Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10654


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO III. NUMERO 97.

>
Por qitrtel ptgt dentro de 10 dits do 1. mez
dem depois dos 1.' 10 das do comete dentro do qaartel.
Porte ao correio por tres mezes
51000
6J000
750
FEIRA
I
Por amo pago dentro de 10 dias do 1. mez
Porte ao correio poras a nao.......
....... 3|000
DIARIO DE PERNAMBUGO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marrjnes da Silva ; Aracaly, o
Sr. A. deLemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oveira; MaranhS, o Sr. Joaqoim Marques Ro-
drigue* ; Cari, os Srs. Geraido Amento Alves &
Filhos; Amazona?, o Sr. Jeronyroo da Costa;
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudioo Falclo Dias; Baha, o
Sr. Jota Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Aatao, Grvala, Bezerros,Bonito,Caruar,
Altinho, Gartooons, Baiqae, S. Bento, Bom
Conselho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pd'Alho, Nazareth, Lmoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis
ta, Onricury, Salgueiro e Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMER1DE8 DO MEZ DE ABRIL.
2 Quarto cresc. as 10 b., 59 m. e 22 s. dat.
11 La chela as 2 h., 17 m. e 52 s. da m.
48 Quarto roing as 9b., e 16 m. da t.
25 La nova as 11 b., 53 m. e 46 s. da m. -
AUDIENCIAS DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio : segundas e quintas.
Relacao: trras e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julio do eommercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: trras e sextas ao mel
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
24. Segunda. Ss. Honorio e Mileto bb.
25. Terca- S. Marcos evang.; S. Hermino m.
26. Quarta. S. Pedio de Ratis b.: S. Cleto p. m.
27. Quinta. S. Tertuliano p.; S. Torybio are.
28. Sexta. S. Vital m.; S. Agaplto e Acacio mm
29. Sabbado. S. Pedro m.; S. Tertulia v. m.
30. Domingo. S. Vicente Ferreira; S. Amador.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 m. da manilla.
Segunda as 7 horas 18 e minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de rada raez; para Fernan-
do nos dias 14 dos metes de janetro, margo, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livrara da prara da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.-.
PERNAMRUCO.
RIKTISTA DIARIA.
Um graodo tacto teve aqui lugar, e delle foi tes-
temunba por entre sentimeutos encontrados a nos-
sa populagao enthusiasta do que nobre e eleva
do. O embarque do 1* corpo do voluntarios desta
provincia, que hontem effectuou-se, foi effectiva-
mente urna festa que nao possivel co aprehender-
se n'uraa descnpgao ligeira, porque esta assim nao
dispSe de espago em que se contenham os mil di-
versos seotimentos que ammavam os bravos da pa-
tria que se partiam aos reclamos delta, e o alvoro-
go de urna grande cidade que sob as impresses
do enthusiasmo e da saudade assistia o desfilar de
intuios, era que se rev como os seus hroes, co-
mo a sua gloria ; pois qne dexando commodos e
abafaodo affeiges, ah vo eiles em busca de peri-
gos em desaffronta dos bros nacionaes.
A motivos tao elevados de benemerencia nao po-
da esta cidade deixar de corresponder com as de-
monstracoes de apreco, que espontanea se viam
pelas roas, dando ao embarque as feiges propria-
ni. nie de urna feta nacional.
Cen efleilo, o regosijo era geral : as repartieses
publicas e os estabelecimentos commerciaes con-
servaram-se fechadas; as casas estavam emban-
deradas ; as ras, por onde devia ser o transito,
todas adornadas de arcos triomphaes com differen-
ics ioscripges allusivas, apresentaram-se logo ce-
do pejadas de grupos de individuos e as varandas
feram-se gradualmente' enchendo de senhoras, at
que ticaram litteralmente cheias, de modo que ao
P3s.-ar o corpo em todo o seu effectivo de 875 pra-
vas era victoriado por essa bella porgao do gene-
ro humano cjib chovas de flores, que sobre esses
bravos cahiam como urna emanaglo da saudade e
urca aspirarlo da victoria.
Todo o trajelo do corpo foi una serie nao nter-
rompida de ovarles da populaglo, ha vendo em va-
rios pontos recitaeoes de poesas euthusiastiras que
mais arrebatavara os nimos, j excitados pela fe-
bre do patriotismo ; e o embarque comecou no ar-
senal de marinha por obra das 6 horas da tarde,
tendo-se o corpo posto em ordem de marcha pelas
duas.
No desfilar o Corpo que se estendia em 30 pelo-
Idea ordenados com garbo militar, vinha a sua |
frente o Exm. Sr. presidente da provincia, o Sr. i
Dr. chefe de polica, differentes outras autoridades
civis e militares, eo esquadro patritico de mogos,
nao s brasileiros como estrangeiros que quizeram
comparlilhar das effusoes dos filhos da trra, que I
os hospeda, alm de varias msicas marciaes que
cmhiam o espago de harmnicos sons e de briga-
das de centenares de eidadlos, de bragos dados e |
ordenadamente regqlarisados; e quando chegou ao
arsenal de marinha'todo o prestito, aps a recita-,
gao do poesas patriticas, levantaram muitos vivas
e ovages, que se reproduziram no acto do embnr-
que e em todo o lempo decorrido d'ahi ao atraca-
ren) as alvarengas no S.Francisco, d'onde partiam
if mies demonstrages, bem como dos vapores Pa-.
rahyba e Camaraqibe e dos boles que ilnavam o
mar, con.o oulros povos que vinham tomar parte
na fesfa de honra, que Pernambuco fazia a seus fi-
lhos em despedida.
O embarque terminou j a noite.
Hoje se extrahir a 2* parle da 1* lotera, da
matriz de Nazareth (13"), sendo o maior premio
6.0001000.
A representarlo que deu-se no Simia Isabel
em despedida aos nossos voluntarios correu perfei-
tamente bem, sendo abrillantada porum concurso
grande de seiihoras e cavalheiros, entre os quaes
noiava-se a i.fliciadade do corpo de voluntarios,
a qiicm o digno emprezario hava convidado para
asi.-tir ao espeetaculn que4hes riedicava com o ca-
valheirisrao que Ihe recooherdo.
Dando esta noticia ligeira, forra acrescentar
qne o drama Lusbella seudo de urna concepcao bri-
lliante, de una torga vivida e sempre mantida nos
caracteres de suas persouagens, alm do bellissi-
moda linguagem, le^'e urna execugo correspon-
dente e que tez patente todas essas bellezas na
tradcelo do pensamento escripto para a palavra
fallada.
Os distinctos actores que se incumbiram dos pri-
meiros papis, se revelavam as proprias persona-
gens que representavam : a "^ra. D. Eugenia C-
mara e o Sr. Germano manliveram-se na esphera
de luz, a que o talento eleva o hornero, e d'ahi pro-
voca ram lodos quantos affectos existera no corayo
com a proficuidade da ligio moral, comida no bel-
lo drama do Sr. Dr. J. M. de Macedo.
Pelo vapor Mamanguape, ehegado hontem do
Cear, Rio Grande e Parahyba, recebemos as se-
guintes noticias :
O Exm. senador Paula Pessoa offereceu ao presi-
dente da provincia do Cear, 3:000$ para as des-
pezas da guerra.
Esperavam-se na capital mais trinla e cinco
voluntarios da. patria de Sobral. O numero lolal
era de 499. i
t Do Rio Grande nenhuma noticia tivemos.
Na Parahyba actiavam-se alistados cerca de 460
voluntarios da patria.
Cbwtirio publico. Obituario do dia 26 de
abril de 186o.
Manoel, Pernambuco, 9 mezes. Boa-vista ; convul-
goes.
Mara Jos, Pernambuco, 26 annos, solteira, Santo
Antonio; congestlo cerebral.
Francisco, Pernambuco, 4 annos,'Boa-vista; hy-
dropesia
Prudencio, Pernambuco, 3o annos, solteiro, escra-
vo, Boa-vista ; thysico.
Laorlnda Alexandrioa do Espirito Santo, Pernam-
buco, 36 annos, solteira, Pogo da Panella ; spli-
les.
Mara da Conceiclo Ramos de Mondonga, Pernain- [
buco, 3 annos, vuva, Santo Antonio; dilalagao !
na uretra.
Antonia Valentina da Annunciaco, Pernambuco,
22 airaos, solteira, S. Jos ; tubrculos pulmo-
nares.
Joaqnira Antonio Gongalves Santos, Portugal, 48
annos, S. Jos ; pneumona.
Jos, Pernambuco, 1 anno, Boa-vista ; dentigo.
juramento do estilo ao Sr. Dr. Sarment, que oc-
copando depois a eadeira presidencial, deferio lo-
go o juramento aos Srs. vereadores presentes, e
igualmente a todos os juizes de paz que para esse
im comparecern!.
Empossada por esta forma a nova cmara, o Sr.
presidente pronunciou um bem elaborado discurso
anlogo a mesma posse, e nesta-occasiao nomeou
logo as commissoes determinadas pelo regulamen-
to interno da repartigao, as quaes licaram compos-
tas pela seguinte maneira.
Commissao de policaos Srs. commendador
Thomaz de Aquino Fonseca e Dr. Joaquim Jos de
Miranda : Ediflcagoes os Srs. major Manoel do
Nascimento da Costa Monteiro e major Gustavo
Jos do Reg : Petiges-os Srs. teen i e-corone I
Luiz Francisco de Barros Reg e major Luiz Jos
Pereira Simoes: Sade publica os Srs. tenente-
coronel Feliciano Joaquim dos Santos e capillo
Antonio Jos Silva do Brasil: Cemiterio e mata-
douro publicoos Srs. major Manoel do Nasci-
mento da Costa Monteiro e lente-coronel Felicia-
no Joaquim dos santos: Cemiterio de Sao Louren-
coo Sr. tenente-coronet Luiz Francisco de Barros
Reg : Cemiterio do Pogoo Sr. capillo Antonio
Jos Silva do Brasil.Por flm resolved tambero a
cmara que fosse o mesmo discurso publicado.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTE :
Uro efficio do Exm. presidente
3 do corrente, communlcando
sua alteza imperial, a Senhora
augusto esposo, o Senlior conde de Eu, desembar-
car, e demorar se nesta cidade todo o teropo que
Feitas astas ponderacoes, foi posta pelo mesmo
Sr. presidente a votos a proposta, a qual passou
por unanimidade, sendo noroeada ero seguida a
commissao pedida, que ficon crenosla dos Srs.
Gustavo Jos do Reg, commendador Thomaz de
Aquino Fonceca, tenenle-eoronel Luiz Francisco
de barros Reg.
A requerimento do Sr. Gustavo do Reg a res-
peilo dos ttulos dos empregados raunicipaes, e sen-
de ditos tiiuios apresentados, foram vistos e ratifi-
cados. O mesmo senhor requeren, e foi approvado
que se posesse em pratica a disposicao da primeira
parte do art. 28 da iei do 1* de outubro de 1828,
que determina sejam multados aquelles dos Srs. ve-
readores, que, sem motivo justificado, faltaren) s
sessoes. Deliberou a cmara que se continuarse a
fazer as sessoes nos mesmos das, e hora em que a
sua antecessora as fazia.
Nada mais havendo a tratar, levantou se a ses
sao. Eo Francisco Canuto da Voa-Vlagem, secre-
tario, a escrevi.
Declaro em lempo que a requerimento do Sr.
major Luiz Jos Pereira Simoes, resolveu-se que o
visto, assignaturas e rubricas nos ttulos dos em-
pregados que estiveram presentes posse da nova
cmara, nlo importavam urna nova nomeago, nem
raiiticagao, nem reconduegao no exercicio das >t-
tribuigocs de que at aqoelle dia da posse da nova
cmara estavam at enlao invenidas, mas o conhe-
da provincia, de cimento do pessoal que funecionava perante a ca-
que, tencionando, mar transa la.
. Isabel, e seu o Sr. Gustavo do Reg votou contra semelhante
resolugo.Boa-Viagem o declarei. Dr. Jos Joa-
quim de Moraes Sarment, presidente. Thomaz
que me comprometi a destruir urna a urna todas
as asseveragSes injuriosas e calumniosas contra
mim dirigidas nessas publicagdes.
Era tempo apresentarei as provas, com as quaes
pretendo destruir essas armas de guerra, postas
em manejo contra mim, com o flm deverem os que
dellas usam se recuo.
Nao hei de recuar at onde chegar o cumpr-
mento do dever ; tenho bastante esforco para re-
sistir e tornar iraproficuos os golpes do interesse e
da sordidez.
Slo passados dezeseis mezes que exerco o cargo
de delegado e assevero aos que me conhecem, a to-
dos que me dispensam bondade, aos meas amigos,
emfiro, que ainda nlo roe deslsei urna linha se
quer dotrilho de homem de bem, e que merc de
Deus, nlo tenho um s acto na minha vida publica
de que arrepender-me, quanto mais de que enver-
gonhar-me.
Retire, 27 de abril de 1865.
Luiz de AJbuquerqne Martins Pereira.
C0MMUNIC1D0S.
Para
aqui estiver o paquete rnglez, que deve chegar do | d'Aquino Fonceca.Antonio Jos Silva do Brasil -
sul de 13 15, e no qual seguem para a Europa Dr. Joaquim Jos de Miranda. Feliciano Joaquim
suas altezas imperiaes na viagem de recreio"que | dos Santos.Reg.Luiz Jos Pereira Simoes.
alii vio fazer, segundo Ihe communicou o Exm. I_________________,___________lJ_________
Sr. presidente do conselho de ministros, convida a
cmara para ir receber os aogotos viajantes na
rampa, era frente ao Campo das Prncezas.Intei-
rada.
Outro do mesmo, dizendo que o officio que Ihe
dirigi a cmara municipal em 30 de dezembro
ultimo son n. 70, nao satisfez ao que S. Exc. exi-
gi em data de 21 d'aquelle mez, relativamente, a
publicarlo do edilal de convoeagao dos cleitores e
supplen'tes para a qualificaglo dos votantes da fr<-
guezia de Slo Fre Pedro tongalves, visto nao Ihe
ter declarado a prediia cmara se hava providen-
ciado a respeito da falta da publicaglo do respecti-
vo edita'.-Que se respondesse a S. Exc. que ton-
da a cmara feito diversas ponderagocs a respeito
Ha pencos dias se fez a nomeago de um admi-
nistrador para a massa fallida da comraandita, em
subslituigao do finado Thomaz de Aquino; mas
nao tendo precedido a citaglo dos credores, como
manda o art. 842 do cdigo, art. 133 do regula-
memo b. 738 e art. 2 do decreto n. 1,837 de 8 de
novembro de 1856, os credores, que reunilo nlo
eompareceram.jio esto sujeitos a deliberacao da
maioria des que volaran), por faltar a sua citagao,
art. 844 do cdigo, assim parece essa nomeago
ser no Ha ; e o administrador, ultimament3 nomea-
do, nlo ter poderes para gerir os negocios da mas-
sa fallida da commandita.
O credor nao convocado.
o Exm. Sr. presidente da
provincia ler.
longe de ha ver o presidente estipulado essas con-
digoes, como era de sua rigorosa obrigagao, exi-
ga do supplicante urna proposta para por ella
ra o encareceu ella para os seus Bns muilo sabidos
de aesacreditar as pessoas que nlo eslo alistadas
em suas flleiras, que quasi produziu um alarma
poder pautar a daquelle seu secretario e por u completo na provincia ; e o governo, posloque nao
timo fixada definitivamente a respectiva igual- dsse ( como nlo tem dado at hoje i crdito s
preferencia, co-1 folhas desse partido, todava nao qoerndo despre-
sar noticias taes, indagou minuciosamente o facto,
e hoje est de posse de todas as suas circurastan-
cias. Mas, nlo parando ahi e continuando o alar-
ma constaBlemente, succedeu que pessoas rooito
sisudas, muito circomspectas e imparciaes se achas-
sem impressionadas dessa denuncia a ponto de cre-
rem em sua plenitude, o que tem dito esses perio-
dade conceder-lhe a calculada
roo de primeira intuicao ; 4. alm de toda
esta clandestinidade, mystero e suspeita de par-
cialidade, que acompanhou quelle contracto,
para prefenr-se elle o dito secretario, o presi-
dente desta provincia nlo hesilou de assim
proceder, quando nesta cidade j constava ef-
ficlalmente a sua demisslo, ou para melhor d-
zer, na ullima hora da sua administragao, e dicos. Eu tinha feito o proposito de meioVusVi-
por conseguinte ja nao poda nos restrictos ter- flear perante esse partido, qualquer que seja a ca-
lumnia que elle me irrogue ; mas vendo que devo
urna satisfaglo essa parte san da provincia, e a
mps da Iei, e por decoro proprio praticar mais
acto algura daquelle emprego, de que fra des-
tilado, mxime em materia to momeotosa, i esta mesma assembla! nlo quiz deixar de wwi-
^^}^^!^t^>^^'tS^!1^- tar a occasio para explicar esses fados, e apre-
sao de outrej licitantes que cooscios disso poie-
riam apparecer sob mais vantajosas condicSes.
sentar um requerimento, que dever, sem duvida
alguma, firmar o crdito da thesouraria e do corpo
Logo de primeira iniuicao, que nunca allegue!, de polica, e acabar com todas essas. impressoes que
nem mesmo considere como nullidade aquello possam ainda existir... >
facto da demora de 33 das em despacharse a dita
minha petiglo, como sob falsa causa atlribuiram-
me aquellas nobres commissoes ; sempre fallando
Teudo o delegado de polica do termo desta ca-
pital, o Sr. Dr. Luiz de Albuquerque Martins Pe-
reira, praticado actos que de algum modo depoe
contra o espirito de justiga que deve caracterisar
a sua autoridade, apressame-nos porlanto a decla-
ra-los, nlo s para conhecimeuto do publico, m^s
ainda e mui directamente ao Exm. Sr. presidente
de semelhante questao em offlcio de 30 de dezem-! da provincia, para que o admire, e veja o modo
bro ultimo, aguardava a decislo de S. Exc. para' pelo qual.vae sendo desempenhado o cargo de
providenciar, visto como, nlo existindo verba na j que se ada revestido esse distinctodoutor !
le do orgamenlo para as despezas de publieagoes Nao se diga, pols, que temos ero vistas offender
de editaes dos juizes.de paz, nao pode a mesma de modo algum urna autoridade que respetarnos,
cmara manda-ios fazer sem previa autons<.gao de quando aponamos aptnas os seus desvies. Para
xc- | que triumphe a verdade, mister que os factos
Outro do Sr. vereador major Manoel do ISasc- sejam narrados, e que lique por urna vez a recli-
mm .i.a rnta HAninim mmmm.irtnA. n5n ihp rf0 tJ Sr Dr. Martins Pereira inleirameote co-
mento da Costa Monteiro, commuuicando nlo Ihe
ser possivel comparecer no dia 7 do corrente para
tomar assento, em consequenci de acharsse no
termo de Iguarass, lugar, onde tem sua familia
por incommodos de sande, entretanto logo que
e.-tes cessera viria prestar os seus servigos a mu\
nicipalidade.Inteirada.
O Sr Gustavo Jos do liego, fez a seguinte pro-
posta :
t Aehando-se aclualmente nesta provincia o ve-
nerando marquez de Olinda, um de seus mais il-
luslres filhos, esta cmara fallara ao que a espon-
laneidade tem de mais grato, nlo correado pres-
surosa a dar a esse distincto cidado e imminente
nbecida e vulgansada I (*)
CORRESPONDENCIAS
Segunda correspsndencia do Dr. Antonio de Vis-
concellM Menezes de Drummond acerca do'
cenlracU para cenfeccae do ndice alphabetieej
das leis prorinciaes.
i
Srs. Redactores. Na primeira, e anterior cor-
respondencia que, sob minha assignatura, e res-
ponsabllidade, liz publicar no Diario de Pernam-
buco do ,22 do crreme mez demonstra, que as
coii-picuas commissoes de legislagao, o orgamento
provincialomiitiram (san duvida por descuido)
em seu luminoso parecer duas principaes, e pon-1
derosas ciKomstaocias mencionadas na peliglo'
dirigida a assembla provincial a saber ; 1.a que!
prestava-mc confeccionar o iudlce alphabetico
das leis provinciaes por metade do honorario con-
venciouado com o Sr. Dr. Francisco de Paula Sal-
les, isto (i:0yO,&000 ; 2. que eu nlo exiga adi
amanenlo algum desse honorario, ao passo que
o Sr. Dr. Salles devora receber adiautada a quan-

,JtokZrtoto?%!S?? i -" ^m tia *-** 80a,0S de ris (5:000*000), apenas fr
gado a taberna da ra das Cruzas n. I, em com- approvado o respectivo roulraVwpeli dita assem--
panhia do Dr. Carneiro Monteiro, e do escrvao da
subdelegacia de Santo Antonio, all comegou o seu
primevo acto naqueile roemoravel dia, entrando
pelo referido estabelecimento sem pedir licenga,
como se fra o seu proprietario, com certo aspecto
mrlanciiolico que o symbolisa, passando em segui-
da a examinar miudamente com o auxilio dos
seus valiosos companheros os gneros existentes
na referida taberna .'
Tendo posto ludo em movimento, como se ti ves-
estadista brasilciro, um publico e solemne testemu- se de proceder a algum inventario, deparou alinal
nho do alto aprego em que tem os seus servigus, e 0 bom doutor com urna pipa de excellente vinho
do profundo respeito o vivo reconhecimento que da Figueira-JAA,comprada poneos dias antes
Ihe tributa. Ha quasi meio seculo que o seu nome i ao respeitavel negocame desla praga, o Sr. Tho-
anda associado a histuna poltica do paz, e anda maz de Aquino Fonseca, na qual fez recahir logo
urna s vez nao desmenlo o nobre marquez a con-: toda a sua iedignagao !.... Risum teneatis !
Banca nelle depositada. Sua merecida elevagao Nlo obstante haver saboreado em um calix um
anda nao o fez esquecer por um momento se quer
a origem della, eio slo onde nasceo. E quando
outros ttulos nao tivesse elle, a estima e veneracao
de Pernambuco, bastara para os quesabem prezar
os brios e foros desta provincia, o empenho com
que se tem sempre. esfurgado pelo seu engrandeci-
menlo e prosperidade. Por estas valiosas razes,
proponho que o Sr. presidente nomee urna com-
missao do seo desta cmara para felicitar ao Exm.
Sr. marquez de Olinda pela sua boa vinda a esta
provincia, depondo em suas mos a expresslo de
gralidlo pelos servigos que tem prestado ao paz e
com especialidade a Pernambuco, e'do jubilo que
esta cmara sent por velo ainda uina vez no meio
de seus comprovincianos, amigos e admiradores.
Pago da cmara, 7 de Janeiro de 1863.O vereador
Gustavo Jos do Reg.
Acabada a leitura da proposla cima, o Sr. Gus-
tavo do Reg pede a palavra para sustenta-la, e
sendo-lhe concedida, diz : Senhores, qnando con*
cebi a dea de apresenlar esla proposta, tonciouc-
primeiramente consultar a alguns de meus illu;-
tres coliogas para ver de que modo seria ella ac-
boccadinho do genero para melhor avaliar a sua
qualidade, deelarou magistralmente que o liquido
eslava alterado, e por conseguinte incapaz do con-
tinuar a ser exposto para consumo da populacao,
determinando ao mesmo tempo que fosse a pipa
derramada e intimado o commerciante para no
dia segrale pelas 10 horas da manhla apresen-
tar-se na secretaria da polica aflm de assistir a
formar o seu processo, alm de rerolher a com-
petente multa ao cofre da municipalidade I
Nlo tendo porra concluido convenientemente a
sua honrosa misso no recinto da taberna, voltou-
se entlo o Dr. delegado para um barril de azeite
doce, que ficava coHocado defronte da' referida pipa
e fazendo cabir de novo sobre o malfadado barril
o resto do peso de sua indignacao, determioeu ain-
da solemnemente que fosse este misturado com o
azeite de carrapato, impondo nova multa ao com-
merciante, em meio das mais severas reprehen-
ses I
Nlo estando porm o proprietario do estabeleci-
menlo de accordo com semelhante arbitrariedade,
bla, segundo me consta: vantageus essas por mim
olu recidas em prol da fazenda provincial por cerlo
superiores, e por isso mesmo dignas de screm ac-
ceitas de preferencia.
Hoje porm, venho demonstrar, que aquellas il-
ustres commissoes no seu sobredito, e collendissi-
mo parecer emprestaram (sem duvida por equi-
voco) minha petiglo allegacoes neila nlo co-
udas.
II
As referidas commissoes assim se exprituiram
n'aquelleseu parecer.
As c.mmisses considerando que, a demora
de 33 das que houve, em se despachar o reque-
i rimento do Sr. Dr. Diumnionda, cora quanto es-
teja provada, e as commissoes fecouliecam ser
t exoessiva', nao pudendo ser justificada pela ira-
ponancia de despacho simples, que foi dado ao
mesmo requerimento, nao motivo para nulli-
dade do contrae lo feito com o Sr. Dr. Salles em
30 do uoveinbro de 18oi, visto que o despacho
< foi de 11 de julho do mesmo anno : nao poden-
t do portanto desta demora ter resultado damno
algum ao supplicante, nem atropello na realisa-
gao do dito contracto.
Ora, do conteudo da dita minha petiglo redigi-
daem lermos bem claros, e simples existen-
te na mesma assembla, e j publicada no Diario
de Pernambuco de 2\ do corrente mez. e anno,
cujo trecho abaixo transcrevo para melhor ve-
ricagao, jamis deveria resultar tao nota ve I o-
terpretaglo.
Quanto esse ponto acha-se^consagrado naquella
petiglo o seguinte :
t Havendo esla respeitavel assembla aullioaisa-
do ao presidente da provincia na Iei do orgamenlo
provincial do anno passado contractar (sem de-
signacao de pessoaj a confeceao,clussificaaio, e pu-
blicacio lo ndice alphabetico das leis provinciaes,
com o mais profundo respeito, que Ihe devido,
porque era verdade longe, e bem longe de mim
pretender imputar-lhes m intenglo, e apenas
s desejo desi'arte eslabelecer um formal protes-
to contra aquella sua manifesta inexactidao.
Gragas a Deus, sei distinguir quaes slo os actos
que conslituem nullidades quer de pleno direito
quer susceptiveis de resetsao ou resolucao.
IV
Si por ventura n'aquella minha petiglo refer a
circumstaecia occorrida da demora de 33 das pa-
ra ser ella deferida, foi s o exclusivamentepa-
ra bem palomear a parcialdade, que se praticou
procraslinando-se adrede deferiraentocomo pude
em tempo verificar^ em seguida narrarei com
toda a individuaglo.
Nem essa arguiglo da demora dos 33 dias para
deferir-se aquella minha petiglo foi infundada,
ou gratuitatanto assim que as ditas commissoes,
fulminaran! aqoelle procediroeulo do Sr. com-
mendador Domingos de Souza Lelo, com urna for-
mal censura ou amende honorable nos seguintes
lermos assaz expressivos e sensiveis.
As commissoes considerando, que a demora de 33
das, que houve em se despachar o requerimento do
Sr. Dr. Drummond ssy com quanto tsleja prova-
da, e as commissoes reconhecam ser excessiva, nao
podendo ser justificada pela importancia de despa-
cho simples que foi dado ao mesmo requerimento....
Logo, esse procedimento do Sr. commendador
Domingos de Suuza Lelo, embora nlo arrastrasss
nullidade n'aquelle contracto (como em contrario
nunca allegQei), todava foi parcial, injustificavel,
e acba-se altamente condemnado por aquellas dis-
tingas commissoes ; sendo que at dara lugar a
um processo criminal contra o mesmo Sr. com-
mendador Domingos de Souza Lelo, porquanto
olhos vistos, importou (sem necessidade indeclina-
vel, ou difflcDldade insuperavel) Aat>rr elle demora-
do a administracao dajusttca, cabivel em suas al-
mbuicues ; crime previsto pelo art. 159 do Cdigo
Criminal.
V
Outro simeu nlo disse (como attribuiram-me
aquellas nobres commissoes) qne a referida demo-
ra de 33 dias para despachar aquelle meu reque-
rimento acarre/mime damno, ou constitua atro-
pello na realisarao desse contracto.
Ainda contra esta indebita arguigio, que me foi
dirigida por aquellas distinctas commissoes, protes-
to altamente, ojipondo-hes o conteni da minha
snpra mencionada petiglo, quo i.euf de leve disso
tratou. _
Demais, essa mesma dAioia nlo poda causar-
me damno algum, porqHnio est hoje assaz com-
provado, que ainda i rrffzes e 19 dias ( 30 de no-
vembro de 1861) depois da dacta d'aquelle deferi-
mento (ti de julho desse mesmo anno), fui que se
effectuou aquelle contracto, e por conseguinte s
depois da sua celebragao, e nlo antes poderia pro-
ceder o damno, que se me causou.
Nlo conheco mesmo o alcance dessa frivola idea
de tao Ilustradas commissoes.
E si assim houve lio longo inlervaliode 4 me-
zes, e 19 dasentre a dacta d'aquelle deferimento,
e a da effectividade desse contractocomo se acha
provado, claro osla, que rasoavelmente nlo se po-
da atlribuir atropello algum na respectiva rcalisa-
glo, sendo qne isso nem ao menos passou nunca
pela minha imaginado.
VI
A vista de todo o expendido, nlo pode mais res-
Do que lica textualmente citado se v que foi
pelo que disse a opposigo, que era feita pelo par-
tido liberal, no jornal que Ihe servia de orgle, que o
governo provincial veio ao conhecimento desse
facto a que se refera o Sr. Jos Pedro da Silva
em seu discurso, e das palavras do inspector da
thesouraria se deduz que o governo flcou satisfeito
com as informagoes que Ihe foram dadas. Do qoe
disse o Sr. Jos Pedro da Silva se v. que, em con-
sequenci de continuar a opposigio, o inspector
da thesouraria, para dar urna satisfaglo parle
saa da provincia e mesmo assembla, e nao a
essa parle gangrenada que constitua o partido
libera!, apresenton seu requerimento, aflm de Ar-
mar o crdito nlo s da thesouraria, sen do
corpo de policia, e acabar com todas as impres-
soes desagradaveis que podessem ainda existir e
nlo passavam de calumnia desse partido, que o Sr.
Jos Pedro da Silva tratava com tanto despreso ; e
disto se deduz lgica e evidentemente que o inspec-
tor da thesouraria provincial eslava convencido de
que nada havia, que podesse prejudicar o crdito
desse corpo, cujo comroandante elle qualiBcava de
nobre. Assim pois, nlo foi elle, quera levou ao
coohecimento do governo o facto, que deu lugar
ao alarma, e por consequenci, aposentando o Sr.
Jos Pedro da Silva seu requerimento, s teve por
lim tranquilisar a parte saa da provincia, e justi-
ficar o crdito do corpo de policia.
E o que pedia o ir. Jos Pedro da Silva nesse
requerimento ? Eis o que se acha estampado :
Requeiro que se nomee urna commisslo es-
pecial para examinar as contas do corpo de poli-
cia prestadas na thesouraria.
E poder-se-hia, por meio do exame feito por essa
commisslo as comas prestadas thesouraria pro-
vincial, chegar ao conbecimeoto desses desfal-
ques, que s foram verificados por meio do exame
feito depois no archivo do mesmo corpo ? Nao,
por certo ; e tanto a intenglo do Sr. Jos Pedro da
Silva nlo Jera a de que se descobrissem coasas,
que podessem prejudicar o crdito desse corpo.
que na continoaglo de seu discurso disse o que
passaremos a referir.
Depois de ter o Sr. Jos Pedro da Silva referido
o facto, que erao haver-lhe communicado o com-
mandante do corpo de policia, que tinha um saldo
a entregar thesouraria, como excedente das des-
pezas feitas por esse corpo, disse que a vista dis-
to raandou o respectivo contador tomar contas ao
mencionado corpo, e, accrescentando que, toma-
das estas, veriftcou se que exista um saldo da im-
portancia de8:160iS, concluio dizendo que offlcian-
do ao respectivo commaodanle e remetlendo-lhe
as contas, este hava entrado com 7:300$, faltando
80 que o dito commandante declarava estiren)
dependentes da liquidaglo da primeira companhia,
cujo commandante se achava em diligencia no Rio
Formoso-
Do que acabamos de dzer, em vista do discurso
impresso do Sr. Jos Pedre da Silva, se v que
elle considerava tudo em ordem, e que. por con-
sequenci, o seu requerimento nao tinha por flm
senlo confirmar as suas assercoes; e tanto exac-
to o nosso raciocinio, que o Sr. Jos Pedro da Sil-
va procurou apreciar o facto para desfazer, como
elle disse, qualquer m impresslo que elle podes-
se deixar no animo dos deputad^s proviaciaes, e a
prova est em que, continuando em seu discurso,
ainda disse que o factoera muito ordinario na
thesouraria, e que elle nlo dizia somente respeito
ao corpo de policia.
Nlo foi, nem poda ser o requerimento do Sr.
Jos Pedro da Silva, concebido nos termos, em que
elle se achava escripto, que poderia fazer que se
tar duvida algumaIo que menos exacto foi a to- chegasse ao coohecimento da verdade, porquanto a
hlda^eD^T^Dorm\emendn"7mft r^minha n-d conseiea'iakda boa lual'dade e perfeito.esta- 0supplcante (aos g dejunlio),lugo depois da pu-
inioa, aepois, porem, lemendo que a essa minna do em que se achavam os gneros condemnados, e hiirrn itriin M enuiUme maneira de proceder se dsse a guma interpreta- h imusiica une acahava de snffrer nrotesinii im- mFacao Hlessa "*,e antes mesmo.aetei aqucue aa
can menos diana da cmara dn nhiorm auelleacto. remwendo e,! vd,o, apressou-se em requerir, que elle houvcsse
de fixar as respectivas conicSes, vislo como o sup-
plicante pretenda propor-se a esse trabalho, me-
diante as bases estipuladas, e assim ntcessaria-
succeaer acerca de Otilios concur-
CAMili MUNICIPAL DO RECIPE
bESSAO EXTRAORDINARIA AOS 7 DE JANEI-
RO DE 1864.
Presidencia do Sr. Reg Barres.
Presentes os Srs. Reg e Albuquerque, Gustavo
do Reg, Leal Seve e Mello, abre-se a sesslo.
Foi lida e approvada a acta da antecedente.
Achando-se presente o Sr. Dr. Jos Joaquim de
Moraes Sarment, presidente eleito para o qua-
triennio de 1865 1868, bem como os Srs. verea-
dores novamente eleitos para o referido qoatrien-
nio, commendador Thomaz de Aquino Fonseca,
Dr. Joaquim Jos de Miranda, tenenle-eoronel Fe-
liciano Joaquim dos Santos, major Lniz Jos Perei-
ra Simoes e capitlo Antonio Jos Silva do Brazil,
o Sr. presidente Barros Reg, antes de tomar o ju-
ramente ao Sr. Dr. Sarment, apresenton o seo re-
lator lo sobre os negocios munleipaes durante o
quatriennio Ando, o qual depois de hdo deliberoo-
se mandar publicar.
Em seguida o mesmo Sr. Barros Reg, tomoo o
tratava ; e se quizesse attribuir o meu pensamento
ideas mesquinbas e pessoaes, recuei desse pro-
posito, e entend que devia apresenta-la sem que a
ninguem tivesse antecipado coohecimento della.
Outra razio, seohores, foriificou-roe ainda mais
oeste proposito : tinha quasi a certeza, de que a
minha idea seria acolhida, e at com enthusiasmo,
e com effeto, nao me engae!. Era vossos sem-
blantes eu noto esse effeito, e nem de outra forma
poda acontecer, atiento o objecto de que se trata.
Ha homens, senhores, cujo nome quer dzer o paz,
e o paiz se acha como que encarnado nelles. O
nobre marquez de Olinda um desses poucos ho-
mens, e Pernambuco deve-so ufanar por Ihe haver
dado o burgo.
Se qoizerdes, senhores, langar urna vista retros-
pectiva, veris que o oobre marquez de Olinda
um dos poneos estadistas que tem chegado ao que
, puro e sem mancha, e a mesma calumnia e ma-
ledicencia que Infelizmente neste paiz ludo tem
atacado e polluido, tem respeltado ao oobre esta-
dista, ao venerando Pernambucano.
E .se alguma setta envenenada pelo despeito, e
pela inveja Ihe tem sido (aneada, ella se tem des-
pedagado antes de Ihe attingir, e o nobre marquez
de Olinda, calmo e desembaragado, contina o sen
caminho, isto o da prosperidade e bem do pair.
Vos notareis aioda, seohores, qoe em tudo quanto
diz respeito ao engranecimento. desta provincia e
prosperidade della, o nobre marquez tem tomado
a dianteira, e se esforgado para levar a effeito. E
vista disto, senhores, haver algum d'entre vos
qoe e hesite em votar pela minha proposta? Estou
Ioteirameote convencido que nao. Nos todos, ou
por escolba, ou pelo acaso, somos Pernambucanos,
e como taes devemos e?tar certos que o nobre mar-
quez de Olinda honra, gloria para Pernambuco.
Tendo terminado o Sr. Gustavo do Reg a sus-
tentagao da sua proposta, o Sr. presidente disso
que ignorava os precedentes que haviam na cma-
ra a este respeilo, que Ihe nao pareca curial urna
demonstradlo offit al oo caso proposto, que certa-
mente o grande cldadao, a qoem se dava, mereca
moito mais do qoe isso, roas que, se era licito aos
vereadores dar offlciosamente quaesquer demons-
trares de onsiderago, affcto e gratidao, tal vez
n'este caso se podesse estranhar que o Qzessem of-
flcialmeote.
da injustiga que acabava de solfrer; proteslou im
mediatamente contra aquelle acto, requerendo em
seguida peritos para decidirem da qualidade de taes
gneros, que foram submetlidos a dous exames
soccessivos, sendo o primeiro composto dos Illms. i
Srs. Drs. Joaquim de Aquino Fonseca e Pereira do meni,
Carmo, e o segundo dos Srs Drs. Villas-Boas, Igna-1 ?#
ci Firmo Xavier e pharmaceutico Almeida Piolo,'
declarando todos em concluslo acliarem-se os g-
neros em queslao em perfeito estado e por conse-
guinto no caso de ticarem expostos a venda como
al essa occasilo sera inconveniencia alguma !
Em vista do que acabamos de expr qoe juizo
fara o publico a respeilo da jostiga do Sr. Dr. Mar-
tins Pereira? Dicatit Paduani I...
Que f continuar a merecer o distincto Dr. de-
legado para o corpo de eommercio desta praga que
tantas provas de respeito e amizade acaba de dar
ao paiz nessa lula em que se acha erapenhado ?.
Dirigindo nos primeira autoridade da provin-
cia e nlo desejando tornarnos nfadonhos no com
mentario aos actos de justiga d i Sr Dr. Martins
Pereira, terminaremos hoje aqui para continuarmos
nos artlgos seguintes a demonstra-Jos com docu-
roent s que iremos successivameote publicando I
Entretanto nlo podemos finalisar sem render
sincera homenagem aos distinctos cavalheiros que
prezando a dlgnidade do seu carcter flzeram sur-
gir a verdade ero seus exames, restituindo a Deas
o que de Deus e a Cesar o que de Cesar I
O inimigo dos abusos.
0 Dr. Luiz de Albuqaerque Martins Pereira, de-
legado de poliria do primeiro dislriclo do ter-
mo desla citlade.
Nao venho soliietar suspenslo de jnizo aos que
lerara o quanto foi publicado em o Diario de Pa-
nambuco de 25 do corrente, e que se refere ao mo-
do como procedo na qualidade da delegado de po-
lica do primeiro dislriclo ; venho, porm, declarar
() as corridas das casas que vendem comes-
tiveis, acorapaoha urna pessoa profissional de me-
dicina, para conhecer e decidir do estado de dam-
niflcaglo ou romposiglo dos gneros, e com a opi-
oilo desta decidida.
A redacsk\
< Depois de 33 dias como se v da data do sello
daquelle requerimento, teve o deferimento ( 11
de julho), que o supplisante juntasse proposta,
ludo como se v do documento junto sob n. '.
t Entreunto, chegando ao conhecimento do
supplicante, que o Ilustre secretario da presi-
dencia o Dr. Francisco de Paula Salles era o
prelen lente destinado para a ;coufecglo do indi-
dice alphabetico das leis provinciaes, entendeu
elle, que a apresentaglo de sua proposta para
ese contracto serla puramente Ilusoria, e s
tendente pautar que deveria apresenlar o
dito secretario da provincia, e justificar a prefe-
rencia que se Ihe quera dar por aquellas bases,
e assim deixou de apresen'a la. >
IU
dos os respeitos o primeiro fundamento do respei-
tavel parecer d'aquellas distinclas commissoes :
2 que justissiraa foi a minha arguigio contra o
Sr. commendador Domingos de Souza Lelode
haver demorado a adminisliaro da justiga ca-
bivel em suas attribmcoes, por motivos menos
airoso, como em termos equipolentes reconhece-
ram, e confessaram as mesmas commissoescon-
siderando essa demora provada, excessiva, injus-
tificavel -, e por isso digna de reprovaglo.
Finalmente, embora esteja ua convigao deque
clamo em vio, ou no deserto acerca dessa questlo,
contiuuarei mostrar a Improcedencia dos funda-
mentos do parecer daquellas nobres commissoes,
porque si muitos preferem ser amigos de Cesar a
iodo transe, e por amor delle ensurdecerem-se, e
ate sacrificarem tudo quanto ha de mais sagrado
neste mundo, lambem me considero com maior
direito para soltar incessantemenle brados de jus-
ta indignaglo contra os autores e cmplices de
commisslo s teria de examinar e verificar as con-
tas, queja estavam examinadas e verificadas pela
i thesouraria : o que quera o Sr. Jes Pedro da 841-
'. va era qoe essa commisslo, voltando da thesoura-
' ra, proclamasse a exactidao das contas, para que
elle flzesse seu proprio elogio e do corpo q/ poli-
cia, e podesse maltratar, sua vontade, a opposi-
gio. Foi o additameoto, qoe o Sr. Raphael de
Mello Reg propoz a esse requerimento, que fez
1 que se chegasse descaberla das defraudaces, e
j fosse conhecido o estado de desmoraiisacao, em
que se achava o corpo de polica, que o Sr. Jos
Pedro da Silva procurava justificar. Eis o que di-
zia esse additameoto :
Accrescenle-seE bem assim toda a escriptu-
raglo do corpo de polica, quer nos livros de entra-
da do quartel mestre, quer nos das companhias e
relages de mostra.
, Assim pois, nos parece demonstrado, com as
proprias palavras do Sr. Jos Pedro da Silva, que
tamanho escndalo, para que ao menos oiicam os I nlo foi elle quera levou ao conhecimento do gover-
que tiverem ouvidos para ouvirQui aures habet,, no e da assembla provincial as defraudagoes do
audiendi audiat. \ corpo de polica; mas, pelo contrario, que o ins-
Srs. redactores, contino a confiar na sua cons- pector da thesouraria provincial proceden de modo
tante lealdade para comigo, para que nao deixem a nlo chegar-se a esse resultado ; e se alguem,
de accejtar este, e os seguintes artigos qoe Ihes en- para prejudicar a reputaglo do Sr. Jos Pedro da
viare em defeza do meu direito to flagranlemen- | Silva, quizesse ver em seu procedimento prova de
te conculcado, afim de nlo ficar incompleto o un-1 connivencia com ofticiaes desse corpo, nlo sabe-
co, e legitimo desaggravo, que posso, devo e de- raos se o inspector da thesouraria oao eocoolraria
Quando porm iodiquei n'aquelle meo requer
ment as nullidades, em qoe labora o referido coo-,
tracto effeeiuado pelo Sr. commendador Oomiogos
de Souza Lelo, (entlo presidente desta provincia)
cora o*Sr. Dr. Francisco de Paola Salles- secretario
da mesma presidencia, oao consagra por modo
: Igum essa circunstancia (da demora havida dos
33 diaspara odefermectod'aquella minbapetiglo)
como urna dessas nullidades,- oqaese evidencia i
do respectivo trecho seguinte :
c Efectivamente, por esta Ilustrada assembla,
i oao deve ser approvado este contracto esseocial-
< mente nullo : 1 por quanto foi elle effectua-'
< do clandestinamente, nao s por nao terem sido
t annunciadas as respectivas bases, ou clausulas,
< para provocar a devida concurrencia, como sem-
pre foi estatuido pelas leisfflscaes, e por estylq
t invariavel, ae nlo tambem por haver elle sido
< effectuado com o secretarlo do mesmo presiden-
< te, pessoa a quem ello prestara toda a cooflaoga
e estima, e porisso mesmo para o proteger pro-
cura va pelos sobreditos meios arredar os demais
t concurrentes ; 1 tal tem sido o mysjerie para
o proprio secretario da presidencia effectuar
< esse contracto, que at o presente, nao foram
ainda publicadas as respectivas coodiges ;3.
sejo tomar cootra os que assim tem praticado, e
para isso coocorrerem directa, ou indirectamente.
Soo, Srs. redactores, seu leitor e amigoDr. An-
tonio de Vasconeellos Menezes de Drummond.
Recife, 24 de abril de 1865.
a assembla
0 Sr. I is Pedro da Silva perante
provincial.
Disse o Sr. Jos Pedro da Silva, em sua infor-
magao dirigida ao Exm. presidente da provincia,
qoea defraodaglo do corpo de policia foi levada
por elle ver bal mente ao conhecimento da assem-
bla provincial, poisqoe entlo era om de seus
raembros; entretanto inexacto isto, qoe se l
nessa informaglo, como varaos mostra-lorecorren-
dosdiseusses havidas nessa poca, e estampa-1Utofr S'nSSipociaT
dfBculdades para defender-se, tanto mais quant
om dos nfflcaes mais compromettidos desse corpo
eotretinha religues de amisade com o sogro do Sr.
Jos Pedro da Silva que nlo era delle inimigo, em-
bora se tornasse depois, segundo parece.
Estando nos empenbado em urna lula seria,
curopre-nos dar todo o desenvolvimento qoestao,
para que nao parecam infundadas oossas asser-
coes.
O Sr. Jm Pedro da Silva olo s oao foi quem
levou adTnhecimento do governo o facto qoe re-
ferio depois, e foi divulgado pela opposigio, sem
que o inspector da thesouraria sonbesse como Ihe
foi ter a noticia, segundo elle mesmo deciarou na
sesslo da assembla provincial de 3 de marco da
1853, senlo foi quem nessa assembla procurou
desfazer a impresslo que esse facto produzju no
publico e poda propagar-se al all, e encarregou-
J provaraos as
das ao Diario de PcrnambHCo. Eis o que disse o | duas prmejras asseredes deste periodo : procure-
Sr. Jos Pedro da Silva em seu discurso pronon- \ mos provar a B|lta,* u que encarregou-se, ou
ciado na lawmbla provincial, em sua sesslo de 31 tomou a sittefender esse corpo.
de marco de 1853, quando apresenton um requeri-
mento relativo ao corpo de policia, o primeiro que i Sendo posto em disenssia o requerimento do Sr.
fez nesse anno : i Jos Pedro da Silva, que foi por elle justificado, te-
< Sr. presidente, deu-se um facto na thesouraria ve o inspector da thesouraria de proferir um se-
provincial, ha bem pouco tempo que foi oprortfa-1 guodo discurso nessa mesma sesslo. Foi o finado
4o pela opposicao desla orovincia; e de tal map'ei- ecnselheire Paes Brrelo quem provocou-e, profe-
I

\


^~~
rindo nm discord, no qual disse estas pala-
vras :
E
__j^
*^_
r
Diaria de Pernambuco --. Sexta feira 18 de Abril de i 8GS.
-
ir m

fc\sbido, que nlio de hoje, portm ja de mui-
to temMvm*|rolaiisetem formdo,contra a adml-
que nenham alcance linha apresentado ; e todas as
tuas dellgencias," pelo que parece, se limitaran) a
receber a quantia subtrahida por aquello funceio-
narlo de seos fiadores, qae eraa os 9t. cominea-
nistrafaod* eorpo de polica, dando-a como pouco.dador Thomai'Aquinq Fonseca,e Marcelliao Jos
relosa no cmprego dodinhen-os- pnblWbsr, vessa. Lopes; e a isto se nao eppozeram, como podiam, al-
fpiHmo (6 preciso confessa-lo) nSo tem sido samen- legando que a thesourtria nao tinha querido rece-
te acceita pela opposicih; muius pessoas impar-, ber os nove conloa apresentados por sea aflaa-
ciaes e desapaixonadas a tem igualmente, como
ha pouco delarou o uobredeputado que inspector
da thesourara; eotendo pas que oestas circom-
tancks 6 indispensavel ou destruir essa opiniJo,
mostrando que falsa, oa punir os eruginosos, se
crimisos existen).*
O Sr. Jos Pedro da Silva, tendo de fallar e res-
ponder ao consL'Rieiro Paes Brrelo, negou que
houvesse dito qne de tonga data, extstia preven^o
contra a adrmnislracao do corpn de polica, acexes-
centando qoe rtao tnna drttrtat consa, que nao pas-
sava de pvirsamento do referido couselheiro; mas
sim qae havia dit que urna parte sSa da popula-
cao.^iM&a iuefmado /i crer como verdadeiros os
factos, que a obras i cao havia propalado. E, cooti-
miWKlo,' pTonmo estas rwriavras ;
Oa, rontas que esto ae alcance de qualquer
empregado, dinheiros que sao loga recebidos sem
duvida, fazem por certo com que se nao possa la
cado.
No que acabamos de referir, ha urna eircumstan-
ca, que cumpre nao passar em silencio. Quando
o Sr. Cunba Figueiredo commonicou ao Sr. Jos
Pedro da Silva suas deseco flaneas, este, depois
de assegurar Ihe que o tbesonrelro do consu-
lado provincial coaturnava a entrar em tempo com
os dineiros arrecadados, Re disse que esse fue-
cionario nenham alcance havia apresentado, en-
tretanto, procedendose a exame decontas depois da
faga, reconheceu-se que o alcance nao era somon-
te de 12:3413520, mas sim l.j'.0oi67 ; de sorte
que a differenca para mais, isto 2:7033647, veri-
Heada nesse exame de contas, j existia quando o
Sr. Jo.- Pedro da Silva dizia S. Exc. que esse
thesoureiro nenium alcance tinha. Isto prova que
nao ha muito cuidado ooexames de contas feils
na thesourara provincial, e todos nao de reconlie-
cer que, se se livesse verificado desde o principio.
char de prevaricador. Por tanto, nem o corpa dr policio, nem a thesoura
ruifWfea sojfm- (i/**fes tiesta ordem. O corno
nao ne.ga seu. poceoMntuto, justifica-o desta ma-
nrtra.
Oremos que das palavras, que acabamos de
tras*crav-er com teda a oxactidfio, se deduz a p-o-
va de que o Sr. Jos Pedro da Silva encarregou-se
de defender o corpo de polica, e, estando conven-
cido, como devenios crer, de que era falsa a opi-
mo que delle se fazia, nao presentara um reqne-
rimenio que tivusse por m pd lo em coniradiccao:
e, se era essa sua opinio, d'ahi se segu que elle
nao podia ter levado ao conhecimento do governo
as defraudares desse corpo, s provadas depois,
as quaes nao acreditara, reputando seren urna
calumnia da opposiyao, bu da parte gangrenada da
populacho, da qual era orgo a Imprenta, jornal
redigido pelo Sr. Dr. Feitosa e por outros.
U Sr. Josc Pedro da silva, sempre na Intenso
de justiflnar o OMpo de polica, e atenuar o effeito,
qae a referencia do facto podesae produzir, disse
ero seu discurso queninguem ignorava que nos
corpos de primeira linha succedia o mesmo, a pon-
to de Qcarem empenhados os sidos dos officiaes,
como titila acontecido, havia poucos dias,.a respei-
to de una capilo;mas quatro djas depois, isto ,
em 7 desse mez, publieava no Diario de Pernem-
buce a. 35 de 8 do mesmo mez, o Sr. comraenda-
dor Joao (encalves da Silva, ex-inspector da the-
sourara geral, urna correspondencia, na qual de-
clarasa, em contestaQao ao que havia dito o Sr. Jo-
s Pedro da Silva, Da assembla provincial, que
no pagamento feto por essa thesooraria as pracas
e officiaes de primeira linha nunca sekaviam da-
dfi duplicatas por serem os prets conferidos e exa-
minados mensamente coro as relacoes demostra, e
as ful has dos ofciaes averbadas nos respectivos as-
senlamomtos, e, tratando do que sereferia ao ca-
pito citado pelo inspector da thesourara provin-
cial, disia que,se esse oficial fkou alcanzado para
com a fazeoda publica, foi por ter este deixado
urna prsstacae na provincia daUahia sua familia,
da qual s se leve coBhecimento qnando se rece-
beram os competentes avisos;o que differia mui-
to do ficto referido pelo Sr. Jos Pedro da Silva.
E' verdade que o Sr. Jos Pedro da Silva, nao
querendo darse por balido, replicou em um com-
municado datado de 18 desse mez, em que procu-
rou sustentar sua assergao, citando mesmo o tes-
temuBho do tinado coronel Jos de Rrito Inglez ;
mas e.-te respondeu-lhe no mesmo Diario de Per-
nawbuco n. 66 de il desse mez, contestando ha-
ver-lbe Jilo o que tinha referido p inspector da the-
sourara provincial, afflrmando que na thesourara
geral aunea se haviam dado duplicatas em paga-
mento*, e essa resposta confirma o que dizem
aquelles que pretendem que e Sr. Jos Pedro da
Silva se irrita facilmoale e perde a calma precisa.
Desejariamos estender-nos um pouco nfSis a res-
peilo desle ponto das informacoes do Sr. Jos Pe-
dro da Silva; mas seria precis alongar muito este
artigo, e por isto deixaroos de faz-lo, rogando a
quera quizerter completo conhecimento do que se
passou em relago ao corpo de polica, que recorra
aos debates da assembla provincial nesse anno
de 1853, e lela cora alinelo o relatorio da com-
inissio encarregada de proceder a exame nos li-
vros dess* corpo; sendo convenionte que o faca o
Exm. Sr. Dr. C^stello Branco, aflm de conheeer
bem o homem que elle conserva no lugarWe ins-
pector da thesourara provincial.
Entre as defraudaeoes indicadas pelo Sr. Jos
Pedro da Silva em sua ioformacao de 20 de marco
desle anno se acha comprehendida a do oxlheso-
reirodo eonsulado provincial; mas esta nao pode
ser atlribuida, como.nao podera slo as outras,
fallado pessoal da thesourara provincial. Occu-
pando nos desta,cumpre nos dizer oque a esteres-
peito se passou, para que se veja que o Sr. Jos
Pedro da Silva Bi concorreu pouco para que ella
se desse.
Sendo informado o Sr. conselheiro Jos Bento da
Cunha Figueiredo de que o thesoureiro do con
suiado provincial, Francisco Jos de Oliveira, se
acbava alcancado, communicou-o ao Sr. Jos Pedro
da Silva; mas" este tranquillisoo-o, e deixoo que
as cousas corressem do mesmo modo, sem attender
aqueS. Exc.*lhehaviareeommendadotoda vigilan-
cia. Tendo esse thesoureiro de recolher no m da
semana, corno Ihe compela, a quantiaarrecaJada de
12:3415020, c apreseniando se somente, segundo
se diz, com uns nove conlos de ris, prometiendo
entrar com o resto na segunda feira da semana
immediata, na thesourara provincial nao se quiz
convir aislo, nao obstante estar o Sr. Jos Pedro
da Silva prevenido pela presidencia da provincia,
que Ihe havia reeommendado toda a vigilancia. Nao
conseguindo o thesoureiro o que propuoha, retirou-
se com os nove contosderis que levara, e nao vol-
tou mais nesse dia. Nao voltaodo o theso*reiro,
nem no sabt.ado,9 de dezembro de 1831, nem na
segunda feira, II desse mez, cumpria que o Sr. Jo-
s Pedro da Silva, ao menos nesle ultimo dia, le-
vasse o oecorrido ao conhecimento da presidencia
da provincia, ja que o nao linha feto no sabbado,
como deveria, antes de reiirar-se de sua repart-
cao, principalmente depots da recommendacao que
Ihe havia silofeita; mas o Sr inspector da thesou-
rara s eommuaicou essa grase oceurrencia
presidencia da provincia no da 12, isto .'tres das
depois do oecorrido, nao .obstante haver receido,
do dia 11, do consulado provncial.seguodo se nos
diz, um BScio, era que se Ihe coramnnicava que o
respectivo thesoureiro nao tinha voitado aquella re-
paniego com o conhecimento ao diuheiro remettido
e mencionado na guia, e mesmo assim o fez tao
dores desse thesoureiro s serian) prejudica-
dos nessa quantia, e nao, como foram, ns.-a e na
de 12:341,53*0, prefaeeodo ludo a dos 13:0434167
que pagaram : isto anda prova que o governo pro-
vincial deve ter todas as camellas, e nao crer como
evsngeHeas-as afflrmaltva* do Sr. Jos Pedro da
Silva, porquanto as que se referiam ao corpo de
polica e ao thesoureiro do consulado provincial fa-
zem dellas duvidar.
Paremos aqui: em outro communicado diremos
mais alguma cousa. Terminando este, nlo pode-
mos deixar de pedir ao Exm Sr. Dr. Castello
Branco, que preste sna attengo ao que temos es-
crpto, e n3o censura poltica; procurando por si
mesmo apreciara disrusso havida na assembla
provincial em 1833 relativamente ao corpo de po-
lica.
BS
PBUCAgOES A PEDIDO
Um remedio vegetal (Turna prodigali-
ilade assomlin s;i
Afloal chegou o dia em que se desetbrio dentro
da concentrada essencia d'um producto vegetal,
um remedio prodigioso e absoluto para a cura de
todas as molestias precursoras da thislca, A ar-
vore salotar da vida, pois que assim que verda-
deramente se a dever chamar ; da qual se extra-
he este precioso e inestimavel ihesouro, a anaca-
huita do Mxico, e o peitoral de anacahuita de
Kerap, a preparacao por excellencia que obiem
com a maor facilidade a victoria sobre todas as
enfermidades pulmonares. Jamis houve remedio
algum, que d'eotro de tao curto espaco de tempo
se tornasse tao umversalmente popular. Os leslc-
munhos e attestados de suas Innumeraveis curas,
em casos de tosse, anginas, rouquidao, inflararaa
gao do peito, bronchites, asthma, catarrhos, cons-
UpacSas, etc., se recebem aos centenares por cada
correio, enviados de todas as partes do mundo.
Acha-se venda as pharmacias de caors &
Barbosa e J. da C. Bravo 4 C.
GMMEBf Caiva filial do baaco do Brasil em
Pernambuco.
A directoria desta caixa saca sobro o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Uahi.
Voto banco de Pernaiu-
buco.
O banco desconta letras na presente semana a
10 por cenlo ao anno at o prazo de qtmtm me-
zes, e a 12 0|0 at o de seis raezes, e tema dinhei-
roa juros a praso nunca menor ietfles meten
Vovobaaco de Pernambnoo.
O banco paga o 14 dividendo narazaode85
dor aegao.
Caixa filial do banco do Brasil
cm Pernambuco.
19 de abril de 1863.
Tendo-se desencaminhado do espolio de Bernar-
do Jes Pinto a cautela de 43 acc,oes das iocalisa-
das nesla caixa, sob ns. 1239 a 1281, a directoria
faz publico a quem nleressar possa, que por pane
d Antonio Jos Hamos de Oliveira, do Rio de Ja-
neiro, tutor dos herderos do dito Pinto, se vai
aqui proceder a transferencia das referidas accoes
para o nome dos mesmos herdeiros.
O guarda-lvros,
Innacio Mues Correia.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 26........ 68:702004
dem do dia 27 ................ 175#737
68 8974741
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GEHAES DE PERNAMBUCO.
Rendimentodo dia 1 a 26........ 19:263fi36
dem do dia 27................. 354800
Secretaria da thesonraria provincial de Penam-
buco, 21 de abril de 1863.
O secretario,
Antonio Ferreira d Annuioacao.
O film. Sr. inspector da ttiMoarari* prima-
cial, em cumprimento daordem doixat.gr.' presi-
dente da provincia de 23 do corrente, manda fazer
publico, que do da 18 de malo prximo vindouro.
perante a junta da faxenda da meama thesonraria,
vai novamente a praca para ser arrematado a
quem por menos flzer a obra doi-taparos, de que
precisa a estrada do Porto de Galianas avallada
em 7484000. *^
A arrematacao ser feita na formada lei provin-
cial n. 343 d 18 de raaio de 1834 e sob as clau-
sulas especiaos j publicadas.
E para constar se mandou publicar presente
pelo jornal.
SecretaraS thesouraria provincial de-Pernam-
buco, 26 de abril de 1865. k
O secretario,
A. F. da Annuneiafao.
O Illm. Srv inspector da thesourara i
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. p
sidente da provincia de 24 do correnle mando Ta-
zer publico que no dia 11 de maio prximo vindou-
ro, perante a junta da fazenda da mesma thesoura-
ria se ba de arrematar a quem por menos flzer a
piotura de que precisa a ponte pensil do Caxang,
avallada em 3024500 res.
A arrematacao ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1834, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas qne se propnzerem a essa arremata-
sala das sessoes da
Av Maitoei Jos Martins da Corredoura ; R. n-
. no. Pacifico Simes do Amaral.
A. Manoel Pereira Magalhes ; R. D. Paulina
Caetana Soares Carneiro Monteiro.
A. Antonio Fernandos de Oliveira Ramos i fi.
Maoel Antonio Bezerra.
A. Manoel Jos de Abren i.R, Horacio Tiburclo
da Crnz Moniz.
A. JoMDim Rodrigues fantm de Mello ; R.
MaBoel#arreira Garrido.
Bxeq)M|es, D. Mara Francisca -da Coneeicao e
Silva e omros; executado Domingos Jos da Cu-
nha Lagos.
COMPANHIA BKASILIEA
. DE
PAQUETES A VAPOR. De m gi.s tM uai, tautn.
.E esperado, des partos do or* unir
te Jal o da 2 de maio o vapor! Hl Ir
Paran, comroandaate o canito n .,> n... ^^^"
de fragata Antonio Joaquta de M2.^n^Wla/.^!r>.'.*,.r.con.u de.Ie
Santa Barbara, o qual depois da
do costume sepur para os portes do
LEILAO
DE
demora
sul.
Desde j recebem-se passageiros o oogaja-se a
pertencer, 100-gigos com batata superiores desem-
barcadas u'
mais lotes.
barcadas ltimamente, serao vendidas em
O Dr. TtMBo de Alencar Araripe, otDcial da im- car^a1ae0 vJrpodarcondaar, Moa I devera
perial ordem da Rosa, jui de dimito especial do serembarcada no da de sua coegada, enom-
commereio desta cidade daRecife de Pernambu- medas edinheiro a frete aleo dia dasahida as
co e-sen termo, por Sua Magestade Imperial e'2noras:.agencia, uauk Croa *. i, ateripario
finnililnrinnal o Sr. I) Pedro
guarde; etc.
Paco saber pelo presente, qoe no da lo de mez
de maio do crreme anno se ha de arromaiar por
venda, a i quem mais dr, em praca publica desle
provia-guizo, depois da audiencia respectiva, os bens se-
gntntes : um terreno de marinha situado ao lado
doTheatro novo, com 150 palmos de exteosao, co-
berto de teihas no centro, o dito terreno acha-se
muito falto de trra, occasfonando este estrago
de dia em dia. o rio que o>rodeia, avallado em
2:200j>000. A casa terrea sita por detraz doquar-
tel n. 20, cora quintal, cacimba e sahida para traz,
avahada ero 2:3004000. Os quaes bens s3o pr<-;
tencentes aos herdeiros de Julio Berwger, e aos
mesmos penhorados por execuco de Jos Moreira
da Silva,
cao comparecam na sala das sessoes da referida E na Wu de lieiUte, Mr .rrpmaUPao feita
junta, no dia ac ma menc onado peb meio dia, e x^nrZTA^^M^^S?^-^?
competentemente habilitados. 'SSivoTl adjUd'Casa0 co,n abal,raent0 res-
pefoioarrriarnS,ar Semand0D PDb'Car PreSeDle E ^ ^ ehegue ao conhecimento de todos,
bu^e^iitS3 Pr0aCa,dePerMm^^^
duco, _b de abril de 1865. Dado e passado nesla cidade do Rectfe de Per-
Antonio Ferrlra da Annnnplaran nam,buco. aos 7 de abrtl de-1865. Eu Manoel lfe-
Clausulas P neme, tvl aremaSpaS Tu Rdr' 1, ?painte4edaepConSe K/angTS eita de D0 'mPedimeDt0 teSftSHSS ,v
coonformidade com o orCamenlo na imporlancia *[*.^J^^r ira-
2.* O arrematante dever principiar a obra no
espafo de 8 dias e flnalisa-la no de 30, arabos con-
tados da data da arrematacao.
-3.' O pagamento ser effecloado em urna s
prestajao, quando tiver sido concluida toda a pin-
tura e entregue definitivamente.
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio, nesla cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco e seu termo, por
Sua Magestade Imperial e constitucional o Sr.
D. Pedro 11, quem Deas guarde etc.
Fago saber aos que o presente edilal virera, e
4.' Para ludo mais que nao esliver especificado' ,e "* t?l5 9aen.dit de T ** Cr"
as presentes clausulas seguir-se-ha o que deter- "u K" h* ^rhr?m*?r, P?r.venda 'l"era
mi^oregulamentoda rlpartico das^bras pu- % SSgSmT.,U'Z'" Sala d0S
Florencio, crioulo, que representa ter 35 annos
pouco mais ou menos, avahado em 6504- Chris-
JSSfJS'SS" ter amesmaidade>
dos por falla de preparos seointes feitos entre ^i'adaemvS, SoPh,a'-
blicas.
Conforme.A. F. da AnOunciacao.
Pela secretaria do tribunal do commercio
desta provincia se faz constar que se achara para
parles :
Autor, Innocencio Garca Chaves ; Reos, os ad-
ministradores da.massa fallida de Amorim, Frago-
zo, Santos & C.
A. Antonio Rodrigues Fernandos Veira ; RR.,
os administradores da masssa fallida da viuva
Amorim & Filbo.
A. Francisco Jos Cyriilo Leal; RR. es adminis-
tradores damassa fallida de Amorim, Fragozo, San-
tos & C.
Exequentes Jos Rufino de Souza Rangel, Jos
Joaquim de Oliveira e Joaquim da Costa Lima ;
executado, Jos Gonpalves do Nascimento.
A. Jos Clemenno Henrique da Silva ; RR. os
administradores da massa fallida de Amorim, Fra-
gozo, Santos & C.
Appellante, padre Antonio Jos Pinto; appellado,
o baro de Jaragu.
A. Francisco Antonio das Chagas, como caixa e
procurador da sociedade arrematante do imposto
de 24500 rs. sobre cabeca de gado morto para o;
consumo do municipio do Recife ; R. Claudio Du- i
beux.
. cabra, representa ter
16 annos, avallada em 8004, os quaes foram pe-
nhorados por execuco de Joaquim Luiz Vires,
contra o Dr. Jeaquim Elviro de Moraes Carva-
lho.
E havendofalta de lanzadores ser a arrematacao
feita pelo preco da adjudicacao com o abatimento
respectivo da IeL
E para que. ehegue ao conhecimento de todos
mandei fazer a presente edital, qoe ser afxado
nos lugares do costumee publicado pela im-
prensa. ;
Recife, 30,'de margo de 186o. Eu Manoel Maria
Rodrigues do Nascimento, escrivo, o subscrevi.
Tnsto de Alencar Araripe.
BJ6CLABA?GES.
Consolado de i'ortogal.
Sao chamados os credores do finado subdito de
?. M. F., Antonio Ferreira da Silva a apresenta-
rem neste consulado as conlas de seus crditos.
A. Manoel Pereira Monteiro ; R. Bellarraino Al-; documentadas em forma legal. Recife 26 de abril
ves Arocha. j de 1863.
A. Antonio Joaquim de Vasconcellos; R. Jos Joa-1 Avvamntnon
quim Lopes de Almeida. A romuiuyiH)
A. Joaquim Elviro Alves da Silva ; R. Theotouo Sexta-feira 28 de abril, linda a audiencia do Sr.
da Silva Vieira. Dr. juiz de orpbos devem ser arrematadas as ca-
A Luiz Jos da Silva Guimares ; RR. Jos An- ] sas sitas a ra Bella, pertencenlcs aos herdeiros
tao de Soza Magalhes, Francisco de Paula Caval-, de Jos Fernandes Eiras, bem como a parte do
canti Wanderley Lins, e Francisco Luiz Cavalcanli sobrado de ditos herdeiros, sito ra de S. Frau-
de Albuquerque. ; cisco : os pretendentes dirijam-se a sala das au-
A. Agostinho Rodrigues dos Santos ; R. Manoel dieocias nc dia indicado, as 11 horas da manhaa.
Paulo de Albuquerque. Pela subdelegada do Io distrteto de Jaboa-
AA. Mathens Ausiia & C. ; RR. vBrito, Queiroz tao se faz pnblico que foi preso e acha-se recolni-
& C. | do a casa de deteneo o cabra Manoel, que diz ser
_ A. Jos Ilygmo de Miranda ; R. $ento Jos da \ escravo de Galdino Alves Barbosa, morador em
Costa. Capoeiras da comarca do Bonito, e que declarou
A. D. Anna Josepha Pereira dos Santos ; R. D. andar fgido desde 6 de Janeiro do corrente anno.
Mara Magdalena de Almeida Catanho.' Jaboatao 26 de abril de 1863.
Exequentes, Costa <& Filhos ; executados, os ad
: deAotDQio Luiz de Oliveira AzeyedP_C.
Companhia las Mensageries Im-
periales.
No da 30 do
corrente mez es-
pera-se dos por-
tes do sul o va-
por francez Es-
tramadure, com-
mandante H. de
Soraer, e qual
depois da demo-
ra do costume seguir para Brdeos, tocando em
S. Vicente e Liboa.
Em S. Vicente ha ura vapor em corresponden-
cia eom-Gore.
Para condiccoes, fretes e passagens traia-se na
agencia ra doTrapiehe n. 9.
COMPANII1 i PEKNAMBCAA
DE
Vaves t\-To costeira por vapor.
Macei
, hoje pelas dex horas..na porta do arma-
zera Uo Sr. Vicente, de/ronte da f scadinta da al-
fandega.
da Havana.
No dia 28 do torrente as i i horas
No grande armazem de leilSes do
agente
OLYMPIO,
36-.Rh da Cadeia do Rcelfc--36
Leilo de diversos movis; roupa osa-
da c pertences de tuna padnria.
Martins far leilo por erdem do lllm. Sr. Dr.
cnsul portugoez, de diversos movis, roupa usa-
da e pertences de urna padana, constando de um
forno, tendedeira, Jmacelra, um telheiro grande
cem suto para guardar barricas, cylindros, fari-
nha de trigo, barricas vazias e muios outros ob-
jectos de uso da padaria, ludo pertencente ao es-
polio do finado Firmino Pacheco Gomes.
Segunda-feira 1 de maio.
O letlo ter lugar na praca da Boa-Vista n. 14,
onde se acha collocada dita padaria s 11 horas,
examinar a reiace dos
e escalas,
No dia 29 do corrente, as ^ w enneorrentes poJem
floras da larde, segu o vapor bJeclos m mao do mesmo Marlius, a ra da Ca-
Parahyba, commandante Martins *
para os portos indicados. Recebe
carga at o dia 28. Encommen-
das, passageiros e diuheiro a frete at 2 horas da
tarda do dia da sahida : escriptono no Forte do
Mattos n. 1.
Rio i.raiiSo e As&
Segu a bureara aoos Amigosi por estes das,
recebe carga a frete comraodo : a tratar com o
mestre na escadinha ou no caes do Ramos n. 24
Para o Rio Pretende seguir com muia brevidade a barca
Rio de Janeiro, tendo parte do seu carregamento
engajado:- para o resio que Ihe falla e escravos a
freles, para os quaes tem excelleoles commodos,
trata-se com o seu consignatario Antonio Luiz .de
Oliveira Azevedo, uo seu escriptorio na ruada
Cruz n. 1.
deia n. 9, primeiro andar.
Para o Kio de Janeiro.
O brigue escuna Joven Arthur, pretende seguir
com muta brevidade, tendo parte de seu carrega-
mento prompto : para o testo que Ihe falta e es-
cravos a fretes, paraos quaes tem bonscommodos,
trata-se com os seus consignatarios Amonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C.
'Para o Rio de Janeiro.
Segu nestes oifo dias o brigue escuna Nao su,
tendo dous tercos do sen carregamento bordo :
para o resto que Ibe falta e escravos a frete, para
os quaes lem bods commodos, traia-se com os*seos
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C.,no seu escriptorio na ra da Cruz n. 1.
1EIL0ES.
Leilao de escravos morigerados de ambos
os sexos.
HOcIG
SexU-frira 28 d correle as 1 i horas
no grande armazem do agente
OIuYjMPIO
3rT--Rna. da Cadeia do Reclfe--36
ministradores da massa fallida da commandila.
A. o Dr. Manoel Francisco Teixeira ; RR os ad-
ministradores da massa fallida de Amorim, Frago-
zo Santos AA. o presidente e directores da caixa Glial do
Banco do Brasil ; RR. Manoel Alves Guerra e Bri
lo Queiroz & C.
AA. Manoel Joaquim Ramos e Silva & Genros ;
RR. Henrique Luiz de Barros Wanderley Lins e
Caelano Franci co de Barros Wanderley.
A. Antonio Jos Conrado, succeesor "de Julio &
Conrado ; tiR. Antonio Francisco das Neves, Lou-
renco Luiz das Neves e Benedicto Jos Duarte
Cedrim
A. Manoel Joaquim Baptsla; R. Joao de Almei-
da Lima.
O subdelegado supplenle
Jos Fernandes Monteiro.
19:319*456
EDIT1ES.
RISPADO DE Ii:it V\ HltlC O.
Pela secretaria desle pispado, se faz publico que
o Exm. e Rvm. Sr. vgario capitular para maior
facilidade das pessoas que o procuram fra das
horas do despacho, para casos urgentes, principal-
mente nesle tempo de invern, resolveu definitiva-
mente a sua residencia para o seminario episcopal
de Olinda, onde pode ser procurado na occasio do
expediente das 9 horas da manhaa al as 2 da tar-
de ; e para os casos urgentes a qualquer hora do
dia ou da noite.
O secretario do bispado,
Conego Joaqtum Ferreira dos Santos.
s
9.
thew rito
EMPREZA-COIMBRA
1 recita da assignatara.
jse' dJaoaSLyra GavalcaDli; R"MaDoel Sabbado 29 de abril de 1865.
Representarse ha pela primeira vez a magesto
sa secna patritica, intitulada
t O Illm. Sr. inspector da thesonraria provin-
KrSe-s:rec^^^
E seria isto porfalta de pessoal ? Nao deveria o: SWfLf?8. n? dia -14 ^ junho prximo vin-
, douro, perante a
souraria, se ha d arrematar, a quem por menos
Sr. Jos Pedro da S.Tva, que "va7Iao' eientemen" i Z' ** ^ da fazeim da meSma ,he-
S^e^ bh *2i"cidadVde NazaTetb^va:
sua reparligo, na tarde de 9
desse mez, ao Sr. conselheiro Cunha Figueiredo,
afim de que S. Exc. tivesse conhecimento da oc-
eurrencia 9 dsse com presteza as providencia*
que o caso exiga ? Por certo que sim. Eis o offl-
ciq que em resposia ao do Sr. Jos Pedro da Silva
dirigi o Sr. Cunha Figueiredo:
Acabo nesle momento de receber o offlcio da-
tada de hontem, em que Vmc, me comraunica a
fuga do thesoureiro do consulado provincial, alcan-
cado era 12:a4J#520, e pelo que mandou Vmc. in-
timar os respectivos fiadores para,
iada em 18:093^900 rs.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
, vincial n. 343 de 13 de maio de 1854, sob as clau-
I sulas especiaes abaixo declaradas.
I As pessoas que se propozerem essa arremata-
j cao, comparecam na sala das sess5es da referida
' junta, no dia cima indicado, pelo meio da, e com-
petentemente habilitados.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarn da thesouraria provincial de Ver
horas, recolherem o meconard""alcance "4^1*1-! FfZ^Jirt*^0 i8M- secreta0' A"
taqdoao mesmo tempo a priso do supradito the-
soureiro, enomeaado tima commisso para exami-
A. Jos da Silva Torres Cravo ; R. Manoel de
Souza Tavares.
Exequente, Octaviano de Souza Franca ; execu-
tado, Jos Fancisco do Reg Barros.
A. David Willian Bowman ; RR. Manoel Alves
Guerra, Francisco Antonio de Brilo e Francisco de
Paula Queiroz Fonseca, socios da firma de Bnto &
Queiroz-
Arestante, o cnsul porluguez nesta cidade;
arestado, Manoel Jos Leite.
A. Antonio Ferreira Leal, R. Jos de Paiva Fer-
reira Jnior, como administrador de Antonio Case-
miro de Gouveia.
- A. D. Benta Maria de Jess : RR. os adminis-
tradores da massa fallida de morm, Fragozo, i um quadro allegorico, que
F. d'AnBunciacao.
nar escrupulosamente ao justo o alcance do mesmo
ihesoureifo.
assig-
tecaaaaoi, e que nenhum alcance hacia apresentado. iguaes correspondentes, a cada terco da obra (inda.
rJn a a'^ot tut0' umaul occi^eiicia, 4." Nao ser em tempo alguinattendida qualquer
l^TJP* qoc prosi8a eom todoTTvtgor reclamaco por parte do arremaunte tenden-
as aeiigencias combadas, at qae Oque indemni- te indemnisacao, quaesquer que. seiam as aliega-
saaa a fazenda nrovincfa mminiia nnio ^c om n K7m > .?.. .:_j. *_
Clausulas especiaes para a arrematacio.
!; O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
| to resposta cumpre-me duer-ihe que~noo fo- <. junto, na importancia de 18:093&00 rs.
ram sem fundamento as mtpeas que ha poucos i 2.' O arrematante ser obrigado a dar principio
atas ihe mamfestei cerbatmente acerca do supra aos irabalhos no praxo de 30 dias, e concluidos
referido theseureiro, recommendando-lhe toda a vi- no de um anno, ambas-a contar da data da
jilancia, nao obstante assegurarme Vmc. que elle natura do contrato.
'J",'flPa'a mtrar."n tempo co os dinheiros ar- \ 3." Os pagamentos sero Jeitos em 3 prestares
a obra (inda,
ida qualquer
He tenden-
-,' f-~ ""i- .iuuvuiuii^), <|ucoijuci ijmj sejam as aliega-
lazenaa provincial, e cumpndo o regula- coes em que se hajam para esse Ora, anda mes-
.*_, .' |mo porprejuiws provados.
nimtt^Ti kh 1/9lad! **to de dezembro i 5.' Para ludo o que nao esliver especificado as
ioT i Publ,c,d0 B0 Dtano & Pernambuco presentes clausulas, seg.uir-se-ha o que dipoe o re-
n 287 de 13 desse mesmo mez. Elle mostra com golamento de 9 de Janeiro de 1864.
r^Vll,?^ obgtcaDl o qoe havia dito o Sr. J ContomeA F. d'Annunciagao.
S ., f0 ao Sr Jos P'?r2 da Sllva>este ~ Illm- Sr- 'Petor da.thesouraria provin-
nao leve a vigilancia recommendada por S. Exc, ciaj, em,uroprimento da ordam do Exm. S7. pre-
poisqne deixou o thesoureiro reWrar-se Ha thesou- sidente da^sovincla de 19 do corrente, manda fa-
raria levando comslg* os nove mto* de' rtls, zer publico que a arrematacao da obra dos reparos
com que quena entrar e linha em seu poder, e s de que precisa o emnedramento do lugar denomi-
tres deas depos do oceorrtdo levou-d ao cooheci- nado Areias do Giqui, na estrada da Victoria, au-
mento oa presidencia da provincia, a quem havia nunciada para o dia 4 de maio prximo vindouro
assegorado que o referido Ihesonrelro cosUimava ser eiu de conformidade com novo orcament
entraren) lempo com os dinheiros arraadados, e no valor de 477J.. ~
Santos & C.
A. Jos Narcs) Camello ; RR. os administrado-
res da massa fallida de Seve Filbos & C.
A. Joaquim|Jos de Abreu Jnior ; RR. os ad-
ministradores damassa fallida de Amorim, Frago-
zo, Santos 4 C. -
A. Galdino Temistocles Cabral de Vasconcellos ;
RR. Manoel Alves Guerra, Francisco Anlonio.de
Bnto, Francisco de .'aula Queiroz Fonseca e Fran-
cisco Xavier de Moraes.
Exequente, Manoel Jos Lelte ; executado. Jos
Francisco do Reg Barros Jnior.
A Felippe da Silva Pimentel; R. os curadores
fiscaes da massa fallida de Faria & C.
A. o bacl-arel Joao Francisco Teixeira ; RR. os
administradores da massa fallida de Guimares &
Irmao.
A. Antonio Jos de Castro; RR. Francisco An-
tonio de Brito e Francisco de Paula Queiroz Fon-
seca.
AA. Cmara & Guimares ; RR.,os administra-
dores da massa fallida de Araonm, Fragozo. San-
tos & C.
A. Domingos da Cosla.Maia; R. SilverioJoaquim
Martins dos Santos.
AA. o presidente e directores da caixa filial do
Banco do Brasil; RR. Daniel, Guimares 4 C.
A. Francisco Ferreira Borges; RR. os curado-
res fiscaes da massa falhda de Martinho de Oli-
veira Borges e Bento Jos Ramos de Oliveira.
BRASIL E 0 PARAGUAY.
PKRSONAGEM NICA.
OSr. Brasil.......Lisboa.
Olferecida e dedicada pelo seu autor o artista
Francisco Correia Vasque, aosDEFENSORES
DA PATRIA.
Esta linda scena alm de ser entremeada de
poesa para canto e cuja msica se acha a cargo
do Sr. Colas Filho, termina com a apparigao de
representa o PARA-
Leilio de obras de prata.
HOJTC
O agente Pinto far leilo a requerimento da
juma administrativa da Santa Casa de Misericor-
dia e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orpbos
dos ol.jectos de prata pertencentes a alienada An-
ma Rosados Prazeres,as II horas, do dia cima
dito em sea escriptorio a ra da Cruz n. 38.
Liidode obras de prata, ouru
e um escravo.
Como seja:
2 pares de brincos, 2 pulseiras, 1 alfinete, 2
cruzes, 1 liga, 1 boto, 5 anneis, 2 correntes para
relogio o 1 correntao grosso, ludo de ouro.
Um paliteiro, 3 salvas-, 3 caslicaes, 9 (velas. 1
caneco e 1 faqueiro, tudo de prata.
Ura escravo por nome Joaquim.
HOJE
O agente Pinto far leilo a requsrimentodo in-
ventariante dos bens do finado Luiz Pedro das
Neves e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de or.
phos.do escravo Jeaquim de Nafao, de 133 oita-
vas de ouro e 2,026 oitavas de prata. constantes
dos objectos cima indicados, as 10 horas do dia
cima dito em seu escriptorio ra da Cruz nume-
ro 38.
LE I LO
DE
Um si'io na es'lrada dos Afflicos,
Sabbado C de maio.
O agento Pestaa, competentemente autorisado,
far leilo de um sitio na estrada dos Afilelos, con-
tiguo ao da viuva do cirorgio Peixoto, pouco alm
da capella, cuja propriedade consta de terreno com
380 palmos de frente sobre 1,300 de fundo, cer-
cado de boa cerca, com mais de mil ps de diver^
sos arvoredos, arvores seculares e de saborosos
fruclos, terreno propno para tudo, boa casa terrea
com sotao para vivenda, de 34 palmos de frente e
setenta de fundo, muitos quartos e salas, cozmha
fra e boas accommodacoes no referido slito, co-
xeira fra e boa estribara para tres cavallos Os
senhores pretendentes podem examina-lo desda j,
para o qoe se acha a chave na mao do referido
agente, ra do Vigario n. II.
O leilo ter lugar asonze horas da manhaa do
da 6 de maio A porta da AssociaPao Commercial.
LEILAO
DE
Dividas pertcncenles a massa fallida
de Francisco Gomes Castellao.
Segonda-fcira Io de majo.
A requerimento dos administradores da massa
fallida ile Francisco Gomes Castellao, e despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, o agen-
te Pesua far leilao das dividas que foram so-
mente da massa fallida do mesmo Castellao, na im-
portanria de 15:880,5310 rs., conforme a relacao
em mao di agente onde pode ser examinada, e se-
ro vendidas a porta da Assccaco Commercial,
segunda-feira 1 de maio prximo-vindouro pelas
doze horas da manhaa.
Leilao
GUAY esmagado pelo brasil.
Eis a dedicatoria do autor :
AOS DEFENSOHES DA PATRIA.
O grnpo que seergue como nm s homem para-
viegar a honra nacional, essa muralha braslleira
que desaba sobre os assassinos, como as paredes
da Babel sobre os filhos de No, mereca outro
preo. Esta scen nascida nicamente do entu-
siasmo, pouco, para offerecer a lo bravos cam-
peos, cojos feitos me asseveram que a marcha
continnar com o mesmo vigor em quanto existir
o Herodes do Paraguay, o moderno degolador dos
innocentes.
Seguir-se-ha a representacao do applaudido dra-
ma em 4 actos e 1 prologo
Terminando o espectculo com a nova e gracio-
sa comedia em 1 acto, ornada de msica, tradc-
elo da Sr.* D. Eugenia Cmara
Pao para toda obra.
Barios fc C.; R. Basiiiano de Maga
como teslaroenteiro e inventarame
AA. Ges,
Ihes Castro,
de Jos Fernandes da-roj.
A. Fiancisco Ferreira Borges ; R. os adminis-
tradores da massa fallida de Martinho de Oliveira
Borges e Bento Jos Ramos de Oliveira.
A. Oclaviano de Souza Franca; R. Jos Fran-
cisco de Barros Bego.
A. Chrisanto Darlo Nobre de Almeida ; R. Joao
Hypolitode Meira Lima.
A. Jos Martins Alves da Cruz ; R. Jos Anto-
nio Googalves Pires.
AA Miguel Ferreira de MeHo e rsula Maria'
dasVirgens por si e como tatora deseusfllhes
menores; R. Francisco.Ferreira de Mello.
A. Bernardo Antonio de Miranda ; R. o padre
Jos dos Sanios Fragooi.
A o tenente coronel Joao de S Cavalcanti de
Albuquerque ; R. Antonio Annes Jacome Pires.
A. Manoel Antonio Supardo ; B. Joao Augusto
de Vasconcellos Leilo.
A. Manoel Alves Ferreira ; R. Pedro Cavalean-
ti de Albuquerque Ueha.
A. Jos Rodrigues da Silva Rocha ; R. Manoel
Rodrigues Costa Magalbes. '
PBRSONAGBNS. ACTORES.
Angelo Doucient......Lisboa.
Mont-Bechard......V Porto.
' Joao, criado. Teixeira.
i Bradamanle......:. D. Eugenia.
Brtha........D. Camilla.
Os bilhetes acham-se desde j no logar do cos-
tme.
Principiar s 8 horas.
Gafeira semanal
de mobilias completas, pianos,
relogios, crystaes, camas de
ferro, objectos de ouro e pra-
ta, charutos da Havana,
guarda roupa, mesas de
jantar e outros muitos ar-
tigos.
IIO*E
No erando arfrmooi d leilo*s do ?pnte
OLYMPIO
3(i--Hna da Cadeia do Recife-36
Principiar as II horas.
Leilo de um rico aderezo de ouro de lei-
cotn 24 brilhantes grandes, differentes
colheres de prata e um relogio de algi-
beira patente inglez.
mm n.BrM32
Por intervencao do arente Pinto em seu
torio a ra da Cruz n, 38.
Leilo de
esenp-
casas terreas e 4 meia-aguas,
sendo:
1 casa terrea de porta e janella ua ra da Se-
ledade n. 24, com 2 salas, 2 quartos, cosinha e
quintal.
3 ditas na estrada de Joao de Barros ns. 9, 11 e
13 tendo cada urna 2 salas, 2 quartos, cosinha fora
e quintal.
4 meia-aguas defronle do oito da igreia da So-
ledade. .
ue duas casas juntas formando urna grande,
edificadas em chaos proprios na Capunga Velha,
peuuliima a dreila de qnem vai para o porto do
Lasserre com 4 salas, 7 quartos no interior, eran-
de cupiar, cosinha fra, quartos para prelos, co-
cheira e estribara,a qul.fica entre dousportes.
Teira-feia 2 de maio.
O agente Pinto far leilao as 10 1|2 horas do
da cima dito da casa supra mencionada, com
autonsagao de seu respectivo senhor, o qual leo
dever se cffectoar no dia e hora cima ditos era
seo escriptorio ra da Cruz n. 38.
Leilo
De urna grande ca des quartos com janellas, calcada toda a roda, ter-
rado na frente e copia atraz, "com sotao, quartos
fra, nao s para hospedes como para pretos, co-
cheira e estribarla, cacimba e tanque, jardim e
pomar ao lado, sitio com muitos arvoredos e fruc-
teiras de boas qualidades.
Terca-feira 2 de maio.
O agente Pinto far leilo, precedida a compe-
tente autorisapao, da ca.ta de campo com os com-
modos cima descriptos sita no Calieireiro, ou-
tr'ora do finado Domingos Antonio Gomi-s Guima-
res, em freute a casa do Dr. Jos Bernardo Alce-
forado, as it horas do dia cima dito em seu es-
f riptorio a ra da Cruz n. 38. Os pretendentes
podero obter do mesmo agente qualquer infor-
iviarao a respei toda mesma casa.
Leilo de 4 casas em pipucos.
Terca feira 2 de maio.
O agente Pinto levar novamente a leilao nao
s as duas casas edificadas no alto de Apipucos
ao lado direito e perto da pavoacao, como as duas
de baixo ao subir da ladeira, com os commodos
descriptos nos annuncios para o leilao do dia 11
do correle. *
Leilo terca-feira 2 de maio. s \ 1 ho-
ras, a ra da Cadeia armazem d. 53.
De um sobrado de 2 andareji e solo n. 35, silo
ra da Imperatriz, nem edificado, seu rendi-
mento paga um juro razoavel.
Pelo agente Euzebio se vender naquelle dia e
hora o predio como cima descripto, sao convida-
dos os pretndeme* ao previo exame.
Leilfto de passas.
SEGUMDA-FEIRA 1 DE JMIO.
O agente Pestaa fara leilo por eonla de quem
pertencer de Mcsixas com passas em umou mais
lotes para fechar faciora, segunda-feira I" de maio
as 10 horas da manhaa na porta do armazem de-
fronle da alfandega.
Martins far leilao precedida a competente au-
tonsacao das casas cima em seu escriptorio ra
da Cadeia dojtecife o. 9,as 11 horas do dia cima.
Leilo
em eon-
AVISOS MAIJTIMOS.
OOMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUJETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da qpnipanhia o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-'se passageiros eengaja-se
carga qae o vapor poder condnrir,a qnaldever
serembarcada no dia de sua chegada : encom-
mendase dinheiro a.frete atoo diada sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. I, escriptorio no
AntomoLuiz de Oliveira Azevedo & C.
de baealbo
tloiiaco.
IIO VE.
O agente Pestaa havendo suspendido o leilo
do bacalho da bem conbecida marca Baino Jo-
hnston, em razao de Ihe constar que o Sr. delega-
do de polica, condemnando do proprio arbitrio a
qualidade do genero, obrigara muitos dos compra-
dores a lanca-lbno rio, fazendo-os assim perder
sem recurso, o valor das compras effectuadas alm
de onera-los de mullas e cusas, procurou pelos
meios legaes proceder um exame sobre o genero
em questao, e sendo favoravel a boa qualidado e
parecer dos abalisados peritos, opinio tambera
corroborada pela dos Ilustrados Srs. Drs. Aquino
e Firmo em idntica vestoria : hoja sem rebuco e
urano do bom genero qae expSe a venda, convida
aos seus numerosos freguezes a concorrer ao lei-
lao annunciado, o qual ter lugar hoje pelas II
horas da manhaa no armazem do Sr. Vicente de-
fronte da escadinha da alfandega em lotes a von-<
tade do comprador.
AVISOS DIYE1S0S.
LOTERA
AOS 6:000$000.
Sabbado6 de maio do corrente anno se ex-
trahir a 3a parte da 4a lotera (i 4a) a be-
neficio da Santa Casa de Misericordia, no
consistorio da igreja de Nossa Senhora do
Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes.meios e quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. i 5.
Os premios de 0:0000000 at 100000
serao pagos una hera-depo da extraerlo
al as 4 horas da tarde, e ,os outros depois
da .distribuicSo das listas.
As enconimendas serlo guardadas so-
menteat a noite da vespera da extraccao
como de costume.
O thesoureiro,
___ Antonio Jos Rodrigues de Souza.
PERNAMBCANO.-"
reuniSo-
CLUB
Domingo 30 do corrente haver
familiar,
Joao Pereira Pedrosa Lima retira-se para
Ponogal temporariamente para tratar de sua sau-
de, e deixa por seus procuradores durante sua au-
sencia em Io lugar o Sr. Domingos Jos da Costa
Amorim em 2 o Sr. Jos de Souza Braz, em 3o o
Sr. Antonio Ignacio Pereira Coelho.
Na.raa de S. Francisco n. f8 engomma-se
bem com promptidao e raodicidade em preco, pre-
fenndo-se roupa de horeem : quem precisar diri-
Ija-se em dita casa.
/

-


,4
tari If^rtialWtr iWf* ilH+**t>j**n**t* *S
AOBDOBODE FEM INAI.TIBAVEL
Approvadas pela -Acadamia. de Medicina da Pariz
ACT0BISADA1 PELO CO'S',10 DICiL BE Si-PITESBUIGO
EXPERIMENTADAS NOS HOSPITABS DA FRANfA, DA W.GICA, DA IRLANDA, DA TOBgSM, ETC.
Mencues honrosas nos Exposicoes, l'ninrcast New-York, 18 t de Pars, 1835.
Estni Pilulas envolvidas n'unu carnada resino balsmica de una tenuidade excetsiva, tem avanlagem de
seren maltcravcis, jen sabor, de Un pequeo rolume, e de nao cansaren) os orgas digestivos. Gozando das
piopriedadrs do IODO e do reamo ellas convem principalmente Das affecens Chloroticas, Escrofulosas,
Tuberculosas Cancrotas, na Itmeorrhea, amenorrhra, anemia, etc.: enflm, ellas oOerecem nos praticos una me-
dicaca das mais enrgicas para radilkar as constiluicoes Igmphaticas, fracas ou debilitadas.
N. f. O indurelo de ferro impuro ou nlirndo c um medicamento infle', irritante
Como prova de purria e de aulliencidade das vcrrtasclras Pillas a*c nianrard, dere
-se eii;ir nosso ello de prala reactiva e nosso llrraa, aqu rcprnduiida, qoe se
arha n.i parle inferior de uji. rotulo verde. Dcve -se desconfiar das (alsiflcacois.
Arhaai -se em losa as Puanaaelas.
I'harmaccutico, ru Bunaparte, *0. Pariz.
MUDANCA
l.IC
i
, Fuadior &, ttiiwioipo -em metae
que raorava na ra da Ioipcralrz encasa do marcineiro peirier a. 55, pre
vine ao respeitayel publico e a todos os seos fr^uezes etB particular, que
mudou sua offiema para a rui da mlth da Boa-Vista" b. 36, onde se acha
prompto para fazer o qoe compete a sia arte de fuodidor e maquinista.
ELIXIR DO DOUTOR THERMES
AO CITROLACTATO DE FERRO
MI
arlfaifi
XAROPE
M CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
Mariiacibtico ba sscola sopE-aioa de pars.
Este xarope, regularisando as funches do estomago e intestinos, destroe essas
nciisposicoes proteiformes, c faz abonar as mobsas de que sao adictos precurso-
res. Mdicos c dooHles tcm reconliccnlo qun resubelecc as imligestdes, fazeridol
desapareceros pesos de estomago, que calma as enxaqHecas, espasmos, re caimbras,
que sao resultado do dtgetles penosas. Scu gosto neradavel e a faeidade com que
se suporta, o tcm teito adoptar como especifico nfallivel das doencas nervosa",
gastritis, gastralgias, clicas de mtomago e corado, vmitos nervoso; suaacco sobre as liinecoes assimiladoras 6 la!, .ue os
mdicos mais Ilustres o tcm adoptado por rescipientc real dos ds primeiros
asentes therapcalicos: o hdurc'o d Potassa c o Proto-Iodureto de ferro, tendo
observado que debaixo de sua inllucnea, o primeiro perde sua accao irritante, e o
segundo seu cffeito adstringente.
XAROPE DEPURATIVO
De cascas do laranjas amargas com Io-
dureto da potasso.
O iedureto de potassa, administrado em
solui-io oh debaixo da forma solida, causa-ao
doente urna grande repugnancia, ou determina
accidentes que foruao A renunciar a es;
medicacao eflicaz.
Unido porm ao Xarope de cascas de laran-
jas, elle nao causa nem gastralgias, nem per-
turbacao do estomago e intestinos, e gracas a
este salvaguarda, o tratamealos depurativos
sSo continuados sem interrupeo, as affec-
coes etcrefulosas, tuberculosas, cancerosas
as secundaria* i terciarias, mesmo reuma-
thiiMaes, aas quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose est definida de tal maneira
qne o medica pode varial-a a sua vontade:
0 frasco
XAROPE FERRUGINOSO
com
Ds cascas de laranjas amargas
proto-iodureto de farro.
A assftriacao do sal ferro ao Xarope de cas-
tas d* laranjas 6 tanto mais racional qaaata
que esta xarope, amprtgado so, para estimu-
lar o apetite, activa a secreto do sueco g-
strico, e por m regularisa as funcccs abdo-
mnaes, neutralzaos mos effeiios dos ferru
ginosos e dos ioduretos (peso de caeta, pri-
sa* d* veatre, dores epigstricas) em quanlo
qne facilita aua ibsor-pcao. Dissolvid* ao
Xarope, elle se toma c se supporla fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assimilavet
e assim pode continuar-se a cura da pallidez,
corrimentos brancos, anemia, affeccSus escro-
fulosas e rackitismo:
0 fraseo: 4fr. 50 c.
4 fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE est5o sompre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedicfles: em casa
J.-P. LAROZE, rao des Licms-Saint-Paul, 2, Pars.
Ra do Imperador n. 38, botica franceza.
NJECTION BRO
XAROPE DEPURATIVO
JLE GOLX
BR0M0-SULPH0-I0DRAD0
Este novo producto resultado de urna trplice combinagao de tres mellloides cujas proprie-
dades sSo mu conhectdas, o Bromo, o Euxofre e o Iodo, oceupa hoje a primeira ordem de
entre todos os depurativos dos quacs o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notaveis dos hospiiaes de Pars, os senhores Cazenave,
Puche, Bazn, Blache, Guibout, Baroschet, Danet, Legroux, Vassc c Aubry, etc., demonstrar.)
sua poderosa cfficacia as aeccocs seguientes:
Fruniborula, *
Uumores frin,
RaebltUmo,
Ophthalmla escrofulosa e ebronlea,
Tnica escrofalosa,
Affrrcoc syphllltleaa,
ElrpanllRala los Crey*,
E tedas as doencas occasiontdas por um vicio do
sangue, e ji tratadas sem neuhum successo pelas
preparacoes vegetaes, iodadas e o oleo de figado
de bacalbie.
Daeucaa de pella,
Dartroa e borkulhaa le toda a especie,
Piaras mucosas,
Obatraeeoes lyniphatleas,
Papel ras,
Kserafalas,
Abeessos, postemas,
Cancros,
Ulceras,
Tinha,
Escorbuto,
Flaa ou Boubaa (do Brazil',
O Xarope de Le Goux, de urna tacil digestao e de gosto delicioso, se empreta Umbem
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospiul dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachiticas ou sobre a influencia de um vicio hereditario, e mui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalho e aos xaropes depurativos e anti-escor-
buticos que se administravio at agora.
Deposito geral, em Pars, na botica Boullay, memoro da Academia imperial de Medicina de
Parts, offictal da Legio de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdade de Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legio de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Pars.
Este xardpe composto mais de vinte annos pelo sabio lente Boullay, constitue a melhor
maneira de administrar o Ether. He empregado com successo em todas as doencas que tirao sua
ongem de um erithismo nervoso, como sao as:

Enxaqarea.
Neuralgias,
Espasmos,
Attaquea de ervos,
verllgrns,
Syneepes,
Calmares de estomago,
Iadlscatea,
Caawulaaas,
Aeeeasas histricas e hjpo-
cendrlaeaa,
Calleas ventosas ou aerve-
aas, hepticas Hatnlentas,
Aeeesaas de sata a do rbeu-
matlsmo.
Casos. da enveaenlemento,
etc., te., etc.
Deposito geral, em Pars, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro da Academia
imperial de Medicina de Pars, official da Legio de Honra, ra des Fosss-Montmartre, 47, e
em todas as boticas de Franca c dos paizes estrangeiros.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SFFOCqlO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio effieaz para combattir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta o Xarope aromatice de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Dascoberta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, em todas u
bucas de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22, em casa de Caros d Barbosa.
Manoel Jos da Silva Filgueiras retlra-se pa-
ra l'urtugal.ieiR)iorariam>*ntB para tratar de ?ua
saud<-, e dru;i |H>r seus procoradure> duranta-sa
au-piMia em lugar o Sr. Antonio Ignacio 'erei
ra Coelho, em 2o Sr. Jos Antonio da Cost Si-
Jos Antonio Feroandes Fraiique vai a Ma-
coio, re durante sua auseacia tica enftarregado de
ceunegocioo Sr. Joao da Silva Leite.
ama:
Precisa-se de urna ama que saiba bem
cQinliar efaca compr s, para casa depon-
a fcinilia : na na da Cadeia do Recite n.
3S, primeiro andar.
Saca-se sobre Lisboa, Porto, liba de
S. Miguel e Rio' ue-Janeiro, no escrjplorio
de Carvalho & Nogueira. ra do Apollo nu-
mero 20.
aos pas He fajutlia
Feijao muMinho a 560 rs. a ema.
Pela grande qtiantidade e a proliibicao qne ha de rse poder exp&r as -ribeiras se
vende por este prego, o feijao bom e o preco agrada a todos : na ra dos Quarteis n.
22, junto a loja de tuiileiro.
i**Ki* .
ESTRADA DE FERRO
DO
Eecife a Sao Francisco.
Festa dos Praeres.
Domiugo 30 de abril de 1865.
Alm do trem ordinario do da cima haver os
seguales especiaes que pararo as estacoes in-
termedias para tomar e dentar passageiros as ho-
rasabaixodesignadas.
DO CABO A PRAZRBS 9 horas da nihla.
Dajlha a Prareres J huras e trm. da manha.
hachare!Tourenco AvelTno de AThu-
5 querque Mello continua a lr seu MCrfp-
55a torio de advogado nos auditorios e tribu
naes desta cidade : na ra do Imi.eradcr
n. 10. '
,. r. AluB-se a ca^sa terrea n. 105 da ra de San-
ta Hita : na ra da Aurora n. 36.
DE UNCO PONTAS A PRaZERES 10 h. 30 m. da
roanhaa.
De Afogados a Prazeres 10 h. 40 m. dajmaoha. j
DeBoa-Viagem a Prazeres 10 h. SO m. da manhaa.
-3
O
=-.
3 %
a

\ 1
2
>
5*2
o
O" =. S
3 S- 3
o ? "
cr
-
a
a-
V

M
19 RA NOVA 19
v redenco Gautier, cirurgiflo dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
uescobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo do diversas preparacoes empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto aoseu dispor para todos os misteres da suapro-
nssao, advertindo quetrouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes; caout-
cnou galvanisado, ouro, platina, massas diversas milito aperfeicoadas para chumbagem,
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeirae operacoes, etc., etc., dos mais acre-
ditados fabncents de-Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso deservir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh atao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando niio tiver de ir em casas particulares.
PRODUCTOS AimmAVEIS
DO
ENglGNE CHIMICO
Xelxl
DO
RIO DE JANEIRO.
m
moo
500
Felii Jos de fusmo Lira, sua mulher e
ima lilha menor, rettram-se para fra do imperio.
a Alu^a-se o e 3o andar? dr7Tob?ad~da
roa da Cadeia do Reeife n. 36 : a tratar no ar-
azcm coro o agento Olympio.
AUA.
Precisa-se de urna ama qua saiba coziubar bem
c comprar para casa.de punca familia : a tratar
na ra do Qupimado, luja o. 5'.___________
O Sr. Jos Rodrigues Freir de Carvalho,
queira dirigirse ao escriptorio de Marques, Bar-
ros & C, para negocio que Ihe interesal.
A tugase
umacasa acabada agora, eom commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos.com banbo na porta.no lugar do Poco
daPanella,ruado Rio : a tratar com Tassoir
mos.na ra do Amorim n. 33.
Eseola particular.
Clara Olympto de Luna Freir, professora parti-
cular de inslrui'cao primaria, competentemente au,
torlsada pela directora da [nsirueco publica,
abri sua aula na run Dlreitan. 00, segundo andar
Chuiubador lehl.
ou esmalte branco nalteravel, sem cheiro nem sabor e da mais
simples applicaco para chumbar os denles por si mesmo, ins-
tantneamente, sem chumbo nem dor, meio prompto e perfeita-
menle ejcaz. O churabador lehl torna-se na bocea branco co-
' mo os proprios denles: acompanha urna guia......
Clmcnio ohlDoa
para concertar com a maior perfeicao iouca, porcellana, crystaes,
vidros^ marmore e qualquer objecto precioso......
i mon] o de gnta percha
especialmente preparado para chumbar os denles cariados. Acom-
panha urna guia............
I ovia el leo ladiaoo epilatorio
para destruir quasi instantneamente os cabellos de qualqucr par-
te do corpo, sem dore sem alterar a pelle. Ac una guia. .
Elexir odoatalgico vegetal
para curar instantneamente asores^os denles mais rebeldes, e
que tambem proprio para conservafao dos mesmos, o en-
dnrecimento das gengivas e a suavidade da bocea. Acompanha
urna guia..............
Enerivore
para tirar a tinta do papel elimpar as pennas de ago. .
Ueltein
pedra austraca para curar os tumores, incbacoes e ferdas prove-
nientes de rocadura de coleira, sellim, cangalha e oulros arreios
dos burros e carados.; adoptado as estribaras imperiaes da
Austria desde o anno de 17ti. Alianca-se que nao preciso
mais de 21 horas para que a chaga esteja cicatrisada. e que nao
exista mais inchaco. Acompanha urna guia. .
. Umas culmicag
extraccao dos callos e cura garantida sem dor nem perigo, em 30
minutos pelas afamadas limas chimicas de Pedro Mourth.
Acompanha urna guia. 0 par .....
.ii.sa dentara Saniakol
esta mas a, pouco temp depois de saa imroduccao na cavijade
dentaria, adquire urna dureza consideravel e nao alacada por
nenhuma das substancias alimenticias ou dentiBcias. Acompa-
nha urna guia....... > -
.. _',_, Massa lustrosa
para ltmpar e abrdhantar instantnea mente os trastes, pianos, ar-
macues de loja, grades e corrimes de escada, tirar o sujo das
moscas, tacando envernisados romo novos. Ac. urna guia .
Papel ekeiroso
'nflammavel, queimando sem bulha, para perfumar casas e quar-
tos, produzr sensac5es agradareis e desinfectar o ar dos denles:
Carteiras. .
dem. ....
dem.....
, pomada Rondesieus
conra piolhos e tendeas; afiancada sem mercurio.....
Pos de pratfa
para pratear instantaneamenle o cobre, o latat, o bronze, etc., e
reparar os objectos amigos prateados, como faqueiros, salvas,
casticaes, apparelhos de cha e oulros objectos semelhantes, af-
flancados sem mercurio, para uso dos'joalheiros. relojoeiros,
pticos, negociantes de ferragens, curiosos e casas de familia:
Vidros de 2 oitavas. .
dem J urna onca. .
. ~L Poliws para par a prata lavrada
sao aTDangados mfalliveis. Acompanha ama guia, vidro ....
pos purgativos
para curar c prevenir as molestias dos caes. Acomp. urna guia:
Carteira. .
-dem .
Salmo oriental
para tirar todas as nodoas simples ou composlas sem alterar os
tecidoscomo sejam: nodoas de vinho, licores, caf, frotas,
gordura, e limpar as golas e paramentos dos vestidos civis e mi-
litares. Acompanha urna guia .-........
Tinta Azul Indelevei pava marear a ronpa
e azul no escrever, e em 24 horas na sombra ou tenos de urna
hora no sol, torna-se preta e nunca ma;s sabe do panno as la-
vagens.' E' preciso escrever sobre panno ncorpado ou eDgom-
mado. Affianca-se que n5o ha melhor na corte em quadade,
Vidro de tres oncas .
dem de urna onca. .
Tinta enea nada Indoltsv superfina
para marcar a roupa, em vidros de meia onca....... 2^000
, iiiKinini.. lehl
remedio raaravilhoso o melhor at heje conhecido contra feridas
novas e antigs, ulserosas e saniosas, fstulas, frieiras, hemor-
roidas, 4uceocas, mordeduras, muas, panaricos, qtieimaduras,
reuojatsmos, supuracoes putredas, cabegas de prego; abeessos
no seio das sen horas, tumores e ulceras em qualquer parte :
Rolos.. .
dem. .
Ditzia.
5/>000 406000
&00 12*000
23000 i8000
3;>000 2430GO
mooo
4f)000
1^000 9,5000
33000 343000
33000 23000
13000 93000
500
13000
13509
BE CINCO POXTAs A PRAZERES l horas da
manhaa.
De Afogados a Prazerps 12 horas 10 m. da tarde.
De Boa-Viagem a Prazeres l horas e 20 m. da
tard.
DE PRAZERES A CINCO P.N 1AS 4 h. 30 m da
tarde.
D Boa-Viagem a Cinco Ponas i h. 40 m. da
tarde.
De Afugados a Cien Ponas i h* 50 m. da tarile.
DE PRAZERErA CINCO TONTAS 7 h. 30 ni. noite. |
De Boa-Viagem a Cinro Ponas 7 h. W m. da noite.
De Afogados a Cinco Ponas 7 h. 31) m. da noite.
DE PRAZERES A CINCO POTAS 9 h. da uoite.
Ue Boa-Viattem a Cinco Pontas 0 h. 10 ni. da noite.
De Afogados a Cinco Ponas 9 h. 20 m. da noite.
UE PRAZERES AO CARO 10 hora* da imite.
Da Ilhaae Cabo '0 h. VI m da noite.
~. O. Manii,
_________Engenheiro e superintendente interino.
0 arente de leiioes
OLYMPO
scientinca a todos os seus couimiteates e amigos
que tem aberto um grande arinazem de leilees
ra da Cadeia do Recite n. .'16, aonde espera me-
recer a mesraa couanca que at hoje tem me-
recido.
Tinturaria
Na roa Direita n. 116 r.oiitno-se a Dgir para
qoalquercor, e o mais barato possivel.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
H mia a residir na ra da Cruz n. 53,
m 1 e 2 andar, onde pode ser procu-
Srado para o esercicio de sua profe-
sao medica, e com especialidade
sobre
e seguinte
Io molestias de olhos ;
2o de peito
3o dos orgiios geni-
ti urinarios.
Em seu essriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comeeandn o trabalho pe-
los doentes de olhos. i
Dar consultas todos os dias das
6 as 10 da manba, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
go que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
1
CASA DA FORT'S
Aos 6:000(000.
Billietes garantidos.
A' ra do Crespo n. 23 b casas do costume.
Oabaixoassignadovecdeu nos seus muilofelt-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de eacrahir a beneticio da Santa Casa da Miseri-
cordia, os segintes premios :
mquart n.88l com a sorte de 6:0005000.
Um meio n. 2)97 oom a sorte de l:4u04000.
Um quarto n. 12i com a sorte do 500,5000.
E outras muitas sortes de 1004,40^,202 e
10*000.
spossuidorespodem vir receber seus respec-
tivospreraiossem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a veuda os da -i" parle da 1" loleria
(13*) beneficio da matriz de Nazarelb, que se
extrahlr no dia 27 do correte.
PRECO.
Bilhetes.....75000
Meios......35500
Quartos. .... 15900
Para as pessoas que compran-m de 1003000
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios......35250
Quartos.....15700
Ma.vobl Martins Fiiza.
i O capitao T. L Knlsht, do brigue inglez S-
Q,. rali, precisa COntrasM com quem por menos fizer,
i os rncenos de mastrearao ele. constantes da ves-
toria a que se procedeu e se acha no consulado
britannico, e para este lira recehe-se nesse eensa-
lado sexta-feira 28 do correle, propostas em car-
tas fechadas dirigidas ao referido capitao, as
quaes declararo os preeos da empreiUtU, e ebri-
gando-se o empreiteiro a SUpprir. os paos, ca-
bos, madeiras e todo o mais material que for
necessario, assim como esiipuir o prazo para o
ncabanipntp da obra : sendo as propostas abertas
na presenca do cnsul de s/ M.
hora da tarde do re/crido dia.
O trabalho e ruatereaes sujeitos a' approvaco
do capiao.
satal
hiitannica, a" 1

O coronel Anlonio Comes Leal, M
nao lendo podido despedii-se de m
lodos os seus amigos e condecidos, -^
pela proslcxa de sua viagem para a
corte, vem pelo presente meio ofte-
recer-lbes seu diminuto presumo,
onde querque o destino o condu/a. mi.
".I
mmmmMmm
Agradecimento
O voluntario da patria, do 1 corpo desta pro-
vincia, abaixo assignado, nao podendo passoai-
Consullorio medico-ciruroico na ra larga de m'u,, u*spedir-se de lodos os seus amigos, pela
Itnsaiin n 'O I ral"dez lle sua viagem, pede desculpa, e offere-
r\ r. i.*, c i "', i ce-ihes seu presumo onde qner iine eslea; ao Sr.
a.1. -a-laSJS'* t 5?^ rogressandoa sua jn,e j,ia(|ui)n da slva (;'nca|ves Go hV
casa, continua em o exerc.c.o de sua proflssao nao E}nh, h'mm aSPgura qu ^ Z*\n
i do, pelo bom iratamento que Ihe deram, iiuando
seu hospede.
___________Gregorio Tavares da Encaroacao.
s na parte medica como tambem na eirurgica.
Prepara-se comida para fra com aeeio e ni-
tinej: por preco mais commodo do que em oulra
qualquer parte, tambem lava-se e engomma-so :
na ra do Aragao n. 3.
AMA
Precisa-se do urna ama perfeita cozmheira e que
compre, prefere-se escrava : na ra da Cruz nu-
mero C8.
s\
Precisa-se de urna ama que entenda bem de cos-
tura e alguns serviros de casa, para casa de pon-
ca familia : na ra d'o Rangel D. 3.
Aluga-se a casa terrea assobradada da ra
da Assompcfio ti. 00, com commodos para grande
familia : a tratar na Iravessa de S Jos n. 22.
8

Cai&eiro.
Na ra do Rosario da Boa-Vista n. 43,
precisa se de um menino de 14 a 16 an-
nos com bastante pralica de taberna, pa-
gasg bom ordenado.
43000
7.4OO0
103000
23000 203000
13500
330(0
123000
283000
500 43000
500
1000
430O0
73OOO
500 43000
13000
500
73000
43000
183000
43000
2000
303000
173000
nico deposito em Pernambco em grosso e a retalh0
EM CASA DE MANUEL i C.
) 8 BIJA. DO CABrCiA 8
O capitao Jos Luiz Pereira ao retirar-se
desta provincia, e nao podendo pessoalmente des-
pedir-sede seus amigos por causa do servico mi-
litar do Io batalho de voluntarios da patria, para
e qual foi nomeado pelo Exm. presidente, o faz
pelo presente, pedindo Ihes desculpa e prometten-
do nunca esquecer as manifestacoes de amizade e i
aprego que dos mesmos tem recebido. asseguran-
do Ihes que far todo o possivel para tornar-se i
dicnoda amizade que immerecidamente Ihe de-i
dicam.
Aluga-se urna meia-agua na ra do lecrim:
a tratar na ra Direita n. 24, padaria.
Descontamse notas do banco do Brasil e das
caixas filiaes: na praca da Independencia n. 22
Participa-se aos pais de meninas entregues !
direcr.1 do collegio de N. S. da Conceigao, que
este collegio se acha transferido para os Coelhos,
onde foi a casa de Alienados. Todas as pessoas que
liverem relagoes com dito collegio, all podero
dirigir-se : assim como alli somente nos domingos
de tarde se recebem visitas.
Precisa-se de urna ama para todo servigo de
tima-casa de pouca familia : a tratar na ra Ve-
Iha n. 52.
mmm mmmmmm mw*
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEItNAMBUCO
Amonio Liiz de Oliveira Azevedo \ ('., &A
competentemente autorisados pela direc- ^
loria da companhia de segaros Fidelida- K
de, tomam segaros de navios, mercado- W
rias e predios no seu escriptorio ra da Sf
Ciui n. i. m
sV^"tfY,iSiS<*aWaK>J-S' SOS
Precisa-se de nma ama forra ou captiva pa-
ra cozinhar e comprar paracasa dajapaz solteiro:
na rna do Queimado n. 7.
Ama.
Precisa-se de urna ama para todo servigo : na
,ravessa das Cruxes n. 2, primeiro andar.
Ama de leite.
Precisa-se do orna ama de leite : a tralar na
praga do Corpo Santo n. 17.
ra do Collegio
Aluga-se urna boa escrava a qual .-'abe fazer
todo o servigo de urna easa de" familia : a tratar
na ra da Imporatriz n. 51, segundo andar.
Procisa-se de urna aun forra ou raptiva.sen-
do boa cozinheira : na ra do Brum n. 84.
Precisa-se de nma ama de leite pa-
ga-se bem: na ra do Imperador (amiga
) n. 83, terceiro andar.
Ssss--nW?-^*isaas4l^
Joao da iiva Ramos, medico pela lint tgi
versidade de Coimhra, d consultas em M
sua casa das s 11 horas da manhaa, e M
^ das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes fej
,fe em suas casas regularmente as horas H
JBL para sm designadas, salvo os casos ur- H
l| gentes, que serao soccorridos em qual- 1
A quer oceasio. Di consultas aos liebres |U
5 que o procararem no ho. pita! Pedro II, j^|
fH aonde encontrado diariamenle das 6 3
s 8 horas da mauhrn.
Tcm sua casa de sade regularmente JR
fl montada para receber qualijuer doente, W
Jal anda mesmo os alienados, para o que Si
3 tem commodos apropriados e nella pra-
ftica qualquer operagao eirurgica.
y Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 25000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servigos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianga de que sem-
pre tem gozado.
Na ra da Cadeia do Hecife loja de ferra-
gens b. 44, deseja-se fallar com o Sr. Jos Dias
Fernandes, a negocio de interesse.
Ensino em engenho
De primelras letras e tambem do lalim, franrez,
inglez e rhetorica, por prego commodo i no escrip-
torio do.Sr. Dr.Diodoro. roa do Imperador n. 81,
primeiro andar, acharse-ha com quera tratar.
Appreuaia por varias Academias e atlas
summiJades medicas.
O queoccasiona cm p>ral as molestias ahaixo
designadas i a csia>niia<9o do singue em certas
partes do corpo, a qual i produiidu pelos ret'rL
mciitos e muitas ontras cauos, ciit.io dedarao-se
os Ilheumatismos, Gota, Paratysia, Flaqueza
dos membros, CoHSJipa(es, Ele/ hantiasis ou,
Ptrnas luchadas, el Bdret Venosas.'
O uto da escova IIECTRO-MAGNE
|MCA tem mesMa certo para a cura de toda
Was molestias, som recorrer se a neuuuuia oulra
medicaio. Ella tem urna forma aiui maiicjarel
c prodax, avouUde dequem d'ella usa, seos na
ueis e fcliics resultados. Seo emprejo pnserm
das molestias cima. Para maisiorormacdcicoa-
sul-te-sc a nolica que accompaaha cada Escora.
Deposito Gerax
Bouiuari du Prince Engaa, 18, Pars.
Vende-se na ra do
franceza ii. 38.
Imperador botica
INJECCAO BROW-
Remedio infallivel contra as gnorrhbo
antigs e recentes, nico deposito i a eas
ica franceza, ra da Cruz n. 22 pre-
C0 3.5


"
... -. .... ..-_.. ..........
UrU de PenuikiM .-- fteiia letra tS e Abril de !&.
i
N
'
BANCO UMIAO
SBC^AO DE SEGUROS MUTUOS DE VIDA
Demonstrado do moviueato tiesta seccao desde o Io de oulubro a 31 de dezeakro d 1864.

Designares
Transporte do ulii
mo trimestre
Subscripgo no pre
sent trimestre
PresUgdes recebi-
das dem.....
Porcentagens por
atraso dem ..
Jaro de inscnpgois
idem..........
Inscripcoes compra-
das a 46 3/e.....
lnscripgoescompra-
das a 46 Vz.....
Inscrip^Ses compra-
das zM 'U ....
Somma
NUMERO DE
SOCIOS.
3
.o .
2 **
3
577
227
3954
838
780
1618
6368
1007
7372
CAPITAL SUBSCRIPTO.
tai
I 2
8.-8
3
2,115:990*000
92:170*000
282:616*000
214:25o*000
2,208:160*000
.6-8
3
3
CAPITAL BE ALISADO.
s m
3
3
|
3
o
oc
s
496:8704000
2,398:605*000
306:425*000
2,705:030*000
489:127*200
72:830*000
2:882*950
7:594*600
872:434*650
67:228*000
66:375*000
1*600
2:004*000
134:608*500
556:355*200
138:205*000
2:884*450
9:598*500
707:043*150
.A>ATAL BMPREGAD0.
Valor nominal em tntcripcoes.
g 03
o" S
O- ^3
|-
3.-3
3

Mtal.
991:300*000
1:600*000
50:000*000
26:000*000
1,068:900*000
133:600*000
40:750*000
20:900*000
195:250*000
1,124:900*000
42:350*000
50:000*000
46:900*000
489:158*885
746*000
23:250*000
12:220*000
1,264:150*000|525:374*885
66:101*123
18:993*690
9:823*000
94:9-23*815
555:260*010
19:745*690
23:250*000
22:043*000
flifict.
Para eviur-se duvidas futura, previne-se a
queco possao presente interessar, que. o Sr. Pedro
Ferreira de S Luna, rendeiro do engenho Morico-
ca do termo de Sennhem, desde o da 27 de fe-
verciro do crreme anno, nao pode vender e nem .
fazer transaccao Jguraa com os 9 escravos seguin-.
tes : Benedicto, crionio, Jos, crioulo, Sebastiana, |
crioula, Benedicta, Angola, Cypriano, cabra, Jean-1
na, mulata, Helena, Ulna de Benedicta, Domingos,
Angola, e Camarina, Angola visto sobre elles.
pender em jaizo serias questde judiciaes, e isto
VENMMSE
caixoes vasios proarios para bahalei-
ros e fanileiros a 1,760 rs.; a tratar
aesta oficina.
lez Mariano.
Anda est venda na ra do Imperador n. 15,
delroDtedeS. Francisco, a rica edigao do met Ha-
SrSSo ao forera l^^^'T^ q \ Jf f XiSFStir* '^
parece que o mesmo Sr. Pedro Ferreira a despeito "*"' *** l* f l*500 cada '"">______________
da senlenca execntiva que do jnio especial do! No escriptorio de Claudio Uobeox vendcm-
commercio desta cidade Ihe foi intimada no dia 27 se foguetes com nova composigao de mis los para
de fevereiro do crrente anno, a despeito mesmo matar formigas; nova desroherla, e mais evi-
do protesto que pelo mesmo juizo Ihe foi intimado dente que as amigas velas mistas: prego 500 rs.
Porto, 31 de dezembro de 1864.
Os directores do Banco Uniao.Jos de Almeida Campos Jnior, F. il. van der Niepoort, Jos da Silva Machado.
Approvado pela junta de vigilancia em sesso de 11 de Janeiro de 1865.
Justino Ferreira Pinto Basto, vice-presidente, Vizconde de Figueiredo, Agostinho Francisco Vellio, Francisco Antonio de Urna, Antonio Adriao da Bocha, secretario.
N. B.Desde o 1 a 11 de Janeiro tem havido o seguate roovimcnto na subscripgo :
SOCIOS. CAPITAL.
Em 31 de dezembro..... 7572..... 2,705:030*000
Do Io a 11 de Janeiro.... 203..... 42:425*000
igualmente no dia 28 daquelle mesmo mez para
nao vender e nem fazer transaccao algnma com
taes bens, parece todava que teve elle a facilidade
de depois de ludo Isto vender o escravo Jos, ou a
parte que nelle tinba, e que se suppoe ser o mes-
mo Jos de que cima se faz mengio, ao seu pro-
prw filho Jos Elias de S Luna\ como se eviden-
cia da respectiva escriptnra de venda do escravo
Jos por elle Pedro Ferreira e outros, assignada
em 13 de marco do correle anno as notas do
tabellilo publico interino da villa da Escada Joae
Damasceno e Silva.
Aproveia-se igualmente esta occasiao para pre-
venir questoes futuras ao Sr. Francisco Lins Gon
Calves Cbaves, lavrador do engenbo Triampho,
tambem do termo de Serinhlem, que S. S. para
seu proprio bam deve lembrar-se e ter n devida
considerado, que S. S. o depositario judicial dos
9 escravos de -jue cima se trata, e que mui bre-
620:298*700 ve talvez tenha de osapresentar lodos 9 no juizo,
ferante o qual o Sr. Cbaves responsavel por
odos.
cada um.
Vinkos do, Porto finos
engarrafados embarris ean-
coretas:
Lagrimas do Douro.
Duque do Porto.
D. Lui.
Henezes.
Particular.
Vinho real e muscatel
19, primeiro andar.
na roa do Vigario n.
Total.
7777..... 2,747:455*000
Do i.c
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO S. FRANCISCO
de tnaio de 1865 at oulro aviso, a partida dsageirosser regulada pela tabella sepinte;
ESTACUES
Cinco Ponas
Afogados .
Boa Viagem
Prazores .
Ilha .
Cabo .
Ipojuca. .
Olinda. .
Timb Ass
Escada .
Frexeiras .
Aripib. .
Ribeirao .
Gamelleira
Cuyambuca
Agua Prcta
l" na. .
(Chegada
"(Partida.
I-A KA O IATEBIH
Das de tra-
balho
M A MI A A
M.
8
8
8
8
9
9
9
10
10
10
11
II
11
19
11
12
1
1
30
38
50
58
22
40
57
14
29
45
15
33
52
15
30
48
6
30
TARDE
11. K.
0
8
20
28
52
10
Domingos e
.lias sanios
MAMA
II.
8
9
9
9
10
10
10
11
11
11
11
12
M.
30
38
50
58
22
40
57
14
29
45
15
33
52
12
16
33
51
15
TAUUB
II.
M.
0
8
20
28
52
10
ESTACOES
Una...........
Agua Prcta.........
Cuyambuca.........
Camplpira (Chegada......
uameieira...(par|jda......
Ribeirao.....*..... .
Aripib............
Frexeiras .. .:......
Escada........... .
Timb Ass........
Olinda ...........
Ipojuca............
Cabo.............
Ilha..............
Prazeres...........
Boa Viagem........
Afogados..........
Cinco Ponas .......
' DO INTEHIOB
Oas de ir-
balbo.
MANHAA
H.
M.
MA.NHAA.
50
8
32
40
52
0
H.
11
11
11
12
12
12
1
1
2
2
2
2
3
3
3
3
4
4
M.
15
39
57
15
30
53
12
30
0
16
30
48
5
23
47
55
7
15
Domingos
dia santo*
MANHAA
11.
ti.
0
181
42
50
2
10
TARDE
II
M.
0
25
42
57
0
23
42
0
30
45
0
18
35
53
17
25
37
45
25#00n.
Alnga-se por 25* mensaes o secunde andar do
sobrado n 62 da ra da Gula : a tratar no pri-
nieiro andar
Qtem precisar de urna ama de leile dirja-
se ra do Pilar, no fundo do assougne n. 93.
Aluga-se o terceiro andar da ra da Impe-
ratriz n. 3*, cora muitos coramodos, tratase em.
baixo do estabelecimenlo.
G. 0. Mann, engenheiro e superintendente interino.
Na praga da Independencia loja de oorivesn.
33, compram-se obras de ouro e prata e pedras
preciosas, asslm como se faz qualquer obra de en-
commenda e todo e qualquer concert.
x *K2_naa ase *-- toa., .
O bacharei
Kl
m
m
MI
francisco Angosto da Costa
ADV6CADO
Ra do Imperador numero 09.
mm
Samuel Power Joliuslou k Companha
Roa da SenzalaNova n. i.
AGENCIA DA
Fnndico ele Low Hoor.
Machinas a vapor le 4 e G cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para um e dous ca val le.
Relogios de o ro puente inglez.
Arados americanos.
Ma -hias para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
|0 harlirt:! Jos Baplista advoga nos termos do Bonito e Caruar. i
Pode ser procurado na villa do Bonito,
na Direita n. 16, defront.; da cadeia. i
Alugam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
cora jardim, coctaeira, estribara e ontras eommo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova d. 42.
Est para alngar-se urna casa terrea na ra
4a Gloria n. 14, um 1 e 2 andar de um sobrado
na ra do Rosario da Hoa-Vista,quasinopatPoda
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Joao
de Barros,i-.om arvoredos, agua debeber.e porto
para o becco do Hombal: quem pretender falle
naruadasCruze6, obrado n. 9. das 9 horas da
manhaa at aemeio dia.
O Londoni Brazillan Bank, saca pordoos
os paqaetes,sobre
Lisboa.
Porto-
Braga.
Viaona.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante. ______________^^_
5!a Camboa do Carmo casa n. 5,* lava-se
chapeo* de palha para sonhoras e faz-se de seda, vestidos e capas, e prepara-se plumas,
todo por preco rommedo.
Aviw moeidade.
Est aborta no dia 1 de maio vindouro urna
aula de musita, dirigida por um hbil joven bra-
sileiro, prfessor qoe asina methodicamente pia-
no, rabeca, flanta, clarineto, violSo e caotoria. Da-
r lico a qualquer hora duas vezes por semana
nos das uteis, e qaerendo er til aucidade bra-
sileira, levar 6omente 6* por mez, pagos adian-
tados por eada um instrumente. As aulas serio
eliminadas todos o* das pelo compositor Jos Fa-
chinette : quem quizer se matricular appareca na
________Boa-Vista, ma da Soledade n. 66.
Precisa-se da quantia de 800* sobre fiypo-
theca em nm escravo moco e sadio, e a pes6oa que
ini7M fazer esto negocio dirija-se a ra Noja n.
II, que ah achira com quem tratar.
~ Qaem precisaTde urna
dirija-ge a ra do Apollo n. 4.
GRANDE ARMAZEM DA EXPSITO DE LONDRES
"DE
THOMAZ TE1XEIRA BASTOS
N. 60Ra da Cadeia do Recie-tt. 60,
Todos os rticos abaixo mencionados, foram comprados recenteinente pelo dono do estabele-
1 cimento uas principaes fabricas de Pars, Londres, Birmingham, Manchester, e em diversas cidades
da Allemanha, e tendo comprado ludo as melhores rondicoes por ser a dinheiro, por isso vende todo
e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inleiramenle liqui-
dar e }er de partir mullo breve para a Europaj.
Ha neste vasto arraazem ricos objectos com brilhantes, como boloes, anheis, rosetas etc., e
bera assim, diversas obras de ouro, como trancelins, correntdes, ocolos. face-mains, annels, e muitos
outros aitigos, relogios de ouro, inglezes, do afamado fabricante Benne'te -, completo sortimento de fa-
zendas finas e modernas ; miudezas, perfumes, perfumaras tinas dos principaes fabricantes inglezes e
francezes. como L. T. P1VER, Lubin, L. Legrand, Ed. Pinaud & Meyer, Delettrez Parfumerie du
mond lganij, Violet, Societ Hygienique, Monpelas, Hailly, Regnier, P. Gueland, e inglezas de Eug.
Rinimel e outros; ricas galantarias em marflm, mar de petla, etc., fabricadas na ChiDa e no Japo;
ricas pecas de cristal fino como ainda nao appareCeram nesta cidade, e bem a-sim modernos lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, casticaes, enfeiles e adornos para cima de con-
solos e para grande toillette, o que se tem feilo de mais elegante em Paris, em Londres, Birmingham
etc.; modernos apparelhos de metal lino inglez para cha e caf, os quaes nada tem de inferior prata,
e muitas outras pegas do mesmo metal, ricos penles de tartaruga da ultima moda para trancas de se-
nhoras, excelleutes-luvas de pellica do afamado Jonvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf,
ditos para jantar, e immensos arligesde porcelana Ona dourada, como ricos vasos para fl6resfTlguras,
etc.: calgado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de panno cem sola de borracha, pianos dos
celebres fabricantes Pleyel, Wolff & C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na ra, ditos
com figuras para sal3es,e ditos com figuras em movlmento ; modernos e bonitos instrumentos de physi-
ca (mgica) para thealres oo sa loes, ditos de phantasmagoria ; lanternas mgicas, cosmoramas com
vistas novas, dia e noile ; stereocopios de nova invenco e com bello sortimento de vistas das principaes
cidades da Europa ; grande sortimento de brinquedos lino- para changas, e bonecas fallando papai,
mami; grande sortimento de candieiros a gaz, os que se tem feilo de mais elegante e qne tem mere-
cido toda a aceilagao na Europa, graude e magnifico sortimento de caizinhas, cestinhas e ontras galan-
teras feitas de crina e seda proprios para presentes; grande sortimento de estampas linas coloridas
com o fundo preto e de outras de todos os santos,ditas com figuras editas com novas paysagens para
cosmoramas, linos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello c.hafariz de chrlslal, proprio
para meio de mesa de jantar ou para jardim ; cuidara lina, como laiheres com cabo de metal uno, co-
Iheres, thesouras Unas, ditas modernas para alfaiales, navalhas linas, caivetes e outros artigos, diver-
sos artigos feitos de rame ; completo sortimento de mascaras de velludo, setim, cera, papelao e ra-
me, doces, confeitos e chocolate em caixinhas e em vidros; camas de ferrodetodos os lamanhos, lava-
torios, etc.; ricos quadros para candes de visitas e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos
de sol, bengalas, chicles e ditos para carros; machinas para fazer cal, dilspara.baler ovos,proprias
para quem faz po-de-l, bolinhos, etc. ; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos ;
pannos pa>a cobrir mesas, bolgas grandes e pequeas para viagens, e oulros artigos, como cobertores,
malas, ele.; sortimento de violdes linos; figuras Anas e jarros de alabastro ; galantarias e ontras pegas
de charo para toillette ; machinas para varrer o chao, excellentes machinas para photographia para
tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos baloes de papel lino transparente e lanternas coloridas para
illuminagoes moda de Paris, salva-vida de borracha, para homens e senhoras, prprios para quem
toma banhos em lugares fundos; ameixas aovas em caixinhas, blscoitos inglezes em latas, graiza in-
gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, queljos etc., e mnitos outros artigos
que para enumralos seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e milita barato no grande ar-
mazem da Exposigao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Na praga da Independencia n. 33, precisa-se
de urna ama para comprao, cosinhar e fazer lodo
o mais servlgo de casa de pouca familia.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 62
da ra da Guia, pintado de novo e cora commodos
para grande familia : a tratar no primeiro andar
cem seu proprietarlo o bacharel Francisco Lniz
Correia de Andrade.
CASA m uwiios
Largo do Carmo numero 20.
Este estabelecimento tao bem montado na sua
origem, achava-se de a nmito em quasi completo
abandono pelo pouco inleresse de sua adminis-
tra cao.
Hoje que o novo proprietario emprega todos os
meies para restabelecer a grande utilidade deste
estabelecimento, pode assegurar ao publico que
qualquer que seja o numero dos concurrentes acua-
rio desde j prompbdo e aceio nos bou los fros,
momos ou medicinaos, a casa dos banhos se acha-
r abena todos os das das 6 da manhaa as 11 da
noile., -
Pregos.
1 banho fro ou morno......500!
Vndese tres carrogas para boi, duas ditas
para cavallo, dous carros para conduegao de ge-
neres de estiva on ontro qualquer raister, ludo em
bora estado, e por prego commodo, por seu don-
querer acabar com esse negocio ; a tratar na ra
do Sebo n. 54, taberna
Em casa de Tisset Freresrua do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho Bordeanxem barricas e em caxas. .
Dito de Smeme fino.
Hito dr Champagne molo superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
GAZ GAZ~GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
l- a lata : nos armazensda rnado Im-
perador d.46 e rnado Trapiche Novon. 8.
Cognac.
Veude-se o verdadeiro e multo acreditado cog-
nac da marca C R, em pequeos barris : em casa
de_F. Souvage & C, ra da Cruz d. 20^________
' Paletots a jiiiT
Sao de brim : n loja da ra da Madre de Dos
n. 16, defronte da guarda da alfandega.
Cerveja Bass.
Em botijas, garrafas e barril : ra do Trapiche
n. 14, escriptorio de Wilson & Hett.
Beato Correia de S pede ao Sr. Antonio de' Vendem-se duas casas terrea, contendo ca-
Brito o favor de vir ou mandar ultimar o negocio, da urna 2 salas, 2 quartos, cozinha fra, quintal e
que Smc. nao ignora, para dest'arle satisfacer o cacimba, acabados ha pouco, muito bem constru-
que Ihe foi incumbido para com o Sr. capitao La-1 das, epor prego commodo: na travessa da ra
vra, haver muitos dias. Declara mais ao Sr.. Augusta peno do gazometro : a tratar com Manoel
Brito, que esse nogocio demanda muita urgencia e Firmino Ferreira, na ra da Concordin n. 73.
que contina a residir na mesma casa ra Nova
n. 19, segundo andar.
Precisa se de 800* por espago de um anno,
pahando-se mensalraente 2">* pelos juros, dan-
do-se boas Armas: quem quizer annuncie.
Prccisa-se de dous amassadores de padaria :
na ra do Ranee! n. 9.
urna chave grande einbruibada em papel em for-
ma de carta com o dstico lfindega de Pernam-
buco, desde o Hospicio at a ra do Catinga : quem
achou leve-a a ma da Concordia n. 25 ou na al-
fandega ao fiel do thesoureiro que ser generosa-
mente recompensado.
tteneat
No dia 18 do corrente ausentou-sej a escrava
Rosana, mulata, alta, corpulenta, representa ter!
36 annos de idade, falta de denles na frente e tem
em um dos bragos um sino Salomo, levou ves-
tido de chita cor de rosa, e chale encarnado, gra-
lifica-sc a quem a apprehender e leva la ao sitio '
natravessa de Santo Amaro em direcgae a encru-
zilhada de Belm.
COMPRAS.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Ferr ira & Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66.
Compra-se ouro e prata era obras velhas, pa
1 dito de farello........1*000. ga-se bem : na loja de bilbetes da Praga da Inde
i dito medicinal ser segundo a qualidade.
2o candes.........10*000
12 ditos..........5
O bacharel Alvaro Caminha T. da Silva
3 tem seu escriptorio de advocacia a' ra
& do Imperador n. 41, primeiro andar, on-
de pode ser procurado das 10 as 3 horas.
Em qualquer outra occasiao sera' encon-
trado na casa de sua residencia a mesma
ra n. 3, junto ao Gabinete Portuguez.
m
Aluga-se urna casa terrea nos arrombados
em Olinda, com 2 salas, 4 quartos e urna grande
cosinha com porto para o rio : a tratar na arma-
zem do Annes defronte da alfandega.
*0 Dr. Francisco Pires
citado Portella
Medico
Ha
d'Midencian. 22.
Compra-se elTectivamente ouro e prata em
0oras velhas, pagando-s* bem : na ra larga do
^osario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
mogo, robusto e*cm vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da ruada Aurora.
Compra-se cobre, brom e ferro cuado ve
jho: na fundigo da Aurora, em Sanio Amaro.
Compram-se libras sterlinas
Crespo n. 16, primeiro andar.
na ra do
Compra-se una escrava de meia Idade, ro-
busta e sem vicios : quem a tiver dirija-se a ra
de Santa Cecilia, casa n. 17, que se dir quem
compra.
Garrafas vazias.
ompram-se por todo prego meias garrafas de
champagne : na ra do Rosario n. 34.
Compra-se um escravo de meia idade que se-
ja robusto e sem achaque a'enni : a tratar com o
agente Cordeiro SimSes na ra da Cruz n. 57^
Cobre, laido e clamta.
Comprase cobre, laiao e chumbo : no arraazem
da bola amarilla no oitao da secrelaria fde polica.
Irritadlo dos pulmoes. angi-
nas, tosse, escarres de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquidao
e todas as innumeravei molestias que affec-
iao aos orgos da respirarlo
DES.IPPARECEH
mediante a accao da balsmica e irresistive)
ANAGAHUITA
DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se jnoedas de onroe notas do Banco, e bem assim urna collecgao desde um centesimo
at mil francos: vende-se barato no Recife ra da Cadeia n. 10, noarmazemda Exposicao de Londres.
<
-o '
o
z
o
w3
Sil vino Guilherme de Barros compra e ven-
de elTectivamente ese.raves de. ambos os sexos :
ruado Imperadorn. 79, terceiro andar.
Compram-se diarlos para embrulho : na ra
larga do Rosario n lo_______________________
Libras sterlinas,
Compram-se na praga da Independencia n. 22.
TEMAS.
operador
PELA
FACULDADE DE PARS,
regressando a esta provincia acha-se
prompto para o exercicio de sua profls-
so, quer nesta cidade, quer fora della,
especialmente em molestias de ollios (ca-
taracias mento de orethra etc ) e de pelle, para
cujo curativo se jnlga habilitado, atienta
a pratica que teve nos hospitaes de Pa-
^ rs, e os modernos instrumentos que pos-
Wi sue.
2jgg Pode ser procurado a quarquer hora >f
^ na casa de sua residencia no patee do ^
Wi Carmo n. 2, esquina da ra de lionas. lj
mmmmmmm m mmmmm
Custodio Jos Alves Golmaraes tendo arre-
matado as dividas da massi fallida de Guimaraes
Irmao, faz scienle aos devedores"v da raesraa que
elle o nico aulorisado a receber ditas dividas e
por isso convida aos mesmos senhores devedores a
virem pagar seus dbitos amigavelmente nestes
15 dias, lindo os quaes lem de entregar a cobran-
ga ae sen procurador, podendo os mesmos senho-
res dovedores drgir-se a ra do Crespo n. 7, le-
ja do Vigilante.
Aluga se-
ra da Matriz, o qual tem comaodos para grande nA i*'7ATYlhT*n O vinnfl an a
familia : a tratar com o Sr. Ferreira Porto, na Pon-;l u>
te Velha, ou com Miguel Jaaquim da Costa, na ra '
da Cadeia n. 12.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
o segundo a provincia, correcto' at 31
2Q
Para completa liquidagao vende-se, por mnito menos de seu valor, perfumaras muilo finas e
novas chegadas recentemente de Paris e de Londres dos mais afamados fabricautes seguimos : Eug.
Rimmel, R. Matheus 4 C, Lubin, Sociedade Hygienica, Piver, Violet, L. LegniBdj Deletrez, Pinaud &
Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere etc., etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia .em
vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar denles, oleo babosa, extractos em ganaflnhas e
vidros de differentes modelos, pos para limpar denles, banha em potes e em vidros, pomadas, ricas
caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos- oulros artigos que se vende por
menos de seu valor, bem como todos os artigos em geral existentes no grande arraazem da Exposicao
de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
Para senhoras.
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranca de seohora.o que.se tem feito de mais ele-
gante at o presente : vende-se por menos de sen valor para se liquidar, no grande armazera da Ex-
posigo de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60. *
criada portugueza
Preeisa-se de una ama que saiba lavar, en-
gommar e cosinhar ^ara casa de pouca familia :
na ra do Camarn n. 13.
^--------------------------------------1 i ---------------________________
_ ^ecisa-se alugar urna escrava para comprar,
cosinhar e ,eDKmmar Para daas pesoas : na ra
da Mangueira u.
- Precisa-se de wn menin( ^n caixei-
ro.de pequeas cobranzas J^ta Pra<*e aa
mesmo lempo empreiyar-se as ..,.0,aiva
em um .armazem de carne seca, preio
ageite que for de proviacia esranba
ratar pa raa da Pra;a n. 34,
Luvas novas de Jouvin.
Venlera-se excellentes luvas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
mo para sendera por manos de seu valor, para se liquidar : no grande armazem da Exposicao de Lon-
dres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
AZSTEDOE "
"re-se
Azeite doce refinado era pequeas latas a 560 rs. a garrafa
da Liga.
no graude
armazem
accos de 80,100 e 120 libras a. H **500 e
/
>5 ; no grande armazem da Liga.
Criada.
Precisa-se de urna criada para o servigo de casa
e compras : na ra Augusta n. o, primeiro an-
dar.
Furto de cavallos.
Furtaram do engenho Soledade da freguezia de
Ipojuca na note de 19 do corrente mez, dous ca-
vallos, um alazao grande, castrado, andidor baixo,
maos e ps grossos, sendo o esqnerdo branco at
sobre opeador, tem visivel cicatriz de dentada de
ontro no pescogoe pequea estrella na testa ; ou-
tro rugo-sujo, pequeo, castrado, lem baixa na
sarnellia deixada por cicatriz, cabega acarneirada
e conserva signaes do peitoral e correias de roda,
ha noticia de que foram encontrados no engenho
Ubaqninha em viagem a carainho de Seriohaem :
graiilica-se a quem os descobrir com probabilida-
de de serem apprehendidos a entender-se no re-
ferido engenho Soledade com joviniano Antonio
Buarte Cunhae pede-se a polica a sua appreheo-
gao._______' ______________
Aluga -se o e 3 andar da asa da ra da
Moeda n. 1! : a tratar na ra da Cadeia n. 2 com
o Fontes
Ausentou-se no dia 23 do correte o escravo
pardo de nome Antonio, estatura alta, evou ca-
misa e caiga de algodtzinho : quem o pegar le-
le-o a Santo Amaro em casa de Manoel Custodio
Peixoto Soares ou na praga do Carpo Santo, que
ser gratificado.
Ofterece-se urna criada para o servigotater-
no de urna casa de homem solteiro ou de pequea
familia: a ra Direitan. 17. -*
Precisa-se de urna ama forra ou captiva pa-
ra o servigo iateroo e externo de urna casa : na
ra larga do PtQsarjo p. 31, segundo andar.
na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Instrucces para o servico
das guardas do exercito, extrahidas do re-
gulamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito eonvm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios: vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Iod pendencia, a Afi.
Alten cao
*
Vende-se superior vinho do Porto em caxas de
umaduzia :emcasade Johnslon Pater 4 C. ra
do Vigario n. 3.
Attengo.
Vendem-se pegas de esteiras para forro de sala,
tinta tranca preparada a oleo, em latas de 25 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendnrar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados Unidos: no armazem da ra do
Trapiche n. 8.
0 GASTELLO DE GRASVILLE
Traduzidodo francez per A. J. C. da Crin.
Vende-se este bello romance em quati
tomos pelo baratissimo preco de 250(
ua praca da Independencia, livraria ns.
6 e 8.
a anacaluiila mexicana que d o nome es-
pecial a esle incomparavel remedio, urna
amare, coja madeira por muito lempo fe
lia usado no Tampico para a cura das in-
terinidades cima mencionadas. Foi tam-
bem cnsaiada e approvada pela academia
medica de Berlim O peiloral deKemp
um xarope delicioso inteiramenle livre de
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes nqcivos.
A' venda as drogaras de Caors Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os esiabeleci-
mentos pharmaceuticos do imperio.
Vendem-se no Recife em casa de Caors d
Barboza e Joo da C. Bravo & C.
Vinho do Porto superior em fSixa de duzia,
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do A C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
Jumentos
Vende-se nm linde casal de jumentos de bella
raga, grandes e covos, proprios para a conserva-
gao da mesma raga e cruzamenlo, do que se ce Hie-
ra magnficos ma'r.hos, mullas carroe carga ; cuja
joraenta esta' prenhe, assim como'urna linda ju-
mentinha com pouco menos de um annj : ver e
tratar com Jos Pereir Cesar no silio Pirahuj ra,
arrabalde da villa do Limoeiro.
Cadeias de acopolido para
relogios.
Chegaram loja da esperanca. estas cadeias, as
mais bem acabadas neste genero, que .se vendem
por -2& : na rua do Queimado n. 33 A.
A ttencioso
Vendem-se queijos do ultimo vapor a 2,5500 e
2&600. manteiga ingle/a flor a 960 a libra, dita
franceza da safra nova a 920, arroz do Maraaho
a 100 rs., aletria e macarrao a 400 rs., vinho de
Lisbca a 320, 400e 480, da Fgueira a 500 e 560,
branco a 500 rs., do Porto a 640 a garrafa, esper-
raacele a 600 rs a libra, toucinbo de Lisboa a
320, batatas a 100 rs., sabo massa a 200 rs. a
libra, erva mate a 160 rs., urna machina de copiar
caria, urna balaoga ingleza, nm moinho de moer
caf, latas de gaz vazias a 120, blscoutos, vinhos
engarrafados tinos, temperos, charutos finos, al-
pista, figos e outros muitos gneros que se delxam
de mencionar, tudo por menos do que em outra
qualquer parte, nesta casa o freguez com pouco
gasto vai sonido para casa e quem quizer o bom
genero vir aqu qne o jjacharao: na rua Direila
n. 72, frente amarclla.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
algodo : na rua da Sepzala Nova n. 42.
Miliio.
Vende-se milho muito bom aojo alqueire (32
coias): no caes do Ramos n. 4.
Vende-so urna preta velha, por prego cora-
modo ; a tratar na rua do Livramenlo n. 2o.
Arthur Napoleo
o <-i:\io
Quadrilha de contradansas.
JOVEN HELENA
Brilhante walsa.
Acham-se a venda estas duas excellentes pegas
de mosica para piano, compisicaa do director e
regente da orr.hf.stra do theairo de Sania Isabel,
Cols-filho, na loja do Sr. Dumond roa Nova.
Cada exemplar 1*500.
1;
ILEGVEL


Diarla de eraanibuce Sexta /Ira a 6 Je Abril de !*.
, ,A "514 ^ST^ Agua florida e tnico brien-
bal conhecida pelo nome de Es- .' *^v
rehua um dos males mais tal (16 Kemp.
prevaleoentes e universaes que Conlinua-se a vender em porgo e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca a. 8.
Chromacomo
ka em toda a extensa lista das
enfermidades de que soflre o
genero humano : disse um cela-
k oo^riniAP Ha Yna/T/Mnn mu A agola branca, ra do Queimado n. 8, acaba
DrC escripior aa meaicma que de receber um novo sortimenlo de caixinhas com
mais.de uma terca parle de chromacomo para tingir cabellos, e bem asim
todos aquelles que morrem antes fracos com hj-drocalteirieigoa, agua para desen-
da vplhirp aa veinice sao uctimas, ou aire- c 0Dychromanlina para |,mrar as UIlha|! Es.sa'
ta OU indirectamente da hscrofu- tintura, cujocfTeilo rpido e tfllcaz, e.-ta bem co-
ja : por Si n5o tO des- nhecida e apreciada para lodos quantos tlella lein
usado, eos (ju! de dovo a qui7.iteni apreciar, po-
tiva, porem e a principal causa de muitas dem, assim como aquel es, dirigir-ne n unidos de
OUtras enfermidades que nao le S30 geral- dinheiro ra do Queimado, loja d'aguia branca
mente attribuidas. numero 8.
E* uma causa directa da phihijska pul-' Papel Q MhaS para TCSS
monar, das molestias do figado, do estoma- Acaba de rhega'r para a loja d'aguia branca, na
go e affeccoes de cerebro:Entre os seas rDf ,do Qaetoiado n. 8, um bello sortimenlo de pa-
numerosos symptomas acham-se os seguin- ^^^^St^rPSJl^tl
tes : -falta de appettte ; o semblante pal- me, assim como binas de panno e avelludadas
liio e s vezes tnchado, s vezes de urna para ditas.
alvura transparente e outras corado ea- Aspas de baleia para Vertid OS
marellento ac redor da bocea; fraqueza e Vendem-se na ra do Queimado, loja d'aguia
molleza nos msculos : disgesto jraca e branca n. 8. .
appetite irregular, falta de energa, ventrt Superiores penas d'aco nqle-\
inchado e evacuaco irregular; quando o /..flW/,.,*
mal tem seu assento sobre os pulmoes, uma ,,' 't*'t^c-t*s
cor azulada mostra-se em roda dos olhos; ,ftt^3!USZ SlTcSoe
quando ataca OS orgaos digestivos, OS olhos receber mais outro de superior qualidad* e dos
O
DE
AZEVEDO & FLORES
Ra da |>deia do Recife, esquina da Madre de Deas.
Prestem atten$lo ao discurso do Balao.
0 NOVO GERENTE
DO
DA
LIGA.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
mm A HDBM DI 81 MMUHl
AO
Nesle eslabelecimento todos os freguezes encontrar3o igualdade de direilos, o
trnam-se avermelhdosT-7"o/7/o" a lingua carreqada dores de cabeca 0. verdadeiras blco de lanca n. 134 e outras de pon- ao nosso alcance para agradarmos em geral.
tetras etc. (ta dourada, continuando porm a vende-las por: Os OOSSOS precos sao OS mas mdicos como sejam:
presos commodos, com Unto que oconipradoreom-
INas peSSOas de dlspOSlCUO escrofulosa ap-, pareca munido de dinheiro : na ra do Queimado
parecem frequentemente erupces na pelle Na da aguia branca n. 8, onde lamben adiar se-
da cabeca e outras partes do corpo, sao pre- n* a venda istaspar papis,
dispostas saffecfes dos pulmes, do figa- A aguia branca na rita do
do, dos rins e dos orgos digestivos e ule-, Queimado n. 8, recebeu :
rinOS. PortantO, nao Smente, aquelles Bonitos egraudos aljofares de cores para volias.
que padecem das formas ulcerosas etuber- Pulseiras.de ditos de iguaes e agradareis cores.
Chitas largas escuras muito soffriveis a 280, 300 e 320 rs.
Ditas largas e finas padroes novos de 400 a 500 rs
Ditas largas preclaras a 500 rs. s na loja do Balao.
Cambraias de cores com quadros, fazenda nova, a 560 rs. a vara.
dem lisas lapadas e transparente de todos os precos.
Madapolao de 8$ a peca que em outras lojas se vende por 90.
Temos lambem muitos uutros madapoloes de diversos precos, assim como te-
culosas da escrfula que necessitam de pro-' Volias pretas maiores i menores'todas de conus mos madapoiifes francezes de 11 e iU a peca, inclusive uma qualidade espocial para saias
tecc contra rw en Ptr9on tnHn 9 P"ossas- de senhora a 560 rs. a vara.
lili estragos, toaos as Pu|Ceiras prelas lambpm de ,
quelles em cujo sangue existe o virus laten- omras de diflerentcs quaiidadts e gosto
zem da U
RESPEIIAYEL PUBLICO.
A apreciacao dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arwa-
a cstabelecido ra No\a n. 60 um magnifico sortimento de molhad;-s.
que sendo em sua max m i parte mandados vir directamente dej estrang iro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a-fatuidade de querer que este novo e inlercssante eslabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cu priraento das seguintts promessas:
1.
Delicadeza no trato.
Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos precos.
te d'este terrivel flagello (e s vezes heri- Brincos de aljofares de cores e douradcS.
ditario) esi3o exposlos tambem a soffrer das' F'v'as d'aco grandes e pequeas com ciato pre- ,., ,
enfermidades que "elle causa, que sao: I *&2!?, At(f ran, ,. lld de'
i iii^.- ..i J? j j unirs grandes de differenies quahdades e re-
A phthystca, ulceracOes do figado, do es- dondas com pedras.
tomago e dos rins: erupces e enfermida-\ Bonitos leques de |madrepcrola redondos edej
des eruptivas da cutis ; rosa ou erusipela ; onif* forraa- .
borbulhas. pstulas nascidas, tumores, rh-< ?i?.lein_dJ?J.n!?"_??.e orredicos.
Gambraia para forro de vestidos
Laa preta para luto, e de todas as mais cores.
L5as com o assento escaro e flores matizadas fazenda muito moderna e fina qoa-
cumacarbunculos, ulceras e chagas, rheu-
matismo, dores nos ossos, as cusios e na
cabeca, debilidades femininas, flores brant-
eas causada pela ulceraco interior, e en-
fermidades uterinas, hijdropesia, indigs-
telo, enfraquecimenlo e debilidade geral.
Aos pulmes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpeo pulmonar :
as glanulas ella produz ncliaces e tornam-
se ulceras: nos org5os digestivos causa
desarranjos que produzem indigesto, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rins :
na pelle produz erupces e affeccoes cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
. A salsa parrilha de Ayer
composta dos antdotos mais efcazes que
a sciencia medica tem podido descobrir,
para esta m lestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias provado incontestavelmente pelas
curas notaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, erupedes cutneas, erisi-
pelas, blrbulhas, nascidas, cliagas antigs,
ulceras, r/ieuma, sarna, parchas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade ge-
ral :Indigeslao, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, ulceracoes do tero, a nevralgia e con-
vulces. epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as cerlidoes no Alma-
nack e .Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o fructo de lorigas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes pravas
das suas virtules: posto que offerecido
ao publico sob o nome de Salsa parrilha,
composto de diversas plantas, algumas das
quaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEITOIUL DE CEREJA DE AVER.
Cura promptamenle a asthma, broncliile,
tosse, defluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmes pdem ser curadas em pou-
co lempo pelo peitohai. de cereja do dr.
AYER.
A'venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro ra Dreita n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
na pharoaaela franeeza de
P.MAUBER & C.
RA NOVA N. 18,
Capailas brancas para meuinas.
HHo,GEsTivAs]fflS|
As pastilhas digestivas com a pepsina de Wat-
man, empregao se com successo h j alguns
an-nos pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., em lodas as incommodi-
dades em as quaes a digesUo difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para curl as
Gastralgias.
BUpepalaa.
Elaboraron satrlcos.
A sastrlte.
Aa affeeedea orsnl-
caa do calomaKO.
Dlarrkeaa e a ronatl-
pacaa produslda*
prnu elaboracoca
d< r.cliio.a. do all-
uu-nlOH.
Em todas as molestias emprego-se a miude as
aguas alcalinas, cspecialmenie a agua de Vichy,
t igualmente as pastilhas de Vichy. Esse meio i sd
efficaz quando se trate de dispepsias de curta du-
racio, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
ie Vichy, lem grandes inconvenientes, por quanto
os alcainos empobrecen, o sangue e isso de tal
mancira que lhes arreblhao a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contraro,
como ella uma substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo lempo que se cffeclua a
transformacao dos alimentos assimilhando-se
como ellcs e ajudo taflbcm como ellcs a nutricio
geral. Sua accao vivifica o sangue c os drgaos
de talsorteqne, allid as pessoas que sem soffrer as
affeccoes gstricas cima mencionadas sao nica-
mente iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessilao subslancial alimento para for-
tificar se, aclio no omprgo das pastilhas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a uso
chegar.
Meias pretas para senhora e homem.
dem cruas ngiezas para homem o melhor que ha de 7,5 e 8^ a duzia.
Camisas de 2)3500 que valem 3$, temos muitas outras qualidades de diversos
j precos, assim como camisas verdadeiras inglezas e muito finas a 5ft ou 55# a duzia.
Camisas de meia muito linas de 20*5 e 25# a duzia.
Collarinhos de papel de cores e brancos assim como collarinhos de lnho ingle-
! zes a 500 rs.
Temos um completo sortimento de gravatas pretas e de cores.
Ceroulas francezas muito boas a 1(5600.
Ceroulas de lnho com duas costuras superiores e temos pm completo sortimen-
tode roupa feta de casemiras ede brns.
Camisas de flanella de cores a 3f5500, 4*5300 e 6$.
Rales de arcos a 3?? c 35$ a duzia as de panno e de arcos para meninos de 2
a 30500
Chapeos de sol superiores com 16 asteas a 12$.
Casemiras do ultimo gosto para se fazer calca e collete.
Vestidos a Mara Fia a 18$ e sao matisados.
Ha muitas outras fazendas assim como grosdenaplesemoreantique.
Lencos brancos ja abanhados.
dem finos para rap. (
Cortes de la a 5f>500 com 15 covados.
Chales para as senhoras trazerem por casa a 3 e 4*5 cada um.
Brm branco a H300, 1,500, 2^ e2500
Rramante de uma largura para lences e loalhas.
Brim de Mamburgo fiuo e grosso.
Alpaka preta e branca.
Brim pardo.
Casemira e panno preto fino, tudo islo por preco baralissimo na loja do
As pessoas que por sua posicHo social gozam de certo tratamento, acharao nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos linissimos manteiga e ci sempie de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condifo do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido. ^
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente uma economa de
muitas patacas, afreguezando-se ne?ta casa, onde se lhes vender o arroz, o cafe, a n. fi-
teiga oassucar, etc., ele. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, | elo seu propro inieresse, a esle eslabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento cial, escomido por pessoa entendida que certamente muito dew agr lar aos senhores
compradores
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar do fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEG1NTES PRECOS SO SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
i
a.
ingleza
H
e franeeza
de f0 .
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
sificaces e imitacoes d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa -
-is
m
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ba de melhor gosto em
Peroambaeo.
^ dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
jb dem de gorgurao de seda bordados com barra,
boa prepmcio a pepsina me 'ella entra, j % Superiores moirs pretos e largos 2??400, 2jj600, 3*5, 3*5500, 4*5, 5*5, 6*5,
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente, 7A e 8*5 O COVado
exigendo os compradores que as pasi/tas tenhao Lt)>dUV ...
asiniciaesB.P.esaiaodapharmaciaChev^er >c} Superior gorgueo de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier! Sarja preta de seda.
H, Faubourg-Montmartre, e em toda u bou $h dem preta lies atibla.
m dem dem lavrada a 2,5 o coftido.
dem idem lavrada muilo superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 1*5500, 1*5800, 2*5,2*5500, 3*5,
3*5500, 45, 4*5500 e 5*5.
Pannos pretos de superhr qualidade de ?*5 a 12?> o covado.
Casemira preta de 1*5600 a 5*5 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretcs de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na lja dasColumuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcelos c C. successores
de Jos Moreia Lopes.
rila
=To3o.gSS
lli'ftiiafftlt
= a.
S 2 P. ~

a
9 t3 S n
m ~S ti
2 '" B
H
2 n
I!
X
AGUA
DE
F lo ri d.a .
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A agaa de Florida nao ama tintura, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a asua de
Florida entretem s limpeza da cabeca, destroe as
caspas e empede os cabellos de cahir.
Chegaramos superiores
cortes de seda.
Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
ultimo" vapor frncez : na loja das colqmnas a rna
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
celos i C. _______________________
Vende-se um balco de amarello, assim co-
me nm par de fitelros qne serve para loja de fa-
zendas on ootro eslabelecimento, tudo novo e bem
feito : para ver e tratar dpfronte do convento do
Carmo, offlema de Manoel Malaquias 'amargo.
Ha para vender
Pioho, pinito, aais pinho, muito pinito,
pioho, m4 da Praia. baje, ra Nova
e Santa Rita n. 47.
78910 e Hpollegedas de largura
De 40 a 35~palmos de comprido, cousa
muito boa e barata, e com todas as gros-
suras : cheguem ra Nova de Santa Rita
n. 17, serrara de Jos F .Coelho.
re
&
m
o
s
3
l
O
1
8
8"
I
&
w
3
8
3.
i
a.
O
o-
f
-I
3
2
a
c
8
i
b
2h
O o fifi
frlftilh
S i s g P > .
O. >
'<= Z 5" o. "5
3-ao.g ye>s
|J! 5-8 5.
loto
! >U]
i-Slli Li
P 3 o-z o.
t
5 te E o
iSlEl
Kh
a
^|^
Si a?
3-p
u*Hm
18 $ *
oo
^| sis.
5 t-


I
mi
GRAGEAS
GLISE CONT
.r*l> Ac.J.mi. te MediclDi de Pirli.
Itealu pelas dous relatorioi, adoptados pclt dita
Academia em 1840 e em I85S, que as GBAGEAS de
CLI e CONT sto o melhor e dms efficaz remedio
ferruainoio para curar a chlorosis (alias fluor-ulbo), os
fleos bruces, a fraqueza de compleiite nos dom
sexos, tambem para ajudar a menstrnaclo das mocas.
Estas Grageas alo sao Tendidas sent em caixinhas
a vidros cobertos com roalo e fechados com nm* tira
levando a Irma do depositario eral : larei.owk,
haimaceuco, ru BovTbo*-tiU$%fuvt, 19. Parii.
Deposito geral em Pernambnce rna da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbn
que se est arahaodo, vestidos para
senhopas.
Corles de laa indiana para vestido fazenda de
Rosto a 4800 o corle : s na rna do Queimado n.
V> e 45, eagnina f|iie volta para a Congregacao.
Ingerto para calcadas
Vrade-se lap-do para calcadas e armacoes o
melhor que possivel : a tratar com Jo3o'do Reg
^ima ra do Apollo d. i.
kim

vGrX
Vende-se uma machipa de copiar carias, 1 raoi-
nho de moer caf, i batanea ingleza, latas de gaz,
vasias, herva malte a 160 rs. a libra, velas de es- f
permecete a 000 c 6i0, carnauba 440 e 480, pas-
sas a 400 rs., vinho de Lisboa a 320, 400 e 480.1
Figneira 500 e 560, branco 500 e 560, Porto 640
e 720, loucinho de Lisboa a 320 c 400 rs., batatas
a 25700 o gigo, e 100 is. a libra, arroz superior a
100-rs., caf 1" sorte a 260 e 280, azeite doce a 560
e 6i0, cha 2o60, dito preto 1 500, sabe massa
superior a 200 e 240, ceblas a lfi o cento, fari-
nna do Maranho, alpista, manteiga, banha de por-
eo, e oulros muitos gneros qner em porcSes como
a retalho rnais barato do que em ouira malquer
parle, com o dinheiro a vista : na roa Diretla n.
7, armazem ailenoioso.
te-
Urna familia que se retira vende uma mobilia
de amarello j usada, trem de cosinha, louca de
almoco e jantar azul, uma mesa de jantar de ama-
rello ps torniados, mesas pequeas, commodas
cama de csale muitos outros objeclos o que tudo
se vender cm conla : na ra dos Fires n. 62.
Caiimgns Unos e brluquedos
para menluos.
Cheparam para a loja de miudezas da ra do
Queimado n. 69, os mais-finos e lindos calungas
tanto para brinqoedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezis.
Fogo, jfogo, fbgo,
Valdivino da plvora, vende bom fogo do ar,
por preco commodo : no seu armazem de sal, ra
Imperial n. 221.
- Lou#t.
Vende-se barato para acabar uma porcao de
pratos brancos e com beira azul : na ra do Quei-
mado n. 14.
Madapoloes avariados
Finos com 24 jardas a peca por 3>)0, algodao
muito largo com 24 jardas a pega por6$, cheguem
a elles antes que se aeabera, visto avana ser mu-
o diminuta : na loja da ra da Madre de Dos n.
,il, defronte da guarda da alfandega, tambem ha
hilas francezas escuras e Ocas a 240 rs. o covado.
MACHINAS EPATENT
de ira bal liar BtSo | ar:
dcscarocar algodSo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas machina
podera descaroca:
qualquer especi:
de algodao sen
estragar o fh
sendo bastanu
duas pessoas par
o trabalbo; pd-
descarocar um
arroba de algo
do em earop
em 40 minuto-
ou 18 arroba'
por dia ou 5 ar
robas de algod*
mpo.
I MANTEIGA
800 rs.
MACARUO a 400 rs^de 8 libras para ciitia
a ;t60 rs. a libra.
MARHELLADA de diversos fabricantes c
diversos precos.
PE1XE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 30 rs. a li
PRESUNTO para fiambre.
QL'EIJO do-te:ti, de 2,000 a
DEM londrino.
"DEM suisso a 400 rs. a libra.
DEM prato a SOOrs. a libra.
>a.
ALPISTE E PA1NQO a HO rs, a lit
AMENDOAS novas a 28o rs. a libra.
AVELESa240rs. a libra.
ARROZ de 80 rs, a libra a,..
AME1XAS francezas em latas, potes, fras-|MASSA DE TOMATE aCOrs. a lata.
eos, bocetas, ele,, ele. MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
AZEITE doce a 000 rs. a garrafa, cadada a'MARRASQUINO de Zara.
B
BANHA de porcoaOGO rs a libra, em por-
C5o faz-se abate.
BOLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACIIINHAS de soda lata grande a 2,u00
ris.
BISC01T0S ing'ezesem latas de 1,200 rs. a
BOLACIIINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
C
CHOURICAS m ito novas a SOOrs. a libra.
CAF de 200 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25.000 rs. o gigo.
CHARUTOS de lodas as qualidades, suissos,
american s, bahiannos, Gumioenses, ele,
de 1.400 a 10.000 o cento.
CHA HYSSON de 2,200 a
COPOS I sos ladidados de todos -s tama-
nhos a
i
DOCES de todas as qualidades.
E
ERVILHAS seccas e em latas portaqoezai e
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA d<> Maranho ou tapioca a
FARELLQ de Lisboa a 4 e 5,t 00 rs. a saeca.
FAVAS portuguezas em lata a G00 rs.
a
GOMMA muito nova e alva a 120 rs. a libra.
GRAO DE RICO a 120 rs. a libra.
GENEfiRV delaranja a 9 e 10,500 rs.
CENEBRA de Hollanda em botijas, frascos,
garrafas, etc.. ele. .
J
SARAO MASSA a 160 rs.
abate em caixa.
SEVADIMIA a200rs.a
farigrande abatimento.
a libra e grande
ibra e 8 libras se
VINHO lilo de 360 a. garrafa.
VINHO tinto em can da de 2,o(;0
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4<> rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa.a 6.(00. 7,100 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Citen y a 1,000 rs. a ganara.
VINHO do Porto de todas as mareas t ti di-
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, nesle genero ba constantemen-
te 20 a 30 pipas, ao torno de dive ss;;
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15-000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 c 240 re.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. a
arroba.
Assim como machinas para seren movidas po:
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodc
limpe, por dia; e motores para mover uma, duas,
euiris dessas machinas.
Os raesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinat
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a^virem ver e examma-lo, no arma-
tem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sannders Brothers k C.
.V II, pra RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
DROGARA. ,
31Ra'larga do Rosario 3
BartltolomoD Francisco dcSooza k C.
Vendem:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieses a vellodada?.
Tinta brancasnperior em lata.
AlvaiadeV>neza, fino, em paes.
Bixas hamluiriiie/a*.
Vende-sena rea Nova n. 6J.
No armazeni de fazendas ba-
rates de Santos & CoCliio *
[{a do Queimado n. I!1.
Vende-se o seguiufr:
Lences de panno de linbu
pelo baratisMiii preco de 2i00.
Leo?es de bramante de linl.o
de um s panno a 3o00.
Coberta de chita da india
pelo baralissimo preco de 2a'0O.
Lencos decambraia braneos
prophospara algibeira, a i a dozia.
Pecas de bretanba de rolo cora 10 vara*
propria para saia, a 3$8C0.
Pecas de camLraia
para forro com 8 trabaras a 2G(C.
Guardanapos
de linho finos duzia 3S00.
Aljrodao enfestade
com 7 l|2 palmos de largura vara lCC.
Corles de Ia
com 15 covados a 0,8.
Cambrata ?.dairas con 20 vara= propria par corlinadc f{i Jilp.
F\ Jdr linio
liso fino vara 8(0 r:.
Atoalhadoadamascado d alpodro
com 8 palmos de largura vara 25200.
AtoalTn>do adamascado de lirto
com.8 palmos do largura vara 32?0<>.
LSazmlias'carmezim misdinhas
propria para vestido de menina, covar Lazinhas
de cores 8nas covado 560 rs.
Fazendas para a quaresma.
Groslenaple.moreantiquee ricaM*ap?s c;t pro.-
denaple bordadas.
Esleir da India
propria paraforrarsalas.de 4, 5 e C paimos de
largui a.or menos preco do que em ouinqncl.
qner parte.
Neste armazem de fazendas se encontrar x":
grande sortimento dejroupa feita e por modi
' I
1
I
r >>'
S
da l!::vana.
Na ra da Cruz n. i, vmde-se charuios i'i
vana de diversas quaiidadts.
lia-
5Pese>f5a~-~ h~i
ifi3&&|5g:.|g
5, tt a:
6kdegfi
^- n T
o2; =
= b k c .- r
y. ^
3
;. gis. s
C- te
sr "7: 9. v- c c a "
'Se.a Vb-
!/. Ct
z
C. a:
?S?S
S w 5
rig.
-J
Oi
"5"
i
c_
3
|
a.

en

T
'y.
3 f

c ?
a;
rr c
C a;
5-r
o
cu
s
c
553
FARELa
de Lisboa
vendem-se sarcos com 90 libras de (arele pelo
barato preco de 4J500 : na ra da Madre di Peo*
numero 9."
MARA PA
Hara Pa
Jara Pia
Acaba de chegar p*elo trmn vapor inf.fr nm
e.-plendidn sortimenli) de vu:<-' re c I ;' a M.-
ria Pia, "s quaes pela sua elegnm a"e Un ; (
Iderada^oato mais twaito bhi (*r\ini a>M-|at
sendo ( rftos. rOxo.-. rr de l-onina e ;.rn?iri..
s'-us pn-cosa S'V^. 'i!. i. 85 e \ : loja dr novo rival ra >


I
Diarto de itt+*ftiM Sexta felra S8
I de i&
AURORA BRILHAKTE
GK4NDES 4HJIAZENS
MOLHADOS;
mmmmm mmmwMWMm
Q Largo da Santa'
fcCruz n. 81, es-^
juina da ra doi
SSebo.
O nov i proprloirio
VIMOS
ESPECIAES
Largo da Santa
Jruz n. 84, es-J
quina da ra doj
sSebo! a
Jf lili
aoja muito acreditado armazem de molhados denominado Au
y .v. ,,. u,..i imai iu n ja muuo acreauaao armazem de molhados denominaao Au-
rora manante, continua a ter o mesmo sortimento de gneros daprlmeira qualidade.
a seguate tabella sicvira' a todo de base para ajuste de contas aos portadores. .
Aeanum armazem vender' mais barato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja'
P^o granne sortimeoto que tem, ji' mesmo porque seu dono s deseja tirar diminuto lu-
co quanto cnegue para accumular as despezas do estabeteeimento por isso deixe se a-
oveiiar, o prspnetario ba de azer toda a diligencia, aQm de servir bem os seus cons-
lantes (regueies.
LU* eom 8 libras dechourigas muito novas,
ara peixe
lualidades.
em postas inteiras,
a 15000, 1,5280 e
;i 7S50.
Dil i.- grandes
mais de 12
IjiOO.
D tas :;),n ostras, excellente petisco para fri-
gi hura, a 720 rs.
pitas tova ervilhas novas, easopadas,a720rs.
Dita* com favas, a 640 rs.
Ditas eo-n .vnoixas a i&tOO, 13800 e 33500.
Dito com marmelada do afamado fabricante
AUrea, a 720 rs.
Ojtascoin massade tomate, aoOOrs.
Ouisora gos de comadre, novos, a l^oOO,
^'^cora bolachinha de soda muito novas, a
Ditascembiscoilinhos inglezesde muitasqua-
lilades. a ISiOO.
Chocolate.
Caisinhas comameixas enfeitadas proprias
. para mimo a li*00, 2&803 e 3J200.
J.ioculate superior muito novo, a libra de
880 a 15000.
rJ.), tahariam e aletria amarella, a libra
.1 4)0 rs.
Mu dito dita branca, a libra a 400 rs.
'Jaitas com estreJinha, pevide, e outras mas-
as, a caixa 35300.
Jilas dila em libras a 640 rs.
ii.'tl, i libra a 360 rs.
iivatllaha para sopa a libra, a 240 rs.
.- ceas, a libra a 160 rs.
!'- as i las, a libra a 200 rs.
' i i) ::i muito nova, a libra a 280 rs.
"in de araruta verdadeira, a libra a
\i ;.
p I) ."'Iiranhao. m sanco, a arroba a
^ !J')J e a libra a 30 rs.
gj > i ii Iridia e Java, a arroba a 33200 e a li-
J .. 100 rs.
|F '. i i i lo Lisboa a 95O0 a arroba e a 320
yQ ibra.
'> 'i i > Siotos, a arroba 73000 e a libra a
N me i'ii 138 ceblas grandes. ,i 1^280.
'"i:1, franceza, caina cora 2 duziasa
i) ,. v >m mostarda preparada em vinagre,
. 110 rs.
i is u conservas inglezas e francezas, a
din '''""^ TS~
i^:ii['- com sal refinado (no, a 640e a 500 rs.
JP Ditos com a verdadeira genebra delaranja, a
1*000.
Ditos .le 2 garrafas de Hoilanda verdadeira,a
5W r.
NJii!:;*' com dita propria para negocio,a
,-v*$ 403 rs.
^iGarrafdes eom 2 galoes ce:n dita, a 63-
rfp S rveja b >a, marca, a OO rs. a garrafa, e a
&'j> dutia a 6*900.
S^PVimu muscatel de Setahal, a garrafa a 13.-
A.Mirra;qninho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
$5 i 15200.
apGhimpagne, a duzia 203000, e a garrafa a
rlC) 23000.
9 Vierta retinado portuguez e francez, a garrafa
'-^i-1 i 15000.
Haza de vinho Dordeaus muito superior, a
;$$ 73, 83,05 e lOSacM.
f',t i'.as com dito branco. a 75 a eaixa.
Oi as r.om dito lacrimas do Douro verdadeiro,
M).
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
183000.
n tas eom chamisso superior, al45.
Dtl is com Porto velho eoutras muitas mar-
eas, a 125-
_ Violto do Porto da pipa, a garrafaa 640, 720
B5l 3 800 rs.
rttoDitfl de Lisboa muito bom,acanada a 35200,
SK 13500 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
qjPDitoda Figueira, das seguintes marcas (N.)
\ I. A. A.) (J. L. G.) (O. II.) a caada a
-To 45500, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
74 o jae ja est engarrafado e lacradocom o
lfrt rolulo do armazem.
fiS-iDitop de marras mais desconhecidas. acana-
J>5 da a 35500 e 45000, e a garrafa a480e
520 rs.
(fbVinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
gnito de caj muito superior, a garrafa;
-;
Vinho verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se{
engommar, a arroba a 33000 e a libra
120 rs. <
Sabao massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Pariaha.
Saccasgrandescorafartabade Goianna mui-:
tono va, a 55000. '
Cac.
Caf,lo Rio muito superior, a arroba a 83,;
85300 e 95000. i
Cba.
Ch.teraos oestes gneros o melhor possivel,
hysoQ. a libra a 25600.
Dito pjrola a 33000.
Dito usim a 23700.
Dito hyson muito ftoo a 23300.
Dito redondo a 25500. f
Dito preto de primeira qualidade a 25500.
Dito mais baixo a 23000 e 13600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espermacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600, j
640 e 72) rs.
Gaixas de 16 e 3 libras de passas novas pro-
prias pan mimos a 43 e 23300.
Noies.
Notes, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
Aliisla e paineo.
Alpista.' p.ainco.a arroba 43000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas tinas ^ara 10'gar, a duzia a 25500.
Castaahas.
Castanhv ni va*-'inlas nene vapor, a arro-
ba 43))0 e 1 libra a 200 rs.
.Ueitonas.
Barriscom azeitonas novas a 15300
lltel|l
Hanteigaaperior, a bra a 15200.
Dita mais abanen a 15120.
Dita menos soperioi a 15.
Dita franceza nova, a libra a 45120
Dita dita era barris e meios ditos, a li
13 rs.
Daparatmpern a 400rs-.
Queijos.
Queijos novos viniosneste vapor a-25800 e{
35O00. 1
Ditos 'mirlaos nuito novos, a libra a.,
15000.
Papel.
Papel almaco paulado, a resma a'v3800.
Dito dito zo de linho, a resma a 45300.
Dito de peso liz) e pautado, a resm
Dito de embramo, bom a 15 e 13200.
Vinha Hadeira.
Garrafas eom o verdadeiro vinho Xerez e Ma-,
deira a 13500 e 23000.
Temperos.
Folhas de'.ouro, piraenta do reino, cominho"
e cravo, a iibra a 400 rs. _
Velas de carnauba.
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a'
480 rs.
AuiPiidoas.
Amendoas cora casca, a libra a 320 rs.
" Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a I3400'"(
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
(iraxa.
Duziasde boioes de graxa n. 97 a 23000, e;
de latas a 13000, e os boioos a 240 rs. ca-j
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos fiaos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixa e meias?
ca xas.
rE grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
;i
nunciar-se.
-
g| N. 11 Raa do QiieimadoN. 11
.?. Superiores corles de seda prota com lindas barras.
<> SaDerior seda faconno que hade melhor e mais gosto.
t. Com|ileto sortimento de grosdenaple preto de muitas quadades.
y* i Pannos pretos e casemiras de muitas qualidades.
Gp Bournus, chales e los de renda pretos superiores.
rr, Superiores pelisses esouterabarques de seda para s.nharas.
M'A Bournus de la para senhoras a 125.
Cj ':-> Chapeos e rhapelinas de palha de Italia para senhoras.
Corfs de la de barras de H3 a 225 de muito gosto -
M} E muitas outras lazendas de superior qualidade na loja de Augusto FreJerico dos-
' santos Porto onde tambem se vendem as melhores e mais baratas
rf Esteiras da India ^ara forrar salas.
*$ K. \\Rna to QueimadoS. 11
Camas de ferro
i ;-se grande sortimento -destas camas na
roa N iva n. 33 ; na mesma loja vndese grandes
. de ferro forrados de porcelana tenfio
di;. azas e tamp de ferro, recommeudam-se a
qui; precisar. .
CEBLAS
No armazem da vinvr Paula Lopes, defronte do
embargue na escadiuha, vendera-se ceblas a^ me-
lhor .: Jo mercado, em caixa e cento, o mais bo-
rato possive!.
-, .-.
avariado.
Praneez barrie 850W -
l'ortand dem ff55B0
F.n per.*"ito esjado:
Fraile* hSrrita 105000
Porlland idem 123000
Xo armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
MEDICO-
DO
DR. PKDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PAIITK1HO JE OPERADOll.
3 Ra da Gloria, casa do'Fundao 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 as i
aoras da manhaa, e das 6 e meias 8 lioras da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica.

NEM COROAS NEM MITRAS
t
CROUE ARMAZEH
No mesmo consultorio ba sempre e mais appropriado sortimento de carteira>
tubos arulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos seguinte.5 '
'^tggat Carteiras de 12 tubos grandes. 12000
de 24 tubosgrandes. 18^000
de 36 tubosgrandes. 24^000
de 48 tubosgrandes. 30000
de 60 tubos grandes. 350000
. Prepara-so qnalquercarteira conforme o pedido que,se fizer, e com os remedi
{ue se pedir.
mtubo avulso ou frasco de tfnturade meia onca liJOOO.
Sende para cima de 12, custaro >s precos estabelecdos para as carteira*.
Ha tubos mais pequeos cada um-a 500 ris.
RA DOHIIPERADOR *. 40|
| JhdU ao sebradoem qne mora oSr. Osberne,
Duare Almeida*& c, receberam de sua propria cbccii-
da o mais lindo e variado sortimento de molbados, picfilca
da presente estaeSo.
Macas brancas
LITROS.

A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
ons grandes volumes cara diccionario.......'..... 200800 j
1 Medicina domesticado Dr. Heriafg............ 10^000
Repertorio lo Dr. Mello Moras.............. 60000
Diccionario de termos de medicina ..,...,,.. 30000
I Os remedio deste estabeiecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
to deserem novamenterecommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros,energicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
;dadoiroassucar deleite, notaveis )ela sua boa conservado, tinturados mais acreditados
esuBelecimentos europeos, a maisexacta e aecuradapreparado, e portante a maior ener-
ga j certeza em seus effeitos.
Cam de sade para escravos.
Recebe-seascravas para tratar de jualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao, para o que oannunciantejulga-se-uflScientemente habilitado.
Otratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
'aficionando a casa a mafs de qnatre annns, ha muitas pessoas de" cojo conceito se nc
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seu?
. Paga-se 20000 por dia durante 60dis ed'ahiem diante 10500.
As operaces serSo previamente ajustadas, se n5o se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis [ae conarai pedir o annunciante.
Laboratorio euolo^ico e chimico de F. P. Lebeuf e C
% ra Montmartre, 31, em Pars.
Fabrica em Argentenil, prs Pars (Franca).
B0MFICA(A0 E FABaiC\C;s0
Das viftbos, agaardentes e licores.
AGUARDENTES.Esseocia de cognac para dar
VINH03.Imitafao dos vinhos de todas as
cmalidades.Ectraeto de Medie, dose para 230
litros, i f. 2,jo Bordeax, 2 f., de Poraard, 3
f.,de Lisboa, f.,de Cataln, 2 t,de Porto,
Xerez, Mus'catel, Malaga, dose para 23 ou 30 li-
tros, 4 (.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e todos os outros. A dose para
500 litros, 30 f.
CLACIFICAglO.-P; iDgJezes, pos dos vinhos
da Hespanha, da Franca, etc. A libra para 500
litros, 5 f.
COLORAQO.Purpirigine para colorear os
vinhos brancos e vinhos ciaros. As duas libras
para 500 litros, 16 f.
as agurdenles ordinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIRSCH EABsINTHO.-Essencia de kirsch e
de absintho, para os fazer com alcool e agua. A
garrafa para'100 litros, 5 .
LICORES,-Extractos para fabricar se lodos os
licores eonhecidos sem fogo nem' alambique, (in-
dicar-se os que se deseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os licores finos ou
communsa dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 25.
TODOS.os outros productos para o trabalho dn>
vinhos, aguardentes, .licores, vinagres, etc., sao
fabricados 'le encommenda.
. UTENCILIOS de laboratorio e de chimica.
Alguns de nossos agentes tendo falsificado e mitado nossas preparacoes, e engaado nossos
freguezes, levesa exigir sobre as rolhas e rtulos as niciaes F. V. L. Paris,
0 mola de osir-so das preparacoes aeha-se iadicado no rolo.
As encommendas devem ser acompanhadas por urna letra sobre Pars ou qualquer outra cida-
b ranea, ou garantidas por urna casa -. mtretM la.Dirigirse aes Srs. Lebeuf 4 C. chimicos, ra
mirtre, a. 31, emrfParis, oa sui fabrica >wn Vgenteail, prs Paris.
ii *-* i it botica franceza, ra do Imperador n. 38.
Manteiga ingleza
da safranovavinda no ultimo vapor a i.ooo
rs. alibra eem barril a 8oo rs.
Hanteiga franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 5fO>s. ^ES
Amendoas
t&ufeitadas de lin-Jissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro cem 3 libras liquido1 a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezesa 500 rs. cadaum.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
para sopa a melhor qne se pede desejar
macarrSo, talharim e aleiria a 411 rs.'/
libra e 40500 a caixa. *
Vinho
Figueira J A A e outras muitas karcas acre
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lislma
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, t
20800 a canada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores falri
cantes da cidade do Porto a H e ii
agarrafa ede 100 a 120a caia, a p3
cas so as seguintes: Cbaasso F. & M., Nctar ou vinh^ dos lecica
lagrimas do Douro e outros mujto>.
Latas
com *0 libras de baBha a 40f 0.
Bolachinha igleza
nnm m euifos de sol
.V I 1111.1 Sitca esquina da Canboa do armo e rna do
Cabnga n. 8.
A'ire;torii lesse 3itabelecimento o mais importante que existe neste genero
as provincias do norte do imperio, querendo que o publico desta provincia goze das
vantagens que proporciona ;i fabricacao em grande escala e directa relaco com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolvu-se a vender ainda mais barato
do que docostume como demonstra a seguinte tabella :
_ Descont em duzia.
Ghapeo.s de sol de panno a 2#000.......
armaco de baleia a 20500 .
de seda rmacao de ac inglez de 20 pollecadas
40, de 2i 50, de 2S 30300 e de 28 60 ... .
Chapeos de sol inglezes a balao 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de l\ plegadas 80, de-26 90,' e de 28 100.
dem dem a balao de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26 120, e de 28 130......
Alm de muitas outras [tialidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes sao to vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, cutilaria fina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-se ?ualmente em porco e a retalho, notando porm
qne o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim d poder reta-
mar pelo preco que o estabeiecimento retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia sero considerados como
a retalho.
20 Yo
40 /o
15 %
15 o/o
15 o/o
ADMIRAVEL PECHINCHA
CUALES DE 211 AfllA PHETS
a 100000 cada um,"
cassas organdys de cores a 2 8rs. o corado.
A' ra de Crespo numero i 7,
LOJA DE
Jos Gomes Villar. r
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito al va a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. libra e compilan-
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
Fio le alcsodo da Baha.
Vendefse no sscripforio de Antonio Luiz de Ol-
veira Aze/edo 4 C, ra da Cruz n. 1.
iPECRMHA SEM HSU4
&ls| Madapolao muito fino r im pequeo toque de a varia, por preco que admira : na loja ilg
fj^l das eolumnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcelos C.
;Ik' ffiM$5.& y.l ;S^''.-XV?.1

Chocolates
detodasasqualidadesal0OOO a libra.
-PreSlintOS inglezeS* jaUSOO a barrica da mesma que
dosmelhoresfabricantes a 800 rs., tambem] vendem a 20000 e 204CO.
tem )s velaos para 500 "rs. I
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
illOllA
ff ntiiju
londrinoo mais fresso que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900ts, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras ecaixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer n5o pode vender por menos de
30 a 20600.
dem per ola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem livssoii
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mrcalo a20600.
Massas amarellas
paca sopa, macarrSo, talharim e aletria a
iSOrs. alibra.
COGV.4C
o muito afamado cognacPal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPftS
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs a
duzia, e a i 10 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
j alomo greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
Papel de botica
[de excellente qualidade a 20200 a resma,
i I PAPEL
azul ep8rd0 para embrulhode l,4oo a 2,2oo
re. a resma.
Coriafchias
Pa?a(il0rbaS muit0 DOvas ProPs para
podim a 8oo rs. a libra.
.Fumo
'Vinagre
PRc5damumarelaSde 9 Canadas a 15>000 M-
Oebullas
as mais nomde mercadea 7,ooo rs *.<-.**
o l,ooo rs. o molho. CaM
Alista e Paiuco
CEBLAS
mTZnV i800? fCent0 na ruado-Qu.:-
R.VO DE BIGO
muito novo a 3|40Qa arroba e 140rs> a li
^^^-^'argodoGarmott
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* br.
'Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as n a
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros en.
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.a e 2. sorte do Rio de Janeiro a 805(
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a lib
Garrafes
com 4 Vi garrafas com vinagre a 10QOG<*v-
ogarrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de UOOP
a caixa.
DEM
emi frasquetas de Hoilanda a 508CO cob
12 frascos.
a rr .. GENEBRA
ae Hoilanda verdadeira em frasqueta a or-
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oo a grez.<
e2ors. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.oco a caix>
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, con o *e-
jam Abreu e outros muitas a 6ct> rs. <
libra.
Pregunto
aebar ,. ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a 19ri t
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
, VELAS
de espermacete de diversas narras a E(t rs.
a libra e em caixa ter alatinei Ir.
X VELAS
de carnauba em caixas de arreba a 9,3c a
caixa e 34o rs. a libra.
tlalas novas
^aTil-a8 2 ^^ ^ 3 Cai" e 6C ""
Passas muilo noias
em quartos e inteiros a 20 o quarlo e 6CC6
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pede de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. S pac
h a FpJs em calda
ehegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata 8 J
a ooo e!0 ocaixae.
. GOMMA MUITa NOVA
S?S? J'.7,.d0,-'m* "* 55"
_,y BOLACHINHAS
em l.t,8 de deferentes qualidades a I.P2C0
QUEIJOS FLAMENCAS
chrtsultr? "v m >
J,o n. 7, ra do Imperadora.
tipolaiwios mesme5pxaOS "j-'ritjir' ,: -. /acilltara commnA-.^A. de |odM
?^\^rJ!! aperador .. 40
aos seca
ei-
fareliFde usboa
Os]
J- VIGNES-
i[;**:7. WVA DO imperador nr. &.
nnlriorida ^,1** fcbrica sao hoje 8Ssa co^^i^ Pra que seja necessario insistir sofcm
raa supenonaaa., \aniagense jrarantiaseme ofTftrftPfim an MLr. m.i.H,^ .,.. ".'9* *
annitiv
e machii
ram fabr
i deste p;
> apreciai
Fazem-se conforme as encemroendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel de Par, sm-ic
.-.orrespondente de J. Vignes, em enja capital forara sempre premiados em todas as exnsifes '
No mesmo estabeiecimento se acha sempre um explendido e variado sortraiento de mnsicas do
aelhores autoras da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicas, sendo todo veadido dc"
pregas comao-ios e raioateis. ^ pvz
te BJE?m, o\?Z dflnit,1v.aleute conquistado sobre todos os que tem aparecido nestDrai^^
indo um teclado e mach.msmo que obedecem todas as vontades e caprichos da DiaS^ST
,unca famar por serem abr.cados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramemOS? 2 ^
.issimos para o clima deste paz; q->
7eis aos ouvidos dos apreciadoras.
asS^^SMair^s^sasJs^^^
ILEGVK1
M


Mftfcoc* -- Sext letra ISJe Abril le 18*
Admirem
Admirm
Admiram Bem! 1
As pechinchas que esli i venda na loja e ama?
zem do Pavo, na roa da Imperatriz n. 00 de Ga-
ma & Silva, ond se v andera todas as fazaudas,
Unto de luso como de prlmeira necessidade por
precos inulo rasoaveis, e com especialidade as se-
guiaies, dando-se amostras deixando flcar penhor,
ou mandao-se levar em casa das familias pelos
caixeiros da mesma toja.
Algodoz'inho do Paio.
Vendem-se pecas de algodozinbo marca T, mui-
to largo, proprio para lences e toalhas, tendo 24
jardas pelo baratsimo prego de 65 a peca ; dito
large com viole jardas a 55, pectiineha por ser
fazenda que se vende em outra qualquer parte
por 105 e 125, isto na loja do Pavo, ra da Im-
ratriz o. 60 de Gama A Silva.
Madipolao entestado a 45, 45500 ^OOO.
Vendem-se pecas de madapolao entestado com
18 jardas pelo baratissimo prego de 45. 45500, e
55, ditas sem serem entestados demarcas muilo
acreditadas a 75, 85, 95, e 105, ditas, francez
multo encorpado proprios para saias a 480 ruis a
vara, isto na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60 de Gama de Silva.
Grande pecuinclia.
Chitas a 220 ris o cotaio.
Ou 75600 a peca s o Pavo.
Vendem-se cintas iaglezas de superior qualida-
de, atianf ando-se as cores serem fixas, com muita
diversidade de padroes, pelo baratissimo preco de
-li rs. o covado, ou 75600 a peca tendo 38 co-
vados, sendo fazonda esta que sempre se vendeu a
280 rs. o covado ou IOS a peca, chitas largas a
280, 320 e 360 rs, na loja do Pavo, -ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Garles de caita fraaceza na laja do Pavo.
Vendem-se corles de clia franceza, cores Osas
com 10 covados a 35. ditos com 11 covados a
35300, ditos com 12 covados 35600, ditos de chi-
ta ingleza a 25200, 25400 e 2*800, isto na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cassas Fraacezis a 30.), 320 e 360 na loja do
Pavo.
Vendem-se cassas francezas muito finas, de co-
res linas pelos baratos precos de 300,320 e 360 rs.
o covado, pecas de cambraia com salpicos de cor
lenlo 8 l|2 varas a 45, ditas salpicos brancos a
a 25500 e 35, ditas adamascadas para cortinadas
a 45, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Corles a Mara Pa.
Grande peehincha a 50000, e 6)5000.
Vendem-se os mais bonitos corles para vestidos,
sendo de cambraia bransacom as barras e enfeitcs
bordados, de cor a crox, pelo baratissimo preco
de 35. ditos do mesmo goslo mais sendo de cores,
pelo baratissimo preco de 65 cada um, valendo
esta fazenda dobrado dioheiro por ser a mais mo-
derna que tem viudo ao mercado, isto na loja do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
Silva.
Grande peehincha a s.-jOOO.
Vestidos de la a Mara Pia.
Vende-se um bonito sorlimenlo de vestidos de
la com barras bordadas Mara l'ia com as com-
petentes enfeites para o corpo, pelo baratissimo
preco de 85 cada um, peehincha por ser fazenda
que sempre se vendeu a 125, e por ter chegado
urna nova e grande purgas, resolveram-se a fazer
este grande abatimento na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Vestidos Broncos.
Vendera-se os mais ricas cortes de vestidas de
cambraia branca primorosamente bordados, pelo
barato prego de 12. 16} e 20} na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
La garibaldina a 400 ris,
Vendem-se as mais molernas lazinhas transpa
rentes, cora listrinhas mludnhas, pelo baratissimo
prego de 400 rs. o covado.ditas eofestadas, cor de
liavana, cora lislras differeotes, sendo das mais'mo-
d-rnas e muito encorpadas a 500 rs. o covado : na
lja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
c\ Suva.
Grande petrhiaclm, vestidos a
3Ot>.
Acaba de chegar um bonito sorlimenlo dos mais
lindos vestidos transparentes, muito proprios para
passeios e bailes, por serem de primorosos dese-
nos, sendo todos os padroes tecidos e nao pinta-
dos, e vendem-se pelo baratissimo prego de 35500,
sendo fazenda que val muito mais dioheiro: isto na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
liazlohas a 4 ris.
Vendem-se as mais modernas lazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos, tanto de quadri-
nhos como de listras, com as cores mnito bonitas,
pelo baratissimo prego de 240 rs. o covado ; ditas
com palmiohas de seda, padres muito banitos, a
320 rs. : sd na loja dj Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Fazendas pretas.
Vende-se gronsdenaples preto a 1JJ280, 15600,
15800 e 25 at 45, superior meurantiqueprelo a
35, setim da China, nova fazenda toda de la, pro-
pria para luto, com 6 palmos de largura, a 300,
560, 600 e 800 rs. o covado, e outras militas fa-
zendas proprias para luto : na loja do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaples le cor a I0BOO.
Vndese superiorgrosdenaples cor de caf,pro-
prio para vestido, sendo muito encorpado, a 15600
o covado : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Casemiras a i$600.
Vendem-se casemiras garibaldinas de quadri-
nhos e lizas, proprias para calcas, palitos e coleles,
pelo barato prego de 15600 o covado, assim como
caigas, palitos e colotes j feitos das mesmas : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva. v
Grande sortimento de roana feita.
Vndese na loja do Pavo um grande sortimen-
to de ronpas feilas, constando de palitos de panno
preto, sobrecasacos, ditos saceos, ditos de casemi-
ra, saceos e sobrecasacos, ditos de brim branco e
de cores, ditos de casineta, caigas de casemira pre-
ta de todas as qualiddes, ditas de cor, ditas de
brim de linbo branco e de todas as cores, coletes
de brim, easemiras, setim. gorgorito, etc., etc., to
das estas obras vendem-se per prego mais barato
do que em outra qualquer parte : na loja do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales e manteletes de renda
Vendem-se os mais ros e mais modernos cha-
les e maoleletesde renda, chegados pelo ultimo va-
por da Europa, por prego muito razoavel : na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Soutetnbarques de cor.
Vendem-se os mais modernos souterabarques de
cor, ricamente eafeilados, e por barato prego : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Capas pretas e soulembarqnes,
Vendera-se as mais modernas cipas pretas lisas
e bordadas; os mais bonitos sootembarquespretos e
manteletes, ludo de seda preta e o que na de mais
gosto no mercado, por precos muilo em conta :
na loja doPavSo, raa da Imperatria n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Enfeites para cabega.
Vendtm-se os mais Hados enfeites para cabega,
a 35, 45, 35 e 65, os melhores baldes cronolinas :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60._______
Atten$to.
Paleadas pretas para a qaaresma por
par baratissimo preco, na laja e ar-
aazen da Arara, ra da Imperatriz
. 56.
Lourenco Pereira Mendes Guimaraes.
O propietario des te esta be leci meato relira-se
para a Europa a tratar de sua saude, porm antes
da retirar-se pretende fuer urna liquidago de ba-
baratissimo prego para fechar contas ; agora fre-
gezes vende-se grosdenaples preto muito bom
para vestidos, a 15600, 25 e 25300, dito de 5 pal-
moa-de largo, a 35 : na ra da Imperalriz loja da
Arara n. 36.
JleurauUque preto a 9$.
Vende-se meurantique preto para vestido a 35 o
covado, grosdenaple multo largo e encorpado a 35,
25300, 25 e 15600 o covado, alpaca preta para
vestidos e palas a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
do> rj* de la para vestidos, caigas e palitos a
b40 e 800 rs. o covado, lia preta para vestidos a
640 rs., bombazina preta para vestidos a 15280 o
covado : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Ricos vestidos a Mara Pia a 120.
Vendem-se ricos vestidos a Mara Pia a 105,
125,145,165: ruada Imperatriz loja da Arara
n. 5o.
Arara vende pecas de panninho a 50 e de

madapolao a 40.
Vendem-se pegas de panninho muito fino de 12
jardas a 35, vendem-se pegas de madapolao infes-
tado a 45 e 45500, vendem-se pegas de madapolao
de M jardas bom a 65, 75, 75500, 85, 95, 105 e
125, vendem-se pegas de algodosinho a 55, 65,
'5, e 85 : ra da Imperalriz n. 36.
Arara vende os bales a 20500.
Vendem-se bal5es de arcos de todos os tamanhos
a 25300, 35; 35500 e 45: ra da Imperatriz
n. 56.
Lazinhas da Arara a 320 rs. e covado.
Vendem-se lazinhas para vestidos de senhoras
e meninas a 320, 400 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 500 e 360 rs. o covado. cassas
unas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
raa da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arara a 240 rs. o covado.
Vendem-se chitas de cores fizas a 240 e 280 rs.
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e
5UU, preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova-
ao : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Liquidago de soutambaques e lazinhas a
_ 70, 80 e 100.
venuem-se soutambaques de lazinhas para se-
nhoras a 75, 85, dita de alpaca branca a 105, ditas
muito Unas degrosdenaple preto a 205, 235 e 305,
capas pretas de grosdenaple fino a 205, 255 e 305,
manteletes pretos de grosdenaple a 205 e 225, Ro-
nnnas para senhora a 240, 320 e 300 rs., mangui-
tos com gola a 15, camizmhas para senhora, 25,
e 35, ditas muito linas bordadas a 45300 : na loja
do barateiro da Boa-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 20400.
9t'ndera"se cor'es de ditas com 10 covados por
ZiSiOO, ditos de dita franceza a 35200, cortes de
cassa franceza fina com 11 covados, por 35, vent
rtmePecas de cambraia branca lisa a 35500,
45-jOO, .)5500, 65 e 85 : ra da Imperatriz n. 36.
Liquidaco de roupas feitas palitos a 20.
Vendem-se palits de brim de cor a 25, 255C0 e
35, jaquetoes de brim pardo a 35 e 35500, palitos
de casimira bem feito a 55, 65, 75,85 e 105, di-
tos de panno preto bom a 85 e 105, ditos sobreca-
**cosde, casimira de cor e preta e de panno a 125,
145, 1G5 e 205, caiga de brim dec' a 25 e 25500,
ditas brancas de linbo a 35500 e 45, ditas de ca-
simira de cor 45,65 e 85, pretas a 55, 65 e 85,
coj'etes de casimira de cor e preto, de brim de cOr
a 1.00, brancos a25e'205t0, ceroulas feitas a
15280, ditas linas a 15600 e 25, camisas france-
*** 25 e 25300, ditas inglezas de pregas largas a
>5,de linho a35 e 35300, coleriahos econmicos
a 61O rs.a dazia, ditos de linho a 300 rs, um : na
ra da Imperatriz loja da Araja n. 56.
Arara vende as cobertas a 20.
Vendem-se obertas de chita finas a 25 e 25500,
ditas de damasco a 45 : roa da Imperatriz n, 56.
L na Arara que se vende cortes de casimira
preta a 30.
Vendera-se cortes de casimira preta para calca a
??'n'l*3O' 4>500, 65 e 85. ditos de cor a 35,
i^oOO e 6J : ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende panno preto a 20.
Vende-se panno preto para caiga e palito a 25,
35, 2j300, 45,4-3500 e 65 o covado, casimira pre-
'a lina a 25, 25500 e 35 o covado e outras muitas
fazendas para liquidar: na loja e armazem do
Arara, ra da Imperatriz n. 56.
PliOPR 10 PAR V SENHORA.
Vende-se um excellente cavallomuito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
chera do Paulino, rua de Santo Amaro.
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se entregar o
importe do genero que
io agradar.
ATTENCJQ
Os precos da seguiste
tabella, para todos, po-
deudo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
eom os portadores.
Adiniravel peehincha!
1 Mea tabique a 300 r*. o covado, o (ja
do jiavo.
Vendem-se os mais bonitos niogambiques de pu-
ra la prapros para vestidos e soutembarquesl
sendo de quadrinhos de listras e lisos, fazenda iu-
toramente nova, em padroes -moito proprias pa-
ra as senhoras que frequeotara o mez Mariano,
porqne esta fazenda Ibes facilita-fazerem por pou-
co dinheiro vestidos mnito decentes para qoalqner
acto, adv devido a grande compra que se fez desla novo .fa-
zenda, que se vende a freze tusioes o cuvadu : r.a
loja do pavo, ra da Imperatriz u. 60, de Gama \
ollv.
RA'DA CADEIA DO RJECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Coneelco)
PARA BEH.DE TODOS
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aosarranjos destenovo estabelecimento, e mais que tudo a prummidao e intei
reza.com que serao tratados, convida ruma visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e preferencia na com
pradosjreneresqueprec^sarem, e quando nao possam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes teiam nmirn iwaffm
bem servidos como se viessem pessoaimente, havendo para com estes toda recommendacSo, afim de quenaovoem
porssero t5o
ulra p?rle.
Mjnteiga ingleza especialixenteescdhidaa
i,ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,000
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra,
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muilopropriopara.negocioa 2,ooo
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a t,Goors.
Alelria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra e O.ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha brancaouamarella a 64o rs.a libra e
3,5o a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4ooe 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo-e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
daa 3,000 e 3,5oo.
Sal refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a 5oo rs.
gerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 5Co e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Vende-se ja excelieLte pr< | ium.m ,];,' rna
Imperial n. 164, freguezia de S. Jes. ; u
palmos de frente e mais de 1,200 o ferofr 11(
centro do qual ha orna grande ca.-a iwea d< ib-
dra e cal, com rouitos bons col niodus t s guns
arvoredes de fructo, precisando nielad.- d. 'untfo
de algutn aterro : o Sr. capitalista que Iz.t e-ia
acquisicao tem, alem do predio, umno | ara edi-
ficar um grande numero de casas, j eoai frente
para a referida ra, ja em outras que pusan i or
dentro.da mesma propriedade, que por ter tn bar-
qne offerece a immensa vantagem de faclliiar a
conclosao des materiaes, que serao derwjado! <-m
cima das obras: quem a pretender dlrija-f ao
mencionsdo pradir, ou ra do ruui n. 57.
" -
escbavos mim.
dem preto o que se pode desojar neste ge- Vinhobranco para missa em caixas de 1 du-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra. .zia a 8>ooo o 68o rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 8oo rs.a libra eemVin^ do Porto das melhores marcas barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rsf a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para Hambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va- j
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra,
dem pratoa 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo,15,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com 1 duzia e9oo,
l.ooO e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,000
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
I Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a.
Fuglo da povoacao de Paneis ie Mu; m-a
desla provincia o escravo erioulu, de un. M.-
thens, cujos signaes sao os teguinles : tstalora al-
ta, ti annos de idade, corpo rrpular. rost( rdm-
prido e principiando a barbar, ci r nrota, n Ira;
pequeas, !em todos o< denles c sao limados, 1 arfa
1 regular, olhos idem, cabellos bem carapii*adoy,
Levadinna de Franga muilo nova a ^00 r f*5 um ,aDl 1 ps eomprldos e Charutos do afiamado fabricaiie /os Furia- i*0-'"0 e-mu,t0.humilde- finniMsi qne t
do de Simas, das seguintes qualiddes:
dem suisso o mais superior que tem vindo! barrica e 320 rs. a libra.
ao mercado a 64o rs. a libra. | Bolachinhas de soda em latas de diversas
Ervilhas e favas portuguezasj preparadas; qualiddes a l,3oo rs.
em latas hermticamente lacradas a 64o. Cartoes com bolo francez muilo proprios pa-
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata. ra mimo a 64o rs.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5j5oo Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
rs.a duzia. | para mimo a 3,ooo rs.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs. Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a duzia. a libra.
Chocolate francee hespanhol e suisso a 9oo,, Figos de comadre a 24o rs. alibra.
1,000 e l,2oo rs. a libra. Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-'. Milo de amendoas a 5oo rs.
bra o em caixa se faz abatimento. Bolacbinha d'ag'ua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta em latas hermticamente la- de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
cradas e das melhores qualiddes de pei- bras por 2,5oo rs.
xe a 800, l,ooo e l,2oo rs. Ameixas francezas em fiasco de vidro com
do gaz.
Gokc
Pitcli do gaz.
Alcatro do
tonelladas rs. .
gaz.
Coke tonelladas rs. ~ 10,3000
Pitch a '..'.' 80^000
Alcatro caada...... 400
O coke recoohecidamente o carvao mais econo:
mico, torna-se por isso recoramendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alm das applicacoes
diversas a que se prest.im, como para callafetar
embarcarles, alcatroar madeiras, etc., teem este a
propriedade de preservar do cupim, formigas, etc.
E' entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
Muita attenco.
Na nova loja de fazeiidas e ronpas fei-
tas nacionacs na ra da Imperatriz
d. 72, de |Gumares k lemo.
Acaba de chegar a este novo estabelecimento
um grande sortimento de soulembarqnes de cores
p'elo barato preco de Si, 66, 7a e 8, ditos prelos
degrosdenaple de 196, 20,5 e 23# : isto na ra
da Imperalriz n. 11, loja de Guimaraes & Irmao
Vendem-se chitas muito finas sendo de cores fi-
xas a 2'tO rs., ditas largas fraccezas a 260, 280,
320, 367 e 400 rs., ditas percales finas a 480 e
800 rs. : isto na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmao.
Grande sortimento da corles de chitas a. 2300
e 200, ditas finas a 35 e 25200 : na roa da Im-
peralriz n. 72, loja de Guimaraes & Irmao.
Vendera-se madapoloes finos a iiSOJ, S, 65,
75 e 85, dito muito fino a 0,5 e 105, dito francez
enfestado a 45,45500 e 55: na ra da Imperatriz
n. 72, loja de GuimarSes & Irmo.
ROUPAS FEITAS.
Vendera-se paletots de alpaca a 36, 35500 46
e 55, ditas de casemira a 55, 65, "i, 86 a 100,
calcas de brim de todas as qualiddes a 15,15800,
26 e 25500, brim pardo a 25. 26500 e 35, ditas
de casemira a 35500, 45, 45500, 55, 65 e 75 :
isto na loja de Guimaraes & Irmao, na ra da Im-
peratriz n. 72. .________
Vinho Bordcaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e (i4o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira- em frascos
grandes a l.ooo e ll,ooo,r&. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,800 a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4ot a ar-
roba.
Paincoe alpista a 14o rs. alibra e4,oooa
arroba.
Massa de tomatesdesuperiorqualiSadea 64o
rs.'a lata de urna libra e 56o rs. a reta-
lho.
lampa do mesmo, a l5oo.
Ameixas franezas em caixinbas de diversos
tamanhos com bonitas ealan pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas-muito novasa 80 rs. a librae2,5oo
o gigo com 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs. *
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Lentilhas francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propiamente dito a
ir} a garrafae i l.ooo a duzia.
Palitos de dente a lio rs. o maco.
Exposicao Normal de Havana, Imperiaes!
Londrinos, Guanabatas, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,000, 4,5oo, 5,ooo,
0,000 e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
C-iDJeS'JComo scJam: Elr (y KorleMa'
nilbasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2.ooo, 2,oco
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,oco a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte,excellente cha para os navegantes, a
2oors.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8ooocento el,2oosoltas.
Palilos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
4ibrae8,5oo a ancha.
Banha de porco refinada a 600 rs. a libra.
Bolacbinha Alberto, as melhores que pre-
sentementetem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualiddes a 2,5oo e i,5io o frasco.
Calimbas cem fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muilo proprias para
mimo, a l,6oo, 2,Coo e 3,ooo cada urna.
Ruibos, excellenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o precfl.
Azeilonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e8oors. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,000 e 3,5ooa garrafa, e
24,ooo e 26,eoo o pipo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra. '
Figosem sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 ,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
homisiado no topar denominado Pedras-Lra
onde ja foi vislo, do lermo de Sluriii.'d.-. Alaj ai.
a pessoa que oapprthender e enliepar ao Sr. lfa-
noel Joaqun Luarle Guimaies, Sr. Antonio de Moura Holni, nesta cidade, a roa
do Queimado n. 31; ou ae Sr. Jos dos Sanios Sil-
va Junicr, na referida povoac.o de Panella*. -era
pnipropan-ptiip eralilra -Atia-.ve lugio o prito donme Gabrul,
erioulo, de idade pouco mais ou n;(us :)o anuos,
baixo e corpulento, roslo curio e barbado, pisen.
Co curto, olhos vivos e sobran, ce I has afqieaday,
bocea regular, denles alvo?, ps curios e -r^ns :
roga-se as autoridades vigilancia por se dwfeafl r
delle querer assentar praca no eorpo ios volunta-
rios, ou a quem a elle pegar i ondozif ao cn^. neo
Tapogy de cima da con,ana do Cabo a entregara
seu senhor Antonio Joaquim Cavaleanli de .il.u-
querque ou a Jorge Clemente de Uuiba Cavafcan-
ti, na roa de Apollo n. 34, segundo andar, que
ser gratificado : de-confia-se tniLcm elle lar
on andar na ridade deOlinda, visto que dahi foi
comprado a um preto forro de turre Guillnrn.ii
Sebastio do Resano, a 17 annos. pouco mais o
menos: pedese, portant), aossenhores papilar
de campo, tanlo dalli cerno de outras p?i!es,
captura as rondiroes cima dilas. Dito escravo
ja foi visto nesla citiade e no aterro dos Afogador.
Na noite do da '.) ilo crreme mez desi| pa-
neta da casa n. 48, na traves.-a da ra da u 101 -
dia, urna mulatiuha captiva de neme Fra*cM-a,
com os signaes segninls. : amarella, ps 1.1; La-
dos, cabello corlado meio esloquiado, fevou vem-
do de chita j usado e camisa de mada^ol!. !i de
j muito sujo,de idade 10 annos; julga-.-e ki -ir.,
sedotida de casa em razSo de ler \indo do u ai,.
lia dous mezes, pouco mais on nios, e nao tabtr
rna alguma : roga-se s autoridades poluiais a
apprebrnsao da da niulatinl e levarla rasa
cima mencionada.
Aos cujritues de can },<>
Desappareceu no dia 21 do com Me, ta isp de
seu senfaor, o esciavu de nene Bel <<.: l- 1, eatia
escuro,"com idade de 25 annos, Iimu v.-lic<
ga de algodo de listia, ramisa de alguno da ier-
ra, e chapeo tde cooro de alas lrgat.Kn liora
regular, cheio do corpjj, cabello a iMix.ila
olhos prelos muilo vives, hirz t loif. it^i. ,i..-,
muilo pouca barba no queixo o um ikii.'M. lu-
co. todos os denles, ps regulan-s, ele.: e e | rt-
sumirqueseguisse a estiada di Coiatna iu itr
vindo da cidade do Souza, provincia da iaiDhila,
ha 13 das, e foi comprado ao Sr. Jote A Minio
Borges daquella cidade : roga-se porlanli aos se-
nhores capites de campo a apnrebei so do iei>-
ridoescravo, e levarem-no a rna do In [i i; (' 83, segundo anrlar.-que se prai'c; i.-, fru *
Na roa da Cruz n. 38, em casa de MiltsTlat-
leau & C., vende-se :
Cha.
Oleo de linhaca.
Folhas dePlandre.
Silins e silhoes inglezes.
Cerveja Aspinall.
Dita Bass.
Dita John Jeffres & C.
Um piano com pouco uso.
Cortes de casemira com pintas de mofo a >
cada corte, para rica; ditbiimpr/s a' 1,5500 o
corte : na ra do Queimado Os. 43 '49, lia aqoi-
naqne volla para a Coogrega^ao, casa amareHa.
Oleo de Florida
Cimposto de substancias vegetaes exticas, elle I
contribue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a foroa, a belleza 0 a coaservacao dos cabel-
los.
Em Paris casa de Guilaur n. 112 raa de Rechi-
nen e 21 bonlevard Montmartre.
Todos os frascos nao lendo intacto e clare, e Un-
cir prataado da casa, reputado falso.
Deposito raa do Imperador pharmacia n. 38.
Carta chorographiea
DO
THEATRO DA GUERRA.
Acha-se exposta venda, as loias abaixo men-j
cienad is, a carta chorographiea do theatro da guer-
ra nos Estados do Sal da America Meridional, con-
tendo as plantas do Paysandd, e do bloqneio e cer^
co de Montevideo. Ella torna-se recommendavel
nao s pela lacuu que velo nreencher, como pelo
esmero do trabalbo lythographieo.
Vende-se pela mdica quanlia de48000 as livra
rias dos Srs. Noguira, roa do Crespo; do Sr.
Cardoso Ayres, na da Cadeia do Recite, assim como
as lojas da Exposicao de Londres e na lythogra-
phia do Sr. Carlos, a mesma ra n. 62, e na loja
do Sr. Cardozo de Almelda, roa da Cruz.
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queimado, n. 49 e i>. E' para admirar.
Carretisde lintia com 150 jardas...... 60
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a 60.............................. 120
Dito dito de60 a 200.................. 100
iNovellos de linha grandes com 400 jar-
das............ .................... 80
Idm idem brancos e de cures de 100
jardas ...............................
Livrospara assento de roupa lavada... 100
Cordao branco para espartilho (vara) 20
Varas de franja branca larga.......... i&0
Pares de botdes de punbo todos de cores 120
Tinteiros de barro com tinta........... 100
Tesouras para costuras linas e unhas 400
Ditas para costaras com toque d'avaria 200
Caixas cora 100 envelopes das melhores
qualiddes..................-....... 640
Ditas cota 20 cadernos, raptl pautado e
liso....................................600
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
lho).........'.....:.........,.*..... 20
Meiadas de linha frouxa para bordar... 20
Pares de sapaios de tranca......... 1*1500
Massos com superiores grampas para
senhora.............o............ 30
Frascos de macaca perola muito snerior 200
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400rs.e ....;.................... 500
Ditos e garrafiuhas de agua de Colonia
mailo flna.'...................... 400
Pecas de fitas clsticas para vestidos a
melhor qualidade.................. 240
Pares de ligas para senbora as melho-
res............................... 320
Frascos de agua dentfrico muito supe-
rior.............................. 800
Caixas com 4 papis de agulhas a balao
eVictoria........................ 200
Libras de la sendo de (odas as cores... 6O00
Bpnecos vestidos e tambera de choro... 160
Caixas com superiores obreias.........
Ditas de linha de gaz com 50 novellos.. 800
Enfiadeiras de fita para e9partllhos..... 60
Carretis dlinba de cores com 10 das............................, 20
Pecas de ordo imperial............ *0
Resmas de superior papel al maco a___ 24500
Duzias de snnerlnres meias croas para
'honrem^a 3>t0O-e...........,___ 3J600
Duzias de superiores meias para senho-
ras a.............................
Jabonetes de familia muito finos a 120 e
Meias. garrafa de tima a.......i___.. 200
Cartiihas da douirina a melhor qnalida- #
dea.............................. 320
Caivetes de cabo de marfim de superior
qualidade....................;.... 1,0000
I Varas de cordao branco de borracha... 40!
BOTICA E DROGARA *
Barlliolooieu rrauesseo de Souza &C.
34Ra larga do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway. '
Pilulas do Dr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilulas do Pobre-hornera.
Pilulas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pilulasvegetaes azucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha deCh AILert."
InjeccaoFeaugas.
Agua dentiticade Desirabode.
Papelchimico, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspaii.
Psanti-epileticos deBresi.
RebL^Affectear.
Zarape do Bosd.ua.
Ungento olloway.___________________^^
Peeliiuclia 11 vatjja de fazendas
roupa feita nacional, raa da Impe-
ratriz q. 72.
. Peehincha a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas de cores flxas a 240,280 rs. o
covado, ditas francezas largas a 300, 320, 360, 400
e 440 rs. o covado : pecas de madapolao fino a 65,
7, 8, 9*e 105; pecas da algodo a 5#, 65, 7
e 85 '. ra da Imperatriz n. 72.
Roupa feita nacional.
Vendem-se patitos de cazemira preta e de cores
a 35,65, 85 e 105, ditos sobrecazacos a 128, 14
el65. Palits de brim de cor a5300, 35 e35S0O
rs., calcas de cazemira pretal 6#, 7j) e 8#, ditas
droaeemiradeedra *&, 65 7, e 5 ; coletes de
cauMra dadOTes e pretos e-ditos de brima 15500,
e 25500 rs., ; caifas de brim de cor a 25, 25500 :
raa da Imperatriz n. 72.
SontantWrqne de cores a 70, 8# e \%&.
Vendem-se outambaMae dela e seda para se-
nhora a 7f, 85 e!05; ditos de grosdenaple pre-
to a 20* e 255 ; capas pretas a-20 e 255 i vesti-
dos de la a, Mara Pa a 125, 14J e 165 :
Imperatriz n. 72.
Cortes de cazemira preta a 30.
Vendem-se^rles de cazemira preta para caifa
a 35,35500, 55 65 e' 65, ditos de cazemira de
cor a 34,45,5*, e 75. ditos de- brim de cores a
15000, e 25, ditos de chitas finas a 25*00 e 35200,
ditos de cassas franceza a 35 : raa da Imperatriz
loja do barateiro n. 72.
_______'
RIVAL
SEM SEGUNDO
/Na ra do Queimado n. 49 e 55 lojas de miude-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barato do que ero
outra qualquer parte, quem qnizer ver o que ba
bom e barato venha a loja do Rival.
Duzias de pbospbros de seguranca a ... 120
Francos com essencia de Sndalo muito
snperior.......................... 15COO
Escova* de dentesmu to superiores a... 200
Latas com superiores banha........... 200
Frascos de vidro com superior banha.. 241
Enfeites do melhor gosto que tem vindo. 250(
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira. ij280
Pulceiras do melhor goslo e modernas. 500
Volla para pescofo do melhor gosto.... 54O
Baralhos para volt are te, linas a 200 e.. 2 0
Varas de franja branca de liaba que
tem muita serventa................. 060
Duzia de pennasd'aco muito superiores 060
Frascos de olee Bboza muito finos..... 200
Talberes para meninos a melhor quali-
dade.............................. 240
Duzia de collieres de metal muito finas
para sopa........................... 25400
Duzia de collieres de metal muilo tinas
para cha........................ 15500
Grasas de botoes de osso para caifa... 200
Grasas de botoes madreperula para ca-J
miza:............................. 300
Grasas de botoes de loufa prateados
muito fiaos...................... 200
Cartas de alfinetes francezes muito su-
periores...................... loo
Calas de clcheles francezes a 40 ris
. Duna............................. 360
Golinhas para senhora a melbor quali-
dade.............................. 200
Duzias de lapes differentes qualidade a
240............................., 400
Qaadernos de papel de peso mailo ino. 030
Resma do mesmo papel............. 25000
Duzia de facca e garfo muito boas----- 25400
Capachos compridos redondos mnito
boas1.1......... v....'. ............. 5*0
t Ditos para sof...................... 25000
roraa pares ,je suspensorio muito bons e para
acabar....................'....... |100
Essencia oriental para tirar nodoas de
rorjp.............'......... ...... 500
Pecas de fita de la para vestido eom 10
varas a.....t ............. 600
Vara de babadas do Porto maito supe-
riores a IftO, 120 e................ 160
Livros com bonitas e Doas estampas.... 320
Farello
em saceos grandes com dous
Vende-se a taberna da raa dos Afouguinhos | quaesquer a 45800 ; na ra
n. 20 : a tratar na mesma. > 50, taberna da esquina.
tamanhos de ontros
larga do Rosario n*
Vende-se am escravo idade 25 annos insigne
ofBcial de arpia e bonita figura : na iravessa do
Carino n. 1.____________________________
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
da Cunha, a tratar com Tasso-Innatos.
No da 4 de Janeiro do ar.no de 1864, rugi do en-
genho Concfeicao, remarca de Pac-d'Alho,'o escrt
vo Galdino, pertencente ao^il aixo a:-sgnado, rom
os sigpaes sepuinies: idade 26 annos, pardo, clare,
corpo, figura e altura regulares, cabellos mftol ea-
apinhados. olhos pardos, sofaranrelbas e palpebras
salientes, leni em rada brara i.m sir de Salonao,
sendo um delles nial feito, e junio a esle orna ruz,
lem na cabei-.i urna cicatriz de ama polcada, e-t-m
cima de um quarto urna ouira ciratriz de lies po-
legadas, proveniente de ptnla de pao e queda, lem
sobre as costas algunias n arras cu ricaimt f de re-
Ihadas ou chicle; um pouco deserr.bar.'.cado qnaQ-
do falla, tem principio de carpina e raneire. loca
viola e barbado. Fui soldado do corpa de indicia no
Recile, e levou romsigo a Laixa do theor seguate :
Serfo urbana, 2' coropanhia n. 50. Antonio CaMa-
no de Oliveita,filho de Agostinho Ferreia dePri-
lo, natural de logazeira. rr parda. callios ata-
pinhos, olhos pardos, uflicio nenhum, eslado >oiiei-
ro, com 30 anno ao engajar-se. Engajou-se na forma do rrgula-
mento, em 17 de fevereiro de 1862, per iflleio do
Exm. Sr. presidente da provincia, u'aia'jo de 28 de
abril do crrenle, e publicado ao rerpo em urdem
do dia Ia de maio, ludo em 1862 ; leve haiga do
servifo por ter dado em seu lugar o paisano Jo5o
Pedro Ferreira da Rocha. Foi escravo do rabilio
Joaode Dos Barros, morador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e hoje morador na
Campia Grande da Parahyba do Norle, que o ven-
deu em dias do mez de novembro de 1863 ao abai-
xo assignado, pelo costume de andar fgido e n ti-
tulo oe forro com o nome modado ; pelo que roga-
se a aliene Do das autoridades civis e mililare.-, nao
s desta provincia como das demas do nircrio, a
apprehensao do dito escravo, que a titulo de ferro,
nao tenha sido recrotado ou assentado prafa em
alguns dos cor pos de Voluntarios da Patria, fam-
bem pede se aos capites de campo e pessoas par-
ticulares a mesma apprehensao, e leva-lo ao sea
seehor no referido engenho Conoeieo, ou nesla ci-
dade ao c4pito Mauricio Francisco de Lima ra
do Brum n. 56, que ser gratificado com 2l>05.
Jos Mara dos Sanios Cavaleanli. -
Negro fgido
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro deste
anno o preto Joaquim, de nafao Angola, qne foi
escravo do Sr. capilo Francisco Joaquim Caval-
eanli Galvo, morador era Maria Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do an-
no passadoao Sr. Manoel Francisco Marques com
armazemde assucar ra de ApoHo; levou ca-
misa e caifa de algodo branco, ropreseuia ter da
45 a 50 annos de Idade, alto e de grossura regu-
lar, cor fula, cabefa comprlda, qoeixos largos,
olhos amortecidos, heif os grossos, sendo o supe-
rior ara tanto defeituoso, bastante barba, porm
raspada, finalmente tem urna grande costura entra
ospeitos proveniente de qaeimadnra, e suppoe-sa
ter-se dirigido para o norte, d'onde veio : gratifi-
ca-sea quem o apprehender ou denunciar o coito
em queestiver : na ra da Cadefa do Rccife nu-
mero 52._______________________^_______
Fugio em principios do mez de fpvereirft do
corrate anno e consta estar acontado nesta cidade
o mnleque Euzebio. escravo da vjnva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello, de 12 annos de idade pern-
eo mais ou menos, cor preta; secco do corpo, olhos
regulares e a/umacados, oaheca um ponc.o grande
e meia chata, belfos finos, de&tes'hem atas, ps
seceos e muito ladino : roga-se por tanto a tedas as
autoridades pollciaes e capites de esmpo quf o ap-
prehendam e levem-o a rna da Maagneira sobrado
n. 6 a,oe serao gratificados, protestando-se usar dos
melos jndiclaes contra qualquer pessoa que oteaba
em sea poder.
\
TLEiVEL]


Diario de rernaaabare Hextu feira 19 Abril de !.
f
LiTTER ATORA.
( Que de violencias atreies,qoe de clamorosas io- maior consolarlo e esperanca ; preciosos germens, de todos os" botequins da cidade invicta.
josUcAs praticadas no fundo dacruelles desertos.aos plantados junto das aguas do santuario e que caltl-' Entremos por COOSeguiule n'elle com a ve-
olhess de Deus, eontra esses pobres indios, nossos" amos cada da com estremecido cuidado. Dse-' neraco que inspiram estas academias da
Carla pastoral do Exm.
de Costa, mostrando
do ulero, e invocando a caridade publica ent fa-
vor da obra da edoeacio.
I). Antonio de Macedo Costa, por graca de Deus e
se extermina, em pleno scalo XIX, quasi como
Do? dias ominosos da conqaista t
fc ainda entre as popolacoes mals em contacto
la santa si-apostlica, bispo'do Para, do conse- coma civilisagao ; grande Deas I qaanto bema
Iho de S. M. o Imperador a quem Dos guarde,' realisar A ceiva em verdade muita ; os obrpl-
le.
precaucoes, anda va nllas solta o inmigo
do genere humano, que, se bem nSopodia
entrar com as almas, divertia-se em pregar
pirraos aos corpos, como sabido que fez
em Franca mao direita de sire de Giac,
coja chronica foi narrada po.* Alexandre Du-
mas, que, prestemos-lhe just ca, tem narra-
hisnn n IntAiii* de Hace irmios' remidos cora saogue de Jesns Chrlsto, e jramos tambera, e esta ama idea que aflagamosy moderna geracao, academias onde todos os
ispe u imii a qam sm embargo, se despreza se persegue,' de a' mallo, em nosso coracio: desejaramoe fon-' assumptos s& discutem, onde se fazem e
-- dar aqu um asilo para meninos orphios e indi- desfazem reputarles, onde a virtude das
genios. muherss e o talento dos escriptores sao
Coru-nos com effeito o coraco.'lrmos e Albos' despedazados com a mesraa faca, com que do tudo quanto possivel carrar-se, e prin-
muito amados, encontrar sobretodo as nossas vi- 8e Parte fiambre, ou se affogam as on- cipalmente o que impossivel.
sitas pastoraes, tantos meninos esperancsos, d'in- das do^onche, onde vae lambem multas Assim. pois, como vassallos humildes, e
rol^co^,^ Uiweto atilada e ptima ndole, que nos vem,a f nso cmm,ira' cautelosos chrtstlos, aninuaram-se osino-
,Par M,' rparuac>a (J sopplicar com lagrimas nos oihos que os tomemos! Esfu I os fthnos da vidade", e os mo- radores do Porto em torno da sagrada ha-
^emJmlhr^ saSorZl'so P () a nosso cargo para edaca-los as virtudes e as dos despejados de que a mocidade contem-, h.tacao do seu b.spo e senhor, chegando-se
ausciie Elle no mcio do nos, em sua influiami- |ettfts e Mrmoiobngados a recsalos or (aiu PoraDea e accusada, e, inda mal, com jus-:bet uns aos outros, fazendo negabas ao sol
Tendo. gracas a Divina Providencia, terminado ericordia, sacerdotes Beis, pastores segondo o seo ,, -,.-.:.,. n(Jfl .Ksm ^.n., tica, sa"0 devidos substituido dos antigosaue rJifflcilmente se poderla aventurar
com feliz etilo a v.agem qae rigorosos deveres nos cor^0 Crescaro, A sombra do Tatareaculo, l* ^ pelos gremios e pelos botequins,4nasestrelissimas vielias da cidade. a qual
obr.garam aemprehender at capital do moeno, masdej0eni leviUSt emboidos desfle a iDfaacIa ^ n^JJJ^Jg^J "T^o^ ifciSS d"olo repeltido o delicado e suave pres-' n3Q faltava por este modo aos usos e,
oos-o coraco se dilata as effusSes do mais suave nos principios da mais pora moral, preservados mente fa||ecem-nos os recursos tigio feminil, cujosmeigOS raios sobredoira- costuraos di edade-media que sendo urna;
jobito, vendo-nos emfira restituido a este querido cuidadosamente de toda I coqtagiao do secuto, para vam de certa elegancia e de certo encanto! era de gigantes, folgava em nao caber por \
rekioho, em quem, durante a ausencia, tivemos I mem um dla 0 sa| da terra e a )ui do mundo para I Todos os de que podemos dispor se acharo ja" es- os proprios vicios desenfreados da socieda-' estas ras e portiohas d'anes.
sempre empregados nossos mais assiduos cuidados ediflcarem os povos pela palavra, e pelo exemplo, gotodes. Esmolas da caixa-pia ; bolos offerecidos de do sequo passado. Da mesma forma Lisboa, a filha dos ara-
a r^nsameoto.-Deus nos testeraunba, irmos e e derramarem por toda a parte o bom odor de Je- cbrlsma; pequeas sommas dada por umouj Ou fosse porque o dono do caf porluen-'be<, se aconchegou em torno do castello,
llbos carissimes, qae Atemos cada dia saudosa me- sus cbristo Fiat I Fiat I Hite, Domine, quos mis ou,ro Pai 5 ua mdica sobvenclo cora que con- se se compenetrasse da influencia que os' iodo banhar os ps no Tejo, e ouviodo com
m.iria de vsem nossas oracoose sacrificios, e que \tur*'.e$l. corre a provincia do Amazonas, e d'agoraom dlan- botequins exercem na civilisacao, ou fosse i susto o longiquo fragor da barra, que de-
uo poupamos esforcos para tirar desta vi igem to-| nfcJ m....._.______A^ fc........^ te tambero tajada de custo que nos offerecida Dor rjualauer ouiro motivo, Acert aue i pois os seus filhos haviam deaffrontar ta"o
esses mares fora der-
Os nossos antepassados
Seus nomes nao nos legaram
Para nos irmos manchar
Os filaos d'aquelles bravos
Que outr'ora vos castigaram
Hao de boje vos castigar.
;las as vantagens
.!c nossa diocese.
qae nos propuzemos, em
L; Oh: quanto precisa o mundo de bons sacerdo" toiten*em ald* ae cust01ue 008i onecida por qoalqaer miro motivo, certo que i pois os seus tllhos haviam
P tes E' a suprema bencao de Deas sobre um povo; ^ do .,*"* pm vlsi,a p,9,ora1, ,ado ,emos,um* sala de academia nao podia ser mais. ufanos, para irem por ess(
o signa! de qoe esse povo est predesnado a to- empregadoe P,eKmos, com soromo gosto, magestosa. N5o ousa i gente fallar em voz: ramar a fe de Christo, como elles diziam,
;.m effeito foraos, antes de indo, advogar ao pe j das as gioriricacdes da historia I NSo se chegar "** "* "."'i0"4 obra da eda?atao me" I ^> QS jornaes assumem n'aquellas me- anda que era muito natural que o bom Je-
. .. ,. --------^ xu so i,uD|.. c--------ik^" mu nmr.Fieu niudXc t,,..|,i..ni,>o
overno os interes?es mais vitaes della: fomos nunca ao ve rdadeiro progresso, a solida grandeza,
eapir de viva ^z tantas imniensas necessidades a fra da accao moralisadora do sacerdocio. Queris
; vitaes della: fomos anea ao ve rdadeiro progresso, a solida grandeza, oiaosJobrfs- Mas esses recursos sao por demaisSas O venerando aspecto'(l'uns Evangelhos. SUS preferisse apostlos menos turbulentos,
a a!, it^lr dn L-tZ? nn' ">sufflc.enie;. Nao ha outro meio, pcis, senao re- j e desejasse que elles, antes de irem ensinar
correr a' caridade publica, seno fazer um appello Duas estatuas, emattitude mais
ejasse qu
m dever sagrado ; comprim lo com respeitosa, Nao ha solida grandeza, verdadeiro progresso para a Tf S ""* diOCesano!i beDQ c^t0!nos jaciosa, reccbem o freguez, que sent e comprehendessem melhor.
franqueza, em toda a sincer.dade de no^so coraco um povo sera leis feius no interesse de todos e por 2 ,odS Se apreSSirf a "" om n0SS *nx,,,a Io? d>"' nocular-se-lhe no animo a sci- A pouco e pouco, como e natural, o_Por-
.^...I^^.^'.^.L^r.^ Nada qaereraos para nos; para vos, para vossos encia infusa de bellas-artes. indisnensavel
todos religiosamente respeitadas; nao ba leis feitas
no interesse de lodos e por todos religiosamente
respeitadas, sem moralidade nos legisladores e nos
subditos; nao ha moralidade nos legisladores e nos
Albos ludo.
a todos os frequetadores de botequins, mas
que em Lisboa s se encontra no fundo das
Estamos vivendo na pobreza; contentando-nos
como S. Paulo, de ter com que vestir-nos e aii- [ garrafas, ou uas pinturas equivocas de al-
subditos sem dominarem as consciencias os prin- mentar-nes parcamente : Babentes autem alimenta; guns quadrinhos. As paredes forradas de
cdios saudaveis da reliffiao e o temor de Deus iegwur his contento sumus. (10) Se que- espelOS, entremiadas com grandes lelas,
TL^ZSPT-^ alm que os vjdros pplidos coito- Ibas fugirem-lhe a bom fug.r, e irem em
otemorde Dos as consciencias sera sacerdocio mos realisar maior bera. I cados, de distancia a distancia reflectem; procura d estes bem temporaes que se cna-
, com tal ou qual repugnancia. Sente-se n is- mam ar e luz, sem os quaes nao pode viver
FilhoscarlssimosI dai-nos pois umaesmola; ;t0 a opuiencia e a gravidade, a riqueza se-'afrgil organisacao humana,
o vesso pastor o vosso pai qae vos estende a' vera firme .^ Q de n3o sacrfficai. nos
mao e vos pede urna esmo a para educar algons; frvo]os aUares da mQd^ de ^ ^.^ ^
(Je hispo.
As palavra.; auguslas que ouvimos.as animagSes
preciosas que recebemos,' os opportunos soccorros
qae nos oram dados e promcuidos senao to
ahondantes como os requereriara as necessidades,
proporcionados pelo menos s forjas actuaesdo the-
.; ;::ro, ludo uos fez voltar oheio de nova animagao
a e ragem aos nossos trabalhos apostlicos.
Muito peuco, irmos queridos, quasi nada temos
ao meio de vos; apenas ura outro pequeo sulco
atoerto no vasto campo que nos foi confiado pelo
iai de familia; mas nao desanimamos por isso; no-
viis soleos, com o favor de Deus, se abrirao ainda;
i sement boa, a terra frtil ; nao faltaro os or-
alnos do co; e a seara daqui pouco est loure-
j*i lo v.slosissima. Ah I quantas vezes nosso olhar,
'..tocado de lanos espectculos tristes, se embeve-
:o nesse bello e grandioso futuro que se rasga
lianto de nos todo Iluminado e cheio de esperan-
zas I
guantas vezes Armando bem a vista, parece-nos
ja utrever brujuleando no horisenle clarSes pre-
cursores de urna aurora osplendida? E' a Inz de
Deus que se levanto Jess Chrisio que vai tomar I oravao S0Dre a tomba do desvalido 1 Quero propa- maoho alcance para sua gloria e salvacao das al. confessar depois que, se bem adoptasse ou-
9lena possede vossas almas-, o Evangelho da sal- Sar'_1aera_ susteDtara efflcazmente no mundo a mas I Quantas preciosas gragas atlrahirao sobre tro systema, 0 botequim da cidade invicta
acao que se vai diffundir, como um relmpago de
luz ira mensa, no mel de tantos povos asseulades
sombra da raorte ; o trabalho, a moralidade,
a
de bellas-artes, indispensavel to fot-se senlindo apertado, quiz desafogai
e irrompeu em lodos os sentidos, trepando
mato pur um lado, espraiando-se para ou
tre, e afastando-se da religiosa sombra do j
seu espago episcopal, que, da altura onde
campeiava, pode ver tristemente as suas ove-
casto e respeitado que os inculque sem cessar s
almas pela torga combinada da palavra e do exem-
plo. Assim, bera o vedes, o sacerdocio, o sacerdocio
como deve ser, o sacerdocio cora a aureola qoe Je-
ss Christo Ihe poz sobre a fronte o alpha e o
omega, o ponto de partida e o ponto de chegada da
verdadeira civilisacao.
E' preciso rasgar o evangelho ; desconhecer to-
meninos pobres, que um dla vos pagarao com usu-; frv0,as tendencjas das modernas 5
ra o beneAco que agora Ibes fareis. fl de drjgr og ^^^ pe|Q ^^
Nao, nao se dir' que ura s de vos recusoo I de philosophia._ Achei a palavra 1 O bo-
Qffla esraola para ara Am to santo e to justo i tequim portoen*e um botequim philoso-
D o rico de sua riqueza, muito -, d o pobre, de i phico, um caf que devia alegrar o animo
da a economa do christianisrao para negar ama! sua pobreza, pouco; todos de bom corago para j do Sr. Theophilo Braga, e concorrer algu-
verdade to evidente. Tiral o padre. Quem ensina-1 esTgrande e piedozisslma obra I Dos, qoe nao! ma COUSa para aquellas synderereticas locu-
ra a dootrina aos meninos esfarrapadinhos do po-'' se deixa vencer em generosidade derramara' so- brages com que tanto se enleva o imagino-
vo ? Quem levar balsamo saudavel tanta chaga bre vos toda a docora de suas bengos. Se elle SO talento do juvenil escriptor.
secreta que devora as consciencias T Qnem ser o dz no evangelho que ara copo d'agaa fria dada em | Quem vem habituado a abundancia de luz
conselheiro, o amigo, o protector, o pai dos qae na- Sea nome, nao Acara' sem recompensa, quanto do caf Martioho, espanta-se* desta appa-
da disso tem neste mando ? Quem esfolhara ama mas Uma esmola to meritoria, urna esraola de ta- rencia sombra do caf portuense. Tem de
religio de Deus, e cora a regio a justica, a ver- vs as oragSes desses bons jovens ? Fcai certos "3o inferior ao caf de Lisboa, e a vasti-
dade, a crenga, a certeza das cousas que Sos fo.: que elles tero sempre as mos levantadas para o do do estabelecimento, e os tres magnift-
ram reveladas e que todo o homem deve conhecer c0, implorando a divina misericordia em favor 905 ^''hares de que este se ufana, d5o-lhe
(Continuarse-ka.)
->--
civilisacSo verdadeira que vio desenvolver-se e Pralicar ? *enl dir f "des da parte de; de seas bemfeilores, E quando um dia forem sa. jus estima d >S amadores.
mais e mais nestas serenas regios, ao sopro vivifi-
caule do ebr-tianismo.
tai e o futuro de Deus, o futuro em cuja alisa-
cao temos trahalhado, continuaremos trtalhar
cerdotes, podero elles esquecer no Santo Sacrifi-
ca a'quelles que Ihes abriram as portas do sanc-
tuario e os flzeram chegar a' honra suprema de
ministros de Dos sobre a Ierra ? Nao terels uma |
Deus e com soberana autoridade : Sede humilde e
brandos de corago ; e aos ric^s : Dercamai o vos- i
so superfluo no seie da pobreza ; e aos que gover-
nain : A autoridade um mero titulo para dedi-
car-so ao bem dos outros; e aos que sao governa-
aU o fim. Moireremos lalvez sem attingi lo? qual ,jp3 A obediencia uma nobre virtude I
importa I Nossa obrigagao norrer extenuado na;
faiga. Deusnu nos hade pedir eoMa dos resulta-! <*wm ens.nara cora efflcacia todos esses grandes
Ias .ihtidrts- mas sim do esfora feitns Filhos di-' principios, que salvara os povos, que os nobililaro,
^^T*!fg^ SSL* aoe os teem avallar e engrandecer no pleno V* Prec-osa esraola; nenhuraa sera' por millo, Agulha em palke.ro, que sae agora
t^^mr^^^^lSt "armonioso desenvolvimento de todas a, suas for- certo mais do agrado de Dos e mais digna de mesmo do prelo e que se vem juntara
C gas vivas ; quem, diremos nos, capaz de fazer tu- vosso corago. magnifica lisa d'este editor, a quem. ma.S
do que a qualquer outro, est actualmente
Eis o que temos d.sposto para me.hor regular o devendo immens0 a |iUeratura nacional.
modo de recoihe las: Deixemos ao lado direito a ra dos Cle-
uepois de termos dado esta prova de im-
parcialidade, continuemos o nosse gyro.
Passemos por efronle do edificio da c-
mara, com o respeite a que tem direito es-
tas residencias municipaes; tornemos a pra-
parte as boas obras que elles praticarero? Eo ca, e paremos finalmente diante-da livraria
nnirieTo immenso d'aimas que eiies saivarem nao Mor, casa pereitamente lisbonense, emeu-
vos bemdirao durante toda a eternidade ? Dai,1 jas estantes campeia o lindo romance de Ca-
Deus pela elea felicidade de vossas almas. Paris-
.o c necessario, antes de ludo, fazer reinar em
vos Jess Christo, caminho, verdade e vida ; Je-
us Quisto no seu espirito de sanlidade, na pleni-
ini
oh o
do isto seno o padre, con a palavra do Evangelho
nos labios, e o amor das almas no corago 1 Nao
rejeitaraos os outros elementos da civilisago ; oque
sua torga, na perfei.-o de seus cami-;dizeraes que sem este, todos os mais sao insuf.
na comraunho de seus adoraveis myle-1 Acientes.
los; (l) Jess Christo, com sua pureza, sua hu-
mllde, sua castidade, sua resigoagao, seu amor do
suffrimento, seu desapego do mundo, sua unio a
D us ; Jess Christo, dominando em vs, cruciA-
caado em vossos coragdes todas as paixdes ms,
io) o movimento desordenado e impuro; dirigi-
jj vo sos pensamentos, desejos, esperangas, pala-
vras e aegoes exteriores pela norma viva da ver-
dade e da justica eterna de seu pai, eis o que que-
remos.
i. Os Rvds. parochos de toda a nos^a Jiocese, g&S, ao lado esquerclo a ra de Santo An-
cora o zelo de quera muito contamos, lero no pul-. tomo, vamos segumdo em frente, ale en-
pito uma ou muitas vezes, conforme a ppporluni- tra'rmos na ra das Flores, onde OS ourives
luterrogai a historia, e ella vos responder pela dade, esta nossa carta pastoral, e faro circular apresentam na vidraca das suas loias expos-
bocca insuspeita de Gulsol: O sacerdocio catholico exemplares dellas em toda a sua parochi?. | tQg admraC70 das mu|j,res do povo for.
foi o primeiro iniciador, o grande educador das na-! 2.0 urna vez no anno os mesmos Rvds. parochos midaveis arrecadas e cordoes, proporciona-
ges civilisadas da Europa Eis porque rehabili-' !ahiro com toda a decencia pelas casas ou sitios' dos forca muscular deste sexo frgil, que
tar o clero, viuga-lo dos ultrages que umaimpieda-' recolhendo as esmolas em dinheiroou em gneros, j poe bahus cabega, e arrasla sceos nos ps
de estlida nao cessa de langar contra elle ; aug- que Ihes forem offerecidas pela piedade dos Aeis. If que de certo andara em equilibrio insla-
raentar o numero dos sacerdotes fiis; promover i _- .I vel, se estes formidaveis conlrapezos nao
por todos os meios a educago einstruego de uma 3 De volta decada araa des-as excars5es nos viessem contribuir para conservar a posigo
dasse chamada a to altos deslinos, fazer a obra enviaro uma relago exacta das esmolas recolhi- ertical das popuiares p0rluenses.
das e os nomes das pessoas que as oBertaram, o Co.linuemos descendo sempre, caminbe-
que ludo Acara archivado na nossa secretaria para j mos em directo ao rio ; agora vamo-nos
mais eminentemente vantajosa ao paiz, assim como
SB, a nos aindajue indigaissimos, est conAa- Ia religio.
da esta gloriosa raisso 5 a mi.-so da santa igreja Eis porqae o nosso voto mais ardente, o nosso
catholica uo meio das vicissiludes dos seculos e anhelo, a nossa ancia continua ; a oragao que a ca-1
das nagoes; ou para melher dizer, a missao de da passo nos est prorompendo do intimo d'alma e ,menle no,a exacla das esmolas 1ue lnes forem e?-
Jc-us Christo, connuada, prolongada, desenvolv- que deseja'ramos repetir a cada respirago do nos-1 pontaneamente offerecidas 00 correr do anno, e
era todo o lempo constar.
4. Os mesmos Rvds. prochos tomarlo Igoal-
da pelos seus apostlos ateo ultim dia do univer-
so. O que quiz o verbo perfeitissirao e vivo, o que
so peilo. esta : Senhor 1 manda operarios para a ilrao em temf fazendo remessa de todas ae nosso
tossa vinha I Esla a obra principal do nosso R"m- vigario-geral, que dar o competente recibo
tem querido depuis delle lodos os seus ministros, episcopado ; ella vos interessa no ultimo ponto ; e as fara entrar para a caixa-pia da diocese.
seiio diiatar neste mundo o reino de Deus, e sua
gloria; remindo as almas do capiiveiro infame do
peccado, e fazendo-as respirar na gloriosa liberda-
de dos filhos de Deus t O que quiz o Salvador Je-
ss, o qae quizeram depois delle os seus ministre,
se nao eslabelecer no mundo uma-vasta sociedade
por este motivo que reclamamos tambera vossa |
coeperago.
sim, irmos, e Alhos muito amados, precisamos
S. Na escolha que se tiver de fazer de novos
perder com toda a certeza, porque eu .nestas
excusses sou como Vctor Hugo...
Son como Vctor Hugo Quem ha abi
que se nao tenlia aproveitado d'uma predi-
lecgao qualquer d'um grande homem, para
se equiparar a elle ? Ai de quem ousa fa-
zer o publico seu confidente, e contar-lhe
as manas, as fraquezas humanas a que est
sugeit 1 Encontra logo uma immensidade
ropa, se attender de preferencia, em gualdade
de vossa cooperago : precisamos que nos ajadeis de circunstancias, aos pataraes dos lugares que
alumnos para irem completar seus estudos na Eu- d^collegas, que se jactam d'esse ponto de
contacto, e que deixam benvolamente pen-
da caria pastoral um appello solemne que fa- mais 'i'erem concorrido para a obra da educagio.
, adorassem ao Pai Celeste era espl- JJ ,9d0S VS em aVOr desta br impor,an-| Crescoi, araados filho: na graga e no conheci-
rilo e verdade, (2) nraa gerago escolhida, um sa-! ^^ enlo de Nosso Senhor e Salvador Jess Cbristo'
rerdocio real, uma gente santa, um povo de ac-| Vendo a immensa "tildade que resultara s | A Elle seja a glor.a, assim agora, como no da da
quisigo; (3) obedecendo le do Senhor, vivendo j duas provincias confiadas ao nosso cuidado pasto- eternidade. (H)
Dada era nosso .palacio episcopal de Belm do
neste secuto segundo as regras da piedade, da jos-! ral> de ^^ constantemente nos raelbores semi-
llca e da temperanga ; abomioando a impiedade e narios l'Europa alguns jovens, que all se formas-
sar a quera os o uve que n5o para n'isto a si-
milhanga
Consta, por exemplo, que Alfredo de
Musset |>ebia enormes dses de absynlho.
NSo ha psssoa alguma que se resolva a to-
mar um copo d'esse amargo licor, sem
prim iro dizer: Sou como Alfredo de
as paixoes carnaes;(4) amanda-se, ajudando-se
aos ios outros com continua caridade, todos de um
mesmo sentido, compassivos, amadores dos irmos,
oiisericordiosos, benignos : nao tornando mal por
sem com mais perfeigo aas sciencias^ na piedade de n^ssas armas
proprias do estado sacerdotal, para aili temos en-
viado 24 alronos, a flor do nosso seminario, os
quaes se achara espalhados eratreze differentes dio-
Para, aos 10 de margo de 1865, sob o signal e sello' fusse .Sabe-se qoe o cardeal de Riche-
E' do Sr. Or. M. F. de Menezes Doria es-
ta poesa:
(offerecida aos voluntarios de per-
MANBUCO.)
Q:e importa que Cam5es o luzitano
Cantasse mil bares assignalados,
Erguendc-os em seu verso soberano
T as orlas dos Cus abobadados ?
Que importa que no solio taprobano
Recordasse motivos sublimados,
Para erguer um padro patria sua
Madrasta de poetas, Lizia crua?!
Que importa se na terra do Cruzeiro
Mais bares do que mil ha destemidos,
Cujosangue serpia brasileiro,
Cujos peitos de bronze sao vestidos,
Bronze na cor do Indico trigueiro,
Bronze n'audacia e rasgos nunca ouviios?
Se nos temos Vieira, llenrique Dias,
Camarao e oulras muitas valentas ?f
Temt-s da patr;a heroicos voluntarios
De nosso bro e nossa integridade
Pugnadores, quaes foram os Templarios
Pela Cruz, pelo Deus da Christandade,
Que a grimpa de gachosjsanguinarios
Vo torar co'a mais justa anciedade,
Vtngando-nos de quem nos fez escravos
Com vingaoca porm propria de bravos.
Ao seio das Americas nascenies
Em virgneas paragens abordaram
Audases filhos de ignotas gentes.
Que ignotas de veras povoaram.
Onde fazendo oceupaces frequenles
Do novo raunt; i duns se chamaram.
Sem que humanos direitos usurpassem
E do jus de conquista precisassem.
Em mil tribus se foram dividindo
Em sombras florestas se embrenhando
Temivcis animaes j perseguindo,
Ouiros meos temiveis j cagando.
Da passaros e fructos se nutrindo,
Innmeros fraguedos habituado,
T que um dia ilespanhoes os invadiram
Guerras cruas ento d'edes sentiram.
As langas que os Hibericos jogavam
E as espadas de ferro rutilantes
Ao peito do gento se atiravam
Enviam zuir retrogradantes
nal, nem viiuper.o por vituperio, mas, pelo contra- j ce9es de FranCa> e aPPl'cando-se aos eslodos com
no bemdizondo; (3) despojando-se de toda colera,! rande aproveitamento e recebendo essa preciosa
ra'malicia blasphemia, palavras torpes; revs-1 edacago que tem feito aqoelle clero um dos,mais
+ ANTONIO, BISPO DO PARA.
lindo-se, como escolhidos de Deas santos e amados
de entranhas de misericordia, de benignidad*, de
tmraildade, de mansido, de longaniraidade; (6) em
uma palavra vivendo lodos segundo a vontade de
nosso grande Deus, Salvador Jess Christo, que se
enlregou por us a raorte, adra de nos resgatar de
toda inlquidade, para formar para si, um povo per-
eiio particularmnte consagrado ao tea servigo
e fervoroso as boa sobras. (7) Eis, pois, o que nos
queremos; eis no que trabalhamos noute e dia;
a obra de Deus. Domine, opus tuum I (8)
Has esta obra n|o obra para am s homem ;
rio diz o Evangelho que o pai de familia mandas-
so um s operario para a vinha ; mandou muitos;
inuilos com effeito sao precisos. S considerando o
territorio que nos foi confiado, qoe rea immensa
para desenvolver-se o zelo de cem infiaromados apos-
tolosl
Que larguissimo campo a rotear I que gentilida-
des a converler I quantas populaces dispersas por
instruidos e moralisados do mundo.
Em verdade, quando se v todos os dias mime
M POUCO DE TUP9.
lieu gostava in menso de gatos; ningnem
faz>fe tas ao carocho sem accrescetar: Sou j Com chuveiro de flechas que voavara,
como Richelieu! ,. I Que das raaos dos indgenas possantes
Autonsado por tantosexeraplos, pecoli-\Z r
cenca aos leitores pata Ihes dizer que sou|^ual dose, de nuvens farruscos
como Vctor Hugo, o qual to pouco amigo | Partiam como farpas luminosas #
de perguntar, que andou immenso lempo
grocun da cathedral de Colonia, como os
incrdulos podem verificar, jias admiraveis
cartas de sua viagem ao Rbeno.
Era a voz de instinctiva liberdade
tQue bradava, luctae, filhos avante !
Petejae com maior anciedade,
Pois com esias ideas, caros leitores, esta- 4Que a aupora de amanh5a vira brhante!
quelles admiraveis asylos onde se tem formado e
se continan) a formar tantos pios sacerdotes que
sao a gloria de seo paiz e da igreja I Se por este
modo obtivermos (e obteremos) encllenles padres,
pastores virtuosos e dedicados, dignos de confianga
e da estima publica, nao certo qae todos aprovei-
taro com isto : vs mesmos, vossos Albos, o povo,
o clero, a provincia, a diocese toda ?
Sim, o Para qoe j teve a honra de offerecer a'>
igreja de Dos tres bispos, nm dos quaes foi am
lazeiro de sciencla, o oatro am prelado segando o
coraco de Dos e o terceiro Tara' em breve, coro
este immenso valle do Amazonas I que profunda I SQas modestas e corajosas virtudes,' a gloria o re-
ignorancia dos mysterios da religio I qoantos me-' Danho qoe |ne Tai ser conAado ; o Para' nao se
olnos por aqoelles lago?, raargera daqaelles re- j enchera' de nobre orgulho vendo sempre as filei-
motos rios, crescendo sem baptismo, sera instrnc- rag de gea cier0 homns distinctos, que perpetaem
pao, sem trabalho, sem moralidade, sepultados na esUs g|0nesas iradicgdes do sacerdocio, as qnaes
Este folhetim do Sr. Pinheiro Chagas.
Cerrei o folhetim passado, abandonando
rosos mancebos irem civilisada Europa para l os leitores na praga Nova ou antes na pra-
cuitivarem diversos ramos de sciencias 00 de ar-1 ga de D. Pedro, como a cmara municipal' moVp"erdido7p"rdrdos VolabyVTnTho las! -T*?"'
tos, uns as matbomat.oas, outros 3 medicina, esies, ordena com to pouco successo como a ve- vielias estrellas escuras emmaranhad^s E da noule M densa esCur.ldade
as sciencias naturae?, aqueiies a arcmtetura, a roo- reacao da sempre leal cidade de Lisboa d$- que vo ter a Miragaya. Comludo. encost-'! E dia ao ca!or mais suffocaote
sica, oo a pintara, como delxar de recochecer a creta que tenha egual nome o largo do Ro-; mo-nos um ao outro,' e vamos por ahi fra, O sybilo das setas nao parava.
ntilidade de irem tambera alguns aspirantes ao sa- co, o que prova que o nome de D. Pedro, j o Porto primitivo; da mesma frfca que O brago americano nao caocava.
r uma educago mais esmorada na. to glorioso em homens, d-se mal decid- a primitiva Lisboa, do mesmo modo que
damente com as esquioas das pracas. I todas as cidades, que brolam a beira dos
Sem mais reflexoes, e attendendo a que rios, agrupou-se timidamente, mirando-se
o leitor deve. estar farto de sentir a bolha
tiarbaria a mais grosseira e hedionda
(i) Palavras de ama bella oragao.
(2) Joarn. IV 23.
h) I Petr. II 9.
(4) Tlt. II 11.
(3) I Petr. III. 9 10.
(A) Col!. VI. 12.
(7) Til II. 14.
(8) Habae. W 1
aqui, como por toda a parte, merc de Dos se tem
ainda felizmente conservado ? Ajudai-nos, poi, a
reallsar um pensamento tao grande e to fecundo
para o futuro destas duas Provincias.
Aim dos alumnos enviados a' Eurepa, temos
ainda no nosso seminario 58 "ue nos enchem da
(9) Loo. X. .
dos tamancos, e de contemplar o madejra-
mento central do largo, chrysalida bastante
feia, donde ba de sair, segundo creio, nao
uma borboleta mas ama estatua, vou ofe-
recer-me para Ihe servir de guia, meio se-
gurissimo de se extraviar, porche eulhes-
rao ainda nao fui capaz de voltar ra do
Borajardim, sem ter feito primeramente
um gyro completo em torno da praga, como
se fosse cavrlleiro de te i radas, e andasse
ejecutando as cortezias preliminares.
Consolemo-oos com a opioio do para-
doxal Mry, que assevera nao servirem os
II
no torvo espelbo de seu Douro, como a do-; A mesma rac de Hibericos
nosa Lisboa mirava os seus encantos no lim- Porm mais degenerad 1
pido cristal do Tejo ; mas nao foi to im- Hoje nos vem assaltar
prudente nesses enlevos de vaidade, que; A |anca ^ aDtigas eras
espraiasse as suas casas por toda a margem, ,. mnnmAn
formando longa fila parallela correte, e Contra nos arremegada
perdendo a seguranca com a extenso. As Anda nos quer toe r.
habitaces foram trepando pelos penbascos,'
que se empinavam tremendos beira do rio be a 1'50 (Iue recberam
aperU'do neste kilo de fragas, at licarera Anda nao foi stibeja,
todos a sombra do paco episcopal, que se E' mister outra Ibes dar
ergueu entre ellas com o seu asp c o mais Quena hontem brando a flecha
guias seno para extraviarem os impruden- do a que o bispo era oo s p& espiritual, Noule e dia sem cancar,
tes, que a elles se confiam, e andemos vo-! mas senhor temporal, e que pssuindo os Ca :na,;n.in.\a oor.B
,luDtaiament roda do largo, antes que a habitantes do Porto em corpo e alma, por, -e ,nsiincroue ^ll?res
minha ignorancia nos obrigue a fazer oTbes- norma os tinha seguros no seio da egre- Foi quem movea-nos outr'oi a
mo involuntariamente. j^a, que multo arteiro havia de ser o demo-
Aqui tem os meus caros leitores o caf: no, se fosse eapaz de se apossar d'uma
portuense, o mais notavel, segundo creio, peroa, s que fosse, d'um cidadJo porlo-
ilO) I Tim. VI..R
(11) II Petr. III. 18.
esse
Por nao tomarem as outras cidades estas
A d'elles nos defender
Pela mesma liberdade
Pugnaremos agora,
Paraguay, at morrer,
A pennsula indo-chineza parece ser a pa-
tria aborigene dos elephantes, t5o crescdo
acola o numero delles.
Estes animaes pullulam as florestas de
Laos e de Camboge.
Comprara se por um prego inferior ao
que aqui custa um jumento.
Era certos districtos de Laos, os habitan-
tes'podem satisfazer a importancia da deci-
ma com denles de elephante, e o re de Sio
nao recebe menos de 3:0oO piculs, ou
180:000 kil. de marim por aqpo.
Este marim vendido aos qhioezes pela
administrado. '
Ha em Laos elephantes brancos ; mas sao
mui raros.
Logo que se avis a n'algum districlo um
elephante d'esta cor, os magistrados, imme-
diataraente informados do facto. tomam to-
das as disposigoes tendentes captura do
aiimal, que considerado de direito pro-
priedade regia. Todo aquello que apresen-
ta um elephante branco, recebe em troca
urna concessao de terrenos, transmissivel
aos seus herdeiros ; fica exempto de deci-
mas, de trabalhos toreados e do servigo mi-
litar ; promovido para outra classe mais
elevada do que aquella em que se acba na
ordera social, isto se elle lo-ang (bur-
guez),1 por exemplo, passa a ser pyray-
pkra (pequeo lidalgo).
Se uma povoacao inteira tomou parte na
captura, fica exempta de impostos por ura
espaco de lempo determinado.
O elephante branco, conduzido com gran-
de pompa a Bangkook. capital ds Si3o, re-
cebido pelo rei e por toda a corte em uni-
forme de grande gala.
Offerecem-lhe o arroz sagrado e o choura-
choum (agurdente de arroz.)
Destinam-!he para residencia uma cochei-
ra-palacio, ao lado dos seus collegas da mes-
ma cor.
O cons lho de estado leune-se para con-
ferir-lhe um titilo real.
Os ourives da cor3 sao encarregados de
fundir anneis de ouro para adornar-lhe os
denles.
Emquanto viver ser servido por princi-
pes de sangue, o que n5o admirar tanto,
quando dissermos que em resultado da poly-
gamia dos reis e dos principes, a familia
compoe-se de setecentps a oitocentos prin-
cipes de ambos os sexos.
Os elephantes brancos comem em bacias
de ouro massico.
Depois de morios recebem as honras
reaes.
Um historiador est incumbido de contar
a largos traeos os eitos deste grande vulto.
Os elephantes pardos, menos notaveis
verdade, mas mui lo mais uteis, s3o empre-
gados em muitos e variados trabalhos.
Arrancara ou derrubam aores e para
construccao ou para limpar os terrenos que
vo ser cultivados : se se trata de emolir
casas v. Ibas, em poneos minutos executam
a tarefa, que cemlrabalbadores nao levariam
a cabo em menos de 24 horas. Rebocara pa-
ra terra os juncos e as embarcagoes que ca-
recem de concertos, e ao longo das mar-
gensdos rios os barcos carregados. at mes-
mo contra a crreme.
Fazem o^servico de crrelos nos pontos
em que nao ha causes.
Transportan sobre o dorso pesos enor-
mes e raarcham sobre qualquer caminho.
E' curioso ve-Ios carregarem-se a si pro-
prios de lenha que elles fazem, e de ervas
para sustento dos seus camaradas e dos bu-
falos.
Esta operac5o feita com tanto cuidado
e dextreza, que nem sequer cae a terra orna
apiraou una follia do vasto dorso destes
animaes.
t^ gi
Em resposta quelles que, folgando pelo
derramamento dos fermentos de discordia,
naocessam de dar vulto e adulterar os equ-
vocos que tiveram lugar entre Vctor Em-
manuel ea sua antiga capital, narraremos
uma ancdota authentica, como prova dos
verdadeiros sentimentos patriticos de Tu-
rin.
Recommeniaremos em primeiro lagar ao
leitor, que Gianduja- a mascara typica de
Turn, assim como Arleccbino e Rugantino
caracterisam Bergamo e Roma.
Passeava, um dia, o rei de carruagem pe-
las ras- de Turin, seguido de um numeroso
sequilo a cavallo, composto de toda a no-
breza d'essa cidade, quando um Gianduja a
cavallo se approximo de Victor Emanoel.
Esta mascara apenas trazia vestida ma
camisa por cima de um calc5o. de meia, mas
tanto a camisa como o caleSo eram lo mais
fino tecido, e a maneira porque Gianduja
montava a cavallo provava que elle pertencia
a*'classe elevada da sociedade.
Senhor, disse elle ao rei, aqui est o
pobre Gianduja; s Ihe resta a camisa que
mal o cobre; mas da-la-ha, se a salvacao da
patria e vossa magestade o exigirem.
O rei pegou-lhe na mi, e apertando-lh'a
entre as suas:
Meu caro Giandtyt/lhe respondeu, se-
jamos amigos para podermos levar a cabo o
que ainda resta a fazer na Italia.
Este pequeo incidente causou, como
fcil suppr, a mais agradavel impress5o.
O jornal francez Courrier de Lyon annun-
ca a morte do clebre meteorologista, M.
Mathieu de la Drme. ,
PERNAMBUGO.-TYP. DE M. P. DE F. 4 KILtlO





y

^r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM2SHW04X_AXBGS4 INGEST_TIME 2013-08-28T02:10:06Z PACKAGE AA00011611_10654
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES