Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10657


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO XU ilMEBO 160
Por qa*rlel pago dentro de 4 Odias d 1. mz ...::..
dem deaois dos i.Oii0dias do comecoe dentro do qaartcl. .
Porte aoctrreio por tres aiezes............: .
5|000
cfoeo
780
TERCA FEIRA 2 D MAIO DE 1865.
Per ano pago dentro de 10 dias do 1. ez ,,,.,. 191000'
Porte ao correio peras Me........,.,.,, 3J000
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCAR11EGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o ?r. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filios; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudlno Falco Olas; Babia, o
Sr. ios Mirtin* Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
ftibeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da va frrea at
Agoa Preta, lodos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito,Caruar,
Altinho. Garaohuns, Bnique, S. Bento, Bom
Conselho, Aguas Bellas e Tacarald, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis
ta, Onricnry, Salgueiro e Exii, as qoartas
feiras.
Segunda vara do civel: qoartas e aabbades a i
hora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, I'na, Bar-
reiros, Agna Preta e Pimenteiras, na quintas
feiras.
EPtJEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
2 Qnarto cresc. a 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 Lna clieia as 6 h-, 3 m. e 22 s. da t
18 Quarto raing. as 4 h., 19 ro. e 46 s. da m.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 45 s. da (.
AUDIENCIAS DOS TRIBINAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
[Reanlo: terca&e sbados as 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segnndas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civil: qoartas e sabbadoa al
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
i. Segunda. Ss. Fellppe e Thiagoapps.
2. Terc.a. S. Maphalda raioba de Portugal.
3. Quarta. S. Rodopiano ra ; S. Amaro m.
4. Quinta. Ss. Floriaoo e Sacerdote mm.
5. Sesta. S. Pi V p.; S. Angelo c. m.
6. Sabbado. S. Joo aale-porta m latinan).
7. Domingo. S. Estanislao b. m.; S. Flavia.
PREAMAR DE HOJE.
Priraelra as 10 horas e 6 m. da manhia.
Segunda as 10 horas 30 e minlos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTIItOS.
Para o sol at Alagoas a 14 e 30 j par o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada niez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, mato,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figoeiroa de
Faria & Filho.
PARTE 0FFICIAL
9IINISTERIO DA FAZEXDA.
DECRETO N. 3,433 DE 5 ABRIL DE 1865.
Modifica "> disposicoes do regulamento das alfan-
ikgas, relativas o processo do despacho Jas ba-
gagens dos passageiros.
Convindo modificar as dsposcoes do regulamen-
to de 19 de setembro de 1860 relativas ao proces
sos dos objectos de bagagem sujeitos a direitos, a
flm de torna-lo mais rpido, menos encommodo e
menos dispendioso ao passageiro, sem prejuizo da
fiscalisaco que cumpre exercer, hei por bem de-
cretar o seguinte :
Ait. I. O cenferente que examinar a bagagem ,
dos passageiros, encontrando objectos sojeitos ao
pasameut dos direitos, os far lancar no livro do
fiel do armazem respectivo, e orgaoisar o corape-
lenta despacho, que, sendo mmediataraente remet-1
tido ao calculo, vollar, depois de feita a conla,
para que o passageiro satisfaga a Impo-tancia dos
direitos, a qoal dever ser enviada cfflcialmente ao
thesiureiro.
Verificado o pagamento e em seguida a saluda
da bagagem, ser o despacho remeltido ao inspec-1
tor para osflns convenientes.
Art. 2. As duvidas que occorrerera sobre a qua-
lifiVacao ou avaliago das mercadorias pertencen-
tes s bagagens, sero resolvidas como determinam
os artigo* 559 e 570 do regulamento das alfande- j
gas.
Art. 3." Estas disposigoes nao comprehendem os
volumes pertencentes a passageiros que exclusiva-
mente conslltoirem mercadorias ou objectos de
commerria a qoe se referem os artigos 466 do re-
gulamento das alfandegas e 37 do decreto n. 3,217
de 31 de dezembro de 1863.
Art. 4." Ficatn revogadas as disposicSes em con-
trario
Carlos Carneiro de Campos, de meu conselho, se-
nador do imperio, ministro e secretario de estado
dos negocios da fazenda e presidente do tribunal
do ihesouro nacional, assim o tenha entendido e
a^a executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 5 de abril de 186o
44* da independencia do imperio.Com a rubrica
de S. M. o Imperador. -Carlos Carneiro de Can
pos.
i i 11- -----------
Circular s thesourarias de fazenda.Ministerio
dos negocios da fazenda.Rio de Janeiro, em30 de
marco de 1865.Carlos Carneiro de Campos, pre-
sdeme do tribunal do thesouro nacional, em con-
formiiiade da deciso desta data transmiltida al-
fandega da corte, comraunica aos Srs. inspectores
das thesourarias de fazenda, a flm de qoe o faram
constar aos das alfandegas, qoe o panno de algo-
dio tinto foi assemelhado chita em morim, para
o pagamento dos respectivos direitos.Carlos Car-
neiro de Campos. ^^^
m n ^-*-^
Cario* r.arnpirn de. rinwft nrasiripnlB AtxJtiha^
naido thesouro nacional, declara aos srs. nspee-
deste systema faga sempre oso em soas relagoes
offinaes. Para este flm V. Exc. expedir as pre-
cisas ordens as cmaras monicipaes e a todas as
autoridades dessa provincia, remetlendo-lhes ao
mesmo tempo alguns exemplares das tabellas qoe
vio jnntas, destinadas para a conversio das medi-
das-mtricas as qne se Ihes correspondera no sys-
tema usual de pesos e medidas do paiz.
Dos guarde a V. ExcJesuino Uarcondes de
Oliveira e S,
lores das thesourarias de fazenda, a flm de que o
facam constar aos das alfandegas, para a devida
indiligencia e exeeuco, que nos casos do artigo
877 2." do regulamento de 19 de setembro de
I8f>0, o accordo e aprazimento das partes com a
escolha do 5." arbitro, feita pelo inspector da
alfandega, deve flcar constando por escripto do
processo de arbitramento, a flm de evitar que as
partes reclamem depois que nao houve esse accor-
do e aprazimento. Carlos Carneiro de Campos.
Circular s thesourarias de fazenda.Ministerio
dos negocios da fazenda. Rio de Janeiro, em 5 de
abril de 1865.Carlos Carneiro de Campos, presi-
dente do tribunal do thesouro nacional, ordena
aos Srs. inspectores das thesourarias de fazenda
qoe sempre que se proceder conferencia dos
mappas e manifestos das embarcares, conforme
determina a circular de 16 de julho de 1851, e se
Teconhecer que alguns gneros foram embarcados
sem pagamentos dos respectivos direitos de expor-
tacao, devero exigir o referido pagamento de
qoe tem de direlto fr; proceder na forma da lei e I
dos regulamentos contrh os empregados que por
culpa oo oegllgeocia tiverem dado logar exporta-
(JO dos mesmos gneros : e finalmente remetter os
papis e documentos precisos aojuizo competente
pan se instaurar o processo de contrabando pelo
sobredito facto. Carlos Carneiro de Campos.
MINISTERIO HA CITERRRA
Circular. 4.* Directora geral. 2." seceso.
Rio de Janeiro.-Ministerio dos negocios da guerra,
em 7 de abril de 1863.
Manda sua magestade o Imperador, por esta se-
cretaria de estado, declarar' ao inspector da thesou-
rana defatenda da provincia de... que as pracas
dos corpoS de voluntarios da patria nao tem direito
a graliticacio de voluntario correspondente me-
tade pe sold, aqual por alguraas thesourarias de
fazenda Ihes tem sido abonada, e que compute ex-
clusivamente as pravas voluntarias do exercito.
Visconde de Camam.
Circular. 4.a Directora geral. 2. seceso.
Rio d- Janeiro.-Ministerio dos negocios da guer-
ra, em 11 de abril de 1865.
Manda sua magfstade o Imperador, por esta se-
cretaria de estado, declarar aos inspectores das
the?oorarias de fazenda, para soa intelligencia e
exeeuco, que aos offlciaes da commisso compete
o sold da patate em que estiverem commissiona-
dos e aos reformados que marcharen para a cara-
paiiha o sold integral ingerente a reforma, salvo
na primelra hypothese, que tambem Jji.es aprovei-
laFi'jcojif de Camam: '
Circular. 4." Directora geral.2. seccao.
Rio de Janeiro.Ministerio dos negocios da guer-
ra, em 12 de abril de 1865.
Manda soa magestade o Imperador, por esta se-
cretaria de estado, declarar aos inspectores das
thesourarias de fazenda, para sua intelligencia e
exeeuco, que nao devem aceitar s pracas de
pret de qoiesquer corpos, sem excepto alguma
atuisaaedes qoe preteodam estabeleeer, emboca a
favor de soas familia?, por qoe o aviso circular de
0 de setembro de MU prohibe eipressamente que
ellas consignen! qualquer qoota dos seos venci-
meDto, partindo do principio de qoe o carcter
precario e aa alternativas inherentes ao abono des-
tes, privam-as da faeoldade de dispor dos meemos
sen grvame da fazenda publica.Vuconde de
Camam.
MINISTERIO A ACHMl7Ir*IJ-
HA COMMERCIO
E OBRAS PITRUCAS*
Directora cent ral.l.'seeco.Rio de Janeiro-
Ministerio dos negocios da agricultura, commer-
cio e obras publicas, em 6 de abril de 1865.lllm.
e Exm. Sr.Convindo dar qaanto antes exeeuco
i le n. 1,157 de 26 de junbo de 1862, qoe man-
dn substituir no imperio o actual systema de pe-
sos e medidas pelo systemtwnetlco francez, re-
commendo omito particularmente a V. Exc. qoe
GOVBRNO DA PROVINCIA.
Conlinuaeio de expediente do da 26 de abril de
1865.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao qoe requereu o professor publico de instruccao
primaria da villa do Pod'Alho, Francisco Manoel
Bezerra de Vascoacellos, e tendo em vista a infor-
maco do director geral da instruccao publica da-
tado de 21 do correte, sob n. 120, resolve conce-
der-lhe 3 mezes de licenca com vencimentos para
tratar de sua sade.Communicou-se ao director
geral.
Dita.O presidente da provincia, conformando-
se com a proposta do Dr: chefe de polica n. 602
desta data, resolve nomear para o lugar vago de'
delegado do termo de Santo Anto o cidadao Fran-
cisco Pedro Soares lirando.Communicoo-se ao i
Dr. chefe de polica. '
Dita O presidente daprovincia, conformando-'
se com a proposta do BwpXfaefe de polica n. 601
desta dala, resolve nomear para o luga/ vago de
delegado do termo de Pao d'Alho o bacharel Fraq-
cisco de Paula Cavalcaoli de Albuquerque.Com-
municou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.O Sr. commandante do vapor S. Francis-
co, transporte a seu bordo at a corte nm criado
do Dr. Antonio Hercolano de Sooza Badeira.
27
Oflicio ao inspector da thesooraria de fazeoda.
Transmuto a V. S. para o flm conveniente, o in-
cluso pret em duplcala tirando a etape relativa ao
da de boje, para a forca do 1 balalbo de volun-
tarios desta provincia, que embarca nesta data pa-
ra a corle no vapor S. Francisco.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. a Inclusa
relacao contendo os noines dos offlciaes, cadetes,
sargentos e mais pracas do 1 corpode voluntarios
desta provincia, que seguem para a corte e preten-
den! consignar parte de seus vencimentos a soas
familias, aflu de qoe nos devidos tempos mande
entregar taes consignacoes aos procaradores indi-
cados na mencionada relacao.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Santo Antao.Expeca V. S. as suas ordens
para que na villa da Escada deslaquem seis pra-
cas do batalho daquella villa, as quaes licaro a
disposlco do respectivo delegado, para o servico
da guarda da cadeia, devendo V. S. communicr-
me o diaem que tiver exeeuco esta mnha ordem
Coramnnicou-se ao Dr. chefe de polica.
tarios da provincia do Maranhao. Recommendo a |
V. S. que laca desembarcar o soldado do corpo
sob seu commando Pedro Luiz de Franca, coja
tnulb-r sendo aceomraettida da varila, acha se
recolbida ao hospital de caridade, o qual flear ad-
dido a um dos corpos desta guaroicao at que pos-
sa seguir para a corte, segundo as ordens ja expe-
didas, cumpriodo que ao predito soldado sejam
abandonados os vencimentos a que ja tiver direito.
- Da 28
Offlcio ao Exm. conselheiro presidente da rea-
Cao.Tendo resolvido provisoriamente e pelo mo-,
do constante da copia n. 1 o conflicto qoe se deu
entre os juizes raunicipaesdo Bonito e Agua-Preta,
que ao conhecimento desta presidencia foi irazido
por Julio Pereira Malloso, V. Exc. remetto as
copias de ns. 2 a 7 dejodos os papis relativos ao
mesmo couflicto, aflu de ser este definitivamente
decidido por esse tribunal.
Dilo aotnesmo.Passo s mos de V. Exc, por
copia, as informales ministradas pelo comman-
dante da companbia de artfices, e o coronel com-
mandante das armas em 30 e 21 do corrente, para
que tomando-as em censideraco se sirva de infor-
mar acerca da appellacao interposla pelo soldado
do 8 batalho de infantaria, Antonio Luiz da Sil-
va, da sentenra que o condemnou por crime de
furto de cavallus.
Dito ao coronel commandante das armas.Sir-
va-se V. S. de mandar alistar como Voluntarios da
Patria ao 1 sargento da guarda nacional Joaquim
da Graca e Silva, Agostioho Bernardo de Miranda,
Francisco Rodrigues dos Anjos, Manoel Antonio da
Silva, Vicente Ferreira de Lima, Antonio Cordeiro
Cavalcactl, Manoel da Silva Cavalcanli, Felippe
Hennque dos -antos, Cosme Jos Mendes, Fran-
cisco Pereira Calumbi o Manoel Duarte de Almei-
da, convindo que no exame de sade dostes don.
ltimos baja a maior miouciosidade.
Dito 2o mesmo.Dos Individuos viudos de Villa-
Bella sob o commando do capito da guarda na-
cional Jos Pereira da Silva, de que trata o meu
offlcio de hoje, mande V. S. organisar e remeta
um pret dos vencimentos daqoelles que forem alis-
I lados oo 2 corpo de Voluntarios da Patria, a coo-
' tar de 9 do correte at o da em qoe jorarem
baodeira, fazendo ootro taoto acerca dos Voluota-
' ros viodos de Baixa-Verde, de nomes Joaquim da
Graca e Silva, Jos Fernandos Laurindo, Agoslinho
! Bezerra de Miranda, Francisco Rodrigues dos An
jos e Vicente Ferreira de Lima, acontar de 17
deste mez.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar alis-
tar no 2o corpo de Voluntarios da Patria, como 2o
cadete, Antonio Cavalcanli da Silveira Lins.
Dito ao mesmo. Mande V. S. inspeccionar de
sade Felippe Henrique dos Santos, Manoel Xa-
vier do Nascimenlo e Pedro Alexandrino da Silva
Mello, "e alista-ios no 2 corpo de Voluntarios da
Patria, se forem julgados aptos para o servico
Declarou-se ao predito coronel que os dous ltimos
daquelles Voluntarios alistaram-se em Garanhuos
no da 15 do corrente.
Dito ao mesmo. Declarando-me Romo da Ma-
terndade Amazonas, nao soffrer molestia alguma
que o inhiba do servico militar, e instando elle com
empenho para ser juramentado no 2 corpo de
Voluntarios da Patria. recommendo V. S. qne o
mande submetter a nova inspeceo.
Dito ao mesmo.O Voluntario da Patria Luiz
Aprigio de Oliveira Salermo, aeaba de se me apo-
sentar allegando as razes a meu ver atlendiveis,
pelas quaes deixou de embarcar para o sul com o
Io corp de Volaotarios, e em vista do que recom-
mendo V. S. qoe o mande para o 2o corpo, a que
flear pertencendo.
i Dilo ao Dr. chefe de polica.Pira satisfazer a
i deliberacao da assembla legi lativa provincial, in-
forme V. S., com urgencia, se j foi instaurado novo
processo ao subdito hespanhol Epiphauio As'udillo
y Bussam, pelo uso de titulo individuo, vino que
foi julgado nollo o primeiro em conseqoeacia de
ter nelle offlciado escrivo incompetente.
Dito ao inspector d thesouraria de fazenda.
Regpondendo ao offlcio que V. S. rae dirigi hon-
tem, sob o. 282, tenho a dzer que, o adiantamenlo
de oua data de sold escolta de guardas nacio-
naes do que trata o meu offlcio datado de 26 do
corrente, e que tem de regressar provincia de
Sergipe deve ser feita sob minha responsabilidad?-
Communicoo-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. ordem para que
um' empregado dessa repartico passe revista de
mostra ao tercelro batalho de 'infantaria da guar-
da nacional deste municipio, no dia 1." de raaio
vindouro s 8 horas da raanba, no quartel das
Cinco Ponas.Communicoo-se ao commandante
superior da guarda nacional do Recife.
Dito ao mesmo.Em vista do incluso requeri-
mento documentado, a que se refere o offlcio do
coronel commandante das armas de 26 do corren-
te, sob n. 747, e nao havendo inconveniente, man-
de V. S. pagar ao alfares quartel raestre do corpo
de fuarnicao desta provincia, Bernardino Candido
de Araojo, a quaotia de 413 despeodida com o
seu transporte, e de seis pracas do mesms corpo
da villa de Tacarato' para esta capital.Cemmo-
ncou-se ao commandante das armas.
as pracas da mesma guarda nacional, que ah eeli- junto, e estar ah na regencia dessa freguezia V.
prestando servico, de conformidade com Rvraa., cuja dedicacao s cousas de Deus bem
aquella ordem. Neste sentido offlciou-se ao dele-
gado do Ex.
Portara. -Os Srs. agentes da Companhia Brasi-
leira de paquetes mandem dar transporte para a
corte por conta do ministerio da guerra, no vapor
que se espera do norte, a mulher e tres fllhos me-
nores do 2 cadete do 4o batalho de artilharia a
p, Francisco Folegonio de Sooza Magalhes ; tt-
cando sem effeilo a portara que se expedio neste
sentido em 20 de fevereiro ultimo.
Continuarn do expediente do secretario do gover-
no do dia 26 de abril de 1865.
Offlcio ao Dr. chefe de polica. Declarando o
Exm. provedor da Santa Casa de Misericordia, em
Dito ao mesmo.-Remettondo V. S. por copia o S^.J6 2* do,corrente. 1U8 eupedio ordem ao res
offlcio do commandante do presidio de Fernando fffi regen e para ser recolhida ao hospiwo de
de 19 de marco ultimo e a relacao a que elle alia-: *n5?0.8 .louca exlsleDe J?a P30 d
de, o autariso a compra dos objectos perteoceotes S"??: ssim maDda s- xc. o Sr. presidente
galera americana Stisan limitan, nao s os qoe! gLS2 Cmmanicar a V. S. para seu conhe-
julgar necessarios s obras do presidio de Fer j n,'' __ .
nando, mas tambem aquelles que possara servir nr?'l commandante do corpo de polica.De
>n areanai ,\a .mrr, 2 AD------, j ordem de S. Exc o Sa. presidente da proviocia,
remetto V. S. o processo a que foi submettido
guarda da seccao urbana, Ladislao Marqoas de
Melle, aftra de comprir-se a sentenca nelle profe-
rid pelo conselho de julgamenlo.
Dito ao Dr. Joo Gonzaga Bacellar. De ordem
de S. Exc. o Sr. presi 'ente da provincia, acenso re-
cebido o offlcio em que V. S. participou ter, em 10
ao arsenal de guerra, urna vez que os precos dos
referidos objectos sejam rasoaveis e de interesse
para a fazenda nacional, entendendo-se V. S. para
esse flm com o cnsul dos Estados Unidos da Ame-
rica do JNorte.Fez-se o necessario expediente a
esse respe lo.
Dito ao mesmo.Reslituo V. S. o requerimen-
to e contas que vieram annexas sua infortnacio ,
de 25 do corrente, sob n. 272, aflm de que, de con- d correote. entrado no goso do mez de licenca que
formidade com o parecer da contadoria deesa the- "8'8 em d? mM.n, mez- Communicou-se a
souraria, a qne se refere a sua citada nforraacao, ,hesourar!a > ^enda.
mande pagar a Joaquim Jos Ferreira Penha, se y -. ...
houver crdito para isso, a quantia de 252*200 .J.gSL Z2?p, n ^^ d *iserab'ea
rs, que anda se Ihe est a dever de concert* qne 2fiE KS&^T D TT de ?' El- mSr'
fea em diversos edificios a cargo do ministerio da P^nte da provnciae 9msolucao ao seu offlcio
guerra de 2U do rrente sob n. 82, passo por copia as
Dito'ao roesms.-Autorso V. S., nos termos de E^iLt" s8r ?resent-e assembla, leis-
sua informaco de 26 do corrente, sob n. 274, da- Ia1! P">vliciar, a informacao que niinistrou o
da com referencia da contadoria dessa tbesou- ^^"e do corpo de polica relativamente ao
rana a mandar pagar a Jureliua Ferreira da Fon- dePsi'no- 1ae f01 dado aos "nieqtos do mesmo
seca, viuva de Francisco Jos da Fonseca, a quan- 2J*" P,re PnrJU8, ,e,ra ,s,do comPrada .s
lia de 1143 conslante do reqnerimento documen- lJ?L 0S a bae,a 5ara farda dos refPecllvos so1'
tado, que devolvo, e proveniente do resto dos con- SS? PraCas dah ^panhia urbana tem r-
cenos-feitos por' seu fallecido marido na casa da tf**l.fy.A.>WW e bem assim S8 tera
guarda do palacio da presidencia, e nos quarteis *.8n" f,ua SM *" camaraJas, dous
das Cinco Ponase Hospicio. cabo, eum soldado.
Dilo ao Inspector da thesouraria provincial.-1 N' %*!- T P' ao mesrno- Para ser Presente a
Restitulndo a U a con a que ve o annexa ao seu "f??^ ^IVT prov,n.c,al- emQ solnco a4
offlcio de 26 do corrente, sob n. 161, na importan-! H&% e ,2 *2 cornT sob D' -69>, passo;hs
cia de 763800 despendida nos mezes de Janeiro a maos de V' S-- a n,clafa noto' qae ra,.Q,s,rou. a ,he
marco deste anno. com o sustento dos p eso po- orara provincial, *> teqpo que o 1 escr.ptura-
bres da cadeia do termo de Agua Preta, teabTa S.'0,? mesma thesouraria Alejandre Amer.co de
dizer que dessa despeza mand pagar smente a &"" HBraodao, lem estado fra da sua repar .-
quaotia que disser respeto aos presos sobre que ^TZn\T*t'P*r COm "cena' nao houver duvida.-Communicou se ao Dr. chefe com par'8 d:doe"emBsmn n. nr,am ^ = F
de polica i mesmo.De ordem de S. Exc
Dito ao'director aeral da instruccao nnhilca.-'?,Sr presidan'e da Provicia, passo aa mos de
tiva provincial informe^V S sobre.amalariada Provn,al- a ,nn|9s nola 1ue min.sirou o director
nclu'sa ^ic'do proW Sffur* ^Tarl^V^'^cao publ.ca de todos jtam*
*biioViSSoT-"?.,. s.isfazerTd7l7berac5o^SaafSd18?a a1a8"8 esUbelecmento
da assembla legislativa provincial, informe V. S. pri-?c,p
acerca do que pede no incluso requerimento o
professor publico de instruccao primaria do Poco
da Panella, Dervino Jos da Cmara.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda e Iguarass. -Expeca V. S. suas or-
dos, aflm de que deslaqoem na villa de Igoaras-
s, dsposicao do respectivo delegado, 10 pracas
e um ioferior da guarda nacional sob seu com-
mando superior, e communique-me o dia em que
for cuinpnda esla ordem. Fizeram-se as ecos-
sanas comniuniraroes.
Dilo ao inspector do arsenal de marinha. Em
re-posta ao seu offlcio de hoje, em que me commu-
nica que, tendo mandado para bordo do vapor S.
Francisco, s 4 e meia horas da manha, ll'ca-
x5es e outros objectos pertencentes ao corpo de
Voluntarios da Patria, nao foram elles alli lecebi-
dos, apezar de demorar-se q vapor at s 5 horas e
40 minutos da manha, cumpre que V. S. enten
dendo-se com o agente da companhia ingleza de
vapores, faca embarcar para a corte no vapor que
se espera, os 11 caixdes, coja necessidade all
urgente por conterem o fardamento do corpo, ficao-
do mesmo nesse arsenal os mais objectos que V. S.
far entregar ao commandante do vapor Paran,
que deve chegar brevemente do nerte, devendo V.
S. apresentar na thesouraria de fazenda conta de
toda a despeza de transporte, conforme convenci-
nar com o agente da companhia ingleza.
Fica assim respondido o offlcio de V. S. de 17 do
corrente sob n. 72.
N. 143. Dilo ao mesmo. S. Eic. o Sr. presi-
dente da provincia, a qnem foi presente o offlcio
que V. S. dirigio-me nesta data sob n. 93, manda
declarar-lhe, aflm de o fazer constar assembla
legislativa provincial, que amanha ao meio dia re-
cebera no palacio dogoverno a dcputaro, que tem
de apresentar diversos actos saneco de S. Exc.
Dito ao director geral da instruccao publica. qunto o contrario Ihe nao
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-1 para que nao haja falta na
conhecida ; e que, "zoloso como da prosperidade
da religio e do esplendor dos nossos templos, ha
de coadjuvar poderosamente os esforcos doRvd.
Joo Vicente, e fazer que elle leve a eflfeto a ebra
que projecta.
Dito ao padre Joo Vicente Guedes do llamara -
ca -Pelo Rvd. vigario dessa freguezia, tive noticia
de que a capella do Senhor Bom Jess Menino
pertence a' V. Uvma., e qne o estado de ruina em
que se acha esse pequeo templo, provm da falta
de meios para o reparar, e nao de menospreco ou
mesmo negligencia da parle de V. Rvma., que de-
seja ancioso a sua reedificaco.
Emendo que nao deve V. Rvma. demorar por
mais lempo essa obra, e por isso o eshorto a diri-
gir-se piedade dos fiis, que esto sempre promp-
tos para concorrer para as obras de religio. Pa-
rece-me mesmo que deve V. Rvma. aproveitar o
tempo em que se acha essa parochia regida pele
digno vigario encommendado Andr Cursino de
Araujo Pereira, que zelose como e gozando de
bem merecido conceito entre os seus parochiano3,
muito pode coadjuvar V. Rvma. nessa religiosa
empreza. Nesta dala Ihe offlcio nesse sentido, e es-
tu certo_ de que os esforcos combinados de Vv.
Rvmas. ho de conseguir era recompensa a repa-
racao de um templo calholico, qoe mnitos servicos
ha de prestar anda a' religio e aos fiis.
Espero que V. Rvm." me dar parte logo que
coinecar a obra, bem como me indicar os nomes
das principaes pessoas que o coadjuvarem, aflm de
eu ter occasio de, em nome da religio, louvar
aquelles que trabalham na vinha material da
igreja.
29
Offlcio ao arcediago da calhedral e vigario de S.
Pedro Martyr, Joo Jos Pereira.
Nao se justificando V. Rm.' das accusacSes que
se Ihe fatem, de, esquecido da circomspecco que
deve ter como sacerdote, e como parocho, andar
propalando por esta cidade e pela do Recife boa-
tos indecorosos e atrozmente calumniosos com o
flm de desprestigiar a digndade e autoridade qne
exerco e que devozelare fazer respeltar, aflm de
iransmitl-la Intacta ao meu snecessor; chegando
iufelzmeole a indiscrieiio e imprudencia de V.
Rvm.' a ponto de, olvidando ou de proposito que-
rendo relaxar a subordinaco e respeito que os
empregados da cathedral me devero ter como deo
e presidente do cabido, servir-se do propno por-
tel da cathedral, Manoel Jos Martins, come ve-
hculo desses boatos; sendo esse precedimento de
V. Rvm.* altamente reprehensivel, e tanto mais
digno de repressao, quanto cora sacerdote, cone-
go e vigario, devera V. R.ra.* ser o primeiro a
respeilar e fazer respeitar o ordinario da diocese.
Nao se justificando aln disso V. Rvm.* de ou-
tras imputarles gravissimas e sobremodo infa-
mantes, qne se Ihe fazem, e das qoaes j por dnas
vezes foi acensado Darante.o Eim. hispo fallecido
como V. Rvm." sabe, e~eu n comt
em tninha cojL.
IsPJJUicla ne s estas
lUOUVUS, penra .,.
razSes, como outros graves
me nao pessivel levar mais longe a moderacao,
tolerancia e prudencia de que at agora tenho
usado, pois que fdra isso faltar ao curapnmento
dos meus deveres, faltar jostra, que deve ser
igual para lodos, e relaxar deste modo a discipli-
na ecclesiastica, que me tenho esfprcado sempre
per manter e conservar em i-eu vigor :
Tenho resolvido, para emenda e correceo de
V. Rvm.*, suspndelo, como effectivamente o sus-
pendo, do offlcio e dos beneficios que oceupa, em
fr determinado : E
distriboico -do pasto
cia, devolvo V. S. o mappa que acompanhou ao espiritual, nesta data provejo a sua freguezia de
seu offlcio de 24 do crreme sob n. 123. | parocho encommendado, que ha de rege-la em
Dito ao Dr. juiz de direito, presidente do tribu- quanto durar o impedimento de V. Rvm.*
nal do jury. Sendo necessarios a esla secretaria
os servicos do respectivo offlcial chefe da 1* sec-
cao, Dr. Luiz Salazar Moscoso da Veiga Pessea, ro-
Cumpre mais que V. S. rae informe qual a razao do corrente, sob n. 124.
go V. S. se digne dispensa-lo
ente sesso 4o jury.
Despachos do dia 2S de abril de I86S.
Requerimenlos.
Andr de Abreu Porto.Informe o Sr. chefe in-
terino da repartico das obras publicas.
Antonio Bestiao Rodrigues de Moraes.Informe
com urgencia o Sr. commandante superior da
guarda nacional do Recife.
Escolstica Rufina da Silva Barbosa.Remeltido
ao Sr. director da instruccao publica para attender
supplicante eos termos de sua informaco de 25
porque s as 4 meia horas da manha fei para Francisco de Oliveira Mello e Siiva.-Informe o
de servir na pre-
sua emenda e correcc.d, rogo a V. S. que se sirva
de reger essa parochia na qualidade de parocho
encommendado, cuja proviso nesta data Ihe man-
do passar.
Dito ao Exm. presidente dessa provincia.Ten-
do eu nesta data suspendido do exercicio de todas
as suas ordens e dos beneficios que oceupa, ao ar-
cediago da cathedral de Olinda e vigario da fre-
guezia de S. Pedro Martyr da mesma cidade, Rvd.
Joo Jos Pereira, cumpre-me participar a V. Exc.
a pena que irapuz a esse Rvd. sacerdote para sua
correceo, aflm de que V. Exc. se sirva coramu-
nica-lo thesouraria da fazenda para os fias con-
Dilo ao Rvd. conego penitenciario da cathedral.
Achando-se impedido o Rvd. vigario da freguezia
de S. Pedro Martyr, Joo Jos Pereira, em razo de
hav-lo eu suspendido do offltlo e beneficios para qir do espirito dos nossos vizinh^s. Embora; cum-
Astiuctos cidados que eavallo, formando oto
luzdo esquadrio painotico, veram a delicadeza
de subraetterem-se s nimbas ordens para acora-
panbarem o referido corpo de Voluntarios, o qoe
nzeram marchando na vanguarda, com loda a m-
Ihardia e na melhof ordem,
O enlliusiasmo que se apoderoo por esta occa-
sio de todas as classes da populacho desla cidade,
e suburbios, as ovac/ies que recebeu o sobredilo
corpo em sua lenta e regular morena, pelas mas
por onde transitou, desde a do Hospicio at o lar-
go do Arsenal, pdem-se sentir, mas nao descre-
ver : ellas attestam a importancia, coasideraco e
apreco em que sao lidos os servicos que vio pres-
tar esses briosos Peroambacanos, que se volaram
a fazer triumphar o nosso estandarte no Paraguay,
e a sustentar cusa do seu sangue a honra e ic-
tegridade do seu paiz.
Quando urna populacc como a de Pernarabuco
se pronuncia de modrf lo solemne em prol de
seus irmos que se propdera libertar a sua patria
do jugo estrangeiro ; quando esposas, pas, mis e
prenles dao o adeus de despedida a entes que
Ihe sao mais charos, tendo o eoracoes lacerados
de saudades, e que esses coracoos palpitara ao
inesmo lempo de amor pela patria ; quando a par
do senilmente de familia, se ostenta o seotimenlo
do dever e da honra nacional, pode-se ter a certeza
da saotidade da causa que pleitea, qoe o povo
que assim procede, um povo livre, altivo e no-
bre, que sabe repellir e castigar offensas e man-
ter-se na altura de sua digndade.
Que estes generosos e patriticos sentimenios se
nao arrefegara, que o imperio seja completamente
desaffronlado pelos bravos de seu exercito e arma-
da, que os nossos vindouros nos rendam admira-
cao e respeito, sao os desejos e as esperancas que
nutre o ancio que ora comraanda interinamente
as armas nesta provincia.
(Assignado.) Jos [Mana Ildefonso Joeome da
Veiga Pessoa e Mello.
(Conforme) Antonio Francisco Ditarlt,.2* len-
te ajudante de ordens ioterino.encarregado do de-
talbe.
EXTERIOR.
Montevideo, It de abril d*1865.
Na esperanca de que o Recife, que daqui boje
parte, chegoe a e*sa corte alguns dias antes do pa-
quete francez, adianto a minha correspondencia,
embora pouco ioteressante seja ella em noticias.
Tenham paciencia os leitores soflregos por narra-
goes de combates e triumpnos, e contentem-se com
saber que o nosso exercito vai-se pouco a pouco
organisando, e que, se nio esmorecer o patriotismo
de nosses concidadot, em breve poderemos com
todas as probabilidades favoraveis descarrexu o
golpe sobre o daapAt i*o,->o.*^, .|-v *t> oTou a
desafiar a colera de urna naco briosa, e que tem a
coosciencia do quanto pode e d-
u uuiuu succBsso qoe teve o privilegio da novi-
dade e do interesse nos onze dias decorridos deste
mez, foi a recepcao offlcial do nosso novo enviado
extraordinario Sr. conselheiro Octaviano. Teve ella
lugar no da 4, e foi rodeada daquella solemnida-
de que acompanha sempre os grandes acenteei-
mentos. E, cumpre dizer, a recepcao do Sr. Octa-
viano foi um grande acontecimento para o Estado
Oriental, porque della esperava-se a luz qoe viesse
esclarecer a situacao em que a retirada do Sr. con-
selheiro Paranhos deixou as relacdes politicas en-
tre os dous paizes.
Em boa hora veio ella. Cessaram as exagerac&es
da incerteza e da intriga, desvaneceram-se os re-
celos e as desconriancas; e, finalmente, mais urna
vez a lealdade e arectidoda poltica brasileira po-
deram brilhar sobranceiras as sombras das pre-
vencoes mesquinhas, mas tenazes, que tantos sa-
crificios de oossa parte nao tem consegrado arran-
bordo a bagagem cima mencionada : se por che
gar muito tarde a esse arsenal, se por nao ter elle
embarcac5es em numero necessario, ou se por al-
gum outro motivo, declarndome ao mesmo tempo
se o baro doLivramento mandoo ahi enllocar al-
gumas para auxiliar o embarque dos Voluntarios,
e se foram para
Sr. inspector da thesouraria de fazenda. venientes. ___
Fernando Francicco de Aguiar Montarroyos.- Dito ao mesmo.-Devendo eu satisfazer a deli-
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa beracao da assembla provincial, que por nter-
zenda v medio de V. Exc. pedo o meu parecer acerca do
Brigadeirq Gaspar de-Menezes Vasconcellos de projecto n. 36 deste anno, que restitue ao povoado
Drummond-Pendendo anda do juizo dos feitos a da Alagoa de Ba.xo na comarca do Brejo, sede da
rnvelta -rommonTcan- Uquidacao, cujo pagamento requer o supplicante, freguezia daquella nome, cumpre-me dizer que
:..... ,.- isso aproveitadas.Lommun can -i ^ > j, {, nprtidn vista seunndo nao tendo tido exeeuco a le que fez a pnmeira
do-seao agente da companh a ingleza essa delibera- Pfr ler procurador usca pedido vista segunuo v .^ den.verK0 Exm.
cao recommendnii e a ernedieSA Hp suas nrdens informa elle e o juiz dos feitos, nao pode por em transierene a aa mairiz em razao aenaver o c u.
Cao, recommenoou-se a eipeweio de suas oraens ordenad tal naiametn nara o rinal b spo fa ecido prohibido ao Rvd. vigario da Ala
par que no caso de ser alcaocado na Baha o va- quanw ser oraenaae tai pagamento, para o quai i
por S. Francisco, sejam alli entregues ao coronel ^ Oiso nao l?a crdito, como declara o inspec-
tor da thesouraria provincial.
Gailhermina Basilissa de Oliveira e Silva.In-
deferldo em vista da informaco.
Engenheiro H-nrlque Augusto Milet.Como pe-
de, nao havendo inconveniente.
Ignacio Francisco Cabaral Canlanil e Francisco
Martins dos Anjos Paula.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Joaquim Manoel de Oliveira e Silva.-Indeferido
Leal os caixdes de que se trata.
Diloao mesmo. -Mande V. S. alistar na compa-
nhia de aprendizes artfices, se houver vaga, do
contrario na de aprendizes mannheiros, o menor
Jos Ezequiel de Mello, que com este Ihe ser apre-
sentado.
Diloao mesmo. Em resposta ao seu offlcio n.
883 de 26 do crreme, tenho a dizer-lhe que fica
approvado o contracto celebrado com o operario
serralheiro de primeira classe Manoel Luiz da Sil-
va para servir no arsenal de guerra da corte, de
conformidade com o aviso de 7 de marco ultimo. -
Communicou-se a thesouraria de-fazenda.
Diloao director do arsenal de guerra. Mande
V. S. entregar a Graciano de Mello Azevedo 30
fardaraentos de Volntanos da Patria, do segunda
corpo. \
go de Baixo, em data de 15 de abril de 1859, que
effeituasse tal mudanea, visto nao se achar apta a
capella de Jeritac para nella se celebraren) os of-
ficios divinos, eu de bom grado presto o meu con-
sentiraento ao citado projecto, que deixando a ma-
triz onde ella at agora tem estado, presta um ser-
vico religio e aos povos, e satisfaz as pas vis-
tas do Exm. prelado de gloriosa memoria.
Dilo ao mesire escola e aponlador da cathedral,
Marcelino Antonio Dornellas.Participo a V. S.
Dilo ao commandante do corno de polipia. As cordla.
10 horas de da de amanha mande V. S| apresen-
lar ao Dr. chefe de polica urna escolta de 10 pra-
cas do corpo sob seu commando, afim de conduzir
cinco criminosos at o termo do Limoeiro. Cora-
munieou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. ordem para que
s 9 horas do da de amanha se aprsenle ao Jr..
chefe de polica urna escolta de 10 pracas do corpo
sob sea commando, afim de conduzir quatro cri-
minosos at o termo de Ipojuca. Commuoicon-se
ao Dr. chafe de polica
em vista da informaco.
Luiza Mara da Conceigo Concedo o prazo de
dez das.
Lourenca Maria de Albuquerque.Indeferido,
por ue provar o atleslado a allegaco da suppli-
cante.
.Thomazia Maria de Aqulno.-Informe o Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa da Misen-
DE
OVEREO DO BIMP.tDO
PERNAMBUCO
SEDE VACASTE
Expediente do dia 28 de abril.
Offlcio ao arcediago vigario de S. Pedro Martyr,
Joo Jos Pereira.Consiando-me qoe V. Rvma.
tera propalado por esla cidade e pela de Recife
boatos indecentes a antoridade que exerco, e dese-
para os fins convenientes, que nesta data suspend
do offlcio e do beneficio que ocenpa ao Rvd. arce-
diago dessa calhedral Joo Jos Pereira.
Portara ao escrivo da cmara;Passe V.Rvm.
proviso de parocho encommendado da freguezia
de S. Pedro Martyr desta cidade a favor do Rvm.
conego penitentiario.Joaquim Goncalves da Cruz,
visto achar-se impedido o respectivo parocho
CONCURSO A' FREGUEZIAS VAGAS.
Tendo o governo de S. M. Imperial declarado
nullas as 17 propostas restantes do concurso a que
em 30 de novembro de 1863 proceden o Exm. his-
po fallecido, participo a quem convier que o Exm.
e Rvm. Sr. vigario capitular brevemente vai man-
dar afflxar os edilaes para proceder ao concurso
de todas as parochias que se acbam vagas nesta
Cidade de Olinda, 24 de abril de 1865.-Conego
Joaquim Ferreira dos Santos, secretario do bis-
pado. .
COM AMA DAS ARMAS.
Dito a lotooo Alves Campos e Caetano de Ol- jando eu averiguar, estes e outros fados por V.
veiraMello.-Apresentaram-se-mehojee mande-os Rvma. pralicados, e qoe tem chegado ao meu co-
alistar como Voluotarios da Patria os cioco iodivi- nKecimento, desojando esclarecer-me, aflm de obrar
doos constantes da relacao annexa ao offlcio de Vv. com a circomspecco e prudencia que hei empre i ftll,rli ,, ..n,,..,.,!. das arBU. de Prrna
Ss. de 18 do corrente, a que respondo, agradecen- guardado em meus actos, cumpre que V. Rvma., \ ^"M 6*T r lo a u -i .uVa*
do-lhes muito o ioteresse que tem tomado na acqui- logo qoe receber estexifflcio, compareca nesia se- n* cidade do Iteciie, 9 oe aru ae sn.
sifo de Voluntarios, e espero que coolinoaronesse cretarla. Ordem do dia n. 60.
louvavel e patritico empenbo. Dito ao vigario de llamaraca'.Era resposta ao Teodo na tarde do dia 27 do corrente em .des-
Dita ao Dr. juiz do direito de Cabrob.loteira- seu offlcio de 28 do prximo passado, tenho a di- empenho de meu dever, ao lado do lllm. e Exm.
do do conledo do sea offlbio de 11 de marco pro- zer-He que mullo me regosijon a noticia que rece- Sr. presidente da provincia, collocado-me frente qoe se houvessem reproducido.
xirao findo, tenho a dizer-lhe em resposta que, ne bi de pertencer a capella do Senhor Bora Jess do primeiro corpo de Volumarios da Patria com o Todas as nossas torcas razem continuaaos eier-
lendo esla presidencia mandado destacar torca da Menino ao Rvd. Joao Vicente Guedes, o qual se fim de o conduzir do respectivo quartel para o ar- elcios, e mostrara anciosas por marcnaraoenoon<
nnra. ^/.ini >.. >ii.. a Ota a enmenia pramos a nossa misso, que nobre e invejavel,
apezar de todos os dissabores.
Os discursos trocados entre o nosso diplmala e
o general Flores tiveram um ceno cunho de origi-
nalidade, tanto pela forma como pelo fundo, signifi-
cando em vez desses banaes compnraentos do es-
tylo, sinceros protestos exigidos pelas graves cir-
curastancias do momento.
Ajustando a sua palavra fcil e elegante ao pen-
samento nobre e recto que se achava encarregado
de transmitur, o Sr. conselheiro Oetaviano proferto
um desses discursos que arrastam todas as adhe-
soes pela pureza de sentimentos trae delles trans-
pirara. Assim tambera foram eioqueoles as maoi-
festacoes de sympathia prodnzidas pelas palavras
do novo agente brasileiro.
Desde essa occasio, pdese dizer,cessaram as
apprehenses que a chamada do Ilustrado conse-
lheiro Paranhos despertara na massa da populara.
As palavras do Sr. Octaviano foram mais um teste-
uiuiilio da nobreza da politrea imperial para com
seus vizinhos.
A' noite foi o mesmo ministro honrado cem urna
ruidosa ovaco popular.
Aos discursos com que varios cidados orientaes
exprimiram o objecto dessa manifestaeo, respoo
deu o Sr. Octaviano reiterando os protestos do res-
peito que todo o Brasileiro professa independen-
cia oriental, e terminou fazendo votos para que a
repblica coosolidasse soas institoices e tivesse a
forluoa, qoe tera o Brasil, de viver oo goze do sys-
tema representativo, com om chefe constitucional
qoe, zelaodo os ioleresses do seu paiz, sobretodo
americano, quando se trata dos seos vizinhos.
A manifestaeo concluio com algumas palavras
do Sr. Bernab Magarinos, que transcrevo, porque
ella"s exprimen) urna homenagera morahdade e
bom nome dos nossos bravos soldados, que bem
fique consignada como um testemunho contra as
calumnias com que os nossos inimigos sem inju-
riar-nos.
El-las : Gloria e honra ao inclylo monareba
do Brasil, aos seos Ilustres generaes e ao sen v-
leme exercito que, onde quer que tenham pisado o
territorio oriental ou argentino, soubram deixar
orna recordaco imperecedora de sobordinaeo mo-
rahdade e disciplina. >
O nosso exercito permaneca ainda acampado no
Cetro, conservndose a brigada do coronel Ferraz
em Montevideo.
Entre alguns soldados desta e outros paizes de-
ram-se ha dias pequeas risas, muito commnns
nos logares onde ha grande azgloraeraco de tor-
cas, principalmente quando sao estas de diversas
nacionalidades. Esses conflictos nao liveram conse-
queocias, com quanto os blancos, despenados com
a boa harmona que reina entre os dous governos,
procurassero dar-lhes exageradas nroporc.es.
Tanto por parte dos chefes brasileiros, como por
parle das autoridades do paiz, foram tomadas enr-
gicas medidas para evitar a repelico desses des-
agradaveis incidentes, e desde ento nao consta
guarda nacional na villa do Ex, e someote deter-' prepara desde algum tempo para a reed flcar, o seoal de marinha, onde embarc pelas 6 horas da
minado, por circular de 5 de novembro do auno que ja' nao tem levado a effeilo, por Ihe faltaren) tarde, faltara a justica se deixasse de dar os meus
passado, que, nos termos do art. 86 da le o 602 de' os meios necessarios para empreheDder essa | agradecimeatos aos Srs. offlciaes do exercito e da
19 de setembro de 1850, fosse prestadada a torca obra. guarda nacional, que a eavallo reunidos ao meu
da guarda nacional que esse juno, ou o delegado: Eia pois, eu julgo agora occasio azada para en-,! estado maior, e a p, abrilhanlaram com as soas
reqnuilasse, oenhum venciraento podem perceber! celar esses traoalhns, visto ter elle algara matereal i preseras o acto do embarque ; bem como aos
tro do inimigo. .
De Bueoos-Ayres parti no da 5 para as Tres
Boceas a terceira diviso da n&ssa esqcadra, com-
posta do Jequitinhonha, Aragnary, ljualemy e Tpi-
ranga, e commaodada pelo capilo de mar e guer-
ra Gomensoro. Consta que a segunda diviso se-
*
[ILEGVL


Diario de FeruMbueo Terea felra t de Malo de i 8e&
gulr tambem trettmente para o mesmo GeslH, rias eom o governo do general Mitre resaltar a
onde vo realisar o b!oqudo- raguayos.
Aqu chegou no dia 5 o Sr. vicealmirante U-
conde de Tamandar, que veio, segando sapnonho,
conferenciar com. o ministro Ociaviano.e general
Oiorio sobre a prxima campanha, cojo plano,
com tudo, at hoje um mysterio.
bravo almirante tem sido objecto de demqn
servara como ara padro coraraum de gloria a lem
branca dos nobres Jeitos de 1803.
Desde hornera se acha era Montevideo o general
Hornos. Parece qne veio oBereeer os seus servi-
dos ao general Flores, no caso de querer o gover-
nador provisorio tomar parte na campanha do Pa-
raguay. Com elle veio o velho e valeate general
tracoes ?s mais lisongeiras por parle da sociedade oriental Fansio de Agniar, o beroieo cotnpapheiro
oriental. Ovaeoes, cora* ter-tdas pelas delicadas do chefe da revdocao de 183, e cajos servidos
mos das geniis Montevideanas, banquetee, bailes, foram por mais denuma vez testados cora o pro-
nada tem fallado paras igoifhar o apreco em que prlo sangne. Agaiar acha-se hoje quaii invalido
aqui fe tem es relevantes aervicos em prol da ac- dos dous bracos em aensequeacia de graves ferl-
tualidadu da repblica. meatos'.
Para o dia 24 preparase un grande baile em o paquete Brasil chegou hontem a este perto, e
bonra dos generaw olaenes do exercito e arma- segundo as noticias que trouxe sabemos que de-
da brasileira. viam partir dessa corte varios transportes condu-
Foraro reintegrados <>m seus postos os offlciaes zmdo cerca de 4,000 pracas. Que venham sem de-
arbitranamente destituidos pelas passadas admi- mora todas as forcas de que se puder tancar mo,
nistracOes. Entre esses olUciaes arliam se os coro- seja como fr, pois vale mais fazer grandes sacri-
neis Rebollo, Pallija, Guerra, Larrobla e Acosta, finos de urna vez, do que prolongar um mal que
que lautos services prestaram a causa liberta- se aggrava pela mesma demora.
do; roas diz-me nm homem que estase preso pelos
Paraguayos e fugio que elle vio eosDocradoagtu
sepultura ou cova com muitaufdate aorta dentro
eque suppe que essa gente fo a qne pereceo ti
explosao da caso.
___
_
_________________________
ft>*i2 ^P^t0'Sant0' e. al/ees de co,mra'ss5. i lie nos tempos gloriosos do clirlstlanismo insplrou
rgento Jos Soares Cupim Ju- a famosa legiao thebana essa firmeza indmita.cora
que ella preferio antes ser deVimada at o ultimo
nior e o t* sargento Nicolao Alves Setubal', todos
jaara a referida companhia de atlradores zuavos a
r^SwiS'5S5!^^55aws
dora.
Hontem aqu chegou o coronel Palomeque. essa
qulxoleca personagem, que to brilhaote figura fez
nos ltimos das da presidencia de Aguirre. Com
elle vieram outros personagens blancos, queja se
vo desengaando de que de Entre Ros nada ha
que esperar em favor de um partido amaldicoado
por todos os que presam a dignidade humana.
Tamben aqui se acha o bravo coronel Fideus
Paes da Silva, que, segundo me consta, veio se of-
fereser ao general Ozorio para organisar urna di-
viso de voluntai ios para a guerra contra o Para-
guay. E' um valeate que devemos aproveiiar.
Foi reoebido pelo governo provisorio o Sr. Vir-
gil, encarr6gado de negocios do Per'.
Causou bastaole sensago aqui e em Buenos-Ay-
res um decrete do governo provisorio readmittindo
na Repblica a eongregaco da companbia de Je-
ss, ha o annos fra desterrada pelo governo de
Gabriel Pereira.
Foi por cerlo um-acto pouco meditado que, pelas
circumstancias anormaes em que se acha o paiz, e
mesffio pelos prejuizos religiosos que anda domi-
nara a-sociedade de urna e ouira repblica do Pra-
ta, podena acarretar graves difflcoldades. Feliz-
mente-a polmica vai-se acalmando, e de espe-
rar que essa medida lique sement no papel, vis-
ta da sua grande impopulandade.
Parte da imprensa tem censurado vivamente o
ministro italiano pela sua demora em entregar a
ilha da Libertad, cuja alienarn pelo ministro Car-
reras, foi condemnada pelos proprios italianos aqui
residentes.
fe Buenos-Ayres temos datas at 8 do correte.
A repblica coniinuava em sua marcha pelas vias
da paz e do progresso, desvanecidas J todas as
apprehensoes que despertaram os successos de
Cordova, de que fallei na rainha correspondencia
anterior.
O governo ordenara a partida do vaper Vmte
Hinco de Mata para Corrientes, levando este tam-
feem um contingente de trepas, alim, segundo pa-
Tece, de resguardar a frontefra pelo lado do Para-
guay.
A' chegada do nltimo vapor do Paran correr
na bolsa o boato de que os Paraguayos ameaya-
vam invadir a provincia de Corrientes, alkn de
ahi provocarem um pronuuciamento em seu favor.
Dizia-se tambero que no mesmo vapor viera um
emissario do presidente Lpez com urna nota para
o governo argentino, cujo objecto suppoe-se ser a
sua prctenco de fazer pasear as suas tropas pelo
territorio currentino, preleneo essa que este go-
verno est muito resolvido a repellir m /mine.
Do Paraguay pouce consta de interesse. Traba-
lhava-$e coro afinco as forliieacoes deflotaait,
enjo commando fura confiado a um general Hjblez.
Nao se permiUia mais o desembarque nesse ponto
aos passageiros dos vapores que navegam entre
Boenos-Ayres e Assumpcao, per desconfiar o coro-
mandante paraguayo que pods-am elles transimt-
tir ioformacoes sobre as mesmas forxicacoes.
Houve apenas exc-'pcao dessa prohibigao em favor
- assassino Coriolano Mrquez, ba pouco escapa
A alfandega de Montevideo rendeu no raez de [ dioario
tretanto a historia da explosao dos Douradea tem
verosimilhaoea.
Foram opristoMdos los Paraguavos, em um
ponto do ras S. Lenrenco, o capillo de animara
Conrado, e os tenentes Caroargo (da provincia) e
Panla Correa. Um soldado agarrado e amoscado
peteinimtjgo foi mostrar onde elles se achavam.
* E' natural que muita gente teoha perecido
nos banhados Togada e de fome.
t Apresentou-se sao e salvo o piloto inglez Bar- j de 8 do corrent'e mez.
Ker, que esta no Anambahy qoando este vapor ba-
teu-se em Coimbra, e delle sabio para trra com a
mais gente no sen nltimo combate com os Para-
guayos. Este piloto, que servio sempre como bom
chefe de pega no vapor, disse-me que era extraor-
Qoartel-mestre do batalkio de cacadores da Ba-
ha, Sr. aHeres do mesmo baulhao Kaymundo de
Aimeida Sampaio.
Alferes de comraissao para um dos cornos de vo-
luntariosda provincia de S. Paulo, e Sr. i- cadete
1* sargento do 4* corpo, Eugenio Luciano de Sam-
pai".Em 8 do corrente mez.
Alfere de comraissao, para o Seorpo de volun-
tarios da patria, o Sr. Joo Leao Satammi.Aviso
marco 274,000 pesos fortes, e a de Buenos-Ayres
duzentos milhes de pesos (papel) em cerca de
i .60:0005000 ; renda de que nao bavia aqui
exemplo at agora, e que raais urna prova do
qoanto podem e podenaro ejtes paizes, se sempre
tivessem governos que tratassem de aproveitar os
seus elementos para o bem estar geral, era vez de
os malbarateare aniquillar'em luas esteris.
INTERIOR.
RIO DE J tMlIKO
11 de abril.
Escrevem-nos do Catalo, na provincia de Goyaz,
com data de 16 maree :
A noticia da invaso das tropas paraguayas
na provincia de Malo-Grosso causou aqui um pni-
co bem desagradavel.
< O commandante superior, Antonio da Silva
ParanhoSj prevendo as consequenciasque pederiam
resudar desse teiror incutido a parle menos civili-
o numero dos inimigos qne mornam em
Coimbra sob os fogos do vapor e do forte.
< O commandante das armas ahi vem, segundo
nos dizem, cortando o:, banhados em urna canea...
Ah I bravos e Infelizes soldados do 2o de arti-
lharia e de artilharia da provincia!... Elles ctio-
ravam abandonando Corumbll... Vociferavara
a bordo e diziam que embarcaram julgando que
tara retomar Coimbra 1 Que soldados I que bayo-
netas I...
< Adeus, meu bom amigo. Faca da sua parte o
que poder para que nao digam que estaraos na
Urna. <
20-
De urna carta datada de Cu yaba, em 27 defe-
vereiro prximo passado e dirigida pelo Sr. lenen-
te-coronel Hermenegildo de Aibuquerque Porto-
carreiro a um seu amigo nesta corte extrabimos
os trechos segnintes, que aioda referem com vivas
cores os borriveis alternados pralicados pe s Pa-
* j raguayos na provincia de Malo-Grosso:
Depois que Ihe escrevi as ultimas duas cartas,
datadas de 23 e 24 do corrente, teera chegado de
baixo noticia- lo horrivels dos desatinos, deshon-
ras e assassinatos commeltidos pelos Paraguayos
por todo o no, mxime no Mangaval e Sara que
sada da populaco offereceu os seus servicos ao ; no s f fe|,0 presumir com sj -^ 2T
governo, ou o fardamento para dez voluntarios da | ol,ac uoom a oc,/,i... J^mS^IZZtSL '-
elles veem a esta capital mais dias menos dia, co-
mo que devemos salvar o menos nossas familias
da deshonra,anda a todo o cu^o.
No Sara aprisionaran! em urna canoa o capi-
tao do meu corpo Antonio Jos Augusto Conrado,
que era o melhor capito que eu liona, bello bo-
mem, offlcial bravo, muito intelligente, de educa-
rlo exemplar, um dos que mais se distingoiram
no fjrte de Coimbra, o 2o tenente Jos Maria de
Oliveira Barbosa, e o Io tenente secretario Antonio
de Camargo Bibeiro, degolaram cruel e brbara-
mente o capito e o 2o tenente; dispensando o Io
lente secretario por ser muilo velho e pelas sup
plicas que fez, contentaram-se em dar-lhe muitas
bofetadas, e levaram-o a poniaps para o poro,
fazendo-o rolar pelo chao.
.uir pedindo para que dem um passo frecte lo- ^ ^S^T^^ZT) EfMK
dos os guardas que se quizerem alistar voluntarios | ,ntM .m,^. ____: -_.:..:_..._.
da patria; do resultado daremos parte opportuna-
mente.
O ultimo correio trouxe-nos a proclamaco do
vicepresidente da provincia Dr. Joo Bonifacio Go-
mes de Siqueira aos Goyaoos : esta peca official
um monumento de gloria para o Ilustre delegado
do governo imperial.
I I Hi i II
Falleceu ante-hontem com cem annos de idade
patria.
Esta offerla patritica honra muilo a nobreza
de carcter do bravo chefe da guarda nacional des-
la comarca, que nao lem poupado larabem sacrifi-
cios para a organisacao de um corpo de volunta-
rios, contando j o numero de 15, que se vai aug-
mentando de da em dia.
i A populaco desle municipio est toda agitada
com a notifieago que mandou facer o coronel Pa-
ranhos para a revista da guarda nacional no dia
20 do corrente.
Pretende elle nesse dia fazer urna proclama-
gao em frente do batalhao, apreciando ligeiramente
a aiiitude hostil das duas repblicas do Prata e do
Paraguay, mostrar a necessidade que ha de soccor-
rer nossos irmos e vizinhosde Maio-Grosso, e con-
Atferes de commissSo, para um dos corpos de vo-
luntarios r'a provincia do Rio Grande do Sul, o Io
sargento do t corpo Jos Ataliba Nielsen; e para
o da provincia de Matto-Grosso, o Sr. 2 cadete 1-
sargento do corpo de guarnico de Minas Geraes
Rodrigo de Paula Xavier Felicissimo.Em 7 do
corrente mez.
Alferes de comraissao, para o 2o corpo de volun-
tarios da patria, os segundos sargento do mesmo
corpo Jos Mor eir da Silva Menezes Jnior e Joo
Ribeiro da Silva Menezes.Aviso de 4 do corren-
te mez.
Alferes de commisso, para um dos corpos de
voluntarios da provincia do Rio Grande do Sul, o
Sr. Antonio Luiz Ribeiro, e para um dos da pro-
vincia de Matlo-Grossq, o Sr. ex-cadete sargento do
exercito Candido Lauriano de Pinho.Em 12 do
corrente mez.
Foram designados para servirem na referida pro-
vincia de Matto-Grosso, os Srs. alferes de commis-
so Amare Francisco de Moura, Alexandre Henri-
ques de Escragnolle, Jos Luiz Alexandre Ribeiro.
Jos Lino da Rocha, Benlo Luciano da Silva Cor-
deiro, Diamiro Ferreira da Motta Bandeira, Joao
Baptista Pereira Andrade e Joaquim Marques de
Carvalbo.
Exoneracao.Do Sr. capito do corpo de estado-
roaior de 2* classe Bernardo Joaquim Correa, do
lugar de escriturario da segunda directora geral
desta secretaria de estado.Portara de 7 di cor-
rente mz.
Transferencias.Vos, Srs. capltaes :
Joo Carlos Galhardo, do batalhao de deosito
para a 8a cempanhia do 8 batalhao de infamara ;
Joaquim Cardoso da Costa, deste batalhao para a
3" companbia daquelle.Decreto de 31 de marco
lindo.
os Srs. Jacobina, e Aquino Fon-
soldado do que faltar ao sea dever.
Briosos voluntarios, o Brasil inteiro vos con-
Orara ainda
seca.
Encerrada a discusso, rejeitade o requer-
monto de adiaraento.
Indo proceder-so a *ota{So do aditivo, requer
templa veado-vos correr intrpidas aos campos do ft Paraguay com aquelle mesmo enthusiasmo edeno-1 s3n^IS.u.e s.1 faJCi!S,a._r.P.i.r.,e!:
do com que outr'ora vossos pais e muitos de
vos correstes aos campos historeos do nosso Pi-
raj.
Hoje sacrificaes os vossos commodos e as vos-
sas vidas ; mulheres, Albos, mais, tudo abandonas-
tes pela honra da Baco, como outr'ora expuzestes
vossos peitos dectemidos pela sua independen-
cia.
Eris enlp un povo escram e bisonho na ar-
te da guerra, e, nao obstante, os louros da victoria
cingiram vossas frontes; hoje sois ora povo livre,
ainda nao vencido, e nem o haveis de ser nesta
causa igualmente justa e santa. Vossa misso a
mais nobre e sublime, liles punir os crimes, com
que a mais prfida
e ao
venci-
So approvadas as duas primeiras partes, que
dizem: H
Fica o presidente da provincia igualmente
autorlsado a conceder ao baenarel Antonio Annes
SSSSt Pires- e Ate*ndre Amancio de Caldas
urando, ao primeiro um anuo de cenca,
segundo seis mezes, eom todos os seus
menos.
E' rejeitda a ulma parte que diz:
, ......e restituir ao segundo os descontos
tonos no seu ordenado pelas Itecncas da presiden-
cia e raltas ocasionadas por molestia provada
perante a thesouraria.
Sogue-se a segunda discusso do projecto o 7
deste anoo, alterando a diviso actual dos dislric-
paz da freguezia de Nossa Senhora das
e selvagem ingratido tem ul- ,
irajado o solo brasileiro, a civilisaco e a humani- Monttnhas de Cimbres.
/desvingaropudor olendido das familias, a
innocencia manchada das enancas, o sangue der-
ramado de tantas victimas sacrificadas a um furor
hediondo, de que se horrorisariam as proprias fe-
ras se o pudessem romprehender a sentir. Ides
desaggravar a*eliglo de nossos pais profanada
nos seus mais santos preceitos da moralidade e da
lT'oV Xa raemhUr a'iberdad,e a ura S0T0 ?e- deste ,
esma"a 'C de Um lyrann0 ***** eueijo e Mandioca.-S. R.-Braulio.-Tei
esmaga.
Castigando a sua audacia para comnosco, le-
vis ao mesmo tempo a salvaco aos proprios ar-
raiaes dos inimigos.
Voluntarios das mais bellas das causas, vos
ides receer agora perante Dos que vos v, e todo
este concurso que vos admira e applaude, a vossa
invensivel bandeira das raaos do vosso augusto im-
perador : ao entregar-vo-la elle espera, espera lodo
o Brasil, que um dia restituiris pura, gloriosa,
immaculada. Res9onde a essa alta confianza com
as palavras da sua legenda; jurai, que eu liberta-
reis a patria ou lodos morrereis por ella.
Depois deste discurso, dizendo o mesmo Rvm.
celebrante as palavras do ritual respectivo a entre-
ga da bandeira, receben a do Sr. ministro da guer-
ra e deposilou-a as mos augustas de S. M. o Im-
perador. Ene, adiantando-se, para recebe-l, bei-
e entram conjuseta-
menle em discusso os segrales addilivos:
Propomos como addilivos ao projecto n. 7 os
artigos do projecto n. 26 deste anno.-Franciseo
Pedro Buarqoo. >
Fica igualmente creado mais um distrlcto de
paz na freguezia do Bonito, com a denominaco d
districto da Cabilleira, e composto dos quarteires
mesmo nome e da Capivara, Onca, Caran-
xeira de
Mello.Vietor Correa.Rochad Benedicto Fran-
ga. Ayres Gama.Manoel Netto.
Fica igualmente creado um dislricto de paz na
freguezia do Limoeiro, o qual ter a denominaco
de Malhadinha, e comprehender o dislricto da
subdelegada do raesuio nome.Souto Lima'.Cu-
nda Teixeira.
Encerrada a discusso, approvado o projecto-
com lodos os addilivos.
A' requenmento do Sr. Amynthas dispensa a
assembla o intersticio.
Entra em 2' discusso o projecto n. 47 deste
anno, mandando construir ura acude na villa de
Nazarth.
Vera a mesa os segointes additivos, que slo
apoiados e entram conjuntamente em discusso:
Fica o presidente da provincia Igualmente
sua\v&jttititffSiX
das.
do
do de Montevideo. Para essa classe de gente es
to franqueados os domisios de Lpez.
Entre a mesma fortaleza de Humait e a As-
sumpeo fra estabelecido um systeraa de eommu-
nica^o por meio de destacamentos collocados de
distancia em distancia por todo o camiaho.
Do Pacifico as noticias alcaneam at 13 do pas-
sado.
O Chile coniinuava em paz.
ffa Bolivia triumphra completamente o general
rio rmT"E^?J"?^"'"i',* "*" V>t^rmia proviso
"""7, ; gratado receiava-se sempre al-
S ?!,r,-orbaciS> oelo estado de desmorali-
sacau e anarchia em que se acha o paiz.
No Per o governo descubrir una conspiraco
tramada pelo general Castilla, cuja bandeira era o
desconbecimento do ultimo convenio com a Hespa-
nha. Foram presos varios individuos, entre os
Mes o proprio marechal Castilla, a qnem imme
diaiamenle transferirara para bordo de um navio
de guerra. Apezar disso, estalaram varios pronun-
ciara, ntos em Bella-Vista, Islai e Arequipa, onde
o coronel Prado deca rou-se chefe. do estado. Os
revolucionarios tinham-se apoderado 4e dous na-
vios da armada peruana, e iara ganhando em seu
favor todo o sul da repblica.
Em Venezuela o general Falcon fura eleito por
unanimidade, em todos os estados, presidente da
repblica.
Nada mais.
-13-
Peuco adiantam as noticias que agora leva o
Saintonge s que foram pdo Recife, d'aqui partido
ba quatro dias.
Disculem-se por toda a parle os pros e os con-
tras da dec.'araco de guerra do Paraguay repu-
blic i Argentina. E' a que-lo do da, e, em falta
de BDJieiu positivas, chovera as conjecturas mais
ou mnos exageradas. J nao falla quera d como
realizada a invaso de Corrientes, a tomada do va-
por argentino Sallo e o aprisionamento de varios
prtennos que se achavam em Assumpcao.
Com quanto nenhora desses acios possa ser es-
tranhado partindo do mareehal de novo cunho, j
celebnsado pelas facaohas do vapor Mrquez de
Olinda, e captiveiro dos seus passageiros, comlu-
do, cumpre-me dizer, como imparcial noticiador,
que lodos aquellos boatos carecera de confirraaco.
O que ha de positivo era ludo o que corre a
chegada Buenos-Ayres de um emissario do presi-
dente Lpez, a immediata compra,por parte dos
seus agentes coraraerciaes de grandes quanlias de
quro.
Esse facto e o regresso sem a menor demora do
emissario paraguayo, que, por outro lado, coinci-
dan! com vagos rumores viudos de Corrientes,
causaram profunda sensaco em Buenos-Ayres,
dos publicos, que at ento se bavia ra constante
mente conservado-era alta. Sabe-se bem da intima
relacao que ha em .lodos os palies entre a aciola-
gem e a poltica; e, pois, nao de admirar que
das operaces flnanceiras dos agentes do presiden-
teonf,zsededqzissem os seus projeetos bellicos.
Da bolsa passaram logo os boatos ao dominio da
imprensa, que, excepeo de um jornalito ao sel-
do de Lpez, ro unnime em manifestar a satisfa-
go qUe sentcm os Argentinos pelo apparecimonio
de urna eventualidade, que ibes faculta a oceasio
de tom0rem parte na cruzada santa para a ema-
eipacao de ura povo americano, que gerae nos fer
ros do mais borrivel capaveiro.
E esperado a todo o instante em Buenos-Ayres
um vapor de Assumpcao que, segundo so cooiee-
turara, devia ser conductor da declaragao de guer-
ra ao governo argentino. Tamhem corria o boato
de que o general Roblez, eommaniaave de Hu-
mana, se a*bava frente de um exereito da 13,000
bomens, que deria invadir a provincia de Corrien-
tes com ordem de devasta-la e saquea-la completa-
mente, aim de nao deixar recurso alguoi ao exer-
cito brasilero, que o governo paraguayo suppoe
que o venha atacar por esse lado.
A esquadra brasileira composta de oito canhonei-
ras e um transporte passou oo dia 3 per Martin
Garca era directo ao Paran. Sao as duas pri-
meiras divisoes e vo cammandadas pelo capito
i TFl e 6uerra Segundino de Gomeasoro. No
Ta a pnr"r *lerceira commando do che-
le de diYjsao Barroso, e conduzir tambera o nosso
intrpido almirante, o Sr. wiscopde de Tanaandar
cuja demora aqu lem sido motivada pelas ecess-
dades do servico. Continuadas conferencias tem
elle tido com o general Osorio e conseiheiro Octa-
vuno, hasendo-se, por fim, segundo peuso, assen-
tado no plano de campnha, que diiem-me come-
cara por m reconhecimento em regra das fonifi-
cacoes de Humait pela nossa esquadra.
Consta queja foi intimado o cloquera dos portos
do Paraguay e dos da provincia de Matto-Grosso,
boje oceupados pelo imraigo.
Esta tarde deve partir para Buenos-Ajrre, onde
anciosamente esperado, o Sr. conseibeiro Octa-
viano. Toos presentera quo das suas eonferen-
com
Bernardina Francisca da Conceico, Fluraineuse,
viuva.
12
O decreto do ministerio da fazenda de 3 do cor-
rete, que publicamos em outro lugar parece sa-
ii.Nf.uer urna necessidade ha muito sentida por
quantos desembarcavam em nossas plagas etmh :m
de retirar a bagagem do
julgo: cercaram toda a povoago, aprisionaram
400 e tantas pessoas, incluindo cento e tantas mu-
lheres, metteram estas e aquellos entre duas gran-
des escoltas e dirigiram-se para o porto,'^tslanie
cinco leguas. Neste trajelo, sera o menorTespeito
ao pudor, cynicos e barbaros, os soldados ferozes
como tigres, e os offlciaes rindo e imilando-os, a
nenhuma das miseras prisioneiras pouparam da
deshonra, deixando-as seguir a marcha semi-nuas
sob as chafas e os applausos de toda a forca E
tudo isto succedeu juoto aos maridos e aos pais,
que lam prisioneiros como ellas.
A bordo dos vapores teera-se dada os mesmos
horrores.
A' vista disto, estou resolvido e j estou dando
os primeiros passos para enviar minha familia
or ierra, por Goyaz e S. Paulo para essa corte,
licando eu s aqui, nao s porque nao posso res
a bagagem dos armazens da alfanlega.
O systema actualmente adoptado nesse expedien- ponder ao meu onselho enTnen'huma palle seno
te o que se pralica em taes estacoes nos nnnoi nesta provincia, como or ser militar e correr-me
provincia, como por ser militar e correr-me
o dever de comparecer para defeza da capital, no
caso de ser atacada a capital, como se espera.
Assim rico satifeito, cumprindo dous deveres
sagradossalvar rainha familia da deshonra e ex-
por-me como soldado : o mais pertence a Deus.
- 21
L-se na Reforma Pacifica de Montevideo de 14
paes porlosda Europa : a desciberta de um >im-'
pies objecto sujeito a direilos nao causar iimis a
demora da bagagem por tempo indefinido ; smpli-
ficou-se, como era justo, o processo necessai io; o'
conferente promover inmediatamente o respecti-'
vo despacho, que seguir os tramites ordinarios sem i
retencaodo que esiiverfra da tarifa.
No que se deprehende do decreto ha proficua eco-! do crreme
nomiade tempo, e portanto um mellioramento que Sabbado, a bordo do brigue brasileir Infeliz,
desajamo se esteBdr- *- '" J dminis- fundeado actualmente em nosso porto, um raari-
2 2}J. ^ig?; cre^rquTnt s'eTflf t,rjfia^8^fue^eu rfiS5!2^S
perflua urna explicaco quanto aos dias santificados! momenios antes.
em que se mterrompe na alfandega o resto do ex-: A victima estava assentada de costas para o
pediente de que esse parece .desligarse. I asassino quando este accommetteu-a enterrando-
Erabora julguemos intuitiva a boa interprelac,ao Ihe a faca at ao cabo,
da le, nao impossivel que ainda assalte a muitos' O criminoso est preso e vai ser julgado com
o receio de ver demorada a sabida da bagagem em toda a severidade.
um dia santo por nao estar presente o empregado' 53 _
incumbido do calculo de dlreitos. A nosso ver, es- ] O governo comprou companbia brasileira de
te e o immediato pagamento nao devem depender | paquetes a vapor por 840:0000 os vapores Oya-
das outras repartidos "da alfandega; e esta bre- pock, Apa e Princeza.
vidade que applaudimos. __24 __
13 Da ordem do dia n. 443 expedida pela reparti-
halleeeu ante-hontem com 124 annos de idade gao do ajudante-general em 21 do corrente, consta
Mara Joaquina de Mendonca, Fluminense, viuva.'
. segrate juramen
to : Juro, perante Dos e os que me ouvem que
defenderei esta bandeira que me acaba de confiar
S. M. o Imperador, emquanto tiver as veas urna
artilharia do Amazonas, e Jos Maria dos Aojos
Esposel, do 4o batalbo de artilharia ap, para o
Io da mesma arma.
Primeiros tenentes Joo Baptista Marques da
Cruz e Francisco Antonio de Moura, do bata-
lhao de artilharia a p, o primeiro para o 4 bata-
lhao da mesma arma, e o segundo para o corpo de gotta de sangue..
ar"'h do Amazonas i. As palavras de S. M. o Imperador foram arolhi-
mi .. oa1u,m Roberto da Silva Rangel, do das com estrondosos e entusisticos vivas sua
4 batalhao de infamara para o 6 da mesma ar- augusta pessoa, naco brasileira e aos voluntarios
ma ; e Miguel Vctor de Mello e Aibuquerque, des- da patria, vivas que j se haviam levantado ao fin-
lepara aquelle batalhao. dar o acto religioso, e que continuaran) durante o
cadete do 3o batalbo de artilharia a p Fre- embarque.
nos lugares designadas
l"|da Villa Bella.Araujo Barros.
Fica igualmente
na villa do Limoeiro,
do batalhao dos voluntarios da Baha disse-lhe). 11 me e Dar, :
Eu vos confio esta bandeira e espero que a de- ""'q,\'L~ a .
fendais accrescentando em seguida Recebe! SST" des,,'!nad,,s Pelas respectivas cmaras
Pnmeiros tenentes Amphr.soFialho,do corpo de este abraco e Iransmiui-o aos vossos cmara-. ""?,??.f,?.e !.Para J. reparos do acude publica
O mencionado commandante com a bandeira era '% SSL SE*. I ^T
punhopronunciou em alta vozoseguinte raramen- RwaSSSllSSft Pertencen e at -
mo ao umopiro, podendo-se despender ate a quan-
tia de 1:300-5.Soutc Lima.
construir nm
ao ter-
derico Albano Cardozo Pinto,
de infantaria.
para o 11 batalhao | Este eflctuou-se na melhor
-----__^. ,,,, ordem passando a s
; Jfraomm.-Ao Sr. capito do 10- batalhao de m- te para este fim no arsenal de marraba, laucada de .3..""" ".0....A-"R(,S
rantaria Francisco Antonio de Carvalho, que tem ierra para o Oyapocka\H atracado
de responder a conselho de guerra, foi concedida i Sua Magestade foi ento a bordo deste transpor-
esta corte por raenagera.Em 12 do cor/ente te de guerra, e tendo examinado minuciosamente
todas as accommodacoes despedio-se dos comman-
Oram os Srs. Araujo Barros, Soulo Lima, e
Campello, offerecendo este ultimo senhor o seguinte
requerimento, que apoiado :
Bequeiro que sejam additadas ao projecto
todas as emendas apresentadas hontem para a con-
tinuacao de acudes e encanamento d'agua.-Cam-
pello. v
Encerrada a discusso
com os additivos, sendo
approvado o projecto
rejeliado o requerimento
requer dispensa de in-
assembla, decide pela
17
Consta que vai ser nomeado
o segrate
Aviso.~Gabinete do ministro.Ministerio dos
commandante das negocios da guerraRio de Janeiro, em 17 de
ReparUrao fiscaLChefe, o Sr. Francisco Au-
gusto de Lima e Silva, com a graduacao (fe co
ronel.
armas na provincia do Para o Sr. marechal do abril de 1863.-Determina Sua Magestade o Impe-
Campo Francisco de Arruda Cmara. rador que V. S., de conformidade com o art. Io do
u W decreto n. 3,371 de 7 de Janeiro ultimo, segundo a
Fomos anda obsequiados com urna carta esenp- 'aulorsacao verbal que por este ministerio Ihe foi
ta de Cuyab em 1 do passado, narrando algumas dada logo que se completou o 4o corpo de volunta-
circumstaocias das aggressoes dos Paraguayos. | rios da patria, orgaoise um outro corpo com a nu-
Della extrabimos o seguinte: meraco de 9o, que ser eomposlo dos voluntarios
a Hoje oreio que deve partir para essa corte um ja alistados nesta corte, com excepeo dos que de
correio do governo, por issso escrevo esta, aprovei- seu motu proprio quizerem servir ero qualquer cor
lando a oportunidade ; e, desejando que as minhas po do exercito, devendo o dito corpo ter a organ;-
letras nao quera coraigo, vai o que escrevo apres- saco adoptada para os hatalhes do cacadores al
sadamente. ulterior deliberaco.
Por aqui nao ha senao derrotas. O termo Previno a V. S. de que fica antorisado para no-
mal apphcado, porque para haver derrota preci- mear os offlciaes para o referido corpo, os quaes
so que haja forcas em opposico de outras, e Vmc.: eomo ja est determinado em os avisos de 10 dos
sabe que estajirovincia eslava desguarnecida para mezes de fevereiro e marco ltimos, podero ser
guerrear, e s guarnecida para negocios eleitoraes, tirados dos effectivos do exercito, dos reformados
esse cancro que devora o Brasil. ou da guarda nacional que voluntariamente se of-
Hontem correo aqu que os Bolivianos ocen- ferecerem.
parara a Corita, ste ponto traba, segundo me di-' Deog guar(ie a V. S.Visconde de Camamu' -
zem urna guarda de tres pracas I... Entretanto Sr. Polvdoro da Fooseca Quintoilha Jordo
ven tica se e que en sempre suppuz, isto que os Nomeacdes.-Por aviso de 28 de marco lindo fo-
Bolivianos es tao de maos dadas com o Paraguay, ram nomeados para a caixa militare repartico fis-
Em outra carta que Ihe escrevi contei-lhe que cal, que tem de acompanhar as forcas que se des-
se acnou nos Donrados um corpo que pareca ha- tinam provincia de Matto-Grosso, os seguinles
ver sido surrado. tsegundo pessoas fidedignas que empregados.
tem vindo foragidas de Corumb, e que passaram
pelos Dourados, julga-se ser esse corpo do piloto
Israel qne comraandava o Anambahy, estando o
chefe da flotilha a bordo delle. As mos tinham si- Offlciaes, o Sr. Modesto Benjamn Lins de Vas-
do cortadas, e achavam-se inteiras no chao. No concellos, com a de major, e o Sr. Jos Carlos de
mesmo sitio Dourados viram urna grande sepultu- Fara, com a de capito.
ra eom urna cruz em cima, e contam que foi feila Amanuense, o Sr. Jos Joaquim Pereira Penha
para os Paraguayos que pereceram no combale do com a Je tenente.
Anambahy com os qoatro vapores da repblica. Cauca militar.Pagador o Sr. Candido Pires
uo Anarnbahy desmontou se o rudizio de r, cujo de Vasconcelos, com a graduacao de major.
espigao de rotacao foi arrancado com parte do con-1 Offlcial, o Sr. Eduardo Carlos Rodrigues de Vas-
vez pelo recuo da peca na carreta oa no estrado, eoncelbs, com a de capito.
"'-' BolL~ V V" ..............,..........I Fel> Sr Joio Antonio da Triodade Jnior,
criamos desterrados em urna provincia Inva- com a de tenente.
dida ja era parte, e apenas com rail guardas naci- Amanuense, o Sr. Flacillo Pulqueiro Marnho
naes era armas, que anda o ontro da vi que ne- ora a de alferes. '
fMwttg "Mito exercicio de fogo, porque ba alguns Foram tambem nomeados :
(em 390 homens) que de o tiro virando a cara pa- Tenente-coronel de comraissae, eemmandante do
ra o lado ppposto I Na cidade nao ha fortificaco corpo de voluntarios da patria, o Sr. malor de
de especie alguma I eaallaria Carlos Betbz de Oliveira Nery ; deven-
''Vi:..................:.........do o coronel da oaesnia arma Joao Manoel Menna
ue paraguayos teem aprisionado paisanos, mu- arreto recolber-se ao regiment a que pertence
raeros, etc., pelas margen do S. Loureneo e Cuva- dSm M do corrente mez.
M. Neste chegaram aiB foz do Pirahy, que nm Teoeote-corooel de commisso, commandante do
braeo do mesmo Cuyaba. Tem ebegado alguns sol- 9 corpo de voluntarios da patria, o Sr.tenenle-co-
aaaos tanto dos perdidos depois do combate do ronel graduado do corpo de goarnico de Mara-
Anambahy, como dos que se esparramaran), atan- nho, Domingos Jos da Costa Pereira ; major fis-
ionado que foi Corumba pelo comroaodaote das cal, o 6r. capitn do corpo de goarnico do Ama-
arma?;. ooas, BeneAelo Jos de Barros :e alferes, s Sra.
Alem do corpo do piloto Ismael, foi adiado o Jos Nobroga d'Ayrosa, Joo Gomes Ribeiro de
do esenvao Musa com duas balas as eostas. Es- Avallar Werneck e Antonio Gomes Ribeiro de
te foi fendo sem duvida quando ia pulaodo para o Avellar Werneek.em 19 docerrente mez,
mato, coro mais gente do vapor. Majer de commisso, para o 3* corpo de voiua-
Conta-se tambem o segrate: urio6 da patria, o Sr. capito daeompanhia de ca-
Ao retirar-se o 1" lenle Durocher dos Don- adores de Sergipe, Jos Cesario Varella de Fran
rados com mais tres praeas e o eserivo, que era ca.Em 12 do correle mez.
o desiaeanwnlo daquelle ponto, dizem, flera preso! Capilao de commisso, para o f> corpo de vo-
um eo em urna pequea casa, e nesta casa havia iuntarios da patria, o Sr. Angelo Antooio Come-
plvora guardada; o eo, preseotindo gente, la- lio de SouzaGralha.-Em 1* do corrente mez.
dren ; e essa gente era o ioimigo, que, suppondo Capelio do corpo de voluntarios da provincia
haver algumas pessoas dentro de casa, cercon-a e das Alagas, com a commisso de capito, o Sr. ca-
SU???*!*: l*0' aperando que quem ^estivesse pellio capilao da guarda nacional da mesma pro-
vincia padre Domingos Fulgino
lleforma.-?or decreto de 3 do corrente mez foi danles e offlciaes dos corpos expedicionarios e vol-
reformado o Sr. capito do corpo de guarnico de I ton ao arsenal.
Minas-Geraes, Joaquim Jos Morera de Mendonca, Ahi emtarcou na sua galeota a vapor acompa-
a cooformidado das disposigoes n. 648 do Io do f nhado dos seus semanarios, ministros d imperio
art. 9 da lei de 18 de agosto de 1832, visto soffrer guerra e marinha, inspector do arsenal chefe d
molestia incuravel que o torna incapaz do servico. estaco e capolo do porto, e dirigise ao asylo de
Uesignacoes de reformas.-A do Sr. major do 6o Santa Leopoldina, a visitar os voluntarios do Cear
batalhao de infamara Elias Jos da Silva no pos- all aquarlelados, retirando-se para a curte s 3 ho-
to de tenente-coronel, vencendo o respectivo sold ras da tarde.
pelas leis do I dedezembro de 1841 e de 14 de No Oyapock embarcaram 430 pracas de volun
jullio de1883.Patente de 22 de marco findo tarios da Baha, 560 do corpo policial do Para e 30
A da Sr. capito do corpo de guarnico de Minas- e tantas pracas de outros corpos.
Geraes Joaquim Vaz da Silva no posto de major ___ _______
vencendo o respectivo sold pelas leis do Io de de- w^h^whbhhhsssh^p"
zembro de 1841 e de 14 de julho de 1833.-Patente
de 6 de marco findo.
A do Sr. capito do corpo de guarngo do Mara-
nho Antonio Jos Vidal de Negrelros no mesmo
posto, vencendo o respeciivo sold pelas leis do Io
de dezembro de 1841 e 14 de julho de 1833.-Pa-
tente de 22 de marco findo.
A do Sr. alferes do corpo de cavallaria de Matto-
dezembro de 1841 e 14 de julhe de 1833.-Patente
de 22 de margo findo.
------- ni i"! 'i % m ------
PERNaMRUCO,
41'
ASSEMBLA PROVINCIAL
SESSAO EM 29 DE ABRIL DE 1865.
PRESIDENCIA DO^l. Dn. PEREIRA DE BRITO.
Ao meio dia feila a chamada acha
U* 9lBroupb>a*.
barque do batalhao de voluntarios da Baha e do
corpo policial do Para, que vo fazer parte do exer-
cito de operacoes contra o Paragoay.
A's 10 1/2 horas da maoha desfilaram estes cor-
pos do Largo do Paco pela rna Direita, precedidos
dos Srs. ministro da guerra, ajudante e quarlel-
mestre general, e de outros offlciaes, sendo sauda-
dos durante o transito por um immenso concurso
de povo que enchia a ra e em alguns pontos co-
bertos de llores que choviam das janellas apinhadas
de damas e cavalheiros.
. Pouco depois de chegados ao arsenal onde se
achavam S. M. o Imperador com os seus semana-
rios, ministros da justica, imperio, fazenda e mari-
nha, ajudante de campo general Cabral, encarre-
gado do quarlel-general e inspector do arsenal, che-
fe da estaco, capito do porto e muitos offlciaes
Mello, Rochad, Goncalves da Silva, Arminio, J. do
Reg Barros, G. Campello, Aquino Fonseca, Mara-
"ilveira Lobo, Buarque, Brando,
r-ama, Reg Barros, Vietor
Leuieiro, Nabor, Netto,
nho, Amvnthas, Si
1 no arsenal de marinha o ero- G^^iX&o^ **> ^ ^
e Diodoro.
O Sn. Presidente abre a sesso.
E' lida e approvada a acta da sesso anterior
tompareceram depois os Srs. Drummond, Souto
Lima Araujo Barros, Baptista, Cosa Teixeira
e sabino.
OSn. t secretario d coma do seguinte
EXPEDIENTE:
Um offlcio do secretario do governo remetiendo
a nota ministrada pela thesouraria provincial rela-
tivamente ao tempo em que o Io escripturario Ale-
xandre Amenco Caldas Brando, tem estado fra
de sua repartico. -A' quem f^z a requisicao.
Outro do mesmo, remetiendo a nota que mnis-
trou o director gen] da inslruccao publica, relativa-
mente aos alumnos que foram approvados as
materias do Gymnasio Pernafnbucano
ersticio, e, consultada
afirmativa.
Entra depois em 3" diseasso o projecto n. 42
deste anno, interpretando os 18 e 27 do ari. 44 da
le provim ial n. 396 de 13 de malo de 1864.
O Sr. Baptista fundamenta e manda a mesa o
seguinte additivo, que apoiado e entra conjuncta-
raente em discusso:
As Jisposlcoes desla lei comprehendem os
executivos pendentes, os quaes ficaro sem effei-
to.Baptista.
Encerrada a discusso, approvado o projecto
com o additivo.
Seguc-se a 3a discusso do projecle n. 36 do anno
passado, decretando a abertura de urna estrada
para Beberibe, o qual sera debate approvado.
Contina finalmente, a 2a discusso do projecto
n. 47 do anno passado, elevando a cathegoria de
villa a povoaco de Pedras de Fogo.
Reconhecendo-se nao haver casa, oSr. presidente
manda proceder a chamada.
Finda esta, obtem a palavra pela ordem o Sr.
Cunha Teixeira, e pede que seja dado para dis-
cusso o projecto n. 83 do anno passado, autorisan-
do a factura de urna estrada na cba do Gaxito em
Nazarth para a villa do Limoeiro.
O Sr. Presidente declara que tomar o pedido
2^T **"*" rl 1= l*-wu ooe* m O horqc o
40 minutos da tarde, dando para a ordem do dia
segrale, alem das materias designadas, 2" discus-
so do projecto n. 32, 3- dos de n. 7 e 47, todos
deste anno, e discusso das posturas da cmara
municipal de Buique.
REVISTA DIARIA.
de mare lena, coraecou a ceremonia! da heneosla qd.7 e^d^nVT^rS^0 bandeira offerecida pelos Batanos residentes na nar.A' -
corte ao corpo de voluntarios da sua provincia.
' Esla ceremonia foi celebrada pelo Sr. conego
Fonseca Lima junto de um altar convenientemente
armado sobre um alto estrado, e presenciada em
religioso silencio pela multido que enchia o arse-
nal e as janellas de todos os edificios em que func-
cionam as diversas reparticoes da marinha.
A bandeira era erapuuhada pelo Sr. ministro da
guerra, que recebera das mos do Sr. Dr. Reg
Macedo.
quem fez a requisicao.
Outro do mesmo, remetiendo a informaco do
commandante do corpo de polica acerca do deslino
que tiveram os instrumentos do mesmo corpo, e
bem assim sobre a peca de baela para fardas do
mesmo corpo.A' quem fez a requlsigo.
Outro do mesmo, comraunicando que S. Exc.
o Sr. presidente da provincia receber ao meio dia
a depuiaco que tem de apresentar diversos actos
a saneco.Inteirada.
segrate aisturso so|veu prorogar at o da 10 de maio nroxlmo
Seohor.-No momento solemne em que o sym- vindouro a presente sesso da assemhW fntSi
bolo sagrado da naco brasileira acaba de ser aben- rada. Presenie sessao da assemwda.-lmei-
coado pela religio d'Aquelle cujo sangue precioso Outro do Sr. deputado Antonio Lopes da Silva
ediv.no foi derramado pela salvaco do mundo, Barros, communicando que por intommodo do
quem que se nao sent profundamente abalado a
vista de ura espectculo to digno na nossa f como
do nosso patriotismo ?
f Quanto sois feliz, senhor, em presidir a um po-
vo que se ergue nobre e magnnimo aos reclamos
sade deixa de comparecer. Inteirada.
E' lido eapprovado o seguinte requerimento:
Requeiro quex.se peca ao governo a seguinte
informaco: b
da patria, e que ancioso pela" victoria vem aos ps c SZiS^tStSLd?2S*^S?fc
dos altares do Dos vivo implorar essa forca invisi- o remtameos R Buarque^* qUem f'
vle que nao conhece obstculos I
c E quanto feliz o povo, cujo monareba cerca-
do de urna reputaco, que o raais forte sustenta-
culo da paiz, est sempre a sua frente no perigo e
na crencha e teria sido o primeiro a correr ao cam-
Buarque
parte da ordem do da.
discussSo do art. 15 do orgamento
1.
Contina a
provincial.
Ora o Sr. J. do Reg Barros.
e 43 L \SSiAaK?^
por conseqnencia, adiada a discusso.
a moderar os impulsos do seu patritico ardor 1
t E' de Dos, senhor, e s de Dos que depende
a sorte da guerra. Era eUe que ensinava ao m?is
belcoso rei de Israel o manejo das armas. Docet
manus meat ai preeltum; que o cingia de ama Im-
penetravel armadura e o enchia da coragem coao
se fra oa vanguarda dos seus combatentes : quasi
vir pugnalus fortis in pralio. Dos de paz e de
brandura, que sopesa em sua dextra omnipotente
as obras da creacao, mas que se apraz tambem de
ser chamado o Senhor Dos dos exercitos.
< Generosos voluntarios da patria, recebendo o
vosso estandarte reverentes ante a cruz, lbaro sa-
crosanto de todas as libertades e de todos ostrinra-
Entra em discusso o art 16 :
Administraco e subvencao.........
11. Ordenado ao administrador..... 2:1605000
Vem a mesa, apoiada e entra conjuntamente
em discusso a seguinte emenda:
o 8:000*000. Carvalho Moura. Araojo Bar-
ros. Rochad.Ayres Gama.Goncalves da Sil-
va. Loorefro.
Ora o Sr. Silveira Lobo.
O Sr. Nabor, obtendq a palavra pela ordem, diz
qne a commisso encarregada de apresentar di-
versos jirojectos a saneco, deu cumprimento a sua
-sao e que S. Exc. o Sr. presidente declarara
pbos, lestes prestar una publica e solemne profis-
hio da vossa f naquelle que tem em suas mos os i que loma-los-bia na devida consideradlo
destinos dos povoe. 0 mi. Presidente declara
Quando virdes fluctar sobre vossas cabecas es-; recebida com agrado.
que a resposta
dentro ab;lsse a porta para ser por dles preso;
mas oh I sorpresa! A plvora guardada pegou fog,
e urna terrivel explosao derriba e mata mnitos dos
soldados paraguayos, que nao a espera varo. Assim
a Providencia, eom visos de aceaso, puni a mal
vadezI
Nao sei como o que acabo de contar foi sab-
pro
da Silva Lessa.
Em 18 do corrente mez.
Capilao de commisso para a companbia de ae-
radores zuavos da Babia, o Sr. tenente da mesma
companhia Quirrao Antonio do Espirito-Santo.
Em 17 do corrente mez.
Tenente de commisso, o Sr. alferes Francisco
*
ta bandeiras consagrada pelas heneaos da religio
e que vos vai ser confiada pelo roals amavel dos
soberanos, lembrai-vos que sois os defensores de
todos os direilos que ella symbolisa,lembral-vos que
ella o emblema da Iwnra militar como da
gloria da naco.
Sua vista seja o poderoso talismn que vos
afervore as fraguas do combate e na fidelidade que
nimos valorosos e ehristos devem a seu Dos, a
seu rei e sua patria.
Mas ba I eu nao preciso evitar vossos brios :
a espontaneidade pressurosa com que voais para a
guerra responde pela vossa coragem e pela vossa
leaidade; e o Dos, em quera poodes as vossas es-
peranzas, Aquelle mesmo que fortlticou o braco
do vleme Machabeu quandoa testa de um punhado se pedirem raforraacoes.
dohrtUrtsHaehapolnii neaannAi1i>Xnx !(,. X1 .^^1 n n *
Contina a discusso do arf. K.
Oram os Srs. G. Campello, Aranjo Barros, Bnar-
que, e Cunha Teixeira, apresentando este ultimo
senhor um reqoenmento, que foi apoiado, pedindo
o adiaraento d discusso.
A diseasso fica adiada pela hora.
t.* PARTE DA ORDEM DO B1A.
Entra ero 1" discusso o projecto n. 58, fixando a
forca policial para o exercicio de 18651866, o
qual approvado depois do orarem os Srs. Jos
Maria e Loureiro.
O Sr. Gaspar Drummond requer e a casa concede
dispensa de intersticio.
Contina a discusso de um artigo additivo ao
projecto n. 25 deste anno, o qoal foi adiado para
de bravos desbara*tou osesquadres inlmigos;Aquel-
le mesmo que deu a Eleasar essa coragem heroica
com que elle vnou a sepnltar-se debaixo do pes do
seu proprio triumpbo; Aquelle mesmo, emflm,
Ora o Sr. Jacobina, e Aquino Fonseca, vindo a
mesa o seguinte requerimento, qne apoiado :
Requeiro oladiamento da discusso por 24
horas.Aquino Fonseca.
Deixou hontem de funecioar a assembla pro-
vincial, por falta de numero.
Por portara da presidencia da pro*fccia dd
hontem, foram nomeados para o 2o orp de Vo-
luntarios da Patria .
Commandante, o Sr. major do estado-maior de
1- classe Apotonlo Peres Campello Jacome da
Gama ;
Major, o Sr. capito de artfices Trajano Alipio
de Carvalho Mendonca.
Ainda desta vez recahiram as nomeacoes em
dous disiinctos offlciaes pernarabueanos e por isso
damos nossos emboras S. Exc. o Sr. presidente.
Informara-nos que urna commisso eomposla
de offlciaes do 2 baulhao da guarda nacional des-
te municipio (S. Jos) promove urna subscripcao
para oflertar urna bandeira ao 2 corpo de Volun-
tarios da Patria, que tem de marchar desta pro-
vincia para o campo da guerra.
E' urna lembranca digna de todo o elogio, e nos
folgamos de consigna-la, pois que tal idea traduz
um fundo de patriotismo nos seus iniciadores ; os
quaes nao podero deixar de ser secundados pela
nossa populaco, que ba ponco deu a copia mais
brilhante do seu amor patrio.
Em nossa Revista Cotnmercial deu-se hontem
o seguinle engao, na parte relativa a carne secca-
onde se l 2(J00 3*200, deve ler-se 34 3a200
por arroba.
Acha-se na directora geral da Instruccao pu-
blica interinamente o Sr. Dr. Jos Soares de Aze-
vedo.
No sabbado deu a empresa do Santa Isabel a
representado, que estava annunciada, sendo para
notar que a concurrencia fosse nenhuma quasi, ao
passo que ludo nessa recita a convdava, pois que
o digno empresario dava um espectculo importan-
te pela variedade e pelo mrito das pesas qne o
compunham, sendo alm disto bem desempenhadas
estas pela companhia.
A scena patritica que foi representada, um
mimo dessa especie da lilteratura dramtica, e na
tradueco de suas imagens bellas e concertuosas,
na exposico de suas bellezas dramticas se houve
muito bem o Sr. Lisboa, produzindo effeito mara-
villoso o quadro final em que Lpez apparece sub-
jugado pelo Brasil, representado este, cercado de
uraa aureola de glora, ao passo que aquelle se
estorcia sob seus pes nos horrores da queda in-
glona.
O drama de que nos oceuparaos de outra vez
continaou a ter a mesma interpretaeo que j no-
tamos ; e a comedia Po para toda a obra de
bello effeiio scenico, multo chistosa, e arranca boas
gargalbadas ao espectador pelo sal e originalidade
de suas situacoes cmicas ; as quaes foram na ver-
so devidamente comprehendldas e sustentadas
com Odelidade pela gentil traductora, qne da lin-
go de 'Cervantes passou-as para a de Cames-
E' pena, repetimo-lo, que nessa noite fosse to
diminuta a affluencia de espectadores, de sorte que
assim nem os actores tiveram o extenso apreco de
que se fizeram credores, nem o digno empresario
heove a compensacao de seos constantes esforcos.
Consta-nos que pelo orgo do sen presidente,
a associacao protectora das familias dos Voluntarios
da Patria dirigi a expresso dea seos agradeci-
mentos ao Sr. Antonio Jos Duarte Coimbra, em-
presario do theatro, de Santa Isabel, pelo espect-
culo que o mesmo senhor deu em beneficio dessa
asiociacao.
E' urna bomenagem devida ao homem generoso,
que da toa empresa tem excluido esse personalis-
mo estril, qne s v a si, sem Jamis exleuder-se
ate a ajuda da carencia ; e cora Isto nao isongea-
mos, pois ahi esto registradas as concesses be-
neficentes do Sr. Coimbra em todos os espirites
visto que estes tactos nao sao oceultos, bem qu
delles nao alardee o seu autor
Escrevem-nos de Garanhuns em data de 28
do prximo passado :'
Entre os sitios Magaranduba e PoFerro, do
.
1
**
*

^
y
MUTILADO I
ILEGVEL


m*ri*&+*rm*i*huT* t*K>s1VMfl+mW*i*ttMfc.
termo de Bora-Conselho, appareeeu era das da se-
mana passada ura cavallo desconhecido.
< Um dos inorado es desses lugares peiou o re-
ferido cavallo, e como qaer que este desappareces-
M, elle poz-ce em sui procura, torneado que litesse
sido furtado; e pasudos tres das, aehou-o em orna
gruta, to bem guardado, que booflrmou as suas
snspertas de ter sido aquelle cavallo all posto per
alguna ladrJo.
Eoto esse indWiduo dirigio-se ao Inspector de
polica a partieifiou-lhe o occorrido. Esto depois
de ter notificado algumas pe&soas, encaminhou-se
Sara a gruta, e, nesta, ou em caminho, coconiran-
o-so cora Joo de Tal,, por aolooomasia Joo Vae-
ca, ladro de aniraaes, pelo que est processado,
deu-lbe ordem de priso, Joo a estas palavras,
reclama, dizeodo que nao fura elle quem dera o ti-
ro, e stm Antonio Pereira, morador em Pao-Ferro.
c Averiguado o caso, era uro assassinate cora-
mettido na pessoa de um italiano de nome Pedro,
hornera de 60 annos de idade, pouco mais ou me-
nos, e do boas mane iras, qae viva por este centro
mascateando, e que gosava de fama de ler algum
dinheiro, por fazer o seu negocio em maior escala
do que ouiros da sua nacionalidad*.
> Segundo me informara eslo presos Antonio
Pereira e Joao Vacca, tondose capturado outros
por suspelos ; e, indo a polica de Bom-Conselho
ao lugar en que sepultaran) o cadver do misero
italiano, tiraram-o ja era putrefaeco, por oslar en-
terrado a 15 das, como confassarara os assassioos;
e bem assim, urna banda de ovelha, tachos e ou-
tros objactos de negocio que comsigo trazia o as-
sassinado.
c Anda nio ha um mez, que no mesmo termo,
dentro da povoaco de Taquari, um oulro assassl-
no, que se acha recolhido a cadeia dasta villa, ma-
tn um hornero por causa de mulheres : sao dous
assasMoatos em poneos, das I
i Quererao voltar ao bom tempo do bacamarte,
como roslumam dizer certos desalmados ?
P. S.O subdelegaao de polica, Antonio Guodes
Alcanforado Cavalcaul foi quera fez a deligencia,
desenvolvendo raaita actividade, e prendendo to-
dos aquelles sobro quera recahiam suspeilas:
achani-seem cuslodia ii homens.
Na mfnha ultima houve dous engaos, nao
fallando dos erros ortographicos, da parte da revi-
sao, hroes por bros, e balhardia, cuja, nacionall-
dade ignoro, por balburdia. Portauto peco-lite a
publieaco distas linhas, para que nao acarreto eu
com peceadosalHelOS.'
Foi transferido para hoje o leilao de urna pa-
daria, diversos movis e roupa usada, que eslava
annunciado para hontem por causa do dia iuver-
noso que fez.
i 3 P3 I M 2 2. -1 ! 5 >
11 3 i 3 5 a 9*
3 T B 1 r >
: 1 \ 1 : O
: 1 : : i : 2 B
: 1 \ : 1 : > s
: 1 : ce
. i o 3
1 i 1 I ilaicalino. >- i
S i *4 00 1 ~J 1 ? s o.
i 1 I
1 Feminino. g os
f S* J--
- 1 Gd O! il i *m
| * i " M ST
i 1 Masculino. 3
** 1 i 3 0
*- 1 l i K4
-
1 Feminino. 2 e
^ - - 1 J j
I 1 ZL-
1 . 1 Masculino. tsJ,
1 mI O i
1 Feminino. s o*
i i 9>
11 1 1 1 te 1 -
1 --J 1 - Masculino. o
"* _ a e.
m A "*1 o o Cb
f 2 ai
. ^ Feminino. : o > O"
O ' O
1 1
-1 1 . i i 1 - Masculino. Cfl o ac
-J 1 * 1 m 1 * 35
, , o:
1 . >
CT5 1 _ Feminino. os
l- 1 a 1 o 1
*~ I*. TOTAL.
~* ^J
__ ^1 " 1
Appellante, Joaqun Jos Ferrelra da CoaU B-
blmba ; appellado, taphael Fernandes Porto.
Appetlaste, Jaronymo Jos Figueira de Mello;
ippellado, Ooo/re MuoU Ribeko.
Appellante, Jos Luiz de Andrade Lima ; appel-
lado, Luiz de Albuquecque Maraabio.
PASSAGRNS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desentbar-
gador Louraneo Santiago
A appeilago civel.
Appellante, D. Joanna ue Jess Neves Quaresma
Duarte ; appellado, Joaquim Francisco Duarle.
A appellaQio crime.
Appellante, Manuel Mondes da Silva ; appellado,
o Juiza.
Ao Sr. desembargad ir Assis
A appellacao civel.
Appellante, D. Joanna Francisca dos Reis; ap-
pellados, Jos Malheiros de Albuquerque e oulro.
Do Sr. desembargadorLourencoSantiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellacoes crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Silvino, es-
cravo.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Msreira
da Silva.
As appellacoes civeis.
Appellante, U. Joanna Mara das Dores ; appel-
lado, Antonio Alvcs de Miranda Guimaras.
Appellante, Gaspar de Menezes Vasconcellos de
Druraraond ; appellada, a Santa Casa da Miseri-
cordia.
Appellante, o cnsul portuguez ; appellada, D'
Anna Lopes dos Reis.
Appellante, D. Joanna da Silva Medeiros ; ap-
pellada, a fazonda.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
As appellacoes civeii,.
Appellante, Luiz-Antonio Annes Jacome ; appel-
lado, Francisco de Salles CardozoLima.
Appellante, Agostinbo LucazCorreta ; appellada,
a escrava Lina.
Appellante, Vicente Jos de Drito ; appellado,
Joaquim Antonio Pereira.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Guerra
A appellacao civel.
Appellante, D. Anna Joaquina Pereira dos San-
tos ; appellado, Joaquim da Silva Campos.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gada Domingues da Silva
As appellacoes civeis.
Appellante, D. Isabel Mana das Chagas Guima-
raes ; appellada, D. Rita de Cassia Pereira Vianna.
Appellante, Candido Franklin do Amaral; ap-
peilado, Joaquim Franklin de Souza Pinbeiro.
Appellante, bacharel Joaquina Francisco de Mi-
randa ; appellado, Jos Rodrigues do Passo.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
As appellagoes civeis.
Appellante, Eduardo II. Bramah ; appellado,
Joao Paulo Carneiro de Souza Bandeira.
Appellante, Jos Domingues Gorreia ; appellada,
a ordem terceira de S. Francisco.
Appellante, a fazenda ; appellado, Manoel Custo-
dio Peixoto Soares.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Guerra
A appellaeao civel.
Appellacte, Joao Ferreira de Carvalho ; appella-
do, .Joo Felippe da Cunha Bandeira de Mello.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appellacao civel.
Appellante, bacharel Luiz Rodrigues Villares e
sua mulhcr ; appellada, a administracao da Santa
Casa da Misericordia.
Do Sr. desembargador Vasconcellos ao Sr. des-
embargador Caetano Santiago
A appeilago civel.
Appellante, a fazenda ; appellada, Joaquim Gon-
calves Guerra.
A' 1 hora ncerpcc je asasso.
MOViMlUTO DA ALFANDEGA.
Volumas entrado*con fazeidas....
com generas .
Volumes safcldos eom fazenas____ f
com gneros..... 191
PSLIEiCOES A PEDIDO
ADVERTENCIA.
N totalidad* dns doentes existera 171. sendo 107
botnens e 64 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
Ao 6 l|i. 6 1|2, 6 1|4, 6 3|1, 6 1|2, 6 1(2 pelo
Dr. llamos.
As 9, 8 3|4,8 l|-2, 8 3|1, 8 20, 9 l|i, 8 l|2 pelo
Dr. Sarment.
Falleceram :
loanna Mara,de Dos; gatro hepatitechronica.
Michaella Francisco de Oliveira ; anemia.
Maria Francisca dos Prazeres ; tubrculos pulrno-
monares.
CI80MCA JUDICURM
TRIBUNAL DA RELAfJlO.
SESSO EM29 DE ABRIL DE 1865
PBS8IDBNCU DO BUL SR. CONSKLHBIRO
SOUZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores
'desembargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Al-
meida Albuquerque, Doria, Molla, Guerra, procu-
rador da cora, Domingues da Silva e Barros
Vasconcellos, Talando os Srs. desembargadores
Santiago e Assis, abrio-se a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
.JULGAMBNTOS.
Aggravo de peti^ao.
Aggravante, Manoel Barbosa* Camello e sua mu-
Iher ; aggravado, o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador Almeida Albuqnerque.Sorteados os Srs.
desembargadores Molla e Lourenco Santiago.Ne-
garan provimento.
Appellages civeis.
Appellante, Antonio Francisco Anastacio ; ap-
pellado, o cnsul portuguez. Confirmada a sen-
tenga.
Appellante, D. Maria Cordeiro ; appellado, Pau-
lino Manoel de Souza Oliveira. Holl o pro-
cesso.
Appellante, Antonio Corroa Pessoa de Mello ;
appellado, Antonio da Costa Mella Lima.Conto-
rnada a senlenga.
Appellante, Manoel Flix de Mello : appellado
Manoel Carneiro da Freitas. Nullo o processo.
Appellante, a fazenda e o coronel Jos Pires
-Campado ; appellados, a fazenda e Gaspar de Me-
nezes Vasconcellos de Drummond.Confirmada a
senlenga.
AppettttcSes crines.
Appellante, Jos Gomas de Oliveira Jnior
pellada, a jusga.Nt|.o orotesso.
Appellante, Teotosio Pordrio da Araujo ;
pellada, a justiga.{procede**.
Appellante, Loaren*) Jos deAraajo; appellado,
Manoel da Cunha Lima Rlbeiro. Confirmada a
sentenca.
Haieas-etrjms.
Concedeu-se oPdem pedida por Mathias Jos da
IaZ-anC.!*?,0 "*1 i10 C"'mo> An,0"'o Rafloo
da Silva e Rma Mam da Conceicio, para o dia 2
de maio, sendo ouvidas as autoridades corope-
temes.
DILIGENCIA CRIXB.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
jusuca
Appallagoes crimes.
Appellante, o promotor; appellado, Manoel Joa-
quim de Lima.
Appellante, Manoel Antonio Laguna ; appellada
ajuslica. *^ ^
Appellante, Francisco de Paula Campos Quaresr-
ma ; appellado, o juizo.
DBSIGIUgAO DB DIA.
Assignou-se dia para jnlgamento das seguin-
I Disse o Seahor, batei, balei qne se abrir, e i-
zem os bomens, lano bale agaa na ptilra que
In'in a faz bramlear.
De direito vou vendo que o correnteanno bieex-
to nos leva a poupa, visto que hoje pela madruga-
da foi preso o muito desertor de possirna condigo
Antonio Henrques de Miranda Filho, no becco do
Quiabo, viudo do Monteiro para a Casa Amarella.
Nao sai-so a ordem daquella priso, parti do
Pal, do Filho, ou do Espirito Santo ; a verdade es-
t, qne apezar do eclipsa de hontem, nao fot pr-
ciso a trra tremer, nao obstante o bom revolve
que o preso comsigo trazia.
Tendo sido o Sr. subdelegado Joo Paulo Firrai-
ra, com qnatro ligados que a tanto se arrojou, en
felizmente apesar de no todo rauito fraco, Bcolne
em divida.
Bem podera esta gloria periencer aos senhores
vermelho?, (se gloria o prender-se a um tal de-
sertor ) mas, por frouxos, sempre se louvaram
com os mens muitos soffrimenlos, quer com este,
quer com aquelles : afioai, nesta especie, eu tinha
tido bom quilina", a par, do que son, e elles tam-
ben) a par de suas altas vaidades e glorias deste
valle de lagrimas, to pouco mais ou menos visto
que quando Dos quer do norte tambem chove. Mi-
nba razio verdadeira, ja pesia em prova, e por
isso vou dizendo glorias ao Pai, ao Filho e ao
pirito Santo.
Sitio do Arraial, 26 oV abril de 1865.
Com o devido respeilo sou
Francisco Jorge de Souza.
Desarregam no dia > de mata.de iM9.
Patacho inglezSard* #^r:merrdoria*
Barca inglezaflonaM-dem.
Barca Ingleza Belle Poulegigos e batatas.
Patacho inglezJohn Byrisdiversos gneros*
Patacho hollandez Fennechina farinha de trigo,
Brigue argentino Volante farinha de trigo.
Patacho nacional laboataofarinha de trigo.
Barca dinamarquezaDoradem.
Lugre italianoLorenzo Valerio -dem.
Patacho inglezGertrudis bacalbo.
Lugre portuguezJnho ceblas e batatas.
Escuna inglezaCommodore- trro ecarvo.
Brigue ingezBi/zan/iiimferro em barra
Brigue nacional Henriqnes diversos gneros.
Polaca italianaFebedem.
Brigue nacional-/'dWascharque.
Barca portuguezaS. Joaoidea.
Escuna hanoveriana Gezinadem.
Polaca lie*aanbolaVeniuritaviunos e mais g-
neros.
Barca ngtezaTrent carvao.
Barca inglezaCommodoredem.
Brigue inglez Izabellaidem.
Brigue inglezUse/ul-iem.
Brigue inglez-/za6ta idem.
Barca belga SopAw Theodorme -"idem.
Barca norueguense Tasminia -dem.
laipoi-ta^o.
Escuna hollandeza Fennechiho, entrarla de Tries-
te, consignada a ordem, manifestou o seguinte :
1,880 barricas farinha de trigo : a Johnston Pa-
ter & C.
e em Dos de mareo ejre 8 milbots de l- Clausulas espeeiaes pan a arremataco.
6 baje d 18 millies. !. a pintura da ponte do Caiaag ser feita de
moMaf Ngaiar ordinario do Rio 6 3/8 e coaforroidade.com o orgamento na imporuacia de
b.
libras.

portaijao geraf de caf* 4a-i* de Janeiro
al lim de marco.
. 186 ,100,000 libras.
1864 fHW.O O
186J j?l!5rjfj,000
1862 18,300,000 .
Bavaer em Im de marco :
1866 8,000,000
1864 7,000,000
1863 14,000,000
t8$2 t4,000,000
Assnear. Peta diminuico dos preoos de 4 a 8
sch. par 100 libra, realisou-se um negocl activo
na semana passada.
Oe assucar brasileiro venderam-se 600 saceos do
Cear.
Imporiaca geral de assucar al fio de
marco.
1863 8,500,000
1884 3,500,000
1863 13,000,000
1862 6,500,000
Em ser emita de iparte :
1868 SJMfKD
1864 K>,000
1863 8,000,000
1862 7,500,000
Tabaco.As tronsaccoes env tabaco do Brasil s
focan era sqguada. ran. Odeposito de 1,00'J
balas.
AlgodaEm conseqoenea das ultimas noticias
| dos Estadas-Uaute este gantro aoha-se muito ne-
gligenciado e sem movimento.
Couros.Seinuovidade e sempre procurados os
couros pesados.
libras.
Moras.
As vendas de couros brasileir is na quinzena fo-
Barca.noruegnense, Tasmania, entrada de Car- ram de 3,579 do Rio Gxande, 4,800 do Rio de Ja-
diff, consigdada a Vrilson & Hette, manifestou |o neiro, 3,712 avariados da Baha, 4,394 do Cear, e
5,803 do Maranho.
Cacao.Era raelhor pos^ao
unidades. Valores.
segulnle:
525 toneladas de carvao de pedra ; aos mes-
mos.
Barca dinamarqueza Dora, entrada de Trieste,'
consignada a Saunders Brothers & C, manifestou o
seguinte :
2,225 barricas farinha de trigo ; aos mesmos.
Patacho nacional Cyro; entrado do Rio Grande
do Sul, consignado a ordem, manifestou o se-
gu ote :
9,474 arrobas de charque e 62 couros vaceuns ;
a ordem.
6,000 tainhas em barris ao capilo.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
PAUTA DOS PRECOS DOS GNEROS StIJEITOS A DIREITOS
DB EXPORTAQAO. SEMANA DE 1 A 6 DO MEZ DE
M.UO DE 1865.
Mercadorias.
Abanos.........
Agurdente de cana ....
dem rcstilada ou do reino .
dem caxaca.......
dem genebra......
dem alcool ou espirito de agua-
ardente ........
Algodo era caroco ....
dem em rama ou cm laa .
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado .
Assucar mascavado ....
dem branca.......
dem refinado......
Azeite de amendoim ou niendo-
l'im
dem de coco
dem (Je mamona ....
Batatas alimenticias ,
Bolacha oidinaria, propria para
embarque.......
dem lina ....... i
Caf bom ....... >
dem escolha ou restolho.
dem torrado......libra
Caibros........ut
330 saceos do Pa-
ra venderara-se a 6 3/8 sch".
Jacaranda.Venderam-se apenas 20 mil libras
da Babia ; uro carregamenlo de qualidade Una en-
contrara boro mercado.
Navios partidos para o Brasil.
Auguste para a Baha.
Anna o Maria para Pernamhuco.
Anna, Osear a Orion para o Rio de Janeiro.
Carolina Heymann para Parahiba.
Navios entrados.
I Do Rio de Janeiro : Tyrus, Brinker Stove, Go-
thilde, Homely, Dan, Salmanderem, Hio, Alvida, Al-
medtna.
De Pernambuco : Jacobus.
3024500.
1* O arremtente dever principiar a obra no
espago de 8 das e finalkala no de 30, ambos con-
tados da data da arrematarn.
3." O pagamento ser efectuado em urna s
preslaco, quando tver sida concluida toda a fac-
tura e entregos definitivamente.
4." Para ludo mais que naoyestiver especificado
as presentes clausulas segnir-se-ha o que deter-
mina o regolaraento da repartltao das obras pu-
blicas,
conforme.A. F. da Annonciacao.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de abril de 1865.
0 secretarlo,
Antonio Ferreira da Annunciago.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumpriroento da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia de 25 do correte, manda fazer
publico, que no dia 18 de maio prximo viodouro,
perante a junta da fazenda da mesma thesouraria,
vai novament a praca para ser arrematado a
quem por menos lizer a obra'dos reparos, de que
precisa a estrada do Porto de Galinhas, avaliada
em 7485000.
A arrematago ser3 feila na forma da le provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854 e sob as clau-
sulas especiaos j publicadas.
E para constar sa mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 26 de abril do 1865,
O secretario,
A. F. da Anuuueii'o.
recebe carga a frere commodo a
mestre na escadinha ou no caes do
tratar cera o
Ramos a 24
eOMPAKKIA BJU1ILBBA~
DE
PAQUETES A VAPOR.
. ET esperado dos portos do nor-
te jat o da 2 de maio o vapor
Param, aommandaute o casito
de fragata Antonio Joaqun* de
Santa Barbar, o qtral depofe'da
demora do eosiume seguir para os portos do
sul.
Desaoja reoebera-se passage-iroee- engaja-se a
carga qoeo vapor poder conduzir, a qual dever
sererabarcadaoodiade sua cnegada, encom-
mesdas edinheiro a frete at o dia da sabida as
2 horas: agencia, ra da Cru* n. i, escriptorio
de Amonio Luiz de Oliveira Ajevedo A C.
lltaa de m. Miguel
No dia 12 pretende seguir para o porto achrra a
escuna portueneza Erna : para p.-.ssanviros trata-
se com o consignatario na na de Apolla a. 4t
5^"
D20I
cento
caada
arroba
. caaada
arroba
15500
800
800
400
860
900
33000
123000
133001
23600
13950'
33100,
53120'
23000
13600.
15000
15200
- De Santos
Vrede.
Do Cear :
Do Para :
Da Babia :
Schon, Nuuttlus, Victoria lleidi, a
Sm;wtd.
mmiinuel.
Clurissa e Ingeborq.
Navios carga para o Brasil.
Para o Rio de Janeiro : Nautilus e Gesma.
Para Santos : Schon.
Para o Rio Grande : Cornelia Maria.
Para Santos : Boinie o Mana.
Para Pernambuco : Tamno Sytse, e Maria.
Para a Babia : Concordia, Alona, Express,
chim e Benrich.
Joa^
Cambios.
3 m. d. 13 marcos 4 sch.
banco
Sobre Londres,
per.
Prazo curto 13 marcos 5 3/4 idem.
Sobre Paris, 3 m. d., 190 1/4 francos por 100
marcos banco.
Pnrzo corto 188 1/2 dem.
Sobre Lisboa, 3 m. d. 5/8 tchilling banco por mil
ris.
Descont 2 1/2 a 3 por rento.
Es-
Pastllhas TeralfHg de Kemp.
Todos os meaicos oue especialmente se teem de-
dicado cura das molestias das changas, asseve-
ram que as pastilhas vermfugas de Kemp o re-
medio o mais excellente e efflcaz que at hoje tem
sido conhecldo. Acham-se ellas exclusivamente
preparadas com as substancias vegelaes as mais
salutferas. O seu sabor delicioso, nao causara
nauseas era dores, etc., produzem seu effeto com-
pletamente sem que seja preciso logo immediata-
mente usar de nenhuma especie de purgantes.
Tanto as mais como os propnos filhinhos nunca de-
sesperara dellas, por que se as primeiras teem
completa confianga as pastilhas, estes ltimos as
tomam com o maiorprazer possivel. Desde que
estas admiraveis e ineomparaveis pastilhas foram
descobertastodos os de mais vermfugos asquero-
sos teem sido quasi inteiramente abandonados e
desterrados por todos. As pastilhas vermfugas de
Kemp se achara lindarnendamente acondicionadas
deutro de frasquinhos de crysial, nao s para sua
boa exportago como para sua conservago contra
todas as vicisitudes dos lempos.
A' venda na toja de Bravo & C, e de Caors &
Barbosa.
Cal........... arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque) ...
Carneiros ....... un
Carvao vegetal
Cavernas de sicupiaa .
Cera de carnauba em bruto.
dem idem em velas .
Cha ........
Charutos ......
Cevados (porcos) ....
CUCOS (SlXOSl .
Colla......."
Couros de boi, salgados..,. .
dem idem seceos espichadas,
dem idem verdes .
dem dem cabra cortidos .
dem idem de onga .
Doces seceos ......libra
dem em gela ou massa
dem em calda ..... >
Espanadores grandes um
dem pequeitos...... >
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional .....arroba
ajTnlia.
runa
libia
eento
um
ciinto
libra
t
>
um
35000
75000
75400
65090
440
360
280
500
35200
45000
15000
8000
300
300
*3oe
23-'00
133000
G5009
SSOiIMINTO Iw POSTO
-
Nai'ios entrados no da 1.
Trieste120 dias, patacho hollandez Furtumi, de
230 toneladas, capilao VY. Ruch Keiser, equipa-
gera 9, carjia 2350 barricas com farinha de trigo;
a Saunders Brolliors A C.
BaJiia4 dias, patacho ingiez SaJiuas, de 150 to-
neladas, eapio J. C. Michann, equipagem 8, em
lastro ; a ordem.
iVut'to soAtdo no mesmodia
Barceluna[talacho bespanhol Virgen Mottscrrate,
eapito Joo Manoel dv Dis, carga algodo.
Observacao.
Fundeou no lamarao um brigue portuguez, mais
nao teve communiuagao coro a turra.
BBITiES.
145
240
103
350;
IO5OOO
15000 hspido un piiiivimitx*o.
320
500
45000
25000
O conselbo de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para o hospital mjlitar.
1 panno mortuario.
Para a compaohia de voluntarios
300 covados de panno azul.
40 ditos para capules.
210 covados de baela.
120 varas de algodoziuho.
20 aniageus.
30 manas de la.
Para o corpo de voluntarios do Cear.
2i0 mantas de la.
As pessoas que quizerem vender ditos rticos,
apresentem suas proposlas em carta lechada, na
sala do conselho, a 11 horas da maullad do dia 29
do correte.
Sala das sessoes do conSeiho de compras do ar
seal de guerra 27 de abril de 186.O encarre-
ado da escripturago,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Pela subdelegacia do 1 districto de Jaboa-
lo se faz publico" que foi preso e achase recolbi-
do a casa de detengo o cabra Manoel, que diz ser
escravo de Galdino Alves Barbosa, morador em
Capoeiras da comarca do Bonito, e que declarou
andar fgido desde 6 de Janeiro do correte anno.
Jaboalo 26 de abril de 1865.
O subdelegado supplente
Jos Fernandes Monteiro.
Santa Casu tic Misericordia do
Recite.
A Illm* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 4 de maio prximo vindouro, pelas 4 horas
da tarde, na sala de suas sessoes, tem de ir pra-
e as rendas do sitio da Mirueira, pertencenie ao
patrimonio de orphos por tempo de 1 a 3 annos,
servmdo de base arrematago a quaotia de 1005
pela renda annual, com a clausula especial de nao
poder o arrematante fazer carvao era tirar madei-
ra e lenha as matas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 28 de abril de 1863.
O escrivo,
F. A. Cavalcanti Cousselro.
Conselho (iecoiupr.is navaes.
O conselho contrata no dia 5 do correte mez,
sob as condigSes do estylo o fornecimento de car-
vao de pedra para os navios da armada e estabe-
cimentes de marinha, por tempo a decorrer at o
Um de dezemhro prximamente vindouro ; e con-
vida a quem convenio ocontr. to a apresentar sua
proposta em carta fechada at as 10 horas da
manhaa.
Para o Rio, de Janeio.
Pretende seguir rom muia hrevidade a barra
Rio de Janeiro, lendo parto do u carregameo'o
engajado: para o resto que Ihe falta e esclavos a
fretes, para os quaes tem exrellenies comBiudos,
tratase com o sen consignatario Antonio I.uz do
Oliveira Azevedo, no seu escriptorio na ra da
Cruz n. 1.
Para o Rio de Janeiro.
O brigue escuna Joven Arlhr, pretende seguir
com muia brevldade, lendo parte de seu carrtga-
mvnto prompto : para o-resto que Ihe falta e es-
era vos a fretes, para os quaps tero bons commodos,
trata se. com os scus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C.
Para o Ro de Banelro.
Segu nestes olio dias o brigue escurra Nao sei,
tend.o dous tergos do seu carn-gamenio bordo :
para o resto que Ine falta e escravos a frete, para
os quaes lem bous commodos, traia-se com os seos
consignatarios Amonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio na ra da Cruz o. 1.
para-Lisboa:
O patacho pertuguvz Mara da Gloriar, rapito
Valenle, vai sahir breve, recebe carga e passagei-
ros : tratase com n consignatario E. R. Ra&eilo,
ra do Trapiche n. 44.
LEILGES.
Leilao
ue duas casas juntas formando urna grande,
edificadas era chaos proprios na Capunga Velha,
peuultima a direita de quem vai para o porto do
I Lasserre com i salas, 7 quartos 110 interior, cran-
| de cupiar, cosinha fra, quartos para pretos, co-
I chaira e estribara, a qml tica entre dous porioes.
HOJE
O agente Pinto far leilao as 10 1|2 horas do
dia cima dito da casa supra mencionada, com
autorisago de seu respectivo ttqhor, 0 qual leilao
deveTa se eftectuar no dia e hora cima ditos ero
seu escriptorio ra da Cruz n. 38.
ap-
ap-
OOMMEBGIO.
Calva filial do banco de Brasil en
, Pernambuco.
A directora desla caixa saca sobre o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Babia.
\oto banco de Pernam-
buco.
O banco descanta letras na presente semana a
10 por cento ao anno at o prazo de quatro me-
tes, e a 12 0(0 at o de seis roezes, e toma dinhei-
ro a juros a praso nunca menor dstres mezes.
ovobanco de Pernambuco.
O banco paga o 14 dividendo na razode85
dor aegao.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
19 de abril de 1865.
Tendo-se deseosaminhado do espolio de Bernar-
! do Jes Pinto a cautela de 43 acg5es das localisa-
Appellagoes civeis. das nesta caixa, sob ns. 1239 a 1281, a directora
Appellante, Jos Gomes dos Santos Pereira de', faz publico a quem interessar possa, que por parte
bastos; appellado, Dr. Francisco Elias do Reg de Antonio Jos Ramos de Oliveira, do Rio de Ja-
atas- neiro, tutor dos herdeiros do dito Pinto, se vai
Appellante, joo Salvador da Cruz : appellado, aqu proceder a transferencia das referidas aegoes
uomin?* "'reir da Costa Romeu. para o nome dos mesmos herdeiros.
O guarda-livros,
Afjpellante, Joiquim Ignacio da Silva Guiarte ,
amellados, Satnpaio e Silva A C.
APPellanle, Manoel Rlbeiro da Cunha Oliveira ;
ppellaj0( j0|0 Evangelista Bello.
"Appellante, Jacintno Luiz da Silva ; appellado,
Manoel Pereira da Costa.
Innacio Nanea Correia.
, ALFANDEGA.
Rendimenlo do dia 1...........
18:23i?371
Farinha de de mandioca alqueire
dem de araruta .... arroba
Feijae de qualquer qudlidade <
Frechaes ....... um
Fumo em telha, bom arroba
Idem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ..... >
dem ordinario ou restolho. >
Gallinhas ....... urna
Gomma....... arroba
Ipecacuanha (raz)..... >
Lenha em achas..... cento
Toros.......... ,
Linhas e esteios...... u
Mel ou melacp...... caada
Milho......... arroba
Papagaios ....... um
Pao Brasil....... quintal
dem de jangada...... um
Pcdras de amolar .... urna
dem de filtrar ..... ,
dem de rebolo ......
Piassava........ molho
Pontas, ou chifres. de vaccas ou
novilhos....... cento
Pranchoes de amarello de dous
costados....... um
dem de louro...... ,
Rap......... libra
Sabo......... 1
Sal........... alqueire
Salsa parnlha....... arroba
Sebo em rama...... ,
dem em velas...... ,
Sola em vaqueta. ..... urna
Taboas de amarello..... duzia
Idem diversas. ....... >
Tapiocas......... arroba
Talajuba........ quintal
Travs ........ Hma
nhasdeboi ...... Cento
Vassouras de piassava ... >
Ditas de timb....... ,
Ditas de carnauba...... ,
Vinagre. ..... caada
Pela secretaria deste pispado, se faz publico que
o Exm. e Rvm. Sr. vigario capitular para maior
facilLdade das pessoas que o procurara fra das
horas do despacho, para casos urgentes, principal
155000 mente neste lempo de invern, resolveu defmiiiva-
15600 mente a sua residencia para o seminario episropsl
25506 de Olinda, onde pode ser procurado na occasio do
45000 expediente das 9,horas da manhaa al as 2 da lar-
25.800 de; e para os casos urgentes a qualquer hora do
55OOO tiia ou da noite.
145000 0 secrelario do bispado,
83000 Conego Jonquim Ferreira dos Santos.
850rM) O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
55000 eial, em cumprimeotn da ordem do Exm. Sr. pre
(300 sidenle da provincia de 10 do crrenle, manda fa
zerpublc.t qne no da 14 de juoho prximo vin-
douro, petaste a junta da fazenaa da mesma the
souraria, se ha de arrematar, a quem por menos
lizer, a obra da cadeiada cidade de .Nazareth, ava-
liada em 18:0935900 rs.
A arrematago sera, feila na forma da lei pro
vlncial n. 343 de 13 de maio de 1854, sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem essa arremata-
55000 C''0' comparegam na sala das sess5es da referida
8001 junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, e cotn-
45000' potentemente habilitados.
150OOI E Para eonstar, se roandou publicar o presente
120! pelo jornal.
Secretarin da thesouraria provincial de Per
35500 nambuco, 14 de margo de 1865.O secretario, A-
F. d'Aneunciago.
205000 Clausulas especiaes para a arrematago.
105000 *" O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
15000 fe'10 de conformidade com a planta e orgamento
120 Junk)> Da importancia de 18:0935500 rs.
400 2.* O arrematante ser obrigado a dar principio
255000 aos lrabalhos no praxo de 30 dias, e concluidos
55000 D0 de um anD0> ambos a contar da data da assig-
73000 natura do contrato.
25800 3"* ^* Pa8amenlos.sero feitos em 3 prestacoes
1405000 '8uaes correspondentes a cada lergo da obra hada.
25500
235000
25000
115000
85000
240
900
35000
55000
87A00 ** Nao sera em ,emP a|gum altendida qualquer
'U000 reclamago por parte do arrematante tenden-
2500A ,e a indemoisaeo, quaesquer que sejam as altega-
ri^OOfl f* em *iue so naJani Para esse nm' a' 2001 m0 Vo* Pre"izos Provados.
1050001 3.* Para todo o que nao estiver especificado as
8500O presentes clausulas, seguir-se-ha o que dlp5e ore-
65OOO godamente de 9 de Janeiro de 1864.
500 Conforme.A F. d'Annunciaco.
Alfandega de Pernambuco, 29 de abril de 1865. O Illra- Sr- inspector da thesouraria provin-
(Assignados): 1 eial, em cumprimento da ordem ao Exm. Sr. pre-
0 l. conferentes, Florencio Domingnes da Silva. sdente da provincia de-19 do corrente, manda fa-
0 2.conferente, Jos Thotnaz de Campos Qua- ter publico que a arrematago da obra dos reparos
de que precisa o empedraiueolo do lugar denomi-
nado Areias do Giqui, na estrada da Victoria, an-
nuneiada para o dia-4 de mai prxima vindouro,
ser feita de conformidade com o novo orgamento
no valor de 4775-
resma.
Approvo.Alfandega de Pernamuc, 29 de abril
de 1865.A. Eutalto.
Conforme. O 4." escripturario, Jofio de Assis
Pereira Rocha.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1............ 6615'JOO
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da 1.
2:053377
llainbiirqo, '> de abril de 4865.
RBLATOBIO COMMBBCIAL.
O mercado conservou-se Da quinzena passada na
antiga posico tranquilla.
Caf.O estado do mercado do caf nao mudou
durante tqdo o mtz lindo, ofTerecendo o deposit
urna escolha mu defeituosa. Nos ltimos das as
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, era cumprimento da ordem da Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 24 do correte, noaodo fa-
zer publico que no dia 11 de mate prximo vindou-
ro, erante a junta da faaenda da mesma thesoura-
ria se ha dfe arrematar a qnempor menos ftzer a
pintura de qne precisa a ponte pensH do Caxang,
avallada em 3025500 reis.
A arrematago ser feila Da forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propuzerem a essa arremata-
gao comparegam na sala daff sessoes da referida
junta, no dia cima raeoelBado pelo meto dia, e
novas entradas foram to considera veis, que as co- competentemente habilitado?.
tagoes abaixo s podem ser consideradas como do-, E para eonstar se mandou publicar o presente
minaes. pelo jornal.
As qualidades finas continuam procuradas, em Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
quantoque as ordinarias nao merecem attengo. buco, 26 de abril de 1865.
No mez de margo as vendas de caf do Brasil foram; O secretario,
de cerca de 43:000 saceos. O deposito geral de Antonio Ferreira da Annunciago.
Lelio
De urna grande casa enm 4 salas, muitos p gran-
des quartos com janellas, calgada toda a roda, ter-
raco na frente e copia atraz, com slito, quartos
fra, nao s para hospedes como para protos, co-
cheira e estribara, cacimba e tanque, jardim e
pomar ao lado, silio com muitos arvoredos e fruc-
leras de boas qualidades.
HOJE
O agento Pinte fara leilao, precedida a compe-
tente aulorisagao, da casa de campo com os com-
modos cima descriptos sita no Caldeireiro, on-
tr'ora do tinado Domingos Antouio Gomes Guima-
rs, em freute a casa do Dr. Jos Bernardo Alce-
forado, as 1 t horas do dia cima dito em seu es-
criptorio a ra da Cruz n. 38. Os pretendentes
potero obler do mesmo agenic qoalquer lafbr-
maeao a respeilo da mesma casa.
Leilao (lo-i casas em Apipucos.
HOJE
O agente Pinto levara novament a leilao nao
s as duas casas edificadas no alio de Apipucos
Sala do eonselho de couiDras navaes, Io de maio ao lado direito e peno da pavoacao, como as daas
de 1863. j de baixo ao subir da ladeira, com os commodos
O secretario, descriptos nos anuucios para o leilao do dia It
Alexandre Rodrigues dos Knjos. j do corrente. i
O conselho de compras do arsenal de guerra |
precisa comprar o seguinte :
Para acompanbia de voluntarios.
80 bonels a cavaubaque.
As pessoas que quizerem vender dte genero,
apresentem suas propostas as 11 horas da manhaa
do dia 3 do corrente, na sala do conselho.
Sala das sessoes do. conselho de compras do ar-
senal de guerra 1" de maio de 1865.
O encarregado da escripturago,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Coneio geral.
Helarn das cartas seguras viadas da sul pelo va-
por fraurc/. tCxlrcnladure* para os senhores
ibaiio declarados:
Alves Hamburgo & C
Augusto Alvares Gaimares.
Antonio Goncalves de Barros.
Antonio Ignacio do Reg Medeiros..
Antonio Jos da Costa Cabral.
Capillo Antonio Luiz Duarle Nuoes.
Antonio de Oliveira Cosa.
Caetano Pinto de Veras.
Christovo Guilherme Breckenfeid.
Custodio 1 Carvalho.
Emite Wild.
Francisco Lucio de Castro.
Jos da Cruz Saatos.
Dr. Jos Sergio Ferreira.
Luiz Caetano Muniz Barrete Filho.
Miguel Ferreira Dias dos Santos.
Marqnes Barros A C
Manoel Ribeiro Bastos.
Victorino Antonio do Sacramento.
Leilao terca-feira 2 de maio. s 11 ho-
ras, a ra da Cadeia armazem n. b'3.
De um sobrado de 2 andares e soto n. 36, sito
ra da Imperatriz, nem- edificado, seu rendi-
mento paga um joro razoavcl.
Pelo agente Euzebio se vender naquelle da e
hora o predio como cima descripto, sao convida-
dos os pretndeme.* ao previo exame.
Lelio de uuia casa teveosu
THGVrKO
DE
S. ISABEL
EMPREZA-COIMBEA
IO.a reelta da asignatura.
Quarta-feira 3 de maio de
1865.
ESTBA DO ARTISTA LUIZ CaBLOS AJOEDO.
Subir a scena pela primelra vez neste tbeatro
o magnifico e interessante drama em 5 actos,, ori-
ginal francez de .Vi. M. Aincet Boargeois e Ad.
D'Enaery.
AFILIIADOLWR <1WR
KnSONAQESS. ACTORES
Champloux................... Coio>bra.
Andr Saunel................. Amoedo.
Alberto de Sivry, seo irmo..... Borges.
O oonde de Laogeac........... Lishoa.
Naotier, notario............... Porto.
Medardo..................... Terae>ra.
Bocmont..................... Goin^ares.
Plancheo, jardinero............ Pinto.
Manglorio.................... Santa Rosa.
Joanna Champloux............ D. Engenta.
Helena....................... D. Camila.
Victorlna..................... D. Leopoldina.
Convidados, ect.
Terminar o espectculo com o ultimo acto do
drama.
Os bilheles acharo-se desde j no lugar do cos-
tume.
Principiar s 8 horas.
0-J
O agente Pinto levar novameme a leilao por
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orpbos,a roque-
rmenlo de Manoel Pereira Lima, tutor da menor
Mara Joaquina, a casa terrea n. 19 sila na ra de
S. Miguel freguezia dos Afosados, edificada ero
chaos proprios. as tO horas do dia aeiun dito em
seu escriptorio ra da Cruz n. 38.
Leilao de 100 glgos com btalas.
IOJE.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencerem um ou miis. lotes 100 gigos
com batatas muito novas : hoje as 10 horas da
manhaa no armazem do Annesi
Lelio de &0 calxas com aletria.
HOJE.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 50 raixas de aletria muito nova
sendo lina e entre-Una em lotes a volitado dns
compradores: hoje as 10 l\-l horas da. manlia m>
armazem do Sr. Aunes.
HOJE.
Embora chova.
De una paoaria na praca da Boa-lU-
ta, diversos movis c r" upa asada.
Espolio de i iriiiiiin Piohoeo Gomes.
Martins far leilao por ordero-do illm. Sr. Dr.
ce n-ul portuguez, de um grande forno para pao,
maceira, tendedeira, rylmdros, barricas ciwn fari-
nha de trigo, bolachas, um grzode telheiro oon so-
lio para guardar barricas e mais pertences da po-
dara, 1 relogio de prata com correte de ouro, 6
cadeiras de amarello, 1 marqoeza de dito, urna me-
sa de jamar, palelots, calcas, camisas, ohapos e
muitos outros objeclos.
0 leilao tera lugar roa mesma padaria s ti ho-
ras do dia.
LEILAO
E
1 mobilia de Jacaranda a Luiz XV, li dita de ama-
rello, 1 guarda roupa, 1 guarda louca, i cama
franceza de Jacaranda, 1 dita do amarello, 2 ma-
chinas de costura, 1 guarda vertido,* i banca pa-
ra advogado, 1 saatuario de Jacaranda, 1 relo-
gio deparede. t dito da algineira e outros mul-
tes movis novos e usados diverjas joias de
ouro e prata.
Quarta-feira 3 o-copreote as 11 horas.
.\o armazem a riu da Cruz n. 57.
Cordeiro SimOes far leil>o dos objecios cima
mencionados no dia, hora e lugar a<*ma dito.
AfISOS 111ITM0S.
Rio Grande e
Segu a barcada Dj %ssi
"'por estos dias,
LU1LAO
DE
l ni siio oa eslroria dos Ullicos,
Sabbadi C de maio.
O agento Pestaa, competentemente aulorisado
far letlode tira silio na estrada dos Afilelos, con-
tiguo ao daviuva doci'urgiao IVixoto, pouco alm
da capella, cuja propriedade consta de terreno com
380 palmes de (rente sol.re 1,500 de fundo, cer-
cado de boa crea, com mais de mil ps de diver-
sos arvoredos, arvon s seculares e de saborosos
frnctos, terreuo pro|>rio para ludo, boa casa terrea
eom sotao para venda, de 34 palmos de frente e
setenta de fajido, muitos quartos e salas, rozmha
fra e boas accomir.odac5ey r.o referido soiao, co-
xeira fra e boa nstiinaha para tres cavallos Os
senhores prtteC'lonles pedem examina-la (tesd* j,
v


Terca letra de
itliw.
N
par o que se acha a chave aa nao d referido
agente, ra do Vgarlo o. II.
O leilo lera logar as onie horas da manbaa do
da 6 de naio i porta da Aisocucao Commercial.
ATOO MTOSOS
latera
AS 6:000^000.
Sabbado6 de raaiodo correte auno se ex-
trahir* a 3 parte da 4a lotera (14a) a be-
neficio da Santa Casa de Misericordia, no
consistorio da groja de Nossa Senhora do
Rosario da fregezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos est3o a Ten-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. 15.
Os premios de 6:000,JK)00 at 40,4000
ser3o pagos urna hora depois da extraccSo
at as 4 horas da tard, e os outros depois
da distribaiao das listas.
As encommendas rio goardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccSo
como de -costume.
O tbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
"-Tliose Sella Pernandes. subdile hespanhol, re-
tira-senara Europa._____________________
Hichel Norat,francez, retirase para o Ma-
raobSo. ________^_
AMA. I
Precisa-se de una ama que saiba coiinhar bem
e comprar para casa de pouca familia : a tratar
na raa do Queimado, toja n. 5.______________
GASA DA FORTOfli.
Aos 6:000,51000.
Bilhetes garantidos.
A* ba do Crespo n. 23 b casas do costumi.
O abajxojtssigoado venden nos seas mallo feli-
ces bilbetes garantidos da lotera que se acaben
de extrahir a beneficio da nutria de Naxareth, os
seguales premios :
O bilhete inteiro n. 607 com a sorte de l:i(i0i.
Um qaarto n. 2722 com a sorte de 500*000.
E oulras muitas sones de 100*. 401,20* e
169000.
Ospossuidorespodem vir recebe/seus respec-
ivospremiossera os descontos das leis na Casa
da Fortuna raa de Crespo a. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da 4* lotera
(tl) beneficio da Sania Casa da Misericordia,
que se extrabir no dia 6 de maio.
PREGO.
Bilhetes.....7*000
Meios......3*500
Quartos.....1*900
Para as tessaas que ceaprartm de 1000000
para din.
Bilhetes.....6*500
Meios......3*250
Quartos.....1*700
Manoel Martins Fiuza.
Precisa-se de urna ama
de ama casa : a tratar na raa
20, segundo andar._________
para todo servico
do Livramento n.
Placido Jos do Reg Araujo, subdito portu-
guez, retirase para frado imperio, e vai em sua
companhia sua molher.__________
Joao de Paiva Mallos, sua senhera, um filho
menor e sua prima Maria Isabel, subditos portu-
guezes reliramse para a Una de S. Miguel.
~^- Precisa-se de urna ama forra eu captiva,
para casa de pouca familia : na ra da Cruz n.
O, primeiro andar.____________;___________
Precisa-se alugar um preto para o servio
de casa, sendo fiel : na ra do Imperador n. 18,
loja de marcineiro._______________________
Precisa-se alugar um escrivo moco ou de
meia idade para pequeo servido de urna casa :
na ra Nova n. 36._______________________
Precisa-se de urna ama para todo a servico
de ama casa de pouca familia : na ra Direita n,
66, segundo andar.______________________
Na ra do Apollo n. 34, segundo andar, tem-
se para vender um escravo de bonita figura com a
idade de 18 asaos proprio para um criado.
AGA
Do Norte.
Sahio o 3* numero e est a venda com os pri-
mearos na ra do Imperador n. 67 e Imperatriz n.
39, loja de bilhetes.
Precisase de quem venda essa gazeta pela ra,
paga-se a 20 |. servem mesmn meninos.
Joaquim Ferreira Coelho faz ver ao respeita-
vel corpo do commercio que deixou de ser caixei-
ro gerente do Sr. Antonio Joaquim de Mello desde
u dia 30 de abril do correte mez, entregando a
casa na mesma dala ao mesroo Sr. Mello com as
condicoes de que tomou conta.
O Dr. Cosme de S Pereira conti- jjg
na a residir na ra da Cruz n. 53, g|
Io e 2* andar, onde pode ser proco- i
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre e seguinte
Io molestias de olhos ;
2o de peito :
3o dos o gaos geni-
ti urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pe-
los doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
c2o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
s
Perfumara e sabonetes de
Toilet
da casa Viplet, perfumista com privilegio,
fomecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel II
de Hespanha.
As flures as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorilicos,
servem a composle/io dos productos exclusivos da
rainha das Abelhas.
Sauo real de Tridaco.
O nico recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygienica da pelle.
Balsamo de Violeta.
Pomada fluidificada pelos oleo virgen para o
servieo dos cabeleireiros.
Gotas de Vilelas.
Extracto da Qdr natural, perfume de S. M. arai
riba Vicloria. ,
SaI>o liomenagcm a S. M. a Imperatriz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Loerfio benfica para o toilet das damas.
Fiar de arroz rosada.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas as
affeccSes dormacs.
Hastio das abelhas.
Loc$o refrigerante para o toilete e os banhos.
fieme poupador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Creue Sevigo.
Composicao especial, para lastrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
treme fro espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tesado dermal.
Perfumes das brisan de nal.
Delicias dos lencos e saldes.
Dicado a S. M. a Imperatriz da liussia.
Caixa de Jnvencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para tiieza.
Vermelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passeiss e soires.
P hiirisoBtal -
Pas as unhas o brilho de nacarregado..
Perfumes borisoalaes. *
Para perfumar as carias, toalhas e os quartos.
Vende-se na ra do Imperador n. 38, botica
r-nfceza. a.
INJECCAO BROWT"
Remedio infajlivel contra as gnorrhbo-
a_ptgas e recentes, upico deposito iaea
jca franceza,. ra da. Cruz n, 22 pre-
co U
A 500 rs. a cuia de fe jao mulatinho.
A 500 rs. a coia de feijao mulatinho.
A 200 rs. a cuia do hom milito.
A 200 rs, a cuia de bom milho.
Cheguem depressa a esta pechincha at que se acaba o qual se uende por este pre-
co pela proh bicSo que ha as ribeiras.
Saceos graDdes de milho novo a 40.
Dito dito de feijSo mulatinho a 9,5.
Ra dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
AMA
Na ra do Rangel o. 38, primeiro andar, preci-
sa-se de uma ama que compre, cozlnhe e engora-
me, para casa de muito ponca familia.
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQaO DE LONDRES
SO Dr. Francisco Pires Ha-
chad* Prtella
Medite operador
PELA
FACULDADE DE PAR,
regressando a esta provincia acha-se
prompto para o exercicio de sna profis-
sio, quer nesta cidade, qner fora della,
especialmente em molestias de olhos (ca-
ta ractas etc.) das vias orinarlas (estreita-
l< ment de nrelhra ele ) e- de pelle, para
SR cojo curativo se julga habilitado, ltenla
a pratlca qoe teve nos hospitaes de Pa-
rs, e os modernos instrumentos qne pos-
sue.
Pode ser procurado a quarqner hora
na casa de sua residencia no patee do
Carmo n. 2, esquina da ra de Hortas.
DE
THOMAZ TE1XEIRA BASTOS
N. 60-Rua da Cadeia do,Eecife~N. 60
Todos os artigos abaixo mencionados, forana comprados recntenteme pelo dono do eslabele-
cimento as principaes fabricas de Paris, Londres, Birminghi.m, Mnnchesiei, a em diversas cidades
da Allemanha, e tendo comprado tudo as melnres conoides por ser i dinheiro, por isso vende lodo
e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer Inteiramente liqui-
i^eTiz^r,v^o % SsS "mT^a ZZmlSSaSsr^ ^com br,lhan,es'comoboi5es'anneis' roseusetc- e
Consultorio medieo-eirnrgieo aa raa larga de
Rosario a. 20.
O Dr. Jeo Ferreira da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exercicio de sna proflsso nao
a na parte medica como tambem na cirnrgica.
Alnga-se o terceiro andar da ra da Impe-
ratriz n. 31, com muitos commodos, trata-se em.
baiio no eslabelecimenlo.
Na praca da Independencia n. 33, precisa-se
de uma ama para compran, cosinhar e fazer lodo
o mais servico de casa de pouca familia._______
CASAFBANHOS
ouro, como tranceln-, correnldes, ocnlos, face-mains, annels, e
Largo do Carmo numero 26.
Este eslabelecimenlo to bem montado na sua
origem, achava-se de a mnito em quasi completo
I abandono pelo pouco interesse de ua adminis-
tradlo.
mTudas na SS^^StSmSSS/^ tafia. fiKmnS!S SfJeieS d af*ma? ,b-r,C.n,e %S -***&*&&** ** que o novo proprietario emprega todos os
de pouca impoVtancia, oa recibo de quantia su- E?"^^^ ilidide deste
perior a 35:0009, de qne o dono tem publica fr- ES?ELS^vLT" SSS'tt "^'' eBrand'uEd,1P,and* ***> ,De'erei Parlamerie do Lslabe|ecimenio, pode assegurar ao publico que
SSmfi ,f ^'f Hy,en,1e. Monpelas, Mailly, Regnter, P. Gueland, e inglesas de Eug. qualqQer qQe ta o numerodos concorrenles acha-
rirTni 6 c aIS ; SfS a,*M".ein -marfin mar de pero,a' f!c-.;abricadas na China e no Japao; ;Io desde j prompl dao e ace.o nos bonhos frios,
ricas pegas de cristal fino como anda nao appareceram nesta cidade, e bem a-sim modernos lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casiicaes, enfeites e adornos para cima de con-
solos e para grande toillette, o que se tem feito de mais elegante em Paris, em Londres, liirmingham
etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para cha e caf, os quaes nada tem de inferior prata,
e muilas oulras pegas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de se-
nhora?, excedentes Invas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf,
ditos para jantar, e immensos artigos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras,
etc.; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de panno caro sola de borracha, pianos dos
cora casa de pedra e cal, com baixa de caplro, | celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na ra, ditos
sendo de chaos proprios, entre os dous porloes de com figuras para saldes e ditos com figuras em movlmento ; modernos e bonitos instrumentos de physi-
ferro : a tratar na casa confronte.___________ jca (mgica) para Ihealros ou sloes, ditos de phantasmagoria ; lanternasmgicas, cosmoramas com
Precisase de uma ama para todo o servico j Bf novas, dia e noile ; stereocopios de nova invengo e com bello sortimento de vistas das principaes
de casa de pouca familia : na ra das Trincheiras cl(la(Je.s da Europa ; grande sortimento de brinquedos finos para mancas, e bonecas fallando papai,
ma, e por isso s a elle pode interessar, assim co-
mo uma letra de Francisco de Sooza Lima da
quantia de 1:210,3 aceita por este: quem tiver
encontrado dita carteira e papis, e quizer entre-
gar ao seu dono, dirlja-se a povoacao de Apipucos,
em casa de Jos Baplista Ribeiro de Faria, que
ser bem recompensado.
= Arrenda-se e vende se um sitio em Magda-
lena, no principio da estrada nova do Cachang,
numero 27.
mami; grande sortimento de candieiros a gaz, os que se tem feito de mais elegante e que tem mere
xldo toda a aceitado na Europa, grande e magnifico sortimento de caixinhas, cestinhas e oulras galan-
teras feitas de crina e seda proprios para presentes -, grande sortimento de estampas Anas coloridas
com o fundo preto e de oulras de todos os santos, ditas com figuras e ditas com novas paysagens para
cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de christai, proprio
para meio de mesa de Jantar ou para jardim ; cutelaria fina, como talheres cora cabo de metal fino, co-
Constando ao abaixo assigoado que alguem
se intitulando seu filho, ora sen caixeiro.tem apre-
sentado contas a algumas pessoas que costumam
comprar materiaes em sua olaria, e at se arrojou
escrever uma carta ao finado Cardse Ayres em Iheres, thesouras finas, ditas modernas para alfaiates, oavalhas finas, caivetes e outros artigos, diver
mea nome, por isso o mesmo abaixo assignado se sos srtigos feitos de rame; completo sorlimento de mascaras de velludo, selim, cera, paplo e ara-
apressa em prevenir s pessoas com quem tem me> doces, confeitos e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de|todos os tamanhos, laya-
iransaccoes e relacoes q# amizade para que se nao torios, etc.; ricos quadros para carlSes de visitas e ditos grandes e pequeos para retrates; chapeos
lludam com esse tratante, qne anda nao esta cor-
regido com j ter sido condemnado e cumprido
rulenga por iguaes traficancias.
____________Aleandre dos Santos Barros.
GABINETE
PORTUGUEZ UE Lhl Il'iu til PER-
NAIBICO.
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho de-
liberativo, convoco aos membros do mesmo conse-
lho a reunirem-se em sessao ordinaria, quarta-
f''ira 3 de maio, pelas 6 horas da larde, na sala das
respectivas sessoes.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco 29 de abril
de 1865.
A. A. dos Santos Porto
Io secretario.
mm
uns oculos com aros de ouro, do passadico al a
ra da Florentina n. 14 : qnem o achou e quizer
reslitui-lo, na dita casa receber 13,5000 de grati-
fica$5o.
Descentain-se notas do banco do Brasil e das
caixas filiaes: na praga da Independencia n. 22
Augusto Coelho Leite e Francisco Antonio
de Albuquerqne Mello declaran) ao corpo do cem-
mercie e a todos aquellescom quem tem relacoes
commerciaes, e a quem possa interessar, que nes-
ta dala dissolveram amigavelmente a sociedade
que iinham na prensa de algodao no Forte do
Maros n. 9 sob a firma de Augusto Leite & Alves,
ficando'enrarregado da liquidagao da casa o socio
Augusto Coelho Leite. Recife24 de abril de 1865.
Manoel Ferreira Pinto faz publico que com-
pron a Manoel Paulino do Nascimenlo a taberna
sila ra Nova .u. 53, e para constar laz o pre-
sente annuncio.
Alugam-se duas escravas para servigo inter-
no de casa de familia, as quaes cozem, cosinham
e engomini>m : a tratar era Santo Amaro sobrado
junto ao cemilerio inglez.
I'reclsa-se de uma ama para casa de duas
pessoas preferindo-se escrava : na ra da Penha
n. 23, secundo andar.
de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
para quem faz pao-de-l, bolinhos, ele.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos ;
pannos para cobrir mesas, boleas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores,
malas, ele.; sortimento de violdes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantarias e ontras pegas
de charo para toillette ; machinas para varrer o chao, excellentes machinas para pbolographia para
tirar retratos, grandes e pequeas; lindos baldes de papel Qns transparente e lanternas coloridas para
illuminagoes moda de Paris, salva-vida de borracha, para bomens e senhoras, proprios para quem
toa>a J^nnos era lugares fundos ; ameixas novas em caixinhas, blscoitos inglezes em latas, graixa in-
gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, queijos etc., e muitos outros artigos
que para enumera-los seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e mnito barato do grande ar-
mazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se moedas de ouroe notas do Banco, e bem assim uma colleccao desde um centesimo
al mil francos: vende-se barato no Recife ra da Cadeia n. CO, noarmazem da Exposicao de Londres.
es
<
i
o

M
a
Para completa liquidagao vende se, por mu i lo menos do sea valor, perfumaras mnic fina? e
novas ohegadas receniemenie de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug.
Rimmel, R. Matheus & C, Lubio, Sociedade Hygienica, Piver, Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaud &
Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere ele, etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em
vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em garrafinhas e
vidros de differentes modelos, pos para limpar dentes, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas
caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos eutros artigos que se vende por
menos de seu valor, bem cuino lodos os artigos em geral existentes no grande arraazem da Exposicao
de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Para senhoras.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senbora, o qne se tem feito de mais ele-
gante at o presente : vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Ex-
posigo de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60
Luvas novas de Jouvin.
Vendem-se excellentes luvas de pellica receniemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
rao para senhora por menos de seu valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposicao de Lon-
! dres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Attenco.
DOCE
Prerisa-se de 150$ : qnem os tiver, querendo
dar a juros, annuncie para ser procurado ; hypo-!
Iheca-se uma escrava, sendo necossario. i
Na ra da Cruz n. ii fomece-se comidas pa Vzeite doce refinado em pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
ra lera e em casa ; na mesma se precisa de um da Liga.
moleque de 12 a 16 annos para todo o servigo. cvv m ,^-- __^* r*s
Saceos de 80, 100 e 120 libras a 40,45OO e 55 ; no grande armazem da Liga.
Anda ausente de casa de seu senhor o preto
Justino, crioulo, de idade de mais de 30 annos,
bern contiendo nesta cidade por ter sido escravo
do finado Jote Francisco de Lima, e tem sido oc-
cupado era servico de refinagao, com os signaes
s< guinies : estatura baixa, grosso do corpo, ps
grossos, com falla de denles na frente, ror bem
preta, levod vestido caiga de tn- balho e camisa do
mesmo, e chapeo do Chile usado, tal vez tenha mu-
dado de roupa, tem sido visto no aterro dos Afo-
lados : rogase as autoridades pollciaes e capiiaes
de campo a captura do mesmo, e leva lo a ra Di-
reila n. 8, que se gratificar generosa mente._____
Ausenlon-se no dia 25 de abril, de casa de! /Afig-sea casa terrea n."l05 d7a*de'Sa-
mornos on medicinaes, a casa dos banhos se acha-
ra aberta todos os dias das 6 da manhia s 11 da
noile.
Preeos.
1 banho fri on morno......500
1 dito de farello........15000
t dito medicinal ser segundo, a qualidade.
25 cartSes.........105000
12 ditos.........'. 5000
Companhia fidelidade de segaros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAHBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
2m| competentemente autorisados pela dlrec-
B loria da companhia de seguros Fidelida-
5R de, tomara seguros de navios, mercado- Hg
? ras e predios no seu escriptorio ra da JES
m crm n. i. m
Garrafas razias.
Compram-se por todo prego meias garrafas de
champagne : na roa do Rosario n. 34.
Compra-se um escravo de meia idade qoe so-
ja robusto e sera achaque algom : a tratar com
agente Cordeiro_Simoes na roa da Croz n. 87.
Cobre, TaT e chonba.
Comprase cobre, lati e chombo : no armazem
da bola amar, lia no oitao da secretaria \ polica.
Silvino Gulherme de Barros compra e ven-
de erftctlvamente escravea de arabos os sexos : i
roa do Imperador n. 79, terceiro andar._______
Libras sterlinag,
Compram-se na praca da Independencia n. t.
Compram-se libras sterlinas por mais d
9*300 : no largo do Corpo Santo n. 4, primeiro
andar.
VENDAS.
Samuel Power Johnston Gompanha
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA OA
i iiii.livlo deLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
ALMANAK.
Acaba de sabir dos pr-
los de nossa typograpkia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e8
da praga da Independencia,
Vende-se uma preta velha, por preco com-
modo: a tratar na roa do Livramento n. 25.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodo : na ra da Senzala .Nova n. 42.
Fogo, fogo, fogo.
Valdivino da plvora, vende bom fogo do ar
por preco commodo : no seu armazem de sal ru
Imperial n. Mi._________________
Calaagas finos e ferlaquedos
para luenlnes.
Chegaram para a loja de miudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para brmquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezis.
Instrucgoes para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito conven
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Independencia, a !<$.
0 GASTELLO DE GRASVILLE
Traduzidodo francez per A. J. G. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 205OC
Moendas e meias moendas para engenho. Ua praca da Independencia, livraria ns
Tatxas de ferro coado e batido para enge- 6 e 8.
Vinhosdo Porto finos
engarrafados embarris ean-
coretas:
Arrei'osd carro para um'e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.________
Alogam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara e oulras commo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Lagrimas do Douro.
Duque do Porto.
D. Luiz.
Menezes.
Particular.
Vinho real e muscalel
19, primeiro andar. ___
na ra do Vigario n.
Vndese irescarrocas para boi, duas ditas
para cavallo, dous carros para condueco de ge-
Na pra?a da Independencia loja do ourlvesn- i nerf s de estiva ou ootro qualquer miste', tudo em
33, compram-se obras de ouro e prsu o podras -
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda e lodo e qualquer concert.
Aluga-se a casa da ra Augusta n. 52. com
6 quartos, 2 salas* cozinha. quintal e cacimba : a
tratar na ra Direita n. 2i, padaria.
No largo da Assembla u. 16 precisa-se d^
um moleque para conduzir taboteiros e mais ser-
vicos de casa de pasto, e um caixeiro que tenha
prvtica da mesma.
- Precisa-se de um menino que tenha pratica
de taberna para caixeiro e que d fiador a sua
conducta.de 12 a 14 annos, preferindo se portu-
guez : na roa Imperial n. 144.
bom estado, e pur prego commodo, por seu don-
querer acabar com esse negocio : a tratar na roa
do Sebo D. 54, taberna
E-t para alugar-se uma casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um primeiro e segundo andares de
um sobrado na ra do Rosario da Boa-Vista, qua-
si no pateo da Santa Cruz, e uma mei-agua na es-
trada de Joo de Barros, com arvoredos, agua de
beber, e porlo para o becco do Pombal : quem
pretender falle na ra das Cruzes, sobrado n. 9,
das 9 horas da mauha at ao meio dia.
O hachare! Lourenco Avelino de Albu-
querque Mello continua a ter seu escrip-
torio de advogado nos auditorios e tribu
naes desta cidade : na ra do Imperador
o. 40.
sen senhor, no Monleiro, um moleque crioulo de la Rila : na ra da Aurora n..36.
":m.e/-"f"s i ida.de i6.annos' .lev.(lu cal?a.e ra- Precisase de w ama forra ou captiva para
cosinhar e comprar para casa de rapaz solleiro :
na ra do Imperador u. 40.
misa de lisiado, 6 muito ronbecido por ler o
queixo um ponco sabido; soppo>-se que ande
nesia oidade ou seus arrabaldes : quem o pegar
leve-ira ra da Cruz, armazam n. 49;
Manoel Antonio Monleiro dos Santas nao
podendo pela rapidez de sua viagem despedirse
de todas a? pessoas qoe o honraram com sua ami-
zade, o faz pelo presente, offerecendo Ihes o seu
diminto presumo em qualquer parte em que se
ache.
Na roa Nova n. 6 precisa se de orna ama para
o servico de casa de homem solteiro.
O abaixo assjgnado. desconfiando que seu
escravo Gabriel qoe anda b^ dias fgido, que tem
feilo annunciar por este jornal, esteja acoulado
Precisa-se de uma ama que cosinhe e engom-
me para 2 pessoas : na ra dos Ossos c 5.
Noral Irmaes pede de novo as pesoas que
Ihe esto devendo de vir pagar em quanto antes
na ra do Trapiche n. 11, hotel de France, do
contrario sero obrigados a entregar ao seu pro-
curador para cobrar judicialmeute.
Ama
Precisa-se de uma'ama para casa de pouca fa
milia : a tratar na praga do Corpo Santo n. l~,
terceiro andar.
Procisa-se de uma ama forra ou captiva, sen
do boa cozinheira : na roa do Brum n. 84.
Os senhores devedores a massa falli-
por alguem ne ta cidade, visto que tem sido per da de Amorim, Fragozo, Santos A C. sao
muitas vezes encontrado por alguns de seos par- lv,nv:(iarln~ mmnarp,prpm nn pccrinlnrin
reros as roas da mesma, protesta conira esse convdanos a cqmparecerem no escnplorto
alguem de l*a-lo ao tribunal competente, se por da admimstrac5o a ra do Vigario n. 21.
ventura realisar-se a sua desconflanga. Antonio primeiro an-iar, para tratar da liquidaco
ioaguim Cavalean de Albuqnerqoe. O abaixo assignado faz sciente ao respeila-
vel publico e com especialidade aa corpo do com-
mem', qne venden ao -'"r. Jos Antonio'da Costa
Valenle o seu eslabelecimenlo de moldados sito
no largo do Paraizo n. 16, livre e dezti.mharagada-:
se alguem ee julgar com direilo qualouer recia
macao, dirija se ao dito esladelecimento
de cinco dias.
_______________Luiz Alves Viltlla^ ____
Preclsa-se de orna ama : na roa da Senzala
Velha n. 104, entrada pelo becco Largo.
Precisa-se de orna preta para o servico de
rasa e comprar : na ra do, Queimado n. 3.
Pernambuco 28 de abril de 1865.
Os administradores,
Jos Jeronymo Monleiro. ,
Justino Jos de Sonza Campos.
O Sr. Antonio Goncalves Guimaraes, mora-
no pra-o ,jor nog p,emertj0S> [em ama car(a ,je por[Ug3 na
roa do Queimado n. 37, que pode mandar receber,
pagando o porte e este annuncio.
No primeiro andar da casa o. 50, na roa de
Aguas-Verdes, deseja-tt fallar com o Sr. Manoel
Joaquim dos Prazeres, mofador na ra do Pilar,
casa p. 97. !
, O London & Brazllan Bank, saca pordoos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
__________Amarante.___________________-
Na Camboa do Carmo casa n. o, lava-se
chapeos de palha para senhoras e faz-se chapeos
de seda, vestidos e capas, e prepara-se plumas,
_______todo por preco commodo.
Precisase alugar uma escrava para comprar,
cosinhar e eogommar para duas pessoas : na roa
da Mangueira n. 12.
Participase aos pais de mepinas entregues
direccao do collegio de N. S. da Cooceio, qoe
este collegio se acha transferido para os Coelhos,
onde foi a casa de Alienados. Todas as pessoas que
liverem relacoes com dito collegio, all poderlo
dirigir-se : assim como all somente nos domingos
de tarde se recehem visitas.
Escola particular.
Clara Olympia de Luna Freir, professora parti-
cular de inslruccao primaria, competentemente au.
torisada pela directora oa instruccao publica
abri sua aula na ra Direita n. 60, segundo andar,
mmmm
Manoel Jos Lopes Braga e Rufino Luiz do
Reg Braga, rordialmente agradecen) as pes-
soas que se dignaran) assislir os suffragios e
que acompanharam ao cemiterio publico os
restos mortaes de sua presada fllha e irma
D. Francisca Umbelina Braga Freir, e de
novo convidam seus amigos para assistir a
missa do stimo da, a qual lera lugar ama-
nha (3) pelas 6 horas da manhaa, na igreja
do Espirito Santo.
Anna Maria da Couceicao, Innocencio Ro-
drigues Lima, Joo Rodrigues Lima e Maria
da Conceico sogra e cunnados da finada Ma-
ria Bernardiua da Conceico Lima, agrade-
cem a tedas aquellas pessoas que se' digna-
ran) arompanbar at o ctiniterio publico o
cadver da mesma finada.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidide a
li.0 a ata : nos armazensda ruado Im-
perador d.IC e ruado Trapiche Novon.8.
Vende-se um moleque de boa conducta, de
idade de IG mios, o motivo s se dir ao compra-
dor : na ra da Cruz n. 30, escriptorio.
' inho Madura fino
lem para vender'Joao do Reg Lima, na ra do
Apollo n. 4.
Em casa de Tissel Freresrua do Trapiche n.
9, lem para vender :
Vinho B rdeauxem barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Ditodp Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee. ________
Bixas hamburguezas.
Vende-sena ra Nova n. 61.
Solicitador.
O solicitador PeJro Alexandrino da Cosa Ma-
chado transfeno sua residencia da ra Imperial u.
36 para a roa do Rangel n. 38, primeiro andar,
onde pode ser procurado para os misleres de sua
profisso, qur no loro desla cidade, qur nos do
Cabo, Ipojuca e Escada, para onde se encarrega de
cobrancas.
Precisase de um trabalhador para padaria :
na ra larga do Rosario a. 16.
Precisa-se alugar uma ama que saiba-bem
coziohar, e uma para comprar, para uma ca?ade
duas pessoas : na ra da Imperatriz n. 34, pii-
me'ro andar. ______ ______
MEMS8
caixes vasios propri ios c funileires a 2,000 rs.; a tratar
uesla oilirinn.
Alta de leite.
Offeerece se uma excedente ama com muito bom
leite : a l;atar na ra do imperador, armazem nu-
mero 81.
COMPRAS.
m
M O bacharel
W' Francisco Augusto da Costa
IR aovagado
5jj? Ra do Imperador numero 69.
mmmm wmm mmmmm^
Precisa-se de um pequeo para taberna : na n- "*'
ra da Lapa n. 13.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Ferrira & Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66.
Compra-se uuro e prata em ohras vellias, p*
^-sebera: na loja de bilhetes da Prac,a da Inde
dendencian. 22.
Compra-se effeciivamcnte ouro e prata em
onras velhas, pagando-se bem : na roa larga do
^osario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
mojo, robusto e sera vicios : a tratar no sobrado
Jos Joaquim Goncalves Bastos o procura-
dor nesta cidade de Francisco Manoel da Silva la-
vares, residente em Lisboa.
Precisa-se de um caixeiro qne tenha alguma
p-alica de taberna : a tratar na ra da Senzala
Nova n. 26, ou a travessa do Pociuho n. 34, esqui-
na da. Concordia.
Compra-se cobre, bronze e ferro ruado ve
lito: na fundicao da Anrora, em Sanio Amaro.
Compram-se libras sterlinas : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar.
Compra-se uma escrava de meia idade, ro"
busta c sem vicios : quem a tiver dirija-se a ra
de Santa Cecilia, casa n. 17, que se dir quem
compra.
Francisco Jos Germano
RUI SOVA X. ti,
acaba de. receber um lindo e magnifico- sortimento
de oculos. lunetos e binculos, do ullimo e mais
apurado gnsto da Europa.
NOVIDtRE
4 10OOO e 90OOO
Na ra da Cadeia do Recife n. S, loja de miu-
dezas de bom goslo, vendem-se leques de osso a
15, e de madreperola a 2#, chegados pelo vapor
inglez.________________________
Machinas de serrotes para
algodo
jl Chegaram as desejads madin?.s de serrotes pa-
ra descarocar algod.V>. havendo um completo sor-
timento desde 13 at i0 --errles, tambem ha mo-
tores americanos para as mesmas machinas, ven-
dem-se o mais barat) pos>ivel : na ra da Cndeia
do Recife n. 36 A, loja de ferragens de Joao Car-
los Basles Oliveira. __^
_ Cal deiUsboa
t Na roa do Vigario n. 19, primeiro andar.
Toros de Jacaranda, madeira muito especial
para construir mobihas : ao largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
V
.


Diarto de
Terca elra J
de !*.
PILMAS CATIARTKAS BI AVIR.
Estas pilulas vegetaes sao a-
daptadas a todos os usos de un
penante as familias, pois si*
perfeitamente innocentes, eea
quanto milhares de pessoas cob-
fessam cosa gralidso que foran
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Conlinua-se a vender em porco e a retalbo :
na roa do Queimado, loja d'aguia branca o. 8.
Chromacomo
A gola branca, na Toa do Queimado d. 8, acaba
Curadas por ellas de molestias de receber um novo sortimeDlo de camuas cqm
*vpr severas e pengosas, nao na frascos com nydroca|letricnin3| agua para desen.
um SO caso em que baja 8Upei- grasar os ditos, coloncomo para lustrar os ditos,
tas do mais leve resoltado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqu alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
Affecfio chronica do fgado.
Illm. Sr>
Juiz de Fra, 17 de fevereiro de 1864.
Ten do feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
e onychromanlina para limpar as .unhas Bssa
tintara, cojo efTeito rpido e efllcaz, est bem co-
nhecida e apreciada para lodos quanlos di lia tem
osado, eos que de rovo a quizcrem apreciar, po-
den), assim como acuelles, dingir-se munidos de
dinlieiro roa do Queimado, loja d'aguia branca
numero 8.
Papel efolhas para rosas
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca, na
ra do Qoeimado n. 8, um bello sortimento de pa-
pel de cores para rosas, dito verde par folhas, e
dilo tambera verde e mui fino para cobrir\) ara-
rae, assim como folhas de panno e avelludadas
para ditas.
dro; tendo tirado um resultado nao espera-, i /,_/_ rvttidn*
do; padecendo ha mais.de doze annos en-, **r* ae oaietapara vetMos*
fermidadesdo figado e baco, com o uso brecnadenmse Da roa do Que,mado, loja dagu.a
das pilulas posso lhe assegurar que estou Superiores nena* d'ara innle-
bom, pois tenio desapparecido um grande superiores penas a ac ingie-
engorgitamento que soffri, muitas dores
sobre a regia do figado e costas, dores de
cabera, inchacSo do ventre, nao podendo!
zas e francezas
A aguia branca alm do grande sortimento de
3
O
o
o
DE
AZEVEDO FLORES
Ra da odeia do tiecife, esquina da ladre de Deas.
Prestem attentflo ao discurso do Balo.
Neste estabelecimento todos os freguezes encontrarlo igualdade de direilos, o
0 NOVO GERENTE
DO
DA
*
- 5^%i^xr^^^JE}\llu\.^. agrado que fazemos ao rico fazemos ao pobre, ao menos empenhamos todos os exforcOs
HK!^ para agradamos em geni.
mo procurando posicSo para ter socego, ho-
je me acho livre d'esse padecimenio ; com
por aqu ainda as nao baja, eu como tenbe
este proprio que de casa, lhe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle lhe sa-
tisfar, assim bem como do charope de
cereja, que tive occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve urna
preta que com elle curei, faco uso d'elles
as tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque tenht
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gurnas pessoas, ia d i ,mt e g e
resultado; sou btdoorojeandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FerbeateraiI
Rheumatismo e ataques hcniorrlioidaes.
Illm. Sr.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e
acompanbado de urna dr no queixo, con-
sullei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta prinripiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portento s3o para mim as taes pilu-
las as mettiores que tenho experimentado ;
isto em abono da verdad e. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e abrigado,
O brigadeiro
JoAo Rodrigues Fe de Carvalho.
? Gastrite.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Atiesto que tendo feito uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
fiquei perfeitamente bom de urna gastrite
que soffria e que privava-me de andar aper-
tado, hoje felizmente nada sinlo.
Augusto Gollatino de Mello.
verdadeiras blco de lanca n. 134 e outras de pon
ta dounda, continuando porm a vende-las por
presos commodos, com taalo que o comprador com-
pareca munido de dinheiro : na ra du Queimado
loja da aguia branca n. 8, onde tambtm adiar se-
ha a venda pastas para papis.
A aguia branca na ra do
Queimado n. 8, receben :
Bonitos e graudos aljofares de cores para volias.
Pulseiras de ditos de igoaes e agradareis cores.
Voltas pretas maiores e minores todas de conus
grossas.
Pulceiras prciaslambem de corlas.
Outras de differentes qualidades e gestos.
Brincos de aljofares de cores e dourados.
Fivelas d'aco grandes e pequeas com cinto pre-
to e de madreperola.
Outras grandes de differentes qualidade? e re-
dondas com pedras.
Bonitos leques de Jmadreperola redondos e de
outra forma.
Dito de sndalo lotricos e corredizos.
Capellas brancas para meninas.
o\\.UL4$
D'IODURETO DUPLO
de FERROequinina
Sll
Os elementos que oompoem esta preparado, e
ferro, o iode e a quina, a coliocSo no priaieiro
grao das preparacoes ferruginosas. Basta attestar
seas resallados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmro sua poderosa cfticacidade as
seguintes affeccoes:
Minio na langar.
Fragaria.
Aaaala.
Chloroxr ou Ictericia.
Menstruo.
Affeccvea da ulera.
Sopre6e ta* re-
graa e deaardea na
meaatraaeaa.
Affecc&a pulmonar
phthlalc.
Mole*II d'r.lim..
Gailraltl.
Perda d'appetllr etc.
Con valoren ra ale lan-
aa molealla*.
Moleatlaa eacratala-
aaa.
Paaelra.
Obatruccaa daa gln-
dula*.
Humorea frloa.
Huniorn branca*.
RMChltlHIllO.
Affoccoi-a ranreroaaa
a ayahllltlcaa.
Fclirea Ivpholdr*.
Varile*, etc., etc.
Os nossos precos sao os, mais mdicos como sejam:
Chitas largas escuras muito soffriveis a 280, 300 e 320 rs.
Ditas largas e finas padres novos de 400 500 rs
Ditas largas preclaras a 500 rs. s na loja do Bal3o.
Cambraias de cores com quadros, fazenda nova, a 560 rs. a vara.
dem lisas tapadas e transparente de todos os precos.
Madapoiao de 8$ a peca que em outras lojas se vende por 9$.
Temos tambem muitos outros madapoles de diversos precos, assim como te-
mos madapoioes francezes de 14 e 164 a peca, inclusive urna qualidade espocial para saias
de senhora a 560 rs. a vara.
Gambraia para forro de vestidos.
La preta para luto, e de todas as mais cores.
Las com o assento escaro e flores matizadas fazenda muito moderna e fina qna-
lid de.
Meias pretas para senhora e homem.
dem cruas ingiezas para homem o melhor que ha de 70 e 8 a duzia.
Camisas de 20500 que valem 30, temos muitas outras qualidades de diversos
precos, assim como camisas verdadeiras ingiezas e muito finas a 50 ou 550 a duzia.
Camisas de meia muito finas de 200 e 250 a duzia.
Collarinhos de papel de cores e braceos assim como collariohos de linho ingle-
zes a 500 rs.
Temos um completo sortiniento de grvalas pretas e de cores.
Ceroulas francezas muito boas a 10600.
Ceroulas de linho com duas costuras superiores e temos um completo sortimen-
to de roupa feita de casemiras ede brins.
Camisas de flanella de cores a 30500, 40500 e 60.
Baldes de arcos a 30 e 350 a duzia as de panno e de arcos para meninos de 20
a 30500.
Chapeos de sol superiores com 16 asteas a 420.
Casemiras do ultimo gosto para se fazer calca ecollete.
Vestidos a Mara Fia a 180 e sao matisados.
Ha muitas outras fazendas assim cemo grosdenaples e moreantique.
Lencos brancos j abanhados.
dem finos para rap.
Cortes de laa a 50500 com 15 covados.
Chales para as senhoras trazerem por casa a 30 e 40 cada um.
Brim branco a 10300, 1,500, 20 e2500
Bramante de urna largura para lences e toalhas.
Brim de Hambargo fino e grosso.
Alpaka preta e branca.
Brim pardo.
Casemira e panno preto fino, tudo isto por preco baratissimo na loja do
m
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
RESPEITAVEX PUBLICO.
A apreciadlo dos habitantes desta heroica provincia existe no grande ar na-
zen da Liga estanelecido ra Nova n. 00 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua max'mi parte mandados vir directamente de estrang iro rorjem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e nteressante estabelecimento seja o
pnmeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cu primento das seguintfs promessas:
1.' Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posico social gozam de certo tratamento, acharo esta
casa os melbores queijos londrinos, cerveja, vinhos inissimos manteiga e cha sempic de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condicao do freguez, elle deve contar que ser sempre nitii-
to bem servido.
Aquellos que sao pouco favorecidos da sorle faro mensalaente urna econon.ia de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o uf, a n -n-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, jelo sen proprio interesse,a este estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
, Para os senhores que comprara para tornar a vender existe um sortimenio spe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito deve agr lar aos senhores
compradores
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para aga-'
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
ALPISTE E PAINCO a HO rs, a I ib a.
AMENDOAS novas a 28o rs. a libra.
AVELAES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 80 rs, a libra a,..
AME1XAS .francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, efe,, etc.
M
MANTEIGA ingleza efranceza de 600 e
800 rs.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 6C0 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frafeo.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a, MARRASQUINO de Zara.
it MARMELLADA de diven
diversos preros.
Falta de apetito.
Ouro-Preto, 24 de fevereiro de 1864.
Sendo eu afectado do figado ha muitos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou gracas a Deus por achar-me sao
e perfeito com o uso das pilulas catharticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieuia.
Constipaba, dores de cali-ca.
Onro-Prelo, 28 de margo de 1864-
Atieste que achando-me atacado de urna
forte constipaco que trouxe-me dores por
todo o carpo e na eabeca, soffri horrivel-
mente por spaco de quatro das; entao
um amigo aconselhou-me que tomasse pi
lulas caUiarticas do Dr. Ayer: com ellas fi-
quei sao e completamente restabelecido em
tres dias, de sorte que estou no firme nrc
psito de aconselliar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem affectadas de
constipacoes.
Agostinho Jos ba Silva, negociante de fa-
zendas.
lrrilaciia do estomago.
Ouro-Preto, fc9 de marco de 1864.
Atiesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muito teinpo excessiva irritacio
de estomago, pouco apetite e dificil dipes-
l3o, d'Ua tenho expeiimentado sensiveis
melhoras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pereira Rosa.
Vejo se os bulletins de therapeutica medica
e cirurgka de 30 de novembre 4860; a Caceta
ies hospitaes de 2s de juilw 1800, etc., etc.
Alm. das pilulas de iodureto duplo de (err e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselhio
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ferro e de quinina do mesmo anlhor para as
pessoas que nao gosto de medicamentos sob for-
ma plular e os meninos. Esle xarope nao lea
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Poca-se o folheto que se da de graca em can
aos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evilarem falsifvcacoes, exija O com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor. .
Depsito ge ral em Paris, pharmtcia Rebillon,
US, me du Bac, e era todas as boas pharmacia*
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS

Wt
BISMUTH
T) CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth empreadas antes com o maior successo
pelos mdicos curar as
MRS rflB^aliea.
Gaatrltea.
Galtralslaa, ete.
Superiores cortes de nioirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Perijambuco.
(dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia.
dem de gorguro de seda bordados com barra,
fg Superiores moirs preos e largos 2#400, 2^600, U, 3^500, 4?, U, H,
71 e 8l o covado.
Superior gorguclo de seda preto, a melhor faienda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
c*^ dem preta lies; anhela.
CJ|3 dem idem lavrada a 2d-o covado.
C(b dem idem lavrada muito superior.
8flB Completo sortimento de grosdenaple preto a IfjLSOO, 1^800, 2,2io00, 3,
3^500, 43, 4^500 e 3.
f Pannos pretos de superi >r qualidade de 3)5 a I2 o covado.
Casemira preta de l600.a S5 o covado. .
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualid?de na hja dasColumuas
^ na ra do Crespo n. 13 de Antonio Cortea de Vasconceos & C. successores
H;:i de Jos Morera Lopes.
Admiravel peehinehal
M' cambiqoe a 300 rs. o covado, na loja
do pavao.
61
DE
Florida,
BANHA de porcoa660 rs. a libra, em por-
C3o faz-se abate.
BOLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata-grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ng'ezesem latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
c .
CHOURIQAS m ito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
american s, bahiannos, fluminenses, etc.,
do 1,400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS I sos ladtdados de- todt-s os taa-
nnos a
l>
DOCES de todas as qualidades.

ERYILHAS seccas e em latas portcquezas e
francezas,
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA doMaranho ou tapioca a
versos fabricar tes e
PE1XE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 30 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
I
QUEMO do reno de 2,000 a
DEM londrino.
IDEM snisso a 500 rs. a libra.
DEM pate a 800 rs. a libra.
*S
SABAO MASSA a ICO rs. a libia t grande
abate em caixa. "'
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 IK ras se
far grande ahatimento.
V
V1MIO tinto de 300 a. garrafa.
VINHO tinto em can; da de 2,500
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 46 rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.( 00. 7/CO e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO riten y a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e ti de s
os preros.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,' 00 rs. a sacca. VINHO tinto, neste genero ha constanti men-
FAVAS portuguezas em lata a G00 rs.
te 20 a 30 pipas ao torno dt ci\c sis
qualidades e diversos precos.
GOMMA muito nova e alva a 120 rs. a libra. VINAGRE em ancorelas a I5.0C0 r?.
marran-, rliranlraa.
njaarnlerlo*.
Don d'estamaaja.
Dyapepalaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affeccoes se manifestao ordinariamente por diges-
ta laboriosas, axidumes, falta d'appeiite, pesos
testmago depois de cada comida, caimbras ts-
tomacaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidJo, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Vendem-se os ais bonitos mocambiques de pu-! para restabelecer e cooservar acor natural dos ca-
ra laa proprios para vestidos e soulerabarques, bellos.
Ouro-Preo, 28 demarco de 1864..
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez annos que
soffria de vermes inteslinaes, noando-se
que os symptomas que entao apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymndo Nonato de S. Thiago, pharma-
ceutico.
Moleallaa de Bjadc.
A Ictericia,
ral pl lacio 4c eeraeaa
Ddre* no* rlna.
Neuralgia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
no hombro e as costas, tomei urna infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimen, o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
Opprraaoea.
Dore* de rabera.
Irrltacea de bealga c
da matrlx, etc.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestia e cural as quando sao tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Paris, pharmadaChervrier,
e em todas as pbarmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
sendo de quadrinhos de listras e lisos, fazenda in-
teirameote nova, em padroes e muito proprias pa-
ra as eenlioras que frequentsm o mei Mariano,
porqnc osla fazenda Ibes facilita fazerem por pou-
co dinheiro vestidos muito decentes para qualquer
acio, advertindo-se (jue esle baratsimo prego
devido a prande compra que se fez desta nova fa-
zenda, que se vende a freze tustes o covado : na
loja do pavo, iua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vende-fe |a exceliente prpriedade da ra
Imperial n. 164, fregnezia de S. Jes, tendo 350
palmos de frente e mais de 1,200 de fundo, no
centro do qoal ha orna grande casa terrea de pe-
dra e cal. ron muitos bons commodos e alguns
arvuados de frticlo, precisando metade do fundo
de algum aterfo: o Sr. capitalista que fizer esla
a. ficar um grande numero de rasas, j com frente
para a referida rus, j em outras que passam por
dentro da mesma propriedade, que por ter embar-
que offerece a immensa vantagem de facilitar a
concluso dos materia??, que sero despejados em
rima das obras : quem a pretender dirija-se ao
mencionado predio, ou roa do Brum n. 57.
A agua de Florida nao urna tintura, factves-
sencial a coatestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Oompostas de plantas exti-
cas ede substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que ellos tem perdido.
De urna salubrdade incontestavel, a agua de
Florida entretem a lirapeza da eabeca, destroe as
caspas e empede os cabellos de nahir.
Ha para vender
Pinito, pinito, mais pinho, milito pinito.
pinho, rurt da Praia. hoje, maNova
de Santa Hita n. 17.
78910 e H pollegedas de largura
De f 0 a 35 palmos de comprido, cousa
muito boa e barata, e com todas as gros-
suras : cheguem ra Nova de Santa Rita
n. 17, serrana de Jos F .Coelho.
A lUittClOSO
FIGADO de BACALHAU
Vendem-se queijos do ultimo vapor a 2,&o00 e
25600. manteiga ingleza flor a 960 a libra, dita
i franceza da safra nova a 9i0, arroz do Maraoho
a 100 rs., aletria e macarrao a 400 r?., vinho de
S
Jumentos
Vende-se um lindo casal de jumentos de bella Lisbca a 320, 400e 480, da Figueira a 500 e 560,
ra'ca, grandes e covos, proprios para a conserva- i branco a BO rs., do Porto a 640 a garrafa, esper-
cao da mesma raga e cruzamento, do que se colhe-, mcete a 600 rs a. libra, loucinho de Lisboa a
ra magnficos machos, mullas carro e carga ; coja \ 320, batatas a 100 rs., sab.lo massa a 200 rs. a
em jumenta esta' prenhe, assim como urna linda ju- libra, erva matea 160rs.,urna machina de copiar
meolinha cora pouco menos de um anno : ver e; caria, nma balanca ingleza, nm rroinho de moer
'tratar com Jos Pereira Cesar no silio Pirahoyra, caf, lalasde gaz vazias a i20, Un .-!.>, vinhos
arrabalde da villa do Limoeiro.- engarrafados finos, temperos, charutos linos, al-
thartteas do Dr. Ayer. So faz oito das, e es- i um sabor assucarado e o nico que nao tem______________-________________| Pi5ta, figos e outros muitos gneros que se deuam
tou completamente restabelecido ; ha tres nem o gosto, nem o cheiro do peixe. Ob-; )Io/Mariano j de mencionar, tudo por menos do Jqne em outra
dias que nao sinto a mais leve dr no hom- jecto de numerosos relatnos scientificos e Anda ef, venda na ra do'imperador n. 13,! ^u" SoS rS ^S umzeToTora
bro nem as costas. ;mdicos, este mdicamente que goza em defronte deS. Francisco, a rfes edicao do mez Ma-1g?ro "r"to aoe o'acharSo na ra Direita
Estas pilulas acham-se veada as priu-, Franca de um successo to raro como bem riam-, ornada com estampas evinheus.eencader- 7 rrenta amareila. '
t >* !.* *a 1 rtnn-i nnr (JL n I_Sr.iHl finita Iuta
cipaes boticas e drogaras do imperio, e no merecido, e recettado diariamente pelos
P eo proeesso de Cherrirr, pharmaceiitico
Pars, raa do Fanbeurg Montmarte 21.
Este oleo de um cheiro agradare!, e
nada, por i e I500 cada livro.
Rio de Janeiro, ra iroila n. V6.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
P.MAURER i C.
RA NOVA N. i 8.
\ principa-es mdicos dos hospitaes de Paris. 1
I O OLEO DE FIGADO DE BACALHO DESINFECTA- '
! do fehrcginoso emprega-se com os maiores
isuccessos as molestias em que se empreca ,
o oleo quando sao acompanhadas de Itl ,^^^^^^0^^^^
dade e atona.
Cadeias de ac polido para
relogios.
i Vihho do Porto superior em caixa de duzia,
j tem para vencer Antonio Luiz deOliveira Azeve-
do & C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
l-:.r 23 : ua ra do Queimado d. 33 A.
Barris vastos
Vendem-se barris vasios de manteiga a IK) rs.:
pa ra da Cadeia do Recifc o. o).
GRAO DE RICO a I Os. a libra.
GENEBRA delaranja a 9 e 10,500 rs.
CENERRA de Ilollanda mi botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
.MACHINAS fttPAUM
de iraballtar 1 Bife t;
descaro;ar algodao
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAS
BfrtasmacbiDa
F podtmdescaroca
M qualquer especi>
iJ; de algodo sen
estragar o fie
sendo bastantt
dats pessoas par*
o trabalho; pdt
descarocar urm
arroba de alg(>
85c (m caroct
rn; 40 minuto.-
de 18 arroba:
por di;' od o ar
-ot.;; fu algodi
limpo. .
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 i.
VINAGRE branco a 40Ors. a gnala.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,800ra. a
arroba.
da llavana.
Na ra da Crm n. i, vende-se cbarnus d
vana de diversas qualidades.
na-
3
es v.
2i
es *
\

Assim como machinas para serem osovidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas do apodar
limpo. por dia; e motores para mover um,*., duas,
eutr;s dessas machinas.
Os mesmos tem para vtncor nm i;fliisimo va-
por que pode fazer mover seis deslas machinfi
mencionadas; para o que convidase aos Srs.
agricoltorem virem ver e examipa-lo. no arma-
lemde algodo, 110 largo da ponte nova c.47.
Satiuders Brolhers & C.
.\. II, praea do Corpo Krdo
RECIPE.
Os aicos agentes neste paii.
DROGARA.
31Rua| larga do Rosario34
Barlliolomcu Francisco eSoozi k C.
Venden:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives. ^
Papel para forrar casas.
Guarnicoes avelludadas.
Tinta brancasuperior em ata.
AlvaiadeVcneza, fino.em pes.
8
7 2;
o, S g
" ? e 03
3. i
P? lo |
c ^ = = ? -"
. "' -
re v.
-. a
o.

8f|f
ce *
5-1 -a 3.7
- n <
rj. CtJ
a a
-5 g = = 2.-t a|&
ce 7 ; o a
-i 5 e- t'a -
a, 2 2 co _, aj
c|d
s as r a: ^-i___.
o E. s ff. 3 5*
ofc.-.ic.i^
o
c T
o
^ en
o c
Z:
s

"3
-
as
"i
c
3
c
3
Vi
2. B
c
i;
75
*8
s'g'S*
- y
as
C
as
c
o
c "!
*4
1S T
2s?
g g
o
r:
as
\
c
es
c

MARA PA
Hara Fia
Malia Pa
Acaba de ch. gar pelo ultimo vapor inglez um
esplendido sortimento de enfettes de ealfca a X-
ria Pia,os rjuaes pela ?na elegaiiiia e b'n> p*fio
de rada qcal o mais bonito nada deixam a d*stjar
sendo prtios. roaos, cor de bonina e azulzinho
sens prece a H3C0. ?i. 4,5, 6,8, 83 e 10*5 : ca
ioja do novo ijval roa do Queimado c. 16.


f .


iHarfe de
xtrfft I eir *r ifc^ ShrtO o 19M.
^i^
...*
AURORA BRILHAKTE
f GRANDES ARIZENS
f DE
IMOLHADOSi
iisi
Largo da Santal
Gnu n. 84, es-|j
uina da ra dojj
VNOOS
ESPECULES
Largo da Santa)
Cruz n. 84, es-j
juina da ra dol
Sebo.
MfMwma
lovj prjprleano do ja multo acreditado armazem de molhados denominado Au-
primeira qualidade.
< aos portadores.
Aurora Briibante, ja'
.. porque seu dono s daseja tirar diminuto lu-
cro quanto cnegue para accumaiar as despezas do estabelidraento por isso deixe se a-
provtitar, o prsprtetario ha de fazer toda a diligencia, afira de servir bem os seas cons-
intes frejuezes. .
[Lita* cot libras dechouricas muito novas,
i a 7,551)0.
Ditas grandes cora peixe em postas inteiras,
mais de l mndales, a 1J000, (280e
1 3 fcOJ.
D tas co.n dstr&s, excedente petisco para fri-
giJeira, a 70 rs.
Mtaseom ervilhas novas, ensopadas, a720 rs.
)itas cora favas, a 6iO rs.
Ditas con ameixas a l$200, 15800 e. 33500.
i Ditas com mirraela la do afamado fabricante
Abreu. a 720 rs.
imitascom raassade tomate, a 500 rs.
Mascom tigos de comadre, novos, a 1,3500,
U 9 SJ500. '
^Uiscora bjlachiaha de soda muito novas, a
2 5000.
Jilascombiscoitinhos inglezesde muitasqua-
Irladas, a JOO.
Chocolate.
Ciiifnhas com ameixas enfeitadas proprias
, para mimo a !4200, *>3O0 e 3200.
>'i)colate superior imito novo, a libra de
480 a 15000.
: H icarrSo, talhariara e aleiria amarella, a libra
a 400 rs.
D 11 dito lita branca, a libra a W) rs.
Gaitas rom estrellaba, pevide, e outras tnas-
-is, a caix% 35300.
litas lila mi libras a 540 rs.
'i;;i, a libra a 350 rs.
I -iiinv para sflpaaHbra. a 240 rs.
'".' las ceas, a libra a 160 rs.
1 ts idsciscaJaa, a libra a 200 rs.
I f.i io;a ruito nova, a libra a 280 rs.
"in*n de araruta vsrladrtra, a libra a
, Drs.
i Vf>i di Mirauh), Mi ;acco, a arroba a
!JVW e a lihraa 80 rs.
, i la India e Java, a arroba a 3J200 e a II-
j i-1 a 100 rs.
'u'.inlo le Lisboa a 9j$)0 a arroba e a 320
i libra.
i u da Santos, a arroba 7S00O e a libra a
! 10 r,
. I t-Hcoil 123 cbalas grande, a IJ280.
I -ti'la franceza, caixa co.n 2 duziasa
JOCO.
> com mostarda preparada em vimsxe,
I 10 rs.
] i B >>n*ervas ingt'zas fi franeezas, a
'),'800rs.
{.titos com sal refinado on, a 640 e a 500 rs.
I i)lto eom a verdadeira genebra delaranja, a
1J000.
titos -le 2 -arralas de Ilollanda verdadeira,a
540 rs.
tijas com dita propria para negocio, a
} i01 rs.
larrafoes com 2 galoes com dita, a 6,$.
h\% mma a 300 rs. a garrafa, e a i
faSrveja b)i, marca,
S duzia a 5^000.
"<} \ "<. ah n i-catel de Si
n nio ii iM-aiei irtSrtohal, a garrafa a 15.
(* MarraTiinho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
X i ioo.
'J^p-nimn, adazia 203000, e a garrafa a
Y) 15000.
'f, vzoite relalo portugus e francez,a garrafa
'? 1*000.
tHai^i de vinho nord-aux muito superior,a
7$, H3, 95 e iOJa cnix.
' is cora 1it> branco. a 75 a caix.
fit:. c v>] dito lacrimas do Douro verdadeiro,
.^itas cora duque do Porto verdadeiro, a
-rft '.S50OO.
S 'itas com cbamlsso superior, a 143.
iPoitas com Porto volho e outras muitas mar-
i B>8, a 123-
ft Viaho do Porto da pipa, a garrafas 640, 720
,H e 8O0 rs. __;
-Dito de Lisboa muito bom,acanada a 3320*',
'3i '$* ^Diti la Figueira, das seguintes marcas (N.)
'i. fj. A. A.) (J. L..G.) (O. M.) a caada a
ifo 45300. e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
?K qae ja esl engarrafade e Iacradocora o
.^1 rotulo do armazem.
ifiDitos de marcas mals desconhecidas, a cana-
<7p da a 33500 e 43000, e a garrafa a 480 e
Y 520 rs.
ftiVinhn branco fino, a garrafa a 640 rs.
v^Dito de caj muito superior, a garrafa a
*> 800 rs.
Vinho terde superior.
A caada a 33000 e a garrafa a 400 rs.
ilumina. <
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se i
engomraar, a arroba a 33000 c a libra
120 rs.
Sabo massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
r'arinha.
Saccasgran Jes cora farinha lo Goianna mui-
to nova, a 3*000. i
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 83,,
83500 e 95000. 1
Cha. ,
Ch.temos nestes eneros o melhor possivel,:
hyson. a libra a 2J600.
Dito perola a 33000.
Do uxina-a 23700.
Dito hvson muito no a 23800.
Dito redondo a 28500.
Dito pretode priraeira qualidaae a 23a0.
Dito mals baixo a 25000 e 13600.
Erva mate.
Eicellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
E>|>crniacete.
O ma*so com 5 vellas Je espermacete a 600,1
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para omos a 43 e 23500.
\ozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
llpUla e paineo.
Idpisue painc.0, a arroba 43000 e a libra a-
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para logar, a duzia a 233 '0.
Caslanhas.
Castanha* novas viadas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra a 200 rs.
ieitonas.
Barris wn ar^onas novas a 13300
Banleiga.
Manleisasaorior, a hra a 13200.
Ditamais almxo a 15120.
Dita manos superior a 13 .
Dita franela nova, a libra a *5i20
Dita lita emliarris e meios ditos, a libra a
15 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qucijos..
Queijos novos viudos neste vapor a 28800 eg
38000.
Ditos '.ondrinos multo novos, a liora 1
15000.
Papel.
Papel almaco paulado, a resma a48800.
Dito dito li'o de linho, a resma a 45ol)0.
Dito de pe?) lito e pautado, a resma
Dito deembru!ho,hora a 13 e 13200.
Vinho Vadeira.
Garrafas com n verdadeiro vinbo Xerez o Ma-,
deira a 18300 e 23000.
Temperos.
Folhas de ouro, piraenta do reino, cominho'
e cravo, a libra a 400 rs. .
Velas de earnaba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas coiu casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Gaixoes de doce de goiaba, grandes a 15400 *
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arcar facas a 140 rs.
Grata.
Duziasde boioes de graxa n. 97 a 23000, e;
de latas a 13000, e os boics a 240 rs. ca-4
daura, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos pregos, caixa e meiasj
cal xas.
E grande quantidade de geueros tendentes
estes estabelecimentos, qae deixam de an-
uunciar-se.
N. 11Ra do QaeimadoN. 11
Superiores cortes de seda preta cora lindas barras.
Superior seda faconn o que lia de melhor e raais gosto.
Moreantique preto muito bonito a 25800, 35, 35590 e 45 o covado.
Completo sortimento de grosdenapb preto de muitas quaidades.
Pannos preto e casemiras de muitas qualiddes.
Bournns, chales els de renda pretos superiores.
Superiores pelisses esouterabarqnes de seda para s nharas.
Bournus de la para senhoras a 128.
Chapeos e hapelinas de palha de Italia para senhoras.
Cortas de laa de barras de 145 a 225 de muito gosto .
E muitas outras tr.zendas de superior qualidade na laja de Augusto FreJer;co dos
Santos Porto aonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
11 Ra do QaeimadoX. \\
Camas de ierro
'. ::'!?-? > grande sortimento deslas camas na
roa >: ti n. 33 ; na msma leja vndese grandes
-.- de ferro forrados de porcelana ten lo
izas e lampo de- ferro, recomraendam-se a
precisar.

G8R0L4S
'.'i armazem da *iaw Paulf Lope?, defronte do
e n'iarjuena escafTnha, vendern-se ceblas as me-
lhores do mercado, em caixa e cento, o mals.bo-
rato possivel.
avariado.
Francez barrica 33000
Portland dem 85500
Era pjrfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland idem 128000
No armazem deTasso Irmos caes do Apollo.
1 CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGICO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consaltas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 1
aoras da maahaa, e das 6 e meia s 8 horas da ooiie, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopalhica
No mesmo consultorio ha serapre o mais appropriado sortimento de carteira.
tobos avuisos, assim como tintaras de varias dymnamisafes e pelos preces seguinte?
v, Carteirasde lltubosgrandes. 12^000
de 24 tubosgrandes. 18,5000
de 36 tubosgrandes. 24000
de 48 tubosgrandes. 30(JOOO
de 60 tubos grandes. 350000
Prepnra-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer,
I ae se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tinturada meia onca 1^000.
Sende para cima de 12, custar5o is precos estabelecdos para as carteiras
Haubos mais pequeos cada um a 500 ris.
NEM COROAS NEM ]\UTRAS
VERDADEIRO
(ltV>l ARMAZEM
DE
e com os
temed i
LITROS.
A raellior obra da horaeopathia, o Manual de Medicina,Hoineopathicodo Dr. Jahr
dousgrndesFOlumescamtticcianario......_...... 20^000'
Medicina domestica do Dr. Hriog, ........... 100000
Repertorioio r. Mello Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina ...,...,,.. 30000
Os remedios deste estabelecimento so por deraais conbecidos e dispensara portan-
to de serem novamenterecommendados aspessoas que quizerem osar de remedios ver-
dadeiros,energicos e duraderos: b tndo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, notawis ielsua boa cpnservacao, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a maisexacta e aecurada preparacSo, e portante a maior ener-
ga! certeza em seuseffeitos. <
Caa de mkie pira escravos.
Recebe-sejscravos para tratar de [ualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que oannunciantejulga-sesufificientemente habilitado.
Otratameato o melhor possivel, tanto na parte alimentar, eorao na medica, e
runccjoMBdo a casa mais de fuatrearaios, ha muitas pessdlas de eajo conceito se nc
poae duvidar, que pode ser consattados por aquelles que desejarem mandar seuf
Paga-se 20000 por dia durante 60 das ed'ahi em diante 10500.
As operaces serSo previamente ajustadas, se n5o se quizerem suieitar aos precor
azoiweis m nnimi pedir o annunciante.
RA DOiniPERlDOR \. 40fl
Jauto a sebradoem qae mora oSr. 0>borne,
Dnarte Almelda A C, receberam de sua propria curen t n-
da o mala lindo variado sortimeuo de molbados, fi jjc
da presente estacSo.
Macas brancas
Laboratorio enolo^ico e chiinico de F. P. Lebeuf e G
ra Montmartre, 31, em Pars.
Fabrica em Argcnteall, prs Pars (Franca).
BOMFICACiO E FABlCAjJIO
Dos vinhos, agurdenles e licores.
de
VINHOS.Imitadlo dos vinhos de todas
qualiddes, Eitraeto de Me lo,' dose para 2
litros, i f. 2 *, le Bordea*, 2 f.,~ de Poraaf o>,
L,de Lisboa, f.,de Cataln, 2 f.,de Porto
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 2o ou 30 ni
iros, 4 (.
Substancia para fabricar com o alcool e agua muwnno.ajurauusiiara laoncar se loaos os
os inhos cima e lodos os outros. A doso para licores conhecidossem fogo nem alambique, (in-
500 litros, 50 f. dicar-se os que se deseja.) A dose para 20 ou 23
n, .. ^,-r ^ n. iir..i :! f
AGUARDE.VTES.Essencia de cognac para dar
as agurdenles urdinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIKSCHEAUSIXTHO.-Essenciade kirsch e
de absintho^para os fazer com alcool e agna. A
garrafa para 100 litros, 5 .
LICORES.Extractos para fabricar se todos os
CLACIFICACAOFs Ingieres, pos dos yrnhos
da Uespanha, da Franca, etc. A libra para 500
litros, 5 f.
COLORACO.Purpirlgine para colorear os
vinhos brancos e vinhos claros. As duas libras
para 500 litros 16 f.
Alguns de nossos agentes tendo falsificado e mitado nossas prepasacoes, e
fregnezes, levo-sj exigir sobre as rolhas e rtulos as inlciaes F. V. L. Paris,
0 modo de usar-so das prejarates icni-se indicado do rolo.
As encoramendas derem ser acompanhaas por urna letra sobre Paris ou qualquer outra cida-
br.mei, ou ?iruitiilas por ama casa imlierH-Dr!gir-se aosSrs. Lebeuf & C. chimicos, ra
nni'tn, n. H, en Pari-i, o'i a sua fabrica en \r?entaoil, pros Paris.
i litros, 3 f.
PERFUMES'para fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
vinhos,aguardantes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encemmenda.
UTEXCILIOS de-laboratorio e de chimica.
engaado nossos
Manteiga ingleza
da safra novavinda no ultimo vapor a 1,000
ts. a libra eem barril a 8oe rs.
Haatels;a franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a my*.
Amendoas
wifeitadas de ndissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro cem 3 libras liquido a
21400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezesa 500 rs. cadaum.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qna-
idades a 10300.
Chocolates
detodasasqualidadesal^OOO alibra.
PreSUntOS nglezeS jal800 a barrica damesaque
dosmelhoresfabricanes a 800rs., tambem] vendem a 2^000 e 2^400.
para sopa a melhor que se pede duslu,
macarro, talharim e aleria a 4(i is.
libra e 450 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas arcas rrt-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Itfem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrfa, t
2^800 a caada.
dem do Ferio
generosos engarrafado des melhores Trin-
cantes da cidade do Porto a 1 e ISC6
a garrafa e de i00 a 120 a ca*?, t r ar
cas s5o as seguintes: Chanisso i l 11.
F. M., Nctar ou vinho dos I m.
lagrimas do Douro e outros auitc..
Latas
com 10 libras de banha a 40ffO.
Bolachinha inglesa
FlBIlfii m ClhPOS DE SOL
X. 3 3 Rita \'iv;i esqnina da Camboa do Carmo c na do
, Cabug n. 9.
A irejtorh lesse e.Uabeleciment o mais importante queexiste neste genero
as provincias do norte do imperio, querendo que o pablico desta provincia goze das
vantagens que proporciona i fabricaco em grande escala e directa relacao com as mais
importantes fabricas da Europa, faz ocente que resolveu-se a vender anda mais barato
do que docostume orno demonstra a seguinte tabella :
_, Descont em duzia.
Chapeos de sol de panno a 20000........ 20
armaco de baleia a 20500 .... 10
de seda armigo doaco inglez de 20 pollegadas
^ 40, de 2i 50, de 26 50500 e de 28 60 15
Chapos do sol inglezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 21 pollegadas 80, de 26 90, e de 28 100. 15
dem dem a balo de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26 120, e de 28 130...... 15 o/0
Alm de.muitas outras pialidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda ede panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes s3o t3o vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, cutilaria fina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-se; talmente em porcao e a retalho, notando porm
qae o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
mar pelo precio que o estabelecimento relalha.
N. B. Os objectos comprados em mecos de urna duzia sero considerados como
a retalho.
teans vellios para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
lueiio
londrinoo mais fresco que se pede esperar
e de escollante maree a 800 rs. a libra
sendo into-o e a 900 rs, a retalho.
Gonseryas inglezas
as mais navas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desjar, que outro
qualquer nSo pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
Ideal liysson
o mais aromtico que tera vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas araarellas
paro sopa, macarrSo, talharim e afetria a
180rs. alibra.
COGV4C
o muito afamado cognacPal Brandy a l,8oe
rs. a garrafa e de outras muitas quaida-
desa l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
CO>I4>
lapidados para agua a i,5o/} e 5,ooo Fs a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
dades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 20200 a resma,
, PAPEL
azulepa;doparaembrulhode l,4ooa 2,2oe
rs. a rp.sma

rs. a resma.
Oorinthias
poihm a 8oo rs. a libra.
Fumo ,
r^a;?s.^ric79mcbaPaa
Viaagre*
Pad7umaCOritaSde9canadasal5'000-
Geballas
as mais noiasd mercadea 7,ooo rs a cam
e 1 ,ooo rs. o molho. "
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* .4 bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as n ai
cas de 40500 a 0500 a duzia.
CykRUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e d rrdia
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30OCO a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
del.se 2.1 sortedoRio de Janeiro a 85f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafdes
com 4 /i garrafas com vinagre a MOCO con
o garra fio.
GENEBIU DE LARAKJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de llCOf
a caixa.
dem
m1 frasqueiras de Hollanda a 30CO ce
12 frascos.
a u u ^ GENEBBA
de follarfda verdadeira em frasqueira a Po<.
rs. cada orna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaza 2,2co a prez
e2ors. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualiddes, a lo,oco a cix
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmeada
dos melhores fabricantes de Lisboa, ecu o se-
jam Abreu e outros muitos a 60c rs. a
libra.
Pregunto
Ieudbrdaer PreZUDt dC LaiEg0 a 52 ""
ADffltRAVEl PECHINCHA
CIIAiLES DE REUDA 1RETOS
a 10$000 cada um,
Cassas organdya de cores a SO rs. o covado.
A' ra do Crespo numero 17,
LOJA DE
Jos Gomes Villar.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito al\^i a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e compran-
de um paneiro para cima se far abatimenlo na ra do Imperador n. 40.
Apisfca
e
Fio de algcdSo da Rabia.
Wlefse no escriptorio de Antonio Laia.de Oli-
veira Ate^edc 4 C, ra da Cra? n. 1.

Il
mmmi sem im
Mndapolao muito fino com pequeo toque de avaria, pir preco que admira : na loia
das columnas na ra do Crespo a. 13, de Antonio Gorrea de Vasoancellos & C.
rcw^l
mMm
tainco
CEBLAS
mmarna7a ?? ?Cent0 nar*^Qo:-
gTdrcJm:anad9Imperadorn-40e,ar-
GRIO DE BICO
muito novo a 30400a arroba e 140rs. a li-
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do-
imperador n.f40e largo do Carmen. 9.
Q7MJO SUISSO
muito fresco-a-800 rs.
u Ut ARROZ
Maran^0'Java e India, a ico rs. a litro o
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba
. VELAS
de espermacete de diversa? marcas a He rs.
a libra e em caixa ter abatin ei i<
VELAS
derCaaLDapUb^em Caxas de arrcla MM e
caixa e 34o rs. a libra.
Balabas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 0 rt.
a imra.
Passas amito novas
em quartos einteiros a 20 o quarto e ftiO
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolafe
portuguez o mais especial que se na de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs! o i ar
Frutas em calda
chegados ltimamente, pera, pecego, rfa .
oatros muitos a 640 rs. a Jala -P J
a DO e 10 ocaixSe.
. GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a mec
robael40rs. alibra na rul it !5"
' .. BOLACHINHAS
em latas de deffereDteSqaldadesaU2C0
FUELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro e saecas novas o grandes a 40500 na rn, A. i ,
___________ na ra> de Imperador d. 40.
DE
DE
^. 55.
J. VIGNES.
HUDO IMPERADOR W. 55.
* snoerioridad ,IfLc ".? hoje ***" coabecidos para que seja necessario insistir sotre l
^ mef elles; tem W 6 arantias < derecera aos compradores, Validades estas c ,1!
' nffi nm tecdn OSES? con1uistado sobre "dos os qne tem appareeido nesta m X
^Am^^Src^robedecem a ,odas as V0B,ades e caprichos das P'Smw-
!E J1 Pili, ? (abn9adns de Proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
^Zrtto&S!^*"*0 S e3 -0 melodiosas e flautadas' e P no ^'.oTX
no mesmo estahelecimento se acha sempre um expte&dido e variado sortimento de musirs do
memores autores da Europa, assim. como harmnicos e. pianos harmnicos, sendo tudo vendido doP
precos commodos e razoaveis. *^
ILEGrVEjG



:
"s
f
Admirem
Admirem Bem!!
As pecbiacnas que esli Venda oa lea e ama-
se- do Pavao, nfcraa da Imperairir n. 60 da Ga-
ma di SHva, onde se venden toda* as hiendas,
tanto de laxo con de primeira uecessidade por
Mecos owilo raeoaveis, com espacialidade as se-
guales dando-se amostras deixando flcar penhor,
ou mando-se levar era casa das familias pelos
oaixeiros da mesma loja.
Ahjtozioio do Pavo.
Vendara sa peeaa de algodozlahe marca T, mui-
to largo, proprio para lences e toalhas, tendo 24
jarda peto baratis&imo preco de G* a peca ; dito
large com vinte jardas a 5*, pechineha por ser
lazenda que se vende em outra qualquer parte
por 105 e 125, isio na loja do Pavo, ra da Im-
ratriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Madapolao entestado a 40, 4*500 o 50000.
Vendem-se poeta de madapolao entestado com
12 jardas pelo baratissimo preco de 45, 45300 e
55 ditas sem serem entestados de marcas rauito
acreditadas a 75, 85, 95, e 103, dilas, francez
multo encorpado proprios para saias a 480 reis a
vara, isto na loja do Pavo ra da Imperatri n..
60 de Gama & Silva.
Grande pechiucha.
Chitas a 220 ris o covado.
Ou 75600 a pega s o Pavo.
Vendem-se chitas inglezas de superior qualida-
de, aliancando-se as cores serem xas, com muita
diversidade do padroes, pelo baratissimo prego de
220 rs. o covado, ou 75600 a peca tendo 38 co-
vado*, sendo fazcnda esta que sempre se venden a
280 rs. o eovado ou 10* a peca, chitas largas a
280, 320e360 rs, na loja do Pavo,. ruada Impe-
ratriz u. 60 de Gamadt Silva.
Corles de chita franceza na loja do Pavo.
Vendem-se cortes de chita franceza, cores flxas
eom 10 covados a 35, ditos com 11 covados a
35300, ditos com 12 covados a 35600, ditos de chi-
ta in'leza a 25200, 25400 e 29600, sto na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cassas Francezas a 300, 321) e 3G0 a loja do
Pavo.
Vendem-se cassas francezas muito finas, de co-
res linas pelos baratos precos de 300,320 e 360 rs.
o covado, pecas de cambraia com salpicos de cor
ten lo 8 Ii2 varas a 45, ditas salpicos brancos a
a 25500 e 35, ditas adamascadas para cortinadas
a 45, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Corles a Maa Pa.
Grande peehincha a 53000 e 63000.
Vendem-se os raais bonitos cortes para vestidos,
sendo de eambraia branca com as barras e endites
bordados, de cor crox. pelo baratissimo preco
de o5, ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
pelo baratissimo precj de 65 cada um, valendo
esta fjzenda dobrado uinheiro por ser a mais mo-
derna que tem-viudo ao mercado, teto na loja do
Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Grande pechineha a S#000.
Vestidos de 15a a Mara Pia.
Vende-se um bonito sorlimento de vestidos de
la con barras bordadas Maria Fia cora as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo baratissimo
preco de 85 cada um, pechineha por ser fazenda
que sempre se vendeu a 125, e por ter chegado
urna nova e grande perca, resolvern!-se a fazer
este grande abatimento "na loja do Pavo, ruada
Imperatriz n. 60 de Gama _: Silva.
Vestidos Braacos.
Vendem-se os mais ricos cortes de vestidas de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato preco de 12*. 16> e 20J na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
La gartbaliiina a 400 ris,
Vendem-se as mais modernas lazinhas transpa-
rentes, com Irstrinhas raludinhas, pelo baratissimo
prego de 400 rs. o covado, ditas entestadas, cor de
ha vana, com listras differentes, sendo das mais-mo-
dernas e muito encerpadas a 500 rs. o covado : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, de Gama
^ Silva.
Grande pechineha, vestaos a
39*00.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
nos, sendo lodos os padroes tcidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo preco de 3*500,
sendo fazenda que val muilomais dinheiro: isto na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Lazinhas a -lO ris.
Venjem-se as mais modernas l.azinhas trans-
parentes, proprias para vestidos, tanto de quadri-
nhos como de listras, com as cores muito bonitas,
pelo baratissimo preco de 240 rs. o covado ; ditas
com palminhas de seda, padroes rauito bonitos, a
320 rs. : s na toja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se gxonsdenaples preto a 1*280, 15600,
15800 e 25 al 45, superior raeurantique prelo a
35, setim da China, nova fazenda toda de la, pro-
pria para luto, com 6 palmos de largura, a 500,
560, 600 e 800 rs. o covado, e. outras militas fa-
zendas proprias para luto : na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cirosdenapies de edr a I08OO.
Vende-se superior grosdenaples cor de caf, pro-
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 15600
o covado : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
60, de Gama 4 Silva.
Casemiras a 4$600.
Vendem-se casemiras garibaldinas de qnadn-
nhos e lizas, proprias para caigas, palitos e coletes,
pelo barato prego de 15600 o covado, assim como
calcas, palitos e coletes j feitos das mesmas : na
loja' do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Grande sortimento de roana frita.
Vende se na loja do Pavo um grande sortimen-
to de roupas feilas, constando de palitos de panno
prto, sobrecasacos, ditos saceos, ditos de casemi-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
de cores, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
ta de todas as qualida'des, ditas de cor, ditas de
brim do linho branco e de todas as cores, coletes
de brim, casemiras, setim. gorguro, etc., etc., to
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do que em outra qnalquer parte : na toja do Pa-
vo, ra da imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
C fales e manteletes de renda
Vendem-se os mais ricis e mais modernos cha-
les e manteletes de renda, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego multo razoavel : na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais moderaos soutembarques de
cor, ricamente enfeitados, e por barato prego : na
loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
rapas pretas e seotembarqaes,
Vendem-se as mais modernas capas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e
manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
gosto no mercado, por pregos moito em conta :
na ioja.do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma 4 Silva.
Enfeites para cabeca.
Vendem-se os mais .lindos enfeites para cabega,
a 35, 45, 55 e 65, os memores baldes cronolioas :
na loja do Puo, roa d Imperatriz o. 60.______
Oleo de Florida .
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contnbue poderosamente, com' a agua de Flo-
rida a torga, a belleza a conservago dos cabel-
los.
Em Pars casa de Gallaor n. \ 12 ra de Rechi-
nes e ti boulevard Montmarire.
Todos os frasees nao teodo intacto e clare, e Un-
cir prateado da casa, reputado falso.
Deposito rna do Imperador pharmacia n. 38.
1
Urna familia que se retira Vende urna raobilia
de amarello j osada, trem de cosinha, louga de
almogo e jantar azul, orna mesa de jantar de ama-
rello ps torniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e muitas ootros objectos o qoe todo
se vender em conta : na ra dos Pires n. 62.
Attenc&o.
Paseadas pretas para a qaaresna ptr
par baratissimo preco, na laja a ar-
arem da Arara, roa da laperatrii
a. 56.
Lournpo Pereira Mendes Guimaraes.
O propritario deste estabelecimealo retira-se
para a Europa a tratar do sua sande, porm antes
de retirar-se pretende fazer urna liquidago de ba-
baratisslmo prego para fechar con las ; agora fre-
guezes vende-se grosdenaples preto muito bom
para vestidos, a 15600, 25 e 25300, dito de 5 pal-
mos de largo, a 35 na rna da Imperatri loja da
Arara n. 56.
UeuraulIquc preto a 3#.
Vende-se meurantique prelo para vestido a 35 o
covado, grosdenaple muito largo e encorpado a 35,
25500, 25 e 15600 o covado, alpaca pret para
vestidos e palitos a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de laa para vestidos, caigas e palitos a
640 e 800 rs. o covado, la preta para vestidos a
640 rs., bombazina preta para vestidos a 15280 o
covado : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Ricos vestidos a Maria Pia a 120.
Vendem-se ricos vestidos a Maria Pia a 105,
125,145,165: ruada Imperatriz loja da Arara
n. co.
Arara vende pegas de panninho a 50 e de
madapolao a 40.
Vendem-se pegas de panninho muito fino de 12
jardas a 55, vendem-se pegas de madapolao infes-
tado a 45 e 45500, vendem-se pecas de madapolao
de 24 jardas bom a 65, 75, 75500, 85, 95, 10* i
125, vendem-se pagas de algodosinho a 55, 65,
75, e 85 : ra da Imperatriz a. 56.
Arara vende os baloes a 20500.
Vendem-se balos de arcos de todos os lmannos
a 25300, 35, 35300 e4*: ra da Imperatriz
o. 06.
Lazinhas da Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se lazinhas para vestidos de seohoras
e meninas a 320, 400 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 500 e 560 rs. o covado. cassas
linas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a 240 rs. o covado.
Vendem-se chitas decores fixas a 240 e 280 rs.
ST ditas frances Anas a 320, 360, 400 e
5U0,preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova-
do : ra dalmperalriz loja da Arara n. 56.
Liquidago de soutambaques e lazinhas a
_ 70, 80 e 100.
vendem-se soutambaques de lazinhas para se-
ohoras a 75, 85, dita de alpaca branca a 105, ditar
rauto finas de grosdenaple preto a 205, 255 e 305,
capas pretas de grosdenaple fino a 205,255 e 305,
manteletes pretos de grosdenaple a 205 e 225, go-
imas para senhora a 240, 320 e 506 rs., mangui-
tos com gala a 15, camizmhas para seahora, 25,
e 5, ditas muito finas bordadas a 45500 : na loja
do barateiro da Boa-Vista ra da Imperatri loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 20400.
V^dem-se cortes de ditas com 10 covados por
25tOO ditos de dita franceza a 35200, cortes de
cassa franceza fina com 11 covados, por 35, ven-.
J**8 PfiCs de cambraia branca lisa a 35500,
45o00, 55509, 65 e 85 : ra da Imperatriz o. 56.
Liquidago de roupas feitas palitos a 20.
Veudem-se palitos de brim de cor a 25, 255C0 e
35, jaquetoes de brim pardo a 35 e 35800, palitos
de casimira bem feito a 55, 65, 75,85 e 105, di-
tos de panno preto bom a 85 e 105, ditos sobreca-
S^*.- casimira de cor e preta e de panno a 125,
145,165 e 205, caiga de brim de ce< a 25 e 25500,
ditas brancas de linho a 35500 e 45, ditas de ca-
simira de cor 45,65 e 85, pretas a 55, 65 e 85,
co 25 casiini'"a de cor e preto, de brim de cor
a 15)00, braacos a 25 e-20510, ceroulas feilas a
1528O ditas finas a 15600 e 23, camisas france-
li t liaho a:* e 3^500, colerinhos econmicos
a 6t0 rs.a duzia, ditos de linho a 500 rs, um : na
ra da Imperatriz loja da Araja n. 56.
Arara vende as cobertas a 20.
Vendem-se cobertas de chita finas a 25 e 25500,
ditas de damasco a 45 : rna da Imperatriz n, 56.
t na Arara que e rende cortes de casimira
preta a 30.
22Srse" fftJrWft 4*30<>. 65 e 85, ditos de cor a 35,
i5o00 e 6J : ra da Imperatriz n. 56. -
Arara vende panno.preto a 20.
Vende-se panno preto para caiga e palito a 25,
35, 2)d00, 45.15500 e 65 o covado, casimira pre-
ia fina a 25, 25506 e 35 o covado e outras ranitas
fazendas para liqaidar: na loja e armazem do
Arara, rna da Imperatri n. 56.
PKOPRO PAR i SENHORA.
Vende-se um excellente cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
chera do Paulino, ra de Santo Amaro.
AO PUBLICO
em o menor eovstraa-
Smenlo se entregar o
Importe do genero qme
"o agradar.
ARMAZEM
ATTENQO
Oa preeos da aegvlatc
tabella para todos, po-
deudo assim servir de ba-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
MERCANTIL
gaz.
Coke ao gaz.
pitcb do gz.
.VIcaira a do
Coke tonelladas rs. 100000
Piten .... 800000
Alcatro caada..... 400
O coke reconhecidamente o carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recoramendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozlnhas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alm das applicagSes
diversas a que se prestara, como para callafelar
embarcagoes, alcatroar madeiras, etc., teem este a
propriedade de preservar do cupim, forraigas, etc.
E' entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qualquer ponto da cldade, segundo a vontade do
comprador.
Muita attenca*t.
s
fa nova loja de fazendas e roupas fei
tas nacionaes oa ra da Imperatriz
d. 72, de Gumaraes k li mito.
Acaba de chegar a este novo* estabeleciment
um grande sorlimento de soutembarqnes de cores
pelo barato prego de 55, 65, 7j> e 85, ditos pretos
de grosdenaple de 195, 205 e 25$ : isto na ra
da Imperatriz n. 7x, loja de Guimaraes & Irmao.
Vendem-se chitas muito finas sendo de cores fi-
xas a 240 rs., ditas largas fraccezas a 260, 280,
320, 367 e 400 rs., ditas percales finas a 480 e
500 rs. : isto na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmao.
Grande sorlimento de cortes de chitas a 25300
e 25400, ditas finas a 35 e 25200 : na roa da Im-
peratriz n. 72, loja de Guimaraes & Irmao.
Vendem-se madapoloes finos a 45800, 55, 65,
75 e 85, dito muito fino a 95 e 105, dito francez
entestado a 45,45500 e 55: na ra da Imperatriz
o. 72, loja de Guimaraes & Irmao.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se paleto t de alpaca a 35, 35500 45
e 55, ditas de casemira a 55, 65, "i, 85 a 10,
caigas de brim de todas asqualidades a 15.19800,
U e 25500, brim pardo a 25. 25500 e 35, ditas
de casemira a 35300, 45, 45500, 55, 65 e 75 :
isto na loja de Guimaraes i Irmao, na ra da Im-
peratriz n. 72.
Na roa da Craz n. 38, ero casa de Mills Rat-
teau k C, vende-se :
Cha.
Oleo de Iinhaga.
Polhas de Flandre.
Silins e silhoes inglezes.
Cerveja Aspinall.
Dita Bass.
Dita Joba Jeffres & .
Un piano oom pooeo neo. ._______
RA DA CADElA DO RECIFE N. 53
(Logo pasaando o arco da Co-oeeieo)
PARA- BESI D TODOS.
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos M-rarijw -deste novo estabelecimento, e mais que ludo a prompiidlo e intei-
reza com que ser5o tratados, convida a orna visita ao mesmo, oertos de que sem duvida me dar5o a proteccao e preferencia na com-
pra dos gneros que prec;sarem, 6 qando n3o possam virpoderto mandar seus portadores, ainda qoe estes sejam pouco orticos
poisser3ot3o bem sen-idos como se viessempessoalmente, havendo para com estes toda recommendac5o, afim de quenaovaoem
utra parle.
Minteiga ingleza especialmente escclhida lA^jf3; mS^0.,ltaIljarm a *oo rs. a li-
MANUAL
DO
IMROCIIO.
Cob|M8(o pe oraego
Dr. J. C- Fernandes Pinheiro.
.Acaba de chegar do Rio de Janeiro esia abra :
vende-se na iivraria econmica ao p do arcu de
Santo Antonio, a 25500 o exemplar.
Vende se nma preta moga que perfeila en-
gommadeira, cove e ensaboa peifeit;,m.nie, coz-
nha o diario de orna casa : na ra Nova n. SI *t
dir quem vende.
Chegaram os superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, vfndi pelo
ultimo vapor francez : oa loja das columnas a ra
du Crespo n. 13, de Antonio Corma de Vascon-
ccllosrC.
AtUngo
Vendem-se pegas de esteiras para forro de >aa
tinta branca preparada a oleo, em laias de 2i li'
bras, para pintar casa, relogios para cima de ne-
sa e para pendurar, arreios para 1 e il estallo;,
velas espermaceti-, rudo de superior qualid;.di\
vindo dos Estados Unidos : no armazem da ra do
Trapiche n. 8.
Carta chorographica
DO
THEUTRO DA GUERRA.
Acha-se exposta venda, as tojas abaixo men-
cionad is, a carta chorographica do theatro da guer-
ra nos Estados do Sul da America Meridional, con-
tando as plantas do Paysand, e do bloqueio e cer
co de Montevideo. Ella torna-se recoramendavel
nao pela lacnna qoe veio preeneber, como pelo
esmero do trabalho lythofrraphieo.
Vende-se pela modiea quanlia de$0000as livra
ras das Srs. Nogueiri, ra do Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayres, na daCadelado Recife, assim como
as tojas da Exposigao d Londres e na lythogra
pbia do Sr. Carlos,.a mesma roa n. 52, e na hija
do Sr. Cardozo de Almelda. rna da Cruz.
1,000 e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muiloproprio paranegocioa 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-.
bras a l.Coors.
dem preto o que se pude desojar ueste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs.libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato ? 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguesas j preparadas
em ratas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 040 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo- e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhole suisso a 9oo,
1,000 el,2oo rs. a libra.
Espermaceti superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente fo-.
eradas e das melhores qualidades de pe*
xe a 800, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Rordeaux das marcas mais acredita*
das que vem ao nasso mercado a 7,oode
8,000 a caixae6io e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a 1,ooo e 1 l.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e8,5oo rs.a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao de 1* qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba,
dem da India a loo rs. a libra e 2.800 a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paincoe alpisla a 14o rs. a libra e4,ooo.a
arroba.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-
mo.
RIVAL
Sein segundo,
lua do Queimado, n. 49 e lio. E' para admirar.
Carrelis de linha com 150 jardas...... 60
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a6.............................. 120
Ditoditode60 a200................... 100
Novellos de linha grandes com 400 jar-
das ................................. 80
dem idem brancos e de cores de 100
jard.s ...............................
Livros para assento de roupa lavada... 100
Cordo branco para espartllho (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de botoes de punbo todos de cores 120
Tinteiros de barro com tinta........... 100
Tesouras para costuras finas e onhas 400
Ditas para costaras com toque d'avaria 200
Ca xas com 100 en ve lopes das melhores
qualidades........................... 640
Ditas com 20 cadernos, ranel pautado e
Uso................................... 00
Cadernos de papel pequeao (e a reta-
Iho).. ...........%................. 20
Meiadas de liaba freuxa para bordar.. JO
Pares de sapatos de tranca........ 15500
Massos,com superiores grampas para
senhora.............o............
Frascos de inania perola muito sueriw 200
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400rs. e.............,........... 00
Ditos e garrafinbas de agua de Colonia
mnilo fina............'.-----........ 400
Pegas de Otas elsticas para vestidos a
melhorquahdade............,....;. *40
Pares de ligas para seobora as melho-
res.............................. 320
Frascos de ae:a dentifrice muito supe-
rior................................ 00
Caixas oom 4 papis de agnlhas a fcalao
e Vioioria-........................ 200
Libras de la sendo de todas as cores... 65000
Bonecos vestidos tambem de choro... 168
Caixas com superiores obreias........ 40
Ditas de linha de ae com 50 novellos.. 800
Enfiadeiras denla para espartilhos...... 00
Carretis delinba de cores com 100 Jar-
das
bj:a e O.oo'a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
oha branca ou amarella a 64o rs. a libra e
3,5ooa'caixa com 8 libras.
Vinho do.Porto' rauito fino proprio para
engawaTa, em ancoretas de 9 caadas a
3o,ooq, rs.
Viqlw em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo-e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,.5oq, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de exceeate quali-
dade a 4op e 5oors. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,300.
Vinho branco para mise em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vemap mercado comosejam: ingrimas
do Doorq, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Lutz I, Madei-
raSecca,Malvazia.fina a 16,000, IByooo,
12,oooe 4o,ooo a caixa com iduziae9oo,
l.ooo e 4,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cheraade superior qualidade al 6,000
a duzia e l,Soo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a feo rs. os qoartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachiohas inglezas muito nevas a 5,000 a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de goda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartees com bolo francee muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas ero caixinhas enfeitadas
para mimoa3,ooors.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. ajibra.
Milo de amendoas.a 5oo rs.
Bolachjnha d'agua e sal, da fabrica deJoo
de Brito no Beato Antonio, em lata de6 li-
; bra^ por 2,5oo rs.
Ameixas francs;)s em fiasco de vidro com
lampa do mesmo, a i Seo.
Amaixas franc.zas em caixinhas de diversos
tamanhee eom bonitas estn pas b cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
. cada urna.
Azeite doce refinado nespaubul uu |>uriuguez
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
loo rs.
Nozes muito novas a t6o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com roma
do mesmo, a I lio es.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezae. excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propriamente dito a
lA a garrafa e 11,000 a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o maco.
ia
Sal refinado em frascos de vidro com lam
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 3,800, 6,000 e 6,5oo a du-
zia. ;
Cevadinha de Franca muito nova, a2oors.
Charutos do affamado fabricle Jos Fua-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposicao Normal de Harona, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,000, 4,5oo, 5,ooo,
b.ooo e /,00o a caixa ou em meias.
L&arulos finos de diversas marcas e fabri-
c?les'.cono sejam: Flor do Norte, Ma-
nabas de Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doee da casca de goiaba a 2,000 -a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte.excellente cha para os navegantes, a
2oors.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8ooocentoel,2oosolas.
Palitos co gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banlia de porco refinada a 600 rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem viudo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheiro6a
a 2oo rs. a libra.
Frascos com frnctas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e ije o frasco.
Caixinhas com fructa? em doce secco de di-
versos tamanhos, muilo proprias para
mimo, a l,6oo,2,Cooe.3,5oWaa urna.
Haiboa, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
5 gfffiaras por 600 e8wrs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorcla.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5ooa garrafa, e
24,000 e 26,eoo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Ralaios para roupa suja, grandes epeque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce deLisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
qoe se est arabaodo, vestidos para
senhoras.
Cortes de laa indiana para .ve.-do fazerda ere
posto a 4S0O o rorte : s na roa do Qncimadr d.
43 c 4o. t^qnina que volia para a Crnyregacc.
Protestos de letras
O escrivao interino Torres entra de .-enana, e
deve ser procurado no eartorfe da ua estrella do
Rosario n. 12, casa em qne lem eserrptorfo o *r
Dr. Jo Teiieira, primuro andar.
Arthur Napoleao
O ENIO
Quadrilbo de conlr JOVEN HELENA
Brllhante walsa.
Acbam-se a vendoslas duas exrellentj tecas
de mnsica para piano, comfosicae do director e
regente da orchestra do theatro de Santa I>a,
Cols-filho, na loja do Sr. Domond ina Nova.
Cada exemplar 15." cu.
ESCRITOS mira.
Atteiieno
No dia 18 do corrfnie a^sntou-fe^ a eerrava
Rosana, mulata, alta, ccriulenta; retresenia 1er
30 annos de idde, falta de dimes na fientt e lem
em um dos hncos um sino Salirrao. levon va-
lido de chita cor de rosa, e chale enramante, (ia-
lica-se a qufm a appiehender e leva la ao -1:1
natravessa de Santo Anaro em dirercoa enciu-
zilhada de Belcm.
Knpio ha 15' das urna preta Africana de nt>-
me Thereza, que representa 30 annos, pouco mais
ou menos, baixa, fula, magra, denles limados, boe-
ra grande, por baixo dos olhos tem urna sinta pre-
la, alguns cabellos brancos, muilo regrlsla, dedos
das raaos e pes cortos, levando vestido de ehita
amarello desbotado com tranca enramada feito
baiatia, prnno da Costa rcm franja encarnada com
bolas, costuma a dlier que forra : quem a pegar
leve a ra da Cruz n. 35, segundo andar, 00 ra
da Gnia n. 26, que ser gratificado.
Acha-se fgido o prtto de neme Gabriel,
fcrionlo, de id*de ponco wais ou menos 3f; annos,
baixo e corpulento, rosto curio e barbado, pesco-
co curto, olhos vivos e sobra aiVlhas arques das,
horra regular, dentes lvos, ps curtos e largos :
roga-se as autoridades vigilancia por se desconfiar
delle querer assentar prara no corpo eos volunta-
rios, ou a quem a elle pegar conduzir ?.o engeuho
Tapugy de rima da comarca do Cabo a entregar a
sen senhor Antonio Jfiaquim Cavaleanii de Alto-
qnerqoe ou a Jorge Clemente de Borba Cavalean-
ti, na ra de Apollo n. 34, sepundo andar, que
ser gratificado : docontia-se lambem delle estar
ou andar na ridade de Olinda, vislo qne dahi foi
comprado a um preto forro de nome Guilhermico
Sebastio do Resano, a 17 annos. poucu mais oa
menos : pede-se, portant, aos senhures aapities
de campo, tanto dalli como de outras partes, sua
captura as condieoes cima ditas. Diio escravo
j foi visto nesta cidade e no aterro dos Afogadus.
....,....,...................
Pecas de cordSo i mperial............
Resmas *e sapefior parjel almaeo a
Dazias de superiores meias croas para
hornera a 3*200 e.................
Dazias de superiores meias para senho-
ras a...............,.............
Sabonetas de familia multo fino* a 110 e
Meias garrafas de tinta a.............
Caminas da doatrioa a melhor qualida-
de a..............................
Caivetes de cabo de marflm de superior
qualidade........|...............
Varas de ebrdio brance de borracha...
20
40
Hsoo
3600
5*000
200
100
320.
l|00f>
40
BOTICA E DROGARA
Bartholomeo Francesco deSeaza&C.
34Hua larga do Rosario^34
Vendem:
PilalusHollo-way.
Pillas doDr. Laville.
Plalas do Dr. Alian.
Pillas do Pobre-hoinem
Pilulas americanas.
Pllulas vegetaes.
Pilulasvegeues assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Cbable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha deCh Albert."
InjeccaoFeaugas.
Agua dentiieade Desirabode.
Papelcliiaico, para talhoa.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspad.
Pos anti-eplletieos de Brest.
RobL'Affecieor.
.(Tarop do Bosque.
Uagenlo Holloway. _______________^^
RIVAL
SEM SEGUNDO
Per.hiaclia im xah ja de fazendas
raapa feita nacional, raa da Impe-
ratriz n. 72.
Pechineha a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas de c6res flxas a 240,280 rs. o
covado, Altas Trncelas largas a 300, 320, 360,400
e 440 rs. o covado ; pecas de madapolao fino a 6*, r '. 'Z" 7VV *;" V' V "
7#,8*,9#el; pe^as de algodo a S#, W, 7 6snastndgn^UJe de lonv Pateados
e 8j>; roa da imperatriz n. 72.
Roupa feita nacional.
Vendem-se patitos de cazemira preta e de cores
a S, 6*, 8* 10*, ditos sobrecazaeos a 14, 1*
e 16*. Palitos de brira de cor a 2*600, 3* e3506
rs., calcas de cazemira preta a 6j, 7 e 8J, ditas
de catemirade cor a $9, OS 7, e 8J ; coletes de
cazemira decores epretose ditosdebrlma 13500,
e 9*500 rs., ; raleas de brim de cer a 2*, 2*800 :
roa da Imperatriz o. 72.
Seatanbarpede cores a U, U e iO.
Vendem-se soutambarqoe de lia e seda para se-
ahora a 78, 8* e 10* ditos de grosdenaplajire-
to a 20* e S* -, capas preta a 20IJ e 25* ; vesM-
dos de laa a Mara Pra a 12*, 140 e 16* : roa da
Imperatriz n. 72.
Cortes de cazemira preta 1 3.
Vendem-sei-rtes da cazemira preu paca calca
a 3*. 33300, 5* 6* e *6*, ditos de cazemira d
c6r a 3*. 4*,S8, e 7*. ditos de brim de cores a
1*000, e 23, ditos de chitas finas a 23400 e 3*900,
ditos de casaas fraacwa a 3* : roa da Imperatriz
lo)a do barateiro n. 72.
.....
Vende-se a taberna da raa dos Acougainhos
n. 20 : a tratar na mesma.
Earello
em sceos grandes eom deus
qaaesquer a4*800 ; aa ra
30, taberna da esquina.
tamanhos de outros
larca do Rosario n*
Na ra do Qaeimado n. 49 e 55 lojas de miude-
zas de Jos 4 Azevedo Maia e Silva continua a
vender todo por precos mais barato do qae ero
outra qualquer parte, qaem qaizer ver o qoe ba
bom e barato venha a loja do Rival.
Dazias de phosphros de seg ranea a ... 120
Francos com esseocia de Sndalo muilo
_ superior.......................... {000
Escovas de dentesmuito superiores a...
Latas com superiores banha...........
Fraseos de vidro com superior banha.'!
bneites do melhor gosio qne tem vindo.
oarrafas d agoa de Florida, verdadeira.
Polceiras do melhorgosio e modernas.
Volta para pescoco do melhor gosto....
Baralbos para voltarete, finas a 200 e,.
Varas de franja branca de liaba qne
tem muita serventa.................
Duzia de pennas d'aco muito superiores
Frascos de oleo Bboza moito finos....y.
Talheres para meninos a melhor quali- *
dade...........1............,"" "-"
Duzia de colheres de metal muito finas
para sopa...........................
Duzia de colheres de metal muito finas
para ca........................
Grosas de botoes de osso para calca..'.
(irosas de botoes madreperula paraca-;
miza...
Na noite do da 9 do corrente mez desnppa-
receu da casa n. 48, na travessa da na da Concor-
dia, urna mlatinha captiva de neme francisca,
com os signaes seguinle. : amarella, ps camba-
dos, cabello cortado meio estoqniado, levou vesti-
do de chita j usado e camisa de madapolao, tudo
j mnito sujo, de idade 10 annos: jnlpa-se ter sido
scdnzida de casa em razao de ter vindo do mato
ha dons mezes, pouco mais ou menos, e nao saber
ra alguma : roga-se as autoridades policir.es a
apprehensao da dita mlatinha, e leva-la rasa
cima mencionada.
<.*
tiene
*-*

200
200
240
230OO
1128
500
540
2 0
060
060
200
franeezes multo sn-
a 40 risj
mito fiaos
Carias de alfinetes
parieres................
Caixas de colchetes franeezes
Duzia....................
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade..............................
Dazias de lapes differertes qualidade a
140...... .............:.........
Qaadermjs de pape! de peso mnito fino.
Resma do mesmo papel.............
Duzia de racea e garfo mnito boas....
Capachos compridos e redondos muito
bou.............................
Ditos para sof......................
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
Esseocia oriental para tirar nodoas de
rompa............................
Pefas de fita de la para vestido com 10
varas a....... ..................
Vara* de babados do Porto mnito supe-
riores a 100, 120 e................
Livros com bonitas e finas estampas
210
2*400
13500
200
500
200
100
360
200
400
030
2*000
23400
500
23000
iOC
500
600
160
320
Vende-se ura%scravo idade 25 annos insigne
offlcial do carpiaa e bonita figura : na^travessa do
Canino n. 1.____________________
. Milbo novo em saceos grandes : no trapiche
da Cunba, a tratar com Tasso IrmSos.
o dia 4 de Janeiro do anno de 1864, fugio do en-
genho Conceico, comarca de Pc-d'Alho, o esera
v Caldino. pertencente ao al^ixo ausignado, com
os signaes seguintes : idade 26 anuos, pardo, claro,
corpo, figura e altura regulare?, cabellos meios ca-
rapinhados, olhos pardos, sobrancelhas e palpebras
salientes, tem em cada braco um sino de Salomao,
,-endo um delles mal feito, e junto a este nma croz,
tem na cabega urna cicatriz de urna polegada, e em
cima de um quarto urna outra cicatriz de tres no-
legadas, proveniente ds ponta de pao e queda, lem
sobre as costas algomas marcas ou cicalrizes de re-
inadas ou chicote; um pouco desembargado quan-
do falla, lem principio de carpina e carreire, tora
viola e barbado. Foi soldado do corpo de polica no
Recife, e levou comsigo a haixa do theor seguinte :
Seccao urbana, 2* companhia n. 50, Amonio Cana-
no de Oliveira, filho de Agostinbo Ferreira de Bri-
to, natural de Ingazeira, cor parda, cabellos ara-
pinhos, olhos pardos, offlcio nenhum, eslado soliei-
ro, com 30 annos de idade, 60 polegadas de altura,
ao engajar-se. Eogajou-se na forma do regla-
mento, em 17 de fevereiro de 1862, por Exm. Sr. presidente da provincia, datado de 28 de
abril do corrente, e publicado ao corpo em ordem
do dia 1' de maio, tudo em 1862; leve baixa do
servico por ter dado em sen lugar o paisano J0S0
Pedro Ferreira d Rocha. Foi escravo do capilao
Joao de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e hoje merfdor na
Campia Grande da Parahvba do Norte, que;o ven-
dea em das do mez de novembro de 1863 ao abai-
xo assignado, palo costme de andar fgido e a ti-
tule de forro com o nome mudado ; pelo que roga-
se a atlencao das autoridades civis e militares, nao
s desta provincia como das deniais do imperio, a
apprehensao do dito escravo, que a titulo de forre,
nao lenha sido recrutado 00 assenlado praca em
alguns dos corpos de Voluntarios da Patria, tam-
bem pede se aos capltaes de campo e pessoas par-
ticulares a mesma appreben&ao, e leva-lo ao seo
seahor no referido engenho CoUceican, ou pasta cU
dade ao capitao Mauricio Francisco de Lima ra
do Brum n. 56, que ser gratificado com 2005.
Jos Maria dos dantos Cavalcanti.
Fugio em principios do mez de fevereiro do
corrente anno e consta estar acontado neata cidade
o moleqne Eazebio, escravo da vinva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade pou-
co mais ou menos, cor pret?, secco do corpo, olhos
regulares e afnmacados, cabeca nm pouco grande
e meia chata, beicos finos, dentes bem alves, ps
seceos e moito ladino : roga-ae per tanto a todas as
autoridades policiaes e capitaesde campo que oap-
prehendam e levem-o a ra da Mangneira sobrade
n. 0 que ser3o fratfflcados, proteslando-se usar dos
meios judiclaes contra qualquer pessoa qoe* tenba
em seo poder.

' /


9
Mari*
Terea tetra e
4 1S&
LITTERiTDRA.
UATERLOO
(Conlinuaco do conscripto de 1813.)
POR.
ER^KMANN CHATRIAN
I'BIMEIRA PARTE.
IV
(Conlinuaco)
Na madrugada do da seguinie comee--
ram os sinos a tocar. Levantei-me, abri os
posiigos, e vi o sol cbammejante que se er-
gua por detraz do paiol, por cim do bos-
que da Boa Fonle. Seriam cinco horas, e
j :;e senta o olor que liavia de fazer, e o
.ir eslava impregnado do cheiro das folhas
de carvalho, faii e azevinlio que juncavam
as ras. J vinliam chegando aldeos em
magotes, conversando no meio d'aquelle si-
lencio. Era gente de todas as aldeias, de
Wochem, de Metting, de Graufthal, de Do-
senbeim, que se conheciam pelos seus gran-
des chapus de vizeira e casacas quadradas,
e pelas mulberes com compridos vestidos
prel-.s e ampios barretes acokhoados ; os
de Dagsberg, de Hildeliouse, do Harberg e
da lio .pe era n condecidos pelos seus largos
fieltros redondos e jaquetas de velludo, e pe-
las mulberes de cabera descoberta e saia
curia, trigueiras, baixas, seccas e vivas como
plvora. Atraz vinham os rapazes de sa-
patos na mo ; mas assenlaram-se todos em
tileii-a nosjiostes deLuterspecli, ecalcavam-
iti para verem a procisso.
ambem vinham alguns padres, aos tres
aos quatro, atraz da gente das suas aldeias,
comersandoe rindo alegremente.
Fu, com os cotovelospregados na janella,
olhava para aquillo, calculando que aquella
gente devia ter-se posto a caminbo antes da
anca noule para chegar to cedo, que devia
ter alravessado as suas montanhas, cami-
ohando por entre arvoredos durante horas
in eiras, e passando sobre os pontes luz
do 'uar, ereflectia que a religo era urna
giande cousa, que a gente das cidades nao
o sabia, mas que militares de trabalbadores
uos campos, lenheiros, lavradores, homens
rudes mas bons, que amavam suas mulbe-
res e seus filhos, que honravam a velhice
de beus paes, ajudando-os e fechando-Ibes
os olhos na esperanca de urna vida melhor,
nao linham oulra consolacao na trra.
fc olhando para a multidao que ia passan-
do sempre, lembrava-me que Catbarina e sua
t a liuhain as mesmas ideas, e sentia-me fe-
li por saber que pediam a Deus por mim.
dia ia-se adiantando, os sinos locavam
e cu continuava a observar. Tambem ouvia
o Sr. Goulden, que se levantava e se vesta.
Alguns ilutantes depois elle entrou no meu
quarto em ma gas de camisa, e vendo-me
pensativo, disse :
Jos, o que se pude ver mais bello no
.niun lo a religo do povo 1
Fiquei pasmado de rae ouvir dizer justa-
mente oqueeu pensava, e elle continuou :
E' verdade, o amor de Deus, o amor
da patria, o amor da familia, tudo a ms-
ala cousa. So o que s vezes nos maga
vei mos que o arar da patria transviado
para satisfazer a ambico de um homem, e
o amor de Deus para exaltar o orgulho e o
espirito de domiaacao de meia duzia de ho-
mens.
Estas palavras fizeram-me sensaco : nun-
ca me esqueceram, e tenho refleclido muitas
vezes que sao a expresso da triste verdade.
Emlim, para voltar a contar o que se
passou naquelle dia, direi que desde o blo-
queio trabalbavamos tambem ao domingo,
porque oSr. Goulden, fazendode artilheiro
oas trincheiras, tinha abandonado o iraba-
Iho e havia muita obra demorada. N'esse
dia, como nos outros, accendi olume no
nosso fogosinho e preparei o almoco. As
janellas Gcaraa abortas e ouvia-se o grande
rumor que ia fra.
0 Sr. Goulden, debrucado a urna das ja-
. oellas, dizia:
Olha, todas as lojas ficam fechadas .
. menos as estalagens e tabernas.
Elle ra e eu disse-lhe :
Havemos de abrir a nossa porta, Sr.
Goulden ? Pode ser que isso nos faca mal.
Elle voHou-.-e como muto admirado :
Olha, Jos, nunca conheci um rapaz
melhor do que tu, mas nao tens Grmeza de
carcter. Pois porque haviamos de fechar
a nossa porta ? Porque Deuscreou o mun-
do em seis dias e descansou no stimo t
Mas nos nao creamos o mundo e precisa-
mos de trabalhar para viver. Se fechasse-
mos a nossa porta por inleresse, se quize-
. ramos fazer de bons apostlos e alcancar
assim nova freguezia, seria bypocrisia. Tu
fallas a Igumas vezes sem reflectir.
Eu vi logo que tinha fallado levianamente
e respond:
Pois sim, Sr. Goulden, deixemos es-
tar aborta a nossa porta. Logo se v que
vendemos relogios. Nao cousa qu possa
fazer mal a ninguem. .
Mil nos tinhamos abancado mesa quan-
do chegou Gatharina com a tia Gredel. Ca-
tarina eslava toda vestida de preto por
causa dos officios por alma de Lu XVI.
Trazia um toucado de fll preto, um vesti-
do muito bem feilo com cinto tambem pre-
to,, e isso dava-lhe urna cor tao branca, tao
rosada e tao delicada, que nem eu podia
acreditar que fosse a namorada de Jos
Bertha : o pescoco era branco como nev,
e se nao fossem os seus labios e a sua bar-
ha pequenina e cor de rosa, se nao fossem
os seus olhos azues e cabellos louros, pen-
sara que era outra que se pareca com ella,
mas anda mais bonita. Ella ra por vera
minha extr-aordinaria admiraco. Por fim
disse-lhe : ''
Calharina, tu ests agora to bonita
que nem me atrevo a apertar-te a mo.
Ora essa I nem e preciso que le in-
commodes por tao pouco.
E debrucou-se sobre o meo hombro, e
abracei-a, e o Sr. Goulden e a tia Gredel
olbavam para nos a nr, e eu quizera ve-los
bem longe d'ali para dizer, a Catbarina que
a amava cada vez mais e que daria a minha
vida mil e mil vezes por ella. Mas na pre-
senca delles era urna cousa inconveniente.
A tia tambem trajava de preto e tinha de-
baixo do braco o seu livro de oraces.
Anda c, Jos ; tambem quero um
abraco. Bem vs que estou de preto como
Catbarina.
Fui abraca-la em quanto o Sr. Goulden
dizia :
Voces ho de jantar comnosco. Fi-
que entendido. Mas agora tambem ho de
tomar alguma cousa.
J almocamos, disse a tia.
No importa. A procisso acabar
sabe Deus quaodo. Voces bao de estar
sempre a p, e preciso ter forcas para
estar em p.
Eolio assentaram-se, Catbarina minha
esquerda, a tia i direita e o Sr. Goulden
defronte. Bebeu-se um bom copazio de vi-
nho e a (ia Gredel disse que a procisso ha-
via de ser magnifica, que levava uos vinte e
tantos padres dos arredores, que tambem ia
nella o abbade Huberto dos Quatro Ventos,
que o grande altar de estaco do Sacra-
mento do quartel d ca\ aliara era mais alto
do que as casas, que os pinheiros e choupos
prximos estavam cobertos de luto, e que o
altar tambem estava de preto. Fallou de
tudo em quanto eu olhava para Catbarina,
dizendo cada um de nos de si para si:
Oh, meus Deus f quando teremos li-
cenca para casarmos ? Quando ser que o
mariola do ministro ter lempo para escre-
ver : Casem e deixem me I
EmGm, pelas nove horas comecou a se-
gunda corrida de sinos, e forca foi separar-
mo-nos.
E' a segunda vez que toca, disse a tia
Gredel. Vamos l, e viremos jantar o mais
depressa que pdennos.
Pois sim, sim Sra. Gredel, respondeu
o Sr. Goulden ; c as esperamos.
Levantaram-se e eu acompanhei Catbari-
na at ao fundo da escada cem bem pouca
vontade de me apartar della ; mas a tia di-
zia :
Vamos nada de demoras I
Saniram e eu fui para o trabalho. Mas
desde esse momento at s onze horas nao
pude fazer nada, A gente era tanta que
nao se ouvia fra seno um grande rumor,
o rumor de folhas calcadas pela multidao ;
e quando a procisso sabia da egreja, pro-
duziu aquillo um effeito tao grandioso, que
at o Sr. Goulden deixou de trabalhar para
escutar os cantores e oracoes.
Eu imaginava Gatharina no meio do povo,
mais formosa do que todas as outras, com a
tia Gredel ao lado, repetindo em voz clara :
Bett fur uns (orai por nos,) Imagina-
ra-as muito cansadas, e todas aquellas ve-
zes, todos aquelles conticos faziam-me seis-
mar. Eu tinha um relogio diante de mim
e trata va de trabalhar, mas a minha imagi-
naco andava por oulra parte. Quanto mais
suba o sol, mais crescia o meu aborreci-
mento, quando de repente o Sr. Gouldeo
me disse rindo :
Ento, Jos, hoje nao se faz nada ?"
E como eu crava muito, tornoa elle :
Sim, verdade; no meu tempo, quan-
do eu pensava em Luiza Benedum, olhava
para as molas e para as rodas, mas nao via
seno uns olhos casianhos.
Suspirou e eu tambem suspirei, dizendo
commigo : Tem razo o Sr. Goulen, tem
razo.
Basta, Jos, tornou elle pouco depois,
tirando-me o relogio das mos. Vae. ra-
paz, vae ; procura Cathariua. Ninguem po-
de ser superior ao amor.
Ouvindo estas palavras, tive vontade de
dizer-lbe: Oh, homem borne justo, que
Bunca saber quanto o amo! Mas elle ti-
nha-se levantado para limpar as mos
toalha que estava atraz da porta, e disse-lhe
so :
Pois ento, se o senhor qaer absolu-
tamente___
Quero, sim, absolutamente.
NSo esperei mais. O coraco pulava-me
de alegra. Puz o chapu e desci em dous
saltos, dizendo:
At j, Sr. Goulden.
E j estava fra da porta. Mas que gen-
te, que mullido I tudo eram barretes, cha-
pus de aldeos, chapus de tres bicos, e
por cima de tudo isso es sinos da egreja lo-
cavam lentamente.
Eslive m as de um minuto porta sem sa-
ber para onde havia de dirigir-me, e vendo
por Gm que nao era possivel dar um pa-so
por entre aquella turba-multa, guiei para o
beco de Lanche para ir dar s muralhas, e
correr a esperar a procisso na escarpa
da porta da Allemanha, porque ella ia
ento pela ra do Collegio cima. Seriam
onze horas. Mas anda n'esse da eu havia
de ver cousas que depois me teem feito re-
flectir muitas vezes: eram os signaes de
grandes desgracas, e ninguem os via, nin-
guem tinha o bom senso de comprebender
o que signiGcava aquillo. Mais tarde, quan-
do todos se viram eutra vez abysmados na
miseria, quando foi preciso carregar de no-
vo com a mochila e a espingarda para ser
feito em pedacos, que cada um disse com-
sigo : Ai, que se tivesse havido juizo....
se tivesse havido juslica.. se tivesse havi-
do prudencia... Nos estavainos tio bem .'...
Anda estaramos em nossa casa ; e agora
comeca outra vez a ruina. E que era pre-
ciso tazer ? Absolutamente nada... basta-
va que nos contivessemos em socego .. e
isso nao era cousa muito difficil.Que mi-
seria t
Corri, pois, pelo beco de Lanche onde
eram fusilados os desertores no tempo do
imperio, O rumor affastava-se; os cnti-
cos, as preces e o som dos sinos tambem. I
Todas as portas e janellas estavam fechadas,
toro mundo tinha seguido a procisso .
No meio de esse grande silencio, parei al-
guns instantes sombra do velho quartel
para lomar folego; urna fresca viraco so-
prava dos campos por cima das muralhas ;
eu ouvia o tmulo ao longe.. limpava o ros-
to coberto de suor, e dizia comigo :
Onde hei-de agora encontrar Calha-
ria ?
E i pr-me oulra vez a caminbo subin-
do a escada da porta falsa, quando ouvi al-
gnem qne gritava : j
Marca l os pontos. Margarot.
E s ento vi as tres janellas do tio Coln
abertas no primeiFo andar, e alguns homens
em mangas de camisa que jogavam o bi-
Ihar. Eram soldados velhos, de cabellos
corlados rente e bigodes aparados come es-j
cova. Griwvam de redor do bilhar, de um,
para outro lado sem lhes importar Luiz,
XVL nem o presidente da cmara, nem o
commandante, nem os burguezes. Um del-
les, baixo, membrudo, de soissas rolicas, 1
laia das dos hassares, com a gravata des-
composta, chegou a debrucar-se na janella
com o taco pousado sobre ella, e olbouTara
o lado da praca gritando:
Comecemos urna partida de emeo-
enta.
Veio-me logo idea que deviam ser offt-
ciaes a meio sold que estavam a gastar all
os seus ltimos cobres, e que breve se ve*
riam embaracados para poderem viver. Eu
tinha-me posto a caminhe e aiargava o pas-
so debaixo da abobada do paiol, por detraz
do collegio, pensando nestas cousas, mas es-
Ab, corja de cobardes I.. Canalaa !..
E voces sao francezes!..
E de cada vez levava mais ^pancadas. Por
fim, deixaram-no n'aquelle canto, chelos de
queci todo logo que chegaei escarpa da ;sangue, com o fardamento rasgado, e o com-
porta da Allemanha. mandante da praca, que chegou n'aquella
A procisso dobrava a esquina de Bock- occasio, mandou que fossem levados priso
holtz, os cantares soavam como trombetas do corpo de guarda,
defronto do altar da estaco do Sacramento; I Eu, se tivesse podido descer, sem pensar
os padres de Nancy corriam por entre a mu- em Calharina, na tia Gredel e no Sr. Goul-
tido com a cruz no arpara alcancarem boa den, seria capaz de correr em seu soccorro,
ordem: o guarda-portao Sisron endireita- e os Barraquinos t r-me-iam espancado tam-
va-se magestosamente debaixo do estndar- bem.
terna frente canlavam todos os padres eme- Quando hoje pens n'isto, ainda estr-
nalos do coro, e as preces erguiam-se at ao meco; felizmente o muro da porta falsa
cea ; na retaguarda a mu idio responda, e tem mais de vinte ps, e quando vi que
isso prodozia um murmurio surdo e ter- os le va vam presos cobertos de sangue,
riveL | quando vi esse acto abominavel, deitei a
Eu, as pontas dos ps, meio encoberto correr para o lado do arsenal e entrei em
pelo alpendre, nao pensava seno em Ca- casa to paludo que o Sr. Goulden disse-me
tharina, e desejava descobri-la no meio da-! logo :
quella gente ; masquantos barretes e cha-j Jos, t foste esmagado?
pus de todos os felios vi desfilar pela ra Nao. Sr. Goulden, mas vi agora urna
deUlricht Nunca se teria podido imagi-i cousa horrorosa.
aar que na nossa trra houvesse tanto povo: E desatei a chorar contando-lbe o que ti-
de certo nao ficara alma viva as aldeias, nha visto. Elle passeava de um lado para o
salvo as creancinbas e algumas velhas a ter outro, com as mos as costas, e para va de
conta nellas. lempos a tempos para escutar-me, com os
Seriam passados vinte minutos, quando olhos luzentes e labios cerrados,
j nao esperara descobrir Catbarina, e de' Jos, esses homens Gzeram alguma
repente a vi com a tia Gredel. A tia resa-! cousa!
va emvoz to clara que se ouviap or cima Nao Gzeram nada, Sr. Goulden.
de todas as outras; Catarina nao dizia nada' E' impossivel. Esses homens deram
e caminhava a passos miudcs' e com os! motivo para serem assim tratados. Que da-
odos baixos. Ai, se eu podesse cbama-la tai-
vez ella me ouvisse, se mas bem bast va nao
ir na procisso ; cumpria nao dar escnda-
lo. Tudo o que posso dizer, e nao ha um
velho em Phalsburgo que sustente e con-
trario, que Catbarina nao era a moca me-
nos bonita da trra eque Jos Bertha nao
era para lastimar.
Por Gm, decorridos alguns instantes, ella
tinha passado, a procisso acabava de fazer
alto na praca de Armas, defronte do grande
altar de estaco do Sacramento, direita da
egreja ; o abbade oflkiava e o silencio es-
tendia-se sobre toda a cidade. Nos l-
eos, direita e esquerda, todos emmude-
ciam como se podessem ver o padre no al-
tar, muitos ajoeihavam, outros encostavam-
se s portas das casas, porque o calor era
excessivo e andavam all d sde a madruga-
da. Esse espectculo commovia-me e eu
pedia a Deus pela patria, pela paz, por tudo
o que senta em mim. E lembra-me que
nesse momento se ouviram vozes no fundo
da escarpa, debaixo da porta da Allemanha,
vozes que diziam em tom jovial:
Ora vamos... vamos... dem lugar,
meus amigos !
A procisso trancava o caminho. os vian-
dantes tinham de parar, e aquellas vozes
perturbavam um pouco o recolbimento da
espirito da multidao. Algumas pessoas,
defronte da porta, moviam-se; o guarda
porto e o bede olhavam para l de longe,
e eu por curiosidade tinha-me chegado para
a jampa, debaixo do alpendre. Ento, cin-
co ou seis soldados velhos, cobertos de p,
curvados e com ar de profundo cansaco, gu'a-
ram pa-a a escarpa para passarem ra do
Arsenal, onde de certo esperavam acbar a
passagem livre. Parece-me que ainda os
vejo com os sapalos estragados, as polainas
brancas, o velho uniforme j no fio, e as
pesadas barretinas arruinadas pela chuva,
pelo sol e pelas miserias da campanea
Marchavam em Gleira. um pouco sobre a
berva da rampa, para incommodarem o me-
nos possivel a gente que estava assentada em
baixo.
Um velho, apegado a um pu, que ia na
frente, e que pareca o mea pobre sargento
Pinto, morto ao p do Hinterthor, em Leip-
zig, enternecia-me o coraco. Tinha os
mesmo bigodes compridos o grizalhos, as
mesmas faces cavadas e o mesmo ar de con-
tentamente, apesar dos soffrimentos e do
infortunio; levava,tima trouxa pequea na
ponta de um pu, e sorria e dizia em voz
bo / Nos nao somos selvagens. Nada..
Os Barraquinos tiveram alguma razo sem
ser a dos topes.
Nao podia acreditar o que eu dizia, e s
depois de ter ouvido tudo duas vezes miu-
damente, que rae disse:
Acredito... acredito. Visto como to-
das as cousas se passaram, e por conseguin-
te acredito. E* urna desgraca maior do que
pensas. Diz-se que Luiz XVIII tem juizo.
Pois ento que faca uso d'elle, que faca uso
d'elle... porque tempo Se ist-i contina
assim, seno se pe um freio seguro a todos
estes patifes, se os Pioacles ho de ter o man-
do as mos, os homens de bem bao de abrir
os olhos.
Nao disse mais porque a procisso tinha
acabado e chegaram Cabarina e a tia.
Jamarnos todos juntos. A tia estava mui-
to contente e Catbarina tambem; mas todo
o prazer que eu senta em ve-las ali nao me
tirava certo peso do coraco. O Sr. Goulden
estava muito pensativo.
Por Gm, noute acompanhei Calharina
e a ta at Roulette, e ahi despedi-me d'el-
las e voltei para casa. Seriam oito horas.
O Sr. Goulden tinha sahido para 1er a gazeta
no armazem de cervejas do Homem Selva-
gem, como tinha por costume nos domingos.
Detei-me. Pelas dez horas elle entrou, e
vendo ainda o meu candieiro accezo, abriu
a minha porta e disse:me :
Parece que em toda a parle ha pro-
cissoes, Jos. E' o que se l-na gazeta.
Tambem me disse que oitenta mil priso-
n iros estavam a chegar, e que isso era urna
felicidade para o paiz
(Continuar-se-ha.)
UIB POUCO DETU08.
Em data de 28 de marco prximo passa-
do escripta de Sevilha esta carta, que se-
cuencia das antarinrmeritp publicadas nesta
parte do nosso Diaito.
O vapor mglez MHton trouxe-nos a no-
ticia de haver capitulado a cidade de Monte-
video ; mas os arligos da dita capitulaco 6-
carara naufragados com o vapor francez nos
mares da Babia. Quaesquer que fossem es-
ses arligos, naturalmente favoraveis aos si-
tiadores, muito nos regosijamos com a capi-
tulaco, porque com ella obtiveram-se dous
grandes resaltados: o primeiro em favor
dos dous. exercitos belligeranjes, em favor
dessa humamdade, cujas vidas que sao sera-
baixa :Desculpem.-Os outros seguiam-no pre as COndemoadas a expiar os erros, e cul-
passo a passo. | pas alheias, foram poupadas : o segundo o
Eram os primeiros prisioneiros que nos de Gcarmos com o nesso exercito inteiro e
entregava a cenvenco de 23 de abril De- completo para marehar ao Paraguay. Na
pois vimos passar muitos todos os dias at
jullio. Aquelles tinham de certo dobrado
as marchas para t orna re m a ver mais cedo a
Franca.
Chegando ao cabo do beco, viram que a
procisso ia ainda muito longe do lado do
arsenal, e para nao incommodarem mais nin-
guem, metteram-se no, vazio da porta falsa
e assentaram-se na pedra hmida, pousan-
do no chao os seus pacotesiobos, para espe-
rarem que passasse a procisso. Vinham de
longe e mal sabiarn o que se tkiha passado
na patria.
Desgraca Jmente os Barraquinos do car-
valhal, o agigantado Horni, Zapheri Roller,
o cardador Nicolhu Cochart, bufarinheiro
Pinacleque tinha sido nomeado maire em
recompensa de ter ensinado p caminho de-
Falberg e do Graufthal aos alnados durante
o bloqueio, todos esses marotos e outros
que queriam ser condecorados, como se a
condecoraco os fizesse melbores,desgraca-
damente toda essa gentalba que vive de le-
nba roub ida as boucas, tinha avistado de
longe o velho tope tricolor as barretinas,
e cada um dizia comsigo: Ahi est urna
boa occasio de mostramos que somos
os verdadeiros esteios do tbrono e do altar.
Caminharam para os soldados empurran-
do todo o mundo. Pinacle, com o pescoco
mettido em grossa grvala preta, com ampio
crep no c*iapu, con o collarinho da ca-
misa a duas linbas cima das orelhas, e ar
grave como o de um salteador qne quer mos-
trar cara de homem de bem, foi o primeiro
que chegou.
O soldado velho, que vira de longe aquella
gente que os ameacava, levantou-se para ver
o que quera dizer aquillo.
:- Vamos, nao corram tanto, dizia elle ;
nos nao costumamos fugir. Ento o que
que nos querem *
conta dos lucros de oulra natureza quer-me
parecer que a maior porco ganharia Flores,
porque teve anta armada e um exercito pa-
ra o fazerem presidente da repoblita...
i'rometti emitir a minha opinio a res-
pe to da poltica futura do Brasil para com
as repblicas do Prata, e o foco na hypothe-
se, (porque nao admiti outra) de se havor
concluido a guerra coa o Paraguay.
Foi immenso o espaco percorrido pelo
Brasil durante muitos anuos no seio das re-
publicas do Prata, foram variadas as altitu-
des que tomou em procura de amigos, de
alliados, e de reconhecidos, e no fim de todos
os seus esforcos, de sua lealdade, de sua ge-
nerosidade, e d sua protecco, encootrava-
se sempre com um desengao. Foi com seu
exercito liberta-las de um tyranno, quede-
lacerava-lhe as carnes com aeoites e decepa-
va-lhes as caberas no pateo do seu palacio :
foi com seu exercito proteger o Uruguay e
garantir a legitimidade do seu governo ; foi
com seus cofres supprir as suas necessida-
des, e melhorar suas Guaneas; foi emlim dar
nome, importancia e independencia ao Para-
guay. Tantos sacrificio* e tantos capitaes
dispendidos, nunca poderem alcancar urna
compensaco equivalente, e nem a immere-
cida importancia que lhes dava o Brasil en-
van Jo-Ibes em imsses extraordinarias os
Srimeiros estadistas do imperio fra capaz
e eslab lecer as relaces de amisade, e
harmona que, mais do que ao Brasil, conv-
nha as repblicas cultivar entre visinhos tio
aproximados.
< Nessa serie de acontecimentos foram
exploradas todas as polticas, e nenhuma
poude quadrar a ditas repblicas!! sempre
a discontianga, sempre a m f, sempre os
odios, sempre ingratas, sempre inimigast
< Parece um fado incomprehensivel;
mas assim o ser para aquelles que nao pro-
Mas Pinacle teve medo de perder to boa curarem a verdadeira causa desse antagonis-
occasiode mostrar a sua dedicaco a Luiz mo constante einvencivel da parte das re-
XVIII, e em lugar de responder, at'irou ao publica para com o Brasil.
ch8o cora uaaa palmada e barretina do velbo,; Ha has naces, como na humanidade,
gritando: como nas ra^a*' como e" *0(*os os 0DJecl0S
Abaixo os topes I creados pela natureza urna lei irresistivel,
Naturalmente o veterano indignado qulz qae os attrahe, ou os separa, que os faz
defender-se, mas os* de Barraques vinham sympathisar, ou antepathisar
chegando em grande numero, homens em-! A sympathia da naco opera-se pela re-
lheres; atiraram-se aos soldados, deitaram- ligio, pela linguagem, pelo carcter, pelos'
nos por trra, arraocaram-lhes os topes e
as dragonas, e calcaram estes objectos sem
vergonha nem d. O pobre velho levantou-
costumes, pela educaco, e pela identidade
de interesses; tambem muitas vezes pela ne-
cessidade, e algumas pelo temor. Quand >'
se muitas vezes, gritando com ama vqi que aquellas primeiras circumstancias formm
lacerava o corac2to: i um complexo a sympathia forte, completa,
e duradoura, quando se opera pelas ultimas
iraca e transitoria, e quando todas se a-
cham em antagonismo a sympathia torna-se
impossivel.'
< Se as regras apealadas devem operar
entre as repblicas e o Brasil, fcilmente nos
convenceremos que se o Brasil continuasse
a empregar os meios, at boje infructferos,
por muitos annos, e mesmo por muitos se-
cutas, encontrara sempre os mesmos obs-
tculos invenciveis para conseguir a sympa-
thia das repblicas, porque uns sao naturaes
e inherentes a condicco, e a ndole daquel-
hs repblicas, que s urna nova, longa
educaco os poder modificar, e outros sao
tradicionaes, e sero por muito tempo con-
servados at que as lices cu>tosas, e amar-
gas da experiencia os possam destruir.
Nao quero ofender susceptibilidades, e
arredar os nimos pela comparaco de pre-
dicado a predicado entre o Brasil e as re-
pblicas-
Os Hespanboes americanos nao tem culpa
de que os seus progenitores Ibes transmit-
tissem o carcter rabe; e que para isto se-
jam desconfiados, invejosos desobedientes,
bellicosos e sanguinarios.
< (Juem poder fazer de um francez um
homem triste e meditabundo, ed'uminglez
um hornero alegre e folgaso?
t O homem de carcter guerreiro est
em antagonismo com o homem pacifico.
i Urna monarchia. e urna repblica for-
mm um antagonismo: a liberdade e o dis-
potismo formam m antagonismo: o forle
e o fraco formam um antagonismo, e assim,
a serie de antagonismos ir at onde parar
a desigualdade.
Quando porm o bom senso, e a razo
esclarecida sabem tirar partido pela juocco
das duas partes desiguaes, agglomerando-as
pelo mutuo interesse, est conseguido o
grande desidertum de vr-se o fraco favo-
recido pelo forle. que o que procuram fa-
zer as sociedades bem organisadas.
Eis o que nunca poderam comprehen-
der as repblicas do Prata procurando al-
liar-se de urna maneira franca e leal ao im-
perio do Brasil, que podia protege-las e de-
fende-las, e que em despeito de suas rivali-
dades e antagonismos hade ser-lhes sempre
superior, porque tem grandes e perdura-
veis elementos de existencia e prosperi-
dade.
Nem ao menos tem podido aquellas in-
felices repblicas comprehender que uni-
das entre si por meio de urna confederaco
e procurando dar ao seu rgimen, e institui-
Ces existencia legal e duravel poderiam no
futuro collocar-se em urna posico digna
das attences das outras na roes.
Quaddo entre os membros de tres pe-
queas repblicas, que se poden conside-
rar como urna s familia, nao pode haver
amisade e harmona, como pretender o
Brasil obt-las p ra si:'
D senane-se o Brasil que se a repbli-
ca do Uruguay urna uama, elle nao a pode
requestar, e se o Paraguay urna fera elle
nao a pode domir, o que deve pois fugir
de ambas para livrar-se de suas perigosas
ciladas.
Nessa lucia tremenda, porque vamos
passando, apenas encontrn o Brasil urna
neutralidade! e porque? Deus o sabe.,...
Tambem encontrn tima fraca, e epeme-
ra allianca, e porque ? todos nos o sabe-
mos. ..
t Caminhamos pois de desengao em de-
sengao at este ultimo fatal e fatalissimo,
que nos tira toda a esperanca de boas rela-
ces, futuras para com taes repblicas.
Basta, e basta sacrificios, diz o nosso exerci
lo e dizem os nossos eontribuintes: o nosso
exercito porque nao quer estar exposto
a guerras continuas sem resultados uteis pa-
ra a naco; e os nossos eontribuintes. por-
que nao querem ver esvasiar-se em trras
alheias e improductivas os cofres que elles
enchem com o seu trabalho e o suor de seu
rosto para a prosperidade do paiz.
Este clamor que devem levantar as duas
grandes partes de soefedad sobre quem
mais pesam os sacrificios da presente lucia,
deve ser atlendido. pelos-poderes do estado
eocarregados de vellarem em sua conserva-
Co e prosperidad .
Para evitar, pois, pela terceira vez es-
sas lucas, enormes nos sacrificios, e este-
ris nos seus effeitos, necessario que de
urna vez para sempre abandon m os gover-
nos do Brasil toda a idea de alliancae ami-
sade com taes repblicas, preciso debu-
ta entregues ao seu proprio destino, ellas
que apremiara nas suas- adversidades, que
se delacerem, e destruam mutua ente, ou
que se organisem e prosperem; masque o
Brasil nao v mais nunca partilhar das ms
desgracas. e prosperidades.
O Brasil s tem dous grandes interes-
ses nas Bepnblicas do Prata: o o da
navegaco livre, e franca dos Ros at a
provincia de Matto Grosso : o 2o a demar-
caco de suas fronteiras, para um e outro
haviam tratados que ou foram nullificados.
ou queimados. Agora esses tratados sero
rivabdados: tudo o mais que respeila a di-
vida do Estado, e a ndemrusaces aos par-
ticulares paguem se poderem, e quizerem ;
mas nao sirvam de motivos para novos con-
flictos e novas guerras.
t Quando o nosso embaixador vier d'ali
com a pasta recheiada de tratados, deve ti-
rar d'enire elles o da navegaco e o de li-
mites, e ir entrega-Ios aquelle ao ministro
da mantilla, eeste ao ministro da guerra,
e Ibes dir ahi os lendes, fazei-os cumprir.
O ministro da marinha far estacionar urna
esquadra nas aguas do Prata, tendo sempre
dous ou quatro vapores em vi igens revesa-
das at o Mallo Grosso, e o ministro da guer-
ra enviar urna diviso militar para guarne-
cer as nossas fronteiras desde o Rio Grande
at o Matto Grosso, servindo as nossas sen-
tinellas de marcos de diviso, e de defesa
ao utispissidetis.
Essa devia ser a poltica seguida pelo
Brasil .i muios annos, desde que v'm que
nenhum resultado tirava dessa poltica du-
bia, e vacilante, desse vae vem em que tem
estado para com as Repblicas do Prata.
Espern pelo ultimo golpe da experiencia.
Ahi o tem, tremendo. Cumpre agora
amputar a parte gangrenada para salvar o
resto do corpo.
Deus queira que Ihe aproveite a lico.
c Naturalmente deiro os leilores, falta
resolver a questao da nossa colonia brasi-
leira residente na banda oriental; que com
a poltica de abstenco absoluta tero que
soffrer, verdade, um ponto negro, fixo
e permanente que se ir augmentando, e
desenvolveodo at prodozir ora tempes-
tade; na minha segurte carta procurarei
dar-lhe destine.
i Peco por ultimo ao ara amigo, que
registre os seguintes factos : Luiz Lapo-
lelo receben em audiencia o celebre Joani-
c embaixador do UrugayO governo fran-
cez prohbiu a sabida das duasencouraeadas
que o Br sil mandou construir nos estalei-
ros de FrancaO governo de Uruguay so-
licitou o protetorado do rei da Italia, qce
nao o acceibiu O ministro da Italia em
Montevideo tem sido a figura mais saliente
' do corpo diplomatice estrangeiro nos suc-
, cessos da guerra --- Ha em Montevideo oito
mil italianos. *
A seguinte poesia do Sr. Dr. J. Fran-
klin da S. Tavora, a qual acha-se posta ero
msica :
PRODIGIO
Eu caminhava na trra
Por um deserto sem luz,
Em procura de um calvario,
Sob o peso de urna cruz.
Mas a aurora dos leus risos.
Ungida de graca e odor
Encheu-me os cus da existencia
De primaveras de amor.
Sorri-me. Diante do olhos
Nova vida abriu-me Deus :
E Deus em cada alvorada
Sorru-me um goso dos cus,
Foi que o phillro dos leus labios.
Com que sagrou-le o Senhor,
Encheu-me os cus da existencia
De primaveras de amor.
Beb effluvios celestes
Nas vozes tuas que ouvi;
E ebrio do ten prestigio
Escravo aos teus ps cahi
Cahi, que a doce harmona
Que soltas do peito, em flor,
Encheu-me os cus da existencia
De primaveras de amor.
Eu sou teu escravoordena ;
Teu subditod-mc leis;
Se s para mim tu fres
Serei eterno a teus ps.
Que a aurora dos teus sorrisos
Ungida de gracas e odor
Ser eterna em minh'alma.
Em prii averas de an or.
L-se no Journal de Roanne:
O acaso acaba de ab ir ama profunda bre-
cha nas ideas supersticiosas que reinara aind
em algumas communas das montanhas d'esre
districto.
Estavam por momentos a ser sorteados-
tres mancebos da aldeia de X ..
Cada qual se tinha munido de um osso de
defunlo, furtado de noute do modesto ce-
miterio da aldeia.
Cada qual levava no bolso do rollete um
bocado de corda de enfureado, prec osamen-
te conservado ha quinze ou vinte -annos por
seus cautelosos progenitores.
Finalmente, antes de partirem, todos tres
linham untado as fon les, a mo e o p es-
querdo, cora um miraculoso ungento for-
mado de sangue de moeho e gordura de
sapo.
A sorte nao podia deixar de ser faroravel
a creaturas to bem armadas contra os seus
golpes.
Nao podan* deixar de caber a todos tres
oe nmeros mais altos.
Assim, quando o primeiro raetteu a- mo
na urna e d'e'la tirou a perpiena esphera.
nao se pode ter que nao exeramasse.
Elle c est ;. aposto seno o melbor
Mas, oh engao!
A esphera tinha o algarismo 2.
O oulro companheiro, feita egual opera-
cao, tirou o n.0"^.
Finalmente o terceiro, apezar da forca
com que apertava o bocado de corda efe en-
tercado, tirou o n. i.
Este 8uccesse fez cahir em- descrdito o
sangue de mocho, gordura de sapo, e a cor-
da de enforcado entre os habitantes da al-
deia que forneceu' Franca estes futuros
hroes.
Um jornal de Londres d conta seguin-
te facto :
No dia 18, teve lugar em Winlaton a exe-
cuco do assassino Atkinson ; urna multidao
espessissima rodea va o patbulo.
A's oito Iroras da manlia cuegou o con-
demnado.
Passam-lhe a corda em, volta do pesco-
co, deixam cahir o a'capo, mas de repente
te a corda quebra. ouvindo-sewn estrondo-
sordo.
O condemnado tinha-se despenhado de
urna grande altura e jazia aos ps do cada-
falso. '
Um grito de commtserac3o se elevou aden-
tre as ondas rumorejantes do povo que pre-
senceava o espectculo; o executor, acom-
panhado dos aiudantes, levantou o infeliz,
que ainda respirava, e transportaram-o para
o interior da prisfo.
Passou-se mais de urna hora; a final, o
condemnado tornou a apparecer ; desta feita
o executor, com um vagar que s se pode
traduzlr pela palavra tortura, manuseou e
examino a corda com todo o cuidado.
No pescoco do condemnado via-se o saleo
ensanguentado que nelle dexara tracada a
primeira corda.
A' vista de tal espectculo, toda a multi-
dao desatou em brados atroadores, e deli-
rante de indignacio e de raiva, precipitou-
se sobre os agentes de polica, travaodo-se
e .to umn verdadeira lucta entre estes e o
povo.
Durante este tempo, o alcapo cahira, e o
condemnado expirava estorcendo-se em me-
donhas convulsoes.
FERNAMBCO.-TYP. DE M. F. DE F. & MLliO
^

A


V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EULHWP8LD_PBSV87 INGEST_TIME 2013-08-28T03:23:23Z PACKAGE AA00011611_10657
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES