Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10662


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XU NUMERO 105


Ut qurtelHgt dentro de 10 das dti.mez : :
Mea deitMts i.-10 dias do conloe deitro do qnartel. .
Porttaocorreitfor tresMezes ......
8|000
6$000
780
SEGUNDA FEIRA DE MAI0 DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 dias do 1. mez
Porte ao correio por um anno.......

19J000
3J000
PERNAH
drfaues;
oSr. A:
. Antonio Mi
Lemos Bn
MaranhSo, o
Har, os Sri.
DA 8MCRIPQO DO NORTE
Afctandrfno de Lima;
a da Silva : Araeaty, o
Cetra, o Sr. J. Jos de
J-raqlm Marques Ro-
'aMo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronynw da Cosa.
ENCARREGADOS DA KJBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudloo Faleao Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, s Sr. Jos
ilwiro Gaaparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacdes da va frrea at
Agoa Preta, lodos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas fei ras.
Santo AntSo. Grvala. Bezerros, Bonito, Caruar,
Altioho, Garanhuns, Baiqae, S. liento, Bom
Conselho, Aguas Bellas e Tacaral, as tercas
felras.
Md'AIho, Natareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqaelra,
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oaricury, Salgaeiro e Exti, as qnarlas
tei ras .
Segunda vara do civel: qnartas e sabbades a IJ AUHENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
hora da tarde. -1
Serinblem, Rio Formoso, Taraandar, Una, Bar-\lri^i d0 commerc0 : segnndas e quintas,
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas!**6"?0: tercas e sbados is 10 horas.
Fazaida: quintas s 10 horas.
Ju do rom mere 10: segundas s 11 horas.
I Dito de orphios : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextos aomeio
fei ras.
EPHEMERIDES DO HEZ DE MAIO.
2 Qnarto cresca 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 Lna ebeia as 6 h., 3 ni. e 22 s. da t.
18 Quarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 48 s. da t.
a.
pegtnda vara do civil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
8. Segunda. S. Heladio b.
9. Terca. S. Gregorio Nazianzeno doul da egr.
10. Quirta. Ss. Blanda e Pbiladelpho mm.
11. Quinta. Ss. Fabio, Aoastacio e Sereno mm.
12. Sexta. S. Joanna princeza v.; S. Nereo m.
13. Sabbado. S. Pedro Regalado f.; S. Cliceria m
14. Domingo. S. Athanasio b.; S. Gil.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 54 m. da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o lorie
ala a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Pecan-
do nos das 14 dos mezes de Janeiro, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria i Filho.
PARTE 0FFICIAL
GOVBRilO DA PIOTIHCIA.
Continuarao de expediente do dii 3 de maie de
1865.
Circular a todos os commandaates superiores da
fuarda nacional (menos do Recife).Declaro V.
., que os guardas nacionaes designados para o
servido de destacamento, e dfeza do imperio, de
que trata o meu offlcio de 20 de fevereiro ultimo,
que tiverem sido allendidos pelo conselho de re-
vista, devem ser substituidos pelos que houverem
sido designados em lista supplementar organisada
pelos mesmos conseihos.
Se porm nao existir essa lista, faca V. S. reunir
ontra vez aquelles conseihos, para que designen!
nao s os guardas, que tem de supprir a falta dos
atendidos pelo coaselho de revista; mas tamhem
outro-, que substiluam os novamente designados,
no caso em que venham a ser despensados pelo
conseiiio de revista, que V. S. far convocar 10
dias depois de funecionarem os conseihos de qua-
liQcnco.
Por" essa occasio recommendo V. S. que faca
seguir, sem demora, para esla capital, a forca de-
signa !.!, rujas reclamaces teuham sido j attendi*
las pelo conselho de revista ; fazendo o mesmo
acerca dos guardas, que forem novamente sor-
teado, om substituicaj dos altendidoi em recurso.
J) is trabalhos dos con Cao, ijner de revista, deve V. S. remelter copia
aatheatica secretaria desta presidencia, e com
quanto seja di esperar, que procedam elles com o
maior zeJu, mparcialidade e escrpulo em seme-
Ihnte s.-rvico, convm todava que V. S. Ibes re-
eommende a fiel observancia da lei, e Ihes faca
sentir que qualqner falta no cumprimento dos
seus deveres nao Ihes ser relevada por esta pre-
sidencia.
Dia 4
Oli'io ao coronel commandante das armas.
S'rva-sc V. S. de mandar inspeccionar o Io sargen-
to do 2o corpo de Voluntarios, Jlo Manoel Baplis-
ta, cuno e.-te pede no incluso requerimento.
Diio ao mesmo Queira V. S. enviar me um
'mappa de loda a forca rio 4o balalhao de artilhana
pe, com declaraco" da que se aeha destacada c
em que pontos.
. Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de agradecer e
louvar em meu norr.e o acto de abnegacao e pa-
triotismo do 2o cadete Io sargento do 2o corpo de
Veluiilarios da Patria, Hcnriqne Dias de Freitas,
azendo renujicia-do premio de 3005000 e da sorte
de ierras que Ihe concede o decreto n. 3,371 de 7
de Janeiro deste anno.Communicou-se a tnesou-
raria de fazenda.
Dito ao mesmo. Ao oTiclo que V. S. me dirigi
bontem, soto a. 872, respondo declarando-lhe que
havendo mediros civis em numero suQlciente que
se olfereceram para fazer o servico gratuitamente,
^orna-so tlesnecessario que fique incumbida a um
medico militar, como V. S. propoz em dito offlcio.
a enfermara permanen'e que se deve estabelecer
nesla capital Da forma do aviso da repanirao da
guerra de II de abril ultimo.
Dito ao mesmo.Queira V. S. mandar inspec-
cionar pela jun'.H re sade. o tenentj-ajudante do
corpo de polica, Jos Conegundes da Silva, que as-
sim o pedio em seu requerimento, remettendo-me
o parecer da mesma junta.
Dito ao mesmo.Mande V. S. alistar no 2" corno
de Voluntarios, com a praca Me Ibe competir, o
cidario Francisco Mattoso da Silva Santiago, Olho
do desembargaoVir 'Caelano Jos da Silva San-
tiago.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Attendondo ao que expoz no incluso requerim'>nto
o barharel Manoel Galdino da Cruz, e tendo em
vista o que a esso respeito infjrmou o juiz de di-
reito da comarca do Brejo em offlcio de 2i de mar-
co ultimo, recommendo V. S. que mande pagar
ao siipp'icante, na qualidade de promotor publico
daquella comarca os seus vencimentos, contar de
28 de novembro ate 12 de dezembro do anno pr-
ximo passado, lempo em que elle por doenle dei-
xou o exerririodo seu emprego, considerando V.
S. p .ra esse fin abonadas as fallas que em taes dias
deu o mencionado bactiarel.
Dito ao mesmo.Recommendo V. S. que em
vista da centa junta em duplcala, mande pagar
companhia de Beheribe a quanlia de 1760O, pro-
veniente d'agua que por espaco de 40 dias forne-
ceu ao Io corpo de Voluntarios desta provincia.
Dito ao mesmo.Transmuto V. S. para o fim
conveniente, o incluso pret em duplcala que me
renieticu o coronel commandante das armas com
offlcio de 2 do corrente, sob n. 773, liraudo venci-
mentos relativos segunda quinzena do mez de
abril ultimo, para os recrutas em deposito cargo I
da companhia de artfices desla guarnicSo. Com- j
municou-se ao coronel commandante das armas.
' Dito ao mesmo.Nao havendo inconveniente,
mande V. S. pagar integralmente ao bacharel Es-!
tevo Benedicto Franca, como pede no incluso re-
Suerimento, os seus vencimentos relativos ao mez
e marco ultimo, como juiz municipal do termo de i
Villa-Bella, considerando-se para isso abonadas as
fallas que por doentedeu o supplicantede 7 at 20
daquelle mez.
Dito ao mesmo. D V. S. as convenientes pro-
videncias para que o capito do 4 balalhao de ar-
timaa p, Tiburcio Hilario da Silva Tavares,
actualmente destacado no presidio de Fernando,
seja pago de todos os seus vencimentos pelo almo-
xarifado do mesmo presidio, como solicitnu o co-
ronel commandante das ara as em ofDcio desta
dala.
Din ao raesmo.Respondendo ao offlcio que V.
S. me dirigi em 2 do correle, sob n. 291, lenho
adizer omresposta que approvo a nomeaeao que
fez o pagador dessa thesouraria de Sehaslio Va-
leriano Alves de Souza para seu fiel.
Dito ao mesmo.So nao houver inconveniente,
mande V. S. pagar a quantia de 39400, que se-
gundo as contas juntas em duplcala e que me re-
mclleu o coronel commandante das armas com
offlcio de hontem, sob h. 778, fot despendida pelos
2"* tenentes do 4o balalhao de arlilharia p, An-
tonio Luiz Teixeira Campos e Manoel Goncalves
Rodrigues Franca, com o expediente da 4' e 6"
compauhias daquelle balalhao, durante o mez d
abril ultimo, em que'as commandaram interina-
mente.
Dito ao mesmo.- Constando de offlcio do coro-
nel commandanU das armas de hontem, e sob n.
7SI, que por faMe crdito deixou essa thesoura-
ria de pagar a roma dos vencimentos relativos ao
mez do abril ultimo, dos empregados do hospital
militar, e bem assim o pret de 2 sentenciados que
se acham ao servico da fachina no quartel da com-
panhia de cavallaria, auloriso V. S. mandar effec-
toar esses pagamentos sob minha responsabilidade,
nos termos do decreto n. 2,884 do 1 de fevqjeiro
d 1862, se assim for preciso e nao houver Incon-
veniente.Communicou-se ao commandante das
armas.
Dito ao inpector da thesouraria provincial.
Annoindo ao que solieiiou o inspector da thesou-
raria de fazenda em offlcio de 27 de abril ultimo,
sob d. 280, recommendo a V. S. a expediccio de
sua; ordens, para que com a brevidade possivel
seja iudemnsada a thesouraria, como ja se orde-
nou em 4 e 24 de julho de 1860, da quantia de...
745000, despendida pelo colleclor do municipio de
Tacarat com o sustento dos presos da respectiva
cadeia, durante o mez de maio daquelle anno, fe-
zendo V. *. para esse fim processar essa divida,
visto pertencer a exercicio j encerrado.Commu-
niceu-se thesouraria de fazenda.
Dilo ao mesmo.Em vista do incluso requeri-
mento documentado, nao havendo inconveniente,
mande V. S. pagar a Claudio Dubeux, na qualida-
de de procurador de Alexandre Maria Barbosa da
Silva, a quantia de 065000, proveniente das despe-
zas feilas com o sustento dos presos pobres da ca-
deia de Pa d'Alho, durante os mezes de Janeiro e
fevereiro deste anno.
Dito ao mesmo. Communicando-me o chefe in-
terino da repartido das obras publicas cm offlcio
de 15 de abril ultimo, sob n. 110, haver o arrema-
tante da conservacao do 3o termo da estrada do
sul cumprido as condigSes do seu contrato, duran-
te o mez de fevereiro deste anno, achando-se por
isso com direilo ao pagamento da prestacao cor-
respondente, na importancia de 3045930, recom-
mendo V. S. que mande effectuar esse pagamento,
em vista do competente certificado.Communi-
cou-se ao chefe interino da reparticao das obras
publicas.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Olinda e Iguarass.Ordene V. S. ao
commandante do 9o balalhao de infantaria daguar- ,
da nacional de Olinda, que preste urna guarda de PWMEIBA SESSAO PREPARATORIA EM 27 DE
11 m pq' ii
SESSAO PREPARATORIA EM 29 DE ABRIL
' DE 1865.
costeio se despende avultada quantia, expeca V. Lino e Jesuino Marcoudes de Olivoira e S, depu-1 Nada mais havendo a tratar-se o Sr nresidente
Exc. as necessanas ordens para o extinguir, crean- tados reeleitos pelas provincias do Cear, Bahia e levanta a sessao ao meloda presidente
do em seu lugar urna enfermara permanente nos Paran, bem como o do Sr. Dr. Gentil-Homem de
termos do regulamento de 7 de marco de 1857 e | Almeida Braga, eleito pela do Maranhao
regiment especial de 31 de Janeiro de 1861, fa- Q Sr. 1 secbetmuo declara que os Srs Barros 3
zendo reeolher a esla corte os offlciaes do corpo de Pimentel, Casimiro Madureira e Pinto de Mendon-
sadeque ahi forem desnecessarios e despedindo c Ihecommonicaram acharem-se promptos para' pbesidencia do sr. baio de prados.
- comparecerem s sessoes. j A'sll 1|2 horas, achando-se reunidos varios
O Sr. Presdeme nomea para servirem interi- Srs. depulados, o Sr. presidente abre a sessao.
mente na commisso de poderes aos Srs. Bar- ^^a e approvada a acta da antecedente, entram
ros Pimentel e Martinho Campos,
Nada mais havendo a tratar, levanta-se a sessao
ao meio-dia.
os mdicos contratados que nao forem mais pre-
cisos.
Do material existente no hospital mandar V.
Exc. fornecer o que fr mister para o servico da
enfermara e reeolher o resto ao arsenal de
guerra.
Deus guarde a V. Ex.Visconde de Camam.
Sr. presidente da provincia de IVrnamhuco.
(Assignado.)Jos Maria Ildefonso Jacome da
Veiga Pessoa de Mello.
(Conforme.)Antonio Francisco Duarte, i" te-
neme ajudante de ordens Interino, encarregado do
delalhe.
INTERIOR.
RIO DE JAMIUO
SEN4D0.
boura para acompanhar a procissao do Senhor dos
enfermos no dia 11 do corrente as 7 horas da ma-
nba, na cidade de Olinda.Communicou se a ir-
: mandade do Santissimo Sacramento da freguezia
de S. Pedro Marlyr de Olinda.
Dita ao commandante superior da guarda nacio-
| nal de Nazareth.Ao tenenle cirurgiao do bala-
lhao n. 20 de infantaria da guarda nacional desse
municipio, Joaquim Jo> Moreira, rSinde V. S. pas-
sar, nao havendo inconveniente, a guia de que trata
o art. 45 do decreto n. 1130 de 12 de marco de
1853, visto ter transferido a sna residencia para
esta capital, como allegou em seu requerimento.
Dito aomesmo.Ordene V. S. ao commandante
do balalhao n. 18 de infantaria da guarda nacional
desse municipio, que preste urna guarda de honra
para acompanhar a Ambula Sagrada que lem de
ser transferida da matriz para outra igreja, segun-
do declarou-me o respectivo parocho.
Dito ao inspector do arsenal de Marinha.Man-
de V. S. admittir na companhia de aprendizes ar-
tfices, havendo vaga, o menor Julio Pedro Routier
urna vez que esteja as condicoes do regulamento
respectivo.
Despachos do dia i de maio de 1S65.
Requrimentos.
Alexandrino Thomaz de AquinoColho.Deu-
se-lhe o conveniente destino.
Administracao da Companhia do Beberibe.Di-
rija-se thesouraria de fazenda.
Abaixo assignado de moradores da villa da Es-
cada. lndefendo cm vista da informaco.
Francisca Joaquina dos Prazeres. Informe o
Sr. Dr. chefe de polica.
Penriqueta Margarida do Nascimento.Informe
o Sr. commandante do corpo de polica.
Irraandade do Santissimo Sacramento da fre
guezia da Boa-Vista desla cidade.Em vista da
informaco, nao lem lugar o que requer a suppli-
cante.
Jos Francisco Ribeiro de Souza.Informe o Sr
director geral da inslruccao publica.
Vigario Jeronymo Jos Pacheco de Albuquerque
Maranhao. Ao Sr. commandante superior da
guarda nacional de Nazareth se expede a conve-
niente ordem.
O me^mo vgano.Dirija-se ao Sr. thesoureiro
das loteras.
Joo Ramos da Luz. Apresente-se no quartel
do commando das armas para ser inspeccionado.
Joo do Prado Ribeiro. Passe portara conce-
derlo a gratlieacao que pede o supplicanle a con
lar de hoje em dianle.
Joaquim Jos do> Santos Jnior.Informe o Sr.
inspector da thesouroria provincial.
ABRIL DE 1865.
PRESIDENCIA BD SR. VISCONDE DE ABAET.
A's 11 horas da manhaa, procedese chamada,
e achando-se presentes os Srs. Dantas, Ferreira
Penna, Nabuco, Zacaras, Pompeo, Jobim, visconde
de Abael, Souza Ramos, Teixeira de Souza, Otlo-
ni, Cunha Vasconcellos, D. Manoel, Mafra, Araujo,
Ribeiro e marquez de Olinda o Sr. presidente abre
a sessao.
E' lida pelo 2o secretario a relacao dos Srs. se-
nadores que estad presestes na corte e dos que
dola esto ausentes.
O Sr Presidente declara que, vista da relacao
que acaba de lr-se, verificava-se haver na corle
numero sufflcieote de senhores senadores para
abrir-se a assembla geral, e assim ia-se offlciar
Desse sentido cmara dos Srs. depulados e ao Sr.
ministro do imperio, pedindo a este dia, hora e lu
gar em que S. M. o Imperador sdignar receber
2* SESSAO PREPARATORIA EM 28 DE ABRIL
DE 1865.
PRESIDENCIA DO SR. SARAO DE PRADOS.
Summahio. Expediente. h'leico do Cear. (I.
districto).~Ekicao do Paran. Eleicao da Ba-
ha (2.o dislricto). Eteicad do Maranhao districto).
A's onze horas e meia da manhaa, feita a cha-
mada, e achando se presentes os Srs. baro de
Prados, Franco de Almeida, Pedro Luiz, Limpo de
Abreu, Martinho Campos, Itaiol, Brusque, Silva
Pereira, Carrao, Alvim, Arstide Lobo, Jos Casia-
no, Lopes Netlo, Mello Franco, Urbano, J. Madu-
reira, M3cedo, Tavares Bastos, Domiciano, Morei-
ra, Fiamo e Cirvalho Res, abre se a sessao.
L-se e approva-se a acta da antecedente.
O Sr. 1." Secrbtario d couta do seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Sr. conselheiro visconde de Cama-
m, communicando que por decreto de 12 de feve-
reiro ultimo houve por bem S! M
em discusso e sao approvados sem debate os pa-
receres da commisso de conslituicao e poderes
sobre as eleicSes de um deputado pelo 1." districlo
do Cear : dous pelo 2.-dlstrlcto do Maranhao
um pela provincia do Paran e um pelo 2. dis-
lricto da provincia da Bahia.
O Sr. presidente em seguida, declara deputados
por aquellas provincias o Sr. conselheiro Jos Li-
berato Barroso, os Srs. Drs. Gentil-Homem de Al
meida Braga e Jos Joaquim Tavares Beifort, e os
Srs. conselheios Jesuino Marcondes de Oliveira e
Sa e Francisco Xavier Pinto Lima.
Nada mais havendo a tratar, o 'Sr, presidente
levanta a sessao, dando para a ordem do dia 30 o
que occorrer.
?*-<8^--
nomea-lo ministro e secretario de estado dos ne
gpcos da guerra.loteirada. .
Leem-se, e vo a imprimir para entrar na ordem
dos trabalhos 05 seguintes pareceres :
ELEIQAO DO CEAR.(1. dislricto)
-26-
0 vapor Brasil, entrado hontem do Rio da Prata
e porto* do sul do imperio, Irouxe dalas de Mon-
tevideo at 16, PortoAlegre at 15, Rio-Grande
19 e Sania Camarina 22 do corrente.
As noticias de Montevideo apenas adiantam um
dia s trazdas pelo Santonge.
. Nao constava all anda que houvesse chegado a
o Imperador BuP"os-Ayres da viagem Assumpcao o vapor ar-
A'commisso de conslituicao e poderes, aqual Paraguay.
gentino Sallo, e cada dia de demora conlirmava
mais as suspeilas de que este barco houvesse sido
presa da rapacidade de Lpez. Em summa po-
rm ainda o governo argentino nao tinha recebido
otficalmente a declarado de guerra por parte do
foram presentes a acta geral e as authentcas'dos
collegios de S. Bernardo, Queixeraraobim, Maran-
guape e Riacho de Sangne, pertencentes ao 1."
dislricto da provincia do Cear, onde procedeu-se
no da 2D de Janeiro do corrente auno eleieao
para preenchimenlo da vaga deixada pela nomea-
cao do Sr. deputado conselheiro Jos Liberato Bar
Sffi1 d Senad' q?e ,eraude pedir r**6'105?- roso para o cargo de ministro e secretario de esta
mente ao mesmo augusto senhor a desigoaco do
dia e hora para a rnissa do Espirito Santo na ca-
pella imperial, e a hora e lugar da sessao Imperial
da abertura da assembla geral.
Em seguida o Sr. Io secretario d conta de dous
do dos negocios do imperio, d seu parecer. .
Posto que, constando de onze collegios o dis-
lricto eleitoral referido, como licou (Jilo, apenas
viessem commisso quatro authenticas certo
que na acta da apuracao geral nao s aecusa ou
Nao precisa, porm, o here.da Assumpcao de
declarar a guerra para a ir fazendo a seu modo.
De S. Thom em Corrientes escrevera :
As continuas excurs5es de partidas de Para-
guayos pelo nosso territorio, e a propaganda que
no seu transito fazem de que em despeito de nos
todos ho de passar ao Brasil, tem posto os habi-
tantes do nosso departamento e especialmente os
Brasileiros aqui residentes em grande sobresali,
e f que elles lm razao.
Temos o exemplo da invasao vandlica de
Matto Grosso, e, ailendendo s declaracoes do pre-
mie Lpez e do seu simulacro de congresso,
COMMANDO DAS ARMAS.
Quartel do commando das armas de Pernambuco
na cidade do Recife, o de maio de iSGo.
Ordem do dia n. 63.
O coronel coramandanle das armas interino, em
cumprimento do aviso do ministerio da guerra de
11 de abril prximo lindo abaixo transcripto, que
per copia Ihe foi remettido pela presidencia Da da-
la de 2 do correnlo, determina que o hospital mili-
tar desta guarnieao fique.de amanhaa em diante,
convertido em enfermara permanente nos termos
do regulamento de 7 de marco de 1857 e especial
de 31 de Janeiro de 1861, devendo a administracao
dessa enfermara tirar a cargo do conselho econ-
mico do 4 batalhao de arlilharia a p, como esta-
belece o art. 38 do citado regulamento especial.
Tendo de seguir para a corte todos os facultati-
vos militares, a direccao da enfermara ser con-
fiada ao Sr. Dr. Alexandre de Souza Pereira do
Carmo, que no raesmo hospital exerce gratuita-
mente as funecoes de primelro medico, tendo por
coadjuvanles os Srs. Drs. Jdo Pedro Maduro da
Fonseca e Joo BaplisU Casanova. Sr. capello
contratado do hospital, continuara a ser o da en-
fermara. O boticario, o enfermeiro-mr, enfernni-
ros o .-eu> ajudaotes, o cosinbeiro e serventes, do
exiincto hospital continuarao nos seus empregos,
al que possam ser convenientemente substituidos
por praas do exercito.
Afora dos ditos empregados, todos os mais se
consideraro exonerados dos respectivos empregos.
O conselho econmico do referido balalhao pro-
ceder a um balance de lodos os objectos existen-
tes as differentes arrecadacSes do extincto hospi-
tal, e o excesso destes objectos, em relacao ao ser-
vico da mesma enfermara ser recolbido ao arse-
nal de guerra, como determina o sobredilo aviso,
enviando del es urna relacao em duplcala a secre-
taria militar, bem como dos que ficam a cargo da
enfermara.
O coronel commandante das armas interino por
esta occasio, se apraz em lestemunhar ao Sr.
director do Jiospital lenente-coronel Jos Locas Soa-
res Rapozo da Cmara os devidos louvores e agra-
aecimentos pelo bem que desempenhou s inheren-
tes funecoes dando irreragaveis provas da intelli-
gencia, probidade, zelq e decidido interesse que
sempre tomou pela reglaridade do serngo de um
estabelecimento miijtar (o importante como o que
teve sob sua direccao.
Aos Srs. Drs. Pereira do Carmo e Pedro de
Athayde Lobo Moscoso que gratuitamente funecio-
naram no hospital igualmente lonva e agradece os
bons servicos que prestaram, e bem assim aos Srs.
almoxarife Thomaz Antonio Maciel Monteiro, es-
crive Jos Marcelino Alves da Fonseca, amanuen-
se] Joao Tiburcio da Silva GuiraarSes e Bernardino
Pereira de Brito, e mais empregados que ficam
exonerados, os qoaes satisfactoriamente cumpri-
ram com os seus deveres.
AVISO.
4* Directora geral.2" seccao.Rio de Janeiro.
Ministerio dos negocios da ituerra, 11 de abril
de 1865. -Illra. e Exm. Sr..Convindo reduzir tan-
to quanto seja possivel as despezas do ministerio
da guerra a meu cargo, e attendendo a que a au-
sencia da (orea de liona nessa provincia oo exige
devemos
- esperar d'aquelle governo, que nao lem
287 voios'olltra lei a'm da sua vonlade e desmedida ambi-
137 : ?a?
37 O governo argentino ia tomando as medidas de
seja reco-1 precaucao que o caso exiga, sem todava mobili-
sultado da eleico foi o seguinte
Conselheiro Jos Lbralo Barroso. .
Dr. Domingos Jos.Nogueira Jaguarbe.
Dr. Raymundo Ferreira de Araujo L.
t Assim que, prppoS a commisso, .
nhecido deputado a assembla geral legislativa o sar as 'oreas da guarda nacional das differentes
Sr. conselheiro Jos Liberato Barroso. provincias, emquanto da parle do Paraguay nao
t Sala das commissoes. 28 de abril de 1865. nouvesse um aclo de aggresso aberta. Segundo
omcios datados de boje, um do Sr. senador Das denunwa irregularidade alguma, sendo oue re- i nao veremos pensar na nossa seguranca ? Que
de Carvalho participando achar-se promplo para' A"> -----
comparecer s sessSes do senado; outro do Sr. ba-
ro de Anlonina communicando que por incommo-
dos de sade nao pode comparecer s sessSe pre-
paratorias, porm que se acha promplo a compa-
recer s sessoes ordinarias.Fica o senado iaiei-
rado.
O Sr. Presidente convida os Srs. senadores pa-
ra reunirem-sojio dia seguinte mesma hora, e Jos"c^etanVdoslants.Martmho^CamposTV" ios mappas offlciaes, elevara-se estos forcas a 35,134
evaniou a sessao. j klbicao do paran. homens, nao comprehendtdas as da Babia Branca
' *" ..' i c A' commisso do eonstiluico e poderes foram e 9.654 da reserva.
SEGUNDA SESSAO PREPARATORIA EM 28 DE Presentes a acta da apuracao gerl easatUhenti-1 Jm Montevideo organisava-se urna legio volun-
ABR L DE 1865. j cas de todos os collegios que constituem o dislricto tarta auxiliar, para acompanhar ao Paraguayo
presidencia do sr. visconde de abaet QD1C0 da provincia do Paran, onde effectuou se: ml* exercito.
A'sll horas da manhaa fez-se a chamada, e no ia 30 de oulubro do anno lindo a elejcao para. .Segundo inormacoes j colhidas, pouca disposi-
achando se presentes os Srs. visconde de Abaet preenchmento da vaga deixada pela nomeacao Cao navia em Corrientes para fazer causa cora-
Mafra, Ferreira Penna, visconde de Sapucahv Si- do Sr- d"Ptado conselheiro Jesuino Marcondes de mum com Paraguay, mostrando-se antes os Cor-
queira e Mello e Rodrigues Silva, o Sr. presidente Iliveira e Sa Para c^eo de ministro e secretario reimos como sempre inimigos ligadaes dos Para-
abre a sessao. de estado dos negocios da agricultura, commercio guayo*. O general Caceres, que a Heforma Paci-
E' lida e approvada a acta da antecedente. e 0Das Publicas. J fica deu cor" militando j no exercito de Lpez s
O Su. Io sEcnETARio l a carta imperial datada Dos documentos referidos deprehende-se que ordens de Virasoro, diza-se agora cm Corrientes
de 16 de Janeiro do corrente auno, pela qual no- proccsQ eleitoral correa regularmente, nao s
meado senador do imperio o Sr. Jao Lnstosa da Porque nao-se observa nelles-falla deformalidade
Gunha I'aranagu. : alguma, seno tambera atienta a ausencia de pro-
E'remetliJa commisso de coastuigo paja teslos ou f|Uixas qu^ ponham em duvida o resl-
dar sobre ella e com urgencia o seu parecer. lado da eleico.
Em seguida, lido um offlcio do ministerio do Obtiveram votos os Srs. :
imperio, datado de 27 do corrente mez, acorn* Conselheiro JesuinoM.de Oliveira c S.
nhaudo as actas da eleieao de senador, a que se r- Jose Mathias Ferreira de Abreu.
procedeu na provincia de Pauhy, era consequen-
cia J
cisco
da apuracao gera
E' remeliida mesma commisso.
o Sr. presidente' Oliveira e Sa para o cargo de ministro e secretario
j de estado dos negocios da agricultura, commercio
bras
< Dos
prorapto a opprse com quatro mil voluntarios a
qualqner invasao paraguaya, e quanto a Urquiza
continuava-so a asseverar que elle, como j escre-
vera para a Assumpcao, amisade pessol que vo-
tava a Lpez anteporia a sua qualidade de general
argentino, e seria o priraeiro a tratar como nirai-
1-18 votos gos os Paraguayos que atravessassem a fronteira.
77 > No dia 15 erabarcaram em Montevideo para
Isto posto, a commisss de parecer quo seja Buenos-Ayres, na eanhoneira Araguay, os Srs. vi-
ia do fallecimeuto do consehir' JoaquinFra-! reconhecido deputado. a assembla geral legislativa ce almirante visconde de Tamandar e conselheiro
isco Vanna, e bem assim a lista trplice e a acta ^r- conselheiro Jsuino Marcondes de Oliveira e Oclaviano, para acivar, segundo se dizia, os apres-
a anurcan mral. I S. tos di expedigo contra o Paraguay.
Sala das commisso s, 28 de abril de 1865.- As noticias da provincia de S. Pedro do Sul nao
O Sr. Presidente convidaos Sr. senadores a '^os^ Caelano dos Santos.Martinho Campos,
reumrem-se no dia seguinte mesma hora, e le-
vanta a sessao s 11 ti horas da manhaa.
CU IRA
PRIMEIRA
DOS SRS. MENTADOS.
SESSAO PREPARATORIA EM 27 DE
ABLIL DE 1865.
PRESIDENCIA DO Sn. BARIO DE PRADOS.
A's onze horas e meia da manhaa, feita a cha-
mada e achando-se presentes os Srs. barao de Pra-
dos, Franco de Almeida, Pedro Luiz, Limpo de
Abreu, Martinho Campos, Bruqu\ Ralol, Souza
Carvalho Saldanha Marinho, Mello France, Lopes
Netlo, Silva Pereira, Souto, Silveira Lobo, Fialho,
offerecem grande interesse.
eleiqao da baha (2. districlo). O presidente desta provincia ainda estava em
A commisso di conslituicao e poderes exami- Pellas, e s devia regressar capital a 25 docor-
nou a acta da apuracao geral e as authenticas de r(,nte "?ez.
lodos os collegios quo constituem o 2. districlo No da 9 partir para a campatiha o Io batalhao
eleitoral da provincia da Babia, onde teve lugar no <*e voluntarios da patria, indo embarcado at San
| dia 30 de outubro a cleigo para preenchimento da ,n Amaro para d'alli seguir por Ierra para o Ro-
vaga deixada pela nomeacao do Sr. deputade Pardo, de onde deve marchar para S. Borja.
Francisco Xavier Pinto Dima para o cargo de mi- O 5*, tambera de voluntarios, embarcara no dia
nislro e secretarlo de estado dis negocios dama- '? no Rio Grande cora destino capital da pro-
, vincia.
O Commercial descreve assim a partida deste
corpo :
Entre os actos repassados de patriotismo e
saudosa lembranca que esia cidade tantas vezes
tem praticado deve oceupar um distinelo lugar a
despedida que fez aos bravo* do 5o batalhao de
voluntarios.
Nao foi urna fesla inspirada pelo santo enthu-
rinha.
Observaram-se todas as formalidades legaes
do processo eleitoral, e os documentos referidos
nao contem cousa alguma que possa p5r era duvi-
da a validado da eleieao.
t Obtiveram votos os Srs. :
Rodrigues Jnior, Carvalho Reis, Moreira, Tavares Conselheiro Francisco Xavier Pinto Lima. 959
Bastos, Ribeiro, Macedo, Carrao, Pamplona, Espe- Luiz Antonio Alfonso de Carvalho. 1
ridio, Luiz Felippe, J. Madureira, Domiciano, Jos Francisco Lonrenco de Araujo..... 1
Caelano, Aristiles Lobo, Andrade Pinto, Urbano, < Em visto do exposto prope a commisso que
Biltencourt Sampaio, e Jacobina, abre-se a sessao. seja reconhecido deputado assembla geral le
O Sr. Io Secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do ministro do imperio, enviando as
actas dos collegios eleiloraes de Cor i liba, Paran-
gu, Anlonina, Castro e Guarapuava, e bem assim
a acta da apuracao geral dos votos na elelcao a
siasmo, era d'aquelles obsequios sempre recebi-
dos cora a mesma sympathfa que os oflerece.
gislaliva o Sr. conselheiro Francisco Xavier Pinto Neste acto houve um cunho especial, urna lem-
Lima. : branca perduravel, um incentivo para o amor pro-
Sala das commissoes, 28 de abril de 1865. prio dos valentes que o receberam, embra sua
Jos Caetano dos Santos. Martinho Campos. > : corag'em e devotacao ao paiz sejam bem manifesta-
ELErgAO do maranhao (2. districto). | das no passo que deram, alistando se voluntaria^
A commisso de poderes, tendo examinado a mente para desafronta-lo dos insultos recebidos.
que se procedeu" ltimamente para um deputado acta da apuracao goral dos volos para dous depu- O batalhao sahindo dos quarleis, diriglndose
na provincia do Paran.A' commisso de pode- lados pelo 2. districlo da provincia do Maranhao, Pra o lugar do embarque, desfilou pela ra da
res. e bem assim as actos dos ireze collegios do mesmo Praia.
Outro do mesmo ministerio, enviando o offlcio da dislricto, qne Ihe foram presentes, veriflcou que
cmara municipal da cidade da Cachoeira, acom- na apuracao feita pela cmara municipal de Ca-
xias nq foram contemplados os votos dos collegios
da Carolina e Riacho, cujas actas aquella cmara
municipal nao havia recebido.
Venficou mais a commisso que no collegio
< Chogando em frente da antiga casa da cma-
ra municipal, seis jovens senhoras vestidas de
branco e levando a tiracollo urna facha verde ador-
nada cora 20 estrellas de ouro e pertencentes s
respeitaveis familias do capitn de fragata Rodrigo
Antonio de Lamare, Rodrigo Jos de Lamare, Ga
girando-las acompanhou sempre os enthosia'ticos
e espontneos vivas dados durante aqueHe acto.
c O povo agglomerado para saudar os bravos
que o deiiavam para ir colher immarcesslveis loa-
ros cedeu emfira o passd ao balalhao, que seguio
para o embarque, sob um chuveiro de Aires, e
multas casas tendo adornado sua frente com lin-
das e vistosas colchas de seda.
A msica da sociedade particular Untao Com-
mental tomou a frente da comitiva e alternando
com a msica do batalhao executou as mais agra-
davels symphonias.
Em 'odas as casas, as janellas estovam api-
nhadas de senhoras que uniam seus vivas aos da
comitiva, e sinceros volos faziam para a volla des-
es nobres soldados, que no campo da honra iam
atfrontar tontos perigos.
Muitas deslas senhoras unram-se ao acompa-
nbaraento j to numeroso, e seguiram at a Ma-
cega, onde os vapores esperavam o batalhao.
As despedidas foram longas, porque era justo
manifestar ao 5o corpo de voluntarios sinceras ex-
pressoes pela ordem e disciplina, que to estricta-
mente conservou emquanto esteve nesla cidade.
Porm tudo se fez na mais rigorosa preclso,
sem disturbio ou confuso.
Se nos roslos dos bravos se liam os nobres
sentimentos que nutrera, tambera se di visa va o pra-
zer e o reconhecimenlo pelo lao dislincto obsequio
que Ihes era feilo.
t Apenas embarcados, soou o sgnal da partida e
no campo da honra, onde sem duvida lem de co-
lher virentes palmas, sao acompanhados pelos sin-
ceros e ardentes volos deste povo, sempre aprecia-
dor de tudo quanto grande e digno do imperio,
de que faz tao importante e distincta parte.
O Sr. Dr. Antonio Jos Alfonso Guimares linha
assumido o exercicfo do cargo de juiz de direito
da comarca do Rio Grande do Sul, para que fra
ltimamente nomeado.
Estava concluido o processo instaurado pelo as-
sassinato da joven esposa de Joo Maciel de Barros.
A viuva Amalia Accioli, o preto Venancio e a par-
da Firmna forara pronunciados no art. 192 do c-
digo criminal, a 1' como mandante, o 2o como au-
tor e a 3" como cumplice. .
Os reos deviam responder ao jury convocado
para o corrente mez.
No municipio do Trumpho, perpetrara-se um
crime horrivel. Um fulano Orestes, homem de
pessimos precedentes, criminoso perseguido pela
polica, sassinou sua velha me por nao querer
esta entregar Ihe, para acompanha-lo as corre-
rlas o nico escravo que possuia I
O Echo Gabrielense d a noticia seguinte de
Sanl'Anna do Livramenlo em 12 de marco :
e No dia 28 do passado fizeram sua entrada na
villa o eorpo n. 26 e o 10 batalhao de infantaria,
aquello ao mando do digno lenente-coronel Sezefre-
do Alves Coelho de Mesquita, e este do distinelo
Rio Grandense tenente-coronel Jos Antonio, da
Silva Guimares.
c Essa entrada foi feita debaixo de muito en-
tliusiasmo e applausos, tanto na populaco deste
lugar como da forca de guardas nacionaes que o
guarnece.
< Os dous corpos estovara brilbantemenieunifor-
misados e marcbavam gaibardamente ao som da
bellissima msica do 10.
Entraram pela ra principal da villa, cojas
porlas estovam apinhadas de povo e madaraismo.
t Na mesma vereda a iropa seguio a transpor a
linha divisoria, indo acampar-se no Estado Orien-
tal, na margein esquerda do Cunha Per', onde se
acha acampada a brigada ao mando do bravo co-
ronel Joo Antonio da Silveira, composto dos cor-
pos de cavallaria ns. 18, 21 e 27, fazendo um todo
de 1,200 bomens, c hoje com o augmento do 26 e o
10 batalhao ; urna bonita brigada, qual per-
tence a flor dos corpos de guarda nacional da fron-
teira.
De Santa Catharina communicam-nos (erem che-
gado all o dia 12 os vapores Imperatriz, Princeza
Apa, dos quaes desembarcaram cento e tantos pra-
Cas da forca que conduzam atacadas do bexigas e
sarampos.
O presidente da provincia fez seguir em um dos
referidos vapores, que largarais dalli para o sul a
14, o Dr. Luiz Carlos, alira de prestar s pracas
que adoecessem os necessaries soccorros.
No dia 19 fura organisado cora quatro compa-
nhias o batalhao de voluntarios, sendo nomeados
por essa occasio os respectivos commandante e o(-
ficiaes.
8HB ii ii
Por decretos de 22 do correle foram nomeados
ofuciaes da ordem da Rosa os Srs. Antonio Jos
Duarte de Araujo Gondim, encarregado de nego-
cios do Brasil em Hespanha, e Luiz Peixoto de La-
cerda Werneck, cnsul geral do Brasil na loissa.
a .i
Por cartas mperiaes de 22 do corrente foram
naluralisados cidados brasileiros os subditos por-
tuguezes Francisco Mara de Souza, Joaquim Tava-
res de Souza c Manoel Moreira Duarte Mallos.
Por decreto da mesma data :
Foi apresentodo o padre Francisco Freir de
Mello, na igreja parochial do Espirito Santo, do ar-
cebispado da Bahia e provincia de Sergipe.
Foi concedido o augmento de 30 0|0 sobre os
seus vencimenlos de 3:4000 annuaes, nos termos
do | 7 do art. 24 do decreto n. 2,368 de 5 de mar-
co de 1859, ao 2 offlcial da secretaria do imperio
Jos Feliciano Franca, por contar mais de 40 an-
nos de servico.
Foi transferidj o Dr. Baltnazar de Araujo Ara-
gao Bulco do cargo de 6" para 2 vice presidente
da provincia da Baha, e o baro da Cajahyba de
2- para 6.
Por portara de*21 foi nomeado o clrigo in sa-
cris Manoel Marques de Gouva para o lugar de
capello cantor da capella imperial.
Acharase sobre a mesa, e sao remettidos com-
misso de poderes, os diplomas dos Srs. conselhei-
a existeacia do hospital militar! em eujo pessoafe I ros Jos Liberato Barroso, rTraocteo Xavier Pinto
panhado da acta di apuracao geral dos votos na
elelcao a que se procedeu ltimamente para um
deputado no 2 dislricto da provincia da Bahia,
bem como as actas dos collegios eleiloraes de Ma-
ragogipe, S. Francisco, Cachoeira, Camiso, Santo de Pastos-Bons foram devidamente lomados em se- bnel Jos de Oliveira e dos abastados negociantes
Amaro, Feira de Sanl'Anna e Tapera.A' mesma parado os votos de seis eleitores da freguezia de e capitalista Eufrazio Lopes de Araujo e Ernesto
commisso. S. Flix de Baleas, que ainda nao foram approva- Jos Lins, tendo esperado o batalhao da casa do
Outro do mesmo ministerio,enviando o offlcio da dos por esta augusta cmara. Sr. tenente-coronel Vicente Manoel Espindola, sa-
cmara municipal da cidade da Fortaleza, acom-1 E com quanto faltem as actos da formaco biram a seu encontr.
panhado da acta da apuracao geral dos votos na das mesas dos collegios eleitoraes do Brejo e da O commandante do batalhao mandn imme-
eleic*o para um depulado a que ltimamente se Carolina, neuhuma reclamaco havendo contra diatomente fazer alt9 e mellen em linha, e ouvlo
procodeu no 1 districlo da provincia do Cear, e taes eleigoes, nem das actas presentes constando da fllha do sr capito de fragata de Lamare a alio-
bem assim as aptas dos collegios eleitoraes de Qu- cousa que duvida faca a respeito dellas, a com- cocao de despedida.
xeraraobim, Maranguape, Riacho de Sangue e S. misso de poderes de parecer: Apenas concluida, sendo perleramente recita-
Bernardo.A'mesma commisso. | I" Que sejam approvadas as eleicoes secun- da, urna das Ulnas do Sr. Eufrazio Lopes de Arau-
Outro do mesmo ministerio, enviando o offlcio darias feitas no 2. districlo do Maranhao para Jo prenden na haste da bandeira urna riquissima
da cmara municipal da cidade de Caxias da pro- preenchimento das vagas motivadas pela morte do fita verde primorosamente bordada a ouro, tendo
vincia do Maranhao, acompanhado da acia da apu- Dr. Joaquim Gomes de Souza e pela nomeacao do a legenda :
raco geral dos volos para doua depulados, que fo- conselheiro Francisco Jos Furtudo para senador No jaco V. P-(voluntarlos da patria), e na fi- provincia do Rio Grande do Norte o amanuense
ram ltimamente eleitos pelo 2 dislricto da refe- do imperio ; ta -A,cidade do Rio-Grande ao 5* balalhao de vo- da respectiva secretara Berilio Le Saraiva
rida provincia, e bem assim as actas dos collegios 2 Que sejam contados os votos dos collegios lunlarios da patria, sendo na mesma occasio
eleitoraes de Caxias, Riacho, Mearim, Carolina, da Carolina e Riacho aos Dr. Gentil-Homem de offerecidas pelas outras jovens ao commandante e
Totoya, Coroat, Pastos-Bons, Brfjo, Vargem-Gran- Almeida Braga e Jos Joaquim Tavares Beifort, major do raesmo corpo duas llndissiraas coras de
de, Passagero-Franca, S. Jos dos Mattoes, Barra que obtiveram nnanimidade de votes em todos os flores, e recitando em seguida o joven Luiz Carlos
do Corda e Itapecorumirim.A' mesma coramis- collegios. ide Castro, filho do Sr. alferes da guarda nacional
sao. i 3 Que sejam reconhecidos depulados os Drs.' Antonio Carfos de Castro, urna poesa.
Outro do l8 secretorio do senado, participando Gentil Homem de Almeida Braga e Jos Joaqoim O Sr. tenente-coronel Augusto Francisco Cal-
que reunindo-se hoje o mesmo senado em sessao Tavares Beifort; I das, commandante do balalhao, summamente agr-
preparatoria, verificara haver na corte numere i 4. Qae se adi a approvaco dos votos dos. decido, respondeu por um pequeo discurso as li-
sufflciente de membros para abrir-se a assembla eleitores de S. Flix de Baleas do collegio de Pas-! songeiras palavras que acabavam de Ihe ser diri
/pro!__I flt I n li '1 Ia Hnno itii ma ai i nfooanla A3 onmi* n rrirlac nt\t*w%An *\ <* anUanBa* -1-. mamm mm
Por decretos de 8 do corrente forara nomeados:
Chefes de seccao da thesouraria de fazenda do
Maranhao, os 1* escriplurarios da mesma thesou-
raria Adriano Duarte Godinho e Manoel Francisco
de Azevedo;
1" escripturario, o 2 Fabio Alexandrino dos Res
Quadros.
2 escripturario, o 3 Jos Pires de Moraes
Reg.
Por decretos de 22 do corrente mez foram no-
meados :
2* conferente da alfandega de Pernambuco, o 3
escripturario da thesouraria de fazenda da mesma
provincia Cicero Brasileiro de Mello.
1 escripturario da thasouraria de fazenda da
tos Bons, at que seja prsente esta cmara a gidas, notando o inimenso concurso de povo que
acto da elelcao primaria da dita freguezia. presenciara o acto a coramocao de que S. S. esta-
Sala das commissSes, 28 de abril de 1865.' va possuido.
Martinho Campos. Jos Caelano dos Santos. I Urna innnmeravel quantidade de foguetes e
Thesoureiro da afandega da cidade de Porto
Alegre, na provincia de S. Pedro do Rio Grande
do Sul, Augusto Baptista da Silva Pereira. .
Por decreto da referida data foi concedida a An-
selmo Joaquim Barbosa Tinoco a demisso que pe-
dio do lugar de 1 escripturario da thesouraria de
fazenda da provincia do Rio Grande do Norte.
Por decreto de 19 do correle foi transferido da
1* para a 2' classe do quadro respectivo o 1 l-
ente da armada Braz Jos dos Reis, por acbar-se
comprehendido na hypothese previsto pelo art. 7
da lei n. 1,204 de 13 de maio do anno prximo pre-
trito.
.'


\
'





Diarlo de Yernanbtu Srgnrada felra le Halo de f 65-
Foi concedida a dtmisso.que pedio o Sr. cocse
Iheiro Jos Mana da Silva Paranhos do cargo de
consultor do ministerio de eslrangeiros.
CU'
Commanicam-nos obsequiosamente as seguintes
observares sobre o eclipse de hontem :
Eclipse observado na tlka dos Batos.Achando-
se o co completamente nublado, nao poda ser vis-
ta o principio do eclipsado sol, que segando as
difTerentes puhlcajdes Uevia oaciliar ure 9 b. 4
57" e 9 h. o' 59".
O sol- s pode ser visto 0 h. 40', acbaodo-te j
o eclipse na grandeza de dgito e neto perneo inais
ou menos sempre em tmulos mais oh menos
densos e assim se conservo at 10 b. 26' 30"
em que o eclipse so apresentou na sua maior
phase, realisando-se portante a predwjab an-
nunciada pelo observatorio do CasteHo, porquan-
to nao chegou a ser total, faltando-rhe 0,2 ou 0,3
de dgito, e assim notando se discordancia com os
clculos (titos pela commissao do Sr. Dr. Liis, e
com os que se fizeram em Boston, annunciados no
Jornal do Commercio de 24 do crreme.
Das 10 h. 26' 30" por diaate o sol continuou a
ser visto sempre entre cmulos : nessa occasiao
a temperatura indicada pelo thermometro cent-
grado foi 23, 5 ; a pressio atbmospherica 764,35
mili.
O fim do eclipse leve lugar as 11 h. 53' 41". As
observares metereologicas tomadas desde pouco
antes do principio do phenomeno at sua termi-
nacho foram as segainlcs:
A's 7 h. 30'Pressao athm.Temperatura t. c.
7*Hll. H>
Co todo nublado em cirro-curaulns,com alguns
pequeos nimbus dispersos, apenas um pequeo
claro ao rumo de SSO as proximidades do hori-
zonte : sol conmlctamente encoberto.
7 h. 45'-763,25-24
Co no mesmo estado.
8 h. dem.
8 h. 43'-763,75-2'.
Crro-cumulusgeraimente : aragem do NE ; sol
completamente nublado.
9 h. 3(r-764,25-24
Alguns stractus ao NO : grande claro no qua-
drante do SO, do laie do sol pequeos cmulos
dispersos; aragem fraquissima.
9h. iS1761-240,5
Grandes claros do lado de SO ; limpo do lado
do sol; horizonte nublado ; a mesma aragera.
10 h. 2'76(,2-2i,8
Serenidade nos quadrantes do NO e SO, peque-
nos cmulos do lado do sol na mesma aragem.
10 h. 13-764,5-24,,5
Co carrejado no' quadranto do SO, cmulos
dispersos do lado do sol
10 h. 20'-764S-2l,2
O mesmo estado do co,
10 h. K-764,5-24
SM visivel na grandeza de um dgito para me-
nos : desde esta hora principiou a diminuir a ca-
ridade at s 10 h. 26, 30" em que o eclipse foi
visto na sua maior phase, vendse quasi comple-
tamente o disco da la rodeado por urna clarida-
de diffua, de umacOr einzeota.
A temperatura foi 23,5. Pressao 764 mili. 2o.
Por occasiao da maior phase vio-se perfeitamen-
te a olho n, e a E do sol, na distancia de 15 a
20, o planeta Venus.
A obscuridade entao assemelhou-se do creps-
culo quasi em scu termo : desse instante por dian-
te continuou o sol a ser visto sempre entre cumu-
las mais ou menos densas, e foi augmentando a
temperatura como abaixo se v.
10 h. 32'-76*,25-23,8
Cirro-cumulus com pequeos claros do lado do
sol, serenidade completa do lado do SO; aragem
iraca.
10 h. 42'-764,25-23,8
Alguns claros do lado do NO e SO, alguns
mulos dispersos do lado do sol; aragem fraca.
10 h. o5'-764,024
O mesmo estado do co.
ti h. 20-764,0-26
O mesmo estado.
11 h. 50- 763,8-25
Co sereno no zenith e suas proximidades:
rizente nublado, calma complr/a.
Ao meiodia763,5-25,2
O mesmo estado.
Durante o phenomeno puderam fazer as segan-
tes (.bservacoes:
A's 9 h. 24' 58" menor distancia das ponas da
ula 32' 10".
A's 9 h. 33' 57"menordistancia-34' 34"
9 h. 43' 6" 34' O"
9 h. 48' 32" 34' 30"
10 h. 5' 14" 33' 50"
10 h. 53' 22" 32' 10"
Estas distancias devem ser diminuidas de 1' 45"
erro do instrumento determinado na occasiao.
Ao meio dia determinou-se a altura'meridiana
do sol por 53 31' 32".
Em concluso, a nica observado das pilases
que com a maior precisao foi possivel fazer-se fui
o ultimo contacto exterior hora mencionada,
apresentando portanto as seguintes differencas das
horas annunciadas.
Menos 24" da hora determinada em Boston.
Menos 57" da determinada pelo Sr. Dr. Eduar-
do Jos de Moraes, adjunto da commissao do Sr.
Dr. Liis.
Menos 1' 37" da determinada pelo observatorio
do Castello.
As observacoes foram feitas pelo capito-tenente
Joo Soares P'into, 1 tenenle Orosimbo Xavier da
Azevedo e Jos Antonio da Silva Main.
O Siglo de Montevideo de 16 do corrente trans-
creve de um jornal do Chile o seguinte :
Varios capiles dos navios que chegaram lti-
mamente do Atlntico referen! qne a sua passa-
frem pelo Cabo de Horn eslava este quasi coberto
de nev, o qae ternava milito pengosa a soa nave-
gado ; e que- noHe principalmente, tinlinm de
ferrar as velas repetidas vezes com receto debater
em algnm dos bancos.
A vista desta noticia teme-se algum dos mui-
tos navios que se esperam em Valparaso proce-
dentes do Atlntico teohn .offndo algum accidente,!
-27
Temos data da provincia de Goyaz at 11 do
passado.
Apremptava-se com a possivel presteza para
marchar para a provincia de Mato-Grosso o bata-
lho de caladores de guarnijo.
Tinham-se offerecido para o servijo de guerra
alguns officiaes da guarda nacional.
O mesmo offerecimento flzera o Sr. brlgadeiro
reformado Jos Pedro Duarte, accrescentando o de
urna consignadlo de 20 mensacs dednzida de
seus vencimentos.
Regressra do Sul da provincia o Dr. ctiefe de
polica, tendo prendido nrurtos desertores e crimi-
nosos que vagavam pelo Catalao e Santa Cruz,
entre os qnaes ha um aecusado do ter redazido a
escravidao 11 pessoas Hvres.
Tinha fallecido o Sr. major Jos Ignacio Teixet-
ra da Fonseca, nomeado commandante do batalbao
de Mato-Grosso.
Do Catalao escrevem-nos em 31 de marjo :
< No dia 26 deste houve a revista de que lhe
falle na micha de 16.Compareceram para mais
de 300 guardas e o commandante superior, depois
de passar a revista, leu urna proclamadlo. O effei-
to nao fui eflleaz, porque um s nao deu o pas-
so; mas nos das 27 e 28 allistarare-.se mais
15 voluntarios que seguero qualquer dia para a
capital.
Eoi festejada com enlhusiasmo a noticia da capi-
tnlaco de Montevideo ; illuminou-se hontem a ci-
dade, e reunidos os humeas grados do paiz percer-
reram as ras da cidade com urna banda de msi-
ca, concluindo na porta daeada com os vivas
Sua Magestade o Imperador, ao governo imperial,
ao vicepresidente da provincia, ao vlsconde de
Tamandar, aos bravos de Paysand e aos volun-
tarios da patria. Seguto-se logo um baile qoe foi
bem coneorrido, asslstiodo de principio ao tira os
voluniarios alistados.
Do-
As
As
A's
A's
Recebemos daUs da provincia de S. Paulo at
25 do correte.
O Arado da Patria de II escreve o segninte a
respeito dos atteatados, j cenhecidos, das forcas
do Paraguay na provincia do Mato-Grosso.
Ilonlem 17 do corrente. pelas 8 horas da ai-
le, chegaramesta ciilede vmlesde Nose (provin-
cia de Mato-Grosso) os Srs. Ladislao Maroendes de
Oliveira* Campos, da famHia dos Srs. Mareondes" de
Goaratinguet, Pinthrmonhagaba e Taubat, e Sr.
Joo Pedro Tory, bnrsilelro natnrahsado, e o Sr
Leonidio Justino Fernandes, snbdito portoguez, os
quaes foragidos procurara a corte para exporem ao
governo imperial o estado daquella provincia e re-
clamar providencias promptas. O Sr. Ladislao, ne-
gocime em Nicoac, all establecido e casado com
urna fllha do fazejtdcjro Joao Ferreira Ribeiro,
perdeu toda a sua familia, 46 pessoas inclusive seu
sogro, sagra, mulher e Albos, e mais 16 familias de
que ao ha noticias, do fazendairos tem de Nioac,
as qnaes todas esto em poder do mi migo. Vio in-
cendiar os edificios da fazenda e conducir o pro-
ducto do saque no dia 6 de Janeiro. O Sr. Tory,
negociante de joias, que havia thegado ha sete das
com um sor ti ment qae lhe havia custado enze
mil duientos e trinta e cinco patacoes em Monte-
video, fugio com a roupa do corpo, e aqui se cha
obrigado a impetrar auxilio para poder transpor-
tarse para a corte. O Sr. Leenidio, negociante de
molhados, perdeu igualmente todo, e esta as
mesmas circunstancias.
t Pelo que reftrem estes senhores sanidos de
Saot'Aona de Parnabya no dia 27 do mee pasea-
do, de Camapuam no dia 1, no da la de fevereiro
do Aquidoana e a 10 das immediaces de Nioac,
meio quarto do legua da povoa^ao, claro que sao
falsas as noticias aferradoras que se espalharam
nesta cidade e na villa de Uberaba da proximidade
a Santa Auna de Paraoabyba das tortas para-
guayas, visto qae a sua partida, 10 de fevereiro,
tifio baviara sabido de Miranda e Nioac, limitndo-
se a saquearen) as fasendas, toado apenas tentado
no dia 20 de Janeiro passar o rio Aquidoana urna
partida de Paraguayos na faaenda do capito Joa-
quim Pires, de onde foram repellidos por urna par-
tida de indios Terenos, que espontneamente se
tem apresentade a bater os Paraguayos, em cujo
choque mataram oito Paraguayos e um soldado
brasiieiro que Ihes servia de guia, apezar de este
pedir com os bracos abertos que o nao malassem,
e desfarte foi aquella partida repellida do rio
Aquidoana, nao tendo mais apparecido at o da 15
de fevereiro nesse lugar.
De urna carta escripia pelo tenente-coronel
Jos Antonio Das da Silva, commandante da fron-
tera do Bdixo Paraguayo, comarca de Miranda,
exirahimos o seguinte :
< Acampamento em mircha para Santa Anua da
Pamahyba, 26 de fevereiro de 1865.
<......................... aprsso-me a di-
rigir e.-ta para dizer-lhe, que anda dtsla vez a
Providencia Divina salvou-me das garras desses
barbaros, com sua Glha e escravos depois de urna
cruel perseguicap, tendo perdido toda a nossa ba-
gagem, e apenas trazendo duas mudas de roupa.
Xo dia 30 de dezembro do anno passado receb
aviso de que duas grandes forcas paraguayas ti-
ntiam tomado as colonias militares de Miranda e
l-Dottrados, n contipenti z seguir para a primeira
um ollicial e seis pracas, para observar o mov-
ment do inimigo* d'ai a quatro horas raarchava
eu com 130 pravas inclusive alguns paisanos, Tor-
ga que pude montar, por nao ter mais cavallos, e
estes bem magros pela estaco invernosa que na
provincia a das aguas ; chegando ao rio Desbar
pertencente entao a Gabriel (mee, 4'd t
a mulber e toda a familia. JmmMHA
da de paraguayos em numero-de
traram pela colonia dos Dou*adfc
retirada pela de Miranda, diado
rondando seas campos, visto qu<
pertencia-lhes.
ac
E' consideravel o
mat
d*vallria da guarda aacional, Incumbidos pe'o
flwerao, uomearain commissoes parciaes para
fremoverem o alistamento nos districtos, oHes
Msmos, coojunctaraeote com o Dr. juiz maoioioal
Inmeiaco Fogaca de Biuencourt, juiz depazAIa-
Joaquim Goncalves e presidente da cmara
municipal Lo los Affnso Fernandes Jnior, se
numero de familias que se incnmbam desse traeaUto aesU cidade, mi'"
refugiaram pelos mattos de Minada e Nio* e de
crer que un* graada paiu deHaa lenham saecam-
bido moras-a faae.
i E' denieMdar a estado da provincia d# .Cafa-
ba, e com baataate fundanwato-M deve raaaaBaoe
a mesma aptal da proviaeia ao esteja acabarlo
dadaaasioi
*6s I ugara balados iaam sato -todas daatnac.i-
dos oar ser caasidaravelmeete aaperar a aaaiero
outra em que aviltosamente me intimava rendicin
com toda a minha forja dentro de meia hora, ou
quando nao seri i perseguido com todos los rigores
de la guerra, ao que contestei-lhe que nao cedia
aos seus desejos, pois que tinha forja para defen-
der-me ; e que quanto sua entrada no territorio
brasileiro eu protestava contra ella, e la levar ao
conhecimento do meu governo (estas notas foram
escripias sobre a perna direita atravessada no pes-
clo do cavallo, e em um circulo de numero de 50
Paraguayos, leudo eu apenas vinie e tantas pracas
sobre a mioha retaguarda) ; esta recusa foi logo
aonuneiada por um tiro de artilharia do inimigo,
rompendo in contincnli o fogo, onde cahiram mor-
ios alguns Paraguayos; eu tive de retiraren! pela
diminuta forja de que disponha, e ter de passar
os rios Santo Antonio e Desbarrancado, entre etes
dqus ltimos foi que reconheci, por urna carga que
fiz sobre a sua vangurda, constar a sua forja de
mais de 2,000 horneas constantes das tras sanas.
No Desbarrancado raandei apear o coni t susten-
tar o fogo emquanto cortavara a ponte, e ah o ini-
migo perdeu mais de 40 horneas^ porm umbral
tive de abandonar este ponto por ser informado de
se aehar urna columna de cavallaria mais abaixo
do Passo Real, procurando atravessar o rio para
loriar a retaguarda. Tanto esta forja, como a que
passou na ponte ao depois de reformada pelos re-
cursos de que dispunham, e eu tive de sacrificar-
me cm toda esta extens.o para salvar a maior
parte das minhas pracas nao amestradas na guer-
ra, e j de cavallos cansados.
A' proporjao que o inimigo avanjava, assim
fui retirando-iiic at a villa de Miranda" e o preten-
da fazer at Albu juerque quando fui informado
de j se achar nao s esta povoajao, como o forte
de Coimbra no rio Paraguay em poder do inimigo.
proverom uma.aaascripjao pecuniaria
o das.despezas indispensaseis ngsta
**6^?5?*' 1ue ludo Ja tesanrinapio.e vai
eaaaaaado sob os melhore&aaspjeios.
* laasadas na sala da canuca municipal, aoJe
se irhaaa enllocado o basto de S. M. o Imperador,
todas a autoridades civis e mili taces, e grande aan-
curso a aovo, urna grande banda de msica toeou
. o hymaa.aacional, depois^do que foram araauu-
dosMimigas, e assim debandados os uoradores, ciados discursos patriticos pelo presidente da ca-
derrotadas as pequeas forjas que os protegiam, mar municipal, delegado de polica tenente Ma-
se una peasameoto rae os bgue, seca urna oabeca, nael do Carmo Barbosa, doputado provincial Dr.
que os possa dirigir convenientemente, e sobre tu- Pedro Mariins Pereira, Dr. juiz mdaicipal, lenle
do baldos, ate dos necessarios recursos para trans- coronel commandante do batalbio, sendo lamban
p;rie, nem um embaraco podem oppor ao inimigo, recitadas poesias anlogas ao objecto da reuniao, e
que reduz a cinzas os povoados logo que consegue dahl sahindo percorreram-se as ras da cidade,
com facilidade desalojar os moradores. ; possuidos sempre todos do maior enlhusiasmo pela
Al o da 10 de fevereiro desde o da 2, os re- causa da patria,.manitestados aiada pelos estrepi-
rngiados as maltas visinhas a povoajao de Nioac losos vivas dados S. M. I aos bravos de Paysan-
viram arder at a ultima casa, comejando o iacen- d, najao brasjlelra, etc ele
dio por ama pequea aldea de indios Lyanos qae I t Seguem brevemente duas companhlas da guar-
demoravao na visinhanja ; nessa matta deixaram da nacional, ama de infaotaria e outra de cavalla-
elles anda, qnando se rttiraram, a familia de Joo ra, aora os volunUriospaisanos, cujo numero nao
de Moraes Itibeiro que all flcou ao desamparo por se pJe tixar.
nao ter meios de Iransportar-se, constando de ctncb I t Perplexo o commandante do batalhao sobre a
mirlhexes, dua^cjnjas,ir^mojosedou&aama- ataalaadsaftaiaai qae-dovem seguir ornacom-
das, sendo a mai do dito Joao de Moraes Ribeiro pauhia de intanlaria, por que todos porfl so of-
uma vujva de mais de 80 anuos, aleijada, e rapos- fereceram voluntarios, solicitando a bonra da po-
sibilitada de montar a cavallo. ferencia, recorreu sorte em publica reuniao, me-
seria interrainavel a narrajao dos horrores por nos a respeito do tenente Antonio Pedro Cesar, que
que tem passado a provincia de Matto-Grosso, mas sendo prollssional, apezar deoecupar actualmente
sirva o pouco que levamos dito de punicao aos um tabdliado, foi adouuido nassa posto iadeeo-
traidores que s caidaram era galgar as alias po i dente de sorteio.
sires delxando seus patricios no desamparo.. Os preteridos pfila.soileporm, proteslam cor-
u sete de S/tlernon de 20 diz, sob o UluloForjas rer ao menor aceno do governo apenas seus servi-
expedicionarias: jos sejara.necessarios em Malo Grosso ou em outra
t n. inste, bem triste assistir se a raaneira por qualquer parte, e o capito Antonio Francisco Tei-
que se compheam os negocios do nosso paiz. El xeira Serro, esse eolio al se mostrou desconien-
lastimoso verse de que modo a nvasaa inimga te com a sorte por nao desgnalo,
nos sorprende e como lotuoso o sacncio para a j t Assim, pois, o aspirito publico nesla parle da
reivindicajao da honra nacional. provincia, est o mais bem diaposto possivel a ravor
uitticuldades de toda a sorte cercara-nos, e da causa da patria. Padam o governo e os nossos
quando pensavamos que em breve teriam um irraaos de outros lugares conlar flnmemente com a
ioccorro respeitavel os nossos irraos de Mallo nossa cooperajao para a grande obra da reparajo
Grosso, apenas urna fraca expedijai parlio com da injuria feita ao Brasil por esse puahado de bar-
o br. Drago. Ja noticiamos essa partida, e previ- baros que habitara o inhspito Paraguay.
mos a serio de difflculdades que na marcha sur- < Escrevem-nos da cidade de Pitangui a 25 de
ginam. Nao foi urna mera supposijo; hoja es marjo :
factos vem comprova-la; no itinerario que abaixo A najaj brasileira festeja hoje o anniversario
puoiicamos verse ha o numero de deserjoes, a do juramento da constitoijj poltica do imperio,
(loenja o o desanimo fazendo cada dia rarear as, desse coligo sagradoque nos garanti os foros de
"*s < expcdijao. povo livre ; e esta cidade, coberta de galas, solem-
* 2Sj dtserCi3es m^10 expressivo. Se nisou este da do modo o mais bello, o mais subli-
na marcha desta cidade a de Campias, em que a me, o mais patritico que imaginar se pode,
tropa nao tem de lutar com empecilios assuslado-1 t Escolheu-o para a partida dos votuntarios da
res, pois que as estradas alm de fcil transito sao patria. L vo ellos caminlio de Ouro Preto.
povoadas, tem apparecido 10 deserjoes, o que ser Dos os fade.
quando se penetrar em serles de difflcilima passa-' Aoabode dizer-iuas o ullirao adeos de despe-
gem em quo abundam as molestias? dida, e debaixo das mus gratas iropressoes que
Islo quer dizer que o descontentamente lavra Unco estas liabas ; 52 cidadaos marchara offegan-
s ao reclamo da patria ; 52 cida-
representar os trios, os sentiraentss, o pa-
Foi expedida a seguinte circular aos presidentes
das provincias:
Manda S. M. o Imperador, pela secretaria de es-
tado dos negocias da guerra, qae o Sr. mspect#r
da tbesourarla da provincia de... suspenda o sol-
do a todo e qualquer offlcial dos corpos arrigimen-
lados que tenham delxado de acompanhar os mes-
mos corpos, prooedendo de igual sorie a respeito
dos officiaes nao areegimenlados que tendo tido or-
dem para seguem paca a curte o mesmo teanam
feito.
Dos guarde i V. fixcVisconde de Camam.
Sr. presidente da provincia de...
Illm. e Exm. ar. ana Magestade o Imperador
ha por bem determinar que V. fixe. reitere as suas
ordens, alim 1n nignirnm quaaso antes para a cor-
te os olciaes ariwgMaaatados, ujos corpos j te-
nham partido dassa provincia, e bem assim os dos
corpos de engenbeires, eslado-maior de 1* e 2'
classe e corpo de saude do exercito, na intelligen-
cia de que e-pecialmente os arregim^ntados nao de-
vem litar all sob qualquer pretexto, salvo o caso
de molestia em que se corra risco de vida.
Dos guarde a V. Exc. Visconde de Camam.
Sr. presidente da provincia de....
------ i liinm nw
Por portara de 26 do corrente foi nomeado Joa-
quim Porfirio de Oliveira para o lugar de ajudante
da agencia do correio da villa de Macae, na pro-
vincia do Rio Grande do Norte, vago por nao ha-
ver querido aceita-lo Joaquim Jos da Costa
Coentro.
Na mesma data foram creadas agencias de cor-
reio as villas de Chaves e Muan, na provincia
do Para.
raneado no dia 31 s 8 horas do dia, fui d'ahi lllers da expedijao.
pouco informado que o mimigo se achava na
margem esquerda do rio Feio, tres quartosde legua
distane daquelle, e que o commandante desejava
fallar-mes sobre negocio de paz, acquiesci a este
convite e para all segui, onde demorando-so cerca
de duas horas em conversa cora seus ajudantes de
ordens, entend dever dirigir-lhe urna nota signifi-
cando iguaes desejos de Ullar-lhe para explicar-
Ihe as minhas instruejoes sobre a sua invaso no na expedijao, que ne'lla reina o desanimo; e quan- tes"e enlhusiasia
territorio brasileiro ; a respo>ta desta nota foi I do indicios semelhantes apparecera, necesario daos vao represe
toda a actividade, todo""o rigor'por parte dos
chefes.
Felizmente o Sr. Drago comprchende a situa-
jao. Elle sabe como deve manter a disciplina,
como deve levantar os nimos abalados pela idea
iriotismo da amiga e veneranda cidade de Pitan-
gui, to ebeia, to rica de gloriosas tradijoes.
A partida desses bravos foi mais bello espec-
tculo que hel visto, e nenhuma penna, anda a
la bem aparada, a mais eloquente e patritica
atacando com 5 vapores de guerra e 9embarcajes italiana,
carregadas de gente : de sorle que tive de mudar a
direejao de minha retirada pelo rio Aquidoana,
atravessando 8 leguas distante da villa de Miranda
e seguindo a estrada de Sant'Anna da l'arnabyba,
d'onde me acho ainda distante 30 leguas, mas para
onde sigo e vou esperar ordens do commandante
das armas.
Descrever-lhe os desacatos e delapdajoes do
inimigo no nosso territorio, e as conequencias de
tao Inslito procedimento, sendo por demais enfa-
donho e contristador, basto dizer-lhe que as fami-
lias que puderam escapar das garras destes barba-
ros esto iuteiramente destituidas de recursos, e
horrorisadas, em relirada para fra da provincia;
as mais, debaixo de priso testeroanharam o saque
de suas propriedades e a limpa de seus animaes e
gado.
A forja qae veio por cima da serra, que tomou
a colonia militar de Dourados, seguio o mesmo Sys-
tem de roubo.
das penurias c provanjas que lera de soffrer ao pode descreve-lo com as verdadeiras cores de que
atravessar as 300 leguas que separara-nos do thea- se revestio.
tro da guerra | Mais de 200 cavalleiros se postaram n* frente
t Mais farde voltaremos sobre este assumpto, da casa do ueaemarito cidado Pedro de Azevedo
apresentando os inconvenientes da existencia de de Souza Filho, donde a phalange dos bravos devia
corpos fixos previncaes que, sem terem a discipli- partir.
na e actividade dos bataihoes do exercito, sao I A" frente delles marchou o anjo tutelar do Bra
por tsso mesmo mais rebeldes s fadigas da ( sil, personificado n'uma enanca de 6 annos de ida-
suer. ,de, cuja belleza rival isa cora a deosa da lormosura.
ais o itinerario offerecido pelo nosso Esta menina, esse anjo de grajas, esse com-
amig? n a posto de oondade a predilecta filha do benemeri-
Abril 10.A forja se pi em movimento as to cidado a quem se deve a reuniao dessa cohor-
I '/i horas da madrogada e acampou as 10 V te do bravos, a mesma que aote-hontera offeceu-
horas as Taipas, cora 2 >/a leguas do va- Ibes o symbolo de nossa nacianabdade, e qae se-
8era'. i- j guindo o exemplodo seunobrepal, foicooduzr, ga-
ao sahir da capital deserlaram 2 prajas. lantemente trajada com as vestes indgenas, symbo-
* lir A forca segul as4 noras da manh5a usando o genio do Brasil, e cavalgando un luzido
e as 10 borss paroa para tomar descanso, acam- ginete, os Sirios da palria que se reuniram : esse
pando as It y, no lugar denominado Olhos d'Agua anjoclama-se D. Kosa Faustina de Azevedo.
com 3 V, leguas de marcha. Seo nome, sua imagem carao sempre grava-
A viagem fez-se pela estrada destinada a va dos em nossos corajoes, assim como o valor e im-
rerrea, o qae concorreu bastante para uo estro- portancia dos servicos prestados por seu digno
pear a tropa. O fornecimento foi dislribuido s pai.
prajas a noute. j As ras eslavam apinhadas de povo, e de to
* ,'eser'arani t.res soldados. das as janellas partiam, de envolla com o saudoso
tia 12.As 4 horas e 10 minutos da manhaa pranto, chuveiros de flores.
marchon a forja descantando tres quartos de hora Mntos desses benemritos ilhos da patria per-
no lugar denominado California, e urna hora na tencem s melhores familias de Pitangui, e aqui
estrada deJundiahy.enlrandonestavillapelaruaDl- deixam pais, irmlos, mulheres, filhos, amntese
reita, que se achava ornada de coqueiros: no largo amigos.
da Matriz havia um grande arco onde tremu- Comprehenderam bem o sentimento que deve
bandeiras nacional, porlugueza o dominar a todos os Brasileros nesla occasiao, e sa-
crtficaram todo pelo sagrado amor da patria.
. Multas meninas vestidas de anjo espargiam t Honra e gloria, peis, a esses bravos que vo
flores sobre a tropa emquanto a msica tocava o sustentar nossos dirtitos, que vao mostrar ao es-
hymno nacional e subiam ao ar girndolas e fo- trangeiro insolente de quanto somos capazes.
Buele,s- Honra e gloria ao dislincto patriota que to ef-
t Acampou a ferja com 4 '/2 leguas de va- ficazmente concorreu para a reuniao del les, que
Sem-_ nao poupou fadigas; e que generosamente abri sua
' "ese.r.taram duas pra?as. Haviam doentes. bolsa para supprir todas as necesssidades.
Da IXAs 5 horas da manhaa o Exm. coro- c O governo deve urna prova de reconhecmenlo
nel Drago seguio para Campias, e a forja sob o ao cidado Pedro de Azevedo pelo que fez nesla
coraraando do tenente-coronel Gaviao Pelxoto se emergencia, e nos esperamos que seu nome nao
pal em movimento as 5 1/2, acampando em Cap-, ser olvidado.
vary as 10 horas cora duas e meia leguas de A um quarto de legua da cidade despedirara-
viagem. se mutos cavalleiros, e o anjo dos voluntarios dei-
Apparecem os sarampos; o commandante do xou-os por que nao poda mais acompanha-los.
corpo de guaroicao de S. Paulo foi as carretas ver t Nesse acto o Dr. Vaz pronuoclou o mais 1
os deentes e cou consternado do estado de aban-' quente discurso,
dono em que se achavam. t J nao haviam mulheres, mas ainda assim as
De todos os lados ouvera-se clamores de seus; lagrimas corriam abundantes de todas as faces,
soldados que chegara a pedir comida. Elle recia- Hoje dormem ellos no arralal da Onja, at
ma o bem estar de seus subordinados, mas o corpo onde foram ainda multas pessoas.
de sada nao portou-se satisfactoriamente. O co- ------ a '-------
ronel Drago ignora todos os abusos. Sabemos polo vapor Diligente entrado hontem.
K01 preso o alferes Nascimento, do corpo que est encalhado na praia do Ass, ao norte do
do Paran, por fallar com o respeito ao tenente cabo de S. Thom, o brigue oldemburguez An/ C^TuM'm -a i Gunter' Proce<>ente de New-CasUe e consignado
n?. i m uda duas pracas' 'com cara de carvao de P^a ao Sr. Antonio Fer-
Da 14.-As 6 horas puzeram-se em movimen- reir Alves. O navio enealhou na madrugada de
.M ?[!?as.acamparld0 nusGorregos as 10 '/a com 22 do corrente e acha se estanque em perfeito esta-
do, mas sem gente a bordo.
elo-
duas e meia leguas de viagem.
Desertou um soldado.
Dia 15.As 9 '/2 marchou o conligentee
chegou a Campias, esperando at II 'A da ma-
nhaa em que romperam as Alleluias.
Formada toda a forja velo o coronel, que foi
Por falla absoluta de conduejo e proximidade
do iuimigo perdemos toda a nossa bagagem e ar-
chivo dos doos corpos, e por sso resulta o estado
de nudez e miseria que se acha a pequea forja
que comigo se retira, a pooto de alguns officiaes
com suas familias terem marchado a p s com a
triste roupa do corpo.
O meu corpo em Nioac contava 129 homens
disponlveis, e o batalbao de cajadores em Miranda
89 prajas inclusive officiaes e msica; eis a forja
que tinha para repellir 4,000 paraguayos fra a
forja de Canastro, que os meus vigas nao pode-
ram regular, qne invadiram a fronleira do meu
commando.
Alm do que consta da carta que dexamos
transcrita, sabemos mais que os Indios Terenes, os
Qulniquinsos, e em geral lodos os que habitara o
territorio brasileiro no Baxo-Paragnay, teem feito
grandes estragos ao inimigo, principalmente rou-
bando-lhe e matando-lhe as cavaluadas. Seem
lempo se honvesse providenciado como cumpria,
os indgenas do Cuiab baslavam para renellir os
paraguayos.
o Desde o dia 27 de dezembro comejaram os pa-
raguayos a invaso das colonias de Miranda e Dou-
rados.
Na colonia dos Dourados, c&ramaodada pelo
tenente de 1* linha Antonio Joo Ribeiro, tendo
apenas 18 soldados invlidos, no dia 28 accoraraet-
teu o inimigo com forja de mil e Untos homens, e
travou-se o ataque em que suecumbio toda a forja
que defenda a colonia, inclusive o bravo comman-
dante, que preferio a raorte a deshonra, e muitas
mulheres que se vestiram de hornera para bater-se
e mais daus paizanos, os quaes todos suecumbiram
segundo informajoes de um soldado que eslava no
campo em ronda e voltou a colonia attrahido pelo sem deixar descendentes ser' a parte qae locar' PsVahVhV
fogo, achando ludo concluido, pelo que seguio para applicada a fazer casar dez orphos, sendo prefe- E. m.r
Nioac a dar parte, e achando j ao chegar all o ridas as da mesma cidade.
commandante Dias empenhado no fogo do rio Des
A' commissao directora foi dirigida a represen-
tajo seguinte :
Illms. Srs. presidentes e mais membros da
commissao da praja do commercio.Os abaixo as-
signados, negociantes establecidos nesla praja,
convencidos das immensas vanlagens que viro ao
commercio de dar-se maior desenvolvimento s j
wuttadas e importantes relajos commercaes que
aetaalmente existem entre o Brasil e os Estados-
Unidos da America no Norte, estabelecendo-se urna
linha de vapores que encarte e facilite as viagens
entre os dous paizes, e ao mesmo lempo estreite
mais os lagos de mutua syropathia e araizade que
felizmente ligam os dous povos.
Convencidos oulrosim de que as communca-
ces teiegrapheas, poderoso e hoje indispensavel
agente das transaejes commercaes em todo o
mundo civilisado, nao existemeotro nos, e curapre
erea-las a todo o custo e depressa, afim de qne nos
ergaraos do indisctilpavel estado de atraso em que
nos acharaos neste ponto, vera hoje pedir-vos que
convoquis urna rennio geral dos negociantes des-
ta praja, na qual se discutsm estas questes e se
resolva sobre a conveniencia de dirigir-se o corpo
do commercio por meio de urna representajo ao
poder legislativo, pedindo-lhe que na prxima ses-
so adopte as medidas tendentes realisajao de
duas grandes necessidades publicas.
Confiando no zelo e solicitude que sempre ten-
des manifestado pela prosperidade e engranJeci-
menlo commercial desta praja e de todo o imperio,
esperam os abaixo assignados queannuireis ao seu
pedido, convocando a sobredita reuniao para o dia
1 de maio prximo, ao meio dia.
Rio de Janeiro, 25 ffc abril de 1865.Caelano
Furquim de Almeida, Gabriel Pedro Baptista Assis
Silva, Joo Baptista Drummond, Jos Joo da Cu-
nta Telles, Jacintho Alves Barbosa Jnior, Militao
Mximo de Souza, Souza & Sohrinhos, Jos Macha-
do Colho, Manoel Ferreira de Faria & C, Fran-
cisco Assis Vieira Bueno, J. L. Pereira Baha, Cir-
ios Joaquim Mximo Pereira, Botelho, Sobrinhos &
Azevedo, Joo Jos Pacheco Sobrinlo, Francisco
das Chagas Andrade, Oliveira Sigand & C, Mon-
teiro de Barros Irmo & Ferraz, Cunha & Aqaino,
Jos Lat Alves & Irmo, Thomaz Alves Jnior,
Jos Fiancisco Alves Malveiro, Jeronymo JosTei-
xeira Jnior, Jeronymo Jos Teixeira, Joaquim
Antonio Fernando Pinheira, Joo Nepomuceno de
Sa, Bernardo Casimiro de Freitas, Bernardo Joa-
quim de Souza, Jos Raphael de Azevedo, Manoel
Antonio Airosa, Francisco Jos Pacheco Jnior,
Joo Francisco Velho, J. A. Teixeira Vianna Jnior,
Henrique Lahmeyr, Julio Cesar de Miranda Mon-
teiro de Barros, Francisco Caetano do Vallo & Ir-
mo, Antonio Tertuliano dos Santos e Francisco
Jos Gonjalves. (37).
Atiendenio a esia representajo e Jesejando dar
a maior expanso discusso do sea importante
assumpto, resol ven a commissao convocar urna
reuniao no dia 2 de maio ao meio dia, no salo da
praja, convidando para elU todo o corpo do com-
mercio e mais pessoas a quem interes Por nossa parte folgames desde j vendo acolla-
das no seio de urna corporajo importante to ge-
nuinas e proficuas ideas de progresso. Possa o re-
sultado da discusso que se vai abrir corresponder
aos votos de seus promotores.
29
Por decreto n. 3,435 de 8 do corrente faram ap-
provadas as seguintes condjoes da novajo do
contrato com a companhia de navegaco por vapor
Bahiana: "
1 A companhia de navegajo por vapor Bahia-
na continuar a perceber por espajo de mais 10
annos, contados de 16 de junho de 1862, data da
approvaj? de seas ltimos estatutos, a mesma
subvenjo de 84:000$000 annuaes, qne lhe foram
concedidos pelo decreto n. 1,928 de 25 de abril de
1854.
2.* Ao governo imperial fica o direilo de desig-
nar as escalas que devero fazer os vapores da
companhia dentro dos limites extremos de sua li-
nha de navegajo.
3." Em caso de urgencia poder o governo impe-
rial lancar mo dos vaperes da companhia e rma-
los como transportes, responsabilisando-se pelos
riscos de guerra. Era falta de accordo sobre o pre-
jo do frelamento ou da venda, ser este lixado por
um arbitro de noraeajo do governo e outro da
companhia, nomeando ambos um terceiro, que re-
solver definitivamente, no caso de divergencia
entre aqnelles.
4.a A companhia contina sujeita a todos os onns
e obrigaces dos contratos vigentes.
ouro sem-
correspoa-
que nao>
menco-
Por carta imperial de 26 do corrente foi nomea-
do cavalleiro da ordem da Rosa Jos Behrond, vi-
ce-consul do Brasil em Stettim.
recebido com as continencias do estylo.
trarem na cidade sublram aos ares
foguetes.
Tres arcos de laquara com flores e algomas
bandeiras de lenjos eram as galas com que o povo
campineiro recebia-nos 1
Acampouse em Santa Cruz.
Da 16.A 1 bora 10 e minutos ouve-se de
barraca em barraca um murmurio de que a forca
velta.
L-se no Correio Paulistano de 21:
Acaba de fallecer em Itd a Exma. Sra. baro-
neza de Piracicaba. Entre eutras disposiooes
28
Comejaram hontem as sesses preparatorias em
ambas as cmaras.
Verifiaoa-se haver na corte numero sufficiente
de senadores para abrir-se a assembla geral, e
Ao en- i neste sentido ofDciou o Sr. 1 secretario do senado
alguns cmara dos depulados o ao Sr. ministro do im-
perio.
"Consta-nos que foi escoJhido senador pela pro-
vincia do Maranho o Sr. deputado Antonio Mar-
celino Nunes Goncalves.
11 ou 11
Por decretos de 25 e 26 do corrente foram no-
meados :
O promotor publico Emygdio Jos Martins de
Azevedo S, juiz municipal e de orpbos do termo
tra-se a seguate, que prova bem alto o
humanitario que possuia aquella senbora.
Augusto Octaviano de Soaza, eaptao secretario
coracao g9ra| q commando superior da guarda nacional
barrancado.
A forja dos paraguayos vlnha em duas colum-
nas, urna pela estrada da colonia de Miranda e
-Nioac, constando de 3,000 homens mais ou menos,
e a outra de 1,000 homens pela estrada de Doura-
dos cora direejao s fazendas de cima da Serra ;
at o da 10 de fevereiro, os refugiados de Nioac e
de quem colhemos estas informajoes linham visto
passar pira mais de trinta mil rezes, gado arreba-
tado das fazendas de. Miranda, e grande porjao de
cavalhadas qae nao puderam calcular.
O fazendeiro Antonio Candido de Oliveira, ha-
vendo rccolhido sua familia em carros em um ca-
po de mallo prximo a casa, ah a conservou por
duas ou tres horas at que alguns soldados que es-
tavam refugiados na matta viram sahir os carros
com toda a familia prisloneira do inimigo. Este
fazendeiro o mesmo que ha quartoze annos j es-
tove preso no Paraguay, por ordem do dictador
Lopr-
Igu
Escrevem-nos de Jagoary, com data de 20 do
marcado o ordenado annnal de 600 aos pro-
motores pblicos das comarcas de Camaragibe as
Alagas e do Teixeira na Parahyba.
Foi mandado ohservar o regnlamento para a exe-
antxuuB, iiuo itiiaui utrstuucrius pur uingencia ao' cacoda lei n I 237 de 24 de mmhrn Ha tHfii
juiz municipal os raaadalarioa do irntasfatma{^SXiMA&^tZJSSSr '
.feliz 1, >eUio Don s Jos de Salles, esse I 'WK2 de'^toTorS"foTetovada ca-
corrente, que foram descobertos por diligencia do' Pn(.oda lei n
JUIZ mUnl>n*l AC monHlf-mini An :... J* I uu*
Infeliz i
expedio em segredo ordem de priso coatra!,negoriaae secjao de'baValhSo"a "co'm7anm"a^1:
elle.
Domingos
segredo ordem
Procurava-se deseobrir o mandante.
L-se no Minas Geraes de Ouro-Preto do 21 do' &" 222JW5*! ? cip corrente
Escrevem-nos da cidade Janaaria em 7 de
marco:

o Paraguay rompen com o Brasil produzt neste
municipio a mais viva indigoajo, e excitoa ao
mais alto grao os sentimenlos de patriotismo que
animam os Januarenses.
< [inmediatamente reunise a cmara munici-
pal, qae proclsmoa enrgicamente ae novo, convi-
dando-o.a alisur-se sob as bandeiras dosVolan-
do Serinhem da provincia de Pernambueo.
tarios da Patria;os distiactos cidadaos Manoel
pai do actual, occasiao era que fol preso Caetano deSouza Silvae Jos Lopes da Rocha.aquelle
ente um afilhado do Exm. baro de Antoni- tenente-coronel commandante do balaJbo da lu-
na, Pedro No!asco, qae se achava nessa fazenda,! antaria, e este major commandante do esquadro
Por decreto de 22 do corrente concedeu-se ao 2*
cirurgio tenente doeorpo de saude da armada Dr.
A noticia da maneira atroz e infame porque ] Jos Antonio Lopes, a demisso que pedio do ser-
-' vico do mesmo exercito.
Por decreto de 22 do corrente foram reformadas,
com o respectivo sold por inteiro, visto larem sido
imposibilitados em aeco do sarvico do exercito,
as pracas segointes :
Soldado do 3o batalbao de infanUria Ignacio Al-
ves de Carvalho.
Soldado do 4a batalho da mesma arma Antonio
Raymundo das Chagas;
asMadt-do 12- batalho da referida arma Fran-
cisco Mano.-i Joaquim da Concaijo.
Por decretos de 26 do corrente :
Fot demltiido do lugar de director do hosphal mi-
litar da corte, o coronel do corpo de estado maior
de 21 classe Antonio Joao Fernandes Pisarro Ga-
biso.
Concedeu-se demisso do eervico do exercito ao
2" cirurgio do corpo de sade do mesmo exercito
Dr. Prudencio de Brito Cotegipe.
Foi perdoado a Manoel Lourenjo da Silva, pra-
ja do exercito, o crime de deserjo que commet-
leu qaando praja do 5 batalho de caradores, hoje
12 de infantaria. *\
---------- ata 11 -11
Acerca do encalhe do brigue olemburguez A11-
tan Gunter, que noticiamos ante-hontem, dirigi o
Sr. capitn do porto ao Sr. ministro da marinha o
seguinte oficio :
Tenho a honra de levar ao conhecimento de
V. Exc, que acaba neste momento o commandante
do vapor nacional Presidente, entrado hoje de Cam-
pos, na eccasio de dar entrada nesta repartijo,
de participar achar-se encalhado na praia, ao norte
do Cabo do S. Thom, um brigue oldemburguez
carregado de carvao, o que no dia 23 do corrente,
s 8 horas da manhaa, quando passou para aquella
cidade, parou junto delle, para ver se lhe podia
prestar algum soccorro, observando ento que toda
a iripolajao j se achava em trra, e para ijar a
bandeira a bordo veio de ierra um homem audando
por dentro do mar com urna vara na mao, e que,
tendo sahido de Campos para esta corte, Uvera or-
dem das autoridades daquelle lugar para lhe dar
os auxilios possiveis, tendo largado para o ponto
do sinistro o delegado desta capitana em S. Joo
da Barra com varias prajas a soccorr-lo, porm
elle commandante, parando ao p, vio que nada
poda fazer por estar o navio completamente enca-
lhado, trataodo o dito delegado de arria-lo e prova-
velmente tirar de bordo o que podesse. Informa
o referido commandante que o julga ateiramente
perdido e incommunicavel por mar. A' vista do
exposto, espero que V. Exc, em sua sabedoria, re-
solver a respeito, como melhor entender.
DIARIO DE PERKaMBUCO
Temos visto >ornaes do sul do imperio, traaidos
pelo vapor Cruzeiro da Sul, cbegao sabbado, al-
caneando: os do Rio 30 do passado, os da Babia
4 e os de Alagoas 5 do corrente.
Sob a rubrica Interior vai por extenso o que de
mais importante occorreu. Alm disso apenas en-
cjatraatos pie serau, as feriara do jomaes.
Rio DkP*ut\.-Q Jornal da Baha, dando noti-
cias desta parte, diz o seguinte :
Consiava em Montevideo qa havta ordem do
demorar todos os vapores, que ebegassem cora tro-
pa, visto terem de a transportar para ponto reser-
vado.
Continuavam as quenas aontra o fornecimen-
to do nosso exercito. Havia- meixas tambera en-
tre a oficiaIdade pos causa da-arbitrariedades, ten-
do j mais de*90 detaado aa ateiras. Tinha havi-
do desorjdes na guarda namaasl, na infantaria de
liaba aso 2. davolaatarios. Consta que tambera
baadesgosto aawa o genaial Owrio e o almiran-
te Tamandar.
O* Paraguayos, invadlirdaa provincia de or-
nemos, aproximavam-se da troatelra brasileira de
S. Borja.
As nossasdivises 2.* e"3." conilando de 16
mil homens j linha partido sobre Santa Anna do
Livramento.
A 1." eslava ainda em Montevideo, e lam em-
barcar tres bataihoes para Corrientes.
t Em Corrientes o general aceros eslava
prompto a partir para a fronteira com 4 mil vo-
luntarios.
Crescia em Montevideo a inscripco de volun-
tarios contra o Paraguay.
O governo argentino ia tomando as medidas
de precaujo que o caso exiga, sem todava motii-
lisar as forjas da guarda nacional das difTerentes
provincias, em quanto da parte do Paraguay nao
houresseum acto de aggressao aberta. Segundo
os mappas olTlciaes,elevam-se estas forjas a 35,134-
horaens, nao comprehendidas a da Baha Branca
e 9,654 da reserva.
No da ISseguirara para Buenos-Ayres o mi-
nistro brasileiro e o almirante.
Dos actos do governo oriental o mais impor-
tante relativo organisajo bancaria. O decre-
to sobre esse assumpto contera as seguintes dispo-
sijoes :
Ari. 1. E' permittida a incorporajao de ban-
cos de deposito, emisso e descont debaixo das
condijes seguintes :
1.a Os bilhetes eraiilidos serao ao portador e
vista, pagaveis em ouro, em dobroes, e na sua
sua falla em moedas do mesmo metal, do confor-
raidade coma lei de 23 de junho de 1862.
2.* O mnimo do valor dos ditos blu-tes ser
de dez pesos; mas durante a falta de troco menor,
e em quanto nao houver disposijo legislativa que
o prohiba, podero os bancos fraccionar os seus bi-
Ihetes at vinte centesimos.
3. A emisso de bilheles menores nao poder
exceder de vinte por cento do total da circulaco
de cada banco.
4." Esses bilhetes sero pagos em
pre que se apresentarem em numero
dente ao valor de um dobro.
5.* A falla do pontual pagamento ao portador
e vista de um nico biihete importar a suspen-
5:10 e liquidajo do banco que incorrer nessa falta;
nao podendo em tal caso funecionar mais tarde se
nao era virtude de nova aulorisajo.
6.a Os bancos de emisso em nenhum caso po-
dero emittir mais do triplo de seu capital reali-
sado.
7." Nos casos de liquidajo ou fallencias os
bilhetes dos bancos gosaro de absoluta preferen-
cia.
_8 A antorisaco do governo para aencorpo-
rajo de um banto ser de vinte annos pdenlo
renovar-se se assim convier por periodos iguaes.
9" A contabilidade dos bancos sera unifor-
memente organisada e era lingua hespanhola.
10" O governo nomear dommissarios para
inspeccionar e fiscalisar as operajes dos bancos,
correndo por conta destes o pagamento dos hono-
rarios dos commissarios.
Art. 2o Nenhum banco poder estabelecer-se
sem que tenha submellido seus estatuios e regula-
mentes approvajo do governo.
_ Art. 3 Os commissarios do governo liscalisa-
ro os regi.-tros da emisso e sua couformidade
cora as precedentes bases visitaru os balancetes
mensaes que apresentaro e mandaro publicar os
bancos, corainunicando ao governo informajoes
sempre que o julgar neeessario, era altenjo acs
interesses pblicos.
Art. 4" No juizo do commercio, e debaixo da
mais stricia responsabilidade, nao serao registra-
dos contractos ou estatutos nanearlos,
contenham todas e cada urna das bases
nadas.
Art. 5 O local dos bancos ser o da cidade
oa villa onde elles se acharera situados, ficando
elles em lado sujeitos a legislajio da repblica.
Ari. 6" Era nenhum caso e por causa do in-
teresse proprio ou de circumstancias polticas po-
der o governo impor emprestimos aos bancos
nem outorgar concessoes em contravenjo as leis,
eu que importem viciar as nslituijes de crdito.
Art. 7o O governo em seas contractos com os
bancos ser considerado como os particulares, e
por conseqnencla sujeito as regras esiabelecidas e
as que dispoem as leis geraes sobre a materia.
S. Paulo.O Dr. Pinto Jnior recusara o cora-
mando do 7u batalho de voluntarios.
A assembla provincial encerrou sens Iraba-
l'ios 26 do passado.
Minas-Geraes.L-se no Jornal do Commercio
a seguinte carta, com data de 3 de abril :
<........... Urna noticia inverosmil alarmr 11
as populajes dos municipios do Prata e Uberaba
que os Paraguayos, em numero de 3,000, acha'vam-
se apenas a 30 legoas de Sanl'Annado Parnahybu-
na: mis os homens mais Ilustrados daquelles
pontos nao deram crdito e procuraram acalmar
os nimos, o que conseguiram. Cora effeito, seria
rematada loucura suppor-se que os nossos inimi-
gos abandonariam ou enfraquecenara Miranda e
Coimbra, que sao a base de suas operajoes ao nor-
te, para internarem-se por inhspitos sertoes sem
meios de conduzir vveres e munijoes, para vir a
80 leguas atacar urna pequeoa villa, como a de
Sant'Anna, e avanjar ainda mais 40 para tomar a
do Prata em iguaes condjoes.
O Sr. Cerqueira Leite, porm, que nao qaer
passar por imprevidente, fez logo seguir para Ube-;
raba, onde deve estar a chegar ou ja chegou, o
armamento e munijao enviados pelo governo im-
perial por Santos, dous disiioctos officiaes, os Sr.
major Jos Maria de Siqueira Cesar e tenente Joa-
quim Rodrigues de Almeida, e por excesso de cau-
tela, quantidado de carluchame. Para a mesma ci-
dade segu tambem a commissao composta de em-
pregados de fazendas que deve all permanecer
munida dos necessarios fundos para occornr
despeza das forjas. >
Paiian.A assembla provincial foi inslallada
21 de marjo.
Matto Grosso.L-se no Diario Official de 30 :
De Mallo Grosso offleiod ao governo o tenente-
coronel^ Jos Antonio Dias da Silva, commandante
do corpo de cavallaria dessa provincia, era data
de 10 de marjo prximo passado, sobre objecto or-
dinario.
Achava-se nessa dala com varias prajas do
sea corpo e do batalho de cajadores da inesma
provincia acampada na fazendaAgua Lrapa,
30 leguas alm da villa de Sant'Anna do Parana-
hyba, para onde vinha a marchas regulares, e sem
ser perseguido.
Eslo, portante, desvanecidos os boatos ater-
radores, que davam como araeajada essa villa pe-
las forjas paraguayas. >
Ro oe Janeiho.Havia numero de senadores e
deputados suficientes para a abertura da assem-
bla geral.
Por decreto de -29 do passado foram reforma-
das as Facoldades de Medecoa do imperio.
Por ditos de 27 e 28 foram comeados :
O bacharel Aristides Germauo de Aguiar Mon-
larroyo, juiz municipal e da orpbos dos termos
reunidos de Lagarto e Campos, na provincia do
Sergipe ;
O bacharel Domingos Jos Alves da Silva,
juiz municipal c de orphaos do termo do Rosario
do Cllele, na mesma provincia; e
O capito Herroogenes Ferreira de Carvalho,
major ajudante de ordens do commando superior
da guarda nacional das municipios de S. Rayaran-
do Nonato e aonexos da provincia do Piauhy.
Foi recendnzido o bacharel Abilio Alvaro Mar-
los e Castro, no logar de juiz municipial e de or-
phos dos termos reunidos do Rio Pardo e Enera-
zilliada na provincia de S. Pedro do Rio Grande do
Sul.-
Foi declarrdo de nenhum effeito o decreto de
25 de maio do anno passado, que nomeou o bacha-
rel Joo Candido da Silva, para o lagar de juiz mu-
nicipal e de orpbos do termo de Lagarto na pro-
vincia de Sergipe.
Foi dispensado do exercico por lempo inde-
terminado o tenente-coronel commandante do 8
batalbao de infantaria da guarda nacional da pro-
vincia do Rio Grande do Norte Manoel Salasliano-
de Mederos.
Por ditos de 29 :

?
; -
/



J>
a) tarto efe
- epmda tttr* 9 emvttB lelff;
Fui nomesjo cotonuadaota-das armas da pro-
vincia do Para o mareena! de campo Francisco de
Arroda Canuca,
F'oiaxraaratodolagactia' medias deex-
Ul.imiiUr da n)aJ9 4 fWe,*eirf?tt8JMr
da di vida aUnoalda ag Miowl*.
Foraei perdoadas s peers segualas o res* do
terapo qui Ibas falu para cumpriraeee da* patas
4> (jue./orara. condatanaJas :
< i" baailhao-d a/lilharia.
0 1 sargaaia Virgilio Xapoleo KoaMfi.
1" regiment de cavelUttia.
< 0 soldado Victori iu Baplisla.
t 7* batarhao de infamarla.
O soldado Jos Ribeiro 4a Silva.
BuiaWio de oteadores da Babia.
O soldado Jos Rodrigues da Silva.
Carpo de giurotco do Maraahao.
O soldado Migu-I de Araujo.
L-se Diario Ofliaai de 30 :
Pdla capitana do porto communicam-nos o e-
gunte:
Fazendo hornees, pouco depois de sete boras
da tarde, a fortaleza de Santa Crut sigoal de na-
vw em perlgo, fra da barra, e participwido ao
arsenal de rnarinba, pelo teiegrapho electrlctu, ser
um brigue que se achava fondeado prximo ao
costo da din toruiza. uU parta da fra,wuio
para all immediaramenie o caprtad do porto, a
borda do vapor de reboque Inctmsmet, levando
igualmente o ajudaate do guarda mor da alfande-
ga, o pairp-mr do arsenal de marioha, e lancha
da corveta D. Jamara, tripola+a por om gnar-
dtao, o patrie e 14 pragas.
As 9 1| horas, ao approxrmar-sa
vio, p a raudo na praxittidada do tul, j achara
a lancha da referida fertakezi, reaealtefteii ao* a
tava em inioiinenle penga, e por forma tal qua ne-
trhurna vida se salvara, se pardease-; ma Uve a
fellcida Je de dar-lbe o cabo de reboque e de con-
duzi-lB&radMMf*o prt, tade landoo s 11
boras.
Era o brigae prossiaoo Helene,< 306 toneladas,
capillo J. F. Kaehefen, que trahasahido desie por-
to, pouco depois do aaio da, para Maroim, e quel, i
com lodo, nada soffrera.
Baha.Tjinra posse da presidencia da pro- i
vinoia, o aMMtfnaeaia Dr. Baiihazar Bulco,
BO dia 2 do correte.
A assembla provincial encerrara os seus
trabalhos no da Io, por nao ter sido prorogada.
No dia 3 tere lugar, oo remiro de Jess, a
soleranidade da callocacao do emblema desperta-
dor dos festeja* de i do jtrtho.
A' bordo do yapar inglez Paran, segoiram
para a corte o tulaluai de voluntarios de Santo
Auuro o a 2 companbia de Zuavos Babaaos.
O rio S. Francisco teve urna erwhente de
trasbordar, alagando grande pacte dos terrenos das !
margons e cansando grandes prejuizos.
O transporta de guerra S. Francisco tocou i
all no da 1 do eorrente, seguindo no immeliato \
para a corte.
Regulara o cambio : sobre- Londres a 23 t|4,'
sobre Paria U7 e 375,sobre Uaiaburgoa 673 e so- '
bre Portugal de 98 102 Oirj.
Sergipe. A assembla provincial pronedeu a ,
eteigao da mesa, que Iloou assimeomposta : presi-
dent Dr. Jos Lourenc.0. secretarios Drs. Joao
Paulo e Conrado.
AlagoajNada occorreu aps a sahida do Pti-
rahyba, chegado ante frontera ao nosso porto.
Im. parrlo eneentrado raorto, na igrej de S. eaajrfo da *
PraaoitcQiAaaa AaOraio.
lUyaaaado,*nmbm>, iaaws. sott, escra.
o, Sanio Aotaato ; aoeu reara*
Mara dnAavaraade Assis Carvatbo, Pernatlbjieo,
56 annos, rlova, S. Jos ; hypetrophia no co
racao.
treaW
166:
QA,
MOVIaCMfl I ______
Volames entrados com fazeodas....
c om gneros..... 871
COMMNICADGS.
E' para se admirar.
No dia 27 do mez passado, foi inserta as Diario
de Pernambuco o artigo infra, sobre o qoal anda
se nao ron testa o faeio referido!
Semelhante silencio do Sr. Mann, por que modo
se pJe explicar f
Com todo nao queremos, por ora, formar juiao
algum a respelto do que ha occorrido, esperamos
por mais olio das, ver pulverizado esse artigo que
aqui transcrevemos, depois de cujo termo, expla-
naremos a questao que de ulidade publica.
Estrada de ferro.
Ao Sr. engenheiro e superintendente G M Mann,
VoTomes sahidos com fnendas..... 73
t t com gneros..... 1,610
Deacarragav so dia 0 do frrente.
Logre italianoLorenM Valeriofarinha de trigo.
Brigue hollandeiAouariodem.
Patacho hellaadoz/ncAi'na-idem.
Baso*, mgtetafloiuzM.- nMnendoria*.
Barca diaamarqoeza,Jora farinba de ttgo.
Barca fraucezaRio Grandemercadorias.
Lttgre portoguezJuliodiversos gneros.
Brigue porlugoezata //dem.
Brigue inglezDyznnli umcernela e oleo.
Barca portuguezaS. Joaocharque.
tiseona hanovetianaJeztna -idem.
Brigue naciuoalr-GoAiwidem.
Barca inglezaTrinicarvao.
Barca inglezaCommodore -dem.
i Barca ingleza.BtUe Poiti. Ulem.
*>:0|6>l73 r vaaV mu dr-n*Dd da rijr H, coa m&a' com panilla fa
.- m MtfarflaDtaado tres (toas e s jarwlla de;
il frente, endraeadaa,flma paria e tres jJnellas em
(Mda ollao, tamtwm enridracadas, J35 palmo d
fbe,iTd*Biid, eme Saks de diaste todas Jar'
nadas e guaramMatdpapel ioeiostve o corredor,
d&jaiaadrav smi iaio- an diaiwa,c^
-------872 ^tha i+tim* miaawtiraa^ai itms toa#N mu
chagadaaai caadiacos alto par florea? divide
doali polo iado do iwrte mw o siaio das aer-
1,633 darMtoliadJi>M>CaM, pelo lado do Md com
tio do padre Jos Antonio do Santo*Leasa,
sagcrles Im-
periales.
AJodtaJidP
eorrente tnez.es-
pera-se da Euro-
pa os vaporea
Leilcw
(k ntreia, mit prala t \ esenvi
a saber
Um piano fon, l'mobiha d Jacaranda eoaj l
Mfa c cortelos com taiopo- de pedra, 4 cadetras
franwaea|rt'W4/
sa>wdo do Mor-' de bracos, e l OV guaaM<>id, I mobilia de
deau, o PHme 80> 2 ricos espelhos cera moldura de jacarandi, 4
saliindo de Mar- J"0S 2 serpenliniis, 1 grande Justre de cryslaJ, *
serHe os quaes i Umpoao do taz de pendofar enrh tres bieos, S di-
DtldliLdadftleatocomaViii' ~*~ t-' deD0,s da demora^^ do-costome egulrio para Babia! < cto de mesa, escarradeiras, tapetes, 1 ca-
v5r ?i**LdariasMrte" con, i PS^Ju S,p e Ril> d *to; I ma <"><*" l 'da vestido, 1 rira commoda, 2
s^^o!a^s ^d^2^ 2*S5|i Os passageiros d Pernaroboeo paraos portos! eias ditas, 1 soctotwi, | estante, i toucador, i
^MhT^4f-m^\ZZm!Z!m^ q da Europa que kgiMram segurara* sna passa-cama* de ferro, sendo urna para casados, 1 bercp,
Pfldrn Ubmo da lrimia W" a bordo dos paqwetes ucsta companrda nos ce.tureira.
1 sof e cadeiros de amarcllo, 1 quarinbeira, 1
USitflli Qbiifdriro
QO^ dvdoila ia UAPoruac da avaiiaei cima
! moauionada, lita {terUoceailo ao Dr. Pranci*ou C j
Otos. Volloio du,AUiu^o"rque, cono "nntrilhnr da
maior parta do pca^o a qoaMia da l&i)46**8.
Sitia iO,im val a acag por vauda por emmaao que
movarn a viuva. llw* e ewos do .fluado laooiue-
CQMOel Bernardo Antonio de &ramU com o Dr.
FcwciacQoaias Velloso do Albut)oajX]M e sua
gen* a bordo dos paquetes tdcsta companrda no
mezes de maior affluencia, tem a facoidade- do os i
mu respeltosamente dirigimo nos, para se dignar
iMDOM Mosttoaa>, OBja^ratosa, paaeceao^ R norueeuense Ja.?m/nVi-idem.
nao ter apoio no regulamento por ser um absurdo,
bem pode ser um arbitrio tomado, sem sciencia.
ou consentimento de S. S. e o seguinte :
Nao poder o paasaeite qua comprar o bLibele
de ida e volta, por cnalo ai estacad da Cinco-
do eUd na- Pnlas Para a da Escada, fleando na do Cabo, pro-
segoir a sua viafem a concloi-la, embera esteja
elle dentro do termo.de 1 i boras para a realisar-,
sem qne compre um outro bilhete de passagem
all, aoado por qualquer causa imperiosa taiiUa
saltado. Seca isto exequivol ante a boa razao?
R. P.di L.
Barca norueguense -Jasminia idem.
Brigue inglezIzabella idem.
Barca inglezaO/indabacalho.
Brigue portugnez Hennque -fareloe lagedo.
RECEBEDORIA DE RESD\S INTEKNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Bendimeoto do dia 1 a o...... 4:199*377
dem dodta6................ 453*331
PUBLICARES i twm
HUM
caso uniim
D^9tA
Molestia ulcerosa
Curada.
PERNAMRUCO,
mmn haiii.
O vapor Jaguaribe, da companbia Pernambu-
ra-ua. rnirni para o dique imperial no dia 27 do
pas>ado. Apenas sahisse, partira em direitura ao
nosso porlo.
Pelo vapor Cruzeiro do Sul foi visto, segundo
nos iiiformam.o S Francisco ao sul da Bahia.
Na lat. N. 11' e long. O. 29 encoairou a ga-
lera franceza Adle, em sa vLagem do Havre para
o nos no, e m lai W long. O. 3d W a barca, portu-
gtieza Feliz Vnuio.
Tendo-se espallwdo sabbado estar eocalriado
na Parabyba o vapor Paran, orificamos ser urna
das militas galgas, que os oci sos invenan).
Asprovas de apreco publico nomeacao dos
Srs. coronel Aooloaio o major Trajano para com-
ruan-laaiie c-fiseal do 2* corpo de Voluntarios da
Pairia nao cessao.
No sabbado passado a noile os einpregados do
arsenal de guerra furaui cumprimentar aos mea*
mes senbores, levando a soa frente urna msica
marcial composta de curiosos.
E' grato verse semelhaute espectculo, que so-
mwite d-se quando se procura pessoa apta para o
lugar, e nao lugar para pessoa.
Remeltem-nos o seguinte, pedindo a sua p-
blicacao :
< A' reijunrimente de alguns negociantes desta
praca, socios da Assoriago Commercial Benencen-
te, respectiva direccao reuni a assembla geral
da mesou assoeiagao no dia 2o do mez prximo
passado, com o m d iratar-se das seguintes ma-
terias.
Preco do algodo na pauta semanal.
t Embaraces creados pelos empregados dequom ;
depndem as"descargas dos navios.
Exigencias de armazenagens nos gneros des-
pachados sobre a ponte.
a Demora de despachos as petiQoes, que sao
dirigidas alfandega.
t Assini como de outros assumptos nao menos
i mp o ranles
A' rcuniao comparecern! grande numero de
socios, assim como o Sr Dr. Joequim Jos da Fon-
seca na qnalidada de advogado da associacao.
e Fallaram os Srs. negociantes E. 11. Rabelro,
Felipp Needham, Eduardo Burle e Manoel Jos da
Silva Cuimares, e o Sr. secretario Jos de Vas-
conccllos, oceupando o primeiro a altengao da as-
sembla por espago de urna hora e nm qoarto.
Enumerando, cora toda.a clareza e precisSo diver-
sos factos, que se tem dado, em relaco cada urna
das materias cima notadas, e de qne tem resul-
tado ao commercio grandes ombaracos e prejuizos,
conrluio o mesmo Sr. Rabello pedindo que se to-
nu-.-fin previdencias, alim de se nao repetirem os
tjiesmos ''inbaraco?. *
t O Sr. negociante Cuimaraes, denojs de tratar
dos assumptos para cujo lim se tinha reunido a
as embla, leyou ao conhaciraeato da mesma com
Imparcialidade alguns factos praticados pelo dele-
gado desta capital contra os propietarios de esla-
bcl vimentos de molhados retallio, fundando-se
tambem n'uraa representagao dos mesmos com-
merciantes reulho, dirigida a assoiiidgao por in
lermedio do dito Sr. Guimaraes e dos Srs. Antonio
Vali-ntim da Silva Barroco o M R. Rabello, a qoal
depois de lida e aceita, foi entregue ao mesmo ad-
vogado para nesse sentido representar ao Exm. Sr.
presidente da provincia.
Na mesma sesso, nonwoo-se tima connaissao
para colher documentos, tendentes as reparticoes
Jisca"?, sobre os assomptos citados ne requer-
m -i; i que deu logar convocago da assembla.
afim de representar so ao govemo de S. M. o Im-
perador ; sendo nomeados para aquella comrnis-
sao os Srs. negociantes Rabello Needham eBurle.
ItKPAItTIQAO DA POLICA:
Extracto das partes-do dia 6 de maio de 1863.
rV.nn reeoihidos casa de detengo no da 5
do rorrete:
A" OBdem.dosnMelegodo do Recife,Jos Martine,
para corregi.
O chafa da 2*.Reccao,
i. G. dMesquita.
P*sageiros do vapor brasilelro Crtrrrrro do
Sul, vindodosel :
Jos JanaaMo de Cawalho Vaos de And^ade, Il-
defonso de Aidrade Mello, eanHo Manoel S. da
Costa, fieroarno F. Sardoso, Fhmcsco V. PraUs,
Augnsto.Cesar.de Mandoncae sua seobora. 1 es-
craro a entregar a Senastio Marqaea do Nasoi-
mento, Marcolioo F. Rosa, Jos Joaquim Ferreira,
DminsTs Atres, ex-pragas Jos Bernardo Ribeiro,
Pedro G. da Silva e Esperidio deSaot'Anna, Fran-
cisco Aires da Silva, r^Catao Guerreiro de Cas-
tro e 1 criado, Eolalia dFreitas e 1 irmlr, Fran-
cisco Ferreira, Rossi Geoanni, Geoseppe Pagnello,
C. Satvatore, Manoel Gregorio de Oliveira Costa,
ABt'.nio L. Teixeira Marques, Jos Joaquim de
Oliv-ira, Manoel das M. Araujo e 1 escrava a en-
tregar a Jos Augusto de Araujo.
tiEMiTEiuo publico. Obituario do dia 5 de
maio de 1865.
Feli. Pernambuco, 1 mez, Santo Antonio; to-
tano.
Laurin lo Antonio, Maranhao, 40 annos, soltelro,
B'.i-Visla ; bexigs. .
Um prvulo encontrado morto, na porta da igreja
de S. Pedro, Santo Antonio.
Ti/<1o jit-lU-8 que se adiSo eui pil> sof-
frer nolestks scrofidosas, Teeroata, ou avphi-
ILuieas, alada mesmo as reputadas de po.ior
nntnreaa, apeoae necesaito de 18r o segmnte
caso maxaviUioso, p&za que ee sintoo intcjra-
menlo coarencidcn q a boa propri* cora,
nao so meramente poasivel mas m abeoln-
toHfctate oerta.
Joao Jos! Feriietra Barboza, residente
na Cidade de Maraabao, tiaka todo o aso
corpo coborto de dntges nlceroMM, e durante
algunos annos se achava debaiso do tratamento
d mdicos oe mais afumadas, trndo usado
durante todo este tempo qiiasi toda a especie
de medecinas que em taes casos empregada
pela faculdade medica, parcas dabolde aem
obter o menor beneficio on alivio: achando-sc
pois em taes apuros elle finalmente resolveu-
e, depois de repetidos e baldados esforjos
fazi-r uso da]
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
No todo elle apena* chegon a tomar Cinco
Garrafas de Salsaparnm c quatro frascos das
Pilvlas Vegetan Auucaraia, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sers. Ferkeha & Cia., Droguistas do
Maranhao, forao quent supprirao os medica-
mentos, e achao-se perfeitamente ao fecto
d'este caso, e os mosmos Senhoree, nio m> se
achao promptos confirmar o mesmo, como
lambcm em fornecer o actual adreaso do Ser.
BABBOZA, toda e qualquer pessoa que por
ventura se deseje informar da verdade.
Recommenda-8e mu pertieulannento aos
Doentes que tenho o maior cuidado na escolha
deste excellente remedio, nao usando outro a
nao Ber a Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual exclusivamente propasada por
LANMAN & KEMP,
De NOTA YORK,
pois que todas as mais sao inemoaxes e de nen
bum pr-'Btimo
Vende-so as boticas fie Caors & Barbosa
e C. Bravo 4 C.
COMMEBSIO.
PRAfA. DO RECIFE.
Cotaces ofQciaes.
6 de maio.
Algodo de Maceio 12z00 por arroba posto a
bordo.
Duboarcq Jnior,
Presidente.
Guimaraes,
Secretario.
tai va filial do banco do Brasil cm
Peruambnco.
A directora desata caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Babia.
Soto banco de Pernam-
BHCO.
O banco desconta letras na presente semana a
10 per cento ao anno at o praro do quatro me-
zes, e a 12 0(0 at o de seis mezes, e toma dinbei-
re jaros a praso sunca menor da tres
orobaneo de Pernambuco.
O banco paga o 11 dividendo na razao de8
dor aceao.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
19 de abril de 1865.
Tendo-se desencamiohado do espolio de Bernar-
do Jes Pinto a cntela de 43 acc5es das localisa-
das nesta caixa, sob as. 1239 a 1281, a directora
faz publico a quem interessar possa, que por parte
d^ Antonio Jos Ramos de Oliveira, do Rio de Ja-
neiro, tutor dos berdelros do dito Pinto, se vai
aqui praeeier a transferencia das referidas accoes
para o norne dos mesaos herdeiros.
O fuarda-Kvroe,
Innacio Nunos Corrola,
RecifQ, W de marco de 1865.O escrivao,
ARREMATAQO.
No da H> do crrenle mes tem do sor arroma-
tado depon da audiencia dolllm. Sr. juic do paz
do primeiro districto da Boa-Vista o segaioa : 1
comoda.de roadeira da m/>gnA, uiuadila.de ma-
deira do.oleo, unu mesa de madeira d- amaryll>,
urna dita dita mais pequea, c
lomar no dia que os vapores seguain para o sul,
paitando porm como se fosse do Rio de Jaoiro.
Para condcc5es, frew e passafieus traU-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.________________
Pa^a Rio te Janeiro.
Pretende seguir com rauita brevidade a Larca
Mo de Janeiro, tendo parle do seu carro'jjiao'^Bto
engajado: para o resto que Ibe falta e escravos a
lales, para os quaes tom excellonte coromodos
rata-so com o IcaMtRaiiMtNW Aoumio Luis jc
Oliveira tUevedo, no. sou eacriptojio na ra da
Cruz n. 1.,
" COPAXATWN^siWnl^A
DE
Navcgnca* cosleifa
. poj* vapor.
penhoradas por exoco^o de JoTaIvmlScT P3hJ*>3, Ntal, Wacao, Aracaly, Ccar
4:653,5111
COM9ULAf)0 PROVINCIAL.
Rendimeato do dra 1 a 5......
dem de dia 6..........-.
PRAQA DO RECIFE
6, IE MAIO BG IS3.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........Saccou-se sobre Londres a 25
J,2SV4e23.d. por 15000; so-
bte Paris a 380 rs. oor fr e
sobre Lisboa de 106 a 110 por
cento de premio; elevando-se os
saques efectuados durante a se-
mana a 50.000.
Algodo......... O de Pernambuco vendeu-sede
125000 a 125500 por arroba, o
de Macei, posto a bordo, a
125250, nao haveodo vendas do
tra Manoel de CwvaHio Paes de Andrade.
Val a pra^a terca-feira 9 de maio peratite o
Sr. Dr. juiz mnoleipal da prmeira vara os se-
guales predios na frcguesia dos Afogados, o sobra-
11:6882161)0 do d um andar n 1 da rna Btretia, o de n. 7 da
1:6535768 mesma rna a casa terrean. 9 todos nos Atojados,
--------------i quem nelles quizer laucar compareca no dia e ho-
13:3425368 ra da audiencia cima as 12 boras da manha,
acha-se o escripio edilal na mao do respectivo por-
teiro.
Keparlreao 4a* abras pWins.
Pela reparticSo das obras publicas se faz publico
a quem possa interessar, que de segunda-feira 8
do correte era diante fica interrumpido o transiio |
de carros pela ponte da Tacaruna.
Reparilcao das obras publicas 5 de maio de 1865.
O secretario interino,
Manoel Loureoeo de Mallos.
Pela thesoraria prosincul se faz publico que
a arremaiacao da obra dos reparos do empedra-
maot) do lanar denominado=Areias do Giquia
na estrada da Victoria, entros marcos de tres a
quatro mil bracas, foi transferida para o oia 18 do
corrwK.
Secretara da thesouraria provincial de Peruara-
e
Acarac.
O vapor Mmmangucrpe, comman
daate Moars, se^ae no dia 8 do
mesa de jantat, 2 apoaradwesj 1 guarda louca,
aparelfios par cha, copos, garrafas e outros ob-
jectos.
Differenres objectos de prata constando de sal-
vas, colheres e pallteiros, asstm como 2 oculos, 1
binculo e 1 espingarda de dous canos.
L'wa escrava fiel sera vicios e cosioheira de 25
a 28 artnos de idade por noiue Claudina.
Quarta-feira I i* taai.
Ra da Cadeia d. 29, loaoNoo andar.
Praeido Jos do Reg Arawjo t'udo de faier nma
viagema Europa, fara ledao por uUivuuqAo do
agente Pinto, de Iodos os'objectos cima mencio-
nados perlencentes o existentes em sua easa de re-
sidencia ra da Cadeia rr. 29, terceiro andar, on-
de se effeeluar o leilao as lt> horas do da cima
dito.
MSII %
De um rico adercQo de ourodo lai com 24 bri-
cooronlo s horas da tarde para
s portas indicados. Recebe carga
t o dia 6, ao meio dia ; cncom-
mendas, pas^ageiros e dinheiro a froto at o dia da
sabida as 2 horas : escriptorio no Forte do Matlos
n. 1. ^^^^^^^^
liba de 5 lllgxiel
No dia 12 pretande seguir p:ira o porto cima a
escuna portusuaza Fin : para passafeiros trata-
se com o consigoatirio na na do Apollo n, 4.
Ihanles graudos, dtlfUteMM wtiU^rwi ratafia de alsibeira de oiro (teme ingler, | cos-
' luroka ou machina de coser de mesa com armario
e pequeas gazetas.
Quarta-fcira l'ic aiaio,
Por intorvenfiao do aaie Piut.i, no terceiro an-
dar do sobrado da ra da Cadeia n. 2il, aoade ha-
I ver leao de movis, obras do praia e un> es-
c_avo.
Assucar........ ^nco'Sdeo-se de 35400 buC0 5 dt-maiy de hftft^
A. F. d'Aottuacia?ao.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segwntc :
Provioieuta dos armazerts.
20 toneladas de carvo de pedra.
30 duzias de taboas do pinho de 3|1 de gros-
sura.
10 ditas de ditas de dito americano.
2 arrobas de pregos franeczes de 2 1|2 pollo-
35800 por arroba, o somenos
de 2fl800 a 25900, o masca vado
purgado de 25250 a 25'iOt), e
o mascayado bruto de 15880 a
28160.
Agurdente.....Vendeu-se a 755000 a pipa.
Carne secca.....A do Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 25800 a 35400 a arroba,
ficando em deposito 220,000 ar- ga(la
robas; e a do Rio da Prata ven-
deu-se de 25600 n 35200, cando; ^ gi5'^ ***'* o***5-
Arrot v5ffitoo maTo dT'ndia a ^ SS2 que quizara vender dios artigos,
Arroe..........laam ?!,,%? lDUiaaapfe.sonle suas pioposnm era carta lechada, na
Azettedce......fSSmwi*.* a f*y^ bmt di maah5d do dia 8
Bacalho.......EaXado vendeu-se a 1580001' ***das sessft,! dd con6eibo
a barrica e a retalho de 85000
a 155000 ; ficando em deposito
5,000 barrica.
Bolanahas.....Venderam-se a 35000 a barr-
qninha.
Caf------......Veadeu-se de 65800 a 75600 a
arrotta.
Cha............dem do 15600 a 25300 a libra.
Gcrvja........Vendeu-se de 45ot0 a 55000 a
duzia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Philadelphia e New York
retalhou-se de 185000 a 1950HO
por barrica, a de Baltimore a
18*060, a de Trieste a-905000
e a do Chile a 75'i)() o eaoco de
i^ri Iroras ; ficaado em deposito
13,000 barrica* da primeira,
8.009 da saguoda, 2,000 da ter-
ceira, 12,000 da quarta e 14,000
saceos da quinta; inclusive dous
campamentos um de Trieste e
outro do Chile, e s#guo para o
sul um carregamento dos entra-
dos na semana passada.
Louca..........a ingleza. vendeu-se com 330! 4 toneladas de ferro
por cento de premio sobre a fac- balas.
de compras do ar-
senal de guerra 5 de maio de 186o.O encarra-
gado da escripluracao,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Cousclho de compras navaes.
Contrata o conselha no dia 11 do eorrente mez,
sob as condeftes do estyla, a conipri* dos objertos
i do material abaixo declarados, e convida aos que
qnizerem vende-hw a apresentarem suas propostas
em cartas fechadas no mesmo da at as 11 horas
da nunliaa.
Objectos.
2 chapas de ferro Low moor com 5 ps e 3 po-
learadas de comprimento, 4 ps e 6 polegadas de
largura e 3i4 de poli-goda de grossura.
4 ditas com 6 pos de compriraento, 3 ps de
largura e 3(8 de polgala de grossura.
100 barras de ferro dito para g'iihas, de 3 po-
legadas de grossura e 114 e 5|8 de grossura dos
lados, cada barra com 9 ps de comprimenlo.
20 barras de ferro dito de 20 1|2 polegadas de
largura e 3(4 de pllegada de grossura, cada barra
com 6 ps de comprimento.
60 vergnlhoes de ferro dito do 1 l|2 polegada
I de dimetro.
Manteig^.
Massas.........
Passas.........
Queijos........
Sabio.
tura.
Vendeu-se a ingleza a 15200 a
libra, e a franceza a 800 rs. a
dila.
Venderam-so a 58000 caixa.
dem a 45000 a dita.
Os flamengos venderam-se a
25300 cada um.
O inglez vondwi-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 120
rs. a dita.
Toucnho.......Vepdeu-se a 9880) a arroba do
de-Lisboa.
Vinagre........O do Portugal voadeu-sc a
1005 a pipa.
Vinhos......... Venderam-se o de Lisboa de
2005000 a 2105 a Ppa e os de
outros paizes a 1805 a dita.
Velas.......
brillo para fundigao de
6 de maio
Sala do conselho de comnras navaes,
de 1865.
O secretario,
Alrxandre Rodrigues dos Anjos.
Arremalaco.
No dia 8 do eorrente, depois da audiencia do
juiz de paz do 2o districto da Boa-Vista tem de ser
arrematado o aluguel de um terreno com pequea
casa de taboas, silo ra de Joao Fernandos Viei-
ra, por exacncio de Eduardo Marques de Oliveira
coutra Luiz Manoel do Nascimento.
A rrern atacan
No dia 8 do.corrente, linda a audiencia do Sr.
' juiz de paz do 2* districto da Boa-Vista, tem de
ser arrematado o alugnel da ca-a n. 50 Ja ra da
Saledade, par axeencao de Percerino Carneiro da
: Cunta contra Areooio Antonio Carneiro da Cunha
.....As da composigo venderam-se Miranda.
de CU a 530 rs. por pacote de Na tercMetra 9 do eorrente, na sala das au-
_ sel velas. dieneias, e fin da-a awiwneia do Illm. Sr. Dr. juiz
Bescaatos....... O rbate da letras regulou de da orphaos se bao de arrematar os aluaueis da
10 a ii por cento ao auno. casa de dous andares da ra Direta n. 79, confor-
rfet,..........Para. Canal carregando na Pa- nae o escripto em mao do portewo.
rabylia e Macei ou Rio Grande
do Norte 35peio algodo : e ^^mmm** i^^^.
para Li-erpool }i por 5 /
saoviMEUTe m poeto
TeiG.-t.TKO
DI
Navios entrados no dia 6.
Portos do sul5 dias, vapor brasilelro Cruzeiro
do Sul, de 1017 toneladas, commandanle Alcofo-
rado, equipapm 52.
Liverpool 3a dias, barca ingleza Anna Kay, de
209 toneladas, capiro Towell, equipagem 10,
carga fazeadas; a Mills Lalhan di C.
Nano sabido no mesmo dia.
Rio de Janeiro Barca dinamarqueza Pciho, capi-
to JobMransen. com a uicsm caiga qne trouxc
do Valparaizo.
SI
ALFANDEGA.
Rendimenlo do dia 1 a 5 ......
Bjfljjutga.
Pelcjuizo de orpho desta cidade e cartorio
do escrivao Guimaraes tem de ser arrematada de
venda a casa de sobrado de tres andares e sotao
na ra da Lapa do bairro do Recito n. 13, de cons-
truccao amiga, e precisando de grandes concertos
avaliade em 4:0005, findas tres audiencias do mes-
mo juizo, sendo a primeira ao da & do aarraate, a
qual casa pertencente ao casal do finado Pedro
lgnaow'BaplsU, e vai a praca para pagamento dos
respectivos credores.
Dotegaea de polica do primeiro districto do '
tormo da cidade do Recife, 4 de maio de 1868.
Por esta delegada fot apprehendido ara eovallo
padree, gao foi-doixado por um malulo, que dei-
Iod a correr qaando Iba disseram que ora dito ea-
vallo furtado, qaeta se jolgar com direito ao mes-
mo cavallo apporaea nema mesma delefocia para
serdhedaeavalloaalaagaa.
O delegado,
L. A. darnos Pereira.
Va a praca terca-feira, 9 do crreme, perante o
Sr. Dr. juiz de orpbios, s 11 horas do dl, um si-'
tio de trras proprias, bstanle extenso, no lugar
denominado Afflfctos, freguezia da Boa-Vista, em ;
aberto todo elle, smente bobi dous pilares de li-
jollo e cal na frente onde tem um purtio de ma-
deira, com 1,488 palmos de frenie e 2,245 de fun-
do, bastante fructeiras, duas grandes .baixas de ca-
pim, seccando ama deltas pelo vero, nma grande!
coctwira o estribara com duas mangodoras, um
qoarto para feitor, outros para preos, um galla-;
nheiro, urna cacimba d'agoa boa, um lanqaa para
banhos, todas estas bemfeitorias de tijoilo a cal, um
EMPREZA-COIMBRA
Bcelia extraordinaria livre de
asslgnatura.
Quarta-feira 10 de maio de
1865.
RepresentaF>se.ha o muito applaudido e inters-
santo drama em 5 actos
4 FILIIA DO L Wll UHIK
Fiado o drama represeniar-se-ha a comedia em
1 acto
Pao para totk oku -
Sara fim ao espectculo o bello dueto
0ESTB1S E 4 LWAEiRt
Os bilbetes itaain inr desde j oo logar do eos-
Iqpe.
PriBcapiaa*,! aeras.
AYISOS MAUTIMOS.
GOMPAN-rH I PRNAM#*}CfVrA
ivegacao coste!ra por Tapor
Fernaiido de Noronha.
. O vapor Parahiba, comman-
daate Martins, segne para Ker
nando no dfa 13 do frrente
mrio dia. Recebe carga
PARA IdSBOA.
O patacho pertugaee Valeato, vai sabir breve, rocebe carga e paoaatai.
ras : trata-se com o consignatario E. R. Rabcilo,
raa doTraaiehaa.44.___________________
Devo chegar dos portos do su
o rente o vapor iofllet UorseM, o qual
mesmo dia para Livarpool com escala p
Becebe-se dinheiro a fi'ete nara Liverpoo
tratar com os i'ia*ifaaiario,> Siundors
4 C. largo do Corp Sanio u. 11.
11119
t-ciio de ntobflia.
MOJE
LEIUO
De l mobilia do Jacaranda constando de um so-
f, 2 coosulus,* mesa lo meio do saU, a cadei-
ras de guarnico, 6 cadeiras do hrago>, 1 estiolho
grande com mulduia de Jacaranda, 6 cadoicaa de
amarollo, 1 dita de bragos, a mesas de amarello
>; pequeas, 1 lavatorio, 1 armario, 1 secretaria de
lantes,
lanlerns
_.o de al-
cance, 12 colheres de prata.
2 prelos e seos pertenees rom porcao de lapos,
20 resmas de panol bollaoda liso de us. i, Urna livraria compiola coaiendo obras impor-
tantes de dreno e liiieraiura, dos autoras mais
modernos, bem como porgao dd lisios propfjos
para seminaristas.
Martins far leiiao por ordem dos credores do
Rvd. padre D. Jos Amonio dos Santos Lessa, dos
boa cima existentes no armazem da ra do Im-
u u.a y uv poi|ueu, i lavatorio, i armario, 1 secretar
seguir no amarello, 1 commoda, 1 guarda roupa, 3 esi
lor Lisboa. 11 relogio de parede, mesas, candieiros, l |n
il ai|c de metal, tapetes,aeacarradeiraa, 1 oculo i
Brotir-r
O agente Pestaa legalmeabTautorlsado por urna ZXttaZSS* lotaTateilio
aessoaque se retirou para tora da provincia, far P"M^S5 aufja"?
leilao de toda a sua mibilia : segunda-feira 8 pe- lJ.UlQli-ICira 11 (10 G0IT(
las 10 horas da mia'ia na ra
guodo andar.
da uruz n. 2), sa-
NO
^Feir* semanal
GRANDE ARMAZEM DE LEILES
DO AGENTE
QLYMPIO
:i
lina da <'adela da ReeUe-30
llavera leiles todas as semanas
AS
Segawlas, qHirtas e sextas-feiras
RBCBBEM-SK OBJECTOS SAS
Tercas, quiutas-fricas e sabbadns.
O referido agente participa as pessoas cjue dese-
jarn vender escravos.qoe far leilao todas asqnar-
tas-eiras no seu armazem, aonde tem coaniiodos
propnos para os recetar.
I.clio
D&- urna casa com quatro salas, muitos c
graudes quarlos. cuta janellas, calgada
toda a roda, terraco na frente o copia airar
com sotfto. quartos fra nao s para hos-
pedes como para prelos, coxcira e estri-
bada, cacimba e tanque, jardim e pomar
ao lado, sitio com muitos arvoredos e'fruc-
teiras de boas qualidades.
Terga-feira 9 de maio.
O agenie Pinio levar pola segunda voz a leilao
precedida a competente auiorlsaco, casa de cam-
po com os commod-scima daacnptas sita no Cal-
derero, ouir'or.1 du tinado Domingos Antonio Go-
mes Guimaraes em frente a casa do Dr. Jos Ber-
nardo Alcotorado, as 10 horas do dia cima dito,
era seu esc ipiorio a ra da Cruz n/38. Os pre-
tendemos pojerao obter do mesmo agente qualquer
uforinacao a re.-peilo.
eulc.
Comecar logo as 10 horas do da, os prcten-
denles podem examinara relacao dos livros em
mao do mesmo Martins, a Jrua da Cadeia do Re-
cite n 9, prineiro andar.
Lftilai ^ eswavos, awu e livrtsT'
Ko sobrado da ra das Gruzes nume o 34.
Quinta-peira H ok maio.
O agento Puno fara' ladea por eonla de urna fa-
milia que retira-se de.-la provincia de todos os ob-
jectos abaixo declralos existentes no sobrado da
ra das Cruzes n. 31.
A saber :
V'ma escrava pertoita engomma.Wra e cosinhai-
ra, com 3 bllio-, soado o 1 de 5 anuos, o 2j de ,1
ann >s e o 3" de i) mezes.
Urna mobilia de Jacaranda, 1 piaun, 1 candela-
bro, oasUeaee com lanternas, camas francezas, me-
sas, cadeiras, apparadores, guarda roupa, commo-
das, toucador com espeliio, costurera, estante,
louca, vidros, crystaes e muitos outros arligos de
uso de casa de familia.
Diversos livros.
Principiar as 19 horas em poni do dia cima
dilo.
LEILAO
De dua's casas juntas formando urna grande, edi-
ficada em chaos proprios na Capunga Velha, pe-
nltima a direta de quem vai para o porto do L.as-
serre,com 4 salas, 7 quarlos, cosinha fora, quartos
para prelos, cocheira e estribara, a qua! Dea en-
tre dous portSes.
Terca feira 9 de maio.
O agente Pinto levar a leilao pela segunda vez
as 10 1|2 horas do dia supra dito, a casa cima
descripta, cun aulorisago de seu respectivo con-
senhor, o qual leilao dever ser eftoctuado no dia
e hora cima ditos em seu escriptorio a ra da
Cruz n. 38.
AVISOS DIVEESOS.
LOTERA
AOS 6:000I000.
Sabbado 13 do eorrente mez, se extrabi-
ra a 2a parte da Ia lotera (15a) a beneGcio
da matriz do Bonito, no consistorio da igre-
ja de Nossa Senbora do Rosario da fraguc-
zia de Santo Antonio.
Gs bilhetes.meios e quartos esto a ren-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. 15.
Os premios de 6;000,$000 at 1000
sero pagos una hora depois da extraccao
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuifo das listas.
As encommendas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracejio
como de costume.
O theoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soiu3.
Aluga-se um pequeo armazem na ra da
Paz, proprio para qualquer estaba I eci meato era
ponto poqueao : a tratar ao paleo de S. Pedro nu-
mero \.
Leo de mobilia.
Terca-teira 9 do correle.
O agsute Pestaa autorisado por urna familia que
se retirou para a Europa far leilao de toda a sua
mobilis constando de mobilia de Jacaranda a gosto,
de tambes de pedra com 1S cadeiras, 4 ditas de
bracos, 2 de balanco. consolos, mesa de meio de
sala e sof, candelabros de crystal, espelhos ri-
qolssimos, quadros, elegantes figuras de marmore, I
jaspe le, relogios, camas de Jacaranda e amarel- -L.
lo, francezas, guarda vestidos, guarda louca, appa-
rdaroR, cadoiros, marqaezas, comaiodas, bereos,
mesas etc., e muitos outros objectos que se acha-
rao patentes aos Srs. compradores no acto do lei-
lao qne lera lugar terca feira 9 do correnle pelas
10 horas da manhaa na ra larga do Rosario n.
40, segundo andar.
Brazi Aceto, subdito italiano, retira se para
Europa.
Manoel da Costa Ferreira Mira-se
Bahia, leva em sua companJua Jos
Marlius.
para a
Silveira
Antonio Jos Soares Jnior vai a Baha.
Leilao de 4 casas em Apipneos.
Teres-feira 9 de maio.
O agente Pinte levar a leilao pela terceira e
ultima ves nao s as duas casas edificadas no alto
de Apipucos, ao lado direite e perto da povoaco,
como ae duas debaixo ao sabir da ladeira, com os
enramo desenptos nos aonuncios para os le-
loes dos dias H do mez prximo pausado e 2 do
eorrente.________________
Grande leilao de fazeodas avaricias,
papel e raupas feitas. estopas ele.
Terca-feira 9 do correte as 10 1| horas.
Na armazem danta da Crw n. S7.
Cordeiro SimSes por conta e risco de urna pes-
soa de sua aoMsadefaT leilao de diversas fazea-
das e roupas bitas avarialas como sejam : chitas
francezas, aigodoaaho, osiopas, aiadapolo e ou-
tras raoitas fazendas de goto.
Uila do obras tic prata, oaro e um
Sahio o 4o numero e esta a venda cora os pro-
cedentes ra do Imperador n. 67 e lmperoiriz
n. 59.
Precisa-se de vendedores dessa gaveta, e meni-
nos melhor.
escravo, como seja
2 pares de brinco, 2 pateeiras, 1 aldete, 2 cru-
aoezes, 1-figa, 1 liotio, & anneis, 2 correles para re-
e passa-.logios e 1 correntao gro*so, ludo de oure.
1 geiros at o dia 12, s"4 horas da-j 1 palitioro, 3 sa4.vas, 5 castieaes, 9 (ivelas. 1 ca-
sar permlUido a pessoa alguraa o neg e 1 faqueiro, ludo de prata.
endkarquede quaesquer volumes de carga no dia
da ahija : escriptorio no Forle do Mallos n. 1.
l'arao BJa de faaeiro.
O brlgna escuna Joven Arlhur, pretende* seguir
co uita afet/ldade, teudo parle de seu carrega-
mento promete : para o resto que Ihe falta e es
repucho com baeia de cimento, qne voaada im- era vos a frotes, paja os quaes tem bons commodosy
ba, eoilooado na frente da casa, circatando-o can-, trala-se com os seas consignatarios Antonio Laiz
13S:57#369 tetros e vasos de flores, tem mal* dito sitio urna -de Oliveira Amelo 4 C.
1 escrava de nomo Jjaquim.
Q-uarta-teira 10 de maio.
O ageat Pinto, fari leilao a reqaerimento do
Inventa-iante dos bens do finado Lniz Pedro das
Antonio Bezerra Cavatoant de Albuquerque
vai Parahiba do Norte tratar dos negocios de sua
casa commercial que gyra sobre a firma de Daryra
A Cavalcanli, edeixaea su lugur o sen socio o
Sr. Jos Lopes Daryra encarregad t toda a ge-
rencia.
"CASA U FORTflt
Aos 6:000^000.
Bllheles jaaraBidos.
A'ba DoCrusao N- 23 e cuses ao co-tihi.
Oabaiioassignadovendeu nos seus muilpfeli-
ses bilhetes garaadas da lotera que se cabou
de extrahir a benetlcio da Santa Casa da Miseri-
cordia, osseguttites premios
O bilhete roteiro n. tti com asortede 1:400,0.
O bilhete rntelro n. IWt om a sorte de 300*1.
E nutras muitas sortes de 1001. 40S. 201 e
I0SO00.
Os possnidores podem vir recetor seos resper-
ivos premios sem os desconiosdas leis na Casa
da Fortuna roa do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da 1' lotera
(13') beneficio da matriz do Booilo, que se ex-
trahir a 13 do correte.
PRECO.
Blhelos. .... 7JJ0U0
Meio*....... '-JO
Quartos.....UN
ihumwuic uui ircus uu una 10 liuii redro oas "------------ ..._ J. j/iA)ftft
teves. e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz orpbios P* pessaas que comprarem dl0 daesepavo Joaquim, de naco, 16o ollavas de ou- par*- ciaia.
so.o 2026. do prata, constantes dos objecios cima .
indicados, ao meio dia do da cima ditofho ter-!
ceiro ander do sobrado da raa di Cadeia a. 9,'
aonde haver leilao de movis. I
Bilhetes.....6*500
Meios. 34230.
Quartos.....1*700'
- MAmoelMaiitinsFcza.


/
I
Mari* de rernambuco .- sief nnda (ettt 8 e Maio de itft*.
<0 Dr. Francisco Pires lia*
chado Portel la
Medico operador
PELA I
FACLDADE DE PARS,
regresando a esta provincia acha-se
prompto para o exercicio /de soa profls-
^ AMA.
t*recisa-se de ama ama que saiba cozinhar bem
e comprar para casa de pouca familia : a traiar
na ra do Queimado, loja n. 3.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
milia : a tratar na praca do Corpo Santo n.
terceiro andar.
sao, quer nesla cidade, quer fora della,
especialmente em molestias de olhos (ca-
laraclas etc.) das vas armarlas (eslrelta-
mento de urethra etc ) i de pelle, para
cajo curativo se jnlga hajblliado, attenta
a pratlca que teve nos hospiae de Pa-
^ ris, e os modernos instrumentos qae pos-
Bsue-
lK Pode ser procurado a quarquer hora
J na casa de sua residencia uo palea do S
jffi Carmo n. 2, esquina da ra de Hurtas. J5
Mmwmm m mmmwmm
l*ede-se aos credores do capllo Antonio
Joaquim de Mello, que apresentem suas contas ou
ttulos vencidos ou por vencer no prazo de 8 das,
na ra do Livramento o. 38.___ I
Precisa-se de um homem estrangeiro para,
trabalhar, plantar e deitar sentido em nm sitio :j
quem pretender dirjase a roa Nova o. 49, que se
dir quem precisa._______________________
Offerece-se urna ama para casa de pouca fa-
milia ou casa estrangeira : quem pretender diri-
ja-se a ra do Palacio do Bispo n. 138.
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar
o diario de urna casa de pouca familia : no Kecife
ra da Cruz n. 29.__________
O abaixo assignado, lente do 2* batalhao
da guarda nacional do municipio do Recife, decla-
ra ao autor do commuoicado incerlo no Diario de
3 do corrente, assignado pelo prejudicado, que, pa-
ra responder-lhe convenientemente, haja de assig-
nar o seu nome por extenso, porque nao respondo
a anonymos.
____________Manoel Juvencio de Saboya.
O prejudicado est informado qne o Sr. te-
Dente Saboya fallou guarda de 30 de abril pr-
ximo passado por estar doente, e quanto a mensa-
lidades, nao se entende com elle; visto que ha
sempre cumprido com os deveref dos cargos que
occupa.-O prejudicado.
Previne-se a todas as [icssoas que tenham
transarcoes qncr por crdito qur por debito com
o Sr. capillo Antonio Joaqnim de Mello, de s se
entenderem com Manoel Pedro de Mello, na ra do
Livramento n. 38.
4VIS0.
Os abaixo asslgnados, moradores na ra da Ca-
deia do Recife n. 3, fazem sciente aos devedores
da massa fallida de Joaquim Vieira oelho & C,
que tendo arrematado as dividas pertencentes a
mcsma massa, sao elles os nicos autorisados a
receber taes dividas, portaato tem marcado o pra-
so de 30 dias para os senhorts devedores virem ou
mandarem pagar seus dbitos, Ando o.qual se pro-
mover a cobranca judicial. ^**
t Jos Joaquim de Castro Moura.
Joaqnim Baptista de Araujo.'
O bacharel Lonrenco A vlico de Albu-
querqoe Mello continua a ter seu eserip-
torio de advogado nos auditorios e tribu
naes desta cidade : na ra do Imperador
n. 40. .
Aluga-se a casa terrea n. IOS da ra de San-
ta Rita : na ra da Aurora n. 36.
AMA
Precisa-se de urna ama para fazcr o servido de
urna casa de pouca familia : a tratar na ra do
Queimado n. 33 A, loja de miudezas.
Precisa-se de urna ama para cozinhar em
casa de pouca familia : a tratar na praca da In-
dependencia n. 2.
Justo pedido
Pede-se a film* assembla provincial a declsao
ou tres pais de familias necessitados, e livrar as
partes da vontade e capricho de um s funcciona-
rio.O prejudicado.
Companhia fidelidade de seguros"
martimos e terrestres
etabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES KM I'ERNAMBLCO
Antonio Luiz de Oliveira Aievea k C,.
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
A 200 E 500RS-
Descootam-se notas do banco* do Brasil e das
caxas filiaes: na praca da Independencia a. 22.
Augusto Coelho Leite e Francisco Antonio
de Alboquerque Mello declaram ao corpo do com-
mercio e a todos aquelles com quem tem relagSes
commerciaes, e a quem possa interessar, ^eejjes-
la data dissolveram amigavelmente a sociedade
que tinham na prensa de algodao no Forte de,
Mat'os n. 9 sob a Arma de Augusto Leite & Alves,
ncando encarroado da liquidacao da casa o socio
Augusto Coelho Leite. Recife 24 de abril de 1865.
Precisase de urna ama para casa de duas
pessoas pr*-ferlndoseescrava : na ra da Penha
n. 23, segundo andar.
A 500 rs. a cuia de fe jo mulatinho.
A 500 rs. a cuia de feijao mulatinho.
A 200 rs. a cuia do bom milho.
A 2C0 rs, a cuia de bom milho.
Cheguem depressa a esta pechincha at que se acaba o qual se uendepor este pre-
go pela proh bico que ha as ribeiras.

Saceos grandes de milho novo aif
Dito dito de feijao mulatinho a 9.
Ra dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
Precisa-se alugar um escravo mogo ou de |
meia idade para pequeo servico de urna casa
na ra Nova n. 36.
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSICAO DE LONDRES
Aloga se a casa terrea n. 14 da ra do Nas-
cente : a tratar na ra do Queimado n. 32, loja de
Azevejlo & Irmo.
DE
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite : .na ra da Cai-
xad'Agua da Boa-Vista n. 46.______
Na ra dos Pires n. 54 ha urna ama para so
alugar, a qual faz o servico de urna casa, lanto
externo como interno.
Pelos curadores fiscaes da massa falla de
Antonio Alves Vuelta sao convidados os credores
da massa para resolverrm sobre a entrega della
ao fallido na audiencia do Sr. Dr. juiz do com-
mercio, hoje as 10 horas da manha.
Ama de leite.
Na ra do Livramento n. 20, prmeiro andar,
pode ser procurada orna ama com leite abundan-
te, de bom comportamento, casada, mas sem filhos.
Jos
A familia do fallecido coamendador
Joaquim de Oliveira agradece cordlalmenle
i lodos os senhores que se dgDaram de as-
sisiir as exequias qne se fheram pelomesmo
fallecido na capella do cemilerio, e convida
novamente aos seus parentes e pessoas de
sua amisadeafim de assistrem lambem a
missa que se tem de rezar na mesma capel-
la no da 8 do correute as 7 horas da ma
nha.
THOMAZ TEIXEIRA BASTOS
N. 60-Eua da Cadeia do Ke.cife~jN. 60
Todos os artigos abaixo mencionados, forara comprados recentemente pelo dono do estabele-
i.m..H?r""f,PaJes bncas de Pars, Londres, Birminghim, Mam hester, e em diversas cidades
rada de Joao de Barros com arvoredos, agua de da Alemania e tendo comprado ludo as mclhores condiroes por ser a dinheiro, por isso vende todo
HSL2ZSJZ1? HeCCr d Pmhal 5 qneo: da4 l Zrr,l!S?-bara % ?or meOS d0 seu valor> e mui Principalmente por querer inteiramente liqui-
pretender falle na ruj das Cruzes, sobrado n. 9, dar e ler de partir muito breve para a Europa. -
ham a.cim3/6816 Yastt0 arnJazem ricos objectos com brillantes, como botoes, annes, rosetas etc., e
nirn .' fLWV'*'!* de otir0' como rancelins, correntSes, ocalos, face-mains, annels, e muilos
"S/50S' relogios de ouro, inglezes, do afamado fabricante Uennette ; completo sortimenlo de fa-
; mmdezas, perfumes, perfumaras linas dos principaes fabricantes inglezes e
Legrand, Ed. Plnaud & Meyer, Delettrez (Parfumerie du
Monpelas, Mailly, Regnier, P. Gueland, e inglezas de Eug.
marfin-, mar de perola, etc., fabricadas na China e no Japo;
lo appareceram nesta cidade, e bc-m a-sim modernos lustres
Cabo, Ipojuca e Escada, para onde se encarrega de "."" !"/'"""'' v?'a 8!,, e Para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeites e adornos para cima de con-
cobrancas. i *,'us e |ara granaetoillette, o que se tem feito de mais elegante em Pars, em Londres, Birminghara
- Alueam M dous grandes sobrados com com-' l muius !2 !f p*reJhos de "ielal n,no D6lez Para cha caf. o 1*<* nada tem de inferior prata,
modos nafa^nmerosa familia novse mX ShT -S ? ?3S d Timo,rae,al' ncos Penles & tortarnga da ultima moda para trancas de se-
Tm fardim 'rhe?ra SSSl^V!LJ!SS^S^^S!^m avas de pellica do afamado JouvD- aPPare'hos de porcelana Gna para cha e caf,
StuSSMS^iSS v! S ^!T'e lmmeDSOS ?riigcsde porcelana 0na d0rada- como ricos vasos para flores, figuras
-n--------------^ rnm ii,n,r,c ii y & r'-' realeJ0S modernos de Gavioli & C, para se tocar na ra, ditos
NvKTPTilfl IPCrn flP HlPfl('t /.,,!. ipara saL s e dl,os com f,l?uras e movlmento ; modernos e bonitos instrumentos de physi-
Oybieilld egHi Ue meOlOdS, | a W para tbeatroa ou saldes, ditos de phaotasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com
ou reforma do actual systema de pesos e medidas "s 'as-da e noite ; stereocopios de nova invengao e com bello sortimento de vistas das principaes
para o systema francez, r- digido por Joaquim Jos 22 taP* [ grande sortimento de brinquedos linos para enancas, e bonecas fallando papai,
da Graca, e approvado pelo conseibo geral de ins- r^,} **; sortimento de candieiros a gaz, os que se tem feito de mais elegante e que tem mere
iruccao publica de Lisboa, o mais usado depois da JK "??,a aceitacao na Europa, grande e magnifico sortimento de caixinhas, cestinha
linhas e outras galn-
Aluga-se
o sitio a travessa de Joao Fernandes Vieira n 6
no qual morn amigamente o Sr. J. Gaeltt (cor-
relor geral) tem boa casa de morada, cozinla fra
coeheira, estribara para 6 animaes, qnartos para'
pretos, casa com rico banheiro, bom jardim. com
basantes diversidades de flore?, com chafariz no
meio, boa agua de beber, o sitio todo murado
com poriao e gradeamento de ferro na frente
cqommquPemetnraar.draM 3 meSm qae achar
liii-i.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Fernira & Matheus na ma rt
Cadeia do Recftn. 66. rLa da
Compra-seelleclivamcute ouro e prau em
obras vel has, pagando-se bem: na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives. g
~ Compra-se um escravo cozinheiro que seia
moco, robusto e sem vicios : a traiar no sobrado
n. J2 da ra da Aurora.
Compram-se libras sterlinas
Crespo n. 16, prmeiro andar.
na ra do
Coin, laiae e'tliumlio.
Comprase cobre, lalao e chumbo : no armazem
3 bola amarilla no oilo da secretaria fde polica.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de enectivamente escraves de ambos es sexos
roa do Imperador n. 79, terceiro aBdar.
Compram-se libras sterlinas por 9400:
no largo do Corpo Santo n. 4, prmeiro andar.
Ouro naclooal araoedado.
Compra se na praca da Independencia n. 22.
Compram-se libras sterlinas:
da Cadeia do Recife n. 22.
na ra
Libras sterlinas,
Compram-se na praga da Independencia
ro 22.
nurae-
Ouro e prata
em obras velhas: compra-se na praca da Inde-
pendencia n. 22, loja de bilhetes.
Comprase papel Diario a~l 40 rs. a libra : na
taberna da ra das Cruzes n. 22.
Compra-se um caixo ou armacao de padaria
para o mesmo servico : na ra dos Pescadores n.
padaria.
END1S.

Vende-se um carro de conduzir gneros da
reforma-de medidas naquelle reino, e nfoml;e^
mais apropriado para reforma actual neste rape-1"i o fundo preto e de outras de lodos os santos, ditas com figuras e ditas com novas paysagens para E ni. coramodo a ,rator no Paleo ^ .
no;preco25: na ra do Imperador, loja de li- smoramas, linos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de chrlslal, proprio' __________________-________.
vros dos Srs. Guimares & Oliveira, e ra do Para mei ae mes dejantar ou para jardim cutelaria fina, como talheres com cabo de metal fino, co- ~ Vende-se urna caixa de carroca para um boi,
Crespo, loja do Sr. Nogueira. i '"eres, thesourasOnas, ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, caivetes e outros artigos, diver- "m bom estado, por preco muita commodo : a
servico de *Z a.r,,gos re,lors.de rame; completo sortimento de mascaras de velludo, selim, cera, papelao e ara- tratar no pateo de s. Pedro n. 4.
inrin ^!' confe"os e cbocolite em caixinhas e em vidros; camas de ferrodeltodos os tamanhos, lava-
ricos quadros paracartSes de visitas e ditos grandes
Precisase de urna preta para o
casa e comprar : na ra do Queimado n. 5.
Estando contratada com o Sr. Franreiino
Souza Barros a venda da casa n. 25 da ra de Ma- Pede sp aos 'enliores rd
tilias Ferreira a cidade de Olinda, que foi do fal- no cao '|ue Ihes eja olfc
- Desappareceu no dia 27 de abril de 186o" um de sol, bengalas, chicotes e di os a cVrro machinan^ pa faz r caf d .a pa7a b r
relogio do prata patente inglezn. 41989. SL.O.Y. para quera faz pao-de-l, bolinhos, e.c.; MIm^SBSSXS^SSS^
descoberte, mostrador de prata e letras de ouro, pannos para cobrir mesas, boleas grandes e pequeas para viacen
de | enja lampa da machina existe em meu poder :, majas, etc. sortimento de violoe's finos: figuras finas e iarros de ala
pequeos pa<*a retrates; chapeos
ovos, proprias
encarnados e brancos;
e ontros artigos, como cobertores,
labastro ; galantarias e outras pecas
Precisa-se de urna ama para fazer lodo o servico
de cozinha de urna casa de pouca familia
tama ra Direila n. 91, prjmeiro andar.
a tra-
OITerece-se urna ama para
ra Velha n. 33, taberna.
engommar : na
&, A pessoa que hontem recebeu por engao
urna saca com milho, queira dirigir-se laberna
na ra do Caldeireiro n. 60 para a entregar, vista
ser para o abaixo assignado.
Jos dos Santos Moreira.
CASA HE BANHOS
Largo do Carmo unmero 26.
Este estabelerimenlo tao bem montado na sua
origtm, achava-se de a muilo em quasi completo
abandono pelo pouco inleresse de Ma adminis-
tracao.
Hoje que o novo proprietaro emprega todos os
meies para restabelecer a graude utilidade deste
estabelecimenlo, pode assegurar ao publico que
qualquer que seja o numero dos concurrentes acha-
rao desde j prompldao e aceio nos bonhos fros,
momos ou medicinaes, a casa dos banhos se acha-
ra aberla todos os dias das 6 da manhaa as 11 da
noite.
Pregos.
1 banho fri ou morno......- soo
1 dito de farello........1,5000
I dito medicinal ser segundo a qiialidafl*.
25 candes.........lOJOOO
*2 ditos. ........3ooo
Na ra do Livramenlo n. 15, loja de calcado,
precisa-se fallar com o Sr. Jos Colombrino de
Araujo Lima, rendeir do engenho Castor ou a
quem suas vezes fizer nesta praca, a negocio de
interesse.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typograpliia o
Almanak Administrativo e
toma barias emiugar-^ sjg Mercantil e ldustial desta
Alugam se dous moleqnes muito bons copei- ," 7,'aja fm bar.ncas das Principaes marcas de Londres, queijos etc., e muitos outros artigos nn/wAnnln ^^^^ 4.x 01
, ros para criado : no corredor do Bispo n... a tra- i Sfif^JSS? f" T nnnca acabar e todos S veodem baral e IllQt3 baral D0 8rande ar" PrOVlllCia, COIT eClO a t l
te, os seus ttulos a Antonio Nobre de Almeida, na! ar a qualquer hora. :mazem da Exposigao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n 60
ra Augusta n. 59. Rec:fe 4 de maio de 1865. -----------7^--------
lecido Dr. Manoel Filippe da Fonseca, e ignoran-
do-so se os chaos sao proprios ou foreiros, faz se o
presente annuncio para que quem se julgar com
direito aprsenle deBtro de 8 dias, contados des-
gralilicando-se na entrega
dencia ns. I e 3.
Perdeu-se do poder do abaixo assignado duas
letras da quania de 4000 cada nma sacadas no
dia 26 de abril prximo passado urna a 4 e outra
a 8 mezos, aceitas por Francisco Moreira da Costa,
e o sacador em branco, roga-se a pessoa que as
tiverachadoo favor de as manlar entregar ao
ataixo assignado, pois que ellas a ninguem serve
visto que o aclitante foi logo prevenido para nao
paga-las e at mesmo j aceitou outras de igual
quantia para a falta daquedas. Recife i de maio
de 1865.
Paulo Jos Gomes.
Casa de campo
Aluga-se em Sant'Anna junto ao sitio do
Sr. Thomaz Harding, urna grando casa e at mil francos'
sitio com grandes commodos
tendo estribara
de dezembro, e vende se a
na livraria ns. 6 e 8
Arrenda-se a propriedade de Santa Cruz na
comarca do Cabo : a tratar na praca da Boa-Vista
n. 8j
O abaixo assignado tem justo e contratada
com o Sr. Joao Antonio de Oliveira a compra de
um sitio no lugar de Campo Grande, livre e desem-
barazado : quem se julgar com direito ao mesmo
prove no prazo de 8 dias ou drija-se a ra da
Guia n. 06.
___________Manpel Martins de Carvalho.
Aluga-se o sobrado sita na ra da Troupe
n. 7 : quem o pretender drija-se a ra do Monde-
go s'tio_n. 38^________________________
Sociedade Nova Uniao
Approximando-se o dia das eleicoes e constan
do-nos que se tem de eleger alera dos candidatos
do cosime, mais seis directores para um em cada
mez dirigirem os divertimentos, dentro dos seis
mezes administrativos, muilo migamos por haver
esu lembranca e resolucao da parte da maioria
dos assocados, e desde j nos apressamos lembrar
para lo importantes cargos os candidatos segua-
les : y *
Presidente.
O Illm. Sr. Alfonso de Sigueira Menezes.
Vicepresidente.
O Illm. Sr. Antonio Joaquim Leite Bastos.
I* secretarlo.
O Illm. Sr. Joao Flix de Mello.
2* |secretario. ,
O Illm. Sr. Manoel Aluino ,de Amorim. "0
Thesoureiro.
O Illm. Sr. Mariano Perelra Cabral.
Directores.
O Illms senhores :
Antonio Sampaio do Nascimento.
Henrque Leite Pereira Jardim.
Jos Pereira Bastos. ,
Antonio da Costa Maia.
Martiniano Jos Fernandes.
Joaquim Moreira da Silva.
Alguns socios.
"SOOEDIDE
DOS
ARTISTAS MElllAMCeSE LIIERAES
DE
PERNAMBCO.
O secretario desta corporacao, por ordena do
Illm. Sr. director, convida a todes os oeios della
para comparecerem no salo de suas sessdes, no
da 8 do corrente, as 7 oras da Urde, aSm de tra-
tarse de negocio de grande importancia.
Secretoria da sociedade dos Artistas Mecbaucos
e Liberaes de I'eruambuco era 6 de maio de 1865.
Flix de Velois Crrela.
l secrjeario interino.
Aluga-se um quarto no sobrado da ra do
Rangel n. 6 : quem pretender dirjase ao mesmo
AMA
Precisa-se alugar,urna ama para cosinhar e
comprar : na roa de S. Francisco n. 54. '
Agencia de passaportc.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e fra do imperio por
commodo preco e presteza : na ra da Praia n. 47
prmeiro andar. '
para familia,
e casa para escravos sepa-!
radamente, tem cacimba com boa agua, ar- j
vorqdos e proporcoes para baixa de capim :
trala-se na ra da Cruz n, 4.
Precisase de urna ama de leite : na ra da
Palma n. 41, taberna,
DINHEIRO FRANCEZ.
se moedas de ouroe notas do Banco, e bem assim urna colleccao desde um centesimo fln npaAfl ifl Trulmm/lonfin
: vende-se barato no Recife ra da Cadeia n. 0, no armazem da Exposico de Londres. yxa Viava u<* muopeJlUCntlil.
Vende-se caixoes vazios proprios pa-
ra bahuleiros, e.funileiros, a 2O00 cada
Samuel Power JoIiiisIod i Companha
Ruada Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundidlo deLow ioor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias raoendas para engenho.
Taixas de ferro coado
nho.
!m
DO 3
re
Ed

um : e para as pessoas que comprarem do
4 para cima 10800, nesta typographia.
Vende-se urna carroca para cava I lo, em bom
estado : para tratar, na casa n. 4 da roa da Flo-
rentina.
Vende-se a fabrica de charutos da ra estrei-
te do Rosario n. 45, com poucos fundos ou s a
armacao, propria para qualquer negoeio : a tratar
nftvae l.,S2?E! "JaidaSao ende-se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito Anas e
imm-i n ia recen'emeDte de Pars e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug.; t
BX&SnSm! C'^ nUb Dl Sociedade Hyeieaica. Bw. V.olet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud & "" ""f^ ,-n-----------
121'B lrr!L :Vly'Pl 1 l lre.Te elc-' etc-' dos 1uaes ha 8rande sortimento d'agua de colonia em ': TnstlNl flflflfiS nfim
I 3mE? L8HrffafaS,,8gUa de,lavade. a"a Pa" 'impar denles, oleo babosa, extractos em garranchas e I f ^0We& P<
vidros de difieren es modelos, pos para limpar denles, banha em potes e em vidros.
batido para enge- caixinhas ^^^pdmSS p.7alixeV "presrmes!'^^wxZi^Iw^Sd^
flt n,Vai,r,Hbem frato,os .s "'JS08 em &eral sientes no grande armazem da Exposico
de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60. v
Na praca da Independencia n. 33, precisa-se 1
de urna ama para compran, cosinhar e fazer todo I Motores para ditos.
Arreios d carro para ume dous cavallos.
Relogios de o'iro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas pan descarocar algodo.
o mais servico de casa de pouca familia.
I
m Os Srs. Julio Colombio e Augusto" Co-
X lorobi tenham abondadede dirigiretn-se
U a loja da ra do Cre po n. 17, para de-
US cidirem certa duvida que existe entre os
^ senhores e o proprietaro deste estabe-
W lecimenlo.
Machinas de costura.
1S2SX
O Sr. Jos Feliciano Machado, nao deve reti-
rarse ao presidio de Fernando sem qne primera-
mente entenda se com a pessoa que mora na ra
do Barlholomeu n. 43, que j o tem all chamado,
e que a pedido de um seu amigo se mandou reti-
rar os annuncios deste Diario, por haver dito seu
amigo compromettdose que o Sr. Jos Feliciano
Machado naquelles tres dias vria pessoa a quem
o cliamou, no entretanto que sao passados muitos
das sem que tenha o Sr. Jos Feliciano querido
saber para que fim o procoram 1 Anda se Ihe pe-
de que v all a cerlo negocio, aflm de se Ihe pou-
par despezas e desgostos, visto como tem sido dif-
tici! encontralo, e anda mais as casas que S. S.
indigia residir ou estar haboletado.
Ricos
gante ateo
posicao de
Para senhoras.
fl e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feito de mais ele-
presente : vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Ex-
Londres, na ra da Cadeia do Recife o. 60
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
Imperial n. 193, com bastantes commodos, a preco
coramodo. ^
Joao I.uizFerrer Ribelro, pela sua par-
te agradece cordialmente a todas as pessoas
que fizeram o favor de assislir aos ultmos
suffragios de corto presente do seu muito
prezado amigo Joaquim Francisco dos San-
tos, na matriz do Corpo Santo, no dia 3 do
corrente, vem por meio deste convidar a to-
dos os seus amigos e aos do finado para fa-
zerem o favor de ir assistir a missa do sti-
mo dia, que se ha de celebrar na terca-feira
9 do corrente pelas 6 horas da manha na
mesma matriz do Corpo Santo, protestando
desde j a todos o seu eterno agradecimento.
Luvas novas de Joivin.
m* VenJf.m-se excellentes luvas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
TJ ra;7h.oraPr menos de seu valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposico de Lon-
dres, na ra da Cadeia do Recife n. 60. v
DOCE
da Li a Ze'te dCe r0finad0 em Pemjenas lalas a 560 a garrafa : no graude armazem
Saceos de 80,100 e 120 libras a 40,40500 e 50 ; no grande armazem da Liga.
Precisa-se de urna ama para todo o servico
de nma casa de pouca familia prefere-se escra-
va : m ra do Livraraepto p. 20, segundo andar.
i-^Vlaga-se nm escravo mogo ofHcial depe-
dreiro e proprio para todo e qualquer servico de
casa ou de ra : na ra Nova de Santa Rita n. 51.
AMA
Santo Antonio.
Precisa-se de urna ama : na ra da Cadeia
Recife n. 30, para cosinhar e comprar.
do
Attencao.
Quem precisar de um menino de 12 a 14 annos
Estando prximo o festejo do glorioso Santo An-Par*c'xeiro de laberna com alguna pratica ou
tolo previne-se ao respeiUvel publico que est a oulro qualquer negocio dirija se a ra do Cabug
venda a trezena do mesmo glorioso santo, muito n- 18, Progresso
bem confeccionado, Impresso ntida e broxada
na ra do Imperador o.
de S. Francisco.
15 defronte do convento
Jos Ocuvano Telles de Saldauha e
Iha vo para Lisboa.
sua
Na ra do Raugel n. 38, primeiro andar, preci-
sa-se de una ama qne compre; cozinne eugora*'
me para caga de muilo pouca familia._________
Precisase alugar um moleque para compras
e recados: a tratar na ra do Cabugl a. 18, pfao-
lographia Villela.
O conselheiro Jos Bento da Cunha Figuei-
redo e o bacharel Jos Bento da Cunha Figueiredo
Jnior mudaram o seu escriptorio de advocada
para o sagrado da ruado Crespo n. 1, esquina do
Passeio.
A ttenco
Os abaixo assignados fazem sciente ao respeita-
vel publico que o ^r. Jos Ramalbo dos Reis, dei-
xon de ser sen caixeiro desde o da 20 de abril
prximo passado.
Recife 6 de maio de 1865.
Gama & Silva.
A NACIONAL
Companhia geral kespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
. AUTORISMU PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Cmahuica em (iheiro, depositado nos cofres do estad, garante a boa ad
ministraco da
o servido
das guardas do exercito, -extrbidas do re-
gulamento de infanlaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da bul pendencia, a {}.
0 GASTELLO DE GRASVILLE
Tradiizido do francei per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 205OC
na praca da Independencia, livraria ns.
6 e 8.
A verdadeira massa ngleza preparada para
matar ratos e baratas, multo nova, acha-se a ven-
da no armazem de Duarte, Carvalho & C, na tra-
vessa da Madre de Dos n. 9 a 640 rs. o pote, cuja
eliicacia e j bera conhecida.
Farelo a 3$8m
na ra da Iraperairiz n. 6.
Cal de Lisboa
Na ruado Vigario n. 19, primeiro andar.
l'ogo, bgo, fogo.
Valdivino da plvora, vende hom fogo do ar,
no seu armazem de sal, ra'
per preco commodo
Imperial n. 221.
Vaquetas
Vendem-se vaquetas proprias para cobertas de
carro etc.: era casa de F. Sonvage A C. a ra da
Cruz n. 20.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
/
DIRECCO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 19
Em casa de Tisset Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho Brrdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito do Champagne muilo superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
Toros de Jacaranda, madera muilo especial
para construir mobilias: no largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
Vende-se um escravo idade 25 annos insigne
offlcial de carpina e bonUa figura : na travessa do-
Carmo n. t.
seguro
Esta companhia liga pelo systema mutuo todasas combinacoes de supervivencia dos
DLT6 2 VIQ3.
Nella .ole ital nem os juroscorrespondentes a estes. '
gurado se perca o cap
0 Sr. Jos Soares Pinto Correa, tem'
urna carta na praca da Independencia livra- I
ra n. 6 e 8.
. Precisa-se de offlciaes
ra das Cruzes n. 37.
de charoteiro : na
Consultorio medico-cirurgico na roa larga V
Rosario n. 20.
O abaixo assignado summamente penbo-
rado para com as pessoas qne assistiram ai
exequias do seu mui prc-ado socio o finado
Joaquim Francisco dos Su,t..s, vem pelo pre-
sente agradecer-Ihes e de novo pedir aessas
mesmas pessoas,que se dignaram a sen con-
vite assistrem e a todos aquelles amigos do
finado para assisiirem a missa do stimo dia,
qe tem de celebrarse terca-feira 9 do cor-
rete, as 6 horas da manha, na igreja ma-
triz do Corpo Santo, de enjo obsequio o
abaixo assignado desde j antecipa os pro-
testos de sua gratidio e eterno reconhecl-
mento.
Joaquim de Faria Machado.
w
onr Ma kwIT^T o'. 7" Qaem Precig*r e "a ama forra que sabe
- Ka fabrica de calcados da ribeira de s. Jos t^^^^R^r9^^-^' ^^^ zer todo o mai
de 100 produz em effectivo metlico:
No fim de 5 annos. ...... 1:119*300
* *e 2 ....... 3:942*600
e 52........ 11:208*200
de 20 i ....... 30:256*000
' d "t ....... 80:331*000
Ns idades menores le 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveit
Prospect >s e mais informa^oes serao presadas pelo sob-director nesta provincia
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra daCadeia n. 52,ou a Boa-VisU rna da Imperatriz:n12elabel
cimento dos Srs. Raymundo.Carlos, Leite ir Irraao. *,p.idnei
Attengdo,
Vendem-se pecas de esteiras para forro de ala
tinta branca preparada a oleo, em las d 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendorar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados-unidos : no armazem da ra do
Trapicbp n. 8.
PECHIMB
Ceroulas de meia muito finas a 1*500, ditas en-
trefinas a 1*200: s na roa da Cadeia do Recire
n. 5, laja de miudezas de Silvestre Pereira da Cu-
nha i C.
a. U, ***** de artista, da M|Mm tt'&MeiSZTZ:VS^'^A'SSS! "* *
servico
Cadeia do Recife n.
Participa-se aos pais de meninas entregues
direeco do collegio de N. S. da Concecao, que
este collegio se acha transferido para os Coelhos,
onde foi a casa de Alienados. Todas as pessoas que
tiveremrelacoes com dito collegio, alli podero
dirigir-se : assim como alli somente nos domingos
de tarde se receben visius.
, TJ*J*i v|lel,a Tavare?, lente catbedratico da
raculdade de direito e advogado, mudou a sua re-
sidencia para a ra do Queimado, primeiro andar
do sobrado n. 44.
Precisa-se de um caixeiro que tepha pratlca
de taberna : na ra da Aurora n. 84.
Vende-se um piano forte em bom estado e
por preco commodo : na ra da Mangueira n. II.
Boa-Vista.
Barato a 280 rs
vado
o co-
Cambraia organdys fazenda fina gasto perfeito
a 280 rs. o covado : na ra do Queimado ns. 43
e 45 esquina que vola para a Gongregagao lijas
amarellas.
Vende-se um cavallo casunho, gordo e mui-
lo manso para carro : na coeheira do Ignacio, por
detraz da relacao.
r


-'- "*
'



Mario rf eraaaabaco i seg *ada leir 8 Je Hato d _.*.
~">
0 NOVO
RENTE
DO
DA
LIGA.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
V3SI M 3)3 83 _>__i_lH_.
AO
RESP.EIT iVEI, PUBLICO.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zent da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estrang. iro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidad, de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com 'toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cunprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3." Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posifSo social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cli sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicSo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorle faro mensalmente una economa de
militas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucir, etc., etc. de boa qualidade pelo prego que em algumas parles nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento i spe-
cial, escolbido por pessoa entendida que certamente muito de-.e agradar aos senhores
compradores
Nao se tena poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
i
MANTEIGA ingleza efranceza al0, 10120
1^280 e em barril faz-se grande abati-
mento.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 6C0 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos precos.
P
PE1XE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra. ''
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
m
QUEIJO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 800 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.
m
SARAO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se
far grande abatimento.
V
VINHO tinto de 360 a... garrafa.
VINHO tinto em cnida de 2,560
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 40 rs. a caada.
VINHO Rordeux em caixa a 6.(00, 7,000 e
-VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHOjinto, neste genero ha constantemen-
te 2Fa 30 pipas ao torno de diversas
quafiaades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arroba.
o
ALPISTE E PAINCO a 120 rs, a lib a.
AMENDOAS novas a 28o rs. a libra.
AVELES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 90 rs, a libra a,..
AMEIXAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANHA de porco a 660 rs. a libra, em por-
co faz-se abate.
ROLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ing'ezes em latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
C
CHOURICAS m ito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
american s, bahiannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os taa-
nnos a
i
DOCES de todas as qualidades.
E
ERVILHAS seccas e em latas portuquezas e
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Marauhao ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.
fa
GOMMA muito nova e alva a 140 rs. a libra.
GRAO DE BICO a 120 rs. a libra.
GENEblU de laranja a 9 e 10,500rs.
CEPtEBRA de Hollanda (m botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
MACHINAS DEPOTiT
d escarolaralgodo
FABRICADAS
Por Piant Brothers & C.
OLDAM
Estas machinas
podem descantear
qualquer especi*
,de algodo s*m
estragar o fio.
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pd
descantear um
arroba de algo-
do em earoce
em 40 minuto*
ou 18 arroba."
por da ou 5 ar-
robas de algodc
limpo.
Asna tomo machinas para serem movidas pw
uiMes, que descarocam 18 arrobas de algodc
lia, por dia; e motores para mover urna, duas,
entras dessa machinas.
O mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina!
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores virem vr e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saiaders BrtUersiC.
M. II, prafa de Corpo Santo
RECIPE.
Os aicos agentes neste paii.
_ b a
2 .8
SF"
DROGARA.
14Bu] lia da Ruara34
Barlholtuea Fraiciseo deSooza
venden:
Acido actico poro p*ra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guaraicfies avelludadas.
Tinta brancasoperior em lata.
AlvaiadeVeuea, Bno,em pies.
c.
da Havana.
Na ra da Cruz n. 4, vende-se charutos de Ha
vana de diversas qualidades.
o> rs n 2 er b> _
"5 a* a "i .
2"o s 2
O. O- 3 S "1
o a> o S.O .
_ J? 8 P'c'o
|
lili"
_ os O- ~
" S 2". 5"
!*!!
5 9.
Vi CD
_
o o
O -I
c _
" g
S o.
o a
-i
= as

"O
ce
-
'
o
a
3
A.
O! O.;
- -5 3l?|S.|
gi a n
K ^B 5*
S.|.S:
5ij
" 3 "
Pili
S ==>
as o i
" O
u
09 O
!
a "1
3p
Si
s?
C- as
(C CA
o re.
o* ^-
3 j
i
as
O
s
I
I
*3
s
g
>
o
'O
>
>
g
50
O
>
MARA WA
Mara Pa
laria Pa
Acaba de ebegar pelo ultimo vapor inglez um
esplendido sortimento de enfeites de cabeca a Ha-
ra Pa, os quaes pela sua elegancia e bom gesto
de rada qual o mais bonito nada deixam a desojar
sendo pretos, rxo*. rr de bonina e aznlzinho
seus preces a 5*500, 4*, 6i, 85 e JO* ; na
toja do novo rival ra do Queimado o. 16.
60 PUBLICO
Nem o menor constrnn-
gimento se entregar o
Importe do genero que
lo agradar.
ATTENCAO
Os precos da segainte
Cabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de costas
com os portadores.
RA DA CADEIA DO- RECIFE N. 53
(L.ogo pssando o arco da Concelco)
PARA BEM DE TODOS.
*.
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste dovo estabelecimento, e mais que ludo a promptido e intei-
reza com que serSo tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a protecco e preferencia na com-
pa dos generes que precsarem, e quando n5o possam virpoderao mandar seus portadores, anda que estenejam pouco praticos,
pois serSo t3o bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com esles toda recommendaco, aGm .de que nao vio em
ulra paite.
Ckegaram os superiores
cortes de snla.
Superiores corles de seda de cor, viudos pel
ultimo v,!|jr ranrez : na luja das columna? a ros
du Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascos.
Celios & C.___________________________
Vinho Madeira fino
tem para vender Joao do Hego Lima, na ra de
Apollo o. 4.
FIGADdeBACALHAU
Manteiga ingleza especialtxnte escullida a
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
Idemfrancezaa mais nova do mercado a 96o
rs. a libra, e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras, a l.Cobrs.
dem preto o que se pode desejar nesle ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chourifas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados nesle ultimo va-
por a 2,2o rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oors. a libra.
dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. aduzia.
dem idem para vinho a 2io rs., e 2,4oo rs.
aduzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l.ooo el,2oors. a libra.
Espermacele superior a 6oo e 64o rs. ali-
bra e em caixa se faz abatimenlo.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho flordeaux das marcas m33* acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde senebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e tl.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do MaranhSo de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paincoe alpisla a 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
Massade tomatesde superior qualidade a 64o
rs. a lata de urna libra eS6o rs. a reta-
mo.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Masspara sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs.a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancorlas de fi caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,000 e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam: Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,ooo,15,ooo,
12,ooo e l o,ooo a caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
.qualidades a l,3oors.
Cartees com bolo francezmuito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimoa3,ooors.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica deJo5o
deBrito no Beato Antonio, emlata de6 li-
bras por 2,5oors.
Ameixas francezas em fiafco de vidrocom
* lampa do mesmo, a l5co.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos
tamanhes com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novasa 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra?.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,15oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs. t
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostnrda ingleza dos melhores fabricantes,,
a 8no rs. o frasco. /
Mostarda franceza em potesj preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zar,a propriamenle dito a
H a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o mago.
Sal refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a oo rs.
Cerveja branca dasmarcas mais acreditadas
que \em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,ooo a du-
zia.
Cevadit.ha de Franca muilo nova, a 2oo rs.
Charutos do aflamado fabricante Jos Porta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposicao Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, GuanaLaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5co
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matle,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandese novas
a l,8ooocento e l,2oosolas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a anoba.
Banha de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maralo muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5ro o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo,2,6ooe3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o proco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandesde
8 garrafas por too e8oors. a garrafa.
Azeitonas porluguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5ooa garrafa, e
24, ooo e 26,eoo o gigo.
Gomma deengommarmuitoalva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 8o rs,cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a lil ra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a i,8oo rs. a caada
e640 rs. agarrafa.
Vinagre brancoj engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
P eo proecso I'aris, roa do Faubourg Honlmarte 21.
Este oleo de um cheiro agrdate!, c de
um sabor assitcarado 0 unito que nao !em
nem o gosto, nem o cheiro do peixe. Ob-
jeclo de numerosos relatorios scientificos e
mdicos, este medicamenie que goza tm
Franga de um successo tao raro como l*m
merecido, 6 receilado dioriomtttte pelos
principaes mdicos dos hospiloes de 'Gris.
O OLEO DE F1GAD0 DE 1UCALH0 DESINFECTA-
DO ferruginoso eroprega-se ni os maiores
successos as molestias em que se f mprega
o oleo quando sao accmpanhai'as de rbili-
dade e atonta.
Deposito geral em Pernambnc rna da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barben
No armazem de fazen das ba-
ratas de Santos Coelho,rua
do Queimado 11. 19, veii-
de-se o seguinte:
Lences de panno de hnho a _4C0.
Ditos de bramante de linho de 11111 u> panno a
33500.
Cobrrtas de chita da India a ?50P.
Lencos de cambraia trancos propiKS para algi-
beira,peio baralo rreco de SjOfO a dozla.
Pejas de Lreiar.ti.-i de rolo cem 10 varas a "H'O.
Ditas de cambraia para forro de vestido, r< ni 8
vara?, pelo Laralissimo preco de iCOO.
Goardanapos adamascados jelo laralissimo prcoo
de 3o00 a duzia.
Algodo enfeslado com 7 112 palmos de largura a
1300 a vara.
Cortes de laa de lindos costos com lo corados a
65000.
Pe^as de cambria adamascada com O vara, pro-
pria para cortinado, pelo barato precede I !>.
Fil liso fino a 800 rs. a vara.
Dito com salpicos a a vara. "y,
Tarlatana branca lina a 800 rs. a vara.
Atoalbado de algodo adamascado a $200 a vara.
Dito de linho a 3#200 a vara.
Laazinhas lisas de todas as cores, pi lo baratista
prego de 500 rs. o covado.
Pegas de cambala de salpicos bramos, e de reres
com 8 1|2 varas, telo barati.-siir.o preco de
45'00.
Balees de 20 arcos a 2500, de 25 a 3,5, de 30
3500, de 38 4*, de 40 ty%0.
Toalhas felpudas a 13 a duzia.
Esteiras da India de 4, o e 6 palmos por meces
prego do qne em outra qualqoer parle
Neste armazem se encontrar um grande sciti-
tr-rnto de roupa feia e por medida.
BOTICA E DROGARA
Bartholomeu Fraucssco de Souza .
31Ra larga do Rosario34
Vendem:
PilalusHolloway.
Pilulas doDr. Laville.
Piiulasdo Dr. Alian.
Pilulas do l'obre-homem
Pillas americanas.
Pilulas vegeues.
Pilulasvegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Uristol.
Remedios do Dr.Chable.
Elexir de Pepsina de Grimaull.
VinnodeSalsaparrilbadeCh AlberU
Injecgao Feaugas.
Agua dentilcade Desirabode.
Papelchimico, para lalhoe.
Xarope depurativo de Chahle.
Licor aromtico de Raspad.
Pos anti-epileticos de Drest.
RobL'ArTectour.
Jaropo do Bosque.
Ungento Holloway.______________
Brides e picadeiras de
uca.
fazendas
Ipoj\
Vendr.m-se as verdadelras brides e picadeiras
de Ipojuca : na roa do Oueimado n. 32, loj de
Abovedo & Irmao. __________
MEZMARIAO.
Versos proprios para se cantarera na de-
vocSo do mez mariano, corrigidos e aug-
mentados, e mui bem impressoj em folhetos
de 1 paginas, e que se vendem brochados
com suas capas pelo diminuto preco de 160
ris cada um, na roa do Imperador n. 15,
defronle do convento de S. Francisco.
Laua esta novldade.
Madapoldes superfinos com 24 jardas a peca por
otfoOO com ora pequeo toque de avaha, paletols
de brim a U. chi'as francezas escuras a 720 o co-
vado, algodao muito largo da marca T por 6J a
peca de 24 jardas : na toja da roa da Madre de
Dos n. 16, defronle da guarda da alfandega.
Trastes com _.
Vende-se I sof, 3 consolos, 1 mesa redonda, 9
cadeiras de amarado, 6 cadenas americanas, 1
foca marqueza de Jacaranda, 2 carteiras de via-
gem e 1 cartelra grande propria para taberna :
quem pretender dirija-se a rna das Cinco Ponas
n. 140 defronle da estaco.
Vende-se nm ptimo bol manco proprio para
earroca : quem o pretender dirija se a ra da Ca-
deia o. 40, primeiro andar, a tratar com Rocba
Lima & Guima.-fif.
Agua florida e tnico orien- Grande liquidacao de
tal de Kemp.
Cootinna-se a vender eui porua e a retalho :
na ra do Queimado, toja d'aguia branca n. 8.
(hromacomo
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para tingir cabellos, e bem assira
frascos com hydrocalletrichina, agua para desen-
grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
e onyehrmantina para limpar as onhas. Essa
tintura, cojo effeito rpido e eflicaz, est bem co-
ndecida e apreciada para todos quantos delia tem
usado, eos que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aqoelles, dingir-se munidos de
dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
roa do Queimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
dito tambero verde e mui fino para cobrir o ara-
rae, assim como folhas de panno e avelbjdadas
para ditas.
Aspas de baleia para venidos
Vendem-se na ra do Queinfado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'agtf ingle-
zas e francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
penas d'aco que constantemente tem, .caba de
receber raais outro de superior qualidade e dos
afamados fabricantes Perres C., asslm como as
verdadeiras blco de langa n. 134 contras de pon-
a dourada'continuand porm a vende-las por
pregos commodos, com laoto que ocomprador com-
parega munido de dinheiro: na rna do Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambero achar-se-
ha a venda-pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n. 8, recebeu :
Bonitos e praudos aljofares de cores para voltas.
Pulseiras de ditos de iguaes e agradareis cores.
Voltas pretas maiores e minores todas de conUs
grossas.
Pulcciras pretas tambem de cenias.
Outras de differentes qualidades e gostos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Pivelas d'aco grandes e pequeas com cinto pre-
to e de madreperola.
Ontras grandes de differentes qualidades e re-
dondas com pedras.
Bonitos leques de (madreperola redondos e de
outra forma.
Ditos de sndalo interteos e corredizos,
Capellas brancas para meninas.
na nova loja de fazendas e ronpas feitas nacio-
naes, na roa da lmperatriz a. 72. Os pronriela-
rios deste novo estabelecimento tem a honra de
participar ao respeitavrl publico que estao resolv
dos a vender muito barato para liquidar, a saber:
chitas a 220 rs., ditas francezas largas a 260, 280,
320 o 400 r.. o covado, cassas francezas muito fi-
nas a 3C0, 320, 360 e 400 rs. o covado, organdy
francez de riquissimos padroes a 360,4C0 e 440 o
covado, pegas de cambria branca a 3, 3,5300,
4J, 4500, e 5J muito fina, ditas de cores de apu-
rado goslo a 2800 e 3 o erte, pecas de mada-
polo muito fino com 24 jardas a 6, 6J500. 11,
78500 e 8, ditas elefante muito sopenor a 8800,
9, 9500e 10, dito francez com 12 jardas, sen-
do fazenda muito encorpade e fina a 45 e 45500 a
pega, cortes de la a 45,45500, 55 e 5500, ditos
a Maria Pia rom barra, sendo os mais modernos
que tem vindo ao mercado a 105 e 135 o oorte.
pechincha, lengo de cassa com barrinha dfeor
a 100, 160 e 200 rs., ditos com blco a 240 e 320, e
dozia 25500, crinolinas ou baldos de 30 arcos a
35500, ditos com 15 arcos a 25200, tiras de fina
cambria bordadas a crox a 00 e 15, ntremelos
a 860 rs. a pega, gravatinhas pretas c de cores
parasenhora a 640, 800 e 15, mantas de seda de
cores para pescogo a 15400 e 15600; isto so se
vende na loja de Guimares A Irmo, roa da lm-
peratriz n. 72.
Coke do gaz.
pitch do gaz,
Alcalfo' Coke tonelladas rs. 10000
Pitch ._-.-.- 80OC0
Alc3tr?o caada..... 400
O coke reconhecidainente o carvao mais econ-
mico, lorna-se por isso rerommeodavcl, bem co-
mo pelo asseio que se nota as coziohas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alm das applicacoes
diversas a qne se-prestam, como para callafetar
emharcagoes.alcatroar madeiras, etc., teem este a
prupriedade de preservar do rnplm, formigas, etc.
E' entregar na fabrica do gaz 00 mandado por em
qualquer ponto da cidade, segando a vonlade do
comprador.
Vende-se soutambarque de laazmha fino,
muito bem enfeitado a 35, 65, 75 e 85, dito de
grosdenaple prelo ricamente enfeitado a 10 e 225.
capas de grosdenaple nnito modernas a 205000,
completo sorlimento de roupa fela, e ontras mui-
las fazendas que ser enfadonho annuneiar, e qne
w vendem mais barato do que em outra qualquer
parte : isto s na rna da lmperatriz n. 72, loja de
G-imaraes & Irmlo.
Vende se mel de pao a 15 a garrlTa : no
patee da Sania Cruz d. 84.
(irande armazem de Untas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposnode
productos chimiros utf nsis e os mal empnpatos
e usados napharmacia.piBtura, photograph ;'. fin-
turara, pyrolecbiniaifogos de artificio) eeu. outtrt
indostrlas.
Montado em grande escala, e sopnrindo-se di-
rectamente as principaesdrogariasdeParit Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e l.isbua. pode olertceer
producios de plenaconlianga eJjsfazer qoalquer
encommenda a grosso trato etfretallio, porpxgos
razoaveis.
Provides de machinas appropriadis satisfar
com promptido qualquer pedido de tibias moldas
a oleo,cuja qnalidadre pureza de seus ingr tes poder ser examinada pelo consumidor o qoe
nao fcil fazer con aquellas que sao impoitada?,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecgao de vidros de diifutntes
formatos, desde urna oitava at dezeseis ongas e
capacidade ; de vidros para vidracas e dian'inles
para corla-los; de pirris para fingir madeira cen
proprii'dade e ouiros; de papis dourados e pra-
teados e folbas de gelatina para ornamento; ue
papel grande c pequeo formato de vanas rore
para embrolho, para forro de casa, para desenlio
cem fundo j feito; de papel albon nado e BrJM verdadeiro saxe para photcgraphia e para filirar,
e oulros ; vernizes de esst ncia para quadros, de
espirilo para madeira, copal para o interior e ci-
terior ; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de toiele, secativo de H;r!iii\ 1 uro
verdadtiro em p ; prata, euro, e estanhc i ir lo-
Ihas de varias cores; tintas vegetaes, incllensi-
vas proprias para confeitarias; la decOu?, e
olhos de vidros para imagens ; tintas tm tobos e
telas para retratos ; tintas em paste-is e em po pe-
ra aquarella; essencia de rosa superfina, de nt-
roly, jasmim, bergamota, aspice, patchouly, mbar,
bouquet.iimao, alcaraiva, melissa, ortcla'pir.enri,
louro, cereja, alfazema, juiopero, Portugal, hma,
anis da Russia, cancila, cravo e mudos outros ot,-
jeclos que s com a vista poderao ser mostrados.
Joao Pedro das fPrs,
________________________^Gerente.
Sitio.
Vende-se nn aluga-se um exeellerile sitio nr. fu-
trada dos AITlictos oqnarto depois da eapella, ron
boa casa, duas grandes e.-tribarias, (juaitos para
feilor, mudas arvores fructferas, poco d'aana po-
tav1| com bomba e banho de choque : traa-; 1 ni
largo da riBeira de S. Jos sobrado de um noai
n. \9._________________
Carta chorographi<-a
LO
* THEATRO DA GUE1R.
Acha-se exposia venda, as lojas abaixo n en-
cionad .s, a carta chorographica do theatro da euer-
ra nos Estados do Sul da America Hkridir.n*!, c0d-
tendo as plantas do l'aysand, e do bloqmio < cer-
co de Montevideo. Ella tornase recmmeodavel
nao s pela lacuna que veio preenclier, cemo pelo
esmero do trabalho lythographico.
Vndese pela mdica qoanlia de 2J000 as livra-
rias dos Srs. Nogoeir 1, ra do Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayres, na daCadeiado Recife, assim como
as lojas da Exposigao de Londres e na lylhogra-
phia do r. Carlos, a mesma rna n. 32, e na loja
do Sr. Cardozo de Almelda, rna da Crnz.
Milho novo em s/ccos grandes: no trapiche
do Cunba. a tratar com Tassolrmos.
Pechincha
Vende-se amendoas confeitadas a 360 rs
bra : defronte da matriz da Boa-Vista n. 88.
3 ii-
Vcnde-se ires carrogas para boi, duas litas
para cavado, dons.-arros para co'ndnccao de ge-
neres de estiva on ontro qualquer miste', lodo m
bom estado, e por preco commodo, por seu don-
qoererjeabar com esse negocio ; a tratar na 1 ua
do Sebo n. 54, taberna "
GAZ GAZ GAZ
Vende-se' gaz da melhor qaalidade a
1_*5 a lata : nos armazensda ruado Io>-
perador n.16 e roa do Trapiche Novon. t.
VE\DFM SE
caiies vasios propii s para bhulci-
ro& e faiifeires 2,060 r.\ a tratar
nesta oficiust,

LEGrvL



Diarto de

.
le* 8 4e Malo 1M
*
GiUNDES ARMAZENS
DE
*f Largo da Sairt
lj>nu n. 84, es
Sjuina da roa do
S3bo.
11
ESPECIAL1 S
2,
MMW
' Largo daSant
jCruz n. 84, es-
juina da roa da
ebo.
11
* iE ^n\. Io* """to acreditado armazem feoTiraaa^dnomro^o^m-
a222-222?.2L2 55S5 sortimento de gneros de prlraeira qualidade.
Sl'g?.!."1"" ".'* <>* e ba para ajuste da comas aos portadores.
dq!o JSS'Sig!!!* 'e,,4dra "** *** e m*lhow8 de qne a Airm Brrthairte, ja'
i, n?ht?^,,W SSfeL* ""10 por1ua se "oao so dej* tirar dimina i-
nweAWr VSJSSJ^SmSL as *?pezas d0 MtbeloC.Mato por isso deiie se a-
intes reguezes er toda a dilisene.a, aura de servir bem os seos cons-
{Litas om 8 libras decbowicas mutlonAvas
[a 75530. '
Ditas-rendes cew pere om postas inteiras,
mais de 12 qualidade.% 1*000, 1J280e
i|IBr
D tas eom ostras, escolente petisco para fri-
1 gi 1-iira, a 720 rs.
Oitas eoai ervilhas novas, asopadas, a 720 rs.
( Ditas com favas, a640rs.
LOiUs cora araaiaasa 1Q0, 18Q0 a 3*500.
> Oitas cora marmela d afamado fabricante
Abreu, a 7iO rs.
|Ditasoora massade tmale, 500 rs.
| Ditmoa figos de comadre, novos, a IfRO.
-3 e z*5U0L
.Oitiscom bolacoinba de soda muito novas, a
f -5)00.
Ditaseena biscoitrhos rmrlezes de muitas qua-
iilides,alwa
Cbocs+ate.
Cu'xinhas comamerras afeitadas propriis
, para mimo a 15*00,2JSbT>e 3J0O.
fCti oate superior ni arto boto, a libra de
r SO a 15000.
I *il t.irrao, talliariamealrrtrTa amarella, a libra
> a 400 rs.
D i) dito .lita branca, a libra a iOO rs.
".lisas co n estrelinha, pevicre, e oatras mis-
* -is, a caisa 35500.
Ditas Jila e:n libra a 640 rs.
.'. a libra a 350 rs.
Vraho verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
Gomae.
Saccas de 4 arrobas, a venraderradese--
eogommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Parraba.
Saccasgrandes eom farinba de Goantra mnM
to nova, a 550tt.
Caf.
Caf lo Rio turto superior, a arroba a 8&.
85300 e 95000.
Cb.
Chacemos nestcs gneros o melhor posslvel,
hyson, a libra a 25600.
Dito parola a 3$')00.
Dito mira a 25700.
Dito hvsoo maito tino a 25300.
Dito redondo a 25300.
Dito pretode primeira qualidade a 2,5900.
Dito raai-s baiKO a 25000 e 1*600.
Erva mate.
Excelente cha medicinal, a libra a 240 ps.
Espermaeete.
0 masso com 6 vellas de esperraacete a 600,
64') e 720 rs.
Passas.
Giixas de 16 3 libras de pascas novas pro-
pinas para mimas a 45 e 25500.
Nones.
Nozes, a libra 180 rs. e arroba a 45000.
AljiisU e paineo.
Alpista i pataco, a arroba 45000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
CONSULTORIO MEDICO-CIRliMCO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSGOSO,
MEDICO, IMRTE1RO E OPERADOR.
3 Baa da Gloria, casa do Pundao 3
OOr. Loba Muscos* & amatas gratuitas aos pobres todos os dias da* 7 s i
oras da manh3a, e das 6 e meias-STioras da noite, excepco dos dias santificado
Pharmacia especial homeopathica.
No mesmo consultorio ha sempe o naais appropriado sortimeato de carteira
tabas avtilsos, assim como tinturas da yarias dymnamia$oes e pelos precos seguinte;-
Carteirasde 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubosgrandes. 180000
d*38tffbosgTandes. 40000
de 4* U&osfraadee. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qaatquerearteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedi
ijiia se pedir.
Ja tubo a valso oa frasca de tintura Je meia onca 10OW.
Sendo para cima de 12, .cuslato )& precos estabetecdo par* as carteiras.
Ha tubos nuis pequeos cada um a 500 res.
LIVKON.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de e*cwa Hoaeopathico-do Dr. Jahr
lM sriMesfolmaescm diccionario.......'..... 2O0OO
Mediwodomesticado Dr. Heriog,......!'.'.,. 15*0*
Repertorioio r. Mello Moraes. .......... 60800
Dfcfwmarro de termos de madicina....... 30OO
tn Ha OsreTneti0s deste estabelecmentoso por demais conhecidos e dispeaeam portan-
2^rera noyament,e reommendados as pessoas- qne quierem asar de remedios ver-
Sd!^ S'fn^g'cps odiadores: ha ludo do melhor que se pode deserar, gobos de ver-
EK!S5nftrM$ notaveis ,elasua boa corrsem?o, tirrturados mais aereditatos
pwapeiecimentos europeos, a mai*uacta e aceonda preparaf^o, e portante rmaior ener-
&*i certeza em s^us effeitos.
Caid de mude pura escravos.
7inprap5^'*ie*SC5erarTS's P*M tratarr"de ^ualqaer eafenm^ade ow faaer-se-lbe qaatquer
upuracao, para e qBe 0 anminciante julga-sesufficientemwtehaiHtodo.
CBnceiwiJjaraent0 me1hoT possivBljante na parte alhnentarr, como na medica, e
nJdS?* w ai de qrotreannos, ha multas pessoae de cujocoacetto se nao
j^u*wMr, que pdem ser consonados por aqueHes rrue desejarem mandar seo
Paga-s20ooo por da durante 60 dias e d'ahi emdiaate 10500.
irnavaic ?era azoaveis 13 o*i bk Viirr 0 aun uncante.
i
O
o

1 *iv 1 lmln para rs.
Ervilhas seccas, a libra a 16* rs.
')ins d,inscii-i, a hbm a 2)0 rs.
1 r tpioia maitJ nova, a libra a 280 rs.
Firfiba de araruta venladeira, a libra a
)J rs.
W01 d) Miranh'i, em saecj, a arroba a
2540J ea libra a Sftrs.
) i) da [ada a Jawr, a arroba a 3500 e a II- Cartas Unas para logar, a ath a 253'0.
:l ,l 10rs. I Gistanhas.
. > leiahode Lisboa a 0fMO a arroba a 'iS9\Qmtmkm now/in \m neato vapor
"aliara. ba 4*000 e a libra a 200 rs.
). 1 d-i santos, a arroba 7$)00 e a libra a \zftiUinas.
, I 'a/com 1*2.3 cabolafi.ftraades, .1 1*280. Barris !orn "-,itolas ".vas a **Mfl
ivlxtarda franceza, caisa com 2 dutiasa!
t rooo.
? ariscos cim mostarda pmparadaera vinagre,
J 1 400 rs.
i>:l is co n i-oinervas inglezas e fraoc as, a
649 e 800 rs.
om sal refinado lino, a 640 .; a 300
?m i.tiscoi
Xa ) tlSCOr
a airo-
,n:iu(i/i
Mant->iira i;inerior, a libra a 15^0.
Dita naais abano a 15120.
Dita menos superior a 15 .
Dita franufia nova, a libra a 45120
Dita lita em barris e meios ditos, a libra a.
15 rs.
n a verdadeira gen^bra de laranja, a j Dita para tempero a 400 rs.
15)00.
li is deS garrafas de Hollaada verdadira.a
40 rs.
Rt'.iiis com dita proprla para negocio,a
400 rs.
Kirrafo>js com 2 galoes com dita, a 65-
Qflpijos.
Qaeiios novos vindos neste vapor a I0MMJ
35O06. i
Ditos londriaos muito novo5, a libra i
15000.
Papel.
.i t .'i i b i.i, marca, a 500 rs. a garrafa, e a i ^. .,...msivi
n; i a B^nnn PaP lmaC<> patalo, a resma a4-5Sno.
Dito dito lito de linho, a resma a 45300.
^ V'iiiio muscatel deSetubal, a garrafa a 15-
jfe Mirra*Timho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
g& a 13-1)0.
s'"i : i imoagno, a dutia 205000, e a garrafa a
i -21030.
!\-:eitar (lnado porlugtiei e francez,a garrafa
a 1500).
laixa de vinho BmrJeaax muito superior, a
] 75. 85,95 e 105acai^a.
> Ditas eim dito braoco, a 73 a eaixt-.
i Ditas com dito lagrimas do Douro verdadeiro,
| a 203.
'Ditas com duque do Porto verdadeiro."a
185000.
i Ditas com ohamisso superior, a liS-
'Ditas com Porto velho eourras muitas mar-
cas, a 123.
> Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
, e 800 rs.
, Dito.de Lisboa muito bom.acanada a 33^00,
33300 a 43, e a garrafa a 500 e 360 rs.
^SPDito da l'isueira, das seguinres marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a canana a
i3310, e a garrafa a560e640rs., deste
que est engarrafado e lacrado com o
rotu'o do armazem.
Ditos da marcas maisdesconhecidas, a cana-
da a 33300 e 45000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
jVinho branco Uno, a garrafa a 640 rs.
fDito de caj muito superior, a garrafa a |
' 800 rs.
Dito de peao tizo e pautado, a resma a
23500.
Dito de embrulho, bom a 15 e 15200.
Vinho Midcira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
diira a 13300 c 23000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, commho'
e cravo, a libra a 400 rs. _
Velas de carnauba.
i Ifassos com ti velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Araendoas cora casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Gaixoes de doce de goiaba, grandes a 154001
e poquenos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas .a 140 rs.
Graia.
Duziasde boiSes de grasa n. 97 a 23000, e',
de latas a 15000, e os boioos a 240 rs. ca-(
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos prejos, caixas e meias!
caisas.
hmtm moh^im e dimico de F. P. LelwMif e C
rua lo&tmartee, 31, em Ftaris.
Fabrte em .trgentenll. prs Paris (l'ranra).
kaM iataa% ngwrrdiales e Ikores.
\
VIXII03-Imitifo dos vinbos de todas a
qnalidades.R'rtTaeto di Wedir, adose para 2"3t)
litros, 1 f. 2, le Bordeas, 2 f., de Pomart 3
f.,de Lisboa, t f., de GaUlM, 2 f.,4s Pwrt
Xerez, MuscatU Malaga, dosa.para.2ii oa 30- li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agua,
os vnhos cima e todos os outror. a dose nara
308 fitros, SQ-t.
CLACIFICAgOPs lnlezes,ps m rfnbos
d Hespanlra, da Franca, at. A libra para 590
litros, 5 f.
COLORAgO.Purpirigtne para colorear o&
vioho brancos e vinhas clafos. As duas libras
para 500 litros, 16 f.
AGUARDEXTESEssencia de cognac para dar
as agaar*entes ordinarias o sabor eo aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros 5 f
KUSGHEJtil^ltEsseswiade' kirsch e
de absintho, para os fazer com akool e aua. A
garrafa para 100 liinos, 5 f. 8
LICORES.-Extractos para fabricar se todos os
licores conbecT#frem Mfo aem atembiqno. (in-
ilicar-ft. B-quB se-doseja^) A dose para 80 ob 25*
|xos, 3- f.
PERFUMES para fabricar-se os licores Onos ou
tommunsadose para20 ou 23litros, 1 f. 25.
TOOS os ros prodweos para o trabalho dn*
vmhos.aguardentes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados d encommenda.
UTEXCILIOS de laboratorio e de chlmica.
DE
AZEVEDO FLORES
Rua*aCadets d Ktcife, esqotnt dffstre de Deus,
Prstem attentfio ao disetirsa do ftdfto,
Nesle estabelecimento todos os freguezes encontcaro igtuldada de diceitos o
agrado que fazemos ao rico fazemos ao pobre, ao menos ernpenhams todo* os-eatarcos
ao nasas alcance para agradarmos em geral. ^^^
Os nossos pregos sao os mais mdicos como sejam:
Chitas largas escuras muito soffriveis a 280, 300 e 320 rs.
Ditas largas e Anas pailroes novos de 400 a 5*00 rs.
Ditas largas preclaras a 500 rs. s na I o ja do foliio.
Cambraias de cores com quadros, fazenda nova, a 560 rs. a vara.
dem lisas lapadas e transparente de todos os presos.
Madapolo de 8 a peca que em outras lojas se vendo por 9&
Temos lambem muilos oulros madapoloes de diversos precos, assim como te-
mos madapoles francezes de 14 e ifyjU pega, inclusive urna qualidade espacial nara saia*
de seniora a SCO rs. a vara. *^
Gambraia para forro de vestidos.
La preta parajuto, e de todas as mais cores. ^
Laas com o ass'cnto escaro e flores matizadas fazenda muito modaciuefioa qua-
iiu ue.
, Meias prelas para senhora e homem.
Jdem cruas inglezas pa a homem o melhor que ha de 7 e 8f$ a dozia.
Camisas de 2?500 que valem 3;5, temos muitas outras quaiidades de divMsos
pregos, as&ioa como camisas verdadeiras- inglezas e muito fiias a S ou BU* duza
Camisas de maia muito tinas de 20 e 25 a duzi;i.
Collarinhos de papel de cores e brancos assim como collarinhos de linbo nel-
zes a 500 rs. ^m
Temos um compJeto sortimento de gravatas pr.etas e de coses.
Ceroulas franeezas muito boas a 10600.
Cerculas de linho com duas costura*, superiores e temos um completo sortimen
to de roupa feita de casemiras c de brins.
Camisas de flanella'de cores a 3?>500, 45500 e 63.
BalDes de aseos a U e 3541 a tkoja a5 de panao e e arcos para Muaos 2^
Chapeos de sel strperieres com 16 asteas a 12/5.
Casemiras do ultimo gosto para se fazer caiga e collete.
Vestidos a Maria l'ia a 181 e sao matisados.
Ha muitas outras azendas assim como grosdenaples 8 moreaetioue.
Lengos francos j abanludos.
dem finos para rap.
Cortes de laa a 5*500 coro 45 cavados.
Chales para as senhoras traaerem por casa a 23 e 4 cada utn,
Brim braoco a 163G, 1,500, 2t e 2,5500
Bramaote de urna laegura para leages. e toallias.
Brim de ltemtupgo fino e grosso.
Alpaka preUte branca.
Brim pardo.
Casemira e panno preto fino, tudo islo por prego baralissimo na loja do
/-
_ _. u tiiiioiijiuo ie aooraiono e (ip rhimica
Alguns de nossos agenta rendo falsificado e raitaio nossas preparacSes e enaaSlo nosos
fregueies.deve-se exigir sobre as rolha* e rotos asrnlciaes F. V. L. Paris, enganad0 no^so'
0 mo*> d iwar-so das pr^par^Ses acha-se indicado no roulo.
^l?Co?Tatfi^f^r^PMV^,or,.,,na ''sobw Paris ou qualquer ontra cida-
mt't-V n n p ,?" Sf.T! g"*f"**-Pirtylr-sa aosSrs. Lebeuf G. cbinicos, ra
mi 1.1, n. i i, e n Pirn. o:i a su fabrica em Argenteail, pts Paris
i' i > ai botua fraaceia, ra do Imperador n. 38.
Descont em duzia.
20 /o
10
%
grande quantidade de gneros tendentes
& estes estabeleeimentos, que deixam de an-
ntitci DE CHPEOS de sol
X. 8S Rjia yom esqshia Camboa do carato c rna do'
Cabula n. 8.
A lirestona desse esraberec-imento o mais importante que existe neste genero'
as-provincias do mate do imperio, qu^rendo que o publico desta provincia ?oze das
vantagens que proporciona a fabricago oro grande escala e directa relagao com as mais;
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender ainda mais barato
no que do c turne como demonstra a seguinte tabella :
Chapeos de sol de panno a 2Of)0.........
armigo de baleia a 2^00 !
./ a a,V1e,seda ir,mvi*o de ac in?lez de O pollegadas
W, de 2 i W, de 28 5^500 e de 28 6$ ... .
Chapeos de sol mglezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 21 pollegadas 8J, de 26 90, e de 28 10#.
dem dem a toho de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 11$, de 26 12,?, e de 28 135 .
,nmt, e- ,demu,,la8 outras pialidades de chapeos de sol que existam na mesma casa
a^aIejam ,dea,P^a, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambera de seda e de panno
m! S tamaBh.os efeitios, os quaes sao to vantajososcoraoosannunciados, ha
IX?. constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, cutilaria fina e ar-
m?0n S(Inaesvendem-seigualmente em porgao e a retalho, notando porm
il Prador Pr aUcado ter sempre ura descont razoavel, afim de poder reta-
Ihar pelo prego que o estabelecimerrfererattia.
*.iu B' 0s 0}ects comprados em menos de urna duzia sero considerados como
a rtalo o.
15
%
7o
15 o
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco.
dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia
dem de gorgurao de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2,f400, 2600, 3-5, 3^500, 4, 5, 6,5
>)J e 8$ o covado. "'
Superior gorgurao de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido
Sarja preta de seda. F
dem preta lies; anhola.
dem idem lavrada a 25 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple prelo a 14300, l5800, 23,2500 3
3^500, 43, 45500e5^. ,
Pannos pretos de superbr qualidade de 3$ a 123 o covado.
Casemira preta de 1$600 a 5S o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretcs de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na leja das CoJumuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcelos & C. successores
de Jos Moreira Lopes.
nnnciar-se.
AGUA
DE
Florida.
para restabalecor e conservar a cor natural dos ca-
N. 11Ra do (heimadoN. 11
Superiores ortes de seda preta cora liadas barras.
Superior seda faconno que ba de melboremais gosto.
Moreantique prato muito bonito a 2800, 3*, 35dO e af o covado.
Completo sortimento de grosdenaplj preto de muitas quadatles.
Pannos pretos e casemiras de muitas qualidades.
Bournas, chales e los de renda pretos superiores.
- Superiores palaselesoutembarques 4e seda para s. nhoras.
Ilournus de lia para seoboras a 123
Chapeos e cbapelinas de patha de Italia para senhoras.
Cort-s de lia de barras de 142 a 2 3 de muito gost*
E muitas oatras tatendes da 'superior qualidade na loja de Augusto Frederico dos
Santos Porto aonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
N. 11Roa do Quefmatlo\. 11
Oama de ferro
Vende-se grande sortimento destas camas na,
roa Xova n. 33 ; na mesma loja vndese grandes
oirinoes de ferro forrados do porcelana ten!o
duas azas e lampo de ferro, rocommendam-se a
quem precisar.
CEBOLiS
No armazera da viuvr Paula Lopes, tefron'. do|.
eniliar^uena oscadinhi, vendem-se ceblas as me-
Ihire; do mercado, em caisa e cealo, o mais be-
rato possivel.
avariado.
Francez barrica 50OO
Ponland idem 3JIS00
S* perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 12J000
No armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
rio de atgodo da Bahla
Vendefse noescriptorio de Antonio Iaiz de Oli-
veira Azevedo A C, ra da Cruz n. 1.
ADIWIRAVEL PECHINCHA
CUALES DE fitl YIH PRETOS
a 10^000 'cada um,
c a asas orgaadys de cores a a SO rs. o corado.
A' ra de Crespo nnmero 17,
LOJA DE
Jos Gomes Villar.
GOMMA NOVA.
Em paoeiros muito aira a 4,000 rs. a arroba e 49 rs. libra e coa^rao-
do da um paneiro para oima se faca abatinwnto na roa do Imperador n. 40.
Admiravel pechincha!
M UBbique a 3ftOrs. o covado, na loja
do pave.
Vendem-se os mais bonitos mocambiques de pu-
ra la proprios para ei*)s e soutembarques, bellos.
sondo de qu teiramente nova, em padwes e nimio proprias pa-' sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
ra as seofioras que frequentara o raez Mariano, l primitiva de cabello. Compostas de plantas exoti-
porqoe esta fazenda Ihcs facilita fazerem por pou-1 cas e de substancias inofTensiveis, ella lem a pro-
co dinheiro vestidos muito deocuies para quaiquer priedade de restituir aos cabellos o principio co-
acto, adveriiado-se qne este barassimo prego rante que ellos tem perdido.
devido a grande compra qoe se fez desta nova fa-
| zenda, que se vende a freze tustoes o covado : na
i loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
' Silva.
>'
PECHINCHi SEH IfiUA
Vende-se |a exceliente propriedade da ra
Imperial n. 16i, frogmzia de S. Jas, tendo 350
pataios de frente e mais de 1,200 de rondo, no'
centro do quai ha urna grande casa terrea de pe-
dra e cal, com muitos bous coiemodos e algoos
arwedos-de fructo, precisando metade do fundo
de *gum aterro: o Sr. capitalista que fizer esta
acqnisicao tem, alem do predio, terreno para edi-
ficar um grande numero de casa*, j com frente
para a referida ra, j em ontras que passam por
dentro da mesma propriedade, qne por ier embar-
que oSferece a immensa vanttgem de facilitar a
concUiso dos rsateriaes, que serao despejados em
cima das obras: quem a pretender dirija-se ao
mencionado predio, ou ra do Brum n. 57.
De urna salubridade incontestavel, a agua de
Florida entretem a limpeza da cabega, destroe as
caspas e empede os cabellos de tabir.
Jumentos
Vende-se nm linde casal de jumentos de bella
raca, grandes e covos, proprios para a conserva-
cao da mesma raja e cruzamento, do que se colhe-
ra magnficos machos mullas carro e carga ; coja
jumenta esta' prenhe, assim como uaa linda ju-
mentinha com poueo menos de um aono : ver e
tratar com Jos" Pereira Cesar no sitio Pirahuvra
arrabalde da villa do Limoeiro. '
Hez Mariano.
Ainda est veida na roa do Imperador n. 15,
defronte de S. Francisco, a rita edicto do mez Ma-
riano, ornada com estampas e vinhetss, eencader-
nada, por 1 e 15500 cada livro.
das colu
Madapolo muito fino com pequea toqoe de arara, pir preco qu admira : na loja
columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vas'eeacellos & C.
Catangas Anos c brlnquedos
para neniaos.
Cli9garam para a loja de miodezas da rna do
Queimado n. 69, os mais Anos e lindos calongas
tanto para brmqnedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezts.
A Hernioso
Vendem-se qneijos do ultimo per a 2J500 e
2,3600, manteiga ingleza flor a 860 a libra, dita
franceza da safra nova a 9O, arroz do Maraaho
a 100 rs., alrtria e macanao a 400 rs., vinho de
Lisbta a 320, 400e 480, da Figueira a 500 e 560,
branco a 500 rs., do Porto a 640 a garrafa, esper-
macete a 600 rs a libra, toucinho de Lisboa a
320, batatas a 100 rs., sabo massa a 200 rs. a
libra, erva mate a 160 rs., orna machina de copiar
carta urna balanga ingleza, nm moinbo de moer
cate, latas de HM vazias a 120, blscootos, vmhos
engarrafados finos, temperos, charutos fines, al-
pista, Otos e ootros muitos gneros que se deixam
de meBciooar, tudo por menos do {trae em outra
quaiquer parte, nesta casa o fregaez com pouco
gasto vai sortido para casa e qneot onizer e bom
genero vir aqui qne o Racharo: na roa Direita
n. 73, frente aaiarella.
Vinho do Porto superior em cala de dnzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveka Azeve-
do_& C, no seu escriptorio roa da Cruz n. 1.
Barris vastos.
Vendem-se barris vasios de manteiga a 120 rs.:
na ra da Cadeia do Reclfe n. 53.
Na ra da Cruz o. 38, em casa de Mills Rat-
teau & C, vende-se:
Cha.
Oleo de linhaca.
Folhas deFlandre.
Silins e slhoes ingleees.
Cerveja A.-pinall.
Dita Bass.
Dita John Jeitos A C.
Um piano cora pouco uso.
Bitas haniburue/as.
Veude-sena ra Nova n. 61.
i
ILEG1VEL1


fttarlo de PerMBbve* efwad tolva 8 4e Mato de t 6.
Fefutent-w
machina* anericanaa de serrla para descalcar
algodao : na roa da Seniala ova n. 42.
Atten$io. *
Fazendas pretas para a furesaa jar
por baratistt* prc^a, oa loja e ar
aie*4a Arara, raa a lufcraiiii
n.56.
Ltmrmfo Ptrexra Menees Guimares.
. O proprtetario deste estabelecimento retira-se
para a Europa a tratar de sua saude, porm antes
ite retirar-se pretenda fazer uma liquidaco de ba
haratissimo proejo para fechar coalas : agora fre-
gueie vende-se grosdenaples preto muito boro
para vestidos, a I#600, > e 22500, dito de S pal-
mos de largo, a 35 : na ra da Imperatru loja d
Arara n. 56.
neurantique preto a 3$.
Veode-M meuramique preto$ara veltde a-35 o
covado, grasaaaple mullo largo e encorpadn a i,
25500, 25 e 15600 o covado, alpaca pul para
vestidos e palitos a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de lia para vestidos, cateas e palitos a.
640 e 800 rs. o cavado, la preta para vestidos a
640 rs., bombaxiaa preta para vellidos a 1*280 o
covado : ra da Imperatru toja da Arara n. 56.
Ricos vestidos a Maria Piaa i2#.
Vendera-se ricos vestidos a Maria Pia a 104,
124, 144,164 : ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Arara vende pecas de panninho a B| e de
madaiiolao a 40.
Vendem-se pecas de panninho muilo fino de 12
jardas a 54, vendem-se pecas de madapolao infes-
tado a 44 e 44500, vendem-se pegas de madapolao
de 24 jardas bom a 64, 74, 74500, 84, 94. 104 e
12-5, veniain-se pegas deaigodosinho a 54, 4,
74, e 84 : ra dalmperalriz n. So.
Arara vende os baloes a2500.
Vendem-se baldes de arcos de todos os lmannos
a 24500, .5, 34500 e 44 rea da Imperatriz
n. 56.
Laazinhas da Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se laazinhas para vestidos de sen horas
o meninas a 320, 400 -e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 00 e 560 rs. o covado. cassas
Unas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a 240 rs..o covado.
Vqndem-se chitas de'cres flxas a 240 e 280 rs.,
o corado, ditas francezas linas a 320, 360, 400 e
500, preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova-
do : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Liquidaco de soutambaques e laazinhas a
70, 80 e 100.
Vendem-se soutambaques de laazinhas para se-
nhoras a 74, 84, dita de alpaca branca a 104, ditas
muito linas de grosdeuaple preto a 204. 254 o 304,
capas pretas de grosdeuaple fino a 204,254 304,
manteletes pretos do grosdeuaple a 204 e 224, gu-
linhas para sennora a 240, 320 e 500 rs., mangui-
tos com gola a 14, cammnhas para senhora, 24,
e 34, ditas muito linas bordadas a 44500 : na loja
do barateiro da Boa-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 2^400.
Vendem-se cortes de ditas com 10 covados por
24400, ditos de dita franceza a 34200, cortes de
cassa franceza lina com 11 covados, por 34, ven-
dem-se pecas de cambraia branca lisa a 34500,
44500,54500, 64 e 84: ra da Imperatriz n. 56.
Liquidaco de roupas feitas palitos a 20.
Vendem-se palitos de bnm de cor a 24, 245C0 e
34, jaquetoes de brim pardo a 34 e 34500, palitos
de casimira bem feito a 54, 64, 74,84 e 104, di-
tos de panno preto bom a 85 e 104, ditos sobreca-
sacos de casimira de cor e preta e de panno a 124,
145,165 e 205, calca de brim de cr a 25 e 25500,
ditas brancas de linho a 35500 e 45, ditas de ca-
simira de cor 45,64 e 84, pretas a 55, 65 e 84,
colletes de casimira de cor e preto, de brim de cor
a 14500, brancos a 24 e -20oi0, ceroulas feitas a
14280, ditas Anas a 14600 e 25, camisas france-
zas a 24 e 24500, ditas inglezas de pregas largas a
35, de linho a 35 e 34500, colerinhos econmicos
a (540 rs.a duzia, ditos de liaho a 500 rs, ura : na
ra da Imperatriz loja da Ama n. 56.
Arara veade as cobertas a 20.
Vendem-se roberas de chita finas a 25 e 25500,
ditas de damasco a 44 : ra da Imperatriz n, 56.
E' na Arara que.-e vende cortes de casimira
preta a 30.
yendem-se cortes de casimira preta para calca a
35, 34500, 44500, 5 e 84, ditos de cr a 35,
45500 e 6J : ra da Imperatriz n. 56. .
Oom toda attenc&o.
O propuata/io da loja e armazem da Arara, est
resolvido a vender as fazendas de todas as quali-
'dfedes por barato prego aRm de sb apurar flinheire
Madapoo fino.
Vende-se.jDadapt)lao com 24 jardas n. 3 a 55,
n. 30 a.65, n. 2 a 75, n. 40 a 75400, n. 6 a 84,
l~E
9 vela
dtoJtakumma-
bpaHM, mviaa anra < sMos, tanto de amdri-
nhm iimn do .liitrin, coiu n loi- imito Ijuiiiti:,
AflUlirftm BY 1 P6'0 naratsslrao preco de 24D rs. 0 covado ; ditos
As DechiMbaa menti a w ,. JZT^ "TWtmfrtM de nda, parjrfjw ararlo baottos, a
ma 4 Silva, onda se vendem todas as fazendas, ""*"" "E"^J"*
tanto de laxo como de primeira iwcessidade por ,,,. mTwm. ,
jaSYtoT^nrcsm SfSoritDR'd, ErephanTe': Pre?os mullo rasoaveis.e com especialidade a so- r^^^t^^J^J^: ^
iitta,EZM4:radaIraBoratriz n 58, loja de ""^daudo-se amontasauando flaar penhor, WZtrt iKJ* Pe!I,?."?,m,90?,Pr*> *
Ifcmiini Tiim ni un ou maodao-sft levar em casa das familias naln* *> seiir ua
Admireni .
Adairem
eaGu^Bdes iumando-se levar em casa das familias pelos **' "u*g Qaa, ora fazenda toda de raa, pro-
Aim^-endo^iBSllMS aMSOO o co- c'" ~ *, jtr $H&^ZZET.'lg3fc
vd, *. ;,it 1 > UsBS Lrsassi!!; ESS^JEnL-t ssssk "A*u**' "^
de' MeadesGumiaraes. J '*re 'com v,nle **?" s*. P*">fha ^ ser
(V>rtP< Hp fhii a <*&\r\ fazenda que se vende em outra oualquer parte
,Y? Hm'StC2r.cLde c^* coai WOT*,S a i. 60 de Gama 4 Sil va.
*aMJ,.aiios a 24hOU, vndese tambem chitas in- HadannMa enfesinln J^ AlJM\ KAf
glezas a 210 e 280 o covado, ditas francezas a 280.' *#.< **.
Vende se sapertorgrosdenaplm cor de caf,Dro-
prio para vtJMtde, ed*- muito eamrpade, a-taSOO
o covado : aa Iqja do PaUo, rni da Imperaiciz u.
60, da Gama & Silva.
Casero;ras a igftOO.
m.IAi ?BCnBTAES
DR. AYER.
NiJo ha necessidade mais ge-
ral em todos os paizes do que a
de um purgante qoo seja ao
mesmo terapo innocente, efficaz
e digno de toda a confianca.
As pilulas que ora offerece-
mos ao publico preenebem estas
condices; pois pdem ser to-
madas pelas pessoasmais Iracas
sem perigo algum, uo tendo em
sua com psito mercurio nem
outro ingrediente nocivo sau-
de, mas sendo composto de a-
vegetaes mui fortes, sao bastante
300,320, MOeMok o covado Tirara de' .J6^60'? ILe?M-de n,allap0toJe,,fVtofev^^, nhl^f01'" case-inm ar'aldina1s( ,de i"**' efficientfls e activas para purificar os corpos
Meadeworii ae 12jardas pelo.barassimo preso de 44, 44500 e nhos e lizas, proprias para calcas,palitos e coleles,' ma:. rnhlie,n(, 1- r
Vinhos do Porto finos
engarrafados embarris ean-
coretas:
Lagrimas do Douro.
Duque do Porto.
D. Ulz,
Meoezes.
Particular.
Vinho real e mtuealel: na rea do Vigario n.
19, pnmeiro andar.
Na ra do Queimado n. 19 vende-fe urna
machina americana para fcscarocar aigiwlao, de
20 serras, por menos preco do que'em outra oual-
quer parle.
wp
ESCHAVQS FHHUCS.
Liquidaco de soulembarquesde cores
a 65, ?5,85 e i04,dibs pretos a 184, 195, 204
e 234, capas pretas de grosdenaple a 204, 254 e
305, manteletes a 185, 205, 225 : ua ra da Im-
peratriz n. 56, de Menes Guimaries.
Cortes dfi cambraia de cores a 30.
Vendem-se cortes de cambraia de cores com 7
varas por 34, cambraia branca a 34500, 44,
45500,55, C4 e 84 a pega, alpacas de cores a 320
o covado. cambraia de cores a 320, 360, 400 e
440 o covado, laazinhas muito finas lisas a 400,
500 e 560 o covado, lengos de linho a 400, 500,
640 e 800 cada um, aberturas de esquio de linho
finas a 15 cada urna : isto so na loja e armazem
da Arara, de Mendes Guimares.
Vende-se chales de merino liso a 40500,
ditos estampados a 5&500,65 e 74, gol lio has para
senhora a 320, 400 e 500 rs. cada urna, golas e
puonos a 800, manguitos e gola a 14 cada urna,
camisiobas para senhora a 24 e 44, ditas muito
finas bordadas com gravalinhas a 44500 e 54,
meias de seda para senhera a 15500 o par, vea-
de-se panratio com 12 jardas a 54, peca de mada-
polao enfestado a 44, 44500 : s Arara n. 56, loja
de Mendes Guimares.
Ricos cortes a Maria Pia.
Vendem-se os mais bonitos cortes a Maria Pa a
84, 104, 124, 145 e 165, ditos muito finos a 185:
na ra da Imperatriz n. 56, loja de Mendes Gui-
mares.
Cortes de casemira finas
Vendem-se cortes de casemira de cores a 35,
35500, 45, 55 e 75, casemira para covados a
15600, 45800, 25240 e 35, ditas de mais qualida-
des finas a 35200 o covado, cortes de ganga de
cor a 15600 e 15800,gangas para covados a 400,
500 e 560, brirazinhos a 280 o covado, brim pardo
a 720, 800, 900,15,14200 a vara, brim branco de
linho al42u0,15400,14500,15800 e 24 a vara,
camisas francezas para hornero a 25, 24240 e
h4500, ditas de pregas largas de linho a 25500,
25800 e 35 cada urna-
Grande sortimento de roupas feilas de to-
das asqualidades,
Vendem-se paletots de brim de cores a 25, ja-
queloes a 35 e 35500, paletots de casemira a 55,
64, 74,84 e 105, ditos de panno preto a 55500,
ditos a 65, ditos finos a 84 e 104, ditos sobreca-
'-aros panno preto a 124, ditos de cor a 144, di-
tos pretos a 164 o 204, ditos muito finos a 254,
caigas de brim branco de linho a 35 o 35500, di-
tas de algodio a 24, ditas de ganga a 24500 e
25600, 1580, cobertas de chita a 24, ditas muito
finas a 25500, ditas adamascadas a 45, princeza
preta de cordo a 800 o covado. dita de lislrinhas
a 15 o covado, moreanl'que preto a 35 o covado,
grosdenaple preto a 25500, 25200, 25, 15800 e
15600 o covado, chapeos de sdl de seda para ho-
rnero a 75 e 85, cassas pretas a 300 rs. o covado,
chitas pretas a340e 280 o covado, ditas francezas
a 320 e 360 o covado : isto na loja e armazem da
Arara ra da Imperatrie n. 56, sq Arara mais nin-
guem, de Mendes Guimares.
54, ditas sem serem enfestados demarcas muito pelo Irarato pr^o de-ljo^octmdo, assim eomoi 'S,IUU ., ._ do, scji barba, peruas comanda?, cor clara
acreditadas a 75, 84, 94, e 104, ditas, francez cateas, palitos e coleles Ji#eitos*ds mesmw : na kStas pilulas exploram e purincam toda bellos cacheados, oflkial de pdreiro Din
' a llnelo do canal alimenticio, e do vigor -
multo encornado proprios para saias a 480 ris a, loja do Pasao, ra da Imperatriz o. 60, de G
vara, isto na loja do Pavo raa da Imperatriz n. Silva.
60 de Gama & Silva.
Grande pcchiuea.
Chitas a 220 ris o covado.
Ou 74600 a pe?a s' o Pavo.
&
Grande sortiineiiiojle rouea feita,
Vende-se na leja do Basan um grande saenmen-
to de roupas feitas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditos saceos, ditos de casemi-,
Vendem-se chitas ingtecas oe superior qnalida- ra, saceos e sooMoancos, dito de-bnm branco e eaoefa nervosa, enxaqueca, pnso do ven-
de, afiancando-se as cores serem fias, com moita de cores ditos de asiaeta, ca^aa de casemira pro- ir, kemorrhoidas, molestias do fiqadot fe-
diversidade de padroes, pelo haratissimo preco de ta de todas as quaJidades, ditas de cor, ditas el.hm* aatAra-henatira p toda* a 220 rs. o covado, ou 75600 a pega tendo 3co- brim de linho branco e de todas as cores, coletes: l ?0i^' Ai2 2 *, '
vados, sendo fazenda esta que sempre se venden a de brim.casemirM, setrm. gorguro, etc., etc., lo- i ** ?e teem sua ortgem no entorpeci-
280 rs. o covado eu 10$ a peca, ahitas largas a' das testas aras vendem-se per prec
280, 320e 360 rs, na teto do Pavo, ruada Iuipe
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortes de chita franceza na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita franceza, cores flxas
com 10 covados a 35, ditos com 11 covados a
3430O, ditos com 12 cova*n a 34600, ditos de chi-
ta iogleza a 24200,25400 e 29600, isto ua loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cassas Francezas a 300, 320 e 360 na laja do
Pavo.
Vendem-se cassas francezas muito finas, de co-
res flaas pelos baratos precos de 300,320 e 360 rs.
o covado, pecas de cambraia cora salpicos de cor
tendo 8 t|2 varas a 44, ditas sal pieos brancos a
a 25500 e 34, ditas adamascadas para cortinadas
a 44, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Corles a Maria Pia.
Grande pechincha a55000 e 641000.
Vendem-se os mais bonitos cortes para vestidos,
sendo de cambraia branca ceta.as barras e eafeites
bordados, de cr cros, pelo haratissimo prego
de 54, ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
pelo haratissimo prego de 65 cada um, valendo
esta fazenda dobrado dinheiro por ser a mais mo-
derna que tem viudo ao aereado, isto na loja do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Grande pechincha a S^OOO.
Vestidos de la a Maria Pia.
Vende-se um bonito sortimento de vestidos de
la com barras bordadas Maria Pia com as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo haratissimo
prego de 85 cada um, pechincha por ser fazenda
que sempre se vendeu a 125, e por ter chegado
urna nova e grande porge, resolveraopse a fazer
este grande abatiraento na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Vestidos IJrances.
per prego mais barato meato do ligado que causa a escassez da
do que em outra qualquer parte : na loja do Pa|.bt8 Ba inflammace d'este Org5o que pro-
vo, ra da Impecalriz n. 60, deflaraa & Silva +M erramamento da 'bilis no estomago ou
C lales e maatiUles tle rmda Um om desarranjo geral des orgaos diges-
Fugio o mulato escravo de nome Luiz co-
nhecido por Luiz Mimteiro, idade 28 annos, pouco
mais ou menos, bastante alto, secco, bem pareci-
ia-
caiador, canhoto, e o maior signal q;i"I em
urna estrella as costos dasmos, tres pintas azues
formando um triangulo em cada lado do rotlo. e
urna grande cicatriz em nm dos brng s cima dn
sangradouro, escravo do major Antonio da Silva
Um remedio ineslimavel contra dor de Gusmao, morador na roa Augusta n. 99 : portanto
roga-se as autoridades poliriaes e aos capia-s de
campo, as-ira como aas tenhores de engenho e
proprietarios aonde eHe for trabalhar, intiluUndo-
se forro, tonto nesta provincia como ri delta.
que o faga prender eremetter ao sobredito senor,
que pagar todas as >spezas, asslm como a qnem
o eonduzir.
a todas as partes do organismo, corrigindo
sua ac$ao viciada e fazeudo recuperar sua
vi
N0VID4DE
A i^OOO e a#000
Na'ra da Cadeia do Recife n. 5, loja de min-
dezas de bom gosto, vendem-se leques de osso a
15, e de madreperola a 25, chegados pelo vapor
inglez. ________. ___________
Vende-se o estabeleciraento da ra Nova n-
58, ou mesmo s a armago, garantindo-seao com-
prador o aluguel: Irata-se na ra da Senzala Nova
numero 30.
Vendem-se os mais ric is e atis modernas cha-
les e manteletes de randa, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego muito razoavel : na loja
do Psvao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Sirva.
Soutembcurques de cor
Vendn9e os*mata moderaos soatembanruesNle
cor, rieamante enfeitados, e por barato prego : na- tos.
loja do Pa vio, ra da Imperatriz n. 60, da Gana a
Silva.
rapas arelas c souleibarques.
Ven de ib-se as mais modernas capas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e
manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
gosto no mercado, por precos maito em coala :
na loja do Patrio, ra da Imperatriz n, 60, da Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabeca.
Vendem-se os mais lindos enfeites para catega,
a 35, 45, 55 e 65, os melhores baldes crenolinas :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Francisco Jos Germano
IA \OVA X. 21,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
cortes de vestidas de de oculos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
tivos.
A ictericia
preduzida pela absorpeo da lilis no
Itenc

No da 4 de Janeiro do annode 1864, fugio do ec-
genho Cdbcetgao, comarca de Pc-d'Alho, o escra
Mgue, daado S pello e aos oUjos urna cor: y0 Gaidro, peVtencenl7ao"abaixo" JgMdo."^
amareitenta ; nao e somenle dolorosa por os signaes seguintes idade 26 annosf pardo, i laro,
si, pormeonduz aos mais serios soffrimen-! corpo, figura e altura regulares, cabellos mf irs ra-
' rapinhados, olhos paros, sobranrelhas e pa!j ebras
Para cura-la Inrm-sp (1p 1 5 nilnbs in salieDte!> ,?n?,em cada brK um D ^ SaJeinao,
van cara-ia toma-se ae 1 a a pimas 10-, seaao am Aeties ma| feit0[ e jBDl0 a Cte un.a {
das as mannaas, isto e bastante para mover-. tem na cabega urna cicatriz de urna polepada, e em
0 vcatre rnente al que se recupere a ac-.cima de um quarto uma outra cicatriz de tres po-
ro sla do svstema / I*gada, proveniente e pauta de pao e queda, tem
~i Jn Lnit tBhra___ t -^.--- sobre as costas algumas marcas ou ricatri?cs de re-
la/ io pjado, febre gastro-hepatica,; lhadas ou chjcole. um fouco desembaracade nuan-
iiarrhea biliosa, tndigeslo, a nevralgia do falla, tem principio dc\carpioa e rantiro, lora
ou tic douleureux, sao todas molestias que viola e barbado. Fei soldado do corpo de polica uo
tem mu comeco n'um desarranjo da bilis. 5BC'?A\'h,*0? cmsig0 ^aixa (i-nlh,eor se-fUDte:
1 u al A.,t An *,;# Secgao urbana, 2' companhia n. 50, Antonio Catta-
A Observagao dos ductOS da bilis faz esta no e Oliveira/lho de Agosnho Ferreira de Brt
TOlver ao saDgue, com que Circula depois to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos rata-
Mi todo 0 COrpO 6 Causa estragos desas- P'nhos, olhos pardos, offlcio nenhum, estado fclt<-i-
troaos 4 saude e produz uma serie innu-; % Z^"^"r^w
meraTel de males. ment, em 17 de fevereiro de 1862, por cfl1.-io.do
Todos estes incommodOS Sao curados com Exm. Sr. presidente da provincia, data o de 28.de
as plalas do Dr. Ayer. abril do rorrente, e publicado ao corpo em ordem
BjmnnTiai minuciosas aromnanham carli do dia ** de maio, tudo ero 1862; leve bailado
un-eceoes minuciosas aeompannam caaa servigo por lpr dado em %u ,ngar 0 pa|faiJ0 Jo)0
frasco. Pedro Ferreira da Rocha. Foi escravo do rapito
Vende-se na pharmacia franceza de Man- -loao de Dos Barros, morador que foi na comarca
Vendem-se os mais ricos
cambraia branca primorosamente bordados, pelo | apurado gosto da Europa,
barato prego de 125- 16$ e 20j na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Laa aribaldina a 400 ris,
Vendem-se as mais modernas laazinhas transpa-
rentes, com listrinhas mluilinhas, pelo haratissimo
prego de 400 rs. o covado, ditos enfestadas, cor de
havana, cora listras differentes, sendo das mais mo-
dernas e muito encorpadasa500 rs. o covado: na
lja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
raadle pechincha, vestidos a
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muilo proprios para
passeios e bailes, por serem de primoroso* dese-
nlias," sendo lodos os padroes tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo haratissimo prego de 35500,
sendo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na j
loja do Pavo, ra da Imperatriz u. 60, de Gama &
Silva.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contribue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a forga, a belleza e aconservago dos cabel-
los.
Em Pars casa de Guilaur n. 112 ra de Rechi-
nen e 21 boulevard Montraartre.
Todos os frascos nao tendo intacto e clare, e Un-
cir prateado da casa. reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38.
rer 4 C, ra Nova n. 18.
AGErs'ClA CENTRAL
15 Rua Dircita 15
RIO DE JANEIRO.
Vende-se em Pasnatabuco:
na pharmacia franceza de
P.MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
'Uma familia que se retira vende uma mobilia
de amarello ja usada, trem de cosinha, longa de
almogo e jamar azul, uma mesa de jantar de ama-
rello ps tomiados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e muites outros objectos o que tudo
se vender em conta : na rua dos Pires n. 62.
machinas de serrotes para
algodo
Chegaram as desejadas machinas de serrotes pa-
ca escarocar algodio, havendo um completo sor-
timento desde 13 at 40 serrotes, tambem ha mo-
tores americanos para as mesmas machinas ven- crreme anno e consta estar acornado nesta cidade
dem-sejHnals barato possivel : na rua da Cadeia ; 0 moleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
; do Brejo da Madre de Dos, e hnje mcrador ra
: CampiDa Grande da Parahvba do Norte, qne o vea-
i deu em dias do mez de novembro de 1863 ao abat-
xo assignado, pelo costume de andar fgido c a ti-
tulo de forro cora o nome mudado ; pelo que ropa-
; se a attengao das autoridades civis e militares, nao
; s desta provincia como das demais do imperio, a
| apprehenslo do dito escravo, que a titulo de forro,
nao tenha sido recrutado ou assentado praga me
alguns dos corpos de Voluntarios da Patria* tan-
bera pede se aos capitaes de campo e pes^oas par-
ticulares a mesma apprehensao, e Ieva-!o ao seu
senhor no referido engenho Conceigao, ou nefta ci-
dade ao capitao Mauricio Francisco de Lima rua
do Brum n. 56, que ser gratificado com 2005.
________Jos Maria dos Santos Cava'canti.
Fugio em principios dolmez de fevereiro do
do Recife o. 56 A, loja de ferragens
los Bastos Oliveira.
' C"jJ[>naudo_ Alfonso de Mello, de 12 annos de idade pou-
ao mais ou menos, cor preta, secco do corpo, olhos
PROPRIO PAR ^ SENHORA.
~ regulares e afumagados, cabega um pouco gratula
i e meia chata, beigos finos, denles bem alvo.--, ps
Vende-se um excellente cavallo muito no-! seceos e muito ladino : roga-se por lamoa todas as
V0 6 manso Com todos OS andares : na C0-, autoridades policiaes e capiles de campo que o ap-
cheira do Paulino, rua de Santo Amaro. prehendam e le\em-o a rua da Manpueira sobrado
------j-;---------------------------.-------. 'n. b que serao gratificados, protestndose usafdos
Vende-se a taberna da rua dos Agouguinhos meos judiciaes contra qualquer pessoa que o lenba
n. 20 : a tratar na mesma. em seu poder.
DOS PREMIOS DA O. PARTE DA
3!
a:
LISTA GERAL.
a
LOTERA, A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 537 DE 21 DE JULHO DE 1862, PARA PAGAMENTO DE DESPEZAS J FEIT\S COM O
TRATAMENTO DE ENFERMOS POBRES RE.METTIDOS PELA POLICA, EXTRAHIDA EM 6 DE MAIO DE 1865. '

84
W
95
96
105
65
fvS. PREMS.
2 65
7
10
12
II
19
24
25
26
26
44
45
48
55
56
57
62
64
63
68
72
73
74/
76
78
105
65
105
65
NS. PREMS.
205
6*
I
102 t.
5
! f__
12
13
16 405
i? M
18
19
20
23 | -
24 1 -
27
29
30
32
33
34 201
37 Gft
38
44
52
6
205
65
153
54
57
58
59
61
62
63
66
69
72
73
74
76
77
79
81
84
87
88
93
96
97
98
,201
9
10
11
12
16
20
24
29
39
45
47
49
52
85
56
59
61
62
73
76
77
78
79
81
82
83
86
91
99
300
205
1005
65
105
65
105
65
10*
.65
NS. PREMS.
302 65
3
9
11
19
21
22
23
25
28
'29
30
31
33
36
37
45
47
52
53
54
56
59
60
'62
66
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
79
81
84
88
90
91
96
401
4
5
6
9
10
11
44
Vi
27
31
105
5
205
65
*)5
105
NS. PREMS.
436 -, 65
43
46 -
51
5?.
56
60
62
65
66
68
77
82
83
95
516
18
21
33
38
41
46
48
51
83
60
61
64
63
71
73
.74
77
78
80
82
83
89
90
91
92
96
97
600
1
2
4
5
9
10
15
16
17
19
20
105
NS.
627
30
38
40
48
50
53
56
57
61
62
64
80
83
8a
86
88
90
92
94
95
96
701
^8
12
18
19
23
25
26
31
33
39
42
49
81
82
57
89
64
68
69
70
72
73
74
81
85
87
90
95
96
06
800
6
PREMS. NS. PREMS.
65
1005
65
1005
65
1005
105
65
817
18
22
24
25
38
61
52
53
55
56
64
72
78
79
83
86
88
93
95
901
3
7
8
9
13
15
20
27
29
42
43
44
48
49
86
60
62
66
68
69
JO
73
77
80
81
85
87 6:0005
89 65
92
1000
5
12
14
16
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.INS. PREMS. NS. PREMS. NS.
205
65
m
65]
1023
24
25
27
32
34
38
43
44
48 '
52
54
55
56
57
58
61
63
65
68
70
72
74
76
79
80
82
84
87
89
91
96
99
1103
8
a /
18
21
22
26
28
29
38
39
40
41
48
56
58
61
65
69
7J
73
70
2005
1180
83
88
'90
91
96
97
1200
7
8
9
13
23
32
34
36
37
39
42
49
52
53
89
61
63
67
68
71
79
81
83
87-
88
93
98
99
1304
12
13
14
16
26
37
46
48
51
87
59
62
64
67
70
74
Si
82
105
65
105
205
65
1385
92
95
1404
12
20
22
26
27
30
31
35
37
41
44
47
49
51
64
67
9
74
76
84
85
86
87
89
92
94
98
1500
3
4
5
6
18
22
23
30
32
38
39
46
49
53
57
58
02
64
67
73
77
78
82
65
65
105
405
65
105
1585
86
91
96
1601
5
6
7'
9
16
21
30
34
39
41
42
44
48
50
51
57
2
66
68
72
73
77
84
89
92
96
97
99
1700
1
2
3
6
7
13
15
16
19
23
25
30
32
33
34
36
40
45
49
52
53
65
5005
65
105
105
41
1754
56
57
60
62
63-
65
70
71
73
75
76
82
83
85
92
93
97
1800
10
12
16
20
22
28
34
38
41
42
46
49
81
53
W
60
1
62
64
65
70
71
72
73
74
Z7
78
87
88
0
91
92
93
97
98
m
105
( -
1900
1
2
4
7
11
15
16
17
20
21
26
32
33
34
41
y
44
45
52
54
55
57
60
61
62
64
66
67
69
71
73
74
85
96
97
_JJ06
8
65
105
5
105
5
105
6*
405
105
12
f3
16
21
26
27
28
30
31
34
37
28
44
45
,43
51
56-
65
105
65
205
6
205
5
<*
2057
60
66
67
73
75
78
79
82
86
87
88
93
94
98
96
97
2100
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
16
28
29
34
36
37
41
42
50
51
53
36
58
64
67
75
76
80
85
87
90
.94
PREMS.
65
105
2052202
3
4
7.
105
65
40
205
33
34
35
36
48
50
36
57
59
60
61
64
65
68
70
71
84
85
SO
91
92
33
2301
5
13
14
0
17
18
13
14
25
31
35
36
38
40
44
48
49
53
4
59
61
64
78
-81
6
1:4005
65
205
J
105
105
65
96
2404
5
6
12
19
22
24
26
28
29
31
34
35
40
42
50
53
54
59
60
64
65
66
67
77
78
85
89
93
96
97
.98
2300
8
13
f6
20
65
205
105
65
25
28
29
36
37
42
43
45
48
-. Si
- 55
105
65
2556
60
61
63
71
72
73
77
82
83
84
85
88
89
90
92
2600
2
8
9
H
21
24
30
31
33
34
42
47
56
89
62
64
68
73
75
85
91
92
93
96
97
98
2701
2
6
9
13
17
18
22
23
28
32
33
65 2735
37
NS. PREMS.|NS. PREMS. NS. PREMS.|NS. PREMS.;NS.
2211 65 2387
14 91
15 92 61 105
17 93 63 65
20
22
105
65
1005
65
105
65
105
65
38
40
y
44
45
46
47
48
51
54
59
61
65
70
"72
74
77
79-
81
84
88
92
93
94
95
96
2801
5
7
9
20
26
27
31
32
38
39
40
56
59
63
67
73
79
88
93
94
95
96
97
99
2903
4
65
65
2905
7
13
18
19
21
22
PREMS.
65
205
65
105
65
204
105
65
28
30
33
34
37
40
44
55
57
58
61
67
68
72
74
76
TO
90
91
93
94
96
3002
3
4
5
9
18
28
30
32
44
45
49
51
56
58
61
2
64
69
75
76
79
80
84
87
205
65
105
405
65
105
65
105
65
405
65
35
0
43
48
53
54
61
62
67
68
71
72
79
8*
85
87
90
NS.^REMS. NS.
3090
93
9o'
98
3100
2
5
7
15
17
36
37
42
44
45
46
49
50
58
62
64
81
66
89
94
95
3203
5
8
11
13
18
49
20
24
29
32
34
3291
96
3301
5
7
12
13
14
15
18
22
25
32
45
50
52
55
61
65
68
71
72
74
76
78
83
84
95
97
98
3403
12
17
21
22
24
-4 27
31
PREMS.
05

65
105
6*
105
105
65
405
37
40
45
46
47
IB
57
61
66
69
74
77

90
98
3500
(35
405
105
5
5
20*.

1

O escrMo, Jos Pedro das Heves.
Pern.Typ. de M. F. de Faria'.Filho.im.
J&
aa. ..



Diarlo de rerna
: -..- ......, ,~ -
Seada fcira 8 de Halo de 1SS
LTTERATORA.
u.ii:rloo
(Cr.ntinuaco do conscripto de 1813.)
pon.
ERCICMANN CHATRIAN
I'HI.MEIP.A PAUTE.
vui
(Continuago)
-Chegou etnfim o duque no 1. deoutubro
fc seis huras da tarde. J se davam tiros
de .pega e anda elle eslava na encosta de
Gerberhoff. Apeou na Cidade de Melz
sem passar debaixo do arco de Iriumpto.
A praga eslava alu I hada de officiaesem gran-
de u -ifornie, e de todas as janellas se er-
guiara gritos de viva o rei 1 viva o duque
de Berry como no lempo de Napoleo
se grtava Viva o imperador!
A praga estara lo cheia de gente que o
r. Goulden, Calharina e eu nao podemos
approxiraar-nos do principe, e s vimos
como desfilavam os carros e os hussares.
Ua piquete, do ladodanossa casa, fechava
i estrada.
N'essa mesan noute o duq:e recebeu o
corpo de olliciaes; dignou-se acceitar um
jantar que lhe offereceram os olliciaes do 6.,
mas nao convidou sonao o coronel Zaepfel.
Depois do janlar, que durou at as dez ho-
ras, os principaes da cidade deram-lhe um
baile nocoltgio. Todos os oflioiaes, todos
os amigos dos Borbes, de casaca preta,
calcan e meia de seda branca, assistiram a
elle com o principe.
Eia grande o numero de filhas das melho-
res familias que concorreram, vestidas de
braceo.
Parece-me ouvir ainda, no meio do silen-
cio da uoule, os cavallos do cortejo que pa-
savam e os mil gritos de Viva o rei I Viva
0 duque de Berry!
Todas as janellas estavam Iluminadas.
Defronto das do commandaue da praca na-
sa um grande escudo de armas auil-celeste
cm que brilhavam na sombra a coroa e as
tres flores de lis do ouro. O salao do col-
legio retia com a msica do regiment. A
senbora Bremer, que tinha urna bellissima
voz, havia de canlar ao principe a aria de
Viva Henrique IV. Mas toda a cidade
soube no da seguinte que tinha licado como
fasi inada com a vista do principe, e por is-
so nao podra dizer nem unta palavra. E
todos dzeiu ;
Pobre Felicidade Bremer!
O baile durou toda a uoule. Havia j
mullo lempo que dormamos quando, pelas
(..neo boras da manla, a passagem dos hus-
sares e os gritos Viva o duque de Berry
nos acordaran. Sempre preciso que os
principes tenham urna sade de ferro para
poderem ir a todos esses bailes, a todos
esses jantares que lhe offerecem por toda a
parte.
Devc ser para elles um grande aborrimen-
1 i, principalmente com o correr do-lempo,
;.ando Ibes chamain; Sua magestade sua
alteza sua exccllencia! sua bondade sua
justica! emlim tudo o que se pode inve .-
lar extraordinario e novo para se Ibes fazer
i rer que sao adorados e tidos na conta de
densos. Se elles por im chegam a despre-
>ar os bomens, n3o ha n'isso q e admirar;
se usfizessim omesmo.tambem chegariamos
.; uer que eramos guias ao p de par-
daes.
Em tim, o qua acabo de contar a verda-
de exacta ; nem maisnem menos.
No da seguinte, eomegou de novo a mes-
ma cousa, por assim dizer, com enthusiasmo
novo.
O lempo nao poda estar mais bonito .
mas como o principe tinha dormido pouco,-
como se tinha enfastiado de ver aquellos pe-
queos burguezes que debalde queriam imi-
tar a corle, e tambem como achava tal vez
que ainda eram poucas as honras que lhe
faziam e que eram poucos os clamores de
Vi\a o rei! viva o duque de Berry! por
que os soldados nao correspondiam a es-
sas aeclamaces, estava elle de muito man
humor.
N'esse da vio muiio vontade durante a
revista que foi passada na praca; nos, o Sr.
Goulden, Calharina e eu, estavamos em
casa do negociante de couros, Wittmann,
no primeiro andar : e durante a bencao da
bandeira e o Te Deum na egreja, tambem
o vimos porque tinhamos o quarto banco
defronle do coro. Muita gente dizia que elle
se pareca com Napoleo, mas isso era falso;
era um rapazola baixo e grosso, pollido de
Miga, e nao tinha nada da viveza do impe-
rador.
Durante todo o ceremonial nao fez mais
do que bocejar, e balancear-se lentamente
as ilhargas como um pndulo. Eu digo o
que vi com os meus olhos, e isto moslra
quanto a gente cga que quer acbar seme-
Ihangas em tudo.
as revistas tambem me lembra q :e o
imperador andava a cavallo e que com um
laucar de olhos percebia se tudo estava em
ordem, e o duque chegou-se #fileiras a p,
e at por duas" ou tres vezes reprehendeu
soldados velhos medindo-os de alto a baixo.
Isto foi o peor. Elle tinha medido Zebedeu
com os olhos e Zeb deu nunca lh'o pode
perdoar.
Mas urna cousa mais grave foi a distribui-
go das condecoracoes e das flores de lis.
Se eu disser que todos o* maiores, adjuntos,
conselheiros das Barracas de Cima, das Bar-
racas do Bois de Chenes, do Holderloch e de
Hirschland receberam a flor de lis porque
estavam testa das snas aldeias, e que Pina-
ele, por ser o primeiro que chegou com a
msica de Waldteuel que tocava o hymno
de Viva Henrique IV, e com cinco ou
seis bandeiras brancas maiores do que as
dos outros. recebeu a cruz de honra, com-
prehender-se-ha o que pensavam os bo-
mens de juizo. Foi um verdadeiro escn-
dalo.
De tarde, pelas quatro horas, o principe
partiu para Strasburgo, acompanhado por
todos os realistas d'aquelle-; sitios, a cavallo,
uns em bons cavallos, outros, como Pinacle,
em sendeiros. Tinba-se preparado o jantar
na encosta de Saverne.
Urna cousa de que ainda se lembram todos
os de Phalsburgo que sao d'esse tempo,
que o principe j estav^ no sen carro,
e ia-se retirando devagar, quando um offi-
cial emigrado, de cabeca descoberta e de
uniforme, deitou correr atraz, gritando
com voz lamentosa que se ouviu em toda a
praca:
P3o, meu principe I um pouco de pSo
para meus filhos I
Isto envergonhon muila gente que tratou
de se retirar.
Nos entramos em casa silenciosos. O Sr.
Goulden pareca meditabundo quando chegou
a tia Gredel.
Ento, Sr.* Gredel, est contente ?
s E pelo que ?
Pinacle est condecorado...
Ella fez-se verde, e assentou-se, dizendo
ao cabo deum minnto:
E' a maior maroteira que pode haver.
Mas se o principe soubesse o que vale Pina-
cle, Sr. Goulden. em lugar de o condecorar,
mandava-o enforcar.
E' ah exactamente que est o mal,
'respondeu o Sr. Goulden. Esta gente faz
muitas cousas assim sem saber o que faz,
e quando chegarem a conhecer o erro, tal-
, vez j seja muito tarde.
IX
Foi assim que o senlior duque de Berry
visitou os districlos de leste. Chegava Ion-
ge o som das suas palavras mais triviaes, e
uns celebravam as suas gracas infinitas, ou-
tros calavam-se.
Desde ento veio-me mais de urna vez
idea que todos esses emigrados, todos esses
officiaes a meio sold, todos esses pregado-
res com as suas procisses e penitencias,
baviam de desconcertar ludo ; e algum lem-
po depois, entrada do invern, soubemos
que nao era s entre nos, mas at no mais
remoto da Alsacia, que as cousas iam por
mu caminho.
Urna manha que o Sr. Goulden e eu es-
lavamos a trabalhar, das onze horas para o
meio dia, pensando cada um a seu modo,
e que Catharina punha a mesa, sah para la-
var as mos na bomba, o que costumava
fazer sempre antes de jantar. Urna veiha,
no fundo da escada, limpava os ps ao es-
teiro. sacuda as saias coberlas de lama,
e tinha na mo um pu e pendente do braco
um grande rosario. Eu olhiva para ella de
cima quando ella comegou a subir Conheci
que era a peregrina de Santo Wilt, de o'hos
pequeninos e franzidos, nariz redondo, fa-
! ees gordas, rosadas e salientes, e bocea cer-
cada de rugas sem numero.
Essa pobre velha trazia-nos muilas vezes
relogios para concertar para as pessoas
devotas que tinha na confianca n'ella, e a
sua presenca alegrava sempre o Sr. Goul-
den.
0! Anna Mara, dizia elle, v l urna
pitada. Como vae o senhor abbade de tal ?
como est o senhor vigario de tal? Sempre
a mesma cara, nao ? E o velhote do sacristo
Niclausse ?' Ainda elle que toca os sinos
em Dann, em Hirschland e em S. Joo ? J
se vae fazendo bem velbo, o pobre sineiro!
E o Sr. Jacob, com vae !
Ai, Sr. Goulden, o Sr. Jacob vae an-
dando bom, gragas a Deus; mas, coitado, a
morle da menina Christina na semana pas-
sada I...
Como! que diz? pois Christina...
E' verdade, verdade.
Que desgraca!... Mas emfim, nos so-
mos todos mortaes.
. E' isso, Sr. Goulden; e depois,
quando se tcm a fortuna de receber as con-
solagoes da igreja ..
De cerlo, de certo. E'. o principal !
Al est como elles conversaran), e o Sr.
! Goulden ria l por dentro, porque bem sa-
bia ludo o que se passava a seis leguas em
' redor. De lempos a tempos deitava-me um
' c-iar malicioso. Eu tinha visto isso cem
vezes desde que fra aprendiz; mas com-
prehende-se quanto oSr. Goulden devia ser
ainda mais curioso n'esse dia de saber o que
ia por fra.
Ola, Anna Mara, dis e elle; ha quan
lo tempo que ninguem ave!
Ha tres mezes, Sr. Gouiden, ha tres
mezes; tenho ido era romaria a Santo Witl,
a Santa Odile, a Marenthal, a Hazlach, e li-
nha promessas a cumprir para todos os san-
tos da Alsacia, da Lorena e dos Vosges.
Emfim estou quasi livre de ludo; s me
falta S. Quirno.
Bem, bem! eslimo que lhe corram
bem as cousas. Assente-se, Anna Maria,
assente-se.
Eu vil nos olhos do Sr. Goulden qu.nto
elle estava contente por fazer que a velha
dsse a lingua. Mas Anna Maria parece que
tinha mais que fazer.
Ai, Sr. Goulden. boje nao posso, dis-
se ella; tenho mais onde ir. Eslo a minha
espera a tia Evig, Gaspar Bosenkranz e Ja-
cob Heilig. E tambem tenho de ir ainda a
S. Quirino boje de tardo. S enlrei para
lhe dizer que o relogio de Dosenheim nao
regula, e que preciso l ir.
Ora adeus, adeus Demore-se um ins-
tante.
Nada, nada, nao posso. Acredite que
sinto muito, Sr. Goulden, mas tenho de aca-
bar o meu giro.
J tinha pegado na sua trouxa, e o Sr.
Goulden pareca pouco, satisfeito, quando
Calharina, pondo.na mesa um grande prato
com couves, disse:
Que isso! pois quer ir embora, Sra.
Maria Anna? Deixe-se d'isso. Olhe queja
aqui est o seu prato.
Ento ella, voltaado a cabeca, vio a gran-
de sopeira fumeganle, e as c-juvesque vapo-
ravam um cheiro delicioso.
Ai, tenho muita pressa.
Qual pressa ,Vmc. tem boas pernas.
respondeu Catharina piscando um olho ao
Sr. Goulden.
L por isso, louvado Deus, as pernas
ainda se mexem bem.
Pois enlao assente-se, e faca bem
barriga para ter forcas. Olhe que isto
de andar sempre n5o das melhores cou-
sas.
E' verdade, Sra. Bertha; sao bem
amargados os trinta sidos que ganho, isso
s|o!
1 Eu cheguei-lhe urna cadeira para a mesa
e disse-lhe.
Assente-se Sra. Maria Anna, e d c
o seu pao.
Pois entio flearei um pouco; mas
nao pode ser muito tempo. E' s metter
um bocado de qualquer cousa a bocea, e sa-
hir logo.
Pois seja assim, Mara Anna, disse
o Sr. Goulden; n5o queremos demora-la
muito.
Cada um tinha tomado o seu lugar, o Sr.
Goulden j servia a sopa, Calharina olha-
va para mim sorrindo, e eu dizia commigo:
A mulheres sSo mais finas do que
nos.
E estava satisfeitissimo. Que raelhor po-
de um bomem desojar do que ter orna mu-
Iher esperta ? E' um verdadeiro thesouro,
e tenbo visto muilas vezes qne sao felizes os
homens que se deixam guiar por mulheres
assim :
E' claro que assentada mesa, ao p de
um fog5o, em logar de andar por fora com
os ps na lama, e o vento fri de novem-
bro a assobiar as saias, Anna Mara j nao
se lembrava de ir embora. Era urna boa
creatura que, j com os seus sessenta e cin-
co, ainda sustentava duas creancas de um fi-
lho que lhe tinha morrido ha annos. E para
quem corre Seca e Meca n'aquella idade, e
anda ao vento, a chuva e a nev, e dorme
em palha nos curraos e palbeiros, e nao co-
me na maior p rte do tempo seno batatas,
e nem sempre tantas como a barriga pede,
n5o para engeitar urna boa pratada de so-
pa bem quente, um bom boceado de touci-
nho com belH couves, e dous ou tres co-
pos de vnho que aquecera o sangue. E'
preciso ver as cousas como ellas s3o : a vi-
da dessa pobremente muito triste, e
quem cuidar o contraria, faga-so mogo de
recados.
Emfim Anna Maria comprehendia a diffe-
renga que havia de estar mesa a andar
pelas estradas. Desunhava-se a comer, o
contava com a melhor vontade tudo o que
lhe tinha chegado ao conhecimenlo no seu
ultimo giro.
Agora tudo vae bem, dizia ella. To-
da estas procisses e penitencias que temos
visto ainda n5o sao nada; preciso que vo
em augmento de dia em dia. Sabero qm
vamos ter aqui missionarios, como emoulro
tempo entre os selvagens, para nos conver-
terem, e que vem por ordem doSr. Torbin
Janson e do Sr. de Rauzan, porque a cor-
rupg5o do seculo era muito grande. E os
conventos vo ser levantados em toda a par-
te, e vo ser estabelecidas outra vez as bar-
reiras as estradas como era antes da rebel-
liao de vinte e cinco annos. E quando os
peregrinos chegarem porta dos conventos,
basta bater porque logo Ibes abrirao as por-
tas ; o irmo servente vira trazer-lhes a es-
cudella de sopa bem gorda, com carne nos
dias ordinarios, e o caldo de unto e peixe
as sextas feiras e sabbados, e em todos os
dias de quaresma Desia maneira crescer
a devoco, e todos querero ser peregrinos.
Mas as religiosas de Bischofsh im dsseram
que os anligos romeiros de paes e filaos,
orno nos, serao os nicos a quem sero
permittidas as romagens. porque preciso
que cada um seja o que os craipinos; sao
para trabalhar as trras e os fidalgos bao
de tornar a haver os seus castellos para go-
vernarem. Eu ouvi estas cousas com os
meus ouvidos.mesmo da bocea das freirs,
que vao receber outra vez as suas dotagoes,
porque j vieram do desterro, e preciso
resiiluir-lhes as dotagoes para tratarem de
levantar de novo a igreja. Isto a pura
verdade. Ai, meu Deus, o quemis desejo
que isso se faga emquanto sou viva. Ha
j muito tempo que jejo e as minljas neli-
nhas tambem. Hei de leva-las commigo e
eosinar-thes as oragoes, e terei a consolago
de Ibes deixar um bom modo de vida quan-
do eu morrer.
Ouvindo-a contar essas cousas contrarias
ao bom sonso, eslavamos muito commovidos,
porque ella chora va de enternecimento, pa-
recendo-lbe queja va as netas a mendiga-
ren pelas porgas dos conventos, e o irmo
servente a Irazer-lhes o caldo.
E tambem sabero, disse ella mais que
o Sr. de Rauzan e o reverendo padae Tarin
querem que sejam levantados os castellos,
que se eutreguem os bosques, os prados, os
campos aos nobres e que se encham de agua
todos os lagos provisoriamente, porque to-
dos os lagos sao dos reverendos padres, que
nao teem tempo para lavrar nem semear,
nem colher; preciso que tudo se faga pa-
ra elles.
Mas diga-me c, Maria Anna, per-
guntava o Sr. Goulden, o qne voc nos
conta a pura verdade ? Custa-me a crr
que nos possa anda vir tanta felicidade.
Isto como eu lhe digo, Sr. Goulden.
O Sr. conde de Artois quer salvara sua al-
ma, e para isso preciso entrar na ordem.
Ainda na semana passada dizia o Sr. vigario
estas cousas em Marienlal. Bem v que sao
cousas que vem do alio. O que preciso
um poucochinbo de paciencia, e que a gente
se vai acostumando pelos sermoes i- peniten-
cias. Os que noquizerem, como osjudeus
e os lulheranos, sero obngados a querer.
E os jacobinos...
Fallando dos jacobinos, Anna Maria olhou
de repente para o Sr. Goulden e corou at
s orelhas ; mas como o visse surrir, per-
deu todo o embarace
Entre os jacobinos ainda ba alguns
que nao sao ms pessoas; mas preciso
que os pobres vivam. Os jacobinos eslo
disfructando os bens dos pobres, e isso nao
bonito.
Mas onde foi e quando foi que elles
tiraram os bens aos pobres, Mara Anna ?
Olbe, Sr. Goulden, os frades e os ca-
puchinhos linham os bens dos pobres, e os
jacobinos tomaram conta de tudo.
Ah, sim, sim, entendo, disse o Sr.
Goulden'; os frades e os capuchnhos ti-
nbam o que era seu, Maria Anna ? Nem tal
cousa me passaria pela idea.
O Sr. Goulden continuava a sorrir, e a ve-1
Iha- disse :
Eubem sabia que por fim baviamos
de vir s boas.
Ah, de certo, tornou elle com bonda-
de ; estamos de accordo.
Eu esculava sem dizer nada, porque, como
era natural, tinha curlosidade de saber o
que poda acontecer-nos. Era fcil conhecer
que Maria Anna nos contava exactamente o
que tinha ouvido no seu ultimo gyro.
Tambem dizia que breve haveria milagresj
outra vez ; que S. Quirino, Santa Odilia e
outros sanios nao tinbam querido fazer mi-
lagres no lempo do usurpador; mas que os
milagres iam j comegar, porque o S. Joo-
sinho preto, de Kortzeroth, quando viu vl-
tar do desterro o antigo prior, se pozra a
chorar.
t Sim, sim, dizia o Sr. GouHen ; isso
na"oie admira : depois das procisses e pe-
nitenciase preciso tambem que os-santos fa-
gam milagres. E' muito natural, Maria Anna,
muito natural.
Isso Sr. Goulden; e a fe ba de tor-
nar, quando toda a gente vir milagres.
E' claro, claro.
O jantar estava acabado. Maria Anna,
quando viu que nao havia mais nada, lem-
brou-se de se ter demorado muito e disse :
Ai, santo Deus I urna hora da tarde
e os outros j h5ode ir perto de Ercheviller.
Agora tempo de r embora.
Levantou-se e pegou no pu com modos
de quem tinha muito que fazer.
Pois sim, Anna Maria, adeus, disse-
lhe o Sr. Goulden; nao fa$a esperar os ou-
tros.
Ai, Sr. Goulden, disse ella j porta,
se n5o me assento todos os dias sua mesa,
a culpa no minha.
E ria, e ainda disse sobragando a trouxa :
' Adeus, at outra vez, e por todo o
bem que me fazem vou pedir ao bemaven-
turado S. Quirino que Ibes d um rapa/.ao,
rosado e fresco como urna cereja. E' ludo
o que pode fazer, Sra. Bertha, urna pobre
velha como eu.
Quando ouvi essas boas palavras, disse
commigo: Esta pobre velha urna boa alma.
0 que ella agora disse justamente o que
mais desejo n'este mundo. Deus a ouca!
E estava coramovido. Ella j descia a
escada, e quando a ouvu fechar a porta em
baixo, Catharina desatou a rir dizendo:
D'esta vez despejou bem o sacco.
Ah est, meus filhos, respondeu o Sr.
Goulden, que pareca muito pensativo, ah
est o que se pode chamar a ignorancia hu-
mana.
Eu quizera poder acreditar que essa po-
bre mulher inventa tudo o que disse ; des-
gragadamente apanha um bocado aqui, oulro
acola ; o que pensam os emigrados, o
que repetem os seus peridicos todos os dias,
eo que os padres ^rgam desafogadaraenle
as egrejas. Luiz XVIII incommoda-os;
acham-lhes muito bom senso. O seu verda-
deiro rei o conde de Artois que quer sal-
var a sua alma ; e para que o Sr. conde ar-
ranje a sua salvago, preciso que tudo vol-
te ao estado em que estava antes da rebel-
lio de vinte e cinco annos ; preciso que
os bens nacionaes sejam entregues aos ami-
gos possuidores, que a nobreza tenlia os
seus diretos e privilegios como em 1788, e
' que s ella tenha os melhores lugares no
exercito ; preciso que a religio catholica,
apostlica, romana seja a nica religio do
| estado ; que sejam guardados os domingos
' e dias de festa ; que os herticos sejam ex-
pulsos de toda a parte, e que s os padres
1 deem instruego aos filhos do povo; pre-
ciso que esta grande e terrivel nago, que
; durante-vinle e cinco annos levou a todo o
universo as suas ideas de liberdade, egual-
dade c fralernidade, forga de bom senso
e de victorias^ e que nunca seria vencida se
0 imperador nao livesse feito allianga com os
reis em Tilsitt, preciso que esla nago,
que em alguns annos deu to grandes capi-
tes, grandes oradores, grandes sabios e en-
genhos para tudo, como as taes ragas no-
bres em dous mil annos, ceda tudo, e s po-
! nha a esgaravatar na trra, emquanto os ou-
;tros, que nao sao um para mil, viverao
farta de paes a filhos ese locupletaro
custa della Oh noduvido que entrega-
1 r os campos, os prados, os lagos, como
disse Anna Maria, e que levantar os cas-
tellos e os conventos ; nao pode deixar de
' ser. Para agradar ao Sr. conde de Artois, a
' esse grande principe, nao Cara muito se fi-
zer ludo isso.
Ento o Sr. Goulden, juntando as mos
e erguendo os olhos para o tecto, excla-
mou :
Senhor Deus, Senhor Deus... vos que
jdaes ao S. Joosinho preto de_ Kortzeroth o
1 oder de fazer tantos milagres, se fizesseis
entrar ao menos um raio de juizo na cabe-
ga do principe e dos seus amigos, parece-
me que seria cousa muito mais estimavel
do que as lagrimas do santo. E o oulro,
' alm na sua ilha, cora os seus olhos perspi-
1 cazes, como um milhafre que finge dormir,
vendo os-patos que patinbam em um charco.
' Senhor Deus, com cinco ou seis dejos elle
I cahir sobre os palos, e os patos trataro de
fugir. Mas nos, Senhor, teremos outra vez a
; Euro, a sobre nos.
Dizia isto com ar grave, e eu olhava para
Catharina para saber se havia de rir ou
chorar. De repente elle assentou-se di-
1zendo :
Vamos, Jos, isto nao sao cousas ale-
| gres, nao; mas que lhe havemos de fazer ?
E' tempo de njs assentarmos a trabalhar.
V l o que preciso fazer no relogio do
abbade Jacob.
Calharina levantou a mesa, e cada um se
enlregou s suas lidas.
(Continuar-se-ha.)
UM POUCO 0ETUP8.
L-se no Boudoir o sob o titulo de Muita
parra e poma uva, o seguinte artigo do Sr.
C. M. Froes.
DIVAGACAO JARICOPH1LOSOPH1CA.
noute, eu te saudo I.
O silencio pavoroso, nada quebra a fu-
nrea paz do ambiente.... apenas vagas,
imperceptiveis, pvidas imagens me po-
voam agora o cerebro ; refervem-me na
mente borbetSes de philosophia Dir-se.
bia que tenho os milos a arder I
Kant d'aqui; Hegel d'acol; Herder
direita ; Schelling esquerda; Fichte e Hu-
me, todos dangando em volta de mim a
mais infernal polka macabra que anda se
viu!
On le estou eu ?
Jess! O espirito extasia-se-me perante
a scencia da idea pura; l me apparece
a^ora a idea de brago dado com o elemento
abstracto da raso I
Ah vou agora subindo at universida-
de dos seres; l se rae safou agora o raciona-
lismo do espirito do objectivo do pensamento,
e l se rae foi por ares e ventos at s re-
gioes da intuigo do absoluto ideal !!..:.
Aqui d'elrei, quem me acode! l se me
vae o juizo para alm Rhenol
| Aos lumes da aurora- tremer e brilhar ?!
Assim teu riso de amor e poesa,
, Que n'alma gotteja celeste harmona,
Que sonhos elhereos nos faz delirar.
Na varzea a violeta perfuma a verdura,
No triste retiro a torrete murmura,
O poeta dos bosques desprende seus ais.
Ai, vem, oh donzella.. tu coras de pjo ?
Nao sabes mysterios d'om lnguido beijo
Por entre os aromas de amenos rosaes ?
Que meiga poesa na vega esmaltada !
Ai, vem, oh donzellaque a fresca alvorada
Nos vdros colora seu roxo matiz ;
Ai, vem, oh donzella, escular os queixnmes,
O cantos suaves e os doces perfumes,
i Que evalam os labios das rosas gentis.
Ai, vem, oh donzellacom voz suspirosa
, O sino l tangena rama frondosa
Descanta suas magoas de amor roxinol.
| Ai, sola leus hymnos, teus sons divinaos
Por entre os aromas de amenos rosaes,
Nao temasto cedo nao surge inda o sol.
A passagem da idea subjectiva ontolo-
gica, eis o principio fundamental da theo-
ria do conhecimenlo immediato
Sem a mediaco, como conceber a conec-
go intima que prende a i lea ao ser que ella
reflecte na infinitividade do eu homano 1
Essa idea de ser infinito, o Deus, essa
causa modificada ro finito do eu hamano,
some-se aos olhos do espirito e esconde-se
no incommensuravel da transubstanciagao
do subjetivo ao objectivo da razo pura
.................... II!!!!
Mas que ougo ?
Um ruido transcendental corta as ampli-
des do es;>aco I
A porta do meu g (binete range sobre seus
gonzos ferrugentos
Que medonho carao aquelle que vejo
despontar por entre as penumbras ?
E' o espectro de algum philusopho da es-
cola ultrarbenana ?
Ai, nao, ajjora vejo.... minha criada....
O' Rita pois tu ousas?...
Rita.O senhor nao toma.. ..
Eu.Desalmada pois vens int rrom-
per-rae quando eu voando pelas ampli-
des....
Rita.Eu perguntava se o senhor nao
toma cha esta noute ? urna hora
dada----
Eu.Nao toma cha ? !! O' desalmada !
pois tu ousas vir afogar em cha preto, u n
xtasis philosoph'.co? O'Rita, considera,
attende, pondera.... pois tu sabes o que
rebaixar urna intelligencia que voa pelas
immensidades do infinito edo incommensu-
ravel ? ? '! Sabes o que urna chavena de
cha preto ao p das intuiges verdadeiras
do absoluct" ideal do objeetivoda idea? ??
Maldico, Rita, mil vezes maldigo 1 1 !
Rita.Mis senhor....
Eu.-Suspende creatura Sabes oque
urna antinomia ? Olba. O cha preto sao as
delicias do verdadeiro pbilosopho ; o cha
preto bello. A estbetica a sciencia do
bello. O cha preto, o bello, pode fazer des-
cer da infinidade da existencia ideal con-
tingencia real ; o eu humano no seu objec-
tivo despede-se da idealidade e tomba no
mundo das existencias reaes; queres tu
que o espi ito que se librou as azis da
phanlasia ao cosmolgico do idealismo on-
tologico, cU na objectividade do realismo
absoluto ? Queres lu, Rita, que eu beba
cha preto ?..........................
N'este entrementes. Rila, pavida espavo-
rida e alrigada foge a sete ps para a < osi-
nba e refugia-se ao p da carvoeira....
Eu, recolho o meu espirito e tent em-
brenharme de novo nos densos matagaes da
philosophia transcendental ...
Encelo o seguinte soliloquio :
Sinto-me fraco efrio.... Sankhya de Ka-
pila, Joga-Sastra, Sankya de Palandjali,
Niaya, Golama, Lao-Tseu, Khoung-fou-tseu
e Meng-tseu, esses veneraveis paspalhes
pbilosophicos da India e China por forga be-
li aro cha da India ...
Ora, a idea objectiva cha preto depona
branca, pode transformar-se no ideal sub-
jectetivo cousa boa; e um philosopho trans-
cendental pode tomar urna cousa boa, isto
, urna chavena de cha preto, sem descer
das altas regios do incommensuravel.. ..
E n'isto levantei-me e gritei cora toda a
forga :
O' Rita, torre-ate um pao de raelegas
e ponha o chana mesa....
AMES DO SOL.
Esvaem-se os sonhos do leito ao redor.
Da lpida aurora saudando o alvr ;
Ha muito que o gallo sonoro cantou :
As doze badaladas da meio noute resoa-; a cruz inda alveja de nev vestida,
vam compasadamente as torres do mostei-
ro visinho.
(Era o relogio do Carmo).
As bizonhas aves noctivagas expediam em
lgubres gritos seus sonhadores piares pe-
las vagas amplides do espago.
(Era a sentindia da guarda prxima a bra-
dar Quem vem l ? )
As bestasfras selvticas surgiam das
cavernosas grutas, e accordavam os echos
regougando roucos bramidos pelas brenhas E o lago de prata sosinhono olvido
despovoadas. Na sombra dmente, nigindo ao ruido,
Que em dubios desmaios detraz da ermida
Dastrevas rompidas o sol nao raiou.
E a rosa amanhece do pranto aljofrada,
O arroio desusa com voz magoada,
Remira se a relva no liso crystal.
Nos bosques resoara canoros gorgeios,
A brisa as ramas sussurra em anceios,
Modula suas trovas o rude zagal.
as hmidas bordas onvida oscismar.
E os tristes salgueiros, bulindo ao redor,
Um hymno harmonisam gemendo de dor,
Pendidos as aguas parecem chorar.
"(Quatro caes a ladrarem no meio do
Roci).
O astro meigOi a casta rainha da noute
refrangia seus tenues e prateados claroes,
que se coavam pelas minhas vidragas e co-1 _, .
mo que me illuminavam a fronte pendida, i os prados despertara aos risos da aurora,
com um plido raio de sua luz argentina, i ge lin,dos raalJses ceu f folora'
r-Eraoclara-o rachitico do candieiro de g^altam-se, alegres rosaes d .jardim,
caz n 1040) E a flor embalada ao gemer do cicio
E meia noute soava mais longe no bronse! ^prende o orvalho, sorri-se no ro ;
distante Rescende perfumes suave jasmin.
(as torres da S).
Meia noute 1
E o sino l tange com voz suspirosa
, ..... E ao longe, doolmeiro na rama frondosa,
Hora pavorosa hora htidica l hora das Descantabsuas magoas de amor rouxinol.
vizoes hora dos encantos, hora das fadas, Que ,eda iiarmona qUesons 1 que folguedos!
horados cadveres! A vem 0h donzella, sorrir-me segredos,
Hora era que os morios erguem os corpos N3o teraas-to cedo n3o surge inda o sol.
descarnados da louza nria, e conversan)'e n
poltica uns cora os outros Ai, vem, oh sylphide, de peito arquejante,
Hora em que os fetigos se vollam contra Ao vento a madeixa lo negra, ondeante,
os feiticeiros Brincando no eolio de mgico alvor.
Hora a que os gatos miam, e os mochos Soltando teus oramos, teas sons divinaes,
Piam! Por enlre os aromas de amenos rosaes,
Hora de solidao, hora de morte, hora de
pavor, hora de amor, hora de horror, hora
de nada!
Hora.... bem hora.... ora pois, meia
Vem. vem, oh donzella, failar-me d'ambr.
Nos pdicos labios da flor purpurina
A gotta de orvalho na"o vs crystaliiia
E' do Sr. conselheiro A. F. de Castilboo
seguinte :
COMO SE INVENTOU A ARTE DE ESC1IEVER.
N5o havia ainda escripta nem leitura.
Um genio, esquecido boje pela ingrati-
do dos seculos, mas como que inspirado
pelo cu, sonliou um dia no quanto seria
til fixar-se, se fosse possivel, em vestigios
perduraveis, a linguagem dos sons, reflexo
instantneo das ideas e affectos.
O pensamento havia sido por um dom di-
vino, convertido em falla ; importara force-
jar em que a falla se converlcsse, por ou-
tro dom quasi la divino como o primeiro,
em signaes fixos, rigorosos, to claros, lo
intelligiveis, como ella ; ma> que podessem
chegar a distancias de lugar e lempo, a que
as fugazes ondulagoes sonoras do ar# o
abrangiam.
Adiado isso, se jamis sepodesse desen-
cantar, ficava o homem superste a si mes-
mo, immorial na convivencia dos seus se-
melbantes.
Perpcluar-se-hia a lembranga dos tempos,
dos successos, dos descobri rentos, dos in-
ventos.
Nenhuma conquista momentosa do espi-
rito, ftcaria mais em contingencias de es-
quecimento.
Cada edade, dotada in integrum com o
melhor das noges das edades precedentes,
edificara sobre bases mais altas, mais am-
pias, e mais solidas, a sua tarefa de pro-
gresso.
Era sublime o sonbo daquelle P/omo-
theu.
A Dvindade que lh'o inspirara, nao o des-
amparou no temerario commettimento.
Para chegar resolugao do problema que
se pro uzera, comegou racionalmente por
averiguar, para a reeonhecer, a mechanica
da linguagem fallada, que era para elle o
nico ponto possivel departida.
Se iuveotasse um signal, u u trago, urna
figura, um caracler, gravado ou piniado,
correspondente a cada palavra, a cada um
dos membros distinctos, de que a phrase
pronunciada se compunha ?....
Eslendeu a considerarlo pelo innumera-
vel dos vocabulos, e esmoreceu.
Como crebanlos signaes?.... Como
dstribui-los, sem perturbago, pelos voca-
bulos ?...
Com que fio encaminhar a memoria para
os reeonhecer a cada um, e a todos, e de
relance, em lio abstruoso labyrintho.?.....
O genio, quando verdadeiro, nao recua
diente da dilficuldade insuperavel : para,
reconcentra as forgas e reconsidera.
Reconsiderou e disse : Sejam embora
innumeraveis para mim as palavras. d cu-
jas diversas combinacoes resulta a mullido,
ainda mas espantosa, dos periodos; talvez
que assim como logrei estrema-las no pe- *
riodo, possa estremar nellas membros com-
ponentes, e que es.^cs, as quaes eu j en-
trevejo se reproduzem idnticos em muitas
palavras diversas, nao sejam em to avul-
ta Ja quanlia. que um esforgo da vontade e
da memoria os nao possam dominar. Assig-
naladas que sejam as parcellas constitutivas
dasdieges, assignaladas icaro as dieges,
que sao a somma dessas parcellas.
Recitou pausadamente as palavras ; con-
venecu-se por este exame attenta, de que a
extenso dellas era desegual ; que urnas se
proferiam n'um tempo indivisivel, oulrasem
dous, outras em tres, outras em mais.
Eram as syllabas que se lhe revelavam.
Com effeito, syllabas perfeitamente idn-
ticas occorriam naf.rmago de termos di-
verssimos. Mas, por infortunio, a multi-
plicidade das syllabas aterrara aida a me-
moria ; leve de parar de novo, e de novo
refliclir.
A decomposigo do discurso em palavras,
conduzira-o decomposigo das palavras
em syllabas a decomposigo das palanas
em syllabas, nao podia deixar de o condu-
zir tentativa de deeompor as mesmas syl-
labas em elementos.
Aphenix ideal, que por duas vezes lhe
fugira, j nao poda mais esquivar-se-lhe ;
estava colhida no intimo do seu tiiiho ; a
mullido das sylabas, de cujas combina-
goes resultava a multido muito mais avul-
tada das palavras, como ascombinages das
palavras originavam as combinages infinitas
dos periodos, a multido das syllabas, re-
peta)' s, era effectiva e decididamente re-
sultado de pouquissimos elementos snicos,
primordiaes, bem distinctos, e sem esforgo
reconheciveis.
Destes'elementos os principaes, e os me-
nos, eram vozes- simplices ; os secundarios,
em pouco maior quanlia, eram inflexoes
modificadoras dessas mesmas voaes.
Creou para cada voz um signal visivel, a
que se cbamou vogal; para cada inflexo
de voz, oulro que recebeu o nome de con-
soante.
No seu curio alphabeto ficaram para sem-
pre fixadas os equivalentes visuaes de todos
quantos sons linham ate ah enxameado
confusos e fugazes no commerco dos espi-
ritos. \
Taes foram (postas de parte as incom-
pletas, vagas, e confusas escripturas symbo-
licas, geroglificas. etc,), taes indubitavel-
mente foram os primordios da arte de es-
crever. filha legitima da arte de fallar, m5e
e socadaarle de leitura.
'ERNAMIiUCO.-TYP. DE M. F. DE F. & FILHQ
k

-.


/'
-
i.
mMmmi\
\.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYPL7BQA9_DA2L30 INGEST_TIME 2013-08-28T01:03:48Z PACKAGE AA00011611_10662
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES