Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10644


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO IU HOMERO 87.
!"' ------------_________
lien ejtfe 4s Ju* im $ c_et e dent ro d qairtl. .
tote ttf ewreio per tr __e_s

SEGUNDA FEIRA 17 DE ABRIL DE 1865.
ft? aiit pagtdentrt de 10 das do 1. mez
P.rte ae carreia par am anua............, ,
19|000
3,000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lim;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr." Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves 4
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandlno Falco Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, 9 Sr. Jos
Hibefro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanoa as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhans, Buique, S. liento, Bom
Const'lho, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
(eiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Lirooeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vft-
ta, Ouricory, Salgeiro e Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades \ 1
bora da tarde.
Serinhiem, Rio Formoso, Taraandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE ABRIL.
2 Quarto cresc. as 10 b., 59 m. e 22 s. da t.
11 La chela as 2 h., 17 m. e 52 s. da ra.
18 Qoarto ming as 9h., e 16 m. da t.
27 La nova as 11 h., 53 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAKS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quimas.
Relaco: tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: 'segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civil: quarlas e sabbados al
bora da tarde.
17. Segunda.
18.' Terga. S.
19! Qua'rta. S
20. Quinfa. S
il. Sexta. S.
22. Sabbado.
23. Domingo.
DAS DA SEMANA.
S. Aniceto p. s. Fortunato m.
Galdino b. card.; S. Anlhia m.
Is. Expedito e Aristonico mm.
. Ignez do monte Policiano. *
Anselmo are.; S. Abdecalas m.
Ss. Soler e Caio pp. mm.
S.Jorge m.; S. Adberto b.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as 9 horas e 18 m. da manha.
Segunda as 9 horas 42 e minutos da tarde.
PARTE OFFIGIAL
G0YERRO DA PROVINCIA.
outiiiuarao do expediente do dia 10 de abril de
1865.
Officio ao coronel commandanie das armas.
Determinando S. M. o Imperador, como me oi de-
clarado era aviso da reparligo da guerra de 14 de
margo ultimo, que em seu augusto nome sejara
louvados e agradecidos pelos elevados senlimentos
de aboegacao e amor da patria que patentearam os
Drs. Pedro de Athayde Lobo Moscoso e Joo Pedro
Mailuro da Fonseca, bera como o cidado Hyppojito
da Silva offerecende-se este para servir como vo-
luntarlo, e como tal ja alistado, ijom abstengo nao
s da gralificago como Voluntario da Patria, mas
ainda do praso de trras a que tem direito, e aquel-
truego primaria da povoago de -Afogados da fre-
guezia de Ingazeira, e tendo em vista a que a esse
respeito informou o director geral de iostrocgo
publica em offlcio de hontem, sob n. 110 ; recom-
mendo a V. S. que independente da falta que se
d do comprase daquella directora no titulo do
supplicante, mande pagar a este os seus vencimen-
tos a contar do dia em que entrou no exercicio da
mencionada cadeira.
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em hasta pu-
blica no prazo de oito das nos termos do art. 103
do regulamento da reparligo das obras publicas,
a pintura de que precisa a ponte de ferro por de-
traz do theatro de Santa Isabel, servindo de base al
essa arremataran o orgamento juoto por copia na |
importancia de 4305, e que me foi remetalo com
1 officio do chefe interino daquella reparligo data-
do de hoje, sob n. 106.-Communicoa-s ao chefe
interino da repartigo das obras publica?.
Dito ao coronel Domingos Affonso Nery Ferrel-'
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ala a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, maio,
julho, sttembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Fgoeiroa de
Faria & Filho.
----------------------------1----------------------------------------------------------,
O Sr. Andrade Corvo, na sua palestra sobre ve-
getago deliciou os ouvintes que eochiam o salo
das conferencias no Gremio Luterano, o seu dis-
cuto de consummada elegancia, foi como que um
programma dos curiosos assumptos que a sciencia
hodierna est estudando e que o sabio professor
procura popularizar em suas altraclivas ligoes.
Estiveram concorridas tambem a ligo do Sr.
Jos Ron sobre astronoma,,o a palestra do Sr.
Jos esar Machado sobre literatura contempor-
nea.
O Sr. Carlos Bento da Silva, propoz na c-
mara dos 'depu lados para que se nomeasse urna
commisso de inquerito para conhecer das causas
que tem produzido o elevado prego dos gneros
alimcnticus, para que vista desle Inquerito se
previdencie o remediar este grande mal.
Verificou-se areunio dos proprietarios agr-
colas, promovida pela-Real associago central da
sao de cereaes estrangeiros, apresenlada pelo mi-
nistro das obras publicas na sessao de 20 de feve-
les para prestarem gratuitamente os servcos med- "^Sm offlc' de .V> S' de ?onAlm dat^ *f
eos na guarnigodesta provincia, pela ausencia dos Dl 10f se m.e Pseplon o cabo de esqoadra da
cirurgioes do corpo de saude d exercilo, que fo- Suarda nac,0Joa, ose Pmmisco Luizde Car.val.ho
ram chamados a corte; assim o communice a V. I qaem m,a?1 a,,s,ar ""R? de Voluntarios da
S. para seu conhecimento
constar.
Dito ao mesmo.Srvase V. S. de mandar alistar I
como Voluntario da Patria, com destino a um dos
a V. S. o amrilio que
acqnisigao de 'volunta-
aflm de que Ihes faca* "!* mu,,, a*rade?
* v "contina a prestar-me na
ros.
Dito ao director geral da instrucgo publica.
corpos da corle, para onde deve seguir no 1 vapor IP05,^"0 a Prufes ora da 3-cadeIra da freguezia de
le nne; s-Jos> Digoa de Santa Rosa, para substituir
Carlos Emiliano de Albuquerque Cavalcanle, q" ue ;^; nJf05/'ulQa _"_ K*< P* suns"'uir:
ira isso se oHereceu. fazendo renuncia das .KM. Professora Alexandnna de Lima Albuquerque, na
para isso se offereceu, fazendo renuncia das 22,5001
bragas quadradas de trra, da gratificago de___
300, assim como dos 300 ris mais de sold con-
cedidos pelo decreto n. 3371 do 1 de Janeiro deste
anno.
Dito ao coronel Jos Antonio Lopts.-Mandei
alistar no corpo de Voluntarios da Patria, a Jos
Luiz Romeiro que V. S. me apresentou com o seu
officio de 8 do correte a que respondo, agradecen-
do a coadjavago que V. S. continua a prestar a
.minha administrado no alistamento dos mesmds
voluntarios.
- 11 -
Officio ao Exm. dezembargador provedor da San-
ta Casa de Misericordia.Agradeceodo o convite
que me fez a junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia, para assistr no diaquiulafeira
santa a raissa solemne que tem de preceder a ex
posigo do Santissimo Sacramento na igreja de
Nossa Seunera do Paraizo, tenho a dizer a V. Exc.
que comparecerei a esse acto a hora indicada 00
seu offlcio de 10 do corrente a que respondo.
Dito ao coronel commandanie das armas.Quei-
ra V. S. expedir as suas ordens para que os tresj
msicos transferidos da companhia de menores do
arsenal de guerra para o corpo de volntanos vo
tocar na masica da mesma companhia, durante os
dias em qne esta der gaarda de honra para assis-
tir os aelos da semana santa, no convenio de s.
Francisco, devendo os referaos msicos apresen-
tar-se no mesmo arsenal 3 dias antes para os ec-
saos necessarios. Communicou-se ao director do
arsenal de guerra.
Dito ao mesmeSirva-se V. S. de informar so-
bre o que pede no incluso requerimento, o cadete
do corno de Voluntarios da Patria Joaquim Thomaz
Jlibeiro Varejo.
Dito ao mesmo.Remello incluso o requerimen-
to de voluntario Antonio Martins de Oliveira, aflm
de que V. S. se sirva de mandar inspecciona-lo,
bem como de informar sobre o que elle pede.
Dito ao mesmo. D V. S. as suas ordens para
que a guarnigo da praga, no dia 16 do corrente
seja feita pela companhia de cavallaria sendo coad-
yuvada nesse servigo pelo corpo de polica visto
que os cornos da guarda nacional desta cidade es-
tro delalhados para acompanhar as procissoes da
ressurreigao. Fizeram-se. as necessarias commu-
nicagoes.
Diio ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar ins-
peccionar o voluntario Francelino Monteiro remet-
tendo-me o parecer da junta de saude com a sua
informagao acerca do que elle pede no incluso re-
querimento.
Dito ao mesmo. Srva-se V. S. de mandar
alistar no corpo de Voluntarios da Patria a Joo
Eleuteno de Deus, Antonio Evaristo e leon.juc de
Souza Maranho.
Dito ao mesmo. Remello incluso o requeri-
mento que me dirigi o segundo sargento da guar-
da nacional Jos Francisco de Paula v*ellez, que
commisso do exame de que trata o offlcio de V. S.
de hoje datado, sob n. 111, a qne respondo.
Dito ao director do arsenal de guerra.Concedo
a autorisacao que Vmc. selcitou nos seus officios
n. 227 de 8 do corrente, para fazer as despezas ne-
cessarias com e condncgo de caldeiras, mesas e
mais utenclios de que precisar o corpo de Volun-
tarios da Patria, devendo apresentar a thesouraria
de fazenda conlas legalisadas de semelhante des-
peza afim de serem satisfetas.Communicou-se a
thesouraria de fazenda.
Dito ao inspector do arsenal de marinha Man-
de Vmc. fornecer com urgencia a aguada de que
necessitar o vapor Imperador, que tem de seguir
para a corte amanha.
Portara.-O presidente da provincia, attenden-
do ao que requeren o ofilcal maior da secretaria
da assemhla legislativa provincial, Francisco
Duarte Ci'dlho, e tendo em vi^ta a informago pres-
tada pela thesouraria provincial, em 5 do corrente,
bem como o parecer da commisso medica, resol-
ve aposenta-lo com o ordenado proporcional aos
annos que contar de servgos, de conformidade com
o disposto nc art. 2* da le n. 276 de 7 de abril de
1851.
.Dita.O presidente da provincia, atlendeodo ao
qne lhe requeren o bacharel Joao Rodrigues Cha-
vo?, juiz de atreilo da comarga de FTdres, resolve
conceder-lheTJ mezes de licenga com vencimento
para tratar de sua saude frada provincial.
Dita.O Sr. gerente da compaolua Pemambuca-
na de navegago costeira, faga transportar para a
corte no vapor Jaguaribe, o 2 cadete Miguel Leo-
poldino Lima e o soldado Antonio Augusto da Fon-
seca Menezes que se alistaran) nesta provincia-
co;n destino so corpo de Voluntarios do Cear.
CommUnicou-se ao corenel commandanie das ar-
mas.
Dita. O S r. gerante da companhia Pernambu-
cana? ponha a disposigo da familia do Dr. Braz
Florentino Henriques de Suuza, que tem de seguir
para a corte as passagens de eslado que se acha-
rem vagas no vapor Jaguaribe.
Expediente do secretario do governo do dia 11 de
abril de 1865.
N. 120.Officio ao Io secretario da assemhla
legislativa provincial.De ordem de S. Exc. o sr.
poesidente da provincia, transmuto por copia a V. j
S. para ser presente a assembla legislativa pro- j
vincial o acto desta data, pelo qual o mesmo Exm.
Sr. resolveu aposentar o official maior da secreta-
ria dessa assembla Francisco Duarte Colho.
Despachos do dia 11 de abril de 186.
Requerimentos.
Tenente-coronel Antonio Carlos de Pinho Borges.
Informe o Sr. iuspector da thesouraria de fazenda-
Affonso Ernesto de Freitas.Tendo o supplican
posto a convida-lo para aceitar o poder, organisan-
do outro gabinete que offerecesse mais garantas.
O duque marecbal effecllvamente esperado em
Lisboa dentro em pouco, mas ignora-se anda o fim
de sua vinda, sea todava se acreditar qu,e seja para
aceitar a heranga forernativa deste ministirio.
Failou-se tambem aqu ha poucos dias, que di-
versos membros dos mais salientes da maioria ti-
nham assenlado em resolver o conde de Torres No-
vas a collocar-se testa da sUdago, que de modo
algum desejariam ver passar s maos da oppjsi-
go absolutamente, ou por meio de fuso, como tam-
bem se avltrou.
Oulros, emfim, notlclavam transferencias de pas-
tas ou contradanzas ministeriaes ultima hora,
taes como a passagem do ministro das (nangas Ma-
thias de Carvalho, para a marinha e colonias, en-
trando o Sr. Jos Luciano de Castro, depulado lea-
der para a fazenda.
Os factos, ou a ausencia delles tem por ora des- j elevou-se lhe todava em certas passagens, e mais
mentido o boato, e as cousas vo estando no mesmo urna vez revelou o iotelligente escriptor o cstudo
p, ou para melhor dizer, as continuada correras' profundo que tem feito desta especalidade.
oratorias, que nao do qqartel aos membros do go- A segunda palestra fra do espirituoso parla-
verno, tornam a sitoago cada vez mais precaria, i mentar Carlos penlo da Silva, sobre crdito e ban-
J tem sustentculos na imprensa, alm da Ga-, eos. Nao assist, mas dizem-me que sonbe capii-
zeta de Portugal do Sr. Teixeira de Vasconcellos. I var a assembla como quasi sempre, pela graga
E' o Contemporoneo, folha diaria, de que dzem natural com que se exprime, e sobretudo pela so-
ser redactor poltico em chefe o Sr. Meudes Leal, lida proficiencia dos seus conheciracntos na ma-
e effeclivos o Sr. Castllho e Mello, director da sec- j leria.
gao de beneficencia no ministerio do reino, o Sr. Estas conferencias do Gremio que j estavam na
Roussado, autor da parodia aoD. Jayme, o Sr.Bair- j leltra e no espirito d'aquelle instituto, resurgem
ros, inspector dos incendios, e outros. | agora com mais esplendor do que nunca. Sao, di-
0 Demcrata e Liberal, a Crenca e outros pero-1 ga-se ludo, urna verdadeira necessidade para o es-
dicos de pouco vulto sao pela governo actual. pirito, e retemperam agradavelmente a grande
O que muito entendem que ralni.-terio, como \ maioria pensante da nossa sociedade com um re-
todos os que o tem precedido, (recomposto ou noto,! creio dos que mais nos collocam ao nivel das ou-
pouco importa) tem boas mengues. Se os seus tras capilaes do mundo civilizado.
membros nao sao credores de nomeada, ho de to-,: O novo ministro da justiga declarou, ha dias
davia, sem ruido, ir eflectuando efflcazcs roelhora-; na cauaaia dos pares, que esla pendente da reso- t
mentos nos diversos ramos de servigo publico que lugo da outra cmara, o projecto de cdigo penal ptrido, e sulphato de cobre. Resta agora estudar
Ihes esto commettidos. Erobora se diga que ama- c aspira com seus esforgos, e dos seus collegas, e examinar a economa deste moderno meio de
gestade da palavra deve ser representada nos con- na-coamissao, poder fazer aiuda approvar este conservago (fas madeiras.
seibos dacoroa, o crto que nem toda a gente p-1 importante Irabalho, que tem Sido lisonjeramente Fallecen a Exma. Sra. D. Mara da Luz de
de dtfpor de eminentes dotes oratorios, sem com considerado por toda a Europa culta. ; Athavde Besler, espoza do abastado negociante des
ludo se negar prestiraoe mu recommeodaveis ha-! E-lbeleceu-se ahi as melhores d.uirnas de di- ta praga o Sr. Frederico Biester, e mi do diStinc
bilitagoes a homens uteis, que pdem prestar opti- reto penal, e presumo que com leves alleragoes se to autor dramtico Ernesto Biester, e da espoza do
mos servgos ao paiz. torne urna das mais proficuas leis patrias. Sr. Mondes Leal. Era urna senhora respetavel,
As sabbatinas, pois, continan) as duas casas Quo ha de/ir o processo criminal conforme os 4)elas suas virtudes, e que deixa n'uma grande dr
do parlamento. Tudos, porfa querem saber o mais applicaveis dctame da sciencia e as neces- nao s a sua familia e prenles, como a muitos
plano de fazenda do Sr. Matbias de Carvalho, que! sidades presentes. amigos. Os pobres perdem nella urna acrisolada
teve a indiscripcao de declarar na cmara electiva, Que est muiogdiaatada a proposta para a cons- bemfeitora.
que nao depositava confianca nos clculos sobre trcelo de casas penitenciarias, e o governo tra Fallecen tambem a 24 o Sr. Abraho Acca-
que assentava o orgamento qae o Sr. Lobo d"Avila,, balha assiduameste para a concluir. j co da Slvera Pinto, general da brigada? o gover-
seu antecessor, tinha proposto. Declarou tambem que tencionava propr a abo-, nador da praga Elias.
D'ahi, urna serie de philippcas, a qual mais fri-, ligo da pena de marte* por quanto, nos quo a ; Era condecorado com as commendas da Torre e
sante, a qual mais pungente e sarcastica, por isso temos de facto abolida ha viste e lano anros nao Espada, Chrisio c Conceigo, com a das campa-
havomos de levantar a voz, para a abolir de di- nhas da guerra peninsular ; era coramendador da
relio? ordem de Carlos III de Hespan'ia, e tinha meda-
___!__.^v-^-- u. puMsri_r: *_*:' <<<*
os fllhos dos estados republicanos da America do
Norte e do Snl.
Outra folha, de hoje 29, referindo-se a estes va-
sos de guerra, diz o segninte :
A's 10 horas e 33 minutos do dia 28, pjssava
entre a jorre de Belm e a corveta Sagres, de bar-
ra em fra, o monitor confederado Stonewall, que
no domingo entrara em o nosso porto. Osdous na-
agricultura portugueza.-com o fim de reprsenla 1 v,0$ federaos que linham vindo em seu seeuimen-
3 cortes acerca da le permanente da admis- te eram os vapores Nigara e Sacramento.
O mais conceluoso folhotini.-ta portuguez, Cesar .
Machado, historiou o genero r,ue cultiva, e biogra- reiro ultimo,
phon com verdade e sntjmonto a existencia nfe-1 Fallaran) alguns proprietarios, notando que o
iz de Lopes de Mendonga que se consumalo atel- imposto da entrada de 60 ris por alqueire sobre
lectualinente as Charanias d'um talento que to o trigo eslrangeiro era pequea, e por isso se de-
festejado foi : va representar, pedindo qne se pozesse um s di-
bilva Tnllio orou sobre ciassicos e bem. O dis- reto fixo de cem ris, alm dos direitos de con-
curso nao guindado, mas familiar e comesinho, sumo.
J comegaram as expropriagoes do terreno
que necessaro para se levar a effeito a estrada
que deve ligar Coimbra com a rica provincia da
Beira.
A companhia deLamifcos de Lordello.
va emitlir cenlo e vinte aeges de 5005000 cada
urna.
Antonio
ra
cia, se retirara para aquella capital.
Comjilctou-se a conslrucgo de um estalciro
para nspecgo de madeiras, mandado fazer pelo
ministerio das obras publicas, junto dos piohaes de
Leria.
A construivao foi riscada^ e dirigida pelo Sr.
Magalhes, eagenheiro civil. Os pmeiros ensaios
foram salisfa.torios, pelo quo respma a gnaldade
e promplido com que os paos submettidos a ios-
pc.cgo receberam o lquido desinfectante ou anli-
Para evitar algum conflicto as nossas aguas ha-
viam-se tomado as providencias que o caso urgia.
Trocaram-se notas diplomticas enire o nosso go-
verno e o encarregado dos negocios dos Estados-
Unidos, guardando-te as leis da neutralidade, e
dando apenas refugio ao vapor confederado; man-
dando-o sabir vinte e qualro horas depois da en-
trada, e permttindo aos federaos que se demoras-
sem o lempo que quizessem.
Para fazer cumprir estas delerminagSes havara-
se armado os fortes, e collocado a postos as goar-
nigoes do Mindello e Sagres.
Mas o Stonewall passou ao sahlr, arrogantemen-
te nos aguas dos seus inimigos levando cada a
bandelra separatista.
Este arremego nao o poderara soffrer os Norte-
que ama assengao daquella ordem, nao e sol lava
em um parlament, -cfn c apresentar logo satis-
factorio correctivo. Instado, obsecrado o joyjn*f
nistio para expor o aoo sjsiema d fazend, pou-
co dlsse e ainda menos satisfez, deixaudo em aper-
tos o seus amigos, e cada vez mais obscuro e
enygmalico o seu inediclo programma de linangas.
mogo do Sr. Fontes, esmagoa com um dos
mais vigorosos discursos do Ilustre estadista a
inesperieneja inerme do Sr. Malinas de Car-
valho.
Seguiu-sc-lhe outro ornamento parlamentar, o Sr.
Carlos Bento da Silva, qne das cadeiras da minora
pelo
inte \) mez de reirereiro.
dos nevos guvernadores cvis de Lisboa, Braga e
Coimbra, a os de secretaria geral dos governos ci-
vis de Lisboa o Porto.
Saho jjo dia 2.1? para Timor a reboque do [
Mindello a corveta Ga conduzndo para aquella
provincia o sen novo governador Francisco Teixei-
ra da Silva, e o secretario geral Eug.mio Eduardo
de Mascareuhas funccionarios com cuja admins-
te pouco mais de 13 annos, segundo informa o di-
! rector do arsetal do guerra, nao pode ser aceito o
se alistou como Voluntario da Patria, af.m de que | SS^^SSStSST' "" "+*"
V- S- .rreen^re0nSderae0 Cm "' JU5'ga A^.of.fr_2^_fo_e O Sr. Dr. che-
que elle requer. : f rt noiCja
ex^la^r-'0^"-^- d- ----- I Alva'ro cha Cava.canti Campel.o. Tendo o
Fernando
__wi_-_ri_^WE!?j&_^
Ksr.?___?___*presi4t """"----- *
Dte ao inspector da thesouraria de fazenda.
o mesmo -passo as maos ae v. s. cinco j M Cavalcanli Campcllo. Tendo o
res do regulamento para o presidio de M^e que lriUa o snpplicante, idade superior a
o de NoroDha. approvado pelo decreto n Sno regulamentoP_e 3 de j neiro de 1842,
11 de fevereiro ultimo, allm de ser posto "'*'"," SrS_H__i -Smniihi de anrenrii-
que allega
da thesouraria de fazenda.
Major Francisco Duarte Colho.Passe portara
*_8f o 1 Pde?evbedrea?reo' TS^Ti. X&SMS2T*
Sr ao Dr Antonia Epaminondasde Meilo, como J -o Z^ZT-Ccn^o o praso de 10
pede no incluso requerimento, ajud. de custo que dia'ssmSeQdo0e"teeapreSeotado aoSr.capito do porto.
B como-epatado a assembla geral le- a,a/0'se Th0emaz 0 Amaral e Mello. D.rja-se a
thesouraria provincial.
Joaquim Ferreira Paes dos Reis.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Joaquim Jos dos Santos.Informe o Sr. juiz mu-
nicipal da 1* vara desta cidade.
____x__n_rA_ e?. ffW^srss. __sr_
a qual veio daquella cidade conduzndo os recru- 1u.e lli
pedio um bil de iodemnidde para as palavras ir- trago a provincia muito ha de lucrar,
reflectdas do ministro, acerando couceitos e'pi- Verificou-se naacademia das Bellas Artes a
grammalicos uns aps outros e deixando o seu ad-' abertura da exposicao dos modelos para o monu-
versario muito mal servido. Veio logo o ex-minis- ment a D. Pedro IV, Sua Magestade assislo a es-
Iro da fazenda, Lobo d'Avila, provocado pela phra- te acto.
se impensada do actual ministro da fazenda, e Parece que de todos os planos de monumento a
mostrou grandes conhecimenlos Onanceiros na ex-, D. Podro IV que se acham em exposigoo que
posgo justificada do orgamento que propozera. a obtem os suffragios mais geraes o numero 10
Seguio-se a todos, e a iodos sobrelevou pelo.ar- que vem de S. Petcrsburgo.
rojo da palavra, o Sr. Vieira de Castro. O nosso dislincto eogeuheiro Jos Victorino a-
Fagamos pausa. ma^io, que como se sabe, o delegado de Portu-
Vieira de Castro, a quem nunca apertei a mo, gal as conferencias telegraphicas inlernaciauaes
sabio hontem dos bancos da universidade, se pode de Pars, onde se acha tomando parte uallas, levou
dizer. Reside alli alguma cousa, e muito de espi- em sua companhia, dous telegraphUlas, para jre
rito ousado de Jos Estevo, de Almcida Garren, e
de Rodrigo da Fonseca Magalhes.
E' imberbe ainda ; tem vasta leitura ; feliz me-
moria ; rauila espontaneidade e aflluencia ; milita
audacia e forga oratoria. As agraras dasprimoiras
tentalvas, vai-as elle corrgindo de dia para dia.
Antev-se all um successor s mais justificadas
glorias da nossa tribuna.
Os seus discursos, ouvdos com goto, sao depois
lidos nos circuios e saldes como verdadeira obras
d'arte.
A" posgo do ministro que nao encontra replica
jamis, que nao tem, ao que parece, ideas assenta-
das sobro os encargos cuja responsabilidade lo
rem os progressos, que all tem leto e est fazen
do a (elegraphia.
Da ida pois do Sr. Damasio trar-se-ba um du-
plo proveitenao s o ligurarmos na convengo,
que se elabora sobre a expedigo dos telegrammas.
de paiz para paiz, como o estudo e aproveilamculo
para Portugal, dos melhoramenios neste ramo.
A sociedade promotora das bellas artes em
Portugal, acaba de crear premios honrosos para
aqueles que verdaderamente se dedicaren) a exer-
cer a arle com severidade. e a produzir obras que
acredtem nao s os seus autores mas tambera o
paiz.
Estabelece duas medalhas; ama de oaro e de-
. encargos cuja .
mou, diga-se a verdade, muito pouco ovejavel, nominada medalha de honra; e outra de prata,
digna at de extrema compaxo. i denominada de premio. Em ambas figararao os
Querem dizer que o apoio da maioria nao se'bustos de tres ditinctos artistas porlugnezes, re-
explica senao por um sentimenio generoso, para' presentando a arcliitectura, a escultura e a pinlu-
com os ministres e at certo ponto, peto capricho ra, Afibngo Domingues, Joaquim Machado de Cas-
e timbre partidario, de nao ver, do um momemtol tro e Domingos Antonio de Siqueira foram os ar-
para outro, resvalar o poder para outras mos. listas escollados para representaren) ueslas meda-
ntem-
poranea, tcrmi-.aV1nfD1lca5.10 deste penaico.
Le.
29 de margo.
P. Esto no Tejo o monitor confederado Sto-
newall, capito Page, a fragata de vapor federal
Nigara e o'vapor tambero federal Sacralo, dlzia
o Jornal do Commercio de houtero, e assim d con-
ta do faci :
O Stonewall entrou no rio no domingo as onze
horas da manha, e foi ancorar defronte da rocha
do conde de Obidos.
. E' Je forga de 600 cavallos, traz tres canhoes
de Armrslroug montados do calibre de trezenlas
libras e da torre situada a meia nao.
A guarnigo compoe-se de oitenl e seis pracas
e o barco esl couragado e tem a proa um ram
monstruoso ou espigo de ferro recurvado para o
mar, para no caso de choque poder salvar-se o
barco e a fundar o adversario, em cujo casco en-
trar. Aos tres canhes chama a guarnigo Baby
Waliers, isto Accorda Meninas I J se v que se
referen) ao eslrondo que fazem, quando os canhoes
disparam.
O stonewall entrou no Ferrol ha das, e ahi en-
conliou o fragata Nigara e o vapor Sacramento.
As autoridades hespannolas, nos termos das leis
internacionaes, intimaran) n e< mmandante do Sto-
newall para deixar o Ferrol no prazo de vinte e
qualro horas.
O commandanie annnio, recebeu carvo e co-
raeslives, e largou do porto, conservando-se a cru-
zar fra da inha de respeito.
No da immediato ao da sabida, voltou nova-
mente ao Ferrol e tornou a largar regressando ou-
deraes obedeceram, e s5 sahiram rindas 24 horas.
O Jornal do Commercio (de hoje) continoan-
d3 no mesmo assumpto, escreve :
Federaes e confederados.A fragata de vapor
federal Nigara, que hontem entrou, commanda-
da pelo chefe de diviso T. T. Grevien, traz 4oze
pegas montadas,-S04 pracas de guarnigo, de Jor-
ga de 2,400 cavallos. Nao de 3,000 a 4,000 tone-
ladas como dissemos hontem, de 4,300.
O vapor Sacramento, que acompanha a frsgala.
vem commandado pelo capita de mar e guerra H.
H. Walke, traz 10 pegas montados, 166 de guarni-
go e da lorca de 800 cavallos.
O dous vasos federaes ancoraran) a leste da Ier-
re de Belm defronle do caes ou antes ainda mais
um pouco psra leste.
A's onze horas da manha o Stonewall, (mura-
Iha de pedra) largou do Tejo, a vapor.
A's qualro horas da lardn a fragata Nigara e o
vapor Sacramento levantaran) ancora e principia-
ram a navegar na dirego da barra.
Na torre de Belm, vendse este movjmento e
nao lendo decorrido ainda as vinte e qualro horas
precisas para os vasos federaes poderem sahlr, re-
solveu-se o commandanie a chamar os artilheiros
a postos. As pegas estavam 'ja carregadas e logo
que a fragata Nigara, que iar na vanguarda do Sa-
cramentare achou em frente^ djjjoj-redisnararam-
l/lr^dUP^lluou- Mfoir,; Va'torre disna-
rarara-lhe entao mais seis tiros, todos de bala e dn
mesmo calibre. Ao stimo tiro fragafa Srtrpf 83
bordo e dirigiuse para leste, vindo ancorar de-
fronte da rocha do conde de Obidos, ondaalnda es-
t. O vapor Sacramento, seguindo semprt; a fraga-
ta, ancorou prximo delta. Parece que dak sete ba-
las disparadas da torre de Belm sobre a Nigara
tocaram-lhe ires no costado nao ferindo pessoa al-
guma.
Segundo ou,Timos, de bordo do vapor do registro
foi mando um official torre de Belm para saber
porque motivo se havia feito dalli fogo de baila so-
bre a fragata Nigara. O commandante respendeu
que assim o ordevam as snas insiruegocs, c que
emquanto nao recebesse oulras, faria fogo sobre os
navios federaes que prelendessem sahir a barra
ate s onze horas da manha de quaria fcira.
A pergunla mandada fazer de bordo do vapor de
registro ao governador Ua torre de Belm, pateco
denunciar que as inslrucges do commandante de
vapor nao eram iguaes s que foram dadas ao go-
vernador. Nao ser para admirar que assim seja,
porque fadario dos ministerios da guerra e da
marinha andarem sempre em plena desharmonia
entro si.
O facto de se moverem os vapores federaes na
direcgo da barra, quatro horas depois da sahida
do vapor confederado Stonewall, um caso grave,
que ha d ser forgosamente esclarecido.
Queriam os federaes sabir na perseyugao do
vaso confederado, arrostando para esse fim com as
expressas disposigoes do direito martimo, e offu-
dendo, por consecuencia,cora essatentaiivae, o res-
peito que nos devido como nago neutral ?
Pelos movimentos que o Nigara e o ScrifH-
fo izeram, e que forcaram a torre de Belm a dis-
i compete
gislaliva por esta provincia.
Dito ao mesmo.Em vista dos inclusos docu-
mentos, que me forao remettidos com o officio do
capito commandante interino do batalho n. 27
da guarda nacional de Caruar, datado de 2o de
feverdiro nttlmo, e nao havendo inconveniente,
tas'Antonio Joaquim dos Santos, Martinho Jos
Claudio, Manoel Hermenegildo do Bomfira, Manoel
Mariins de Oliveira, Francisco Alves Pareira, Ce-
lestino Jos-Alexandrc, Bernardno Jos de Sena,
Francisco Jos Ferrsira, Joo Francisco do Nasci-
mento, Jos Ambrosio de Aadrade, Joao Branco
de Souza, e Manoel Dutra, bera como o Voluntario
da Patria Joaquim Perelra^Alves de Siqueira, os
Joaquim Francisco de P,aula Negromante.-Em
vista da intormaco nao tem lugar o que requer o
supplicante. "
Laurlna Maria da Conceigo. O escravo da
supplicante nao chegou a asseutar praga, por nao
ter comparecido, quando devia, para esse fim.
Luiz Bezerra da Silva.Informe o Sr. capito do
porto.
Luza BapCsta do Bomfira.Concedo
10 das de
nao
feT'.Sa^ ~rfiftSffpil do Banco doBrasi.
,BKKo*_-_-2^ reqaer'paf50SOS ,os
mande V. S. pagar a Jolio Gomes da Silva cono MA'j;;j-pedro jaauim vianna de Lima. Infor-
dio de Fcraando o no sea regresso para esl ca
P' Dito ao mesmo.-Mande V. S. adiantar ao di
rector da colonia militar de.Pimenteiras, nao ha-
vendo inconveniente, os 2:000*, que elle requisita
no offlcio jtor copia incluso para com o saldo de .
399*069 rs. do trimestre passado, poder occorrer
as despezas aquelle estabelecimento ate 30 de ju-,
nho prximo viodonro.
Dito ao raesmo.Offerecendo o joiz de direito
da comarca de Tacarat bacharel Vicente Ferre-
ra Lim, 5 por cento dos seos vencimentos a c _
tar do do corrente em diante para auxilio das
ter sido autorsado o forneciraento dos movis, cojo
pagamento requer o supplicante.
EXTERIOR.
tOBHESPOSDEXCIAS BO DIA
BIO E PEBSlMUrCO.
WM
27 de mr(i.
paiz, assim ocommonico a \. P"r" i" ";' ,jQS em nualiflcar de fraca e mpotente, como ele-
besk rsas .* _s_sr__r -ii-.. _-. *. -
DI o mM" ""_, f ro,,cL7 "ffeienaaS Trana qae o duque d. Leol U-
Nestas hesilagSes, pois, se tem gaslo estes ulti
mos quinze das.
E' por isso tambem quo muitos acreditara no
prximo addiamento d s cortes, pezar de que se-
ria pouco bem recebido pelo paiz, attendendo aos
importantes assumptos, que esto na tela parla-
mentar, taes como desamortisago, lei de cereaes,
lberdade-de tinhos, cdigo civil,lei hypolhecana,
navegago para a frica, etc.
Foi votado as duas cmaras um subsidio de se-
tenta e tantos ceios sociedade do Palacio de
! Crystal para as despezas da exposigo internaco-
i nal era agosto prximo. Tambem na cmara he-
! redlarla.como na popular se disse.e nao sem um
grande fundo de bom senso, que a exposigo in-
I lernacional do Porto, oa no Porto, pode arriscar-
! nos a um monumental 'pasco, sendo um dos moli-
. vos a exiculdade do Porto paraacommodarogran-
! de numero de estrangeiros que devem acudir ao
convite. Setenta e tres ou setenta e quatro contos
que se vntaram de subsidio, o que i O que val
essa quanlia em face das defpezas^ue tal solera-
nidade .rvai crea
Emfi'n, o governo e raoitos homens dedicados
crem no espirito de iniciativa des portuenses, que
me preso de admirar, a exposigo vai fazer-se, os
preparativos apressam-se, a municpalidado pro-
cura destribuir a somma que faz levantar (de em-
prestimo) para aformosear a cidade invicta, mu-
tas casas industriaos extrangeiras sollictam lugar
para os seus productos, e a festa civilisadora far-
se-ha dando prego honroso de Portugal ao mun-
do, se as cousas correrem como ambiciona o nosso
patriotismo.
Audaces [orluna juvat.
A exposigo internacional, em Portugal, e sobre
! ludo no Porto, urna audacia, e oxal que se ve-
! riliquc mais urna vez o adagio classico
As conferencias scientilicas e Iliterarias do Gre-
mio, em Lisboa, tem continuado. Quasi todos os
dscursadores inscrijetos, oa antes todos, menos
Casal Ribeiro, tem subido cadeip com bom xi-
to. N'alguns, admiravel Tal foi Rebello da Sil-
va, na sua incomparavel conferencia sobre as or-
gens do systeraa constitucional entre nos.
Qne ocha que o discurso nao osse tachygraradol
E' um descuido, e causa, devora, lastima, ver
tachygraphar officialmenle as corles tanta semsa-
borii, e deixar ao vento e s reminiscencias in-
lleis do numerossimo aaditoro urna orago das
mais completas que se tem pronunciada entre nos.
Ihas o genio, o talento e a perseveranca. No re^
verso ser gravada a legenda designando o neme
do artista a quem conferida.
O Sr. Vctor Bastos offereceu-ae para modelar os anoilecer havia recebido o carvo e eslava promp-
tres bustos, c o Sr. Carlos Wiener para gravar o to a largar. Parece que tenciona sabir na raadru-
tra vez, vinte e quatro horas depois. Sendo pela : parar-lhes sele tiros de arllharia, assim parece mas
terceira vez, segundo se suppoe para nao compro- > se nos lembrarmos qoe/s vapores federaes sabiam
melteras autoridades hespannolas, nao voltou ao qUe ectava no Tejo o Stonewall, onde nao se demo-
Ferrol conservando-se fra da barra fazendo sig-, rana mas e vlnte.e quatro horas, nao se explic:;
oaes tanto de dia como de noite. ABnal resolveu- i 0 movimento como tentativa de perseguigo contra
se a deixar o cruzeiro e navegou para o Tejo. 0 confederado, e de offensa ao nosso direito, por-
Aqni, segundo ouvimos, as autoridades proce-qne a Nigara e o Sactamento, se ficasem cru-
deram para com o commandanie do Stonewall do, zaB(j0 fra da barra, poderiam salisfazer a vontade
raesmo modo porque precedern) as autoridades (je cmbater os seus adversarios fora da tinha de
hespanholas. i respeito.
Nao saho no prazo de vinte e quatro horas, por-1 Amanha ou depois, provavelmente, ha de es-
que tendo chegado em da santificado, s boje ao | c|arecer-se o caso. Publicamos em seguida urna
parta que sobre esse assumpto nos remetteram, e
caobo.
Urna nica medalha de honra ser^onferida em
cada expcsiej, quando houver objecto de arte de
tal merecm'enlo, que torne o seu autor digno des-
te galardo.
As de premio serao sele destinadas cada anno
para a seguntes especialidades : pintura histri-
ca, pintora de genero, pintura de paizagem, es-
culptura, architectura, gravura a lalho doce o
gravur.-. em madeira.
No Diario foi publicado o decreto approvando os
estatutos de urna sociedade anonyma denominada
Companhia do tabaco e sabo.
Publcaram-se as portaras approvando o pro-
jecto modificado da linha frrea desde Beja at
margem direita do Guadiana, o projecto da pri-
meira secgao da linha frrea de Beja ao Algarve,
comprehendida entre Beja o Casevcl na extenso
de 48,5 kilomelros, com a condgo do se melho-
rar o tragado dimmuindo-se as declividades as
curvas atienta a sua mulliplcidadc c pequenez das
raias, enmprindo tambem que as avenidas da
ponte em projecto no kilmetro 20. se diminuam
as Inclinagoes de O", O 19 o O"", 20 por metro ;
mandando proceder todos os governadores cvis do
gada do da 29.
Ao entardecer, deu o telegramma noticia de os-
laren) a vista da foz a fragata Nigara e o vapor
Sacramento, cujos vasos, segundo nos consta, an-
coraran) e:n Pago de Arcos, por ser tarde para
tundearen) no lugar propro.
que nos parece digna de ser lida. E' esta
Sr. redactor.Permitame qno ea submelta
sna considerago e dos leitores do jornal, algumas
breves observagoes, em presenga dos factos que
hoje occorram a respeito dos navios federaes e con-
federado, que estiveram no Tejo.
Esta manha, s 10 horas, pouco mais ou ine-
0 Nigara urna grande fragata de 3,000 a n0Sj ve0 para terra ura escaler de bordo do vapor
4,000 toneladas, urna das melhores dos America-1 Nigara, um officia"hsuperior,desembarcounoces
nos do norle Quando estove no Ferrol, sahiu urna i ,j0 odre. ^"^~ '
vez, vinte e quatro horas depois de largar o Sto-' es1g official dirigiu-sea casa do ministro ame-
netcall, e tambem tornou a entrar naquelle porto.; rCano, o Sr. Harvey; e 1 hora da tarde, salvo
Corra hoje que do referido porto hespanhol, foram err0> tornou a embarcar. Pouco depois da sua che-
enforcados quatro homens, por insubordinagao a t Raaa a tordo do vapor Nigara, este navio levan-
bordo da fragata. j tou ferro e navegou para a barra ; e s depo do
As autoridades em Lisboa, lembrando-se do con- i aiguns tiros da torre de Belm, qne virn de bor-
flicto do Wassuchet com o Florida as aguas da I ,j0( vndo procurar o ancoradouro emque se acha.
Bahia, ou antes de Santa Barbara quando faz tro-
vdes, tomaran) differentes. providencias para se
evitar a possibilidade de algnma scena desagra-
davel no rio.
Marchon alguma forga de arllharia para a tor-
re de Belm e para a praga de S. Julias da Barra, e
parece que se mandaran) algumas pecas para a
torre do Bugio.
Todos os navios de giurra esto de prevengSo.
reino a um inquerito de trinta dias aflm de serem Ouvimos que um ou dous vapores, o Mindello e
onvidas as cmaras municipaes c todas asmis Sagres, esto encarregados de vigiar pela conserva-
pessoas e corporagSes, sobro o plano geral das es- cao do respeito devido ao nosso territorio tendo de
iradas districtaes no continente do reino. ir fra da barra para esse fim.
__Os respectivos representantes dos governos O Stonewall foi hoje visitado por centenares de
de Portugal e da repblica da Sibera, acabam de pessoas que dzem mil maravlhas do cavalleirsmo
assignar era Londres um tratado de commercio. da offleialida^e do vapor confederado e da BMOr-
Um dos arligos desle tratado iguala a pirataria ao dem em que acharara ludo a bordo. A guarnigo
trafico dos negros e mpoe para ambos os delictos toda composta de mancebos entusiasmados pela
a mesma pena. causa que defendem ; ve!ho a bordo s ha um que
E' urna folha estrangeira que d esta noticia. o commandante, official valente e experimentado.
Mr. Jales Baacher representante de urna
companhia estrangeira que deseja tomar por em-
preza os melhoramentos da barra do Porto, doca
e caminho americano, pedio ao governo portuguez
autorisago para fazer os cstudos preliminares, ne-
cessarios pau vista delles poder formular ama
proposta. Segando consta vai lhe ser concedida
essa faenidada, sera que de futura tenha direito a
reclamaga alguma no caso de lhe nao ser conce-
dida a empreza, ou do govera a nao ?e apreveitar
dos estados de qae se (rata.
Quando o Stonewall, sabio do Ferrol, pela pri-
meira vez, o commandanie esperando ser atacado,
quis oomear um oOicial para linar em trra com o
dinheiro e differentes valores da officialidade e de
eslado. Foi porm necessaro que a sorie decidiese
a sorte do official porque nenhum quera deixar o
sen lugar arriscado a bordo, pelo servico proficuo
de ficar em terra guardando juias e dinheiro.
Em Lisboa, a novidade do dia agora a chega-
da dos federaes e confederados americanas, por
que todos sobom. do deploravel odia qae divide
Este facto parece muito importante e signifi-
cativo, depois do que aconteceu na Bahia !
c E' muito natural quo se tenham feito as inli-
magoes diplomticas, nos termos do direito mar-
timo, e o facto dos navios federaes terem levanta-
do ferro, sem prevenir a autoridade do porto, do
deslino que tencionavam lomar, parece denunciar
urna inlengo reservada.
t A conferencia do official superhr do Niagasa,
na sua vinda a terra, ter alguma relago cora
este movimento dos don navios, que provoccu a
demontrago da parte da torre de Belm ".'
c Quereriara os americanos do norle, qae em
Portugal gosam dos direilos de potencia amiga e
reconhecida, quo o vapor que pertence marinha
dos seus adversarios, nao tivesse aqni .abrigo,
que as leis conceden) aos navios que, demandan)
este porto or forga maior 1 '
c Aqu deixo consignadas estas intevogagoes, e
sera fazer mengo dos boatos qae a este respeito
se espalharam logo, parece-me que seria mnito
conveniente saber-se da parte do governo se enm-
priram todas as formalidades proscriptos n'estes
casos, e se o ministro americano, reconhecendo as
nossas leis, tinha prevenido qnalquer intengao
vloleuta da parte dos offlciaes dos vapores nort.
Son de V. ele.
Y.
Lisboa, 28 de narco de 1863.
Da Corrtnha. e?cr?viam a 13 do corrente, qaa
> -

(MUTILADO)
ILEGVEL


*-
Na t
Diario de Pernambaoo Negnnda ffelra 11 de Abril de f 805.
n a

_________
agente" eonsnTr dos ITslados^TJnidos pedio ex-' Na mSo "Sreita su>tenia os dous sceptros, de
plicacoes ao capitao general Ha departamento na- 'Portugal e Brasil, tem a mo esquerda apoiada nos
ritinao, sobra os motivos da entrada e saluda do copos da espada.
navio noafederado. O eanito general re*paq nat o ftra appareate do Stomwll 6 sahir para ou- .sa o pe direito sobre Portugal, e o esquerdo sobre
tro destino, as que nao poda faze-lo por cansa
do mar.
De Ferrol, escreviaro a 21: Tendo arribado hon-
tem depols ter sahido, navio confederado, em
consequencia de avaria le fazer agua, segua te-
je de nuvo o rumo do aarte as 10 horas da ai-
uha.
Ao meio da sahiram tambero da Corunha os
navios federaes. Julga-ae.emineote um conflicto.
O navio Concordo acompanhou o vapor separa-
tista at ao ifniHe'das nossas aguas.
Sua Magesiade el-rei de Portugal em demons-
traba de senttmento pola morte de Sua Mapestade
a retaba viuva dos Paires Baijos, toma luto por
lempo de vimv dias a comecar do dia 28 de margo,
senilo o- pnnifiros dez dias rigoroo, e ordena
que a curte tome o referido luto.
A redaeco do Jornal do Commercio
boa abri ama sobseripeao para a viuva
o BrasH.
Este todo esta sobre urna colomna, representan
do a arvore genealgica da Portugal,. terminada
pala corda de Iirafaoc.a.
19o fus da columna acham-se Inscriptas os no-
mes do ras e dos hotnens celebres de Portugal,
desde o comeco da mooarchia; na base at ao rei-
nado de D. Pedro; no capitel a lisia dos tres gran-
des ramos, Borgonha, Ave e Brajanca.
Nos quatro ngulos superiores do pesdeslal, en-
costadas columna esto qnatro figuras allegeri-
cas: a Justica segurando a carta constitucional, a
Victoria offererendo nma corn a D. Pedro, a Paz
espal lando a abundancia, e a Clemencia queimando
urna lista de proscriptos.
Nos quatro ngulos inferiores estao qnatro grisos,
' ou aves fabulosa*, alludindo ao que sofTreram as
de Lis- armas portuguezas.
e lllhas Na fachada anterior do pedestal v-se o medalbao
t Convindo modiflear as disf/isicdes do refala- wh correspondente, porquanto por nm lado a Bo-
mentq de 19 desetembro' de IH*tinais ao iro- lana nao aoerer romper suas boas relacdes, a por
cesso dos objectos de bagagein sojeitos a dir itoe, otro as 60 legoas de cachoeiras 4o rio Madeira
afim de trnalo maisrpido, meaos incommodoe difflculiam qualqner navegaco.
menos dispendioso ao passageire, sem pfejuiw da
liscalisacSo que cumpre exercer, hei por bera de-
cretar o seguinte: ,
4 Art. 1. O caoferente que exaarinar a bagaajem
dos passageiros, enconlrando objeclo* sujeitos ao
pagamento des dtreilos, os far lancar no livro do
fiel do armazem respectivo, e organisar o compe-
tente despacho, que, sendo inuuediatamente remet-
tido ao calclo, voltar, depois de feita a conia, pa-
ra que o passageiro san*faca a importancia dos di-
reitos, a qual dever ser enviada officialmeole ao
thesonreiro.
c Verificado o pagamento e em seguida a sabida
da baggem, sera o de-pacho remettido ao inspec-
tor para os lins convenientes.
Arl. 2. As duvidas, que occorrerem sobre a
A provincia envia mais 23 voluntarios da pa
tria pelo presente vapor.
de militares, morros era campanha, on rnesmo
qu&ndo destacados em ser vico das armas.
6. Que essa sociedade cora as rendas do seti
capital e dadivas de seus soctes tara as peasoes qae
couberem em suas forcas as mais, viuvas e lllhas
dos militares, eu morios, ou knpossibilitados do
do nosso dislincto e hoje fallecido escriptor Sebas- de sua mage-tade el-re o Sr. D. Luiz 1.
tio J' Ribeiro de Sa Anda por 350$ 00 o que Finalmeule, na fachada anterior do ierra pleno os volumes pertencentes a passapeiros, que exclu-
tem por ora entrado no esrriptorio daquelle Jornal cirrular que indica o mar v-se a figura allegorica; sivaraente coestituirem mercaderas on objectos de
para esse piedoso fim. E' pouco; mas a assoeia- de Portugal victorioso percorrendoo universo. j commercio a que se referen os arls. 466 do rega-
o promotora da industria fabril, e outras no Este projecto, que como dissemos, est no catha- lamento das airandegs e 37 do decreto n. 3,217
forto abriram subscripces tambem para a desva-! logo em dcimo lugar para se exerutar, parece'de 31 de dezembrode II
Mda familia daquelle benemrito escriptor. No | pelas suas dimensoes elar em perfeita harmona
Porto tiavrr prximamente um sarao potico e ; com as dimen>5es da praca. .
nasicnl em beneficio dquelles orphaoj Ilustres, j Um tal monumento verdaderamente nacional
O novo ministro do reino.jnarquez de Sa-'e glorificacio perfeita de Portugal,
bogosa, offereceu o governo civil do rtisiricto de I A estatua de O. Pedro nobre. digna, parecida e
Santarem ao Sr. Guerra Quaresma, que all admi- perfeilamenle calculada para de todos os pontos da
nistmn com grandes syn patbias publicas. Este praca se peder admirar.
qnalitleacao ou avaliacao das mprcadorias perten- subscripcao para o preparo de urna baudeira, p-
renles as bagagens, sero resolvidas como deter- j ra o 2o corpo de Voluntarios da Patria,
minam os arts. o'O e 570 do regulamento das al- Os estudantes do lyceu paraense offereceram-
fandegas. I se ao governo da provincia, como voluntarios.
Art. 3. Eslas disposirj5es nao comprebendem
cavalheiro recusou por estar ainda a frente do go-
verno o Sr. duque de Loul. O procedimenlo do
roini>tro do reino foi bem receido por gregos e
troianos.
Fol agraciado com o grao de cavalleiro da
ordem militar de Xossa Senhora da Conceigo de
Villa Vigosa o Sr. Joaquim Jos de Castro Araujo
e Sampaio, subdito de S. M. o imperador do Bra-
zil, negociante de (rosso trato e proprietario na
cidade do Rio de Janeiro,por ter concorrido com
um valioso doualivo para melhoramentos de utili-
dade publica no conselho de Braga. (Diario de
LUboa n. 70 de 28 d* margo,)
No rnesmo Otaria vem publicada a consulla |
do conselho"geraI do commercio, agricultura e raa
nufacturas acerca dos seguiotes quesitos
1 Quaes sao as causas pnneipaes da extraor-
dinaria elevagao do prego das carnes 1
2oQuaes sao as medidas que depender dos
poderes pblicos, tendentes a diminuir a caresta
das mesmas carnes ou a minorar, pelo menos, os
deploraveis efTeitus della 1
P. S. A folha offlcial lDiarto de ttsba) qoe
rarissimas vezes traz outro artigo alm daspegas
offlciaes, escreve o seguinte sobre a eiposigao dos
modelos para o monumento do libertador:
Lisboa, 27 de marco.
No dia 23 do rorrete, leve lugar as salas da
academia das'Bellas-Artes a abertura da expostcao
dos modelos para o monumento de D. Pedro IV.
Suas Hageslades el-re i. a rainha, eei-rei o Sr. D.
Fernando, acompanhados de grande numero de
pessoas da corte, autorisaram com a sua presenga
esle acto tao solemne como Interessante.
Os modelos em exposigao chegam ao nunibro de
oitenta e sete, enviados de differenles pontos da
discnrso de agradecimento, pelo acolhiraento que
lhe prestou.
Maranhao.A apuracio da eleigio senatorial,
feita pela cmara municipal da capital, dea o se-
Arl. 4. Ficam revogadas as disposigoes em guinte resultado : Dr. Antonio Marcelina Nuces
contrario. Gonga I ves, coronel Isidoro Jansen Pereira e Dr.
t Carlos Carneiro de Campos, do meu conselho, Fahio Alexandrtno de Carvalho Reis.
senador do imperio, ministro e secrelano de esta- CEAB.-Che,raram capital, procedentes do So-
do dos negocios da fazenda e presidente do tribu- bral, 2o voluntarlos, 12 de S. Bernardo e 12 do
padre Raymnndo Francisco Ribeiro e 1 escravo
oonego Aalouio Pinto de Meodouca e i escravos,
Antonio Pi mpo de Sooza Brasil, Thotuiz Pompeo
de Sonta Brasil, Antao feina Caalla, nnente co-
rronel Joo Vctor da Silva e 1 criado,, major Mi-
guel Eerreira Caaral, capillo Joaquim Barrozo de
Deixou de ter lugar a abertura da assembla servigo em combate. Carvalho, tenenle Francisco Gomes deSonza, sua
pieHaeial, por falta de numero de deputados. Foi aposealado oofllcial-naior da assembla senhora e 1 escravo, Dr. Riendo Decio Sallazar,
Aetava-se na capital, de vote* de orna expi- provincial, Francisco Baarle Ceelho. de confdmi- (enente Jos Raymundo de Anlrade, alferes Luiz
raeao ao rio Purs, Mrs. Shandiee, escapo do fu- dade om o artigo 2 da le n. 276 de 7 de ata-i I Gomes de Moraes Haarre, Jas Martins de Oli-
de is: i veira, Arthur Candido da Costa, Antonio Cesar Ca-
Na presente semana est de premptido, pa- tanhede, Augusto Ce>ar de Sampaio, 1 fllho e l
ra o protesto de letras, o escrivo Terrea, ra criado, Jos Rocho Plato de nagalhes, G. Mara
estreita do Rosario n. 12. da Conceigo, Jos Joaquina Sias Moreira, EHge-
O Io corpo de Voluntarios da Patria torne' na Rita da Rocha, Miguel fcrcira da Costa e 1
ceu hontem as guardas de honra para as procis- neta, balalho do Hatwy con XI offlciaes, 2 douto-
soes da resurreigo do Cartno e Sania Rita. Folga- re?, 326 praga?, 40 mulheres e 30 filhos, polica
ao de ver o g*rbo e a disciptioe militar des do Onr com 9 ofBclaes, 2 doctores, 1C7 pragas,
corpo. 7 mulheres e 4 filhos, 51 pragas, 5 cadetes, 2 ex
A' bordo do vapor Tocaniins seguem cerca pragas, 16 ditas de mannha e 8 escravos a entre-
de 600 pragas do Piauby e Cear. Bar-
Depois de amanha se extrahir a qtiarta; obitiario do da 14 de abril de 1865, no
parte da primeira lotera da Santa Casa de Misen- cemeitiuo publico.
cordia, para canalisagao d'agua e paz no hospital Anna Francisca Duarte, Pernambaco, 50 annos,
O presidente da provincia encerrou os traba-1 Pedro II (12), sendo o maior premio 6:000*000. casada, Pogo da Panella.
Ihos da respectiva assembla, pronunciando um 1 A barcaga Trmmpho Alagoano, que do nosso Anna, Pernambuco, 6annos, Pogo da Panella; con-
ror canbal dos Indios Hyaparins, do nial forara
victiman nm seu criado e dous horneas do sua
montarla.
Em urna reuniao de Portugaezes, havida aa
capital, foi eleito commandante do Corpo dt Volun-
tarias AUiados no Brasil, o Dr. Antonio David Vas-
concelos de Cannavarro.
Nada se sabia oais acerca da iavasao noli
viana no territorio brasileiro.
Pab.As senhoras paraenses promoviam urna

nal do thesouro nacional, assim o tenha entendido
e faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 5 de abril de
1865, 44 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de Sua Mageslade o Imperador. Carlos
Carneiro de Campos.
L-se no Jornal do Commercio :
Europa, alguns dos mais longiquos.
Hoje (19) as 4 horas da taide embarcam no ar-
senal de marinha, aum de seguirem amanha para I
o sul nos vapores Apa, Prineza e Imptratriz, os i
batalhes 4 e 6 de voluntarios da patria e 11
de iofantara, com cerca de l,800homens. *
Baha.O vapor inglez Onrida levou para aEu-
aopa 295 oitavas e 32 graos de diamantes.
L-se no Jornal:
t Honlem (l) entrou arribado para fazer al-
guns reparos de qae necessita o machlnismoo
vapor inglez Cordova, de 118 toneladas, proceden-
Saboeiro. para o 2o corpo da provincia.
Ro Grande. Nada occorreu, que merega
mengo.
Paiuhyba.Na noute de 10 do comente houve
na capital m grande disturbio entre pragas do
corpo Se polica e do de Voluntarios da Patria,
sahindo ftidos 7 das primeiras e 15 das segundas.
PERNAMRUCO.
mmn diaria.
Os actos religiosos da semana santa foram, este
anuo, solemnissimos, e estiveram extraordinaria-
mente concorridos. Parece que, por isso rnes-
mo que a lepra da iinpiedade pretende invadir esle
paiz, derramando doutrinas extravagantes e con-
trarias no^sa santa religio, mais se esforga o
nosso povo por manifestar os seas seatimenDs de
piedade religiosa, e de amor aos grandes mysterios
do catholicismo.
3-Convr prohibir a exporlaco dos gados continuado com grande concorrencia e late-1hete denUicfa, pala pfdepotte tfao porque tem | Jlw Z^^*^**^*^
miP tornt-rprn mfiim an<; rnnsnmmidores ? res-;e dirigido o governo. matriz dest; fregoezla de Santo Antonio, em sania
V!TSne^oa^SSTtoEeil* de Ao'zelo Lustrado e compe.encia bem recorthe-! L-Jn Crrelo Sergipense: Rita, e sobre ludo na igreja d<.Corpo J****
.mponaco cu consumo Are os gneros alimen- cida da commisso encarregda da direcgo de lio IM designado o dia 17 do correte para o memorou-se com a poss.vel pompa e amorto
lares, determinara a descenso do prego dos mes- importante monumento, de^ve-se ter sido organisa- embarque do corpo de polica, e do 1 de volnnta- o drama trist.ssirao da paixao e morte do -salva-
As sciencias e as arles nao conhecem distancias I de Liverpool por S. Vicente, e com destino ao
que as separe quando se trata de concorrer para o; Rio da Prata*. ,
augmento do bem merecido lustre que lhe 1 Trouxe ate este porto 29 das de viagero, e
olvido |Condnz30passageiros. t
Log que se retiraram Suas Mageslades, foi per- Sergipe.-A assembla provincial envin urna
| mettido ao publico visitar a exposigao, e assim tem j felicitagao ao presidente da provincia e
com grande concorrencia e inte-
rnos g-neros as actuaes circumstancias ?
oDever o direito de consumo sobre as rezes
bovinas, destinadas aos tainos da capital, recahir
sobre o peso da carne limpa, ou sobre as proprias
rezes,por cabega ?
6oConvir eslabelecer concursos, com adjudi-
cago de premios p?ra as rezes mais gordas, mais
novas, e que fuadam mais em carne limpa ?
7-Convr eslabelecer as visiuhangas da ca-
pital um novo mercado de gado bovino ?
Antes d'hontera, o Sr. Mathias de Carvalho usou
largamente da palavra sobre a questo de fa-
zenda.
Na es&o de honlem na cmara electiva propoz
o Sr. Lobo d'Avila que a cmara se reservasse
para apreciar o orea ment na occasio propria.
Defeudeu o orgamente, que pronuzera sondo mi-
nistro e poz em relevo a inexperiencia de seu suc-
cessor, que o Sr. Mathias de Carvalho, ministro
da fazenda actual.
A sesso da cmara hereditaria foi ebeia de ex-
plicagoes relativas h discussao que houve na-
quella casa por occasio da apresenlagao do novo
Sabinete. Principou a discutir-se hoje o parecer
a commisso especial sobre a conce>so das me-
dalhas, e as manife.iiag>s dos offlciaes de arti-
Iharia ao general Francisco de Paula Lobo d'Avi-
la. Promelie se"r um debala acalorado. .
Doki^ina."ra-Lihija nltimamente' um poe-
ma ueroicomico loUlulaOB^ -=-. ri,:
X.IX. Oiiem-me qu 6 urna parodia dos primeiros'
cococaniusTiexaiiioe*, com ailus5es laminantes
a muitas pessoas que figurara na nossa sociedade,
adobado ludo com diversas chronicas escandalosas
que se referem vida privada. Assim me do
noticia d'este apmentado opsculo etc, anda nao
tive occasio de ver, mas que est a venda em lo
das as tojas de Lisboa.
Foi prorogado al 30 de abril prximo, o
praso pelo qual se concedeu deposito aos cereaes
esirangeiros no Porto e em Lisboa.
Pouco se remedeia com lal medida. O que todos
esperara da approvago da lei permaneate de
admissao de cereaes, apresenlada pelo governo a
cmara e que se nao tem disculido em quanto
ali quoiidranamenle se soltam redeas adoestas e
catilinanas sobre qoesloes de poltica especulativa,
que as vezes tambera se podo chamar de especu-
la gao.
Sobre a absiengao do irabalho nos dias santi-
ficados, foi publicada no Diario, a seguinte porta-
ra do novo ministro da jusliga Dr. Ayres de
Gouva.
Transerevo-In'a por ser um documento ca-
rioso :
llavendo se suscitado duvidas quanlo ao modo
como se deve entender o aviso de 30 de abril de
1853, relativamente ao procedimento que as auto-
dades judiciaes dever ter para com os" cidadaos
que faltara a observancia do preceilo da absleogo
do Irabalho nos dias santificados : e S. M. el-rei
considerando :
i. Que a observancia do mencionado preceto,
com quanto conslitua um dever moral, que no foro
intimo (triga todos os rhristos, nao s calholieos,
mas ainda nao calholieos, e como tal seja mnito
recommeodavel e digna de louvor; nao todava
ordenada pela lei civil, nem o poderia ser, deter-
minando a carta constitucional da monarchia que
ninguem seja perseguido por motivos de religio,
com tanto que respeile a do estado qne calbolica
apostlica romana;
2." Que o respeito da reh'gio do estado nao en-
vojve o dever de observar os preceites dessa reli-
gio ; mas to smenie a obrigago de ne praticar
actos externos que tenham por fim faltar a consi-
derago que c devida aos seus dogmas e preceitos,
aos actos ou objectos de caito, e ao carcter reli-
gioso dos seus ministros;
3.a Que todo o procedimento qae passar alm
de-te- limites constitue urna verdadeira violago
da liherdade de consciencia, e, no caso presente,
da liberdade do tranalho, assegurada pela carta
constitucional, que o citado aviso nao allerou, nem
podia alterar;
Manda o conselheiro procurador geral da eora
d aos magistrados do ministerio publico, seus su-
bordinados, as instruegoes convenientes para que,
sempre qne Ihes forem dirigidas queixas, ou re-
mettidos autos de investigago tendentes a servir
de base a procedimento criminal por violago do
preceto da guarda dos das santificados, s reqoei-
ram os competentes procesaos criminaes quando se
mostrar que os actos praticados o foram com o fim
e proposito de effender a religio do estado; acban-
do-se em tal caso os ancloree desses tactos compre-
hendidos na disposigo do art 130, n. t do cdigo
penal.
Pago, em 23 de margo de 1865.-Aotonio Ayres
de Gova.
O formulario de alimenta rao, ti Guia do
diretor do rancho, do Dr. Jos Nudo Pereira Bar-
bosa, lente do regiment de infamara n 2, e
um opsculo de roaito merecimeato que ha dias se
nublicou; o sen autor oflereceu-o ao marquez de
S da BanJeira, ministro da guerra.
No formulario apparece a eomposigao de trinta
janures e ontras tantas ceias, que se podem dar
aos soldados sera grande accressiuie de des-
pezae.
E", repito, nm lvrinho muito mil e qae lera me-
recido applauso geral, e hiuio se espera da efica-
cia das proposias do Sr. Barbosa, se o ministro se
resolver a faze-las ensaiar, pelo menos, por ora,
nos crirpo da gnarnigo da capital.
Poucas vzes se veem sabir dos pretos lueobra-
des desla ordem j pois fanl toda agente qoe
sereve perleude fallar a imaginaefio e derxa de
(iarte as censas ridas e positiva*.
Um dos modelos para o monumento a el-rei
o Sr. D. Pedro IV aclualmeale en exposigao na
.ic.ademia.das Bellas-Arles, qne mais prende as
altengoes o que no cathalogo oceupa o nume-
ro X.
E' verdadeiramenie a apothose do libertador D.
Pedro, cercado de lacros, esl envelte no manto
real. i
ulti-
rios da patria,
t Aqnelle conta 230 pragas e este 333. Como turnarnos annunciado, pregou n esta
Preparam-se feslas para esse dia, e esperado! ma igreja, na quinta e na sexla-feira, o Exm. br.
- conego Joaquim Pinto de Campos, prelado domes-
tico de S. Santidade Os seus dous sermoes, o do
mandato e o da paixa'o, prendern), cada nm por
porto havia sabido com nm importante carrega
ment de seis centos e tantos saceos de farinha de
mandioca, varios gneros de estiva, e porgao de
'azendas, perden-se totalmente na altura de Cabo-
Branco, em viagem paca o Rio Grande do Norte,
para onde se destinava.
Inforraam-ncs que foi essa perda devida enor-
me borda que levava, e que to commum enlre
nos.
Temos visto sahir deste porto barcagas levando
borda para cima, carga superior aquella, que ac-
acommodam no pari.
Cremos, que se nao deve permittr semelliante
risco, emprehendido smenie com o Um de saciar
a ambicao dos amadores.
De Garanhuns escrevem-nos era data de 9
do correte :
Segu do Correle para essa capital, cora 14
Voluntarios da Patria, o eapito Candido Jos de
Barros, o qual, amante de seu paiz e gosando de
bem merecida influencia e acccilaco dos seus su-
bordinados, nao obstante a grande guerra que
soffreu de cerlos individuos, que alias se inculcara
por patrilas; pode mostrar a ineficacia dos meios
contia si empregados. Com tudo, a nao ser este
inconvenienle, asss lamentavel na poca presente,
em que toda a harmona c necessaria, para que
possaraos sabir bera da lula de bonra em que esta-
mos empenhados, aquelle eapito teria adquirido
um maior numero de Voluntarios, pos que alguns
por sednegoes, depois de tereco proraettido e se
alistado, reliraram-se.
< Consta que era Panema ha grande enthusias-
mo, e que um filho do lenente-corooel Jos Alves
de Albuquerque Cavalcante, de nome Apolinario,
ir em soccorro da patria, acompanhado de oulros
muilos Voluntarios.
Dos guie a todos, e permita que, ebeias de
Esse bellissimo trahalho devldo a nm dosnossos Preparam-se restas para esse oa, e e esvm -uo
s distmctos e talentosos pintores, o Sr. Miguel grande concurso de povo de todos os ngulos aa
geloLuppi, merobro da benemeilta commisso! provin-ia a tomar parte as deraonstragoes de ju-
_(_i rr_.!j.j_ .i. o. _________ J_ o.___ hilnnnl* rvirliH'l Hucca hl-dVIlK (llll> V'i VmP.ir a
vulses.
Joaqun, IPernambuco,2 annos, S. Jos; diarrba.
Anselmo Miguel Bezerra, Pernambuco, 35 annos,
solieiro, Boa Vista; anazarca.
Antonio Francisco do Carmo, Pernambuco, 13 an-
nos, soltero, Boa-Vista; phlhysica pulmonar.
Mana Joaquina das Naves, Peruambuco, i4 annos,
solteira, Boa-Vi>ta ; phlhysica plm Maooel Itogerio po Nasciraento, Macei, 27 annos,
solieiro, Boa-Visia; anemia.
Guilherraina de Souza Vieira, Pernambuco, 32 an-
nos, casada, Recito; gastro-bepalito.
13
Joo, Pernambuco, 16 mezes, Recife; dentgo.
Manoel, Pernambuco, 11 mezo*, Recito ; convul-
soes.
Joaquim, Pernambuco, 8 dias; S. Jos; espasmo.
Amelia, Pernambuco. 15 dias, Santo Antonio; con-
volses.
Jenerosa, frica, 30 annos, solteira, fioa-Visla;
nronchile chronica.
Antonio Marques de Carvalho. frica, 25 annos
casado, S. Jos; diarrha.
Joo Sabino Ferreira da Cnnha, Pernarabuco, 20
annos, Boa-Vista : pneumona.
- 14 -
Manoel, Pernambuco, 8 dias, Recife; espasmo.
Joaquim Francisco Leandro Goianna, 40 annos, ca-
sado, Santo Antonio ; um tumor.
Manoel, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista; convul-
soes.
Alinio, Pernambuco, 6 mezes.S. Jds; te?5es.
Thomazia, Pernambuco, 1 anno, Recife; diar-
rha.
do um excellente cathalogo dos modelos ex
posios.
Esse bellissimo trahalho devldo a um dosnossos
mai
nanntTlia^^ Partida desses bravos, que vo vingar a mandato e o da paixao
Holstein houra e a dignidade da naco. espago de hora e mei, a attengao de um numero
O cathalorFachase imoresso e a Gazetade1 P^ssoa de acreditado conceito escreve-nos da sssimo auditorio, j pela novidade e elevagao d
PortS tez af bco m valioso servico dan- cidade de S. Christovo: eslylo, j pera c ara e lucidiss.ma demonstragao das
SS caDimentoPna sua toTha^rllhe que Jar., Deu-se aqu um facto que relato no commun- verdades catho leas, e ja, finalmente, por verdadei-
todos bem demonstra o zlo edeoicago com que cado junto. TV^^!^*?vvrlnfi, nn* eve
procedeu a commisso especial e a clareza e fideli- Nao o tomei de oltiva : fui a casa da lal rapa-; E P^^^"0* Vff fcn hnro
dade que o Sr Ludd emprecou as descrip- riga e fiz-lhe o meo examepara conhecer se a cu- estar na consciencia de lodos. Era Pernambuio,
oam que o sr. Loppt empregou as oesenp taj> ^ fffeclUjfilo pe|os vmel0S ordioanos oa se queja foi, em ontros lempos, o berma o v.ve.ro
O publico intellgente vendo e observando peder POT alguna crise ou se por qualquer utro meio de Pudoreseminentes ,hojeein Ja uma mJSmm* XZm.S^m~\~^i~** -bir eu convencido do J^ff^^ggff^9J
O commnnicado o seguinte: do subido qutale do Exm. Sr. Pinto de Campos.
t Um fado extraordinario, e fra do alcance das Salvas rarissimas e honrosas excepgoes, a nossa
forcas naloraes, um phenomeno admiravel, appa- eleresia contempornea, especialmente a que se
recido, como de proposito, para manifestar a nter- acha encarregda da cara das almas, foge, com u
tes modeles, qne ninguem melhor uo que a
raissao especial apreciar com tanta conveniencia
artstica como sentimento patno'ico.
A todos portante inleressa a exposigao, porque
todos desejam ver satisfeita urna divida sanrada
para cora o libertador da patria ; divida que sera vengan do cu sobre as cousas da trra, um verda- desculpavel fraqueza, do angosto ministerio do pal-
de forma alguma estar esquecida tem soffrido con-1 deiro milagre, emfim, acaba de operar-se por oc- pito ; e se o desempenha, e por modo wy qne
trariedades que esperamos agora seiam vencidas, casio da solemnidade do Senhor dos Passos, cele- mais valera que o nao desempenrrasse. Murtas
' vezes succede que a snblimidade do assumpto t
que esperamos agora sejam vencidas,
gragas a boa vontade de lodos que teem concorrillo | brada nesta cidade no da
e continuam a concorrer para" a realisago de
semelhante obra.
qyUUO BE THlfa^MDUCO
Pelo vapor Paran, chegaoo hootam dos porto
do sul do imperio, recebemos jornaes do Rio de
Janeiro at 9, da Bahia at 13, de Sergipe at 8
e do Alagas al 15 do correte. Eis o que colhe-
mos del les.
Rio de JANBmo.-Por decreto do 1. foi proroga-
do por nuis 30 dias o praso para a apresentagao
de voluntarios da patria.
Por dito de 6 foi promovido o encarregado de
negocios do Brasil no reino da Italia, Dr. homaz
Fortunato de Brito, a ministro residente na Rep-
blica Oriental do Uruguay;
12 do correte.
Eis o facto presenciada por muitos, e referido submergida e afogada no ridiculo de nm eslylo
por todos. frouxo e lnguido, de nma pbrase incorrecta e va
t Mana uma donzella de seus vinte annos, po- sia de sentido, de conceilos desgraciosos, de ima
bre sem indigencia, humilde sem baixeza. devota gens disparatadas e de um pathetteo intempestivo e
-j_ hMiiM educad r, -jMnicmto rta'Auilja,, tn*' castfiniflo.
sfob o lnnuxpVnVflo dos senHfc,ent. cHto?e r#| E esta desgracadamente, a regra geral e a es-
ligiosns inspirados por nma excallente senhora que cola mai seguida dos nossos pregadores.
a protege. Faz urra das honrosas excepgfes a essa regra o
Gosou de boa sade at flns de 1863; e em padre mestre frei Joaquim do Espirito Sanio, de
principios de 1864 foi accommeiiida de apoplexia qaera ouvimos, na semana passada, am befrfssimo
cerebral, de que melhorou, ficando a- soffrer, nao sermao.
s de accessos de tristeza, que alliviam com a se-
crego abundante de lagrimas ardeutes, como de
impossibilidade absoluta de articular os sons; po-
dendo apenas pronunciar o adverbionao -nnico
signal pnonetico demonslrativo de suas pergunias e
respostas, nico sojeito, verbo e attributo das ora-
ces do seu discurso.
Benzedoras de brpxas, meznhas de curandei-
Deos queira qne estes exemplos sejam imitados,
e que a nossa tribuna sagrada readquira os seus
antigos crditos.
Den-se na sexla-feira da paixao da parle de
om administrador de parochia desta cidade, um
facto de ausericra de caridade que por infractor do
proprio dever, carece de ser esligmatisado com
fim ao meno de ver se nao lem reproduccao:
, e removido, o Dr.
Joo Alves Loureiro, miDistro residente na Rapa ros, remedios da sciencia, nada fui esquecido; tu- facto fol o seguinte
blica Oriental do Lraguay, no rnesmo carcter pa- do fol empregado, porm de balde, para obter-se Um individuo morador no becco do Pombal es-
ra o reino da liaba. 0 restabelecimeoto da enferma, que j era tida co- tando s portas da morte, pedio confissao ; e para
Por ditos de 7 e 8 foram nomeades : ; mo incuravel pela familia e pela medicina. isto fol alguera a casa do referido administrador,
Antonio Manoel Ferreira Maia, coronel comman- Por occasio da proclsso dos Passos fez pro- afim de que elle fosse ouvir ao moribundo. Mas
dame superior da guarda nacional do municipio de'messa de acompanhar a imagem, e no deposito esse sacerdote, longe de seguir incontinente para
a. Bernardo, na provincia do Cear; della tocar seu eolio paralylico na fimbria dourada desempenhar urna das mis.-oes mais sublimes di
Ueraente Procopio de Souza, tenenle coronel da tonga tnica rxa do Senhor. I seu ministerio exigi qae se lhe fornecesse con-
commandante do balalho n. 36 da guarda naci- t E foi-se a cumprir sen voto. : docgo de carro ; no que insisti, apezar de lhe ser
t da provincia do Maranho; F, de quem nao duvida, esperanga de quem observado que o enfermo era falto de meios, e que
tandre Ferreira Rodrigues e Joaquim Jan-1 nao receia, lhe encham corago e alma. No horto alm disso nao podiam n'aqaelle dia andar carros
erra Lima, majores ajudantes de ordens do e na priso, nojuizo e na flagdlago, no encontr pela cidade.
e no calvario sua orago mental era sempre a mes- Em presenga de urna tal insistencia, da qual a-
maSenhor, restilui-me a palavra. da pode demover o reverendo, alguns caridosos se
c Terminado o acto, voliou para casa sem pen- cotisaram para pagar a cooducgo pedida, e obti-
sar nem reflectir, sem tentar ao menos verificar, veram ao rnesmo lempo a permisso para o trans-
se mos de santo lhe haviam desatado os nos de to do carro, dispensando assim am pouco na pro
sua garganta immovel. Dir-se-hia, que esquecera hibigo o respectivo subdelegado em atteogo ur
o fim de sua romagera. gencia da necessidade, e por nao querer compartir
t Ao entrar em casa, perguntaram-lhe, se linha da responsabiljdade moral de orna siloago, ereada
feito o que prometiera; e imroedialaraente respon- pela falta de caridade, omisso de deveres e-nao
mas Uve
Alexndre Ferreira
sen
commando superior da guarda nacional da Var-
gem Grande, na mesma provincia;
O tenenle Jos Carlos de Araujo Santos, capilo
secretario geral, e Joo Jos Ferreira Colho, ca-'
pito quarlel-meslre do mesrno commando supe-
rior;
Tenenle Joo da Matla Ferreira, capilo secre-
tario geral
do commando superior da guarda na-
cional da Carolina, na mesma provincia;
O major Raymundo Alves de Abren, tenente-co- den eu qniz locar o pescogo na tnica,
ronel chefe do estado maior da guarda nacional acanhamento ; beijei a smente.
do municipio da Vargero Grande, na mesma pro- Mas v. est fallando....
VID-,c,a.;- E' verdade.... eu estoa fallando !.... Oh
Capitao Francisco Xavier Pereira de Mello, e sto foi, o que eu nao sei
Joao Florencio Henriques da Silva Pombe Jnior, dos Pat-sos.
comprehenso do carcter de sacerdote.
Nesla simples exposigao do occorrldo nada ac
crescenlamos, por qoe ella diz todo : o facto nao
como carece de corneulo, para caracterlsa-lo, sendo no
Bemditoseja o Senhor entretanto digno de ama syndicancia da autoridade
ecclesiasiica.
majores ajudantes de ordens, do commando supe-: O facto foi por demais extraordinario, para Traia-.se na corte da creagSo de um Asylo dos
or oa guarda nacional de Chaves, na provincia! qne deixasse de causar um sanio e grato alvorogo. invlidos da patria per iniciativa da commisso da
i *ii i d i jprazer e a alegra manifestouse na familia: os praga do Commercio : a qoal para realisago dessa
Joao Bapusia de Paula, capitao secretario geral,; visinhos e todos, que conheceram a pobre moda idea grande e generosa, dessa idea de elevado al-
e Jos Joaquim de Assis, capile quartel-meslre do: em seus dia- do afflicgo, correram a ver o mita- canee patritico e humanitario, promove por todo
mesmo commando superior; grCj P a felleia-la por lao inesperada ventura. o imperio urna subscripgo, para a qual sao convi
Contadores do thesouro nacional os chefes del Na verdde nadafajiapara provar a natureja dados sem distnegao nacionaes e eslrangeirns; por
secgao Jos Julio Dreys e Miguel Arcanjo Galvo; miraculosa desta cura to singular, quo impre- qoe a desgraga e a caridade sao de todo o mundo.
Cheles de secgao os 1.- escripturarios Luiz Ma- vista. A inslanlaneidade della, e as circumstancias Com esle asylo a carreira militar deixar de ser
ra Epiphano de Almeida
des da Cunha;
e Antonio Luiz Fernan-
que a precederam, acompaoharam e succederam,
tiram todo o pretexto duvida. O medico mais
considerada o sacrificio de urna vida inleira com a
certeza de nm fntaro de miserias ; por qae o sol-
tera n'elle o amparo
sbrte o nao elevon ao fas-
rapto dos sentidos, e em viriude da qual os ervos tipio da gloria assegnrando-lhe a subsistencia no
paralysados da modalaco e articulago, entras- porvir. Com a existencia d'este asylo o bravo que
O mais obsiinado se dedicon patria, qu9 no sarvigo d'esta dispen-
incrednlo, o mais syslemaiico pantheisia nao a deu as torgas da sua virilidades descorando de si e
poderia negar ; apezar de toda a sua repugnancia de sua familia, nao ter j mais de humedecer as
para crer no sobrenatural Rousseau, se tsteme- faces crestadas ao sol das batalhas com as lagri-
nhasse o facto, nao se limitarla a recommendar a mas do infortunio ; por que.nelle ter acolho e tra-
priso, do que negasse que Deas pode fazer mi- lamento para si e educaco para seus filhos.
lagre; aconselharia, que se flzesse presento da A' este pensamento elevado, por tanto Do po-
cabega do impo ao servo da gailbotina : e Mr. Re- den as provincias negar a sua acquiescencia ; e ao
nan dispensaria, de bom grado, a sua commisso contrario todas ellas concorrero sem detenga para
de verificaco de ruilagres, por falta de irabalho lorna-lo urna rjalidap, pois qae esla importa a to-
para ocenpa-la. das as classes.
t Confessemos portento a iotervengo de Deus Para sciencia de todos aqui incluimos a proposta,
nos acontecimentos do mundo, e reconhegamos qne apresenlada com relago a materia, foi appro-
que, se os miiagres nao sao tao frequentes, era vada em assembla geral do corpo do commercio
to magnficos como na poca do estabelecimento da corte, no dia 25 de marge prximo passada.
do christianismo, nem por isto deixaram de existir, ** Qne commisso da prafa do Commercio
talvez Osis do qae se pensa, sempre que apraz a por si. e por delegados de sna nomeago promova
Divindade intervir em prol da f qoe se deita em em todo o Imperio urna snb-cripgo, para a qual
" escripturarios os 2.* Henrique do Amaral e exigente nao a poderia explicar pelos effeitos de dado encanecido no servigo
Silva, Jos Mana de Bttteocourl e Silva e Christo- urna crise nervosa, provocada por am xtasis ou da gratido nacional, si a sorl
vae Juse dos Santos Jnior ;
2.* escripturarios os 3.M Francisco Guedes de
Araojo Guimares, Jos Joaquim Marques da Vei- sera" tinccienar incontinenti,
ga, Luiz Bernardino de Bittencourt Freir e Anto-
nio da Silva Lenios ;
Ajudante do inspector da alfandega do Planhy,
Rayraundo Ferreira de Oliveira Mello.
Per dito de 3 foram aposentados o contador
do thesouro Jos Mara Chaves e o portelro da the-
souraria de S. Paulo, Manoel Francisco de Vas
concellos ;
Foi concedida ae desembargador da relago
do Maranho, Antonio Manoel Fernandes, a apo-
semadoria que pedio, com o ordenada correspon-
dente ao lempo de servico, dependendo nesta par-
te da approvago da assembla geral legislativa;
Fi creado um commando superior da guarda
nacional no municipio de S. Bernardo, na provin-
cia do Cear-
Por porlaria de 7 foi exonerado o-caplto do
corpo do estado-naior de 2.* classe Bernardo Joa-
quim Correa, do lugar de escriptarario da 2.* di-
rectora geral da secretarla de estado dos negocios
da guerra. -
Pelo ministerio da fazenda foram publicados,
sob es os. 3,430 e 3,433 e datas de 1 e 5 do cor-
rete, os scgulntes decretos:
Sendo insuficiente o crdito votado para des-
pezas do ministerio da marinha pela lei n. 1.177
de 9 de eetembro de 1862, mandada vigorar no
correle exercicio pelo decreto n. 1,198 de 16 de
abril de 1864, bei por bem, na conformidad" do
3." do art 4." da lei n. 588, de 9 de setembro de
1850, e tendo envido o meu conselho de minis-
tros, conceder ao mesmo ministerio am crdito
extraordina-io de 3,938:525II0, que ser distri-
buido pelos segumtes paragraphos do art. 3.a da
brasas, da esperanga que sorri as dores, da cari-
dade que perdoa anrontas de qnalqaer vicio oa
virtude emfim, que, nos conselhos de su infinita
sabedoria e jusliga, meregam prompto castigo ou
premio. >
Alacoas. Offerecera-se ao Exm. presidente
da provincia, para ir servir no theairo da guerra,
o profrssor jubilado de francez Jos Severianode
Mello, com seus quatro filhos varies e tres fihas
jovens. '
Um semelhante offerecimento electrisou a po-
pulago, e causou o maior enthusiasmo possivel
seri convidados nacionaes e estrangeiros.
2.8 Que essa mesma commisso convide a ou-
tras que j existem, para que adhiram ao seu pen-
samento e Iratem de recolher em nm s deposito o
producto de seus esforgos e trabadlos.
gloria e coreados de louros, voltem a seus patrios
lares.
Os seguros mutuos de vida do Banco Uniao,
do Porlo, al o ultimo de fovereiro prximo passa-
do linha realisado 8,719 segures, sendo o capital
subscripto de 3;020:495000 e as insc ipgoes com*
pradas subindo a 1,880:2505.
As vantagens que offerecem os seguros matuos
de vida sao inca.culaveis, basundo somente para
eslabelecer a sua conveniencia o facto de, com pe-
quenas economas, poder-se formar, em espagos
quinquennaes vontade do subscriptor, capilaes
avullados tanto mais apreciaveis, quanto a fonte
qne os crea qnasi desapercebida pelo modo da
concurrencia. A islo accresce, que o Banco Uniao
offert ce todas as desejaveis condiges de garanta
aos subscriptores.
Falleceu o Sr. Dr. Vicente Jeronymo Wan-
derley em das da semana linda. Natural desta
provincia, foi graduado em medicina pela universi-
dade do Edinburgo. *
HEPARTigAO da polica :
Extracto das partes dos dias 14 e 15 de abril de
1865.
Foram recolbidos casa de detengo ne dia 13
do crreme:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. ebefe de polica, Anto-
nio Cesar Marinho Faico, por insultes; Jos Ja-
Iujiii da 8ilva, Isidoro Marquen .-!>. Sanluo, Manoel
Ignacio Gabo e Gongalo Juse de Barros, para re-
crutas; Bernardino Jos dos Sanios, como suspeito
de ser desertor; Miguel Lopes de Moraes Passos,
por embriaguez ; Jos Pereira da Silva, por ser
encontrado fra de horas dormindo em um carro;
e benedicto, escravo de Luiz de Franca, sera decla-
rago do motivo e posto logo em liberdade.
A' ordem do subdelegado da Boa-Vista, Americo,
escravo de Jos Ribeiro Guimares, a requerimen,
to deste.
A' ordem do do Peres, Antonio do Carmo Xa-
vier Mooteiro, como indiciado em crime de roubo.
No dia 14 :
A' ordem do subdelegado de Jaboato, Ignacio
Pi Paz, por crime de resistencia.
O chefe da 2" secgao,
/. G. dcMesquita.
casa de detenqo. Movivento do da 12 de
abril de 1865.
Exisliam presos 355; entraram 8 ; sahiram 15;
existem 358, a saber: nacionaes 274; estrangei-
ros 4 mulheres 26 ; eslrangeiras 2 ; escravos 46;
escravas 6; total 358.
Alimentados custa dos cofres proviBciaes 139.
Mivimento da enfermara do dia 14 de abril de
1865.
Teve baixa:
Jos Domingos da CostaIodigesto.
13
Exisllam presos 358 entraram 11 ; sahiram 6 ;
falleceu 1; existem 362, a saber : naciouaes
278; mulheres 4; estrangeiros 26; estrangei-
ras 2; escravos 46 ; escravas 6; total 362.
Alimentados cusa des cofres provinciaes 139.
- 14
Exisliara presos 362 ; entrou 1; sahiram 3 ;
exislem 360, a saber : nacionaes 278; mulheres
3; estrangeiros 25; eslrangeiras. 2; escravos 46;
escravas 6 ; total360.
Alimenjados cusa dos cofres prouinciaes 137.
Movimenlo da enfermara do dia 16 de abril de
1865.
Teve baixa:
Jos Aotonio Correia de MelloCol lite.
Passageiros do vapor nacional Paran, vin-
do dos portes do sul :Capilo de mar e guerra
Hermenegildo Antonio Barbosa de Almeida, sua
familia, 2 criados e 2 escravos, capilo Silvino
Guilherme de Barrus, Clotilde Beatriz do Cartno,
Jos Pereira da Silva, Justino Correia Villares,
Luiz Carlos Araoedo, Jos Alves da Fonseca, Ro-
mualda Mara da Luz, Jos Pereira Ribeiro Gui-
mares, fre Fidelis da Fognaoo, 1" lenle Braz
Jos dos Res, Feliciano Cyriaco Pereira, Manoel
da Fonseca Araujo Luna Jnior, Jos Bernardino
da Costa, Manoel Jos Cabral, Joanna Antonia da
Conceigo e 3 filhos menores, Maneel Antonio Su-
pardo. Manoel de Vasconcellos, Joo Nunes Tn-
guero, Balthazor Jos de Magalhes Baste, Aman-
era de F.iras Braga, Joo>Anteniu Fernandes, Per-
mino Candido de Figueiredo, Francisco Candido
Pereira Lino, Clemente Fredenco Lopes, Mara
Joaquina de Albuquerque Maranho, Jos Cle-
menlino dos Montes, Augusto Jos de Oliveira. Dr.
Francisco Pires Machado Porleila, Antonia Mara
da Conceigo, Manoel Alves de Aguiar, Joaquim
Marlins de Andrade, Joaquim Luiz da Silva. 2 ex-
pragas do exercite.
Seguem para o norte :
Major Antonio Ferreira Lima Abaoral, Gotcho
Ellinger, Maurice Eltingir, Abraho Ickolk, Co-
blentz Alfred, Francisco Ignacio da Costa Mendes,
tenenle Luiz Augusto Coln, Augusto Frederico
Colin. Moyne Goillaum, Joaquim da Costa Tinta,
1 policial, 1 preso, 6 ex-pragas do exercito e 1 es-
cravo a entregar.
Passageiros do hiato nacional Gracioso, sahi-
do para Mossor e portes intermedios : Ignacio
Jos Machado, Antonio Ferreira da Silva, Manoel
PUBLICARES A PEDIDO
CURA
Espanta e Admiravel
DE MA CHAOA
CANCROSA ROEDORA
ou
PLIPO M NARIZ.
referida le n. 1,177
12. Arsenaes................
14. Forga naval.............
21. Material................
23. Deepezas extraordinarias
e eetuaes.................
A's tres horas da tarde de hontem fuodeou em
nosso porto o vapor locanlins, procedente dos do
i norte do imperio ; alcangando os jornaes e cartas
163:1575-60 que recebemos : do Amazonas a 25 do' pausado, do
152:4095579 Para a 8, do Maranho a 10, do Cear a 13, do Rio
3,458:0045631 i Grande a f4 e da Parahyba a 15 do correte.
t 3." yue, realsada a snbseripgo, seja o seu Rodrigues de Melle, Virginio Fidelis Ramos Fran-
producto entregue aos cuidados oa administraglo cisco Gurgel de Oliveira, Silvestre Gil Braz Frau-
de nma sociedade, que se formar de todos os na- cisco Antonio Marlins.
cionaes e estrangeiros qne da mesma quizerem fa- Passageiros do vapor brasileiro Tocantins
zer parte, concorrendo os socios com a mensalida- entrado dos portes do norte :Senador S e Alba-
de qne quizerem ou puderera. querque e 2 escravos, Jos Joaquim do Reg, Cos-
c Qae esta sociedade ficarWpsde logo sob a m- me da Rocha Bezerra, Amonto Leonardo Ro4ri-
mediata protergo de sna magestade o imperador, gnes, Liberal Moreira Vidal, Manoel Lopes dos
sen presidente nato, a quem compete designar em Reis, Joo Pereira da Molta Oliveira, Benedicto de
1 sua sabedoria qual o indi iduoqueadeve dirigir, Alcntara Cesar, Samuel Boliodoy, Joaquim da
de harmona cora um" conselho, composto dos so- Cosa Lima, Francisco Xavier de Brillo, Julio Bir-
cios, sendo om e outro o servigo todo gratuito. | be, Gabriel Faurcade, Jean Pierre Monarille, Ltjiz
c 5 Que essa sociedade tratar de capitalizar o ; Autran, Luiz Heymann, Jacome Antonio Clace.,
producto da subscripgo para edificar o hospicio ou Seguem para o sul:
asyo de invlidos, onde sero recolbidos e traa- j Senador Aotonio da Cunha Vasconcellos e 2 es-
dos os servidores do paiz qoe, por sua velhice oa cravos, deputade Dr. Domingos Antonio Rayol e 1
mnltilaeo na guerra, nao fraderem mais prestar, criado, Dr. Gentil Homem de Almeida Braga, Dr.
Amazouas. A noticia da Invaso paraguaya
I61:953i640!nesia provincia toi chimenea, segando nos diz servigo e onde'se dar educagao aos orphlos', flllios1 Antonio JoaqairaR^^
Urna cread de servir residente em Pernal
buco e pertenecnte Ex" Seilr Vibcosdksba
de Goiakka, foi attaenda d'unia terrivel cha-
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Nariz.
A mesma involvia e tomara todo a parte in-
eriorMo nariz, ameacando ji dlstrnir'tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso; Come-
cou primeiro por apparecer sob o bei(o supe-
rior e parte da face, extendendo-se por tal
forma e com tal rapidez, que em pouco ninea-
nva transformar todo o rosto n'uma enorme
cliarga viva e asquerosa. Durante tedo este
terrivel estado, todos os recursos medicinaes
que em taes cazos se nzfio forSo abundante-
mente empregados, sem que de leve flzesse
parar a marcha lenta e distruldora de to hor-
rivel enfermidade, e todos os meios e esfbrcos
forSo baldados, e no em tanto o mal cresca eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as cotizas neste jwnto, se experimentou pela
vez primeira a
SALSAFARRILHA
DE BRISTOL.
O efleito producido, quasi que instantneo
por este inestimavel remedio foi verdadeira-
mente maravilhoso e sem igual; este grande-
purificador do sangue e dos humores do sys- *
tema, immediatamente pz nm termo mar-
cha disastroza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-se atravt's dos tecidee os maif
delicados do corpo, expellindo at ultima
propriedade ou vestigio virulento da melestia,
dentro d'um curto espaco de tempo produzio
urna
CURA
Completa e Radical.
Este feliz quSo admiravel resultado foi obti
do apenas com o simples uso
Ouma so nica Garrafa!
d'este incomparavel e inapreciavel depuratorio,
recommendamos portante todos os Doentea
que procurem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Salsaparrilha de Briatol,
nicamente preparada por
IANMAN & KEMP,
De \ O V X YORK,
aa certeza de que, todas as mais preparagSea
imitativas nao valem para oouza alguma
Vende-se as boticas de Caors 4 Barbosa
e C. Bravo 4 C.
C0MME1CI0.
Ci.va filial dt banco do Brasil em
Pernamboco.
A directora desta calza saca sebre o banco do-
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Babia.
\'ovo banco de Pernam-
buco.
O banco desconta letras na presente semana a.
10 por cento ao anno at o prazo de qnatro me-
zes, e a 12 0(0 ale o de seis mezes, e toma dinbei
rea juros a praso nunca menor de tres mezes.
\ovol);nco de Pernambuco.
O banco paga o 14* dividendo na razao de 8
dor aego.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 14...... 273:086*895
Ideta do dia 15............... U:683399
294:770*294
1 .

MOVTMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazendas... 223
ILEGVEL


*>" ario t *ern*mhrtt -- ganda /cImii de Afrrl f de i aa.

Voluntes i
-
ihid
cotn |eneros.
oom Itzendas.
oo nems..
i94
V
i"
616
DeMrregam no di* 17 de abril e f865.
Patacho n.cioaal Bebewibe sal.
Patacho portuguez Alai-tu a Gloria diversos
gneros.
Vapor ingle*Gladiatorercaorins.
Barca francezaSpA Brigue nacional Paliacharque.
Sumaca iiespauholaGuadalupeidem.
Barca portugueza-S. Joodem.
Barca inglezaArran Islecarvo.
Barca iogleza -ScoU -dem.
Barca iogleza -Commodere idem.
Barca belgaSopAie Tneoorinf idem.
Brigae ingiezUseful-liem.
Brigne ingiez IzabeUaidem.
Importadlo.
Brigue ingiez zabella, entrado de Greenock,
consonado a Southatl Mellors & C, manifestou o
seguidle :
321 tonelladas de carvo de pedra; aos mes-
mos.
Barca belga Sotphie Theodorine, entrada de
CardilT, consignada a Wilson & Hette, manifestou
o seguinle;
. 4-.'7 toueJIadas de carvo de pedra; aos mes
oos.
Palhabotb nacional Alberto, entrado do Rio
Grande do Sul, consonado a Francisco Jos da
Costa Araujo, manifestou e seguinle :
7,362 @ de charque, 88 couros seceos, aos
mesmos.
Larn-ha nacional Conceico Flor do Rio-Grande
do Norte, entrada de Macu, consignada a Antonio
Jos da Cusu, mestre da mesma manifestou o
segainte:
358 alqueires de sal.
ALFANDEGA DE PERXAMBUCO,
PAUTA DOS PBF.gOS DOS GNEROS SUJEITOS A NRKITOS
Bl EXPORTAQAO. SEMANA DE 17 A 22 DO MEZ
DE ABRIL DE 1865.
Mercadorias.
Abanos.......
Agurdente de cana .
dem resillada ou do reino
dem caxaea........
dem gentica......
dem alcool ou espirito de agua-
ardeute........
Algodao m caroco .... arroba
dem em rama ou em la
Arroz com casca..... t
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado.....
dem branco........
dem refinado...... <
Azeite de amendoim ou utende-
bim ........ caada
dem de coco ......
dem de mamona.....
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha o diara, propria para
embarque.......
dem fina........
Caf bom ....... >
dem escolha ou reslolho.
dem torrado...... libra
Caibros........ um
Cal.....,...-. arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque) ...
Carueiros....... um
Carvo vegetal ..... arroba
Cavernas de sicupira urna
Cera de carnauba em bruto. libra
]dcm idem em velas ...
Cha .........
Charetos ....... cento
Cevados (porcos)..... um
Cocos (seceos)...... cento
Bolaxwbaa.....Idaaa 1*600 a narriquinha.
Carne Meca.....A do Rio-Grande do Sul vnden-
se de 3*400 a 3*800 a arroba ;
ficando em deposito 140,000 ar-
rofcw; e a do Rio da Prata de
Pela subdelegara de polveta dafreguizia do
Poco da Panella fui preso um prelo escravo que
diz ctumaiOe Antonio, coja prisa foi feia as 2
horas da mantisa do da 9 do correte mez : qnem
se julgar com direito ao do escravo, provando
ratoso drama sacro em 3 acto e 5 quadios, orna-
do de msica e machiuismo
OS
AVISOS D1TEBS0S.
Quem filar qeira alp*ar mn milented*
! 14 a 16 anno, fiel e activo, #paata u ra d<>
; Trapiche n. 44. segundo andar, ou snnuncie para
ser procurado.
3* a 3*700 ; ficando em deposi-, Ihe pertencer Ibc ser entregue.
10 33,000 arrobas.
Caf..........Vendeu-se de 7JJ00 a 7*300 a
arroba.
Cerveja.......r Yendeu-se de 4*300 a 6*000 a
duzia de garrafas.
Fatlnba do trigo. llealhou-.-e de 18*000 a 19*000
por barrica a de Philadelphia,
de 17*00 a 19*000, a de NeW-
York, de 20*000 a 3*4000 a de
Trieste, e a 8*000 o sacco com
100 libras da do Chile ; ficando
em deposito 200 barricas da
primelra, 7,000 da segunda,
7,600 daJercera, e 400 saceos
, da quarta, ao todo 14,800 barri-
case 460 saceos.
A ingleza vendeu-se com 320
por cento de premie sobre a fac-
tura.
Subdelegada de polica da freguezia do Poco da ."J""""-. .. ACTOlKhES
Panella 10 de abril de 4865 -O sabdeK-gado, Constando ew Oc.denle...... Cwlbo.
Joo Paulo Ferreira '"'IP4*". patrian romano e senador. Coimbra.
- O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin- 0rosl' chefe dus **. CluB"
em cumprimento da ordem do Exm. Sr.
I .mulanrin r,.;i ffti Acidan!. ri-.lhr. m.m ,-. .a ^ ^ i(rt ^ /x 1 o- r?____. n ...i*.. j.V. ._..
Louga.
mi em cumprimenio na oraem ao Kxm. sr. pre-
sidente da provincia de 10 do crreme, manda
fazer publico que no dia 27 do mesmo, perante a
junta da fazenda se hade arrematar a quem mais
der o imposto do pedagio da ponte de Motocolom-
b. avahado novamenle em 1:512-3 por anno.
A arrematacao ser feta pelo tempo que decor
rer do Io de junho do corrente anno, ao flm
junho de 1867.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
boco II de abril de 1865.
O secretario,
A: F. d'Annunciacao.
Manteiga....... Vendeu-se a ingleza de 960 rs. a O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin
1*000 a libra, e a franceza de ca!, manda convidar aos propietarios abaixo men-
720 a 780 rs. a dita. donados, para entregarem na mesma thesouraria
Musas.........Yenderam-se de 5*000 a 3*200 a importancia das quotas, com que devem concwr-
caixa. rer para a factura dos passeios em frente de seus
Passas.........Idfcm a 4*000 a dita. predios, devendo o pagamento ser feito de confor-
Queijos........Os flamengos venderam-se a midade com o disposto no art. 2* do regulamento de
2*200 cada um. 127 de junho de 1864.
Sabio.......... O ingiez vendeu-se a 135 rs. a Ra da Aurora.
libra, e o do Mediterrneo a 260 N. 56.Jos Daniel Rodrigues da Cu-
rs. a dita. i nha......... 60*000
Toucinho.......Yendeu-se a'9*303 a arroba do dem 62.Dr. Joaquim Francisco de
nario.......................Germano.
Gabriel, lillio de Orosio.......... Lisboa.
Decio, grande sacerdote de Jpiter. Pinto.
Lucifer......................... Borges.
Piulo, centurio romano.......... Guimaraes.
Polion, guirda dos carceres......Saoia Rosa.
iaac, judeu. escravo de Afr*..'...'. Teixeira.
d" O Arcanjo...................... N. N.
I Aira, corteza romana............. D. Eugeniaa.
Mar [lia, virgem christa..........! f.amills
AP..........................N.N.
Smenla, escrava de Afra......... D. Leopoldina
Digna, idem, idem...............D. Jesuina.
Euprepia, idem, idem............ D, Francisca-
Senadores, helores, sacerdotes, sacrificadores.
auruspices, virgos, cenlurides, decenarios, sol,
dados, povo romano, povo christao, escravos e es-
oravas.
As encommendas podem desde ja ser procura-
das e o pequeo resto de bilheles esto a venda no
escriptono de theatro.
Principiar s 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no lugar do cos-
tme.
de
Unidades. Valores.
eento
caada
1500
800
8001
400!
8001
900
3*375
i4*/;oo
1*500
2*600
1*950!
3*i00
5*120
2*000
1*600
1*000
i*00
de Lisboa.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se
90*000 a 112* a pipa.
Vinhos.........Venderam-se os de Lisboa de
190*000 a 200* a pipa e os de
outros paizes de 180* a 185*
a dita.
Velas..........As de composicao venderam-se
a 530 rs. o pacote de 6 velas.
Descontos....... O rebate de letras regulou de
9 a 12 por cento ao anno.
MOVIMEWTG DO PORTO
libra
um
um
3*000
7*000
7*400
6*000
440
360
280
500
3*200
4*000
1*000
s*ooo
300
300
1*500
2*500
15*000
6*000
600
145
240
105
330
10#XX)
1*000
320
500
4*000
2*000
15*000
1*600
2*500
Continuadlo dos navios entrados no da 13.
Cardiff 38 das, barca belga Sophe Theodorine,
de 296 tonelas, capito Horubostel, cquipagem 9,
carga, carvo ; a Wilson & Hett.
14 -
Santos-43 das, barca ingleza J'trj'rf, de 380 tone-
ladas, capito C. Hewnard, equipagem 10, em
lastro; a ordem.
Observagao.
Suspenden do lamaro para os prtos do norte, dem 32.-Os mesmos.
a barca ingleza Bonita, eapito Tumor, com o dem 34.Os mesmos.....
mesmo lastro que tonxe de Bonny. dem 43.Joaquim Jos da Costa Pi-
No houveram sahidas. nheiro.........
- 15 dem 45.-Joaquim da Silva Castro .
Fernando Poo28 das, barca ingleza Vuleau, do dem 47.MaaoeJ Custodio Peixote
275 toneladas, capito I. Charlles.equipagem li,| Soares.........
em lastro; a Johnston Pater & C. dem 49.O aesmo.....
Miranda e Anglica Bernardina de
Miranda........
dem 64.Mara Theodora da As-
sumpcao........
dem 66.Antoniu de Azevedo Vil-
larouco ........
Idea 74.Herdeiros de Bernardo do
Duarte Brandao......
dem 76.Mariana Joaquina da Trin-
dade.........
Kua do Imperador.
N. 2.Joao da Cunha Magalhes. .
dem 9.Jos Joaquim da Silva Maia
dem 11.O mesmo.....
I dem 13.O mesmo.....
dem 15.O menor filhodo mesmo .
idem 18. Francisca Thomazia da
Conceico Cunba......
dem 20.Jos dos Sanios Neves. .
dem 21- Auna Joaquina da Concei-
co Teixeira.......
dem 26.Guilherme Pureel. .
dem 28. -Manuel de Azevedo Audra-
de e outros.......
dem 30 Os mesmos.....
cento
arroba
aiqueire
arroba 4*000
um
arroba
uma
Coila
Couros de boi, salgados^ .
dem idem seceos espichados
dem idem verdes .
dem idem cabra cortides .
idem idem de onca .
Doces seceos ....... libra
dem em gela ou massa
dem em calda ..... >
Espanadores grandes .
dem pequeos......
Esleirs para forro de estivas
de navio........
Estopa nacional .... .
Parinha de de mandioca .
dem de araruta .....
Feija de qualquer qudlidade .
Frechaes .......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou rcstolho
dem em rolo bom.....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinhas .......
Goinnia........arroba
Ipecacuanha (raiz).....
Lenlia em achas.....ceato
Troe.......... >
Liabas e esjaies......um
Mel ou melaco......casada
Milho.........arroba
Papagaies .......um
Pao Brasil.......quintal
idem de jangada......am
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar ..... <
dem de rebolo ..... .
Piassava ........
Ponas, oa chifres de vaccas ou
novilhos ........
Pranchoes de amarello de dous
costados ........
dem de louro......
Rap.........
Sabo.........
Sal...........
Salsa parrilha. *......
Sebo em rama......
idem em velas......
Sola em vaqueta......
Taboas de amarello. ....
Jdem diversas..... .
Tapiocas.........
Tatajuba........
Travs ........
Uuhas de boi ......
Vassouras de piassava .
Mitas de timb.......
Ditas de carnauba.....
Vinagre.........
Aifandega de Pernambuco, 15 de abril de 1865.
(Assignados): I
Os i." conferentes, Uanoel Peringrmo da Silva,
e Jcnuino Jos Tacares.
Approvo. Alfandega de Pernamuco, 15 de abril j
de 1865.A. Eulalto.
Conforme. O 4. scriptarario, Joao de Assis
Pereira Rocha.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
- GERAES DE PERNaMBUCO.
Rendimento do dia t a 14........ 10:510*674
idem do dia 15................. 679*035
Observadlo. J '
Fundeon no temario uma barca ingleza mais nao
teve communieaco coma trra.
Ao houveram sabidas.
Navios entrados no da V6
Rio de Janeiro e portos intermedios -6 dias e 9
horas, e do ultimo porto 13 horas, vapor nacio-
nal Paran, de 840 toneladas, commaudante o
capito fragata Antitnio Joaquim da Saota Bar-
bara, equipagem 56.
Para e portos intermedios 7 dias, e do ultimo por-
to 8 horas, vapor brasrleiro Tarantn* de 730
toneladas, commandanle 1 teneate Pedro H.
Duarte, equipagem 56.
Navios saludos no mesmo dia.
Barcelona.Sumaca bespanliola Rengo, capito '
Pedro Colamer, carga algodo.
Mossor e portos intermidios. -Hrate nacional Gra-
ciosa, capito Joo Gomes da Costa, carga diffa-
reutes gneros..
Observacao.
Suspenden do lamaro para os portos do norte a
barca ingleza Verid, capito C. Heunard, cqhi o
mesmo carregamento que trouxe de Santos.
20*000
' 75*000
75*000
120*000
36*000
136*200
75*000
73*000
54*000
60*000
90*000
82*500
26**300
.120*000
90*000
120*000
73*000
30*000
223*000
300*000
90*000
195*000
150*000
240*000
AISOS M1EITI10S.
240*000
360*000
240*000
225*000
presepte
dem 51.-0 mesmo.....
dem 55.Antonio Loiz dos Santos ..
Ra do Crespo.
N. .Antonio Jos Marques Bastos.
dem 4.O mesmo......
dem 6.O mesmo......
dem 8 Domingos da Silva Campos,
Manuel de Azevedo Andrade e An-
tonio de Souza Reg. .
E para constar se mandou publicar o
pelo jemal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 11 de abril de 1865.
Autouiu Ferreira d'Annum:iai;a>.
Art. 2 do regulamento de 27 de )onlio de 1864.
A referida quota ser paga em do as prestacoes
iguaes, dentro de um anno, as pocbas em que
pelo consulado provincial se proceder a cobranca
de imposto da decima urbana, podndo todava, o
proprislario entrar com a quanna que dever, antes
de taes prasos, se assim lite convter.
Conforme.Antonio Ferreira d'Annuncisco.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Mavega^So costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Uaco, Aracaty, Cear
e Acarac.
O vapor iPersinunga, com-
mandante Ralis, segu para o
norte no dia 22 do corrente as 5
horas da tarde. Recebe carga
at odia 21, encommendas, pas-
sageiros e dinneiro a frete at 2 horas da tarde
do diada sabida: escriptono no Forte do Mat-
tos n. 1.____________ -
Para a Babia pretende sabir em poneos dias
a escuna Eliza, por ter algoma carga tratada, e
para o resto que Ihe falta traase com o consigna-
tario Joaquim Jos Goncalves Bellro, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6, ar-
inazeuj. ^^ _^^_^
COMPAXHLT BRASIXEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o da 18 *o corrente o vapor
Tocanlins, commandante Carlos
Aniouio Gomes, o qual depois da
demora do costume seguir para
os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e Bgaja-sea
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada** da de sua ciiegada, encom-
mendas e di nheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptoric
de Antinio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para Rio lc.lani Pretende seguir com rouita brevidade a barca
Rio de Janeiro, tendo parte do seu carregamento
engajado: para o resto que Ihe falla e escravos a
freles, para os quaes tem expelientes commodos,
trata-se com o seu consignatario Antonio Luiz Ro-
drigues Mindellp, no seu escriptorio na ra da
Cruz n. 1.
SBIT1ES.
molho
cento
um

libra

aiqueire
arroba
5*000
14*000.
8*000
8*0001
5*000
600
2*500
25*000
2*000
11*000
8JKM0
240
900
3*000
5*600
5*000
800
4*000
1*000
120
uma
duzia

arroba
quintal
ama
Cento
caada
3*500
205000
10*000
1*000
120
400
25*000
5*000
7*000
2S*00
140*000
87*000
3*000
2*000
6*000
200
10*000
8*000
6*000
500
. O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 10 do corrente, manda fa-
zer publico qne no da 14 de junho prximo vin-
douro, perante a junta da fazenna da mesma the-
souraria, se ha de arrematar, a quem por menos
fizer, a obra da cadeia da cidade de Nazareth, ava-
hada em 18:093*900 rs.
A arremalaco ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 13 de maio de 1854, sob as clau-
sulas especiaes abaixu declaradas.
As pessoas que se propozerem essa arremata-
cao, comparegam na sala das sessdes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habiliadus.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarin da thesouraria provincisl de Per-
nambuco, 14 de margo de 1863.O secretario, A-
F. d'Annunciaco.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
1.* O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
feito de conformidade com a planta e orcamento
junto, na importancia de 18:093*900 rs.
2.a O arrematante ser obngado a dar principio
aos trabalhos no prazo de 30 dias, e concluidos
uo de tm anno, ambos a contar da data da assig-
natura do contrato.
3." Os pagamentos sero feitos em 3 prestacoes
iguaes correspondentes a cada terco da obra linda.
4.a Nao ser em lempo algum attendida qualquer
reclarnaco por parte do arrematante tenden-
te indemnisayo, quaesquer que sejam as allega-
coes em que se bajan para esse um, ainda mes-
mo por prejuizos provados.
Devendo proceder-se a subsiituLco do docel
\ que cobre a efigie de S. M. o Imperador e o pan-
! no que orla a mesa dos despacnos do tribunal do
; commercio, para cuja despera est o mesmo trihu-
| nal antorisado a dispender al a quaotia de 400),
convida esta secretaria as pessoas que se qouf renj
encarregar da factura de taes obras, a aprsenla
I rem suas proposias em cartas fechadas al o dia
; 20 do corrente mez.
Secretaria do tribunal do commerci de Pernam
boca 10 de abril de 1865.O offlrial-maior,
Julio Guimares.
Inspeeco de arsenal de marinba.
Faz-se publico que a commis-iio de peritos exa-
minando na trmadispon uo r-gulamento anne-:,- |he falu e |llssaji,jro.s para (|ull,,.s ,e
xo ao decreto n. 1,324 de 5 de fewraru de 854. i ^^tes commodos, trata-se com os s
o casco, machina, caldeiras, apparelho, mastreacao,
veame, amarras e ancoras do vapor Parahiba da
AOS 6:000r?000.
Corre depois ti amaolifia.
Quarta-feira 19 do corrente mez, se ex-
trahir a 4* parte da Ia lotera (12*) abe-
! Qtilitio da Santa Casa de Misericordia, para
canalisacSo d'agua e gaz no hospital Pedro
11, no consietorio da igreja do Hossi Se-
rrhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os otlbetesjneiose quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
Ipo n. 15.
I Os premios de 6:000$000 at i0,)000
serao pagos uma hora depois da cxtracc>o
at as i horas da tarde, e os outros depois
: da distribuicodas listas.
As encommendas s rSo guardadas se-
meDte at a aoite da vespera da extraccio
como de costume.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Antonio da >ilva Pereira val as Alag.as.
Manotl Antonio Monteiro (Jos Santos, subdito
porluguez, vai a Europa.
i O Sr. Praocisco Lins Paes Brrelo aotorisou
o abaixo assiguada para receber dos foreiros da:
ra da Roda o que ie acham a dever, bem assim '
a tratar qualquer negorio com o mesmo al final.
decisaodos administradoras do hospital de canda-1
I de, se devem on nao aceitar adoaco que foi feita:,
| na ra da Cruz n. 26.
Francisco de Albuquerqne Mello.
O Sr. Ernesto I! twiw tk~. An-lrade, queira ter a
1 bondad de apparecer em Santo Amaro, roa da
Aurora negocio do seu inleresse.
Precisa-se po7~luguei d uma"preta escrava
de bens cosiumes para o-servlro interno de uma
casa de familia; na ra de 9. Francisco sobrado
n. 10.

I
a
a
3 i.
3 g '
3
O
o
M
Si
O
3
B
r
o-
c

3
a,
a
9 ?
a
$ Q
1 V
2
o
o
S
i
ni
B S B S-
2 o ?
5 o 2.
2 a
- w
i*
Furtaram do engenho Bento-Velho, em Santo
Antao, oito quartos, sendo quatro furtados na noi-
te de 18 de marco ndo, sSo toos castrados, cinco
rucos e tres ca-tanhes, quatro ferrados somenw
com a marca i' por seren crioulos e quatro com-
prados com ouiros ferros, porm ferrados com a
mesma marca P de que usa o propnetario que nao
vende nem troca cavallo- com esta marca : pede-
se a quem os encontrar, que os tornero e os mao-
dem entregar no dito engenho, onde se pagar a
despeza egntiticacao. Di:-se jue as duasquadn-
llias que all exiskero zouband) da fraqueza da lei
e das autoridades os negocian para Rio Formaso,
Pajeu' e Pedras.de Fbgo, e a!li na feira os adque-
ridos de fra. assim que est garantido o direi-
to de propriedade em toda sua plenilude.
Precisa-so de uma ama forra on escrava
dndose preb;reaca a ultima, para comprar c
cozinhar : na ruadasCruzes m>35.
Para o Rio de Janeiro.
O brigue escuna Joven Arthur, pretende seguir
com muita brevidade, leudo parte de seu carrega-
mento promplo : para o rosto que Ihe falla e es
era vos a fretes, para os quaes tem bous commodos,
Irala-se com o.- seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio fie Janeiro.
Segu uestes oito das o brigue escuna Nao sei,
tendo dous tercos do seu carregamento bordo :
U*ra o rusto que. ihe falta e escravos a frete, para
os quaes tem bons commodos, traia-secomos seus
consignatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio na ra da Cruz o. 1.
Para Lisboa.
A barca portuuueza Henrir/ueta, segu para Lis-
boa al o lim da presente semaoa : tem dous ter-
cos do seu carregamento a bordo : para o reslo
companhia Pernambucana de navegaran costeira,
achou todos estes objectos em regular estado.
Inspeecao do arsenal de marinha de Pernambu-
co 12 de abril de 1>65.
S. C. dos Santos
Servindo de secretar ie.
U conselho de compras do arsenal de guerra '
precisa comprar o seguinle :
6 caixas c iin folhas de Fiandres, marca grande.
1 estojo porttil de pequea cirurgia.
As pessoas que quizerem vender taes artigos
apresentem su*s proposlas na saladas sessdes de
conselho, as 11 horas da mnha do dia 19 do cor-
rrente.
Sala das sessfies do conselho de compras do ar-
senal de guerra 13 de abril de 1865.-0 encar-
roado da esripturaco,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Fiscalisacao de Sanio -uitouio.
O abaixo assignado, fiscal da freguezia de Santo
Antonio desta cidade pelo presente pede a todas as
pessoas dooos de madeiras, t jlos, palhas de co-
queiros, ele qne ixistem d positados na frente das
seus consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Aievedo Si C, no
seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.
Para o Porto segu coro, brevidade o brigue
Esperanca por ter a maior parle de seu carrega-
mento prompto : para o reslo e passageiros tra-
ta-se com Cunha irmos & C, ra da Madre de
Dos n. 3, ou com o capito na praca.
Para o Para.
5.a Para ludo o que nao estiver especificado as! <* desde o caes do Ramos ate a travessa da Ri-
presentes clausulas, seguir-se-ba o que dipoe ore- beira, lugar que divide a sua fiscalisacao que os
gulamento de 9 de Janeiro de 1864. focam retirar para dentro de armazeos da data
11:219*729
CONSULADO PROVINCIAL
endimenio do da 1 a 12..
dem do dia 15 ..........
Conforme.A F. d'Annunciaco.
O Illm. Sr. inspectir d* thesouraria pr ivin-
cial. em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico que no
dia 22 do correte, perante a junta da fazenda da
mesma thesouraria se ha de arrematar a quem
por menos fizer, a pintura da ponte de ferro por
detraz do theatro de Santa Isabel, avallada em
450*000.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854,- e sob as i qe a arrematacao dos reparos^ de
cndicoes especiaes, que sero presentes ao arre-
matante nesta thesouraria, devendo ter lugar as
habilitaron no dia 20 do corrente.
E para constar se mandou publicar o prosente
pe'o jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 15 de abril do 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
DECIRAyuES.
deste a 8 dias, afim de nao serem multados e ve
rem ser removidos as mesmas madeiras e mais ob-
jectos encontrados a sua costa para o lugar que for
indicado por esta fiscalisaco, em cumprimento do
determinado na postura municipal.
Fiscalisaco de Santo Antonio do Recife, 17 de
abril de 1866.
O fiscal,
Caetano Pinto de Veras.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que precisa o
e'inpedramenio do lugar deuominado Areias do Gi-
quia, na estrada da Victoria, foi transferida para
o dia 5 de maio prximo viudouro-
Secrelana da tbesonraria provincial de Pernam-
buco 19 de abril de 1863.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Pola thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematacao da obra da eonstrucco da bom-
ba da varzea de Paulisla, foi transferida para-o da
27 do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial deernam-
baco 15 de abril de 1865. O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
vi seguir com muita brevidade o palhabote Pa-
racnse, tem a maior parte da carga prompla, e
para o resto que Ihe faita trata-se com o consigna-
tario Joaquim Jos Goncalves Bellro, na ra do
Vigarion. 10, ou no largo do Corpo Santn. 6,
armazem.
Para Lisboa
O patacho portuguez Mana da Gloria, capito
Valeute, vai sahir breve, recebe carga e passagei-
ros : trata-se c mi o consignatario E. R. Rabello,
ra do Trapiche n. 44.
' Para o Para o hiate Novaes recebe alguraa
carga a frete : a tratar com os seus consignata-
rios no largo do Corpo Santo n. 6. segundo ailar.
Para o Porlo
segu mpreterivelmeote at o dia 27 do corrente
a bem conhecida e veleira barca Claudina por (er
seu carregamento prompto : para passageiros, pa-
ra os quaes se offerece excellnntes commodos, tra-
ta-s.e com Cunha Irmos & C, na ra da Madre
de Dos n. 3, ou com o capito a bordo.
Miguel Jos Rodrigups Vieira e seus
filhos D. Joanna Baptista de Souza.
Belmiro Baptista de Suuza, .loa.-> Pe-
reira Moutinho e Antonio Jos Pedro
Goncalves, agr.'decem cordialmente a
todas as pessoas que se dignaram as-
sist'r as exequias celebradas na igreja
do Corpo Santo e MOf anharacu ao
cemiterio publico o {corpo de su li-
na Ja consorte, illia, irma c cunha-
nhada D. GuiUieimina de Souza Viei-
ra, novamenle as convidara a assistir
a ndssa do stimo dia a qual se cele-
brar da mesma igreja segunda-V;ra
^7 do corr nte as 8 boras da manha,
por cujo obsequio reiteram-lhes eter-
no reconheciraento.
Desde Janeiro ao corrente anno acha-sc au-
sente um escravo de nome Paschoal, do mosteiro
de S. Benlo deOlinda, cujis signaes sao os se-
gnintes : cor bem preta, olhos redondos e vivos,
uma mancha de panno no rosto, estatura regular
e rheio do corpo, sem indicio algum de barba e
representa a idade de 18 a 20 annos: roga-e as
autoridades poflelaes e capites de campo a sua
captura e entrega n i mosteiro de Olinda ao Exm.
Sr. D. atibado ou no Recife ao Sr. Zacaras de San-
ta Isabel, rna dos Tanueiros n. 1, que sero gene-
rosamente recompensados
Perdeu-se um lenco de grade: a pessoa que
o tiyer Miado queira leva-lo a ra da Cruz n. 52,
quarto andar, que ser recompensada.
Precisa-se de um caixeiro para taberna com
pratica ou sem ella, prefere-se portuguez : a ira
tar na ra do Pilar n. 9, em Fora de Portas, dando
fiador a sua conducta.
Eugenio Goncalves Case e D. Maria
Theodora d'Assumpco, compungidos da
mais acerba dr pelo fallec ment da sua
moi presada mai e filha Maria Filismioa
d'Assumpco Cascan, na cidade do Rio Gran-
de do Sul, convidam a todos os seus paren-
tes e amigos para assistir a missa fnebre
que mandam celebrar na matriz do Santissi-
mo Sacramento da Boa-Vista, as 7 horas da
manhaa do dia 19 do corrente.
LE IL OES.
35:6185675
7:721*451
43:340^426
PRAQA DO RECIFE
15 DE ABRIL BE IMII5.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revlrta semanal.
/4 a 25 V d- por 15000 ; sobre
Par* a 370 r. Dor fr.
Algodao......... O de primeira sorte vendeu-se,
de 135 a 15S por arroba, e o de j
segunda de 115 a 135.
Vendeu-se de 72*000 a 735000,
a pipa.
Os seceos e salgados venderam- j
sea 149 rs. a libra.
Arroz.........Vndense o pilado da India a ,
25400 a arroba. i
A/.elte doce------- O de. Lisboa vendeu-se a 25300 j
o gallo.
fl-tcalh.......Vendeu-se cm atacado a 135000
a barrica, eaietalho de i35a
165000 a dita; Meando em de-
posito 4.500 barricas.
L'atalas......... Venderam-se-a 15500 o ggo.
Leilfio
de uma taberna na ra da Guia ns. 41 e 42
pertencente ao espolio do finado Joo Ma-
noel Alves d'Azevedo.
Terca-feira 18 do corrente
O gente Paltana far leilo por conla de quem
pertencer, e por ordem do Illm. Sr. cnsul de S.
M. Fidelissima, de todos os gneros, armaeo emais
42 e taino n. 41.
Agurdente.
oros
Pela thesouraria provincial se faz publico
que'a arremalaco dos reparos de que precisa a | de, fechar-se-hao as
ponte dt Rio Formoso foi transferida para o dia 27
do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 7 de abril de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciaca.
Pela thesouraria provincial se faz publico que
a'arremaiacao dos reparos de que precisa o impe-
dramento da estrada de Apipueos desde o lugar
em frente a da Trempe at o Chora menino foi
transferida para o dia 20 do correle.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 7 de abril de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Pela thesouraria provincial se faz publico
que a arrematacao dos reperos de que precisa a
punte do Bujary sobre o rio Tracunhem foi trans-
ferida para o di 20 do correte.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 7 de abril do 186-3. O secretario,
A. F. d'Adiiunciaco. .
Pela ihesourarla provincial se faz publico,
que a arrematarn dns reparos de que precisa a
estrada do Porto de Galinhas, foi transferida para
o da 20* do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-.
buco 10 de abril de 1865.-0 secretario,
A. F. d'Annunciacao. I
tencihos existentes na taberna n
ni a *' a' u nuuui"i''*v-u- pertencente ao espolio do Bando subdito portuguez
g.'&gggfcftgg SSl^&o Manoe, AlCj}*. Azevedo^ erca-teTa s 10
horas, na mesma taberna rna da Guia ns. 41 e 4.
tem de conduzir para os portos do norte. Os joroaes Ll'ilao (l*1 Ulllfl fSCI'ava.
sero recebidos at o meio dia, e as cartas adrnit- Terca-feira 18 de abril
tidas seguro at s duas horas da tarde. m O agente Piolo levar novamenle'a leilo a es-
CoI'I'CO gCrar crava Alexandnna, rertencente ao orohSo Domio-
Pela administraijo do correio se faz publico, gos Gabriel Pereira Lima e existente no deposito
que boje (>7) do correle as 3 horsa da tarde em
ponto feichar-se-ho as malas sir o paquete brasileiro Tbcantins para os porlos
do Sul. Os ji>rnaes sero recebidos al 1 hora da
tarde, e as cartas admittidas a seguro al as 2
horas.
TMEtrflO
s
EMPREZA-^OIMBRA
celta extraordinaria
Terfa-feira 18 fie abril de 1865.
Representarse ha o sempre applaudido e apa-
geral, servindo da base o maior preeo obtido no
leilo do dia 11 dn corrente mez, o leilo ^er ef-
feciuadoem sen escriptorio ruada Cruz n. 38, as^
10 horas em ponto.
Leilo $ Terca-frira 18 d-i corrente as 11 horas.
No armazem a ra da Cruz n. 57.
Cord.-i'o SimSes far leilo de diversas (bras
de marcuieiria como sejam : cadeiras, comm >das,
taludes, c- rteiras, saniuarios, guarda roupas e
outros muRos-artigo* de gmto.
No da qu.rii feira 19 do corroiite. se ven-
der em leilo pelo agente Euzebio, uma cama de
Jacaranda nova, mobilia com (ampos de pedra
marmora superior, secretaria, berco, cadeiras de
arruar proprias para a prevente esiaco, Mein pa-
ra meninos jantar, estantes, guarda roupa, guarda
|ouca.
Ao publico.
Para respooder-se sati>factoriamente as corres-
pondencias do Sr. Feliciano Rodrigu-s da Silva,
publicadas nesse Diario de 1 e 5 do corrente,
mister que se declare os nomes dos dous fornece-
dores de pedras que diz faltar^m, e que demons-
tre as brabas cubicas ou corrente de pedra que
botaram no le lo da estrada, se esto pagos, ou
por pagar, e que nao sejam fornecedores como
focara Luiz da Conceico Albuqnerqu, Claudio
Alves Dias, Bernardino de Lemos Salles, e o cele-
bre recibo de 105 do feitor do empedramento Joo
Canelo Ribeir do Amaral, e que seja tambera de-
clarado em que obra se dispendeu por adminis-
traco 1:965*280 rs., pedidos em 8 de marco, 2
de maio e junho de 1861, para eccorxer as despe-
zas dos empedramentos em questo (por adiiiijiis-
tracoj feito isto salura a procisso com os com-
petentes andores.
O sabe de tudo.
Recife 14 de abril de 1865._________________
AG4ZE
Do Norte.
Sanio hote o 2 numero e esta a venda com o
1* a ra do imperador n. 67 e de Hortas n. 14.
mmmmmm mmm mwm
va' O rirurgio Jos Antonio Marques mu- n.
^8 dou sua residencia p;ira a ra da Guia ^S
a^> casa n. 33, segundo andar. ">*.
aS^'j^ W 'M %' &M'&"4>
Mi^iSSi^KfWi VK ^ 3R *r< xT< SR ^R5?Il
EsrriplHraeao mn-cantil.
Uma pessoa precl-amente habilitada propoc-se
fazer -ilguns trabalhos de escripiuraco, pnitendi
ser procurada a ra da CauVia do Recife n. 39, por
corta (echada com as iniciaes A. C. G.
l*r O ecrivo interino Torres, entrn de semana.
Cartorio na entrena o llosario n. 12.
Na rua da Cruz n. 33, compram-s. cdulas
das caixas filiaes das provincias, e do banco oo
Brasil, com descont ra?oavel.
Saude dada a todo o mundo.
Pelos preciosos medica nimios dM Srs. (rimank
C, pnarmaceulicos de S. i. I. o principo Na.
poleo, rna de la l'eiiillade 7 em Pars.
Poique os Srs. mdicos e o publico usata de pre-
ferencia dos medicamentos ospeeiaes dos Srs. Gri-
mault 4C pIstrinacHutic'is em Pars, cornos quaes
ellos tem sempre obdo as curas as mais extraor-
dinarias ?
1." Porque e>ta casa sendo sem cuniradita a
mais importante de Par?, huhradacom adientella
de uma parte da corle, patiir.ida por S. A. I. o
priucipe iNapoleo s vende producosle uma efi-
cacia reconhecida.
2. Porque esses medicamentos representara as
mais recentes conquistas da medicina e da chi-
mica.
3 o Porque tem lodos um goslo agradavei, salis-
fazem a vista, e pdem ser administrado sem pe-
rigo, lanto s crian cas cerno as pessoas adultas.
4. Porque elles d'ierem inleiramenle desses re-
medios inglezes e americauos, preparados por In-
dustriaes estranhos, tanto a medi una como a phar-
macia, dos qaes nao tem nem a sclncia nem os
litlos.
5." Porane estes medicamentos s se applicam a
um nc.iero limitado de doencas, ( nao as curara
todas, como os remedios de que acabamos de fal-
lar ; emliin cada producto tem sua applicacao par-
ticular.
Por isso pensamos prestar um servico a todo o
mundo, indicando aqui as importantes 'propieda-
des dos principaos medicamentos dos Srs. Cri-
n-.auit Al C.
Xaropc le raifort lodado.
Euipregado com successo cerlo em lugar do oleo
de gadu de bacalho, to desagradavel, to rtifli-
cil a digerir. E'o especifico o mais cerlo contra
as escrophulas. o lymphalirfmo, a moleza das car-
nes, os humores das enancas, a papeira; os rheu-
! matismos, o escorbuto, as affeccoes da peBe, as
molestias do peilo.
Todos os mdicos de Pars o empregam como o
depurativo o mais poderoso, e o recommendam em
todos os casos que precisa-se orrigtr a acrimonia
do sanRiie, e dar Ihe lodos os principios vitaes que
perdeu, seja pelos excessos. pelas affeccoes lym-
phalicas, escrophulosas, e venreas.
Xarupe de quina verinelha fer-
roglnoso.
Ou associaco dos dous poderosos remedios da
materia medica que sao : o ferro um dos princl-
paes elementos de nosso sangue e a quina que o
tnico e o febrfugo por excellencia.
Este delicioso medicamentoag-adavei ao paladar
e a vista, tem um resultado adarave.l as Boras
brancas, dores de estomago, falla de appetile, po-
breza de sangue. Elle sobretodo til as seu ho-
ras e as mocas delicadas, para desenvolver e re
gularisar a mensiuaeo e suspender os etfeitos
perniciosos das Adres brancas, que sao a causa da
tantas doencas. Elle soberano depois das con-
valecencias de molestias graves, elle o reparador
das forcas e da saude para os docnies enfraqueci-
dos pelo trahalho, os excessos, as affeccoes escro-
phulosas ou venreas.
As mais de familia acharan neste xarope um mer
dir.ni-nto sem igual, para fortificar e desenvolves
i a systema osseo das mancas e os preservar da-
offercoes escrophulosas.
Elixir digestivo de pepsina.
Delicioso licor que occopa o primeiro lugar en-
| tre as novas conquislas da sceocia, a pepsina pos-
sue com efeito a propriedade importante de fazer,
digerir os alimentos quasi sem soccorro do esto-
mago, o remedio soberano das gastrites, gastral-
gias, das nflammacoes do estomago, dos ligados O
dos intestinos. Elle supprime os gazes, as nauseas,
as pituites, o desgosto dos alimentos, e presta prin-
cipalmente um immenso servico as senlwras n'nma
poslco ioteressanle da qual suptiriineos vomites.
As pessoas que padecem de cancro no estoma-
I go ou nos intestinas, verao sua vida prolongada
| pelo uso do elixir de pepsina, e os vellios e cejiva-
lecenleso sustento de sua saude e o reparador de
suas Torcas; porque com uma boa digesto sempre
se gosa de boa saude.
Xarope peltoral de Si. Jorge.
Novo especifico, sera opio, reconhecido como o
melhor*medicamento para curar a losse, deflnxo,
catan hn. grippa, irritaran do peito, anginas, dores
de garganta, coqneluxa, etc.
Este delicioso xaropo popular em toda a Franca
foi descoberto pelos monges da abbadia de S. Jor-
ge, no Aujou. e actualmente preparado pelos Srs.
Grimault & C-, nicos proprieiarios da verdadeira
receila. Recommenda-se aos doentes que usem ao
mesmo lempo das deliciosas pastilltas peitoraes ao
sueco de alface de lonreir-cereja dos Srs. Gri-
mault & C, este excellente remedio e" composto
com as duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo tempo as mais inofensivas da materia me*
dica, e nao contera opio. :~
Injeeeo e capsulas matico.
Estes dous productos que constituem a mais re-
cente e a mais imprtanle mediaco para curar os
corrimientos e as molestias veneraes do homem e
da mulher, sao exclusivamente vegetaes nao con-
ten mercurio, e sao preparados com as folhas do
matico arvore do Perou. Nao ha molestia conta-
giosa anliga ou rcenle que resista ao uso desses
dous meios. Sua rapidez de Regio superior a
tudo quanto se tem feito al boje. As capsulas
nunca causam o estomago nem os intestinos como
as capsulas de copahyha, culieha e outras ; a in-
joceo nunca produz o esireilaiueiiio como aconte-
ce com as Injeccdes cont base metlica aconselha-
I das al hoje.
Todos estes productos vendem-se as principaes
! pharmacias do Brasil, agente para vender por ata-
cado, no Rio de Janeiro, E. Clievolet, em Pernam-
buco, Caors & Barbosa, na ra da Cruz n. 2S, na
Baha, Lima & Irmos i em todas as boas phar-
macias do Brasil.
Deve-se exigir sempre > assignatnra Crimanli &
C, por que ha falsinVarries perigosas.
Vende-e na botica raacexa ra do Imperador
n.36.
Quera preciar rte urna pessoa para nm en-
genho a vapor para so encarregar do machinismo
e outros servleos, dirij,.-se a ruaTla Praia n. 31.
Joo da Silva Ramos, medico pola Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s U horas da niai das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para issw designadas, salvo os tasos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer oepasio. D consullas aos jiohres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encentrado diai iaawaio das 6
s 8 horas da mantisa.
Tm sr.a casa de saude resrulsrmente
montada para receber qualquer doeote,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem couimodos apropriados e ella pra-
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000diarios.
Seguida dita.... 25500 >
Terceira dita.... i&OUt*
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servaos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que eiie conti-
nu a merecer a contianea de que sem-
pre tem gozado.
i
:


"
Diarto do retMMlMM *<, M|uda telnll I Abril 4c &#.

CASA DA FORTM
Aos 6:000,?000.
mneles garantidos.
A' ra do Crispo n. 33 i casas do costume.
0 abaixoassignado vendea aos seas. rauio feli-
zesbilnete garantidos da lotera que se acabon
de eztrahir a beneficio da igreja de N. S. do Am-
paro de Goianoa, os seguinies premios :
l'm quarto o. 1732 com a sorie de 10:000,5000.
Um Inteiro o. 2709 com a sorle de 3:0ti000.
Um quarto o. 132 com a sorte do 8004000.
Um meio o. 784 com a sorte de 'lOOJdOO,
E outras militas sortes de 1004, 404, 204 e
10000.
spossaidorespodem vir receber seas respec-
tivospremiossem os desceios das leis oa Casa
da Fortuna ra de Crespo a. 23.
Achara-se a venda os da 4 parte da 1* lotera
(IS'j a beneficio da Santa Casa de Misericordia,
para caoalisagao d'agua e gaz no hospital Pedro
1, que se extrahir no dia 19 do corrente.
- Ua-sa a nma familia honesta para morar de
graga um graude sitio com boa casa, lenha, agua
e alguma fructa, sob condicao de guardar o mes-
mo sitio : para informar, na toja da praca da In-
dependencia ns. 6 e 8. ________
Precisa-se de um bom feitor casado, sendo
porlognez prefere-se : do collegio da Conceicao a
Tamarineira.
PREgO.
Bilhetes.....74000
Meios......34500
Quartos.....14900
Para as pesseas que compraren) de i00^000
para cima.
Bilhetes.....64500
Meios.......34250
Quartos.....14700
____________ Manoel Martins Piuza .
gLUB~PERNAMBCAO-
A partida do corrente mez ter lugar na
noite do dia 20.
Aluga-se o quarto andar da casa da ra
do Imperador n. 54, com cemmodos para
familia : a tratar na ra do Rangel n. 54,
assim como vende-se urna bonita mulata
com habilidades de cozer e bem arranjar
urna senhora, e especialmente de engom-
mar, sendo que vende-se, porque a pes-
soa de quem ella retira-so para fra.
AOS PAS de familia
Feijo mulatiriho a 560 rs, a cuia.
Tela gi ande quantida.de e a prohibirlo que ha de fse poder
vende por este preco, o eijSo bom e o preco agrada a todos :
22, junto a loja de funileiro.
expT as ribeiras se
na ra dos Quarteis o.

MDANCA
ANTONIO JOREZ
Fundidor e torneiro em metaes.
que morava Da na da Imperatrz em casa do marcinciru poirier n. 55, pre
vine ao respeilavel publico e a todos os seas freguezes em particular, que
modoa sua officina para a ni i da matriz da Boa-Vista' n. 36, onde se acha
prompto para fazer o qae compele a sua arte de fundidor e machinista.
Eseola particular.
Clara Olympia de Luna Freir, pro^essora part.
colar de inslrucco primaria, competentemente au"
torisada pela uirectona oa instruccao publica"
abri sua aula na ruaDireitan. 60, segando andar'
a ra da Florentina n. 36, prepara-se co-
mida para fora por com modo preco.
O London & Brazillan Bank, saca pordoos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guiraaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
pras m ummmmm
|0 bacharel Jos Baplista Girauag
I advoga nos termos do Bonito e Caruar. g
S Pode ser procurado na villa do Bonito, H
3 ra Direita n. 16, defronte da cadeia. W,
mmmmmmmmmmwmm
A loga m se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara e outras commo
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Samiel Power JohnsUn i Gompanha
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de JLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava los.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios d.' carro para um'e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descaroQ.tr algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura ________
A reumao familiar do Club Commercial no
corrente mez, ter lugar na noite do dia 15. _
Precisa-sede um criado forro ou escravo :
a tratar na roa da Madre de Dos n. 36, primeiro
' audar, das 9 as 2 hars da tarde. ______
a luga-se
Joaquim Ferreirade Araujo Guimares, sub-
dito portuguez, vai a Europa.
COMPRAS.
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Fenvira A- Matheus, na ra da
umacasa acabada agora, com commodos para fa-'Cadeia do Recifen. C6
milia,estribara, cocheira, quartos para feitor e -------------------.---------'.------'.------------------------------
,escravos,com banho na porta.nolugar do Poco! Compra-se oUru e prata em obras velhas, p
daPanella.ruado Rio: a tratar com Tassoir- ga-sebem: na loja de bilhetes da Praga dalnde
I maos.na ra do Amorim n. 35. pendencian. 2-2.____________^_____.
Compra-se efectivamente ouro e prata em
jonras velhas, pagando-se bem: na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
| moco, robusto e sera vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da ra da Aurora.
O bacharel Alvaro Caminha T. da Silva
tem seu escripterio de advocacia a' ra
do Imperador n. 41, primeiro andar, on-
de pode ser procurado das 10 as 3 horas.
Em qualqner ontra occasiao sera' encon-
trado na casa de sua residencia a mesma
ra n. 3, junto ao Gabinete Portuguez.
Claudio Dubcux, como procurador de Anto-
nio Demetrio da Silva L-araoja, actualmente resi-
dente na provincia do Para, tem contratado a ven-
da da casa n. 67, m Fra de Portas, na ra do
Pilar desta cidade, propriedade do mesmo Antonio
Demetrio, a qual non ve por heranca de sua falleci-
da mi D. Josepha Thereza de Josas, vinva de Jos
da Silva Laranja. E constando que alguem pre-
tende eppor-se a legalidade desta venda, por isso o
annunciante convida quelles que se julgarem
com direito a dita casa, hajam de apresentar por
este Diario as suas razoes al o da 20 do corren-
te mez. nao se admettindo reclamacao alguma de-
pois deste praso.____________________
Ama
Precisa-se de ama ama forra ou escrava, dan-
do se preferencia a ultima, para comprar e cozi-
nhar : na ra do Queimado n. 40, loja.
Precisa-se de um cozinheiro ou cozinheira
na rna da Florentina n. 1.
Os abaixo assignados tendo arrematado as di
vidas da massa fallida de Joaqnim Vieira Coelho
& C, farem sciente. aos devedores da mesma mas-
sa, que elles sao os nicos aotonsados a receber
taes dividas, e por isso pedem aos mesmos senho-
res devedores a vlrem ou raandarem pagar seos
dbitos amigavelmente : na ra da Cadeia do Re-
cite n. 3.
Jos Joaquim da Costa Moura.
_____________Joaqnim Beplista de Araujo. __
Continua-se por alugar e por prego commo
do o segundo andar da ra dos Martyrios n. 4 e
segundo andar da ra de Aguas Verdes n. 48,
muito fresco e bastante commodo, assim como o
pavimento terreo cem 5 porlas proprio para qual-
quer estabelecimento, por ser de esquina e bas-
tante localisado, e mais outra loja que bota para a
ra de Hortas: quem pretender dirjase no ter-
ceiro andar do sobrado da ra do Imperador nu-
mero 44.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
________prar : na ra do Queimado n. 17.
Na praca da Independencia loja de ourives o.
33, compram-se obras de ouro e prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda e lodo e qualquer concerlo.
bacharel jg
Francisco Augusto da Costa 9
ADV6GAD0 &'
Ra do Imperador numero 69. 2i
mmmm mmm mmmmmmm
gg Gompanhia udelidade de seguros
>M martimos e terrestres
iy fistabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEIINAMBUCO
$g% Antooio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
sg? competentemente autorisados pela direc-
| toria da companhia de seguros Fidelida-
5JR ^de, tomam segaros de navios, mercado-
5 rias e predios no seu escriptorio ra da
SR Cruz n. 1.
mmmmmmmmm mm
Roga-se as pessoas que assignaram a Sema-
na illuslrada, e que por falta de rexulandade na
rcmessa da mesma, anda naoreceberam numero
al;um da dita Semana, o favor de apparecer na
ra do Crespo n. 4, onde se assigna.afim de saber
se querem anda a mesma assignaluca ou fazer
alguma modilicacao, isto antes da partida do va-
pur para o sul, afflancaudo d'hora avante a maior
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-1
prar o segredo de diversas prepararles empregadas com muitas vantagens, tem a hon-' ^
ra de participar o respeitavel publico em peral e aos seus numerosos clientes em par- WaKWjpjO|i9| li3S ticular, que se acha de novo prompto aoseu dispor para todos os misteres da sua pro-1?"*"^^" 7mm.mmms&im
rlsso, avertindo qu trouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes; caout-1 Canaoltor.o med.co-c.rurg.co na ru larga do
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeiCoadas para'hmnbagem, | Q Df Jo Ferreira da sflv;u;oeressando a sua
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeirade operapoes, etc., etc., aos mais acre- casa( centinua em 0 eercicio de sua proflsso nao
ditados fabricentes de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca s0 na pane medica como tambem na cirurgica.
no caso deservir do modo o mais satisfatorio possitel, espera continuar a merecer toda Aluga-se um sitio na ra do Cabral
a confianca. i da cidade de Olinda com casa terrea, com
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh at ao meio da com cer- eupar na f rentej bota os fUD(i0S pira a es-
teza e as 4 horas da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares. traa e margem j0 r0 Beberibe, com com-
----------------------------......... -------------------------------------------------------------modos para familia, estribara para cavallo
GRANDE ARMAZEM DA EXPOSIQAO DE L0WES>^K1rt,?X
7 com ptimos passeios, sala e gabinete na
DE frente, muito propria para passar a fesla e
tambem se alugar por anno: a fallar no Re-'
TH11UA7. TF.1\F.IRA RASTOS ;cife, noRecife, nalivrarians.eeSdapra-1
.lflUiM 1 JiIAJSJtlA DAOIUO |ff da IndepeDdencia e em 0Iinda na ^asa
R. 60~-Iua da Gadeia do Eecife-N. 60 acora ocapit3 AntonioBerna-rdo!
Compra-se cobre, bronze e ferro cnado ve
Iho: na fundlcjio da Aurora, em Santo Amaro.
Compram-se libras sterlinas : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar.________________
Compram-se armacoes j usadas de chapeos
de sol em qualquer estado : na ra dos Quarteis
n. 22, loja junto ao funileiro. ^________
Comprase na praca da Independencia tojas
ns. 6 e 8 o Liberal de marco e abril de 1863,
peridico desta cidade publicado na typographia
da ra das Flores n. 3._____________________
de correia e 24 qnar-
: na roa Direita n. 3.
Compram-se 12 bois
tos qae sirvam para roda
VENDAS.
ALMANAK-
Acaba de sahir dos pr-l
los de nossa typographia o,
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
Est para alugar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, om le 2* andar de um sobrado j.x o I Dita
na ra do Rosario da Boa-Vista,quasi no pateo da prOVinCia, COITOCtO 316 01 Fras
Coiil* Puna .. .. ,-: .... _- ,^,*-J^ A* Ia^" *. n_ .
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Joao >_ j_ ^__i__ j_
deBarros,comarvoredos,agnadebeber,eporto de UeZemDrO, 0 Vende Se &
para e becco do Pombal : quem pretender falle I-i u. _^^ i____. .*,.. __. n n
;naraadasCrazes, sobrado n. 9. das 9 horas da! 1$ na llVrana nS. D 60
Le.jademiudezas.
16Roa do Qneimada16
nrla Pa "
Ha ra Pa
Hara Pa.
Acaban) de ebegar pelo paquete inplc os mais
lindos e modernos enfeites de cabera a Mara Pa :
ninguem lem faienda de tanto costo, sendo seus
precos 2 2*606, 4, S*, 6#, 8* e 10*.
\ ollas c pnlsfiras.
Lindissimas vollas e | ulseirasde aljofares brancos
ames e coi do rosa a 600, If, 1*500,2, 3*, 4* e
j' cada 111 a.
Brincos a balo.
Bonitos brincos a bailo, prelos, brancos, ames
cor de lirio, a 640 rs. o par.
Ditos ditos de coral a I* dem.
Ditos ditos de cristal a io00 idim.
Siglos prcWs.
Riquiasimos sintos pretos de seda, gorcuro e
veludo a 3*, 4* e 5*.
Indias de jifdriuhas e de ac.
Bonitas Qvellas de pedrinbas a 1*200, 1*600
2*o 3*.
Ditas ditas de ac a 1*300, 2*. 3* e 4*.
Fitas de gorgurao para ditos 2*. .
Casearrilfaas
de seda, pretas e de cores, de differentes larguras
a 800, 1*280 e 1*600 a peca.
Pecas de ditas, de laa, prtas e de cores a 1*.
Pega de ditas de la escura a 1*&00.
Fitas.
Pecas de fitas prelas de velludo a 500, 646, 800,
3*300 e 4*.
Varas de ditas de sarja lisa a 320, 400, 300, 1*
e 1*280.
Varas de ditas de sarja lavradas a 800,1*280 e
1*600.
Varas de dilas de goreurao para sintos, 3 dedos
de largura a i;.
Bicos pretos.
Varas de bicos pretos de seda a 120, 200 300
400 e 300 r. '
Varas de bicos pretos de llnho a 80,100, 120
160e200rs. '
Linas de Juurin
muito frescas, sendo pretas, brancas, cor de cana
e de todas as cores para horneas e senhoras a___
2*500.
Dilas prelas seccas a 320.
Ditas de seda pretas para bomens e para senho-
ras a 1*, 1*500 e 2*.
Dilas de seda para senhora a 320 rs.
Gravatas pretas a 600 rs.
Albuns
Para 12 retratos a 1*280 e 1*600 rs.
Ditos para 20 ditos a 1*800 e 2*.
Ditos para 100 ditos a 59,15* e 20?.
Ditos de velludo para 50 ditos a 5*.
Ditos ditos para 100 ditos a 7*.
(Hijuelos varios.
Alllnetes de pedrinhas para peilo a 1*280 rs.
Mallas de viagem a 5$.
espensaveis de velludo a l.
DiUss de marrequim a 10$.
Caixas com 12 frascos de cheiro a 1*200 rs.
Dilas com 6 ditos de dito a 900 rs.
seos desndalo a>se 1*280 rs.
Todos os artigo; abaixo mencionados, foram comprados recentemente pelo dono do estabele-
cimento as principaes fabricas de Paris, Londres, Birmingham, Mancbester, e em diversas cidades
da Allemanha, e tendo comprado ludo as melliores condicoes por ser a dinheiro, por isso vende todo
e qualquer artigo barato, por menos do seu valor, e mui principalmente por querer Inteiramente liqui-
dar e ter de partir muito breve para a Europa.
Ha neste vasto armazem ricos objectos com brilhantes, como bot5es, anneis, rosetas etc., e
bem asimf diversas obras de ouro, como trancelins, correntoes, oculos, face-maios, aunis, e muito
outros artigos, relogios de ouro, inglezes, do afamado fabricante Bennette ; completo sortimento de fa- {manhaa at ae meio dia._______
zendas finas e modernas ; miudezas, perfumes, perfumaras finas dos principaes fabricantes inglezes e __Aluga-se o primeiro andar de algum sobrado
francezes, como L. T. PIVER, Lubio, L. Legrand, Ed. Plnaud k Meyer, Delettrez Parfumerie du na raa do Tmperador ou pateo do Collegio : quem 1 vessa do Remedio, na freg
mond lganl), Violet, Societ Hygieoique, Monpelas, Mailly, Regnier, P. Gueland, e inglezas de Eug. liver dirija.se a ra estrella do Rosario n. 28. InStTUCCOeS ftra O SCrVlCO 21 : quem pretender dirija-
Rimmel e outros ; ricas galantarias em maifim, mar de perola, etc., fabricadas na China e no Japao;
ricas pegas de cristal fino como anda nao appareceram nesta cidade, e bem a.-sim modernos lustres
para velas, ditos para gaz e para petrleo, serpentinas, castigaes, enfeites e adornos para cima de con- una na rna aa Aurora n. Jb._____________ gulamento de infantaria e accommodadas ao
solos e para grande toilletle, oque se tem feito de mais elegante em Paris, em Londres, Birmingham j A.ma. lexercito brasileiro; obra que muilO COnvm' ^S^2 JrOX^P1'
etc.; modernos apparelhos de metal fino inglez para cha e caf, os quaes nada tem de inferior a prata, Precisa se de urna ama para casa de poaca fami-j aquellas pessoas que se alistan nn< rnrnnci JS J%^'JvJX)
Sabonetes de bola a 320 rs.
Escovas de denles a 160, 240 e 320 rs.
Varas de fita de la preta e de todas as cores
para debrum a 100 rs.
Pegas com 20 varas de dita a 1*500 rs.
Anda est para ser vendido o sitio da tra-
vessa do Remedio, na freguezia dos Afogados n.
se asea proprietano-
- Aluga-se a casa terrea n. 105 da ra de San-! das guardas do exercito, extrabirias do re- Srua de s-Francisco so^^do n. 10, que se faz
ta Rita : na rua da Aurora n. 36. I -!,!, a 8w... --------aJE. Z todo "eg<>c'0-
da praca da Independencia.
e muitas outras pecas do mesmo metal, ricos pentes de tartaruga da ultima moda para trancas de se- lia"ra""tratr"n'''prca"do"Corpo SantX7, ter-1 m^S!aS!o7ySJ^i^S
nhoras, excelfentes luvas de pellica do afamado Jouvm, apparelhos de porcelana fina para cha e caf, cero andar. ; ue vuiuounos, veuue-be na nvraria
istam nos corposi
n. 6e'
Casa vazla.
Aluga-se urna pequea casa terrea a rua
do Nascente n. i4: a tratar na rua do Quei-
8 da praca da Indi pendencia, a l&.
Urna familia que se retira
vende urna, mobilia
Attenco,'
ditos para jamar, e immensos artigos de porcelana fina dourada, como ricos vasos para flores, figuras,
ele. ; calcado dos principaes fabricantes de Pars e ditos de panno c m sola de borracha, pianos dos
celebres fabricantes Pleyel, Wolff Si C, realejos modernos de Gavioli & C, para se tocar na rua, ditos
com figurasi para saldes e ditos con) figuras em movlmento ; modernos e bonitos instrumentos de physi-luu amxuw u. : a iraiar na rua mnerior vinhd do Porto Pm ,
ca (mgica) para theatros ou saloes, ditos de phantasmagona ; lanternas mgicas, cosmoramas com,_.,-_ j,,- v venae-sesuperior vinno do Fortoem caixas de
vistas novas, dia e noite ; stereocopios de nova invencao e cora bello sortimento de vistas das principa "Vy JZ' w'i- ______________________ urna dazia : em casa de Johnston Pater k C. rua
cidades da Europa ; grando sortimento de brinquedos Unos para criangas, e bonecas fallando ppai,; Precisase de um feitor que "seja portuguez | do Vigano n. 3.______________________________^
mamai ; grande sortimento de candieiros a gaz, os que se tem feito de mais elegante e que tem mere- e que tenha pratica, para o engenho Bonito, co
cido toda a aceitagao na Europa, grande e magyiQco sortimento de eaixinhas, cestinhas e outras galn-1 marca de N'azareth : a tratar com Ignacio Xavier
terias feitas de crina e seda proprios para presentes; grande sortimeolo de estampas linas coloridas
com o fundo preto e de outras de todos os santos, ditas com figuras e ditas com novas paysagens para
cosmoramas, finos e bem graduados vidros para cosmoramas, um bello chafariz de chrlstal, proprio
para meio de mesa de jantar ou para jardim ; cutelaria fina, come ta Hieres com cabo de metal fino, co-
Iheres, thesouras finas, ditas modernas para alfaiates, navalhas finas, caivetes e outros artigos, diver
sos artigos feitos de rame; completo sortimento de mascaras de velludo, setim, cera, papelo e ra-
me, doces, confeitos e chocoLte em eaixinhas e em vidros; camas de ferro dejtodos os tamanlios, lava-
torios, etc.; ricos quadros para carloes de visitas e ditos grandes e pequeos para retratos; chapeos
de sol, bengalas, chicotes e ditos para carros; machinas para fazer caf, ditas para bater ovos, proprias
para quem faz po-ne-l, bolinhos, etc.; bellos cortinados arrendados, verdes, encarnados e brancos ;
pannos para cobrir mesas, boleas grandes e pequeas para viagens, e outros artigos, como cobertores,
malas, etc.; sortimento de viol5es finos; figuras finas e jarros de r.labastro ; galantarias e outras pegas
de charao para toilletle ; machinas para varrer o chao, excedentes machinas para photographia para
tirar retratos, grandes e pequeas ; lindos baloes de papel.fino transparente e lanternas coloridas para
illuminagSes moda de Pars, salva-vida de borracha, para homens e senhoras, proprios para quem
toma banhos em lugares fundos; ameixas novas era eaixinhas, blscoito inglezes em latas, graixa in-
ou
0 GASTELLO DE GRASVILLE
Traduzido,do francez per A. J. C. da Crnz.
Vende-se este bello romance em quatr
?ec!sa"?edeu.nl/et,r9.ae.sea Pr,ga"e tomos pelo baratissimo preco de 20500
da Independencia, livraria ns.
Carneiro de Albuquerque no mesmo engenho,
com Leal & Irmo, na raa da Cadeia n. 56.
I de amarello j usada, trem'de cosinha, louga de
; almogo e jantar azul, urna mesa de jantar de ama-
' relio ps lorniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e muiles outros objectos o que todo
se vender em conta : na rua dos Pires n. 62.
Vende-se tres carrocas para boi, duas dilas
para cavallo, dous carros para conduegao de ge-
nerf s de estiva ou ootro qualquer miste", ludo em
bom estado, e por prtgo comniodb, por seu don-
querer acabar com esse negocio : a tratar na rua
do Sebo n.54, taberna
que saiba ler para o engenbo Matto Grosso, comar- i.
ca do Rio Formoso : a tratar com Jos Bento de'" "*
Gouveia, no mesmo engenho, oa com Leal & Ir-1" e -___
mao, na rua da Cadeia n. 56.
Tinturara
Na rua Direita n. 116 continua-se a Ungir para
qualquercor, e o mais barato possivel. ______
Ama
Precisa-se por aluguel de urna mulher de maior
gleza 97 ; cerveja em barricas das principaes marcas de Londres, qneijos etc., e muilos oulros artigos 11"a(l(!> 1ue dando pro vas de sua boa conducta e
que para enumralos seria um nunca acabar, e todos se vendem barato e muito barato no grande ar-1 comporlamenl0' es'eja no caso de tratar de meni-
mazem da Exposicao de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60. j no.s e fazer. srvigo interno de urna casa : quem
| estiver nestas circumstancias, dinja-se a rua de S.
Francisco, sobrado n. 10 : a fallar com o dono da
casa.
Vndese um grande espelho francez com
| ren moldura : quem quizer comprar, dirija-se a
rna da Cadeia n. 64, primeiro andar, escriptorio.
Em casa de Tissel Freres rua do Trapiche n.
9, tem para vender :
Vinho B rdeaux em barricas e em caixas.'
Dito de Santerne fino.
Dito d- Champagne muito superior.
Cerveja franceza marca Bobee.
n
CaltiDgas fiaos e brinqaedos
paa meninos.
Chegaram para a loja de miudezas da rua do
Queimado n. 69, os ma/s finos e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudez;s.
DINHEIRO FRANCEZ.
Vendem-se moedas de ouro e notas do Banco, e bem assim urna collecgo desde um centesimo
at mil francos: vende-se barato no Recife rua da Cadeia n. CO, no armazem da Exposigo de Londres.
---------
es
<
p
o
O
3 os
Oq
Na rua da Imperatriz n. 15, precisase da
urna ama para cozinba, preta forra de meia idade.
D. Mara Angela de Moraes Monteiro e D.
Brtes Sebastiana de Moraes protestara como acei-
tantes de urna letra sacada pelo Sr. Br. Americo
Alvos Guimaies quo nao aprsenlando a letra a
i que se referem, no dia do seu vencimentopara sea
real embolso, nao (carao obrgadas a pasar os ju-
ros da mencionada letra, e por isso manifestar ao
dito doutor eu ao seu procurador para ficarem
quites com es'a transacca?.
H
Q Aluga-se o segundo andar do sobrado' n. 62
Para completa liquidagao vende-se, por muito menos de sen valor, perfumaras muito finas e j dama da Guia, pintado de novo e cora commodos
novas chegadas recentemente e Paris e de Londres dos mais afamados fabricantes seguintes : Eug.' para grande familia : a tratar no primeiro andar
Rimmel, R. Matheus & C., Lubin, Sociedade Hygienica, Piver, Violet, L. Legrand, Deletrez, Pinand & com seu proprietarlo o bacharel Francisco Luiz
eguTarithide d partidos pnjprielarlos" naVemes- Meyer, Regnrer, Mailly, Gillet frere etc., etc.,"dos quaes ha grande sortimento d'agua de colonia em Correia de Andrade.
i a da mesma (oltia. y'dros e garrafas, agua da lavande, agua para limpar dentes, oleo babosa, extractos em gan afinhas e pe(je.se as autoridades noliciaes
; vidros de differentes modelos, pos para limpar dentes, banlia era potes e em vidros, pomadas, "'"""
No armazem da vuvr Paula Lopes, defronte do
embarque na escadinha, vendem-se ceblas as me-
lliores do mercado, em caixa e cento, o mais bo-
rato possivel.________________________________
VENDEM-SE
caixes vasios propri' s para babolei-
ros e fonileiros a 1,760 rs.; a tratar
nesta olficina,
Pharmacia.
Vende-se urna botica nesta cidade com algum
fundo e boa freguezia : quem a pretender dirija se
a rua do Imperador n. 38, que ser informado.
Francisco Jos Germano
RUA XOVA X. 91,
acaba de receber um lindo e'inagnifico sortimento
de oculos, lunetos o. binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
Vende-se e taberna do becco do Pocinho n.
9, com poucos fundos e armago. bem afregueza-
da : a iraiar na mesma.
Carta chorographiea
DO
THEATRO DA GUERRA.
- que fagam
Jos Monta Lines tendo vindo a 'esta cida- i ""'"" ."" "'i""i' V"V TTZ1JE1 *V.....p7 """"" """"" c"* i"Ji" c'" ".""-> i""", ricas pren(jer 0 rabra joao escravo de D. Antonia Fran-
caixinhas e balainhos com perfumaras para fazer presentes, e muitos outros artigos que se vende por
aeoniecnd) I j-----------r"". *!'T r".T "-"" "v~?**"." -"' "-- -a i-" -v-v ,.or; cs(a Cadaval Pinto, que desde o dia sabbado 8
' | menos de seu valor, bem como todos os arlieos em geral existentes no grande armazem da Exposigao | de abr, deste* corrente anno fugo, o qual tem os
| signaes seguintes : cabra escuro, cabello carapi-
; nho, tem em um dos peis urna eostura sobre o
: peito do p, e outra costura sobre a sobranselba do
: jado direito, muito pachola e tem officio de sa-
pateiro, e pescador ; levou urna camisa de meia
de com destino ao Rio de Janeiro,
que no vapor chegado honiem da Europa reeebesse i '?EwSiu, i rna'Tcdel do Reife B.fiK
noiicia de se achar gravemente doente sua senhora
v-se forgado a relirar-se boje no paquete inglez
Oneida e pede desculpa a seus amigos, de nao ter
podido despedir-se pela rapidez de sua partida, of-
fecendo-lhes em Portugal ou em qualquer parte em
que se ache, os seas servigos. Recife, 13 abril de
i 86o.
Alexandre Jos da Silva e sua senhora, hmdo
de se retirarem para a Europa, a tratarem d suas
saudes e nao podendo dispedirem-se das pessoas
de suas amisades, pedem disculpa as mesmas e ihes
offerecem seus diminutos prestimos na cidade de
Lisboa onde vai fixar sua residencia por algum
lempo e deixa por seas procuradores, em primeiro
lugar seu sogro Francisco Jos Regallo Braga, em
segando seu mano Casemiro Jos da Sil vj, em ter-
cefro Helio Lobo k C. e em quarto Manoel Rodri-
gues da Silva.
AMA
Precisase de ama ama forra oa captiva, sendo
de boa conducta e qae saiba fazer o diario de urna
casa de familia: no Campo Verde n. 54.
Semana I ilustrada.
Publicada no Rio de Janeiro e
asslgna-se na raa do Crespo
n. 4.
Annol8f5080, seneslre (000, trimestre
C0MO.
As sessoas que quizerem assignar principiando
no 2 trimestre, podara logo receber o 1 numero
de abril corrente.
Perdeu-se na noite de quintafeira, do con-
vento de S.Fraacisco .vi A Carm*. urna pulseira
de ouro em forma de tranca ou argas presas urna
sobre outras, tendo estas altamente iavradas e ro-
chando pelo entro de uina deilaa: quem achoa
quere.ndu entregar dirija-se a raa do Rangel sobra-
do b. 58 pensado.
Para senhoras.
. i/un ii v, w <-i Pi/-'i.uviui IVIUU (llllil ( UllIK'il UV Ul'lil
Ricos e modernos pentes de tartaruga para tranga de senhora o que se tem feito de mais ele- ordinaria pintada de encarnado, urna caiga de 15a
gante at O presante : vende-se por menos de seu valor para se liquidar, no grande armazem da Ex- Cor de vinho, e cbapo de palhk ordinario : o dito
posigo de Londres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
Luvas novas d Jouvin.
Vendem-se excellentes luvas de pellica recentemente chegadas de Paris, tanto para homem co-
mo para senhora por menos de seu valor, para se liquidar: no grande armazom da Exposigo de Lon-
dres, na rua da Cadeia do Recife n. 60.
Euzebio Raphael Rabello tem para
em seu escriplono, rua do Trapiche n. 44 :
Velas de cera.
Vinhe Collares em ancoretas.
Vinho de Lisboa puro em ancoretas.
Vende-se a casa terrea da rua dos Guarara-
pes em Fra de Porlas n. 67 : a
rua do Crespo n. 25 A.
Acha-se exposta a venda, as lojas abaixo men-
cionad is, a carta chorographiea do theatro da guer-
vender ra nos Estados do Sul da America Meridional, con-
tendo as plantas do Paysand, e do bloqucio e cer-
co de Montevideo. Ella tornase recommendavel
nao s pela lacuna- que veio preencher, como pelo
esmero do trabalho lyihographico.
Vndese pela mdica quantia de 23000 as livra-
a rias dos Srs. .N'ogueirj, rua do Crespo; e do Sr.
: Cardoso Ayres, na da Cadeia do Recife, assim como
--------. -------- as lojas da Exposigo de Londres e na lylboera-
propriedade da rua Ira-: p|lia do Sr CarloS) a mesma rua 52> na -a
tendo Si ) pal- do Sr. Cardozo de Almelda, rua da Crnz.
Mez Marinas.
da Liga.
AZEITEDOCE
\zeite doce refinado era pequeas latas a 560 rs. a garrafa : no grande armazem
Vende-se a cxcellente .
penal n. 164, fregoezia de S. jse,
mos de frente e mais de 1,200 de fundo, no centro
do qual ha nma grande casa terrea de podra e cal
p rrav0 i atrj7 a. Roa i ** C0H1 mui,os bons commo,S e alguns arvoredos de Ainda est venda na rua do Imperador n. 15,
t,,"/, Sr Boa-Vista, casa hmo pre(.isando metaat) do fundo de algum ater- defronte de S. Francisco, a rica edigao do mez Ma-
ro : o Sr. caiilali-ta que flier esta acquisigo tem riano, ornada com estampas e vinhetas, eencader-
alm de predio, terreno para edificar um grande nada, por 1J e 1^1500 cada livro.
numero de casas, j com frente para a referida
rua, ja era outras que passem por dentro da mes-
ma propriedade, que por ter embarque offerece a
mmensa vantagem de facilitar a cwducco dos
materiaes, que serio despejados em cima das
obras: quem a pretender dirija-sc ao mencionado
predio, ou a rua do ll.-um n. o7.
numero 28.
m
^| t:>ixeiro.
'j Precisa se de um menino de 14 a 16
^ annoscom bastante%ratica de taberna :
|| na rua do Rosario da Boa-Vista n. 43,
2gj paga-so bom ordenado.
Saceos de 80, 100 e 120 libras a 4-M<5500 e 54 ; no grande armazem da Liga.
mmmmmmm m mmmmmm
Descontam-se notas do banco do Brasil e das
caixas filiaes: na praca da Independencia n. 33
~" A"s familias.
Com toda seguranga e responsabilidade na rua
de Bartholomeu na travessa do Pocinho, sobrado
confronte a casa de detengo n. 69, se encarrega
de mandar lavar roupa de varrella eensaboado por
menos do qne em outra "qualquer parte.
SMS
Vende-se urna negra de 40 a 50 annos, boa
lavadera : trata-se na rua da Gloria, casa n. 51
Mnbilias e escravos.
Urna familia que se retira para a Europa vende
I negro pega e 1 negra de 24 aunos que cozinha
e lava com perfeigao,2 mobilias de mogno, 1 guar.-
da-vestidos, cama franceza, 1 dita de ferro com
eolebao de molas, 1 aparador, mesa de jantar, 1
| mocador, lavatorios, carteira, quadros o muitos
Cmara municipal do Recife.
Precisa-se alugar orna escrava que se-! ~ Saca-se sobre Lisboa, Porto,
Precisa-se alugar urna escrava ou raoleque outros trastes, 1 grande vi veiro de passaros, vasos
de 14 a 16 annos, que seja fiel para servigo de com craveiros, etc., todos os dias atis das 10 bo-
ma : a tratar no largo do chafariz da rua do | ras da manhaa as 4 da tarde, na rua do Sebo nu-
Brnm n. 47. mero 35,
liba de ------------
Vende-se urna machina de copiar cartas, 1 moi-
nho de moer caf, 1 balanga inglea. latas de gaz,
vasias, herva malte a 160 rs. a libra, velas de es-
permecete a 600 e 640, carnauba 440 e 480, pas-
sas a 400 rs., vinho de Lisboa a 320, 400 e 460,
Figuena 500 e 560, branco 500 e 560, Porto 640
e 720, toucinho de Lisboa a 320 e 400 rs., btalas
a 2^700 o gigo, e 100 s. a libra, arroz superior a
100 rs., caf sorle a 260 e 280, azeite doce a 560
; e 640, cha 2*560, dito prelo 1*500, sabio massa
superior a 200 e 240, ceblas a 15 o cento, fari-
nha do Maranbo, alpisia, manleiga, Lana de por-
co, e outros muitos gneros quer em porgoes como
a retalho mais barato do que em ou|ra inalqoer
parte, com o draheiro a vista : na rua Direita n.
12, armazem atlencioso.
Quem estiver habilitado a fazer ser removido to- ja sadia e de bons costumes, para o sefvico s- M'8U e Rio de Janeiro: no escriptorio:
i/i infnllin Ha Ivm o fnninnilii>i>c nna avela nn ;..(.. *. .In Ann J f*^.Stf. -_____ i r. t\a forwalHrt A- Mnfflipira rnl nn -\ Illilln mi-
do O entulho de lixu e jmmnndices que existe no
caes do Ramos ao norte dos teiheiros que all exis-
te, com brevidade, entenda-se com o fiscal da fre-
guezia de Santo Antonio desta cidade para tratar
do ajufte.
AMA
Precisase de ama mulher Idosa para comprar e
cozinhar para eaa de pouca familia : na rua da
Praia o. i ^
inte no de casa de familia
so6rado n. 21.
i o sol de Carvalbo Nogueira, rua do Apollo nu-
i mero 20.
LUVAS DE PELLICA.
A loja da Aurora na rua larga do Rosario n. 88,
recebeu luvas de pellica muito frescas, pretas,
Marcineiro.
Vende-se um pardo mogo, bom offlcial de marc- brancas e de Torea, taniopara "homemfeomo" pan
iro, e sadio ; para tratar na rua da Cruz nume-, senhura, das mais novas e melhor qualidade que
Precisa-se de am calxeiro de 12 a 14 annos
para taberna, dando fi.dor a sua conducta : a tra-
tar no becco do Campello n. 4.
neiro
ro33.
Arrendase am grande sitio com boas casas ____
de vivenda, muito terreno de plantas, perto de cin-' ~ Vende-se um moleque de 16 annos : a tratar
co mil arvores de frncto, muitas deslas raras, na roa do Imperador n. 29. ^^^^^^^^
muila lenha, agua, capim, lambom se pode fazer T?o/\lTrt
parceria com quero tiver escravos de servigo de I 1 al el 10
campo, duas milhas disuntes do Recife : a quem em saceos grandes com dous tamanhos de outros
Aluga-se una casa terrea nos arrorobados
em Olinda, rom 2 sala, 4 quartos e urna grande
cosinha com portao pan o rio : a tratar oa arma- convier, informe-s na praca da Independencia ns. j quaesqer a486 -"na rua
zem do Annes defronle da aifandega. 6 e 8, 150, taberna da esquina.
tem chegado, muito proprias para os actos da se-
mana santa.
ENFEITES DE BOM GOSTO.
Tambem recebeu enfeites do diRerenles qaalida-
des e gostos, muilo bonitos para caneca, os quaes
se vendem baratos : quero quixer usar do hom
gosto e do modernismo, mande comprar na loja da
larga do Rosario n- Aurora da roa larga do Rosario n. 38, pois Ja en-
, contrario lado quanto diz cima.
y
(
'



Mari* 4 per.uuMfcme4> M|u4i felra t f de A toril de I*.
/
o
GERENTE
Ha para vender
Pinito, piuho, Mais pinbo, ttilepi-ho,
pinho, rna da Praia, hoje, ra Nova
de Sania Rita a. 47.
789JO e 11 pollegedas de largura
De 10 a 35 palmos de^omprido, cousa
muito boa e barata, e cora todas as gros-
suras : cheguem ra Nova de Santa Rita
n. 17, serrara de Jos F. Coelho.
^
Attencao.
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
m A ID'iTJiA 3)1 3B DI'JMU
AO
RESPEITAXEI PIJBI.ICO.
Loureiro Santos & C, acabam de receber da Eu-
ropa pelo vapor, om lindo sortimento de enfeites
pretos, proprios para a quacesma, enfeiles anda
nao vistos em Pernambnco, pelo prero de 55, 69,
105, 12fl e 209, bem como grosdenapfes preto, mo-
reantiq, capas de grosdenaple*, e sontbambarqnes
de raesmo ; tudo por preeos mdicos : rna do
Crespo n. 14, jonto a leja de louc,a.
D'IODURETO DUPLO
O
o
o
O
1

PJLIU..U CAlkMKTICAS E .1)R.
Estas pilas vegefaes sao a-
daptadas a todos os osos de un
purgante as familias, pois sao
!perfeitamente innocentes, e ere
quanto militares de pessoas con-
fessam cora gralidio que foram
curadas por ellas de molestias
severas c perigosas; nao ha
um s aso em que baja suspei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqu algn* dos
attestados que temos de curas
octavis feitas ltimamente.
Um raso notavel de
DE
A apreciaco dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zem da Liga estabelccido ra Nova n. 60 um magnifico sortimento de molhados,
que sendo, em sua mxima parte mandados vir directamente do estrangiro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis.
Sem a fatuidade de querer que este novo e interessante estabelecimento seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm .iffiancar, com toda a seguranca de que
nenhum outro o exceder no restricto cumplimento das seguintes promessas:
1. Delicadeza no trato.
2. Fidelidade no peso.
3/ Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posicao social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melhores queijos londrinos, cerveja, vinhos Gnissimos manteiga e cha sempre de
primeira qualidade. etc., etc.
' Qualquer que seja a condico do freguez, elle deve contar que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte farao mensalmente urna economa de
rauitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se Ibes vender o arroz, o caf, a man-
teiga o assucir, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas parles nao po-
dem ou nao querem vender.
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que comprara para ne-
gociar, devem vir, pelo seu proprio interesse, a esle estabelecimento para se convence-
rem do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento espe-
cial, escolhido por pessoa entendida que cortamente muito de.e agradar aos senhores
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DIMHEIRO A VISTA!
*
MANTEIGA ingleza efranceza de 600 e
800 rs.
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE a 630 rs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 rs. o frasco.
ALPISTE E PAING a lO rs, a lib a.
AMEND3AS novas a 28o rs. a libra.
AVEL.ES a 240 rs. a libra. -
ARROZ de 80 rs, a libra a,..
AME1XA francezas em latas, potes, fras-
cos, bcetas, etc etc.
AZEITE doce a 600. a garrafa, cadada a (MARRASQUINO de Zara.
B
BANHA de porco a 660 rs a libra, em por-
eao faz-se abate.
BOLACHINHS do beato Antonio a
BOLACHINHASde soda lata grande a 2,000
ris.
BISCOITOS ing'ezesera latas de 1,200 rs. a
BOLACHINHS principe Alberto a 2,000 rs.
1
GHORICAS ra CAF de 260 rs. a fibra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25.000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
american s, bahiannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA IIYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os tama-
nhos a
D
DOCES de todas as qualidades.
ERVILHAS seccas e em latas portuquezas e
francezas.
F
FARINHA de ararula verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas cm lata a 600 rs.

GOMMA muito nova e alva a 120 rs. a libra.
GRAO DE BICO a 120 rs. a libra.
GENERIU de laranja a 9 e 10,500rs.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos precos.
P
PEIXE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
PRESUNTO para fiambre.
QUEIJO do reino de 2,000 a
DEM londrino.
DEM suisso a 400 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.
SARAO MASSA a ICO rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se
far grande anal ment.
de FERRO e QUININA
DE
aiLV
AZEVEDO FLORES
Roa da Odeia do Kecitt1, esquina da Mre de Dos.
Prestem attencao ao discurso do Balao.
Moreantique superior a 20500 o covado.
Grosdenaple de 1600, 1*800, 2* e 3.
Bales de 20, 25 e 30 arcos a 3* e :-50O.
dem para meninas de arcos e de morselina. .
Chales pretos de fil do ultimo gosto.
La preta para luto e de todas as mais cores.
dem cora assento preto e cor de caf, flores matizadas, fazenda inteirameote
Os elementos que compoem esta preparacao,* .. .
(erro, o ioie e 1 quina, a colloco no primeiro "OVa d Vista se lara O, preto.
'-- Vestidos a Mana Pa. os mais novos a 18f>000.
grao da? ppeparacoes ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmrao saa poderosa efficacidade as
seguintes affeccocs:
Mlngoa no aogur
Fraques.
Anemia.
Chlaraae ou Ictericia.
Menstruo.
Affcecoea o tero.
SnapreMOea daa re-
ra e leaardaa na
nieaatraaeao.
Affeecao ulaaonar e
phlhUIr
Moleatlaa dVataaaaft-a
Gastralgias.
Perda d'apaetlte, etc.
COavaleaccnea de ton-
ca* mi.limhn
Moleatlaa eoeratalo-
VINHO tinto de 360 a. garrafa.
VINHO tinto em caada de 2,5C0
VINHO braneo em caada de 3,500 a
VINHO verde a 4^ rs. a caada.
VINHO Bordeux em caixa a 6.C00, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de divesas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE braneo a 400 rs. a garrafa.
CENEBRA do Hollanda em botijas, frascos, VELLAS de carnauba a 13 e 13,500rs. a
garrafas, etc.. etc.
arroba.
No arniazein de fazendas ba-
ratas de Santos & Oolho
Roa do Qoeimado o. 19.
%eade-sc o seguate:
Lences de panno de linho
pelo baratiasimopreso de 2i00. .
Lences de bramante de linho
de ums panno a 35300.
Coberta de chita da India
pelo baratissimo prego de 2J500.
Lencos decambraia brancos
proprios para algibeira, a l> a duzia.
Pecas de bretanha de rolo cora 10 varas
propria para sata, a 3^800.
Pec,as de cambraia
para forro com 8 1|3 varas a 256C0. BK275
uardanapos
de linho finos dntia 35500. 1&)
Algodo entestado
com 7 1|2 p*lmo8da largara vara 15200.
Cortes de la
com 1S covados a 65.
Cambraia adamascada
com 20 varas propria para cortinado pe^a 11$.
Pil |dc linho
liso 8no vara 800 rs. .
Atoalhado adamascado de algoaao
com 8 palmos de largara vara 25200.
Atoalhado adamascado de linho
com 8 palmos de largara vara 35200.
Laazinnas carmezim miudlnhas
prspria para vestido de menina, covado 600 rs.
Uailahas
de cores Anas covado 560 rs.
Fazendas para a quaresma.
Grosdenaple, mcreantlqae e ricas capa de gros-
denaple bordadas.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de
largara, por menos pre?o do que em ouira quei.
qaer parte.
Neste armazem de fazendas se encontrara .um
grande sortimento de]roopa feita e por medida
FARELO
de Lisboa.
Vendem-so saceos coro 90 libra* de farelo, pelo
barato prego de 4500 : na roa da Madre de Dos
numero 9.
OJk
da flavana.
Na ra da Cruz n. 4, vende-se charutos de
vana de diversas qualidades..
Ha-
20"?=P?n M. en
ll|8.^|'.i.g.|s.
|g-gg.8s|i|-ss.:*
.
= el? "s-?8.-
-i a E
a f a
u
O- Q j (J'
* r*i ft 63
CJ
3
J.
O .t>
o a-
^ o s u
a 3 3*8
Seo..? a a
D.S.B
a
.%
-re
o
CJ

o.
B
w
3

S
ro
ea
a
3

3
aSff
n. w ? *S
Rg S o
o
'-5
CJ
ca. o o 2 o
CJ
O
t -j
o S?.
I
a> -i
a _
a 53
| i
la
o
>
>
n
o
se
>
MARA PA
Mara Pa
Hara Pia
Acaba de chegar pelo ultimo vapor inglez um
esplendido sortimento de enfeites de cabeca a Ma-
ra Piaj os quaes pela sna elegancia e bom gosto
de rada qnal o mais bonito nada deixam a drsejar
sendo pretos, rflxos, cor de honina e azulzinho
seas preres a 25500, 35, 45, 65, 85 e 105 : na
loja do novo rival roa do Queimad^ n. 16.
Paaclra.
Obatrueeaa da ulao-
dalaa.
Humare frloa
Huiuorea brue...
Raeklllania.
! Affecceca ranrrrsaai
ayahlllllcaa.
Feni trahaldea.
i Varile, ew., ele.
Vejat se os bulletins de- therapeutica medie*
e eirurgiea de 30 de novembre 1 &60; a Caseta |
dos hospitaes de 28 dejulho 1860, ele., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de i
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselho '
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
terro e de quinina da mesmo aulhor para as
pessoas que no goslao de medicamentos sob for-
ma pilotar e os meninos. Esle xarope nao lera
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folhelo que se di de graea em casa
io pharmaceuticos depositarios.
Para-se evitarem falsificaces, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a u-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Reblon,
442, ru du Bac, e em todas as boas pharmaeiM ;
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
|Tt>e BISMUTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos au bismutk de Ghevrier bem
superiores a todas as outras preparacocs de
bistnuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir a
curar as
Rlarrheaa ehronleaa. Ma Draaentcrlaa. Gaatrltea.
Ddrca d'ealomage. Gallralaiaa, ele.
Dyape palaa.
Os primeiros symplomas d'essas formidaveis
affecedes se manifestao ordinariamente por diges-
ta laboriosas, azidumes, falta d'appelite, pesos I
d'estmago depois de cada comida, caimbras es- [
tomacaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosos i
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidSo, traz ine-
vitavclmente, que seja:
Mole.-ttle. de Baada. Oppreaaea.
A lc(rri.-in. Dore de labcca.
Palpliurao de eoraeo Irrllacea de nexlga e
Dore no rima. da ninlrla, etc.
Os granulos Ghevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes j
estrangeiros.
Chitas largas de 300 rs. o covado a 500.
Lene/8 brancos a 2#00, idem de esguiao ja embanhados.
Madapoloes francezes proprios para saias e camisas de senhoras a S60 rs. a vara.
dem muito finos de 140 a 16$ a pega.
Cambraias brancas muito finas a 50 a peca.
Chales oscuros proprios para as senhoras trazei em por casa .
Meias cruas inglezas a H a duzia.
ROHM FEITA.
Paletos de alpaka brancos muito fiuos a 40500 e 50.
dem de casemira de cores.de 100, 110 e 120.
Calcas de casemira pretas e de cores de 70, 80,100 e 120.
dem de brim braneo de 40, 40500 e 50.
Colletes de casemira pretos e de cores de 40, 50 e f 0.
dem brancos de brim e frutas de 20, 20500 o 30.
Camisas verdadeiras inglezas, vista far o preco,
dem peitos de linho, e de algodao de 20 a 50.
Seroulas de linho com duas costuras.
dem de esguiao de algodo a 10600.
Colleiriobos de linho inglezes.
dem de papel de cores.
Camisas de flanell i de cores de 33 a 60.
Ha muitas outras fazendas que se vendera por precos muito baratos,
amostras com penhores e tambera se mandam levar s casas. Ka loja do
Affeecao chronira do lgado.
Illm. Sr.
Juiz de Fura, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feilo uso das pilulas catharliea?
de Ayer, que me fez favor de dar um >i-
dro, tendo tirado um resultado n3o espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
ferraidades do ligado e baco, com o us(.
das pilulas posso lhe assegurar que estou
bom, pois ten Jo desapparecido umgraod
engorgitamento que soflia, muitas dores
sobre a regiao do ligado e costas, dores de
cabeca, inchaco do ventre, nao podend(.
deitar-me senao do lado dircito, isso f'f-
mo procurando posicSo para ter socego, bo-
je rae acbo livre d'esse padecimento ; como
por aqui ainda as nao baja, eu como team
este proprio que de casa, lhe rogo m"\-
dar-me algtins vidros, e o costo elle lhe sa-
tisfar, assira bem como do charopt dr
cereja, que tive decasiao de experimentar:
em um ataque de guellas que teve ma
preta que cora ello curei, faco uso d'elfc
Das tosses cm minha familia sempre ero
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque termo
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, ia di ,mt e g e
resultado; sou btdoorojeandeoda
De V. S. attcnsgPs.ar
Francisco FERRKArEHAil
dao-se
A
%r.
FIGADOde bacalha
P eo processo de Cherrier, pbarniaceutice em
Pars, rtia do Faulieurq. Mentraarte 21.
Este oleo de um cheiro arjradavcl, e de
um sabor assucarado o nico que nao tem
nem o rjosto, nem o cheiro do veixe. Ob-
jecto de numerosos relatorios scientificos e
mdicos, este mdicamente que goza era
Franca de um successo to* raro como bem
merecido, receitado diariamente pelos
principaes mdicos dos hospitaes de Pars.
O OLEO DE FIGADO DE HACALIIO DESINFECTA-
DO ferruginoso emprcga-se com os maiores
successos as molestias em que se emprega
o oleo quando sao acmpanbadas de debili-
dade e atonta.
Deposito geral em Pernambuc* roa da
Cruz n.22 em casa de Caros Barboza
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ba de melhor gosto em
Pernambuco.
dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem de gorgurao de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 20400, 20600, 30, 30500, 40, 50, 60,
70 e 80 o covado.
Superirgo*guro de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhola.
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 10500, 10800, 20,20500, 3,
30500, 4-3, 40500 e 50.
Pannos pretos de sopernr qualidade de 30 a 12o o covado.
Casemira preta de 10600 a 5^ o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retondes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na lija das Columuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Yasconcellos & C. soccessores
de Jos Morei a Lopes.
JUINAS DEPAUNT
de trabalhar mijb \
Minimalismo r ataques bemorrhoidacs.
Illm. Sr.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso ceptijjciuMhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr/Ayer sao excellentes, poi"
que solrendo cu dores pelo coipo, e qu(
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia sofTrido ha annosl e soffrendi
tambem de ataques hemorrhoidaes, e do
um ouvido, pois que at j pouco Ou\ia, e
acompanhado de urna dr no queixo, co-
sultei a um dos nonos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa : porm
lendo eu o almanack do mesmo doutoi,
, comprei em sua casa um vidrinlio das mes-
'*o2 jmas pilulas e por minha conta principie! n
I toma-las, e sem as finalisar acho-rnc sem as
! dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portanto sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado ;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
O bi igadeiro
Joo Rodrigues Feu de Carvalho.
Gastrite.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864
Atteslo que tendo feito us, aconselhade
por um amigo, das pilulas do Dr. Ajei,
liquei perfeifamente bom de urna gastritf
que soll'ria e que pi ivava-me de andar aper-
tado, hoje felizmente nada sinlo.
Augusto Gollatino de Mello.
Colares Royer
ou colares anodinos elctricos coulra as con\ulses
das cuantas.
O bom e proveitoso resultado qne as criangas
oblem na dentico. trazendo des?es colares, j
bem conhecido, e por isso se ternam hoje indis-
pensaveis porqne assim teem os pais incontesta-
velmente prevenido o mal: esses colares vendem-
se tambem narua do Queimado. loja (fagina bran-
ca n. 8. *
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
CoBtinua se a vender em porcao e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Bonitas trancas, franjas
e galSes pretos para ussidos,
A aguia branca recebeu novamente um bello
Iros muitos pnffites'de differenles cores, conti-
nuando a apuia branca na rna do Queimado d. 8
a vender tudo Isso por precos commodos.
Bonitas caixinhas
com msica e sem. ella para costura, e outras
palmen le lindas eom perfumaras linas.
kA agnia branca na roa do Queimado n. 8 acaba
de receber um bom sortimento de caixinhas para
costura, e ontras com perfumara- fina?, e conti-
na a vende-las baratamente. *
trabalbar n j
escarolar ag FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
0IBAI1
Estas machinai
podem descarojar
quakjuer especit
de algodao seu
estragar o fie.
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pdt
descarocar nm;
arroba de algo-
do em earoni
em iu minutos,
ou 18 arroba.'
por da ou 5 ar-
robas de algodc
limpo.
Assim como machinas para seren movidas por
animaes, que descaroQam 18 arrobas dealgodt
limjio, por dia; o motores para mover urna, duas,
eutrjs dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimova
por que pode fazer mover seis deslas machinas
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma
zem de algodSoTuo largo da ponte nova n.47.
Saafiders Brothers &C.
M. II, pr^a do Corpo santo
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz.
Bi\as ha m luir iu: as.
Vende-se na rna Nova n. 61._______________
Attertcv.
Vendem-se pegas de.esteiras para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 2o li-
bras, para pintar casa, reloglos para cima de me-
sa e para pendurar, arreos para i e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estados Unidos: no armazem da rna do
Trapiche n. 8. {
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contnbue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a ferga, a belleza e a conservaco dos cabel-
los.
Em Paris casa de Gnilaur n. 11? ra de Rechi-
lieu e l boul#vard Montmarlre.
Todos os frascos nao tendo intacto e claro, e Un-
cir prateado da casa. reputado fal^o.
Deposilo roa do Imperador pharu,.n ia r. "c.
Soda caustica.
N. O. Dieher A C successores, vendem soda
caustica em barris de ferro : rna da Cruz n. i.
Vende-se urna muala cozinhelra e lavadei
ra: na rna Nova de Santa Rila, casa o. 8.
Presos que admira.
Sapatos de tranca superiores pelo barate preco
de 1 o par, e andiz 10 : no vigilante, rna do
Crespn. 7.
Bico adamascado de todas as larguras, a pe
com 10 varas, cada peca a 400, 480, 300 e 61
rs. : no vigilante, ruado Crespn. 7,
Clcheles em cartao de urna e duas carreiras
perfeitas, pelo barato preco de 40 e 60 rs. cada
cartao, e duzia a 400 e 500 rs.
Peotes para atar cabello, aduza a 1 200,1J600.
SfcS&tjeo-.
Balaios propriamente para costura e para (me-
tas, e para menina trazer no braco a 15o(i().l#600,
10806, H e 2,5500.
Perfumara, macar perola a 25, 25200, 35 e
45 a duzia. oleo de mozinha a 55 e 65 a dnzia,
banha a 35, 45 e 55 a dnzia. Esles objectos se
vendem por admiraveis precos em consequencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza. poisaffanca-se 3 pouca avaria e a boaqna
id3de: s no galo vigilante, ra do Crespo n. 7.
dhocTiuX
31Rua'larga dolliisario34
Bartholomea Francisco deSonza C.
Vendem:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnic,5esave!ludadas.
Tinta brancasuperior em lata.
A!vaiade\r?neza, tino.em paes.
AGUA
DE
Flo rirflfl
para rel.belecer e conservar a cor natoYal doi ca-
bellos.
A asna de Florida nao ama tintnra, facto es-
sencial a contestar, a mesraa agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
orindade de resttar aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salnbridade fncontestavel, a agna d*
Florida entreten! a limpeza da cabeca, deslroe as
caspas e erarede os cabello de cabir.
Falla de apetite. ^ g
Ouro-Preto, 2i de fevereiro de 18G4.*
Sendo eu afiectado do figado ha nroilof
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
boje dou grabas a Deus por acbar-me so
e perfeilo com o uso das- pilulas calbarlicar
do Dr. Ayer.
Antonio Rento VminA.
Constiparse, d0rps de tabfa.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1804.
Atteslo que acbando-me atacado de urna
forte constipacfio que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri borrivel-
mente por espaco de quatro dias; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse p
lulas catbarticas do Dr. Ayer: com ellas ti-
quei sao e completamente restabelecido em
tres dias, de sorte que estou no firme pro-
posito de aconselhar o uso das ditas pilttl??
a todas as pessoas que forcm affectad.ns de
constipaeoes.
Agostixho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. ________
lrrilacao do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de i864.
Atiesto e juro, se necessario fr, que. sol-
frendo ha muilo lempo excessiva rritfas
de estomago, pouco upelite e difficil dies-
15o, d'ella tenho experimentado sensivei?
melhoras depois que tenho feilo uso las pi-
lulas cathartieas do Dr Ayer.
Antonio IIrriogicnes Pkreira Rosa!
Lombrigas.
Ouro-Preto, 28 demarco de i8t>4.
As pilulas do Dr. Ayer (cathartieas), to-
ram empregadas com grande vantagem per
mim em urna menina de dez annos. qu<
soffria de vermes intestinaes, botando-se
que os symplomas que ento apresertava
ram de molestia bastante perigosa.
RAYMUNno Nonato de S. Thiago, pl.;m&--
ceutico.
Nevralgia.
Urna carta do Illm, Sr. Francisco A iva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria coi es
no hombro e as costas, tomei urna inflni-
dade de remedios sem achar alivio aguw.
Dr, anguslia, tormento sao palavras fot-
tes, porm nao exprimera o que tenbo sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas r>-
tharlicas do Dr. Ayer. S faz oilo dias, e w-
tou completamente restabelecido ; h.i tres
dias que nao smto a mais leve dr no hom-
bro nein as costas.
Estas pilulas acbam-se ynda nat pru.-
cipaes boticas e drogaras do imperio, e no
Rio de Janeiro, la Diroila n. 15.
Vende-se em Pernambnco:
a pbaraataela franeeza de
P.MAURER i C.
RA NOVA N. te*.
- *.



Maride *erafcaftaktf'Wl arfa felr It^&AVHt+?**%
AURORA BRJANTE
1*1: ,*.
GRANDES AIUIiZE\S
IIE
MOLHADOSi
| mmMwm
m Largo da SantaU
Cruz n. 84, es-
^1 lina da ra do<
.&S;)0.
Largo da Santa'
jCruz n. 84v es-$(|
,uina da ra do
tobo.
VI MI OS
ESPECIAES
i lilil S'im.
O novo proprieano do ja raaito acreditado armazera de manados denominado Au-
rora Brilhante. continua a ter o raesrao sortimento de gneros de priraeira qualidadc.
A segninle tabella sirvira' a todos de base para ajuste de coala-; aos portadores.
Neniiura armazem vender' mais barato e melhores do que a Aurora Brilhante, ja'
poi graade sortimento que tem, ja' raesmo porque seu dono so deseja tirar diminuto lu-
cro quaoto chd'U para accuraular as despazas do estabelecimento por isso deixe se a-
proveitar, o prspnetario ha de fazer toda a diligencia, afim de servir bem os sens cons-
tantes freguezes.
DR.
L*ta< oom 8 libras dechouricas uiuito novas,
J a 70OJO.
, Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
maisdei ualidades, a 15000, 15280 e
IJiOO.
O,tas cora ostras, excellente peiisco para fri-
> giieira, a 720 rs.
[Oitas co.n ervilhasnovas, ensopadas, a720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
, Ditas cora aineixas a 15200, 1S800 e 35300.
Ditas com lurmelal.i do afamado fabricante
Abreu. a 720 rs.
kOitascom massade tomate, a 500 rs.
)tas.:ora Uiros de comadre, novos, a I5j00,
25 e 23->!0.
kOitascom bolaehinha de soda rauito novas, a
25)00.
O tas cota biscbUinboa inglezes de muitasqua-
li i i ios, a l-3'iOO.
Cuacolate.
Catalanas com ameixas enfeitadas proprias
para mimo a 15200, S>80i) e 3J200.
rilhjnolate superior rauito novo, a libra de
880 a 15000.
, tf-icarro, u lliariara e aluna amarella, a libra
I a 400 rs.
l>ito lito dita branca, a libra a 400 rs.
< ai xas com rtstrelinha, pevide, eoutras mas-
sas, a cana 35';>J.
)itas Jila rtra libras a 640 rs. .
ii.', libra a 350 rs.
> tv i iu'ia para s;ja a libra, a 240 r.
Milti is < >ccas, a libra a 160 rs.
>itas IjscascaJa, a libra a 200 rs.
' i.i. o :a :n uto nova, a libra a 280 rs.
''rintU de arar.Ua verdadeira, a libra a
599 rs.
v "ro d i ti iranh i, era rateo, a arroba a
iJW) a a libra a 80 rs.
lito da India Java, a aneaba a 35200 e a li-
bra a 100 rs.
Vinfco verde superior.
A caada a 35000 e a garrafa a 400 rs.
domina.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeiradese,
eneommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabo raassa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Panana.
Saccas grandes cora farinha de Goianna mili-
to nova, a 55000.
:*a
Cafdo Rio rauito superior, a arroba a 85,:
85500 e 95000.
Cha.
Ch,temos oestes eneros o melhor posslvel,
hyson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito mira a 25700.
Dito hyson muilo Uno a 2*300.
Dito redondo a 25500. ,.
Dito preto de priraeira qualidade a ibw.
Dito mais baixo a 25000 e 15600.
Erra mate.
Excelente cha medicinal, a libra a 240 rs.
Espnnnacete.
O masso cora 6 vellas de espermacete a 600,
40 e 720 rs. <
PSS3S
Gaitas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para miraos a 45 e 25500.
Non.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
tljrista e painee.
Alpistae pateco, a arroba 45008 e a libra a^
Cartas.
Cartas finas par instar, a dtuia a *55 H).
Caslaahas.
TORIO MEDICO-CIMJHGICO
DO
UtO DE ATIAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO. PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lab Moscoso S consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 1
aeras da m.TnbJa, e das 6 e mia s 8 horas da no i te, exeepcao dos dias santificado;
Pharmacia especial homeopathica
Ne mesmo ceotdltorio ha seaiava mais appropriadu sortimeoto de carteiras
tubosavnlsos, assim como tinturas de varias djranamisac&es e pelos -preces seguintes
Carteiras de" 12 tubos grandes. 12)5000
de 24 tubosgrandes. IWOOO
de36tubosgrandes. 24100
de 48 tubos?randes. 305000
> de 60 tubos grandes. 3S00
Prepira-sc qualquer carteira conforme o ped*) qae se fizer,
iu1 se oedir,
B^Umtubo avulsfl ou frasco de tintura le meia onca i^000. -
Sendo para cima de 12, costarn >s precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
NEM COROAS NEM MITRAS

0 VERDADEIUO
GRANDE ARMAZEM
e com os remed
HU DOllPElABORKo 43
- JuU ao sebraa em qie mora Sr. Ifcbarie,
Duarte Alnieida <& C, reccberam de ana proprla cncoBmicai-
da o mal lindo e variado sortimento de molhados, iitc| rioa
da presente estacao.
Ma^as brancas
LITROS.

A melhor obra da homeopalhia-, o Manual de Medicina Hoineopathico do Dr. Jahr
dons jrandesroluraesosm 4icciario............ 20)5000
Medicra domesticado Dr. Hriog, ,......... 105000
Repertorio le Dr. Mella Moraes, .......... 60000
Diccionario de termos de medicina ...,...,,.. 35000
Os remedios deste tabelecimento sao por demais conheeidos e dispensara portan-
to de serem aovamenterecommendados aspessaas que qoizerem usar de remedios ver-
dadeiros,energicos eduradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver- comboiachinhas de soda de todas asqua-
Manteiga ingleza
da safra novavinda no ultimo vapor a l.ooo
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Mantelga franceza
pa safra nova a60 xs. alibra, e em barril
a 5W;rs.
Amendoas
oueitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2400, muito propios para mimos.
CartSes
com bolos francezesa 800 rs. cadaum.
Latas
"' S* 1UU rs. I unsiMua.
'w fo icinli) lie Lisboa a (ts'DO a arroba e a :t0,Castanhas novas vindas nete vapor
>\ lik., t- w:\\.\ m i.k... i 4Afl re
a arro-
a arroba 75000 e a lihra a
rs. a libra.
(w )iU drt Sanio
$ i60 rs.
gkM illios cora 123 ceblas grandes, -a lj280.
n .1 istarda franceza, ostia com 2 diiias a
P 7}000.
t) KiMcos com molarda preparada em vinagre,
A i 400 rs.
Diiis eom conservas iaglas e franceza
o 40 e800 rs.
" b"45000 e a libra a.100 rs.
Aieitsnas.
Barris cora azeitonas novaba 15800
Hanteiga.
Manloiira saoirior, a Hhra a I5i00.
Dita mais abaixo a 15120.
Dita menos superior a 15 .
a Dita franceza nova, a libra a Ww
i Dita diU em barris e meios ditos, a
libra a
uifoscrVa refinado Qno, a 640 e a 300 rs. I 15 rs.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja, a Dita para tempero a JO rs.
1J>000.
Oitoi de i garrafas de Hollanda verdadeira,a
640 rs.
IbtijHs eom dita proprla para negocio, a
i 400 rs.
HJarrafes com 2 galOes com dita, a 65-
i Sarvja boa, marca, a 300 rs. a garrafa, e a
( hui.i a 6)000.
v'inhd muscatel de S>'tubal, a garrafa a 15.
liarrasquinho verJadeiro. frascos a 80C rs. e
fff a ISOO.
7JH(;haioagne, a duzia 205000, e a garrafa a
15430.
Vieite refinado portugaaz e franftez, a garrafa
1 a 13000.
Caixa dn vinho Rordoaux mnito superior, a
75, 83, 95 o 105 a caixa.
. >itas cora dito branco, a 75 a caix.
, Ditas com dito larimas do Douro verdadeiro,
a 205- _
'Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
183000.
I,tas com cliamisso superior, a!45-
Ditas com Porto velho eoutras muitas mar'
c^ Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
%i e800rs. .aAn
[Dito de Lisboa muito bom, acanada a 3520U,
, 35300 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
'Dito da Figueira, das segaintes marcas (.Y)
(J. A. A.) (J.L.G.) (O. M.) a caada a
O* 45500. e a garrafa a560e640rs., deste
qae ja est engarrafado e lacrado cora o
'v. rotulo do armaiem.
C'KOitos dffl marcas mais desconhecidas, a cana-
*Vinho branco fino, a garrafa a 6^0 rs.
iDito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Qucijos
Qneijos novos vindos neste vapor a 25800 e|
35000. ... m
Ditos londrinos muito novo?, a libra
15000.
Papel.
Papel almaro paulado, a resma a W0-
Dito ditolizo de linho, a resma a 4d(H).
Dito de peso liza e pautado, a resma
Dilo deerabrulho, bom a 15 e 15200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-,
deira a 15500 e 23000.
Temperos.
Folhas de louro, piraenta do reino, corainho>
e Gravo, a libra a 400 rs.
Velil de carnauba.
Masaos cora 6 velas de carnauba refinada a |
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a t#4001
e pequeos a 640 rs.
ljalas ds limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Griss.
Duziasdeboiesdecrsxa b- Vt 15000, e,
de latas a 15000, os boi5os a 240 rs. ca-,
da um, e as latas a 100 ra.
Charatas lasa.
Charutos finos dos maiberes fabricante da
Bahia por diversos precos, eaucax e meias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes ffi
estes estabelecimentos, que deixam de an- T
nunciar-se. ^^^^^^^
bv*
N. 11Roa do QieimadoN. 11
Soperiores. cortes de seda preta coai lindas barras.
Suoenor seda faconn o que ha de melhor o mais gosto.
Moreantique preto muito bonito a 5800, 35, 35o00 e 45 o covado.
Compl-to sortimento de grosdeoap preio de multas quandades.
Pannos preoe easemiras de au-tas qualtdades.
Bournus, chales e los de renda pretos superiores.
Superiores p&lissesosoutembarques de seda paras nnora?.
Boorous de la para senhoras a 115.
Chapeos e chapeiinas de patta de lt*a para senharas.
Cortsdeladbarrasdel45a225demuitogosto.
E muitas outras lazendas de superior quaHdade na lo|i d^ Augusto breJer.co dos
Santos Port aonde tambe-m se veudem as mslhres e mais baralas
Esteiras da India para forrar salas.
H. 11Ra do Q*eimado N. H
Gamas de ferro
Vende-se grande sortimento destas camas na
rua Nova n. 33 ; na mesma loja vndese grandes,
o:irinoes de ferro forrados de porcelana (pndo,
linas azas e tanipo di ferro, recommendam-se a
i|jem precisar.
dadeiroassucar deleite, notaveis >ela stta boa conservacSo, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a maisexacta e aecurada preparacao, e portante a maier ener-
ga; certeza em sens effeitos.
Caia de sade para escravos.
Recebe-sesscravos para tratar de (ualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer I
operado, para o fue o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
Otratamento 6 o Melhor pssivel, tanto na parte alimentar, como na mediea, e !
ranecionanda a .casa a mais de quatre annos, ha militas pessoas de cujo conceito se nc
pode davidar, que pdeaa ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2^000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1)^500.
As operaces ser3o previamente ajustadas, se n5e se quizerem sujeitar aos precos
asoaveis iu Stirmrior farinha 4e mctnrtoca\
Vender a eicdHitr!^ farinha 4e m^ivMor rt I
Smta '"".atharina. a bordo do pahn nacional -Po-
Iv'.'m, atracado ao trapiche taran do Tiivramen- i
lo, e m na da tyj n.23. nrinwirn andar, pscrlp-'
torio de Antonio de Almeida Gomes.
835tXI
105000
125000
Laboratorio enolos?ico e chimico de F. P. Lebenf e C
rua Montmartre, 31, em Paris.
Fabrica era Argeatenil, pra Pars (Franca).
BONIFICADO B FABUCLmC
is viulios, agurdenles e licores.
VINH03.Imitacao dos viahos de todas as
qualidades.Ettraeto de Med, adose para 230
litros, 1 f. 25,de Bordeas, 2 f., de Pomard, 3
f.,de Lisboa, t f., de Cataln, 2 f.,de Porto,
Xerez, Muscatel, Malaga, doae para 23 ou 30 li-
tros, 4'.
Substancia para fabricar caro o aloool e agua
os vinhos cima-e tedos o* mMfo*. M dose para
300 litros, 50 f.
CLACIFIGACO.Pos Ingiexes, pos dos vinhos
da Hespanha, da Franca, etc. A libra para 500
litros. 5 f.
GOLORACAO.Purpirigiae para colorear os
vinhos brancos e vinhos claros. As duas libras
AiiL"AUDI2XTES.Esseacia de cognac para dar
as agurdeme ordinarias o sabor e o aroma de
cognac A garrafa par a 100 turos, 3 f.
KllSCn E ABsINTIIO.-Essenciade kirsch e
de absintbo. para* os fazer com alcool e agna. A
garrafa para 100 ntros, 5 f.
LIHORES. Extractos para fabricar se lodos os
licores eonbeoMos sem fugo nem alambique, (m-
dicar-ae os que se deseja.) A dose para 20 ou 23
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se es licores finos ou
coromunsa dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 2o.
TOOS o.s oulros productos para o trabalho dos
vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encemmenda.
UTENCILIOS de laboratorio e de chimica.
e engaado nossos
para 500 litros, 16 f. ,
Alguns de nossos agentQ9 tendo falsificado e mita lo nossas preparares,
freguezes, levesa exigir sobre asroloa*e ramios as ialciaes.F. V. L. Paris,
0 moild de usar-so das preparaeies acha-se iadicado no rotulo.
As encommendas devem ser ncoTiaanhadas por ama letra sobre Paris ou qnalquer outra cida-
Fran'ga, ou garantidas por urna casa -.onivs.-.i la.Dirigir-se aesSrs. Lebeuf & C. chimicos, rua
mirtre, n. 31, em Paris, ou a sui fabrica em Arpate**; prs Pars.
, -i si ii tKtS* franceza, rua do Imperador n. 38.
nnm m
CHiPOS DE SOL
e rua do
iidades a i300.
Chocolates
detodasasqualidadesaldOOO a libra.
Presuntos inglezes
dos melhoresfabricantes a 800 rs., tambem
teons velkos para 500 rs.
Qneijos flamencos
chegados neste ultimo vapor a 2#6oo.
j Qaeljos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
tueljo
londrineo mais fresco que se pede esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendointeiro e a 900 rs, aretalho.
Conservas malezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o fralfco.
Figos
em libras ecaixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1)5200.
Cha uxiin
o melhor que .se pode -desejar, queoutro
qualquer n5o pode vender por menos de
3# a 24600.
dem perola
especial qualidade a 2#700 rs. a libra.
dem hysson
o mais arormtico qae tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas araarellas
para sopa, macarrSo, talharim e aletria a
iSOrs. alibra.
o muito afamado eognacPalBrandj a 1,800
rs. a tarrafa e de ontras muitas qualida-
desa l,ooo e 800 rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440-e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidadea de 2,oo, a 4,5oo a resma dome-
para sopa a melhor que se pode dtfejar,
macarrao, talharim ealeiria a 4(1 js. *
libra e 4^500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas Barca* acre-
ditadas a ioo rs. a garraa.
dem de iisliea *
e de outras marcas a 400 rs. a gamfa, e
20800 a caada.
dem do Porte
generosos engarrafado des melfcores fairi-
cantes da cidade do Porto a M> c ifOQ
a garrafa e de lOjj a 120 a caixa, a j a;
cas s5o as seguintes: Cbaffisso filie.
F. A M., Nctar ou viDho dos late,
lagrimas do Douro eoutros BrriHor.
Latas
com 19 libras de banha a (< 0.
Bolaehinha ingle2a-
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 24CG.
Nozes
as mais novas do mercado' a 12Cr* .a be.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mar
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e eutrea em
. meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30CO a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
Ihor.
X. H 11 Xora esquiaa da Gamboa do Carmo
Cabula n. 8.
A 'ireitoria desse estabeleciment o mais importante que existe
as provincias do norte do impar.io, querendo que
vantaijens que oroporciona i fabricafoom grande escala e directa relaco com as mais;ua\ )ar(j ~
importantes fabricas da Europa, faz sciente que re?olveu-se a vender ainda mais barato -___ '*oc *2(
do que do costume como demonstra a seguinte tabella :
Papel de botica
o publico desta m^JEStf* *Ume PAPEL
resma.
rs. a resma.
Descont em duzia.
20 /o
10 %
Chapeos de sol de panno a 2^000.......
arma?3o de baleia a 20500 .
de seda arnncao de.ico inglez de 20 pollegadas
40, de 24 50, de.26 50.100 e de 28 60...... 15 /
Chapeos de sol inglezes a balSo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior da 24 pollegada 80, de 26 90, e de 28 100. M */
dem idem a balSo de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26 120, e de 28 130...... *5 /
Alero de muitas outras pialidades de chapeos de sol que existan na mesma casa
como'sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. h tambem da soda ede panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes s5o ta"o vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de ;aga, os quaes vendem-se ?ualmente em porcao e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
lhar pelo preco que o estabeleriroento retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia serlo considerados como
a retalho.
ADMIRAVEL PECHINCHA
CHAJLES DE ItEiVDA PRMOS
a 10^000 cada um,
Casaaa organdja de corea a 8SO rs. o covado.
A" rua a Crespo aumeio 17,
LOJA DE
Corinthias
passas cortnthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
1,4ors. alibra. v
Vinagre
PRRem aacoretasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna. '
Cebollas
om
me
Alpista e PainQo
as mais novasdo mercadoa 7,000 rs.a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Jos Gomes Villar.
n variado.
Fram-ez barrios 55000
Porttortd iiem
r.n perfaito esiaik:
Franoz barrica
fortl.irtl iiem _.
No armazem ' Fio de agodSo da BahlaT"
Mimdpfsft no escrturio de Aalcwiio Lui de Oli-
veira Azevedo 4 R., rua da Craz n. 1.
60MMA. NOVA-
Em paneiros muito alva a 4,000 rs. a arroba e 16o rs. a libra e compran-
do de um paneiro para cima se far batimento na rua do Imperador n. 40.

^ v>^ 9@ 5 5' 3QS 29
GHSGV 4M OS-MOIIER^OS CHILES DE i
HL6 PRETO. g
%g Superiores chales de fil nreto c'iegados pelo nl'imovapor frawez, a %
j&i}, loja das rolumnnsrua do Crespo n. 13, de An'onio Correia de Vas-oncel-
m
CEBLAS
STSr1 im?'*to na ruado Qoe:-
gTlODCrQnad9mperadOrn-40el-
ftVOOE BICO
JS nn,ov a,3*400a "roba e 140 rs. a li-
bra aa rua doQueimrdo n. 7, rua do-
Imperador B 40 e largo do Carme2. 9
UJ- ?SgJ9 SfJSSO
muito fresco a 8ao rs. a libra na raa do
de |. e 2/ sorte do Rio de Janeiro a S05f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a lfbr
Ciarrafes
com 4 /i garrafas com vinagre a 1,5000 cam
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de H0O0C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 5A800 cea
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a eo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oo a grexa
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a raixa
com urna duzia e a 1,000 a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, coico se
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Presunto
o verdadeiro prezuMo deLamego a,S2o n.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a Mo rs.
a libra e em caixa ter abatiDrici.tr.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9.? o r
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas nvas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e CO ra.
a libra.
Passas Bailo noias
em quartos e inteiros a 20 o quart e a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se rt't'c de-
sejar a 800rs. a libra e 140rs. o rc
,1.^ a Fpu8 em calda
coegadas ult.mamente., pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
a 600 e 10 o caix3e.
. GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 3S00 a ar-
n?oV47n- ;,bra na loco".
rCarnmo'nD9dOlmperadOrn-40e^
, BLACHINHAS
em latas de defferentes quadades a 12C
OUEIJOS FLAMENCOS
e^SJa^n-r&^^fc
a roa
Iirperador u.
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas nov
as e grandes a 4: na rua do imperador d. 40.
DE
DE
Jo VIGNES.
ndanos dSLi?' 71 BlJA DO ln>*ERAD0R JS. *&.
, SnnPrioridadTt,^ ga ftbnca sao h6je assaz conheeidos para que seja necessario msistir sobre *
^^M^^T'ttmatiu(ln,,9aenemMa compradores, Validades estas inVJSR!
,8!'tLy! definitivamente conquistado sobre todos os qu lem apparrcidoneaia f>nm-t
,amdoum teclado e.mach.n.smo que obedecen todas as vo^tties eTiprirts das pianis*
tanca falhar, Por serem fabricados de proposito, e ter-se feito attimamante melnoraanertes importa,
tissimos para o clima deste paz ; quanto s voaes sao melodiosas o flautedas, e por isto muito aeraa-
veis aos ouvidos dos apreciadores. i*
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blonel, de Paris, socio
Torresoonnente de J. vijrnes. em cuja capital foram sempre premiados em todas as expsiofies.
No mesmo estabeerimento se acha sempre om explendido o variado sortimento de msicas do
melhores antores Europa, assinx como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido po^
preces commodos e razoaveis. r

ILEGfVEL



Mrtait4efc>IfcMW HWkda tmifW lfc~*rtrltto rse.

Fatutas protas ara a qa
jjr araUwiau p*eia, na toja e ar
a* 4a Erara, rta 4a imterainz
Lonrenco Ptrreita Minies Quitnares.
0 pr^prri*tio des esiatfelecimeato retira-se
pera a filar je a trht ir de mm saude, purera antes
da r baratissuno prego para fechar coalas ; agora fre-
gueses veale-se grosleaaples prelo muilo bom
para vestidos, a 15300, 25 e 25300, dito de 5 pal-
mos de largo, a 35 : na ra* da laperatriz loja da
Arara a. 56.
llearaatique preto a 30.
Vealo-se ifldarami^ae prewpara vestido a 34 o
eov.iI), rjsleaaple maito largo e encorpado a 34,
tf\M, ti a 188(10 o covado, alpaca prct para
vesudos e palitos a 300,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja >i m para resudes, calcas e palitos a
6 iJ a M t*. o covado, lia preta para vestidos a
6W rs, Ijj nbizioa preta para vestidos a 14280 o
covado : ra da Imperatriz luja da Arara a. 5*6.
Ricos vestidos a Mara Pia a 124!.
Vend4iip*e rices vestidos a Mara Pia a 104,
124, 145,165: roa4a Imperatriz loja da Arara
b. 36.
Arara vende pecas de panninho a 5$ e de
uiadapolo a 44.
Ven leu se pef as de paaniuho rauito lino de 12
jardas a "3. veatem-se pegas de madapolo Infes-
tado a i J e 45-300, vendem-se pegas de madapolo
de 24 jardas bo.n a 4, 74, 74800, 84, 94, 404 e
124, vendem-se pegas de algodosiaho a 34, 64,
"5, a s 5 : ra da imperalriz n. od.
Arara vende os balfies a 2#500.
Ven I un se baldas de arcos de todos os tamanbos
a 5100, 3$, 95300 e45: rua da imperatriz
n. 56.
Lufiinhisda Arara a 320 rs. o covado.
Venlem-se IttaziiWa* para vestidos de seohor*s
e meninas a 320, 400 e 300 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 40*0, 300 e 50 rs. o covado. cassas
finas para Vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
rua da Imperatriz u. 56.
Glittas V.'n Jen se bitas de cores flus a 240 e 280 rs.
o cova 1), iliu fraacezas fiaas a 320, 360, 400 e
300, prelara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova-
do : raa da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Li juriaco de soutimbaques e lazinhas a
Ven lam-se sritatnbaques de lazinhas para se-
nhoras a 75, 85. dita de alpaca branca a 105, ditas
muitj tinas de grosdenaple preto a 205, 235 e 305,
capas pretas 4e grosdemple Gao a 205. 234 e 304,
manteletes proto de grosdenaple a 204 e '2i$,so-
lin'us pira seniora a 240, 320 e 300 rs., mangui-
tos co n ela a 1J, -camizrnhas para entrara, 24,
e 35, Jilas rauito linas bordadas a 44500 : na loja
do barateiro da liia-Vista rua da Imperatriz loja
da Arara n. S.
-Cortes le Ubis linas a 2*400.
Venlem-se cortea du ditas com 10 novados por
5't) i, dais de dita franeeza a 35200, corles de
cassa franeeza ftna com 11 covados, por 34, ven-
de n se piis de. cambraia branca lisa a 35400,
4$)J), 55*3), 63 e 8J : rua da emperatriz n. 6.
Li .jai laca) ite roapas feitas palitos a 24t .
VeMe n-se paits de b-ini de cor a 24, 24560 e
35, ja j Pios de iiri n pardo a 34 e 35300, palitos
de casi nira be n feitoa 55, 65, 75,85 e 105, di-
tos de paxaoipreto bom a 85 e 105, ditos sobreca-
sacos de casimira de cor e preta e de panno a 124,
1*4,461 '205, "lea de bnm decr a 2$ e 24300,
ditas brancas de lino a 35'00 e 45, ditas de ca-
simiradd cor 44,65 e 84, pretas a 55, 65 e 84,
coitetes de casimira de cor e preto, do brim de cor
a 155J3, braicos a 25 e 203.0, ceroulas feitas a
152SJ, ditts linas a 14600 e 24, camisas france-
zas a 25 e 25300, ditas inglezas de pregas largas a
:i#, de linfco a 35 e 34500, coloranos econmicos
a 6i) rs.a duzia, ditos de linho a 500 rs, um : na
raa da Imperalriz loja da Araja n. 56.
Arara vende as cobertas a 20.
Vealem-se cobertas de chita Qaas a 25 e 25500,
ditas de damasco a 45 : rua da Imperatriz n, 36.
E na Arara que e ven ie cortes de casimira
preta a 30.
Venderse cortes de casimira preta para calca a
35, 35'i00, 4(300, 65 e 84, ditos de cor a 35,
1550a e 6 : rua da Imperatriz n. 56.
Arara vende panno preto a 2.
Vea le-se pina > prelo para caiga e palito a 25,
35, 2J)00, 45, 45300 e 65 o covado, casimira pre-
ta tina a 25, 25500 e 33 o covado e outras muitas
fazendas para liquidar: na loja e armazem do
Arara, rua da Imperatriz, n. 56.___________
Fa&n#at prtitas pata a qua-
re$ma.
Nal loJa m Pavo.
Acha-ie este eskrtwieclaieMooouipletaanaM sor-
tido de fazendas pretas propria*para a qaarestaa,
a saber :
Grosdertapfes preto largo e muitlssimo efteorpa-
te, outros inats eMretas tehdo dos ptces de
14280, !600,14800, 24, 24*00 e 341 superior
moreaain|ue prelo a 34, superior sarja preU bes-
panhola, superiof setuu preto maco, ricas capas
pfetas bordadas, sontembarqnes moitobem enfei-
ladas, rioas vasaninas e casacos dos mats moder-
nos que tem rindo, superiores manteletes, camisi-
ahas cem mangakos proprias para luto e ricos
chales prelos de rede, tudo isto se vende mais ba-
rato do qne em outra qualquer parte por ser a di-
nneira : na toja do Pavo roa da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do PavSto.
Acha-se neste estabeleci ment am grande sorti-
mento de roupas feitas para hornera como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
muito fino e ferrados de seda a 2?4, 255 e 303,
ditos forrados de alpaca a 1*4, 165 e 204, supe-
riores paletats de casemira tanto sacces como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de bnm de todas as qualidades, colletes
de casemira pretos e de Cores, ve'ludos, setins
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos
meihores mestres nacionaes, manda-fe faaer qual-
quer obra por medida : na luja do Pavo rua da
Imperatriz n.60, de Gama Silva.
M PUBLICO
Sem omtior ronatran-
glmento ge entregar o
Importe do genero jne.
io agradar.
ARMAZEM
ATTENC&O
Os preco da seguate
Cabella nara todo, pu-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de contas
com ns portadores.
: raa t Crax a. 38, em casa de Mills Ra-
lo a & C, rende-s :
Oleo de linhica.
Folhas de Flaadre.
Silios e silbos ingiezes.
Cerveja Aspinall.
Dita Bass.
Hila ioha Jeffres & C."
Um piano com poueo aso.
.RUA DA CAIMA DO RECITE N. 53
(Logo pwssando aren da Coaeelco)
PAflA BE1- DE TODOS.
Veudese um terreno na Capunca re ni 40
palmos de Ireote e 280 do fenou, planudo de !a-
raugeiras novas, tendo cacimba e. duas freules,
una para a estrada doLarera, e oulra \nr 1 m
beeco : a traiar na Caponga, renda vS fjoalifl
Cantos n. 33, de Jo$ de Alneida Ferretea.
ESCRITOS FUG1K.Y
Navidades
Na nova loja de fazendas e
roapi feita nacional
Una da Imperatriz m. 72
Pectuncha
Cortes de chita a 400
Venlo-se cortes de chita com 10 covados a
S|MM a 3J2)0, ditos de cassa a 35. ditos de lazi-
nii is pira vestido a 35600 e 45, ditos unos de bar-
ras a aria Pia a 125, '15 e 16j, ricos souteam-
b ir 1 es de laaziaha em fantasa a 85- 74 e 105,
ditos de grosdenaple pretos Unos a 205, 225 e.255,
capas pretal de grosdenaple a 205, 234, e 254,
na rua da Imperatriz n. 72.
Fazendas pretas para a quaresma.
Veo le-se grosdenapie preto fino a 14600, 24, e
25330 o covado, panno fiao para caigas e paletets
a II,9f, 35)00, 4550J e 35 o covado, casimira
preto lina a 25, 25300, e 35, alpaca preta para
saias e vestidos a 500, 600 e 800 rs., sarjas de la
para caigas e paletots a 640 e 800 rs. o covado.
Laaziahas a 320 360 rs. o covado.
Vonde-se lazinhas para vestidos a 360,400,
500, e 5S0 o covado. chitas finas para vestidos a
240 o 280 o covado, ditas francezas finas 320,
360 e 400 rs. o covado, capas francezas Unas a
320, 360 e 400 rs. o covado:
fto'ipa feita.
Ven1e-se paletots de cor e preto a 55, 65, $5 e
105, calcas pretas de casimira a 54, 64 e 84, cor-j
tes de colletes e paletots de brim a 24, 24500 o
35 : na rua da Imperatriz n. 72.
Madapolo entestado a 4(5.
Vende se pegas de madapoln eufestado a 45,
dita em oanninho a 55, pecas de madapolo de 24
jardas bom a 85. 75 e 105, ditas de algodao a 55,
65, 7 e 85, corles de calcas de brim a 15600 e
24, J'tos de casimira urela a 35, 34500 44 e 35 :
na rua da Imperatriz n. 72.
COJIFEITARI*
dos anaiims, raa da Crus numero 16
Contina a ter enpadas, superior presunto a
85Q rs., dito em fiambre a 14600, recebem-se en-
commendas de bandejas de doces, paes-d.e-l sim-
ples e enfeitadoi, kkis, para es quaes ha bonito?
enfeites, tamnem tem figuras em grupos para bap-
tadis o casamantos, prepara-se igualmente lata
com caj crystalisado proprio para exportar, vi-
nhos do Porto e Figuelra, outras qBalidades, e su-
perior Bordeaax em garrafas grandes a 800 rs.
PROPRIO PAR 4 SEJJHOIIA. "
Vende-se um excellenie cavallomuito.no-
vo e manso com tod 6 os andares: na co-
cheira do Paulino, foa de Santo Amaro.
Goke dogaz.
pilcli do gil/.
Alratra do gaz.
Coke tonelladas.. 10*K)0
Pitch ..... 800000
Alcatrio caada..... 400
O eoke reconhecidameote o carvio mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se-aota as collonas aonde
elle usado. Pitch e alextro, alm das applicacdes
diversas a qne se prestan, eamo para callafetar
embarcaees, Unatroar asadeiras, etc., teem este a
propriodade de preservar do cupim, ferraigas, etc.
E' Aotregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador. ______ ______
Lhilas em cortes com 10, I i e 12 covadts
Xa loja do Pavio vende-se urna grande porco
de cortes de chitas bocezas sendo clarase escu-
ras todas de crese ias com 10 covados a 34200,
com 11 covados a 34600 e com 12 covados a 44,
pechineha para se apurar dinheiro : na loja do
Pavao, de Gama & Silva, rua da Imperatriz n. 60.
Camisinhas a 1 $.
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muilo bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato preco de deztustdes cada
urna : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n.60,
pe Gama & Silva
Cortes de cassa a 30.
Vendcm-se mnito bonitos cortes de cassa,tendo
7 varas cada corto, com dseuhos mnito delicados
pelo baraiissimo preco de 34' (0 o corte : so na
leja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Cambraia* lisas, na laja do Patio.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muilo fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo Dreco de
44 tendo 8|S varas cada pe$a, ditas muilo Abs
a 75, 85 e 94 a pega, ditas Victoria eom 10 va-
ras pelo baratissimo preco de 74, 94 e l(-,ditas
Garrazes fazenda muilo encorpada azenda pro-
pria para forro a 300 rs. a vara ou 25600 a pe-
de Gama & Silva.
Os vestidos da Pavia.
Grande peobincha a 34500.
\ endera-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imitacao de tarlatana com muitos
delicados desenhos, moli proprios para partidas
passeios pelo*aratiseimo preco ne 34S0ecadaom,
sendo fazeada que sempre se vendeu a 75, sa loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de^Gama &
Silva.
Vestidos a r a 1$
Na loja do Pavo vendem-sericos cortes de vesti-
dos Mara Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de 44 e ,74, sendo fazenda que
val muilo mais dinheiro, isto por naver,grande
porgo, ha loja do Pavo ruada Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Os tafeites do Pavo.
Vendem-se os maisraodernosenfeitesparacabeca
desenhora: na loja do Pavio, rua da Imperatriz
n. Ou, de Gama i Silva.
As cassas de Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padrees raludinhos e grados, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos precos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porco : na loja do Pavo,
rua da imperatriz n.60, de Gama & Silva.
As laziubas transparentes a 400 rs.
_Na loja do Pavo vendem-se asonis modernas
lazinhas transparentes, sendo de listas miudlnhas
a imitacao das sedinhas, pelo barato preco de 400
rs. o covado; ditas entestadas de urna s cor e
ditas de salpiquinhos i>roprias para vestidos e rou-
pas decriaagas : na loja do Pavo rua da Impera-
triz n. 60. de Gama & Silva.
Ricos soutambarqnes do Paro.
Acaba de chegar um rico sortimento de sou-
tambarques de grosdenaple prelo muito bem
enfeitados, que se vendem pelo barato prego de
204,224,254, 304. Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em coma: na loja do Pa-
vo rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Aes vinte mil corados de lia.
Grande pechiBCha a 240 e 320 ris.'
Vendem-se as mais bonitas laaziahas transparen-
tes, sendo com llstras e quadrinhos miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Mara Pia, tendo de todas as cores, e
aleumas proprias para luto, pelo barato preco de
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande
porco : na rua da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Mara pia,
brande pecbincha a i0^000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, ;-endo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 104 o cor-
te,ditos deprcala com lindas barras e enfeites,-]
com 19 cevadoscada um a 104, ditos de cambraia
com barras bordadas acrox no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 6-3 : na loja do Pavo, rua da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
m Cassas de linho a 3( o rs*
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de Moho
propria para vestidos e reupas para changas, com
muito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato prego de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, rua da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas lisas.
Vendem-se as mais finas lazinhas de urna s
car, tendo grande sortimento : na Iqja do Pavio
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavao os
mais ricos chales de renda com tres ponas, sendo
todos pretos, e tarabemeom assentos de cores, sen-
do neste artigo os mais rices que tem vindo a este
mercado, ricamente bordados e eerculadat de um
elegante bico preto de mais de palmo de largura i
estes modernissimos chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem nma elegante vista sobre
um vestido de qualquer cor, assim como mnito
proprios para os actos da quaresma : vendam-se
nicamente na loja de Gama A Silva, rua da Im-
peralriz n. 60, Aoja do Pavao.
os cvpitaes dt ctimfp
Desapparereu no da 21 do renle, da (,>; t'v
seu senlior, c ewrsvo de tone fcneditlo, r; l r;i
i'.-curo, com idade de 25 aunts, itviu \c>lic'i ral-
i;a de algodao de lislia, ran.ir-a di- alfbtiio da li i
ra, echajo de eooro de Iba* l-ri:s,Kn lii:a
regular, cheio do corpo, ctl,i-l!o a i:ti\,i l.a
olhos prelos moito vivos, nariz e Lona rpolai Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arratYjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a prumptidSo e intei- n,ui, vca l,arl'a D0 Qpo ( i"11 imhmm- i i-
reza com qu serlo tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem dirvrda me darSo a protecc5o e preferencia na cora- S('.|odS -s dM.les P*8 r^uiarrs, eic.; o {n-
prados peeres qne precsarem, I quando nSo possam vir podero mandar setis portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, KiSEKfJBiS
pots serao t3o bem servidos como se viereem pessoalnrente, rmendo para com estes toda recommenda3o, afim de que n5o \3o cm ha 13 di*s, e fei comprado, ao r. Jos Aaici -
0utra parte.^
Manteiga ingleza especialmente escclhida a
1,000 e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franeeza a mais nova do mercado a 98o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha uysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais soperior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior enflatas de 15
libras muitoproprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a I.Coors.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
nero a ,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Lingiras muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chourifas e paios a 8oo rs. a fibra.
Costilletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panlla ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio devella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oors. a libra.
dem pratoa 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
FeijSo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 3,5oo
rs. aduzia.
dem dem para vmho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Cbocelate francez hespanbol e suisso a 9oo,
I.ooo el,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das meihores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e6lo e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e ll.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e8,Soo rs. a arroba.
Cafdo Ccar muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,oo rs. a arroba.
Arrozdb Maranhao de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e 2,8oo a
arroba.
dem de Java
roba.
Aletria, macarrao e lalharim a 4oo rs. a li-
bra e ,ooo a caixa.
Massa para sopa : esirelinha, pevide e rodi-
ulia branca ouamarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito lino proprio para
engarrafar, em anoorelas de 6 Ganadas a
3o,ouu rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a*
32o, 4oo e 5ee rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3^oo.
Vinhobranco de Lisboa de excedente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,600 e 3,5oo.
Vinhobranco para nilssa emcaixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68e rs, a garrafa..
Vinho do Porto das meihores marcas que
vem ao mercado comosejam: Ligrimas
doDouro, Duquede Porto, hainha de Por-
tugal, mm genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvaaia fina a46,ooo,45,ooo,
12,oo e Io,ooo a caixa com 1 duzia e^oo,
l,ooo e 1 ,ooo rs. a garrafa.
Vinho Cherexide superior qualidade a 16,ooo
a duzia e l.ooo rs. a garrafa.
Sardinbas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
fiolachinhas inglezas .muito novas a ,ooo a
barrica e 330 rs. a libra.
Boladiinlias de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oo rs.
Cartes com bolo fraticez.muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs. .
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a ooo rs.
Holaehmlm d'agua e sal, da fabrica deJoo
(leUrito ao Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2.5oors.
Amenas francezas em frasco de vidro com
tampa do mesmo, a ii$5oo.
Ameixes^an'zag em caixinbas de diversos
tamanheis com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe2,ooo
oada urna.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez
a 9oo -rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas mnito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libras.
Conservas ingrezas a 75o rs. o frasco e
8,ooo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozs mnito novas a Kio rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 46o rs.
Mostarda ingleza dos meihores fabricantes,
a 8oors. o frasco,
a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-; Mostarda franeeza em potes j preparada a
ino rs. o frasco.
Borges daquella cidade : roga-se perianto u> it>-
_ fi jnhores capities de campo a apireliensio don fe-
bal rennauo em irascos de vidro com tam| a ridoescravo, e levarem-no a rua do Inpcradii u
d0 mesmo, a OOO rs. 83 WWjtn anfiar. nnp se pralilicar rnm 5('.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas ruitk nouirn oeste ngenho o ewrato>Jot,
que em ao mercado, a 5oo, uGo e 04o sl,0> SfC,0'de ,s a 3 annoi' h3'1""'0 i,t,n ni *-
o narrara a k Qr,n a ** Zjt -__ i, ,uma a 'aze-la e deiaar snissas, cenes bandos.
a garrafa, e o,8oo, 0,ooo e 6,5oo a du-(M5es guiaras,um ponco gago, olios ira/,.-.:
z,a,_ ; julfto que ainda ten una marra de uni lalho fin o
Gevaditiha de Franca muito nova, a 200 rs.' Pc direito, dito esrravo imi um runfiar o fn i
Charutos do aflamado fabricinte Jos Fui ta- tr,0.rador D Breire roa do Knei: mtm o i >t:r
^tU Cim.o j., o;, _ii. I pode entregar no Heeife ao Sr. rapitao Jo>c Gi n ts
18. das SCtrumies dualidades: Ualcu aqoi que ser ralbado Mamubu 9
Paincoe alpista a 14o rs. a libra e 4,ooo a. Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massadetomatesdesuperiorqualidadea64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna librae56o rs. a reta- 15a garrafae H.ooo a dozia.
Iho. 'Palitos de dente a lio rs. o maco.
de Simas, das segnintes qualidades:
Exposicao Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charulos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos,Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,eoo, 2,5co e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das meihores marcas, a
l2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Faranha de araruta verdadeira a 32o rs.
libra.
Matle.excellente cha paraos navegantes,
2oo rs.
Sdboilas de Franca muito grandes e novas
a 4,8ooocento e l,2oosoltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa moito novo a 32o rs.
libra e8,5oo a arroba.
Banha de poroo refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as meihores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinbado Maranhao muito a Iva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos cora fructas em calda de diversas
qualidades a 2,Soo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanbos, moito proprias. para
mimo, a l,6oo,2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancoris.
Champagne da melhor qualidade que yem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,000 o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa soja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas ero calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a i,8oo rs. a caada
e640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a Soo rs. a
garrafa.
de abril de 1865.
Vioho do Porto snoerior em eaita de duzia,
tem para vender Antonio Lnlr de Olivelra Azeve-
do 4 C, no seu escriptorio raa da Cruz o. 1.
Soutambarquesdecr na loja
do Pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais ri-
cos soutambarqaes de coros, sendo os mais bem
enfeitados qne tem vindo a este mercado, com
adornos de velludo, seda e setim, renda, etc.. s
avista do grande sortimento que os freguezes
podam dar o veadadeiro apreco a esta fazenda, *
vende-se por Aiffereptes precos conforme a quali-
dade : na loja do Pavo de Gama e Silva, rua da
Imperatriz n. 60.
MBleletes de filo' na loja da Pavo.
Vendem-se os mais ricos minleletes de fil pre-
to e ouiros com os centros de cor, sendo neste ar-
tigo o mais rico que tem vindo ao mercado e mais
moderno por serem mnito compridns e rom deli-
eadisstmoB lavrores: na loja do Pa*b, rua da Im-
peratriz n. 60, da Gama 4 Silva.
Para meainos.
Vendem-se muito bonitas roupinbas proprias
para meninos de 1 a 4 annos, sendo calcinhas e
jaquetinhas igaaes, e mnito bem enfeitadas : na
Na do Pavio, raa da Imperatriz n. 60, da Gaira
& Silva.
Calcinhas do Pavia.
Vendem-se muito bonitas calcinhas bordadas pa-
ra meninas a 640 rs. : na loja do PavSo, rua da
Imperatriz n. 60. a
RIVAL
Sem segundo,
Rita do Queimado, n. 40 e 55. para admirar.
Carretis de iinna com 150 jardas......
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60.............................
Dito dito de 60 a 800...........-----*..
Novillos de lmha grandes com 400 jar-
das.............................
dem dem brancos e de cores de] 100
jard s...............................
Livrospara assento de roupa lavada...
Cordao branco para espartiibo (vara)
Varas de franja branca larxa-.........
Pares de botdes de punbo todos .de cores
Tinteiros de barro com tinta...........
Teonras para costuras Uase unhas
Ditas para costuras eoan loque d'avaria
Escovas para i impar denles inuitu linas
160,200o..............................
Caixas com 100 envelopts das meihores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rape 1 pautado e
liso.......;..........................
Cadernos de papel pequeBO (e a reta-
lho)...............................
Meladas de linha frouxa para bordar.
Pares de rpalos de tranca........
Masso .eom superiores grampas para
-senhora.........-y'-o............
Frascos de macaca perola muito suerior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400rs. e........................
Ditos e garraflnhas de agua de Colonia
muito lina........................ *
Ditos defcanha a Garibaldf e da familia
imperial.............J........
Pegas de filas elsticas para vestidos a
melnor qualidade..................
Parea de ligas para senhora as meiho-
res ..............................
Pegas de blco. francezese reuaas.....
Frascos de agua dentifrice muito supe-
lor..............................
Caixas com 4 papis de agulhas a balo
. e Victoria........................
Libras de lia sendo de todas as cores...
Bonecos venidos e tambero de choro...
Caixas com superiores obreias........
Ditas de linha de eaz com 50 novellos..
Enfia(h>ira8 de fita para espartilhos.....
Carretis de linha de cores com 100 jar-
das .............................
Pegas de cordo imperial............
60
120
100
80
30
100
*0
160
120
10O
400
200
320
40
600
20
20
1*500
30
200
500
900
240
320
320
800
200
61000
160
40
800
60
20
40
GAZ GAZ GAZ
Vende-se (faz da melhor qualidade a
1 lata : noa artaazensda rnado Im-
perador n.16 e rna do Trapiche fawon.8.
~Milho novo em saceos grandes > no trapiche
da Cunta, a tratar com Tajso Irmaos.
BOTICA E DROGARA
Bartliolouieu Fraucasco de Souza &C.
34llua larya do Husario34
Vendem:
PilulusHolloway.
PilulasdoDr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Plalas do Pobre-homem.
Pulac.americanas.
Pilulasvegetaes.
Pilula-.-e.-'etaes assacaradas de Kemp.
saisade instol.
Remedios do Dr.Cbable.
Elexir dePepina de Grimault.
ViuhodeSalsaparrilhadeCh Alberl."
InjecgoFeaugas.
Agua dentificade Desirabode.
Pape I ch i mico, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Rasp(aii.
Pos apti-epicticos de Brst.
BobL'AffecteQr.
l'arope do Bosque.
Ungento Holloway.________________
I'ecliiBclia na > y loja de faz cu (i ps
roojia feita nacional, rna da Impe-
ratriz n 72.
Pechineha a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas de cores fixas a 240,280 rs. o
covado, dtas frangzas largas a 300, 320, 360,400
e 440 rs.o covado : pegas de madapolo fino a 62.
7, 8J, 95 e 105 i pegas de algodao a 5$, 6$, 7
e 85 : rua da Imperatriz n. 72.
Roupa feita nacional.
Vendem-se patHs de cazemira preta e de cOres
a 55, 65 84 e 104, ditos e!6*. Palitos de hrira de cor a 2*500, 35 e3*500
rs., calcas d* cazemira preta a 6#, 7 e 8#, ditas
de cazemira de cor a 5, 65 7, e 85 coletes de
cazemira decores e pretos e ditos de brim a 5000,
e 25500 rs.,; caigas de brim de cor a 25, 25800 :
rua da Imperatriz n. 72. .
Saalambarque de cores a 7, 80 e 105-
Vendem-se *nutarabarqoe de laa e seda para se- na''Td
BIVAL
SEM SEGUNDO
Na rua do Queimado n. 49 e 55 tojas de miode-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barato do que em
oulra qualquer parte, qnem qoizer ver o que ba
bom e .barato veulia a loja do Rival.
Duzias de pbospbros de segoranga a ... 120
Francos com essencia de Sndalo muito
superior.......................... 1#U t
Escovas de roupa muito superiores a... 20
Latas com superiores banba............ 200
Frascos de vidro com superior banha.. 240
Pares de luvas de seda muito finas.... 320
Enfeites do melhor gosto qne tem vindo. 25500
Garralas d'agua de Florida, verdadeira. l?2hu
Pulueiras do melhor gosto e modernas. 500
Volla para pescogo do melhor gosto.,.. 500
Baralbos para voltarete, finas a 200 e.. |240
Varas de franja branca de liBba qne .
tem muita serventa................. ,060
Duzia de peonas d'ago muito superiores 060
Frascos de oleo Baboza muilo linos..... 200
Talheres para meninos a melhor quali-
dade............................ 240
Duzia de colneres de metal muito finas
para sopa........................... 25400
Duzia de colneres de metal muito finas
para en........................ 15600
Grosas de botoes de osso para caiga... 200
Grosas de botoes madreperula para ca-
rniza .............................. 600
Grosas de botoes de louga prateados
muito finos...................... 200
Cartas de alfiaetes francezes muito su-
periores.......................... 100
Caixas de clcheles fraocezes a 40 ris
Duzia........................____ 360
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade............................. joo
Duzias de lapes diferentes qualidade a
240.............................,
Quadernos de papel de peso mnito fino.
Resma do mesmo papel.............
e facca e garra muito boas....
Acha-se fgido o preto de neno Galriil,
enrolo, de idade, | ouco mais cu menos, 35 a'anos,
baixo e rorpolfnto, pestoco curio, olhos vivse
sobrancelhas arqufadas, bocea recular e dentea
alvos: roca-te as autoridades viganria por se
desroDiar delle querer alentar plica no rorpo
dos voluntarios, ou a quem a elle pegarcoQvezir
ao engenho Tapngi de cima da comarca doVabo,
a enlrfgar a seo senhor Antonio Joaqoia Catal-
canli de Albuqmrque, ou a Joige Cimiente de
Borba tavalcanti, na rua de Apollo n. 34, tegundu
snaar. one ^ fia uuite o da 9 do crrente rmz desappa-
irean da casa n. 48, na traveseada rua da Con ur-
da, urna mulatinha eapliva de neme Francixu,
cem os signaos seguintes : amarella, ps can la-
dos, cabello corlado meio esloquiado, levou velli-
do de chita j usado e camisa de madapolo, tuda'
j muito sojo.de idade 10 annos; jaljza-j-e ter fido
sedozida de casa em razio de ler vindo dmalo
ha doos mezts, pooco mais ou menos, e nao*alti-
ma alguma : rcga-. appreh>-nsao da dita mulatinlia, e leva-la cara
cima mencionada.
AttencC
No dia 1 de janeiro do annode 1864. fogio do en-
genho Conceigao, comarca de Pod'lho, o escla-
vo Galdino, pertenrente ao abaixo assignsdo, c< u>
osignaesseguintes : idade 26 anros, [ardo, ciar,
corjo, figura e allnra regulares, cabello* mep ea-
rapinhados, olhos pardos, sobrancelhas e palpel-ia?
salientes, tem em rada brago nm sino de Saln So,
sendo um dt-lies mal feto. e junto a arte nma croa,
tem na cabega urna cicatriz de nma polrgada. e i n:
cima de um quarlo orna onira cicatriz de lies [o-
lepadas, proveniente de pinta de pao e queda. i-m
sobre as rostas algumas marras cu ncatrtes de ra-
lbadas ou chicote; nm pouco desembai*r;u'.o
quando falla, tem principio de carpina e rarreiro,
toca viola. Fc-i soldado do corpo de policia no Re-
cife, e levon comsigo a baixa do theoj segninle :
Sergio urbana, 2* companlua n. 0, Antonio Ca-ta-
o de Oliveira, bino de Agislinbo Ferreia de liri-
to, natural de Ingazeira, rr parda, cabellos ra a-
pinhos,'olhos pardos, ofllcio nenlium, estado FOlte*-
ro, com 30 annos de idade, 60 polegada de altura,
ao engajar-se. Engajou-se na forma do Tejnila-
menlo, em 17 de fevereiro de 1862, por tllirio do
Exm. Sr. presidente da provincia, datado de S8 h
abril do correle, e poblnado ao corpo cm ordrB
do dia de maio, tudo em i862; leve baila cu,
servigo por ter dado em seu lugar o paisano Jojtt
Pedro Ferreira da Rocha. Foi escrao do rapiSo
Joode Dos Barros, morador.que fui na caparea
do Brejo da Madre de Dos, e hoje morador na
Campia Grande da Paralnha do Norte, que o ven-
deu em das do niez de novembro re 1863 ao abai-
xo as signado, pelo roMume de andar fgido o a ti-
tulo de forro com o ntme mudado ; jtloque?r< ta-
se a attengaodas aotoridades civis e niiliiares, nao
s desta provincia romo das demais do imperio, a
apprehensao do dilo escraw, que a Ululo de forro,
nao tenha sido recrotario ou asstntado. praga i m
algons dos rorpos de Voluntarios da Patnaflam-
bem pede-se aos capilar.- de campo e pessuss par-
ticulares a mesma apprehensao, e Icva-lo ao sin
senhor no referido engenho Conceico, ou nesia ci-
dade ao rapilo Mauricio Francisco de Lima rua
do Brum n. 56, que ser gratificado com 2(05-
Jn Maria dos Santos Cavalcanti.
1 ugio o Jacob.
Anda fgido ha 45 das o escravo de afio de
neme Jareb, maior de 40 annos, que foi amplia-
dade do Sr. roajor Ignacio de Barros Wandi rley
senhor do engenho Ubaquinba, tuno de Sei-
nbtm. O escravo tem os sipaes sfgnintrs :
alto, cheio do cerpo, olhos grandes e rosto can pu-
do, anda de vagar e parece amatar de tna |tr-
na, est opilado e tem por isto grande palplifcao,
nao muito ladino, levou vestido camisa deameia
e caiga de riscado, dizem que anda pela 1 as.-,.^ m
da Magdalena aonoe tem sido visto e de que ande gannando, elle faz vassouras e chai a?,
presume-se qne esteja acontado por algoma jes-
soa que o seduzo e contra quem se protestara com
o rigor da lei : quem o trouxer a casa de seu se-
nhor o abaixo assignado na rua da Cruz p. 33, se-
r recompensado.
Domingos Rodrigues de AndrauY.
rna da
dos de la a Maria Pa a 125, I4j> e 165
Imperalriz n. 78.
Caries de cazemira preta a 3 Vendem-se ores de cazemira preta para caiga
a 35, 35500, 35 65 e 65,Jlitos de cazemira dd
cor a 35 45,5*, a 75. ditos de brim de Mres a
15600, e 25, ditos de chitas finas a 25400 e 35*00,
ditos de cassas franeeza a 35 : rna da Imperatriz
loja do baraasiro n. 72.
[ A 12$nP A S4CCA.
Feijao mulatinho nova a 125, DfiUlO a 45 : na
rua dos Quartes n. 22.
Capachos eompridos e redondos muito
bons.............................
Ditos para sof......................
Pares de suspensorio mnito bons a para
acabar...........................
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa............................
Pegas de fita de laa para vestido com 10
varas a...........................
Varas de bahados da Porte muito npe-
riores a 100, 120 v...............
Livros com bonitas e finas estampas.
400
030
25000
25400
040
500
25000
[100
500
600
Fugio desde 14 de margo prximo fiado da
rua da i.ruz n. 8, terceiro andar, a negra Bene-
dicta, tem os .-ignaes seguintes : uago Anpi la.
alia, cor fnla, tem falta de dentes na frerte, sig-
naes de chirriadas ja antigs as costas, com na
embriagarle ; levou vestido escoro de palnas
brancas e chale encarnado, tem sido* vista pi la
casa Forte e Pogo: recommenda-se as autoridades
poliriaes e capites de campo a sua apprehensao,
e levej-na a casa cima dita, que ser recim-
pensim_______________________________
Negro fgido
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro .este
auno o preto Joaqoim, de nacae Angula, que i
escravo do Sr. capit5o Francisco Joaquim Caval*
eanti Galvao, morador cm Maria Farinba (Prais),
o qual vendeu-o cesta cidade em dezembro do as-
no passado ao Sr. Maaoel Francisco Marqm s um
armazem de assucar rua de Apello; levou ca-
misa e caiga de algodao hraneo, representa ler da
45 a 50 annos de idade, alto e de grossura regu-
lar, cor fula, cabega comprlda, qaeixos Urrges,
olhos amortecido*, beigos grossos, sendo o suie-
riornmtanto defeituoso, bastante barba, ptcm
raspada, finalmente tem nma grande costura r re
os peitos Deveniente de queimadura, e supptif-se
ter-se dirigido para o norte, d'onde veio : g/atifl-
ca-sea qnem o apprehender oo deoficiar o coito
em queeativer : na roa da Cadeia do Recife co-
mero 52..
Vende-se nm escravo idade 25 annos insigne
official de carpina e bonita figura : na travessa do
Carmo n. 1.
Fugio em principios do mes de fevereiw do
correte anno e consta estar acontad* nesta ddado
o m-leqne Euzehio. escravo da viova do Dr.Tor-
nando Affonxo de Mello, de 12 annos de idada pen-
co mais ao meaos, cor prela, serr do corpo, albos
regulares afumagados, rabeea nm pouco grande
e meia rhata, beigos finos, dentes bem alvos, pos
n seceos e muito ladino : roga-se por tanto a tedas ss
So autoridades peliriaw e capitSes de-earnp que a ap-
prehMaam levero-e a roa 4a Mangoeira sobrado
n. 6 qne serao gratificados, paetostande-se usar dos
meios judiclaes contra qualquer pessoa qne o lenha
em seu poder.
-
320
ILEQVE
y


Diarlo de
1 4e Abril e i9&
JURISPRUDENCIA
O ronim.
j ment positivo o da segunda teslemunha
' que declara ter visto ana leso que pareca
feita porca!mnftflr.^Si porm taes leses
foram pralicadas antes ou depois da morte
o que a quinta e sexta testemunhas decla-
(C ratinuacISo) ram formalmente "do saber.
fr.sulficiente como "corno de delicio, ,cfrf*> tmbeUical cortade.-V oprinci-
sim de irregular, vejamos como os ditos das Pal/"wrfa',i>"'0 da JPron1u'fc,a. para Jlll8ar
tstomunhas inquiridas nos tres processosdei-,c?inoPnlvad.a a "t*^* do recemnas-
&am de confirmar satisfactoriamente as res- ic,do- Desla cireumstancia nem trata l.gei-
poslas aos quesitos.e mencionemos tambera ramele o corpo de delicio, sendo por con-
os depsitos sobre outros pontos que ser- segrate gratuita a assercaodo jou quan-
viram de base pronuncia o condeuinacao. do P^ntasia a atkiirao dada pelos pert-
Podiaraos deixar de parle Mana Denla, ">* (O a essa circumstancia, em que a ter-
qne. fei absolvida pelo jury, e Anna Antonia c?,ra testemunba apenaslounu fallar e que
juej antes. Uvera a esta sorte, mas de f a quarla parece confirmar, jurando en-
p. apezar disso, os juizes ju.garam con- J^^TirTLTtnZ'aVemrl
Uto uceupar-se pela tercena vez. T^tEZSZbF atlestaram
Las que as circumstancias de que vamos a 'ta circumsiancia. ^ _
trMW achante intimamente ligadas aosmo-1 Oque ha mais positivo e o interrogato-
applicidor dos remedios, n"o se achava na
villa nessa occasiSo.
Motivos da occuliacao por Justino.
A primeira teslemunha suppde que o mo-
tivo era n3o estar bem a Justino a divulga-
rlo do parto. Outra assevera que elle pro-
prio dissera que ignorava. A segnnda e
stima, bem como Antonio Vicente Mendes
Maciel declaram positivamente ignorar taes
motivos. A quiota, Victorino, refere-se
Mara Benla. Outra ouviu dizer que elle pra-
curava encobrir para evitar conflictos com
a mulher : mas refere-se a tres qne n"o
confirmam o dito nem com a voz publica.
A verdade que Justino semp/e disse
que ignorava ; mas, ora toma-se esta igno-
rancia por negativa, ora por oceultaco.
Motivos para o suppotto assamnato.
Todas as testemunhas o ignoram, e ape-
nas urna, que nao sabe da coicorrencia de
temunhas, com.excepc5o da oitava, que ou-
viu dizer que a morte sahira da casa de
Justino; mas nao sabe se exacto o boato.
{Continuar-t-ha).
uros que indu/iram a supposta criminalida- !* de A,.ma. Anl,onia> a 1ual de.clara ^ue* "a\;.uslino Para fact0- ouiu dizer 1ue mo
le de Justino, bem como a pronuncia e con- '?noranc,a de estar a crem^ viva0u "orta, J tivo provea de. man
rar em casa delle a me
iu 'adores icaaa\er. juiz de direito, poda ser o interesse que
(i- avide- e matemidadede Anna Antonia Cama dt***orie. A terceira teslemunha Justino ti vesse de evitar conflictos com a
-SmL^X^btVZ!S-^^ ter sido o esmagamento da cabeca mulher A terceira, quarta e quinta teste-
torta prora foram uniformes e unnime ; J creaoca pela pressao que ella soffrera. munhas (sendo esta ulima Victorino, o vis-
tenle confirmados pelos depoimentos. A Jste depoimento e os ditos contradictorios nho raimigo), ignoram taes conflictos. Men-
;oniss5ode Anna Antonia e o dito de utnalfJP! sa0 as an!cas Vrowu esta cir"de!M_ac,eLe oulro individuo interrogado,
te niuniia que se firma em sciencia pro-
pria attestam a gravidez e raaternidade. Urna
las testemunhas, porm, ignora estes factos.
' as referem-se confisso de Anna Anto-
tiia. As outras oiiciram dizer. A primeira
ouvi fallar era indicios de gravidez que
in aUribuiam dse homeopalhica. Em
dous exames feitos por occasio do primei-
i i processo, houve divergencia entre as pe-
t las quantoa existencia da gravidez e parto
N'um lerceiro exame decidiu-se entilo pela
Sffirmativa.
Oceultaco da gravidez e parlo por Anna
Axioma.E'- urna circumstancia altestada
pela segunda testeraunha, por urna preta, e
pelo interrogatorio de Anna Antonia, que
GOofessod haver negado por pejo. Antonio
Vicente Mendes Maciel s sabe que Anna
Antonia oceultra o parto quando se proce-
da s averiguares policiae;.
Onde leve lugar o paito.A primeira tes-
lemunha diz ijue debaixo de um cajueiro no
quintal de Justino. A segunda diz o mesmo
seta indicar o lugar em que eslava a arvore.
Ooai este dito coincide o primeiro interroga-
torio feito a Anna Antonia, que entretanto
'Uro, peanle o jury, declarou que den
i luz em casa de Justino. E' o que diz tam-
ben) a quinta testemunba, o visinho injmigo
Victorino, (pie se refere a um dito, nao con-
firmado, de Alaria Benla,a supposta par-
tir. Antonio Vicente Mendes Maciel, o pe-
rito, a (firma que o parto teve lugar no quin-
ta! de Anto.iio Francisco.
Temos, portanto, declaracoes que nao se
co ahina m quasto ao lugar do nascimento,
ue, entr tanto, nenhuma razo faz crr que
jsse em casa de Justino.
A creanca nasceit viva ou mora "? Anna
Antonia nos interrogatorios declara ter nas-
ctdo raorta. As testemu ihas do primeiro
processo ignoram. O auto de perguntas a
ostod tambera nao esclarece o facto. A
tciveira teslemunha do terceiro processo on-
vh dizer que a creanca nascera viva. A o:-
tv.a, Victorino, o visinho inimigo, declara a
icsm cousa, accrescentando que nao sahiu
cumslancia. tambera affirmam que nada a este respeito
Autor do crime No primeiro pro-: Ihes consta. Nem urna outra testemunba
cesso s a stima testemunha, Vicie- depe contra Justino sobre este ponto,
rio, indicou delnqueme a mi do Que motivo portanto levara eite indivi-
recemnascido, mas isto por ottvir va- do a commetter um infanticidio, e ir ex-
gamente. No segundo processo nem urna por os vestigios do seu crime aos olhos de
s teslemunha dentre as oito referio-se le-
vemente a Justino.
No terceiro processo a primeira nao sabe,
mas ouviu a varias pessoas ser criminosa
liaria*Beata. Nao consta, accrescenta ella,
que a voz publica denunciasse Justino. A
sexta tarabem ignora. A segunda altribue
a autora ao mesmo Justino, por ouvir urna
historia (inepta) que este contara a Antonio
ttaymundo Paes, quinta testemunha refe-
rida, que declara nunca ter conversado com
Justino acerca do infantecidio, e que aquel-
la segunda teslemunha, Antonio Francisco,
que a elle se referi, foi quem impulou a
um visinho inimigo ?
Teria elle em vista evitar a vergonha de
urna pobre criada, sem familia a cuja vin-
ganca quizesse fugir, sem reputaco a per-
der, como attestam as testemuohas, e a pro-
pria pronuncia .
E si a gravidez era visivel e reconh cida
por todas as pessoas de casa e de fra, como
alTirma o juiz processante, que necessidade
tinha o reo de affastar a enanca das vistas
de sua mulher ?
Quem assisliu ao parlo ?Maria Ben-
la, dizem a primeira e segunda teste-
munhas, referindo-se aquella a um dito
auloria a Justino, accresceniand i que este de Anna Antonia, e esUf a urna historia,
pozera o cadver no quintal da casa delle, que nao foiconfirmada pela testemunha re-
Anlonio Francisco paradiffamar sua familia, ferida. A terceira falla de ouvida vaga A
A terceira referiu-se a outra que lancava; stima e oitava ouviram dizer mi da
o crime conti de Justiio. A quinta, Vic- enanca que Maria Benta fra a parteira.
torino, ladeou declarando vagamente ser es- .QuancL) solta, esta jura o contrario. A quin-
te criminoso. A oitava nada ouviu. A pri ', ta, Victorino, refere-se Maria Benta, que
meira, referida, e inimiga, soccorre-se wo: alucinara ter partejado a chamado de Justi-
publica, aecusando Justino e Mana Benta I no sua casa. Ella, porm, nao confirma a
O escravo Anselmo ouviu dizer a algumas referencia. A stima diz que a parteira
pessoas que foi seu senhor quem praticara o, ficara com a crianca, mas neste ponto refe-
facto. Antonio Vicente Mendes Maciel, tesjre-se a umdito.de Josepha, ouvido da es-
temunba nao jurada, tendo por ouvida vaga crava Thereza : mas nem urna destas con-
attribuido o facto Maria Benta, por esta firma a referencia,
condescender com Justino, ouoiu dizer a j Mendes Maciel, testemunha nao jurada,
Antonio Francisco da Silva que o autor da ignora o nome e morada da parteira.
morie era o dito Justino, segundo Ihe dicto- N'um auto de perguntas declarou Custo-
va suapropria con^cencta.AntonioFrancisco dia que Anna Antonia linha dado luz de-
nesle ponto tambera sereferiu a Maciel. baixo doscajueiros, e que Maria Benta pe-
Cumpre aqu nolar que anteriormente gara no menino,
bou vera um plano para atiribuir-se o crime: No primeiro interrogatorio diz a mSe do
de infanticidio ao proposito de se diffamar a recemnascido que a seu chamado lhe assis-
casa de Antonio Francisco, que declarara tira Maria Benta, que aconselhando-lhe a
nao gastar de Justino por e.-ta mesma ca'u- occultacSo, metiera a crianca n'um sacco,
sa. Parece que Maciel se lembrara dessepla- No segundo interrogatorio Anna Antonia re-
no ltigo, j caduco : e por isso, contra a tracta-se positivamente, affirmapdo que nia-
evidencia resultante dos autos, diz que o, guem assislira ao parto; e que si fizera a
. nem viu o cadver. Antonio Vicente! ^vTln^ra encontrado no quintal do refe- declaraco anterior, foi porque, nao tendo
rido Antonio Francisco. coramettidocrime algum, julgou que nao
Mendes Maciel, o perito contradictorio, asse-
sera como lestemunliaque nao sabe se a
c'.'jiiganasceu viva, mas era de presumir qne
tivesse sido raoita por estar con a cabeca
esmagada.
Nao ha, portanto, urna prova, urna deca-
i.^lo positiva, ao menos sobre a vitalidade
do recem-uascido. E desde que nao se mos-
ira a existenoia do delicto, nao se pode indi-
gilar o delinquente:
Quem conduziu a creanca quando nas-
ceu ? Justino com um escravo a trouxe em-
fcnilhada dizendo que mandava engeita-la
para na) divulgar-se ura acto desses, tal
o depoiniento da quima testemunha Victo-
rino, inimigo, o qual se refere a Maria Ben-
ta, que nao confirmou o dito. A quinta les-
teraunha s sabe por ouvir dizer que a creaa-
ga cra cora Maria Benta, e nada mais.
Enterro do recem-hasciiio.Consta dos
interrogatorios que foi Anna Antonia quem
deu sepultura ao cadver cobrindo o com
tena froum, que ella calcou com urna pe-
dra, em lugar por onde transitavam ani-
Craceito de Justino.As tres primeiras faziamal.
lestemuahas nao foram perguntadas sobre, Pela justificicao a fl. 77, com quatro tes-
os costumes, por nao aver a'gum reo deter- temunhas, se v que Maria Benta nao podia
minado. Urna diz que alguns fallara bem e ter sido parteira de 31 de agosto a 4 de se-
outrosma/. A quarla Jo3o Ribeiro Mouro,; tembro, porque recolhia-se s 8 horas da
que no primeiro processo nada disse neste noute e dorma em casa da familia de Nor-
sentido, sube agora ser Justin indigitad pe-.berto Jos Lonto: declarando, alera disto a
la voz publica como autor do infanticidio, e supposta parteira, que ali estivera doente
refere-se, alm disto, a um fjc o antigo. A (interrogatorio no primeiro processo de
quinta, tambem allude a factos antigos eaoj 1862.)
que publicara os peridicos: mas nao se res-1 Co-participaco da supposta parteira no
ponsabilisa por isto. Nem urna affirma de infantecidio. A terceira testemunha ouviu
sciencia certa. j dizer a Anna Antonia que a parteira man-
Paternidade do recem-nascido.A pri-|dou-a para casa e ficou com a creanca. An-
raeira u oitava testemunhas, bem como An- Ionio Vicen'e Mendes Maciel, testemunha
ionio Vicente Mendes Maciel allribuem-na nao jurada, ouviu (nao se lembraaquem)
a Justino, de ouvida vaga. Assim tambem que a parteira tivera parte no facto, e nao
a terceira, porque um sujeito dissera que a descobria isto mesmo por condescendencia
creanca se pareca com o mesmo Justino : I para com Justino. Eis aqui as prooas ro-
mas, accrescenta a testemunha, ter ouvido, \ bustas que autorisavam a pronuncia de urna
como a quarta, imputar tambem essa pater-' pobre mulher !
nidade u outrem. Urna dellas acha incrivel; Relacdes da supposta parteira em casa
o boato. Nio assim a sexta, o inimigo Vic- de Justino. A terceira testemunha affir-
moas. O facto do enterramento s positi- toriano' que altribue, a Palern.idade/a J4usli" J 1uef eIla as '.linaa- A primeira nega.
mni* rnteetlrin nn,- ilftin v.,. no por ler te negado a gravidez de Anna \ A quinta, Victorino, e a teneira ignorara.
Antonia, que no primeiro interrogatorio pe- (A stima ouviu dizer que Mar.ia Benta ia
rante o jury imputou a paternilade a Anto-muitas vezes casa de Justino. Bem se v
nio Vital do Tamboril, e no segundo a Justi-: que a prova obtida sobre esta circumstan-
n, sabe Deus por que insinuaco. \ ca nao revela mancommunacao do recorren-
Occultaco por parte do reo.Elle nun- te com a supposta parteira. E quanto a
ca negou que Anna Antonia |estivera gravi-' Ida de Maria para fra da comarca,
da, ou tivesse parido: mas aflirmou que circurastancia aproveilada como ummeiode
ignorava taes aconlec.menios, como ignora-1 provar intento de proteger, ou de evitar
vara as pessoas de sua casa, como ignora- alguma revelacao compromettedora, o que
vara os prop ios visinhos cujas casas ella se sabe pelo depoimento de todas as teste-
frequenlava. Tudo isto se raostra com do-! munhas que com effeito a supposta par-
cumentos. teira foi Ralurit, ignorndose o mo-
A oitava testemunht declarando saber,timo. t
que se toaba verificado a circurastancia da; 0cculta^ da 'prenhez e parto pela gen-
0.-CUItacao. A segunda e Antonio Vicente te de c<,S._Peia affirmativa s depmtres
Mendes Maciel alfirmara ter Justino dito que lestemunhaSi dizendo a terceira-que era
vamente contestado por Antonio Vicente
Mendos Alacie?, o perito, e testemunha nao
jurada.
Onde foi encontrado o cadver?N'um
barretro limpo diz a segnnda testemunha :
n'um barreiro ou cacimbo entupido em
parle, affirma a quinta (Victorino). Mendes
Maciel falla na existencia de urna escavano
antiga, mas nao se lembra se havia ali pe-
oras e tijolos. O documento n. 8 contera o
exime de dous peritos mostrando que no
lugar indicado nunca houve barreiro ou ca-
cimbo, mas apenas urna pequea cava mu-
4o rasa.
Rilado do cadver.E' irrisoria, como
c vae ver, a contradiccao das testemunhas.
Affirmtm a primeira, segunda e stima,
tem como Mendes Maciel que o cadver ex-
halava mu cheiro, e estava bastante incha-
do : a terce ra (por ouvir dizer) e a quinta
que se achava o cadver per feito e fresco.
Urnas affirmaram, que elle tinha 24 horas;
Outras, que fra expoto ha dous diai, com
dous de nascido; outra, que contava dia e
meio ou dous, e outra, finalmente, que a
creanca pareca nascida em a noute do mes-
mo dia Tinha o crneo arrebentado, se
gundo urnas, e mais urna mancha do lado,
conforme outra; icabeca machucada e urna
contnso do lado esquerdo segundo outra,
C um braco quebrado, conforme o depoimen-
to de outra.
Cansas das leudes.Pisadas de pessoas e
dmimaes pelo quintal, e especialmente no ja-
figo do cadver, a queda e pressao deste
quando foi enterrado por Anna Antonia, sao
causas conjecturaes a que se referem a se-
gunda, terceira, quarta e quinta testemu-
nhas para explicarem o faci de achar-se o
cadver com a cabeca machucada e cora ou-
tras contusdes. O contiario nao se verifi-
ca pelo eiame, e fra inepcia suppor que
cemoascido, se flzes-era as contuse air-
les que revela o eitado do cadver. E'
antes presumvel que el as resultassem da
ussagcm casual de pessoas e animaes pelo
Ligar da sepultura mal feita.
Instrumento das lesdes.Q nico depoi-
ignorava os factos. Outra ouv.u d.zer isto cabi(Ja dez em ca o^na^e 0
mesmo quanto agrav.dez, mas por outras pes- t0 e\ oitava de ^ _
soas. S a quinta, victor.no, declara que Jus- J f jla ^ d J^gJ
tmo procurouoccu Ura gravidez da creada, arlod*isdeste A ^^ Thepeza
Hoto que dingira-lheumaca taperguntando- ^ C()nfir(na a refereQCa de Josephaj e an.
lhe si sa ia alguma cousa que depozesse les declara que n5o sabia da gravidez de
contra a honestidade de Anna Antonia. En- A[ma Antonia Esta n0sjnterrogatoros af-
tretanto o conteudo da tal carta, appensa aos firmou em casa 0 se ^ umcanlen.
autos por Ju tino (uocumento n. 11) intei- te el|a es(nm de^
ramete con rana aeste depoimento. As testemunhas sao concordes na igoran-
Interrogada no jury, a m5e do recem-nas- ca dog motvos a f jIa oceultapa,
cido declarou que Justieo jgnorava o parto DU uma deas J,e como ^^ Am a
Mas elle qmz manda-la para Sobral, appareCeSSe desbarrigada no dia seguinte,
ajim de encobrir o parto. Esta circumslan- afpessoas de casa deviam saber. Euive-
c.a nao lera urna s prova que a confirme. O tant0 cert0 e ,,a fo eza e D0
que se sabe e que a indiciad* foi presa as dia seguinte confessou.
10 horas do da 4 de setembro, quando se A circuraslancia qa ta||iada de meio-
descobnu o cadver, e no da segrate de- confirmaaa no primeiro interrogatorio e pelo
/lrr. ii Ia 'rti/irt n lu *h itpatnp-i j
dito de urna preta escrava de Justino, a
queda que no primeiro interrogatorio pe-
clarou ter dado luz a cranla.
Remedios para occultar a gravidez.
A segunda testemunha referida nao con- rante o jury Anna Antonia declara ter dado
firma o facto de haver dito que Justino mi- indo ao banho, em que tambem ouvira fal-
nistrara remedios : apenas affirma que re- lar a primeira testeraunha no primeiro pro-
conhecera estar grvida Anna Antonia, que cesso, os banhos raornos, a beberagem de
lhe pediu pelo Santissimo Sacramen o que hortel5a e as grandes dores no baixo ventre,
para dar. a morte, alias mui fcil, a um re- occnltassc este seu estado. A oitava testemu- confirmadas estas duas ultimas circurasian-
-i _*1_ __k -. .-.------ k.aftujV_k m 1 ______.' ._____ __ .1 ___ f __ .________\ a ,^\ ^ -. ^. ,.\ n > v ,7Z innulAnlllil JI11A MAlinillAA ii
nha ouviu a uma muloer (que negou) e a cias pela r, sSo incidentes, que reunidos :
[outras pessoas, que Justino levara medica- simulaco, eao cuidado da criada em occul-
raentos cada. Entretanto j outra affirmra t qae este dissera n5o haver parto, mas sim
um fluxo proveniente da talhada de melao.
O certo que o tenente-coronel Castro, o
modo explifcar* a illusJo das pessoas da fa.T
milia, que nem uma c i-parlicipncao tiveram
no infantecidio, como declaram todas as es-
LIHER ATORA.
Un POUCO DE TU09.
Esta carta escripta de Sevelha em 10 do
correnle pelo cavalheiro, de quem j publi-
camos uma outra com relacao a materia con-
tinuada na presente :
Cumpro a promessa feita na minha ante-
rior.
O Paraguay que por muitos annos e se-
cutas viveu na obscuridade, ignorada intei-
ramente de todas as naces, debaixo do do-
; minio hespanhol e das missoes dos jesutas,
j e mais ignorado anda nos 26 annos de dic-
tadura de Jos Gaspar Rodrigues Francia,
I que o havia segregado do resto do universo,
I prncipiou a apparecer desde o dia em que
i o Brasil lhe deu nome e importancia, ce-
lebrando com elle um tratado de al anca
i para expulsar o despota do Prata, que a r.ea-
| cava absorver todas as repblicas daquella
| zona.
I O Paraguay conforraou-se com a allian-
ca, prometteu coadjuvaejio, "mas conservou-
se na expectativa para tirar, sem sacrificios
| de sua parte, proveitos eguaes aos dos que
I baviam pelejado pela liberdade ; e com ef-
feito tirou os maiores, que foram o reco-
nheeiraento de sua independencia, nao s
| pelas nacoes da America, como pelos prin-
cipaes da Europa, devido tudo a amizade e
esforcos do governo do Brasil.
E como correspondeu essa ropublica a
tintos actos de officiosidade arnigavel da
parte do Brasil.
Ahi est a serie do tratados, qu se se-
guirn! desde essa poca sempre sophsma-
dos, sempre transgredidos, e nullificados
pela repblica.
Semelhante condescendencia seria mais
quesufflciente para ere r desconfiancas n'um
espirito o mais desprevenido, quanto mais
em um governo que deve acompanhar a l-
gica dos aconteciraentos, e cuja previdencia
deve sempre chegar ao que posslvel pre-
ver. O presidente do Paraguay nao podia
por sua conducta ser considerado ura alliado
e amigo leal do Brasil, ao contrario devia o
governo t-lo por um amijjo simulado e re-
salvado.
Se sobre os factos aponta los acrescentar-
mos a organisaco de um exercito, e o ar-
mamento de ura flotilha cora que a alguns
annos se oceupava opresident' do Paraguay,
nao podemos absolver os governos do Brasil
da' indifferenca, e inercia com que olhavam
para um vizinho que de dia em dia se ia tor-
nando mais.suspeitoso e perigoso.
Era possivel que qualquer emergencia
ateiasse a guerra entre o Brasil e o Paraguay,
ella tinha estado eminente por duas vezes em
1856 e 1858. E se fosse. possivei entrar
agora na analyse das novas convencoes, que
a evitaram, vr-se-hia que foi isto devido a
muita complacencia da parte do Brasil, su-
jeitando-se as restriccoes impostas pelo go-
verno do Paraguay, o que concorrem talvez
para augmentar-lhe a arrogancia.
Como, pois, eni vista da attilnde bellica
e ameacadora que tomava o Paraguay, des-
cansava o Brasil em sua amizade, e confiava
era sua boa f ? Se os membros dos governos
nao fossem brasileiros, e dedicados amigos
do Brasil, seria fcil encontrar o termo com
que se devia denominar o abandono total
das nossas fronteiras, principalmente as da
provincia de Matto-Grosso, que eram as mais
expostas aos assaltos daquelle potentado.
Parece que os governos encararam com
desprezo para a posicSo raditar do Paraguay,
e entenderam, que o Sr. Lopes nao teria o
arrojo de afrontar os prestigios dq imperio,
offendendo a sua independencia pela invaso
do seu territorio.
Se asim foi, possuiram-se os governos de
um orgulho pueril, que tem crestado, e vae
ainda custar ao Brasil centenares de vidas,
e milhares de capitaes.
A Austria que uma das grandes poten-
cias da Europa est na posse de Veneza ga-
rantida por um solemne tratado; mas a
Austria, apezar de sua forra e do seu presti-
gio, tem em Veneza para defeza de suas
fronteiras um exercito permanente de 136
mil bomens I
Ninguem acreditar que a Franca preten-
da invadir a Inglaterra; mas a Inglaterra
est todos os dias contando os barcos com
que a Franca augmenta a sua armada para
nao lhe ficar inferior, e o orgulho nglez nao
se consi-'era abatido, por ter por mais d
uma vez levantado a voz no meio do parla-
mento, para recommendar ao governo que
cuide de ferliScar o seu litoral, e tudo isto,
se passa no estado das melhores relagoes de i
amizade com a Franca.
Portanto o Bcasil nao se devia considerar!
abatido em eu orgulho mandando guarne-
cer e fortificar as fronteiras de nossa pro-'
vincia de Matto-Grosso, nao o fez porque,'
j o disse e hei de repeti-lo um milhao de
vezes, porque a inercia quedecerto tempo
tompo para c domina nos governos do,
paiz.
Sim, a inercia quer que o acaso, e a ne-
cessidade tomem a tarefa de concertar, or-
ganisar, e dispor aquillo, que deve ser feito \
pela previdencia e a ra/.o dos estadistas, i
A inercia, que repousando estendida sobre
a coberta da nao, deixando que os ventos e [
as correntes a levem a seu sabor, queixa-se
depois de ver a nao encalhada, ou descosida
nos pareis; porque quera que o acaso ti-
vesse a previdencia,-que ellan5o teve, e abor-
tos os olhos, que ella tinha cerrados.
Desejoque Uquem bem registrados este;
factos para que o governo do paiz nao volte
jamis a raaos to inhabeis e deleitadas, e
porque se depois das victorias alguma voz
se levantar para tomar contis aos governos,
elles naturalmente dirSo Vamos dar gratas
a Deus.
Estou escrevendo debaixo da agradavel
8upposico de que a praca de Montevida
estar oceupada pelo nosso exercito. Esse
grande frito d'armas ser a concluso da
guerra cora a repblica do Uruguay, e dei-
xar recordarles duradouras a esse povo.
de que n3o se ultraja, e insulta impunemen-
te a uma nacao que sabe defender seus brios
e nacionalidade.
Ter pois o nosso exercito de deixar na
cidade de Montevideo pelo menos mil ho-
mens de guarniejh, e uma forca movel as
fronteiras do Rio Grande, aquella para vi-
tar qualquer movimento hostil a Plores, e
m
esta para intimidar a qualquer caudilho, qia
nos queira inedmmodar emquanto o nosso
exercit'se vaeoecpar com o Pzraguay-
Feito isto, o nosso exercito dar meia volta
direita, e ^presentar a sua victoriosa fronte
no Paraguayo.
A guerra ao Paraguay inteiramente di-
verja da que fizemos ao Uruguay, nao s em
' suas causas aggressivas, como na differanca
dos exercitos, e posicoes topographicas.
Ali pedimos satisfaces aos insultos que
nos foram feitos e porque as negaram, usa-
mos do direilo imiversalmente reconheci-
do das represalias/- e da guerra. Aqui te-
mos de combater contra uma nac5o que com
a mais inaudita traico e as melhores rela-
cdes de amisade cora o Brasil arma um ex-
ercito, e manda-o invadir o territorio bra-
sileiro, praticando nos seus assaltos toda a
sorte de devastares, e crueldades.
Aquello poderia invocar em seu favor as
regras internacionaes, e com elle poderia-
mos, se nao fra a sua tenacidade, entrar
em novos ajustes.
i Com este nao ha tregoa possivel, nem po-
de haver armisticio, porque foi o primeiro
a rasgar todos os cdigos escriptos, e todas
jas regras da moral, e da humanidade;
precis > pois fazer-lhe a guerra a todo o tran-
se at expobra-lo do nosso territorio e re-
duzir a cinzas essa cidade da Assumpco,
engindo no meio dos seus esco i bros um
monumento que tenha-a seguinte inscrip-
fao:
Saibara as geracoes futuras do Para-
guay que o territorio do imperio do Brasil
inviolavel e sagrado.
I E' diversa, como disse, a guerra com o
Paraguay quanto ao exercito, e posico to-
pographica; porque o Uruguay teria quan-
do rauito um exercito de quatro mil homens,
e o Paraguay deve ter vinte mil homens
permanentes, e alguns quarenta mil de re-
serva, que a forga que lhe d o seu a Ico-
rao.
O Uruguay nao tinha um-barco de guerra
capaz, e o Paraguay tem uns quatro ou cin-
co vapores, augmentados com os dous que
aprisionou.
O Uruguay era fraco em exercito, e mais
fraco ainda porque se achava devidido em
duas parcialidades politicas, o Paraguay pe-
lo contrario uma massa unida e compacta
que ebdece cegamente ao seu dictador.
O Uruguay um terreno de fcil accesso,
e muito conhecido do nosso exercito habi-
tuado a pizs-lo, o Paraguay ura paiz mais
; occidentado, e novo inteiramente para o nos-
' so exercito; por quanto o concurso de todas
estas circumstancias aconselham, que levan-
temos contra o Paraguay um exercito pelo
menos de Irinta mil homens, porque um
grande exercito denota a grande forca da
naco, e vence com menores sacrificios de
! vidas.
. Ao Paraguay, pois, com o nosso exercito,
com nossa armada, que a victoria ser certa
e gloriosa.
i Em outra carta emitirei minha opinio
acerca da poltica que o Brasil adoptar para
o futuro com as repblicas do Prata
Nao posso porm depr a penna sera di-
zer-lhe, que tenho o coraco imraensaraen-
te magoado por parecer-me que Pernambu-
' co no tem apresenta to o seu enthusiasmo
de todas as pocas em que a patria tem pre-
cisado de seus servicos. Por mais justas e
profundas que .-ejam as queixas dosPernara-
oucanos, por mais exaltadas e irritantes que
sejam as suas querellas domesticas, devem
abafa-las para correr em defeza da patria ul-
trajada. Vermelhos, amarellos e pretos,
todos sao filhos da mesma patria, todos de-
i vem formar uma coligaco fratornal para sal-
var a integridade do imperio, e o briu na-
cional.
Quando contemplo o sublime espectculo
de todas as provincias rivalisando era patrio-
tismo e sacrificios; nao posso crr que os
i descendentes d'aquelles que expulsaram os
Hollaudezes da ierra, que era do rei, con-
sintam que esta mesma ierra, que conquis-
taram para si cora o seu proprio sangue nos
campos de Pyraj, se veja invadida, e occo-
1 pada por uma horda de selvagens.
Se eu podesse j a muito estara as fi-
1 leiras dos voluntarios da patria; mas nao
tenho pernas capazes d marchar, nem bra-
cos para combater, resta-rae somente o co-
raco para sentir, e a voz para bradar as
armas Pernambucanos, as armas, as armas,
! que a patria reclama o vosso patriotismo e
o vosso valor,-nunca desmentido.
No dia 11 do correte, pelas 8 horas, da
manJhSa", morreu em Pars o duque de Mor-
ny.Mju i alm dos ttulos que possuia, desem-
phhava ltimamente as funches de presi-
dente da cmara dos deputados.
Desde o dia antecedente, diz'a Franca
que o' estado do Ilustre enfermo fazia pre-
sentir o seu prximo lira.
A's oito horas da noute o marque* de La
Vallette, amigo intimo de M de Morny, che-
gava a toda a pressa s Tul heras para par-
ticipar ao imperador e imperatriz a peri-
gosa crise que acabava de declarar-se.
Suas magestades dirigiram-se logo ao pa-
lacio da presidencia, e como houvesserecep-
Co as Tulher-as ficou a duqueza de Es-
sling encarregada de prevenir as pessoas que
se apreseiitassem da causa da ausencia de
suas mage-tades.
O Sr. arcebispo do Pars tinha ido visitar
o Ilustre enfermo ao meio dia.
A's seis horas, M. de Morny, que estava
sem sentidos- desde pela manha, recobren
a perdida lucidez de espirito, e pode confes-
sar-se.
A's 8 horas da noute, foram-llie adminis-
trados os ltimos s craraentospormonsenhor
Darboy, que a imperatriz havia mandado
chamar.
A molestia qual M. de M *ny suecum-
bi era complicada de uma gastralgia, in-
flanira M. de Morny nas:era em Patis a 23 de
outubro de 1811, contando por isso 54 an-
nos : loi educado pela condessa de Souza,
conhecida pea sua cathegoria na corte do
imperador e pela sua reoutacao litteraria.
A vivacilfcde de espirito que em verdes
annos M. de Morny j dava a conhece:, fez
que Talleyrand dissesse uma vez:Es e pe-
queo ainda ha-de vir a ser ministro.
Em 18t2, M. de Morny, tendo passado
deus annos na eschola de estado maior, sa-
hiu d'ella alferes do primeiro regiment de
lanceiros
Em seguida passou frica, onde serviu
com distraccao dirigido pelo duque de Or-
leans, que lhe consagrava particular inte-
resse, e onde sob o raimando de M. Chan-
garnier, fez a campanos de Mascar e a pri-
meira de Coustantina na qual ficou ferido.
Em 1838, porm, retirou-se da vida mi-
iitar e voltou-je para a industria.
Senhor de uma fortuna j consicferavel,
comprou nos arredores de Clermont uma
grande fabrica para a preparacao do assu-
de beterraba, e publicou nesse anuo uma
brochura sobre a tQuesto dos assucares,
que veio revelar a sua aptido para as ques-
tes induslriaes.
Nomeado deputado por Puy de Dome em
1842, elucidou com talento, perante a cma-
ra, muitas questoes de industria espe ial,
reclamou varios melhoramentos financeiros,
especialmente a di vi sao do's bilhetesde bra-
co, e apresentoo sobre a conversSo das ren-
das uma proposta que ficou sendo a base do
systema depois adoptado.
Dedicado pessoa e aos interesses do pre-
sidente, M. de Morny, era 1849, foi do pe-
queo nnmero dos que a c nfianca de Luiz
Napoleo chamou a preparar e levar a effei-
to o golpe de estado, e, no momento supre-
mo, desenvolveu muila audacia e sangue
fri.
A 2 de dezembro, sobraeava a pasta de
ministro do interior, que abandonou em 23
de Janeiro de 1852, juntamente com Mr.
Fould, Magne e Bouher em consequencia do
decreto sobre os bens da familia de Or-
leans.
Em 1854 succedeu a M. Billault na pre-
sidencia do corpo legislativo, cpjos debates
dirigiu durante os onze annos que decor-
rem desde entilo at a occasio da sua
morte.
Todos os representadles dos diversoslna-
tizes da opinio representados nos bancos da
cmara tributavam justica imparcialidade
da sua direceo.
E'doSr. **:
Ingazeira (que horror !) Ierra maldita.
De selvagens, smente, habiaco ;
Ergue o punhal, e d certeiros golpes,
Nao te lembres que ha constituicao !
Tu s um cemiterio, onde se nutre .
De ardis, de crime um monstro sanguinario .'
E o viandante foge horrorisado,
Ao verteu antro..., abrigo do sicario.
Ali geme a innocenciao crime folga,
,E,a virtude definha ali sem norte....
Vergonha I Escarneo geraco presente.
Onde a lei impotente, e o crime forte !
Ingazeira (que horror) trra malditaj
Vou riscar-te, p'ra sempre, da lembranca ;
E que eu nunca te vi, dizer prometi,
era teus myst rios e hrrida vinganca !
O Sicle diz -que se acha actualmente em
Pars uma ex-sultana, a qual abandonou o
seibo no dia immediato ao da morte de Sul-
tn Abdul-Medjid, e casou le Jumamente
cora uoi abastado negociante de Pera.
As revelacoes d'esta mulher sao curiosis-.
simas, c desilludem complet-mente aquelles
que imaginavam que a sorte dos turcos era
digna de inveja s pelo facto de poderem
ter sua dieposicSo quatro ou cinco mulhe-
res sem infringir a lei do Alcor5o.
A ex-sultana assevera que o serr .lho, Ion-
ge de conter odaliscas forniosas, esbeltas e
sympathicas, encerra um bando de pregui-
cosas, que o ocio vae pouco a pouco engor-
dando, e gue consomem a maior parte do
tempo em se descomporem e injuriarem
urnas as outras, passando nao poucas vezes
a vas de facto.
Sendo assim, a felicidade domestica dos
turcos, que, ha mais de um seculo, inflam-
ma a imaginaco dos rethoricos, deixa mui-
to a desojar e o serralho deve-se comparar
a ura inferno povoado de furias que, ao
mesmo tempo que atormentam o pobre tur-
co, lhe chamara: meu amo e meu senhor.
O jantar no serralho compoe-se de uns
trinta pratos, que vao desfilando um por um
sobre uma pequea mesa que tem a altura
de um p.
As od liscas esto assentadas em re-
dor da mesa, nao sobae alraofadas, como
as representam as gravuras, mas sobre col-
xes.
Os chinezes. servem-se, em lugar de co-
Ihr e de garfo, de pausinhos que movera
cora uma agilidade pasmosa ; as mulheres
musolmanas nao lera garfo era pausinho,
e levam as comidas bocea com dous dedos;
o index e o pollegar.
O costume nao permitte que uma dama
turca ponha a mao no prato mais de tres
vezes; servira de alvo zombana das suas
rivaes se derogasse este velho habito.
De resto, as damas turras tem pouco ape-
tite, por isso que estao constantemente roen-
do doces seceos, cenfeitos e pastilhas*. Su-
jeitas a este regimem, em poucos annos
chegam a ura estado tal de obesidade, que
morrera quasi todas de plethora.
Um serralho bem onranisado. compnsto
de quatro on cinco mnlheres, cnsta ao pro-
prietario quinhentas mil piastras cada anno.
Durante o ultimo anno do reinado de Ab-
dnl-Mediid. o serralho do cr5o-senhor cos-
tn mais de dezito mil contos de ris.
Os jovens turcos que tem adoptado as
ideas europeas consideran o serralho como
urna instituico caduca, que deve ser banida
dos costumes
De Buenos-Ayres escrevem ao Correio
Mercantil o bello rsgo do mestre do vapor
nacional Mrquez de Olinda to vilmente
apresado pelos paraguayos.
Ao chegar aquella capital da priso que
padeceu nos ferros do regulo do Paraguay,
o bravo marinheiro descozeu do corpo, e
foi depor em mos do Sr. conselheiro Para-
nhos a bandeira do seu navio, e os retra-
tos de SS. MM. II. que ornavam a c-
mara da barca, e que elle salvara das pro-
fanaces dos soldados do presidente Lpez.
J foi um rasgo de bro -a adheso a esses
honrados symbolos da patria, em suas en'
carnaces mais caras!
**
.
-


PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE F. & FILHO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMDK79EV4_ND5Q58 INGEST_TIME 2013-08-27T23:13:31Z PACKAGE AA00011611_10644
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES