Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10645


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AlfJfO ILI. ROMERO 88
' ".v
4^

R
\
i

^r qiarlelMgodentrd0 4ias^4.oBez ...::.. sfOOO
dem itfh des i.os 10 (lias do conecte e> tro d qnartel. .
Ptrte etrreit ptr Ireg Me* .
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o 3r. Antonio Alejandrino de Lima;
. Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; f.ear, o Sr. J. Jos de
Oliveira Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves 4
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Bineiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buiqjje, S. Bento, Bom
Conselho,, Aguas Bellas e Tacaral, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Lirnoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
Serinhiem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDS8 DO MEZ DE ABRIL.
2 Quarto cresc. as 10 h., 59 m. e 22 s. da t.
11 Lnacheiaas i h., 17 m. e 5s. da ra.
18 Quarto ming as 9h., e 16 m. da t.
27 Lna nova as 11 h., 53 m. e 46 s. da ra.
TERCA fElRA 18 DE ABRIL DE 1865.
Por anno pago dea tro de 10 dias do i. Hez ,,,.,.. 49JOOO
Porte ao correio por ano.........., 3J000

AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commem'o : segundas e quinta?.
Relago: ierras e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jnlzo do comoiemo: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
17. Segunda. S. Aniceto p.; s. Fortunato ra.
18. Terja. S. Galdino b. card.; S. Anthia ra.
19. Quarta. Ss. Expedito e Anstonico rara.
20. Quinta. S. Ignez do.monte Policiano.
21. Sexta. S. Anselmo are.; S. Abdecalas m.
22. Sabbado. Ss. Soler e Caio pp. mm.
23. Domingo. S.Jorge m.; S. Adbertob.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 m. da manhaa.
Segunda as 10 horas 30 e minutos da tarde.
PARTIDA. DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 c 22 de cada raez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figneiroa de
Faria & Filno.
PARTE GFFK1AL
SOYEPO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 12 de abril de 1863.
Olllcio ao Exm. desembargador provedor da
Santa Casa de Misericordia.Approvo a arremata-
ra a das rendas da casa n. 21 publico e 58 particu-
lar da travessa da Madre de Deus, outr'ora ra
do Azelte de Peixe, de que trata as clausulas espe-
ciaes que acompanharam o offlcio de V. Exc. de
11 do corrente, sob n. 141, a que respondo.
Dito ao coronel coramandaute das armas.Res-
pondendo ao offlcio de V. S. de 6 do corrente, sob
n. C33, tenho a dizer-ihe que, segundo informa o
director das obras militares em offlcio de hontem
datado, sob n. 15, a demora havida no concert ao
fogso do hospital militar proven) da falla da chapa
de ferro que o arrematante nao tendo-a encontra-
do no mercado, mandara busca-la fra do im-
perio.
Dito ao mesmo.S'rva-se V. S. de mandar alis-
tar no corpo de Voluntarios da Patria a Nicolao
Nunesda Silva,Ladislao Nicacio Himenes, Joaquim
Nicacio de Miranda, Jos Joaquim de Sant'Aona e
Joaquim Jos Ramos.
Dito ao mesmo. -Devols'o os papis que vieram
annexos ao seu offlcio de hoje datado, sob n. 644,
alim de que V. S. mande orgauisar e me remeta
urna relagao dos individuos apresentaios pelo ca-
pio Joo Vicente de Brito Galvo, que efectiva-
mente asseolaram praga no corpo de Voluntarios
da Patria, declarando-me o da em que isto teve
lugar, assim como e em que foram alistados por
aquelle capito.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. ajuslar contas al o tim do mez cor-
rente e passar guia de soccorrimento ao 4o bata-
lho de ariiiharia a p, que tem de seguir para a
corte.Cv mmunicou-se ao coronel coromandante
da* armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Transmiti a V. S. a inclusa coota, alim deque,
nao lia vendo inconveniente, mande pagar a Anto-
nio Domioguesde Alenla Poea, conforme solli-
citou o chefe de polica em offlcio de, hontem, sob
o. 540, a quantia de 76#8i)0 despendida no trimes-
tre de Janeiro marco deste anno com o sustento
dos presos pobres da cadeia do termo d'Agua-
Prela.
Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente,
mande V.S. pagar a Joo Carlos Augusto da Silva
a quantia do 1:8I4#082, proveniente da despeza
feita com o sustento e dietas dos presos pobres da
casa de detencao, durante o me. de marco ultimo,
como se v dos inclusos documentos que paj a es.-e
fim me foram remettidos com offlcio do chefe de
polica, datado de hontem e sob n. 532.
Dito ao mesmo.Remello a V. S. os inclusos re-
cibos em duplcala, na importancia de 120&000,
proveniente do aluguel da casa que servio de ca-
deia no termo de Cabrob, a contar de junho de
1863 al o 1 de marco ultimo, alim de que mande
pagar ao Dr. Manoel do iNaseimcnto Machado Por-
lella, para sse indicado pelo chefe de polica em
offlcio de hontem, sob n. 535, a quantia relativa ao
exercicio corrente, fazendo prore.ssar a que disser
respeito ao exercicio j encerrado de 1863 a 1864,
para ser salisfeila quando rrnuver crdito.
Dito ao mesmo.E>n vista dos inclusos docu-
mentos e nao havendo inconveniente, mande. V.
S. pagar a Luiz Gomes Dourado, procurador de Ma-
noel Dias Fernandes, conforme sollicltou o chefe
de polica em offlcio de hooteni, sob n. 529, a
quantia de 60$000, proveniente do aluguel vencido
no trimestre de Janeiro marro desle anno, das
casas que no termo d'Agua-Preta servem de cadria,
bem como de quarlel ae destacamento de polica
ali estacionado.
Dito ao cnsul de Portugal.Tendo esta presi-
dencia revogado a deciso constante do offlcio di
rgido em i! de maio do anno passado ao Sr. cn-
sul de S. M. F. nesla provincia, em vista do aviso
por copia incluso, expedido pelo ministro e ledra-
tario de eslado dos negocios estrangeiros em 7 de
junho daquelle anno, assim o communico ao Sr.
Dr. Clandino de Araujo Gumares, alim de que,
de confrmidade com o mesmo aviso sobr'esteja na
arrecadago do espolio de Anna Francisca da Cos-
ta, enviando para o juizo de orphaos deste termo
qualquer trabalho que houver feito a semelhante
respeito, c proceda de igual modo quanto ao inven
tario da mulher de Manoel Jos Carneiro, cojos li-
lhos menores acham-se exactamente as mesous
condigoes dos da predita Anna Francisca da
Costa.
Renov ao Sr. cnsul Dr. Claudino de Araujo
Gumares os meus protestos de eslima e conside-
racao.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Olinda e Iguarass.-D V. S. suas or-
dens para que o 9 batalho do infamara da guar-
da nacional sob seu commando superior preste urna
guarda de honra para arompanh tr a procissao do
Senhor Morlo, que tem de sabir do convento de S.
Francisco de Olinda as 6 horas da larde de 14 do
corrente
Dilo ao mesmo.Ordene V. S. ao commandante
do 9 batalho de infamara da guarda nacional
sob seu commando superior, que preste urna
guarda de honra para acompanar o Senhor Res-
suscitado, que tem de sahir em procissao da igreja
do convento de Nossa Senhora das Neves da cida-
de de Olinda, na manha de 16 do corrente.
Dito Francisco Xavier da Costa Agoiar e An-
drade (em Londres).Remetto a V. S. para oslins
convenientes, o offlcio em original que em data de
hoje me dirigi a comraisso encarregada da liqui-
daco das contas da garanta da estrada de ferro
desta provincia, e bm assim a copia da acti e ba-
lando relativos s contas da receila e despe2a do
mez de marco ultimo.
Dito ao director geral da instruego publica.
Em vista do que pondera V. S. em seu offlcio de
hoje datado, seh n. 112, com relaco a professora
Digna de Sania Rosa, designo a da primeira cadei-
ra de S. Jos desta cidade, Joanna Justina de Si-
queira VarejSo, para substituir aquella na commis-
so de exame de que traa o seu citado offlcio.
Dito ao commandaate do corpo de polica.Pode
V. S. dar baixa do servido aos cabos de esquadra
Jos Francisco da Costa, Manoel Francisco Suassu-
na, e soldados Manoel Gongalves Bority, e Manoel
Pedro dos Santos, todos do corpo sob seo comman-
do, visto que fioalisaram os seus engaj^mentos e
nao querem continuar no servido, como V. S. deca
ron em sua informago n. 129 desta data.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. a engajar para
o ser vico do corpo sob seu commando o paisano
que para Isso fol julgado apto Jos Francisco Rodo-
valho, de que trata o seu offlcio n. 130 desta
Dito ao Dr. Emigdio Marques Santtago.-Mandei
abrir assenlamento de praca no corpo de Volunta-
rios da Patria ao cidadio Jos Flix da Silva, que
se acha empenhado o paiz, conced por despacho
desta data a licenca de dous mezes que Vm. solici-
ta para vlr a esta capital, fazer-me pessoalmento a
apresentacao de seus ditos fjlho e sobrinho, com
a condicao porm de deixar regendo a cadeira de
primeiras lettras a seu cargo urna pessoa edonea a
juizo do respectivo delegado litterario.
Dito ao vigario da freguezia de Aguas-Bel-
las. Agradecendo com lonvor o patritico oflere-
cimento, que em offlcio de 12 de marco ultimo, fez
V. Bvma., de 15 por cento de sua congrua para
auxilio das despezas da guerra, em quanlo esta
durar, acabo de recomraendar a thesouraria de
fazenda que proceda opportunameote a arrecada-
cao de semelhante offerta e Ihe d a conveniente
applicacao: o que communico a V. Rvma. em
resposla ao citado offlcio. -Offlciou-se neste sentido
a thesouraria de fazenda.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
Drummond.Informe o Sr. Dr. juiz dos feitos da!
fazenda.
Bacharel Hishello Florentino Correia de Mello,
Pause portara concedendo a exoneraco que re-
quer o supplicante.
Hearique Pereira de~Mello,Prove com certidoes
e attestades o que allega, para o que Ihe concedo
o prazo de dez dias, sendo este apresentado ao Sr.
capito do porto.
lrmaodade de Nossa Senhora do Amparo da ci-
dade de Guianna.Dirija-se ao Sr. thesoureiro das
loteras.
Joo Baptlsta do Araaral Concedo a licenca re-
querida, deixando o supplicante em seu lugar pes-
soa idnea a juizo do delegado litterario.
Alfares Joo Gongalves Ferreira e Silva.Infor-
me o Sr. commandante superior da guarda naci
nal do Recife.
Capito Joo Evangelista Nery do Fonseca, sua
de Vmc. alistar na campanhi* de aprendlzes; mulher e duas irmas.Concedo a licenca que pe-
raarinheiros, visto que nao ha vagas na de apren- dem os supplicantes, nao havendo inconveniente,
dizes artfices, nao s o menor Joaquim Pedro Al- [ Jos Francisco de Mendonga.Dirija-se o suppli-
ves, que segundo o seu offlcio n 874 desta data, cante a sua reclaroago ao conselho de recurso.
Ihe fot remedido pelo jniz municipal delegado do Jos Soares Pinto Correia Jnior.Informe o Sr.
termo de Barreiros, roais tambem o de nome Jos engenheiro chefe interino da reparligao das obras i
Francisco de Lemos, que Ihe ser apresentado com publicas.
este offlcio. Joaquim Tavares Rolovalho.-Informe a cama-
Dito ao director do arsenal de cuerra.Remello ra municipal do Recife sobre a irregularidade de
a Vmc. a inclusa proposta de Joo Baptlsta Hay- votaco allegada pelo supplicante.
nos------------------------------
V. S. me apreseotou com o sen offlcio de 5 do
correte, a qne respondo, agradecendo o empenho
com que procura auxiliar o governo no alistamen-
to dos mesmo* Voluntarlos.
Dito a Joo Baptista do Amaral Agradecendo
com lonvor os sentimentos patriticos que determi-
naran) Vmcs. a ofTerecer os servigos de seu fllho
e sobrinho Joo Baptlsta do Amaral Jnior, e Mo-
desto Lins do Amaral e Mello, na guerra em que
mundo dos Santos, para o cosluramento das obras
brancas, mandadas manufacturar por esso arsenal,
afim do que tomando a em consideraco aprovei-
te-a se for ella vaniajosa.
Dito ao mesmo.Faca Vmc. apromplar com
toda a breridade os artigos de fardamento que esse
arsenal tem de fornecer a provincia do Rio-Grande
do Norte, reraeliendo-os para ali a prop%cao que
se .forem apromptando.
Dito ao conseibo de compras do arsenal de
guerra. Recommendo ao conselho de compras
do arsenal de guerra, que compre mil pares de
sapatoes para satisfazer-se com promptido os pe-
didos dos corpos do exercilo e de Voluntarios da
Patria. Commuoicou-se a thesouraria de fa-
zenda.
Dito a cmara municipal de FloresTransmuto
a cmara municipal da villa de Flores, para seu
conhecimento e execuco na parte que Ihe toca,
copia da lei n. 609 de 3 do corrente, que restiiue
ao termo de Cimbres o nacho-Cupite pertencenle
a freguezia da* Alaga de Baixo, o qual havia sido
desmembrado daquelle termo e annexado a esse
pela lei n. 437.
Dito a cmara municipal do Granito.Remello
a cmara municipal da villa do Granillo, para seu
conhecimento e execogo na parte que Ihe toca,
copia da lei n. 608 de 3 do corrente, que Iransfere
a sle da matriz do Senhor Bom Jess da povoa-
cao do Ex na comarca de Cabrob, para a ca-
pella que sob a oiesma invocatao existe nessa
villa. W
Dito ao juiz de direito Dr. Fernando Maranhense
da Cunha. Tendo Sua Magestade o Imperador
de.-igoado a comarca do Suua na Parahiha, para
nella ter Vmc. exercicio, como consta de offlcio do
fixm. presidente da provincia do Cear de 31 de
margo ultimo : assim Ih'o communico para seu
conhecimento, declarando que de confrmidade
com o disposto nos arts. 17 e 18 2o, combinado
com o arl. 16 do decreto n. 687 de 26 de julho de
1850, Sea marcado o praso de seis mezes, para
Vmc. entrar ali em exercicio.Fize.ram se a esse
respeito as necessanas communleacoes.
Dito ao cht-fe inlerino da repartico das obras
publicas.Concedo a aulorisaco que Vmc. pedio
em seu offlcio de hontem, sob n. 108, para lavrar
o termo de recebimento definitivo das obras dos
reparos e erabarreamenlo da estrada do sul, a par-
tir do marco 5 a 8 mil bracas, as quaes j se
achato concluidas de confrmidade com o respecti-
vo contracto, cerlo de que acabo de recomraendar
ao inspector da thesouraria provincial, que em
vista do competente certificado, pague ao arrem-
tame de taes obras a quantia a que liver dire-
lo offlciou-se a thesouraria provincial.
Dito ao mesmo -Autoriso Vmc. nos termos de
sua informado de 8 do corrente, sob n. 105, dada
com referencia ao reqnerimento da viuva do em
preileiro Jos Mamede Alves Ferreira, a receber
provisoriamente as 200 bragas do empedramento
que j se acham promptas e fazem parte das 220
Dragas que aquelle empreiteiro se obrlgou a fazer
na estrada do norie, no lugar denominado Santo
Amaro, urna vez que a predita viuva se obrigue
a mandar apromplar nos termos do contrato cele-
brado com o seu fallecido mando as 20 bragas que
ainda faliam para complelar aquelle empedramen-
to.Communicou-se a thesouraria provincial.
Dilo ao mesmo.Pode Vmc, conforme solicitou
em seu offlcio de boniem, sob n. 107, lavrar o ter-
mo de recebimento definitivo dos reparos e embar-
reamento j concluidos na estrada do sul a partir
do marco 4a 5 mil bragas, ficando na intelll
gencia de que a thesouraria provincial tem ordem
para pagar ao arrematante daquellas obras em vis-
te do competente certificado a quantia a que liver
direito.
O que declaro a Vmc. em resposla ao citado offl-
cio.Offlciou-se a thesouraria provincial.
Dito ao thesoureiro das loteras. Attendendo ao
que requereu a mesa administrativa da confraria
de Nossa Senhora do Amparo da cidade de Goian-
na, autoriso Vmc. a mandar entregar ao thesourei-
ro daquella coafraria Francelino Ferreira Crespo,
depois do prazo da le e de haver prestado Manca
idnea na thesouraria provincial, o beneficio d lo-
tera exlrahida no dia 8 do corrente em favor das
obras da igreja da mesma ^enhora, devendo o re-
ferido thesoureiro prestar contas oppertunamente
naquella repartico. Communicou-se a thesoura-
ria provincial.
Dito ao gerente da compaohia Pernambucana.
Pode Vmc. fazer seguir para os portos de seus des
tinos os vapores P rahiba e Persinunga nos dias e
horas indicados em seu offlcio de II do corente
Portarla.O presidente da provincia, deferindo
o requerimeoto do bacharel Hisbello Florentino
Correia de Mello, resolve conceder a este a exone-
rarlo que pedio do cargo de delegado de polica do
termo dj Brejo.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na mande dar transporte em lugar de r, destinado
a passaneiro de estado, at Macei no vapor Para-
hiba a Joo Pereira dos Santos.
Despaches do dia 12 de abril de 1865.
Requerimentot.
Antonio Joaquim de Santa" Anna. Informe o
Sr. capito do porto.
Cordolina Mana do Sacramento.Informe o Sr.
coronel recrutador.
Capito Eduardo Frederico Banks. Volte ao
Sr commandante superior da guarda nacional do
Recife para expor o imis que loe occorrer.
Emiliano Antonio da Silva.Dinja-se ao Sr. co-
ronel commandante das armas.
Atieres Francisco Xavier Rodrigues de Miran-
da. Satisfaga a exigencia da contadoria de fa-
zenda.
Flix Jos Filgueira de M'nezes.Remettjdo ao
Sr. delegado do districto de Jaboato para verificar
por si mesmo a exactido de que allega o suppli-
cante sobre a cerca que emharaga o transito da es-
trada a que elle se refere.
Brigadeiro Gaspar de Menezes Vasconcellos de
D. Mara Theodora da Costa Alves Ferreira. ;
Dirija-se a thesouraria provincial.
Miguel Candido de Medeiros Pinto. Nao pode
ser atiendida a preteago do supplicante por ler
sido o thealro concedido a outro.
Maria da Cruz. Ioforme o Sr. capito do porto.
Manoel Nogueira da Costa.D-se a certido.
Maria Jos Amalia de Miranda. Informe o Sr.
director geral da instruego pdblica.
INTERIOR.
Km, 8 de abril de 18C5.
O conselheiro Prannos que aqui chegou de vol-
ta do Rio da Prata tem sido visitado como nao faz
idea. Nao Ihe tem faltado asmis sinceras demons-
tragdes de estima e agradecimento pelo servigo re-
levantsimo que prestou aopaiz,assignando o con-;
venio de 20 de fevereiro, obra admira ve I de seu
patriotismo e de seu tino poltico. Nao sao s seos
amigos qne o tem procurado ; as pessas que com
elle nenhuma relago linham, tem concomito a
testemuohar-lhe o sen pezar pela grav injustiga
de que foi victima, injustiga que pode ser muite
fatal s nossas relagdes internacionaes no Rio da
Prata, eiii!|uanto se pode prestar as conjecturas de
nosses adversarios que ali i nao dormitan), acerca:
da sinceridade de oossos designios. O proprio go-:
vern11 ja reconheceu tanto a insensatez da demts- i
sao do Hlustre diplmala, que la envUu urna nova
misso especial para persuadir a Mitre e Flores,
que o convenio foi milito bom, muilo digno e muilo
honroso para o imperio, mas que por isso mesmo
devia ser punido com affronta o diplmala que o
negociara, porque assim o exiga a queslo do-
mestica, na phrase do mpagavel Diario Oficial.
Mitre e Flores acceitaram provavelmente as salis-
fagoes do novo plenipotenciaria, mas que triste
idea nao ficaro fazendo do governo deste pobre
paiz I O que nao pensaro de nos se nos quize-
rem afferir por esse triste padro, pela bitola do
stulio ministerio de 31 de agosto !
Esta' hoje averiguado que a demisso do Para-
nhos proveio de duas cousas, que actuaran) junto-
mente : o desejo de populan dado, indo adianto das
mais exageradas susceptibilidades nacionaes, e o
calculo inohil de dominacao partidaria, que na pes-
soa do conselheiro l'aranhos faria o partido deca-
hido, cuja torga seria irresislivel, seas quesitjes do
Rio da Prata fossem satisfactoriamente lerminadas
por influencia dos homens daquelle partido I O
trlumplto reconltecido o confessado do Prannos
em Montevideo importara immediatamente a pre-
senga do Caxias no Iheatro da guerra, e o pres-
tigio adquerido p-r estes allumisria aos olbos ajo-
da .,ue menos vem, a poquenhez, as dtmenses
microscpicas dos pygmeos que nos anarclusam.
Foram estas duas causas que produziram o acto
mais estulto que jamis praticou governo algum.
A ingratido tem por tal modo sido nolada, que se
suppoe sera'a recompensa de muilos oulros que
se dedicarem ao servigo do estado.
Diz-se em alguns crculos que o Sr. Purlado e a
sua gente nos favorecer' com a sua ausencia ape-
nas i-1 rem os seus relatnos. O ministerio que se
aoressou em encerrar as cmaras durante a crise
commercial, que as nao convocou extraordinaria-
mente qnando Lopes nos declarou a guerra nao
pode decedidamente viver mais com ellas. Den-
Ihes por lal modo provas as mais inequvocas de
desconfianza que s a custa de muito servilismo e
abjecgo podera' ser tolerado,. Os saques continua-
dos contra as secretas que todos os dias se multi-
plican) indicara um principio de liqudago. Em
verdaJe anda nao houve ministerio por mais atu-
rado que fosse a sua durago, que pela verba das
despezas secretas tanto despendesse como o 31 de
agosto tem despendido nestes ltimos lempos. Na
secretaria cujas despezas excedem de 40:0005000
aquellas de que a mesma tem conhecimento.
A queslo Prannos tem sido ura Potos para os
ntimos do gabinete. Emquanlo os escriptores que
defendeui o i Ilustre diplmala pagam seus artigos
a tanto por linha, os que o velipendam gan^iam o
tanto por linha. O Furtado e o Dias Vieira sem-
pre que veem alguem com papel na mo vo logo
pergunlando se artigo contra o Paranhos. S o
chefe de polica podera' dizer emquanlo importa ao
thesouro o acto da demisso. sommadas as despe-
zas extraordinarias da missao especial com as de
imprensa. Ha quem calcule esse miseravel pingo
de cera em mais de cera contos I Bagatellas no
caso, o Brasil bastante .rico para pagar a honra
de ser governado pelos homens das paragens ra-
vias e dos lugares obscuros.
Alielma Chegou o Ottoni de Minas, sao como
um pero, farto das linguigas e das gallnhas dos
compadres, livre dos compromellimenios acerca
dos fados occorrldos em sua ausencia. Diz que
muito franco, e por. isso condemna o Paranhos e
elogia o acto de sua exonerago. Temos elementos
suficientes para dar cabo do Paraguay e salgar-
ilie a trra, inclusive o chico, e nao precisamos de
diplmalas. Que magaoo ? (lomo sabe o nome aos
bois 1 Aponte, ainda nao houve quem pedisse ao
governo a publicacao do lando dos engenheiros so-
bre as malvenagoes do Ellison denunciadas pelo
capito Viriato I Que paiz I Que siluago I
(Carta particular.)
siderada urna milicia de grande conflanga em cer-
tas circumstancias, no Amazonas, com maior torga
de razo, nao se devena dormir tranquillo sob a
sua proteegao e guarda, se acaso um inlmigo ou
sado e poderoso prelendesse seriamente aggredir-
nos, e dispozesse dos precisos raeios para isso.
Ainda mesmo que os nossos indios, qualificados
guardas nacionaes, eslivessem j industriados nos
manejos das armas, faltar-lhes-hiam estas, que nem
aqni asilemos.
Felizmente, porm, para tranquilidade dos ni-
mos meticulosos, semelhante Invaso toda chime-
nea. Se realmente ella entrou na cabega del seor
L-ipito, confiemos na Providencia, que d'ahi nao i
ha de sahir para ter realidade. O valle do Ama-
zonas na acluahdado esta suQicientemenle guar-
dado contra os invasores do Paraguay pelos inex-
pugnaveis baluartes das 60 leguas de cachoeiras
do rio Madeira.
Desde que a Boliva, cujo inleresse est em
aproximaj-se do Brazil, estrellando comnosco suas
relagdes polticas e commercaes, seno prestar a
auxilalo em lo ousado projecto, elle nada pode-1
ra contra nos.
Se fr auxiliado ainda assim o caso cdifflcili-;
mo. Antes d3 penetraren) em territorio da Boli-
via, para aleangarem o alto M guayos teriam de subir pelo Pilcomayo, cuja na-'
vegago nao fcil, ou buscar as cabeceiras do
Mamor, o que anda peior. Chegados acim, I
nos districlos de Sania Cruz e Beni (provincias
bolivianas) e ah auxiliados pelos respectivos go- >
vernadores, desceriam bem at as primeiras ca-
choeiras. D'ali por dianto haviara de passar por!
trra. Pela margem esquerda, que pertence a
Boliva, nao podenam elles continuar a sua mar-
cha, porque nao ha estrada, e o terreno se nao
presta a islo. Teriam, pois, de procurar a mar-1
gem direila, que pertence ao Brazil, para fazerem!
um trajelo de 60 leguas por lugares inhspitos,
deserlos em parle, e em parte oceupados por in-
dios seivagens.
Mas uppnndo, que venciam es Paraguayos to-
das cssas difflculdades, e que chegavam ao baxo-
Maduira, como se ^transportaran) d'ahi para aqui?
quero ihe prestara auxilio do canoas ou navios
para transporto da expedigao ?
Melter-se-hiara em pequeas canoas, em um
paiz, cuja hydrograpbia Ihes inteiramente desco-
nocida ? Seria loucura, porque bastara um va-
por para cahir sobre semelhantn frota, e, sem dis-
parar um tiro, dar-lhe marradas lorto c direito,
e melle-la toda pique. Porlanto a causa ab-
surda. De i xe mo- o Paraguay.
Desta vez vo anda 23 voluntarios. O Ama-
zonas, com as suas 40 mil almas, esta, proporcio-
nalmente, fazendo mais de que as graudes provin-
cias de 800 e 900 mil almas.
A nossaassembla provincial, cuja abertura,
da sesso deste,anno devia ter lugar hoje, nao se
rente por falta'de numero. Sendo ao.todo 20 Miem-
bros, s 10 se apresentram hontem na sesso
preparatoria, o 11 flcou em casa, e nao quiz com-
parecer ; por isso teve o presideute de addiar a
reunio para 10 de maio prximo.
Ncnbum dos 5 padres que fazem parle da as-
sembla compareceu, porque sendo lempo de Qua-
resma, elles teem recommendagoes muito severas
do chefe da dioccese, para que nao se ausentem
de suas freguezias antes de passaa a pasenoa.
Aqui se acha nesta cidade um lal mister-
Shandless, que volta de urna cxploragao ao ro Pu-
rs, oude os indios hyapurins tizeram-lhe o ob-
sequio de comerem-ll'ie o criado e mais dous ca-
boclos, quo o acumpanhavam, os quaes eom medo
de irem para diante procuravam fugir e foram ca-
hir no espeto do gento brbaro e anlropophago.
Misler Shandless commis-i nado por uina socie-
dade scientlica ingleza, a qual da-nos a ligo de
tomar mais inleresse pelo conhecimeulo dos nossos
rios do que nos inesmos 1
Pelo presente vapor nao recebi o seu Diario. Li,
porm, o do vizinho, e fique! muito zangado com
os fal.-es lestemunhos que me levantaran), quan-
do deram a publicidade as tDinhas de 24 de Janei-
ro e 8 de fevereiro.
Confesso, que al fiquef com voniade de nao Ihe
escrever mais; mas depois lembrei-me que a mi-
nha letra tambem coocorre para isto.
Va s urna errata. Eu disse, que a poltica
actual se inaugurar aes brados do Sr. [conselheiro
Nabuco, ao senado, contra o utipoiiideles. Li pu-
zeram : aos brados. do Sr, conselheiro Nabuco,
nomeado.
Fico aqui, porque nao tenbo lempo para ir mais
longe.

CORRESPONOElfCIAS BOWA
KIO DE PEKrYAHBVCO
Maians, 25 de marro de 486.
A noticia do projecto de inva.-o paraguayas nesta
provincia nao tem deixado de causar alguma in-
quietado no animo da parte da popularan menos
pensante, mormenie por acharmos-nos aqui intei-
ramente mdefesos. Se a guarda nacional as pro-
vincias grandes, em que se Ihe d instruego e ira-
prime-se-lbe hbitos marclaes, alo pode ser con-
PAttA.
Ikhiu, 8 de abril de 186o.
Honlem aqui entrou o Tocantins pela larde, e
hoje noi'e deve seguir sem maior demora para
essa ; trazeudo-nos apenas a conlirmaco das noli
cas do paquete passado relativas ao feliz resulla-
do de nossas questoes orientaes.
Pur toda esta provincia continua a mesma dedi-
caco em favor da guerra contra o Paraguay e tan-
to que lendo do Oyapock seguido o corpo paraense
de Volaniarios da Patria, a presidencia acaba de
crear um segundo com a mesma denominago,
para seguir para o sul, lego que seja preciso.
C mo ihe disse a associago d'esta praga abri
urna subscripgo para as emergencias do eslado na
actual crise ; neste' intuito o presidente da provin-
cia Dr. Couto de Magalhes, leudo nomeado para
commandante d'este segundo corpo de voluntarios
ao guarda mor da alfandega Jos Luiz da Gama e
Silva, que tambem capito da guarda nacional of-
ferlou a quanlia de ura cont de ris mesma as-
sociago, para que esta offerecesse urna espada de
honra ao dilo commandante nomeado.
Consta tambem que algumas senhoras d'esta ca-
pital cotisaram-se em quanlia superior a um cont
de ris, e com ella esto mandando bordar orna
bandeira naciopal que igualmente devera ser o Me-
recida em occasio solemne ao referido corpo.
V por isto que o enlhusiasmo bellico-nacional
nao esmorece por aqui, antes pelo contrario nao
sei mesmo d'cmde vem tanta gente para seguir para
o sul, vista da populago do Para e da tropa que
tem dado outras provincias de sul, muito mais po-
pulosas de que esta e a do Amazonas.
A assembla provincial foi prorogada por mais
seis dias e ltimamente acaba de se encerrar; auWfc
deste acto. S. Exc. dirigio-lhe um agradecimento
pelo apoio que ihe prestou.
A assembla nomeou depois ama coramissao
composia de cinco membros, fol em pessoa cumpri-
ineniar a S. Exc. e fazer-lhe saber os sentiraenios
de que esta corporago se achava animada para
com o presidente da provincia.
Continua a opposigo a aggredir a poltica ac-
tual, com especialidade em referencia s autorida-
des superiores da provincia.
E' verdade que as opposiges actualmente ser-
vem-se de todos os meios para chegar aos seus flns
mas em negocios internacionaes e na queslo em
que eslo emp-nhados a honra e a dignidde do
paiz, entendemos que deveria haver mais reserva,
alim de que os recursos de qne o governo tem da
langar mo nao sejam mais ou menos dificultados.
Por outro lado a opposigo com especialidade o
Diario do Gram Pai, islo o seu proprietano
Francisco Carlos Rhossard, est sendo processado
porcrime de furto da imprensa que publica o mes-
mo Diario, assim como pelo de injurias e outros.
Nao sei de certo era que acabar toda esta bal-
burdia de lado a lado, porm o que parece real
que a aulondade nao favoravel aos individuos da
opposigo e sobre ludo aos que dirigem o Diario do
Gram Para.
Esquecia-me dizer-lhe que j principiou o aquar-
tellamento das 1040 pragas da guarda nacional
que tem de dar esta provincia para o serrigo mi-
litar durante um anno para guarnigdes, destaca-
mentos, etc., etc., segundo as ordens do governo
imperial.
Tambem os estudantes do collegio paraense que
por assim dizer aqui o lyceu publico, e tendo a
sua frente o reverendo coriego Ismael de Senna Rl-
beiro Nery acabam de ollerecer se ao governo cerno
Voluntarios da Patria.
A vista d'isto o eolhusiasmo pela guerra pa-
tente e manifest por este lado do imperio e em
pouco terapo parece que tudo na memoravel trra
da Sania Cruz estar mililarisado I
Isto com tudo bastante agradavel por que so
reconhece que no Brasil ha patriotismo e dedica-
go espontanea a favor dos desaggravos nacionaes.
Do coinmercio pouco ha de importancia. A casa
franceza de Mullier Duval 4 C. que quebrou ha
pouco, raandou de Franga ottorecer 30 % com es-
pera e condiges onerosas; os credores tendo-se
reunid >, uo acceitaram semelhante proposta e vo
tratar da queslo judicialmente.
Contina o estado do mercado sustentando os
pregos dos gneros de exportaco, excepto algodo
e borracha; os vapores do serao tem continuado
a trazer importantes carregamentos de producios
do paiz, assim como passageiros que se vem aviar
nesta praga.
Contina tambem a inania das viagens Euro-
pa, e alm dos individuos que seguem com escala
por essa provincia, muilos passageiros seguiram
na barca Linda e oulros navios durante os tres me-
zes ltimos; alm desles oulros ainda se preparam
para embarcar as barcas Amojonas e Ligeira, to-
das estes bellos navios e com bens commodos na
carrelra de Lisboa para esta provincia.
Em principios de margo ultimo chegou a esta ci-
dade o Mautisia M. A. Reichert, a principio sem se
fazer annunciar com maior eslrondo, velo a ser co-
nhecida a sua chegada e o seu nome, poneos das
antes do concert, que acaba de dar em 1 do cor-
*ente nos saldes do Cassino Paraense.
Reichert auxiliado por varias senhoras e cava
lheiros particulares, deu o mais bello o concorrido
concert que lem havido nesta capital.
Possuido da occasio e verdaderamente entu-
siasmado pela concurrencia que teve tocou mar-
vilhosamente, na sua maviosa flauta, veocendo dif-
flculdades e apresentando segredos no seu instru-
mento smenle proprios e conhecidos de nm dis-
liocto anisla como Keicbert.
Teve nos salo.-s os mais enlhusiaslicos applausos
especialmente quando tocou o Carnaval de Veneza
e a polka Faceira que o publico o obrigou a bisar.
Espera-so com enlhusiasmo nova concert que se
diz ser no iheatro publico, lugar roais adequado e
ampio para todos quantos desejam uovir o insig-
ne flautista.
Espera-sc tambem at o primeiro paquete de
maio a ictriz Emilia das Nevos que est contratada
para dezoito recitas durante 3 mezes para o nosso
Iheatro; venceudo por noute' 50J000, mas com
ohrigago de veslir-se e prepar&r-se sua custa,
alm de ensaiar as pegas em que representa e
prestar alguns vestuarios das primeiras persona-
geus.
Teremos, pois, aqu esta grande actriz, a qual
lindas as 18 ooules, seguir para o Maranbo para
onde ira tambem representar.
O inoviineuto de navios e passageiros neste porto
durante o mez ultimo foi o segrate :
Navios entrados.
Drasileiros 14.
Inglezes 7.
Porluguezes 3.
Francezes i.
Ilollandezes 1
Total 27.
Navios sabidos.
Brasileiros 12.
Inglezes 4.
Portugue:es 2.
Francezes i.
Total 19.
Passageiros entrados.
Porluguezes 48.
Frai-cezes 5.
Italianos 3.
Bolivianos 3.
loglezes i.
Americanos 2.
Alleines 2. '
Peruanos 2.
Napolitanos 1.
Polacos 1.
Belgas 1.
Marroquinos 1.
Hespanhes 1.
Total 67.
Passageiros sabidos.
Porluguezes 51.
Francezes 6.
Italianos 3.
Inglezes 2.
Americanos 1.
Allemes 1.
Peruanos 1.
Polacos 1.
Marroquino- 1.
Hespanhes I.
Total 68.
Navios no porto em descarga.
Patacho inglez Francis Graham.
Barca dinamarquesa George.
Barca ingleza Victoria.
Barca portugueza Flor do Vez.
Hiate inglez Volunleer.
Patacho inglez Prince Alfredo.
Escuna brasileira Ernestina.
Navios a descarga.
Brigue portoguez Fernand.
Patacho inglez latan Hero.
Patacho hollandez Terschetlinh.
Brigue brasilelro Berta Reinstorff.
Brigue francez Scrates.
Barca portugueza Amojonas.
Barra ingleza fhondda.
Nada havendo mais a dizer aqui findo a pre-
sente.
------ I fl MM
ALAQOAS.
Macei, 15 de abril de 4865.
Um desses exemplos do mais raro patriotismo e
que s por si bastara para fazer o elogio d'uraa
poca e honrar os senlimentos de- um povo, acaba
de ler lugar nesla provincia, onde felizmente o sa-
cro amor da patria ha brotado de todos os cora-
coes, produzindo at maravilhas. O caso a qne
me r.-tiro digno de figurar na historia d'oma na-
gao briosa como a nossa e merece especial meo-
gao. Trata-se do offerecimento para a guerra con-
tra o brbaro Paraguay de urna familia intuir
composta do chefe, 4 ftihos vardes e tres flihas
mogas 1
Coobe s Alagoas, pois, iniciar e por em exe-
cuco urna feliz, magnnima idea. Eis o faci :
No dia 8 do corrente veio a esta capital o Sr.
Jos Sevenano de Mello, que foi professor de fran-
cez no lyceu desta cidade e ac.ha-se jubilado, ha
annos, tendo-se retirado para Taperagu em Ala-
goas (cidade) cora sua numerosa familia.
Ah viva, pobremente, verdade, mas rodeado
dos comraodos do lugar, das caricias da familia.
exercendo varios empregos de commissao e elei-
5o, enmn o de subdelegada e de vereador por
dous quatrlennios, sendo do ultimo o presidente da
cmara municipal, e oempava o4ugar de secreta-
rio da munlclpalidade daquella cidade.
Gozava m goza de prestigio e consideraco no lu-
gar. Outr'ora foi capito e major da guarda na-
cional, tendo perdido estes postos por ter negligen-
cado apresentar-se na reorganisagao d'aquelle cor-
po, o lambem exerceu com desrateresse e a con-
tento alguns empregos provmciaes no lyceu, na
thesouraria etc. E a muilo terapo honra o seu
peno o habito da ordem de Christo.
Veio a esia cidade no dia 8, como disse, e apre-
sentou a S. Exc. o Sr. presidente da provincia um
offlcio em que dizia-no ter podido conter no seu
peito a corrente impetuosa e elctrica do patriotis-
mo, que sempre o abrasou e que emflm acabava
de transbordar, pelo que ofTerecia-se, aperar de
sua idade, bastante vigorosa ainda para defender a
patria, alim de marchar ao thealro da guerra : que
linha 4 filhos vardes, maiores de 18 annos, sendo
um delles o Sr. Jos de Souza e Mello militar a 10
annos, devendo a est'hora estar vingaado os brios
ultrajados da nago, e que seus Albos inham re-
solvido acompaohar-l'o al o Paraguay :que an-
da nao era tudo, porque tres filhas que sempre se
assignalaram nesies mesraos scntimenlas e que
nunca delle se separaran) queriam com entusias-
mo acompanhar seu pai e seus irmos nesta sania
cruzada, para nos hospitaes da campanha presta-
ren) stsus soccorros aos bravos que menos felizes
forem, alcangados pelos golpes dos seivagens. t E'
tudo quanto tenho (terminou asstra o distinti Ala-
goano), e tudo deponho no altar d patria, que na
presente crise appella para o concurso de lodos os
seus filhos, afim de se apresenlar grande quanto
deye ser. Infeliz eu, se me nao achar prsenle ao
primeiro ribombo do canbo do Humavt, para
abafar esse rouco som com o mavioso grito de vi-
va a nago brvilelrae o seu augusto chefe I
Os filhos do Sr. Mello que com elle tero de par-
tir sao os Srs. Euclydes de Souza Mello, emprega-
do publico da inspeceo do algodo ou seecao do
peso na cidade de S. Miguel comarca d'Alagoas ;
Cypriano de Souza e Mello que reside m Tapera-
gu, casado e tem ja 2 fllhinhos: Pedro de Seu-
za e Mello, o mais mogo e que pnneipiava a vida
commercial nesla cidade e em Pernambuco, d'en-
de acaba de chegar. As filhas sao as Exmas. Sras.
DD. Amelia Calharina de Mello, Laura Urraca de
Mello e Sigysmunda osa de MelM.
.Grandioso como foi e esse acoutecimento todos
applaudera-n'o e extasiam-se ante lana abnegacao
e denodo I Nao parela que o patriotismo fosse ca-
paz de tanto. Os jornaes da ierra noticiaran) logo
o fado accmpaiihando-o de justos encomios.
_ Depois desse facto principal lodos os mais
sao secundarios. Creio que nao haver coracao
de brasiieiro que nao estremega com aquelle rasgo
sublime de patrioiismo. Esperamos mu breve
entre nos os 7 voluntarios da familia Mello e crer
cendo como est o eutbusiasmo por lo grato suc-
cesso de crer que as maceioenses e habitantes
desta capital saibam acolher e dar significativas
provas de applauso e louvor pelo acto das tres dis-
tinctas Alagoanas.
A companhia dos voluntarios da patria aug-
menta e vai confiada boa dirergo do zeloso e
bravo nnto Alvino Ceso. O governo toraou a
deliberagao, para evitar conflictos entre os volun-
tarios e guarda nacional destacada, de effectuar a
raudanga delles do quarlel de linha par? o espago-
so edificio da exmela inspecgo do algodo, ra
do Saraiva.
A guarda citica contina a se prestar com
inleresse e vigor para o policiamento nocturno dos
6 districlos da cidade, do Pogo e de Jarago. O
servigo bem feito, c a capital, mais do que nun-
ca, esteve lo tranquilizada a respeito de ataques
segnraiica individual e violages propnedade.
O Exm. Sr. dezembargador Joo B. G. Cam-
pos e Dr. Sebastio Cardoso continuara a bem-me-
recer da provincia. Vo pondo em pratica os bo-
nitos principios de justica, nos qoaes tanto enca-
Iham os administradores da poca, quando tem oc-
caMo de applica-los aos adversarios.
Desenvolvem, cada vez mais, bastante activida-
de, attendendo aos justos clamores dos que tem
direilos ohVndidos, s reclamagoes c denuocias da
imprensa, etc.
A provincia, pois, marcha desassombrada a to-
dos os respeilos: e os cidados em geral confiara
nos senlimenlos puros e elevados dos dignos ma-
gistrados, a quem est confiada a suprema geren-
cia dos negocios pblicos das Aiagoas. So contara
elles 4 mezes de administrago, mas fecundos de
beneficios e grandes resultados pralicos. Dcsej-
ra de coragao que as provincias, ao menos na cri-
se especial em que nos acharaos, fossem presidi-
dos por espintos superiores, que allendessem s
s grandes conveniencias publicas.
Celebraram-se nesla capital todos os actos da
Semana Santa, com respeito, decencia e gravidadc.
Adeus.
BAHA.
S. Salvador, 12 de abril de 4865.
Estaraos araeagados de ura segundo diluvio. Ha
muilo que nao chove tanto como nestes ltimos
das. Desde 30 do mez pasado' que as aguas sao
abundantsimas, cessando apenas por momentos
para de novo cahirem mais copiosas. Querera'
natureza desmanchar-se em agua t Tem havido
muito desmoronamento de torras, sem que, porm,
merc de Dos, se tenha a registrar, ao menos ate
o presi-nte, um s caso fatal, gragas tambem s
aceitadas medidas, preventivas postas em pralica
pela desvelada admioistraco da provincia.
Tem esla proseguido no seu fervoroso empenho
de auxiliar o governo geral em tudo quanto diz
respeilo a' guerra actual. E' assim que e alista-
mento de voluntarios, os preparativos bellicos, as
offertas patriticas eenlhusiasmo da populago tem
ido sempre em escala ascendente, a poato de re-
conhecer-se como prejudicial a' causa publica que
S. Exc. o Sr. desembargador Barboza de Almeida
se retira agora para o Rio de Janeiro a tomar as-
sento-na cmara dos Srs. deputados Posto que nel-
la possa prestar, como tem prestado, os mais rele-
vantes servigo* ao paiz, todava n'oma quadra ex-
cepcional e melindrosa, como a em que nos
acharaos, a presenga do Ilustre administrador en-
tre nos urna necessidade indeclinavel, s b pena
de ver-se qualquer vice-presidente lotando com os
mais serlos erabaragos, por melhores intengdes
que nutra de modelar o seo procedimento peto de
S. Ee.
Ha certas missdes difflceis ou impossiveis de ser
continuadas e eonclnidas por outros que nao aquel-
les a qurm foram de principio confiadas. Em cer-
tas epochas ha entes privilegiados para se iden-
tificaren) com as suas tendencias, e revelia dos
quaes parece qne os acontecraentos revistiro ou-
tra forma, deixaro de attingir o flm glorioso a
' que eram pela Providencia encaminbados.
O atual administrador da provincia, e a critica


m
----------~~---------------~--------,-----------------
~
Mario de rernambn* Terca felra 18 de Abril'de f 8ft.
-

II n Ir. ITT
t\- T-
situago qae alravsimos, bem poa'em comparar- mente fypotrieca fela p*or (lirtio Dubeui; fa- beiro.Conha Teixeira.Dlodoro.Agoino Fon-
se a um desses enl^ a oran dessar euoctta?. O irada provtneal. A quem fez a requisigo. seca.
goveroo e a representago nacional, cora o lino e Oatro do mesrao, remetiendo as informacoes mi-
nistradas peto chefe de polica acare do processo
instaurado em 1831 pela subdelegada de Panellas,
patriotismo que os distinguen), ceriaraaota resol-
verlo do nodo a nSo' seren sacrificados tio viiaes
internases. Se a interrupgo do exercicio ou a por ana faeto dad otn baeharl Lsarenco Ma
curia permaneneia dos presidentes de provincia cbado Das e do cerco da casa do professer publi-
tem-se reconhecido como causa de grandes males, co da cidade de Caruar.A quem fez a requi-
ainda quando em lempo nonnaes, Unto assim iteo.
que se iniciara o syslema de nrem as provincias Outro do mosmo, remetiendo copia do ocio que
administradas por cidadios que nao exercetsem a presidencia dirigi em 1848 ao goveroo geral
funrgoes legislativas para nao darse o caso da pedindo permisso para nomear a professor de geo-
tnterrupce ; na quadra actual e raais do que ama raetria do Collegio das Arles tcente Jos Pedro
conveniencia, urna lei imperiosa i
e a observancia de um (ai principio.
Batre as olleras pecuniarias q*e tem havido
para ceadjuvago das despena com a guerra no
sul, tornou-se notavel a de um eidadao respeitavel
pelas suas qualidades pessoaes, e pelo seu conhecl-
do patriotismo sempre que a dgudade nacional
reclama o sacrificio dos Brasileiro*: refenmo-nos
olTerta de 9:000$ rs. feita pelo proprietario do
engenho S. Goncalo do Poco, do reconcav > de San-
co Amaro, nesta provincia, o Sr. eommendador Jos
Joaquira Barrete. O dislinclo bahiano, em seu offl
A assembla legislativa provincial de Peraanbn-
co resolve :
Art. 1.a Piea erecta em matriz a capaila de Nm-
sa Senhora na povoacao de Bclm, na freguezia e
comarca de Cabrob, com a invocago da mesma
Senhora.
Art. 2. A nova freguezia lera
mites :
os segrales li-
qne appareeia ao norte, e qne, melhor esclarecido
pela ftu eorapauhtiro, safou-se com o Dilimo signal.
A' vista de semelhante ttmocencia, parece rasoa-
vei ama reforma, aflm de nio ser o publico logra-
do, e nio soffrer o commercio.
Rkpartiqao oa polica.
extracto das partes dos dias 16 e 17 de abril de
IMS.
Foram recolhidos a casa de deiencao no ara 13
do correle :
A' ardern do Dr. delegado da capital, Antonio
consagracao da Silva para o Tugar de inspector da thesonraria
provincial, e do aviso com qae o mesmo governo
concede permisso.A' quem fez a requesigo.
Urna petigo de Jos Nicacio da Silva, professor
de grammatica latina, addido ao Gymnas'o Per-
nambucano, pedindo qae sejam os seus vencimen-
igualados aos dos mais professores daquelle esla-
oeleeimento.A' commisio de ordenados.
Outra de Maria Tbeodora da.Costa Alves Ferrei-
ra, pedindo o pagamento dos juros devidos ao seu
finado marido o engenheiro Jos Mamede Alves
Ferreira, arrematante das estradas de Nazareih, e
ci presidencia, motivou esse rasgo de pairiotis- Pao d'Alho. A' commisso de orcamento piovv
mo na impossibilidade em qae se va, pela sua cial.
avanzadsima idade, de concorrer de outro modo Outra de Dioso Baptista Fernandes, pedindo quo-
para a desaffronta dos brios nacionaes; e acrescen- ta no orcamento para pagamento da graliflcacao
lou que, havendu oflferlado a quaolia do 3:000$ correspondente ao lempo que servio o offlcio de 2' nambuco, 17 de abril
rs. guando dense o conflicto anglo-brasileiro, o escrivao dos feitos da fazenda provincial. -A' com- Diodoro Ulpiano.
promettido contribuir conf mais o triplo della no missao de petigdes.
Pelo lado do natcente comprender da fregue-
ua da faxenda Grande todo o terreno que Oca do Doroioiaes, sera declarado do motivo e posto kwo
lagar denominado Espinhos pela raargera do rio S. em Nberdade.
E1"?00!5,00 **?u "* exlreiB*r C" a fregueiU de A' ordem do subdelegado do Reeife, Manoel Mar-
Ubrobd. Peto lado do potte, compre hender da tins de drvalhe, por desobediencia,
freguezia de Cabrob todo o terreno que tica da A' ordem do de S. Jos, Antonio Francisco Pe-
ffeguezia Malhada Grande pelo rio 5. Francisco reir, por feritsentos.
zes, e a 12 0|0 al o de seis mezes, e toma dlnhei-
rea joros a praso nanea menor dt tres mezes.
Vovobsifo de P
O banco paga o 14* dividendo
dor aeco.
ALFANDEGA.
Rendimento do da t a. 15......
dem do da 17...............
abaixo, comprehendidas as ilhas conrniile al ei-
tremar com a freguezia da FaiendaGrande.
Pelo.lado do norte ter por limites as fazendas
Poco da Catinga, riacho do Pao Ferro, Fazenda No-
va, e d'ahi rumo direito a Serra da Rapoza; e pelo
lado do sul os limites desta provincia com a pro-
vincia da Baha.
Art. 3." Fica todfl o territorio da nova freguezia
perteuceodoao termo de Cabrob.
Art. 4. Ficam revogadas as disposicoes em con-
trario.
Paco da assembla legislativa provincial de Per-
de 186o.Silva Barros.
A' ordem do da Vanea, Francisco, escravo de
1 Manoel de tal, a isposlcao deste.
16 -
A' ordem do Iilm. Sr. Dr. chefe de polica, Cas-
| siano, escravo do D. abbade de S. Bento, por se ter
.alistado no coepo de Voluntarios da Patria, com o
nome Jlo Francisco das Chagas.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Ignacio Pe-
i dro da Silva, por embriaguez.
A' ordem do subdelegado-do Reeife, Raymundo
Jos de Lima, para corregi e Francisco da Silva
Ferreira, por desobediencia.
caso de declaragao de guerra, entenda dever sen
cumprir na actualidode a promessa, por ser urna
e a mesma ((ueso para o brasileiro, o desaggra*
var-se a honra do seu paiz dianle do goveroo in-
gle:, oo do de outra qualquer nacao.
Chegoo a esta capital, no da 30 de marco, o
batamio de voluntarios que se eslava organisando
oa cidade da Cachoetra, sob o commando do ca-
choeirano o Sr. tenente-coronel Jos Pinto, que a
todos confessa haver se incumbido de lo ardua
qnao gloriosa tarefa em razo de se achar dirigin-
do os destinos da provincia o nunca desmentido I
liberal, sen companbeiro de las de ouiros tempos,
Sr. desembargador Barbosa de Almeida.
O embarque desse batalbo na Cachoeira, e a sua
chegada aqni, foram saudados com as mais vivas
demonstrares de enihusiasmo e reconhecimento,
Outra da cmara municipal de Nazareth, pedin-
do a constrqccao de um acude oaquella cidade.
A' commisso de obras publicas.
Outra de Alexandrtno av re- da Paixao, prafes-
sor publico da povoacao da Boa-Viagem, pedindo
o pagamento da quantia de 12ii000 a que tem di- vincial datados de 15 do correnle
reito- A' commisso de petiefies. Fonseca.
Outra de Jos Damassena da Silva, escrivao do Requeiro que pelos caoaes competentes se pera
jury do termo da Escada, pedindo a separacao do cora urgencia que a cmara municipal do Reeife
offlcio do 2o tabelliao de notas do mesmo termo. considere em vigor o art. 7o do titulo 1 de suas
A' commisso de justica civil e criminal. I posturas, e seesse artigo tem sido restrictamente
Outra do padre Francisco Xavier dos Santos, pa-1 cumprido como deve.Aqnino Fonseca.
rocho eollado na igreja matriz da freguezia de San | c Requeiro que se facam pelos canaas compe-
to Antao, pedindo a indemnisacao da quantia que : teates as seguintes informacoes.
despendeu as obras da referida matriz.A' com-! l. Po; conta de qae verba se mandn cons-
misso de petices. truir as doas casas dos lados do palacio da prest-
ir do oflicial-maior interino da assembla, | dencia, de que trata o relatorio da reparlico das
A' ordem do de Santo Antonio, Joio e Hartinho,
escravos de Franciaoo Jos Raposo, a requerimento
Sao approvados es seguintes requerraentos, ten- deste; e Jordo, escravo do convento do Carmo, a
do orado sobre o primeiro o seu autor. requerimento do respectivo provincia
Requeiro que sejam transcriptas no jornal que A' ordem do de S. Jos, Amaro Ferreira de A-
pubhca os trabalhos desla assembla as informa- guiar, Cosme Barbosa, Elisiaro Jorge Ferreira Lei-
coes ministradas pelo Exro. presidente da provin- to, Joaquim Tavares do Espirito Santo, Joao Fran-
cia, relativamente ao inspector da thesoararia pro-: cisco Augelo, Geraldo Damio Jos de Barros, Ma-
mez. Aquioo; ria Cicilla de Albuqnerque, Felippa de Seona de
Sant'Anna, por disturbios; Juvino Ignacio da Pai-
xao, por suspeito.
O chefe da 2' scelo,
na razio de 8$
291:770*291
13:148*921
.307-.919JW13
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazendas. 67
com gneros.... 433
J. G. delesquita.
casa nR oktensao. Movivento do da 15 de
abril de 1865.
Existiam presos 3S0; entraram 6 ; sahiram8;
eiistem35'8, a saber : nacionaes 276; mulheres 3;
estrangeiros 24 mulheres 2 ; escravos 47; escra-
vas 6; total 358.
Alimentados costa dos cofres provnciaes 138.
a despeito da copiosa chuva quo nesta cidade ca-, Francisco Xavier Carneiro Lins, pedindo ser pro- \ ebras publicas. Movimeoto da casa de detencao do dia 16 de
hia Arcos inomphaes, flores, poesas, girndolas vido no lugar de offictal-maior que se acha vago 2." Em que poca foi annunciada arremata- abril de 1865,-Existlam presos 358, entraram
de foguetes, grupos de cidadaos de todas as cas- A' commisso de policia. cao desta obra, e quem foi o arrematante. S. R. 16, sahiram 4, existetn 370 : a saber : nacionaes
ses pelas ras, as portas do palacio do governo Outra d. mesa regedora da Irmandade do Santis- Campello. i 282, mulheres 5, estrangeiros 24, estrangeiras
abenas a todos que desejara depositar as suas simo Sacramento da freguezia de Santo Antao, pe- Requeiro que pelos cacaes competentes se pe-! 2, escravos 31, eseravas 6.Total 370.
adnesoes e parabens diante da pessoa do presiden- dindo ama quota da quaolia de 4:000$ rs. para a ca presidencia da provincia, que com urgencia i Alimentados a cusa dos corres pblicos 139.
le; eis o que se v aqui sempre que ura bataJhao conlinuacao das obras de sua igreja.- A' commis- mande transmiuir a esta assembla copias das pe- i Movimento da enfermara do dia 18 de abril de i
de voluntarios chega de qualquer ponto, ou tem de sao de orcamento provincial. ticSes apresentadas por Jos Maria da Cruz e Fran-' 1865.
seguir para a corte. | Outra de Francisco Duarte Coelho, offlcial-maior cisco Duarte Coelho, pedindo suas aposenladorias,' Tiveram baixa :
- Qualquer da chegar da cidade de S. Amaro aposentado da secretaria da assembla, pedindo dos documentos juntos s mesmas peticoes, e das Francisco Antonio da Silva : coltte
o que all se esta organisando, sob o commando do ,.que se mande considerar como ordenado a gratifi- portaras que aposeniaram estes empregados. 17 Manoel Severino dos Santos; glndula,
abastado proprietario rural, o Sr. coronel Antonio cacao de 200$, qae tnha e supplicante.A' com-: de abril de 1863.C. Teixeira.
Joaqnim Alvares Pinto de Almeida. Consta que es-1 misso de peticSes. Requeiro que por intermedio da presidencia
ta tao luzido como o da Cachoeira. Outra da eompanhia Pernamboca Costeira a Va- da provincia se peca com urgencia urna nota de
Esperm-se muitas companhias de volunta- por, pedindo seia augmentada com 32:000$ a sub- todos os alumnos, que foram approvados as ma-
nos, que esto sendo organisadas por varoscida- veneo de 40:000$ com que esta provincia auxilia lenas de cada urna das aulas do Gyronasio Per-
! nambocane, desde qae este estabeleciments prin-
l cipiou a funecionar. S. R,Aquno Fonseca.
ORDEM DO DA.
Contina a discnsso do art. 9' do orgamento
provincial com todas as emendas apresentadas.
Ven mais mesa e entra conjunctamente em
daos influentes em mais de ama localidade. Serv-1 a empreza.A' commisso de peticoes.
rao para completar o numero de pracas, de que ] O Sr. presidente declara acbar-se oa sala imrae-
neeessitam, a rim de que possam marchar para o; diala o Sr. depotado pelo 4 districto, Antonio Vic-
sul, o e o 3* balalho, que se organisara nesta \ tor Vieira, o qual, introducido na sala das sesses
cidade sob o commando dos intrpidos tenentcs-' pela commisso respectiva, presta juramento e to-
coroneis Mondtn Pestaa e Gustavo de Meoezes. ma assento.
A presidencia conlratou com ura honrado ci- i Sao em seguida lidos e approvados os seguintes
dado o asseio e a limpeza desta capital, mediante : pareceres:
as mais vantajosas condigoes para o servlgo pa- j A commisso de fazenda e orcamento, tendo re- ,
Dlico. Poderemos,d'agora em diante, transitarsem considerado a petico do vigario Ignacio Alves da NettoReg Barros. Carvaiho Moura.Gaspar
incommodo pelas ras, e a salubridade publica co- Cunha Souto Maior, em que soliciu o pagamento! Drummond.
mecara a ser garantida, deixando-se de despender; de 418$320, proveniente de adiantamentos que fl-1 Oram os Srs. Jacobina, Araujo Barros e G. Cam-
em pura perda a verba annualmente consagrada a | zera para a cooclnsao das obras da capella-mr da pello.
ella no orcamento provincial. ma tr da freguezia da Lu, e em vista da informa- j Encerrada a discussao, ficou adiado o artigo
A assembla provincial tem funecionado re- cao ministrada pelo insepector da thesouraria pro- cora todas as emendas por ter sido approvado o
gularinente, apezar de que em alguns dias temdei- viocial : de parecer que se marque queta na lei seguate requerimento
xado de haver sesso, pela circumstancta de nao | do orcamento para aquelle pagamento.
discussao a seguinte emenda
t Era lugar das palavrasnos lagares dedi
ga-seGameleira. S. B.Ayres Gama.Manoel
terem consentido as nossasainda ms estradas peio-
res com as chavas qae tem cabido oo centro, que
todos os depuiados viessem tomar assento. Seu dig-
no presidente, o Ilustrado Sr. Dr. Pedro Branda, \
fundamentou urna tndicacao, assigoda por grande
numero de deputados, no sentido de felicitarse o
presidente da provincia pelos relevantes servigos
que tem prestado a esta e ao paiz, na quadra ac-
tual, auxiliando os desejos do governo geral, e con-
tribuindo para o desenvolvimento da poltica nc-
bre, eficaz e altamente brasileira, inaugurada no
Rio da Prata pelo distracto Sr. conselheiro Saraiva.
A' excepgo de um s dos membros da assem-
bla, o qual opposicionlsta, o Sr. Dr. Silva e Al-
meida, foi votada unnimemente, e com geral pra-
zer, a referida felicitagao, que j foi apresentada
ao Sr. Barbosa de Almeida.
Segu boje para essa provincia o Sr. capitao
de mar e guerra Hermenegildo Barboza, cora sua
eslimabilissima familia.
Ausente ha longos annos da sua trra natal,
onde, como era todo o lugar, fot sempre estimado
ejnerecea as mais distiw.tas provas de considera-
cao, pelos seos atlributos pessoaes, e merecimento
comprovado em mais de um cargo que tem digna-
mente exercido, o bravo ofBcialda armada, o sym-
pathlco irmao do nosso presidente aqui chegando,
vio com satisfago, agruparem se em torno de si e
de sua chara familia todos os affectos que lamenta-
vam a sua ausencia, e que tiveram occasiao de
traduzir-se de mais de um modo, nao faltando par-
tidos e reunides em obsequio s suas pessoas.
PEBNAIVIRCO,
ASSEMBLA PROVINCIAL.
31' SESSAO EM 17 DE ABRIL DE 1865.
PRESIDENCIA DO SR. DR. PEBEIRA DE BRIT0.
As 11 horas e raeia da man ha a, acham-se pre-
sentes os Srs. deputados Francisco 'edro, Ribeiro,
Reg Barros, Teixeira de Mello, J. do Reg Bar-
Sala das coramisses, 12 de abril de 1863.Buar-
que.Campello.
A commisso de fazenda e orcamento examinen
a petigo de Fructuoso Pereira do Nascimento. ar-
rematante da barreira do Caxang no triennii de
1861 a 1864, era que, firmado tao smente n>rir-
cumstancia de ter esta assembla approvado rm
segunda discussao um projecto de le, que concede
um abate da parte do valor do respectivo con-
trato a Flavio Ferreiro Cato, e na de ter o suppli-
canle arrematado aquella barreira por nm prego
maior por que o foi no tnennio anterior, solicita
desta assembla igual coocessao que se pretende
fazer ao referido La tao.
A commisso lamenta que se verifique de dia em
da ludo qnanto havia ella previsto, isto que
aps de urna concesso da natoreza da que pretende
esta assembla fazer a Flavio Ferreira Cato e oa-
ires, se succedara novas pretengoes, cada vez mais
desarrazoadas; e que jsejulguera os peticiona-
rios tao cerlos do boro xito de suas preteng5es,
Requeiro que sejam totas as emendas offere-
cdas_ ao art. 9 remeltidas commisso de ins-
truegao publica, para dar parecer acerca daqueltas
que devem de preferencia ser preenchidas at o
numero de 20. S. R. Carvaiho Moora. Silva
Barros.
(Continuar-stha.)
REVISTA DIARIA.
Acaba de chegar o actor Luiz Carlos de Amoe-
do, que acha-se escripturado para o nosso Santa
Isabel i e no prximo vapor procedente do sul de-
vem chegar igualmente quatro outros actoresfque
foram contralados na corte para o mesmo theatro,
cuja companhla dramtica ficar desta sorte com-
pleta e organisada de modo a salisfazer ao nosso
publico.
Os aetores esperados sao de reputaco artstica ;
e o Sr. Amoedo, alm de conhecido j do nosso pu-
blica, no qual deixou agradaveis recordagdes,
de justica ou equidade assiste ao supplicaote:
Considerando que o precedente de Flavio Cato,
qoasi realisado, nao Ihe serve de motivo justificati-
vo para o que solicita;
Considerando que a circumstancta de ter o sup-
piteante arrematado o pedagio da barreira por pre-
go superior ao do tnennio precedente, nada prova
em seu favor, pelas circunstancias que concorrero
sempre em semelhantes arrematagoes:
E' de parecer que seja indeferid a prestago de
Fructuoso Ferreira do Nascimento.
Sala das coramissoes, 10 de abril de 1865.
Buarque.Campello.
E' ido e Dea adiado por ter pedido a palavra o
Sr. Sa Pereira, o seguinte parecer:
A commisso de orgamento provincial exami-
nou a petigo de Manoel Lopes da Silva, em que
pede a esta assembl* que Ibe mande pagar a
quantia de 17$820.
A commisso considerando que o supplicante
ros, Armlnio, Sa Pereira, Jos Maria, Gongalves da pagou em duplcala a decima da casa n. 126 da
Silva, Brito, Silva Barros, G. Campello, Aqujno ra da Smala Velha, o que se acha provado coit
que aqni se apresenlam sem exhibir as provas do; boje o primeiro galn dramtico que temos no paiz,
que allegara, como prattcouio supplicante. sendo porUnto a sua entrada para o nosso Santa
a qne nenhuma razao | Isabel urna acquisigo que honrando o taclo do
digno empresario,
Fonseca, Diodoro, Loureirc-, Cunha Teixeira,' Na-
bor, Maranho, Ramos, Amynihas, Brando, Jaco-
bina e Ayres Gama.
O Sr. Presidente abre a sesso.
Sao approvadas as actas das sessoes anteriores.
Comparecem depois os Srs. Sabino, Al aojo Bar-
ros, Buarque.
EXPEUIENTE
Um offlcio do secretario do governo remetiendo
a informaco que den a eamata municipal do Re
oft, acerca dos fundamentos em que se baseou
para nao dar licenga ao francez Delouche pata es
tabelecer fabrica de chocolate no largo do '
desta cidade.A quera fez a requisigo.
Outro do mesmo, em solugo ao offlcio sob n.
42, remetiendo irrformagdes acerca dos limites
marcados para a cobranga das decimas na cidade
de Goianna e dos povoados que nos annos de 1862
a 1865, foram comprehendidos em os ditos limites.
A quem fez a requisigo.
Outro do mesmo, timwmitlindo 40 exemplares
o relatorio com que o Exm. presidente da provin-
cia abri a presente sesso.A destribnir.
Outro de mesmo, remetiendo os antographos dos
actos ns. 605,606.607, 08 e 609 decretados pela
assembla provincial. A archivar.
Outro do mesmo, remetiendo por copia os ofBcios
do inspector da thesouraria provincial de 6 do cr-
reme, e as demonstragees a qae elle se referem,
pedindo dous crditos aopplemeotares.A commis-
so de fauoda e orcamento.
Outro 4o mesmo, remetiendo as informacoes mi-
nistradas pelo director oerai da instrnego publica
sobre os alumnos que tem frecuentado as antas do
Curso Commercial.A quera fez a requisigo.
Outro do mesmo, remetiendo as informagdes so-
licitadas oo offlolo sob o. 54 acerca do prefessor
Claudino dos Santos Lopes Castello Branco.A
quem fez a requisigo.
Outro do mesmo, remetiendo as informaras mi-
nistradas pelos juizes de direito do Bonito, Cabro-
b, Tacarat, Nazareth, Sanio Antao, Rio Forroozo,
Limoeiro, Goiaaoa e Garaohans, acerca das neees-
sdades mais argentos das suas comarcas.A com-
misso de obras publicas.
Outro do mesmo, trans miltindo por copia o offl-
rio em qae a cmara municipal do Bonito pede a
reacio de um novo districto deaominado Cabilei
ra na freguezia do mesmo nomo.A commisso
de estatistica.
Outro do mesmo, remetiendo 30 exemplares do
relatorio a presentado pelo chefe da repart gao das
obras publicas.A d-siribuir
Oatro do mesmo, eomraaoieando que em data de
11 do correte, resolveu o Eira. Sr. presidente da
provincia aposentar o offlcial maior da secretaria
Ouiro do mesmo, transmiuiade por copia o acto
pelo qual a presidencia resol vea nomear a Joa-
quim Leocadio Viegas, amanuense da secretaria do
;.'averno.A eorarsiaso de orgamento provincial.
Ootro do mesmo, remetiendo a certido enviada
pelo inspector da Ujesooraria provincial remira-
os doas recibos do consulado
Considerando que o procurador fiscal foi de
parecer, assim como os demais empregados da
thesouraria do consulado, que se restituisse ao
supplicante a quantia por elle pedida;
Considerando que o Sr. inspector da thesouraria
expedio urna portara para este pagamento, que
Bao se realisou porque o procurador do suppli-
foi considerado insufflcientemente habilitado ;
E' de parecer que seja incluido o nome do sup-
plicante na lista dos credores de quantias cabidas
em exercicios lindos, que devem ser pagas oo
Carme anuo de 1863 a 1866. 10 de abril de 1865.
Campello, Buarque.
Sao julgados objeclo de deliberago e vo a
imprimir os seguintes projectos :
t A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resoive :
t Art. nico. Fica o presidenle da provincia au-
torisado a mandar construir as proximidades da
cidade de Nazareth um acude, pudendo para Isso
despender al a quantia de 4:i 00$000. S. R.
Pago da da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 17 de abril de 1865.Arminio Tava-
res, Gongalves da Silva, Maranho, Araujo Barros,
S Pereira.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resoive :
Art. 1 Fica creado nesta cidade um con sel h o
geral de salubridade composta de tres mdicos
versados no estudo da hygiene publica e da me-
dicina legal, e de mais dous mdicos adjuntos, que
suppriro os dous primeiros em seus impedimen-
tos e trabalharo conectivamente com elles quan-
do as necessidades publicas o reclamaren.
Art. 2 0 coosethe ter nm presidente que
vencer o ordenado de 1:200$, um secretario e
ara medico do municipio, que perceberio cada
nm 800$ e os adjuntes que percebero- 400$.
Art. 3o A deetribulgo do servteo e as obri-
gagoes a cargo deste eonselha sero reguladas pe-
la lei n. 143 de 15 de mato de 1845, at qne esta
assembla estabelega novas deterrauagoes a res-
petto. Pago da asseraba legislativa provincial de
Pernambuco, 10 de abril de 1865.S. R. Silva
Ramos.
A assembla legislativa provincial de Pernambu-
co resoive :
Art. Io E'licito nesta provincia abnr e.1 cola, col-
Irgio e estabelecimpoto de instroceio primaria ou
secundaria independento de prova de eapacidadee
de licenga de qualquer autoridade.
Art. %' A inspeegao que a lei n. 369 de 14 de
maio de es*- confere ao director geral da instrac-
cio publica aos delegados Iliterarios sobre esco-'
le, oollegtos, casas de educago e estabelecimen-
. se converte em vantagem para a
mesmo publico.
No domingo ultimo o theatro "Santo An-
tonio da Capunga, da sociedado dramtica particu-
lar Thalia Pernambucana, deu a sua representago
inaugural, em cujo desempenho se hooraram os
curiosos representantes de modo satisfactorio, com-
prchendendo in- papis de que se eocarregaram a
concepgo do actor, e colorindo-os com as tintas do
talento, que nelles viceja, de modo a faier sobresa-
hir as bellezas do pensamento capital e de seus
accessorios.
O edificio est arraujado bellamente, e mesmo
em suas proporgSes exiguas, tem todas as accora-
modagdes precisas um. theatro. A platea com-
porta cento e tantos espectadores, e o amphitheatro
est disposto em duas ordens de galeras para s
nlioras, tendo em frente, na segunda ordem, a tri-
buna presidencial, espacosa e luxuosamente deco-
rada ; e nos extremos da primeira a entestar com
proscenio dous camarotes applicados nm a direcgo
e outro a commisso litteraria.-
Alm disto, a pintura de todo o corpo feita com
gosto ; c as decoragos que se acbam promptas,
recommendara o genio do curioso que as fez.
Como reputamos o theatro um elemento de civi-
lisago, ura agente de araenisago dos costuraes,
urna escola de raoralidde eraiim, nao podemos
omittir as nossas felicitagoes sociedade dramtica
Thalia Pernambucana p.>ra concorrer para a con-
secugo desse nm eminentemente social.
O Rvm. eoadjoctorda Boa-Vista dirige-nos as
seguintes linhas, e comqnanio a noticia do faeto a
que ellas se referem, nos fosse transmitida por pes-
soa fidedigna e que individualmente nos merece
toda a considerago, com todo nao queremos coare-
lar os recursos da defeza pela denegaco da sua
publicago.
Sr. redactor da Revista Diana.Sendo o pri
meiro a reconhecer a bondade com que Vmc. se
presta a restabelecer a verdade, sempre que narran
do algura faeto de qualquer maneira a offeode, es-
pero, qae nao se ntgar a fazee-me a justica que
julgo merecer, visto e faeto por Vme. narrado na
sna Revista de hoje est visivelmente alterado.
c Na sexta-feira da paixlo, pelas 8 horas da ma-
nhSa, fui chamado a administrar os nltimos sacra-
mentos a um enfermo na ma do Principe, o qne
promptameoto liz; voltando a matriz, ah me es-
pravam para ir a casa da Exma. baronesa da Vic-
toria, afira de oonfessar a urna senhora gravemente
enferma : de volta a matriz, eneontre a esses Srs.
de que Vmc. falla, os quaes rae convldaram a ir a
travessa do Pombal, administrar os sacramentos a
outro enfermo. Bastante fatigado, perguntet a esses
Srs. se me nao podiam pre?lar ura carro, visto a
hora adiantada do dia (quasl meio dia) a loogitnde
de lugar, o mo caminho e o meu estado de f.-tdi-
ga ; e tendo-me elles respondido qne erara pobres
e nao podiam alagar carro, preparei-me para se-
guir, o que vendo alguns Srs. que estavam presen-
te*, e reconhecendo qnanto erara justas as minhas
raides, e sem que eu nada Ihes pedisse, se cotisa-
r*Sm e mandaram vir um carro, indo um delles a
casa do subdelegado pedir a ordem para poder o
carro sahir da cocheira.
c Invocando o testemonho desses Srs., a quem
peco me conlradigam se falto a verdade, en. espe-
ro tjue Vmc. nio se negar a reconhecer qne foi!
mal informado qnando narron o faeto da maneira
por qae se v na Revista de hoje, e se prestar a
fater-me jastiga publicando esta, com o que muito
abrigar ao que de Vmc. constante leitor e criado
c O coadjuctor, padre Manoel Cirillo de Ohvetra.
< Boa-Vista, 17 de abril de 1863 >
Amanha se extrahira 4* parte da Ia lotera
da Santa Casa de
Damio Coelho de Mello; paaarcio.
Tiveram alta :
Joo de Soaza Eugeuio.
Manoel Flix de Sant'Anna.
Bellarmtno Alves Baptista de Carvaiho.
OBITUARIO DO DIA 15.DE AUBIL DE 1863, NO
CEMEITRIO PUBLICO.
Constancio Jos Francisco, Pernambuco, 40 annos,
casado, Boa-Vista ; tnbeTcalos pulmonares.
Manoel, Pernambuco, 6 mezes S. Jos ; convul-
s5es.
Francisco, Pernambuco, 1 anno, S. Jos ; convul-
sdes.
Autonio, Pernambuco, 18 mezes, S. Jos ; intente
chronica.
Manoel, Pernambuco, 7 dias, S. Jet; convul-
sdes.
Maria, frica, 54 asnos, solteira, escrava, Recite ;
repentinamente.
Antero Pereira de Araujo, Bah\a, il annos, soltei-
ro, Boa-Vista ; udigesio.
Emilia Candida de Mattos, Pernambuco, 40 annos,
casado, Sanio Antonio ; tubrculos pulmona-
res.
Jeronymo Paes Brrelo, Pernambuco, 24 annos,
solteiro, S. Jos; phtysica.
Mara Francisca de Lucena Pessoa, Pernambuco,
86 annos, viava, Reeife ; coogestao cerebral.
Joo dos .Santos, Pernambuco, 17 annos, solteiro ;
S. Jos ; tubrculos pulmonares.
Francisca Simplicia das Chagas, Pernambuco, 90
annos, solteira, Boa-Vista ; diarrbea.
Joaquira, frica, 60 aanos, solteiro, escravo, Boa-
Vista; anemia.
Mana, Pernambuco, o mezes, Boa-Vista ; bexi-
gas.
Bernarda Joaquina Maria, Pernambuco, 50 annos,
viava, cidade de Olnda ; phtysica.
Dr. Vicente Jeronymo Wanderley, Pernambuco, 46
annos, casado, Santo Antonio ; hypetrophia do
corago.
Benedito Peres de Campos, Pernambuco, 40 annos,
Boa Vista ; tubrculos pulmonares.
Manoel, Pernambuco, 1 hora, Boa-Vista -, cooges-
tao.
Amelia, Pernambuco, 1 anno, Reeife ; bron-
chite.
Lourenga Maria da Concego, Pernambuco, 66 an-
nos, viuva, Reeife; congesto.
- 16 -
Maria, Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista; diar-
rbea.
Umbelina, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos; conges-
to cerebral.
Mara da Peana de Jess, Pernambuco, 45 annos,
viuva, Boa-Vista ; hepatite chronica.
Catharna Maria dos Santos, Parahyba, 30 annos,
solteira, Boa-Vista ; hepatite ebromca.
Domina, Pernambuco, 1 hora, Santo Antonio ; con-
gesto cerebral.
GOMMUNICADOS.
Em desaggravo de minha reputago infmemen
te maculada por um vil calumiador, que levia-
menlo me imputara a subtraego de urna quaolia
desapparecida do seu estabelecimente, corre-me o
dever de declararan publico em geral, e com parti-
cular aos meus amigos e comparochianos quo, ha-"
vendo sido preso na qninta-feira sagrada pelo sub
delegado do districto do Peres, que para este Ora e
sera que me apresentass ordem escripia e com as
solemnidades da le cercara e varejara a casa do
minha residencia, fui relacbado da priso depois
de 36 horas, reconhecendo por este modo a auton
dade que nenhuma responsabilidade me pode ser
imputada por esse faeto a que alludi em princi-
pio.
Por esta occasiao, relevar o Sr. Dr. Francisco
Leopoldino de Gusmao Lobo qae tnscreva aqui o
seu nome como o de om verdaderro e deslnteressado
amigo da humanidade que sem a Hender escassez
dos meas recursos, servio-se ampararme cornos
seus laminosos conselhos como advogado, dignn-
dose requerer e promover todo quanto se fez a bem
de men direito.
Afogades, 17 de abril de 1865.
Antonio io Carmo Xavier M.
-----502
Voromes satardos com fazendas___ 154
t i com gneros..... 287
-----441
Desarregam no dia 18 de abril de 1865.
Barca francezaSolferinomercaduras.
Escuna inglezaZuave mercadorias.
Barca franceza-S. Andrdem.
Patacho porluguez Mara da Gloria diversos
gneros.
Brigue nacional -Pal lascharque.
Sumaca nespanholaGuadalupedem.
Barca potluguea-S. Jouodem.
Barca ingieraArran Mecarvo.
Barca inglezaScoldem.
Barca inglezaCommodoreidem.
Barca belgaSophu Theoiorine dera.
Brigue ingiez-(/jp//-idem.
Brigue ioglez IzabeUaieai.
Iraportafo.
barca ingleza, Fleut entrada de Swansea, consig-
nada ordem, raanifesto 315 toneladas'carvo de
pedra.
Vapor nacional Paran, entrado dos portos do
Sul, consignado a Companhia Brasileira, mantfes-
tou o segnintedo Rio de Janeiro :
Gneros estraDgairos.
2 barris tinta, e 1 caixa objectos de zinco ; a
Francisco de Salles Oliveira Castro.
Gneros nacionaes.
10 jaeazes loucroho; a Dnarte Carvaiho & C.
1 catxa cigarros e charutos; a Jos Leopoldo
Burgard.
1 dito fomo; a Joaquim Bernardo dos Res.
i caixole Itvros impressos, a GuimarSes & Oh-
vetra.
I caixo livros impressos; a Joao Walfredo de
Medeiros.
1 pacole msicas; a Joo Vignes.
1 lata roupa, 1 barril linguigas; a Carvaiho &
Nogueira.
I embrulho livros, 1 dito canudo, 1 dito queijos
e 101 saceos caf; ordem.
Exportadlo.
Barca franceza Maurice, carregou para Mar-
seilte :
5:200 sacco3 com 26,000 arrobas de assuear
mascavado, 131 saccas com 703 arrobas e 18 libras
de algodo.
Brigue Inglez Dante, carregou para Greenock
3:330 saceos com 16:730 arrobas de assuear
mascavapo.
Brigne norueguense Sulphiden, carregou para
o Mediteu-anao :
3:800 saceos cora 19.000 arrobas de assuear mas-
cavado.
Patacho hollandez Jacoba, carregou para o Rio
da Prata :
1:100 barrices com 7:880 arrobas de assuear
branco, 250 ditas com 1:935 arrobas mascavado,
89 cascos com 14:570 medidas de agurdente.
Brigue brasileiro Mondego carregou para o Rio
da Prata :
1:380 barricas com 10:012 arrobas e 18 libras
de assuear branco, 300ditas.com 2:297 arrobas e
13 libras mascavado.
Escuna norueguense Iromso earregeu para o
Mediterrneo: .
2:800 saceos com 14:000 arjobas de assuear
mascavade.
Patacho hespanhol Rengo carregou para Barce-
lona :
573 saccas com 3:111 arrobas e 9 libras de al-
godae.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia i a 15........ 11:219*729
idem do dia 17\,............... 1:474*321
administrador, para substituir a este; por isso re-
quer a V. S, que se digne marear di.para reunio
dos credores, convocndose a estes por meio de
edital.
Pede tV.S. deferiinento.-E tt. oerc.-Jos
Jeronymo Monleiro. _
Na presente petigo dei o aaguinte despacho:
Stra, marcado o dia 18 do correte raez, as II
horas da rnanhaa, na sala da* audiencias.
Reeife, 6 de abril de 1863.Alencar Araripe.
E em cumprimento a ente despacho fez o
respectivo eserivo passar presente edital pelo
theor do qual convoco todos es credores da indica-
da massa comparecer ao dia, hora e lugar
cima designados, aflm den* lenhalugar a deli-
gencia requerida.
E para que este chegue ao conhecimento do
todos, ser publicado pela imprensa, e afflxado na
forma da le.
Cidade do Reeife, 7 de abril de 1865.
| Eu Manoel Maria Rodrigces do Nascimenlo,
escrivao o^ubscrevi.
Tristao dt Alencar Araripe.
O (Jim. Sr. inspector da thesouraria pr jvin-
cial. era cumprimento da ordem de Exm. Sr. pre-
siden le da provincia, manda fazer publico quo no
dia 22 do correte, perante a junta da faanda da
mesma thesoararia se ha de arrematar -a quem
por menos fizer, a piulara da ponte de ferro por
detraz do theatro de Santa Isabel, avallada *m
4o0$000.
A arrematago ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 313 de 15 de mato Oe 1834, e sob as
condigSes especiaes, que sero presentes ao arre-
matante nesta thesouraria, deveodo tor lugar as
habilitagSesno dia 20 do correte.
E para constar se mandou publicar o prosente-
pelo jornal.
Secretaria da tbeseuraria provincial de Pernam-
buco 15 de abril do 1863.O secretario,
A. F. d'Annuncragao.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1
Idern do dia 17
a 15.
DEGUUC6ES.
10YMENT0 DO PORTO
Navios entrados no da 17.
Rio de Janeiro11 das, brigue brasileiro Adolpko,
de 191 toneladas, capilo Manoel Jos Machado
Filbo, cquipagera 11, carga 8,700 arrobas de
carne ; a Maia & Espirito Santo.
Swansea-36 das, barca ingleza Trent, de 220 to-
neladas, capilo James, equipagem 9, carga car-
vo ; a ordem.
Navios filudos no mesmo dia.
Portos do sul Vapor nacional Tocantms, com-
mandante 1 tonente Pedra Hypolo Duarte-
Portos da norteVapor nacional Paran, comman-
dante o capitao de fragata Santa barbara.
Para'Pal ha bote nacional Paraense, capilo Ma-
noel Jos Pereira Marinho, carga di Aeren les ge
aeres.
Mediterrneo-Patacho norueguense Transo, capi-
lo A. A. Jacobsoo, carga assuear.
Rio da PrataBrigue nacional Mondego, capitao
Antonio Pereira Marques, carga assuear.
LiverpoolPatacho inglez Spray, capitao Melhuisk,
carga assuear.
IDIT1BS.
PUBLICARES A PEDIDO
Pastilha vermfugas de
Kemp.
Criancas atormentadas por vermes podem ser
aliviadas com urna s dose de pastilbas vermut-
fas de kemp qae sao incitantes em apparencia e
deliciosas de mais no seu gosto para serem rejeita-
das. Estas pastllhas sao muito procuradas por
quatro motivos; ellas nao conlm mineraes, nao
precisam depois de porgante, effectuam o que se
deseja sem causar dr, as criancas esto promptas
a tomar mais do que marca a receita.
Nenhuma mi queja asteaba experimentado urna
vez quer outro vermfugo na sua casa.
A' venda por todos os primeiros droguistas no
imperio e em Pernambuco por Caors di Barbosa, e
J. da C. Bravo & C.
COMMEBCIO.
Caixa filial da bauco do Brasil em
Peroambieo.
Misericordia, para caoalisago o^i'^f n!aa?n^f ""> ***** bVtC0. ,
toti de lastracco primaria ou secundaria, flea limi-ld'agoa e gas no hospital Pedro II. (i*) sendo o r*",nno. dVSS rA e 8obre cm* fiiial do
taca aquellas esttbeleeimeotos que forera raaatidos maior premio 6:000$. mesmo baDC0 na Bah,a-
a flama dos cofres da provincia. Hontem, s 11 horas da manhaa, o telegra- ~"\ _
A#t. 3." Ficam revogadas as disposigfles tro con-; pho transmittio ao publico vir um vapor ao norte, H*vo naneo de Pernam-
trario. I e compteton os sfgflaes dizendo que bordejava no buco.
S. tt. Pafo da asembia legislativa provincial honsonte. Mais tarde verifleonse qae o aldante O banco desconta letras na presente semana a
de PeTBiaibueo, 8 de abril de de 1865.Costa R- 'do lelegraphfsta tomara como vaper pma barcaca 10 por cenlo ao anno at o prazo de quatro me-
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, era cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 10 do crreme, manda fa-
zer publico qne no dia 14 de junho prximo vin-
douro, perante a junta da fazeoaa da mesma the-
souraria, se ha de arrematar, a quem por menos
flzer, a obra da cadeia da cidade de Nazaretb, ava-
llada em 18:093*900 rs.
A arrematago ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 13 de maio de 1854, sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem essa arremata-
gao, eomparegam na sala das sessdes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habilitados.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretann da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 14 de marco de 1863.O secretario, A-
F. d'Aneuncago.
Clausulas especiaes para a arrematago.
1.* O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
feito de conformidade com a planta e orgamento
junto, na importancia de 18:093$600 rs.
2. O arrematante ser obrigado a dar principio
aos trabalhos no prazo de 30 dias, e" concluidos
no'de um anno, ambos a contar da data da assig-
natura do contrato.
3.* Os pagamentos sero feitos em 3 prestagoes
iguaes correspondentes a cada terco da obra Onda.
4.' Nq ser era tempo algum attendida qualquer
reclamagao por parte do arrematante tenden-
te indemnisago, quaesquer que sejam as allega-
goes em que so hajam para esse flm, ainda mes-
mo por prejnizos provados.
5.' Para tudo o que nao eetiver especificado as
presentes clausulas, segulr-se-ba o que dlpoe o re-
gulamento de 9 de Janeiro de 1864.
Conforme.A F. d'Annunciago.
O Dr. Tnsto de Alencar Araripe, offlcial da im
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Reeife, capital da
provincia de Pernambuco e seu termo, por Sua
Magestade Imperial e Constitucional o Senhor
D. Pedro II, a quera Deas guarde etc.
Pela thesooxaria provincial se faz publico
que a arrematago dos reparos de qne precisa a
ponte do Rio Permoso foi transferida para o dia 27
do correte.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 7 de abril de 1863.-0 secretario,
A. F. d'Annanciag.
Pela thesouraria provincial se faz publico que
a arrematago dos reparos de que precisa oimpe-
dramento da estrada de Apipucos desde o lugar
em frente a da Trempe al o Chora-menino foi
transferida para o dia 20 do correato.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 7 de abril de 1865.O secretario,
A. F. d'Annonciacao.
Pela thesouraria provincial se faz publico
que a arrematago dos reparos de que precisa a
ponte do Bujary sobre o rio Traeunbaem foi trans-
ferida para o da 20 do correle.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 7 de abril de 1863.O secretario,
A. F. d'Adnunciago.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
qne a arrematago dos repares de qae precisa a
estrada do Porto de Galinhas, foi transferida para
o da 20 do torrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 10 de abril de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciago.
O Illm. Sr. Inspector da thesoararia provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 10 do correBte, manda
fazer publico que no dia 27 do mesmo, perante a
junta da fazenda se ba de arrematar a qnem mais
der o imposto do pedagio da ponte de Motocolom-
b, avahado novamente em 1:512} por anno.
A arrematago ser feita peto tempo qne decor-
rer do 1 de junho do correnle armo, ao flm do
junho de 1867.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesoararia provincial de Pernam-
buco II de abril de 1805.
O secretarlo,
A. F. d'Aonanctaglo.
Devendo proceder-se a snbstituigao do docel
que cobre a efJBgie de S. M. e Imperador e o pan-
no que orla a mesa dos despachos do tribunal do
commercio, para enja despeza est o mesmo tribu-
12:694*053 nal autorisado a dispender at a quantia de 400?,
convida esta secretaria as pessoas que se quizerem
encarregar da factura de taes obras, a apresenta-
13:338*121 rem suas propostas em cartas fechadas ate o dia
3:771*800 20 do correte mez.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam
47:110*2 I tNKO 10 de abril de 186S.O offlcial-maior,
Julio GuimarSes.
Insprese do arsenal de mariuha.
Faz-se publico que a commisso de peritos exa-
minando na forma disposta no rrgulamento anne-
xo ao decreto n. 1,321 de 3 de feverero de 1854,
o casco, machina, caldeiras, apparelho, mastreacao,
veame, amarras e ancoras do vapor Parahiba da
companhia Pernambucana de navegago costeira,
achon todos estes objectos em regular estado.
Inspeegao do arsenal de roarinba de Pernambu-
co 12 de abril de 1*65.
S. C. dos Santos
Servindo de secretarle.
O conselho de compras do arsenal de gnerra
precisa comprar o seguinte :
6 caixas com folhas de Flandres, marca grande.
1 estojo porttil de pequea cirurgla.
As pessoas que quizerem vender taes artigos
apresentem suas propostas na sala das sessoes de
conselho, as 11 horas da manhaa do dia 19 do cor-
rrente.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar-
senal de guerra 13 de abril de 1865.O encar-
regado da esriploraco,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Fiscalisaiao de Sanio Anlouio.
O abaixo assignado, fiscal da freguezia de Santo
Antonio desta cidade pelo presente pede a todas as
pessoas dooos de madeiras, tjolos, palhas de co-
queiros, etc., qne ixistem depositados na frente das
casats desde o caes do Ramos at a travessa da Ri-
beira, lugar que divide a sua liscalisago, que os
fagam retirar para dentro de armazens, da data
deste a 8 dias, afim de nao serem multados e ve-
rera ser removidos as mesmas madeiras e mais ob-
jectos encontrados a sua cusa para o logar que fr
indicado por esta liscalisago, em cumprimento do
determinado na postura municipal.
Fiscalisaco de Santo Atitonh do Reeife, 17 de
abril de 1866.
O fiscal,
Caetatw Pinto de Veras.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematago dos reparos de que precisa o
eropedramenlo do lugar denominado Areias do Gi-
qui, na estrada da Victoria, foi transferida para
o dia 5 de maio prximo vindonro.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
buco 15 de abril de 1865,O secretario,
A. F. d'Annunciago.
Pola thesouraria provincial se fa publico,
qae a arrematago da obra da conslrueco da bom-
ba da varzea de Paulista, foi transferida para o da
27 do correte.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 15 de abril de 1863.-0 secretario,
A. F. d'Annunciago.
CQSRifO ggftM
Relaeo das carias seguras viadas de ni e norte
e das existentes na adraiiistrars de cerreie
desla eidado para os sensor*s abaixo decla-
rados :
Dr. Angelo Munz de Oliveira Serpa.
Tenente-coronel Amonio Carneiro Machado Ros.
Antonio Pedro de Mirauda.
C^mmendador Antonio de SouzaLeo.
Bailar Gongalves Machado.
Bernardlno da Silva Campos.
Custodio & Carvaiho.
Claudico de Hollanda Cavalcanti.
Carlos Ernesto Mosquita F.
Candido Vieira da Cunha.
Domingos Jos da Cunna Lages.
Major Flix Francisco de Sooza Magalhe*.
Dr. Felippe de Fiaueiroa Faria.
fago saber aos que o presente edital vlrem e FrmiuoThaotontoiSantiago,
delle Doticia itverem, que Jos Jeronymo Montetro, Felippe Nery dos Santos,
a S ida as5a fa'lida de Amorim, Frago-; Desembargadar Francisco Domingaas da Silva
ttekn "* mgl a seKuil"e pe- Fraocisco de Mello Barreto.
mm n. i. I Herculano Joaquim Miranda Heurlques.
Jii^"Z.e?pec,aJ d0- cmmercl.-Dz!AlferesJ im Pedro do Reg Baros.
lJ7mo Montetro, administrador da massa Joo Baptista de Albuquerque
fallida de Amonra^rragoso, Santos, & C., que ten- Joao Manoel de Araujo. .
do fallecido seu companhelro Tboroaz d'Aquno Jos Carlos Gomes da Silva Sampaio.
fonseca Jnior, julga necessarlo nomear-se outro Dr. Ferreira Druvalle.
.


I
>
.


Warlo de +trn*tnhno li-ea fefrt tfe Afcrf! de XWti.
x
Jos Francisco RIbeiro Macha!').
Jos Gjnjalvas Beltrao.
Jos Joaquim do Lima.
- Jos Porfirio Teneira de MeadMc;*.
ios Rodrigues da Seuta.
t. Maria Josepha de Jess.
Mmob Cael'ano Borgt-s e Silva.
Manat Ftrmino Ferreira.
Maneel Moreira Campos.
Porfirio Moreira Al ves GuqIu
"aymanda.
Satyro Raymtradrj des Santos.
Vicente Frawise de Oliveira.
Nediaqnarta^iira 49 do corrente. se Ten-
dera em leilao pelo agente Euzebio, urna rama de
Jacaranda nova, moMlia com tampo de pedra
marmore superior, secretaria, berso, cadeiras de
arruar proprias para a presente estagao, idem pa-
ra meme j4BUr, estaates, guarda roana. guarda
iouca.
-
TIIE1TRO
DE
S. ISABEL
EMPREZA-COIMBRA
Recita extraordinaria
Terca-feira 18 de abril de 1865.
Representarse -ha o sempre applaudido e apa-
ratoso drama sacro em 3 actos e 5 quadros, orna-
do de msica e machioismo
OS
MARTYRES DAGERMANIA
PEHSONAGEN'S. ACTORES.
Constancio, cear do Ocidente...... Coelho.
SeipiSo, patricio romano esenador. Coimbra.
Orosio, chefe dos chrlstos, octogi-
nario........................Germano.
Gabriel, fllho de Orosio.......... Lisboa.
Decio, grande sacerdote de Jpiter. Pinto.
iUcifer........................ Borges.
Piulo, ceaturao romano.......... Guimares.
Polion, guarda dos carceres......Santa Rosa.
Izac, jodea, escravo d* Afra...... Teixeira.
O Arcanjo...................... N. N.
Afra, corteza romana............. D. Eugeniaa.
Marina, virgem christaa.......... D. Camills
A Fe........................... N.N.
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA
AOS 6:000#000.
Corre amaaha.
Quarta-feira 19 do corrente mez, se ex-
trahir a 4a parle da l1 loteria (12a) abe-
neficio da Santa Casa de Misericordia, para
canalisac3o d'agua e gaz no hospital Pedro
II, no consistorio da igreja de Nossa Se-
nhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os biluetes.meios e quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de G.0000000 at 1041OO0
serao pagos urna hora depois da extracto
at as4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuicaodas listas.
As encommendas s rSo guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto
como de costume.
O thesoureiro,
_______Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Joaquim Ferreira de Araujo Guimares, sub-
dito portugus, vai a Europa.
O Sr. Joseph Barra, subdito napolitano, reti-
rase para fra do Imperio.
Lourenco Pereira Mentes (guimares tendo-
Enmenia, escrava de Afra........ D. Leopoldina fe retirado para Portugal no paquete iuglea, nao I
Digna, idem, idem...............D. Jesuina. te'e temP despedir-se de todas as. pessoas a ,
upropia, idem, idem............D. Francisca- 9ue(m deTe altenefies de cuja falta pede desculpa,
Senadores, lictores, sacerdotes, sacrificadores. ie ofrece a seus amigos seu pequeo prestimo.
auruspices, vlrg^ns, cenlurioes, decenarios, sol, i Precisa-se de urna ama para cosiohar e en- .
dados, povo romano, poro christo, escravos e es- gommar para urna casa de tres pessoas, forra ou
cravas.
As encommendas podem desde ja ser procara-
das e o pequeo resto de bilbetes esto a venda no
escriptorio do theatro.
Principiar s 8 horas.
Os I.Hieles acham-se venda no lugar do cos-
ime.
captiva : na ra do Rangel n.ns, primoiro andar.
Na ruada Cadeia do Reofe"Toja~de~frra-
gens 41, deseja-e fallar cora o Sr. Jos Dias
Fernandes, a negocio de interesse.
tem de ser entregue pelo dimiaulo proco de
400)3 preco que se tem aciudo pelo pardo de ida-
de de 20 anno.-. tao somente por ter urna pequea !
ferida na perna : na mesma loja de fazeudas no !
Passeio Publico n. 7.
Domingos AI ves Matheus mudou seu
escriptorio para a ra do Vigario a. 14
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
dk Na padaria da Torre precisa <"
SavegaeSo costelra por vapor, hcnietn de meia idade para caixeiro sendo
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear Isolleiro e d conhecimento a sua conducta: i
e Acarac. I tendo alguraa pratica melhor.
O vapor iPersinunga. com-______________________________________
mandante Ralis, segu para oj O Dr. Prxedes Gomes de Sorna Pitanga nao
norte no da S2 do corrente as o > podendo despedir-se penalmente de lodos es sen*
horas da tarde. Recebe carga I amigos o faz por meio deste jornal, offerecendo a*
21, eneommeudas, pas- R0 de Janeiro os seus servigos.
at o da
ageiros e dmheiro a frete at 2 horas da tarde
lo? n. I.
Para a llahia pretende sabir em poucos dias
a escuna Etiza, por ter alguma carga tratada, e
para o resto que he falta trata-se com o consigna-
ario Joaqutm Jos Goncalves Beltrao, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6, ar-
mazem.
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir cora muita brevidade a barra
Aio de Janeiro, tendo parte do seu carregamento
engajado: para o resto que Ihe falta e escravos a
fretes, para os quaes tem expelientes commodos,
trata-se com o seu consignatario Antonio Luiz Ro-
drigues Mindello, uo seu escriptorio na ra da
Cruz o. 1._______________________________
Para o Rio de laueiro.
O briffue escuna Joven Arthur, pretende seguir
com muita brevrdade, lendo parte de seu carrega-
mento promplo : para o resto que Ihe falta e es
era vos a fretes, para os quaes tem bous commodos,
rata se com o seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C
Declara que dei xa por seus procuradores nesta
provincia aos seus amigos Dr. Jos Eustaquio Fer-
rira Jacobina, tenenfc"Corooel Roilolpho Jlo Ba-
rata de Aimeida e Irineo Coelho da Silva, os quaes
se acham autorisados a effeciuarem todo e quai-;
quer recebiaeuto, p amigos que com elle teem cinta*, qne se eatendam
com os ditos seus procuradores
Que deixa encarregado de seus trabalhos clni-
cos ats seus amigos e collegis os Srs. Drs. Este .
vo Gavalcanti de Albnquerque, morador na es-
quina da ra das Flores n. 37. e Silvino Tarquinio
Villas Boas, moradur na ra da Soledade, pelo
que pede aos seus amigos, em cujas casas costo-
nui ir clinicar, de eoviarem os seus chamados por >
escripto a ditos seus collegas, os quaes se achara
prevenidos para aecudirem de prompto.
Deixando esta provincia depois de 13 annos de I
coniinuo exercicio meJico, nao pode della retirar-
M sera dedicar um voto de gratidaa ao ilii-hado
numero de amigos que oella deixa ; a cada lin-
dos quaes em particular offerece os seus servidos !
no Rio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro.
Segu nestes oito dias o brlgue escuna No set,
tendo dous tercos do seu carregamento a bordo :
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, para
os quaes tem bons eommodos, trata-se com os seos
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
_ C, no seu escriptorio na roa da Cruz n. 1.
Para Lisboa.
A barca portugoeza Henriquela, segu para Lis-
boa al o tira da presente semana : tem dons ter-
cos do seu carregamento a bordo : para o resto
que Ihe falta e passageiros, para os quaes tem ex-
pelientes commodos, irata-se com es'seus consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
sju escriptorio, ra da Cruz o. i.
Para o Para.
vai seguir com muita brevidade o palhabotePa-
raense, tem a maior parte da carga prompta, e
para o resto que Ihe faifa trata-se cem o consigna-
tario Joaquim Jos Gon;alves Beltrao, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6,
.armazem. /
ara Lisboa

t
Joaquim Mauricio Wandenuy e Joauoa
Pires Campello Wanderley, penhorados da-
quellas pessoas que se digoaram acompa-
nhar o enterro do seu muito presado Glho e
marido o Dr. Vicente Jeronyino Wanderley,
roga-lhes de novo e aos mais prenles e
amigos do finado o candoso obsequio de as
sistirem a missa do stimo dia pelas 7 horas
da manbaa de 19 do corrate em a capeUa
do cemiierio publico.
O patacho portuguez Marta da Gloria, capilo
S'alente, vai sahir breve, recebe carga e passagei-
ros : trata-se om o consignatario E. R. Rabello,
ruado Trapiche n. 44.
Para o Para o hiate Novaes recebe alguma
carga a frete : a tratar com os seus consgnala
ros no largo do Corpo Santo n. 6, segundo andar.
Para o Por lo
egue impreterivelmente at o dia 27 do corrente
a bem conhecida e veleira barca Claudina por ter
seu carregamento prompto : para passageiros, pa-
ra os quaes se offerece exeellontes commodos, tra-
ta-se com Cunha Irmos & C, na ra da Madre
do Dos n. 3, ou com o capitu a bordo.
IEIL0ES.
Leilio
de urna taberna na roa da Guia os. 41 e 42
perteacenie ao espolio do ausente Juao
Manoei Alves d'Aievedo.
iioji:
O 'gente Pastan* far leilao por cunta de quera
iiurtencer, e por ordem do Iflm. Sr. cnsul de S.
M. Pidesaioja, de todos os gneros, arraaclo e mais
'.tunciiios eaittemes na taberna n. 42 e tlho o. II.
perlencaale ao escolio do ausente subdito portu-
guez Joao Manoei Alves de Azevedo, terca-teira s
10 horas, na mesma taberna ra da Guia us. 41
eiS.
Leilao de nina escrava.
HOJK
O agente Pinto levar eramente a IHHo a es-
crava Aiexandrnra,feiteneeflie aaorpiio Homin-
os Gabriel Pereira Lima e existente no deposito
geral, serviodo de base e maior prec,o oblido no
leilao do di* 11 do corrente mez, o leilSo ser ef-
.'ciuado em seu escriptorio ra da Cruz n. 38, as
40 oras em ponto.
ieilio de movis e outros objecUs de
gosto e de ama carrera com boi.
Terca-feira i8 do corrente as 11 horas.
No armazem a ra da Cfoz o. 57.
Cordi'iro Simoes far leilao de diversas obras
Je mircineiria como aejam : cadeiras, commodas,
anides, eirteiras, gantaarios. guarda ron pas e
outros muitos artigo* de gosto.
Tliomaz Fernandas da Cunha roga aos
seus amigos o especial obsequio de assisti-
rem a urna missa qte na quaria-fetra 19 do
corrente mez as 7 1|2 horas da manha,
manda celebrar na matriz de S. Fre Pedro
Goncaives do Recife por alma de seu presa-
do amigo Francisco Maria Patricio, fallecida
na cidade do Paito, em 18 de marco prxi-
mo passado.
Lino de Faria, sob o peso de urna grande
dr, agradece a seus dedicados prenles e
amigos que so dignaram assistir as exequias
de sua virluosa e sempre chorada esposa
acompanhando o cadver ao ceraiterio pu-
blico ; e roga aos mesmos senhores a cari-
dade de assitir a missa que por alma da
mesma sua consorte se ha de rezar na igre-
ja do mesmo- ceraiterio, pelas 7 horas da
manhaa do aia sexta-feira 21 do corrente, a
qual nao pode ter lugar no stimo dia, im-
pedido com os actos da naixo. O mesmo
Lino de Faria se considerar sempre reco-
nhecido aos seus bons amigos e parales
por este ultimo actodecaridade e sjmpalhia.
PILUUS = BUNCARD
AO IODUBETO DE FERRO l.NALTEHAVKC.
Approvadas pela Acadamia de Medicina de Pariz
ABIOBIS1DAS PEIO COXSE'.BO MEDICAL DE -PETESll'BCO
EXPERIMENTADAS NOS BOSPITAES DA FlUNfA, DA BEl.r.ic. DA IRLANDA, DA TURQUA, ETC.
MeHfoei honroa$ nat Exposipxt, iter(tei de Nea-York, 85S t de Parii, 1855.
Estas Pilulas envolvidas n'aaia carnada resi*o balsmica de ama tenoidade excessiva, lem avantaeem de
seren malteraveis, sem sabor, de um pcirueno olmne, e de nao cansarem os orgas digestivos. V.maaAo Jas
i-'l""1!*' d Ioo e __; ellas conre principalmente as affeccoes Chloroiica,, EstVofulm*,
lubercmli.xu Cacrota*, oa Uueorrkea, amtnorrhM, anemia, etc:enfioi, ellas offerecem as pralicos ulna me-
dicaao daa man enrgicas para modicar as consliloicoai4fmpAoi*, fraca ou dchitiadai.
It.B. O iodnrelo de ierro Impuro ou alterado um maCiraincnlo Me1, irrilanlc yS
Como prova de pmu c de authencidade das verdad? Iras pIlMas de Blan.ard, *re >^T Oe-
-se exigir oosso Helio de prala rearllva e nosso Urina, ajui uproduzd.i, que se tYSZ&l?7<2?SZ2/)
MkM na pane inferior de um roalo verde. Dv -te desrsoOar das (alsifi.-aea). j^-^~ -y
Acliana -ae en todas aa Pbarmaela.
Pharmaceutico, ra Bonaparte, 40. Parii.
elixir domm
AO CITROLACTATO DE FERRO
mi
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
HAHKSIIir.O DA ESCOLA SUFIRlOa BI PARS.
Este xarope, regularisando as funccOcs do estomago c intOatinos, desn e^sas
indispones proteiformcs, c faz abonar as molestias de que sao indicios prc.urso-
res. Maacoi e dotin tem rocoalieoido que resubelece as rad*4des, fau-ndo
desapparecer os pesoaaV estomago, que calma as enxaquccas, esivismos, a ewRibMs,
que sao resultdode digesldcs penosas. Seu gosto agradavel c a faeiliJadc co;ti qne
se suporta, o ten fcito adoptar como especifieo rafaltivel das dorucas nitaiTia
gaitritis, gastralgias, coUcas de estomago i d* enironlios, pulpifO.s, dores d
coraeao, vmitos nervosos; sua accao sobre as funecoes assimiladora, 0 tal, que os
moicos mais lilustres o tc adoptad por rcscipientc real dos rtous primeiros
agentes therapeutico: e hdurelo 4* Potaste c o Proto-lodureto do faro, tendo
observado que dcbaixo de sua i afluencia, o primirt perda sua acuao irritante e a
segando cu effeito adstringente.
XAROPE FERRUGINOSO
Do casca de laranjas amarga com
proto-ioureto de frro.
A usaciaeoo do sal farra ao Xtropa ie can-
eas de laranjas 6 tanto mais racional quanio
que esta xarope, empregado s, para estimu-
lar o apatita, aetiva a secrcoaa de sueca na-.
trico, e pr lian ragttlarisa as fuaccies abdo-
mitnes, neutraliza as mos effeitoi dos ferru-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabeca, pri-
sa da venlra, dores pigastries) em quanio
que facili- toa Rbsorpca*. Bissahrido no
Xarope, alie n toma e s supporta fiatl^nt,
por aetnrr-S ao estado puro mth asWwifafel
e assim pode coutiuuar-se a cura da pallidez,
eorrimentos brancos, anemia, affeccoi- escro-
fulosas e racbitismo:
O frasco 4 ir. 50 c.
XAROPE DEPURATIVO
Da oasaaa da laranjas amargas cota lo-
dureto de potassa.
O ledoreto de potassa, administrada m
solucao ou daoaito da forma solida, causa ao
docnte ama grande repugnancia, au determina
accMeate qe s fbTelo i renuaeiar a esta
medieicio efhcaz.
Unido portim ao Xarope de cascaa de Inran-
jaa, ella aaS causa nem gastralgias, nem p.-r-
lurbacio i astomago intatuaos, a gracM a
esta salvaguarda, oa tratamenUs depurativos
sas continuados sem interrupcie, as affec-
edes escrofulosa!, tuberculosas, cancerosas i
nos secundarias < terciarias, mesma riuma-
tttttMM, aat quaes elle mah seguro espe-
cifico: A doaa esta definida de tal manaira
qne o medie poda ranal-* a sua tvntade:
O frasco: 4 fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto stunpre em frascos aspeciaes
(nunca em meias garrafas oem era frascos redondos). ExpedicSes: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Paria.
Ru do Imperador n. 38, botica frattfeza.
r
XAROPE DEPURATIVO
GrOUX
BROMO jSULPHO-IODURADO
Este aova producto resultado de urna trplice combinacao de tres metalloidcs cujas proprie-
dades sao mu oonhecidas, o Bremo, o Euxofre e o lodo, oceupa hoje a primeira ordem de
entre todos os depurativos dos quaes o mais poderoso.
As exDerienciaa dos mdicos mais notaveis dos hospitacs de Paris, os senhores Cazenave,
Puche, Baim, Btache, Gmbout, Baroschet, Danet, Legroux, Vasse e Aubrv, etc., demonstrado
sua poderosa eficacia as affecgoes seguientes:
Doenc dr pello, ~ r
nrtro c borbalfeM ale torta espacie,
Finen* niueasaa,
Obati^aeeoea I jauphnllco,
Papel rata,
Bacrofalaa,
Abeeanoa, poatemaa.
Cancroa,
Uleeraa,
Tlatba,
Sacar bala,
riaa oa Boubaa (da Brasil),
Humaren friee,
narhlllnma,
Oplithaltnla eaerofaloaa e raroulea
Tlalca eaerofuloaa,
AITeeeaee arphllltleaa,
Elephanllaala dea Greyea,
toda as doenoas occasionadas por um vicio do
aangue, t i tratadas sem neuhum successo pelas
SreparacBes vegetaes, iodadas e o oleo da fijado
e bacalMo.
com
enancas
superior neste empree ao oleo de figado de bacalhoe aos xardpes depurativos e ant-escor-
buticos que se adminislravio at agora.
Beposito geral, em Parts, m botica Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
rans, official da Legxao de Honra, e em todas as boticas da Franca e dos paizes estrangeiros.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Boaor da Faculdade de Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Oficial da Legiao de Honra,
Roa des Fosss-Montmartre, 17, Paris.
Este zarape cmaoslo maia de viata annea pelo sabio lente Boullay, constitua a melhor
maneira de administrar o Ethcr. He empregado com successo em sodas as doencaa que tirso sna
ongem de um erbisnw nervoso, como sao as:
EBxaqaeea,,
Nevralajlaa,
Kaaaaaaee,
Ataajuea e Berras,
Vertls;ena,
SyDeaaee,
Deposit geral. em Pmrit, na botica de Boullay, dottfor em Seiencias, membro da Academia
imperial de Medicina de Paris, official da Legi&o de Honra, ra des Fosses-Moalmartre, 17, e
em todas aa Boticas de Frasca a dos paizes estrangeiros.
Calmbra* ale estomago,
Iadlajeatoaa,
Ceavuleea, '
Aceeaaoa h;aterleoa e hjpo-
rondrlacea,
Callcaa vealasai OU aerra-
aaa, hepatleaa flatalentaa,
Aeeeaaaa da (ata e ate rhea-
matUmo,
Caaaa ale envenraleiaento,
ate, ate., ate.
ASTHME
ff
AO PUBLICO
Hara Barthoieza da Conceigao com aula parti-
cular ae primeiras letras defronie di matriz a
Boa-Visla n. 81, declara ao respeitavel pub ico e
principalmente as pessoas qne a coasideravam as,
era va do Sr. Jos Bitaoeoart Amarante, at.aixo val
transcripta por copia a certido de seu Laptisao-
o qual do tbeor segointe :
Certifico que revendo o livro nndecimo dos bap-
tisados desta fregoezta, a fulhas 9 verso, nelta
achei o assento seguinte : uizem qne o tldalgo seta renda, (o diabo qae o
Aos 25 de abril de 1861 me M entregue um de<- '******) de S'P assu'. pnmeira nomo Ihe cara
pacho daS. Eic. Rvm" mandando abrir o assento ?" #u*> e derrengado da polica de Itijuea, mau-
seguiate : oa ma **** B8< **r soira* de tabica ao< infelizes
Aae 3 de- Janeiro da 184J, na -iri aa b.nk. recrutados a vuluaiarius
Antosio, de licenca com ptente
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
___________________SUFFOCgO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio efficaz para combattir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volla a o Xarope aromatice de Succino (mbar amarello) oo Dr Danet. Ueacoberla inleiramente
recente, este novo prodacto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tadosque tasa sempre prothizido.
Brposito geral, na botica Chauveaud, 54, rna do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas as
Bucas de Franca a do estrasgeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22, em cisa de Caros Barbosa.
ilMi^iaD
AVISO.
de D. Anna
da Garuir
ann>s, levou
Florencio 4e Albn<|uerqna, baptisou solemnemente
a Maria, parda, ssseida em de atsosto do anno
passado, tiltia natural de Jeronyma Mana da Con-
Acbase fgida a oserava laeltkaa.
Rasa de Moura, re.-nlente ao tere
cabra escura, de idade de 3o a 40
vastitk* de obsta escura fina da raraagens chale
cidade desse tratantasso em
a
vieo
ceieo, Africana, liberta, e moradora nesta fregu- l
ta; foipadruho Amonio Joao M.irtins da Costa,
casado, do que para constar flz este assento em
que me a'ssignei.O conejo figario, Manoei Joa-
quim Xavier sobreira. O qne se segua sao for-
mal idades do estylo.
afilado, denlas limados, pc^
Precisa se de orna ama pira
ama casa : a tratar na ru estrella
22, pnmetro andar.
__________ Augusto de Araujo, que est autorfsado a
lodo servido de car getutresameste.
do Rosario n.'
gratn-
Maria. Bartboleza da Conceijo participa ao*
senhores pais de familias que Ihe quizerem dar a! JJ^-jS
honra de Ihe confiarem mas meinat, prom tte-
Ihes fazer todos os esforcos para que ellas oble-
ubam o mais breve pessivel o desejado aperfeicoa-
ment, por todos os motivos, e principalmente pDr
aer moderna no esereicio escolar e querer acre-
ditarse. Afianza-mes a boa letra.
- Precisa-se de nma ama para loto servico de
ama casa de pouca familia : a tratar na ra Ve-
Attenc.o.
Je5o Prancisco Belem declara que desla data em
diaote Bca sem elfcio a procaraco que pa,ss>u a
Antonio Francisco Cohre? a II de abr!.
Millo para alngar.
Alaga-so o primeiro sitio a esquorda, depois da
eapelta dos Affl oios, com graqde e excellenle casa
de venda, baixa di; caplm, Indnmens arvoredos
de. fructo, ludo no nvlhor estado: a tratar em
Santo Amaro, sobrado justo au cemiierio inglez.
Rogase a pessoa que levos, por engao da
loja d Boa Fama um cM,n da sol que, 44 achava
dependorado ao baleo polo rabo, de a restituir
nesta typographia,
PRODUCTOS t IME1IIA Vi:iH
DO
ENSIGNE CHIMICO
DO
RIO DE JANEIRO.
Jtauaibador lehl.
ou esmalte branco nalteravel, sem ebeiro nem sabor e da mais
simples applicaco para chumbar os den tes por si mesmo, ins-
tantneamente, sem chumbo" nem dor, meio prompto e perfeia-
mente efficaz. O chumbador Ielil torna-se na bocea branco co-
mo os proprios dentes: acompanlta urna guia......
Clinenfo cblnez
paraconcertar com a maior perfeigao iouca, porcellana, crystaes^
vidrosj marmore e tpialquer objecto precioso......
Cimento de gntta percha
especialmente preparado para chumbar os denles cariados. Acom-
panha urna guia............, .
Cosmtico indiano epilatorio
para destruir quasi instantneamente os cabellos de1 qnalquer par-
te do corpo, sem dor e sem alterar a pello. Ac urna guia. .
Ulexii- edontaigico vegetal
para curar initantaneameote as dores dos dentes ma rebeldes, e
ue tambem proprio para a conservafo dos mesmos, o en-
urecimenlo das gengivas e a suavidade da bocea. Aompaaba
urna guia..................
Encrivoi'e
para tirar a tinta do papel e limpar as pennas de ago.....
Helsteln
pedra austraca para curar os tumores, inchacoes e feridas prove-
nientes de rocadura de.coleira, selliin. cangalha e otiiros arreios
dos burros ecavallos; adoptado as estribaras imperiaes da
Austria desde o anno de 1741. Alianca-se que nao preciso
mais de 24 horas para que a chaga esteja cicatrisada, e que nao
exista mais nchaco. Acompanha urna guia.......
Unas chlmicas
extraeco dos callos e cura garantida sem dor nem perigo, em 30
minutos pelas afamadas limas chimicas de Pedro Mourlh.
Acompanha urna guia. 0 par...........
Massa dentarla Samakol
esta masa, pooca temp depois de sua introduegao na cavidade
dentaria, adquire urna dureza consideravel e nao 6 atacada por
nenhuma das substancias alimenticias ou denticias. Acompa-
nha urna guia................
Massa lustrosa
para limpar e abrilhantar iiistanlanaaBente os trastes, pianos, ar-
mares de toja, grades e corrimoes de escada, tirar o sujo das
moscas, ficando envernisados tomo novos. Ac. urna gnia .
' Papel cheiroso
inflammavel, queimando sem bulla, para perfumar casas e quar-
tos, prodozir sensacoes agradaveis e desinfectar o ar dos" dentes:
Carteiras. .
dem.....
dem.....
pomada'KondesicHS
conira piolhos e lendeas; afianzada sem mercurio *. .
pos de prata
para pratear instantneamente o cobre, o latao, o bronze, etc., e
reparar os objectos antigos pratcados, como faqueiros, salvas,
caslicaes, apparelhos de cha e outros objectos semelhantcs, "af-
fiangados sem mercurio, para uso dos joalheiros. relojoeiros,
pticos, negociantes de fenagens, curiosos e casas de familia:
Vdros de 2 oitavas. .
dem de urna onga. .
pos para limpar a prata aviaria
sao affiancados infallveis. Acompanha urna guia, vidro ....
pos purgativos
para curar e prevenir as molestias dos caes. Acomp. urna guia:
Carteira. .
dem .
Kabo oriental
para tirar todas as nodoas simples ou compostas sem alterar os
tecidos como sejam: nodoas de vinbo, licores, caf, frutas,
gordura, e limpar as golas e paramentos dos vestidos chis e mi-
litares. Acompanha urna guia...........
Tinta Azul indelevei para marear a roupa
azul no escrever, e em 24 horas na sombra ou menos de urna
hora no sol, torna-se preta c nunca ma s sahe do panno as la-
vagens. E' preciso escrever sobre panno encorpado ou eogom-
mado. Alfianga-se que nao ha melhor na corte em quahdade,
Vidro de tresonca; .
dem de urna onea. .
T'nla enea nuda Indelevei superfina
para marcar a roupa, em vidros de meia onca.......
Untfua;itt< Is-hl
remedio maravilhoso o melhor at heje conhecido contra ftidas
novas e antigs, ulserosas e saniosas, Astutas, frieiras, hemor-
roidas, lucencas, mordeduras, muas, panaricfls, qtieimaduras.
reumatismos, supuraces putredas, cabecas de prego, abeessos
no seio das senhoras, tumores e ulceras em qualqucr parte:
Rolos. .
dem. .
nico
r
Dnzia.
S$000 4O00O
1->500 I2:i00O
2000 18-5000
n-5000 i'smco

amo
500
18,9000
4r)000
IfKXK JOOO
3O00 3 ,>-0>
3^000 24-300
1000 ldOOO
500
15000
-SOOO
7^00
I0S0OO
2d0()0 3046*
16500
3fl0 0
500
500
I4OOO
120-
289tw
400tV
iOOfr
"fSOOaV
500 4?S00
I ^000
500
7500O
4400
25OOO 18^000
44000
23000
ao.wdO-
173000
deposito em Peruambco em grosso e a retalho
EM CASA DE IYIANCEL & C.
8 RA DO C ill VY 8
Quem tiver e queira alagar nm molcqae de
ii a i(j aanos, Sel e activo, appareca na ra do
Trapiche n. 44. segundo andar, ou annuurie para
ser procurado.
ATTENQO.
O Sr. Ernesto Botclho de Andrade, queira ter a
boodade de apparecer em Santo Amaro, ra da
Aurora negocio de seu interesse. 1
Precisa-se por ataguel de urna preta escrava
da bons costames para o servlgo interno de nma
casa de familia; na roa de S. Franciseo sobra*)
n. <0.__________________________________
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro de 10 a 14 annos de
idade, que tenha ou nao pratica de taberna, prefo-
W-se portuguez: na na Direita n. 72.
0 abaixo assignado teodo comprado ao Sr.
Jos Dias da Cunha o estabelc-cimento da ra da
Cadeia do Kecife n. 38, que partencia .Arma de
Pinto & Cunha, e tendo de realisar nestes oito dias
o pagamento, conforme o contrato, avisa a todos a
quem esta traosaagaopossa interessar, de apresen-
tarem suas reclamagoes em devida forma, pena '
de irresponsabilidade. Recife 15 de abril t 1863
Ladislao Jos Ferreira.
Precisa-se alugar urna preta que seja escra-!
va para o servico de urna casa de |K>uca familia :
aa ra Direita n. 74.___________
Pede se ao Sr. Fraaeisco que deixou um re-
lagio um aar de rosetas per garanta de gneros
qoecoaproa na taberna da ra do Alecrim o. 2, '
lo dia 14 de dezrmbra toanoo prximo passado,;
o lavar je vtr tirar o ditos eejeetos nestes 13 dias
e pagar o importe dos gneros, do contrario sero !
vendido para pagamento. .
Rogase ao Sr. Joao Cavalcanli de Sour.a .
L-ao seobor do eageolio Santa Rila, de apparecer
o mandar a raa dw Pires bairro da Boa-Vista n.
W, reafisar o negocia que S. S. nao ignora.
** Joaqui Anfcaio Pereira e so familia ti>-
do-se retirado por algum lempo para a Europa,
pede descnJoa aos seus amigos de naj se despedir
pessoalmeale aUandendo ao pouco tempo de que i
pode dispor pela viagem rpida com que aqu che- 1
gbn o vapor inglez._____
Precisa-so de urna ama para casa de pouca
familia : na rna de Hortas n. 41.
Approvaa por varios Aoademius ailat
summiiladcs medicas,
O qaeocceskina ral arral aa aoletias abaiao
dcsgnailat a esta|,nafo do aaague m carta*
parlrs do corpo, a qual e produaida pelos wsfria-
meiiios e multas ontras cauzas, Piito deelaro-ae
os theumalismos. Gota, Poralyria, Praoueta
iot membrts. Constiparen. Klephnmiiasii ou
Pernos Juchados, el Jorco AVnwaaa,
, O usa da cscova ZLICT&0-MAGNI
TICA tem successo certu para a cura de todas
es!ai moleslias. sem recorrer se a cahuna oulra
medicacia. Efla tem ama (bmia mai manejare!
e prodm, ivenlade dequem fefa asa, seos mais
atis e fetes resallados. Scaemarcfa preserva
das BJeleatia cima. Para mais Btorwacesooa-
snl-te-se a noticia quo accompanaa cada Esaova,
Dbpo8ito Oaaax.
Bonei'rl iu Prinee Eugt, IS, Paris.
Vende-se na roa do
franoeza n. 3.
Imperador botica
Ama
Precisa-se de urna ama qne saina cozinhar e en
gommar : a tratar no passeio pobtico n. 5, loja.

Ni ra do Arago- a .> far-se comida para 1
fra e por preco mais coramodo que em outra 1
parte. 1
ua -o a -o S 0 5 a 3S ff C> fila % 0 8 | sr a n F* 2 -i
B 3 m -1 t 0 = 3 8 I 33 i 0 er n
1!-i 2. 0 ? 9 8 0 0 ai en i S I 0 3 0 i. q O. CJ S en 1 . I 7


<
DiarU de rerunkic* .-- rerca leira 18 e A*r de 1S&.
GASA Di FORTdRL
Aos 6:0000000.
Bilhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTl'ME.
O a bai xo asoifmado vendeu dos seas inuilo (eli-
lesbluetes garantidos da loieria qoe se acaban
de extrahir a beneficio da igreja de N. S. do Am-
paro de Goianna, os segu lotes premios :
Um quarto n. 1732 com a sorte de 10:000*000.
L'm inieiro n. 2709 com a sorte de 3:'0#000
Um quarto n. 132 com a sorte de 800*000.
Ira raeio o. 784 com a sorte de 400*000,
E miras militas sortes de 100*. 40*. 20* e
10*000.
Os,>ossaidorespodem vir receber seas respec-
tivospremiossem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra da Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 4* parte da 1* lotera
(12a) beneficio da Santa Casa de Misericordia,
para canalisaQo d'agua e gaz no hospital Pedro
II, que se extralnra no da 19 do crrente.
PRECO.
Bilhetes.....7*000
Meios......3*500
Quartos.....1*900
Para ai pessaas que compraren! de 100)5000
para cima.
Bilhetes.....6*500
Meios......3*230
Quartos.....i700
Manobl Martins Piza.
CLUB PERNAMBUCANO-
A partida do corrente mez ter lugar na
noite do dia 20.
8m 38 lilil
Aluga-se o quarto andar da casa da ra g
do Imperador n. 54, com cemmodos para ^
fl| familia : a tratar na ra do ltangel n. 54, Sr
JC assim como vende-se urna bonita mulata aarj
com habilidades de cozer e bem arranjar jg
ama senhora, e especialmente de engom- |K
mar, sendo que vende-se, porque a pes- gg
soa de quem ella retirase para fura.
/
Claudio Dubeux, como procurador de Anto-
nio Demetrio da Silva Laranja, actualmente resi-
dente na provincia do Para, tem contralado a ven-
da da casa n. 67, m Pora de Portas, na ra do
Pilar desta cidade, propriedade do mesmo Antonio
Demetrio, a qual houve por heranca de sua falleci-
da mai D. Josepha Thereza de Jess, viuva de Jos
da Silva Laranja. E constando que alguem pre-
tende oppor-se a legalidade desta venda, por isso o
annunciante convida aquelles que se ralgarem
com direito a dita casa, hajam de apresentar por
este Diario as saas razoes at o da 20 do corren-
te mez. nao se admettindo reclamado alguma de-
pois deste praso.
Ama,
Precisa-se de urna ama forra ou escrava, dan-
do se preferencia a ultima, para comprar e cozi-
nhar : na ruado Queimado n. 40, luja.
Os abaixo assignados tendo arrematado as di-
vidas da massa fallida de Joaquim, Vieira Coelho
Si C, fazem scienle aos devedores da mesma mas-
sa, que el les sao os nicos aatonsados a receber
taes dividas, e por isso pedem aos mesmos senho-
res devedores a vlrera ou mandarem pagar seus
dbitos amfgavelmeote : na ra da Cadeia do Re-
rife n. 3.
Jos Joaqulm da Costa Moora.
____________Joaquim Beptista de Araujo.
Precisase de urna ama para cozinhar e com-
prar : na ra do Queimado n. 17.
AOS PAS de FAMILIA
Feijo muatinho a 560 rs. a cuta.
Pela g ande quantidade e a prohibido que ,ha de Ise poder expor as ribeiras se i
vende por este proco,, o feija") e bom e o preco agrada a todos : na roa dos Quarteis n.
22, junto a loja de funileiro.
MUDANCA
ANTONIO
O Loados A Brazillan Bank, tac por doos
os paquetes,sobre
LUboa.
Wto. .1 *
Braga.
Vianna; ** *
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
KiMJttifiI K WI8 MNH
bacharel Jos Baplista Gitirana
idvoga nos termos do Bonito e Garuar.
?ode ser procurado na villa do Bonito,
ua Direita n. 16, defronte da cadeia.
Samuel ftwer JthvsUa 4 Corapanha
Ra da venzaiaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fundleaa deLow lloor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava los.
Moendas e meias moendas para engenbo.
Tatxas de ferro coado e balido para enge-
nbo,
Fundidor e torneiro em metaes.
ircineir poirier n. 55, pie
aoe merava na ra da Imperatriz em casa do marcii
Vee ao respeitavel pQbllCO C a t<>dOS 03 SeBS frepezes em particular, que: mia,estribara, cocheira, quartos parafeitore
Alugara se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, noves e aceiados, i
com jardim, cocheira, estribara e ouiras commo-1
didades, n travessa de Joao Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzal Nova n. 42._________'
A Luga-se
umacasa acabada agora, com commodos para fa-
inudou sua officiaa para a ru< da m triz da Boa-VUta' a. 36, onde se acha
prompto para fazer o que compele a sua arte de fuodiior e machinista.
escravos,com banho na porta,no lagar do Poco
da Panelia.ruado Rio : a tratar com Tassoir-
mos.na ra do Amorim n. 35.
mmmwmm mm mmmmm
fc O bacharel Alvaro Cammha T. da Silva JM
B tem seu escriptorio de advocacia a' ra HE
j do Imperador n. 41, primeiro andar, on- 2
yj de pode ser procurado das 10 as 3 horas. 2|
*w Em qaalquer ontra occasiao sera' encon- S
jjm trado na casa de sua residencia a mesma ^
ran. 3, junto ao Gabinete Portuguez. gg
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparaces empregadas com muitas vantagens, tem a hon-j Aluga-se um sitio na ra do Cabral
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par- cU cidade de Olinda com casa terrea, com
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro- cupiar na frente, bota os fundos para a es-
fissao, advertindo quetrouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes; caout-, trada e margem do rio Beberibe, comcom-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem, | modos para familia, estribara para cavallo
instrumentos novo, ferramenta moderna, cadeirade operacoes, etc., etc., dos mais acre- ecapim para sustenta-lo, arvoredos defruc-
ditadosfabricentes deParis, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca tos, sem visinho defronte nem pelo fundo,
no caso deservir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda com ptimos passeios, sala e gabinete na
a confianca. i frente, muito propria para passar a festa e
Acba-se sempre no seu gabinete d! 8 horas damanh ataomeio dia comcer- tambem se alugar por anno: a fallar no Re-
teza e as 4 horas da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares. cife, no Recife, na livrria ns. 6 e 8 da pra-
_________________________!ca da Independencia e em Olinda na casa
contigua com o capitao Antonio Bernardo
Arreios d carro para um'e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas pan descarogar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura._________________
Precisa-se de um criado forro ou escravo :
tratar na ra da Madre de Dos n. 36, primeiro
andar, das 9 as 1 hars da tarde.___________
O Sr. Francisco Los Paes Brrelo autorisou
o abaixo assignde para receber dos foreiros da
roa da Roda o que e acham a de ver, bem assim
a tratar qualquer negocio com e mesmo al final
deciso dos administradores do hospital de canda- k
de, se devem ou nao aceitar a doaco que foi feita:
ni roa da Cruz o. 26.
Francisco de Albuquerque Mello.
A pessoa que perdeu 2S em sedula, dando os
signaes certos Ihe serao entregues: no pateo do
Carreo n. 18; loja.
Urna familia que se relira vende ama mobilia
de amarellu ja usada, tres de cosinha, luca de
almoco e jamar azul, un Biesa de jaotar de ama-
relio ps torniados, mesas pequea?, comroodis,
cama de csale muiles outros objectos e qae ludo
se vender em conia : na ra dos Pires n. 63.
Caiuga* linos e bruqnedos
para uieoaos.
Chegaram para a loja de miudezas da roa do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para bnnqnedo de meninos como para rima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudiiig.
COMPILAS.
Ceisultorio medice-cirurgieo na n larga de
Rosario n. 20.
O Dr. Jeo Ferrelra da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exercicio de sua proflssav nao
so na parte medica como tambem na cirurgica.,
Compramse libras sterlinas: no ar-
mazem de Ferr< ira & Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66._______________
Compra-se ouro e praia em obras velhas, pa
ga-sebom: na loja de bilhetes da Pra?a da Inde
dendencia n. ti.._________________________
Compra-se elfectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-sc bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo
mofo, robusto e sem vicios : i
n. 32 da ra da Aurora.
cozinheiro que seja
tratar no sobrado
GRANDE ARMAZEM DA EXPSITO DE LONDRES
DE
Ferreira.
*
Na pra^a da Independencia loja de ourives n.
33, compramse obras de onro e prata o pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda e todo e qualquer concert.
O bacharel
Francisco ugnsto da Costa
ADV6GAD0
Ra do Imperador numero 69.
mmmm mmm mmmmmmm
Companbia fdelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEHNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companbia de seguros Fidelida.
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Crui n. 1.
THOMAZ TE1XEIRA BASTOS
N. 60~Rua da Cadeia do Eecie-. 60
Est para alugar-se ama casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um Ia e 2* andar de um sobrado
na roa do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e ama mei agua na estrada de Joao
de Barros,com arvoredos, agna de beber,e portao
para o becco do Pombal: qaem pretender falle
naruadasCruzes, sobrado n. 9. das 9 horas da
manhaa at asmeio dia.
Compra-se cobre, bronze e ferro cuado ve
ibo: na fundlcao da Aurora, em Santo Amaro.
Compram-se libras sterlinas : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar.______________
Compram-se armares j usadas de chapeos
de sol em qualquer estado : na ra dos Quarteis
d. 22, loja jauto ao funileiro. ____
- Compram-se 12 bois de correia e 24 quar-
tos qne sirvam para roda : na ra Direita n. 3.
Comprase urna escrava que saiba cosinhar
e engommar : no segundo andar do sobrado n. 2,
esquina da ra de Hortas.
Francisco Jos Germano
RA XOV.l .V ti,
acaba de receber um lindo e magnifico, sortimento
de oculos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
apurado gusto da Europa.
Mez Mariaoo.
Anda est venda na roa do Imperador n. 1S,
defronte de S. Francisco, a rica edicao do mez Ma-
riano, ornada com estampas e vinhetas, e encader-
nada, por 1 e 13'00 cada livro.
AfTOltA
Vende-se ama machina de copiar cartas, 1 moi-
nho de moer caf, 1 balanza ngleza, latas de gaz,
vasias, herva malte a 160 rs. a libra, velas de es-
permecete a 600 o 640, carnauba 440 e 480, pas-
sas a 400 rs., vinho de Lisboa a 320, 4(0 e 480,
Figueira 500 e 560, branco 500 e 560, Porlo 640
e 720, tcuclnho de Lisboa a 320 e 400 rs., hlalas
a 2700 o gigo, e'180 s, a libra, arroz superior a
100 rs., caf 1 sorte a 260 e 280, azeile doce a 560
o 640, cha 2560, dito preto 1*500, sabao massa
superior a 200 e 240, ceblas a 15 o cenlo, fari-
nha do Maranhao, alpista, manleiga, banha de por-
co, e outros muilos gneros qner em porcoes como
a relalho mais barato do que em outra iualquer
parte, com o dinheiro a vista : na ra Direita n.
72, armazem attencioso.
VENDAS.
Aluga-se a casa terrea n. 105 da ra de San-
ta Bita : na roa da Aurora n. 36._____________
Ama.
Precisa se de urna ama para casa de pouca fami-
lia : a tratar na praca do Corpa San'o n. 17, ter-
ceiro andar._____________________________
Casa vazla.
Aluga-se urna pequea casa terrea a ra
do Nascente n. 14: a tratar na ra do Quei-
mado n. 32. loja.
Roga-se as pessoas que assignaram a Sema-
na Ilustrada, e que por falta de reuulandadu n
remessa da mesma, anda nao receberam numero
algum da dita Semana, o favor de apparecer na
ra do Crespo n. 4, onde se assigna, aiim de saber
se querem anda a mesma assignalura ou fazer
alguma modificagao, isto antes da partida do va-
por para o sul, ahlancando d'hora avante a manir
reguiaridade da parte dos propietarios na remes-
.'a da mesma folha.
Alexandre Jo< di Silva e sua senhora, tendo
dse retirarem para a Europa, a tratarem de suas
saudes e nao podendo dispedirem-se das pessoas
de suas amisades, pedem disculpa as mesmas e Ihes
offcrecem seus diminuios prestimos na cidade de
Lisboa onde vai Uxar sua residencia por algam
tempo e deixa por seus procuradores, em primeiro
lugar seu sogro Francisco Jos Regallo Braga, em
secundo seu mano Casemiro Jos da Silva, em ter-
cerro Mello Lobo & C. e em quarto Manoel Rodri-
gues da Silva.
Aluga-se o primeiro andar de algam sobrado
Todos os artigo? abaixo mencionados, foram comprados recentemente y lo dono do estbele-: na raa 0 imperador ou pateo do Collegio : quem
cimento as principaes fabricas de Paris, Londres, Birmingham, Mancbester, e em diversas cidades i tiver dirjase a roa estreita do Rosario n. 28.
da Allemanba, e tendo comprado ludo as melhores condiBes por ser a dinheiro, por isso vende todo
e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer inteiramente liqui-
dar e ter de partir muito breve para a Europa.
Ha neste vasto armazem ricos objectos cora bnlhantes, como botJes, anneis, rosetas etc., e
bem asim, diversas obras de ouro, como tranceln, correnl5es, oculos, face-mains, anneis, e muilos
outros artigo, relogios de ouro, inglezes, do afamado fabricante Bennette ; completo sortimento de fa-
zendas finas e modernas : miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e
francezes, como L. T. PIVEB, Lubin, L Legrand, Ed. Plnaud & Meyer, Delettrez (Parfumerie du
raond lgant), Violet, Societ Hygienique, Moopelas.Mailly, Regnier, P. Gueland, e inglezas de Bug.
Rimmel e outros; ricas galaniarias em marfim, mar de perola, etc., fabricadas na China e no Japao;
ricas pegas de cristal fino como ainda nao appareceram nesta cidade, e bem a.sim modernos lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, calieses, enfeites e adornos para cima de con-
solos e para grande toillette, o que se tem feito de mais elegante em Paris, em Londres, BirmiDgham
etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para cb a caf, os quaes nada tem e muitas outras pecas do mesmo metal, ricos Denles de tartaruga da ultima moda para trancas de se- t>tt>*wi %Aii tw
nhoras, excelentes luvas de pellica do afamado Jouvin, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, Na ra Direita n. 116 continna-se a tingir para
ditos para jantar, e immensos artigosde porcelana fina dourada, como ricos vasos para Adres, figuras, j qualqnercor, e o mais barato possivel.________
etc. ; calcado dos principaes fabricantes de Paris e ditos de panno cm sola de borracha, pianos dos D Mafja An.e|a" de~j|oraes Monteiro e D
celebres fabricantes Pleyel, WollT & C, realejos modernos de avioli & C., para se tocar na ra, ditos g^ ebastiana de Moraes BfoteMaa corro acei-
com figuras para saldes e ditos com figuras em movlmeoto ; modernos e bonitos instrumentos de physi-, to0|M d(J un)a trl dl ^, gr Br Arnerico
ca (mgica) para theatros ou saloes, ditos de phantasmagona ; lanternas mgicas, cosmoramas com A)ves Guimaiae$ quo nao apresentando a letra a
vistas novas, dia e noite ; stereocopios de nova invencao e com bello sortimento de vistas das principaes $e reTerem no'dia do seu vencimento para sen
cidades da Europa ; grande sortimento de brinquedos Unos para enancas, e bonecas fallando papal,; ^ embo|SO n'|0 ficaro 0brig3das a pagar os ju-
mami ; grande sortimento de candieiros a gaz, os que se tem feito de mais elegante e que tem mere- !ros da roncionada |elra e porBisso manifestara ao
cldo toda a aceitado na Europa, grande e magnifico sortimento de caixmhas, cestinhas e outras galn-, ^ doutor eu ao sea procurador para ficarem
terias feitas de crina e seda proprios para presentes -, grande sortimento de estampas finas coloridas. jt0S CQm es,a transacca0.
com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com figuras e ditas com novas paysagens para.p_________________*___________________
cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de chrlstal, proprid>[ Desde Janeiro do correnle anno achase au-
para meio de mesa de Jantar ou para jardim ; culelaria fina, como talheres com cabo de metal fino, co- gente um escravo de nome Paschoal. do mosteiro
Iheres, thesonras finas, ditas modernas para alfaiates, ncivallias finas, caivetes e outros artigas, di ver : de S. Bento de Olinda, cujas signaes sao os se-
sos srtigos feilus de rame; completo sortimento de mascaras de velludo, setim, cera, papelao e ara- guintes : cor bem prela, olhos redondos e vivos,
me, doces, confeitos e chocohte em caixinhas e em vidros; camas de ferro dejtodos os tamanhos, lava- urna mancha de panno no rosto, estatura regalar
torios, ele.; ricos quadros para carloes de visitas e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos e rheio do corpo, sem indicio algum de barba e
de sol, bengalas, chicles e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias representa a idade de 18 a 20 aonos: roga-se as
para quem faz po-de-l, bolinhos, etc.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos ; autoridades policiaes e capitaes de campo a sua
pannos para cobrir mesas, bolgas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores, captura e entrega no mosteiro de Olinda ao Exm.
malas, etc.; sortimento de violSes finos; figuras finas e jarros de alabastro ; galaniarias e outras pecas Sr. D. abbade ou no Recife ao Sr. Zacaras de San-
de charo para toilletle ; machinas para varrer o chao, excellente,s machinas para photographia para ta Isabel, ra dos Tanueiros a. 1, que sero gene-
tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos baloes de papel fino transparente e lanternas coloridas para rosamente recompensados_________________
illuminaoes moda de Paris, salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem prtgffKFnin lenco de grade : a pessoa qae
toma baohos em lugares fundos ; amenas,novas em caixinhas, blscoitos inglezes em latas, grana in- ,- ..,.,.. n0flr, tn.lna na da Cruz n 52
gleza 97 ; cerveja em barricas das princ.paes marcas de Londres, qneijos etc., e muitos outros artigos J^^^X^e se recorapensada. '
que para enumralos seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato no grande ar-. '-----^--------LJ------------,-----:---------------------
mazem da Exposicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife d. 60. Precisa-se de um caixeiro para taberna com
I pratica ou sem ella, prefere-se portuguez : a tra-
tar na ra do Pilar n. 9, em Pora de Portas, dando
fiador a sua conducta.
AMA
Precisa se de urna ama forra ou captiva, sendo
de boa conducta e que saiba fazer o diario de urna
casa de familia : no Campo Verde n. oi.
Semana ilustrada
n.
Anuo 185000,
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typograpliia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e8
da praga da Independencia,
Instrucces para o servido
idas guardas do exercito, exirahidas do re-
jgulamento de infantaria e accommodadasao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistara nos corpos
de voluntarios; vende-se, na livraria n. 6e
8 da praca da Ind pendencia, a jf.
A t tenca o
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
ama duzia : em casa de Johnston Pater 4 C. ra
doVigario n. 3.
0 GSTELLO DE GRSVLLE
Tradiizido.ilo franeez por A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 26500
!aa praca da Independencia, livraria ns.
;6e8.
LUVAS DE PKLLICA.
A loja da Aurera na ra larga do Rosario n. 38,
receben luvas de pellica muito frescas, pretas,
brancas e de cores, tanto para homem como para
seoh.ra, das mais novas e melhar qualidade que
tem chegado, muito proprias para os actos da se-
mana santa.
ENFEITES DE BOM GOSTO.
Tambem recebeu enfeites de differentes qnalida-
des e gostos, muito bonitos para cabeja, os quaes
se vendem baratos : quem quizer usar do bom
gosto e do modernismo, mande comprar na loja da
Aurora da ra larga do Rosario n. 38, pois a en-
coatraraotudoquanto diz cima.
VEND M SE
caixes vasios pruprii s para bahulei-
ros e funileiros a 1,760 rs.: a tratar
oesta oflicioa.
DINHEIRO FRANCEZ. .
Vendem-se moedas de ouro e notas do Banco, e bem assim urna colleccao desde um centesimo
al mil francos : vende-se barato no Recife ra da Cadeia n. CO, no armazem da Exposicao de Londres.
--
<
o*
o
25
GOcC
e
Eugenio Goncalves Cascao e D. Mafia
Theodora d'Assurapcao, compungidos da
mais acerba dr pelo fallecimento da sua
mu presada mai e filha Mara Filismina
d'Assumpgao Cascao, Da cidade do Rio Gran-
de do Sul, convidam a todos os seus paren-
tes e amigos para assistir a missa fnebre
que mandam celebrar na matriz do Santissi-
mo Sacramento da Boa-Vista, as 7 horas da
manhaa do dia 19 do corrente.
Saca-se sobre Lisboa,
S. Miga*I e Rio de Janeiro:
Porto, Ilha de
no escriptorio
W2
H
Q
Para completa liquida^ao vndese, por muito menos de seu valor, perfumaras muito finas
! novas chegadas recentemente de Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug.
Rimmel, R. Matheus A C Lubin, Sociedade Hygienica, Piver, Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinaod & de Lamino 4 Noguetra, ra (10 pollo nu-
Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere etc., etc., dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em mero 20.
Pllblleaua no Jt lo de Janeiro e vidros e garrafas, agua de lavande, agua para limpar denles, oleo babosa, extractos em garvafihhas e
assigna-se na ra do Crespo vidros de differeoles modelos, pos para limpar dentes, banha era potes e em vidros, pomadas, ricas
4. caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos outros artigos que se vende por JftS l hal muUas destas raras
semestre 41^000 trimestre menos de sea Talo^ bem Porao todos os *rUsos em geral exis,en,es no rande armazem da ExposiQao
IjJNt.
Arrenda-se um grande sitio com boas casas
! de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
As pessoas que qnizerem assignar principiando
no 2 trimestre, podem logo receber q 1 numero
de abril corrente.
Aluga-se ama casa terrea nos arrombados
em Olinda, com i salas, 4 quartos e ama grande
cosinha com portao para o rio : a tratar na arma-
zem doAnnes defronte da alfandega.
Eseola particular
Clara Olympia de Lona Freir, professera parti-
cular de inslrucfao primaria, competentemente au,
torisada pela directora oa instruccao publica,
abra sua aula na roa Direita n. 60, segundo andar
' D-se a nma familia honesta para morar de
graca um srande sitio com boa casa, lenba, agua
e alguma fructa, sob condicao de guardar o mes-
mo sjo : para informar, na loja da praca da In-
dependencia ns. 6 e 8.____________________
Presa-se de um bom feftor casado, sendo
portaguec prefere-se : no eollegio da Coneeico
Turnari on,
AencAo'
Para senhoras.

Ricos e modernos ponte de tartaruga para tranca de senhora, o que so tem feito de mais ele-
gante ateo presente : vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande arirmem da Ex-
posicao de Londres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
------------,--------------
. Luvas novas de Jouvin.
Vendem-se excellentes lavas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
mo parasenhera por menos de seu valor, para se liquidar: no grande armazem da Expos^o de Lon-
dres, na ra da Cadeia do Recife n. 60.
i muita lenha, agua, capm, tambom se pode fazer
\ parceria com quem tiver escravos de servico de
campo, dnas milhas distantes do Recife : a qaem
convier, informe-se na praca da Independencia ns.
16 e 8,___________________________
. A's familia*.
] 'Com toda seguranza e responsabilidade na roa
i de Barlholomeu na travessa do Pocinbo, sobrado
; confronte a casa de detencao n. 69, se encarrega
de mandar lavar roopa de varrella e ensaboado por
i menos do que em outra qualqoer parte.
Pharmacia.
Vende-se urna botica nesta cidade com algum
fundo e boa freguezia : quem a pretender dirija se
a raa do Imperador n. 38, qoe ser informado.
Euzebio Raphael Rabillo tern para vender
em seu escriptorio, ra do Trapiche n. 44 :
Velas de cera.
Vinho Collares em ancoretas.
Vinho de Lisboa puro em ancoretas.
Vende-se a excellente propriedade da ra Im-
perial n. 164, freguezia de S. Juse, tendo 350 pal-
mos de frente e mais de l.OO de fundo, no ceutro-
do qual ha urna grande casa terrea de- pedra e cal
com muitos bons commodos e alguns arvoredos de
fructo, precisando raetade do fumjp de algum ater-
ro : o Sr. capitalista que (izer esta acqui alm de predio, terreno para edificar um grando
numero de casas, j com frente para a referida
ra, j em nutras que passera por dentro da mes-
ma propriedade, que por ter embarque olTerece a
Immensa vantagtm de fcil i lar a c>ndurcau dos
materiaes, que sero despejados em cima das
obras: quem a pretender dirija-sc ao mencionado
predio, ou a ra do Rrnm n. 57.
Vende-se urna negra de 40 a 30 aunos, boa
lavadeira : trala-se na ra da Gloria, casa n. 51
Mnbiliis t escravos.
Urna familia que se retira para a Europa vende
I negro peca e 1 nesra de 24 annos que cozinha
Phnnnvnon n? eiJM>**i#t**4> % lava -T Pef^Ojiraobiiiasde mono, I guar-
tfieUram OS SUpCl Ores Ida-vestidos, l cama franceza, 1 dita de ferro com
M i i colchao de muas, 1 aparador, mesa de ia
cortes de srda
Superiores cortes de seda de cor, vindos pelo
ultimo vapor franeez : na loja das columnas a ra
do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascon-
cellos A C.____________________________^
Muita attenca>.
Xa nova loja de fazendas e roupas fei
tas na ci na os oa ra da Impera triz
n. 72, de,tioimaraes k trmo.
Acaba de ebegar a este novo estabelecimento
um grande sortimento de soutembarques de cores
pelo barato preco de Si, 6\S, 7 e 8J, ditos prelos
degrosdenaple de 19, lOi e 25* : isto na raa
da Imperatriz n Ti, loja de Guimares & Irmo
Vendem-se chitas muite finas sendo de cores fi-
xas a 240 rs., ditas largas fraccezas a 260, 280,
320, 367 e 400 rs., ditas percales finas a 480 t
300 rs. : isto na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares & Irmo.
Grande sortimento de cortes de chitas a 25300
e 25400, ditas finas a 35 e 25200 : na roa da Im-
peratriz n. 72, loja de Guimares & Irmo.
Vendem-se madapolges finos a 458C0, 55, 65,
75 e 85, dito muito fino a 95 e 105, dito franeez
entestado a 45,45500 e 55: na na da Imperatriz
n. 72, loja de Guimares i Irmo."
ROUPAS FEITAS.
Vendem-se paletots de alpaca a 35, 35500 45
e 55, dios de casemira a 55, 65, 7, 85 a 10,!
I calcas de brm de todas asqualidades a 15,1<}800,
25 e S5500, brm pardo a 25, 25500 o 35, ditas
de casemira a 35500, 45, 45500, 55, 65 e 75 :
isto na loja de Guimares S Irmo, na ra da Im-
peratriz n. 72.
jantar, 1
toucador, lavatorios, carteira, quadros o muilos
outros trastes, i grande viveiro de passaros, vasos
com rraveiros, etc., todos os dias olis das 10 ho-
ras da manhaa as I da tarde, na ra do Sebo'nu-
mero 35.
Vende-se um muleque do 16 annus
na ruadlo Imperador n. 29.
a tratar
PASTILHAS
Furfaram do eagenho Bento-Velho, em Santo
Aatao, oilo qaartos, sendo quatro tunados na noi-
te de 18 ii mar<}0 Sudo, sao todos castradrs, cinco
rucos e tfeg eastaahos, quatre ferrados somente
coro a marca V por serta crioulos e-quairo cen-
prados com outros ferros, porm ferrados com a
mesma marca P de que osa o propietario que nao
vende nem troca cavallos eom esta marca : pede-
se a quem os encontrar, que o lomem e os man-
dem entregar no dito engeone, onde se pagara a
despeza e gratiflea^o. Dit-M |e J6 duas quadri-
Ihas que alli existem zombandi da fraqueza da le -----__
e dag autoridades os negociara para RioPorrnoso, Pr;8*"" a,0*r u"1*
Pajea' e Pedras doFogo. e all na Mra os adque- de 14 a 16 annos, qae seja
idos de ra. assim qae est gaftuUdo 0 llrej- roa : a tratar no largo do
p ^a proprifldl* eq) fod> sua plentude. n.rarri p. */,
AZEITE DOCE
Vzeite doce renado em pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no graude armazem
da Liga.
Saceos de 80, iOOe 120 libras a 4,4500 e 55 ; no grande armazem da Liga.
A
'&
n
Do Norte.
Sahio hoje o 2a numero e est a venda com
1 a roa do Imperador n. 67 e de Borlas n. 14.
cfrnrgio Jos Antonio Marques mu-
don sua residencia para a ra da Guia
casa n. 33, segundo andar.
Ganara municipal do Recife.
Quem estiver habilitado a fazer ser removido to-
do o entulho de lixo e immandices que existe no
caes do Ramos ao norte dos teiheiros que alli exis-
te, com brevidade, entenda-se com o fiscal da fre-
guezia de Santo Antonio desta cidade para tratar
do ajuste.
escravn ou moleque
fiel para servico de
chafariz fj* J\u do
Bscriptoraco mercantil.
Urna pessoa precisamente habilitada propde-se
fazer alguns trabalhos de escripturago, podendo
ser procurada a ra da Cadeia do Recife n. 39, por
corta fechada com as Iniciaos A. C. G.
Aluga-se o segando andar do sobrado n. &
da ra da Guia, pintado de novo e-cora commodos
para grande familia : a tratar no primeiro andar
cem seu proprieurlo o bacharel Francisco Luiz! Na ra da Crnz n. 33, corapram-se cdulas
Correia de Andrade. das caixas fllhves das provincias, e do banco do
- Descontam-se notas do banco do Brasil e das' Bras.l, cora descont razoavel.
Protestos de letras.
O escrivo interino Torres, entrn de semana.
Cartono a roa estrella do Rosario n. 12.
Na
DE KEMP,
AOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVE1S
i^^SS^^S^oS^ ra Infinitamente mais efficazes do que todos
imperial sobrado n. 87.________________os mais remedios perigosos e nauseabundos
- Vende-se a taberna n. 2 no largo da Penba Que existem para a expulso das Icmbrigas.
com pooco> fundos : a tratar na mesma._____ Nao causam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante na-
Volita de Flandres,
Vende-se em caixas, em por^o e a relalho da nttum e tao incitantes em apparencia e deli.
melhor marca um X, mais barato do que em ou- e i osas em go5to, que as cria tifas eslae
tra qnalquer parte: na fabrica da travessa do Ca- promptas a lomar mais do que marca a re-
noca n z, caes du Kamus. ceita
Machinas para algedo Uteis como um excellente meio de faier
Vende-se urna machina de 18 serrase 2 moto- rem0ver as obstruccoes do ventre, mesmo
res para 2 e 4 cavallos, um americano e oulroin- ____ B
glezi para mover daas oo mais machinas de algo- no caso e n50 existirem verme algum,'!. 98
Sao, cvlmdros de padaria e de moer mandioca, e pastilhas vermfugas de kemps o promp-
outra3 quaespuer machinas para agricultura; ven- tas e iofalliveis na SliaoperacSO 6 por todos
e tratar na fabrica
caes do Ramos.
da travessa do Carioca n. 2,
Prepa-
d.
caixas fifiaes: na praca da Independencia n. 22
Joaquim Fernandos dos Santos retirase para
Europa, e deixa por seas procuradores durante a
sua ausencia aos Srs. Antonio Martins de Cam-
ino Azevedo*, e m Irmo o socio Antonio. FrDan-
des dos Santos.
Quem precisar de urna pessoa para um en-
genho a vapor para se encarregar do machinismo
e outros servicos, dirija-se a roa da Praia n. 31.
ou escrava,
comprar e
Precisa-so de urna ama forra
dndose preferencia a ultima, para
eozinhar : na roa das Crazes n. 3o.
Vende se
ama escrava boa cozinheira, faz doees, lava e en-
gomma alguma cousa, se dir o motivo da venda :
a "tratar na ra do Imperador n. 4>, armazem de
louca.
Paletots oTjtM
Sao de brim : na loja da ra da Madre de Dos
n. 16, defronte da guarda da alfandega.
Vende-se a casa da ra das Cinco Paulas n.
96 : a tratar na ra uireiu n. 106.
Cao de todos os paes de familias,
radas nicamente por Lanman 4
Nova York.
Vendem-se no Recife em casa de Caors .
Barboza e Jo5o da C. Bravo 4 C.
Tesouras de Guimares para logislas e ca-
belleireiros o costureras : vende-se na ra da Ca-
deia do Recifo 0.44, loja de ferrageps.
Vende-se urna'parte do sobrado de ires an-
dares e soto no batrro do Recife raa do Atnorim
D. 25 : os pretndeme dinjam-se a ra do Pilar
era Fora. de Porta' n. 1(1, quo achara com quem
tratar.


Diario de FtraiuhU< Terca llra 18 Je Afcr-' deis**.
a >
GERENTE

Ha para vender
Pinlio, piuho, ais pitha, ramio piuho,
piuho, rna da Praia, hoje, ra Nava
de Santa Hita n. 17.
78910 e 11 pollegedas de largura
De 10 a 35 palmos de comprido, ceusa
muito boa e barata, e cora todas as gros-
suras : cbeguem ra Nova de Santa Rita
n. 17, serrara de Jos F. Coelho.
Attenc&o.
Loureiro Santos & C, acabam de receber da Eu-
ropa pelo vapor, am lindo sortimento de enfeites
pretos, proprios para a quaresma, cnfeltes ainda
i nao vistos em Pernambuco, -pele prego de 5, 69,
; 105, 12j> e 209, bem como grosdenaples preto, mo-
: reantiq, capas de grosdcnaple.-, e sonihambarqnes
1 de mesmo ; ludo por preeos mdicos : roa do
. Crespo n. 14, junto a loja de. louca.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
9M a mmA m si wima
A0
RESPEITAVEL publico.
A apreciado dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma- \
zem da Liga estabelecido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente do estrangriro podem ser
vendidos por preeos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1/ Delicadeza no trato.
2.J Fidelidade no peso.
3/ Sineeridade nos preeos.
As pessoas que por sua posico social gozara de certo tratamento, acharSo nesta
casa os melhores queijos lonJrinos, cerveja, vinhos finissimos manteiga e cli sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a cndilo do freguez, elle deve contar que sera sempre mul-
to bem servido. : ,
Aquellos que sao pouco favorecidos da sorle faro mensalmente urna economa de
militas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lhes vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassucar, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nSo querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a este eslabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compran) para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escomido por pessoa entendida que cortamente muito deve agradar aos senhore*
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
ALPISTE E PAINQO a 120 rs, a Iib a.
MENDJAS novas a 28o rs. a iibra.
AYELES 240 rs. a libra.
ARROZ de 80 rs, a libra a,..
AMEIXAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc ele.
AZEITE doce a 600 rs. a garrafa, cadada a
B
BANHA de porcoa 660 rs a libra, em por-
co faz-se abate.
B0LACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISC01T0S inglezesem latas de 1,200 rs. a
BOlACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
c
CHOURIQAS m ito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25.000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
american s, bahiannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA I1YSS0N de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os taa-
nnos a
DOCES de todas as qualidades.
B
ERVILHAS seccas e em latas portuquezas e
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA doMaranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,< 00 rs. a sacca.
FAVAS poituguezas em lata a 600 rs.
MANTEIGA ingleza efranceza de 600 e
800 rs.
MACARRAO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 630 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos preeos.
PEIXEem latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libia.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
QUEMO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 400 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.

D'IODRETO DUPLO
de FERROeQUININA
3
o
-
"1
-3
se
PILMAS CATHAttllCAS IE AH?.
Estas pillas vegetaes s3o a-
dapladas a todos os usos de uta
purgante mis familias, j. t.is 3i
'perfectamente innocentes, e.em
quanto milhares de pessoas con-
iessara eom gratido jue foiaiu
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um so caso em que baja suspei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.g
Publicamos aqu algons des
attestados que temos de cures
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de

DE
C*b vale ncciic a
ga molcailaa.
Molntllaa crahila-
aaa.
Papelra.
ObKlruccuo aaa gln-
dula*.
Huniorc fro
Rumorea branco.
Rarhltlaaia.
Attrerotm caneereaa
ayphllltleaa.
Febrea tyabeidea.
Varales, etc., ele.
Os etemenios que compoem esta preparado,
ferro, o iode 0k quina, a collocao no primeiro
grao das preparacoes ferruginosas. Basta attestar
seus resullalos obiidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmrao saa poderosa efficacidade as
seguintes affecedes:
Silngna na aanaue.
MMMIa
Anemia.
Chlaraae ou Ictericia.
Menatra*.
Affeecee do utera.
Supareaaea daa re-
gran e deaardea na
menatrnacAa.
Affeeeaa aalatannr c
ahthlale.
Maleotlaa a'eaUaaaaa.
Gaatralalaa.
rerda d'aaaatlte, etc.
VejSo se es bulletins de therapeutica medica
e eirurgiea de 30 de novembre 4860; a Gazcta
A hospitaes de 28 dejulho I 860, ele., etc.
Alm das pilulas de iodurelo duplo de ferro e de
quinina de nebuln, os Mdicos aconselhio
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
farro e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslSo de medicamentos sob fir-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tem
eomo o xarope d'tpdur* ie ferro, o inconveniente
de alterar-se de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se di de grtee em cas*
dos pharmacevticos depositarios.
Para-se evitarem falsincacoe, eitja o com-
prador era cada frasco de Pilulas on Xarope a u-
signatura do inventor.
Deposito geral em Pars, phannaciaReWlIoi,
44, rae du Bac,e em todas boas pharmaeiu
de Franca ido pnixesestrangeiros, etc.______
GRANULOS
de BISMUTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Dlarrhcaa ehranleaa. Ma dlgratea.
Dyaacaterlaa. Gaatrltea.
Dorca lentamaso Gallralflaa, ele.
Dyapepalaa.
Os primeiros symplomas d'essas forrmdaveis
affecedes se manifesto ordinariamente por diges-
tSes laboriosas, azidumes, falta d'appetite, pesos
d'estmago depois de cada comida, caimbras es-
SABiO MASSA a ICO rs. a libra e grande tomaeaef, e, muitas vezes, por espasmos nervosos j
h iq om m'h com vmitos.
auaie em caixa. Esle esta(i0 mrbido, se o descuidSo, trw ine-
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se vitaveimente, que seja:
far grande abatimento.
AZEVEDO FLORES
Ra da |ydcia do Heeife, csquin da Huir de Dens.
Prestem attenciio ao discurso do Balo.
Moreantique superior a 2#500 o covado.
Grosdenaple de l600, 1^800, 2^ e 3o.
BalSes de 20, 25 e 30 arcos a 3 e 4500.
dem para meninas de arcos e de morselina.
Chales pretos de fil do ultimo gosto.
La preta para luto e de todas as mais cores.
dem com assent preto e cor de caf, llores matizadas, fazenda inteiramente
nova vista se far o prego.
Vestidos a Maria Pia. os mais novos a i8000.
Cuitas largas de 300 rs. o covado a 500.
Lene/ s brancos a 20500, dem de esguiao j embanhados.
Madapoloes francezes proprios para saias e camisas de senhoras a 60 rs. a vara.
dem muito finos de 145 a 160 a peca.
Cambraias brancas muito finas a 5# a peca.
Chales escuros proprios para as senboras trazerem por casa 4$.
Meias cruas inglezas a8| a duzia.
HOITA FEITAa
Paletos de alpaka brancos muito finos a 4500 e o#.
dem de casemira de cores de 100, Hd e 120.
Calcas de casemira pretas e de cores de 7#, 8#, 10,) e 120.
dem de brim branco de 40, 40500 e 50.
Colletes de casemjra pretos e de cores de 40, 50 e f"0.
dem brancos de brim e frutas de 20, 20500 e 30.
Camisas verdadeiras inglezas, vista far o preco,
dem peitosde linho, e de algodo de 20 a 50.
Seroulas de linlio com duas costuras.
dem deesguio de algodo a 10600.
Coileirinlios de linho inglezes.
dem de papel de cores.
Camisas de flaoelL* de cores de 33 a 60.
H.i muitas outras fazendas que se vendem por preces muito baratos, do-se
amostras com penhores e tambera se mandam levar s casas. Na loja do
> a tt. ^
arroba.
09
VINIIO tinto de 300 a. garrafa.
VINI10 tinto em caada de 2,5(0
VINIIO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 40 rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.( 00, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os preeos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINIIO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de divesas
qualidades e diversos preeos.
GOMMA muito nova e alva a 120 rs. a libra. VINAGRE era ancoro a 15,000 rs
ruin kb Rim a i9() r* a lihra I VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
r F \F PR X de larania a 9 e 0 500 rs VINAGRE brancoa 400 rs. a garrafa.
SSSt de HoSda m bo(^,"ascos, VEL1 carnauba a 13 e 13,500 rs. a
garrafas, etc.. etc. ___
No armazein de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
[{a-A do Queiuiado d. 19.
Veiitle-sc o seguiule.
Lences de panno de linho
pelo baratissimopreco de 2J400.
Lences de bramante de linho
de um s panno a 3#500.
Coberta de chita da India
pelo baratissimo preco de 2*300.
Leaeos decarabraia brancos
or.prios para algibelra, a 2* a duzia.
fegas de bretanha de rolo^cora 10 varas
nropria para sala, a 3*800.
Pegas de cambraia
para forro com 8-iiSI varas a 2*6C0. -''"
Guardanapos
de linho fiaos duria 3*300.
Algodo enfestado
com 7 lt2 palmos de largara vara 1*200.
Cortes de la
com 13 covados a 6*.
Gamhraia adamascada
com 20 varas propria para cortinado peca
Fil |de linho
liso fino vara 800 rs.
Atoalhado adamascado de a^odao
com 8 palmos de largor Vara 2*200.
Atoalhado adamascado de linno
com 8 palmos de largara vara 3*200.
Laaihas carmezim miudinhas
prepria para vestido de menina, covado boo rs.
v v Larlnhas
de cores floas covado 560 rs.
Fazenda para a quaresma.
Grosienaple, moreantique e ricas capas de gros
dena'le bordadas.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 8 e 6 P*lw3e
largara, or menos preco do que em oowa^uw.
qoer parte. .
Neste armaiem de faienda se encontrara .u'
grande sortiniento dejronpa feita e por meia*
MoleaUaa de Usada.
A Icterirla.
Palpllaeaode coraeaa
Dore no rlua.
Oapreaaoea.
Dore* de cabera.
Irrltaeoea de beslaa
da luatrls, ete.
da llavana.
Na ra da Cruz n. 4, vende-se charutos de Ha-
vana de diversas qualidades.
tXB 5 O O ST^. M O O o
5 = *
-=S'2o-5.ffoO'ST,'2H "

U
H.
*
^ -
X a
O 0155
te ^
3
CD
3 sE-"1
<8

1 =
o- a en s; o,
o. a '
TS
03
STB2. -B-
2 2.S 3.
^
s
o
i
09

s**
e; 9 --, ti

w -,
2. o 2 -
cc M o a
a m o

ct>
l* Si?
oq O 3 o
fi>
3 ?
o
C3
09
"O
a o.
oS
w
B
iltg
'O
>
O
>

Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
tommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Deposito geral em Pars, pbarmaciaGhevrlnr,
e em todas as pharmacias de Franca e dos
estrangeiros.
GRAGEAS de CUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYI
Estes confeitos que tem por base o prin*'
cipio activo da vrimeira cubeba juuto com
a cupahyba pura, nao nausen o estomaga.
Elles fazem parar immediatamente as mais
rebeldes gonorrbas, mesmo as que res sti-
rain a cubeba o a cupahyba isoladamente.
Deposito geral em Pernambuce ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Harboza
Colares loyer
ou colares anodines elctricos contra as convnlsfies
das criancas.
O bom e proveitoso resultado qnc as criancas
oblem na dculicao. Irazendo de?.'es rolaies, j
bem conhecido, e por isso se torn^m hoje indis-
pensveis porque assim teem os |ial IncoBtesta-
velmente prevenido o mal: eses colares vendem-
se tambem na ra do Queimado. lojad'ajiiia brac-
ea n. 8.
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Contmua-se a vender em porcao e a retalho :
na na do Queimado, loja d'aguia branca n.8.
Bonitas trancas, franjas
e galfies pretos para \ essidos,
A aguia hraBca recebeu novamente um bello
sortimentode enfeites preto? para vestidos,sendo
bonitas trancas, franjas, galoes e tiros pretos, etc.,
assim como botScs enfeilados de vidrilhos, e on-
tros muiios en fu tes de diferentes cores, conti-
nuando a aguia branca na rna do Queimado o. 8
a vender todo isso por preeos coromodos-.
Bonitas caixinhas
eom msica e sem ella para costara, e entras
intmente lindas eom perfumaras inas.
A aguia branca na ra do Queimado n. 8 acaba
de receber um bom sortimento de caixinhas para
postura,e ontraseom perfumaras finas, e conti-
na a vende-las baratamente. ___'
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco. _
dem de gorguro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem de gorguro de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 24400, 20600, 30, 3#o00, 40, 50, 60,
70 e 80 o covado.
Superior gorguro de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hesj anhela,
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem dem lavrada muito superior. ,, am ..
Completo sortimento de grosdenaple preto a 10500, 10800, 20,2oOO, &,
30500, 45, 40500 e 50.
Pannos pretos de superi r qualidade de ?0 a I2?> o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennese retondes de ilo preo.
Mantas pretes de fil e los pretos. .iuiiaft.
E militas outras fazendas de superior qualidade na 1. ja das Columuas
na ra do Crespo n. 13 de Anlotio Corren de Vasconcelos & C. successores
de Jos Morei a Lopes.
MACHINAS iiLFAUM
de
1
trabalhar & B :
descaroear algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
0I1IAM
Estas roachita
podem deraroca!
qi'.alquer especi
de algodo sea
estragar o fk
sendo bastanu
duas pessoas par
o trabalho; pdt I
descaroear wm
arriba de algo
dao em earocc
em 40 minutos.
on 18 arroba.'
por dia ou 5 ar
robas de algodo
limpo.
Assim como machinas para seren movidas poi
auimaes, que descaroeam 18 arrobas de algodit
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
ieutr;s dessas'machloas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
'porque pode fazer mover seisdestasmachinai
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
iem de algodo, no largo da ponte nova n .i7.
Saunders Brothers & l.
X. II, praca do Corpo Santo
RECIPE.
Os aicos agentes neste paii.
Afl'i'rro chronica do ligado.
ILU!. S-
Juiz de Fra, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas cathaiticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de do/.e annos en-
fennidades do ligado e baco, codo o uso
das pilulas posso lhe assegurar que estfiu
bom, pois ten lo desapparecido umgi>i.dj
engorgitamento que soffiia, muitas d6:cs
sobre a regi3e do figadoe cosas, drtste
cabera, inchafo do ventre, nao poteuo .
deitar-mc senao do lado direito, isso mes-
mo procurando posico para ler socegr, bo-
je me acho livre d'esse padecimonto ; coico
por aqui ainda as nao baja, eu como tent
este proprio que de casa, lhe rogo ioan-
dar-me alguns vidros, e o custo elle lhe sa-
tisfar, assim bem como do charope de
cereja, que Uve occasiSo de experimentar;
em um ataque de guellas que teve tima
preta que com elle curei, faco uso d'ces
Das tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque Iluso
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, ia d i ,mt e g o
resultado; sou btdoorcrjoandfoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FEtHEArEBAit
Rhenmatisme e ataqnes hemorruoidie.
Ii.i.m. Sn.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer s5o excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos1) e soffienlo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e da
um ouvido, pois que al j pouco ouva, 8
acompanhado de urna dr no queixo, con-
sullei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; perm
lendo eu o almanack do mesmo douter,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta prinripiei n
toma-las, e sem s finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques lumorrlioi-
daes: portanto s5o para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado;
isto em abono da verade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
Joo Rodrigues Feu pe Ca^vauio
Gastrite.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Attesto que tendo feito uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
fiquei perfeitamente bom de urna gastrite
que sofl'ria e que privava-mc de andar aper-
lado, hoje felizmente nada sinto. y
ACCDSTO GOLLATINO DE MflJ.0.
Falla de apetite.
Ouro-Preto, 24 de fecereiru rfe.1864.
Sendo eu afectado do figado ha muilos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou grabas a Deus por achar-nie sao
e perfeilo com o uso das pilulas eftlbarlicas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento' Vieira.
Bisas hamborgacas.
Vende-sena ra Nova n. 61.
(O
Jl
FARELO
de Lisboa
Vendem-aaiacco eom^WllbrM de tordo, jaejo
barato preco de 4^500
numero 9.
na rna da Madre de Dos
'

MARA PIA
Hara Pa
Maria Pia
Acaba de ehegar pelo ultimo vapor inglez um
esplendido sortimenlo de enfeites de cabeca a Ma-
ra Pia, os quaes pela sna elegancia e bom gosto
de rada qntl o mais bonijo nada detxam a desejar
sendo pretos, rotos, rfjr de bonina e aznlzinhn
seus preces a 3*600, Sf, 4*. 6*. 8# e 10*: na
loja do novo rival rna do Queimado a. id.
Carta chorographiea
DO
THEATRO DA GUERRA.
Acha-se exposta venda, as tojas abaixo men-
cionad ts, a rarta chorographiea do ieatro da guer-
ra nos Estados do Sul da America Meridional, con-
tendo as plantas do Payaand, e do bloqueio e cer-
co de Montevideo. Ella tornase reeommendavel
njo s pela laeuna que velo preencher, eomo pelo
esmero do trabalho Ivthographiro. -
Vende-se pela mdica quanlia de 28000 as livra-
ras dos Srs. Noguein, ra do Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayres, na da Cadeiado Recife, assim como
as lojas da Exposlcao de Londres e na lythopra-
phl do Pr. Carlos, a mesma rna n. 5i, e na loja
do Sr. Cardozo de Almelda, ma da Crnz.
Attencao
Vendemse pe{as de esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 25 li-
bras, pafa pintar casa, relogios para-cima de me-
sa e para pendorar, arreios para i e -2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos EsMtdas Unidos : no armazem da roa do
Trapiche n. 8.
Oleo de Florida
Compost de substancias vegetaes exolieas, elle |
contnbue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a for^a, a belleza e a conservado dos cabel-
los.
Em Pars casa de Guilaur n. 112 ra de Rechi-
nen e 21 boolevarrt Montraartre.
Todos os frasco^ nao tendo Intacto e claro, e Un-
cir prateado da c'asa. reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38.
Em casa de Tisset Freres ra do Trapiche n.
9, tpm para vender :
Vinho R rdeauxem barricas e em caixa?.
Dito de Ssnterne fino.
Dito de Champagne muilo superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
Preeos que admira.
Sapatos de tranca superiores pelo barate preco
de 15 o par, e audiz 10* : no vigilante, ra do
Crespn. 7
Bico adamascado de todas as larguras, a peca
com 10 varas, cada peca a 400, 480, 500 e 600
rs. : no vigilante, roa do Crespo n. 7.
Colchetes em cartao de urna e duas carreiras
perfeitas, pelo barato preco de 40 e 60 rs. cada
carto, e duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para alar cabello, aduza a 1*200,1*600,
2*,3*,4*eo*.
Ralaios propriamente para costura e^para truc-
las.e para menina Irazer no braco i 1*500,1*600,
1*800, 2* c 2*500.
Perfumara, macaca perola a 2*, 2*200, 3* e
4* a dnzia, oleo de maozinha a 5* e 6* a duzia,
banha a 3*. 4* e 5* a dozia- Estes objectos se
vendem por admiraveis preeos em censequencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, poisaffanca-se a pouca avana e a boa qna-
idade: s no galo vigilante, roa do Crespn. 7.
" IDKOGAHIA.
JlRa larga do Rosario34
BartkoloHieo Francisco* deSooza k .
Vendem:
Acido actico puro ora retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas. ,
GuarnicSes a velluda das.
Tinta brancasuperior em lata.
AlvatadeVenera, fino,em paes.
Constipacao, dores de cabeca.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1804.
Attesto que achando-me atacado de urca
forte constipago que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri hrriVl-
mente por espaco de quatro das; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse pi
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas fi-
quei sao e completamente restablecido enr
tres dias, de sorte que estou no firme pre-
psito de aconselhar o uso das ditas pufcs
a todas as pessoas que forem affectadts de
constipaces.
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. ____________
Irritaco do estomago.
Ouro-Preto, 29 ('e marco de IfeCi
Attesto e juro, se necessario fr, que. st'f-
frendo lia muilo teinpo excessiva ir/ifac^o
de estomago, pouco apetite e dnlcil dipe*-
15o, d'ella tenho experimentado sensiveis
melhoras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pereira RoSa.
AGUA
DE
b" i o r i d\a.
para restabelecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A aeua de Florida nao ama tintura, fado es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exoti
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir, aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salobridade Inconteslavel, a apna df
Florida entretem a limpeza da cabeca, destroe a*
caspas e empede os cabellos de cahir.
lombrigas.
O'iio-Prrto, 28 dt morco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez ames que
soffria de vermes intestinaes, i olsi(! que os symplornas que entao aprasentav
eram de molestia bastante perignsa.
Ravju'-ndo Nonato de S. Thiago, ^liiaa-
ceulico. ^^^^^^
Nevralgla.
Urna carta do Mm, Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mis de sete annos que soffria dores
no hombro e as costas, lomei urna i i flu
dade de remedios sem acbar alivio algum.
Dr, angustia, tormento s3o palawas for-
tes, porm no exprimtm o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. So faz oito dias, e ja-
ln completamente restablecido ; ba tres
dias que nao sioto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pillas acham-sc venda na pria-
cipaes boticas e drogijias do imperio, *
Rio de Janeiro, tua Dimita n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
a pharMaela frameeaa de
P.MAURER C.
RA NOVA ti. 18.
c'no



6
Dlar.V; de PimakiiN Terca lelra 19 de Abril de 19t3
^SsMBe&^ggtfgggtggg^gg^B
AURORA BRILHANTE

0.\SILT0M0 MEICO-CIRIRGICO
: '
DO
GRANDES ARHiZENS
MOLHADOS
Largo da Santa
[Crua a. 84, es-gf
[juina da ra do;
|$J)0.
VINHOS
ESPECIAES
mmm
Largo da SantaaK
gCruz d. 84, >es-&
quina da roa dojtf?
Sebo. s'
O iiovu propietario Jo j multo acreditado armazn de m iih.-idos denomina-Jo Au-
rora unlhaote. condoaa a ler o raesmo sortimento de geaeros de primeira qualidade.
A s.'guinie tabella sirrira* a todoi de base para ajuste da comas nos portadores.
i\ pato grande sorliraeoto qtw lem, ja' mesrao porque seu dono s deseja tirar diminuto lu-
cro quanto chegue para accumular as daspcias do etabelejimeato por isso deixe se a-
proveitar, o prsprietario ha de fazer toda a diligencia, afim de servir bem os seas cons-
tutes frguezes.
libras de choaricas omito notas,
em postas intairas,
a 13000, 13280 e
a
[Ljta>cow8
a 7->M.
'Ditasgrandes cora peixe
mais de 12 nulidades,
1*400.
atas com ostras, excelleate petiseo para fri-
giJeira, a 720 rs.
i Ditas com emlhas novas, easopadas, a 720 rs.
"jOtfcts eora favas, a NO rs.
.Ditas esa ameixas a 1*300, 1*800 e 35300.
i Hilas cora roaruielaJa do afanado fabricante
, Abreu. a 720 ce.
D|tascon raassade tomate, a 500 rs.
' Ditas com figos ae comadre, novos, a 13300.
Hum.
i Ditas com bolachinha de soda muito novas, a
25000.
Ditas com iscoitinhos inglezes de muitasqua-
lidades, a t40O.
Chocolate.
Ciixinhas com ameixas enfeiladas proprias
para mimo a 1*200,2>8U0 e 3*200.
[Chocelai* superior nuito novo, a Itbra de
8s0 a 1*000.
i vicarro, uihariam a aletria amaralb, a libra
a 400 rs.
ito-ditu dita branca, a libra a 403 rs.
Carias com estrellaba, pevide, eoutras mae-
sas, a caita 34300.
)ilas dita em libras a V) rs.
i{tt, libra a 360 rs.
>tva 'Wila is ocas, a libra a 180 rs.
litas 4f>aucada, a libra a 400 rs.
' i.pw :.i m ntj nova, a libra a 230 rs.
'.rinhi de aranta verdadeira, a libra a
Mri
_ irv di Miranho, ein eco, a arroba a
.iiiOO ea libra a 80 rs.
sS (> da India e Java, a arroba a -3*200 e a II-
9 r>ra a 100 rs.
J '.' > Miniio de Lisboa a 90900 a arroba e a 320.
') rs. a libra.
lili Aa Santos, a arroba 7*WW e a Hbra a
9 26!) rs.
:KM i!Ms cot 123 ceblas grandes, i I3SH0.
/rttfistarda franceza, caixa rom 2 daziasa
J5 7^000.
i -rsi-os c.m mosiirla pr-parada-m in.ijcre,
{4} tOO rs.
* Mis com conservas ogivas e francezas, a
SiOeSOOrs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 300 rs.
Ditos cora a verdadeira genebra de laranja, a
11M00.
Ditos dea garrafas de Hollanda verdadeira.a
649 rs.
Ujtijts com dita propria para negocio, a
400 rs.
Girrafes com 2 gales com dita, a 6*.
Sorreja boa, marra, a 300 rs. a garrafa, e ai
dotia a 6j000.
Viu'io moscatel de Sotaba], a garrafa a 13.
tfarrasqmnho verJadeiro, frascos a 80C rs. e
a 13200.
Cba-nnagae, a duzia 205000, e a garrafa a
2S000.
Ueite refina lo portugu.it e francez, a garrafa
a 13000.
i'aixi d? vinho Bordeanx muito superior,a
7*. 83, 9 5 e 103 a caixa.
Ditas com dito branco. a 73 a caixi.
Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro,
a 205. _
Ditas com duque do Porto verdadeiro.'a
183000.
Ditas cora chamlso saperior, a!4*.
Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 123.
Vinlto do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
Dito dV. Lisboa muito bom, a caada a 3*200,
3*300 e 4*. e a garrafa a 600 560 rs.
Dilo da Figueira, das segaintes marcas (i\.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
4*300, e a garrafa a 36 e 640 rs., deste
qne j est engarrafad* e lacrado cona o
rotalo do armasem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, cana-
da a 35300 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Cito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Viubo verde superior.
A caada a 3*000 e a garrafa a 400 rs.
Gorama.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de seS
eagommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabio massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
rariuha.
Saccas grandes com farinba de Goianna mui-1
U tova, a 5*000.
Caf.
Cafeto Rio mnito superior, a arroba a 8*,;
8*300 e 9*000.
Cha.
Chacemos uestes gneros o melhor possfvel,;
bvsoa, a libra a 2*600.
Dito parola a 3*000.
Ditouxima 23700.
Dito hysoo muito fino a 2*S00.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira qualidade a 2*500.
Dito mais haixo a 2*000 e 1*600.
Erra mate.
Excelleate cha mediciaal, a libra a 240 rs.
Espramete.
O mftso com 6 vellas de esperraacete a 600, |
fttol e 720 rs.
Passas.
Caitas de 16 e 3 libras de passas oras pro-
prias para miraos a 4* e 2*500.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba \ 4*000.
Alpista e paine.
Aloi-ta J painqo, a arroba 4*000 e a libra a
i60 rs.
Cartas.
Canas finas para ingar. a duzia a 2*5'0.
Castanhas.
Castanhas novas Wndas naste vapor, a arro-
ba 4*0i)0 e a libra a 20 rs.
Azeitatai.
Barris com azeitonas nvas 13300
Manleiga.
Wnteiga'iuoerior, a libra a 13500.
Dita mais ahaixo a 1*120.
Dita meaos superior a I* .
Dita franceza nova, a libra a 4*120
Dita dita em barris e meio ditos, a libra
13 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qneijos.
Qneijos novos vindos neste vapor a 2*800 e{
3*000.
Ditos Inndraos muito novo3, a itDra
1*000.
. Papel.
i Papel almaco paulado, a resma a 43*00.
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma a1
2*500. ,ift/v
Dito de embrulho, bom a 1* e 1*200.
Vinho Hadeira.
Garrafas cora o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 2*000.
Temperos.
Folhas de louro, piraenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Masaos com 6 vtas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Aroaadoas com casca, a libra a 320 rs.
Hoce.
Caixoes de doce de oiabt, graades a 1*400
e pequeos a 6M n.
Tijata fe ttapr.
lijlos de arear facas a A rs.
GrsJBU
Duziasde boiSes de gnam a. 7 113000, e
delatas a 15000, os bornes a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 490 rs.
Mantas Isas.
Charutos fin0S das nslbant fabricantes da
Bahia por diversos prtcas, caixa* o
caixas.
E grande quantidade de geaeros tendentes jttk
estes estabelecimentos, que deixam de an- ?
nuuciar-se.
O DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
DICO, P4RTGIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fund&) 3
O fif. W Soecoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os das das 7 s i
ooras raaotila. e das 6 e meia k 8 horas da noite, excepcao dos das santificado;
Pharmacia especial Iwmeopathica
9 nesso cwJiultorio ha soaprt mis appropriado sortimento de carteiras
tobos a*lsos, assoD como tinturas de varias dymMmisac&es e pelos preces seguate?
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubosgraudes. 18*000 r
de3Gtubosgrandes. 24JOO0
de 48 tubosgrandes. 303060
de 60 tubos grandes. 35#000
Prepara-so qualquercarteira conforme o peo que se fizer. e com os remed
q i-i ss pedir.
| Um-tubo avulso ou frasco de tfntura de meit on^i 1^(060.
29 Sendo para cima de 12, cnstar5o is precos establecidos para as carteiras.
'"Ha tubos mais peqtwios cada um a 500 r.
LITROS.
A meliior obra da homeopata, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
i
mSl COROAS NW xMITRAS
0
GRA1VDE
E

ARHAZEM
DE
Haatels;a franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 580>s.
Amendoas
cwifeitadas de lindusimas coras a 800 rs. a
libra.
Ameixas
dons jrandes volumescem dicci^aario....... T 2O0GOO em bascos devidro com 3 libras liquido a
NA
f RA DO IMPERADOR 3". 402
; i JuU ao sebradtem fie ora aSr. O borne,
Dnarte Almefda *fc C, receberatu de ana propria curte acn-
da o mala lindo e variado aertlmento de ntolhadOK, ptcrrloa
da presente eatacSo.
Manteiga ingleza | Macas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a l.oooj para sopa a melhor qne se pdte dceiar
rs. alibra eem barril a 8o rs. f macarrao, talharim e aleiria a 4K i$. \
Medicina domesticado Dr. Hrtflg,.....m..... 10)5000
Repertorio 1 r. Mello MoraeS;............ 6(5000
r Diccionario de termos de medicina ...,...,,.. 34000
' Os remedies deste estabelecimento s5o por domis conaowdos e dispedfem portan-
te de serem novamente recommendados aspessoas qne qnizerem osar de remedios ver-
dadeiros^energicos eduradoresr hatudo do melhor que se pode desojar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, notaveis jelasoa boa consarocao, tinturados mais acreditados
estabelecimentos earopos, a maisexactae aecuradapreparaco, portanto a maior ener-
ga a certeza envseus effeitos.
Cata de sade para estravos.
Recebe-seescravos para tratar de jualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualqoer
operacSo, para o que o aununciante julga-se suficientemente habilitado.
Otratameoto o melhor posshrel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
fanecionando a casa a mais de quatre sanos, ha muitas pessoas de cajo cenceito se nao
pode dtrvidar, que aodam ser coasaltados por aqneHes qne deeejarem mandar seos
lo entes".
Paga-se20000 por dra duraase 60 dias e d'ahi emdiante 14500.
As operacoes ser3o previamente ajustadas, se ni se quizerem sajeitar aos presos
aaoaveis iueoojtarai pedir o anmnwiaate.
2)J400, muito propios para mimos,
Cart5es
com bolos francezesa 500 rs. cadaum.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 14300.
Chocolates
detodasasqaalidadesaliJOOO alibra.
Presuntos inglezes
dos melhoresfabricantes a 800rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Qneijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2)>6oo.
M I Qiieljoa
ctegados no ultimo vapor a 24600 cada um.
Qmeljo
londriaoo mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendointeiro e a 900 rs, aretalho.
Conservas inglezas
as mais aovas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixintias ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 14200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, qae entro
qoalquer na"opdevendernor menos de
35 a 24600.
dem perola
especial qualidade a 24700 rs. a libra.
Mem hysson
o mais aromtico que tern vindo ao nosso
mercado a 24600.
Jtassas amarellas
para sopa, macarrao,talharim e aletria a
4S0rs. alibra.
COfi\lC
engaado nossos o^uito afamadocognacPalBrandj a l,8oo
. rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
desa l,ooo e 8oo rs. a garrafa
As eocommenaas aevem ser acompanhadas por urna letra sotire Pars on qnalqaer outra cida- cniew
Franca, ou tarar idas por a0i^sa>..mhe,4ia.-Dirlj!r-M a*8rs. .ebeuf & I chimicos, lapidados para agW ^SOO 6 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um. 8* 8
PAPEL
I almaco, grave, peso e de outras muitas qua-
idades de 2,2oo, a 4,5oo a resma dome-
Liboratorio enologico e chimico de F. P. Lebeuf e C
ra Montmartre, 31, em Paris.
Fabrica em Argenteuil. prs Paria (Franca).
B0MFICA.10 E FABMC.U\0
Djs vinhos, agaardentes e licores.
V1NH05.Iraita^ao dos viahos de todas as
qaalidades.Ettracto de Medsc, adose para 330
litros, 1 f. 23,deBordeax, 2 f., de Pjmard, 3
f.,deLisbea. f.,-de Catatan, 2 f.,~de Porto,
Xerez, Moscatel, Malaga, doae para %'i ou 30 li-
tros, 4 L
Substancia para fabricar eoai o alcac e agua
os vinhos cima e todos os ovtrw. A Jos para
500 litros, 50 f.
CLACIFICACO.-Ps Inglezes, pos des vinhos
da Hespaoha, da Franca, etc. A libra para 500
litros. 5 f.
COLORACAO.Purpirigine para colorear os
vinhos Imneos e vinhos claros. As daas libras
para 500 litros, 16 f.
, AGi;ARDfiXTES.-fiiseacb de cogoac ata dar
as agurdente*nknars o aaor ca arema de
coRnac. A carrafa para lObttin, &f.
KII1BOIK ATWlTriiO.-Ksrenciae kirsch e
de absissho, para oa lazar cuan aleoat a agua. A
garra Tapara 100 litros, S f.
LICORES.Extraclospara fabricar se todos os
licores conhecidos sem fo0 n' alambique, (in-
dicar- qae se de3eja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os licores finos oa
coramtns a dose para 20 on 23 litros, 1 f. 2a.
TODOS os outres prodwetos para o trabalho dos
vinhos, aaaaatBMW, licores, vinagres, etc., sao
fabricados 4e enceramenda.
UTEXCILIOS de laboratorio e de chimica.
.d bra.
as mat
e outres em
Alguos de nossos agentes taodo faleiSoad* e mita lo nossas preparaeees,
fregueses,'Ijvo-si exigir sobra as rolhas e roiulos as iniciaes F. V. L. Pars,
0 raotl 4e nsar-s das preparapes aeha-se indicado no rotule.
mirtr, n. 31, em Pars oa a sua fabrica em Arwatetirt, prs Pars.
i -i h m i)tica franceza, ra da Imperador o. 38.
FABRICA DE CH l0S DE SOL
X. 3 Htm Vova e4inlm da Cansboa do Carsnn e rna o
Cabula n. 8.
A.'irajtoria lesse ejtaseieciraento o mais importante que existe
as provincias do norte do imperio, querendo que
vantagens que proporciona a fabricaco em grande escala e
lnor.
neste
Papel de botica
o paWico desta proviacia gordas |de exce,lenle qualidade a^ 2^200 a
directa relaco com as maislna\ fi n;.r(,n 'PAkPEI<
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resotreu-se a vender ainda mais barato r nJli? embrulho de l,4oo a 2,2o
do que do ostume como demonstra a seguinte tabella :
Descanto em duzia.
m %
10 %
15 /e
1* /
15 o/o
N. 11 Ra do QaeiffladoN.
Superiores corteado seda prela cont liadas lacras.
Suoerior seda fagonn o que ha de melTiar o. aU posto.
Moreantiqoe preto- moito bonito a J800. Bt,.3fSiO e 44 o covado.
Complato sortimento de grosdeoaptu aceto de muitas cualidades.
Pannos pretus e eawairas de muitas quaUdjades.
Bournus, chales elos de renda pretos superiores.
Superiores pelisses eaoutembanjaes de seda para s nhors.
Bournnsde lis para enhoras a l$.
Chapese chapelinas do paisa de Italia para senhoras.
Cortas de lia de barras de 145 a 225 de milito gosto.
E mnitas outras Utendas de-superior qualidade na loja de Augusto FreJer.co dos
Santos Porto aonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
M. 14 Ra d* QumadoN. II
Camas de ferro
Venderse grande sortimento dsstas canas na
ra Nova n. 33 ; na mesma loja voade-se grandes
m nooes de ferro forrados de porcelana tendo
unas azis e tampe de ferro, recoramendam-se a
quert precisar.
CRROLAS -
No armazem ia viavr Paula uoMs, (Hronta do"
embarque na esCadioha, vetuffem-srcetofife as m-
I llores do mercado^ em^ita cont, 0 mais bo-
rato possivel.
avariado.
Franeez barrica 5000
Portland dem 8*500
Em perfeito estado:
, Frawei barrica 105000
Porriand idem 125000
Noj armazem de Tgso Irmaos eies do Apollo.
Pi de algodfto da Bnk>lsw
Vaodefse no escriptomo do Aotoaio Luiz da Ol-
veira Azevedo & C, rus da Craz n. 1.
Cliapos de sol de panno a 2,5000.......
armaco de baleia a 2^500 .
de seda armaclo de ac inglez de 20 pollegadas
4, de 2i ?55, de 26 5,5500 e de 28 04......
Chapeos de sol inglezes a bailo 12 varetas, cabos murt rcese
seda superior da i i pollegadas 85, de 26 94, e doSS #-
dem idem a balo de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadasil;?, de 26125, e de 28 13,5......
Alm de muitas outras jualidades de chapeos de sol que existen na mesma casa
como sejam de alpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tstabem de seda e de panno
de todos os tamanhos efeitios, os quaes s3o t5o vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caga, os quaes vendem-se'?ualmente em porclo e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado tereempre um descont razoavel, afim de poder reta-
mar pelo preco que o estabelecimento retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia ser3o considerados como
a retalho.
ADMIRAVEL PECHINCHA
CHILES DE RENDA PRETOS
a 10$000 cada um,
Caasas organdys de cares a 180 rs. o covado.
A" ra da Crespo numere 17,
LOJA DE
rs. a resma.
Jos Gomes Villar,


GOMMA NOVA.
Em paoeiros muito al va a i.ooo rs. a arroba e 16 rs. a libra e compran-
do e ura paneiro para cima seriar abateeto na rtia do Imperador n. 40.
(mmm os modernos chiles de
WL PRETO.
Superiores chales de fil preto cliegados pelo uliimovaper francez
loja das columnas rna do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vascom
los & C.
sconcel-
Ooriatliias
pStsrpropriaspara
Fumo
Vinagre
Cekllas
. Alpista o Pifuco
CEBLAS
^maSTV SY f661110 Dar^doQne:-
gotcannorQn.tOlmperadorn-40elar-
WO OE BIG0
muito(rescea8A0 r T-k
Queimadon.^V/d'J^/3 rBa do
larga do Car 2,9lmpmdor n' 40
peguis8 eParZetar08 do ^^e armazem
segnmtes fugares;
libra e 4|$500 a caixa.
Yinho
FigoeiraJAAeaotras mutas mitas tett-
ditadas a 500 ts. a parral";.
Mtm de IhUt
e de outra marcas a 400 rs. a garrafa e
2)5800 a amada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos mellore? >i fi-
cantes da cidade do Porto a l) e l/00
a garrafa e de 10J a Hgi caha, 8 B ar
cassSo ss segaintes: Caainisso filie,
F. & M., Nctar ou viaho dos l uu&.
lagrimas do Donro e ootros mnito:.
Latas
com 10 libras de baBba a 40C0.
Bolacnia Bglezs
a 1*800 a barrica da mesme qne
vendem a 24000 e 2^400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr#
'Cerrejas
des melhores fabricantes|e de todas
cas de 40500 a 0500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res
meias caixinhas a 14500.
Arroz
do MaranhSo a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a hbra, e 2soo a 3<500 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
GAF
de LlLiksorte doRio de Janero a 8^sf
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garraffg
com 4 ,, garrafas com vinagre a 10000 tern
ogarrafSo.
GENEBRA DR LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, ede (JOB*
a caixa.
IDEM
em frasqueiras de Hollanda a 5^800 cea
12 frascos.
GEKEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqoeira a 6oo
rs. cada nma.
PALITOS
os verdadeiros palitos de gaz a 2,2oe a greza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a io,oco a raixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, con o se-
jam ^reu e outros muitos a 6< o rs. a
libra.
Presunto
o verdadeiro prezonto de Lamego a S2o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a lilra e
de ,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marras a 6f rs.
a libra e em caixa ter abamei tt.
L 6 VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9.?( t
caixa e 34o rs. a libra.
Bataiaa sioTas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 0 rs
a libra.
Pastas nmils byjs
em quartos einteiros a 20 o quarto e i[fo
a caixa e 400 rs. a Obra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se rf r> 'a.
sejara800rs. a libra el 40 rs
u 'roas em calda
chegadas ltimamente, pera plcego
outros muitos a 640Vs. a lata.
a fino a i *Bsc* ?* ca*c* da Wta
a ooo e 10 ocaixae.
omn,n .60MMA MITO NOVA
maon 7 rnj'l /5 rDa do C*"'
do Carme 0 9 mperad0rn- 40 e ]"t
o \ic,
girje
BOLACHINHAS
a 12C0
cbegadosnQesfrUm'GOS
doQueimado1; vaP0ra2^f0
*0 e largo d(
i Verdadeiro
ra rna

aos sert
todos et-
DE
J. VIGNES.
-"= = = = = z == == =.-=. -________
necesario insfstir sobre t
ItdMea eataa incumegu-

...jto ie mm..^.
como harmnicos e pianos harmnicos, saadd tuda Tendido po
presos commodos e rizoveis.


I
ILEGfVE


K4eMnMtMi<-' Ten Abril ir tses.
\
1
Atteacio.
Fazedis pretas para fjniresnu por1
ar baratissi r*$a, i*, laja o ar-
iAiMtt 4a Arana, raa 4a at*rariii
i. 5b\
oaroap* Pvrmr* Mtndes Gnimares.
O prjpneurij Juste eslabelecimeato retira-se
para a Boropa a tratar lo Ma saude, porte antes
de retiar-se pmioude fuer urna liquioacao de ba-
baratissimo proco pata fechar coalas agora fre-
COBlW
guijas veaJu-s grosdenaples prelo multo bom
para vestidos, a iJOO, i> e 2*oOO, dito de 3 pal-
otos Je largo, a Si : ai roa, da linueratm toja da
Arara n. 3b.
Ueuria i(|e preto a 3.
Veule-so raduraatUiue preto para vestido a 3a o
civil>, grjsiienapla raalto largo e enoorpado a 33,
i JO, i i l jkitW o covado, alpaca prett para
vfeDs e palitos a 300,699, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de lia para vestidos, calcas e palitos a
610 e s)) rs. o covado, la preta para vestidos a
6*0 rs
co-val): raa da Imperatriz loja da Arara n. 36.
Kicos vestidos a Maria Pia a tty.
Venda-se ricos vestidos a Maria Pia a 103,
J, I 4J, 163 : raa da Inaporatrii loja da Arara
a. 36.
Arara vende pegas de pannitibo a o e do
madapoln a 45.
Ven le n-se pecas de paoniaho rauito fino de 13
jarJas a 3J, venJem-se pegas de madapolo infes-
tado a i 3 e iftaOO, veadum-se pecas de madapolo
"
AO PUBLICO
lea o menor conutran-
glmento se entregar o
Importe lio genero que
5o agradar.
ATTENCiO

proco* da aegalntc
tabella para todo, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajaste de eoatas
ron os portadores.
Fazen4a$ pretas pora a qtta-
restna.
9M> toja do PavSo.
Acha-se este esUbeleeunemocofflpItttoeote sor-
tldo de fazoadas pretas propriaspara a quaresma,
a saber :
Grosdenaples preto largo e moOtissirao eacorpa-
do, utros tois estrenos tendo des precos de
11x80,1*600, tf 800, 2*. 2*400 e 3J> SUperior
morcas ti que preto a 3*, superior sarja preta be-
panhola, superior setim preto macao, ricas capas
pretas bordadas, sontembarqnes mnito bem enfei-
tadas, ricas rasquias e casaces dos irais moder-
nos que lem vlndo, superiores manteletes, camisi-
anas, com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, ludo islo se vende mais ba-
rato do que era ootra qualquer parte por ser a di-
ot*ira : na loja do Pavo ra da Imperatrii n. 60
de baaa & Silva.
As roupas do Pav5o.
Acha-se neste esubeleciment um grande sorti-
ment de roupas fetas para homem como sejam :
bjinbuina preta para vestidos a 1*280 o ZES!',5/01!,^005 de Panno Prel
_. ,I.....:..... ^ --------1 muito Onoe forrados de seda a 224, 25* e 304,
ditos torrados de alpaca a 14*, 16* e 80*, sope-
nores paletots de casemira. tanto sacces tomo so-
orecasacos, ditos de meia casemira pretos e da co-
res, ditos de brim de todas as qualidades, coHetes
ae casemira pretos e de cores, velludos, setins
etc., sendo todas estas obras corladas por um dos
memores mesires nacionaes, manda-e fazer anal-1
quer obra por medida: na loja do Pavo ra da' Pra dos generes que precsarem, e quando n3o possam vrr podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos,
imperatriz n.60, de Gama & silva. pois serSo 15o bem servidos como se viessem pessoalmente, rtavendo para com estes toda recommendaio, afim de que nao vao em
chitas em cortes com 10, H e 12 covadtsLutra parte.
" oja do Pavao vende-se urna grande loreo ,. i _,
u Manteiga ipgleza especialmente esctlhida a
i,ooo edtoo rs. a libra
ARMAZEM NIO MERCANTIL
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(l^ogo pasaando o areo da Conceicio)
PARA BEM DE TODOS,
Senhores e senhoras, o aceiD qne presidio aos arranjw deste novo estabelecimento, e mais qae todo a prompdSo e iulet-
que serlo tratados, convida a una visita ao mesmo, certos de que sem davida me dar3o a proteefao e preferencia na eom-
."1 ra da Cmr n. 38, em casa de Mills Rat-
Oleo de linhaca.
Folbas de Flaadrt.
Sitios e silhoes ioglezes. v
Cerveia AsBinall. V^
Dita Bass.
ia John Jeffres S C.
Um pian cum pouco nso.
Veade-sc tres carroeas para boi, duas dias
para ravallo, dous carros para condur^o de. ge-
ner s de estiva eu oulro quak|uer mi.-ier, tudot-m
buin estado, e por prto commodo, por --cu qoit-
querer acabar com e-se;egocio ; a ti atar na Vua
do Shda n. 34, (atarea '
Marcineiro.
Vende-se um pardo mogo, bem dcial de rr< i-
neiro, e sadio ; para tratar na ra ta Cruz i unit-.
ro 33. ~
Farello
i
em saceos grandes com dous tamanhos de atures
quaesquer a4*800 ; na rna larga do Robarle iv
oOjUbernada esquina.
Ai^i i
reza com que
de i i >ardas bom a 6*, 7*. 7*300, 8*, 9*. 10*
iii, vciiJo.n-so pegas de algodosinbo a o*, 6*.
7*, e SJ : ra da liuparairiz n. 35.
Arara vende os bal5es a 2)J500.
Vuiihm-se baldes de arcos de todos os tamanbos
a SJ-i'K), 3?, 3*300 o 4*: ra da Imperairiz
B. S'i.
LiadiohM da Arara a 320 rs. o corado.
Venlaia-selaziuhas para vestidos de senhoras
e meaiaas a 320, 400 a 500 rs., ditas lizas de to-
das as odres a 400, 500 e 860 rs. o covado. cassas
lln*s pava vjsties a 350, 360 e 400 rs. o covado :
ra di imperatriz a. 36.
Ciiius di Arara a 240 rs. o covado.
Venden se ckwtas do cares das a 240 380 rs.
o w.iU .litis fraaeezas finas a 320, 360, 400e
'!'>, [ir :tiara para vestidos a 300 e 560 rs. o cova -
do : ra da [mperatriz loja da Arara n. 56.
Liqtdacio de soutambaques e lazinhas a
70, 8* 0 101
Venidoa-se siuambaqaes de lazinhas para se-
nhoras a 7*, 8*, .litada alpaca branca a 10** ditas
man i Haas A ^r ^ituo^ jarato a 0, 33* 30*,
c> is precas de grasdenaole fino a 20*, 23* e 30*,
mantiletts pretos Je grosdenaple a 20* e 22*, go-
lin i is pira s johon a 240, 320 e 999 rs., nasgoi-
los con gola a 15, camiziohas para seakwra, 2*,
o J j, ditas laailo linas bordadas a 4*300 : aa loja
do :. uMijirj da lija-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 33.
Crtes do ditas Anas a 2#400.
Vale n-sa cerie de dftas eom 10 covados por
2*40.1, duos de dita fraaoeza a 3*200, ertes de
eassa fraweaa flua. cota 14 aovados, por 3*. ven-
den sepsis da cainbraia branca lisa a 3**00,
i5)J), 3SJ), 6* a 8* : ra da Imperatriz n. 56.
Li lae/J) de rotipas feitas palitos 2$.
Ve ide nsi) paftts Obnm de c&f a **, 2^500 e
3*, ja 11 ie* de brim pardo a 3* e 3*909, palitos
de casi otra ueai eito a 3*, 6*. 7*.85 a 10*, di-
tos do paano preta bom a 8* e 10*, ditos sobreca-
saejs >!' casiidirade cor e preta e de panno a 12*,
145,1 i') e 205, caiga de brim de er a 2* e 25300,
ditas lime de batoo a 3*500 e 4*, dilas de ca-
simira d; abr tf,i5e 85, pretas. a 5*, o 8*,
colUias de casimira da cor e preto, de brim de cor
a 1S >)J, liraicos a 25 e 205u0, ceroulas feitas a,
1*2SJ, ditis linas a 1*600 e 2*, camisas france-
zas a 25 e 2*390, cHaas ie^ltszas deprefas largas a
35, de li.ihj a3* a 3*200, colenahaa ecoaetnioos
a i rs. a daiia, ditos da linho a 500 rs, um : na
raa la Imperatriz loja da Araja n. 36.
Arara rende as cobertas a 20.
Venlem-se cobertas de chita finas a 2* e 2*500,
ditas de damasco-a 45 rea da Imperatriz n, 56.
E' Arar* que e ron le cortes de casimira
preta a 3$.
Vende.n-se cortes de casimira preta para calca a
3*, 35300, 45500, 6* e 8*, dilee da cor a 3*,
1*300 e 6 j : ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende parmo preto a 20.
Ven I; se panno preto para calca e palito a 2*,
35, 2)300, 45, iSfKW'e 6* o corado, casimira pre-
ta tina a 25,25509 e 3*o corado e outras muilas
azoadas para liquidar: na loja e armazem do
Arara, ra da Imperatriz n. 56.
ESCBAYOS FGIDOS.
Navidades
Na noya loja de fazeadas e
roapa eita nacional
Raa da Imneratriz n. 72
l'ec&iucaa
Cortes de eblta a *$400
Venlese cortes de chita com 10 covados a
2jiJO a 3tf200, ditos de eassa a 3*. ditos de lazi-
nhis para vestido a 35600 e 45, ditos finos de bar-
ras a tfiria Pia a 125, 145 e 16>, ricos souleam-
ii .r i i :s de iaaziuiia em fantasa a 8*. 7* e 10*,
ditas Je grosdenaple pretos tinos a 20*, 225 e.25*,
capas pretas de grosdenaple a 20*, 23*, e 23*,
na ra da Imperatriz n. 72.
fazendas prelas para a quaresma.
Vende se grosdeuapie prelo fino a 1*600, 2*, e
23530 o covado, panno flno para calcas e paletets
a 25,35, 35500, 45590 e 5* o covado, casimira
prato daa a 2*. 2*300, e 3*, alpaaa preta para
salas e vestidos a 500, 600 e 800 rs., sarjas de laa
para calcas e paletots a 640 e 80 rs. o covado.
Liainhas a 320 e 360 rs. o covado.
Voade-se lazinhas para vestidos a 360,400,
500, e 3S0 o covado. chitas finas para vestidos a
2V0 o 280 o covado, ditas francezas Gnas 320,
360 e 400 rs. o eerade, capas fraucezas linas a
320,360 e 400 rs. o covado:
IViiipa feita.
Ven le-se paletots de cor e preto a. 3*, 6, 8* e
105,calcas pretas da casiajiraa 55, 65 e 85, cor-
les de colleles e paletots de brim a 2*, 2*300 a
3) : na ra da Imperatriz n. 72.
Madapolo enfestado a 4*".
Vende se pecas de madapolo eufestado a 45,
dito em panninho a 5*, pecas de madapolo- de 24
jardas bom a 8*. 7* o 10*, ditas da alfodo a 55,
65, 7 e 85, cortes de calcas da brim a 1*600 e
li, .utos de casimira prela a 3*. 3*500 4* e 5* :
na roa da Imperatriz n. 72. ^^__^_____
Na
de cortes de chitas "ancezas sendo claras e eseu
ras todas de cres xas com 10 eovados a 3*200,
com 11 covados a 3*600 e com 12 covados a 4*,
pecbineha para se aparar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Camisiiihasa 1 j.
Vendem-se amistabas com manguitos, sende
muito bem enlatadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato preco de deztastoes cada
orna : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 30.
Vendem-se mnito bonitos corles de cassa,tendo
7 varas cada corto, coa desenos mnito delicados
pelo baralusimo preco de 3*'.(0 o certe : so na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
i silva.
Cambraias lisas, na loja o Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia lisa omito fina,
tapada e transparente, pelo batatissimo nreco de
4* taodo 81|2 varas cada peea, ditas moito finas
a 7*, 8* e 9* a pe$a, dilas Victoria eom 10 va-
ras pelo baratissimo preco de 7*, 9* e 1 Coditas
Garrazes fazenda mairo encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 re. a vara oh 2*600 a pe-
ca : islo aa lo)ado Pavo ra da Impoaalriz n 60
de Gama & Silva.
Os vestidos de Pavo.
Grande pee bincha a 3*300.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente & Imiaco de tarlatana com muitos
delicados desenos, moli proprios para partidas e
passetos. peto baratissimo proco ne 3*509cada um
sendo fazenda que sempre se venden a 7*. aa loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestido i& p a 75
Na toja de Pavo vendem-sericos corles de vesti-
dos Mara Pia, sendo bordados ecom barras,
pelo barato prego da 4* e 7*, sendo fazenda que
valmuito mais dinheiro, islo por haver grande
porcao, na loja do Pavio ruada Imperatriz n. 60
de Gama A Srlva. '
Os enffiles do Paria.
Vendem-se os maismodernosenreleeparacabeca
de senhora: na toja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pa\So.
Vendem-se as raars bonitas cassas francezas, de
padres mrndinoos e raudos, ebegados pelo ulti-
mo vapor, peles baratos procos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porcao : na loja do Pavo
ra daJroperalriz n.60, de Gama & Silva.
ls lazinhas transparentes a iOO rs.
Na loja du Pavao vendem-se as mais modernas
lazinhas transparentes, sendo de listas miudinhas
a imiaco das sedinhas, pelo barato prejo de 400
rs. o co-vado-, dilas entestadas de urna sd cor e
dilas de salpiquinhes proprias para vestidos e rou-
pas de enancas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60. de Gama & Silva.
Ricos soulambarques do Pafio.
Araba da cnegar o rico sorrimenl de son-
tambarques de grosdenaple prelo muit bem
entenados, que se vendem pelo barato precede
20*, 22*, 25*, 30*. Capas e casaeos de glace pre-
tos que se vendem muito era conta: na loja do Pa-
vo roa da Imperatriz n. 69, de Gama & Silva.
Aos vinte mil covados de la.
Grande pechiocba a 240 e 320 rts.
Vendem-se as mais benitas lazinhas transparen-
tes, sendo com lis tras e quadribus miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como prelas
e roxas para luto, pelo baratissimo preco de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Mara Pia, tendo de todas as cores, e
aluraas proprias para luto, pelo barato preco de
320 rs. cada covado, islo por haver urna grande
porcao : na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
CJOAFEITtRIt
dos ananazes, raa 4a Crus numero 16
Contina a ler empadas, superior presunto a
850 rs., dito em fiambre a 1*600, recebem-se en-
commendas de bandejas de doces, pacs-de-! sim-
ples e eofeitado), kkes, para es quaes ba bonito 1 eratrizn. 60, ojTdoPavao.
en fe i te?, tambem tem figuras em grapas para bap-
tisad)s e c?.samentos, preparase Igualmente lata
com caj crysUiisade proario para exportar, vi-
nhos do Porto e Figueira, outras qoalidades, e su-
perior Bordeaui em garrafas grandes a 800 rs.
Vestidas Baria pia,
Grade pecbiiaba a 1000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zando os competentes en fe i tes para o corpo, -.-endo
todos com as cores- atis delicadas que tem vindo,
e vendem-se pato baratissimo preco de 10* o cor-
te, ditos de recala com lindas barras e enfeites,
com 19 cuvadoscada nm a 10*, ditos de cambraia
com barras bordadas a crox no ultimo gosto, pe-
lo barato preco de 6* : na loja do Pavo, ruada
imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
-*- Cassas de linho a 3ti rs.
Chegou esta nova fazeada, sendo cassa de linho
propria para vestidos e raspas para criancas.com
muito delicadas cores, moderna, e vende-sepelo
barato preco de 369 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.,
Lazinhas lisas.
Vendem-se as mais finas lazinhas de ama s
cor, tend grande sortimonto : na Iqja do Pavo
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavao os
mais reos chales de renda com ires ponas, sendo
todos pretos, e lambenwom assentos de ceras, sen-
do nesta artigo os mais ricos qne tem vindo a este
mercado, ricamente bordados a cercalados de um
elegante bico preto de mais de palmo de largura
estes modernissmos chales nao s slo proprios I
para passoio-por fazerem orna elegante vrsta sobre
um vestido de qualquer cor, assim come mnito
proprios para os actos da quaresma: vendem-se
nicamente na loja de Gama & Silva, ra da lm-
e em barril se faz
abatimento.
Idemfrancezaa mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hyssorrtfe superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,800 rs. a libra.
dem bysson muitu superior em latas de 15
libras moitoproprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a I,6oors.
dem preto o que se pode desejar nesle ge-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a' libra.
Linguigas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serva
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos do navio de vella a
2,ooo r*.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem prato? 8oo rs. a libra, e inleiro se.faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a iibra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Fetjao verde mnito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. adnzia.
dem idempara vinho a 24o rs.,9 2,4oo rs".
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
1,oo e 1,2oo rs. a libra.
Espermacsle superior aoo e64o rs. a li-
bra e em cai.xa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melliores quididades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das mareas mais acredita-
das que vem ao oosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixae64o e ?oo ris agar-
rafa.
Geoebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasquairasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadoira em frascos
grandes a i.ooo e tl.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,500 rs. a arroba.
Cafdo Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arrozdo Maranhao de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8o a arroba.
dem da India a loo rs.
arroba.
Aletria, macando e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa: eslrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito. fino proprio para
engarrafar, em incordias de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho era pipa : Porto, Figueira e Lisboa ai
32o, 4oo e 5o0 rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco do Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,oao e 68o s: a. garrafa.
Vinho do Porto das melheres marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rain lia de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Maivazia fina a 16,ooo,lo,ooo,
12,o l.ooo e l,5oors. a gaurafa.
Vinho Cherexde superioa" qualidade a 16,ooo
a duzia e l^ioo rs. a garrafa.
Sardinbas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolacbinhas inglezas masito novas a 5,ooo a
barriea e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda en totas de diversas
qualidades a i,3oors.
Cartoescom bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,000 rs.
Passas de carnada a 8,ooe a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. alibra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo-de amendoas a 5oo rs.
Bolachiaha d'agua e sal, da fabrica deJoo
de Brito so Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em fiasco de vidro com
Umpa da mesmo, a 45oe.
Ameias fraRC zas em caixinhas de diversos
tamartlios com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada orna.
Azeitedoce refinado hespanhol ou portoguez
a )oo rs. a garrafa e io:ooo a caixa.
Batatas muito novas 8o rs. a libra e 2,ooo
o gigo eom 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco o
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molbo inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
a libra e 2,8oo a i Mostarda ingez dos melhores fabricantes,
I* a 8o rs. o fraseo.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-; Mostarda frarceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Paineo e alpista a 14o rs. a libra e 4,ooo a Lentilfow francezas. excellente legume para
arroba. ^sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propiamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-! 1$.garrafae ll.ooo a duzia.
lho. 'Palitokde dente a 14o rs. o maco.
Sal refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Carreja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,ooo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
do de Simas, das seguales qualidades :
Exposico. Normal de Hjvana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses* Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,ooo, .ooo,
6,oo e 7,00o a caixa ou em meias.
Charutos finos- de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
ntillas de Havana, mtervallos,Yeacedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5co e
3,000 a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Malte, excellente cha pars es navegantes, a
2oo rs.
Sebeas de Franca muito grandese novas
a l,8oo o cento e i,2oo sellas.
Palitos do gaz a 2,2oo a gresa.
Toucinhode Lisboa muito nove a 32o rs. a
tbrae8,5oo a arroba.
Banba de porco refinada a 64o rs. a libra.
Bolacbinha Alberto, as melhores qne pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinbado Maranhao muito al va e ebeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com frnctas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, mnito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portoguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oe rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l>5oo cada umaancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a gar/afa, e
24,ooo e 26,900 o gigo.
Gomraa deengommarmHitoalva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Baraios para ronpa snja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a f,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a ooo rs. a
garrafa.
Aos copites de eomA j
Dtsappaareeu no dia 21 do tornea) seu senlior, o esffave de nene bentoXi ,*t; Iia
escuro, com idade de ib anno^, lerc u ve.'tiC- Mi-
ca de algodo de listra, raniisa de algfao u i> i-
ra, o chapeo de roo ro de abs lTpas.irn. aliira
recular, cheio do corpo, rilllo a milita
olivos prelos muito vivos, nariz e borra ti|*aiin,
muito pouca barba no queixo e un pteitMi lu-
go.todos os denles, ps regulares, etc.; .'r ; h -
sumir qne segirisse a eslrada de Goianna per itr
viudo da cidada de Soma, provincia da Psmiba,
ba 13 das, a foi comprado ao sr. Josii AniOLio
Borges daquella cidade : roga-se 1...1 v.\v so.- se-
nhores capilaes de campo a appreJieno do rde-
ridoescravo, o lerarem-no a roa do Irrpcraor n.
HH. .'pyiinrtu anuar. onr se fralrficar rm 5CS.
runio iieaienv rcMe engenlio o estrave Jut,
alio, seco, de 2 a 30 annrs. i airado pona* rea-
turna a faze-la a deixar snissas, denlis limadts,
feicoes rtgulares, um ponto gapo, olhos bnuiros,
julgo que ainda tem urna marra de um 'airo iirl o
p direilo, dito trraro lew um muhanto foiro
morador no Recua rna do IVangel : ou ni oirpar
pode entregar no Recite ao Sr. rapito Jo?. Ck n is
Leal cu aqui que ser gratificado. Mam-abu H
de abril de 1865.
Acha-se fngido o {.reto Ce uno Gatre!,
trienio, de idae, reoto mais en mtnos, 3f ames,
baixo e torpeleolo, p*.*ofo nrrio. cilios vivse
sobrancelaai. arencadas, boc-a refutar e denles
alvos : roga-se as autoridades v^i,';.una per je
desconfiar defle querer assentar praca no^rcipo
dos voluntarios, ou a qntm a eHe popar rondujir
ao engrnho Taj iigi e tima da rcHisrta do Tato,
a entregar a seusraber Antonio Joaquim |r*a-
tanti de Albuquerque, ou a Jorge Centele de
Borba Cavalcanti, na ra de Apollo n. 34, legun^o
anrtirr. 0Btra gratiflcado.
Na iiite tfo da 9 do renle mez des?ppa-
rrcen da rasa n. 46, na tmessa-da roa da Coi.'. r-
dia, una muiatinha eai.iiva de neme Fraani-i a,
com os sipnaes stpumles : amarella, ps tirela-
dos, cabello corlado meio estoquiado, levove>ti-
do de chila j usado e tamisa de n artapolap, tuda
ja muito sojo.de idade 10 mnes; julpa->0 ter sLtfo
sedozida de taea em razo de ter vindo do n te
ba dous mezts, pouco mais ou nenes, e nao >al r
rna algema : np.i-.-e .- anloridades Bolitis
appreherso da dita mnlaiinha, e lvala a taea
cima mtneniarla.
i-------
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Oaeiuiado, n. 49 o o. para admirar.
GU
120
100
* 80
30
100
SO
160
120
100
400
200
320
640
609
PROPRIO PAR 4 SENHORA.
Vende-se um excedente cardlomaito no-
vo e manso com todas os andares: na co-
cheira do Paulino, roa de Santo Amaro.
Gake 4a gaz.
pilen da gai.
Alcatra da gaz.
Coke tonelladas rs. 105000
P.tch k 80,5000
Alcatro caada. .... 400
O coke reconheeidatnoMe o-carvo mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo assefo qw m nota mu corintias aonde
elle nsado. Pitera alcatrie, alea das applicacoes
diversas a que se presiam, como para callafetar
embarcac3es, aleatroar madeirs, etc., teem este a
propnedade d preaervar do eaplffl, frmigas, etc.
E' entregar na fabrica do gai oh anudado por era
qualquer ponto da cidade, aognndo a vontade do'
comprador. ________________________________
Vinho do Porto srtperior era caixa da duzia,
lem para vender Antonio Lalz de Olivera Azeve-
do A C, oo sen eseiiptorio raa da Cruz a. 1.
Soatambarquesdeeor na loja
do Pavlo.
. Chegaram pelo ultimo vapor francs os mais ri-
cos souiaatbarqaes ao cores, sendo os mais bem
eadoitadas que ton vindo a aste mercado, com
adoraos da velludo, seda e setim, renda, etc.. s
avista do grande sortlmento que os fregaezes
podem dar o verdadeiro apreco a esta fazenda, e
vende-se aordiftoreDtas proens etxitorrae a qnall-
aade : aa loja do Pavao da Gama e Silva, raa da
Uanecalrii n. 60.
Maateletes de filo na loja de Paria.
Vecdem-se os nais rices manteletes de fil pre-
to e outros com os centros de cor, sondo nesta ar-
tigo o mais rico que tana vindo ao mercado e mais
moderno por serem muito compridos e com deli-
cadissimos lavrores: na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Oawa A SHva.
Para meaiaos.
Vendem-se mito bonita roupiohas proprias
para meninos de 1 a 4 aonos, sendo calcinitas e
jaqnetmhas igtiaos, e norte bem- enfeitadas : na
loja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Gana
Silva.
Cakiaaas da Paria.
Vendam-se mullo bonitas calcinhas bordadas pa-
ra meninas a 640 rs. : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. W.
Cairelis de iintia com 130 jardas
Dos com 200 jardas de Alexaadre da
12 aGO..............................
Dito dito de 60 a 200..................
-N'ovelios de linha grandes eom 400 jar-
das .................................
dem idem brancos e de cores de 100
jartLs..............................
Llvrospara assento de roupa lavada...
Cordo branco para espartilho (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de botoes de punbo todos decores
Tinteiros de barro com tinta...........
Tesonras para costuras finas e unhas
Ditas para costaras com toque d*araria
Escaras para lintuar denles muito anas
leo.SOOe............................
Gaixas com 100 envelopes das malhores
qualidades*...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
Iteo...................... ............
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
lho)................................ 20
Meiadas de linba frouxa para bordar... *j>
Pares de sapatos de tranca......... 1J500
Massos eom superiores grampas para
senbara.............o............
Frascos de macaca perola mnito snarior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400rs. e........................
DMos e garraflnhas de aguada Colonia
mnito Ana.......................
Ditos do Launa a Ganbaldi e da familia
imperial.............2...........
Pecas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade..................
Paree de ligas para senhora as mejo-
res...............................
Pegas de blcos francezas e rendas.....
Frascos de agua dentitriee mnito supe-
lar..........,...;...............
Carfcw eom 4 papis de aguma* a balso
o Vicloria........................
Libras de la sendo de todas as cores...
Bonecos vestidos e tambera de choro.
Caixas com superiores obreias........
Ditas de linha de gaz com 50 noveDos..
Entladeiras de fita para espartilho?,------
Carrete de linha de eflres ton 100 Jar-
das ..........-...................
Pecas do cordo
i mperial.
30
200
SO
400
900
240
320.
320
800
200
61000
160
40
890
0
20
40
BOTICA E DROGARA
Barlliolomen Fraacssco de Sonza i C.
34Ra larga do Rosario3 i
Vendem :
PilnlnsHa+loway.
Pillas do r. Carillo.
Pilulas do Dr. Alian.
Pillas do Pobre-bomem.
Pilotas americanas.
P*rat*s Pilulas/egetaes assucaradas de Kenp.
Hilsa d Bristol.
Remedios do Dr.Cbable.
Elexir de Pepsina de Grimanlt.
Vinho de Salsaparrilba deCh Albert.'
Injeooo Peaogas.
Agua denQfieada Besiranode.
Papalcbimi(o,aara talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos anti-epSIeticos de Brest.
RobL'Affecteor.
Xarope do Bosque.
Ungento Holloway.
RIVAL
SEM SEGUNDO

GAZ CAZ GAZ
Vende-se gai da melkor qualidade a
1S5 a lata : nos armazensda ruado Im-
perador n.16 e rna do Trapiche Novon.8.
^"MlTho noro en saecos grandes: no trapiche
do Cunba, a tratar com Tasso Irmaos.
Peeuiacha aa y laja de fazcRtlas
raapa feita Baciaaal, roa aa Impe-
ratriz il 72.
Pecbineha a 240 rs. o corado de chita.
Vendem-se chitas de cres Dxas a 240,280 rs. o
cavada, dilas franaazas largas a 300, 320, 360,400
e 440rs.aeeivado i pacas de madapolo fino a 65,
1>, 8f, 95 e 10* pecas de algodo a 59, 6$, 7
e 82 : rna da Imperatriz n. 72.
Roopafeita nacional.
Vendem-fe patitos de cazemira preta e de cores
a 53, A, aj e 10*, ditos sobrscaaMos a 129, 149
e 16* Palitos do>im de er a 2,1*00, 3* o3**00
rs., raleas da caiemira preta a 69,7 e 8*, ditas
de cazemira de cor a 53, 6* 7, e 8* ; coletes de
cazemira de cates e pretos e ditos de brim a f 4800,
e 2J300 rs.,; raleas de brim de cor a 2J, 2*300 :
ra da Imperatriz n. 72.
Sootambarque U com a U, U e 1U-
Vendem-se outambarqae de la e seda para se-
nhoras a 7, 8* el O; ditos de grosdenaple pre-
to a 209 e 25* ; capas pretas a 209 e 25* ; vesti-
dos de la a Maria Pa a 12*, 14* e 16* : rna da
Imperatriz b. 72.
Cortos de cazemira preta a 3.
Vendem.seines de cazemira preta para caiga
a 3*. 3*500, 5* 6* e 64, ditos de cazemira de
edr a 34.44,5*. o 74. ditos de brim de cores a
14600, e 24, ditos de chitas Anas a 24400 e 3*900,
ditos de cassas rranceza a 34 : roa da Imperatriz
leja do baratarro n. 72.
Aiarta est para ser vendido o sitio da tra-
vessa do Remedio, na fregosla dos Afogadosn.
21 : qnem preteneVr dirfja-so a son proprietano
na rna de S. Francisco, sobrado n. 10,
todo o negocio.
Na roa do Qneimado n. 49 e 55 loja de miode-
zas de Jos A Azevedo Maia e Silva contina a
vender ludo por precos man barato do qne em
outra qualquer parta, quera aaiaer ver o que ba
bom e barato venba a leja do Hival.
Duzias de.phosphros de segoranca a ... 120
Francos com easencia de Sndalo muito
superior.......................... 1 CCO
Escovas de roopa muito superiores a... 200
Latasoem superiores banba............ 200
Frascos de vidro com superior banba.. 249
Pares de invas de seda murro finas.... 320
| Enfeites de melhor goste qne tem vindo. 2*500
: Garrafas, d'agu* de Florida, verdadeira. 1280
Pulceiras do melbar gosto e modernas. j'OU
| VoUa para pescoco do meibor gosto.... 300
Baralhos para voltarete, finas a 200 e.. 1.240
Varas de franja branca de liaba que
ton muta serventa...........4..... ,060
Duzia de peanas d'aco nuita s*perires 060
Frascos de oleo Babaza muito tinos..... 200
Talberes para meninos a meibor quali-
dade.......................f------ 240
Duzia de colheres de meal mnito Anas
para sopa.............:............. 24500
Duzia de colheres de metal muito finas
para en........................ 1*500
Grosas de botoes de osso para calca... OO
Grosas de botoes madreperula para ca-
ma.............................. 300
Grosas de botoes de lauca prataados
muito .fiaos.............,...-..... 200
Cartas de alflaetes francezes mnito su-
periores .......................... 100
Cairas de eolcaetes francezes a 40 rdls
Duai............................ 390
Gol i n has para senhora a melhor quali-
dade ............................. 200
Duzias de lapes dfflerentes qualidade a
240............................., 400
Quadernos da papel de peso nata fino. 030
Hench,
No da 4 de Janeiro do anno de 1864, fhgio, do eo-
genho Coaceico, comarca de Pc-d''ho, o rscra-
vo Galdino, pnenteme ao ahaixo assignado, rem
os signaos seguales : idade 26 annos, pardearan:,
corpo, figura e altura regulares, cabelle -meios tn-
rapinbados, othos pardos, sobranrelha.- e paljltbras
salientes, tem em cada braco um sino de Milorp,,.,
sendo nm dellts nal feto, e junto a este i.rda- < u.
tem na cabera urna cicatriz de urna polepade, e em
cima de um quarto orna outra cicatriz de tres fu-
lepadas, proveniente de penta de pao e queda, tero
sobro as costas algamas irartas ou tiratrfteside r-
Ihadas ou chicote; um pouco desen.liar;tado
quando falla, tem principio de rarpina e rarriro,
tota viola. Foi soldado do corpo de polica np Pe-
cife, e levon torosigo a baixa do theor sceointe :
Secco urbana, 2* companhia n. 50, Antonio Catta-
no de Oliveira, filho de Agoslinho Ferreia- de Bri-
to, natural de legazeira, tr parda, cabelle* eara-
pinhos, olhos pardos, oflficio nenbum, estado soltit-
ro, cora 30 annos de idade, 60 polegadas de altura^
ao eogajar-se. EDgajotr-so na forma do rsula-
mento, em 17 de fevereiro de 1862, por efl^cio do
Exmi Sr. presidente da provincia, datado de28 de
abril do torrente, e publicado ao torpo cm ordem
do dia l* de maro, tudo em 1862 ; leve baixa d
servico por ter dado em seu Ingar o paisano Jeito
Pedro Ferreira da Bocha. Foi escravo dq aapilao
Joo de Dos Barros, inoiador que foi na comarca
do Brejo da Madre de Dos, e boje rreraor na
Campia Grande da Parahyba do Noite, que'o vc_n-
deu em dios do raer de novembro de 1863'se ati-
xo assigoado, pele-entume de andar fgido e a ti-
tula de forro com o nome mudado ; pelo qne roga-
se a allencodas autoridades civis e militares, nap
s desta provincia como das dfmais do Imperio, a
apprehensao do dito escravo, que a litlo de> ferro,
nao tenha sido recratado ou absentado praca em
aJgiDs dos cortos de Vultiuiario- da Patria, tam-
bem pede-se aos capites de campo e pessoas par-
ticulares a mesma apprehenfo, e leva-l Jo seu
seahor no referido engenho ConteiQo, ou casta ci-
dade ao rapiiao Mauricio Franci-co de Lima ra
do Brom n. 56, qae ser gratificado rom 2(j*.
Jos Maria dos Santos Cavalcanti.
Resma do mesmo papel............. 24000
Duzia de facca o garfa muito boas____ 23400
Sabonete de espuma multo superior... 040
Capachos compridos e redondos mnito
bons.....-___..................... 300
Ditos para sof........_____.......... 34009
Pares do suspensorio moito bons e-para
acabar........................... [100
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa...................... ....... 300
Pegas de fila de la para vestido com 10
frigio o Jacob.
Anda fogldo ba IB das o escravo de pac o de
cia Jaeeby naior de 40 asnos, qoe fei ptoprie-
dad do Sr. najor Ignacio de Barros Waqderley
senbor do engenho Ubaquinba, termo de Serr-
nhem. 0 escravo lem os signaes seguinffs : e
aHo, cheio d* cerno, olhos grandes e rosto ctmpri-
do, anda de vagar e parece arrasiar de orna per-
na,eat oblado e ten por i.-u> grande palpitaro,
nao moito ladino, levou vestido camisa de ni-ia
e calca de risrado, dtzem que anda pela Pastfagim
da Magdalena aonde tem sido visto e 64 rret
qoa awde ganbando, ella (az vassours e tUi<\ 1 os,
aresotne-se qae esteja aceotado por alguma pes*
sea qne o sedozo e contra qoem se protcstau r< m
o rigor da lei : qnem o trouxer a casa de reu se-
nhor o abaixo assignado na ra da Cruz n. 63, se-
r recompensado;
Domingos Rodrigues de Andrade.
Negro fgido .'
Est logido desde o dia 27 de fevereiro dcsta
anno o preto JoaquTm, de nacae Angola", qfte foi
escravo do Sr. capMlo Francisco Joaqnim aval-
eanti Galvo, noradorem Maria Farinha (traa),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezemlro do an-
no passado aa Sr. Manoel Francisco Marques rom
armazem de assucar ra de Apello; levou ca-
misa e caiga de algodlo braneo, ropresenla ter do
45 a 30 annos de Idade, alto e de pros?orarrpo-
lar, cor (ala, rabeca conprlda, queixes largos,
olbos amortecidos bejeos grossos, sendo Ojcpe-
rior um tanto defeitaoso, bastaote barba, orm
raspada, finalmente tem urna grande costura entra
os peitos proveniente de qneimsdura, e snppoe-so
rer-se dirigido para o norte, d'eade vero : n-Mia"-
ea-sea qnem o aptrbeB>r tn denuntiar coito
em queesiiver : na raa da Cadeia do Recito nn-
mero52. ,
Ff o em principios do mez de fpv,>rejf9 *
corrate anno e consta estar aromado nestA ciclado
o mcleqoe Enreftw, eseraro ^ vmva do Dri Fer-
lano Afibnsa de Meflb, de aonos de iddda pen-
co man oo nonoN cor preta, secco do corpo,->lhns
- ponto erande
cas ae ata de laa para vestiao com iu 1 .eBnlares e afumacados, rabeca um pouco erando
S"L*^ilI-iL^r^*^l' ^ie meia chata, heleos finos, ****>*
Vara de babados d Porta nafta supe-
riores a 100, 120................. 160
Llvros com bonitas e loas estampas... 320
Vendo-so ora onravo idada 25 iaaoa Ins-gne I
qoe so faz oHkial da carp na e bonita fifora : na travessa do>
1 Car rao n. 1.
seceos e moHo latino: roaa-w Pr tanto a todas as
aatoridades peUciaes e cafllaas d> campa qoe o ap-
prabeadat e le*em-o- a ra da Maweira sobrado
n. 6 qoe serao gratificados, proteslaado-se usar ios
melos jadictaes contra qnalrjoer postea m o nha
em sen poder.
ILEGIVEL


Diario de
...
pwiaMMlSdeAftrilllMS
reo impossibilitava o melhoramento de Ao-
rta Antonia, e evitara desharmonia com sua
mulher: que Gzera acenos na occasio do
interrogatorio da indiciada: que nao vale a
justifica cao, porque Loreto e as pessoas'de
sua casa nao podiam ter memoria to feliz
que se lembrassem de Iraver-se Mara Benta
Pela justifica a 0. 77, com quatro les-1 recolhio mesma casa s 8 horas danogte,
l:niimba$, se ve que Mari* Benta nao podi comoalls costumava: que era tndicio ve-
tti- --i o parteir* de 31 de agosto a 4 de se- nemeniissimo o ter apparecido o cadver no
o.!R!,-u, porque recoihia-se s 8 hnras da (mmtal de Vict'->r'n0- DeP0ls de tue ist0
ute e dorma era casa da familia de or JU1* coxnfmxa a&ffieuldadee assignalar o
JURISPRUDENCIA
O I'rnn.
l'M PnOCKSSO MONSTRUOSO.
(Conlinuacu)
l irlo Jos Loreto : declarando, alm disto a
suploste parteira, que ali eslivera doente
Iinterrogatorio no primeiro processo de
C'i-participacao da supposla parteira no
wf'ntecidio. X terceira testemunha nuviu
gru de culpabilidade a cada um dos indi-
ciados, e corta por esta grande diflicuidade
considerando-os incursos no arl. 197 do
Cod. i;r., e consagrando o inaudito principio
de que simples indicios, que anda valem
menos que presumpcoes, podem dar lugar,
fcer a Anna Antonia que a parteira man- P,a0 s0 a Pronuncia. mas ate a condemnaco!
tjBU-a para casa e ficou com a creanca. An- ^Iretom para haver pronuncia, segundo o
Icuio Vicene Mandes Maciel, testemunha .i"".1 "f do Cod. do Prac., e preciso que o
a.'c jurada, ouviu (-tito se lembra a quera.) J".obtenha pleno conhectmento do delito,
*cc a parteira ti vera parte no fado, \? nao
coscobra isto mesmo por condescendencia
tara com Justino. Eis aqui as procas ro-
(..' w qu autorsavain a pronuncia de urna
jr ifere mulher!
Ile'agoes da supposla parteira em casa
ou indicios vehementes de quem seja o de-
linquente.
Toquemos especialmente n'alguns funda-
mentos da sentenca que occupando 26 lau-
das, allega, como j vimos, circurastanci .s
n3o provadas nos autos, atlrbue aos docu-
ti f Mino.A. terceira testeraunha affir-menlos exPress5es 9ue Melles n3o constara
ni que ella as tinha. A primeira nega.!?. n? ^.sperdica o menor dito vago, a mais
A quinta, Victorino, e a terceira ignorara, j XW}. c,rcumstanc,a Para mostrar a crm>-
A stima ouvu dizer que Mara Benta ia
noitas ve/.es casa de Justino. Hem se v
(prt t prova obtda sobre esta circumstan-
cia nSo revela mancommunacjo do recorren-
la com a sunposta parteira. E quanto a
/ la de Marta Benta para (ora da comarca,
eir-vrastancia aproveilada como um meio de
frovar intento de proteger, ou de evitar
?!'i.aa revelado compromettedora, oque
se sabe pelo depoimento de todas as teste-
nunnas que com eleito a supposta par-
tir foi Baturit, ignorndose o mo-
flirlo.
Cccultacao da prenhez e pato pela gen-
L. le cusa.Pela affirmativa s depem tres
tciemunhas, dizendo a terceira que era
sabida a gravidez era casa, oceultando-se o
f arto e a oitava de ouvida vaga que
? familia ignorava a gravidez, mas oceultava
0 tarto depois deste. A escrava Thereza
So confirma a referencia de Josepha, e an-
bs dejara que nao sabia da gravidez de
Anna Antonia. Esta nos interrogatorios af-
ftCQti que era casa o que se sabia unicamen-
Q que ella eslava doenl".
As testeinunhas sao concordes na igoran-
er?. dos motivos porque a familia oceultava.
Di/, urna dellas que como Anna Antn>a
i^paroces^, desbarrigada no "da seguinte,
*S pescas ^e casa deviam saber. Entre-
telo certo que ella foi logo presa, e no
la seguinte confessou.
A circumstancia da tal hada de melao
e&nfiftaada no primeiro interrogatorio e pelo
dijo do urna preta escrava de Justino, a
gil da que no primeiro interrogatorio, pe-
lante o jury, Anna Antonia declara ter dado
dfl ao oanho, e em que tambetn-ouvira fal-
1 primeira testemunha no primeiro pro-
C3I, os banhos mornos, a beberagem de
r'i telaa e as grandes dores no baixo ventre,
confirma las estas duas ultimas crcumstan-
fcfcs pela re, sao incidentes, que reunidos
ahaulacan, e ao cuidado da criada em occul-
i a gravidez, e o parto, podem de certo
Cndo exolicar a illuso das pessoas da fa-
>-..!ia, que nem urna c i-particpacao tiveram
-AO infa itecidio, como declarara todas as les-
t cundas, com excepcao da oitava, que ou-
e'r? dizer que a morte sahira da casa de
lalino: mas nao sabe ser exacto o boa-
t F)
Prajecmo de Justino s indiciadas.
Km dos fados que seallegam para prova-la
t o ter sido elle uomeado curador de An-
a Antonia pelo delegado de polica Lima
Vejiga.
O outro fado a communicacSo de Jus-
tino oom Anna Antonia na priso. A se-
girnda testeinunha diz que se determinou a
tr,",ommunicabilidade pira qualquer outra
f.ssa excepcao de Justino. A terceira e
Cilava afQrmam que requisicSo da promo-
orta, s este fallava a r como advogado, e
i lia e noute prisao, como lam em affir-
na a primeira testemunha referida, t5o par-
cial que descobre a sua m vontade quando
alinde ao supposto empenho de se mandar
Anna Antonia para Sobral. Entretanto con-
4ra as declai ages das testemunhas protesta
O dito da sexta e a certdao de incommu-
^icabilid^de do carcereiro. (a 11. 203)
Acessos felos por Justino na accasiao do
interrogatorio de Anna Antonia. E' um
indicio que se phantasia para inculcar o in-
leresse de evitarem revelaces ompromet-
ledoras. A segunda testemunha ouviu dizer
a duas pessoas de quem se nao lembra, que
luslino.abanava a cabeca quando ouvia dizer
4io interrogatorio alguma cousa que Ihe nao
igradava. A terceira, referrado-se autra,
/!la vagamente em tal circumstancia por
CW'ir dizer.
Vo publica. E'esta a grande base da
aecnsaco. A este respeilo existem os de-
f) imentos da segunda e terceira testemu-
m\h$. Esta disse que Justino s era indigi-
4ad<> pela voz publica, e aquella accKscentou
u o indiciado s o era como connivente,
nao como autor, fundando-se a tal voz pu-
lir na crcumstncia de dizer Justino que
ignorara.
Fra da voz publica o que ba sao re-
ferencias n3o confirmadas, e supposicoes
vagas e incertas.
Nao nos necuparemos em analysar miuda-
mnte a sent ca do juiz de direito, porque
a circumstancia dos respectivos fndamen-
os resulla mesmo do que tica exposto e das
{trovas dos autos.
Essa sentenca chega a entrar as inten-
ses do reo. lniputa-lhe a paternidade da
Ceanca, enxerga ciumes, e contra a eviden-
cia affirma que Castro applicra remedios
cara a gravidez, que reconheceu em Anna
Antoma: que o reo sentou mandar essa mu-
Ihr-r para Sobral: que por sua posic5o nao
eonsenlia a mais insignificante diligencia
Cm sua casa: que esteve em communica-
f3o com a presa, e comentiu que ella fosse
pronunciada quando urna s testeraunha a
tiao acusa^sK que o reo desconfia va da gra-
W d-z porque hite dos peitos nao podia ser
tffeito da homeopalhia de Castro.' que man-
dara ch.mar Mara Benta para partejar Anna
Anti ia: que lomara o menino e o condu-
zira com um escravo : que com o crime o
'
( *) Repelimos esta parle cima exarada
r se haverem dado erros escenriaes.
OsRR.
nalidade.
Medo e terror do reo. E' um dos funda-
mentos. Entretanto nao consta que Justino
alguma vez se oceultasse e acobardasse. Es-
teve com assento na assembla provincial
desde 9 de outubro at 17 de dezembro, por
nao ter sido intimado para assistir formaco
di culpa Recolheu-se a priso no mesmo
dia da pronuncia, muitas horas depois de
saber da existencia desta, de que foi intima-
do s pelo escrivo, sem for?a.
Dito de Chauveau a propria morte a
prova palpavel da existencia da vida.
O juiz ouviu cntaro gallo sem saber aonde,
c por isso encaixou a martello a citaco do
criminalista no caso vertente. Quem nao
sabe que urna creanca pode nascer mora,
ou morrer depois do parto, sem esforc) es-
tranho ?
E nada mais original do que pretender o
juiz processante que o reo esta va na obriga-
cao rigorosa de provar que a creanca nascra
mora, quando es agentes de ; oficia nem
poderam mostrar devidamente a existencia
do fado I
Documento. Refere-se o despacho de
pronuncia ao attestado de um sujeito, a
quem n5o s declarou o reo que desconfiava
da gravidez de Anna Antonia, como pedir
remedios, que nao toram applicados pela
resistencia dessa mulher, que o sujeito ailu-
dido tambem suppunha grvida. Mas o do-
cumento em quesiao nada disto affirma.
E' de notar que n'uma parte se diz que
Just no oceultava, n'outra que desconfiava da
gravidez.
Nesse monstruoso terceiro processo ha que
reparar .'urna circumstancia relevante: An-
na Antonia, sendo conduzda de ordem do
del-gado por um official de justica e um sol-
dado para averiguaces policiaes, e inlerro-
aada n'ausencia do reo, em casa do mesmo
delegado, nao impulou a Justino ou a al-
guem a morte de seu filho, e pelo contrario
insistu era declarar que a creanca nascra
murta, e que fra aba donada por ella, as-
sra como que o parto se occultra ao reo e
s pessoas de casa (certidao d i escrivSo do
jury ) Para se arrancar a essa pobre mu-
lher urna conlisso contraria a Justino, nao
vleram o terror, as ameacas, as promessas,
a incommunicabilidade, o arranjo de um ca-
samento que se fez, e o facte de haver ella
ficado sob a proteccSo dos inimigos do reo
J no interrogatorio perante o jury, presidi-
do pelo Dr. Silva Ribeiro, es>a mulher, em
vez de fazer carga a Justino, asseverou o
bom tratamento que delle recebra e de
sua familia.
O juiz de direito Buarque de Nazarelh
declarou positivamente emolficio-que nao
foi a me que matn o fil o.
Ora o assassinato de um recemnascido
eslabelece naturalmente a presumpcSo con-
tra a mae, que pode ser arrastada a um
crime t3o brbaro por vergonha ou oulro
motivo gravissimo que suffoque o affecto
mais profundo de um coraco de mulher.
Mas pela sua enormidade esse crime exige,
para ser punido, pravas lao robustas que le-
vem a conviccSo intima ao animo dos julga-
dores.
Entretanto a justica do Ip, sem fundar-
se ao menos na presumpcSo, que alias por
mais veiemente que seja, nao pode dar mo-
tivo imposicao da pena (art. 36 do cdigo
criminal) condemna Justino por urna impu-
tado mais que inverosmil.
N5o esquejamos dizer que a m vontade
do alteres Julio Cezar da Fonceca para com
Justino mostra-se ainda por um fado. Ha-
vendo esse individuo obtido de um juiz mu-
nicipal supplente, adversario honesto, per-
misso de seguir par* a capital, foi estepas-
so embargado pelo delegado, que o remet-
leu para Sobral, comarca visinha. Essa au-
tor i da de era a mesma que um novo presi-
dente julgou conveniente ao servico publico
mandar outra vez para o Ip, afira de assis-
tir ao julgamento de Justino.
Na qualiflcacSo de jurados em 1864 pare-
ce que se teve anda em vista desfavorecer
a sorle do reo. Quando a comarca do Ip
era s de um termo qualificaram-se :
Em 1861 153 jurados
1862 153 ..
18.3 108 c
Depois o districto do Tamboril, onde re-
side a mor parte dos homens as condices
de serem jurados, foi desmembrado do Ip,
e elevado cathegoria de municipio. En-
t' etanto na qualific^co do Ip em 1864, ex-
cluidas as pessoas do novo municipio, do
Tamboril apuraram-se 193 jurados, isto ,
25 mais que no armo anterior, em que Ip
comprebendia Tamboril.
O jnlgamento no jury fui um acto tumul-
tuario sem forma alguma de juizo.
Os debates eram interrompidos com in-
sultos e apirtes proferidos em alta voz e
com ar tenebroso pelos inimigos do reo,
apoiados pela Torca p iblica. Propalou-se
al que estariam contados os das de Justino
si fosse absolvido.
O delegado, com assento ao lado do juiz
de direito, impunha sua autoridade, e che-
gnu a prender um official de justica porque
este prohibir a communicac-j com a sala
secreta, cuja guarda Ihe fra c mfiada.
Deu-se almoco de caf e bolos aos mem-
bros do conselto reunidos em conferencia
0 official de justica dedara que nSo impediu
este fado por causa de ameacas das autori-
dades.
_ Um official de justica attesta m\ docu-
mento appenso aos autos que nao Ihe foi
possvel impedir na sala secreta a commu-
nicacSo dos jurados por urna janella aberta
para a ra, onde se acaavam, do lado fron-
teiro, pessoas (que elle indica) fazendo ace-
nos aos membros do conselho, alguns dos
quaes correspondan! a elles.
Foram nullificados, por meio de ameacis
e cabala, 8 votos absolutorios recolhi los
sobre o primeiro quesito. Na segunda vo-
tacao foi o reo condemnado a tres annos de
priso. E' o que attesla o mesmo official
accrescentandoque um membro do con-
selho, proporg3o que os votos iam ser de-
positados na urna, tirava das m3os de seus
collegas os que diziam nao, substituindo-os
por outros condemnatorios.
i Outro official de justica que estava de
guarda a urna janella da sala secreta para a
ra, confirma o fado da introdcelo do al-
moco pela mesma janella, a cabala dos
membros do conse'ho' entre si, os acenos
que do lado de fra faziam o subdelegado,
um escrivao e outras pes as; abusos que
elle nao impediu por estar a janella aberta
pela parte de dentro, e por acbarem-se os
gesticuladores a certa distancia. Assim mes-
mo, s porque advert u ao subdelegado para
afastar-se, foi logo recolhido cadeia e nella
conservado dous das pelo delegado*
' Constou-lhe tambem que se trocaram votos
annullando-se a primeira votarlo, o que elle
n5o viu por i star de costas prestando atten-
co aos acenos de fra.
Muitos jurados dtestam :
Que occorreram no julgamento fados
extraordinarios e nunca vistos nem mesmo
na villa.
Que durante os debates ouviram-se
apartes laudativos ao promotor e insultantes
ao aecusado que se defenda: que nessas ma-
nifestacoes tomaran parte pessoa de dentro
e de fra do recinto do tribunal, nao obst-
te as advertencias do juiz de direito interi-
no, que quasi coacto nao podia usar de pro-
i videfteias enrgicas sem que apparecesse um
rompimenio, e pro^ivelmente vas defacto.
1 Que inimigos do aecusado, entre elles o
delegado e o subdelegado de polica, empre-
garam cabala escandalosa, solicitando votos
I contra o aecusado depois de feito o sorleio.
Que os sorteados para o conselho se
Communicaram com elles publicamente, ape-
zar das advertencias do juiz, e continuaran
nessa communicacSo depois de entrarem
para a sala do conselho.
Que noute distribuiu-se caf e bola-
chas na sala secreta, e repetiu-se isto por
vezes at a manha do dia 5, introduzindo-
se tambem almoco. > \
Ura capito da guarda nacional que se
achava na villa, de passagem para o Tambd-
ril, presenciou os insultos dirigidos ao ae-
cusado na occasiao de sua defeza, que este
viu-se obrigado a inlerromper.
Agora note-se que mu membros do con-
selho tizeram a seguinte declaraco sobre re-
querimento :Declaro quevotei no primei-
ro quesito a favor do supplicante, proferin-
do o votonao.
Os documentos em questao osliveram ex-
postos em lugar certo na capital da provin-
cia do Cear, para quem os quizesse lr.
I Na sentenca do jury foi absolvida Mara
Benta, e condemnado Justino a tres annos de
priso, e multa cerrespimdente a raetade do
j tempo, gru medio do art. 197 do cod. crm.,
{e metade das costas.
Respondendo aos quesitos decidiu o jury:
nao ter precedido ajuste entre o ru e mais
algum delinquente para perpetrar o delicio :
nao haver o ru commettido o ficto com a
circumstancia aggravante da noute: ter pra-
ticado o delicio para evitar mal mam.
Ja se v, portanto, que para a perpetra-
; ojo do delicio s interveiu Justino na opinio
do jury, sera ao menos ajustarse com a
mae do recem-nascido: o que at parece
\ inverosmil, attentas as circumstancias que
constam dos autos.
Nao se commetteu o crime noute : quan-
do as pravas tornam evidentsima a verdade
de queo parto foi a noute, e se crime
houve, nao podia ler sido praticado senSo
j noute.
E' mais que notavel a circumstancia alte-
nuante de se haver perpetrado o crimepara
prevenir mal maior I
A conveniencia de evitar conflictos cora a
mulher, ou qualquer outro motivo da mesma
forca, considerando-se mal maior que um
I infanticidio e servindo de attenuar um de-
licio to grave !
Que justica, meu Deus 1
Nao deixamos de mencionar mais um epi-
sodio deste processo.
Como se v do documento a fls. 248,
reccorrente quiz justificar cora testemunhas
fados offensivos da le, e acontecidos no acto
dojuigamento. Sera contesta-Ios, a promoto
ria publica oppoz-seajustificaco porsuppos-
tas olfensas do reccorrente, declarando que
se fosse admittda, elle deixara de assistir aos
actos e insinuando para que no caso de nao
se querer deferir com acert, se fizesse urna
consulla. O juiz adiou a justificacao. em-
quanto nao fazia a tal consulta por ser juiz
higo. Inulilisou-se, portanto, um meio de
honra que devera ser apreciado pelo tribunal
superior para que se annullava.
Do que fica exposto se v :
Que nao se proceden a exame algum me-
dico legal, pois que o tal corpo de delicio
nem ao menos contm a rigorosa e exacta
desc ipc3o das offensas physi as.
Que nao consta si a enanca, cujo cadver
se encontrara em estado de putrefacto, um
f u dous das depois, nasceu viva ; ou si as
taes offensas tiveram fim criminoso ou
foram feitas por pisadas de inimaes, pois
que os havia no lugar, conqg declarou o
proprio Victorino, ou provieram da pressSo,
pois que Anni AnUnia declarou luver en-
terrado o cadver com urna p dra em trra
frouxa.
Que ninguem ouviu ao menos chorar a
enanca no silencio da noute.
Que nao estando provado o delicio,
porque nao valem para o caso apparen-
cias vagas e incertas, nSo se presume o
delinquente, e nem constam dos autos in-
dicios leves ou vehementes contra o recor-
' rente
Que tambem nao se mostra haver este
burlado qualquer diligencia di polica, nem
dado outro passo que demonstrasse inten-
gSo de encobrir o delido, como tendo par-
te nelle.
Que teni o recorrente escravos, podia
perpetrar o crime cautelosamente sem dei-
xar visl imbre, e sem soccorrer-se ao con-
curso de Maria Benta ou de outra pessoa
estranha.
Que as testemunh is s3o na quasi totalida-
de inimigas do ro.e quasi sempre fallara
vagamente, por ouvir dizer (nao ha nem
urna de sciencia), porque referindi-se a pes-
soas, que nao coiilrmim as referencias, ouj
soccorrendo-sea circumstancias que nao as-
severam, e a' supposicoes vigas e incertas.
'jue o processo foi instaurado e julgado
sob a influencia malfica da exaltacio dos
nimos, e do odio entranhavel para com o
aecusado. {
Que, finalmente nullo : !, porque foi
instaurado con ra a le; 2 porque leve por
bise um corpo de delicio amigo, irregular,
escripto inconcludente, e que como tal foi
declarado no primeiro despacho; 3", porque
no julgamento perante o jury deram-se ir-
regularidades, escndalos e at pretericode
for' alidedes substancies.
Poderamos limitar-nos smente a esses j
pontos de nul idades. Mas que ellas si!
acham mui ligadas a tod ventre desse volu-l
moso processo de 353 folhas, e por outro ''
lado convm patentear a monstruosidade
desse acto judiciario, laratirarmos a ri-|
gorosa conclusSo de que a annullacSo delle
importara nao smente o deila^ravo da le
ultrajada, mais ainda um acto de incontesta-
val justica para com un individuo persegu-
de por autoridades que nao reuarara dante
dos abusos.
Nao levamos em vista fazer urna analyse
completa, nem entrar no longo desenvolv-
meato de urna questo medico-legal. Tra-!
cando nm esboco imperfeito sobre e3te cele-1
bre processo, que venda o de Pinto Madeira,
posto que nao tive-seura-desfecho t3o tra-,
gi'.'O, pretendemos apenas rao -trar al quei
ponto pode ir o espirito de partido, e dar!
um triste exeraplo do como se administra a I
justica criminal era cerlos pontos do inte-'
rior, onde, na falla de urna inspecc'io acliva
6 enrgica por parte do governo, s resta
appellar para o desaggravo dos tribunaes
superiores, e para a opinio publica sensata,
que tambem pode trazer um escarment e!
correctivo.
Poslo que o processo ainda penda, por
appellacSo, de urna aleada superior, nao
queremos deixar de amortecer a impressao
que produziu-nos a leitura delle.
F.J.
Recife, 31 de marco de 1865.
LITTER ATORA.
Memoria histrica acadmica,
apreseotadacongregaco dos
lentes da faenldade de direito
do Recife ua sessSo de 13 de
atareo d ixa, pelo l)r. An-
tonio de Vasconcel los Menezes
de prummond, lente substitu-
to da mesma faenldade.
( ontinoacao)
XXII
Ensino de philosophia.
Se me fosse dado tomar parte no p'.mo
normal da instruccSo secundara e prepara-
toria aos estudos jurdicos, nao deixara
por certo de indicar como o inelhor tratad >
para consulta no esludo da philosophia (a
nio poder servir de compendio) a excellen-
te obra publicada em Paris no corrente au-
no, e autorizada pelo conselho da instruc-
C5o publica sob o titulo de Manual de Phi-
losophia ; sendo a introdcelo e psycholo-
giatrabalho de Amede Jacques, a lgica
e a historia da philosophia de Jules Simn,
e a moral e a theodicea de Emilia Su'ssei.
O estudo da philosophia deve ser mui
bera regulado, methodico e substancial,
firme e rigoroso em seus principios, pelo
poderoso concurso que presta ao exercicio
das faculdades intellectuaes e s sciencias ju-
rdicas.
E' ella/ como diz Cousin, a sciencia do
bera e do mal, do direito e dever das re-
compensas, obrigaces e mais simples con-
veniencias : da differenca da pessoa e cou-
sa, do que liberdade, Deus, almaabso-
lutamonte necessarias jurisprudencia.
XXIII
Ensino de rhcloca e potica.
Em virtude do art. 10 do regulamento
cerapletaraentar dos estatutos a prova es-
crita ilo exame de rhetorica consiste na
analyse de um trecho latino de um prosa-
dor, que sempre Cicero as suas oracoes,
entretanto no exame de potica essa analyse
feita sobre os luziadas do immortal Cames.
D'ahi parece resultar certa divergencia entre
dous classicos de duas nacoes destnelas.
Pronuncio-me contra esta disposc3o, por
que en tendo que o estudo d'aquellas duas
materias constit :e a continuacHo do estudo
da -ingua nacional, tao rica e to sublime,
que nao tem rival nos seus delicados matizes,
as Gnas bellezas e pri ores de elocucao.
Des que o ensino hodierno de rhetorica
nao se cinge nicamente s doutrioas do
velho Quintiliano, e se lem preferido as ex-
celentes obras de Freir de Carvaho, e d's
no-sos Ilustrados patricios o padre Lopes
Gama (Pernambucano), Drs. Mell Moraes e
Francisco de Paula Menezes. os quaes con -
seguirain exempficar as suas preciosas li-
ces com os me hores esenptores da nossa
patria, de toda justica que aquella analy-
se se eflectue sobre os nossos classicos, quer
prosadores, quer poetas, afira de que nelles
se possa con ecer, e aquillatar o rythmo, a
< ipropriedade, facundia e riqueza da lingu
verncula, ou segundo a bella expresslo de
um Ilustrado varaocomo elles sabem di-
zer com termos -implesconceitos gracio-
sos, como sao elles sublimes sem ser incoa-
dos, ou naturaes sera, baixeza, era suinma
como movem n'alma as mais vivas, e as
mais contrastadas sensacoes e ideias >
XXIV
Necessidade do estudo da lingua nacional
para. admiss matricula do primeiro
estudo preparatorio.
O conhecimento da lingua nacional ou-
tra necessidade instante, porque sera elle
muito mal se podero estar as bellas letras
e sciencias. Puf muitas vezes tenho obser-
vado a inopia de certes mocos neste ponto.
Se porventura alcancam transpr a barreira
dos examas preparatorios, ei-los durante o
tirocinio ju idico luctando como verdadeiros
apedeutas com grande difficuldade para re-
veslirem seus trabalhos. escriptos ou a dis-
cusso oral da preciosa dieco. i'icera di-
zia: fallar bera a lingua nacional nSo s
de pop orador, ou de todo homem de letras,
mas sim de todo e qualquer cidadao.Non
enim tam prosclarum est scire latine quam
turqe nesife ; eque tam id mihi Oratoris
boni, quam cives boni Romani proprium vi-
de tur.
A' raen vr, seria acert ido exigir o exa-
me da lingua nacional para admissao ao es-
tudo do prmeiro preparatorio, na ordem
que cima indiquei. isto ao de latim,
como se' exige na France para consecucSo
dos grus de (jachare! em bellas letras, por-
que s^m duvida aquello estudo deve ser o
vestbulo para a mocidade ser iniciada nos
altos mysterios do ensino superior.
A negligenci < do.ensino do nosso idioma
indesculpavel. Um escriplor moderno di-
zia ha bem poucoque a lingua natal n5o
s respeitavel p ir ser a heranca e falla de
nossos paes, e a depositara de tSo numero-
sas e explenidas glorias de todos os lempos,
mas sobretodo por que em formosura ne-
nhuma cede, em riqueza iguala s mais
opulentas, faltando-nos aprecia-la e sa-
be-la.
Emtim o celebre ministro da instrueco
publica da Franca Sr. Fourtoul pag. 39
do seu importante relalorio apresentado ao
imperador dessa nn;o, assim se exprima
respeito : O ensino da 1 ngua materna to
depreciado, e todava to fecundo, abrir o
caminho instrueco, e os progressos nao se
ho de demorar, quando o ponto de partida
for bem esiolhido.
xxv
Esludo da lingua latina.
Rem quizera que mais rigorosas fossem
as pravas no exame di lingua latina, porqm
nella que se acba escripia toda a legisla-
ee romana, a mais sabia e a fonle da de to-
das as nacoes cultas ; alera de que muitos
remicolas e coramenladores do direito patrio
a preferiram para suas importantes obras, as
quaes cada momento sao consultadas, em-
bora os leguleos, para encobrirem a propria
ignorancia, as qualifiquem de velhos e ca-
runchosos bacamartes.
Para isso seria conveniente adopatar-se
para prova ralo systemade versodetodos
os classicos, de livro aberl>, ou de repente
n i acto d'ela ; e para prova escripia um tre-
cho de qualquer desses c assicos, e urna
coraposicio de portuguez para o latim, como
se patrica na Franca.
Na universidade de Coimbra sempre se
reconheceu e ainda se considera to necessa-
rio o esludo da lingua latina, que certas
pr vas para a cons^-cuco dos diversos grus
acadmicos sao nellas escriptas.
O afamado lente cathedratico da faculda-
de de direito d'aquella cidadeo fallecido
Di. Francisco Jos Duarte Nazarelh d'ali
escrevendo-me tt de maio de 1862, sobre
e.-te ponto assim se exprimiu :
Agradarara-me as theses, que attestara
o grande progresso dos estudosjuridicos nes-
sa iliu.-tre edistinda academia, e as muitas
forcas do defendente. As nossas theses era
todas as acuidades sao ainda escriptas em
latim ; sendo a lingua portugueza pouco co-
nhecida, emquaoto a lingua laina anda a
lingua dos sabios, este o meio de fazer co-
nhecer no estrangeiro o estado da cultura
das sciencias na nossa uni ersidade. >
O grande Dupim, diziaLa langue lati-
ne est une lauque parfaitement bien faite
dans tout ce que exprime les termes de
droii.
Na Hollanda, Blgica e Allemanha, como
asseveram Blondeau e Cousin. as pravas dos
estudos superiores sao era latim.
Na Franca se exige ain >a no exame para
o bacharelado em bellas leltras, alm da ver-
so (atina, urna eomposico de francez para
essa Ingua.
Para responder cabalmente aos que isso
se oppem, incluindo o latim no classico
cortejo do paganismue considerando-o como
capaz de gerar o indifferen ismo n > estudo,
seja-me licito transcrever as bellas palavras
de Cousin (autoridade sera duvida mais
co ptente), na sua expos cao sobre o sys-
tema da universidad?da Franca :
Sem o latim, sem o conhec ment da
sua Ulteratura, todo o hornera como qual-
quer estrangeiro na vida humana; ignora o
que signilcam os grandes cultos da antigui-
dade, como Virgilio, Horacio, Cicero, Taci-
lo, fontes puras da poesa, da eloquencia e
da historia. Eraba de um arito de barbaros
se eleva contra as lettras latinas, nos as ha-
vemos defendido e as defenderemos obstina-
damente. Serviremos mal patria, se for-
mamos geraces armadas de alguns conde-
cimentos scienlificos, desprovidos d'est col-
tura nobre e polida, que por si s transmit-
te alma todo sentimento.
Outra opinio sobre este assurapto nao
menos valiosa a do erudicto visconde de
Almeida Garret, que por si s bastar para
prava do meu asserto.
s linguas (diz elle) oceupara um lugar
eminente entre os elementos da^educacao (e
aqui entendo por educaco, e entenderei on-
de quer que repetir a expresso, a de todo o
educando, que nao destinado officios ou
empregos mchameos.)
Nem todos os individuos da sociedade
precisam dclla; mas de certa altura para ci-
ma quasi todos; e porque nao direi sem ex-
cepvo de todos ? O grego e o latim sao os
necessarios elementos desta educaco nobre.
Deixae fallar modernos e modernicos, peti-
metres e neologistas de toda a especie, o
horuem que se destina ou que o destmou o
seu nascimento urna vocago publica, nao
pode sem vergonha ignorar as bellas letras
e os classicos.
Saiba elle mais mathematica do que La-
place, "mais chymica do que Lavoisier, mais
bol-nica do que Jussieu, mais zoologa do
que Linneu e BufLra, mais economa poltica
do que Smith e Say, mais philosophia de
legislaco do que Monlesquieu e Bentham,
se elle nao fr o que os lnglezes chamam
a godscholartriste figura ha de fazer
fallando, ou seja na barra, na tribuna ou no
pulpito, tristissiina escrevendo, seja qual fr
a materia, porque nao ha assumplo em que
as gracas do estyllo e a eorreoco da phrase
e belleza da dicco nao sejam necessarias e
indispensaveis.
(Conlinuarse-ha).
res de Inglaterra, parado deste principio,
diz um jornal hespaoho!, julgavam possuir
este domina ravilboso.
Os ctfvalleiros de S. Joo de Jerusalem
professavam grande vedera$3o pela mo que
o sulto Bayazid entregara ao grao mesire
Ambasson como sendo a mo direita de S.
Joo Baptista.
Em quasi todas asegrejas da chrislandade
se venerara mos de santos e sanias.
Houve poca em que se cortavam as mos
aos criminosos.
Scipi5o o Africano, irritado contra o povo
de Ltea, que havia prestado auxilio aos
eumantinos, spoderou-se de quatrocentos
dos seus habitantes, mandou-lhes cortas as
m$os, e deu-lhes em seguida a liberdade
Cesar mutilou, um dia e do mesmo rao-
do, todos os inimigos que se achavam em
seu poder.
Ferno Cortez praticou a mesma gentileza
no Mxico.
| Os emissarios de Antonio cortaram a cabe-
ca eas mos a Cicero.
O Iriumviro vingou-se cobardemente das
phippic is: lde, amigo leitor, Juvenal, o
qual se incumbiu de vingar o celebre ora-
dor.
Nabatalhade Lepanto perdeu o immor-
tal Cervantes a mo esquerda: se houvesse
sido a direita, talvez nao tivessemos conhe-
cido o Ilustre fidalgo da Mancha.
Mucio Scevola queimou a mo direita no
fogo sagrado na presenca de Porsenna para
: castigar-se de ter ferido o secretario do seu
I inimigo, quando o seu desejo era assassinar
orei.
Na Allemanha subsiste um costume ori-
ginal entre as casas reinantes : alludo aos
matrimonios morgaoaticos.
Nesta ceremonia, o principe d a mo
esquerda sua noiva, e os filhos que nas-
cem desta unio, nao podem usar nem d
nome nem do brazo de armas de sea pai.
A fecundidade dos compositores italiano
recorda a um noticiarisla estrangeiro urna
ane:dotada poca em que Rossini escreveuo
immonal Moyss para o grande theatro de
aples.
No primeiro anno em que esta opera foi
a scena, a passagem do mar Vermelho fez
rir extraordinariamente o publico. Os ma-
chinistas lomaram to mal as suas disposi-
ces para explicar aquelle phenomeno, que
se nao houvessem agradado sobremodo os
dous primeiros actos, a peca teria finalisado
cora gargalhadas e assobios.
Dous annos depois, na vespera do dia em
que esteve annunciada, pela terceira vez, a
primeira representaco de Moyss, foi
j casa de Rossini o poeta Totola, autor do Li-
berto,
O maestro, preguicoso por natureza, es-
| lava deitado na cama, rodeato de amigos
que Ihe faziam companhia, apezar de ser j
urna hora da tarde.
O poeta entrou e sem fazer caso dos que
acompanhavam o maestro, llie disse :
Maestro, maestra, salve i o terceiro
aeto.
Que fizeste para salva-lo ? Ihe per-
guntou Rossini com esse tora chocarreiro
que ainda conserra, apezar dos seus 73
annos. De todos os modos o publico rir-e-
ba de nos.
Escrevi urna preghiera (oracSoJ para
os hebreos antes da passagem do mar Ver-
melho.
Sacou o poeta da algibeira um maco de
papis sollos e entregou-lhos.:
A medida que Rossini ia lendo, o infeliz
poeta Ihe dizia e repeta :
Fizeste trabalho n'uma hora, maes-
ro. N'uma hora escrevi ludo isto.
Ola I Com que, gastaste urna hora pa-
ra escrever esta preghiera ? Pois'eu vou es-
crever a msica n'um quarto de hora.
E dito isto levantou-se da cama em fralda
de camisa, e assenlando-se a urna mesa, em-
quanto os seus amigos eont nuavara a con-
versar em alta voz, sem piauo e em menos
de de*, minutos; escreveu a famosa pre-
ghiera :
Dal tuo stellato soglio.
- Toma, disse elle a Totola, logo que
concliiiu, leva-a ao theatro para que a man-
dem copiar.
E tornou a metter-se na cama, rindo com
os seus amigos da surpreza do poeta que
apenas dava crdito ao que acabava de ver.
No dia seguinte nao tiveram os napolita-
nos vontade de rir durante a passagem do
mar Vermelho.
O enthusiasmo, ao ouvir a preghiera, to-
cou as raas do delirio.
Ls-
l POUCO OE TU08.
Le se no Jornal do Commercio de
boa:
Amigamente jolgava-se n'alguns paizes
que as mos dos res podiam curar algumas
enfermidades com o simples co atado. Os
Da Semana Ilustrada transcrevemos o
que segu:
REFLEXO.
Nao entendo- que sao os homens I
Desde manha ocoupo o meu tempo a
enfeitar-me, preparar-me, ornar-me ; gasto
horas inte ras nisso, e nada t
Ninguem apparece que venha pedir-me
em casamento I
Na realidade nao entendo os homens I
S. PAULO.
Pois esta a tua bibliotheca, que me
cuslou tanto dinheiro ? Na realidade cas-
sica a mais nao po Jer,s r.
Mentiu....
Para a menina solteira,
Que de ludo se aborrece,
E na janella apparece
De semblante entrestecido,
Mas trajando bem faceira,
Um marido.
Para a velha rabugenta,
Que, qua ido a fallar comeca,
Quebra sem d a cabeca
De quem Ihe diz o contrario
Das ideas que sustenta,
Um rosario.
Para o velho na i orado
Que de bengala e luneta,
Anda a fazer jeruta,
Como se fra u o fedelho
Do coeiro ha poi co tirado,
Um conselho.
PERNAMBUCO.-TTP. DE M. F.DE F. & FILtlO
)
.


ILEGTVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETWBOBEBJ_X1P52I INGEST_TIME 2013-08-28T01:51:04Z PACKAGE AA00011611_10645
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES