Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10667


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AWIIO lll NUMERO 110
Por quartel pago dentro de 10 das do 1.mtt ...?!.. 5JQ00
Menmfis4osl.M10diasdocomcoedentp6doqaaptel. 61000
Parle Mfrciopor tres ezes .,". ,:. ',.,,,,, s *7jo



SAMADO 13 M MAIO DE 186S.
Par anno pago dentro de 10 dios do 1. mez 191A0O
Porte ao correio por nm anao..........' Inflo
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de l.emos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; M aran han, o Sr. Joaqolm Marque? Ro-
dritraes; Para, os Srs. Geraldo Antonio Aires 4
Filhos ; Amazona*, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claodino Palco Das; Rahia, o
Sr. Jos Martn? Al ves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinlio.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Ollnda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea atj
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Gdyanna assegundas e sextas feiras.
Satito Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garantan?, Buique, S.' Bento, Bom
Conselhot Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob., Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as qaartas
(eiras.
Segunda vara do
Hora da tarde.
quartas e sabbades
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar
reiros, Agua Preta e Pimentelras, as quintas
k feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
2 Quarto cresc. a 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 Loa cheia as 6 h., 3 m. e 22 s. da t.
18 Qnarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 45 s. da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal ao commercio : segundas e quintas,
ljelago : tercas e sbados as 10 horas,
azenda : quintas s 10 hora*.
#iio do commercio: segundas s 11 non.
Wto de orphlos: taigas e sextas s 10 horas
Primeira vara, "W dYel:
dia.
tercas e sextas aomeio
SBgunda vara do Uta
hora da tarde.
quartas e sabbados a 1
PARTE OFFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Continuarlo do expediente do dia 9 de maio de
1865.
. OfDcio ao tencntc cirurgao do batalhao n. 26 da
guarda nacional do Bonito Justino Eugenio Lave-
nere. Ao offlcio de 22 de abril prximo Ando, |
em que Vmq, representa que o conselho de qua-1 Vlanna, mande V. S. pagar, se nao houver incon-
lificacao, convocado para designacao dos guardas i veniente, a quantia de 1131800, despendida com o
chamados a servico de destacamentd e de defeza I sustento dos presos pobres da cadeia da cidade de
do imperio, tem deixad de attender aos attestados j Olinda, durante os mezes de dezembro do anno
or Vmc. pastados aos que se acho mpossibilila-! passado at abril ultimo, como se v da inclusa
os de supporlar os trabalhos da guerra, respondo conta, que me fui remellida pelo chefe de polica
dizendo-lhe que nao oslando o referido conselho com oflicio de hontem, sob n. 658.
obngado a conformar-se em suas deliberacSes Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. a inclusa
Iharla p, Tiburoio Hilario da Silva Tavares, pelo
almoxarifado do presidio de Fernando, dave ter
lugar de Junho prximo vindouro em diante.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Remello V. S. para seu conhecimenlo e exeeucso
copia da lei n. 614 de 2 do corrente, determinando
que seja arrecadada pelo consulado provincial a
decima urbana dos predias comprehendidos no
municipio do Rerife, e que tem sido cobrada pela
collectoria de Olinda.
Dilo ao mesmo.A' Francisco Ludgero Nunes
DAS DA SEMANA.
8- Segunda. 8. Heladiob.
"n^A SG,or!0 N"'anzeno dout. da egr.
,u*ru Ss. Blanda e Philadelpho mm.
tV* T*bl* Anastac' Sereno mm.
khlrfn ?b2?Princwa v-l S.Nereo m.
2" BS; $1 Regalado f- s- Cllcia m.
Hugo. S. Atboaso b.; S. Gil.
PREAMAR DE HOJE
Prtmeira as 6 horas e 54 m. ia manhaa.
Segnoda as 7 horas e 18 minuta da tar PARTIDA DOS VAPORES COSTE1R08.
Para o sol al Alagoas a 14 e 30; para o norte
ala a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos das li des mezes de Janeiro, marco, malo,
julho, seterabro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos prprietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filbo.
cadar o Imposto do minneas da freiruezla de Pa-
zenda-Grande, visto como devia t-lo posto em
hasta publica, e s em falta de Hollantes, e prece-
dendo aulorisaeae desta presidencia, poderia man-
dar arrecada-lo por administraclo : o que llie de
claro para seu governo em cases idnticos.
Dito cmara municipal de Garanhuns.Cons-
tando de offiolo do jniz municipal snpplente desse
termo, de 26 de abril ultimo, nio se ter proceduro
no correnle anno a revisao da qualiBcago dos vb-
lantes da freguezia deatfuncipio, enmpre que a
cmara municipal de Garanhuns informe com ur-
gencia qual a razao de semelbante falta, e porque
a nao participou a esta presidencia.Offlciouse
no mesmo sentido ao juiz de paz mais votado do
Io dislricto de Garantan?.
Dito a mesma.Remetta-me a cmara munici-
pal de Garanhus com urgencia e sob responsabili-
Francisco Antoqio Corroa Cardosp.~(/9rme o
Sr. inspector da fhesourarla de fazenda
^Francisco de Assis C. Penna. Psse portarla
ncedendo a licenga que requer o supplicante.
Isabel Thereza da Silva.Informe o Sr. tenente-
coronel recrutador.
Jos Augusto de Aojo. Informe o Sr. enge-
nheiro encarregado das obras do porto.
Joaquim Tavares Rodovalho.-D-se.
. Jos da|Silva Correa CollaresInforme o 8r. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Jesuino Archanjo de Albuquerque Pimentel.J
se acha em concurso o offlcio de justica de aae
trata o supplicante.
Luiz Jos da Franja.Concedo nm mez de II-
cenca para o flm que rejuer.
Maria Magdalena Goncal
,_.ves.Informe o Sr. te-
; neite coronel commandanle do corno de polica,
dade copia de todas as actas da eleicao de jmzes de Manoel Candido Pereira de Lyra^ Informe o
paz e vereadores a que se proceden na fregoezla S. inspector da thesouraria de fazenda.
com es alteslados apresentados pelos reclamantes conta rm duplcala e mais documentos a ella rela-
nada ha a providenciar, podendo estes inlerpor Hvos, aDm de que, nao bavendo inconveniente, man- i esse nome em stmbro doranno passado ef exf-' i Marcolino ( sar d.
rsos que por lei Ibes sao permittides. dei pagar ao Dr. Jlo da Silva Ramos, conforme gidas em officios desta presidencia de 14 de no- o S/, commandanle superior"da "urd nacional
fiado. ; dtffazareth.
Jnnta revisora i Thomazia Maria de AquinO.-Ficam expodidas
..presos aa quatihcaijao da fregnezia de S. Caetanoda Ra- as copvenientes ordeos oara erem admiiiido* na
ullimo, e pelo inspector da thesouraria provincial; da casa de detencao. Vicente Ferreira Lima, Ma- poza.-Nao lendo acomparthdo ao seu offlero do conjpanhia de aptendizes do arsenal de
1 orlara.O presidente da provincia tendo era solicitou o chefe de polica em offlcio de 8 do cor-: vembro ultimo e 5 de Janeiro prximo
vista as informacoes ministradas pelo commandan-' rente, sob n. 650, a quantia de 186000, prev- i Dilo ao juiz de paz presidente da jm
te do corpo ae polica em oflicio de 28 do fevereiro niente da despeza feta com o curativo dos presos da qualificaco da fregnezia de S. Cae
ultimo, e pelo inspector da thesouraria provincial da casa de detencao, Vicente Ferreira Lima, Ma-, poza.-Nao lendo acomparthdo ao se
em data de 4 do corrente, acerca do requerimento noel Francisco Pereira e Manoel Ferreira de Mou-1 Io do corrente, com que Vmc. me enviou a lisia' 'motor Jos e no collecio das orahSas a r do 2* sargento do mesmo corpo Joo Sjares Goi-, ra, que tendo sido accommeitdos da varila foram dos cidadaos qnalificados votantes nessa freguezia nome Francisca. "rpnaas a menor ae
9
Offlcio ao vigario da cidade da Parahybi._Nesta
dau Qomeio vigario encommendado da fremazia
ma.?J5?r(,",18Barbosa- e "i n r .
quanto antes tome conta da regencia dessa fregu
L; i? Ih"6 a C0,W ?.ii?H*n*0UW D^'nal a conKrua a iue nessa
qu*lidade liie compete.
Agradeco a V. Rvma. os servicos que tem pres-
a 'f, freW'a d Jcoca, e o exonero da regen.
5!*t 'a0 V-Rvraa- Pede no seu offlcio firma-,,
??/ corre",e' no 1ual me pe o oslado i SS?.. ?nTJ* ^slanlee dever da commissao
mrbido em que se acba, e a imposs.bilidade em coTaccidS S?enl da casa a,uelles- ^ Pou-
que estadereger outra parochia alm da sua, o ?, K Dt s occorriuos *> processo da eleico
que.espero que V. Rvma. coi.tu.uaraa fazer or si W6, hao de mister resolocao o senado nar-rAm'
^r!r.Tem' a, ^ Rv" MaaoeMqTes'tom SrlllK dt 1"* ^^""X
coma della. H ^rvlr opportunamente na provincia a "hlT
Dito ao padre Manoel Marques Barbosa.-Esuu.! rao,exa ac,1"l legislatura. "auny aa"
do a freguezia da Jacoca desprovida de parocbo e' 0m ,~awo da cidaile & U*'1* fori"I> "m-aiIo-
a cargo do Rv. vigario da cidade da Parahyba, o h uhSn??VS 0-,os de,res individuos portado.^
qual meofliciou aizendo-me que pelo seu-estado U n ele.,lor da parochia de S. Joao do
faltando somente a da parochia de S. Joao doPiau-
ny e a do collegio de Piracuraca. Fram tambem
KSSSufida m*geral fei,a KSS
ra mnnicipal da capital da provincial e a lista th-
& nTJWT J ,uar Sr- conselheiro
dor.nr i8? da Cun&a faranagu, nomeauo sena-
dor ,or carta imperial de 16 de Janeiro ultimo.
nara decfi?6 des,es P*Pefs ao'orisa a commisso
que oor Mns(,qUe a e,a foi feiu 'egalmente e
e"tanawm&l,nle Sr. conselheiro Paranagu
maraes, que em inspeegao de saude foi considera- tratados na casa de sade daquelle doulor. Com-
do incapaz de continuar no servico, resolve apo- miinicou-se ao Dr. chefe de polica,
seuta-lo com os vencimeolos que Ihe competirem Dilo ao coronel Jos Antonio Lopes.Dos tres
pelo lempo de servico prestado em dito corpo, de individuos mencionados em seu offlcio de 2 do cor-
conformidade com o disposlo no arligo 2 da le rente, mandei alistar como voluntarios smenie o
provincial n. 276 de 7 de abril de 1851, combinado de nome Germano Jos do E>pirit-Santo, dspen-
com o artigo 3o da lei tambem provincial n' 436 de sando os dous outros que me declararan! nao te-
26 ee maio de 1858. Fizeram-se as necessarias rem desejo de servir, alm de molestias que alle-
conimuniQoes. garam soffrer. O que communico Y. S. em res-
ulto. O presdanle da provincia, attendento ao posta ao diado offlcio.
qoo requereu o 2 cadete 2o sargento da comea Dito ao commandanle do presidio de Fernando,
nhia de cavallaria desta provincia Silvino Mala-! Faca V. S. regressar para esta capital, como re-
quias Pacheco, e tendo em vista o parecer da junta : quisinu o juiz municipal do lermo de Ipojuca, por
militar de saude, resolve conceder-lhe 3 mezes de : intermedio do Dr. chefe de polica, o sentenciado
licenca de conformidade com o arligo 106 do regu-' Autono Francisco de Souza 2o, que se acha nesse
lamento de 27 de outubro de 1860, para tratar de' presidio,
sua saude.-Communicou-se ao coronel coraraan-1 Dito ao commandanle superior da guarda nacio-
danle das armas.
10
Offlcio ao Exin. vce-presdenle
no corrente anno, as relacoes de que trata o decre
to n. 2865 de >1 de dezembro de 1861, cumprei|2|kvvi7Bi.mM
I que m'as remella com a possivel brevidade.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
i ao que requereu Jos de Souza Braz, resolve cou-
| ceder-lhe licenca para embarcar no vapor nacio-
| nal Parahyba com deslino ao presidio de Fernn-
I do, a serem all ontregnes a -Maria da Conceigo
i Botelho Dourado, o escravo de nome Manoel e os
j gneros constantes da relacio junta assignada pelo
socrelario da presidencia, nao podendo porm ef-
fectuar o desembarque dos ditos gneros sem que
por parte do commandanle do mesmo presidio se
proceda a exame para verificar se ha aguardante,
ou outra qualquer bebida ""espirituosa.
Dita.O presidente da provincia, resolve no-
mear a Jacintho de Mendon^a para o lugar de en-
Bahla.Accusando recebido o offlcio do 4 do cor-
rente em que V. Exc. me communica haver prin-
cipiado no dia 2 deae mez a administrar essa pro-
vincia na qualidade de seu 2o vicepresidente, ap-
proveito a occasiao para aprestnlar a V. Exc. os
meus protestos de estima e consideracao.
nal do Recife.Mande V. S. sentar o tenente Jos genheiro da repartigao das obras publicas encarre
iuakaiiac An """ik a~ -~...-i gado do respectivo 3o distncto.
Dita.OSr. gerente da companha Pernambuca-
na de navegac.ao eosteira, faca transportar no vi*
; Elias de Vaseoncellos do conselho de revisao da
da provinciana | guarda nacional da freguezia de Maranguape, vis-
to que, segundo declarou o director da Faculdade
de Direito em offlcio desta dala, sao uecessarios os j por Parahyba'por conta do ministerio da guerra
servicos desse^ ofcial como continuo da mesma \ urna tonelada de carvo de pedra que a directora
Faculdade.Communicou se ao Exm. visconde de do arsenal de guerra tem de remetter para o pre-
Camaragibe, director da Faculdade de Direito. sidio de Fernando.
Dilo o commandanle superior da guarda naci-1
Dilo ao Exm. vice-presidente da provincia do \ nal do Cabo.Ao alteres da 4a companhia do bala-; Conlinuafo do expediente do secretario do gover-
Maranbo.Pelo seu ufflcio do 2i de abril ullimo, Hiao n. 41 de infamara da guarda nacional sob, no do dia 9 de maio de 1865
tV.mnd,J.^ N. 173.-Offlcoao !? secretario da' assembla
fiquei inteirado de. haver V. Exc, na qualidade de
i v[ce-presidente assumido no da 23 a admnis-
tracao dessa provincia por ler de ir tomor assenlo
na cmara dos rteputados o Exm. Sr. Dr. Ambrosio
Leilao da Cunha.
Dilo ao Exm. dezembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia. Em vista do que y. Exc.
expoz em seu offlcio de 9 do corrente, autersu-o
a mandar admittir no collegio das orphaos asme
ores Candida e Dion:a fllhas do alienado Vital
das Chagas Coelho.
Dita ao mesmo. De conformidade com a sua
informacao de 5 do correnle, mande V. Exc admit-
tir no collegio das orphaas a menor Francisca nela
de Thomazia Mana de Aquino de que traa a cer-
tidao inclusa-
Dito ao coronel commandanle das armas.A'
vi.-ia do que V. S. pondera em seu offlcio n. 818
desta data o autoriso a mandar retirar
que fixou residencia no municipio desta capital,
assim o re n. 44 de it de abril prximo fiado, mande V. S.
passar a cala de que trata o art. 45 do decreto n.
1.130 de 12 de margo de 1853.
Dito ao commapdante.superior interino da guar-
da nacional de TacaratRespondo ao offlcio de
V. S. de 15 de novembro ultimo, dizendo-lhe que
o dizimo de miuncas a que allude o seu citado offl-
cio, deve ser pago a pessoa que se mostrar para
isso autorisada pela cmara municipal de Tacara-
t, em vista do que informou o seu respectivo pre-
sidente em data de 14 de fevereiro deste anno.
Dito ao Dr. Felippe Jansen de Castro Albuquer-
que. Offorecendo o bacharel Vicente Jansen de
Castro Albuquerque a importancia dos alugares de
urna sua casa que serve do quartel e cadeia na
da gu-rra, em
a ter lugar esse
legislativa, pxovncial.Sallsfazendo a requisicao
da assemfcle* legislativa.proyincial, constante do
offlcio de V. S. de 23 de margo ullimo, sob n. 39,
passo por copia as raaos de V. 8. de orden? de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, para ser pr-
senle a mesma assembla a inclusa informaeao que
deu a cmara municipal de Olinda acerca da peti-
go que devolvo deSebasliao Francisco Belem.
N. 174.Dito ao. mesmo,s. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia a cujo conhecimenlo levei o of-
flcio que V. S. me dirigi em 8 do corrente, sob
n. 115, manda declarar-lhe, adra de o fazer cons-
tar a assembla legislativa proviocial, que hoje as
2 horas da larde receber no palacio do governo a
deputagao, que tem de apresentar diversos actos a
sanegao de S. Exc.
N. 175.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, manda remelter a V. S., afim
de ser submeliiaa a consideragao da assembla le
DO SIMPADO DG
PKIt.VIMHt-O.
SKUE-VACASTE
Expediente do dia o de maio de 1865.
Offlcio ao vigario da cidade de Souza. Tetho
presente o seu offlcio de 3 do prximo passado,
que V Rvma. diz que, vendo no raen offlcio
para Ta- villa de logazeira para auxilio
carat as 7 pracas do corpo de guarnigao que ain- i quanto esla durar, principiando
da se achavam ^em Ouricury. Communicou-se seu offerecimenlo do mez de Janeiro ullimo: se ain- Siv^nrovcal aTnclusa'cnia do oncto d
\1JZnL M,,? v t, ^ Ih^h '"h' d <1"e clid0 na e n. 612 de 2 do correnle, o credo
, dou sciencia di.-lo a V. S. na qualidade de procu- iniin\mPnt^ ,1o oour-
em
de 28 de feroreiro a reprova?ao do seu acto, de
enctrregar ao Ryd. Anelio Marques da Silva Gui-1
martes a adminislracao dos Sacramentos com ex-
cepcio do do. matrimonio) na igreja de Nossa Se-
nhor do Rosario da povoac3o de S. Joao, por ha-
ver morrido respectivo parocho, e ser V. Rvma.
o paiocho mais visinho, no pode convencer-se de
ter obrado mal, como eu disse em meu offlcio.
O mal que V. Rvma. obrou, nao consisti em ir
corado-a fregnezia por si ou por outrero, em
quasjo nao recebia resposla do ordinario, a quem
participara o fallecimento do parocho: se V. Rvm.
so lDias-e a isso s, obrava muito bem e proce-
da rcuito em regr/ Porm o mal eonsistilo m
provjjionar um sacerdote para curar a freguezia,
embera excepconasse matrimonio. E unto V.
Rvma, exhortera as attribuigSes qoe-otts* caso Ihe
con); Anrtio Marques, prscreve Ihe o lugar d'onde pode
regr a parochia, !mpi5e-!he a obrigagao de residir
na matriz respectiva smente durao' u lempo da
qnareswa, ejej-Biin** ta pTovIsao por estas pa-
lr-^ Asim o eumpra em virude da santa obe-
dxenci/f, .
Eis aqu efn qoe V. Rvraa. deve convencer-se
de qu obrou mal.
mrbido nao pode continuar na regencia de duas
rregueaias, e me pede que o exonere da freguezia
da Jacoca, tenho determinado nomear a V. Rvma.
parocho encommendado da mesma freguezia, de-
vendo quanto antes solicitar a competente proviso,
afim de entrar na regencia dessa parochia.
Dito ao vigario da villa do Pilar.A' vista do
estado de ruina em que se acha essa matriz como
V. Rvma. relata no seu offlcio de H do prximo
passado, a que respondo, e do porigo que ha de
continuaren) nella os offlcios divinos, pode V.
Rvma. trasladar para a capella do Rosario existen-
te nessa villa nao s o Santissmo Sacramento,
como as Imagens que anda se conservara na ma-
triz, o que V. Rvma. far com a pompa e esplen-
dor que fr coropalivel com os recursos de que
dispoe essa parochia.
Jstou certo do zelo e dedicago com que V.
Rvma. trabalha na construegao de urna matriz
nova; e ajulgar pelos recentes exemplos de devo-
gao e piedade que a populago dessa provincia tem
manifestado, nenbuma duvida tenho de que os
esforgos de V. Rvma. bao de ser coreados com o
mais feliz resoltado em favor da religio e dos
povos dessa parochia. ,
a ii 8 n >i m
ollegio duvidou
ses documentos y,ir
da autenticidade des-
vro da eicao. '&* ?H0,the ter sido envado o li-
.aA. vWmft w--a da va ares de verdade ao
CONCURSO AS FREGUEZIAS VAGAS. '
Tendo o governo de S. M. Imperial declarado
aullas as 17 propostas restantes do concurso a que
em 30 de novembro de 1863 proceden o Exm. his-
po fallecido, participo a quem converque o Exm.
e Rvm. Sr. vigario capitular brevemente vai man-
dar afflxar os editaes para proceder ao gonoorso
de (odas as parochias, que se acbam vagas nesta
dioepco. ......
Cidade de Olinda, 24 de abril de 1865.-Conego
Joaquim Ferreira dos Santos, secretario do bis-
pador-"*"-
SANTOS LEOS.
O Exm. e Bevm. Sr. vigario. capitular manda-fa-
V. Rvma. nao eslava antorisado IWT publico aos Rcvms. parochos desta dioeese, qne
para passar nma proviso, e muito menos para, tena*o chegado da Baha os santos leos que no
marc;r os lugares em que o Rvd. Anelio Marques corrate anno eccleslastico tem de servir na admi-
devia residir, e por flm impor-lhe obediencia.
No principio da proviso a qne me refi.ro, e cuja
copla lnho vista, diz V. Rvma :
Sendo-me vedado pelos caones reger simul-
tneamente duas parochias sem autoridade supe-
rior, nomeio etc. etc.
nistraco dos Sacramentos, devem os Revms. viga-
ros prover quanto antes as suas parochias de oleo
novo. O mesmo Exm. Sr. manda declarar igual-
mente, qae estao em todo o seu vigor nao s as
determinages das constituigSes diocesanas, como
as penas imposlas pelo Exm. prelado de gloriosa
Pois se V. Rvma. conhece pelos caones que no memoria aquellos parochos que deixam de refor-
ao delegado de Ourieury.
Dito ao mesmo.Srv'a-se V. S. de informar so- no caso contrario do mez
bre o que pede Guilherme Alves da Costa no
ctiso rquerimento. uou sciencia aislo a V. 5. na quanaaae ae procu-1 s 1Pntar.,. n npililil; nar, pnnlnil.
l..o ao mesmo-birva-se- V. S. de mandar ins- radorjo mesmo bacharel, conforme solicita este 13HS^^Sff51iOT|\1^
ergamento vigente, e que a presidencia nao pode
conceder, em vista do art.|4 da lei n. 575 de 5 de
pecconar novamenle ao soldado do 2o corpo de em offlcio de 20 de margo ultimo.
Voluntarios da Pairia Miguel de Souza Rangel:! Dito ao commandanle do corpo de polica. -Man-
remeitendo-me com o seu parecer, acerca do que, de V. S. apresentar ao Dr. chefe de polica, ama-
allega o referido soldado no incluso requerimento, nha s 10 horas do dia, 4 pragas do corpo sob seu
o resultado dessa inspeegao. I commando, afim de escollarem at o termo de Se-
Diio ao mesmo.-Remeti incluso o requerimen-' rinhaem o preso Bellarmin* Jos de Lima.Cura-
to que me inderessou o cadete do corpo de volun- municou-se ao Dr. chefe de polica,
tarios Joaquim Tbomaz Ribeiro Varejo, afim de Dito ao inspector do arsenal de marrana Re-
que V. S. informo com urgencia se a molestia do commendo V. S. que faga apressar a obra de
supplicante de promplacura e Ihe permitte con- urna balieira, que segundo declarou o capilo do
tinuar no referido corpo. porto em offlcio de hontem se mandou conslruir
Dito ao mesmo.HajaV. S. de informar acerca para o servigo da capitana, fornecendo a esta por
do que pede Liua Rosa do N'ascimento no incluso emprestimo urna das pequeas embarcag5es desse
requerimento. | arsenal, afim de ser feito o mesmo servico com a
Dito ao mesmo. Srvase V. Sr. do mandar precisa regularldade.Communicou-se ao capilao
alistar no corpo de Voluntario da Patria a Damiao
Lopes Pereira Guimaraes, Miguel de Souza Rangel,
Miguel Lopes de Moraes Passos, e Germano Jos
do Espirito Santo.
Dilo ao mesmo.Sirva se V. S. de mandar ins-
peccionar novamenle como pede no incluso reque-
rimento ao voluntarlo da companhia dos homens
pretor Luiz Jos dos Reis, remettendo-me V. S. o
resultado dessa inspeegao.
Dito ao mesmo.-Remello incluso o requerimen-
to que me inderegou o Dr. Joao Baptista Casa-nova
afim de que V. S. se sirva de mandar passar a
certido que elle pede.
Dito ao mesmo.Srvase V. S. de informar so-
bre o que pede Manoel Francisco de Sant'Anna
do porto.
Dito ao mesmoMande V. S. admittir na com-
panhia de aprendizes artfices desse arsenal, ha-
vendo vaga, os menores Salustiano do O' do Nas-
cimento e Luiz do O' do Nascimento, se esliverem
as condigoes do respectivo regulamento.
Dito ao mesmo.A' viMa do que ponderou V. S.
em sua informagao n. 891 de 6 do corrente, com
referencia ao requerimento do pratico-mr das
barras e porlos desla cidade, consunto da copia
inclusa, o autoriso a contratar com os negociantes
Henry Foster & C. o fornecimento da catraia que
a presidencia de conformidade com o aviso da re-
partigao da mannha de 9 de junho de 1863, man-
dou coostruir por offlcio de 8 de julho subsequente
para o servigo da praticagem, dvendo insrir-se
no lermo que tem de lavrar-se, as camellas indi
no incluso requerimento.
uiio ao inspector ;da thesouraria de fazenda. -
Transmuto a V. S. para o fim conveniente o in-
cluso pret especial em duplcala, que remetleu o
coronel commandante das armas cora o offlcio de
hontem sob n. 816, tirando os vencimentos a que
tem direito 12 Voluntarios da Patria pcriencente
ao 2 corpo, a contar do dia em que se alistaran)
em Villa Bella e Baixa Verde at o anterior lilao.
aquelle em que assentou praga nesta capital. | Dito ao Dr. juiz de direito do Bonito.Do pro-
Commuicou-se ao coronel commandante das ar-, cesso que por copia me foi presente instaurado
mas. pelo subdelegado de Panellas em 1851, pelos fados
Dito ao mesmo.-Annuindo ao que solicitou o criminosos pralicados era casa do bacharel Lou-
coronel commandanle das armas em offlcio de .eDP. Macna0? Das, v-se que depois do despacho
boje sob n. 817, mande V. S. pagar, sob mraha >an municipal de 27 de maio de 1853, ficou
responsabilidade, nos termos do decreto o. 2884 do elle completamente paralysado at 31 de agosto de
1 de fevereiro.de 1862, os vencimentos relativos *864> abril do anno passado, por estar funecionando a
mesma assembla.
N. 176.Dilo ao mesmo.Para ser presente a
assembla legislativa provincial, e em solago aos
seus offlcios de 3 da abril ultimo, e 4 do corrente,
sob ns. 58 e 104, passo as maos de V. S. a infor-
magao ministrada pelo Dr. chefe de polica relati-
vamente a ler-se ou nao descoberto o fim que leve
o individuo de nome Joao Mondes, a que foi attri-
buida a morie do despachante da alfandega desta
provincia Miguel Carneiro a Cunha.
N. 177.Dito ao mesmoS. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, manda transmitlir a V. S. para
conhecimenlo da assembla legislativa provincial,
copla da porlaria desta data, pela cual prorogou a
presente sessSo da mesma assembla at o dia 16
ao corrente.
Dito a Jos Elias Machado Freir.Pela secreta-
ria do governo se remelle ao Sr. Jos Elias Macha-
do Freir, para sea conhecimento copia do aviso
expedido pela repardgo do imperio, em 27 de
abril ullimo, por occasiao de ser apreseolado ao
governo imperial o requerimento em que Smc.
queixou-se do procedimento da cmara municipal
desta cidade, pela demolige do estaleiro cercado
! que possuia em terrenos mnnicipaes.
- 10
i Offlcio ao coronel commandante das armas.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, manda decla-
Vr S. em resposla ao seu
pide reger duas parochias, onde foi bus'iar nos
rresmos caones autorisagao para provsionar um
sacerdote, e isto debaixo de obediencia ? ova-
I nenie me citQU V. Rvma. os nornes dos padres
meslres Rolim, Herculano e Jos Thomaz, que com
V. Rvma. liraram essa illago do Concilio deTren-
to e do que acontece na s vaga : ao que cabe-roe
responder, que a igreja nao se rege por illagoes, e
sim por leis positivas e invariaveis ; e o que acon-
tece em s vaga, nao tem nada com o caso ver-
lente.
E para que possa evitar qualquerduvida que possa
suscitar-se, cumpre-me declarar que, prohibndo os
sagrados caones que um parocho reja duas fre-
guezias sem autorisagao do ordinario, comtudo os
msalos caones exeeptuam o caso de morte de ft .
um parocho, pois nessa occasiao deve o parocho ^"a
mar os sanios olees as suas matrizes no tempo
competente; e que, sendo conveniente averiguar
se argam parodio deixou de cumpnr com este de-
ver, ou foi moroso no sen desempenho, devem os
portadores declarar ao Revm. cura da cathedral,
ou a quem suas vezes flzer, qual a matriz a que
pertencem os vasos dos santos leos, bem como
ser notado o da, em que estes s;io apresentados
na cathedral.
Cidade de Olinda, 8 de maio de 1865.Conego
Joaquim Ferreira dos Santos, secretario do bis-
pado.
!*^>**-l&*H
visinho participar ao ordinario da diocese ; e para
que o povo nao padega, reger a parochia vaga,'
(ibstendo-se lo smenie de administrar o malri-1
monio) ero quanto o prelado nao providenciar a
respeito.
-6-
Offlcio ao vigario da Varzea.Li com attengao o
sen offlcio de 29 do prximo passado e a copia da
escripiura, que devolvo inclusa, e longe de me op-
por a que V. Rvma. procure rehaver o patrimonio !
da igreja mal e indevidamenle esbanjado, pelo con-
treno, loovo o seu zelo e o exhorto a que procu- j
re por todos os meios ao seu alcance desfazer a
lezo enorme que houve nessa permuta, para a '
qual nao eslava cortamente autorisado quem a fez.
Espero que V. Rvma., aconselhando-se com advo-
gado hbil, prosiga na questo, como do seu
dever.
8-
Offlcio ao Exm. e Rvm. Sr. arcebispo da Bahia.
Tenho a honra de aecusar recebido o offlcio de
V. Exc. Rvma., firmado em 20 do prximo passa-
do, parliclpando-me que no dia quinta feira santa
se dignara V. Exc. sagrar os leos para o uso deste
bispado.
Agradecendo sumraamente a V. Exc. o especial
l'inniAMOMS ARMAS.
do commando das armas de Pernaiubuco
na cidade do Recife, 12 de maio de 1865.
Ordem do dia n. 66.
O coronel commandanle das armas interino, faz
publico para conheciraenio da guarnigao e devido
effeito, que a presidencia a 11 do corrente, nomeou
ao Sr. tenente reformado do exercito Jos Caetano
da Silva, para exercer o Ingar vago de ajudante da
directora do arsenal de guerra : o que constou de
offlcio da mesma presidencia da referida data.
(Assignado.) Jos Marta Ildefonso Jacorn da
Veiga Pessoa e Mello.
(Conforme) Antonio Francisco Duarte, 2o tenen-
te ajudante de ordens interino encarregado do dej
tal he.
RIO DE .HMilll)
ASSEMULBA GERAL LEGISLATIVA.
SEN4D0.
GUARTA SESSAO PREPARATORIA EM
MAIO DE 1865.
PnKSIDENCI.V DO Slt. VISCONDE DE ABAET.
A's 11 horas da manhaa fez-se a chamada e
1 DE
ac\Sp!^^
Dito ao director 'do arsenal de guerra.-Mande [ ^et^eSSJflSS office ***** favor "ue se diD0U {iier a esla diocese' aDrveil
V. S. admittir na companhia de aprendizes desse;q"Z 178 _D t?!^ secreiarin Xaemhla le- a occasiao para Partic'Par a V. Exc. Rvma, que j
arsenal o menor de nome Jos, nelo de Thomazia -isltiva nrovncial De ordem T S Fie n Sr recebi caixa0 1ue comm os vasos, os quaes vie- achandose presentes os Srs. visconde de Abaet,
Mana de Aquino, de que trata a inclusa cer- j(len[; da |)rovincia Jemettoav S ao ram acODdicionados com todo o cuidado, e sem pe- Mafra, visconde de Sapucahy, Jobin, Teixeirade
fim conveniente um exemplar das leis e outro das [! Jiflff^'TnL tJL?.sagrad> visl corao iSouza' Cunna Vaseoncellos, D. Manoel, Araujo Ri-
decis, do governo promulgadas no mm^^f^SS^ Katdral.-Tendo che-
gado da Babia os vasos conteni os Santos leos,
que ali foram sagrados pelo Exm. e Rvm. Sr. ar-
mo passado.
N, 179.-Dito ao mesmo.Satisfazendo a requi-
sigo da assembla legislativa provincial, couda
no offl io que V. S. me dirigi em 2 do corrente,
sob n. 99 pasto as raaos de V. S., de ordem de S.
Exc. e Sr. presidente da provincia, para serem
presentes a mesma assembla, copia da petigo
o mez de abnUltimo dos empre dos nko s d d W>; < o escrivo conclusao Ao mesmo pro- \ ETJ SnShSMJSS
fortaleza de Itamarac, mas tambem das outras ^soao,u,z_roun.cipal, e porque sejaanusiva tao Z^^^^^Jn^^^^SS^^
fortalezas da provincia, visto nao haver crdito
para esse fim, segundo declaroume o mencionado
coronel. Communicou se ao commandante das
armos.
Dito ao mesmo. A vista do seu offlcio n. 318
desta data, autoriso V. S. a remetter ao alrooxarife
do presidio de Fernando pelo commandante do
vapor Parahyba a quantia de 21:0005 para occor-
rcr as despezas do mesmo presidio al 30 de ju-
nho prximo vindouro e bem assim a comprar as
20 saccas de farello de que trata V. S. em seu
dito offlcio.- Nesle sentido offlciou-se ao gerente
da Companhia Pernambucana.
Dito ao mesmo. Constando de offlcio do coronel
commandanle das armas, datado de hoje e sob n.
819, que por faltada crdito deixaram de ser pa-
gos por essa thesouraria os vencirrentos relau.os
ao mez de abril ultimo, dos recrulas em deposito
tonga procrastinagao, recommendo Vmc. proceda
criminalmente na forma da lei contra os seus au-
tores e aclive a conclusao de tal processo, commu-
nicando-me o resultado de tudo.
Dito aoDr. juiz de direito do Brejo.Informe I leis e decretos do governo do
Vmc. com urgencia sobre tudo quanto se allega sado.
Da inclusa represenlacao por copia, sob c. 1, da
representagao por
cmara municipal da villa de Cimbres contra o
juiz municipal, bacharel Joaquim Theotonio Soa-
res de Avellar, e faga effectiva a responsabilidade
desie, como determina o aviso de 20 de abril pr-
ximo lindo, por copia, sob n. 2, dando opportuna-
mente conta do resultado a esta presidencia.
Dito ao thesoureiro das loteras. Tendo nesta
data approvado os planos que Vmc. me remetteu
com o seu offlcio de 9 do corrente, para a extrac-
gao das loteras da provincia : assim Ih'o commu-
nico para seu conhecimento, enviando-lhe copia
dos referidos planos para terem a devida exe-
cebispo, e aevendo proceder-se na cathedral desia
cidade dstribuigao do oleo sagrado, que tem de
servir no corrente anno ecclesiastico, espero que
V. S. dar as necessarias providencias, afim de que
os portadores dos vasos nao soffram demora. Sen-
do necessario que os pequeos vasos que os Rvs.
parochos mandaren)' tenhara a de vida decencia e
voltem fechados chave, e esta encerrada em offl-
cio lacrado, recommendo a V. S. nao s que nao
pequea caixa nao liver a competente chave.
blico da villa da Boa-Vista, pedio a sua jubilago e
bem assim do acto que o jubilou. I
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
beiro, visconde de Uruguay, Otoni, Das de Carva
lho e Dantas, o Sr. presidente abre a sesso.
E' lida e approvada a acta da antecedente.
O Sr. presidente declara que est sobre a mesa
o parecer da commisso de constituigo, julgando
legal a nomeago do senador eleito ltimamente
pela provincia do Piauhy, o que deste parecer se
far leitura no dia segrate para entrar ero discus-
so, se houver numero sufflciente de Srs. senado-
res para formar casa.
Nada mais havendo a tratar o Sr. presidente con-
vida os Srs senadores a comparecer no dia se-
grale a mesma, e levanta a sessao s 11 1/2 ho-
ras da manhaa.
noatode quotaesdiplomas^OZm
Concorrea tambem para este juizo uo .niieciu
o contexto dos diplomas, do qual consta, segnnao
afflrma a commisso respectiva, que s 28 volan-
tes concorreram a urna, sendo mais de mil e qua-
tro centos qnalificados.
A commisso de constitugo julga merecedor
de approvagoo procedimento do collegio, e que os
3 votos, indevidamente incluidos na apuraco geral
pela cmara da Therezina, nao devem ser contados.
A sublracco delles nao prejudica a lista tr-
plice.
Para solugo definitiva deste ponto, emende a
commLsio que sao necessarias inforroagSes mais
positivas do que as dadas pelo presidente da pro-
vincia, o qual nao val to longe como a commisso
do collegio de Oeiras: este iocllna-se a idea da
falta de eleigo ; aquelle diz apenas que as actas
da parochia de S. Joao do Piauhv nao Ihe foram
reraeitidas, apezar de exigencias re'ileradas.
Nao pode a commisso formar jnizo sobre a
legalidade do collegio de Piracaruca, nao tendo
presente suas actas, como j dase. Mas a sublrac-
gao dos votos delle, que se acham incluidos na apa-
rago geral, nao alieram em sua excencia a lista
trplice, dimioae apenas algnns votos, deixando to-
dava os votados nos mesmos logares que a apura-
cao Ihes dea.
A commisso peosa que, sem embargo da fal-
ta das actas do collegio, pode o senado deliberar
sobre legilimidade dos eletores de que elle se
compe, a vista das actas que esto presentes, da
eleigao primaria das respectivas parochias.
Ellas do testemunhc de qne a eleeao foi re-
gular. As actas do collegio serviriam sem duvida
para conhecer se elle fot curlalmenie constituido, e
se proceden nos seus trabalhos de conformidade
com a lei. Mas nao sendo isto agora mais indis-
pensare!, porque nada iolluem na tormago da lis-
ta trplice os votos aili dados, entende a commisso
que estas actas sao actualmente desnecessarias.
A commisso nao cansai a attengao do sena-
do com a exposigao de alguns leves senoes que se
encontram as actas, a ausencia dos quaes torna-
ra cerlamente perfeitissimos os trabalhos. Elles,
porm, nao entendem de modo nehum com as for-
mulas subslanciaes da eleigo, e por isso o senado
constanlemente os tem despresado na veriflcago
de poderes de seus membros.
Concluindo a commisso de parecer :
t 1. Qae se approve a eleigao de que se trata
e cooseguinteroente se declaren) legtimos os ele-
tores especiaes resultantes della, inclusive os das
parochias que consumera o collegio de Piracu-
ruca.
2. Que se declarem verificados os podert-s do
Sr. senador Joao Luslosa da Cunha Paranagu.
3- Que fique adiada a desiso sobre a eleigo
da parochia de S. Joao do Piauhy, al que venham
as actas respectivas ou informagao do presidente
da provincia,que declare categricamente se houve
ou nao eleigo naquella parochia.
t Pago do senado, Io de maio de 1865.Viscon-
de de Sapucahy.Visconde de Uruguay.
O Sn.PnEsiOENTE declara que nao havendo nu-
mero sufflciente de Srs. senadores para formar ca-
sa, fica a discusso do parecer lido para quando
houver e enlretanlo vai a imprimir no jornal da
casa.
Nada mais havendo a tratar o Sr. presidente
convida os Srs. senadores a reunirem-se no dia se-
grate a mesma hora, e levanta a sesso as 11 1/2
horas da manhaa.
C1H.IKA DOS SRS. DENTADOS.
QUARTA SESSAO PREPARATORIA EM 1 DE
MAIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO SR. BARO DE PRADOS.
A's 11 horas e t/i da manhaa, feita a chamada,
e achando-se presentes os Srs. baro de Prados,
Franco de Almeida, Pedro Luiz, Lampo deAbreu,
Raiol, Brusque Vaseoncellos, Rodrigues Jnior,
Pinto de Mondonga, Lopes Netlo, Sonto, Barros Pi-
mentel, Domcano, Moreira, Fernandes Moreira,
Horla de Araujo, I. Madureira, Viriato, Pamplona,
Macedo, Mello Franco, Silveira Lobo, Martlnho
Campos, Carro, Carvalho Reis, Valdetaro, Esperi-
dio, Urbano, Aristides Loboe Silva Pereira, abre-se
a sesso.
O Sr. Io secretario declara que o Sr. de Lamare
Ihe communicra achar-se prompto para os traba-
lhos da prsenle sesso.
Achando-se na sala immediala o Sr. Gentil-Ho-
rnera de Almeida Braga, deputadoeleito pelo 2" dis-
tncto da provincia do Maranho, inirodnzido cora
as formalidades do esiylo, presta juramento e toma
assenlo. Para ordem do dia seguinte o que occor-
rer, e levanta a sesso ao meio-dla.
a
cargo da companhia d artfices, recommendo V.
S. que mande effectuar esse pagamento sob minba' cogito.
responsabilidade, nos termos do decreto n. 2,884 f Dito ao presidente da cmara municipal de Ta-
do 1 de fevereiro de 1862. caratu'.Respondendo ao seu offlcio de 14 de fe-
Dito ao mesmo.Additando o mea offlcio de 4 vereiro ultimo, tenbo a dizer Vmc. que a cmara
do corrente, tenho a declarar a V. S. que o abono municipal nao obrou regularmente quando encar-
des vencimentos do capilo do 4 batalhao de arti- regen ao cidado Joao Gomes de Menezes de arre-
Despachos do dia 10 de maio de 186o.
Requerimentos.
Aoselmo Jos Pinto de Sonza. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio Joaquim Dias Medronho.Informe oSr.
engenheiro chefe interino das obras publicas.
Associago dos Praticos desta Provincia.Diri-
ja-se ao Sr. Inspector do arsenal de marinha, a
quem nosta data se expede a conveniente ordem
Cypriana Maria da Conceigo. Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.
Domingos da Cunha e Silva.D-se.
Evaristo Meudes da Cunha Azevedo.Informe
o Sr. engenheiro chefe interino
obras publicas.
Francellna Brgida Soares de MondongaInfor-
me com urgencia o Sr. director do arsenal de-
guerra.
SESSAO PREPARATORIA
MAIO DE 1865.
EM 2 DE
Sendo necessario oulro sim averiguar se todos QUI^TA
os Rvms. vi garios procuram prover as suas malri-1
zes de oleo novo, conven) que V. S. mande tomar j prbsidencia bd sr. visconde de abaet.
nota das parochias eftjos vasos forera apresentados i As 11 horas da manhaa faz-se a chamada e' drigues Jnior, Jacobina, Souza Carvalho, Domi-
DSssa.calnedra!'.e d0..d.!aem.9ae elle.8 ahl che8aro achando-se presentes os Srs. visconde de Abaet, ciano, Aristides Lobo e Raiol, abre-se a sesso.
QUINTA SESSAO PREPARATORIA EM 2 DE
MAIO DE 1865.
PRESIDEMCIA DO SR. BARO DE PRADOS.
A's 11 <- horas da manhaa, feita a chamada, e
achando-se presentes.os Srs. baro de Prados, Fran-
co de Almeida, Pedro Luiz, Limpo de Abren, Mo-
reira, Saldanha Marinho, Bmsqae, Moraes Costa,
Paranagu, Urbauo, Pamplona, Vaseoncellos, Ta-
vares Bastos, Lopes Netto, J. Madureira, Barros Pi-
mentel, Horta de Araujo, Silva Pereira. Silveira
Lobo, Mello Franco, Fernandes Moreira, Martinho
, Campos, Fonseca Vianna, Alvim, Macedo, almeida
. Braga, Carro, Salustiano Souto, Luiz Felippe, Ro-
afim de veriflear-se ltimamente se houve alguma Mafra, visconde de Sapucahy, Jobin, Teixeira de
omissao ou demora extraordinaria. | gonza, Ferreira Pena, Pompeo, Siqueira e Mello,
Dito ao vigario da Santa Cruz.Em resposla ao visconde de Itaborahy, Cunha Vaseoncellos, Zacha-
seu offlcio de 24 do prximo passado, tenho a di- ras, Araujo Ribeiro, Ottoni, Dias de Carvalho, Dan-
zer-lhe qae havendo chegado da Bahia os nosses tas e marquez de Atorantes, o Sr. presidente abre a
Santos leos, qae tem de servir no presente anno
ecclesiaslioo, deve V. Rvma. mandar renovar quan-
to antes na cathedral desta cidade os vasos qoe
serven) na sua matriz, os quaes devem vr dentro
da repartirlo das de urna caix que teora chave para ir fechada e a
chave lacrada a parte, assim como deve o portador
sessao.
E' lida e approvada a acta da antecedente.
Pelo Sr. 2 secretario lido o seguinte pare-
cer :
Foram presente a commisso de constituigo as
actas das eleigoes primaria e secundarla a que ulti
declarar a matriz' a qne pertencem os vasos, afim | mmente se proeedeu na provincia do Piauhy para
de se tomar neta da freguezia e do dia em que. preenchmenlo da vaga acontecida no senado porfal-
foram solictalos os Santos leos. i lecimentodo coneelheiro|Joaquim Francisco Vianna,
L-se e approva-se a acta da antecedente.
O Sr. 1* ECRBTAKio declara nao haver expediente.
Achando-se na sala immediata os Srs. Marcon-
des, Pinto Lima e Liberato, depntados reeleitos pe-
las provincias do Paran, 2 dislricto da Bahia e Io
do Cear, soiotroduzidos com as formalidades do
estylo, prestan) juramento < tomam assenlo.
O Sr. presidente pondera que nao havendo anda
na corte numero sufflciente de deputados para a
abertura da assembla geral, e podendo entretanto
ehegar hoje alguns membros da cmara, julga
conveniente suspender a sesso por algnmas horas.
A's 3 horas da tarde, continuando a sesso, o Sr.
presidente declara que nao tendo comparecan
1


Diario de Ternataliitoo Sahbade ft Je Mato 4c 18.
mais hlgum dcpulado, e nao xislindn numero le- Salido V. Exc. com os sentimentos da mlnha
sal para a abertura di. corpo legislativo, vai-se of-> maior conMderacao e distinclo apreso.-Carlos de
Castro.
Segando noticias do Rosario, tilla all ehegad
16 nossa esquadrilba bloqucadora do Paraguay,
^
Ociar nesle sanlido ao governo e ao senado, e con-
tinan as seasees preparatorias.
Levanta se a sessao.
A' ordem do dia segainte o eme occorrer
!! III I
1 de uaio de 186b.
Entrn honlem de Montevideo
Uerschrll, com dalas al4M de passado.
O Paraguay consummon a sua obra de treicaoe
perfidia. Impedido fatalmente pela Providencia
para a soa ruina, Lpez qner cantar como salteador
composta de 9 navios, segurado logo vtagem ao
! saber das noticias de Corrientes
I Foi nomeado commandante da 1 divisao do
exercilo argentino o general Panuro, pertencendo
o vapor wf mi ao ministro da guerra o eomnanno geral das ar-
mas.
O governo argeotino declarou tambem bloquea-
dos todos os por tos do Paraguay:
As suas forcas navaes conslam actualmente dos
e pirata. I vapores Guarda Nacional, Pampero e Buenos-Ay-
Sem declarar a guerra Repnbltca Argentina, rM> escoaa Argos e alguns navios de gnerra para
apriskmou-lhe, como se desconav*, o vapor Salto I transportes,
na Assumpeo, e desceodo com 8 vapores de gner-. o agente paraguayo em Boeoos-Ayres, Egus-
ra bem apercebidos e guarnecidos at i cidade de I q0\Ut j0\ levado potieia, e dizia-se que elle se ia
Cetrienies ali se apodera d^outre* dous vapores ar- embargar uroaporco de bervamate que elle tinha
na alfandega.
Daquella cidade devia vir brevemente Monte-
do um enviado especial para assignar o tratados
Realsada esta kirrvel proeza, os Paraguayos I gentinos o 25 dr Unto e o Gualeguay, fazendo fogo
contra elles e contra a povoaco que eslava despre-
venida.
retiraram-se levando reboque a sua presa
Corria tambero qoe ja as hordas de Lpez tioham
invadido a provincia de Corrientes pelo Passo da
Patria, para roubar e saquear. Nao insultariam,
O Sr. visconde de Tamandar tiob ido a Monte-
video, segando pareca, para act*r a marcha das
primelras dvisdes do nosso esrcito, e o general
Netto tambera lioba ido coroWnar as operatfk das
porm' por muKo lempo a civHisaco e a humam- suas forjas que estao sobr o Uruguay.
dade.
Grande foi, como nao poda deliar de ser, a in-
ri ignacao que soscilon em Buenos-Ayres a noticia
destes atteotados incrives da parle de qualquer
governo que nao fosse o de Solano Lpez.
Looo w me^ma "ule fcouve orna maoifestaefo,' regosijo popw'ar.
O dia 19 de abril, segoado anniversario daquelle
em que Flores, entran*) no territorio oriental, se-
guido apenas de tre* companhelros, encetou a glo-
riosa campanha ?ae flndou com a entrega de Mon-
tevideo, foi cebrado naquella cidade cora grande
Todos a1;oe]am partir, lodos eren ardiente-
mente entrar em campanha; todos-ernm qnerem
mostrar ao mando civilisaJo que nao se sohVe im-
punemente, e qae cima do ludo esta-a patria.
t O nossa corpo j comee* a dar provas de va-
lor. Houve hontem um incendio no deposito de
ferro e madeiras.
i Distinguiram-se tres jovens offlciaes, appelli-
dados por nosos tres mosqnetelros.
i O governo-oriental agradeeeu os bons servicos
prestados pelo corpo.
f Urna uniea cousa nos conslrange nao quera-
mos o auxilio de ninguem para entrarraos no Pa-
I ragoay o Brasil tem por si so os precisos raeios
para desaffrontar-se. Nao temos em vista com
1 esta lioguagem lancar um seno aos nossos allia-
| dos argentinosnao, nem em tal pensamos. De-
I sejavanes que o estado Argentino nao tivesse n-
\ toes para brigar com o Paraguay.
c O nosso bravo almirante chegou hontem ce
Buenos-Ayres e veio conferenciar com o 'generil
em chefe.
c Consta que o general Netto que aqu se ach,
va tambem reunir os seas bravos, afim de seguir
para a campanha. Amanha lera Ingar um grai-
de baile offerecido pelo general D. Venancio Pit-
res aos offlciaes brasileiros.
Ninguem pode estar mais agradecido aos ofli
ciaes brasileiros de qae s. Exc o Sr. general D
Venancio Flores.
c Adeos, mea estimavel redactor, queramos ser
mais longo, mas nao dispomos de lempo. L'nn
em que pedmdo D. Hctor F. Varella ao presidente
da repblica energa e prompta vinganca do insul-
to, respoodeu este:
O gene**' respondendo varios brindes que Ihe
foram rgidos no banquete dado em honra do
da tonel uk) dizendo qae a Repblica Oriental le-
_____.*________ .__ ___^_ a____ llUrv* V miar.
Eni tres das nos qoarleis, em qoinze na cam- var*a o contingente dos seos valentes filhos a guer-
nanhae em 3 mezes em Assumpeo. contra o Paraguay e esperava que nenhum
Com ereho as medidas tomaram-se urnas ap*> OrienUi fechara os ouvldos a sua vozquanao ene-
ouira* Declarou-se em estado de sitio toda re- gasse o momento de cpnvoealos.
Dubllca, mobilisou-se a guarda nacional, e-Mmou- o Sr. conselheiro Octaviano apreseniando as
e a Boenos-Ayres toda a torca de linh. nomea- Suas credenciaes ao presdeme Mitre, prononcioa o
ram-se o general commandante de [* divisao de segoioie discurso: L________
UManMH que devem nwediatamento for- Exm. 8r. presidente.EnlregandO a V. Exc.
mar matwtantP rientot !n0 e mimsU0 Plenipotenciario em missao especial
D Mariano Saa-jra> Rovernador da provincia jUDto a Repobliea Argentina, sinlo o prazer de ea-
de Buenos-Avr. entregou ao presidente Mitre 8 contrar-me, representante de um governo livre, no
miirmes En r^SO Para as desperas da guerra, e se0 de um povo de nobres aspiraedes, que com
.", disposicSo todos os recursos da pro- tanto igor e sabedoria conquistou e manim a sna
p," imiependtncia e liberdade, e constantemente a for-
V itm da cavallaria mencionada ,er : a provincia de Buenos-A>res 8 baUlnoes de e ao direilosagrado das nar^Ses.
500 pracas, as de Entre Rios e Corranles cada Dos triumphos que tem assignalado a existen-
uma 2, e as ouiras I, ao todo i pataihoes ou cia da Repblica Argentina e mais brllhante aos
9S(iO infantes de guarda nacional, a lora anda 10 olbos do governo do Brasil a consolidado da
batalhoes de linha e os v*iaros, que ]a prioc- mesma repblica sob o rgimen da ordem legal,
piavam a orferecer ^- I origem de seu grande e rpido progresso e de sua
Com dn'" Je ,6 d0 passado fez presidente da j elevada posicao entre os povos regidos pelo syste-
popuonca Argentina a preclamacao seguinte : j ma representativo.
Compatriotas.Em meio de plena paz e com os factos vieram destruir o errneo e faneslo
violacao da t das nagSes, o governo do Paraguay precenceito que faria depender da concentraco
nos declara guerra de facto, apresando traicoeira- dos poderes em governos dispoticos a paz e a pro-
mente mao armada no nosso territorio 2 vapores predade desias regioes. Cabe em grande parle a'
da esquadra argentina e fazendo fogo sobre nossas; Repblica Argentina a gloria de ter demonstrado
povoaoes indefczas que urna e a mesma lei a le provincial da liber-
Provocados lua sem a havermos buscado, dade, assim no sul como ao norte da America, e
depois de feito i|uanto decorosamente podamos e qoe as virtudes cvicas dos fundadores de nossa
deviamos fazer para evita-la, guardando a neutra- independencia commum animara anda hoje os seos
lidade que era a regra da nossa poltica, respon- descendentes.
deremos guerra com a guerra e a faremos com Orgao dos senlimenlos de eslima e considera-
toda a energa e lodo o poder que exigem os glo- cao que o governo de sua magettade o imperadore
riosos antecedentes da naco argentina, desleal- o povo do Brasil votam Repblica Argentina e
mente ferida na sua honra e atacada na sua segu- ao digno e Ilustrado cidadio que a encamlnha
ranea. j para seus grandes destinos, natro a lisongeira es-
c Concidadaos. Comando, como cont, com a. peranca de continuar a obra de meus antecessores,
virllidade do po o argentino e com a vossa inaba-: maniendo fielmente a allianca entre as duas na-
ta vel esoluco, o paiz se tem manlido al agora c5es, e proeorando grangear as sympathias dogo-
saudade e um abraco em
fo.
nossos patricios e ami-
em slricto p de paz, comprindo lealmente os seus
deveres de neutro, porque eslava seguro que, che-
gado o momento do perigo, todos acudiran sera
destinecao dos seus postos em torno da bandeira
nacional, resolvidos a cumprir o seus deveres sa-
grados.
Argentinos! chegou o momento. Em nome
da patria e com a auioridade da lei, vos chamo a
oceupar vossos postos de cidados e soldados oe
um povo livre, cujas bandeiras sempre foram ac-
compauhadas pela jusllca e pela victoria.
c Compatriotas, posso tranquillamente offerecer-
vos o Irinmpho, porque esl elle na consciencia de
todos os Argentinos, e de antemo o assegurara os
poderosos elementos de que a naco pode dispr
com o auxilio da Providencia e do vosse valor e
patriotismo.
Depois deste nobre esforco a paz sera mais soli-
da, mais gloriosa e fecunda, e podereis continuar
com mais energa na tarefa do progresso em que
fostes interrompidos por urna aggressao lo vand-
lica como traicoeira.
Pela minha parte nao hesito em dizer-vos que
cumprirei os altos deveres que a patria e a censti-
tuico nestas circunstancias me impoem, e que
confiando no cu, que protege a justica da nossa
causa, e no vosso generoso patriotismo, nao des-
cancarei emquanlo vos nao restituir a paz que trai-
dores vos arrebataram, e delxar vingada como
mister a honra da naco argentina.Vosso compa-
triota e amigoBartholomeu Mitre.
Pelo ministerio das relacoes exteriores dirigo-se
esta circular ao corpo diplomtico eslrangeiro:
verno e do povo argentino.
A resposta foi esta :
t Exm. Sr. ministro.Recebo com verdadeira
satisfacao a carta de vosso augusto soberana, que
vos acredita como seu enviado extraordinario e mi-
nistro plenipotenciario junto Repblica Argenti-
na, e aceito agradecendo os generosos e cordiaes
votos, que haveis exprimido em honra e hem do
povo ijue presido.
t Coi j levadas ideas e nobres inlcnoo>s, que
manifeslastes, nao duviu, p.p. mbifotM une vossa
mitso vira a ser um novo vinculo de unio e ae
amisade entre o imperio do Brasil e a Republiea
| Argentina, achando-se igualmente interessados am-
bos os paizes na manifeslaco da independencia e
da paz de seus visinhos, bem como no predominio
da ordem e da liberdade constitucional de lodos os
povos americanos, e nestas circumstancias me
grato oOerecer vas de ante mo, em nome do povo
e do governo argentino, toda a cooperarn e sym-
patha de que credor vosso Ilustrado governo.
c Com estes senlimenlos e fazendo ao co os
mais ardenles votos pela prosperidade e engrande-
cimento da generosa naco brasileira, e pela felici-
dade do seu augusto soberano, sua mageslade o
Sr. D. Pedro ; sado em vossa augusta pessoa o
digno representante de um povo livre, ao qual nos
ligam gratas lembrancas, fnleresses idnticos e glo-
rias communs, que constituem a base da mais du-
ravel allianca de principios e de intenedes, tanto
no presente com., no futuro. >
Segundo noticias que em Montevideo havia do
Pacifico, fleava o Per em plena revolucao, por
Buenos-Ayres, 19 de abril de 1863.A' S. Exc. o | causa do ultimo convenio com a Hespaoha.
Sr. ministro de...O abaixo assignado, ministre i As povqagoes de Arequipa, Moquegua, Arica,
e secretario de estado das relac5es exteriores, re-
cebeu de S. Exc. o Sr. presidente da Repblica Ar-
gentina ordem especial para fazer V. Exc. acoro-
inunicacao seguinte :
(Juando o governo argentino, consequenle com a
poltica de neutralidade que se tinha imposto ob-
servar na guerra suscitada entre a repblica do
Paraguay e o imperio do Brasil, manllnha a rep-
blica no mais slricto p de paz, limitando-se a pe-
dir do Paraguay explicagoes amigaveis, sobre os
consideraveis armamentos que fazia na sua fron-
teira, o governo do Paraguay, sem dar resposta al-
guma, violando a f dos tratados e esquecendo to-
dos os principios que rogem as relacoes das na-
ces civilisadas. penetrou mo armada no terri-
torio da repblica, apresando dous vapores da es-
quadra argentina, surtos no porto de Corrientes,
fazendo fogo sobre aquella povoaco indefeza, e
declarando assim de faci urna guerra injustifica-
vel contra a repblica, com a qu.l al esse mo-
mento mantioba relacoes pacificas.
< Este acto inaudito poe o governo da repblica
no de ver de acudir defezadoseu territorio amea-
f ado, e de vingar pelas armas a honra e dignidade
oaconaes feridas.
O goveroo argentino, com a consciencia se-
gura do seu direilo e da sua forga, aceita a guerra
a que foi provocado pelo do Paraguay, e ha de fa-
z la com toda a energa que exige o aitraje irro-
gado a soberana da repblica, deixando ao juizo
imparcial dos representantes das nagoes, acredita-
dos junio delle, a apreciaeao dos factos que o obri-
garam a abandonar a poltica de neutralidade, qoe
at hoje temsido a regra inalteravel do mu proce-
dimenio na queslo dos paizes vizinhos.
Espera o governo argentino que a pjz, por
um momento perturbada ser promptamento res-
tabelecida e se tornar mais fecunda em resulla-
dos para as relacoes commerciaes com as nacoes
cstrangeiras e para o desenvoivimento do progres-
so da repblica.
< Teudo assim cumprido as ordene de S Exe. o
Sr. presidente da repblica, tem o abaxo as&igna*
do a honra de offerecer V. Exc os protestos de
sua dislincta e.ansideraco.Uufuio de Elizalde. >
O governo oriental, aoqual idntica communioa-
o se fez, responden:
t Ministerio de relacoes exteriores -Montevi-
deo, 26 de abril de 1865.O abaixo assigoado, mi-
nistro das relacoes exteriores da Repblica Orien-
tal do Uruguay, leve a honra de reeeber, etc.
S. Etc. o Sr. governador provisorio enearre-
gou o abaixo assigoado de, ao declarar recebida
aquella commuoicaco, manifestar V. Exc, paca
que se sirva leva-to ao connecimento de S. se. o
Sr. presidente brigadeiro general D. Bartttoiomeu
Mitre, que o governo provisorio v no inaudito al-
ternado commettido pelo paraguayo, que. contra
todos os principios que marca a eivilisacae dos po-
vos cultos, rompeu as hostilidades contra a naco
argentina, inaugoraado-as com acto* de verdadeiro
vandalismo, o mais fundado motivo para que o no-
vo argentino, apandando o guante que com viiaoia
ibe arroja o despota qoe desgracadamenle anda
noje rege os destinos do Paraguay, se prepara a
responder ao seu inqualicavei repto com toda a
energa qoe exigem a sua boom e dignidade ultra-
jadas.
< Nao pode o governo provisorio deixar de en-
viar as sua6 sinceras felicilacSes ao de V. Exc, pois
qae v com grata satisfacao qae o nobre povo ar-
gentino, defendendo seus charosdireitos, vai tam-
bem con tribuir para a alta missao de assegurar os
principios de liberdade e ordem qoe devem regar
so Rio da Praia. >
Tacua e Yslay ; o os vapores Lerzndi e Tumbes
licavam em poder dos sublevados, que haviam de-
clarado decahidos o presidente Ptret e o seu go-
verno, como traidores patria.
Escrevern-nos de Montevideo ero 21 do passado :
Depois de assistirmos a procisso do enterro,
em Santa Catharina, tomamos o Princeza, e meia
hora depois vingrava o vapor em direceo a esta
cidade.
Sahiraos por consegunte a 15 do corrente, de-
pois de termos cumprido o dever de bora chrislo,
e com a par no coraco fomos supoortar os encora-
modos do pampeiro, que cahio a 17 com alguma in-
tensidade, a ponto de retardar a marcha do vapor,
e fazer alguns dos nossos dnroes lancarem carga
ao mar. A nao ser esse pequeo contra-tempo a
viagem foi de rosas.
O assnmplo era como todos calculam, o Para-
guay. Quem entrar primeiro em Assumpjo.
Todos porfiam nessa preferencia, todos querem ser
o primeiro. E todos tem razo.
t Urna saudade, urna recordacao intima, nm
suspiro longo de momento a momento se ouvia
partir destes bravos mocos, destes voluntarios da
patria que deixaram paes, mais, esposas, filhos e
amigos para salvar a dignidade da patria.
E ninguem pense que se faz alardo deste ser-
vico : o 4." de roluntarios vem fazer o que todo o
Brasileiro far sem duvida alguma. Ancoramos
nesla cidade a 18, e a 19 desembarcn o corpo em
columna cerrada de seocSes, cansando pasmo o seu
garbo militar.
Recebeu elle demonstrares lisongeiras do es-
lado em que se acha. Isto nos encheu de orgulho.
E' am ponhado de paisanos qae capacha a re-
valisar com a melbor tropa disciplinada.
O 4." de voluntarlos aquarlelon em urna fabri-
ca sita rna do Rio Negro. Ahi esl menos mal
accommodado. O 6 e o 11 de linha aquarlellaram
no quarlel qoe foi hospital dos ldanos. A bri-
gada qae aqu se acbava aquartellada sahio para o
Cerro, afim de nos dar Ingar.
c O estado do nosso exercilo lisongeiro, est
bem alimentado e vestido.
< O general trata de todo e de todos.
Os exercicios no Cerro sao constantes. O en-
Uiusiasmo extraordinario. A vontade de mar-
char para o Paraguay immensa.
O digno coronel Pedro Xavier de Castro assa-
mi o commando de nossa brigada.
A noticia mais importante qae temos de dar-
Ihe, roen charo redactor, a da tomada de tres va-
pores argentinos pelos Paraguayos, e da ameaga
de nvasao em Corrientes.
O nosso almirante j havia dado ordens para
seguir urna divisao de oito canhoneiras ao mando
do bravo Segundino.
< Esaa divisao se leve a fortuna de encontrar os
21 navios paraguayos, j os deve ter esfregado sof-
frwelmente. Dizemos 21 navios segundo o qae
por ahi-seonU.
Dos permita que lindamos a felicidade de
eneontrar essa esquadra carregada de artharia
raiada e de 6(000 horneas armados completamente.
Dos permita, dizemos, que nossas 8 canhoneiras
eoeontrem esses candidos para mostrar-lne como
se sabe rnmaalor
O estado argeotino soffrea o mesmo Insulto
que o Brasil; e chamou seus concidadaos as armas
em 24 horas, aos quanteis, em 13 das e a Aseump-
gao em tres mezes 1
Existe ordem para seguir depois d'aiuaafea a
nossa primeara brigada, devendo partir breteaen-
le todo o exancilo para o Sallo e Paysaadd.
O Diario do Rio Grande de 16 do passado pu-
blica a seguinte e triste noticia biograpbica do mi-
fricida Oestes, cujo ultimo e horroroso crime no-
ticiamos no dia 26 :
Ha dras demos noticias de um crime contra o
qual a propna natureza se revolta ; foi elle o as-
sassinato da velha Vernica, sobre quem sea pro-
i prio fllho Orestes havia desfechado dous tiros.
< Hoje estamos bem informados por pessoa que
I nos merece plena confiaoea, para historiar parte
I da vida desse malvado.
Orestes Goncalves da silva e fllho da malfada-
da Vernica Dias Leite, que contava j 70 annos de
dade; resida em arranchamento contiguo ao de
sna mil na serra qoe divide os campos que per-
tenceram a um fulano Mathias no lugar denom-
| nado Pelim do dlstncto das Podras Brancas.
Homem perverso por ndole desde sua miis
tenra idade, nao ba urna s phase de sua vida que
nao esteja marcada pela pratica de crlmes mais ou
menos graves.
E' casado com urna infeliz moca a quem t?o-
tou seduzir e abandonar, o que nao consegua por-
que os irmaos o obrigaram a casar.
Por esle motivo Orestes tornou-se inimigoi.i-
carnicndo de um de seus cunhados e malon-o trai-
goelrameote.
< Sua mulher viva n'um inferno de brigas e
maos tratos.
Um escravo que possuia o casal, acabou a
existencia cora acortes, qoe Ihe inflingi seu per-
| verso senhor.
Tem Orestes quatro filhos de seu casal, sendo
um apenas homem.
Tendo ido a negocio ao Algrete, onde mora
um seu irmao, na sua volta trouxe em sua compa-
nhia urna sobrinha e affllhada de bplisme a quem
reduzio, e um menino, todos filhos daquelle seu ir-
me.
No seu regresso foi installar-se com sua con-
cubina na propria casa onde resida sua mulher,
razio porque esta, nao podendo mais supportalo
abandonou-o, e foi viver solada e de esmolas dos
que a condecan, como mulher de boa con-
ducta.
< 0 sobriuho que trouxe em sua companhia ter
nou-se ootro malvado, tanto que tendo sahido fora-
gido do distncto sentou praca, desertou e foi apa-
recer na villa de Cruz Alta, onde taes coplas deu
de si que o mataran.
i De soa propria sobrinha e afilhada tem Gres-
tes tambem 4 lidies.
Os campos que dividero com a serra ond re-
sida Orestes, e que pertenceram em ouiro lempo
Mathias de tal, foram comprados na qua-i toUli-
dade por Francisco Ignacio de Oliveira, restaedo
apenas urna parte pertencente a herdeiros do dito
Moihifttt
t O novo propiiotrio inrn este campo povodo
de gados, fez-lhe arranchamentos etc., uno o torna-
ram n'uma regular fazenda de criaco, a qoal por
inerte de sua mulher foi partilbada seus .'Ihos
orphos, de quem tutor.
< Orestes, desde mu i lo lempo que vive usla
do gado deste seu visinho, a quera roubava eican-
dalosaraente, sem que jamis o impedissen, por
ser elle o terror d'aquelle districto. Levava > au-
dacia ao ponto de ir lagar as rezes dentro dos
rodeios.
a O tildo mais velho de seu casar, industriado
por lo bom raestre, ajudavao nesla empreza, per-
qu isso era obrigado por seu pai; porm a Pre-
videncia quiz castigar esle mo homem, armando
contra elle seus propnos filhos, criaucas lodos
que, cansados dos martyrios que solTnam, delibe-
raran mtalo.
Tal a influencia da educacao I
c Urna noite em que Orestes dorma, combina-
ram-se : urna das filhas armou-se de um machado,
' e, seguida pelos oulros irmaos desfechou tremendo
golpe sobre a cabeca de seu proprio pai, que ficou
moribundo.
Este faci foi notorio no districto das Pedras
Brancas ; entretanto que nao chegou ao conneci-
mento da auteridade, porque nem Orestes se qnei-
xou, nem ninguem se compadeceu de seroelhante
malvado.
c Mais tarde sabe elle por exponlanea confisso
de seus filhos que elles foram os autores de seme-
Ihame delicio, e enlao fez seoiar pra;a na marinba
ao tildo, e mandou entregar as tres meninas a sua
mulher.
< Tendo ficado sem ajudante para o furto do ga-
do da fazenda do Sr. Francisco Ignacio de Olivei-
< ra, e mesmo tendo as precaucoes The dilcultado as
! occasioes, procurou aproximar-se do campo par
| melhor haver-se szinho em sua empreza.
a Para conseguir isto obteve por compra um
retaldo de campo que pertencia a um dos herdei-
ros do finado Mathias, e j de animo deliberado
para provocar a victima de suas ladroeiras, come-
cou os seus arranchamentos dentro dos campos da
lazenda que nao Ihe perlenciam.
< Como era natural, o proprietario quiz impedir
esta violencia, mas Oresies a nada attendeu e nem
se importou cora o embargo que por ordem do juiz
municipal desla cidade fez-se as obras que come-
cara, e levou por dianteo seo estabelecimento, fun-
dado em um Idireito anda hoje com toda a razo
contestado nesle juizo, por onde corre a respectiva
| activa aeco, que est pendente de deciso final, e
que sera duvida alguma ba de ser proferida com a
justica que preside os actos do magistrado em exer-
ccio.
< To caviloso e niquo procediraento nao poda
deixar de infundir serios cuidados ao propietario
da fazenda, qae, conhecendo a malvadez desse fa-
cinora, e nao qnerenlo expor sea fllho e capataz
a ter com elle algum encontr no campo, eogajou
para esse servico a um moco de nome Narciso Ma-
fiel.
< Nao tinham muitos dias qae elle exrcia as
snas novas funeces, quando ao passar por nm ca-
pa saho-lhe Orestes ao encontr' e disparou-lhe
ao mesmo tempo a carga dos dous canos de um
pistolo, passando-lbe orna das balas entre a roupa
e as costas, e varando Ihe outra do hombro esquer-
do ao direito.
A victima escapon de ama morte certa, por
haver disparado o cavado em qae vinba montado,
em direitora casa de um seu ennbado, que fleava
meito perto.
Aos promptos soccorros qae Ihe prodigalisa-
ram, e pericia e dedicaco do Sr. Dr. Flores, deve
o pobre moco a vida.
< Cesta vez a poiicia poz-se pista do assassino,
que desapparecen do districto, e foi boroisiar-se na
Pona Rasa ; mas sendo d'alli acossado, foi escon-
der-s no rancho de soa velha roii, qae embora
soobesse que elle era um malvado, nem por isso
lbe negou guarida.
Mal pensava a pobre velha o fim desastroso,
quejpreparava com sua condescendencia.
O assassino Orestes, receloso de que nodesse
ser sorprendido pela poiicia, instou com soa me
para qoe consentiste qae am mulato seu escravo
oacompanhasse em snas correras.
A velha eppoz-se resoluta a este pedido, alle-
gando nao poder privar-se dos ser'icos do es-
cravo.
4 As sollicitacSes tantas vetes repetidas quanlas
foram as recasas, irritaram o bandido ae ponto de,
sem Benhum outre motivo, assasssinar a pobre ve-
iba e jurar que ba de dar cabo de todos aquelles
qoe elle jalga haverem .concerni para a neregri-
Meifrque Ihe tem feilo o Sr. Dr. chefe de polica
par, capt.ura-lo.u
I S -
De nma caria particular datada de Montevideo a
Stdtabril extrahimos o seguinte :
Hoje chegou mais a noticia do prooanciamento
do general Urquiza, qoe j liaba em armas 30,000
horneas, e promeltia levantar 10,000, todos enldu-
| siasticamente dispostos a| defender a naeao argen-
tina contra o brbaro do Paraguay.
Creio que a trplice allianca j nm facto. O
nosso exercilo ainda est no Cerro, mas dhvera-me
I qne depois d'amanha comecam a embarcar forcas
. nossas no Oyapock, Apa, PrincezaMt duas canne-
neiras de guerra. Estas tropas sarao transporta-
das at faysandu' e nao al ao Salto por falta de
agua. D'alli seguir o exercRo para as nossas fron-
teiras da Urnguayana. Quem ser o general em
chefe f O interino, ou outro qae ainda se nao
sabe ?
O Amazonas, Parnahyba vao reeeber mil liomens
de infamara e seguem para o Paraguay alim de
reunir-se aos ditos vaporas, que j ve carilindo de
Corrientes. No Amazonas vai o chefe de divisao
Barros. Dzem que partir no dia 25.
E' pena que o nosso ainda esteja aqu, e a ope-
ra cao de que ora se trata nao estivesse ha muito
feta.
O general Flores quiz ir ao Paraguay, em cum-
primenlo de sua palavra dada ao Brasil, mas seos
amigos eos nessos agentes Insistem para que fi-
que.
Parece que em todo o caso esla repblica dar I j<'
urna divisao auxiliar.
O assumpto de todas as conversas aqui a alei-
vosia com que o Paraguay atacoa a Repblica Ar-
gentina, aleivosia ainda aggravada pela flagrante
violacao do art. 8* do tratado de amizade, coramer-
co e navegacao celebrado entre ambas as partes a
27 de julno de 185% e que diz lateralmente assim
- 3 -
Por carta imperial de 29 de-abril fledo fot atu-
ralisado cidado brasileiro o subdito portuguez Jos
Francisco Ramamo.
Por decreto da mesma dala foi apresentado o
padre Sabino Ferreira da Rocha, na igreja paro-
chial de S. Sebastio de Ferreiros.
Foi permittido qne O. Rita Jacques Ferreira
Pinto, viuva do marechal dejeampo Francisco F-
lix da Fonseca Pereira Pinto, transferirse em be-
neficio de sua lidia menor D. Germana Rita Perei-
ra Pinto, o meio sold de que gota por morte de
seu marido; fleando merc dependente da as-
sembla geral legislativa.
Foram nomeados cavalieiros da ordem de S.
Bento de Aviz os l*a lenles da armada Euaebio
Jos Antones e Desiderio Celestino de Castro J-
nior.
Por parlara do mesmo da foi nomeado o mino-
rista Eduardo Fructuoso da Costa, para o lugar de
capello cantor da capella imperial.
Foi expedida a porlaria seguinte :
Nao se tendo apresentado fardado e prompto
para o servico no prazo marcado no art. 20 do de -
creio do 6 de abril de 185, o major commandante
do esquadrio n. 3 da guarda nacional da provin-
cia da Babia, Jeronymo Jos Fernandes, manda S.
M. o Imperador priva lo do mesmo posto, na for-
ma do 1* do artigo 65 da lei de 19 de setembro
de 1850.
Palacio do Rio de Janeiro em 25 de abril de
Francisco Jos Furtade.
A caixa da ameriisac) declara hoje que se con-
tinua a proceder a sobsliiuico das notas de 2004
I da 2* e 3a estampa, de 100,4 da 3* estampa r, de 53
i da 4* estampa, por outras de l k 25, conforme
I se tem annunciado, preveoindo aos respectivos
mr I PS8Uidores, que as notas de 200> ja tem descont
OontJSi^M^St^ll^DLf^Z SI desde di* l0 d0 correBU?' na raz0 Progresiva de
prajeetos ora
suspensa entreunto a diecossao dos
postos ero discassao.Loureiro.
Depois de oraren s Srs. Cuaba Teixeira, Lou-
reiro e Nabor, rejeitadoo requer ment.
Contina a discussao da preferencia.
Oram os Srs. Gaspar Drummond, Nabar e Pao-
| la Baptista.
Encerrada a discussao, prelere a assembla e
projecto n. 65, o qual eotra inmediatamente em
1* discussao, e approvado depois de orar o Sr.
Jacobina.
O Sn. G. DriumjoND requer e a assembla appro-
va a dispensa do intersticio.
Vem mesa e rejeivado o seguinte requeri-
raento :
Reqneiro que com urgencia entre em discussao-
o projecte n. 5 deste anno, sendo para isto con-
sultada a casa.S Pereira.
E' litio, entra em discussao, e approvado o se-
guinte requerimento :
Requeiro urgencia para o projecto de for?a poli-
cial.Cunda Teixeira.
Continua a discussao de preferencia encelada na
ultima sess, em que se tralou do projecto de for-
ja policial.
Oram os Srs. Araujo Barros e G. Campello.
Encerrada a discussao approva a assembla a
preferencia do prejecio substitutivo offerecido pela
respectiva commisso.
entra perianto em 2a discussao o art. 1* do pro-
jecto substitutivo.
Ora o Sr. J. Reg Barros.
A discussao tica adiada pela hora.
foi marcado.
DIARIO DE PERrtflWBUCO
O vapor inglez Herschell, da linha de Liverpool,
chegado hontem do Rio e Baha, s irouxe mala
desa ultima, d'onde sabio 7 do corrente. Ao
obsequo.iparro, d'um amigo devemos o receblmen-
to do Jornal do Commercio do Rio de 1, 2 e 3 do
corrente, do qoal extrahimos as noticias que vao
sob a rubrica Interior, e as que vao em seguida.
Rio ob Jankiro. For. m publicados os decretos
ns. 3458 e 3459 abrindo o drimeiro um crdito
hostilidades
previa notifica cao reciproca, seis mezes antes de
um rompimento.
AJem da traico foi o aprtzamento dos 2 vapo-
res argentinos Vinte e cinco de mato e Gualejay
acompanhado de toda a ferocidade e selvageria
que caraelcrisam as operacoes do facanhudo
Lpez.
As 6 horas e meia da maobaa de 13 de abril!
passaram pela cidade de Corrientes agnas abaixo
cinco vapores paraguayos com 2,500 bomens de
tropa de desembarque, mas o que pareca sem in-
tenso hostil.
A poucas bracas com tudo deram volta e entra-
ran) no porto, onde estavm ancorados os vapores
argentinos Vinte c cinco de mato e Gualeguay, e
sem previa intimacao os apresaram, fazendo era ae i,* 1.800*000 ao ministerio da guerra, e o se
seguida fogo de espmgardaria sobre a tripolaco Sando um dUo de 60.000*000 ao dos estrangei-
que se atirou a agua, e matando all a maior parle ros- ... ,.
i delle, sem que at agora se saiba o que foi feito do i -Corra qoe nao tena lugar no da 3 a abertura
1 commandante do primeiro destes vapores. A tripo- da assembla geral, por falta de Srs. depntados.
la^o do segundo salvou-se quasi toda, eentre ella No dia 2 do crreme leve lugar urna reu-
seisferidos. GuaUguay chegou a disparar alguns niao da aesembla geral da praca do comraercio,
tiros de peca, mas ora irapossivel a defeza. iaBm de d|scutlr o estabelecimento da navegado
Pnncipiaram tambem os Paraguayos a canho- a vaPr en,re Braiil e os Estados-Unidos e ao
sear a povoaco, que, tomada de sorpresa por to; elegragho elctrico. Depois de longos debates
horrvel e inesperada tropela, nem poda acreditar fo1, approvada urna representagao assembla ge-
ral, pedindo a votaco d ama subvencao compa-
nhia de navegacao e aotorisaco para o estabele-
cimento de liohas eleclro-telegraphicas desde o
Amazonas at o Rio Grande do Sul.
O vapor Paraense fleava a sahir para o Rio da
Prata, conduzindo tropa.
O vaper Inglez Paran saldra para a Bahia
e Pernambuco no dia 10 do corrente ; e o nacio-
nal Tocantins no dia 7.
Estavara carga para Pernambuco : os bri-
' o que va. Ao mesmo lempo rompern vivissimo
fogo de fusilara, com que mataran na Ribeira al-
gumas raulheres e mancas.
Alinal, depois de tres horas de ter estado no por-
to, retirou se a esqoadrilha paragoya levando com-
sigo os dous vapores aprezados.
Contava-se all com um novo ataque a' povoaco,
visto um dos navios ter fieado estacionado algumas
bragas abaixo della, julgando-se que os ootroslam-
bem se nao teriam afastado.
O Standard de Buenos-Ayres, folha ingleza, mas KDS Trovador e Flatnengo.
inleiramente addicta aos iteresses mathorqueros,
de que felizmente agora o Paraguay o nico re-
presentante, sabio se com urna estattstica das for-
cas paraguayas de mar e ierra, que tem excitado
aqui alguma curiosldade. E' tambem com pega cu-
riosa que Ih'a remeti, advertindo nicamente
quanto aos dous vapores Ringer e flyng Fish, qoe
se o Lpez os coraprou, difucitmsule os chegara a
ver, pois esto ainda c por balxo, seno ambos,
como creio, a<* menos certamente o segando, tanto
assim que foi elle que trouxe de Corrientes as no-
ticias qoe Ihe refer.
Alm disto, sao vapores do tamanho de falas
das que usam ahi no Rio de Janeiro. Voltando,
porm, tal estatistica, aqu vai ella.
A armada consta dos vapores, Rio Blanco, Ta-
quart, Paraguay Igurey, Jepuy, Rio Apa, pora,
salto de Guayra, Argentina, Paran, Olympo, e ou-
tro construido na Assompco ltimamente, e cujas
dimensoes sao iguaes s do Par aguan. A estes se
devem ajuntar a canhoneira Anhaambay, o Jfar-
quez d'OUmla, e outro pequeo vapor qne tinha ban-
deira brasileira ; o Salto, o Galeguay, e o Vinte e
Baha.No dia 6 apresentaram Faculdade de
Medicina as theses de concurso os candidatos
cadera de physiologia. Os pontos sobre que ver-
sao sao os segoinies:
Sensibilidade recurrente, do Dr. Jeronymo So
dr ;
Funccao do grande sympalhico, dos Drs. Deme-
trio e Luana Valle ; e
Secrecao ; do Dr. Luiz Alvares.
Ficavam sahir para Pernambuco : a escu-
na Georgina e o patacho D. Luiz.
PERNAMRUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
50a SESSAOEM 11 DE MAIO DE 1865.
PRESI0ENC1A 00 SR. DR. COSTA niBEIRO
Ao meio da, feta a chamada, acham-se presen-
tes os Srs. deputados J. do Reg Barros, G. Cara-
pello, Ribeiro, Loureiro, Reg Barros, Amynthas,
Cinco de Marco, navios argentinos;"o Vesubio, o. Ayres Gama, Teixeira de Mello, Aquioo Fonseca,
i Corrientes, o Ranger e o Flyng Fish, recentemente ] Goncalves da Silva, Brando, Araujo Barros, Dio-
comprados. | doro, Maranho, Ramos, Buarque, Vctor Correa,
Total 22 vapores e mais os bergantins Rosario,
I Independencia e Aqmdalar, e varias lanchas, como
i a Humait e Cerro Len, armadas com urna peca
1 Armstrong de 80.
Todos estes navios sao tripolados por marinhei-
ros e offlciaes paraguayos, com excepcao dos con-
tra-mestres e Io* machinistas, que sao europeus.
Os maiores sao o Rio Blanco e o Taquary. os quaes dicto Franca, Gaspar DrummoHd, Britto, Sabino
sao a hlice e calam demasiadamente pelo rio; Olegario e Sonto Lima,
abxo; esle de ferro e de marcha superior. Sn- secretario procede a leitura do se
Sobre o exercto diz o Standart o seguute : guinte .. ...
Pde-se calcular em 60:000 horaens : tropas EXPEDIENTE:
Um offlcio do secretario do governo,
Rochael, Conha Teixeira e S Pereira.
O Sr. Pkesidente abre a sessao.
E' lida e approvada a acta da sessao anterior de-
pois de orarem os Srs. Diodoro, S Pereira, Ro-
chael e Cunha Teixeira.
Comparecem depois os Srs. Jacobina. Francisco
Pedro, Nabor, Paula Baptista. Manoel Netto, Bene-
veleranas 18:000, guardas nacionaes em servigo
activo 22:000, reserva 20:000. Sao distribuidos da
lrma seguinte: 45:000 horneas de infamara,
10:000 de cavallaria, 5:000 de artildaria; todos
compSem quatro grandes coros de exercilo; o
remeden
do um exemplar das leis e outro das decisoes do
governo promulgadas no anno prximo passado.
A archivar-se.
Outro do mesmo, remetiendo copia da peticao
exercilo em Matto-Grosso 8:000 homens; o exerci- em qoe o Sr. padre Joao Jos de Araojo, professor
to, que invade Corrientes e Rio-Grande, 26:000 no
mens ; o terceiro exercilo de 12:000 se acha em
Cerro Leon.Jdeixande 14:000 de guarnido na fron-
teira.
O 1 corpo com mandado pelo coronel Barrios,
eundado de Lpez ; o 2" pelo general Robles ( o
nico brigadelro qne existe no Paraguay); o 3
pelo proprio presidente ; e o 4 por differentes che-
fes. As inforraacSes sobre a artharia sao davi-' requerimento do Sr. Buarque.
dosas : calculase de 300 a 500canh5es; sea chefe j Tendo terminado a hora do expediente, requer
o coronel Wisner, que servio sob as ordens do Sr- Canna Teixeira urgencia para ser lido um
general Guyon na campanha da Hungra. Excep- i projecto mandado mesa,
toando o cirurgio-mr Stevart e suadlvisode Consultada a casa, decide pela afnrmativa.
mdicos, no exerc to paraguayo nao ha offlciaes in- [ L'se. e jolgado objecto de deliberacao e dispen-
glezes. No arsenal de Assumpcao achavam-se em- sado da impresso a requerimento do Sr. Gaspar
publico da villa da Boa-Vista, pedio a sua jubila
co.e bem assim do acto que o jubloo.A quem
fez a requisicao.
E' approvada a redacto do projecto n. 36.
Sendo posta em discussao a redacejio do projec-
to n. 32, e depois de orarem os Srs. Buarque, Ay-
res Gama, Aquino Fonseca, Loureiro, Soares Bran-
do e Nabor, de novo remettida commisso a
pregados cerca de 30 inglezes.
Recebemos datas de S. Paulo at 29 do passado :
A forca expedicionaria para Matto Grosso com-
mandada pelo Sr. coronel Drago, presidente dessa
provincia, ainda eslava em Campias.
Sobre esta torca diz o Sete de Setembro de 27 :1
< Ti vemos noticias de Campias-, continuando a
apresenta-las em forma de diario, o nosso*amigo
participa-nos o seguinte:
Dia 16.Deserta ram da cempanhia de cavalla-
ria 3 pracas a noite.
Dia 17.Chegaram presos pelo delegado de Ca-
mandocaia dous desertores da companhia de caval-
laria.
O alferes Nascimento, que se insubordinara con-
tra o tenente-coronel Gaviao, foi sollo, depois de
ter dado ao mesmo senhor ama satisfacao.
Varias pessoas desta cidade visitaran) o acampa-
mento, fazendo donativos de animaes e dinheiro s
mulheres dos soldados.
Da 18.Foram castigados com 30 pranchadas
cada nm dos soldados qoe |na vespera tinham
viudo presos por deserco.
Distriboio-se pelas mulheres dos soldados casa-
dos a qoantia de 200*000, offerecida por um dis-
tinelo patriota, fazendeiro do lugar.
E' digno de elogio o acto deste Palista.
Um fallecimento leve lugar. Foi o de um solda-
do do corpo de guarnicao de S. Paulo, qae expireo
as 8 horas da noite, em conseqoencia de urna
pneumona dupla que solTria.
Dia 23.Foi oflerecido offlcialidade das forcas
expedicionarias um capo d'agua pelo Sr. Francisco
Do arte.
Dorante o servico reinon a maior oordialidade
e harmona. Sades emhusiasticas foram dirigidas.
Conlinuam as desercoes e doencas,
O numero dos desertores sebe a 20.
Entre es doentes aeha-se o Sr. capito Sarinbo,
commandante de cavallaria.
Dia 24. Falla-se em offerecimentos, que al-
gumas pessoas do lugar tenciouam fazer s pracas,
eonsistindo em roupas, atiento o estado de nudez
em qae se acharo os recrutas.
O armamento foi desencaixotado para os exerci-
cios, o qae ha muito se devia ter feito.
Corre o boato de qoe o tenente-coronel Gaviao
Peixoto vai pedir a sua demisso, o que suppoe
que o Exm. coronel Drago nao est em maila har-
mona com elle.
Drummond o seguinte projecto de lei
A assembla legislativa provincial de Pernambu-
co resolve : ,
Art 1. O offlcio de escrivo de orphos do ter-
mo de Garanhuns fica desligado dos de escrivo do
civel e tabellio de notas, passando estes a ser
exercidos pelo escrivo do crime.
Art 2. Fica supprimido o offlcio de 1 tabellio
de notas do termo do Bonito.
Art. 3.a O offlcio de escrivo do crime do termo
de Serinbem, ser cumulativamente exercido pelo
actual servenloario, e pelo escrivo privativo de
orphos.
Revogadas as disposicOes em contrario.
Paco da assembla legislativa provincial, 11 de
raaiode 1865,-G. de Drummond.Cunha Teixei-
ra. Catanho. Vctor Correa.Silva Ramos.
O Sr. Aquino Fonseca fundamenta e manda
mesa o seguinte requerimento :
Requeiro que por intermedio do Exm. Sr. presi-
dente da provincia se peca com maior urgencia,
afim de chegar a tempo de ser considerada, ama
nota dos alumnos que, desde que foi creadoo Gym-
nasio Pernambucano, foraro approvados em cada
anno e em cada orna das cadeiras deslgnadamen-
te das seguintes materias: grego, allemo e in-
glez.S. R.Aquino Fonseca.
E' approvado o requerimento com as seguintes
emendas:
Accrescente-sede latira.Amynlhas.
Accrescente-sede rhetorica.Araujo Barros.
ORDEM DO DIA.
E' approvado sera debate em Ia discussao o pro-
5'acto n. 63 deste anno concedendo urna lotera de
130:0005 Santa Casa de Misericordia.
Eotra em 2* discussao o projecto n. 86 do anno
passado, autorisando a reseiso do contrato feito
com Joao Falque e Antonio Machado Gomes da
Silva para o estabelecimento de carros de praca
nesla cidade.
Oram os Srs. Diodoro e Silva Ramos.
Encerrada a discnsso, o projecto approvado.
Entrara em discussao, afim de se votar a prefe-
rencias, os dous projectos deste anno ns. 65 e 66,
autorisando a presidencia da provincia a alterar o
contrato feito com Carlos LuizCabronne.
O Sr. Loi'iieiio fundamenta e manda mesa o
seguinte requerimento que entra em discussao :
Requeiro urgencia para a discussao e Anal de-
ciso do projecto de lei sobre a empreza Cam- i
brease, a qae foi denegada a sanecao, ficando I
REVISTA DIARIA.
A serie de artigos que havemos publicado na
oilava pagina, e hoje concluimos, sao do Sr. Dr. J.
Franklin da Silveirr. Tavora.
O Alheneo Philosopktco Luterano procedendo
a eleicao da respectiva directora, ficou esta com-
posta dos Srs. Francelioo Dias Fernandes, presi-
dente -. Alexandre Jos da Costa Vleme, vicepre-
sidente ; Fernando Alfonso Ferreira e Arlstarcho
Cavalcanle de Albuquerque, 1.a e 2.* secretarios -,
Amancio Concesso de Cantallce, orador ; Antonio
Silvio Ferreira de Garvalho, tliesoureiro.
A commisso de redaccaocompde se dos Srs. Leo-
nardo Francisco de Almeida, Miguel Lucio de Al-
buquerque Mello Filho, Jos Paulo do Reg Brre-
lo Filho, Manoel Francisco de Barros Reg e Amo-
nio Gracindo de Gusmo Lobo.
A de syndicancla dos Srs. Aquilino Gomes Por-
to, Manoel Venancio Alves da Fonseca e Antonio
Bezerra da Rocha Moraes.
A de exame, finalmente, dos Srs. Primitivo de
Miranda Souza Gomes, Henrique Albino de Parias
e Joaquim Manoel Vieira de Mello.
Remettem-nos a seguinte noticia, cuja publi-
caco nos solicitan ; e acquiescendo a isto, confia-
mos que o digno S.\ administrador providenciar,
afim de que se nao reproduza o abuso relatado na
mesma noticia.
f Sr. redactor da Revista Diana. Julgo um
dever humamdade soffredora dar pablicdade ao
seguinie facto. Em dias de novembro do anno pr-
ximo passado, mandei um caixeiro mez pagar na
reparticao competente a laxa de escravos ; um
servente ou subalterno d'alli tomou coma da ma-
tricula e de 'i-5, que eu tinha mandado para tal pa-
gamento, dizendo ao meu caixeiro que naquelle
dia nao se poda effectuar este, e assim viese no
seguinte para Ihe ser entregue o recibo. Passa-
ram-se alguns dias, e o tal individuo sempre pre-
textava nao estar prompta a matricnla, at que
deixou de ser visto na reparticao por ter dado par-
te de doente ; mas sendo encontrado algumas ve-
zes na rna pelo meu caixeiro, dizia-lne que estara
prompto qualquer dia, e que enlao ontregarla a
matrcula com|o recibo.
t No eniretanto.muito sorprendido fiquei vendo
no dio 9 do crreme entraren) no meo armazera 2
offlciaes da fazenda com nma intimaco de penho-
ra, para em 2't horas pagar 4 de taxa. 'i-5 de mal-
la, 900 rs. de sellos nao averbados, e mais 7 de
cusas de escrivo, juiz e offlciaes I
Nesta coojunctura foi ter com o Sr. adminis-
trador a quem expuz o occorndo ; e S. S. ouvin-
do-me com cortezania, respondeu-me alinal, que
senta ter eu sido incommodado ; mas que nao ha-
via outro remddio seno pagar o exigido, pois o
tal subalterno nao era competente para se Ihe en-
tregar dinheiro.
Nada mais tendo a dizer, porm publique
Vmc isto, para que nao caia outre no que cahio
o seu criado.
Hoje se extrahlr a 2a parte da Ia lotera.
da matriz do Bonito (15a), sendo o maior premio
de 6:000^000.
A nossa estrada de ferro rendeo, durante o
primeiro trimestre do corrente anno, 169:510^150
rs., e despendeu 81:276^001 rs., d'onde resulloa
am saldo de 88:234)l49 rs., qoe reverteu em be-
neficio da garanta de juros a que est obrigado o
governo.
Pela escuna portugueza D. oao, foi encon-
trada, na lat. S. 21 38' e long. O. 35 47', a barca
Ingleza Deogaum, em viagem d'Africa para Fal-
raoutl.
HEPARTigAO DA POLICA:
Extracto da parte do dia 12 demaio de 1865.
Foram recolhidos casa de detenco ne dia li
do corrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Joa-
auira Jos Ferreira, sera declaracao do motivo, e
posto logo em liberdade.
' A' ordem do subdelegado de S. Jos, Antonio
Henrique Vieira e Claudino Jos Dias, por briga ;
e Luiz, escravo de Antonio Carnelro, por dis-
turbios.
O chefe da 2a. scelo,
J. G. deMesquita.
Casa de uktkncau.Movimenio do da 11 de
maio de 1865.
Existan presos 367; entraram 6 ; sahiram 8;
existen 365, a saber : nacionaes 272; mulheres 3,
eslrangeros 32; raulheres 2; escravos 49; escra-
vas 7 ; total 365.
Alimentados cusa dos cofres provinciaes 129.
Movimento da enfermara do dia 13 de maio
de 1865:
Tiveram baixa :
Claudino Euphrasio de Franca ; panaricio.
Pedro Jos da Porciuncula ; defluxo.
Manoel Joaquim Correa; febre.
Tiveram alia :
Manool Baptista de Sonza.
Antonio Joaquim de Lima.
Joaquim Francisco do Nascimento.
Francisco Amonio de Frenas.
Passageiros sabidos no vapor ioglez Hershell,
para Llverpoel e portos intermedios :-J. Thomp-
son, I. F. Mara e 1 criado, J. S. Fernandes, I. S. P.
Ceuiterio publico. Obituario do dia 11 de
maio de 1865.
Joanna, Pernambuco, 1 anno, escrava, Boa-vista ;
denlico.
Joaquim Jos de San|'Anna, Pernambuco, 88 an-
annos, viuvo, Varzea ; anazarca.
Jaclntho Jos da Estrella, Portugal, 100 annos,
viuvo, S. Jos ; velhice.
Paulo, liberto, frica, 40 annos, selteiro, Recife -T
aneurisma.
Mara, Pernambuco, I hora, Boa-vista ; espasmo.
Francisco Pereira, Pernambuco, 28nonos, Boa-
vista ; anemia.
Anua Mara da Conceico, Pernambuco, 40 annos,
solteira, Boa-vista ; tubrculos.
Gregorio, Pernambuco, 2 mezes, escravo, Santo
Antonio ; espasmo.
CIIUOMCA JIDICIAIUA
TKIBl]\AL BO COMHBBCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 1 i DE
MAIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESKHBARGABOR
ANSELMO FRANCISCO PBRKTTI.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
depotados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm.
Sr. presidente declarou aborta a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Foram distribuido aos senbores depotados os
livros Diarios de Izidoro dos Aojos Porciuncula e
de llabe Scbamettean & C.
MM
No requerimento da viuva de Joao Cardoso Ay-
res, pedndo que se corrija e engao havido na pro-
curaco que fes registrar em 21 de abril ultimo :
Registre-se a procurado mais moderna.
No de Joao Francisco da Silva Novaes, satisfa-
zendo com a apresentaco de distracto da sociedade
de Teixeira Bastos, S C, de 14 de agesto de
V


verter
concedo e eslima, tanto era Timbaba, como na
comarca de Narareth, visto os dous abaixo assig-
nados em mea favor ja MUiMo ineste Biam, i
um de 89, e outro de 161 firmas, das principass
pessoas daquelles lugares, como sejam vigarios, au-
lorldades jodiciarias e policiaes, ofriaes da guarda
nacional, senhores de engenho, mdicos, negocian-
tes, etc., etc.
Em vista, porm, de urna nova e ludibrusa cor-
respondencia, estampada no Diario de hoje, e re-'
caeiada de ultrajes e asquerosas injurias, do mes-
mo senio do maior quilate que as priraeiras, Inter-
rompo o meu silencio somente para protestar que
SESSAO JUDICIARIA EM 11 DE MA'
DE 186o.
PRESIDENCIA DO F.XU. SR. DESEMBARGADOR
ANSHl.MO FRANCISCO l'KRETTI.
PBU3150E2 1 PEDIDO
- Hin. "--------------->
Agua florida de iiif.iy e
LflM.
Alera ca sua avanlajada superior id a de como ura
perfume sobre as mah valiosa; composlcdes es-
trangeiras ; esta deliciosa qaao deleitare! essencia
floral, forma urna agrada ve I iavagem para os den-
tes e geogivas, serviodo de conservativo para os
mesraos, e como appcacao suave e rrodillcante
opportunamente fare a publTcaca^'nue^ja Tiisere par? ^^ do T0%u> deD0'* dd se haver feil a
com a qual, espero, vero os meas concldados ca-
1860 o despacito de Oto correrte, para Ibe ser, rojos documento aue lento era mcn tnf'- n5
Mna^T^ ^^ ^^ twtton T-me perMte puBco, a qni enttttato fa de<'
n*V-.-id ..-_... .. wMer-teaWieitlo q>e oniidno a nierttaer boro'
j- nt0o certtdao, qaaes os carteiros de Antonio Francia
Martins de Miranda, qao tem lerto registrar seas
oomeacSes :Passe.
i'ootro de naesmo, pediado certido de ser ou
Bao malriculado o commercianle Aalenio Francis-
co Manas de Miranda :Passe.
No de Duarle, Garvamo A C, pediado o registro
do dlstrato da sua sociedade : Vista ao 8r. des-
erabargador fiscal.
No de M.inoel Pedro de Mullo, pediado o- registro
da procuraco do sen constituinte Antonio Joaqoim
de Mello : Regislre-se.
No de Joaquim de Pana Machado, replicando do
despacho do i* do correte, aflm de ser registrado
o eoniraeto de sociedade que celebrara com Joa-
enim Francisco dos Santos, fallec lo : Vista ao
Sr. deserabargador fiscal.
No do Barao da Muribeca, pedindo o registro de
ama escriptura de hypotneca que aprsenla :Re-
gistre-se.
Cora inforroacao do Sr. desembargador fiscal:
No de Nareiso Jas da Silva, pediado ser atlraei-
tido matricula .-Gomo reqer.
No de Domingos Jee Ferreira Guimaraes, pe-
dindo tamben ser admettido matricula :Coano
reqner.
No de Manoel Fernandas da Costa & C, pediado
o registro do sea contracto de sociedade :Satisfe-
$am o parecer fiscal.
O tribunal resolreu fazer effeclivo o despacho de
4 do rorrete, mandando passar carta de matri-
cula do commerciaute Malillas Veapaziano Bisa-
do.
Nada mais havendo a tratar, o Ezm. Sr. presi-
dente declarou encerrada a sesso as onze horas
meia da manha.
Barremos no assampio; evitando qaajito fr
posatvel escaaialisar o pablloo com dtacussOes
pjsaoaes.
Lowren^o Bwrra Sarneiro tienen.
combatidas e destruidas as
de ambos esses Huellos fa-
nal e evidentemente
falsidades e aleivosias
mosos.
E assim, limito-rae por ora a rogar a Vs. Ss. que
em refulaco do facto, que vilipendiosameute me
imputa a citada correspondencia de hoje, como
acontecido apoveacaodaVicanela.queiram traus-
crever o seguate attestado do ailo Rvd. Sr. viga-
rio da fregaeza de Nazaretb. Falso como esse sao
os outros factos, que me impatam, como hel de
provar.
Devo tambeni agora declarar que j dei urna
queixa por crirae de Injuria contra l'mbelino An-
tonio da Costa Leitio, autor responsavel da pnmei-
ra correspondencia, a que acabo de chamar res-
poosabilidade o autor da segunda. Nao va-ene
agora apresentar a mesma covardia qae o priraei-
ro, que, estando nesta capital, e sendo citado para
comparecer em audiencia do joizo mnarcipal da 1*
vara, pretextoa molestia, requereceu para rompa- j
recer em outro da, e immediataraente fugio desta
cidade, pelo que teve de requerer precatoria con- i
tra elle.
Estoa tranquillo em rainha consciencia : nao re
ceio arguigao seria contra raira, pois nanea a po
derao provar.
barba, diluida em agua. Um lenco molhado com ai
gumas gottas da mesma e applieado testa a frates
promptameote dissipa e faz desapoareeer as dores
da calteca as mais violentas; e as sentaras, que
presara sobre tudo urna compleicao clara e trans-
parente, acompanhada de urna pelle macia e avel-
ludada, acharo queUa extremamente mil, em
remover ebulicoes, espinlias, sardas, sapinlios, m-
culas, assim como todas as mais erupeoes exlernas
e dtseetoridos qu militare contra a pureza, trans-
pjrencia e flexibilidade da pelle. (Tenha-se a ne-
cessaria camella de se examinar e vr que os no-
mes de Uurray e Lanman se achera transcriptos
sob cada envoltorio, letreiro e at mesmo gravado
no vidro das proarias garrafas, e na falta dos.mes-
roos.'facll se tornaodescobnra falsidade das mais.)
Adiase a venda as pharmacias de Caors &
Barbosa' e J da C. Bravo & C.
de*rato. 113 de It de mrp de >3, teuho eon-,
jooadopara o dia a< o crreme, mez a renoiao
otoonseiaosderevisio eqnaliftcacao dos mar- aaoitACBis.
^^6Svn>i*m^",MS,rTniu d0 Vuertrand........-.............
aaaMa -Vanea, distnetos So baUlhao qae'Bemy......
MnrauBtio, os quaes funciona rio nes consistorios foeobaldo, conde de ussiere""
Mi igreas matrizes das referidas fregoezias; dan- Appiani, medico..
do principio a seas traharhos as 9 horas da ma- m medico... ....... .......
nniado Indicado da, que dorarao per espaco de fiuilherme.........
lo, nao interrompides. j Berlaagea..............
E paca constar a qaam possa intereisar maadei m eoferraairo..."..............
UiCr o pzeBeate, que ser aluzado aas iagan-s Sophia. caadeca de Bussier.".'.'.'
mais puncos do dtstnyo da tatalgao, e pobtlcado Mana Joanna.......
pela imprensa.
ra da guarda nacional do' mumeipij do Recife 6
de malo de 1865.Jos FnaCfKo Pires, teen te-
coronel coininandante.
4* A doada eon jairo.
5 O medicado desmascarado.
ACTOHES
Germano.
Bernardlno.
Lisboa.
Augusto.
Borges.
Telieira.
Santa Rosa,
lianhonsa.
D. Dorothea.
D. Isabel.
Gatharina...................... Jesuiua.
Camilla.
-os e dividas da taberna cima, qne foram
nei^ a Joaqoim Anl>Dio l.ooes Gome.",
aresiaoo^ '-ni podetn examinar a relacao dos
U prelfWi*^ >fn ,03,, ao mesmo Mai tins.
gneros e dividas <,_ ->^|j
A,.u .. >. taberna as II ho-
0 Wlao lera lagar na mesm.
ras do di. -----------
NO
C0M1E1CI0.
Sferttario, Julio Quimones.
As onze turas e meia da manha o Exra. Sr. ':>
firesidenie abri a sessao, estando reunidos os ae- Recife- SML** l.88?-/P/ll.
nhores desembargado res Res e Silva, Silva; ... f adure H06! J?e OUvetra Reg.
Guimaraes a AccToii. na ihnres aaamail. Jjlm. e Rvm._S_r. vtgano da Nazareth. O pa-
PRACA DO RECIFE.
C/^caj^a>cs ewpitte^.
11 de maio.
Na minha vida, ragas a Dos, nao | Algedo primeira serte ha facto, que possa servir de pasto viaganca de Algodo de Macei? l-2fl20 por arroba posto
algum inimigo, ou especalaco de peonas merce- bordo.
Cambio sobre Londres90 d/vista 35 e 23 Ii8
por i*uOO.
Dubourcq Jnior,
a e Accoli, e os senhores depulados i """'! 2^bto,IK'"' u" "alTem- -" Presidente,
llosa, Candido Alcoforado, Basto, MirandaLeal e "Ma""?''**tF!!** ^ a bora de seu di-
eupptente-Leal Res. "'^ reaa8r,a J' ,tvml?- fue- fmo d,*no *ari0
Lida, foi approvada a acta da sesio antece- da OTSSif S5? Perlenee P.VOa'
dente ^ do da Vicencia, seja servido de attestar se sabe, ou
O xm. Sr. presidente tendo recebido o offlcio *l*am d,a '"e cnstou, haver o supplicante estn-
de 9 do correte do escrivo Jos Marianno de Al- duto a "g 52f ""Ia S*2 v,ellla' ^ eoc'
buquerque parclpando ter fallecido sua mi mao- f% dna*o intento de levar prostituido a
dou no dia subsequente desanoia-lo. "'"'? 'w*a de,sa CMa- faet0 esse. 1ne 8e >cn*
Foi aposentado o offlcio de 10 do presente mez mencionado em urna correspondencia contra mlm
do Sr. deptitailo supplonte AnlonioJos de Castro,: PnWieailai no Diario de hoje, assignada por o mi-
common.cando nao poder funeclonar como jniz no m'fl, v!c,- Pede a v- .RvnV,: dererimento. E<-
iulgamento da causa para qne foi convidado por Per*ceber raereA Recife, 10 de maio de 186.
ser credor da massa fallida de Seve, Fllhos & C. ~ """"*Jose *OUvera R>go. .
Or. Antonio Luii dos Santos participou que por i .*,J^tita **?. nM me co?sta e ""J04 con19t?1 me
encom.nod;ido nao pode comparecer a presenta fa,:t0- Qne allega oisuppltcante, do qual foica-
sesso. mas qae o far na prxima vindoara. luminosamente argido pelo Diario de Pernambuco
Foi presentado ao Exra. Sr. presidente o offlcio h0Je; Pelo contrario o supplicante sempre foi
de hoje do escrito interino Parias Torres, scienli-' coosi*lerado n aquella povoacao, e gozou de gera
licando a S. hxc. que existe em seu poder a quan-
Guimaraes,
Secretario.
I
Novo banco t peruaiutiuco.
Os admimstridores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira pagara o 1 dividendo de dita massa
na razo de 9 0/0 sobre o valor des tilulos ad-
meltidos : no novo banco de Pernambuco ra
do Trapiche n. 34.
Brasil
Q a artel docommau?J do i balalho de infanta-; Margarida............... D.
'Carlota...............'.'..'.'.'.'.'.' D. Leopoldina
Convidados, eamponezes, soldados etc.
Terminara' o espectculo ;eom a? primeira re-
presentaco da espirituosa comedia em 1 acto
Urna chavena de cha.
PERSONAHBU9. ACTOHES.
Pela tfcesararia provincial se faz publico que1 tj bar9o ....','.'................. Auen^to'
mit"I!ll?s5od,.ubrado rep.ar(s d? mP8*-1 Duarte Tinoco...... .".".'..'./."V Bernardino.
mentido logar denom.nado=Araas do Giqaia-1 Gregorio, criado................. Prares.
ia estrada da Victoria, entre os marcos de tres a | Os burieles aeham-se desde j no lagar do eos-
DECUUCOES.
sympathia dos seus habitantes.
E' o quanto me compre dizer em abono da
verdade, e o afflrrao m fide paroehi.
Recife, 10 de maio de 1865.
t Padre Jrronymo Jos P. dAlbnquerque M.,
vicario collado da freguezia de Nazareth. >
(Eslava sellado.)
tia de ceuto e vinte md e duzentos rls de custas,
duviilas viuva do fallecido escrivo Martins Pe-
reira, e o mesmo Exm. Sr. manda inscrever o pre-
sente offlcio nesta acta para que a interessada ou
pessoa por ella aatorisada trate de receber dita
quantia.
Sendo apreseDtada ao tribunal pelo Sr. desem- i
bargador relator ama pelico de Jos Bapttsta da! Senhores redactores.Teoho Observado que a
Fonseca Junior, solicitando que mande tomar por1 parcialidade remaniscente i liga se azafama em
termo um protesto para salvar os seus direitos apresentar como principaes organisadores do cor-
contra a deciso proferida pelo tribunal e>n uraa >o de voluntarlos os Srs. D^injosos de Souza e
causa entre o sapllicaate e Jos Duarle das Naves: Joao Silveira de Souza! Ora, com effeito, islo ex-
O tribunal indeferio a pelicao. i traordinariol Os dous horneas mais impopulares,
Assignaram-se os accordos proferidos na ul- e odiados da provincia contribulado para o alista-
tim.i sessao as appellacpes entre partes : ment de Voluntarios da Parala! E' um insalto a'
Appellante, o l)r. Christovao Xavier Lopes; ap- dignidrfde desta trra, embura aoje em dia huui-
pellados, a viuva e herdeiros de Joo Ferreira des Ihada I
Sanios,
Appellante, Jos Domingues Maia ; appellados,
o- administradores fiscaes da massa fallida de Amo-
rim, Frigoso, Santos & C.
JULGAMENTOCs
Appellante, Henriqae Augusto Milet, tutor dos
orphaos fllhos de Slmao Pinto Ribeiro e Joaquim
Pedro do Reg Barros ; appellado, Gabriel Antonio
de Castro Quiotaes.
Adiado na sesso anterior.
Contina adiado.
Os Srs. Domingos de Souza e Silveira de Souz*
organisando corpos de Voluntarios I
Apre I
0 Zome.
Cal xa filial do baaco do
etn Pernambuco.
19 de abril de 1865.
Teodo-se desencaminado do espolio de Bernar-
do Jos Pinto a cntela de 43 acedes das localisa-
das nesta calza, sob ns. 1339 a 1281, a directora
faz publico a quem iateressar possa, qae por parte
de Antonio Jos Ramos de OHveira, do Rio de Ja-
neiro, autor dos herdeiros do dito Pinto, se vai
aqui proceder transferencia das referidasaceQes
para o n >me dos raesmos herdeiros.
O guarda-livros,
Ignacio Nuacs Correia.
Moto banco de Per na ni
h>oeo.
0 banco descontaletras na presente semana a
! 10 por cento ao anno at o prazo de quatro tue-
j zes, e a 12 0|0 at o de seis mezes, e toma dinhei-
ro ajaros a praso nunca menor detres uiezes*
Caixa filial do banco do Brasil em
Peruam lineo.
A directora desia carta saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Baha.
\ovobanco de Pernambneo.
O banco paga o t dividendo na razo de8#i
Senhores redactoirs.Acabe! de requerer a pre- i dor aeco.
sidencia vistorla, na obra do aterro da ra do Lima,' ____
: que arremate!. ALFANDEGa.
Nao quiz indicar peritos, ped a S. Exc. a no- Rendimentodo dia t a 11......
I meagio de engenheiros, que fossem examinara dem do dala...............
, referida obra, e djclarassem se eslava segundo o '
Appellante, o Dr. Felippe Nery Ullaco ; appel-; remenlo e perfil longitudinal elle annexo como
lado, Geraldo Hennques de Mira.
3)4:0tKS*S84
26:63*36l
330:6-J7945
Adiado as sessoes de 4*e 8 prxima pretrita.
Contina adiado.
Appellante, Joaquim Salvador Pessoa de Siqueira
/ivaicanie ; appellados, o presidente e directores
da caixa filial do banco do Brasil nesta cidade.
Adiado na sesso passada
Foi confirmada a senlenca appellada em parte e
em parte reformada.
Appellante, Joaquim Athanazio de Araujo Lima;
appellado, o tenente-coronel Amaro Jos Coelho.
Adiado na precedente sesso.
Coniina adiado.
Appellautes, Leite & Irmao ; appellados, os ad-
ministradores da massa lallida de Seve, rilhos
& C.
Foi confirmada a sentenca appellada.
Appellante Simplicio Tavares de Mello, appel-
lado o comraendador Antonio Francisco Pereira.
Foi julgada a desistencia por accordo.
Appellautes, Guimaraes & Alcoforado appella-
d., Maoofl Moreira da Costa Passos e Candida
Moreira da Costa.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Siqueira & Pereira ; appellados, os admi-
nistradores da massa fallida de Guimaraes &
Irmao.
Adion-se o jalgamento a requeriinento de ura
dos senhores deputados.
PASSAOENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Accioli :
Appellante, Manoel Antonio de Azevedo ; appel-
lado, Jos Antonio Alves Neivas.
Appellantes, Sampaio, Silva A C. e outros ; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Manoel de Azevedo Pontes e ontros.
Appellante, Francisco Antonio Puntual; appel-
lado, Antonio Gomes da Cunha e Silva.
MOV MENT DA ALPADEGA.
Volumes entrados com fazeudas.... 1*4
com gneros..... 47
Volumes sahidos com fazendas..... 1' 0
com gneros..... 1.512
-------171
-----Ifi
planta.
Com o resultado do exame, espero convencer
ao Sr. Feitosa Filbo, qae se o aterro da ra do Li-
ma, nao e.-t de conformidade com o orcamento e
planta da repartico das obras publicas, da qual
chefe interino, est segando o orcamento da tne-
.-ouraria, e perfil longitudinal, que recebi na oeea-
sie da arrematacao, e por tanto nos termos de ser
acceito, porque com ella foi que contrate! pelas I Descarregam no dia 13 do correte,
direcyoes do orcamento e clausulas especiaes. Galera francezaAdelemercadorlas.
Pode ser que a obra nao esteja como talvez \ Barca ingleza -Ronald -mercaduras,
devera estar; neste caso a culpa nao minha, ; Barca ingleza-0/ndiidem.
de quem nao comprehendeu como ella deveria ser,! Brigue francez -Amabile vinhos.
de quem alias tlnha o dever de levantar a ptanta Brigue hollandezAi/uanos-farinha de trigo,
segundo os preceitos da arle e conveniencias Rrioe tnglezParklidr -diversos gneros de es
publicas. j 4^
Mas a questo nao essa, nao se trata aqu de Barca inglezaAnn A'-iudiversos gneros.
investigar se o Sr. Feitosa Filho, sabe eu nao sabe, mgre portugoezSol-dem,
engenhana, trata-se smente de conhecer, se o que Barca portu^uezaS. Joaocharque,
eu fiz, fui o que contratou comigo a thesouraria. ; K^una hanoveriana Jezma -idem.
Nao me passoudesapercebida a caprichosa oppo- Sumaca hespanhola-itf/yiifadem,
sico que em suas informacCes fez me elle, quando Brigue nacional -Cardia -idem.
foi onvido acerca das duas prorogacSes de prazo, Barca ingleza-Commodore-carvo.
que ped aoSr. presidente, sendo que antes de linda, Barca inglezaRelie Ponteidem.
a primeira exigi logo o encampamento da obra, e | Brigue inglezIzabellu-iem.
que eu fosse multado na conformidadeno sei de Barca inglezaEleonor -idem.
que artigo de regulamento quando nao bavia razaoJBrigue lnglez-Bysonl/-uaidem.
para sso. Barca ooruegaense Tusinania dem
Hoje, porm, estoa convencido, que essa opposi- RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
cao nnha por fim passar a obra a aer feta por i BAES DE PERNAMBUCO.
admlmstrasao para nao se conhecer das alleragSes Renainleolo do dia 1 a 11...... 10:564*099
qaatro mil bracas, foi transferida para o (Ha 18 do! inmp
corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernara
boeo 5 de maio de 1866.O secretario,
A. P. d'AMMMeieeo.
Pelo juiz de orpbaos desea cidade vai em
praca na sala das audiencias nos das Iz. 16 e 19
do corrente (escrivo Brito) o escravo Anlanio, de
idade de 49 annos, pedreiio, pelo seu estado de
embriaguez e pouc servigo prestar, avahado em
SOO*, a reqner i ment do inventa ra ole Joo do
Prado Martins Ribeiro Junior,do?bens que ncaram
por falleeimeoto de sea av6 Laiz de Franca da
Cruz Ferreira, achando-se o escriplo em no do
porteiro.
!*abbado, 13 do correte, vo praca, peran-
te o Dr. juiz municipal da 2a vara, diversas casas j
e sitio, na Casa Porte, penhoradas Ruzendo Aires I
da Silva por execugao do coronel Jos Antonio
Lopes. E a ultima praga.
i:oi icio feral
Pela admiuistraco do curreio desta cidade se faz
publico qne, em viriude-da ronvencac' postal cele-
brada petes (ovemos brasileire e francez, sero
expedidas malas para a Europa pelo
Paran. As carias ero receidas at 3 horas
antes da que for marcada para a sabida do vapor;
e os jornaes at 4 horas antes.
Administrago do correio da Pernambuco 10 de
1 maio de 1865.O administrado11,
Domingos dos Passos Miranda.
O conselho de compras do arsenal de guerra
; precisa comprar o segrate:
Para provimento do arsenal.
i 20 arrobas de cobre veliio.
25 chapas de lato de I i a 16 libras.
Nao tendo-se effectuado a compra da madeira
: annunciada para o dia 8 do corrente, de novo se
j convida as pessoas que quizerem vender este e
' aquelles artigos a comparecerem na sala das ses-i
soes do conselho, as II horas da manha do da 13
do crrante cem as suas respectivas prepostas.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar-
senal de guerra 11 de maio de 1865. O encar-
regado da escripptorago,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Arsenal de perra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa de comprar fardameoto feito, a saber :
1,500 frdelas de brim branco, 1,500 camisas de
algodozinho.
As pessoas qne qalzerem contratar todo esse
fardamento ou parle dalle, apresen'em sitas pro-
postas no dia 19 do corrente mez, as 11 horas do
da ; devendo dous dias antes receberem no mes-
mo arsenal as respectivas medidas, as amostras
des fazendas do que o fardamento deve aer feito, e
a tabella do cusi.
Antenal de guerra.
O 8r. tenehle coronel, director do mesmo, man-
da fazer publico que no di 16 do corrente mez, as
11.horas da manha, aasebe propostas para o fa-
brico de 100 frdelas de brim, 100 caigas de brim,
11,00 camisas de algolozmho e 113 calcas de
panno azul : fornecendo o arsenal a materia pri-
ma j corlada.
Os proponentes apresentarao nesta repartigao,
ne ves pe a da rrematago, as habilitaeoes do
^tosame.
Directora do ar.-enal de guerra de Pernambuco
13 e maio de 1865
O escripturario,
Jos Alfredo de Carvalho.
Principiar as 6 horas.
-
AfBOI MHmiM.
Compaavhla das easagerles i m-
pe rales.
At o dia 14 do
corrente mez.es-
pera-se da Euro-
pa os vapores
francezes Carmel
sahindo de Bor-
dean x, e Phise
sahirtdo de Mar-
cedle, os quaes
depois da demora do costume segutro para Babia
e Rio de Janeiro.
Os passagelros dd Pernambuco para os portos
da Europa que ^queiram segurar as suas passa-
gens a bordo dos paquetes desta companhia nos
raezes de maior affluencia, tem a faculdade de os
vaP| ieg_lez | tomar no dia que os vapores seguem para o sul,
pagando porm como se fosse do Rio de Janeiro.
Para condicg5es, fretes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
COMPAHA PERNAMBUCANA
DS
WavegacSo costclra por vapor.
Maeri e escalas, Penede e Ararajn'.
0 vapor Persmunga, segne no
dia 19 do corrente as 5 horas d
teiv semanat
GRANDE ARMAZEM DE LEILE?
DO AGENTE
OLYMPIO
36-Rna da Cadela do Ueelfe--3(i
____Haver* leiWeg tedas as seminas
Leia.0 de enf.
OLYMPIO
porordoa de A. Jarkten, eaptiau do i>ngue en-
cana hambnrgoaz Hambnrg Packet, com anto-
risaeao do lllm. Sr. inspewr da alfandeta e era
presenga do lllm Sr ioo-iH interino de Hambor-
go, vemtera em leilav publico por cuou r-aco de
quera jerieocer 42 sa recente viagem do mencionado navio de Santo*
para Hamburgo. Ter Ivgar o leilo targa-eira
16 do corrente, no armazem do Exm. baro do Li-
vrarneutu, no caes do Apollo.
Lei'o de inovfis, rotpa e 10 bar/ is
eon oleo de liuhatM.
Quinta-reira 18 do rorrete.
A requenmento de Francisco Aires Monteiro J-
nior lestamenteiro inventariant.- do* bens do fina-
do Joaquim da Silva Lopes e por despacho do
Rim. Sr. Dr. sopplente do juiz municipal, o agente
Pestaa far leilao de diversos ubj e roupa de usa do tinado, as:im como de 10 barns
com linhaga as 10 horas do dia quinta-feira 18 do
corrente na travessa da Madre de Dos a 8 e o
oleo no armazem da ra do Vigariu n. 31, ao mcio
dia.
Leilao de vinlios da
eouheciilas norc
Figtieiri
ils Bem
iliitivo sem
reser*a.
Tergafeira 16 do corrente.
O agente Pestaa fara le.lo por cunta e risco de
quem pertencer e sera reserva de prego de upa-*
com vmho da Figueira das acreditadas marca.*
JAA, ARP, N, AAST, ASMG, diamante R, chegado*
ltimamente pelos navios Mara da Gloria Henn-
m que, Julio e Laia 11,-walote-. a reatada dos com-
tarde. Recebe carga at o dia i Pradf"'es terga-feira 16 do correte pelas 12 bo-
da as 2 horas
mero 1.
16 ; encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at o dia da sahi-
escriptorio no Forte do Mattos nu
Rio de Janeiro
Segu breve para aquelle porlo a barca brasllei-
ra Henrtqurts por ter melade do carregamento
prompto : para o resto trata-se com os consignata-
rios Marques, Barros S C, largo do Corp. Santo
n. 6, segundo andar.
Para o Porto
Segne com brevidade para aquelle porto a barca
portugneza Amanda, de 1" classe, por ter dous
lergos do carregamento prompto : para o resto e
passageiros, para os qaaes tem excellentes com-
medos, trata-se ou com ocapito Antouio Francis-
co da Silva Nunes, ou com os consigoatanos Mar-
ques, Barros & C, largo do Corpo Santo n. 6, se-
gundo andar. _t__________
COMPANHIA PERNAMBUCA^A
DE
Vaveg*cao costeira por vapor.
Pataliyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear e
Acarac.
O vapor Jagnaribe, comman-
as da manha na porta da alfandega.
AVISO. DIVEHSOS.
"'-.
LOTERA
AOS 6:000^000.
Sabbarlo 20 do corrente mez, se extrahi-
r pelo novo plano abaixo publicado a 3a
parte da 4a lotera (10*) a beneficio do
tbeatro de Santa Isabel, uo consistorio da
igreja de Nossa Senltora do Rosario da fre-
guezia de Santo Antonio.
Os bilhetes.meiose quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. 15.
Os premios de 6:000,5000 at 10,5000
serao pagos unta hora depois da extracto
at ns 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuifaodas listas.
As encetnmendas s rao guardadas se-
dante Lobato, segu pira o norte mente at a noite da vespera da extraccSo
no di-a 22 do corrente, as 5 ho-
ras da tarde. Recebe carga al
o da 20 ; encommendas, passa-
geiros e dinheiro a frete at o du da sabida as 2
horas: escriptorio no Porte do Mattos n. 1.
Tribunal do commercio
do orcamento da sua repartigao, e da nao existen-1 fdemdo dia 12
ca da planta.
O Sr. Feitosa, pretenda furar-m os olhos, antes
delle perder os seus.
Que as prorogaedes foram de justica, basta atten-
der para a circumslancia imprevista das grandes I Rendimentodo dTa 1 a 1
; enchenles de fevereiro, que levararam grande par- fettsm do dia 12
le do aterro, e para a nao menos imprevista de nao
CONSULADO PROVINCIAL.
Appellante, Joao Flix de Mello; appellado,I t*MmlXmto 7rgame"o Kradee^cor"
Francsco de Barros Velloso da Silveira. i do com a numerago dos palmos annotados ne
Appellante, Manoel del guila por seu bastante! perr|| |on8tUdinal
Neste ha urna extencao de 2,054 palmos, e
procurador ; appellados, Aranaga, Hijo & C
Bo Sr. deserabargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res e Silva:
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado,
Luiz Jos da Silva Guimaraes.
Appellante, Joo Joaqutra da Costa Leite como i menl0 (substiiado por caliga) e de 531, 10-b. q.
administrador de sua mulber; appellado, Manoel no entant0 eI|e monla a 6, i0_.b *
naquelle foram apenas consignadas, para o aterro
respectivo, 133,199b. o, quando a extengio leva
maior quanlidade de aterro, porque leva 138
030-b. el
Ainda no orcamento se nota que o embarrea-
MOYIMEjTTO bo meto
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data foi ins-
cripta no respectivo livro de matricula a (Irma so
cial de Keller & fl, que se coreaue des Srs. Joo
Keller Lamben, Joo Jacob Loppacher, Theodoro
Fres, Ulrlck Keller e Frederico Augusto Wigelin,
Suissos, eslabelecidos nesla cidade sob aquella fir-
ma, com casa de commercio de grosso trato.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 9 de maio de 186-1
Julio Guimaraes
Offlcialmaior.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
tarac em praga nos dias 13, 15 e 17 do carrete
para seren arrematados por quem por menos fher
os coocertos das pontes denominadas do Rosarinho
e do Maduro, os de-la oreadas em "7$0O0, e os
daquella em :7.">5 : aquelles que preteud>-rem ar-
rematar ditos concert.-, podera comparecer nos
mencionados das no paco da mesma cmara onde
acharo os orcamento- para consultar.
Pago da cmara municipal do Recife 10 d maio
de 1863.
Luiz Jos Pereira Simoes,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boa-Viagem,
Secretario.
Pela thosouraria provincial se faz publico,
70O313 que a arrematacao da pintura da ponte pensil do
----------------Casanga', foi transferida para o dia 24 do cor-
11:2645412, rente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernara-
buco, 12 de maio de 1865.
O secretario,
A. F. da Aunuaciago.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematacao dos reparos da ponte do Rio
Formeso, foi transferida para o dia 24 do cor-
rente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
j buco, 12 de maio de 1863.
0 secretario,
Antonio Ferreira da Annunciacao.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
, que a arremalago dos reparos da ponte de Bujary,
GE-
32:6024661
3:277*467
35:880*128
Para o Rio de Jaueiro.
Pretende seguir com rauita brevidade a barca
Rio de Janeiro, tendo parte do seu carregamento
engajado: para o resto que Ihe falta e escravo.- a
fretes, para os quaes tem excellentes commodos
rata-se com o seu consignatario Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo, no seu escriptorie na ra da
Cruz n. 1.
Navios entrados no dia 12.
Rio de Janeiro e Bahia -8 dias, vapor inglez Hers-
hell, de 1237 toneladas, capito MeJ I letn, equi-
pagem 46, earga diferentes gneros; a Saunders f "transferida pVra o"dtVH do corrente"
COMANU k PEUNAMBUCANA
DE
\'avea;ac5o costeira por vapor.
Fernando de Noronba.
O vapor tParahiba, comman-
danie Martins, settue para Fer-
nando no da 13 do corrente ao
meio dia. Recebe carga e passa-
geiros at o dia 12, s 4 horas da
tarde e nao ser permiltido a pessoa alguma o
embarque de qnaesquer volnmes de carga no dia
da saluda : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
Para Hio le Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote Piedade, tem parte do sea carregamento a
bordo, para o resto que Ihe falta e escravos a fre
te para os quaes tem excellentes commodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
COMFAffH~BUSILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Das portos do sal esperado
at o dia 16 do corrente o vapor
Tocantins, comraandante o pr-
meiro tenente Pedro Hyppolilo
Duarte, o qual depois da demora
do costume scgmr pora os o< rtos do norte.
Desde ja recebem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qnal dever
s>r embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das u dinheiro a frele at o dia di sahida as 2 ho-
ras da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, escripto-
ri> de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
como de costume.
PLANO
Para
as partes
DE
**
de Souza Pereira.
DISTRIBUIQOBS.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Appellantes, A. Schafter di C ; appellados, An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo dt C.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes :
Appellantes, os administradores da massa fallida
le Seve, Filhos s C.; appellado, Francisco Xavier
de Oliveira.
AGGBAVOS INTERPOSTOS DO JL'IZ'i ESPECIAL
DO COM.MEKC10.
A ..-gravante, Antonio Mara Ramos; aggravado,
Manoel Antonio de Azevedo.
O Exra. Sr. presidente jurou suspeigo e foram
os autos apreseotados ao Sr. desembargador Res
e Silva.
A i gravante, Joao de Siqueira Ferro ; aggrava-
do, Luiz Gonzaga dos Santos.
Agravante, Bernardo Antonio de Meadonga Cas-
telio Branco ; aggravados, Manoel Joaquim Ramos
e Silva 4 Genroa.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais havendo a tratar-se o Exm. Sr. pre
-dente eacerrou e eeesio a tuna hora e meia da
tarde.
Sao minudenctas para o Sr. Feitosa, nao duvido,
mas para o empreiteiro um prejuizo de dinheiro e
lempo, o qual nao poda doixar de ser attendido
pelo digno magistrado, qae governa esta pro-
vincia.
Brothers & C.
Rio Grande do Sal18 dias, escuna nacional For-
mosi, de 164 toneladas, capito Antonio Frao
cisco de Scnza, eqnipagem 8, carga 8,509 arro-
bas de carne secca; a Amorim Irmao.
Navios sahidos no mesmo da.
A m f do Sr. Feitosa era se op,6r as proroga- Barcelona.Sumaca hespaohola Ardilla, capito
ges requeridas, os erros de conlabilidade que se
nolam no orcamento e perfil, a falta de engeoheiro
fiscal, a alterago no orcamento e falta de planta,
sao circunstancias que se prejndicara ao Sr. Fei-
tosa as suas liabilltagoes de eogenheiro, nao me
prejudicam a mim, que Uz o qae a thesouraria rae
mandou fazer.
E, pois, caa por sobre elle a re.-ponsabilidade dos
seas erros, em quanto espero que a vistorla por
mim requerida venha dar Torea e justiga de minha
cansa perante o governo, que nao est em seu
carcter condemnar a ningnem por fallas
alheias.
Andr de Abreu Porto.
Joan Ferrer, carga algodo.
Liverpool e portos intermedios.Vapor inglez Hers-
hell, capito Meddletao.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
] buco, t2 de maio de 1865.
O secretario,
A. F. da Annunciagao.
Til El TRO
DE
pprovado pelo Exm. Sr. presi'eole.
3000 bilhetes a 6*000.............18:000500o
Beneficio, sello e commissao 24 0(0.. 4:320*000
Lhuiido.....13:6804O0
1 Pr.raio de........ 6:000fi00O
I Dito de../....... 1:2005000
1 Dito de.. 400*000
4 Ditos de 100,5000 400*000
8 Ditos de 40*000 3-O*000
15 Ditos de 20500(1 300*000
35 Ditos de 10*000 330*000
783 Ditos de 6*000 4 7104000
-------------13:680*000
850 Premios. v
2150 Brancos.
3000 Bilhetes.
N. B. Os premios raaiores de 400*000 es'o su-
seitos ao descont da le provincial, e os maiores
de 1:000*000 ao da lei gcral.
Thesouraria das loteras 9 de maio de 1865.
O tbesoureiro,
_______Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Jos Fernaades Machado, cidado brasileiro,
vai a Europa tratar de sua saude.____________
Sliguel da FunseC, subdito portuguez, reti-
ra-se para Europa.
Aluga-se um pequeo arnazem na ra da
Paz, proprio para qualquer estabelecimento em
ponto pequeo : a tratar no pateo de S. Pedro lu-
mero 4.
Peler Burn-
Inglaterra.
subdito inglez, retiras^ para
Para Lisboa
Sociedade ^i'vhant'ua.
De ordem do lllm. Sr. Dr. presidente, .cientfico
a os Srs. ocios que foi marcado o da 20 para a
partida do corrente mez ; e, outro Pina, que na
forma do at. 29 dos estatutos, devem procurar
os seus bilhetes de entrada at 19 em mao do Sr.
thesoureiro, a qnem apreseniaro gualmt ule al
Segu para al. eora a possivel brevidade o lo- 18 as suas prontas d, convite, afira de obser
greportuguez Julto, para o que se acha com a var.se ds^' *0 no 4 do m t1 dos mtmoi
maior parte da carga engajada : para o restante e: estlolos. ^ ree#beH4e maia-doBai m** dia o
passageiros, trata-se com n consignatario T. de
Aquino Fonseca, na ra do Vigario n. 19, primei-
ro andar, oa com o capito o Sr. Francisco Anto-
nio Melrelies. _____________________^____
COMPAHA B1ASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera
Ao Coa.stilueloaal.
A multo cu-to appareceu um enviado expresso
Joaquim Jos Silveira, offlcial da imperial ordena
da Eosa, tenente-coronel commandante do 1 ba-
lalho de artilheriada guarda nacional do mu-
nicipio do Recife por S. M. o Imperador a quem
Dos guarde etc.
Fago saber a quem iateressar possa que em vir-
iude da lei tenho convocado para o dia 21 de cor-
rente mex o conselho de quallficago da parocha
de S. Fre Pedro Gongalves, afim de se proceder a
COHSSP0NBNCIAS
seai
que
Se. Redactores. Victima dos doesloa os mais
aviiunuta, das injurias as m*n attozes, publicadas
iiH.-te jornal em 27 de margo ultimo por um indi-
vhtuo, que, dexpeltaoo comhjo, constltato-se ins-
trinn.'iiio da maquinago, que alguns poneos desaf-
ffic ...'los meus fin Tirababa tramam com o Ora
Je Hit verem d-'alli para fra, silanciow ae.Unho' recaso nm passo na arte de asaobiar cedo a filma
con-er vado at ti)4 aetananraaia, ef uardando-me ao modesto enriado.
pe* {lpois de concluido o processo ecciesiaalieo, | Pelo sora to dogmtico, e ridicula presumpeo
qiif contra mim intentaram perante o muito digno ] com que aprecia os meus artigos est conne-
e respeitavel Sr. vigario capitular), exhibir os hon-, cido.
de_Cowfi/ticiona/. Foi jogo aggredindo sanha o revisao da mesma quallficago, cujos irabalhos du-'
rara por 115 dias consecutivos, funeciouando o dito
eonselho no consistorio da respectiva matriz.
E para constar mandai sera publicada pela im^rensa e afxado na posta ,
da referida igreja.
Quartel docommandodo 1- baialbo de artilha-
ria da guarda nacional do municipio do Recife 11
de maio de 1865.
Joaqoim Jos Silveira.
Tenente coronel commandante.
Jos Francisco Pires, offlcial da imperial oroVm da
Rosa, tenente-coronel e commandanre do 4 ha
tal bao de infanuria da guarda eac.onal do mu-
nicipio do Reuife por S. M I. etc.
Fago saber que, em virtude dd ordem superiur,
e de conformidade cora o que dispSe e art/9' do'
furor o pcs&eal, balando mao a seus nssabios
faltare nenlrara de seus predicados.
Nao me demoraran do proposito em
estou. Nao me altero.
Est sabido quem o aotor dos artajis, que nao
merecerara a aprovago do Constitucional; o ha-
chare) Loarengo Bezerra Carneiro da Cunha, mais
conhecido pelo seu apelido de familia, o Lau-
ta. Nunca fez alarde do saus escriptos, a nem
mysterio.
Estou a descoberto; no campo da discusso, nao
EMPREZA--COIMBRA
Sabbado 13 de maio de 1865.
.i*.1 recita da aaalgnatara.
ESTRA DOS ARTISTAS D. IsAHKI. M.UtlA CANDIDA,
D. DonoTHa Mama Candida, Augusto Crsar
de Mbndo.vca e Bkrvaiidi.-o Fkiireira Cordobs,
i l-timamentk contratados no rlo de janeiro e
CHKGADOS NO 1'ilOXIMO ;>A#SD:> VAPOR.
Depois da ouveftura do eostnoii pela orchestra,
snhira" a scena o drama eta 5 ajftos e 6 quadros
original.francea-d'' Jim- Ueou/ry e-Mallian, t
do at o dia 26 do eorrente o va- segunJo andar.
conselho director proposta alguna.
Secretaria da sociedade recreaiva Corvbantina
9 de maio de 1865.
O 1 scre*aro,
____________Faustino Jos da Fonseca.
Chnstiano Jo>c Tavares, sua .-enhora |e fi-
lhos retiram-se para Portugal.
Precisa se de nina ama que cosinhe parTca
sa de poucc familia : na ru i do Queiuiadu n. 17,
por Cruzeiro do Su, comman-
dante Alcoforado, o qnal depois
da demora do costume seguir
para os portos do sul.
Desde j recebemse passageiros c engaja-se a
carga qne o vapor poder conduzir, a qual rtever
ser embarcada no dia de sna chegada. encom-
mendas e dinheiro a frete at o da da sabida as
2 horas : agencia ra da Crux n. 1, escriptorio de
Antogio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
Kio de Janeiro.
O pancho Polycenn, capito Francisco Jos Pra
dolido pelo art'sla Germano Francisco de Oi'vera. ites se8ue com tUUa'hrovldade : pa.ra a pouca
Precisa-se
de urna pessoa, que traduza correctamente
a ngua ingleza, com facilidade e prompti
do ; a deixar carta com seu nome e mora-
da e com um specimen, na livraria ns. 6 c
8 da praca da Independencia, em carta fe-
chada com a inicial Z.
Joao Martins d-' carros manda para Ingla-
terra sen filbo Joo Martiii de Barros Jnior, me-
nor de 13 anno?.
Precisa-sede pin acuitador a indaria di
MURA JOftlTOfl, MULHER g^"^-""^<^m^
DO POVO ~---------------
OU
A WBKE l\l.
DBXOMUiACO DOS ACTO.-.
! Os dous casamentos.
2* O rouboeo engeilad.
3 Ella esU' louca'.
LEILEI.
18001 a
theca em alguma casa dirija-se
39, sobrado de um andar, das ',
manha e das 2 as o da tan)-'.
piru* cun liyp
a ra Direita .
as 10 horas da
"--------------I Precisase de ama ama para comprar e w-
LeHo ea araacaa, ^.aeras e divWc-s ^S^SmVMm : "9 bacc0 AoL,bat0 n"3'
da taberna aa ruada piras 1.
Martins far leilao a requerimento de Antonio
Jos Pereira Bastos e por mandado do Uta. Sr.
Dr. juiz especial do commercio, da. armacao, ge-
CLUB PERNAMBUCANH.
Domingo 44 do corrente (se o
permitt) liaver reuni*odc familias.
lempo o
r,
ILEGVELl
r


Diario 4
*t*h*Am U4|Jlftft 4e MI*.
Ama
Precisa-se de ama ama para casa de pouca fa-
milia : a tratar na praca do Corpo Santo n. 17,
terceiro andar.
___________________________________,________^___________________________________________i
Na fabrica de calcados da ribeira de S. Jos
_______n. ib, precisa-se de artistas de sapatana.
AGAZETA
Do Norte.
Sabio hoje o n. 5 e est a venda na livraria
acadmica, roa do Imperador n. 79.
Precisase sempre de vendedores para a mesraa
e melhor a eninos. Paga-se 20 o|0_________'
O abaixo assignado declara que nao
foi tarabem pelo seu carlorio que se forne-
ceu a copia de que trata o olicial maior da I
secretaria do meritssimo tribunal do com-
mercio, em sua declararlo de hoje inserta
no Diario de Pernambuco; e por isso v
a quem toca. Recife 12 de mato de 1865.
Manoel Mara R. do Nascimento.
SO Dr. Francisco Pires Ha*
chado Portella
ilcdico eperador
PELA
FACULDADE DE PARS,
regresando a esta provincia acha-se
prompto para o exercicio de sua profls-
so, quer cesta cidade, quer fora delta,
especialmente em molestias de olbos (ca-
taractas etc.) das vas urinarias (estreita-
mento de urethra etc ) e de pelle, para
cujo curativo se julga habilitado, atienta
a pratlca que leve nos hospitaes de Pa-
rs, e os modernos instrumentos que pos-
sue.
Pode ser procurado a quarquer hora
na casa de sua residencia no patee do
Carmo n. 2, esquina da ra de lionas.
Estaude contratada cora o Sr. Fraoveiino de
Souza Barros a venda da casa a. ib da ra de Ma-
thias Ferreira na'cidade de linda, que foi do fal-
lecido Dr. Manoel Fllippe da Fonseca, e ignoran-
do-se se os chaos sao proprios ou foreiros, faz-se o
presente aonuncio para que quem se Julgar com
direito aprsente dentro de 8 das, contados des-
te, os seus ttulos a Antonio Nobre de Almeida, na
ra Augusta n. 5'9. Recife 4 de maio de 186o.
Na praca da Independencia n. 33, precisa-se
de orna ama para compran, cosinhar e fazer todo
o mais servico de casa de pouca familia.
1
Irmandade do Divino Espirito SantoJ
Para cumprir o disposto no art. 83 do compro-
misso convocado o conselho fiscal desta irman-
dade para domingo 11 do crreme, as10 horas da
manhaa, no respectivo consistorio.
10 de maio de 186o.
Antonio Ramos,
Procurador geral.
GASA DA FORTOJU
Aos 6:000$000.
Feltor.
Precisa-se de um para um sitio pequeo perto
da cidade, sendo pessoa capaz e dando boas infor
macoes, d-se casa propria : a quem convier diri-
ja se a ra Nova n. 19, primeiro andar.
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
caitas filiaes : na praca da Independencia n. 22
Quem precisar de 200$ por hypotheca sobre
um escravo annuncie per esta folha para ser pro-
curado. _____.
U&&
Precisa-se de utna ama para lavar eengommar:
na ra doTrapiche, sobrado n. 30, segundo andar.
A luyase
Bilhetes garantidos.
A' ba do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado vendeu aos seus muilo feli-
Pernambuco zes Dilneles garantidos da lotera que se acaben
de extrahir a beneGcio da Santa Casa da Miseri-
cordia, os segulntes premios :
O bilhete inteiro n. 2236 com a sortede 1:4000.
O bilhete inteiro n. 1641 com a sorte de 5000.
E outras rauitas sortes de 1000, 400,200 e
IOjJOOO.
Ospossudores podem virreceber seus respec-
ivospremiossem os descontosdas leis na Casa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da 1* lotera
(!M beneficio da matriz do Bonito, que se ex-
trahir a 13 do frrente.
PRECO.
Bilhetes.....70000
Meios......30500
Quartos.....10900
Para as pessoas que comprarem de 1000000
para cima.'
Bilhetes.....60500
Meios......30250
Quartos.....10700
Manoel Mahti.n- Fiuza.
um sitio na campia da Casa Forte, com duas ca
Santo Antonio.
Estando prximo o festejo do glorioso Santo An-
tonio previne-se ao respeitavel publico que est a
venda a trezena do mesmo glorioso santo, muito
bem confeccionado, Impressao ntida e broxada :
na ra do Imperador n. 15 defronte do convento
deS. Francisco.
Oconselheiro Jos Rento da Cunha Figuei-
redo e o baeharel Jos Bento da Cunha Figueiredo
Jnior mndaram o seu escriptorio de advocada
para o sobrado da ruado Crespo n. 1, esquina do
Passeio.
O Sr. Jos Soares Pinto Correa, tero
urna carta na praca da Independencia livra-
ria n. 6 e 8.
A 500 rs. a cuia de fe jao mulatinho.
A 500 rs. a cuia de feijo mulatinho.
A 200 rs. a cuia do bom milho.
A 200 rs, a cuia de bom milho.
Cheguem depressa a esta pechincha at que se acaba o qual se uende por este pre-
co pela proh bico que ha as ribeiras.
Solicitador.
O solicitador Pedro Alexandrino da Cosa Ma-
chado transfeno sua residencia da ra Imperial n.
36 para a ra do Rangel n. 38, primeiro andar,
onde pode ser prociwade para os miste res de sua
proflssio, qur no foro desta cidade, qur nos do
Cabo, Ipojuca e Escada, para onde se encarrega de
cobrancas.
Saceos grandes de milho novo a 4#.
Dito dito de feijo mulatinho a 90.
Ra dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
Aluga-se urna escrava moca para o servigo
sas, urna a em que morou o fallecido Thomaz de interne e mesmo para comprar na ra : na ra
Aquino Fonseca Jnior, feita a moderna, e conten-
do todas as ar-commodacoes precisas, e outra cora
bois commodidades para qualquer familia : na
ra do Vigaro n. 19, primeiro andar.
O abaixo assignado declara que nesta data
fora dissolvida a sociedade que existia entre elle,
Alfredo de Albuquerque Martins Pereira e Frede-
nco Augusto Vellozo da Silveira, na prensa de al-
godao sita no Forte do Mallos, e que gyrava de-
liaixo da firma social Alfredo de Albuquerque
Martins Pereira & C, tirando como tal exonerados
os dous socios cima mencionados da resprnsabi-
iidade do activo e passivo da mesma sociedade, e
o mesmo abaixo assignado o nico responsavel
por dito activo e passivo.
Jos Teixeira da Costa.
da Imperatriz n. 51, segundo andar.
asuanas ai
Precisa-se de urna ama livre on captiva fij
S para todo servico de urna casa de peque- 5
JM familia, menos o servico de cosinha : na |
fgt ra do Itangel o. 25, segundo andar.
Companhia fldelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Crui n. 1.
GRANDE ARMAZEM DA EXPSITO DE LONDRES
DE
THOMAZ TEIXEIRA BASTOS
N. 60-Rua da Cadeia do Becie-N. 60
Todos os arfigos abaixo mencionados, foram comprados recentemente pelo dono do estabele-
cimento as prmeipaes fabricas de Pars, Londres, Birmingham, Manchester, e era diversas cidades
aa Alemania, e tendo comprado tudo as melhores condicoes por ser a dinheiro, por isso vende todo
e quaiquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inteiramente liqui-
dar e ter de partir muito breve para a Europa.
11 KQm 1,a.nesle vast0 armazem ricos objectos cora brillantes, como botoes, anneis, rosetas etc., e
a,7 J"fliK A01 a ,deSta ldde.Jos Pa DJel' i55?' d'*ersas obras de ouro, como trancelins, correntoes, oculos. face-mains, anneis, e muitos
1. ui'n!*2 A1n.,onliodaCfa e de. 0flu'ros"t'os,relogiosdeouro,inglezes, do afamado fabricante Bennette ; completo sortimento de fa-
u JE ? .,' -fal. 6 PW' 're8uezia d0 "daS fiDas e m miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e
^"*d"1ie'VSJcaBaHde,'r?d-S' aT""' tSuSi T?rL,T'cPIVR'Lobin' L BS, Ed. Plnaud & Meyer, Delettrez (Parfuerie du
^.f.Ir'"'e,des.ejand0'se dar "0ic,a,f d.elee rndegan^Vlole,'^cielHyKen.que,MoBpelasMailly,Regnier, P. Gueland, e inglezas de Eug.
f,'SDl "a",?6 aold,to5r Dan,elou ?:'mmel e TS -; r,casalaniarias em roarfim, ma de perola,etc., abricadas na China e no Japao*;
nnqr f ? n P qUe "' ?oubftr'1.de as Pe,*s de "uM fino como ainda nao appareceram nesta cidade, e Lem a.-sim modernos lustres
s
Um menino portuguez com 12 annos de ida-
de e que d fiador a contento a sua c nducta,
deseja arrumar se em urna loja de fazendas em-
bor sirva de graca o tempo que se convenci
nar : na travessa da Madre de Lieos n. 57.
O baeharel
Francisco Augusto da Costa
ADVOCADO
Ra do Imperador numero 69.
Alugam -se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e acelados,
com jardiro, cocheira, estribara e outras commo-
didades, n travessa de Jlo Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Ao Sr. da ra do Bartho-
lomeu.
O abaixo assignado tendo sido por diversas ve-
zes chamado ra do Barlhoiomeu, e insciente do
metivo de taes chamados, roga ao autor do ses-
mos o obsequio de declarar por este jornal qual a
razao que o induz a fazer semelhantes annuaeios:
na certeza de que a nao declara la, nenauraa at-
tencao prestara aos seus chamados.
Jos Feliciano Machado.
Octaviano de Souza Franca possuido de
acerba dor pelo passamento do seu muito
amado e presado irmo Luiz Carlos de Sou-
za Franca, fallecido em Niclheroy provincia
do Rio de Janeiro, rega aos seus amigos o
caridoso obsequfo de assistirem a urna mis-
sa que em suffragio de sua alma manda ce-
lebrar, sabbado,13 do corrente, pelas 7 ho-
ras na matriz do Corpo Santo.
Manoel de Castro Leo e sua mulher D.
Alexandrraa Xogueira de Castro Leao, cor-
dialmente agradecem as pessoas qne no da
10 do corrente, se dignaram acompanhar
ale o cemileno publico o enterro de sua mui
presada filha de nome Authuza, nao podendo
tambem deixar de agradecer os ofBcios de
amlzade prodigalisados pelo padrinho da
mesmaoExm. Sr. baro do Livramento
Joao Bernardo da Costa Reg Monleiro e Her-
menegildo Fernandes de Souza Lobo participam ao
- Aiugan.-se duas opinas casas novas muilo %3?fS?!V&.& disso!v.eri"n ^sde ^ d?
frescas, no melhor lugar da Capunga, e pre^o com
modo por ter commodos para familia : a tratar no
mesmo lugar com 13. Jos Lellao._____________
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar :
na ra das Cmzes n. 11, segundo andar._______
Precisa-se alugar una preta escrava que sai-
ba engommar perfeitameote, cozinhar c lavar :
quem a tiver dirija se a na de Santo Amaro n. 8,
(.Mundo Novo) ou annuncie para se procurar.
O Sr. Targinio Silverio de Souza Magalhes
i' empregado na tbeseuraria geral, e com o me-mu
se pode fallar todos os das uteis quando va para
a repartirlo ou quando sahe.
Precisa se de urna ama para cosinhar e en
gommar e comprar para urna pessoa: na ra do
Mondego n. 37, paga-?.' I.eni.
O Londondi Urazilian Bank, saca por doos "'>ser cumprido o disposto no
abril ultimo a sociedade que tinha nesta praga sob
a firma de Reg & Lobo, fieando o activo e passivo
da mesma sociedade a cargo de Joo Bernardo da
Costa Reg Monteiro.______________________
Precisa-se alugar urna preta escrva que
saiba engommar com perfeicao e tratar de crian-
cas, e que seja do conducta aDancada, nao se da-
vida dar bom aluguel, agradando : na ra do Pi-
lar n. 6, sobrado encarnado.
HOSPITAL PORTUGUEZ
DE
BE\ i:i I< i: Y< I V KM IKH.\ A .r-
os paquetes,sohre
Lisboa.
Porto.
Rraga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
BUCO.
Deordem do Illm. Sr. provedor convido a lodos
os senhores socios do Hospital Portuguez a reuni-
rem-se no estabelecimento pelas 9 horas da ma-
nhaa do da 14 do corrente, para, era assembla
l i" dos arts. 17
e 29 dos estatutos.
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneflccn-
; cia em Pernambuco 10 de mai de 1865.
Joaquim Ferreira Mendes Guimaraes
_________________1 secretario.
Aluga-se um escravo de cor para cozinhero
' ou copeiro, afianca-se o comportamento : a tratar
na ra do Sebo n. 22.
o miiii---- -kf "= uc incid iiuo lugiez para cna e caie, os quaes aua lem oe u
e muitas outras pecas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de se
nnoras, excellentes luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana Gna para cha e caf,
mos parajantar, e immensos arligosde porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras,
'. i Caf i? principies fabricantes de Pars e ditos de panno cem sola de borracha, pianos dos
hAmttTfabr,cantes P'eyel, Wolff (t C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na ra, ditos
cora nguraspara saldes e ditos com figuras em movimento ; modernos e bonitos instrumentos de physi-
ca (mgica; para theatros ou saloes, ditos de phantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com
vistas novas da e noite ; stereocopios de nova invencao e com bello sortimento de vistas das principaes
ciaaaes da Europa ; grande sortimento de brinquedos finos para criancas, e bonecas fallando papai,
Precisare d, nm en7inhirn nn riMinhoira ma!^a grande so/Hmento de candieiros a gaz, os que se tera feto de mais elegante e que tem mere-
tambem de um criad? n Su ?>^Traniche n 's Sia fli./f1"5*0 Da EJUropa'graode e maDOco sortimento de caixinhas, cestinhas e outras galn-
liotel italiano ra do Irapiche n. 5, tenas fe tas de crina e seda proprios para presentes; grande sortimento de estampas finas coloridas
---------------"~~-----------------------------------rnsm pIet0 e de u"*as de todos os santos, ditas com figuras e ditas com novas paysagens para
i' i I Itp ninVIHAO nr?ramas> nnos e Dem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de christal, proprlo
liflYl 11 Ti II 1 V IIIIN P.aran";'0 de raesa dejantarou para jardim ; cutelaria fiua, como talheres com cabo de metal fino, co-
viu^ / ti UAl l IIVky meres thesouraslinas, ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, caivetes e oulros artigos, diver-
Largo do Carmo ulimero 26. *f artigos reitos de rame completo sortimento de mascaras de velludo, selim, cera, papelao e ara-
Este estabelecimento tao bem montado na sua rz.'aoces' confeitos e chocoUte em caixinhas e em vidros; camas de ferro de|todos os tamanhos, lava-
origem, achava-se de a multo em quasi completo f:nos.' ?;c-; ncos Q.uadros para cartoes de visitas e ditos grandes e pequeos para retrates; chapeos
abandono pelo pouco interesse de j^ua adminis- Den6alas,_chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
tracao. Para 1uem faz pao-de-l, bolinhos, ele.; bellos cortinados arrendados, verdes, encamados e brancos;
Hoje que o novo proprietario emprega todos os Efi}008 ?ara C0Dnr mesas, boleas grandes e pequeas para viagens, e oulros arligos, como cobertores,
meias para restabelecer a grande utilidade deste ? |f'e- sor"mento de violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantarias e outras pegas
estabelecimento, pode assegurar ao publico que ?e cnarao Pa<"a toillelle ; machinas para varrer o chao, excellentes machinas para photographia para
qualquer que seja o numero dos concorrentes aefia- i -rar relrajos>.8randes e pequeas ; lindos baloes de papel fino transparente e lanternas coloridas para
rao desde j promptido e aceio nos bonhos frios, J"uminaoes a moda de Pars, salva-vida de borracha, para homens e senboras, proprios para quem
momos ou medicinaes, a casa dos banhos se acha- ,mi Q?.nnos em lugares fundos ; ameixas novas em caixinhas, blscoitos inglezes em latas, graixa in-
r aborta todos os das das 6 da manhaa as 11 da | eza 7 ceryeja em barricas das principaes marcas de Londres, queijos etc., e muitos outros artigos
que para enumera-los seria m nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato no grande ar-
mazem da Exposigao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Aluga-se urna preta e um mulatinho; aquel-
la prepria para vender na ra ou n'outro qualquer
servico, e este para servir de criado, para o que
tem bastante desenvolvimento e muito fiel : a
tratar na typographia da Ordem.
Aos senhores de cn-
genho
Offerece-se um estrangeiro, casado no paiz, para
administrar qualquer engenho nesta provincia e
que tenha fon-as para o seu trabalho, advertin'do
que esta pessoa entende de alguma engenharia
quem do seu presumo se quizer utilisar, dinja-se"
a esta typographia que achara com quem tratar
O padre Pedro Alegre, subdito francez reli-
ra-se para a provincia da Bahia.
Precisase de um forneiro : na ra lar"a do
Rosario n. 16 ; ena mesma casa se alugam 2 pre-
tos para o servico rual de padaria.
COMPRAS.
noite.
Presos.
1 banho fri ou momo......500
1 djto de farello........1,9000
1 dito medicinal ser segundo a qnalidade.
2o cartoes.........10^000
12 ditos..........5,}O00
____ O baeharel l.uureiico Avelino de Albu- S3
querque Mello continua a ter seu escrip- j
torio de advogado nos auditorios e tribu i
naes desta cidade : na ra do Imperador
n. 40.
DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se moedas de ouro e notas do Banco, e bem assm nma colleceao desde um centesimo
ate mil francos : vende-se barato no Recife ra da Cadeia n. tO, nearmazem da Exposico de Londres.
nauor ^
mmm
flOCIDtDERTMSTEZt
<
3 y
o
o
2|
Q
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Fem ira Matbeus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
0bras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sera vicios: a tratar no sobrado
n. 32 da ruada Aurora.
Comprara-se libras sterlinas
Crespo n. 16, primeiro andar.
na ra do
Tin tur aria
Xa ra Direila n. 116 conlinua-se a tingir para
qualqoercor, e o mais barato possivel.
AVISO
M A D A M E R I B E I R O.
(Conheclda na ra do Queimado por boneca
de cera).
_1
Preci6a-sc alugar urna ama captiva ou forra pa-
ra comprar e eozinhar em casa de pouca familia :
na ra de S. Francisco n. ol.
Precisa-se de um caixeiro para taberna dos
ltimos vindos do Porto, sem pratica, para ir para
a villa do Cabo : no pateo do Tenjo n. 141.
Precisa-se de urna ama que compre e cos
Para completa liquidagao vende-se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas e
Poesas de Victoriano Pallares : assigua-se na t novas chegadas recentemente de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes segumtes : Eug.
livraria acadmica, ra do Imperador, a 3#000 o Rimmel, R. Malheus & C, Lubin, Sociedade Hvgienica, Piver, Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud &
volume-_________________________________ Meyer, Regnrer, Mailly, Giilet frere etc., etc., 'dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em
Aluga-se a casa terrea n. 105' da ra de San- vdros \ garrafas, agua de lavande, agua para limpar denles, oleo babosa, extractos em ganaflnhas e
ta Rita : na ra da Aurora n. 36. Vldr9s de differentes modelos, pos para limpar dentes, banhaem potes e em vidros, pomadas, ricas
I caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos outros artigos que se vende por
j menos de seu valor, bem como lodos os arligos em geral existentes no grande armazem da Exposico
i de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
M&$ Pede-se encarecidamente sua smkoria que nao! 5he Pa* casa,5e Pouea fainilia' na roa Nava de
Sania Rita n. 33.
assaque calumnias aos membros de urna socieda-
de, a qual sua senhorta hoje nao pertence, pols do
contrario, mo grado seu, ter de ver por este jor-
nal a historia fiel de todos os seus bellos fntos;
cujos apontamentos nos forneceu sua muilo ida-
lulrada amiga. No Ihe avisa a
Sentnella da meia noite.
Precisa-se de um homem para feitor de um
engenho, prefere-se sem familia e porluguez : a
tratar no armazem n.43, ruada Prala
I r ni and i e (Jo SanlissiiDO Sacr.-imenlo
de S, Frei Pedro Goncalves do He-
cife.
Oe t rdem do Illm. Sr. juiz da irmandade do
llosa Mara da Costa Carvalho, viuva de Jos i
Manoel de Carvalho, m fClen,,eJ,"e',;m.Pag' LaS,^dVdarS c2nstant d0 Santsimo Sacramento de S. Fre Pedro G ncal-
ZZV1VZIJ, l ntt trT* B?Aa maL,d0'' ves' conv,do aos ir^as da mesa actual.bem como
icando ella senhora e possmdora de todos os bens, | QS rnia0S riesiirnadns nara comnorem a me u^RS^SRJKS nf.*1* M*C-1* irmandade as 4 horas da tarde do da 15 do
livre e desembarazada de lodo e qualquer debito
tendente as dividas que constam no mesmo inven-
ta 10.
Para senhoras.
Arreuda-se um engenho distante da praca cinco
legoas, moente e corrente, com muilo boas trras
pFSTS^Si^aaSEutSI C0S e m0derD0S peDteS de trlarD8a para ,raD de abora,o qoe se tem feito de mais ele-
leona e vSi Tfrl existente ni rnTda ".^opwseole : vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Ex
Ki6So.^^^ rUa da POS'ao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60
Cobre, laio e'chumbo.
Comprase cobre, laio e chumbo : no armazem
da bola amartila no oiio da secretaria |de polica.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effectivamente escravos de ambos os sexos :
ra do Imperador n. 79, terceiro andar.
Ouro e prata
em obras velhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia^ 22, loja de bilhetes.
Compra-se urna ou duas casas terreas em
boas ras, e que nao estejam arruinadas: quem as
tiver annuncie por este Diario para ser procurado
Compra-se urna preta que cosinhe e engomme
perfeltamente : as Cinco Ponas n. 29, sobrado
Potassa.
Compra.se potassa vellia em barris des-
concertadas: na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 6 e 8.
Escravo fgido
Desa; pirecen no dia 8 de maio de 1865. de casa
do seu senhor o escravo de nome Simiao, de nacao
Mossambiqne, tem talhos ao p das orelhas metti-
corrente, para iratar-se de interesses da irmanda-
de. Recife 10 de maio de 1865.
Oescrivo,
______________Antonio Gomes Miranda Leal.
Anemia, chlorose, ohstrucra
da* viceras ibdominaes, quer consecutiva a' in
flammacoes agudas, quer resultante das febres in-
doTem circo 'redondo, idadVf aos"praco ma7s termilentesDyspepesia, emllm em ledos os casos
ou menos, estatura alia, cheio do corpo, cor fula, em 1ae reclamai" ama medicado tnica, ou reme-
levou vestido cal^a de easeinira usada e um ca- di0 a a|8om vicio de hematose
miso de bau azul j usado, chapeo preto peque- Punas e emplasto de jurubeba cura em 15
no redondo de massa : roga-se, portanto, a todas dias.
as autoridades e capitaes de campo a apprehenso Preparados por J. F. Latfnere
delle, e leva-lo a ra ireita n. 30, que serao ge- Villa do Bonito
nerosamentj recompensados.______ !--------------------____________
Quem quizer alugar urna escrava para ama,
tendo muito bom e abundante leite, pondo-se con-
dicao de levar o filho que tem de 6 mezes, d se
em conta : dirjase a ra do Rangel n. 60, segun-
do andar.
Alaga-se loja do sobrada n. 8 da roa da nma "r sem esmalte, na noite de 8 do corrente,
Conceicao : quem a pretender dirjase ao mesrro darua do Palacio do Bii^o ao sahlr no Hospicio :
obrado que achara com quem tratar. quem o achar leve a ra da Soledade n. 38, que
ser gratificado.
Precisa-se de urna criada para o servico de
urna pessoa : na ra estreita do Bosario n. 18,
primeiro andar.
AMA
Precisa-se de urna ama para fazer o servico de
urna casa de pouca familia : a tratar na ra do
Queimado u. 33 A, loja esperanza.
Manoel Joaquim Dias retira-se para o sertao
desta provincia deixando por seus procuradores
em primeiro lugar aos Srs. Gama & Silva, em se-
gundo logar ao Sr. Jos Francisco Lavra Penna,
e em terceiro lugar ao Sr. Jos Bernardo da Motta.
Pede-se ao Sr. Machado que haja de vir ou
mandar pagar os 365 que resta dos 40$ que seu
amigo Ihe emprestou, contra suas circunstancias,
que sement o fez pela promessa que Vrac. Ihe fize-
ra de os restituir naquelles tres ou quatro dias, e
como haja decorrido onze mezes sem que Vmc. os
tenha dado, apenas dando 4$, sendo 2$ de cada
vez, e isto pelas instantes cobrancas que se Ihe lio
feito; e como nao haja mais onlro roeio senao o
que agora emprgo, seja feita a sua vontade, ceno
de que o deve fazer uestes tres dias, do contrario
ver seu nome por extenso nesle jornal, e contada
todaj historia que precedeu a este empreslimo.
O abaixo assignado vendo no Diario de Per-
nambuco n. 106 de 9 dooorrenle um annuncio ao
Sr. Manoel Martins de Carvalho era que diz ter
justo e contratado com o Sr. Je ao Antonio de Oli-
veira a compra de seu sitio no Campo Grande, e
sendo o mesmo abaixo assienado credor ao dito
Sr. Oliveira da quantia de 5774506, importancia
um alfinete de senhora, sendo de ouro liso, com do principal e juros de urna letra vencida em 6
VENDAS.
Luvas novas de Jouvin.
Vendem-se excellentes luvas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanlo para homem co-
mo para senhora por menos de seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposico de Lon-
dres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
:MIiK
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos'
sobre a vida
AUTORISA.DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Dmafianca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad
ministracao da companhia.
BANQEIROS DA COMPANHIA
O naneo de Hespanha
DIRECCO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 19
wwt&iZ&S!^^ -'Precisa-sedeumcai-xeirobrasileirodelo-a J. g*^tlV^'V T P<"
quim de Mello fez publicar nao foi exacto em dizer 16 anuos de idade, para um armazem de sal na! Psenle declarar que deve ser embolsado da quan
que me conformei com a conta que me foi apre-' enjlmperial n. 221.
sentada, nem so por nella ter o que nao devo, co- --------------^7"*-----1-------i!----------------~"
mo por nao estar acreditado pelo que paguei, e1 o'''0 ptra alagar.
c >mo provo cora documentos que ao actual pnKU-1 ^^^ Continua a estar para alugar o gi-
rador do t. Mello os apresentei, cujos se ach.im ^B Rb1'0 da travessa de Joo Fernandes
firmados pelo mesmo Sr. Coelho, e que levarei a BVieira n. 6, no qual morou aniiga-
juk se a isso for obrigado, e nessa occasio pro- MSBlmente o Sr. J. Gaeilz (corretor geral)
varei com mais documentos em como paguei pelo Iem multo boa casa de moradia, co-
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos seguro
obre a vida.
Nella p le gurado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao.) S'iprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACI
. NAL,queainda mo*roo iiminuindo urna tere* parle do interesse prodnzido em recentes liquida-
de oulubro de 1862, e nao tendo o mesmo senhor cfas eco-ubinaati-o com i rairtahdade da tabella de Depareieux que e adoptada Ipela companhia
enectuado o pagamento da dita letra por nao ter i para seus-.alculose Iiquidac5es, em segurados de idade de 3 al9 annos, umaimporsicoannual
alada vendido o mesmo sino, que segundo rae de 100J produz em effectivo metlico:
No flm de 5 annos.......1:119*300
de 10........3:942*600
de IS .......11:208*200
> de 20 .......30:256*000
de 25 .......80:331*000
Vende-se um carro de conduzir gneros da
alfandega, faltando-lhe urna roda, muito forte, p prego multo commodo : a tratar no pateo de S.
Pedro n. 4._______
Vende-se urna caixade carroca para um boi
em bom estado, por preco muito commodo : a
tratar no pateo de -'. Pedro n. 4.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia,
FEIJAO
a 320 rs.
consta, o nico bem que Ibe resta, e por onde o
tia que credor, e que para esse lim passa o mes-
mo Sr. Oliveira a ser d.sde ji ajnizado para que
no futuro nao alleguem ignorancia.
Antonio Jachintho Borges.
Aluga-se um sitio na Capunga Velba com
urna boa casa de pedra e ca!, com 3 salas e 6
quartos, cozinha fora, casa para escravos, dita
para feitor, tanque para banho, cocheira, estriba-
Sr. Jao Gomes de Moura e Silva quantia superior s"tna 'ora, cocheira, estribara, quartos para fei- ra, viveiro com peixe, e rauitas fructeiras com
a iOO*000. e que essa mesma conta se acha em tor e escravos, tem um rico jardira com chafariz fructo: quem pretender dirija-se a Capunga Ve-
aberti; factos desta ordem sao dignos de publica no meio, nma casinha com um rico banheiro todo Iha, sitio junio ao Sr. Antonio Roberto e Jacobino
veneracao,... em quanto ao convidado para pas- forrado de azulejo, ura bom copiar ai lado da casa que achara com quem tratar,
sar alguns das era minha casa, uo vejo nesse suspenso por colomnas de feno, um mirante na Alngam. n 1 2 k andar S m. Av rV
meu delicado proced ment para com o Sr. Coelho frente da casa queda constantemente sombra a buen 16
nada de extraordinario, visto que eslava na melhor tarde,o sitio todo murado, lera porto e gradea- ---
boa f possivel para com sua merc, e suppunha ment de ferro, muilo boa agua de beber com '
que o augmento de minha conta nao era mais do omitas diversidades de fructeiras, o sitio eral
que algu-n engao de sua parte. muito boa localidade por ticar perto da praca, que I
qualquer pessoa pede vir para seu negocio a p: I Ta roa da Cadeia do Recife W, precisa-se
quem pretender dirija-se ao mesmo que achara de urna para cosinhar.
com quem tratar.
M31
AMA
Xas ida les menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
ProspecDs e mais informacSes serao prestadas pelo sub-direclor nesta provincia,
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rnada Imperatriz!n.12,eslabel
oimento dos Srs. Raymundo.Carlos, Leite & IrmSo.
I Aluga-se un sitio margem do rio, na Ca-
Ao Sr. acadmico Antonio Jos Lapes Filho, ro- punga Velha, era terreno alto, tendo casa espacosa
ga o proprielano da casa n. 17 a ra do Mondego, com grande sotat, e cagas fra, constando de dua*
na qual residi sua merc o anno pascada, antes estribaras, duas coctielras, quartos para criado,
de retirar-se para a Baha, de dar cumplimento ao feitor, ee., cacimba 4e agua de beber com bombas
que assaverou em sua cartinha dirigida ao dito e tanques, ende proprio de banho, pomar, jar-
propnelario etc._____________________^_^ i pm, batas de eapiw e viveiro de peixe : lr*U-se
Precisase de nma ama que cosinhe engoro- ai ,rB1 *trB* ^ Resana 20.
me para duas pessoas : a ra da Cadeia n.
gundo andar.
4, je-' Precisa-ee de om feiter para um sitio ie um
.esltMtfelro : oa roa 4a Cruz a. 4.
\
Ha dias fugio do sitio do baeharel Nabor um
boi de carroea vermelho, com a frente branca e a
cauda cortada : quem o pegar e ievar ao mesmo
sitio ou mesmo dor noticias exatas.sera generosa-
mente recompensado.
M. D. Faulk, aeha-se prorapto para concer-
tar machinas americanas dd descarocar algodo,
lendoas pecas avulsas perlencentes as mesmas,
assim como para qualquer servico tendente a mar-
cineiro, pode ser procurado no armazem de fari-
nba dos Srs. Henrv Foreter & C
Samuel Power Johnston k Gompanha
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fund vio deLow tloor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava I los.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
filio,
Arreios d carro para om'e dous cava los.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarogar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Ama de leite.
Preeisa-se de urna ama que tenha bom leite :
na roa da Guia n. 41, primeiro andar.
4VIS0.
Os abaixo assignados, moradores na ra da Ca-
deia do Recife n. 3, fazem sciente aos devedores
da massa fallida de Joaquim Vieira Coelho & C,
que tendo arrematado as dividas perlencentes a
mesma massa, sao elles os nicos autorisados a
receber taes dividas, portanto tem marcado o pra-
so de 30 dias para os senhores devedores virem ou
mandarem pagar seus dbitos, (indo o qual se pro-
mover a cobranca judicial.
Jos Joaquim de Castro Moura.
_________Joaquim Baptista de Araujo.
O Dr. Vilella Tavares, lente cathedraiico da
faculdade de direito e advogado, mudcu a sua re-
sidencia para a ra do Queimado, primeiro andar
do sobrado n. 41.
Arrenda-se o engenho Frescondim, sito na
freguezia de Agua Preta, cora moenda horisontal
de ferro, 4 taixas, casa de vivenda, de purgar, es-
tufa, e urna porcao de formas.
Feijao de mistura a 320 rs. a cuia : na ra des
Quarteis n. 22.
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
do Cunha, a tratar com Tassolrmaos.
Vende-se
no sitio da Cruz de Almas ao voltar para a estra-
da de Beberibe, coqueiros pequeos proprios para
mudar-se.
Traques
a 65000 a caixa de 10 cartas, e a retalho a 160
rs.. a alies, antes que se acabem : s no armazem
da estrella, largo do Paraizo n. 14.
Acha-se a venda
na ofcina de encadernaco da ra do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco, a
Biblia da Infanta do ahbade Pascal, appro-
vada para as aulas publicas da provincia por
portara da presidencia de lo do passado.
As pessoas que compraram j a obra, e qui-
zerem ter um pequeo aectescimo, que se
Ihe acaba de fazer, mandeai-o buscar.
Balfilo.
Veade-se um balco de amarello ponco usado e
tres fiteiros para amostras: na ra da Cadeia do-
Recife n. 50._______ ___________^_^^_
Vendem-se cerca de 20 saceos de feijo mu-
latinho por barato preco, para animaos : na ra
Nova de Santa Rita n. 19, ribeira do peixe.
Ferro da Siieeia.
V nde-se no escriptorio de Rothe Bldoulac, ra
do Trapiche n. 18.


Dlarto de erumlmco ftabitado 13 de Malo de 1ft.
i
I
A MOLESTIA OU DeCCSO J96CU
lial cor.becida pelo
crofula un d
frevalecentes e
a em toda a , enfermidades de que st
genero humano: disse um cele-
bre escriptor da iftedicina qne
mais de nma terca parte de
todos aquelles que morrexn antes
da velhice sao victimas, ou dire-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si Dio tSo des-
tiv, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que nSo lhe sio geral-
mente attribuidas.
E' urna causa directa da phthysiea pul-
monar, das molestias do ligado, do estoma-
go e affec0e$ do cerebro -.Entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetite ; o semblante pat-
lido e s vezes inchado, s vezes de urna
alvura transparente e outras corado e a-
marellento ao redor da bocea ; fraqueza e
mollez nos msculos: disgesto fraca e
appetite irregular, falta de energa, venlre
inchado e evacuaco irregular; quando o
mal tem seu assento sobre os pulmoes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgos digestivos, os olhos
tornam-se avermelhados : o hlito ftido,
a lingua carregada, dores de cabeca, ton-
teiras etc.
as pessoas de disposigao escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupces na pelle
da cabeca e outras partes do corpo, s3o pre-
dispostas s affecces dos pulmes, do figa-
do, dos rins e dos orgaos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
teccao contra os seus estragos; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivet flagello (e s vezes heri-
ditario) estao expostos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que so:
A phthysiea, ulcera roes do figado,'do es-
tomago e dos rins: erupces e enfermida-
des eruptivas da culis; rosa ou erysipela;
borbulhas. pstulas nascias, tumores, rh-
cumacarbunculos, ulceras c chagas, rheu-
matismo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femimms, flores bran-
cas causada pela ulceracao interior, c en-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-
to, enfraquecimento c debilidade geraL
Aos pulmes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consttmpco pulmonar :
as glattulas ella produz inchacoes e tornam-
se ulceras: nos orgaos digestivos causa
desarranjos que produzem indigesto, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rms :
na pelle produz erupoes e affecges cut-
neas.
Todos estes males iendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortaiecer o sangue.
A salsa parrha de Ayer
cemposta dos antdotos mais efficazes que
a sciencia medica tena podido descobrir,
para esta nnlestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'elia que
contera virtudes verdaeiramente extraordi-
naria*; provado ncontestavelmente pelas
curas notaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, erupces cutneas, erysi-
petms, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, same, parebas, hyrope-
sia, iGsse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade ge-
ral:ilndigesto, Syphilis constitucional e
mo4est:as mercuriaes, molestias das ulbe-
0 GASTELLO DE GRASVILLE
f raijftido do francei per A. J. C. da Cruz.
^_r*e este bello romance em quatr
tonic mh baratissimo prego de 25oOC
aa i Fifi Independencia, livraria ns.
6 e* ___^
i
iJf
90.p|
g- S~
i
r
o
o s I
4 A
o fi
6.
"t O.
% i
1 tt. i
s
g-
r
3
8
3.
i
r&S
m
S a
>_ X o.
H 9
="3 S-3
O 3
-3 3 3
lili
sfil
|Sff
il*
w w a
-San
?88?
o

9 2
-a
<
s-s
11
II
O
.A so
* o
as cj:W
N a IS J2>
o o S n Oto
AS '* s-S CO
ENSIGNE CUIJUICO
lebl
f
Admirem
Admirem
.n \t\
,.,- DO .Tj
RIO DE JANEIRO.

Um
Duzia.
5:5000 40^000
1i$500 12,J000
18000
3000 24)5000
2000
500
4^000
XAROPE
deLABELONYE
1,5000 95000
3^000 34,5000
Imprecado coa inrariaTel sbccmio desde 30 annot
peU Mdicos de tocto os paiies contra as molestias
rfaaieas ou nao orgamica do eoratie, as dirersu hj-
dropisiai e a maior parte das molestias do peite e das
ronchios (pnmmmiat, ettarrhoi pulmonaru, tutkwm.
i*fimm*3ei ntrvnts de$;brnckiet, Mtarrhtirat, etc...)
O xargpe de labelonye ni s Tentie snio en
garrafas com rotulas de cor e fechadas com urna chapa
MTaBdo a Irma de iaveatar.
Km PAR 18, mi Ronrlian-Vlllciirnvp, 19.
Deposito geral em Pernambuce ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
Instrucces para o servido
das guardas do exercito, extrabidas do re-
gulamenio de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra quemuito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. G e
8 da pra?a da Independencia, a i&.
Aviso aos reverendissiiiios
sacerdotes.
Na ra do Crespo n. 5 amiga loja de Guilherme
da Silva Guimaraes. boje teGregcrlo Paes do Ama
ral i C., recebeu pelo paquete ullifliamenle che
gado por conla de urna das melfaores fabricas de
Lisboa, os seguintes objcclos proprios para os
mistares religiosos, qneserao vendidos por preces
razoaveis, a saber :
v 3 cazulas com os competentes preparo?.
Barretes de seda preta e luvas.
IMs de seda rouxa, prelas e encarnadas, pro-
prias para as diversas dignidades ecclesiasticas.
Novidade.
-\a mesma luja tambem se vendem chitas de H- i
r.lio cor depallia com salpicos de rr a 320 rs. o
covado, sendo estas fixas, assim como contina a
ler o mais escolhido sortimento de fazenda: para
grande loilet e uso ordinario para todas as classes.
Grande armazeii de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
res, ulceracoes do ulero, a nevralgia e con- oarmazem de tintas um grande deposito de
vulpoes epilpticas e em summa, toda serie .prodsetos chimicos uteosis e os mais empregados
de enfermidades que nascem da impureza usados napharmacia,piBiura,photographa,tin-
do sangue. Vede as certidoes no Alma- g^.Pyrotech.n.atfogosdearticiojeem outras
nack e Manual de sade do Dr. Ayer que Montado cm grande escala, e supprimJo-se di-
se dietribue gratuitamenie nos lugares OlKie reotamentenasprincpaesdroganasdeParis.Lon-
se vendem OS remedios. dres> amburgo, Anvers e LisGoa, pode oftereceer
Peto pimPlin p n frnrtn rip lonp.is e laho Produc'<>s de plena confian^ e satisfazer qualquer
Este.remelO e O irtlClO oe longase ia0- encommenda a grosso iraioearelallio,por1.ros
nosas experiencias, e ha abundantes pravas razoaveis. ^
das &aas virtudes: posto que offerecido Prvidos de machinas appropriadas satisfar
ao publico sob O nome de Salsa parrha, .coin prompildao qualquer pedido de tintas moidas
composlo de diversas plantas, algumas das
24000
1,5000 9,5000
quaes sc superiores a mebor salsa parri-
llia no seu poder alterante.
rciTORAL DE CEREJA OE AVER.
Cura promptamente a asthma, bronchite,
tosse, defluxo, angina, coqueluche,
ptthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os Todas as naolestias da garganta, u*o peito
e dos pulme* pdem ser curadas em pou-
co tempo pelo iPeitoral de ceueja do dr.
AYKR.
A' venda na principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
itio de Janeiro aa Direita n. i 5.
Vende-se em Pernambuco:
aa pharmaefa fraaceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Nova loja de miudezas
i>Rua da Cadea do Kecife-o
a oleo.cuja qualidadee pureza de seusingredieo-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande colleccao de vidros de differentes
formatos, desde umaoitava at dezescis oncas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados e pra-
irudos e foMias de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
para enibrutho, para forro de casa, para desenbo
com (undo j feito; de papel albumioado e Bristol,
verdatleiro saxe para (ihotographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
tei ior ; oleo gra*o, oleo seccalivo, oleo de I inhala
clarificado, oieo de loiele, secativo de Harlim, ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanto em fa-
llas de varias cores ; tintas vegetaes, ino(Tcnsi>
vas proprias para confeitarlas ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens ; tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella; essenoia de rosa superfina, de ne-
roly, jasmim^ bergamota, aspice, paichouly, mbar,
bouquet.limo, aJcaraiva, melissa, ortelapimenta,
louro, cereja, aifazema, juinpero, Portugal, lima,
ans da Russia, canella, cravo e muitos uutros ob-
jectos que s com a visla poderoser mostrados.
Mt Pedro das Nevet,
Gerente.
Chunibador ichl.
ou esmalte branco inalteravel, sem cheiro nem sabor e da mais
simples applicac3o para chumbar os dentes por si mesmo, ins-
tantneamente, sem chumbo nem dor, meio prompto e perfeita-
mente efficaz. O chumbador Iehl torna-se na bocea branco co-
mo os proprios dentes: acompanha urna guia......
Cimento ehlnez
para concertar com a maior perfeicao ioufa, porcellana, crystaes,
vidros, marmore e qualquer objecto precioso......
Cimento de guita percha
especialmente preparado para chumbar os denles cariados. Acom-
panha urna guia............ 26000
Cosmtico Indiano epilatorio
para destruir quasi instantneamente os cabellos de qualquer par-
te do corpo, sem dor e sem alterar a pelle. Ac. urna guia. .
'ilexlr edontalglco vegetal
para curar instantneamente as dores dos dentes mais rebeldes, e
que tambem proprio para a conservacao dos mesmos, o en-
durecimento das gengivas e a suavidade da bocee. Acompanha
ma guia............... .
Enciivore
para tirar a tinta do papel e limpar as pennas de aso.....
Ilelsteln
pedra austraca para curar os tumores-, inchacoes e feridas prove-
nientes de recadara de coleira; sellim, cangalha e outros arreios
dos burros e cavallos; adoptado as estribaras imperiaes da
Austria desde o anno de 1741. Afflanca-se que nao preciso
mais de 24 horas para que a chaga esteja cicatrisada, e que nao
exista mais inchaco. Acompanha urna guia.......
Limas chimlcas
extracc3o dos callos e cura garantida sem dor nem perigo, em 30
minutos pelas afamadas limas chimicas de Pedro Alourth.
Acompanha urna guia. O par......... ,
llassa dentaria Samakol
esta mas-a, pouco tempo depois de sua introdcelo na cavidade
dentaria, adquire urna dureza consideravel e no atacada por
nenhuma das substancias alimenticias ou dentiflcias. Acompa-
nha urna guia................ 3000
Massa lustrosa
para limpar e abrilhantar instantneamente os trastes, pianos, ar-
macoes de loja, grades e corrimes de escada, tirar o sujo das
moscas, ficando envernisados como novos. Ac. urna guia .
Papel chelroso
nflammavel, queimando sem bulha, para perfumar casas e quar-
tos.produzir sensaces agradaveis e desinfectar o ar dos dentes:
Carteiras. .
dem.....
dem.....
pomada Rondeslcns
confra piolhos e lendeas; aancada sem mercurio.....
pos de prata
para pratear instantneamente o cobre, o lato, o broDze, etc., e
reparar os objectos antigos prateados, como faqueiros, salvas,
caslifaes, apparelhos de cha e outros objectos semelhantes, af-
Gancados sem mercurio, para uso dos joalheiros, relojoeiros,
pticos, negociantes de ferragens, curiosos e casas de familia :
Vidros de 2 oitavas. .
dem de urna onca. .
lims para par a prata tarrada
sao affiancados infalliveis. Acompanha urna guia, vidro ....
pos purgativos
para curar e prevenir as molestias dos caes. Acomp. urna guia:
Carteira. .
dem .
Sabo orienta!
para tirar todas as nodoas simple ou composlas sm alteraros
tcidos como sejam: nodoas de vinho, licores, caf, frutas,
gordura, e limpar as golas e paramentos dos vestidos civis e mi-
litares. Acompanha urna guia...........
Tinta Azul indelevel para marcar a roupa
azul no escrever, e em 24 horas na sombra ou menos de urna
hora no sol, torna-se preta e nunca mais sabe do panno as la-
vagens. E' preciso escrever sobre panno encorpado ou engom-
mado. AfBanea-se que nao ha melhor na corte em qualidade,
Vidro de tres on?as .
dem de urna onpa. .
Tinta enea nada indelevel superfina
para marcar a roupa, em vidros de meia onca.......
Ungueuto Iehl
remedio maravilhoso o melhor at heje conhecido ontra feridas
novas e antigs, ulserosas e saniosas, fstulas, frieiras, hemor-
roidas, lucencas, mordeduras, muas, panaricos, queimaduras,
reumatismos, supuracoes putredas, caberas de prego, abeessos
no seio das senboras, tumores e ulceras em qualquer parte:
Rolos. .
dem. .
nico deposito em Peniambco em grosso e a retalio
EM CASA DE MANOEL & C.
8 RUA DO CABITC.4 8
300
150Q
2^000 20000
ipoo
3,90(0
Admirem Bem!!
As pechinchas que estao a venda na loja e ama-
zem do Pavfio, na rua da Iraperalm n. 00 do Sa-
nia & Silva, oode se vendem toJas as fazeadas,
tanto de luxo como de pnraeira necessidade por
precos muito rasoaveis, e com especialidadc as se-
guinies, dando-se amostras deixando licar penhor,
ou mando-se levar em casa das familias pelos
caixeiro da mesma loja.
Alyodoziulio do i'ao.
Vendem-se pe^as de algodauzinlio marca T, mui-
to largo, proprio para lonches & toaihas, tendo i'*
jardas pelo baratissimo prego de ii-5 a pega ; dito
large com vinte jardas a o5, pechincha por ser
fazenda que se. vende em outra qualquer parte
| por 105 e 125, isto na loja do Pavao, rua da Im-
ratriz n.. G de Uaoia & Silva.
Madapol* eufestado a i>, >jO e:6000.
Vendem-se pecas de madapolo enfesiado com
; 12jardas pelo baratissimo preco de 'i8, 45500 e
i o&, ditas sem serem enfestados" de marcas muito
'acreditadas a 75, 85, 95, e 105, ditas, francez
multo encorpado proprios parasaias a 480 ris a
vara, isto na loja do l'avao rua da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Grande pechincha.
Chitas a 220 ris o covado.
Ou 75000 a pega s o Pavao.
Vendem-se chitas inglezas de superior qualida-
de, aflangando-se as cures serem fixas, com muita
| diversidade de padrdes, pelo baratissimo prer/> do
' 210 rs. o covadi), ou 75600 a pega tendo 38 co-
18^000 vados, sendo fazenda esta que sempre se venden a
' 280 rs. o covado su 10-5 a pega, chitas largas a
280, 320e300 rs, na loja do l'avao, ruada Impe
ratrizn. 60 de Gmat Silva.
Cortes de chiti frauccia na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de clia franceza, cores lixas
com lo i-ovados a 35, ditos com 11 covados a
35300, ditos com 12 covados a 33600, ditos de chi-
ta ingleza a 25200, 25WO e tjWO, isto na loja do
Pavao rua da Imperatriz n. 60 de Gama Cassas Franeezas a 300, 320 e 360 na loja do
Pavao.
Vendem-se cassas franeezas muito finas, de co-
res Anas pelos baratos preco's de 300,320 e 360 rs.
o covado, pegas de cambraia com salpicos de cor
tendo 8 l|2 varas a 45, ditas salpicos brancos a
a 25500 e 35, ditas adamascadas para cortinadas
a 45, na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 00 de
Gama & Silva.
Corles a Uaria Pa.
Giande pechincha aSiJOOO e6#000.
Vendem-se os mais bonitos cortes para vestidos,
sendo de cambraia branca com as barras e enfeites
bordados, de cor crox, pelo baratissimo prego
de 55, ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
pelo baratissimo prego de 05 cada um, valendo
esta fazenda dobrado djnheiro por ser a mais mo-
derna que tem vindo ao mercado, isto na loja do
Pavao na rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Grande pichincha a S000.
Vestidos de la a Maria Pia.
Vende-se" um bonito sortimento de vestidos de
laa com barras bordadas a Maria l'ia com as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo baratissimo
prego de 85 cada um, pechincha por ser fazenda
qne sempre se vendeu a 125, e por ler chegado
urna nova e grande pergae, resolveram-se a fazer
este grande abatimenlo na loja do Pavao, ruada
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Vestidos Brancos.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidos de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato prego de 125- 16$ e 2O3 na loja do Pavao,
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
La na riba Id i a a 400 ris,
Vendem-se as mais modernas laazinhas transpa-
rentes, com lislriahas miudinhas, pelo baratissimo
Atteui;ao.
Palalas prelas para a quuresuia \m-
por baralissimo preco, na loja e ar
uiazcm da Arara, rua da liu-pcr^nz
a. 5tt.
Loamnco fyreka Meudes Guimarts.
O propru-tario deste esIabekcinieBlu retira-se
para a Eutupa a tratar de >ua sauue, po.-tm'atlas
de retirar-se pretende fazer tuna liquidarlo de la-
baratissimo prego .,i: fechar comas : t-ra hre-
goezes vende-se grosdcnaples preto n.uiio te'
para vestidos, a 150OU, 25 e 2O(i, diic de | al-
mos de largo, a 35 : ua rua da imperatriz loia da
Arara a. 60.
iiciiiuutiqup yk-eo a 3ff.
Vende-se meurantique prnopara vestiao
covado, gro.-dt-napk' ii.uilo largo e ilccii
2*500, 25 e 150OO o covado, alpaca i're
vestidos e palij a u.600, 70o
!'*, 1C# o
45000
7^000
105000
125000
285000
500 45OOO
500
15000
45000
75000
500 45000
de casimira bem feito a bl
75,85 e 105, di-
tos de panno preto Loro a 85 e 105. ditos s breca-
acos de canmirade cor e preta e de panto a 12,
145,165 e 205, caiga de brimderi a 25 e ?5CC,
ditas brancas de linho a 35500 e 45. ditas ue ca-
simira de cor 45,65 e 85, prelas a :. '-i e 85,
colleles de casiiiiira de cor e preto, de Lrira de ro
a I5o00, brancos a 25 e OoiO, ccrouias I el tas a
15280, ditas linas a 15600 c 25, camisas frailee-
zas a 25 e 25500, das inglezas de pregas largas a
prego de 400 rs. o covado, ditas fesladas, cor de !3*>le linh(2 :i.3* ?.W00' .leriBlios cccncrr.icc?
havana, cora lislras dilerentes, sendo das mais mo- Ia 6i0, rf,-a iat*> d,,los de lmho o0 rs, vm : na
dernas e muito encorpaaas a 500 rs. o covado : na rua da Imperatriz loja da Araja n. ib.
loja do Pavao,
5, Silva.
Grande
rua da Imperatriz n. 60, de Gama
15000
500
75000
45000
25000 185000
45000
25000
305000
175000
ATTENC10.
DR
Silvestre Pereira da Cunha 4 G.
s de.te novo estabetocimento abrindo-o
x OBe^rrencia do respeitavel publico, esperam
merecer deste (oda a protecgo, j pela delicadeza
c seriedade que mpregarao em seas negocios, co-
mo pelaompleto eortimento de miudezas e per-
lumaria*. como sejam flvelas com etatos, agulhas
imperiaes as memores que lem vindo ao mercado,
ditas caotoa, sapatos de iranga para homem e
senhora, rap do Rio, fumo de Herlebeck, can-
dieiros para gaz, charutos muito finos, ti lhe tes de
lotera, tallagarga e mullos outros objectos que se-
ria eofadoobo mencionar, sendo estes vendidos por
precos to razoaveis que a pe&soa que comprar a
primeira vez, nio deixar de continuar a vir cor-
lir-se oeste novo estabelecimento.
Vende se um cabriolet eoherto com pouco
aso, bem feito, de eiso patente, proprio para me.
dics; no caes 22 de novembro n. 30 por cima do
bilbar dos arcos.
C/legramos superiores
cortes de seda. i
Superiores cortes de'seda de cor, vlndos pelo
ultimo vapor francez : na loja das colnmnas a rua '
do Crespo n. 13, de Antonio Crrela de Vascon-
celloa a C.___________________
Vende-se urna taberna na roa de Joao Fer-
nandos Vleira a. 64, com poneos fondos, propria
para pessoa qne quein principiar com o negocio
de taberna ; vende-se tambem urna armago prin-
cipiada a se armar, tendo todos os pertences de
taberna, sita na roa da Conquista, no caminho Vende-se ama escrava de nagao, idade 35
novo : as pessoas que pretenderen! algum destes annos, bonita figura, propria para servico decam-
negoclos, dirijam-se a roa de Joao Fernande Viei- po ou quitanda do que tem batanle pratica : a
ra n. 64, qqe tratar do negocio que conveooloDar, tratar na roa das Calgadas n. ii.
Chegaram livraria eneyciopedica de Jos Gar-
bosa de Mello, rua da Cruz o. 52, as segnintes
obrs do Dr. Chernoviz :
Formulario ou guia medica,
qne contm a descrmgao de todos os medicamentos,
sexta edlgao, com 121 figuras no texto, que repre-
sentan) as plantas medicinaos ; i volume de 820
paginas, encadernado, prego 65.
Hicrtnario de medicina popular
que contm a descripgao das molestias e o seu tra-
ta menio, terceira edigao, com 231 paginas; 3 vo-
lumes encadernados, prego 205-
Historia natural
para os meninos e meninas, ou conversagao de
nm pai com seus fihos sobre muitos animaes e ve-
getaes ; 1 volume encadernado, com 154 figuras,
prego 45.
Tambem chegaram a mesma livraria a gramma-
lica franceza de Burgaio, nova edigao, e o diccio-
nario do bom gosto.
Farelo a 8,80
na rua da Imperatriz n. 6.
.\ovidadc.
A 15000.
Leques de osso, gosto moderno, pelo diminuto
prego de 15 : s na rua da Cadeia do Recife n. 5,
leja de mindezas de Silvestre Pereira da Cunha
& Companhia.
PECHINCHA
Ceroulas de meia muito finas a (500, ditas en-
trefinas a 15200: s na roa da Cadeia do Recife
n. 5, loja de miudezas de Silvestre Pereira da Co-
nha A C.________________________________
Vende-se um cavalio castanho, gordo e mui
to manso para carro : na eocheirado Ignacio, por
detraz da relagao.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contribu" poderosamente, com a agua de Flo-
rida a forga, a belleza e a conservagao dos cabel-
los.
Em Pars casa de Guilaur n. 112 rua de Rechi-
nen e 21 boulevard Montmartre.
Todos os frascos nao tendo intacto e clare, e tin-
elre prateado da casa. reputado falso.
Deposito roa do Imperador pbarmacia n. 38.
Vende-se a taberna da rua dos Agouguinhos
n. 20 : a tratar na mesma.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
lija lata: nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e rua do Trapiche Novon.8.
Em casa de Tisset Freres rua do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho Bcrdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito d- Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
Toros de Jacaranda, madeira muito especial
para construir mobihas : no largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
Vende-se um escravo idade 25 annos insigne
official de carpina e bon'ta figura : na travessa do
Carmo n. 1.
Gal de l.isl
Na roa do Vigario n. 19, primeiro andar.
Vendem-se diversas escravas que si. bem co-
zinhar, engommar, lavar, e fjzer todo o .servico de
nma casa, e tambem dous escravo?. sendo um
bom carreiro: a tratar na roa das Crnzes n. 18.
rs. o co~
Barato a 280
vado
Cambraia organdys fazenda fina gosto perfeito
a 280 rs. o covado : na rua do Queimado ns. 43
' e 48 esquina que volta para a Congregagao lejas
amarellas.________________________
Vende-se um piano proprio para aprender,
mnito em corita : no largo da matriz de Santo An-
i ionio n. 1
Noarmazem de fazendas ba-.
ratas de Santos Coelho,rua
do Queimado n. 19, ven-
de-se o seguin te:
, Lenges de panno de linho a 25400.
Ditos de bramante de linho de um s panoo a
35500.
Cobertas de chita da India a 25300.
' Lengos de cambraia brancos proprios para algi-
beira, pelo barato prego de 2{000 a duzia.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a 35800
Ditas de cambraia para forro de vestido, com 8
varas, pelo baratissimo prego de 25600.
Guardanapos adamascados pelo baratissimo prego
de 35500 a duzia.
Algodao enfeslado com 7 i [2 palmos de largura a
15-200 a vara.
Cortes de la de lindos gostos com 15 covados a
65000.
Pecas de cambraia adamascada com 20 varas, pro-
pria para cortinado, pelo barato proco de i li.
Fil liso fino a 800 rs. a vara.
Dito com salpicos a 15 a vara.
Tarlatana branca fina a 800 rs. a vara.
Aloalhado de algodao adamascado a 25200 a vara.
Dito de linho a 35200 a vara.
Laazinhas usas de todas as cores, pelo baratissimo
prego de 500 rs. o covado.
pegas de cambraia de salpiPos brancos e de cores
com 8 li2 varas, pelo baratissimo prego de
45500.
Bales de 20 arcos a 25500, de 25 a 35, de 30
3S500, do 35 45, de 4G 5500.
Toaihas felpudas a 135 a duzia.
Esleirs da India de 4, 5 e 6 palmos por menos
prego do que em outra qualquer parte.
Neste armazem se encontrar um grande sorti-
mento de roupa feita e por medida.
Urna familia que se retira vende nma mobilia
de amarello j usada, trera de cosinba, louga de
alroogo e jantar azul, nma mesa de jamar de ama-
relio ps torniados, mesas pequeas, com modas,
cama de casal e multes ontros objectos o que tudo
se vender em coma: na rua dos Pires n. 62.
PROPRIO'PRV SENHORA.
Vende-se um excellenle cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheira do Paulino, raa de Santo Amaro.
Vende-se caixoes vazios proprios pa-
ra bahuleiros, e funileiros, a 25^00 cada
um : e para as pessoas que compraren de
4 para cima ii>8Q0, nesta typographia.
pechincha, vestidos a
3JUOO.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
nos, sendo todos os padroes tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo prego de 35500,
sendo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na
loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Laazinhas a S40 ris.
Vendem-se as mais modernas laazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos, tanto de quadri-
nhos como de listras, com as cures muito bonitas,
pelo baratissimo prego de 240 rs. o covado ; ditas
com palminhas de seda, padrSes muito b?nitos, a
320 rs. : s na loja do Pavio, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Fazendas prctas.
Vende-se gronsdenaplcs preto a 182S0, 15600,
15800 e 25 at 45, superior meurantique preto a
35, setim da China, nova fazenda toda de laa, pro-
pria para luto, com 6 palmos de largura, a 500,
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras militas fa-
zendas proprias para loto : na loja do Pavao, rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grosilenaples de cor a l600.
Vende-se superior grosdenaples cor de caf, pro-
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 15600
o covado : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Cascwii'as a 1$C>00.
Vendem-se casemiras garibaldinas de quadri-
nhos e lizas, proprias para caigas, pautse coletes,
pelo barato prego de 15600 o covado, assim como
caigas, palitos e coletes j feitos das mesmas : na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Grande sortimento de roupa feitu.
Vende-se na loja do Pavao um grande sortimen-
to de roupa? feitas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditcs saceos, ditos de casemi
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
decores, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
ta de todas as qualidades, ditas de cor, ditas de
brim de linho branco e de todas as cores, coletes
de brim, casemiras, setim. gorguro, etc., etc., to
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do que em outra qualquer parle : na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Ctales e manteletes de renda
Vendem-se os mais rios e mais .modernos cha-
les e manteletes de renda, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego mnito razoavel : na loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais moderaos soutembarques de
cor, ricamento enfeitados, e por barato prego : na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Capas prctas esoDtembarques,
Vendem-se as mais modernas cipas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e
manteletes, tudo de seda preta e o que ba de mais
gosto no mercado, por pregos muito em conta :
na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabeca.
Vendem-se os mais lindos enfeites para cabega,
a 35, 45, 55 e 65, os melhores bafes cronolinas :
na toja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60.
Arara vende as cobertas a 2.
Vendem-se cobertas de chita finas a 25 c 2CC0,
ditas de damasco a 45 : rua da [mpera'ri: o, IC
E'na Arara que c vende cortes t!e casimir;:
preta a 3.
Vendem-se cortes de casimira preta para ra.'ca a
35, 35500, 45500, 65 e 85, ditos de cor a 35,
45500 c (S : rua da Imperatriz n. 56.
Com toda attencao.
O propiK.'tario da loja e armazem da raia, est
resolvido a vender as fazendas de todas as qutb-
dades por barato prego afim de se apurar din! eire
na loja da Arara n. 56, de Lourengo Pereira Alen-
des Gnimares.
Madapolo fino.
Vende-so madapolo com 24 jardas n. ?. a 55.
n. 30 a 65, n. 2 a 75, n. 40 a 75400, n. f> a 85,
n. 5 a 85, marcas esm 85500. HDR 95, Elrphanle
105, '/-l-'l- 115 : rua da Imperatriz n. 56, loja de
Mendos GaiauarSes.
Arara vende casemiras finas a 2oG0 o co-
vado. y
Vende-se casemira preta e azul comflifas tendo
duas larguras pelo baratissimo prego' de ?53(0 o
covado : na rua da Imperatriz loja da Arara n. 56,
de Mendos Guimaraes.
Cortes de chta a 200.
Vendem-se cortes de chita com 10 ecvados a
25400, ditos a UfOO, vende-se tambem hitas in-
glezas a 240 e 280 o covado, ditas franeezas a 280,
.100, 320, 360 e 400 rs. o covado: s Arara, de
Mendes Guimaraes.
Liquidacao de soutembarques de cores
a 65, 95, 85 e 105, dius pretos a 185, 195. 05
e 235, capas pretas de grosdenaplo a 205, 2& e
305, manteletes a 185, 205, 225 : oa rua da Im-
peratrii n. 56, de Mendes Guimaraes.
Cortes de cambraia de cores a 38.
Vendem-se corles d^cambraia de cores rom 1
varas por 35, cambraia branca a 35500, 4,
45500, 55, 65 e 85 a pega, alpacas de cores a 320
o covado. cambraia de cores a 320, 360. ICO e
440 o covado, laazinhas muito finas lisas a 400,
500 e 560 o cavado, l.-ng-is de. linho a iPO, Cu!
640 e 800 c*m m, aberturas de esqoio de licho
finas a 15 cada urna : i>to ? na loja e annaztm
da Arara, de Minies Guimaraes.
Vende-sc chales de mcri lifo a 5'00,
ditos estampados a 3*500, 65 e 75, golnhi r jara
seuhora a 320, 400 e 500 rs. cada urna, gulas, e
punl.os a 800, manguitos e pola a 15 rada tima,
ramisinhas para senhora a 25 e 45, ditas muito
finas bordadas com pravatinhas a 455C0 i e5,
meias de seda para senhera a l500*o par. vea-
de-se paninho ci m 12 jardas a 55, pega de mad-
Francisco Jos Germano
RITA NOVA X. ti,
acaba de receber nm lindo e magnifico sortimento
de oculos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa. ____
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
algodao : na rua da Senzala nova 0. 42.
polao entestado a 45, 45500 : s Arara n. 50, loja
de Mendes Guimaraes.
Ricos corles a Maria Pia.
Vendern-se os mais bonitos cortes a Maria Pa a
85, 105, 125. 145 e 165, ditos muito (nos ,118:
na rua da Imperatiiz n. 56. leja de Mendes Gui-
maraes.
Corles de casemira finas
Vendem-sc cortes de casemira de cores a 35.
35500, 45, 55 e "5, casemira rara covados a
5000, 45800, 25240 e 35, ditas de mais qualida-
des finas a 35200 o covado, cortes de pioca cY
cor a 15600 e 15800, gangas para covados a ,
500 e 560, bnmzinlios a 280 o covado, brim parear
a 720,800, C00,15, !500a vara, brim branro de
linho a 152U), 15100, 15500, 15800 e 25 a vara,'
camisas franeezas para homem a ?55 ?5240 n
25500, ditas de pregas largas de linho a ?$5G0,
25800 c 35 cada urna-
Grande sortimento de ronpas fe'uas de to-
das as qualidades,
Vendem-se paletots de brim de cores a f-3, ja-
uetoes a 35 e 35500, paletots de casemira a ,';5.
, 75, 85 e 105, ditos de panno preto a i 5t;0.
ditos a 65, ditos finos a 85 e 105, ditus sohrua-
sacos; panno preto a 125, ditos .de cor a 145. di-
tos pretos a 165 o 205, ditos mijito finos S,
caigas de brim branco de linho a 35 o 35500, rti-
tas de algodao a 25. dil.is de ganga a ?550 e
25600, 15800, cobertas de chita a 25, ditas mnito
finas a 255OO, ditas adamascadas a 45, prioceza
preta de cordao a 800 o covado. dita de listrinhas
a 15 o covado, moreant'que preto a 35 o covado,
prosdenaple preto a 25500. 25200, 25, 15800 e
15600 o ec vado, chapeos de sd! d< Jeda para ho-
mem a 75 e 85, cassas pretas a 300 rs. n rovado,
chitas preta. a 340 e 280 o covado, ditas franeezas
a 320 e 360 o covado : isto na loja e armatem da
Arara rua da Imperatrie n. 86. s Arara mais nm-
guem, de Mendes Guimara.es.
a 35 o
do a 35,
. re* |aia
- e 8((' rs,. (, (ova-
do, sarja de laa para vestidos, caiga.- e ualits a
040 e 800 rs o covado, ia preta para rKJ a
01U r., bombaziua preta para vcalMos a US80 u
covado : rua da Imperan iz loja ta Arsi;. r 5b
Micos vestidos a Marti 'iaa I2
Vendaro-se ricos vesiidos a Maria Pia a (O,
'-%'**>105 : ruada Imperatriz loja da Arar
Arara vende pecas de paniiir.lc a t e 6>
madajolo a .-\
Vendem-se pegas de panninho muito fir.o de 12
jardas a 55, vendem-se pegas de madapolo iu(cp-
tado a 45 e 45500, vendem-se pegas de madaiolo
de 24 jardas bom a 65, 75, 75500, 85. "'
125, vendem-se pegas "de algodosinho a
ifi, e 85 : rua dalmpcrairiz u. 56.
Arara vende os baldea a 26500.
Vondein-se balos dearcos de todos es lamanhce
a 25o0,i, :J5, 33300 ei3: rua da Imperatriz
n. o.
Laazinhas da Arara a 320 rs. o Covado!
Vendem-se laazinhas p;ra vestidos de iei.lioifa
e meninas a 320, 400 e 806 rs., ditas lizas tic le-
das as crus a 400, 500 e 560 rs. o covado. 1 tsm
hnas para vesiidos a 320, 360 e 400 rs. o avado
rua da Imperatriz n. 5C.
Chitas da Arara a 240 rs. o cevdo.
Vendem-se chitas de cores lisas a 240 e 280 rs.
S^ovado, ditas franeezas linas a 320, to, 400 e
oOO.preclara para vestidos .1 500 o 560 rs. o cova-
do : rua dalmpera:riz toja da Arara o. 5o.
Liquidagao de soutambaques e lazinias a
T4, 8^ e 10.
\endem-se soutambaques de laazinhas para st-
ahoras a 75, 85, dita de alpaca bracea a 105, ditas
muito linas degrosdenaple preto a 205, 2,-5 e 305.
capas prelas de grc manteletes pretos degrosdenaple a 21'5 e --5, go-
linhas para senhora a 240, 320 e 500 is., minge-
los com gola a l5, cnmizinhas para senhera. 25,
e 35, ditas muito linas bordad;,s a &5800 : na toja
do oarateiro da lioa-Vista rua da Imperatriz loja
Ja an,1 n. 56.
Cortes de ditas finas a 2C0.
Vendem-se cortes de ditas cem 10 cc"fts Me
25400, ditos de dita franceza a 35200, ccrlea da
cassa franceza fina com II covados, per 1-5, ven-
dem-se pegas de cambraia branca 'la a 35500,
45500, 55500, 05 e 85 : rua da Imperatriz n. 50.
Liquidagao de roupas feitas palitcs a 2.
Vendem-se palitos de brim de cr .1 25, 25'Oe
35, jaquetes de brim pardo a 35 eWI5o00, palitos

ILEGVEG


#*#
de .111
AURORA BRILHAWTE
JffiDICO-flRlROlCO
^ Largo da Santal
Cruz n. 8i, es-j
juina da ra do]
rSibo.
GRANDES ARNiZEAS
HE
IOLHADOS
VIMOS
-n*nmmmwmE*P1EC**m
ASS yU strSrV a ffi 2r,mento de Keneros d P"ra qualidade.
Nanhn armrS InIL* wde basePara ajusle de comas aos portadores,
pelo gr!nZir^nlZZ^"A maiS birat0 e melnores O que a Aurora Brilhante, ja'
^r^JSJTS^SV* "T0 Prqae seu d0no s deseJ'a tirar "tanto lo-
proveitar o nr*f.ni.rT.T / MdP,s do estabelecimenlo por isso deize se a-
Kesfre^ezes W f"er lda dili8e'a.*8 de servir bera os seascons-
**7m Ubr^ dechoariG" "'<> novas,
Largo daSant
fCruz n. 84, es-J
quina da roa Jo
Sebo.
em postas inteiras,
a 1*000, 1*280 e
,Uitis grandes cora peixe
mais de 12 qualidades,
19400.
I> tas jom ostras, excellente petisco para fri-
rideira, a 720 rs.
[Ditas eora ervilhas novas, ensopadas, a7J0 rs.
Ditis com favas, a 640 rs.
.t u com ameixas a 1*200, 1*800 e 3*500.
? un iscom marraelada do afamado fabricante
Anreu, a 720 rs.
T>tascom massa de tomate, a 500 rs.
JUitaseomi figos de comadre, novos, a 1*500,
* i* C ^J I II I.
VS2? J0lacninha de soda muito novas, a
- 3'i\)'J.
' Bitaseeai biscoitinhos Ingieres de muitas qua-
n-lades, a 1*400. H
C!i)colatr.
Cutianas com ameixas enfeitadas proprias
pira mimo a 14*00,2*800 e 3&200.
f'.'it.-:i!:He superior muito novo, a libra de
WO a 1*000.
i VIacarrito, ulhariam e aletria amarella, a libra
1 a 100 rs.
'>'! i lito dita branca, a libra a 400 rs.
Uaus com estrelinha, pevide, e outras raas-
**<, a caita 3*500.
'iUs dita em libras a 610 rs.
[iu, a libra a 300 rs.
-iliaia para sopa a libra, a 240 rs.
B'Tilnas seseas, a libra a 160 rs.
t> t -> descascadas, a libra a 200 rs.
I i 11 a muito nova, a libra a 280 rs.
tri n'na de araruta verdadeira, a libra a
>l"'U do \faranhao, em saneo, a arroba a
t*VM e a libra a 80 rs.
jn 11 la India e Java, a arroba a 3*200 e a II-
ura a 11)0 rs.
' i i uno ile Lisboa a 99500 a arroba e a 320
'. rs. a libra.
JOito de Sautos, a arroba 7*000 e a libra a
260 rs.
v' ro 125 ceblas grandes, a l#280.
5 -i ir.ia francesa, caixa com 2 duziasa
' 7 f000.
) 'r.^o- r.:.ini mostarda prcparadaem vinagre,
j > VOo rs.
1) > n conservas mglezas e
. >. > e sin) rs.
>) t.- com sal refinado lino, a 640 e a 500 rs.
> j.tjs.'oma verdadeira geuebra de Urania, a
Oitjs de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
o'iO rs.
.Brtijas com dita propria para negocio, a
4 )) rs.
Garrafes com 2 galoes com dita, a 6*.
iSirveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a i
liizia a 65OOO.
'Vinhii mscate! d S.-tubal, a rarrafa a 1*.
Mu rasqmnho verJadeiro,frascos a 80C rs. e
1 1*200.
ICha-no-ine, a duzia 20*000, e a garrafa a
2*000.
Izftlte refinado portuguez e francez, a garrafa
1 1*000.
Vinno verde superior.
A caada a 3*000 e a garrafa a 400 rs.
Gorama.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de sej
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Farioha.
Saccasgrandescomfarinhade Goianna mui-
to aova, a 5*000.
Caf.
Caf lo Rio muito superior, a arroba a 8*, 1
8*500 e 9*000.
Cb.
Chibemos oestes zeneros o melhor possivel,:
hyson, a libra a 2*600.
Dito parola a 35000.
Ditouxima 2*700.
Dito hyson muito fino a 2*S00.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira .jualidade a 2*500.
Dito mals baixo a 2*000 e 1*600.
Erra mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espcrmacete.
O masso com 6 vellas Je espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caitas de 16 8 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e 2*500.
M,
Nozes, a libra (60 rs. e arroba a 4*000.
Ilpista e paineo.
Alpistae pataco, a arroba 4*000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para logar, a duzia a 2*5'0.
Castanhas.
Castanhas novas vindas nete vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra a 200 rs.
Azeitonas.
Barriscom azeitonas novas a 1*500
laa'tflka.
Manleigasuperior, a libra a 1*200.
Dita maisabnxo a 1*120.
Dita menos superior a 1* .
francezas, a Dita franceza nova, a libra a 4*12C
Dita dita em barris e meios ditos, a libra
1* rs.
Ditapara tempero a 400 rs.
(infijos.
Queijos novos viudos neste vapor a 2*800 ei
3*000.
Ditos londrinos muito novos, a libra
1*000.
Pape!.
Papel almaco pautado, a resma a 45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500.
Dito d* peso lizo e pautado, a resma
2*500.
Dito deerabrulho, bom a 1* e 1*200.
".uta de viaho Rordeaux muito superior.a
75, 83,93 e 10* a caixa.
fDitas com dito braoco, a 7* a caixs.
1 Ditas comditolacrimas do Douro verdadeiro,
> 29*.
'niiis com duque do Porto verdadciro,"a
18*000.
jDiiis comehamisso superior, a 14*.
'Itas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12*.
(Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
Dilo de Lisboa muito bom.acanada a 3*200,
35500 e 4;5, e a garrafa a 500 e 560 rs.
'Di'" da Figueira, dasseguintes marcas (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
4*500. e a garrafa a 560 e 640 rs., desie
que est engarrafado e lacradocom o
rotulo do armazem.
SDitos de marcas mais deseonhecidas, cana-
) da a 3*500 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho hranco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho Wadeira.
Garrafas com n verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 23000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominbo
e cravo, a I i lira a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoag.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 1*4001
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
(raa.
Duziasde boioes de graxa n. 97 a 2*000,
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs. ca-,
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos Anos.
Charutos Anos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e meias!
caixas.
graude quantidade de gneros tendentes
estes estabeleeimentos, que deixam de an-
d
nunciar-se.
N. 11Ra do Qaeimado--N. 11
Superiores cjrtesde seda preta com lindas barras.
Superior seda faconn o que ha de melhor e mais gosto.
Moreantiqne preto muito bonito a 2*800, 3*, 3*560 e 4* o covado.
Completo sortimento de gro.-deuapl. preto de muilas qualidades.
Pannos pretos e casemiras de auitas qualidades.
Bournus, chales e los de renda pretos superiores.
Superiores pelisses esoutembarques de seda para s.nhons.
Dournus de laa para senhoras a 12*
Chapeos e chapeiinas de palha de Italia para senhoras.
Corfs de laa de barras de 14* a 22* de muito go.-te
E militas outras lazendas de superior qualidade na loja de Augusto FreJerco'dos
Santos Porto onde lambein se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
R. 11Roa do Queitd# N. 11
No armazem da viavr Paula Lopes, defronte do
embarquen* escadinha, veodeHi-se ceblas as me-
Ihores Jo mercado, em caixa e denlo, o mais bo-
rato possivel.
cahos vasios p.-oprhs para bahqlei-
ros e fu'iileiros a 2,0t^ ps.; a tratar
cesta olli iin,
Fraacez l r.trica
Portland dem
Em perfeito estado:
Francez barrica
Porllanil dem
No armazem de Tasco Irmaos
Fio de alsodSo da
VendeTse no ascripiorio de Ati
reir Azevedo 4 C, raa da Crn?
.i.O(i
8|500
)0
loo
ss do Apollo.
tabla.
c Lnlz d? 0;-
t
DR. PEDRO SE **AHYBi LG80 M6SC0S0,
MEDICO, IMIt I IIIIO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fnndflo 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consullas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s i
aoras da manbaa, e das 6 e meia as 8 horas da noite, excepto dos dias santificado
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio b.a sempre mais appropriado sor timen to de carteira
tobos avalsos, assim-como tinturas de varias dyoroamisaces e pelos precos seguinte?
Carteirasde42tubos grandes. 12I000
de 24 tubosgrandes. 185000
de 36 tubos grandes. 24J00G
de 48 tubos-randas. 300060
d* 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquercartaira conforme o pedido que se fizer, e com os remed
ie se .pedir. 4
mtubo avnlso ou frasco de tinturado meia onca 10000.
aende para cima de *2, costarao .s precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
melhor obra da bomeopalhia, o Manual de Medicina Homeoptico do E>r. Jahr
DE
AZEVEDO FLORES
Jtaa da Cadeia doHecifc, esqnina da Sadr de Deas,
Prastem attencH) ao discurso do Balo.
A-loja do Bati todas as semanas reforma o seu annuncio em consecuencia rl
OMtaatemente reeeber novas fazedas novo sortimenlo de roupa feila os seos niwr
o osmsmoderadoacomo j niagum ignora, as fazendasque n5o levara preco marca"
a^. m.,l()r10,>ra da bomeopalhia, o Manual de Medicina Homeoptico do E>r. Jahr i*ro.os. mais moderados como ja magnem ignora, as fazendas que n5o levara preco marra
iras grandes volumes com diCcinario ... 20*000 JgPWM ha diversas qualidades e diversos precos, e em Iota alguma encontrarn
Medicina domesticado Dr. Hwiniz, ... '. 10*000 :fclamt2o-compleU>soMnento(tefaendas e roupas feitas. e nao havendo aohranL"
Diccionario de termos de medicina ...,..'.,... 30000
tn Ha JfcLm016 deste esta>eh)cimento s3o por demais conhecidos e dispensam portan-
dadeiS^rovamen'erecoatndadosaspessoasque quizerem usar de remedios ver-
3S.nK. duradores: ha ludo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
Mta25?S12n. le,tenotave,s ,elasuaboa conservacao, tinturados mais acreditados
SiMSSESa^^ Portanto amaierener-
Qi vi &* saAde pira esermos.
l0Derar3ren,r,Sen3Craves para lrtar de lialquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
.operado, para oque o annunciantejulga-sesufficientemente habilitado.
: funecionanin po ^ f Possve1'tnt0 na Parte alimentar, como na medica, e
Dde dtvirlar 1* 3AmaiS 1uatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se n5o
idoeotes. q P ser ^sultados por aquellas' que desjarem mandar seu?
KJSS!8 p2r dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
mtfAi^^^iSr^na'^^^1U^ nlo se quizerem sujeiUr aos preCof
VIXHOS.-
Medicina domesticado Dr. Herinff......! 10*000:! aohra,
itepertorioloDr.MelhaMoraes. : ... 60OO<, :!fcgnz.procurar tornase a medida c em 24 horas estaro salisfeitas as exigencias do
medicina 3000 frelncz-
reue-se attencflo.
Chapeos de snlxora 16asteas* 120.
dem idem com 12 asteas a$0.
.,. Idem 'demdenominados ajademico?, fazenda inleiramente nova com 12 asteas a
120, por este preto s na h>a *B*oc encontra. a
Baloes de reos para senhoras. os melhores que lia a 30
dem de artos e demusselwapara meninas a 20, 20500 e 3500
Vestidos fino* a Mara Ma-aM*. miW"
dem dosiwis-!nf3denw9-tfe'h de flores matsadas a 180
dem com barras, fazenda ainda nio \ista em Pernambuco a 240
Pecas de cambrans que sempree vendeu por 90, o balo vende or 7A
Chitas precraras que todos vendem por C40 rs., o Balao vende a 560
dem da asma qualidade, porm de otros pa Ires a 440 rs
dem escuras a 300 rs. estao*se acabando.
dem estreitas a 200 rs. sana lojado Balo.
Las de acerato escuro rom flores matsadas denominada pelas senhoras nnp i
compraran (15a econmica.) "*' ,ne r
Cambraia de cores as mais finas a 800 rs. a vara,
dem de cores com quadros brancos a 560 rs. a var.
Madapolo a 80 a peca, que vale %, tambem ha fino.'
dem francez proprio para saia de sentara a 560 rs. a vara
Camisas de meia muito finas a 220 a duzia.
Meias cruas para homem de 60 a 80 a duzia.
Camisas de pregas largas a 20500 que todos vendem por 30
dem inglezas de IdIio muito finas a 480 ou 540 a duzia
dem de flanella de cores muito finas.
Calcas de casemira pretas e de cores de 70 a 120.
Paletos de casemira de cores e pretos, a 100. 110 e 120.
Colletes de casemira e de brim branco os melhores que ha
Calcas debrra bra co muito finas a 40500, 50 e 70.
Paletos de alpaca branco a 50 a duzia.
Mantas modernas para pescoco de homem.
Collarinhos de papel de cores a 800 rs.
dem brancos a 400 rs. a duzia.
Laa preta para luto e de todas as mais cores a 500 r?. o corado
Ceroulas de linho com duas costuras.
dem de algodo a 10600.
Cambraias para forro de vestido a 20600 a peca ou a 360 r a var
Chales de merm estampado que custaram 80, vende-se por 50 em'razao de es-
Labontorio e^lo^ico e ohimico de F. R Lebeuf e C
rui Moutmartre, 31, em Paris.
Fabrica em Argenten!!, prs Parla (Franca).
BO.\IFICA(4(llfABMC4(ltO
Des vhtkaa, agurdenles e licores.
IraitacSo dos viahos de todas <
qualidades,?ttrato de HiJne, adose oara fil
litros, 1 f. i.-1^ Bordea, 1 f,,^ de 4Trt
, f.,-de-Lisboa. .,-de Gatal, I f.,4e pjrto
i Xere, Muscalel, Malaga, dose paralo os o \
Sabstaocia para fabricar com o alcool e airna
roo^a50?el0dOSSOtr0- A ^e pira
CLACIFICACOPs la#m$, 0s dos vinhos
da Hespanha, da tranca, etc.- A ftbra para 300
iilros, o [. #
COLORA;O.Purpiriglne para
vinhos brancos e vinhos claros. As
para 500 litros, 16 f.
Alguns de nossos agentes teodo falsificado e mitayo n
B*aeseMev.se exigir sobre as rolhas e rtulos uSStnSR
cjeretr ns
duas libras
AGARDENTES.Esseocia de cognac para dar
as agurdenles urdinarias o sabor eo aroma de
cogoac. A garrafa para 100 litros, 5 f
KIRSCH EABi.VTHO.-Essencia de kirsch e
m absintho, para os azer coro alcool e agua A
garrafa para iOOlUros, 3 f. '
LICORES*.-Extraefospara fabricar se todos os
licores conhecidos sem fogo nem alambique, (in-
*fcar-sn os que se dese;a.) A dose para 20 ou 25
toros, 3 f.
PERFUMESpara fabricar-se os licores finos ou
eommuns a dose para 20 ou 23 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho do
viohos,agurdenles, licores
fabricados de encommenda.
UTEfCILtOS de laboratorio e de chimica.
preparacSes, e engaado nossos
L. Paris,
vinagres, etc., sao tarem um p uco desmaiados por ter estado a mostra, por estes precos s aa loj^do
yw !?y its fVWttlwiebweinlIcade no rotirfe.
>-*??Ftt*TXtu^t^ letrasobre Nfl! ou gualquer outra ei
l I J- !ll l>)' -.1 tranr*,* r, A f...j .! !: P"8 rariS"
: traneeu, ra do Imporador o. 3.
nmmmm
Madapolo muito Boeon pequeo toque de avaria njr uftmn mu. aiimiri na
das columnas na ra do CrespoTt3, de Antonia Corre* & S^ffiteTci
CIIEGU4M 08 MODERNOS CH4LES DE
FILO PRETO.
S.iperiares chales de fil preto chegados pelo allimo vapor francez a
loja das columnas ra do Crespn. 13, de Amonio Correia de Vasconcel-
com barra, o qne ha de melior gosto em
Superiores cortes de moirs preto
Pernambuco.
dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia
dem de gorgurSo de seda bardados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 20400, 20600, 30, 30500, 40, 50 60
/0 e 80 o covado. "' "'
Superior gorguro de seda preto, a melhor faaenda qne ha para vestido
Sarja preta de seda.
dem preta hes;anhola.
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo jortimento de grosdenaple preto a t05OO, 10800. 20 20500 U
30500, 45, 40500 e 50. '
Pannos pretos de soperi ir qualidade de 30 a *20 o covado
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na U ja da Columuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcelos & C. successores
de Jos Morena Lopes.
AZEITE DOCE
Azeite doce
da Liga.
refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude
armazem
Admiravel pechincha!
Mocambiqnc a 300 rs. o covade-, na loja
do pave.
AGUA
Saceos de 80,100 e 120 libras a 40,40500 e 50 ; no grande armazem da Liga
ATTENCfi IWEUS SENHORES
DE
Florida.
Vendem-se os mais bonitos raogambifjues de pu- Pa^ restabelecer e conservar acor natural dosn
ra laa propnos para vestidos e soutembarques bellos. oaiurai ao. ca
sendo de quadrnhos de listras e lisos, fazenda in-: A agaa de Florida nao urna tintura fado e-
teiramente nova, em padres e muito proprias pa- sencial a contestar, a mesma acua dando a cor
ra as senhoras que frequentam o mez Mariano,! primitiva de cabello. Compostas de plantas exoti-
porqne esta razenda llies facilita fazerem por pou-: s e de substancias inofTensiveis ella tm a nro
co dinherro vestidos moito decentes para qualquer priedode de restituir aos cabello's o princioio co-
acto, advertindo-se que este baratissimo preco erante que elles tem perdido,
devido a grande compra que se (ei desta nova* fa- De urna salubridade Iacontestavel a acna *
renda, que se vende a freze tnsioes o covado : na F'orioa entretem a limpeza da caneca' destrn a*
loja do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & caspas e empede os cabellos de cahir'
Silva. : ___ ^______________________J_______
Vinho do Porto superior em caixa de duzia
| ten para vender Antonio. Lniz deOlivefra Azeve-
I do & C, no seu esrriptwiorua da Croz n. 1.
Jumentos
PARA
M VA CALIFORNIA
Fazendas baratsimas loja da roa de Crespo n. 17 de Jos Gomes
Villar.
- A AVa Cr,se. c caras. O proprietarlo deste estabelecimenlo, amigo que do povo em geral. attendendo a
essas mrcnmstanclas eata vndendo faxendas por precos que na realidade admira
I *** t0W*?*wl PTO "5 f'be'eei ment, e comprai/azendas, porque aUi se vende
I -per menos do que-em ootre nnaliiunr ^arte.
Cassas organdvz a tOO rs. o covado.
Chitas francezas escuras matizadas a 260 rs o'covado
itas escuras multo finas a 510 o covado.
Ditas claras dem a O o covado.
Ditas escaras idem a MO o eovado.
Chitas para coberu muito largas matizada a ttO o covado.
Madapolues finos largos a 6*590, 7* e %.
Goales de fil preto multo bous a -409000 cada um.
Chales de merino estampado* a 5*600, 6* e 7*.
E ontras muitas fazendas, que tudo se vender por precos que admiram
Vende-se nm linde casal de jumentos de bella
raga, grandes e covos, proprios para a conserva-
gao da mesma raga e cruzaraento, do que se colhe-
ra magnficos machos, mullas carro e carga ; cuja
jumenta esta' prenhe, assim gomo urna linda ju-
menlinha com ponco menos de um anno : ver e
tratar com Jos Pereira Cesar no sitio Pirahovra
arrabalde da villa do Limoeiro. i
Mez Mariano.
Ainda est venda na ra do Imperador n 13,
defronte de S. Francisco, a rica edigao do mez Ma-
nano, ornada com estampas e vinhelas, eencadtfr-
nada, por i| e t*300 cada livro.
Catangas Anos e brlnquedes
para meninos.
Chegaram para a loja de miudezas da ra do I
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas r
tanto para brinquedo de meninos como para cima '
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timeato de miudez-.s.
Barris vasios.
Vendem-se barris vasios de manteiga a 150 rs -
m ra da Cadeia do Kecife n. 53.
Na ra da Croz n. 38, em casa de Mills Bat-
leau & C, vende-se :
Cha.
Oleo de linhaga.
FolnasdeFlandre.
Sllins e silhoes inglezes.
Cerveja Aspiaall.
Dita Bass.
Hita John Jelre.v 4 C.
Um piano com pouro uso.
Bisas hamhorgnezas.
Vende-sena ra Nova d. 61.
Vndese tres carrocas para boi, duas dita*
para cavallo, dous carros para conduceao de ge-
neres de estiva ou outrolqualquer miste-, tudo em
bom estado, e por prego commodo, por seu don-
querer acabar com esse negocio a tratar na roa
do Sebo n.54, taberna '
Vinho Madcira
fino
na ra
do
tem par vender Joo do Reg Lima,
Apolto b. 4. "
Vende-se 1 linda mnlalinha reoolnida, de 13
annos de idade, com hahilidade, 3 eecravas sendo
urna de rocia idade. opima coainheira, 1 swavo
para todo o servigo : na travessa do Carmo n 1
Aitenco.
Vendera-se pegas de esteiras para forro de sala
tinta branca preparada a flko, em latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendnrar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindodos Estados-Unidos : no arnazem da rna da
Trapiche n. 8.____________________
Naehlnas de serrotes Mira ~
a%ii
Chegaram as dese}ad maehinas de serrotes pa-
ra descarocar aleodSo, havendo nm completo sor-
timent desde 13 al 40 serrotes, tambem *a mo-
tores americanos para aa memas machinas, ven-
dem-se o mals barato possivel: na rna da Cadeia
do Recife n. 6 A, to|a de forragens de JnSto (lar-
i los Bastos Olive ira.


Diaria de fersamImco abbads 11 de Mal de 18ft
O
DO
JA fil^ JAI
DA
AO PUBLICO
lea o oienor coagtrai
glsneaUo se estregara
LIGA.
ESTABELEGIDO A RA NOVA N. 60
VU & lilUTM DI SJ MMIHJi
AO
RESPEITAVEIi PIBIJCO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no graade ama-
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estrangtiro poem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico eta seu genero, pde-se porm "ffiancar, con toda a segurarla de que
nenhun oulro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3/ Sincerdade nos precos.
As pessoas que por sua posico secal gozara de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinof, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquellos que sao pouco favorecidos da sorte aro mensalmente urna economa de
inuitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender arroz, o caf, a man-
teiga oassucv, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao queresa vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compran para ne-
gociar, deven vir, pelo seo preprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barate.
Para os senhorrs que compram para lomar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito e~e agradar aos senhores
compradores.
Nao se ten poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA:
Importe do genero
* agradar.
que
ATTEHCIO
O procos da egniute
tabella para to, p-
dendo asstm servir de ba-
se para o ajaste de coma
cena os portadores.
MERCANTIL
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco efe Conceico)
PARA BEM DE TODOS,
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos dste novo estabelecmiento, e mais que tudo a promptid3o e intei
reza com que serSo tratados, convida a urna visita ao nesmo, certos de qoe sem duvida me darao a proteceo e preferencia na com-
pra dos generes queprec-sarem, e quando n3o ponan vir poderlo mandar seos portadores, anda que estes sejan pouco praticos,
poisserSotJobem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim.de quenovoem
v\ tra p?rte.
Aletria, macarrao e Ulliarin > 4oo r a ti Sal refinado em frascos de vidro com tampa
do mesmo, a 5oo rs.
i 120 e 600 rs.
I Rival sea segnado.
Frascos com agua de colonia
' Dalia de thesonr.s para costura
Canas de soldados de chumbo a 120 e
Na ra do Queimado n. 49.
ALPISTE E PAIN^O a i O rs, a liba.
AMENDOAS novas a 28o rs. a libra.
AVELES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 90 rs, a libra a,..
AME1XAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANHA de porco a 660 rs. a libra, em por-
c3o faz-se abate.
BOLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISC0IT0S inglezes em latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
C
CHOURICAS m ito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
americanos, bahiannos, fluminenses, etc.,
de i,400 a 10,000o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os tama-
nhos a
D
DOCES de todas as qualidades.

ERVILHAS seccas e em latas portuquezas e
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA de Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.
G
GOMMA muito nova e alva al 40 rs. a libra.
GRAO DE BICO a 120 rs. airara.
GENEB1U delaranja a 9 e 10,500 rs.
CENEBRA de Hollanda i m botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.

MANTEIGA ingleza e francesa alfl, 1120
10280 e em barril faz-se grande abati-
mento.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 600 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos precos.
P
PEIXEem latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre. t
*
QUEIJO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 800 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.
m
SABO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa,
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se
far grande abatimeoto.
V
V1NHO tinto de 360 a... garrafa.
VINHO tinto em caada de 2,560 a
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a k rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.C00, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qnalidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arreba-
Manteiga ingleza especialitenteescclhidaa
1,000 e 8oo rs. a libra e em barril se fas
abatimento.
Idemfrancezaa mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril oumeios.
Chhj8sonde superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercad* a
2,8o rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem bysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs. .
Iden pretoo qae se pode desojar neste ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
I barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella on para fiambre.
Queijos do reino ebegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato? 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
| Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
demidempara vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez bespanhol e suisso a 9oo,
l,oooei,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, 1 ,ooo e 1,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,0oo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o fraseo.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,oooell,ooors.a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superiora24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do MarantSo de 1* qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
escritos ru&icOS.
Aviso aos capitaes de campo e a
pelleta.
2(10$ Des.ppareceu em principios de mez de outubro
do anno prximo pastado de bordo do pinabete
nacional Arrow Malo, dous escravos de m>me Ro-
berto, por appellido Macei, e Miguel ; o 1 de 4;
annosde idade, piuco mais ou menos, crioulo, cor -
fula, estatura baria, barba serrada, am pouco lor-
ie das pernas, e com alguns chebos brancas, un-
to na barba como na cabeca. O 2 alio, cheio do
corpo, sem barba e falla grossa, reprts-enta ler de
45 a 30 annos ; cojos escravos deseonfia-se aoda-
rem pelos arrabaldes desta cidade : quem- os ap-
nrehendpr queira levar a rna do Trapicha n. 4.
mmbk o
Desappareceram no dia 8 de maio de 1863, ro
engentio Tomoatamerim, sito na comarca de Sanio
Antao, os escravos seguintes: Marceliino, crioulo
tirando a fulo, ioade 28 a 30 annos, estatura regu-
lar, seco do corpo, sem barba, pernas finas, marras
de chicote pelo tombo, tevou vestid camisa tina,
cal^a de brim braoco, jaqueta de brim pardo cem
m " MS'JS SSM-1*!!*- Ce"eja branca ^S marcas mais acreditadas sabe contrariar; e Feliciana, cabra, id.de IG annos,
120
coo
OQ
be a e 6,ooo a caixa.
nlia branca ouamarella a 64 rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito nao proprio
para
que \em ao mercado a 5oo 56o e 64o estalura "talar, seca do corno, latios encamados,
a carrafa o k Qn a v i fllt8 lustrosa, ti-m a falla um pouco arrastada a
-rara, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du- maneira dog h,bittBtes ^ BeIrrr(1Si ,,.vou rhale8
pno-arrafar aoi ---" A rr_ r~"" /. i novo, sai. de alpaca de da ja usada e de uuadros
i ae y caadas a tevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs. verdes e encarnados, borzeguios noves, venido de
Charutos do affamado fabricante los Furta- chi,a em bomes,d0erofim Psam pw liww pa.-a
do dp Rfaiu ,i~.- "i-j j. Iquom nao os coohecer. Ha presumpcao de i. run
PiJl',5 v S,e&uintes qualidades : modo para o lado de Nazareth, e u eWravo tem
c-\posicao normal de Havana, Imperiaes, prenles forros e escravos de Nazareth at Pedras
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias,
35,ooo rs.
ViDhoem pipa : Porto, Figaeira e L4sboa a
32o, 4oo 5so rs a garrafa, e encanada,
a 2,5oo, 3,oooe 3,8oov
Vinho branco de Lisboa de excellents quali-!
dade a 4oo e 5oo rs a garra fe e encana-1
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para mise em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores mareas que
. a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
i 6,000 e 7,ooo a caixa ou em tneias.
Charutos Anos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilbasde Havana, intervallos,Vencedores,
Paaatellas e Suspiros, a2,ooo,2,5oo e
vem ao mercado como sejan: Lagrimas 3,ooo a caixa
do Douro, Duquedo Porto, RaJnba de Por- o gnac inglez das melhores marcas, a 8oo e
tugal, Dutjue getraino, IX Luia 1, Madei-1 1,2oo a garrafa.
raSecca, Malvar fiea a 16,ooo,15,ooo,' Doee da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
12,ooo e lo;oooafaixB con 4 duzra^9oo, 4 libras.
^i00^6 *'*!? *#*! I Farinba de araruta verdadeira a 32o rs. a
Vinho Cherex de superior qualidade a t6,ooo libra.
a doziae l,5oors. a garran. Matte;excellente cha para os navegantes, a
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e 2oo rs.
64o rs. as meias latas. Sebollas de Franca muito grandese novas
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a al ,8oo o cento e l,2oo solas,
barrica e 32 rs. a libra. | Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Bolachinhas de soda em latas de diversas Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
qualidades a l,3oors. libra e 8,5oo a arroba.
CartSesom bolo franoezmuito propriosp- Banh? porco refinada a 65o rs. a libra.
BrJlac Alberto, as melhores que pre-
sen _..,em vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farmhado Maranbao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo,2,6ooe3,5oo cada urna.
arroba.
dem de Java
roba.
Paincoe alpista a 14o
arroba.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o
rs. a lata de urna libra e 56o rs. a reta-
mo.
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfcitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolaehinhad'agua e sal, da fabrica de Jlo |
de Brito no Beato Antonio, emlata de 6 li-1
bras per2,5oors.
Ameixas francezas em fiasco de vidro com
tampa domesmo, a l5co.
Ameixas franc< zas em caixinhas de diversos Azeitonas de Rivasera ancoretas grandesde
tamanhes com bonitas estn pas na ca- 8 garrafas por 6ooe8oors. a garrafa.
xaxwrior, a I,loe; l,6oo,!,8ooe2,ocoiAzeftonasportuguezas aSoors. agarrafa e
cada ama. i,5oo cada umaancorela.
Azeite doce refinado hespanholouportuguez| Champagne da melhor qualidade que vem
a 9o rs. a garrafa e io:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novase 8o rs. a libra e2,5oo; 24, ooo e 26,ooo o gigo.
o gigo com 36 libras. i Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
Ruibos, excellenle peixe portuguez, era
barris pequeos ou aretalho, avista se
far o preco.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de eseova para esfregar casa a
400 T.
Nozes muito oras a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. alibra e2,8ooa Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
Mostarda franceza em potes} preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propriamente dito a
U a garrafae It.ooo a duzia.
Palitos de dente a Ito rs. o maco.
a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
rs. a libra e 4,ooo a
a libra.
Figosem sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre brancoj engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
de Pogo; e foi comprado ao tenenlc-cronrl Gaiao
do engenbo Barr. d. Lago. Sera; os escravos sao
de Manoel Antanes Correa deQueirz Barros, ren-
deiro do engenbo cima: per tanto roga-M as au-
toridades policiaca, e aos capitaes de campos, assim
cerno aos senhores de engenhos, e r-roprietarios,
bem como, com espeeialidade aoSr. teuf-nfc-eoronei
(iaio, que sendo-lhes possivei aapprehen>ao, qiu<-
ram remelle-los ao proprietario dos mesmos, va
nesta cidade ra do Imperador n. 77, secundar,
que pagar todas as despezas, assim como a ijuem
cenduzi-los.
Recite, 11 de maio de t86o._______________
Negro fgido.
Ausenlou-se nontem 9, o negro Manoel, criooo,
estatura regular, tetando omaargola no p, ren-
dido de urna das verilhas, residi aigum lempo m
Ulinda como escravo de Jos Joaquun de Carmino
Sequeira, ltimamente era escravo em |Guarabir,
donde veio para ser vendido : quem o apprehen-
derleve-o a ruada Madro de Dos n. 32, que sera
bem gratificado.
Attenco.
Fogio no dia 28 de abril prximo passado o es-
cravo JoSo, cabra escuro, eteravo de Antonia Fx; r.-
cisca Cadaval Pinto, o qual loi comprado ao Sr.
Joaquim*Felicio de Carvalho e Silva, morador na
vill' dos Tooros, Rio Grande do Norte, o diio es-
cravo tambero iHro da mesma villa, e ti m o ap-
pellido que todos o conhece por Joao Baara, u m
os signaes seguintes : alto, secco do corpo, rara
feia, queixo fino, nariz afilado, em rima do peiio
do p tem urna costura, tem nos bracos marca de
cruz com tinta azul, ja est pintando, tem alu de
um denle na frente, costuma dizer qoe foiro, e
muito regrisla, costuma beber ; este mulato ra-
sado e tem filhes em poder de soa censor. : quem
o pegar ou der noticias na ra da Matriz da Boa-
Vista n. 28, segundo andar, ser gratificado, pro-
testndole contra qem o liver recebido en -lia
companhia.
MMIMSDEP4TEIYF I fflMif D
de trabalhar h mi far| am h...-.
trabalhar h na*
descarocar algodie
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAI
Estas mchica.'
podem descaroca;
qualquer especi*
,de algodo sen
estragar o fie,
sendo bastante
duas pessoas par
o trabalbo-, pdt
descarocar nma
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
on 18 arroba;
por da on 5 ar-
robas de algodc
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodc
limpo, por dia; e motores para mover urna, doas,
eiitns dessas machinas.
O* mesmos tem para vender nm bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas; para o qoe convida-se ao Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodio, no largo da poete nova n.*7.
Saaaders Brothers A C.
v II, praea do Corpo Santo
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
de Ha-
Brides e picadeiras d
Ipojuca.
Vendem-se as verdadelras brides e picadeiras
de Ipojuca : na roa do Oneimado n. 32, loj de
Azevedo & Irmao. __________
MEZ MARIANO.
Versos proprios para se cantarem na de-
vo^lo do mez maano, corrigidos e aug-
mentados, e mui bem impressos em folhetos
de 16 paginas, e que se vendem brochados
com suas capas pelo diminuto preco de 160
iris cada um, na ra do Imperador n. 15,
defronte do convento de S. Francisco.
Agua florida e tnico orien-' Grande liquidado de
tal de Kemp.
Continna-se a vender em porco e a retalho :
na ra do Queimado, ioja d'aguia branca n. 8.
DROGARA.
34Rna! I.rf a da Rosario%A
Baptliolomcn Franeisc deSeiza
vendeni:
Aeide aeetieo par* pira retratista.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieses avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Venera, fino, em pies.
AC.
MAMA PA
Maria Pa
liria Pa
Acaba de ebegar pelo ultimo vapor inglez nm
esplendido sortimento de enfeites de cabeca a Ha-
ra Pia, os quaes pela sua elegancia e bom gosto
de cada qn.l o mais bonito nada deixam a desejar
sendo pretos, rxos, cor de bonina e azulzinho
sens precos a 2*500, 3*, 4J, 6*. 8 e 10* : na
toja do novo rival rna do Queimado n. 16.
I*aan esta uovldade.
Madapoloes superfinos com 24 jardas a peca por
5*500 com um pequeo toque de avaria, paletots
de brim a 1*. chi'as francezas escoras a 720 o co-
i vado, algooio muito largo da marca T por 6* a
; peca de 24 jardas: na Ioja da ra da Madre de
Dos n. 16, defronte da guarda da alfandega.
Trastes com asa.
Vende-se 1 sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
cadeiras de amarello, 6 cadetras americanas, 1
bea marqueta de Jacaranda, 2 carteiras de via-
gem e 1 cartetra grande propria para uterna :
qoem pretender dirija-se a ra das Cinco Pontas
n. 140 defronte d. estacao.
Carta chorographica
DO
THEATRO DA GUERRA.
Acha-se exposta venda, as lojas abaixo men-
cionad ts, a carta chorographica d theatro da guer-
ra nos Estado, do Sal da America Meridional, con-
tendo as planta do P.ynnd, e do btoqneio e cer-
co de Montevideo. Ella torna-se recommeadavel
nao s pela lacana qae veio preeneber, como pelo
esmero do trabalbo lythographico.
Vndese pela mdica qoantla de SSOOO as livra-
ras dos Srs. Nogneira, roa do Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayres, na daCadelado Recife, assim como
as lojas da Exposicao de Londres e na lythogra-
phia do Sr. Carlos, a mesma rna n. 52, e na Ioja
do Sr. Cardozo de Almetda, rna da Cruz.
Sitio.
Vende-se ou aloga-se nm excellente sitio na es-
trada dos Aflictos oquarto depois da capel la, com
boa casa,dnas grandes estribarlas, quartos para
feitor, muitas arvores fructferas, poco d'agua po-
ta vfl com bomba e banho de choque : traia-se no
largo da ribeira de S. Jos sobrado de um andar
n.19.
Chromacomo
A a guia branca, na roa do Queimado n. 8, acaba
de receber am novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
irascos com hydrocalletricbin., agaa para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onycbromaniina para limpar as nnnas. Essa
untura, cojo effelto rpido e efflcaz, est bem co-
nhecida e apreciada para todos quantos della tem
usado, eos qoe de novo a qunerem apreciar, po-
dem, assim como aqoelies, dingir-se munidos de
dinheiroraa do Queimado, Ioja d'aguia branca
numero 8.
Papel e folhas para rosas
Acaba de chegar para a Ioja d'aguia branca, na
rna do Queimado n. 8, am bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folbas, e
dito tambem verde e mni fino para cobrir o ra-
me, assim cerne folbas de panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vertidos
Vendem-se na ra do Queimado, Ioja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas 'ago ingle-
zas e francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
penas d'aeo que constantemente ten, acaba de
receber mais ontro de superior qnaHdade e des
afamados fabricantes Perres & C, assim como as
verdadeiras blco d langa n. 134 contras de pon-
a donrada, continuando porm a vende*! por
precos commodos, com tanto que ocompradorcom-
pareca munido de diabeiro: na roa do Queimado
Ioja da aguia branca n. 8, onde tambem achar-se-
ha a venda pastas para papis.
fazendas
A aguia branca na ra do
Queimado n 8, recebeu:
Bonitos e grandos aljofares de cores para voltas.
Polseiras de dito, de iguaes e agradareis cores.
Voltas arelas maiores e menores todas de con t s
grossas.
Pulceiras pretas tambem de costas.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Fivelas d'aco grandese pequeas com ciato pre-
to e de madreperola.
Outras grande de differentes qualidades e re-
dondas com podra.
1 Benito leqnes de [madreperola redondo e de
outra forma.
Ditos de sndalo interinos e corredizos.
Capellas brancas para meninas.
na nova Ioja de fazendas e roupas feilas nacio-
naes, na ra da Imperatriz n. 72. Os pronrieta-
rios deste nove estabelecimento tem a honra de
participar ao respeitavel publico que estao resolv
dos a vender muito barato para liquidar, a saber:
chitas a 220 rs., ditas francezas largas a 260, 280,
320 e 400 rs. o covado, cassas francezas mnito fi-
nas a 360, 320, 360 e 400 rs. o covado, org.ndy
francs de riquissimos padres a 360,400 e 440 b
covado, pecas de cambraia branca a 3, 3*500,
4*, 4*800, e 5* multo fina, ditas de cores de apa-
rado gosto a 2*800 e 3* o erte, pecas de mada-
polao muito fino com 24 jardas a 6*, 6*500, 7*,
7a*00 e 8*, ditas elefante milito superior a 8*800,
9*, 9*500 e 10*, dito francez eom 12 jardas, sen-
do fazenda mnito encorpade e fina a 4* e 4*600 a
peca, cortes de laa a 4*, 4*300, 5* e 5*500, ditos
a Maria Pia com barra, sendo os mais modernos
qae tem vindo ao mercado a 10* e 13* o corte.
pechincha, lenco de cassa com barrinha de cor
a 100,160 e 200 rs., ditos com blco a 240 e 320, e
dnzia 2,5500, crinolinas on baldos de 30 arcos a
3*500, ditos com 15 arcos a 2*200, tiras de fina
cambraia bordadas a crox a 600 e 1*, ntremelos
a 890 rs. a peca, gravatinbas pretas e de cores
para senhora a 640,800 e 1*, mantas de seda de
cores para pescoco a 1*400 e 1*600; isto s se
vende na Ioja de Guimares & Irmao, roa da im-
peratriz n. 72.
Ceke da gaz.
Ptela do gaz.
Alcatro da gaz.
Coke tonelladas rs. . 10,5000
Piten . 800000
400
0 coke reconhecidamente o carvao mais econo-
mico, toraa-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se ola na cozinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alm das applicacoes
diversas a que se prestara, cerno para callafetar
embarcacoes, alcatroar madeiras, etc., teem este a
propnedadeda preservar docuplrn, formfgas, ele.
E' entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qualquer ponto 4a cidade, segando a vontaie do
comprador.
Fogo, fogo, fogo.
Acba-se fgido desde o dia 4 do correte
mez o escravo Trajano, com os signaos seguintes :
idade 20 annos pouco mais ou menos, estafara re-
gular, com algoroas marcas ae bexiga* no rosto,
tem um dente de menos na frente, cor fula,
crenlo, levando comsigo um cavUlo rugo, magro,
e em dinheiro pouco mais ou menos 100* : ro-
ga-se a todas as autoridades policlaes, capitaes de
campo e mais pessoas que delle Hter noticl.s de o
apprehender e leva-lo a ra dos Pires n. J4, quo
serao generosamente recompensados.
Pugio o mulato escravo de noine l.uiz. co-
ntiendo por Luiz Monteiro, idade 28 annos, pouco
mais ou menos, bastante alto, secco, bem pareci-
do, sem barba, pernas rompridas, cor clara, ca-
bellos cacheados, ofHcial de pedreiro, pintor e
caiador, canholo, e o maior tigual que em
urna estrella as costas das mos, tres pintas azues
formando um triangulo em cada lado do rosto, e
ama grande cicatriz em um dos brac s cima do
sangradouro, escravo do major Antonio da Silva
Gusmo, morador na ra Augusta n. 99 : portante
roga-se as autoridades policiaes e aos capitaes de
campo, assim como aos senhores de engenho e
proprietarios aonde elle for trabalhar, intitulndo-
se forro, tanto nesta provincia como fra della,
que o faca prender e remoller ao sobredilo senhor,
qae pagar todas as despezas, assim como a quem
o conduzir.
...... i i
Atteiico
No dia 4 de aneiro do anno de 1864, fugio do en-
genho Conceico, comarca de Pc-d'lho, o escra
vo Galdino, pertencente ao ahaixo assignado, com
os signaes seguintes : idade 26 annos, pardo, claro,
corpo, figura e altara regulares, cabellos ru ios ca-
rapinhados, olhos pardos, sobrancelhas e plpenlas
salientes, tem em cada braco um sino de Salomao,
sendo am delles mal fetto, c junto a este urna cruz,
tem na cabeca urna cicatriz de ama polegada, e em
cima de um qnarto nma outra cicatriz de tres po-
legadas, proveniente-48 pona de pao e queda, tem
sobre as costas algumas mareas on cicatrices de re-
inadas on chicote; am[pouco desembarazado quan-
do falla, tem principio de carplna e carreiro, toca
viola e barbado. Poi soldado do corpo de polica no
Recife, e levon comsigo a baixa do theor seguirte :
Seclo urbana, 2a companhia n. 50, Antonio Caeta-
aode Olivcira, lilho de Agoslinlio Ferreira de Bri-
to, natural de Ingazeira, cr parda, cabellos cara-
pinhos, olhos pardos, offlcio nenhum, estado soltei-
ro, com 30 ftna^s de Made, 60 Delegadas de altura,
ao engajar-se. Engajea-se na forma do regula-
mente, em 17 de fevereiro de (862, por offlcio do
Exm. Sr. presidente da provincia, data o de 28 de
abril do corren te, e publicado ao corpo cm ordem
do dia 1* de mam, lado em 1862; teve baixa do
servico por ler dado em seu lugar o paisano Joao
Pedro Ferreira da Rocha. Foi escravo do capito
Joao de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e boje morador na
Campia Grande da Parahyba do Norte, que o ven-
dea em das do mes de novembro de 1863 ao abai-
xo assignado, pelo cosame de andar fgido e a ti-
tule de forro com o nome mudado ; pelo que roga- .
se a silencio das autoridades civis e militares, nao
s desta provincia como das demais do imperio, a
apprebenso do dito asara vo, que a titulo de forro,
nao tenba sido recratado ou assentado praca em
alguns dos corpos de Voluntarios da Patria, tam-
bem pede-se aos capitaes de campo e pessoas par-
ticulares a mesma apprahensao, e leva-lo ao sen
senhor no referido engenho Conceico, ou nesta ci-
dade ao capito Mauricio Francisco de Lima ra
do Brum n. 56, que ser gratificado com 200*.
Jos Maria dos Santos Cavalcanti.
Fugio em principios do mez de fevereiro do
correte anno e consta estar acontado nesta cidade
o moleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade pon-
Valdiv.no da plvora, vende bom fogo do ar, M raais ou ^^ cor prela secco do corpo 0|ho8
por preco eommodo : no sea armazem de sal, rna
Imperial i. 221.
Azeite de carrapaio
Veade-se em grosso e a retalho mais barato que
os maturos, em carga : na fabrica da travessa do
Carioca n. 2, caes do Ramos.
regulares e afumaoados, cabeca um pouco grande
e meia chata, boleos finos, dentes bem alvos, ps
seccose muito ladino : roga-se por tanto a todas as
autoridades policiaes e capitaes de campo que o ap-
prehendam e levem-o a rna da Mangueira sobrado
n. 6 que serio gratificados, protestando-se usar dos
melos judfelaes contra qnalqner pessoa que o tenba
em sea poder.
mllulse)


Piarlo t r**n*mhuco ... jabado de Male de i8*
o
LITTERATORA.
W.4TERLOO
(Coniinuaco do conscripto de 1813.)
POR. .....*^..w.
ERCKMAXN CHATfilAN
PRIMEIRA PARTE. "*
XIV
(Conclusas da primeira parte)
Quando acabei de ler, a lia Gredel, olhan-
do para o Sr. Goulden, perguntuu-lhc:
Ento que Ihe parece isso?
Parece-me que essa gente est a man-
gar com os povos, e que extermina ia o ge-
nero humano sem vergonha e sem d, para
sustentar na abundancia quinze ou vinte fa-
milias. Parece-me que esses liomens cui-
dam que sao deuses, ou que nos somos par-
vos.
Nao digo o contrario, Sr. Goulden,
mas em todo o caso, Jos lera de partir ou-
ira vez.
Empallidici conhecendo que ella tinha ra-
zo.
Sim, disse o Sr. Goulden, eu j o sa-
lva lia alguns dias, e flz o seguinte: voce-
mec j ha-de saber que se eslo formando
grandes oflicinas para o concert das armas.
Ha urna no arsenal de Phalsburgo, mas ha
falta de bons operarios. Naturalmente os
bons operarios fazem tantos servicos ao es-
tado, concertando as armas, como os que
vao guerra; teem mais trabalho, mas ao
monos nao arriscam a vida c estao em sua
casa. Por isso, fui logo a casa do comman-
lanle de artilher a, e pedi para que Jos
fosse recebido como operario. O concert
do fuzil de urna espingarda nao nada para
um bom relojoeiro. O Sr. de Montravel
acceitou logo. Aqu est a ordem para se
iprcsentar.
E mostrou-Dos um papel que tirou de um
bolso, e eu nao pude cojiter-me que" uo dis-
sesse em um grito, parecendo-me queentra-
va em novo mundo:
Oh! o Sr. Goulden mais do que
nosso pae, porque me salva a vida I
E Calharina, a quem a inquietaco abafa-
va ha muilo tempo, sabio lego emquanto que
a iia Gredel, que se tinha levantado abra-
gftva o Sr. Goulden pela segunda vez, di-
zendo :
O senhor o mellior dos homens.....
um homem de verdadeiro juizo. Ah, que
se lodos os jacobinos assim fossem, as mu-
herea nao quereriam casar sen5o com jaco-
binos.
Maso cp;e eu fiz a cousa mais sim-
ples do mundo, dizia o Sr. Goulden.
Nao, nao ; nao to pouco como ima-
gina ; o sen bom coraco que Ihe d boas
ideas.
Eu, na minha admiraco c namraha ale-
gra, nao achava palavras, e emquanto a tia
Gredel fullava, fui ao pomar tomar ar. Ca-
tbarina esta va l, encostada ao forno, e cho-
rar a bom chorar.
Ah, agora respiro, disse ella; parece
que sinto vida nova.
Abraceia-a com extraordinaria ternura.
Conheci o que ella devia ter soffrido duran-
te ummez; mas era urna mulher animosa
que me oceultava as suas inquietaces, por-
que bem sabia que nao me fallavam tam-
bem.
Ficamos assim mais de dez minutos al
contermos as lagrimas; depois, voltando
para casa, o Sr. Goulden disse-nos:
Bcm, Jos; ser amanha; bas-de ir
cedo, porque nao le faltar que fazer,
Que felicidade pensando que nao teria de
marchar Eu tinha bem razos para nao
juerer sabir de Phalsburgo. Catharina e eu
esperavamos alguma cousa!... Meu Deus,
meu Deus! os que nao tem passado por
estas cousas nunca sabero o que os homens
podem soffrer, nem que peso una boa nova
pude tirar de sobre o coraco.
Ainda estivemos perto de urna hora nos
Quatro Ventos. Depois, quando vinha a
gete das vesperas, ao fechar da noite, par-
timos para a cidade. A tia Gredel acompa-
nhou-nos at purta, e eram sete horas
quando subamos as nossas escadas.
Foi assim que se eslabelcceu a boa har-
mona entre a tia Gredel e o Sr. Goulden.
Depois, ia elle ver-nos a miudo como em
outro tempo. Eu ia todos os dias ao arse-
nal, e trabalhava no concert de fechos de
armas. Ao meio dia, ia jantar a casa. A'
urna hora tornava a sahir e voltava s sele.
Era ao mesmo tempo soldado e operario,
dispensado das chamadas, mas carregado de
trabalho.
Esperavamos que eu ficaria n?essa posi-
Co at ao fim da guerra, se por desgraca
ella comerasse, porque nao baria certeza de
nada.
XV
A confianca tinha vollado um pouco desde
queeu trabalhava no arsenal; mas ainda li-
ndamos inquietaces, porque centenares de
soldados licenciados por seis mezes e de sol-
dados velhos que tornaram a assentar praca
e de recrutas, passavam de mochila s cos-
tas com os seus vestidos de campinos. To-
dos grita vam : viva o imperador! e pare-
ciam furiosos.
Na grande sala da casa da cmara, uns re-
cebiam um capote, outros urna barretina,
outros dragonas, outros polainas e sapatos
pagos pelo districto. E parliam assim pa-
ra se reunirem, e eu desejava-lhes boa jor-
nada.
Todos os alfaiates da cidade faziam farda-
raentos por empreitada, os soldados da po-
lica cediam os seus cavallos para a caval-
leria, e o presidente da cmara, o bar3o
Parmenlier, incitava os rapazes de dezeseis
a dezesete annos a alistarem-se s ordens do
coronel Brice, que devia defender os desfi-
Udeiros da Zorne, da Zinselle e da Sane.
O barao vinha do Campo de Maio, pelo que
se redobrava o seu enthusiasmo.
Vamos! animo! gritava-lhes elle, e
fallava-lues dos romanos que se tinbam bati-
do pela patria.
E eu diiia commigo quando o ouvia:
Se tu achas que tao bonito, porque
n3o vaes tambem ?
Pde-se imaginar com que boa vontade
eu trabalhava no arsenal; nada me cuslava;
eu teria passado os dias e noutes a concer-
tar espingardas, a limpar bayonetas, a aper-
tar paralases. Q uando vinha ver-nos o com-
mandantel de Montravel admirava o meu tra-
balho :
Muito bem dizia elle, muito bem !
Estou satisfeito, Jos Berta.
Easas palavras |enchiam-me de satisfcelo,
e nao deiav ^e a referir a Catharina para
a animar;'
Tinhamos j quasi a certeza de que o Sr.
de Montravell n5o me deixaria sahir de Plals-
burgo.
As gazelas nao fallavam senlo da nova
Conslituicao, a que se chamava o Acto addi-
cional, e do Campo de Maio. O Sr. Goul-
den achava sempre que emendar, ora em
um ponto, ora em outro ; mas eu j n5o
quera saber d'essas cousas, e at me ar-
rependia de ter gritado contra as pro-
cisses e penitencias. Eslava farlo de po-
ltica.
Isto drou at 23 de maio. N'esse dia,
pelas dez horas da manb3a, estava eu na sa-
la grande do arsenal preparando-me para
encher caixes de espingardas. A porta es-
tava aberta de tudo.
Os soldados do trem, com os seus carros
cobertos, esperavam defronte do parque mi-
litar para carregarem as caixas. Pregava
eu a ultima, quando o guarda do corpo de
engenheiros, Boberto, me bateu no hombro
dizendo-me baixinbe:
Berta, o commandante quer fallar-lhe;
est no pavilho.
Que tinha o commandante para dizer-me?
Nao sabia o que seria e a?sustei-me. Apezar
d'isso, atravessei logo o pateo onde est o
alpendre das carretas; subi a escada, e bat
blandamente porla.
Entre disse o commandante.
Abri a tremer, com o barrete na mo.
O commandante era homem alto, magro,
moreno, e de cabeca um pouco inclina-
da para diante. Andava a passear de um
lado para o outro no meio dos seus livros,
cartas geograpbicas e armas pendentes das
paredes.
Ah, voc, Bertha ? disse elle quan-
do me viu. Vou dar-lhe urna m noticia.
O 3. batalho, a que voc pertence, vae
partir para Metz.
Ouvindo essa terrivel nova, senti tal aba-
lo que nao pude dizer nada. Elle olhava
para mm.
Nao se afflja; voc est casado ha al-
guns mezes, e um bom artista, e isso me-
rece consideraco. Entregue esta cart ao
coronel Desmiches, no arsenal de Metz;
um amigo meu. Esteja certo de que Ihe ha
de dar que fazer as suas oflicinas.
Peguei na carta, agradeci-lh'a, e sahi ater-
rado.
Em nossa casa, Zebedeu, o Sr. Goulden
e Catharina esta vam todos a conversar na
sala de trabalho. J sabiam de tudo, e bem
o moslravam no semblante afUicto.
O 3. batalho vae partir, disse eu,
mas nao importa. O Sr. com-' -mdante de
Monlravell deu-me esta carta r director
do arsenal de Metz. N* quieten),
porque nao entrarei em campai*.a.
Eu quasi a' afava. O Sr. Goulden pegou
na carta e disse :
Ella est aberta; para que a pos-
san os Ler.
E enfeo leu a carta em que o commandan-
te me racommendava ao seu amigo, dizen-
do que r-a casado, bom artista, laborioso,
necessario minha familia, e que faria bons
servicos no arsenal. Nao se podia escrever
nada que me fosse mais favoravel. Zebe-
deu esclamou :
Agora estaes salvo!
E' verdade, disse o Sr. Goulden, Jica-
ras no arsenal de Metz.
E Catharina veto abracar-me, muito pli-
da, dizendo:
Que felicidade, Jos I
Todos fingiam acreditar que eu flearia em
Metz, e eu tambem quera occultar-lheso meu
susto. Mas isso suffocava-me ; mal podia
conter os solucos; felizmente lembron-me ir
annunciar a noticia lia Gredel.
Olhem, disse eu, ainda que nao seja
por muito tempo e que tenha de ficar em
Metz, preciso que v dar essa boa nova
tia Gredel. De larde, das cinco para as seis
horas, aqu estarei oulra vez. Catharina te-
r tempo para arranjar a minha mochilla, e
depois cearemos.
Catharina nao me disse nada, porque mal
podia conter as lagrimas. Sahi como dou-
do. Zebedeu, que voltava para o quarlel
preveniu-me porla de que o ofQcial en-
carregado da distribuicao de fardamentos
eslava na casa da cmara, e que era preciso
que estivesse l s cinco horas. Ouvi es-
sas palavras como se fosse um sonho, e fug.
da cidade. as esplanadas, deitei a correr,
sem ver por onde, nos caminho cobertos ;
passei pela fonte dos Tres-Castellos e pelas
Barracas de Cima, ao comprido do bosque,
para ir aos Quatro Ventos. A ideas que me
atravessavam a mente nao as posso dizer.
Eslava borrorisado, e quizera poder correr
at Suissa. Mas o peior foi quando me
aproximei dos Quatro Ventos pelo atalho
de Daun. Seriam tres horas. A tia Gre-
del, que es'ava a por estacas nos feijes no
seu jardim, viu-me de longe e disse l com-
sigo:
Aquelle Jos I Que andar elle a
fazer no meio dos trigos ?
Depois de entrar no caminho cavado,
cheio de sulcos dos carros, e de areias que
o sol aquecia como um forno, subi vagaro-
so e cabisbaixo, dizendo comigo:
Nao tenho animo para entrar e appa-
recer-lhe.
Mas de repente, por detraz, ouvi a me
de Catharina, que me bradava :
E's tu, Jos I
E que diz Catharina ? E' horrivel!
Est contente por ver que flearei no n^ destino I
arsenal, e o Sr. Goulden tambem est satis- Tp,ok ,
feito. Washington cortou o annel da cadea de
Muito bem. E j te preprtrl o*"*> m que a Britennia macerava os
que te preciso ? "pullos dos Estados da America, ejiber-
Est lado a preparar-se, e devo lar l0""08,
antes das cinco horas na casa da cmara para Lincoln foi o continuador d'esse pl.no re-
receber o meu fardamento. I demptw ; completou-o, eitirpsndo de urna
Pois bem, rae. D c um abraco. Tez dos dominios d'esse povoadmiravel toda
Eu nao irei l. N3o posso ver partir o fia- e qoalquer idea de escravidao.
talhao. Nao irei, nao. Quero viver muito Feliz, por outra face, devfa ter-se finado
tempo. Catharina precisa de que eu viva, aquelle genio predestinado, que, antes do
E ia desatar em griios, mas conteve-se e seu passamento, lestemunhara o glorioso
perguntou-me: fructo do seu esforco no mais vasto e ampio
A que horas partem T complemento que fra possivel dar-se ao
A'manbSa, s sete. plano maravilhoso de Washington.
Pois irei s oito. J estars longe. No Brasil D. Pedro I desempenhou com
mas sabers que a mae de tua mulher est'egual e feliz resultado o papel d'esse grande
qae toma conta de sua filha... e que americano.
ropa,
eos
entre os
l...
que nao tem senao a
E' verdade.. sou eu.
Ella sahiu-me ao encontr por debaixo da
avenida de sabugueiros, e vendo-me muito
paludo, disse-me:
Aposto que sei porque vens c, meu
filho ; vaes partir, n3o assim ?
Mandam-me para p arsenal de Metz.
Os outros marcham.. eu vou para Metz...
sou mais feliz. '
Ella nao disse nada. Entramos na cosi-
nba, onde havia muita frescura por causa
do fortissimo calor que ia por fra. Assen-
tou-se e eu li-lhe a carta do commandante,
Ella escutava, e no fim so me disse :
Sim... s mais feliz!
vos quer muito..
vos no mundo I...
Dizendo isto, aquella mulher, que tao ani-
mosa era, poz-se a chorar. Acompanhou-
me at estrada, e parti. Nao tinha urna
gota de sangue as veias. Cheguei casa
da cmara ao darem as cinco horas. Subi,
tornei a ver essa sala onde tinha sido sor-
teado com m fortuna, essa sala maldita on-
de todo o mundo tirava mos nmeros. Be-
cebi um capote, urna farda, um par de cal-
cas, urnas polainas e sapatos. Zebedeu que
me esperava, disse a um dos seus fuzileiros
que levasse tudo para o quartel.
E' preciso que venhas cedo fardar-te,
disse elle ; a tua arma e a tua patrona esto
no cabide desde pela manhaa.
Vem comigo, disse-lhe eu.
Nao vou, nao. A vista de Catharina
afflige-me muito, e tambem preciso que
eu faca companhia a meu pae. Quem sa-
be se lornarei a ver o pobre velho d'aqui a
um anno ? Prometti cear em tua casa, mas
nao irei.
. Tive de entrar em casa s. A minba|mo-
chila esteva prompta, a minha velha mo-
chila, a cousa nica que salvei de Hanau,
com a cabeca em cima della, no carro co-
berto. O Sr. Gonlden estava a trabalhar ;
voltou-se para traz, mas como nao me dis-
se nada, perguntei-lhe :
Onde est Calharina ?
Est em cima.
Pensei que estara a chorar. Quera su-
bir, mas fallavam-me as forcas. Disse ao
Sr. Goulden o que se tinha passado nos Qua-
tro Ventos; dej ois ficamos um defronte do
outro, mas sem olharmos um para o outro.
A noute ia se cerrando, e j nao havia qua-
si luz nenhuma quando Catharina desceu.
Poz a mesa s escuras; depois peguei-lhe
em urna mo e fi-la assentar ao p de mim.
Assim estivemos quasi meia hora.
Zebedeu nao vem ? pergunteu-rae o
Sr. Goulden.
Nao vem porque est de servico.
Pois. enlo vamos cear.
Mas niaguem tinha vontade de comer.
Catharina levantou a mesa s nove horas
e fomos deitar-nos. E' a noute. mais
terrivel que tenho passado em toda a mi-
nha vida. Calharina estava como morte ;
chamava por ella, e nao me responda. A'
meia noute fui dar parte d'siso ao Sr. Goul-
den, que se vestiu logo e subiu. Fizemos-
lhe beber agua adocada com assucar. Veio
a si e levantou-se. N3o posso dizer ludo.
S sei que se deitou aos meus joelBs, pe-
dindo-me que nao a deixasse, como se fosse
isso dependente da minha vontade. Eslava
como douda, O Sr. Goulden quiz sahir
para chamar um medico, mas nao o deixei
ir. Quando veio a madrugada, foi-se rea-
nimando, chorou muito tempo. e por fim
adormeceu-me nos bragos. Entao nem ao
menos me atrevi a abraca-la e salamos de
manso. E' n'essas occasioes que se v o
que sao as miserias da vida, e que um ho-
mem diz comsigo :
Meu Deus, porque me deitaste a este
mundo ? porque nao me deixaste dormir no
nada por toda a eternidade ? Que tinha
eu feito antes de nascer, para merecer, que
veja agora soffrer tanto as pessoas quemis
amo ?
Mas nao Deus que faz taes cousas. Os
homens, s5o os homens que nos arrancam o
coraco.
Emfim, o Sr. Goulden tinha desodo
comigo e dizia-me:
Ella est a dormir ; nao sabe nada, E'
urna felicidade. Irs embora emquanto dor-
le.
Eu dava gracas ao senhor por a ter feito
adormecer. S bresaltavam-nos os mais le-
ves rumores, quando emfim comecou a tocar
chamada. Entao o Sr. Goulden olhou pa-
ra mim gravemente, e levantamo-nos. Pe-
gou na mochilla e afivellou-m'a aos hom-
bros. Depois disse-me :
Jos, vae ver o commandante do ar-
senal, em Melz, mas n3o esperes nada. O
perigo tao grave que a Franca precisa de
lodos os seus filhos para a defenderem. Ago-
ra nao se trata de tirar aos outros o que
delles, mas de salvar o que nosso. Lem-
E por que, mutatis mutandis, nao con-
tinuar o Sr. D. Pedro II a obra encelada
por seu Augusto Pae, no sentido de effectuar
a suspirada allianga d'este imperio com
aquella potencia do norte, por si s capaz
de dar b'coes e leis ao mundo ?
A lei providencial que preside aos altos
destinos da humanidade parece impellir-nos
para esse foco de luz e de perfeico.
A lei ha de cumprir-se.
O que falla o braco que realise a idea,
a aeco que vista o pensamento que se re-
volve no fervor da necessidade de sua exe-
cuco.
Os Estados-Unidos, como repblica, vae
quasi a attingir o immenso desidertum so-
cial.
O Brasil, como monarcha, poder, devo-
ra tambem alcancar esse desidertum todas
as vezes que se revir. no espelho polido e
vivo dos Estados-Unidos, embora caminhan-
do, segundo a sua propria autonoma, cos-
tumes, impulsos, vivendo dos seus proprios
recursos, desenvolvendo por si mesmo as
suas industrias, satisfazendo as suas neces-
sidades por seus esforcos nicos, fazendo
mfim do nacional tudo, seu futuro, sua
yida, sua alma.
Que phase celeste, que horisontes de rosas
para o Brasil, que caminhasse assim I
O povo brasileiro nao est preparado
nem tem predisposico para acceitar a for-
ma do governo republicano. E' pouco cul-
tivado e excessivameute impetuoso; essa
forma degenerara em suas maos.
Mas o povo brasileiro est preparado e
acceila como um dos prime ros auxiliares
para o seu engrandecimenlo presente e fu-
turo esse consorcio bemavenluiado, esse lo
de unio e de progresso.
Ha tudo quanto se pode sonhar de pro-
veitoso e regenerador n'esse laco intimo en-
tre a patria e os Estados-Unidos, de provei-
toso e regenerador para a patria mesnii,
para todos os estados constitutivos do con-
tinente da America.
Da Europa.... o que pode aspirar o Bra-
sil da Europa ?
Outros que vejam utilidade e felicidade
n'isso.
Eu nao.
Eis ah o nosso pensamento.
E' esle o fim que tivemos em vista, des-
de que encetamos esta fcil publicacao.
Nao nos levem a mal esta sincera mani-
festacao de nossas crencas.
Emum paiz livre, que tr.ita mais seria-
mente de garanlir-se no mappa das naces,
que cuida de florescer, qualquer urna idea
discutvel que se atire dos labios da imprensa
dentro do turbilho das massas, deve ser
acceta e analysada.
Solicito discusso esclarecida, por quem
melhor possa desenvolv-la, sobre o as-
sumplo.
Certos, porm, estejam todos os espiritos
investigadores e activos, de que n'estas pala-
vras falla minha alma com toda a abundan-
cia de coraco.
Que o Brasil rasgue a senda de sua vida
como e por onde deve a minha mais dou-
rada aspiraco.
Que a prepotencia oppressra da Europa
com relaco a todos os povos da America,
vacille e baqueie sem rumor, nem alarde,
mas apenas pela forca moral das ideas res-
suscitadras do seculoeis a minha felicida-
de.
E' o que pens comigo.a sos.
XII
Fechamos o plano por consequencias l-
gicas.
Do que fica expendido nos captulos tran-
sactos concluo :
Que o Brasil guarda na ambula de seu
seio todos os elementos de vida social e fe-
licidade real.
Que o verdadeiro patriotismo no Brasil
domina exclusivamente no povo.
Que at ao presente, e abstraco feita de
bra-te que tu, tua mulher, tudo o que tens uraa ou de ou,ra excepeo honrosa, os go-
mis charo no mundo est agora compro-1 venanles tem somente governado pelo prin-
Encontra-s^or m& JJ|fkja JEurc
a Amancay "W Mojo flia, no brte, entr
os que se dizem eivisados,
evos selvagens. I !
Ha mwito*sflfculos fl# H* dizima a* ge-
racoes humanas; ha piincipalmente muitos
seculos que ella arruina os pobres opera-
rios.. .
Talvez pensis, leitores, que eu v(w fallo
aqui da febre amarella, do cholera ou d'ou-
tra qualquer doenfa deste genero ?
Ol! nao ; a doenca de que hoje venho
fallar-Tos, mais cruel e mais lemivel !...
Mata mais gente :' e, o que mais horrivel,
nao lhes mala s o corpo, mas estende os
seus estragos at a sua propria alma, e a
sua lamentavel influencia eslende-se assim
para alm do tmulo !
Chama-se embriaguez.
Ella deshonra, embrutece e redoz con-
dicao de um animal o infeliz operario que
se deixa arrastar pela sua tyranna !
E' ella que arruina as familias, e que d
causa as mais das vezes a esses horriveis ex-
cessos de miseria que ah estamos a ver nos
grandes centros de populagao.
A embriaguez o uso immoderado de be-
bidas espirituosas.
Quando involuntario, nao um pec-
cado.
E', porm, um peccado mais ou menos
grave segundo o gru de vontade daquelle
que se embnga, e segundo o estado mais ou
menos notavej em que ello cae.
E' sempre falta grave quando se perdo
voluntariamente o usn da razio.
Nao vos engais, diz o Evangelbo, os
bebados nao enlraro no reino de Deus.
I
A embriaguez afilia e degrada o homem.
O que que distingue o homem dos bru-
tos?
Nao a razao ?
A razo nao porventura o mais bello
apanagio ?
Ora o que faz o bebado ?
Que faz elle da sua intelligencia ?
Nao se reduz elle a um estado de estupi-
dez durante o qual nao sabe nem o que diz
nem o que faz ?
As peinas cambalam, os olhos nao vem
e a lingua j nao sabe seno proferir um
ignobil gaguejar, em vez de caminbar, anda
agarrado pelas paredes, e mancha os seus
vestidos as immundices, no meio das quaes
adormece.
O cao que passa por ello, nao Ihe supe-
rior ?
Que vergonha para a humanidade !...
Amigamente os magistrados de Sparta ex-
pozeram ao publico um escravo cheio de ?i-
nho pira inspirar mocidade o horror des-
te vicio.
Donde sabio um tal monstro, excla-
mou a mnltido. Tem a figura do um ho-
mem, mas tem menos sentimento que urna
besta!
II
A embriaguez enfraquece a saude, e
abrevia vida.
A embriaguez esgota as forcas e o vigor,
mesmo aos homens os mais robustos.
A experiencia ahi est para o provar.
O effeto ordinario do vinho, da agur-
dente e de todas as bebidas espirituosas,
fazer subir violentamente o sangue cabeca ;
de sorte que o bebado castigado no seu
proprio peccado, a apoplexia fulminante e
finalmente a morte repentina de ordinario
o castigo que o espera
Um degracado operario, tendo bebido um
dia demasiada agurdente, cahiu em um es-
tado de embriaguez tal, que Ihe sobreveiu
urna febre cerebral, que o deixou para sem-
pre privado da razo.
Que estado, grande Deus para compa-
recer diante do tribunal supremo!...
III
.1 embriaguez accende todas as paixdes,
e lanca a desorden no meio das familias.
Desgracada familia onde ha um bebado
Desgracada mulher que tem um bebado
por marido o mais ainda, desgracado ma-
rido, desgracados lilbos de urna mulher que
se embriaga !
Sem fallar dos mus costumes, que quasi
sempre acompanham este borroso habito, o
que ha de mais brutal do que um homem
lomado de vinho ?
Quand'recolher-se para casa, depois de
ter bebido o ganbo da semana, indispensa-
vel para as necessidades de sua familia, ,en-
contra-s face a face de urna mulher deses-
perada ou exasperada.
Se ella Ihe dirige justas censuras, ele, es-
quentado pelas bebidas, privadodasua razo,
entra de ordinario em desordenado furor,
comeca a vomitir as maiores imprecaepes,
d a seus desgracados filho* os mais horri-
veis exemplos, malirata-os assim como a sua
m3e!
Que infame espectculo I d'um lado lagri-
mas, do outro ji,lamentos e violencias ; um
tal vver nao ser a imagem do inferno ?
c3o poderaia achao m io de adocar as vos-
sasenas, ede evitar as offensas a Deus !
ios, qtfrsoii teeteamiohas dos desregra-
menlOs de v#ssos paes, fugi de seguir o seu
exemfrto, e,J ameHraddl por urna horrorosa
experiencia, promettei a Deas, que baveis
de seguir um caminho inteiramente opposto.
Quanto a s, homens que tendes o de-
ploravel habito da embriaguez, armae-vos
de toda a vosia coragem, e quando mesmo
vos seja necessa.-io renunciar de lodo a be-
ber vinho que vos per4i| mudae de vida,
conyertei-vos, tornae-votpmens honrados e
Chrislos I Despertae ao'flom das queixas e
dos gemidos de urna esposa que fazeis infe-
liz despertae aos gritos e lagrimas de vos-
sos pobres filhos que refpzis mendieida-
de despertae ao ruido do trovo da culera
divina 1 vede o inernd'que est aberlo dimi-
te de vos ; calareis ah infallivelmente se
vos nao corrigirdes do vosso abominavel
vicio.
De reslo, tende confianca em Deas, que
perdoa tudo e sempre quelles que se arre-
pendem nao percas tempo em recorrer
divina misericordia ; aproveitae o qae vos
resta, que talvez seja bem curto, para ob-
terdes, por urna verdadeira penitencia, o
perdo de todos os vossos excessos.
s. somanto.
que se diz origem milanez,
pela virtude do que pelo
Este santo,
era nnis illustre
nascimento.
Foi diere da primeira cohorte pelo impe-
rador Diocleciano em signal de amizade.
SebastiSo professava a religio catholica ;
soccorria com seus bens, os seus correligio-
narios e exhortava a perseveranca os que
eram condemnados ao martyrio pela lyran-
nia imperial.
Entretanto foi acensado parante o impera-
dor : Diocleciano empregou ameacas e pro-
messas para o lim de obriga-lo a sacrificar
aos deuses. Nada podendo conseguir, con-
demnou-o a ser atado a urna columna no
hippodromo do Palatino, e traspassado de
settas.
Deixado por morto, Sebastilo foi encon-
trado vivo por Irene, piedosa christa, viuva
de S. Castulo.
Ella pensou suas feridas, levou-o occul-
tamente para a sua casa e ahi coaservou-se
at que de todo se restabeleceu.
O glorioso martyr, cheio de coragem, lo-
go que permtiiram suas forcas, voltou ao
imperador e exprobrou-lhe a conducta im-
pa e insensata para com os homens que di-
rigiam seu culto ao Deus^creador do cu e
da trra em vez de invocar loucamente esta-
tuas de podra c de u.
Diocleciano, enfurecido de ver frustrados
seus projectos de vinganca, mandn matar
Sebastio com varadas e lancar seu corpo em
urna cloaca.
Os actos do santo dizem que elle appa-
recera a Lucina, Ihe indicara o lugar em
que jaziam seus restos para serem sepulta-
dos entrada das Catacumbas, nao longe do
lugar em que estavam os corpos dos apost-
los Pedro e Paulo.
Lucina obedecen e ficou trinta dias no
cemiterio, honrando com jejuns e oracoes as
preciosas reliquias com que o tinha enri-
quecido.
mettido. Qoizera ter vinte annos menos para
acompanhar-te e servr-te de exemplo.
Deseemos sem fazer ruido, abracamo-nos
e corri ao quartel Zebedeu levou-me ao
quarto, onde me fardei.. Tudo o que me
lembra agora, depois de tantos annos, que
o pai de Zebedeu, que estava l, entrouxou
o meu fado, dizendo que o iria levar a nos-
sa casa depois de partirmos ; oque depois
o batalho desfilou pelo becco de Lanche,
por debaixo da porta de Franca.
Seguiam-nos alguns repazes. Nos. reduc-
tos avancados, os soldados da guarda forma-
ram quando nos passamos. Estavamos em
caminho para Waterloo.
UM POUCO DE TUPO.
cipio do interesse de si mesmos.
Qae Sua Magestade o Imperador tem si-
do victima innocente da falta de amor pela
naco de quasi todos os membros, que ha
chamado ao.exercicio do poder.
Que urna das grandes causas do atrazo do
Brasil tem sido que quem sobe ao governo
trata somente dos seus melboramentos indi-
viduos, a despeilo do sacrificio dos interes-
ses de todos ou do interesse commum.
Que desde qae o amor da patria subir da
classe baixa e media classe alta das posi-
caes, a marcha nacional ser para logo pro-
gressiva e felicitadra.
Qae em quanto o Brasil nao se approxi-
mar, quanto em si couber, do caminho que
leva os Estados-Unidos, onde o que s go-
verna sao as virtudes e o patriotismo, a Eu-
ropa s ter para atirar-lhe face o menos-
o ridiculo.
E ficamos a olbar um para o outro sem reflexoes
dizermos nada. Depois enlacou-me o pes-'fl proposito da guerra entre o Brazilea
coco com as mos, puxou-me para si, teve-, repblica do Paraguay.
me abracado muilo tempo, e vi que chora-,
va. perdidamente, mas sem om soluto, sem XI
um suspiro. | Nao sei o que de precioso e sublime para
Yocemec chora 1 Pois nao v que | o Brasil affigura-se-me ter myrrado e'esvae-
fico em Metz ? cido com o recente assassinio de Lincoln.
Concluimos hoje a serie de artigos sob o P^ezo, o ridiculo e mantera suas relacoes
{(Ul0 na raz5o directa da possibilidade de auferir-
lhe os gozos*
N3o responden e foi adega buscar vi-
nho. Fez-me beber um copo delle e per-
guntou-me :
Parcia-me ver n'esse grande homem o
execotor de um designio supremo a respeito
de todo o continente americano.
S.
O bacharel,
Tavora:
JoSo Franklin
da Silveira
L-se na Estrella do Sul o seguinte :
EMBRIAGUEZ.
Ha no mundo urna terrivel doenca, qae o
; devaste e arruina.
Santo Agoslinho, hispo de Hipponia, na
frica, conta que um rapaz da cidade, cha-
mado Cyrillo, que passava a vida na embria-
guez, com compnheiros dissolutos, lendo-
se um dia entregado a todos os excessos da
intemperanca, voltou para casa e matou cora
urna facada urna de suas irmas, que Ihe
lanca va em rosto o seu estado. Aos gritos
da victima, aecudiu o pae immediatamente,
e Cyrillo, atreve-se a ergaer a mo para
aquelle que Ihe dera o ser, e degola-o como
fizera sua irma.
Santo Agostnho, informado logo deste
execravel attentado, reuniu o seu povo na
egreja, subiu cadeira, e comquanto tives-
se j pregado duas vezes naquelle dia, no-
ticioua seus ouvintes o horrivel excesso, a
que a embriaguez levara um de seus conci-
dados.
Os solucos e a sua emoco ffflaram mais
alto do que as suas palavras.
Do meio da assembla sahiram clamorosos
gritos, e todos se empenharam com suas
fervorosas oracoes. em desviar os golpes da
justica divina, que a cidade de Hipponia pa-
reca ter merecido por ter produzido um se-
melhante monstro.
Pobres mulheres, que tendes a desgraca
de terJes maridos bebados, tende todo o
cuidado em lhes nao dirigir censuras, quan-
do os virdes embrigados.
E' do Sr. Cyrillo de Lemos esta poesa
PAULINA.
Dir-se-hia que pur ti Deus sent amore;.
(M. Monteiro).
Nasceu Paulina radiante e pura,
Da formosura o ideal mostrou,
E os bellos anjos a chamando bella
Buril e lela o Creador deixou.
Venus formosa se curvou vencida,
Tudo na vida tributou-lhe amor,
E disse o Deus, a quem o mundo adora
Sers senhora do que sou senhor.
Rainha, deu-lhe primoroso encanto,
Cingiu-lhe o manto do real poder,
Deu Ihe o governo do divino imperio,
No mundo elhereo fe-lbe o throno ter.
Na fronte altiva collocou-lhe o mando,
No verbo brando, seductorperdo,
Fe-la sorrindo-se exigir o preito,
Poz-lhe no peito, e no olharpaixao.
Sorria-me um dia ; confessei-me louco ;
Olbon-me um pouco, meu amor Ihe dei ;
Beijou-me os labios, delirei de gozo,
E o meu repouso nunca mais achei.
=s^
A Correspondencia de Espaa diz que
no terceiro ou quarto domingo da quares-
ma, devia o papa benzer a rosa de orna,
que ordinariamente enva a urna soberana.
E' possivel que esle anno a receba a se-
nhora rainha D. Mara Pia, de Portugal,
alilhada de Sua Santidade.
O governo hollandez acaba de apresentar
ao conselho de estado um projecto de lei
para a abolico da pena de morle, chegar
a ver realisado antes de morrer o alvo des
seus desejos e constantes esforcos ?
Parece que os esforcos se encaminham a
dar urna resposta favoravel a esta inlerroga-
Co.
Durante o anno de 18G4, entraram no
porto de New-York 4,809 navios proceden-
tes do estrangeiro, o que constitue urna di-
minuico no movimento do porto, em rela-
co a 1863, de 273 navios.
No mesmo espaco de tempo deem-
barcaram 198,342 "emigrados quasi todos
europeus.
O numero dos navios mercantes america-
nos perdidos e queimados durante o anno
sobe a 4t>5. representando um valor de
20,449,850 pesos fortes.
^<
Segundo se le n'um jornal estrangeiro, a
esquadra da Mancha que se achava ancora-
da em Portiahd recebeu ordem de partir
Que proveito pode tirar das vossas pala- Para L8ba. suppond-se ahiquenella viro
vras um homem que nao capaz de senti- as insignias da ordem da jarrelein, com que

-
s
-'

r
ment, nem de refexao.
Dirigi-vos a Deus, nico consolador de
todas as nossas miserias. Pedi e pedi ainda,
pela conversa do vosso marido. Sna ora-
pela soberana de Inglaterra foi agraciado el-
rei o Sr. D. Luiz.
PEKNAMBL'CO.-TYP. DE M. F. DE F. & MUlO
MUTJLADQ1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5U956JOX_L9V6V2 INGEST_TIME 2013-08-28T03:32:42Z PACKAGE AA00011611_10667
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES