Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10638


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO III. HUMERO 81
"3 a-I*
i
*
Ur firtel pago dentro de 40 das do 1, mez ...::.. >|Q00
Idemdepoisdesl.o,10dasdcinecoedeitrodtqutrtel. 6S000
Porte a correiotor tres mezes...........,:". 780
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da*Silva; Araeaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Ollveira; Maranho, o Sr. J laqnim Marques Ro-
drigas; Para, os Srs. Geraldo Antonio Aires &
Filaos; Amazonas, o Sr. Jeronymoda Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Alagoas, -o Sr. Ciandino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo, Escada e estcSes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Igaarass e Goyanoa as segundas e sextas eiraS>
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garaohuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho, Aguas Bellas e Tacarat, as trras
feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
logazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Cx, as quartas
feiras.
SABBADO 8 DE ABRIL DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 dias do 1. mez ,,,.,. 491000
Porte oo correie por na anno.........., 3f 000
Segunda vara do civel:
bora da tarde.
quartas e abluidos a 1
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agna Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO HEZ DE ABRIL.
2 Quarto cresc. as 10 h., 59 m. e 22 s. da t.
11 La chela as 2 h., 17 m. e 52 9. da m.
18 Quarto ming as 9h., e 16 m. da t.
27 La nova as 11 h., 53 ra. e 46 s. da ra.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAKS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jalio do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: trras e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civcl: tercas e sextas ao roci
dia..
Segunda vara do civil: quartas e sabbdos a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
.3. Segunda. S. Pancracio b.; S. Benigno m.
4. Terca. S. Isidoro are. dout. da egr.
o. Quarta. S. Ira v. m.; S. Zenon.
6. Quinta. Ss. Diogenes e Platonides mm.
7. Sexta. S. Ephiphanlo b.; S. Rufino presb.
8. Sabbado. S. Amando b.; S. Elizio m.
9. Domingo de Ramos. S. Demetrio m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 ra. da tarde.
Segunda as 2 horas 30 e minutos da manhaa.
m.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagnas a 14 e 30; para o noria
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL
GOYERRO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 5 de abril de ISOo.
Officio ao Exm. desembargador da Santa Casa
lo Misericordia.Pelo offlcie de V. Exc. de hoje
datado, Tico ioteirado de ter logar amanhSa as 4
horas da tarde a i' sesso da junta administrativa
dessa Santa Casa de Misericordia, do 4 trimestre
do corrate anno econmico.
Dito ao coronel commandante das armas interi-
no. Sirva-se V. S. de informar sobre o que pede,
no incluso requerimento, o soldado do 2* batalbo
de intentara Nicolao Cyrino de Andrade.
Dito ao mesmo.Visto que o padre Joas Vertu-1
llano Cursino de Macdo, tem cumprido satisfacto-
riamente os deveres deseu ministerio na qualidade
de rapello desse presidio, o sua falta se torna
sensivel, como consta de sua informago n. 196,
de 7 de marco prximo lindo, julgo conveniente
juigo conveniente que V. S. o convide a permane-
cer por mais algum tempo, no lugar que oceupa,
coniinuando como at agora, no empenho de me-
rigerar os sentenciados all existentes, trazendo V.
$. ao meu conhecimento o resultado de suas exi-
gencias a semelhante respeite.
Dito ao mesmo.Respondendo ao officio que V* j
S. me dirijo, sob n. 622, e data de 4 do correte, i
dcclarando-lhe que tica approvado provisoriamen-
te o contrato celebrabo com o boticario civil BrazI
Marcellino do Sacramento, para servir no hospital i
militar, visto que o de nome Jos Elias de Maura ]
pedio exooeragao como V. S. declarou em dito of-
ficio.-Commurticou-se a thesooraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar ins-
peccionar o voluntario fllho de Francisco Hendes
Martins, de que trata o incluso requerimento.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Annuindo ao que solicitou o director Cas obras mi-
litares em officio de hontem, sob n. 12, recommen-
Jo a V. S. que, nao bavendo inconveniente, mande
pagar a Joaqnim Jos Ferreira Penha, aquantia de
6i)i.),50t0 a que tem direito por lia ver execotado, de
conformidade cem o seu contrato, junto por copia,
no prazo nelle marcado, os concertos de que pre-
cisa va a arrecadagao, secretaria e gabinete do quar-
tel da fortaleza das Cinco Ponas, onde esteve o 7
batalho de infantaria.Comtnuuicou-se ao direc-
tor das obras militares.
Dito ao mesmo.Em vista dos inclusos docu-
mentos, que me foram remettidos pelo director
das obras militares com officio de hontem, sob n.
13, constante da copia inclusa, e nao havendo in-
conveniente, mande V. S. pagar Francisco Jos
de Brito, a quantia de 2725280, proveniente dos
trabalhos por elle feitos no laboratorio de fogo ties-
ta provincia, como se v do ciudo officio. Com-
municou-se ao director das obras militares.
Dito ao mesmo.Mande V. S. ajustar contas at
o flm do mez corrente, e passar guia de soccorri-
ment ao tenente do corpo de engenheiro Eugenio
Adriano Pereira da Cunta e Mello, que segu pa-
ra a corte na forma das ordens imperiaes.Neste
sentido expeJram-se as necessarias ordens.
Dito aa mesmo.Manda V. S. abonar em os de-
vi.los tempos, a familia do alteres do 9 batalbo
de infantaria, ltimamente nomeado tenente secre-
tario do corpo de voluntarios, Francisco de Freitas
Moreno, o sold que este, segundo o incluso reque-
rimento, pretende consignar-lhe para alimentos.
Communicou-se ao commandante das armas.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. os inclusos
documentos, que me foram remettidos pelo com-
mandante superior dele municipio com officio de
hontem, sob n. 100, atim de que nao bavendo in-
conveniente, mande pagar os ventimentos relativos
a segunda quinzena do mez de margo ultimo, da
forca do 3o batalbo da guarda nacional destacada
nesla capital.-Communicou-se ao commandante
superior do Recife.
Dito ao inspector da thesouraria provin-
cial.Para satsfazer a deliberago da assembla
legislativa provincial informe V. S., em quo se
undou essa thesouraria para iliminar do imposto
da casa de venda de escravos a Juo Pereira Mou-
tinho, e quantos escravos despachou por exporta-
cao o referido Moutinho no anno passado, e no
presente.
Dito ao mesmo.Em vista do competente certifi-
cado, mande V. S. pagar a Francisco Xavier Soa-
res, a quantia de 1505000. pois que empreitou cora
a reparticao das obras publicas, a execugao, com
10 por cento de abate no prego do respectivo orga-
meuto, dos reparos de que precisava o deposito das
aguas do palacio da presidencia, os quaes j:'i se
acbam concluidos, segundo consta de officio do
chefe intonno daquelia reparticao, datado de 3 do
corrente, e sob n. 95.Communicou-se ao chefe
interino das obras publicas.
Dito ao mesmo.Se nao houver inconveniente,
mande V. S. pagar a Luiz Jo.- da Costa Ainorim,
ou ao seu procurador, a quantia de 665000, prove-
niente do aluguel de 6 mezes, vencidos a 31 de
margo nltimo, da casa que serve de quartel ao des-
tacamento da Capunga, coraposlo de pragas do
corpo de polica.Communicou-se ao chefe de
polica.
Dito ao commandante superior do Recife.Man-
de V. S. despensar do servigo os guardas nacionaes
do 3* batalbo de infantaria Trajano da Costa
Mello, e di 4o da mesma arma JooDuarte Colho,
,cm quanto esliverem, o primeiro servindo de ca-
xeiro da casa commercial de Ferreira & Martins,
e o segundo empregado no escriptorio da compa-
nhia Pernambucana de navegagao costeira, Picando
deste modo salisfeito o que pediram aquelles nego-
ciante e o gerente da referida companhia, no reque-
rimento e officio que acompanharatn a inforraago
de V. S-, n. 99, de 3 do corrente.
Dito ao mesmo.Mande V. S. faier as honras
fnebres do estyl o, ac finado tenentequartel-mestre
da amiga guarda nacional, reformado nos termos
da le n. 602, de 19 de setembro de 1850, Tnomaz
d'Aquiao Fonseca Jnior, cujo cadver tem de ser
dado a sepultura hoje as 3 h ras da tarde; requi-
sitando V. S. ao director do arsenal de guerra o
cartuxame qne for necessarlo para esse flm.
Neste sentido officiou-se ao director do arsenal
de guerra.
Dito ao tenente coronel bacharel Joao Sevenano
Carneiro da Conha.Mandei alistar no corpo de
Voluntarlos da Patria o sargento-ajudante do bata-
lbo n. 51 da guarda nacional dessa comarca Acar-
is Candido Carneiro da Conha, e muito agradego
a V. S. a soiieitade com que procura auxiliar os
esforgosos lo governo na acquisigo de Volun-
Dito ao bacharel Joaqnim Francisco de Mello
Cvlcaoti.Mandei alistar no corpo de Volunta-
rio da Paira, o cidadao Severiano Antonio Perei-
ra da Rocha, de que trata V. S. em seu officio de
3 do corrente, a que respondo agradecendo a soii-
eitade c-m que V. S. procuro auxiliar o governo
na acqoiwco dos rnesmos Voluntarios, e espero
que continuara em tao patritico empenho.
Dito ao commandante do corpo de policaPode
V. S. dar baixa ao cabo de esquadra do corpo sob
seu comisando Luir. Eduardo dos Santos, vinto que,
segundo a sua informago n. 211 desta data flnali-
sou o seu engajamento, e nao quer continuar no
servigo. .
Dito ao roesme.Autoriso V. S. a mandar apre-
sentar ao commandante das armas, para ser alista-
tado no corpo de Voluntarios da Patria, com se
offereceu, o soldado Arsenio Jos de Castro, ex-
cluindo-o do corpo sob sen commando, se for jul-
gado apto para aquello.
Dito ao mesmo.Pode V. S. mandar alistar no
corpo sob seu commando o paisano Vicente Fer-
reira de Santa Anna, qne para isso foi julgado
apto, como consta de seu officl" n. 215 desta dala.
Dito ao mesmo.Em detrimento aos requer-
mentos do 2 sargento Francisco d'Araujo Caldas
Lima, sold. dos Joaquim Jos Gomes e Joo Rodri-
gues de Moura do corpo sob seu comm-.ndo, so-
bre que versam as suas roformagSes, ns. 212, 214,
e 216 desla data, autoriso V. S. a mandar dar-Ibes
baixa.
Dito ao mesmo. Mande V. S. apresentar ao
commandante das armas, para ser alistado no cor-
po de Voluntarios da Patria, com se offereceu, o
soldado Joao Joaquim da Silva, e o exclua do cor-
po sob seu commando, se fr apto dar aquelle.
Dito ao capillo do porto. Visto que sao neces-
saros nessa repartgo, segundo Vmc. declarou
em seu officio d'esta data, os servigos do respectivo
secretario, Decio d'Aquino Fonceca, que se acha
anojado pela morle de um seu irmo, enho resol-
vldo desanoja-lo, o que communico a Vmc. para
que Ih'o faga constar.
e muito menos cantar na estante juntamente com [ graves e urgentes, portanto nao tem lugar o que
os clrigos, erobora esses seculares estejam rovesti- j requer.
dos de capas ou opas de qualquer irmandade : o Requer ment de A. o qual estando a passar
que, alm de estar decidido por varios decretos da' a festa com sua familia em um sitio fra da cida-
sagrada congregrgao dos ritos, e ser praxe corrente do, requer licenga para se poder baptisar em casa
na igreja, entre nos nao pode admittir a menor du-' um filho do sapplicante.
vida, em razio da pastoral do Exm. bispo fallecido,J Despacho.Morando o supplicante prximo da
a qual esta em vigor, e manda sob pena de suspen-' ip-eja da Capnnga pode fazer baptisar o seu filho
sao ipso fado que nenhum sacerdote se incorpore nessa capella.
com o clero no coro sem estar revestido do ro-
quete.
Ora, se vista desta pastoral os clrigos de or-
dens_ sacras, smente porque nao esto de roque-
te, nao podem cantar no coro, como poder conce-
derse aos seculares a permissao de cantar incor-
Dito ao Sr. Joao Dias Coulinho d'Araujo Perel- ?oes sejam parochiaes, qur nao.
r Requerimento de F... o qual tendo am seu filho
muito doente, e nao podendo conduzi-lo matriz
para ahi ser baptisado, requer permissao para ser
administrado oste Sacramento em sua casa.
Despacho.Mande o supplicante administrar o
Sacramento do baptismo sem solemnidado e em
poradamente com os sacerdotes, ou a pretengao de; casa,.i>i mi culo mortis, o se a crianga melhorar
os substituir as fuocgoes ecclesiasticas ? leve-a*1 matriz, alim de se prem quanto antes os
Qaanto segunda parte do seu officio, evidente santos leos,
que V. S., como parocho, pertence escolher os; Requerimento de F... e F... pedindo prate-
ministros sagrados, que tem de servir no altar cora rem um oratorio privado com permissao para po-
o celebrante, nao s nos actos da semana santa, der nelle administrar os sacramentos do baptismo
como em todas as fanegoes ecclesiasticas que nessa e easameuto sem licenga do vigario.
freguezia se fizerem, como est terminantemente' Despacho.-Oratotio privado edanatureza e com
decidido pelo decreto Urbis tt Orbts da sagrada as gragas que pedem os suj.plirantes nao adms-
congregago dos ritos de 10 de dezembro de 1703, ifvcl.
que declara qne as confrarias leigas, erectas as! Requerimento de F... o qual tendo de baptisar
igrejas parochiaes, dependem do parocho no que nm filho, mas achando-se amadrinha muito doen-
respeita s funcgSes eclesisticas, qur estas func-' te e nao podendo ir a' igreja pede permissao para
ra.-Com o seu offlcie de hontem datado, se me
apresenton o ciddao Antonio Francisco de Araujo,
a quera mandei alistar no corpo de Voluntarios da
Patria, e muito agradego a Vmc. o auxilio que
presta ao governo na acqoisigo de Voluntarios da
Patria.
Dito ao juiz de paz presidente da junta de qua-
lificagao da freguezia de Ouricury. Nao tendo
acompanhado a lista dos cidados qualificados vo-
tante n'essa freguezia, no corrente nno, qae veio
annexo ao seu officio de 9 de margo findo, as rela-
gSes de jue trata o decreto n. 2865, de 21 de de-
zembro de 1861, compre que Vmc. m'as remeta
com a possivel brevidade.
Dito ao gerente da companhia Pernambucana.
Pode Vmc. fazer seguir para o norte o vapor
Mamanguape, no dia 7 do cerrente, a hora endica-
da em seu officio de hontem.
Portara. O presidente da provincia resolve
conceder a Francisco Bibiano de Gouveia, a de-
misso que pedio do lugar de continuo da recebe-
doria de rendas desta, provincia, e para o substi-
tuir nesse lugar nomeia a Adolpho Ferreira da
Silva, a quem se passar o competente titulo.
Fizerarrr-se as necessarias communicagoes.
Dita.O presidente da provincia resolve nomear
a Liberato Merenciano de Souza, para o lugar que
se acha vago de continuo da secretaria do governo.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Pernam-
hucana de paquete mande dar transporte para a
corte, por conta do ministerio da guerra no pri-
meiro vapor que passar do norte, ao soldado deser-
tor do segundo batalho de infantaria Joio Luiz da
Silva.Communicou-se ao commandante das ar-
mas.
Dita.O Sr- gerente da companhia Pernambu-
cana, mande dar transporte at Macei, no primei-
ro vapor que seguir para o sul em lugar de r
destinado a passageiro d'estado a Leopoldino An-
tonio da Fonceca.
Expediente do secretario do goTcrno do dia 5 de
abril de Officio ao i. secretario da assembla legislativa
provincial.S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
rr anda transmittir, por copia, a V. S., para ser
prsenle a essa assembla provincial, afim de ser
tomado na devida considerago, nao s o officio
do inspector da thesouraria provincial, de 26 de
margo ultimo, sob n. 111, e a demonstrago a que
elle se refere, pedindo um crdito supplementar
na importancia de 9475200, para a continuagao
das despezas de que trata o 4 do art. 17 da le
do orgamento vigente, o qual deixou de ser conce-
dido pelo mesmo Exm. Sr., por ser ontrario a
dsposicao do art. 4 da le n. 575, de 5 de abril do
anno prximo passado.
Dito ao mesmo.Passo s maos de V. S., de or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, pa-
ra ser presente a assembla legislativa provincial,
o incluso quadro das obras novas, indicado pelo
engenheiro em chefe das obras publicas, em seu
ultimo relatorio. Fica assim satisfeita a requisi-
cao da mesraa assembla, constante do officio de
V. S. de 31 de margo prximo ndo sob n. 54.
(OVEREO DO HISPAO DE
puiivuiiirco
SEDE VACASTE
Expediente do dia Io de abril.
Officio ao vigario d'Alaga de Baixo. Para que
ea possa despachar a petigo, que por parte de
V. Rvraa. me foi apresentada, afim de cobrar a
congrua correspondente ao mez de margo findo,
cumpre que V. Itvma. responda ao officio que, com
data de 15 de fevereiro, Ine enviei, exigindo que
sem perda de tempo se justificasse das graves fal-
tas de que foi acensado em urna correspondencia
assignada, e inserida em o n. 34 do Diario de Per-
nambuco.
Nao tendo, pois, chegado a esta secretaria a res-
posta que exig com urgencia, novamente Ihe inti-
mo que me responda, ese justifique para eu ver se
tera lugar o deferlmento petigo que deixo de des-
pachar.
Officio ao Exm. e Rvm. arcebispo da Bahia.
Rogo V. Exc. Rvma. o especial obsequio de sa
grar os Santos leos para esta diocese, na occasio
em que tiver de fazer a mesma ceremonia na ca-
thedral dessa metropole. Os vasos sero aposen-
tados a V. Exc. Rvma. com tudo o que necessa-
rio pelo Rvm. padre-mestre provincial de S. Fran-
cisco dessa cidade, que por especial obsequio se
encarrega dos competentes preparos e da remessa
dos mesmos vasos.
Dito ao Exm. presidente da provincia.Quando,
em data do Io do corrente, recebi o officio de
V. Exc. firmado em 29 do prximo passado, ja o
Rvm. conego secretario do bispado, achando-se nes-
sa cidade e vendo o citado officio de V. Exc, publi-
cado no expediente do governo, compenetrado da
urgencia que o caso exiga, se havia dirigido ao
secretario dessa presidencia remetiendo o caixo
dos Santos leos.
Agora, pois, s5 me resta.agradecer, V Exc. o
zelo e solictude, com que se dignon providenciar
de prompto, afim de que a diocese nao deixasse de
ser abastecida do oleo sagrado na tempo compe-
tente.
Dito ao conego Joao Baptista de Albuquerque,
secretario do Cabido. Para satsfazer a reqoisigao
que acaba de fazer-me o governo imperial, em avi-
so de 13 de marco prximo passado, baja V. S. de,
vista do livro de registros, confeccionar e remet-
ter-mc com urgencia urna relago do pessoal da ca-
thedrai desta diocese com declaragao dos nomes
das dignidades, conegos e beneficiados da mesma
cathedral, e as datas das respectivas nomeagSes e
collagdes.
Officio ao vigario do Recife.Em resposta ao of-
ficio de V. S., datado de 4 do corrente, tenho a di-
zer Ihe qne nao permittido aos seculares mistu-
rarem-se com o coro do clero na divina psalmodia;
'fazer baplisar o seu filho na casa da madrinha.
A vista, pois, do que deixo dilo, parece-me que j Despacho.-Nao tem logar o que requer o sup-
nenbuma duvida pode restar sobre os dous pontos plicante, visto como pode a madrinha passar pro-
do seu citado officio a que respondo; curaprindo curagao bastante a outra pessoa que na igreja a
V. S., na qualidade de parocho^ zelar na sua re- represente e faga as suas vezes na ceremonia do
gueiia a fiel observancia da disciplina ecclesiastlca baptismo, reservando ella para si o parentesco os-
nas funeges da Igreja.
Expediente do secretario do bispado.
Io d'abril.
Officio ao secretario do governo. Lendo eu no;
Diario de hoje um officio do Exm. Sr. presidente |
da provincia vigararia capitular, com data de 29 ;
do prximo passado, dizendo que fosse enviado pa-
ra a secretaria do governo o caixo, que contm '
os vasos para os santos leos, afim de seguir para a!
Babia, e nao tendo o referido officio chegado se- [
cretaria do bispado at o dia de hoje, apresso-me i
em remetter para essa secretaria o referido caixo
que acompanha esle officio, visto haver toda a ur-
uencia nesta remessa, rogando ao mesmo tempo >
V. S. que sirva-se declarar ao Exm. Sr. presidente
qual o motivo por que o Exm. vigario capitular Ihe |
nao officia a tal respeilo; o que elle far logo que
Ihe chegue s mos o original do officio hoje publi
cado. Desnecessario lembrar V. S. que eu res-
pondo por qualquer despeza que possa haver.
- 3 -
pintual.
INTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO SA
RIO DE PERNAHIlsCCO.
AHV/0\A.
Maniis, 9 de marro de 186a.
Como complemento da noticia que Ihe del na pas-
sada, acerca do embarque da forga de linha, que
aqui se achava, transcreverei em seguida algun3
1 trechos do que a esse respeito disse a imprensa
! desta capital.
1 A Estrella do Amazonas, descrevendo em longo
artigo o embarque e as manifestagoes bavidas,
diz :
Os dous vapores da companhia do Amazonas,
Officio ao provincial dos religiosos franciscanos ao som des vivas e da mosica, levaram ancoras e
da Babia.O Rvm. Sr. padre mestre Fr. Nicolao ja comegaram a mover-se. Era urna hora da tarde,
escreveu sem duvida V. Paternidade Rvma., pe-1 O Tapajoz, porm, tendo em primeiro lugar
dindo-lhe o obsequio de se encarregar da prepara- tomado carreira, adiantou-e cerca de duzentas
gao do oleo, que ti-m de ser sagrado para o nso des- bragas, e nessa distancia se poz a um tergo de tor-
ta diocese. Agora, pois, vo os vasos pelo vapor
Oyapock, os quaes V. Paternidade Rvma. lera a
bondade de mandar procurar na agencia dos vapo-
res, para onde foram remettidos em um caixo, cu-
Ja chave aqui envi inclusa. Sirva-se V. Paterni-
dade Rvma. de comprar o azeite e o balsamo, bem
como de entregar esse officio ao Illm. e Rvm. Sr.
arcebispo, afim de que nada falte para a sagracap
dos santos leos. i\a volta devem os vasos vir her-
ga, at que o Inca, com immensa velocidade pas-1
son por elle, to perto qne dous individuos, eolio-!
cados as caixas das rodas de ambos os navios, se
podiam aportar as mos I
A manobra foi feita pelo digno Sr. capito-te-
nente Nuno, a quem deveram os seus hospedes
mais esta agradavel sorpreza, filha da sua reco-
nbecida pericia como official de marraba.
Em seguida servio-se um sumptuoso lunch, of-
meticamente fechados e bem acondicionados no fereciijo aos que se relravam.
caixo. afim (Je nao -"wwr n men"- erna de se Otservou-se em todos estes actos a maior re-
%rar^VY Paternidade Rvraa. commnn.carme &>->.? deC.?. ,co_ndi8na de ^o escolhi-
qual a despeza que tiver feilo com tudo quanto dii i S. Exc. o Sr. presidente da provincia abio a
respeito aos santos leos, alim de que cu prompta- serie dos brindes, fazendo um ao exercito e armada
mente mande satsfazer nessa praca, ou onde V. Pa- de quem o Brasil espera a desafronta de seus bros
ternidade Rvma. ordenar.
Copia de alguns despachos dados pela vigorara
capitular.
Requerimento do conego Joo Chrysostomo de
Paiva Torres, pedindo para ter em sua companhia
um menino vestido de batioa e cora aberta.
Despacho.Nao e licito a seculares trazerem
habito talar e tousura sem estarem addidos al-
guma igreja matriz.
Requerimento de Franklin Celestino de Mendon-
ga, morador na povoagao de Pedras de Fogo, pe-
dindo para justificar idade perante seu parocho,
visto nao poderem as testemunhas sabir do lugar.
Despacho.Pode justificar perante o Rvd. paro-
e dignidade.
* Seguiram-se a este outros muitos, nao menos
importante?, feitos pelos cavalheiros presente?, e
que sena longo enumerar.
t Exlstiam a bordo do Inca, nessa occasio, cer-
ca de cento e oitenta pessoas das mais gradas da
provincia.
t Chegados a altura em que o Amazonas cingo
o Rio Negro em eterno e fraternal amplexo, os
dous vapores, parando, se aproxiraaram e della-|
ram a prancha.
t Foi essa a mais tocante peripecia.
< Tudo entao se misturou.
< As lagrimas da amisade, os antecipados sus-
cho respectivo, o qual exigir prviaroento a cerli- piros da ausencia, o enthusiasmo nascido da espe-
do de nao existencia, do assento de baptismo visto; ranga das glorias futuras, os abraco* sentidos da
como ella a base essencial de taes justifica- despedida, formaran) o grande quadro do mo-
goes.
Requerimento do juiz da irmandade do Santissi-
mo Sacramento da cidade de Goyanna, queixando-
se de que o Rvd. parocho respectivo se oppozra a
ser enterrado as sepulturas da sachristia um ir-
mo da mesma irmandade.
memo i
t E para que fosse grande, nada Ihe fallou I
O lugar, a occasio e o modo, porque foi feita
essa despedida, tudo era sublime de arrebatar I
c Imaginai dous bellos vapores, expresso de
progresso e civilisago, unidos sobre as aguas de
Despacho.A' vista da resposta do Rvd. parodio dous ros gigantes cujas margens silenciosas e vi-
MU 1
respectivo de quera nesta data exijo informago
acerca do inslito facto que allega o supplicante
providenciarei convenientemente.
Requerimento de F... o qusl correndo procla-
mas para se casar e sendo impedido por D... alle-
ga que lendo ido ao jury foi absolvido do crime
que se Ihe imputa, e que alm disso a impediente
j morreo, e a que se diz por elle offendida se acha' irmas mais velhas
rentes sao primores da creagao, servindo assim de
theatro ao desenvolvniento dos elevados sentimen-
tos da humanidade, o tereis o transumpto do que
se passou, e nao pode ser pintado pela minha po-
bre penna.
A ultima das estrellas da constelacao do cru-
zeiro, nao apresentou menos fulgor, do que suas
aos filhoso caminho da gloria, conduziara-nos pe-
la mo ao templo do Dos dos combates I
A ordem e harmonia quo reinavam em todo
o festim, oenthusiasmo e contentamento que irra-
diavam em todos os semblantes, quando se trata-
va de desaggravar a offensa nacional, davam a
medida do sentimento grandioso, o amor da patria,
As lagrimas derramadas no adeus da separa-
go foram um oflego natural da saudade, que em
taes momentos se nao evita. Ellas, porm, nao
empaliidem, antes vivificam a coragem do bravo.
O* cus protejam a causa do Brasil, a ben-
gao de Dos caia sobre os nossos irmos, que a
vo defender.
Como v, nao fui exagerado no que Ihe disse.
Aqui ha verdadeiro enthusiasmo e sentimento pa-
tritico. E' isto urna gloria para o actual adminis-
trador, que v a gente grada da provincia acer-
carse delle, e assim auxiliar o governo. E' o mais
solemne desmentido que se pode dar aos que na
corte intrigara sob o reposteiro das secretarias, di-
zendo que elle se acha isoiado.
O Exm. Sr. presidente publicando o decreto
n. 3371, que crea os corpos de voluntarios da pa-
tria, acompanhou-o desla proclamago :
Amazonenses IA vindicta da honra nacional
j comegou, esplendida e grandiosa, como o recla-
mava a brutal offensa que recebemos dos nossos vi-
sinhos do sul.
A tomada de Paysand, em que as armas brasi-
lejras acabou de bnlhar com galhardia e distinc-
gao, deve ter convencido os Orieniaes, e mostrado
as nag5es civllisadas, que sabemos zelar os nossos
brios. A obrada desafronta, ser, pois, completa
e to prompta, quanto sao patentes o valor, disci-
plina e patriotismo do soldado brasileiro.
Nao se terminar, porm, a nossa tarefa na Ban-
da Oriental.
O Paraguay, que ao -'ndigno e traigoeiro proce-
diment, ja anteriormente manifestado para com o
imperio, acaba de ajunlar urna nova agresso, in-
vadindo a provincia do Matto Grosso, deve pagar
caro a sua ousadia.
A causa da nagao, e a nago reclama o servigo
de seus filho*; o brago destes saber lavar o in-
sulto, que o insolento estrangeiro atirou-lhe
face.
Todas as provincias do imperio acodem ao bra-
do da patria ; cada brasileiro um soldado; e
heroicos bravos se reunem, formando corpos de
voluntarios. A centelha, que inflama os coragoes
dos nossos irmos do sul, nao est amortecido no
Amazonas.
Os (ilhos desta grande regio sabem oque devem
ao paiz, e ao imperador, que nos chama s ar-
mas.
Eia, Amazonanses, sede fiis ao nosso Augusto
Soberano.
A honra ser a vossa divisa, o civismo e o de-
ver o vosso guia.
Manos, 23 de fevereiro de 1865.
Adolpho de Barros Caralcanti de Albuquerque
Laceria
No presente vapor seguem mais treze volunta-
rios, alm dos que foram no passado, e segoiriam
quinze se na inspecgo militar se nao reconheces-
se que dous delles nao sao aptos para o servigo
activo.
Temos aqui noticias da Solivia. O governo cen-
tral acaba de crear urna nova provincia no dis-
trictode Benij fronteira com o4mperio pela de Mal-
lo Grosso e Aonazoca-.
to do presidente da fe>f5licr"aJescem"at qusi
sessenla leguas abaixo das cachoeiras de Santo
Antonio, o que importa usurpagao dessa parte da
margen) esquerda do Baixo Madeira, em que o Bra-
sil sempre exerceu indispntavcl jnrisdigo, e tan-
to que o Sr. Adolpho de Barros ha quasi seis me-
zes conserva em santo Antonio um destacamento
para garanta resmo|dos negociantesdaBolivia que
descem cora os seus productos para o vale do Ama-
zonas.
Isto quer dizer que talvez breve tenhamos com-
plicacSu com esses rasos vizinhos, que entretanto
sao os que mais se teem mostrado desejosos de en-
treier boas relacoes comnosco.
Tambem consta por um negociante daquelia re-
publica que acaba de rhegar Serpa, que o gene-
ralito Lopes Solano solicitara do governo boliviano
permissao para atravessar territorio deste e inva-
dir a provincia do Amazonas, e que a resposta jo-
ra negativa.
Ser possivel que entre semelhante idea nos cas-
cos do presidente do Paraguay ? A expedigo
pralicavel, mas diflk-il, e por tim o que querer
elle fazer aqui ?
Apezar de todas quantas ja nos tem elle feito, e
que revelam um grande dasasisamento, dou tre-
guas a nova.
Ufay *
hoje desconceituada na opiniao publica em razo
da sua conducta pouco recatada, vista do que
pede que tal impedimento seja declarado de ne-
nhum effeito.
Despacho.Junio o supplicante certido de ab-
solvlgo que allega, e os Rvds. vigarios das fregne-
- A provincia do Amazonas nada tem a invejar
qas pompas alheias.
, O Catechista. menos minucioso, porm Igual-
mente cheio de enthusiasmo esclaraou :
Com orgulho o dizemos : os dous corpos fixos
zias N. .*. e N..". informem conscienciosamente' desta provincia embarcaram no dia 27 do passado
acerca deste impedimento, se a impodiente existe! i seguiram a bordo do Tapajoz, sem que urna s
ou se ja falleceu ; que destino tomou a offendida, ae suas pracas desertaste.
e os mais esclarecimentos que poderem obter cer-1 Essa circunstancia falla muito alto, e tem
ca deste impedimento. gjrande signficago, quando se considera, que taes
Requerimento do mesmo apresentando a copia i pracas, na quasi totalidade, lllhos da provincia
da sentenga, as informagoes dos parochos, e outros aqu casados, ou vivendo com famiiia, se
documentos.
Despacho.A' vista das informagoes dos Rvds.
parochos e documentos juntos, declaro sem effeito
o impedimento posto ao supplicante, o qual pode-
r conlrahir matrimonio servatis de jure ser-
vandis.
Requerimento de F.. .-^dindo licenga para fa-
zer presepio em casa.
Despicho.Sendo do meu dever evitar a occa-
sio de se pratiearem as indecencias que infeliz-
mente soem apparecer nos festejos desta ordem :
reconbecendo que ellas quasi sempre se do, inde-
pendenta da vonlade das familias em cujas casas
se celebram ditos festejos, eno devendo alterar os
costamos legtimos e justamente estabelecido pelo
finado prelado diocesano : por isso nao posso con-
ceder a licenga que o supplicante requer, apezar
de reconhecer os seus sentimentos religiosos e a sua
honestidade.
Requerimento de F... que tendo oblido manda-
do de casamento, desiste, e pede que se ajunte o
mesmo aos autos, e passe novo mandado.
Despacho. O Rvm. vigario da freguezia de
informando-se do motivo porque o supplicante nao
effectuou o casamento, declaro se ha algum incon-
veniente em cenceder-se-lhe o que requer.
Requerimento de J. que tendo oratorio priva-
do e a competente licenga para fazer celebrar mis-
sa era casa, requer licenga para se poder baptisar
ahi ama crianga da qnal o sapplicante tem de ser
padrinho.
Despacho.As leis ecclesiasticas prohiben) a ce-
lebragao dos Sacramentos em easas particulares, e
se algamas vezes o perraHt*m bavendo causas
haviam
teriam de per-
temoo de ser-
alistado na esperanga de que aqu
manecer at p eheneberem o seu
yigo. -
i Desla sorle, pois, separando-se de seus paren-
lek e amigos, dos seres mais ntimos e queridos
suffocando todos os sentimentos charos a corago
humano, para s attenderem ao santo amor da
pailria, aquelles bravos fllhos do Amazonas eleva-
rara-se a altura do herosmo, que as circunstan-
cias reclamam, e mostraram ao paiz que sabem
comprehender a importancia do saenfle-o que del-
les exige o Imperador, o primeiro cidado e o
mais fiel interpelre da vontade da nagas.
* O Inca e o Tapajoz, embandeirados, seguiram
at navegaren: aguas do Amazonas. Durante o tra-
jelo tiveram lugar os mais eothusiasticos e ex-
pressivos brindes ao exercito, a armada, aos bra-
vos que partiam, a guarda nacional do Amazonas,
aos Srs. presidentes e commandantes das armas,
aos dignos commandantes dos corpos expediciona-
rios (a cada um dos quaes foi offerecida urna coroa
de flores nainraes, por doas graciosas virgens) a
diversas autoridades da provincia, etc., e final-
mente a S. M. o Imperador, coro o que foi encer-
rado o felim.
Eolio, parando os dous vapores, e atracando
nm a ontro, regressaram os officiaes para bordo
do Tapajoz, por entre os abragos e as bengaos de
toda a companhia.
< Ao ora da muzica e de enthusiasticas aeh-
magoes I anca va m as senhoras de bordo do vapor
Inca flores sobre a tropa estendida pela borda do
Tapajoz.
Erara as matronas de Sparta, que ensinando
<-,
i Por toda a parte estavm. as .mellas das casas
apinhadas de senhoras, maitas dellas deilavam flo-
res sobre os Voluntarios, bem como per onde estes
passavam, o povo troava os ares com vivas.
O batalho no mel de despedidas entbosiaslicas
erabarcou no Manos para ser levado ao Oyapock ;
no momento de largar d ponte os vivas, e as ma-
nifestagoes de adeus foram frenticos II
Emim f vai mais esta porgao de filbos do Para
que a provincia offerece ao governo geral para o
desagravo das offengas recebidas.
Que elles voltera cobertos de gloria que lodos
aqu desejamos, porque a causa da jusca e da
razao a do Brasil na declaraco de guerra do
Paraguay.
Outras novidades de maior monta, nao as ha em
taes occasio, como pode avaliar.
A provincia em geral est em paz; de poltica
nada ha de importante alm da costumada opposi-
cao s principaes autoridades* administrativas..
Foi nomeado delegado de polica desla capital i
o Dr. Heraclio Vespasiaoo Fiok Romano; foi urna
bella acquisigao que o Dr. chefe de polica fez para
este lugar.
Algumaf outras nomeagoes e demissoes tem ha-
vido, entre estas conta-se a do Dr. Antonio Gongal-
ves iNunes, procurador fiscal do thesouro provin-
cial, cujo logar foi oceupado pelo Dr. Joo Maria
de Moraes Jnior, ha pouco formado e chocado de
S. Paulo.
Urna das cadeiras'do curso de latm do collegio
Paraense acaba tambem de ser exlincta, o annexa-
da a outra de latinidade, sendo despensado laqueUc
lugar o conego Manoel Jos de Sequeira ilendes,
nm dos roembros do partido conservador.
Do commercio nada ha de notavei; a retirada de
tanta tropa desta provincia, sempre paralisa um
pouco o consumo de certos gneros e mercadorias
porque a tropa d mais ou menas vida a qualquer
populago.
Contina sem raaior solugio a queslao da fallen-
ca da casa commercial de Mullier Duval & C.
A praga do commercio tambem fez urna miniao
para obter donativos a bem das urgencias do esta-
do na crise actual.
Consta-nos que este appello ao commercio e a
generosidade de todos qub podem concorrer para
semelhante Ora,, tem produzido o deseiado
effeito. '
Neste porto existem os seguinles navios:
Graciosa........... brasileiro.
Butha Runidorff----- >
Amazona........... portugnez.
Fiordo Ver........ ,
Ligeira............ >
Scrates............ francez.
Truncis Graham___ inglez.
Victoria............ ,
Rondda.........___
Osell.............. ,
Ituhan IIuo......... i
Lady llilda.......... >
Tenschelling.......... Hollandez.
George.............. dinamarquez.
U Oyapock parte s 10 horas da noute.
DIARIO DE PERfiAMBUCO
Belm, 2$ de margo de 186o.
Apesar de dous dias de demora do vapor Oyapock
nesle porto, mu limitado terapo mo sobra para Ihe
dirigir a minha missiva.
A noticia que tem enchido do enthusiasmo e de
contentamento este bom ponto da cidade de Belm
do Grao-Par, foi a cnpitulacio de Montevideo.
O enthusiasmo e o praser sobrenadara em todas
as manifestagoes I
A' dous das que aqui chegou o paquete e duran-
te elies s se coida em deraonstragoes publicas, a
comegar do momento em que se soube a noticia
da entrega de Montevideo, por isso que o vapor
logo quo appareceu a barra, trouxe um signal
designando que semelhante acontecimento indi-
cava.
Ao fundear o vapor, os caes do nosso porto esta-
vm apinnados de urna populago immensa, assim
como os navios e vapores existentes no ancoradou-
ro embanderaran) em signal de contentamento.
Todas as casas era geral llurainaram e tem con-
tinuado por estes tres das que hoje linam.
Msicas pelas ras, grupos de povo dando vivas,
arcos, e illuminagoes no mar e em trra tem sido
a maneira, pela qual o povo paraense (era demons-
trado a sua sau\fago pelo desenlace da questo
oriental.
Isto por demais satisfatorio para a integridade
do Imperio, porque do sul ao norte a opinio na-
cional urna e unnime.
Hoje tambem foi o dia designado para o embar-
que dos Voluntarios do Para, que n'um batalho
superior a quinhentas pragas embarcou para o Rio
de Janeiro.
A ovago popular nao podia ser mais brilhante e
imponente I
Seguramente mais de quinze mil pessoas vleram
acompanhar e dizer o adeus de despedida, aos
bravos que vo desaffrootar a honra da patria.
O batalho ao meio dia p- rlio do quartel, pelas
ras de Santo Antonio, largo de Sant'Anna e ra
Nova deste nome ao largo de palacio; ahi em or-
Uem de marcha se Ihe juntou o presidente da pro-
vincia, chefe de polica, commandante superior e
mnitos officiaes da guarda nacional.
S. Exc. tcnd'.i-lho dirigido algumas palavras pro-
prias da partida,den differentcs vivas.
Em seguida todas as autoridades assim como
esle corpo e immensa populago que o acompanha-
va dingiram se pela ra dos Mercadores, largo das
Mercs, frente da alfandega, ra de Bolm; al a
ponte de embarque na gerencia da companhia do
Amazona?.
Hontem 1 hora da J^j^XafldfflUffnijpsso por-
{Tdlas'alll de Janeiro e 4 d Baha, em cm
porto esteve tres a tomar carvo, sendo portador
das noticias abaixo.
Ro de Janeiro.-Seguir para o sul, a bordo do
vapor de guerra re/,,*> qr v.nnelhe ro Francis-
co Octaviano de Almeida Rosa. ro rrancib-
Por aviso de 23 do passado foram nomeados :
O capito-tenente Joaquim Jos Pinto, parcom-
roandar interinamente o vapor Jequilinhonha.
O Io tenente Tnomaz Pedro de Bitteocourt Co-
trim, para commandar o vapor Ilajahy.
O Io tenente Jos Lamego Costa, para comman-
dar o vapor Maracan.
Por aviso da mesma data foram concedidos
dous mezes de licenga ao caplto de fragata Pedro
Antonio Luiz Ferreira, para vir corte tratar de
sua sade.
O 2o tenente da armada, Napoleao Jansen Mul-
ler foi, por decreto de 21 do corrente, promovido
no posto de Io tenente, por antiguidade, nos termos
do art. 2o do decreto n. 3,169 de 29 de outubro de
1863.
O leilode fazendas, promovido pela directo-
ra do hospital portuguez de beueficencia, montou
em dons dias cerca de 30:000$.
Foi nomeado commendador da ordem de
Christo, pelos relevantes serviros prestados na
campanha do Estado Oriental do Uruguay, o coro-
nel Antonio Peixoto de Azevcdo.
L-se no Jornal de Commercio de 27 do pas-
sado, ultima data.:
Entrn hontem dos porlos do Sul o vapor Bra-
sil com datas de Porto Alegre at 17. Rio Grande
21 e Santa Catharina 23 do corrente :
As noticias sao de pouco interesse.
Tinha chegado capital da provincia de S.
Pedro o Sr general baro de S. Gabriel, ex-com-
mandante em chefe do exercito de operagoes no
listado Oriental.
< Sobre a recepgao de S. Exc., diz o Correio do
Sul de 9 :
O llustre general baro de S. Gabriel chegou
hontem no fluminense, com os dlstiactos Srs. bri-
gadeiro Jos Gomes Po-tinho, coronel Valenga, Dr.
Farinha, e muitos oatros officiaes que se recolhem
de Montevideo.
Cra vapor da companhia Jacuhy foi receber
entrada do porto o bravo general e seus gloriosos
companheiros, acolhendo-o com fervorosos vivas
ao cruzarem-se os dous vapores.
No ancoradouro passou o heroico marechal e
sua comitiva para o vapor da companhia, vindo
desembarcar ao caes da alfandega, onde nma roul-
lido compacta rompen em Vctores ao egregio
commandante em chefe do exerrito do sul.
S. Exc. responden victoriando a nago brasi-
leirr, a S. M. o Imperador e a constitdigo polti-
ca do imperio.
A msica do maestro Mendanha, essa orches-
tra que nunca falta ao applausos da patria ou aos
reclamos da gloria, eslava ahi postada, e saudou o
bravo general seguindooat a residencia que Ihe
eslava preparada ra da Prala, e al onde o se-
guio um prestito talvez de mil posoas.
A' noite as msicos foram locar frente da
casa onde estavam hospedados o nobre marechal e
seas Ilustres companheiros, e muitas casas illu-
minaram-se espontneamente. ,
No dia 14 houve na mesma cidade nm reu-
nio da cmara municipal, da qnal a referida foiba
de 15, sob a rubrica Ovago ao bravos d a
segninte nota:
A cmara municipal funecionon hontem, sob
a presidencia do Sr. Anlonio Manoel Fernandes,
achando-se presentes o< Srs Jos Luiz da Costa J-
nior, Abel Correia da Cmara, Jos Martins de Li-
ma, Joo Carlos Bordini e Francisco Jos Brrelo.
< O Sr. vereador Jos Lnlz propoz que a cmara
mandasse tirar os retratos dos bravos generaos de
mar e de trra, qne commandavam o exercito e a
esquadra brasileira na uUima guerra oriental, col-
locando-os aa sala de suas sessSes, em bomenagem
aos relevantes servigos qne ambos haviam presta-
(WTlLADOi


-*?
Diario de Pernambnoo ... Stbbado 6 de Abril de 9 8G5.
do, e valoro? conducta e abalisados feltos das
tropas que linharu commandado, e que para esse
lim fussem utmeadas duas commissoes, que solici-
tassem o wB*niinanlo dos dons Mostrea capiTaes,
os Srs. vjconde de Tamandar e marechal Joao
Propicio, i ...... j
A este proposta accrescentou o Sr. Marttns de
Lima que a commissao a nemeada para ir ae Sr.
(enera! Propicio fosse igualmente incumbid de o
felicitar em nome desle wrcicipio pelas victorias
do heToice exercito do soo commando; e o Sr. Abel
da Cmara, que em vez de commtesao fosse a pro-
pna cmara reunida,- depositando em mos de S.
Exc. urna copia authentica da acia em que esta re-
sologo era votada, e rnaudaodo-se outra i goal ao
egregio almirante da esquadra brasileira, com a
mensagem que deve-lhe 'enderegar a municipali-
dade.
* Todas essas mdlcagoes foram votadas unni-
memente, marcando-se para hoje,depois da sessao,
comprimenio aotEm. Sr. general Propicio, no-
meando-se para a tnrnmissio que deve apresenlar
ao Sr. visconde de Tamandar igual cortejo o dis-
tincto chefe de drvisio Francisco Pereira Pinto, o
capitn de marre guerra Jos Secundino Gomenso-
re, primeiro tenente Jos Antonio de Oliveira Mon-
tanry, e os guardas marinhas Francisco Flix da
Fonceca Pereira Pinto e Joaquim Raymundo Dela-
mare Sobriohe.
Segundo cartas de Santa Victoria, de 9, traba
passado oomesino dia para o Estado Oriental o
major Beeno frente de cento e tantos homens do
corpo provisorio n. 16, com um reforjo de 1,000
cavallos gordos para o exercito.
c cuando o Alegrelense de 21 do passado, que
d noticia do campo paraguayo de S. Carlos at 8,
dii o Gorrtio do Sul de 10 do correnle :
O movimeot de Torcas que alarmou a nossa
fronteira foi urna simples troca de coros, substi-
tuido os antigos, que foram retirados, outros de
tropa escolhida.
Em Itapua permanecem os mesmos 6,000 ho-
mens. que ah se conservavam antecedentemente.
t Dizem que iquelles corpos foram mudados pe-
lo muito mal que Ihes eslava fazendo a cliclerina e
as desergoes que dizim&vam-os.
c o campo inimigo acreditavam pamente que
tiohamos sobre o Uruguay 3,000 homens 1... Ser
que os delles sejam como estes milhares nossos?
Enlretanto diz que essas alminhas de Dos fal-
lara pela gorja em uns wn, m valentes com que
ha de saliir da chrysalida o proprio generalito em
pessoa, para t malar ura por um todos os perros
brasileiros I... Caramba 1
E o mais qu suas mercs estavam amon-
toando gaco9 cavalhada, e fabricando um numero
immenso de cangalhas, para caminhar na serra.
Por'eonseguinte vo a S. Paulo, caminho do
Rio de Janeiro, d'esta feita J
Caramba I D. Solano nao bomem para poucas
consas I
0 1 batalho de voluntario da patria, aquar-
tellado as irincheiras da cidade do Rio Grande,
fleava a partir para Pelotas, donde seguira a acam-
par no Pirahy.
Ao referido corpo dra o corpo do commercio
nacional e estrangeiro daquella cidade no dia 12
um janlar, do qual d o Diario de 14 a noticia se-
grate :
t O jantar offerecido pele corno commerclal na-
cional e estrangeiro desta cidade, ao Sr. comman-
dante e mais officiaes do Io corpo de Voluntarios
da Patria, ha poneos dias chegado da corle, e que
domingo a tarde teve lugar no Tivolly do Sr. Pi-
menta, esleve sumpluoso t
Unta extensissima mesa de 166 lalheres, rica-
mente ornada de diversas iguarias, doces, vinhos,
fructas e flores, achava-se estendida na pittoresca
floresta da entrada do Tivolly, ornada de bandeiras
nacionaes.
t A' pouca distancia da cabeceira da mesa es-
lava armada urna pyramide cnica formada com as
proprias armas do corpo de Voluntarios e mais
alm achava-se erguido o crelo para a msica.
t O servico da mesa, seus ornamentos e profu-
so dos ricos manjares de que se compoz o ban-
quete foi confiado aos notis Carrn e Paris, de
Mr. Pascal. Dto isla, nada mais precisamos aug-
mentar para que se possa formar um juizo aproxi-
mado do gosto e perfeico com que eslava arran-
jada aquella grande mesa.
c A' hora aprazada achava-se o grande amphi-
Iheatro da floresta cheio de convidados, e momen-
tos depois foram recebides a porta da entrada do
bosque o Sr. coronel Joao Manoel Mt nna Rarrelo e
demais Srs. officiaes de seu corpo, sendo do quar-
tel al all acompanhados por urna commissao com-
posta dos Srs. Ernesto Jos Lins e Francisco Anto-
nio Lopes; e passando por entre alas, que forma-
ran), os convidados tomaram na mesa seus compe-
tentes lugares, expressameBte indicados por urna
outra commissao composta de varios senhores.
t Ao priociplar o banquete tocou a msica e su-
bi ao af urna grande girndola de fogueles.
Entre o grande numero de convidados conla-
vam-se distincios caracteres, capitalistas do corpo
grande numero 'de"negociantes, rrsi: c-mmaTicnnr-
te da guarnigao c seus ajudantes de ordens, os Srs.
capiles de fragata Pereira Pialo e Correa o Sr.
deputado provincial Dr. Jayme Couto, o Sr. Ur. de-
legado de polica Canariro. > Sr Dr. juiz municipal
a. .o', us srs. cnsules dos Estados-Unidos,
da Prussia e da Dinamarca, varios funcionarios
pblicos, os redactores dos jornaes Commercial e
Diario e outros muitos dignos cavalheiros.
O topo da mesa era oceupado pelos Srs. briga-
deiro Paula Rangel, coronel Menna Rarreto e tenen-
te-coronel F. X da Silva Reis.
Tambem furam convidados, e tiveram assenlo
na mesa todos os Srs. cadete do corpo.
O Sr. coronel Menna Rarrelo e seus dignos
officiaes Irajavam simplesmenle o uniforme de cam-
panha, de panno verde; e os Srs. cadetes, bluza de
brim pardo.
Durante o janlar reineu sempre muilo prazer
ordem e respeilo, locando a msica sem inter-
rupcao.
Hi uveram discursos patriticos, pronuncia-
ram-se bouias poesas, e fizeram-se muilos ejiem
correspondidos brindes.
Entre os brindes, que foram em grande nume-
ro, podemos apenas lomar nota dos seguintes, por-
que a extenso da mesa nao nos perraillio allender
a todos:
Do Sr. general commandante da guarnicao,
ao dislnclo Io corpo de Voluntarios da Patria;
Do Sr. coronel commandante Menna Rarreto
ao corpo do commercio desla 'cidade, de quem e
orador e seus cantaradas acabavam de receber lo
valiosas provas de aprego, ofTerecendo-lbes desde
j, em homenagem de sua grau'do, ura bouquet _,
dos lourosda cora triumphaL, que cenia comar re,f L .Bffhi, Wda-de ?arrgne 3'
i. <. rf rt'armL n*\..0rra <,a ^ I Vut0 de Magalbes com mais esta responsabili
dade.
do com um brinde ao denodado l* corpo de Vo-
luntarios da"Pttr1a,-e o mesmo fez o Sr. Manoel
da Costa Ribeiro.
t Tomaram anda a petavra ontros muitos senho-
res, sendo em sua mor parte officiaes do corpo de
volnnlarfos, e BrtndirinD tambem ao Sr. presiden-
te da provincia ; ao Sr. visconde de Camamu; ao
Sr. Dr. Jayme Como, orno um de tantos bravos
que estere no taque de Paysaadu'; o Sr. gene-
ral Paula Rangel; ao pevo Rio-grandeme ; a fa-
milia dos Hernias Rarrelos ; aos Portugueres, nos-
sos i maos em idioma e regto aos bravos de
Paysandtf- Tamandar, Propicie, Resiu, Ferraz,
Sampaio, Bello, Porlinh, Vatenca, Astrogildo, Pei-
xoto e outros; aos Habanos, que tanto tem coad-
juvado ao monareba uesta cruzada ; ao povo Flu-
minense, em rujoseiose organisouo 1" corpo de
Voluntarios da Patria ao lenle general Cal-
(Twell; ao corpo de saude do exercilo ; aos cade-
tes e mais pracas do 1* corpo de voluntarios, etc.,
etc., sendo rematados os brindes com um a S. M.
o Sr. D. Pedro II, lado pelo Sr. general comman-
dante da goarnico, que foi frenticamente sauda-
do, tocando a msica o bymno naeonal por essa
occasio, e subindo loga aps ao ar urna grande
gyrandola dense ofestim por concluido.
< Eram eniao ja 6 1)2 horas da tarde, e como
principiase a chuver, nessa mesma accasio dis-
person-se a bella sociedade, [qne em fraternaes
amplexos gozara duas largas horas do verdadeiro
prazer eaegria.
Foi deste modo que o corpo do commercio
naeione! e estrangeiro desl cidade, a quem se as-
sociararo ouiros muilos senhores particulares, ob-
sequia ram ao Io corpo de Voluntarios da Patria,
que se organisou na corte depois do decreto de 7
de Janeiro e que pressurosos e cheios do enthu-
fiasmo corrtm ao campo da peleja para desaggra-
varem a allronta atirada a chara patria por vis e
cobardes inimigos. -
Foi desle modo tao solemne que a cidade de
Rio-Grande em peso patenieou a esses dignos vo-
luntarios sen prazer e pairiotismo pela abnegacao
com que se bao mostrado aecudindo ao primeiro
signal de reclamo da mai patrta 1
Dens qoeira velar por elles, por essa juventu
de esperangosa, uriosa e patritica, que abandona
ram snas commodidades, empregos, e o que ha de
I mais caro na vida- pai, mai. esposa, fllhos e ir-
I maos, para espontneamente (sao volanlarios) ex-
' porem-se aos azares da guerra, passando por mil
vicissitudes proprias de urna campanhal
< Dens o Omnipotente baja de guia-los nos com-
bates, tracando-lhes urna vereda honrosa e livre de
espinhos, como que em remunerago a tantos e tao
grandes sacrificios.
t Sao estes os nossos votos e de todos os Rio-
Grandenses ; queiram, pois, receb-los os bravos
do corpo de Voluniarios da Patria 1
Nao foram s os Srs. officiaes e cadetes do Io
corpo de Voluntarios da Patria que foram brinda-
dos com um opparo jantar.
c As pragas de pret desse mesmo corpo tambem
nao ficaram esquecidos do nobre corpo do com-'
mercio desta importante praci.
t Urna commissao composta dos Srs. Joao Cor-
rea de Mello, Joaquim da Fonseca Moreira e Justi-
no R. Uardoso dirigise ao quartel pelas 8 horas
do da de domingo 12, e em nome do commercio
nacional e estrangeiro entregou ao Sr. comman
dantc Menna Rarreto doze carreras todas enfeita-
das, com o segointe rancho para o jantar de suas
pracas naquelledia, a saber:
t Dez rezes gordas, ja* carneadas, com assados,
etc. ? cinco arrobas de arroz, cinco saceos de fa
rinha de mandioca, oitocentos pies frescos, tres
arrobas de toucinho, tres barris de vinho de Lis-
boa, irinla arrobas de uvas, duzenlas melancias,
mil e quairocentos charutos, frutas, verduras, etc.
etc., etc.
t Constava ter-se reformado com grande vanla
gem para o thesouro e rondicoes de melhor servi-
co o contrato do fornecimenlo do exercito..
Daiiia.Os arrematantes do vapor Bearn espe-
ravam sfalo do lugar do sinistro.
O invervo tinha comecado rigoroso, sendo as
chavas copiosas e incessantcs.
Le se no Jornal :
t Mallo Grosso.O presidente da provincia no-
meou urna commissao para agenciar os meioa de
auxiliar as familias de varios soldados e inferiores
dos que haviam partido daquella provincia.
Grassava na capital as cmaras de sangue.
t Os voluntarios subiam a duzenlos e tantos.
S. Paulo :Alcancam a 25 as noticias. Tinham
seguido de Santos para a capital tres corpos :o
permanente, o corpo Dxo da provincia e o de cuar-
nicao do Paran para marcharem para Malto-
Grosso.
Chegavam voluntarios de todas as partes. Na
capial oalistamcnlo sabia a 686.
Ssroipe.L-se no Corteto Sergipano :
t O engenheiro Carneiro Menleiro concluio os
principaes trabalhos graphicos para o encanamen
te do Pilanga, e segoio para Macei a continuar na
direceo da sua empreza do eneanamento das
bre as propostos apresentadas pelo Sr. H. Urpia,
lar.to para o eneanamento das aguas do Pitanga,
como para a fundicaoa vapor.
Temos vistas carias e jornaes do norte do im-
peno, trazidos pelo Oyapork, alcancando : do Ama-
zonas a 12, do Para 28 e do Maranho 31 do
passado, do Cear 3, do Rio Grande 4 e da Pa-
rahyba 6 do crreme.
Amazonas.-Na carta do nosso correspondente
vem mencionados factos importantes occorridos na
fronteira brasileira limitrophe com a Rolivia.
Par.-Ao que diz o nosso correspondente, te-
mos apenas a accrcescenlar :
Em 13 do correnle, seriam 2 horas da tarde,
enveBenou-se o subdito italiano Giandoni Vicitori,
com urna grande dose de sublimado corrosivo que
tomou. Giandoni morava na ra de S. Vicente,,
em casa, de urna familia, a qual dando logo pela i
desgraca de Giandoni pedio soccorros visinhanca i
e comparecendo alguns Mohos Ozerara quanlo em
visconde de Tamandar, ao comeihetro Ftraahee,
ao ministerio, e outros anlogas.
Esta passeata, com quanlo nao fosse i ais
numerosa, foi de todas a de raaior eMhUBtuao ;
por qne aquella hora espalhava-se a noticia dam,
e o povo entregue a esse primeiro enttrasiasmo, qne
sempre o mais ardente, sem se embarazar com o
so abrasador que ntssa occasllo (H horas da ma-
nbia ) cobria a cidade, om numen -de mais de mil
pessoas segua a efficialidade da guarda nacional,
e ergua os mais aVepioaas vivas.
A' tarde S. Exc. Rvma. cantn um TtDenm
na cathedral grande instrumental em accio de
gracas pelo trinmpho da cansa nacional. Muitos
funecionarioa pblicos, o cidados de todas as clas-
ses, os educandos rtifkes. osaprendizes mariahei-
ros, os collegios de Nossa Senhora dos Remedios,
ie latios, e Segismundo Cicero d'Alenrar Araripe,
cadetes (4) 439 pracas de pret, Voluntarios da Pa-
triado Piauhy, 1 lente] 6 cadetes, 28 soldados.
Rio-Grande.Subia a 300 o numero dos Votan-
tm-ios alistados, sendo 140 da Patria.
Parahtba.Nada occorreu, que mereca menco.
PERNAMfiUCO.
1SSEXBLEA PROVINCIU.
29* SESSAO EM 6 DE ABRIL DE 1865.
PRESIDENCIA DO SR. DIt. SABINO OI.KGARIO.
Ao meio dia, feita a chamada, acham-se presan-
, tes os Sts. deputados J. do Ttego Harros, Teixeira
e Instillo de Humamdades, sttveram presentes ^ Mello, Ayres -Gtn, -Rege -Barres, Learetro,
apesar de seter desiribuido o convite nesse mesmo g. Campello, Silva Barros. Arminio, Goocalves da
Silva, Braulio. Ribeiro, Francisco Pedro, Buarque,
dia.
A' noite illuminou-se quasi toda a cidade, e os
Sabino, Diodoro, Nabor, Druramond, Araujo Bar-
foguetes que durante o da se ouviam de diversos ros Marauhao, Cunha teiieira, Jacobina e Bran-
pontos da cidade, tornaram-se mu frecuentes.
O corpe do commercio as 7 horas reuuio-se,
numeroso, possuido do malcr jubilo, na casa da
praca, e com urna msica composta de amadores,
visto nao haver outra Iranda militar, mais que a da
guarda nacional, festejava o triumnho das armas
nrasileiras, e preparava-se para sahir em passeata.
< A cmara municipal, qne reunida em sessao
do.
O Sr. Presidente abre a sessao.
L se e approvada a acta da ssessao anterior.
Comparecen) depois o Sr. Silveira Lobo, Netto,
Soulo Lima, Amynthase Jos Mara.
EXPEDIENTE
Um officio do secretario do governo fazendo cons-
tar, qu a presidencia fez uso da aulorisaco conce-
de manha havla convidado o povo por bando, para' dida no art. 62 da lei n. 596 de 13 de maio do an-
este Bm tambem se preparava, assim como a offl-: no passado, aceita de trilbos|de ferroeotre a ponte
cialidade da guarda nacional, reunida ou|ra vez de Japomim e Ridade de Goyanna, em selucao ao
pelo Sr. tenente coronel Varella, que foi icansa-! officio n. 56.A' quem fez a riquisicao.
solucao ao officio sob n.
quem
Onlro do mesmo, era
48, remeliendo as informacoes sobre o processo
instaurado contra Jos dos Santos Silva Jnior e a
priso de Joao Felisraino da Silva Guabiraba orde-
nada pelo delegado deCarnarU.A' quem fez are
quisico.
Ouiro do mesmo, em solucao ao officio de 28 de
vel para qne o regosijo da eorporacao a que per-i
tence tivesse estrondosa manifestacao.
t Eram pois tres os pontos nessa hora era que
se agg lomera va o povo, ardente de entbosismo. A
passeata parti da casa do Sr. commandante supe-
rior interino, dirigio-se a cmara municipal, e
d'ahi j reunida com os cidados que estavam nes-1
se lugar, dirigise praga do cemmercio, onde se marco prximo fiado, remetiendo a infarmaco mi
reuni ao concurso numerossimo, que ali eslava nistrada pelo deserabargador provedor da Santa
de negociantes e empregados do commercio de to- Casa da Misericordia relativamente ao collegio das
das as naeoes. Orphaas.A' quem fez a requisico.
t^A passeata, assim formada, linha sem exage- | o Sr. Costa Ribeiro, requer que a informaco
racao mais de quatro mil pessoas que percorreram sapra sejajjublicada no jornal da casa.
as principaes ras dando vivas sem cessar s ar- o Sr. Buarque requer que tambem seja lida a
mas brasileiras, ao imperador, ao conselhelro Pa-
ranhos, ao visconde de Tamandar e aogo'erno.
Emh'm o enthusiasmo desse dia e dos dous
que se seguiramnosepodem bem descrever. Ima-
gine-se urna cidade de trila mil almas, nao tendo
om s habitante nacional que nao abrigue no lici-
to o mais puro patriotismo, nao tendo um estran-
geiro que nao seja amigo do paiz ; imagine-se essa
cidade ao receber a nova de um triumpho das ar-
mas nacionaes ; essa cidade, Ilustrada, livre no
seu pensar como na manifestacao do seu regosijo,
s imaginando se assim que se poder avaiiar o
que se passou nestes dias por aqu.
m esma informacao pelo Sr. 1' secretario.
Em consequecia deste ultimo requerimento pro-
ceder a seguinle leitura:
4 N. J23. Santa Usa da Misericordia do Recite,
i de abril de 1865Jllm. e Exm. Sr.Accusoo
recebimento do officio que S. Exc. me dirigi com
dala de 29 de margo ultimo, communicando-me
qne para satisfazer a deliberaco da assembla
provincial, houvease en de informar se verdade
terem-se encentrado-mais de urna vez homens den-
tro do edificio do collegio das orphaas, onde haviam
occullamente penetrado. Em resposta cumpreme
dizer a V. Exc. que urna falsidade, que se lenliam
No dia 25 os estudantes do lyceu e anda a o- jamis encontrado homens dentro daquelle edificio,
ficialidade da guarda nacional tiveram novas pas- onje oceultamente houvessem entrado, pois nao ha
seiatas, que'foram tambem mnilo concorridas, e no movimento algum que a respectiva superiora, mui
da 26 sahio ainda urna outra da casa do Sr. David cuidadosa no cumpriraenlo de seus deveres, nao
Fre'' communique.ae mordomode mez, e este junla ;
t Nestes dias illuminaram-se e se conservaram seao para admirar que houvesse quem se izesse
embandeiradas a mior parte das casas que eslive- echo de semelnante xalumnia, com descrdito das
ram assim no primeiro dia. educandas do predito collegio, as quaes por serem
t E' possivel que tivessemos dejado de mencio- pobres e desvalidas nao deixam deter direitoasua
nar alguma cousa, pois, como dizem as pessoas mais Doa reputacao, nico bam que possuem. Apenas
antigs, nunca no Maranho houve um festejo po- uma vez se introdnzio .publicamente e de dia no
pular mais animado oue este, nunca os partidos e collegio um dondo morador em Olinda, segundo
as nacionalidades se coniundiram como nesies me consta, o qual foi mandado expellir no mesmo
dias. .... instante pela superiora, que por intermedio do mor
Uma coincidencia inleressante se deu. Foi che- domo tenente-coroael Parias trouxe esta oceurren-
gar esta noticia na respera do anniversasio do ju- ca ao conhecimento da junta em sessao de 11 de
ramento da Constitnfcao, de modo que esta pobre janeiro de 1864, em cuja occasio se deram as
velha teve sem esperar o seu dia d'annos muilo necessarias providencias,
festivo. Tal o pouco caso que fazem da pobrezi- e' quanlo me cumpre informar a V. Exc. a quem
ta, que S. Exc, sem se lembrar, sahio da capital Deas guarde.Illm. e Exm. Sr. Antonio Rorges
na aute-vespera do anniversario della, como se S. Leal Castello Branoo, presidente da provincia de
Exc. estivesse mal com a misera e mesquinha. Pemamboco.O provedor Anselmo Francisco Pe-
t Oanno passado aconteceu este anniversario retli.Conforme. Antonio Leite de Pinho.
ser na exta-feira da Paixflo, e por ser o dia que Contina leitura do expediente.
era, passou desapercebido, sem se marcar outro ijra 0ulro officio do mesmo secretario do go-
para j)s festejos do estylo, como se fez na corte. j verno, iransmittindo por copia o officio do inspec-
a Este anno para compensar bouve fesla de so-
bra, ainda que emprestada.
c Outra circumstancia digna de se allender so
bre estes festejos, que elles nao podiam ser mais
espontneos, pois nem se quer o Sr. presidente
aqu eslava. Se S. Exc. estivesse talvez que por
fra se dissesse que o enthusiasmo parti das alias
regies (fficiaes, quando eiie comecou c de baixo
e foi at l fechando as portas das repartieres pu-
blicas.
Achava-se verdade na cidade o Sr. Dr. che-
fe de polica, mas S. Exc. comparecendo s passeia-
tas, Te-Deum, etc., fez como qualquer particular.
tor da thesouraria provincial e a demonstraco a
que elle se refere pedindo um creido supplemen-
' lar na importancia de 947$200 para a continuado
das despezas da guerra de que trata o 4 do ari.
17 da lei do orcamento vigente.A' commissao de
orcamento provincial.
Outro do mesmo, remettendo o quadro das obras
novas indicadas pelo engenheiro em chefe das obras
publicas em seu ultimo relatorio, em solucao ao
officio sob n. 54.A commissao de orcamento mu-
nicipal.
Uma oetigo da irmandade de Nossa Senhora do
Rosario, erecta na igreja da povoaco de Miranda
Ainda uma reflexo, e terminemos esta noli- da freguezia de Nazarelh, pedindo a approvaco de
ca que j vai muito longa. Se pela c&pitulacao de fiea compromisso.A' commissao de negocios ec-
Montevido, e paz por conseguinte com o Uruguay,' clesiasiicos.
houve tanto regosijo, o que nao ser quandp Lpez ; Ootro de Francisco Po da Silva Valenga, arre-
aquear, e Humail e Assumpgao foreofi arra- matante do iinnosin.00 sobre cada cabega de
sadas ? '""_ 6oilu ^^um cuuurido nos municipios do Boni-
_ .....*-rJ*-{? -'"- oncon- io Garanhuns ele, pedindo a assembla dispensa
tramos o segrale no jornal Liga e Progresso, de 11, d0s juros que a thesouraria cobra. A' commissao
Ph?L: i. a k -a, de orcamento provincial. '
n,,iH. ?,?* "S f*** de -!reJm 0ulra de Carlos Slenler. Professor da lingua al-
2SLS2L i kM Jgrja niatriz "%? Cld,ade' lemaa no Gymnasio provincial pernambucano, pe-
SKS b0I/ d0S Va-porJes ?""?!*** dindo que se Ihe mande contar a anliguidade para
Paianagua, o corpo de guarnigao desta provincia, j,ua publicagao da data de sua nomeacio aos 19 de
HoiuinKrn rln Jfi^^ __4' onmmi^c-io ra m^ncttnin'in
JJJT de Voluntarios que desla capital dezembro de 18ao.-A' commissao de constitoigao
segum com desuno ao Rio de Janeiro, para o ser- e poderes.
vigo da guerra. i sao jolgados objectos dedeliberago, e vo aim-
n' Efxc\e sf: presidente da prevracia, os Srs. prmir w seguintes projectos:
Dr. chefe do polica, e juiz de direito da comarca, A commissao de petiges, tendo ldo as petigoes
J,nf'mmnd>te superior, commandantes do bacharel Antonio Annes Jacome Pires, oficial
ti fj55f85 e-,mais mc.iaes da uarda ac,onal chefe da secgo da secretaria do presidente, e a
da capital, muitos cavalle.ros dlstlncios, um gran- de Alexandre Americo de Caldas Rrando, i es-
de numero de familias gradas, e, bualmente, a mor cripturario da tbesonrana provincial, que pedem,
fi L 1 Popolagao de Theresina acharam-se pre- 0 primeiro um anno de licenga com todos os seus
sentes, e assistira.n o embarque d essa grande por- vencimenios, para tratar de sua saude, e o segn-
gao de bravos que acudindo aos reclamos da patria, do seis mezes na mesmaconfermidade e para iden-
ES Pres,surososavingarem as aggresses, tico Oro, e mais a restituigo dos desceios que sof-
nsoienc.as e afrontas dos selvagens do Uruguay e fren no seu ordenado por faltas oriundas por mo-
araguaj. .... lestia provada perante a thesouraria provincial, e
*i*~ 2 ?r- Presidente, dingindo-se nessa cengas concedidas pela presidencia da provincia,
si coube para salvar o infeliz, appiicando-liie anti- c^'aoafel1ensores da patria, fez uma bella al- considerando que os supplicaotes prevaram soas
locucao, na qual mosirou eloquentemente os seus preienges
??mene a necessidade ndeclinavel de nao hesi-1 Considerando razoavel e justo o pedido; attenden-
? passo ante a defeza legitima da liberda- do que no estado de molestia que mais se aog-
SSnTmli paiz-' IDfamemenle offen-; meniam as despezas individuaes, e que seria rigor
mq2S 'T k mais prec,'r0S,- se nao wxame, uma diminuigo nos vencimentos
Q ,' TJ, abraoa os Voluntarios da Patria dos supplicantes, por isso esta commissao de pa-
e a um soldado de cada corapanhia, recommendan- reCer que se approve o segointe projecto de lei:
do-lnes que transmitlissem esse abrago a todos os Artigo nico. Fica o presidente da provincia au-
companheiros, como uma prova do alio apreco em tonsado a conceder ao bacbarel Antonio Annes
que tem a causa que vao defender. Jacome Pires e Alexandre Americo de Caldas
i do Brasil umacausa just: mais Rrando, ao primeiro ora anno de licenga,
tH-ao arrecadadora que o peticionario pague impos-
to por cada deposito des tes como j paga pelas co-
eheiras qne possoe nesta cidade ; raiao porqne
faz sobre este ponto reclamagao Idntica que taz
sobre o primeiro.
A commisse de legislagao a quem foi presente
a reclamage de que se trata entende que razao
assisteao supplicante, mas entende tambem que
nao serla absototamente necessario nm acto inter-
pretativo por Ibe pareeerem snlBcientemente claras
as disposjges aliuJidas em sua letra e espirito.
a
coronel Alencar, o Sr. deputado pelo 5.* dlstrlcto
Silva Barros, sendo i ortflaa de ojmo iosulto o
se ter este Sr. deputado pronunciado contra algu-
mas autoridades do Ex.
O orador entende qne o insulto nao foi dirigido
smenie ao Sr. Silva Barros, e sim toda a repre-
sentadlo nacional. Su elle na* fr punido em lem-
po, pode ser que os deputados e vejam cohibidos
de francamente miiiireai san poio na assem-
bla.
O anno passado, diz o orador, alguns membros
Entretanto mostranao-sedosdocumenios juntos a da maiori desta casa ii-atai
petigao, qoe o peticionaria recorrea m governo da da de forga para esta cafa.iJri de reorimir al-
provincia e que por este foi remetiido para esta gans abusos que se esuvam ando- por parte das
assembla como o poder competente para mterpre pessoas que oceupavam as ulerias enmdosfac-
ta-la, a commissao propSe a consideracao da casa ^ eDto a||egados foi haviruina oesna desres-
o segrate acto interpretativo, que supp&e center pelado um dos Ilustres deputaflos na nsrta da sa-
o Densamente verdadetro e -purode legtrador tras hjda do edificio da assembla
disposiges supra citadas, acto que aproveitra 0 orador declara que acompaohon os membros
tanto ao peticionaria como aquantos se achem as da maioria na reparago desse acto, e como mem-
raesmas c.rcumslancias : bro de uma assembla, quaesquer que sejam os
A assembla legislativa provincial de Pernam- adversarios que tenha frenie, nao pode deixar
Duco resolve : de dar apoio todo quanlo tender reparago de
fc***m&J**&!*Wj&\lmti* a membros da mesma assembla. O ora-
14 da le provincial n. 896 de 13 de maio de 18641 dor pede, portante, ao Sr. presidente que tome as
dolos caseiros em quanto nao apparecia um me-
dico que logo se foi chamar, mas que nao appare-
ceu a tempo de salvar o suicida, o qual nao resis-
ti acgo do veneno se nao por espago de 10 a 12
minutos l
Giandoni, declamo com que veneno se suici-
dara, e deu por causa de tal d-sgraca a impossibi-
lidade de ler podido obter da presidencia uma pas-
sagem para o Rio de Janeiro, no ultimo paquete,
atim de ir ver sua muiher I razo que nos parece
pequea de mais para justificar tamanho succedi-
mento Mas se
com seus camaradas d'armas na guerra que vo
encelar contra os selvagens do Paraguay;
Do Sr. Dr. Jayme Contao brioso Io corpo
de Voluntarios da Patria e sua digna officiali-
dade;
t Do Sr. capitao de fragata Jos Pereira Pinto-
jo valente exercito brasileiro, lo justamente viclo-
riadu pela sea bravura, ltimamente provada de
encentro as'rauratasde Paysand;
c Do Sr. capitao Cunhaa marinha brasileira|
que lo relevantes servigos tem prestado ao paiz
as aguas do Prata 4
. i)o Sr. coronel J. I. Candido de Macedoaos
estrangeiros amigos dos Brasileiros;
Do Sr. Dr. Cauartm ao denodado Sr. coro-
nel Joao Manoel Menna Barrete, muilo di*no com-
mandante do i" corpo de Voluntarios da Patria.
Do Sr. Dr. Jayme Couloao valente veterano
da patria bario do S. Gabriel, que coberto dos
mais jastos lauros enceteu e concluio a campanha
do Estado 'Oriental com gloria para si e para o
paiz.
Do Sr. Constantino Lacio Jardimao distine-
to almiraule viecende de Tamandar, que tao re-
levantes services tem prestado ao paiz, collocaodo-
se a frenie dos cmbales contra os nossos tyran-
nos inimigos.
Do Sr. general commandante da guarnigao
ao nosso alliado contra o Paraguay, brigadeiro ge-
neral D. Venancio Flores.
Do Sr. coronel Menna Rarreto briosa guar-
da nacional da provincia do Rio Grande do Sul.
Do Sr. Daniel de Barros e Silva, em nome do
corpo do commercio portaguez, a cujo prpmio se
ufana de pertencer ao Sr. coronel Joao Manoel
Menna Rarrelo, ao corpo de voluntario?, ao exer-
cito e a armada imperial.
f Do Sr. capitao Raymondoao digno e activo
Sr. delegado de polica desta cidade Dr. Henrique
Bernardino Marques Camarim.
Do Sr. capitao do porto Pereira Pintoaos sub-
ditos portogozes e allemSes amigos da causa do
Brasil, qoe na presente lula tanto se bao distin-
guido a nosso favor, a ponto de muilos se alista-
ren) como Voluniarios da Patria.
Maranho.A lista trplice senatorial ficou as-
sim organisada : Dr. Antonio Marcellmo Nunes
GongaWes coro 688 votos, coronel Isidoro com 680,
e Dr. Fabio com 660.
O cambio sobre Londres regula va 26 1|4 d. e
sobr Portugal 102 Ojo
O 'rete para Pernambaco eslava : 206 reis,
por arroba de arroz, 800 reis, por sacco de farinha,
800 reis, pelo dito de milho.
L-se no Paiz :
< Era melosamente esperado o paquete ltima-
mente entrado. A sua demora, e a noticia j tra-
zida pelo que o antecedeu de que as nossas tor-
gas ficavam em frente a cidade de Montevideo, que
se dispnaham a sitiar, embora nio estivesse ainda
ali o grosso do exercito; a opinio bem sustentada
de que tal acto seria uma temeridlde, todo isto, e
mesmo a noticia vaga de uma derrota experimen-
tada pelos Paraguayos ero Villa Maria, fez que ao
tiro do vapor um grande nnmero de pessoas afilis-
se rampa do largo de Palacio.
Abl a anciedade dobrou quando se vio o va-
por embanderar-se em arco; mas j nao era essa
anciedade que a duvida iraz, era a sofreguido de
saberem-se os proroenores da victoria, pois qne a
trabamos alcangado bem indicavam os signaes de
bordo.
Logo que foi dada a noticia em trra levanta-
ran) se vivas as armas nacionaes, e o mais vivo
enthusiasmo comegou a desenvolver-se por toda a
cidade. Muitas casas de brasileiros e estrangeiros
erguiara a bandeira nacional, o commercio e as
que justa, sania. E, pois, Deus que a protege,
guiar, o nosso exercito ao campo da batalha, d'on-
!, victoriosos os nossos bravos, regressaro ao
seio da patria, cobertos de louros, e resplandecen-
de gloria I
Cear.L-se no Pedro II:
A noticia da terminago da guerra do Uruguay,
que nos tronxe o vapor Oyapock, foi recebida com
vivo prazer e e festejada com geande enthusiasmo.
Toques de sino, girndolas de foquetes, que
sutiara ao ar de espago a espago, manifestavam o
conientamento com que a populago da nossa capi-
tal applaudia o triumpho pacifico de nossas armas
n'aquella repblica.
_ A' noite percorreu as ras Iluminadas o bata-
lhao de Voluntarios, acompanhado de um brilhante
concurso de pessoas gradas e de horneros de todas
as classes-
Postada a multido no largo de palacio, sahio
varanda S. exc. o Sr. presidente e deu vivas
e ao
segundo seis mezes, com todos os sens vencimen-
tos, para tratar de sua saude onde Ihes convier; e
a restituir ao ultimo osdescontos feltos no seu or-
denado pelas licengas do presidente da provincia e
faltas eccasionadas por molestia provada perante a
tbesouraria provincial.
Revogadas as disposiges em contrario.
Sala das commissoes, 4 de abril de 1863.Fer-
reira Jacobina.G. Drummond.
A commissao dos negocios ecclesiasticos, tendo
esludado minuciosamente o compromisso da ir-
mandade das armas da freguezia de S. Lourengo
da Malla, j cora a approvago do Exm. Sr. vigario
capitular na parte espiritual, de parecer que se
adopte a resolucao segointe :
Art. Io Fica approvado o compromisso da irman-
dade das almas da freguzzia de S. Lourengo da
Malta.
Art 2 Ficam revogadas as disposigSes ero con-
trario.
Sala das commissoc 5 de abril de 186o.
S. M. o Imperador, ao governo imperial, ao trlum- Francisco Pedro, Albuquarque Maranho, Teixeira
pbo pacifico e incruento de nossas armas, aos bro- de Mello,
sos Cearenses e aos Voluntarios da Patria, os quaes
foram entusisticamente applaudidos.
Claudio Dubeox representa a estaassembla que
para a campanha de honra contra o Paraguay,
exhortndoos ao cumprimento dos sagrados deve-
res do cidado brasileiro. O nosso distinelo patri-
cio o Sr. Ju venal Galleno leu urna bella caoco
cheia de seotimeatos patritica?, que abaixo publi-
camos.
t Calorosos vivas saudavam aos Voluntarios da
Patria a sua passagem, verdadeiras exploses de
repartiges publicas fechavam-se assim como o ly- patriotismo que accendiam cada vez mais no peito
cu, collegios e escolas, os navios embanderavam-, de nossos jovens patricios a sagrada ebamma do
se ero arco, os fortes salvavam, e o povo, animado,! amor da patria.
chelo do mais vivo prazer, percerna as roas, dan-1 Chegou hoje, procedente do Maranho e portos
do-se os cidados reciprocamente os parabens per, intermedios, trazendp a seu bordo urna ala do cor-
to grata nova. po de guarnigao do- JPiauhy para ser d'aqul trans-
Poucas_ horas depois da chegada do vapor o portado curte, a saber : Io cirurgio capitao Dr.
Sr. lenle coronel Ignacio Varella, commandante Manoel JoaquimCastro Mascarenhas, 2o cirurgio
Em seguida n'nm brilhanie improviso o digno 1C -"' u,uu eos e Caxanga para o sustento dos ammaes do ira-
J5*' I fleo de sua empresa de mnibus e carros, apezar
secretario do governo expoz o desenlace da qies-
,,.d0.I.Tk^.cha,ffi0?Aa.Uen^.dof earens3s i de que muitas *ezes sejao tees plantacoes' i
cenles ao fim para que o peticionario as possne, a
ponto de se ler visto as vezes na necessidado de
comprar capim a outros, tem sido todava conec-
tado como incurso do artigo 44 g 37 da lei 0. 596
do anno passado, cuja disposigo concebido nes-
tes termos :
S por 0/0 sobre a venda de capim na cidade do
Recife.
superior Interino, reuni a oficialidade da guarda
nacional e precedidos de uma banda de msica
com um concurso numeroso de cidados de todas
tenente Dr. Jos Manoel do sacramento, pbarroa-
ceulico alfares Lercio Teoscule da Silva, capitao
mandante Antonio Cabral Mello Leoncio, capitao
as classes, e de todas as nacionalidades, percorre- Xilderico Cicero d'Alencar Araripe, lenles Joo
uuuDMiiuo mhu jaruun leu cw eo-i rara diversas roas levantando vivas, repetidos por Gomes Baptista, e Antonio Marques de Sonta, al-
lmsiasmo orna bella poesa de sua lavra, conclnln-1 centenares de pessoas, ao exercito, a armada, ao' feres Domingos da Cost AWaranga, Jos Vieira
Pelo que ha ven do requerido ao Exm. presidente
da provincia, que fizesse cessar o modo vexatono
porque as repartigdes tiscaes tem feito applicago
de semelbante imposigo a elle peiioiooario, e leu-
do o mesmo Exm. .presidente declarado om seu
despacho que o peticionario se dirigisse esia as-
sembla, vem elle solicitar a promnlgago de uro
acto que tenha por fim acabar com semelbante
abuso e vexame.
Outro sim allega o supplicante qne, tendo em di-
versas localidades fra da cidade, telheiros e ar-
mazens onde se abrigao os omnibos, carros e an -
maes do trafico de sua empresa, pretende a repar
nao comprehende aquelles que tiverem plantagoes
de capim para uso de seus ammaes, ainda qae em-
pregados em errpresa de que aufiram lacros.
Art. 2 Tambero se nao eomprebeodem na dis-
posico do 18 do art. e lei sopra citadas, quaes-
quer lugares que sirvo apenas de abrigo a mni-
bus, carros e aniraaes.
Art. 3* Ficam revogadas as disposig5es em
contrario.
Sala das commissoes, 6 de abril de 1863.
J. Reg Barros, Cost Ribeiro. >
E' approvada, a requerimento do Sr. Silva Ra-
mos, a dispensa da impressao deste ultimo pro-
jecto.
E' hdo e adiado por haver pedido a palavra o
Sr. Arminio o segrate parecer :
A commissao de negocios ecclesiasticos, exami-
nando com a devida attengo a peligao do reveren-
do vigario da freguezia de Goianna, Domingos
Alvares Vieira, emque solicita este a derogago do
capitulo 11 do compromisso da irmandade do San-
lissmo Sacramento daquella cidade, visto que esse
capitulo conferindo aos respectivos irmoso direi-
10 de escolher sepulturas na sachristia da matriz,
offendeu o dominio que no termo da mesma sa-
christia tem o patrimonio de Nossa Senhora do Ro-
sario, cujo administrador elle peticionario, em
quanto que a dita irmandade do Saotisslmo Sacra-
mento, excepgo de uma posse arbitraria, facul-
tativa em sua origem e abusiva em sua ontinua-
co, nenhum dominio lem, nem direito, nem domi-
nio uiil em o dito terreno, e examinando bem as-
sim os documentos com que o peticionario instrue
a sua reclamagao, a saber : a certldo do compro-
misso da mesma irmandade, uma copia da e;crip-
tura de doago do referido terreno Nossa Senho-
ra do Rosario, uma informago do peticionario ao
Exm. Sr. vigario capitular sobre a petigo da ir-
mandade do Santissirao Sacramento da matriz de
Goianna, a deciso do mesmo Exm. vigario capi-
tular, uma replica db peticionario e o despacho
final a esta replica, vem apresenlar o resultado des-
se seu exame e emittir o seu parecer. Da escrip-
ra cuja copia instrue a peligao, v-se que em 10 de
oulubro de 1861 o alteres Domingos Guedes Ror-
ges ; sua muiher e outros fizeram doago de 50
bracas de trra com as dlmensoes em a dila escrip-
tura mencionadas a Nossa Senhora do Rosario, pa-
ra nellas erigir-se a igreja matriz da respectiva
freguezia, que aceitou a doago. Nesta parte por
tanto fra de duvida que o terreno da sachristia
da matriz de Nossa Senhora do Rosario da cidade
de Goianna faz parte do patrimonio de Nossa Se-
nhora do Rosario, e que o peticionario, na qualida-
de de vigario seu legitimo administrador. Entre
tanto pelo capitulo 11 do compromisso da irman-
dande do Santissimo Sacramento, que oflicia no
mesmo templo os seus confrades, tem a escolha de
sepultura na sachristia e como allega o mesmo
peticionario tero a mesma irmandade conservado
esta posse desde muitos annos. E' legitima esta
posse, o peticionario allega que foi ella em seu co-
mego facultativa pela paciencia de seu antecessor,
roas que se tornara abusiva desde que a irmanda
de do Santissimo Sacramento arrogando com tal
direito como se por legitimo titulo Ihe pertencesse
a consignou ab e subsepticiamente no compromis-
so sem scieacia do administrador do patrimonio de
Nossa Senhora do Rosario, pelo que solicita a dero-
gago do compromisso nesta parle.
Effectivamente esta posse que exerce a irmanda-
de do Santissimo Sacramento em terreno de Nossa
Senhora do Rosario; s podena fuodar-se em afo-
ramentoqne Ihe conferisse o dominio ulil ou a ser-
vido, mas nem se encontra carcter algum de
empbyteosis como pagamente de peuso e esenp-
tura que o tenha constituido, nem se mostra titulo
algum, pelo qual se tenha constituido servido.
Alm de que, sendo inalienavel o terreno per-
tencente ao patrimonio de Nossa Senhora do Rosa-
w/, loopeoil.u (jiuelirador nft pn/Iia com ao pr-
vias camellas de direito afora-lo em parte ou em
todo, ou nelle constituir servido.
Entretanto nao sendo da aleada desta assembla
resolver questoes de posse e dominio, as quaes sao
da competencia das jusligas ordinarias e devem
ser resolvida com pleno conhecimento de causa e
mediante discusso e provas entre as partes inte-
ressadas, a commisse de parecer que o peticio-
nario recorra s justigas ordinarias do paiz, com a
declarago,4iorm, de que o capitulo 11 do compro-
misso da irmandade do Santissimo Sacramento da
cidade de Goianna, nao poder ser invocado pela
mema irmandade como titulo para legitimar a
posse que se acha, visto que elle deve ter por fun-
damento a legitimidade da mesma posse.
Sala das commissoes da assembla legislativa
provincial de Pernarabuco, 27 de margo de 1863.
Francisco Pedro. Maranho. Teixeira de
Mello.
Sao julgados oojectos de deliberaco os seguintes
projectos :
i A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, resolve :
Art. nico. Fica creado na freguezia de Quipa-
p um terceiro districto de paz em S. Renedicto,
comprehendendo o terceiro dislricto policial da
mesma freguezia.
Revogadas as disposiges em contrario.
S. R.Pago da assembla legislativa provincial
de Pernamtuco, 6 de abril de 1863.Teixeira de
Mello.Ayres Gama.
A assembla legislativa provincial de Pemam-
boco, resolve :
Art nico. Fica creada na villa da Floresta uma
cadeira da lingoa latina, cujo professor lera 900$
de ordenado e 300$ de gratificago.
Revogadas as disposiges em contrario.
Pago da assembla legislativa provincial de Per-
nambueo, 6 de abril de 1865.Antonio Lopes da
Silva Carros.
Sao approvados os seguintes requeriroentos :
t Requeiro que se faca pelos canaes competen-
tes a informago dada pela thesouraria provincial
sobre o requerimento do professer publico Claudi-
no dos Santos Lopes Castello Rranco, em virtude
do despacho da presidencia da provincia, em data
de 13 de agosto de 1864.S. R.Campello.
t Requeiro que das'informagoes reraeltidas pela
presidencia da provincia a respeito das sobras das
consignagoes votadas na le do orgaroemo, sejam
enviadas commissao de legislagao, para toma las
na csnsiderago que entender conveniente.Cam-
pello.
E' apoiado e entra em discusso o seguinte re-
querimento :
Requeiro que seja pelo presidente desta as-
sembla, nomeada uma commissao especial de tres
membros, profissionalmente habilitados, para dar
com urgencia o seu parecer sobre o regulamento
de 28 de janho, eo regiment interno de 12 de
novembro do anno passado, expedidas pelo ex-pre-
sidente da prcvincia para a escola Normal desta
cidade, indicando minuciosamente as antinomias,
que porventura haja de encontrar entre as dispo-
siges dos mesmos, e as das leis em vigor relati
vamenle instruego publica, e as da lei n. 598 de
providencias necessarias sobre o facto ora aconte-
cido dentro do edificio da assembla, n'uma das
suas ante-salas, e nao ousa terebrar medida algu-
ma porque confia na descripgo do Sr. presidente,
a espera que S. Exc, independentemente de pedi-
do de tropa, independente de qualquer outro meio
coercilivo, encontr mesmo no regiment bastante
torga para obter a nao reproduego de tees factos.
Ora depois o Sr. Francisco Pedro.
O Sb. Presiobite diz que a mesa ignorava o
facto e deile nao leve denuncia; entretanto emen-
de que se deve tomar uma medida enrgica a tal
respeito, por quanto deu-se um verdadeiro escnda-
lo, e prometi que lomar em consideracao o faci
acontecido.
ORDEM DO DIA.
E' approvado sem mais flehate o art. 5." do or-
gamente provincial e a emenda ollerecida pelo Sr.
Silva Ramos :
Sao depois approvados sem
arligos :
Art. C. Encola do commercio.
I. Professores..............
i 2. Purteiro servindo de conti-
nuo........................... 5005000
3. Expediente.............. 60&00O
debate os seguintes
5:100*000
7." Escola normal.
Professores e empregados.
Expediente, inclusive a dia-
Art.
Io
1 2."
ria de 10280 ao servente.
5-.66OJ00O
7:000*000
50*000
7:504*000
E tambem approvado, sendo rejeltada uma
emenda afferecida pelo Sr. J. Refc Barros, o :
Arl. 8.- Aulas de latim. '*#
l. Professores.......
2." Aluguel da casa de
sor de S. Jos..........
es-
4:815*000
200*000
5:015*000
Oraram os Srs. Buarque, J. Reg Barros, Nabor
e G. Campello.
Entra finalmente .em discossio o:
Art. 9. Escolas primarias.
I. Professores, inclusive mais
10 cadeiras, creadas pela lei n. &98,
sendo 6 do sexo masculino nes in-
ores de..........., e 4 do sexo
feminino nos lugares da Boa-Vista
do Recife, Rrejo, Ouricury etc.... 124:727*000
2. Aluguel de casa, movis e
expediente..................... 20:473*000
^45.200*000
Veem mesa, sao apoiadas e entrara conjunct-
mente em discusso as seguintes emendas e re-
queriroentos :
Uma cadeira do sexo feminino para Bezerros.
S. R. Carvalho Moura.
O l. do art. 9 seja substituido pelo se-
guinte :
1." Professores, inclusive mais 14 cadeiras,
sendo 6 do sexo masculino em Goanninha, Ala-
ga Secca, Trombetas, Palmeira, Belmonte e Ca-
poeiras, e 8 do sexo feminino em Goianna, Rom
Jardim, Boa-Vista do Recife, Bre]o, Ouricury, Po-
dras de Fogo, S. Lourengo de Tejucupapo e Bu-
que.Araujo Barros.Arminio Tavares.Gongal-
ves da Silva.Teixeira.Nabor.
Urna do sexo feminino para Tacaratii.Fran-
cisco Pedro.Ramos.Cataobo.
Uma cadeira de instruego primaria para o
sexo feminino na povoagao do Jaboato.Soares '
Brando.Jacobina.Campello. .
Em lugar de 10 cadeiras, diga-se20 cadei-
ras.Carvalho Moura.
Ao arl. 9 l. depois da palavraOuricury
acrescente-M-Barreiro.S. i!.Bochad.
Emenda ao art. 9 !.->Em lugar de 10, di-
ga-se12-, sendo uma do sexo masculino em
Belmonte ele.....Em lugar de 4 do sexo femini-
no, diga-se6, sendo uma em Cabrob, ouira
em Satgueiro etc.....Silva Barros, a
Requeiro o adiamento da discusso do art. 9
at que passem ou sejam approvados ou rejeitados-
os diversos projectos que ha na casa sobre ins-
truego publica.S. R.Araujo Barros.Goncai-
ves da Silva.-Catanho.
Requeiro que sejam todas as emendas offere-
cmas ao art. 9 remetudas commissao de instrue-
go publica, para dar parecer acerca daquellas
que devem de preferencia- ser preenchidas.S. R.
Rochad.Carvalho Moara.Silva R?rros.
Oram os Srs. Rochad e Silva Rarros.
Reconhecendo-se nao haver casa, llca a discus-
so adiada.
O Sr. Nabor, pela ordem, pede que o Sr. presi-
dente d para a ordem do dia seguinte, o projecto
n. 80 do anno passado, decretando a creago de
ama colonia orphanologica no antigo vinculo de
Itamb.
O f-n. Presidente declara que tomar na devida
consideracao o pedido do nobre deputado.
O Sn. Silva Ramos pergunt se haver sessao
no dia seguinte.
O Sn. Presidente diz que toda a assembla es-
t convidada para assistir bengo da !. bandei-
ra oferecida poralgumas pessoas ao 1. batalha
do voluntarios de Pernambuco. Observa S. Exc.
que a assembla nao pode deixar de concorrer a
um tal acto, mas que entrelanto nada se pode de-
cidir sobre haver ou nao haver sessao, por quanto
nao ha numero suficiente de Srs. deputados.
Levanta-se a sessao s 3 e meia, sendo a or-
dem do dia seguate, alm das materias designa-
das, i. discusso dos projectos nmeros 34 deste
anno e 80 do anno passado, e discusso das pos-
turas addicionaes da cmara municipal de Cim-
bres.
i**--
RUTISTA DIARIA.
Testemunhou hontem a populago desta cidade
um espectculo solemne, que o patriotismo s
susceptivel de produzir nos momentos de suas ex-
pansoes mais grandiosas. No entretanto, ha sce-
nas que em balde se lenta descrever, pois ao pre-
sencia-las a alma se concentra, e como que se ele-
va a uma regio differente desta, a que enlo se
terna extranba pelas abstracgSes em que se embe-
vece; e d'ahi a impossibilidade de serem ellas
abrangidas com todos os seus incidentes em uma
descripgo, que se pretenda dar do objecto.
Neste caso nos acharaos nos agora que queremos
consignar aqui a soleennidade da entrega do estan-
darte nacional ao 1 corpo de Voluniarios da Pa-
tria, soleranidade que hontem se realisou na igreja
da Conceico dos Militares, em cuja frente forma-
va o mesmo corpo com a galhardia propria de fi-
Ihos dedicados, para quem a dignidade e a boma
da trra da Santa Cruz lude.
A' bencao da bandeira preceden uma missa, en
olciou o Exm. e Rvm. Sr.
1Q -----que ouiciou o Exm. e nvm. sr. vigario eapil-
Id de maio, que. no mesmo anno prximo passado, lar, que pronunciou o discurso abaixo, assistindo
creou a refera escola Normal, podendo igual-' todo o acto ludo que ha de mais grado na socie-
mente fazer todas as consideragoes quejuigara dade Pemarnbucana, e sendo lamanha a concur-
proposito.S. R.Nabor. rencia qne o templo nao comporlava.
Oram sobre o requerimento os Srs. Buarque e ConcTdados i E' por uma compensacao ero-
Nabor, ficando a discusso adiada. videncial nos destinos dos povos que, as grandes
O Sr. Drummond pela ordem pede ao Sr. presi- necessidades publican, as grandes crises sociaes
deDte que veja se pode conseguir, que quanto antes apparecem sempre as grandes dedicaces nairia-
se aprsente o projecto de torga policial. ticas.
ramela ordem o Sr. Araujo Barros, que den A espontneidade com que, aecudindo ao re.
as rasoes porque arada se nao apresentou o referi- clamo da patria afflict, vos offereceis para defen>
do projecto. der, em uma das extremidades do Imperto, o seu
O Sr._ Presidente diz que, como membro da territorio invadido, a honra edinidatlB ncia
commissao de forga policial, pode asseverar ao Sr. ultrajadas pelo estrangeiro, abandonando os niT
Drummond qua em breve sera apresentadp o pro- as esposas os filbos, os prenles, os amigos todas
jeelo a que S. S allod.o. as affeigoes innus que vos preodem terra natT
O Sa. Lnha Tboeiba. pela ordem, pede provi- e trocando o exerciclo pacifico dos direitos do cid
- dencias para a reparago de um insulto que no dia do pelo afanoso e incessante iidar desoldado e o
-receben, na ante-sala da assembla, do tenente- lar domsticos pelos campo1 de Xfiff' um
<
-


-


(MUTILADO!
,J


I ,*>
IHarlo de rernnmhnrt, ******* dr abril rasgo de aftaegagae patritica qoe tos constitu
benemenloS da-patria, endre-nos di nobre orgulho,
e raz-nos lembrar o$ feitos heroico dog nossos
adtenassados.
t Pernaabucaaos, bravo Voluntarios da Pauia,
ide rnafs esta vez prowr as margens do Paraguay
que o sangue Pernarabuco nao degeneren anda
de sua orlgem; que a .na Intrepidez e ardor raar-
dal attestados por todas as paginas da bi.-toria
patria nlo arrefeceu anda nos seus fetos fortes e
: que os descendentes daquelle, que,
senhora e 1 fllho de atieres Aaacleto Francisco do'
Res, Dr. Franriw Aires abates, sua senhora, 1
filho, 2 criadose 3" escraros, lenle de eogonhe'-
ros Or. Jolino Braulio Barro, a senhora e I fllho
do capito Francisco Antonio Pereira, a familia do
tenenle Basilio Magno da Sirva, ajferes Belarnjino
Acioli de Vasconcellos, o commandante e I9y)ffl-
ciaes do batalhao de voluntarios do Pari, 16 Ale-
tes, 513 pracas de pre, 25 mulheres e 7 fllhos dos
soldados, 3 offlciaes do batalhao 11, 1 cadete do
mesrao, 13 pracas de pret dem, 4 offlciaes do 3o
Manoel Joaquim do Nascimento.
(E=
tarara reeonhecidas.)
Agua de Florida di tliirray e
LaaVaMm.
Desda os mais remotos das das descoberlas hes-
panholas, o formoso palz da Florida, tem sido justa-
mente afamado pelo balsmico e odorfero aroma de
suas raras e florescentas Boros e verdejaotes ar-
bustos.
Aqui temos, pols o fluctuante perfume e incens
de seus jardins agrestes e seus annuticos e refri-
gerantes bosquesinhos, harmoniosamenle concen-
trados dentro de om diminutivo espago hermetica-
.-:"------------.V' T."T "ST* ,"~vl"u*? t""a ''<. mente fechado e sellado.
,S[?' 'I0L^^il!!.in,i>l!?l?f-3?i^e-C?!?-a? fA.?!?""8".1^ J^!61!^!.0' Gea?doni Gaetano- Jlsta agua Florida deriva e recebe a sua eiquisi-
abandonados aos seas aicos recursos, expelliram nstattio de rozileiros, 3 cadetes idem, 103 pracas
destes lecifes gloriosos as phalaoges aguerridas do de pret idem, 8 mulheres dos soldados dem, 19 o-
Baiavo clrilisadb, nao trepdam diante das hordas flciaes db eorpo de guarnidlo do Cear, 17 cadetes
assassioas de semi-barharo Paraguay, nem dniaa- idem, 293 pracas de pret idem, 34 mulheres e 26
impune a soa audacia. fllhos dos saldados idem, 8 recrutas para a armada
este templo e oomtnemoram o patriotismo e valor Jos Pereira dos Santos, Domingos Alvaro Xavier
dos nossos pais serapre*a par desuapiedade:irai- Braga, Joaquim Colh-i Fragoso, Eugenio de la
tai-as. AqueHa Virgen) tutelar, eujo patrocinio Martioeire, Mdm. Louise Bertiman e 13 escravos a
lies invocaran), e que os rretegea em Tabocas e entregar.
Guararapes vos proteger nos campos do Para- Passageiros do rapor nacional Namanguape,
guay:- invocai-a tambem vindo dos portos do norte :
Caros compatriotas, recebel este Estandarte Tristao Franklin de Aleaear, Joaquim Joe Hen-
sanlificado pelas heneaos da Igreja: elle ros con- rique da Silra e i criado, Joaquim Carneiro Pessoa
dn7.ir victoria, porque vos ides defender a de Soixas, 1 escravo e i criado, Candida Leopol-
causa da clvllfaco e da justica. Arvorai-o trium- dina e 3 lilhos, padre Jos M. da Moraes, 2 pracas
de polica, Joaquim Luiz Alves Vianna,
pbante nos muros (fAssumprio, como j o fui nos
de Montevideo e Paysandtl.
Filhos queridos da Patria de Vieira, Negrei-
ros e Camaro, vossa Mi vos envia saudosa : ufa-
na contempla j o vosso denodo nos combates; e
palpitante de jubilosa esperanza, aguarda o vosso
regresso para cinglr vossas frontes rom a corda do
triumpho. E eu, tosas irmao, que j invoquei e
continuare! a invocar sobre vos aa heneaos docu,
se ainda exercer o cargo que wa oceupe, entoarei
por isso hymnos de accio de grabas ao Omnipoten-
te e Seabor Deus dos Exereitos.
Aps a bengo, retumbarara as abobadas do tem-
plo aos accentos inspirados de patriotismo dos Srs.
Dr. Ignacio Firmo Xavier e acadmico Jos Maxi-
miano Alves Cavaicanti que recitaran) este urna
poesa e aquella um discurso lindissiraos ; e a islo
segulu-se a entrega ao porta estandarte da mesraa
bandeira, realisada pelo Exm. Sr. presidente da
provincia ; o qnal oceupando entao a porta princi-
pal da igreja, d'ahi pronuncio palavras ungidas
do que ha de inais nobre e- alonado na coraco pa-
tritico, cujo echo foi repercutir naquelles inilnares
de peitos brasilelros, que enebia n lodo o espaco
da ra Nova, e inais anda naquelles bravos da pa-
tria, que- all demonstravam nao ser a prole some-
nas assendeneia varonil, d'onde vem, sendo tudo
sellado pelo hymno nacional que saudava o estan-
darte auriverde, que desfraldava as auras desta
torra de liberdade, como reeebendo o baptismo
dessa f, que vat levar ao6 gentos do Paraguay na
evangelisaco da civillsacao, que elles desconhe-
cem.
Ainda foram recitadas em seguida duas poesas
anlogas a solemnidad*, desfilando depois toda o
corpo para o Campo das Princezas, d'onde afinal
recolheu se ao respectivo quartel, se3do tanto na
vioda como na rda para ah victoriado com enthu-
srasmo, ececebido pdas ras do seu trajelo por
ntre chava de IJOfws-, ,tw sobre elle atiravam das
varandas as senhoras,. que assim se assocavam
manifestacao de apreco, de que credor o corpo
de Voluntarios da Patria desta provincia.
0 Sr. coronel commandante Antonio Gamos Leal
antes de dosllar, dirigi aos seus commandados a
segrate allocucio :
c uravos Voluntarios da Patria. Eis a vossa
frente o symbolo da vossa Udelidade.
Eis o penhor raais sagrado, que a patria pode
depositar em rossas mos.
E' este o estandarte que faz a vossa devisa ; por
elle ides deixar o lar domestico e esquecidos do
que mais vos pode inleressar, particularmente iris
at aonde fr necessaria, que a vosja bravura
mostr que sabis vingar a affronta feta a patria ;
amparados pois com elle vosso nome licara eterni-
zado as margens. do Paraguay, onde sabereis pro-
var o vosso bro, e nao ser eclipsada o vosso
valor.
Voluntarias da Patria a honra militar exige de
vos nm respeito religioso, por esta insignia de glo-
ria que hoje existe no meio destas Gleiras, que tem
jurado morrer pela eonslituico, pelo monarcha,
pela patria e pela religiao.
Soltai porlanto dos vossos labios essa artieulacao
de eothusiasmo patritico, que se agazalha em vas-
sos peitos.
Viva a relgi > do estado.
Viva a coustituieSo.
Viva S. M. o Imperador.
Viva o Exm. Sr presidente da provincia.
Vivan Exm. Sr. comraandanie das armas.
Vivam os bravos Voluntarios da Patria.
As ras Nova e da Imperalnz apresentavam um
aspecto todo festivo, pendendo de varios sobrados
a ban leira nacional, e estando as varandas coberlas
de colchas e adornadas de senhoras.
Deixou hontera de funeciouar a assembla
provincial.
O vapor Ot/apock trouxe do norte a seu bor-
do cerca de 1,200 pragas pertencentes ao Io bata-
lhao de Voluntarios do Para, ao 11 de linha da
inesma provincia e ao o de fuzleiros do Mara-
nhao.
O Jaguaribe que chegra do Cear no da l9
do correte, devia all demorar-se at 5, pois fdra
contratado pele governo atim de transportar para
a corte o corpo de Voluntarios da Patria daquella
proviucia, cujo numero montava j a 471.
Fura Horneado commaudanic desle corpo o Sr.
Dr. Jos Lourengo de Castro e Silva.
A commisso portugueza, em nome de seus com-
patriotas, offereceu o donativo de 3:0295 pelo es-
pago de um anno, em beneficio das familias neces-
itadas dos Voluntarios da Patria.
Arribou do Rio de Janeiro com arara, no da
24 do prximo passado, o brigue Adolpho, que do
Rio Grande do Sol vinha para esta proviucia, a
cuja praga pertence.
O vapor, que ha poucos das passou prximo
a este porto com direcgo ao sul, sem que fossj co-
nhecida a sua nacionalidade, nem sabido o seu
nome, era o Suwanee, vapor de guerra norte ame-
ricano, coramandante P. Shirley, que vinha de
Guadi-iupe com deslino a .Montevideo.
No ultimo da maio prximo finda-se o praso
para asubstitugao das notas de 1005, da 3' estam-
pa, dando-se esta d'ahi por diante somente com o
descont progressivo de 10 / at final dcmoneti-
sago das mesmas notas.
A junta da iaspeceao de saude militar fuoc-
cona as segundas, quartas e sextas-feiras na re-
sidencia do Sr. Dr. Alexandre de Souza Pereira do
'. ira i; e as tercas, quintas e sabbados naquella
do Sr. Dr. Pedro de Athaliyde Lobo Moscoso.
Foi encontrado no da 3 do corrente, na lat.
S. 11 48" e long: O. 36 e 2" o brigue nacional
Cruzeiro do Snl, que deste porto segua para o Rio
Grande, sem novidade alguma a seu bordo.
do corpo
Antonio Sabino da Costa,"Joao Mendes Perera""sua
senhora, 1 fflho e 1 escrava, Jos Aotunes Guma-
raes, Fabricio Gomes Pedresa e 1 criado, Antonio
Francisco de Paula Q., Adriano dos Santos Pereira
e Amonio Polaire.
COMMNICADOS.
.n pequeo communicado que hontem sabii
neste Diario, proravelmente por sorpreza a Ilus-
tra redaegao, acerca da phantasiada mudanga do
Exm. Sr. bare de Vera Cruz para a cidade de
Olinda, nao pode attiqgir ao seu flm, que foi ridi-
cularisar um dos caracteres mais distinctos desta
provincia. O rediculo s oflcnde ao que por sua
oatureza ridiculo, e nao ao que seno e gravo.
Esteja disso ceno o autor do coramunica 'o.
E quanto historia da annullago da eleigo mu-
nicipal de guarass, em que se involve o respei-
tavel nome do dito Sr. barao, isso to extranho
ao Ilustre barao, como a defeza que ora Ihe faz um
dos grandes apreciadores do seu carcter e virtu-
des, defeza, que bem sabemos, S. Exc. dispen-
sara.
FG2LI0A50ES i PEDIDO
Nos abaixo assignados habitantes de Timbaba,
e sens suburbios inajgqados pelo vil procedimento
do infame calumniador, que no Diario de Pernam-
buco n. 70, como cao damnado langou-se contra a
illibada reputagao do nosso amigo o Illm. Sr.
padre Manoel Jos de Oliveira Reg, assacando-lhe
a raais pjenla calumnia, e chamando a attengao do
Exm. rigano capitular contra o nosso referido ami-
go, vimos solemnemente protestar contra to negro
procedimente e ao mesrao tempo assegurar ao nos-
so a-nigo que os sensatos habitantes de Timbaba
presam em subido grao a sua bera formado repu-
lago.
Pedimos ao Illm. Sr. padre llego que sobre to
vil quanto asqueroso calumniador lance o mais su-
berano despreso.
Timtoha, 1 de abril de 1863.
Ernesto Justinano da Silva Ferreira, tenente-coro-
nel da guarda nacional e subelegado do dstricto
de Timbaba.
Simplicio Jos Pereira, 2 juiz de pazem exerricio
deste districto.
Tiburlino de Souza Monteiro, 4 supplente desta
subdelegada.
Augusto Cezar de Albuqnerque.
Januario Gomes da Silva, 6 supplente desta subde-
legada.
Jeronymo Cavalcante de Albuqnerque, capito cora-
mandante da 6a companhia do batalhao n. 13 da
freguezia de I tamb.
Jos Gomes Cavalcante, alfares da guarda nado-
nal.
Manoel Cavalcante de Oliveira, tenente do extincto
batalhao de milicia.
Ignacio Joaquim de Lima.
Manoel Olegario Cavalcante, proprietario.
Trajano Das Cavalcante, negociante.
Januario Joaquim da Silva Cavalcante.
A rogo de Luiz Cavalrante de Araujo, senhor do
engenho Deos-dar, Jos Joaquim Pereira Cam-
pos.
Manoel Dias Correa, senhor do engenho Calam-
baia.
Antonio do Albuquerque Montenegro.
Jos Joaquim Pereira Campos, proprelario e nego-
ciante.
Lourengo de Barros Bezerra Cavalcante, proprie-
tario.
Andr >urora Cavalcante Gondim, proprietario.
Joo da Silva Guimares, negociante.
Mximo Jos da Silva, proprietario. I
Manoel Pereira Campos, dito.
Antonio Manoel Cavalcante, dito.
Joo de Arruda Cabral, negociante.
Manoel Antonio Chaves de Vasconcellos, dito.
Jos Correa de A., dile.
Feliciano Mandes de Azevedo, dito.
Paulino Deodato de Holanda, proprietario.
Antonio Domingues da Cruz, negociante.
Manoel Antonio de Albuquerque Mello, alferes da
guarda nacional.
Francisco de Paula Reg Vasconcellos, agricul-
tor.
Jos Faustino Cavalcante de Albuquerque, capitao
da guarda nacional.
Luiz Antonio da Aguiar, proprietario.
Jos Manoel de Aguiar Netto, agricultor.
Joao Corroa de Gondim, negociante.
Antonio Joaquim Borges, agricultor.
Manoel Alexandre da Resurreigo, negociante.
Joaquim Correa de Queiroz, agricultor.
Sebastiao Antonio de Car val bo Malor, preprie-
tario.
Joo Gualberlo da Fonseca Magalhes, dito.
Antonio Luiz da Silva, dito.
Francisco Luiz da Silva,agricultor.
Erasmo Antonio Cordeiro de Mello, negociante.
Jos Muniz de L. e Silva.
Manoel da Silva Guimares, negociante.
Antonio Manoel de Jesos, agricultor.
Joo Ignacio de Mallo, dito.
Antonio Alves Moreira, dito,
Joaquim Severiano de Mello.
Virginio Velloso Ferreira, 2 supplente de subdele-
gado.
Manoel Gomes Cavalcanie, 3 supplente de subdele-
gado.
ta frangrancla das frescas, verdejantes e florescen-
tas folhas de flores e plantas do trpico. O seu su-
blime e delicado perfume, nao desmerece era nada,
posto em comnaracao com aquella da mais Qna agua
da Colonia, e manilamente superior qna se fa-
brica em ParH ; emqnanto que ao contrario o seu
prego apenas a matada do cusi de qualquer nm
dos outros.
E' importante e necessario qae se repare para
os nomas de Murray e Lanman, os quaes achar-se-
ho inscriptos e gravados, seb a cap, latreiro e
garrafa, cautela esta que se torna mui essencial em
consequencia do mercado se achar innundado de
imitagoes inferiores de agua da Florida.
Acha-se a venda as pharmacias de J. da C.
Bravo & C. e Caors Barbosa.
Gwjtto de Henrique de Oliveira Swres e Joa-
V"* Wancisco da llra Azevedo, Portugueses,
estabeleeidos neta cidade suba tiran do Heatiqu?
& Alefato, tem o capital de 22l:rO#t00, para o
qilM entran- socio Henriiiue cero fOfcrl77L e o
sueu Aitwfe ram 11:2:682*995, en dinhena e
"? tenles ao estabeleciraento social; do-
vendo a ma*au *aeiedade datar par aanpa inde-
terminada, leudo comegado no 1 de Janeiro do
leorrente anno.
Contrato de Jbs de Castro Redondo e Joo de
Alineida Lima, aquelle Portuguez, e este Brasileiro,
rendentes e estabeleeidos nesta.cidade sob a firma
da Castro & Lima, com ocapital de 3:0005, entran-
do o sodo Castro com 2:300a ^rr utensis e gene-
roa, e o socio Urna rom igual anana* em Maj-
ro ; devendo a raesina sodedade durar por espago
de-tres anos, contados do i de marco oltlmo,
data do contrato
Secretaria do tribunal do comraercio de Pernam-
buco 4 de abril do 1865.
Julio Guiarles
olBcial-maior.
Deordara do Ulm. Sr. inspector da thesou-
raia defazanda-deata provind, se faz publico pa-
ra-conheaimento-de-lodos a circular do tribunal do
thesouro n. 7 de 13 de fevereiro prximo passadj,
abaixo transcripta.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
orupaaMa das naagertca
luipe ia<4.
At o dia 14
do corrate mez
espera-?e d*Eu-
ropan vapor fran-
eac Estramadme
o aaai depois da
demora do cos-
ame seguir pa-
ra a Babia a Rio
de Janeiro.
Pora condiegoes, frefes e passafeos trata-se na
aaaaah ma do Trapicite n. 9.
Porto.
Segae com brevidade para o porto cima indica-
do a mono veleira e bem coakedda barca Claudi-
ca, por ter a maior parte do sea carregamento
prompto; para o resto e pa-wageiros para o que
tem excellentes commodos, trata-se com Cunta
Irmos C, na ra da Madre de Deus n 3ou com
o capito na praca.______
Vende-a o bogue brasileiro rFirma, de 175
tonelladas, conslrucco brasieira, ca'rrega 10,000
arrobas com 16 palmos d'agua, forrado de obre,
aparelhado prompto a navegar, cora os ferros e
1YIS0S BITEBSOS.
Ki 1865 ndo d ^S^SST&o SenT Z>
Cura espantosa e admirare! de niaa oflammaco
caronica de bago en splcnit.
Um lilho do Sr. coronel Bernardo Jos da Cma-
ra, senhor do engenho Cuyarabuca, toi atacado des-
ta terrivel molestia Inflammagao chronica do bago,
ou splenita mesraa envolva outros padecimien-
tos, como cansago, palidez, inapetencia, etc., ete.
I Duraste todo, este terrivel astado, todos os ce-
cursos medicinaos, que erotaes casos se uzam, fo-
ram abundantemente empregados, sem que flzesse
parar a marcha lenta e destruidora de to horri-
vel enfermidade, a todos os meros 9 esforgos fo-
ram baldados, tanto que este mogo ja foi Euro-
pa o nenhum resultado obteve, no entanto o mal
crescia-; e estando nesle ponto se experimentou o
xarope elherio de veame.
O effeito produzido por este estimavel remedio
foi verdaderamente maravilhoso e sem igual. Nao
menos importante o xarope alchoolico, e as pila-
tas purgativas do mesmo veame, por gozar de
proprtedades atinentemente depurativas, appro-
vadas por mdicos e pessoas desta provincia, e de
outras curas radicalmente effectuadas, como es-
crfulas, rheumatismo, escorbuto, enferraidades
venreas e raercuriaes, chgas antigs e todos as
molestias provenientes de um estado vicioso do
sangue. Nao impede os banhos fros do mar ou
do rio.
Eutre outros muitos fados nm, ha pouco, acabo
de realisar-se bem importante : um escravo do
Sr. coronel Pedro Cavalcanti Wanderley, proprie-
tario do engenho Japaranduba achava-se atacado
de anemia, ou frialdade; e cansava a ponto de
nao poder carrear, urna s caixa das pilulas pur-
gativas da veame o rescabelecen.
Nesta molestia oque muite conlribue para o cu-
rativo, otrabalho, o que se realisoa com o dito
escravo sem precisar do xarope. Um aten escravo
de nome Jos, que o arremate* em hasta publica,
que foi da finada D. Candida por 80,3000, por se
achar com ama chaga em urna das coxas. e entre-
vado, com o xarope e pilulas de veame, >e acha
bom, empregado como servente de pedreiro. Um
outro escravo quecoraprei ao Sr. Joaquim Gongal-
ves Ferreira, que se aeaava com escropbulas, fe-
ridas, palidez a cansando, com a mesmo xarope,
pilulas e banhos no ria de Una esta perfectamente
bom, e tambem empregado em servlgo de pedrei-
ro. Outros muitos factos desta ordeot em pessoas
que oeste salutar remedia tem fuitu uzo, podara
enumera-los, o qu* nao fago nafa nao ser prolixo.
Vndese estas, prenaraces em minba botica,
roa Direa n.88.
Jos da Rocha Paranhos.
andar.
LEUDES.
offliai-maior, Manoel Jos Pinto.
Circular u. 9.
I* seogao.Ministro ds negocios da fazenda.,
Rio de Janeiro em 13 de ferereiro de 1865.
Carlos Carneiro de Campos, presdanle do tribu-
nal do thesouro nacional, couimuuica aos senhores
inspectores das thesourarias de fazenda, para a de-
nda inteligencia a execuco, qe o praso para
a substituidlo das nulas de I00 da 3a estampa de
que traa a circular n. 46 de 4 de nevembro ultimo,
deye terminar em 31 de maio do crreme anno
principiando do de junho em diante a descont!
Progressive na forma da le.
CarJos Carneiro de Campos.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematago dos reparos de que precisa a
ponte do Rio Formoso foi transferida para o dia 27
do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Peruam-
buco 7 de abril de 186$. O secretario,
A. F. d'Aanunciaga.
Pela thesouraria provincial se. faz publico
que a arrematago dos reparos de que precisa a
Cadea da villa do Cabo foi transferida para o da
12 do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam- LeO Je 15 latas COill -gaz, 1 carro de 4 ro-
Le lio
Dos mastros, vergas, mastareos, ancoras, ca-
bos, velas, muioVs. signaos, 1 pedago de crreme,
1 cio, I virador, 1 guincho, 1 bote, 2 barris ora
carne, meia barrica com fariuha de trigo, t peda-
gos de looa, 1 sacco com arroz, 1 lata com oleo,
caixa com macarrao, tudo salvado do brigue ic-
glez Hebe of Ihe Exe.
HOJE
O agente Pinto fara'leilo em continuago aos
antecedentes com a mes na autorrsaco, e sob as
mesmas condieges de todos os objectos cima
mencionados, pertencentes aos salvados do brigue
ioglez iHebe of the Exe existentes no arma-
zem alfandegado do barao do Livramento no caes
do Apollo, onde se effectuara' o leilo as 10 horas
em ponto do dia cima dito.
COMMERCIO.
Caixa filial do tianro lo Brasil
Perua Bblico.
era
buco 7 de abril de 1863.O secretario,
A. F. d'Annunciago.
Pela thesouraria provincial se faz publico que [
a arrematago dos reparos de que precisa o impe-
dramento da estrada de Apipucos desde o lugar !
em frente a da Trempe at o Chora-menino foi
transferida para o dia 20 do corrente.
Secretara da thesouraria provincial de Pernam-
aaeo 7 de abril de 1865.-0 secretario, 11 pilo
A. F. d'Annunciacao. | **"**
Pela thesouraria provincial se faz publico
qoe a arrematago dos repares da qae precisa a
ponte do Bujary sobre o rio Tracunhem foi trans-
ferida para o da 20 do crreme.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam
buco 7 da abril do 1865__O secretario,
A. F. d'Adnunciagao.
Helaran das cartas seguras rindas do norte pelo
vapor OjajiocL para us seuliures abaixo de-
clarados :
Dr. Braz Florentino Henriques de Souza.
Candido Franklin do Amaral.
Damazo Melchiades Barata.
Domingos Jos da Cuoha Lorgej.
Frederieo (^esar Burlamaque.
Florencio Domingues da Silva.
Felicio Jos Vaz de Oliveira.
Francisco de Paula de Albuquerque Maranhao.
Ildefonso Heneck de Berredo.
Joao Evangelista Nery da Fonseca (2).
Jos Amonio Alves Pereira (Porto).
Jos Maria Palmeira.
Jos dos Sanios Me ves.
Capito Jos Maniraiano Barroso.
D. Precila Seebertnha Mendes de Aluuquerque.
Maria Carolina Borges Leal.
das para canegar e 200 capachos.
HOJE
O agente Pestaa fara' leilo por conta de quem
pertencerde 15 latas com gaz, 1 carro para car-
guejar, 200 capachos ludo em loles a vontade dos
compradores : sabbado 8 do corrente pelas 12 ho-
ras da manha no armazem do Annes.
cora ceneja
A directora esta caixa saca sebre o banco de
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa tilia! do
mesmo banco na Bahi.
\ovo banco de l'ernum-
bnco.
O banco desconta letras na presente semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis naeres,
toma dinheiro a juros a praso nunca meoor da
tres mezes, e saca sobre a praga da Bahia.
Novo banco de Pernambnco.
Ooancopaga o 14 dividendo na razio de 8
por aego.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 6......
dem do dia 7 .....,.........
141:7844931
3:203;0C0
144:9875991
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazendas... 197
< com gneros.... 454
- Hoje se extrahir a 2 parte da 1' lotera de -
Nossa Senhora do Amparo de Geianna, (11) sendo Custodio de Oliveira Cavalcante, 4 juiz de paz
os dous maiores premios 10:900* e 3:000*. lino de Azevedo.
RBPABTigAO DA POLICA :
Extracto da parle do dia 7 de abril de 1865.
Foram recolbidos casa de detengo na dia 6
Francisco de Oliveira Cavalcante.
Padre Antonio Rogeno Freir.
Jos Velloso da Silveira.
, Henrique Benigno Velloso da Sllreira.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joo' *quim Velloso Freir.
Venceslao de Jess Vereda Pernambuco, para cor-
Tecgo.
O chefe da 2* secgo,
J. G. de Mesquita.
O rapor nacional Oyapock, entrado dos portos
do norte, trouxe a seu bordo os passageiros se-
guales :
Dr. Jos Joaquim Ta vares Belfort. sua senhora, 2
-filhos menores e 3 escraros, Antonia Corroa de Fa-
rias, D\ Pedro Jaosen Ferreira e sua senhora, Ma- '
ria Margarida de Freitas Ferreira, Francisca Au- Joo Baptista da Silva,
gusta Cardoso Pie, 2 Sitios e 1 escravo, Manoel! Antonio Joaquim Pacheco, proprietario.
Duarte Rodrigues e sua filha, Zeferioo Jos da Cos- i Alexandre de Araujo da Cunha Seixas, negociante
e proprietario.
Joaquim Gomes da Rocha Lima, negociante.
Antonio Joaquim Xavier Borges, capitao.
Manoel Ignacio de Vailois.
Joo Gomes Ferreira.
Raymundo Jos de Oliveira.
Rvd. Aatonio Marcelino Cavalcante de Albuquer-
que.
Joo Baptista da Silva.
Joo Barbosa de Mello.
Manoel Pereira da Silva Xavier, negociante e pro-
prietario.
Luiz Francisco David, proprietario.
-----6H
Volumes sahidos com fazendas___ 52
t c com generes..... 327
-----379
Desarregam no dia 8 de abril de 1865.
Escuna ingleza Zampamercad iras.
Brigue hanoverianoLeopoldo farinha de trigo.
Barca inglezaAnsdel-farinha de trigo.
Brigue inglez decan bacaiho.
Barca portuguezaCau Brigue nacional -Pallascharque.
Sumaca nespanholaGuadalupeidem.
Barca portugueza-S. Joaodem.
Barca inglezaD. Martaearvao.
Barca ingleza Scott -dem.
Brigue nesiianhol Indio baldeago.
ttECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERN4MBCO.
Rendimento do dia 1 a 6........ 5:819*239
idem do dia 7 ................. 38520
de 8 barricas
pela.
HOJE
O agente Pestaa vender por coma e
quem pertencer 8 barricas om cerveja
qual ser vendida em um on raais loles
de des compradores sabbado 8 do corrente pelas
10 horas da maooia uo armazem do Aunes.
risco de
preta a
a vonta-
Leilao
escrava.
de urna
HOJE
O ageate Pinto levar novamente a leilo em
cumprmento ao despacho do Illm. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commereio exarado na petigao de Jos
Gabriel Pereira Lima, no da cima dito, a escra-
va Alexandrina, perleucente ao orpho Domingos
Gabriel Pereira Lima e existente no deposito ge-
ral, as 10 horas em ponto do dia supradiio em
seu escriptorio ra da Cruz n. 38, primeiro andar.
Lerla-i de dividas.
HOJE
O agente Pinto levar novamente a leilo as di-
vidas activas da massa fallida de Guimaret &
Irmao, na importancia de 13:342*660 rs. a reque-
rimento dos administradores da referida massa, e
por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
raercio, as '0 horas em ponto em seu escriptorio
a ra da Cruz n. 38, primeiro andar.
TllattATKO
S
Leilo de importantes .lvidas.
Martins levar a leilo pela ultima vez as divi-
das activas da massa fallida de Joaquim Vieira
'Goelho&C. na importancia de 81:661*324 rs.,
sendo 50:581*965 em contas de livro e.........
31:079*339 rs. em letras.
Segunda feira 10 do corrente.
Em seu escriptorio ra da Cadea do Recfe n.
9, ao meio dia.
EMPREZA-COIMBRA
. recita da assignatnra.
Sabbado 8 de abril de 1865.
Representar-se -ha o sempre applaudido e apa-
ratoso drama sacro em 3 actos e 5 quadros, orna-
do de msica e macbinismo
OM
MARTYRESDAGERMANIA
PEUSONAGENS. ACTORES
Constancio, cezar do Ocidente...... Coelho.
Scipio, patricio romano e senador. Coimbra.
Orosio, chefe dos christos, octogi-
nario........................Germano.
Gabriel, filho de Orosio.......... Lisboa.
Dedo, grande sacerdote da Jpiter Pinto.
Lucifer........................ Borges.
Pluto, centurio romano.......... Goimares.
Polion, guarda dos earceres.......Santa Rosa.
Izac, judeii.escravo de Afra....... Tcixeira.
O Arcanjo...................... N. N.
Afra, corteza romana............. D. Eugenia
Martha, virgem christaa.......... D. Camilla.
AF........................... N. N.
Eumenia, escrava de Afra........ D. Leopoldina
Digna, idem, idem............... D. Jasuina.
Euprepia, idem, idem............ D. Francisca.
6:205*159
MOVIMENTO BO PORTO
ta Maia, Isabel de Barros Vasconcellos, 1 filha e 6
escraros, Antalo de 3 Pereira, Augusto Raphael
Lucio, FraBCJsco Ignacio de Oliveira, Miguel Lucas
da CteU, Dr.-Jc*e Maria-Ser, Domingos Francisco
Moreira, Henrtqoe Pinto Aires, Henrique Saxer,
lenriqne Kalkman, Alfredo Weler, Agostinho da
Silva, Roben Wendeborn e 3 escraros a entregar.
Segura para o snl :
Odorfera Dulcnda Ja Silveira. e 5 Qlhps, Lou-
-rengo Amonio Das, Pedro Aioxandcino da_ Costa
'-Miues, Joaquim Vicente da Costa Canoa, Joo Ro-
drignes dos Santos, Francisco Maria Bitencourt e
ua famiha, alteres Xllderico Cicero de Alencar
Araripe, CamHIa de Andrade Couto, Malfada Do
mingues Gouip,; Maria Felicia de Couto, Januaria
Francisco Coelho Nunes, negociante.
Antonio Manoel de Carvalho.
Joo Prudente Marques, proprietario.
Manoel Saturnino de Brito.
Seraphim Leoncio Cabral.
Jos Vicente de Araujo Puntes, negociante.
Jeronymo de Arruda Cmara.
Manoel Amonio de Carvalho.
Flix Antonio Rebeiro.
Jos Joaquim de Qaeiroz, tenente da guarda na-
cional.
Cosme Ignacio de 4raujo Lima, tenente da guarda
nacional.
Felicia dCouto e i escravo, Guilaermioa Candida Placido Vieira de Oliveira proprietario.
da Foasaaa-e 2 irmaos, Lou Carlos de Oliveira Gui-
mare, Prederica Vaa e I filho, Or. veriato Ban-
deira Duarte, ana litha e 26 eseraros, tenente Jos
I'odro Domingues do Couto, capillo Francisco Ce-
sar da Silva Amaral, capello Alexandre Jacintho
alendes, I" cirurgto Dr. Manoel Adriano da Silva
Puntes,*' dito Dr. Manoel Alves da Silva Sena, a
Jos Joaquim da Conceicao, dito.
Tiburlino Manoel de Gouva Meuezes, alferes se-
cretarlo da goarda nacional.
Jorge Ciernen tino de Araujo Lima, 4 supplente de
subdelegado.
Paulino Velloso Freir, tenente da guarda na-
cional.
Navios entrados no da 8.
Portos do sul 8 dias e 20 horas, sendo do ul-
timu porto 7 l| horas, paquete a vapor Oyapock,
de 1,080 toneladas, commandante Antonio Mar-
celino de Pontes Ribeiro, equipagem 63.
Rio de Janeiro e BahiaVapor brasileiro de,guer-
ra S. Francisco, commandante o caplo-lenente
Vidal. \
Mu'ioj saludos no mesmo dia. \
Portos do NorteVapor brasildro Mamanyuape'
commandante M. R. dos P. Moura.
Rio Grande do SulPatacho brasileiro Palma, ca-
pito Manoel Antonio Canario, carga assucar.
BarcelonaSumaca hespanhola Prisco, capito
Henrique Millet, carga algodo.
LiverpoolBrigue inglez Wt>a capito J. Jenkins
carga algodo.
Portos do sal Vapor brasileiro Oyapock, com-
mandante Pontes Ribeiro. Nao levoa passa-
geiros.
Obsercacao.
Fundlaram no lamaro urna galera franceza e
urna barca ingleza, mas nao tlveram communica-
go com a Ierra.
BECLiaiQOES.
Tribunal de commereio.
Pela secretara do tribunal do commereio de
Pernambuco se faz publico, que nesta data foram
inscriptos no competente livro o distrato e os con-
tratos de sociedade segujntes :
Distrato de Olimpio Gongalves Rosa e Amonio
Ferreira da Conha, que commerciavam nesta pra-
ga sob a firma de Rosa & Cunha, a qual fica ls-
solrida, e cuja liquidago est a cargo do evsocio
Rosa, visto ter eunha receido o capital e lucros
que Ibe compel ara, e pelo que deu aa dito Rasa
plena qutar;o.
Senadores, Motores, sacerdotes, sacrificadores,
auruspices, virgns, centnri5es, decenarios, sol-
dados, povo romano, povo chrstao, escravos e es-
cravas.
As encemmendas podem desde j ser procura-
das e o pequeo reito da bilbetes esto a venda no
escriptorio do theairo.
Principiar as 8 horas.
Leilo de movis de e-ciiporio c 1110-
bilia pericncentes a oassa de \. I!,
cuervo & C
Segunda feira 10 do correnle.
A requerimento do depasitario da massa fallida
de A. R. Cuervo & C. e por de-pacho do Illm. Sr.
juiz especial do commereio por coma e risco de
quem perlencer o agente Pestaa far leilo de
todos os objectos do escriptorio e mobiha do mes-
mo como cartelras, cofre a prova de fono, mdxos.
cadeiras e sof de mojrno, dilas francezas, I rica
secretaria e outros objectos pertencentes a mesma
massa existnnt-s no armazem da ra da Cadeia n.
24: seganda-feira 10 do eorreate as 10 horas da
manha.
AVISOS M1BITIW03.
LeilKo de movis perlenceate a massa falli-
da de A. B. Cuervo C.
Terga feira H do corrente.
A requerimento do depositario da massa fallida
de A. B. Cuervo & C. por despacho do IHm. Sr.
Dr. juiz especial do commereio o agente Pestaa
fara' leilo por conta e risco de quem perlencer
de todos seus movis como sejam : moblas,
guarda roupas, guardalougas, mesas, cadeiras, cas-
ligaes, lougas de almogo e de jamar, treus de co-
sioha etc., 1 cabriolet americano e arreios, 1 ca-
vallo, 1 tanque de ferro o muitos outros objectos
qne se acharo patentes : terga-feira I i do cor
rente palas 11 boras da manha na Ponte de
Uchoa.
Achar-se-ha um mnibus no dia do leilo as 10
horas para conduego do* concorrentes na esqui-
na da ra do Crespo ao p da loja do Sr. aiaia.
Leilo
De qoatro grandes casas de campo em o melhor
dos arrabaldes a saber :
Duas casas terreas na entrada da povoage de
Apipucos ao lado direito da estrada real com 32
LOTERA
AOS 6:OOG#00.
Quaru-feira ifj do corrente mez. se ex-
trahir a 4l parte da Ia lotera (12*) a be-
neficio da Santa Casa de Misericordia, para
canalisacuo d'agua e gaz no hospital Pedro
II no consistorio da igreja de Nossa Se-
nhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes,meose quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de G.OOOJOOO al 10^000
serao pagos unic hora depoi. da extraccao
at as 4 horas da Oarde, e 03 ostros depois
da distribuicaodas lisias.
As encomrnendw s rao gaairdadas so-
mente at a noite rf* vespera da extraejao
como de costume.
O thesoureiro,
______Antonio Jos Rodrigues de Sooza.
Aluga-so um excellocte sitio na Caranga
\ elha com urna grande casa para familia, dita
para fetr.r, dita para e>rravo^, cochera e estrilia-
rla : quem pretender dirija-*)-* Capnnga Flava,
ao entrar da mesma o primeiro- portan ao segan-
do, que adan rom quem tratar-
Joaquim Antonio Pereira c sua familia ret-
ram-se para f a do imperio.
Francisco Ignacio da Silva;, retira-fe1 para
a Europa, al o dia iii do corrente mez,
A fogados
Jos Buarque Lisboa avisa ao publico que pela
semana saota, quarta, quinta e sexU-ftira, vende-
r en seu viveiro as boas nurima*r r-amnrins e
carapebas, e outras muitasqualidades de peire.
Irttflffafa to SeoliHi- B-nn JeswTda
Chagas
Devendo ter lugar domingo (9) a exposoo em
precissae solemne, da imaaem do nosso* Divino
Kedemptor a venerago publica, por ordem da
mesaregedora desta cidade sao convidado* os
nossos charissimos irmos a se acharem as D2
horas da tarde em nosso consistorio, aflm de en-
cocorados satisfazermos a este preceilo da nossa
lei. A procjsso tran.-itar ao sabir, pelo larga do
Paraizo, ra larga do Rosario, primeira parte da
do Queimado, Cruzes, s. Francisco, Imp-rador,
largo de Pedro II, secunda parte da ra do Quei-
mado, Livramento, Direita, larKO do Tergo, Cinco
Pomas, a voltar no chafariz da ra Imperial para
a ra Augusta, desta pelas ras dos Marlvrios e
Hortas, ao largo do Carino, camboa do mesmo
ra das Flores a voltar para a ra Nova, Cabugv
a recolber-se. ^
A mesa roga encarecidamente aos moradores
deesas ras e largos o obsequio de fazerem limpar
as frentes de suas casas para que se na 1 veja cons-
trangida pela intransiiabilidade della, a alterar
em mircha o trajelo da proejaste.
CouMstorio em mesa ti de abril do I8C5.
O escrivao,
_________Francisco de Paula e Silva Lins.
Acbando se na escada do sobrado n. '26 do-
largo do Paraizo, em que mor., o abaixo asigna-
do, urna menor, parda clara em desamparo ; de-
clarou ella chamar-se Maria, natural da comarca
do Santo Anto, de idade de 12 annos, e que sua
mil chama se Maria da Conceigao, parda, viuva,
moradora noAfogados; e que sua av de nome An-
glica entregara nesta cidade a urna Sra. D. l'mbe-
lina, a qnal tem dua# limas casadas, afim de ser
educada, e que nao sabia em que ra ella mora, e
por causa dos mos tratos que soffila, empregau-
do-a em compras na ra, sahira de casa : quem ti-
ver direilo a dita menor appareca no'sobrado ci-
ma indicado.
Flix Francisco de Souza Magalhes.
O commendador Thomaz de Aqnino Fon
seca e sens filnos muito agradecem a lodos
os seus amigos que assistiram e acompanha-
ram ao cemiteriu publico o enterro de seu
finado e presado filho e irmao Thomaz de
Aqnino Fonseca JunU r, e roga ainda aos
seus amigos o caridoso obsequio de cumpa-
recercm na igreja matru da Boa Vala, no
dia terca-(eir 11 do correnle as 7 horas da
mauha, afim de assistirem ao memento e
raissa me mandam eelebrar pelo deseango
elorno da alma de mesmo tinado.
Fogio em das do mez de marco do corrente
anno nesta cidade do Becife para onde veio da
freguezia de Timbaba, em um comboio de algo-
do, o escravo Manoel Clemente, idade de 23 an-
nos pouco mais ou menos, franzino do corpo, un
tanto alto, pernas firnas, um tanto barbado e gago
no faltar, foi visto no da 30 de margo ao p- do
chafara do Forte do Mallos: rogase as autorida-
dades e capiles de campo a sua aprehenso e
lefera-ao a ra da Madre de D.-os n. 16, que se-
ro generosamente recompensados, protestando-so
usar dos melos juiiciaes coaira quem o liver
oceulto. ________________
No dia 4 do eorrente um guarda ilscal en-
contrando um menino com urna ramnlH. a qual
continha orna imagera de s. Jos, pedio-lha para
que osse ao armazem denominado Propheta bus-
car urna caixa de charolo que l havia comprado
e que deixasse em seu poder a dita ramulla, o que
o menino fcilmente aunuio em attenco a amiza-
de qae entre elles baria, e dingindo-se ao dito es-
tabelecimento foi-lho dito pelo caixeiro qne a ne-
nhum guarda fiscal tinha vendido caixa de charu-
tos, pelo que voltou o menino e ja ao encentren o
dito guarda, lendo tudo islo acontecido na fregue-
zia de S. Jos, ra das Cinco Puntas ; e como a
dita imagera fosse trocada em casa de um imagi-
nario defronte da matriz da Boa-Vista, roga-se
Bahia pretende sahir era poucos dias CSS d,e frenle e 60 de fund,0-' 2 "l"' 4 ,uarl05' i Pessoa a <>aem e,la for ofrecida, leva-la em casa
La or ter alcuma cara iratLla ?0-S1Dha or*' COm mUro e PrUo na frenle e ^^ ^ dl, imaginario, que ser recompensada.
Para a
a escuna Elxza, por ter alguma carga tratada, e
para o resto que Ihe falla tratase com o consigna-
tario Joaquim Jos Gongalves Be Itrio, na ra do
Vigano n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6, ar-
mazem.
Para o Porto segu com brevidade o brigue
Esperanca por ter a maior parte de seu carrega-
mente prompto : para o resto e passageiros tra-
ta-se com Cunha Irmos & C, ra da Madre de
Dos n. 3, ou com o capitao na praga.
' Para o Para.
vai seguir com muila brevidade o palhabote Pa-
ratnst, tem a maior parte da carga prompia, e
para o resto qne Ihe faita trata-se com o consigna-
tario Joaquim Jos Gongalves Bellro, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n.6,
armazem.
Para i.isboa
pretende seguir com muita brevidadea barca por-
tugueza Henriqxteta, tem parte de seu carregamen-
to a bordo : para o resto que Ihe falta e passagei-
ros, para os quaes tem muitos coraaiodos, trata se
com os seas consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo 4 C, no seu escriptorio ra da Cru
numero 1,
T
Para o tiio de Janeiro
o veleiro brigue escuna Nao Sei, pretende seguir
no uo) da presente semana, tem parle do sea car-
regamento emgajado : para o resto que Ibe (alta,
traia-se com os seus consignatarios Antonio Lniz
tal.
Duas ditas no alto e pouco depois da mesma po-
voagao a beira da estrada publica com 34 palmos
de. fren te cada urna e 06 de fundo, com 2 salas, 4
quartos, cosioha fora, quartos para pretos, calca-
das na frente e oiioes, fondos divididos por muros
e lados por creas, com quintaos, assim eomo
grande pateo na frenle que pertence as mesmas
casas, diridindo urna cerca de madelra.
Terca-feira \ i de abril.
O jente Piolo fara'leilao precedida a compe-
tente autorsagao, das qoatro casas de campo ci-
ma descriptas, construidas as prmeiras ea> 1858
e as outras pm 1848, as quaes se tornara reeom-
mendadas por seren edineadas perloda pevoago
do melhor dos nosso- arrabaldes, perio do rio Ca-
pibaribe, e para onde devenios ter em pooeo lem-
po estrada de ferro. O leilo sera' eflteetnado as
11 horas do dia supradito em seu escriptorio na
1 ua da Cruz n. 38. primeiro andar.
recompe
Precisa sede nma ama de leile
Cruzes n. 41 A, porta larga.
n roa da
Grande.leilo de roobilins, bobos,joias
de uro e prata e outros milites ir- lBPeM,rhn 74-
lijtos de gosto.
Terga-feira 11 do correnle as 11 horas.
No arniazem a ra da Cruz numero i
Fica sem effeito desta data em dianie a,pr>-
curagoque dei ao Sr. Joaquim Cavalcanti de Al-
buquerque Mello, o que j ha inuito devia ter fei-
10. 'Becife 6 de abril de 1388
______ Ji&o Silverio de Souza
Acha-se justoetratado por compra oana-
zem de molhados na ra dos Pires n. bi, pertea-
cenle a Francisco Jos Feroaudes Pires: quem so
julgar cora direito ao mesmo apparega oestes J
dias.
Jos Henrique da Silva pweisa de um cria-
do b. leeiro que eja bom : pode ser procurado
no pateo do Carmo n. 13 em casa de Gabriel Aa>
t.nio ou junio a P.mle da l'asagem i\, no Be-
cife das 9 as 2 1|2 da tarde e no sito at as 8 .la
manha n das 3 l|2 em diana*
Prec^a-se de uina ama p.ua lujo >ei vigo its
urna casa de pouca familia : a iralar na ra da
Precisa-se do um criado co.-ioheiro escrawa
ou livre : a iraiar na ua das Uroxes m. ., se-
gundo andar.
SEM LlMtrBS.
Cordeiro SimSes far leilo de nma m >bilia de
Jacaranda a Luiz XV, 1 dtla de amarelio, 1 guar
roupa '
cama
novas e usadas, oabides, quartinheiras, baoqui
de Oliveira Azevedo & C, o sea eseriptoriorai! J?SSfjf?"^' reUi?ias da ouro e P-raU ou:
t Cruz ni lros nilos artigos. Na mesma oceasiao vender
1 rice piano de Jacaranda, 1 cofre de ferro, 9 cas-
tigaes de prava.o diversas obras, de ouro e msis
artigos de go>lo qae estarao ptenles no acto do
Ama
Na ra do Corredor do Bispo n. 22, precisa-se
, I guarda louga, 1 santaano, 1 qommoJa, l; aiugl,r uma Hscrava pawo sarvigo interno e ex-
franceza, 1 machina de costura, cadeijas ler, de casa. a
Para o Para o hiaie A'or carga a frete : a tratar com os seus consigna ta-
rtos no largo do Carpo Santa n. 6, segundo andar, leilo.
--------------------------------__----------K^
V'm favor.
Deseja-se saber onde mora e Sr: Jaeob da Bou-
ga ou quem por elle represante, sirva-se anunn-
ciar por esta folha ou dirigirse a ra Real do
Manguinho casa de Joo Antonio Carpintero da
Silva;a negocio qne Ibe diz resneito,

/
-


Diario de rernam*ueo ... *aU>U tf ^4fc^j|c##*.
y
PRODUCTOS t IM1IIIA YKIS
DO
tf ENSIGNE CHIMICO
X
MUDANCA
lXl
|do
RIO DE JANEIRO.
C'hiimbador IehI.
ou esmalte branco inalteravel, sem cheiro nem sabor e da mais
simples applicaco para chumbar os dentes por si mesmo, ins-
tantneamente, sem chumbo nem dor, meio prompto e perfecta-
mente efficaz. O churabador Iehl torna-se na bocea branco co-
mo os proprios dentes: acompanha urna guia......
Cimento chluez
para concertar com a maior perfeico iouca, porcellana, crystaes,
vidros, marmore e qualquer objecto precioso......
Cimento de gntta percha
especialmente preparado para chumbar os dentes cariados. Acom-
panha urna guia............>
Cosmtico Indiano epilatorio
para destruir quasi instantneamente os cabellos de qualquer par-
te do corpo, sem dor e sem alterar a pelle. Ac urna guia. .
Elexir odontalglco vegetal
para curar instantneamente as dores dos dentes mais rebeldes, e
que tambero, proprio para a conservaco dos mesmos, o en-
durecimento das gengivas e a suavidade da bocea. Acompanha
urna guia..................
Encrivore
para tirar a tinta do papel e limpar as pennas de ac.....
tlatela
pedra austraca para curar os tumores, inchacoes e feridas prove-
nientes de rocadura de coleira, sellim, cangalha e oulros arreios
dos burros e cavallos; adoptado as estribaras imperiaes da
Austria desde o anno de 1741. Alfianca-se que nao preciso
mais de 24 horas para que a chaga esteja cicatrisada, e que nao
exista mais inchacTio. Acompanha urna guia.......
Limas ehimleas
extraeco dos callos e cura garantida sem dor nem perigo, em 30
minutos pelas afamadas limas chimicas de Pedro Mourth.
Acompanha urna guia. O par ... ......
Uassa dentaria Samakol
esta masa, pouca temp depois de sua introduces) na cavidade
dentaria, adquire urna dureza consideravel e nao atacada por
nenhuma das substancias alimenticias ou dentiicias. Acompa-
nha urna guia................
Massa lustrosa
para limpar e abrilhantar instantneamente os trastes, pianos, ar-
macoes de loja, grades e corrimoes de escada, tirar o sujo das
moscas, fleando envernisados como novos. Ac. urna guia .
Papel chelroso
'nflammavel, queimando sem bulla, para perfumar casas e quar-
tos, produzir sensaces agradaveis e desinfectar o ar dos dentes:
Carteiras. .
dem.....
dem.....
pomada Rondeslcus
contra piolhos e lendeas; afiancada sem mercurio.....
pos de prata
para pratear instantneamente o cobre, o lato, o bronze, etc., e
reparar os objectos antigos prateados, como faqueiros, salvas,
caslicaes, apparelhos de cha e oulros objectos semelhantes, af-
ancados sem mercurio, para uso dos joalheiros. reljoeiros,
pticos, negociantes de ferragens, curiosos e casas de familia :
Vidros de 2 oitavas. .
dem Je urna onca. .
pos para limpar a prata lavrada
sao affiancados infallivcis. Acompanha uina guia, vidro ....
pos purgativos
para curar e prevenir as molestias dos caes. Acomp. urna guia:
Carteira. .
dem .
Sabo oriental
para tirar todas as nodoas simples ou compostas sem alterar os
tecidos como sejam: nodoas de vinho, licores, caf, frutas,
gordura, e limpar as golas e paramentos dos vestidos civis e mi-
litares. Acompanha urna guia...........
Tinta Azul Indelevel para marcar a roupa
azul no escrever, e em 24 horas na sombra ou menos de una
hora no sol, torna-se preta e nunca mas sahe do panno as la-
vagens. E' preciso escrever sobre panno encorpado ou engom-
mado. Affianca-se que nao ha melhor na corte em qualidade,
Vidro de tres oncas .
dem de urna onca. .
Tinta enea nada indelevel superfina
para marcar a roupa, em vidros de meia oaca.......
Ungento Iehl
remedio maravilhoso o melhor at heje conhecido contra feridas
novas e antigs, ulserosas e saniosas, fstulas, frieiras, hemor-
roidas, lucencas, mordeduras, muas, panaricos, queimaduras,
reumatismos, supuraces putredas, cabecas de prego, abeessos
no seio das senhoras, tumores e ulceras em qualquer parte:
> Rolos. .
dem. .
Um
Dttzia.
ANTONIO JOREZ
Fundidor e torneiro em metaes.
que morava na ra da lmperatriz em casa do raarcineiio poirier 55, pr*
5*000 400000
1*500 12*000
2*000 18*000
3*000 24*000
2*000
500
18*000
- 4*000
1*000 9*000
3*000" 34*000
3*000 24*000
1*000 9*000
vine ao respeitavel publico
mudou sua Sicilia para amida matriz
prompto para fazer o que compele a sua arte de fundidor e machinista.
todos os scus freguezes em particular, que
iz da Boa-Vi>ta' n. 36, onde se acha
DENTISTA DE PARS
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgiRo dentista. .
De volta de sua viagem a. Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descoberlas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparares empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
fissao, advertindo que trouxe um immenso sortimento de dentaduras artiflciaes; caout-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumenlos novos, ferramenta moderna, cadeirade operaces, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabncentes de Pars, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso deservir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh3 atao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando naotiver de ir em casas particulares.
O London & Braiillan Bank, saca
os paqueles,sobre
Lisboa.
, Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
por doos
Alugam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e acetados,
com jardim, cocheira, estribara e outras commo-
didades, na travessa do Joao Fernandes Vieira
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
A luga-se
GASA DA FORTOJ
Aos 10:000^000.
Bilhetes garantidos.
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costui.
ftabaixo assignado vendeu nos sens muito feli-
zesbilhetes garantidos da lotera que se acabon
de extrahir a beneficio da matriz de P. Jos do
Recite, os seguintes premios :
Dous quartos n. 2839 com a sorte 6:000,5000.
Umineio n. 2303 com a sorte de 1:4004000.
E outras muitas sortes de 1004, 40$, 20$ e
tOoOU.
Ospossuidorespodem vir receber sens respec-
tivospremiossem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da 1* lotera
beneficio das obras da igreja de N. S. do Am-
paro de Goianna, que se extrahir no dia 8 de
abril.
PRECO.
Bilhetes.....125000
Meios......6*000
Quartos.....3 $000
Para as pesseas qne compraren) de 100(5000
para cima.
Bilhetes.....114000
Meios......54500
Quartos.....2$750
Manoel Martins Fiuza.
ALMAN^K.
Acaba de sahrr dos pe-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
a
c
|f
5 mi
o _
S 3.
o
&
a
95
O
a
-*
o
o
c
- s.
o
a. T,
i
. *
a o
r
a m
je |g
a- TT
BU W
V P m
p
-
d o
a W
o-c 9 c IB c -i
re 0 5-2
-i c
Bk
r.
a
q
<
9
a
-i
3
a
>
? T

500
1)5000
14500
4O00
imoo
lOdOOO
umacasa acabada agora, com commodos para fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para feitore
' escravos,com banlio na [iorta.no lupar do Poco
g,daPanella,ruado Rio : a tratar com Tassoir-
maos.na ra do Amonm n. 35.
Aluga-se o seguudo andar do sobrado da
ra da Senzala Nova n. 42 : a tratar no armazem
do mesmo.
2(5000 20(5000
1*500
3*0(0
500
500
1*000
500
Companbia fidelidade de seguros %
maritimos e terrestres |
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEIINAMBUCO
Antonio Liiiz de Oliveira Azcvcdo & C, |
|K competentemente autorisados pela drec- -j
^ loria da companhia de segaros Fidelida- a
K de, lomam seguros de navios, mercado- H
" rias e predios no seu escriptorio ra da 9
W Crui n. 1.
v4?&tVralisas.siatfS^ &
Eseola particular.
Clara Olympia de Luna Freir, professop parti-1
eular de inslruc^o primaria, competentemente au-1 Precisa-se alugar urna ama que sibacoii
torisada pela cirectoria da instfiK^al) publica,: nhar e para comprar, assim como outra que saiba
abri sua aula na ra Dreitan. 60, segundo andar, i bem engommar e coser para urna casa de duas
DreDara-se co-[ pf s.soas: a trarar na rua da Imperatriz n. 3i, pri-
t O bacharel Alvaro Caminha T. da Silva
tem seu escriptorio de advocada a' rua
do imperador n. 41, primeiro andar, on-
de pode ser procurado das 10 as 3 horas.
Em qualquer outra occasiao sera' encon-
trado na casa de sua residencia a mesma
rua n. 3, junto ao Gabinete Portuguez.
Na rua da Florentina n. 36,
mida para fora por commodo prego.
12*000 AlteQClO*
284000 Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
i ve! publico e a todos os senbores ofciaes do exer-
, tf/v,Ac'toe daraarinha que centinaa tersua casasor-
4*UUO tida de fazendas e roupas feitas,-e por medida : no
, -argo do Livramento n. 34.
4*000
7*000
meiro andar.
(0 bacharel Jos BaplisU (iitiraua
' advoga nos termos do Bonito e Caruar.
Pode ser procurado na villa do Bonito,
rua Direita n. 16, defronte da cadeia.
Consultorio niedico-cirurjico na rua larga do
Rosario n. 20.
O Dr. Jao Ferrelra da Silva rogressando a sua
casa, contina em o exercicio de sua profisso nao
so na parle medica como tambem na cirurgica.
Aluga-se um sitio na rua do Cabral
da cidade de Olinda com casa terrea, com
cupiar na frente, bota os fundos para a es-
trada 6 margem do rio Beberibe, com com-
j modos para familia, estribara para cavallo
ecapim para sustenta-lo, arvpredosderuc-
| tos, sem visinho defronte nem pelo fundo,
^"1 com ptimos passeios, sala e gabinete na
a uroi i frente, muito propria para passar a festa e
Sitio para alugar
Aluga-se um dos melhores sitios, nao s pela
ptima casa de vivenda como por ter excellentes
baixas de capim e commodos para vaccas, alem de
innmeros arvoredos de ructo : quem o preten-
der dirija-se ao primeiro sitio do lado esquerdo,
passando a capella dos Afflictos.
Aluga-se urna mulata para o servico interno
de casa de familia, a qual cose e engomma : m
Santo Amaro, sobrado junto ao cemlleno inglez.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na ruada Maoguoira n. 10, na Boa-Vista
Sudedade Aova Enu-ruina.
Por ordem da directora desta sociedads sao
convidados todos os socios para se reunir em as-
sembla geral no dia 9 do corrente, as 10 horas
da manha, na casa da sociedade, para a apro-
vacao dos estatutos e eleger a nova directora.
Recite 5 de abril de 1865.
A. J. Brandao,
______________________i* secretario.
Alugam-se tres eseravos, sendo duas escra-
yas que fazem o servico de urna casa de familia,
interno e externo, e um escravo muilo intelligente
para o servico de campo : na rua dos Pires n. oi.
Precisa-se de um caixeiro portuguez de 14 a
16 annos ; na rua Augusta n. 76.
AMA
No becco da Boia, no Recife n. 2. primeiro an-
dar, precisa se de urna ama para comprar e cozi-
nhar.
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
l; na livraria ns. 6 e8
da praga da Independencia.
InstruccOes para ""servido
das guardas do exercito, exlraliidas do re-
gulamento de infantaria e accoamodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convtm
aquellas pessoas que se alistam nos coi pos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Independencia, a 1*.
Attenco.
i
Vende-se superior vnho do Porto em caixas de
umaduzia : em casa de Johnston Pater & C. rua
doVigario n. 3.
0 GASTELLO DE GBASVILLE
Traduzidoido francetpor A. J. C. da Crni.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo prcco de 2*500
ua praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
Anda contina por alugar o sotao un su-
4*000 brado n. 62 da rua da Gua, que equivale a uro i'rente,muitO propria para passar a festa
j terceiro andar por ter 2 janellas de frente, 2 salas, I tambem se al ligar por anno : a fallar no Re-
6 quartos e urna grande cosinha, o qual acha-se cife, no'Recife, na livraria ns. 6 e 8 da pra-
pintado de novo, e aluga-se barato: a tratar no'g, j. Inrlpnpnriflnpia 0 om Alinda na -aea
. primeiro andar com o seu proprietario o bacharel ,. inuePenaencia e em UliDa na casa
Francisco Luiz Correia de Andrade. contigua com o captto Antonio Bernardo
Ferreira.
1*000
500
2*000
4*000
2*000
I D-se 600$ a juros sobre hypotheca era casa,
7*000 nesta praca : na rua de Santa Rita n. 1 se dir |
4*000 qem d- _________________________i
Precisa-se de um rapaz de 14 a 16 annos, ou
18*000 lle um ll0mein de 30 ou 40 annos que saiba 1er : a
tratar na rua da Cencordia. das 3 horas em dame-
Aluga-se a casa terrea n. 105 da rua de San-
ta Rita : na rua da Aurora n. 36._____________
Ama.
Precisa se de urna ama para casa de pouca fami-
lia : a tratar na praca do Corpo Santo n. 17, ter-
ceiro andar.
30*000'
17*000,
SOCIEDADE DRAMATICE THALIA PER-
Unico deposito em Pernambco em grosso e a retalho! De ordem do concho administrativo desta so-
TU PIM nr Ul ll f\ n O O cieua^''> scentieo a todos os Srs. socios, que no
Em lAoA ut mANiitL & C.
$ RUA DO CABUO.4 8
AMA
Precisas-e de urna ama que tenha bom leite e
seja ada : na casa da viuva do commendador
Luiz Gomes Ferreira, no Mondego.____________
Precisa se alugar um preto pira o servico
de urna casa de familia, prefere-se o que entender
de cosinha : na cidade nova de Santo Annro se-1
gunda casa do Sr. Gomej do Corre o._________ '
fferece-se um moco portuguez para qual- |
quer oceupacao, bem como criado ou cozinheiro,
te,: a tratar nc Forte do Mallos, botequim de Jos
Mara Hespanhol. _______^^
da 15 do corrente tora lugar o espectculo de inau
guracao desta sociedade.
Secretaria da sociedade dramtica Thalia Per-
nambucana, 2 de abril de 1865.
T. B Lins de Barres,
1* secretario.
rrocuradona.
O solicitador Burgos Ponce de Len,
tem seu escriptorio no sobrado do caes
do Ramos, aonde amigamente foi a ty-
pographia do Roma e collegio da Auro-
ra, ahi est elle at as 9 horas da ma-
nha e das 4 horas da tarde era diante,
sendo que das 9 as 4 horas, pode ser en-
contrado as salas das audiencias.
Ama.
S
Precisase de urna ama para comprar e cesi
nhar para urna pessea : no becco das Barreiras
, numero 3.
Casa vazla.
Aluga-se urna pequea casa terrea a rua
do Nascente n. 14: a tratar na rua do Quei-
mado n. 32. loja.
Aluga-se o sitio que foi do Sr. Sebasliao Pen-
- Na rua Die!"n77Mefinaeao, precisa-so de ".". Capooga Velha, com boa casa, cocheira, es-1
------. "*. ."."i.-."i L-;l .'JOZL tribana, quarto para preto, Unque para banho, la
trina e muitas frucleiras : a tratar na rua do im
perador n. 46.
nma ama que cozinhe para homem solteiro.
M3HHK jjl MI iJiMC
Joao da Mira Ramos, medico pela Un
versidade de Coimbra, di consultas em
sua casa das 9 as 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da Urde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soccorridos em qual-
quer occasiao. Di consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sea casa de sade regularmente
mouda para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
lica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 34000 diarios.
Segunda dita.... 2,1500
Tereeira dita.... 24008 >
Este estabeleeimente ja bem acredi-
tado pelos bous servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nuo a merecer a confianca de que sem-
pre ton. gozado.

alagar.
Si lie para
O abaixo assignado aluga o seu
sitio na travessa de Joo Fernandes
Vieira n. 6, o qual lera as seguintes
commedidades : boa ca a de mora-
Precisa-se de urna ama que cozinhe e en-1 dia> cosinha fora, eocheira, estriba-
gomme, sendo de boa conducta: na rua do Viga- ra para 6 animaos, quarlo para feitor ou escra-
rio n. 22, 2 andar
Precisa-se alugar urna ama
dous mocos estrangeiros : a tratar
dea do Recife n. 18.
para casa de
na rua da ca-
Precisa-se de nma ama para coziobar e en-
gommar para urna pessoa : na rua detrat da ma-
triz da Boa-Vista n. 35, segundo andar.
Saca-se sobre Lisboa, Porto, Ilha de
S. Migu-1 e Rio de Janeiro: no escriptorio
de Carvalbo d Nogueira, rua do Apollo nu-
mero 26.
!
Quem tiver urna escrava para alugar, para o
servico de casa e rua; entenda-se na rua das Cru-!
zes n.21.________________________________
Precisa-te de urna pessoa para tratar de vac-'
es e vender leite : a tratar na rua das Cruzes
n. 42.
vos, boa casa para banho com rico banheiro, co-
piar, mirante em frente da casa, um rico jardim
com bastantes diversidades de llores e um chafa-
riz no meio, o sitio tem bastantes fruteiras e to-
do murado, tem porto e gradiamento de ferro,
tambem se aluga com toda a mobha por seu pro-
prietario ter de fazer urna viagem fora desta pro-
vincia, no mesmo sitio alugam-se alguns escravos
com especialidade urna mulanba que ongomma
perfeitamente e cose : quem pretender dirija-se ao
mesmo sitioa qualquer hora do dia que achara'
com quem tratar.
Gullberme Joaqom da Silva Braga.
Caueirt.
Precisa-se de uro menino de 14 a 18
annos que tenha bastante pratica de ta
berna : na rua do Rosario da Boa-Vista
n. 43, paga-se bom ordenado.
I
s
8
Precisa-se alugar urna
de 14 a 16 annos, qne seja
rua: a tratar no largo do
Bruna n. 76.
escrava ou moleque
fiel para servico de
chafariz da rua do
Aluga-se urna casa terrea na rua da Senzalla
.'tova n. 36, a qaai ten tres quartos grandes, e
quintal com porto para a rua de Apollo : a tratar
_______na rua do Imperador g. 81.______
AMA
Precinte de nma ama : na rpa
Recife b. 53.
Precisa-se do um caixeiro portuguez de 14
a 16 annos, qne tenha pratica de taberna : na rua
do Brum n. 47.
Alnga-se e segundo andar da casa n. 33 da
roa da malriz, o qal tem commodos para grande
O Sr. Henriqua da Silva Coutnho, supplenie
de subdelegado da Vanea, queira apparecer na
i rua do Queimado, sobrado n. 29, a negocio de sen
i intereise.
Machinas de serra pa-
ra algoda
Pede-se as pessoas que tem encommen-
dado destas machinas m rua da Cadeia do
pissado, alias soffrori as eonsequencias do sen Recife n. 56 A, loja ferragem do abaixo
procedjmenio. ._.-.._ j assignado, queirara vir tomar conta dellas
O abaixo assignado pede ao Sr. Filippe San-
i tiago Vieira da Conha, sonhor do engenho Maca-
] co na fregoezia de Ipojuea, que responda a carta
da Cadeia do que Ihe foi dirigida em 21 de fevereiro prximo
Manoel Ekutero do Reg Barros.
por estes tres das, do contrario serao ven-
familia : a triur cosa o Jk, Antonio Joaquim Fer-' Sdalas de g e 14 boas e prata, ha sempre Jj.. nrimoirn as nrociirar
r'ia Porto, ou ca Wguvl oaquim dCosia, na coro premio de i por cento na leja n. Si da rua d, roa da Cadeia n. 11 i do Qneimao. >w varios B. livetaa,
Est para alugar-se urna casa terrea na rua
da Gloria n. 14, um 1 e 2* andar de um sobrado
na rua do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Joo
de Barros, com arvoredos, agua de beber.e portao
parae becco do Pombal: quem pretender falle
na rua das Cruzes, sobrado n. 9. das 9 horas da
maphaa at ae meio da.______
Samuel Power Johnston & Companha
Ruada Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
i'iiudlvao de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para um*e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.__________________
Attenco
A loja de trastes na rua do Imperador n. 47 est
liquidando por seu dono ter de fazer urna viagem
a tratar de sua sade, e por isso tem resol vido
acabar vendendo os trastes, e todos os mais per-
tences do estabelecimento de marcineria; quem
pretender e quizer aproveitar-se da occasiao, diri-
-a-se i mesma loja, que se faz negocio por menos
de seus valores; assim come de urna morada de
casa terrea na rua Imperial n. 272, de pedra e cal,
cbo proprio, com duas salas e daus quartos, cori-
ntia fra, cacimba, e quintal murado com portas
para o rio.______________________________
A reunio familiar do Club Commercial no
corrente mez, ter lagar na noite do dia 15.
Consta-nos que o escravo Antonio, Cagaoge,
do Sr. Vicente Mendes Wanderley, anda nesta
praca : portento pede-se s autoridades policacs
e pessoas do povo que o apprehendam e levem
casa do Dr. Sabino, que se recompensar.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva,
3ue cozinhe e engomme alguma ceuza, para casa
e pouca familia: quem quizer dirija se a rua
larga do Rosario n. 38.
Precisa-se de um menino para caixeiro, de
l a 14 annos, com alguma pratica de molhado,
que para fra da cidade : na rua da Praia n. 70
achara com quem tratar.
. Vende-se a casa terrea n. 35 da rua do Pa-
dre Floriano : a iratar na rua do Imperador n. 69,
primeiro andar.
Hez Mariano.
Ainda est i venda na rua do Imperador n. 15,
defronte de S. Francisco, a rica edicao do mez Ma-
riano, ornada com estampas e vinhetas, e encader-
nada, por 14 e 14500 cada livro.
- Vendem-se casaes de porubos e borrachos de
boa raga, por baratissimo prego : na rua larga do
Rosario, casa n. 26, terceiro andar.
Vende-se urna casa terrea na rua de s7Jo"s
n. 50 : a tratar na rua da lmperatriz n. 39, sobra-
do defronte do becco dos Ferreiros, das 9 horas
da manha as 3 da tarde.
Ceblas
Vennde-se na rua da Cadeia n. 50, era resleas,
a 14400 o cento, e dispencadas a 140Q o cento.
Irritacao dospulmoes. angi-
nas, tosse, escaros de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquido
e todas as innumeravei molestias que affec-
jo aos igaos da respiraco
i;*AiiAiu;c i;h
mediante a accao da balsmica e irresistiver
Atteocao
Convda-se aos acadtmicos, aos lentes da
Facnldade de Direito, aos amigos e compro-
vincianos do fallecido Jos Augusto Galvo
Pires para ouvirem urna mlssa, que se ha
de dizer pelo repouso eterno de sua alma no
dia 8 as 9 horas oo dia em a igreja de S.
Francisco.
Quem tiver urna casa em bom estado, e que
tenha commodos para familia, as ras .Nova, Ca-
bup, Crespo, Queimado, Livramento e Imperador,
querendo vender, appareca na rua da Cadeia n.
30, que achara com quem tratar.
Na praca da Independencia loja de oorivesn.
33, compram-se obras de ouro e prata c pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda e todo e qualquer concert.
Precisa-se de urna ama para cozintiar e fa-
zer mais alguns servicos para casa de urna pessoa:
a tratar na travessa de S. Pedro n. 10, segundo
andar, entrada na rua do Fogo.
Eugomma-se com perfeicao, aceio e prego
commodo: na travessa da rua BeHa d. 7.
Precisa-se de urna ama que saiba engommar:
na roa da Palma n. 41, sobrado._________^__
Precisa-se de um criado forro ou escravo :
a tratar na rua da Madre de Dos n. 36, primeiro
audar, das 9 as 2 eras da larde.
Aluga-se e prinviro andor do sobrado n. 55
da rua da Cadeia do Recife: a tratar na ruada
Gloria n. 9.
Urna mulher rstrangeira de boa conducta
deseja arranjar urna casa de homem solteiro ou
viuvo para cosnhar, engommar e tomar conta de
casa : quem precisar pode procurar na rua dos
Pires n. 88.
Ama
Precisa-se de urna ama, preferiodo-se escrava,
para comprar e cozinhar : na rua do Queimado
n. 40, loja.______________________________
Precisa se de urna ama para todo o servigo
de casa e rua, saneado lavar e engommar: na rua
de Hortqs n. 88, casa de duas pessoas,________
Da porto das canoas do caes de Apollo de-
sappareea um sacco com roupa snja, sendo algu-
mas de homem, marcada com as letras A. I'., e de
mulher com 8. P. : a pessoa que dr noticia delle
a Antonio Francisco da Costa Pernarabuco na en-
terrarla de mariaha, ser recompensado.
Precisa-se alug.r urna preta escrava para o
servico interno de familia, tratar de enancas, en-
gommar. e oulros servicos menores : na'rua dos
Guararapes em Fra de Portas o. 26.
I Aluga-se urna carroca com boi
> Florentina o. 3, casa da esquina.
na rua da
COMPEAS.
Compram-se libras sterlinas: no ar-
mazem de Femira & Matheus, na rua da
Cadeia do Recife n. 66. __________
Compra-se ouro e prata em obras velhas,pal
ga-sebem : na loja de bilhetes da Praga da Inde
(tendencia n. 22.
Compra-se effectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na rua larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro qne seja
mogo, robusto e sem vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da rua da Aurora.
Compra-se cobre, Lronze e ferro cuado ve
Iho: na fundlgo da Anrora, em Santo Amaro.
Antonio Duarte Carneiro Vianna sclenliica ao-
respetavel publico, e especialmente aos seus nu-
merosos freguezes, que acaba de abrir um novo
estabelecimento na casa n. 22 da rna Nova, situa-
da entre o seu amigo armazem de ferragens e a sua
bem conhecida e popular loja da exposigo de can-
dieiros gaz, exislindo entre as tres casas espa-
ciosas communicagSes, de maneira que facilnam ao
compradores munirem-se commodamente dos ob-
jectos diversos de que precisaren). Alm do eos-
turnado e variado sorlimento, que o respeitavel pu-
blico sempre encontrou, e continua a encontrar nos
seusestabelecimenlos, achara no que acaba"de fran-
quear nma multidc de objectos de luxo, gosto e
( ulilidade, das mais afamadas fabricas de Franca,
i Inglaterra e Allemanha, para as quaes continala'
sempre a fazer encommendas especiaos; e sendo,
| como fastidioso numeraros multo e variados
artigos de cutellaria, tapegaria, crislalaria, de rec-
taes finos, de porcellanas, etc., etc.deixa de o Ta-
zer, e convida ao mesmo publico, que venlia visi-
ar os seus mencionados estabelecmentos.
Na rna da Cruz u. 38, em casa de Mills Rat-
leau & C, vndese :
Cha.
Oleo de linhaga.
Folhas de Flandre.
Silins e silhoes inglezes.
Cerveja Aspnall.
Dita Bass.
Dita John JefTres & C.
Um piano com pouco uso.
Para a nova safra.
Urna excedente machina de 20 ierras para des-
carogar algodo, est a venda na rua Direita n.
84, padana.
Aos senhores vendelhocsT"
No armazem de Manoel de Souza Carvalho Pim-
po, largo da Assembla n. 1, vende-se sardinhas
muilo novas a 8$000 o milheiro.
Fazend s ar aviadas
> Na loja da rua da Madre de Dos n. 1C, dcfronle
da guarda da alfandepa, liquidam-se as seguintes
fazendas avariadas, porm com ponco deleito :
pegas de algodo encorpado com 20 jardas, dito
largo muito superior com 24 jardas, madapolo
muito largo e fino com 24 jardas a pega, chitas
francezas escuras muito finas, deixa-se de men-
cionai o prego por ha ver conviego de ser mais ba-
to do que em outra parte e nao servir de inveja a
alguns dos collegas do annunciante, por tanto
cheguem a ellas antes que se acabem ; assim co-
mo tambem ha palitob de brim avariado a 14200.
ATTENCAQ.
Cobre, la tilo e chambo.
Compra-se cobre, lato e chumbo : no ar
mazem da bola amarella no oito da secretaria de
pelicia.
Compra se urna loja de fazendas na rua do
Queimado, pagando-se vista, se convier o nego-
cio : na rua do Brum n. 70, segundo andar, te
achara com quem tratar.
Compra-se ouro e prata cm obras velhas
paga-se bem : na loja de bilhete da praga da In-
dependeucia n. 22._______________________
Comprase ou aluga-se um escravo qne seja
bom cozinheiro: a tratar no escriptorio de Claudio
Dubeaux, rua do Imperador n 43.
Compram-se libras Merlinas : na rua do
Crespo n. 16, primeiro andar.
Comprara-se dons silhdes era bom estado,
com todos os seus perltnces : na rua da lmpera-
triz n. 78. _______ ________
Comprara-se libras esterlinas 6 moedas de
ouro de 204 e 164 : no armazem de Augusto C.
de Abreu, rua da Cadeia n. 37.
TEND1S.
Carallo para sella.
Vende-se por 2004 um cavallo russo pedrez,
boa figura e muito novo, anda bem baixo, meio e
esquipa : na cocheira do Paulino a rua de Santo
Amaro.
Vende-se um mulatinho de 10 a 14 annos boni-
ta figura sem achaques algom, proprio 'para todo
e qualquer servigo : a tratar na rua das Cine
Ponas n. 29, primeiro andar.
Camas de ferro.
Vendem-se duas lindas camas de ferro para 2
pessoas sendo nma de ferro batido com duas fa-
ces com lindas molduras e armacao moderna, e
outra dita de ferr fundido tambem coiri dnas fa-
ces e lindas molduras e cpula, por precos bara-
tos : na rua da lmperatriz n. 26, loja.
Calungas fiaos e brinejnedos
para meninos.
Chegaram para a loja de raiudezas da rua do
Queimado n. 69, os mais finos e lindos calungas
tanto para bnnquedo de meninos como para cima
de mesa : na mesma loja se encontrar bom sor-
timento de miudezss.
16$ o milbeiro
de ceblas grande; em resteas : na rua do Irape-
rador n. 28.______^^^^
Aurora Brilhante
Grande armazem demolhados.
Pateo da Saeta Cruz 81 esfwaa da rua
do Sebe.
O nvo proprietario do ja' muito acreditado ar-
mazem de moihados denominado Aurora Brilhan-
te, contina a ter o mesmo sortimento de gneros
de primeira qualidade.
Vendem-se pecas de madapolo sem avaria
a S4500 e de algodaozinho fino largo a 44500:
no armazem da Estrella largo do Paraizo n. 14.
&&<&
Urna familia qne se retira, vende urna Mobilia
de amarello j usada, tren de cosinha, tonca de
almoco c jantar azul, urna mesa de jaotar de ama-
rello ps torniados, mesas pequeas, commodas,
cama de casal e muites ontros objectes o que tudo
se vender em conta : na rua dos Pires n. 62.



Diario de Pernambuco Sabbado 8 Je Abril de lftft*.
*-*
/
0
GERENTE
DO
ESTABELECIDO A RA NOVA N. 60
AO
KESPEITAYIL PUBLICO.
A apreciagao dos habitantes desta heroica provincia existe no grande arma-
zent da Liga establecido ra Nova n. 60 um magnifico sor ti ment de molhados,
que sendo em sua mxima parte mandados vir directamente flo esti-angciro podem ser
vendidos por precos asss razoaveis. \
Sem a fatuidad* de querer que este novo e interessante estabeleciment seja o
primeiro e nico em seu genero, pde-se porm ffiancar, com toda a seguranza de que
nenhum outro o exceder no restricto cumprimento das seguintes promessas:
1." Delicadeza no trato.
, 2. Fidelidade no peso.
3.' Sinceridade nos presos.
As pessoas que por sua posicSo social gozam de certo tratamento, acharo nesta
casa os melbores queijos butrinos, cerveja, vinhos nissimos uianteiga e cha semprc de
primeira qualidade. etc., etc.
Qualquer que seja a condico do freguez, elle eleve contat que ser sempre mui-
to bem servido.
Aquelles que sao pouco favorecidos da sorte faro mensalmente urna economa de
muitas patacas, afreguezando-se nesta casa, onde se lb.es vender o arroz, o caf, a man-
teiga oassuor, etc., etc. de boa qualidade pelo preco que em algumas partes nao po-
dem ou nao querem vender. '
Os senhores de fra da cidade, dos arrebaldes ou centro, que compram para ne-
gociar, devem vir, pelo seo proprio interesse, a este estabelecimento para se convence-
ren! do quanto se pode vender barato.
Para os senhores que compram para tornar a vender existe um sortimento < spe-
cial, escolbido porpessoa entendida que certamen te muito deve agr lar aos senhore-
compradores.
Nao se tem poupado sacrificios, nem se deixar de fazer a diligencia para agra-
dar a todos.
PELOS SEGUINTES PRECOS S SE VENDE
A DINHEIRO A VISTA:
CENEBRA de Hollanda om botijas, frascos,
garrafas, etc.. etc.
ALPISTE E PAINgO a 120 rs, a lib a.
AMENDOAS novas a 28o rs. a libra.
AVELES a 240 rs. a libra.
ARROZ de 80 rs, a libra a,..
AMEIXAS francezas em latas, potes, fras-
cos, bocetas, etc etc.
AZEITE doce a 000 rs. a garrafa, cadada a
BAN'HA de porco a 660 rs. a libra, em por-
c3o faz-se abate.
BOLACHINHAS do beato Antonio a
BOLACHINHAS de soda lata grande a 2,000
ris.
BISC0IT0S inglezesem latas de 1,200 rs. a PRESUNTO para fiambre.

MANTEIGA ingleza e franceza de 400 a
MACARRO a 400 rs. de 8 libras para cima
a 360 rs. a libra.
MASSA DE TOMATE aOJOrs. a lata.
MOSTARDA ingleza a 800 re. frasco.
MARRASQUINO de Zara.
MARMELLADA de diversos fabricantes e
diversos precos.
P
PEIXE em latas a 1,000 rs.
PERAS SECCAS a 500 rs. a libra.
PASSAS muito novas a 320 rs. a libra.
Ha para vender
Tinlto, pinlie, aiais piako, muito pinho,
piuho, ra da Praia, lieje, ra Nova
i de Santa Rita n. 47.
178910 e II pollegedas de largura
De 10 a 3o palmos de comprido, cousa
muito boa e barata, e com todas as gros-
suras : cheguem ra Nova de Santa Rita
n. 17, serrara de Jos F. Coelho.
Grande arniazeni de Unas.
RA DO IMPERADOR K. 82.
O armazem de tintas ara grande deposito de
productos chimicosutensis e os maisempregados
e usados na pharmacia,pistura,photographia, tin-
turara, pyrotechinia(fogosdearticio) e em outras
industria?.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectainentcnas principaes drogaras deParis, Lon-
dres, Haroburgo.Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plena confian?aesalisfazerqualqner
encommendaagrosso trato earetalho, porprecos
razoaveis.
Prvidos de machinas pappropriadas satisfar
com promptldao qualquer pedido de tintas moidas
a oleo.caja qualidadee pureza de sens ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor.o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado emlatasfechadas.
Tem grande colleccao de vidros de differentes
formatos, desde umaoitava al dezeseisoncasde
capacidade; de vidros para vidragase diamantes
para corta-Ios; de pinceis parafmglr madeira com
propriedadee outros; de papis dourados epra-
teadose folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
paraembrulho, para forro de casa, para desenbo
com fundo j feito; de papel albuminadoe Bristul
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
tenor; oleo graso, oleo seccativo, oleo de linhaga
clarificado, oleode oielet.secativode Harlim.onro
verdadeiro em p ; prata, uro, e estanho em fo-
lhas de varias cures; tintas vegetaes, inoffensi-
vas propn'as para confeitarias; Ia de cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas para retratos; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella; essencia de rosa superfina, de ne-
roly.jasmim,bergamota, aspice, patchouly.ambar,
bouquet.limao, alcaraiva, mellssa, ortela pmenta,
louro.cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
anisda Rnssia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s com a vista poderlo ser mostrados.
Joo Pedro das Netes,
.Gerente.

o
-2
O
Q
O
PQ
DE
AZEVEDO <* FLORES
'Ruada (> Prestem atten$to ao discurso do Balo.
I'ILl.lS CATHiaiiSAS DE lfR.
Estas pilulas vegetaes sao a-
dapladas a todos os usos (!e um
^purgante as familias, pois sao
"perfeilamente innocentes, e em
quauo militares de pessoas coi*
fessam com gralidSo qu foram
curadas por ellas de molestias
severos e perigosa;nao aa
um so caso em que baja suepei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqu aignns dos
atiestados que temos de cura*
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
I0000
80^000
400
Goke do gaz.
pitch do gaz.
Alcatrao do gaz
Coke tonel ladas rs. .
Pitch .
Alcatrao caada.....
O coke reconhecidamente o carvao mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatrao, alto das applicagoes
diversas a que se prestam, como para callafetar
embarcacoes, alcatroar madeira?, etc., teem este a
nrepriedade de preservar do cuplm, formigas, etc.
E' entregar na fabrica do gaz on mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
Moreantique superior a 2 Grosdenaple de 1^600/1*800, 20 e 3A.
Baloes de 20, 25 e 30 arcos a 3 e ;0500.
dem para meninas de arcos e de morselina.
Chales pretos de fil do ultimo gosto.
Laa preta para luto e de todas as mais cores.
dem com assento prelo e cor de caf, Dores matizadas,
nova vista se far o preco.
Vestidos a Mara Pia. os mais novos a 18*000.
Chitas largas de 300 rs. o covado a 500.
Lene/ s brancos a 2*500, dem de esguio j embanbados.
Madapoloes fraeezes propriospara saias e camisas de seahoras a iGO rs. a vara.
dem muito Anos de 14* a 16* a pega.
Cambraias brancas muito finas a 5* a peca.
Chales escuros proprios para as senhoras trazerem por casa 4*.
Meias cruas inglezas a 8* a duzia.
ROUPA FEITA.
Paletos de alpaka brancos muito finos a 4*500 e 5*.
dem de casemira de cores de 10*, H* e 12*.
Calcas de casemira pretas e de cores de 7*, 8*. 10* e 12*.
dem de brim branco de 4*, 4*500 e 5*.
Colletes de casemira pretos e de cores de 4*, 5* e 6*.
dem brancos de brim e frutas de 2*, 2*500 e 3*.
Camisas verdadeiras inglezas, vista far o preco,
dem peitos de linho, e de algodo de 2* a 5*.
Seroulas de linho com duas costuras.
dem de esguio de algodo a 1*600.
Colleirinhos de linho inglezes.
dem de papel de cores.
Camisas de flanell i de cores do 33 a 6*.
H i muitas outras fazendas que se vendem por precos muito baratos, dao-se
amostras com penhores e tambem se mandam levar s casas. Ka loja do
Aflccrao ebronica do ligado.
Illm. Sr.
Jttiz de Fra, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
fermidades do ligado e baco, com.o uso
das pilulas posso lne assegurar que esto*
km, pois tendo desapparecido um grande
engorgitamento que soffria, muitas dores,
' sobre a regiao do figado e costas, dores de
cabeca, incbaciio do ventre, nao podendo
! deitar-me seno do lado direito, isso mes-
: mo procurando posicao para ler socego, bo-
je me acho livre d'esse padecimento ; como
por aqbi anda as nao baja, eu como termo
, ... esle proprio que c de casa, Ihe rogo man-
fazenda inteirameule dar-me alguns vidros, e o custo elle iba sa-
tisfar, assim bem como do cbarope tte
cereja, que live occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve nma
preta que com elle curei, faco uso d'elles
ias tosses em minha familia sempre' em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque toaba
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, ia d i ,mt e g e
resultado; sou bldoorojeandeoda
De V. s. attensgPs.ar
Francisco FERREArERAit
BOLACHINHAS principe Alberto a 2,000 rs.
C
CHOURIQAS muito novas a 800 rs. a libra.
CAF de 260 rs. a libra.
CHOCOLATE francez a 800 rs. a libra.
CHAMPAGNE das marcas mais acreditadas
a 25,000 rs. o gigo.
CHARUTOS de todas as qualidades, suissos,
americanis, habannos, fluminenses, etc.,
de 1,400 a 10,000 o cento.
CHA IIYSSON de 2,200 a
COPOS 1 sos ladidados de todos os tama-
nhos a
m
DOCES de todas as qualidades.
E
ERVILHAS seccas e em latas portnqueza e
francezas.
F
FARINHA de araruta verdadeira a 800 rs. a
libra.
FARINHA do Maranho ou tapioca a
FARELLO de Lisboa a 4 e 5,000 rs. a sacca.
FAVAS portuguezas em lata a 600 rs.
f>
GOMMA muito nova e alva a 120 rs. a libra.
GRAO DE B1C0 a 120 rs. a libra.
GENEB1U delaranja a 9 e 10,500 rs.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Raa do Queimado n. 19.
Vende-.se o seguate:
Lences de panno de linho
pelo baraussimopre;o de 2J400.
Lenges de bramante de linho
de um s panno a 35500. *
Coberta de chita da India
pelo baratissimo prego de ti'OO.
Lencos decarabraia brancos
proprios para aigibeira, a ii a dnzia.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas
propria para saU, a 3800.
Pegas de cambraia
para forro com 8 112 varas a 256 C.
Goardanapos
de linho fios duzia 34300.
Algodo coletudo
com 7 1(3 palmos de larfora vara 1200.
Cortes de lia
com 15 covados a 6.
Cambraia adamascada
com SO raras propria para cortinado pega US.
Fil |de linho
liso fino vara 800 rs.
A toal hado adamascada de al (roda o
com 8 palmos de largara vara 23200.
Atoalhado adamascado de iinbo
com 8 palmos de largara vara 34200.
Lazinhas carmelita miudinhas
prspria para veilMe de meiina, covado .600 rs.
Uaiiabas
de cores Anas covado 860 rs.|
Fazendas para a quaresma.
Grosdenaple, moreantique e ricas capas de gros-
denaple bordadas.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 8 e 6 palmes de
larpara, por menos pr{0 do qoe em ootra qnm.
e;aer parte.
Nesle armaiem da faiendas Tse encontrar nrr
grande sortimento afroopa feiU e por medida.
FAELO
de Lisboa.
vendem-se saceos com 90 libras de farelo, pelo
barato preco de 44500 : na roa da Madre de Dos
numero 9.
a
QUEUO do reino de 1,500 a
DEM londrino.
DEM suisso a 400 rs. a libra.
DEM prato a 800 rs. a libra.
8
SARAO MASSA a 160 rs. a libra e grande
abate em caixa.
SEVADINHA a 200 rs. a libra e 8 libras se
far grande aba timen te.
. V
VINHO tinto de 360 a... garrafa.
VINHO tinto em caada de 2,560
VINHO branco em caada de 3,500 a
VINHO verde a 400 rs. a caada.
VINHO Rordeux em caixa a 6.C00, 7,000 e
VINHO de Grave a 6,000 rs. a caixa.
VINHO Cherry a 1,000 rs. a garrafa.
VINHO do Porto de todas as marcas e todos
os precos.
VINHO Collares a 800 rs. a garrafa.
VINHO tinto, neste genero ha constantemen-
te 20 a 30 pipas ao torno de diversas
qualidades e diversos precos.
VINAGRE em ancoretas a 15,000 rs.
VINAGRE em pipa a 160, 200 e 240 rs.
VINAGRE branco a 400 rs. a garrafa.
VELLAS de carnauba a 13 e 13,500 rs. "a
arroba.
da 11 a va na
Na ra da Cruz n. 4, vende-se charutos de la-
vana de diversas qualidades.
. o- o c o o g sr's." p ~
Francisco Jos Germano
RA MOV A X. I,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de oculo<, lunetos e binculos,
apurado fasto da Europa.
do ultimo e mais
LITAS DE PELLICA.
A loja da Aurera na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu luvas de pellica muito frescas, pretas,
brancas e de cores, tanto para homem como para
senlMra, das mais novas e melhor qualidade que
tem chegado, muilo proprias para os actos da se-
mana sania.
EXFE1TES DE BOM GOSTO.
Tambem recebeu enteitcs de differentes qualida-
des e gostos, muito bonitos para cabeca, os quaes
se n>Ddem baratos : qnem (aizer usar do boro
gosto e do modernismo, mande comprar na loja da
Aurora la ra larga do Rosario n. 38, pois !a en-
comrarao ludo quanto diz acima. "
Vende-se um terreno na Capunga com 40
palmos de frente e 280 de fundo, plantado de la-
rangeiras novas, tendo cacimba e duas frentes,
urna para a estrada do I.acerda, e outra para um
boceo: a tratar na Capunga, venda dos Quatro
Cantos n. 35, de Jos de Almeida Ferreira.
3.3
8?S
SrST-3 5'i-B =
^O-M s." ? B
3 & 2.- gSaS
c =
2"g ce ^3 &8,2 h
o
s
- a-
" VI
ce
es
e>
as o .
o ce w
w M 2
. m w -mm
es
O co
I]
- Is*s5
O m BJ bl
S.2.S S.
5
o
S
s

ce
-n,23ce,Q-eL=,<0w--B^
IrBHIttlvlfrBa
o a >^

r ir. O p- e*
oq o 3 o


O

O
N
O
o -
B*2.
a
P.
O
0
>
O
>
MARA PIA
Wrl Pa
Mara Pin
Acaba de ebegar pelo ultimo vapor inglez um
esplendido sortimento de enfeiles de cabeca a Ma-
ra Pia, os quaes pela sua elegancia e bom gosto
de cada qnal o mais bonito nada deixam a desejar
sendo pretos, rdxos, cor de bonina e aznlzinho
sens prrees a 2J30O, 3J, 65, 85 e 105: na
loja do doto rival rna do Queimado n. 16.
Vndese tres carrocas para boi, duas ditas
para cavallo, dous carros para conducho de ge-
nen s de estiva ou outro qualquer miste"', tudo era
bom estado, e por preco commodo, por seu don-
querer acabar com esse negocio ; a tratar na ra
do Sebo n.Si, tlierna.
XARPE
deLABELONYE
Kmprtcido eom nTiritrel iteeefM desde 30 taies
rgtmieu *u rguiea* do eor?, u UTerui ky-

ce-i d Ud*>
coat- ai moltttU
dripnm naior art* dn molcitiai de pcito doi
kronchioi (p*tu**nUi, etUrrkoi j>uicmarct, ottkmu,
Ufiammaflu ntnetu dot'firtiukiot, ctUrrktirai.tk..'.)
O xarope de LABELONYE lie m vende st&io
Iirrifn cok rotula* de eer t fechadu im uta eiipi
kTiado firm da iaverntor.
rAMI, raa rban-vlllemcBTe, 1.
Deposito Cruz a.ii em casa de Caros & Barboza
Colares Royer
ou colares anodines elctricos contra as convulsocs
das crianfas.
O bom e proveitoso resultado que as criancas
obtera na denticao. trazendo desses colares, ja
bem conhecido, e por issa se tornam hoj indis-
pensaveis porque assim teem os pas incontesia-
velmente prevenido o mal: esses colares veodem-
se tambem narua do Queimado, loja d'aguia bran-
ca n. 8.
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Continna-se a vender em porco e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Bonitas trancas, franjas
e falies relos para vetaito,
A aguia branca recebeu novamente um bello
sortimento de enfeites pretos para vestidos, sendo
bonitas trancas, franjas, palies e blcos pretos, etc.,
assim como botoes enfeitados de vidrilhos, e ou-
tros muiios enfrites de differentes cores, conti-
nuando a aguia branca na ra do Queimado ln. 8
a vender ludo isso por precos commodo?.
Bonitas caixinhas
c.tni rnasica e tea ella para costara, e entras
ifalimente lindas eom perfumaras fins.
A aguia branca na ra do Queimado n. 8 acaba
de receber um bom'sortimento de caixinhas para
costura, e ontrascom perfumaras finas, e conti-
na a vende-las baratamente.
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de mellior gosto em
Peroambuco. ^
dem de gorguro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia. jj
dem de gorguro de seda bordados com barra. (:'.
Superiores moirs pretos e largos 20400, 20600, 30, 30500, 40, 50, 00,
70 e 80 ocovado.
Superior gorguro de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhoia.
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 10500, 10800, 20,20500, 30,
30500, 45, 40500 e 50.
Pannos pretos de snperiir qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algerienes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidrde na lija das Colunias
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Morera Lopes.
MACHINAS MPATLiM
de trabalhar n-f> ftrt
Rbeumalisuo e ataques hemoi-rhoidars.
Ili.m. Sr.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, c. dfc
um ouvido, pois que al j pouco ouvia, e
acompanhado de urna dr no qtieixo, coh
sullei a um dos nossos mdicos, e ese me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
eomprei em sua casa nm vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conla principie!
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, san:i de
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portanto s2o para mim as tacs pilu-
las as melbores que tenho experimentado
sto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
0 brigadeiro
JoAo Rodrigues Fe de Car va uto.
Gaslrile. I
Ouro-Preto, 29 de marro de 18G4.
Atteslo que tendo feito uso, aconsejado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
iiquei perfcilamentc bom de urna gastrite
que soiiia e que priyava-me de andar aper-
tado, boje felizmente nada sinto.
Augusto Gollatino de Mello.
No escriptorio de Palmera & Belirao, largo
do Corito Santo n. 4, vende-se o seguinte :
Farello de Lisboa em saceos grandes.
Toros d<^ Jacaranda.
Conservas inglezas em frascos modernos.
Vinho do Porto fino em barr?.
Sement rm latas de i libra muito superior.
Chocolate especial maraahense.
Farinha de mandioca da Baha muito tova era
saceos de lalnueires muito bem medidos.
Varnicuih em caixas de i dtuia.
trabalhar a ufo
descaro^ar afgodSo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLLAS!
Estas machinas
podem descarocar
qualquer especi*
de algodo sen
estragar o fie,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalbo -, pode
descarocar urna
arroba de algo
do em earoot-
em 40 minutos,
ou 18 arroba.'
pordiaou S ar-
robas de algodac
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodo
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
eutrjs dessas machinas.
O^mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-st- aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-Io, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n .17.
Saaaders Brolhers&C. '
-%". II, praca do Corpo Manto
RECIFE.
Os aicos agentes neste paiz._____________
Bixas hambiirgncas.
Vende-sena rna Nova n. 61. ___________
Acnco
m
Vendem-se pecas de esleirs para forro de sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas de 35 li-
bras, para pintar casa, relogios para cima de me-
sa e para pendnrar, arreios para I e 2 cavallos,
velas de spermacete, tudo de superior qualidade,
vindo dos Estadas Unidos: no armazem da ra do
Trapiche n. 8.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contnbue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a forca, a belleza e a conservacao dos cabel-
los.
Em Paris casa de Guilaur n. M2 ra de Rechi-
nen e 21 boulevard Hontmarlrc.
Todos os frascos nao tendo intacto e clare, e un-
cir prateado da casa. reputado falso.
Deposito rna do Imperador pharmacia n. 38.
Presos que admira.
Sapatos de tranca superiores pelo barate preco
de 15 o par, e andiz 105 : no vigilante, ra do
Crespo n. 7..
Bico adamascado de todas as larguras, peca
com 10 varas, cada peca a 400, 480, 300 e 600
rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Colchetes em carto de urna e duas carreiras
perfeilas, pelo barate- preco de 40 e 60 rs. cada
cartao, e duzla a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, aduza a 15200,15600.
25,35,45 e 55. '
Balaios propriamente para costura e para fine-
tas, e para menina trazer no braco a 15500,15600.
15800, 25 e 25500. ^^
Perfumarla, macaca perola a 25, 25200, 35 e
45 a dnzia, oleo de miozinlia a 55 e 65 a duzia,
banha a 35, 45 e 55 a duzia. Esles objectos se
vendem por admiraveis precos em esnsequencia
de serem arrematados dossa'lvados dabarca fran-
ceza, pois affanca-se a pouca a varia e a boa qua-
lidade: s no galo-vigilante, ra do Crespn. 7.
Falla de apetite.
Ouro-Preto, 24 de fevereiro de I8G'.
Sendo eu aflectado do figado lia muilos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
boje dou gracas a Deus por acbar-me sao
e perfeito com o uso das pilulas catharticaf
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieira.
DROGARA.
34Ra! larga do Rosario34
BarlholoRieu Franciscn deSouza
Vendem:
Acido actico puro pira retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieses n velluda das.
Tinta brancasuperior em lata.
AlvaiadeVnea, fino.em pies.
AC.
Soda caustica.
N. O. Bieber A C. successores, vendem soda
caustica em bariis de ferro : rna da Cruz n. 4.
Vende-se urna mulata cozlnhein e lavadei
ra; na rna Nova i Santa Rita, casa c. 5.
AGUA
DE
Florida,
para restabelecer e conservar a cor nataral dos ca-
bellos.
A agua de Florida nao ama tintara, facto es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inoffensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De urna salubridade incontestavel, a agua de
Florida entretem a limpeza da cabeca, destroc as
caspas e empede os cabellos de cafilr.
Constipaco, dotes de cabera.
Ouro-Preto, 28 de marco de I8G4.
Atiesto que achando-me atacado de un?..-.
forte constipaco que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
mnte por espar,o de quatro das; eirtu
um amigo aconselhou-me que tomasse pi
lulas catbarcas do Dr. Ayer: com ell: Ii-
quei sao e completamente reslabelecido em
tres dias, de sorte que estou no firme pro-
posito de aconselhar o uso das ditas pUiief
a todas as pessoas que forem affeeladas de
constipacoes.
Agostinho Jos: da Silva, negociante de to-
lendas. ^_______
Irritaco do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de I8*M.
Atiesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muilo tempo excessiva init.rfu,
de eslomago, pouco apetite e difficil diges-
t3o, d'ella tenho experimentado sensiveis
melboras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio IlEn.MOGENns Pebeira Rosa.
Lombrigas.
Ouro-Preto, 28 demarco de 186.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez annos que
soffria de vermes inteslinaes, neteBdo-ee
que os symplomas que entiio apresentara
eram de molestia bastante perigosa.
Raymottoo Nonato de S. Thiaco, phsiir.i---
ceutico.
Nevralfia.
Urna carU do Illm, Sr. Francisco AI va-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dies
no hombro e as costas, tomei urna infini-
dade de remedios sera achar alivio a?um.
Dr, angustia, tormento s5o palavras for--
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido: ultimameBte tomei as pilulas ca--
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito.dias, o esc-
ura completamente reslabelecido; ha tres'
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pilulas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogaras do imperio, e no
Rio de Janeiro, ruaDiroitan. 15.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
P.MAURER i C.
RA NOVA N. 48.


, de f>craafrue ... cubado de Abril de i8QS.


AURORA BRILHAKTE
, i k
u
TORIO NEMMKIKGIGQ
DO
GRANDES ARMHENS
BE
VIMOS
Largo da Santa
Cruz ns. 12e84;;
jesqnina da ra do
iCebo.
Largo da:
Cruzns. 12
esquina da ra i
ESPECIAES Icebo.
&mmmmmm Bff$**
Rriih.nt ..Va muit0 acrenuados arraazensde molhados denoiuioados Aurora
Bniuame, acaba de receber de sua propriaencommenda, muitos gneros delicados
propnos da presente estacao, e tendo grande sortimento comprado aqu, aflanca que to-
dos es seus gneros sao de primeira qualidade.
tadores segu'nte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
d ih 17enl1.am armazem Tender rnais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Bnlnante, ja pelo grande sortimento que tem, j mesmo por seu dono seachar encom-
modado em sua saude e ter de vender um de seas armazens agora, e o outrona pro-
Xlma nrimaviM i\<\m ;*.,* j-- -- ---------.... _____***
primavera, por isso deve-se aproveitar urna qadra'desas para se comprar
Lata* om 8 libras de chouricas muito novas,
a 7,5300.
Ditas grandes com poixe em postas inteiras,
mais de i2 qualidades, a 1,5000, i$280 e-j
13*00.
i D.tas cora ostras, ercellente petiscopara fri-
giddira, a 720 rs.
Ditas cora ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
Ditas com ameixas a 1,5*00, 15800 e 35500.
i Ditas com marmelada do afamado fabricante
Abreu. a 880 rs.
i Ditas cora massa de tomate, 500 rs.
'Ditascom figos de comadre, novos, a 1S500,
25 e 2o(J0. '
Ditas com bolachinha de soda muito novas, a
25i)00.
Ditas com biscoitinhos inglezes de muitas qua-
lidades, a iSiOO.
Dito redondo a 25500.
Chocolate.
Dito preto de primeira qualidade a 2*oOU.
Dito raais baixo a 2J000 e ISbOO.
Erra mate.
Excellente cha mediciaal, a libra a 32i
Esperraacete.
O masso com 6 vellas de esperraacele a b,
6.0 a 720 rs.
Passas.
Cms de 15 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 45 e 2*5tw.
^itas descascada^ a"ibr"a alo'o rs. ... l60 ^ fl arroba a 45000.
"pioca muito nova, a libra a 280 rs. i -wes> a umi ,,', BSnf0
triaba de araruia verdadeira, a libra a! p VTt.v>n lihra
500 rs. i Alpista e painro, a arroba 4J000 e a libra a
i Chocolate superior raaito novo, a libra a
15200.
Micarrao.talharianiealelriaamarella, a libra
' a .480 rs.
-^ Dito dilo dita branca, a libra a 400 rs.
a& Caixas com estrelinha, pevide, e outras mas-
9R sas, a caixa 35500.
.JL Ditas dita em libras a G'tQ rs.
'Jh>a,', a libra a 3G0 rs.
PSvadiuha para sopa a libra, a 240 rs.
Srvilhas sjccas, a libra a 160 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 oa garrafa a 480 rs.
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se"'
engoramar, a arroba a 35000 e a libra
Sabao mssa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Farinha.
Saccas grandes com farina de Goianna mui-<
to nova, a 55000.
Caf. ,
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*.
85500 e 95000. '
Cb.temos uestes gneros o melhor posslvel,
hyson, a libra a 25601).
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 25700.
Dito hvson muito Uno a 2J300.
>
*&, Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira, a
640 rs.
Arroz do MiraaMo, em sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dit i da India e Java, a arroba a 35200 e a
hra a 100 rs.
Tiucinho de Lisboa a 99500 a arrobae a 30
rs. a libra.
)tto de Santos, a arroba 75000 e a libra a
7 260 rs.
jb',I,'"|0S com 125 ceblas grandes, a 1JJ280.
S> A istarda franceza, caixa com 2 duzias a
*P 85OOO.
4 t Frascos com mostarda preparada em vinagre,
Vp a 400 rs.
* Ditos com conservas inglczas e francezas, a
n 6i0e800rs.
MoOitos com sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.
/'Ditoscom a verdadeira genebra delarania, a
1,000.
tHotijas com dita proprla para negocio, a
400 rs.
Garrafes cora 2 gal;s com dita, a 65-
rff) Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
-S duzia a 6j00O.
"vinho muscatel deSetubal, a garrafa a 15.
Marrasqninho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
a 15200.
Champagne, a dazia 205000, e a garrafa a
25000.
Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
a 15000.
Caixa de vinho Bordeanx muito superior, a
75, 85, 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do Douro verdadeiro,
a 295-
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Ditas com chamisso superior, a!45-
SP Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
a cas, a 125-
aS?Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
Wti e 800 rs.
,Bito de Lisboa mnito bom, a caada a 35200,
35500 e 45, e a garrafa a 600 e 560 rs. ,
>Dito da Figueira, das seguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
45500, e a garrafa a 560 e 640 rs., desle
que j est engarrafado e lacrado com o
rotule do armazem.
jDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
> da a 35500 e 45000, e a garrafa a 480 e
!520 rs.
Vinho branco flno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
a arro-
160 rs.
Cartas,
i- Cartas unas para jogar. a duzia a 255'0.
Castanfcas.
Cstanhas nova; vi ni as neste vapor,
ba i50>X) e a iihra a 200 rs.
Azeitonas.
Baifriicam azeitonas novas a 15500.
Manteiga.
Maateiga s;i>Aror, a libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 72U rs.
Dita dita em barris e meios ditos,
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qtieijos.
Qoeiios novos vindos neste vapor a 35200 el
35500.
Ditos londrinos muito novos,
15000.
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a W00.
Dilo dito luo de linho, a resma a 45oO
Dito de peso lizo e pautado,
25500. .. ,.n.
Dito de embrulho, bom a 45 e 152UU.
a libra a.
a libra a
a resma a
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-^
deira a 15500 e 25000.
Temperos.
Folbas de louro, pimenta do reino, comino
e cravo, a libra a 400 rs.
Velan de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendaas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Dow.
Caixoes de doce degolaba, grandes 15*00
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de Hatear.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graia.
Duzias de *oioes d grasa n. 97 a 25000, e
de latas a 15000, e os befltes a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos fiaos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixa e meias
caixas.
grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
&j 11E-ua do QueiraadoN. 11
Superiores cortes de seda preta coai lindas i)rras.
Suoerior seda faenasee que ha de melhor e mais gosto.
Moreantiqne preto raoito bonito a 25800, 35, 35560 e 45 o covado.
Completo sortimento de grosdenaple preto de muitas quaHdades.
Pannos pretos e easemiras de tcuitas mialiddes.
Bournns, chales els de renda pretos superiores.
Superiores pelisses e soutembarques de seda para srnhoras.
Bournus de la para senhoras a 125.
Chapeos e chapeiinas de palha de Italia para senhojas.
Corts de laa de barras de 145 a 225 de muito gosto.
E muitas outras hiendas de superior qualidade na toja de Augusto FreJerco dos
Santos Porto sonde tambrm se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
R. 11Boa do Oueimado-.-X. 11
A ft$m A MCC1
Fetjio mulatinho nove
ra dos Qo.irtets d. 22.
a 125, milito a 45 : na
Ceblas a 800 rn'M
o rento : na rea larga do Rosario n. 50, espina
para a na estreita do Rosarlo.
Milho novo enj saecos graaWes: no trapiche
d Cunha, a tratar com Tasso Irmaos.
52lt
variado.
Francea barrfea 55000
Portland idero 85500
Em perfeito estado:
Francez barrica 105000
Portland dem 125000
No armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
BR PEDRO DE ATIAHYDE LOBO HOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Una da Qloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s 1
aora9 da manhaa, edas 6 e meia s 8 horas da noite, excepcSo dos das santificado^
Pharmacia especial homeopaihica
No mesmo consultorio ba sempr o mais appropriado sortimento de carteiras
tucos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisafoes e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 12,3000
de 24 tubosgrandes. 18O00
de 36 tubosgrandes. 24(5000
de 48 tubosgrandes. 300000
> de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquercarteira conforme o pedido que se flzer, e com os remed
ijae se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 10060.
Sende para cima de 12, custaroos precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o.Manual de Medicina Homeopathicodo Dr. Jahr
dous?raades voluntes cem diccionario......,..... 200000
Medicina domesticado Dr. Hering,........... 10KX)0
Repertorio ie Dr. Mello- Maraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina ...,...,,.. 30000
Os remedios deste estabelecimento s5o por demais conbeeidos e dispensam porten-
to de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros,energicos eduradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis >ela sua boa conservaco, tintura dos. mais acreditados
estabelecimentos europeos, a maisexacta e accuradapreparaco,e portento amaior ener-
giaj certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-seescravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operado, para o que o annunciantejulga-sesuficientemente habilitado.
Otratamento o melhor posnvel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas ^jessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
deentes.
Paga-se20OOO por dia durante 60 dias e d'ahi^miiante 10500.
As operares serSo previamente ajustadas, se n5o se quizerem sujeitaraos precos
izoaveis iue costaraa pedir o annunciante.
0
NEM COROAS N
E
E
GIUTDE ARMAZEM
RA DO IMPERADOR 3. 40
Juto ao sebradtem qae atora aar. Osbarne,
Duarc Almeda A C, receberam de ana proprla ccrtnii-
da o mais liad* variado orimcno de n>*lbades, i(
da presente estaco.
Ma^as braficas
Laboratorio eaolo^ico e chimico de F. P. Lebeuf e C
ra Montmartre, 31, em Paris.
Fabrica em Argenteuil, prs Pars (Franca).
BOMFICACaO E F4BBIG4(!\0
D>s vinhos, agnardentes e licores.
VINH05.Imitaclo dos vinhos de todas as
qnalidades, Extraefo de Med->c, dose para 230
litros, 1 f. 23,de Bordeax, 2 f., de Pomard, 3
f.,de Lisboa, f.,de Caalan, 2f.,de l'orto,
Xerez, Muscatel, Malaga, dse para 23 ou 30 li-
tros, 4 (.
Substancia para fabricar cora o alcool e agua
os vanos aoima e todos os outres. A dose para
500 litros, 50 f.
CLACtFICAQOPos Inglezes, pos dos vinhos
da Hespanba, da Franca, etc. A libra para 300
litros. S i.
COLORAQO.Purpirigine para colorear os
vinhos brancos e vinhos claros. As dtias libras
AftUARDEXTES.Essencfa da cognac para dar
as agurdenles urdiaarian o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, S f.
KIRSCH E ABsINTria-Essencia de kirsch
de absintbo, para o fazar com alcool e agna. A
garrafa para 100 litros, 5 f.
LICORES.Extractos par fabricar se todos os
licores conhecidos sem fogo nem alambique, (in-
dicar-se os que se deseja.) A dose para 20 ou 23
litro?, 3 f.
PERFUMES para fabrioar-se os licores finos ou
comrauns a dose para 20 ou 23 litros, l f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
vinhos, aguardentes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encoiumenda.
UTE.VCILIOS de laboratorio e de chimica.
e engaado nossos
para 500 litros, 16 r.
Alguos de nossos agentes tendo falsificado e:mti1o nossas prepararles,
freguezes, djve-sj exigir sobre as rolhaa e rtulos as inlciaes F. V. L Paris,
0 modo de usar-so das preparares aeha-se indicado no rotulo.
As encommendas devem ser acompanhadas por urna letra sobre Paris ou qualquer outra cida-
j. de Franja, ou garantidas por urna casa condecida.Dirigir-se aes Srs. Lebeuf & C. chimicos, ra
tmartre, n. 31, era Paris, ou a su* fabrica em Argeateml, prs Paris.
Mott i' ese na hotici franceza, ra do Imperador n. 38.
FABRICA DE
\ 3 1 film \fva esquina da Canboa
Cabug n. 8.
A liraitoria desse estabelecimento o mais importante
CHPEOS DE SOL
do (armo e rna do
que existe neste
(ronero a w** **c
as provincias do norte do imperio, querendo que o publico desta provincia goze das) xce ent8 l^lidade
vanlagens que proporciona a fabricaejio em grande escala e directa retaceo com as mais1azuj e Danjn l**A.P,,
importantes fabricas da luropa, faz sciente que resolveu-se a vender ainda mais barato} rs_,rwrafra embrulho de l,4oo a 2,2oe
Manteiga ingleza
da safra novavinda no ultimo vapor a l,ooo
rs. alibra eem barril a 8oo rs.
Manteiga franceza
pa safra nova a60a rs. alibra, e em barrd
s 50>s.
Amendoas
<*vufeitadas de ndissimas cores a 800 rs, a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro cem 3 libras liquido a
2|400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas asqua-
lidades a 130O.
Chocolates
de todas anualidades a 1^000 a libra.
Presuntos inglezes
dosmelhoresfabricantes a 800 rs., tambem
temjsvelbos para 500 rs.
Qiieijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2|6oo.
\ Qaeljos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Queljo
lendrinoo mais fresco que se pede esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro ea 900 rs, aretalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 102QO.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qaalquer nSo pode vender por menos de
Z& a-20000.
dem perola
especial qualidade a 2#700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromitico que tem vindo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas amarellas
para sopa, macarr5o, talbarim e aletria a
489rs. alibra.
('Ofiit:
o muito afamado cognacPalBrandv a 1 8oo
rs. a garrafa e de oatras muitas quaida-
desa l,ooo e 8oo rs. a garrafa
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
nlSTtf!*-e de outras muitas qua-
lidadesde2,2oo,a4,5ooa resma do
Papel de botica
a 2)5(200 a resma,
PAPEL
bra.
do que do costme como demonstra a seguinte tabella
Descont em duzia.
20
10
%
'o
Chapeos de sol de panno a 2,>000.......
-> urnvii;ao rje baleia a 2 o "i00 .
de seda armacjfo de ac inglez de 20 pollegadas
4^, de 24 50, de 26 5,5500 e de 28 65...... 15 /o
Chapeos de sol inglezes a balao 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de i pollegadas 8&, de 26 90, e de 28 1Q. t* /
dem idem a balado de 16 varetas patent paragon de fox de 2A
pollegadas 11-5, de 26120, e de 28 130...... I5 a/o
Alm de muitas outras qnalidades de chapeos de sol (pie ciistai na raesmacas
como sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha taurtiem fje-swfa- ere panno'
de todos os tamanhos e feitios, os quaes sao to vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cahim!nrs, ctrtHria#n* e-ar-
mas de caca, os quaes vendem-seigualmente em parco e a eUtho, notandoporm
que o comprador por atacado ter sempre um descont movrel, afina depoder reta-
mar pelo preco que o estabelecimento retalha. .,
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia sero considerados cerne
a retalho.
ADMIRAVEL PECHINCHA
CHJlIEI me kemda pretos
a 10$000 cada um,
C'assas organdys de cores a 9SO rs. o covado.
A' ra do Crespo Damero 17,
LOJA DE
Jos Gomes Villar.
para sopa a melhor que se pede df feiar
macarrao, ttbarim ealeiria a 410 is. '4
libra e 40500 a caixa. .
Tinho
Figneira J A A e oatras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a cauada.*
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fairi-
cantes da cidade do Porte a i& e lH>fl
a garrafa e de 100 a f20 a caixa, a. d ar
cas sao as seguintes: Chamissc F. & M., Neetar ou vinho do* Eeuzes'
lagrimas do Donro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banba a l#CC0.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma oe
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* .4
'Cervejas
dos melhores fabricantesle de todas as m
cas de 40500 a 60500 a nzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres en
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do MaranhJo a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2*500 a 3O0a a ar-
roba desses que vendem por 30400..
CAF
de l.1 e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a S05f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafoeo
com 4 /i garrafas com vinagre a 10OOOmb
ogarrafao.
, GENEBRA DH LAflANJA
verdadeira a 10000 o frasee, e de 40OOO
a caixa.
DEM'
em frasqueiras de Hollanda a 5,5800 con
12 frascos,
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada una.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.oco a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, coico se-
jam Abreu e ootros muitos a 6oe rs. a
libra.
Presunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs
a libra.
ARROZ
MaranbSo, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a Bfc rs
a libra e em caixa ter abatimentc.
, VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3cc t
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs
a libra.
Passas muio novas
em quartos einteiros a 20 o quarto e (7 t o
a caixa e 400 rs. a libra,
I Chocolate
^sr^?1rto'-^,^A-^,,,w,er''4,
.mai,AIp^,;a hunco
" r?v4 rudo a UV. libra.
rs. a
>me-
rs. a resma.
. Corinthias
^rftHflur-proprias para
Fumo
Vinagre
^l^r^de 9 caadas a IS.ooo rs.
Ceblas
cada urna.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito Iva a 4,000 rs. a arroba e 16o rs. a libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
CHEGRMOSHOMRNOSCIhLESDE
FILO PRETO.
Superiores chales de fil preto chegados pelo nllimovapor francez, a
loja das columnas ra do Crespo n. 13, de An'onio Correia de Vasroficel-
los & C. .
e 40400 a arroba.
CEBLAS
^marn38/ l?? ?J6nto ruado Qnei-
goddrcJraorUn.fH,,eradorD-40^^
ORAO DE BIGO
m bra ZVl^0i arroba rs. a U-
SrWWas'r' ruado-
muito fresco a 800' PSL
Qaeimadon 7 p llbra na rDa do
ruadomperadorn. 40
Frutas eni calda
Pera, pecege, girja e
e 140_rs. ejrp.
cnegadas ltimamente,
outros muitos a 640"rs. a lata"
a ouu e 10 o caixa*.
. GOMMA MUITO NOVA
do Carmo n. 9
BOLACHINHAS
a lals
do Queimado n. 7
em latas de defferentes qualidades a U2(o
largo do cario 9uotraPera*>r n. 40 e do Queimado ^7 Z, do r U r"
5^e^^4^.randearmazeno^^Sf^^^
freguezes eaiSy^Tn7i-*r*nae arraazem Verdadeiro prinrn.i ^ 1
lade
Marca Njverdadeiro emjaccas
0 VeraaI d0 arador
FARELLO DE LISBOA
aos sera
de todcs er-
n. 40
novase grandes a 40500: na ra do aperador n. 40.
X.
J- VIGNES.
,Qa stfja^rJiSt:^
trisque riles tem definitivamlme toiiq^^n^^^^^^'1^ *"V
,uido.um tedado e machinismo gue obedecem^rjL^TaOSSSK'ffl&S
aunca talhar, por serem fabricados de proposito e ter-se feito nffimam1Tnl'0vi'
lentos JmportaD-
^.Jctfn^iaT'"^ as encommen M"Tndea,JKV.l,n?e$' e.m cnJa eaP,tal foram semPre Premiados em tote ^ffis
melhoreraZe1,d?&eanl Se *Cha STpre nm explendido e variado MrttaSKSsicas do
^ImmStrSSi:ass,m como hannonicos e pianos Qarmonico5> M


-%
.
Mari* c Pern
SafcM* 8 de Abril de iSG5

Atten$to.
Fazeid is pretas par a qtaresma por
pvr baratissimo nrec, na lija e ar-
iiuzen da Arara, roa da Imperatriz
Louren?o Pereira .Vendes Gumaraes.
O propnelario deste estapelecimeato relira-se
para a Bctfopa a tratar a soa saade, porm antes
de rarar-se pretende faier uma liquidago de ba-
baratissimo prego para (echar contai ; agora fre-
guajes reode-se grosdeeaples preto mullo bom
para vestidos, a 15S00, 25 e 2Jo0, dito de 3 pal-
mos de largo, a i : na roa da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Hear tutique preto a vff.
Veale-se ineuraatique preto para venido a 31 o
c ovado, grjsieaaple mano largo e encorpado a 35,
J'J, i i e 15600 o oovado, alpaca preu para
vestidos e palitos a 51)0,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de la para vestidos, calcas e palitos a
6V) DDOaii corado, lia preta para vestidos a
Oto rs, boiobuiaa preta para vestidos a 15280 o
covado: ra da Imperatriz loja da Arara n. 36.
Ricos vestidos a Mara Piaa 120.
Veudam-se ricos vestidos a Maria Pia a 105,
125, 145,405: rinda tmjerairiz loja da Arara
d. 56.
Arara vende pesas de panninho a 5# e de
madapolao a 4$.
Ven lem-se pegas de panninho muito Gno de 12
jardas a 55, vendera-se pecas de madapolao infes-
tado a 'ti e 4*500, vaedam-se pegas de madapolao
de 24 jardas bom a 65, "'i, 7*500, 8*. 9*. 10*
Jti, veaJein-se pegas de algoJosinlio a 5*, 6*,
75, e 8* : ra da Imperatriz n. 55.
Arara vende os baldes a 20500.
Vendein-se bal5es de arcos de todos os tamanhos
a tism, 35, 3*500 e4*: ra da Imperatriz
n. 56.
l/i i '.:ilm da Arara a 320 rs. o covado.
Ven lem-se laiialias para vestidos de senhoras
e rain:as a 320, 400 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as coros a 400, 500 e 560 rs. o covado. cassas
Fazendas pretas para a qua-
resma.
M* leja m Pato.
Acba-se eme estabelecimenloeoaipleamente sor-
do de fazendas pretas propriaspara a cuaresma,
a saber t
Groedenaples preto largo e traitissimo encorpa-
do, outros raais estrenos tendo des precos de
1*280,1*600,1*800, 2*, 2*400 e 3*. superior
raoreaatiqae preto a 3*, superior sarja preta hea-
panhola, superior selim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soutembarques maito bem enfei-
tadas, ricas vasquinas e casacos dos oais moder-
nos que tem viado, superiores manteletes, camisi-
has cora manguitos proprias para luto e ricos
chales pretes de rede, todo Isto se vende mais ba-
rato do que era entra qualquer parte por ser a di-
abeira: na toja do Pavo ra da Imperatrli n. 60
de Gama & Silva. i
As roupas do Pavao.
md, ** neslees"*'ecimeato nm grande sorti-
mento de roepas feitas para homem como selam :
aperiores paletots sobrecasacos de panno preto
mono fine e forrados de seda a 22*. 25* e 30*,
ditos forrados de alpaca a 14*, 16* e.205, supe-
riores paletots de caeemira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de brim de todas as qualidadei, colletes
U casemira pretos e de cores, velludos, setins
sendo todas estas obras cortadas por um dos
AO PUBLICO
Seat menor constran-
gtmento se entregar o
Importe do genero que
5o agradar.
ATTENtfO
os procos da seguinte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de eontas
com os portadores.
{ AttenQo.
! Lonreiro Santos A C, acabam de recetor da Eu-
ropa pelo vapor, om lindo sortimento de enfeites
preto*, proprios para a qoaresma, enfeites anda
ini VJ^0s.e^lPeKrna,buco peL ,,ri' de *& fc
Ju*, 1Z9 e 20, bem como grosdenaples preto, mo-
reaotiq, capas de grosdenaples, e sonibamtarques
ao mesmo ; todo por precos mdicos : ra do
Crespo n. 14, junto a loja de louga.
etc..
ARMAZEM UNIAO MERCANTIL
RA DA CADIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Coneeleao)
PARA BEM DE TODOS.
CEBLAS
No arraazem da viuvr Paula Lopes, difunto do
embarquewa escadinha, vendem-se ceblas as ir.e-
Ibores do mercado, em caixa e cenio, o nn bt.-
ralo possivel.
Senhores e senhoras, o aceto que presidie aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a prompiidSo
reza com que serSo tratados, convida a uma visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteceo e preferencia
e inlei-
na com-
meJliores mestres nacionaes, manda-fe fazer qual-
quer obra por medida: na loja do Pavao ra da Pra "os generes que prec sarem, e qumdo nao possam vir poderao mandar seos portadores, anda que estes sejam pouco praticos,
mpentriz n. 60, de Gama & silva, TXiis serlo t5o bem servidos como se viessem pessoalmente, navendo para com estes toda reeommendao, afim de oue ra S pm
Chitas em cortes com 10, 11 e 12 covados' outra parte.
aiojadoPavaovende-senma grande PorCao Manteiga ng,eza especialmente escclluda a Aletria. macarrSo e ulbarim a 4oo rs. a li-
:
de cortes de chitas '*ncezas sendo claras e escu-
ras todas de cresfixas com 10 covados a 3*200,
com H covados a 3*600 e com 2 covados a 4*,
pecliincha para se apurar dnheiro : na loja do
Pavao, de Gama & Silva, roa da Imperatriz n. 60.
C Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato preco de deztustoes cada
urna : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.60,
pe Gama & Silva.
tims para vssiidos a 350, 360 e 400 rs. o covado
ttu da (mpentrii a 56. Cortes de cassa a 3$.
Cintas ai Arara a 240 rs. o covado. I Vendem-se muito bonitos cortes de cassa tendo
7 varas Cada r.orin i.nm itnionlm.- j.i';..j.-
Vtmdo'Ji se cintas de cores lixas a 240 e 280 rs.
o covali, ditas fraacezas finas a 320. 360, 400 e
50J, preclara para vestidos a 500 e 360 rs. o cova-
do : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Li rii lio de soutambaques e lazinhas a
n, 8 e m.
Vendem-se siuiamUaqaes deiiazlobas para se-
nhoras a 7*, 8 5, dita de alpaca branca a 10*, ditas
niuitj tinas degrodenaple preto a 20*, 25* e 30*,
capas pretas de grosdeoaple fino a 20*, 25* e 30*,
manteletes pretos de grosdenaple a 20* e 22*, go-
linlias para seniiora a 440, 320 e 500 rs., mangui-
ta con gota a l*. eamizinhas para senhora, 2*,
e 35, ditas muito finas bordadas a 4*500 : na loja
do birateiro da Bia-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56.
Cjrtes de ditas tm 2^400.
V^nliii-se cortes de ditas com 10 covados por
2*VJ), ditos de dita fraaeeza a 3*203, cortes de
cassa franceza fina com 11 covados, por 3*, ven-
de n*se p'.-;i3 da cambraia branca lisa a 35*00,
45>'J), '33), 05 e 8* : roa da Imperatriz n. 56.
Li [ ti lacl) de roupas feitas palitos a 2*".
Vente n sj palitos de brira de cor a 2*, 2*500 e
35, jafiile* de briai pardo a 3* e 3*500, palitos
de casimira bem l'eito a 5*, 6*, 7*. 8* e 105, di-
tos de panno preto bom a 8* e 10*, ditos sobreca-
sacos de casimira de edr e preta e de panno a 12*,
14*, lite 205, caiga de brira de cor a 25 e 2*500,
ditas brancas de linti) a 3*50J e 4*, ditas de ca-
simira de cor 4*. 6* e 8*, pretas a 5*, 6* e 8*,
colletes a 15 JJ, braicos a 2* e 205.0, ceroulas feitas a
1*233, ditos finas a 1*600 e 2*, camisas franco-
zas a 25 o 2*500, ditas inglezas de pregas largas a
35, de linho a 3* e 3*500, colennlins econmicos
a 6i'J rs. a dozia, ditos de linho a 500 rs, um : na
ra da Imperatriz loja da Ama n. 56.
Arara vende as cobertas a 2$.
Veniem-se eobertas de chita finas a 2* e 2*500,
ditas de damasco a 4* : ra da Imperatriz o, 56
E' na Arara que e ven le cortes de casimira
preta a 33.
Vendem-se cortes de casimira preta para caiga a
3*. 35500, 4*500, 6* e 8*. ditos de cor a 3*,
4*500 e 6J : ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende panno preto a 25.
Venlese panno preto para caiga e palito a 2*,
3*, 2}>00, 'ti, 4*500 e 6* o covado, casimira pre-
ta tina a 25, 2*500 e 3* o covado e entras mnitas
fazendas para liquidar: na loja e armazem do
Arara, ra da Imperatriz n. 56.
varas cada corlo, com desenbos mnito delicados
P-uh aD*lls8,mo prec de 3*'(0 eorte :s n*
loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
Cambnias lisas, na loja do Pailo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa mnilo fina,
mP. */ tPf9mm* pel baratissimo nreco de
i* tendo 8 til varas cada peca, ditas muito finas
a 7$, 8* e 9* a pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratlsslmo prego de 7*, 9* e lfj>,ditas
Garrazes fazenda maito encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara bu 2*600 a pe-
ga : isto na loja do Pavo ra da Irapoaatriz n. 60,
de Gama & Silva. '
Os vestidos do Pavo.
Grande pechincha a 3*500.
Veadem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imitaco de tarlatana com muitos
aeneados desenhos, rauiio proprios para partidas e
passeos pelo baratissimo prego ne 3*506cadaum,
sendo razenda que sempre se venden a 7*. na loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Vestidos a $ e a 7$
Na loja do Pavo vendem-sericos cortes de vesti-
dos aMaria Pia, sendo bordados e com barras,
n mnM0 pr?62-d2 ** e ?*sendo fa"nda que I Copos lapidados para agua a S.ooo e 5,5oo
mais dnheiro, isto por haver grande
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 96o
rs. a libra e 900 rs. era barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
libras muiloproprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,60o rs.
dem preto o que se pode desejar nesie ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem pratoa 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Emilias e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Fej5o verde muito superior a 640rs. a lata.
porcao, na loja do Pavo ruada Imperatriz n. (
de Gama & Silva.
Os enfeites do Pavo.
Vendem-se os maisraodemosenfeitesparacabeca
de senhora: na loja do Pavo, ra da Imperatriz
Navidades
Na nova loja de fazendas e
roupa feita nacional
Ra da Imperatriz ui. 72
Pechiucha
Cortes de ehlaa 204OO
Venle-se cortes de chita com 10 covados a
2-)'iOO a 33230, ditos de cassa a 3*, ditos de lazi-
n.'i is para vestido a 3*600 e 45, ditos finos de bar-
ras a Baria Pia a 125, H-3 e 16$, ricos souteam-
b ir 11 's de lazinna em fantasa a 8*. 7* e 10*,
ditos de grosdenaple pretos finos a 20*, 22* e.25*,
capas pretas de grosdenaple a 20*, 23*, e 25*,
na ra da Imperatriz n. 72.
Fazendas prelas para a quaresma.
Vndese groslenapie preto fino a 1*600, 2*, e
2*550 o covado, panno fino para caigas e paletots
a 25,35, 35)00, 4*503 5* o covado, casimira
preto fina a 2*, 25500, e 3*. alpaca preta para
saias o vestilos a 500, 600 e 800 rs., sarjas de la
para caigas e paletots a 640 e 800 rs. o covado.
Lazinhas a 320 e 360 rs. o covado.
Vonde-se lazinhas para vestidos a 360, 400,
500, e 560 o covado. chitas finas para vestidos a
240 o 28) o covado, ditas francezas finas 320,
360 e 400 rs. o covado, capas francezas linas a
320, 360 e 400 rs. o covado:
* Ro.ipa feita.
Ven1e-se paletots de cor e preto a 5*, 6*, 8* o
105, caigas pretas de casimira a 5*. 6* e 8*, cor-
tes de colletes e paletots da brim a 2*, 2*500 e
35 : na rna da Imperatriz 0. 72.
Madapolao enfestado a 40.
Vndese pegas de madapolao eufestado a 4*,
dito em panninho a 5*, pegas de madapolao de 24
jardas bom a 8*, 7* e 10*, ditas de algodo a 5*,
6*, 7 e 8*, cortes de caigas de brim a 1*600 e
25, ditos de casimira prela a 3*, 3*500 4* e 5* :
na ra da Imperatriz n. 72.
COiWfilTARI*
dos ananazes, roa da Crus numero 16.
Contina a ter empadas, superior presunto a
850 rs., dito em fiambre a 1*600, recebem-se en-
commendas de bandejas de doces, pes-de-l sim-
ples e eofeUadoi, kkes, para es quaes ba bonito?
enfeites, tambera tem ligaras em grupos para bap-l
tisad>s e casamentes, preparase Igualmente lata
eom caj crystallsado proprio para exportar, vi-
nhos do Porto a Figueira, outras qsalidades, e su-
perior Bordeaux em garrafas grandes a 800 rs.
o. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padroes miudinbos e grados, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320 360
rs., por haver grande porfi : na loja do Pavo.
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
ls lazinhas transpareates a 100 rs.
Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas
lazinhas transparentes, sendo de lisifs miudinhas
a imitagodassedinhas, pelo barato prego de 400
rs. o covado; ditas enfestadas de urna s cor e
ditas de salpiquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de cnangas: na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60. de Gama & Silva. '
Rices soulambanines do Pavo.
Acaba de chegar um rico sortimento de sou-
tambarques de grosdenaple preto muito bem
entenados, que se vendera pelo barato prego de
20*, 22*, 25*, 30*. Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em conta: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Aos viste mil covados u'e la.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo eom llstras e quadrinhos mindinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes cora palminhas
de seda Maria Pia, tendo de todas as cores, e
JS*" proprias para luto, pelo barato preco de
320 rs. cada covado, isto por haver uma grande
porgao : na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Maria pia,
Grande pechincha a 100000 rs.
Chegar ara os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, i-endo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 10* o cor-
te, ditos de precala com liadas barras e enfeites,
com 19 covados cada um a 10*, ditos de cambraia
com barras bordadas a crox no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 6* : na loja do Pavo, rna da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas de linho a 360 rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para criangas, com
muito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato pre$o de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Llazlnhas Usas.
Vendem-se as raais Anas lazinhas de tima s
cor, tend grande sortimento : nalqja do Pavo
rna da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva. '
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavao os
mais ricos chales de renda com tres ponas, sendo
todos pretos, e tarabemeora asseotos de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tem vindo a este
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 2lo rs.,e 2,4oo rs.
a duzia. %
Chocolate francez hespanbol e suisso a 9oo,
i.ooo ei\2oors. a libra.
Espermacete superior a Goo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melbores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e6io e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e ll.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa: estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancorelas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,"ooo e 3,5oo.
Vinho branco.para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melbores marcas que
vem ao mercado como sejam: Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e I o.ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,ooo
a duzia e l.Soo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal. da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em frasco de vidro com
tampa do mesmo, a l^ooo.
Ameixas frano zas em caixinhas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a 1,4o?, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada uma.
Azeite doce refinado hespanholou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
0 gigo com 36 fibras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova, para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loojMolho inglefc em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba; do mesmp, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo ajMostarda irjgleza dos melhores fabricantes,
arroba. j a 8oo rsJ o frasco,
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. jo frasco.
Painco e alpisla a 14o rs. a libra e 4,oooa Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o Marrasquinp de Zara propriamente dito a
rs. a
Iho.
lata de uma libra e56o rs. a rta-
la a garrafae ll,ooo a duzia.
Palitos de ente a 14o rs. o maco.
Sal refinado em frascos de vidro com tam| a
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos do affamado fabricante Jos Furta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
EiposicSo Normal de Ha vana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panalellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5co e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a Soo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
fFarinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinhado Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas. em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada uma.
Ruibos, excellente peixe portuguez, era
barris pequeos ou a retalko, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada uma ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,600 o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
Caita chorographica
DO
THEATRO DA GUERRA.
Acha-seexposta a venjia, as lojs abaixo men-
cionad is, a carta chorographica doiheatrodagutr-
ra nos Estados do Sul da America Meridional, ron-
tendo as plantas do l'aysand, e do Lloquoio e cer-
co de Montevideo. Ella lomase rtcimmeodavel
nao s pela lacona qoe veio preeccher, ti mo \ eio
esmero do Irabalho iythographico.
Vende-se pela mdica qo.intia de 20C0nas !ivr-
rias dos Srs. Nogueira, ra do Crespo; e do Sr.
Cardoso Ayres, Da daCadeiado Recife, assim cuno
as lojas da Exposigo de Londres c na Ixiliogra-
phia do Sr..Carlos, a mesma ra n. 52, e na lija
do Sr. Cardozo de Almelda, roa da Cruz.
Poho.
Na rna da Croz n. 36, defronte do beceo da
L,iDgoeta, te vende polvo recentemente chegado
do Porto, ao prego de '60 rs. a libra.
Na padaria da ra Direita n. 2i, lem ara
tender moedas de ouro portuguezas de i, e ba-
laios para o servigo de padaria.
Eseravus e mobilias
Vendem-se duas mobilias de mogno c in podras,
assira como uma escrava de 16 aonos. rom habtli-
dades, e um escravo mogo : a Iratar na ra laiga
do Rosario n. 12, botica.
Pesos
Vendem-se 8 pesos di' 2 arrobas, 3
ba e 1 de meia arroba, por prego com
roa do Vigario n. 21, loja.
Vende-fe uma urna de Jacaranda, propria
para deposito de ossos : na ra da Imperatriz, luja
de marcineiro n. 28.
de i arro-
mado : na
ESGRAVOS FGIDOS.
Desappareceu no dia 22 de margo do cor-
rente auno, da casa dejiranci.-co Botelbo de Mes-
donca, a prela Mecas, escrava do Sr. Anlonio Ma-
ria de Araujo senhor docngenho Paras no terno
de Agua Preta, representa ler de idade 23 a S4
annos, estatura regular, cheia docorr o, nariz cha-
lo, beigos grossos, levou vestido de chita de as-
iento rxo com flores encarnadas e chales preto
de merino: quf m aprehender levando-a ao m-
genho snpra on a ra Nova de Santa Itita r. 35,
loe ser recompensado.
Aos cu fuaes de campo.
Desappareceu no dia 21 do correte, da casa de
seu senhor, e esrravu de nome Benedicto, cabra
escuro, com idade de 25 annos, leveu vestido cai-
ga de algodo de listra, camisa de algodao da ier-
ra, e chapeo de couro de abas larga-stem aliura
regular, cheio do corpo, cabello a escovinra
olhos pretos muito vivos, nariz e bocra regulares.
muilo pouca barba no queixo e um pequeo bo-
go, todos os denles, ps regulares, ele.; c'e pre-
sumir que seguisse a estrada de Goianna por ter
vindo da cidade de Souza, provincia da Parabiba,
ha 13 dias, e foi comprado ao sr. Jos Amonio
Borges daquella cidade : roga-se poilanto aos se-
nhores capiles de campo a apprehensao do refe-
rido escravo, e levarem-no a ra do Imperador n.
83. segundo andar, que se gratificar com 50,5.
Fugio o Jacob.
Anda fgido ha 15 dias o escravo de nagao de
nome Jaceb, maior de 40 annos, que fui proprie-
dade do Sr. major Ignacio de Barros Wanderley
senbor do engenho Ubaquinha, terno de Ser-
nhaem. O escravo tem os sigpaes seguintes :
alto, cheio do corpo, olhos grandes e rosto eronpn-
do,anda de vagar e parece arraslar de una per-
Da, est o,-ilado e tem por isto grande palpilagsr,
nao muito ladino, levou vestido camisa de rrea
e caiga de riscado, dizem que anda pela Passaarm
da Magdalena aonde.lem sido visto e de rret
qoe ande ganbando, elle faz vassonr? e chapees,
preume-se que esleja activado por alguma es-
soaque o seduzo e contra quem se protestar rea
o rigor da lei : quem o trouxer a casa de seu se-
nhor o abaixo assignado na ra da Cruz n. 33. se-
r recompensado.
Domingos Bodrigues de Andrade.
RIVAL
Sem segundo,
Roa do Queimado, a. 49 e 55. E' pira admirar.
Iho).
mercido, ricaraenje bordados e cerculados de um I (
elegante bico preto de mais de palmo de largura;
estes modernissimos chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem uma elegante vista sobre
um vestido de qualqaer cor, asslm como muito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama & Silva, ra da Im-
peratriz b. 60, loja do PavSo.
Carretis de linha com 150 jardas.
Ditos com 200 jardas de Alexaodre de
12a60..............................
Dito dito de 60 a200..................
Novellos de linha grandes com 400 jar-
das .................................
dem idem brancos e de cores de 100
lard.s ...............................
Livrospara assento de roupa lavada...
Cordo branco para espartllho (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de botSes de punbo todos de cores
Tinteiros de barro com tinta...........
Tesouras para costuras finase nabas
Ditas para costaras com toque d'avaria
Escovas para limpardentes muito finas
160,200e..............................
Caixas com 100 envelopes das melbores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso.
60
120
100
80
30
100
20
160
120
100
400
200
320
640
600
Superior farinha de
mandioca.
VenJe-se excellente farinha de mandioca a bor-
do do patacho nacional tPolyeena, atracado ao
trapiche baro do'Uwarnetotee na roa da Cruz
n. 23, primeiro aadar,.B5criptorio de Antonio de
Al mella Gomes.
raglo
PROPRIO PAR\ SENHORA.
Vende-se um excjeilenle cavaUomuito no-
vo e manso cbm todos ok andares: na co-
cheira do Paulino, roa de Santo Amaro.
Soutambarquesdecor na loja
do PavSo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais ri-
cos soutambarqoes de cores, sendo os mais bem
enfeltados que tem vindo a este mercado, com
adornos de velludo, seda e setim, renda, etc., s
avista do grande sortimento que os fregoezes
podem dar o verdadeiro aprego a esta fazenda, e
vende-se por differentes precos conforme a quali-
dade : na loja do Pavio de Gama e Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
Manteletes it fil na loja do Pava*.
Vendem-se os mais ricos manteletes de fil pre-
to e outros com os centros de cor, sendo neste ar-
tigo e mais rico qne tem viado ao mercado e mais
moderno por serem muito compridee e eom deli-
cadsimos lavrores: na loja-do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Para meninos.
Vendem-se maito bonitas roupinhas proprias
para meninos de 1 a 4 annos, sendo calcinhas e
jaqaetinhas igaaee, e muito bem enfeitadas: na
loja do Pavao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Calcinhas do Pavio.
Vendem-se muite.boniUs calcianas bordadas pa-
ra meninas a 640 rs. : na loja do Pavao, roa da
Impenlriz n. 60. %
de papel pequeo (e a. reta-
Meiadas de linha frouxa para bordar... 20
Pares de sapatos de tranca.......... 1500
Massos com superiores grampas para
senhora.............o............ 30
Frascos de macaga perola maito suerior 300
Ditos de ver Jadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................
Ditos o garraOnbas de agua de Colonia
maito fina....................... *0
Ditos de banha a Ganbaldi e da familia
imperial........................ 900
Pegas de filas elsticas para vestidos a
melbor qualidade.................. i0
Pares de ligas para senhora as melho-
res.............................. 320
Pegas de bicos francezes e rendas..... 320
Frascos de agua dentfrico maito supe-
rior ......^...................... 800
Caixas com 4 papis de agnlhas a balo
e Victoria........................ 200
Libras de la sendo de todas as cores... 6J0O0
Bonecos vestidos e tambem de choro... 160
Caixas com superiores obreias........ 40
Ditas de linha de gaz com 50 novellos.. 800
Enfladeiras de fita para espartllhos..... 60
Carretis de linha de cores com 100 lar-
das............................. 20
Pecas de cordio imperial............ 40
Vende-se na ra da Praia, h. 31, coHa
da Bahia.________
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
12$ a lata : nos armazensda roa do Im-
perador D.f6 e ruado Trapiche Novn.8.
BOTICA E DROGARA
iaiililiiieiiFrancisco de Sooza iC.
3 Itua larya do Rosarlo34
Vendem:
PilulusHolloway.
PilulasdoDr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Plalas do Pobre-homem.
Plalas americanas.
Pilulasvegetaes.
Pilulasvegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr.Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha deCh Albert."
InjecgioFeaugas.
Agua dentiHe*de Desirabode.
Pape lebimico, para talhoi.
Xarope depurativo de Cbable.
Licor aromatlcode Baspail.
Pos anti-epileticos deBrest.
RobL'Affecteur.
Xarope do Bosque.
Ungento Holloway. __________'
RIVAL
SEM SEGUNDO
Pechincha nai v loj a de fazendas
ronpa feita nacional, rna da Impe-
ratriz n 72.
Pechincha a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas de cores fixas a 240,280 rs. o
covado, ditas francezas largas a 300, 320, 360, 400
e 440 rs. o covado : pecas de madapolao fino a 65,
7-8, 8*, 9* e lia; pegas de algodo a 5#, 6$, 7>
e 85 -. rna da Imperatriz n. 72.
Roupa feita nacional.
Vendem-se patitos de cazemira preta e de cores
a 5$, G$, 85 e 105, ditos sobrecazacos a 12, 149
e 165 Palitos de brim de cor a 25S00, 35 e 35500
rs., caigas de cazemira preta a 60, "a e 8#, ditas
de cazemira de cor a S9, 6 7, e 85 ; coletea de
cazemira de cores e pretos e ditos de brim a 15500,
e 25500 rs.,; caigas de brim de cor a 25, 25500 :
ra da Imperatriz n. 72.
Seitaabarqne de ores a 7&, 8 e 10??.
Vendem-se soatambarqae de lia e seda para se-
nhoras a 7J|, 85 e 105 ; ditos de grosdenaple pre-
to a 20a e 235 ; capas pretas a 208 e 255 ; vesti-
dos de la a Maria Pa a 125, 145 e 165 : ra da
Imperatriz n. 72.
Cortes de eazemira preta a 3/1.
Vendem-se corles de cazemira preta para caiga
a 35, 35300, 55 65 e 65, ditos de cazemira de
cor a 35,45,5tf, e 75, ditos de brim de cores a
15600, e25, ditos de chitas finas a 25400 e 35200,
ditos de cassas franceza a 35 raa da Imperatriz
loja do baraieiro n. 72.
Potassa da~teniila.
Acaba de chegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da Russia, e vende-se a prego commodo: no
escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Pilho,
largo do Corpo Santo n. 19.
Na raa do Queimado n. 49 e 55 lojas de miode-
zas de Jos dt Azevedo Maia o Silva continua a
vender todo por pregos mais barato do qoe em
bu tra qualquer parte, quem quizer ver o que ba
bom e barato venha a loja do Rival.
Duzias de phosphros de seguranga a ... 120
Francos com essencia de Sndalo muilo
superior.......................... 15000
Pentes de tartaruga muito fino a___... 00
Pegas de fila de la prela para vestido de
10 varas......................... 60000
Escovas de roupa muito superiores a... 05
Latas eom superiores banha............ 200
Frascos de vidrocom superior banha.. 240
Pares de lavas de seda maito finas.... 320
Enfeites do melhor gosto qoe tem vindo. 25500
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira. 1$280
Palceiras do melbor gosto e modernas. 500
Volta para pescoco do melhor gosto.,.. 500
Baralhos para voftarete, finas a 200 e.. 1240
Varas de franja branca de lioha que
tem muita serventa................. 060
Duzia da peonas d'ago muito superiores 060
Frascos de oleo Bboza muito finos...,. 200
Talheres para meninos a melhor quali-.j
ddo............................' 240
Diversos livros, todos religiosos a 100,
o200--................................ 300
Duzia de colberes de metal maito finas
para sopa........................... 25400
Duzia de eolheres de metal mnilo finas]
Pra en........................ i5seo
Grosas de botoes de osso para calca... 200
Grosas de bot5es madreperula para ca-
mi".............................; 500
Grosas de boioes de louga prateados
maito Saos...................... 200
Varas de baado do Porto sonido..... 060
Duzias de lapes differentes qualidade a
240............................., 400
Qaadernos de papel de peso maito fino. 030
Resma do mesmo papel............. 25000
Duzia de facca e gario muito boas.... 25400
Sabonete de espuma muito superior... 040
Capachos compridos e redondos maito
bons.............................. 500
Ditos para sof...................... 25000
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar........................... (100
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa...................... ...... 500
Creiao para dezenho de todas as qua-
lidades........................... 020
Cartas de alfinetes francezes muito su-
periores.......................... 100
Caixas de colchetes francezes a 40 ris
Duzia......................,..... 360
Carretela de retres eom qnalre oitavas.. 800
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade............................. 200
AVISO.
No dia 30 do margo fugiram do engenho Sooxa,
na fregoezia de Agoa-Preta, osescravos Saturnino,
Anna e Hilario, todos crioulos; o primeiro rrm
cbaga chronica em uma perna, sup|.oe-$e ttrtm
seguido para esta cidade, ende forr.m comprade,
e sao conhecidos : roga-se s ant:rdades poliriaes
e a qualquer oulra pessoa, de os apprehender e os
levar a ra estreita do Rosario n. 23, segundo an-
dar, oa ao referido engenho, que ser recompen-
sada 5 e protesta-se contra quem os guardar ou
delles se servirem centra a vonlade de sen dono.
Fugio desde 14 de margo prximo linde da
roa da Cruz n. 8, terceiro andar, a negra Bene-
dicla, tem os. signaes seguintes : nago Angola,
alta, cor fula, tem falla de dentes na frpnte, sig-
naes de chicotadas j antigs as costas, cosluina
embreagar-se ; levou vestido escuro de palmas
brancas e chale encarnado, tem sido vista pela
casa Forte e Poco : recommenda-se as autoridades
policiaes e capiles de campo a sua apprehensao,
e levem-na a casa cima dita, qoe ser recom-
pensado._______________
Gratifica cao de 10j>$
Escravo fngidt.
A nm mez e tanto fugio do lugar Bengalas da
comarca do Limoeiro o escravo Rufino, com os sig-
naes seguintes : idade de 16 a 18 annos, baixo,
grosso, olhos grandes, cara losirosa, com falta de
dous dentes frente, quando anda puxa por uma
perna, e a cabega nm tanto comprida, e consta
qae fra para o Recife assentar praga : rogase,
portante, todas as autoridades e capiles de cam-
po de o apprehende-lo e levaren) cidade da Vic-
toria, no sitio Sant'Anna, a seu senhor Joaqnim
Hollanda Cavalcanti de Albuquerque, ou em fien-
galas, comarca de Limoeiro, a D. Maria Cavalcaun
de Albuquerque.
Negro fgido
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro desto
anno o preto Joaquim, denaco Angola, que foi
escravo do Sr. capito Francisco Joaquim Caval-
eanti GalvSo, morador em Maria Farinha (Praia),
o qnal vondeu-o nesta cidade em dezembro do an-
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques com
armazem de assucar ra de Apollo; levou ca-
misa e caiga de algodo branco, ropresenia ter de
45 a 50 annos de Idade, alto e de grossura rega-
lar, cor fula, cabera comprida, queixes largos,
olhos amortecidos, beigos grossos, ser_do o supe-
rior um tanto defeituoso, bastante barba, porm
raspada, finalmente tem uma grande costura enlre
os peitos proveniente de qneimadnra, e sappoe-se
ter-se dirigido para o norte, d'onde veio : grattfi-
ca-sea quera o apprehender oa denunciar o coito
em queestiver : na ra da Cadeia do Recife no-
mero 52.______________________________
Fugio em principios do mez de fevereiro do
corrente anno e consta estar acontado nesta cidade
o mnleqne Eazebio, escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Afibnsode Mello, de 12 annos de idade pou-
co mais ou menos, cor prela, secco do corpo, -lhos
regulares e afumagados, cabega um ponco grande
e meia chala, beigos finos, dentes bem alvos, ps
seceos e mntto ladino : roga-se por tanto a todas as
autoridades policiaes e capiles de campo qae o ap-
prehendam e lovom-o a ra da Mangueira sobrade
n. 6 qae sero gratificados, proteslando-se usar dos
roelosjudlclaes contra qualquer pessoa que ofenha
em sea poder.


s
Diarlo de rernnmhnc* ftabitad* 8 de Abril de i95
LITTSS4TRA.
0 convenio de 15 de setembno e a enctcl1ca
de 8 de deze.mbro, resposta pelo bxm. e
uvm.sr. bispodkorleans.
Primeira parte.
II
O ario pfntifici
(Conlinuasfto.
K" urn grande actCTuramente, para o
(jde souber collo<^se^oSerddeiro ponto
de vista < as cousas.
Porque razao, emjnir de nossas ques-
B5es, nao nos eifiphariaraos em conservar
de p cerlos principros-4e~quidade natural,
rcgiao superior, e patria dos homens de
bem?
Acabo de dizer aos jornalistas, que se fi-
zeram da encycl c urna machina de guer-
ra : no se deve fallar do que se ignora,
nem erigir-se em doutor as materias so-
bre que apenas se tem os primeiros rudi-
mentos.
Agora', quanto ao acto pontificio, propo-r
n i iimplesuaente a todos os homens de boa
fe. as seguinles questes :Ha erros no
mundo de boje? E sao perigosos estes er-
ros ? sim ou nao ?
P.espo: dam, se fixarcm os clhos nos pe-
i-ios que nos cercana, em tantos ataques
subterrneos ou declarados, que ameacam a
egreja ea sociedade* inleira.. bao dereconhe-
cer, q e a eneyelica, longe de ser um acto
de aggresso nao mais que um acto de de-
feza.
Pois espantae-vos ? I Achaes cstranho que
ouse queisar-se que r>3o csteja contente o
befe da egreja catholica que, Pastor uni-
versal das almas, defenda a sua c nossa f e
toda a ordem moral atacada 1
Ha dous annos, no fundo de minha cons-
cienci;> commovida, ergu unidos gritos mais
dolorosos, que me hajam arrancado as tris-
tezas contemporneas. Em escriptos gaba-
dos e populares entre a mocidade havia lido
coni espanto s negaces mais audaciosas
de todas grandes verdades, que sao a base
da sociedade moderna tanto como da reli-
i3o : nao ha Deus, nem alma, nem livre ar-
bitrio, ncm disiinccao essencial entre o bem
o n mal, o verdadeiro c o falso, nem vida
fotora; eis as descobertas, que fiz nesses li-
vros que denunciei altamente com urna
advertencia aospaes de familia, que a Fran-
ca leu com alguma emoco.
Taes sao os erros, que circulavam e que
circulam ainda em roda de nos. Dizeis que
. nao sao perigosos.? Perguntaes o fim de
tantas condemnares ? Porque nao dizeis an-
tes, no justo tremor de vossas consciencias:
Gomo tantos erros em reda de nos! tan-
tos venenos na atmosphera, em que vivemos
e que respiram os nossos Clhos!
Concebo perfeitamente, que nem todos
vos estejaes satisfeitos.
lia pessoas a quem desagrada a grande
missao da egresa de ser d i mundo a colum-
na da verdadeohmna et firmamentum
MI l'llis.
mportuiia-oscsta grande forra, esta gran-
de voz ; mas resignem-se ; neste ponto nao
cederemos. Pois nao evidente, que sem
esta vigilancia, sem esta inflexibilidade da
egreja cnsinanto, lia muito que estara dis-
solvida a sociedade chrisia e teria suecum-
b.do aos golpes do lempo, como as obras
puramente humanas? Mas vive immortal
nunca a pala-1 a de Deus se calar nos la-
bios da sua egreja e do vigario de Jess
Cliristo.
Islc grande mesmo sob o ponto de vis-
ta humana. Quanto a mim, acho o papa,
qual o querque seja de admiravel.
' Se for um simples philosopho, assim como
ou um christao e um bispo, acharia ser um
bello espectculo o desse ancio, presa das
maores tristezas, mais do que nunca araea-
cado, esquecendo todos os seus perigos em
meio da agilaco de todos os seus inimigos,
que pozeram cerco s suas ultimas peque-
as fronteiras, e que s pensa em elevar a
voz em defeza da ordem divina, da ordem
moral, de toda a sociedado europea contra
os monstruosos erros, que a ameacam con-
tra as lluOcs, os falsos principios, as doutri-
nas errneas ; apezar de prever o tenebroso
tumulto, que vae ser levantado em roda delle
e em roda de nos. Sim, isto grande Mu
grado nossas debilidades, quem nao admirar
tal intrepidez em mcio das difficuldades pre-
sentes e esse pouco cuidado de ludo, o que
nao verdade eterna !
Falsas interpretacoes e principios ver-
dadeiros
III
Seja assim diris: o papa est no seu di-
reito, no seu dever, no seu papel e esse pa-
pel grande. Mas o papa excedeu-se ; ul-
trapassa a sua misso; condemna o que nao
devera condemnar.
Admiro em verdade a audacia destes se-
nsores, que se arrogara to fcilmente a infal-
libilidade, refusando-a egreja e ao papa !
Sigamo-los, porm, ao seu terreno, e pois
nos provocan), comparemos brevemente as
regras de interpretado, aqui justamente ap-
plicaveis e as interpretacoes, a quo se elles
abalancaram. Ha de vr-se, quanto foram
calcadas todas as delicadezas destas graves
questes e a quaes excessos se achou.
Pego perdo aos meus leitores, mas ab-
solutamente necessario epede a equidade que
aprsente aqu aomenos algunsdos principios
de soluc5o, que responder aes ataques con-
tra a eneyelica, principios que nao foram
menos desconhecidos, do que o sentido na-
tural das palavras.
Por. certo que os jornalistas nao tem obri-
gaco de ser theologos; mas quando alguem
se arvora juiz obrigado a nao ultrapassar
os limites de suas competencias. Assim
.para espantar, que o que se toma por
signal de inaperdoavel leviandade, mesmo
em materias meaos graves, seja de nenhu-
ma monta as cousas mais solemnes, e que
sobretudo em religio seja permlttido sen-
tenciar, quando se ignora I
Independentemente dos contra sensos,
qual destes senhores ou dos seus leitores,
que teem julgado soberanamente o acto pon-
tificio, pensou um s momento em se pro-
por a questo de competencia ?
Sabe bem o mundo, o que se deduz rigo-
rosamente de urna proposito condemnada ?
Ou antes, vista do modo porque foram
exageradas as .condemnacoes pontificias, nao
isso, o que ignoram absolutamente a maior
parte do commentadores da eneyelica ? Vou
decididamente espanta-tos com a recordacao
de principios elementares nao s da theolo-
gica, mas da lgica.
Por exemplo:
E' urna regra elementar de interpretarlo,
que a condemnacSo de urna proposico, re-
provada por falsa, errnea, mesmo como he-
retica, nao implica necessariamente a aflar-
maejio da sua contraria, que pode ser mui-
tas vezes um erro ; mas smente da sua
contradictoria. Oa a proposiyao contra-
dictoria a que exclue simplesmente a pro-
posito condemnada; a contrara vae alm
desta simples excluso.
E esta regra vulgar parece, que nem foi
suspeitada as incriveis interpretacoes, que,
ba tres semanas, nos do, da eneyelica e do
Syllabus.
O papa condemna esta propesico :
E' permitlido recusar obedieocia aos
principes legtimos, (Prop. 63) Fingem
della concluir, que, segundo o papa, a recu-
sa de obdiencia nunca permittida e que
dever curvar sempre a cabeca vontade dos
principes. E' cahir de um salto na ultima ex-
tremdade da contraria, e fazer assim con-
sagrar pelo vigario de Christo o mais brutal
despotismo, a obediencia servil a todos os
caprichos dos reis. E' a extineco da mais
nobre das liberdades, da santa liberdade das
alma 1 E fazem affirmar isto ao papa I
E' urna outra regra nao menos elementar
de nterpretacao.que se deve ver se a pro-
posito condemnada universal ou abso-
luta ; porque ento pode acontecer que
a condemnac3o seja s para a univer-
salidade e para o sentido nimiamente abso-
luto.
Exemplo: Deve-se proclamar e obser-
var o principio, chamado no-intervencao.
(Prop. 62)
Quiz o papa, condemnando esta propo-
sico, dizer que se deve intervif a torto
e a dreito, sempre e sem discernimento ?
Pretendis, vos, que nunca haja interven-
vo?
N'uma palavra, pretendeu o papa fazer
da intervencao urna regra absoluta e uni-
versal ?
Dize-lo, seria ridiculo absurdo. E no
entretanto esses senhores nao temem escre-
ver, com todas as letras, li-o eu : O papa
erije em heresia o principio da nao-interven-
co. Nem a intervencao, nem a no-in-
tervencao podem ser a regra absoluta. O
papa qiier s, que seno faca da no-inter-
vencao um principio universal, que deva ser
proclamado e observado sempre, como um
axioma de direito internacional. perfei-
tamente tupies bom-senso. Em todo o
caso um tal direito seria bem novo! E
foi elle nunca praticado, mesmo nos tempos
modernos, como um principio ?
A n3o-intervengo, como a intervencao,
um proceder, bomou mu, justo ou injus-
to, sabio ou imprudente, segundo os casos
e as circumstancias: aos olhos do verdadei-
ro poltico, nunca serao principios; nenhum
governo aceitar o papel de D. Quichote ;
mas nao seria lamben) mu tas vezes urna
barbaria, nao menos impoltica, do que
cruel, impr a todos os povos da trra,
como um principio, o crusar os bracos e
deixar ir ludo, em quanto o sangue corres-
se por torrentes em horrendas guerras fra-
tricidas?
Seria, por exemplo grande peccado in-
tervirem amanhaa a Franca e a Inglaterra
na America para fazer cessar esses terriveis
morticinios, em que j pereceram milhoes
de homens? O que fizemos nos no M-
xico ? E na China, na Crimea, na Ita-
lia ? E o que se poderia ter feito na Po-
lon'a ?
Nao, nao ; calumniae, insu'lae o papa:
a historia registra^ como um novo titulo
do papado ao reconhecimento da Europa e da
humanidade inleira, ter, elle quanto poude,
impedido, que esse brbaro ieixat fazer
que chamaes nao-intervencao, passasse como
principio no seculo XIX para o direito pu-
blico das nacoes !
Urna outra regra "de interpretado e de
bom-senso estudar c avaliar attentamente
todos os termos de urna proposico condem-
nada, para verificar o que ou nao condem-
nado.
Pois principalmente esta regra, tao sim-
ples e to evidente, aquella a que a levian-
dade dos jornaes e dq publico parece ler
prestado a menor attenco.
O papa condemna esta proposico: O
romano-pontifice pode e deve reconciliarse
e transigir com a civilisacao moderna.
Logo, conc'uem, o papa declara-se irrecon-
r-'Mavel inimigo da civilisacao moderna.
i udo o que a constitue. segundo os jornaes,
inimigos da egreja, condemnado pelo pa-
pa. Esta interpretaco simplesmente um
absurdo.
As palavras, que aqui deviam ser notadas,
nao reconciliar e transigir,
Em o todo, que os nossos adversarios
designam com o nome vagamente complexo
de civilisacao moderna ha bom, indifferente,
e ha mu tambem. Com que bomou indiffe-
rente na civilisacao nodema, o papa nao tem
que reconciliar-se : dize-lo, seria urna im-
pertinencia e urna injuria. Era como se se
dissesse a um homem de bem: < Reconci-
liae vos com a justica: Com o que
mu nao pode, nem deve e papa reconci-
liar-se nem transigir. Seria horroroso pre-
tende-lo.
Eis o simplicissimo sentido da condemna-
Co lavrada contra a proposico 8.a da qual
terei ainda que fallar.
O mesmo acontece na dita proposico
com estas outras palavras, egualmrnte vagas
e complexas, progresso e liberalismo. O
que nestas pilavras e nestas cousas pode
haver de bom, nao rejeita o papa, do que
indifferente, nao tem a que oceupar-se ;
o que mu reprova-o elle por direito e por
dever.
De resto era tempo e lempo demais,
para advertir o mundo, de quanto enga-
ado por certos homens cara palavras sono-
ras e mal definidas, sob as quaes, ao lado
do bem, se abrigam e se propagara lanos
erros -funestes, inlellectuaes, religiosos, rao-
raes, politicos e sociaes,
Passemos a outras regras: Na interpre-
taco .das proposicoes condemnadas cumpre
notar todos os termos, todas as mais leves
differeneas; porque o vicio de urna pro-
posico qo consis.te muitas vezes seno
nessa differenca, em urna palavra, que sos
fazem o erro: cumpre distieguir as propo-
sicoes absdutas das relativas; porque o que
poderia ser admissivel em hypothese, seria
muitas vezes falso em tbese.
Ha ainda proposicoes equivocas, perigo-
sas, que podem ter sido condemnadas s
por esse equivoco, ou pelo mu sentido,
que podem dar, bem que tambem o possam
dar bom.
Emlim ha proposicoes e os Syllabus
contm muitas destas que s sao condem-
nadas no senlido de seus autores e nao no
sentido absoluto das palavras, separadas do
seu contexto, etc. etc.
Peco perdo aos meus leitores de toda esta
theologia; mas preciso apresentar estes
principies, quando railhares de hsmense
mesmo de mulhe?esem Franca, ha muitas
semanas, que nao fallam seno de theologia
desde pela manha at noute, sem* gran-
de conhecimenio de causa.
Algumas pessoas do mundo diro que a
theologia bem sabtil! Que quan-
tidades de distinecoes 1Sim, a theologia,
como a phy losophia, como a jurisprudencia
distingue muito, porque em verdade, as
questes de doutrina, como as questes de
direito, forca distiuguir muito para" nao
confundir muito.
A verdade tem differencas infinitas e pre-
ciso sabe-las distinguir ou fugir do seu es-
tado. No fundo estas distinecoes nao sao
mais do que precauces, tomadas pela theo-
logia, para n3o condemnar os homens, para
pon par perigos s nossas almas, para nao
rejeitar o que nao merece rejeico; sao os es-
forcos do dtfensor em favor do seu cliente,
que somos vos e eu, senhores. N5o sejaes
por tanto ingratos.
Permiltara-se-me inda exemplos de pro-
posicoes, cuja extenco foi estranhamente
ampliada, desconhecendo-=e ou esquecendo-
se t das as regras da interpretaco, ou ten-
do-se com inconcebivel leviandade formular
theologia e redigidas em termos breves e
scientificos, como quem leria jornaes e ro-
mances.
Assim para me limitar s principaes, ha
na eneyelica urna proposico relativa liber-
dade de cultos. Ora esta proposico foi in-
terpreta a de modo, que neste momento me-
tade da Franca accredila que o papa con-
demnou realmente todo o livre exercicio dos
cultos dissidentes, condemnou quasi todas
as constituices dos estados da Europa, que
adm'ittem esse livre exercicio, e que portan-
to nao mais seria permitlido prestar jura-
mento constitiiieo do nosso paiz.
Ha i.ma proposico, cujo carcter abso-
luto e excessivo salla aos olhos.\E' a se-
guinteA soberana perfeicao social e o
progresso civil exigem imperiosamente, que
a sociedade humana seja constituida e gover-
nada tendo a religio em tanta conta como
se alie nao existir ou ao menos sem fazer
nenhuma differenca entre a verdadeira e a
falsa regio (Eneyelica).
Deveremos ter por seria a exigencia de
subscrevermos urna to exorbitante doutri-
na ? E se o papa a condemna, qual nome
dar lgica, que della deiuz a reprovaco
das constituices polticas, que admiltem a
tolerancia e a liberdade civil dos cultos dissi-
dentes ?
Mas voltarei ainda a este assumpto, dema-
I siadamente grave para nao expor todo meu
sentir acerca delle.
A liberdade de imprensa um outro mo-
tivo de clamores contra a eneyelica. Enga-
o ainda, porque se nao leu ou se nao quiz
ler. O texlo da proposico condemnada e
o seguinte :
es civibus inesse ommmodam libebta-
tem, nxxla vel ecclesiastica, vel civil autori-
tate coarctandam, quo suos conceptus quos-
cunque sive voce, typis, vel alia ralione
palam publicegue manifestare ac declarare
.raleant. Todos os cidados tem direito a
! urna liberdade inleira e illimitada de ma-
nifestar e declarar publicamente de viva voz,
pela imprensa ou por qualquer outro modo,
os seus pensamentos quaesquer que sejam,
sem que nenhuma autoridade, nem ecclesi-
astica nem civil, pessoa por nenhuma res-
triccao a esta liberdade.
O | apa diz isto um erro : emprestando
a forte expresso de Gregorio XVI, diz mes-
mo que um delirio.
E tambem nos o dizemos e o diriamos to-
dos, mesmo que o papa o nao houvesse dito.
Todo homem de bomsenso.seja qual fr a sua
f religiosa ou poltica, dir o mesmo que
nos e mais fortemento ainda. Assim se por
acaso Iransformassem em projecto de lei se-
melhante proposico, pergunto, se haveria,
na Europa ou algures, ministros, que ousas-
se apresenta-lo ; parlamento que o quizes
se votar ; soberano que consentisse em o
sanecionar ?
Seguramente se esse o ideal da liberda-
de, do progresso, da civilisacao, forca reco-
nhecer, gracas a Deus, que delles estamos
ainda longe.
O que seria de urna sociedade omle se po-
zesse em pratica urna semelnante liberda-
de ? Portanto aprendei a ler.
Dizem ainda que o papa pretende invadir
o temporal. Porque ecomo?
#0 papa condemna as doutrinas, j e mui-
tas vezes fulminadas, desconhecedoras da
verdadeira condic3o da egreja, falla do cu,
mas vvente na trra, e que, esquecidas dos
muitos pontos de contacto do espiritual com
o temporal, quereriam refusar ao poder ec-
clesiastico toda autoridade legislativa e di-
rectora, desde que se traa de cousas que
tepham relacSo com o temporal, e al o di-
reito de procurar a execugo de suas orde-
naces por meio das censuras cannicas.
Que nos digam desde quando a egreja,
esta grande mestra da moral como da f ter
perdido o direito de Iracar consciencia
de seus falhos regras s bre o uso das cousas
temporaes ?
Nao por ventura evidente a todo espi-
rito attento e reflectido, que a egreja, pela
autoridade incontestavel de ensino, de deci-
so e de direceo moral, de que est in-
vestida, exerceu urna accTto potentsima e a
mais legitima obre a ordem e marcha das
cousa e dos negocios humanos mesmo na or-
dem temporal ? Se esta aeco nao acei-
te ; se a alta e divina autoridade, donde ella
emana, hoje desconhecida demasiadas ve-
zes, o porvir sem fallando presente.far co-
nhecer se ter sido por maior bem da hu-
manidade !
Eis-ahi alguns exemplos de falsas inter-
pretacoes. Esqueco outras e das melhores;
mas nao se espera que escreva um volume.
IV
A phylosophia e a razo.
Continuemos a marchar resolutamente con-
tra os phantasmas creados pelos jornalistas;
tomemos, corpo a corpo, essas interpreta
ces to fabulosamente exageradas e de-
monstremos ao bom senso publico, quanto
se deixou transviar per clamores precipita-
dos & que deve desandar o caminho errado.
Dizem pois que o papa combate em face
a civilisaca e que a eneyelica o supremo
desafio ao mundo moderno, feito p lo papa-
do em retirada ; nada mais e nada menos.
O papa, pretendem, condemna primeiro a
phylosophia e a razo humana.
Entoo papa condemna a phylosophia e a
razo humana ? Desc bristes isso na eney-
elica ? Pois dou-vos os meus parabens.
Resuraindo e fallando seriamente recor
demos e exponbamos vista do publico com-
movido um acto naeinoravel de Pi IX mes-
mo.
Nunca talvez um soberano pontfice se ex-
primi, to explcitamente sobre os direitos,
origem e valor da razo, nem Ihe rendeu
mais ilustre homenagem, do que este papa,
hoje aecusado de prescrevor a razo !
Como que se esqueceram as quatro pro-
posicoes publicadas por Pi IX em 1855?
E se lembraram, como que do eneyeli-
ca semelhanles interpretacoes ?
Pi IX proclamava, 1. a concordia da
razo e da f, sua commum e divina ori-
gem:
Correndo ambas da mesma fonte mmu-
tavel de verdade, que Deus.
2. A certeza da razo, o valor das pro-
vas racionaes na demonslraco das verdades
fundamentaesexistencia de Deus, espiri-
lualidade da alma,- liberdade humana: isto
o valor da Theodisa, da Psychologia da
moral, da lgica e de toda phyo; hia.
O raciocinio pode provar com certeza a
existencia de Deus, a mmortalidade da al-
ma e o livre arbitrio.
3. A anteriordade da razao sobre a fe:
O uso da razo precede a f.
4. O papa defenda S. Thomaz, S Bo-
, ventura, e os grandes escolsticos da mesma
escola, que todos proclamaram a razo bu-
mana urna certa participaco da razo di-
vina e as.-enta por base da demonstraco
da religio revelada as provas racionaes, do
que elles chamam prembulos da f, isto
todas as grandes verdades, que conslituem
a philosophia.
Eis o que Po IX havia declarado E vos
vindes dizer-nos, que o papa, que fez estas
declaraces, o papa que adhei'e to altamen-
te grande tradico phylosopbca, chegada
at nos por meio de Santo Agosnho, S.
Thomaz, Bossuet e Tenelon, grandes douto-
| fts que nunca, que eu saiba, ultrajaram a
' razo humana ; vos dizeis que o papa con-
j demna a sa razo e a verdadeira phyloso-
phia I Nem vos o acreditaes!....
Queris saber o que o papa fez ? O que
egreja tem feito sempre? Defende ao mes-
mo tempo a razo e a f, a razo contra os
1 sophistas, a f contra os impios.
Quem o ignora? Ha hoje sophistas que
: reviram a lgica e a razo contra si mes-
mo, e assentam por axioma fundamental a
formula mesmo do absurdo: a identi-
dade do verdadeiro e do falso, do sim e do
; nao
Podereis nega-lo? Esles sao os condem-
nados pelo papa.
I Ha hoje pretensos philosophos, que nao
proclamam somenle a legitimidade, mas a
omnipotencia, a soberana illimitada. a inde-
| pendencia absoluta da razo, que nao dizem
s: A razo alguma cousa: mas sim. A
| razo tudo e a f nada. Sao estes ainda os
condemnados pelo papa.
Dizeis que elle nao tem esse direito. Co-
mo 1 nao tem o direito de nos defender con-
tra vossos ataques e innovacoes ? Nao tem
direito de affirmar o evangelho, de affirmar
o christianismo, de affirmar a egreja, de af-
firmar a razo eo senso commum? Em-
quanto vos, com um assas curiosa audac:a,
vos aflirnaaes e enlhronisaes soberanos do
pensamento; o elide da egreja catholica nao
tera o direito de estabelecer a afflrmaco
christa, a afirmaco philosophica de todos
I os seculos em face da vossa ?
Nao, 3o; sabemos muito bem distinguir
I entre vos e a razo ; vos sois urna escola
i nao sois a razo. E tende-lo mostrado de
modo, que me dispensa prova-lo agora, pois
i que escarnecestes, igualmente e comtanto
sal, da philosophia como da theologia, de
todos os philosophos e de toda a doutrina
philosophica, excepto do positivismo, como
de todos os theologos e de toda a doutrina
theologica, comprehendida a existencia de
Deus. (29)
Assim Pi IX defendeu, conlra vos todos,
a razo e a f juntamente^ as quaes, segun-
do a expresso do mesmo papa, aecusado
por vos, teem urna mesma or geni divi-
na e sao dous fachos acendidos no mesmo
foco.
Eis ah como o papa condemna a razo:
vejamos se condemna o progresso e a civili-
I sacao moderna,
V
O progresso e a civilisacao moderna.
O' simulaco de palavras; precipitaco
e ligeireza do espirito francez! lgica das
j paixes!
Conjuro aqui mais urna vez o bom senso
e a boa f dos homens serios e sinceros pa-
ra que por um momento ao menos, prestem
I attenco, afina de perceberem as flagrantes
enormidades, que ihs vou apontar na inter-
pretaco, dada aos actos pontificios pelos
'jornaes irreligiosos.
Dizeis, que a eneyelica assenta decidida-
mente o antagonismo entre a egreja de um
i lado e o progresso e a civilisacao moderna
, do outro.
At li, com todas as letras, nos jornaes i
piemontezes, que o papa com um s golpe,
j condemnou todas as descobertas da sciencia:
! c da industria moderna, os caminhos de!
! ferro, os lelegraphos elctricos, a photogra-
phia etc., etc.
E elle ah vae provavelmente supprimtr!
tudo isso nos estados, que lhe restam, jun-
tamente com os barcos e machinas de vapor
c com a ilhiminaro de gaz
i Escreve-se isto em Turin; repitam-no em
I Pars boas pessoas; na provincia gritam-no,
; es assignartes do Siecle.
Mas deixemos estas necessidades e fallemos
| ao publico sensato, que nao quer ser atur-!
dido, mas esclarecido,
Qual a condemnaco, donde os jorna-
listas theologos de Franca e Italia crearam
poder deduzir esta declaraco de antago-
nismo ? !
Ei-la: O romano-pontifice pode e deve
reconcili&r-se e transigir cem o progresso,
com o liberalismo e com a civilisacao mo-
derna. Deduziram daqui. que o papa se
declara irreconciliave com o progresso, o
liberalismo e a civilisacao moderna.
(29) Vide a minbaAdvertencia aospaes
de familia.
Mas se antes de emprestar gratuitamente
ao papa esta enormidade, fosseis consultar,
sobre esta condemnaco, nao digo um bis-
po, nem um parocbo, mas o menor estudan-
tede philosophia de nossos seminarios, ter-
vos-hia ajudado a tirar da proposico con-
demnada a contradictoria e verieis, que en-
tre esta e a deutrina, que infligs ao papa,
ha una abysmo !
Pois vos maginaes, que o papa condemna
o que de bom nossa haver no progresso, de
verdaderamente til na civilisacao moderna,
de verdaderamente liberal christao no libera-
lismo 1 Isso loucura deimaginaco e, prin-
cipalmente trataido do Pi IX, urna injus-
tica e urna suprema ingratido I
Ento j es.yuecestes tudo, o que Pi IX
quiz fazer e tudo o que fez em 18i7 e desde
a sua enthronisaco ? Nao foi elle o mais
generoso dos soberanos ? Nao fez subir
comsigo ao throno todas as legitimas espe-
rancas da Italia ? E nao trahistes todos os
seus beneficios I
Mas se j esquecestes tudo, quanto fez
Pi IX, poderemos nos esquecer tudo o que
vos raesmos tendes feito ?
Quem quer que sejaes, politicos, sabios,
historiadores, eruditos, depois de terdes ae-
cusado a religio de estranha a tudo sobre
a trra, nao quizestes vos expulsa-la dahi e
relega-la para a regio das fbulas e das hy-
potheses? Falsos liberaes da Franca, da
Inglaterra, da Allemanha, da Blgica, e vos
sobretudo, agitadores da Italia, nao tendes
vos abusado dessas bellas palavras, nobre
vestido da lingua dos homensliberdade,
progresso e civilisacao ?Nao se tornaram
ellas a palavra e o passe de vossos bandos
revolucionarios; o eterno retornello de to-
dos os vossos discursos os mais aggressivos
e os mais impios ? Olhae para a dala das
allocuces, donde o santo padre extrahiu os
vossos erros para de novo os condemnar
com a carldade de nao indicar nomes pro-
prios, nem mesmo o de Vctor Emmanuel
ou de Garibaldi e veris que cada urna de
suas palavras, bem longe de ser urna ines-
perada pretenco, apenas urna alluso aos
vossos actos, um obstculo s vossas empre-
zas, urna resposta s vossas temeridades.
Nao inventa, cita ; nao exorbita, resiste ;
nao violenta, defende-se.
Nao; < o papa nao deve reconcilar-se
nem transigir com o progresso, com o libe-
ralismo e com a civilisacao moderna, taes
como vos apraz entende-las.
Essas cousas que devem approxmar-
se delle, conformando-se com a justica.
< A egreja deve ser para a sociedade
moderna, diza, emseu sentido, tojusfo e
to elevado, o principe de Broglie, o que
para a razo a f, nao o inimigo que a com-
bate, mas a autoridade que a regula. Os
principios constitutivos da sociedade moder-
na devem achar as verdades da religio,
nao a conlradicco que as condemne, mas o
complemento que as acabe e o freio que as
contenha.
Foi por isso que o papa faou.'
A tao6imples distineco, que acabamos
de fazer, era tanto mais fcil de applicar a-
qui, quanto que o papa mesmo a tinha feito
assas claramente no acto pontificio, a que o
Syllabus se refere.
Data de 1861 esla condemnaco ; tira-
da da allocuco. Jamdiidum cernimus. Ora
M. de Montalembert, defendendo nesta mes-
ma poca contra o Si. Cavour e explicando
a sua formula: a egreja livre no estado
livre. armando-se precisamente das mes-
mas palavras do pontfice para estabelecer a
distncc3a, que faz cahir aqui todos os cla-
mores, di/.ia:
(Conlinuar-se-ho).
SVPPMCIO DE TNTALO.
Os adversarios da antiguidade vo mudar
, esta figura mythologica para outra mais mo-
derna.
As porlas dos acongoes da cidade sSo de
grades, para deixar entrar o ar necessario
carne que se corrompera durante a noute.
Mas, para maior seguranca, dormem pre-
s enormes caes que ladram sempre que
ouvem passos na ra.
ra, os caes, ao mesmo tempo que guar-
as casas passam alguma hora de tor-
UM POUCO OETUOO.
Transcrevemos da Semana Ilustrada o
seguinte:
AMOSTIU DE ESPIRITO.
Urna amostra do espirito do nosso tempo.
Ha um individuo chamado Z Broa que
tem por amigo outro individuo chamado Car-
neiro,
Sempre que este vae jantar casa da-
quelle, aquelle manda assar um pedaco de
carneiro.
Esle cuidado de fazer com que venha
sempre um prato de carneiro, nao porque
o amigo seja muito apaixonado da carne
desse animal, mas para que Z Broa te-
nha occasio de dizer urna cousa de espi-
rito.
Assim que, quando todos os convivas esto
muito ltenlos, o amphytrio descobre o as-
sado e diz ao seu amigo:
Sr. Carneiro, carneiro!
O.-anapliylrio ri muito, e os comensaes
fazem coro com elie, mostrando urna alegra
to descomedida que a gente nao sabe, se
tem por objecto o dito ou o assado.
Mas o Sr. Carneiro caneado de ouvir
aquio, andou a cogitar urna resposta igual-
mente espirituosa.
No fim de um mez achou o que lhe con-
vinha.
E na primeira occasio em que o Sr. Z
Broa dizia ao Sr. Carneiro:
Sr. Carneiro, carneiro.
O Sr. Carneiro, depois de despojar urna
costellela do animal seu homonymo, deu o
osso ao Sr. Z Broa com estas palavras:
Sr. Z Broa, roa.
Ninguem applaudiu o dito, nao porque
fosse mais tolo que o primeiro, mas porque
o autor era convidado como os outros.
Quem tem mais espirito?
Os que se riram da primeira vez.
ni i
sos
O
dam
ne,
nho
ment andando em roda dos quarlos de car-
qoe nao Ihes ficam ao alcance do foci-
i.
Supplicio de Tntalo cbamar-se-ha de ora
avante Supplicio de caxorro de acou-
gue.
HISTORIA DE COBRA.
Srs. fiscaes do Rio de Janeiro, dou as
mos palmatoria.
Veio para o museu nacional urna cobra
giboia. Tem cerca de 15 metros de com-
primento e 52 centimelros de grossura jun-
to ao eolio.
Este animalzinho cuida o leitor que foi
creado n'alguna matto virgem ? Nao senhor;
foi creado no meio da cidade de Campos, na
praca principal I
No meio dessa praca o matto to espes-
so que chegou a crear urna serpete deste
calibre, sem que at o dia 2 de Janeiro nin-
guem dsse por ella, nem -mesmo os fis-
caes-
Urna folha de Campos, dando noticia do
facto, diz que a cobra da especie chamada
boa constrictor, que tcommum as flo-
restas virgens do Amazonas e da Nova Ze-
landia.
Deve accrescentar-see na praca princi-
pal de Campos.
Srs. fiscaes do Rio de Janeiro, estaes vin-
gados: dou as maos palmatoria.
Pelo menos ainda nao se criou no Ro-
ci ou no Largo do Paco animal seme-
ntante.
do Sr. 3 F o seguinte :
SONETO.
Ange blond.
Tu s a mais singella entr'essas rosas
De Deus emanaco, grapa e primor;
Luzcnte estrella d'alva em cu de amor,
Tu s a soberana entre as formosas.
Nascida d'entre as auras perfumosas
Tu s a pura imagem do Senhor;
Dos.santos sendo a fonie do candor,
Dos anjos tens as fon as luminosas.
Si n'um de leus ollaares tu Iradozes
O cu com o seu poder irresistivel, <
Tambem com um teu sortjso tu seduaes.
Tu s qual nebulosa irresolvivel
Um'conjunct' feliz de ethereas lazes.
Um poema de amor indefinivel.
Desde 1859. anno em que comecaram a
funecionar na Blgica os lelegraphos elctri-
cos, al ao fim de 1863, rendeta* a transmis-
so de despachos telegraphicos 384:352?5560
livres de despezas.
Fez-se ltimamente em Paris urna expe-
riencia que linha por fim demonstrar a pos-
sibilidade de empregar utilmente a luz elc-
trica durante a navegacao ; a experiencia
fez-se comuna dos navios de vapor que fa-
zem o servico entre Paris e Saint-Cloudc.
Os resultados foram mui satisfactorios, e
agora se provou, diz o peridico Le Gaz,
que a luz elctrica pode applicar-se utilmen-
te navegago fluvial e martima. No mar
devero eollocar-se os phares na estremida-
de do mastro grande, onde podero servir
para evitar abalroanrentos.
Se a' atmosphera nao est car regada de
nevoa, a luz elctrica poder estender os
seus raios distancia de bitometros, e por
entre a nevoa de 250 metros.
Renderam os theatros de* Pars, durante
o mez de novembro, do anno findo, a quan-
lia de 359:9030600.
*-&-
A capital da Prussia tinha 537,000 habi-
tantes em 1861. Cotila buje, segundo o re-
censeamento feito no dia 3 de dezembro ul-
timo, 660,800 habitantes.
Houve portanto um augmento de 123,500
habitantes.
Os possuidores da antiga moeda papel, e
outros credores do estado, por dinheiro ti-
rado dos depsitos pblicos, outras dividas
antigs, resolveram representar nvamele
cmara dos Srs. depulados pedindo a ca>
pitulacao destas dividas.
O Sr. Claanal, coronel de artilharia, com-
missionado pelo governo francez para estu-
dar a guerra dos Estados-Unidos, apresen-
tou ao ministro da guerra um volumoso re-
latorio que ser brevemente publicado, se-
gundo geralmente se er.
Diz-se que o relatorio d cariosas infor-
macoes acerca da guerra, recursos dos bel-
ligeranles, seu numero, material de guerra,
organisaco, etc.
Accrescenta-se que o coronel Chana! de
opinio que os exercitos do norte consegui-
180 dominar a insurreico do sul.
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE V. & HLttU
-
M*
/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOKGGGT9E_KFAWAS INGEST_TIME 2013-08-27T20:37:09Z PACKAGE AA00011611_10638
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES