Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10658


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I.
AMO IL. MJMEBO 101
ftf quartel Mp ,f Uro de .0 das de 1.- mez t :
Hem 4e?tis ta l. 10 das do ctne$te deitr dt quartel. .
Prteitcfirtit|tr tres ucecs.........
>
5JQ00
6J000
7W>
QUARTA FEIRA 3 BE HAIO DE 1865.
P#r anno pago dentro de 10 das do 1. ,->, 191000
Porte ao crrelo por un anno.............. 3|000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatj, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaqnim Marques Ro-
drigues ; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves 4
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Cosa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO SUL*
Alagoas, o Sr. Claadino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Bibeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala. Bezerros, Bonito, Carnar,
Altioho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom
Lonselha^ Aguas Bellas e Tacaratd, as tercas
feiras.
Pud'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqnelra,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta Ouricury, Salgaeiro e Ex, as quartas
feiras. H
KfiNAMBUGO.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde. .
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quinta?.
Serinhaem, Rio Formoso, Taraandar, Uoa.-ar- n
reiros, Agna Preta e Pimenteiras, as quintas "3*?*: tercas e sbados is 10 horas,
feiras.
DAS DA SEMANA.
EPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
2 Qnarto rese, a 1 h., 44 m. e 46 a. da t.
10 Loa cheia as 6 h., 3 m. e 22 s. da l
18 Qnarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da m.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 46' s. da t.
1. SegBBda. Ss. Fellppe e Thiago apps.
2. Terca. S. Maphalda rainha de Portugal.
Pazeoda: quintas s 10 horas. jf- Quarta.. Rodopiano m ; S. Amaro m.
Jo. do eommercio: segundas s 11 bom. fc JS?SS^f?XTc T
Dito de orphios: tercas e sextas s 10 horas. 6. Sabbado. S. Joo ante-portara laiinara.
Prlmeira vara do civel: tercas e sextas ao meo 7- Dom|ngo. S. Estanislao b. m.; S. Flavia.
da. I
Sann,U a -, PREAMAR DE HOJE.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados a 1 Primeira as 10 horas e 34 m. da manhaa
** ,arde- 'Segunda as 11 horas 18 e minutos da tarde.
PARTE 9FFICIAL
(OYKBRO DA PI0VMC1A.
Eipedieate do da 29 le abril le 186;;.
Offlcio ao Exra. desembargador proveor da Santa
Casa informaco de 25 do correte, sob n. 153, mande V.
Exc. inscrever no respectivo quadro afim de ser
opporlunamenle admittido no collegio dos orphos o
menor de nome Manoel, filho da flnada.Francisca
Mara do Carmo, de que trata a sua citada infor-
mado.
Dito ao conseiheiro presidente da relaaao. Para
cumprimento de aviso do ministerio da Justina de
18 de janeire ultimo, queira V. Exe. enviarme
copia da sentenga proferida por esso tribunal con-
tra o lente-coronel Alvaro Ernesto de Carvalho
Granja, pelo crime de homicidio praticado na pes-
soa do capilo do exercito Domingos Alves Branco
Muniz Brrelo.
Dito ao coronel commandante das armas,Sir-
va-se V. S. de mandar alistar no 2* corpo de Vo-
luntarios da Patria, a Antonio Jof Teixeira, Jos
Baptisla Camello, e Demingos Jos da Tria-
dade.
Dito ao mesmo. Declaro a V. S. para seu conhe-
cimento que os Valuntarios da Patria, Manoel Xa-
vier do Nascimento, Felippe enriques dos Santos,
e Pedro Alejandrino da Silva e Mello, devem per-
tencer a fjrga que se acba no quartel das Cinco
Ponas sob o commando do tenenle Manoel Germa-
no de Miranda, para o que expedir V. S. as con-
venientes ordens.
Dit ao mesmo.Queira V. S. informar acerca
do que ppde o Voluntario Francisco Lniz Noguei-
ra, mandando inspeccionar o supplieante so assim
fr necessano.
Dito ao mesmo.Sirva se V. S. de mandar alistar
no 2o corpo de Voluntarios da Patria, a Francisco
Manuel de Oliveira Miranda, que tendo j sido 1
Cadete do exercito deve ser como tal considerado
no mesmo corpo.
Dito ao mesmo.Sirva-se U. S. de mandar para
o 2" corps de Voluntarios da Patria, o do nome
Manellino Cardse des Sanios, que tendodeixado
de seguir no vapor S. Francisco, por motivos que
allega, e que parecem attendiveis, se apresentou
hontem no quartel das CincoPontas, onde se acha
o lente encarregado dos Voluntarios ali aquar-
tcllados.
Dito ao mesmo.Queira V. S. informar acerca
do que pede Joo Garlos dos Santos, no incluso
requerimento.
Dito ao Dr. chefe de polica.-Autorise V. S. o
delegado de Goyanna a mandar cobrir a parle do
quartel daquella cidade que precisa desse concert,
e cuja detpeza declarou em offlcio junto ao de V.S.
n. 501, de .24 dwite mez, sor d*-S a 6 mil raii, o
remetta-me a conta de sua importancia aflro de
ser paga.
Dito ao Inspector da thesouraria de fazen-
da.Mande V. S. ajuslar contas at o (lm do mez
corrente, e dar guia de soccorrimento ao offlcial,
qae pelo coronel commandante das armas fr no-
meado para commandur as pragas de pret do 4
batalho de artilharia a p e recrulas do exercito,
que lem de seguir para a corle no vapor da com-
panhia de paquetes que se espera do norte.Com-
municou-se ao coronel commandante das ar-
mas.
Dito ao inspector da thesouraria provin-
cial.-Transmiti a V. S. para o fim coveniertte a
inclusa relaco nominal dos senhores deputados,
qoe comparecern) as sess5es da assembla legis-
lativa provincia; durante o corrente mez.
Dito ao mesmo.Para salisfazer a deliberacao
da assembla legislativa provincial, informe V. S.
porque prego se effectuou a ultima arrematarlo da
barreira da ponte da Magdalena, e quem foi o ar-
rematante.
Dito ao mesmo.Accuso recebido o offlcio de
hootem, sob n. 164, em que V. S. me participou
naver Jos Francisco de Paula Cavalcauti de Albu-
querquo, dando por fiador o proprielario Jos Joa-
quim de Souza, arrematado a obra dos reparos da
ponte de Goianna, com o abale de 2 por cento, no
prego do respectivo orgamento, e em resposta te-
nho a dizer que approvo essa arreroalago.
Do ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Cabrob.Inteirado do contedo do offlcio'
de, V. S. de 4 deste mez, relativamente relagao
de offlciaes da guarda nacional de que traa o desta !
presidencia de 20 de fevereiro ulliwo, lenho a di-,
zerlhe que me envi com a mair brevidade e nos
termos do art. 61 do decreto n. 722 de 25 de outu-
bro de 1850, addicionando-Ihe as declaraces con
tidas nos Io a 5 do art. 121 da lei n. 602 de 19
de setembro do mesmo anno.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Rio-Formoso e Serinhaem.Aos offlciaes da
guarda nacional sob seu commando superior, men-
cionados na relagao junta, mande V. S. passar, nao
havendo inconveniente, a guia de que trata o art.
4u do decreto n. 1,130 de 12 de margo de 1833,
visto constar de informagao do commandante su-
perior dos municipios de Barreiros e Agua-Preta,!
datada de 19 de margo ultimo, que elles se acham
residindo no segundo destes municipios.
Relagao a que se refere o offlcio supra.
Batalho n. 43 de infamara do municipio de Se-
rinhaem.
3* companhia.
Capitao Francisco Dorolho Rodrigues da Silva.
6' companhia.
Ali-res Miguel Rodrigues da Silva.
Batalho n. 44 de infamara do municipio do Rio-
Formoso.
Capillo Manoel Theodoro Pereira Lins.
Communicou-se ao commandante superior da
guarda nacional de Barreiros e Agua-Preta.
Dito ao director do arsenal de guerra.Concedo
a antorsago que V. S. solicitou em seu offlcio de
28 do corrente, n. 240, para mandar apromptar os
artigos de fardamento azul e eqnipamento necessa
ras companhia de Volontarios de torneas
pretos.
Dito ao mesmo.Mande V. S. entregar ao capi-
to Trajano Alipio de Carvalho Mendonga, afim de
serem aproveitados no rancho do 2 corpo de Vo-
luntarlos da Patria, os gneros que, segundo e seu
offlcio desta data. n. 242, pertenciam ao corpo n. 1
e ficaram no arsenal de marinha.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
de V. S. alistar na companhia de aprendizes mari-
nheiros, o menor Manoel Peres Quintas, que em
data de 9 do mez passado mandei recolher a esse
arsenal. Con municou se ao juiz municipal e de
orphaos do Limoeiro.
Dito Jo8o Braulio Correia da Silva, professor
publico jubilado.Agradecendo com louvor o pa-
tritico ofTerecimento, que, em offlcio de 24 do
corrente, fez Vmc. de 10 por cento dos seus ven-
cimentos, contar do Io de maio vlndouro al lin-
darse a guerra, em beneficio das familias dos Vo-
luntarios da Patria desta provincia acabo de sob-
metter ao conhecimento da Associago Protectora
das mesmas familias semelhante offerta.Commu-
nfcou-se mencionada AssociagSo.
Dito ao Dr. Symphi-onio isar Continho.Agra-
decendo mui'o o patriotismo e desinteresse cora
que V- S. em seu offlcio de hontem dalado se ofle-
rec?o para vaccinar todas as pragas do 2o corpo de
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alagoas a 14 e 30; para o norte
lata a Granja a 7 e 22 de cada roex; para Pernan-
Ido nos dias 14 dds mezes de Janeiro, margo, maio,
[julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
loo Recife, na livrarla da praga da Independencia
Ins. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figoelroa de
Faria & Filho.
Voluntarlos da Patria, a proporcao que se forera
alistando, acabo de sobraetter ao coronel comman-
te..das armas e?se sen 'ouvavel effereci ment,
aflm de qne aproveite os sens bons servlcos mdi-
cos. Communlcou-se ao coronel commandante das
armas esse offerecimento, para que aproveite os
bons desejos daquelle dontorT
Dito ao Dr. Joaquim Theotonio Soares de Avellar.
Agradecendo muito o offerecimento que, segun-
do o seu offlcio de 3 do corrente, fez V. S. de 5
por cento de seus venciraentos para auxilio das
despezas da guerra, em quanto esta durar, come-
gar do presente mez, acabo de dar as convenientes
ordens para que a saa louvavel offerta tenna a ap-
plicagao indicada.Communicou-se thesouraria
de fazenda para que opportonamente faca arreca-
dar semelhante offerta e Ibe d o conveniente des-
, tino.
| Ditoaomajor Antonio Bernardo Quinteiro.
Mandei alistar no 2* corpo de Voluntarios da Pa-
Itna cidadao Antonio Jos Teixeira, a que allude
o offlcio de Vmc. de hoje datado, e muito louvo e
agradego os desejes que mauifesta Vmc. de auxiliar
o governo na acquisigao de Voluntarios.
Dito ao superintendente da estrada de ferro.
Tenho a dizer-lhe que o officj* de 27 do corrente,
a que allude, deve ser considerado urna segunda
j va do que Ihe foi enderegado em 24 desle mez.
Portarla.O presidente da provincia, usando da
attnbuigao que Ibe confere o art. 7 da lei de 12 de
; agosto de 1834, resol ve prorogar al o dia 10 de
maio prximo vindouro, a presente sessao da as-
sembla legislativa provincial.Fizeram-se as ne-
cessarias c< mmunicages.
Dita.-O presidente da provincia resolve desig-
nar nos termos da lei n. 369 de 14 de maio de
!8o5, o professor Jos Soares d* Azevedo, para
Joo Maurino Gomes e Lodovioa Mara da Con-
celgo.
Joo Pereira da Silva e Anna Maria da Concei-
gio.
Victorino Alves dos Santos e Gulhermina Macia da
Conceigao.
Joao Cosme Xavier e Candida Mara da Concei-
gao.
Galdine Soares da Silva e Antonia Maria das
Dores.
Manoel Elias de S e Maria Francelina da Con-
ceigao.
Anselmo Ferreira de Jess e Joaquina Maria do
Espirito Santo.
VIERAM MAIS AS SEGUUITES PETigES.
Jos Tavares de Mello e Thereza Maria de Jess.
Antonio Bezerra de Menezes e Maria Agostinha de
Jess.
Antonio Bernardo Lopes Lima e Maria Olympia de
Oliveira Mello.
Loiz Francisco da Silva e Thereza Maria de Je-
ss.
ros do recolhimento,
Arminio.Maranho.
2:000*.Aranjo Barros.
COMMANDO DAS ARMAS.
feitas, isto e,
foram approvados
de cada urna das c-
todos pala agua abaixo. Fallou-se em urna conferen-
Quarlel lo commando las armas de Pernambuco
na cidale de Recife, 30 le abril de 1865.
Ordem do dia n. 61.
O coronel commandante das armas interino
termina que na manha do dia Io d maio
se revista geral de mostra aos corpos movis" do men,e n5 foi acceiu,'porque o Naboco j tem tido
exercito e compaohias soladas existentes nesta occasioes de apreciar a incapicidade do Furtado,
guarnigao pela ordem seguinte : A's d') horas a essa reputago arranjada pelos liberaos falta de
companhia do Voluntarios d Patria de homens Domens, e que na realidade nao vale dous caraces.
LmSL tnadades,dia> "Jeptidio eincapacidadedos alugueis da casa que serve de cadeia em Cabrob
S2Z2S2Z&S2?' a ,Bd,PJ1?o d0 P* -J commisso de fazenda e orgamento.
O SZ aifln-c2d, 0otra de An,onio Joa1uirn "es, ex-escrivo
lert a Sr do STLlS??fi *2 ^b' tm se1a- i d.a quaDtia de 18,*,*- Proveniente degustas
SI"?Jggg^J'*-*.*?* WQWP.. de diversos processos era que o supplieante func-
fe7fc.trtUn0e?JT. ,emPrarla. 1e h?" eww. A' commisso de orgamento municipal.
l!SVSSTSSL Senad0 e Pres,_ ^ aPProvados quintes requerimentos :
oS^mh^,,ro8- ^ Reqoeiro que pelos canaes competentes se pega
'JSS^SMSSSuffl *0S doraDadores c?m Dr VSSfSSSSSZ et a,men; f,a'Sa,isfa?a as Dforraa?es *M*s antenormen-
rfn E22Z n ni Q5S naswcoluraoas do Jornal te nos termos em que estas foram
t &^ imaraent.e h0ave SessSo. P,ena quese dia 1Qan,'' a'amnos
ae ^yoagoga aonde assenuram os amarellos em em cada anno as materias de
Z*lT?rZiH Miirinno, um. Oeputaco cora- deiras desse estabelecimento.S. R.-AqinoFo-
posla do presidente do senado, o visconde de Abae- seca. juiu
e,n $Lrif ^LT'a^rlbe a cessa,?5 Re1uero que pelos canaes competentes se pega
g**ffW ao **& vist0 c00 aPiam com urgencia ao Exm. Sr. presidente da provincia
TuLJtt d part,d0. ., 150pia da Pe,,Cao aPreseniada pelo padre Joo Jos .
.. ^Jr.A-?b da *yna8Ba ,erase multiplicado qua- de Araujo, pedindo sua jubilago como professor '
si quotidianamenle, convocadas pelo Ottoni a ver de rastruegao elementar do grao na villa de p
se consegue prolongar a vida do gabinete pela ra- Santa aria, e do acto que o jubilou.-Cunha Tei-!
zao ja expendida e que est hoje na consciencia xeira.
de bregos e Troianos. Bequeiro que se pega ao Exm. presidente da!
entreunto parece que seas esforcos sero bal- provincia pelos canaes competentes, que empregue
v?,' o H.rar meD'e co/rin que a deraisso d0 Dias ^^ os meios qne entender mais acertados adm Somos informados de que os volomes de farda-
!?u l-ameiro de Lampos estava assentada; de que sejam quanto antes remettidas esta casa ment do !. corpo de voluntarios desta provincia
iz que naojlcanenhum ministro, indo as informages pedidas cmara municipal desta que deixaram de seguir cora elle no S. Francisco'
cidade, sobre o reqnenmento de Basilio Alvares de seudo transportados a seu destino pelo vapor iu-
So finalmente approvados sem debateos seguin-
163
Art. 28. Collegio de Papacaga 4:000#.
j-w** Hospital de Misericordia de Goyanna
A discusso fica adiada pela hora.
SEGMNOA PARTS.
Entra em segunda discusso o art. 1* do proiee-
to que flxa a forca policial da provincia para o
exerciclo de 1865 e 1866.
Ora o Sr. Jos Maria.
A discusso fica adiada pela hora.
O Sp. Presidente levanta a sesso as 4 horas e
20 minutos da tarde e d para a ordem do da se-
grate, alm das materias designadas, 1 discusso
dos projectos ns. 83 do anno passado e 36 deste
anno ; e discusso das posturas da cmara uiuoi-
"' de S. Bento e Iguarass'.
REISTA DIAIIA.
exercer interinamonio n innir Ha ^;,i. .i j. -K-y TuiuuHMiu us raina ae nomens """>, 4 loouusuouau vaie aons caraces. municipaes, visio ser negoc o urgente e
Sc&'SSS! d2?l^,nl^lJ MAS?, "W*** de ,cava'laria. ** f'.r.e?D.to dir" he "'sempre, pois preciso antes quasi terminados os trabalhos da asamblea.
- Provas do seu cavaiheirismo.
u sn buarql'e reqner que o resto da primeira' ara das do mez Bdo, foi assasslnado no ser-
hora destinada ao expediente seja d'ora em dianle! vigo golpe de eaxada o feitor de engenho Bonito
' ura escravo de nome Luiz. per-
oceupado pela discusso de posturas das cmaras; de Goianna. por
municipaes, visto ser negocio urgente e estarem
instrucgo publica, durante o impedimento do res-
pectivo proprietario.Fizerau-se as necessarias
communicagdes.
Dita. O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na mande dar transporte at Macei no vapor Pa-
rahyba, em lugar de re destinado a passageiro de
estado, Theotonio de Souza Rodrigues.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambaca-
na, mande dar transporte al Macei no vapor Pa-
rahyba, em lagar de r destinado a passageiro de
estado, ao padre Manoel Amando Brasileiro
Chaves.
Expediente do secretario do governo lo dia
abril de 1865
N. 144.Offlcio ao 1 secretario da assembla
legislativa provincial.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, transmiti por copia V.
S. para serem presentes a assembla legislativa
provincial, as inclusas informages ministradas
pela thesouraria provincial, relativamente ao re-
querimento que devolvo, do portero do consulado
provincial, Francisco Antonio da Silva Caval-
cagti. -
Fica assm satisfaita "reqa1sgH0- Oa Trrema s*-
sembla, constante dos offlcios de V. S. do Io e 28
do corrente, sob ns. 53 e 95.
N. 145.Dito ao mesmo.*. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, manda transmittir V. S. para
conhecimento da assembla legislativa provincial,
copia da portara desta data, pela qual resolveu
prorogar ateo dia 10 de maio prximo .indouro,
a presente sesso da roesma assembla.
N. 146.Dito ao mesmo.Transmiti por copia
V. S., de ordem de S. Exc. o 8r: presidente da
provincia, e em solngo ao seu offlcio de 25 do cor-
rente, sob n. 90, para ser presente assembla le-
gislativa provincial, a informagao ministrada pelo
chefe interino da repartigo das obras publicas,
relativamente edificagao do caes do canal da ra
da Aurora.
Despachos do lia 29 de abril de 186i>.
Requerimentos.
Anna Maria do Espirito-Santo.Dirjase ao
Sr. desembargador provedor da Sania Casa da Mi-
sericordia.
Galdino Temistocles Cabral de Vasconcel-
os.Passe portara concedendo a licenga pe-
dida.
Joaquim Teixeira Peixoto.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Jos Soares Monteiro.-Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Miguel Jos Barbosa Guimares -O offerecimento
patritico do supplieante acceito com louvor e
pode apresentar seu filho ao Sr. commandante das
armas para fazlo alistar no 2 corpo de Volunta-
rios da Patria.
Tsenle Pedro Bezerra Cavalcante Maciel.O
pedido do supplieante ser tomado em considera-
gao opporlunamenle.
Sebastio Accioli Santiago Ramos.Passe porta-
ra concedendo a licenga que requer o suppli-
eante.
Severmo Vieira de Orlas.Em vista da informa-
gao nao tem lugar o que requer o suppli-
eante.
Tasso & Irmos.Informe com urgencia o Sr.
capito do porto.
DE
GOVERXO DO BISPADO
PEKXVHDl'C'O
SEDE VACANTE
DISPENSAS MATR1M0NIAES.
Faco publico a quem convier que chegaram l-
timamente do Rio de Janeiro, e podem ser procura-
das nos lugares do costume as peticoes de dispen-
sa constantes da relagao abaixo, e antorisadas pelo
Exm. e Rvm. Sr. internuncio era dala de 19 de
abril prximo passado.
Cidade de Olinda, 2 de maio de 1865.
Conego Joaquim Ferreira dos Santos,
Secretario do blspado.
Oradores que se acham ligados no impedimento de
a/finidade licita, no prtmetro grao igual da hnha
luteat.
Antonio Jos da Silva e Francisca Xavier da
Silva.'
Sevenano Jos Bernardo e Rosala Sant'Anna do
Reg.
Amaro Jos Thora e Candida Maria das Vir-
gens.
Antonio Claudino Cavalcante e Maria Magdalena de
Jess.
Ivo Francisco da Silva e Maria Francisca da Con-
ceigao.
Jos Ferreira de Vasconcellos e Ludovina Maria de
Mello.
Andr Alves de Abren e Isabel do Espirito Santo.
Antonio Lobo dos Santos e Antonia Veneranda da
Coficelco.
Joaquim Gomes dos Santos e Maria Perpetua.
Ignacio Gome da Silva e Felicia Mara do Espirito
Santo.
Oradores que estao ligados no impedimento de con-
sanguintdade em segundo grao mixto ao primeiro
da iinha lateral.
Joo Ferreira Ribeiro e Maria da Conceigao do
Amor Divino.
Jos Francisco da Silva e Marcolina Mara de
Jess.
Manoel Ribeiro de Figuairedo e Josepha Maria de
Jess.
Joao Martlns Viann e Antonia Ttiomazia das
Neves.
h ao 4o batalho de aatilharia a p, e finalmente de ,ado ser Justo, o Furtado seria o primeiro de
s 8 horas a companhia de artfices. nosssos estadistas presentes, pretritos e futuros,
(Assigoado.) Jos Marta Ildefonso Jacorn da s ,osse Possivel iuverter a posicao natural de sua
Vaga Pessoa e Helio. caneca, assim que o qne queixo viesse a ser ca-
(Conforrae) Antonio Francisco l)uartt,'i> teen- beca e vice-versa. Infelizmente impossivel essa
te ajudante de ordens interino,encarregado do de- mw.-e, e emquanto se nao descobrir o meio de
talhe.
Consaltada a casa, decide pela afirmativa.
Sao approvades diversos artigos das posturas da
cmara municipal de Buique.
1." PARTE DA ORDEM DO DIA.
Contina* a discusso do art. 16 do orgamento
provincial.
tencente a fabrica do mesmo engenho ; o qul eva-
dio-se, apezar de haver commellido o crime em
presenga dos parceiros, que conjunclamente traba-
inavam, nem se oppozeram a pratica do delicio,
nem lao pouco procuraram prende-lo, como Ibes
intimara o administrador do mencionado engenho.
As mas do Corredor do Bispo e dos Pires es-
tao cheias d'agua por falta de um esgoto; e d'esta
sMsiiiuir a aegao oo cereDro pela dos queixos e Oram os Srs. Paula Baplista, Cunha Teixeira,! sorte.com a Cntiuaco das chuw" ha re'rta"
s ideas nao forera o resultado do chylo, elle non- Silveira Lobo, Jacobina e Jos Maria. possibllidade do transito por all E pois cumore
_ asignatario de tu- Encerrada a discusso, approvado o artigo que se faga aiguma cousa que obvie serneitnnte en
do quanto os amarellos Ihe mandara assignar. O com a emenda, sendo o requerimento da adiamen- comraodopublico, parecendo-nos oue ser isto mm
?r?d*..e??n*eP*m ('u? overnar cumprir to rejeilado. costoso e de nenhum Irabalho, logo oue se esta be-
22 le abril de 1865.
n contrato dos da especie, faci ut facas. | Os Srs. G. Campello, Cunha Teixeira e Diodoro lega urna derivago qualquer das acuas
fcm iroca do apoio que seus amigos Ihes do no Ulpiano pedera qua se mencione na acta que vo- das all para qualquer cano de ecotn
parlamento os ministros fazem ludo qnanto elles taram contra a emenda.
us ministros fazem tudo
desejam, e Deus far o melhor. E por isso
que hontem se dizia em circuios de ordinario
bem informados, que os chefes todos lia via m re-
sol vido a contiuuago do ministerio, e realmente
de todas as solugoss da crise essa Ibes a mais
conveniente.
El rei Ottoni obtem tudo quanto quer dos minis-
tro, os quaej todo com a excepciodo Furtado,
orne.de a escusas polo nao comparec ment, foram
dar pragas a DeUS-peio feliz restabeleciment de
la preciossima itde, reus pedidos sao ordens,
Sezue-se-a discosso do :
t Art. 17. Porga policial.
l. Auxilio aos corpos volunta-
rios............................
2. Corpo provisorio.........
150:0005000
147:000,5000
a
tres
297:0005000
Oram os Srs. Jos Maria e Paula Baptisla.
Encerrada a discusso o artigo opprovado.
Entra em discnsso o :
Art. 18. Casa de detencao.
1. Empregados, inclusive cirur
gio, barbeiro e cabellereiro___
ar, preenchendo assim a condigo Implcita Mhia amito w^EZLZrrZTS?ZZTZZ ?V, oe"e>rei:
que o Marcondes de S se resolver a decidir tamberaTqtStoTueV SegHe JmV? com a d,r,a de
illa celebre qoeslao dos 30p contos, importan- Cbristiano Ottoci conserva-s no seu aueiio i3 Ez'ndiVn'tP...............
das raa versacoes mniitartas mu Viriain m rtn .ir.a, .< f,.__j "_.,..TO seu tue|Jo & _e,zpeaienie...............
13:5*55600
4." Illummago...............
Nada Ihe posso dizer do que corre pelos altos
circuios amarellos ; cada dia se assoalha urna no-
ticia. Ora propala-se que o gabinete entrega as
pastas com os relatnos em consequencia de fun-
da scisao que j se nota no seio do partida, ora
assevera-se que elle se aguentar no balango por-
que todos os amarellos estao resol vidos a sacrificar
seus resentmentos no altar da patria do liberalis-
mo, isto a verem, impassitrais o de.niicU^JUmen-
to du ^oii .-o paia uao perturbarem o smno dos
nobres ministros. Accrescenta-se que o Ottoni sem sourer o menor mcomi nartllhar
W^T ^*^^ responsabindade do ^SStUSJSS
com
aquel!
cia das.raalversages lmpqtadas-"pelo ViriaioTo da"5iradTe ^do"^MU2?*t!Z
engenhe.ro principa da estrada de ferro. senado para se *nrtmae\\FiZ?Fr\A
E talla sobrancena cora que elle se ennuncla pe da provincia do Rio como<2Z Z J3
acerca da conservagao do glorioso ministerio, que o conseiheiro privado ao ministerio, Martlnno
ate chega a ameagar este pobre paz com a recusa Campos partlha com o Souza Franco a dominago
de aceitar o poder no caso de ser chamado para da provincia do Rio e com el-rei Ottoni a de Minas,
exercelo em substituigo do Furtado. Nao, eu Octaviano tem a sua misso- especial. Jos Bonifa-
nao posso aceitar o ministerio, dizia elle ha dias, co, o correspondente liberal de S. Paulo as co-
se o gabinete for dissolvilo porque leria de execu- lumnas do Jornal do Commercio (que correspon-
tar ponto por ponto, virgula por virgula, a pollli- dencias desfructaveis I) governa aquella provincia
ca por elle seguida at ao presente,-nica compati- com o nome do Joo Chrispiniano. Sendo assim
vrI com as exigencias da stuago. iodos estes perdera com as pastas, preferindo que
N eja se isto acontecer que calamidade nao ser, estas sejam as decises mfadonhas do expediente
grande Dos, para este pobre paiz I Como podere- exercidas pelos seus caixeiros. Isto est entrando
raos resistir a tanto infortunio I pelos olhos de todos e esta a razo pela qual se
Emquanto o Ottoni paga assim na moda que prefere a conservagao do ministerio actual, apezar
pode dar os servigos prestados pelo Marcondes de da geral conviego de sua desidia e incapacidade,
Sa a seu irmo Cbristiano, nao se esquece tambera a outro em que por (orea havia de figurar alguns
de mculcar-se como o poltico das sympathias po- dos chefes indicados.
pulares. Arranjou ura Te-Deum, como pode, pelo Diz-se porrn que a partida nao ha de ser to
resiabelecimento de sua sade. Todos pensaram difflcil de jogar como actualmente se er. Fallase
que esta festivdade fosse eelebrada, quando nao eni avultada e decidida opposico as cmaras, se
no campo de Santa Anna, ou no Roci, afim de a corropgo a nao contaminar" no nascedro, ha
naver lugar para toda a cidade, ao menos em S. de ser difflcil, seno impossivel que o prestigio dos
Bento, ou era outra igreja de largas dimenses, chees possa abroquellar os ministros dos rijos gol-
mas qual! escolheram o templo talve! mais pe- pes.que Iho de ser dirigidos,
queno desta corte, urna capellinha de Nossa Se- A reaego contra os vermelhos contina as pro-
nnora da Conceigao sita ra do Sabo, onde nao vincias do Rio e Minas. Agora o pretexto, como se'
poderam caber nem os empregados d'alfandega l as portaras do Souza Franco nao appaiecer| Encerrada a discusso approvado o artigo com
que, por via de regra, tanto avultam as festas o nome do funecionano que se quer demittir entre' a emenda,
ottonianas em agradecimento a nao terem sido en- os do? individuos que teem agenciado voluntarios.! Entra em discusso o :
empoga-
.. esgoto.
ro sanccionada a lei relativa ao corpo de
polica, em consequencia da qual j expedio a pre-
sidencia ordens no sentido de apromptarse o mes-
mo corpo, afim de seguir para o sol.
A seu pedido, foi exonerado do commando d*
corpo de polica o Sr. tenente-coronel Sebastio
Lopes Guimares, que foi no mesmo substituido
pelo respectivo major Alexandre de Barros Albu-
querqne.
Installou-se hontem com a presenca de 48
jurados e segunda sess.io jncliciaria do jury desta
capital, sob a presidencia do Sr. Dr. juiz de direito
da segunda vara Manoel Jos da Silva Neivas.
Foram apresentados pelo juiz preparador 30 pro-
cessos, para serem submetlidos julgamento.
5845000! Tem hoje lugar no Santa Isabel a estrea do
2005000 actor Lai Caries Amoedo, indo scena o drama
896;00O em 5 actos A Filha de Lavrador, composico origi-
------- | nal franceza dos Srs. Anicet Bourgeois e d'Eonery,
__- j& 9rvsiino Conhecedor do mrito artstico do estreante, nao
apoiada a segrate erflenda : podemos o*-*. convidar aos amantes do thea-
tro, afim de rem-n oap.^,. deferindo-lhe os lou-
vonres que Ine sao obviaos pelo traban* completo
que elle exhibe n'um drama de lanas emoges
No dia 30 oo mez lindo, inaugurou-se nesta
cidade mais orna sjciedade musical com o titulo
de Euterpe Nacional, e sob a direcgo do Sr. Ma-
noel Augusto ae Menezes Costa.
O agente Cordelro Simes faz hoje leilo de
movis, gaz, madapolo e ontros mullos objectos na
ra da Cruz n. 57, s.ll horas em ponto.
ItEPARTigAO DA POLICA :
vai a mi ja e
Ao 2." Em vez de u enfermeiro com a
diaria de 15500 diga-secom a diaria de 25500.
Silva Ramos.
Ora o Sr. Silva Ramos.
Encerrada a discusso, approvado o artigo
com a emenda.
Sao em seguida approvados sem debates os se-
grales :
Art. 19. Alaguis de casas para
cadeias e quarteis fra do Recife
Arl. 20. Conducgo de presos-----
Segue-se a discusso do :
Arl. 21. Com 1,200 lampees de
gaz na cidade do Recife, ficando a
inspecgo deste servigo a cargo da
repartigo de- ebras publicas, inde-
2:9585000
1:1565000
Extracto das partes dos dias 30 de abril, t e 2
de maio de 1865.
Foram recolhidos casa de detengo ne dia 29
do corrente:
A' ordem do Illra. Sr. Dr. chefe de polica, Fran-
Ora o Sr. Jacobina.
ASSEMBLA PROVINCIAL
42' SESSAO EM 2 DE MAIO DE 1865.
PRESIDENCIA DO SR. DR. PEREIRA DE DRITO.
s 11 3)4 da manha, feita a chamada, acham-
is concdados nao tem se presentes os Srs. deputados Ribeiro, Rochael, G.
degradago seno a Inga Campello, Brandad, J. do Reg Barros, Gongalves !
da Silva, VictorCorreia, Buarque, Francisco Pedro,
Jos Maria, Silveira Lobo, ArolnTtias, Loureiro, Be-
nedicto Franga, Brillo, Ramos, Aquino Fonseca,
Braulio, Sonto Lima, Ayres Gama, Diodoro, Teixei-
ra de Mello, Netlo, Araujo Barros o Maranho.
O Sr. Prksidjcnte abre a sesso.
E' lida e approvada a acta da sesso anterior.
Comparecen! depois os Srs. Paula Baptisla, Na- .
bor, Cunha Teixeira, G. Drummond, Silva Ramo=, Arminio Tavares.
xotados por elle de seus lugares, como foram mui-
los outros, e com receio talvez de algum novo re-'
lalorio to repleto de injuslicas como o primeiro
servio mais.
Eis ahi: emquanto nossos irmos de Matto-Gros-
so, victimas das atrocidades inauditas de Lpez,
que no expectaculo do sangue excita a cora^em
das leras do Paraguay, parecem desherdados pela'
ineptido e pela duvida, dos beneficios da cora-;
munho brasileira; emquanto nossos patricios o
menor dos males qne solTrem a morte, forae em
sertes inhspitos: nossos
outro recurso contra a
alfrontosa; quando nossos corages nao deviam
palpitar seno ao sentimento de vinganga, as pro-
vincias de Goyaz, parte das de S. Paulo e de Mi-
nas deviam ter vasado suas populages em Matto
Grosso para all defenderera a honra c a integr-
dade do imperio, os amarellos reunem-se para en-
toarem gracas a Divina Providencia pelo resiabele-
ciraenlo de Theophilo Ottoni. Meu Dos I Em que
paiz vivemos? Que sociedade esta de que faze-
mos parte ? Acso a provincia de Matto Grosso
nao to digna de protecgo do governo como
qualquer outra ?
Apenas se soube da invaso paraguaya todos se
lembraram do Leverger, como o nico hornera ca-
paz de organisar alli forgas, capitanea-las e condu-
zi-las victoria. E' ura cidado de extraordinario
mrito que mais do que nenhum outro conhece a
provincia e seas recursos. Infelizmente divulgoa-
se a noticia de sua priso, mas apenas se soube
que ella era inexacta, todos respiraram contando
que o governo aproveilaria os servigos de cidado
to eminente. Vas esperangas I Leverger ver-
melho, e a gloria que elle alcangasse redundarla
em abatimento da inlluencia artificial de um cele-
bre baro de Agnapehy, qne a pedido de negocian-
tes desta corte deu ao Ottoni os 70 votos que o
pozeram em 3 lugar da lista de senadores pelo
Matto Grosso, e isto foi bstame para nao mais se
lembrarem da nomeago do Leverger.
Devastem embra o Matto Grosso, seja sua po-
pulago degollada pelos Guarauys do Paraguay,
passemos pela afTronia de ver o territorio da patria
oceupado pelo estrangeiro, e que estrangelro I
pouco importa, comtanto que o ministerio tenha
os votos dos dons deputados pelo Mallo Grosso e
nao concorre para o restbelecimento da influen-
cia dos vermelhos anda mesmo em Matto Grosso
A poltica actual
B
PERNAMRUCO.
Arl. 22. Com 101 ditos de azeite em
Olinda.......................... 9:5485C35
Vera mesa e apoiada a seguinte emenda :
Com 10 ditos do azeite para a villa de Pao
d'Alho, 10 ditos para a cidade de Nazaretb, 10 di-
tos para a villa do Limoeiro, 3:1755500 rs.
E* tambem apoiado o segrale requerimento :
t Requereraos que a emenda seja remedida
commisso de orgameuto, para ser attendida con-
venientemente.Rochael.Maranho.
Oram os Srs. Silva Ramos e Nabor.
Encerrad a discusso, approvado o artigo e
regeitada a emenda.
Seguo se a discusso do :
Art. 23. Com 30 ditos em Olinda 3:1755500.
Vem a mesa as seguintes emendas :
Em lugar de-Olindadiga-se Goyanna.
Campello Buarque.
c Artigo substitutivo. Com 50 ditos em Goyan-
na, inclusive as despezas da collocago de mais de
vinte para prefazer aquelle municipio, 4:500$.
rquesicao.
tancia.
E' apresemado e lido o relatorio da commisso
especial encarroada de examinar os estabeleci-
mentosde caridade cargo da Santa Casa da Mi-
sericordia.
Vai a imprimir.
L se mais o seguinte .
Urna petigo dos proprietarios dos botes e balie-
ras, empregados n) trafico do porto, requerendo
assembla serem dispensados do imposto provin-
uraa poltica desesperada, nao c|al langado sobre oslas embarcages.A' commis-
tem corago, s a demina clculos ignobeis de du-
raco no poder a que todo sacrifica at a honra e
a dignidade nacional.
Se houvesse alguem que tragasse com cores ver-
daderas o quadro das calamidades medonhas, que
1 sao de fazenda e orearaento.
Outra do Dr. Manoel do Nascimento Machado
Poxiella, pedindo que esta assembla contemple no
quadro das dividas do exercicios flnde3 a quaDtia
de 725000, a qu o supplieante tem direilo como
tem afflgido a desgragada provincia de MatoGros- i procurador de Antonio Monteiro, de Siqueira, pelos
pendente de maior estipendio ..... 78:8405000 cisco Bento, Maria Thereza da Paz, Francisco An-
Vem mesa e apoiada a seguinte emenda : tomo dos Santos e Severo Jos Francisco Caval-
c Depsis da palavraRecife -accrescente-se as canti de Oliveira, sem declarago do motivo e pos-
seguintes :sendo 15 para serem collocados des- tos logo em liberdade; e Joaquim Jos de Sant'An-
dc. a ponte do Manguinho at o sitio de Manoel na, para recrula.
Gongalves. O mais como est no artigo.S. R. A'ordem do Dr. juiz especial do commercio, An-
' Araujo Barros. ionio Le te de Magalhes Bastos, requisigo de
I Flix Souvage & C. e outros.
A' ordem do subdelegado do Recife, Marcolmo
Francisco de Lima, por insultos.
A* ordem do de Santo Antonio, Felicidade, cs-
crava de Francisco Cardoso de Mosquita, por f-
gida.
A' ordem do da Varxea, Joo Jos Tavares de
Veras, como desertor do exercito.
- 30 -
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
noel Antonio Rodrigues e Manoel Antonio da Silva,
vindos da provincia da Parahyba, como criminoso.
A' ordem do Illra. Sr. Dr. chefe de polica, Jos
Antonio Correa, como criminoso de morte, Leni-
das Jos Victorino, como pronunciado no artigo 93
combinado com o artigo 34; Antooio Mauricio dos
Sanios, como desertor da armada, Luiz Jos Rodri-
gues, sem declarago do motivo e posto logo em
liberdade.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos, escra
vo de Caors 4 Barbosa, a requerimento d'este*
A' ordem do de Sao Jos, Clarinda Mara da Con-
ceigao e Rosa Maria Joaquina, por disturbios.
A" ordem do da Boa-Vista, Jos Francisco dos
Anjos, por embriaguez, e Joaquim, escravo de Jos
Antonio Bastos, a requerimento deste.
A' ordem do da Capunga, Manoel dos Passos Ne-
to Neves, por ferimentos e Jos Francisco Cleto
das Virgens, como indiciado em crime de ori-
niento. .
O chefe da 2*.secgo,
J. G. deMesquita.
casa de detenqao. Movmenlo do da 1." de
maio de 1865.
Existan) presos 357; entraran) 11 ; sahiram 3 ;
existem 365, a saber: nacionaes 274 ; mnlheres 5,
estrangeiro5 26; raulheres 2; escravos 52; escra-
vas 6 ; total 365.
Alimentados costa dos cofres proviaciaes 136.
Mov ment da enfermara do dia 2 de maio de
1865.
Teve baixa :
Manoel Baptista de Souza.
Passageiro do brlgue portuguez Laia //, en-
trado de Lisboa : Manoel Caetano Teixeira de
Mello.
Passageiro do hiate brasileiro Sobralense,
sahido para o Acarac pelo Cear : Jos Ciernen-
lino do Monte, Pedro Ribeiro de Oliveira, Antonio
Sa Pereira e Joaquim Rodrigues Passos.
Cemiterio publico.Obituario do dia 29 de
abril de 1865.
Francisco, Pernambuco, 15 annos, solteiro, escra-
vo, Boa-Vista ; ttano espasmoso,
Antonio, Pernambuco, 10 mezes, escravo, Realis-
ta ; diarrha.
Raymunda, Pernambuco, 25 annos, solteira, escra-
va, Recife; diarrha.
Flix, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vista ; convul-
ses.
Jacobina e Sabino Olegario.
OSr. Io secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE:
Um offlcio do secretario do governo, remetiendo
as informages ministradas pela thesouraria pro
vincial acerca da preienco do portero do consu-
lado provincial Francisco Antonio da Silva Caval-
canti. -A' quem fez a requesigo.
Outro do mesmo, remetiendo a informagao nii-l mozo............................ 3:175}500
nistrada pelo director da repartigo das obras pu- i Entra em discusso o :
acercada edificagao do caes do canal da ra da |
Aurora.A quem fez a r*nnairit Art. 20. Auz
Com 60 ditos de azeite para a cidide de Goyan-
na, 6:3535.Nabor.
Ora o Sr. Arminio Tavares.
Encerrada a discusso, approvado o artigo
com a primeira das emendas, e rejeitada a segun-
da, ficando a ultima prejadicada.
E' sem debate approvado o :
Art. 24. Com 30 ditos em Rio For
Santa Casa de
Outro do mesmo, remetiendo a copia do pare- Misericordia, Inclusive o dote das ex-
cer do Exm. vigario capitular, acerca do projecto P0*"..........;':.........S-TSETE
n. 36 deste ann.o-Inleirada. i Vema mesa e e apoiado o segrate artigo ad-
O Sr. Buauqub requer a leitura do parecer su-; d"'vo :
pra, e depois de salisfeito, qne seja dado para or- Para concert do exterior e ladrilho do hospicio
deis do dia o projecto relativo, atienta a sua impor-': dos allienados, 5:0005 ; para factura de um muro
que cerque o hospital dos Lazaros 3:0005 ; oara
pintura e reparos do collegio das orphas em Olin-
da. 2:0005.Seguem-se 23 assignaturas.
Eneerrada a discusso, approvado o artigo
com o addltivo.
E' approvado o art. 26. Sustento e curativo dos
preso-., pobres 43:220?.
Entra depois em discnsso o art. 27. Recolhi-
mentos:
8 l. De Goyanna............... 1:000*000
2." De Iguarass.............. I:000j000
De Olinda................ 5005000
3.
2:500:000
ovado cora a seguinte emenda :
l i.0. De Iguarass, sendo 1:000* para repa-

^*


c
Diario de Fernanbaoo Qaart* fclta 1 de Halo de > 8ft.

diarrha.
intermif-
cys-
Mari, PernariaMsb, ib nfezet, Beelff Sltrrha." co Lemenha.RTsior tTSr. desembargadorftlmei
Maria, Pernambuco, ancos, RBrrfer n1""10- dta-AlbB'luei'que. STTeam os Sr$. desembarga-
30 ; dores Vasconceilos, Assis e Motta. Improcfrr
rm pra* Marffo nos arcosa rbeira,fo*Vea*; -daote. 9'
anemia. I Recrreme, o jnizo ; recorrido, baebarei Affonso
Francisca Marta da Conoelgio, Pcwabcoy88-an.; Josa, de Medanla.Relator o'-fr. dwembargadfcr
nos, viava, Santo Antonios hepatlte. Doria. Sorteados os Srs. desembargadores Vas-
Maria Francisca dos Prazeres, Pernambuco, 54 an-1 concellos, Molta e Domingacs da Silva.lmproce-
oos, soltelra. Boa-Vista ; tu*rtttos pulmamnas., denle.
Rwerretite, o juixo ; recorrido, Bento Villar de
Carvalho e nutro. Relator o Sr. desembargador
Mol. Sorteados os Srs. desembargadores Loa-
renco Santiago, Assis e Doria,Improcedente.
Recorrente, o juizo ; recorrido, Jos Francisco
Coelho.Relator o Sr. desembargador Domingues
da Silva. 'Sorteados os Srs. desembargadores As-
sis, Almeida Albuquerqoe e Santiago. Improce-
dente,
Recorrente, o juizo i recorrido, Maooel Bernar-
do do Nascimento. Relator o Sr. desembargador
VascooceHos. Sorteados os Srs. desembargadores
Doria, Almeida Albuquerque e GiUraua. Impro-
cedente.
I Appeliardes crimes.
Appellante, o promotor; appellado, Joo, es-
cravo.A twm jary.
Appellame, o juizo ; appellado, Antonio Moreira
Habeas-corpus.
Concedeu-se soltara tin habeas-corpus a Matbias
Jos da Paz, Francisco Jos Firmino e Bernardo
Manoel do Carrao. Negaram a Antonio Ruflao da
Silva.
DIUGE3C1A CIVEL.
Coi vista ao Sr. desembargador procurador da
corea
A appellaco civeL
Appellante, o julzo ; appellada, Mara Bicuda de
Mondonga.
DBS1UNAijO W NA.
A*signou-se dia para julgamento das seguin-
tes :
ApoellaeSes crimes.
Appellante, Lourecgo Jusumauo Perelra dos San-
tos ; appellado, o juizo.
Appellante, o juizo; appellado, Silvino, es-
cravo.
Appellante, Maooel Jos de Almeida Jnior ; ap-
pellado, o juizo.
Appellagoes clveis.
Appellaole, a fazenda; appellados, os herdeiros
de Francisco Alvts Pontea.
Appellante, Joaquim Antonio da Silveira; appel-
lado, Aatonie Manas Saldanha.
Appellante, a fazenda ; appellado, Manoel Custo-
dio Peixoto Soares.
PASSAGBNS,
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador (iiliraua
As appe I la toes erlmes.
Appellante, Pedro Pereira da Silva Guimaraes ;
appellada, a caara municipal.
Appeilante, daliuo Fausto Moreira ; appellada,
=

Flix Jos de Saota Rosa, Pcrnamiuco
casado, S. Jos ; eongesifocereural
l w
Manoel, Pernamhuco, 13 man, S. Jos,
Maria, Pernambuco, 3 metes, S. Jos,
tente.
Marcollno, Pernambuco, 3 atetes, Boa-Vista,
lite.
Luiza, Pernambuco, W annoa, sokevra, Be>Vteta,
inlerite-cbruotca.
Um prvulo morto encontrado na porla da matriz
de Santo Amonio.
Manoel, Pernambuco, 3 ^mezes, cscravo, S. Jos,
espasmo.
Rota, Pernambuco, 3* anoos, solteia, escrava,
Santo Antonio, calkarro pulmonar.
Joanna, frica, 60 anoos, solleira, escrava, Santo
Antonio, asptiixia por submersio.
Gldino, Pernambuco, 25 annos, .-solieiro, escravo,
Boa-Vista, phthyslea pulmonar.
Heliana Maria do Sacramento, Pernambuco, bv an-
nos, casada, S. Ji s, repente.
Lonreoca Maria dos Prazeres, 'Pernatnbnro,
nos, solteira, S. Jjs, phlbyslca pulmonar.
Maria Bernardina da Conc^o Lima. Peruarau-
4h*k>, -i* i. VY' Rccife, peritomw.
RMICA jdiciakia
26 an-
0 Sr. tenente ^aboya, e airen! Norterto do **
batalhao de guarda
dia do mesmo, de 9 de abril prjimo w___
designados montaren guardas, por Am tocar )a
no qoarto passado, e nao coropareamam a allaa
fazendo desta forma pesar os ser vico, q* devam
aquelles offlciaes levar a elTeilo, em preSnfcirmy' vtOmt-u a demora que Aduce
quem se acha quPe, nao s com a cana do mesmo contas, e extraviou a de l-
batalbo, como oonrm servido par afln effMa. V deraMMa esponsabilsado Mienta. -
icito que qum nfo paga imaaaHades ao menos Entretanto na informaga > ft d maro deste
compra com os sene deveres pas que nao con- correte nao se encontra o seguiat:
tlnnem esses oflclan a fazer pesar o servicos qne t Cumpr>me declarar que em saeu ariatorio
I he sao deteroaiaadoe sobre o oftnaes que nao sao quaodo fnitei das defraudares refcrl-ae aquellas
s ao eampnmento de seoe deveres: peco guef$vmu mohecidas pelo examrdas ntu, t qw
oa deixariarn a ser to importantes.aa esta exame
Sa ralatoriatlo i" de feverelro de 1853 disse o
nacional, fogam-nar ortan da Su. too Pedro da Silva o seguate :
Ifnal proendimento sao leve o solicitador da
ftaadsco da CosU Arruda e Mello, que
aniliNtlj do levantamento e entrega de al-
as, que se achavam depositadas, apro-
em se I he tomar
iLelo que foj
ao Ulna. Sr. caminandante do refer* batalhao.
a quena oompll,que os nao deixe Impune.
OprfjittaO.
CORRESPONDENCIAS
O Sr. Jos Pairo da Silva perania a atsemala
ambicia!.
Tendo dita o Sr. Jos Pedro da Silva em seu re-
latorio, apresentado ao Exm. presideote desta pro-
vincia e datado de 30 de Janeiro do corrente anno,
que, em aMaeqoeoefe do atrazo do servico da the-
sourana provincial, mais de urna vez a renda pa-
blica tioba sido defraudada, attribuiodo esse atrazo
estivesse canda.
< NSo Ni, pois, compreAtaaMia ueste euo tt
que feriram d solicitador da fHlt ni, n o fbesen-
: relro do coosnlado, porque este fugo com a renda
cobrada em urna semana, que devia entregar no
sabbado ihesouraria, e aquelle com as quantlas
: que levaotou do deposito por autorisaco do juizo
dos feitos.
Cremos que a contradiecio mnlresta.e $6 po-
! demos attribuir esta e outras a nao se lembrar e
i Sr. Jos Pedro da Silva, quaodo escreve, do que ja
escreveo.
Entre as sete defraudacoes indicadas pelo Sr.
Jos Pedrb da Silva ne mappa, qm? remeten pre-
sideocia da proviacia, e que o inspector auribue
ao atrazo, em que se acha o ser vico da thesourart
iie serwco a falta de pessoal, que nao era sufflcien- provincial em consequencia da falta de pessoak -
(6 6 lAZOQQO I'*"' ,r *-'-"' f''" ...k*. & .....A.H. _
Tlunt\.lL 1W> COSIHEBCIO
ACTA DA SESSAO ABMI.NISTRATIVA DE I. OE
MAI0 DE 1865.
PRESIDENCIA 00 EXM. SR. DESEMBARGABOR
ANSKLSI0 TRASCISCO PEItTTl.
As 10 horas da manhaa, estondo reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, e presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm.
Sr. presideote declaroa abeila a sessao._
Lida, foi appi ovada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
m olcio da juota dos corretores, datado de
boje, remetiendo a cotacao dos precos cerreates da
praca na semana linda.Archive-se.
Foi distribuido ao Sr. deputado Baslo um hvro.
que tem de servir para inscripeo das actas das
nessSes alinun-tratiws do tribunal.
DESPACHOS.
No requerimento de Augusto Ceelho LeHe e
Francisco Antonio de A'bnquerque, salisfazendo o
despacho de 28 de julho do anno prximo passa-
do, aum de ser registrado o seu contrato de socie- Anoa Alejandrina de Lima,
daoe -Recistre-se o Sr- desembargador Looreoco Santiago ao Sr.
No de Keller & C. firma social composta de Joo desembargador Almeida e Albuqoerque
Keller Lamben, Joo Jacob Loppacher, Theodoro A appellaco criuw..'
Freis, Ulrick Keller e Fredcrico Augusto Wegelm, Appellante, Manoel Mendes da Silva ; appellado,
suisss, os dous priineiros dumicHiados na Europa, o juuo.
e os tres ltimos nesta cidade, aonde sao estete- ._. A appellaco civel
cidoscom casa de commercio de grosso trato, sob' Appellante D. Joanna de Jess NevesQuaresma
a indicada firH1a, pedindo que sej* a mesma admot- Duane appellado, Joaquim hrancisco Duafto.
lida a matricula : Vista ao Sr. desembargador
Hseal. ,
No de Carlos Jos Astley & Cempanhia, salisfa-
zemto o despacho deste trlbunaL.de 27 de maio do
anno prximo passado, para !h ser conceda saa
renabililaco : Junto aos autos de rebabiliasao
dos supplicantes, hja vista ao Sr. desembargador
liscaL
Com informaoJo do Sr. desembargador fiscal :
No de Joaquina Francisco dos Santos e Joaqona
de Fana Machado, pedindo o registro do seu con-
tracto de sociedade :Junte o advogado procura-
cao.
No de Joaquim Fernandes dos Santos e Antonio
Fernandes dos Santos, pediodo lambem o registro
do seu contracto de sociedade Registre-se.
No de Jos4 de Castro ttedondo e Jos Ribeiro da
Cucha Guimaraes, pedindo igualmente o registro
do seo contracto de sociedade :-Regislre-se.
Nada mais havendo a traiar, o Exm. Sr. presi-
dente declarou encerrada a sessao as onze horas
da manhaa.
SESSAO
JUD1CIAR1A EM 1 DE MAlO
DE tS6o.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
As onze horas e meia da manhaa o Exm. Sr.
presidente abri a sessao, estando reunidos os se-
nhores desembargadores SHv*Gomfis e Arcio-
e os senlion-s depurados Rosa, Candido Alcoforado,
Vi-sio e Miranda Leal.
Lida, foi arprovada a acta da essao
dente.
j___r mnonio da Cruz Ribeiro; appellado,
Luiz Antonio da Silva.
Adiado o julgamenlo a pedido de um dos seoho-
res deputados.
Appeliantes, os administradores djpassa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado,
Francisco Jos Leite.
Desprezaramse os embargos.
Appellante, o Dr. Christovao Xavier Lopes; ap-
pellados, a viuva e herdeiros de Joo Ferreira dos
Santos,
Adiou-se o Julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados. _
DESIGNAC.AO DE DA.
Appellantes, os administradores da massa fall-
da de Bastos & Lomos; appellados, Covmbra &
ItivauH.
Primeiro dia til.
. PASSAGBNS
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Accioli :
Recrreme e recorridos simultneamente Ma-
noel Moreira Tavares e D. Leopoldina Maria da
Costa, mulher de Manoel da Costa Costivella com
autorisaco do juizo.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Joaquim Jos Silveira ; appellado, Galdino
Themistoclea Cabral de Vasconceilos.
Appellante, Jos Domingues Maia ; appellados,
os administradores fiscaes da massa fallida de Amo-
ro), Fragoso, Santos & C.
Appellante, D. Anna Delfina Paes Barreto ; ap-
pellado, Manoel de Souza Pereira.
Appellante, Henrique Augusto Milet, tutor dos
orphos tilhos de Slmao Pinto Ribeiro. e Joaquim
Pedro do Reg Barros ; appellado, Gabriel Antonio
de Castro Quintaes.
DISTRIBUIR (ES.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellaotes. D. Maria Rila da Cruz Neves, por si
e como totora de seas Albos, e Antonio Betelho Pin-
to de Mesquita ; appell
Banco de Pernambuco, como administradores da
Ao Sr. desembargador Mona
A a p pe I lacio civel.
Appellante, Antonio Alves Vianna ; appellados,
Geo Kenworth ,S C
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr desembargador Assis
As appellacoes civeis..
Appellante, D. Joanna Mana das Dores; appel-
lado, Antonio Alves de Miranda Guimaraes.
Appellante, o cnsul portuguez ; appellada, D.
Anna Lopes dos Res.
Appellante, D. Joaona da Silva Medeiros ; ap-
pellada, a fazenda.
Appellaute, o brigadeiro Gaspar deMene/es Vas-
conceilos de Drumraond ; appellada, a Santa Casa
da Misericordia.
Do Sr. desembargador Assis aoSr.des.'inoarga-
dor Doria
As appellacoes civeis.
Appellante,. Maooel Joaquim Rodrigues de Sou-
za j appeUado Jos Gomes da Silveira.
Appellanie, Honorato Jos de Oliveira Figueire-
do ; appellada, D. Josepha Joaqoina de Brito.
Appellante, Joaquim Mauricio Wanderley e ou>
tros appellado, Lio Ferreira da Silva.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gad' r Domingues da Silva
A appellaco civel.
AppellaDte, o baro de Guararapes ; appellado,
Jo Francisco de Farias Salles.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconceilos
As appellacoes civeis.
anlfce.-- A,yPella/^i terncij itoajlUimF u nefata de M-
Appellante, D. Isabel Mana das Otaca Guima-
raes ; appellada, D. Itita de Cassia Preira Vanna.
Appellante, Candido Franklin de Lima ; ap-
pellado, Joaquim Franklin de Sonsa Pinheiro.
Do Sr. desembargador Vasconceilos ao Sr. des-
embargador Caetano'Santiago
As apptllacoes civeis.
Appellante, Eduardo H. Bramah ; appellado,
Joao Paulo Carneiro de Souza Bandeira.
Appellante, Jos Domingues Correa ; appellada,
a ordena terceira de S. Francisco.
A' 1 hora encec-cu-oe asesso.
COMMNIGABOS.
recahir essa falta sobre a assembla
provincial, que. elle acensa va indirsotamsnto per
uau bsvar atteudidu aos sens repetidos pedidos de
augmento desee pessoal, feitos em seas anteriores
relatnos, pareces teto estranho-a am des depata-
dos proviociaes, que se nao deixam-ienipopar com
palavras, e requereu este que se pediste, por nter
medio da precedencia da provincia, mfermacao^Ie
ijuaiiias veaes nha sido defraudada a renda panu-
ca, seguado dtaia o Sr. Jos Pedro da Silva em su
rotatorio sapracitado, com indicaco dae qoantias
a que se elevava cada ama das defraudacoes ; mas
o iaspeetor dessa thesouraria, em vez de cingir-se
ao pedido, remetteu um mapPa de todas as defratt-
dacoes havidas desde setombro de 1848, em que
elle comecoa a dirigir, em oommissao, aquella re-
parlicao, e todas essas defraudaces se limUavam
a sete ; sendo de notar que quasi toda, se nao lo-
m, nao se tinham dado em coneequeaela da Mta
de pessoal, e, se acaso para alguma eencorreu o
atrazo do servico, isto se nao deveo a nao ter sld
augmentado esse pessoal, como pascaremos a mos-
tra-lo.
O Sr. Josa Pedro da Silva, escrevendo seu rela-
tor io, nao se persuadi que fusse impugnado o qae
elle ditia, e, dando a loformaco exigida, ju'gou
que esta imporia silencio a qaalqaer dputa-
d provincial que tivesse a ousadia de queFer oc-
cupar-se de sua thesouraria ; mas eogaoou-se, e
foi d'abi que proeederam os embaTacos em que se
esta vend para tirar-se das difflculdades, era que
se collocou, eserevendo o que poda ser contestado
com o mesmo qae elle havia escriptooa dito, e com
factos. O Sr. Jos Pedro da Silva, tem per habito
fazer recahir sobre outros culpas que podem ser-
Ihes attnbuidas : para poder explicar o roao esta-
do, em qae se acha a thesouraria provincial e por
elle indicado, prevaleceu-se da falta de pessoal, ?,
para saur-se airosamente do atrazo, em qae se
acha essa repartidlo, tornou respoosavel de ludo a
assembla provincial; mas am dos deputados pro-
vinciaes nao quiz cal-regar com as colpas, pelas
quaes responsavelo Sr. Jos Pedro daS:lva,eomo
chefe da thesouraria provincial, e, recebendo as in-
formacoes pedidas, nao se deisoa Wodtr, e culdou
de coafrontar documentas, e apreciar os fados.
Entre as sete defraudares indicadas pelo Sr.
Jos Pedro da Silva no mappa queacompaabou sum
uformacoes datadas de 20de marco deste anno, se
acha mencionada a do ex-thesoureiro da reparti?o
das obras publicas, e postoque o Inspector da (be
souraria provincial nada dissesse nessas informa-
ces.que servjs&e de esclarccimento, todava deve-
nios crer que essa defraadacaoestcomprehendida
no numero das que forana cenhecidas pelo exame
de contas.e deixana de ser tao importante, se esse
exame estivesse em dia, como disse o Sr. Jos Pe-
dro da Silva ; mas nos parece que, seassim nao
se deven isto a nao ter a contaderia da thesoura-
ria provincial nm cartorario, e saa secretaria um
amanuense, e sim porque as cousas all se acham
mais ou menos irregnlarmenle, como prova tudo
quanto o Sr. Jos Pedro da Silva iodicoa em sea
tnssois
Pedras de Fogo, 8 de abril de 186o.
Sempre que se nos proporciona occasiao, nao
podemos deixar de levar ao conhecimento do pu-
blico os grandiosos servicos prestados a religio
pelo Rvm. Sr. prefeito Fre Serapbim da Cataoia,
esse cultivador da vinha de Jess Chdaip, que tao
bem tem sabido fertilizar, os ycjijflMii ispcr-
rimos, e ver aos cntuplos fl Kc>W Crudos
em paga de tantas fadigas
e como imora oe seas nios, e Amonio BOte.no n- de^ainda nS/nn? nmSS? TJ ^"^
to de Mesnuita annelladns os directores do Novo: que ?or ponco tn)P0> v""'uoso mis-
to ae Me(iu'ta i appenaaos, os aireitores oo novo S|0nar|0 eis qae Raneo de Pernambuco. como administrad .res da >...., j.' ...J .. 6. uu yu"sue, peas o
massa fallida de Mesquita & Dutra.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Luiz Jos da Suva Guimaraes.
AGORAVOWTBaPOSTO DO JWIBO ESPECIAL DO
COMMBRCIO.
Aggravante, Justino Martyr Correa de Mello ;
aggravado, Antonio Emygdio Ribeiro.
O Exm. Sr. presidente deu provimenlo. -
AGORAVO DE INSTRUMENTO 1NTERP0STO DO JWZ0 MU-
NICIPAL E COMERCIO DE SERINHAEM.
Aggravante, o tenente-eoronel Gaspar Cavalcanli
de Alboqoerioe enda j aggravado, Tertuliano Jo-
s da Silva Pegado.
O Exm. Sr. presidente nao tomn conbecUDento.
Nada mais havendo a tratar-se o Exm. Sr. pre
dente eneerroa a sessao 1 hora da tarde.
Tltllll % 41, DA RELAC, lO.
SESSAO EM 2 DE MAlO DE 1865
PRESIDENCIA DO EXM. S. C0NSELHE1BO
. SOUZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Lourenco San-
tiago, Almeida Albuqoerque, Assis, Doria, Motta,
Domingues da Silva e BarrosVasconcellos, fal-
tando o Sr. desembargador Guerra, procurador da
corda, abrio-se a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribuidos
deram-BC os seguintes
JULGAMEKTOS.
Recursos crimes.
Recorrente, o joizo; recorridos, Joaquim Morei-
ra da Silva- e outro.Relator o Sr. desembargador
Loarenco Santiago. Sorteados os Srs. desembar-
gadores Dona, Vasconeellos e Almeida Albuquer-
que.Improcedente.
Recorrente, o julzo; recorrido, Manoel Francis-
horas da tarde, oceupando a cadeira da verdade,
enunciou a palavra de Deus com aquella suavida-
de e talento que o caraderisa ; nessa occasiao fez
saa despedida em virtude da semana santo qae exi-
ge a sua estada no hospicio de que digno pre-
feito. r
Todos os coracoes forana abalados pelo amor e a
saudade, que sabe inspirar o virtuoso ministro de
Deus nos coragdes dosfilhos de Maria Santissima.
As lagrimas arrazavam os olhos, e deslisavam-
se pelas faces dos ouvintes;os solncos muitas ve-
zes abafavam a vez do apostlo do Senhor, que re-
commenda o amor de Deus e do prximo; o perdao
*l injurias^ o fervor da oracao, e a persisiencia na
obrada Senhor da CoDceicao; era por certo um
quadro b stante pathetico ante o qual nlbguem po-
da flcar indifferente...
Depois de 6 mezes de afanoso trabalho neste an-
no, o saberbo templo ^ue encanta e sorprende a
quantos vem, e se ostenta com o prodigio de Ma-
ria aeha-se de todo limpo exteriormente com doas
torres que dao a mais bella e sobarba perspectiva;
sao dous Bhaniasmas qae assombram os iocredu-
tos, e am monumento de gloria para os fiibos de
Mana, e um padro de honra para o Rvm. Sr. Fr.
Seraphim.
Na segunda-eira depois de tercelehrado o Santo
Sacrificio da Missa, cavalgou, acoropanhado de aJ-
guns cavalleiros e grande mollido de povo que o
seguiram al boa distancia, dando sempre urna
prova de coosideraco e estima a esse digno e vir-
tuoso Capuchinho, a quem o povo ama de todo o
cora cao.
Maria Santissima delate seus das prectosoB para
que Ella seja exaltada na trra como nos Ceas, e
o reronduza entre nos, qo saudosos carpimos a
sua ausencia.
W
guram as do ex-col lectores de Goianna, RloFor-
dizendo que a divisTo, qlle propunba o adminis-
tra dor desse consolado, dimintua em grande part
vemeimentos do empregados Ai ajUettoria te
Oltnda.
E qaerem saber porque a essa divisao, blseada
sobre razies solidas, se oppanba o Sr. Jas Pedro
da Silva, sem fundamento alguna plausivel, como
Isp v de suas propcUs palavras'? Pojoaav eca
Hctor de Oliada o Sr. Manoel Jos rJtMveJo
Amorim, seu parante, e escrivao dessa eollectoiia
o Sr. Manoel phigenio a Silva, seu irmao, apo-
sentado, ha dous annos, a Jugar de i* coufereole
da alfaadega desta nfoviaetal Pelizmentea assem-
bla provincial detta wz pac termo a esa* eensura-
el abuso e escndalos patroonto, atkaadendo ao
que propaoha o administrador ia coosnlado, ana
ao partidario feaetaafidade.e durante a dia-
cussao do projecto d VA, ijuj mandou que a conec-
ta fosse feita por essa repartiso, bem vezes oa-
viu-se pronunciar o ora* de Sr. Jos Pedro da
Silva, de seu irmao e do prente, cujos interesses
licarara bem patentes.
Se assim procede o Sr.Jos Pedro da Silva,
quaodo se trata de negocio, que se liga a interesses
de pessoa, a quem elle vota amteado, do mesmo
medo procede quaodo tem de intervir em ne-
gocio, que diz respeito pessoa, que Ihe desaf-
fecla. E' sabido que desde rauto o Sr. Jos Pedro
da Silva se moslra desaitoicoado do proprietario do
Diario de Pernambuca, porque este nao quer ren-
der-lhe homenagem, e por isto nao perde occasiao
de contrariar qualquer pretencao, a que esse nosso
amigo se julgue com direilo. No relatorio do 1 de
mowe Iguar qae, seguudoo mesmo Sr. Jos Pedro da Silva, fo-
rana reeonheeida pelos respectivos exames de con-
tas ; entretanto, se recorrer mos aos seus red ate-
rios, veremos que sses collectores foram demit-
tdos e respoosabilisados por nao terem entregue
as rendas ero havrtm arrecadadfr, e n5o porque
nos exames de suas. contas se recntiecesse qae
eUw se adiavnm alcancaffos, como passaremos a
mosira-lo.
No relatorlo a presentado pelo inspector da the-
souraria provincial com data do i." de evereiro
de loO dira o Sr. Jos PedtO da Silra o se-
guate :
A dffflcttldaxTe de encontraTem-se pessoas pro-
ba-, inlelligentes e zolosas pelo cumprimento de
seus deveres para occirparenr os logares de collec-
tores, cujos- venciroeutos nao ebegam para a sub-
sistencia, continua a collocar-me na penosa obrt-
gagao de reepoasabiiisar repetidas vetes estes em-
pregados pela falta de entrega da renda que co-
br'alT Neste preeedfmento iacorreu lafelizmente,
logo depois de meu ultimo relatorkr o collector de
Gaiaana, e no eatemefo correte o do Wo Formo
so, sendo por isso demittidos e respoosabtlisados
-de confonnidade com o dupa^'o no 3. do art.
Io do regulamento dessa thesouraria.
yo relatono apreseaUJo pele saesmo inspector
em dala db 3t de Janeiro de 1857 dizia anda o
Sr. Jos Pedro da Silva o seguate :
Contino a ver-rae na dura ohrigaclo de pu-
nir os conectaros por dVfraBdarem a renda publi-
ca. A repetico deste erime fortifica minha convic-
co, de que eHe oma.ooaeequenola da exiguida-
de dos veaeisaentos que percebem estes emprega-
dos, por ist (ijllicji sen evit-lo; visloqae
a renda qu cobran> aljamas eolleetorias oo per-
mitto, por dlmiauta, ene estes vencmentos sejam
mais avallados.
c O collector de lgowass Domingos Goncalves
Pereira Batios leve a iafellcMade de atsm proce-
der em todo o lempo qutoecupou este lugar, sendo
provincial de dizer alguma cousa a respeito do
contracto celebrado com esse proprietario para a
impresso dos trabalhos das reparticoes provin-
claes, e eis como se exprima o Sr.Jos Pedro
da Silva:
< A arrematacao da impresso dos trabalhos das
reparticoes provincia* anda foi effeciuada, por
falta de competidores, por elevado uraco; mas tea-
do o arremtame Qcado desta vez sueito a coa di-
Qdes mais restrictas, que nao podera violar sem
qaeb-a dos seus interesses, tem sido pontual as
ImpressSes que se tem delle exigido.
. Entretanto o Sr.coaselheiro Souza Ramos, tendo
de apresentar seu relatono assembla provincial,
em vez de cioglr-se opiniao do Sr. Jos Pedro da
Silva, desmentio o que este disse por este modo:
i A impresso dos trabalhos das reoartic,oes pro-
vnciaes foi arrematada pelo diminuto prego de ris
:GiG2.'l. O emprezario tem cumprido ponlual-
mente as obrigagoes contrahidas; mas em servgo
desta aatureza nao se devendo ter principalmente
em vistas a barateza, esim a perfeigao, proraptidao
e opportunidade, parece-me convenieole_ haver a
sen respeito disposigo espeeial, que nao tolba a
liberdade de atleader aquellas circunistaacias.
Isto nos parece claro, e deveria servir de ligan
ao Sr. Jos Pedro da Silva.
De lado quaato" remos cscripto se deduz o se-
guinte:
1. Que o Sr. Jos Pedro da Silva nao inspec-
tor cffectivo da thesouraria provacial, mas sim in-
terino ou em commisso nessa reparticao; e, no
caso de qae seja effectico, ento delle se deveexigir
qae faga opgo da cadeira de Geometra do Colle-
gio das Artes, que abaodooou desde 1848;
2." Que o atrazo do servigo da thesouraria pro-
vacial nao pode ser atiribuido com fundamento
falta de pessoal dessa repartigo, mas sim a m d-
recgo que tem tido essa thesouraria; nao devendo
a assembla provincial ser por isto responsavel,
como se deduz do que a este respeito disse o Sx.
coa fragrancia parece inexhaorivel, inixgotave!,
mesmo depe aa r stta npotta a ana prolon-
gada evaporago oa dkTuso. Sest raapeito ella
se assemellw a origltnrl Agua de Colonia de Fari-
a, e prerie por soda a Amrrtea do ful e as
Anlilhas, nao obstante o valor e costo dobrado da-
qaelle oatro perfume. __
(Reparal bem wa os aoat*a>aVMurray e han-
manse achem inscriptos safe aan envoltorio, le-
treiro e ate mesmo embutidos an aroprio vidro da
garrafa, a na faltados atasmmvtsda mais falsa.)
Acta se venta as pharmacias de Caors &
Barbo* e J. da C. Brava C.
COMMUCIO.
(]i.va Mliai de banco d Brasil en
Peruamboeo.
A directora desta caixa saca sobro o banco de
Brasil ao Rio de Janeiro e sobre a caixa filial da
mesmo banco na Baha.
.Varo banco de Pernam-
buco.
O banco desconta letras na presente semana a
10 por eento ao anno al o prazo de qnatro me-
zes, e a 12 0(6 at o de seis mezes, e toma dinhei-
ro a juros a praso nunca menor de tres mezer.
*oTobanco de Pornambitoo.
O banco paga o dividendo na razo de8A
dor aegao.
Calva filial do banco do Brasil
em Pernambuca.
19 de abril de 1863.
Tendo-se desencaminhado do espolio de Bernar-
do Jes Pinto a cautela de 43 aegoes das localiea-
das nesta caa, seb os: 1239 a ItaJC, a directora
fai publico a quem ioleressar poss, qne por parte
d Aotoaie Jos Ramos de Oliveira, do Rie de Ja-
neiro, tutor dos herdeiros do dito Pinto, se vat
aqui prncador a transferencia das referidas acgSes
para o noaae dos ruesmos herdeiros.
O guarda-livros,
lnnacio Nuoes Correa.
AI.PANDEGA.
Rendimenlo do dia 1...........
dem do dia 2...............
18:2ol371
31:l22a70O
50:374^071
MOVIMENTO DA ALFAffDEGA.
Volames entrados com fazenda... 29
com gneros----- 274
Volumes sahidos com fazendas___ 117
com generes..... 159
30*
deseoberto no exerdiote prximo lindo, por ter! Jos Pedro da Silva'em seu relator'io;
communicado a esta inspectora, qne nenhnma eo-1 3. Que as sete defraudagSes, ladicadas pelo Sr.
branca havia feito nw trimestre de jaoeiro a mar- Jos Pedro da Silva em seu mappa, nao procede-
go, quaodo pelo anotrario, tioha recebido am va-
lioso sello de herangas : o que foi revelado na as-
sembla provincial por occasiao da dlscusso, na
sua ultima sessao, de am projecto de lei de refor-
ma das collectorlas.
E no relatbri apraseotado pelo mesmo inspec-
tor com data de 31 de Janeiro de 1859 dizia mais
o Sr. Jos Pedro da -ilva o seguate :
Neahuma- Mta eorametteram no cumprimen-
to d3 seus deveres, e na observancia das ordeos
desta inspectora, teado os collectores efectuado
com toda a pontualidade e exactido os pagamen-
tos de qae foram encarregados por ordena do go-
veroo, entregando a renda que cobrarana e presta-
do suas contas nos prazos legaes.
c Assim tambera proeederam ate "O semestre do
corrente exercicio, com excepgSo do de Goianna,
relatorio. Consuliando-.se o mappa das eele.licfrau- qae lendo sido suspenso por terem seus fiadores
dacSes, se v que esta anda petd de jult^meol
judicial; e, se assim nos parece que, s denots
da decisao Goal, poder ella ser classilicada de de-
fraudacao, e para sd-lo nao basta o que diz o Sr.
Jos Pedro da Silva, mas slra o julgamento dos tri-
-bunaes. Se a defraudago, de qne se trata, fosse
inconteslavel, os fiadores desse ex-thesoureiro jato-
riam recolhido a quantia que se diz subtrahida,
como suceedeu com os do ex-thesoureiro do consu-
lado nrafjncial; naas ainda o nao flzerarn, e isto
vem mostrar que o sr. Juse Pedro da Silva nao di-
va incluir no seu mappa de defraudagoes urna que
ainda nao est reeonheeida como tal pelos tribu-
naes.
Parece.' primeira vista, que a defrandagao, de
que tratoa o Sr. Jos Pedro da Silva relativamente
ao ex-thesoureiro da repartigo das obras publicas
foi conhecida em um exame de comas, e que a
descolarla se deve pura e smplesmente ao cuida
do qne a thesouraria pSenesses exames, sendo essa
pretendida e ainda nao confirmada defraudago ve-
rificada em conlas tomadas pela ultima vez ; en-
tretanto somos levados a crer no contraria, e pau-
saremos a dar a razio, que temos para exprimirnos
por este modo.
Foi-nos referido por pessoa, que nos merece in-
teiro crdito, que antes de ter a thesouraria pro-
vincial dado pela defraudago, que attribue a esse
ex-thesoureiro, o Sr. Dr. Magalhes Taques, qae
se achara ento na administrado desta provincia,
communicou ao Sr. Jos Pedro da Silva, qne Ihe
constava que as contas prestadas por esse func
cionario nao eram regulares ou exactos, e rerooa-
raendon-lhe que houves.se de proceder em silencio
as indagatoes precisas, afun de ver se era funda-
do o que se Ihe tioha dito ; mas, mesmo assim,
nao foi por isto, segundo parece, que ebegoa-se a
descoberta dessa defraudago, anda nao ju gada
defioilivamente. Nao sabemos se isto, que referi-
mos, tem inteira exactido; mas podemos alar-
mar que nos foi communicado, assim como o foi
que, tendo transpirado immediatamente o que o
Sr. Taques confiou ao 8r. Jos Pedro da Silva, e
se apresentando poueo depois nm amigo daquelle
a pedir que nao demittisseoex thosoureiro, S. Etc.
quiz dispensar o professor de Geometra do Colle-
gio das Arles da commisso, em que eslava na
thesouraria provincial, por se persuadir qne tioha
sido este, qne havia communicado a esse amigo oa
ao mesmo ex-ihesonreiro o que Ihe tioha sido con-
fiado, nao se realisando a dispensa, porque outro
amigo, sendo prevenido, empenboo-se para que nao
fosse expedida a respectiva portara, que estava
lavrada oo ia se-lo. Isto, que provavelmente foi sa-
bido do Sr. Jos Pedro da Silva, et qne na thesou-
raria provincial se proeedessn com attengi ao
exame das contas qae ia apresentando o ex-the-
soureiro, e, por se ter dado com urna irregular-
dade, remonttm-se a contas j prestadas e accei-
tas, e ento do novo exame destas resolten a des- do do Sr. Jos Pedro da Silva e julgado pela mes
coberta de outras irregularidades qae haviam pas-
sado, e reuoidas as sommas sobre qne versavam,
considerou-se que esse ex-tbesourciro tinba de-
fraudado a fazenda em 14:2I3834 rs., segando o
mappa remetlido presidencia da provincia pelo
Sr. Jos Pedro da Silva ; e Isto prova que irregu-
laridades passam desape cebidas, e qne algoeTn
deve ser por estas responsavel, afina de que os fia-
dores nao se estejam vendo sacrificados por som-
mas maiores do qae seriara, se as irregularidades
fossem iramedialamente reconhecldas.
Entre as sete defraudagoes indicadas pelo Sr. Jo-
s Pedro da Silva figura a que proceden do ex-so-
licitader da lazenda provincial qae, sendo incum-
bido do levantamento e entrega de algnmas quan-
tias, que se achavam depositadas, evadio-se levan-
do conasigo a quantia de 2:9965086 rs.; e, se ha
defraudago que possa ser considerada como deter-
minada pelo atrazo do servigo da thesouraria pro-
vincial, esta, porquanlo o|Sr. Jos Pedro da Sil-
va, em seu relator apreseatado presidencia da
provincia e datado do de fevereiro de 1853, dis-
se que essa defraadagao proceder ia demora que.
houve em se tomar contas a esse solicitador, que
eila aproveitou-se para evadir-se ; entretanto era
sua informago de 20 de mareo deste anno disse o
mesmo Sr. Jos Pedro da SBva que essa defrauda-
cao ndo estava comprehendidano numero das que
liaviam sido conhecida pelo exame das contas. feto
mostra, a eontradicgo que ha eatre|esa informa-
gao e o relatorio do inspector da meaouraria pro-
vincial, e, para que se veja que procedemos com
teda a exactido, pausaremos a citar o que nesaa44K
pegas offlciaes se l. ~ antros
tregar a renda que al ento havia cobrado, como
Ihe foi ordenado por esta inspectora.
De ludo qae fica citado com a maior exactido,
se conclue que tedas essas defraudaces, radicadas
pelo Sr. Jos Pedro da Silva em seta mappa apre-
sentado presidenpia da provincia, nao proeederam
do atrazo do servigo da thesouraria provincial,
oem foram conhecidas em consequencia de toma
da de aontas, porquanlo os conectore, de que se
trata, forana demiltidos e responsabiltsados, como
se vio, por nao terem feito entrega das rendas ar-
recadadas ; cumpriodo notar que, se na assembla
provincial nao fosse revelado que o collector de
lguarass havia recebido am valioso sello de he-
ranga quo nao linha entregue, continuara elle a
defraudar a renda publica, como havia feito du-
rante todo o tenfpo em que oceupou esse lugar, sem
que desse por isto a thesouraria provincial, e que,
se urna commisso nao tivesse ido aquella villa,
em virtude de ordera da presidencia da provincia
datada de 23 de junho de 1856, nao se tena con-
seguido verificar que o referido collector nao s se
havia apossado do supramencionado sello deheran-
ga, seno de parte de mullos outros anteriormente
cobrados, como o disse o Sr. Jos Pedro da Silva
em seu relatorio de 31 de Janeiro de 1857, que te-
mos vista.
Temos concluido a rpida apreciago que flze-
mos da ioforraago do Sr. Jos Pedro da Silva em
relago s defraudagoes deque trata va vagamente
em seu relatorio datado de 31 de Janeiro deste an
no, e foram especificadas no mappa que acompa-
ibou as suas informagoes de 20 de margo, e aos
parece termos mostrado que nenhuraa das sete de-
fraudagoes indicadas pode ser atiribuida falta
de pessoal da thesouraria provincial, e que, se o
atrazo, em que se acha o servigo dessa repartigo,
concorrea para que alguma se tornasse mais ele-
vada, nao foi isto devido a essa falla ; por-
quantoo Sr Jos Pedro da Silva, tendo de indicar
quaes eram os empregados de que careca para
que esse servigo fleasse om dia, apenas mencionou
um cartorario para a contadorla, que j Ihe havia
sido concedido, e am amanuense para a secretaria,
e todos sabera que os exames de cootas nao depen-
den! de empregados similhantes; sendo necntes-
tavel que, quaodo mesmo esses doas empregados
tivessem existido na thesouraria desde sua reorga-
oisa^o, as defraudagoes dos ex-thesonreiros, do
solicitador da fazenda e collectores. ter-se-biam da-
do do mesmo modo, se essa thesouraria tivesse
sido dirigida, como tem sido at hoje.
as informagoes d Sr. Jos Pedro da Silva nao
existem somente Inexactid5es : ellas tambem se
resentem de certa parcialidade. Na assembla
provincial se tem visto algumas, que ho sido all
attribuidas amisadeou desaffeigo; mas quere-
mos provar o que diceraos com documento emana-
ram da falta de tomadas de contas, mas sim de nao
terem essas contas sido tomadas com todo o cui-
dado e regularidade; e que, se do atrazo do servi-
go tem resultado que essas conlas nao ho sido to-
madas em lempo, ou essas defraudagoes se torna-
ran! por esta razo mais avultadas, isto se deve a
accumuJago do servigo em consecuencia de'nao
ser essa repartigo dirigida regular e methodica-
raeote ;
4. Qae, quaodo o servigo de urna thesouraria
se acha tao atrasado quanto o diz o Sr. Jos Pedro da
Silva da sua, os balanges que aprsenla seu inspector
nao pode ter inteira exactido; e, continuando o
atraso e irregularidade, alguma oceurrencia des-
agradavel deve ser a cooseqaeocia;
5. Que nao foi e Sr. Jos Pedro da Silva quem
levou ao conhecimento do giverno oa da assem-
bla provincial as defraudagoes do corpo de polica.
qu-ctle nao acredltava, mas sim o adiiitaraento
proposto pelo Sr. Mello Reg ao requerimeolo do
inspector da thesouraria provacial; e que, se essas
defraudagSes foram deseobertas, para isto uo con-
correu directamente, mas sem peosa-lo, o Sr. Jos
Pedro da Silva qae, com seu requerimento, pareca
s' ler em vistas restabetocer o crdito da thesou-
raria e desse corpo, e tornar patente a calumnia
da opposigo;
6." Que as informaees do Sr. Jos Pedro da Sil-
va contm nexactMoes provadas com documentes;
e que elle, quaodo se deixa arrastrar pelos senti-
raentos de auisade ou inimisade, se torna par-
cial ;
7. Que, emfim, o Sr. Jos Pedro- da Silva deve
ser dispensado da commisso, em qae se acha na
thesouraria provincial desde 1818, com detrimento
do subsiuulo da cadeira de Geomolria do Collegio
das Aries; e que,quaodo seja considerado inspec-
tor effectico, como elle diz, est no caso de ser de-
mitlido do lugar que oceupa, porquaoto os factos,
apresentados e firmados em documentos officiaes,
sao sulficienles para justificar qualquer presidente
quo assim proceder.
Paremos aqui, e esperemos que o Exm. Sr. Dr.
Castello (tranco cumpra que prometteu solemne
peranle a assembla provincial em seu relatorio
lido em seu recinto no dia 1 de margo deste anno,
no qual sobresahiram, como base de sua adminis-
trago, as palavrasmoralidade e justica.
ma assembla provincial.
Dizia o administrador do consulado provincial
era sea relatorio, datado do 1 de dezembro do an-
no passado e dirigido ao inspector da thesouraria,
queera indtspensavel e conveniente que se esla-
belecesseai os limites territeriaes para o langa-
mento entre o municipio de Oliada e do Recife,
uniformlsando os limites da divisao fiscal, com os
da divisao judiciaria, policial e municipal, de mo-
do a fazer cessar por ama vez o inqHalificavel
abuso de fazer a coilecioria de Olinda o langamen-
to destes imposto em ama boa parte do municipio
do Recife, ebegando a comprebender at algumas
ras da extremidade da propria cidade do Recife,
e aoeresoentava qaenao havia razo poltica nena'
econmica, que justificasse o intoleravel abuso da
divisao fiscal existente, parecendo antes que a boa
razo aconselhava que a divisao fiscal fosse a mes-
ma que a jadiciariave policial, tanto mais quanto
era certo que as collectorias, sendo em regra crea-
das para cada municipio, nao era regalar qae a d
Olioda esteodesse sua jarisdiege alm desse mu-
nicipio, ciido em municipio e at em comarca iif-
ferentes fazer langamento e arrecadagao qnal a do
Recife, onde existia o consulado provincial, qae era
a nica repartigo arrecadadora do impostos do
municipio da capital-; mas a todas estas razoes
o Sr. Jos Pedro da Silva oppanba apenas que
essa requislgo, por vezes repetida e sempre des-
attendida pela assembla provincial, nao assenta-
PUBLICARES A PEDIDO
Amigo e Sr. A. S. P.
Agradecendo-lhe o honroso obsequio que meta
amigo se digno fazer-me, enderegando-me aquelle
seu bilhetin.io, forga-me a dizer-lhe que sobrema
neira louvavel o seu modo de pensar, e a pericia
m que o meu insigne amigo expoe as suas ideas
de coosummado poeta, dramaturgo, litterato, e em-
llm, de um homem que pelo seu inconteslavel la-
.lento, promelte dar um imporlanlissimo impulso a
lilteratura moderna.
Estimo pois, que o meu amigo sonde com muito
discernlmenlo as profundezas do pego em que me
falla, e que se nao deixe, por paixes tao falhen-
tas e rasteiras, arremessar nesse abysmo.
Nao admitto, porm, qae o meu dtstinelo amigo,
colha flores no reclntho de um abysmo, porque ig-
noro, que as suas profundezas, hajam essas flores
que meu amigo diz Ihe vicejam as fauces; sendo
esta palavra um termo inteiranaente botannico, e o
abysmo um plago onde s se eucontra a voragem
daquelles que para elle se encaminham cora dema-
siada precipitaco.
Tambem nao convenho qae o mimoso poeta de-
pois de ter colhido essas imaginadas flores, e esgo-
tado todos os seus recursos, afina de bem aprovei-
tar-se do seu eacellente odor, se v sao e salvo de-
leitarse em mais virentes campias, como diz o meu
amigo; quando certo que aquelles que se tema infe-
licidade de searrojarem a esses tenebrosos labyrin-
tbos, s sahem delles em complete exicio. Pare-
ce-me pois, meu intimo amigo, quo isto mesmo Ibe
acontecer, porque o mea amigo de certo j ha de
estar embriagado coro o aroma dessas flores que
se propoz ir colher, e consentindo que Ihe deem
urna chavena de um certo cha de japh-af, ha de
inrallivelraente cahir na rede e deixar qae o depe-
nera a seu bello prazer e vontade.
Adeas, amigo P., s feliz com as toas flores.
Elle.
.igna Florida de Hnrray e
I. anian.
Que es poetas embora fallem dosares odorfi-
cos da balsmica Arabia,porm apezar de tudo
pdese muito bem por em duvida, se jamis al-
gum desses florescentes bosques de Canelleiras ou
laraogeraes prodoziro ou derramaro inceoso e
perfume mais refrigeraule e deleitavel, do que
aquelle delicioso e delicado aroma qae exhala e
dimaoa desta admiravel tssencia, colhila dos cam-
pos virginaes de Flora. A atmosphera, a qual rou-
bae diveste a fragancia quasi todas asmis
aguas cheirosos, parece prodozir bem pouco ef-
3 a exquisita raridade deste aroma, a
esta preparago
----- 276
Dosarregam no dia 3 de malo de 1865.
Barca raglezaRonaldraerendorias.
Itrigue nacionalHenriqmsdiversos gneros.
Patacho inglesJoan Bijris diversos gneros.
Polaca italianafVoe^-idem.
Patacho hollaodez Fennec'tma farinha de trigo,
Lugre italiano Lorenzo Vakrw-idera.
Patacho inglesGertrudeshacalho.
Polaca hespanhola Veniuritavisaos.
Brigue hollandezAHortosfarinha de trigo.
Escuna dinamarquesa Levante mercadorias.
Lugre portuguez Jnlio diversos gneros.
Brigue ingleeByzantium dormentes e carvo^
ftr iguejnacionai daliascharque.
Barca portuguezaS. Joaodem.
Escuna hanoveriana Geztnardem.
Uarca nglezaTrentcarvo.
Barca iagleza- Izabellaidetn.
Barca belgaSoplite Theodorine idem.
Barca norueguense- TasminiaMera.
Brigue inglezUsefulidem.
Barca inglesaCommoiore idem.
Brigue inglezIzabellaidem.
Escuna inglezaCommodoreidem.
Importtaeio.
Brigue hollandez Aquarios, entrado de
Valparaso, consignado a Saunders Brothers
G. manifestoo o seguinte :
7:000 saceos farinha de triga, 1 caiia
chapeos do chyle ; aos mesnjos.
Lugre portuguez Julio, entrado de Lisboa, maci-
festou o seguinte :
28 pipas e 20 barris vinho ; a Joaqaim Jos Gon-
galves Beltro.
28 pipas, 4 meis e 63 barris vinho. 20 ditos, 15
pipas e 2 meias vinagre, 300. saceos farello ; a Eu-
sebio Raphael Rabello.
18 pipas, 10 meias e 76 barris vinagre ; a Ma-
noel Joaquina Ramos Silva 4 Genro.
500 vara lagedo ; ao Baro do Livramento.
0 pipas vinho, 3 ditas vinagre ; a Guilherrae da
Silva Guimare5.
100 saceos semeas, o barricas cevada : a Tasso
Irmao.
4 pipas e 14 barricas vinagre ; a Jos Antonio
da Silva Jnior.
18 pipas e 40 barris vinho, 60 ditos azeite, 20 di-
tos e 40 pipas, vinagie, 20 moios sal, 120 caixas
cera em velas, 200 saceos farello; a Thomaz de
Acjuioo Finceca.
100 ancoretas legumes; a Jos J. da Costa Fer-
reira.
4 barricas graos; a Manoel Jcaquira da Costa.
100 saceos farello; a Manoel Ignacio de Oliveira
& Filho.
8 pipas e io barris vinagre, 25 ditos azeite, 50
molhos e 25 caixas ceblas, 8 ditas bolachas, 5 di-
las massa de tomates, 8 ditas dece ; a Thomaz de
Aquino Fonceca Jnior.
3 volumes drogas e vidros; a ordera.
1 dito ditas; a Joo da Silva Paria.
5 dito ditas ; a B. F. de Souza C.
25 caixas ceblas ; a Joo de Barros.
4 ditas chinellos ; a Jos Fortunato dos Sanios
Pono.
1 dita peixe ; a Henrique Jardim.
8 ancoretas azeitonas ; a Manoel Ribeiro de Car-
va I lio.
100 saceos farello, 30 ancoretas chourigas lin-
guigas, 50 caixas, 100 meios e 200 quartos passas;
a Antonio Lopes Braga & C.
1 lata chourlg'-s ; a Manoel Joaquim Gomes.
2 barris vinho ; a Jos Bibeiro Lopes.
20 ditos azeite, 200 caixas ceblas e 4 volumes
cera em grumo ; a Francisco Antonio Melrelles.
Brigue portuguez Laia II, entrado de Lisboa,
manifestou o seguinte:
54 pipas e 100 barris vinho, 10 ditos azeite, 20
ditos toucmho, 3 ditos carne ensacada, 300 varas
lagedo, 45b saceos farello, 160 caixas cera em ve-
las, 47 barricas alpsta, 10 saceos ervadoce, 52
meias e 123 quartos passas; a Eusebio Baphael
Rabello.
15 pipas vinho ; a Jos Pereira P. Lima.
barris vinho; a Jos Mana Pal-
8 ditas e 10
meira.
24 pipas e 40 barris vinho ; a Joqnim J. Goncal-
ves Beltro.
2 barris vinho ; a Joo Ribeiro Lopes.
3 pipas e 20 barris vinagre, 45 ditos e 8 pipas
vinho ; a Thomaz de Aquino Fonceca.
25 caixas cera em velas ; a Domingos Bodrigues
de Audrade.
6 pipas e 30 barris vioagre, 10 saceos farelo ; a
Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho.
5 pipas e 33 barris vinho, 33 ditos e 5 pipas vi-'
nagre ; a Thomaz de Aquino Fooceca Jnior.
para
va em nenhum interase pxlico, porquanto, se al-1 qual pertence por VxMllencfa a
anos contnburates vioham a flcar de melhor con-. sublime e refrigerante. Ella eocerra em si or a"
djg5o quanto s distancias das ditas repartigoes, sim dizer, o condensado respiro e vida das flores
seriam menos prejodicado, e conelaia! as mais exquisitas e odorferas do reino vegetal e
Exportaco.
Escuna ingleza Zampa, carregou
Falmuth o seguinte:
3,500 saceos com i 7,300 arrebas de as-
sucar masjavado.
Brigue inglez Mary, carregou para o
Canal pela Paraliiba o seguinte :
1,200 saceos com 6,000 arrobas de as-
suc.li' mascavaJo.
Barca portugueza Henriqueta, carregou
para Lisboa o seguinte :
1,134 saceos com 5,670 arrobas de assu-
car branco, 2,235 saceos com 10,375 arro-
bas de dito mascavado, 1 casco com 85 me-
didas de agurdente, 26 pranchoes de vi-
nhatico e 400 meios de sola.
Brigue hespanhol Timoteo I, carregou
para Barcelona o seguinte :
780saccascom 4,293 arrobase 14 libras
de algodJo, 105 coar< s salgados sexos com
1,700 libras.


.:-.
M.rt> t VcmHfcm* ~ <*,arf.i MltfltMUtf #**%.*.
Barca porligaeza GlauJina, carregou Polaca bespaohola Ft/yen de Bhntttcr-
)
para o Porto o seguate:
61 barricas e 4,334 saceos cora 21,694
arrrobas e!4 libras le sacar branco, S
barricas e 1,686 saceos cora 8,443 arrobas
e 3 libras de dito masca vado, 12 saccas cora
97 arribas e 2t libras de ilgodSct, 4 -cascos
com 72 medidas de agurdente e 60,000
chllres.
Polaca hespanhola Cfuononutro, carre-
gou para Barcelona o seguinte :
553 saccas com 3,03 i arrobas e 5 libras
de algodao e 111 couros salgados seceos
rat, carregou para Barcelona o seguate
442 saccas com 2,044 arrobas e 11 libra
de algodao.
Sumaca hespanhola Gaudelupe, carregou
para Barcelona o seguate:
408 saccas com 2,092 arrobas c 9 libra
de algodao
Vapor Francez Extremadme, carregou
para Bordeaux o seguate :
Secreta
buco, Si
esoanria prorineJa!
I de 1865.
Antn
<*.secrtr*,
* da jMftckaio.
i Wesoaram previ
O I|ai. Ir. inspector da
cial, em comprimenlo da ordera do Exm. Sr. presi
denle da provincia de 2o do curreHj, manda fazer
publica, que no dia 18 dtaurio praMmo *iraro,!
perante a juma da ffcewra a me?wi MMMria,
vai novamente a praca para ser arrematado a
quem poT menos Bzer a obra dos reparos, de que _____
precisa a estrada da Porto de Gaiinbas, asaltada usagrae^nnwroa freie al o dia da sabida!
em 7485000. as 2 fiera : escritorio no Porte do Mallos n. I.
A fEtyKWUGAXA;
Aira por vapor.
MaKo^-Mcatv, Cear e
Acarac.
m dos vapores da cnmpnina
no dia 6 do correte s 5
?a tarde para os portas In-!
picados. Recebe carga at o da !
ao meio- dia ; wommendas. i
com 1,888 libras. de algodao.
TABELLA DO RENWMENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBUCO NO MEZ DE ABRIL. DO
CARENTE AMO FINA.NGE1R0 C0MPA1UD0 COM O, DEJfiUAES MEZES DOS DOUS ASNOS
LTIMOS.
A arremataeao ser felta na forma da lei provlu
cial n. 343 de 15 de maio de 1854 e sol) as clau
loO saccas com 711 arrobas e 22 libras &a** especiaes ja publicadas.
Hlv Crrandc e Astm
Scgua a barcaca Doot Amigos por estol das
E par constar seiadou publicar o presente' receD cwga frete comroodo : a tratar com o
pelo jornal. mestre na escadrrrha en no eaes do Ramos n. 24
Secretarla da thesourarla provincial de Kernatn-
buco, 26 de abril de 1865.
Importado.
/o
a Costa.
Direitos de consuma
Ditos aTMeTonaes 8c 5 -/0
DHs addieionacs de %
Ditos de bMdeacao e reexportarlo .
Ditos de ditos e reexportado para
Expodiente dos gneros cstrangeiros tare
gados por cabotagem.......
Ditos dos gneros do paiz......
Ditos dos gneros lirrcs. ..-.
Armazenagens..........
Premio dos assignados :.'
Despacho martimo.
Ancoragem.......,"'.''
Direitos de 15 "/, das embarcares estrangei-
ras que passara a nacionaes .
Ditos de 5/, ia compra a -veada das embar-
cacoes......_
Exportacao.
Direitos de lo ',0/0 do pao Brasil
Direitos de 7 /8 de exportacao
Ditoade u/0idBtn
Ditos de 1 'o de ouro era barra
Ditos de Vi dos diamantes. .
Expediente das capataiias. .
Humor.
Multas.........
Sello do papel flxo
Dito do papel proporcional. .
Emolumentos
1864 1865
1863 186-4
1862 1863
Imposto dos despachantes .
Extraordinaria.
Receita eventual.....
Dizimos da provincia das Alagdas.....
Ditos da provincia da Parahvba
Ditos da provincia do Rio Graude do Norte.
Contribuicao de caridade........
479:7165779
60:149^836
1315757
2125661
6085452
2:43851*3
6135317
1:9755040
2:8155820
825500
135900
5
89:0225748
5
5
5
1:4235540
1.79*5714
4985440
1785070
306800
3185750
642:0355267
5:5025307
7:1585927
8715454
8715290
6o6.4595245
399:6725491
55:3005191
7268BI
115496
5
2:0665418
2:1165622
525130
l;2845b65
O secretario,
A. F. da Annunciacao.
Relacao dos feitos civeis que toram remettidos
pelo. Exm. Sr. desembargador Alvaro BarbaU
Ucha Cavalcante, em 24 de abril do corrente
Ilha de h. Miguel
Na dia 11 pretende seguir para o porto cima a
escusa perruue*a Em : para passagf iros trata-
se com o ceosignatario fia ra 4a ApoMo n, 4.
Para o Ufe de iaaelro.
O brigne escuna Joven Arthur, pretende segoir
1:6955700
5
7757OO
5
139:7565101
5
5
5
2:1575260
3885296
3965580
1285300
445800
1185750
23350W
606:0745151
4:0545%l
7:341*167
1:2005930
3605470
619:2405585
288:2295906
34:4835119
205323
685791
6275198
1:9115429
1:0925226
5:1515376
2:0345100
C005000
5005O00
5
61:141
anno; a que publicada do ordem- do Exm com muita brevldade, tendo parte deseucarrega
5
5
9325460
3345074
5405900
25560
935OOO
8755000
85342
398:8025588
4:7705750
4:3855642
1:7485477
4665850
410:1745307
Sr. conselheiro presid-ule da reiayao.
Manoel Vloente lavajes, com Leandro Parelta
Barbosa e sua mulhe'r.
Manoel Patro do Nasciraenlo, com D. Margarida
Mara da Paixo.
Bernardino Lopes de Oliveira, com a preta Eugenia
por seu curader.
Anastacio Jos da Silvra, com AlexandrnO tfnte-
zes Correa Barros.
Bacharel Btriardo Usarte Brando, cem Antn
Ferreira Aotero. /
Manoel Monteiro de Macedo, com Borges & Mello.
10 Jnlza ex-offlcio, com Ponceano Rodrigues da Silva
Couto.
! Alexandre Correa de Crasto e sua mulher, com
Trrstao Jaeome de Araajo e sna mulher.
Jos Antonio da Costa Borges, curador de Gorgonio
i Placido de Amarante.
i Jos Assis Bratina, com Luiz Antonto Penna.
Antonio Vicente de Medeiros Jnior, com D. Rosa
Mara d'Albuquerqne.
Clemente Lnlz de Souza NettO; padre Manoel Jas
I Rodrigues da Silva.
Jos Joaqoim Antunes, com Manoel Firmino de
Mello.
Jos Joaqoim Alves Canella, com Manoel Xunes
Boocon.
Joao Manoel de Barros Accioli, com a tirela Cy-
priana e seus fllhos.
Domingos Jos Marques, com Theotonio Feftx de
Mello.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Punce de Len,
com Antonio de Siqueira Cavalcante.
Rocife, 29 de.abril de 1865.
0 secretario,
Domingos AJJonso Ferreira
Alfandega de Pernambuco, 29 de abril de 1865.
RECEI1ED0RIA DE REXDAS INTERNAS ,
liERAES DE PBRNAMBOO. !
Readimento do dia t............ &*
iderado da 2 ................. 478*,0
1:1405000
RENDIMENTO D.V RECEEDORIA DR RENDAS
1NTERWS G ERA ES DE PEitNAMBUCO Do
MEZ DE ABRIL A SABER :
Renda dos proprios nacionaes. ... **aSS
Sizn dos btns.e ral/............. o:T1535U00
Decima addicional das corpora- .,vnon
coes de mao mora............. 64>080
Direitos novos e vethus e de .,.,,
- chancellaria................... 19**763
Diios de .atontes dos olueiaes da Q.rtffAnft
uarda nacional................ |Wg09
Di-.inia de cliancellana........ aoi^o*
Matriculas da Faculdade de Di-
reto ...................; 51^200
Mulla por infracroes do regula- -..n..7Q
mente......................... .SSffiS
Sello do papel (lio................ { fflfiK
O.to du proporcional............. 6'd5KS
Premios dos depsitos pulilicos.. 6JV
Emuliimcutus................. 4/a5U-U
Imposto sobre lejas e casas de ..--
descontos........... 1.8175683
Dito sohp casas de movis, rou-
pas, ele. fabricados em paiz es- 12n*ooo
trangeiro............ 11765000
Taxade escravos. ........ AnStSt
Cobran?a da divida activa .... SffSr
indemnisaeees........... m
deposito de diversas origeus..... ___
22:5365375
Rccebcdoria de Pernambuco, 29 de abril
de ,863 O esenvao,
Bunnel Antonio Simn dn Amar al.
CONSLXADO PROVINCIAL
Readimento do d.a 1............ JioSSS
IJj.n do dia 2 -................ ____
4.0545683
RENDIMIENTO DA MESA. 1)0 CONSULADO PRO
VINCIAL EM O MEZ DE ABRIL DE 1865,
A .\8ER :
Direitos de 90 rs. por Q do as- ^...^..^
tucar exportado ........ 21.4685195
Dito de 20 rs. por ca.iada d aguar- ._..
dent, etc.............. **
dem de 30 rs. sobre caada d al- 1~oJ.n
cool.................. IW*WW
Dito 5 01o idem do algodao expor- 24.69g^263
Dito de 7 l do' roel........ 2685882
Dito de 8 per ceolo decouros ,^,lt,
seceos, verdes e espichados... 1.0045*40
dem idem de 5 idem dos mais --..
gneros exportados..... EJtnni
J505 rs. sobre escravosporudoa. 60O500O
OOindo consumo d'aguardenie SIif^.
50 rs. por cada alqueire de sal... *
Dcima dos predios urbanos 4.1157j
SB| rs. por meia siza da es- ^^p^
Sello de herancse'legados.. 5:4975o6l
i.o de 5 0|O sobre os premios ,.s80000
malares das loteras ... UMWWV
10 por cento de novos c velhos di-
reitos dos empregados provm- 50QSI8I
ciacs............**'.'
I'ftDOSta de 4 por cfotu sobie di-
div^rsos esubelecimeotos fra
dacd*de................. H*fW
8 nlO iobre coasuitonos mdicos .^.r,^
e e-.iripiories............ 4805000
Imposto da 2 por cn< obw .ftW.fiftn
diveraos eauneee.imel.J 0.bM#M>U
1005 sobrelchapos eslrangeiros e u^^^
roupa eit etc............... nnS
0005 sobre casas bancarlas....... owkwu
dem de 4005J sobre companhias ^^
anonymas e agencias....... faaaono
.2005 sobre easas de cambios..... 20050U
i OjO sobre prodooto de cada l- um&m
fin ...****
105 rs. por cada escravo gauha- Q
dor....................'.'".
luiuosto sobre carro, omuibas,
c,rr,Ca> vehieut.*........ S>
2 Oto sobre Qancas crunes .... ^S""
10 Z* canta W* ven(la ao 3^,95
i-pim.......;:**'" 135800
E->lamenios da poti.ts. ... sian
Multas da decima e mais impostes. TmwJl
76:8935712
esa do consulad prp*incial, 9 de abril
e 1865.
O esenvao,
L'ltses Cochles Cavalcanti de Mello.
MOYIMEUTO DO POETO
Nmtot entrados no dia l.
Uhia4 dias, brigue brasileiro Saky, de 210 lo-
celadas, capitao Joaqaim Fernandas Coelho, equi-<
O 3o escripturario,
Joao Bernardo Diiz Pmoa.
papera 12, carga 12,000 arn.bas de carne -, a
Maia v Espirito Santo.
Lisboa38 dias, brigue portuguez Lata 11, de 207
toneladas, capitao Francisco Antonio Vieira,
equipagem 12, carga vinhoeoutros gneros ; a
Euzebio Raphael Rabello.
JVaeto saludo no mamo dia.
Acaracu'pelo CearHiato, brasileiro Sobralense
capitao Antonio Gomes Pereira, carga dilleren-
tes gneros.
Observacio.
Suspenden do lamarao para o Rio de Janeiro o
patacho hollandez Furtvna, capitao Rosen Kei.-er,
9 com a mesma carga que trouxe de Trieste.
... ........-i-L ___B-----m .L....UL-
sscuutes.
EDifiES.
itiMi*Aio UK tmmmsmm t o.
Pela secretaria deste pispado, se faz publico que
! o Exm. e Rvm. Sr. vigario capitular paramaior
facilidade das persoas qne o prucutam fra das
horas do despacho, para casos urgentes, principal-
mente nesle lempo de invern, resolveu definitiva-
mente a sua residencia para o seminario episcopal
de Oliuda, onde pode ser procurado na occasio do
I expediente das 9 horas da manha at as 2 da tar-
de ; e para os casos urgentes a qualqucr hora do
dia ou da noite.
O secretario do bispado,
' Conego Joaquim Ferreira dos Santos.
O Illm. Sr. inspector da thesooraria provin-
cial, em cumprimentn da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 10 do corrente, manda fa-
zer public que no dia 14dejunho prximo vin-
douro, perante a junta da fazenda da mesma the-
souraria, se ha de arrematar, a quera por menos
tizer, a obra da cadeia da cidade de Nazarelb, ava-
llada em 18:0935900 rs.
A arremataeao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem essa arremata-
gao, comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habilitados.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarin da thesourana provincial de Per-
nambuco, 14 de mareo de 1865.O secretario, A-
F. d'AnBunciaco.-
Clausulas especiaes para a arrematarle.
1.a O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
feito de conformidade com a planta e orcamento
junto, na importancia de 18:0935900 rs.
2.* O arrematante ser obrigado a dar principio
aos trabalhos no prazo de 30 dias, e concluidos
no de um anno, ambos a contar da data da assig-
nalura do contrato. -
3." Os pagamentos serao feitos em 3 prestacOes
iguaes correspondentes a cada trro da obra Onda.
4.a Nao ser em tempo algum attendida qualquer
reclaraacao por parle do arrematante tenden-
te indemnisaco, quaesquer que sejam as aliega-
edes em que se hajam para esse fin, anda mes-
mo por prejnizos provados.
5.* Para ludo o que nao estiver especificado as
presentes clausulas, segulr-se-ha o que dipoe ore-
gnlamento de 9 de Janeiro de 1864.
Conforme.A F. d'Anounciaeao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 19 do corrente, manda fa-
zer publico que a arrematado da obra dos reparos
de que precisa o empedramonto do lugar denomi-
nado Areias do Giqui, na estrada da Victoria, an-
nnnciada para o dia 4 de maio prximo vindooro,
ser feita de conformidade com o novo orcamento
no valor de 4775-
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 24 do corrente, mando fa-
zer publico que no dia 11 de maio prximo vindou-
ro, perante a junta da fazenda da mesma theseura-
ria se ha de arrematar a quem por menos fizar a
pintura de que precisa a ponte pensil do Caxang,
avallada em 3025500 res.
A arremataeao ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propnzerem a essa arremata-
eao comparecam na sala das sess5es da referida
junta, no dia cima mencionado pelo meio dia, e
compelen temen te habilitados.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 26 de abril de 1865.
O secretario,
Antonio Fi-rrelra da Annunciacao.
Clansulas especiaes para a arremataeao.
1.a A pintnra da ponte do Qaiang ser feita de
conformidade com o orcamento na importancia da
3025500.
2.a O arrematante dever principiar a obra no
espago de 8 dias e flnalisa-la no de 30, ambos con-
tados da dar da arremataeao.
3.a O pagamento ser eflectuado em urna s
prestagao, quando tiver sido concluida toJa a fac-
tura e entregus definitivamente.
4.a Para tudo mais que nao estiver especificado
as presentes clausulas seguir-se-ha o que deter-
mina o regnlamento da reparticao das obras pa-
blicas.
Conforme.A. F. da Annunciago.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguate :
Para o hospital militar.
1 panno mortuario.
Para a companbia de voluntarios
300 covadosde panno aznl.
420 ditos para capoles.
210 covados de baeta.
120 varas de algodozinho.
20 aniagens.
30 mantas de 15a.
Para o corpo de voluntarios do Guar.
20 mantas de ISa.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,
apresentem suas proposias em carta techada, na
sala do conselho, a 11 horas da manhaa do da 29
do corrente.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar
seal de guerra 27 de a bul de V868.-0 encarra^
ado da escripturagao,
Manoel Josa de Atevede Santos.
Sania Casa de Misericordia do
Recife,
A Illma junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda tazer publico que
no dia 4 de maio prximo vindouro, pelas 4 horas
da tarde, na sala de suas seioes, tura de ir fra-
ga as rendas do srtia da Miruetra, pertendentaj
patrimouio de orpliaos por temp* de 1 a 5 a moa,
serviado de base arremataeao a quautta do 1005
pela renda annuai, com a clausula especial de nao
poder o arrematante fazer earvao era tirar madei-
ra e lecha as matas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 28 de abril de 1865.
O eterivao,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Conselho tlecom|i\s oavaes.
O conselho contrata no dia 5 do corrente mez,
sob as condigofs do estylo o fornecimento de ear-
vao de pedra para os navios da armada e estabe-
cimentos de marinha, por tempo a decorrer at o
fim de dezemhro prximamente vindooro ; e con-
vida a quem convenha ocontr.to a apresentar sua
proposta em carta fechada at as 10 horas da
manhaa.
Sala do conselho de compras navaes, 1 de maio
dei86>.
O secreta lio,
Alexandre Rodrigues clon Knjot. v
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segninte :
Para acompanhia de voluntarios.
80 bonets a cavanhaque.
As pessoas que quizerem vender dito genero,
apresentem suas propostas as 11 horas da manhaa
do da 3 do correte, aa sata do eoosethe.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar-
seal de guerra Ia de maio de 1866.
O encarregado da escripturagao,
Manoel Jos de Azoado Santos.
ealo pK>u>pid : pa o resto qoe Ote faHa-e es
trata se com 05 seas consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & O.
Para o Rio de Janeiro.
Sftffue ncsiesoito dias o brigue escuna \o sei,
lAtda duus tardM do -seo ftrregainento bordo :
para o resto que Ibe falta e escravos a frete, para
0$ quaes tem UJiB eommodos, traia-se com os seos
censfcnaiarie tfcilonio Luiz -de-Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio na na da Cruz n. 1.
PARA LTSBOA.
Opalir-ho piartntrupz tMarla da Gloria, capitSo
Valt-nte, vai sahir breve, reeebe carga p passagei-
res : tratase com o consignatario E. R. Rabello,
roa do Trapiche n. 44.
PILULAS
UJ
, m RttMKo DE FEM iBlMttvm.
Approvadaa pela Acadamia de Medicoi de Pa-iz .-
ACTonrsAs pelo cosss-.no moten a s.tfarawi ac T^
imertTAtMS tm losmas na pnANCA, e* booica m tAa, A TOom... re.
Mui(oes honroiu nai hxpotifuet, Unhcrcaii t tita-York, lgW de Parh, 1855.
Estas Minias envolvidas n'aa carnada resiao balsmica de urna tcnitlaae neaslva, teaf avaarareni de
aerem nalleravais, ten sabor, de ara pequeo roame, e de Bao cansaren oa olfato propriedaiks do Joo e do Tama, cHaa coavem principalmente aas atfrecns ctiorotictn, BteroMosu*.
Tmkereuloiat Cancromi, na ttucorrhen, awiatorrhea, anemia, ele: eafiat, ellas ulTerpccm m ar Jilea aaM roe-
dieaeo das oais enrgicas para modificar as coastituicoes lymp/iatieat, frac** 0% tkeilitadm.
Jf. O odurelo di- ierro impuro cu atiendo um medicamento Infc', irritaste
Com pro de pureza e de auihencidade dai craUHHra* PRaila> ir lampara, o*Ye
-se ett-g-ir noo srllo de pr.ila reactiva c aatt llrin 1, aqu rppaorlniida, que se
aclia na pane inferior de um rotulo verde. !* -se descoaOar das falsific.icoes.
Ac
t as Pharaaaclas.
/'AaraMeeaWieo, m
ELIXIR DO DOTOR THERIE
AO CITRO-LACTATO DE FERRO
imtm*iKtistM
" m
LEILSIS.
LEIUO
DB
1 mobilia de Jacaranda a Luiz XV, 1 dita de ama-
relio, 1 guarda roupa, 1 guarda louea, 1 rama
frsftueza de jaeaiandl, 1 dita de amareilo, 2 ma-
chinas de costura, i guarda vestido, 1 banca pa-
ra advogado, I santuario de Jacaranda, 1 relo-
gio de parede, 1 dito de algibeira e oulros mul-
los movis novos e usados e diversas joias de
ooro e prata. ,
Quarta-fcira 3 o corrente as 1 horas.
.No armazem a ra da Cruz n. 57. *
Cordeiro Siraoes fir leilao dos objecios cima
mencionados no dia, liera e lugar cima dito.
Leilao da caria de fretaraenlo da ga-
let't.i t'i/.ahf.ili.
. Hoje ao meio da na Assuciac3o Commercial.
O agente Pinto f*r leilao, precedida a compe-
tente autorisacao, da carta de fretamento da galeo-
ta hollandeza dilizabeth ao meio dia em p-mti
de boje 3 de maio, aporta da Associarao Com-
mercial.
Leilao de latas de i /, e mailaiiu ao.
Hoje as f I horas em ponto.
No armazem a ra da Cruz nomero 57.
Csnleiro SimVs fura leilao de latas de gaz e
diversas peeas de madaaolo, no dia, hora e lu-
gar cima dito.
~ Brillo
DE
lint C i 1 lia, na ApInaJa tl-Atn 1 lll lpisftl
^faW c*. i* im vn 1 Tf ^H ITffl "I III niv",
SWmiIii (i de maio.
O agente Pestaa, conipelenlemente autorisado,
far leilao de um sitio na estrada dos Afflictos, con-
tiguo ao da viuva doci-nrgio Peixoto, poueo alm
ila capella, cuja propriedade eonsta de terreno com
380 palmos de frente sobre 1,500 de fundo, cer-
cado de Loa cerca, com mais de mil ps de diver-,
sos arvoredos, arvores saculares c de saborosos
frudtos, terrena projino para tudo, boa casa terrea
coa sotao para viwnda, de 4 nplmos de frente e
(f eianta de funjo, Biuitos quarios e salas, cozmha '
lns e has accommodatoes no referido sotao, co-
leara fra e lata estrujara jura tres cavados O.- '
senliores pretendentes podem examina-lo desde j,
para o que se aeha a chave na mao do referido
agente, ra do Vigario n. II.
O leilao ter lugar asonze horas da manhaa do
da 6 de maio a porta da Associacao Commercial..
XAHOTE
DE CASCAS e LAATiJAS AMARGAS!
de J. P LAROZS, Chiraico,
MARIAC.TirncO BA ISCOLA SUTlIOS BK ASIS.
_ Este xaro*, reiularisando as RfnrfSt do CstdkMljfd e i:iie-tinos. de>t-oe es'Z
intBpa-ir;6i!* proioil'arme.s, t- fa?. nborlar is molestias tic que sao indicios pendil
re*. Meicas e doente* lem MWWfceeiilti ai re-ib-l.-ee as mUf.-id-s. l'.i/.-nW
desapparecer os prjso.; dt esioinago. qtWeilrrw as ea*a que sao resuiailode a dirigid .i.!.- ro n >\v<
so suporta, o lem futa adopta* corno especifico infallvel .las *"ativa nerrosa*,
gastritis, gastralgias, eotua 'te 0Hom*go e di ewtronhas, mi'.nH*vs, dortt le
eorapo, vomitas nervosos; *ia nceo sobres faricvSes as>ir:ii!:-i!oM ul, aac os
medico rnais illuslres o tem adop'-id-i por reacIpieAd r--.it tros Omis pHmtnt
agentes tlierapewicw: e lodurtto Af l'otmsac o >roto-ad*reio de forro, leudo
observado que debaixo de sua infloanaia, o primeiro perde s-.ta aevio iiritne, e a
Segundo seu cffeito adslringeiUe.
XAR0P 0PURRT!V0
Da cascas do larai\jas amaraas com Io-
durcto de potasaa.
O ioJrelo de polassa, cmlnistrado ra
salucao ou dsbaixo da forma solida, causa ao
(lente urna graitdj repugnancia, ou determina
accidentes que e tercio i renunciar a eslJ
riedicieSo efficai.
Unido porm ao Xarope de cascas de laran-
jas. elle nad causa nent Raslralgias, nem bc.t-
lurbaco do estomago e intestinos, e gracas i
este salvaguarda, os trataraentos depurativos
sio continuados sem ititerrupcao, as affec-
Qoes escrofulosas, tuberculosa!, cancerosas e
as secundarias e terciarias, mesmo reuma-
tkismees, aas quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A ose est definida de tal maneira
qse o medico pode varial-a a sua vontarfe:
0 frasca: 4 fr. 50 c.
XAROPE FERRUGINOSO
De cascas de laranjas amarr^aa coso
proto-ioiureto de ferro.
A associacao do sal ferro ao Xaron* de cas-
ca Af laranjas tuaio mais racional quants
que este xarope, cmprcgsdo s, vara est-:m-
lar o apftiie, activa a secreto do sueco pj-
slrico, e |ir Sai regularisa as funecocs ahdo-
aiaaes, neutraliza os tnios eftertos dos ferru-
ginosos e dos iodurctos (peso de cht-ra, jiri-
sao i! < .itre, dores epigstricas) ca i[uanlo
que facilita sua abio'rpcSo. Dissolvida ao
Xarope, elle se toma se supports fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assimilavel;
e assim pode coatinuar-se a cura da pallidex,
corrimentos brancos, anemia, affeccSes escro-
fulosas e racbitisiao:
0 fraeco: 4 fr. 50 0.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE estao sompre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedicoes: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, % Pars.
I\ua Jo Imperador n. 38, botica franceza.
r
r
TlIUVrJRO
S. ISABEL
EMPREZA--COIMBRA
IO.a recita da assigtaatura.
Quinta--feira i de iiiitit de 1863.
ESTRKA 00 ARTISTA Lut CARLOS AMOEDO.
Subir a scena pela primeira vez neste tlieatro
o magnifleo e interessante drama em 5'actos, ori-
ginal francez de M. M. Aineet Bourgeois o Ad-
D'Ennery.
AF1LI1A D0L\Ril)(R
PEHSONAOBNS. ACTO BES
Champloux................... Coimbra.
Andr Sannel................. Amoedo.
Alberto de Sivry, seu irmao..... Borges.
O conde de Laugeac........... Lisboa.
Nautier, notario............... ^orto.
Medardo...................... Teiseira.
Rocmoot..................... Gaitraraes.
Planchn, jardinero............ Pinto.
Mangiorio.................... Santa Rosa.
Joanna Champloux............ D. Engenta.
Helena....................... D. Camila.
Victorlna..................... D. Leopoldina.
Convidados, ect.
Terminar o espectculo com o ultimo acto do
drama.
Os bilhetes acham-se desde ja no logar do cos-
tme.
Dar fim ao especlacnlo o muito applaudido
duelo
0 ESTUANTE E A L. VAHE IR \
Principiar s 8 horas.
iTISOS DIVEBSOS.
LOTERA
AOS 6:000^000.
SabbadoO de maio do corrente a-no se ex-
trahira a 3a parte da 4a lotera (14a) a be-
neficio da Santa fara de Misericordia, no
consistorio 3a-igreja de Nossa Senhora do
Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes,meios e quartos estao a ven-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. 15.
Os premios de 6:000,5000 at i0#000
serio pagos una hora depois da extracc5o
at as \ horas da tarde, e os outros depois
da distrituicao das listas.
As encommeodas S' rao guardadas se-
ment at a noite da vespera da extracto
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
" Jos Sella Fernandes, subdito hespanhol, re-
tira-se para Earopa. _^______________
Placido Jos do Reg Araujo, subdito portu-
guez, retirase para fra do imperio, e vai em sua
companhia sna muaher.____________________
Joao de Paiva Mallos, sua senhora, um fillu
menor e sua prima Maria Isabel, subditos portu-
guezes retirara se para a Ilha de S. Miguel.
Brazi Aceto, subdito italhno, relira se para
Europa.
XAROPE DEPURATIVO
LiE GOUX
BROMO-SULPHd-IODlWADO;
Este novo producto resultado de urna trplice combinacao de tres melalloides cujas proprie-
dades s5o mui conheridas, o Bromo, o Euxofre e o Iodo, oceupa hoje a primeira ordem de
entre todos os depurativos dos qnaes o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notaveis dos hospilacs de Paris, os senliores Cazcnave,
Puche, Bazin, Blachc, Guibout, Baroschct, Danet, Legroux, Vasse e Aubry, etc., demonstraro
sua poderosa eflii acia as alTeccoes seguientes:
Doenraui de pe!l<-,
Darlroa e barhnlhoa ale toda capele,
Placas niuroNan,
Otaatraceoea lyniahnlleaa,
Papel raa,
EacroTnlas,
Akcenoa, peatesuaa,
Cancros,
Dleeraa,
TlBtaa,
Escrbate,
Fian oa Bonitas (de Brasil),
O Xarpe de Le Goux, de nma fcil digestlo e de gasto delicioso, se emprega tambe
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachiticas ou sobre a influencia de um vicio hereditario, e mui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalhq e aos xarpes depurativos e anli-escor-
buticos que se administravio at agora.
Deposito geral, em Paris, na botica Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
Paris, official da LegiSo de Honra, e em todas as boticas da Franca e dos paizes eslrangeiros.
Framfeeesla,
Humores Irlos,
Rarhltrame,
Ophtkalmla eacrefnleea e ehreulra,
Tlalcacscrofuseea,
Affccces syphllltlcaa,
Elcpbantlasls dos Greyos,
todas as doencas occasionadas por um vicio do
sangue, e ji tratadas sem nenhum succesto pelas
preparaces vegetae, iodadas e o oleo de figado
de bacalbio.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdade de Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da LegiSo de Honra,
Ri^a des Fosss-Montmartre, 17, Paris.
Esle xardpe composto mais de vinte annos pelo sabio lente Boullay, constue a melhor
maneira de administrar o Ether. He empregado com suocesso em todas as doencas que tirio sna
erigcm de um erithismo nervoso, como sio as : .
Galmbres de estomago,
ladlsealea,
Convulsrs,
Accessos byaterlcaa e hj po-
rou ilrlsron,
Calleas ventosas OU seris-
EnxaajHeea,
Nrratelas,
Espasmos,
Aitasjnca de neros,
Vcrtlgens,
STncopea,
Deposito geral, em Paris, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro da Academia
imperial de Medicina de Paris, official da LegiSo de Honra, ra des Fosss-Montmartre, 17, e
em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
aaa, hepticas Saluleataa,
Aeeeaaee de sota e de rhen-
mallaauo.
Casos de eaveaealemento,
etc., etc., etc.
O Dr. Gos-me de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2 andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica*, e com especiaiidade
sobre q seguiote
Io molestias de olhos;
2o de peito:
3o dos orgSos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Prattcar toda e qualquer opera-
cjo que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
tisos uimaos.
Casa de campo
Alnga-se om SaiU'Aaina junto ao sitio do
Sr. Tliomaz Harding, urna gratulo casa e
Para O Rie de Janeiro. sitio com grandes commodos para familia.
Pretendo seguir com muita brevldade a barea tendo estribara e casa para escravos sepa-
n/o de Janeiro, tendo parte do sea carregamento I radamente, tem eacimba com boa agua, ar-
engajado: para o resto que lbe falta e escravos a|Voredose propor^es para baixa de capim :
fretes, para os quaes tem expelientes erro modos, ',., _ao na ,- a. n-.,., n 4
trata-secom o sen consiRnatario Antonio Luiz do traia-se na ra Qa LflU n,_4._____________
Oliveira Azevedo, no seu escriptorio na ra da Precisa-se de um eaixeiro qne teoha pratlea
Cruz n. 1. 'de taberna : a tratar na ra da Concordia n. 62.
ASTHME
ASTHIY1A ASTHMA ASTHWIA
SUFFOCQO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio effcaz para combattir estas molestias, acalmar um attaqne d'asma e impedir a
volta o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarello) da LV* Danet. Descoserla inteinunenia
recante, esle novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis resal-
tados que tem sempre produzide.
Deposito geral, na botica GhauTeaud, 54, rna da Comercio, Paris-Grcnelle, a em todas as
bdiieas de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22, em casa de Caros & Barbosa.
Systema legal de medidas,
Desappareceu no da 27 de abril de 18ii* um
relogio daprata ptente inglez n. 41989. S. L.O.Y.;
tleseoberle, mostrador de prata e letras de ouro>'au reforma do actual syslema de pe-os e niediria^
coja lampa da maehina existe em met poder: 1 para o syslema trance', r ibgito |ior J >a|uiin Xist-
pede-se ao< mahares relojoeiros ou particnlares da Graga, e approvad^ pelo-con^elbo geral dMUs-
no ca^oqoe Ihesseja offerec do de o ajiprehender,! truecapublica de Lisb ar r> mus u-ado d'-poisda
gratiflcando-se na entrega : na prata da it lepen- reforma de meadas naipielie rain-i, e bstela o
dencla ns. 1 e& mais apropriado para reforma anual neste .impe-
| rio ; pre^o 25 : na ra do Impra-lor, top de li-
I v*"os dvS Srs. Guimares 4 O iverra, e ra do
1 Crespo, luja do Sr. Jiogueira.
Alugam se rbus motaqaes maiti bM* cop--
ros para cralo : n 1 corredor do BtsjM n... a tra-
bar a qualquer hora.
hoi-as a
manhan^rn St* df P? f^tia! ^^^'SL'SSS^ "*" Ur" "'
de S. PeJro Giti?alves do Itecife, tem de ir a pas-
ea urna cama franceza e duas baneas de. madeira!------
amarello, penooradas a Anna Praoeisca das ?{eves.
Quera preciar da um foniMr aAnaicid por
te jornal para ser procura lo
Kecito ou em Santo Antonio.
Fuglo no dia 29 do prximo pa.-sado mez o
escravp <% nome Fideles, preto, natural ilesla cila-
9 de, de idale de *3 a 50 anno*. pro-s> do corpo.
Jos Affoa^o Ferreira tu imeiro
da airandega de Pernambuco, declara que nao fe barba i pintando df brafloo, ttwa vestido calr,.i
entendeeom elle as corre. do Sr. Antonio Gimes d>\ Macedo sobre as trras. a |s.ra aillja rnuito vagaroso : o dito eeraTO pm
de engeuho Rtachao. ______________________ a|?ura t^in^ lierlHneei ao Sr. Manoel CaraiUo l'i-
Precisa se de um menino portiijjuez nara res Falc.io : quem o pegar leve-o a ra do Cres-
eaixeiro no mato : a tratar na travessa do Qu -i- po n. 7, toja da f,i7,in.las, que sera g^nerosamento
mado n 1. recompensado do seu trabilho.



BUcU 4 rcrMwlNMt... parto feto a 4c
**>.
App rotada por varia Academia e alta
nanmidaiU* meditas.
O que oocationa en tnl ai molestia* abaixo
designadas i a esUinutito do unf ue en certa*
partes do corpo, a qual produiida pelos resfria-
sacates e ailas entras cauzas, eiitio deelaro-ae
M IMieumatiimoi, Gota, Paratgsim, Fraqucta
dea memoras, Contlipacies, Etapkatttiasis o
Pernos Incitadas, ct Dores Nervosas.
O uso da estova KLXCTa\0-MAGW-
TIOA tcm succino certo para a cura de toda
cala* saolesliat, seas recorrer se a enhuiua oulra
aaedieacao. Ella teas ubi foraaa mu manejare!
Ie prodiu, i voniade le qoem d'ella asa, seos maii
uteis e felixcs resuludos. Seo enpref o preserva
das aaolesas aeiaia. Para atis inforanaceseoa-
sul-te-se a aoiicia que aecompanka cada Escora.
Sarowro Giuii
BouUiar du Prima E**t, 11, Pari.
Vende-se na ra do
franceza n. 38.
Imperador botica
Perfumara e sabonetes de
Toilet
Ua casa Violet, perfumista com privilegio,
fornecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel II
de Hespanha.
As flores as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorficos,
servem a composlgo dos productos exclusivos da
rainha das Abclhas.
Sabo real de Tridace.
O nico recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygienlca da pello.
Balsamo de Viele'a.
Pomada fluidificada pelos olea virgens para o
servico dos cabeleirciros.
Gotas de Violetas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. a rai
nha Victoria.
Sabo de balsamo de Violetas.
Homenagem a S. M. a Imperatriz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Lcelo benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz rosada.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas as
aflecedes dormacs.
Kosado das abelbas.
Loccao refrigerante para o toilete e os banbos.
treme poupador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
i-eme Sevign.
Composicao especial, para lastrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
Ceme fri espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido dermal.
Perfumes das brisas de malo.
Delicias dos lencos e saldes.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Rossia.
Caita de Juvencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para telera.
Vermelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passebs e soires.
P li"risouUiI
Pas as nnhas o bnlho de nacarregado.
Perfumes horisontaes.
Para perfumar as cartas, toalhas e os quarlos.
Vndese na ra do Imperador n. 38, botica
r-nfceza.
AMA. |
PrecUa-se de ama ama que saiba coziubsr tem ]
e comprar para casa de puca familia ; a tratar
na roa do (ftieimado, toja d. 3. .
CASA DA FORTOiti
Aos 6:000000.
Bilhetes garantidos.
A' ua do Crespo n. 23 e casas do costumi.
O abaixoassignado vendeu dos seas muilo (li-
tes bilbetes garantidos da lotera qne se acaben
de extrabir a beneficio da matriz de Nazareih, os
segulntes premios :
O bilhete inteiro n. 607 com a sorte de 1:4004-
Um quarto n. 2722 com a sorte de 3004000.
E outras muitas sortes de 100?, 40,1, 201 e
1O2JO00.
Ospossuidorespodem virrecebersens respec
i vos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna roa de Crespo o. 23.
Acham-se a venda os da 3* parle da 4* lotera
(IV) beneficio da Sania Casa da Misericordia,
que se extrahira no dia 6 de maio.
PRECO.
Bilhetes. .... 7*000
Heios......3*500
Quartos.....1*900
Para as pesssas que eenprartm de 100)5000
para cima.
Bilhetes.....6*500
Meios......3*230
Quartos.....1*700
Manobl Mabtins Fiuza.
^___________ ____________________
Perdeu-se no dia 26 do correte, da roa do
Imperador at a povoaco de Apiparos, urna car-
ie-ira velha de algibeira, cootendo algemas sedulas
miudas na importancia de 45*, duas cartas velbas
de pouca importancia, urn recibo de qnantia su-
perior a 35:600*, de qae o dono tem publica for-
ma, e por isso so a elle pode interessar, assim co-
mo urna letra de Francisco de Souza Lima da
quantiade 1:240* aceita por este: qnem t ver
encontrado dita carteira e papis, e quizer entre-
gar ao seu dono, dirlja-se a povoaco de Apipueos,
em casa de Jos Baptista Ribeiro de Faria, qae
ser bera recompensado.
= Arrenda-se e vende se um sitio em Magda-
lena, no principio da estrada nova do Cacbang,
com casa de pedra e cal, com baixa de caplm,
sendo de chaos proprios, entre os dous porioes de
ferro : a tratar na casa confronte.
Precisase de urna ama para todo o servico
de casa de ponca familia : na ra das Trincheiras
numero 27.
Constando ao abaixo assignado que alguem
se intitulando seu filho, ora sea caixeiro, tem apre-
sentado contas a algumas pesseas qae costumam
comprar maleriaes em sua otaria, e at se arrojou
A200E500RS.
A 500 rs. a cuta de fe jSo mulatinho.
A 500 rs. a cuia de feija'o mulatinho.
A 200 rs. a cuia do bom milho.
A 20O rs, a cuia de bom milbo.
Chegoem depressa a esta pechincb* at que se acaba o qual se uende por este pro-
co pela proh bic5o que ha as ribeiras.
Saceos grandes de milho novo a 4.
Dito dito de feijSo mulatinho a 9.
Ra dos Qu.arte.is n. 22 junto a toja de funileiro.
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQO DE LONDRES
DE
THOMAZ TE1XEIRA BASTOS
N. 60-Rua da Cadeia do Eecife-N. 60
Todos os artigos abaixo mencionados, foram comprados recentemente ptlo dono do estabele-
cimento as principaes fabricas de Pars, Londres, Birmingh>m, Manchester, e em diversas cidades
da Allemanha, e tendo comprado tudo as melhores condices por ser a dinheiro, por sso vende todo
e qualquer artigo Barato, por meos do sea valor, e mni principalmente por querer Inteiramente liqui-
dar e ter de partir muito breve para a Europa.
Ha ueste vasto armazem ricos objectos com bnlhantes, como bot5es, anneis, rosetas etc., e
bem assim, diversas obras de ouro, como tranceln?, correntes, ocalos, face-mains, anneis, e muitos
outros artigo, relogios de ouro, inglezes, do afamado fabricante Bennette ; completo sortimento de f-
zendas finas e modernas ; miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e
francezes, como L. T. PIVER, Lubin, L. Legrand, Ed. Plnaud & Meyer, Delettrex (Parumerie du
monde gant), Violet, Soclet Hygiemque, Monpelas,Mailly, Regnier, P. Gneland, einglezas de Eug.
Rimmel e outros ; ricas galanlarias em marrin., mar de perola, etc., fabricadas na China e no Japao;
ricas pecas de cristal fino como anda nao appareceram nesla cidade, e b para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casligaes, enteites e adornos para cima de con-
solos e para grande toillette, o que se tem feito de mais elegante em Paris, em Londres, Birmingham
etc.; modernos apparelbos de metal fino inglez para cha o caf, os quaes nada tem de inferior prata,
e muitas outras pecas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ullima moda para trancas de se-
nhora?, excelleutes luvas de pellica do afamado Jonvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf,
ditos para jantar, e iramensos artigos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras,
etc.; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de panno cem sola de borracha, pianos dos
celebres fabricantes Pleyel, Wolfl 4 C., realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na ra, ditos
com figuras para saldes e ditos com figuras em mov ment ; modernos e bonitos instrumentos de physi-
ca (mgica) para theatros ou saloes, ditos de pbantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com
y\V*? novas, dia e noite ; stereocopios de nova invengao e com bello sortimento de vistas das principaes
cidades da Europa ; grande sortimento de brinquedos Unos para enancas, e bonecas fallando papai,
; grande sortimento de candieiros a gaz, os qae se tem feito de mais elegante e que tem mere-
Dr. Francisco Pires Ma-
chado Portella
Medico aperador
PBLA
FACULDADE DE PARS,
regressando a esla provincia acha-sa
prompto para o exerccio de sua profis-
so, quer nesla cidade, quer fora della,
especialmente em molestias de olhos (ca-
taradas etc.) das vas urinarias (estreita-
mento de nrethra ele ) e de pelle, para
cujo curativo se julga habilitado, atienta
a pratlca qae teve nos hospitaes de Pa-
rs, e os modernos instrumentos que pos-
sne.
Pode ser procurado a quarqaer hora
na casa de sua residencia no patea do
Carmo n. 2, esquina da ra de Hortas.
wmmmmmmmmmm^
Consultorio medico-cirurjieo ni roa larga do
Rosario n. 20.
0 Dr. Jeo Ferrelra da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exerccio de sua profisso nao
so na parte medica como tambem na cirorgica.
Jla praga da Independencia n. 33, precisarse
de ama ama para compraD, cosinhar e fazer todo
o mais servico de casa de pouca familia.
CASA DE BANDOS
Largo do Carmo uuinero 26.
Este estabelecimento to bera' montado na sua
origem, achava-se de a muito em quasi completo
abandono pelo pouco interesse de >ua adminis-
tra cao.
Hoje que o novo propietario emprega todos os
meius para re.-tabelecer a grande ulilidade deste
estabelecimento, pode assegurar ao publico que
qualquer que seja o numero dos concorrentes acua-
rio desde j prompt-do e aceio nos bonhos fros,
momos ou medicinaes, a casa dos banhos se acha-
ra aberta todos os dias das 6 da manbaa as 11 da
noite. "
Precos.
1 banho fri ou momo......300
1 dito de farello........1*000
I dito medicinal ser segundo a qualidade.
2o candes.........10*000
12 ditos..........5*000
VEISiS.
transaccoes e relacoes de amizade para que se nao
illudam com esse tratante, que anda nao esta cor-
regido com j ter sido condemnado e cumprido
sentenca por iguaes traficancias.
Alexandre dos Santos Barros.
GABINETE
PORTUGIEZ UE LEITUKa EM PER-
KABBlCO.
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho de
liberativo, convoco aos membros do mesmo conse-
lho a rennirem-se em sessio ordinaria, quarta
feira 3 de maio, pelas 6 horas da tarde, na sala das
respectivas soasos.
Secretara do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco 29 de abril
de 1863.
A. A. dos Santos Porto
1 secretario.
us oculos com aros de
ra da Florentina n. 14
restitui-lo, na dita casa
ficacao.
81-31
ouro, do passadico at a
: quem o achou e juizer
recebera 15*000 de grati-
"\
- Alugasea casa terrea n. 11 da ra do as-
cente : a tratar na ra do Quelmado n. 32, loja de
Azovedo & Irmo.
No armazem de azendas ba-
ratas de Santos & Colho
Raa d Queiuiado n. 19.
Vendc-se o meguiute:
Lences de panno de linho
pelo baratissim preco de 2**00.
Lences de bramante de linho
de um s panno a 3*500.
Goberta de chita da India
pelo baratissimo prego de 2*300.
Lencos decambraiabrancos
proprios para algibeira, a 2* a duzia.
Pecas de brelanha de rolo cora 10 varas
propria para saia, a 3*800.
Pegas de eambraiaj
para forro com 8 i|2 varas a 2*6(0.
Guardanapos
de linho finos duzia 3*300.
Algodo enfestado
com 7 1)2 palmos de largura vara 1*200.
Cortes de 13a
com 15 covados a 6*.
Cambraia adamascada
com 20 varas propria para cortinado pega 119.
Fil |de linho
liso fino vara 8(0 rs.
Atoalbadoadamascado de algodao
com 8 palmos de largura vara 2*200.
Atoalhado adamascado de linho
cora 8 palmos de largura vara 3*200.
Liazinhas carmezim miudlnhas
prspria para vestido de menina, covado 600 rs.
Laanahas
de cores finas covado 360 rs.
Fzendas para a quaresma.
Grosdenaple,moreanlique e ricas capas de gros-
denaple bordadas.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de
Urgura, por menos prego do que em oulra que),
quar parte.
Neste armazem de (azendas se encontrar .um
grande sortimento dejroupa feita o por medida
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
caixas filiaes: na praca da Independencia n. 22.
Augusto Coelho Leile e Francisco" Antonio
de Albuquerque Mello declarara ao corpo do com
mercio e a todos aquelles com quem tem relages
commerciaes, e a quem possa interessar, que nes-
la data dissolveram amigavelraente a sociedade
que tinham na prensa de algodao no Forte ie
Alat'os n. 9 sob a firma de Augusto Leite & Alves,
licando encarregado da liquidagao da casa o socio
Augusto Coelho Leite. Recite 24 de abril de 1865.
Precisase de urna ama para casa de duas
pessoas pr> fe rindo- se cera va : na ra da Penha
n. 23, secundo andar. _________
Na ra da Cruz n. 11 fornece-se comidas pa-
ra fora e em casa ; na mesma se precisa de um
moleque de 12 a 16 annos para lodo o servico.
Manoel Antonio Monleiro dos Santas nao
podendo pela .rapidez de sua viagem despedirse
de todas as pessoas que o honraram com sua ami-
zade, o faz pelo presente, oflerecendo Ihes o seu
dirninto presumo em qualquer parte em que se
ache.
cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas", um bello chafarz de chrstal, pioprio
para raeio de mesa de Jantar ou para jardim ; cutelaria fina, como talheres com cabo de metal fino, co-
meres, thesourasfinas, ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, caivetes e outros artigos, diver
sos artigos feitos de rame; completo sortimento de mascaras de velludo, setim, cera, papelao e ra-
me, doces, confeitos e chocolate em caixinhas e em vidros; Smas de ferrodejtodos os tamanhos, lava-
torios, etc.; ricos quadros para candes de visitas e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos
de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
para quem faz pao-de-l, bolinhos, etc.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos ;
pannos para cobrir mesas, bolgas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores,
malas, etc.; sortimento de violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galanteras e outras pegas
de charao para toillette ; machinas para varrer o chao, excellentes machinas para photographia para
tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos balSes de papel fino transparente e lanternas coloridas para
illuminagoes moda de Pars, salva-vida de borracha, para bomens e senhoras, proprios para quem
toma banhos em lugares fundos ; ameixas novas em caixinhas, blscoitos inglezes em lates, graixa in-
gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, qoeljos etc., e rouilos outros artigos
que para enomera-los seria um nunca acabar, e todos se veodem barato e multo barato no grande ar-
mazem da Exposigao de Londres, na ra da Cadeia de Recite n. 60.
DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se moedas de ouro e notas do Banco, e bem assim urna collecgao deade um centesimo
at mil francos: vende-se barato no Recite ra da Cadeia n. 60, no armazem da Exposicao de Londres.
tu
<
si
o
5
cgse
Sg
Id
o
Companbia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEHNAUBUCO
Antonio Luiz de Olive ira Aievedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
ALMANAK.
de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
ljj; na livraria ns. 6 .e 8
da praga da Independencia.
Vendem-se
machinas americanas de serrote jara descarogar
algodo : na ra da Senzaia Aova n. 42.
~ FogoT fogoT fogbr
Valdivino da plvora, vende bom fogo do ar,
por prego commodo : no seu armazem de sal, ra
Imperial u. 221._____________
Instruyes para o servido
das guardas do exereito, exlrahidas do re-
glamento de rifan tari a e accommodadas ao
exereito brasileiro; obra que muito conven
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6
8 da praga da Independencia, a it.
0 GASTELLO DE GBASYILLE
Traduzido do francs per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 2($50
ua pra^a da Independencia, livraria ns,
6 e8.
Vinlios do Porto finos
engarrafados embarris ean-
coretas:
Lagrimas do Douro.
Duque do Porto.
D. Luiz.
Menezes.
Particular.
Vinbo real e muscatel
19, primeiro andar.
na ra do Vigario o.
m
Samuel Power Johnston i Companha
Ra da Senzaia Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado
nbo.
Vende-se tres carrogas para boi, duas ditas
para cavallo, dous carros para conduegao de ge-
ner bom estado, e por prego commodo, por seu don-
querer acabar com esse negoco : a tratar ua ra
do Sebo n. ai, taberna
Vende-se urna preta velha, por prego com-
modo: a tratar na ra do Livramento n. 25.
GAZ
Vende-se
ii a lata :
GAZ GAZ
gaz da melhor qualidzde a
nos armazensda ra do Im-
e h/irinpara Angpli PC^or n.16 e ruado Trapiche Novon:8
- I VENDEN SE
Arados americanos.
Machinas para descarogar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Para completa liquidagao vende se, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas e
novas cnegadas recentemente de Pars e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug.
Rimmel, R. Matheus & C, LubiD, Sociedade Hygienica, Piver, Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud &
Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere ele, etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em
vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar denles, oleo babosa, extractos em ganafinhas e
vidros de dirTereotes modelos, pos para limpar denles, banda em potes e ero vidros, pumadas, ricas
caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos outros artigos que se vende por
menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande armazem da Exposicao
de Londres, na ra da Cadeia do Recite n. 60.
Para senhoras.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora.o que se tem feito de mais
faite ateo presente : vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da
posigao de Londres, na ra da Cadeia do Recite n. 60
ele-
Ex-
Luvas novas, de Jouvin.

a.
a
a
%
a
1
o

I i
* s.
o
B. -a
-- i;
-I
J.
= O
9 u>
es
to-
W i
D 2

r-.
5'
o
e
8
o-
i 9
o
I =
a, z
o-
V
=r
v

a.
E?
VenJem-se excellentes luvas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
mo para senhora por menos de seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposicao de Lon-
dres, na roa da Cadeia do Recife n. 60.
Na ruj Novan. 6 precisase de urna ama para
o servico de casa de homem solteiro.
O abaixo assignado. desconfiando que seu
escravo Gabriel que anda ha dias fgido, que tem
feito annunciar por este jornal, esteja acoutado I
por alguem ne ta cidade, visto que tem sido-per!
muitas vezes encontrado por algnn's de seus par-
ceiros as roas da^nesma, protesta contra esse
alguem de lvalo ao tribunal competente, se por'
ventura realisar-se a sua desconfianza. Antonio
Joaguim Cavalcanti de Albuquerque.
O abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade aa corpo do com-
mercio, que vendeu ao cr. Jos Antonio da Costa
Valente o seu estabelerimeto de moldados sito
no largo do Paraizo n. 16, livre e dezemharacada:
se alguem se julgar com direito a qualquer recla-
magao, dirija se ao dito estabelecimento no praso
de cinco dias.
Luiz Alves Vilella.
AZEITE DOCE
V.zeite doce refinado em pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graod armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120 libras a 4*91,4,5500 e 50 ; no grande armazem da Liga.
,ros e funireires a 2,000 rs.; a tratar
esta oHiriui,
Vende-se por 2:5005 o sobradnho de n. 80
da roa flireita dos Afogados, chao proprio e quin-
I tal murado; rende hoje 3000 annuaes, e com al
gura melhoramento dara com facilidade 4005 : a
tratar com o Sr. Dr. Henrique do Reg Barros no-
seu escriptorio da ra da Aurora. ______
Grande Iquidacao de
fzendas
na nova loja de fzendas e roupas teitas naci-
naes, na ra da Imperatriz n. 7i. Os propieta-
rios deste novo estabelecimento tem a honra de
participar ao respeitavel publico que esto resolv-
dos a veniler muito barato para liquidar, a saber:
chitas a 220 rs, ditas francezas largas a 260, 280,
320 e 400 r>. o covado, cassas francezas muito fi-
nas a 300, 320, 3a0 t 100 rs. o covado, orisandy
francez de riqjissimjs padroas a 360, WO e O o
covado, pegas de cambraia branca a 3J, 3Vj)0,
li, 14300, e 34 muilo lina, ditas de cores de apu-
rado gosto a 25800 e 34 o erte, pecas de mada-
0 solicitador Pedro Alexandrino da Costa Ma- j polao muito liuo com 24 jardas a 64, 64-500. 74,
Alngam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados
com jardim, cocheira, estribara e ouiras commo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira :
a tratar na roa da Senzaia Nova n. 42.________
Na praga da Independencia loja de ourivesn-
33, compram-se obras de ouro e prata c pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda e lodo e qualquer concert.
E-i para alogar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um pnmelro e segundo andares de
um sobrado na ra do Rosario da Boa-Vista, qua-
si no pateo da Santa Cruz, e urna mei-agua na es-
trada de Joao de Barros, com arvoredo?, agua de
beber, e portao para o becco do Pombal : quem
pretender falle na ra das Cruzes, sobrado n. 9,
das 9 horas da mandila at ao meio dia.
Solicitador.
chado transfeno sua residencia da ra Imperial n.
36 para a ra do Baogel n. 38, pntneiro audar,
onde pode ser procurado para os misteres de sua
profisso, qur no foro desta cidade, qur nos do
Cabe, Ipojuca e Escada, para onde se encarrega de
cobrangas.
uia de leite.
Offeerece se urna excellente ama cora muilo bom
leite : a tratar na rua^o Imperador, armazem nu-
mero 81.
1
Precisase de urna ama : na ra da Senzaia
Velha n. 104, entrada pelo becco Largo.
Precisa-se de urna preta para o servigo de
casa e cqmprar : na ra do Qoeimado n. 5.
Precisa-se alugar um escrivo mogo ou de
meia idade para pequeo servigo de urna casa :
na ra Nova n. ::c.
3tk oTacharel Lorengb Avelino de Alba
B querque Mello continua a ter seu escrip-
jfi torio de advogado nos auditorios e tribu ^
Mnaes desta cidade : ua ra do Imperador
n. 40. M
MoJSMiwMH JHAIR&MM JHMiw
Alaga-se a casa terrea n. 103 da ra de San-
ta Rita : na ra da Aurora n. 36.
1 ma
Precisa-se de urna ama para todo o
de urna casa de pouca familia : na ra Direila b,
66, segundo andar._______________.
Na ra do Apollo n. 34, segundo andar, tem-
se para vender um escravo de bonita Agora com a '
Idade de 18 annos proprio para um criado.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
mili : a tratar na praga do Corpo Santo n.
servico terceiro andar.
i'.
Tinturara
Na ra Direila n. 116 conlinua-se a tingir para
qualquercor, e o mais barato possivel.
INJECCAO BROW.
Romedio infallive! contra as gnorrhbo-
antigas e recentes, nico deposito raeag
jea franceza, ra da Gru? n. 22 pre-
co U
ETA
Do Norte.
Sahio o 3* numero e est a venda com os pri-
meiros na ra do Imperador n. 67 e Imperatriz d.
39, loja de bilhetes. *
Precisa-se de quem venda essa gazeta pela ra,
paga-se a 20 "|<, servem mesmn meninos.
Joaqun Fe reir Coelho faz ver ao respeita-
vel corpo do commerr-io que deixou de ser caixei-
ro gerente do Sr. Autonio Joaquim de Mello desde
o dia 30 de abril do correte mez, entregando a
easa na mesma data ao mesmo Sr. Mello cora as
condices de que tomou conta.
Auna Maria da Conceigao, Innocenclo Ro-
drigues Lima, Joo Rodrigues Lima c Maria
da Conceigao soera e cunda dos da finada Ma-
ria Bernardina gU Conceigao Lima, agrade-
cem a todas aqueii'&s pessoas que se d'gna-
ra'm acompanhar al o femi/erio publico o
cadver da mesma fin.ida.
Fror-isa-se de urna ama forra ou captiva, sen
do boa f.dzinhcira : na ra do Rrum n. 84.
Os senhores clevedores a massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. sao
convidados a comparecerem no escriplorio
da adminislracao ;i ra do Vigario n. 21.
primeiro an<1ar, para tratar da liquidac3o
de seus dbitos.
Pernambuco 28 de abril de 1865.
Os administradores,
Jos Jeronymo Monleiro.
Justino Jos de Souza Campos.
O Sr. Antonio Gongalves Guirnaraes, mora-
dor nos Remedios, tem urna carta de Portugal na
ra do Quemado n. 37, que pode mandar receber,
pagando o porte e este annuncio.
No primeiro andar da casa n. 30, na ra d
Aguas-Verdes, dese;a-se fallar com o Sr. Manoel
Joaquim dos Prazeres, morador na ra do Pilar,
casa n. 97.
Precisa-se de um trabalb*dor para padaf.'a
i na ra larga do Rc?arIo E. 16.
Precisa-se de urna ama forra on enptlva,
para casa do pouca familia : na ra da Cruz n.
8, primeiro andar.________________________
Precisa-se alugar um preto para o servido
de casa, sendo fiel : na roa do Imperador' n. 18,
loja de marrinero.
Precisa se alogar urna ama que saiba bem
cozinhar, e urna para comprar, para ama casa de
duas pessoas : pa ra da Imperatriz u, 34, pri-
rne'ro andar,
O London A Brazillan Bank, saca por doos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guirnaraes.
Villa Real.
Coimbra.
__________Amarante. __________
Na Camboa do Carmo casa n. 5, lava-se
chapeos de palha para senhoras e faz-se chapos
de seda, vestidos e capas, e prepara-se plumas,
_______tudo por prego commodo. _____
Precisa-se alugar urna escrava para comprar,
cosinhar e eogommar para duas pessoas : na ra
da Mangoelra n. 12.
" Panicipa-se aos pas de meninas entregues
direcgo do dlllegio de N. S. da Conceigao, que
este collegio se acha transferido para os Coelhos,
onde foi a casa de Alienados. Todas as pessoas que
tiverem relacoes cora dito collegio, all poderao
dirigir-se : assim como all somente nos domingos
de tarde se rocebein visitas.
Escola particular,
Clara Olympia de Lona Freir, professora parti-
cular de inslrucgao primaria, competentemente au.
torisada pela directora a instruegao publica'
abri suaaula na ruaDireitan. 60, segundo andar,
Joao da Silva Ramos, medico pela Un-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soccorridos em qual-
quer occasio. D consullas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manda.
Tem se* casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella or-
tica qualquer operagao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 34000 diarios.
Segunda dte.... 24300
Terceira dita.... 24006 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servigos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conflanga de que sem-
pre tem gozado.
Pede-se
ao S r. emprezario do theatro que repita uo espec-
tculo de hoje o muito apjilaudidc duelo o eslu-
dante e a lvale tra.
7a00 e 5, ditas elefante muito superior a 84800,
94, 94300 e 104, dito francez com 12 jardas, sen-
do fazenda muilo encorpade e fina a 44 e 44300 a
pega, cortes de aa a 44,44300, 34 e 34300, ditos
a Maria Pa com barra, sendo os mais modernos
que tem vindo ao mercado a 104 e 114 o corte.
E pechini-ha. lengo de cas-a com barrinha de cor
a 100, 160 e 200 rs., ditos com bico a 240 e 320, e
dozia 24300, crinolinas ou balos de 30 arcos a
34300, dito- com 13 arcos a 24200, tiras de lina
cambraia bordadas a crox a 800 e 14, ntremelos
a 8S0 rs. a pega, cravatinhas preUs e de cores
para senhora a 640, 800 e 14, mantas de seda de
cores para pescogo a 14400 e 14600 ; isto s se
vende na loja de Guirnaraes &'Irmao, ri da Im-
peratriz n. 60.
Vende-s soutambarqne d laazinha fino,
muito bem enfeitado a 34, 64, 74 e 85, dito de,
grosdenaple preto ricamente enfeitado a 20? e 224.
capas de grosdenaple n nito modernas a 204000,
completo sortimento de roupa feita, e outras mui-
tas fzendas que ser enfadonho annunciar, e que
se veodem mais barato do que em outra qualquer
parte : isto s na roa da Imperatriz n. 72, loja de
Guirnaraes & Irmao.
Vndese urna escrava
ruada Gloria n.31.
de meia idade : na
Lam esta uovldadc-
Madapoles superfinos com 24 jardas a pega por
34300 com um pe'iueno toque de avaria. piletots
de brim a 14. ehi'as francezas escoras 720 o co-
vado, algodao muito largo da marca T por 64 a
pega de 24 jardas : na loja da ra da Madre de
Dos o. 16, defronte da guarda da alfandega.
Vende-se urna escrava de idade 28 auno?,
insigne eneommadeira e enzinheira, duas ditas de
meia idade, com hahlidade e sem vicios, urna
mulalinda de idade 13jumos, mu bera educada :
na travessa do Carmo n. 1.
COMPRAS.
O bacharel
Francisco Augusto da Cosa
ADVOGADO
Ra do Imperador numero 69.
Precisa-se de um pequeo para taberna : na
ra da Lapa n. 13.
Jos Joaquim Gongalves Bastos o procura-
dor cesta cidade de Francisco Manoel da Silva Ta-
vares, residente em Lisboa._________________
Pr&ctaa-se de um caixeiro que tenha alguma
P'atica de taberna : a tratar na ra da Senzaia
Nova n, 86, ou a travessa do Pownlio n, 34, esqui-
na da Concordia,
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Ferr ira & Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66._______________
Compra-se electivamente ouro e prata em
obras velhas, pagaudo-se bem: n ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives._______________
Compra-sc um escravo cozinheiro que seja
mogo, robusto e sem vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da roa da Aurora._________
Compram-se libras sterlinas : na ma do
Crespo n. 16, primeiro andar.
Garrofas > azias.
Compram-se por todo prego meias garrafas de
champagne : na roa do Rosario d. 34.
Cobre, laie c chumb.
Comprase cobre, latao e chumbo :no armazem
da bola aman lia no oiio da secretaria (de polica.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de ehVtivamente cscraves de ambos os sexos :
ra do Imperador n._ 79, terceiro aDdar.
Compram-se libras sterlinas por mais de
94300 : no largo do Corpo Sanio n. 4, primeiro
andar.
Vende-se a fabrica de charuto; da na pstrei-
ta do Rosario n 45, enm poneos fondos, ou s a
armago, propria para qualquer negocio : a tra-
tar na mesma.
Vende se mel de Bao a
patee da Santa Cruz n. 84.
14 a garrafa : no
Manleigaingfczaflora 18120ft ii'OO,
franceza a 960, queijos do vapor 246), caf a
260 a lihra, cha superior a 2*600 e 24. arroz al-
vo a 100 rs., toncinho alto a 320, stearinSs a 600
rs., de composlgo a 400. alpista a 140, potes de
vidro com ameixas a 14600. ditos de sal n fin-.do
440, latas de biscontos a I4W0. ii4 de pi' 24,
em libra 400 re, lijlos de limpar facas a 140. vf-
nho do Porto muilo flnn a 720 a girn'a, de ufana
a 36a e em caada 24600, Figuelra 440 e 34200,
tnz a 300 rs. a garrafa no armazem da Estrella
largo do Paraizo n. 14.
Brides e picadeiras de
Ipojuca.
Vendem-se as verdadelras brides e Picadeiras
de Ipojuca : na rn do Onefmado n. 32, loj de
Areved.0 & Irmo.
Barato para acabar
Na praga da Independencia ns. 37 e 39, vende-
se sapatosde borracha para homem e senhora pe-
lo diminuto preco de 14 e 500 r?.
\
^
^\


alarlo de erMbuc SALSA PaIRUI DE AYEH.
Transcrevemos aqu alguns
dos muitos aitestados que temos
receaido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Rhea.aatis.uo.
BE JOAO JOS DOS SANTOS.
Orno Preto.
< Soffri rheumatismo por mui-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer so
d'ella ; e anies de concluir o priraeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
ddr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tova affectada d'esse terrivel encommode
que roubou-me tantas neites de somno. >
Erupces, horbulhas pstulas,
ulceras, e tudas as molestias
da ueflle.
DO SR. JOO PAULA DE ABBEU E SOUZA.
Ra de S. Pedro.Ri de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupc^o sypliiliiica em todo o corpo, mos
trando-se sempre com mais violencia na ca-
Agua florida e tnico orien-
tal de Keinp.
Conlinua-se a vender em porcao e a retalho :
DS ra do Qaeimado, luja d'aguia branca n. 8.
Chromacomo
A agula branca, na ra do Queimado n. 8, acaba
de receber um novo sortimento de caixinhas com
chromacomo para fingir cabellos, e bem assim
frascos com hydrocalletrichioa, agua para desen-
grasar os ditos, colonconio para lastrar os ditos,
e onyehromantina para limpar as unhas. Essa
tintura, cojo effello rpido e cfficaz, est bem ro-
nhecida e apreciada para todos quantos drlla tem
usado, e os que de novo a quizerem apreciar, po-
dem, assim como aquelles, dirigir-se n.unidos de
dinheiro ra do Queimado, luja d'aguia branca
numero 8.
Papel e Mas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia brauea, na
roa do Queimado n. 8, utn bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde para folhas, e
dito tambem verde e mui fino para cobrir o ra-
me, assim como folhas de panno e avelludadas
para ditas.
Aspas de baleia para vetlidos
Vendem-se na roa do Qaeimado, loja d'aguia
branca n. 8.
Superiores penas d'aco ingle-
zas e francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
O
o
a
O
0 NOVO GERENTE
DO
&M8L
DA
DE
LIGA.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
SOR DE MEDICINA Y CIRURJIA, SUBDELEGADO
EM AMDAS AS FACULTADES-DEL SESTO DIS-
ra, prove muitos medicamentos e consultei Penas d*ac iu constantemente
muitos mdicos, e estova quasi desanimado ffiSSo.'SCiSiS, fUR&Unaa as
quando vi OS annunciOS da Salsa parrilha verdadeiras blcode lanoa n. 134 e outras de pon-
do Dr. Ayer: COmecei a fazer USO d'ella e ta dourada, continuando porm a vende-las por
BOS primeiros dias a erupeo at?eravoo-se, precos commodos, com tanto que o comprador com-
nnrpm antps rlp a'rihnr n Poiinrfn frascr. ti. Par*c.a mun,do de dinheiro: na roa do Queimado
porem antes ae acarar o segunao irasco ti- roja da Jgua branca n 8> oD(JelaHlbm acnarse.
nna o mal desappareciuo completamente da ha a venda pastas para papis.
todo o corpo. aguia branca na ra do
Doctor Don Jos Valdes Herrera, profes- n a .
Queimado n. 8, recebeu :
Bonitos epraudos aljofares de cores para volias.
Pulseiras de ditos de iguaes e agradareis cores.
TRICTO.Habana. j Voltas pretas maiores e menores todas de conus
Certifico que he usado la zarzaparril- grossas.
la del fr Aiier vr/imn depurativo he ob- rulceiras pretas tambem de contas.
la aei w. Ayer, y como aepunuivu iie uu ( Q de djfTerent qaa|dades e eoslos.
tenido de ella los mas felices resultados en BrDC0S de aljofares deqcores e doar\ds_
es casos de ulcera crnica, asi mismo au- Fivelas d'aco grandese pequeas com cinto pre-
tor y las considero como um porgante, cuya toe de madreperola.
accin ademas de ser segura, ha sido maj.* doSi?ooE*SSa dllTeren,es iualidade5 e re"
eficaz en el tratamentO de las eufermidades Bonitos leqnes d (madreperola redondos e de
que exsigeu el uso de los porgantes, y no outra forma.
vacilo en recomendar estas preparaciones. I j?tM de sndalo Mengos e corredizos.
Y para los fines que puedan convenir doy i
la presente en Regla a 7 de setembro de
1860.
Dr. ios V. Herrera.
Escrophula.
ATTESTADO DO ILLM. SR, FRANCISCO FERRAZ
dos santos. Orno Preto.
Me acho ha quasi do^s annos affectado, As pasthu digeslivas eem a pepsina u Wai.
de escrfulas, e tendO SOffridO tanto qi-e al- man, emprcgSo se com suecesao bi j alguna
gumas vezes quasi que Chego a dCSinimar pelas celebridade medicaes de Paris,
da vida e maldizer da minha infeliz sorte; 5f**jVienn''elc'*m .l?daf "'"."nmodi-
._.- _:j .__..j_______:.___a:, ... j- dea em as quaes a digesUo difficil, penosa,
AZEVEDO FLORES
Ra da odeia do Recife, esquina da Madre de Deas.
Prestem attentfto ao discurso do Balo.
Nesle estabelecimento lodos os freguezes encontraro igualdade de direilos, o que sendo m*uY
u mmm\
ifam a wbm ni
AO
WESPEIT IVKIi PIIBMC O.
A apreciaco dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelecido a ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molltdis
i te"m "Tcaba di A l"T covaC,ow!Ilc"lu ,uuua us eticonirarao iguatuaue ue uireiws, u que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente de eslranc iro rodem ui
quaiTdadeTdos \ a8rado Wf fazemS a0 faxemos ao pobre, ao menos empenhamos todos os exforcos vendidos por preces asss ra'zoaveis
ao nosso alerce pan agradarmosem geral i Sem a falui(]a(le de er' e8te novo c intercssante estabeiecimento seia o
^toTu3TuS muS oSSaS XWo rs %Tn UDC em SCU ero' V"] Porm **- com toda a seu'a^ desque
m^XlSZ ^%mdm v ulro exceder norestricto cu'I,rirae"10 das seguintfs prome88as:
Ditas largas preclaras a 500 rs. s na loja do Bal3o. ^^^
Cambraias*de cores com quadros, fazenda nova, a 560 rs. a vara.
dem lisas lapadas e transparente de todos os precos.
Madapol5o de 8& a peca que em outras Iojas se vende por 0&.
Temos tambem muitos outros madapoloes de diversos precos, assim como te-
mos madapoites franceses de 14 e iG a peca, inclusive urna qualidade espocial para saias; As pessoas que por sua posicao social gozara de certo trtamelo, acharao nesta
ae sennora a 5b rs. a vara. casa os melhores queijos lonarinos, ceneja, vinhos finissimos manteiga e cha sempre de
Gambraia para forro de vestidos. primeira qualidade. etc., etc.
La preto para luto, e de todas as mais cores. j Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que seta sempre mu-
Laas com o assento escuro e flores matizadas fazenda muito moderna e fina qna- to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorlc farao mensalmentc urna economa de
Meias pretas para senhora e homem.
dem cruas inglezas pa a homem o melhor que ha de 7(5 e 8$ a duzia.
1/ Delicadeza no trato.
2\ Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos precos.
lid de.
Camisas de 20500 que valen 3$, temos muitos outras qualidades de diversos dem ounao querem vender.
muitos patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ibes vendu o arroz, o caf, a BMn-.
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas parip nao po-
i
I
PASTLHAS i
ESTfVAS
IDE PEPSINA
DE WASMAN

imperfecta ou mesmo impossivel : eis o "melhor
remedio para enrl as
Gastralgia*.
Mtiaeaalaa.
Eaibararo gstrica*.
A caalrltc.
As affcccca argAnl-
ras da rstuiage.
Em todas as molestias empregio-se a miude u
DIarrheas e
piara* prodaclslas
pelaa elabaraaSaa
lcrcetaaaaa das all-
UCBlM.
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, estova wm espe-
ranzas de recobrar a minha saude ; quando
ltimamente resolv fazer uso da salsa par-
rilha do Dr. Ayer. Completo!n-se hoje
trinta e sete dias que comecei com este
santo remedio, e taitas meioras Im^1 ^^SSKSgBaSTSVtS
sentido que tenho convieco de em breve e igualmente ospasi7/iasdFic/it/. Etsemeiosd
recobrar a minha saude, perdida haHantO fficaz quando se trate de dispepsias de curta ds-
tc-mrxj racio, mas o prolongado uso da
Syphills e molestias uierrurlaes.
Do Illu. Sr. Dr. Jacksom.
Medico mnito conheado as provincias do
sul do Brasil.
Tenho receitodo a Salsa pa-rilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
SypkUis constitucional e sempre com os
mais felzes resultados; o melhoi alteran-
te que conheco.
Leueorrha e Odres braueas.
Temos cartas em que nos contam casos ,
inveterados que foram radicalmente curados Sfi. P me, *"* 1M
com um OU "dous frascos d'esta Salsa par- Amo importante. 0 svecesso das pasthat
tilia. 4 pepsina ae Watman diu causa a se faaerem fil-
0 espaco nao nos permitte trauscrever
todos os attestodos que possuimos Jas vir-
tudes d'este extracto composto de Salsa
parrilha do Dr. Ayer. Basto declarar so
publico que tem sido empregado ha mais
de vint annos pela profisso med .a tonto
das Americas como da Europa, seui nunca
desmentir a sua alto reputado.
racio, mas o prolongado uso das aguas e pastilluu
de Vichv, tem grandes inconvenientes, por quanto
es alcalinos empobrecem o tangue e isao de tal
maneira que lhes arreblhio a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contraro,
eomo ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transforma-so. ao mesmo lempo que se effectua a
transformado dos alimentos assimilhando-tc
eomo elles e ajudo tabcm como ellos a nutricio
Seral. Sua accio vivifica o sangue e os ergios
e tal sorte que, ath as pessoas que sem soffrer as
affecedes gstricas cima mencionadas sio nica-
mente iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, c neccssiio substancial alimento para for-
pep-
precos, assim como camisas verdadeiras inglezas e muito finas a 5$ ou 554 a duzia.
Camisas de meia muito finas de 20$ e 25# a duzia.
Collarn los de papel de cores e brancos assim como collarinhos de lnlio ingle-
zes a 500 rs.
Temos um completo sortimento de grvalas pretas e de cores.
Ceroulas francezas muito boas a 1I6()0.
Ceroulas de linho com duas costuras superiores e temos um completo sortimen-
to de roupa feita de casemiras e de brins.
Camisas de flanella de cores a SuOO, 4^500 e C4.
Bales de arcos a 3 e 33$ a duzia as de panno e de arcos para meninos de 2)5
a 3o00.
Chapeos de sol superiores com 16 asteas a 12$.
Casemiras do ultimo gosto para se fazer caifa e collete.
Vestidos a Mara Fia a 18a e sao matisados.
Ha muitos outras fazendas assim como grosdenaples e moreantique.
Lencos brancos j abanhados.
dem finos para rap.
Cortes de la a 5500 com 15 covados.
Chales para as senhoras trazerem por casa a 3$ e 40 cada um.
Brim branco a 1300, 1,500, 20 e 2500
Bramante de urna largura para lences e toalhas.
Brim de Mamburgo fino e grosso.
Alpaka preto e branca.
Brim pardo.
Casemira e panno preto fino, tudo isto por preco baratissimo na loja do
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compran; para ne-
gociar, deven vir, pelo seu proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sdrtimento spe-
cial, escollado por pessoa entendida que certamente muito deie agraiar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupaJo sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGU1NTES PRECOS S SE VENDE
A DINHEIRO VISTA:
tificar se, achio no emprego das pastilhas
dei
pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
silicaoes e imitacSes d'esse producto que o*
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacio a pepsina que n'ella Ira, jas
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendoos compradores que u pastilhas tenhio
as iniciaes B. P. e saiio da pharmaciaGhevrfor.
Depsito geral em Paris, phannacia Chvrir,
11, Faubourg-Montmartre, e m todas as boas
pharmacias de Franca t dos aaiiti estrangeiros.
MANTEIGA ingleza efranceza de C00 -c
800 rs.
; MACARRO a 400 rs. de 8 libras para i ima
a 360 rs. a libra,
fias- MASSA DE TOMATE a 6C0 rs. a lata.
MOSTABDA ingleza a 800 rs. o fraco.
MARRASQUINO de Zara.
ALPISTE E PAINQO a 120 rs, a lib a.
AMENDOAS novas a 28o rs. a libia.
AVELES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 80 rs, a libra a,.. x
j AME1XAS francezas em latas, potes,
eos", bocetos, etc etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B MARMELLADA de diversos fabricaLtes c
BANHA de porcoa 660 rs. a ibra, em por- diversos precos.
Cao faz-se abate.
B0LACH1NHAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
B1SC0IT0S ng'ezesem latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
P
PEIXE em latas a 1,000 r?.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
Q
Para a cura radical de escrfulas e
eserofulos, syphilis e molestias syphi-
liticas. ulceras, feridas, chagas,
erupgoes cutneas e todo e
qualquer incommado que
proven d'um estado
impuro de sangue,
TOMEM A
SALSA PIRRILHA DE AVER.
A' venda na ra Direita, ns. 12.26 e 76;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuirn, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-'
principaes pharmacias e drogaras do im-;
perio.
Vende-se em Pernambuco:
aa pharmaela francesa de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
le
-ffecces lHlftHf!
5Qc3_S.g-3
w
mm

" B.-3
lili
iG.go
# O. tr.
:s
a-a ~S
*il 5SSI

i*
a.
i
a- 2
n 3 a
D I >
lili
PROPRIO PAR v SENHORA.
Vende-se um excellente cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares : na co-
ebeira do Paulino, rua de Santo Amaro.
I
s-a D-a g-g .
lili i.
s|"S s5 6
D|3gg" g-g
IHi su*
lili
Superiores corles de moirs preto com barra, o que ba de melhor gosto em
w Pernambuco.
JP (dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia.
^ dem de gorgur5o de seda bordados com barra.
*$ Superiores moirs prctos e largos 2400, 2^600, U, 34800, 4 7 e 80 o covado.
Superior gorgurao de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preto de seda.
dem preta lies; anhola.
dem idem lavrada a 2# o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a I#>00,10800, 20,20500, 30,
30500, 45, 40500 e 50.
Pannos pretos de supernr qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitos outras fazendas de superior qualidrde na ItiadasColumuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Morena Lopes.
CHOURICAS m ito novas a 800 rs, a libra. ffiJ'J? <]o rein0 de <000 a
CAFE de 260 rs. a libra. P andrino.
IDEM suisso a 400 rs. a libra.
! DEM prato a 800 rs. a libra.
S
o.?!
ao
I
,S
Franeisco Jos Germano
i \ov% n. ti,
seaba de receber am lindo e magnifico sortimento
deoeolos, Iunetos e binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
UN
msmm
a \gooo e *#ooe
Na ra da Cadeia do Recife n. 8, loja de mia-
do de boto gosto, vendem-se Jeques de osso a !
1, e de madreperola a i$, chegados pelo vapor
ingler.
Maehlna de serrotes para
afgodo
Chegaram as Jesejadae machinas de serrotes pa-
ra desearocar algolao, havendo um completo sor-
timento desde 13 al 40 serrotes, tamliem lia mo-
tores americanos para as mesraas machinan, ven-
dem-se o mais barato pos.-i ve! : na ra da Cadeia
do Recife n. 36 A, loja de ferragew de Joao Car-
Jos BastCs Oliveira.
Cal de|Lisboa
Na ra do Vigario n. 19, priraeiro andar.
Toros de Jacaranda, madeira muito especial
para construir mobllias; no largo do Corpo Santo
d. i, priraeiro andar.
MASSA E XAROPE
B E R T H
COM CODEfNA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Dejluxot, a Grippa e todas as Irritacdes
do pe ito.
AVISO
Falsikacocs reprchensiyeis excitadas pelos
iuccessos do Xarope c da Massa de Bcrthe,
nos obrigo a recordar que esses productos
to justamente
nonif-.-iilos nao se
entregao scnSo em
bocetas e cin fras-
cos com a aksigna-
tura aqni indicada. F*"~*",fcisr 151, ru SaintrHonor, na Pharmacia M
LUYite, c cm todas as pharmacias.
Admiravel pechincha!
M cambique a 300 rs. o covadt, na toja
do pave.
Vendem-se os mais bonitos mocambiques de pu-
ra la proprios para vesiidos soulembarques,
sendo de quadrinhos de listras e lisos, fazenda in-
teiramente nova, em padrees e muito proprias pa-
ra as senhoras ijue frequentam o rner Mariano,
porque esta fazenda Ibes f.-.cilita fazerem por pou-
co dinheiro vestidos amito decentes para qualquer
acto, advcTtindo-se qu este baratissimo preco
devdo a graude compra que se fez desta nova fa-
zenda, que se vende a freze tustoes o covado : na
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vende-se |a exceliente propriedade da ra
Imperial o. tti, fregnezia de S. Jf.se, tendo 3S0
palmos de frente e mais de 1,200 de fundo, no
centro do qual lia urna grande casa terrea de pe-
draecal.com muitos bons commodos e alguns
. arvoredos de fructo, precisando metade do fundo
j dealgum aterro: o Sr. capitalirta que flzer esta
| acquisicao tem, alem do predio, terreno para edi-
licar un grande numero de rasaf, j com frente
j para a referida rur., j em outras que passam por
deniro da mesma propriedade, que por 1er embar-
que offerece a immensa vantagem de facilitar a
concluso dos materiaes, que sern defpejados em
cima das obras : quem a pretender dirija-i^ ao
mencionado predio, ou rita do Brum n. 87.
AGUA
DE
Florida.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao nma tintura, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoflensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade Incontestavel, a agua de
Florida entretem a lirapeza da cabera, destroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
' a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
araerican s, bahiannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os tama-
nhos a
1
DOCES de todas as qualidades.
B
ERVILHAS seccas e em latas porluquezas e
francezas,
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA deMaranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e o,( 00 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.

GOMMA muito nova-e alia a 120 rs. a libra.
GRAO DE RICO a 120 rs. a libra.
GENEBRA de laranja a 9 e 10,500 rs.
CENEBRA de Hollatida m botijas, frascos,
garrafas, etc.. ele.
SARAO MASSA a ICO is. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200 r. a libra e 8 itos se
far grande abatimento. /
V
VINHO tinto de 360 a. garrafa.
VINIIO tinto em camda de 2,5C,0 a
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4$ rs. a caada.
VINHO Rordeux em caixa a 6.( 00, 7,CC0 c
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e ledos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha cnnsiarittii.en-
te 20 a 30 pipas ao torno de di\e sas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoielas a 15,000 r?.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs,
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a -13 e 13,600 rs. a
arroba.
A Mendoso
Jumentos
Vndese um linda casal de jumentos de bella
raca, grandes e covos, proprios para a conserva-
rao da mesma raca e cruzamento, do que se colhe-
ra magnficos machos, mullas carro e carga ; coja
jumen esta' prenhe, astim como urna linda jo-
mentlnha com pouco menos de nm anno : ver e
tratar com Jos Pereira Cesar no sitio Piraliuyra,
arrabalde da villa do Limoeiro.
Vendem-se queijos do ultimo vapor a 2300 e
2,5600. manteiga ingleza or a 960 a libra, dita
franceza da safra nova a 920, arroz do Maraaho
a 100 rs., aletria e macando a 400 rs., vinho de
Lisbca a 320, 400e 480, da Figoeira a 500 e 560,
branco a 500 rs., do Porto a 640 a garrafa, esper
mace.le a 600 rs a libra, loucinho de Lisboa a
320. batatas a 100 rs., sabSo massa a 200 rs. a
libra, crva mate a 160 rs., urna machina de copiar
carta, nma halanca ingleza, nm moinho de moer
caf, latas de gaz vazias a 120, biscoutos, vinhos
engarrafados tinos, temperos, charutos finos, al-
pisia, figos e outros muitos gneros que se delxam
de mencionar, tudo por menos do que em outra
qualquer parte, nesta casa o freguez com pouco
gasto vai sonido para casa e quem qmzer o bom
genero vir aqui que o Jacha rao: na ra Direita
n. 7, frente amarella.
~ Vinho do Porto superior em caixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do cv C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Deposite geral em Peroambnce rna da
Orn n.22 em casa de Caros & Rarboza
Yinho Madeira fino
tem para vendar Joao do Reg L;ipa, pa ra de
Apollo d. 4.
Hez Mariano.
Anda est venda na ra do Imperador n. 13,
defronte de S. Francisco, a rica edicto do mrz Ma-
riano, ornada com eslampas e vinhelas, eencader-
nada, por \j e lo(K) cada livro.
raluogas finos e brlafiiicdes
para meninos.
Chegaram para a loja de miudtzas da ra do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
j tanto para brinquedo d? meninos corno para cima
; de mesa : na mesma loja C cnconlrara bom scr-
. lipien'.o de miudws.
Barris vastos. -
Vendem-se barris vasos de manteiga a 120 rs.:
na ra Ja Cadeia do liecife. n. S'i.____________
-- Na roa da~Craz n. 38, em casa de Milis Rat-
teau & C., vende-se:
Cli.
Oleo de nbae.
Folbas deFiadre.
Slins e silhoes inglezes.
Cerveja Asplnall.
Dita Hass.
Dita John.iefTreN & C.
Um piano com pouco uso._______ _
Bixits hamburpe as.
VeBde-sena ra Nova n. 61.
MACHINAS tPATEM
de (rabalbar a u ; o iar
descampar algodio
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
LDAM
E.'l> machina:
podem de^caroca
qualquer especii
de aigodao sen
estragar o fie.
sendo bastante
duaspessoaspara
o :rabalho; pdi
desearocar um;
arroba de algo
tao em earoc<
t m 0 minutos,
ou 18 arroba:
por da ou 5 ar-
reta.' de algoda
impo.
n
da lf:iv.in.a.
Ka ra da Cruz n. 4, vtnde-se charutos t la-
vana de diversas qualidades.
c/i c r < c 5?
y
- .__ .* iT^ ^ "^
s f i I' 11 % 19 "^ & I

CE -
c
ce 2. ~ v. a C o. '-/-
f.S'o'S----------3 fc 9 2 c o
'' ,_.<*' c
o. r
C B
9 Si
^ -z
-i a
g> -. SK.
c zr:


a ~ X
;ii2i

! = -.= 8
a
"SlfeS
Assim como machinas para seren rrxvidaj por
animaes, que descarocam 18 arrobas de a!goda
limpe, por dia; e motores para mover Uffli, duas,
eutrs dessas macliinas.
Os mesniosteni para vendtr am t;clisimo va-
por que pode flzer mover tit desias m^chiDa:
mencionadas ; para o que cenvida-se aos Srs.
agriculioresa virem ver e exam:na-lo. nr arma-
xemde algodo, no largo da ponte n&va n *7.
Saunders Brolher&AC.
%. II, praea do Corpo Saneo
RECIFE.
Os nicos agestes neste paix.
------------___________________________________l
2 S '.-

ir- o.
B9
VI
"a
a>
-i
s
*5"
c
I
W
3

rs
v
_ c c -
S- CD C
E-rsTO -,
a g h
O- -. =
05) O O
si
"^ y
a:
rs-? C
01
o
OS "1
"1
S.&
DROGARA.
34Ra! larga do Rosario Z
CatUicIomctt Francisco deScoze.
Vendem:
Acido actico puro pira retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
GuarnicSes avelludadas.
Tinta brancasuperior cm lata.
ilvaiadeY^nera, fino, em pes.
C.
MARA PA
Hara Pa
Mana Pia
Acaba de chegar pelo ultimo vapor iuglu um
esplendido sortimento de cufeitr de r?l cea a Ma-
ra Pia, o quaes pela sua elegancia e bom pos!
de cada qual o mais bonito poda de*?.m a desojar
sendo prttos, rxos, cor de bocina e azulzinho
seus precw a 2S00. M, 'ti, 6#, o 103 : na
loja do novo rival ra do Queimado d. 1C.
4

1 *?
'



fxrto**
co marta letra* *r Wlo de 19S
AURORA BRILHANTE
GRANDES 4RMIZENS
DE
MOLHADOS;
ESPECILKS
Largo da Santa!
Jruz n. 84, es-'
nina da ra do
Sebo.
M Largo da Santa
&>uz n. 84, es-
quina da ra do'
pibo.
mrnmmmm
o jiav > propietario do ja muito acreditado arraazera de motilados deaoralnao Au
rara BriiiiarMe. continua a icr o mesmo sortimento de gneros de prlmeira qualidade.
a sa^uinte tabella sirvira" a todos de base para ajuste de cootas aos portadores.
M- aInu' armatm tendera' mais barato e naelhores do que a Aurora Brilbatte, ja'
pe o granan sortimento que tem, ja' mesmo porque seu dono s deseja tirar diminuto tu-
rro luantocliegup para accumular as despezas do estabelecimento por isso deixe se a-
proveitar, o prsprietarlo ha de fazer toda a diligencia, aflm de servir bem os seus cons-
tantes fregueses.
Lata- com libras dechonricas mnito novas,
a "3300.
Ditas grande
cora peixe era postas inteiras,
mas te l jualidades, a iOO, 1^280 e
1 y JV J J.
U tas ,:om ostras, excellente petisco para fri-
?iJdir4, a 720 El.
, Ditas cora ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
, titas com faros, a 640 rs.
Ditas com ameixas a 15200, I800 e 33300.
' Jilas com mermelada do afamado fabricaste
Abren, a 720 rs.
|Oilas3orn massa do tomate, aoOOrs.
MlMoan figos de comadre, novos, a ISoOO
ii e 2J5D0. '
>Oiti ; if-ioo.
itasnnbiscoitinhos Inglezes de muitas qua-
fi la-Jes, a 13*00.
ClioMla-te.
Ctizinhas com ameixas enfeitadas proprias
para mimo a 13200,2^803 e 3*200.
i enclate superior muito-novo, a libra de
| 830 a 15000.
, \I icirrAo, talbariam e aletria amirella a libra
> a 410 rs.
D.t i dito dita branca, a libra a 100 rs.
Giixad com trelinlia, pevide, e outra? raas-
sas, a caita 3*3)0.
)::as lita en libras a BM rs.
>i:i. i bra a 350 rs.
Hsvi lln*i i para sooa a libTa, a 210 rs.
B<-vihis ceas, a libra a 1R0 rs.
1 leseisctlas, a libra a 210 rs.
' i 'i i i muito nova, a libra a 280 rs.
'-"iau de araruta verdadeira, a libras
i)-..
iv \> Miran'iai, ena sukoo, a arroba a
! ('O >. t libra a 80 rs.
i i 11 11 hii i e Java, a arroto* a 35300 e a II-
' >. i 101 rs.
:'i nnde I
i 'tbra.
I i ii Smtos,
f1 -s.
. I ti .-.n 123 ceblas grandes, I $280.
i I -la franceza. caixa com 2 duzias a
1 100.
. >< i! mi mostarda proparada-ira vinagre,
iVWf
) '' >>n mservas inglezas c franc-zas, a
i:l)S)Jl'i.
; Mos i-.o:n sal r .'finado fino, a 640 e a 800 rs.
' .i.! is Jim a verdadeira genebra delaranja, a
1JOOD.
[Oit-is lo i garrafas de Hollanda verdadeira,a
iO rs.
'Sitijas cora dita propria para negocio, a
f V)) rs.
arrafoes com 2 galoes com dita, a 63-
isboa a 90300 a arroba e a 120
a arroba 75000 e a libra a
Vinho verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
Gorama.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de Vv
enzommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Fariaha.
Saccasgrandes com farioha le Goianna mui-
to nova, a 35000.
Caf.
Caf lo Rio muito superior, a arroba a 85, i
85300 e 95000.
Cha.
Cb.'.emos nestos gneros o melhor possrvel,^
hyson, a libra a 23609.
Dito parola a 35100.
Dito uxim a 23700.
Dito hvson muito lino a 23^00.
Dito redondo a 28500.
Dito preto de primeira oualiflade a 23500.
Dito mais baixo a 25000 e 15600.
Erra mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espremele.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passa.
Gaixas de 16 a <" libras de nassas novas pro-
prias para mimos a 48 e 28300.
HMes.
Notes, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
Alpista e painfo.
Alpistae pain?i. a arroba 48000 e a libra a
160 rs.
Carlas.
Cartas linas par; logar, a duzia a tffW.
Gastanhas.
Gastanhas novas 'in las netfl vapor, a arro-
ba 45000 e a libra a 200 rs.
\it tenas.
Barriscom axeitonas novas a 13300
artera*.
W*nteiea apartar, '* a 13200.
Dita maisabaixo a 18121.
Dita menos saperief a 15 -
Hita franceza nova, a 4bra a 45120
Dita lita_era barra e meios ditos, a libra
13 rs.
Dita para tempe"o a 400 rs.
(J .mijos.
Qneijos novos viados neste vapor a 25800 ej
38000.
Ditos londriaos muito novos, a libra
13000.
Papel.
**Efi ft-JBT*' 50 a 8arraf4' e a;PPel Imaco Pautado, a reama aWSOO.
- j,.. ii*. j >inhe, a resma a 15500-
.'i ibi -niisonol de Sotubal, a garrafa a 15.
'I tiras i unio verdadeiro, frascos a 8GC rs. e
. 1521!.
hvnpagne. a duzia 208000, e a garrafa a
2 5101.
Ueite rifltio lo portuguez e francez, a garrafa
a 15000.
Gaixa de yinho ltorl>.anx muito superior,a
7 5,8 5.03 e lOSacaUa.
illas cot dito branco, a 73 a caix.
Oim com lito lagrimas do Douro verdadeiro,
a 205.
litis com duque do Porto verdai-iro,"a
IS 5000.
FWttt om rbamisso sup-nor, a 143.
Ditas com C-irto velho e entras muitas mar-
cas. a 12-5.
Vjnhi do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
Dito de Lisboa mnito bom. acanada a 33200,
3-5"00 e 45, e a garrafa a 500 e 560 r3.
Dito da Figueira, das segulntes marcas (N.)
'I \. A.i (J- L. G.) (O. M.) a caada a
43300, e a garrafa a 560 e 640 rs., desle
,'jue est engarrafado elacradocomo
>! rotulo do armaiem.
SftDitos dA marcas mais desconhecidas, a eana-
&p da a '38500 e 43000, e a garrafa a 480 e
Y 520 rs.
r^Vinho branco fino, a garrafa a 640rs.
ifPDito de caj multo superior, a garrafa a
Dito dito I izo de
Dito de peso lila
Dito de embrulho, bom a 15 c 15200.
e pautado, a resma
fiaba Maeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-^
deira a 13500 o 2300O.
Temperos.
Folhas de louro, pimonu li reino, commho
e cravo, a libra i 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com o velas le carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Gaixoes de doce de goiaba, grandes a 15400 j
e pequeos a 640 rs.
lijlos de lirapar.
Tijolos de arear facas a 140 rs*
Grata.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 25000, t\
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs. ca-j
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos linos.
Charutos finos dos malhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caitas e meiasj
caixas.
800' E grande quantidade de geueros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
niiTieiar-se.
N. 11 Ra do QaeiraadoN. 11
Superiores cortes de seda preta com lindas barras.
Susenor seda faconn o que ba de melhor e mais goslo.
Moreantiqae preto muito bonito a 23800, 35,35300 e 45 o cavado.
(Completo sortimento de grosdenapl* preto de mnitas qnaUdades.
Pannos pretos e casemiras de murtas qualidades.
Bournus, chales e los de renda pretos superiores.
Superiores pelisses esoutembarques de seda para s nherS.
Bournus de laa para senhoras a 125. ,
Chapeos e chapeiinas de palha do Italia para senhoras. *
Oorfs do lai de barras de 148 a 228 de muito gosto
E muitas outras fazendas de superior qualidade na loja de Augusto Frelerico dos
Saatos Port aonde tambero se vendem as melhores e mais baratas
Estciras da India para forrar salas.
R. ti Roa lo QaeimadoR. H
Camas de ferro
Vende-se grande sortimento deslas camas na
rna N iva n. 33 ; na mesma loja vende se grandes
ourinoes de ferr> forrados de porcefana tenio
dnas azas e lampo 4 ferro, rwoWmendam-se a
quena precisar.
CONSULT
DR. PEDRO
EBI
pS Ra
/
O Br. Lbe Mosc
aoras da raanliaa, e das 6
CIRIRGICO
fOBO MOSCOSO,
IJ5DOH.
NEM COROAS NEM MITRAS
I
VERDADEIRO PRIII
o-
Fmidao 3
bis patoes Jodos os das das 7 s 1
te nirrtr. i twrfcf" AnB dias saQticado;
Pharnum.e
No mesmo coosrnMM s
tobos aroisos, assim ceawtiattsra
(hica.
sertimentn e ctrteirs;
E
GR1M1IE 1RMAZEH
Je'FTTtiub^aiiJijs.
de 60 tnbosgrandes.
insa^Sa .pelos prefs sepuinto1
42*5000
HDOO
swooe'
30^000
m ., w lUUU Prepara-sc qitalquercarteira conforra* o pedido que se fizer, e-com os remed
I 33 se pedir.
Uta tubo avulso ou frasco de tfntnraiie meia on?a.li5(O0O.
Sende para cima de 12, custara' s precos estabele'cdos para as carteiras.
Ha'ubosotis pqaenos cada am a 500 ris.
A melhor obra da liomeopathia, o Manual de Medicina Hbaeopathico do Dr. Jabr
Ooos grandes volumescamdiccitnario........'..... 20(5000
Medicina domesticado Dr. Heting,........... 10,5000
Repertorio 1 Dr. Mello Moraes. .'.......... 6)5000
Diccionario detenaos de medietta ........... 3,5000
Os remedies deste estabelecimento sao por deraais conhecidse dispensam portan-
lo de serem novamenterecommendados aspessoas que qaizerera usar de remedios ver-
a^?*'eoereioos *dHra*OT'es: ha todo do melhor que se pode desojar, globos de ver-
darjaro assucar deleite, notaveis *ela sua boa conservado, tintura dos mats acreditados
estabelecimentos europeos, a maisexacta e aecurada preparac5o, e portanto amaior ener-
ga j certeza em seus effeitos.
Ca a da saie pira escravos.
Recebe-seascraves para tratar de jualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualqnei
operacao, para o que o annunciantejnlga-sesuficientemente habilitado.
OtratajnoBte o elbor possivel,tanto na parte alimentar, como na medica, e
"rS!,SMvf0 a 6BSa amais oae auvjdar, qa* pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar sbf
Paga-se 2*000 por da drante M das e d'ahi em diante 1,5500.
As operapoes serao previamente ajustadas, se n5o se quizerem suieilar aos precof
azoavets pa st i ni pedir o annnhciante.
1
f RUI DO'IMPERADOR \\ 4i)i
|! Juulo a* se Irada em qoe mar aSr. Osbarae,
uar(p Almelda A c. receberam de ana propria cercan re -
da o mala lindo e variado aortimente de molhado, ptcfic
da presente estaco
Mauteiga ingleza
da safra nova vinda no ultimo vapor a l,ooo
rs. a libra e era barril a 8oo rs.
Hanteiga francesa
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
aSaXTrs.
Amendoas
<*ufeitadas de lindissimas cures a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro cam 3 libras liquido a
2i5400, muito propios para mimos,
CartSes
com bolos francezesa-50rs. cadaum.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1300.
Chocolates
detodasasqualidadesal(5OO0 alibra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velaos para 500 rs.
Qneijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Que! jes
chegados no ultimo vapor a 2*5600 cada um.
Laboratorio aolfico e chiinico de F. P. Lebeuf e C
ra Montmartre, 31, em Pars.
Fabrica ena Argenteii, prs Pars (Franca).
B0MFiC.\(J.\0 E FABJUGiClO
D)s vinhos, agiiardentes c licores,
VIXH03.Imitadlo dos vinhos de todas as
,'l(fualidades,Extraeto de .Vl^.dc, adose para 3
-lUros, 1 f. 4l,Je Bordear, 2 f.,r- "
*e Pomaril, 3>
f.,de Lisboa, f.,de Cataln, 2 f.,de Porto
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 23 ou 30 li-
1*05, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
o vinhos cima e todos os outros. A dose nara
500 litros, 50 f. '
CLACIFIC.AGa Mb iBglezes, pos dos vinhos
d Hespanha, da Franca, etc. A libra para 300
'fTtros. 5 f.
COLORACO.Purpirigine para colorear os
"vinhos brancos e vinhos claros. As dims libras
para 500 litros, !6 f.
AGl ARDEME3.Essencia de cognac para dar
s aguardentes ordinarias o sabor eo aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIRSCH E ABlVTHO. -Essencia de kirsch e
de absintho, para os fazer com alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 3 f.
LICORES.Extractos para fabricar se todos os
licores eonhecidossern fogo nem alambique, (in-
dicar-su os que se leseia.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES .nra fabricar-se os licores finos ou
communs a Jos para 20 ou 23 litros, 1 f. 23.
TODOS os outros productos para o-trabalho dos
vinhos,tguardentes licores, vinagres, etc., sao
fabricado"; le encoinmenda.
UTEXC1LIOS de laboratorio e de chiroica.
loddriaae nais fresco que se parte esperar
e de excellante marcea 800 rs. a libra
laadaiateva a 900xs, aretalho.
Conservas in^ezas
as matsmwas qa se pideiperar a 760 rs.
a trasto.
Figos
Atguns de nossos agentes tendo falsificado e-nitado nossas preparaeSes, e engaado nossos
.ffeguezes, lavo-sa exigir sobre as rolhase rtulos as iolciaes F. V. L. Paris,
0 lio deusar-so'das.yBeparapesjelia-se indicado no rotulo.
As encommenJs devoia seracompanlvidas por urna letra sobre Pars on qnalquer outra cida-
Fraici, ou ?ira*itis po urna rasa -ih-vila.-Dirisir-se aosSrs. Lebeuf & C. chimicos, ra
rurtn, n. 31, e-a PiK o a su* fabrica m Vr-raateuil, pr- Paris.
i -; ii boti,:i france'.a, ra do Imperador n. 38.
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1200.
Oh, uxim
o malbor que se pode desojar, que antro
qualquer nopde vender por menos de
3 a 2^600.
dem perola
especial qualidade a 2370Q rs. a libra.
I4em hysson
oaiis rornatico que tem vindo ao nosso
mrcalo a2600.
Massas amarellas
para sapa, macarro, talharim e aletria a
iSOrs. alibra.
COGVAC
o muito afamado cognacPal Brandy a i,8oo
rs. a garrafa e de outras mnitas qualida-
des a i.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs a
duzia, e a 440 e Soo rs. cada um.
PAPEL
/o
%
F\MIG\ DE'CII TOS DE SOL
H. 9 3 ftni y9Vn esqnlna da mboa do (armo e rna do
Cabng n. 8>.
A 'irectrii les39 etfibelectmento o mais importante que existe neste genero
as provincias do norte do imperio, ((uerendo que o publico desta provincia goze das
vantagens que proporciona a fabricado em grande escala e directa relajo com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender ainda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabella :
, ... Descont em duzia.
Chapeos de sol de panno a 2#000........ 20
armario de baleia a 2#o00 .... 10
de seda armicao de a?o inglez de 20 pollgadas
4$, de 24 H, de 2 5,5500 e de 28 G^ 15 8/0
Chapeos do yol inglezes a balao 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 81 de 2G 95, e de 28 10. 15 %
dem dem a btlo de 16 varetas patent paragon de fox de 24
poHegadas 11-?, de2G12^, e de 28 135...... 15 o/0
Alera de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
emo sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos efeitios, os quaes s5o t5o vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, cutilaria fina e ar-
mas de caga, os quaes vendem-sc: talmente em porco e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
mar pelopreco que o estabelecimento retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia serao considerados como
a retalho.
ADMIRAVEL pechincha
CHAIEJS DE Si! \I>A PREIO
a 10$000 cada um,
Cassaa organdys de eores a *0 rs. o corado.
A' ra de Crespo numero 17,
LOJA DE
Jos Gomes Villar.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooors. a arroba e 16o rs. libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
CEBLAS
No armazem da vinvr Paula (jopes, defronte do
embargue na escadinha, vendem-se ceblas as me-
Ihores do mercado, em caira e cento, o mais bo-
rato p06?ivel.
avariado.
Franrer barrica 5/1000
Porclanfl dem 8J500
Em perffito estado:
Francez barrica 104000
Portland idem 125000
lo armazem de Tasso Irmioe cien do Afollo.
Fio de algodo da Baha.
Vendefse no escriptorio de Antonio Lulz de Ol-
veira Azevedo & C, raa da Cruz n. I.
PECMMH4 SEN 1GU\
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
Madaa de 2,2oo,a4,5ooa resma do me-
inor.
Papel de bolca
de exoellente qualidade a 2/1200 a resma,
i PAPUL
; azul a^u-o para omoramo-do 1 ,4o a 2,2oo
: r&. a resma.
Coriutliias
passasctrruthias muito novas propria para
podra a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
1,400 rsw alibra.
Vinagre"
PRaalmQalnTretaSde 9 Canadas a 15'000 rs-
Cekllas
asmaisnovasdomercadea 7,ooo rs.a caixa
a i,oa* rs. o moldo.
. Alpisfca o Huqo
GEBQLAS
mffrV mo?ocento na road Q:-
(RO DE BIG0
murta aovo a mm arroba el40rs. ali-
brawaraadaOuaimrdo n.7, ra do-
imperador nioe largo da Carmen. 9.
Ojf) sursso
UvT^VL rUa ^^"dor n. 40 e
largo docarmo n.J9
Macas brancas
para sopa a melhor ^oe se pd dttjsr
macarro, talharim ealeir a 4C( ib.
libra e 45O0 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas Barcas acre
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, *
2800 a caada.
Idean do Porto
generosos engarrafado des melhores falri
cantes da cidade do Porto a f e 1H
a garrafa e de 10$ a 12 caixa, a> i a
cas sao asseguintes: Chaniss> df,lh
F. A M., Nctar ou vinho dos letus
lagrimas do Douro eoutros ixuilOf.
Latas
com 10 libras de banfea a ifiCV0.
Bolachinha inglm
(a 1*800 a barrica da mesma que
vendem a 2000 e 2^400.
Nzes
as mais novas do mercado a 12Cr .4 bra.
Cervejas
des melhores fabrkantesfe de tedas a6rf
cas de 4,5500 a f500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,, Reis e outros en
meias caixinhas a lj>500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2500 a 3^000 a ar-
_roba desses que vendem por 30400.
CAF
de i. e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 8f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a iiet
Ciarrafoen
com 4 /i garrafas com vinagre a 10000c*
ogarrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadetra a 10000 o frasco, e de lUfC"'
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800
12 frascos.
. GENEBRA
ae Hollanda verdadeira eo frasqueira a f o.
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos degaz a 2,2oo a to?,
e 2o rs. cada caixinba.
LICORES
finos de todas as qoalidades, a lo.ooo arix-
com urna duzia e a l,ooo a garraft.
Marmelada
dos mebores fabrican tes de Lisboa, coiro fe-
jam Abreu e onfros muitos a 6oe rs. .
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52c rs.
a libra.
ki r ARROZ
Maraahso, Java e India, a leo n. i%m
de 3,oo, a 3.200 rs.a arroba
VELAS
de espermacete de diversas marcas a Bf rs
a libra e em caixa ter abatinertr.
. t VELAS
r3TTU^e*Msas rr*baa0.3i .
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas oras
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 r
a libra.
PaSMS Dlllilo DOTS
em quartos e inteiros a 20 o quarto e etft
a caixa e 400 rs.a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se rede sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o re
,ha frutas ena calda l '
chegadas ltimamente, pera, pecego cirh e
outros muitos a 640 rs. a lata 8 J
, finn .** d" MM d floisfta'
a 600 e 10 ocajxse.
. GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a ni "rn
robaelinra iVrroras a *ZC0 a ar-
BOLACHINHAS
-U. U de.Teren.es 4Ld a ,CC
do One"S'**! POT/ W *t>
aos an
todca es.
0 Verdadeira Priicpal roa da IA
FARELLO DE LISBOA
Marca N verra saces ras gandes a W8oo: ra, to ^
DE
das cola
Madapollo moito fino com pe<|Qe.oa toque de avaria, por preco qne almira : na loja
columnas aa ra do Crespo n. 13, Se Aotonn Correu da Vasconoallos ^ ij.

HE
J. VIGNES.
7eS ?? \L 112 definit,vv.aipente conquistado sobre todos os gne lera apparecido nest pnw ooV-
indo a leebulo nuch.n.srno qne obedecea. todas as vontades e caprichos &*&;!'
'Tmo/nara oPclimJT^Ca^ de Pr0p08t0' e ter"se fei, "l^6^ ^bo^mJmi^omn-
simo.para o clima tote paiz< quanto as voaes sao melodiosas e flautadas, e per isto muito crads-
veis aoS traviros dos apreciadores.
Fazem-se COTforme as encommeadas, tanto nesu fabrica como na do Sr. Blosiel, de Par, secic
wrre^ponoente dj j. Vipes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expoa'coes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de mDsioas do
memores autores da Europa, as.j|m como harmnicos e pianos harpjonicos, sendo trido vendido noC
preoos commodo e razoaveis.

.


'
ILEGjVEL



itMM qwtte t*tm'*rar%l*t*9*\*t.
'
(I
r
Ainmren
Admirem Bem 11
MpiiiMlnT ais rto wod na te**.awkr
iem do Ravao, o r da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma 4 Sirva, oaiW sa Tndem tortas as fazendas,
tanto de luxo como de prlsaeira Becessitfae por
MedwarttoTawww,eiw ssHCisiiqade use-
oimms, daodo-sa kootrM datUMO fioar penhor,
oumando-se levar em casa das familias pelos
catxeiros da mesma loja.
Algediozinha do PtIo.
Venden-se pegas de aigodozlnho marea T, mui-
to large, propro para leiees e toalhae, tendo 24
jardas pelo baratissimo prego de 65 a pega; dito
large com vate jardas a 55, pechracha por ser
fazeoda que se vende em outra qualquer parte
por 10 e lf|, isto na loja do Pavo, ra da Im-
ratrU n. 60 de Gama di Silva.
Maaapeka eutaatafa t 40, 4#>00e ;>000.
Vendem-se pecas de madapoio eofestado com
12 jardas pelo baratissimo prego de 45, 45-300 e
5$, ditas sem serem entestados demarcas multo
acreditadas a 75, 85, .95, e 10*, ditas, francs
mallo encornado proprias para salas a 440 ris a
vasa, irto na loja de Pavo ra da Imperatriz o.
60 de Gama & Silva.
Grande pechincha.
Chitas a 220 ris o covado.
Ou 7600 a peca s o Pavio.
Veadem-ae hitas iaglezaa de superior quaJida-
dn. ifluaranla i> as cores seren fixas, com multa
diversidade de padrdes, pelo baratissimo prego da
220 rs. o covado, oo 75609 a pega tendo 38 co-
vados, sendo (azoada esta que sempre se vendea a
281) rs. o covado eu lj a pega, chitas largas a
80, 320 e 260 rs, na loja do Pavo, ra da Impe-
ratnz o. 60 de Gima 4 Silva.
Caries de chita franceza na loja de Pavio.
Vendem-se cortes de chita franseza, cores llxas
com 10 cavados a 34, ditos eom ti covados a
35300, ditos eom 12 corados a 34600, ditos de chi-
ta iogieza a 25*00, -24400 e 2GO0, isto oa loja do
Pavo roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cassas Francezas a 300, 320 c 360 na loja do
Pavio.
Vendem-se cascas francezas mnito finas, de co-
res finas pelos baratos precos de 300,320 e 360 rs.
o oo va*, pegas de cimbrara com salpicos de cor
teo-io 8 l|2 varas a- 44, ditas salpicos brancos a
a 24300 e 34, ditas adamascadas para cortinadas
a 44, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Corles a Maris Pia.
Grande pecbindM- a 5/JOOO e 6*000.
Vendem-se os mais bonrtos oortes para vestidos,
sendo de cambraia braaea.com as barras e eflfeilea
bordados, de eor crox, pelo baratissimo prego
de 34, dilos do mesmo gosto mais senda de cores,
pete baratissimo prego de 64 cada um, valeudo
esta fazenda dobrado dinheiro por ser a mals mo-
derna que tem viudo ao mercado, isto na loja do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Grande pichincha a 8-5000.
Vestidos de fas a Mara Pia.
Vende-se um bonito sorti ment de vestidos de
la com barras bordads a M*ria Pa com as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo baratissimo
prego de 84 cada um, pechincha por ser fazenda
que sempre se vendeu a 124, e por ter chegadb
urna nova e grande pergS, re3olverara-se a fazer
este grande abatinoento na loja do Pavo, ra da
Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Vestidos Braatos.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidas de
carabraia branca primorosamente bordados, pelo
barato prego de 124. I69 e 20j na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n.60 de Gama ft Silva.
La garilwldina a 401) ris,
Vendem-se as mais modernas laazinhas transpa-
rentes, cora listrinhas mludlnhas, pelo baratissimo
prego de 400 rs. o aovado, ditas enfastadas, cor de
havana, com listras differentes, sendo das mais mo-
dernas e muilo eucorpadas a 500 rs. o covado: na
lja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
A Silva.
Grande pechincha, vestidos a
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, mnito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
aras, sendo lodos os padrdes tecidos a nao pinta-
dos, e ven1era-se pelo baratissimo prego de 35300,
sendo fazenda que val muilo mais dinheiro: isto na
loja do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, de Gama A
Silva.
Laazinhas a IW ris.
Vendem-se as mais modernas laazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos, tanto de quadri-
nhos como de listras, com as cores mnito bonitas,
pelo baratissimo prego de 240 r3. o covado ; ditas
com palminhas de seda, padrdes muito bonitos, a
320 rs. : s na loja da Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama k Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se gronsdenaples preto a 18280,1-3600,
15800 e 24 at 44, superior meurautiqueprelo a
34, setira, da China, nova fazenda toda de la, pro-
pria para loto, com 6 palmos de largura, a 500,
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras murtas fa-
zendas proprias para luto : na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama <& Silva.
Grosdenaple* de cor a IgBOO.
Vende-se superior grosdenaples cor de caf, pro-
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 14600
o covado : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Case mi ras a'I $600.
Vendem-se casemiras garibaldinas de quadn-
nhos e lizas, proprias para caigas, palitos e coletos,
pelo barato prego de 14600 o covado, assira como
caigas, palitos a coletas J feitos das mesmas : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
Grande sortimento de ronpt feita.
Vende-se na loja do Pavo um grande sortimen-
to de roupas feitas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditos saceos, ditos de caserai-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
de cores, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
ta d todas as qualidades, ditas de cor, ditas de
brim de linho branco e de todas as cores, coleles
de brim, casemiras, setim, gorguro, etc., etc., to
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do que em outra qualquer parte : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Chales e manteletes de renda
Vendem-se os mais ros e mais modernos cha-
les e manteletes de renda, ebegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego muito razoavel : na loja
do Pavio, roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais modernos soutembarqnes de
cor, ricamente enfettados, a por barato prego : na
loja do Pavio, ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
Capas pretas e soalenibarques.
Atteiicfto.
fazendas prtta para a 411 arena por
psr baratissiiM ptet, a toja e ar
torteada Arara,Pin 4a taperttoi
Lgurengo Perera Mendes Guimares.
O proprietarlo deste estabelecimeato retira-se
pan a Europa a tratar de sua saude, porm antes
de retirar-se pretende fazar urna kquidago de bit- importe
baratissimo prego para fechar comas : agora fre-
guezes vende-se grosdenaples preto muilo bom
para vestidos, a 14600, 24 e 24500, dito de 5 pal-
mos de largo, a 34 : na roa da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Mearanticjae preto a 9$.
Vende-se raeurantiqoe preto para vestido a 34 o
covado, grosdenaple muito largo e encorpado a 34,
24300, 24 e 14600 o covado, alpaca pret para
vestidos e palitos a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
fV*^,4* la P3" w*Mdos, caigas e palitos a
b40 e 800 rs. o covado, la preta para vestidos a
o40 rs., borabazina preta para vestidos a 14280 o
covado : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Ricos vestidos a Maria Pia a 12.
Venden-ge ricos vestidos a Mara Pa a 104,
114, ,144,164: ruada Imperatriz loja da Arara
PU#trG8
em o menor constraa-
glmento se entregar* o
os genero que
o agradar.
ARMAZEM
ATTEItfO
Os precos da seguintc
tabella para todos, pe-
dendo assim servir de ba-
se para o ajaste de eontas
eom os portadores:
1
MANUAL
no
MERCANTIL
o. 56.
Arara vende peca.s de paaninho a U e de
mada olo a 40.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passaado m arco da CoaeeicSo)
PARA BEM DE TODOS.
PAROCHO,
CeapMta pela caneco
Dr. i. (. Fereandes Fioheiro.
Acaba de chegar do Ro de Janeiro esta abra :
vende-se na iivraria econmica ao pe do arco de
Santo Anlonio, a 24500 o exemplar.
Cfregramos superiores
cortes de seda.
Superiores cortea de seda de rer, viidof po
ultimo vapor francax ; na loja (Tas rolt.n ias a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Cora-ia ct Vatan-
cellos 4 C.
reza com
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimnrto, e mais qne tudo a promDlidlo p inipi'
qne sero tratados, convida a urna visita ao mesKuvawaofcd* que sem duvida me darto; a proteccao e preferencia na com-
Atlengu.
Vendem-se pecas de esleirs para orro df sala
linla branca preparada a oleo, em laus de 2o li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendurar, arreios .ara 1 e a raval'cs,
velasdespermacete, todo de serierior qualidad*,
vindodosEstadesnidos: noannaitmda ia o
Trapiche, n. 8.
{. v.... vUU. H. cuu uxwuv), wu'nui -- .------1-------------------- i-iuici-viiu e ureiei m- XIUlcolUo UC Jcllch
Vendem-se pecas de panninho muito fino de 12 P dos gneros que prec:sarem, e quando nao possam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes sejam douco nratk > eserivSo ,D,eriM Tnrres enlra de '*****> e
rdas a 3&, veodem-se pegas de madapoio infes- pois serSo tSo bem servidoscomo seviessem pessoalmente, navendo para com estes toda recommendacao, afim re ni ?n,Cm eve ^er Pr.0iuri,do no "artono da iua .mna do
io a 44 e 44600. vendem-se ecas de madapolo ,,1ro j^.I, V Ue qUe Dao Vd0 em Rosario n. ?, casa em que tem ecnj.lcno o Sr
jard
lado a 44 e 44500, vendem-se pegas de' madapoio
da 24 jardas bom a 64, 74, 74500, 84, 94, 404 a
134, vendem-se pegas de algodaosinhe a 54, 64,
/*, e 84 : ra da Imperatriz a. 56.
Arara vende os bales a 2,5500.
Vendem-se baldes de arcos de todos os tamanhos
a 24-500, 3fi, 34500 e44: ra da Imperairii
0.06.
Laazinhas da Arara a 320 rs. o cotado.
Vendem-se laazinhas para vestidos de senhoras
e meninas a 320, 400 e 500 rs., ditas liza* de to-
das as cdres a 400, 500 e 560 rs. o covado. cassas
finas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a 240 rs. o covado.
vendem-se chitas de cores ftttas a 240 e 280 rs.
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e
aoo, preciara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova-
do : roa da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Liquidacao de soutambaques e lazinhas a
v 70, S^eiO,*.
venaem-se soutambaques de laazinhas para se-
nhoras a 74, 84, dita de alpaca branca a 104, ditas
muito tinas de grosdenaple preto-a 204, 254 e 304,
mfn.liPeta8 de 8ros manteletes pretos de grosdenaple a 204 e 224, R0-
innas para senhora a 240, 320 e 500 rs., mangui-
tos com gola a 14, camizmbas para senhora, 24,
e i, ditas muito finas bordadas a 44500 : na loja
doibarateiro da Boa-Vista ra da Imperatria loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 2#400.
jvnSj cfles de dito8 c0 *0 covados por
-**uo, ditos de dita franceza a 34200, cortes de
i-aasa franceza fina com 11 covados, por 34, ven-
*#oW, 5*000, 64 a 84: ra da Imperatriz n. 56.
Liquidacao de roupas feitas palitos a 20.
Veaem-se palitos-de brim de cor a 24, 245C0 e
i&, jaquetoes de brim pardo a 34 e 34500, palitos
de casimira bem felto a 54, 64, 74,84 e 104, di-
tos de panno preto bom a 84 e 104, ditos sobreca-
??** casimira de cor e preta e de panno a 124,
44,164 e 204, calca de brim decr a 24 e 24500,
ditas brancas de linho a 34500 e 44, ditas de ca-
simira de cor 44,64 e 84, pretas a 54, 64 a 84,
552 casimira de cor e preto, de brim de cor
?SPibrwcos a24e -205(0, ceroolas feitas a
1*280^ ditas finas a 14600 e 24, camisas france-
sas largas a
econmicos
.- rs, am : na
ra da Imperatriz loja da Ama n. 56.
Arara tende as cobertas a 20.
Vendem-se cobertas de chita finas a 24 e 24500,
ditas de damasco a 44 : roa da Imperatriz n, 56.
k na Arara que -e vende cortes de casimira
a preta a 30.
en;5rn"se cortes de casimira preta para caiga a
'. '-Jr i^OO, 64 e 84, ditos de c6r a 34,
i*o00 e 6J : ra da Imperatriz n. 56.
Com toda attengo.
O proprietario da loja e armazem da Arara, est
resolvido a vender as fazendas de todas as quali-
dades por barato prego aflm de se apurar dinhelre
na loja da Arara n. 56, -de Lourengo Perera Hien-
des Guimares.
Madapoio fino.
Vende-se madapoio com 24 jardas n. 3 a 54,
n. 30 a 64, n. 2 a 7*, n. 40 a 74W0, n. 6 a 84,
n. 5 a 8j, marcas esm 84300, ROR 94, Elephante
104, ZZZ 114 : ra da Imperatriz n. 56, loja de
Mendes Guimares.
Arara vende casemiras iaas a 20500 o co-
vado.
Vende-se casemira preta e azul com listas tendo
duas larguras pelo baratissimo prego de 24500 o
covado : oa ra da Imperatriz loja da Arara n. 56,
de Mende6 Guimares.
Cortes de ch'ta a 20400.
Vendem-se cortes de chita com 10 covados a
24400, ditos a 24S00, vende-se tambem chitas in
glezas a 240 e 280 o covado, ditas francezas a 280"
300, 320, 360 e 400 rs. o covado : s Arara, de'
Mendes Guimares.
Liquidacao.de soutembarquesde cores
a 64, 4, 84 e 104, dilus pretos a 184, 194, 204
e 234, capas pretas de grosdenaple a 204, 254 e
304, manteletes a 184, 204, 224 : oa ra da Im-
peratr n. 56, de Mendes Guimares.
Cortes de cambraia de cores a 30.
Vendem-se cortes de cambraia de cores com 7
varas por 34, cambraia branca a 3*500, 44,
445OO, 54, 64 e 84 a pega, alpacas de cores a 320
o covado, cambraia de cores a 320, 360, 400 e
440 o covado, lazinbas muito finas lisas a 400
500 e 560 o covado, lengos de linho a 400, 500,
640 e 800 cada um, aberturas^le esquio de linho
tinas a 14 cada urna : isto s na loja e armazem
da Arara, de Mendes Guimares.
Vende-se cbales de merino liso a 40500,
ditos estampados a 030OO, 64 e 74, gollinhas para
senhora a 320,400 e 500 rs. cada urna, golas e
puntios a 800, manguitos e gola a 14 cada urna,
camisinbas para senhora a 24 e 44, ditas muito
finas borladas com gravatlnhas a 44500 e 54,
meias de seda para senhera a 14500 o par, vea-
de-se paninho com 12 jardas a 54, pega de mada-
poio entestado a 44, 44300 : s Arara n. 56, loja
de Mendes Guimares.
Ricos cortes a Mana Pia.
Vendem-se os mais bonitos cortes a Mara Pa a
8*, 10*, 124, 144 e 164, ditos muito finos a 184:
na roa da Imperatriz n. 56, loja de Mendes Gui-
mares.
Cortes de casemira finas
Vendem-se cortes de casemira de cores a 34,
'34500, 44, 54 e 74, casemira para covados a
ulra-fzite.
Minteiga ingleza efipecialaenteescclliidaa
1,000 e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril oo meio6.
Cha hysson de superior qualtdade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muitesuperior em latas de 15
libras muitoproprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de-1 e 2 li-
bras a l,6oors.
dem preto o que se pode desejar oeste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo es- a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglesas a G lo rs. libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem pratoa 800 rs. a libra, e iateiro se faz
abatimento. *
dem suisso o mais superior que tem viudo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas]
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feij5o verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vioho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate frailee* hespanhol e suisso a 9oo,
I,ooo e 1,2oo rs. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e C4o e 700 ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,000 e 11,000 rs. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oors. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e 2,8oo a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paincoe alpistata 14o rs. a libra e4,oooa
arroba.
Massade tomatesde superior qualidade a 64o j
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-
lho.
Aletria, macarrSo tamarim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Sassapara sopa : estrenaba, pevide e rodi-
nha branca ou amareila a 6'4o rs. a liara e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto mnito fino proprio para
engarrafar, em ancortas de S caadas a
35,000 rs.
Vioho em pipa : Porto, Figoeira e Lisboa a
32q, too e 5oo rs. a garrafa, e emeanada
a 2,5*00, 3,rjoo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excelleote Ojuali-
dade a 4oo e 5oo rs. a. garrafa e em casa-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinbo branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 68b rs. a,gartafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas,
do Douro, Duqoedo Porto,RainJJa de.Por-
tugal, Duque genuino, h. Luiz 1, Badei-
raSecca.Malvazia fina a 16,000,15,000,
12,ooo e lo,ooo a caiiacoml duzia e9oo,
l,ooo e l,5oo te', a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidadeaifi^ooo
a duzia e l,5oo rs. a garrafa,
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos a
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a5^oooa
barrica* e 320 rs. a libran
Bolachinhas de soda era latas de diversas
qualidades a l,3oo rs.
Cartes com bolo francez muilo propriospa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinbas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. alibra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolacbinha d'agua e sal, da fabrica deJoao
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em fiasco de video cora
lampa do mesmo, a 4Seo.
Ameixas franc zas em caixinbas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada orna.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,000 a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Leotilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propiamente dito a
!? a garrafae H,ooo a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Ceneja branca dasmarcas mais acreditadas
- yWTein ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
! i ganrafa, MSJa*) 6,000 e6,5oo a du-
Z13*
rSI^^J53 muit0 ova, a 2oo rs.
Charutos do afamado fabrcame Jos Furta-
L .f' as pintes qualidades:
Eipougao Normal de Havana, Imperiaes,
matos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delgas, a 4,000, 4,5oo, 5,ooo,
o,oae 7,000-a caixa on em meias.
Charute finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
Hias-fle Havana, intervallos, Vencedores,
Kaellas e Suepnros, a 2,000, 2,5oo e
Jjooo a caixa.
. gaac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
unida casca de goiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
Fariflha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,8Kcellente cha para os navegantes, a
Sebollas de Franca mao grandes e novas
a 1,800 o cento e*,2oosoltas.
Pablos do gaz a 2,2co agrosa.
ToHciohode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Baatia-de porco refinada a 65o rs. a libra.
Bolacbinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vind ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinhado Maranto muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e 1,800 o frasco.
Caixinbas com facas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna,
ftmbos, excellenle peixe portuguez, era
barris pequeos ou a retalho, a vista se
rara o preco.
Azeitonas de Bivas era ancortas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas porhrgnezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna arcorefa.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,000 e 3,5ooa garrafa, e
24,000 e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes epeque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a 4,8oe rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
que
Dr. Jos Teixfira, primero andar.
Gokc do gaz.
Pilcli d gaz.
A lea ti o do gaz.
Coke tonelladas rs. 10(58000
Pitch 1 PCfjoro
Alcatro caada..... 4C0
O coke reconheeidamenie o carvo n>ais feeno-
mico, torna-se por so reroir.mtndavri, remol-
ino pelo asseio que se nota cas esziabss .-ir.te
elle usado. Pitt-h e alcatrao, a!m d:is S| plirrdes
diversas a qne se pwsam, como para callarela-r
embaroac5es,alatroar madeiras, etc., teein erte a
propnedadede preservar do cuplm. formigas, ete.
E' entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qnalqaer ponto da cldade, segundo a vontade do
comprador.
Carta chorograpliiea
DO
MEATRO DA GIO
Acha-se exposia venda, as lejas abaixo men-
cionad s, a caria choropraphica do ttieatro da guer-
ra nos Estados do Sul da America Moridirnal.'con-
tendo as plantas do l'avsand, e de bloquem e cer-
co de Montevideo. Ella torna-se recorr.n;< davel
nao s pela lar una que veio prerncher, como pelo
esmero do trabalho lythopraphico.
Vende-se pela mdica quanlia de 2i0C0 oas livra-
riasdosSrs. Kogueir.i, ra de Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayres, na daCadeiado Recife, assim como
as loja; da Expsito de Londres e na lyihog
phia do Sr. Carlos, a me?ma ra n. 52, e na loj.
do Sr. Cardoto de Almotda, roa da Crnz.
Em caa de Tisset Freres roa do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho Bcrdeauxem barricas e em caixa;.
Dito de Santerne Uno.
Ditod- Champagne mnito superior.
Cerveja franceza marra Bobee.
1* i vfavwva vji, vp* \* Wy colunia pal A WTauu.i a
XSS* "rCJS^SS.SSS^f. l*- **.> e 3*. ditas de mais qualida-
e bordadas, os mals bonitos soatembarques pretos e
manteletes, lado de seda preta a o que ba de mais
gosto no mercado, por precos muito em conta :
na toja do Pavo, raa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabega.
Vendem-se os mais lindos enfeiles para cabeca,
a :!,$, 45, 55 e 65, os melhores baldos croaolinas:
na loja do Pavao.roa da Imperatriz n. 60.
Oleo de Florida
Composto de sobstaoeiM vefetas exaUcas, elle
eontribue poderosameoe, com a agua de Flo-
rida a forea, a bellea e a conservacao dos cabel-
los.
Km Paria casa de Guilaur n. 112 ra de Rechi-
liea e 21 boolevard Mootmartre.
Todos os frascos nao tendo intacto a clare, e Un-
cir prateado da casa, reputado falso.
Deposito roa do Imperador pharmacia n~. 38.
RIVAL
Sem segundo,
Roa da Queinuda, n. 49 e li. E' para admirar.
Carretis de linha com 150 jardas......
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 aGO..............................
Dito dito de 60 a 200..................
Novellos de liaba grandes oom 400 jar-
das .................................
dem idem brancos e de cores de 100
jardiS ...............................
Livros para assento de roopa lavada...
Cordo branco para espartllbo (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de botoes de punbotodos decores
Tinteiros de barro com tinta...........
Tesonras para costaras finas e onhas
Ditas para costaras com toque d"avaria
Caixas com 100 envelopes das melhores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rape I pautado e
liso...................................
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
lho)...............................
Meiadas de liaha frouxa para bordar...
Pares de sapatos de tranca........
Massos com superiores grampas para
senhora.............o............
Frascos de macaba perola muito suerior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................
Ditos a garraflnhas de agua de Colonia
muilo Qna.......................
Pecas de fitas elsticas para vestidos a
melbor qualidade..................
Pares de ligas para senhora as raelfco-
res..............................
Frascos de agua dentifrice muito supe-
rior............../...............
Caixas com 4 papis de agulhas a balo
e Victoria........................
Libras de lia sendo de todas as cores...
Bonecos vestidos e tambem.de chora.
Caixas com superiores obreias........
Ditas de linha de gaz com 60 novellos..
60
120
100
80
30
100
20
160
120
100
400
200
640
600
mnmn,
Urna familia que se retira vende ama mobilia
de amareilo j usada, trem de cosioha, louca de
almoco e jantar azul, urna mesa de iantar de ama- c*"138 Pre,as a 340 e 280 o covado, ditas francezas
des finas a 35200 o covado, cortes de ganga de
cor a 15600 e 15800, gangas para covados a 490,
500 e 560, brimzinhos a.280 o covado, brim pardo
a 720,800, 900,15, 1500a vara, brim branco de
linbo a l S2U0, 1 400, i500,15800 e 25 a vara,
camisas francezas para horneo a 25, 25240 e
25500, ditas de pregas largas de linbo a 25500,
x800e35 cada urna-
Grande sortimento de roupas feitas de to-
das as qualidades,
SVendem-se paletots de brim de cores a 25, ja-
queioos a 35 e 35500, paletots de casemira a 55, Eoriadeiras de fita para espartilhos
65,75,85 e 105, ditos de panno preto a 55500, Carretis delinba de cdres com 100 jar-
ditos a 65, ditos finos a 85 e 105, ditos sobreca- I das.............................
sacos panno preto a 125, ditos de cor a 145, di-
tos pretos a 165 e 205, ditos muilo finos a 295,
calcas de brim branco de linbo a 35 e 35500, di-
tas de algodo a 25, ditas de ganga a 25500 e
25600, 15800, cobertas de chita a 25, ditas muito
finas a 25500, ditas adamascadas a 45, princeza
preta de cordo a 800 o covado. dita de listrinhas
a 15-0 covado, moreanlique preto a 35 o covado,
grosdenaple preto a 25500, 25200, 25, 15800 e
15600 o covado, chapeos de sdl de seda para ho-
rnera a 75 e 85, cassas pretaia 300 rs. o covado,
20
20
15500
30
200
500
400
240
320
800
BOTICA E DROGARA
Bariliolornen Francssco de Souza & C.
34Rna larga da Rosario34
Venden):
PilulusHollowayy.
Pillas do Dr. Laville.
Pilulas do Dr. Alian.
Plalas do Pobre-homem
Pilulas americanas.
Pilotas vegetaes.
Pilulasvagelaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinbo de Salsaparrilha deCh Albert."
I njecc, ao Feaugas.
Agua dentificade Desirabode.
Papelcbimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspall.
Pos anti-epiletioos de Brest.
RobL'Affectear.
Zarape de Bosque.
Ungento Holloway^_________________
RIVAL
SEM SEGUNDO
200
65000
160
40
800
60
relio pes" torniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e mallos oatros objectoe o qae lado
se venderi em cont : na ra dos Fires n. 62.
a 320 e 360 o covado: isto na loja a armazem da
Arara roa da Imperatrie n. 56, s Arara mais nin-
gnem, de Mendes Guimares.
80
Pegas de cardo i mpenal............ *0
Resmas de superior papel almace a./.. 25500
Duzias de superiores meias cruas para
horaema35200e................. 35600
Duzias de superiores meias para senho-
ras a............................. 55OOO
Sabonetes de familia mnito finos a 120 e 200
Meias garrafas de tinta a............. 200
Cartiihas da doutrina a melbor qualida-
de a.............................. 320
Caivetes de cabo de marfim de superior
qualidade........................ 150OQ
Varas da cordo branco de borracha. ________40
Vende-se a taberna da ra dos Acooguinkos
n. 20 : a tratar na mesma.
Pechincha 11 > valoja de fazendas
roopa feita nacional, roa da Impe-
ratriz 1.72.
Pechincha a 240 rs. a cavada de ehifa.
Vendem-se chitas de cores fizas a 240,280 rs. 0-
covado, ditas francezas largas a 300, 320,360,400.
e 440 rs. o covado ; pegas de madapoio fino-a 65,
75,85,95 e 105! pecas de algodo a 50, 65, 7
e 85 roa da Imperatriz n. 72.
Roupa feita nacional.
Vendem-se p*tit*e de eazemira preta e de 5res
a Ai, 65, 85 a 105, ditos sobrecatacoa a 12, 14
,e!65 Palitos e brim de edr *25500,3* e35800
rs., calcas da azemira preta a 6J, 7$ e8j, ditas
de eazemira de cor a 8, 65 7, e 85 ; coletea de
catemira deeores e pretos e ditos de brfnn t#800,
e 255OO rs.,; caigas da brim de cor a 25, 25500 :
raa da Imperatriz n. 72.
Soutambarque de aires a 7&, 8,5 e 10$.
Vendem-se soutambarque da lia e seda para se-
nhoras a 7J, 85 e 105; ditos de grosdenaple pre-
to a 20 e 255 ; capas pretas a 20J e 235 ', vesti-
das de 13a a Mara Pa a 125, 14 e 16# : raa da
Imperatriz n. 72.
Carteaae eazemira preta a 3$.
Vendem-secrtes de eazemira preta para caiga
a 35.35500, 55 65 e 65, ditos de eazemira de
efir a 35,45,5, e75, ditos de brim de cYesa
15000, e 25, ditos de chitas finas a 25400 a 35300,
ditos de cassas franceza a 35 : ra da Imperatriz
laja da barateiro n. 72.
Na ra do Queimado n.49e 55 lojas de minde-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva continua a
vender tudo por precos mais barato do que em
outra qualquer parte, qaem qoizer ver o que ba
bom e barato venha a loja do Bival.
Duzias de pbosphros de s*guranga a ...
Francos com essencia de Sndalo muiio
soperior....-......................
Rscovas de dentesmuito superiores a...
Latas com superiores banha...........
Frascos de vidro com superior banha..
Enfeites do melhor gosto que tem vlndo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira.
Pnlceiras do melhor gosto e modernas.
Velt parapesrogo do melhor gosto....
Baralhos para voltrete, finas a 200 e..
Varas de franja branca de linba aue
tem muila serventa.................
Duzia de pennasd'ago mnito superiores
Frascos de oleo Bboza muito ftnoa.....
Talheres para meninos a melhor quali- p*-=,
dade.............. v -
120
15000
200
200
240
25300
15280
500
54O
20
060
060
200
ESCBAVOS FGIICS.
-~ Acha-se fgido o prtlo de neme Gabriel,
criouio, de dade pouco mais ou menos 35 annos,
baixo e corpulento, rosto curio e bailado, pcfto-
co curto, olhos vivos e sobra .ti ce I has arqueada!1,
bocea regular, denles alvos, ps corles e lardes :
roga-se as autoridades vigilancia por *r Iweai fiar
delle querer asi-entar praga no rc-ri o dos volama-
rios, cu a quem a elle pegar ronduzir ac engf uho
Tapugy de cima da coisarca do Cabo a tclngara
seu senhor Antcnio Jeaquim Cavairanli de Alt u-
querque ou a Jorge Clemente de Borba Cavalcan-
ti, na ra de Apollo n. 34, segundo andar, que
ser gratificado : de^confia-se tambtm dalle eslar
ou andar na cidade de Olioda, vista que dahi foi
comprado a um preto forro de nomc Gulhennico
Sebastiao do Rtsario, a 17 annos. pouco n:ais cu
menos : pede-se, portanu, aos snoores rajiitles
de campo, lano dalli como de oulras 1 arles, sua
captura as londigoes acima'dias. Dito escravo
j foi Visto nfsla cidade e no alerro dos Afi-gado.
Anda ausente de casa de seu senhor o preto
Justino, crionlo, de idade de mais de 30 annos,
bem conbecido nesta cidade por ter sido esrravo
do finado Joto Francisco de Lima, e tem ido oc-
cupado em seivigo de refinago, com os signac*
seguintes : estatura baixa, grosso do corpo, 1 s
grossos, coro falla de dentes na frtnte, cor bun
preta, levou vestido caiga de tnbalho e camisa do
mesmo, e-chapeo do Chile usado, talve^cnha ani-
dado de roupa, tem sido visto no aterro dus Afo-
gados : rogase as autoridades pollriaes e capiics
de campo a captura do mesmo, e lvalo a ra I>t-
reila n. 8, que se gratificar gneros*rr.enie.
Ausentou-se no dia 25 de abril, de casa de
seu seDhor, no Monleiro, um moleque criouio de
nome Augus o, idade 16 annos, lev. u caiga e ca-
misa de risrado, muito eenhecido por tero
queixo nm pouco sabido; suppoe-se que ande
nesta cidade ou seus arrabaldes : quem o pegar
leve-o a ruada Crnz, armazam n. 49.
Afteiicso
Duzt de colheres de metal muito finas
para sopa...........................
Dacia. de colberes de metal multo finas
rpara on..._.....................
Grasas de botoes de osso para caiga...
Grosas de botSes madreperula para ca-2
miza..............................
Grosas de botoes de langa prateados
muito finos......................
Cartas da alliaetes franceses muita su-
periores..........................
Caixas de clcheles francezes a 40 ris1
Duzia............................
Goiiahas para senhora a melbor quali-
dade.............................
Duzias de lapes differentes qualidade a
240.............................,
Cuadernos de papel de peso muito fino.
Resma do mesmo papel.;........... 2*000 *2
No dia 4 de Janeiro do aDno de 1864, fogio do en-
genho Conceigao, comarca de Pc-d'Alho, o escra
vo Galdino, pertencenle ao shaixo assignado, cora
os signaes seguintes : idade 26 annos, pardo, claro,
corpo, figura e altura regulares, cabellos me ios ca-
rapinhados, olhos pardos, sobranceras e palpebras
salientes, tem em cada brago um sino de Saloroao,
sendo um delles mal feto, e junto a este urna cruz,
tem na cabega urna cicatriz de urna plegada, e em
cima de um quario nma outra cicatriz de tres po-
legadas, proveniente de ponta de pao e queda, lem
sobre as costas algumas marcas ou ricatrwes de re-
Diadas ou chicote; um pouco desembarcado quan-
do falla, lem principio de rarpia e rarreire, tora
viola e barbado. Foi soldado do corpo de polica no
Recite, e levou comsigo a baixa do theor segrate :
Secgo urbana, 2* companhia n. 50, Antonio Caria-
no de Olivfcira, lilhode Agoslinho Ferreira de Bri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabelles ca a-
pinbos, olhos pardos, offlcio nenhum, estado sollei-
ro, com 30 annos de idade, 60 pelegadas de altura,
ao engajar-se. Engajon-se na forma do regula-
ment, em 17 de fevereiro de 1862, por ofliolo do
Exm. Sr. presidente da provincia, datado de 28 de
abril do correte, e publicado ao corpo em ordem
do dia i* de maio, iodo em 1862; leve baixa do
servifo por ter dado em seu lugar o paisano Joao
Pedro Ferreira da Rocha. Foi escravo do capillo
Jeo de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e boje morador na
Campia Grande da Parahyba do Norte, que oven-
dea em das do mez de novembro de 1863 ao a bai-
xo assignado, pelo costme de andar fgido e a ti-
tule de forro com o nome mudado ; pelo que roga-
se a attengodas autoridades civls e militares, nao
s desla provincia como das demais do imperio, a
apnreheoso do dito escravo, que a titulo de sbrre,
non.naoanaa sidorecrotado ou assenlado praea em
n)v! alanos dos corpos de Voluntarios da Patria, lam-
240
25400
15500
200
506
200
100
360
.200
400
Fareflo
en saceos grandes com dous tamanhos de oatros
qaaesquer a 45800 ; na roa larga do Rosario na
80, taberna da esquina.
Duzia de facca e garfa mnito boas____ 25400
Capachos compridos e redondos mnito
boas............................. 500
Ditos para sof...................... 25000
Pares de suspensorio marta aons e para
acabar........................... 100
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa............................ 500
Pegas de fita de la para vestido com 10
varas a......................... 600
Varas de babados do Porta mnito supe-
riores a 100, 120 e................ 160
Livros com bonitas e finas estampas...._____ 320
Vende-se am escravo dado 25 annos insigne
offleial da carpina e bonita figura : na travessa do
Carmo n. 1.
- Milho novo em saceos grandes: no trapiebe melos judlclaes contra qualquer pessoa que o tebba
d9 Cunha, a ratar com T&sso Irmos. em sen poder.
bem pede se aos capites de campo e pes^oas par-
ticulares a mesma apprehensao, e leva-lo ao seu
senher bo referido eageaho Conceign, ou nasas ci-
dade ao capito Mauricio Francisco de Lima ra
do Brum o. 56, que ser gratificado com 2005.
Jos Mara dos Santos Cavalcanti.
Fogio em principios do mez de fevereiro do
correte anno e const estar acontado nesta cidade
o moleqne Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de W araos de idade pou-
co mais ou menos, cor preta, sece do corpo, olhos
regulares e afumagados, cabega nm pouco grande
e meia chata, beigos finos, dentes bem alvos, ps
seceos e muito ladino : roga-se por tantos todas as
autoridades pollciaes eeapitles de campo qne oap-
preheudam e levero-e a roa da Maogueira sobrado
n. 6 que serao gratificados, protestando-se usar dos


tarto de reraaatbato arta Mr* S A
de 18*
LITTER ATORA
ntTERLOO
(Gontinuaco do conscripto de 1813.)
POB.
ERCKMANN CHATRIAN
PRIMEIRA PARTE.
V
(Continuaco)
No da seguinle foi preciso ir Jar corda
E' verdade nao. ha duvida!..
felicidade !..o que dirSo ellas?
Quando cheguci porta, emparrei-a, gri-
tando :
A licenca !
ta Gredel, de tamancos, esta va justa-
mente naqnella occasiao a varrer a cosinha,
e Gatbarina decia a velha escada de madei-
ra que ficiva direita, com as mangas ar-
regazadas, e>m um lenco azul disposio em
cr.uz sobre o peito. Vraha de procurar
cavacos no celleiro, e ambas, quando me
que1 Est bom, mea filho ; es feliz e mere-
ce ser feliz Vae deitar-te ; amanbi con-
versaremos.
Eotio fui deitar-me, mas esti'e muito
aosid-gios da cidade. O Sr. Goulden, que wa uu U5,ei,u' V u 'iV .
iaenrelhecendo, linha-me encarregado d'es- v'ram e me ouviram gritar :-A liceoca !-
tetrabalhp, e salii muito cedo. O vent 5 ^^^lIP"!^!^*-
durante a noute tinba encostado as folhas s S^A"! ?t^f-Gredel* eruend <* bra"
paredes. Algumas pessoas tratavam de le- __ k-a n w? i
var o que era seu dos altares de estaco do'
m *St contmigoPf taC' "^^ i Jft / e,la f meu hombr?'
w fi,ornm J ARL n.i__ chorando como urna Magdalena, em qaanto
^bj*Swjz 5rsw*! ss-- e andaa de redor de s gri-
que venba a licenca. e o mais ser o que Vivan mi viva nminUtrn I
STdSTJS ?1 K CU5a T Mm nt,nrc toiSTid. assim,
Srn 2 taS3ffeE ^\e"^nada. No L nosso vsinn ve,bo ferrer0 R ,
U I o Z ahL nhTn em Sft a;com ** avenlal de >"o ea camisa"
H'.siaou para a Hespanba, isso e verdade; farrana,ia annare.-en nnrta di7enrln
toas ao menos os ministros nao raziara penar I -^EnfiJ^i off? viz?
AR rrinn7P.fi So a na? n3n aan-t -, ^ I E,md 9ue *ae P01 C-1 Vlzl
Catbarina, muito paluda, encostava-se ao
es-
a familia Beckenham entregava-se a f re-
quemes libanes ; as duas mulheres bibiam
agurdente; e parece que o abuso desta
bebida produziu um lethargo que devia durar
tempo sem poder dormir, porque acordava algumas horas. Mr. Beckenham foi visto al-
a cada instante, dizendo coraigo gomas vezes em estado de embriaguez.
Pois seF verdade ? Ser certo que As m8stigac5es feites pela polieia anda
veiu a licenca ? n3o produziram resultado algum.
E depois dizia logo :
= Sim, nao ba duvida. '
S na nadrugada que. pude adormecer
e quando accordei era alto da. Saltei abai- Esla Poes,a especialmente feta para se
xo da cama para vestir-me e no mesmo ins- re1lt3r ao piano,#e composico do Exra. con-
tante o Sr. Goulden disse-me do qua'rlo vi- selheiro Jos B )nifacin de Andrada e Silva :
sinho em tom alegre :
Jos, vamos para a mesa !
Ai, perdi, Sr. Goulden ; eu
to contente que quasi passei a noute
dormir.
Sim, sim, eu bem te ouvia. disse elle' Lembra-me ainda o clarear da la,
n n t i l .L a Quando na la minha mo tremeu;
Passe sala do trabalho, onde ja eslava In,la imagin0 teu vestido aereo
os rapozes. Se a paz nao serve para a gen-
te cisar, nao sei para que pode servir.
E- tes pensamentos irritavam-me, e faziam
que eu quizesse mal a Luiz XVIII, ao conde
de Arlis, aos emigrados, a todo o mundo,
e grttasse que os nobres escarneciam do
povti.
Quando entrei em casa, achei o Sr. Goul-
deii a por a mesa. Durante o almoco dis-
ae-lhe ludo o que pensava. Elle escutava-
ofie orrindo e dizia :
Toma sentido, Jos, preciso cuida-
do I Nao te cegues. Parece que queres
sor um jacobino.
Levantou-se para abrir um armario. Eu
o!li iva para elle, pensando que a buscar
urna garrafa, quando me apresentou urna
vulumosa caita quadrada, com um grande
srli vermelho.
Aqui tens, Jos. O brigadeiro W'ag-
ner encarregou-me de te entregar isto.
Senti agitar-se-me o coraco e olhei p ra
a carta cora a vista tur va.
Ento I abre I dizia-me o Sr. Goul-
den.
Abr e tralei de 1er, mas foi-me preciso
(cuspo, e de repente griten:
E'a licenca, Sr. Goulden !
Parcce-le isso, Jos ?
NSo ha duvida ; a licenca grilei
ra \ez, erguendo as mos ao ar com
alegra.
Mi. que bregeiro de ministro ; pois
na < dar mais nenhuma, disse o Sr. Goul-
den
M is eu respondi-lhe :
Eu nao entendo nada de poltica. Co-
mo veio a licenca, pr.uco me importa o miis.
E:l ria vontade e dizia :
Ai, bom moco I pobre moco !
Eu bem va que elle se diverliaTum pou-
co minha cusa, mas pouco me importava
isso. '
Agora, exclamei eu em toda a alegra
do meu marina o a tia Gredel ; precise mandar
l o fiiiio do lio Chardron.
Ora essa I vae tu ; melbor q;e vas
tu.
Mas o trabalho, Sr. Goulden ?
N'iima occasiao d'estas nao se pensa
em ii.ibalhar. Vae, meu filho, avia-te. Co-
mo |uerias tu trabalhar agora ? Nem po-
deri is ver a obra.
E era verdade. Eu nao eslava em esta-
do de fazer nada. Levantei-me 12o conten-
te que ale chorava, e ebeguei a abracar o
bom velho. Depois, sem me lembrar de
mular roopa. parii acorrer. Vejam oque
faz a alegra I Havia muito tempo que ti-
nba passado a portada Allemanha, a ponte,
as linbas avancadas, a estalagem da Rou-
lette e a pos sem ver cousa nenhuma, e s
qirndo avistei a duzentos ou trezentos pas-
sos a alieia, a nosa chamin e as janelli-
c que me lembrei de ludo como de
leroufra vez a
um sonlio, c que me puz
ico r.i e a repetir para mi
a
mim
Era mentira quando o seio ardente
Inda tremente sobre o meu sent;
sem' ^ qae 'oucara n'esse v5 desejo,
I N'aquelle b ijo qne ao te dar morrir
posta a mesa.
(Continuar-se-ha.)
4
Nesse mysterio, que me enlouijueceu.

vizinha? que
isto ?
Trazia na mo urna grande tenaz e olha-
va para nos com os seus olhos pequeninos
muito espantados. Ento socegamos um pou-
co e eu respon i:
E' que recebemos a licenca para ca-
samos.
Ah, pois isso Agora entendo.. .
entendo.
E deixou aporta a berta, e cinco ou seis
vizinbos e vizkihas e muitas outras pessoas
appareceram logo. A sala esteva cheia de
gente. Puz-me a ler a licenca em voz alta.
Lodos escotaran, e quando acabei de ler,
Catbarina poz-se outra vez a chorar e a tia
disse :
Olha c, Jos f este ministro o me-
lhor bomem do mundo. Se elle estivesse
aqui, abracava-o e convidava-p para o casa-
mento. Havia de ter o lugar de honra com
o Sr. Goulden.
Depois que as vizinhas sahiram para pro-
pagarem a noticia, entrei a fazer declara-
coes a Catbarina, como se nada valessem as
antigs, e tambem lbe fiz repetir milhares
de vezes que nunca tinha amado ninguem
seno a mim, de maneira que estavamos
agora em lagrimas e logo alegres, depois
outra vez em lagrimas, em seguida alegres,
e assim foi al noute.
A tia, que tratava do jantar, gritava, fal-
lando para si :
Ora ahi est o que se pode chamar
um bom re I
E depois dizia :
Se o mea pobre Frantz tornasse ao
mundo, tambem seria boje feliz ; mas nSo
se pode ter tudo !
Tambem dizia que a procisso tinha sido
boa para nos; mas Catharina nao responda,
nem eu, porque a nossa alegra era muito
grande. Jantavamos, merandavamos, ceava-
mos sem ver nada e sem ouvir nada, e s
(telas nove horas da noute que percebi de
repente que era noute e qne era preciso ir
embora. Eut) Catharina e a tia e eu sabi-
mos todos juntos. Fazia um bonito luar.
Ellas acompanbaram-me al Roulette e no
caminbo concordamos em que o casamento
se verificara dentro de quinze dias. Defron-
te da herdade, debaixo dos velhos choupos,
a tia abracou-me, eu abracei Catbarina, e
depois vi-as subir a encosta at a aldeia.
Ellas voltavam-se para traz, dizendo-me adeus
com a mo, e eu fazia o mesmo. Emfim,
quando enlraram em casa, puz-me a cami-
nbo para a cidade, onde cheguei quasi s
dez horas. Airavessei a praca e entrei em
casa.
O Si
FOLHETIM
Revista dramtica.
27 de abril de 1863.
USBELLA
Ui) dos mais conscienciosos crticos fran-
ceses, Eugenio Poilou, stygmatisa a escola
realista com tod-'S as suas iras e com todas
as uas coleras. O lado vulneravel atacado
peta vehemente penna do racionalista tran-
cez, *q'e se funda nos interminaveis
exemplos de regeneracao moral da mulher
na sociedade.
O philosopbo perdoa o crime, mas nao
admille o galardao miseria social; o criti-
co fere a degradaco da alma, alterna-lhe
as faitas, mas nao perniie que se envolva
as festivas galas do iriumpho e da gloria o
espirito oulr'ora banhados nos lbricos pra-
zeres da corrupcao c da infamia.
Nao me animo a discutir o sentimento do
esc! iplor nem me atrevo a cr ntestar as cri-
ticas inansaveis do distincto acadmico.
A these fundamental em que se estriba
Eu;;enio Poitou ou n3o verdadeira ?
Pellelan segu o illustre critico contem-
porneo as suas acres observaces sobre a
moderna escola dramtica
Desde os escriptos de Feydeau at as ulti-
mas omposices Gibadas idea de Barrie-
re as Mulheres de marmore e de Feuillel
na Redempfo ; desde o fecnndo romance
de Flaubert Enimade Bovary at a sempre
festejada comedia de Sardouos ntimos,
Eugenio Pelletan arremeca os invenciveis
Yaios do seu espirito e as mordazes censu-
ras da sua penna,teotando (como elle mes-
mo se exprime) tentando mostrar a verdade
d'uma itteratura fatal que tem por alvo ni-
co a liberdade de pensamento no seu mais
elevado gru. e por mrito as seduces de
um eslyllo brilhanle, que faz callar no animo
da platea o vicio com a merma delicadeza
eom que faria infiltrar-se n'elle a virtode.
A essa escolae ser preciso dize-lo ?
pertencem as melhores composicoes de Bar-
riere, Sardou, Feuillet e Dumas Filbo. A
penna, que esboceu o mgico perfil da Mag-
dalena, fez lembrar o poeta criador de Ceci-
lia, o dramaturgo queimaginou Marco.
; Hmida nuvem de ama luzsaudosa
A face rosa te cobriu.... passou ;
Como de omitios esse vu nitenle
01 POUCO DE TUD8. QU6 'yr0.arenle de Pudor curvOU'
O Internacional de Londres conta o caso Oh que alegras, nos jardns, as salas
seguinte : As doces fa"as ^e se ouvir sonhei:
A casa numero 21, na ra Deal, era ha- Entre-as roseiras do luar queridas,
bitada pelos conjuges Beckenham e pela ir- Hoje esquecidas, a memoria achei.
maa da mulher. ,
J havia dias que ninguem va sahir os ^m!*E2S81lS? eda.de*
inquilinos desta casa ; os visinhos comeca- Marcha saudade do souharfague.ro :
ram a inquietar-se, e deliberaram xnamar Ey or que exprime, quando passas, linda,
Mr. Humjhreys, chefe da polica de Middle- A Vlda ,IIU,a do araor Primeiro-
sec, o qual maodou arrombar a porta.
Ao entrar, um espectculo horroroso se! ------- <
apresentou vista de todos. No quarto que
servia de sala tudo se achava na maior con- E" do Sr. conde de Montelembert este ar-
fus5o ; duas mulheres, das quaes urna es- tigo :
tava ajoelhada ao p de um soph, e a outra a qkdz,
estendda ao p da porta, com a cabeca en-; Encontra-se neste mundo de miserias e
costada mo, pareciam dormir, Mr. Hum- crimes, um symbolo de gloria e de virtu-
pbreys approximou-se dellas e convenceu-1 des ; nest mundo onde se entrelacou a
se de que haviam cessado de viver, os cada- (forca com a escravido, um symbolo de
veres estavam hirtos e frios eterna justicia e santa liberdade; neste mun-
Os rostos n5o estavam desfigurados e nao do de perpetaa dor, um symbolo de eterna
havia indicios de que estas duas mulheres consolaco.
tivessem sido victimas de violencias. Aquelle que se chama Filho do Hornera,
Urna dell s, madame Gribbin, eslava em legou o instrumento do seu supplicio hu-
attitude de quem est resando ; a outra, manidade, e ha desoito seculos a humani-
madame Beckenham, pareca dormir tran- dade se tem prostado diante deste sacro-
qullamente. ; santo legado.
Qual poda pois, ser a causa da morte ? At ento s os ricos e os res tinham
Um assassinato ? insignias e banTleiras; Elle d urna aos po-
Mas nao havia indicio algum de violencia, bres ao genero humano, e os ricos e os
Todava, viam-se espalhados pelo chao reis abdicam as suas para adora-la.
fragmentos de garrafas, um martello, facas' A cruz de Christo tem presidido a todo-
de mesa, copos partidos. os destinos do mundo moderno : tem-se as-
0 chefe da polica, esperando achar algn > sociado a todas as suas adversidades e to-
indicios, penetrou no quarto contiguo sa- das as suas glorias.
la : reinava all o maior silencio, mas ao ap-1 Ella tem servido de base a suas institu-
proximar-se da cama, notou um leve movi- oes e de estandarte a seus exercitos; tem
ment as cortinas ; isto pareceu-lhe sirr- consagrado as pompas as mais Ilustres da
guiar, e ao averiguar oque era, viu ura civilisacao, como as emoces as mais intimas
homem dando mostras de estar entregue da piedade ; ha santificado os palacios dos
maior des speraco.
Mr. Humphreys mandou-o sahir mas
este bomem telmava em deixar-se estar en-
volvido as cortinas da cama ; os visinhos
que acompanhavam o chefe da polica;
conbeceram Mr. Beckenham.
nove vezes raostron ao Oriente o mais de-
cidido herosmo e dedicacSo, e proclamou
o reino e i victoria do Christo.
Hoje apenas algumas lagrimas se lbe
concede, apenas dous ou tres jornaes a de-
fendem
Ser porque ella vae desapp-recer ?
Ter de abysmar-se na ruina commum
dos imperios e das leis esta religio que|
ella representa ? Christos, nao, nao ser
assim.
Do seio da nova hita que Deus lbe prepa j
ra, ella sahir nao s viva, mas victoriosa,
e ornada de urna nova cora.
A' prova da prosperidaie vae succeder a
prova da desgraca e da perseguicSo, este .
o calix que sempre tem sorvido porque deve
ser invencivel. Pareca ter asss soffrido,
bastante sangue o lagrimas derramado para
provar a sua misso divina ; porm urna vez
que nada basta ao homem endurecido, cada
seculo exige que mostr os ttulos de sua j
origem divina, o seculo ve-los-ha.
Ella nao recuar diante de seu im nortal'
destino.
Ei-la que despe os ornatos de seus bellos,
dias, e como athleta infatigavel e sublime |
desee s e na na arena em que j tem con-
quistado o mundo!*
Nos que nada podemos fazer para vingar
as injurias que ella soffre, e que nos dilace-
ram o coraco, confiamos sempre em sua
forca, lembrando-nos dos seus combates e das
suas victorias.
e tivessemos vivido no tempo em que
Jess Christo andou no mundo, e s nos
fosse concedido ve-lo por um instante, que-
reriamos ve-lo corado de espinhos, cahindo
de fadiga, e dirigindo-se para o Calvario,
por isso agradecemos a Deus de nos ter fei-
to viver em urna poca em que a santa reli-
giao est abandonada e esquecida.afim de a
amamos em nossa humildadee sacrificar-lhe
mais completamente nossa existencia e ado-
ra-la mais de perto.
Aj un taremos com respeito e amor os res-
tos da cruz para Ihe jurar um culto eterno.
Se em nossos templos elia foi quebrada,
nos a guardaremos no sancluario de nossos
coraces e ahi nunes a esqueceremos.
Da trra em que foi destruida a transpor-
taremos ao cu; e l ainda urna vez teremos
em torno della a palavra divina : ln hoc
signo vinces.
reis o a choupana dos pobres.
Depois de ler servido de escudo nossas
virgens, e de decoraco a nossos guerrei-
ros, recolhe os nossos ul irnos suspiros, e
re- ella mesma vem ainda revestir nossos ata-
ides.
O desgracado fazia d ve-lo ; o sen ros- Transmitida por um Deus moribundo
to cadavrico, o olhar allucinado, tudo le- sua egreja, tem passado de geraco at o
vava a suppor que elle nao era estranlio ao actual pontifico, e, pela ducentsima quin-
horrivel mysterio, que nao era possivel des- quagesima oitava vez, acaba de estender-se
cortiuar, com innmeras heneaos sobre a cidade e o
Mr. Humphreys interrogou Beckenham, mundo,
mas delle nao obteve resposta algnraa e agora encontrou-se no mundo um povo
Aspoucasphrasesqueelle articulara nao que se tem proclamado pontfice da civilsa-
tinham sentido. cao, libertador das nac5es, mestredo futuro:
Este homem esteva lonco. ; e este povo quebrou a cruz.
E assim o declarramos facultativos qne Este sacrificio, este ultimo sacrificio en-
o examinaram. trata sem duvida as vistas de Deus, e
Por outro lado a autopsia dos cadveres Aquelle que nos prohibiu al o desejo da
Goulden esteva deitado, mas ainda s pode esclarecer a justica acerca de dous vinganca se encarregara sem duvida do cas-
acordado, e ouviu-me abrir a porte deva- pont s: e vem a ser que estas desgracadas tigo. Porm com toda verdade dizemos,
garinbo. Quando eu acabava de acceijder o! haviam recebido alguns ferimentos leves na desejariamos que este calix passasse de nos
candieiroe ia entrar ho meu quarto, chamou| cabeca ; e que as duas victimas nada haviam e senos deixasse o privilegio de venerar
comido quando expiraram. j exteriormente o emblema sagrado de nossa
A s enca nao pdeaffirmar que houves- f e para elle voltar os olhos fatigados do
se vestigio de enve enamento. mundo. ,
A polica fez minuciosas pesquizas. Sim, apenas constou que no solo asitico
\)s visinhos interrogados declararam que a cruz profanada, a Europa abalou-se, e por
por mim :
Jus !
Cheguei-me cama delle, que olhou para
mim muito commovido, e estendeu-me os
bracos. Abracamo-nos e depois disse-me :
entre essas des-
o baptismo das
o baptismo do
A Historia d'uma moca rica e Lusbella
oceupam os mais proeminen'es lugares no
archivo do- dramas realistas, ostentando-se
?arKosos entre os applaudidos escriptos da
uueratura contempornea.
A Historia de urna moca rica prende-se
por muitos los historia de Lusbella.
Amelia o anjo das trevas ; e Damiana ?
Damiana o anjo do mal.
Ha urna nica differenca
gracadas: que urna leve
lagrimas e a outra leve
sangue.
A regeneracao para Damiana vem com as
primeiras auroras da eternidade. A rege-
neracao para Amelia desee as primeiras le-
pimes do arrependimento. Qual das duas
maior ? Aquella que mais chorou.
Damiana chorou para morrer. Amelia
chorou para se salvar. Ha lagrimas que
valem sangue.
J tive occasiao de d:zern'esta mesma fo-
Iba e n'esta mesma Revista: eu nao sei
condemnar a mulber que cae, mas lembro
que a soeiedade nao recebe e nao receber
nunca a mulher manchada embora com o
cunho da regeneracao, como tem obriga-
Co de receber mulher para, esposa de-
dicada e dedicada me
Se % soeiedade fundamenta-se no bem,
de crer que a nobreza nao saba destinguir a
honra da macula ? Se a soeiedade baseia-se
na perversidade nao incontestavel que o
mal procura fertr o mal. s pelo simples in-
tuito de causar a desoluco e a morte ?
Nao manegemos a hypothese; sigamos a
realidade. A realidade sente-se ; a soeie-
dade tem argumentos tao fortes que somos
obrigados a recebe-los como dogmas : sem
discussao,
E depois, nao essa mesma soeiedade que
to acremente combate o vicio, n2o ella
mesma que eleva aos mais altos pedestees a
virtude, a castidade a innocencia e a honra ?
A regeneracao da mulher filha das mais
nobres e generosas almas do mundo. Quem
o nega ? A liberdade manda que nos curve-
mos liberdade; a religiao e a alma orde-
nam-nrs que abaixemos a fronte para bus-
car, apanhar ainda no espaco as palavras sa-
cramentad do Christo cabidas sobre as nuas
espaduas da peccadora.
E' bello, mas admiravel, e a existencia
real nao comporte esses exemplos de nica!
e divina sublimidade. Os argumentos so-'
ciaes parecem trazer a assignatura humana,
e quando as portas da soeiedade fecham-se'
sobre urna ovelba desgarrada tomam o aspec-
to das massicas portas do infermo dantes-!
co... com urna nica differenca no distico :j
os que sahem que perdem todas as espe-!
raneas.
A mulher a origem de todas as obras do'
espirito humano. Desde a inspiracao de |
Pindaro at as criacoes do humorstico Mo-
liere, desde os primeiros rebentos do thea-
tro grego at as ultimas lucubrares drama-
ticas da itteratura moderna, a idea, o senti-
mento, a luz ella: a mulher.
A natureza falla quando a penna escreve.
O coraco segu os impulsos da iotelligencia
e o racoiocinio amiga-se, inllarama-se, en-
thusiasma-secomos toques elctricos das in-
timas sensacoes Qual o universo que nos
faz crr no universo ? a mulher. Porque
motivo o ideal da virtude feminina nao tem
mais realisacao e nao revella-se com mais
forca e vigor as teboas do palco e, as pa-
ginas das composicoes de todos os dias ?
Ha urna nica razo, a mais Simples e a
mais poderosa.
A platea como todas as multides acceita
o drama sem discutir a idea, anima-se sem
racciocinar, saborew sem indagar da subs-
tancia que compoe o alimento que lhe dis-
pensaran!. Poe sempre empratica a lenda
dos rabes vagabundos :debruca-se no
caminho e sorve a longoe tragos a agua en-
venenada,s porque ella deriva ondulan-
do aos poticos raios da la.
A mesma penna que formou com tanta
meigoice e affago o lypo anglico d Amelia,l
a innocente menina do primeiro acto da
historia de urna moca rica, nao poderia com
mais xito talvez esbocar um novo perfil,!
urna physionomia arrebatadora, qne firmas-'
se as suas lagrimas e os seos sorrisos na'
virtude, morrendo como as virgens ebristaes'
com o olhar lixo no horisont e a alma atra-
v ssada pelas vividas scentelbas da casti-
dade?
Amelia faz crr na alma : Revolte faz hor-
ror at a carne... O aulbor poderia alliar o
applause da platea immaculada nureza de
um typo de mulher, mas de mulher. Re-
volta o epitaphio de Amelia.
Deverei contar o entrecho de Lusbella ?
Levar-vos de queda em queda por todas as
evolucoes em que a perdico arrasta urna
mu'ber, seria enfedar-vos. A historia do
anjo do mal nao se conta; v-se. Lucifer an-
da est na trra.
A origem da perdico de Damiana foi a
ingratido d'um amante e o abandono d'um
pae. A origem da miseria de Amelia foi a
ingratido d'um pae e o abandono d'um ma-
rido. Comecaram ambos onde ambos ti-
nham de acabar,na degradaco. E nao
poderiam ellas salvar-se do abysmo? Ques-
to seria a que o drama realista nao quef
dar ouvidos. E no entanto a alma tem me-
do dos naufragios do mundo: a alma sent
voluptuosidades em chorar as suas ultimas
lagrimas.., A lagrima a bizque nos mos-
tra o norte na exigencia ; quando a alma
cahe porque o sabe lutar com as tre-
vas.
Damiana perdeu-se ; dos bracos da fami-
lia veio cabir nos bracos do mundo torpe e
abjecto: a mesma fronte Iluminada pelos
sagrados beijos d'um pae curvou-se ao som
metlico dos beijos de lodos os bomens.
Graciano o demonio d'aquella perdida
alma. Se se admittisse a falalidade, Gracia-
no seria a falalidade de Damiana.
Graciano foi o primeiro elo da corrente
que prendeu Lusbella s abjeccoes so-
ciaes. ....
Desde o luxo insultador e indomavel da
corteza. esse luxode sedas, de velludos, de
zombarias e de risos, at s ultimas quedas
da criminosa, Graciano apparece como o ge-
nio da perversidade.
Damiana poderia salvar Lnsbella aos olhos
de ura pae, mas o crime,de Graciano perdeu
Damiana suffocando o crime pela morte. A
soeiedade lembra-se e a tradigao o phan-
tasma da consciencia. Nada apaga o passa-
do, nem o tmulo. Pedro Nunes poderia,
certo, sustentar a infeliz beira do abys-
mo,mas, nao ser assim ?o primeiro
arranco da honra calcar o vicio com a
ponte do p.
Leonel da Silva semelhanca de A. Du-
vel, poderia callar no animo partido de
Lusbbella as sanias inspiracoes do bem. Se
admissivel o amor verdadeiro n'uma alma
falsa, mais que admissivel a salvaco para
O Jornal do Commercio, de Lisboa ubli-
ca o seguinte sobre a erupeo do Etna:
Depois de doze annos de descanco appa-
rente, o grande vulco ciciliano, que Pinda-
ro chamava a columna do cu, despertou
de sbito, na noute de 30 de Janeiro passa-
do, pelas 10 horas.
A erupeo foi precedida de um leve tre-
mor de Ierra, em seguida a parte oriental
da monlanba abriu-se e formou urna vora-
gem enorme que lancava denso; vaprese
urna chuva de fina ara e de escorias.
D'ahi ba pouco sahiu desta abertura um
rio de lava que foi escorrendo pela ladeira
da montanba.
Os habitantes fugiam cheios de terror,
communicandoo alarma de aldeia em aldeia,
Em 3 de fevereiro o engejiheiro Viotti,
incumbido de ir observar e dar conta deste
interessante phenomeno, parta para o thea-
trodosinistro na companhia de M. Haquet,
engenheiro dos caminhos de ferro, e demais
dous curiosos.
Chegaram a urna elcvacao de cerca de
1,500 metros, indo ao encontr da corrente
de lava que alravessa o bosque de Giarnista
c innunda o valle de Col e-grande na altura
de lo a iO metros sobre 150 de argo.
A lava percorrera, desde o seu ponto de
partida, una distancia de 9 kilmetros.
Duas^asas de campo tinham sido sepul-
tada, e egual sorte ameacava urna terceira.
Tendo regressado a Piedimonte, diz o en-
genheiro Viotti no seu relatorio, encontra-
mos dous d is nossos amigas, M. du Pern,
director dos estudos do caminho de M. Po-
rati representante da companhia Lafitte. Pe-
diram-nos que os acompanhassemos. Parti-
mos de novo e chegamos urna hora antes
do romper do dia, aos ps da collina de Col-
le-grande, Tendo-seos nossos guias recusa-
do a ir mais longe, abandonamo-los, e segui-
a abandonada sobre quem o sentimento dar-
deja os seus admiraveis e fecundos raios.
Leoncio de Almeida e a indgnidade. a
faluidade, a insignificancia social. Acober
tar-se com um brazo de fidalgo e de capita-
lista para lancar a deshonra e a ignominia
no amago de urna familia que rene a po-
breza honra. Leoncio de Almeida urna
vulgaridade; creatura do lansquenet, espi-
rito sem baze, representante do jogo e das
orgias. E'quem deshonra Damiana; quera
prega a primeira garra de fera s delicadas
' mos da i enina.
Christina o symbolo di virtude vingan-
do no mesmo galho em que rebente o vicio :
Christina irmaa de Lu bella. Sacrifica-se,
martyrisa-se at nos mais ntimos amores,
nicamente com a idea presa na desgracada
que o destino deu-lhe por irmaa.
Pedro Nunes perdoa ;e ella ? as irma,
nao sero os anjos da familia ? Ella per-
doa e sent que as lagrimas da felicidade
apaguem as duvidas d'um passado de infor-
tunios.
Cesar, Amador, Leo, Beatrh, Claudina,
Florisbella e os mais, sao pessoas necesa-
rias ao complemento do typo de Lusbella ;
alimentara-se do mesmo mal, vivem no
mesmo inferno.
Ser essa a primeira concepcao, o mais
valioso titulo dramtico do autor do Ceg ?
N'esse drama revela-se um eslyllo luxuo-
so e analytico, embora com algumas phra-
ses mais adquadas enterrada escola da de-
clamaco antiga.
Nao quero tancar a pecha de defeituoso
ao autor de Lusbella, mas poderei nega-
lo? o poeta procura accumular scenas ve-
hementes sobre outras tantas scenas, tendo
em vista nicamente talvez o applauso im-
mediato das plateas.
Hacerlas invirosimillunfas no drama ; o
dilirio de Pedro Nunes pouco verdadeiro,
ou antes um pouco obscuro.
as ultimas scenas do segundo acto a
penna do dramaturgo mais do que rigoro-
sa, cruel. Fere com todas as coleras
! d'uma viva indig aye O espectador re-
' cua diante d'um quadro to desolador e to
miseravel.
Lusbella como obra de. eslyllo urna das
mais acuradas composicoes do Sr. Dr. J.
mos o nosso caminho allumiados polo cia-
rlo das lavas ardentes, que costeramos a
poucos metros de distancia. Eram 4 horas
da madrugada quando chegamos ao lado
esqijerdo do talle de Cele-grande. Alli um
espectculo medonbo, mas ao mesmo lempo
imponente se nos apresenton vista. Urna
trrenle de fogo, de 60 a 200 metros de
largo, desea com urna rapidez de 6 metros
por minuto, arrastando superficie volumes
de I a 10 metros de grosswa.
Ensurdecia-nos os ouvidos um crepitar in-
cessante, produzido pelo esboroamenlo ou
pela remoco dos objeclos que a lava encon-
trava no seu caminho.
O fundo do valle eslava todo em chammas.
Aqui e acola surgiam montculos incandes-
centes, empinados como rochedos no meio
desta cscate ignea. Passamos pela segunda
vez por todos os pontos qun eu bavia visi-
tado com M. Haquet, \ inte e quatro horas
antes. Era vo procuramos urna casa que
nos havia servido de abrigo : achamos no
mesmo local urna montanba de lava. Visita-
mos o valle de Colle-grande. A lava que na
vespera, tinha 20 metros, apresentava neste
momento 60 metros de altura.
Piibeiros gigantes fluctuara m ao de cima
desta massa movidica, e poueo a pouco in-
flam.navam-se e ardiam, lancando sinistros
clares.
Os desgracados habitantes dos arredores
assistiam entregues maior angustia, a este
terrivel espectculo. Soltavam gritos dolo-
rosos e choravam, ao ver sumir-se lenta-
mente os seos campos carregados de searas.
A sua ignorancia era tal que julgavam poder
desviar o flagello por meio de praticas su-
persticiosas : cravavam no solo, de espaco
em espaco, varas s quaes penduravam ima-
gens de santos, comprados por elevados pre-
cos a vendedores ambulantes. Quando viam
estas imagens arrastadas pela corrente, as
sua; oraces transformavam-se em impreca-
ces.
Por urna noute serena continuamos a nos-
sa ascenco da crtera', cujas detonacoes iam
tomando semeessar maior intenidade. Pas-
sando ao longo do braco prncpal da corren-
te, chegamos duas horas depois aos campos
de nev quecobrem o cume do Etna. A ne-
v tinba alli urna altura de cincoenta cent-
metros. Os labios da crtera estavam orla-
dos por um pinha1. Para pdennos ve-la,
tivemos de subir a urna collina mais elevada
do que os pinheiros. Do cimo dessa collina,
a crtera se nos apresentou vista com todo
o seu horror.
Seis boceas esto abertas e vomitam sem
cessar materias vulcanicas. Duas destas
aberturas acham-se n'uma collina solada, si-
tuada as baldas do monte Frulento. a les-
te. As outras quatro esto no fundo de urna
bacia cuja circumferencia de 400 metros.
As detonacoes succedem-se sem interrup-
Co, com intervallos de alguns segundos.
Nuvens de fumo e columnas de lava e de es-
corias sahem com impetuosidade dos diver-
sos orificios; s vezes delles arrojara mas-
sas do volume de um metro cubico que se
elevam nos ares a 200 ou 300 metros.
Aproxim3mo-nos dos orificios tanto quan-
to a prudencia no-lo permittia. Calculamos
que a rapidez da lava de 10 metros por
minuto, a 200 metros da crtera. O seu vo-
lume de cerca de 5,500 metros cbicos
por minuto, ou 7,900,000 metros cbicos
por dia.
Sob o titulo Carneiros kmericanos pa-
ra o Bi as7=aL-se no iournal of Commer-
ce de Nova York:
O professor Agapiz, que no vapor Colo-
rado vae ao Brasil n'uma espedico scienti-
fica aquelle paiz, leva comsigo alguns excel-
entes carneiros (merinos) americanos, que
o Dr. G B. Lorng, presidente da soeieda-
de agrcola da Nova Inglaterra, enva de
presente ao imperado:' D. Pedro II.
Esles animaei sao da melbor especie, e a
sua introdueco as trras altas do Brasil
e as campias do Rio Grande do Sul ser
inquestionavlmente um grande beneficio
para a agricultura daquellas regios.
O Dr. Loring enva tambem amostras de
fina laa americana no imperial instituto
Fluminense de agricultura.
M. de Macedo. Saudo ao applaudido autor
do Luxo e Vaidadc.
A Sra. D. Eugenia Cmara incumbida do
papel de Damiana, trabalhou em muitas
scenas com innegavel talento. No primeiro
acto todava a artista deveria ser mais seve-
ra as manifestacoes da sua angustia. Exa-
gerou, com intellige.icia e graca, mas exa-
gerou.
No segundo acto que mais brilhantemen-
te fez resaltar o seu talento, esperei que se
compenetrasse em algumas phrases do ver-
dadeiro typo da corteza. Nos dialagos com
Graciano quando elle lanca-lhe em fa e a
sua constante irona, a corteza nao devera
ser to real as suas maguas, to sensivel
as suas expressoes.
A morte de Damiana poderia ser manifes-
tada tambem com mais certeza: ba muite fir-
meza demais na diegao e no accenlo dessa
voz de moribunda. Sei no entanto applau-
di-l i no mesmo drama onde fez brilhar por
vezes a sua caprichosa intelligencia.
O Sr. Germano alm da trgica declama-
Cao, banida pela escola' moderna, exagerou
as manifestaces variadas que o typo pro-
porciona.
Com um pouco de estudo o Sr. Germa-
mano nao s decorar melbor o papel como
tambem apagar os defeites que a minha
franquez t atreve-se a notar-lhe neste mo-
mento.
Lisboa e-tudou e appfaudi-o sinceramen-
te em algumas scenas ; no entanto a dieco
deve ser mais castigada, mais correcta.
Os outros typos sao circumstancias ne-
cessarias peca.
O emprezario porla-se como artista e co-
mo verdadeiro emprezario fazendo estudar
dramas de innegavel valia
O distincto artista Amoedo urna prova
certa do gosto que o Sr. Coimbra patenteia
pelos progressos moraes do theatro.
O Sr. Amoedo vae dar um brilhanle im-
pulso aos dramas e aos seus collegas do
theatro de Santa Isabel. v
Annunciam urna tradcelo da comedia
fraoceza Monsiuer votre filie que a graciosa
penna da artista Eugenia Cmara traslad )u
com o titulo de f aupara toda obra.
Luciano d'Athayde.
PERNAMBUCO. -TYP. DE mTfTDE P. & P1LH0
!
i<.

,
%
*
*
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2PS3KODZ_6V4YBP INGEST_TIME 2013-08-27T22:31:58Z PACKAGE AA00011611_10658
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES