eom 15 arcos a 2*200, tiras de fina
tas de algodo a 2*, dilas de ganga & 2*500 e cambraia bordadas a crox a bOO e 1*, entremetes*
20OHO, S.K00, roberas de chita a 2*.. ditas muito a 880 rs. a pega, gravatinhas pretas e de cores
para senhora a 640, 800 e I*, mantas de seda de
cores para pescoco a 1*400 e 1*000, isto sa se
vendo na loja de Guimares & Irmo, roa da Im-
peratrz n. 72.
Aviso aos capitales de campo e
polica.
O 2(10$ do gratificaco por cada um.
Desappareceu em principios do mez de outubro
do anno prximo passado de bordo do palhabote
nacional Arroto Malo, dous escravos de nome Ro-
berto, por appeilido Macei, e Miguel ; o 1 de 45
annos de idade, ponco mais ou menos, crioulo, cor
fula, estatura baixa, barba serrada, um pouco tur-
to das pernas, e eom alguos cabellos brancos, tan-
to na barba como na cabeca. O 2" alto, cheio do
corpo, sem barba e falla grossa, representa ter de
25 a 30 annos ; cojos escravos desconfia-se anda-
rem pelos arrabaldes desta cidade : quem os ap-
prehender qeira levar a'rua do Trapiche n. 4.
Desappareeera no da 8 de mam de 1865, do
engenho Tomoatamerim, Sito na fomarra de Santu
Anto, os escravos seguinteS: Marceliino, criuolo
tirando a fulo, idade 25 a 30 airaos, esiarora regu-
lar, seco do corpo, sem barba, pamas fina*, marras
de chicote peto tombo, .levos vestido'camisa fina,
calca de brim branco, jaqueta de brim pardo eom
vivo branco, chapeo de massa azulado, todava elle
sabe contrariar; e Peliriana, cabra, dade 16 annos,
estatura regalar, seca do corpo, labios encarnados,
cutis lustrosa, tem a falla um. pouco arrastaua a
maneira dos habitantes de Bezerros, levou 1 niales
novo, saia de alpaca de seda j usada e de quadros
verdes e encarnados, borzeguins noves, vestido de
chita em bomestado, emrlm passam por livres para
quem nao os conhecer. Ha presompt de i< rem
lomado para o lado de Nazareth, e o escravo cm
parentes forros e escravos de Nazareth al Pedras
deFogo; e forcomprado so tenente-cor^ne G&iko
do engenho Barra da Lagoaeca; os escravos sao
de Manoel Antones Correa de Queirz Barros, ren-
deiro do engenho cima: por tanto n g-su as au-
toridades policiaes, e aos capltes de campos, assim
como aos senhores-de engenhos, e propietarios,
bem cmo, eom especialidade ao Sr. lente-coronel
Uaio, que seodo-lhes possivel a apprehenso, quei-
ram remelte-los ao proprietario dos mestm-s, ou
nesta cidade rua do Imperador n. 77. segundar,
que pagar todas as despezas, assim cerno a quem
cenduzi-los.
Reeife, 11 de malo de 1865.
tti'iieo
No da 4 de Janeiro do anno de 1864, fugio do en-
genho Conceico, comarca de Pc-d'lho, o escra
vo Galdino, pertencenle ao abaixo assignado, cons
os signaes seguintes : idade 26 annos, pardo, claro,
corpo,,figura e altura regulares, cabellos meios ca-
rinas a 2*500, diia adamascadas a 4*, princeza
preta de cordo a 800 o covado. dita de listrinhas
a i* o cuvdo, moroani-que preto a 3* o covado,
rrosdenaple pretoa2*50u, a*n. ? i*800 e
1,5*500 o covado, chapeos de sdl de seda par* .o
mem a 7* e 8*, cassas pretas a 300 rs. o covado,
chitas pretas a 340 e 280 o covado, ditas francezas
a 320 e 360 o covado: isto na loja e armazem da
Arara roa da Imperatrie n. 56, s Arara mais nin-
guem, de Mendes Guimares.
Urna familia que se retira vende urna raobilia
do amaroiin usada, trem de cosinha, louca de
almoco e jantar azul, urna mesa ae pam j., ^.-
relio ps torniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e muites outros objectos o que tud
se vender em conta : na rua dos Pires n. 62.
r.nke do gaz.
pitch do ga/..
Alcatro do gaz
tonelladas rs. .
Coke
| Pitch' > .
Alcatro caada. .
O coke rconhecidamente
por
10)5000
80,5000
. 400
o carvao mais econo-
lenc
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
nap nala. ..y -,---.' "s cozinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alm das appncacoe*
diversas a que se prestam, como para callafetar
embarcacoes, alcatroar madeiras, etc., teem este a
propnedade de preservar do cuplm, formigas, etc.
Vende-se nm piano proprio para aprender, E' entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
muio em conta : no largo da matriz de Santo An-: qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
ionio o. 2. i comprador.
fePy de riquissimos padroes a 360, 400 e 440 6; npitaaoSt olhos pardof; sobrancelhas e palpebras
covado, pecas de cambraia branca a 3*. 3*50&v BS tm em cada braco um sino de Salomao,
sendo nm delles mal feto, e jonto a ec orna cruz,
tem na cabeca urna cicatriz de orna polegada, e em
cima de om quarto urna outra cicatriz de tres po-
legadas, proveniente de ponta de pao e queda, tem
sobre-as costas algumas marcas ou cicatrlzes de re-
Ihadas on chicote-, um!pouco desembarcado quan-
do falla; tem principio de carpina e carreiro, toca
viola e barbado. Poi soldado do corpo de polica no
Reeife, e levou comsigo a baixa do theor seguinte :
Seco urbana, 2* companhia n. 50, Antonio Caeta-
no de Oliveira, tilho de Agoslinho Ferreira de Bri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos cara-
pinhos, olhos pardos, officio nenhum, estado soltei-
ro, eom 30 annos de idade, 60 polegadas de altura,
ao engajar-se. Engajou-se na forma do regala-
menteyem 17 do tevereiro de 1862, por officio do
Kxm. Sr. presidente da provincia, datado de 28 de
abril do corrente, e pumicado ao rorpo em ordem
do dia 1' de maio, ludo em 1862 ; teve baixa do
servco por ter dado em seu lugar o paisano Joo
Pedro Ferreira da Rocha. Fol escravo do capilar
Jnio de. Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de ueos, e nuje minador n*
Campia Grande da Parahyba do Norte, qoe oven-
denem das do mez de novembro de 1863 ao abai-
xo assignado, pelo costume de andar fgido e a ti-
tule de forro com'o nome mudado ; pelo que roga-
se a altenco das antoridades civi e militare, u30
s dest provincia como das demais do imperio, a
apprehenso do dito escravo, que a titulo de forro,
nao tenha sido recrotado ou assentado praca em
isuub dos corpos de Voluntarios da Patria, tam-
bem pede-se aos capiles de campo e pessoas par-
ticulares a mesma apprehenso, e leva-lo ao seu
senhor no referido engenho Conceico, ou nesta ci-
dade ao capito Mauricio Francisco de Lima roa
do Brum n. 56, que ser gratificado rom 200*.
Jos Mara dos Santos Cavalcanli.
Fugio no dia 28 de abril prximo passado o es-
cravo Joo, cabra escuro, escravo de Anionia Fran-
cisca Cadaval Pinto, o qoal lu comprado ao Sr.
Joaquim Felicio de Carvalho e Silva, moraocr na
villa dos Touros, Rio Grande vio Norte, o diio es-
cravo tambem tilho da mesma virla, e tem o ap-
peilido que todos o conhecepor loao Babaca, Km
os signaes seguintes : alto, secco do ferp>>, rara
feia, queixo fino, nariz afilado, em cima do puto
do p tem urna costara, tem nos bracos marca de
cruz eom Unta azul, ja est pintando, tem falta de
um dente na frente, costoma dizer ,,.',c fui ro,
moho regrista, cosiuma beber; epte mulato < '<-
sado e tem fihos em poder de sua senh/ra i|uem
o pegar ou der noticias na rna da Matriz d;. Bua-
Vista n. 28, segundo andar, ser gratificado, pro
testando-se contra qaem o tiver recebido cm sua
companhia.__________,_____________
Fugio o mulato escravo de nome l-uiz, co-
nhecdo por Luz Monteiro, idade 28 annos, pouco
mais ou menos, bastante alto, secco, bem pareci-
do, S63i barba, pernas compridas, cor clara, ca-
bellos cacheados, offlcral de pedreiro, pintor e
caiador, caohoto, e o maior signal que em
urna estrella as costas dasmos, tres pintas atoes
formando um triangulo em cada lado do roste, e
urna grande cicatriz em um dos brac s cima rn>
sangradoura, escravoido major Antonio da Silva
Gusmo, morador na rua Augusta n. 99 : ponan ni
roga-se as autoridades policiaes e aos capitnp de
Caillpu, aaoliu como tai conhoroc d., OQfrenhO t
proprietarios aonde elle for trabalhar, intitulndo-
se forro, tanto nesta provincia como fra della.
qoe o faca prender e remetter ao sobredto senhor,
que pagara ludas as doopoxae, assim como a HUem
o conduzir.
Fugio em principios do mez de fevereiro do
corrente anno e consta estar arnninrfn nodod
o moieque tfiuzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade pou-
co mais ou menos, cor preta, secco do corpo. olhos
regulares e afumacados, cabeca um pouco grande
e meia chata, beicos finos, dentes bem alvos, ps
seceos e muito ladino : roga-se por lano a todas as
autoridades policiaes e capiles de campo que oap-
prehendam e levem-o a roa da Mangueira sohrado
n. 6 que sero gratificados, proteslando-se ut-ardos
metes judiclaes contra qualquer pessoa que o tenba
em seu poder.
v
l
2!
^ISTA GERAL,
r
is
\
DOS PREMIOS DA 2. PAUTE DA 1. LOTERA, CONf.EDlUA rotv lpt PROVINOAL N. 06, A BE4FCI0 'DX IGREJA MATRIZ DO BONITO. F.XTRAHIDA EM 13 DE MAIO DE 1865.
5
10
12
16
18
19
21
23
25
37
40
43
46
55
61
62
70
74
80
85
80
90
94
95
97
102
5
8
12
17
20
22
26
28
31
35
36
38
42
49
56
57
62
63
68
60'
72
73
77
83
90;
93
94
98.
201 _
NS. PREMS.
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
6* 204
10* 5
6* 6
10* 10
6* 11
_ l
19
10* 24
6* 30
_ 32
M 34
39
__ 41
^_ 42
10* 46
6* 48
49
50
_ 57
_ 59
_ 64
^ 70
-- 72
^ 76
77
, 1 K 78
10* - 7V
6* 80
__ 83>
mm 88
M 92
_ 95
97
- 300
- 3
7
_ 12
15
16
24
25
*0* 27
6* 20
l30
>- 32
33
10* 34
6* 36
38
41
,51
52
'54
55
56
10*
6*
40*
10*
10*
6*
10
6*
6*
40*
6*
362
67
70
73
78
81
83
85
86
90
94
97
98
40
4
12
26
29
-80
32
33
34
38
39
"40
41
45
47
50
51
53
54
65
66
67
69
71
74
75
'80
'84
'86
88
93
96
500
1
II *
15
16.:
18:.
19.
M
100*
6*
10*
6*
1:400*
64
'38
46
47
50
55
59
63
73
75
76
79
80
81
91
92
94
95
98
002
' 7
9
21
24
30
35
37
41
43
44
45
62
63
65
6
70 '
73
78
81
82
85
86
88
90
08
700
1
. 4
5
1 6
6*
10*
20*
6*
707
13:
15
17
18
19
21
26
28
30
31
32
34
35
37
38
40
44 <
II
53
55
56
61
69
75
76
78
79
86
90
97
98
801
2
3
4
5
I 7
' 9
12
17
20
24
30
37 -
46
,47
49
55
58.
.59
'60-
65
71
72
6*
500*
6*
10*
6*
10*
6*
20*
6*
20*
iO*
6*
10*
6*
10*
10*
6*
875
76
84
85
86
88
90
91
93
94
99
901
3
13
15
. 19
20
22
23
24
25
33
35
' 36
41
45
50
53
60
63
64
66
68
69
79
80
82
'84
88'
1
07
1000
2
5
11
13
''22
24
28 '
'SO11'
31
35
37
40*
6*
10*
10*
NS. PREMS.
20*
6*
10
6*
1051
53
55
57
61
62
64
67
68
72
78
79
81
82
87
93
97
1105
7
8
18
19
20
21
26
29
30
31
34
35
39
44
40
50
51
52
53
54
56'
58
62
65
.7*
79
81
|83
J97
1201
3
6
7
15
18
;i9
22
10*
10*
6*
10*
6*
10*
6*
1224
28
29
32
33
40
42
44
49
50
54
59
60
61
62
65
74
75
77
78
0
83
87
93
96
97
1301
2
3
5
10
16
19
23
25
26
27
32
41
42
43
45
.46.
47
48
49
52
56
0
61
04
65
67
'?3
'76
6*
200*
10*
6*
NS. PREMS.
1378
91
99
1401
2
6
7
9
10
11
17
23
25
26
29
31
33
.37
43
44
.47
49
53
57
59
61
66
69
70
71
77'
81
84
8'
87
88
91
08
1501
2
6
8
10
20
27
28
34 .
36
38
39
40
00
50
60
73
6*
20*
6*
100*
6*
lo*
6*
NS. PREMS.
1575
79
82
91
>7
1601
6
7
10
' 11
12
15
18
21
21
26
31
35
38
41
47
52.
54
55
58
64
65
66
67
69
.70
75
76
79
80
81
90
91
02
94
95
96
.97
1700
1
3
0
12
19'
ti-
16*
1
32
35
38.
6*
C*
10*
6*
20*
6*
60
'64'
69
72
73
74
75
i79
81
B4"'
7
05"
1001
2
3;
9'
10*
iO*
6*
io*
6*
NS. PREMS.
1749 6*
52
58
61
62
64
66
67
68
71
74
75
78
83
86
90
91
92
95
9
1000
2
3
5
. 6
7
11
24
30
34
.41
42.
43
55
50
59'
NS- PREMS.
1912
13
14
19
22
25 10*
32 6*
33
35
36
40 10*
42 6*
43
!M 45
46
47
48
49
50
52
54
56
60
61
63
66
67
20J
40*
6*
71
f 73
7
- 80
-I 81
- 83
86
91
92
93
OT
99
2008
15
17
19
S
23
24
28
30
31.
rW
35
- 137
51
53
40*
6*
100*
6*
10*
6*
6*
10*
6*
NS. PREMS.
2057
62
70
' 71
72
76
. 82'
85
10*
6*
89
90
9*
95
96
2100
5
6 i
9
10'
14
17
20
23
32
33
34
.37-
38
42
i**.-
54
61
63
66
7i
.75'
I 70-'
77
70 '
86
90
W
01
99-
2200
1
5
8
11

23
33.
36
6* 2239
41
46
47
48
49
50
57
60
10* 64
6* 66
72
76
77
80
83
84
87
100* 90
6* 95
97
10* 99
10* 2300
6* 1
. . 6
8
10
? 12
13
16
20
26
27
32
34
37
'38
39
40-
1 41
** 45
^ 46
50
* L58
36
59
r ,60.
61
65
68
- :70
, ^^
MM lis
'
80
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
6* 2939 6* 3133 6* 3320 C*
C*
20*
6*
20*
6*
10*
6*
20*
;..
2389
97
,99/
1407'
10 1
, 17
28
36 :
40
44
47
48.
50
51
6i
62
64
68
70
78
.80
81
84.
-87r
88
89
91
i"'
5
96
98
2909
2
10
ir
..jg..
'21
11
v
26
17 '
36"
44'
47'
40
50
: 58 '
^1
62
63'
00
66
07 ?
70
6*

10*
6*
10*
20*
6*
00> -
2586
88
95
96
97
98
2606
7
9
10
12
13
14
17
23
25
20
27
29
30
31
33
34
38
42
43
44
45
50
51
54
57
58 1
62'
64
. 68
.70!
71
77.
7
81
83
88
92
97
98,
99
1705.
7
. 8
11
19
20
12 '
'
6*
10*
6*
10*
6*
40*
6*
10*
6*
27
2728
37
42
43
50
55
59
62
63
64
67
68
74
75
76
83
93
97
98
2800
5
7
9
11
12
14
10
22
26
32
35
41
43
49
52
57
63
77
82
87
89
94
97
2901
I
;7
14
18
19
24
26
28
32
33
30
10*
6*
10*
6*
10*
1*
6*
2939
41
42
50
53
56
59
61
62
63
64
66
67
68
69
70
79
82
90
91
96
97
3000
1
4
5
16
18
22
23
27
28
33
41
50
65
70
78
84
85
80
87
90
98
3100
1
6
6
10
11
13
15
10
21
10* 14
1(0*
6*
10*
6*
40*
6*
10*
20*
6*
20*
6*
10*
6*
3133
34
40
44
53
58
61
62
64
69
75
85
92
94
96
3201
2
4
6
7
9
10
17
23
25
29
30
31
35
36
38
39
40
43
48
62
63
04
67
68
70
71
74
'77
79
81
82
84
00
97
90
3308
10
11
1}
6*
6:000*
40*
20*
6*
10*.
6*
3320
24
27
30
31
33
34
36
39
40
42
43
48
Si
54
56
58
63
64
67
68
70 -
76
81
83
84
90
91
94
95
3410 -
17
11
12 -
28 -
30
31
39
, 45 -
51- -
53 -
54
55
,59 -
01 -
66
70
71
77
78
80
81
'84
92
20*>
6*
O 6criTJo, Jote Ptbr* da$ Ntves.
P#m.typ. it M. F. d Faria & JWAo.1865.
\
X
LMUTILDQi
ILEGfVEL


Mario 4e rtrmmmhnco eftMrta felra l* de Malo de ltmft
I
I
r
f

LITK ATORA.
^ Ffonui4.
HMs era portuguez, replicn o sujei-
to, po, pao, queijo. queijo, e isso o que
me serve; e dito, poz-se o fresco.
Ha ainda, porm, outra linguagem com
O 4ie n5o diz a llagna e o que
So ouven os ouvldos.
y|JffIAra-0 leque.-Lmguagem ,y*. >* ao avesso do pao, pa, Mi/*.-
J'ca-As flrel-M JreT-A'mi- "- "3o convem conde nar: e svm-
7fyo, qoe na" o convem condemnar; sym
blica cmo a do leque, mas (oda potica na
extensao da phrase, e t5o poetice como iu-:
do o qoelem origem no oriente. Pillo da
linguagem das flores.
ediMaSme as flores eram a alegra
mica.
As mulheres, em relaeao aos homens, sao
algaravias ; isto, porm, nao mier dizcrqao
nao hajam senboras Jle poucas palavras e
boas.
A mesma Lacpaia, que produzio homens
que so diziam | de dei f- S ^^ ^SffiS
m s looge, expressando-se assim:
Nem Salomo com toda a sua pompa
Trajou galas mais bellas.
J as senioras nao acredlam seno que
as flore* sao es syrabolos da linguagem das
dizer quaodo se falla, tambem pama
mutlieres famosas pelo seu laconismo.
Assim aquella respeilavel matrona que aju-
dava o filho a apromtar-se para a guerra, ao
ontregar-lhe per ft n o escudo, lbe disse
nicamente:
i cima oii >or baix< paixes humanas.
das as illus.s de um terno coracSo e de
urna imaginado viva e brilhante.
Nos bellos tempps da cavallaria, o amor
e-las palavras queriam dzer
umpio ou morto !
respeitoso e fiel servia-se as mais das vezes
de tal linguagem.
Os proprioslivros gotbicos esto cheios
O rouxiuol deixar mais depressa de
cantar do que a mulher de fallar, diz o pro-
verbio hespanhcl.
Os Chinea, menos delicados, ajunto que u,s, Prol'rios ,lvros *"c.os es
a liadas mu.heres espada UjJS *^J~* iftj^ que
1 'um chipo de rosas um thesouro para os
Os poetas, que sao pela parle algaravios, amailles-
tm cansado o estro em exigir das senbo-
ras o malor laconismo possivel; para elles
as senhoras s deveriam ter duas palavras,
dous monoslabos:
Sim ou o.
Estas phrases, com effeito, encerram s
vezes em si o assumpto de urna epopa.
*
Hippel diz que os horneas perguntam-se
uns aos outros o que que se pensa d'elles,
mas as mulheres inlerrogam sobre o que se
diz d'ellas.
*
As senboras no entanto siio as creaturas
d'este mundo que mais e melhor uso fazem
da linguagem symboli a.
Emquauto os bomens se servem de seu
chapeo para comprimenios de convenco, ou
quando inulto de um aceno para com urna
yessua de muito de sua intimidare, as se-
aburas tm O leque.
Uh e que nao diz o leque ? I
O leque, diz um escriptor cujo nome
me nao lembra, ou creio ate que nunca sou-
be, um livro de amor. Rellecte-se nelle
o espirito de sua dona, A impaciencia, o
amor, a colera, tudo se l no leque, especie
de telegrapho elctrico, que annuncia ao
amante os boletins amorosos de cada mo-
mento.
O redactor do jornal bespanhol El Con-
temporneo publicou urna vez algumas ob-
servd(;oes sobre a linguagem symbolica do
leque, e quem lli'as forneceu foi urna bella
Anda'uza, tornando-se traidora anean mas como se trata de urna linguagem sym-
bolica, nao lia remedio seno roproduzir
aqi as observacOes da graciosa senhorita.
A i ngud symbolica e que de ve um dia es-
treitar as relceos entre toda a bumanidade,
equem sabe se o leque nao ter de jogar um
mporianiissiuiu yapo\ ncwo prolosto sotom-
ne contra a coufuso de Bjbel ?
Veamos como as senboras se servem do
ieque para se exprimir tcitamente :
A mulher que abre e fecha o leque
mu tas vezes, diz o redactor de El Conten-
planeo, e n'jim curto espaco de lempo,
ou t'-m ze:os ou est dominada pela co-
jera.
< A que, pelo contrario, o abre e o fecha
mancamente, porque observa com ndifte-
rcii'.a o que ollian para ella.
A que o fecha de sbito, e como que
L-se em Amadis que Osiana prisionei-
ra, nao podendo fallar ou escrever a seu
amante, Ihe fez ver a sua desgraca lancan-
do-lhe do alto da torre urna rosa orvalbada
de suas lagrimas: oncontadra expresso de
dr o de amor!
Esta linguagem, que nos parece tao nova,
to velha como o mundo; nasceu por as-
sim dizer com as flores.
O ramo de oliveira que a pomba trouxe
arca de No tornou-se para logo o emblema
da paz, e creio que d'ahi que data pelo
menos a linguagem que as mogas tanto esti-
mam.
Os Chinezes possaem ha muitos seculos
um alphabeto composto inteiramente de
plantas e raizes.
Os Egypcios confiavam aos rochedos a
historia de suas conquistas por meio de em-
blemas devidos a vegelaes exticos.
Ninguem, porm, tem-se servido mais das
flores para expressar seus sentimentos do
que as bellas odaliscas. L do interior do
seu serralbo ellas se fazem comprebender
por urna simpes flor !
Esta linguagem prosegue Aimc Martin,
teai tambem sua valia para a amisade, o re-
conbecimento, o amor filial e o amor mater-
nal. A propria desgraca pode soccorrer-se
de to tema linguagem. S, na sua priso,
o misero e mesquinho Roucher se consola-
va estudando as flores que sua filha colhia
para elle; ah e poucos dias antos de sua
morto remctteu-ine elle dous lirios mniwhos.
continha um diccionario dajitfcuagem das .conquistaas doras dos areanos da natu- vre v
flores I... traqalhou imme4>#fe?t a toe- reza ? -E o ideal 1 o eu methaphisico I blia;
soura, acenderam-89 phoephoros, e houve a simpliflcagao de tudo em Deas!
um auto de f as folbas expurgadas pelo, Quando erguido ao cu o vo, que diffe-
novo censor, que exclamava admirado: renca vae do bomem para o homem ? Em
' Que baUfarial EogQverno nao olha.baixo rasteja o lodo; l perumes vasando,
para isso 1 oa forma da egualdade himatavel, a am-
- Entretanto as filhas riram-se, e pouco de- brosi da fraternidade d homem com Deus I
pois deram-me um pedaco de etfpi cozida. I Deus tiss: Se quizerdes alimento' indi-
gradeci-lhes e ia comendo, quando a nae-vos para a trra; se' pensaes ponde os
menina da folhinha me perguntou o queque- olhos em mim.
na dizer aquella raiz.
vo; rrde e ai crenca o amor por
esprete e na esperance Deus I
bi-
Presenciou-se no Tyrol, em
de marco, um glienomeno verdadeiramente
singular. Eis o. que a este respeito se l em
um jornal da* localidade :
De repente vi na direceSo do nordeste,
Sou tao capaz que ja vou comecar.
Esfregando os olbos e reflexionando um
momento, disse c< m voz resignada -.
Diga-me c orna cousa, n8o haver
meio de arranjar urna pinga de vinho antes
a noite de 30 de se comear ? ^m
Confessei a miaba ignorancia, e ento ella
s escondidas mostrou-me n'uma folhinba,
que possuia ha muitos annos, a siguiflea-
co, que :
Consummou-se o que previ.
Agora, respoDdi-lhe eu, s cumpre...
E dei-lhe um pedacinho de papel em
b raneo.
Aceitn e rio-se.
Urna irmaa, que estava por detraz, e ou- Eu a moJificaco de Deus... o immuta-
via tudo calada, lhe perguntou baixioho
Jque oquer dizer isto ?
A menina desfolhou o diccionario rpida-
mente, e a irmSa leu sorrindo-se tambem:
Silencio!
Depois do leque e das flores, as senbo-
ras ainda podem soccorrer-se de urna lin-
guagem de convenco: s5o as cores; e isto
que ellas empregam como que por um ca-
pricho infantil, usam de ha muito os povos
c >mo emblema de sua nacionalidade. As
cores dos pavilbes e estandartes, o que sao
seno urna linguagem symbolica ? Um navio
com urna bandeira listrada perpendicular-
mente de azul, branco e encarnada, o que
senSo um navio francez ? Invertam-se as lis-
tras, pondo-se em sentido horisontal, e dir-
se-ha logo que hollandez. Mudem-se as
cores para verde e amarello, e n5o ha quem
n5o diga que bras leiro ou egypcio, segun-
do a sua combioaco. O que certo, que
nem sempre a mesma cor representa as
mesmas ideas. L no Egypto o verde e o
amarello sao as cores do propheta: c no
Brasil tem ellas alguma cousa de mais po-
tico, pois representam a primavera e o
ouro do nosso paiz. Na Hespanha o amarillo
por si s traz em recordacSo a cor da cami-
sa de Isabel de Arago. to sympathica pela
proteceo que deu grande e nobre empreza
de Christov5o Co'ombo. Nao se pense, po-
rm, que a rainha usava de camisas encar-
didas. Ella sitiava Grana Ja em poder dos
Mouros, e fizera o voto de nao mudar de ca-
misa emquanto os seus guerreiros nao rom-
pessem as muralhas daquella cidade, e em-
quanto ella nao fosse pousar nos camarins
luxuosos da deslumbrante Aihambra. A pro-
messa cumpriu-se; mas quando a rainha
mudou de roupa, a camisa estava mais do
que encardida ; era araarella t Os Hespa-
nbes adoptaram por memoria essa cor em
o seu pavilho nacional, mas esqueceram-se
da iiiaxima maliciosa de Henrique IV, quan-
para exprimir de urna s vez tanto a pur-,do disse a respeito de urna liga : Homni
za de sua alma como a sorte que o aguarda-
va. Eu mesmo vi um pobre moco esmolar
para sua pobre me apresMiinndo um pan-
inete de flores. Nem de outra sorte o poe-
ta Saadi solicilava de seu senhor o quebra-
mento de seus ferros lhe apresentando urna
rosa. Faze bem a teu servo, disse elle,
emquanto te dado faze-lo, porque a esta-
gao do poder muilas vezes to passageira
como a duracao desta flor!
soit qiti mal y pense. Da liga naseeu a or-
dena da Jarreteira, eda camisa noou Ja bandeira hespanhola. Quando os povos
se mo-tram tSo cheios de puerilidades, se-
ro as muflieres que as n5o devem ler ? Ora
pelo amor de Deus'f..'.. '
Na Syria, o hito azul celeste ;
No Egypto, cor de fo!ba secca oo araare-
lada ;
Na Ethiopia, cinzentf it wo China, tnterraraente branco ;
A que se entretem em brincar rom a
varetas, diz amor quelle que a contempla.
A que, estando a abanar-se, fixa de re-
pente os olhos as pinturas do leque, da
urna entrevista ao seu amante por meio des-
te signal: contando depois as varetas, mar-
ca a hora.
A que tem fechado durante uns instan-
tes, e depois se abana muito devagar, quer
dar a entender que o seu corayo est oceu-
pado.
A que, depois de olbar para um ho-
mem, se abana mui depressa, indica que o
ama.
c A que o tem fechado, e, em vez de
lhe pegar pela unio das varetas, o segura
pelo lado contrario, d a entender aos que
a o am que nao tem amante.
O que necessario, que os homens
tambem saibam que o leque as suas mos
falla s seuhoras, e por isso convera adver-
tidos e instrui-los, aum de que nao caiam in
discretamente em algum quiproqu.
t O homem, s5o ainda palavras de El
Contemporneo, declara o seu amor mulher
entregado-lhe o leque entre-aberto. Se
ella o abre de todo, indica que corresponde
ao seu carinho; porm, se o fecha, manifes-
ta claramente que o nao ama.
< Quando o homem da o leque pelas va-
retas, significa amizade ; pelo lado opposto,
odio.
* a
' preciso nao deixar o leque sera tratar
do importante papel que j representou na
diplomacia. Quando o bey de Argel, fallan-
do com o embaixador francez, bateu-lhe
amiudamente com o eteque no bra^o, o re-
presentante do rei de Franca tomou-o acto
por um insulto, e a-artimaa de seus navios
respondeu por bocas eloquentes lingua-
gem muda do leque, que, quando muito,
quereria diz r com a maior cordialidade
des le mundo:
Ora atienda; ouca, que lhe fallo eu.
J se v que a linguagem symbolica nao
diz sempre e que se quer, mas pode dizer
o que se n5o queira. O melhor fallar
sempre veibalmente, empregando as pala-
vras segundo manda a grammalica, isto ,
com toda a sua propriedade, sempre na nos-
sa liugua,. coma o quena aquelle sujeito
que foi jantar a urna casa de pasto. _
O que temos para comer ? perguntou
elle.
O criado, que era, francez, lhe repeli de
cor i ma enorme lista de comestiveis, e to
rpidamente, que o pobre candidato ao jau-
ta ficou em jejam anda depois do al-
moco.
Como se diz poemfrancez? pergun-
tou o sujeito.
Pain, respondeu ocriado.
E queijo ?
Tenho visto muitos bomens se mostrar m-
differentes linguagem das flores e toma-
rem-a por urna puerilidade que nao passa
de um brinco. Ah I e quanto nao ella
verdadeira I Essas coras de saudades que
depositamos sobre os gradis das campas que tam as visinhas das proMincias de Goyaz
guardara as cinzas desses entes que ah ja- *
zem, o que sao seno a triste expresso de
nossa dr. Os cyprestes que assombram os
o luto e a tristeza. As nrnrro<, .>:,Jiali-
NoJapo, negro ;
Na Europa e na Ame;ica, entre os povos
civilisados, tambem negro;
E, cousa notavel, os Cayaps, gue habi-
e
..ia
s|c<
Paran-, como nao tero trajos, pintara' o cor-
po de preto quandlo perdem algum prente.
Cada naco justifica satisfatoriamente a
Sr do seu hila.
a tristeza. As proprias O azul celeste-denota, o lugar que-se de-
dades nao leem adoptado coino ombijv1^? seja aos morios.
suasceitas e determinadas plantas? o caf| .f-e^fjjefolhasecearepresenta o fira da
e o fumo as armas brasileiras mostramaos vida,poii|tii 11 PffiBB rMiiuin a MUiT* I
estrangeiros os principaes gneros de nosso
comraercio; pena foi, porm, que se esqut;-
cessera do po-brasil, a cisalpinia, planta
verdadeiramente nacional, que o Instituto
Histrico rebabilitou tornando-o como que
urna especie de louro brasileiro.
E' pois necessario, visto que as flores di-
zem pelas mulheres o que ellas ousam dizer
por si, que haja toda a cautea para com as.
senhoras amigas de llores. Nao basta que
se taita o que ellas exprimem em sua lin-
guagem symbolica ou convencional; bom S
que se advirta que urna flor tem muitas ex-
presles. Assim, a que dada naturalmente
de urna mo para outra exprime certo pen-
quando ces-am de- vegetar.
o cluzento significa o pem qoesfeon-
vertom os cadveres.
0' branco indiioa a pureza da vida do de-
funto.
O negro maaifesta a privaco da vida e
da luz. :
Tudo quan*}. fiaa dito a respeito da linr
guagem das flores nada era comparaco do
ou!ra linguagem tambera symbolica, pornt
muito mais intima. Essa lingiiagem a lin-
guagem da phiysionomta, a mmica.
Ninguem raelhor do que Boccage mostreo
smenlo, j voltada de cima para baixo quer' o poder da linguagem expresswa do olhar
dizer o contrario. O boto de rosa, que da mulher. EScrevndo .estas hnhas sinto-
significa temor e esperanca. reza o inverso me como que sob a sua presso, leiabran-
d'isso quando voltado debaixo para cima, e do-me de meu bello tempo, em que ea vn-
vale tanto como nem temor, nem esperanza, cido para cantar victorias.
O moco que dsse a urna moca o boto de I E esse tempo passou "
rosa tal que o colbesse, lhe dira:
Eu temo, mas eu espero.
A moca, porm, que o aceitasse, e Ih'o
dsse outra vez com o p para cima, sem
duvida lhe respondera:
Nem convem temer era esperar.
Agora se o moco lhe tornasse a dar sem
espiuhos, querer-lhe-hia significar:
Tenho tudo a esperar.
E se a moca anda insistisse, nao linha
mais do que lbe tirar as ralbas e entrega-lo,
pois equivaleria tanto como se escrevesse em
publico e raso: -
Tenho razo para temer.
Sebastian'opouno..
(Do Jornal das Familias).
UM POUCO DE TUPO.
Transcrevemos do Jornal d Lisboa este
artigo do Sr. Antonio Mara da Costa sob
titulo
PHANTASUS.
No mundo chimerico, onde s phantas-
mas das conveniencias sociaes o o dolo,
que nos sirvilisa, o proceder a.forma e
a forma o asss!... o espirito queoditou
Se a flor se inclina para a esquerda, quer- uma sombra que n3o se discute,
dizer tu, e para a direita eu. ^ sociedade materia estreme: se aqu
Isso e quanto a h-eiretas de mo; agora parece uma idealidade, como fugitivo
quanto collocacao das flores, o caso n3o:darSo passa) bruxolea e morre !
deixa de irmais longe. Assim ensina-se e tu Deus para que deixas extinguir o
que o mat-me-quer posto na cabeca expn-'fog9f ^ teu halit0 aCcendeu ?! Para que
blasfemo! ,
Verificou-se na qointa-eira ero Witehall
o acto de distribuicae de esmolas dadas pela
rainha de Inglaterra.
Oh 1 mTbensamento insenaravel:de-por,delraz das mon1la?has' um clarSo arro- Quarenla eseis aDCia08 e outras tantas
vos Senhor" penSament e inseParavel ae,xeado,.cuja mtens.dade aogmentava de ras- de vaneada idade aproveitaram\
YUS, OUINUI l... tanta am inclanlA OKlIrn Atll HOIir.0 fllStin- ,
A bitola social nao alcanca a altura do ge-
nio.!- E pode o barro-medir o ether, que,a montanha e qae se eleViVa cada vez "
se evapora, buscando o inndo na urna do i p^Jc* 7 mi R minnins tinha attinei- ,r
esnaro't mais. Fassaaos / ou minuios imna aiuiigi uma procjsso de j/comen da guarda
do o seu ponto culminante, e bnlbava rodea- fomava ^ casa onde s* flistribuiamgoaasr ;
do de uraa aureola de granda crcumferen- mo|ag m dfis yc(mm condaza ag
molas em nma taca de ouro do reinado do
rei Guilberme e da rainha Maria.
A procisso dirigiu-se capeHa real onde
. foi recebida pelo clero. Chegando aos de-
t^}\^ZCT? 11 graos da mesa da comraunho forara as es-
espaco ?!
Cegos, porque negaes a luz ?..........
.... O homem physico a vegetado que
se alimenta do sueco da trra as mil trans-
\ formaces de sua chimica admiravel: no
vel!Soltar do barro o espirito... pensar..
meditar vasar os homens n'um hornera,
fundir os mundos n'um mundo, obrar o in-
finito no infinito at a unidadee a nnidade
Deus I
Deus em tudo e tudo em Deus 1
Mas ter alma... despender seus vos
cme!.. .
Oh! calae-vos impos I
Viver nao limitar a materia na mate-
lanteem instante. Dentro em pouco distin- liberaUtjade da. magnnima rainha. i
gui um corpo luminoso que emergmdelraz mero quarenU e seiJ 0 dos annog d}
;ia. Tinha o corpo luminoso a forma de um
sabr de enormes dimenses, de forma,
mourisca, e cujo gume estava voltado para j
o norte. Os seus limites destacavam-se cla-
uniforme era todos os pontos, era
Verificar-se-ho nos dias 14, 13 e 16 dolado,
mez prximo, em Florenca, as festas em| Apenas se viu
honra do sexto anniversarib secular do
Dante.
Sao grandes os festejos
que se preparam
de Miguel Angelo Bounarot.
4. Na manha de 16, sesso extraordina-
ria da academia da Crusca,
a-crear um pio de ouro era quei o. ho- n0 cume da u h
S^1S^^\VS!X^\^ Precedera e acomPanliara a PParigo.;
morre .viver esuicar na aza ao tspmw | d f t proprio C!ar5o substi-
remontar na aragem do genio, subir su- Jg comp^alescuriaao.
bir... e em cada degrau um bafejo de glo-
ria e em cada tomo desse bafejo um cu de
vida.
Quem poder limitar o vo da ave livre,
libran do-se na plumagem de arminho e ouro?
Quem dir flor que nao sorria ao roco,
e que nao d da fragancia brisa f
Oh! quem pedir trevas luz I
Tudo tem um ideal e esse ideal a vida,
e a vida o amoro amor a esperanca,
a esperanca o infinito, e o infinito Deus!
O gozb epbemero um attributo da flo-
rescencia estril do barro !... Nao eonfun-
daes !
A fuzo do espirito em outro espirito o
fial de dous seres n'um ser... O amor isto:
a harmona de duas harpas no mesmo
hymno, o sentir de duas almas pela mesma
corda .. o sorrir de Deus na perfeiao do
hornera... o nome dos mundos sabiodo do
cahos! t f
Mulher s tn o pulso diamantino dteste
lyrismo acorde e santo t
E querera negar-te o dora... escravisar-
te a um mytho srdidoa ambico e o cal-
culo I
Mulher f negar-te a grandeza roubar
rosa o perfume ; apagar no cu o turne-
dos orbes.. fundir os mundos em estatu
ria inerte l
E's desconhecida f... Negam-te a com'mn-
nho do genio. iwqo ** o mesmo genio,
flor luldll I
O que fingimos crer gleba- que se des-
faz ; o nosso ideal sombra vaa, chimenea...
distingu vel, aponas, atrav d uma illuso
prismtica e ephemera ; mas o ideal a
uz lmpida dos tabernculos da- religio do
talento, e do sentimentalismo eslreme, e t
s essa luz, archote do Ciarlo das eras I
Mas oh porque se vae lancar na oham-
a man dos* nna',rn^'t *!*"**
urque me golas, .do ar, se- desprende, a
nuvem, e no p macula as perolas t
Porque faueeda serpenle; raan ignoto,
arpasta a ave linda ?
Mysteos! Mysteos I...............
..............fc Nao! -que na fagem
do egosmo tran(brmam-te a. alma : arras-
tada ao leilo ignobil, vil mercancit,.roa-
bam-te o perfume; 'yrio; extnguem-te o fo-
gov lume!!
Sacrilegos 1 para que profanaes a flor, e
lhe roubaes a cor virgem dos caruras
cu ?
tpios para que aecusaes a obra, do fo-
tjv satnico em- que enchsmmpa> "-
tudo 9
Amor! oh r n3o r.reio nos teus feligos,
claro ephemeio!'
A morte vmi e tu' extingues-te na sua
aza negra... falsa biblia '
Nao! oh l nao! Tu'a&mesmo vives! Nao
oceulta a cinza a. braza candescente?
Na ara mortuaria ergue-se a
separa o p da essencia O elo fica. intac-
to Cadeta que prende a alma a outra alma
como ellasubt1, como ella eterna!
Genio* amor e mulher sao reveta-
ces do mesmo ser... raios luminosos da
mesma estrella... aroma do mesmo cali*!
Diga-o Tasso e Petrarcha, Bernacdim e
Dante.
raraente
sua luz, aunar r em ujuoi os v ***,>>'* 'mohs depositadas defronte do banco da rai-
alvad.a, sera mancha, e pouco menos inten- nha> senJ0 ^ occas3o ce,ebrado m offi
sa que a a la. | c0 religioso. Cada bolsa contiana em so-
Era sorprendente o phenomeno e durou berano8de ouro como aBtgaraenlej a quan.
couVcomo Soso aTscTv^arosTe"'tia de uma ,ibra e *m^' '*>
couocorpo luminoso a descer vagarosa e asubslluir as distribuifoes de alimentos
magestosamente para o mesrao lado donde feitas em outro tempo pela casa da nEb
surgir, sem nenhum instante mudar defor-; fl aiffnnSLopda;Vniiin n^
ma. A's 8 horas e 17 minutos via-se ainda; ^~" ?6a" X
da montanha o claro arroxeado valor de Pences-
>
Anii-diluviano,Ao serrar-se em Lon-
dres uma pedra extrahida de orna profondi-
dade de 25 ps, encontroa-se em uma cavi-
dade interior am enorme sapo, vivo e acha-
ivre coroe?ou a respirar
com forca, movendo-se com diflicoWade.
E' um mysterio a vida deste animal. Fui
enviado sociedad1 de historia natural para
para solemnisar estes dias em que tomai o, estodo dos sabios,
parte todas as corporacoes. P opinio de un* distincto gelogo que
Era resultado dos cuidados do coneetho este sa o conta seis mil annos de idade, e
provincial florentino -e das diffrentes socie-, portanto o acto maievelho da cieaco co-
dades e academias florestinas, verificar-se- nhecdo at boje,
ho nestes dias :
Era. Roma a benco dos ramos foi eelebra-
1. A inauguraco da exposico dantesca
e de antigedades no palacio Pretorio.
2. Abertura da exposico das bellas ar-ldaPelPPa- .
tes e de horticultura noslocaes respectivos,',. ?oa Santidade, depore-da benCao, disth-
3. Abertura durante oito dias da galera ,bu Havia era um earcere de Htespanba dos
rapazes presos por cme de roubos s qnem
um juiz foi ouvir os depoimeatos no1 mesmo
dia.
o dnus gatuno estaram alojados era ca-
laboucos- contiguos, em cuja parede wter-
atei havia uma poyia carunches-a, que per-
mittia que n'um calabouco se ouvisse o que
se dizia ro outro.
Dirigindo-se o jusa-ao primeiro iadro,
aecusado ie ter roubadeuma vacca, pergu-
tou-lhe :"
Onde-comprast-a vacca que-te-appre'
Uenderam. ?
Em parle nenhuma.
Quem- t'a deu f
Ninguem : comecei a cria-ia> quando
uva bozorra _
O juiz dirigio-se ento ao seguido aecu-
ssdo, que escutra palavra por palavra a de-
claraco do seu confrade..
Accusam-ie, lhe disse elle, do-roubo
de-uma espingarda, qae te foi encontrada
enreasa.
Que podes-allega enalua defeza :.
Que calumnia, Sr. juiz.
Bem: prova-rae- em como a com-
I naste.
A quem. ahavia t$titt8F& '' .**-
Como r isso ?
__ Ora~e*^> 0P,': touipo em rgie ainda era.pistola.
do
matico,
Uma muttido consideravel de estrangei-
ros assistio >procisso dabasilca do vati-
cano.
Annuncia-se- como posito que 6 rei da.
Prassia e o imperador de Austria se encon-
traro em Karisbad no prximo mez de
maio.
Forroon-se em- Copenhague- am commis-
s3o presidida pelo principo *erdeiro, para
preparar a exposico uas ares e oflicios
que deve ter 'ugarna Dinamarca em 1866.
A Gazeta Offioiai de Turin mmecar no
l." dejunho a ser publicada em Florenca.
Ha dbze concorrentes para a concesso,
um dos quaes offereceu um p^amento de
fr. 100,000 por anno.
M. Sa?i, um dos principaes redactores do
orgo republicano Italia del poplo, sui-
cdou-se ultimamente-em Genova..
M. Savi' tinha tomado parte na expedieo
da Sicilia commandada por Garibaidi; desdi
nlgura tempo era membro do eaaseho mu-,
aicipal de Genova.
Trata-sedum projcto de casamento en-
tre o principe Hbmbertode Italia-e a tercei-
ra flIlia_ilaLr3!nb3 FSinttuet*
tMr.trw^.
i
Discutindo dous estudantes acercadas ex-
periencias que se fazempara se dar direceo
aos bales, disse-um delles :
Parese-me que todos os qua se occ-1
para de resolver este problema pariem de um
mwem_qpe- principio falso.
A questo nao encontrar o modo de os
dirigir, mais sim. da os conservar immovets
no espaco..
E que se conseguir com isso! pes
guntou o outro.
Que Nada-ha mais clero respondeu
o primeiro. Estando o balo inmovel, como
;a trra d voltas, esperaria:nos nelle que
A morte nao e a aniquillacao : e a an:- paSSasse a povoaeSo onde quiaessemos ir, e
dad na substancianecessana; a passagem desceamos quaado noseslivesse debaixo
da raorte vida; a quebra das al gemas ao ..______
estado livre ; a idea da modificaco ao ser -------- ,nn
em si! A cmara dos deputados (Italia) votou
O que e da alma com a alma voa i uniaun^nsagem de sentimeato. ao parlamen-
Incredulos! nao chamis pantheismo ao tn d3S i^tados-nidos, por causa dos assas-
pnsma de K.rose! sinios de Lincoln e Seward.
Dividir caramhar para o nada unir, | Foi |mB le de|)berad0j qu& a bande.
simplificar, e a missao que avaoca neslas ra ^^^^ do parlamento italia*ose con-
trevas \ ... serve era funeral durante tres dias*
E um gigante nico camrahando para um
fim nico e absoluto Dens !

M. James-Stansfield receben dosCabitan-
tes de Millo uma medalha pox ter Vendi-
do Mazzini na cmara dos communs de\In-
glaterra.
No firo do correte mez deve ter lugar a
inaugura?*) do mooumento Corsega .familia BOnaparte.'T)izem que o
monumento se coropoe de ou grupo repre-
sentando o imperador Napoleio I e mus qua-
Iro irmos.
me-se tanto como pezar a"alma ; sobre o
coraco, penas de amor :. e sobre o eolio ou
o seo, pezar, aborrecimento.
Nao possuiraos anda um diccionario da
linguagem das flores: o qae por ahi anda
nao passa de uma pessima tradueco e rap-
sodia, em que osfruclos tambem veem
baila ; e, o que mais, esqueceram-se das
flores proprias do. nosso paiz. Comtndo,
A phylosophia como se fosse orgnica:
respira uma atmosphera vital... pura. .
ethereamorre nos ambientes onde.se ce-
vam os miasmas do materialismo I
E ai! de quem nao vive desses miasmas!
Ter alma, ter o stigma de reprobo: in-
censad o ideal, cme que nao se perda!
Negam-te, genio, o cambente
A estrella de Thales a estrella de Spi-
nosa e Berkeley, de Schelling e Hegel 1
Meu ser voou na aza da agui negra
Que levando-os nao levou comsigo
D'est'aJma aquelle amor t
E quando a luz do dia o mundo alegra,
Crysalida nocturna, a sos comigo
Abraco a minha dr...
Uma senhora, cujo marido nao pertencia
' a sociedade de temperanca, tratou de o cu>
' rar da embriaguez; a que habilualraente se
I entregava. Dirigiu-se a uma seutinella que
por certa quantia se preslou a secundar os
j seus planos.
O marido estava ebrio como um cacho ;
a senlinella mandou-o conduzir para uma
escola de medicina, cujo guarda era amigo
seu, e estendeu-o sobre uma banca de
a
Dr intil 1... Se a flor, que ao cu envia dissecaco.
Seus blsamos, se esfolha, e tu'no espaco j Quando. o bebado dispertou do bachico.
Achas depois seus tomos subtis lethargo, ergueu meiocorpo, apoiando-se era
Inda has de ouvir a voz que ouviste um dia um dos cotoveilos, e lancando um olhar in-
Como a sua Leonor inda ouve o Tasso
Dante a sua Beatriz
em que
ainda ssim mperfeito, o diccionario da lin- te libras... faisca de Deus! E' que o ho-
guagem das flores j tem feito morder os(mem limitado pelo ouro, e pela lascivia bru- W(/a> q^^ 0 mM/Aer'/trocando-se como
beicos a mais de um pazinho!. tal, n sabe vasar-se no rafirato.,. cpmp e-perfume de flores... flores engasUndo-se
Joo de Deus 1 o ojoe isto que tu' so-
nhastes ?
As spberas diamantinas do infinito, a
luz do genio a mulher.. a vida!... A
Estava na roca quando vi chegar um pae hende-lo assusta o... ir do corrupto para o
de familias; vinha muito lampeiro com as incorrupto ^ vaporosa idea queiiaO apren-
suas encommendas; e o Sr. capitp-mr'deu nji.alchimia voluptuosa e senil do cam-
Manoel Fagndes deu a uma de suas filhas bio, epj que merc4ndejam
deciso em torno de si, viu um hornera fu-
mando junto ao panno mortuario :
Onde estou ? perguntou o ebrio ?
Em.um theatro anatmico.
E para que estou aqu ?
Para ser dissecado.
-r Dissecado ? O que diz voc ?
Nao ha nada mais claro. Voc'morrea
hontem de uma bebedeira, e trouxemo-lo
A GazitVuda Attgi
teem vemhdo 100,030 "ex
cao Ilustrada e estao- esgota
populares d Historia de
Napoleo III.
annancia que se
da edi-
edigoes
Cesar por
>+ wm
uma folhinha.para o anno novo que j bata
porta, e qual nao foi a sua admiraco
le fond de 'insondable
O que ser o fim do girar mcessante do
quando a mulher lhe fez ver que a folhinha espirit pelas vereilas da sciencia, buscando1, Resum: pensae, e no pensamentb, oAli-
como rubis na tela do firmamento: lam- fara alul' Pr(lue foi vendido por sua mu-
nees para as cruzadas das gentes norede-,lher-Para1 ser estudado. S-voc nao mor-
moiiiho dos lempos I \% ]v* M e os mdicos ; mas o que
e verdade e que elles o vao dissecar, morto
ouvivo, '. "
; Homem, voc seria capat de fazer o
que diz ?
Sir John Guise, qqe falteceu ha pouco*
dias, era o decano, dos- oflkiaes genecaesn.>
exercibo inglez.
Sir John Guise entro no exenrito em
1794.
E Inglaterra nao se eontam actualmente
vivos seno vinie generaes que servir no
scalo XVIII.

O novo empiestimo italiano deve ser emit-
tklo no corrate mez.
O ministerio dos negocios estrangeiros se-
r transferido para Florenca no dia 28 de
abril.
Os jornaes de Nova-York dao conta Je
um roubo original, commeltido em um treta
de caminhe de ferro.
Um hbil ratonero, depois de ter ador-
mecido uma senboro por meio do chloro-
formio, roubou-lhe uma dentadura de gran-
de preco.
m i
Acaba de morrer ero Milo uma velha na
idade de 90 annos, por nome Francesca Sea-
nageta.
Na sua juventudo, inspirada pea Clorin-
da do Tasso, resolveu-se a entrar na vida
militar.
Acompanhada por seu pae, era 179*-
desfarcada em trajes masculinos, entrou no
collgio militar em Vienna, sob o nome de
Francesco.
Distinguise por seus brilhan tes estulos;
em 1797 foi nomeada alferes, e permanecen
por 3 annos no servico da Austria, sem qiw
ninguem penetrasse o segredo do sexo a que
pertencia.
Afinal, seu pae descobrio a verdade, e
foi-lbe dada baixa com uraf penso,seni'0
autorisada a conservar todas as-honras que
havia sabido conquistar.
_Casou em 1.801, como capitaoSpy.
l'ERNAUBDCO.-TYP, DE M. F. DEr\T^
^
ILEGTVEL)
^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8YKN16CS_EMQDBR INGEST_TIME 2013-08-28T02:01:01Z PACKAGE AA00011611_10668
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES