<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Monday, May 01, 1865 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10656

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Monday, May 01, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10656

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10656

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Monday, May 01, 1865

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10656

Full Text
kM'LL HOMERO 99
SEGUNDA FEIRA 1 DE MAIO DE 1865.
Por qaartel ptgo dentro de 10 das do 1. mez
dem depois dos i." 10 das do cenecee dentro do qaartel.
Porte te correioaor tres mezes
do 1. nez ,,-,.,. 191000
3j00
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro
drigues ; Para, os Srs. Giraldo Antonio Alves &
Fillios; Amazona?, o Sr. Jeronymo da Costa.
EN'CARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO SUL.
Alagons, o Sr. Claodino Falcao Dias; Bahia, oj
Sr. Jos Mirtins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinlio.
. PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olnda, Cabo, Escada e eslagdes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarags e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho^ Aguas Bellas e Tacaratd, as tercas
feiras. .
Pod'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira,
Ingazera, Flores, Villa Bella; Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Exd, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
bora da tarde.
Sernbem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
relros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDES DO HEZ DE MAIO.
2 Quarlo cresc. a 1 h., 44 m. e 46 s. da t.
10 La cheia as 6 h., 3 ra. e 22 s. da t.
18 Quarto ming. as 4 h., 19 m. e 46 s. da rj.
24 La nova as 8 h., 29 m. e 48 s. da t. .
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
DIAS DA SEMANA.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relaco: tercas e sab'adoss 10 horas. '
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jolzo de commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primelra vara do civel:"tercas e sextas ao meidl
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
1. Segunda. Ss. Fdippe e Thiagoapps.
2. Terca. S. Maphalda rainba de Portugal.
3. Quarta. S. Rodopiano ra ; S. Amaro ra.
4. Quinta. Ss. Floriano e Sacerdote mm.
5. Sexta. S. Pi V p.; S. Angelo c. m.
6. Sabbado. S. Joo anteporlam latinam.
7. Domingo, i Estanislao b. m.; S. Flavia.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as 9 horas e 18 m. da manhaa.
Segunda as 9 horas 42 e minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, malo,
julho, setembro e noverobro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE OFFICAL
MINISTERIO DA JUSTINA.
Dcsejando manifestar por actos de minha impe-
rial clemencia orespeito e veneraco que consagro
ao dia de hoje, em que a igreja celebra a sagrada
jia.xaoe morte de Nosso Senhor Jess Chrislo, hei
por bem, usando da attribuicao que me coufere o
arl. 101 8 da Constituigao, commutar em gales
perpetuas a pena de morte importa aos reos cons-
tantes da relaco que com este baixa, assignada
pur Francjsco Jos Furtado, do meu coselho, pre-
sidente do conselho de ministros, ministro e secre-
tario de estado dos negocios da ju.-lica, que assini
o tenha entendido e faca oxecular.
Palacio ilo Rio de Janeiro, em 14 de abril de
8(', 44 da independencia e do imperio. Com a
rubrica de S. M. o Imperador. Francisco Jos
Furtado.
Rrlaco dos reo* rondemnados a morte, cuja pena i
coinmutada na de gales perpetuas por decreto des-
ta dala.
Provincia do Rio de Janeiro : Jacinlhn, escravo
condemnado pelo jury de S. Fidelis; Domingos,
idem, condemnado pelo jury de S. Joo do Prin-
cipe.
Minas Geraes : Romualdo, escravo, condemnado
pelo jury de Mipas-Novas; Valeriano, idem, con-
demnado pelo jury de Cael; Ignacio, ideiu, con-
denado pelo jury de Lavras; Roberto e Theophi-
lo, idem, coodemnados pelo jury da Diamantina.
S. Paulo: Salvador Rodrigues Leite, condem-
nado pelo jury de Porto Feliz ; Antonio, escravo,
con !emnado pelo jury de Mogy das Cruzes ; Ma-
riano, idem, condemnado pelo jury de lid.
Paran': Joao, escravo, condemnado pelo juiz de
din ilo de Garapuava.
Mato-Grosso: Jacintho, escravo, condemnado pe-
lo jury, da capital; Joo, idem, condemnado pe-
lo mermo jury.
Santa Catlirina : Vicente, escravo, condemna-
do pe'lo jury de S. Francisco.
S. Pedro do Sul: Narciso, escravo, condemnado
p. lo jury da Caeboeira.
Babia: Juaquim Jos de Sant'Anna, condemna-
do pelo jury de Alcobaca; Benedicto, escravo, cou-
demnado pelo jury de Nazareth.
l'i rnambuco: Mariano, escravo, condemnado pe-
lo jury do Pao d'Alho.
l'iahy : Tiburcio, escravo, condemnado pelo ju-
ry da capital; Manoel, dem, conddmnado pelo ju-
ry da Barra.
Maranlio : Manoel Damingues da Costa, con-
denado pelo jury deVianna; Antonio Pereira
Ferro e Raymundo Benio da Silva, condemnados
pelo jury de Caxias; Joo Quinlinn, escravo, con-
demnado pelo jury do Codo; Jos Manoel, idem,
condemnado pelo jury do Brejo; Constantino, idem,
Condemnado pelo jury de Pastos Bous.
Palacio do Rio de Janeiro, em 14 de abril de
180o.Francisco Jos Furtado.
Por decretos da mesma data foram commutadas
as penas:
A r Rosalina do Espirito Santo, em prisao por
20 annos a pena de prisao perpetua** que foi cou-
demnada por sentencia do jury do Ipu, na provin-
cia do Ceara'.
Ao reo Antonio Andr Ribeiro, em 6 annos de
prisao a pena de 12 annos de prisao imposta por
sentenca do jury da Leopoldina, em Minas-Geraes,
do Io de maiode 1862.
Foram perdoadas:
A Manoel Joaquim le Souza e Olvt ira, o resto
do Umpo que Ihe falta para cumprir a pena de 5
annos e 3 meces de prisao e multa, que Ihe foi im-
posta pelo jury do termo da Carapauha, na provin-
cia de Minas Geraes, em 1862;
A Riymuudo dos Santos e Oliveira, o resto do
lempo que Ihe falta para cumprir a de 8 asnos de
prisao com trabadlo e multa, a que foi coodemna-
d i em 1853, pelo jury da cidade da Coneeigo da
dita provincia;
A Ignacia Maria da Conceicao, o que Ihe falta
para a de 10 annos de prisao com trabalho impos-
ta em 1837 pelo juiz de direito da comarca da
Granja, na provincia do Ceara-.
A' Jos Pinto da Terra o que Ihe falta para a de
12 annos de prisao imposta pelo jury da.cidade da
Victoria, na provincia do Espirito Santo;
. A Luiz Gonzaga Ferreira da Silva, o resto do
que ihe falta para o cumpriraento da de 6 1|2 me-
zes de prisao e multa, imposta pelo jury do Saba-
ra, na provincia de Minas Geraes, em 11 de feve-
reiro do correrte anno.
A Jos Ferreira Martms, o que Ihe falta para a
de 6 annos de prisao com trabalno e multa impos-
ta pelo jury da corte em 1862.
MINISTERIO I V GUERRRA
Desejando manifestar por acto de. minha impe-
rial clemencia o profundo respeito e veneraco
ge tributo ao da de h*je, em que a igreja cora-
memora a sagrada paixo e morte de Nosso Se-
nhor Jess (.hristo, e usando da altribuico que
me cenfere o art. 101 8 da constituido, hei por
bei.i j'erdoar o ex-alfeies do exercito Jos Pruden-
cio Bittancourt, o resto do teropo que falta para
umprir a pena de degredo perpetuo, que lne foi
importa em o anno de 1842 pela junta de justica
militar na provincia do Para.
. O visconde de Camam, do meu conselho, mi-
nistro e secretario de estado dos negocios da guer-
ra, assi ni o lenha entendido e faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro em 14 de abril de
1865, 44." da inde3endencia e do Impeno.-Com a
rubrica de S. M. o I. Visconde de Camamu'.
Por decretos da mesma data foram perdoados:
O ex soldado do 7. balalno de infamara, Ma-
noel dos Santos, do resto do tempo que falta para
'cumprir a pena de 6 annos de prisao com traba-
lho, a que (oi condemnado em 1861:
O ex-soldado do 3. botalho de infartara, Jos
da Silva Rosa, do resto do tempo que falta para
cumprir a pena de 6 annos de prisao, a que foi
sentenciado em 13<.
G01EUI0 DA PROVINCIA.
Expediento do dia 2G de abril de 186o.
Offleio ao Exm. desembargador provedor da
Santa Casa de Misericordia.Acensando recebidos
com o offleio de V. Exc. de hoje datado, sob n. 163,
nao s os qnatro exemplares do relatorio que por
occasio da posse da actual junta -administrativa
fez V. Excjoo Io de julho dojanno prximo passa-
do, mas lambem as copias dos documentos a que
se refere, tenho a dizer-lhe que opportunamente
1he ser.devolvido o documento n. 15 de qne trata
o seu citado -.rflclo.
Dito ao Exm. barao do Livramerto. Tendo o
corpo n. 1 de Voluntarios de embarcar amanha
as 10 hora? do dia, assim o declaro a V. Exc. aflm
de que se sirva de mandar postar junto ao caes do
arsenal de marinha as lanrhas equipadas, qne offe-
roceu para o transporte das pracas do referido eor-
po at o vapor S. Francisco.
Dito ao eoronel commandante las armas.Quei-
ra V. 8. informar acercando que pede D. Thomazia
de Athayde Albuquerque Mello no incluso reqae-
rimento.
Dito ao mesmo.Mande V. S. abrir assentamen-
t de praga aos reerutas Julio da Hora e Luiz Ma-
noel Felippe, visto que foram julgados aptos para
iss em inspei-cao de sade, como V. S. declarou
em seu offleio de 25 do correrte.
Dito ao mesmo.Nao competindo pelas Ida mi-
litares aos soldados particulares comedorias de
embarque, sirva-se V. S. de discriminar cora ur-
foi remettida para esse arsenal com aquelle desti- j ser concedida a licenja que pede o supplicante
no- e bemassim que tenha promptas amanha por se achar anda dentro do anno em que Ihe foi
as 10 horas todas as embarcares que houve/- nosse concedida a ultima d tres mases cora vencimentos
arsenal e proprias para o" embarque daquelle
corpo. y
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. entregar ao segundo sargento do corpo de
Voluntarios, Hemeterio RodrlguesT'ires Jatob, o
gencia quaes os soldados particulares do corpo de | fardamento azul qne Ihe compete.-Communicou-se
Voluntarios, que se acham comprehendidos no nu-
mero de 102 cadetes de que trata o seu offleio n.
732 de 24 do correrte, aflm de poder a thesouraria
fazer o aboBO necessario ao commandante da cor-
veta S. Francisco.
V. S. comprehende qne tendo aquelle corpo de
embarcar e seguir amanha para o sul, a demora
Joo do Reg Barros Indeferido por ^o ser
permittido por lei o que requer o supplicante.
Jos Miguel Rodrigues das Dores.Indeferido
por nao provar o que allega.
Manoel Coelho Pinheiro.Remettido \o Sr. ins-
pector da Thesouraria de fazenda para mandar
passar o titulo que requer o supplicante, *o ha-
vendo inconveniente.
Mills Lathan & C. Como pede.
parlamentar, porque nao chegaram
urna votaco que os fteaso cahir.
A caresta do pao subia de ponto, os clamores
populares irrompiam de toda a parte; os fabrican-
provocar plvora secca ; a fragata Gcou com tres balas en-
cravadas das sete que a torre Ihe atirou.
O ministro federal residente em Lisboa pedio
urna satisfacao pelos tiros disparados da torre de
inspecciona/o.
Manoel 'Jos da Hora.Indeferido por nao pro-
var motivo justo.
Manoel Francisco de Barros.Indeferido em vis-
ta da informaco.
Miguel Francisco de Sant'Anna.Indeferido em
vista do parecer da junta de sade.
Pedro Jorge da'fiilva Ramos.Informe o Sr. ins-
ao coronel commante das armas.
Dito ao commandante do corno de Voluntarios
da provincia do Maranhao a Bordo do vapor S.
Francisco,. Sciente do que V. S. me parecipa em
seu offleio desta data; tenho 2 dizer em resposta
que de conformidade com o meu offleio de hootem
devem ser remettidos com urgencia para g hospi-
que houver naremessa da dscriminaco qne peco tal militar aflm de seren tratados, nao so a duas
I far rom que nao possa ter hoje lugar o abono das pracas de que faz mencao o 'citado offleio, mais
comedorias, e dei*0 a corveta de seguir logo como tambem todas as que forem accomraettidas de
convm.Offlciou-se thesouraria de fazenda de- \ febre ou de qqalqner outro indicio da varila, e
clarando que nesse abono nao devem ser compre- espero de V. S. o fiel cumpriraento desta
hendidos os soldados particulares, e communicou- j ordera.
se ao commandante do vapor S. Francisco. \ Dito a associaco Protectora das Familias $os pector da thesouraria de faieoda.
Dito ao mesmo.Mande V. S por a' disposicao Voluntarios da Patria.-Transmiti a associaco D. Thomazia de Athayde ALbuquerque Mello-
do delegado do 1 districto do termo do Recife urna Protectora das Familias dos Voluntarios da Patria, Indeferido, em vista da infermaco do coronel
escolta de pracas de cavallaria, aflm de assistir ao para o fim conveniente a inclusa relaco das pft-' commandante das armas.
embarque do corpo de Voluntarios.Communicou- cas do primeiro corpo de Voluntarios que, se
se ao Dr. chefe de polica. acham no caso de precisarem do auxilio da mesraa
1 Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar trans- associago.
ferir do Io para o 2o corpo de Voluntarios daPa-< Dito ao coronel Jos de Camino de Araujo Ca-
tria o Io sargento aggregado a' 1* companhia, valcante. -Agradego muito a apresentaco que por
Francisco Cavalcanti dos Santos. ; offleio de 21 do correrte, fez V. S. dos cidados
Dito ao mesmo.Que"ra V. S. mandar inspec- Manoel^ Xavier do Nasciraento, e Pedro Alexandri-
cionar pela junta de sade, o 2o sargento do corpo no da Silva Mello, a quera mandef alistar no corpo
de polica, Manoel Ignacio Gomes de Faria, en- de Voluntarios da Patria.
viando-me o parecer da mesma junta. Contando que V. S. continuar a auxiliar o go-
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que man- verno com a mesma solicitude com que o tem
de dar haixa ao Voluntario Joo Alves dos Santos, 'eito, na aquisicao de Voluntarios, tenho a dizer
que tem apenas 14 annos de idade, e aos de nomes Joo de Barros Cavalcami, Manoel Joaqoim Fer-, trege aos coinrnerciantes desta praga Francisco
' reir e Jroo hidoro de Alliuquerque, se ainda nao Pereira de Mendonca & C, a quautia de IOJjWOO,
tiverem sido escusos do servico como ja' foi orde-, T>e V. S. adantou aos referidos cidados e que
nado. [ tem do ser deduzida dos seus respectivos venci-
Dito ao mesmo.-Mande V. S. dar balxa do ser-, mentos. Fez-se a este respeito o necessario
vico aos Voluntarios mencionados na relaco in-. expedients.
clusa Dito ao coronel Leonardo BezeYra de siqnelra
Ditoao mesmo.-Mande V. S. transferir para o Cavalcante.Respondendo ao offleio de V. S. de
2 corpo de Voluntarios, as pracas do Io raencio- j ^ do correrte tenho a dizer-lhe.que, em virtude
nadas*na relaco inclusa. do artigo 2o da porlaria de 26 de fevereiro ultimo.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de agradecer e ] podem os guardas nacionaes que desejarem alis-
louvar em meu nome o patritico procedimento do tar-se como Voluntarios da Patria apresentar-se a
2o sargento de Voluntarios da Patria, Joaquim Cy- quaesquer autoridades nos respectivos districtos,
priano Bezerra de Mello, renunciando a sorte de para o que muito pode contribuir V. S. com a sua
trras, que Ihe compete era vista do decreto n. i induencia e prestigio, que, espero empregara' cera
3,371 de 7 de Janeiro ultimo. o fim de conseguir se o maior numero possiveKde
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar dar Voluntarios,
baixa ao Voluntar! da Pairia soldado da 3" com- j Dito ao Dr. Joo Nepomuceno Dias Fernandes.
panhia Joaquim Flix da Silva, sendo exacto oque j Respondendo ao offleio de V. S. de 20 do cor-
allega no incluso requerimento. rente, tenho a dizer que o governo imperial ainda
t)ito ao inspector da thesouraria de fazenda., nao responden ao meu offleio de 13 de fevereiro
Em os devidos lempos mande V. S. abonar aos i ultimo, sob n. 11 i,m que communiqnei o patritico
negociantes Jos da Silva' Loyo e Jos da Silva offerecimento de "
tes deste genero tinham prevenido^ antoridade ad- Boiom sniir a r'rin*n ...^rI "------'"*""
Sisas*je.via.m?b^fa f-haro ^y>^^F*!^r&
seus esiabelecimentos, pedindo que Ibes fosse ga-
rantida a sua propriedade e seguranca individual,
que necessariamenle sera arriscada nos primeiros
impetos do asomhro publico.
.U ministro das obras publicas tioha prerJbta
urna proposta de le permanente para a entrada de.
Manoel Ingnacio Gomes de Farias.Aprsente- i cereaes estrangeiros, medida esta reclamada ha'
irtel do commando das armas para ser muito pelos verdadeiros principios econmicos e
pelas circunstancias especiaes do paiz/
CORRESPONDENCIAS RO RA
RIO DE PERXAXERl'C'O
Lisboa, 13 de abril.
Estamos outra vez em crise ministerial. O mi
nir.terio Loul-Mathias p'incipiou cora a quaresma
e acabou com ella.
contou 33 dias de ex.isteucia, porquanto
corr: nte foi pedir a sua exoneracao, sendo o mar-
quer de S da Bandeira encarregado de formar o
novo gabinete. Esta raisso para todos seria diffl-
cil as attuaes circumsiancias; ma3 para o nobro
marquez mais do que para ninguem vi5to ter sido
Entretanto algumas deputacoos muito influentes
procurayam ganhar terreno no seio da maioria pa-
ra os principios oppostos liberdade dos cereaes.
deira americana.
Houve conselho de ministros para tratar deste
negocio. O ministro americano exigi a deraisso
do olflcial governador da torre, e que se dsse urna
salva de 21 tiros bagdeira dos Estados Unidos.
E' de simples intuicao que nem > governo nem
o governador da torre.de Belm quizeram oflen-
der urna nago amiga.
Se o governader da torre mandou fazer fogo so-
bre a fragata Nigara, foi porque os movimertos
deste vaso denunciavara a intencao de sair, na per-
Conhccendo' o ministro ooe o senorotecto suteirt S!^ do Ste?twatt> antes de Indar o prazo das
julgasse discutida sobre un. debate secundario,Ihe Wt7SSitX!&^^f!SLi h
comestaram o direito de faze-lo, por ter perdido a JSSS^SJtS^ ?rri n r rc,l a de"
cadeira de deputado, em consequencia da sua re- 2^I?3L2 51* *?T't Qma
appario no gbmete de o de ra'argo-conhecendo Ce^rS^J^PS.Slf.&f 2JS:
repito, o br. Joao Chrysostorao que Ihe pairava so
hre a cabeca una procede de resistencias e dissa-
bores, pedio no dia 8 ou 9 deste mez ( nao me
lernbra a data) a sua exoneracao.
Reunese a maioria a noite na secretaria do rei-
no ; o presidente do conselho faz ver que a tbida
bre a fragata Nigara, depois desta ter arreado a -
bandeira.
No dia 6 pelo raeio da foi igada a bandeira
americana federal na torre d Belm, e se deu a
salva de vinte e um tiros, qual correspondeu a
fragata Nigara icando a bandeira portuguesa no
tope do mattro grande e dando igual salva. Esta
de um dos ministros imputava a de lodos os outros. T, ZmZtZEtTZS5Z 1*1 < >
Propone como attribue, salvador da situaco urna I JJ SSEiHSt\?SS&U* ^ n"D'S'
mensagem dos membros da naiom or Joao AeXn^^ato?S T^. o
Chrysostorao para desistir do seu proposito de aban-! BiKKtoKS2^^TSii3fi^
donar a pasta. Alguns deputados que regeilav.m 'CCOrrido aIe a Mnclusao do m-
m a conveniencia da lei dos cereaes fazem o sacrificio
Nascido a 5 de mar?o apenas obstinacao e assignaoi a mensagem, entre-1 cado pertencemeaos'Tsdorco^TderadosV^ul) da
existencia, porquanto a 10 do 'a5m1f,tIass'fna,uras na0 ehegaram a 30 e o resto i Wrica Stonnvall. SX^nSSSSSfflS.
nao quiz saber de mais. Declara se a crise e uo lUffai n5 rernnhPPH ,,ha im,r --?
dia 10 os ministros foram todos ao pago pedir a sua econhece, v.uha lomar carvao
demisso.
Hentem appareceu no Diario de Lisboa o decre-
tode?dmissode cereaes estrangeiros. Foi urna boa
cidente.
No dia 2 de abril enlrou no Tejo o vapor coura-
mesLeal, aquantia mensal de O^OOO, que o! WaJtem de prestar sua attenco. ;_ q ^^.^nies^d^tta^^no1 Alberto
mesmo coronel consigna do respcTTvo sold para
alimentos de sna familia.Communicou se ao co-
ronel commandante das armas
Dito ao mesmo.Annuindo ao que sellicitou o
chefe de polica em offleio de hoje, sob n. 598, re-
commendo a V. S. que nao havendo inconveniente,
mande adlantar urna dala de sold eeftflta de
guardas nacionaes destacados, compostji oh cabo
Lourenco Antonio de Campos e mais ' prac.36 de
pret, que a servico vieram de Sergipe e tem de
regressar para ali no dia 29 do corrente, vtsto
Dito ao chefe interino da Vepartco das obras
; publicas.Para satisfazor a deliberaco da assem-
i bla legislativa provincial, preste Vmc. as seguin-
, les informacoes:
Io Se o caes que se esta' edificando no canal da
I raa da Aurora, leva o alinhamento na direccao
tragada na planta desta cidade devidamente appro-
vada; )
2o Se nao levar ao que se deve attnbuir o des-
vio e quem o determlnou.
Dito a cmara municipal do Recife.Para satis-
elle encarregado pela corda naullima cnso de or- medllamasemdictadura.Setivessemtidoacoragera
gauisar o ministerio e haver desistido infructuosa- de a decretar tres dias antes a medida seria promul-
mente pastados alguns dias de esforgos e teutali- RaJa cojaslilucionalmente; ou o mioislcrio teriaca-
vas. tanto assnn , que hontern noite se afflr- n!do parlamentarmenle. De modo que a providen-
mava nos circuios polticos mais bem informados cia ma's importante do ministerio dimissionario foi
que o encargo da organisago do gabinete passra toraada depois de aceita a demisso dos ministros,
para o conde d'Avila. coni. as cmaras adiadas e quando os membros do
Escuso repetir-lhe todas as versoes que oestes m.'n'!'t,;'"'o estavam apenas encarregados do expe-
tres dias tem corrido em Lisboa. diente.
O certo , que o pensamenlo que preside a nova Vestigios
formagao do ministerio, organisa-lo ainda urna
vez da maioria qp parlamento.
Hontem de maoha, por exemplo, indigitava-se
para a presidencia e guerra o conde de Torres-No-
va, para a fazenda e estrangeiros o cande d'Avila,
para o reino Braamcamn, para a justica Torres e
Oukos variantes davam para o .
Carlos Moraes de Carvalho, para as obras publicas dor c'vil de Lisboa de Ihe propor o modo de con
o actual governador civil do Porto, Januario Cor- verttir asy'o de mendicidade em casa de detengo
achar-se a predita ecolia desprovida de meios fazer a resolugao da asserabla legislativa provin
para a sua alimentago, segundo consta do citado cial, comida em offleio do respectivo Io secretario
offleio. Communicou-se ao Dr. chefe de po- de 23 do correrte sob n. 88, preste a cmara muni-
Hela. cipal do Recife com urgencia a informago ja' pe-
Dito ao mesmo.r-Mande V. S. indemnisar otorpo dida pela commisso de orc^mento municipal,
de polica da quanlia de 26^861, em que segundo acerca da petigo de Basilio Alves de Miranda
a relago inclusa importa o fardamento que esio Varcjo e do parecer dado pelo advogado dessa
ayiever os sollados do mestno corpo Francisco cmara.
Carlos Jos Teixeira e Manoel Neves de Albuquer- Dito ao Dr. juiz de direito da comarca da Boa-
que, que obtiveram passagem para o corpo de Vo- Vista.- Informe Vmc. com brevidade o onrapri-
luntarios da Patria, como consta do offleio do cm- ment que deu ao despacho
commandante das armas desta data por copla
junto.
rea de Almeida,........nao prosigo porm nesta
enumerago de nomes proprios por que nada por
ora significara.
Nao sei se Ihe disse na minha ultima que as cor-
tes linham sido prorogadas at 18 de maio por ter
' expirado o praso legal da sesso, e e?tar ainda o
orgamento por discutir e muitas questoes penden
tes de urgencia vital.
As discussoes acaloradas e irritantes acerca da
solidariedade ministerial, da competencia ou in-
competencia dos.mimstros e da sua significago po-
ltica ou ausencia della, continnaram a prolongar-
se indifinidamente, dando occasio a repetirem-se
todas as manifeslacoes de insolfrimenio, de despei-
los, de paixdes e at mesmo de odios, diga-se a ver-
dade, bem anachronicos e poucos opportunos em
presenga de tantas necessidades instantes como sao
a da admnistrago publica, na conjunclura actual.
Nesta cmara, e sobre ludo na minora, abunda-
administrativos nao deixarara um s
aps si a excepgo deste. O ministro da justiga
demitlio dous ulicos funecionarios sem processo;
e publicou urna conceitusa portara sobre a obser-
vancia dos domingos e testas de guarda. O da fa-
zenda assignou um regulamento para a flscalisago
externa das alfandegas, que pa:ece j estara ela-
borado anteriormente e fazia parte do conjuncto
dos reculamente* adversarios do sen antecessor rnwmTtFmim' rS <
t,uti u-^rtira i/uu remo rnca.,cKOO-T7Tnrten- 12,,^^^^,a'*'0.r,?,"!?" d ,0d transC rt
. e tffec-
luar alguns pequeos reparos. Foi intimado para
sair 24 horas depois da entrada, e estava para exe-
cutar esta ordem, quando apparecendo barra os
navios dos estados federaos (norte) da America, foi
intimado para se demorar e addiar a sabida at
que os immigos ancorassem no Tejo. Obedeceu e
effectivamenle vieram fundar no" rio a fragata Na-
gara, systema mixto, e o vapor Sacramento. Co-
mo era ja ento noite licou o Slonewall para sair na
manha seguinte e intimaram-se os federaes, que
s poderiam deixar o. Tejo 24 horas depois de sa-
hir o navio confederado. Largou este s 10 horas
e 25 minutos e seguio deitando de barra em fora
al se perder de vista. Durante a tarde e norte
haviam os nossos navios de guerra estado conve-
nientemente preparados para qualquer eventuali-
dade, tendo as guarniges a postos, o vapor em ci-
ma e completamente promptos para largaren) as
amarrages primeira ordem. A bordo da Sagres
estava o major general da armada visconde de
Soares Franco, que ao conhecimento das mtengoes
confiados a
collegisla-
spacho desta presidencia de \ nm ,alenlos an/.iusos se manift,s[aren; solIre#.
trJjJr *?,\dl 'f04, 'an?ad. em qUe,Xa d *" <" "5o com O a m..rcl,a positiva dos altos ne-
professor Joao Jos Rodrigues contra o juiz muni- cocjos
Dito ao mesmo.Expeca V. S. as suas 4>rdens cipal do termo do Ouricury, bacharel Pedro d'AI-! jjores
""!?" ^"l0 de. Mran'a Vera?. | a despeno das censuras desapaixonadas dos que
.,?'!? l,1Cb,our4ciro das '? erIas-- Convenho em ain(la eDlendein que 0 poder nao deve m de d
que seja transferida para o da 28 do corrente, co-'
posi
deciso dos corpos
para que ao Dr. Antonio Herculano de Souza Ban-
deira seja pagaj sob minha responsabilidad, nos
termos do decreto n. 2,884 do 1 de fevereiro de
186i, a ajuda de cusi que Ihe compete como de-
putado a assembla geral legislativa por esta
provincia.
Igual ordem se ex pedio acerca do deputado Dr.
Silvino Cavalcante d'Alboquerque.
Dito ao mesmo.Attendendo ao reclamo dos
despachantes da alfandega desta capital, recom-
mendo-a V. S. qne, se nao houver inconveniente,
mo Vmc. propoz em seu offleio de 25 deste mez, a
extraego da 2" parto da l* lotera em beneficio da
matriz de Nazareth, que estava annunciada para
amanha.
Dito ao comra>ndante do brigue escuna Tonele-
ro.Dos recrnjKfe' fce marinha depositados no bri-
gue escuna sob seu comando, mande Vmc. apre-
sentar ao commandante r> Xipor S. Francisco, aflm
exautorado nos comicios da nago, triumphou, e
tornou-srt moda a eloquencia de estouro; genero
detestavel em que as objulatorias asperrimas es
ncadeavam sem tregoas para lirarem de chofre os
ltimos laivos de prestigio publico s pobres pes-
soas dos ministros.
Foi una cruzada digna de melhor causa. O pre-
sidente do conselho, o duque estribeiro-mr, pare-
ca receber desdenhosamente aquelles desabafos
mande despensar amanha do respectivo ponto os de seguirem para a corte os de nomes Jo-Baptis- da, t,,maras u 1.nmnarpi,pr
empregados dessa thesouraria e das de mais repar- ta das Chagas, Jas Luciano Moreira e Venancio a7sess ae'xan,w ^seguidas ot comparecer
^ ne Ihe aosuboMiDadasaflmdequepos- Franc,,Co Regis -Offlciou-se neste sentido ao com-1 ltimamente a cmara dos pares, onde nao ti-
sam assistir ao embarque do primeiro cerpo do mandante do predito vapor. : nham Voluntarios desta proviuca.-Neste sentido offl- Dito a Thoraaz de Figueiredo.-Pelos seus offl- g Ta!ShHf SSS" e maeou-se de
cioB-se a thesouraria provincial, e bem assim as de clos de 24 e 2o do corrente, flquei inteirado de ^*^SS^S^i^^aS^^Jt
mais leparticoes publicas. ver Vmc. apresentado no quartel general os cida- K maU sesso^" emauanlo el e nao marcassedfa
Dito ao mesma-Transmilto a V. S. para o fim daos Jos Francisco dos Santos, Sebastin Frarr- m m?e nodia u^uS cmara
conveniente, o pret em duplcala que me remetteu cisco Ramos Lyra, Jos Joaquim da Costa, Joo Xa-, Fireriivamenie maron anr.-ssiiravam-se os nm-
o coronel commandante das armas, com offleio de vier da Maia, Manoel Jos de Olive! e Manoel An- g^"S"1 n00's BV?erta-"almrMram w i\
hoje scbn.740, tirando vencimenlos a que tem tonio de Sonza, os quaes foram alistados como Vo- n fmfa.s neiLcK
direito tres pragas do primeiro corpo de Volunta- lunlarios da Patria! SS WS Modo SS' os Sor s
nos desta provincia, que vieram do termo do Ga- Agradecendo o patritico empenho com que estav4aui^ ptos e o nobre presidente do conselho
rauhuns, nao indo contemplados no mencionado Vmc. tem procurado auxiliar o governo na acqui- sem anegar.
pret, os Voluntarios, Manoel Pereira de Araujo, e sigo de voluntarios, cabe-me recommeodar-lhe jfest0 cmenos em lugar de S Exc aooarece um
Galvao, por haverera desertados, que remella .'rectamente a secretaria do- govern|ffflcj0i e denlro do (lkj0 0 decreto'do adiamento
- aquelles (|ue for agenciando, afim de que <-*
tTZZFZZ^ "ou,a nac'<5nar, o as leis mnwmramraae.
As torres havia-s dado ordem para impe-
dir a sabida dos navios federaes at passarem as
24 horas da sahida dos confederados. Estavam as
cousas neste estado quando as 4 Iroras e meia a
fragata Nigara, para mudar de amarrago, sus-
pendeu e igando a bujarrona,aproximou-seda tor-
re de Belm.
Esta rompeu logo fogo de bala sobre a fragata,
a qual ao terceiro tjro arriou um pouco e colheu
a bandeira. Apezar deste procedimento a torre
fez ainda mais 4 tiros sobre o navio, que levavaja
a proa direita a leste o ia fundear onde no dia an-
tecedente pela manha se achava.
Da corveta Sagres foi um escaler com um tenen-
torre, que nao
. as nao intenta-
vam sahir, mas simplesmente mudar de amarra-
gao. Parece que este offlciai nao fora attendido.
Urna das balas produzio pequea amolgadella no
tubo do fogo, outra raslejou pela trincheira. Lo-
go depois o commandante da fragata protestou e
reclmou contra os tiros feitos depois dclle ter ar-
riado a bandeira.
Houve depois a troca de olas diplomticas, e
em resultado foi demitiido o governador da torre
e deram se as salvas de 21 tiros etc. E assim aca-
bou este desgragado confino.
I.-se na Correspondencia de Espaa, qae O
vapor americano do sul, Slonewall, que ltima-
mente esteve no Tejo, foi construido em ordos,
recebendo ahi o nome de Oltnda, por conta do go-
verno dinamarquez.
Mas, chegando a esse paiz, entendeu o. governo
que o vapor nao tinha as condiofjes do contrato de
construego, e rejeitou-o.
Ento foi vendido aos A mrcanos do sol, que o
baptisaram Stoneicall, ^ffgnifiea murallia de pe-
dra, em respeito do Jakson, w^"'0 na batalha de Chancellorsville,
em 18&* 1?a' "Dna aquella alennha.
^ irlpoaco do Slonewall compdese na maior
parte de gejile do Alabama e do Florida, e esl
animada dos maiores de ejos de combater com os
navios federaes.
Segundo diz um jornal inglez, o Moming-Herald,
espera-se dentro em pouco um com bale entre o na-
jse Ferreira Ualvao, or
segundo consta do ctadNfflcio.Communicou-se
ao commandante das armas.
Dito ao inspector da thesouraria provin-
cialPara salisfazer a deliberaco da assembla
legislativa provincial, presle V. S. as informagoes
constantes do offleio incluso por copia do
afim de que sftJ"*
guardar i necessarta reguaridade as tomadas. ^, ja frrn ou menos pittorescas que se empregaran >* essa
D.io ao superintendente da-/ada ^ ferro.- occasiJo, oaraqualiflcar a sagaz evasi- 3b chefe
das cortes at o dia 24 de abril I
Ne me fago cargo de repetir as phrases r.^'*
Recommeudb ao Sr. soperVl?,,denle da estrada de d
pri- ferro jjue mande cora }^!^^.>xV^^^\^X^m^
secrelario, datado de 2o do corrente, sob estacao de Tromr.--"* esta capital pela mesma i JflT ^,n __, aaTtn nn A. R
estrata a fi v^ntari >s da Patria que conduz o ca-' addiamento houvera do um acert no da 6
de
ministro novos pela maior parte, qua-
dencia, cciiio ellas wrnprios o confessaram, ttoni-
tos da sua inesperada ascengo aos pinculos do
poder, ra natural, nao s natural mas indispen-
meiro
n. 89. estrata a 6V
ca-Pa sJSer fSSkSTTLK P'rWSX d'a comp'anhia Pernambacana.- .odo/ellesnai-tancia parlamentar, levados aquel
le-Mslat,va provincial remeta me V l S roii 'ode Vmc <*Suir Pra *l o vapor Para- cadeita^re improviso e n'uma ond da provt
^SJSS^^ZSvaiSfSS S3 W o dia o hora indicado era seu offleio de J
sentada pelos pretndanles qne uliiman*-te rlze- hontem. c _
ram exame de halirtitaco na o ma^t'-ri*. 1,lan- Portana.-*0 Sr. commandante do vapor S. Fran-
do se matricXam no curso commercil, tem cisco, tranporte a seu bordo o soldado Jos Dioni- gvel, arirem nm parenthes.s legislativo para me
do earecer da roram>so do conselho direc- zio Ferreira, que va! reunir-se ao corpo de vlun-i *tarema ^ e conbinarem entre todos urna sene
tarios da provincia do Ceara, que exble na corte. I " med & w i j,- .,. j i i .. cidade governamntal.
Despachos do da 26 de abril de 186o.
Requerimentos.
Abaixo asslgnado de despachantes da alfandoga
desta provincia.Offlciou-se nesta data aos ch;fs
das reparges publicas para attenderem aos snp-
plicantes, se nao houver inconveniente.
para vadios; pelo ministerio dos negocios tran-
geiros foi resolvido o caso dos tiros sobre a fragata
federa! Nigara pela torre de Belm de um modo
que se diz satisfactorio para ambos os lados mas
que na ausencia da publicago das notas diplom-
ticas que precederam o desenlace da pendencia,
ainda an) tanto duvidoso.
Para nao interroniper, adiante Ihe relatarei o
facto com todas as circumstancias connecidas.
No parlamento votou-se um subsidio de 73 con-
tos para auxiliar a sociedade portuen>o do Palacio
de Crystal, a efTiduar era agosto prximo a expo-
sigo intenacional da industria. E disse. i-,.
Valla ,e em formar des.a Ma nm .rnete de[{15 SS7ta2
fuso porque ja lempo dizem de congreger no po- l
der summidades polticas que reprosentem as frac-
goes mais importantes dos partidos liberaes. A
realisago deste devaneio possivel mas nao pro-
vavel, e quando se realise precisa para consolidar-
se qua se revista de garantas que nao tornera este
facto em mero expediente de sccasio.
Diga-se a fardaos, com esla cmara nao se pode
governar ; nao d maioria para ninguem ; venha
quem vier lera de dissolv la ; o aristocrtico pre-
sidente da sjtuago demissionaria dizem todos que
iuterromper* por muito lempo a sua estada no
poder.
O conde d'Avila tem os dotes de estadista, de
orador e de financeiro, e sobre ludo do prestigio
no paiz e fra delle, para ja' nao poder|aceitar sem
desaire um lugar de segunda ordem de urna situa-
go qualquer. E contara o conde com os elemen-
tos necessarios para sustentar-se na administra-
gao ? Otitros ainda esperam que passados mais
tres ou quatro dias de hesitages se appelle em
ultima instancia para o duque de Saldanha, o qual
se rodeara nesse caso de gente mais conspicua da
regeneradlo extreme.
E nao para deplorar que um partido grande
por tradigoes e forga se deixe desmoralisar de far-
ga em farga at a esla abdicago moral ? Falla*'
partido progressista histrico, que so dests "" nao
aleaogar para sustentar-lhe os bros "^ governo
de inipiativas, pode considerar s* fl0S paroximos.
AnUs a fuso do que isso;""64 a regeneracao i vio fonfederado Slonewall e a fragata dos Estados-
extreme, do que a entr*** d0 Poaer em maos re" Unidos Nigara e a corveta de hlice Sacramento.
trogradas. .. ___ O Slonewall, diz o referido jornal, um navio cou-
Eii a sitoarf -c,nal das cousas taes como ellas do de erca de m tonelad'as 0 ^
^e-^l^\S^\iSSV. ^to ompoMe d-nnia pega Arns.ropg de 300,
tr,bnir=aviiiagoes tenebrosasi e atlentatorias aeii- .asSestada dentro de urna torre; possue alm dlsso
brr% a quem de.xa sacrificar situagoes sobre oulra ,orre com duas ArDSUn de 700.
situagoes por temperamentos, por compleigao c por
mil qualidades singularsimas que caracterisam o f machinas sao da forga de 320 cavallos. A ve-
presidente do ministerio dimissionario. i locida_de nominal do navio e de 10 railhas. A tri-
Na mala ullima noticiei a entrada no Tejo dos i polQo compoe-se de Ib offlciaes e 80 homens. A
uavios de guerra da America do Norte federaes e I "i3"31", Par.le. de3ses homens perlenceu s tripola
como
tor acerca da aptidao dos mesmos prctendentes, e
das provas que tizeram no exame de habili-
taran.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de ^anto Anlo e Escada.Nao havpndo
inconveniente, mande V. S. passar a Antonio Ma-
noel Xavier Bittencourt, tenerte aggregado ao
batalho n. 23 de infantaria da guarda nacional,
sob seu commando superior, a guia de que trata o
art. 43 do decreto n. 1.130 de 12 de margo de
1853, visto ter de fixar sua residencia na provin-
cia do Cear, como allegoa 'em sea requer
ment.
"Dito ao commandante superior da goarda na-
cional do Brejo.C'.m a copia da informago
ministrada pelo inspector da thesouraria de fazen-
Depois disto sera aceito disentir os actos dos ho-
menre as ideas delles em vez de se atacar as pes-
soas que a prerogativa real no livre uso de seus
dlreitos ceostilucionaes tinha chamado aos conse-
Ihos da cora.
Antonio Porfirio Ferreira.-Informe o Sr. com- As praxes representativas teriam aconselhado
mandante do corpo de polica. este caminho em toda a parte. Despresaram-no,e|
Antonio Gomes dos Santos.iInforme o Sr. direc- ' asconsequencias foram a anarchia das palavras, os '
tor geral da in'trnceo publica. tumultos oratorios e os ruagos de urna loquella im-
Bellarmino Ferreira da Silva.Passe portara paclenle que aturdiram os pobres homens, lirando-
concedendo um mez de Uceara com vencimenlos. I es mesmo os nluraes recursos e a possibilidade
Barlholomea do Nascimento.-Indeferido por de pensarem na sua defesa indirecta
nao provar motivo justo. i A chamada maioria, dividida, subdividida e rt-
Tenente Francisco de Freitas Moreno.Iddefe-' lalhada, apenas presin pela voz autorlsada do de-
irtrt 4 meta il a i *- ^ .ntnil'V
da em 10 deste mez," sob n. 243, respondo ao offleio rido vista da informago. puldo Harjona de Freitas, apolo digno de mencie
de V. S. de 9 de marco olrimo, sobre o pagamento Jos Miguel dos cantos.Indeferido por nao ter nar-se.
dos guardas nacionaes destacados na villa do o supplicante provado o que allega."
Brem. 'oao de Barros Cavalcanti.Ja foi ordenada a
Dito ao inspector do arsenal de marrana.Re- baixa do yipplicante.
commendo a V. S. que faga transportar para bordo Jos Miguel dos Artos.Indeferido era vista da
da corveta a Vapor S. Francisco, a bagagem do iuformago.
nrimeiro corpo de Voluntarios desla provincia, que Bacharel Joaquim Ferreira ChavesNjo pode
Os ministros trepidavam na frente daquella mon-
tara palavrosare por flm doixaram-seeahirde cho-
fre as voragens de urna obscoridade talvez per-
petua sem terem aberto a bocea, inspirados pela
necessidade de se rehabilitaren!. Ainda mais : a
queda deste ephemero gabinete nem mesmo foi
confederados, e os liros'de bala que fez a Torre
de Belem sobre um delles que ia a sahir da barra,
contrariando a ordem que se Ihe tinha dado.
Agora (levo expor a causa deste acontec monto:
Os dous vapore., federaes fundearam em Belem
muito abaixo do seu ancoradouro, porque assim
lhes exigi o nosso vapor de registro quando en-
traram, para que nao ficassem prximos do Slone-
watt.
Quando no dia seguinte este vapor sahio bar-
ra, o Nigara e o Sacramento levarara das anco-
ras para irem fundear mais para leste. Nao de-
rara, porm, parte deste movimento ao vapor do
registro, e por Isso da torre de Belem se fez fogo
Explicase o etso dos vasos federaes se dingi-
rrm para a barra pola necessidade de, estando
aproados para esse lado, aleaogar era seguimenlo
afim de poderem virar.
A falta do aviso previo para este movimento pa-
rifico, obrigou coti ludo o governador da lorre de
Belem a mandar fazer fogo, porque dos movimen-
tos do Nigara e do SicrYmtnfo nao se podia de-
prehender oulra intencao que nao fosse a de que-
rerem sahir do Tejo.
O Nigara, logo ao primeiro tiro, arriara a ban-
deira a meio pao, par- mostrar que aceilava a in-
tiraago e nao ia sahir. Parece que da torre nao
se vio esse signa!, e por sso se dispararan! irais
seis tiros, e se conliuuariam a disparar, se a fra-
gata nao se dirigsse para leste, como aBnal se di-
rigi.
O commandante da Nigara queixou-se de nao
haver sido advertido previamente com um tiro de
ges do A/diaia e do Florida. O caplto Page
reuni a Iripolago, e, depois de expor a situago,
disse que, nao tendo a confederaco porto aigum
nos estados do norte, era intil fazer viagem para
a America. Reselveu-se por conseguirte dar com-
bate a todo o tran.-e. A Iripolago conta com a
victoria. Far fogo cora a pega de maior calibre
lancando bombas. Os federaes esperam apoderar-
se do Slonewall por meio de abordagem.
A Nigara commandada pelo commodero
Eraden ; traz montadas doze pegas Parro! de 200;
mas este navio, pelo demasiado comprimentoque
anda doze milhas por hora, carece de percorrer
meia milha para operar urna evolugo circular. O
Sacramento Iraz montadas onze pegas Parrot de
20o! a sna tripolago de 300 homens, e a da Ni-
gara de 430 homens. Sabemos, alm disso, que as
autoridades judciaes de Lorient, Franga, instaura-
ran! processo contra a seguranga do pstado, tendo
tomado parte no armamento do Olimta, baplisado
depois pelos confederados com o nome de Stonewall.
Um facto lameniavel se deu no dia 6 de feve-
reiro as casas|da plvora, na India. Urna faalha
sahio das pedras d nm moinho que causn um de-
sastroso incendio, matando uro boi, dous trabaja-
dores, e ferindo quatro gravemente.
A commisso nomeada no meettngs que te ve
lugar no circo, no Porto, j apre> -;tou as bases da
representago, de dirigir a qnal foi incumbido o
Sr. Custodio Jos Vieira. Resolveu-se pedir:
Diminuigo dos direito- do bacalho.
Exlinrgo'do imposto do pescado.
Ampia liberdade de imporlacp d'arroz.
Lei permanente de cereae,
1
!
\
\

V

<
i
^-
-\
ILE6TVEL


>
Diarlo de Feraambnoo segunda Ir Ira f de Malo de i S65.
Livre importarlo de carnes fresca?, seccas, ou E'dirigida por israelitas. E ootra tai preparar-se
por qu-lqoer forma preparadas.
Vulgansago do eosino agrcola e industria.
Amplto de < xposiroes e premios para animar
Boa-vista.
Fallecen o conselheiro do tribunal de coalas
o Sr. Lareher.
os criadores de gado?, e distribuirlo de sementes Fallam os jornaes tolos de um novo trabalbo
e Instruccdas para a cultura dds pastos. i Iliterario do nosso poeta o Sr. Antonio Feliciano
E o direite de 95000 sobre cada cabega de gado de Castilho, averso das Gergicas de Virgilio,
bovino quesahir do paiz. Seu talentoso fllho, Julio, vai publicar um livro
' Teade el-rei tencienado hr ao Porto cofn sua humorstico, rom o titulo, se bera me record, de
augusta esposa pela Pasehoa, ja mudou do tengo, c Revelaron dos SO mitos. >
porque os mdicos aconsetbaram i rainha que nao A companhi% lyrica ji se retirou ; do domingo
inteotasse agora a jornada, por se achar so quino do pasehoa principiara no theatro-cireo a traba-
niez da sua gravidez, podendo ser-lhe bastante
commoda ; por este mutivo nao se realrsara a pro-
yectada ida de SS. MM. ao Porto.
SS. MM. el-rei e a rainha foram nodia 9 do
rorrente a' Setubal, embarcaram no C2es de Belm
as 7 horas da mantisa para se dirigirem a burdo
do vapor MinJelto, que foi o barco destinado para
a digresso dos augustos conjuges e S. A o infante
D. Augusto.
Dz-se que el-rei fr experimentar um foguete
de sua invencao, o que a experiencia satisflzera.
Ihar umacompantaia hespanhola de canto e baile.
INTERIOR.
IIIO DE JWF.IKO
1 i de abril.
Foi nomeado enviado extraordinario e ministro
les orientaes: o I* na Bihia, o S* era Santa Caaha-
rina, e o 3o em Pelotas.
Em dala de i i do corren te toi
que Thompson alumno pensionista
do hospital de marinha da corte.
-17
Chegaram hontem noticias de Matto-Grosso al
2- do passado.
Eis o que se l na Imprenta de Cuiaba de 24 de
fevereiro :
De urna carta de pessoa que ssguiodeCorum-
b no da 2 de Janeiro, bordo do Anhambaf/, rom
Soube-se que a Bolivia qstava em armas, se-
gundo noticias de Mato-Grosso. .
Corre tambera ja' ter ella invadido o nosso
territorio pelo lado do ro Madeira.
t De fonte limpa se lera conhecimento que essa
epobliea esta' de mos dadas com e Paraguay, cima at Santo
com o qual tem tido troca de notas, e expedto pro contos.
prios avisos, etc., e entre ouiros o do movimenlo j Anda nao sabemos os estragos que haver
das masas forgas para as frooleteas. feito nao s de Santo Antonio para baixo, como
i ja fe duas estraas, una qne va' as fazendas e proprieUades situadas margem
des de engenhos e sitios margem do lio foram
submergidos e destruidos.
E' na opiniao das mais antigs pessoas da pro-
vincia, a mai"r enehanle qne tem tiio o ro Guyab.
< O prejaizo calcula-se em toda extenso do rio
Antonio, em quasi dous mil
SS. MM. resolvern) regresar Lisboa por ter- p|PnipotuCara em emissiio egpecial junl0 a s. M.
foram effectivamente sete car- ". '
ra. Ao entardecer
ruagens para o arsenal. O Mindello foi acompa-
ohadu pele vapor Zarco. A' noite foram SS. MM.
ao thealro do Gymnasio a assistir ao beneficio de
Taborda.
Ha das que o Diario publicou os seguintes
decretos : fazeudo merc do titulo de visconde de
Roboredo, ao filho primognito do fallecido Conra-
do Henrique Cbrislias* de Roboredo, para honrar
a ineiii jria dos bons servidos que seu pai presleu
ao paiz no decurso de muitos annos, em varios lu-
gares da carreira diplomtica
Elevando dignidade de grao cruz da Conrei-
no, o Sr. D. Luiz Viclovio, ministro plenipotencia-
rio representante de Portugal na corle de Berln,
Dresde, e Saxe-Coburgo Golha, em alinelo tambem
aos sens servidos na carreira diplomtica.
Entrou no Tejo o vapor Zarco, vindo de Li-
verpool, ltimamente all construido por conta do
governo portuguez.
Este barco da forra de 80 cavallos, e traz o
pecas montadas, e destinado a cruzar as aguas
de Marau. g
G Sr. Pedio Carlos de Alcntara Chaves aca-
ba de eserever urna pega com o titulo de Conquista
do Mxico que de-tina as provas publicas no thea-
tro da ra dos Condes.
Tambem c-ia' em ensaios neste theatro urna
opera cmica do Sr Luiz de Araujo Jnior, conli-
nuaco das Intuyas do Bairro do mesmo autor.
Vai brevemente sabir a lume um peridico
liebdomario, intitulado i'niao Acadmica.
Este jornal tem por lim, advogar os interesses
daclasse estudiosa.
A Boftiedade pharmaceutica de Lisboa, em
sesso, discuti largamente a inconveniencia dos
preparados pharmaceulicos de formula secreta im-
portado do estrfnsreiro, e resolveu requerer ao go-
verno para que nao sejam admittidos a despacho
as alfandegas meflicaiiienlos de formula secreta,
que nao estejam legaImente autorizadas.
O duque de Saldanha deve estar em Lisboa
no dia 20 do crrante, pois nao se demora em
Paris.
Cjnsta que o ministre da mariaha, duque de
Loul, mandara desmanchar a parle ja' feta da
fragata D. i'edro V, conformando se com a opiniao
de muita gente que asseverava que a obra nao ia
bem comecada.
A corveta Duque de Paluulla esta' prqmpta a
partir para Inglaterra a mellar a machina. Nao se
sabe, porm, quando se veritieara' essa partida.
Foi agraciado eom a raedalha* de otiro da
primeira classe por S. M. o rei dos Belgas, o ca-
pito do brigue portuguez Decisao Domingos Mar-
tins, em coosequeocia da ceragm e abnegagiio
com que a risco de perder o navio do seu com-
isando salvop, no dia 22 de novemtiro do aano
prximo passado, sete nufragos do brigue belga
Infatigable.
El rei o Sr. D. Luiz I coacedeu ao mesmo capi-
tao, por este nobre feito, a medalha de prata de
mrito, philantropla e generosidade.
O nosso compatriota Constantino, o re dos
floristas, ja' nao esta' em Paris, pois vendeu o seu
magnifico estabeleciinenlo e foi residir ha lempos
fiara Tercis, peno de Dax, na Landes. O seu rae-
indroso estado de sade o obrigou a abandonar o
theatro das suas glorias.
No dia 19 do mez passado Mr. Bonhei. mi-
nistro do interior do governo francez, deu um
jantar aos membros do coogresso internacional de
lelegraphia. Entre elle. achava-se o representan-
te de Portugal no mesmo coagresso, o conselheiro
Jos Vrrttjrnrtr Duiuoalu;
- O visconde de Lagoaca propoz no parlamen-
to que e nomeasse urna commissao para esiudar
as causas da ultima cris monetaria, e se promo-
vesse a cunhagem da moeda, sobre tudo da raoeda
de euro.
Ha dias reuniram-se na sala da assoeiago
dos empregados no commercio e industria muitos
padeiros da capital, e nomearam urna commissao
para representar cmara municipal da cidade,
relativamente escassez de cereaes.
Foi tambem encarregada a commissao de pedir
ao governador civil as medidas preventivas neres-
sarias alim de se evitar quaesquer conseqoencias
deploraveis no caso das padarias se fecharem por
falta de trigos.
Parece que o governador civil ficou sorprehen-
ddo quando Ihe disseram que a porgao de trigos,
que apparecerarn naquelle dia a venda no mercado
nao exceda a 200 moios.
A commissao dos padeiros su fallou com um ve-
reador, o qual prometteu tratar do assumplo na
prxima sessao. A cmara, segundo parece, vai
representar mais urna vez ao governo, e mostrar-
Ihe ci mo puder, que a fome aperta.
Os padeires s pediram as autoridades que Ibes
garantissem a tnviulabilidade das suas proprieda-
des e a sua seguranga pessoal, se livessem de fe-
char os eslabelecimentos como reoeiam.
Sua magestade el-rei D. Luiz qverendo honrar o
merecimentoda distincta prima-doaa Borghl-Marao,
dignou-se agracia-la, nomeando-a cantora da .real
cmara.
A filustre prima-dona foi ao pago, e receben das
propinbaos de el-rei o diploma da sua nomea-
$ao. ^^v/
A rainha a Sfit^ Mara pa ^andou entregar
pelo seu aldante a, SrL b^.,,/
um presente, constante de ^. hroche n0|eiras e
briacoa.de ouro,cravejados de elSadaTrabis ti
brilhantes. E' o presente mais ricoit*. aJ
lo que tem sido ofJerecido em Portugal a 4,,(
estrangeiras.
<5 Diarto de 30 do mez passado traz t
portara annuociando que sua magestade a rainha
D- Maria Pia, completou felizmente o lerceiro mez
da na gravidez, e mandando fazer preces -pro feh-
. ci parlu nos tres mais prximos dias posteriores a
recepelo da presente comraunlcaco, ec todas as
igrejas parochiaes do reino e lhas adjacentes.
Os leiloes dos livro qne se verificaram aa
bibliotbeca nacional prcduzraci a somraa de......
12:801*120 reis ; restando anda alguns livros,
parte dos quaesser vendida a peso.
o Imperador dos Francezes, o Sr. baro do Per
nedo.
12
Por occasiao da troca, eflectuada em Gotha, dsrs
ratifcagoes da convengo celebrada para o casa-
mento de S. A. a serenisstraa princeza Sra. D. Leo-
poldina, honve por bemS. A. R. o duque de Saxe
Coburgo Gotha conferir a grao-cruz da ordem Er-
nestina da casa ducal de Saxe a Ss. Excs. os Srs. :
Senador Jao 'edro Dias Vieira, ministro dos de-
gocios estrangeiros.
Senador Carlos Carneiro de Campos, ministro
dos negocios da fazenda.
Conselheiro Jos Liberato Barroso, ministro dos
negocios do imperio.
('onselheiro de estado visconde de Sapucahy.
Conselheiro" de estado visconde de Abaet.
Conselheiro Paulo Barbosa da Silva, mordomo
da casa imperial.
Chefe de esquadra Joaquim Bavmundo de La-
[jaare.
A comm-'nda da mesma ordem aos Srs :
Veador baro de Lages.
Guarda roupa Jos Machado Cecilio de Castro.
Francisco Pinto de Mello, almoxarife do paco da
Boa-Vista.
Por cartas impenaes de 8 do corrente mez fo-
ram nomeados :
O baro de Meyern-Hobemberg, commendador
da ordem da Rosa.
O cavallotro Herrmann, cavalleiro da mesma
ordem.
Por decreto da mesma data foi apresentado :
O padre Joo Francisca de Garvalho, na igreja
parochial 4e Nossa Senhora da Conceigao da Pari-
da, do areebispado da Bahia ie da provincia de
Sergipe.
Foi feita a merc do foro de moco fidalgo, com
ejercicio na imperial casa, a Joaquim Miguel ISi-
beiro Lisboa, filho legitimo de conselheiro Miguel
Maria Lisboa.
- 13 -
Foram nomeados :
Cominandaate do 9o corpo de Vofuatario da Pa-
tria, o Sr. tenente-coroael graduado do corpo de
guarnigo do Maranho, Domingos Jos da Costa
Pereira
Fiscal, o Sr. capito do corpo de guarnicao do
Amazonas, Benedicto Jos de Barros ;
Fiscal do 3o corpo de voluntarios (barranos), o
Sr. rapito da companhia de Sergipe Jos Cetario
Varella de Franca.
Hontem teve lugar a reuniao dos Pernambuca-
nos residentes nesta corte, na casa do Sr. Dr. Urba-
no, e a seu convite rompareceram sessenta e tan-
tos. O Sr. Dr. Urbano propoz para presidente o
Sr. Dr. Saldanha Mannho, que foi unnimemente
approvado, e tomando este a presidencia I irnu
que o flm d;. reuniao era preparar urna manrf-stt-
gao ao corpo de voluntarios, que se espera lie Per-
nambuco, accrescentande, que o Sr. Dr. I'rhano,
que havia convocado a reuniao escoria u i- d.sen-
volvidamente o seu objecto.
Eatao tomando a palavra oSr. Dr. Urbanodissa
que o fim da reuniao era dar urna demou.-ti ac.ao do
vivo intersse e empenho que tomavam na lula
sangrenta em que est comprometida a honra e
dii;nidade da nagao, a vida, prosperidade e liberda-
de de milhares de nossos concidados, e. um teste-
monho solemne do aprero, affeicao e estima a seus
rjixaarvjncianos. ana a 'herrad* de um batalhodt:
voluntarios da provincia de Pernambuco nesta cor
te, nao poda deixar de despertar nocoracao de to-
dos os Pernamburanos esse nobre orgulho, a qne
Ihet da direito a historia toda inleira da provincia,
e que pois era impossivel que os Pernambucanos
aqni residentes flcassem frise insensiveisna pre-
senga desses bravos, que vinham exponlaneamentc
affrontar os perigos da guerra e offerecer seu san-
gne em defeza da patria, e concluio convidando a
todos para irem receber em seus bragos, saudar e
cumprimentar os voluntarios seus comprovincia-
nos e anima-los e encorjalos anda mais, se era
possiveL.com os sens votos e felicitagoes, e na des-
pedida dizer-lhes um adeus saudoso, mas chelo de
viva f e esperanga de que no campo da balalha
irao ennobrecer anda mais a brilhanle historia da
provincia.
Em seguida nomearam-se duas commissSes,
urna de administrago composta dos Srs. Dr. Ur-
bano Sabino Pessoa de Mello, Dr. Joaquim Salda-
nha Marinho, baro de Pira;.ama, marechal Arru-
da, coronel Antonio Pedro de Alencastro, Antonio
de Paula Fernandes Eiras, Pedro Ignacio de Miran-
da, major Castro Vianoa, e Julio Jorge Gongalves;
e outra para agenciar e arrecadar a subscripgao,
composta dos Srs. Drs. Francisco de Assis-d Silva
Ferreira, Numa do Bego Macedo, Manoel Joaquim
Castro Vianna, Luiz Gomes Ferreira, Dr. Eleuterio
Augusto de Athayde, Dr. Jos Maria da Trindade,
veador Manoel Hygino de Figueiredo, Joaquim Ar-
cenio Cintra da Silva, Joo Paulo Ferreira Diase
Joaquim Claudio Mooleiro.
A commissao de administrago ficou revestida
de plenos poderes para deliberar sobre a natureza
da demonstrado e despezas para leva-la a ef-
feito.
14 -
Por decretos de 11 e 12 do corrente foram no-
meados :
O barharel Jos Bernardo Galvo Alcoforado J-
nior, juiz municipal e de orphios do termo de lla-
guahy, na provincia do ltio de Janeiro ;
ter a' altara de Corumbe outra aoinoPelemoaqoe de outros rios," cujas agua; sao bebidas pelo
(um noae assim), que se dirigaao Paraguay. Cuyab.
Urna carta escripia do Pacapny, ao dias de Esta calamidade. aps a da piralara para-
desMno a capital, o commandante das armas, ole- setembro, a pessoa aqu residente, da' noticia da guaya, que j nos alfligia, e cajos piwjuuos parti-
nente-coronel Uamiso e offlciaes-aiilitres, o se- (?a da Bolivia e do Paraguay, eiaiica i iotencSes culares sao clcala dos tambera, em ous de qoatro
rdo balalho de artilharia a p, os empregados das duas repblicas, as estradas que a Quima tem mil contos, , e (ota ans horrmel parque tampas-
alfendega e mais pessoas que o vapor pode feito paraser communicada, as'oaionlas miliures sado a provincU de Mato Groase,
pegar. que tem estabelecido e povoados que ha creado ; | Nao achamos na ordem natural origem de se-
O corpo de artilharia da provincia, que j ha- essa ** existe para ser apresentada e lida pelo melhantes effeitos.
via combatido em Coimbra, ficou a bordo de urna governo. Todos levantara ai olhos ao co e exclamam
escuna estrangeira, carregada de couros, perten- cyilo Joao Carlos consta ter sido avisado Peccavimus, Domine,3 do co esperam o socor-
cente ao-negociante estrangeiro de Cornmb de da Bolivia por um particular, de preteoderem-lhe ro que a trra nao tem sabido. 00 podido dar.
nome Sant'Iago. tomar a sua fazenda do Cambar. Dizemque o Jerusalem sob o bloqueio de Tito Vespasiano,
Quando este corpo, vio que o vapor segua sem capillo mofou do aviso alennhando de louco a quera ardendo inteiramente em urna fome dovoradora,
Ihe dar reboque chamou pelo tenente Mello, que o mandara, entrelauto vai-se verificando o annun- o aspecto da nossa capital sitiada p'los Paraguayos,
se achava bordo do Anhambay, a cujo reclamo: ci por outras.pessoas.
o tenente Mello, acompanhaffo do lenle Paula Nao se sabe neste ponto da sorte dos nossos
Gorra, acudi, e descendo em um escaler foram i irmos de Coimbra, Ntoac, Miranda e Albuquer-
reunir se ao corpo que eslava na dita escuna com. que> neaj do ramo que tomou a populago desses
os V nentes Cbaves e Pai va que o commandante differentes pontos.
.1 A 16 do crrante, antes de cnegar a esta ca-
pital a noticia de haver sido destrocada a gente que
o commandante das asmas levara para S. Pedro, o
Dr. Jos Antonio Murliano fez partir para aquello
das armas deixra em trra.
c O tenente Mello, logo que chegou bordo da
escuna, voltou ierra a prevenir-se de vveres
para seguir viagm rio cima, na esperanga de que
voltasse o Anhambay para dar-lhe o reboque.
Prevenido seguio esjiia no dia 2 s o da
tarde.
t No dia 3, porm, pelas 6 horas da tarde o sen-
tinella do masfo da escuna deu-lhe parte de have-
rera chegado dous vapores paraguayos ao porlo def"_.
Corumb. 1
< Cov esta noticia tralou o tenente Mello de
dar desembarque forga, e, tfndo assim feito, sol-
tou a eseona e os escaleres, trancou o porto do
seu embarque, o-parho com a gente pelo-pantanal
em demanda do Paragnay-Mirim, afim de ajreves-
sa-lo e seguir por trra a fazenda do Mangabal.
Aps urna afanosa lula com as aguas nos panla-
naes, conseguio chegar com a sua comitiva, com-
posta de 120"pragas do corpo do artilharia da pro-
vmcia, de 40 do 2. balalho de artilharia a p
e 100 e tantas pessoas particulares de ambos os
sexos.
c Urna legua distante da fazenda do Mangabal,
lugar firme, acampou Mello a gente, conhecendo
eot haverem aproveitaveis.de toda a mnoico
1,200 cartuxos, nao avariados pelas aguas dos pan-
tanaes.
Deste acampamento vio-se Mello impossibili
ardendo tambem em fome, e opprimida meade
por urna horrorosa inundagao.
Miseraveis de nos, peccamos, a guerra, a fo-
me, e quig mais logo tambem a peste, a innunda-
?o sao a extravaso das jras celestes.
a Prostremo-nos diante de Deus, choremos cm
sua presenga, confessemos os nossos delictos,volie-
mos a face aos males commelidos, e sua miseri-
cordia nos salvara das affiicgoes presentes.
lado a continuar a sua derrota pelos paalanaes, airessa a chrgada do Pai
cujas aguas na passagera at all haviam enferma-
do a cento e tantas pessoas da sua comitiva. Beso-
luto a tira-las daquelje lugar, foi a 27 do mesmo
mez de Janeiro fazenda do major Salvador Correa
da Costa pedir soceorro de canoas, mas na volla
para o acampamento soube que os Paraguayos ha-
viam dado desembarque de tropas no porto de Man-
gabal, em demanda fazenda, que dista 5 leguas,
cuja casa de vivenda haviam cercado e prendido
toda a familia e mais pessaas que all se achavam,
inclusive o subdelegado de Corumba' Peres e o te-
nente reformado do exercito Mauritano, e tomado
todas as espingardas, plvora c chumbo.
A' vista do que, cunclue o autor da carta, e
de crer que Mello ja' tenha sido batido, e que rom
a pouca miimgo que tem, ou baja suecumbido, ou
se pode escapar, esteja embrenhado pela trra fir-
me com sua gente.
commandante das armas com o seu es-
tado-maior e parte do segundo de artilharia a p,
havi seguido da fazenda de Triuraprn em duas
pequeas canoas pelo caminho do Piquiry, tendo
deixado no Betiro do Sr. Antonio Thom os capiles
Souto, Conrado, tenentes Camargo, Luciano, La-
goi^iro, Jeronymo Jos Monteiro, algons inferiores
e 70 pragas, que a 3 de fevereiro foram batidos
pelos Paraguayos, e dispersaram-se pelos pau-
ta oaes.
1 Eutretantanto foram aprisionados qualro sol-
dados e um sargento, mas este ultimo anda pJe
evadir-se ao chegar em casa do Sr. Antonio Thom.
< Apprehsnderam mais na fazenda do mesmo
Thom quatro vigas da casa, aos quaes soltaram
no segrate da para pegar gado, o que effectiva-
uiente executaram.
No dia 6 chegaram ao porlo do mesmo Anto-
nio Tiiora dous vapores paraguayos, e receberam
Constava baver sido prisioneira, no dia 3 de
fevereiro, urna canoa, onde suppunha-se estarem
o inspector da alfaudega e vanos outros emprega-
dos da mesma repartigo.
Da gente que desembarcou do AnJiambay fica-
rain perdidas as malas de S. Lourengo, c sup-
poem-se morios os Drs. Albuquerque e Benvenuto,
o empregado da alfaudega Agostmho Luiz da Ga-
ma, urna mulher e o machinista do Anhambay.
c A forga paraguaya eslava dividida em Coim-
bra, no Corumba', Ladario e nos vapores que
crusam os rios S. Lourengo e Cuiaba',
Deste. vapores tera elles rondas em escaleres
pelos campos a enterceptarem a subida de canoas
para esta capital.
Coulirmam se as noticias seguintes :
t De haverem os Paraguyos apprehendido a
correspondencia efflcial do commandante das armas
para a presidencia, pedindo soceorro de transporte
e viveres;
t De terem destruido o estabelecimenlo do ma-
jor Jos Caetano Metello, reduzmdo a ciozas as
propriedade, movis, etc., e de haverem feito gran-
de estrago no gado vaceum e cavallar, e aprisio-
nado e conduzido os escravos encontrados na fa-
zenda, que dizem ser 12 ; e igualmente alguns ca-
inaradas e mulheres, ao todo 43 pessoas;
< De haverem morrido para cima de 12 ofli-
ciaes paraguayos e diversas pragas no combate en-
tre os vapores inimigos e o Anhambay ;
t De haverem os inimigos soppliciado com ta-
quara e cortado as mos, nos Dourados, a um 13ra-
sileiro, que supp5e-se ser o piloto do Anhambay
Jos Israel ;
< De haverem deilado ao rio a maior parte da
ponto urna canoa tripolada em soceorro dos que l Alm do que (ica transcripto foi-nos confiada
se achassem e podessem ser conduzidos, iuclusive urna carta de Cuyab aa qual se l o seguinte :
os Drs. Malhado e Doundo. 1 Tem esta por fim participar-lbe o triste esta-
t Praza a Deus que sirva ainda esse esforgo a do da nossa situagao com a guerra inesperada que
salva/ alumas vidas. nos fazera os Paraguayos. Temchoje tivre unica-
mesma folha, sob a rubrica a Aclualtdade, uienie esta cidade, lado do snl desde o nosso forte
l-se : de Coimbra at cerca de 15' leguas desta mesma
tf Horror^ a narrago dos faetos de que tem capital acha-se por nielo de conquista em poder dos
sido leatro a pacifica provincia de Matto-Grosso, Paraguayos.
desde a invaso dos Paraguaya a 27 de dezembro' Falla sabermos de Villa Maria, que fica ao
do anno findo al o prsenle. ; poenle da capital, margem do rio Paraguay, e
Um aconteaimento, que nassou. desapcrcebido distante della cerca de 40 leguas, onde at 17 do
no da i de Janeiro em que toda a populago des- corrente nao uuliam felizmente chegado os Para-
la capital foi despertada por horriveis estampidos guayos. Nolugardenominado-Melgago13leguas
de trovSes, luye tem c.usado serias apprehensoes ao sul da provincia, formou-se agora um peqoeno
em todo o valgo. destacamento de guardas nacionaesdo.'l" balalho,
obre o porlo do-(,uartel militar eslavam as commandado pelo lenente-coronel Joao de Souza
armas iruperiaes em relevo e "o estandarte brasi- Ozono, e parte dos guardas e olHciaes do Io bata-
leiro; e sobre a porto-do Sr. Manoel Leite do Ama- |ho da mesma guarda, e tres vapores que s ser-
ral Coulinho, cnsul oriental, as armas da republ- Vem para reboque de lanchas de transporte, todo
ca do Uruguay. ao mando em chefe do general o velho Le-
Na manhaa do dia Io de Janeiro essas duas in- verger.
signias e o pavilho naaional se achavam arrojados Esto forga de que fallo compona de nego-
p\ir trra.
Nenhum commento
ragnayos permissio para vir a capital, Ihe foi
respondido que nao poda ser, mas que se Ihe
daria passaporte para Cocoiab, passaporte qne
elle aceitn, e seguio para aquelle ponto observa-
do por uta esotler aora dota Paraguayo armados
qne passaram por elle em occasiao que cuidava no
alroogc, e elle logo qne se vio livre das orgias
entrn pelo Pantanal, e felizmente aqu chegou
cora Estevo de Moraes, seu compaoheiro de
prista.
< Dourados, que sanca psasou de estaleiro in-
complato, vai afora ter fortfteagao, ponjuanto os
Paraguayos em numera-de asm mil, com acfivid-
de trabaMiam em amarar aedras e no corte de
grossas aadaisas de Ui pasa construeco de um
fiarle.
Dissado Marcellino ao aommandante para-
guayo que o seu empenbo em vir a capital era para
#buscar sua mulher, livera em resposta o que j
disse cima, e que era intil ir a capital porque
seria conquistada pelas forgas paraguayas.
O raso que a vista da nenhuma forga que
temos, acho que se o governo g-ral nao acudir-nos,
o mais tardar de lo at fins de abril, sahiremos
para onde o destino nos ronduzir, porquanlo alm
dos Incalrulaveis milhares de contos de ris perdi-
dos, desde a villa de Corumba em gneros que
nella existiam, o gado dos fazendeiros perdido sobe
cera mil rezes, alm de escravos e sesma-
rias. Assim ao menos evitaremos com a nossa
sabida, que cheguemos a ponto de precisar
mendigar.
Kmlim, somos to infelizes que, as circums-
laocias por demais criticas em que ora nos acha-
mos, temos um presidente sem tctica ncm prati-
ca, alm dos poucos recursos de que pode dispr
a provincia, de sorte que para por termo a aoar
chia que comegava a manifestar-se, a cmara mu-
nicipal entendeu dirigir ao governo um officio
lamentando os acontecimentos havidos e louv.indo
as providenrias por elle tomadas a bem da defeza,
as quaes eram e sao nenhumas, tanto que os bata-
lhoes da guarda nacional 1, 2o e apresenta-
ram-se sem terem sido avisados e sement com a
noticia da invaso iuimiga.
E' nestas mesmas circunstancias que havia-
mos de ler por commandacte das armas o Sr. coro-
ucl Carlos e por director do arsenal de guerra o Sr.
major Liflz Francisco Henrique, que em vez de
maudarseus operarios coHcertarem as espingardas
e fazerem rartnxos e pegas de equipamei.t, oceu-
pava,os na fabrirago de figuras de presepes e
exercicios gymnasticos para ditrahi-lo. Emfim
para cumulo de desgragas est a polica as mos
do Sr. Dr. Firmo Jos de Mattos.
Meus amigos, estamos como l dizem, com os
olhos na estrada do Rio de Janeiro e na do baixo
por
que
ma-
talhao
com a infausta noticia da
aproximago dos Paraguayos ao Corumb, veio li
gar aquelle ac.onlecimento o presagio do que temos
sentido esuffrido. o 2o todo sob o commandodo seu commandante
A queda das armas mperiaes do porlao do jos Ildefonso de Figueiredo; commaodando a
quartel militar onde esliveram tantos annos o 2o guarnigo o teneutecoronel chefe de estado-tnalor
batalho de artilharia e o corpo de artilharia da 0 commaudo superior da guarda nacional Leopol-
provincia, aquelle ento fortificando o Corumba, e dio Lino de Faria. Todos os guardas em geral
este Coimbra, diz o vulgo, foi o presagio- do des- sao Ha mesma qualidade queja disse.
apparecimento do pavilho brasileiro e da sua | a forga de linha mesoainha pela sua nuan- ata o,-, pil.n< .
substtuigo pelo do Paraguay naquelles dous pon- lida(fe> p0is que coma va destacada no Baixo Para- aolB'a'!Le,.ro.S-l,ue._!0,UDtariameDle aPresentam-se
los, como a queda das armas orientaes o triumpho RUay o numero de ">80, e cento e poueos do corpo
das armas brasileiras em Montevideo. j de ariilharia da provincia que estavam em Coim-
t Desde esse momento infausto da tomada de Dra debaixo do commando do lente coronel Her-
Coimbra, nao ha descanso nesta capital, como em menegildo de "Albuquerque Porto Carrero. Este,
ponto algum da provincia. depois de dous das de combate, retirou-se sem
t As noticias se succedem urnas aps outras; perda de um s homem, e chegou a unirse ao i\
mais aterradoras. batalho de artilharia que estava em Corumb sob
Hoje Coimbra, amanhaa Corumb, depois o commando do tenente-roronel Carlos de Moraes
;Nioae e Miranda, agora o diluvio da freguezia de Camiso e do commando em chefe do commandan-
Pedro II, logo a desgraga, o apnsionamento de cen- te das armas, coronel Carlos Augusto de Oliveira,
tenares de_nossos irmos, depois de outros mortos 0 qual fazendo o Porto Carrero seguir para esta
capital alim de responder
, tar-nos-ho a todos, pois, como consta de um de-
gualdas nacionaes, commandado pelo p0mento dado na polica por um fugitivo do Man-
coronel Joao Gualoberto de Mallos, e J^ M p,rag(Iiy^ ultmja.n Ts familias, prosti-
tuem-as, defloram as vrrgens, pondo a ferros seus
paes ou prstectores.
t Ha ja seis mezes que nao recebemos urna linha
da capital do Imperio.
t Nossos arsenaes eslo quasi sem armamento,
e mesmo o pouco que nelle ha tem sido recusado
is que volt
para defender a patria.
a Se o tratasse de eleigocs nao nos faltaran)
correspondencias.
f Malditos sejam os estadistas I Malditos os
depntadose senadores por esta provincia, que para
a fome, afogados e pesteados pelo raeio desse
ocano immenso de aguas que cobre todos os cara-
pos, especialmente as pantanas do baixo Para-
guay, onde-vivera cercados de inimigos, alm das
feras, sao essas as tribulages que a lodos os mo-
mentos nos levara desesperago.
. t Dia e noite, ameagados* pelo Paraguay, pela
Bolivia ; dia e noite um raio de esperanga se abre
no fundo de nossos coragoes, porm para logo se
apaga.
Nossas forgas, nossas circumslancias acluaes nao
compnrtam o desalojamenlo dos inimigos das posi-
goes que ora oceupam.
Temos apenas com que defender a capital, e
quig outros pontos, arremessando com "^armas o
Jeaoapcru, a vinganga e a raiva de envolta com o
patriotismo.
Para conheci meato do commercie se faz pu-
blico que, en officics, com dalas de 14 de feve-
reiro e 7 de margo ultimo, communirou o minis-
tro de S. M. Gatholica na corte de Madrid, que o
governo de & M. Cathokca resolver qne os navios
portuguezes, que aporUssem aos porlos da Galiza
per arribada icegada e a espera de ventos favo-
raveis para pasear aos partos de Portugal, fieassem
le ora em diaote isenios dos direitos de saude.
Igualmente decretou o mesa governo, qne fosse
ceaeadido aos navios portngoezes qne entrassem
era Vigo, por arrisada forgada, a isengo dos di-
reitos de porta, carga e descarga, com a condiego
expressa de nao pratiearem operago alguma de
eommercio; incumbindo aos respectivos cnsules
justificar perante a autoridade competente a cansa
da arribada, comprovando-a mediante o diario da
navegago, passaporte real e manifest de carga e
despacho de aifandega dos navios arribados.
Foi nova mente nomeado commandante da
primeira divisa militar e conde de Santa Maria,
e o visconde de Tavira qne se achava. na oosse
d'aquelle commando, nomeado rogal interino do
supremo eonselho de jnstiea militar.
A direcgo geral da thesouraria do ministe-
rio da fazenda, anaunciou ter reduzido, desde o
dia 7 de abril a 6 por cento ao anno, o juro des
emprestfmos aa ihesouro; isto at nova resolugo.
Na cidade de Angra haviam fallido dous ne-
gocian les, Abraaam Bensabak e Manoel espinela
de Mondonga, que goxavam de boas crditos
n'ajuellapraga.
A nolicia destas fallencias cansn geral senil-
ment na praga angrense, resentindo-seo eommer-
cio dos sens effetof.
As fabricas de tabaco desenvolven-se de um
modo espantoso em Lisboa. No boqueiro do Du-1
fc^rancisco Basilio dosSantos Hora.tenenle-coronel
* ^amandante do balalho de infamara n. 20 da
^vf5* nacional da provincia de Sergipe ;
ManoV4y.Te||0 de Mendonga, tenente-coronel
commandanty-*. batalho de infantaria-n. 6 da
guarda nacional d*^sma pr0vincia ;
O rapitao Agrlplno Sh^ow da Silva Marttns,
tenente-coronel commaudauS^ batalho de mfan-
tana n. 15 da mesma guarda -.
Foi reconduzido o bacharel Antoaio Ferreira
Garcez nojugar de jaiz municipal e deoTe^ IISih
termo de Pelotas, na provincia de S. Ped
Grande do Sul :
Foi concedida ao bacharel Jos Francisco Lopes
Lima a demrsso qne pedio do Ingar de juiz muni-
cipal e de orphos do termo da Divina Pastora, na
provincia de Sergipe. .
Foi dispensado do exercicio por lempo indeter-
minado o coronel commandante superior da guar-
da nacional do municipio da Villa Nova, da pro-
vincia de Sergipe, Ignacio de Mello Pereira Boto.
Foram declarados vagos os fflcios de 1 tabel-
liodo publico judicial e notas e escrivo do clvel,
erime, orphaos, capeilas e residuos de termo da
capital da provincia do Amazonas, e de nenhum
effeito o decrete de 17 de maio de 1861, que fez
merc da serventa vitalicia |dos referidos offl-
cios a Jos Joaquim Cardoso de Figueiredo, por
nao ter este tirado carta dentro do prazo legal.
Foi declarada de i' entrancia a comarca de To
cantos, creada na provincia de Goyaz.
Foi marcado o ordenado annnal de 600$ ao pro-
motor publico da referida comarca.
Por circular de 10 do corrente se declama aos
presidentes das provincias do Rio de Janeiro, Ba-
hia, Alagdas, Pernambuco, Ceara, Sergipe, &. Pau-
lo, Santo Catbarioa, Rio Grande do Sal, Amazonas
e Paran que, estando restabelecidas as relagoes
de paz e perfeito amizade entre o imperio e a .Re-
publica Oriental do Uruguay, resolveu o governo
imperial reintegrar no esercieio de suas fnneeoes
os vice-coosules e agentes consulares daquella re-
publica existentes no imperio, cojo exequtur foi
cassado era virtnde de determinaga communicada
aos referidos presidentes por despacho circular de
16 de setembro de 1864.
Foram eionerados do servico da Repblica Ori-
ental do Uruguay es Sra Jos Antonio de Frailas,
pela retirada ^armada
que lucra de Coimbra, emenden em seguida que
dovia abandonar, como fez, o ponto de Corumba
, com toda a forga de linha antes de euxergar o
j inimigo, e vinde al a fazenda de Sara, no rio
S. Lourengo, foi all balido pelos Paraguayos, que
\ esparramaran) toda a comitiva pela campanha do
' mesmo Sara, de sorte que pode-se dizer que o
abandono de Corumb tem occasionado a desgraga
gefal da provincia, porque os Paraguayos anima-
dos por elle nos teem perseguido, apprehendendo
grande parte das pragas de linha, ofllciaes e.paisa-
nos. Consta que o capiio Conrado, que com Por-
to Carrero combaten no forte de Coimbra, e gran-
de estrago fez nos Paraguayos, foi preso e degolla-
do, bera como tambem foram presos o tenante Ca-
margo, secretario, e um offlcial de nome Barbosa,
. Grande ser o sacrificio porque o rancor ex- e mais quatro ou cinco cujos nomes ignoro, e ou-
cessivo, e os males, as dores porque temos passado | tros muitos, segundo noticia que hoje ti vemos, que
cruentas. . ,., i vagavam pelo alagado de S. Lourengo em demanda
t Tnumphar ou morrer ser a divisa do ultimo:de ierra para escaparen!
esforgo dos Matogrossenses que, vencidos ou ven- o commandante das armas core alguns offi-
cedores, gnlarao : abandonados vencemos ou aban-, ciaes o soldados do 2o batalho de artilharia, depois
donados morremos. de ler corrido de Sara, apanbou duas cauCis e su-
Somos lilhos do Brasil,commungamos os mes- j bio pe|os ,,aBUnaes de S. Lourengo procurando o
mos principios, pertencemos i essa grande familia, p,qUirv, e hoje consta que se aclia 30 leguas dis-
de hroes, a quera a hberdade foi mais chara que a tante desta capital, no Pmdahvral, porm ainda
vida, entretanto la se van sete mezes coudos que; na0 fe po(jein dizer sa)vs com"parle do miiCado
nenhuma communicagao temos do governo. 2 batalho de artilharia, porque a ouira parte tem
A ultima data offlcial e de 22 de julho de; ma[ad0 nos pantauaes, na lama ou entregue aos
18641
o As notas de ameaga do Paraguay sao de agos-
to I Nossas fronteiras eslo j oceupadas per tropas
inimigas, nossa capital actualmente um campo
de guerra.
' Nossas mattas eslo desertas, nossos machados
calados, nossas fouces sem moviraento, porque ma-
chadas e fouces se converleram em armas.
t Nossa industria paralysada, nosso eommercio
sem vida, nossos cofres sem dinheiro, porque os
representantes da industria e do eommercio troca-
ra rn a vara pela espingarda, o serrle e a enx
pelo corrame.
E se tudo isto nao for bastante para triumpho'
do desespero I O' grande ha de ser a responsabi-
lidade do governo.
c As geragoes futuras Ihe pediro contas da nos-
sa nacionalidade.
f Os coevos Ihe increparo o_ descuido de urna
provincia fronteira ; abrirn :- wcinas dos annaes
das cmaras de 1837, e apooiarovis previ-oes dos
em que se invade o
ella nao olham em occasiao
Imperio.
Sao estas as noticias que Ihe transmiti, alm
das que ter pelo servigo publico.
Por decretos de 8 do corrente foram exonerados,
por assim o haverem pedido :
O bacharel Adolpho de Barros Cavalcanti de Al-
buquerque Lacerda, do cargo de presidente da pro-
vincia do Amazonas ; '
O bacharel Ambrozio LeHao da Cunha, do de
presidente da provincia do Maranho;
O bacharel Lafayett Rodrigues Pereira, do de
presidente da provincia do Cear ;
0 bacharel Alexandre Rodrigues da Silva Cha-
ves, do de presidente da provincia de Santa Gatha-
rina.
Por cartas imperiaes da mesma data foram no-
meados :
Presidente da provincia do Amazonas, o bacha-
rel Alexandre Rodrigues da Silva Chaves ;
Presidente da provincia do Maranho, o bacharel
Lafayeltc Rodrigues Pereira ;
Presidente da provincia do Cear, .0 Dr. Fran-
cisco Ignacio Marcondes JIomem de Mello ;
Presidente da provincia de Santa Calharina,o
bacharel Adolpho de Barros Cavalcanti de Albu-
querque Lacerda.
Por decreto de 12 do corrente foram nomeados :
Digoitario da ordem da Bosa, o tenente-coronel
da guarda nacional Jos Alves Valenga, por nao
poder verificar se na sn pessoa a merc de com-
mendador da dita ordem, que Ihe fra conferida
por decreto de 18 do corrente anno, visto j ter es-
ta coudecorago :
Por cartas imperiaes de igual data :
Foi nomeado secretario do governo da provin-
cia do l'iauhy, o bacharel Jesuino Jos de Freilas;
Foram naturalisados ridados brasileiros, os sub-
ditos allemes Joo Luiz Herbst e Francisco Gra-
nest.
Por decretos de 12 e lo do corrente :
Foi exonerado o chefe de esquadra Diogo Igna-
cio Tavares, do lugar de inspector do arsenal de
marinha da corte, como pedir, e nomeado para
substituido nese emprego o chefe de diviso Je-
inimigos. .
Um dos melhorcs vapores que tinhamos, a
AnJiambahy, os Paraguayos a tomaram nodia 7 de
Janeiro, quando a sua esquadra a encontrou na
barra S. Lourengo.- A Anliambaliy descia a dar
reboque ao corpo de artilharia que brigou em
Coimbra, e que o commandante das armas deixra
em Corumba n'uma escuna estrangeira cheia de
couros, o qual corpo logo que se vio abaudonadn,
e largado margem avistando no dia seguinte I rafi^Lamego staTeajd ste"disVen7ado'do'de
vapores paraguayos, desembarco!., e embrenhou-se, | encarrpgsldo do quartel-general da marinha.
Foi exonerado o chefe de diviso Antonio Leo-
polvora encontrada nos Dourados, e incendiado o depulados Peixoto d>> Azevedo e Jos Delfino de
relo no paiol, fazendo-o desapparecer
sao por meio de um raslilho ;
t De terem os Paraguayos destruido as rogas
casas, e mais estabelecimentos que esto situados
na margem do rio. e mesmo no interior nos Inga
pela expo-! Almeida, que to bem souheram ennuncar ento
03 acontecimentos futuros, como se fados j
fossem.
t Os contemporneos dirao : se nao querieis na
communho brasileira os filhos de Mato-Grosso,
res onde tem penetrado, bem como as canaslras ou ; porque vos nao declarantes ?
caixas que apprehendem. t Avisados, teriam escapado ao despotismo pa-
c Corre qne grande o numero das victimas raguayo, escolhendo em outra nacionalidade um
snccurabidas a fome, afogadas e pela peste. | sysiema irrao do que professavara.
c O soceorro enviado do Pocon a S. Pedro, ao; < Taes sao as explosoes que a desesperago tem
chegar a sea destino ja nao encontrn all mais arrancado a um povo martyr de soOrimentos e
qne o Sr. Constantino Vieira, porm aproveitou a martyr de esperanzas.
algumas pessoas a que este se foi reunir no Alegre.
O major Salvador Correa da Costa, t,Ddo noli-: trtJr de soffrimentos, porque a dr que o
cia das hostilidades feitas- peios inimigos, . duas acabrnnha cora o theatro da guerra, da fome, da
leguas de distancia da sua fazenda do Chai*ic pes'9 e das"agnas, excessiva, Insupportavei.
abaudonou-a e retirou-se com sua familia pelosi Mttyr de esperangas, porque ha seis mezes
panlanaes i 0**,no governo do paiz, e ha seis mezes deses-
Nesse lugar estavam homislados cento e tan- j J**J*f rpvideneias, e se v entregue aos horr-
os 1**sl!eiros com suas familias, cujos destinos | "f.e oous -rtyrios e de duas esperangas des-
sao hoje raptos, a vista da retirada que fizeram. | ,' mpsma fW. ,n '
Por entone temos a'slsto soubemos qne ^Ma\^iT^iel0: p a*-.
Nioac havia sidoltacado por urna forca paraguaya'. No? dl.as e J ? copnte o rio Coyaba, trans-
de 6,000 homens dTlKna e 2 000 de cavalla-: S^0^!?..161*: aa&,5iubmereio raDde
ria, ejqne a raomndade bn sido grande. I ?!r! ,.fl^?*!!?i 5l??.?. !.,?M sitaada
O tenente-coronel Dias, commandante do eorpo
de cavallana do Nioac havia desaparecido ; sqp-
poe-se ter suecumbido na aecSo.
c Miranda tambem esta' em poder dos jnimig6.
nao constando al agora que fosse atacado, mas
pro va ve 1 que o lenha sido.
O encontr dos vapores paraguayos com o
vapor Ankambaliy desanima, porque, diz o Sr. Me-
nezes chefe da estago, que commandava este va-
por, e dizem alguma. pessoas mais que faziam
parte da tripolagao, qne no momento do encontr,
cadio do Couto, de director da escola de marinha,
e nomeado encarregado do quartel general.
Foi nomeado o chefe de diviso Francisco Perei-
ra Pinto, director da escola de marrana da corte.
Foi aposentado, como pedir, pbr motivo de mo-
lestia, o chefe de secgo da contadoria Daniel Ma-
virando de bordo, o mesmo commandante fez fogo r|a ,,;,, Cm 0vrdenado que ,he compete, na
de popa aos vapores inimigos, e inarchava era
uesto cidade margem do mesmo rio.
c Comecou a enchente s 11 horas da m/A- do
dia 2 a s s 4 do dia 4 comegon *a declinar.
1 Descrever a consternago da populago desta
capital, o d, qne em lodos os coragoes se derra-
mou, ao ver o diluvio parcial por qne 'passavam
os seus irmos habitantes do porto, impos-
sivel.
O perigo de vida era immioente, as casas cons-
ro, ao atierro da Boa-Visto esto se edificando ama. I Jos Maria da La e Manoel Montano, viee-eonen
Diminuta era anosta forga naqnel le ponto.
O eapelio do corpo de cavallaria padre Be-
nedicto de Araujo e o tenente Mesquita, ac,oma-
nhados por maltas pessoas, escaparam de Nioac e
Miranda. m
Parte da populago de Albuquerque ja' linha truidas" de adobos e de taipa, recebim a agua sem
chegado o Taqoary, entre ontras pessoas os Srs Pre em progressao, os qne as habitavam contem-
Pompo, Brandao, Carvalho e Geloto. '! plavam a raorte a cada momento, esperando-as ver
c A 7 de jaaeiro ancorara no porto de Corumba'! desmoronar.
um vapor inglez. Entre os commentos que se tem Er* nma consternacao geral ver as lagrimas,
feito a' essa visito iogleza, nos parece mais raeio- e oavir os gemidos dos albos, das mis e dos pas
navei o de ter vindo o dito vapor garantir os sob- de fam'l'as sem soceorro quasi.
ditos de S. M. Britonnica da pilbagem e piratiria j A ra principal dava nado, e difficll era en-
que o Paraguay tem deslealmente desenvanido contrar canoas que podessem receber ao mesmo
contra o Brasil. tempo tonto gente, e salvar as vidas e fortunas.
Confirma-se a noticia de estarem os inimigos' Centonas de casas desabaram. o edificio do
com quatro vapores cruzando o S. Lourengo desde' arsenal de marinha nao escapou destruigo. Os
barra do Paraguay al a do Cuiaba'. i quarteis dos menores e dos imperiaes marinheiros
VtUa Maria.-Urna carta de villa Maria, data-! foram arrasados.
da de 3 do corrente, da' as seguintes noticias : < As poocas habitoedes qne ficaram era p na
Ha por aqni excessiva falta de dinheiro e de grande extenso inundada, esto em circumslancias
vveres. de ser desmoronadas.
As aguas tem inuundado extraordinariamente' O rico, o remediado, o pobre, trocaratn em
os campos, e a mortandad de gado espantosa. peior soas posigoes, aquelle viram correr-Ibes,
O eommercio tera panlysado suas transaccoes aguas abaixo. maior parte deseas haveres, estes
e Techado aportas das loja. Nao se eneontra am bater-lhes porto a indigencia.
covado de chita a' venda. c Comjuiaqnella localidade, todas as proprieda-
relirada, chegando a dar treze tiros de artilharia,
entretanto que os vapores paraguayos a toda forga
o pegaram sem darem um Uro de pega, smenie
com urna descarga de mosquelaria na occasiao de
abordaren) quando elle, commandante Menezes com
a guarnigo pulava para a ierra, resultando da
descarga a morte do Fiuza, commissario de va-
por. Mas aqu s chegaram Menezes e seis pcagas,
e ha cinco dias a esta parle chegou o inglez Beccer,
que era o immedialo do dito vapor. Os mais de
cerlo morreram, ou afogados nos pantanos, ou a
fome, ou devorados pelas fras, porque nestes
lempos s embarcado se pode andar por aquelles
lagares.
< Agora passo a narrar os graves prejuizos de
lodos os fazendeiros de Corumb para cima al ae
ponto de Melgaco. Um vapor paraguayo de nome
Rio Blanco est estacionado na barra do rio S.
Lourengo e Cuyab, outro vapor grande croza
constantemente desde a barra do rio S. Lonrengo
at Corumb, outro cruza Cuyab cima, e j che-
gou bocea do Pirahy de baixo, que tica cinco
leguas abaixo do destacamento de Melgago, de que
falle!, e outro vapor cruza o rio S. Lourengo cima,
desde a barra do mesmo S. Lourengo at onde
desagua o rio Piquiry, prendendo todos os fazen-
deiros que proenram escapar para a capital, ser-
vindo-se para estas prisoes de escaleres armados
que percorrem os pantanas; e tem assim apanba-
*? fazendeiros, negociantes residentes em Cerum-
b, k mais pessoas que buscam trra para vir a
Cuyab, logiodo ns, como se diz, pois que nao
trazera sens bei. estando tudo confiscado, inclusi-
ve os escravos de lanndeiros e mais pessoas que
fogem para os Paraguayos e fkam logo ervindo de
pralicoa para persegurem nao s os seussenbores,
mas tambem a nossa forga de linha.
Um mscate de nome Marcellino Lopes, chega-
do hontem de Cornmb, donde sabio quando o
commandante das armas abandonava aquelle pon-
te, diz que toda a gente qne de Cornmb veio fgi-
da e alcangou Mangabal ainda a beira do Paraguay,
foi all presa em noroero de 300 pessoas. Aceres-
cento qne em caminho para este, tambera foram
presos o fazendeiro Salvador Correa com sua fami-
lia, e multas outras qne de Corumb vieram asy-
lar-se na sua fazenda, e entre estas as do thesou-
reiro da aifandega, inspector da mesma, e todos os
outros empregados, e do negociante Francisco
da Silva Bondao, isto depois de ama penosissima
viagem pelo Pantanal.
< O mesmo Marcellino, sendo igualmente preso
pelos Paraguayes, foi conduzido para baixo at
aos Doorado?, lugar em que outr'ora tinhamos ura
estaleiro commandado pelo offlcial de marinha Du
rocher, que escapea para c no vapor Jaur que
veio dar parte da tomada de Coimbra. Nos Dou-
rados pedindo .Uereellioo ao commandante dos Pa-'
forma da le.
O 2o cirurgiao da armada Dr. Luiz Carneire da
Rocha foi nomeado para servir no corpo de impe-
riaes marinheiros, sendo removido desse corpo pa-
ra o batalho naval o'cirnrgio de diviso "Dr. Joa-
quim Mariano Pereira.
- 18-
As noticias que hontem demos de Matto-Grosso
temos que accrescentar algumas circumslancias
que vem narradas em duas cartas de Santa Anna
do Parahyba, com dates de 25 e 27 de fevereiro,
que nos foram obsequiosamente confiadas.
Diz a de 2a :
Quanto a tomada do forte de Coimbra e fre-
guezia de Albuquerque nada tenho a accrescentar
ao que j sabe. Agora vou dar noticia do occorri-
do as colonias do Alto Miranda e Doorados, do
dislricto militar de Nioac e da villa de Miranda.
No dia 29 de dezembro prximo passado cons-
tau ao tenente-coronel Jacintho Antonio Dias da
Silva, commandante daquella fronteira, que os pa-
raguayos haviam invadido o nosso territorio e to-
mado as colonias cima mencionadas. O tenente-
coronel Das, logo que recebeu a noticia, reuni o
corpo de cavallaria e seguio ao encontr do inimi-
go pensando ser alguma ferga pequea, e quando
avislou-se com elle foi qne conhecen que tinha de
bater-se com traa diviso superior a 3,000 homens,
composta das tres armas combatentes.
c Ahi foi o tenente-coronel Das intimado para
reoder-s* dentro doprazo demeiabora; e sendo
repelala too humilhante proposigo, rompeu o fo-
go da parte do exercito paraguayo, ao qnal Das foi
resistindo conforme Ihe permittia a pouca forga de
que dlspunba, e vendo-se depois cerrado por ura
forte regiment de cavallaria foi obligado a ret*
rar-se para Nioac, e depois para Miranda, afim de
prevenir as coosas para novo ataque.
< Abi, no valle de Miranda, foi o mesmo tenen-
te-coronel informado de que a meto legua de dis-
tancia j se achava ootra grande forca paraguaya.
Neste estado de cousas vio-se obrigado a retirar,
procurando a estrada desta villa com a gente, que
pouca escapou, e nestes seis dias estaro aqni na
villa.
t Consta-me qne aquelles selvagens vio arrazan-
do ludo quanto encontrara, prendendo familias in-
defesas e macando outras. Muitas familias depois
de presas foram lestemunbas dos maiores borro-
res, dos saques em anas proprias casas e das lim-
pas de campos, onde nao deixam ficar ama s ca-
beca de gado.
c As familias que poderam escapar de semejan-
tes barbaros procurara esta villa com o fim de sa-
turen para Minas e S. Paulo, per nao sejulgarem
ainda aqu salvas de semelhante gente.
O tenente-coronel Dias, sua familia, ofllciaes e
as familias fugitivas consto que vem soffrendo to-
da a sorte de miseria e privaees. Amanhaa eu
>
.
MUTILADO I
ILEGiVEL


Mari* *e reraanbae Htgmmn frira 4* Mfi de . 9a
e o nosso amigo Martios seguimos ao encontr
desta gente para prestar-Hte os soccorros que esti-
verem ao n >sso alMoce. Pelo aaguinte correio da-
re i tudo o ruw houver de nova..
Na caru de 17 l-se :
O teiiente-coronel Das comraanica que nos
ataques de Nioac, Dourados e Miranda houve mui
tos roubos, oTensas familias e foram degolados
depois de presos uanoel Ferreira de Mello, Anto-
nio Candido e Prestes, e morrea moita gente nos-
fia. O Das retiroo-se cora o resto das yrac,a, e
Joaqoim Pinheiro, fazanderro, eoodmio a sn as-
ta mais de 400 pessoas, fazendeiros, entre ranV*
pequeos, e acham-se no Sucuri. J se esto
passando fazendeiros para Minas e S. Paulo. Seis
molieres qoe se extraviaram pelos campes morre-
ram de fone.
Hontem chegou aqui un offlcio do Das, que se
cha nos Paulistas, dizendo que CorumD foi arra-
zado, e a gente que nao pode evadirse (oi sacrili-
cada. E o nosso governo dormindo a somno solt'
J ha inuito que pedimos 120 armas para a guarda
nacional desia villa, e nem resposta tivemos, pol
vora tambera nao temos.
Gente nao falla, so aqui pdese armar 250
guardas nacionaes; raascoaw? Todos choram por
nao termos recursos por parte do governo; esta-
mos vendo nossas familias, nossa fortuna e ludo
abandonado por nao termas meios de atacar o inl-
migo. Esta provincia serapre foi desprezada. De
que-serviro os mllhdes gastos no Ilapur ? Para
engordar alguemt
Urna carta de Cuiab com data de 28 de feverei-
ro diz:
No dia 2 deste mez foram agarrados o aspec-
to' da alfandega Eleuterio, Atahba, Martins, Gui-
mariies, e os atgoerantes Saturnino, Antonio ds
Oliveira, Rondom, sendo aotes disso preso no
Mangabal o subdelegado Pares, Maritam com fami-
lia e outros. O nosso amigo capito Coorado, Ca-
marguioho c Barbosa consta qoe foram dcgolados.
O Pinto laintiein est preso, e as pessoas que ha-
via no engi-nho acham-se em Corumb I
i O prndente tem tomado as medidas que an-
tes tomava (Cemiterio), e por ahi veja como e em
Ya cont com os Paraguayos na capital, e labra a
demora delles seja devida a saberem que o Sr.
Levorger commandanto das forjas. A este ho-
mem devenios tudo: a nao ser elle teria havido
ama revolueio e nao sei o rumo que tomara a
nossa pobre provincia.
- 19
Os Srs. brigadero Heunqae Beanrepere ltohan
e ciru gio-mr de brigada do corpo de 6aude do
exercito r. Teodoro Rodrigues de lloraes foram
condecorados, o primeiro cora a'coramenda e o se-
gundo com o habito da ordem de S. Beuto de Aviz
e nao* da Besa.
- 20
Entrou basten do Rio da Prata o vapor de guer-
ra Remfe com datas de Buenos-Ayres al 11, e
Montevideo at 12 do correnle.
O Estado Oriental prosegua no trabalho da sua
reorganisacao, continuando a reinar perfeito aeeor-
militares e o enviado especial, o Sr. conselheiro
Octaviano, que foi mu cordialmente decebido, des-
vanecendo-se as suas primeiras palavras os receios
que por ventura podiam ler suscitado as reservas
do governo imperial relativamente ao ultimo con-
venio.
No dia 4 teve o Sr. conselheiro a sua recepgao
fficial em que proferio o seguinte discurso :
Exm. Sr. governador. Avivando aos olhjs
severos da historia as tradicoes de ama lealdade
de longos annos, quii a Providencia Divina, anda
urna vez, fortalecer a convicco de todas as nacoes
cultas de que o governo de Sua Magestade o Im-
perador do Brasil, interprete dos senliraeotos de
un povo justo e esclarecido, respeita e raantm
com a maior firmeza e prazer a independencia e a
integridade da Repblica Oriental do Uruguay.
Immenso para os seus destinos no futuro e pa-
ra a saa arlividade no presente, o Brasil nao alon-
ga oltios de cobica pelo territorio das repblicas li-
mitrophes, nem aspira a urna supremaca poltica
que Ibes quebrante a soberana e a liberdade. A-
migo desioteressado e constante de todas as nacio-
nalidades sal-americanas, desoja sinceramente que
ellas prosperem e tenham tal senltmento de digu-
dade que as resguarde da sujei?ao a qualqoer des-
potismo. '_
c Os povos escravisados nem seqner dao garan-
ta de paz a seus vizinhos. Sao logo convertidos
em instrumentos de governos delirantes, que so-
Btiam com a impunidade absoluta e ousam violar
o direito internacional.
t E' per isso que o governo de Sua Magestade
o Imperad r congratula-se com V. Exc. pela res
tauraco da liberdade constitucional nesta repbli-
ca e dignou-se de ordenar-mc que proseguisse na
mi'ssao pacifica e amigavel, cujo objecto, por acto
espontaneo do carcter leal e justiceiro de V. Exc.
nao ple inais alterar as intimas e cordiaes rea-
coes entre os dous paizts.
c Taronem o governo imperial tem o prazer He
confesar que p procedimento do governo da rep-
blica, desde que V. Exc. assumio a sua direccao,
tem sido o de ura lliado fiel e amigo verdadeiro.
Julear-me-hei extremamente feliz se, no de-
sempenbo de minha "elevada tarefa, eupoder, de
aecurdo com os desejos do governo deb. M. o Impe-
rador e cura os meus senlimtntos pessoaes, alcan-
zar a hourosa estima de V. Exc e do povo orien-
al.
O general Flores respondeu nestes termos :
t sr. niinistro.-Rerebo com a mala alta satisfa-
go cana credencial de S. M. o Imperador, do
rasil que acredila V. Exc. no carcter de seu en-
viado extraordinario e ministro plenipotenciario
em misso especial.
Agradeco mui sinceramente os senlimentos que
V. Exc. acaba de exprimir era nome de sua ma-
ges'ade, nosso alliado, de cuja loaldade tem lao
evidentes provas a repblica; e me grato espe-
rar que os lacos de siocera amsade e boa harmo-
na que felizmente unem a nacao brasileira e o
povo oriental se hu de estreitar e tornar-se dura-
douros, em beneficio reciproco de ambos os pai-
zes.
Espero com a mais plena confianca que as ds-
tinctas qualidades que ornara a V. Exc. contri-
buirlo efflcazmente para aquelle fim, em cujo sen-
tido V. Exc. achara sempre prompto o mais fran-
co e decidido apoio em met governo. >
Para o dia 22 prepara va o governo da repblica
no theatro Solis um grande baile era honra do\
nosso exercito e armada. Para a coramisso en-
carrilada dos preparativos e direccao desta festa
foram escolhidos individuos do todas as nacoes,
aim de dar-lhe um carcter universal e pacilico
a Repblica Argentina nao ha noticia de im-
portancia.
A 5 seguio de Buenos-Ayres para as Tres-
Bocas a terceira divisao da nossa esquadra eom-
posia das quatro canhonheiras Jequilinhonlia. A'
raguaky, Iguatimy, e Ypiranga; e segundo a JVu-
cion argentina de 11 trabara subido na vespera a
noite mais de oito canhonheiras nossas. Entretan-
to o bloqueio nao poda anda estar estabelecido,
pois que ha noticias de ha ver viudo ultima nenie a
Corrientes o vapor de guerra paraguayo Rio Apa,
que todava retrocedeu sem demora.
. O Sr. visconde de Tamandar veio a Montevideo
'nesta occasiao parece que Heou assentado o pla-
no da carapacha du Paraguay, concordando-se em
deixar toda a direccao ao almirante.
Segundo todas as apparencias, Lpez commettea
-oais um acto de rematada loacara, declarando a
guerra a Repblica Argentina. Nao tinha sido
anda oCQcialroedie intimada esta resolueao, para
que alias j nos haviam preparado os actos do in-
culcado congresso da Assumpco, mas eram tantos
s indicios que mal se poda auvklar que Lpez
quer assim prcipitar a sorte que kwvitavelmenle
o guardav. A este respeito eremos nao poder
azer melhor do que transcrever o sexuinio artigo,
m que a Nacin Argentina, folha sem offlcial, i
cumo sabido, expoz a ti do correte todos os da-
dos em que fonda as suas eoajecturas.
f Urna noticia da malor gravidade circula desde
albado em Buenos-Ayres: tal a deque oty-
ranno do Paraguay, chegando ao paroxismo da'
loucura, depois de ter declarado a guerra ao gene-
ral Flores e ao Brasil, tambem a declarou a Repu-
Mica Argentina, sem outro motivo doqueter-se'
esta negado a conceder jpassagem pelo seu territo-
rio aos ex"roitos qoe o Paraguay arraava contra,
urna nacao amiga, passagem qoe exigi depois de |
'.oUocar um numero consideravel de torcas, em at-
iii:iilrt amea^adora, sobre-a nossa fronteira.
t Vamos dar conhecimento aos nossos leitores
do que temos colindo sobre este particular e qoe
levemos em grande parte aos Paraguayos liberaes,
podendo asseverar que inexacto que o governo
argentino tetiha recebido nota ou documento que
a isto se refira.
i No sabbado chegou-nos a correspondencia de
Corrientes, e nada nos dizia sobre os negocios do
L^_ai!^ E2.^ ver.^ H* entre as mos,1 Antriada Costa AraujoPilho, majorcomman- da Si/ra e moraofa na Boa-rste, e ler morrido
occorrida qaa podesse ser iransmiuido. A pro-
vincia de Corrk-nies conlmuava tran>tutlla, e ne-
fcum moviawntode furcas se tinha feilo aeulir do
lado do Paraguay.
Eslas foram as noticias que cliegaram a Bae-
nos-Ayres, e quo deixaram todos os asimos sum-
mamenle tranquillos.
< No sabbado, entretanto, notava-sea prac* o
commercio ura movimento especulativo, importan-
te e anormal, tendo por fim a compra de mnitos
do desleal lyranno paraguayo a soata do uosao pro- dante de 3. esquadro de cavallarte da rae6ma
prio Marques de Olmda. DeseonOava-se al que
outros dous vapores argenunos o Vinle e Cinco de
Maio e o Gvmlegmu, tivessen na em Garrientes
preza da esquadrilhar paraguaya. Eram meras
desconfianzas mas antonsadas pelo tracoeiro pio-
cegmaaao qne Lopet tem tido at agora.
PeWemenie, ao menos oor agua, em quanto nao
marchavara torcas de trra, la brevemente cessar
mesmo a possibilidade de seinelhanies tropelas pa
guarda.
ttB
DIARIO DE PERKAMBUCO
pblicos j raguayas. Duas divisos da nossa esquadra j na-
pe- vegavam para as Tres Boceas, e no dia 16 devia
segnl-las a terceira, as ordens do Sr. chefe de divi-
sio Barroso, para encurralar os Paraguayos alraz ,
do seu famoso Humayt, que nesta occaaiao val ser gUem-
reconhecido, a fim de Ocarmos sabendo o que vale Rl0' DE j>!utao._s. M. 0 imperador reeeheu no
educto em qa Lope^ tanto se ha. dia 4o corree mez em audiencia pobfcea o Sr.
realmente essa
mllhares de oncas, e a venda de fundos
nacionaes at a soraraa de cerca de 400,000
sos.
c Esta especulacao, que por si mesma attrahia
a alinelo, causou alarma quando se soube que
eram agentes do Paraguay os que a tinham rea-
Usado.
i Desde entao podase annunciar qne
manobra do agiota tinha por base a sciencia
um facto poltico que nao eslava no domi
publico.
Passemos a oulra oceurrencia. do, *0 de abril de 1865.Illm. "e Exm. Sr.-Te-
O nosso correspondente de Corrientes na car- nho a honra de communicar a V Exc.
ta que ja publicamos dizia-nos : mde das ordens do governo imperial
Acaba de sanir do nosso porto um vapor de meo commando passam a operar contra o" Para-
guerra paraguayo que veio trazer correspondencia ; guay, em resposu guerra que iniquamente nj
e condozr um iBdwiduo que detxou no paquete declaroue Taza esta Repblica
Esmeralda, regressando em seguida. l Era consecuencia, vo as mermas torcas blo-
t Do averiguares tollas posteriormente, resul- on '
t
em cooseqnencia de eobmersao.
O patacho hollandez Fenntcliena, cm via-
gem de Trieste para o ooso porto, encontrn a
91 barca fngleza Bankside, de Liverpool para China,
na lat. N. f30' e loa*. N. 19-4f.
Na lat S. 21*30' e long. O. 30, encontrou
"" larca ingleza Spril of Ihe Plym barca franceza
Temos visla joruaas da Rioe Baha, trazid )s Ptrdinand de Lnseps, de B .rdos para a Nova Ca-
pelo vapor fraawez Eitrtmadmre, com datas do ledtmia, cora 47 das de viagem.
prrmeiro at 24 e da segunda al 28 do as-! ""* Anda no sabbado nao se poda instalar a
sado. sessScdo jury por falta de numero legal.
Sob as rubricas Parte Ofital e Interior rao Nomeraco dos bithete da lotera 14*offore-
transcrtpas em touim as noticias mais importan- cidos Pe'<> abaixo assignado para auxilio das des-
les ; alero dessas encontramos mais as que se- P6fas da guerra.
Inleiros ns. 273, 2292 e 3002.
Vtjn.Je-se as boticas de Caors A Barbosa
e C. Bravo 4 C.

OMBEBCIO,
Meios ns. 383, 1550, !!>:, 2I6J, 2947 e 3358.
Quartos o*. 53, 141, 4'?, 743, 899, 1114, 1233.
Bxm. Sr.Te- Senhor.-Tooho a honra de entregar as raaos Thesotirana da* loteras d
c. que, em vir- de V. M. imperial a carta que p5e lermo a missao abnl de 865.-0 theeoureiro,
, as toreas sob do Sr.,coode.de Borchgrase, bem como a qne rae Gues "e souza.
de Pernambuco, 29 de
Antonio Jos Rodri-
acredita Junto V. M. imperial no carcter de mi
nistro're.sidente do rei meu augusto soberano.
Conflando-me este poslo, encarregou-me par-
. De averiguacoes feitas posteriormente, resul- queiar"e hoT.ils7r"s"po'rtes"; m.ora7do"Kr7guav, SlS?gde^selistntStot \ "alWla'
a. segundo afflrmam pessoas bem informadas,' at que, cedendo presso dellas, d completa - malt'"veU^e <^o alta estima c
que este agente era portador de noticias e commu-; tisfacao de todas as offensas e damnos que haja Feliz e ufano oor ser interprete denles agnf.
SSfSSoT S9 COnse"arara ,0,a,a,ete cretas (cansado ao imperio. UfitS?C ZJSSSJTZ
Pa:^ noticias sao ao que parece que ^Se^do^ mS^^^^^^^^^^ ^
Que o presidente Lpez tlzera na Assumpco meu commando que presentemente saben o Pa '
urna proclamarlo formal de guerra a Repblica' rana.
HKPARTigAO DA POT.ICIA
Extracto das parles do dia 29 de abril de 1865.
FeMal recolhidos a casa de deteBcao no dia 28
do correte:
A' ordem do subdelegado do Recife, Caetano e
Jeronymc-, escravos, este de Cassimiro Ponte Fer-
raz e aquelle de Andr de Abreu Porto, ambos para
correegao.
O chote da 2*.seccao,
Argentina.
t Que as communicacoes de que era parlador
o emissario paraguayo teem por objecto annunciar
antecipadamente esta noticia aos agentes para-
guayes, aiim de que, tendo sciencia delta antes de
que o governo argentino, possam tomar as prec>u-
coes de seguranza que julgarem convenientes, e
aproveita-la para operacoes semelhantes a's qoe se
deram na praca e as em que se acharia envolvi-
do o governo paraguayo, que nao juiga desairse
vir a mesa do jogador parar osangne do povo con-
tra um punhado de ouro.
c Damos estas noticias como as recebemos, ac-
crescentando todava que pela nossa parte damos-
Ihes crdito, esperando a todo momento que o Sal-
Permute se que as embarcacSes rstraoheiras
que estad a carregar nos portos do Paraguay dos-
sam delles sahir at viute das depois de esiabele-
cido o bloqqeo.
Os portos da provincia de Matto-Grosso, aber-
tos ae commercio, achando-seoecupados pelo ini-
mlgo. o governo imfierial nao permute que para
lies transitem embarcaedes de qualquer naciona-
lidade que sejam, at nova declaradlo.
Fazendo esta communiraoao a V. Esc, tenho
a pedir se sirva leva-la ao conhecimento do gover-
no, junto ao qual est V. Exc. acreditado, assim
como aos agentes diplomalicos e consulares estran-
geiros, para que prevnam ao commerco de suas
nacoes, aflm de evitar que se expegam navios para
empregare todo o ; J. G. deMesquttu.
meu zelo e cuidado para manter as boas relagoes: ~? Passageiros do vapor inglez Paran, entrado
que felizmente existera entre o governo imperial de Southampton e portos intermedios :
do Brasil e o da Blgica. Eslas relagSes salisfa- Federick Rebiliard, Pfnlogone fierre Adoar,
zem os verdadeiros iuteresses das duas naces, as!suasenhora, 2 lhos e 2 criados. Edward Adour,
quaes, pelo desenvolvimeoto das transaccSe-com-Jos de Souza Penha, JoaqoJm Monteiro, loaquim
merciaes, se habiluarao cada vez maiS a apreciar- de Azevedo Haia, Joan Gonas de Oliveira e Silva,
se mutuamente. Antonio Ferreira da Rocha, Jos Gomes' Loureir.i,
Ousn, sonbor, oxprimir a esperaoca de que no ** Dias Manoel JoMatm Moreira, Augusto Mar-
desempenho das minhas funecoes chefarei a Kran- l'ns Moreira e sua senhora,.
to nos traga a ola do governo que confirme oQi- o Paraguay, livrando-se deste modo das despejas
cialmente estes factos, a respeilo dos quaes em j de viagem que acam at aos lugares bloqot-iados.
nada influir', ante a deslealdado pampa daquelle Aproveto a opportundade para apreseatar a
governo, o tratado que obrtga a nao comegar a v. Exc. ias seguranzas da minha alta considera-
guerra sem urna notiheagao feila com anteceden- 5ao e esilma.-Illm. e Exm. Sr. Dr. Henrique Ca-
cia de seis mezes. valcanti de Albuquerque, encarresado dos nego-
i Esqneciamos dizer que, segundo avisos rece- cios do imperio ad nterin, junto ao governo do Es-
bidos, parece que urna deseas notas do comman- udo Oriental.-Vuconde de Tamandar, vice-almi-
dante de Humayta, e anuuncia a um dos agentes rante commandante em chefe da torga naval do
paraguayos que o governo de Lpez proclamara a | Brasil no Rio da Prata.
guerra contra a rtepublica Argentina, e que em '
virtnde disto tem elle ordem de marchar sobre a
Corrientes com as torgas sob seu co nmando.
Dissemos que tiahamos ouvido que nenhum
destes factos constava oficialmente ao governo ar-,
gemino; no caso, porm, de qu>: este ultimo fosse
verdadeiro, podemos garantir que o Paraguay en-
contrara em Corrientes, nao s elementos de re-
sistencia com que por corto nao conta, como tam-
bera algimia cousa que o faria arrepender da sua
ousada empieza.
t Quanto ao mais, a declaragode guerra Re-.
publica Argentina seria a sentenga definitiva do
processo de Lpez, lavrada pelo sea proprio pu-
nho.
i O dictador do Paraguay tem contra si a razao
e a torca.
Sera necesaria demoestrar a nrtowira I
< A Repblica Argentina neahuma ofensa tem
fe i lo ao Paraguay.
A poltica do governo actual a da paz, e
sempre a da paz. Elle sabe que coia a paz ha de I (ia Couto, juiz municipal e de orpbfios do
ouneniar a Utwrdade, m -M4UuieoM e A.prosneti- -Era, b* tHH>vinm do Amawmas^
dade da Repblica Argentina, e alm disse tem a o bacharel Joaquira Fiuza de Carvalho Jnior,
consciencia de que o programma patifico e conci- |JU1Z municipal -e de or,pbaos do termo de Cuuha,
Iiador que Ihe serve de norma urna das molas na provincia de S. Paulo ;
principaes da sua torga ante a opiniao nacional e I o bacharel Ernesto Das Laraugeira, juiz inuni-
estrangeira; e o governo que to justamente tem cpa| e de orphaos do termo de Cortiba, na pro-
conquistado este crdito ter na lula o grande po- [
der moral que Ihe presta essa mesma opiniao pro-
fundamente convencida de que jamis se lngara
A guerra com o Paraguay ja era popular entre
Argentinos o Orientaes, sorrindo-lhes a iJa de
marchar ecombater ao lado dos rasileiros. Se
urna tripla allianga to poderosa faz demasiada
hoDra ao cacique da Assumpgo, consola a lem-
branga de que precipitado o dosfech", menos sof
frer a humanidade e mais breve sear a hora t
redempgao para os miseros Paraguayos.
Neste paquete veio o Sr. D. Jo Marmol, como
ministro argentino para esta corte. Acompanha-o
o pessoal da egacao.
Por decreto de 8 do corrente creou-se um com-
mando superior de guardas nacionaes no munici-
pio de S. Bernardo, na provincia do Cear.
Por decretos de 18 e 19 do corrente foram no-
meados :
Oconselhciro Joaquim tfereeHii de Brito, mem-
beo da commissao que tem de rever o projerto do
cdigo civil do imperio ;
O bacharel Francisco Leonardo de Souza Mtran-
termo de
na guerra senao usando do sagrado direrto de do-
feza.oo em desaggravo da sua honra gravemente
o (Tendida.
Nisto o goverao seguramente o fiel interpre-
te da vontade geral. O povo qoer a paz, mas por
isso inesrno far a guerra com urna terrivel ener-
ga, quando os seus inimigos o obrigarem a fa-
z-la
E qoe apoio Doder ter um cacique que, como
o do Paraguay, depois de humilhar e opprimh* um
povo desgragado. desembaiaha a espada contra to-
dos os seus vizinhos, sem motivo algum e no meio
da mais completa paz ? lsto emquanlo a's condi-
g5es MONs da guerra f
Emquanto aos seus elementes materiaes, de
urna e de ootra parte, o que diremos, que nao te-
nham visto ja todos com a maior clareza?
t Se o Paraguay tinha que suecumbir tobosa-
mente na guerra que havia provocado o governo
brasileiro, e onde ia ser atogado pela sciencia, pe-
la sciencia, pelo numero e pelos canhoes, o que de-
ve esperar o governo paraguayo quando tenha pe-
la frente e pelos lados o Brasil, a Repblica Ar-
geniia e a Oriental ?
Nos somos inimigos da guerra, porm nao po-
demos ser inimigos da defeza.
Deploraremos profundamente a guerra, que vem
tirar o oosso paiz das condigoes benficas e. fecun-
das em que se achava ; porm evidente que, se
o Paraguay nos declara a guerra, a nica cousa
que f.-.z abrir a cova onde ha de sepultar-se o ul-
timo de seus despotas.
< A repblica tera' feto um sacrificio; porm a
paz e a civilisago ficarao asaentadas na America
do Sul.
Accrescenta cm oatro lugar a mesma folha :
Pelo canal a que anteriormente nos referimos,
fazem-se saber as seguintes -noticias do Paraguay:
c Que o Sa/todeve ser portador da declarago
de guerra.
Que neste vapor veera todos os Argentinos re-
sidentes no Paraguay, e que d'alli foram expulsos
pelo tyranno Lpez.
Que o general Robles, commandante da torga
de Humayta, com ellas e cora as traiidas do Cerro
Len, quem deve vir evadir a provincia de Cor-
rientes, calculando-se as torgas a's suas ordeos em
18,000 homens.
t Parece que a intengao do despota paraguayo,
que nao tem dinheiro nem fazendas com que dar
de comer a's suas tropas, fazer urna correra, re-
colhendo-se mal sima torgas organisadas, e depois
de ter roubado todo o gado que tem os ricos esta-
belecimentes da provincia de Corrientes. >
Para acautelar de qualquer invasad aquella pro-
vincia, peis ja em Mato Grosso mostrou Lpez de
que capaz, mandou o governo de Buenos-Ayres
alguraas torcas guarnecer a margem do Paran', e
ficava preparando outras. Segundo urna carta que
vimos de pessoa autorisada, era menos de um mez
estariain no Loreto 30,000 Argentinos.
O juizo humano perde-se querendo comprehen-
der esta poltica de Lpez. Talvez o tempe- anda a
aclare-
os boatos desta deelarago tinham ja chegado a
Montevideo. Ah a Reforma Pacifica, admiradora
do Paraguay por odio ao Brasil e a' actual ordem
de cousas tanto no Estado Orienlal como na Rep-
blica Argentina, aeolheu-os a'vidamente, ampllan-
do-os e vaticinando ja as futuras victorias para-
guayas. Segundo esta folha, o presidente Lpez
mandou descer a Humayta' parte da sua esquadea
para fazer a' nossa as honras da recepgo, emquan-
vincia do Paran
Foi permittido que os tenentes-coronis comman-
dantes dos batalhoes ns. 14 e 31 da guarda nacio-
nal da .provincia do Para, Antonio de Castro Va-
lente e Jos Garca da Silva, perrautein enlre si
os respectivis comnaasdoe.
Foi elevada cathegoria de sergao de batalno a
eompanhia avulsa doervco da reserva, orRanisn-J
da no municipio de Serinhaem, da provincia de
l'ernambuco.
Foi alterada a organisago ds 1 batarhao de re-
serva Tiveram merc da serventa vitalicia :
Antonio Jos Pessoa Villa-Nova, do offlcio de es-
erivo de orphaos e ausentes dos termos reunidos
de Camet e Baiio da provincia do Para ;
Luiz Antonio Monteiro da Franca, dos offlciosde
tsbellio de notas e esenvao do judicial, crime e
civel do tormo da capital da provincia da Para-
dina ;
Foi exonerado, a seu pedido, o conselheiro Jos
Mariaui de membro da commissao que tetn de exa
nonar o cdigo civil do imperio.
Per decretos de 19 do corrente, foi exonerado
do cargo de seer.tUxio da .provincia de S. Paulo,
Joao Carlos da Silva Telles.
Por carta imperial de igual dala foi nomeado
para aquelle cargo o bacnarel Jos Avelino Gur-
gel do Amaral.
Por decretos da mesma data :
Foi apresentado o padre Custodio Joaquira da
Costa na igreja parochiai do Divino Espirito Santo
da villa da Cruz Alta, da diocese do Rio Grande
Fai presentado o padre Luiz Dolores MorsOa na
igreja paroebial de Santo Angelo, na mesma dio-
cese.
Fooam nomeados cavalleiros da ordem de S.
Bento de Aviz os capilies Joaquim Antcnio Das o
Joaquim J#aaoio Ribeiro de Lima.
-------- I I TlfJ l
Por decreto de 6 do corrente houve S. M.'o m-
.perador por bem ordenar qne o secretario de lega-
gao, o Sr. Leonel Martiniano de Alencar, que se
achava em disponihilulade activa, passaase a ser-
vir na qualidade de encarregedo de negocios inte-
rino na Repblica de Venezuela.
Por decretos de io do corrente :
Foi transferido o capito da 1 eompanhia do 1.
batalhao de infamara, Joao Antonio de Oliveira
Valporto, para a 6." eompanhia do 4." batalno da
mesma arma ; e desta para aquella eompanhia o
capito Joao Baptisia Lopes de Carvalho; .
Foi nomeado o padre Antoaio Francisco Aras
para rapello altores da repariieeo eclesistica do
exercito;
Concedes-se demissao do servigo do exercito,
por assim o haverem pedido, ao 2. cirnrgiao do
corpo de saude, Dr. Antonio Luiz de Almeida ; ao
lente do corpo de guarnigd da provincia do
Amazonas, Joao da Guerra Passos ; ao capeliao al-
tores da repartigao ecclestastica, padre Antonio de
Mello Albnqnerqoe ; ao 2." lente doi. regimen-
t de artilharia a cavallo, Francisco Carlos Perei-
ra Caldas, e ao atferes-ajudante do 13." batalhao
de infamara, Herculano Jos de S Almeida Lo-
bad.
- 22 -
Ante-hontem as 6 horas da tarde, em prea raga
de S. M. o Imperador e do Sr. ministro da justica,
celebrou a sua primeira sesso a commissao orea-
da por decreto de 29 de dezembro de 1863 para
lo a vanguarda do seu exercito, forte de i&OOO ***"*** PIpJerl0 d4 c,oa|K civil redimido pelo
homens, atravessa ja as Missoes Argentinas sob o Di"-Augusto Teixeira de rreitaa.
commando da brigadeiro general Virasoro, debai-!
xo de cujas ordens servem'tarobera o general Ca-
teres de Corrientes e o coronel Beron de Eotre-
Rios, e a reserva, composta de 25,000 homens, se-
gu de perto a vanguarda.
Estas exagerarles cahem por si mesmas, sem
necesssftiade do autor accrescentar despejada-
mente:
Nossos votos sao peio Paragujiy, peto irium-
presentes os senhores conselheiros
de Brito e Aras, desembargador Fi-
Mello e .Drs. Caetano liberto, Braz e
pho do grande principio to cruamcute combatido j rocos da justiga.
pelas testas coroadas. *
2f
Entrn hontem do Rio da Prata o paquete fran- perio.
cez Saintonge com datas de Buenos-Ayres at 13
e Montovieo la do corrate, adiaotando assim ou-
co s trazidas ante-hontem pelo Recife.
A declarago de guerra com que a Repblica
Argentina j coala va da parte do Paraguay, era o
assumpto favorito da aprensa e das palestras, mas
a efle respeito reinavam anda as mesmas do vidas.
O vapor argentino Sallo, da liona da Assumpgo,
nao tinha chegado anda, fazeado esta demora nas-
Marcelino
cueira de
Ribas.
Foram nomeados vice-presidente o 9r. coose-
Ihero Nabuco e secretario o Sr. Dr. Ribas.
A reuniio segrate sei na quinta-feira futura.
A commissao trabalhou e continuar a traba-
lhar em urna das salas da secretaria de estado dos
Passageiros da vapor Paran, saludos para os
portos do sul :
Conselheiro Antonio Conloo de S AUmiuerque,
Dr. Jos Antonio de Figueiredo, Dr. Antonio Boa-
minondas de Mello, Dr. Jos Joaquim lavares Hel-
forl, Dr. padre Lindolfo Jo< Correa d.-s Neves e
1 criado, Gabriel Tourcadet, Dr. J'o de C Ma-
sob auspicios bem folizes ; e as exceiteules rea- chado Jnior e 1 criado, i)r. Antonio Herculano de
coes que tem sempre existido entre os nossos dous Booxa Bandeira. Dr. Jos Moreira B. ".astello Bran-
paizes nao podero dexar deganbar com a manei-!co; Dr- Antonio Machado da Cnnha Cavalcanti e 1
ra como haveis de interpretar os sentiinentos do criado, Dr. Jos R. Gomes de C. Jnior, Joao Pe-
vosso goveruo, os quaes s* igual
gear a confiaoga e alta benevolencia de V. M. im-
perial.
S. M. o Imperador respondeu nestes termos:
Recebo com viva satisfagao este novo lestemu
nho da constane amizade de meu muito querido
irmo o rei dos Belgas.
Vos comegais. Sr. ministro, a vossa misso"
vosso rei e do
mente os meus e os do governo brasileiro.
Do Jornal do Commerco extrahimts as se-
guintes noticias commerciaes :
Cambio.Somraam os saques pelo paquete fran
cez Exlremadure :
Sohre Londres : S 320,000 a 23, 23 l|8ja5 l|4,
25 i|2, 25 5|8 e23 3|4d.
Sobre Franca : 2,000^000 de francos aos extre-
mos de 368 a"378 rs.
Sobre Hamburgo -lo0,0C0 m. b. a 703 rs.
Sobre Lisboa e o Porlo regulou a tabella se-
grate :
lio a 116 Ora vista
114 a 115 0,0 a 30 das.
113 a 113 0|0a60
112 a U3 0|0a 90 >
Achava-se carga para Pernambuco a barca !
d""o Monville, Jacome Josm de Azevedo, Ernesto
W. Loudon, Dr. Antonio Vicente do Nascimento
Fetoza e 1 criado, Dr. Felinto Henrique. de Almei-
da e i criado, Salustoo E. Carnen da Cunha, Ni
coio Uurand, Dr. Silvino Ca alcanti de Albuquer-
i que, Jos Smlh de Yasconceilos e sua senhora,
i Francisco Ferreira Bailar, Eduardo de Mornay,
George G. Starr.
casa dk dktenqao. Movimento do da 28 de
abril de 1863.
Existiam presos 365; entraram4; sahirara 2 ;
existera 367, a saber: nacionaes 278; mulheres 4,
estrangeiros 25; mulheres 2; escravos 53; escra-
vas 5 ; total 367.
Alimentados distados cofres proviaeiaes 138.
Movimento da enfermara do dia 29 de abril de
1865.
Tiveram alta
brasileira Joven Palmyr. ': Joaquina Marinho Faleo.
Sahio para Pernambuco, 20, a escuna portu- Jos Felippe da Silva,
gueza D. Joao. Manoel Jos Severino.
Chegou, procedente de Pernambuco, o brigue Francisco Gomes da Silva.
Cruzeiro do Sul, com 20 dias. i Marcelino Baptista Alvos.
Minas Gehaes.Oalismentode Voluntarios da Cassimiro Marinho Faleo.
Patria continuava era grande escala, por toda a Jos, escravo, sentenciado,
provincia, elevndose ja seu numero a 1,762. Jes, eecravo, sentenciado.
S. Paulo. seguir em 10 do passado, para Mat-; Cemitbrio publico. Obituario
to Grosso, o coiouel Drago, com toda a sua com- abril de 1865.
tLva. I Versia Mara da Paixo, Pernambuco,
do dia 28 de
25 annos,
A presidencia da provincia nomeou para
commandante do 7o batalhao de Voiuutarios da Pa-
'ifc-o JJr. Joaquim Antonio Finio Jnior.
24
Per decreto datado de 22 do corrente den-se
nova organisago s faenldades de direito do im-
Por decreto de 21 e 22 do corrente foram no-
meados :
O capito Beraardlno Jos da Silva, tenente-co-
ronel commandante do 1." corpo do voluntarias da
guarda nacional da provincia do Piauhy.
O capito Antonio Mara Eulalio, teneale coro-
nel commandante do batalhao de infantana u. 12
da guarda nacional da mesma provincia.
v- O tribunal do jprji da capital decidir a
20 annos de priso com trabalhos e multa corres-
pondente, Roiiio e Pataca 20 annos de priso
com trabalho, 5 annos de gales e multa, e os de
mais 12 annos de priso cora trabalho, apenas
absolvendo Nicolao NettO.
Paran.No dia 21 de margo foi installada a
aaaerobla provincial, fkando a mesa assim orga-
uisada: presidente Dr. M. AI ves de Araujo, secre-
tarios Drs. S Ribas e Augusto Lobo.
Espimto Santo Elevavase a 200 o numero do
Voluntarios da Patria, reunidos na capital.
Baha. Pelo vapor Eslremadure seguem para
a Europa 641 oitavas de diamantes.
O mo lempo, que reinava no porlo, fez ar-
ribar o vapor Imperador e a sumaca D. Mana Fe-
liz, no dia 21. I
A prevengao do Sr. commanlanto do vapor
Imperador |e nenhum cavalleirismo do comman-
dante da torga do Rio Grande do Norte, provoca-
rain serios conflictos, que quasi levavam a presi-
dencia da provincia a contratar o transporte dessa^
torga n'um vapor inglez ; o que se nao realisou, i
sahindo o Imperador anual.
Foi bem visivel o eclipse do sol do dia 25.
A presidencia da provincia fez seguir para a
corte, bordo do vapor inglez Gahleo, os corpos
<)e pollcia e o de Voluntarios da Patria de Sergipe
com 548 pragas e o corpo de Voluntarios da Patria
da Cachoeira com 460, ao todo i,0i8 pragas.
O transporte fui justo 10,5000 rs. por cada pra-
ga e 305000 por cada olBcial, fornecendo o gover-
uo raucho e aguada.
O cambio -ficava sobre Londres 25 1|2 e
o :|S por 1.3000 ; sobre Hamburgo a 675 rs. por
ra. b sobre Pars a 37o rs. por fr e sobre Portu-
gal de 98 10 Ojo-
Estava a saUtr para Pernambuco a escuna
Georgiana.
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
Por portara de presidencia de sabbado foi
prorogada a assembla provincial at o dia 10 do
corrente.
O supplemenlo, que fizeraos destribnir sab-
bado i tarde, contm a carta de nosso correspon-
dente-de Londres e resumo de noticias da Euroqa.
vaper brasiltiro Cruzeiro do Sul devia sa-
hir do Rio de Janeiro, para as provincias do norte
do imperio, sabbado 29 d* passado.
No dia 2i entrara no Rio de Janeiro o vapor
Jaguaribe, da Companhia Pernambucana, condu-
zindoo corpo de voluntarios-do Ceara.
Remettem-nos o seguinte :
t Sr: redactor da Revista Diana.Certos do in-
terese que Vmc. contina a tornar pela moralida- [
de publica, e por outro lado conhecendo a boa von- i
tade com que se presta sem dislincgo s reclama-'
coes justas que Ihes fazem os que julgam prejudi-'
nados os direitos ua commuuho, roganio a Vmc.!
de inserir em sua Revista a seguate reclamago
quem tocar.
c ILraiem por occasiao da passagem dos Volun-',
tartos filhos desta ierra, que coberlos de acclama-
coes e de heneaos faziam o trajelo do qoartel do
Hospicio ao arsenal de marraba, observamos com
dor, a-par da mais sublime manifestago de um
grande povo, o desenfreiamento mais escandaloso
que temos visto, de pragas de ora corpo de 1*
Imha I
t Soldados do 4o corpo de artilharia de bragos
dados ara grapo de eapadocics, livres e escravos,
armadas d.e pao extrugiam os ares com vivas e;
palmas a moicado40 batalhao, quem rodeavam. j
< Na ra do Imperador foram os espectadores''
tesiewonha deHim dos excessos dese grupo ; pas- [
sava um individuo, e como trocasse orna palavra i
obscena, um soldado do corpo de artilharia desem-
bainhou um sabr e quiz vara-lo, e a nao ser agar-
rado |>elos seus comparsas, teri-o feitOv 'al era
o seo estado de licenciosa indisciplina.
< Kii.liui esse grupo forma va um quadro repug-
nante e selvtico, festejando os seus proprios ex-
cessos, a parle do lodo harmnico e aBimado, que
representava o prestito.
< Pedimos, pois, ao Exm. commandante das ar- .
mas que na parte que ihe compete, secundo as pro-
videncias poUciaes, para que a moralidade publi-,
ca nao seja mais ultrajada por semelhante modo.
c Emendemos que sera o accordo do comman-1
dante das armas e do Sr. chefe de polica nada se
far.
Fot encontrado o cadver de urna preta, jun-
lo ao caes do theatro de Sama Isabel, e depois de ,
procedidas as indagacoes o diligencias neeessarias,
veriflcou-se, pela subdelegara, que dita preta era
escrava de ama viuva cbam'ida Mana Francisca !
solteira, S. Jos, hesolerla.
Francisoa Umbelina Braga Freir, Pernambuco,
30 annos, viuva, Pogo da Paoella, gastro iute-
nte.
Clara dos Beis, Pernambuco, 4 mezes, Santo Anto-
nio, um tumor.
Innocenco, Pernambuco, 9 mezes, Santo Antonio,
convutee*.
Eduardo, Peanatnbuco,-6 meaes, Sanio Antonio,
deatioo.
Noberto, -Pernambuco, 40 mezes, Boa-Vista, den-
tigao.
MrjvCAjttj A PEDIDO
HUMA VIDA SALVA
Niio temo* conhecimento algum de nenhum
caso que tao pei-feitann^ite mostr d'uma ma-
neira a mnis clara o persuasiva o poder da
Sciencia Medica sobre a molestia; qurf seja o
de Antonio Joaquim Pkkkuia, da Bahia.
Este 'uomeni infeliz liavia mais d'nm anno qne
soffria as dores ns nutia atrozes c pungentes
proveniente de
Trezo
TeniveSs Ofeagas Abortas
etpaHndaa |>or sobre dttbnatea parteg de seu
cor]x>. sondo una das quaes sobre o peito do p
urna funda e maligna cmtga, a qual o privava
de andar, cauzando-lhe as dores as mais agoni-
Bantaa quer de dia quer de noute; continuada-
mente atormentado por taes affliccoes e dores,
e quasi que alx>rrecido da continuacao de sim-
ilhnnte vida, tendo posto de parte toda a fe' e
coman i.; ejii unidocinas, e na realidade pareca
qu para elle nao Ihe restava mais esporansa
alguma ; asshn pois resignado esperava com-
paciencia o termo final de seus mutiplicados
soffrimenios, eis que milagrosamente j)or for-
tuna sua llie receitario o grande purificador
do sangee
A Salsaparrilha
DE BRfSTOL
e mediante s. sua grande efficacia o excellencia
elle se achou dentro de pouco tempo, livre ds
sen irreinediavcl estado de desespero, c a doce
e risonha esperanca tornou de novo i revivor
em seu cora'.ao; sob a poderoza e benvola in-
fluencia deste admira vel medicamento, as suas
chagas em breve principiarao assumir um ca-
rcter favoravel diminu ndo o aspecto de sua
malignidad,.- A massa do sangue e mai
humores do svstema tornou adquirir urna
apparencia clara e suudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora 'o duixarao, e ama doce
e suave tranquillidade principiou prfcorrer
todo o u systema. restaurando-lhe a desejada
paz e socrgo d'espirito; as chagas urna um
so forao fechando ate' que finalmente se cica-
tri/arJo d'nm todo, e boje acha-se perfeita-
mente s.'.o, gosaudo d'um peifeito estado de
saude, depois de se ter valo privado d'wate
grande gozo durante mu d'um anno. Elle
duraste esta sua cura, apenas fez uso da
Denude garrafas da Genuina Salsr.panilhi
de Brisiol, preparada exclusivamente por
LANMAN & KEMP,
e NOVA VOKJk.
Reoommenda-se mui particularmente aos
Dix-ntus d'ambos os sexos, quo empreguem
toda a camella na esoollia d'este admiravel
remedio, afim que nao obtenliao outra com-
posi,So qualquer, que nao seja a Salsaparril-
ha Qanntna de Bristol, pois que todas as
mais proparaed.1* e imitacoea d'esta natureza
sao .Balsas afin possuindo virtude r.lguma.
Cala lial do banco do Brasil en
Peruanlmco.
A directora desta cana saca sobro o banco do
Brasil uo lito de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Itahi.
X0vm banco de aPdTruam-
biico.
O Lauco desconta letras na preserve semana a
prazo de qualro me-
niezes, e lima dinhti-
Dtenoi de tres mezes.
%<>voJkimico de Peruaubnee.
O banco paga o 14* diridendo na razede8^
dor acro.
Caix filial do banco do Brasil
cm Peraambuco.
19 de abril de 1865.
Tendo-se desencaminhado do espolio de Bernar-
do Jese Piulo a cautela de 43 acedes das loeajisa-
das nesta caira, sob ns. 1239 a 1281, a directeria
faz publico a quem loteresaar poasa, que por pane
d-i Antonio Jos Ramos de Oliveira, do Rio de Ja-
neiro, tutor dos herdeiros do dito Pinto, se vai
aqui proco ter a ransererieii das referidas acedes
para o nomo dos isesroos berdewos.
O guarda-livros,
Innacio Nunes Correia.
AIJ-WXEGA.
ReodimentO do dia 1 a 28......
Itera do dia 29...............
G17:230j20;
M:J*fOtI
612:0ii5526T
IMOVIMENTO DA ALFA.fDKCA.
Voltimes entrados com fazendas... 33
com gneros..
Volumes sabidos com'fazendas.
com gneros..
121
-----157
59
568
------627
Oosarregam no di I*de maio de 1865.
Patacho inglezSoia/i 'r/mmuereadorias.
Barca ingleza -Aona/ii-idem.
Barca Ingleza Relie Paule g'gos com braca.
Patacho inglezJohn Byrisdiversos- gneros.
Patacho hollandezFenncchmn farinna de trigo,
Brgue argentino Votantefarinna de triga.
Patacho nacional-Ju)oi/(7ofarinia de trigo.
Bares dinamarqueza -Borodem.
Lugre italianoLorenzo Valerio -dem.
Patacho inglezGriu/feslucalho.
Lugre portuguezJn//o echlas e batatas.
Eseusa ingleza C'otnnwdore ferro e earvao.
Brigroe inglezByzantium ferro era barra por
fra.
Brisiue nacional Henriqnes diversos genero.-.
Polaca italianaFebe iicm.
Brigue nacional -Pallas-charque.
Barca portuguesa S. Joao dem.
Escuna haooveriana Gezinaidein.
Barca nglezaTiyii -earvao.
Barca inglezaCommodore lera.
Brigue inglez habelluidera.
Brigue inglez Use/ul dem.
Barca belgaSoplar Theo'lorine idera.
Barca norneguense Tasminia -dem.
HECBBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS
UEKAES DE PER.NIMBUCO.
Rendimeutododia la 28....... MMSW89
dem do da 20................. 1:405*786
12:8541373
CONSL'LADO PROVINCIAL
Rendimento do da 1
Idera dodia 29.....
a 28.
72:7f 8*007
: 105*703
76 793*712
PRAQA DO RECIFE
f> 1E ABRIL E IH6..
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........Saccou-se sobre Londres a 23,
A-5 .23 A e25d. |wr 1*
sobre Pars a S8 r-. oor fr., e
sobre Lisboa de 106 a 112 por
cento ao anno ; elevando-.-e os
saques effectuados durante a se-
mana a 80.000.
Algod"......... O de Pernambuco vendi.u-se de
12*500 a 13*300 por arroba, o
de Macei, poslo a bordo, a
12*600, nao havendo vendas do
da Paralaba.
Assucar........O branco vendeu-sc de 3*400 a
3*800 por arroba, o sonicnos a
2*800, o ma 2*200 a 2*i(>0, e o bruto de
1*8(10 a 1*880.
Agurdente..... Veiideu-se a 75*000 a pipa.
Carne secca..... A do Rn -Grande do Sul veudeu-
se de 2*600 a 3*200 a arroba,
licando em deposito 289,,4T6 ar-
robas ; e a do Rio da l'rata ven-
deu-se de 2*600 a 3*, licando
em deposito 47,623 arrobas.
Couros ........Os seceos e salgados venderam-
se a 140 rs. a libra.
Arroz.......... Vendeu-se o .pilado da ludia a
2*800 a arroba.
Azeite doce...... O de Lisboa vendeu-se a 2*300
o galo.
Bacalho.......Retaihou se de 3*IOOa|16*OCO
por barrica.
Batatas......... Vendeamse de 1*300 a 1*500
Bolaxinhas.....dem a 2*600 a liarriqumha.
Caf..........Vendeu-se de 6*800 a 7*200 a
arroba.
Cha............ dem de 1*900 a 2*200 a l.bra.
erveja........Vendeu-sc de i*50 a 6*000 a
duzia de garrafas.
Farlnha de trigo. A de Philadelphia c NewYoik
retalhou-se de 17*080 a >8*0C0
*or barrica, a de Baltimore a
17*000, a de Trieste a 20*000
e a do Chile a 7*300 o sacco de
cem libras; ficandoem deposito
2,000 barricas da primeira,
10,300 da segunda, 2.300 da ter-
ceira, 14,000 da oaarta e 7,800
saceos ; ao todo $.800 barrica*
e 7,800 saceos, inclusive 9 car-
rogamentus chegados durante a
semana.
Louca.......... A ingleza vendeu-se com 320
por cento de premio sobre a fac-
tura.
Mantega....... Vendeu-se a ingleza a 1*100 a
libra, e a fraa-.za do 700a 800
rs. a dita.
Massas......... Vender m-s a 3*000 a raixa.
Oleo-de linhaca.. dem a 1*60 o galao.
Passas......... dem a 3*000 a dita.
Queijos........Os flamengos vendurara-se a
2*000 cada un.
Sabio.......... O iuglez veaeu-se a 133. rs. a
libra, e v do Mediterrneo a 560
rs. a dita.
Toucinho....... Vendeu-se a 9*30) a arroba do-
de Lisboa.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de-
90*600 a H2* a pipa.
Violtos.........Venderam-se os de Lisboa do
180*000 a 200* a -pits e os d
ootros paizes do 180* a WO*.
a dita..
Velas...... As de romposieao vender so
a 530 rs. por paco.o do 6 velas.
Descintos.......O rebate, de letras regulou d
( 8 a 10 por cento ao auno.
Fretei.......... Para Li-erpool pelo lastro 5/--
a 12/6 5 /*: pelo algodo }i d.
a 5/s3"/o ; e para o Canal, car-
regando na Parahyba 33/
pelo algodao.
8%
MOVIMENTO 90 FOUO
Novios entrad? no dia 29.
Soolhamptcn e portos intermediosVapor inglez
Par-ma, de 1.865 toneladas, coraraanlanta Ro-
ADOl


-
i
Diario de reraaatbnee .-- toeguada felra A t
de 1S*.
bert Wooleward, equipagem 132 pessoas,
faiendas e oatro gneros.
Lisboa23 dias, logre portuguez Julio, de 227 to-
neladas, capilo Francisco Antonio Meirelles,
equipagem 13, carga vloho e ootros gneros ; a
Tnoraaz,d'Aquino Fonseca.
Cardiff 35 dias, barca noruegoense Tasmanta, de
359 toneladas, capito D. Nawit, equipagem 12,
carga carvao ; a W i I son & UVU.
Navios sahidos no memo da.
SoathamptonLancha nacional Ros, capito Leo-
nel J. de A. Fando, carga diferentes gneros.
Porto* do SulVapor inglez Paran, commandan-
te Wooleward.
Rio de Janeiro -Escuna hollandeza Hendnck,capi-
llo J. VesserT carga a mesma que trooxe de
Trieste.
ObsertaQo.
Suspendeu do lamaro para Plymowlhe, a barca
ingleza Spril of lite Plym, capito Shilstow, com a
mesma carga que trouze de Iquipe.
carga recebe carga a frete com modo : a
mestre na escadinha eu no caes do

IDIT1ES.
111M VIH DE Ii:it\ lMItl < O.
tratar com o
Ramos n. 24,
'COHPAKHZ BRASILEIBA"
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado des porlos do nor-
te Jal o da 2 de maio o vapor
Paran, commandaate o capito
de fragata Antonio Joaquim de
_____Santa Barbara, o qual depois da
demora do eos turne seguir para os portosdo
sul.
Desdej recebem-se passageirose engaja-sea
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no da de sua e negada, encom-
mendas edinheiro a (rete at o da da sahida as
Inoras: agencia, ra da Cruz n. i, escriptorio
de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir com rauila brevidade a barca
Rio de Janeiro, lendo parte do seu carregamento
engajado: para o resto que Ihe falta e escravos a
fretes, para os qoaes tem encllenles commodos,
trata-se com o seu consignatario Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo, no seu escriptorie na ruada
Pela secretaria deste pispado, se faz publico que Cruz n. 1.
o Exm. e llvou Sr. vigario capitular para maior
facilidado das pesseas que o procuran) fra das
horas do despacho, para casos urgentes, principal
Para o Rio de Janeiro.
O brigue escuna Joven Arlhur, pretende seguir
mente uestelempo de invern,Tesoveu definitiva- com rauita brevidade, tendo parte de seo carrega-
mente a sua residencia para o seminario episcopal
de Olinda, onde pode ser procurado na occasio do
expediente das 9 horas da manha al as 2 da tar-
de ; e para os casos urgentes a qualquer hora do
dia ou da noite.
O secretario do bispado,
Conego Joaquim Ferreira dos Santos.
O Dr. Tristo de Alencar Aranpe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz
do commercio, nesta cidade
ment prompto : para o resto que lhe falta e es
era vos a fretes, paraos qoaes tem bons commodos,
tratase com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio de Janeiro.
Segu nestes oito dias o brigue escuna Nao sei,
tendo doos tercos do seo carregamento a bordo :
i para o resto qoe lhe falta e escravos a frete, para- ranho.
e aireiio especia os qUaes lem Dons commodos, traia-secom os seos
do Recua, capital: consignatarios Antonio Loiz de Oliveira Azevedo
da provincia de Pernambuco e seu termo, por4 c no seu escriptorio na ra da Cruz n. 1.
Sua Magestade Imperial e constitucional o Sr.----------------*" -------------------
D. Pedro II, quem Deas guarde etc. PARA LISBOA.
Faco saber aos que o presente edital virem, e: Palach9. porloguez Mana da Gloria, capito
delle noticia tiverem que no dia Io de maio do cor-! Valente, vai sahir breve, recebe carga e passagei-
renteanno se ha de arrematar por venda a quem res :, ,IaU"se com.? consignatario E. R. Rabeilo,
roa do Trapiche n. 44.
fra e boas accommodacSes no referido sotao, co-
xeira fra e boa estribarla para tres ca val los Os
senhores pretendenles podem examina-lo desde ja,
para o qoe se acha a chave na mo do referido
agente, roa do Vigario o. i I.
O leilo ter lugar as onze horas da manbaa do
da 6 de maio a porta da Associaco Commercial.
A200E5OORS-
AVISOS DITEBSOS.
LOTERA
AOS 6:000,51000.
SabbadoC de maio do corrente a'ino se ex-
trahir a 31 parte da 4a lotera (141) be-
neficio da Santa Casa de Misericordia, no
consistorio da igreja de Nossa Senhota do
Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Osbilbetes.meiose quartos estao a ven-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. 15.
Os premios de" 6:0000000 at i00000
serao pagos urna hora depois da extrccSo
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas s ment at a noite da vespera da extraccSo
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Michel Norat, francez, retira-se para o Ma-
**.
%m

A 500 rs. a cuia de fe jo mulatinho.
A 500 rs. a cuia de feijao mulatinho.
A 200 rs. a cuia do bom milho.
A 2(0 rs, a cuia de bom milho.
Cheguem depressa a esla pechincha at que se acaba o qual se uende por este pre-
co pela proh bico que ha as ribeiras.
Saceos grandes de milho novo a 4.
Dito dito de feijSo mulatinho a 9)5.
Ra dos Quarteis n. 22 junto a loja de funileiro.
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQAO DE LONDRES
DE
THOMAZ TE1XEIRA BASTOS
N. 60Bua da Gadeia do Becie-N. 60
Precisa-se de urna ama para todo servico
de urna casa : a tratar na ra do Livrament n.
20, segundo andar.
mais der em praca publica deste juizo, na sala dos
auditorios os bens seguintes :
Floreneio, crioulo, que representa ter 33 annos
pouco mais ou menos, avahado em 650$. Chris-
tiana, cabra, que representa ter a mesma idade,
avahada em 7005. Sophia, cabra, representa ter
1C annos, avallada em Kt.o$, os quaes foram pe-
nhorados por exeenco de Juaquim Luiz Vires,
contra o Dr. Joaquim Elviro de Moraes Carva-
lho.
E havendefalta de lanzadores ser a arrematarlo
feita pelo preco da adjudicarlo com o abatimento
respectivo da lei.
E para que chegue ao conheclmento de todos
mandei fazer o presente edital, que ser aunado
nos lugares do eos turnee publicado pela im-
prensa.
Recife, 30;de marco de 1803. Eu Manoel Mara
Rodrigues do Nascimento, escrivo, o subscrevi.
Trtstao de Alencar Aranpe.
L IL OES.
DECLAR1CGES.
Leilo de passas.
HO JE
O agente Pestaa far leilo por conta de quem
pertencer de 40 Cdixas com passas em nm ou mais
lotes para fechar factura, spgunda-feira 1 de maio
as 10 horas da manha na porta do armazem de-
fronte da alfandoga.
HlLlO
DE
Dividas perteoceutes a massa fallida
de Francisco Gomes Castellao.
ioji:
A reqnerimento dos administradores da massa
fallida de Francisco Gomes Castellao, e despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, o agen-
te Pestaa far leilo das dividas que foram so-
minie da massa fallida do mesme Castellao, na im-
portancia.de 15:880^310 rs., conforme a relajo
em mo do agente onde pode ser examinada, e se-
rao vendidas a porta da Asseciacao Commercial,
segunda-feira Io de maio prximo vindouro pelas
doze horas da manha.
^ feira semanal
demobilias, relogios, clin rulos colla-
rinlios de papel e outros muitos ar-
tigas.
<*"-.-::
sala do conseho, a'll toras da man'hai do" dia 29 Segunda-feira 1 de m,io s 11 horas no armazem
do correle.
Na roa da Cadeia do Recife
gens h. 44, deseja-se fallar com o
Fernandes, a negocio de interesse.
loja
Sr.
O conseho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seeuinte :
Para o hospital militar.
1 panno morluario.
Para a companhia de voluntarios
300 covados de panno azul.
4JO ditos para capotes.
210 covados de baeta.
120 varas de algodozinho.
20 amageos.
30 mantas de la.
Para o corpo de voluntarios do Cetra.
2S0 mantas de la.
As pessoas que quizerem vonder ditos rticos,
apresentem suas proposias em carta techada, na
do agente
Todos os arligos abaixo mencionados, foram comprados recenlemente pelo dono do estabele-
cimento as principaes fabricas de Paris, Londres, Birmiugham, Manchester, e em diversas cidades
da Allemanha, e tendo comprado tudo as melbores condicoes por ser a diuheiro, por isso vende todo
e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mu principalmente por qoerer Inteiramenle liqui-
dar e ter de partir muito breve para a Europa.
Ha neste vasto armazem ricos objectos com bnlhanles, como boloes, anneis, rosetas etc., e
. bera a*sim, diversas obras de ouro,' como trancelins, correnloes, oculos. face-mains, anneis, e muitos
,, 2 doseaorKeg? franjo, sunaito porto-1 outros artigos, relogios de ouro, ioglezes, do afamado fabricante Bennetle ; completo sortimento de fa-
SlnK t i, imperio, e vai em soa pendas finas e modernas ; miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes iuglezes e
compannia sua mumer.______*__________.._^_ | francezes, como L. T. PIVER, Lubin, L. Legrand, Ed. Pinaud 6t Meyer, eletlrez Parfumerie du
Joe de Paiva Mattos. sua senhora, um filho mond lgant), Violet, Societ Hygienique, Monpelas, Mailly, Rtgnier, P. Gueland, e inglezas de Eug.
menor e sua prima Mara Isabel, subditos porto- > Rimmel e outros ; ricas galantarias em marfim, mar de perola, etc., fabricadas na China e ao Japo;
guezes retiramse para a llha de S. Miguel. j ricas pega* de cristal fino como ainda nao appareceram nesta cidade, e Lem lisia modernos lustres
j para velas, diiospara gaz e para petrleo, serpentinas, castigaes, enfeites e adornos para cima de con-
, solos e para grande toillette, o qoe se tem feito de mais elegante em Paris, em Londres, Birmingham
i etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para cha e caf, os quaes nada tem de inferior prata,
I e muitas outras pecas do niesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de se-
Descontam-se notas do banco do Brasil e das nhoras, excellentes luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf,
caixasfiliaes: na praca da Independencia n. 22. ditos para jantar, e immensos artigos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras,
Augusto Coelho Leite e Francisco Antonio etc- i calgado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de panno c&m sola de borracha, pianos dos
de Albuquerque Mello declaram ao corpo do com- celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli A C, para se tocar na ra, ditos
mercioe a todos aquellescom quem tem relacfcs com Hgnras para saloes e ditos com figuras em movlmeuto ; modernos e bonitos instrumentos de physi-
commerciaes, e a quem possa inleressar, que nes- ca (mgica) para theatros ou s>loes, ditos de phantasmagora ; lanternas mgicas, cosmoramas com
la dataodissolveram amigavelmente a sociedade vistas novas, dia e noite ; stereocopios de nova iuvencao e com bello sortimento de vistas das principaes
que tinham na prensa de algodo no Forte do cidades da Europa ; grande sortimento de brinquedos tinos para enancas, e bonecas fallando papai,
Mat'os n. 9 sob a firma de Augusto Lete & Alves, mami; grande sorlimento de candieiros a gaz, os que se tem feito de mais elegante e qoe lem mere-
ndando encarregado da liquidaco da casa o sooio cld. loda a aceitacao na Europa, grande e magnifico sortimento de caixinhas, cestinhas e oulras galao-
Aupusto Coelho Leite. Recife 24 de abril de 1865. terias ''as de crina e seda propnos para presentes; grande sortimento de estampas finas coloridas
Manoel Ferreira Pinto faz nuhlipo me pom- com fundo pet0 e de oulras de lodos os santos,dijas com figuras editas com novas paysagens para
nrou i^Manoel Paulino do^ NascimVn ^ a taherna cosmoraraas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de christal propno
SST inYSm?& f^TSE fai o nre P"a me0 de meSa deJanlar ou Para Jardim culelaria l,Da- como ,aiheres com cabo de melal D0' C0'
sent annuncio consiar uz o pre lnereS( ti,eSouras fioas, ditas modernas para alfaiates, navalbas finas, caivetes e ootros artigos, diver-
____ '__________________ i sos artigos feitos de rame; completo sortimento de mascaras de velludo, setim, cera, papelo e ara-
Alogamse doas escravas para servico inler- me, doces, confeilos e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferro de|todos os tamanhos, lava
no de casa de familia, as quaes cozem, co.-iuliam torios, etc.; ricos qoadros para cartoes de visitas e ditos grandes e pequeos para retrates; chapeos
e engommsm : a tratar em Santo Amaro sobrado de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer cal, ditas para baler ovos, proprias
junto ao cemiterio inglez.___________________j para quem faz po-de-l, bolnhos, etc.; bellos cortinados arrendado?, verdes, encarnados e brancos ;
Precisase de urna ama para casa de doas' Pannos Para cobrir mesas, boleas grandes e pequeas para viagens, e ontros artigos, como Cobertores,
pessoas proferindo se escrava : na roa da Penha !?.a'As:_eJc,j. sortimento de violoes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galantarias e outras pecas
n. 23, secundo andar.
Precisase de urna ama que emenda bem deco-
tora e alguna servcos de casa, para casa de pou-
ca familia : na roa do Ranga! o. 3.
Ama.
Precisa-se de orna ama para todo servico na
travessa da Cruzes n. 2, primeiro andar.
Aluga-se orna meia-a^ua na ra do Alecrim-
a trater na roa Direila n. 24, padaria.
Consultorio medco-cirorgice di roa larga do
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exercicio de sua profisso na
s na parle med cacomo jambem na crurgica.
Quem precisar de urna ama de lefle dlrifal.
se ra do Pilar, no fondo do assougne n. 93.
Aku'a-se o terceiro andar da ra da-Impe-
ratriz n. 3i, com muitos commodos, trata-se
baixo no estahelecimenlo.
em.
Desappareceu ante hontem
larde da praca do Corpo Santo, um cavallo russo
pombo com cangalha e garajos e com os signaes
seguintes : inteiro, tem um signal encoberto,
de bom tamanho, tem a cauda bastante grande :
quem o pegar leve-o em S. Lourenco da Malta a
Herculano Jos de Barros ou boleo no eeposito
geral.
j de charao para toillette; machinas para varrer o chao, excellentes machinas para pbolographia para
c c-rr.7 j 'tirar relra'os, grandes e pequeas; lindos baloes de papel fino transparente e lanternas coloridas para
pelas 6 horas da iinmna,.;w \ mnH, * d.,: uiJ
illominafoes moda de Paris, salva-vida de borracha, para homens e senboras, proprios para quem
toma banhos em lugares fundos ; ameixas novas era caixinhas, biscokoi inglezes em latas, graixa in-
gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, queijos etc., e muitos ootros artigos
que para eoomera-los seria ora nunca acabar, e todos se veodem barato e muito barato no grande ar-
mazem da Exposigo de Londres, na roa da Cadeia do Recife n. 60.
de nompras do ar
iMi'i. (i encarre-
OLYMPIO
Sala das sessoes do conseiho
seal dt; guerra 27 de abril de
ado da escrpturac,o,
Manoel Joe de Azevedo Sanios.
_ Pela subdelegada do i- districto de Jaboa-j 36ttua da Cadeia do Reeife3
to se faz publico que fui preso e acha-se recolhi-
do a casa de detenco o cabra Manoel, que diz ser
escravo de Galdinr. Alves Barbosa, morador era
Capoeiras da comarca do Bonito, e que declama
andar fgido desde 6 de janeiiu 00 correllte auno.
Jaboato 20 de abril de 1863.
O subdelegado supplenle
Jos Fernandes Monleiro.
Santa Casa de Misericordia do
Recife.
A Illm1 junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 4 de maio prximo vindouro, pelas 4 horas
da tarde, na sala de suas sessoes, tem de ir pra-
ca as rendas do sitio da Mirueira, pertencenie ao
patrimonio de orphos por lempo de 1 a 3 annos, objectos em mo do me%o Martin
servmdo de base arrematacao a quantia de 1005 deia n- 9> primeiro andar,
pela renda animal, cora a clausula especial de nao
poder o arrematante fazer carvao nem tirar madei-
ra e lenha as matas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 28 de abril de 1865.
O ecrivo,
F. A. Cavalcant Cousseiro.
AMA.
Precisa-se de nma ama que saiba cozinhar bem
c comprar para casa de pouca familia : a tratar:
na ra do Queimado, loja n. 5.
O Sr. Jos Rodrigues Freir de Carvalho, j
queira dirigirse ao escriptorio de Marques, Bar-;
ros & C, para negocio que ihe interessa..
DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se moedas de onro e notas do Banco, e bem assim urna collecco desde um centesimo
at rail francos : vende-se barato no Recife ra da Cadeia n. C0.noarmazem da Exposico de Londres.
CQRRIIQ GEftftL
Relaeo das cartas seguras existentes na admi js-
Iracto do corre desta cidade para os m-
uhores abaixo declarados :
Ballhazar Goncalves Machado.
Dr. Carlos Justiniano Rodrigues.
Candido Vieira da Cunha.
Dr. Felippe de Figueiroa Faria.
Francisco de Mello Brrelo.
Joaquim Pedre Brrelo do Reg.
Joo Baptista de Albuquerque.
Jos Carlos Goncalves da Silva Sampaio.
Jos Joaquim de Lima.
Raymuoda.
Vicente Francisco de Oliveira.
Leilo de diversos movis, roupa asa-
da c pertences de una padaria.
Martins far icilao por ordem do Illm. Sr. Dr.
cnsul portuguez, de diversos movis, roupa usa-
da e pertences de urna padaria, constando de um '
fumo, tendedeira, fmacelra, ura telheiro grande
cem sotao para-guardar barricas, cylindros, fari-
nha de triga, barricas vazias e muilos outros ob-
jectos de uso da padaria, tudo pertencenie ao es-
polio do finado Firmino Pacheco Gomes.
HO JE
O leilao ter lugar na praca da Boa-Vista n. 14,
onde se acha collocada dita padaria s 11 horas,
os enneorrntes podem_examinar a relac dos
. a ra da Ca-
Leilao
ve duas casas juntas formando urna grande,
edificadas era chaos proprios na Capunga Velha,
penltima a direita de qnem vai para o porto do
Lasserre com 4 salas, 7 quartos n interior, gran-
de cupiar, cosinha fra, quartos para pretos, co-
cheira e estribara, a qual fica entre dous portoes.
Tercafeira 2 de maio.
O agenle Pinto far leilo as 10 1(9 horas do
dia cima dito da casa supra mencionada, com
autorisaco de seu respectivo senhor, o qual leo
devora se elfectuar no dia e hora cima ditos em
seu escriptorio ra da Cruz b. 38.
Leilao
De ama grande casa com 4 salas, muitos e gran-
des quartos com janellas, calcada toda a roda, ter-
Tiits i ru
DE
S. ISABEL
EMPREZA--0OIMBRA
O. recita da assignatura.
Quarti-feira &$e maio de de
186K
ESTRA DO ARTISTA LUIZ CaQLOS AM0ED0.
Subir a scena pela primeira vez nste theatro
o magnifico e interessanie drima em 5 actos, ori-
ginal francez de M. M. Aiuoet Bjurgeois e Ad.
D'Ennery.
AFILIIA OLAVIUOR
PERSONAGENS. ACTOBES
Champloux................... Coimbra.
Anlr Saunel................. Amoedo.
Alberto de Sivry, seu irmo..... Borges.
O conde de Laogeac........... Lisboa.
Naotier, notario............... Porto.
MeJardo..................... Teixe'ra.
Kocmont..................... Guimaraes.
Planchn, jardinero............ Pinto.
Manglorio.................... Sa nta Rosa.
Joanna Champloux............ D. Eugenia.
Helena...... ................ D.Camila.
V'c'or'na.....--............. D. Leopoldina.
Convidados, ecl.
Terminar o especlaeulo cora o ultimo acto do
drama.
Os billietes acham-se desde j no logar do cos-
ame.
Principiar s 8 horas.
raco na frente e copia alraz. com sotao, quartos
; fra, nao s para hospedes como para pretos, co-
: cheira e estribara, cacimba e tanque, jardim e
I pomar ao lado, sitio com muitos arvoredos e fruc-
i telras de boas qualidades.
Terga-feira 2 de maio.
1 O agente Pinto far. leilo, precedida a compe-
tente autorisaco, da casa de campo com os com-
modos cima descriptos sila no Calleireiro, ou-
tr'ora do finado Domingos Antonio Gonvs Goima-
rs, era freote a casa do Dr. Jos Bernardo Alce-
forado, as (0 horas do dia cima dito em seu es-
criptorio a ra da Cruz n. 38. Os pretendenles
podero obter do mesmo agente qualquer infor-
macao a respeiloda mesma casa.
Leilo de 4 casas era Apipacos.
Tercafeira 2 de maio.
O agente Pinto levar novamente a leilo nao
s as duas casas edificadas no alto de Apipacos
lado direito e perto da pyvoaco, como as duas
baixo ae subir da ladeira, com os commodos
l descriptos nos annuncios para o leilao do dia II
; do corrente.
O bacbarel Lonrenco Avelino de Albu-
querque Mello continua a ter sea escrip-
torio de advogado nos auditorios e tribu '
naes desta cidade : na ra do Imperador
n. 40.
mmmmmmmmmmmmmm
Aluga-se a casa terrea n. 105 da ra de San-
ta Rita : na ra da Aurora n. 36.
Precisase de urna ama forra ou captiva para
cosinhar e comprar para casa de rapaz solteiro :
na ra do Imperador n. 40.______________.
Precisa-se de urna ama que cosinhe e engom-
ni e para 2 pessoas : na ra dos Ossos n. 5.
wmmwmm mmmmmmmm
?M O bacharel Alvaro Caminha T. da Silva gtt
:;.* tem seu escriptorio de advocada a' ra ?g
gs do Imperador n. 41, primeiro andar, oa- ^
W de pode ser procurado das 10 as 3 horas. %
^ Em qualquer oolra occasio sera' encon- ^
-jts ra n. 3, junto ao Gabinete Portuguez. sj

O
es.
S
w3
a
Na praca da Independencia n. 33, precisa-e
de urna ama para corapraD, cosinhar e fazer tod
o mais servico de casa de pouca familia.
CASA )E BACHOS
Largo do Carmo numero 26.
Este estabelecimento to bem montado na sua
origem, achava-se de a muito em quasi completo
abandono pelo pouco interesse de sua adminis-
tradlo.
Iloje que o novo proprietario emprega todos os
meies para restabelecer a grande utilidade deste
estabelecraenlo, pode assegurar ao publico qoe
qualquer que seja o numero dos concorrentesacna-
rao desdeja prompt do e aceio nos bonhos fros,
momos ou medicinaes, a casa dos banhos se acha-
ra aberta todos os dias das 6 da manha as 1 i da
noite.
Precos.
1 banho fro ou momo......500
1 dito de farello........I000
1 dito medicinal ser segundo a qualdade.
2ocart5es. .....1000O
12 ditos..........500O
m;m mmmm
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
g| AGENTES EM PERNAMBUCO
| Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
jjg competentemente autorisados pela direc-
tona da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
R5 ras e predios no seu escriptorio ra da
W Cruz n. 1.
mmmmmmmmmm
Precisa-se de urna ama Torra ou captiva pa-
ra cozinhar e comprar para casa de rapaz solteiro:
na roa do Queimado n. 7.
Precisase de urna ama para lodo strvco de
urna casa de pouca familia : a tratar na ra Ve
Iha n. 52.
gO Dr. Francisco Pires
chado Porteiia
$ Medico


Ka-
Para completa liquidaco vndese, por mnilo menos de seu valor, perfumaras muito finas e
novas chegadas recentemente de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes segoinles : Eog.
Rimmel, It. Matheos t C., Lobin, Sociedade Hygienica, Pver, Violet, L. Legrand, Delelrez, Pinaud &
Meyer, Regnrer, Mailly, Gillel frere etc., etc., "dos quaes ha grande sortimento d'apua de colonia em
i vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em ganafinhas e
vidros de differentes modelos, pos para limpar dentes, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas
caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer prsenles, e muitos outros artigos que se vende por
menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande armazem da Exposico
.e Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
operador
PELA
FACULDADE DE PARS,
regressando a esla provincia acha-se
prompto para o exercicio de sua profis-
so, quer nesta cidade, quer fora della,
especialmente em molestias de olhos (ca-
taraclas etc.) dasvias orinarias (eslreita-
mento de urethra etc) e de pelle, para
cojo corativo se julga habilitado, atienta
I pratica que teve nos hospitaes de Pa-
ris, e os modernos instrumentos que pos-
sue.
Pode ser procurado a quarquer hora
na casa de sua residencia no patee do
Carmo n. 2, esquina da ra de Hurtas.
m
Alaga se o segundo andar da casa n. 33 da
ra da Matriz, o qoaltcm commodos para grande
familia : a tratar com o Sr. Ferreira Porlo, na Pon-
te Velha, ou com Miguel Jjaquim da Costa, na ra
da Cadeia n. 12.
Para., senioras.
Aluga-se urna casa terrea nos arrorabados
em Olinda, com 2 salas, 4 quartos e ama grande
cosinha com porlo para o ro : a tratar no arma-
zem do Annes defronte da alfandega.__________
Norat Irmes pede de novo as pessoas que
lhe esto devendo de vir pagar em quanto antes
naruadoTrapichen.il, hotel de France, do
contrario sero obrigados a entregar ao seu pro-
curador para cobrar judicialmeute.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de senhora, o que se tem feito de mais ele-
gante ateo presente : vende-se por menos de seu valor ara se liquidar, no grande armazem da Ex-
posico de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60
Luvas novas de Jouvin.
Vendem-se excellentes luvas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
mo para senhora por menos de seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Exposico de Lon-
dres, na roa da Cadeia do Recife n. 60.
Ama
fa
Precisa-se de uraajama para casa de pouca
milia : a tratar oa praca do Corpo Santo n. 17,
terceiro andar.
Procisa-se de urna ama forra ou captiva, sen
do boa cozinheira : na ra do Rrum n. 84.
DOCE
Azeite doce refinado em pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80,100 e 120 libras a 40,4#500 e 50 ; no grande armazem da Liga
Os senhores devedores a massa falli- 0s paquetes,sobre
O London & Brazillan Bank, saca por doos
da de Amorim, Fragozo, Santos A C. sao
convidados a comparecerem no escriplorio
da administraco ra do Vigario n. 21.
primeiro andar, para tratar da liquidaco
de seus dbitos.
Pernambuco 28 de abril de 1865.
Os administradores,
Jos Jeronymo Monleiro.
Justino Jos de Souza Campos.
Leilo terca-feira 2 de maio, s i I ho-
ras, a roa da Cadeia armazem n. 53.
De um sobrado de 2 andares e soto n. 36, silo
ra da Iraperatriz, bem edificado, seu rendi-
mento paga omjororazoavel.
Pelo agenle Euzebio se vender naquelle dia e
hora o predio como cima descripto, sao convida-
dos os pretndeme.' ao previo exame.
Leilo de nma casa terrea.
Terca-fera 2 de maio.
O agente Pinto lavar novamente a leilao por
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos.a reqoe-
rimento de Manoel Perelra Lima, tutor da meuor
Mara Joaquina, a casa terrea n. 19 sita na ra de
S.Jiguel freguezia dos Afogados, edificada era
chaos proprios. as 10 horas do dia cima dito em
seu escriptorio ra da Cruz o. 38.
ATOOS MARTIMOS.
--------- J. !! |
Rio rande e am
Segu a baj-caja Dorj Araigos> por estes das,
II II. IO
DE
la si io oa eslrada dos A (Hielos,
Sabbado C de maio.
O agento Pestaa, competentemente autorizado,
far leilao de am sitio na estrada dos Afflictos, con-
tiguo ao da viuva do ck urgio Peixoto, pouco alora
da capella, coja propriedade constado terreno com
380 palmos da frente sobre 1,500 de fundo, cer-
cado de boa cerca, com mais de mil ps de diver-
sos arvoredos, arvores seculares e de saborosos
fruclo?, terreno proprio para todo, boa casa terrea
com soto para vivenda, de 34 palmos de frente e
setenta de fundo, muilos qoirlos e salas, cojunha
CASA DA FORTJf
Aos 6:000$000.
Bllhetes garantidos.
i
A' ba bo Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixoassignado vendeu nos seus muitofeli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaben
de extrahir a beneficio da matriz de Nazarelh, os
seguales premios :
O bilhete ioteiro n. 607 com a sorle de 1:400JI.
Um qaarto n. 2722 com a serte de*5O0,J0OO.
E outras muitas sortes de 100, 40, 204 e
lOjjOOO.
Ospossuidoresoodera vir receber seus respec-
ivospremiossem os desconlosdas ieis na Casa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da 4' lotera
(14*J beneficio da Santa Casa da Misericordia,
que se extrahir no dia 6 de maio.
PRECO.
Bilhetes. .... "5000
Meios......35500
Quartos.....1J1900
Para as pessoas que compraren) de 1000000
para cima.
Bilhetes.....0*500
Meios......3*250
Quartos.....1*700
Manoel Martin s Pidza.
AMA
Na ra do Rangel n. 38, primeiro audar, preei.
sa-se de uma ama que compre, cozlnhe e engora-
ra", para casa de muito pouca familia.
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante
Na Camboa do Carmo casa n. S, lava-se
chapeos de palha para senhoras e faz-se chapeos
de seda, vestidos e capas, e prepara-se plomas,
______tudo por prego comraodo.___________
Precisa-se alugar urna escrava para comprar,
cosinhar e engmmar para duas pessoas : na ra
da Mangueira n. 12.
O capito Jos Luiz_Pereira ao retlrar-se
desta provincia, e nao podendo pessoalmenle des-
pedir-so de seus amigos por causa do servido mi-
litar do 1 batalho de voluntarios da patria, para
o qual foi nomeado pelo Exm. presidente, o faz
pelo presente, pedindo Ihes descnlpa e prometien-
do nunca esqnecer as manifestarles de amizade e
apreco que dos mesmos tem recebido, assegoran-
do Ibes que far todo o possivel para toroar-se
dignoda aumade que immereciamente lhe de-
dieam._________________________________
Aluga-se urna boa escrava a qual sabe fazer
todo o servico de orna casa de familia : a tratar
na roa da Iraperatriz n. 51, segundo andar.
Ama de leite.
Precisa-se de nma ama de leite : a tratar na
praca do Corpo Santo n. 17.
Participa-se aos pas de meninas entregues
direceo do coliegio de N. S. da Conceico, que
este coliegio se acha transferido para os Coelhos,
onde foi a casa de Alienados. Todas as pessoas qoe
tiverem relacSes com dito coliegio, all podero
dirigir-se : assim como all rnente nos domingos
de tarde se recebem visitas.
Escola particular. *
Clara Olympia de Lona Freir, professe-ra parti-
cular de oclrucco primaria, competentemente ao.
torisada pela directora da instrueco publica
bro snaaola di rd Direuan. 60, segando andar,
Na praca da Independencia loja de ouriveso.
33, compram-se obras de ouro e prata c pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda e lodo e qualquer concert.
mmm-mmmm^m:
O bacharel
m
Francisco Augusto da Costa
ADVcGADO
Ra do Imperador numero 69.
vi* MtX vaft^aoM* xa*van* fc*yw*m-'*,i
Precisa se de 800,5 por espaco de um anno,
pahando-se mentalmente 2*5 pelos juros, dan-
do-se boas firmas: quem quizer anBuncie.
Aluga-se a casa da ra Augusta n. 52. com
6 quartos, 2 salas; cozinha, quintal c cacimba : a
tratar na ra Direita n. 24, padaria.
No largo da A-sembla d. 16 precisase de
um moleque para conduzir taboleiros e mais ser-
vicos de casa de pasto, e um caixeiro que lenha
prvtica da mesma.
Precisa-se de um menino que- lenha pratica
de taberna para caixeiro e que d fiador a sua
conducta.de 12 a 14 annos, preferindo-se portu-
guez : na ra Imperial n. 144.
E-l para alugar-se urna casa terrea na ra
da Glna n. 14, um primeiro e segupd.i andares de
um sobrado na ra do Rosario da Boa-Vista, qua-
si no pateo da Santa Cruz, e urna mei-agua na es-
lrada de Joao de Barros, com arvoredos, agua de
beber, e porto para o becco do Pombal : quem
pretender falle na ra das Cruzes, sobrado n. 9,
das 9 horas da manha at ao meio dia.
m
Samuel Power Johuston & Companha
Ra da .SenzalaNova n. 4.
AGENCIA oa
Fundlcao de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo,
Arreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de o.iro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas par desqrocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.'
IVrdeu-se no dia 20 do corrente, da ra do
Imperador at a povoaco de Apipucos, urna car-
teira velha de algiueira, contendo algumas sedulas
miadas na importancia de 453, duas cartas vehas
da pouca importancia, um recibo d*e quatilia su-
perior a 35:800$, de que o dono tem publica for-
ma, e por isso s a elle pode inleressar, assim co-
mo orna letra de l-Yancisco de Souza Lima da
qoanlia de 1:240,5 aceita por este : quem livor
encontrado dita carteira e papis, e quizer entre-
gar ao seu dono, dirlja-se a povoaco de Apipacos,
em casa de Jos Baptista Ribero de Faria, qne
ser bem recompensado.
O Sr. Antonio Gongalves Guimares, mora-
dor nos Remedios, lem urna caria de Porlugal na
ra do Queimado n. 37, que pode mandar receber,
pagando o porte e este annuncio.
= Arrenda-se e vende se um sillo em Magda-
lena, no principio da estrada nova do Cachang,
com casa de pedra e cal, com baixa do capim|
sendo de chaos proprios, entre os dous portSes de
ferro : a tratar na casa confronte.
Precisa-se de urna ama para todo o servico
de casa de pouca familia : na ra das Trincheiras
uumero 27.
Alujjam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e acolados,
com jardim, cocheira, estribara e outras commo-
didades, ni travessa de Joo Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Scnzala Nova n. 42.
Criada.
Precisa-se de ama criada para o servico de casa
e compras : Da ra Augusta n. 5, primeiro an-
dar.
A luga-se
umacasa acabada agora, com commodos para fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos,com banho na porta.no lugar do Po^o
daPanella.ruado Rio : a tratar com Tassoir-
Daosla roa do Amorim n. 35.
Constando ao abaixo assignado que alguem
se inlilulandoseu fillio, ora seu caixeiro, lem apo-
sentado anotas a algumas pessoas que costumam
comprar materiaes em sua olaria, e at se arrojou
escrever urna carta ao finado Cardoso Ayres em
raeu uorae, por isso o mesmo abaixo assignado se
apressaera prevenir s pessoas com quem tem
transaccoes e relages de amizade para que se nao
illudara com esse tratante, que ainda nao esta cor-
regido com j ter sido conderonado e camprido
sentenca por iguaes iraficancias.
Ale.xandre dos Santos Barro.'.
GABINETE
POTUGUEZ DELbi-FliKlEMPER-
KABBCCO.
De ordem do Illm. Sr. presidente do conseho de-
liberativo, convoco aos membros do mesmo conse-
ho a rounirem-se era sesso ordinaria, quarta-
felra 3 de maio, pelas 6 hoias da lar le, na saladas
repectivas sessoes.
Secretaria do conseho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Lertura em Pernambuco 29 d abril
de 1865.
A. A. dos Santos Porto
1 secretario.
Precisa-se de ura pequeo para taberna : na
roa da Lapa n. 13. ___________
I
(I
uns oculos com aros
roa da Florentina o.
restitai-lo, na dita ca;a
ficaco.
de ouro, do nassadico at a
14 : quem o achou e ju''er
receber NSfQGO de grali-
y


Diarto de ernambuco - Segunda leira 1 Je Halo de 1 *.
Solicitador. i
0 solicitador Pedro Alejandrino da Costa Ma-
chado transfeno sua residencia da ra Imperial n.
36 para a ra do Rangel n. 38, pnmeiro andar,
onde pode ser procurado para os misteros de sua
proflssOj qur no foro desta cidade, qur nos do
Cabe, Ipojoca e Eicada, para onde se encarrega de
cobrancas.____________________.
Ollerece-se urna raulher para ama de casa de
bomem solteiro, boa cozinbeira : no becco Lar-
go n. 21. ____________
Precisase de urn trabalhador para padaria :
na ra larga do Rosarlo a. 16.
Protestos de letras
O escrivo interino Torres entra de semana, e
deve ser procurado no cartorio da ra estreita do
Rosario n.'12, casa em que tem escriptorio o Sr
Dr. Jos Teixeira, primeiro andar.
Precisa-se alugar urna ama que saiba bem
cozinhar, e ama para comprar, para urna casa de
duas pessoas : na ra da Imperatriz n. 31, pri-
meiro andar.
COMPBAS.
Compram-se libras sterlinas: do ar-
mazem de Ferr ira & Matheus, Da ra da
Cadeia do Recife n. 66._______________
Compra-se ouro e prata em obras velbas, pa
ga-sebem :. na loja de bilbetes da Praga da Inde
dendencia n. 22.
Compra-se efectivamente ouro e prata em
obras velbas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sem vicios: a tratar no sobrado
n. 32 da ra da Aurora.
Compra-se cobre, bronce e ferro cuado ve
Iho: na fundl^ao da Anrora, em Santo Amaro.
Compram-se libras sterlinas : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar.
Compra-se urna escrava de meia Idade, ro-
busta e sem vicios : quem a tiver dirija-se a ra
de Santa Cecilia, casa n. 17, que se dir ,uem
pompra.____________________________________
Garrafas razias.
Compram-se por todo prego meias garrafas de
champagne : na ra do Rosario n. 3i.
Compra-se um escravo de meia idde que se-
ja robusto e sem achaque algum : a tratar com o
agente Cordeiro Siropes na ra da Cruz n. 57.
Cobre, laao e chumbo.
Comprase cobre, lato e chumb : no armazem
da bola amarilla na oito da secretaria |de polica.
Arthur Napoleao
o *.i:mo
Qaadritha de canlradansas.
JOVEN HELENA ,
Brllhante \val*a.
Acbam-se a venda estas duas excedentes pegas
de msica para piano, comfosic* do director e
regente da orchestra do thealro de Santa Isabel,
Cols-filho, na loja do Sr. Dumond roa Nova.
Cada exempiar 1&500.
D'IOQPETO DUPLO
de FERROeQUININA
3
O

o
a
Os elementos que compoem esta preparado, e
ferro, o ioie e a quina, a collocSo no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta attestar
seos resultados obiidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que coiifirmro sua poderosa efficacidade as
seguinies affeccocs:
Mlngoa no inguc.
Fraque,
Anemia.
Chlorofte on Ictericia.
Meiatrno.
Affeccsea da ulera.
Snpprcaaoea daa rr-
afraa e deaardea na
ntenatruaca.
Affccca pulmonar e
phthlale.
Kafeatlaa Testnaaga.
Gaatralglaa.
Perda d'aaacllle, etc.
Convalraeenea de lan-
ga* niolcatlaa.
Moleatlaa escrafalav
aaa.
Papclra.
bxti'ucco daa glan-
dnlaa.
Humorea frloa-
lumarca brancea.
Rachltiamo.
Affeccdca canceroaaa
e aypbllltlcaa.
Febrra typholdea.
Varloica, etc., ele.

0
1)0
DE
AZEVEDO & FLORES
Ra da Cadeia do Kecife, esquina da ladre de Deus,
Prestem attenclo ao discurso do Bailo.
zem
ESTABELEGIDO A RA NOVA N. 60
AO
RESPEITAVEIi PUBLICO.
A apreciagao dos habitantes desta heroica provincia existe do grand
da Liga estabelccido rhvNova n. 60 um magnifico sortimento de
e arma-
sortimento de molhadr.s.
Silvino Guilherme de Barros compra e ven-
de effoctivamente escraves de ambos os sexos :
rna drPImperador n. 79, terceiro andar.
Libras sterlinas,
Compram-se na praca da Independencia n. 22.
VENDAS.
%
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e8
da praoa da Independencia.
Vejae se os bulletins de therapeutica medica
e eirurgiea de 30 de novembre I 60; a Gateta
Vu hospitaes de 28 dejullio < 860, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de iebillon, os Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
mito i de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que nao gostao de medicamentos sob for-
ma pi'Iular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se di de graea era cata
os pharmaceulicos depositarios.
Para-se evitarem falsificares, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas on Xarope a m-
signatura do inventor.
Depsito geral era Pars, pharmaciaRebilion,
442, rae du Bac, e em todas as bou pharmaciai
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
BISMUTH
DE CHEVRIER
Os granulos au bismulh de Chevrier bem
superiores a todas as mitras preparacSes de
bismulh empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de lodos os paizes, para prevenir
curar as
Dlarrkcaa ehrenlcaa.
Draaenterlaa.
Do rea d'eatamaso.
Dyapepalaa.
Ma dlceatoea.
Gastrltea.
Gnltralglaa, ele.
Vende-se urna preta velha, por prpeo com-
modo j a tratar na ra do Livramcuto n. 2o.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descansar
algodao : na ra da Senzala ova n. 42.
Fogo, fogo, fogo."
Valdivino da plvora, vende bom fogo do ar,
por prego commodo : no sen armazem de sal, ra
Imperial n. 221.
Madapo loes avaria dos
Finos com 24 jardas a pega por 55500, algodao
muito largo com 24 jardas a peca por6j,cheguem
a elles antes que se acabem, visto avaria ser mui-
o diminua : na loja da ra da Madre de Dos n.
al, defronte da gnarda da alfandega, tambem ha
chitas francezas escuras e finas a 240 rs. o covado.
Calungas finos e brlnquedos
para meninos.
Chegarara para a loja de miudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timeato de miudezis.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affecefles se manifesto ordinariamente por diges-
tdes laboriosas, azidumes, falta d'appetite, pesos
'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidao, traz ine-
vilavclmente, que seja:
Meleatlaa de if^ado.
A Ictericia.
Nesle eslabelecimento todos os freguezes encontrarSo igualdade de direitm n mu sonrio am *,
agrado que fazemosao rico fazemosao pobre8, ao menos empegamos todos os Seos SSpS nZTZSlT do eslrang ,ro poden, ser
oem a faluidade de querer que este novo e in'eressante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm nTianfar, com toda a seguranca de que
nenum outro o exceder no restricto cu primenlo das seguintes promessas:
1. Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3. Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posifao social gozam de certo tratamenlo, acbarSo nest.;
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos inissimos manteiga e cli sempre dt
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja condico do fieguez, elle deve contar que ser sempre mul-
to bem servido.
Aquetles queso.pouco favorecidos da sorte faro mensalmente una cc-nonia de
muitas patacas, areguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade peiopreco que em algumas parles nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senbores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para, ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este eslabelecimento para se convence-
ren do quanto se pode vender barato.
Para os senhons que compram para tornar a vender existe um sortimento ispe-
cial, escolhido por pessoa entendida que certamente muito de-.e agradar aos senhores
compradores
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIiVHEIRO VISTA:
ralpliarao de coracao
Bdrea no ria.
uppreaaoea.
Ddrca de cabrea.
lrritacdea de bczlga e
da matrla, etc.
Os granulos Chevrier sSo ordenados pelas
sommidades medicaes pira prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sio lomados a
lempo.
0 proco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paixei
estrangeiros.
GRAGEASdeCUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYE
ao nosso alcance para agradarmos em geral.
Os nossos precos sao os ma:s mdicos como sejam:
Chitas largas escuras muito soffriveis a 280, 300 e 320 rs.
Ditas largas e finas padroes novos de 400 a 500 rs
Ditas largas preclaras a 500 rs. s na loja do Balao.
Cambraias de cores com qudros, fazenda nova, a 560 rs. a vara.
dem lisas tapadas e transparente de todos os precos.
Madapolo de 8$ a peca que em outras lojas se vende por 90.
Temos tambem muitoa oulros madapoloes de diversos precos, assim como te-
mos madapoies francezes de 14 e 460 a pega, inclusive urna qualidade espocial para saias
de senhora a 560 rs. a vara.
Gambraia para forro de vestidos.
La preta para luto, e de todas as mais cores.
Laas com o assento escaro e flores matizadas fazenda muito moderna e fina qua-
lid de.
Meias pretas para senhora e homem.
dem cruas inglezas pa/a homem o melhor que ha de 70 e 80 a duzia.
Camisas de 20500 que valem 30, temos muitas outras qualidades de diversos
precos, assim como camisas verdadeiras inglezas e muito finas a 50 ou 550 a duzia.
Camisas de meia muito finas de 200 e 250 a duzia.
Collarinhos de papel de cores e brancos assim como collariohos de linho Dcle-
zes a 500 rs.
Temos um completo sortimento de gravatas pretas e de cores.
Ceroulas francezas muito boas a 10600.
Ceroulas de linho com duas-costuras superiores e temos um completo sortimen-
to de roupa feita de casemiras e^de brins.
Camisas de flanella de cores a 3J500, 40500 e 60.
Baloes de arcos a 30 e 350 a duzia as de panno e de arcos para meninos de 20
a 30500.
Chapos de sol superiores com 16 asteas a 120.
Casemiras do ultimo gosto para se fazer calca e cohete.
Vestidos a Mar i a l'ia a 180 e sao matisados.
Ha muitas outras fazendas assim como grosdenaples e moreantique.
Lencos brancos j abanhados.
dem finos para rap.
Cortes de la a 50500 com 15 covados.
Chales para as senhnras trazereaa por casa a 3* ul cada um. ?
Brim branco a 10300, 1,500,20 e 2,5500 .
Bramante de urna largura para lence e toalhas. X
Brim de rlamburgo fiuo e grosso.
Alpaka preta e branca.
Brim pardo.
Casemira e panno preto fino, tudo isto por preco baratissimo na loja do
Chegaram os superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
ultimo vapor francez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
cellosA C. ____
VENDtl-SI
caixes vasios piopii s para bahnlei-
ros e fanileiros a 1,760 rs.; a tratar
oesta oflicina.
No escriptorio de Claudio Dubeux vendem-
se foguetes com nova composifao de mistos para
malar formigas ; nova descolierta, e mais evi-
dente que as an'igas velas mistas : preco 500 rs.
cada nm.
Vinhos do1( Porto finos
engarraados embarris ean-
coretas:
Lagrimas do Oouro.
Duque do Porto.
D. Lui.
Meoeies.
Particular. .
Vinho real e muscalel: na rna do Vigario n.
19, primeiro andar._________________
Estes confeitos que tem por base o prin*
cipio activo da vritneira cttbeba juuio com
a cupahyba pura, nao nausen o estomaga.
Elles fazem parar immediatamente asmis
rebeldesgonorrhas, mesmo as que ressti-
ram a cubeba o a cupahyba isoladamente.
Deposito geral em Pernambnct) ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
Salsa parrilka de Ayer
PABA A CUBA DA
ESCRFULA
e todas as molestias
provenientes de.la
todas as molestias da
pelle
eherjsipellas, tumores, ulceras,
sarnas,
nascidas, empingens,
REUMATISMO
SYPA1ILIS
em todas as suas formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
Ulcera^o do ligado
orem summa todos os males que tem su
e igeiii na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
BEN)VACO DO SAIS'GUE
5_'e para dar nova forpa e vigor ao corpo j
Vende-se tres carrocas para boi, duas ditas
para cavallo, dons carros para -condueco de g-
neros de estiva on outro qualquer miste:, tudo em enfraquecido pela doenca.
bom estado, e por prego commodo, por Feo don- Vende-se na ra Direita ns. 12 e 76 e
querer acabar com esse negocio : a tratar na roa Ilnsnirin n 4fl
do Sebn. 54, taberna P w" i"" n u
----------------:-------------------1, i ,-----------------_ Vende-se em Pernambuco:
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
0alata: nos armazensda ruado Im
perador n.16 e rna do Trapiche Nevn. 8.
Vende-se um moleque de boa conducta, de
idade de 16 annos, o motivo s se dir ao ccropra-
dor : na rna da Crot.n. 30, escriptorio._________
Vinho Madeira fino
tem para vender Joao do Reg Lima, na rna de
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco.
dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia.
{ dem de gorgurao de seda bordados com barra.
ggf Superiores moirs pretos e largos 20400, 20600, 30, 30500, 40, 50, 60,
70 e 80 o covado.
Superior gorgurio de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta lies; anhola.
dem idem lavrada a 20 o covado. -
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 10300, 10800, 20,20500, 30,
30500, 41, 40500 e 50.
Pannos pretos de superior qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na leja dasColumuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa deVasconcellos& C. successores
de Jos Morena Lopes.
/lo
Admiravel pechincha!
Mocambiqne a 300 rs. o covado, Da toja
do pavo.-
Vendem-se os mais bonitos mocambiques de pu-
ra la proprios para vestidos e soutembarques,
sendo>de quadrinhos de listras e lisos, fazenda in-
tetramente nova, em padroes e muilo proprias pa-
ra as senhoras que frequentam o raez Mariano,
porque esta fazenda Ibes facilita fazerem por pou-
co diuheiro vestidos muito decentes para qualquer
acto, advcrlindo-se que este baratissimo prego
devido a grande compra que se fez desta nova fa-
zenda, que se vende a freze lustoes o covad": na
loja do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
AGUA

na pharmaeia fraaceza de
P.IYIAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Apollo n. 4.
__.
Era casa de Tisset Freres ra do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeaux em barricas e em caixas.
Dito de Santerne fino.
Dito da Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
A ttenco
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
urna dazia :em casa de Jobnston Pater 4 C. ra
do Vigario o. I.
AHevcdo.
Vendem-se pecas de esteiras para forro de ala,
tinta branca preparada a oleo, era latas do 23 li-
bras, para pintar casa, reloglos para cima de me-
sa e para pendurar, arreios para I e 2 cavallos,
vaasde spermacetp, tudo de superior qualidade,
vindodos Estados Unidos: no armazem da roa do
Trapiche n. 8.
Vende-se (a exceliente propriedade da ra
Imperial n. 104, freguezia de S. Jos, tendo 350
palmos de frente e mais de 1,200 de fundo, no
centro do qual ha urna grande casa terrea de pe-
dra e cal. com muitos bons commodos e alguns
arvoredos de fructo, precisando metade do fundo
de algum aterro : o Sr. capitalista que Ozer esta
acqoisicSo tem, alem do predio, terreno para edi-
ficar um grande numero de casas, j com frente
para a referida rus, j em outras que passam por
deulro da mesma propriedade, que por ter embar-
que offerece a immensa vanlagem de facilitar a
ronolusao dos materiaes, que sero despejados to>
cima das obras : quem a pretender dirija-se M
mencionado predio, on ra do Brum n. 87.
Jumentos
DE
F lo rida.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao urna tintura, factoes-
sencial a contestar, a mesma "agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a agua de
Florida entretem a limpeza da cabeca, destroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
ALPISTE E PAINCO a 120 rs, a lib a.
AMENDOAS nops a 28o rs. a libra.
AVELAES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 80 rs, a libra a,..
AME1XAS francezas em latas, potes, fias-
cos, bocetas, etc., etc.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANHA de porco a 660 rs a libra, em por-
cSo faz-se abate.
BOLACHIM1AS do beato Antonio a |ni,IVV ,
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000! l
ris.
II
de 600 e
MANTEIGA inglcza e franceza
800 rs.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 60 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricares e
diversos precos.
P
1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libia.
320 rs. a libra.
BISCOITOS ing'ezesem latas de 1,200 rs. a'PASSAS mui, novas a 3
BOLACHINHAS principe Alberto a fcOOOrs. I PRESUNTO para fiambre.
CHOUR1UAS m ilo novas a 800 rs. a libra. 8P9 d? re,no de 2'0 a
CAF de 260 rs. a libra. i,DEM andrino.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra. il?m stusso a iOO rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas]IDEM Prat0 a *n. a libra.
a 25.000 rs. o gigo. *
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,fS
american s, baliiannos, fluminenses, etc.,
abate em caix
e grande
Ha para vender
Pinito, piuho, mais pinho, muilo )>inho,
piuho, ra da Praia, haje, rua!\ova
de Saeta Rita n. 17.
78910 e H pollegedas de largura
De 10 a 35 palmos' de comprido, cousa
muito boa e barata, e cora todas as gros-
suras : cheguem ra Nova de Santa Rita
n. 17, serrara de Jos F .Coelho.
qoc se esl acabando, vestidos para
senhoras.
Cortes de la indiana para vestido fazenda de
gosto a 4800 o corte : s na ra do Queimado n.
43.e 45, estroioa que volta para a CongregacSo.
A ItenCiOSO .
Vendenvse-|ueijos do ultimo vapor a 2$o00 e
2^600, manteiga ingleza flor a 960 a libra, dita
franceza da safra nova a 920, arroz do Haraaho
Vende-se um linda casal de jumentos de bella a 100 rs., aletria e macarrSo a 400 rs., vinho de
raca, grandes e covos, proprios para a conserva- Lisboa a 320, 400e 480, da Figueira a 500 e 560,
cao da mesma rara e cruzamento, do que se colhe- branco a 500 rs., do Porto a 640 a garrafa, esper-
ra magnlflcos marbos, mullas carro e carga ; cuja mcete a 600 rs a libra, loucinbo de Lisboa a
jumenta esta' prenhe, assim como urna linda ju- .320, batatas a 100 rs., sabio massa a 200 rs. a
mentinha com pouco menos de um anno : ver etlibra, erva matea 160rs.,orna machina de copiar
tratar com Jos Pereira Cesar no sitio Pirahuyra,' carta, urna balanea ingleza, nm moinho de moer
arrabalde da villa do Limoeiro. I caf, latas de gaz vazias a i20, blscoutos, vinhos
"~\-----i'---------------- - engarrafados finos, temperos, charutos finos, al-
BeZ "Iiiriiino. 'pista, figos e outros muitos gneros que se delxam
Ainda est venda na ra do Imperador n. 15, j de mencionar, tudo por menos d(fque em outra
defronte deS. Francisco, a rica edicSo do mez lia- qualquer parte, nesta casa o fregnez cem pouco
nano, ornada com estampas e vjnhetss, eencader- gasto vai sortido para casa e quem quizer o bom
nada, por 1 e 1500 cada livro. j genero vir aqui que o Jacharao: na ra Direita
i '. '".' '. I n. 7J, frente amarella.
Vendem-se dua casas terreas, contendo ca-_________________________________________
da urna 2 salas, 2 quartos, cozmha fra, quntale! Vinhp do Porto superior em caixa de duzia,
cacimba, acabados ha pouco, muito bem constru-, tem para jnder Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
das, e por preco commodo: na travessa da ra do A C, no seu escriptorio roa da Cruz n. 1.
Augusta perto do gazometro : a tratar com Manoel--------------------------.-----------------------:-------
Firmino Ferreira, na ra da Concordin n. 73. ffVVI^ tJf^f)9
Vendem-se Larris vasios de manteiga a 120 rs.:
na roa da Cadeia do Recife n. 53.
Binas liambnrgae'as.
Vende-sena roa Nova n. 61.
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os lma-
nnos a

DOCES de todas as qualidades.
B
ERVILHAS seccas e, em latas portuquezas e
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Maranhao ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.
u
GOMMA muilo nova e-alva a 120 rs. a libra.
GRAO DE BICO a 120 rs. a libra.
GENEBRA delaranja a 9 e 10,500rs.
CENEBRA de Hollanda na botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
MACHINAS DEPAIEnT
de trakalbar nao part
descarocar algodao
FABRICADAS
Pof Plant Brothers & C.
OLIMM
Estasmachinai
podem descarocar
qualquer especi
i de algodao sen
estragar o fie
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalhc; pee
descarocar nmi
arroba de algo
dao em caroct
em 40 minutos
on 18 arroba.*
por dia ou 5 ar
robas t alpodi':
limpe.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descaro^-am 18 arrobas de algodt-
limpe, por dia; e motores para mover uns. duas.
eutrjs dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machina
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo. no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n 47.
Saanders Brothers & C.
N. II, praca do Corpo Sanio
RECIFE.
Os nnicos agentes neste paiz.
DROGARA.
31Roa'larga do Rosario34
Bartholomeo Francisca dcSoza k t.
Vendeni:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
GuarnicSes avelludadas. '
Tinta bfaneasuperior em lata.
AlvaiadeVenea, fino, em pies.
SEVADI.NHA a 200 rs. a libra e 8 lil ras se
far grande abatimenlo.
lit ras
r
VINHO tinto de 300 a. . garrafa. -
VINHO tinto em caada de 2.5C0
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4 rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a G.f 00, 7,000 c
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de di ve sas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arroba.

da II ava na.
Na ra da Cruz n. 4, vende-se charntcs de
vana de diversas qualidades.
5pg r<: c ss > ?b'h af
w c c c -i < T o c i-
Ha-
JCTB
Coc g- se ii*

(X
Si^"^
V!
Q.C % a
03

a
n et_ o5 -
c as * -.
sf El "2
jala
{/v
z =
ca erg
g-=
B9
c =
rs.
4? 5.^
a c I ??.
t B
C
a;
.S.8-K-C
err = 05.

rt u
< ce t -
w
"3 ~ ?^ r-
U.
s^ i^. ns r^ ?
B S i -i
8,3 S2
3
O a:
v-

5i|a

&
iris
Ul
'O
03
-
S3
se
c
5
3
ct>
j.
ce
-
B
a
m
c co : -i
o,- = S":
o r.
m
gf
m
c
03
r-9-b
CD
c STF
-- "1
--
c
p

o
SS
JA-
MARA pa
Mara Pa
Mara Pia
Acaba de chegar pelo ultimo vapor inplez um
esplendido sortimento de enfeft-"s do caires n Ma-
ra Pia,os quaes pela sna elegWia e lir; poste
de cada qual o mais bonito nada (te4*ajr< a drtejar
sendo pretos, rxos, cor de houina eXaiulzioli
sen presos a 2V00, 91, 4J, 65, 85 e K : ua
io_,-. do novo rival ra do Queimado u. 16.
r
V
t


i
\
Diar'o de rema!* Segunda Iclra 1 de Malo de 1 &
i
AURORA BRILHANTE
6B4NDES ARHAZENS
OE
MOLHADOSI
$? Largo da Santa
Craz n. 81, es
j$l-ina da ra doj
xsSbo.
81 Largo da Santa2S 'M
^Cruz n. 84, es-**|
SITCCIAE & *'" ***
>
5
O ooto proprietano do j rauito acreditado armazcm de multados denominado Au
rora rimante, continua a ter o raesmo sorlimento de gneros de prlmelra qualidade.
A -seguate tabella sirvira' a todo^de base para ajuste da contar aos portadores.
iN ilfitiin armaiem vender- mala barato e memores do que a Aurora Briltnote, ja'
peso grande sorlimento que lem, ja' mesmo porque seu doao s desoja tirar dlmit
ro quan'.o diegue para accumular as despozas do estabeledraanlo por isso dei
ni weitar, o prspnetario ha de fazer toda a ditizencia aBm de servir bem os sei
Matas freguezes.
Lata* -om 8 libras dechouricas raaito novas,
f a 7*HW. v
Oitas grandes rom peixe em postas inteiras,
maisde 12 malidades, a 15000, 10280 e
.tas jom ostras, excellente petisco para fri-
> ?i leira, a 720 rs.
rDitaiooa ervilhasnovas, ensopadas, a 720 rs.
>i i> com lavas, a 6W rs.
LDltas cora ameixas a 15200, 15800 e 35300.
i Ditas oom marmelada do afamado fabricante
Abren, a 70 rs.
jUitascora massadc tomate, 500 rs.
Ktaacon figos de comadre, novos, a 15300,
lfe 25300.
.O tas cora bolaeliinha 4e seda muito novas, a
\ i 5 IDO.
totas ) nbiscoitinhos Inglezes de muitasqua-
ilaes, a li00.
Chocolate.
Ciitiohas com ameixas enfeitalas proprias
Vira mimo a 15200, SJ8W e 3j9.
Pinolate superior muito novo, a libra de
80 a 15000.
I ic irrito, talhariam e aleiria amarella, a libra
i t V)0 rs.
Dil > dito dita branca, a libra a 400 rs.
lanas con 'istrelinha, pevide, e outras raas-
-i-, i caixa 35300.
Jitai lita em libras a 640 rs.
iU, libra a 360 rs.
radiaba para sopa a libra, a 240 rs.
E -vil i h leeeas, a libra a 160 rs.
1 9 lescaseadag, a libra a 200 rs.
P i lio a muito nova, a libra a 280 rs.
h >i 1e araruta verdadeira, a libra a
; ii n.
11 KiPMdii, M sacijo, a arreba a
!U>J a libra a 80 rs.
1 li India e Java, a arroba a 35*00 0 a II-
i i 100 rs.
i 11 j da Lisboa a 9J500 a arroba e a 320
i ibra.
? ti Id Siutos, a arroba 75000 e a libra a
2 i I .
- ) n 123 ceblas grandes, a 1$2*0.
ii franceza, caixa com 2 duziasa
)(m)Ql
'" i <1- ni raostard preparada ea vinagro,
. 400 r-.
)t i n r .inervas inglezas e francezas, a
> i > 800 rs.
Mos -om sal refinado (Ino, a 640 e a 300 rs.
i D;tos com a verdadeira gcnebra delaranja, a
15))0.
Ditos le 2 garrafas de Hollanda verdadeira,a
610 rs.
lijas com dita propria para negocio, a
i)) rs.
lamidos com 2 galoes com dita, a 65-
Wveja boa, marca, a 300 rs. a garrafa, e a
-iuzia a 65000.
Viiha mscate! de Setabal, a carrafa a 15.
M irrasquulio verdadeiro, frascos a 30C rs. e
15100.
khiranafao, a duzia 205000, e a garrafa a
2S03O.
- i a refina lo portuguez e francez, a garrafa
i 15000.
'lixi i; vinlio BorJ.-.aax muito superior,a
75, 85, 95 e 105 a caita.
, Mtas cora dito braneo. a 75 a caixa.
n w com liiolasritaas de Oouro verdadeiro,
i Jj. .
'i)i'.a< com duque do Porto verdadeiro, a
W5000.
iDas com chamisso superior, a!45-
'Dius com P'irto velho e outras muitas mar-
cas, a 125. _
[VLaao do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
i ? 800 rs. _____
Di'o de Lisboa muito bom, acansda a 35200,
33300 e 45, e a garrafa a BOO'e 360 rs.
'Dit-ida Figoeira, das seguintes marcas (.)
(J. A. A.) (J. L.G.) (O. M.) a caada a
45300, e a garraa a 560 e 640 rs., deste
que ja est engarrafado e lacraocam
rotulo do arnmera,
Ditos de marcas maisdesconhecidas, a cana-
da a 35300 e 45000 e a garrafa a 480 e
520 rs. V ,A
kVinho braneo fino, agarrafa a 640rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs
inuto lu-
xe se a-
seus cons-
CONSI'LORIO MEWC0-CIRIRG1C0
Bflf
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, P5RTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os das das 7 s i
aoras'da manh3a, e das 6 e meiaas 8 horas da noile, a excepeo dos dias santificado;
Pharmacia especial homeopathica.
No rae&mo consultorio ta sempre e mais appropriado sorlimento de caxteira; -
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisagSes e pelos preces seguintef
Garteirasde 12 tubos grandes. 12-3000
de 24 tubosgrandes. 18^000
> de 36 tubosgrandes. 245000
de 48 tubosgrandes. 30^000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-sc qualquerarteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedi
qa i se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfutura da meia onca 15000.
Sende para cima de 12, custarn .s precos estabelecdos para as carteiras.
IHa'.ubos mais pequeos cada um a 500 ris.
NEM COROAS NEM MITRAS

GR1ISIE JLRMAZEM
RUI D9IPER1DOU *. 40fi
1 Jaato a sebtaaem qne mora eSr. Os aera*,
Daare Almritla A C.recebcramdc ana propria ccoaarr-
da mais lindo c variado aortffmento de molbadoa, i da p rerate eataeSo.
Ma^as brancas
Vinho rerdt superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
finjan.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se S
engommar, a arroba a 35000 e a libra
Sabati mssa, a libra a 200,240 e 280 rs.
lariha.
Saccasgraodescomfariaha le Goianaa mu-,
lo nava, a 55090.
Caf.
Cafeto Rio muito superior, a arroba a 85,;
85500 e 95000.
Cha.
Ch.temos oeste; eneros o melhor possivel,I
hyson, a libra a 25600.
Diio perola a 35'>90.
Dito uxim a 25700.
Dito hyson muito uno a 25^00.
Dito redondo a 25500.
Ditopretode primeira lualiiade a z$-)W.
Dito raaistaixo a 25000 e 15600.
Crva mate.
ExcelletHe cha madicinal, a libra a 240 rs.
Esperraarete.
O masso com 6 vellas le esperraacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Gaitas de 16 e 3 libras de passas novas pfD-
,prias para mimos a 45 8 25-500.
^ Jozes.
Nozes, a libra 150 rs. e arroba a 45000.
Alpiste e pateco.
Alpistae painco. a arroba 4$000 e a libra a
160 rs. %
Cartas.
Cartas Haas para tofar, a Iuzia a 255'0.
Cislanhas.
Castanha* novas -inas ne-te vapor, a arro-
ba 45)00 e a libra a 200 rs.
Iiaiwaas.
BarrUeora uaitonuflovaa a 15300
Xaateifa.
Minteiga-superior, a hra a 15200.
Hila mais abwao a 15120.
Dita menos unermr a 15.
Dita francpza nova, a libra a 13120
Dita dita em barris e meios ditos,
15 r-.
Dita para tempero a 400 r,s.
Qneijos.
Queijos novos viudos nesto vapor a 25800 j
35000. ...
Ditos linirinos muito novos, a libra
15000.
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 45*00.
Dito dito lizo de linho, a resma a IfWQ.
ito de peso tizo e pautado, a resma
Dito de erabrulho, bom a 15 e 15200.
Vi ah ladeira.
Garrafa; com o verdadeiro vinho.Xerez e Ma-}
deira a 15500 e 28000.
Temperos.
Folhas delouro, pinten do reino, c
e cravo, a libra \ 400 rs.
Velas de carnauba.
Masos cora 6 velas de caraaba reQnada
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 15*001
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tiiotos de arear facas a 140 rs.
Graia.
Duziasde boioes flagran n. 97 a 25000, e]
de latas a 15000, e os boibos a 240 rs. ca-^
da um, e as latas a 100 rs.
Charatas fiaos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Babia por diversos presos, caixas e raeias
calxas.
IIVKOS.
A meilior obra da iiomeopaaia, o Manual de Medicina Humeopatuico do Dr. Jahr
dona grandes Folumes com iiecioaario............ 20500C
Medicina domesticado Dr. Hacia?............ 105000
Repertorio J<* Dr. Mello Monea............. 6500C
Diccionario de termos de medicina ...,...,, . 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conbecidos e dispensam portan-
to de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros^ergicos e doradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de yer-
dadeiroassucar deleite, notaveis teta sua boa conservacSo, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europos.a maisexacta e aecuradapreparago, e portanto a maior ene:^
gia? certeza ero, seuseffeitos.
Caa de sa-fa pira eseravos.
Recebe-sejscraves para tratar de (ualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquet
operafo, para o que o annunciantejulga-sesuficientemente habilitado.
Otratament o melhor possivol, tato na parte alimentar, como na aiedica, e
furjccioaando a casa a mais de quatre anuos, ha muitas pessoas de cujo concita se nf
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que deseiarem mandar sen?
deaates.
Paaa-se20000 por dia durante 60 dias ed'ahi emdiante 10500.
As operaces sero previamente ajustadas, se nSo se quizerem sujeitar aos preco?
aaureis [na sost tmi podir o annunciante.
a libra
E grande quautidade de gneros tendentes fjk
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
m.
I. 11Ra do QueimadoX. 11
Superiores cortes de seda preta cora liadas barras. r
Saoerior seda faooou o que ha de melhor e mais gosto.
Moreantique preto muito bonito a 25800, 35, 35300 e 45 o covado.
Completo sortiawnte de grosdenapU preto de muitas quaiidades.
Paanos pretos ecasemiras de mutas quaiidades.
Bjurnas, chales e los de renda pretos superiores.
Superiores pelissesesoutembarqaes Biurnasde la para senhorasa 125
Chapeos e chapelinas 4e palha de Italia para senhoras.
Corts de fea de barras de 14f a 225 de muito gosto
E muitas outras tazendas de superior qualidade na loja d.) Augusto Frelerico dos
Santos Porto aonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
N. Ii Ra do Qaeimadfi S. i i
Canias de ferro
V.;il>,-se grande sortimento destas canias na
ra N>va n. 33 ; na mesma loja vende-se grandes
orinos de ferro forrado? de porcelana tendo
d-.iis aza* e tatnpc de ierro, recommendam-se a
qu-jra precisar.
Laboratorio enolo^ico e chinaco de F. P. Lebenf e C
ra Montniarfcre, 31, em Pars.
Fabrica en Argentenll, prs Pars (Franca).
BOMFICACAO E FABHICVC 0
Dos vinhos, aguardeules e licores.
VTNHOS,Imitafao dos viahos de todas as
ffiaUdades,Ettracto de Medie, adose oar 230
ros, i f. 23,de Bordeas, i f., de "PoVj^pl, 3
f.fde Lisboa, i f., de Cataln, 2 t;-^e p0rto,
Xarez, Muscatel, Malaga, dose para 2o oa 30 li-
rnrs, 4 1.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e todos os outros. A dose para
S00 litros50 f.
CLACIFICACO.Pos inglezes, pos dos vinhos
da Hespanha. da franca, etc. A libra para 500
lros, 5 f.
eOLORACO.Purpirigine para colorear rts\
viflhos brancos e vinhos claros. As duas libras
AGUARDENTE5.Essencia de cognac para dar
as aguardentes urdinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIRSCH E ABSINTHO. -Essencia de kirsch e
da absiatho, para os fazer cora alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 5 f.
LICORES.Estrados para fabricar se todos os
licores conhecidos sem fogo nem alambique, (in-
dicar-se os que se deseja.) A dose para O ou 25
tros, 3 f.
PERFUMESpara fabricar-se os licores finos ou
communsa dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
vinhos, agurdente5, licores, vinagres, etc., sao
fabricados 1e encommenda.
UTEXCILIOS de laboratorio e de chimica.
e engaado nosso:
Manteiga ingleza
da safra neaavinda no ultimo vapor a l.ooo
rs. a l'rbra eem barril a 800 rs.
Maatelga fraaceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 590>s. M
Amendoas
ot>ufeitadas de/liaiissimas cores a 800 rs. a
libra. Q
Ameixas
em frascos de vidrocom 3 libras liquido a
4400, muito propios para mimos,
' Cartoes
com bolos francezesa 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
iidades a 15300.
Chocolates
detodasasqualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
para 500 litros, 16 f.
Algons de nossos agentes teodo falsificado e mitado nossas prepararles,
fnaguezes, levo-sj exigir sobre as rolhas e rtulos as inlciaes F. V. L. Paris,
0 molo de asar-so das araparaees aeha-se indicado no rotulo.
As encommenda devem ser acomBaha*as por urna letra sobre Pars ou qnalquer outra cida-
Franc, ou garantidas por utna casa-u'i i laDirlgir-se asSrs. Lebeuf& C. chimicos, ra lapidados para agua a 4,500 e 5 000 ra 3
mutra, n. 31, em Pares, 01 a sui fabrica era Vr*entenil, prs Paris. dnzb a 3 lid a Kaa ra ^-.rio n-
11 1 i u botica franceza, ra do Imperador n. 38.
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
tenns velaos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados nes-te ultimo vapor a 256oo.
Qneljos
chegados no ultimo vapor a 2I600 cada um.
londrino o mais fresco que se peda esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
T sendo inteiro e a 900 rs, aretalho.
Ooiserras inglezas
as mais aova qaa pdeos^erar a 760 rs.
o fraic*.
Figos
em'ibras e-cailiabas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
OhL uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer uo pode vender por menos de
35 a 25600.
Idlem perola
especial qualidade a 25700 rs. a libra.
dem livsson
i tiis aromtico que trn viudo ao nosso
mercado a 25600.
Massas a mar ellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
180rs. alibra.
COGVIC.
o muito afamado cognacPalBraadj a I,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas quaiida-
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
para sopa a melhor qneae pode decejar,
macarro, talharim ealeiria a 4(t ra..
libra e 4^500 a caixa.
Vinlio
Figueira J A A e outras muitas n arcas acra
dita das a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, r
25800 a caada.
dem do Ferio
generosos engarrafado des melhores falr
cantes da cidade do Porto alie i2u
agarrafa ede IOS a 12(5a caia, ama
cas sao as seguintes: Chanisso dfi]l<
F. & M., Nctar ou vinho dos Benzra
lagrimas do Douro e outros muitor.
Latas
com 10-libras de banha a 40CO.
"Bolachinha inglesa
a 1 -5800 a barrica da mesma que
bra
FAIRICi DS CH POS DE SOL
duzia, a a 140 e 5oo rs. cada um.
PAPEL,
almaco, gfava, peso de outras muitas qua-
lidaatea da 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excaaate quadada a 2200 a reama,
PAPEL
V 3 t Jl.n \va esquina da Caboa do Carmo e ra do
Cabug n. S.
*_'rectora lesse estabelecimento o mais importante que existe nes te genero
na provincias .lo norte do imperio, querendo que o pHblico desta provincia goze das!azul ejNMpara embrrtiode 1 4oo a 2 2o
vantagens que proporciona i fabrica?o em grande escala e directa relaco com as mais rs. a resma. '
importantes 'abricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender ainda mais barato
do que do ;ostume como demonstra a seguinte tabella :
Descont em duzia.
20 /
10 %
15 /o
15'/o
15 o/o
Chapeos de sol de panno a 2000.......
armaco de baleia a 2500 .
de seda armago de ico inglez de 20 pollegadas
4^, de 21 U, de 26 5500 e de 28 U......
Ghapoa-de sol inglezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de U pollegadas 8& de 26 9, e de 28 10*.
dem dem a balso de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 1 !, de 26 12*. e de 28 13(5.....'.
Alm de muitas outras pialidades de chapeos de sol que existem na mesma easa
oomo sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os lmannos eieitios, os quaes sao to vantajososcomoosanuuneiados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, cutaria fina e ar-
mas de caga, osvtruaes vendem-se- malmente em porco e a retalbo, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afira de poder reta-
mar pelo preco que o estabelecimento retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia serio considerados como
a retalho.
n
XDMIRAVEL pechincha
a 10^000 cada um,
Casaas orgaadys de ores a 980 rs. o eorado.
4' ra do Crespo numero 17,
LOJA DE
Jos Gomes Villar.
Coriutliias
passas connthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
1.4oors. alibra. F
Vinagre
PRRem aacoretasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novasdo mercadea 7,ooo rs.a caixa
e l.ooo rs. o molho.
. Alpisa e Paiuco
?iif,T0 d* TC*o ^ i 4o rs. a libra,
e *|*00 a arroba.
CEBLAS
mDmtadnn0nVa7a im Cent0 naruaoQue:-
gTdroanarmperadorn-4oei-
GRiQ OE BIGO
muito novo a 3,5400a arroba e 140 rs. a li-
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n 40 e largo de Carmo n. 9.
Q0UO SfJISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na roa do
fi* 7' ra^fperador n. 40 e
largo do Carmo n.|9
rUCarmhrD9d0lmperad0rn-4Cels^
m^ t BOLACHINHAS
em latas de defferentes quaiidades a He
GOMMA NOVA.
Em paneiros muko alva a 4^ooors. a arroba a 16o rs. libra 0 compran-
do de um paneiro para cima sefarabatimnlo na raa do Imperador n. 40.
CUBLAS
N > armazom da vluvr Paula Lopes, defronto do
embargue na escadftitia, vendeta-se ceblas as me-
lore3 do mareado, em caha e cont, o taMs bo-
rato possivel.
avariado.
Francez barrica 5*000
Portlaod dem 8*300
Em perfeito estado:
Francez barrica 10*000
Portlaod dem 12*000
,\o armazew de Tasso Irmos ces do Apollo.
Fio de algoaaSo da Baha.
Venderse no escriplorio de Antonio Lnlz de Oli-
yeira Azevcdo 4 C, roa da Cruz n. 1.
3
PECHHVCH4 SEA MJA'i
Madapolao naoito fine com pequB9 toque de avaria, por oreoo que admira : na loja
das columnas na roa do Crespo n. 13, de Antonio Correa do Vaaceacellos 4 C.
. QUEIJOS FLAMFNCCS
.pularam os mesmesprecos nos segiintes lugares: Mn""odfdade de totee ea.
O Verdadeira Principal roa do B.erador ja
FARELLO DE LBBOA
Marca N verdadeiro era saccas novas e grandes a 4500: na
ma do Imperador n. 4<.
DE
;
DE
J. VIGNES-
oa alanos dM^fn?* Tk RU-A * M^RABOR W. 5ft.
. liriordirt J ga fabnca sa? hJe tasu coahecidos para que seja necessario msistir ttt,^ m
"Vn?*rJeatem *S*T'* afantas ffe off"recem aos compradores, Calidades es^staaSSa?
Te aTn, il!Z deflniHv.a,?ien,e conquisudo sobre todos os que tem apparecido nesta oran X
""ntLJ? e ^insmo ^ i2a nPHim9nn abn-ad0S de P^P08110' e ter-M feit0 "lamente melhoramenTSporto^
srs saitf szbst* M ~ *melodiosas e flta,adas'e pw ist mai, ^
Fazem-se conforme as eneommendas, tanto nesta fabrica conw aa do Sr. Blondel de Paris octe
respndeme de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesiedes. '
Na mesmo estabelecimento se acha sempre nm esplendido e variado sortimento de msicas do
-oelhoras autores da Europa, assim como harmnicos e pianos hanaonicos, sendo tudo veadido k>
presos commodos e razoaveis. F^-
*.on
k
vendem a 24000 e 2^400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* .
'Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as sai
cas de 40500 a 6(5500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e ontres en
meias caixinhas a 1^500.
Arroz
do MaranhSo a 100 rs. a libra, e da JcrJia
a Sp rs. a libra, e 2W00 a 34000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de !. e 2. sorte do Rio de Janeiro a UZ
o 80800 a arroba, e2r30a300 rs. a lib:
-arrafes
com 4 Vi garrafas cbm vinagre a l^CCOca*
o garrafSo.
GENEBRA DE LARAKJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 11*C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 ce
12 frascos.
GENEBRA
ae Hollanda verdadeira em frasqueira, a fo*
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oe a ce*.
e 2o rs. cada caixiuha, t
LICORES
finos detodasasqualidades, a lo,orr ataix;
com urna duzia e a l,ooo a garra.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, c( a $*
ara Abreu e outros muitos a 6oo is. .
libra.
Prezunto
o verdadeiro prezunlo de Lmese a SSo r
a libra.
t ur ABROZ
MaranhSo, Java e India, a loo rs. a lUia i
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
. VELAS
de espermacete de diversa* aarers a Vi ra
a libra e em caixa ter alatin ti ti.
. VELAS
de carnauba em caixas de arrt-ta a 9,Stt i
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e M i*.
a libra.
Passas koIo ao^as
em quartos e inteiros a 20 o marte e i i
a caixa e 400 rs.a libia.
Chocolate
portuguez o mais especial que se itCt
8ejara800rs. a libra e 141 rs. o r<
*.h0 ,i fp" chegadas ltimamente, pera, pecege, gir n t
otros muitos a 640 rs. a lata. J
a 600 e 10 ocaixae.
. GOMMA MUITO NOVA '
empaneirosdel e 2 arrobas a 3t((
roba el 40 rs. a Jibra na roadV
a j-r-
(Mi-
1ILEGIVEL


IHari* de fVrnatttbneo guada fefra 1 de Hale de 185.
/
Admirem
Admirem
Adittirem Bemll
As pechinchas que eslo veada oa toja e ama-
zem do Pavo,' na ra da imperatriz o. 60 de Ga-
ma & Silva, onde se vendem todas as faxendas,
tanto de luso como de primeira necessidade por
procos muito rasoaveis, e com espeeiahdade as se-
guales, darfdo-se amostras deizaado flear peabor,
ou mando-se levar em casa das familias patos
caneiros da mesma loja.
ilyoioziao de Pavae.
Vendem-se pacas de algodoilnbo marca T, mui-
to largo, proprio para lences e toalhas, tendo 24
{'ardas pelo baratissimo preco de 64 a peca ; dito
arge com vinte jardas a 34, pechincha por ser
fazeoda que se vende em outra qualquer parte
por 104 e 184, isto na loja do Pavao, ra da Ira-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Madipal entestado a 4, 45500 e a00.
Veadem-se pecas de madapolao entestado com
12 jardas pelo baratissimo prego de 44, 45300 e
54, ditas sem serem entestados demarcas muito
acreditadas a 74, 84, 94, e 104, ditas, francez
multo encorpado proprios para saias a 430 ris a
vara, isto na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
fraude peciiiucua.
Chitas a 220 ris o covado.
Ou 74600 a peca s o Pavo.
Vendem-se chitas inglezas de superior qualida-
de, aflancando-se as cores serem rizas, com muita
diversidade de padrdes, pelo baratissimo preco de
220 rs. o covado, ou 74600 a peca tendo 38 co-
vn tos, sendo fd7.oud.-i esta que sempre se vendeu a
2SJ rs. eovado ou 10$ a peca, cintas largas a
380, 320 360 rs, na loja do Pavao, ra da Impe-
ratriz --i. GO de Gama & Silva.
Curtes de chita francesa na loja de Pavo.
Vendem-sa cortes de chita franceza, cores Uxas
com 10 covados a 34, ditos com 11 covados a
3#300, ditos com 12 covados a 35600, ditos de chi-
ta inglesa a 25200, 25103 e 2JG00, isto na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cassas Franaetas a 30', 320 e 360 na Lujado
Pavo.
Vendem-se cascas francezas muito finas, de co-
res linas pelos baratos procos de 300,320 e 360 rs.
o covado, pegas de cambraia cora salpicos de cor
ten lo 8 l|2 varas a 44, ditas salpicos brancos a
a 25300 e 39, ditas adamascadas para cortinadas
a 49, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Gama i Silva.
Corles a Mara Pia.
G;ande pechiocha a 55000 e 60000.
Vendem-se os mais bonitos cortes para vestidos,
sondo de cambraia brau-a com as barras e enfeites
bordados, de cor crox, pelo baratissimo preco
de 39, ditos do mesmo gosto mais sendo de cores,
pelo baratissimo prego de 69 cada um, valendo
esta fazenda dobrailo dioheiro por ser a mais mo-
derna que tem viudo ao mercado, isto na loja do
Pavao Jpa ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.*
Grande pscttincha a S-50U0.
Vestidos de la a Mara Pia.
Vende-se um bonito sortimento de vestidos de
la com (jarras bordadas Mara Pia com as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo baratissimo
preco de 89 cada um, pechincha por ser fazenda
que sempre se vendeu a 129, e por ter chegado
urna nova e grande parcas, rasolverara-se a fazer
este graade abat ment ua loja do Pavo, ruada
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Vestidos Braacos.
V"en.lem-se os mais. ricos cortes de vestidas de
carabraia branca primorosamente bordados, palo
barato prego de 129. 16* e 20) na loja do Pvo,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
La gafMMMtti a 40 0 ris.
Vendem-se as mais mojamas lazinhas transpa-
rentes, com listrinhas miudinhas, pelo baratissimo
prego de 400 rs. o covado, ditas enfestadas, cor de
havna, com listras differentes, sendo das mais mo-
d-rnas e muito encorpadas a 500 rs. o covado : na
toja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, do Gama
A, Silva.
Grande pechincha, vestidos a
3Ot>.
Acaba de chegar um bonito sortimento dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passelos o bailes, por serem de primorosos dese-
hhos, sendo todos os padroes tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo prego do 39300,
sendo fazenda que val muito mais dinheiro: isto na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Lazlnhas a IO ris.
Vendem-se as mais modernas lazlnhas trans-
parentes, proprias para vestidos, tanto de quadri-
nhos como de listras, com as cores muito bonitas,
pelo baratissimo prego de 240 rs. o covado ; ditas
com palminhas de seda, padres muito bauitos, a
320 rs. : s na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se gronsdenaples preto a 1^280, 19600,
19800 e 25 at 45, superior raeuraatlqueprelo a
39, setim da China, nova fazenda toda de la, pro-
/ pria para luto, cora 6 palmos de la gura, a 300,
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras militas fa-
zendas proprias para luto : na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Srosdenapies de cor a I$SOO.
Vndese superiorgrosdeuaples cor de caf,pro-
prio para vestido, seodo muito encorpado, a 15600
o covado : na loja do PavSo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva--.
Casemiras a I $600.
Vendem-se casemiras garibaldinas de quadn-
nhos e lizas, proprias para calcas, palitos e coletas,
pelo barato prego de 19600 o covado, assim como
caigas, palitos e coletes j feitos das mesmas : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama <&
Silva.
Grande sortimento de roajn feta.
Vendase na loja do Pavo um grande sortimen-
to de roupas feilas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditos saceos, ditos de casemi-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim braceo o
de cores, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
ta de todas as qualidades, ditas -de edr, ditas de
brim de linho branco e de todas as cores, coletes
de brim, casemiras, setim. gorguro, etc., etc., to
das estas obras vendem-se por prego mais barato
do que em outra qualqueF parte : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales e manteletes de renda
Vendem-se os mais ric js e mais modernos cha-
les o manteletes de renda, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego muito razoavel : na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Soutembarques de cor
Vendem-se os mais modernos soutembarques de
cor, ricamente enfeitados, e por barato prego : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Capas pretas e sMlembarques,
Vendem-se as mato modernas cipas pretas lisas
e bordadas, os mais bonitos soutembarques pretos e
manteletes, tudo de seda preta e o que ha de mais
gosto no mercado, por precos muito em conta :
na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Eafeites para cabega.
Veodera-se os mais lindos enfeites para cabega,
a 39, 9, 59 69, o melhores baldes cronolinas :
na loja do Paaao.raadf/imperatrlgn. 60.
Oleo de Florida
Composto de obstancias vegBUes exticas, elle
contribue padroaaineate, cora a agua do 1
rda aforga, alsneza'e a conservas doscaW-
lOS. *^ 7 .
Ero Pars casa de Gailaor n. 1.12 roa de Rechi-
nen e 21 bonhmrd Montmartre.
Todos os fraseos nao tendo Intacto e darav 0 un-
cir prateado da casa, repotado falso.
Deposito roa do Imperador pharmaera n. 38.
Urna familia que se retira vende anta mobilia
de amarello j usada, trem de cosinba, lonea de
alaoco e jantar aznl, orna mesa de jantar de ama-
rello ps torniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e muites ontros objectos o que todo
a vender en conta : na roa doi Pires n. 61.
Attentfto.
Paleadas pretas para a quaresma por
par baratissttta prec, ia laja e ar-
mazem da Arara, ra da lmperairiz
n. 36.
Lourenga Pereira Hiendes Guimares.
O proprietario deste estabeleci meato retira-se
para a Europa a tratar de sua saude, porni antes
de retirar-se pretende fazer orna liquidago de ba-
baratissimo prego para fechar conlas; agora fre-
guezes vende-se grosdenaples preto muito bom
para vestidos, a 19600, 29 e 29300, dito de 5 pal-
mos de largo, a 39 : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
.Heurantiquc preto a 30.
Vende-se meuranlique preto para vestido a 35 o
covado, grosdenaple mullo largo e encorpado a 39,
25300, 25 e 15600 o covado, alpaca pret para
vestidos e palitos a 300,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de 44a-para vestidos, caigas e palitos a
640 e 800 rs. o eovado, la preta para vestidos a
640 rs., borabazina preta para vestidos a 19280 o
covado L,rua da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Rios vestidos a Maria Pia a 12<5.
Vendem-se ricos vestidos a Maria Pia a 109,
125, 145,165: ruada Imperatriz loja da Arara
a. 56.
Arara vende pecas de panninho a 5$ e de
madajolo a 40.
Vendern^se pegas de panninho muito fino de 12
M PUBLICO
A
menor consraa-
glmento ae entregar o
importe do geaero que
5o agradar.
ATTEMQAO
Os precoa da seguate
tabella para todas, pa-
riendo assim servir de ba-
se para o ajuste de eoatas
com os portadores.
I
MANUAL
00
PA ROCHO.
Conposta pelo cooeao
Dr. J. C- Fernandos l'inhciro.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro esta abra :
vndese na livraria econmica ao p do aroo de
Santo Antonio, a 29300 o exemplar.
Cadeias de ac polido para
relogios.
I, Chegaram loja da esperan*- estas cadoias, as
mais bem acabadas neste gemn. Que vteut-ra
por 29 : na ra do Queimado n. 33 A.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Coueeleo)
PARA BEM DE TODOS.
Senfaores e senhoras, o aceio que presidio aos-arranjos deste novo eslabelecimento, e mais que ludo a prompiidSo e intei-
reza com que sero tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteegao e preferencia na com-
s. pra dos generes que prec'sarem, e quando n5o posam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes fejam pouco praticos,
iardasa^vSKwpeSHem^d^ havendo P" com estes toda recommendav5(i, afln de ue nSovoem
lado a 45 e 45500, vendem-s? pegas de madapolao
de 24 jardas bom a 69, 75, 75300, 85, 95, 105 e
125, vendern-se pegas de algodosinho a b&, 65,
79, e 85 : ra da Imperatriz b- 36.
Arara vende os bales a 2#>00.
Vendem-se baloes de arcos de todos os lamanhos
a 25300, :>i, 35300 e f: ra da imperatriz
n. 56.
Laazinhas da Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se lazinhas para vestidos de senhoras
e meninas a 320, 400 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 300 e 560 rs. o covado. cassas
linas, para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz a. 56.
Chitas da Arara a 240 rs. o covado.
Vendem-se chitas de cores fizas' a 240 e 280 rs.
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e
oOO, preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova-
do : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Liquidago de soutambaques e lazinhas a
U, 8# e to*.
vendem-se soutambaques de lazinhas para se-
unoras a 75, 85, dita de alpaca branca a 105, ditas
muito unas de grosdenaple preto a 205, 255 e 305,
capas pretas de grosdenaple Guoa 205, 255 e 305,
manteletes pretos de grosdenaple a 209 e 229, go-
liunas para senhora a 240, 320 e 506 rs., mangui-
tos com gola a 19, camizinhas para senhora, 25,
e J5, ditas muito unas bordadas a 45500 : na loja
do barateiro da Boa-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 2^400.
Yendem-"se corles de ditas com 10 covados por
-9*00 ditos de dita franceza a 35200, cortes de
cassa franceza fina com 11 covados, por 35, ven-
'lera-se pegas de cambraia branca lisa a 35900,
1*380, 55300, 65 e 85 : ra da Imperatriz n. 56.
Liquidacao de roupas feitas palitos a 2*9.
Veuaem-se palitos de brim de cor a 29, 295C0 e
39, jaquetoes de brim pardo a 35 e 35500, palitos
de casimira bem feito a 55, 65, 75,85 e 105, di-
tos de panno preto bom a 85 e 105, ditos sobreca-
sacos de casimira de cor e preta e de panno a 125,
1*5,169 e 205, caiga de brim dec< a 25 e 25500,
ditas brancas de linho a 35300 e 45, ditas de ca-
simira de cor 45,65 e 85, pretas a 59, 65 e 89,
colletes de casimira de cor e preto, de brim de cor
a 15300, brancos a 29 e -205.0, ceroulas feilas a
15280, ditas linas a 15600 e 25, camisas france-
zas a 29 e 29500, ditas inglezas de pregas largas a
19, le liaho a 39 e 39300, coloranos econmicos
a 61O rs.a dazia, ditos de linho a 500 rs, um : na
ra da Imperatriz loja da Araja n. 56.
Arara vende as cobertas a 2&
Veudem-se cobertas de chita finas a 29 e 25500,
ditas de damasco a 45 : ra da Imperatriz n, 56.
E na Arara que se venje cortes de casimira
preta a 'ti.
Vendem-se cortes de casimira preta para caiga a
, 35300, 45500, 65 e 85, ditos de cor a 35,
i5300 e 65 : ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende panno preto a 25.
Vende-se ianno^preto para caiga e palito a 25,
35, 2#300, 45. 4530o o 69 o covado, casimira pre-
I lina a 25, 29500 e 39 o covado e outras mnitas
fazeadas para liquidar: na loja e armazem do
Arara, ra da Imperatriz n. 56.___________
PKOPR 10 PAR v SENHORA.
Vende-se um excellenle cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheira do Paulino, rua de Santo Amaro.
(loke do pz.
pitch do g;iz.
Alcatro J
tonel ladas rs. .
az.
Coke tonelladas rs. 10$000
Piten 800000
Alcatr5o caada. ... 400
O coke reconhecidamente o carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alm das applicagoes
diversas a que se prestam, como para callafetar
embarcagoes, alcatroar madeiras, etc., teem este a
prepriedade de preservar do cupim, forraigas, etc.
E' entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
Muita attencao.
Ka nova loja de fazeadas t roupas fe i
tas nacioaaes na na da Imperatriz
d. 72, de Guimares & rmo.
Acaba de chegar a este novo estabelecimento
uro grande sortimento de soutembarques de cores
pelo barato prego de 59, 65, 79 e 85, ditos pretos
de grosdenaple de 199, 305 e 259 isto na ra
da Imperatriz n 72, loja de Guimares & Irmao
Vendem-se chitas muite linas sendo de cores fi-
xas a 240 rs., ditas largas fraccezas a 260, 280,
320, 367 e 400 rs., ditas percales finas a 480 e
500 rs. : isto na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares & Irmo.
Grande sortimento de cortes de chitas a 29300
e 29400, ditas finas a 35 e 29200 : na ra da Im-
peratriz n. 72, loja de Guimares & Irmao.
Vendem-se madapoldes finos a 49800, 59, 69,
79 e *9, dito moito fino a 99 e 109, dito francez
enfestado a 49,49500 e 59: na ra da Imperatriz
n. 72, loja de Guimares S frmo.
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se paletots de alpaca a 39, 39500 49
e 55, diuade casemira a 39, 69, 7i, 89 a 10,
caigas de brim de todas as qualidades a 19,158OO,
29 e 29500, brim pardo a 29, 29500 e 39, ditas
de casemira a 39900, 45, 49000, 59, 69 e 79 :
isto na loja de Guimares i Irmo, na ra da Im-
peratriz n. 72.___________________________
Na raa da Cruz n. 38, em casa de Mills Hat-
teau & C, vende-se :
Cha.
Oleo de Knhaga.
Folbas de Plandre.
Silins e silhoes inglezes.
Cerveja Aspinall.
Dita.Ba.ss.
Dita John Jeffres & C.
m piano com pouco uso._______
Cart& clrofegrapMca-
1 DO
THEtTRO DA GUERRA.
Acha-se exposta venda, as tojas abaixo men-
cionad ts, a carta chorographica do theatro da guer-
ra Has feudos do Suida America Meridional, con-
tendo ae plantas do Paysand, e de bloqueio e cer-
co de Montevideo. Ella torna-se reeommendavel
nao s pela lacuna que vele preencher, como pelo
esmero do trabalbo lytbographico.
Vende-se pela mdica qnantia de 29000as libra-
ras dos Sri. Nogueira, ra do Crespo; e de Sr.
Cardeso Arre, aa da Cadeia do Recife, assim como
as tojas da Exposieo de Londres e na lythogra-
phia do Sr. Carlos, a mesma ra n. 52, e na loja
do Sr. Cardo de Almeida, roa da Croa.
ulra parte.
Mmteiga ingleza especialnente esctlliidaa
l^ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a lwra e 900 rs. em barril ou meies.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 45
libras muiloproprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de t e 2 li-
bras a i.Ooors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 800 rs. a libra.
Costilletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino cnegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feij5o verdemito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e o,5oo
rs. a duzia.
dem klem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Aletr.ia, macamo e taluarim a 4oo rs. a 1-
. bra e 6,000 a caa.
.Massa para sopa : estrellaba, pevide e rodi-
uha braaca ouamareUa a 64o rs. a libra e
3,5oo a cajxa com 8 libras.
Vinho' do. Porto muito fino propo para
engarrafar, em ancoreias de S caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueiw e Lisboa a
32o, 4.00 e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinhobraaco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4o.o e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,'juo.
Vinho braceo para missa em caas de 1 du-
zia a 8;ooo e 680 rs. a garrafa.
Vinho do, Porto das melhores marcas que
vem ao mercado eomo sejam: Lagrimas
do Douro, Duque-do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D, Luiz I, Madei-
raSecea, MJHvazia fina a 16,000,15,eoo,
12,ooo e i0,000acaixacom i duzia e9o,
i,ooo e i,5oors. agarrafa.
Vinho Cherexde superior qualidadeal6,000
a duzia e i,5oo rs. a garrafa.
SardiBhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolacjiiuhas inglezas muito novas a 5,ooo a
b... rica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francez mui lo proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinbas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a-lib-"
l.oooel,2oors.a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l.ooo e 1,290 rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 acaixae6io e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a1,oooell,ooors.afrasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e8,5oo rs.a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhlo de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8o a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Paincoe alpisla a 14o rs. a libra e4,ooo
arroba.
Massa de tomatesde superior qualidade a 64o
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-
lho.
Chocolate francez 'espanhol e suisso a 9oo,; Figos comadre a 24o rs. alibra.
' Arr>" )as fh casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo-fyg am Bolachintia d'agua e sal, da fabrica deJoo
deBritr>no Beato Antonio, emlata de 6 li-
bras por 2,5oors.
Ameixas francezns em fiasco de vidrocom
tampa do mesmo, a 1d5co.
Ameixas francr zas em caixinbas de diversos
tamanhos com benitas estn pas na cai-
xa-eteior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna.
Azeite doce refinado hespanbol ou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novasa 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,000 a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propriamente dito a
la a garrafae 1 l.ooo a duzia.
Pa!ttosle dente a 14o rs. o maco.
Sal refinado em frascos de vidro com tampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 5fio e (4o
. a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos do a/Tamado fabricle Jos Furta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposicao Normal de Hataca, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5Vkk>,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,oco e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8ooocento el,2oosoltas.
Palitos do gaz a 2,2oo agrosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Bamba de porco refinada a 600 rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farmhado Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinbas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo,2,6oo e3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, era
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasemancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada umaancorea.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5ooa garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figosem sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitarras a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pe'cego,
damasco, rainha Claudia ecereja, a'800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa eaJ,4oo e 2.000 rs. a cariada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Vende se urna preta moca que perfeita gomtnadeira, cose ensaboa porf--it;.ni. nir-. r -
uha o diario de urna casa : na ra Nova n. U- se
ir quem vende.
AtU tica< 1
No dia 18do corrate aDMbteo-frf a (mi. va
Rofaria, mulata, ali?, ioi|iileiia. n|i. i.. irr
:i0 biiDi s de Klr.e, lalta de di alfs sa tittih 1 li 111
em i.ui dos bracos um fino Sr. 1( n So, Ion w
tulo de chita rr de roa, e rhale 1 nran a< 1. ia-
liiiea-fe a qutm a iippithiMif'r p M:i l;. ; mIio
natravessa de Santo Amaro zilhada de Belm.
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queiniado, n. 49 e 55. ' para admiran
Garretis de linha com ISO jardas......
Ditos com 200 jarda9 de Alexandre de
12 a 60..............................
Dito dito de 60 a 200..................
Novellos de liuba grandes com 400 jar-
das .................................
dem dem brancos e ae-cores de 100
jard.s ...............................
Livrospara assento de roupa layada...
Coxdo branco para espartllbo (vara)
Varas de franja branca larga.-.........
Pares de botos de punho todos decores
Ttnteiros de barro com tinta...........
Tesouras para costuras finas eonbas
Ditas para costuras com toque d'avaria
Caixas com 100 envelopes das melhores.
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso...................................
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
lho)..............................
Heiadas de linha frouxa para bordar...
Pares de sapatos de tranca........
Massos com superiores, grampas para
senhora.............o............
Frascos de macaca perola muito suerior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................
Ditos e garrafinbas de agua de Colonia
mnilo lina.......................
Pecas de litas elsticas para vestidos a
melhor qualidade................
Pares de ligas para senhora as melho-
res..............................
Frascos de auna dentfrico muito sape-
tor..............................
Caixas com 4 papis de agoibas a balo
e Victoria........................
Libras de la sendo de todaaas cores...
Bonecos vestidos e tamben de choro...
Caixas com superiores obreias........
Ditas de linha de gas com 50 novellos..
Enfiadeiras de fita para espartilhos.....
Garretis delinha de cores com 100 jar-
das ...........,.................
Petaa de cordo i mperial............
Resma* de superior papel a I mago a-----
Duzas de superiores meias croas para .
homa*a200e................. 3*W0
Dutias d* superiores meias para cabe-
ras a............v................
Sabonetes de familia mnito finos a 120 e
Meias garrafas de tinta a.............
Cartiihas da dowrtaa a oMlber quaHda-
dea..............................
CaoLvetas de cabo de marfiut dasnperior
qdandade........................
Varas de cordaobranco de borracha..
60
120
100
80
80
100
20
160
120
100
400
200
6i0
600
20
20
i300
30
200
300
400
240
320
800
6J000
100
40
800
60
20
40
245OO
54000
200
to
320
ilOOrJ
_I0
Veade-se a taberna da raa dos Acouguinhos
n. 20 : a tratar aa mesma.
tOTICA E DROGARA
Bar t lio lo meu Francisco deSouza&C.
34Itua larga do Rosario i
Vendem:
l'ilulBslIollo^ay.
Plalas do Dr. Laville.
Pilulas do Dr. Alian. \.
Plalas do Pobre-homem ^ K
Pilulas americanas. .
PUulasveg,etaes. clmn r
Plulasvegetaes assucarad48 ae *Tmvy
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grima
Viapo de Salsaparrilha deCt
Injfc{oFeauas. *
Agua dentiiea de Desirabode. ,
Papelchimico, para talhos.
Xaroae depurativa de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos aoli-epileticos deBrest.
RobL'Affecteor.
Tarop do Bosque.
Ungento Ilolloway. ____'
aias de w/
\, -; 7
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 35 lojas de minde-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por pregos mais barato do que em
outra qualquer parte, quem qoizer ver o qne ha
bom e barato venha a loja do Rival.
Duzias de phosphros de segoranca a ... 120
Francos eom essencia de Sndalo muito
superior.......................... 1,5000
200
200
240
24of0
1?280
500
540
20
Pe-biHcka i.u >ati).ja de fazendas
Foapa feila Bsciosal, raa da Impe-
ratriz . 72.
Peeaineba a 240 ra. a cavado de chita.
Vendem-se cbius de cores fixas a 240,280 rs. o
coafio.dltsfraacezaslargas a300,320, 360,400
e 440 rs. o covado : pecas de madapolao fino a 6#,
74, 84,95 e 104; pecas de algodo a 59, 64, 7
e 84 '- ra da Imperatriz n. 7%.
(loapa feita naeioaal.
Veadem-se palitos de cazemira prcto e da c6res
a 34,64, 84 e 104, ditos sobrecazacos a 12, 149
e 164. Palitos de brim de cor a.24300, 34 e34500
S, calcas de cazemira preta a 69, 7a e 8#, ditas
cazemira decora 9, f 7, e 84 ; coletea da
cazemira decores e pretos e ditos de brima 14500,
e 24500 rs.,; caigas de brim de cor a 24 24500 :
ra da Imperatriz n. 72.
SeataaaarqM de cares a 7, U I0.
Veadem-se soutambarqne de lia e seda para se-
nhoras a 7|, 84 e 104; ditos de grosdenaple pre-
to a 20 e 254 ; canas prebw a 20 e 154 ;
dos de a a Maria Pa a 124, i** e 164 : 'nada
Imperatriz a. 7t.
Cartea de caieara preta a 3j.
Vendem-se-rrtes de cazamlra preta para eatea
a 34,34800, 54 64 e 4, los de cazemira de
> a 34,44,5, e 74l dilos de brim de cores a
14000, e 14, ditos de chitas finas a 24400 e 34?O0,
ditos de cassas frabceza a 34 : rna da Imperairn
loja doteiratelro n. 72.
Escovas de dentesmu ito superiores a...
Latas com superiores banba...........
Frascos de vidrocom superior banha..
Enfeites do melhor gosto que tem vindo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira.
Pulceiras do melhor gosto e modernas.
Volta para pescoco do melhor gosto....
Baralhos para voltarete, finas a 200 e..
1 Varas- de franja branca de linba que
tem muita serventa................. 060
Duzia de pennasd'aoo muite superiores 060
Frascos de oleo Bboza mnito finos..... 200
Talheres para meninos a melhor quali- ffc?
dade-----'.......................... 210
Duzia de colheres de metal muito finas
para sopa........................... 24400
Duzia de colheres de metal mnito finas
para cha........................ 14300
Grosas de botoes de osso para caiga... 200
Grosas de botdes madreperula para ca-2
mita............................-. 500
Grasas de botdes de louca prateados
muito finos...................... 200
Cartas de alfiuetes francezes muito so-I
periores......................'.... 100
Caixas de colchetes francezes a 40 ris3
Dos............................ 360
Galianas para senhora a melhor quali-
dade............................. 200
'Duzias de lapes differentes qualidade a
240.............................. *?0
Quadernos de papel de peso mnito fino. 030
Resma do mesmo papel............. 24000
Dazia de facca e garro muito boas----- 24400
Capachos compridos e redondos muite
bons..............................50
Ortos para sof...................... **000
Pares de suspensorio mnito bons e para
acabar........................... I 'O"
Esseneta oriental para tirar nodoas de
raspa............................
Pecas de fita de la para vestido com 10
varas a....... '................. 000
Varas de babados do Porto muito supe-
riores a 100, 120 e................ *60
Livros com bonitas e finas estampas....______320
Farelio
em saceos grandes com doos
rpiaesquer a 44800 ; na ra
50, uberaa da esqulaa.
tamanhos de ontros
larga do Rosario n-
Fngio ha 15 das una pela Atriraaa de no-
me Tlitma, quercpiodiia 50 aiiiii*, \t\.u mais
ou menos, baixs, lula, Biaata, tutti lin ' . I ot-
ea grande, pcrbaixo deBUthoe um inn fins 1 ie-
ia, alfims (aMIos biabaos, amlto-vrsilfta. t dos
cas sales e les cultos, levando vaatido i* iluia
amarellodceboladoum tnnai ei.ratiua ftiioa
baiana, ptnno da CoMa ctm funja carauartarcia
lilas, cocIDDia a dizir rue forr : qoib a P'gaf
ievp a ra da Ctuz n. 35, sffOBdo andar, iu a rta
da Guia n. 26. que ser piaiilicado.
Ali;i-.-e lUjIlU 0 |It!0 0\ H(I( Gibril,
rrioulo, de idade pouro mais tu ttm s 'ib innos,
baixo e eorpolenio, iwmo runo e IiImIc, pffro-
cocurto, olbos vivos e sihraa n II.: s aiquiadar.
bocea regular, denles alvi.s,/('.' (irle s t largos:
roga-se as auiondades vigilancia pi 1 m deci 1 Dar
delle querer asteniar prafa vv tvr\ o des voli r.ta-
rics, ou a quem a elle pegzi rom i;.ir ;i eigenio
Tapugy de c ima da ron arca do Cabo a 11 Ingai a
seu senhor Antenio Jeaqom Cavalranli de Alta-
querque on a Jorge Clemente de Borba Cavalcaa-
ti, na ra de A olio n. 34, epttndo iidar, i,ue
ser gratificado : de^ccra-.e lambrai delle estar
ou andar na cidade de Olim'a, visto que dsM foi
cemprado a um preto ferro de cine Gd l:< i :i ii o
Sebastiaodo Hi-faiio, a 17 annos-, ituio maisin
menos : pede-se, portanto, sos urbores rapM;
de campo, tanio alli cimo de ontias 1 zrli s. m .1
raplura as eocdiQoes cima dias. Dito esrrav"
j foi visto nesia cidade e no aterro dos Afosan* >'.
Na noite do dia 9 do correrle mez de?; 11 -
receu da casa n. 48, na travessada ra da Co&cor-
da, urna n,ii;iin.i a capliva de nome Fntirisca,
com os signaes seguintes : amaiella, ps <-j-.i: i :.-
dos, cabello corlado meio esloijuiadn, evi 1. \ ,.
do de chita j usado e camisa de nadapolAo. ade
j muilo sujo, de idade 10 nonos; julga?e in >ido
seduzida de rasa em razao de ler vindo do 11 ato
lia dous mezts, pouco mais 011 menos, e re : Ur
ra alguma : roga-se anexidades poliri^t* a
appnhersao da diia mulaiinla, e leva-la a casa
cima mencionada.______________________
Aos coyitts te camp)
Desappareceu no dia 21 do ((irme, di rjfj de
seu smbor. .9 escravu de nene EeiifdieK, ,1 ia
escuro, com idade de 25 anuos, leitu \< Hi< i 1 ul-
ra de algodo de listra, rani.-a de alfil h * ier-
ra, e chapeo de conro de aba largas,!'n alinra
regular, cheio do corpo, cabelle a iMi\,ila
olhospretos muilo vivos, 1..;.,- e Lona Mguiares,
muilo pouca barba no queixo e. i.m | co.todos os dentes, ps regulares, etc. ; e re-
sumir queseguisse a estrada de Cotorra i-ci ter
vindo da cidade do Souza, prcviicia o;> Faiabiba,
ha 13 dias, e foi comprado ao flr. Jo; >.i [01 c
Borges daqnella cidade : ropa-se porlinli asse-
nhorescapiaes decampo a apprebensSo do rtfe-
ridoescravo, e levarem-no a ra do In | eiadi d.
83, eegDBdo andar,que se gralifieai n n H(.
* *



No dia 4 de janeiro do anno de 1P64, fr.gie do en-
genho Conceico, comarca de Pic-d'lho, o esera
vo*Galdino, perteceente ao alaixo ajslgoado, rom
os signaesseguinles : idade 26 ar.nrs, arde, claro,
corpo, figura e altura regalares, cabellos meios ca-
rapinhados, olhos pardos, Bobraneelhas e palrefcras
salientes, tem em cada braco um sir de Salonao,
sendo um delles mal feito, e jor.lo a este Dina cruz,
tem na cabera urna cicatriz de rn a pnlegada, e in:
cima de um quarlo urna oulra cirairil de ires po-
legadas, proveniente df pinta de pao e qeeda. lem
sobre as cosas algomas n arras tu riratriti s de re-
Ihadas on chicote; um pouco deseml^arscafii quan-
do falla, tem principio de carpira e caeiro, teca
viola e barbado. Foi soldado do rori o de p< liria no
Recife, e levou comsigo a haixa do theor freninte :
Seroao urbana, 2' companbia n. 0. Anki io (":,fta-
no de Oliveira, ftlho de Agostinlio Ferreia de Rri-
to, natural de Ingazeira, rr parda, cabellos rara-
pinhos, olhos pardos, (fflcio nenlium, ruado citel-.
ro, com 30annos de idade, 60 pr legadas de a llora,
ao engajar-se. Engajou-se na firma do regola-
ment, em 17 de fevereiro de 1862, por ifbVio do
Exm. Sr. presidente da provincia, datada de 28 de
abril do rorrete, e publicado ao corpo em orden
do dia 1* de maio, ludo em 1862 ; leve baixa do
servico por ter dado em seu lugar o paisano Jeao
Pedro Ferreira da Roeha. Foi escravo do rapilao
Joao de Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e hoje mn ador na
Campia Grande da Parahyba do Norte, que o ven-
deu em das do mez de novembro de 1863 ao abai-
xo a-ssigna-do, pelo cestume de andar fgido e a ti-
tulo de forro com o nome mudado ; pelo qne roga-
se a attencodas autoridades civis e militares, nao
s desta provincia como das de mais do imperio, a
apprehensao do dito escravo, que a titulo de firro,
nao teaha sido reerntado ou assentado prac,a na
algnes dos corpos de Volentarios da Patria, ir Ri-
bero pede se aos capiles de campo e pessras par-
ticulares a mesma apprehensao, e leva-lo ao seu
seabor no referido engenho Conreican, en cesta ci-
dade ao capitao Mauricio Francisco de Lima roa
do Brum n. 56, que aera gratificado com 2004-
Jos Maria dos Santos Cavalranti.
Negro fugtdo
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro desta
anno o preto Joaquim, de nacae Angola, que foi
escravo do Sr. capitao Erancisco Joaquim CavaJ-
eanti Galvao, morador em Maria Farinha (Prato),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do as-
no passadoao Sr. Manoel Francisco Marques com
armazem de assucar ruade Apollo; levon ca-
misa e calca de algodo braneo, reprsenla ter da
45 a 50 annos de idade, alto e de grossura regu-
lar, cor fula, cabega comprlda, qneixos largos,
olbos amortecidos, beicos grossos, sendo o supe-
rior nm tanto defeituoso, bastante barba, porm
raspada, finalmente tem urna grande costura entra
ospeitos proveniente de queimadura, e suppde-so
ter-se dirigido para o norte, d'onde veio : grattfl-
ca-sea quem o apprehender ou denunciar o coito
em queestiver : na roa da Cadeia do Recife no-
mero 52.
Vende-se um escravo idade 25 nnos insigne
offlcial de carpina e bonita flgara : na. travessa do;
Carreo a. I.____________________________*
" MHho novo em saceos graades: na trapiche
d9 Caoba, a tratar com Tasso Irmaos.
Fugio em principios do mes de fevereiro do
corrate auno e fOBsta estar aceutado nesia cidada
o molean* Bazebio. escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade pou-
co mais on menos, cor preta, secco do corpo, olhos
reprhrra e afumaeados, rabera om poner, grande
e roeia caita, baleo fiaos, dentes bem alvos, ps
seceos amarte ladiao: aaa-a* par taattra todas as
autoridades paliciaes acapities.de campo que oap-
ncebandaat levem-o a rna da Mangneira sobrada
. O qne satfo gratificados, protesmdc-se usar dos
rattos jodklaes centra quakjwr peasoa ove o leoha
em seu peder.

ai ^

IMUHDCT3!
i
\
ILEGIVEL
.


Alarlo de rersavbi
(da felra 1 de Malo de !&.
UTTERiTRA.
W.tTERLOO
quem fr, vers que ha de ser urna cousa toucados de compridas franjas de&rucados mente ha de chegar. breve alguma ordera. Cora o andar do tempo chegou a caixeiro
os olhos passiram toda a de Paris qae mande recolher aquelles ra- viajante do' estabelecimento, e por Jim, de
|Dazesao seminario. Boas noutes I sociedade com alguns amigos, (undou em
"Entrei no mea quarlo, deitei-me, e fiquei Manchesier um estabelecimento de fazendas
* (a pensar muito tempO em Catharina, noja- estampadas.
boas uns como os outros. -Parece que para
ageites lugares se escolhe sempre o qu ha
oeior e mais mandrio.
. I depois disse :
Mas nao te 3f!lijas. Lembrou-mo 'urna
(iousa que vai desencantar este negocio.
Rila ria, e o Sr. Goulden eu estavaraos
aurioss porouvi-la.
Ainda agora, toruou a lia Gredel,
guando eu eslava na piaca, Harmandier
ipregoou que ia serditi urna missa soleni-
_do|
velho taberoeiro das Tres Rdfg; defronte do
quartel de infantera, e dissBtlfie'
Era algum padre, Sr. Gtolden >
Qual padre responden sorrindo; eu
fallo do velho Colin.
UM POUCO DE TUPO.
L-se no Jornal de Lisboa o seguinte:
Um jornal de Turin recorda o autigo pro-
Em 593, quando ti- verbio italiano, que djvidia os sete pecca-
nhamos a assembla na igreja.,todo*o mun- dos mortaes entre as principaes cidades de
do podia pregar, mas era Coli quem falla- Italia.
va raelhor. Tinha urna voz seberba e dizi.
cousas fortes e justas. Vinha geato de Sa
Nao digo que n3o. pressa.
Tinhamos chegado porta de Allemanha. I Olha, disse o Sr.
Despedi-rae da lia Gredel e voltei para casa antipas ; eb ( eh I sem;
(Continuac.ao do conscripto de 1813.) muito contente. Ipra as mesmas!
roR- j II Elle ria e disse que
ERKMANN CIIATRIAN Se me Icmbra esla visita da lia Gredel tmha visto tanta gente
i'mmeira paute. porque oito dias dep i comegaram as pro-j Eu nao po lia imaginar (ja
II cissoes, as penitencias e os sermoes, que s
(Continuado) cessaram quando vultou o imperador eml8l5
Entrei na sala do trabalho, onde, a ta e depois coinecaramoulra vez ese prolonga-
G edel conversava Com t> Sr. Goulden acer- ram at. apartida de Carlos X em 1830.
m do mercado, do prego dos cereaes,. ele. iodos os que sao d'essc tempo sabem que
Ambos estavam contentes. Ella tinha pou- era u,n nunca-acabar. Por isso, quando
sado o cestinho no chao e disse-me : pens em Napoleo, ouco o canho do ar-
Entio, Jos, ainda nao veio a licenca ? S3nal trovejar de manha fazendo tremer as
Ainda nao. Urna cousa assim nossas vidragas, e o Sr. Gouden grila-me da
I' verdade. Isto de ministros sao to cama:Mais urna victoria, Jos!... ehl verne, de Sarreburgo, e ainda de'awis fong'e
eh : sempre victorias!Equando pens em para ouvi-lo. As senhoras casofsVsoItei-
Luiz XVIII, ougo .< toque de sinos; imagi-! ras, as cidades como erito s dtz&enciam
no o lio Brainstein e os seus dous rapazolas o coro, as galeras e os bancos j-'jmnam' to-
agarrados a todas as cordas da egreja, e o pes nos toucados, e cantavam a fl^ellieza
Sr. Goulden que me diz, rindo:Olha, para animarem a raocidade.- Nunca viste
Jos, aquillo por S. Maglorio ou S. Poly- nada como aovillo. O ha Anna Petit e a
carP tia Baltzer, e todas as que vs correr-adi a n-
Nao posso imaginar esse lempo de outra te de nos, com os seus livros d oracoes,
raaneira.i erara sempre asprimeiras; mas entilo ti-
, -".tera.:,o do imperio, tambem vejo o tio nham dentes e cabellos, e amavam a liberda-
f, Nicolao Holl' e mais cinco ou seis de, a igualdade e a fralernidade. El! eh !
~;'S
_'que
mais. repettrem os vinie e um tiros, em quanto Deus Ihes perdoar.
De Jorge Cadoudal, disse .o Sr. Goal- melade da gente de Phalsburgo, no bastio E ria-se recordando os tftnpos passados.
den com aspereza ; li isso beatona noute fronleiro, olha para a luz vermelha, para o Mas na escada da igreja mostrou-se triste e
na gazeta. fumo e para s buxas que saltam nosfossos; disse: *
Do Cadoudal. justamente, disse alia depois as illuminacoes, as bombas de arti-> E' verdade, verdade..viudo muda.
Gredel. Ora, olha, Jos
disse logo ca commigo : Oe
a erta. Hade haver procisses, sacrificios de, os atlcstados de bito e a conscripgo. mocos d'aqui partiram para o exercito de
ispiatorios, e nos iremos todos, Jos, Ca-| Durante o temp de Luiz XVIII, vejo os Moche; elle foi atraz d'elles e veio a ser seu
ihaiinaeeu, na frente, vista de todos, e a'la es de estago, os aldeos que appare-jcommandante. Era um hornera terrivel no
todos iliro : Estos sao bons realistas, boa cein com carros de musgo, de giestas e de (meio dos seus granaderos^ Recusou a sua
gente. O Sr. abbade sabe-o logo. Os ab- pmheiros novos, as mulheres que sabem de assignatura para nomear
bades agora o truufos como j furam os casa cora grandes jarros de llores, os ho-!dor. Agora... enche co
generaes e os coronis. Iremos ter com mens que emprestara os seus candelabros e um mostrador,
etle, que nos ha de receber bem, e escre- crucifixos, e depois as procisses, o abbade | Depois, olhando para mimedmo espanta-
cobino e na procisso do dia seguinte.
(Continaar-se-h).
n pelo descanso das almas de Lfliz XVI, de veteranos que atacam os seuscanhoes s se- coitadas I... agora vo fazer penitencia. Pois
Picaegra, de Moreau e de nao sei quem l horas da noule depois do Te-Deum, para eram bem boas patriotas. Mas eu creurque
iiuciuc, ulaac a iid "r"a " iu"iav"co> a uvmvcio uo aiii- jd vciuduc, 3 vcruaue... luao muua.
; quando tal ouvi, cio, os foguetes, os rapazes que gritara; Ainda me lembra que no dia em que Colin.
De-la vez a licenca P><* imperador I e, alguns dias mais tar- fallou da patria em perigo etn 93, Irezentos
arte impera-
bebidas em
ve i
um requerimenlo mesmo pela sua e os seas vigariosj os meninos do coro, o do dos seus proprios pensamentos:
lii-i .1,1 (n li...- ,.iia m*a mS* i (i1 .i'l k' cL'cli \a tiiiiii1'! uarmollia .-nm a .c_ r.nlramno TnnA
te digo i]ue isto nao pode
bedel Kifkeli de tnica vermelha com o es-
Entremos, Jos.
Entramos at aos grossos pilares do or-
gao, muito chegados unfao outro, e o Sr.
Goulden j n5o dizia nada. Por cima das
caberas brilhavam algumas luzes no fundo
do coro. O silencio s era cortado pelo
ranger dos bancos. Isto durou bem dez
uiuu. Olha que
faltar. tandarle que varr'e o cu, sinos que tocam
Expiicando-nos essas cousas, a tia Gredel | desesperadamente, o novo presidente da ca-
fallava baixo, reforcava as palavras com imara(X m a sua caraga vermelha, o seu vis-
movimentos dos bracos e pareca conten- toso uniforme e a sua medalha de S. Luiz ;
tissimr da sua esperteza. Eu tambem es-' n.ovo commandante da prac^ Roher de La
taca conlote e dizia commigo : Ella lemiFaisaoderifi, com o seu chapeo de tresbicos
razao; isso mesmo o que devemos fazer. j debaixo do brago,grossa cabeleira polvilhada | minutos e ia sempre entrando gente. Por
Mas depois, olhando para o Sr. Goulden, vi ]e bordados que resplandecen ao sol; e atraz,: fim ouviu-se a alabarda dewisrou bater no
que tinha canegado o gesto, e at que nos j conselho municipal e as velas sem conta pavimento, eo Sr. Goulden diSAW-me.
tinha quasi dado as costas para examinar (lue se accendem urnas as outras quando Ei-lo I i
om i elogio cora a lente, encrespando as M" vento; o suisso Joao Pedro Sisrou, comj Urna luz que estava por cima da piada
grossas sobrancelhas brancas. Eu conhe- ia barba bem escanhoada, magnifico chapu gaua benta allumiava-nos algnma cousa.
cia-lne logo no aspecto quando urna cousa l^e iravez sobre os hombros, argo boldri^ma sombra subuao pulpito da e-querda
ao Ihe agradava, e disse : de seda branca, semeada de flores de liz,: e a vara de Koekeli accendeu dous ou tres
Ouca c, lia Gredel : ou cuido que a a|abarda a prumo, que reluz no a como de cirios. O prega'dor teria de vinle e cinco a
cousa pode ser assim ; mas antes de fazer Pia,a >' as raparigas, as senhoras e os mi- trinta annos ; era bem apessoado e corado,
ad, gosto sempre de ouvir a opiniao do, bares de pessoas do campo com o fato do-: e tinha compridos cabellos louros qae lhe
Sr. Goulden. raingueiro, resando todas juntas, as velhas cahiam emanneis sobre a nu'c?
Entao elle voltou-se direilo para nos e na frente do povo de cada aldeia, repetindo Comecou-se a cantar mg-c( co. -Era
disse : de continao cora voz clara; Bell fur um I as meninas solleiras da ia!\e -^e canta-
Todos sao livre< Jos, e todos de vena betl f"r >"ls (orac por ns), as ras jun-1 vam em coro : Ditoso q%ftrn *0 cbrist5o
seguir os cooselbd da sua conscencia. Ou- caclas Je folbagem, os ramos e as bandeiras. Depois disse o pregadorque vinha defender
ir missa ; or a alma de Luiz XVI bom. brancas as janellas, e os judeuse os lu.tbe-! f,a religiao, o direilo divino de Luiz
O, homens de bem de todos os partidos nao ran0 Pr detraz das suas peicianas, que es- XVIII. e perguntou se alguera teria a auda-
tem nada rjie di/era isso, cointanto, btin la0 na sombra a ver ra qnanlo o sol allu- cja de sustentar o contrario. M^sninguem
i por
Piclegru, por Morea, por Cadoudal, a cou-
sa '' mira. Pichegru qniz entregar o seu
execciloao inimigo, Moreau bateu-se contra
a Franca e Jorge Cadoudal um assassino.
Foram Iros homens ambiciosos que o que
queriam era escravisar-nos, e que merece-
rain bem a sua sorte. E' o que emendo.
e as oulras ceremonias
pos
extraordinarias.
dufronle, hornera de seis ps
i que
de altura'.
Digo ito .or urna vez, porque fallar de ca- tostado, e coberto com um capote i>reto, le-
da procissao por urna vez seria cousa mui- ivanl u-se, gritando :
lo tonga. I Sustento eu.. .eu.. .sustento que a
Ora pois, islo comecou em i9 de maio de f' a religo, o direilo dos reis, e tudo o
1814, e nomesme dia em que Harmentier mais, sao verdadeiras superslices. Sus-
annunciava ao publico a grande procisso de tent0 1uc a repblica jusfll e que o culto
Ai, meu Deus, exclamou a lia Gredel,; penitencia, chegaram cinco pregadores de, da razao vale mais do que tudo !
que nos importa csses homens ? Nos nao! Nancy, gente moca que se poz a pregar du- .E outras cousas n'este gosto. Nao pava
vamos l por causa d'elles, vamos parapo- ra"te toda a semana desde pela manha at ninguem que nao estivesse indignado. Nun-
lermos obter licenca. iSao queremos saber a meia noute- Era para preparar para a ca se tinha visto nada similfiante. Quando
de mais nada. Nao as m, Jos ? i penitencia: n3o se. falla va de outra cousa na! elle acabou de fallar, olhei para oSr. Goul-
Eu eslava embancado, porque me pare- cidade, e os home.ns convertiam-se. e todas den, que eslava a rir socapa, e disse-me
ca justo o que o Sr. Goulden acalma de;as mulheres e raparigas iam ao confesso.
dizer. Elle, conbecendo isso, disse : Tambem corra voz que seria preciso res-
N3o tardou a lancar-se na poltica local e
lomou nma parte activa na vida publica.
Em 183 i, den urna nova direceo s suas
viagens.
No decurso desse auno, visitou a Grecia,
o Egypto e a Turqua
No auno seguinte parliu para a America.
Os fructos deesas viagens acham-se col-
eccionados em'duas brocharas bem cunbe-
cidas.
Em 1837, contando 33 annos, conheceu-
se com furca sufticiente para tentar a carrei-
ra parlamentar.
Apreseiitou-se, portanlo, candidato pela
aldeia de Stockport, onde foi mal succe-
dido.
No anno seguinte deu prinripio giande
agitagao por causa da legislacao de cereaes,
ilii fra do parlamento prmeiro, em seguida
como representante de Stockport, at 1846.
Em urna representaco do Olello atiraram Mais farde lomou urna parte consideravel
Malebran um bilhete do banco, que o Te- nos negocios pblicos, e por ultimo, no tra-
nor leu em voz alta: tado de commercio com a Franca.
Banco de Inglaterra. Mil libras sterli- Depois do estabelecimento de liberdade
as.. Servir-se-ha pagar a vista e ao porta- do commercio de cereaes, profera urna se-
dor etc. rie de discursos contra a poltica eslrangeira
ma garg ilhada geral interrompeu o Te- foi acensado de se faaer o advogado da paz
or, quedepoisde 'er consultado a Malibran, e a todo o proco,
se dirigiu ao proscenio, dizendo : ______,_i__==__
Senhores, nao podemos continuar a'
leitura deste bilhete; abrimo-lo por equi- L.se Cnmmprrn a., r ,
Z'<,rcaeevtasubicrip,iipaia osi)o- 4H ?7
1 (Jffl jornal de Nova York faz asegrate
-------->--------- enumerado das despezas de toilete de urna
dama dos Estados-Unidos.
aples, a preguica.
Florenca, a avareza.
Milo, a gula.
Boln ha, a ira-
Genova, a inveja.
Veneza, a sensualidade.
Roma, a soberba.
Mr. Morrill E tambem sob a frma de
W ashington, etc.
Mr. Kernan Onde que se pratica
isso '
Mr. Morrill Em New-York.
Mr. Eldridge, de New-York Quem
o autor d'esta fraude?
Mr. Stevens levanta-se e hesita em respon-
der. Porm decide-se a isso, animado pelos
gritos de : fallu! oucamos!
Pois bem disse elle, a casa com-
mercial que gira sob a firma de Pbelps,
Dodge 4 C.
A moral disto, que as estatuas e objec-
tos de esculplura em geral sao admiltidas
pelas alfandegas livres de direitos com o
hm de favorecer as bellas artes, e que o
chumbo em barras paga um direilo conside-
ravel.
Os negociantes Phelps, Dodge & C. fun-
dam as suas estatuas e vendiam com licros
fabulosos o chumbo assim fundido ao gover-
no americano, que d'elle careca oara fabri-
car bailas.
Em urna das noutes passadas, durante a
represenlac5o do Fausto, no theatro lyrico,
de Barcelona, urna senhora deu a luz na
ultima ordem urna creanga robusta, que ape-
nas nascida, comecou a chorar lastimosa-
mente.
acaba de apear-se
Olhae bem para eila
da carruagem.
Com que mageslosa simplicidade vae var-
rendo o solo cun o vestido, para alravessar
a ra e entrar n'uma luja de modas!
Acaso o leitor ser capaz de adevinhar o
Grita, grita, disse um amador indig- o^jeoto que elle
nado, nem sequer te lembras de que nao pa-
gaste o bilhete.
Apparece ha alguns dias na vidraca de
tima das grandes lojas de modas de Paris
urna crinolina deprata, no valor de 7200000.
Eslava em certa noule de sentinella n'ura
posto avancado, um recruta andaluz, e mais
por medo do que por outra cousa, disparou
a arma.
Saliiram correndo do corpo sagrado o sar-
gento e alguns soldados, pertendendo tomar
eonhecimento da oceurrencia. '.,
O que ha ? perguntaram todost
Agora, nada ; respondeu aseiiiinella.
Mas se estivesse desprevenido, estaramos
degollados todos a estas horas. Ao prmei-
ro que seaproximou... pum ... e mor/eu :
os outros fugiram.
Vamos ver o defunto.
Nao vo por elle: atire-lhe to a quei-
mar roupa, que o reduzi a cinzas.
vae comprar
Talve/. Ilie nao seja isso impossivel depois
de lbe dizermos orno ella vae vestida.
Preste altenco. ,
O vestido de seda moire antiqu cor de
malva, a oito duros por jarda (prego de
Nova-York, pagavel em papel moeda), guar-
necido de rendas ede botoes de metal, que
ella pagou a raao de seis duros por cada
par, tendo-lbe sido precisos doze pares.
S enfeites custaram-Uie setenta e cinco
duros.
Ora, vate e seis jardas de seda a oito du-
ros, somniadas com setenta e cinco duros,
nao representan] menos de duzentos duros,
sem conlar o l'eitio e outras bagatellas, que
pederemos calcular em trinta duros.
A capa de veludo preto, enriquecida com
urna profuso de vidrilhose rendas, a aba di
chegar de Pars, e araras paula das alfan-
degas que est em vigor, nao .custou menos
de quindenios duros.
O chapu tambera veiu'de Paris, e olhan-
do bem para os enfeites que o adornan),
para as rendas, plumas, ele, toda a gente
acha-lo-ha barato por cincoenta duros, incu-
indo o feilio.
Depois de tancar um golpe de vista sobre
_ ... este gracioso conjuncto, examinae o delalba-
Todos os defeitos tem sua especie de cora- damente; admirae o cabecao, feito com tea-
pensagao. da de Inglaterra: cuslou-lhequinze duros: o
As pessoas extremamente altas, por exem-cbapeUmho de sol, que lie Haz com lana
po, tem as seguintes vantagens: dominar
! graga, todo coberto de rendas, nao pode
Escuta, escuta 1
Eu cscutei naturataiente, e'ouvi que o
Coinprehcndo o amor da gente moca;! tituir os bens nacionaes, e que procisso pregador pedia a Deus por aquelle inQel.J {3w|1'. ln5o "darem iroicMem'occasi3o' r-L'd
mas. lia.Gredel, nunca se devem empregar separara os meliantes dos homens de bem,Depois entrou a fallar tao admiravelmente \\painniamentn ^;C.-.
taes meios pira induzir um mancebo a sa- porque os meliantes nao se atreveriam a contra o outro, qu estavam todos extasia-
crificar o que Ihe parece decoroso. Se Jos aPParecer. Imagine-se cmame magoaria ds. E o outro responda dizendo : que
alo pensa como eu a respeito de Pichegru, ler de ser contado contra a minha voo- I'fn,,a s'do bem feito guilhotinax Ldiz XVI,
Cadoudal e Moreau, v procisso, nao lbe*, Latle H0 PUIDero dos meliantes. Gracas
Mara A'nlonieta e toda "a familia I..'.. De
levo isso em mal; nunca terei occasio de! Deus> nada .mer I esava na consiencia pela maneira que a indgnajo crescia^sempre,
o censurar por es-e acto. Mas pela minha imorte Je Luiz XVI, eu nao tinha bens nacio-
parte declaro que nao vou. inaes, e tudo "o que desejava era obter li-
Nem eu, disse eu enlo. Eu c sou I cen5a para casar com Catharina. Eu tam-
do parecer do Sr. Goulden. he A lia Gredel fez-se muito vermelha e es- ^uklen fazia mal em ser um teimoso, mas
teve a ponto de romper em gritos de resen- na0 me atrev'a a dzesr nada. Senlia-me
timento ; mas acalmou e disse
Pois bem Catharina e eu iremos,
porque nos rimas dessas ideas velhas.
O Sr. Goulden nao pode deixar de sorrir,
vendo a sua colera.
Sim, todo o mundo hvre ; facamo
que quizerem.
Ella pegou no acafate e sahiu, e elle, rin-
do, fez-me signal para que a acompanhasse.
Vest
infeliz, porque os que vinhara trazer-nosos
seus relogios para concertar, h mens res-
e por fim os Barraquinos dosBois-de-Chene,
e principalmente suas mulheres, quizerm
correr ao banco para acabac com o impio.
Enlao chegou Sisrou a gritar :
. -Deixem passar 1.... deu.em passar !
0 Velho Koekeli, com a sua tnica verme-
lha, correu adianto ddle, e a-ftomem fugiu
para asachristia, esguendo astnos para o
peitaveis, authoridades municipaes, coutei- '-e" ^gritando que estiva convertido, que
ros, todos approvavam os sermoes e diziam'J^g1^*3 Satanaz, s suas.po i pas e s
que nunca se tinha ouvido urna cousa assim. \0 J,' O padre resoo? etitio urna ora-
0 Sr. Goulden ia trabalhando sempre sem ^S^ fil^ do peccador. Foi um Ver-
responder, e acabado qualquer concert, di-
zia :Aqui est, Sr. Christovo ou Sr. Ni-
colu.. custa tanto.Nao dava ares de in- iann .
a minha sobre casaca a toda apres- teressar-se por essas cousas, e s quando um. ^GJ*
e alcancei a tia Gredel esquina da ra. ou outro fallaya de bens nacionaes, da re-!_, Fo
^tolr?mPh0 Waaroligo."
Tlnrinn-3lun(to stia pelasflnze horas, e
E
ciou-
no dia
a situacao, ter melhores garantas de cor-ote-io por menos de vinle e cinco duros;
rer bem ; poder presenciar da ra qualquer iecCo que tem na mo, em abertos e ricamente
procisso, sera incommodar os que Ihe dea-'bordado, vale quarenta duros; aquellas en-
rera ao pe ; andar menos arriscados a que! cantadoras botinl.as de salto nao sahiram da
Ihes mettam as maos pelos olhos ; respira- i0ja jo sapateiro por menos de sete duros:
rem ar mais sadio. as |uvas custam boje dous duros em lugar de
\antagens das pessoas extremamente pe- um> como ain,i na pouco custavam.
quenas : escoader-se com facihdade, quan-j oiliae que e la nao gasta menos de duas
do Ihes for necessano ; alojar-se em qual- juzias t|e pares em cada estago.
quer parte ; gastar menos fazenda para o | se addicionarmos a este rol os brincos,
seu vestuario ; andar menos expostas ao as pulseiras, os anneis, o relogio e outras
poder descobnr raelhor qualqueraiudezas, leremos o resultado seguinte:
"l"y duros
500
50 i
25
objecto precioso que encontrem no seu ca-' Vestido, fetio, enfeites, ele.
rem nos olhos eme"
de ajuniamento.
Chapu .......
Cha] rUmbu de sol. .
Caberao.......
Este artigo publicado pelo jornal ingtes|yu fe q,'ie a0" tinhamos
feito menco)
Perthshire Journal and Constitutional
Temos o pezar de annunciar o fallecimen-
to de Tom Bangs.
A sua alma deixou esle mundo na segun-
da feira passada.
Tinha attngido a edade de quarenta e um
annos, sem nunca soffrer a mais leve indis-
posico, e de repente urna doenca no-lo ar-
rebatou.
O' que a vida !
Boje estamos de p direitos, como a her-
v que nasce, para no dia de amanha fi-
carmos estendidos por trra como urna abo-
bora.
Tom tinha um bonito estabelecimento, do
qual a viav assumiu agora a drecgao.
Folgamos de poder dizer que as suas me-
e que a procisslo sea
que era um dosingo.
o causado grande aperto. que nos ti- cadVriasTunca'foram aduteradas'
- Olha, Jos, disse-me, caminhando para Dellia0 de vinte e cinco anos, da expiago "lia empurrado para um canto, a Sr. Goal-1 posto que o rio corresse a pequea ds-
a praca, aquelle Sr. Goulden um bom ho-.dos antl80S 'crimes, entao lirava as canga- aen. e eu topos dos ltimos a sabir. Quando tancia da sua toja, e que elle tivesse muita
mera, mas um velho aparvalhado. Desde ll,as' levantando a cabega para escatar, e di-, sabiinos, j estavam fra da porta da Alle-
zia com ar de admirago : ,manbaos aldeos dos Quatro" Ventos, das
Que me diz f... ora essa !.. pois is-', Barraques, de S. Joao das Cboux e do Bi-
so assim bonilo, Sr. Claudio ? Realmen- 8elber8- Na0 se ouvia senatr -atgumas ja-
le eslou pasmado / Pois esses pregadores, ne"as i06 se ecbavam, e algumas velhas
novos fallam to bem I. E eu com tan-1ue am pela ra do Arsenal conversando
to que fazer que nao posso ir ouvi-los, ten- \aeerca d'aquellas cousas extraoudmarias.
do, como tenho, necessidade de esclare- ^ ^r- Goulden e eu caminhavamos para
cer-me l.. caiia r' meo daqa.elle grande sildMip. Elle
Eu pensava que elle mudara de ideas - nao dizia nadaesorria cem a erepiclina-
cerca da procisso de Luiz XVI, e na vespera!da Para diante- Foi assim que enejamos
noute, quando acabavamos de cear, fiquei sa'a do trabatoo.
contentissimo por me dizer de repente com I Accendi a vela, e em qurato elle se des-
muito boa cara : P'a^ disse-lbe :
Diz-me c, Jos;, nao tens vonla-! Ent5o, Sr. Goulden, fallam bem ?
que o conhece nunca o vi contente com cou-
sa nenhuma. Nao se atreve a dize-lo, mas
a sua idea sempre a repblica. Nao pen-
sa seno na sua velha repblica, onde todo
o mundo era soberano: os mendigos, os
oildereiros, os remendos, os judeus ."e os
christos.' K' urna cousa semgeito nenhum.
Mas por fim de contas que se lbe ha de fa-
zer ? Se nao fosse um bom homem como
, nao Ihe punha os ps em casa. Mas de-
vemos lembrar-nos de que, se nao fosse elle,
nao tenas tu aprendido um bom oflicio, e
que nos tem feito muito bem. Ahi est
porque eu sahi logo, porque se nao sahisse
to depressa era capaz de Ihe dizer alguma
cousa dura.
Fez bem, fez bem. Eu quero ao Sr.
Goulden como se fosse meu pae e a voceme-
c como se fosse minba me ; por isso j v
que nada poderia magoar-me mais do que
ve-Ios desaviados.
Eu desavir-me com aquelle homem !
Mais depressa saltara pela janella. Isso nao.
Mas tambem nao devo dar ouvidos a tudo
o que elle quizer dizer, Jos, porque c eu
digo e torno a dizer que a procisso mui-
to boa para nos, qne o Sr. abbade nos ar-
ranjar a licenca, e isso o principal. En
irei com Catharina; tu, visto que o Sr.
Goulden fica em casa, ficars com elle. Mas
aposto que tres quartos da cidade e dos ar-
redores bao de ir como nos, e seja por Mo-
reau, por Pichegru, por Cadouldal ou por |
de de ir ouvir os pregadores ? Contam-me' ~~ E' verdade l ."sim, n5o';faHam mal
d'elles tantas cousas admiraveis, que estou
com.desejos de saber o que .
Ai, Sr. Goulden, vonlade os ouvir
o que'mais tenho; mas entao ho deveria-
para gente que nunca viu nada', alguma
cousa.
E poz-se a rir alto, e disse :
Mas se o velho Colin tivesse feito de
parece-ml que havia de atrapa-
areia no seu jardim, nunca temperou o seu
wiskei com agua, nem poz areia no assucar.
O peixe que elle venda era, como sua
mulher, de urna frescura incontestavel.
Descansen? em paz os seus manes I
Deixa urna mulher, nove filhos. urna vac-
ca, qu?tro cavlos, urna loja de mercearia
e outros quadrupedes para chorarem a sua
prematura perda I
Relogio, cadeia e pulseiras
Bul inluis.....
Luvas ......
Total.
13
40
25
225
7
2
un
Tem-se calculado que at ao prsenle ha
32i doutores, quepraticam o systema ho-
meoptica, amelado destes reside nos Esta-
dos-Unidos, onde organisaram tres collegios.
um em Obio, outro em Chicago e outro em
Filadelphia.
Na Allemanha ha claco escolas homeo-
pticas duas em Praga, duas em Munich,
urna em Vienna e ha tambem i m profes-
sor da veterinaria do mesmo systema.
Calcula-se que ha 500 doutores homeo-
pathas em toda a Allemanha, 35 sao veteri-
narios, 21 praticam nos hnspitaes, 27 sao
mdicos legaes ou cirurgies.
Ha 10 hospitas deste systema; 9 na
Austria, entre os mais importantes, 3 era
Vienna com 160, 80 e 60 camas cada um ;
n'este numero est incluida a casa de saude
de Luck e Koethen.
A Franca er>nla 303 doutores homeopa-
tas, a Hespanha 100, a Inglaterra 244 a
Blgica. 26. a Ilollanda 7, a Suissa 34 a
Italia 141, Escandinava 12, Pringados do
Danubio 4, Russia 67, Portugal 47, Azia \
frica 6.
Alm dos hospitaes em Austria ha 2 em
Londres, em Moscow e nos Estados Unido*
em Boston, Chicago e Filadelphia.
As testas coroadas que protegem a ho-
menpathia sao a rainha de Hannover, o rei
de Sardenba, o papa, os duques reinantes
Saxonia Coburg. Anhalt etc. os principaes
reinantes de Sonder Hausen e Lichtens-
tein etc.
O defunto principe Albert, esposo da rai-
nha Victoria, era tambem muito partidario
da homeopathia.
Cyrillo de Lemos esta bella
(O duro vale 950 rs.)
Como se v nd incluindo n'este rol a
roupa branca, e trata-se to somonte de
urna toilette para passeio ou visitas, um
pouco cara talvez, mas que nao surpre-
hender por certo as senhoras do grande
tom.
O Times diz o seguinte sobre a morle de
Cobden:
No dia 2 do corrate pela manha, passou
desta para melhor vida um dos homens mais
notaves do nosso tempo.
Ricardo Cobden nao era muito avancado
em edade, porm a doenca havia-ihe minado
insensivelmente a existencia : nada, com-
ludo.'fzia suspeitar o seu prximo fim.
Ricardo Cobden ainda nao tinha 61 annos.
Nesta edade, um homem poltico pssa
mos perder tempo, porque a egreja j est l^bem o^reador
Ches
despendarando o etama.'^de^Ke^ Quando a sua biographia for publicada,
Digo-te em verdade que desejo ouvi-los. n,as n SP'M harroiA Ia .t^ nr^ dizendo P0,,ca fousas se encontrarao nella mais dig- gress"o seguinte dialogo{eWWgu
Fez-se, ha pouco, no congresso dos Esta-
dos-Unidos, urna curiosa e singular reve-
lagao, de que vamos dar conta aos nossos
leilores.
Eis o caso:
Tem-se importado, ao que parece, n' ses
u timos tempos, urna quantidade prodigiosa
d'esiatuas, fado este que primeira vista
deveria altestar um desenvolvimento singu-
lar de gosto pelas artes.
E, o mais curio o que essas estatuas de
chumbo sao todas eguaes, representando
invariavelraente deusas da liberdade, alter-
nadas com estatuas de Washington, Jeffer-
son, e outros hroes da independencia ame-
ricana.
Ao mesmo tempo notou-se que esta re-
crudescencia artstica coincida com urna di-
minuigo equivalente na importaco do chum-
bo em barras.
Ete caso deu muito que scisraar aos fi-
nanceiros yankees.
Depois de maduras reflexes, o resultado
d'ellas foi urna proposta de Mr. Morrill, re-
presentante do congresso, tendente a prohi-
bir a importago de chaoSho sob a forma aje
estatuas.
Por essaoccasi5o travou-se n S'ettftkLGQf
E* do Sr.
canroneta;
vm.v DE moca.
Nasce a menina, feitura
Do amoroso Creador...
Que mimosa creatura!
Oh! que anjinho seductor ?
Cresce e brinca, brinca ainda.
Louquinha sempre correr. ..
E' a estaco a mais linda ;
Nao distingue dor, prazer!
Passam-se os annos; no erntanto
Faz-se moga o cberubim;
Ama o luar, ama o canto
Da avesinha no jardim.
Tonca tn-se os campos de flores.
O cu se tinge de ail...
E' a estacao dos amores:
A primavera gentil.
Vago, incerto senlimnto
No peito sent brotar...
Precisa-se... o pensamento
J deixou de procurar.
Ama ardente ecom loucun,
De tudo, tudo capaz I,..
E' a estaco da ventura.
Que passa breve e fugaz.
E' amada; mil delicias
D-lhe o filho, si ella o tem ;
Si elle sorri, que caricias I
Si elle chora ella tambem.
Quantos sustos infundados I
Que affeico celestial.'..-.
E' a estagao dos cuidados,
Prompta ver em tudo um mal.
Morre o filho, ou sua idade
Distante della o conduz.,.
Restam-lhe enlo saudade,
E um retiro aos ps da cruz.
As rugas cavam-lhe o i oslo;
Para, minguaocoracSo...
E' a e tago do desgosto, '
Que nao tem urna illusao!
pas i ar os taes rapazes.
''"* i Ibas o seu barrete de seda preta, i
com ar pensado
as de interesse do que a narrtclo do seu
| ponto de partida de urna modesta posico j
presentantes
Mr. Kernan, de New-York Folgaria
levantando-se e
em verdade
Fazem-me
mos I
Sahimos. Ala tinha tal brilho que a Deixai-os l...nao importa.;.esta gen- de lavradofem Susevem seguida das suas muito que Mr. Morrjlt nos explicasse o roo-
gente conhecia-se como se fosse ao meio di.'te vae a galope... a galope r N5o me met-funccqes de caixeiro de balco em Londres,
A' esquina de Fouquet, vimos j a escada- tem nacabeca que Luiz XVIHaia de tudo' at chegar ao pagamento,
ria exterior da egreja coberta de gente. (isso. Nao sabe. Ele" tem visto militas cou-| Nasgido em-DurnfoWl em 1804; Ricardo,
Duas ou tres velhas, Anna Petit, a tia Ba- sas na sua vjdii.aSo pode aeixar de co,Cobden perddb seu pae mriito cedo f muito estatuas da liberdade.
laieeJoanna Baltzer, com os seus compri-(onecer melhor os homens. Emfim, boas novo dinda|bi collocado n'uma'lja de com-; Mr. Kernan Sob a frn d"estatuas ou
dos chailes bem aconchegados e os seas noutes, Josf 6oas noute \.Necessaria- mercio por atacado, em Londres. barras destinadas para fazejaptatuas ? sjp
E' por causa d'essa falalidade que perse-
gu todos os homens do imperio, que o
imperador no leito de morte d$ seu fiel ami-
go e prente, que llf&dizia arteus, respon-
deu.
At vista .. *
Quamto. chegou s TulbAias noticia da
morte, de Morny, o principe imperial scre-
gki . seguinte carta 'ao- filho mais Vehj do
hhem. % '
Mu-rCarJinhos.-~EstottA muito triste
pela perda que acabas de|er.. Quando ea
tiVo d'esta prohihigo.
"*Mr. Morriil O motivo muito simples: i tot^grande, serei para tko'nwsmo'que mea
porque se importa chumbo sob a forma da pae foi paca o ten. ~^Q 'Vap'o^eaoTugenlQ.
. "t*' "'

*m
HLADO l
/
\
r.:..,. '
98 o

*
iS=*
<
V. DE
M. F. DE F. & tUtO

F
* [ ILEGfVL



n
%
it