Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10663


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
'
AMO ILl HOMERO 106
Por qurlel aaga deitrt ie 10 lias da 1, mez : t
dem tfeaais Jas f. 10 das da caaiactc deatro da qaartel. .
Parta aa carreia par tres ames......,,..,,
5|000
6f#00
750
TERCA FEIRA 9 DE MAJO DE lftl.
Par ana paga deatra de 10 das da i. aez ,,,... 19!
Parte aa carreia par aaaa.............. 31000
DIARIO DE PERNAMBUCO.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPGO DO NORTE
p.irahyh, o ?r. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Manjo.es da Silva; Aracaiy, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhio, o Sr. Joaqoim Marques Ro-
drigues ; Para,. os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENGARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claadino Falco Olas; Babia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Preta, lodos os dias.
Iguarass e Goyanna nassegnndas e sextas eiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Baiqae, S. Bento, Bom
Conselho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
eiras.
Pu d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis
ta, Ourieury, Salgueiro e Et, as quartas
feiras .
Segunda vara do civel:
hora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso, Tamaadar, Usa, Bar
reros, Agoa Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEHERIDES DO HEZ DE MAIO.
2 Quarto cresc. a 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 Loa cheia as 6 h., 3 m. e M s. da t.
18 Quarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 45 s. da I.
quartas e sabbades a 1| AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comroercio : segundas e quintas.
Relami: tercas e sbados is tO horas.
Fazenda: qnintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphios: tercas e sextas s 10 horas.
Prmeira vara do civel: tereas e sextas ao mel
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
8. Segunda. S. Ifeladiob.
9. Ter^a. S. Gregorio Nazianzeno dout. da egr.
10. Quirta. Ss. Blanda e Pbiladelpho rara.
11. Quinta. Ss. Pablo, Anastacio e Serene mm.
IS. Sexta. S. Joanna princeza v.; S. Nereo m.
13. Sabbado. S. Pedio Regalado f.; S. Clieeria m
14. Domingo. S. Atbanasio b.; S. Gil.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 3 oras e 42 m. da Urde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos da manha.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e M de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos meses de Janeiro, marco, malo,
jalho, setembro e noverabra
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figoetroa de
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL
GOVEMO DA PR0TIHCIA.
Continuar de expediente da dia 4 de raaio
de 186o.
'Offlcio ao director do arsenal de guerra.Man-
de V. S. fornecer ao comraandante da cempanhia
de cavallaria, como solictoa o commandante das
armas ero offlcio n. 768, do 1* do correte, cem
capotes para as respectivas pracas, sem preter-
cao do fardameoto que se tem de destriboir s
praca> destinadas ao sul do imperio.
Dito ao director geral interine da nsiruccao pu-
blica.Para satisfazer a deliberacao da assembla
legislativa provincial, remetla-me Vine, com (oda
a urgencia, as provas escripias dos concurrentes
que ltimamente prestaram exame para preenchi-
jnento das cadeiras vagas de Intrucho primaria.
Dito ao chele interino da reparticao das obras
publicas. -Approvo a proposta que Vmc. fez de
Marcolino da Silva Mindello, para exercer o lugar
que tica creado de guarda dos trabalhos da ponte
de Taearuna: o que Ihe declaro em resposta ao
seo ofllcio de honlem sob n. 131.Communicou-se
a ihesouraria provincial.
Dito ao thesoureiro das loteras.Attendendo
ao que requeren o vigario da freguezia de Naza-
reth, Jeronymo Jos Pacheco de Albuquerque Ma-
ranhiio, aulorlso Vmc. a mandar entregar-lhe, de-
pois do praso da le, e de haver prestado llanca
idnea na thesouraria provincial, a importancia
do beneficio da 2* parle da 1* lotera concedida
em favor das obras da matriz d'aqulla freguezia,
e "xirahida em 28 de abril prximo Ando, deven-
do o referido vigario prestar conlas opportunamen-
te u'aqnella reparticao. Communicou-se a Ihesou-
raria provincial.
Dito ao gerente da Companbia Pernambucana.
-Pode Vmc. fazer seguir para os portos do norte o
yapor Mamanguape no dia 8 deste mez s horas
indicadas em seo offlcio de 2 do correte.
Portara O presidente da provincia attendendo
a i|ii; o professor publico de instrucco primaria
da freguezia de Nossa enhora da Gloria do Got,
Joo do Prado Martns Ribairo, j complelou os
25 aonos de magisterio, e contina a servir na
mesma cadeira como consta da informacao do di-
rector geral interino da in.trucgo publica datada
do 1 do corrate, sob n. 137, resol ve conceder-
Uie le conformidade com o artigo 24 da le pro-
vincial n. 598, de 13 de maio do anno passado, a
gratillcaco correspondente a metade dos seus
vencimentos a contar desta data em diante.Com-
municou se ao director geral.
Dita.-Os Srs. agentes da Compaohia Brasileira
de Paquetes raaodera dar transporte para a corte
por conta do ministerio da guerra no vapor que se
espera do norte ao offidal e pracas de pret men-
-cirnadas na relacao juma.
Relaja a que te refere a untara supru.
4 batalho de artilharia a p.
2 segundos sargentos.
1 rurrieL
2 caitos.
4 anspecadas.
29 soldados.
1 tambor.
Compaohia de Voluntarios de homens pretos.
1 alferes commandante.
1 Ia sargento.
2 2" ditos.
1 furriel.
8 cabos.
8 anspecadas.
39 soldados.
1 corneta.
143 recrutas para o cxercito.-Communicou-se ao
coronel commandante das armas.
Dita.Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
de Paquetes mandem dar transporte para a corte
por conta do mini-terio da guerra, no vapor que
se espera do norte, ao 2 tenente do 4" batalho
de artilharia a p Antonio Luiz Teixeira Campos,
e o menor orphao Vicente Jos Teixeira Campos
Irmo do mesroo 2 lenle.
Dita.Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
de Paquetes mandem dar transporte para a capi-
tal da Baha por conta do ministerio da guerra, no
vapor que se espera do norte, a molher urna (i-
Iba menor do alferes pharmaceutico Joo Gualber-
to de Souza Gouveia.
-5-
Gfcio ao coronel commandante das armas.
Sirva-se V. S. de agradecer e louvar em meu no-
me o acto de patriotismo e abnegago do soldado
anicular do 2 corpo de Voluntarios da Patria
uiz Aprieto de Oliveira Salermo, renunciando o
premio de 3008000 e a serle de trras a que Ihe
d direito o decreto n. 3,371 de 7 de Janeiro deste
anno.
Dito ao mesmo.Em vista da informacao minis-
trada pelo inspector da thesouraria de fazenda em
4 do crrente, com referencia ao sen offlcio n.
779, de 3 deste mez, autoriso V. S. a mandar ven-
der em hasta publica na forma da lei os 13 caval-
los da companhia de cavallaria que se acham em
mo estado e incapazes para o servico.Commu-
nicou-se a thesouraria de fazenda.
Ditoao mesmo.Declare-me V. S. se existe al-
gara medico contratado para o servico do hospital
militar, e se para isto houve antorisacao, devendo
no caso afflrmativo ser dispensado e substituido
porqualquer dos mdicos civis que se offereceram
gratuitamente.
Dlo ao Dr. chefe de polica.Ordene V. S. aos
subdelegados dos districtos comprehendidos as
fregnetias desta comarca, que remetam aos presi-
dentes dos conselhos da guarda nacional das mes-
mas freguezias at o dia 21 do correte, a relago
de que trata o 4 artigo 10 do decreto n. 1130 de
12 de marco de 1853.
Dito ao mesmo.Sendo expresso e formalmente
prohibido, pelo artigo 181 do Cdigo Penal, que se
recolha alguem a priso sem ordem por escripia
da competente autoridade, prohibio que se acha
tarabem consignada nos artigos 8 e 9 do regula-
mento da e*sa de detencao desta cidade; baja V.
S. de recommendar muio positivamente ao admi-
nistrador da casa de detencao, e aos delegados de
policia a de que se nao reprodozam factos semelhantes ao
da soltara do criminoso Jannario Bispo, cujo assen-
tamenlo de entrada naqneile estabelecimenio nao
teria sido feito com o nome de Antonio Jaouario
de Abren, dado por elle, d'onde smenle resultou
ser solt, segando a informacao de V. S. em seu
offlcio de 26 do passado, se nao houvesse sido elle
receido contra aquellas disposicoes, cuja impor-
tancia tambenf manifesta para garantir a lber-
dsde individual contra prisoes arbitrarias.
Dito so inspector da thesouraria de fazenda. -
ao Dr. Caetaoo Xavier Pereira de Brito, mande
V. S., abonar sob mioha responsalidade, a ajada de
custo que Ihe competir como depulado a assembla
geral legislativa por esta provincia.
Dilo ao mesmo.Transmiti a V. S. para o flm
conveniente, o incluso pret em duplicala que me
remenea o coronel commandante das armas com
offlcio de hoje, sob n. 791, tirando vencimentos re-
lativos a segunda qninzena do mez de abril ultimo,
para as pracas do 2" corpo de voluntarios desta
provincia.Communicou-se ao commandante das
armas.
Dito ao mesmo.Mande V. S. ajustar contas at
o flm do mez corrate e passar guia de soccorri-
ment ao tenente do 1* corpo de Voluntarios da
Patria Francisco de Freitas Moreno, que nao acom-
panhou o corpo para a corte por haver adoecido, e
tem de seguir no vapor que se espera do norte.
Dito ao mesmo Transmuto a V. S. os inclusos
documentos, que me remellen o commandante su-
perior deste, municipio com offlcio de hontem sob
n. 126, aflra de que. nao havendo inconveniente,
mande pagar os vencimentos relativos ao mez de
abril ultimo, dos offlciaes de 1* linha, tambores,
cornetas e clarins, empregados nos corpos da guar-
da nacional desta capital.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Autoriso V. S., em vista de sna informacao de 15
de abril ultimo, sob n. 147, a mandar por em has-
ta, publica a reforma a fazer-se na ca.a da cmara
municipal de Serinhem, para que se preste tam-
bera para quartel do respectivo destacamento, ser-
vindo de base a essa arrematacio as clausulas e
obstculos com que ha lutado e de que falla em sen
dito offlcio.
Dito a cmara municipal de Cimbres.-Informe
cmara municipal da villa de Cimbres acerca do
offlcio incluso por copia, datado de 17 de abril ul-
timo, em que ojniz municipal desse termo, deca-
ron nio poder ter lugar a convocacio do conselho
municipal de recurso, em razio de nio se haver
precedido no correte anno as respectivas fregue-
zias, a qulfieago dos votantes ; devendo essa c-
mara expedir immediatamente as necessanas orden
aos joizes de paz das freguezias de Cimbres e Alaga '
de Baixo pertencentes a e%se municipio, para que
guardando o prazo e mais formalidades da lei fa-'
Canrreuuir as respectivas juntas revisoras de qua-j
lilkagao no dia 2 de julho prximo vindonro, que
para isso flea designado e prosigam nos demais tra-
balhos da revisao, tendo em vista o disposto no de-
creto n. 2,865 de 21 de dezembro de 1861, e mais
disposicoes em vigor. Communicou-se ao juiz!
municipal de Cimbres.
Circular aos jaizes de paz das freguezias do Re-
cife, Santo Antonio, S. Jos, Boa-Vista, Poco da Pa-
orcamento juntos por copia e a planta a que se re- [ nella, S. Lourenco da Malta, Afogados, S. Amaro
fere o offlcio do chefe interino da reparticao das de Jaboalo, Maribeca e Varzea.Recommendo a
obras publicas n. 55 de 2 de marco deste anno. i Vmc. que remeta ao conselho de qualiflcacio da
Dito ao mesmo.Remetla-me V. S. com urgencia gnarda nacional dessa freguezia, at o dia 21 do
nma copia da informacao prestada por esta ihesou- corrente, as relacoes dos votantes de que trata o
raria a petigao apresentada pelos herdeiros de Vic-
torino Jos de Medeiros; por occasio de pedirem a
presidencia que mandasse sustar a praga da casa
n. 21 sita na ra das Larangeiras, que a fazenda
penhorou como propriedade de Carlos Debenx.
Dito ao mesmo. Recommendo a V. S. que em
vista do incluso attestado e nao havendo inconve-
niente mande pagar a Aprlgio Jos da Silva, con-
forme solicituu o chefe dep licia em offlcio de hon-
tem, sob n. 626, a quantia de 154000, proveninte
do aluguel vencido desde 15 de dezembro do anno
prximo passddo al 31 de Janeiro nltimo, da casa
que serve de quartel ao destacamento de polica
estacionado no termo de Baixa Verde.Communi-
cou-se ao Dr. chefe de policia.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Ao tenente aggregado ao 2a bata-
lho de infamara da gnarda nacional sob seu com-
mando superior ADlonio^Francisco Lisboa Esteves,
mande V. S. passar, nao havendo inconveniente,
a guia de que trata o artigo 45 do decreto n. 1,130
de 12 de marco de 1853, visto que pretende elle fi-
lar saa residencia na cidade Souza da provincia da
Parahyba.
Dito ao commandante superior da gnarda nacio-
nal des municipios do Brejo e Cimbres.Devolvo
iuclusosos prels da escolta que veio do termo de
Cimbres esta capital conduzindo 4 recrutas, para
que V. S. os mande reformar pelo commandante
do.batalho n. 37 de infantaria da guarda nacional
sob seu commando superior, de conformidade com
a informacao do inspector da thesouraria de fa-
zenda, constante da copia inclusa.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
Respondo ao offlcio que V. S. me dirigi sob n.
218 e data de 31 de marco nltimo, remettendo-lhe
inclusa urna copia da reiagSo dos medicamentos e
mais bjectos que pela pharmacla do hospital mi-
litar foram enviados para a enfermara desse pre-
sidio.
Dito ao director do arsenal de guerra.Fica ap-
provado o contracto que V. S., segundo o seu offl-
cio de 4 do corrente, celebrou com o operario ser-
ralheiro de 1* classe Guilherme Antonio Sanes pa-
ra ir servir no arsenal fe guerra da corte, de con-
formidade cora o aviso da reparticao da guerra de
7 de marco ultimo, com o salario de 2#500 por dia,
I cumprindo que V. S. rae enve copia do termo do
' referido contrato.
Ditoao mesmo.A' vista do sen offlcio n. 247,
de i do correle, autoriso V. S. a mandar escrip-
| turar em descarga ao almoxarife desse arsenal os
artigos mencionados na relacao inclusa que foram
fomecidos ao corpo de Voluntarios da Patria,
aos Indios alistados para o servico, e ao palacio da
presidencia para illuminaco do mesmo.
Ditoao mesmo.Con ven lio em que seja contra-
tado por essa directora, com o jornal de 2# rs.
diarios o operario alfaiale Joaquim Marlins Costa,
que segundo o seu offlcio desta data, se ofTereceu
para servir no arsenal de guerra da corte, de con-
formidade com o aviso da reparticao da guerra de
7 de marco ultimo, remetlendo-me V. S. copia do
termo Que elle assignar para esse flm.
Dito ao mesmo.Mande V. S. preparar mil e
quinhentos uniformes de brim branco e igual nu-
mero de bonets para a forga da gnarda nacional
que esta provincia tem de destacar para o servico
da guerra.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Re-
commendo a V. S. que me remeta com urgencia
a informacao que exlgi por despacho de 28 de abril
ultimo, acerca da prelengo da associaeo dos Pra-
ticos da Barra de contratar a construego nos Es-
tados-Unidos de um escaler para o servico da mes-
ma asseciaco.
] Dito ao cmmaodante do corpo de polica.D
V. S. baixa ao guarda da seccao urbana do corpo
sob seu commando Prudencio Pessa da Veiga,
que iinalisou o seu engajamenlo, e nao quer conti-
nuar no servico como V. S. declarou em sua infor-
macao n. 28 de 3 do corrente.
Ditoao mesmo.Transmillo a V. S. para seu co-
nfien ment copia da lei n. 611 de 2 do corrente,
autorisando esta presidencia permiltir qne o cor-
po sob seu commando, v lomar parte na guerra
actual, e dando oairas disposicoes a semelhante
resDeito.
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra.Autoriso o conselho de compras do arsenal de
guerra a comprar para fornecimento dos armazens
do respectivo almoxarifado os bjectos menciona-
dos ne incluso pedido.Communicou-se a thesou-
raria de fazenda.
Dito ao chefe interino da reparticao das obras
publicas.Nesta data approvei a planta, clausulas
e orgamento que vieram annexos ao sen ofllcio de
2 de marco nltimo, sob n. 55, e transmitti todo a
thesouraria provincial, para servir de base a rre-
matagao da reforma a fazer-se na casa da cmara
, municipal de Serinhem, aflm de tambem prestar-
se para quartel do respectivo destacamento : o que
declaro a Vmc. para sen conhecimento, e em res-
posta ao sea citado offlcio.
Dito ao juiz municipal da I' vara desta cidade.
Remetame Vmc. o requerimento documentado
em que Marcellino Antonio Pereira pedeaogover-
no imperial, o offlcio de escrivio do rivil crime,
residuos e capellas do termo de Nazareth, e que em
24 de marco ultimo, Ihe enviei para ser informa-
do em observancia de aviso do ministerio da jus-
tica de 28 de fevereiro deste anno.
Dito ao jaiz municipal de Ipojnca.Inteirado do
! qne communiea-me Vmc. em sen offlcio de 2 do
, corrente, tenho a dizer-lhe que designo o dia 20
; deste mez para a reanio do conselho municipal
de recurso desse termo, caja cenvoeacao devera
i Vmc. fazer de conformidade com a lei.
Dito a Vicente Ferreira Lima.Se me apresen-
taram com o offlcio de Vmc. de 13 de abril ulti-
1 mo, os cidados Lanrentino Ferreira de Lima e
Joao Mendes Bezerra, aos qnaes raandei alistar ne
V corpo de voluntarios do patria.
Agradecendo muilo a solicitude eom que Vmc.
tem procurado obter voluntarios-, espero que con-
1 tinuara nesse lonvavel e patritico empenbo, em-
2 art. 10 do decreto n. 1,130 de 12 de marco de
1853.
Portarla.-rO presidente da provincia, attenden-
do ao que requeren Bernardino Jos da Silva Maia,
resolve conceder-lite licenga para poder embarcar
para o presidio de Fernando no primeiro navio
que para all segnlr, os gneros constantes da re-
lacao junta assgnada pelo secretario do governo,
nao pudendo porra effectuar o desembarque dos
referidos gneros sem que por parte do comman-
dante do mesmo presidio, se proceda exame, aflm
de veriflear-se se ha agurdente ou outra qnalquet
bebida espirituosa.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
o que requeren o offlcial de descarga da alfan-.
dega desta capital, Sebastio Accioti Santiago Ra-,
mus, e bem a.-sim o que a esse respeito informa-
ram os chefes das repariigoes competentes, resol-
ve conceder-lbe tres mezes de licenga com venci-
mentos na frma da lei, para tratar de sua sade
onde Ihe convier.
Dita. O presidente da provincia, attendendo ao
que requeren o alferes do corpo de policia Manoel
Soares de Albergarla, reseive conceder-lhe 20 das;
de licepga com todos os vencimentos para ir ao,
termo de Caruar.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Jeronyma Mara da Conceigao, mu-'
Iher do sentenciado de justica Francisco Joanes de,
Souza, resol-ve conceder-lhe licenga para ir ao pre-
sidio de Fernando no 1." vapor qne para all se-
guir, levando comsigo os gneros constantes da
relacao junta, assgnada pelo secretario do gover-
no, nao podendo porm effectuar o desembarque
dos referidos gneros, sem qae por parle do com-
mandante do mesmo presidio, se proceda a exame,
aflm de veriflear-se se ha agurdente on outra
qualquer bebida espirituosa.'
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileiraf
de paquetes, mandem dar transporte para a corte,
por conta do ministerio da guerra, no vapor que
se espera do norte, ao tenenle Francisco de Freitas
Moreno, que vai reunir-se ao primeiro eorpo de
voluntarios da patria a que perteoce.
Dita.O presidente da provincia resolve nomear
provisoriamente o alferes Felippe Jos da Exalta
Co Manva, para o posto de tenente commandante
da companhia de voluntarios de homens pretos
desta provincia.Fzeram se as necessarias com-
municaedes.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
o que requereu Francisco Botelho de Andrade,
arrematante das varandas de ferro da ponte de
Santo Amaro, resolve conceder-lhe, de conformi-
dade com a informacao do chefe interino da repar-
ticao das obras publicas de 22 de abril ultimo, sob
n. 121, 15 das de prorogagao para a concluso das
obras do seu contrato, a contar do dia em que se
fiudou o prazo para esse 6m marcado.
Conliouaeo do expediente do secretario de gever-
ne do dia 4 de maio de 1865.
N. 155.Offlcio ao l." secretario da assembla
legislativa provincial.Remetiendo V. S., de or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, para
ser presente assembla legislativa provincial a
informacao ministrada pela directora da instruc-
go publica em data de 2 do corrente, tica assim
satiseita a reqoisico da mesma assembla cons-
tante do seu offlcio de 25 de abril ultimo, sob
n. 91. 1
N. 156.Dito ao mesmo.Com os papis que ,
incluso devolvo, e que acorapanharam o seu offlcio
de 20 de abril ultimo, sob n. 87, transmiti V. S.,
de ordem de S. Uxc. o Sr. presidente da provincia,
a informacao constante da copia junta, com a qual
o mesmo Exm. senhor satisfaz a requisicao da as-
sembla legislativa provincial comida no seu cita-
do offlcio era relacao ao sobrado n. 12 da ra da
Imperalriz, pertencente a Manoel Antonio de Aze-,
vedo.
N. 157.Dilo ao mesmo.Para ser presente ,
assembla legislativa provincial, e em solucio ao
seu offlcio de 19 de abril ultimo, son n. 76, passo
s mos de V. S., de ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia, as informaedes ministradas pela the-
souraria provincial, relativamente petigao que |
devolvo da vi uva D. Mara Theodora da Cosa Al-
ves Ferreira.
N. 158.Dilo ao mesmo.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, transmiti V. S.,
para ser presente essa assembla, as inclusas in-,
formagoes forestadas pela thesouraria provincial,
em consequencia da deliberacao a qne alinde o
sen offlcio de 21 de abril ultimo, sob n. 86, relati- [
tivamente ao sello de herangas pago por fllhos na-
laraes reconliecidos.
-8-
N. 159.Offlcio ao 1. secretario da assembla
legislativa provincial.-Em soluco aossnsoffl-'
cios de 8 e 25 de abril ultimo e 2 do corrente, sob
ns. 65, 8 e 100, passo por copia, s mos de V. S.,
de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, |
para serem presentes assembla legislativa pro-
vincial, as Inclusas infromagoes que prestou a ca-.
raaramunicipal do Recife, acerca da petigao de Ba-
silio Alves d Miranda Vareju.
N. 160.Dito ao mesmo.Passo s mes de V.
S., de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-,
vincia, para ser presente assembla legislativa
provincial, em solncao ao seu efficio de 29 de mar-'
go ultimo, sob n. 82, a informacao que den a c-
mara municipal de Recife, se a conservagao do
canal da ma da Aurora pode influir desfavoravel-
mente sobre a salnbridade do bairre da Boa-vista.
N. 161. Dilo ao mesmo. Em soluco ao sen
offlcio de 26 de abril nltimo, sob n. 92, passo por
copia s mios de V. S.. de ordem de S. Exc. o Sr. j
presidente da provincia, para ser presente a as-
sembla legislativa provincial, a informacao que
ministron a directora geral da insteaeco publica
acerca da petigao que inclnsa devolvo do profes-
sor Dervfno Jos da Cmara.
Din ao Dr. Aprigio Justioiano da Silva Guima-
res.S. Exc. o Sr. presidente da provincia, man-
da eommumear V. S., em resposla ao sen offlcio
pregando os esforcos possivete para 'remover o*kt**este mez, qne par portara de 3 de corrente
conceden a exoneragao que V. S. soliclou, do car-
go de membro do conselho director da instrueco
publica. i
Despachos de dia S de maio de 86S.
Requerimmtos.
Tenente Amonio Francisco Lisboa Esteves.
Dirjase ao Sr. comraandante superior da gnarda
nacional do Recife.
Alferes Andr Cordeiro Cintra. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional dos
municipios de Serinhem e Rio Formo.
Bernardino Jos da Silva daia. Passe portarla
concedendo a licenga para o embarque dos gneros
de que tra>a o supplicanle.
Francisco de Assis C. Penna. Informe o Sr.
Inspector da thesouraria de fazenda.
Irmandade do Santissimo Sacramento da fregue-
zia de S Frei Pedro Goncalves. Informe o Sr.
inspector da thesonraria de fazenda.
Tenente Jos Rdopano dos Santos. Informe o
Sr. commandante superior da guarda nacional do
municipio do Recife.
Jos Domingues da Costa, e Vicente Ferreira dos
Santos. Informe o Sr. juiz municipal da 1* vara
desta cidade.
Jos Fernandos da Silveira Daltro. Como pede.
Lindolfo Jos Correia das Neves. Nao possi-
vel permiltir-se. o qne pede o supplicanle, em vista
do sysleraa de estudos adoptados pelo regularaento
do.Gyranasio.
Mauoel Antonio Rodrigues Samico. Informe o
Sr. Inspector da thesouraria de fazenda.
Maooel Antonio Carneiro. Informe o Sr. juiz
municipal da 1* vara desla cidade.
Umbelina Joaquina da Costa Mello. Informe o
Sr. inspector da thesurana de fazenda.
REPARTICAO DA POLICA.
1/.seccao.Secretaria da policia de Pernambo-
co, 6 de ma*o de 1865 N. 645.Mm. e Exm.
Sr.A leilura Uo offlcio de V. Exc. de 3 do cor-
rente, deixoa-me um pouco perplexo acerca do
modo, porque poderiam ser entendidas algumas
palavras uelle coudas com relacao a minha
pessoa.
Neste presuposto, pois, V. Exc. me permiltir*,
que, por amor de minha repntaso, que sobre ludo
preso, en faga anda algumas considerac5e*, no
intuito smente de explicar o sentido do meu offl-
cio de 24 do passado sob n. 583, que deu Ingar ao
de V. Exc de que agora trato.
< Era offlcio de 21 de abril, disse-rae V. Exc. o
segninte: (remeti a V. S. copia do interrogato-
rio feito ao africano Antonio, de que trata o sen
offlcio de 15 deste mez, aflm de qne proceda to-
das, as averiguaedes necessarias ao conhecimento
da verdade de ludas as circunstancias, e factos
referidos pelo interrogatorio, dando-me conheci-
mento do resollado.-
E porque, ja esse lempo e africano, de qae se
Irata, se achasse sngeito jurisdico do juiz pro-
vedor de capellas, por onde enio j se procurava
Syndicar respeito;reproduzindo as lrraaes
palavras de V. Ese., disse-lhe em raen offlcio de
24tque cumpria-me ponderar, etc.....e effec-
tivameMe flz algumas ponderaeoes rasoaveis.
Nao sei em qae senlido tomn V. Exc. a pala-
vraponderar, de que me servi; mas parece-me
qae, por mais forcada one seja a significagao que
se Ihe quera dar, nao poder jamis ser transvia-
da de sna vefdadeira accepeo, para revelar recusa
do cnmprimeMo de deveres, como V. Exc, (talvez
sem o querer), deixa de alguma sorte entrever em
sou offlcio as palavras< rigoroso dever da
policia.
Sectario acrrimo dos principios de rigorosa jas-
tica, jamis recuei diante de consideracao alguma,
qualquer qne ella seja, quando se traa do cumpli-
mento de deveres. E pois, j v V. F.xc, (posto
qne pouco conhecimento de raim linha), que o lio -
mem discpulo desla escola, nao se recusarla agora
a averiguar a respeito de um pobre africano, a nao
ser as pondercoes que, a respeito, snbmetti ao
Ilustrado criterio de V. Exc, o que em senlido
nenhum pode ser considerado como urna recu-
sa ; porque ponderar sobre qualquer ordem, nao
quer dizer recusar-se ao cumprimenlo della.
V. Exc. ha de me fazer a justiga de crr que,
com a pralica que lenho destas materias, e algum
esludo, eu tambem nio desconheca quaes sejam os
rigorosos deveres da policia. Isto 6 muito comesi-
nho, est ao alcance de todos; nao ha quera deixe
de saber que a polica tem obrigaco de rastrear
e descobrir os enroes ele. etc
Mas no negocio do africano Antonio, e at o
momento de receber o offlcio de V. Exc, de 3 do
corrente, nao me constava que houvesse crime
algum; apenas sabia, segundo a informacao da
casa de detencao, que aquelle africano ali fr re-
colhido ordem do subdelegado do Poco desde o
anno de 1861, comoescravo; e que, nao tendo
apparecido senhor, o subdelegado o passra em 4
de fevereiro do corrente anno, disposlgo do juiz
provedor de capellas, para, a respeito, proceder na
forma do regulamento de 9 de maio de 1842.
O nnico crime, pois, que se poderia presumir,
em vista do interrogatorio feilo ao referido Africa-
no pelo juiz provedor, seria o previsto na lei e 7
de noverabro de 1831, mas, como sabe V Exc,
esse crime, nos lermos da lei de 4 de setembro de
1850, tem o seu julzo privativo, perante o qual res-
ponden os respectivos reos: portanlo, anda mes-
mo n'esta hypothese, a policia era incompetente, e
nao tinha o rigoroso dever de entrar n'essa inves-
tigagao.
Assim, pois, peco licenga V. Exc. para conti-
nuar a sustentar a opinio que emilti, de que pro-
cedera incnrialmente, passando a tomar conheci-
mento de um facto, qae j se achava aflecto ju-
risdiccao de outro jnizo ; porque isto o que na
phrase do legislador constitucional se deve enten-
der por avocar cansas pendentes ; o nem
V. Exc. estranhar qne en assim me pronuncie;
porque, por amor da scencia do direito, qne am-
bos estudamos, e que devemos mais ou menos sa-
ber, corre-me a ebrigaco de sustentar as opinioes
que emitlir acerca de qualquer ponto jurdico
Sem ter a louca vaidade de querer convencer
pessoa alguma, eu gosto, todava, da discusso no
terreno do direito somente, por amor da sciencia,
e apraz-me sempre quando ella se me proporciona.
Parece me, pois, que V. Exctanto reconhecen
a procedencia de minhas ponderaeoes n'este ponto,
qae me declara agora, em seu offlcio de 24, que as
averiguaedes, qae me mandn proceder, tinham
por flm somente auxiliar o julzo Prevedor de ca-
pellas, declaracao qne se nao continha em sea offl-
cio de 21. Ora, se s como auxiliar, segando ago-
ra declara, quer V. Exc. que en conheca do facto,
syndicando selle, segu se que por outra qualquer
forma, que nao fosse a de auxilio, en nio devena
proceder: logo V. Exc. reconheeea comigo a in-
cnralidade que Ihe ponderei; logo V. Exc. reco-
nhecen a prevengao da jurisdiego na especiepor
parte do joiz provedor, e conseguintemente urna
verdadeira avocago de cansa pendente.
Estoo, porm, satisfeito cem a declaracao, qne
agora me faz, de que devo proceder como auxiliar
do jaiz provedor de capeltas, e como tal assim pro-
segairei em observancia recommeudago de V.
Exc.; e entio, como o officie de V. Bxc, que nao
parece mnito airoso para mim, nao trazende a
clausula de reservado, provavelmente ser publi-
cado no expediente r se assim fr, peco desde j li-
cenga V. Etc. par* tambem publicar esta minha
resposta.
Dos gurde a V. ExcMm. e Exm.Sr. Dr. An-
tonio Borges Leal Castello Branco, presidente desta
provincia.Jos Pereira da Silva Moraes.
rOHHF.HPOTDE^C I AS DO BIA
BIO DE PERSAHBVCO
Lisboa, 19 de abril.
A prove lando a sabida do vapor Olinda, de Li-
verpool, que est annunciada para amanba, devo
dar-lhes conta da resolnco da crlse ministerial,
que Ihes commaniquei na minha de 13 do corrente,
em plena semana santa.
Ainda urna vez o poder flcou as raaos dos pro-
gressistas-historicos, apesar de ter-se alvitrado cora
insistencia, por parte de cortos grupos, a opporta- Pder, a reputacao que alcancarara antigamente
redado em farcosas conlradfecdes de qae Ihe cons-
tar a resgalar-se.
J hoje algunas folbas o collocaa na berlmdm,
para Ihe dingirem pergnotas insidiosas qne nio
tem fcil resposta se forem tomadas a serlo.
Afflrmava-se hoje que o Sr. Peqnito entrar com
efTeito para a pasta da jasiiga e o brigadeiro lava-
res de Almeida para a da marinha. Creio qne nio
passa por ora de boato, e qne muilo mis razio
teem os que acreditam qne a vagatura das duas
pastas deixada de proposito para com o atracti-
vo Selles se angariarem na maioria presente, ou
futura no caso da dissolugo das corles,mais ad-
herencias,
Seja como fr ; temos governo e mos expeden-
tes na administracio dos negocios do estado.
As oecessidades publicas nao deixaro descan-
ga r os novos conselheiros da corda, e a opinio os
applaudir se tomare como Ibes curapre muito
peito sustentaren, inda outra vez as regidos do
njdade de coastiluir-se am gabinete de fuso, sen
do duas pastas para os historeos, duas para os
progressistas dissidentes de 1862, e as outras duas
para a opposigao liberal, denominada regeneradora.
No sabbado de alieluia (15) fez se ama grande
reuuio na secretaria da guerra, a convite do Sr.
marques de S e a pedido do Sr. conde d'Avila.
Foram convocados para a reanio noturna os de-
putados e pares das maiorias, e admiltidos os jor
nalislas e vnrias outras pessoas. Tomn a palavra
o Sr conde d'Avila e expoz a conveniencia da fu-
sao. O Sr. Julio Gomes da Silva Sanchos susten-
tou tambera a conveniencia desse passo poltico, e
provoa com o exemplo da nossa historia patria
contempornea quantos beneficios tem advindo ao
paiz e a todos os progressos legtimos, deste pensa-
mento de tolerancia. Mullos outros cavalleiros lo-
maran) a palavra, uns pro e outros contra, sendo
asss numeroso o grupo dos que nao annuiram ao
alvitre proposto.
Entretanto dizia-se em varios circuios e nos pe-
ridicos polticos que nao era constitucional aquelle
meio; por ser como que urna invaso das attribui-
goes da prerogativa da corda, porquanlo ao poder
moderador que perteoce segundo a carta aceitar
ministerios ou demitli-les, e nao as assemblas po-
lticas, sem que se obedeca aellas as verdadeiras
indicagdes r/arlamenlares.
Discnlio-se atli mnilo, e muito pouco se decidi
por flm.
O certo qne ainda se prolongou por dous dias
mais a crise, estando porm de accordo a hiaior
parle dos membros prsenles a renniio que seriam
bem aceitas pelo paiz, como base do novo ministe-
rio os Srs. marquez de S, conde d'Avila, Julio Go-
mes e Carlos Bento da Silva
Os nomes dos Srs. conde d'Avila e Carlos Bento
da Silva representara os dissidentes da igreja his-
trica.
Etfactivamente no Diario de honlem vem os de-
cretos do novo ministerio.
Presidencia, e interinamente marinha, marquez
de S da Bandeira;
como estadistas e como homens sinceramente pa-
triotas.
Est pois separado da gerencia das cousas pu-
blicas o Sr. duque de Loul, sabe Dos por qaanlo
lempo,
De Metastasio se diz que, sentindo-se esfrar am
dia como poeta, retirou-se ha lempo. As musas pa-
recem-se nlsto com a poltica ; nem sempre llson-
geiam ; nem sempre favorecem os qne Ibes feram
mais estimados. Flzesse o nobre duque o que fez
Metastasio, ter-se-hia poupado chuva de sarcas-
mos e toscas injurias qae o innnndaram no parla-
mento. Evitarla a desforra pouco gentil de ter in-
dbriado a cmara dos pares, quando ihe remelteu
o decreto de adiamento no da em que prometiera
ir all assistir urna discusso pendente, depois de
repetidos convites para que se dignasse faze-lo.
Forrar-se-hia aos dqestos e insinuacoes mais
vehemeutes da imprensa, que por vezes, e sobre-
todo nos ltimos dias, o dea como autor de tene-
brosos planos contra a propri dynastia e liberda-
de, e que me nao fago cargo de repetir, porque nao
entendo que ura -hornera publico, depois de ter feilo
por tanto lempo servigos verdadeiros s institu-
coes liberaos do seu paiz, deva ser acoimado de
conspirador.
Finalmente era poltica, amigos redactores assim
como preciso nao ser precipitado, saber espe-
rar, tambera essencial nao manifestar avidez de
predominio, e saber cada um quando se deve por
de parle, embora nao abdique de todas as snas le-
gitimas ambiges.
O duque estribeiro-mr eslava sendo de mais
frente do partido, desde que o partido Ihe demons
tron que poda existir sem a sua presenca. Nao se
impe pela porta fra impunemente 14 ministros
collegas, sem que a opinio se deixe de resentir.
O poder nao morgado. Faz pena, porm que ho-
mens da esphera poltica do Sr. duque de Loul
se deixem gastar assim, ficando entao iaatilisado
na actaalidade e mesmo de futuro, se novissimas
circumstancias os nio loruarem a lodigitar como
indispensaveis. E' de crer que ta.es circunstancias
Reino e interinamente da jnslca, Julio Gomes da no enlamo se nao apresentem, se o paiz flzer o sea
Silva Sanchos ; dever quando Ihe fr conferido o uso daquelle dos
' seus diretos polticos que mais eleva e nobiiifa as
nacues constitucionaes.
Fazenda e estrangeiros, conde d'Avila ;
Obras publicas, Carlos Bento da Silva.
Os decretos tem todos a data de 17 do corrente.
Na pasta da guerra nao se falla ; flcou**) Sr.
marquez de S como eslava, como acontecen aos
Srs. duque de Loul e Joo Chrysostomo, quando
foram noraeados na reeomposico do ministerio de
5 de margo, que se flcou chamando o ministerio
dos 35 dias.
Vem tambem no Diario as deraissdes dos Srs.
duque de Loul, marquez de Sabugosa, Malhias de
Carvalho e Ayres deGouva, declarando-se nos de-
cretos que el-rel ficra muito satisfeito do modo
por que desempenharam os seas cargos.
Aos tres ltimosapprouve a corda cooservar-lhes
as honras de ministros. O primeiro j as linha.
Gorou por ora o plano de entrar para a pasta da
justica o Sr. Pequito de Seixas e para a da mari-
nha o Sr Joo Gomes de Castro, filho do conde de'
Castro, nomes estes que eram indignados como de
bomens novos de quem muilo se esperava.
Quando se preconisava a idea da fuso com os
regeneradores, asseverava-se que seriam eonvidados
a fazer parte do gabinete os Srs. Fonles e Marlins
Ferro.
O orgo principal desta fraecao liberal, a Reoolu- i
cao de Setembro, diz que a opposico s aceita o
poder com honra, por isso recusou a fuso com o
Sr. Marquez de S, por ter feito parte do gabinete
iraasacto ; e que se quzerem paz, te-la bao ; se
quizerem guerra nao Ihe voltam as costas.
Muta gente diz que a llevolucao se poda res-
Perdo pelas digressdes. Repito o que Ibes dfs-
se ha perlo de doze annos quando comecei a colla-
borar para o Diario de Pernambuce :
Repugna-me fazer poltica de lorna-viagem ;
aqu nao rae fallara onde a flzesse.
Exponho francamente as minhas opinides, visto
que a conservagao da mioha obscura inicial na
sua tio lida folha, por Untos aonos, nma prova
tacita, mas vaiiosissima, de que entre os meus
compatriotas e os Brasileiros, lenho quem me es-
cute cem indulgencia e d benvolo apreco mi-
nha habitual imparcialidade.
-L-
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
PABA.
Beln, 27 de abril de 186b.
Nada ha de noiavel que Ihe possa transmittlr por
3ue a provincia quer a respeito de paz quer acerca
e salubridad" publica continua sem maior alte-
rago.
De poltica melhor nao fallar nesla sensivel e
leviana senhora, porque hoje ninguem se emende,
tanto mais quanto alliogindo ella ltimamente a de-
pender cera o estao verdes do fabulista, pas que se feza dos jn,eresses, susceptibilidades individuaes I
os regeneradores nao eslao fazendo parle do mi- mudemos de rumo
oisleno, por que nao foram chamados pelo Sr. Continua o mesmo enthusiasmo pela guerra com
iSff^K m i Paraguay ; o 2 batalho de voluntarios de qne
Nao afflrmo que assim fosse. Ihe dei noticia em minha ultima, vai em progressi-
Deotro em poucos das se esclarecerao as ca- vo astameoto.
marasi tal vez todos estes promenores. No domiDgo 'i i do corrente tanto este corpo como
Oaddiamenlo das corles cessa no da 24jleste 0 batalho provisorio de artilharia sahirara pela
mez, e se nao forera dissolvidas, baver no da 26 primeira vez em publico, e foram oavir missa na
as eleicoes supplemenlares. greja das Mercs; estes corpos a!m deja seacha-
0 candidato governamental pelo circulo 116 :tem mais ou menos amestrados no manejo de ar-
(Lisboa) que esta vago, e o Sr. Antonio Cabral de mas, compunbam um todo de 400 pracas.
A guarda Racional continua a fazer o servico da
guarnigao como at aqu.
S Nogueira, irmo do marquez de Sa da Bandeira.
O candidato da opposico o Sr, Fradesso da Sil-1
veira, cavalleiro tambem de relevante mrito.
Disse cima, se as cortes nao forem dissol vidas,
pois esta a idea que tem tomado mais corpo Ape-
sar de se nao ler verificado a fusao, o quede certo
alienara do novo gabinete mais 20 a 30 votos na
cmara electiva, ainda assim est to fraccionada
a chamada maioria, e to inconsistente a maioria
da casa hereditaria, que o novo governo nao tem
outro caminho a seguir fra da dissolugo.
E' nova cmara pois que pertence, em nome
O Exm. bispo dsta diocese trata de fundar
am asylo de infancia desvalida para favorecer no
Seminario a edacacio da infancia pobre e desvali-
da, que na verdade a temos em abundancia nesta
diocese.
Foi urna bella e caritativa lembranca do nosso
bispo, e Dos queira que v a efleito, pois qae S.
Exc. para isto cona nos donativos e philantropia
de seu rebanho I
Os actos da semana santa este anno passaram-se
Cdes para urna outra siiuago.
nio fallara elementos de vitali-
horabros o andor minis-
nas lides do parlamento
A esta, de hoje,
dade. Todos
paseboa a tomar em seos
terial sao experimentados
e da governagao publica.
O conde d'Avila, estadista consnmraado, um
orador varonil e de primeira forga. Julio Gomes,
ha pouco elevado ao alto cargo de conselheire de
estado effectivo, tambera honeslissime, como os
seus outros collegas goza de rauitas syrapathias
publicas. Depositario, como o visconde de S das
tradicedes populares do partido progressista hist-
rico, elle o bomem qne mais convinha, por sua
imparcialidade, reciido e cordura para presidir a
urnas eleigoes geraes, sobretudo depois dos abalos
que a ultima sessao parlamentar, e os deploraveis
episodios a qne den Ingar na tribuna o descornte-
dimeoto de paixdes exacerbadas produzlram nos
nimos.
O marquez de S, talvez nos engaemos, nio ca-
mishou bem, acceilando a presidencia do conseibo
de ministros. E nio.
A situagao, vendo a presidencia entregue, como
tantos desejavam por conviccao profunda do qne
lucrara com isso a administracio publica, ao con-
' de d'Avila, (Icaria muilo mais robusta.
O marquez de Sa herda a responsabilidade poll-
1 tica dos actos do anterior gabinete e ver-se-ha en-
do suffragio popular, depois de consultada a urna, pouco animados e na verdade na quinta-feira santa
coaflrmar a existencia poltica do gabinete recem-' poaca aflueucia havia na visitaco das igrejas.
nomeado, oa_deUi_ quei devem sabir as indica Um facto doloroso acaba de ter lugar na se-
mana santa com o segninte :
i O Sr. Jos Thomaz Sabino, morador na estrada
. de S. Jos, costumava divertirse as vezes a eneber
lata com arsnico; querende ante-hontera sua mai
preparar uns ovos seu irmao Bernardino, como
refeigo antes de ir ao Carmo ao offlcio das trovas,
procura farioha de trigo na mesma cantoneira e
em seu lugar bate os ovos com arsnico ; deste pe-
lisco provaram o Sr. Jos Thomaz Sabino, sua mai,
Bernardino, um crioulinho, o menino filho de Jos
Thomaz Sabino e urna enanca de nm anno. O me-
nino filho de Jos Thomaz Sabino suecumbio qnasi
instantneamente-, o Sr. Bern>rdino sentlo no Car-
mo os terriveis effeitos e acha-se tratando fora de
casa as mais pessoas vacilam entre a morte e a
vida.i
Dias depois tambem fallecen a segunda victima
desta desgraga, eis aqu oque diz o Jornal do
Pari:
t Fallecen a segunda victima do terrivel caso de
envenenamenlo, o Sr. Bernardino Bel fon Sabioo,
aquelle que mais provoa da frictura envenenada,
terceira filho do capillo tenente Jos Thomaz Sabi-
no hoje no hospicio dos alienados no Rio de J*nei-
ro. Devemos contemplar o vago do nosso destino
e respeitar profundamente a vontade mysleriosa de
Dos neste caso II...
f Depois de longas agonas e zombando dos mais
efflcazes efTeites medicinaes o terrivel arsemee mi-


^ M I
3a

"V

ftlftrlo ie Fernambtieo Ter^a lelra o de Malo de i 805.
-
nava as cntranhas e decompunha horrivelmente a
orgaoisagao do paciente joven. Sua miti consta-nos
estar couw diuiieoie e sentindo un remorso ou an-
tes oa prowndo Deaar de ler sido a oiigem- este*
casos^pilci!se importando com a sua existencia,
que gualmfnte corre o raesrrlo pergo pelo meslo
motivo.
Do couimercio pouco ha a mencionar; ver-
<3ade que temos alguns iWfcfrcarga^MP lte>
nas as noticias sobre os pH|or*Pienel,W
ropa nao sao dos mais fiavei*.*assi->maij
excessivos direiios que P*fam tG*-* deltas QMV
sempre animan) as espicufcpes.
A 19 do correte coBHHlsso de neja*
ciantes desta praca e que MOHnentiUi parao Abj
zonas dingiram-se ao ExMf preaMeote delta pro-'
vmcia para solliciaNli S.'li aupenaiiiiilil i
reitos de um e mei0 per cent&Ot feneros exporta-
dos do Amazonas por vil deste porto para o es-
trangetro que a ultima lei do orcaraenlo havia
mandado cobrar; felizmente a aromissao foi logo
aiteodida por S. Exc. ordenando este que se sas-
pendesse a cobrauga de taes direitos, avista da in-
conslitucionalidade da lei.
Acaba de fallecer no *a 13> benroonheci-
do e anligo negociante (eraido Antonio Ai ves, que.
segundo consta foi aqui o correspondente das as
signaturas dojseu joroai, MMtoJa seus dous un i
ros filhos urna bella fortuna.
O esudo do roeroado tanto a respeitooa im
porlacao como daexportacao dos genrese o se
guinte:
Importaco estrangeira.
Aiettonarpot tuguezas;an-
coreta................
AteUe (toce de L4sboa,bar-
ril del|3........-
Allras, momos*.-.-.......
Baalh4o r*nuguer, tur-
rica................. Nacha.
Dito ingle*, quintal..-----
5100 a
1*200
40*000
5*80
11*000 a
650 a
15*000
204000 a
*520
6*000
4000
4*000
12*000
1*700
*3O0
*50
Batatas, arrobas..
Banha de poreo,-lumia.. *360. a
Biscoatos latas de* libras
ama......-..?..------
Bolaeh* de soda,, lata^.
Dreu.banrf.v.,........ 30*000-a
Canela, Hora..........
Cabo de linho, quintal... 28*000 a
Dito de aire, Mem..... 26*000 a
Cebollas, mitoeiro....... 4*000 a
Cera de Lisboa em velas.
Idm-................. ***>
Gevadmlm, arrreba.....
Cervejn togle*a garrafa,
daiia*............... 5M0O a
Dita em melas ditas,dita. 6*aO0 a
Cti hyssen, libra........ 1*600 a
Chouri^o, arroba....... 16*000 a
Chumbe de muereo, quin-
tal .................
Dito em pasta, dito...... 19*000 a
Cominos, arroba.......
Erra doce, dita.........
Estanto em verguiohas,
libra................
Farinhade trigo, barrica.
Folhade Flawtres,'caixa.
Frascos de vidro, um....
Garrafdes vasios de 14
frasees, um..........
Ditos ditos de 8 e 10 di-
to^ um.............
Genebra de Hollanda, bo-
tija.................
Dita em frasquinhos, du-
zia................... 5*000 a
Keroevje em latas de o
galoeS, galao..........
Ditoem latas de i galio
dito................. 1*800 a
Maoteiga ingleza, libra..
Dita frenceza, dita.......
Massas, carxa...........
Machados americanos, du-
zia.............b----
Oteo de linhaea, frasco..
Passas, caixa...........
Papel de embrulho, resma
Dito almajo, dita ...... 2**00 a
Dito de peso, dita....... 2*600 a
Pimenta da India, libra..
Plvora ingleza, libra...
Prezunlosportuguezes.ar-
roba.................
Quejos flamengos, nm...
Ditos loodriiios, libra....
Sardinbas, latas........
Sicario as, libra.........
Toncinho de Lisboa, ar-
roba..................
Vinbobranco de Lisboa,
barril de 1/4...........40*000
Dito tinto dito PRR, pipa. 200*000
Dito hespanhol, dita..... 130*000
Dito do Pono, dita...... 230*000
Dito Bordeaax, dita...... 1*^
Dito champagne duzia... 22*000
Vinagre, pipa,.......... 90*^?1
Sal, alqueire............ *800
Importa cao.nacional.
Assucar, meias barricas
de primeira sorte, ar-
roba................. 4*600 a
Dito, meios ditas de se-
gunda dita, dita.......
Dito, barricas de primei-
ra dita, dita .........
Ditos, ditas de segunda e ^^
terceira dita, dita..... 3*000 a
Dito refinado em latas, la-
ta................... 7*000 a
Anizetas em garramas (7
frascos) garrafo Nao fia.
Agurdente (caxaga) pipa 90*000 a
Hita de 36 graos em gar-
rafoes de 7 frascos, gar-
rafo.................
Carnauba em velas, libra 5320 a
Carne secca, arroba..... 3*000 a
Caf pilado da Babia, dita
Dito dito do Cear, dita.. 8*000 a
Dito dito em casca, dita
de 40 libras.........
Charutos superiores da
Bahia, caixa de 100... 1*800
Ditos inferiores da Bahia,
dita................. 1*000
Ditos ordinarios da Bahia,
dita................. *300
Genebra em garrafes de
7 frasco, garrafo..... 3*500
Guaran, arroba........
Genebra em pipas, pipa. Nao ha.
Licor sortldo em garrafas
brancas, duzia........
Milho em saceos de 2 al- l
queires, sacco........ 3*000
Meias de sola, um...... 3*000
Sal do Maranho, alqueire Nao ha.
Taxos de cobre, libra
Tiqnira era garrafdes de
6 frascos, garrafo....
Expertaeao
Algodoem rama, arroba
Arroz pilado, dita.......
Dito em casca, alqueire..
Borracha fina, arroba...
Dita entrefina, dita.....
Dita grossa, dita........
Dita caneca de negro, dita
Cacao, dita.............
Castanha nova, alqueire..
Conres de Minas, um....
Ditos salgados seceos, li-
bra.................
Ditos ditos verdes, dita..
Grade de gnnjaba, arroba
Oleo de cu pa iba, caada.
Salsa parrilha de Santa-
rm, arroba.......... 24*000 a
Dita dita do Rio-Negro,
dita................7 liJMff-a
Tapioca, alqueire....... Nao ha.
Piassaba em rama, arroba l*2tX) a
Urnc em grao, alqueire
Ditoem massa, arroba.. 5*000 a
Cambios.
Inglaterra 26 a 60 dias.
Franca 365 por franco.
Portugal IOS por cento.
Hamburgo.
Premio.
Caixa filial 10 por cento ao asno.
Man <& a, Dio. descontara.
Particulares, 12 por cento ao auno.
Moeflas.
Oaro.- Pecas portugoezas 16*000.
Honeas hespanbola 30000.
Ditas mexicanas 29*090.
18*000
1*500
*380
t Pesos norte americano* 13800.
Prata.Ditos hespanhes 1920.
Ditos americanos 1*600.
Ditos IraneuaattWoe.
Airandega de 1 a 25ISsmfcSO
Recebedoria de 1 a 2562:818*682.
Ver-o-peso de 1 a 25-6:038)815.
a Oaaa de i *MSt>7l)*&
:adepuLlicode-laIo- *
Naviosacarga.
Gurg-^ua dinamarqneza.
Baoi.>f-Brigne-(sanee*.
Socral***tr\g(i* frifteex.
Tciiii/ms Barca tranceza.
Viciar i* Barca inglexa.
ifrtma- Barca inglexa.
7Yt-'Btt-Brigue ftoglei.
Navios a descarga.
AracalyBrigue nglez.
TamegaBrigue portuguez.
Eiuiunlress Iliate iuglez.
Mana Patacho ingle.
inglei.
A autoridade julgou do sen Ame
jar a praca, e co.neava a prjaoi^gvita^atUt
na*-a imperador Napoleo far prxima- Art. nico. Pica concedido
,
do
ue
dem, quaodo se ouviram algn
Um grito quasi unnime d'e
siastas indicou que devi?m dirig.
Prado, onde lofuadadameote julg
o novo reitor da uaiversidade.
Alguma torca de cavallaria fiotueguio lazar uu^ I """iir gafi" paiz est satis
E^SJmnS*r?i,f *********** *m SSh hberdade qo,
KSj,e&2231laJSf0JPeml- P* ofl^iflWMIfcndo que no "
rmmao &o^ Wiyi|2aMhoi^|etendo-saMB ; *>, aaliia a comple
my.d0 "***>**. t' rw,*?2 "ff-"J3"!!""i visi*-'-- !HaMla guerra da FrancJi *o
mi& nfSg^r"^"""* l;0DSlder** a Amrn^e diz que Lincoln^nloS. iiWsse
me9mrf>. V *o*edla.se aainterrunfc nnexadfcilo Mxico, porque foMceriau su*
oSS-ita !5mbem d^g"Qs.nwrraa.- demonsM*queas tropas cmmXt- -'-%-jS
n'JfT^ln I6/8 df un,forme- assim com o gover- que o novo cmpresmo.mexicano est felt.
MHJ?*"* ,r*llte guarda veterana. |subscripto pelas prinerpaes casas de Paris e de
,,*?a^f*8,,w, a ^ ol caatlnbB rft.de, Londres e que u tropas franeexas renrarian/o
duvidMna^de dez mil pessoas. jmais brevemente possivel. A emenda*pedindo a
o ,,,*T~J e,T"> ,a rrentr da goarda veterna, rretirada- iramadiata do exercito francez do Mxico
e auxiliada,*eia cavallamda guardfrcivil,conoa, foi regeitada por.S.voloscantr* 16.
,mo, ni n difflcKldade, fazer evacuar a praoa I Osjornaes inglezes afflrmam que o enviado
movimentos, hoave a desgraca de. extraordinario e ministro plenipotenciario do M-
xico em Inglaterra, se demilo destes cargos.
A esquadra ingiera do canal que actualmente se
acha em Porbaad reaabeu ordexu para se dirigir
para Lisboa.
lia.a Leo, o depois a Argel. __At-W^Titi^^^'Mm^l^lAl
corpo legislativo era resposta mm^tay]beae^oT^MM^<^m^mmm
tX'X ^XlJ},* que lfJm' M*^3 : ""evogadas as disposicSes em contrarie.-S.
defeza das leis fundamenues, qu o*. u.-Jacobina.-G. de-DrOmmorJd. ',
librio dos poderes do estado; aeres- E' lido, e Oca adiado por ter pedido a palavra o
recetaJtai^Sr. Rege Barros, o aagwue paneer :
A commssao Aa>*africulr*, coaaoMreio e
rail n 'obras publica a qum tm aubnaetUda a* peticaa do
subdito francez Aodr Lilis Datooche.-?, pcaMn-
8 13. Cemeiios :
Ordenad(wtoao.siradoT;Joct--
mjterio do Recife.................
dem do oapeltau........... ___
dem doiaaristo...............
dem do porleiro...............
dem do jardloeiro.
1 e n'um destes
Dous Amigos litte
Nova PalmaraBerna porloguexa.
- Navios sabidos para LisLoa : barca Amant- 8er feritlo, anda qw ligerra'me'te um "soldado" do
na,a-17.com JW paasagaroa, e la/mm+MM corpo 4'adnrtoisinaaoTOilitar.
correle com 240-dits, e a barca flor tic \a a Entre aquella g/iiaria disiingoia-se claraoMite
15 para Liverpool com WJ'tos. que o numero dafpessoas all reunidas, erara ape-*
O Paran sahe.hoje a -e.a cita nas curiosos, e que nicamente alguns cantenaes.
m^wm ;de maacabM prouiovram aquelle escndalo:
fl I 01 n IVF HT*H lun##% r,HP,a,gUm,lempo tl^on quasLcniP'eaBie8te.aer-1 quai a censura sera facultativa aos.joriMes. Opa! de" 1860"com rfe'rec & iniu Tn
Na Russir o eonsettao do imperto adopton'o
nam dendo estabelecar ama fabrica.acho
do Mondego destaatdad*,.pede-a esia
concesso de um-previe^o por de
dentro desse periado da-tenpo poder
vamente f^ri ir m>i pp mmto cHMe, teowu
na devida considarafio maiaaia soiaia. a aam
quanto entenda que deve por lodosos meios a seu
alcance esta assembla promover na provincia o
deseovolnmento de todas as industnas-e recoohe-
ga qoe fra da real cooveoiencia o estabelecimenlo
da referida fabrica, todava considerando que no
acto addiciooal, onde sao estatuidas as attribuicoes
das assemblas provinciaes, nenhuma disposico
existo que aotorlse estas corporaQdes a legislarem
sobre o assumpto de noe se trata, e antes declara
essa lei terminantemente que asassembtas pro-
vinciaes nao podem legislar sobre objeetos nao
corapreheodidos nos artigos I0at1 deth, o que
alm de outrasdecisdes comfirmado claramente
da
IdMa.de do
ard
Ideai de 15 trabalhadares
a 366 la um..........
Ida-* adimasiraMn d
rvctoCteodaPiaell
Idenvi
mo
2.000*000
900*000
360*000
600*000
480*000
1:200*000
5:475*000
400*000
365J000
400*000
365*000
94:285*000
Vem mesa e sao apoiadas diversas emendas
um
ar
dem do adaWstr;
tolde S.-LouraBQa.
dem-de um servente
mo.................
ca-
vos
ite-
es-
ite-
para o mes-
de orar o Sr. Buarque, tica a discusso
^srsss^tsSSiSsS. vtttog*wp**ggaa,
, mas
gritos, e os cariosos
da-
retiraram-se
ln tinmlliu- Till*3
Pelo -vapor"Param, chegado domiogo do&portos .suas casis, as"sm"como "m amotnadares.
do norte do Imperio, recebemos jornaes do Ama-, Pafece porm que alguns destes, que mais se
zonas at 2, do Para at 27, do Maranho at 29 do idistingoiram pela sua tenacidade em promover a
pa^doydoCeM at J, do Rioraad ai-4.e-da desorem-foram'presos oa principal, onde enlra-
Parahyba al* do correala. ram uns 20. pela malor' parte jornalelros.
amazonas.-Mo tenio hatido numeroufHciente! A' Trrna'tora-da'noite entrou no paco o gover-
de depntado*a capitol^/oUdiada.* respectiva as- nador^civil da provincia paraUar conheeimento a S.
semblea para iO do correle mez. ; M. que a traquillidade publica, levemente alterada,
para. A miouciosa carta de .aaiso correspou-, esta va completamente reslabelecida.
^*ideme-narra quanto occorreu.
o-SS I MARA,tto- -Assomte as redeas da WSmttfsiracao
91 da provincia o Sr.Jos Caetano Va* Jnior, 4o vi-
ce-presidente.
A praaiaeoeia daprovineja adioua abertura
da assembla para 20 do carrale.
L-se no PtibliCador:
c Eflectuou>sc hornero (231 o sarao philantropi-
*800
30*000
26*000
o*000
1*280
4*000
o*eOO
7*000
1*800
16*300
20*000
20*000
850O
12*000
*700
21*000
*30O
1*800
1*100
*320
5*500
1*900
2*000
*70
vm
6*200
25*000
1*000
5*000
1*000
2*400
2*800
Desde qoe rompeu o motim conservaram-se no
ministerio da govemaco todas'as autoridades.
A artilherla montada sltaou o Prado, a cavalla-
ria estaeionou m differentfes peritos de Madrid, e
os corpos do quartel de S. Gil tambem sairama
tomar poicao.
O numero das victimas excede multo o que de
principio se indicava. Os jornaes dos ullimos das
nsrgmficaute grito era um signal de alarma entre
a tropa. O general Narvaez dividi Madrid em
seis divisSes militares, commanddas cada urna
por om general. A autoridade militar nomeou
co, que as Exinas. Sras. Abrauches haviam organ-! publicavam nomes.de muitos individuos que iam
"u-. ,u ., : suecumbindo a feriraentos graves. Ainda no dia
t lsteve bnlhante; as Sras. collegraes, qu exe- 112 de abrH havia grande aiuotamento de pavo pe-
cutara ao piano difflceis pegas de miuica, foraro | las ras, e s a nonte a forca militar lornou a em-
ouvidas- com muiU atlenfo, e applaudidas como pregar a violencia contra alguns grupos. 0 mais
merectam.
Pena que a conourreneia nao correspon des-
S6 aus e.ertos e intencoas patriticas das Ex mas.
Ssas. directoras do coilegio de Nossa Senhora-da
Gloria 1
O leilo, importantissimo e carioso peros ob-
jeetos. delicados e priimirosainenie acabados que
o constituan), foi sustentado apenas por meia
duzia de cavallefros, que patriticamente se pres-
taran), e com a melhor boa vontade, a arrematar a
mor parte dos lavores. Consta-nos que rendeu
cerca de 1:700*000.
Antes de comecar o concert, fez urna das col-
legiaes entrega da baadeha, rica e delicadamente
bordada, pronunciando urna allocogd anloga ao
definitiva impressae coazmeitida-ao senado.
O rei da Italia devia regressar definiivamne-
te a.FJorenca -no lim de abril. Fa I lavaje em sabir
de Roma o amigo rei de aples, Fianeueo II,
leudo comprado urna propriedade enioriai na
Mar va.
Foi approvadaa.lei para a venda dos.caraiahos
de ferro italianos por 156 Acotos contra 88.
-i Djz-iequa o rei da Gracia.catara com a filha
do gra-duque Constantino da Ilusiia, mas como
tem apenas 14 aaoos, de idade, a celebracio do
casamento fica addiada para d'aqui a um auno.
Diz-ie que o grao-duque herdeiro do throno da
Rusaia, visitara .Pa*. incgnito- Mas a Patrie
desmente esta noticia. c
Causeu.muiUiUnpresso em.IIespanha a no-
ticia receida ltimamente de ter rebent-do uo
Par uma graude revolucao em emuequeucia do
ultimo tratado coma Hespanha, leudoduas fraga-
tas tomado parte no movimento.
O celebre general hungaruLangiewitz asstio
a 28 de marco a uma reunio patritica em Berna,
celebrada pelos amigos da Polonia. Pronuncia-
ram-se varios discuraos tondendo alguns a prestar
auxilio aos infelizea emigrados. Alguos.oradores
fallaran) ao tralamento dos Polacos.na Alleraanha,
........ --------- fazendo sobre-ahir as tendencias liberaesdaquelles
aiguos nscaes para julgarera os que fossem presos | povos, e as ordens que se tem dado para a exciuso
anlf=s la,mal0S> Qae encheu de espanto a formal dos refugiados, Langiewiu tem sido mui-
popuiacito, pois nao tinha sido publicada a lei lo festejado em todas as partes da Suissa que tem
marcial. Causou grande consternacao a moriede percorrido.
D. AtTonso Nava, mono com uma baila nopeito,; As ultimas noticias d'America alcancam a 5
na occasiao de ornadas descargas dadas na ruade de abril. Os exercitos dos generaes.Lee e Grant
Sevilha.
A raorte deste mancebo inerme, que ne-
nhuma parte tomara nos tumultos, causou geral
sentimemo.
As exequias do infeliz Nava, crusaram se com
as do ministro Alcal Galiano. Este aehava-se,
travaram uma sanguinolenta batalha, que durou
tres dias. O general Grant oceupou Petersburgo e
Richmond. O general Lee rerou-se para.o norte
do rio em direccao de Synchburgo seguido por
Grant que lhe fez numerosos prisioneiros. As per
*600
13*000
1*800
*7O0
*500
9*000.
55*000
220*000
170*000
300*000
120*000
24*000
100*000
*>00
acto, a qoe S. Exc. respondeu era termos mui hon- i quande foi attacado, em conselho de-ministros, de-1 das de Lee sao avalladas em Nova York em 15 mil
rosos. | liberando sobre as medidas que cenvinha tomar
ceaba. Evadiram-se da cadeia da capital 14 [ para apasiguar o raora.
criminosos, na noite de 23 do pssado, sendo 9 del- Os jornaes principaes de Madrid, n'um snpple-
Icscapturados novaraente nos das segrales. ment do dia 11 proclaraaram ao povo collectiva-
O 2 corpo de voluntarios da ualna cootava mente,
j 04 praca?. Este supplemento tem as assignaturas dos redac-
*2 oo Pedro II: tores das Navidades, La Iberia, La Discusuon, La
c Ho>ia. 19 de margo foi assassinado, no silfo Democracia, La America, La Natten, La Sobera-
Lages do termo do Pereira, o infeliz Antonio Ma- \ na Nacional, e El-Gil-Blas.
noeTpor Jos, escravo de Pedro Leite da Silva, do, Eslava pois resUbelecida a ordera depois de
Rio-Grande do Norte. dous dias de agitacao e tumulto. O govarno foi
O assassioo foi preso.
ioterpellado no senado
os acontecimenlos e
ministro do
e mos
gabinete traba proced-
morios e feridos, 25 mil prisioneiros, e 200 pecas,
as perdas de Grant sao ali avalladas em sete rail
homens.
A queda de Richmond foi um golpe profundo na
causa do sul.Depois de to repetidos reveas era
que os confederados perdiam necessariamente as
suas mais importantes posicocs, esta noticia j era
esperada.
Atlribue-se esta serie de revezas ao mal entendi-
do pudonor de querer defender a Virginia, onde
discancam os restos de Washington.
O plano que existia em 1862 era transfer a resi-
dencia do governo para as montanbas de Curaber-
land, em Knoxville e Chantlaooga para ali concen-
trar todos os seus exercitos, com quanto nas imme-
oouza, morauor uo urejo-becco o termo | do na souoiluicao do reitor da uoiyersidade, sus- diagoes se conservassem columnas volaotes para
do Saboeiro.
t Os assassioos foram capturados.
No sitio Salijadinho, termo de Milagros, ara
iodviduo de nome Manoel Franciscosdeu uma sor-
ra em Lourenga Francisca por maadado de Jos
Doraingues.
< A olTeodida trazia ao col uma uiha de 7 rae-
zes de idade, que ja estando (lente cahio-lhe dos
bracos, tendo sido igualmente affendida por al-
gumas relhadas.
O perverso nao consentio
tenlou que se havia annuido primeiramente ao pe
' dido dos estudantes, porque a autoridade eslava
! convencida de que se traba era vista dar ao anUgo
reitor uma prova de agradeciraento pela maneira
porque este funecionario dirigir a universidade ;
mas que retirara a concesso desde que lhe cons-
tou, que se tratava d'uma grande raanifestaco po-
ltica.
4*800
4*200
4*500
3*200
7*500
I00*h00
*360
3*500
7*500
8*500
8*500
2*000
1*400
*800
4*000
80*000-
No dia 18 de abril foi nomeado ministro das
obras publicas o Sr. Oravio
que a pobre raulher Os depuudos da maioria iam apreseniar uma
evantasse a cnanga, qoe Ticou exposu por multo I proposta de approvaco ao procedmento do gover-
lempo ao sol, res-ulUndo-lhe d'ah a morte no flra no nos ullimos acontecimenlos
de dez dias.
Rio-cnANOE. Nada occorreu que raereca meo
cao.
paiuhyba.O numero
elevava-se a 576.
de voluntarios da patria
Cartas particulares de Madrid do grande
proporcao ao numero de victimas daqueUe conflic-
to imprudentemente provocado de parte a parte.
A dieta germnica pronunciou-se sobre a
proposla da Baviera e Saxonia na questio dos du-
cados. Esta proposta estabelecls que o principe
de Auguslemburgo seria desde j iostallado na so-
A assembla appro-
vou a proposta por nove votos. O Luxemburgo
absteve-se de votar e Holstein nao eslava repre-
sentado da dieta.' O Hesse eleitoral, e os dous
Mechlemburgo, o Hanover e o Oldemburgo, foram
os nicos estados que se conservaran) fiis a pol-
tica prussiana. As dnas grandes potencias, con-
tra o que se esperava eraitiiram o seu voto; a
Prussia manifestou um voto negativo, e a Austria
approvativo. Depois da votacao as duas grandes
potencias apresenlarara declaracoes
portancia. A Austria declarou que eslava promp-
ta a transferir o seu direilo de posse dos ducados
3*000 a 3*600
6*000
3*200
*7SO
6*000
Pela mala do vapor Olinda, vindo de Liverpeol
com escala por Lisboa, tivemos cartas e jornaes do i berania de Schlswig-Holstein.
nosso correspondente de Lisboa, dos quaes extrahi- "
mos as segu utos noticias :
Em Portugal fra resolvida a crise ministerial a
que dra lugar a queda do gabinete dos 35 dias, e
que lio tempestuosamente recebido fra pelas cor-
tes, pelo publico e pela iraprensa.
Nao cahio por falta de maioria numrica, mas
por ausencia qusi absoluta de todas as condigoes
necessarias para a existencias poltica de um go-
\erno liberal e filho da opiniao.
Flcou assim constituido o novo ministerio cujos
decretos sao.de 17 de abril :
Mrquez de S da Bandeira, presidencia, guerra
e interinamente marraba;
Julio Gomes da Silva Sanches, reino e interina-
mente juslica;
Conde d'Avila, fazenda e estrangeiros ;
Carlos Bento da Silva, obras pubcas.
Dava-se como certa a prxima dissolucao das
corles. Entretanto o addiamentojoessaria a 24 de
abril, e no dia 26 proceder-se-hia, se as cortes nao
fossem dissolvidas, s eleicoes snpplemenlaras era
varios circuios vagos.
ror Lisboa (116) propunha-se umirrao do pre-
sidente do conselho de ministros, governaraental.
Nao.se realisou, pois, a idea da fusilo cora a frac-
co regeneradora em que nos fallavara as arlas e
jornaes do ultimo paquete.
Varas correspondencias tinhara apparecido em
Lisboa sobre a pendencia suscitada entre o minis-
tro de Portugal.na corte do Rio de Janeiro e o go-
verno do Brasil, lamentando que entre dous povos
amigos e co-irmos houvesse de qualquer parle
motivo de aggravo As foibas publicas de Portu-
gal, como representantes da opiniao publica, fa
inquietar as communicacoes do inimigo.
0 abandono de Richmond fez prever que os con-
federados recorren) ao seu antigo plano.
A concentraco das tropas no interior eolio-
ca-las liia longe das fronteiras federaes, cercadas
por todas as partes o al grandes distancias de
povoagSes amigas em quanto que os federaes, nao
tendo ros que Ihes sirvam para abastecer de vive-
res as suas tropas, e sem o apoto dos seus navios,
tendo de avancar atrvez de um paiz hostil, nao de
certo vacilar antes de iraprenhender uma nova
campaoha.
A ultima proclama$o do congresso confederado
d claramente o proposito de senistro al ao extre-
mo na esperanca de um melbor futuro.
PERNAMRUCO,
ASSEMBLA PROVINCIAL.
46' SESSAO EM 6 DE MAIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO SB. Dn. PEREIHA DE BBIT0.
A's 11 horas e tres quarlo da manba, feila a
chamada, acham-se presentes os Srs. deputados
Goncalves da Silva, J. do Reg Barros^Enarque, G.
Campello, Aquino Fonseca, Francisco Pedro, Tei-
xeira de Mello, Rochael, A:.iynlbas, Ribeiro, Ma-
ranho, Diodoro, Lourciro, Reg Barros, Ramos,
da maior im- i Britto, Brandao, Ayres Gama, Nabor, Souto Lima
e Braulio.
O Sr. Presidente abre a sesso.
E' lida e approvada a acta da sesso anterior.
Comparecem depois os Srs.Cuoua Teixelra, Arau-
l Rurrn ^-i Porniri llinli. ii TamaKima I ..'. II.
2*600
1*909
19*00
12*000
9*000
4*000
*ito
*090
27*000
11*000
14*000
2*800
2*000
12*800
10*000
9*100
5*000
2iam ardeates votos para que aaolucao fosse, como -Alionas.
de esperar, da consolidacao das antigs e cor-1 como a primeira resposta da Austria s reiteradas
deaes retacees dos dous paizes, honrosa para am- provocarles da Prussia.
bas as partes. Os jornaes prussianos porm dizem, que o exer-
Em Madrid falleceu de uma appoplexia fulmi- ] cito da Prussia nos dous ducados vai ser elevado
nante o ministro das obras publicas Alcal Galia vinte e cinco- mil homens, eque as autoridades
no, que foi por rouito lempo embaixador de llespa- locaes do Schleswig e do Holstein j foram pre.vi-
nha na corte de Lisboa. Prestaram-se-lhe as hon-1 oidas de que Iam dar entrada nos ducados novos
para o prncipe de Augustemburgo com a condi-
co de que a Prussia procedera do mesmo; mas
que sustentar esses direitos, em qnanto se jo Barros, S Pereira, Bapisia,'"ja"caoina"jo"s"Ma-
nao obtiver uma solucao que corresponda aos in- ria, G. Druraraond e Sabino.
teresses da Alleraanha e aos ducados. O Sr. 1 secretario d conta do segointe
O gabinete prussano nao regeita absolutamente EXPEDIENTE
um ccordo neste sentido, mas quer que esse ac- Um offlcio do secretario do governo, remettendo
cordo se bsele no exame de todos os ttulos, e as informacocs que preslou a cmara municipal
mu particularmente nos que apresentou a corte do Recife acerca da petico de Basilio Alves de Mi-
de Berllm ; mas sustenta que ha de defender seus randa Varejo.-A' quera fez a requisicao.
direitos em quanto se nao chegar a uma solucao, Outro do mesroo, remettendo as informacoes mi-
qoe a Prussia possa acceitr como legitima, eque m'slradas pela directora geral da instru cao pu-
se satisfaga assim como |a todos os inlerersados., blca acerca da peticao do professor Dervino Jos
representante prussano disse, que o governo da Camara.-A' quera fez a requisicao.
prussano declarava desde j que a solucao que a Oulro do mesmo, remettendo a nformacao que a
dieta adoptara, eslava longe de satisfazer e de cmara municipal do Recife deu a respeiio do ea-
corresponder ae accordo que se esperava; parece nal da ra da Aurora, isto se elle pode Influir
pois que esta votago nao alterava de modo algum : desfavoravelraente sobre a salubridade do bairro
a actual sltuacao. A volago da dieta produzio j da Boa-Vista.A' quem fez a requisicao.
em Berllm a maior irritacao. Urna peligao de Joo Wetsor, solicitando que a
Tres rail homens de infantera austraca perten- assembla lhe cenceda a quantia de 100:000*000
cenes aos regiraentos de Bohemios e da Hungra,, res, sem juros, pagos por espaco de 10 annos, aBm
atravessaram Hamburgo, indo tomar quarteis em delle levantar um engenho modello.As commis-
JipWWj
*130
*100
28*060
11*500
26*000
16*000
1*400
6*000
8*000
ras devidas sua jerarchia. Foi o primeiro minis-
tro que depois de Fernando Vil se fina no exerci-
-co de suas funeges. O attaque que fulminou este
estadista accomeiteu-o estando elle em conselho de
ministros.
Madrid foi ltimamente o thalro de scenas as
mais tumultuosas e cujas consequencias poderiam
ter sido funestsimas. Estas occarrencias desas-
trosas tiveram origem na substituigao do Sr. Mon-
talbau reitor da universidade de Madrid por um
4*20fr novo reitor.
Os estudantes haviam pedido licenea. ao governo
para darem uma serenata ao reitor deraitde, o
gue se Ihes recusou. De primeiro a autoridade li-
ona feito a concesso, mas retiroa Diurna hora.
As foibas ministeriaes justificaran) esse acto coma
necesaidado de obstar a que a ordem publica fosse
alterada. A opposicao attribuio osacontecimeotos
a probibico do governo, julgando qoe s elle rea-
ponsavel pelas consequencias deploraveis que tive-
ram, .por ss. que se tratava de uma demonstra-
cao pacifica, em qoe os estudantes queriam mani-
festar as suas affeiges e sy mpaiias pelapetsoa do
anligti reitor.
Este movimento de torcas considerado ses de commercio, agricultura e orcamento.
Sao Irdas e vo a imprimir os seguintes pare-
ceres :
< A commssao de iostruccao publica e de orde-
nados, tomando na devida consideracao a peticao
em que a professora do Curato da S de Olinda,
Isabel Joaquina de Albuquerque, hoje jubilada, pe-
de que se autorise o pagamento da gratificacao de
mais de 12 anuos de servico, ao que a peticionaria
se Julga com direilo, apezar de nao ter requerido
antes de jublar-se; considerando que o direilo da
peticionaria fundada no capitulo 1.*, artigo 1. da
le de 10 de junho de 1837, oo artigo 10 da lei ge-
ral de 15 de oulubro de 1827, seguoda parle do ar-
tigo 28 da lei n. 369 de 14 de malo de 1855, e ar*
contingentes.
Contraslamlperfeitamente a affabilidadedos com-
mandantes austracos, ea disciplina das suas Jor-
gas, e o seu trato regular e ameno com a popula-
gao,com a indisciplina dos prussianos, e o modo
como estes tratam os. habitantes considerando-se
como um paiz conquistado.
O gabinete austraco pedio explcales ao de. tigo 29 da lei d. 598 de 13 de maio de 1864-
as as9emWas"pruvincraes s podem conceder pre
vilegios sbreos objeetos comoMMendidos no 8.
do artigo 10 do acto addiciooal, isto sobre -oras
publica estradas e aavegaco do interior das
provincias, de parecrn conoltwo que nao p-
de-ser deferida a peticao a que se relepe, por nao
estar a concesso do previlea pedhtonw attrbui-
goes das assemilas.proviu*-iaes.
< Sala.das coiumis>0a, 6 de maio-de 1865.
Soares Draodo.souto Lim.
Seappiovadosos wguirrtes reqnerimeato'
Uoqtteiro que por intermedio do Exra. presi-
deate da provincia se pegam com a maior urgen-
cia, aura de poderem chegar a lempo de serum
consideradas as seguintes informagees :
1." Se o leante Jos Pedro da Silva voI lando
desta assembla ihe?ouraria provwcial, depois do
encerramento de-seas trabamos, awtMe junbo de
1856, enlraodo ao exercico do lugar que oceupa,
revogou m deefMcho do fanceionario que o havia
substituido durante seu impedimento ; datado de 2
de maio desse anno, e firmado sobre resolueaoda
junta da fazenda da mesma tlwooonria, que em
sua sesso de 26 de abril anterior, tinha resolvWo
que fosse revopado mu outro despacho do mean
lenle que, nao obstante resoruco em contrario
da mesma junta tomada em sesso de 17 do mesmo
raer, de abril, coasiderou ahormadas as coalas
apreseatadaa .pele ex-collector do Rio Formozo,
Joaquim Joside Luna Freir, o mandn no dia se-
guinte, 18 desse mez, quea eontadoria lavrasseter-
mo.de approvagao deesas coatas, e archivaste ;
t 2. Em que se baseou o referido leoente Jos
Pedro da Silva, para revogar o despacho do fune-
cionario, qae o-traba substituido, e a que altudo :
3 Se es livros recolhldos Ihesouraria pro-
vincial pelo ex-ooltecior Luna Freir aprsenla
rasBadellas,erro6 de sorama e irregularidades, e se
esse colleclor oa seu fiador rademniaou fazenda
provincial de todas as quantias qoe elle devia, in-
cluidas as relativas aoanno de 1853 a 185*.Aqui-
no Fonceca. *
< Requeiro qae de novo e com argencia se pega
ao Exm. presidente da provincia oopia dos contra-
tos celebrados pelos Exms. Srs" Dra. Joao Silveira
de Souza e Domingos de Souza' Leo com Antonio
Jos Duarte Coirabra acercada emprexa dramtica
do iheatro de Sama Isabel, copia j pedida em 20
do mez passado.
Recife, 6 de maio de 1865.Cunba Teixeira.
Requeiro que por intermedio do Exm. Sr. pre-
siente da provincia -se pega com argencia o regu-
lamento a respeilo das loteras.Dr. BapUsla.
Requeiro que pelos canaes competentes se pe-
gara aoExm. presidente da provincia as seguintes
informacoes :
< 1." Se a Carlos Luiz Cambrone, emprezario do
ser-vico da limpeza e encanamento das aguas nesta
cidade, foi imposta alguma mulla por nao haver
cumprido o disposto no artigo 30 do contrato ce-
lebrado em 25 de setembro de 1858 em caso nega-
tivo e qual a razo disso.
2. Se lhe foi marcado mais algum prazo, qual
e quando.Gunha Teixeira.
< Requeiro uue se pega com urgencia pelos ca-
naes competentes informacoes sobre o excesso de
capital daempreza do caleameato da cidade deter-
minado pela presidencia da provincia, de contor-
midade com a autorisago que he foi concedida
pela condigao 4a do ai*. Io da lei n. 558 de 4 de
maio de 1863.Campello.
Requeiro qtfe por intermedio do Exm. presi-
dente da provincia se peca com urgencia a segua-
te informago :
Se o chefe de polica nao expedio ordem ao
delegado de polica desta cidade para que instau-
rase novo processo ao subdito hespanhol Epipha-
nie Astudillo y Bussoni, visto que o primeiro havia
sido considerado nullo por ter nelle officiado escri-
vo incompetente.S. R.Aquino Fooseca.i
Sao approvadas as redaegoes dos projectos os. 7,
24, 25 e 42 ; e das posturas das cmaras munici-
paes de Buique, Tacarat e S. Bento.
O Sn. Aquino Fonseca faz algumas relexoes era
opposicao informago ministrada pela commssao
de saJe publica da cmara municipal desta cida-
de, relativamente conservago do canal da ra
da Aurora.
PRIMEIRA PARTE DA ORDEM DO DIA.
Entram em discusso eso approvadas as emen-
das olTerecidas s posturas das cmaras municipaes
de Iguarass, Salgueiro e Bom Conselho.
Sao tambera approvadas as posturas da cmara
municipal de Barreiros cora as emendas olTereci-
das pea respectiva commisso.
Entra em segunda discusso o projecto o. 27
deste anno, tixando a despeza das cmaras muni-
cipaes no exercicio de 1865 a 1866, comecando-se
pelo
< Art. 2. A cmara municipal da capital do Re-
cife autorisada a despender com os objeetos de-
signados nos paragraphos seguintes a quantia de
94:285*.
1.* Secretaria:
Ordenado do secretario 1:600* e
400* de gralicagao............... 2:000*000
dem do offlcial-maior 900* de or-
denado e 400* de gratificacao...... 1:300*000
dem de 4 amanuenses na razo. de
600* de ordenado e 400* de gratifi-
cacao........................3K. 4:000*000
dem do correio e continuo, sendo
400* de ordenado e 200* de gratifi-
cacao........................... 600*000
2. PorceDlagem do procurador
na razo de 4 por ceuto do que arre-
cadar ........................... 3:960*000
Ordenado do contador 1:200* e
300* de gratificacao............... 1:500*000
e, depois
adiada.
Continua a discusso do artigo 44 do orgamento
provincial com todas as emendas.
Depois de orar o Sr. Sonta Lima, fica adiada a
discusso.
O Sa. Josa ftL\MA>(D6la ordem) pede llcenca afiro
de retirar-se para fra da provin-.a, e a assembla
sendo consultada, decide pela arnrmativa.
SEGUNDA PARTE.
Contina a segunda discusso do projecto qr
fixa a torga policial do futuro exercicio, c tica
adiada, depois de orar e Sr. Nabor.
_ O Si. Presidmitu levanta a sesso s 4 horas e
oS minutos da tarde, dando para a ordm do dia
seguale a conlinoacao da j designada.
A pevoacao de Madrid estove, pois, na maior an- em Hil.
fierlim acerca da declaracao feita pelo ministro da
guerra, Mr. Roon, quaodo apresentou o novo pro-
jecto de lei sobre a raarinha, sustentando o minis-
tro a necessldade que a Prussia tem de guardar e
fortificar Kiel.
A Austria nao parece disposta a tolerar em si-
lencio que o Prussia se arrogue o direilo de nico
soberano dos ducados.
Em Ckernfserde houve uma festa em que as au-
toridades prohibirn) qtulqer demonstracao augus-
lemburgueza, especialmente, que fosse victoriado
o duque Freflerlco. Entretanto no banquete que
nesse dia hoave fizeram-se varios brindes a este
principe. Na estagao telegraphlca nao foi arceilo
.um despacho que levava a seguate direccao :
< A Frederico Vlfl, duque de Schleswig Holstein
ciedade. Desde as 7 horas da noite que na ra de
Santa Clara esuas iminedocoee esuciooavam mui-
tos ealadantes, e grande numero de amadores de
msica, qoe ignoravam ter sido negada ultima
hora a licenea solicitada.
Alguns grupos, quaodo appareceram os estu-
dantes principiaram a soltar gritos, pedindo que
comeeasse a serenata, e as autoridades mandaran
oceupar as esquinas das ras prximas por ; enti-
aeilas da guarda civil, as quaes impediam e tran-
sito para a ra de Santa Clara.
EnlSo pariiram de alguna grupos varios gritos
6e Tivas e mortaii.
Em Flesburgo bouve deraonslragoes a favor da
Dinamarca no diaaoaiversario do rei, igando-se o
paviiho dinamarqus dos navios que estavam do
porto, e iUuminando-se a povoagao.
Encerrou- se o Rigraad na Dinamarcaj fazendo
o ministro da interior o discurso de encerramou-
lo. O ministro ^xpressou -o pesar de que nao t-
vessem approvado as modilicacoes proposias
constitulgau,Deuse a esperanea de que seria
affastados os prejuizos de que a Dinamarca est
ameagada e que podem resultar da situaeio
actual.
Os jornaes e cerrespondenclai rancezas
Considerando que nao ha lei que prescreva o
direilo adquerido pela snppllcanie s pelo facto de
nao ter ella requerido antes de ser jubilada;
o Considerando que a peticionaria com os docu-
mentos que offerece prova exuberantemente ter sa-
tisfeito o que exiga a lei, em virtude da qual foi
ella provida como professora ;
< Considerando que todos os de mais professo-
res em idnticas circunstancias tem sido attendi-
dos por esta assembla ;
Sao as comraissoes de instruccSo publica e de
ordenados de parecer que se adopte a resolugo se-
guate :
t A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
< Art. nico. Fica a presidencia da provincia
autorisada a mandar pagar professora jubilada,
Isabel Joaquina de Albuquerque, a gratificacao ad-
dicional por mais de 12 anuos de exercicio, a con-
tar da data em que tiver ella completado os 12 an-
nos at a sua jubilago.
c Sala das commissoes, 5 de malo de 1865.
Joo Braulio Correa da Silva. -Rocnael.Carvalw
MonraGoncalves da Silva. >
c A commisso de redaegao a quem foi submet-
lido a pegao da irmandade da Senhora Santa Au-
na, erecta na igreja da Madre de Dos desta cida-
de, pedindo a conceesio de duas loteras para fazer
as indispensaveis na citada igreja, i de pa-
recer que se adopte o eegninie projecto de le:
500*000
300*000
200*000
4:000*000
1:400*000
720*000
360*000
3." Ordenado noadvogado
Dito do solicitador..............
Dito do porleiro judicial..........
4. Ordenado de 4 fiscaes na ra-
zo de 600* e 400* de gratiflcago .
Dito de 2 ditos nas freguezias do
Poco e dos Afogados na razao de
50* de ordenado e 250* de gratifi-
cacao.........................
dem de 3 ditos nas freguezias da
Vanea, S. Lourengo e Jaboatao, na
razo de 240* cada ama...........
dem do de Murlbeca............
dem de 13 guardas fiscaes a 500*
cadaRT' n v ......- V 6:503000
9 o. Ordenado ao cirucgiaoda
casa de detencao.................. 1:200*000
6. Dito do engenheiro cordeador
sendo 1:400$ de ordenado e 600* e
gratificaga.....................
7. dem do administrador do
matadouro, sendo 600* do ordenado
e 200* de.'gratificacSo.............
8.0 Expediente e impressoes....
Aloguel do paco.................
9. Jury e etegoes............ 4:000*000
Custasem que decabe a jnslica... 5:000*000
Negocios judiciaes intentados pala
cmara........................... 700*000
10." Desappropriagdes......... 20:000*000
I Concertos de prodios........... 800*000
Com. as obras dotnaiadouro pu-
blica............................ o 000*000
11.a Limpeza de roas e pracas
publicas......................... 3:000*000
Planto de arvores nas pracas, ras
caes.............................. 4:000*000
1" Eveotuaes e dividas pasai-
?W............. ............... 6:OfJO*000
2:000*000
1
800*000
100*000
800*000
RKVI9IA DIARIA.
O vapor francec, portador da mala de Br-
deos no torrente mez, o novo vapor Catmell, da
torga de 500 avallo?, que substiMie o infelii
Beam. Alm desse vira mais o vapor Prime, de
Marselha, com destino ao Rio e Babia.
Hoje esperase o vapor inglez HtrscheU, da
.liona de Liverpool, do Rio e Bahia.
A' bordo do vapor Paran, vieram da Para-
hyba, com destino corte, 514 pracas do corpo
de voluntarios, e de todo o norte 164 pracas de di-
versos corpos de linha.
No sabbadj passado foi em repeticao scena
no Santa Isabel a Filha do Latrador, e a sna exe-
cugao nao desmereceu a da precedente recita.
O Sr. Almoedo moslrou-se na aliara do talento
de qoe disp5e, sustentando a sua repotago de pti-
mo galn dramaico ; o Sr. Coirabra traduzo com
alma o papel de centro; e a Sra. D. Eugenia Cma-
ra aflnou com essa orchestra de bom desernpe-
nho, como era de esperar do seu mrito reco-
nhecido.
Amaotia ser repelido o mesmo drama com a
comedia Pao paru toda obra e o duelo O estudanle
e a lavadeua, nos qoaeso Sr. Lisboa e a Sra. D.
cugenia fazem com muito espirito os princi-
paes papis, e mostram-se credores por certo do
aprego dos espeefadores, que em verdade tem sido
ampio.
No conselho militar a qae responda o Sr.
lente de estado mrior de 1* classe Antonio Vil-
lela de Castro Tavares, foi S. S. absolvido em sua
ultima sesso. Felictamo lo por tal resultado, e
pelo modo honroso de sua absolvigio.
Consta-nos que os Srs. Bailar & Olivetra
achax se nomeados agentes do Banco Uoiao do
Porto, e como tal incumbido de todas as transac-
ges inclusive os seguros de vida.
De Garanhuns nos escrevem, em 28 do pas-
sado :
S fanecionou nm dia a primeira sesso de ju-
ry deste termo, convocada para 3 do corrente, e
constituida ?m numero legal a 7 ; porque, nao obs-
tante haver processos de reos presos, nicamente
foi preparado era lempo um, que sendo submetttdo
julgamento, soffreu o respectivo reo Matheus, es-
cravo que foi do portoguez Jos Alves, cem agou-
tes, por ferimentos leves por elle praticados em
seu senhor e mais um aneo de priso, lamben
por ferirnenios leves feitos em um oulro indivi-
duo ; considerando o joiz de direHo como liberto
semelhanle reo, na applirago da pena deste se-
gundo crime, por ter sido elle entregue pelo refe-
rido seu senhor justiga.
t Neste julgamento houve um conflicto entre o
juiz de direito e o advogado Cunta Sales que o
provocara, provocagae que foi geralmente censura-
da, e que deu em resultado uma manifestago de
grande numero de jurados em favor daquelle ma-
gistrado que soube, como era de esperar, manter a
dignidade propria e a do tribunal que presidia.
Eis a manifestago que lhe pedera seja publi-
cada :
t Os abaixo assignados, jurados sorteados para a
presente sesso dor jury deste termo, testemunbas
oculares do procedimento reprovado do bacharel
Jos Roberto da Cunha Salles, que de proposito se
apresentou no tribunal com o fim de provocar e
desacatar o seu presidente.o integerrimo juiz de di-
reito Carlos de Cerqueira Pinto, s pelo facto de nao
ter sido nomeado curador de um preto, escravo
que hia ser julgado, nao podem dexar de dar um
testemunho publico e. solemne da sua indignago,
a vista dj descommunal comportamenlo desse ba-
charel que, despeitado, tralou por todos os meios
fazer bem patento a sua grcsserla ; ao passo que
aquelle digno magistrado de um modo imparcial,
hooesto, justo e cheio de dignidade ; compenetrado
da alta importancia do seu ministerio, soube cha-
mar e conter semelhanle bacharel com applauso e
acceitagaode todo o tribunal.
Garanhuns, 7 de abril de 1865.Jos da Cos-
ta Dourado, promotor publico interino ; Joo Bap-
tisla Chaves Peixoto ; Antonio Dias da Silva, Pe-
dro do Reg Chaves Peixoto ; Antonio Joaquim da
Cunha Francisco de Benevides Falco ; Manoel
Correa de Santiago Villela ; Miguel Archanjo de
Mendonga; Lino Evangelista de* Reis; Antonio
Baptisla de Mello Peixoto; Emygdio Alexandre Jo-
s de A.; Joaquim Antonio da Silva ; Joaqun
de Barros e Silva; Joaquim Jos dos Santos e Arau-
jo ; Agesiinho Alves de Barros ; Joaquim Gomes
de Mello ; Pedro Ferreira de Almeida ; Antonio
Athanazio de Moraes Reg ; Antonio Lourenco de
Mello ; Jos Heixoto de Mello Caj ; Francisco Pe-
reira da Rocha ; Jos Henriques de Vasconcelos v
Antonio Correa Faes da Rocha ; Joo Correa Bra-
sil ; Silvno Antonio Ferreira Chaves; Miguel Joa-
quim Soares Pimentel.
Numerago dos blhetes da lotera 15* offe-
recidos pelo thesourero das loteras para auxilio
das depezas da guerra :
Inteiros de ns. 232, 1071, 3020.
Meios de ns. 373,994, 1990,2183, 2987, 3171.
Quartosde ns. 53, 164, 413, 450,470, 727,1159
1208, 1251, 1816, 2368, 2400, 2759, 2895, 3289
3461.
Os blbetes
919500 rs.
ItEPARTICAO DA POLICA:
Extracto das partes dos das 7 e 8 de maio de
1865.
Foram recolhidos casa de detencao no dia 6
do corrente:
A' ordem do Illra. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel Cabral de Mello, como pronunciado no art.
201 do cdigo criminal.
A' ordem do subdelegado do Recife, Germano
Joaquim do Sant'Anna, por insultos.
A' ordera do de Santo Antonio, Luiz Florencio
Pereira Berges e Joo, escravo de Clara Mara de
tirito por briga.
A' ordem do de S. Jos, Mara da Conceicao e
Francisco Biptista das Chagas, o 1 por disturbios
e o ultimo por offeusa a moral publica.
a' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Bel -
larmina Mara do Espirito Santo, Jesepba Mara da
Coaceigao, Antonia Mara da Coociigo, Sebastiana
Mara do Espirito Santo e Josepha Mara de Bar-
ros Le le, para correccao.
A' ordem do do Recife, Cari Lund, Erick Pelter,
Petler Musay e larry Francisco, americanos, a
requisicao do respectivo cnsul 4 e Claudia* Jos
dos Santos, para corregi.
A' ordem do de S. Jos, Antonio Miguel Fellcio
da Silva, por disturbios.
A' ordemdoMa Boa-Vista, Justino, escravo de Jos
Fernandos dos Santos Bastos, por fgido.
O obefe da 2.seccia,
1. G. dtMMouita.
Casa de j>eve.ncao. Movimento do da 5 de
maio de 186,
Exislua presos 361 j entrn 1; sabiram Si;
existen 357, a saber: nacionaes 265; malheres,
estrangeiros 28; mulberes i, escravos 81; escra-
vas 7 ; total 357.
Alimentados casta dos cofres provinciaes 139.
das loteras 11' a 14 produziram
.


Harto TPrrB^ro Tr^ Wfrrt*fH^ Vlfiy

da enfermara do da 6 de maio de |
de Lima v dlarrha.
Mo vi ment
Teve bisa
Antonio Joaiuii
rivera alia .
Hathias Joaquim Bezerra.
CratWrab Euphrasio de Franja.
JBanaM BomingtrtfcrBerttrrdes.
"Motimento da' cwade detencib da dia O de
#uia.da..l863.
Existtam presos 337, entrarara
existen 360
\

Alimentados a castados cofres pblicos 143.
Mavimento da enfermara dodia '28 de abril de
MS5.
mHVff'i/y
C
""*>
' Srj. Maletines. Teta*)-* dita? ntejarn
que elbgat d^eolleW*^ de Drroif eraT>eeapa_.
pela Sr. Manoel Jos d'Azevedo Aiaorim, parante
li\ *i m l\ii Dula- Jn P i.* *'*-- y j_____
I do Sr. Jos Pedro da Sil
collectoria pelo SR
mao do mes mo Sr.
rmer.
da SilM^.. o dM
ir. Jos Pedro da 5
Sr. inspector da thesouraria provincial em maniw
a collecta no p, em <|ue elle os havia collocado,.
pareciam ter por iim que seas prenles continuas- 'env apereaber as- avultstfas poreentagens qoe ara-
O collector do Olinda percebe de porcentagera,
feriara.
a nataralidadedo Sr. Amoedoem scena a expres-
(rna, da qual elle um di
eu talento cultivado e :m*
te que elle um valeoto"
va da e:
presj
dra
auxiliar da empresa; a qol por tal frma se nS
paupa do proeurar aatMazer o? seu comprarais-
aosfawoorac publica, ja contratando artistas de
nota, ja dando pegas do mrito e valor artstico-
literario da Filha do Lavrador, a cuja assislencla
f. snior.
calculada no bataneo apresentado pata-thesouraria
provincial, 2:3825712, e o escrivo ltftr887t.
Alera destes empreados, "o Sr. Jos pTdro da' ""!?*'? ^ais agradavel e uiil que se eonhecepa_
ra fazer expedirs lombrigas : as Patlilhas Ven.
1 l| Matculino. e 1 1 m j > 1 *r 1 ------- ) g.. Sil 1 a. o
* A ^ 1 u, Feminino. 3>
1 \ Masculino. ' en a. fe
14 1 1 1 1 fe Feminino. s a. S'
**- " 1 m 1 1 * Masculino. i! 1:? ^1 c-
O m i . ^ I" Feminino. 9 a* 5"
* ? i 1 . i i I g [ Masculino. 11 1
O i A S Feminino. ]
i 1 1 | TOTAL. 21
Silva tem mais, como collector de Goianna, sen p-
rente, o Sr. Luii d'Albuquerque Lias dos Guima-
res Peixoto, com a parcentagem de 8r5BM, e
como do Rio-Forraoso, seu prente, o Sr. Francisco
Publio d'Albuquerque, com a de 856*272; cura-
priodo nao cmittir que- esMstdoai raaocionario*
foNni uaMadot.: dentuda lentssa deseul wt#-
cessores; o que prova que o Sr. JoS Pedro da Silva
nao se esquece de sua familia, e vai arranjando o$
i seos prenles nos lugares que vagam.
E digam que o Sr. Jos Pedro da Silva nao tem.
interesse em coBMrar-se no- luga qn ecbopa
por commissao I
F. C.
Pasliihas vermfugas de Kemp.
Chamamos a allenco de todas as mais para
mifugas de Kemp. En vez de todbs esstes immun-
dose perigosos reniediorvermifugos compostos de
toda a casta de mineraes apresentamos uro delicio-
so confeito vegetal prompio e iafallivtl na sua
direito eDepL*owmercio neA*^rmt.
de do RecifllfdetPfeiarabuco, pot Sua ,ntonio de Moura-itoiim.
^PMro ; qoem Des-gaarde ele. WSt rJoTSSies.
tata saber iq qoe O presento edilal vi- 'Cailnciano .Merqaetdo awaia.
Cflft- e'J&Hd 4JCCa.*ivoren>inws Jos Perrelra Guimares.
IWBTW^IWW. *Hiwraes-AeTdo.
Tlim. SP. Dr. juu.da Jjcdfto aspdfiial.d^J8*lGesar Gomes do Catro.
COrflBtWio.^ilrJoi At que leudo-Ho"crjwor^wa> pela firma de' PL*^".'"1^8* d1 C"'SP??-1
JjTim^MiM lfcniiii i Mi h i >nrbm> Joaqnim Jo?eG*i,!alv(s Bpllro.
iw^iwwpww iwb., SMfflMJia Joo Baplisia Haymundodos Santos.
ooieder*.f*eia qNiUid fesoito PBloyjJoiio Ghrisostom de Otiveira.
t okefita-e^qHatro* mil e tfaarenla Cqailro, J#Ferreira de Arrrorm (Porto).
ffloere C, comarerciante em*JI1!o-' Jf9* pran^,5c<)I."',f7;Maohdo.
de parte de quera nao a tem vm^l^^^^^-***.
aua pcawdorfra,reM()ffr i que Tnomsf Antonio Fratjt?tsto Bstreto.
cP5pp|lCi*e tem de pagar aos 'ditos Paulo !Tass0 & mao?.
Moer A C, Je oonformidade--con a sua Cmpania de Cavllaria
ronCTn*tratartstD a quanila de sessenta e
um mil dito oertliB oit*ota e tres ris, que
vma sen sete- por oento, sobre o reftrido
;.

De dras eas?s]titti&s~rbrMffido urna grande, edi-
ficada em chaojt^rpurio* n Capunga Velha, pe-
, 'ultima a direHa dequem vai para o porte do. i.as-
' BrMK /flmsalas,.7 quartos, rosinlia fora, qnartos
pw5Tp#iit' roc,ie'"a e. estribara, a qua! flea ea-
i tredous pdrUhi, ^A__l
O aft,e Pioto uttn ^: "'"f -?!UDda-V"
. 101,2 horas do d/a wpnie, pa>* ac,ma
. descri*, com autorisafio de sea fpe..'7 ^P"
mutbrs e noa^cjmaditosera seu eaeriptorro- a rn* d"
"Gru "."38.
rmtire
operacao, nao CMMade Musoas-^imwcviamndos
d4dalio^aJgmaiflrfdtind flnoTle utna raSflrra'tiave e completa,' nao care"Bawnquer o1 Sttppliolirite fOCOther ao de-
ilio.
Socledade Nova V
A publico.
Hela duzta de verdadeiros analphabelus, de cu-
jos labios so saem insolencias e parvoices de mau
1 gosto, tiveram o descaramento de oceuparem ama
' das columnas d'este conceituado jornal, de 5 do
' corrente, com um insulso arauzel, sob o titulo o
I Mariano, pejado de calumnias, de mentiras e de
i allnsdes inconvenientes : onde tratando indeeente-
' mente dos fclos da actual directora, tomados to
! somente e baldadamente para corregi-Ios, a res-
| posta qoe merecer que as injurias que' nos
| atiram, mas que nem de leve nos ferem, nos de
sobra as-esmagamos com o peso de nosso des-
preso.
Bem sabemos qae esse desarranjo mental, escrip-
to no seu tbdo era letras garrafaes, nao da lavra
dessa porgao asquerosa de meniecaptos'indecentes !
polines bem de peno conHecemos qual o grao de '
j ignorancia de que sao dotados ; porm forneceram
o triste e desaltnhado rascanbo, traduego del de
seos sentimentos, a alguem em quem reconhect-
ram tendencia para meltaor do que ell'es manifes-
tarem seus, em naJa, invejaveis pensamentos.
Arada assim, em lugar de fazerera urna boa estra
nao conseguiram mais do que enlamearemse' no
lodacal immundo em qoe pisam.
Com seraeltlanles energmenos
palestra, e podera contra nos a sea bel prazer
resfolgarem norespiradouro da Injuria a cbtera
que os abafa.
Sensatos e generosos como somos, e qaerendo
aidda. boje Ihes darmos atguraa deferencia, res-
pondendo-lhes algam topied do calumnioso es-
cripia supracitado, "vimos qoe elle de fal peso
que nao supporta a mais pequea analyse II qao
miseria II pobtes dlabos que, nem arj menos'sa-
bem fazer o inigniBcante papel degarotos, para o
qnal lao somenie pareciam ter alguma itfelina-
cao. Enganamo-nos.
Agora o que nos cumpre fazer 6 esclarecermos
aos que ignoram, oque elhverdade fia na'Nova
Unio, apresentando o numero dos socios existen-
tes, e o dos que salram, e forara etiminados, e '
razo pofque ; allntde tlrarmos amoscara dfisses
cendo depois a assistencia de qualquer um outro
purgante : utii como um excelleote raeio de fazer
remover as obsiruccoes do ventre, mesmo no caso
deho existireraferraes^liuns, e floalmente tor-
fiamse ellas-digBtrs por" todos os respeitos da con-
flanga e approvaco de todos os pas de familias, os
3uaes acharo estas-paatillus elegantemente acon-
Icionadas dtltr de frasquinhos de crystal.
Acha-se a venda as boticas de Caors & Barbo-
sre-deJoa fla^.BrStvo ^ C.
I iiin ii i i un
GOMMEISIO. '
1,1 ......... i in
PRAgA 00 RKdrFE.
C*t&ea orQ.iues.
8- de-msio.
Descontos -10 e 12 0(0 ae ano.
ubourcq Jaaior,
Presidente.
Guiraaraes,
Secretario.
Gaia filial da banco do Brasil en
Pcrnambuco.
A directora desta cana saca sobro o banco de
lirasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
raesmo banco na Baha.
\'ovo banco de Pernam-
Mieo.
O banco destenta letras Hdpresente semana a
10'por cento ao anno al o prazo dequatro me-
no queremos es' e a 12 fi at db SBis mezes, e ttma dinhoi-
' ro a juros a praso" nunca- menor1 dfetres mezes.
\ovl),ino de l'cruanbiK-i).
Obancopaga o 14 dividendo na razio de8
dor aoco.
Brasil
nossos nojentos adversarios, e o pab'lico flbarscien-
t da vrdSde "dos fados que drara lugar a iiisi-
Caixa O lia I do Mwo do
en Pernambuco.
19 de abril d 186o.
Tendo-se desencaminado do espolio de Bernar-
do Jes Pinto a"cautela' de 43 acedes das localisa-
das nesta catxa, sob ns. 1239 a 1281, a directora
faz ptrtrtieo qdem interassar possa, que por pane
ds Antonia JoS Rartos'de Ollfeira, do We de Ja-
neiro, ftltbr dos fferdelros do dito Pinto, se vai
aqu prealf'r a'trosferertcii das referidas acedes
para o notne dos' mesmoS fierdfefros.
" TTgaf aT-Tvros,
lonacio Nunes Correia.
AWBTlTEXCIA.
Na totalidade dbs doentes existem 172, sendo 1II
homens e 61 mttlheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Ao 6 3|4. 6.3(4, 7, 6 1(2, Hip, 7, 6 1(2, pelo
Dr. Ramos.
As 10, 8 1|2, 7 3(4, 8 1(2, 8. 8 l|2, 9, pelo Dr.
Sarment.
Falleceram :
Justina Mara do Espirito Santo; anemia.
Florencio Gomes da Silva ; tubrculos pulmo;
nares.
Thereza Mara de Jess; dem.
Mara Flozina Venancia da Omceicao; idem.
Passageiros do vapor Cruzeiro do Sul sabidos
para o norte :
Joo Pereira Braga, Rozendo lavares da Costa,
3 pi-aras da guarda nacional, Jacinlho Rosa, Gni-
Iherme Cordeiro Colho Cintra, Paul Mournilles,
Jos Mara Albuquerque Mello, Joaquim Francisco
co des Santos Maia, Nicolao Cont, Marciano Ve-
Banzo. Bernardo Sadaro, Goetano de Melila. Fran-
cisro Lectorio, Angelo Marciano, Domemoo Vitor
e Francisco Fraiello.
Passageiros viudos do sul no vapor Cruzeiro
do Sul:
Jo-ii Januario de Cirvalbo Paes de Andrade,
Ildefonso de Andrade Mello, capito Manoel Joa-' P,tla provocacao que nos tizwara.
quim da Co*ta, Bernardmo Ferreira Cardoso,1 Dizem elles, ou para melltordier algaefn per
Fram seo Vidal Prates, Augusto Cesar de Men- e,le8> *' 1ae sta socidade acaba^ de eeffrer um
don^a, sua senhora e 1 escravo a entregar a Se- *totrto benB sensrvei'eoro- a m[niw\ maior parte
Bastido Marques do Nasclmeuto, Marcolino Fran-.dos so?ios 1ae a11' constitutara a ordem, o respei-
cisco Rosa, Jos Joaquim Ferreira, Domingos Al-',0' a sinceridade a base mais segura e confor-
mes, ex-pracas Jos Bernardo Ribeiro, Pedro Go- nie a associa^o 11 Motivos asss importantes cau-
mes da Silva, Espindio de Sant'Anna, Francisco saram gemelhante desconchavo.
Alves da Silva, Dr. Cato Guerreiro de Castro el! A octedade *>va Uniao, cdntava em seo*1 re-
criado, D. Eulalia de Tristo e 1 irraao, Francisco mi noventa o tantos tocios ; destes sairatmfellz-
ferreira, Rossi Giovann, Gioseppe Pagnetto, Cara-: mente, apenas d*z; -vendo : ora elimilad# pelo
cambo Silvatore, Manoel Gregorio de Oliveira Cos- modo inslito poiae*$e c*idoio etn uMa dts ses-
U, Antonio Liurenco Teixeira Marques, Jos Joa- s5es *a directora, a ponte de-sei* precise r*pIHr
qnim de Oliveira, Manoel das Mercs Araujo e i a sua forga bruta, a qu.l em boa hora digamos
escravo a entregar a Jos Augusto de Araujo. I tomou-o lugar d3 passiva ; quatro sendo suspen-
Seguiram para os portos do norte : sos Pc' seu ptimo compormenlo para com a so-
Aiexandrno Christiano de Oliveira, Francisco ciedade, despediram-se ; e cineo finalmente, por
das Ciiagas Mosquita, Wiell Uaphael, Marx Levy, "rem favores a esses amigos, pedram tambem
Erard Levy, Isaac Levy, Jos Sibiuo de oliveira, sua exoneracao de socios, (no que fizeram bem).
Dr. Trajano de Souza Velho, Francisco de Paula A vlsla do expendido que se acha provado das
da Malta, 6 expragas e 1 escravo a entregar. acias das sessdes da directora, e do fsfyfo sublime
Passageiros vindos do norte no vapor Pa- das Pe5as oflkiaes que esta, elles dirigirn), o
rana : pablico que ajuize o crdito que merece as chufas Barca ingleza Oltndabacalho.
Cosme da Rocha Bezerra, Jos Antonio de Fi- .ue uos atiraram. Escuna nollodzaImmferro
gueiredo, Davino Alfredo Franco, Ignacio Jos Pa- A soeiedade Nova Uniao sempre foi e com-
chco, Jos Francisco de Oliveira, Antonio Fran- Psta de membros que corresponderam e corres-
cisco Mooleiro da Silva, Luz Moreira de Almeida Pondera ao seu bello titulo, salvo um ou outro que
sob a capa de bons amigos, mais tarde do pro-
vas do qne verdaderamente sao ; laes como um
Veras, um Parias, um Azevedo, um Fonseca etc.;
os quaes certamente nunca representarara o ver-
dadelro sustentculo della em cousa alguma abso-
lutamente fallando.
Aqui licamos, dispostos a nao voltarmos mais a
carga, porque nao podemos perder lempo com
sensabonas e disparates.
pSHo pabnco dita'quaiitia, pele qa reqrjer
a V. S. sirva-se mandar paar o competen-
te minado>fMra.eese.(im, sendo- Gtado>por
curt dg'edMos na' forma do estylto, e dito
Paulo Moer C. visto Ser' incerto e igfio-
ridD-O'Rfgafem-que'se dia.
'Pade V. S deHrimento. E. K.M.
Jos Antonio. Moreira ftiis.Na tpial' dei o
deoaaobo'do MmuiiaagUllo. 8lm. Reeife 8
de seril de tWrJ.-^Aterftaf Awlpe.
Por for{a do meu despacho o e'scrivofez
paasar o- presente edital, pelo qnal cito e
hei por citado a Paulo MOer A C para to-
do contedo da- pettoSfo aqu transcripta.
E para que chegue ao conheclmento de todos,
mandei passar o' prseme" que ser publi-
cadn pela impnensa ifaltadns nos lugares
do costme.
Reoife, 5- de maio de 1S65. Eu Manoel
Marta Rodrigues do ascimento, escrvJo,
o subscrevi.
Tristo de Monear Araripe.
baca.
Mediante autorlsaco da presidencia tem esta
compaohia no dia lo do correte de vender em
basta publica nofftriodoiqoarlel 13 cavados m-
capazes do service.
Qarrel no Campo das Prlncczas 8 Se malo de
1863.
Manoel'Porfirio' de Ostro Araujo,
Capito oommaudaate.
cej^ca de 316 :trrtca
cttan cerTeJa Huas eai botilis
e nielas ditas.
Hoje 9 de DlM^ lllitl horas em ponto.
t> a?eate Pinto ar* leitSo pw eWiia risco- de
de Peroam- qam ae^wenr Mx**m d#Si iwrrrfascon ccr-
veja, hojeas 11 l|1 horas ni arrrtaieiir do Sr
MMB.
Leilode wubila.
i O f snte PstanB'80tbri^t)'.p*r nma familia nae-
se retirou para a Europa f.ira lelliio de-tbda a-sua
i mobilia constando de mobila o> Jacaranda a gosto
' de tumbos de perjra'com !8 cadeira, 4 ditas de'
: bragos, 2 de balanco, consolos, mesa de meio de
j sala e sof, candelabro de crystal, expelaos
n-
s
% TTttOk
DE
quissimos, quadros. elegantes figuras de marraore,
- rtidttasrcuiasjbi^iiiina
jaspe etir,
lo, frarifiBz^
rdores, cadeira
EMPREZ A-COIMERA
Recita extraordinaria livre de
assignatnra.
as Wt^irVna e amarel-
Ja mtiBsvlftfartl louja, appa-
marquezas, commodas, bercos,
i mwM^el., e-irmliM ouihkoHjpmos i|(>k< iicha-
t rao patentes aos Srs compradores no acto do lei-
, lao que ter lugar terga-feira 9 da corrente pelas
10 horas da manhaa na ra larga do Rosario n.
40, seguo'j o a n d a r.,
a.eiio de 4k rasas en tpipncos.
^'jraaic
pela terceira e
O agente Pinte levar leHao
ultimn vez-nao s as 8uas rasas edificadas- no alto
Quarta-feirflO de maio de ^SLa&S^VJU^
commedos deffnptss nos anauncios para tos lei-
i loes dos dias 1% do me prximo pasado e:* do
Bepresentar-se-ha o muito appiaudidoe inlflrs-l<;orren,e'_________________......_.
sanie drama em 5 actos
1865.
Fin Jo o drama o Sr. Lisboa representara' a mu-
| to appiaodida scena alegrica
ffiCLUACfflB.
da
ALFANDIWA.
Renimenlo do dia' l*i 6......
dem do dia 8 ...............
wa?a8ijHii
16:1741390
212:7034192^
M9VIMENTO DA ALf JtoEGA.
Vlumesntrad&s cumfatefldas___ 12
< < com gneros..... 494
VHnmeysahidor'cortl rz*nias..
c com gneros...
------506
129
1,920
-------2,0i9
Descrregam no da 9 do corrente.
TJrigue portugUezLaia IIlagedo.
Lugre portoguezJuliodiversos gneros.
Barca inglezaJ?0na/ Brigue portoguez-/frnngue-lgdo.
Barca dtnamai^tfeaDorafarinha de trigo.
Brigue hollandczAquariosdem.
Leal, Manoel Joaquim Seve Jnior, J>aquiro Anto-
nio Pereira Vinagre, Francisco Cavalcanti de Al-
buquerque Mello, Antonio Angelo Fernandos, Joa-
quim Luz Alves Vianna, Joo de Mallos Dourado,
Antuiii Portado da Mona, Jeronyrao Cabral P. Fa-
guildes, Americo V. Lernonte," Estevao Jos da
Motta, Alfredo Wolf, D. Juan Bussoo, Slreeter
Soui.'.i-i r, Adolpho M jll-r. sua senhora a 1 filha,
Ednard Roz, D. Leopoldina Mana da Conceigo e,
i escravos o entregar.
Seguiraro para os porto? do sul :
Dr. Ambrosio Leito da Cunha e 1 criado,
Dr. Antonio M. Nunes Googalvese sua familia, Dr. I
JPotydorio Cesar Burlamatjue e sua familia, Dr.
Joo Leite Ferreira e sua familia, FelUmino Pes-!
tana da Franca, Maximiano 11. Perdigo Cordeiro,
teaeute Jos Vieira de Sonza Guedes e sua senho-
ra, Jos Baptista Rodrigues, fre Luis de Gubio,
alferes Poiyearpo Jos P., tenente Manoel Hilario i
da Rocha, alferes Ignacio Loyola e Oliveira e Joao1
Pedro de Oliveira, cadetes Josu E. de Miranda e'
Ayres Odorico P. Passos, Armmio Cesar Barlama-:
que, coronel Jos Nunes de cravo, Jos Cesar a. de M. Araujo, major Joao
Varios socios.
PBLieAfjOlS A PEDIDO
Theatro de Santa Isabel.
Tem-se dito com razo, que as diversas modi-
fica^Ses por que ha passado o theatro, as conti-
nuadas transformacoes das escolas, desde Eschylo
at Schiller, de Sha'kspeere a Vctor Hugo, a arte
dramtica finalmente tocou o apogu do sea raere-
cimento. %
Sem o puohal d Othelo, e nem o veneno de Uer-
- nani, no tbeairo moderno o palco o magestoso
aposta de Mello e 1 eamarada, alferes Carlos Fe-; tribunal da cirtisacaeo drama o julfi natala-
lippe RabeHo de Miranda, alferes Honorato C. Fer-; vel e justo dos desmandas que vo pela soeiedade.
reir Caldas, alferes Jesuino A. da Silveira, teen- A pinna do dramatorgo nao precisa de molhar-
le-coronel Antonio Joaquim de M. Castro esua fa-
milia, Francisco N. Braga, desembargador Bazilio
Quaresma T. Jnior e 1 filha, alferes A. Silveira
de Unto, Joo Miguel da Silva, Domingos Antonio
Cmara, Francisco Jos de Mello, Balbino Alves
de Souza, corpo de voluntarios da Parahyba, com
29 ulllcraes, 525 pracas e 2 mulherej, 164 pra?as
do exercito de differentes corpos, 13 ditas de ma-
rinha. e 9 escravos a entregar.
Cbwtbrio pubuco. Obituario dodia 6 de
maiu de 1863.
Manoel do ascimento Barros, Pernambueo, 14 an-
nos, solteiro, S. Jos ; apoplexia.
Manuel, Pernambueo, 5 mezes, Recife ; desinteria.
Frauisro Gomes da Silva, frica, 50annos, viuva,
B >a-Vista ; tubrculos pulmonares.
Felicia da Exaliacao da Santa Cruz, Pernambueo,
90 annos, vio va, S.Jos, congestio cerebral.
Feliciano Primo de Oliveira, Pernambueo, 50 an-
nos, casado Boa-Vista ; anemia.
Gregorio, frica, 80 annos, solteiro, escravo, Boa-
f isla -, hydropesia.
toma, Pernambueo, 14 mezes, eserava, Boa-Vista;
diarrha,
Antonio, Pernarnbaco, 4 mezes, Boa-Vista ; inte-
rite.
Acviiuo, Pernambaeo, 8 mezes, Boa-Vista; conval-
sCes.
Rosa Joaquina da Conceigo, Pertarabaco, 46 ao-
n*, solteira, Boa-Vista; sypbiles.
Joaquim Francisco dos Santos, Pernambueo, 39 an-
nos solteiro, Boa-Vista; pttbysiea pulmonar.
Joan ia Maria'da-Conceico, Pernambueo, 9 annos,
S. Jos; congestopulmoBite.
Hewneftegilda, Pernambueo, 3 mezes, S. Jos;
diarrha.
Antonio, Pernambaeo, 10 meces, S. Jas; con-
voisas.
tonase* Jos da Assumpo, Portugal, 28 annos,
' telleiro, Boa-ViMa ; hepatite.
Aaelica Resa de Jesns, Portugal 90 annos, viuva,
B'.t-Vista; diarrha.
Ttwreza Marta da Coneeieo, Parahyba, 70- annos,
viuva, Boa-Viaia-, tubrculo polnoaares.
Francelina, Peraattliueo, 3 a gaos, BM'Vista ; in-
terite aguda.
Joaquim, Pernambaeo, 9 mezes, S. Jos ; diar-
rha.
Mam, Pernambaeo. 3 mezes, Boa-Vista i eonval-
.fiiJee.
em barra.
Itarca francezaRio Grande -rrrercaderias. -
Barca portoguezaS. Joaocharqne.
tfscaaa hanoverianaJezina idem.
Brigue nacHiuilC'inlia dem.
Sumaca nespanbolaMerceditaidem.
Galera raacez*Ad>/cmercadorias.
Barca inglezaCommodore -carvo.
"Jiarca IfrezaIfhll Pbuleidem.
Barca norueguense -Jasminia dem.
BrlgncingleIzabilaidem.
Brigue inglezByzantrumidem.
Patacho hollandezhemechina farinha de trigo.
REGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBCO.
Rendimento do dia 1 a 6...... 4:6335111
dem do dia 8................ 3:1475398
7:8015009
CNSUL A 00 PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 6
dem do dia 8.........
12:8425368
5:5535744
18:3965112
i
se em sangue paraexprobrar os vicios eos crimes:
Sardn, o Juvenal francez, toma para si o mistar
de censor, e o seu talento consegue milagres.
Na distancia qne separa o Promethcu de Eschy-
lo, do Poliulo a Athalia de Corneiile e Racine, se
gaahou victorias o theatro, qoanto nao ter conse-
guido c conseguir desde que se trocou o manto e
o capacete eMacbeth pela casaca e luva de pellica
de Dafft'fa de O. Feuillel?
QuantoS beneficios nao" ter produzido a moder-
na escola dramtica, desde que a platea da nossa
trra esqneceu-se dos impetos e dos horrores des-
compassados da Degottatfio dos Innocentes, das fin-
gidas e enfadonhas denguices da Ijnez de Castro,
para avahar o prestigio real do drama em face dos
fructos da escola moderna, e mxime da Filha do
Lavradorl
Esta notavel compo?ico dos Srs. Bourgeois e
Anicet, que pela primelra vez sabio nossa scena
em estra do distinelo actor Luiz Carlos Amoedo ;
na semana liada, foi desempenhada perfeitamente
bem pela companhia dramtica, cabendo porm as
honras disto mais especialmente a Sra. D. Eugenia
e aos Srs. Amoedo e Coimbra, cujo trabalho nao
deixou nada a desejar.
Com effeto, o pensaraento do autor desse bello
drama, comprehesdido em suas formas diversos,
foi tambem manifestado pelos referidos actores
conforme as exigencias dessa multlplcldade'de
formas, resallando tfahi presenciar o espectador
em toda a forcade taes sentimentos a affeicao,
a dor e a abnegacao de um pai que estremece a fi-
lha querida,o amor iHtenso de duas almas que
se'tjtoferem como a salvado extrema-a dedfa-
?ao fraternal que chega ar ao sacrificioe final-
mente as torturas de nma alma anglica, qae, od*H
a coObcieneia immaculada, sent desfoliar-se a sua
coroa-de virgem por um molo estupendo, qne-a
condemna sendo innocente.
A' taes embates a razio fraqneia, a carda qoe a
prende em seus limites, estala ; e ahi vera ento a
halluclnagao. Mas o amor materno opera o milagro
da sua salv.cjne o lllho que fora o instrumento
daquella queda mysteriosa, a seu turno o agente
da livranca de Joanna dessa noite do espirito,
que Ihe era imminentode Joanna qae despertan-
do para o amor sob a trplice raamfesiaeao do espo-
so, do pai e do filho, faz despontar a aurora da fe-
licidade desses tres entes, que formam tambem
o fetxe da sua ventura.
Dando esta sarama do drama e das iropre?sd>s
MOVIMEKT DO PORTO
Navios entrados no dia 7.
Para e escala8 dias e 18 horas e do ultimo porto
8 horas, paquete a vapor Paran, de 840 tonela-
das, equipagem 56, commandante o capilo de
fragata Santa Barbara.
Maranhao pelo Cear26 dias do prtmelro porto e
14 do segundo, palhaboleferasileiro Limo Paque-
te, de 203 toneladas, capilo Joo Jos dos Quei-
jos Jnior, eqcipagem 8, earga varios gneros;
a Antonio de Almeida Gomes.
Ass-9dias. palhabote brasileiro Garibaldi.de
109 toneladas, capito Custodio Jos Viauna,
equipagem 8, carga sal; Tasso & Irtno.
Navios sahidos no mesmo dia.
Baha Polaca italiana Febeo, capito B. Vallerio,
carga parte da que trouxe de Genova.
Portos do norteVapor brasileiro Cruzeiro do Sul,
commandante J. de P. G. Alcoforado.
Nopioi entrados no da 7.
Liverpool por Lisboa 21 das do prlmelro pono
e 15 dias do segundo, vapor inglez Oltnda, de
5'1 lanciadas, capito F. Williams, equipagem
23, carga fazendas ; a Thomaz JefTeries & C.
iVwios entrados no da 8.
Rio de Janeiro 15 dias, barca ingleza Str Hum-
phry' de 447* toneladas, capito Elward Me
Deirald, equipagem 12, em lastro: a Soathal
Mellors & C- Receben ordens e seguio para Ma-
celo.
Marseille-42 diasBrigue inglez Parkstde, de 142
tonefatta?, capTlSo'SatFyeTT, equipagem 8, carga
vinho e outros gneros; a Tisset frere.
Navios sahidos no mesmo dia.
Cuba Barca ingleza Arron Isle, cpitio Charles
Hodson, em lastro-
Rio Grande do Norte Brigue inglez Isabella, capi-
to John Hansford, em lastro.
Portos do sulVapor brasileiro Paran, coraraa*
aante e capilo de fragata Santa Barbara.
Portos do norte Vapor brasileiro Mamanguape,
commandante Monra.
Observttpao.
Snspendeu do lamaro para o Cabo da Boa-Espe-
ranga a galera americana William Tell, capilo
Jonco com a mesma carga que trouxe de Newpert.
Sania Gasa de Misericordia
Hcrfe.
Pela secretara da Santa Casa de Misericordia
d'Rcife se faz prfblic"fjue~em malo corrente se
acham d mez as sferjintes Srs.: mordomos Dr.
Antonio Mara de Paria Nves, no Hospital Pedro
II; teneote-coronel Ar/tcinio Carlos d PTftho Borv
g^es, no cblleg'de orph.los e casa dbs expdstos;
* Antonio Jos'Gomes do Correio, no hospital dos
lasaros, clleglo das orphas e hospicios de alie-
nados, e podem ser procurados para negocios re-
lativos aos ditos esflabeleelmentos,.o priraeiro na
thesouraria provincial rrs horas daseu expedien-
te, e fora dellas em seu sitio na estrada de Joo
de Barros; o segundo em sna casa da ra da
Unio, ou na alfamlega ns horas de seu expedien-
te ; e o terceim em sua residencia na cidade nova
de Snto Amaro.
Stfcrettrt* da Santa Casa e 'Mlsericdrda do
Reeife-a-de maiod* 1865.
8a ol Milu,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
O conselHtf Te* ebrriprs tTir?enai de guerra
precis^-wmprai*f'egalnte :
We^karWW^oms'd'f'hirercrWral; ten-
do cada'ama 16 pagadas de etffllprtmeTJtcd f
dltlrs'de lfgnra, proprlasadfibTreaaftalarmitas :
A'pessoas qoe1 quWerem Vender 'dito artipro,
apresentem suas propostas em carta fechada, na
litl^t: i sala: do consclho.s 11 horas da manhaa do da 12
do or'relile.
Sala das sessoes do conseiho de compras do ar-
senal de guerra 9 d maio de 1865.O encarre-
gado da escrlptraoo,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Conseiho ric compras navaes.
Contrata o conselha no dia It do eorrente mez.
sob as condipes do estyle, a compra dos objectos
do material abaixo declarados, e convida aos que
qaiterem vende-los a apresenlarem suas propostas
em cartas fechadas no mesmo-da-at as 11 horas
da mairlia.
Objectos.
2 chapas de ferro Low-moor com 5 ps e 3 po-
letradas-de-coaiprmento, 4 ps e 6 polegadas de
larenra-e 3|4-de-polegada-tle grossura.
4 ditas com 6 ps de nprrrflento, 3 ps de
largura e la) de polegaJade grnssnra.
100 barras de ferro dito para grilbas, de 3 po-
legadas de grossura e t|4 e 3|8 de grossura dos
ladoay cadr barra coro 9 ps de comprimento.
20 barras de ferro dito d"'80 1)2 polegada* de
largura e 3|4 de pifegada de grossura, cada barra
'Cbm'd'pes de comprmwrio.
60 vergalhoes tfe-ferro dito-de 1 1|2 polegada
d dimetro.
420-tffneladaB-da ferro brnto para fondico de
balas.
Sa4*do coasellto de cemDras navaes, 6 de maio
de R65.
O secretario,
Alexandre drigues dos Xnjos.
Na tenja-fcrra 9"do-oomrte, na sala das au-
diencias, e 0ml**audl*ttcla da film". Sr. Dr. juil
de orphos se ho-de arrefimar* os alngueis da
e*sa de dous-aadlfres da rua-Direira-n. 79, coofor-
e o escripMr-ewmaodojottelro
' Vai a prac*tiwajifrra,9 ddc*fTWiie, perante o
Sr. Dr. juiz de orphos, s 11 horas do dia, um si-
rte de ierras proprias, bastante extenso, no lugar
denominado Afilelos, freguezia da Boa-Vista, em
a*erto todo elle, snretrfe com dous pilares de ti-
Slo'e cal' na frente1 onde tem um portan de ma-
ira.cnm 1,288 palmos de frente e 2,243'de'fn-
da, bastante fractelras, duas grandes baixas de ca-
plm, sercando urna dellas pelo verSo, urna grande
eoolicira e estribara com dnas mangedras, um
i|ii:.rto para feitor, ontros para preos, um gaili-
utieira, urna cacimba d'agua boa, um tanque par
banhos, todas estas hemfeitorias de tijollo e cal, un
reptichocont'bacla de cimento, que Vem da cacim-
ba, collocado na frente da casa, circulando-o can-
taros e> vasos de flores, tem mais dito sitio orna
grande* casa de vvenda de tijollo e cal, com sotao
elh salao, contendo tres portas e seis janellas de
frente, evldracadas, orna porta e tres janellas ero
cada oito, tambem envdralas, 135 palmos de
vftfrrSrd^ftnrdo, cifleo salas de diante todas for-
radas e guarnecidas de papel inclusive o corredor,
duas salas alraz, seis quartos e urna dispensa, co-
zinlia bstame extensa interna com dous fogoes, um
chaguo com caoteiros altos para flores ; divide
dito sitio pela lado do norte com o sitio-dos her-
deiros do finado Joo Carol, pelo lado do sul com
o sitio de-padre Jos Antonio dos Santos Lessa,
pelo lado do leste com o sitio de Augusto de Oli-
veira, e pelo do naseente com a estrada real que
segu para os A fuimos, vista do estado em que
se acha por 17:2005000, lendo urna parte de.....
1:1535111 o herdeiro Pedro Ignacio de Miranda,
que, dedozida da Importancia da avalaco cima
mencionada, flca pertencendo ao Dr. Francisco Go-
mes Velloso de Albuquerque, como consenhor da
maior parte do predio a qoamia de 16:046*8S9.
Sitio que vai a praca por venda por execueo que
movem a viuva, filhos e genros do finado lente-
coronel Bernardo Antonio d'Mlranda com o r.
Francisco-Gomes Velloso de Albsquerqoe e sua
raulher.
Recif, fO' de margo de 1865.O escrvao,
amo.
Pola theooraria provincial se-iat pdblico qne
a arremataco da obra dos reparos do empedra-
menti do'ldgar denominado=Areas do Giquia
na estrada da Victoria, entre os marcos de tres a
qoairo mil bragas, foi transferida para o dia 18 do
crtente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo 5 de maiu de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunoiacao.
BRASIL E 0 PARAGUAY.
Dar' Iim ao espectculo a nova comedia era 1
acto
MS TENTACOES.
PERSONAGENS. ACTORES
Gregorio, procurador.....Teixeira.
Aaastacio, velho proprieiario. Porto.
Adelaide, mulher de Gregorio. D. Camilla.
Oelfin, criada de Gregorio. D. Eugenia.
Francisca, velha.......Di Jesulna.
Os biihetes acham-se desde j no lugar do eos-
lame.
Principiar s 8 hars.
Grande leilo de fazendas variadas,
papel e raopas feitas eslapas etc.
Qnarta-feira 10 do correte.
Teica-feira 9 do corrente as 10 \\* horas.
.\n armazem da ra da Cruz n. l.
Cordeiro Simoes por conla-e risco de urna pes-
soa de sua amisadefar leilo de diversas fazen
dase roupasTeRas avarladas como sjam :-chitas
francezas, algndSozinho, estopas, madapolo e au-
tras ni jilas fazendas de gosto.
AVISOS MARTIMOS.
Leira do abras de prata, oQro e bb
escravo, carao seja
2 pares de brinco, 2 pulseiras, 1 alfinete, 2crti-
zes, 1 liga, 1 boto, 5 anneis, 2 correnles para re-
logios e 1 oorrenlao grosso, ludo de miro.
1 paliteiro, 3 salvas, 5 casticaes, 9> flrela, 1 ca-
nego e 1 faqueiro, ludo de prata.
1 escravo de nome Joaquim.
Quarta-teira 10 de raaio.
O agente Pinto, far leilo a reqnermento do
iBvenlrint' dos bens do finado Luiz Pedro das
Neves e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz orphos
do esrravo Joaquim, de naca, 165 oitavas de ou-
ro e 2026 de prata, constantes dos objectos cima
indicados, ao meio dia do dia cima dito, no ter-
t ceiro aoder do sobrado da roa da Cadeia n. 20
aonde haver leilo de moves.
Leilo
De movis, obras de prata c \ eserava
a saber
Um piano fo'te, 1 mobilia de Jacaranda coro 1
sof e consolos com tmpos de pedra 4 cadeiras
de bragos, e 16 de goarnico, I mobilia de mog-
no, 2 ricos espelhos cem moldura de Jacaranda, 4
nos jarros, 2 serpentinas, 1 grande lustre de crystal, 1
- lanipeo de faz de pendurar com tres bicos, 2 di-
C ompanhia(Iim Measagcrles Im
pe ri a I es.
Atoldial4do
correla mez, es-
pera-seda Euro-
pa os vapores
francexesICarnwf
satrindo de Bor-
deanx, e Pehise
sahindo de Mar-
seille. (os quaes
depois da demora do costume segolro para Baha
e Rio de Janeiro.
Os passageiros d* Pernambueo para os portos
da Europa que ,queiram segurar as suas passa-
gens a bordo'dos paquetes Jdesta companhia
mezes de maior afflhencta, tem a facitldade de os
tomar no dr* qne o* vapores segnetn para o sul, tos de cima de mesa, escarradelras, tapetes, 1 ca-
pagaodo porm como se fosse do Rio de Janeiro. nia franceza, 1 guarda vestido, 1 rica eommoda, 2
Para condlcees, frete e passagens trata-sena meias ditas. 1 secretaria, 1 estante, I toncador'3
agencia ra do Trapiche n. 9.
Mi
HIT US.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offi ial
da imperial ordem da Kosa. e mi de
Para o Rio de Janei'O.
Pretende segnir com muita brevidade aarca
Rio de Janeiro, lendo parte do sen carregamenio
engajado: para o resto que Ihe falta e escravos a
fretes, para os quaes tem encllenles commodos
rata-se com o sen consignatario Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo, no seu oscrlptorie na ra da
Cruz n. 1.
PARA LISBOA.
O patache perlugnez Mara da Gloria, capito
Valenle, vai sahr breve, recebe carga e passagei-
res : trata-se com o consignatario E. R. Rabello,
ra do Trapiche n. 44.
_COMPANH14PERNAMBUCANA
DE
Navega^So costeiira por vapor.
Fernado de Noronha.
O vapor Parahlba, comman-
dante Martins, segu para Fer-
nando no dia 13 do corrente ao
meio dia. Recebe carga e passa-
geiros at o dia 12, s 4 horas da
tarde e nao ser perraittido a pessoa alguma o
embarque de quaesquer volames de carga no dia
da sahida : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
Para o Rio de lauelro.
O brigue escona Joven Arthur, pretende segnir
com]muita brevidade, lendo parte de seu carrega-
mento promplo : para o resto que Ibe falla e es-
cravos a fretes, paraos quaes tem bons commodos,
tratase com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C. ____________
Rio de Janeiro
Para o indicado porto 9egue com brevidade o
veleiro brigue brasileiro Henrique, capilo Lourei-
ro, recebendo anda a'guma carga : trata-se com
o consignatario Antonio de Almeida Gomes, ra
da Cruz n. 23, primeiro andar.
....................... i
LEIL51S.
Feir<> semanal
NO GRANDE ARMAZEM DE LE LOES
DO AGENTE
OLYMPJO
36--Rua da Cadeia do Reele-76
Haver leilaes todas as semanas
AS
Segundas, liarlas c seitas-feiras
RECEBEM-SE OBJECTOS AS
Tercas; qnintas-fciras e sabbaos.
O referido agente participa as pessoas que dese-
jam vender escravos.que far leilo todas as quar-
tas-feiras no seu armazem, aonde tem commodos
proprias para os receter.
LellSo
De ama casa tma. quatro salas, mnitos e
grandes quartos, com janellas, cateada
toda a roda, terrado na frente e copia alraz
com sotao-. qjiartos fra nao s para-hos-
pedes como para'prHos, coxeira e estri-
barla, cacimba e tanque, jardim e pomar
ao lado, sitio com muitos arvoredos e fruc-
tetras- de boas qualidades.
HOJE
O agenie Pinto levar pela segunda vea a leilo
precedida a competente autorlsacao, casa de cam-
po com os commodi-s cima descriptos sita no Cal-.
dereiro, outr'ora do finado Domingos AbIodo Go-
Rclarioda8 cartas seguras viadas do sul e nirtc' mes Gumaraes em frente a casa do Dr. Jos Ber-
pelos vapores f da M t Paran ^ir^cpS a^ft n!^^ PS
as senaras IBalta drclarados: i tendentes poderto obter do mesmo asente qualquer
Andrade fl Rega. \ nforraaco a respeito.
mmm mmi
camas de ferro, sendo um para casados, 1 berco,
costureira.
1 sof e cadeiras de amarello, 1 quartinheira, 1
mesa de jantar, 2 apparadores, 1 guarda loura,
aparelhos para cha, copos, garrafas e outros ob-
jectos.
Differentes objectos de prata constando de sal-
vas, colheres e paliteiro?, assim como 2 oculos, 1
binculo e 1 espingarda de dous canos.
Urna eserava fiel sem vicios e cosinheira de 25
a 28 annos de idade por nome Claudina.
Quartafeira 10 d maio.
Ra da Cadeia o. 29, lorceiro andar.
Placido Jos do Reg Araujo lendo de fazer urna
viagem a Europa, far leilo por intervenco do
agente Pinto, de todos os objectos cima mencio-
nados perlencentes e existentes em sua easa de re-
sidencia ra da Cadeia n. 29, terceiro andar, on-
de se effectuara o leilo as 10 horas do dia cima
dito.
jLEIjLlft
De um rico aderero de ouro de lei cora 24 bri-
Ihanles grandes, differentes colheres de prata, 1
relogio de alcibeira de onro patente inglez, I cos-
lureira ou machina de coser de mesa com armario
e pequeas gazetas.
Qnarta-feira Id de nata.
Por intervengo do agente Pinto, no terceiro an-
dar do sobrado da ra da Cadeia n. 20, aonde ha-
ver lelao de moves, obras de prata e um es-
clavo.
(JltlAo lealo do baeathao Bal-
ne Johntfon.
Sem reserva de prega.
Qaarta-feira 10 do corrente.
O agenie Pestaa far o-seo ultimo leilo de ba-
calho para acabar, sem limites, em lotes a vonta-
de : quarta-feira 10 do crreme pelas 12 horas da
manhaa no armazem do Sr. Vicente Ferreira da
Costa defronte da escadinha daalfandega.
Leilo de superior teacinlto de linas.
fuarta-feira 10 do correnie.
O agente Pestaa far leilo por conta flOlfWU
pertencer de 50 jacazes de toucinho de Minas mui-
to novo desembarcado estes dias, ero lotes a von-
tadedos compradores : quaru-feira 10 do corren-
te as 10 horas em ponto no armazem da Atraes
defronte da alfandega.
LEILA
De 1 mobilia de Jacaranda constando de um so-
f, 2 consolos, 1 mesa de meio do sala, l cadei-
ras de guaroicao, 6 cadeiras de bracos, espelho
grande com moldura de Jacaranda, 6 cadeira de
amarello, 1 dita de bracos, 2 mesas de amarello
pequeas, 1 lavatorio, 1 armario, 1 secretaria de
amarello, 1 eommoda, I guarda roupa, 3 e> tan tes,
l relogio de parede, mesas, candieiros; 1 lanterna
de metal, tapetes, 2. escarradeiras, 1 oculo de al-
cance, 12 colheres de prata.
2 prelos e seus pertences eom ooreo de lypos,
20 resmas de panel hollanda liso de ns. 1, 2 e 3.
Urna I i vraria completa conlendo obras impor-
tantes de direito e litteratura, dos autores mais
modernos, bem como porco de livros proprio
para seminaristas.
Manas far leiio por ordem dos credores do
Rvd. padre D. Jos ArAoniu dos Santos Lessa, dos
bens aciraa existentes uo armazem da rus do Im-
perador n. 37, onde ter. lugar o leilo.
Quiota-feira \ \ do corrente.
Comeear logo as 10 horas do dia, os proten-
dentes podem examinara retardo dos livros em
mao do mesmo Martins. a ra da Cadeia do Re-
cife n 9, priraeiro andar.
Leilo de 4 tohs com roapa asada,
relogios de prata. de aaro e diver-
sas objectos de pr*ta
Martins far Ifellao por ordem do Illm. Sr. Dr.
consol porrmjnerdos ot$5rtos aetma pertencentes
a diversos espolio?.
Quinta-fe/ill do corrente.
No armazem -ua Sp, 'mirador n. 37, as 11
horas.
i


-

MOJ IO OM

strea letn Aflm ***.
EHT
ehado rortella
Uilaeqaiftta-feirali ie mi* sil
era, ru Ja Cadeia armazem
limero 53.
D 1 caas terrea ns. 48 SO, sitas na segun-
da travesa da ra da Concordia, edificadas ba
poaco, sao defroole das do Sr. Barlholomeu e
rendem 10* por mei, ebSo oreiro.
Pelo afele Baaebio se Tender as caas terreas
como cima escripias, n'aquelle dia e hora p lo
nuior preee qae se achar, e para informado o
referido agente as dar.
Leilo de escravos, veis e livras.
No sobrado da ra das Gruzes numero 34.
Quinta FEna 11 be jiaio.
O agente Pinto fara' leilo por cooU de ama fa-
milia qoe retira-se desta provincia de todos os ob-
jectos abaixo declarados, existentes no sobrado da
roa das Cruzes n. 3a.
A saber :
Urna escrava perfeita engommadeira e cosinhei-
ra, com 3 fllhos, sendo o 1* de S annos, o 2 de 3
anus e o 3" de 9 metes.
Urna mobilia de Jacaranda, 1 piano, 1 candela-
bro, casticaes com lanternas, camas rancezas, rae- Pa|aci
sas, cadeiras, apparadores, gaarda roupa, commo-! Jase a rua d0 Fa,ac, ao B,sp0 D- **
das, toncador com espelho, coslureira, estante,' Ama (6 leite
SeSSVSSS. n,aitos ou,ro8 ar,lgos f^*"-de Dma amde ,eite:
aSDiverSo?ldv d'Agua da Boa-VisU d. 46.
Principiar as 10 horas em ponto do dia cima Na roa dos Pires n. 5* ha urna
dito.
==
AVISO.
operador
FEIA
FACULDADE DE PABJ8,
regresando a esta provincia acha-sei
prompto para o exercicio de sua profis-.
sae, quer nesta cidade, qner fora delta,.
especialmente em molestias de olbos (ca-
taradas lo.) das Tas urinarias (estreita-
mento de urethra etc.) e de pe le, para
cajo curativo se julga habilitado, atienta
a pratlca que teve nos hospitaes de Pa-
rs, e os modernos instrumentos que pos-
sue.
Pode ser procurado a quarquer hora
na casa de sua residencia no patee do
Carmo n. 3, esquina da rua de Horlas.
- Os abaiioaesignados, twraderes na roa da Ca-
deia do Recife n. 3, fazem scieote os deredores
da raassa fallida de Joaqun Vieira Coelho & C,
que tendo arrematado as dividas pertencentes a
meema isn, sao elles o* inieos autorisados a
receber taes dividas, portante leen mareado o pra-
so de 30 das para os senhore* rievedores viren ou
mandarem pasar seas dbitos, Indo o qaal se pro-
mover a cobranca judicial.
Jos Joaquiro de Castro Moura.
_____ Joaqnira Baptisu de Araojo.
I querque Mello continua a ter sea escrip-
JM torio de advogado nos auditorios e tribu
caes desta cidade : na rua do Imperador
D. 40.
A 200 E 500RS-
A 500 rs. a cuia de fe jao mulatinho.
A 500 rs. a cuia de feijlo mulatinho.
A 200 rs. a cuia do bom milho.
A 200 rs, a cuia de bom milho.
Cheguem depressa a esta pechincha at que se acaba o qual se uende por este pre-
go pela proh bico que ha as ribeiras.
Offerecese urna ama para casa de pouca fa-
milia ou casa estraogeira : quem pretender diri-
na rna da Cai-
de
ama para so
orna casa, tanto
ATISOS Dirasos.
Instlate Areheologiw e fieographieo Pernam-
bueaio.
Havera' sessio ordinaria quinta-feira i 1 do cor-
rente, as 11 horas da manhaa.
OHDF.M DO DIA.
Discussio do ercamento para o anno social de
1863-66 ;
Trabalhos e pareceres de commissoes:
Secretaria do Instituto, 8 de maio de 1865.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.______
LOTERA
AOS 6:000#000.
Sabbado 13 do corrente mez, se extrahi-
r a 2a parte da Ia lotera (15a) a beneficio
da matriz do Bonito, no consistorio da igre-
ja de Nossa Senhora do Rosario da fregue-
zia de Santo Antonio.
Os bilhetes.meios e quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria rua do Cres-
po n. 1S.
Os premios de 6:000)9000 at 10#000
serio pagos una hora depois da extracco
at asi horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas s rao guardadas se-
ment at a noite da vespera da extraecao
como de costume.
O thesoureiro, *
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
: alugar, a qual faz o servico
! externo como interno.
Pelos caradores fiscaes da massa fallida de
Antonio AlvesVllella sao convidados os credorcs
da massa para resolveren) sobre a entrega della
ao fallido na audiencia do Sr. Dr. jniz do com-
mercio, boje as 10 horas da manhaa.
Ama de leite.
Na rua do Livramento n. SO, primeiro andar,
pode ser procurada urna ama com leite ahondan-
te, de bom comportamento, casada, mas sem filhos.
^
Aluga-se um pequeo armazem na rua da
Paz, proprio para qualquer estabelecimento em
ponto pequeo : a tratar no pateo de S. Pedro nu-
mero 4.________________________________
Brazi Acet, subdito italiano, retira se para
Europa._______________________________
Antonio Bezerra Cavalcanti de Albuqnerque
vai Paralaba do Norte tratar dos negocios de sua
casa commercial quegyra sobre a firma de Darym
Sr. Jos Lopes Darym encarregado de toda a ge-
rencia. _^___^_^____^___<>_______
CASA DA FORTlH
Aos 6:000#000.
Kilhetcs garantidos.
A' rua do Crespo h. 33 e casas do costumk.
O a bai zo assignado venden nos seus muito fli-
tes bilhetes garantidos da lotera que se acaben
de extrahir a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia, os seguintes premios :
O bilhete inteiro n. 3236 com a sortede 1:400*.
Obilhete inteiro u. 1641 com a sorte de OO*.
E outras muitas sortes de 100*, 405, 20* e
10*000.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
vos premios sem os descont das leis na Casa
da Fortuna rua do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da 1' lotera
(15") beneficio da matriz do Bonito, que se ex-
trahir a 13 do crtente.
PRECO.
Bilhetes.....7*000
Meios......34300
Quartos.....1*900
Para as pessoas que comprarem de 1005000
para cima/
Bilhetes. .' 64500
Meios......3*250
Quartos.....1*700
Manoel Martins Fuza.
Precisa-se de urna ama para fazer todo o servico
ne cozinha de urna casa de pouca familia : a tra-
tar na rua Direita n. 91, prjmeiro andar._______
OITerece-se urna ama para eugommar : na
roa Velha n. 33, taberna.___________________
CASA DE BANHOS
Largo do Carmo uniuero 26.
Este estabelecimento lio bem montado na sua
origcm, achava-se de a muito em quasi completo
abandono pelo pouco interesse de sua adminis-
tra cao.
H'jje que o novo proprietario emprega lodos os
meios para restabelecer a grande utilidade deste
estabelecimento, pode assegurar ao publico que
qualquer que seja o numero dos concurrentes acua-
rio desde j prompt dio e aceio nos bonhos fros,
momos ou medicinaos, a casa dos banhos se acha-
ra aberta todos os das das 6 da manhaa as 11 da
noite.
Precos.
1 banlio fri ou momo......500
1 dito de farello........15000
1 dito medicinal ser segundo a qnalidade.
25cartoes.........103000
12 ditos..........54000
Na rua do Livramenlo n. 15,loja de calgado,
precisa-se fallar com o Sr. Jos Colombrino de
Araujo Lima, rendeire do engenho Castor ou a
quem suas vezesfizer nesta praca, a negocio de
interesse.
s
Aluga-se a casa terrea n. 105 da rua de San-
ta Rila : na roa da Aurora 36.____________
Justo pedido
Pede-se a Ulm* assembla provincial a declsio
do projecto que divide o oficio de contador desta
comarca, visto ser esta divisao de palpitante ne-
cessidade para o importante foro desta cidade,
alem de proporcionar meios de subsistencia a dons
ou tres pas de familias necessitados, e livrar as
partes da vootade e capricho de um so funceiona-
rio.O prejodicado. _
Estando contratada com o Sr. Francelino de
Souza Barros a venda da casa n. 25 da rua de Ma-
tlas Ferreira na cidade de Olinda, que bi do fal-
lecido Dr. Manoel Pllippe da Fonseca, e ignoran-
Saceos grandes de milho novo a 4.
Dito dito de feijlo mulatinho a 9.
Rua dos Quarteis o. 22 junto a loja de funileiro,
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQ&O DE LONDRES
DE
THOMAZ TEIXEIRA BASTOS
N. 60-Rua da Cadeia do Recife-N. 60
Todos os artigos abaixo mencionados, foram comprados recentemenle pelo dono do estabele-
i cimento as principaes fabricas de Paris, Londres, Birmingham, Manchesler, e em diversas cidades
SS^S5*afg!Sf^yBS Allemanha, e tendo comprado ludo as melhores condifoes por ser a dinbeiro, por isso vende todo
idana--;;ffi^corabnbumtcomobotgesannel?( rosettgetC) e
bem assim, diversas obras de ouro, como trancelins, correntSes, oculos, face-maios, annels, e muitos
outros artigos, relogios de ouro, inglezes, do afamado fabricante Bennette ; completo sortimento de fa-
zendas finas e modernas; miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e
te, os se
rua Augusta n. 59.
Recife 4 de maio de 1865.
AMA
Precisa-se alugar urna ama para cosinhar
comprar : na rua de S. Francisco n. 54
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e ra do imperio por
commodo pre^o e presteza : oa rua da Praia n. 47,
primeiro andar.
Estevo Rodrigues Fontes vai a Europa tra-
tar de sua saude, e deixa por seus procuradores,
1 Joao Manoel da Cunha Araujo, e 2" Antonio
Bento de Araujo.
Comingio Gagliano, subdito italiano, retira-
se para a Bahia. _________
O abaixo assignade tem justo e contratada
com o Sr. Joao Antonio de Oliveira a compra de
um sitio no logar de Campo Grande, livre e desem-
baracado : quem se julgar com direito ao mesmo
prove no prazo de 8 dias ou dirija-se a rua da
Guia n. 56.
___________Manoel Martins de Carvalho.____
Aluga-se o sobrado sita na roa da Trempe
n. 7 : quem o pretender dirija-se a rua do Monde-
go sitio n. 38._________________________
"Sociedade Nova Uniao
Approxiraando-se o dia das eleicoes e constan-
do-nos que se tem de eleger alm dos candidatos
do cosime, mais seis directores para um em cada
mez dirigirem os divertimentos, dentro dos seis
mezes administrativos, muito folgamos por haver
esta lembranca e resoluto da parte da maiona
dos associados, e desde j nos apressamos lembrar
para to importantes cargos os candidatos seguin-
tes :
Presidente.
O Ulm. Sr. Alfonso de Siqueira Menezes.
Vice-presidente.
O Ulm. Sr. Antonio Joaquim Leite Bastos.
1" secretario.
O Ulm. Sr. Joo Flix de Mello.
2o secretario.
| O Ulm. Sr. Manoel Albino de Amorim.
Thesoureiro.
O Ulm. Sr. Mariano Perelra Cabral.
Directores.
Os Illms senhores :
Antonio Sampaio do Nascimento.
Henrique Leite Pereira Jardim.
Jos Pereira Bastos.
Antonio da Costa Maia.
Martiniano Jos Fernandes.
Joaquim Moreira da Silva.
Alguns socios.
francezes, como L. T. PIVER, Lubin, L. Legrand, Ed. Plnand & Meyer, Deleltrez Parfumerie du
mond lgant), Violet, Societ Hyglenique, Monpelas, Mailly, Regnier, P. Gueland, e inglezas de Eug.
Rimrael e outros ; ricas galanteras em marfim, mar de perola, etc., fabricadas na China e no Japo;
ricas pecas de cristal fino como ainda nio appareceram nesta cidade, e bem a>sim modernas lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeiles e adornos para cima de con-
solos e para grande toillette, o que se tem feito de mais elegante em Paris, em Londres, Birmingham
ele ; modernos apparelhos de metal fino ingiez para cha e caf, os quaes nada tem de inferior prata,
e muitas outras pecas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de se-
Na praca da Independencia n. 33, precisa-se nboras, excedentes luvas de pellica do afamado Jouvio, apparelhos de porcelana fioa para cha e caf,
de ama ama para compraD, cosinhar e fazer todo \ ditos para jantar, e immensos artigos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras,
o mais servico de casa de pouca familia. I ote.; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de panno cem sola de borracha, pianos dos
OSr. Jos Feliciano Machado, nao deve ret-' lebres fabricantes Pleyel,Wolff 4 C, realejos modernos de Gavioli 4 C, para se tocar na rua, ditos
rar-se ao presidio de Fernando sera que primeira- "ra "g"?s,para sales e dl,os ,*-?1 em movlmento ; modernos e bonitos nstrumentos de physi-
mente emendase com a pessoa que mora na rua S?.tY 5*. ,n1?,ros, ou '?**. o de phantsmagona lanternas mgicas, cosmoramas com
do Barlholomeu n. 45, que j o tem all chamado, Sgf l %t* ,e ; sJerfl0CP,0S de nova inveneao e com bello sortimento de vistas das principaes
e que a pedido de um seu amigo se mandoureli- w I P ; grandeLsorl,n?enl0 de brinquedos finos para enancas, ei nonecas fallando papai,
rar os annuncios deste Diario, por haver dito seu 5J?aiJ grand* soJ"men'o de candieiros a gaz/os que se tem feito de mais elegante e que tem mere-
amigo compromettido-se que o Sr. Jos Feliciano fir? ?)*ale'^ "* Europa, W*** magnifico sortimento de caixinhas, cesi.nhas e outras galn-
Machado naquelles ires dias viria pessoa a quem 2M*i?f 2 a "^i""'.08,para f,resenleJs 1 r,Bd2sortimente de estampas finas coloridas
o chamou, no entretanto que sao passados muitos "fBn"'u"dc pfiret0 e de outras de lodos os santos, ditas com figuras e ditasi com novas paysagens para
dias sem que tenha oSr Jos Feliciano querido 2?SffS f! e ,bem raduadosJ***0 para cosjnoramas, um bello chafariz de chrsta,propr.o
sahpr nara nnp fim n nrnniram t Anda n'lhe Be- R,ra rael de mesa ^oJ"'3'" ou para jardim ; cutelarla fina, como talheres com cabo de metal fino, co-
derSne!3T rto Kclo^afim de se The dou- lDeres' tbe80"s Anas, ditas modernas para alfaates, navalhas finas, caivetes e oulros artigos, diver-
ar de%eza e de%?stSs v so como tem lldoTf- "" a:,igos eites de arame comP|e,o alimento de mascaras de velludo, selim, cera, papelo e ara-
flrTl Pnennira le anda mais SfrW me S S me'doces' "neitos e eboeoli te em caixinhas e em vidros; camas de ferro dejlodos os tamanhos, lava-
ndMtore di ou esS haboletado q I !rios,' ft ; rlcos 1uadros para car,5es de vis,las e los grandes e pequepos para retratos; chapeos
indigna residir ou estar naboletado.____________ de so|) beDga|as, chicles e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
Aluga-se o primeiro andar dosobrado dama para quem faz po-de-l, bolinhos, etc.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos ;
Imperial n. 193, com bastantes commodos, a preco pannos para cebrir mesas, bolgas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores,
commodo. malas, etc.; sortimento de violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantarlas e outras pecas
o ervico'de cnarao Dara toillette ; machinas para varrer o chao, excellentes machinas para pbotograpbia para
escra- 'irar relratop> candes e pequeas ; lindos baloes de papel fino transparente e lanternas coloridas para
andar > illumina5es a moda de Pars, salva-vida de borracha, para bomens e seoboras, proprios para quem
-----'toma banhos em lugares fundos ; ameixas novas em caixinhas, blscoitos inglezes em latas, graixa in-
Aluga-se um escravo moco offlctai de pe-1 gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, queijos etc., e muitos outros artigos
Precisa-se de urna ama para todo
de urna casa de pouca familia prefere-se
va : na rua do Livramento n. 20, segundo
Gasa de campo
Aluga-se em Sarjt'Aona junto ao sitio do
Sr. Thomaz Harding, urna grando casa e
sitio com grandes commodos para familia,
tendo estribara e casa para escravos sepa-
radamente, tem cacimba com boa agua, ar-
voredo e proporedes para baixa de capim r
trala-se na mi da Cruz n, 4.
SolicitadorT
O soRdUdor Pedio Alexandrino da Casia Ma-
chado iraweno sua residencia da rua Imperial n.
* Par* r o Rangel n. 38, primeiro andar,
onde pode ser procurado para os misleres de sua
profissio, qnr no foro desta cidade, qor nos do
Cabo, Ipojuea e Escada, para onde se encarrega de
cobrancas.
Alugam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, coebeira, estribara e outras commo-
didades, na iravessa de Joo Fernandez Vieira :
a tratar na rua da Senzala Nova n. 41
Systema legal de medidas,
oa reforma do actual systema de pesos e medida
Sara o systema francez, r. digido por Joaquim Jos
a Graca, e approvado pelo conseibo geral de us-
truccao publica de Lisboa, o mais usado depois da
reforma de medidas oaquelle reino, e tarabem o
mais apropriado para reforma actual oeste impe-
rio ; preco if : na rua do Imperador, loja de II-
vros dos Srs. Guimaraes Oliveira, e rua do
Crespo, loja do Sr. Nogneira.
Desappareceu no dia 27 de abril e 18&fom
relogio do prata patente ingiez n. 41989. S.L.O.Y.
descobert, mostrador 'fle prau e letras de ouro,
cuja tampa da machina existe em mea poder :
pede-se aos senhores relojoeiros ou particulares,
no caso qoe Ihes seja offtrec do de o apprehender,
graiificando-se na enlrega : na praca da ndepen-
dencia ns. 1 e 3.
Ats ao ce>muirrcio.
Um rapaz portugoez, casado, deseja-se arrumar
em urna casa de commercio nesta praca para ce-
brancas ououtro qualquer servico que nao esteja
sujeito a balcao, dando o mesmo fiador a sua con-
ducta : quem quzer, dirija-se a rua Direila, Toja
de cera n. 133, ou a rua Imperial n. 13.
Precisase de urna ama para casa de duas
pessoas pr<>ferlndo-se escrava : na
n. 23, secundo andar.
rua da Penba
Altenco
juros
ainda
Hypothacam-se tres escravos por l:400, dan-
de-se o servico dos mesmos como paga dos
desta quantia, o hypotbecanle far negocio
de mais vantagem, apparecendo quem queira : a
a pessoa a quem convier este negocio, pode deixar
o numero de soa casa e a rua na praca da Inda,
pencia ns. 6 e 8.
mM
dreiro e proprio para todo e qualquer servico de
casa ou de rua : na rua Nova de Santa Rita n. 51.
que para enumera-los seria um nunca acabar, e lodos se vendem barato e muito barato no grande ar-
mazem da Exposicio de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
Santo Antonio.
Estando prximo o festejo do glorasoSanto An- lT VTIiTTTi H FR A IV4 17/
talo previne-se ao respeitavel publico que esta a ,. x/AllinJLilJtl.vF JT IVAIH vjJD
venda a trezena do mesmo glorioso santo, muito Vendem-se moedas de ouro e notas do Banco, e bem assim urna colleccao desde um centesimo
bem confeccionado, Impressao ntida e broxada : a,e m'l francos: vende-se barato no Recife rua da Cadeia n. 0, ne armazem da Exposicio de Londres.
na rua do Imperador n. 15 defronte de convento; -____^._____________________________.______________________________________
de S. Francisco.
Francisco Palany, subdito
Europa.
Ropa se as autoridades policiaes e rapitaes
de campo a captura do escravo Daniel, cabra, de
idade de (8 annos pouco mais ou menos, com os
signaes seguintes : altura regular, secco do corpo,
ps e maos grandes, rosto liso, com todos os den-
tes, cabello crespo e cortado baixo, tem o andar
um tanto hanzeiro e falla descancada, levou camisa
de chita escura, calca de riscadinho e chapeo de
palna grossa. vindo ha poucos
um dos vapores da Compaohia Pernambucana, e
desconfia-so que elle procure algum comboio ou
barcaca para dito lugar, e promette-se protestar
contra quem a occoltar: quem o pegar, leve-o
rua da Viraco n. 3, que ser recompensado.
' CREME.
Sorvete de crcme hoje ao mel dia
Trapiche n. 18.
Na rna do Raugel n. 38, primeiro andar, preci-
sa-se de un a ama que compre, cozinhe e engom-
italiano, vai para roe para casa de moito pouca familia._________
Precisase alugar um moleqne para compras
e recados: a tratar na rua do Cabug n. 18, pho-
tographia Villela._________________
Na fabrica de calcados da ribeira de S. Jos
_____n. 25, precisa-se de artistas de sapatana.
Aluga-se
o sitio na travessa de Joao Fernandes Vieira n. 6,
dias de Macau em no qual morou amigamente o Sr. J. Gaeitz (cor-
retor geral) tem boa casa de morada, cozinha fra,
cocheira, estribara para 6 animaes, quartos para
pretos, casa com rico banbeiro, bom jardim com
bastantes diversidades de flores, com chafariz no
meio, boa agua de beber, o sitio todo murado,
"~"" | com porlao e gradeamento de ferro na frente :
na rua do 11uem Pretender dirjase ao mesmo qae achara
com quem tratar_________
Jos Octaviano Telles de Saldanha e sna
Iha vio para Lisboa.
fl-
O conselheiro Jos Bento da Cunha Figuei-
redo e o hachare! Jos Bento da Cunha Figueiredo
Jnior mudaram o sen escriptorio de advocacia
para o sobrado da ruado Crespo n. I, esquina do
Passeio.
se
<
9a
3 3
o
O
Oq
Attenco
Silva.
O Sr. Jos Soares Pinto Correa, tem
urna carta na praca da Independencia libra-
ra n. 6 e 8.
H
a
Para completa liqudacao vende se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas e
novas chegadas recentemeute de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug.
, Deletrez, Pinaud &
agua de colonia em
. vidros e garrafas, agua de lavando, agua' para limp'ar denles" oleo babosa, extractos em garrafinhas e
*"'" | vidros de differentes modelos, pos para limpar denles, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas
| caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos outros artigos que se vende por
menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande armazem da Exposicao
. de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
;. ,n nun.ii. Rimme|.R- Matheus & C, Lubin, Sociedade Hygienica. Piver, Violet, L. Legrand
J!ttZttRttStt Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere etc., etc.^.s quas ha grande sor.n.eSto m
xou de ser seu caixeiro desde o da 20 de
prximo passado.
Recife 6 de maio de 1865.
Gama &
Precisa-se de officiaes de charnteiro
rua das Cruzes n. 37.
Consultorio medico-cirnrgico na rua larga de
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exercicio de sua profissio nao
so na parle medica como tambem na cirurgica.
Acha-se fgido desde o dia 4 do corrente
mez o escravo Trajano, com os signaes seguintes :
idade 20 aonos pouco mais ou menos, estatura re-
gular, cora algumas marcas de bexigas no rosto,
tem um dente de menos na frente, cor fula,
crieulo, levando comsigo um cav, lio meo, magro,
e em dioheiro pouco mais oa menos lOOJi : ro-
ga-se a todas as autoridades policiaes, capitaes de
campo e mais pessoas que delle liver nottei-s de o
appreheoder e leva-lo a roa dos Pires n. 34, que
sero generosamente recompensados.
Serie ade Xuva Uai
Mariaooo Pereira Cabral, nao teve parte nem
sciencia do communicado inserido no Diario de
Pernambuco de 5 de corrente e nem aceita o cargo
O abaixo assignado pede aos senhores que
lerara a publicacao a pedido inserta no Diario di
Pernambuco n. 90 de 20 de abril prximo passado,
de thesoureiro para que esta' contemplado na lisia,hajam de suspender o sea juizo acerca do que se
Escravo fgido
Desappareceu no dia 8 de maio de 1865, de casa
de seu senhor o escravo de nome Semiao, da nacao
Mossambiqne; tem tainos ao p das orelhas metti-
des em circo redondo, idade 45 anuos, pouco mais
ou menos, estatura alta, ebeio do corpo, cor fula,
levou vestido calca de casemira usada e um carni-
sao de baeta azul j asada, chapeo preto pequeo
redondo de massa : roga-se, perianto, a todas as
autoridades e capules de campo a apprebensao
delle e leva-lo a rua Direita n. 30, que ser gene-
rosamente recompensado.
dos candidatos a' prxima eleico, publicada
Diario de hentem, em avisos diversos, visto qae
desde ja deixa de fazer parte daquella sociedade.
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar o
diario de urna casa de pouca familia: na rna da
Cruz do Recife o. 29.
O abaixo assignado, morador na eslacao da
Escada, tendo traosaeodes oa casa do Sr. Antonio
Joaquim de Mello, e vindo sua casa e nao adian-
do o gerente com quem eslava aeostumado a tra-
tar, pedio para ver soa conta, e sendo esta muito
superior a mai i de 800#, e de vendo so o abaixo
assignado a quantia de 18341, fez entregue desta
quantia ao Sr. Manoel Pedro de Mello para elle dar
a quera de direito pertencer. nio se responsabili-
sando pelos erros queosltvros apresentam. e com-
provarei com os djcumenios qae tenho. Recife 8
de abril de 1865. Joao de Souza Goocalves.
3 J nessa publicacao, relativamente as injurias e ea-
\ lumnias irrogadas ao meu padrlaho e amigo padre
Ignacio Joaquim da Costa, visto que nesta dala se
enva para Pernambuco procoracao bastante, afim '
de ser exhibido em juizo o competente authogra* |
pho para proseguirse nos termos da responsabiii-
dade. Mace 5 de maio de 1865.
Manoel Antonio de Carvalho.
_!_ |
Precisa-se de ama ama que saiba coziuhar bem
e comprar para casa de pouca familia : a tratar
na ma do Pires n. 44.
O abaixo assignado snmmamente penho-
rado para com as pessoas qae assistiram as
exequias do sea mui presado socio o finado
Joaquim Francisco dos Santos, vem pelo pre-
sente agradecer-Ihes e de novo pedir aessas
roesmas pessoas,que se dignaram a seu con-
vite assistirem e a todos aquelles amigos do
finado para assistirem a raissa do stimo dia,
qae tem de celebrarse terca-feira 9 do cor-
rete, as 6 horas da manhaa, na igreja ma
triz do Corpo Santo, de cojo obsequio o
abaixo assignado desde ] antecipa es pro-
testos de sna gratidio e eterno reconheci-
mento.
Joaquim de Faria Machado.
Ama
' Na vflla da Escada tem para venderse duas
casas e ama taberna : juem quzer pode dirigir-
se ao becco dos Portos a tratar rom a Sr" Alexia-
ara qae dar* ai informaedes neceesariat.
Precisa-se de urna ama para casa de posea
milla : a tratar pa praca do Corpo Santo n.
terceiro andar.
fa
17,
Blica.
Precisa-se de um offleial eu caixeiro para botica,
qoe tenha alguma praiica : na rua larga do Rosa-
rio o. 34, botica.
Samuel Power Joliiislon k Companha
Ruada Vnzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Lo Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava I los.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para ume dous cavallos.
Relogios de ouro patente ingiez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Companbia udelidade de seguros |
martimos e terrestres
estabelecida/io Rio de Jaueiro;
AGBNTBS EM PBRNAHBUCO
AnteuM Luii de Oliveira iievede G,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Pidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Crut n. 1.
Para senhoras.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o qoe se tem feito de mais ele-
gante ateo presente: vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Ex-
posicao de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60
Luvas novas de Jouviii.
Vendem-se excellentes lavas de pellica recentemenle chegadas de Paris, tanto para hornera co-
' mo para senhora por menos de seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposicao de Lon-
dres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Orna fianca em dinueiro, depositado eos cofres do estado, garante a boa ad
ministraco da
Precisase pe 50$: quem os tiver, querendo
dar a juros, annoncie por este jornal com bre vida-
de para ser procurado. Hypolheca-se una escra-
va ou faz-se qoalqoer outro negocio relativo a
mesnia para esse fim.
1
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni'
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro n,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhia.
Tem sha casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... 2,5500 >
Terccira dita.... 2*006
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons serrinos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nue a merecer a confianza de qae sem-
pre tem gozado.
i
I
Aluga-se a loja do sobrado n. 8 da rna da
Conceico : qaem a pretender dirjase ao mesmo
sobrado que achara cem quem tratar,
Precisase de urna ama para cozinhar, en-
gommar e comprar para unw pessoa : na rua da
Manguera n. t2, paga se bem.
Aluga-se urna escrava moga para o servigo
interne e mesmo para comprar na rua: na rua
da Imperalriz n. o, segundo andar.
RANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespauha
DIRECCO GERAL
ladrId : Rna do Prado n.IB
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
eaias flliaes: oa praea da independencia n. 22
Ana de leite.
Precisa-se de ama ama de leite forra ou eserava:
Ba rua da Cadeia ido Recife o, " Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos seguro
obre a vida.
Nella.iJe tazer a subscripeao de maneira que em nenhumeaso mesmo por mortedos
carado se perca o capital nem os juroscorrespondentes a estes.
Sao'.)s tnreh^odeotes os resultados qae produzera as sociedades da ndole de A NACI
NAL.que lin la motsrno lirnlnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
res e:) iibiuan t >-o ,-o:n i m <>rtali4ade da tabella de Depareieux que e adoptada Ipela companhia
para seus alalos liquidares, em segurados de idade de 3 a 19 aunos, uraaimporsicaoannual
de 1001 produz em effectivo metlico:
No fim de S annos.......1:119*300
de 16 t.......3:942*600
de 15
de 20
de 25
11:208*200
30:256*000
80:331*000
Xas idades meaores de 3 annos o maiores de 30, os productos sao mais considera veis.
ProspecDs e mais informales serio prestadas pelo suh-director nesta provincia,
mo Joaquim Piuz de Oliveira, raadaCadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz[n.12,estabel
imento dos Srs. Raymundo.Carlos, Leite & IrmSo.
-*-
s
-111
t'ff I
a vi a
|3
II
O
c
P 2
H
a.
i t
S o s p
f a> t T
O. -o
2
5'
o
5a
S 3
Sr 2.
S S
a
M
1 3
cr
I
cr
1$
Participase aos pais de meninas entregues *
direccao do collegio de N. S. da Conceico, qne
este collegio se acha transferido para os Coelbos,
onde foi a casa de Alienados. Todas as pessoas que
i tiverem relacoes com dito collegio, all poderio
dirigir-se : assim como all somente nos domingos
de tarde se recebem visita-.
0 Dr. Vilella Tarare?, lente cathedralico da
faculdade de direito e advogado, mudou a sua re-
sidencia para a rua do Qaeimado, primeiro andar
do sobrado n. 44.
Alogam-se dous moleques muito bons eopei-
ros para criado : no corredor do Bispo n... a tra-
ar a qnalquer bora.
MOCIDiDEETRISTEZt
Poesas de Victoriano Palhares : assigua-se na
livrarla acadmica, ma do Imperador, a 3*000 o
volume.
Joao Bernardo da Costa Reg Monteiro eHer-
menegildo Fernandes de Sonsa Lobo participam ao
corpo do commercio que dissolveram desde 15 de
abril ultimo a sociedade que tinha ne^ta praca sob
a firma de Reg & Lobo, ficando o aclivo e passivo
da mesma sociedade a cargo de Joao Bernardo da
Costa Reg Monteiro.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratlca
de taberna : na rua da Aurora n. 54.
Precisa-se de orna ama ou cr'ado, prefere se
preto : na rua dos Pires n. 34 se dir quem pre-
mmmm mmm-mmmmM mm
H O bacharel
Francisco Angosto da Costa 9
H ADV6GAD0 j$
|g Rua do Imperador numero G9. |K
i: mmm mmmmmsm
Protrsto.
A administrago do patrimonio dos recolhimen-
tos de N. S. da Gloria, N. S. da Concedi, SS. Co-
racao de Jesos, protesto contra qualquer compra e
venda de terrenos do Campo Grande que aos mes-
mos forem pertencentes. Protesta especialmente
contra o Sr. Joo Antonio de Oliveira, que nao
pode vender o terreno que indevidaroente chama
a seu dominio e posse o que pertence aos mesmos
recolhimentos, cuja admnistraco ja o chamou a
juizo afim de reconhecer a nullidade da visita de
demarcacao que invgularmente fez proceder, e
abrir mo desse terreno. E finalmente protesta
usar dos meios legaes contra qualqnrr pesaoa qu
comprar ditos lerronos, e reivindcalos de qual-
quer possuidor.
Precisa-se de um caixeiro com pratica de ta-
berna : quem estiver habilitado, dirija-se a rua da
Senzala Nova n. 39, taberna da esquina.
mmmmmmmmmmmmmm
O Dr. Cosme de S Pereira conti- ]
na a residir na rna da Cruz n. 53, ~
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sio medica, e com especialidade
sobre "seguinte
Io molestias de olhos;
2o i de peito :
3 dos orgSos geni-
ti urinarios.
Em sen escriptorio os doentes se-
rSo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalbo pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
c5o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
| doentes.
n mu ni i ni iMt^i'imi atuantatM apo meo ac
lilllSIIIII
8
s
C0MPB1S.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Ferreira & Matheus, Da rua da
Cadeia do Recife d. 66.


\
r fferea Ir* Je mala 4c 1MA.
Corapra-se efhctivamente uro e prau em
obras veiba, pafando-se bem: n* rua Urja '
Rosario d. 14, loja de oarivet. ^_
CoMra-sem escravo
nMKriMM e sem vicios : a
n. g da roa df Aurora
Oajafiain-se libras sterfaaa ; na r
'refpo n. M, primeiro "4*&
""^fiabre, lata* <**?.
--Vinhosdo Porto fin<
rrafedos embarris ean-
Conjswse cobre, lato
a tato manila w pitia;
etoabo
no armaiem
ia We polica.
Silvino Goilherme de Barra compra e Ton-
tamente escraves de ambos es sexos :
ior n. 79, terceiro andar.
steriinas
- Silvino uoi
de eOecUvamenl<
roa do fmperade
Compram-se libras
do largo do Corpo Santo
por 9*400:
i, primeiro andar.
Compram-se libras steriinas: na ra
da Cadeia, do Recife n. 22.____________
uro e prata
em obra* telhas : compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bllbetes.________^^__
Compra-se papel Diarios 140 rs. a libra : na
taberna da ra das Crozes n. 22.
VEID1S.
Vende-se aro carro de condazir gneros da
atfandega, altando-lhe ama roda, muito (orle, pi r
prego mnlto coramodo : a tratar no pateo de S.
Pedro n. 4.
Vende-se ama caixa de car roca para um boi
em bom estado, por prego muito comraodo : a
traur no pateo de S. Pedro n. 4._____________
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vndese a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Instruyes para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileo; obra que muito convm
aquellas pessoas que se aistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Ind pendencia, a 14.
0 GASTELLO DE GRASVILLE
Traduado de francei per A. 1. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 2*50C
ua praca da Independencia, livraria ns.
6-e*.
A verdadeira massa ingeza preparada para
matar ratos e baratas, muito nova. acha-se a ven-
da oo armazem de Duarte, Carvalho & C, na tra-
vessa da Madre de Dos n. 9 a 640 rs. o pote,oja
eflkacia j bem conhecida.
Cal de Lisboa _
Na roa do Vigario n. 19, primeiro andar.
Vende se niel de pao a 1* a garrafa : no:
patea da Santa Cruz n. 84.
PRODUCTO ADMIRA VEIS
DO
Lagrimas do Douro.
Doqne do Porto.
D. Lufi.
Menezes.
Particnlar.
Vinho real e muscaiel
19, pnmeiro aadar.
na ra do Vigario n.
ENSIGNE CHIMICO
I
1*1

DO
RIO DE JANEIRO.
Om
Os elementos que compoem esta preparado, e
ferro, o ioie e a quina, a collocSo no primeiro
grao das preparaedes ferruginosas. Basta attestar
sens resultados obtidos pelos Mdicos des hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos maiseminentes,
qe confirmarlo sua poderosa efficacidade as
egmnrts affeccSes:
C v1o ten ra de la a-
aaaleatlaa.
Maleadas ecraf Mlagaa i>n|ue.
Aaaala.
Calaras n Ictericia.
Affeccac utera.
Sapareaaoca daa re-
|r*i e acarac
Matruacaa.
Altan>a auliuaaar e
ahlhl.lr
Maleatlaa 4'tilMip.
Gaatralglas.
rrraa a apartlf-. etc.
Paaelra.
Ohutmeria mm alaa-
IlllB.
Hanaarea frlaa
morca branca.
Rarhltliirua.
Affoccoca ranreroaat
jpliltlllca.
Febrea typfcalalaa.
Varales, etc., etc.
therapeutica medica
Vejt te os buetms de
e eirurgka & 30 de novembre 1 860; a Gaxeta
des hospitaes de 28 dejulho 1 860, ele., etc.
k lm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de Rebion, os Mdicos aconselbio
Mmente o Xarope d iodure duplo de
mito o de quinina do mesmo author para as
Chumbador Iehl.
ou esmalte branco inalteravel, sem cheiro nem sabor e da mais
simples applicaco para chumbar os dentes por si mesmo, ins-
tantneamente, sem chumbo nem dor, meio prompto eperfeita-
mente eicaz. 0 chumbador Iehl torna-se na bocea branco co-
mo os proprios dentes: acompanha urna guia...... 5000
Cimento chluez
para concertar com a maior perfeicao iouca, porcellana, crystaes,
vidrosJ marmore e qualquer objecto precioso...... 10300
tmenlo de guita percha
especialmente preparado para chumbar os dentes cariados. Acom-
panha urna guia............, 20000
cosmtico Indiano epilatorio
para destruir quasi instantneamente os cabellos de qualquer par-
te do corpo, sem dor e sem alterar a pelle. Ac. urna guia. .
filexlr edontalglce vegetal
para curar instantneamente as dores dos dentes mais rebeldes, e
que tambem proprio para a conservaco dos mesmos, o en-
durecimento das gengivas e a suavidade da bocea. Acompanha
urna guia..................
JEncriTore
para tirar a tinta do papel elimpar as pennas de ac.....
Helsteln
pedra austraca para curar os tumores, inchces e feridas prove-
nientes derocadura decoleira, sellim, cangalba e oulros arreios
dos burros e cavallos; adoptado ns estribaras imperiaes da
Austria desde o anno de 1741. Affianca-se que nao preciso
mais de 24 horas para que a chaga esteja cicatrisada. e que nao
exista mais inchacao. Acompanha urna guia.......
Limas chlniicas
extraeco dos callos e cura garantida sem dor nem perigo, em 30
minutos pelas afamadas limas chimicas de Pedro Mourih.
Acompanha urna guia. O par...........
Massa dentarla Haaaakol
esta mas-a, pouce lempo depois de sua introdcelo na cavidade
dentaria, adquire urna dureza consideravel e nao atacada por
nenhuma das substancias alimenticias ou dentiGcias. Acompa-
nha urna guia................
Massa lustrosa
Ditzta.
Admirem
Admirein
Admirem Bem!!
As pechinchas que csto venda na loja e ama-
zena do Pavao, na ra da Imperalriz a. 60 de Ga-
ma A Silva, onde se vendem todas as faadas,
tanto de loxo como de prlmeira necessidade por
precos mullo rasoaveis, e cum especialidade as se-
guales, dau'lo-se amostras deixando car penhor,
ouoMndao-se levar em casa das familias
I caixeiros da mesma loja.
AljO'Jaoziiilio do PdTo.
UUOOO
12*000
18^000
3<9000 24#0C0
2f>000
500
IH?>000
45000
pessoas que nio goslio de medicamentos sob fr-
2S!&d&&?/t Para "PP" *fiMa*T instantneamente os jr'astes. pianos, ar-
macoes de loja, grades cornmoes de escada, tirar o sujo das
moscas, ficando envernisados como novos. Ac. urna guia .
Papel ehelroso
1^000 9OO0
3(5000 3i!000
3000 24,5000
de alterar-se e de se nao poder conservar
Feca-ee felhete que se d de graea em casa
dos pharmaceatieos depositarios.
Para-se evitarem falsificacoes, exija o com-
prador era cada frasco de Pilnlu en Xarope a a-
signatnra do inventor.
Depsito geral em Paria, abarmaciaReblon,
US, rae du Bae, e em todas u bou pharmaciaa
de Franca a dos puies estrangeire*, etc.______
GRANULOS
iooo mm
Vendem-se
machinas americanas de .errte para descarocar
algodo : na ra da Senzala Aova n. 42.
Aviso aos reverendissimos
sacerdotes.
Na ra do Crespo n. 5 amiga loja de Goilherme
da. SMva G uimaraes, hoje Oe Gregorio Paes do Ama
ral .4 C, receben pelo paquete ltimamente che
gado por conta de urna das melhores fabricas de
Lisboa, os seguintes objectos proprios para os
misteres religiosos, qae sero vendidos .por preces
ratoaveis, a saber :
1 pallio de damasco braceo de -seda muito rico.
3 cazulas cem os competentes preparos.
Barretes de seda preta e luvas.
Mers de seda rouxa, pretas o encarnada?, pro-
prias para as diversas digaiddes ecclesiasticas.
Novidade.
-Na mesma loja tambein se vendem chitas de I
nho cor de palha com salpico de cor a 320 rs.
covado, sendo estas llxa<, assira como contina a
ter o mais escoliiiJo sortimento de fazendas para
Brande totlet e uso ordinario para todas as classes.
120-PechiBcaa-6O
Frascos d agua do Colonia a
Dnzia de tesouras a
BISMUTH
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todos as outras preparacoea de
bismuth empregadas antea eom o maior successo
peles mdicos de lodos os pases, para prevenir e
curar as
Ha* dle.tor.
Gaatrltca.
M-alclaa, ele.
2<000 2O#O00
Dlarrhra rarnnlraa.
Dyaaeaterlaa.
napea dV(4nn|
Oyaprpalaa.
Os primeiros symplomas d'essas forndaveis
affeccoes se manifestSo ordinariamente por diges-
tSes laboriosas, azidumes, falta d'appetite, pesos
d'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacaes, e, muitas vezes, per espasmos nervosos
eom vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidao, traz ine-
vkavelmente, que seja:
ttoleatlaa dr Bgada.
A tetercta.
*alpllacao 4r roracaa
Orta aaa ria.
Opar-or.
nrea de rnkrra
Irrllacoc de ln-lla a
da analrla, e(e.
120
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
emmidadee medicaes para prevenir essas diver-
aas molestias e cural as quando sio lomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de i francos.
Depsito eral em Paria, phirmaciaCbevriar,
em todas as pharmacias de Franca e des
eslrangeiros.
[GRAGEASbeCUBEBINA
somCOPABAoeLABLONYE
Vende-se um ojitiino boi man? e bonito pro-
prio para carroga : qnem o pretender dirija-se a
ilba do Noguera, que adiar com qnem tratar.
Nova loja de miudezas
5Ra 4a Cadeia do Reeife3
Estes confeitos que tem por base o prin.
cipio activo da vrimeira cubeba juuto com'
o a cmpahyba pura, nriouatisen o estomaga.
Elles fazem parar immediatamente as mais
rebeldes gonorrhas, mesmo as que res-sti-'
ram a cubeba o aeupabyba isoladamente.
Deposito geral em Pernambuc^ ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
DE
inQammavel, queimaodo sem bulla, para perfumar casas e quar-
tos, producir sensacoes agradaveis e desinfectar o ar dos dentes:
Carteiras. ... 500 4#000
dem..... l $000 7.A00G
dem..... l#Z09 lO/JOOO
ponuada Readesiens
confra pioluos e tendeas ; afiancada s<;m mercurio.....
pos de prata
para pratear instantneamente o cobre, o latao, o bronze, etc., e
reparar os objectos antigos prateados, como faqueiros, salvas,
casticaes, apparelbos de cha e oulros objectos semelhantes, af-
flancados sem mercurio, para uso dos joalheiros. relojoeiros,
pticos, negociantes de ferragens, curiosos e casas de familia:
V;dros de 2 oitavas. 10500 12000
dem de urna onca. 3#0<0 28^000
pllms para par a prata lavrada
sao aiancados infalliveis. Acompanba urna guia, vidro .... 500 4000
pos pur^atiTos
para-curar e prevenir as molestias dos caes. Acomp. urna guia:
Carteira. 500 40000
dem 1(J000 7#000
fitabo oriental
; para tirar todas as nodoas simples ou compostas sem alterar os
i tocidos como sejam: notloas de vinho, licores, caf, frutas,
gordora, e limpar as golas e paramentos dos vestidos civis e mi-
hitares. Acompanha urna guia .'....... 500 40000
Tinta Azul Ind ele ve I para marear a roej.ua
azul no escrever, e em 24 horas na sombra ou menos de urna
hora no sol, torna-se preta e nunca mais sahe "o panno as la-
vagens. E' preciso escrever sobre panno encorpado ou engom-
mado. Affianca-se que nao ha melhor na corte em qualidade,
Vidro de tres oncas 10000 70000
dem de urna onca. 500 40000
Tinta enea nada inficiere! superfina
para marcar a roupa, em vklros d meia onca....... 20000 180000
tJngueuto lelil
remedio maravilloso o melhor at neje conhecido contra feridas
aovas e antigs, ulserosas e saniosas, fstulas, frieiras, hemor-
roidas, lucencas, mordeduras, molas, panaricos, queimaduras,
reumatismos, supuraces putredas, cabecas de prego, abeessos
ao seio das seBboras, tumores e ulceras em qualquer parte:
Rolos. 40000 300000
dem. 20000 170000
Attencao.
Pazeadas sretas para a quaressa |or
par aaratissiaia preco, na loja e at--
azen da Arara, na da laperatr
n. 56.
laurenfo Pereira Menes Guimaraes.
O Muntturiu deste estabelecimeato relira-^e
para a Eurupa a tratar de sua sande, por ero antes
. de retirar-se pretende fazer nma liquidado de ka-
pelos baratissimo preco para fechar contas : agora flre-
guezes vende-se grosdenapies prcto muilo bom
para vestidos a iflsoo, i$ e #00, dno de 5 |*l-
aa ra da Imperairii loja da
Vendero-se pecas de algudaozinha marca T, mu- mos de largo, a 3#
to largo, proprio para leoces e toalhas, tendo i : Arara n. ali.
jardas pelo baratissimo preco de ti* a peca ; dito| vleurantique preto a 38.
large cora v.nte jardas a 55, e peehineha por ser Vende-se raeuraniiuue preto para venido a U
2?!n,,UiVBe-V?nde T" T'n 1uallJuer .Prt corado, grosdenaple mu.to largo e etrortado a 3*,
ratrit n. 60 de Oama 4 b.lva. vesli(los e |l|0s a ^ 600 ^00 myt, 0 e'ova.
adiBelae enfeslado a 40, 40500 e o0OO. do, saria de la para vestidos, calcas e pals a
VenOfltl-se pecas de madapolao enfeslado cora ; MO e 800 rs. o covado, laa preta para vestidos a
iijanl-s pelo baratissimo preco de 14, 4*500 e I 0 rs., bombazina preta para vestidos a 1M80 o
o#,ditas sem seren enfestadus de marcas muito I aovado : ra da Imperatm loja da Arara n. 56.
acreditadas a 7*, 8,1, 9J>, e 10*, ditas, francez
multo encorpado proprios para saias a 480 ris a
vara, isto na loja do Pavo ra da Imperalriz n.
60 de Gama c Silva.
Grande oekineha.
Chitas a 220 rris o catado.
Oa 7*000 a peca s o Pavao.
Vendem-se chitas inglezas de superior qualida-
de, aflaocando-se as cures serem fixas, com muita
diversidad-; de padrees, pelo baratissimo preco de
210 rs. o covado, ou 7*600. a peca tendo 38 co-
vados, sendo fazcuda esta que sempre se vendeu a
Micos vestidos a Maris Pia a 120.
Veodem-se ricos vestidos a Maria Pia a 10*,
12>'**. 16* : ra da Imperatriz loja da Arara
D. oo.
Arara vende pecas de panninho a 50 e do
madai'olao a 40.
Vendem-se pecas de panninho muito fino (te jardas a o*, vendem-se pecas de madapolao infen-
tado a 4* e 4*500, vendem-se pecas de madapolao
de 21 jardas bom a 6*, 7*, 7*500, 8*, 9*, 1C
12*, vendem-se pecas de algodosinho a 5*, ti*.
280 rs. o covado eu 10} a peca.'chitas largas a ; 7*> e 8J : rua da Imperalriz n. 56.
280,320 e 360 rs, na loja do Pavo, rua da Irape-1 __ Arara vende os bales a 20500.
Silvestue Pereira da Cunba & C. *
Os don is deste novo est'abelecimento abrindo-o
'coocorrencia 4o respeitavel publico, esperara
acrecer deste toda a proteceo, j pela delicadeza
c eriedade que empreparo em seus negocios, co-
me pelo completo eorlimento de miudezas e per-
fumarias, como sejam Uve las com cintos, agu has
imperiaes as melhores que tem vindo ao mercado,
ditaecantofas, sapaVjs de tranca para homem e
eenhora, rap do llie, fumo de Herlebeck, can-
ieiros para gaz, charutos muito finos, bilhetes de
lotera., tallagarca e maitos ontros objectos que se-
ria enriad o nho mencionar, sendo estes vendidos por
precos'to razoavels que a pessoa que comprar a
primeira vez, nao deixar de continuar a vir sor-
tir-se oeste novo estabeleeimento.
Saka parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
ESCRFULA
e todas as molestias
provenientes de lia
Na rua do Queimado n. 19 vende-fe urna
machina americana para descarocar alfedao, de
20 teme, por menos preco do que era outra qual-
quer parte. ,___________________
PASTILHAS
VERMFUGAS
telas as alleselas da
pelle
eherysipellae, tumores, nkerac,
sanas,
nasidas, empingens, -
REUMATISMO
SYPJHIXIS
em todas as shs formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
(Jleerafio do ligado
srem summa lodos os males que tem sua
e igenrna
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACAO DO SANGUE
e para dar nova forca e vigor ao corpo j os respeitos dignas de confianca e approva-
DE KEMP,
MOTA YORK.
DE COR CIIEmO E SABOR AGRADAVEK
Infinitamente mais eflicazes do que todos
os mais remedios perigosos e nauseabundos
que existem para a expulso das lombrigas.
Nao, causam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
nhum e to incitantes em apparencia e deli- "ZTEnTcasa de Tisset Freresrua do Trapiche n.
cosas em gosto, que as enancas esto 9, tem para vender:
promptas a tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellenle meio de fazer
remover as obstruccoes do ventre, mesmo
no caso de nSo existirem verme alguoa.1 as
PASTILHAS VERMFUGAS DE KEMPS S30 prOmp-
tas e infalliveis na sua operacao e por todos
nico deposito em Pernambco em grosso e a retaho
EM CASA DE MANO EL & C.
8 RUA DO CABUO 4 8
PKCfflNCe.4
Ceroulss de meia mnito finas a 1*500, ditas en-! 'os.
Oleo de Florida
Comporto de substancias vegetaes exticas, elle
contribue poderosamente, com a aftua de Flo-
rida a t'or^a, a belleza e a conservaco doscabel-
treflnas a i&iOO : s na roa da Cadeia do RecUe
n. 5, laja de miudezas de Silvestre Pereira da Co-
nha & C.________________________________
Vende-se um piano forte era bom estado e
por preco eoamodo : na rua da Maogueira n. It,
Boa-Vista.
rs. o co-
Barato a 280
vado
Cambraia organdys fazenda fina gosto perfeito
a 280 rs. o covado: oa rua do Queimado. ns. 43
e 45 esquina que volta para a Congregado lejas
amarellas.
Vende-se ura cavallo casianlio, gordo emui
to manso para carro : na cocheira|do Ignacio, por
delraz da relacio.
6A26AZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
1 i?5 a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e rua do Trapiche Novon. 8.
VENDEH-SB
eaiies vasios proprios para baholei-
ro e Tunileiros a 2,000 rs.; a tratar
nesta oiTidna,
Era Pars casa de Guilaurn. 112 rua de Rechl
lien e 21 boulevard Mootmartre.
Todos os frascos nao tendo intacto e claro, e Un-
cir prateado da casa, reputado falso.
Deposito rua do Imperador pharmacia n. 38.
Urna familia que se rera vende urna mobilia
de amarello j usada, trem de cosinha, Iouca de
alrooco e jamar azul, orna mesa de jantar de ama-
relio ps torniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e mnites ontros objectos o qae todo
se vender em conta : na roa dos Pires n. 62.'
Machinas de serrotes para
algodo
Chegaram as desejadas machinas de serrotes pa-
ra descarocar algodo, havendo nm completo sor-
timento desde 13 al 40 errles, tambem ha mo-
tores americanos para as mesmas machinas, ven-
dem-se o mais barato possivel ; na rua da Cadeia
do Recife n. 56 A, loja de ferragens de Joao Car-
los Rastos Oliveira.
PROPRIO PAR SENHORA.-
Vende-se um excellenle cavallo muito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheira do-Paulino, rua de Santo Amaro.
enfraquecido pela doenca.
Vende-se na rua Direita ns. 12 e 76
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
a pharmacia fraaceza de
P.MAURER i C.
RUA NOVA N. 18.
Cao de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Vendem-se no Recife em casa de Caors
Barboza e Jogo da C, Bravo & C._________
Farefo a 3#8U0
oa roa da Imperatriz n. 6.
em canas.
Vinho Bcrdeauxem barricas e
Dito de Santerne Ono.
Ditodo Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Robe.
Toros de Jacaranda, madeira muito especial
para construir moni has : no largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
Vende-se um escravo idade 25 annos insigne
ollicial de carpina e bon'ta Agora : na. travessa do
Carreo n. 1.____________________
Attengdo.
Vendem-se pecas de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para l e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-Undoi: oc arnwem da roa do
Trapisbe p. 8.
Vende-se caixoes vazios proprios pa-
ra balioleiros, e funileiros, a 2#000 cada
um : e para as pessoas que compraren do
4 para cima a 16800, nesta typographia.
Vende-se nma carroca para cavallo, em bom
estado : para tratar, na casa n. 4 da rua da Flo-
rentina.
Vende-se a fabrica de charutos da rua estrei *
le do Rosario n. 45, com poneos fundos ou s a
armacao, proprla para qualquer negoeio : a tratar
na mesma.
ali-
Pechiacha
Vende-se amendoas con feitadas a 560 rs.
bra : defronte da matriz da Boa-Vista n. 88.
Vndese tres carrocas para boi, duas ditas
para cavallo, dons carros para condcelo de g-
neros de estiva ou outro^qualquer miste-, tndo em
bom estado, e por preco com modo, por seu don-
querer acabar com esse negocio ; a tratar na roa
do Sebo n. 84, taberna "
Vende-se a taberna da rua dos Acouguinhos
d SO : a tratar na mesma.
ratriza. 60 de Gama & Silva.
Caries de chita Traoceza na loja do Pavo.
Veodem-se cortes de chita franceza, cores rixas
com 10 covados a 3, ditos com 11 covados a
3J30O, dilos com 12 covados a 3$600, ditos de chi-
ta logleza a 22O0, 2400 e 2*600, isto na loja do
Pavao rua 4a Imperatriz n. 60 de Garaa & Silva.
Cassas Francezas a 30>>, 320 e 360 na loja do
Pavo.
Vendem-se cassas francezas mnito finas, de co-
res finas pelos baratos precos de 300,320 e 360 rs.
o covado, pecas de cambraia com salpico de cor
tendo 8 112 varas a 45, ditas .lpicos brancos a
a 24500 e 3, ditas adamascadas para cortinadas
a 4, na loja do Pavo rua da Imperatriz o. 60 de
Gama & Silva.
Cortes a Haria Pia.
Giande pechinclia a 50000 e 0^000.
Vendem-se os mais bonitos corles para vestidos,
endo de cambraia branca com as barras e enfeites
bordados, de cor crox, pelo baratissimo preco
de 54, ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
pelo baratissimo preco de 64 cada um, valeodo
esta fazenda dobrado dinheiro por ser a mais mo-
derna que tem vindo ao mercado, isto na loja do
Pavo na rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Grande pichincha a 8000.
Vestidos de la a Maria Pia.
Vende-se um bonito sortimento de vestidos de
la cora barras bordadas Maria Pia com as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo baratissimo
pre$o de 84 cada um, pechincha por ser fazenda
que sempre se vendeu a 124, e por ter chegado
urna nova e grande porche, resolveram-se a fazer
este grande abaliraento na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Vestidos Brancos.
v"endera-se os mais ricos cortes de vestidas de
I cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato preco de 124- 16* e 20$ na loja do Pavo,
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
La sari bal d i ni a 400 ris.
Vendem-se as mais modernas laziohas transpa
rentes, com listrinbas mladinhas, pelo baratissimo
preco de 400 rs. o covado, ditas enfestadas, cor de
havana, com listras differentes, sendo das mais mo
dems, e muito encorpadas a 500 rs. o covado : na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama
iS, Silva.
C-rauric pechiacha, vestidos a
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
nhos, sendo todos os padres tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo preco de 34500,
sendo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na
loja do Pavo, rua da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
Liazlnhas a 240 rls.
Vendem-se as mais modernas lazinhas trans-
parentes, propras para vestidos, tanto de quadri
nbos como de listras, cora as cores muito bonitas,
pelo baratissimo preco de 240 rs. o covado ; ditas
com.palminhas de seda, padrdes muito benitos, a
320 rs. : s na loja dj Pavo, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se v'ronsdenaplcs preto a lftiSO, 14600,
14800 e 24 at 44 superior tneuraotique preto a
34, setim da China, nova fazenda loda de la, pro-
pria para loto, com 6 palmos de largura, a 500,
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras muitas fa-
zendas propras para luto : na loja do Pavo, rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaples de cOr a I#GOO.
Vende-se superior grosdenaples cor de caf, pro-
prie para veslido, sendo muilo encorpado, a 1#600
o covado : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Gaseroirasa 1$600.
Vendem-se casemiras garibaldinas de qaadn-
nhos e lizas, proprias para calcas, palitos e coletos,
pelo barato prego de 14600 o covado, assim como
calcas, palitos e coletes j feitos das mesmas : na
loja' do Pavo, rua da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
(i-ande sortimento de roupa l'ei'.a.
Vende-se na loja do Pavo um grande sortimen-
to de roupas feitas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditcs saceos, dilos de casemi-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
decores, ditos de casineta, caigas de ca^emira pre-
ta de todas as qualidades, ditas de cor, ditas de
brim de linho branco e de todas as cores, coletes
de brim, casemiras, setim. gorguro, etc., etc., to
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do que em outra qualquer parte : oa loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cfales e manteletes de renda
Vendem-se os mais ros e mais modernos cha-
les e manteletes de renda, cliegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego muito razoavel : na loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais modernos soutembarques de
cor, ricamente enfeitados, e por barato prego : na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Capas pretas e soolerabarqnes.
Vendem-se as mais modernas opas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e
manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
gosto no mercado, por procos muito em conta :
na loja do Pavo, rua da Imperalriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabega.
Vendem-se os mais lindos enfeites para cabega,
a 34, 44, 35 e 64, os melhores baldes cronolinas :
na loja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60.
Francisco JosS Germano
numero 30.

Rll NOVA X. ti,
acaba de receber nm lindo e magniSco eorlimento
de ocolos, lunetos e binculos, do jiJtfmo e mais
apurado gosto da Europa. y
Vende-se o estabeleciraenu da rua Nova b7
58, oa mesmo s a armaclo, garantindo-seae40v a 320 360 o covado : isto na luja e armaiem da
orador o alugoel: traia-se na rua da Senzafcjfef Arara rua da Imperalrie n. ,">. s Arara mais ui-
Vendem-se balda de arcos de todos os tamanhes
a 2450:), :j, 3*500 ei*: rua da Iroperalria
n.56.
Laazinhasda Arara a 30rs. o covado.
Vendem-se lazinhas para vestidos de senhoras
e meninas a 320, 40 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 500 e 560 rs. o covado. eassaa
Bas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
rua da Imperalriz n 56.
Chitas da Arara a 240 rs. o covado.
Vendem-se chitas decores Oas a 240 e 280 rs.
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 40O e
500, preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova-
do : rua da Imperatriz loja da Arara n. 56.
quidac3o de soutantbaques e lazinhas a
U, U e 104-
Vendem-se soutambaqnes de lazinhas par:1 se-
uhoras a 74, 8*, dita de alpaca branca a 104, dilas
muito linas degrosdenaple preto a 204. 254 e :!C4,
capas pretas de grosdenaple fino a 204,2o4 c 304,
manteletes pretos de grosdenaple a 20* e 224,6'-
linhas para senhora a 240, 320 e 500 rs., mangui-
tos com gola a 1*. camizinhas para acabora, 24,
e 34, ditas muilo liuas bordadas a 4*500 : oa loja
do baratelro da Boa-Vista rua da Imperatriz toja
da Arara n. 56.
Cortes de dilas unas a 2#40.
Vendem-se cortes de ditas com 10 covadis poo
-4100, ditos de dila franceza a 34200, crlts da
cassa franceza fina com 11 covados, per 34. ven-
dem-se pegas de cambraia branca lisa a 34*00,
*4a00, 5*500, 6* e 84 : roa da Imperatriz n. 66.
Liquidacao de roupas feitas palitos a 2$.
Vendem-se palitos de brim de cor a 2*, 2*5(0 e
34, jaqueloos de brim pardo a 34 e 3*500, palitos
de casimira bem feito a 54, 64, 7*, 8* e iO.?, di-
tos de paono prelo bom a 8* e 10*, dilos sotrera,
sacos de casimira de cor e preta e de panno a 12*,
144,16* e 20*, caiga de brim de ce. a 2* e 2*800,
ditas brancas de linho a 3*500 e 4*, dilas e ca-
simira de cor 4*, 6* e 8*, pretas a 54, 63 W,
colletes de casimira de cor e preto, de brim de <>
i 14500, brancos a 24 e 205; 0, ceroulas feitas a
1*280, ditas finas a 1*600 e 2*, camisas france-
zas a 2* e 2*500, dilas inglezas de pregas largas a
34, de linho a 3* e 3*500, colerinhos econmicos
a 640 rs.a duzia, ditos de linho a 500 rs, un : n>
rua da Imperatriz loja da Araja n. 56.
Arara vende as cobertas a 25.
Vundem-se cobertas de chita finas a 24 e 2:'C0.
ditas de damasco a 44 : roa da Imperatriz u, 56.
E' na Arara que e vende cortes de casimira
pre|B a 3.
Vendem-se cortes aVcasimira preta para ra'ca ;>
35, 3*500, 4*500, 6* e 8*. ditos de cr a 3*.
i*500 e 6$ : rua da Imperatriz n. 56.
Com toda attengiio.
O propnetario da loja e armazem da Arara, esta
resolvido a vender as fazeudas de lodas as finali-
dades por barato prego afim de se apurar diebeire
na loja da Arara n. 56, de Lourengo Pereira Alen-
des Guimaraes.
Madapolao fino.
Vende-se madapolao com 24 jardas n. 3 a 5*,
n. 30 a 6*, n. 2 a 7*, n. 40 a 7*400, n. 6 a 8,
n. 5 a Sf, marcas rsm 8*500. OH 9*, Elephanie
10*, ZZZ II* : rua da Imperatriz n. 50, loja 'de
Mendes Guim<,res.
Arara vende casemiras finas a 2^500 o co-
vado.
Vende-se casemira preta e azul com listas tendo
duas largura.- pelo baratissimo prego de 2*5C0 o
covado : na rua da Imperatriz loja da Arara d. 56,
de Mendes Guimaraes.
Cortes de chita a 2^400.
Vendem-se cortes de chita com 10 covados a
2*400, ditos a 24f00, vende-se tambem chita; in-
glezas a 210 e 280 o covado, ditas francezas a 280,
300, 320, 360 e 400 rs. o covado : s Arara, de
Mendes Guimaraes.
Liquidacao de soutembarques de cores
a 6*, jt4, 84 e 10*, ditcs prelos a 18*, 19*, 20*
e 23*, capas pretas de grosdenaple a 20*, 25* e
30*, manteletes a 18*, 20*. 22* : oa rua da (m-
peratrii n. 56, de Mendes Guimaraes.
Cortes de cambraia de cores a 3#.
Vendem-se cortes de cambraia de cores com 7
varas por 3*, cambraia branca a 3*500, 43,
4*300,5*, 6* e 8* a pega, alpacas de cores a '.lit
o covado. cambraia de cores a 320, 360,' 400 e
440 o covado, lazinhas muilo finas lisas a 4l"0.
500 e 560 o covado, lengos de linho a 400, 500,
640 e 800 cada ura, aberturas de esquiao de linho
finas a 1* cada urna : isto s na loja e armazem
da Arara, de MenJes Guimaraes..
Vende-se chales de meri- liso a 44300,
ditos estampados a SjoOO, 6* e 7*, gol lionas (ara
senhora a 320, 400 e 500 rs. cada urna, gola% e
punhos a 800, manguito: e gola a 1* cada urna,
camisiuhas para senhora a 2* e 4*, ditas (imito
finas bordadas com gravatinlias a 4*300 o 2,
meias de seda para senhora a 1*500 o par. re-
de-se panioho com 12 jardas a 5*, pega "de- mada-
polo enfeslado a i*, 4*500 : s Arara n. 5!'., loja
de Mendes Guimaraes.
Ricos cortes a Mana Pia.
Vendem-se os mais bonitos corles a Mafia Pa a
8*, 10*, 12*. 14* e 16*, ditos muito finos a 184:
na rua da Imperalriz n. 56, loja de Mendts Gui-
maraes.
Corles de casemira finas
Vendem-se cortes de casemira de cores a 3*.
3*500, 4*, 5* e 7*, casemira para covados a
1*600, 4*800, 2*240 e 3*, dilas de mais qtialida-
des finas a 3*200 o covado, cortes de ganga de
cor a 1*600 e 1*800, gangas para covados a /.OO,
500 e 560, bnmzinhos a 280 o covado, brim pardo
a 720,800, 900.1*, 1*200 a vara, brim branco de
linho a t*2oO, 1*400, 14500, 14800 e 2* a vara,
camisa francezas para homem a 2*, 2*240 *
2*500, ditas de pregas largas de linho a 24500,
2*800 e 3* cada orna-
Grande sortimento de roupas feilas de to-
das as qualidades,
Vendem-se paletots de brim de cores a 2?3, |a-
quetes a 3* e 3*500, paletots de casemira a 3*,
6*, 7*, 8* e 10*. ditos de panno prelo a 3550,
ditos a 6*, ditos finos a 8* e 10*, ditos sohreca-
sacosj panno pr?to a 12*, dilos do cor a 143, di-
tos pretos a 16* e 20*, ditos muilo finos n ';.'*,
caigas de brim branco de linho a 3* c 3SWHVf*-
tas de algodo a 24, dilas de ganga a 2*600
24660, 1*800, cobertas de chita a 2*. ditas mi.ito
finas a 2*500, ditas adamascadas a 4*, urinceza
preta de cordo a 800 o covado. dita de listrinbas
a I* o covado. moreant-que preto a 3* o covsdr,
grosdenaple preto a 2*500, 2*200, 2*, 1*8C0 o
1*600 o ce vado, chapeos de sdl de seda para ho-
mem a 7* e 8*, cassas pretas a.300 rs. o covado,
ahilas pretas a 340 e 280 o covado. ditas francezas
gero, de Mendes Guimaraes.

ILEGVL




*e#ea (1rt*fa.|dest
# ~ V>
AURORA BRUJIRTE
GRANDES ARMAZENS
M2QLHADOS
J Largo da Santa!
MrM n. 84, ea
gruira da ra do]
|S;bo.
VINHOS
ESPECULES
Largo da San
IGraz d. 84, es-;
faina da ra do
be.
tiftisinfL
Mr. ,|?,v.f ro,,r,"ri0 d0 J raaUo acreditado armazeo de molhados denominado Au-
rora "'.Mote, e^ttoaa a ter raesmo MrUmeBn) ae ros d(J prlmeira qaaiidade.
a WIMMa tabella sirvfra' a todos de base para ajuste de coalas aos portadores,
neln mSEZZSSS renflera' jais barato e memores do que. a Aurora Brilhaote, ja'
,-r, ,mn. sr,'ment0 I"9 ,era- Ja mesmo PW* sea doao s deseja tirar diminuto la- t
mS "8!" wcanialar as desperas do estabelcci ment por isso deix se a- l
SJSSmis toda a dili*encia>afiin de servir bem os Ma9 com-fi
Macoca 8 libras dechouricas muitonovas,
a 7J50O. '
Ditas grandes oom peixe em postas i nteiras,
mais .le 12 calidades, a 1*000, 1*280 e
D tas cora ostras, eicellente petiseo para fri-
? gideira, a 720 rs.
[pilas eom ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
pDitas com favas, a 610 rs.
.Ditas coraamrirasa 15200, l800e 3*500.
? Ditas eom mermelada do afamado fabricante
Abreu, a 720 rs.
DiUsoom massa de tomate, 590 rs.
Oiiascora figos de comadre, novos, a 1*500,
'> e
3'0.
t9'-/xan 1)0lacl*iaia de soda muit0 novas> a
Ditascombiscoitiohos inglezes de aiaitasorna-
lindes, a 15W l.
Chacalate.
Ctixinhas comaraeixas enfeitadas proprias
, l>ara mimo a IJiOO,2*303 e 3*100.
.'twoiate superior muito novo, a libra de
SW a 1*000.
, Micarrlo, talhariam e aletria araarella, a libra
1 a 400 rs.
til) dito dita branca, a libra a 400 rs.
Ciiias i:om estreliaha, pevide, e outrasmas-
f >is. a caixa 34500.
BiUs ilitaem libras a. 640 rs.
,i,'.!, libra a 3i0 rs.
jisvidinha para s>a a libra, a 240 rs.
grriNias i'):ts dscascadas, a libra a 200 rs.
f r inio ;a mait) aova, a libra a 280 rs.
i'.nn'u de araruta verdadeira, a libra a
r,)) rs.
fArraz d> Mirauhao, em sacco, a arroba a
#*M a a libra a 80 rs.
.'i la lo'lu e Java, a arroba a 34200 e a II-
m a 100 rs.
i' i Miaba .le fcisboa a 9!M) a arroba e a 320
'i. a libra.
rud Santa, a arroba 7*000 e a libra a
'iO rs.
.Mulos coa 123 ceblas-grandes, a 1*280.
5 il i-Urda franeeza, ca com 2 duzias a
' JOOO.
'm:o> com mostarda preparada em vinagre,
V)0 rs.
i lis 'OH conservas inglezas e franelas, a
( 640 a 800 rs.
' >( k com sal refinado lino, a 640 a 500 rs.
1.) lis com a verdadeira srenebra de'araoja, a
11).)).
Ds de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
o 40 rs.
kB Hijas com dita propria para negocio, a
WD rs.
Garrafdes com 2 galoes com dita, a 6*.
|S Tvej boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a i
iazia a6}000.
'Vi.iha mscate! de Setuhal, a garrafa a 1*.
M rr.isf|ninho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
I a 132)!.
I >n -nn-ignc, a duzia 20*000, e a garrafa a
i 23000.
\'.j..:' refina lo portuguez e francez, a garrafa
' a 1*000.
r.ii xi di vi alio Bir.hajx muito superior,a
75. 84,04 e 104 a caixa.
)ius com dito branco, a 7* a caixa.
Ditas com-lito lagrimas do Douro verdadeiro,
295.
'Bitas com duque do Porto verdadeiro,"a
184000.
Oitas com chamisso superior, a 14*.
1 Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
eas, a 124-
{Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
'Dito de Lisboa maito bom.acanada a 3*200,
34500 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs. ,
r)itn.1a FiRueira, dassegointes mareas (X.)
(1. A. A.) (I. L. G.) (O. M.) a caada a
45300, e a (farrafa a 560 e 640 rs., desle
que est engarrafado elacradocomo
rollo do armazem.
toitos de marcas mais desconhecidas, a caoa-
da a 33500 e 4*000, e a garraa a 480 e
520 rs.
jVinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
[Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Viah verde superior.
A caada a 3*000 e a garrafa a 400 rs.
Gatuna.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira dse}
engommar. a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a libra a *00,240 e 280 rs.
fariaka.
Saccasgraades com farinha le Goiaooa mai-
to nova, a 5*000.
Caf.
Gaf.io lio muito superior, a arroba a 8*,:
8*300 e 9*000.
Cha.
enaceraos nestes gneros o melhor possivel.j
hyson, a libra a 25600.
Dito perola a 35W0.
Dito uxim a 2*700.
Dito hyson moito fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
DitopretoJe priraeira qualidade a 2*500.
Dito mats baixo a 2*000 e 1*600.
Erva vate.
Excllente cha medicinal, a libra a 240 rs.
tiper mcele.
O raasso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Gaixas Je 16 ^ 8 libras de passas notas pro-
prias para mimos a 4* e 2*500.
N97.es.
Nozes, a libra 150 rs. e arroba a 4*000.
Alpista e painco.
Alpista* piinoo, a arroba 45000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas loas para logar, a duzia a 2*500.
Cistanlias.
Gistanhas aovas Hnlas neste vapor, a arro-
ba 45000 i libra a 200 rs.
Azeitanas.
Barrisco a^eitonasnovas a 1*500
Maoteiga.
Manteija ;'inerior, a libra a 1*200.
Dita mais ahaixo a 1*120.
Dita menos superior a I* .
Oita franenza nova, a libra a 45120
Dita lita a? barris e meios ditos, a libra
15 rs.
Dita >ira '.empero a 400 rs.
Queijos.
Qaeijos novos viudos neste vapor a 2*800 e^
35000.
Ditos loadriaos muito novos, a libra
15000.
Papel.
Papel ai mago pautado, a resma a 45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500.
Dito de ceso lizo e pautado, a resma
25500.
Dito deembruiho, bom a 15 e 15200.
Vinho ladeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 13300 e 25000.
Temperos.
Folhas de ionro, piraenta do reino, cominhe"
e cravo. i libra a 400 rs.
Velan de carnauba.
Uassos >;? 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Gaixoes do doce de goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duziasde boiSes de graxa n. 97 a 25000, e",
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos fios.
Charutos finos dos melbores fabricantes da
Bahia por diversos presos, caixai e meiasf
caixas.
grande quautidade de gneros tendentes gg
a estes estabeleeitnentos, que deixam de an-
nunciar-se.
\SSSr vR'J
N. 11Ra do QueiinadoN. 11
Superiores ortes de seda preta com lindas barras.
Suoerior seda fagonn o que ha de melhor e miis gosto.
Moreantique preto muito bonito a 2*800, 3*, 35369 e 4* o covado.
Completo sortimento de grosdeoapli preto de muitas qualidades.
Pannos pretos e casemiras de mutas qualidades.
Bonrnas, chales els de renda pretos superiores.
Superiores pelisses e soutembarques da seda para s nhoras.
Bournns de laa para seohoras a 12*
Chapeos e chapelinas de palba de Italia para senhoras.
Oir-s de la de barras de 14* a 225 de muito gost*
E muitas outras lazendas de superior qaalidade na loja de Augusto Freierico dos
Santos Porto aonde tatnbem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
K. H Ra do QmaikN. 11
V..vil
Camas de ferro
Vende-se grande sortimento destas camas na
roa .Vova n. 33 : na mesma loja veode-se grandes
oorinoes de ferro forrados de porcelana (rio
<*m azas e tane-pt de ferro, recommendam-se a
ju-im precisar.
mmm
T
!o armazem da viavr Paula Lopes, defronte do
rnbarifiiena escadioha, vendem-se ceblas as me-
Biore? do mercado, em caixa e cento, o mais bo-
rato possivel.
-vi
avariado.
Francez barrica 5*000
Portltnd dem 8*500
B*#rfelto estado:
Praneez barrica 10*000
Portland idem 12*000
ni deTasso Irraaos caes do Apollo.
m c algodSo da Baha.
welefeeno escriptorio de Antonio Lalz de Oli-
veira Aevedo 4 C, roa da Croz 9.1.
D. Ufi()SR J?TAHY*E. LB03SC0SO,
MEDICO, PARTE1RO E OPERADOR.
: 3 Ra da (Mora, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Mscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s l
ooras da manbaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao dos das santificado
s
Pharmacia especial horneofathieu.
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de carteira:
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymoamisacoes e pelos presos seguintei
Carteirasde l24mbos grandes. 12*000
de 24 tubosgrandes. i#dO00 .
de-3ft tuboygrandes. 24(5000
>> de48tubosgrands. 30,5000
de 60 tubos grandes. 35*000
Prepara-sc qualquwoartwra conforme o-peiMo'wwsezer, e com os remedi
q le se pedir.
m tubtr-wrulso ou frasco d^tfoturade meiaonca iiJeO.
Sende para cima de 12, easlario^prefm'ostabetocdo* para as carteiras.
Ha tubos mais peqaeaoscada wm a 660 ris.
LITRO.
Lfcla!ieJi1-r,obra da bomeopathia-.tfMamwi-dt Medicina,Homeopathico do Dr. Jahr
*ewfraaaewIuioescoai diccionario .... 20*000
Medicina domesticado Dr. Hering, .' '. '. '. '. i0000
Repertorioj Dr M<oMoraes........:.... 6^000
Diccionario de termwdft mwlicina ...,...,,.. 3^00
ta dA o remedies derte astabeleerraento s3o por demais conbecidos e dispensa portan-
d9H;rn0r i[nnoyamentereconniendados aspessoas que qoizeremusar de remedios ?er-
aMeyog,eaergjcos e doradores: ha tudo do melhor que se pede desejar, globos deter-
ESSEXSj*16"8! notaveis ela sua boa conservaco, tintura dor mais acreditados
EsT ir ?e S enroP^s'a maisexacta e aecurada-preparacao, e porUnto a maior ener-
ga j certeza em seusWTeitos.
Gai.a.'de sade para escrwvos.
anBraJ!Cebfl"se3Scrav9s paw4ratBrde tuahraernfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao para o que oMraireiairteJBlg8-sesuflkientwnentehabilitado,
ftinwinnand eDt0 0"meHror possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
2S2 a Casa a a^de quatre unos, ha muitas pessoasde erijo conceft' se nao
Seentes. '*"e P ser eonSH,taaos Por aqaelles que desejarem mandar seos
Aa/r,aSe2i00 p0r dia''Jn'"ant80dias ed'ahi radiante tjJSOO.
_^ yoperaffl serto previamente ajnstadas, se nSe se qtrizerem saieitar aos preco
weis i iwt> q, pad^r Q anognciante.
Laboratorio eooloarko e chimico de F. P. Lebeuf e o\
ra Bontamrfcre, 31, em Pars. '
Fabrica em Argenten!I. prs Pars (Franca).
BO.WICACia E MB8ICi( 10
Des vios, aguardeotes e licores.
VINH05. ImltaQio dos- viahos de todas as
qualidades.Eitracto de M*dic, adose para S30
litros, 1 f. 25, le Borde f.,-Mle-Lisboa, t f.,de Cataln, 2 f.,de Porto
Xerez,Muscatel, alaga, dose para 25 ou 30 2
tros,'14 f.
Substancia para fabrlcareem calcool e aeaa
o*ia*os acirn* todos os outres. a dose ara
500 litros, 50 f. W8 para
CLACIFICACOPs ingiezes, pos dos vinhos
d*UB9panha,daFranQa, etc. A libra, para 300
lr8.-5 .
COLORAQO.-Purpirigine para colorear osH
vmhos brancos e vinhos claros. As dnas libras
para 500 litros, 16 f.
AGUARDENTES.Essencia de cognac para dar
a agurdenles ordinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para-100 litros, 5 f
KIRSCH EABSINTHO.-Essencia de kirsch e
de absintho, para os fazer com alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 5 (.
BIGORE&Ertractos para fabricar se todos os
licores eonheoidosem fogo om atanrbiqoe. (io-
dioar^ o* que se deseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFMESpara fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
viohos.aguardentes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de enceinmenda.
TJTENCILIOS de laboratorio e de chimica.
ireguezes,ieve-s3 exigir obre as rolha*e.rtulos as iolciaes P. V. L. Paris,
ic, 0.mo^deusar-slprepara$escha-8eBdieadiM retlo.
Fr;t?^TirifT'?'SOCa0'"pan^^porarn ,9"-a sobre Pars ou qualquer outra cida-
'" n- Sl< on Piri-. ou a su* fabrica em Ar^enteail, pros Paris
' m i jsj m botica fraitcea, ra do Imperador n. 38.
MMfRHEL PECHINCHA
CUALES IIE KEUDA PRETOR
a 10^00.0 cada um,
Cassas orgaadys de cores a SO rs. o covado.
A' ra do Crespo numero 17,
LOJA DE
Jos Gomes Villar.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba rito rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
f

o
a
DE
AZBSEDO AFLOBE&
Roa da Cadeia do Kecife, esquina do Madre de Deis.
Prestem attengao ao discurso do Balo.
Neste estabelecimento- todos os freguezes encontrarlo igualdade de direitos, o
agrado qne fasemos ao rico fazemos .wpobre, ao menos empenbamos todos os exfor'cos
ao nosso alcance para agradarmos enrgeral. w
Os nossos precossao os mais mdicos como sejam:
Cbitas largas escuras muito.sofriveis a 280, 300 320ts.
Oilas largas e iinaK paroes.neeos de 400 a oOO'rs
Ditas largas preclaras a-SOQ-rs'. s na loja do-Balao.
Cambraias de coses com qmuiros, fazenda nova, a 560 rs. a vara.
dem lisastapadas e transparente de todos- c pre?os.
Madapolo de 85 a peca que em outras lajas-se vende por 90.
Temos tambem muitos outros madapoloes de diversos precos, assim como te
mos madapoloes francezesde 14 e !6 desenbera a560 Gambraia para forro" de vestidos.
La preta para luto, & d todas as mais cores.
Litas com o asseato escaro e -llores matizadas fazenda muito moderna e fina ana-
lid de. *
Meias pretas para senhora e liomem.
dem cruas inglezas pa-a homem o melhor que lia de 7 e -8^ a duzia
Camisas de 2^800 que valem. 3^, temos muitas outras qualidades de diversos
precos, assim' como camisas vetdadeiras' inglezas e muito finas a 5S ou 55 a duzia
Camisas de meia mdito-finas d 20(5 e25 a duzia.
Gollarinbos de papel de coresr^.braDeos assim como collariohos de linho inele-
zes a ftOQ'-TS. j 8
Temos um completo sorttmento de grvalas pretas e de cores.
Ceroulas franeezas. muito boas a l^GOO.
^teroBlas.do'liDbrCom.dua^eesturas superiores e temos um completo sortimen-
to de roupa feita de casemiras ede-bnos.
Camisas d6 flanella"d cores 35500, 4,5500 e 6^.
Bales-de arcos-3# e 350 a duzia as de panno e de arcos para meninos de ty
htposMle'solsuperiore^conrJG asteas a 12.
aemivdealtimofe8to para-se fazer calca ecollete.
Vestidos a Mara-Fia a 180 e At) matisados.
Hamraitas outras fazendas assim como grosdenaples e moreantique.
Lencos brancos j abantados.
dem finos para rap.
Cortes de laa a 5500 com 15 covados.
Chales para-as senhoras trazerem por casa a 3$ e i4 cadawn
Br1m branco al300; 1,500,2 e2,5500
Bramante de urna largura para lenoes e loalhas.
Brim de Mambnrgo fiuo e grosso.
Alpaka'preta e branca.
Brim pardo.
Casemira e panno preto fino, tudo isto por preco baratissimo na foja do
Superiores cortes de moirs preto* com barra, o qne ha de melhor "osto em
Pernambuco.
dem de gorgaro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia
^ dem de gorgurao de seda bordados com barra.
i Supeo#es moirs pretos e largos 2400, 2^600, U, 3,5800, U, 5, M,
la e off-o co*bbo.
SnperJorgorgarSo deseda.preto, a melhor fazenda que ha para vestido
*' Sarja'preta de seda.
Idenrpreta 'hesj'anhoia.
dem idem la\Tada a 2$ o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 1,5500, 10800, 2. 2500 II
3^500, 45, 40500 e 50. ^'
Pannos pretos de soperbr qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado. '<
Lindos chales, bonrnus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na loja da? Columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Moreira Lopes.
CHEG4R4 OS MODERNOS CHALES DE
FILO PRETO.
Superieres^hales de fil preto chegados pelo ullimovaper francez a
loja das columnas ra do Crespn. 13, de An Ionio Correia de Vasconcel-
| los & C.
Admiravel pechincha!
Mocambiqne a 300 rs. o covado, na toja
do pavao.
Vendem-se os mais bonitos mocambiques de pu-
ra la proprios para vestidos e soutembarques,
sendo de qaadriobos de listras e lisos, fazenda in-
teiramente nova, em padres e mnito proprias pa-
ra as senhoras que frequentam o raez Mariano,
porque esta fazenda Ihes facilita fazerem por pou-
co dinheiro vestidos muito decentes para qualquer
acto, advertindo-se que este baratissimo preco
devido a grande compra que se fez desta nova' fa-
zenda, que se vende a freze tustoes o covado : na
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vende-se Ja exceliente propriedade da na
Imperial n. 164, freguezia de S. Jes, tendo 3S0
palmos de frente e mais de 1,200 de fondo, no
centro do qoal ha urna grande casa terrea de pe-
dra e cal, com moitos bons commdos e alguns
arvoredos de frncto, precisando metade do fundo
de algum aterro: o Sr. capitalista que fizer esta
acqoisicao tea, alem do predio, terreno para edi-
ficar um grande numero de casas, j com frente
para a referida ra, j emootras que passam por
dentro da mesma propriedade, que por ter embar-
que offerece a inmensa vantagem de facilitar a
conclusao dos materiaes, que sero despejados era
cima das obras: qoem a pretender dirija-se ao
mencionado predio, on ra do Brum o. 57.
AGUA
Jumentos
AZEITE DOCE
Azeite doce refinadoem pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 180 libras a 40.40500 e 50 ; no grande armazem da Lig
Vende-se nm lindo casal de jumentos de bella
ra?a, grandes e covos, proprios para a conserva-
cao da mesma raea e crozamento, do que se cdhe-
ra magnficos machos, mullas carro e carga ; coja
jumenta esta' prenhe, assim como urna linda ju-
mentlnha com pooco menos de um anno : ver e
tratar com Jos Pereira Cesar no silio Pirahuyra
arrabalde da villa do Limoeir. '
Hez Mariano.
Ainda est venda na na do Imperador n. 15,
defronte de S. Francisco, a Fica edicto do mez Ma-
riano, ornada com estampas e vinhetas, eencader-
nada, por i e 1#500 cada livro.
DE
Florida.
para restabelecer e conservar acor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao urna tintura, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a eor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella k-m a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a agna de
Florida eniretem a limpeza da cabera, destroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Atwtcioso
Vendem-se queijos do ultimo vapor a 2/500 e
2t>00, manteiga ingleza flor a 960 a libra, dito
franceza da safra nova a 90, arroz do Maraoho
a 100 rs., slefria e macarrUo a 400 rs., vinho de
Lisbca a 320, 400e 480, da Figueira a 500e 560,
branco a 500 rs., do Porto a 640 a garrafa, esper-
macete a 600 rs a- libra, toacinbo de Lisboa a
320, batatas a 100 rs, sab5o massa a 200 rs. a
libra, erva male a 160 rs., urna machina de copiar
carta, nma ftalanca-lngeza, nm moruno de moer
caf, latas de gai vazias a 120, blscootos, vinhos
engarrafados finos, temperos, charutos Anos, al-
pista, figos e outros muitos gneros que se deixam
de mencionar, tudo por menos do Jque em outra.
qualquer parte, nesta casa o freguez com pooco
gasto vai sonido para casa eqnesa quizer o bom
genero vir aqui que o Jacaarao: na ra Direita
n: 72, frente amarella.
Vinho do Porto -superior em caixa de duzia,
lem para vender Antonio Luiz de Oliveira Areve-
dojS C, no sen esrriptorio roa da Cruz n. 1.
Catangas flatos e bro quedos
para neniaos.
Chsgarara para a loja de miudezas da ma do
Queimado n. 69, os mais Anos e lindos ealungas
tanto para bnoqnedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrara bora sor-
lmenlo de miudezss.
Barris vastos.
Vendem-se barris vasios de manteiga a 120 rs.:
na ra da Cadeia do Recife n. 53.
Na ra da Cruz o. 38, em casa de Mills Rat-
leau A C, vende-se :
Cha.
Olee de linhaca.
Folhas deFlandre.
Silins e silhes ioglezes.
Cerveja Aspinall.
DitaBtss.
Dita John Jeffrat & C. -
Um piano eom pouco pso.
Bixas bamtfflrgneas.
Vende-sena ra Nova n. 61.
ILEGTVEL
u.


-*Kiea I

O
DO
M-tWLK
ESTABELEdDO A 1UA NOVA N. 60
AO
RESPWTAVFJi ll HI.IC O.
A apreciagQ dos habitantes desta heroica provincia existe do grande arma
zem da Uga.estaoelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estr-angtiro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interesante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, poderle porm ffiancar, com toda a seguranca de que
nenhntn oulro o exceder no restricto cuuiprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3'Siceridada nos procos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratameato, acharac nes
casa os melhores queijos lonrinos, cerveja, vhrtios finesimos roauteiga e cb sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a coodicSo do freguez,. elle (leve contar que ser sempre mul-
to bem serTJdo.
Aquelles que slo pouco favorecidos da sorte'farao mensaltcente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, oixJe se lhes vender o arros, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de frada.cidade, dos arrsbaldes encentro, que compram para ne-
gociar, devera vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se comrenoe-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhors que compram para lomar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito dere agraciar aos senhores
compradores.
N30 se lena poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DINIIEIKO VISTA:
ATTEM^O
m
glmtmto se entregar
l*art> do genero que
* agradar.
O preco da seguate
Cabella 6 para todo, po-
dendo assJm servir de ba-
te para ajaste de contas
eom os portadores.
No ariaazem de fazen das ba-
ratas de Santos Coelho, ra
do QUimadon. 19, ven-
de-seo seguinte:
Lences de panno de linbo a 2*400,
Ditos de bramante de linho de um s palito a
34500. v
Coberus de chita da India a 24500.
Lencos de cambraia brancos proprios para atgi-
beira.pelo bara preco de ijOtio a duzia.
Pagas de bretanha de rolo com 10 varas a |80O.
Ditas de cambraia para forro de vestido, com
varas, pelo Laratissimo preco de ?3C0.
Guardanapos adamascados pelo baratissnu preco
d 30500 a duzia.
Algedao enfestado com 7 1[2 palmos de largura*
10200 a vara.
Cortes de laa de lindos costos com 13 .-vidos a
40000.
Pegas de cambraia adamascada com 20 varas pro-
prta para cortinado, .pelo barato precu qe i 12.
; Fil liso fino a 800 rs. a vara.
' Rito com salpicos a 1$ i Vara-.
Tarlatana branca fioa a 800 rs. a vara.
Atoalhado de algodo adamascado a 80:200 a vara.
i Uile.de linho a 3*200* va/a.
Senhores e senhoras, o aceio que presidie aos arranjostfes.flOTo estabeftcinrento, e mais que ludo a prorontido e intei- "SX'Se'sS t ovldo30"58' pe, bara!i",,,i0
reza com que ser5o tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos-de que sem dusida me darSo a proleccao e .preferencia, na pra dos generes que precisarem, e quando n5o possam vir pouerao mandar seus,parladores, auid que estes seiam pouco orticos'- com 8 ll2 vara?> Pel i'arassimo nrcco de
pois ser2o t5o bem servidos, como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de que no vao em
otra..parte.
Mutoiga infleza, espetiolmenteeaooihidan &***? ^cacr3Q.'.? la^Joo-mmU
RA DA CADEIA DO RECIPE N. 53
(Log paa sondo o aroo 4a OBceica
PARA BEM D. TOCOS,
*.it
ALPISTE E PAIN'gO a UO rs, a lib a.
AMENDOAS novasattom-a Hbra.
AVELES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 90 rs, a libra a,..
AME1XAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANHA de porco a 660 rs. a libra, em por-
c5o faz-se abate.
BOLACHINnAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ng'ezes em latas de i,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000rs.
C
CHOURICAS m ito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
american s, habannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS lisos ladidados de todos os tama-
nhos a
D
DOCES de todas as qualidades.
B
ERVTLHAS seccas e em latas portoquezai
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.

GOMMA muito nova e alva a 140 rs. a libra.
GRAO DE B1C0 a 120 rs. a libra.
GENEBRA delaranja a 9 e 10,500rs.
CENEBRA de Hollando tm botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
MANTE1GA ingiera e franceza al, IMiQ
1^280 e em barril faz-se grande abati-
mento.
MACARRAO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a iibra.
MASSA DE TOMATE a 600 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
'MARRASQUINO de Zara.
diversos fabricantes e
MARMELLADA de
diversos precos.
P
PEIXEem latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito now a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para flambre.
QUEUO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 800 rs. a libra.
DEM prato a 800-rs. a libra.
9
SABO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200-rs. a libra e 8 libras se
far grande abatimento.
V
VTNHO tinto de 360 a.. garraft.
VINHO tinto em caada de 2,5f O
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4 re. a caada.
VINHO Bordeox em caixa a 6.000, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garraftt.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qualidades e diversos preces.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200e240rs.
VINAGRE branco a 40Ors. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e I3500rs. a
arreba.
MCUINASbEPATEM
de trabalhar a nao \mt
descarocaralgodo
FABEICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machi ca
podetnescarofar
flnatjner espeei
de alfodo sem
estragar o fie,
sendo bastante
dnas pessoas para
o traoatho; pd*
descarocar urna
arroba de algo-
do em earocc
em 40 minutos,
on 18 arrotas
por dia q ar-
robas de algodac
limpo.
Assiffl como machinas para serem motidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algedac
limpo, por dia; e motores para mover ama, coas,
eutris dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode faier mover- seis destas mactiina
mencionada; pt o qw convi(W-s aos Sr
agricultores a viren ver e examina-to, no m
zem dt algodao, ao largo da ponte aova n.47.
Sanioot Brslfcer & C.
M.llj *rf ^?corp# mtmi*
RBCIFE. .
Os onicos afeite* nests p*U.
DROGAMA.
31Rn! hrf : 4s fcmrkW
BirtMsnii Francisco ionoou l C.
da llavana.
Na ra da Cruz n. 4, vende-se charutos de Ha-
I vana de diversas qualidades.
l,ooo e 8oors. a libra e embarpiltnoB
abatimento.
Idemfrancezaa makinova do aereado a 06o
rs.,a ItnsnonfiiinM em barril -ou meios.
Cbbyssonde snperiorqualMlarfe 2,800
rs. a libra.
Cbi parola o ma superior do Arsna
28oo rs. a librai
Idemliyssou bdo superior em latas de >6
libras muUpreiprk) para negocio a 2,ooe
rs.. a libra.
Mem hyseon naeionalem latas de 1 e 2 he-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode esejar neste ge-
nero a-2,oooe2,2oorsoa libra.
Linguicas mnne nevasa 8oor8. a libraem
barril se feBabaliiment'^
Cbouricas e paios a 8oo rs.- libr*'
Costelletas 4ngleM6i para temperar panelle ou-para fiambwt
Queijos do reino chegedos neste nHimo^Ta-
por a 2,2oo rs., ditos de navio develte a
2,oors.
dem londrinos muito frescos-e de superior
qualidade1 a-8oors. a libra?
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
aoercadoa640TS. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas ja preparadas
em latas hermticamente lacradas a -64o.
FeijSo rerdenraito superior a ^40rs. a lata-.
Copos lapidados para agua a 5,000 e "5-,S6o
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francezJiespanhol e suisso a 9oo,
l,ooo el,2oors. a libra.
Espermacete superior a.6oe e64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das meibores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaos di* marcas mais. acredita-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa.parasopa,; estraaha, pevide e-rodi-
nba lw anca.Qu,amaralU.a s&o a&Mn ej
3,5oo a caixa coiatnlibras..
Vinho do Porto ,wuita,iflo-prefjno para-
engarra far, em ancoretas da aadas a
35,ooo ra..
Vinho eia pipj : Port,figurina*.Lisboa a
32a, Aoa.e 5aOnr4A-,gairaal.aiwiaria
a 2,5oo, 3,ooo Sondnni
Vinbxk-btraaco < isboa de smasnte qualk
dath.a 4-00,4 5oojfu a.8aarafa>je< mrh
da a 3,066. e 3.&00
Vinhobranoo para nasaMncaas del du-
zia m 8,ooq e 68o rs. a.gonraa.
Viaho do Porte da6 meihores marras que
vem.ao swreadn orno sejam: Lagrimas
do Douro, Duqaifede Porto,nainhale Por-
tugai,..Duque gewano, Luiz l.Madei-
- ra Secca,. Malvara una a. 16\wk>,\ 5ooo;
12;oe*o l*,(*uOJi*aisacijn*idwzmjei9oo,
l,ooo-e.-r,5oosii rgatrafirit
Vinho Chereade auprk>i^ua4s,adeai6,ooo
a dmia-e 4,aoo.ns. a gsmfa-.
SardiflUas e-.Nanteao m 4e'w:s>quarres e^j
G4o rs. as meias tatos. -
Bolachinhas inglezas muito nonora S^oee a
barrica e 320 rs. a wi;
Sal.refinadora frascos detidro com lampa
ame&ao, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
I jansvenyae mercado, a 5oo, 56o e 64o
a; pasante 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du--
Bolaebinhss' de'soo^uem^twao^'dfTersayiTbtteiBhodeLisboa muito novo a 32o rs.
^ qnalidaders.l^ooosj
Cartoes cora bolo francez muito propriospa-
- ra mimo a 64o rs.
PasassinuitO' novas em caixirmas snfeitadas
para mimoa 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caisa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs.^ alibrai
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.'
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de-Joio-
de Brito nofieM Antonio; emwti de-6 li-
bras .por2',oo rs.
Ameixas fmneezrs em fiasco de vidroeom
lampa mesmo,- a *(55o:
09 MM
Cflvainha de Franca muito nova, a 2oors.
Ch"ulosoaffamado fabricante JosFnrta-
do'osalas, das segnintes qualidades:
hsnaacae ormal de Habana, Imperiaes,
LeBnno8,-Cuanabaras, farisiensrs, Sus-
ptpos Deheias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
Hr, ^o,.7,ooo-a caixa ou em meias.
Uiaratee finos de diversas marcas e fabri-
c^es'omosJani: Flor do Norte, Ma-
nilbas4e Havana, interTallos,Vencedores,
' Pastellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
o eaciftgte das melhores marcas, a 8oo e
1,20o agarrafa.
ft^e-da casca -de goiaba^a 2,eoo a lata com
4 libras.
Farmta'de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
MMoVtnoaltente-ch para os navegantes, a
oo-ps/.
SeBoHsi"de Franca muito grandes e novas
a l,8ooocento e l,2oosoltas.
Palitos do gaz a 2,2oo agrosa.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameras franceras em'caixinbwde diversos
8,ooo a caixa e64o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda ai8o rs. a botija de
conta caria.
Frasqueirasdegenebca.de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja rerdadeina- em frascos
grandes a l,ooo e Uyooort.a frasquera.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paincoe alpista a 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o
rs. a lata de urna libra c56o rs. a reta-
mo.
tamanhes oom bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a 1,4oo, i ,6oo> i,8ooe 2,ooo
cada urna.
Azeitedoffe'refinado bespanbeIoporttrguez
a 9oo rs. a garrafa*e loroooa caixa.
Batatas muito:novara 8o rs: a librse2;5oo
o gigo com 36 libra?;'
Conserras1 inglezas'a 75o rs.' o frase'e
8,5oo adtrzia.
Vassonras de escova para esfregar casa' a
4oo rs.
N'ozes muito novas a 16o rs.' a libra;
Molbo inglez em garrafa de vidro com rolba
do mesmo, a 16o rs.
ibra'8,5oo a arroba.
Banba'de porco refinada a 65o rs. a lbra.i
BefcWnba Alberto, as melhores que pre-
sentemenietem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Fsrinbato Maranho multo alva e che'rrosa
a *w> rs: a libra:
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,ooo o frasco.
i Caixinhas com- fructas era doce secco de di-
l' versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo,2,6ooe3,5oo cada urna.
Rumos-, excellente peixe portuguez, era
barris pequeos ou aretalho, avista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 800rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
1,565- cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5ooa garrafa, e
24, ooo-e 26;ooo o gigo.
' Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Ftgosem sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes epeque-
nos, per diversos precos.
Amendoasconfeitadasa 64o rs. a libra.
a 8oo rs. o frasco.
Hostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.'
Marrasquino de Zara proprhrmente dito a
1 $ a garrafa e 11 ,noo a duzia.
Palitos de dente a 140 rs. o maco:
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes, Latas com fructas em calda: pera, pecego.
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oors. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs.
garrafa. ^
U500.
Baldes de 20 arcos a 2S00, de 23 a 3$, ^le 30
3JB00 de 35 4,5, de 40 4*500.
Toa I has felpudas a 13$ a duzia.
Esleirs da India de 4, a e 6 palmos por menos
prego de qoe em ouira quait|uer pai :e.
Neste armazem se encontrar um grande soMi-
mento de roupa feita e por medida.
Grande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR R. 22.
O armazem de tintas umgrande deposicrde
productos chimicos otens4?e os mais emrTfgflfos
e usados naphrmaci,plsttnasosaaaasSIflte-
turana, py roteen Uii industrias.
Montado em grande escala, e snppnndose di-
rectamente as prineipaesdregariasdeParu, Lou-
dres, Hambnrpo, Anvers Iisboa^ pode offBreciwr
producios de plenaconlianfae satisfazte qaalqver
ncommenda a gresso Iraio e a relalho,, or <; cyos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadns satMkra
com promplldao qualqser pedido de lintes-moidas
a oleo,cuja qualidadee pureza de ssusngrudieu-
tes peder ser examinada pelo consumidor, o me
[nao fcil fazer com aquellas que s;io Importad*?,
e que se encontrara no mercado em lata? fftrnts.
Tem grande collecoaoide vidros de (l.eenir?
formatos, desde uraaoiUva-ai dezesei ont.osae
capacidade; de vidros para vidragas e diastaatH
para corta-Ios; depinceispara finpir madeii?. rt
propriedade e outros; de papis dourados e pr-
teados e foihas de geiatina i paca ornamenrv; de
papel grande, e pequen formato de var:.tf coi es
para embrulho, para forro de casa, para o ,-ui
com fundo j feito; de papel albuminado e Brlst:,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros : vernizes de essc:ia -p:ira Siaws,de
espirito para madeira, copal para o uiei,, r -c e\-
teiior ; oleo graso, oleo secca ti vo, oleo de I inhala
clarificado, oleo de telele, secativo de Harlin, onu>
verdadeiro em p ; pratav euro, e estanho-en) fo-
Ihas de rarias cure ; tintas vegetaes, inoloKt-
vas proprias para coneiiarias lia de cures, e
olhos de vidros para imagens ; tintas en; tpbof e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
r aqnarella ; essenm de rosa superfina, de n*-
roly,jasmim,bergamste, aspice, patchouly, mbar,
bouquet.limo, alcaraiva, raehssa, ortela .imewo,
louro, cereja, alfazema, juinpero, Portugal. 1Ib,
anis da Russia, canella, cravo e muifos outros ot-
jectos que s com a vista poderao ser mostrado*.
Joo Pedro das Neces,
______________________*dEreuie.
C hegaramos superiores
cortes de seda
Superiores cortes de seda de cor, vlodos pelo
ultimo vapor francez : na loja das coinmn.is a rus
do Crespo n. 13, de AntoBio Correia de Vascen-
cellos & C.
Vinho MadfAra ftno
tem para vender JoSo do Rgo Lima, na roa do
Apollo d. 4.
Milbo novo em saceos grandes: no trapiche
de Cunta, a tratar em Tassotrmos.
ESCRITOS FGIDOS.
93
D-MMCOO-I < S
ce ^ ... t? SSfd..a ce ?t w

t
Acido aoetioo pare pan NimlSIM.
Esmaltes p*ri oosmt.
Papel para forrar casas.
GnarnicSeS avelludadas.
Tinta braHCtsnpertor en Isa.
AlvaiadeVeneza, fino, em pies.
3"o
s
CB "
g
ll
53
5
-s
-1 B
-5s
2.im
Brides e picadeiras d
Ipojuca*
VenoVm-se as veradeiras brides- e pieadeiras
de Ipojuca : na ruado Oueimado n. 32, toj* Azevedo & Irmao. ..... __-_
MEZ MARIANO.
Versos proprios para se cantarem na de-
VOCaO do mez mariano, corrigidos e aug- I frascos com hVdrooalleiricbina, agua para desen-
montadr> p mni hpm imnrpssos pm folhHtos grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
os e tmelos e onycnronJanlna para |,rapar as annlls. Essa
tintura, cojo effeito rpido e effica, est bem co-
A gua florida e tnico orieB-j' Grande liqudatelo de
tal.de Kemp.
Gonouasvender em porco e aretalho
na ra do Queiraado, loja d'aguia branc a n. 8.
Chronwcomo
A aguia branca, na roa do QUelmado n. 8, acaba
de receberm novo sortimento de aaixinhw com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assim
de 16 paginas, e que se vendem brochados
COm SUaS capas pelo diminuto preCO de 160 Inhecid e apreciad pata todos quantos delta tem
ris cada um, na ra do Imperador n. 15, usado,oe que de novo a quicrem apreciar, po-
feitas nacio-
Os pronrieta-
defronte do convento de S. Francisco.
ST5^'-

B
3 *
w S <
2.
aF-
8 *S 1
o-
o
2
%_.
Q.'
B
2- ?
Lans esta novidade.
Madapoles superfinos com 24 jardas a peca por
3^500 com um pequeo toque de avaria, paletots
de brim a 15, cti'as francezas eseoras a 7TOo co-
B o crT^ vado, algodao muito largo da marca T por # a
B. S. S's^a,^! P6** ^ i"&*s na l0ia da raa da Madre de
B o eS-Eag^ Deoso.J6,defronle da guarda da alfaodega.
Trastes com as.
Vende-se 1 sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, *
cadeiras de amarello, 6 cadeiras americanas, 1
bea mmfHBM- de Jacaranda, a carteiras de via-
gem e i cartelra grande propria para taberna :
qoem pretender dirija-se a ra das Cinco Pomas
n. 140 de fronte da est&co.
33
a>
=. g a a*
***:
g co '
2 & f
55" =
u t

05
o
8
ce
(t>
S"
/T
MARA PA
Marta Pa
laria Pa
Acaba de chegar pato^UUno vapor ingUi -nm
esplendido sortimento de enfeites de cabeca a Ma-
rta Pia.Os qttaes pea SUS elefanca e bou posto
>d val o mais*onitoalaSelxan adesej
sendo pretos, rxos, edr de bonina e asuliM
swspreoos a 2*500,3*4*. 6*,Si a iO*; na
loja do novo, rival ra do Qnwmado 18.
Carta chorograpMca
DO
THEATRO Di GUERRA.
Acba-se exposta venda, as tojas abalxo men-
cionad is, a carta chorograptiiea dO ttteatro"#fner-
ra nos Estados do Sul da America Meridional, con-
teado m pteotas do Paysandti, e d bloqueie e cer-
co de Montevideo. Ella torna-se recommendavel
nao s pela lacuna-que velo preencher, como pelo
esrrfcro do trabalbo Wttwgraphico.
Vende- pelamotloaquantia de tjOOO as livra-
rias dos Srs. Nogneira, raa do Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayres,-na da Cadeiado Recife, assim como
as lojas da Exposlgao de Londres e na lymogra-
phia do Sr. Carlos, a mesraa ra n. '82, 0 Dt loja
de Sr. CardO de Aimiida, roadt Ornz.
11 i, 1 iiim n 1- 1 r 1 111 -iiii--
Sitio.
Vende-se on aluga-se dto excellente sitio na es-
rrada dos Afflictos o qoarro depois da capella, com
boa casa, dnas grandes estribarlas, qaarlSS pafS
umjwvmnnmm rocferM, poo^ti'sgna p-
ta*M eom bemba e banhe de ehoqae : traHn no
Jareo da ribeira de S. Jos sobrado de um andar]
dem, ssim como aquslles, dingir-se munidos de
dinhelro roa do Quenrrado, loja"d'agtria branca
nnm 9P\
Papel e Mhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Quemado n. 9, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito terd* para' folhas, e
dito UMbem. verde e mui fino para oobrrr o ara
me, assim como fulhas de panno e aveUudada
para ditas.
Aspas de baleia para vestidos.
Veadem-se na ra do Quemado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'ago ingle-
zas e franeemn-
A atottnWinflaall^o tTn4>!'tttsto de
penas d'aeo que qossUMotbbM tem, acaba de
reoeber ms ootro de sapeor qualidade e dos
afamados fabricantes Perros & C, assim como as
verdatreiras Neo de ramj'n. 134 contras de pon-
a dourada, continuando porm a veada4as sor
presos commodos, com tanto que o comprador com-
nareca munido de dinheiro : na ra do Quemado
Foja da atrsa branca n. 8, onda MaAMO aaaWse-
ha a venda pastas para aapeis.
A aguia branca na ra. do
Queimado n St recebeu:
Bonitos e groados aljofares de com para vottas.
fatendas
na nffva loja de fazendas e roupas
naes, na roa da Imperatnz n. 72.
rinsalMii nave estabelecimento. tem a honra de
partic4par ao respeitavel publico que estao resolvi
dos a vender muito barato para liquidar, a saber:
chitas-a 280 rs., ditas francezas largas a 260, 280,
320e 400 rs: o eovado, cassas francezas mnito fl-
nas-a .300,320, 360 e 400 rs. o eovado, organdy
francu de riquissimos padfdes a 360, 400 e 440 o
eovado, pecas de cambraia branca a.3if, 330O,
4#,'W00, e 5 multo fina, dIUs de cores de apu-
Tadofoso a 8*00 e 3 o erte, pecas- ie mada-
polaoflwao.floo con 24 jardas a 64. 65500, 74,
7*500 o 84, ditas leanlo muito superior a 84800,
9, 94300 0 104, dito francez coa 12 jardas, sen-
do fazenda muito encorpade e fina a 44 e 44500 a
peca, cortes de iaa a 44,44300,94 e 54500, dito*
a Maria Pia com barra, sendo es mais modernos
que tea. vindo ao mercado a 404 e 134 e corte.
E pechincha, lenco de cassa com barrinha de cor
a 100, 160 e 200 rs., ditos com blco a 240 e 320, e
^,.**;!doz*^uOi crinolinas oubaWos de 30 arcosa
s 340OuVd*wNB 15 arcos a 24KX), tiras de fina
cambraia bordadas a crosaeOO e 14, ntremelos
a 8 para senbora a 640,800 e 14, mantas de seda de
cores para.pescoco a 14400 e 14*60; isto $6 se
vende na loja de Guimares & Irmao, rea da Im-
peratnz b. 7j:
Fugio o mulato escravo de nome Luiz, co-
nhecido por Luiz Monteiro, idade 28 annos, ponce
mais ou menos, bastante alto, secco, bem pareci-
do, seai barba, pernas corapridas, cor clara, ca-
bellos cacheados, offlcial de pedreiro, pintor e
caiador, canhoto, e o maior signal que em c
urna estrella as costas das-mos, tres pintas 7ues
formando um triangulo em cada lado do rosto, e
nma grande eicatriz em um dos brac s cima do
sangradouro, escravo do major Antonio da Silva
Gosmao, morador na ra Augusta n. 99 : portanf
roga-se as autoridades policiaes e aos capiliei de
campo, assim como aos senbores de engf nho e
propietarios aonde elle for trabalhar, intitulndo-
se forro, tanto nesta provincia como fra delta,
queo faca prender eremetterao sobredito senhor,
que pagar todas as despezas, assim como a queui
o conduzir.
k
~f
Cslte ** gz.
piteh do gai.
Alcatro do gaz.
tonadas rs. .
Coto
Pif'
Alcatro caada.
No dia 4 de janeiro do annode 1864, fugio do es-
ganbo Cunceicao, comarca de Pc-d'Alho, o esera
vo Galdino, pertencente ao abaixo assignado, eom
os signaes seguintes : idadfe 26 annos, pardo, clare,
corpo, figura e altura regulares, cabellos meios c*-
rapinhados, olhos pardos,^ubrancelbas e patatUas
salientes, tem em cada braco um sino de Salomac,
sendo um delles mal feito, e junto a este urna cruz,
tem na cabeca urna cicatriz de nma polegada, o em
cima de um quarto nma outra cicatriz de tres po-
legadas, proveniente ds ponta de pao e queda, tem
sobre as costas algumas marcas nocicatrizes de re-
hiladas ou chicote; i- um'pouco desembarazado quao-
do falla, tem principio de carplna e rarreiro, toca
viola e barbado. Foi soldado de corpo dc'pollcia uo
Recife, levon comfigoa baixa do theor segointe :
Secgo urbana, 2' companlna n. 50, Antonio Caata-
no de Oliveira, filho de Agostinho Ferreira de ri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos cara-
pinbos, olhos pardos, offlcio nenhum. ea]ado soltei-
ro, com 30 annos deidade, 60 polegadas de altiva,
ao engajar-se. Engajon^se na forma do reguta-
mento, em 17 de fevereiro de 1862, por ofllcio do
Exm. Sr. presidente da provincia, datado de 28 de
abril do correte, e publicado ao corpo cm ordera
do dia 1* de maio, tudo em 1862; teve baixa do
servoo por ter dado em seu lugar o paisano Joao
Pedro Ferreira da Rqcba. Foi escravo do capillo
Joo de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e hoje morador na
Campia Grande da Parahyba do Norte, que o ven-
den em das do mez de noveaibro de 4863 ao abai-
l r Vinft'ixo aisiDado. pelo costuatii.de andar fgido e a ti-
IUOUUO tajo de forro com o nome mudado
800000
400
O coke Tecoflheeidamenw o carvo mais econo^' apjbenso do dito escravo, que a titulo de forte,
Pmlwiras m itsb da ifum si agrada vtfs
, Voltas preusmaiores e menores todas da conus
grossas.
Pnlbfr pretas tambem de conus.
Outm' dirwrewes qnattdad 'omm.
Brincssds^laliws'Se Iuiisii sSsssdsi.'
Fivolasd'ao fraudasepesueaas coa catosre-
to e de madreperola.
Outras grandes de differenres flotlidafles e re*
dalas com sedras.
oortos to^ws de Imadreperola redosdos a de
ooiaar fonos. 1
Dito de sndalo interinos e corredicos.
CapeTfs brancastiara menUras.
attOJUonsaniu per isse recommendavel, bea co-
moiyoaMnabio ie se sota aasoeamhas aovde
elle asado. Pitch e alcatro, aim aasapplioacoes
diversas a que se prestara, cobo para callafetar
embarcares, alcatroar madeiras, etc., teem este a
aw)s E'antrosar sa fabrica do gac ou mandado per em
quaiaaar poato da cidade, segundo a vontade do
comprador.
JSHd, fogo, fogo.
Valdivao da plvora, onda bam ogo do ar,
por prego commodo : no sea armasen de sal, rna
Vaquetas
pelo que roga-
se a attencaodas autoridades erris e militares, nao
s desta provincia SaM das deaaic do imperio, a
Vendem-se vaquetas proprias pana cobertas de'
camele.: em casa de F. Soirvage C. a rta#i
nao tenha sido recrutado ou asustado praca em
Signos dos corpos de Voluntarios da Patria, taan-
em pede-se aos capitaesde campo, e pesoas par-
ticulares a mesma apacenoasio; e leva-lo ao sea
saibor o referido engento Conceicio, on nesta i-
dade ao caple Mauricio Francisco de Lima roa
do Brum n. 36, que ser gratificado com 2004.
Jos Maria dtwSsotos Oavalcanti.
Fugio em principios do mez fie fevereiro d*
corrente atrno t consta estar'acontado nesta ctdad*
o fneleqsvdtaublo, esoravn da vinvado Dr. Fer-
nando Affewoda-aeo, de t anuos do-idade poa-
so mais ou meaos, cor pret, secco do ceepo, olhos
regulares e afamagados, cabeca nm1 ponct grande
BlBWIa ehata'.'befcos' fins, 'destes'JOBr foi^t
seceos" e moito ladino : roga-se pertarura todaslae
totmadoa-poJahia eei^rt*5S.*a campo que o ap-
prehendame ievm.o a roa da Mangofiira sobrada
n.fi qtw serSo gratificados; protestndole irsaT^oi
meio jndlcfaw cofltraqnilqHerpessss^astUensa
easee poder.


tari* 4
Tere* Mra 4
ie !*
\
L ITT ER ATURA.
WAIKRLOO
(Continuaco do conscripto de 1813.)
PO.
ERCKMANN CHATKIAN
PRLUEIBA PARTE.
X
(Continuado)
Tinha chegado o invern ; era um inver-
n chuvoso, aom ventos e neves. Os telba-
dos, n'esse lempo, anda nao tinhain canos,
e a chuva caba das telhas e era impellida
pelo vento at ao meio das ras. Ouvia-se
esse zumbido todo o dia, em quanto estala-
va o lume no fogo, e Catbarina andava para
um e outro lado, cuidando da comida, le-
vantando os testos das panellas, e algumas
vezas cantando em voz baixa assentada ro-
da de fiar,
0 Sr. Gouldea e eu estavamos j lio ha-
bituados a essa existencia, que o trabalbo
corra sem o sentirmos. Nao tinhamos na-
da que nos dsse inquetaces ; punba-se a
mesa e servia-se o janlar justamente ao dar
do meio da. Era a vida de familia.
A' noule, o Sr. Goulden sabia depois da
ce-'a para ir 1er a gazeta ao botequim Hoff- i
mann, com o sen capote bem aconchegade
sobre os liombros, e o seu felpudo bon de
pelle de raposa enterrado at s orelhas. |
Apezar disso, militas vezes, noute depois
das dez horas, quando j estavamos deita-!
dos, ouviamos que elle entrava em casa tos-1
indo, porque linba os ps molhados. Ca-
tharina dizia-me :
Ahi vm elle a tossir. Cuida que est
nos seus viole annos...
E de manhaa nao se acanhava muito para
ralbar com elle, dizeodo-lhe :
O Sr. Goulden nao faz bem em sabir
todas as noutes com um constipado como
essa que traz.
E que queres t, fllha ? Estou habi-
tuado a ler a folba... E' uma/cousa que
pode mais do que eu: quero saber o que
flizem Benjamn Constant e os outros- E'
assim a modo de urna segunda vida. E ha
occasio em que me ponbo a pensar que elles
tambera deveriam fallar de outras cousas que
me lembram.
Se fosse eu que escrevesse, fallara de
mais isto e de mais aquillo, e nao teria dei-
xado de produzir grande efieito.
E ria abanando a cabera e dizia :
Cada um pensa ter mais engenho e
hora senso do que os outros, mas Benjamn
Constant agrada-mc sempre.
Nao sabamos o que lhe haviamos de res-
ponder, porque era muito forte aquella pai-
xo pela leilura das folhas. Um dia Catbari-
na disse-lhe:
Olbe, Sr. Goulden ; visto que quer
saber o que vae de aovo, nao isso urna
. razao para andar a arranjar doengas l por
fra. Faca como faz o marceneiro Carabin,
que na semana passada se entendeu com o.
to Hoffmann que lite manda a folha depois
das sete horas, quando j todos a teem lido,
pela quantia de tres francos por mez. D'es-
te modo, sem se encommodar, Carabin sabe
tudo o que se passa. e sua mulber tambem;
conversam ambos ao lar sobre essas cousas,
dispulam um com o outro, e o mesmo que
o senhor deve fazer.
A idea famosa, Catharina, isto .
Mas... tres francos I.. (~
~ Tres francos nao nada, disse eu
&Ufo; o principal que nao adoega. O
. Sr. Goulden anda a tossir todos os das de
urna maneira espantosa, e isso nao pode
continuar assim.
Estas palavras, longe de o azedarem, cau-
savam-lhe alegra, | orqae bem va que se
lli'as diziamos era por muila affeicio, e que
devia dar ouvidos s nossas observaces.
Pois bem, disse elle ; trataremos de
arranjar as cousas como voces querem, mes-
mo porque muilos officiaes a meio sold
enchem o botequim desde pela manhSa at
noule, passaodo as folhas uns para ou-
troSj e s vezes preciso esperar duas
horas para alcanzar urna. Catharina temra-
r.ao.
E n'esse mesmo dia foi fallar com o lio
Hoffmann, de maneira que .Miguel, um dos
mocos do caf, levava-nos a gazeta todas as
noutes depois das sele horas, quando es-
tavamos a levantar-nos da mesa. E cada
vez que o ouviamos subir, era urna verda-
dera alegra para nos, que diziamos todo a
urna voz:
Ahi vm a gazeta I
Catbarina dobrava a toallia e punha tudo
' em ordem, e eu metlia urna boa acha no
forno.
O Sr. Goulden lira va as canga! has do
bolso, e em quanto Catbarina Gava e eu fu-
mava no meo cachimbo como ura soldado
velho, olhando para a labareda que dansava
no fogo, elle lia-nos as noticias de.Pars.
Nao se pode imaginar a satsfacao que sen-
' tiamos ouvindo Benjamn Coustant e mais
dous ou tres advogar o que era da nossa
opino.
Algumas vezes o Sr. Goulden era forcado
a parar para limpar os oculos, e Catharina
dizia logo: V
Como esses homens fallam bem !
Ahi esta o que se chama gente de juizo.
Tudo o que elles dzem justo, a pura
verdade.
Todos approvavamos ; so o Sr. Goulden
s vezes entenda que anda seria preciso
fallar de algumas cousas que lhe lembra-
vam, mas dizia que o mais estava bem. E
continuava a leitura, que durava at s dez
horas, e depois iamos deitar-nos pensando
em tudo o que tinhamos ouvido.
Fra soprava o vento como sopra em Pha-
Jsburgo; os calaventos rangiam as bastes
- de ferro e a chuva fustigava as paredes: e
- nos, bem quentes, escutavamos, e davamos
gracas ao Senhor, at que vinha o somno
!/azer-nos esquecer tudo. Ah, como a gente
i gorme bem e feliz com a paz da alma, a
torca, a sade, o amor e o respeito das pes-
- soas a quem se ama t Que mais se pode
desejar no mundo? Os das, as semanas,
os mezes passavam-se assim. Estavamos
quasi a tranformar-nos em polticos, e quan-
do os ministros iam fallar, diziamos nos an-
tes de Ihes ouvrmos os discursos:
Ah I palifes, querem enganar-nos. Ca-
nalba I e nao haver quem es mande tratar
de ontra vidal...
Especialmente Catharinanopodia soffrer
aquella gente, e quando a ta Gredel vinha
a nossa casa, e nos falla va do nosso bora rei
Luiz XVW, nao diziamos nada pelo repel-
lo que lhe tinhamos, mas sentamos que an-
dasse tanto s escoras no que tocara aos
negocios dopaiz.
E' preciso tambem reconhecer que os emi-
grad os, os ministros e os principes portavam-
se comnosco como verdadeiros desavergo-
nhados. Se o Sr. conde de Artois e seus
Glhos se tivessem posto frente dos ven-
deanos e bretoes, se tivessem marchado para
Pars e ganbado a victoria, teriam tido ra-
zio para dizer-nos: Quem vos governa
somos nos e de nos recebereis a lei. Mas
terem sido primeiro lancadQSMla Franca e
entrarem n'ella com o auxilio do prussianos
e russos, e virem depois pdr-nos o p no
pescoco, era urna cousa bem despresivel.
Quanto mais vou vivendo, mais se arraiga
em mim esta idea: era ama vergonba.
Zebedeu tambem vinha ver-nos de tem-
pos a tempos, e sabia tudo o que liamos na
folha. Foi elle o primeiro que nos disse
que alguns emigrados tinham lancado o ge-
neral Vandamne da presenca do rei. Esse
velho soldado, que vinha das prises da
Russia, e que todo o exercto respeitava,
apezar do seu mu successo em Kulm, ti-
nha sido posto fra do palacio, e disseram-
lhe que nao Ibe competa aquelle lugar.
Vandamne tinha sido coronel de um regi-
ment em Phalsburgo, toda a cidade o co-
nhecia. Nao se pode imaginar a indignaco
que produziu aquella noticia nos homens de
bem.
Tambem foi Zebedeu que nos disse que
se instauravam processos aos generaos a meio
sold, e que Ibes roubavam as cartas no cof-
reio para os fazer considerar como trai-
dores.
Tambem nos disse um dia que iam ser
despedidas as filbas dos antigos officiaes que
estavam na escola de S. Diniz, dando-se-
Ihes urna penso de duzentos francos; e
mais tarde, que s os emigrados queriam
ter o direito de metter seus filhos as es-
colas de S. Cyro e de La Fleche, para sahi-
rem officiaes, em quanto que o povo (icaria
sendo soldado eternamente por cinco cnti-
mos diarios!
As gazetas contavam as mesmas cousas,
mas Ze'.edeu sabia muitos outros promeno-
res ; os soldados sabiam tudo. Nao posso
pintar o aspecto tffe Zebedeu quando, ao p
do fogo, com o seu cachimbo curto e mui-
to queimado agarrado entre .os dentes, nos
contava essas miserias; o seu grande nariz
descorava, os cantos dos olhos pardos-claros
tremiam-lhe, e de tempos a tempos finga
rir e murmurava:
Isto vae indo... vae indo !...
- E que dizem de tudo isto os outros
soldados ? perguntava o Sr. Goulden.
Dizem que isto assim nao vae mal.
Quando um hornera tem dado o seu sangue
viotfl annos pela Franca, quando tem dez,
quinze ou vinte campanhas, e tres bailas no
corpo e a pelle crivada de feridas, e sabe
(pie sao mal tratados os antigos chefes e que
suas filbas sSo deitadas fra das escolas do
estado, e que os filhos de quem cabe em i
taes desacert* vo ser ofliciaes para sem-
pre, urna cousa que d alegra ; nao acha,
Sr. Goulden?
E as faces tremiam-lhe at s orelhas.
E' verdade, verdade, cousa triste,
dizia o Sr. Goulden, mas disciplina.... a j
disciplina.. ; os marechaes obedecem ao
ministro, os officiaes aos marechaes e os sol-
dados aos officiaes.
Tem raso, respondeu Zebedeu. Mas
vou-me embora, porque est a tocar a reco-
Iher.
Apertava-nos a mo e corra ao quartel.
Assim se passou todo o invern. A indig-
naco crescia de dia para da. A cidade
estava ebeia de officiaes a meio sold que
nao se atreviam a residir mais em Pars, te-
nentes, capites commanlanos, coronis de
todos os regimentos de cavallera e infante-
ra, homens que viviam de um bocado de
pao e de urna pinga de agurdente, e que
infelizmente eram obrigados a ter um uni-
forme. Imaginem-se esses homens com as
faces cavadas os cabellos cortados escovi-
nha, es olhos luzentes, os grandes bgodes e
os velos capotes de uniforme com os boles
mudados. Imaginem-sea passear aos tres aos
seis, aos dez pela praga, com a grande ben-
gala de gancho pendente de urna casa da far-
da, com o cbapu de bicos atravessado,
sempre bem escovados, mas com o fato tan-
to no fio e com urnas caras to deflnhadas,
que logo se via que nSo comiam a qoarta
parte do que queriam comer. E a gente
era obrigada a dizer: Ahi estoos vencedo-
res de Jemmapes, de Fieurus, de Hohen-
linden, de Marengo, de Austerliz, de Frie-1
dland, deWagran... Se temosorgulho de
sermos francez, sao estes e nao o conde de!
Artois ou o duque de Berry ouo de Angou-
leme que podem gabar-se disso. E agora
deixam-nos morrer de penuria, negam-lbes i
at o pao, para metter em emigrados nos
seus lugares. E orna verdadeira iniquida-
de. Nao era preciso ler muito tino, nem
urna grande alma nem altos sentimentos de |
justica para reconhecer que era orna cousa
contra a natureza.
Eu nao poda ver aquellos infelzes. Pun-
giarn-mc o coraco. Quando um homam
tem servido, anda que nao seja senao seis
mezes, Gca-lhe sempre o respeito pelos seos
superiores, poraquelles que viu serem os
primeiros no fogo. Envergonhava-me ven-
do que a minba patrila soffria taes indigni-
dades.
Urna cousa de que sempre hei-de lem-
brar-me que no fim de Janeiro dous d'es-
ses efficias. a meio sold, um d'elles alto,
secco, j grisal::o, conhecido pelo nome de
coronel Falconette, e que pareca ter servi-
do em infantera, e o outro baixo e grosso,
a quem cbamavam o commandante Margarot
e que ainda tinha as suissas de bssaro
vieram propor-nos a compra de um sober-
bo relogio. Seriam dez horas da manhaa.
Ainda me parece ve-Ios entrar gravemente,
o coronel com o pescoco muito levantado e
o outro com a cabeca mettida entre os hom-
bros. O rologio era de ouro. de duas ca-
xas e de machioismo para dar horas, marca-
va segundos e dava-se-lhe corda para oito
dias. Nanea tinha visto nenhum to boni-
to. Em qoanto o Sr. Gouldeu o examina-
va, eu attentava n'aquelles homens que me
pareca terem grande necessidade de dinhei-
ro. Principalmente o bssaro com o rosto
trigoeiro e sem carnes, com os seus longos
bigodes arruivados, pequeos olhos casta-
nhos, hombros largos e bracos compridos
que quasi lhe chegavam aos joelbos inspira-
va-me grande respeito, e ea dizia comigo :
Quindo este tinha na mo o sea sabr de
hussaro, havia de chegar bem longe com
elle ; aquelles olhos pequeninos haviam de
lancar fogo debaixo d >s suas espessat so-
brancelhas; evitar um golpe e responder
com outro havia de ser para elle um abrir e
fechar de olhos. Imagina va-o en uaa car-
ga cerrada, meio deitado por detraz da ca-
beca do cavallo, com a espada estendida para
diante, e a minba admiragSu era cada vez
maior.
De repente lembrou-me que o comman-
dante Margarot e o coronel Falconette ti-
nham matado ofliciaes russos e austracos
em duello na Arvore Verde e que em to-
da a cidade hara quatro mezes que se ti-
nha fallado muito delles por occasio da pas-
sagem dos alliados. Ento o grande, com
os seos cabellos grisalhos e apparencia de
menos animago, posto que delgado, secco e
paludo, tambem me pareceu muito respei-
tavel.
Eu esperara o que o Sr. Goulden ia dizer
do relogio. Elle nao ergua os olhos filos
no relogio com urna especie de profunda ad-
miraco, em quanto que elles esperavam
com ar tranquillo, mas como homens que
soffrem por nao poderem oceultar por mais
lempo as suas necessidades.
O Sr. Gouldea disse por fim:
Isto, senhores, de um trabalbo pri-
moroso ; o que se pode chamar o relogio
de um principe.
De eerio, respondeu o hussaro, e foi
da mo de um pr.ncipe que o reeebi de-
pois da batalha de Itabbe.
E deitou os olhos para o outro, que nao
disse nada.
O Srs. Goalden olhando ento para elles,
va qae estavam em grande penuria: tirou
o seu barrete de seda preta, e levantou-se
vagarosamente dizendo :
Senhores, nao se tenham por aggrava-
dos com o que vou dizer. Eu tambem son
um soldado velho, porque serv a Franca
no tempo da repblica, e entendo que deve
ser urna verdadeira dor a de ter de vender
um objecto destes, um objecto que nos lem-
bra urna bella aeco da nossa vida e um che-
fe a quem muito queremos.
Nunca tinha ouvido o Sr. Goulden fallar
com tal commoco com a cabeca calva des-
cahida com ar triste, e com os olhos baila-
dos como para nao ver a dor d'aquelles com
quem fallava. O commandante corara mui-
to, os olhos embaciaram-se-lhe eagitaram-
se-lhe os dedos; o coronel estava amarello
como um defunto. Eu bem quizera nao es-
tar presente.
O Sr. Goulden conlinuou :
Este relogio vale mais de mil francos;
nao tenbo essa quantia disponivel, e os senho-
res haviam de ter por certo grande dor de se-
parar-se;de tal lembranca. Proponho portan-
te, oseguinte: orelogio.se assim o quizerem
licar na minba vidraga ; poderlo vir bus-
ca-lo quando qoeiram, e disponhode duzen-
tos francos que me tornaram a dar quando
o vierem buscar.
Ouvindo estas palavras o bssaro esten-
deu as mies cabelludas como para abragar
o Sr. Goulden.
O Sr. um bom patriota I Bem nos
dizia Coln. Ah, senhor. nunca esquecerei
o favor que nos faz. Esse relogio... rece-
bi-odas raaos do prin pe Eugenio por um
acto de coragem. Quero-lhe como ao meu
sangue... Mas a miseria...
Commandante I disse o outro fazen-
do-se muito paludo.
Mas o bssaro nao lhe deu ouvidos e bra-
dou, affastando-o com o braco:
Nao, coronel, dixa-me... estamos
com nossa gente nossa... um soldado velho
pdeouvr-nos... Maiam-nos fome... Fa-
zem-nos o que nos fariam cossacos... co-
bardes que nao teem coragem para nos man-
darem fusilar !
Os seus gritos atroavam a casa. Eu ti-
nha corrido a cozinba com Catharina, para
nao ver to triste espectculo. O Sr. Goul-
den fazia por modera-lo, dizendo :
Eu sei tudo isso, senhores, e a ver-
dade. Comprehendo bem essa posicao.
Vamos, Margarot... socegue, dizia o
coronel.
Os gritos duraram quasi um quarto de
hora. Emfim ouvimos o Sr. Goulden con-
tar o dinheiro, e o hussaro dizer-ibe:
Obrigado, senhor, obrigado! Se al-
gum dia poder servir-lhe para alguma cou-
sa, nao se esqueca do commandante Mar-
garot.
Ao mesmo tempo abriu-se a porta, e el-
les desceram a escada, o que nos alliviou
muito, porque -tinhamos o coracao compri-
mido. Entramos na sala de trabalbo. O Sr.
Goulden, que tinha acompanhado es offi-
ciaes at porta, voliou' logo com a cabe-
ga descoberta. Eslava profundamente aba-
lado.
Aquelles desgragados teem razo, dis-
se elle pondo o barrete ; o modo como o go-
verno os trata borrivel. Mas tudo isto
paga-se mais dia menos dia.
Todo o resto do dia passou-se tristemen-
te. O Sr. Goulden explicou-me todava as
bellezas do relogio, e disse-me que se de-
viam sempre estudar laes modelos. Depois
fui dependura-lo na vidraga da loja.
Desde ento nao n.e deixou mais a idea
de que tudo acabara mal, e que ainda que
nao proseguissem no seu errado caminho.
j os emigrados se tinham excedido muito.
Olivia sempre aquella voz do commandai.te
gritar na nossa sala que o governo tratava
o exercto como s cossacos eram capazes de
o fazer.
A lembranca das procisses, das peniten-
cias, dos sermoes sobre a rebelliao de vin-
te e cinco annos e a restituico dos bens na-
cionaes, o restabelecimento dos conven-
tos e tudo o mais, parecia-me orna terri-
vel miscellanea de que nao poda resultar
nada bom.
XI
Estavamos n'isso quando no principio de
marco correu como urna rajada de vento a
noticia de que o imperador acabava de de-
sembarcar em Carmes. Donde vinha esse
boato? Ninguem tem sabido diz-lo.
Phalsburgo est a cento e cincoenla le-
guas do mar, e muitas planicies e monla-
nhas a separam do sul. Recordo-me de urna
cousa extraordinaria. Em 6 de marco quan-
do me levantei, tinha aborto a janella do
nosso pequeo quarto que ficava ao p do
tethado, via defronte as velhas chamins en-
negrecida do padeiro Spityer, a que se en-
costara ainda alguma nev. O fro era agu-
do apezar do sol que brilbava desafrontado,
e eu dizia commigo: Ahi. est um bello tem-
po para tima marcha ILejnbrava-me co-
mo costramos na Allemaaha, depois de a- gem, de outro manaocial que nao as minhas
pagadas as fogoeiras ao alvorecer, de par-: tendencias, os meus sentimentos, os meus
lir por um tempo assim com a arma ao desejos, a minha ndole.
hombro, e de ouvir o calcado do batalho j Oh perca-te tudo, excepto a honra!
bater na (erra endurecida. E nao sei como,! Das cmzas da dignidade nSo renasce a
veio-me de repente idea o imperador; dignidade, como das cinzas da Phenix re-
vi-o com o sen capote pardo, costado ar- nascia a Phenix.
queado, cabeca enterrada no chapu, mar- O que brota d'ahi o descrdito, o me-
chando com a velha guarda atraz de si. noscabo, a vergonba, a villana, a infamia.
Era como um sonho por esse tempo claro e O que brota d'ahi a morte moral ou so-
secco. cial, a morte que mais mata urna vida !
N'isto ouvimos alguem que suba a esca- O que brota d'ahi a consciencia da
da, e Catharina escutando disse : propna incapacdade, da propria nihilidade
E' o Sr. Goulden. poltica ou individual.
Conbeci-o logo pelos passos, e fiquei ad-j O que brota d'ahi injuria sobre injuria,
mirado porque elle nunca vinha ao nosso um infinito de vergonhas, que batem na face
quarto. Abrio-se a porta e elle disse-nos e dexam-na to negra, como um borro de
em voz daixa: i tinta !
Meus Glhos, o imperador desembar-1 Ahi est o que te do a Inglaterra e a
cou no primeiro de marco em Cannes, ao p Frang, meu Brasil t
de Toulon, vae em direceo a Pars. E alm disso chamara-te de cobarde e
Nada mais disse e assentou-se para respi- traidor, alludindo ao nosso brilhante feito de
rar. Imagine-se como ficaraos a olhar uns Paysand, sem tomaren em linha de corita
para os outros. Passado um pouco, Catha- os setecentos selvagens paraguayos que o
governo resliluiu liberdade.
Basta de generosidade.
E depois, quando o tinioneiro compromet-
te a viagem do navio, outro que se encarre-
gue do seu governo.
Isto quer dizer que as nages, que o Bra-
sil deve tomar por modelo nao sejam nem a
lle bateu porta. Nao Inglaterra, nem a Franca.
Seja.......
A reflexao o dir.
ria perguntou:
Isso vem na gazeta Sr. Goulden ?
-? Nao, ainda por l nao se sabe nada,
ou se o sabem nao o dizem. Mas pelo amor
de Deus, nem urna palavra porque seriamos
presos i Est amanha Zebedeu, que estava
de guarda a porta de Franca, veio prevenir-
me s cinco horas,
o ouviram.
De certo estavamos a dormir.
Pois eu abri a janella para saber o que
era e fui depois abrir a porta. Zebedeu
conteu-me a cousa como infallivel: o regi-
ment nao sahir do quartel al nova or- Com referencia a morte de Julio Gerard,
dem. Parece que ha medo dos soldabos.,le*? n0 Sport o seguinte:
Mas ento como ho de prender Bonapar-1 Lm fact0 bastante singular, e que no pn-
te? De certo o nao iro prender os aldees me,ro relance poderia pela sua extranbeza
a quem o governo quer tirar os bens, nem impressionar os espintos om i ouco supera-
os burguezes qae sao tratados por jacobi-: uosos, anda junto ao triste desenlce-
nos. Agora teem os emigrados urna boa i simples accidente ou premeditada cilada
occasio demostrarem para que servem. O; 3^ia fatalmente veiu germinar a carreira
que se quer segredo... segredo...
Deseemos a sala de trabalho. Catharina
do ousado matador de lees
Antes de embarcar para a sua expedico,
accendeu bom lomee cada" um comegou as IJulio Gerard h-acra, mesmo em Liverpool,
suas lidas do dia. n lim m;,PPa nglez perfeitamente circums-
N'esse e no dia seguinte nada bouve de
novo. Alguus visinbos vieram a nossa casa,
mas como quem quera s os relogios H ni-
pos.
Nao ha nada de novo, visinho ? per-
guntaram elles.
Nada responda o Sr. Goulden. Tudo
vae na santa paz do Senhor. Tambem nao
sabe nada?
Nada.
Mas bem se Ibes deseobria no aspecto
que nao eram albeios grande noticia. Ze-
bedeu nao sabia do quartel. Os officiaes a
meio sold enebiam o botequim desde pe-
la manhaa at a noute. Mas nem urna pa-
lavra transpirava. O estado das cousas era
grave.
{.Continuar-se-ha.)
i-l i |IIIW
UM POUCO DE TUD8. f
Continuamos a serie de artrgos sob o ti-
tulo
REFLEXES
a proposito da guerra entre a Brazi e a
repblica do Parae/nay.
V
Todos sabem.
O egosmo a Franca, o interesse mate-
rial, ignobil, a Inglaterra.
A alma do amor propro enearnou-se na-
quellas formas esplendidas de naco, e ma-
nifestou-se pelos seus caprichos inexoraveis,
reos seus systemas inflexivets.
A alma do dinheiro, metallica como urna
libra setearlina, fra como ella mesma, en-
carnou-se naquella Albion, soberba e altiva,
emquanto lbe nao jogam ouro, embora com
o arremesso fizeram-lhe os brios.
Nao se demonstram tbeses que os factos
quotidianamente conGrmam.
E quem os ignora ?
O povo e os grandes sabem-no.
As nages e o mundo, repblicas e impe-
rios, todos-conhecem essa verdade pela phy-
siologa das cousas, pelos estudos experi-
mentaos da observago.
E' assim.
Nao sei quantas vezes o estandarte brasi-
lero lem sido visto a baixo do francez, com
vinte e um tiros por banda.
Entendis ?
O egosmo a imagem que se sacode as
ondulages pretenciosas do pavilho dessa
potencia e quem os canhes brasileiros
tem respetosamente queimado o incens da
plvora secca.
Nao sei quantas outras ha que o imperio
tem entrado para os cofres britannicos com
tantos milhes de libras.
Agita-re nessas moedas jaldes a ambico
immoral de urna nago grande, que se com-
praz de beber os recursos de vida do paiz
balbucante e novo, de quem se intitula ami-
ga para, a melhor pretexto, sugar-lhe das
veas o sangue era gllos.
Salta aos olhos.
Se o Brasil espera chegar trra da pro-
misso por direccao das cousas da Franga,
illude-se; o egosmo nunca encaminhou nin-
guem seno mal.
Se julga ser guiado all pela mo sita-
re rita e vaporosa da Inglaterra, engana-se ;
antes de chegar em meio de caminho nao
ter um vintem para comprar o necessaro
ao resto da romagem.
Que altitude, que situaco lamentavel!
E o Brasil agarrado aos ps de urna e de
outra, humilde como as poeiras das es-
tradas I
Mentores de tal espbera enfraquecem e
corrompem, como substancias mephiticas,
que se respiram.
Onde guardas a consciencia da dignidade,
patria do Andradas e dos Romas ?
Amo com extremo esta trra, que me viu
nascer.
Amo-a, como posso amar a meu pae e a
minha me.
O seu futuro o meu, as suas glorias as
minhas glorias, as suas quedas as quedas
minhas.
Vejo-me baixo, curvado, porque vejo-a
curvada e baixa.
lanciado, que enviou a um amigo, e que
este se dignou communicar-nos, o longo
itinerario que lencionava effecluar, e que,
desde o ponto departida ao seu termo, com-
prhenda nada menos do que 11,640 kilo-
metros ou 2,910 leguas.
Urna dupla linba, por elle desenliada a
lapis vermelbo e azul, indica todo e.te ex-
lensissirao transito e varias Qecbas de tinta,
egualmente traeadas pela sua mo, marcara
a direceo que segu o viajante, urnas ve-
zes por mar, outras por trra.
Ora neste mesmo mappa, justamente em
frente do regato Jong, onde elle morrerr, ou
assassinado ou afogado, existe feita com tin-
ta, e do seu punho, uiua especie de cruz la-
tina, que all subslitue, nao se sabe porque,
o primitivo traco indicador, isto a flecba
Dir-se-hia como que um signal a li collo-
cado de proposito tal vez para indicar um
tumulus, ou monumento funreo, elevado
memoria de alguem, entre Sherbro e as fon-
tes do Niger.
Seria presen ti ment t .
Seria simplesmenle urna piedosa recor-
dago prestada por Gerard ao celebre via-
jante ingle, a quero cabe a honra de ter des-
coberto as nasceutes daqueile rio ?
Eis o que ninguem pode dizer.
Foi esta aproclaraago dirigida por Jurez
ao povo mexicano:
Mexicanos:
Depois de urna lucta desigual e sauguino-
lenta, contra as legies estrangeiras chama-
das ao nosso paiz pela traico, estamos
promptos e decididos, como no primeiro dia
a defender permanentemente a nossa inde-
pendencia contra o despotismo. Temos na
verdado sido infelzes; mas a causa do M-
xico nao succumbio, nao est mora, nem
morrer, porque ainda ha mexicanos, em
cujo corago existe o fogo sagrado do pa-
triotismo; e em quaiquer ponto da repbli-
ca em que exfclam coro as armas e a ban-
deira nacional na nao, ah, assim como aqu
ha de existir a patria; ah, assim como aqu
existir vivo e enrgico o protesto do direi-
to contra a forga. Que o saiba bem o bo-
mem logrado, que acceitou a triste misso
de ser instrumento p ra tornar escravo um
povo livre; e que condece que a traico, a
falta de f jurada nos preliminares de Sole-
dade, eos actos de reconhecimento e d'adhe-
sao, dictados pelas bayonetas estrangeiras,
sao os nicos ttulos em que se funda o seu
dominio; que o seu throno vacilante nao
repousa na livre vontade da nago, mas no
sangue e n s cadveres de militares de me-
xicanos sacrificados por elle, pela nica ra-
zo de defenderem a sua liberdade e os seus
direitos; que os traidores qiic o desejaram
e chamaram, e aquelles que, sob presso
da forra, supportam a sua funesta influencia
ou lbe prestam homenagem, devem lem-
brar-se que sao mexicanos, que teem filhos
a que nao devem deixar um legado de infa-
mia, e que em onze annos de guerra cruel
e obstinada contra um inimigo poderoso e
e mais enraizado no paiz, aprendemos a
maneira de reconquistar a nossa indepen-
dencia cora os raesmos elementos de que
dispunham os nossos antigos dominadores.
O usurpador nao gosta talvez de reflectir
na sua falsa posigo, e em lugar de acceitar
as verdades que se conteem as nossas pa-
lavras, regeita-as com o surriso do desprezo,
mas riao importa; a consciencia, que nao
esquece nem perda nunca, ha de fazer va-
ler as nossas razes e encarregar-se de nos
vingar. No bolicio da corte, no silencio da
noite, e na intimidade do lar domestico, por
toda a parte e a toda a bora, ser perse-
guido e incommodado pela recordago do
seu crime, que lhe nao deixar gozar tran-
quillamente a sua presa, esperando a hora
da sua expiago; e ento, para o tyranno,
para os traidores, que o sustentam, e para
todos aquelles que boje zombam de dos, e
se regozijam com a desgraca da patria, ha
de chegar a desillusao com o arrependimen-
to, mas sem proveto, porque ento a justi-
ga nacional ser inflexivel e severa.
Mexicanos, nao duvideis de que esse mo-
viver aabaixo da espada vos resignis a soffrer o jugo do opprobrio
que sobre vos pesa, nao vos deixeis iodir
pelas prfidas insinuages ios partidarios
dos fados coneuramados, porque elles sao e
tem sido sempre, partidarios do despotismo.
A existencia do poder arbitrario urna a-o-
lago permanente do direito e da justica, que
nem o tempo nem as armas podem jamis
justificar, e que necessario destruir, para
honra do Mxico e da humani lade. E esta a
nossa tarefa ; auxiliae-nos. se nao queris
conservar o nome de vis escravos de um ty-
ranno estrangeiro.
E vos, mexicanos, que uestes momentos
de perigo commum, combateis contra os
nossos oppressores, prosegu na vossa obra
com o mesmo herosmo que tendes at ago-
ra mostrado, sem vos deixar abater pelas
desgracas, sem vos deixar intimidar pelos
perigos, sem vos deixar desanimar pelas a-
mentaveis defeeges de alguns dos nossos
irmos. Estes, talvez voltem a nos para des-
truir, defendendo a sua patria, o iabu infa-
mante de traidores que boje os invilece; e
se o nao fizerem, e se obstinarem na sua
degradar tende delles piedade, parque no
meio dos seus gozos e das suas distraeges,
sao desgragados. A recordago de que sao
mexicanos, e ao mesmo tempo subditos de
um usurpador estrangairo, ha de ser um
tormento borrivel, que nao deixar de op-
primir e consumir a sua miseravel existen-
cia.
Nao esquegaes que a defeza da patria e
da liberdade para nos um dever insupera-
vel, porque implica a defeza da nossa pro-
pria dignidade, da honra e dignidade das
nossas mulheres e Glhos, da honra e digni-
dade de todos os homens. E por isso que
temos cooperadores generosos no paiz efra
da repblica, que pelos seus escriplos, soas
influenciase recursos, nos auxilame fazem
votos ardentes pela safvaco da nossa patria.
Redobrae, pois, dos esforgos, com a certeza
de que o tempo, a nossa constancia, unio e
actividade, bao de dar-nos a recempensa dos
nossos sacriflcios, dando-nos o deGnitrvo
iriumpho da causa santa que sustentamos.
Mexicanos! Quem vos dirige a palavra,
fiel' ao seu dever e sua consciencia, ha de
consagrar, como at agora, toda a sua ded-
cago defeza nacional; tratar de lhe dar
impulso por todos os meios ao seu alcance,
e com a vossa cooperago sustentar levan-
tada e sem humilhjgo a bandera da inde-
pendencia, da liberdade e do progress que
o Mxico' conqoistou pelo valor heroico dos
seus gnerreiros e pelo sangue precioso dos
seus filhos.
Palacio nacional em Chihuahua', i de
nerode t865.
Benito Jurez.
ja-
Transcreveraos do Cruzeiro do Brasil o
seguinte :
Emquanto em Franga o cura da Magda-
lena d liges de catbecismo ao principe im-
perial, o embaixador turco em Pars, Rus-
tem-Bey,. encarregou-se de dar algumas U-
gies de catholicismw ao propro imperador.
I O Pois jornal do imperio, dando a- publi-
cidade da enyclica entendeu que podia dis-
correr em theologia, e metiendo os ps pelas
mos, escreveu que a religio cath.lica era
perseguida or Turqua.
Oflendido com' isto o embaixador torco
dirigiu-lbe urna carta, onde mostrou que o
catholicismo mais livre na Turemia do que
na Franca ; e que os bispos francezes se jul-
gariam felizes, si o filho primognito tra-
taste a egreja como o governo< do gro-
sulto.
visitarem a Turqua- nestes ultinvis annos, e
que estudarera sem preconcettos a nossa
actual situaco, podero attestar que a reli-
gio calholicaem vez de ser proscripta da
Turqua perfeitamente livre.
O exercicio exterior do culto catholico,.
se faz publicamente com tanta,, e talvez com
maior liberdade do.que em certos paizes,.
onde esse culto eonstue a religio do es-
tado. |
E para prora disto, Rustem-Bey cita co-
mo exemplo a festa de Corpns Ckristi.qain-
do as procisses catholicas percorrem
as ras com os seus guies, e o clero de
hbitos coraes. leva frente a msica mili-
tar de um regiment turco, e por escolta
soldados musulmanos.
t Estas proeissoes, continua elle uo
acham no povo s nao demonstrages de
respeito, e quando passara diante de um
corpo de guarda teem todas as honras n li-
tares.
E em Pars onde impera o filho primog-
nito da egreja ?
Rustem-Bey faz lembrar que nao ha mui-
to quando a Sublime Porta, entendeu por
um freio ao excessivo zelo dos misionarios
protestantes--* os jornaes ingleses publi-
caram um en lerego, no qual os misionarios
de S. \L Britmnica, pedan para o protes-
tantismo os mesmos privilegios que goza na
Turqua a religio catholica.
Emquanto o turco longe de proscrever o
eatho tesmo, lhe concede pi mlegios, o que
taz o filho primognito da egreja ?
Rustem-Bey prosegue, dizendo que o
governo turco* to pouco hostil reli-
gio catholica, que um numero bastante
consideravel de empregados da Porta e al-
tos funecionarios, professam-na abertameu-
te, e para nao citar seno duas pessoas, nu-
mera S. E. Daoud Paseia, governador do. L-
bano, e elle propro embaixador.
Emquanto que o turco se faz representar
em Pars por um catholico, o filho primo-
gnito chama de Roma o duque de Rol bi-
no, porque o julga mui favoravel causa do
papa I
Finalmente Rustem-Bey cita a le irapres-
sa da Sublime Porta, que asstm reza :
< o govern far figurar entre os proces-
sos criminaes, as offensas foi tas contra um
dos cultos professados no imperio, e o pro-
cesso deve ter lugar logo em seguida da
queixa da autoridade eclesistica.
Oeste modo na Turqua quem insulta Po
ment hade chegar, como chegou 0 dos, !f Por lueixa de um bispo ou deumsim-
nossos antigos dominadores em 1821. Es.|plesparocho catholico, e proceasado pelo
peremos pois, mas esperemos, procedendo8^^___. ^ ^Mm/V ta,JU ._ -
^

i
E acontecer o mesmo onde
a o
Tenho vergonha de ser brasileiro, de me
dizer brasileiro, porque reQectem por esse com a herb'ca resoluco de Hidalgo e de Za.
fado sobre mim essas torpezas, essas igno- ragoza, com a actividade de Morelos e a mo priraogenito da egreja t ^^^^
minias degradantes, que atiram todo o dia constancia e abnegag5o de Guerrero, con-' ". tranca, e caibohcos da
sobre a trra dos ireus sonhos e dos meus servando e augmentando o fogo sagrado, l*?,,a*6SCreve M*1*0**1 UMroo-nos e sup-
amores. d'onde nascer o incendio que ha de devorar Pequemos aos nossos padroeiros, que coa- ;
Compunge-me ao demais a presso dessas os tyrannos e os traidores, que ptofanam o P6"3.011. egp8ja e ?'p i romano, a h-
abjecooes e desgracas, compunge-me muito nosso slo. berdade .. que existena lurqnia. __
porque sinto que ellas correm de outra ori- Mexicanos, v, qae tendes a rtesgraca de pernambcco.TYP. DE m. f. b p. 4'rtLio
(


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWLZM7ZF5_O8N219 INGEST_TIME 2013-08-28T02:50:20Z PACKAGE AA00011611_10663
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES