Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10632


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\
i
AMO X ROMERO 75.
Por fMrtelpagdentrt el O diasilo l.mez ...;:.. SJOOO
dem depois dos l.0i 10 das do conieooe dentro do quartel. 6J000
Porte aocorreio por tres mezes....... 750
SABBADO 1 DE ABRIL DE 1865.
Por auno pago dentro de 1 Odias do i. mez 191000
Porte aa correio por um anno.........., 3J000
EN'CARREGADOS DA Sl'BSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
EN'CARREGADOS DA Sl'BSCRIPgO DO NORTE
Alabas, o Sr. Clandino Faleo ias; Bahia, o
Sr. Jos Martlns Alves; Rio de Janeiro, e Sr Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada c eslag5es da via frrea at.
Agoa Preta, todos os dias. '
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas reirs.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conseibo, Aguas Bellas e Tacaral, as tercas
fe i ras.
Pao d'Alho, N'azareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quarlas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar. Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE ABRIL.
2 Quarto cresc. as 10 h., 89 m. e 22 s. da t.
11 La cheia as 2 h., 17 m. e 52 s. da ni.
18 Quarto ming as 9 h., e 16 m. da t.
27 La nova as 11 b., 53 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
[Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relaco: tercas e sbados s 10 bom.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civil:'quartas e sabbados ai
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
27. Segunda. S. Leandro b.; S. Robeito b.
28. Terca. Ss. Prisco, Maleo e Pastor mm.
29. Qurta. S. Bertholdo c.; S. Joas m.
30. Quinta. S. Rudezindob.; S. Clnio.
31. Sexta. S. Veremundo; S. Balbina v.
1. Sabbado. S. Macario b.; S. Valerio ab.
2. Domingo. S. Nicolao b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 horas e 30 m. da raanhaa.
Segunda as 8 horas 54 e minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recito, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE OFFIGAL
GOVBRNO DA PROVINCIA.
ED1TAL.
Secretaria do governo de Pernambuco, 29 de
marco de 1865.
Pela secretaria do governo se faz publico, que
por affluencia de trabaihos, S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia so dar audiencia de urna hora da
tarde em diante, excepto aos chefes de repartigoes
aos qnaes ouvir em'qualquer hora.
O secretario do governo,
Dr. Francisco de Paula Salles.
pecgo de sade, segundo V. S. declarou em seu Dito ao vgario dos Afogados.Sobre o que me
offlcio n. 173 de 27 do correnle, a que res- participa no seu offlcio de 22 do correte, lenh o a
pondo. responder-lhe que, .-egundo as circumstancias que
Dito ao tenentecoronel Luiz Francisco de Bar- se deram, muito bem obroa V. Rvma. tendo em
ros Reg.Com o offlcio de V. S. de 26 do correa- vistas o bem temporal e espiritual das suas ove-
te, se me apresentou o 2o sargento Felicissimo de Ibas. %
Azevedo Mello, a quem mandei alistar no corpo de' Certo de que jamis arrefecero em V. Rvma.
Voluntarios da Patria.
Agradecendo ainda urna vez a solicitude com
que V. S. tem auxiliado esta presidencia na atqui-
Eipediente do dia 29 de marco de 186o.
Offlcio ao Exm. Dr. vigario capitular desta dio-
ceso -Em vista do que pondera V. Exc. em seu
ofticio de hoje, sirva-se de remetter para a secreta-
ria do goerno o caixo de que trata o seu citado
offlcio afim de ser enviado para a Bahia.
Dito ao coronel commandante das armas.A
vista do que pondera o inspector da thesourarja
do fazenda na Informago por copia inclusa, nao
pode ser guardado naqella repartico por falta-de
acommodagSes o archivo do 4o batalho de artilha-
ria a p, de que trata o offlcio de V. S. n. 528 de 18
do correte.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar so-
hrr o que pede Delflna Francisca das Chgas no
incluso requerimenlo.
Dito ao mesmo.Haja V. S. de informar spbre o
que pede Jos Froocisco- de Almelda Doria no in-
cluso requerimenlo.
Dito ao Dr. chefe de polica.Para que eu possa
resolver acerca do pagamento que solicita o com-
mandente superior da guarda nacional pio de Nazareth no offlcio incluso datado de 6 do
correte, faz-se necessario que V. S. informe so- i
bre o destino que (venan) o? 11 recrutas de que
trata o citado offlcio.
Dito ao mesmo.Remello a V. S. o passe solici-
tado em seo offlcio n. 451 desta data, para o cri-
minoso e 2 pracas que tem de o escollar at o ter-
mo da Escada.
Dito ao inspector da thesouraria de Jazenda.
Respondendo aos offlcios dessa repartico, datados
de 6 e 16 do crreme sob ns. 144 e 170, tenho a
dizer que tendo eu em 21 de feverelro ultimo de-
cidido, por occasio das duvidas propostas por V.
S. acerca da organisacao dos prets da torga da
guarda nacional aquartellada nesta capital, que a
in.'sma forca fosse considerada oomo nm s corpo
embora composta de diversos contingentes, com-
pro que essa deciso subsista para o pagamento
dos respectivos offlciaes, que deve ser effec(nado
rom brevidade.
do > m.mnPara o Om conveniente, resti-
tuo a V. S., competentemente asslgnaoo tu~-.
duplcala, que veio annexa ao seu offlcio de 20 do
do crreme sob n. 178 a que respondo relativa
mente aos vencimentos do alferes do corpo n. 1 de
Voluntarios da Patria desta provincia Tiburtino
Pinto de Almeida.
Dito ao mesmo.Inteirado de quanto V. S. ex-
poz em seu offlcio de 24 do correte sob n 202, te-
nho a dizer em resposta que por essa thesouraria
deve sei paga toda e qualquer despeza autorisada,
sob responsabilidade da presidencia e que disser
respeilo a compras feitas pelo arsenal de guerra,
para satisfazer os foroecimentos que Ihe forera or-
denados em vista das circumstancias exlraordina-
rias em que se acha o paiz.
Outro sim, fica V. S. autorisadn a despender sob I
minha responsabilidade, nos termos do decreto n. I
2.884 do V de fevereiro de 1862 a quanlia del
ii:0005 com vencimentos do pessoal do mesmo ar-
seal at que o governo imperial resolva acerca do
do crdito pedido para esse flm.
Dito ao mesmo.Respondendo ao seu offlcio de
27 do corrente sob n 209, tenho a dizer que pode \
V. S., conforme indica no final do seu citado offi- j
ci mandar pagar sob minha responsabilidade nos
termos do decreto n. 2,884 do I* de fevereiro de
1862, os vencimentos de toda a torga* da guarda
nacional chamada a servico de destacamento nesta
provincia, pois que taes destacamentos foram au-
torisados por aviso do ministerio da guerra de 2G
de dezerobro ultimo.
Dilo ao mesmo.Attendendo ao que expoz Fran-
cico Antonio de Miranda no requerimenlo sobre
que versa a intormagao dessa thesouraria de 24
de Janeiro ultimo sobn.06, e tendo em vista o
que a esse respeilo informou o director das obras
militares em offlcios ns. 3 e 10 de 14 daqnelle mez
e 13 do corrent1, recoramendo a V. S. que mande
pagar ao supplicante a quanlia de 250$ por que
ajustou com o mesmo director, fazer os coneerlos
e obras-necessarias, para que o hospital militar se-
ja abastecido de agua potavel de que estava priva-
doi visto que segundo consta da ultima de taes in-
formacoes, eesas obras' e concertos ja se acham
concluidos e edm perfeigo.
Dito ao cnsul interino de Inglaterra. Respon-
do ao offlcio que era 10 de fevereiro me dirigi o
Sr. Richard Aosfin, cnsul interino de Inglaterra
nesta provincia, reme'ttendo-lhe por copia a infor-
maco de 22do corrente.era que o administrador do
correio declara achar-se estabelecida desde Janeiro
deste anno a ortica de serem entregues nesse con-
sulado as cartas dirigida- Inglaterra, as qnaes
outr'ora eram encaminhadas em mala fexaia
para Paris em virtud 1 do 2- art l' d\ convenci
po-tal de 7 de julho de 1860 e 2 secgao da tabella
n. 1, annexa mesma convencao.
Renov ao mesmo Sr. cnsul os meus protestos
de estimad considerago.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Remetto por copia a V. S. o offlcio
do commandante das armas de 28 do corrente e a
parte do commandante do forte do Buraco, a que
elle alinde, para que mande tomar conhecimento
da falla commettirta pelos guardas do 1" batalho
de artltria deste municipio destacados-no mes
mo forte, aflm de serem punidos como for de lei.
Cemmunieou-se ao commandante das armas.
Dito ao commandante do corpo de polica.
Contrate V. i. para servir no corpo sob seu com-
mando o paisflio Dionizio Ferroira das Chagas,
que asim o pedio e foi julgado apto para 0 servi-
co em inspeccao de sade, como consta do offlcio
deV.S. n. 172 de 18 do correte, a que res-
pondo.
Dito ao mesmo. Expela V. S.,as suas ordens,
para que o corpo sob seu commando d a forca ne-
cessaria para o servico da guarnigo no dia 3Ldo
corrente, entendendo-se V. S. pata isso ctm o co-
ronel commandante das armas. Coraraunicou-se
ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo. Em defermenlo ao requer-
memo do guarda da seceo urbana do corpo sob
seu commando Felippe Carlos de Azevedo, sobre
que versa a sua informaco altada de 23 do cor-
rente, autoriso V. S. a darlhe baixa, visto que fl-
nahsou o sen engajaraenlo e nao quer continuar
no servico. Communicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo. Pode V. S. engajar no corpo
sob sea commando o paisano Miguel Candido da
Silva, que fo considerado apto para Isso era ins-
! sico dos mesmos voluntarios, cont que continua-
: r a dar-me provas de seu conhecidu patrio-
| tismo.
Dilo ao Dr. Christovo dos Sanios Cavalcanti.
I Mandei alistar r.o corpo de Voluntarios d Patria
o cidado Francisco Cavalcanti dos Santos, que
V. S. me apresentou com o seu offlcia de 24 do
correte a que respondo agradecendo a solicitude
com que tem promovido o alistameoto de volun-
tarios.
Dilo a Jos Gorgonio Paes Barreto.Mandei alis-
tar no corpo de Voluntarios da Patria os cidados
a que allude V. S. em seu offlcio de 27 do corren-
te, a que respondo agradecendo a solicitude com
V. S. tem procurado auxiar esta presidencia na
acquisico dos mesmos voluntarios, e espero que
continuara' nesse patritico empeobo.
Dito a Joo Francisco Cavalcanti.Mandei alis-
tar no corpo de Voluntarios da Patria os cidados
constantes da relaco annexa ao seu offlcio de 27
do corrente, a que respondo agradecendo os es tor-
cos que tem V. S. empregado para conseguir o
alistamento de grande numero de voluntarios.
Dito a Antonio Jos* Rodrigues de Souza,Acei-:
to com louvor o genei. -o e patritico offerecimen-1
lo, que segundo o seu offlcio de 27 do correnle,
os sentlmentos de affeico e de caridade para com
os seus parochiaoos, cabe-me louvar o seu proce-
dimeflio as actuaes circumstancias, declarando-
rr odo que nm parocho deserape-
cabeceira do seu parochiano
Ihe que desse
nha a sua raissaq
enfermo.
Dito regente
Pelo seu offlciol
recer.
Cumpre-me
ouvir a tal respe
de poder formar
Dito a' regente
tendeodo ao que
licenca para que
possa confessar
ment.
do recolhimento de Iguarass'.
de 2 do corrente, fleo sciente de
achar-se V. S. restablecida dos seus incommodos,
e haver nvame ote reassumido o exercicio de seu
cargo nesse recdhimenlo no dia 27 do prximo
passado.
22
Offlcio ao Exm presidente da provincia.Acen-
so recebido o o Bcio de V. Exc. datado de 15 do
corrente, acomp mhando o projecto n. 47 da as-
sembla provinc J, aflm de que eu d o meu pa-
d claraj V. Exc. qoe j mandei
to os parochos respectivos, atii
im jnizo seguro.
lo recolbiraento de GoiannaAi-
F. S. expde no sea offlcio de 26
Verde, compre que V. S. me inf jrme circumstan-
ciadamente qual a conveniencia desta transferen-
cia, qual a posic.o de cada ama dessas pavoacSes
em relaco a clrcumsferencia ou limites dessa fre-
guezia, qual o estado da matriz e qual o da capella
para onde se pretende transferi-la, se esla (em as
proporcoes necessarias e es( convenientemente
provida de alfaias ; e Analmente que me d lodos
os esclarecimeotos que poder a este respeilo.
Inclaso achara v. S. o projecto n. 21 a que me
reflro.
29
Offlcio ao Exm. presidente da provincia.Tendo
oe ser sagrado no arcebispado da Bahia os Santos
leos, que tem de servir para o uso d*sia vasta dio-
cese no prximo anno ecclesiastico, o Rvm. conego
secretario desle bispado se dirigi a agencia da
companhia Brasileira de paquetes a vapor, aflm de
pelo seu itermedio seguir para a Bahia no vapor
Tocantms o caixo que levava os vasos para all
serem cheios de Oleo agrado. Foi-lhe porm res-
pondido que pelo Tocantins, que estava no porto,
nao poda seguir o caixo visto achar-se esse va-
por sobremodo carregado, mas que iria no vapor
Oyapok que de maioros dimensoes.
Para prevenir qualquer eventualidade que po
dessa acontecer a chegada do Oyapok dirigio-se ,
hontem o mesmo conego secretario a agencia dos
vapores, afim de assegurar a remessa dos vasos
para os Santos leos; mas foi-lhe respondido pelo
o procedimento
Estado-Oriental,
do presidente e
nnoz comprcsnendidos no ort. 2. da convencao co-
mo crimes communs, de coja responsabilidade nao
lmnaiSS* Ilem si( entume dar-se-lhe no respectivo quartei-
r que ha muitoSs de Mu KS'SiSSto SS&JSS2ifSSt
, udju Lesarpeio aviso do ministerio da marraba de
30 de outubro de 1861, bastando que o? ditos offl-
ciaes participem ao ajudante-general o dia da sua
agitadores os terem persuadido que as suas vidas 1 hirem
corrlara perigo. Entre outros contavase com o re- 1 n'ww viunt > v ~ 1 d
gresso do general D. Servando Gomes. X l*?U Jw^feVS H B'?reP<-
Sob o titulo Penna tostonea, referem as to- Em cTnsentncF, u &HS* P'Q,-
Ihas de Montevideo que V.llalb deu de presente daiSl?2!S?5ft do d.sposto no prece-
ao coronel Muratore a penna com que se assignou Sfr ZS *&!T QU? ,,Ver.em de
o convenio de 20 de fevereiro. 1 H"UA'"**?*"" P^viamenle nesta re-
- a Repblica Argentina estava sendo affligida I pal|a s" hp",a- ,
:.----._.*_ j. ._.. nomeagoes.Dos Srs. tenenle-coronel do cor-
to de Indios na sua provincia nft *a et,Hrzrj" ^.'TT1""!.'"1 "",':'"
_.iceram em nume-! P5_i!,eSad.0_m.a,r de Pr,me,ra cl?^e Sergio Mar-
sideraverom Mosmota, |
Paz, e all roubaram e saquearam o que encon-1
por oais urna mva
de Mendoza. OsjMvagens appareceram em nume- c
1 Mosmota, per.o da villa da St^^S^^^''^^ 1-'^4*
'villa!. Capjlao do corno de engenheiros Miguel An-
"' tomo Joao Rangel de Vasconcellos e capito d cor-
ao corrente acere i da falta de confessores. concedo; agente Antonio Luiz de Oliveira Azevedo que dei-;
- > Rvd. Manoel Marques Barbosa xasse chegar o Oyapok para ver se o caixo pode-
> recolhidas desse estabeleci-1 na seguir ou nao para a Bahia. Debalde Ihe expoz
jO.Rvm. conego secretario a aecessidade, a urgen-
m cia mesmo que havia em fazer chegar o caixo
Ollicio ao coadj ictor pro-parocho de Agua Pre- Bahia antes de quinta feira santa, que o dia era
uav. penas e a sanisse vi-' c. r,r*ziar,ta nnmA-------r-;v-.- "-"
o Sr. almirante visconde de Ta- &? iSTfUKS P.rV'nCa de Ma-'
I urosso, por aviso de 4 do corrente, os Srs. : major
do corpo de estado maior de primeira classe Jos
de Miranda da Silva "
fez V. s. de dez bilhetes inteiros de todas as par- ta.Tenho prese le o sea offlcio de 18 do correo- que se sagrara os Santos leos; 'debalde declarou
te, em que me bomraunica haver no dia 15 dV qoe aquella remessaDo era de interesse particu-
mesmo entrado la regencia dessa freguezia na: lar. e sim de interesse publico, de interesse reli-!
qualidade de coad actor pro-parocho. I ioso, pois que se tratava de prover a diocese de
Contrista-me na yerdade o estado de ruina e de Santos leos para administrar os Sacramentos e
abandono em que V. Rvma. encontrou a matriz, e acudir s necessidades dos fiis de quatro provin-
a ralla de paramentos e ulencilios necesarios paca, cias: e que esta necessdade era bem palpitante e
acelebracao dos offlcios divinse admnistracaoi bem visivel. O Sr. Oliveira Azevedo, no seu zelo
dos sacramentos; e so me consola aesperanca que pelos interesses da companhia Brasileira de vapor
v. nyma. me da de ver quanto antes reedificado a nada quiz attender e persisti em responder que
Dito a Joao de Azevedo Araujo Pmheiro.Apre-'esse temlo a es jrcos do prestante parochiano quando o Oyapok estivessa no porto saberla do
sntou-seme com e offlcio de V. S. *e 26 do cor-1 Jse Norberio Las ido Lima. Conveffeito, nao pos-! coramandanie se era possivel seguir
rente, o cidado Manoel Quirino de Barros a qoem. *? deixar de loova r os sentimenms religiosos desse \ a Bahia.
da Patria, cidado prestimos, qoe vai fazer um verdadeiro
tes de loteras que se bouver de extralur nesta pro
vincia do 1 de abril prximo vindouro em diante
para auxiliar as despezas da guerra, emquaoto es-
ta durar, publicando V. S. pela imprensa a nume-
race dos referidos bilhetes anteriormente a res-
pectiva extraeco, e recolhendo aos cofres da Ibe-
sonraria de fazenda quaesquer quanlias com que
torem el les premiados.Offlciou-se neste sentido
a thesouraria de fazenda.
mandei alistar no corpo de Voluntarios
e multo agradece a V. S. esse auxilio que prestou
ao governo na acqaisicao de voluatarios. e cont
que continuara' nesse louvavel e patritico eni-
penho.
Dito a Jos Flix da Cmara Pimenlel.Mandei
alistar no corpo de Voluntarios da Patria os tres in-
dividuos a que se refere o offlcio deV. S.de hontem
datado, a que re pondo agradecendo-1 he a boa von-
(ade com que V. S. se prestou a coadjuvar-me na
acquisico dos mesmos voluntarios, e conlo que
continuara' nesse louvavel empenho.
Dilo ao capito Jos Pereira de Araujo.Fot-rne
Spresenhido com o offlcio de V. S. sem data, o ci-
dado Alexandre Jos Monleio a quem UHUUui
abrir pr^ noxvp*A VoltiuijH"!1** *** Patria.
Agradecendo o efflcaz apoio^ue tem encontiado
da parte de V. S. as diligencias do governo para
o alistamento dos mesmos voluntario^ da Patria,
espero que continuara' nesse seu patritico e lou-
vavel empenho.
Dito aos agenles da companhia Brasileira de pa-
quetes a vapor.Declare-me Vmcs. se em vista das
razoes apresentadas pelo Exm. vigano capitular
no offlcio incluso, que me sera' devolvido, ha al-
gum inconveniente em ser conduzido at a pro-
vincia da Uahia no vapor Oyapock o caixo de
que trata o mesmo Exm. vigario capitular.
Dito ao gerente da companhia Pernambncana.
Pude Vmc. fazer seguir para os portos do sul o
vapor Parahyba amanha a hora indicada em seu
o caixo para
Nao podendo eu porm aguardar-me para essa
servico a religiao b aos povos. Estou certo que V. occasio aflm de ver se a companhia Brasileira de
Kvma. nao deixara de coadjuva-lo, incitando os paquetes a vapor admitte a bordo de um dos seus
seus parochianos, afim de que todos se prestera vapores ama pequea encommenda de interesse |
a urna obra tao mi ritona e de tama utihdade para brasilero, cumpre-me levar o occorrido ao conhe-
7?s" ^ cimeato do V. Exc. e pedir-lhe que, aKendendo a!
guamo aos dous cemilenos, lamento tambem j imporUnca do objecto de que se trata, attendendo '
que estejam em (a esudo de indecencia, qoe oem ao damno que causara a diocese a falla de Santos
parecam lugares era que se sepultara corpos de I leos, attendendo a necessidade que ha de chega-!
ir'. '-"' -' 'J .. ,, r. \ rem os Tasos a B,ma aDles da qninta-feira santa '
Eia pois ;flrauilo lia ah que fazer: falle V. Rvma.! (13 de abril prximo), dia em que na igreja se uro-
ao povo reunido najoccasiao da missa; faca-lne ver cede a esta sagraco, se digne dar as necessarias I
a decencia e o ass^io qoe deve haver nos lugares | proTijfeDslas, afim de que p negueno caixo quei
contf a ,rBS *!*& Ka (Te TrS>.er t SaAA
oipq*rS que agoravao 'vasios, possa seguir sem
traram, araeacando at de a Reuniam-se armas e gentes para rcchaca-Ios o ia-1,
ze-los voltar a seus dsenos. V \iLZSZ]^a aior de, PrlmeiraclasseF.rra.no
. De Buenos-Ayres chega-nos a noticia de que : Kffi>JSTL&J2m*t*L in'
no dia 16 dev.asahir a* primeira d.vlso naval, daXaft^l^i^ 55?? eJ,fl^,e -
composta do Amazonas, LttM, Btbenbe^J^A^tS^!3^atoi,> Cua^
Belmonle e Parnahyba, para'dar principio expe- "flfiSl^JJJl ?r"Di? me--
dico contra o Paraguay. Apenas ella sah.sse vi- c/i?^nA!na_ndadS,flcar a dispos.cao do Exm.
na a Montevideo
mandar.
Do Paraguay encontramos algumas noticias
as foluas de Montevideo.
Segundo ellas, continuava em Corrientes mui
robustecida a crenca de terem soffrido os Para-
guayos um revez milito serio na sua expedico a
Mato-Grosso. Dava-se por inteiramente certo que,
vista da agglomeraco de.forcas que eneontra-
ram em Corumb. tinham os Paraguayos retroce-
dido a ponto de acharem-se ento em Coimbra,
perseguidos por conslderaveis torcas brasfleiras que
a todo o momento deviam ataca-los.
O diario paraguayo contina a fazer enthu-
siasmo contra o Brasil; mas quem considerar a
retirada de Corumba', a inaeco das torcas de Cer-
ro Len e Itapua, que pretendern) invadir o Rio
Grande, e finalmente o desairoso procedimento do
governo paraguayo na ques(o oriental, deixando
de dar aos blancos o auxilio que Ihes premeRra,
vera'"qne os feitos esto no Paraguay mnito abai-
xo das declamacoes do Semanario.'
Entretanto, segundo as mesmas tolhas, apnra-
va o despota paraguayo os seus recursos. Chamoa
s armas todos os individuos de 14 a 60 annos,
ordenando que as mnlheres os substituam na la-
voura, cumpriudo a lei vigente de raanter 400 II-
nhas de semeadura.
No Paran tem elle cento c tantas canoas,
que pdem levar 30 pessoas cada urna, e est
construindo mais embarcagoes de carga, lm-
menso o numero construido e em construeco.
em que se sepultara os cada vares dos fiis; a
infundir ; o cuidad) com que se Jevem
A vigilancia nos acampamentos, que mal
^"| *mr-se lugares de deteo$So peto
fe
rp'Jfnsrdar
dos animaes ou de quaesqaer outras profanacoes ;
e estou convencido vez despertados a este respeilo, nao se demoraru
em preservar de dualqner profanaco os lugares
em que eslo sepu lados os seus pas, as suas es-
posas, os seus Ijllus, aquellas pessoas finalmente
quu Ihe (oram mai charas sobre a ierra, lofor-
me-se V. Rvma. ce n todo o cuidado se o segundo
ceraiterio.esi bertojeno contrario, proceda jautoridade"da provincia,
bem delle, depois dt cercado e limpo corno convm. eu a remessa dos vasos
Dilo ao Sr. Jos i orberte Casado Lima.Tendo-' diocese de Oleo Sagrado, que peco a V. Exc. que
me participado o Ivd. vigario interino de Agoa-! que se digne declarar-me com certeza se o referido
Preta, que V. S., animado de verdadeiro espirito | caixo poder seguir sem falta para a Bahia no
.-.rfC Psra a Bahia no vapor mais prximo^*
qii9<3 o Oya/K/k ; satisfazendo cu todas as despezas
afim de que de modo algum sejara prejudicados os
inleresses da companhia Brasileira de paquetes a
vapor.
Tratndose de objecto de interesse religioso, de
interesse publico, e encontrando eu embaracos no
que me pareca que devia merecer de todos o apoio
e coadjuvaeo, torepso me recorrer a primeira
E tanta importancia ligo
que deven abastecer a
tr'ftn-fern y^st* f?J0
Res, capites de infantaria
Joao Antonio Garcez Palha, Alexandre Florentino
de Albuquerque e Mello e Jos Thomaz Goncalves:
primeiro cirurgio do corpo de saude do exercilo
Antonio de Jess e Souza e capellio alferes da re-
partico ecclesiaslica padre Antonio Augusto de
Andrele e Silva.
t Exonerag5es.Dos Srs. : major do corpo de
estado maior de primeira classe Jos de Miranda
da Silva Res, do commando interino da fortaleza
de Santa Cruz.-Em l.do corrente mez.
Capito do corpo de engenheiros Francisco
Carlos da Luz e primeiro do mesmo corpo Jos
Eduardo Barbosa, este do lugar de ajudante e
aquelle do de director, interinos, do laboratorio py-
roteclraico do Campinho.Portaras de I do cor-
rente mez.
t Transferencias.Do Sr. primeiro cadete do
corpo de guarnigo de Pernambuco, addido ao 4."
batalho de artlharia a p Francisco Luiz de Ma-
galhos Fontoura, para um dos corpos do xercito
do sul, como requeren.
Do Sr. primeiro cadete e segundo sargento
do batalho de deposito Camillo Augusto dos Res,
para o 1. batalho de infantaria, como requereu.
Aviso de 9 do corrente mez.
Do anspecado do 1. regiment de artlharia a
cavallo Francisco Jos de Meoezes; dos soldados
do 3. batalho de infantaria Benedicto Jos Rodri-
gues, Jos Mariano Pereira, Jos Manoel Ivo, Ma-
taJEfoJhnS arenco, e do tambor do mesmo ba-
,1.. .i.-------so turares ue aeiencao pelo nw------ tallar. \>., -~>.,u, >. uu lainuui uj iiiosuju ua-
de "eontentes que encerrara, exTTeTTCP-H^ o!*, .^Slal0' dos San,os> J?"--compa
t cicengas concedidas.Aos Srs. capitn auna--
talho de cacadores da Bahia Luiz Antonio Ribeiro.

religioso, intenta re tarar a matriz dessa freguezia,
: e tira-la do estado u a abandono e penuria em que
i se acha sendo que j tem promovido entre os Stus
vapor Oyapok, que tem de
nosso porto.
chegar brevemente ao
offlcio de hontem.
Expediente ii secretario do governo do dia 49 JSK-SS Vu'ST' aa,Rua,as 25M^?
i t&e" tao louvavel hm, do meu dever agradecer a \. s.
marco de lobo em nome da religi 1 e dos povos to relevante ser-1
N. 90.Offlcio ao Io secretario da assemblea
provincial.Em additamento ao meu offlcio de 9
do corrente, sob n. 33, passo as mos de V. S. de
ordeno de S. Exc o Sr. presidente da provincia pa-
ra serem presentes a assemblea legislativa pro-
vincial a inclusa planta, ornamento e clausulas
especiaes para a canalisaco 'agua potavel na ci.
dadeda Victoria.
DE
pungidos e afflictos
abandono em que s
ja mai, que tao chai]
lulos, tomarem a no
OVEREO DO BISPADO
PERXIHBl'CO
SEDE VAGANTE
Expediente do dia 18 demarco de 1865.
Offlcio ao vigario de Itarab.Para satisfazer
requisico da assemblea provincial, que pede o
meu parecer acerca d projecto que incluso Ihe
envi, e q~ue transiere a sede da freguezia de Itara-
b para Pedrasde togo, e restitue-ibe o territorio,
que della se desmembrou para a de Cruangy,
cumpre que V. Rvma. me informesobre a conve-
niencia dessa transferencia e divisas, em relaco
ao bem espiritual dos povos, eltem assim, qual o
estado da povoaco e da matriz de Iiamb, se tica
no centro|da freguezia, em que distancia tica de
Pedras de Fogo, qual o estado camparan'vo das
duas povoaces de Itamb e Pedras de Fogo, e ou-
tros esclarecimeotos que Ihe parecerem conve-
nientes para se formar um jnizo seguro sobre a
medida projectada.
Dito ao vigario de Cruangy.Para satisfazer
requisico da assemblea provincial, qne sollicita o
meu parecer acerca do prject5 qoe Ihe envi, e
que restitue freguezia de Itamb o territorio^
que della se desmembrou para a de Cruangy,
quando esta foi creada ; cumpre que V. Rvma. me
informe circumstanciada e conscienciosaraente so-
bre a conveniencia dessa diviso, cora relagao ao
bem espiritual dos povos, combinados com o legi-
timo interesse dos Rvds. parochos respectivos.
-21-
Officio ao vigario da Boa-Vista.Pelo seu offlcio
de 11 do corrente, em resposta ao que Ihe dirig
em 7 do mesmo, fleo certo de ter V. Rvma. se di-
rigido ra da Esperaoga, e na casa n. 49 haver
encontrado a imagem do sonhor Bom Jess dos
Passos, na > de vulto grande e intetramenta despre-
zada e profanada, como me noticiaran) ; porm de
menos de dous palmos de altara, e col locada com
toda a decencia em um oratorio sobre urna oom-
moda na sala da frente, b coberto com urna corti-
na de cassa.
A'vista, pois, do que V. Rvma. presenciou, mnj- kario para a celebrado
to bem proceden em nao promover a trasladago
da referida imagem ; trasladago que en determi-
nei no caso de ser verdadeira a denuncia que me
deram, e nunca arbitrariamente e sem razao aem
fundamento. Os sagrados caones prohiben) con-
servarem-se em casas particulares imagens de
vulto grande, as quaes s devem existir nos tem-
plos. A imagem de Jess Christo de tamanho pro-
porcional, deve estar era todas as casas, por mais
pobres ou por mais peccadores que sejam os seas
habitantes A misericordia de Dos infinita, e a
sua grca nao falta, antes se faz sentir de maitos
modos e em militas occasides. Bem portanto qne
anuales que mais necessitam do soccorro divino,
tenhara serapreMto a si a imagem do Salvador.
e possam achar graga na presenca de Jesos-
Chrislo.
vico prestado a essa freguezia
Nada ha por cerl) mais bello e mais tocante do
que ver alguns paroebianos leigos, como que cm-
elo estado de decadencia e de
acha a sua matriz, a sua igre
a lhes deve ser por tantos ti-
re resolucao de reparar a ca-
sa do Senbor, associnndo sua religiosa empresa
os demais fiis, que acodera sempre pressurosos
logo que se trata dalreedificago dos templos.
Dando a V. S. os ilevidos agradecimientos, espe-
ro que, logo quo as obras estejam em andamento,
me d parle nao s lo progresso que ellas forem
tendo, como das pes oas que mais coadjuvarem a
V. S. em urna mpresa em que nao s utilisa a re-
llgio como o paiz.
Aproveito a occasio para significar a V. S. os
meus protestos de estima e considerado que con-
sagro a V. S. w
- 24 -
Offlcio ao Exm. presidente das Alagoas.Haven-
do eu nomeado o Rvd. Manoel Pires de Carvalho
coadjuctor pro parociio da freguezia de Piassabu-
g, por impedimento do Rvd. vigario respectivo, e
declarando-me elle.cm offlcio de 12 do corrente,
que a thesouraria dtssa provincia recusara entre-
gar-lhe a quola corr spondente a seis mezes para o
guizamento daqueila matriz, nao obstante apresen-
tar o mesmo coadjucior atteslado do vigario da va-
ra daqueila comarca pelo qual provra
COMMANDO DAS ARMAS.
Quartel do eommamlo das armas de Pernambuco
na tidaile do lleeife, 30 de mareo de 1865.
Ordem do dia n. 50.
O coronel commandante das armas interino, de-
termina que no dia Io de vindouro mez pela ma-
nha se passe revista geral de mostra aos corpos
movis o companhias soladas do exercito existen-
tes nesta guarnigo e corpo de Voluntarios da Pa-
tria pela ordem segrate :
As 6 horas a companhia de Voluntarios da Pa-
tria sob o commando do Sr. alferes Felippe Jos da
Exaltaciio Maniva ; as 6 1|2 a companhia de ca-
vallari ; as 7 ao 4o batalho de artlharia a p, as
7 1|2 a companhia de artfices na Soledade.
O 1 &orpo de Voluntarios de Patria passara'
mostra no da 3 pelas 7 horas da mandila.
(Assignado.) Jos Mana Ildefonso Jacome da
Vciga Pessoa e Mello.
(Conforme) Antonio Francisco Duarte'.vinenle
ajudanie de Ordens interino, encarregadO do de-
talde.
a freguezia na qualMade de coadjuctor pro paro-
cho, durante todo aquelle semestre, rogo a V. Exc.
que se digne declarar thesouraria dessa provin-
cia que (me satisfazer ao Rvd. Manoel Pires de
Garvaih a quola consignada para o guisamenlo,
correspondente ao semestre de 11 de julho do anno
prximo findo a 11 ce Janeiro do corrente anne ;
visto como, estando c guisamenlo a cargo do sacer-
dote que rege a frege ezia, deve este receber a quo-
Chegou hentem do Rio de Janeiro e Bahia o va-
por inglez Kepler^ sendo apenas portador de jornaes
ter regido daqu?lle at 18 do passado.
Como Ja' demos as noticias de todo o sul at o
da 24, em nosso naraero de hontem, vimos hoje
completa-las com o segrate, que transcrevemos
do Jornal do Commercio Me 18 do passado, nico
qoe nao recebemos pelo vapor Torinfins :
Entrop hontem do Rio da i'rata, com dalas
at l~L hs canhoneiras brasileiras Araguay, Iguatimy
e Ypiranga chegaram a Montevideo no da 9.
=em erara -,
homens na Encarnagao com 30 pegas de animara
pela maior parte pesada, o '2,500 em S. Carlos, S.
Jos da Trincheira e alguns passos do Aguapey
com 8 pegas, trem volante.
izia-se que o commandante da Encarnagao
tinha recebido aviso offlcial da vinda de mais
10,000 homens para aquelle ponto, mas as noti-
cias da capital nao combinara com esta.
t Continuamente passavam Paraguayos daquel-
les pontos para S. Thom c Uruguayan, incaica-
damente corao particulares, mas na realidade como
espioes.
Accrescenta o Pueblo de Montevideo :{
Temos motivos para crer que a guerra entre o
Brasil e o Paraguay nao ser tao sanguinolenta co-
mo se receiava.
A retirada da invaso de Mato-Grosso e a centragao das torgas de Lpez no Cerro Len e no
Homalt mostrara claramente que hoje o tyraono
nao trata se nao de defender-se.
Contra elle trabalha-se activamente no Para-
guay para convencer o povo de que nao urna
guerra nacional, mas urna cruzada libertadora, que
se vai emprehender. O exercito que os Para-
guayos emigrados levantaran), e para o qual se
trabalha constantemente, ser mais forte do que se
julga, pois por Corrientes e pelo Estado Oriental
passam grupos de Paraguayos que desertan) das
fileiras de Lpez, buscando o ponto de reumo dos
libertadores.
t Mais depressa do que se espera soara a hora
da redempgo para o povo o martyr.
c as noticias que das repnblics do Pacifico ha-
via no Rio da Prata chegam a 10 de fevereiro, e
ameagam um rompimento definitivo entre o Per e
a Hespanha.
t O general peruano Vi vaneo, que tinha ido as
ilhas Chinchas negociar como almirante hespanhol
Pareja, nada conseguio,' e este ultimo veio com to-
da a sua esquadra a Calho, onde mandn para
ierra o seu ultimtum, dispondo os seus navios em
linha de batalha ao alcance de artlharia dos Perua-
nos, e ameagando um ataque.
A esquadra hespanhola compunha-se de seis
navios de guerra e nove mercantes, noraeaodo-se
entre os primelros as fragatas Villa de Madrid com
a insignia do almirante, Resolucin, Blanca e Be-
rengela, e a canhoneira Covadonga, s quaes ti-
nham os Peruanos varios vasos de guerra que op-
por, enlfe os quaes se apontam o
tres mezes, com sold e etapa, para tratar de sna
saude onde Ihe convier.Em 2 do corrente mez.
t Capito do mesmo batalho Custodio Coelho
dos Santos, 30 dias para tratar de sua saude nesta
corte.-Em 8 do corrente mez.
t Tenente reformado Jos Caeano da Silva, pa-
residir na provincia de Pernambuco.
1 Desistencia de licengas. -Foi aceita a dos Srs.
offlciaes abaixo mencionados, que se apresenta-
ram para o servigo de campanha pelo que S.
Exc. o Suministros manda elogiar :
1 tenenlo do corpo de engenheiros Antonio
Jos Ramos, e 2 tenente do 4 batalho de art-
lharia a p Jos Antonio Ribeiro de Freitas, este
do resto da licenga de 60 dias que obleve da pre-
sidencia da provincia de Pernambuco para tratar
de sua saude, e aquelle da licenga de tres mezes
que para o mesmo fim Ihe foi concedida em or-
dem do dia n. 435.
Tenente do 10 batalho de infantaria Modes-
to Antonio Coelho de Oliveira Netto e alferes do
corpo de guarnigo do Paran' Joaquim de Campo-
Mello, do resto das licengas em cujo gozo se acha-
vam para trataren) de sua sua saude, o primeiro
na provincia de S. Paulo, e o segundo na do Pa-
ran'.
t Condecoragoes. Foi nomeado cavalleiro da
ordem de S. Bento de Aviz o r. capito do corpo
de engenheiros Antonio Augusto de Arruda.De-
creto de 1 de maio de 186I e diploma de 3 do di-
to mez.
baha.Nada occorreu, que mereca mengao,
at 28 do passado, ultima data.
PERNAMBUCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
23' SESSAO EM 30 DE MARCO DE 1863.
PRESIDENCIA DO SR. DH. SABINO OLEGARIO.
(Concluso.)
0 Sn. Buarqi'e, diz que sent ter de dar a casa
os motivos porque offereceu o requerimento em
discusso, e sent porque todos sabem ser elle 0
ta consignada para taes despezas, nao podendo ser-1 Nada se sabia ainda da sorte que aguardava
vir-lhe de embarago ) ter elle proviso de coadjuc
tor pro parocho ; poi; que as suas fonegoes nessa
quahdade sao as mesmas de parocho interino.
Dito ao coadjuctor]
-Attendendo ao que
seu offlcio de 12 do (jrrente, nesta data me dirijo ..era varios pontos, e a imprensa encarava de diver
ao Exm. presidente (essa provincia afim de qu" se sos modos os actos desle scelerado, cuja impru-
digne esclarecer a thesouraria provincial sobre a dencia se revela na seguinte ordem do dia, que se
duvida suscitada a respeilo de guisamenlo dessa! publica agora como tendo por elle sido dirigida ao
matriz. sen exercito no dia seguinte ao do ataque de Ja-
V. Rvma. me representa jto
os famosos Munhot e Apparlcio. As torgas deste
ultimo, desarmadas na Florida, compunham-se de
i ohefes, 26 offlciaes e 101 pragas, cojo armaraen-
pro paroqho de Piassabugu'? to consista em 46sabres 4 langas e 30 pistolas
As torgas de Muohoz iam sendo desarmadas
agente fiscal da estrada de ferro, e que por tanto
General Plaza, nao deveria ser o primeiro a pedir informac5es so-
'Lrr'zana\, 'Tumbes, Guipe, lluaraz, Sachaca, Chala- bre estes e oulros factos; e para dar as "raz5es
co, os menitores Victoria e Loa e as fragatas Cal- deste sen procedimento, que a primeira vista pare-
lo e Amazonas.
t O governo peruano dirigio-se ao congresso
americano apresen(ando-lhe o ultimtum hespa-
nhol, mas nao se sabia ainda qual seria a derra-
deira resolugao. Parece que as exigeocias a que
Fico certo de que, bpesar de nao haver a thesou-
raria satisfeito a qua itia consignada para esse tira,
nada solreu com ssd o culto publico; pois qne se
acha essa matriz ab: istecida do guisamenlo neces
dos
guarao :
1 Ordem do dia, 28 de Janeiro de 1865 :
1 O general em chefe encarrega-me de fazer sa-
ber ao exercito qne est muito satisfeito do sen he-
actos religiosos e ad* foico comportamento do dia de hontem ; que vio
cm orgnlho arrojar o inimigo em todas as direc-
c6es, mas qne nao est satisfeito com o comporta-
ment observado para com a proprledade e as fa-
milias, escndalos que to profundamente o desgos-
! taram, que para evtalos se apressa a sahirdo ter
ministrago dos Sacramentos; e nem outro proce
dimenlo se podia esperar de V. Rvma., cujo zelo
digno de louvor.
k-27 -
Offlcio ao Exm. presidente da. provincia.Para
satisfazer ao offlcio de V. Exc, datado de 24 do! ritorlo brasilero. Ao pisar a nossa patria qoer o
corrente, em qae sol cita o meu parecer acerca da | Sr. general qne seja effectivo esse respeilo tantas
materia do projecto 1. 21 da assemblea provincial,! vezes recommendado, e previne que fttr castigar
o qual igualmente re :ehi impresso, me dirijo nesta j mui severamente lodos os que no transito se per-
data ao Rvd. vigari Tespectivo, cuja intorraago miltirem no mnimo abuso contra as propriedades
aguardo, afim de poi er basear o meu Juizo. I ou contra as familias.Jaguaro, 29 de Janeiro de
Dito ao vigario de Paje de Flores.Para satis-! 1865. terrer.*
fazer a requisgao da1 assemblea provincial, que por Assim se basca langarobre o soldado a res-
intermedio do Exm. i presidente da provincia, pede | ponsabilidade de tantos 0io feroces attentados.
o meu parecer acerca do projecto n. 21 desle anno,' De urna ou ontra forma, porm, o castigo altingir
que transiere a sede| da matriz de Nossa Senhora, os verdadeiros responsareis e os priuclpaes culpa-
da Conceico de Flete?, para a povoaco da Baixa-1 dos, e aqtes de aventurar juizos, compre aguardar
$
1
ce menos conveniente, que o orador pedio a pala-
vra.
Desde que o orador tomou assento na assemblea.
este anno, constou-lhe que algumas appre-
: hensOes palravam no espirito de um de seus celle-
0 Per Rao 'quera sujeitar-se eram s"audar priniei-: gas aceren da gerencia dos negocios da estrada de
ro a bandeira hespanhola, e pagar tres milhoes de I ferro, nao s quanto administrago daqueila era-
pesos hespanhoes como indemnisago das despezas 1 preza. como igualmente acerca de um facto que
da expedigo. I esse Ilustre coliega disse ter chegado ao sea co-
t Na Bolivia o novo presidente general Melga- nhecimento.
rejo, elevado por urna sublevago militar que der- j Esle facto faz o objecto da | parte do requeri-
ribott o general Acha,*Dneava seu secretario geral l ment do orador, e como delle nao tenha conbeci-
o Dr. D. Mariano D;nato Muoz, proclamava ao po- ment deseja que o governo Ihe ministre os neces-
vo, e procurava organisar o seu governo. sarios esclarecimentos, quer conste tal facto de
< As de mais noticias sao sem importancia. dados offlciaes, qner conste por outro qualquer
As repblicas visinhas signifleavam era pala-1 meio.
vras ao Perii a sua adheso causa contra a Hes- Justificando assim a primeira parte du seu re-
panha, mas em materia de auxilios militares e effl- qlierimento, o orador desoja dizer desde j o que
cazes pouco se esp'erava. pensa acerca dessa apprehenso que por ventura
t Por cartas Imperiaes de 15 do corrente mez fo- esteja no animo deum ou de mais de seas collegas,
ram natnralisados cidados brasileiros os subditos Antes, porm, dir qne, tendo chegado ao sea co-
portuguezes Aureliano de Almeida Rodrigues Isaac nhecimento a existencia dessa apprehenso, elle
e Joaquim Antonio de Toledo. esperava cada dia que a respeilo desse facto in-
Por aecretos da mesma da data : formagSes fossem pedidas casa.
c Foi feita a merc do litlo do conselho ao lia- Mas sendo hontem informado o orador que essa
charel Francisco Ociaviano de Almeida Rosa. 1 apprehenso havia tomado maior vulto no espirito
t Foi apresentado o beneficiado Carlos Luiz d.e' do sen Ilustrado collega, e de que este, passeando
; Amour em urna eadeira d conego de meia pre-1 a passos largos na antesala da assemblea, declara-
benda da cathedral do arcebispado da Bahia. va ter provas do desfalque que faz mengao o re-
Da ordem do dia n. 438 publicada a 15 do' quenmenlo o orador na qualidade de primeiro
corrente,!pela repartico do ajudante general, cons- responsavel perante o governo por um facto de
ta o seguinte : tanta magnitude, nao podia deixar de solicitar
2." directora geral.1.a secgao.-Rio de Ja- ntormagSes aflm de que on tal apprehenso des-
neiro.Ministerio dos negocios da guerra, em 4 de i apparecesse, on esse facto chegasse ao conheei-
janeiro de 1865.Nao havendo conveniencia al-! ment do pnblico, porque se existe o desfalque,
goma em exigir-se quo os offlciaes do exercito que o engenheiro fiscal, devendo ter conhecimento del-
embarcara nesia corte cora deslino as diversas pro* le, foi culpado, merece ser responsabilisado, mere-
vietas do imperio, v?.o munidos do passe qae ce ser punido.
\^


S$&=
e
Ularlo de Ptnanilmoo fcabbWo i d Abril 4c i865
O Su. S. Ramos .Assim. deve proceder UTO
funccionario to distinelo como o Ilustre collega.
O Su. Uuaru.uk :-Fo a razo porque ped a pa-
lavra:
O arador diz que, guando o governo impenal
celebrou o contrat da esirada do ferr desta pro-
vincia, estabeleceu urna condfpo em virtude da
qual nao linlia o fliretode inspeccionar o. emprego
po, o orador Usa a este, faci toda a importancia
poltica que se Ihe costuma ligar.
Aereado de um cprpo substitutivo : eisahia
questao principal, eis abi a questao poltica, que
ieva o orador a indagar se deve prestar seu con-
curs a esta parte do projecto, e qual a razo por
que.
Pede portanto llcenca, para reawratar una pouco
do capital despendido pea empresa as suas obras, a poltica afim de explicar o sea modo de pensar e
e isto at a importancia 4 eitocentts rail libras es- justificar o voto que pretende dar na qoeaeo ver-
terlinas. Mas urde o gaverno, por considerac^es tente! ......_,'^.i__
divW concedeu m accrescimotao capital at o Ninguem ignora qne o orador, liberal por educa-
valor de 1 200 009 *, mas revogou o artigo do cao, por haver bebido essa doutrtaa desde o berco,
contrato relativo a fiscalisacjlo, e sojeitou a ella e senta todava qne os saos principios queconsl}.
canital iddiconsl tuem Pai*do liberal, fossera postos de parte em
A cu'mpauhia da estrada de ferro recentemente algara oecasles, e fazendo-se prevalecer os odios,
pedio ao cove no um augmento de garanta, e o os excessos se tirasse o prestigio dessa palavra ma-
goveroo, procedendo com defereoca para com o gica que levanta os povos, _e coja faisca e.ectnca
orador, man Ion onvir a tal respeito. Declarou lanca eolhuMiasmo no coracao de todos os homens
este ao governo, me em virtude dos contratos, elle que sabern peu^e^sentir.
nao poda conceder um seitil companhia,
"=-
___________,__________
ador
o corpo provisorio, o o
a sua opinio j emiitia : se o presidente da pro*
vincia se conservar na altura da jusuca, da Impar-
cialtdade, deve contar eom o auxilio de todos os
pernarabncanos, e ento 300 pracaa seao dentis,
bastaro 200 ; e se nao. se conta com o- aauo do
sem
que primeramente liveese examinado o emprego
do seu capital.
Deeedio assm o governo, e tendo annuido a
oropanhia, foi nomeada nesia provincia urna corn-
misso, da qual foi o orador o relator.
No seu parecer dlsse o orador ao governo que a
companhia da estrada de ferro havia despendido a
Gomo tal, o orador, de alma, vida o coracao, coro
todas as toreas de sua alma, entrn na poltica
cuando.ouvi dizer que havia um partido de ho-
mens liberaes, tendente a fazer prevalecer essas
ideas, esses principios saos, capazos de levar um
paiz qualqoer ao maior grao deprosperidade ecivi-
lisacao.
Com effeito entrou nessa poltica progressista,
das doutrinas que eram
o ia de 1 5000005 uuenao estava justificada.; acreditou na sinceridade
Na saopoiX&"romo se presume,eesta todas liberaes segundo ^conhecem. W
infor.naco parti do orador. No seu relatorio, muguen oosou dizer que a bande.ra do partido
porm, nao quereodo o orador por forma alguma progressista era gerente jM|j
lanzar urna proposicao que podesse ser tasada de
meuos pensada, aecrescentou que a companhia te-
ria seu duvida em Londres documentos qae jus-
tifleassem o emprego dos 1,500$.
O governo, tendo de mandar a Londres o digno
capitn de engenheros Veriato de Medelros, o in-
cumbi do came, e este informou que a compa-
nhia s podia justificar o emprego do cerca de
300:000$,- cando assim reduzido o capital nao
justificado a 1,200:000^ Este somma,'po:ern, o go-
verno a glosou, nao cabio sobre os cofres ge-
T36S
Mas tarde susctou-se na cmara dos deputados
a questao do augmento do capital -garantido, e a
asserobla se recorda de que o governo de entao
fez empeaho para que esse augmento fosse conce-
dido.
O Sn. C. Campello :-Infelizmente.
O Sr. Uuarque diz que o seu relatono foi a base
de todas as aecusacoes levantadas na cmara dos
deputados contra os negocios da estrada de ferro
de Pernambuco. Nesse relatorio o orador denun-
ciou innmeros abusos do contrato quanto ao em-
prego do capital.
Um nobre membro da cmara dos deputados ser-
vindo-se, como os ootros, desse relatorio, levan-
tou-se e dlsse que havia um desfalque de 500:UUOj
na estrada de ferro de Pernambuco. Disse-o em
presenta do ministerio inteiro, e por consequencia
em uresenca do Sr. ministrla agricultura.
O r. ministro da agricultura tomando a palavra
para justificar o acto do governo, para mostrar que
por equidade se deveria conceder a empreza o
augmento do capital, traten, de todos os pontos,
e nao se lembra oorader que tivesse feto raencao
do desfalque dos 500:000$.
Mas, diz o orador, o facto tol denunciado ao sr.
ministro da agricultura, quando se tratava da
questao magoa. Se est Tacto nao tivesse chegado
ao conhecimento desse deputado por intermedio do
relatorio, o orador dizia que o ministro seria inep-
to, sera criminoso se nao mandasse proceder im-
mediatamente a um inquerito sobre este ponto
entretanto nao se procedeu assim, o gover-
no nao ligou a menor importancia ao facto, por-
que vio que eile se achava contemplado no mes-
mo relatorio.
Ha ainda nma ootra consideracao que o orador
deseja fazer acerca dos i,00:000$.* Pode ser que
o desfalque se dsse na receita da estrada de ferro,
pensaro alguns; mas esta suspeita cahe, no-
tando se que a estrada de ferro de Pernambuco
nunca rendeu 500:000$.
Ja v a casa que no espirito de orador nao exis-
te dado algum, pelo qual elle se possa convencer
de que baja tal desfalque. As contas do capital
foram encerradas, e nao-se flzeram nunca outras
reflexoes alem daquellas que o agente do governo
apresenlou no seu relatorio, nao se denunciaram
outros abusos. Essas contas sao remettidas ao
thesouro, examinadas e approvadas pelo presidente
da prsvincia.
Nos das 6, 7, 8 e 9 de cada mez, as contas de
receita e despeza sao examinadas pelo orador e por
um empregado muilo digno, ^SSLTsoHive
Ai d. fcJ do Pernambuco. C!u*n}ajBajriu>Jll,
conta desse lugar, sem querer fazer carga aac
seus antecessores, porque nao havia nslruecao
especial para isso, varios semestres linham decor-
rido sem que as contas fossem liquidadas.
Acerca da questao dos presos, sobre o que hou-
ve um aparte, diz o orador que vai explicar o que
ha a tal respeito.
Os pesos de 28 libras que devem corresponder
tonelada ingleza, existiam e existem na estaco"-
Una, mas, quando se servem delles para os des
chos das mercadorias expedidas, ajuntam-se-lhes as
4 libras que sao necessarias para formar urna ar-
roba.
Nunca reclamacoes chegaram aos ouvidos do
orador sobre semelhnte facto, e se Ihe prevarem
que reclamacoes fundadas foram fetas, confes-
sar que foi negligente.
Ora, se em vez da untdade arroba, se usasse do
pese de. 28 libras, o frete que-tinha de pagar o ex-
pedidor, seria maior do que aquelle que devida-
mente cumpria companhia cobrar, e neste caso
appareceriam as reclamaoees. Be tal facto se dsse, elle de certo teria rhegado
ao conhecimento do governo, quando outros de
menor importancia tem chegrdo.
Declara rnais o orador qae, se os fretes da expe-
di?otem sido percebidos illegalmente, embora nao
tivesse havido reclamado, elle foi negligente
em nao ter ido pessoalmente verificar os pesos,
e que muittt antes de se ter fallado nlsto na assem-
bia, o rador havia recommendado ao superinten-
dente da companhia que, para evitar qualquer du-
vida, mandasse aferir os pesos de todas as estacoes.
Quanto aos demais factos da estrada de ferro,
pede o orador que o nobre deputado, o Sr. S Pe-
reira, examine toda a legislado, todos os contra-
tos, todos os actos do orador e igualmente os da
companhia, e se nelles acbar motivos^ara censu-
ras as faca, porque assim S. S. prestar grande ser-
vico provincia, e ser o orador o primeiro a de-
clarar as fallas r-eaes da companhia, porque nun-
ca leve empenho em occulta-las, sendo pelo con-
trario considerado por demais severo. (Apoiados).
O orador declara nao precisar do lugar de enge-
nheiro da estrada de ferro, logo qae para isso seja
precisp quebrar a sua digaidade, e que pedir sua
demi.-sfui desde que-isso fdr necessario : at o pre-
sente act06 tem mereoido aapprova*ao do .governo.
O orador conclue dizendo que senta ter oceupa-
do por tanto lempo a attenco da casa cora urna
questao que tanto Ihe diz respeite, e pede desculpa
pelo abuso comroeltido. (Nao apoiados ; muilo
bem.)
Tend" pedido a palavra o Sr. S Pereira, o Sr.
presidente declara adiada a discusso.
O Sr. Buaroue requer urgencia.
Fallam sobre a urgeoc;a os Srs. G. Campello,
e Sa Pereira, declarando te senhor desistir da
palavra sobre o requerimento primitivo.
O Sr. Buarquc pedio a retirada do seu requeri-
miento de urgencia, o que foi concedido pela easa.
Posto a votos approvado o requerimento pe-
dndo informacdes sobre a estrada de ferro.
ORDEM DO DA.
Continua a discusso adiada do projecto n. 12
deste anno, relativamente ao corpo d. polica e vo-
luntarios da patria.
Vem a mesa e sao apoiadas diversas emen-
das.
O Sr Silveira Lobo diz que, tendo de dar um
voto contrario ao projecto em discusso, deve dizer
as razoes boas ou ms, iracas ou fortes, que influem
no seu animo.
l'rimeiramente nota o orador que o projecto n-
i-.lue desnecessaria a ociosamente daas quesules
multo desiiactas.
Acerca de urna das quesles, os melos pelos
quaes o presidente da provincia poder prestar
apoto ao governo geral na presente emergencia, a
assembla poderia ser levada por considerarles de
EXPEDIENTE.
Um officiq dn Sr. inspector da thasouraria de
fnzenda, de 9 db ebrrente, requlstando deste trl-
bunal que d saa crtens para que a junta dos
corretores Ihe remeta smanalmenle o boletjm do
DBPACHOS.
No requerimento de Villay. & Irmao, declarando
terem saMsfeiio o despacho de 16 do correnta, para
ter lugar o registro do contrato de sua aociedade :
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Jos de Castro Redondo e Joo de Almei-
da Lima, satisfazendo o despacho de 23 do corren-
te, com um adittvo ao seu contrato, cujo registro
pedem : Ponham os supplicantes na sua ultima
declaraco, data posterior ao parecer fiscal, cuja
exigencia salisGzeram.
No de Keller & C, replicando do despacho de
deira do partido liberal. Entrou nesse partido e
espern-os resoltados.
Mas aprendeu o orador na escola das scioncias
sociaes e jurdicas que o primeiro .dogmade
qualquer partido que se baja de apresentar com
o nome de liberal ser o reconhecimento da sobe-
rana da nacao, dependendo della a iegitimidade do
governo.
Para mostrar o modo porque se procura levar a
efleito esle grande dogma dos governos liberaes,
poderia o orador remontar as monstruosidades com-
mettidas nos centros da provincia, mas se dira que
ellas eram livres creaces do espirito e da imagi-
nacao de homens derrotados em latas polticas.
Dcvia, portanto, de parre esses abusos e mons-
truosidades commettidas nos centros e vem a esta
capital, cujos factos se passaram em sua preseuca
e aonde soa palavra pode valer alguma cousa para
aquelles que a acreditam, a despeito de qualquer
contestado.
Nao se pense, porm, que elle vai reanimar
eleico por elei$e, facto poAfaclojprevaricaQo par
prevaricacao, erro por erro, absurdo por absurdo,
assassinio por assassinio; referir aquellas qua
sao mais notaveis, aquelles que fariam por tal sor-
te o espiritle todos os homens, que porvealura nao
poderara ser contestados, anda pelos maiores es-
forcosdos agentes ou daquelles que foram causades-
sas monstruosidades, desses crimas.
Passa depois o orador a fallar sobre o que occor-
reu na prxima eleico as freguezias dos Afoga-
dos, Boa-Vista e Praca do fyrpo Santo.
Depois diz o oraoor que nos escndalos commet-
tdos nessas e outras eleicoes .que est a explica-
gao do lugar que oceupa na assembla, que essa
a razo porque nao apoia o actual governo.
O orador que julgava saber alguma cousa, pou-
co, verdade, acerca das tdas que devera dominar
um partido liberal, acerca dos dogmas desse parti-
do, a vista de tacs escndalos v se-em decepcao, e
diz comsigo que ou elle era vilmente engaado, por
esses mascarados cobertos com a bandelra liberal
ou ignorava o que era ser liberal, o que espera
que Ihe provem.
Eis ah a razo porque o orador nega ao presi-
dente da provincia todos os meios de commetter as
bandalheiras, os horrores, as atrocidades pelos-seus
antecessores commettidas -, preciso que Ihe pro-
vem que o actual presidente da provincia faz urna
excepeo a essa serie de liberaes renegados, que
tem apparecido ltimamente na scena poltica;
nao podendo por isso dar.o seu voto ao projeoto em
discusso.
Passa depois o orador a tratar da parte do pro-
jecto que se refere a permissao para que o corpo
de polica v para a guerra, e declara oppoi--.*> a
ella porque acarretar despeza improficua. < por
que tambem a Srjtido dos homens que conipde o
corpo de polica diverge daquellas que sao elididas
para a guerra.
Acho melhor que se crie um outro corpo de vo-
luntarios expensas da provincia, ealende que
mandar corpo de polica luxo de gastar dinheiro
c gastar improfic.uamente.
"ara o orador a patria no n.fr^"S!'f
aj^u^afi.
Entende au
continua a sustentar que homena apontados pela opinio publica como
eneres de qu*drilha, e que pelapoliciasao remedidos
para baixo, em vez do irem engrossar as fileiras do
bosso exercilo, principalmente na critica phase
porque passamos, voltara para escarnecer da auto- _
dada, e com mais vigor entregarem-se ao seu rafa-! curso do cambio nasemaaa precedente, conforme
novo, 300 pravas nao cliegaro para fazer pola[me meto de vida. Que resta tazar, a polica, que j dispe o decreto n. 808 de 28 de julbo de 1851.
de toda a provincia. assim ae v abandonada pelos poderes superiores, O tribunal resolveu qae se fBcie a junta dos cor-
Ha ainda ootra dlsposic-o a qua o orador se seno ernsar os bracos T | rotores para satiafzer a requisito, dando se disto
oppe : nao sabe porque razio se ha de contar pelo Baai Ihe diziamos, que a freguezia de Bom sciencia ao referido Sr. Inspector,
duplo o servico dos offlciaes em atmpanba, tpan- Jardim auito carece de polica: ah continuam os
do os outros nao tem isso : ms am agrainnho. enmes. Ho da 4 do correte, no lugar Matta-Vir-
Tambem nao concerda em qne se cont como gero, urna escrava de Clemente Ferreira, soffren
duplo o servico dos enjprefrados provinciaes que um graw ferimento feito por um Gomes Barbosa,
forem tomar parte na guerra, e nao sabe qne te- que sendo preso em flagrante, foi posto em liber-
aba grande importancia o concurso de um oo ou- dade 1 J no da 8 do mea Ando, no 2 dstncto
tro empregado das re articSes da provincia qne daquella freguezia, Jos Gomes de Moura, havia
marchar para o sul. cha qne digno de todo o ferrdo gravemente Jeronymo de tal, e lambe foi
elogio o acto patritico de um ou outro moco, que solt, tend) sido preso em flagrante.
deixa a sna reparlicao ara se ir expor aos riscos No dia 25 do mesmo mez, Jos Thenorio de
da guerra, contando sei iipre ir como offlcial; mas Freilas, no layar do Torto, tambem daquella fre-
a recompensa j elle l ira na confisso que todos guezia, assassmou brbaramente a Jos Miguel da
fazem de que um patriota. O orador entende Silva, descarregaodo-lhe urna facada sobre o cora-j 27 do corrente, que exige a assigoatura do com-
qne se lhes deve dar ootra recompensa que nao a gao. e nao nos consta que o criminoso fosse pre- manditario no contrato de sociedade, que querem
do duplo servio. so. V Vmc que com razo chamamos a attenco fazer registrar : Vista ao Sr.desembargador Hs-
0 projecto em discusso foi apresenlado quando das autoridades superiores para aquelle ponto da ca'
ainda nao se tinha manifestado esse amor da pa- comarca.
tria que tem trazido os voluntarlos a esta cidade,' De conformidade com as ordens do Exm. pre-
foi apresenlado quando se recelava que Pernam- sidente da provincia, no dia 6 do corrente, apresen-
buco nao concorresse com grande contingente de tou-se nesta villa um destacamento da guarda na-
voluntanos para a defeza do paiz, mas Pernambu- cional para substituir o de polica; porm infor-
co j deu signal de vii a. Depois principalmente mam-nos que sem armamento, pelo que o delegado
que Montevideo capitul u e que muila gente enten- demorou a partida do alteres Amador com sua
deu qne a guerra eslav i acabada, augmentou o nu genle, al que o governo d urna providencia
mero de voluntarios. Esta se organisarfdo um cor- respeito.
po de voluntarios, estes! pro va vel mente tem-se dis- Nesse mesmo da comecoo a funcionar a nova
tinguldo j no aquartellpmento, e o orador diz que cmara municipal sob a presidencia do advogado
se tem distinguido por i que j foram alguns pro- Jos Antonio da Silva e Mello. Deus queira illu-
movidos. Assim, pois, a provincia nao Sea mal se minar o espirito dos ltimos eleilos, para que veja-
deixar de marchar o carpe de polica : organise-se mos realsados certos melhorameotos de que tanto
outros corpos de voluntarios, o que muito faril, precisamos; nao devendo eaquecerem-se de fazer
por quauto lendo-ae o ejtpcdiente do governo s se urna obra de misericordiadarjle beber a quem
vem agradecmenlos por acquisica de volunta- tem sede.Vrae. nao avalia ^ae agua bebemos
E'^m patriotismo extraordinario andar ad- dorante o verao. O governo compadecido de nossa
nos.
quirlndo voluntarios I | miseria mandn construir aqui um acode, mas
O orador declara oni nao tem gostado dos vo- todo o dinheiro gasto nessa obra ficou inteirainen-
luntarios reroettidos, e icha que os filhos de Per-' le perdido. O trabalho foi mal executado e o local
nambuco podiam se offrecer pessoalmente ao pre- pessimamenle escolbido, de sorte que o tal agude
sidente da provincia. JA honra, gloria e distinc-, boje um barreiro immundo, mesmo em tempo de
ces nao sao para os voluntarios remettidos, o sim invern, e o primeiro que Bca emNeMO no ve-
para aquelles, que remeilem, e o presidente da
provincia que est sancionando isto cora agrade-
cimentos, que est approvando semelhnte proce-
dimento, mas o presidente da provincia que se
esqueceu dos seas principios de 4b, e qae pro-
gressista I
Em vista do que disse, entende o orador que o
projecto desnecessaro, qae j passada a occa-
siao que deu lugar a ser elle apresenlado.
O orador nao pode deixar de chamar a attenco
rao. O nosso deputado Sonto Lima, queriendo pro-
motor publico desta comarca conhece por expe-
riencia propria quanto padecemos, por falla d'agua,
propz na assembla provincial a construeco de
um acude no riacho da Mandioca; apesar de que
os entendidos asseguram que temos lugar mais
apropriado ao p da serra, comtodo fazemos votos
para que o projecto do digno depotado nao fique
na pasta das commiss5es; alenta-nos nicamente
nma esperaaea, e a seguente: como em breve
No de Olympio Goncaives da Rosa, pedlnde o re-
gistro dodistralo da sociedade que tinha com An-
tonio Ferreira da Cuaha, sob a firma de Rosa &
Cunha :O mesmo despacho.
No de Henrque de Oliveira Soares e Joaqun
Francisco da Silva Azevedo, pedindo o registro do
seu contrato de sociedade que deve gyrar sob a fir-
ma de Henrique & Azevedo : O mesmo despa-
cho.
Com informacao do Sr. desembargador fiscal :
No de Pedro M. Maory e Jayme Romaguera Dlbo,
pedindo o registro do seu contrato de sociedade :
Satisfacam o parecer fiscal.
No de Antonio Duarte Carneiro Vianna, pedindo
ser admittido matricula : Matriclese.
No de Joo Esteves Alves, pedindo ser nomeado
correlor geral da praca de Macei :Passe-se pa
tentede '.orretor, preenchidas as formalidades le-
gaes.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso as onze horas e um quarto
da manha.
de 1,067 brabas da estrada da Vutoria,* nao sao
verdadeiras, a qua por eonsciainte seu llvro de
contabilidad nao esta' esoripturado da conformi-
dade com es documentos qne existem aa tnesou-
raria provincial, o que oos comprometamos a ex-
hibir em breve.
Durante vate annos exerci o lugar de ajdants
de engenheiro; nao recelo que ce examine todos os
meus documentos, o que porm nao quero, ora
iiosso tolerar, que se lance a minhaconta faltas
alheias. Sy
Recite, 31 de marco da 1865. \
Feliciano Rodrigues da Silva,
to Varzlsfa.
i
da assembla para factos que nella tem sido de- tereraoa ama eleico no dlstricto para deputado
nonciados sera coolestacao. Era grande parle as geral, bem de presumir qoe se lembrem do pobre
prisoes desta provincia sao troncos. A priso da Limoelre para fazerem-lhe esse agrado; fra deste
villa de Salgoeiro, segundo informa o promotor de tempo sao os mtalos to lembrados, como em
Cabrob, nobre membro desta assembla, um geral os beneficios, qoe sao a coasa com qoe menos
tronco debaixo de urna arvore; Jahi vSe presos to- pode a memoria do noraem.
dos os homens, innocentes ou nao Innocentes, a No dia 19 deste, ti vemos revista do batalhao
quem a polica quer prender. de guardas nacionaes da freguezia. O seu com-
Pde-se prestar apoio a urna adminislracao que mandante, o tenente-coronel Villarim, depois de
consente nisso ? Um paiz em que assim se proce- lr na discorso anlogo exortando seus subordina-
de, pde-se dizer que um paiz livre ? dos a alistarem-se as leiras dos Voluntarios da
Fallar o orador de poltica em outra occaso, Patria, deu-lhes conhecimento do decreto imperial
por quanto j muito urde, mas pede licenea para qne concede vantagens, e a portara da presiden-
presentemente dizer algumas palavras. cia, que animada dos mais nobres sentimentos, l?o
Quando o orador vio a nomeacao do Sr. Castello bem se tem ptrtado na situaco; porm parece nos
Branco para presidente da provincia, consideroo-a que a voz do digno commandante clamoo o
como a mais acertada qne era possivel fazer-se. des. rto.
Eu conhecla S. Exc. de nome ha mnitos annos, for-1 t Nosse mesmo dia comecou a trabalhar ajuma
mando do seu carcter muito bom conceito : ho- de qualifieacao que deve fazer a designaco das
raem honesto, amigo da joslica, muito Ilustrado e pracas que tem de partir para o servico da guer-
de sentimentos muito liberaes, era o Jnizo que o ra. Nao sabemos ainda do resultado de seus ira-
orador forraava de S. Exc. E, se esses motivos balhos. Devo fazer mencao honrosa do procedimen-
no fossem bastantes, concorreria ainda a circums- to de alteres Jeronymo Cesar de Vasconcellos que
t ncia do desgosto que no partido dominante havia sendo casado e carregado de familia, nao trepidou
causado a nomeacao de S. Exc, desgosto que ain- em acudir aos reclamos da patria, offerecendo-se
da nao acabou, para o orador applaudi-la. para fazer parte do centingenle, com que o rauni-
Mas a parte poltica do relatorio de S. Exc. sor- cipio deve concorrer, de cooformida prehendeu olorosamente o orador, que seolio ver ordens do governo imperial,
que S. Exc, sem necessidade alguma, estigmatisa-1 t Foi recebida com estremecimenlo a noticia da
va o partido liberal, negava-lhe mesmo os foros de capitulaco de Montevideo em 20 do mez lindo, e
um partido poltico, e ainda mais de um parli 10 da brilhante victoria que alcanzamos no Mallo
de principios S. Exc. tratou smente das pai- Grosso. Nenbnm Brasileiro podia deixar de sentir
xes desse partido, e veio ainda mais atirar urna o coracao palpitar-lhe de alegra e de orgulho sa-
pedrada contra a pobresinba de 1848, o erro de bendo do triumpho de nossas armas; porm nosso
1848, como diz S. Exc, como dizem todos aquelles prazer cou agoado cora a noticia da exonerado
que tem comprehendido que preciso renegar do consolheiro Prannos, que suppunhamos o ver-
r9as do utniet deiro protoganista nesse drama .famoso que repre
SESSAO JUD1CIARIA EM 30 DE MARCO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
Secretario, Julio Guinardes.
As onze c meia horas da manha o Exm. Sr.
presidente abri a sesso, estando reunidos os se-
nhores desembargadores Res e Silva, Silva Guima-
res, Accieli e Barros Vasconcellos, e os senbores
deputados Rosa, Candido Alcoforado, Basto e Mi-
randa Leal.
Lida, foi approvada a acta da essao antece-
dente.
Foram lidos doos ofDcios de 27 do corrente, do
inspector interino da tnesouraria de fazenda desa
provincia, acompanhados de duas relacoes, rogan-
do ao Exm. Sr. presidente queira dar suas ordens
para que os escrives de appellacoes deste tribu-
nal ratifiquen) as relacoes jior ellos enviadas a
mesma thesourarla, visto aW> salisfazerera as vis-
tas da lei. E o Exm. Sr. presidente ordenou que
fossera enviados ditos offleos aos escrives para
quecurapram a exigencia da thescuraria coma
mxima possivel brevidade.
Assignoa-se o accordao proferido na ultima ses-
so enlre partes.:
Appellante, o Dr. Ignacio Nery da Fonsoca; ap-
peliados, os administradores da massa fallida de
Siqueira & Pereira.
" JLGAMENTOS.
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appella-
dos, Cardozo & Souza.
Adiado na ultima sesso
Adioa-se de novo a pedido de outro Sr. depu-
tado.
Appellaate, Francisco Jos da Costa Barros; ap-
peliados, os administradores da massa fallida de
Pacheco & Mendes.
Adiado o julgamento a pedido de um dos senho-
res deputados.
Appellantes, Candido Moreira da Costa e outros
appellado, Joaquim Monteiro Guedes Goodim.
Adiado a pedido de um dos Srs. deputados.
PASSAGENS
Do Sr. desembargador
desembargador Accioli
Meu charo.
Li cora minuciosa attenco as censuras de V. S.
ao meu artigo publicado no Diario de Pernambuco,
e nao sei como deva agradecer-lhe um servico que
para subir deapreco bastara que V. S. Ihe juntas-
se a sua estampa fazendo-se ao mesmo tempo re-
commendado daquelles que o desejam conhecer|f
Reflectindo, pois, nos|pro engento, nao sei do que mais me deva admirar, se
da modestia com que V. S. continua a eseonde*-se
roubando mais urna gloria aos filhos de Vairao, se
do modo pelo qual su fez chrismar para entreter o
publico com aquelles rasgos de eloquencta, que Ihe
devera grangear alguma memoria, seno mesmo
certa preponderancia sobre as capacidades da sua
ordem I L
Agora, porm, queestou desengaado da impor-
tancia da sua pessoa, e-mais propenso a expo-lo
vi neracfio do publico, direi respetosamente V.
S. que, se por ordem ualaral nascem os raios das
fontes, e os fructos das arvores, V. S. (se me nao
falham remenicencias) vem de um matrimonio ex-
quisito, celebrado pelo demonio entre um padre e
urna mulker... arrojado depois a esta cidade, para
me fazer sentir o gosto de um (rucio to degenera-
do e extravagante 1
Por esta circunstancia qae verdaderamente
singular, conheccr V. S.que nome foi difflcil des-
cobrir a pessoadomeu infatigavel censor, naoobs-
taate haver passado vergonzosamente dos esgotos
da cidade para as feriis campias da Vanea on-
de deve ter encontrado alimentos proprios para o
substanciar e fortalecer.
Entretanto bom advertir-lhe que nao me acha-
va resolvido a lutar com urna entidade de seme-
lhnte nalureza, embora dispozesse de algum co-
nhecimento de picara ; e a nao ser obrigado pela
pujanca do'bestunto do seu improvisado escova bo-
tas, ou secretario privado, jamis me demoverla a
responder-lhe seno em termos proprios para acba-
tar-lhe as bossas do eotendimento, pelo menos de
modo digno de lorna-lo conhecide e popularizado,
que o que V. S. deseja 1
Descrever por tamo os altos fritos com que se
tem distinguido V.S. no campo das invectivas, para
desse modo compensar o peso da carga que Ihe as-
senta uo esptnhaco, seria o meu primeiro trabalho
se as condices do seu honroso nascimento, nao
viessem tirar toda a poesa ao assumpto maravi-
Ihoso de to boas acedes I...
Alm, disso, recorda-roe tambem de qae V. S.
deve estar ainda um pouco molestado cora as chi-
cotadas com que o tenhobrindado.e eu.meu charo,
nao quero de modo algum aggravar Ihe os seus
dolorosos soffrimentos. Nao I Crea V. S. qoe an-
da assim sou demasiadamente compassivo com os
miseraveis I
Sim, sou muito compassivo, choro se os vejo
chorar, e se o balsamo para taes affliccoes estves-
se em minhas mos, a-seguro a V. S. que nem os
filhos da infeliz Kinoth entraran para um collegio
a expensas da caridade, nem certo figuro que V.
S. conhece como ao sea proprio retrato se locople-
taria com despojos cobertos de lagrimas e maldi-
Ces fazendo-se apregoar pelos seus arautos como
pai da philantropia, sombra do nome sagrado de
irmo : quando um... (V. S. procurar, o con-
suanle 1 )
Tudo assm neste mundo ; ronbar e roubar
bem urna virtude para os velhacos, porque di-
zem el les, quem mais perda menos ganha, o que
bem diverso do qne nos ensina a moral a respeito
j dos negocios do co I Por estes bocadinhos, que
' sao realbos do vestido de um traante que V. S.
Res e Silva ao Sr. des-: conhece, descosidos aos primeiros loques da verda-
de, ver quanlo vale um homem da sua estofa aos
Appellantes, os administradores da massa fall I olhos do publico sensato que se ri de tanta miseria,
ru)Wawe-mostre dispendendo inuliln6?1? '"T aeorsdor tivesse lido essa parte do T+l^^no Miw-~.*'I^s^ao's'rM*:- *"<>
^Liommas Entende que se p.ojJe a^resentar^sen- }iario de Pernambuco, a aitribuina a un confr- festejado conselheiro se porudo mal no termo de
.'Iflltoe generosos o patnul:
iticos1,6 maV-guardadas
as cnQuonronv,us, a economa da provincia ; e s
assim, sem esperdicar dinheiro, ser a assembla
verdadeira patriota, verdadeira zeladora dos cofres
que esto confiados a sua guarda e adraiostracao.
O orador er ter dte bastante para justificar o
seu veto e conclue declarando de novo nega-lo ao
projecto em questao.
O Sr. G. Campello pede a palavra e faz um dis-
curso em sustentacao do projecto.
O Sr. Jos Mara cornee^ dizendo que o corpo
de polica nao tem gosto para a guerra. Nao tem
em vista com isto fazer urna injuria ao mesmo
corpo, nem quer dizer que elle nao marchar, se a
isso for forcado. O qae o orador quer dizer que.
se o corpo de polica tivesse gosto para a guerra,
teria procedido como procederam os outros cor-
pos de polica das outras provincias, teria se apre-
sentado ao presidente da provincia para marchar
para o sul, o que anda nao fez. Apezar da apre-
sentaco do projecto que se discute, apezar das
discsses que tem havido, [apezar das censuras
que o orador e alguns de seus collegas tem feito
ao corpo de polica, elle ainda nao tem desmentido
o juizo desfavorave que a seu respoito se faz, ain-
da se tem conservado n'uma apathia completa.
O orador anda hontem foi informado de qne a
? vador, por que ella a apologa do partidd oonf er- sna misso gloriosa, esquecendo ento os verdadei-
vador. S. Exc. justifica os actos do partido con- ros inleresses do seu paiz, oo deveriamos registrar
servador dorante esses 14 annos de to falladas mais orna ingralido do governo do Brasil, que
hoslillidades, mostra-se conservador. em occasio to solemne nao se importou de man-
S. Exc. concluio esla parte poltica do seu rea- char de lama os louros com que vlnha cingido
torio dizendo que era progressista, por que sabe nosso plmala ? Nao sabamos para que partido
que progressista e conservador urna e a mesma nos inclioassemos, porque em ambos sentamos
cousa. sangrar de dor o coracao, quando lemos transcrip-
ta orador, por tanto, que nunca foi conservador, los no seu Diario os ureos artigos, que publicoo
que nao conservador e que nao ha de ser conser- o Jornal do Commercw, com a assigoatura de
vador em circumstancia nenhuma, nao pode pres- [ Epaminondas, e enlo nos convecemos de que a
tar o seu apoio ao presidente da provincia. honra e a dignidade do Imperio ficaram Ilesos nos
O orador conclue : declarando volar contra o convenios com o Uruguay e que estrondosa deve
projecto em discusso.
A discusso fica adiada pela hora.
O Sr. Presidente levanta a sesso s 4 horas da
tarde, dando para a ordem do dia seguinte a conti-
nuncio da antecedente.
K>^_.S>-*.
RBYISTA DIARIA.
A procissao do Senhor Bom Jess dos Passos
esteve concorrida, havendo em todo o trajecto boa
ordem.
Hontem vieram de Goyanna 74 volunlarios
maior parte das pracas deste corpo, apezar d se- da patria, ali obljdos esforcos do Sr. Nones Ma-
rem rogadas para se offereeerem, tem mostrado o diado.
lera mostrado o
menor desejo, tem allegado que se engajaram para
servir na provincia, que sao pais de familia, e que
nao devem abandonar suas mulheres e filhos Foi
informado tambem de que o commandante decla-
rara positivamente qne em circumstancia nenhuma
marchar ; e que dous ou tres bravos offlciaes se
tem offerecido para marchar, mas os outros nao
tem seguido o exemplo.
Eis ah a razo porque disse o orador que o cor-
po de polica nao tem gosto para a guerra.
Dame dessa frieza e indfferentismo desse cor-
po a assembla marcha a dispertar-lhe os bros
offerecendo interesses pecuniarios, pondo esse cor-
po em superioridade a todos os corpos de todas as
outras provincias, o que j o orador demonstrou
em outra occasio.
A presen tou-se hoje urna emenda equiparando o
sold dos soldados do corpo de polica em campa-
nha aos que aqui percebe ; mas, sendo os serviros
de guerra igoaes, nao v o orador razo para que
tenha o corpo de polica mais dinheiro, aclia bso
dcsigaaldade destavoravel.
Diz a cornmisso que o seu fim fazer eom "que
o corpo de polica nao tenha prejuizo se marchar
para o sul, mas tal prejuizo nao se dar, como o
orador j provou.
A sua questao qae o corpo de polica marche
com o mesmo vencimento que tem os outros .cor-
pos que se vo bater em defesado paiz.
So o corpo de polieia nao marchar, a patria nao
flear em defesa : que anciedade ha pois, de man-
dar-se o corpo de polica? Com o dinheiro que
se vai despender com isso pode-se obter am outro
corpo de voluntarios.
O augmento que se quer fazer no sold dos sol-
dados de polica entende o orador qae pode ser um
paobolismo pernambucano (nao apoiados), mas
integramente despecessano, inteiramente intil,
Ento estenda-se o beneficio a todos, guarda na-
cional, que est em peiores eircumstancias que o
corpo de polica.
ser a reparaco da injuria eita ao conselheiro P-
rannos, que nao pode ver assim sua reputaco
marcada.
i Honiem a noute o paco da edelidade se con-
servoo Iluminado nao s por ser o anniversano
do jaramente aa consiitoico, como para demons
tracto do jubilo, de que nos achamos possuidos
pelas njlicias felizes, que honiem recebemos. Cons-
ta-nos que preparam-se demonstrarlo mais es-
trondosas. >
Passageiros do vapor Tocanlins saludos para
os portos do norte :
Jos Pires dos Santos Barros, Adolpho Herbster,
Antonio Affonso Velado Jnior, Primo Pacheco Bor-
ges, Domingos Henriques de Oliveira, Antonio Cae-
tano de Abreu, Adolpho de Vasconcellos, Manoel
u k .-- j- i .. i tao ue ADreu, Aaoipno ae tuguwhhiot, mim
- Hoje ha sessio do Instituto Archeolegico c Rodri(,ues de Pa.va, a escrava Felicidade de Leh-
Geogtaphico Pernambucano. mannreres, Jofio Pereira da Silva, Jesuino Alves
O Navarre levou a seo bordo para a Europa 447 bESST!?..!!,.. .u iiindr0 TaU.
para aEurop
passageiros, dos quaes foram qualro tomados nes-
ta provincia.
Na lattude 2' 47" e long. E. 24' 2o" foi en-
contrado pela barca porlugueza Ctaudina, no da
22 do prximo passado, o brigue hamburgnez Eli-
sa & Emna, que ne Lagos na Costa d'frica segua
para irsmburgo j com 80 das de vlagem, e tra-
zendopjrie da respectiva irlpokfco doente e sof-
frendo falta de bolacha, de quejoi fornecido em
urna pctfyV) com um pouco deTforrnha de trigo pelo
commanWnte da Claudtna..
Fernandes, o escravo Demetrio de Alexandre Col
res Moreira.
Reparticao da polica :
Extracto das partes do dia 31 de marco de
1865.
Foram recolbidos casa de detencao ne dia 30
do corrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Joa-
quim Jos de Santa Anna, por suspeilas de ser cri-
minoso ; e Cannto, escrave do coronel Antonio Fer-
reira de Macedo, por fgido.
Em rectificaco ao one foi publicado na parle
i- ,Na.ffeKatzla,?a Gloria d0 Goiu, Victorino de d ia soLre M*r|S5es do dia 27 do corrente, com
tal e Jos Simeao tiveram urna renhda discnssao,
resultando flcar ferido mortalmente o primeiro e
evadindo-se o segundo.
As 9 e meia horas em ponto de hoje 1 de
abril continuar o leilo das fazendas salvadas do
brigue oglez Hebe of Ihe Exe, no armazem do ba-
ro do Livramento, caes do Apollo.
A' 1 hora em ponto effectuar-se-ha a venda do
^0,1)rig,W DR,ei Hebe f'!" Exe' assimKc- detencao do dia 30 de marco de 1865. Exisliam
^Lt0da ?area<)uePorvenJrasepo-ssaachar presos 369, entrara 2,sahiram5, existem 366:
no mesmo navio, por intervencao do agente Pinto, v .-=~ ______:*. iu'
relaco a Jos Juvenal Das Brrelo e Alexandre
Joaquim Barbosa, declaro que nao foram estes re-
colhdos casa de detencao. para averigoaces so-
bre crime de furto, e sim sobre o de tentativa de
homicidio.
O chefe da 2" ecco,
J. G. de iesquita.
Casa de detencao.Movimento da casa de
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellad*,
twitftarel ManoellGenll da Costa Alves.
iNaoa muta imilj^^r^tor-o o r- r. re-
sidente encerrou a sesso a meia hora depois do
meio-dia.
CORRESPONDENCIAS
Senhores redactores.A pergunta, qoe sob a epi-
graphe depublicacoes a pedidose l a 3* pagina
de seu estimavel Diahio de hontem, atacando di-
rectamente a minha reputagao, obriga-me a' re-
correr a' esle mesmo Diario para explicar os do-
cumentos a que se refere aquelle anonymo, que na
verdade nao tem preciso de escrever o seu nome
para mais relevar a soa obra.
Seria, por cerlo, ura facto incomprehensivel, ma-
ravilhoso mesmo, allestar o thesoureiro pagador
das obras publicas, qae se despendeu tanto per ad-
mini-traco com tal obra encampada, e affirmar o
director da mesma reparticao em officio ao Exm.
presidente que nada se dispendeu com a mesma
obra. Semelhnte facto s poderia actuar ou em
am espirito demasiadamente prevenido e maligno,
ou em quem ignorassse completamente a marcha
des pagamentos daquella reparticao.
A malicia do anonymo esta' Da sciencia e cons-
cienci que elle tem do facto, e foi talvez por essa
razo que elle se disfarcou para nao ser conhecida
a mo que vibra o punhal, nao se lembrando que.
pelo dedo se conhece o gigante.
E' para demonstrar que verdadeira, e nem
poda ser falsa a informacao do.Sr. ex-director W.
Martlneao ao Exm. presidente da provincia, assim
como que sao menos exactas as certidoes do Sr.
thesoureiro Maia, pue vamos contar minuciosa-
mente a hislona dessas obras, declinando osnomes
das pessoas que receberam nao 4966, como diz
o incgnito, mas 1:6i85960, sendo 696*5960 impor-
tancia de ferias e 952^000, fornecimenlo de pedras.
Em 36 de agosto de 1858 arrematou o Sr. Joo
Hyppolito de Meira Lima 1067 bracas de empedra-
m'ento para serem destribuidas em diversos pontos
da estrada da Victoria; em 19 de julho de 1860 ar-
rematou seu filho Antonio Malaquia
Lima, um lanco de empedramento e reparos entro
e condemna severamente aquelles que Ihe do se-
ria importancia I .--..
ganar ae ouwo modo sena um erro imperdoa-
vel, e nem eu podia discutir com o seu escova bo-
tas sem fazer esta publica confisso dos seus me-
recimentos I
Voltaodo perm as censuras,qe sao o objecto
da questao, nao se do que mais se deva orgnlbar a
sua terrinha, sei de prodozr um genio to hbil e
industrioso como V. S. se por baverem calumnias
neste maudo e serem por V. S. to bem desempe-
nhadas 1 ,
Emfim, como nao ha preferencia em taes gloras,
p:rque sao ambas peculiares a' soa- pessoa e dig-
nas dos seus progenitores, terminarei por hoje en-
vando-lhe os meus parabens, e rogando ao seu
secretario privado, a continuago de suas censuras
para que eu possa de minha parte continuar a fa-
z-lo conhecido .seno mesmo lvalo a'pos ten-
dade I
Sea mais filho legitimo e de bons costumes
O l'ortuguex.
PUBLICACOES 1 PEDIDO
Cura espantosa e admiravel de nma inflammaco
chronica do baeo on splenit.
Um filho do Sr. coronel Bernardo Jos da Cma-
ra, senhor do engenho Cuyambuca, foi atacado des-
ta terrivel molestia inflammaco chronica do baeo,
ou splenita mesma envolva outros padecimen-
tos, como cansaeo, palidez, ioapelencia, etc., ele.
Durante todo ste terrivel estado, todos os re-
cursos medicinaos, qoe ...i taes casos se uzam, fo-
ram abundantemente empregados, sem que Ozesse
parar a marcha lenta e destruidora de to horri-
vel enferraidade, e todos os meios e esforcos fo-
ram baldados, tanto que este moco ja foi Euro-
pa e nenhum resultado obleve, no entanto o mal
crescia ; e estando neste ponto se experimentou o
xarope elhero de veame.
O effeito produzido por esje estimavel remedio
foi verdadeiramente maravilhoso e sem igual. Nao
dp'Mar-ed' menos importante o xarope alchoelico, e as piln-
1 las purgativas do mesmo veame, por gozar de
no armazem do Lano do Livramentd, caes do
Apollo. **
No extracto da sesso da assembla provin-
cial do dia 29 do passado, houve urna falta qoe con-
ven rectificar.
Quando se discutio, vencida a urgencia, o pare-
cer da cornmisso de agricultura, orou o Sr. Gon-
Calves da Silva, sustentando a concluso do mesmo
parecer.
Do Limoeiro nos escrevem em data de 26 do
prximo passado:
Depois de nossa primeira carta nao temos tido
mais ebuva; nossas esperanzas de abundancia e
barateza de vivares murcliam e crestam-se com o
sol ardite que se lem feito sentir de maneira de-
sanimadora. Se eontinuar vr-nos-hemos na ne
Passando a tratar dos offlciaes, pergunta o ora-.
dor qual a razo porque se que* qne elles tenbam | cessidade de plantar de novo e Deas sabe se ainda
maior vencimento do que os outros offlciaes de plantaremos em tempo. As aguas do rio tem abai-
igual patente ? Que da igoaldade ? O orador xado por forma qoe receiamos a cada dia v-lo-r
nao ada explicaco. cortado; essa pobreza do Capibaribe denota que
Disse-se na casa que talvez os presidentes das [para cima tambem tem havido falta de chuva.
outras provincias tenham manifestado desejo de! O gado que tem vmdofeira ma^eo preco
que os corpos policiaes n,arenera. O orador con-1 ainda se conserva elevado; o pobre nao pode con-
corda na hypothese estabelecida, e entende que foi' prar urna arroba de carne verde por 105000, e por
talvez porque o presidente da|provincia nao se isto a raatanca se faz do modo mais escuro; sete
meslroo assim enrgico cora o corpo de polica de' oito e quando muilo dez bois se offerecem ao coa.
Pernambuco que tem havido essa tibieza. Nao|sumo nos sabbados da multidSoque concorrem s
patriotismo, poderia por de parte certos escrpulos i censura o presidente da provincia, acha qae filie > felras I
de volar, mais ou menos em ordem a alargar esses procedeu muito bem e que nao deve coagir, por1 A freguezia contina era paz; a menos que
meios. I meioi directos nem indirectos o corpo de polica, r>ao se queira fallar no furto de cavados, que con-
Inclue, porm, o projecto a subslituico do corpo a marchar, mas parece-lhe que se quizesse emen-1 llnia de modo assustador. A autoridade eonfessa-se
de polica, subslituico que importa desde j urna dar a mo, e nao se desejando que ficasse mal o ] impotente para extirpar esse cancro, que corroers
tixaco e qoe vem tornar innutil, ocioso e irrisorio presidente, que se o censurasse por nao ter raan-
o projecto posterior, se for apresentade, do que nao dado o corpa de polica, se assentoa de fazer am
duvida o orador. agradinho ao mesmo corpo, de gasr-se mais di-
Desde que se trata da cre gao de um corpo poli-' nbeiro, afim de ver se elle marcha va.
cial, desde que se trata da tixaco do mesmo cor-' Passando a tratar da parte em que se estabelece
a saber: naciunaes' 278, eslrange'os 21, mulhe-
res 2 ; estraogeiras 2, escravos 56; escravas 7.
Total 366.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 162.
Movimemo da enfermara dodia 1 deabril de
1865.
Tlveram haixa:
Manoel Joaqun de Santa Anna, cephalalgia.
Joo Fernandes de Santiago, rheumatismo.
Cbmitkrio publico.Obituario dodia 30 de
-| marco de 1865.
Manoel, Pernambuco, um mez, Kecife, espasmo.
Joo Pedro Gomes, Rio Grande do Sol, 16 annos,
solteiro, Boa-Vista, tubrculos polraooares.
Agostioho, Pernambuco, 3 annos, S. Jos; ver-
mes,
JosPernambuco, 3 raezes, S. Jos, convaleces.
Francisco, Pernambuco, 2 horas, S. Jos, congesto
pulmonar.
Benjamn, Pernamboco, 6 mezes, Santo Amonio/
denlicio.
i--------- i aeorm-----------
, CHRONICA JIDICIARIA
TKIBUSAL DO COSUIfiBCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 39 DE
MARCO I>J^186o.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FBANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
forjas da ultima carnada da populado, que se de-1 deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e M. Leal, e
1 presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm. Sr.
presidente declarou abena a sesso.
s marcos 6,000 e 8,000 da mesma estrada da Vic-1 j^" for'tZT!S2 dS prSia^^
'" outras curas radicalmente efifctuadas, como es-
Ambas estas obras depois de esgotarem os pra- crophulas, rheumatismo, escorbuto, eofermldades
zos e prorogaces foram encampadas por por por- venreas e mercuriaes, chagas antigs e todos as
tsria do governo da date de 28 de fevereiro de 61, molestias provenientes de um estado vicioso do
a qual me foi commnicada em o 1 de de marco sangue. Nao impede os banhos fros do mar ou
do mesmo anno. do rio.
Comprebendendo a obra encampada a' Macedo Entre outros muitos factos um, ha pouco, acabo
Lima, o lanco do engenho Soccorro, que enlo ser de realisar-se bem importante: um escrave do
achava bastante arruinado, quas intransitavel, pe- Sr. coronel Pedro Cavalcanti Wanderley, proprie-
lo rigor do invern, e demora dos reparos, insist | tario do engenho Japaranduba achava-se atacado
com o Sr. director \V. Martneau para quo se li- de anemia, ou frialdade; e cansava a ponto de
zesse algum trabalho, em ordem a dar transito, e nao poder carrear, urna so caixa das pillas pur-
ella, attendendo a' rainba reclamaco, ordenou-me! gativas de veame o restabeleceu.
em abril que u lizesse por adminislracao esse lan- Nesta molestia oque muito coatribue para o cu-
co intranditavei do Soccorro. rali vo, o trabalho, o que se reahsou com o dito
Foi nessa parte da obra de Antonio Malaqoas j escravo sem precisar do xarope. Um meo escravo
que se dispendeu, como cima disse,por adminis-1 de nome Jos, que o arrematei em hasta publica,
traco, 1,648960 de abril a 8 ae junho de 1861, e que foi da finada D. Candida por 80000,-' por se
nao na obra do Sr. Joo Hyppolito em a qual nada iachar com umachaga em urna das coxas, cntre-
se fez por adminislracao, tendo a sua conciuso j vado, com o xarope e pilulas de veame, se aclia
lugar por nova arrematado que fez o Sr. Alexan-: bom, empregado como Servente de pedreiro, Um
drino Martins Correa Barros. A mesma obra de outro escravo que coraprei ap Sr. Joaqun Gongal-
Malaquias, teodo sido suspensa por adminislracao ves Furreira, que se achava com ascrophulas, fe-
foi concluida por nova arrematacao. i ridas, palidez e cansando, cora o mesmo xarope,
Se, o anonymo nao tivesse a maligna intenc! pilulas e banhos no rio de Una esta perfeltamente
de offenoer-me, nao publicara simplesmenle a im- boro, e tambem empregado era servido de pedrei-
pjrtanca dos documentos, mas sin sua integra, i ro. Outros mullos factos desta ordem em pessoas
(ronde se veria qual a obra em que foram dispen- que deste salutar remedio lem feito uzo, poderia
dica a pequea lavoura, e qae to grandes prejui-
zos causa mesmo aos grandes proprielarios. O
nico recurso c o recrutamento; porm o depotis-
mo sempre tem sea eolio aleado; cora dor vemos
Lid,
dente.
foi approvada a acta da sesso antece-
didas essas quantias.
A rapidez com que quiz responder ao anonyma
nao me permitlio celligir esses documentos paro ra Dirjita n.
com seu tbeor confundir o detractor; mas ahi
esta' o feitor que os fez o Sr. Joo Caqcio Ribero
do Amaral; ahi esto os fornecedores das pedras;
ahi esta' o publico que vio onde se fez o trabalho,
abi esto minhas numerosas nformaces dadas |
desde 1861 a 4864 a diversos directores por occa-
sio de infinitas reclamacoes desses arrematantes,
venham a luz do publico e serei justificado.'
Veriflqnem-se meus documentos, examine-se tu-
do minuciosamente, eslabeleca-se sobre este nego-
cio o mais rigoroso exame e fie.
enumera-los, o qae nao taco para nao ser prolixo.
Vendo-se estaa preparares em minha botica.
Jos da Rocha Paranhos.
Knlgl. Wairtembergisches
Gawulat.
Zu Rio de Janeiro.
Auf Refehl ciner hohen Knigl. Wurtembergis-
chen Regiemng wrd folgende Edtal Ladoog be-
kannt gemacht: Unter-Urbach bei Scborndorf im
rovado qoe as Knigreich Wnrtemberg. Der am 6. September
ndo da Silva 1791 geborene Gottlib Friedrich Kwfraann, Sobn
Maia citado9 pelo anonyrae 'Estes aocumentos des verstorbenen Traoben Wlrths Johann Georg
foram pagos por administraraa no empedramento Kaafmann in Unter-rbacn and seiner gleichfalls
adpkp
palavras da ceiiido do Sr. Raymondo da Silva
K


h
<

y
j

MUTILADOI

-


-.
/
oferte de .*emtae -v Hitado f fe %fcr Triste.
erstorbenen Ehefrau Dorotbee. geborenenSteiale,
gieng ira Jahr 1823 al? Bckergesell aof die Wao-
derschart und reiste ais solcher 1887 nach Brasi-
lien, wo er sich, wie aas ertem Briefe desselben
vora 17 Juni 1831 hervorgeht in Caduca bel Per-
namhuco ais colooisl niedergelassea. Selt die-er
Zeit ist keiao Kuade mehr von itira in seine Hei-
math gelangl.
Es ergeht uunmehr an iho oder Awaiger dies-
seits unbekanote Erbea dcsselben bierdurcb di-
AufTofderung booen sechs Monaten vom Ers-
cheioea dieses Blattes an berechnet bei unterzeiche
cter Stelle sich za melJen und ilire Berethli-
cune darzuthua, widrlgeofalls nach Ablauf dieser.
Trlst der Versclollena ais mil Umfluss seines 70.
Jahres verstorben angeoomraen und dessen io
Uoler-Urhach in pflegschaftlicher Verwaltung ste-
hendes Vermgen im ungefhren Betrage von
Vier tansend vier bundert Gulden suddentscher
Wahrung unler seine diesseits bekannleo Erben
I vertheilt wurde.
Den G. October 1864.
Der Konigl. Wurterabergsche
Oberaralhsrichter zu Scliorndrf
Vermagel.
Konigl. Wurterabergisches Consulal
Zu Rio de Janeiro, 28 Tebruar 1865.
Hermana Haupt.
COMMEICIO,
Cai\a filial do banco do Brasil em
Pernambuco.
A directora desta eaixa saca sebro o banco dp
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
msate banco na Bahi.
Saro l)aaa de Pcruam-
feueo.
O banco desconta letras na presente semana a
12 por uento ao auau al o prazo de seis mez.es,
tuina dinheiroa juros a praso nunca menor da
tres mezes, e saca sobre a praca da Baha.
Xovo banco de Pernaiabnco.
O banco paya o 14 dividendo na razode8
por aceito.
ALFANDEGA.
Rendimi-nto do da 1 a 30...... 761:9835611
dem do dia 31..........-..... 19:34j243
781:32885i
MOVIMENTO DA ALFANDECA.
mandei passar o presente, qae ser publicado pal mais safs oa oil Palmos, e lindo ambas tres portas rida intelhgeac/i e #*eeuc3o que o m<
aprensa e afiliado no lugar do cutirme. i*om soloiras e portadas de pedra, substituir o la- a^uastitutcaois' d.s de 100,3 Ja 3a estampadc
drilhojor SpbaJtJazer;noyp solio, com scla de que trata a circular n. 46 de 4 de ncvembro ultimo.
deve terminar era 31 de malo da corrente anno,
Recife, 14 de marco de I8b
o. Maneel Mara Rodrigues do Nascimenla, ee-
crivao, o subscrew.
' Trislio de Alencar Araripe* -v
O Dr. Joao Antonio de Araujo Frtitas Heorqoes,
juiz de direito do crime e substituto do do cora-
mercio desta cidade do Recife de Pernambuco e
. seu termo, por Sua atagestade Imperial e cons-
titucional o Sr. u Pedro II a qem Deus guarde
etc.
tres jallas na frente de detraz, m\t*u o afreja
ment que estiver arruinad*, podeftde serrtr-se
dos oitea, a ouiros predios da Santa Casa.
i* Pagar durante o teapo do arreodament a
quantia annuai de 502#, que actualmente paga o
rendero, Joaquim Manricio Goncalves Rosa.
3* Por morte do arremataste gozaro os seds
herdeiros o tejnpo que faltar para completar os
faga saber pelo presente que no dia 1 de abril nove annos, podeaJo laaio aquello como estes so-
do crreme anno, se ba de arrematar por venda a blocar o arreodament, dando previamente parte
qoem mais der em praca publica depois da audien- a junta, e prestando em qualquer dos casis fianza
ca respectiva, a escrava Leopoldina, crioula, que idnea.
representa ter 10 annos, e esta' soffreudo de friel-1 4" Que somente no caso de venda do predio ser
dade, avahada por 4O0J0O0, a qnal 6 pertencente a Santa Casa obrigada a indemnisar ao arrema-
a Manoel do Reg Barros, e ao mesmo penhorada 'ante ou aos seus herdeiros da quantia proporcio-
porexecugao de Gurgd Perdigao. i nal a 2:7n0}em que forara orgadas as obras aci-
na falta de licitantes sera' a arrematacaoeita mi mencionadas, lendo em vista o tempo doar-
principiandodo ldejunhoem danle o descont
progrftsiv na^rma da le.
. Carlos Carnelro de Campos.
THDVTRO
DE <
S. ISABEL
pelo prego da adjudicado cora o abatirneato res-
pectivo da lei.
E para que chegue ao conheciraento de todos,
mandei fazer o presente edital, que sera' afiliado
nos lugares do costurae e publicado pela
prensa.
readamento que deixarem de gozar.
5* Que alem das obras descnptas na 1" condigao ^nhhnfln
fica o arremtame obrigado, no acto de assignar o l
respectivo termo, a entrar com o donativo da
m- qaaotia de 500,1 para a cofre dos orphaos.
Secretaria da anta Casa a> Misericordia do
EMPREZA--0OIMBRA
5. recita da asslgqatura.
1* de abril de 1865
interesante drama em 4
LOTERA
Representar-se-ba o
actos
Volumes entrados com fazendas..
com gneros....
Volumes saludos com fazendas....
com geeeros.....
177
184
-----361
86
oi't
-----610
Desarregam no dia 1 de abril de 1865.
Brigue portuguezEsperanca diversos gneros
Patacho hanoveriano Widridem.
Escuna ingleza Zampamercaderas.
Galeota hollaadeza-'tzrj&eA diversos gneros
Sumaca hespanholaGuadalupe idem.
Briguc nacional -Paltas charque.
Barca inglezaO. Alaria -carvao.
Patacho inglezSprayidem.
Barca inglezaScoff -dem.
Sumaca nespaqhola ttetigo -= diversos geneaos
para fra.
Brigue inglezOaii/s bacalbo.
Barca mulezaAn-;-tul -farinlia de trigo.
KECEBEDORIA DB. RENDAS INTERNAS
GEIIAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia I a 31)........ 48 7043382
idem do dia 31................. 3:361*956
52:066*338
CONSULADO PROVLNCIAL.
Rendimento do da 1 a 30........ 95:540Si78
dem do dia 31................ 1:783*316
97:323*594
0IMEHT0 90 POBTO
Nanos mirados no da 31.
Rio de Janeiro baha e Maeei,12 dias, vapor in-
glez Kelper, de 1,247 toneladas, coramaodanle
John Carroll, equipasem 41, carga differentes g-
neros -, a Saunders Brothers & C. Seguio para
Liverpool.
New-York-M dias, barca ingleza Ansdel, de 361
tonpladas, eapitao W. Jones, equipagem 12, car-
ga 2,750 barricas com farinha de trigo eoutros
gneros; a Saunders Brothers & C.
Terra-Nova 40 dias, brigue inglez Arafon, de 182
toneladas, capito Thomaz Brien, equipagem 10,
cara 2,623 barricas com bacaluo ; a Saunders
Brothers & C.
Navios snkidoi no mesmo dia.
Canal por Maeeibrigue inglez Elisa, capltao
Wilkxnson ; em lastro.
Porios do nortevapor brasileiro Tocanlms, com-
mandante o 1" lente P. H. Duarte.
EDIT1ES.
O Dr. Trislio de Alencar Araripe,ofBcial da impe-
rial ordem do Rosa e juiz de direito especial do
conimercio esta, cidade do Recife de Pernambu-
co, por Sua Magestade Imperial e Constitucional
o Sr. D. Pedro II, que Dos guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia tiverem, que por parte de Francisco
Botelho de Andrade, me foi dirigida a pelicao do
theor segui nte :
Illm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio.Diz
Francisco Botelho de Andrade que credor de Ja-
-ciolho Jos do Araaral Aragao, da quantia de___
.3:752*138 rs., proveniente das oito. letras juntas -,
271*069 rs.; proveniente tambera da inclusa le-
tra ; de Manoel de Azevedj Almeida, da quantia
noel ilartins de Oliv.eira da de 710*, tambera de
las letras, que igualmente junta ; e bera assim
da Thomaz Ribeiro dos Sanios, da importancia do
146*930 rs., como se v da letra que o snppliean-
te une, cujas prescripcoes qoer o snppllcante io-
terromper, e por isto vera reqnerer V. S. se dig-
de de mandar lancar termo de protesto que faz
para tal fim com inumacao dos referidos deredo-
res, fazendo passar carta edital, visto como resi-
den el I es em lugar incerto e nao sabido : uestes
termos pede V. S. deferimeotoE R. M.O soli-
citador, Vicente Licioo da Costa Campello.
E mais se nao continba em dita peticSo aqu co-
piada, na qnal dei o despacho do theor srguinte :
' Justifique a ausencia amanhaa ao mel dia. Re-
cife, 7 de marco da 1865. -Alencar Araripe.
E mais se nao continua era dito despacho aqu
copiado, em virtude do qual tora t mesma petigo
distribuida ao esciivio deste jaizo Manoel Mara
Rodrigues do Nascimento, o qonl lavrou o termo
do protesto do theor segui nte:
Tormo de proteste.
Aos 8 de marco de 1865, na cidade do Recife,
na sala das audiencias, onde eu rae achava, e
sendo ahi compareceu o suppl'eamc, e disse po-
rania mira e as teslemunbas iafra assignadas, que
redozia a proteste o remend de sa peti?ao retro,
a qnal otfereeeo como parte do presente qae (lea
s?nio, e de como assim o disse e protestoa, lance
este termo, no qual depois de lido se firmou cera-
as ditos testeaounbas
Eu Manoel Mua Rodrigues do Nasoimeato, es-
crlvo, o escrevi.rraocisco Bolelho a* Amdrade.
Joo Jos de"AUfla Peraambuco.J da
CosU Reg Lima.
E mais se nao cjntioha em dito termo de pro-
testo aqu copiado.
E tendo o supplicante produzldo soas testema-
nhas, sellado prafrrilfrosifrto, toMraia
miaba caaeluso, e nelles del a sentenra do theor
segbinte : i-1
llei por jusicada a ausencia., dos supplicado?,
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per Reeife 31 de margo de 1865.
nambuco, aos 24 de margo de 1865. O escrivao.
Eu Manoel de Carvalho Paes d'Andrade, escri- F. A. Cavalcauti Cousseiro.;
vao a subscrevi. | Da ordera do Illm. Sr. inspector da thesou-
Joao Antonio d'Araujo Freitas Heariques. rara de fazenda desta provincia, se faz publico pa-'
O Dr. Hermogenes Scrates lavare- de Vascon- ra conheciraento de Iodos a circular do tribunal do
concellos, juiz municipal da primeira vara des- thesouro n. 7 de 13 de feveriro proxim passad >,
la cidade do Recife de Pernambuco, por Sua Ma-, abaixo transcripta. :
gestado Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro Secretaria da thesouraria de fazenda de Per- ;
II, que Dos guarde, etc. Bambuco em 31 de margo de 1865. Servindo de
Fago saber aos que a presente carta de editos offlcial-maior, Manoel Jos Piolo,
virem e della noticia tiverem, que a junla adrai- Circular ai. 9.
mstrativa da irraandade da Santa Casa de Misen- j. secQ-l0. -Ministro des negocios da fazenda.-
oardia do Recife encaminha aegao ordinaria contra r3 de Janeiro era 13 de feveriro de 1865.
os herdeiros dos finados Francisco Antoaio Duro Carlos Caroeiro de Campos, presidente do tribu-
e sua mulber, e tendo sido oflerecido o libello con- nal de thesouro nacional, coromuniea aos senhores
tra os reos, e por parte de Jos Epipbanio Durao e
outros offerecida urna excepgao de litis pendencia,
me foi pela mesma junta administrativa dirigida
por escripia a petigao do iheor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara.
Diz a junta administrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife, que tendo proposlo por este
juizo (escrivao BaptistaJ urna acgo ordinaria con-
tra Jos Epiphanio Duro, Francisco Antoaio Da-
o, Ignacio Eustaquio Duro, D. Henriqneta Ma-!
thilde Duro, D. Delphina (.andida Duro e Fran-
cisco Antonio Duro, aquellos filhos, e este neto
dos fallecidos Fraucisco Antonio Duro e sua mu-
llier D. Joanna Mathilde da Natividade, para rei-
vindicar o sobrado de dous andares e soto, hoje
d. 35, silo na ra da Cruz, freguezia de S. Frei Pe-
dro Gongalves desta cidade, com todos os seus ren-
dimentos, visto tero fallecido Jos Bento Fernan-
des deixado o mesmo sobrado ao hospital, entao
dos pobres, boje Pedro II, a cargo da supplicante,
como mclboriiiente se se expressou nessa aegao, a
qual sobrado do lado de leste, e limita ao norte
com o sobrado n. 33 de Domingos Rodrigues de
Audrade, e ao sul, com o sobrado n. 57, pertencen-
te aos bens d mesmo fallecido Jo: Bento Fer-
nandos ; agora depois de offerecido o respectivo
libello, consta supplicante, que alm daquelles fi-
lhos, e neto dos ditos fallecidos Francisco Antonio
Duro e sua mulher, ha outros a saber : Joo Jo-
nuario Duro, Thiago Delphino Duro, Josephi-
na Adelaide Duro e Luiz Eloy Duro, todos filhos
dos metmos fallecidos, estando o primeiro e se-
gundo ausentes, em lugar nao sabida, como prova
o documento junto, a teaeeira em juizo, represen-
tada por seus procuradores nos autos desta aegao,
e o quarto fallecido, sendo por isso elle representa-
do por sua mulher D. Mara Theodora Pereira Du-
ro e seus filbos, D. Hermelina Josephina Carolina
Pereira Duro, casada com Joo Antonio Piobeiro,
e Francisco Antonio Duro, j citado por editos
como ausente.
Assim requer a supplicante V. S. que se sir-1
va mandar citar a D. Mara Theodora Pereira Du-
rao, e Jeo Antonio Pinhciro e sua mulher D. Her-;
melina Josephina Carolina Pereira Duro, aquella
viuva e estes genio e lidia do fallecido Luiz Eloy
Duro, para fallarem aos termos da referida acgo,
e contrariarem o libello dentro de duas audiencias,.
que Ibes sero assignadas na primeira deste juizo,'
sob pena de revelia, ficaedo lugo citados para os vai seguir com muita brevidade o palhabote 'a-
demais termos da causa. Que se passe cartas de raense, tem a maior parte da carga prompta, e
editos com o prazo de 60 a6'par"serdm citados' parro resto que Ine falta trata-se com o consigna-
os supplicados ausentes Joo Jannario Doro e far' Joaqoim Jos Gongalves Beltro, na ra do
Taiago Delphino Duro, para o fim aciraa indicado,' Vigario n. 10, ou no largo doCorpo Santo n. 6,
e com o theor da presente. i armazem. **_________
Nesles termos pede V. S. assim Ihe delira.
HISTORIA
DE
!M\ MOCA RICA.
Terminar o espectculo cora a representago
do lindo c e-pirituoso entre acto ernadoda msica
BERTHA DE CASTIGO.
D. Eugenia, o Sr. Porto e a Sr.* D.
venda no escri ptorio do
Pela Sr.'
Francisca.
O* bilhetes acham-se a
theatro.
Principiar s 8 horas.
inspectores das thesourarias de fazeuda, para a do-
Eecita extraordinaria livre da assignatura.
Com o concurso do Sr. Comingio
Gagliano, afamado concertista, admi-
rado em todos os theatros da-Europa.
O instrumento de que inventor
e nico executor, formado de nina
caixa harmnica compnsta de 34 co-
pos de crystal ; e o habilissimo Sr.
Comingio apenas com os dedos indi-
cadores executa as mais difflceis pe
gas de msica como no mais perfeito
instrumento, e isto com acompanha-
mento da orchestra.
Domingo 2 de abril de 1865.
A comoanhia dramtica repre-
sentar o interessante drama era 4
actos
0 PODER DO ORO.
No fim do Io aeto o Sr. Comingio
em sua caixa executar o lindo ro-
mance de soprano e dueto da opera
Traala.Seguindo-so o dueto de
soprano e contralto da operaNorma.
No fim do 2o acto o mesmo Sr.
Gaglianoexecutar o- excellente ro-
mance de tenor da operaLuiza Mil-
lare depois a aria de soprano e mi-
serere da operaTrovador.
Terminar o espectculo com o
ultimo acto do drama.
Comecara' as 8 horas.
17IS0S MARTIMOS.
Para o Para.
tira requerido, pagas a& cusas ex-causa
Espera receber merc.Como procurador, Jos
Theodoro Gomes.
Citem-se. Recife, 9 de novembro de 1861.Ta-
vares de Vasconcelos.
Nada mais se continha era dita petigao e meu
despacho, era cumprimento do qual e escrivao,
que esta subsereveu, fez passar a presente carta de
editos com o prazo de 60 dias, pelo theor da qual
chamo, cito e hei por citados os reos ausentes Joo'
Januario Duro e Thiago Delphino Duro para res-
ponderen peraate este juizo aos termos do libello |
e sua execuco, constantes da petigao supra trans-
cripta.
Pelo que toda e qualquer pessoa, parales, ami-
gos e conhecidos dos duos reos ausentes Joo Ja-
nuario Durao e Thiago Delphino Dorio Ihes pode-
ro fazer scientes do que cima fica exposto, para
que por si ou por seus procuradores se apresentem
neslo juizo dentro do referido r. razo com a defeza
que tiverem, sob pena de se proceder em todos os
ulteriores termos as suas revelias.
E o pjrteiro do juizo publicar a presente no lu-
gar de costume e mais publico, depois de haver
transitado pela chancellara.
Dada e passada nesta cidade do Recife de Per-
nambuce, aos 28 de novembro de 1864.
Eu Manoel Joaquim Baptista, escrivao que a
subscrevi.Hermogenes Scrates Tavares de Vas-
concelos.
Vai pagar de sello 800 rs. Recife, 28 de novem-
bro de 1864.Baptista.Armas ireperaes.Nu-
mero 299.Reis 800.- Pagou 800 rs.-Reeife,
de novembro de i864. Chaves. Sena.
Val pagar 250 rs. de direitos de chancellara.
Recife, 28 de novembre de 1864.Baptista.Nh-
mero 488.-Reis 250.-Pagou 250 rs. de direitos
de chancellara.Recife, 29 de novembro de 1864.
Chaves.Almeida.
Estava o sello das armas de chancellarlaFir-
mino Antonio de Souza. presidente.
Transitou pela chancellara. Recife, 3 de de-
zembre de 1864.O escrivao, Francisco dos Reis
Nunes Campello Jnior.
Laucada a foi has 63 do competente livro n. 13.
Reeife, 13 de dezembro de 1864.Campello
Jnior.
Nada mais se continba em dita carta de editos
aqu fielmente copiada.da original, qnal me re -
porto : esta jtai sem coasa que duvida faga, con-
ferida e concertada, por roim subscripta e assig-
oada nesta cidade do Recite de Pernambuco, aos 5
de dezembro de 1864.
Era fe de verdade.Manoal Joaquim Baptista
Para o Para
pretende seguir cora muita brevidade o veleiro
: late Dous .luiijos, tem dous -itreos de seu carre-
gamento prompta : para o resto que Ihe falta tra-
, ta-se com os seus coasignatarios Antoaio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. I.___________________^___________
Para o Porto segu eom brevidade o brigue
Esperanca por ter a maior parte de sen carrosa-
mente prompto : para o resto e passageires tra-
ta-se com Cunha lrmos & C, rna da Madre de
Dos n. 3, ou cera o captio na praga._________
Para isboa
pretende seguir cora muita brevidade a barca por-
tugueza Heuriqueta, tem parte de seu carregamea-
to a bordo : para o resto que Ihe falta e passagei-
ros, para os quaes tem moilos commodos, tratase
eom os seus consignatarios Amonio Luiz de Oli-
veira Azevedo A C, no seo escriptorio n da Cruz
nnmero 1."______________________
Para o Hio de Janeiro
o veleiro brigue escuna Nao Su, pretende seguir
no fim da presente semana, tem parte do seu car-
regamenloemgajado : para o resto que Ihe falta,
trala-se cora os seus consignatarios Antonio Luiz
de-Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1.
Leifiw de urna easa aieia agua eiu chaos
proprios si la na ra d Pharol n. 66
ea O.JB K
Sabbado 1" de abril prximo futuro as 12 horas.
Cordeiro Simoesfar leilo da meia agua cima
com um quarto e duas salas etc. Se- effectua-
de o leilo no arnmem ra da Cruz n. 57.
Leilo co casco do brigue inglez Hebe of
the Exe encalhado us arrecifes da Ilha
OrawJp awizen dp untas.
RtTA DO IMPERADOR X. i-i
O armaze de tintas um grande deposito da
tS *O;OO06-OOO e 3:000*000. i Producios ebimlcos Dlensii e os maisempregados
Sabbado 8 dn ahril n rnrrpntp snnn .' e usados-I,a Phannacia.pintnra.photograpliia. tln-
.iS, aa L. a ..C0.r[ f,. taf*r,a' Pyrotechinia fego deartificio) cera ootras
extrahirt a2*parte da lotera (H1) a;industrias.
Iwaefick^di rjlreja dc^Wossa Senhora do Montado em grande eseala, t supprindo-sc di-
Amparo de Goianna, no consistorio da i reciameaienas prlncipae drogaras di: Pars, Lon-
igreja de Nossa Senhora do Rosario da
freguezia de Santo Antonio.
Os bifhetes.meios e quartos esto a yen-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de 10,000)3000 at 20^000
serao pagos urna hora depois da extraerlo
at as i horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas s rao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccao
como de costume.
O thesonreiro,
______Antonio Jos Rodrigues de Soza.
Joo Simoes Pimenta, subdito portuguez, vai
a Portugal tratar de sua saude, levan lo em sua
companhia nm fllho menor, e deixando por seos
procuradores em Io lu?ar Domingos Jos de Amo- espirito para madeira, copal para o interior e'er
dres, Haraburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plena confianza e satisfazrr qoalqner
eacommenda a grosso trato eretalho, por pneos
razoaveis-.
Prvidos de machinas ^.appropriadas satisfar
com promptldo qualquer pedido de tintas moidas
a oleo.euja qualidadee pureza de seas ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao c facrl fazer com aquellas que sio importadas,
e que se enconlram no mercado cmlalasferhadas.
Tem grande colteeQo de vidros de differentes
formatos, decfe umaoitava at dezeseisoncas de
capacidade; de vidros para vidracas edianantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
propriedadee outros; d papis dourados e ^ra-
teados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande c pequeo formato de varias rres
paraembrulho, para forro #e casa, para riosenbo
com fundo j feito; de papel albuminado e Ilrisi, l
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
nm,'era i- Antonio Alberto de Suza Aguiar, e
em 3o Antonio Martins Duarte.
Domingos Jos
se para Portugal.
Regueira, Ponu0'uez, rotira-
tm ior ; oleo graxo, oleo sercativo, oleo de linhar;a
clarificado, oleode oielet, seeafivo de Harlim. onro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanho em fo-
Ihas de varias cores ; limas vegelaes, inofTensi-
vas proprias para confeitarias; la de cores, e
olhos de. vidros para imagens ; tintas em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em po pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
0 abaixo assignado responde ao Sr. Antonio Cal- rhol>-^m>7mota, aspire, prncnmily, mbar,
das da Silva, que sua declarado de Ihe er ca^v bon-iuet l.mao alcara.va mebssa nrielaa pimenta.
louro, cereja, alfazema, Portugal, ftroa, junpero,
anis da Russia. canella, cravo e nuritos outros ob-
ANJSfttiMM!)'
do os poderes de urna procuracao que S. S. coofe-
rio ao abaixo assignado, e por de mai3 intempes-
tiva, e s propria de quem quer que foi que ditou
semelhante declarago, por quanto a dita procura-
cao sempre esteve e est em mo do advogad* de
S. S., existindo nicamente em meu poder urna es-
criptura de penhor, na quantia de 2050, e urna es-
crptura de compra e venda de um escravo na
quantia de 1:100^, e na mo de seu adrogado um
saque na quantia de i:0005, (juantias estas, que na
qualidade de proenrador do Sr. Caldas promov a
cobranca de sens devedores ; e que at a data de
hoje nao receb a coramisso de 20 0|0 que me
compete. Declara e scientiica o abaixo assignado
aoSr. Antonio Caldas da Silva, que, assim como
S. S. rafea bondade de Ihe cassar poderes dessa
procurafo, alias j vinda pelo negocio *m niao do
mesmo seu adrogado; taraban o abaixo assigna-
do tem deheadeza de Ihe pedir publicamente a
indemoisaco de seu trabalho; na certeza de que,
quando nao seja satisfeito ste pedido, inmediata-
mente a chamar a juizo para o cumprimento de
seus deveres, o que j nao fez por attenco ao
ramo advogado doSr. Caldas.
Antonio Borges da Silvoira fiObn.
Precisa-.-ede uina ana para todo o servie:
na ra DireKa n 60, primeiro andar.
Os credores de Jos Marques dos Santos
Aguiar 4 Filhos e do fallecido Jos Gon?alves
Malvelra, queiram mandar receber o primeiro di-
videndo conforme a concordata, munidos dos res-
pectivos ttulos, em casa do garante, ra da Ca-
deia n. 4.
Joao Simos Pimenta, constando-lhe que~o
Sr. Domingos Gomes de Macedo pretende vender
a armacao de sua taberna sita na ra de S. Bento
em Olinda, previne aos prelendentes que no'fa-
cam negocio sem que se emendara com o anuun-
ciante.
de Itamarac, e o resto da carga all exis-1 J"- J?& dias' Pjrtue
Precisa-se de um caixeiro que seja diligen
te, saiba escrever e contar bem para caixeiro no
povoado de Trombeta, com ordenado de-2005
alem de comida e roupa lavada : a tratar na ra
da Praia a. 1, taberna.
Ninguera contrate negocio algara com a loja
de calcado da ra do Livramento n. 33, pertencen-
te ao Sr. Caetano Leonida da Cunha Gama, ou
Caetano Lenidas da Gama Duarte, pois hoje per-
tence a Francisco de Paula Pinto ; lia vende algu-
ma pessoa que tambera se julgue com direito a
dita casa, baja de annunciar pelo mesmo jornal,
do contrario
Facoldade de Direito.
De ordem do Exm Sr. director se az publico
que, segunda-feira 3 de abr!, pilas. 11 horas da
manha, (era lugar o concurso de lalim.
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife 31
de mar^o de 1865.
O secretario,
Jos Honorio Bezerra de Meaeze.
ganta Casa da Misericordia do
Recife.
i A Mira junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda lazar publico, que
no da 6 de raez de abril prximo futuro, pelas- 4
horas da Urde, na sala de -suas sessfies, ir pra
Sa por tempo de 9 annos, contados do Io de julha
o corrente anno a 30 de jurrho de 1874, as rendas
do armazem n. 21 publico e 58 particular da Ira
vesa da Madre de Dos, servindo de base a *rfe-
mataclo o offereclmeir'o ferto pelo actual rendeiro,
" loaquim Mauricio Goncalves Rusa, constante das
f lausulas especiaos abaixo declaradas, e.dependen-
que ser. citados por editos da trila das para a do o contrato da approvacSo de Efrrn. Sr. presiden
Para a Baha pretende sabir em poucos di
a escuna Ehza, por ter alguma carga tratada, e
para o resto que Ihe falta trala-se eom o consigna-
tario Joaquim Jos Goncalves Beltro, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo doCorpoSanto n. 6, ar-
mazem.
____ JT
Para Liverpool com escala por Lisboa o va-
por inglez Saladin- preteod sabir sabbado Io de
abril ;.para passageiro?, fretes, etc., a entender-se"
cora seus consignatarios Saunders Brothers & C,
no largo doCorpo Santo n. 11. Frete de specie
para Liverpool 1|2 0/0 para Londres entregQe no
barco de I ag I aterra 5 [8 0/0
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Das portos do norte espera-.
jfk do at o dia 4.do orrente o va-
par ayijwrtr, wiuwruudaBW Aw-
tonio Marcelino de Pontes Rjbei-
ro, o qoal depois da demora do
costume egura' para os ponos do sul.
Desde j recebem-se passageirose engaja-sea
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas edinheiro a reie atj dia da sabida as
2 horas: agencia, rna d* Crof n. 1, escripterio
de Antonio Luiz de Oliveira Axeredo & C.
tente, tal qual sea ha.
Hoje 1 de abril a 1 hora em ponto no armazem
do barao do Livramento caes do Apollo.
O agente Pinto fara' leilo a" requenmente do
consignatario do brigue inglez Rebe of the Exe,
com licencado inspector da alfandega ern presen-
ta de ura empregado da mesma reparticao, com
assislencia do cnsul de S., M. Britannica^ e por
cunta e risco de quem periencer, do casco *do re-
ferido brigue e o resto da carga tal qnal se aeha
nes arrecifes da ilha de Itamarac', onde enca-
Ihou por forca maior, a urna hora em*ponto do dia
cima dito, no armazem do baro do Livramento
caes do Ap9llo,.onde haver a* leilo de fazendas.
Leil ile dividas
Segunda feira 3 de abril.
O agente Pintj far leilo a requerimento do?
administradores da massa fallida de Guimaraes &
Irmao e por mndalo do Illra. Sr. Dr. juiz espe-
cial do cora mercio, das dividas activas da mesma
massa na importancia de 13:312^660 rs., isto as
10 1|1 horas do dia cima dito em seu escriotorio
a ra da Cruz n. 38.
Atteiico.
Leilo de urna escrava.
Segaida-feira 3 de abril. ,
O agente Pinto cumpriado o despacho do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do eomaKrcio- eiarado na
peticao de Jos Gabriel Pereira de Lima, vender'
em leilo do dia cima dito a eserata Alejandri-
na perteucente ao orpno Domingos Gabriel Pe-
reira de Lima, e existente no deposito geral, as
11 horas do da Indicado era seu escriptorio ra
da Croa b. 36.
Leilaoda casa terrea n. 12 da ra do Moo-
deg.i freguezia da Boa Vista.
Segnnda-felra 3 de abril.
O agente Pinte fara' leilo a requerimento de
Domingos da Silva Ferreira Jnior e mais herdei-
ros de tinada Miguel Arcoanjo Fernaudes Vlanna.
e por mandado ilo Ilim. Sr. De juiz de orptiaos
da casa terrea da ra de Moadego n. 1-2, servindo
de base a quantia de 2:000J, as 10 horas do dia
supraditeem seu escriptorio a roa da Cruz n. 38.
as. a i*

LEILES.
te da provincia, de confermidade como speita
Recife, 10 de marco de 1865'.Trislao.de Alen- no 7 doart. 8* *o eomptomisa Os prelMden-
tar Araripe. tes devera corapareotr acompanhades de leuslla-
mais se nSo continba em dita sentenga aqoMaree, w manidas de comas destee. m
< -9iada,por|prca daoaal VeM^4ffiaiMi Clauaulas especiaos.
passar o presente Mita?, pera qoli 'WiamrrcTtore 1" Fazer no praso de tres mezes, contados lia
bei por ciados os referidos suppfttado?, paratjQS dia em que pwaeipiar a -vigorar o-comraio, e sem
romparecam nesle juizo dentro do tadlcado nraro, dispendio algam des eofrsd* Santa Ca.a, as se-
afim de allegarem o que fr de jasHea. x amates obratt coBena aova.-lertmar a frentes,
E para qae chegoe ao epnhecfraeftto de IoIo, nto de diante como de detraz, avtm'caado'eBta
LeiiSo de fazendas avariadas a saber :
Madapoloes, algodSes, brins, chitas, cortes de la
' a cobertores de algedao.
Hoje 1' de abril as 9 1[2 horas em ponte.
O agente Pinto Fara' leilo a reqaermenlo dos
consignatarios do brigue inglez Hebu of tbe Exe
com cenla do inspector da alfandega era presea-
ea dos empregados da nusma repartivao p*ra o
fim Borneados, cam assisteacia da cnsul de S. M.
Briuuuica e por coala e risco de quera perteucer
das fazendas cima men:toaads parte dos salva*
dos do referido brigue. exisleates, no armazem al-
fandegado do baro do Livrauento no caes do
Apollo onde se etectaaraVo-lailo as 9 i|2 horas
do diasupradlte. 5,- H *
Leilo das salvados" Wtgue iugjti

H%b* ef the xf.
HOJE
Sabbado 1 da abril continuar o leiliio das fa-
zendas salvadas do referido brigue e existentes no
armazem do bario da Livramento dtej doApoUa.
Le 15o de urna casa terrea.
Segnnda-feira 3 de abril.
O geme Piato levara' a leilo por mandado do
illlra. Sr. Dr.jaiz de orplios em virtoe do que
1 requereo ilanol Pereira Lima, tutor da menor
r Maria Joarrnfna, a casa terrea n. 19 sita na rna de
' S. Miguel freguezia dos Afogados, as 10 1|2 horas
do dfa aciraa dito era seu eseriptorto ra da
Cruz m 38. '
Ldh^o deescravos de ambos os sexos
Terca feira \ de abril.
O agente Pestaa legalraente autorisado ven-
der', varrela, aagoawia perfeitamente e cosinha bsm o
diario de nota casa, urna outra cora as mesmas
habilidades, o geravo Antonio de 20annos e mais
2 negfm para todo o sorvico os quaes serio ven-
didos4wi5a.8ira4deabrM'as H horas da ma-
nha no largo do Corpo Samo.
atom Brraios.
Hoje por todo o dia estaro era exposicao na ra
Nova os retratos de Aguirre, Lopes, Barrios e ou-
tros despotas do Uruguay e Paraguay.
Na ra do Imperador n. 46, primeiro andar,
preeisa-se de urna ama para cozinltar, que seja
iirnpa e de l.ons costamos.
jectos que so com a vista pndTaoser mostrados.
Joan Pedro tr$ Neves,
Gerente.
a*"j Joo da Silva Ramos, medico pete ni-
M versdade de Coimbra, d consultas em
I sua casa das 9 s 11 horas da manira, e
fdas 4 s 6 da tarde. Visita os dhentes
em suas casas regularmente as horas
para iss designadas, salvo os case ur-
| gentes, que sero soccorridos em qoal-
Si quer ocesio. D consultas aos pobn?s
35 (|iie o procurarem no hospital Pedro II,
f aonde encontrado diariamente das 6
i s 8 horas da manha.
Tem sua casa de saude recularmeri^e
fj montada para receber qualquer doentv,
ffi anda mesmo os alienados, para o qvw
X3 tem commodos apropriados c nella prac-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3000 diarios.
Segunda dita.... 23500
Terceira dita.... 2g000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servaos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nuo a merecer a conSanga de que sem-
pre tem gozado.
i
Na pra-ja da Independencia n.
urna ama de leite.
1
33
precisa-se de-
Precisa-se de 15:000* a premio sobre hvpo-
theca : quem, pois, quizar fazer esse negocio,' di-
nja-se ao eseriptorio do Dr. Angelo que dir quem
faz a hypotheca. ______
- Qnem tiver e quizer veuder um moleque ou-
mulatinho de 10 a l annis, dnja-se a ra do Ira-
perador u. 45, que acitara com quem tratar.
Aluga-se urna preta escrava para lodo ser-
vico de casa, saliendo bem engommar, eozinlur
lavar : quem pretender drija-se a ra da Matriz
da Boa-Vista n. 54.
Precisa-se de 6003, dase urna negra e urna
easa em hypotheca : effertas sobre letras J. S. re-
cebe esta typographia.
Precisa-se de urna ama para lavar, engom-
mar, coziohar e comprar : no liecco da Padre nu-
mero 14.
Manoel de Oliveira Cunha, subdito
guez, retira-se para o Rio de Janeiro.
portu-
Na ra Direita n. 78, refiuacao, precisase de
urna ama que eoziuhe para hornera soiteiro.
4TTEN(A0
AO
NOVO AL1AZEM DE MOLHADOS
X. 18 Ra do Cabug*n. 18,
Defronle da matriz de Santo Antonio,
DE
Lima v C.
Osproprietarios deste novo estabaleciraento avisa ao respeitavel publico, que adia-
se prvido de um completo sortiment de molhados e seceos, todos novos e por precos
commodos
Os propietarios nunca quizeram annunciar pelo jornal a existencia de sea estabe-
lecimeato ; porm, como faz-se necessaria a noticia aos senhores de engenlio e agrieul-
totes.que mandara seos portadores directos a esta on aquella casa, motivo pelo qual os
propietarios o fazem agora.
Aproveitam a occasio para declarar aos Srs. consumidores, que sea estabeleci-
mento se achara sempre completo de um variado sortimento de molbados. seceos e ou-
tros objectos pertencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos ser5o menos 5 por cento do que em outra qualquer parte, e para
este fim chama-se a attencSo de todos em geral.
Os pesos e medidas, e qualquer engao dado lia casa, sero garantidos pelo dono
em favor do consumidor, em qualquer occasio que reclamar.
Os proprietarios deste novo estabelecimento esperam dos seus freguezes, e do
publico em geral toda a protecc5o, prometiendo os proprietarios da Flor dos Progr^s-
tu tirar to smente um lucro razoavel do laborioso trabalho, com que possam dar
camprimeoto a esta ardua misso.
Achando desnecessaria a publicaco dos precos minuciosamente explicados de
seas gneros, com o que geralmente todos fogem,. pelo motivo nao somente de ser enfa-
donho, como tambera por nada valer, os proprietarios tem smente em vista entreter as
seus consumidores com gneros novos, e precos mais razoaveis do qae em outra qual-
quer parte, pois serao as garantas para a proteceb ao Novo Armazem de MoUiados.
FLOR DOS PROGRESSOSjr ff J
: .


Instituto Arcieoloijico e Geographieo Pernam-
.bucan.
No dia 1' de abril prximo futuro toma posse
tuosa niesi aUminsirativa, eieita em 15 de feve-
riro uitiafe.- sio portatlto convidados todos os
aumbros do Instituto que actualmente se aeham
ao Recife a e.utuparecer a' sesso deste dia, que
era' abena as 11 horas da manha, e nella lera'
je disonir-se o ornamento do anno social de 1865
-a ISSG, em conformidad do que dlspoo o art. 27
dos respectivos extalutos.
Secretaria do instituto, 30 de margo de 1865.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
-rT9lin*a.*dHik>ero a. juros em pequea qaan--
Has u na rm do Livxamedto loja n. 3o.
Pranallco Jos Fernandes Pires retra-se pa-
ra Portngal a tratar de sua. saude, levando
ana companbia sua sanfion e 7 tlho?.
em
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
ATORISiDA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 185fi
DnafiititeBdiihtirf^eaMilatMB cofres do .estadt garante a boa ad
mfsfrafao a ferapaariia. ?
BASQUElROS DA COMPASBIA I DIREGCA GBBAL
O Banco de Hespaiha | Madi id : Ra el, yMd- aaa
Esta companhia liga pela systeraa mutuo todas as couxljinacoes de supervivencia, dos segura-
sobre a vida. ,_ *
Nella podo se tazer a subsctipiode maneira qu em oenaumeaso-mesrae por msrte do al-
garada se perca o capital nen\os juros correspondente
Sao to supreheodenlesos resultados que produ:
NAL,que anda mesmo dirainuindo urna torga pan
gocs ecombnande-o-rom a mortalidade da 'abolla de
para seus clculos e liquidaeles, em segurados de i
de 1004 iroduxera e(lectivo metlico:
No Qm de 5 annos.
" til
de 15 1 .
da 20 .
de 25
:no ?

a estes.
m as sociedades da-ind.de rte A%'ACI
do wefesse produzEdo em receesliqoid
'epareeux 'que e adoptada ;-ia eomcniihla
e de 3 a 19 anuas, ama imporsicioanru 1
1:1196300
AtWftilftft
30:256^000
d 3 a
as idades menores da 3 aonos-e maiores de 30, os productos soTnjtsCv^deraveis.
Prospect e mais intorraaQSes serio prestadas pelo so*-direcwr nf sta provieci.
mo JoaqnimFioz *e OliveVra, rnadaCadeia n. W,eo a Baa>Vita> reada Imperatrii o. 18,elslel
cimento dos Srs. RaytBugda,Caha9, lei 4 IrmbJ
",
*


=?-
I

tarto d FewpOHieo .-- **W"* A .He Abril de iSW.
K-
i
GASA DA FORTUNA
Aos 10:000^000.
iillhetes garantidos.
A' RA DO CllKSPO N. T E CASAS DO COSTUMB.
O abaixo assignado vendeu dos seos rauito feli-
zesbihetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneflcio da mairii de s Jos do
Recite, os seguintes premios : n/w\sruv
Doqs quartos n. 2*39 com a orle -000*000.
Ummeio o. 2505 cora a sor te de 1:<0*000.
E outras muitas sortes de 100*. 40$, 20* e
iOaOOO. .
Os possuidores podera vir receber seas respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2" parte da i* lotera
beneflcio das obras da igreja de N. S. do Am-
paro de Goianna, que se extrahir no dia 8 de
abril- PREQO.
fiilhetes.....12*000
Meios......6*000
Quartos.....3*000
Para ai pessoas que compraren te 1000000
para cia.
Bilhetes.....11*000
Meios......**50
Quartos.....2*0
Manoel Mabtihs Fiuza.
todo
ritOIH 1 TON ADMIRA VEIS
DO
ENSIGNE CHIMICO
X
hl
MUDANCA
DO
RIO DE JANEIRO.
Um
Duzia.
Precisa-se alogar orna escrava para
servico de ama casa de familia : na roa das Cra-
zes n. 9, segundo andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia, que coziohe e faga compras : na ra da
Cadea do Recife n. 38, primeiro andar.________
Aluga-se urna casa com duas salas e tres
quartos grandes, coznba fra, cacimba, e um pe-
queo quintal e porto, na ra da Conquista, na
Soledade : a tratar na ra da Cadeia do Recife
n. 3, ou na raa da Esperanea n. 85.___________
Precisa-se alugar dous escravos: a tratar na
ra do Brum, fabrica de sabio.
Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisido. pelo
Banco Mercantil Portuense, e na ausen- a^
cia do Sr. Joaqufm da Silva Castro, saca /tjg
effeclivameute por lodos os paquetes so- va*
bre as pracas de Lisboa e Porto, e mais SSS
lugares do reino, por qualquer somma a fe
visU e a prazo; podendo, os que tomarem g
saques aprazo, receberem &vista,no mes- 3
mo Banco, descontando 4 0(0 ao anno :
na loja de chapeos da ra do Crespo n. 6, g*
ou na ra do Imperador n. 63, segundo 55
andar.Jos Joaquim da Costa Maia. g
mmmmmm wmm mmmm
IrniandatJe das almas da matris da
Rea-Vista.
Por autorisaco do irmo juiz convido a todos os
nossos irraaos afim de eomparcerem no consisto-
rio da mesma irmandade domingo 2 de abril, pelas
2 l|2 horas da tarde, afim de encorporados, acom-
panharmos a procissao do Senhor Bom Jess da
Cruz qne tem de sahlr da igreja do Rosario, para
a qual fomos convidados.O escrivao,
Silva Jnior.
Tinturara
Na ra Direitan. 116 continua-se a tingirpara
qualquer cor, e o mais barato possivel.
A tugase
umacasaacab.ida agora, com commodospara fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para feilore
escravos.com banho na porta, no lugar do Poco
daPaaella.roado Rio: a tratar com Tassoir-
maos.na ra do Aroonm n. 35.______
Aluga se a casa terrea da ra daiMangabeira
n. 1, a qual lera grandes commodo?, o sobrado de
um andar e loja da ra de Santo Amaro n. 16, e
o terceiro e quarto andar do sobrado da ra do
Brum n. 70 : a tratar na ra larga do Rosario n.
34, botica.________ ________
Precisa-se de
Florentina n. 18.
am cosiaheiro i na raa da
Precisa-se de urna ama forra oa escrava: na
ra do Imperador n. 27._____________
Um rapa brasiJeiro com pratica de caixei-
ro offerece-se para ser empregado em loja de fa-
zendas, escriptorio ou outro qualquer estabelecl-
monto, dando fiador a sua conducta : qnem pre-
cisar procure na fabrica da travessa do Carioca n.
2, caes do Ramos, ou annuncie sua morada para
ser procurado. ________________
Precisa-se
casa e comprar
de urna ama para o servico de
aa ra Augusta d J._________
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
ra da Senzala Nova n. 42 : a tratar no armazem
do mesmo.__________________________
~ Saca-se sobre Lisboa, Porto e Rio de Janeiro
no escriptorio de Carvalbo & Nogueira, ra de
Apollo n. 20.____________________ _
Aluga-se o sitio das Maogabeiras na cidde
de Olinda, ra do Bom-successo, junto a ladeira
do Monte : a tratar na ra Direita n. 69.
Estola particular.
Clara Olympia de Luna Freir, professora parti-
cular de inslrucco primaria, competentemente au-
torisada pela directora da instrurcao publica,
abri sua aula na ra Direitan. 60, segundo andar-
AMA.
Precisa-se de urna ama para servico iote-no de
urna casa que seja boa cosinheira e que possa fa-
zer assistencia na mesma casa, dando infrmales
de seu comportamento : podera' se dirigir a ra
Novan. 20, que achara' com qnem tratar.
DrT Prxedes Gomes de Souza Pitanza de-
clara qae nada deve a pessoa alguma, mais ee al-
guem se julgar seu credor pede apresentar suas
contis para ser pago immedutamente, certo de
que seus procuradores nao pagarlo copla alguraa
em sua ausencia.
Pede-se a moradora de um 1* andar da ra
Direiu cojo quintal une com os das catas do pateo
de5 Pedro, qae baja de por moldacas as suas f-
mulas, porquanlo o cbuvoro de palavradas lauca-
das larde da noite das janellas do quintal cons-
tante, sem ao menos respetar as pessoas da visi-
nhanca que apparecem para observarem d'oude
parte tanto escndalo. ______________.
4O30OO
10500 12*000
2^000 180000
30000 240OGO
500
10000 9,5000
3*000 34*000
30000 24(5000
1,mO 90000
Chumbador iehl.
ou esmalte branco inalteravel, sem cheiro i*m sabor da mais
simples applicacSo para chumbar os (lentes por si mesmo, ins-
tantneamente, sem chumbo nem dor, meio prompto e perfeila-
mente ellicaz. 0 chumbador Iehl torna-se na bocea bYanco co-
mo os proprios dentes: acompanha urna guia...... 5*000
Cimento chlnez
para concertar com a maior perfeicao iouca, porcellana, crystaes,
vidros? marmore e qualquer objecte precioso ,'...*..
Cimento de gutta percha
especialmente preparado para chumbar os dentes cariados. Acom-
panha urna guia ...... .... .
osmcdco Indiano epilatorio
para destruir quasi instantneamente os cabellos de qualquer par-
le do corpo, sem dor e sem alterar a pelle. Ac. urna guia. .
Elexlr edontalgico vegetal
para curar instantneamente as dores dos dentes mais rebeldes, e
que tambera proprio para a conservado dos mesmos, o en-
durecimento das gengivas e a suavidado da bocea. Acompanha
urna guia.................. 2*000
Eacrlvore
para tirar a tinta do papel e limpar as pennas de ac. .yr. .
ilelstcin
pedra austraca para curar os tumores, inchacoes e feridas prove-
nientes de rcadura de coleira, sellim, cangalha e ou tros arreios
dos burros e cavallos; adoptado as estribaras imperiaes da
Austria desde o anno de 1741. Alanca-se que nao preciso
mais de 24 horas paca que a chaga esteja cicatrisada, e que nao
exista mais inchacao. Acompanha urna guia.......
Urnas cuiniicas
extracto dos callos e cura garantida sem dor nem perigo, em 30
minutos pelas afamadas limas chinacas de Pedro Mourth.
Acompanha urna guia. O par...........
nassa dentarla Samakol
esta mas a, pouce tempo depois de sua inlroducco na cavidade
dentaria, adquire urna dureza consideravel e nao atacada por
nenhuma das substancias alimenticias ou dentiticias. Acompa-
nha urna guia..............._.
Massa lustrosa
para limpar c abrilhantar instantneamente os trastes, pianos, ar-
macoes de loja, grades e corrimoes de escada. tirar o sujo das
moscas, Jicando envernisados tomo novos. Ac. urna guia .
Papel ehelroso
inflammavel, queimando sem bulla, para perfumar casas e quar-
tos, produzir sensaces agradaveis e desinfectar o ar dos dentes:
Carteiras. .
dem.....
dem.....
pomada Rondeslcus
contra piolhos e tendeas; afiancada sem mercurio.....
pos de prata
para pratear instantneamente o cobre, o latao, o bronze, etc., e
reparar os objectos antigos prateados, como faqueiros, salvas,
casticaes, apparelhos de cha e outros objectos semelhantes, af-
flancados sem mercurio, para uso dos joalheiros, relojoeiros,
pticos, negociantes de ferragens, curiosos e casas de familia:
Vidros de 2 oitavas. .
dem le urna onca. .
pos para limpar a prata lavrada
s5o afancados infalliveis. Acompanha urna guia, vidro ....
pos purgativos
para curar e prevenir as molestias dos caes. Acomp. urna guia:
Carteira. .
dem .
Safoo oriental
para tirar todas as nodoas simples ou compostas sem alterar os
tecidos como sejam: nodoas de vinho, licores, caf, frutas,
gordura, e limpar as golas e paramentos dos vestidos civis e mi-
' litares. Acompanha urna guia.......... .
Tinta Azul Indelevel para marear a roupa
azul no escrever, e em 24 horas na sombra ou menos de una
hora no sol, torna-se preta e nunca mais sahe do panno as la-
vagens. E' preciso escrever sobre panno encorpado ou eDgom-
mado. Aflianca-se que nao ha melhor na corte em qualidade,
Vidro de tres oncas .
dem de urna onca. .
Tinta enea nada indelevel superfina
para marcar a roupa, em vidros de meia onca......
Ungento Iehl
remedio maravilhoso o melhor at heje conhecido contra feridas
novas e antigs, ulserosas e saniosas, fistulas, frieiras, hemor-
roidas, lucencas, mordeduras, muas, panariebs, queimaduras,
reumatismos, supuraces putredas, cabecas de prego, abeessos
no seio das senhoras, tumores e ulceras em qualquer parte:
Rolos. .
dem. .
nico deposito eni Pernambco em grosso e a retalho
EM CASA DE MANO EL & C.
RIJA DO CAB1TGA 8
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22, em casa de Caros & Barbosa.
JOREZ
Fundidor e torneiro em metaes.
que morava na ra da Imperalrz emeasa do marcinciro Poirier n. lio, pre
"V'iae ao respeitavet publico c a todos os seas fregaezes em particular, que
mudo sua officioa para a iui da matriz da Boa-Vista' n. 36, onde se acha
prompto para fazer o qne compele a sua arte de fundidor e macbinista.
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, eirurgiao dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
18#000 fiss3o, advertindo que trouxe um immenso sortimento de dentaduras, artificiaes; caout-
chou galvanisado, ouro, platina, raassas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
4^000 instrumentos novo, ferramenta moderna, cadeirade operaces, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes de Paris, Londres, e New-York, e por isso estando mais que nunca
| no caso deservir do modo o mais sStisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh at ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando notiverdeir em casas particulares.
A PREVIDENTE
S0EDADE PORTlf.CEZ.4 DE SEGUROS MUTUOS SOBItE A VIDA
FUNDADA E ADMINISTRADA
PELO
BANCO ALLIANCA
Autorizada por decreto de 99 de julho de 1864.
INSCRIPGES COMPRADAS
164:7304000
300
14000
looe
2^000 200000
14500
340(0
500 44000
CAPITAL SUBSCRIETO I SUBSCRIPCOES |
5i3:778500 | 1,293 |
O seguro mutuo sobre a vida am dos meios que mais contribue para se adqairerem hbitos
de economa e de moralidade, e o camlnho mais fcil e seguro para ebegar fortuna ; por isso
i aaa 1ue t0<, Pie 1ae <'eseJ*r prevenir o fataro de seus flliws deve, podenao. fazer-lbes inscrever os
4>UUU Seus nomes na sociedadePREVIDEXTE, porque, como o tempo pana depressa, dentro em vinte
74000 e cinco anuos, e com ama pequea quautia que todos os aunos fr applicando, alcancar urna forlu
IO4OOO na parasi, ou um dote para seus llhos, que por ncuhuma outra forma, e cora to pequeo desem-
bolso, lirado do fructo das suas economas, podara obter.
Vantagens que Merece esta sociedade sobre as dentis.
1.a Urna garanta de qnatro mil ceios de res capital do Banco Alliancar que, na conformida
de do art. 61 dos estatutos desta sociedade, responsavel para com os seas associados pelos actos <
boa administradlo da sua direccao e da dos demais empregados e representantes.
2.' Poder o subscriptor, do primeiro quinquieonio em diante, fazer as liquidares annuacs.
3. Ter o subscriptor a liberdade deescolher a maneira de pagar osdireitos de admini tracao
qae sao 4 por cento pagos no acto da snbscripcao, Bcando sujeito dedcelo de 1 por cento por oc-
caslSo da lqoidaco, ou 5 por cento pagos no acto da subscripeo, sem flear sujeito a dedaeco al
! goma.
i 24OOO! 4.a Receber o subscriptor, gratis, de tres em tres mezes, o bataneo e contas da sociedade, fl-
28-iOOO cado assim sempre ao alcanee do sen movimento e estado.
5.a A regulandade com que esta sociedade se acha organisada, com pessoas aptas e habilitadas
' para este ramo de operaces, ja com pratica de alguns annos em eompanhias hespanholas.
500
14OOO
44OOO
74000
Porto 14 de feverelro de 1865.
O agente promotor e lecebedor,
Jos Antonio Pinto da Rocha.
300 44000
14000
500
24000
740OO
44000
44000
24OOO
AMA'
Precisa-se de ama ama que compre e cozinhe,
para casa de muito pouca familia: na ra impe-
rial n. 36.
>*)-' 1 '
P*r
Lirramento nu
Ama
Preciea-se de ama ana forra ou
comprar e coaiahar : as ra- do
mero 14. ______ .
Preeita-sa 4e urna anta ara todo servico de
urna casa : na roa da Concordia n. 65. 1
"^"Precsa-*e de am caixeiro para Uberna, de
14 a 16 anoos, qae seja portofuei : n*. ru* Ao-
pista n.76. ,_________________
Mauricio Francisco Ferreira da ilracon-
prou de conta de Prancisc de Salles Araujo am
meio bilbete n. 541 da > parte da Ia lotera para
as obras da igreja de N. 8. do,Amparo de Goianna
1 11
jjg Companbia fiddidade de seguros
mariiiraos e terrestres
establecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PBUSAMUUCO
_m Aulonifl Laiz de Oliveifa Azevedo & C,
W competentemente antorlsados peta dlrec-
w toria da. cumpanhia de segaros Fidelida-
de, toraam seguros de navios, mercado-
5 rias e predios no seo escriptorio ra da
Gru n. 1.
Salitre
m roa do Queimado n. 37, leja de ferragens, de
Domingos Jos. Ferreira GulmarSes, vende-se sali-
tre reinado por 251 a barrica de 4 arrobas, ou a
6f 400 a arroba so a dinheiroj_______________
AOS PAES DE FAMILIA.
Ditcil tarefa ad'aquelle qne tem de propagar as doutrinas econmicas e sociaes.
bem'aabido que quasi todos nos tendemos para poucoou nada curar do futuro, e que so
olhamos para o presente. ^ -
Quants ha ah que gastam em um so dia, em extravagancias oa em laxo, aquillo de que tan-
to carecenam para o dia segoinle 11
E quantos outros ha tambem que, arrasUdos pelo vicio do jogo, julgando fazer fortuna em
pouco tempo, perdemem alguns minutos nao s a sua honra e fortuna, mas tambem 0 pao de sua
esposa e de seus innocentes fuinos 11
Tambem moitos ha, que embebidos na doce esperanza de apparecerem ricos de um dia para o
outro, jogam cuotidianamente na lotera quantias que, reunidas no tim do anno e convenientemente
applicadas, nao de um dia para o outro, mas no lim de algn- annos, com bem mais probabilidade e
seguranca Ibes proporcionaran!, um grande capital, ao qual bem poderiam chamaro grande pre-
mio de lotera I
Ja que nos coubea honra de sermos o escolhdo para o cargo de agente daPREVIDENTE
I tambem nos cabe a obrgacao de di Hundir e espalbar por toda a parte o conhecimento das vantagens
, 0 .,A/U. I de urna das mais uteis e mais moralisadoras de todas as nstiluic5es econmicas que boje se co-
ISflOO nhecetn. .
Alguns d'aqaelles que a nao esludam nem comprehendem dizem : i instituicao e boa, mas e
para quem tem multo dinheiro.Outros dizem tambem :para quem a iu tituicao boa para quem
tem lilhos e os segura logo depois de nascidos e baptisados.t outros clamam : Nos j temos urna
fortuna e nao precisamos de mais.
Ora digam-nos: as vantagens nao estaoem relacocom as quaolas desembolsadas" jvao se
pode julgar tao feliz aquello que nao pudendo pagar mais do que i& por anno, no Um de 25 annos
obtem 1:00, cerno aquello que pode despender 400 e tem 100:000f ?
Por que um individuo solteiro e nao tem albos, mas tem 40 annos de idade, nao Ihe vale a
pena, podendo, de arriscar 503 por anno, para pasear urna velhice socegada e com meios, quando
mesms nao tenha no fim dos 25 annos mais do que o resultado da sua subscripeo ?! .
E aquel les que com ufana dizem : Temos urna fortuna e nao precisamos de mais-nao terao
vistocahir por trra, n'um momento, individuos millionaros, qae tem licado reduzidos a miseria? E
; se elles com a fortuna collossal que possniam tivessera posto de parte urna quantia para occorrer as
eventualidades que podessem acontecer-ihes, depositando-a em ama sociedade de seguros mutuos so-
' bre a vida, nao teriam o sea futuro acautelado ?
Tratemos, poi?, cada am de nos segundo as uossas cirenmstancias, de separar alguma quantia
I do fracto das nossas economas para ir deposita-la naPREVIDENTEporque nenhum outro mea-
I Iheiro encontrareme mais seguro e productivo. Os que assim fizerem, mais tarde bem dirao a hora
I em que all inscreveram os seus nomes, porque os annos succedem-se uns aos outros com a rapidez
I do raio, e em breve nos acharemos no flm d aquelle prazo, que tao longe nos pareca, sensores de
ama fortuna que por nenhuma outra forma e com to pequeo desembolso, poderiamos obter.
Eia pois, pas de familia, correi a inscrever o wosso nome naPREVIDENTE, subscrevendo
por vossos fllhos; roa* tende em cousideraco que assim como nao deveis obrigar-vos por quantias que
; vos seja difflcil pagar, assim tambem, poiendo, nao deveis sub-crever com pequeas quantias, porque
! nao tirareis Umanho proveito da iempo^^Jejnpojm^_P^s_Daoj[ojU1_^__^_-i^i
5USU0Q amuaiaenle psdeiu prodmir.
AMA.
Preclsa.se de urna ama que saiba coiinhar e
engommar, para casa de. familia : a tratar noPas-
stlo publico n. 5,_______
Eogomma-se com perfeleo, aceio e preeo
commodo : na travessa da ra Bella n. 7.
Aluga-se urna grande casa na Matriz da Var-
zea, sita na raa do Fogo, com 2 quartos para qual-
quer estabeleclmento, sitio com varios arvoredos e
cacimba ; ao p urna mais pequea, tambem se
vende : quem pretender dirija-se ao pateo do Car-
mo, sobrado que bota a frente para a ra de Hor-
tas n. 2, primeiro aidar.
Lavase e engomma-se roupa de homem com
promptidao, e encrespam-se vestidos e camisinhas
de senbora : na roa da Imperalrz n. ii, primei-
ro andar.
Precisa-se de urna ama que saiba engommar:
na ra da l'alrna n. 41, sobrado.
O abaixo assignado, socio gerente da firma
social de Francisco Alves de Souza Carvalho 4 Fi-
Iho, na capital da Parahiba, declara para conheci-
mento de quem convier, que de ai-L'ordo com o
sea socio de industria, Dr. Antonio de Souza Car-
valho, tem resolvido dissolver a sociedade em con-
sequencia de querer este estabelecer-se por si ;
continuando os negocios da casa comtrercial do
abaixo assignade a gyrar do 1* de abril em dame
sob a firma de Francisco Alves de Souza Carvalho,
e qual se obnga por todas as transacces bavidas
durante a sociedade extincta.
Cidade da Parahiba 27 de marco de 1865. .
__________Francisco Alves de ouza Carvilho..
Na fabrica de charutos e cigarros da ra de
lionas d. 1, precisa-se de um menino para caixci-
ro de 12 a 14 anno?.__________________
Traspassa se a chave de duas casas no Ca-
chang por 50J por seis mezes, a lindar em 30 de
setembro do corrente anno : a tratar oa ra da-
Cadeia n. 27._____________________________
Precisa-se alugar urna ama que silba eos 1-
nhar e para comprar, assim como outra qqe saiba
bem engommar e coser para urna casa de duas
pessoas: a trarar na ra da Imperatriz n. 34, pri-
meiro andar.
A ttenga
Ensina-se a lngoa franceza em tres mezes, por
um novo systeraa, e com mais facilidade de traba-
Iho e estudo do que por todos os melhodos em uso
at hoje : quem pretender maiores informales,
dirija-se a typographia econmica, roa do Crespo.
Aluga-se um grande silio com sufficieocia
para ter 8 vaccas de leite, 2 baixas para planta de
capim, casa com commodos para grande familia,
prximo ao Recife, que se pode ir a p, e muitos
arvoredos de fructo : na ra larga do Rosario, loja
n. 32.
Precisa-se de daas amas, urna cozinheira e
entra eng3mmadeira, escrava ou livre : a tratar
na ra das Cruzes o. 22, segundo andar.
Aluga-se urna sala do primeiro andar da casa
da ra do Queimado n. 41 : a tratar na mesma.
304O0O
174000
AMA
Na ruada Cadeia do Beeife a. 50 preeisa-e da
ema ama para coiiahar e compaTr, prsf/srJDdo-se
Dserava.
Veneravel ordem terceira de Xossa
Sihorad#Grmj' .
Deterralnands o art, 10 dos adates estatutos
que seja* replanos estraodos a' orem os novi-
1 aos que failecsrem, tent completadifo asno do no-
Ticfado e mafs sei mzes de avlso*^ $emhav feito as suas prossdes ; e bavendo a mesa rege-
dera deliberado qae o* ditos seis mezes de aviso fe
princfklassem a contar da data do presente para
aqteH rrmio?, que, tendo feito a sua entrada
asaos, alada nao professaram,: assim se taz cons-
tar afim de que jmala possart allegar ignorancia;
sendo aw, fiado esse praws so sarao admiMidos a
proflssaocooi a mulla de 5J009 por cada anno de-
eorrfdo epois delle, como eslabelecido no final
do art. 9 dos mesmos estatutos; sendo-lhes impos-
ta a pena do art. 10 no caso de fallecerem1 sem ha-
verem pnfaseade.
Secretaria da veneravel ordem terceira ao Lar-
me, 24 demarco de 1865.
O secretario,
Jeronym Emiliano de Miranda Castro.
Ama
Precisa-se de ama mulher j de ator Idade e
ue nao tenha a menor pessoa de familia, qaedan-
d provas de sua boa conducta e comportamento,
estoja no caso de administrar ama casa de familia,
e fazer todo o rvico Interno da mesma : quem
estiver lestas creamstancias dirjase a casado
sacristao da Ordem Terceira de S. Francisco na
mesma qoe dir qaem ^ o pretndeme para tratar
do ajuste. _
Approtad* por vaiitu ctitmin <
Mmmiiadu MttKau.
O {< oeeuioRi tu grl >i molestia
ejijui! a esla.iinvo do HP|ue oa certM
partn do carpo, a nlproduiKUpttoirn/ri.
mrnlu e n:uius onlrs ciull, nUo ltclar-M
M Rhrumntisiiwt, Gol, Pu alytt, f"rf ma
iot mimbres, Coustipncif, Etephanliatit o
Punas hchtins, t VHrt* Xerrott. __
O ik .la escota aUOnU^HKI.
TICA Ka luccfkso certopara a cara dt Mn
calas taliM, se recorrer t Mnkanu *Ura
ncdicacia. Ella ten ama farau nai maacjarel
c prodii, a renlade deqaca "ella asa, teot aata
uleis c fcliies reiuludoa. Seomrvgo areuna
aa Molestia cima. Para asaiiinrormacoescaa-
ssjMe-Maaoriaiasraeitiiaitaami
m Ofcauz.
Por um menino de 1 da al anno. .
, > de 1 ando a 2 anoos.
: : t li ti !;
, > de 4 a 15
* ama pessoa de 15 a 20
V de 20 a 30
> > de 90 a 40 >
, de 40 a 50 .
Em 5 an- Em 10 an
nos.
350X000
450*000
430*000
430*000
4301000
430*000
430*000
430*000
450*000
nos.
i000*000
1:500*000
1:450*000
1:400*000
1:350*000
1:330*000
1:330*000
1:330*000
1:5001000
Em 15 an
nos.
4:500*000
3.738*030
3:600*000
3:550*000
3:500*000
3:500*000
3:530*00
3:000*000
3:750*000
Em 20 an
nos.
10:000*000
8:500*000
8:000*000
7:75' 5000
7:700*000
7:800*000
8:000*000
9:000*000
Em 23 as-
nos.
23:500*000
18:500*000
17:500*000
7:800*000 17 000*000
16:650*000
16:630*000
17:000*000
18:300*000
25:- 00*080
A!^TsmpTon!gas por urna s vez produzem uiio nurtHorea resultados, porque podem
dar nns 25 por cento mais do que o clenle apresenttdo na tabella aatenor porem sao mu raros os
que e acham habilitados para de urna s* vez pagarem ama sabscrijo forte, entretanto que subdivi-
dindo-a em annuaidados fcilmente o podem lazer, e a maneira mais suave de se adquirir um
grande capital com pequ-no desembolso._______________________^______________
AMA
Precisa-se de ama mulher de meia idade qne
saiba cozinhar com perfeicao e limpeza, e fazer t>
I do o oais servico de urna casa, sendo fiel e dando
Sanca de saa boa onsueta, para tomar conta da
casado um homei sdlteira: ia raa da Impera-
triz n. 6, terceiro andar, se dir qaem pretende.
, Vende-se Da ra do
franceza n. 38.
Imperador botica
O London & Brazillan Bank, saca por doos
os paquets,sobre
Lisboa.
Perto.
Braga.
Vianna.
Guimares.'
Villa Real.
Coimbra.
Amarante. ______
Aluga-te am sitio cercado, coa slgamas ar
vores de fructo, poco d'agaa doce, um tefSeiro que
serve de estribarla, casa de pedra e ca, pintada de
- Preclsa-se de um cain^ PfXJueao e que
leaba pratica de taberna e de c^becimepto i sua i novo, na estrada Nova, perto do sitio da vlf va vil'
cooducu : na roa da Praia n. 61 /Jasecra, com q\ttb pedo entendar-se.
Testamentos.
Acabam de sabir luz os da hyena e do
gallo, estSo venda, juntamente com os ou-
tros j annuciados, ao preco de 160 ris ca-
da um : na ruado Imperador n. 15,enca-
derfiacjk) deronle do convento de 8. Fran-
cisco. _______ _
Na olBcioa de encaderaa^o da ra do
Criado ou criada
Precisa-se de ama pessoa livre oa escrava para
o servico de tuna casa de familia: a tratar ia ra Imperador n. 15 afronte de S r rancisco,
do Imperador n. 17, primeiro aadar, defronte da precisa-ie de dous OU tres mocos que quei-
igreja de S. Francisco, das 11 horas da manhaa as ram aprehender a arte) uma Tez qQe sejam
3 d* urde- moraJsados.
Alagam se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e arelado?,
com jardim, cocheira, estribarla e ootras commo-
didades, na travessa de Joao Fernandez Vteira :
a tratar na raa da Senzala Nova n. 41
Na roa do Mondego olaria n. 13. existe ama
carta para ser entregue a Sr. acadmico Anto-
io Jos Lopes Filho, a na mesma ciara pode
entregar a respesta. _
-. Pracisa-M de am eal-ti at a idade de 16
annos : na rns do Rangel o, 8, deposito.
a raa dos Mariyriosn.2, ;pnmero andar,
precisa-se de ama ama com bom leite.
Altenco.
Terca-feira 28 do corrente roez desappareceo
da ra do Crespo osa avallo com os signas se-
guilles : ruco, s tea um ferro do lado direito e
cmaferidana sarneitw : qaem achar queira en-
regar na roa de Caldeireiro n. 42, qne ser gra-
tificado.
"C Precisa-se de dous amassadores de padaria
Sara fra da cidade : a tratar em Olinda con Laiz
os Pinto da Casta.
O. da Cmara, sendo coramissinado
por uma grande fabrica de ornamentos
33! de igreja, em Paris, avisa aos reverendos
%| vigarios e irmandades desta e mais pro-
B vincias, que pode prover-lhes nao s dos
| ditos rticos, romo tambem de ontros
SS queesquer pertencentes ao culto catholi- 2t|
S co. A qualidade e medicidade do pre^o
5 de taes artigos, que sero vendidos aqu W
S/t ao preco da fbrica, offerecem immensa f
2*5 vantagem como se podera apreciar dos K
^M precos fixos em cathalogos que poderle K
s ser procurados na ra da Cruz n. 34, pri- ^
jj| meiro andar. wf
MMM mmwmmmmmm
Consultorio nifdico-tirorgicfl aa raa larga da
Rosario a. 30.
O Dr. Joao Ferreira da Silva regressando a sua
casa, continua em o exercicio de sua prolis.-ao nao
s na parte medica como tambem na cirnrgica.
Aluga-se um sitio na ra do Cabral
da cidade de Olinda com casa terrea, com
cupiar na frente, bota os fundos para a es-
trada e margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cava I lo
e capim para sustenta-lo, arvoredos de fruc-
tos, sem viinho defronte nem pelo fundo,
com ptimos passeios, sala e gabinete na
frente, muito propria para passar a festa e
tambem se alugar por anno: a fallar no Re-
cife, no Recife, na livraria ns. C e 8 da pra-
ca da Independencia e em Olinda na casa
contigua com o capito Antonio Bernardo
Ferreira.
Est para alugar-se uma casa terrea na ra
da Gloria n. 14, am 1 e 2 aadar de um sobrad
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e uma mei agua na estrada de Joao
de Barros, com arvoredos, agua de beber, e por tao
para o becco do Pombal : qaem pretender falle
oa ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhaa at ae meio da.___________
Samuel Power Johnston & Companha
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
rundido de Lew Heer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios di; carro para nm'e dous cavallo?.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para desearocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Antonio Joaquim de Mello, amigo advo-
gado nesta cidade e procurador fiscal da
thesouraria de fazenda, emprego que
servio por mais de 22 annos, continua a
advogar em todos os ramos do civcl o
crime, com proviso do Exm. Sr. conse-
lueiro presidente da relaeao. Na raa do
Imperador n. 14.
Na ra de Santa Rita n. I, precisa-se de uma
ama para o servico de casa e comprar, prefere-se
ser a va.
Na roa da Florentina n. 36, prepara-se co-
mida para fora por commodo preco.
ktten$o.
Jos Joaquim de N'ovaes faz sciente ao respeita-
vel publico e a lodos os sen ores efflciaes do ejer-
cito e da marnha que contina a ter sua casa sor-
tida'de fazendas e roupas feitas, e por medida : no
-argo do Livramento n. 34.
MHHKllBH
bichare! Jos BaplisU Gitirana^l
advoga nos termos do Bonito e Caruar. a
Pode ser procurado na villa do Bonito, 5
ra Direita n. 16, defronte da cadeia.
IK1M
" Fraica e Brasil.
J. Mercicr, alfaiaie fraocez, precisa de boas of-
ficiaes para obras grandes e de boas costureras :
atraz do Corpo Santo a. 27.
O bichare! Alvaro Caramba T. da Sirva
tem sea escripterio de advjcaca a ra
do Imperador n. II, primeiro andar, on-
de pode ser procurado das 10 as d horas.
Em qnalqoer ontra occasiio era encon-
trado na casa de saa residencia a mesma
ra n. 3, junto ao Gabinete PorlUguez.
Precisa-ss saber onde se acha morando, ou
Sossa ser p.-jcurada a Sra. D. Therea Coelho da
ilva, qae moroo na ra de S. Fraociseo n. 54 pa-
ra negocio de sea ioteresse.
/



c
9
Procurailona.
O solicitador Burgos Ponce de Len,
tera seu escriptorio no sobrado do caes
do Ramos, aonde amigamente (oi a ty-
pographia do Roma e eotlegio da Auro-
ra, ahi est elle at as 9 horas da ma-
nhaa e das i horas da tarde eiu diaote,
sendo que das 9 as 4 horas, pode ser en-
contrado as salas das audiencias.
wmimsm.jm'StW S$r5&WM JMMW
Aluga-se a casa terrea n. 105 da ra de San-
ta Rita : na ra da Aurora n. 36.
\
. a?'^?^*?;?^fll*u<* "" *** e Afcrtl de lftft*.
S
Anda contina por alugar o solo do so-
brado n. 62 da ra da Guia, que equivale a ura
terceiro andar por ler 2 janellas de Trente, 2 salas,
6 quartos e urna grande cosinha, o qual acha-se
pintado de novo, e alaga-se barato: a tratar no
primeiro andar com o sea propietario o bacharel
Francisco Luiz Correia de Andrade.
ALMANAK.
Acaba de &ahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto ato 31 sur8s:c^em
de dezembro, e vende se a r
1$; na livraria ns. 6 e6
da praca da Independencia.
c cvico
Ha para vender
Pinito, piha, uais phikt, meilo pinho,
pinlio, na da Frala/Baje, rialYova
de Santa ita a. 17.
78910 e 11 pollegedas de largura
De 10 a 35 pa'mos de comprido, cousa
muito boa e barata, e com todas as gros-
m ra Nova de S
i de Jos F. Coelho.
IGESTtVAsIfflEEBI
nterpretaca das leis.
ron
Crrela Telles.
Na livraria da praca da Independencia ns. 6 e
8 vende se por 25560 a theoria da interpretaro
das leis por Correia Telles._________________
Coke dogaz.
pitch do gaz.
A lea t rao do gaz
Cokc tonelladas rs. .
Pitch .
Aleatorio caada.....
O coke reconhecidarnente o carvao roais econo
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatrao, alm das applicacoes
diversas a que se prestam, como para callafetar
e mbarcaciies, alcatroar madeiras, etc., teem este a
propriedade de preservar do cnplm, formigas, etc.
E entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.
09 ai'inazens i* 42 e 24 do caes 22 de
Nebembro,
Por proco barato, muito barato, e baratis-
simo de mais, pranxes de pinho, de 8 a 11
pollegadas de largura, de 3 a 4 de grossura
com dilTerentes comprimeDtos, (' seriados a
Tontade do comprador. Taboasde 1 polle-
ga de grossura, e 20 de largura, proprias
para mesas de jantar, ou de engommar,
conforme o freguez, e a quantidade que ell
comprar, dar-se-ha 8 mezes de prazo.
Approveitem o ensejo, que nem sempre,
as praias do Rio Grande do Norte, ver-se-
ho abarrotadas de pinho naufragado, para
abastecer o mercado desta cidade com pinho
e muito pinho._____________________
" Vaccina publica.
As possoas que precisaren vaccinarso deverao
comparecer no terreao da alfandega as quintas e
domingos das 8 as 10 horas da manhaa, para apro-
veitar-se a transmissao do fluido de braco a braco
Eu abaixo asignado venho declarar s aute-
ridades competentes, e bem assim aos irmaos mui-
to amados da loja do numero nesta cidade do Re-
cite, que sendo eu proprieta rio e senhur do euge-
nho Mangueira, sito na fr eguezia ds Agua Preta
nesta cidade, deu-se com rainha senhora e rmaa
muito amada Matilde Francisca da Costa Santes, e
seguinte caso, sendo esta senhora convidada para
assistir a ama reuntao de irmaos muito amados,
afim de se organisar como se pode concertar por
meio de enuncias*] eita naquella occasile; em
confianza para com os irmaos, consent que ella
osse assistir a essa reuniao.
Tendoeu a miaa idade reconhecida dentro do
templo e ella, nao objectei duvida alguma, anda
quando nao fossemos reconhecidos se nao para
sermos, julgo-me com odirito de reclamar o met!
direilo. Os que asststiram a essa reunio, levados
por principios bem reprehensiveis usaram a temo- j
risando-a, violentando-a, assignar escriptura de f
venda da nossa propriedade por prego que anda
hoje ignoro ; ella cono senhora amedrontou-se,
cahio na ebia, de forcosamente, assignar-se, deca- j Claudio Dubeux rende os seus es'abelcci-
rando, porm, nesta mesma occasio, que era rasa- mentos de mnibuse carros, montados como esiiio,
da, e que nao podia assignar-se em venda alguma, ou em partes separadas, vista dos eompradoies :
nao obstante ser a isto toreada sem o meu consen- tai todo o npgocio a praso ou a dinheiro, e vende
timento. Pouco lempo depos vira a ser sabedor muito em conta, contanto que realise a venda
deste caso, ao qual me opponho, fazendo o que ora tolal-_________________________________* i
fago,declarando s autoridades competentes para! Vpnrlp e* I
suas deliberacoes serem tomadas a providenciaren]. roWw*w
Julgo ainda de raen dever declarar que assistiram pma porcaodedoce secco e de calda, caj, laran-
quella reunio senhores muito respeitaveis, mas ja. gela egrozella, por prego coramodo : a tratar
sendo rainha senhora levada ao lugar aonde se no largo do Oarmo n. 2, taberna,
passou a escriptura acarara ignorando o que com
ella se passou, mas pooco depois algumas o soube-
ram, depois desta prevenga.) a obrigaram a assig-
nar a escriptura de venda, a qual me opponho
lembrando aos senhores o art. 129, e todos os de
mais do cdigo criminal no caso em que nos acha-1
mos,de prevaricaglo de orga raaior e abuso de con-
fianza j em seren irmaos muito amados, e ella
urna senhora ? I faz-se necessario parar aqu.
Como, senhores, ameacar-se com a peana de
morte a urna senhora, obrigando a a assignar ama
escriptura de venda sera eu ser sabedor, sendo eu
o seu marido, no livre gozo de raeus direilos? sen-
do della e de meus filhos essa propriedade, estan-
do no nosso direito Le Je ainda o direilo da gen-
te, vede o que diz a respeito do proprietario, vede ;
as garantas que as leis nos offerece, e vede qual o
critne desse irrao...
Apresentando-vos a le que forma o pacto funda-
mental sustentado pelo direito divino, levo ao eo-
nhecimento do Sr. ch-fe de polica secreta e de
raats autoridades esta dedarago.
Chegando ao ponto de effectuar essa venda, so '
bem cora pouca vonta le, e nao a effectaando se- i
nao por 20:000,} vista. Recite 20 de fevereiro
de 186.1Tiburcio Valeriano dos Santos._______
Preeisa-se de um criado forro eu escravo : i
a tratar na roa da Madre de Dos n. 36, primeiro'
audar, das 9 as 2 hars da Urde.
Dlarrheaa e m conatl-
paco prodnzldaa
peina elnbaraeoea
d cec I nasas da all-
incnloa.
Instruccoes para o s
das guardas do exercito, exlrahidasB
"lamento de infamara o arrorr rrorr-iHa an s Paslllha' *?** tem pepsina de Was
guiaiueuiu ue niuiiiiai id t accorrmoacas ao man, cmpregSo se com snecesso h j alguns
exercito Drasileiro; Obra que muilo tnvm aiwo pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., em todas as incommodi-
dades em as quaes a digestio difficil, penosa,
imperfecta on mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para cnrl as
OaatraJajM.
Mapppalaa.
Enibaraeaa ajaatrleaa.
A gaatrlte.
Aa affeeeea orRinl-
caa d ralniaco.
Em todas as molestias empregSo-se a minde as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente aspastilhas de Vichy. Esse meio i a
effcaz quando se trate de dispepsias de curta du-
raco, mas o prolongado uso das aguas e pasthas
de Vichy, tcm grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
maneira que lhes arreblhio a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo lempo que se cffeclua a
transformado dos alimentos assimilhando-se
como elles c ajado* taobcm como ellcs a nutricio
5eral. Su accio vivifica o sangue c os rgaos
e tal sorle que, alh as pessoas que sem soffrer as
affeccSes gstricas cima mencionadas sao nica-
mente fracas ou d'um temperamento um pouco
1 e necessitao substancial alimento para for-
aquellas pessoas que se alistam nos orpos
de voluntarios; vende-se na livraria i. G e
8 da praca da Independencia, a ifi.
0 G1STELL0 DE GRASYLLE
Traduzido ,do francez per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello nmrnce tn^quatr
tomos pelo baratissimo prero de 'lCO
a praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
3
O
m
o


DE
drbil
Na rna da Cruz n. 38, em casa de Mills Rat-
teau & C, vende-se:
Cha.
Oleo de linhaca.
Folhas de Flandre.
Silins e silhoes inglezes.
Cerveja Aspinall.
Oiu Bass.
Dita Juhn Jeffres & C.
Um piano com pouco uso.
100000
^^n* li.ficar,se' acha no emprio"daspasliuu' pep-
*UU st'na de Wasntan, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. O successo das pasthas
pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
sficagdes e imtacSes d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparago a pepsina que n'ella caira, jaz
alterada. Seremos ao abrigo a'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pasthas tenhio
as niciaes B. P. e saiio da pharmaciaChevrier.
Depsito geralem Pars, pharmaciaCha)vri*vr,
ti, ranbonrg-Montmartre, e em toda as boas
pharmacias de Franca e do* paixts estrangeiros.
g-pj?
g.ssg-
?5j
2^G

-" 5=3
9 i* a
o
2 B

~


PROPRIO PAR V SENHORA.
Vende-se um excellente cavallo muito no-
vo e manso com todos os andares: na co-
cheii a do Paulino, rua de Santo Amaro.
Cerveja a tOO rs. j
Chegou ao armazern Atiang, ra do Imperador
n. 57 a superior cerveja bass em barril, que se
vende a 200 rs.- o copo.
FABIUCACE
' 8NAS MAQUINAS
PARA ARCAR
PAPIL COMAS LITRAS
CARTOIS pg VSZITA-
PASCK SINITBS PARA CARTAS
PARA LACRI 0RRK1A K TIMA
Na ra do Aragao n. 12.
e
e
8
o.
I
o
3
i
1
XI
a
<
8
o.
K
S.
I
8

e-
i-
B 5
_ 71 OT3
iiiin
ii
S'8
=rg d.3 a.5
g-S.-gl 2." .-
AZEVEDO <& FLORES
Ba da cdeia do Hecife, esquina da 31 utre de Deu,
Prestem attenco ao discurso do Balo.
Moreantique superior a 2500 o covado.
Grosdenaple de M600, 1,5800, 2^ c 3*.
Baloes de 20, 25' e 30 arcos a 30 e ; ^500.
dem para meninas de arces e de morselina.
Chales pretos de fil do ultimo gosto.
Laa preta para luto e de todas as iLais cores.
dem com assenlo prelo e cor de caf, llores matizadas, fazenJa imeirmniie
nova vista se far o preco.
Vestidos a Maria Pia. os mais novos a I81000.
Chitas largas de 300 rs. o covado a 500.
Lene/ s brancos a 2#500, idem de esguio j embanhados.
MadapolOes francezes propriospara saias e camisas de senhoras a -jOO rs. a va. a.
dem muito finos de I4> a l(i:> a peca.
Cambraias brancas muito finas a 54 a peca.
Chales escuros proprios para as senhoras trazerem por casa 4$.
Meias cruas inglezas a8 a duzia.
ROIIPA FEITA.
Paletos de alpaka brancos muito linos a 45O0 e 5>. ,
dem de casemira de cores de 10)5, lid e 12/J.
Calcas de casemira pretas e de cores de 7$, 8$, 10# e 12<>.
dem de brim branco de U, 40500 e 50. ^
Colletes de casemira prelos e de cores de 4>, 5o e ?$.
dem raucos de brim e frutas de 20, 20500 e 3$.
Camisas verdadeiras ingezas, vista far o prer/i,
dem peitos de linho, e de algodo de 2 a 5//~
Seroulas de linho com duas costuras,
dem de esguio de algodao a 10600.
Colleiriohos de linho inglezes.
dem de papel de cores.
Camisas de flanell i de cores de 33 a 60.
Hu muitas outras fazendas que sevendem por precos muito barate?, do-se
amostras com penhores e tambem se mandam levar s casas. f>'a loja do
- I>0
DR. AYER.
Nao li;i irccessidaii'1 uia.s ge-
rai em lodos os-p;ii;n.^ do iuc a
"\:.: '^^dc uta Kinjanle que sejii ao
^f^ mesmo leuioo innocente, eliicaz
e dimito ti*} loda a coiitjj! .
As pilulas que .. oiferi 'li-
mos ao utibico ['.'" -'i t'.^'s
Coodices; pois podeci sei to-
madas i'nlas ppssoa= u.:; frajas
sem perico alaom, t.r-t lo em
sua composiclo mercurio :tm
oulro ingrediente nocivo :t n-
V*'. de, mas sendo comjOi-lo de a-
gentes vegetan mui fortes, io bastante
ellicientes e activas para purificar os cornos
mais robu^os.
Estas pilulas exploram e purificam toda
a extenso do canal alimenticio, e do vigor
a todas as partes do organismo, corrigirulo
suaac($o viciada e fazendo recuperar sua
vitalidade.
Um remedio inestimavel coa.lra dr de
cabeca nervosa, enxaqueca, priso do vcn~
U't, hemorrhoidas, molestias do /gado, fe-
bre gastro-hepalica, e todas as molestias
biliosas que teem sita origem no entorpeci-
mento do ligado que causa a escassea da
bilis na inllainmagae d'este orgo que pie
duz derramamento da bilis no estdntagc ou.
em um desarranjo g"eral dos orgaos diges-
tiros.
A Ictericia
produzida pela absorpcio da bils no
sangue, dando pelle e aos olhos ama hr
amarellenta ; nao smente dolorosa por
si, porm conduz aos mais serios soffr'ui cu-
tos.
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas le-
das as manhaas, isto bastante para movt -
o ventre smenle at que se recupere a in -
fo saa do systema.
Mal do fujado, febre gastro-hepauca,
iiuriiica biliosa, indigestan, a netralijta
tu ti,douletireux, sao todas molestias r;iie
Atenco
GRAGEAS t
GELISE CONT
Desappareceu quinta-fe ira a noite um meni-
no de nome rino, de idade de 8 annos, pardo,
AffmmtMB pU Academia da Medicina da Paria.
Remita pelos dous relatorios, adoptados pela dita
Academia em 1S0 e em 1858, que as GRAGEAS da
SaXIS CONT sto o melhor e mais eficaz remedio
ferruginoso para curar a cblorosis (alias fluor-albo), o
laxos brancos, a fraqueza de compleixio nos doui
Antonio Duarte Carneiro Vianna scientilica ao
respeitavel publico, e especialmente aos seas nu-
merosos freguezes, que acaba de abrir um novo I
estabelecimento na casa n. 22 da rna Nova, sita-!
da entre o seu amigo armatem de ferragens e a sua
babello crespo e vcrmelho, nariz amado, olhos bem conhecida e popular loja da exposicao de can-i MX0,, tnA*m Par" judr a menttruacio das mo?as.
castanhos, cara redonda, levando paletot verde, dieiros gaz exislindo entre as tres casas ena **-l*s Gr,ge" Bi0 t0 'odidas senao em caiiinhas
calja de castor escuro e cha de massa: cnio AuiMaunnaiM^. ,in..'i.,1..\,..__*".."' T4ros cobartoi com rotulo e fechados con ama tira
menino la com
o Senhor que
ja desappareceu de repente
o favor de levar a ra Imperial n. 248.
Ehziario de Barros Monteiro.
._ .-_.,,..., ..__ K...^.. .v.u>, uieirus a nc, tsiMinnu enire as tres casas ena- ij------vi, .---.---
f escuro e chapeo de massa: caio cosas communicare< de nnriHin mwfipih'nm'L. noros cobertos com rotulo e fechados eos
. a cunhada doPabaixo ass.gnad. vir S^S^'SSS^'^^SS'S S S2S tfSMSXtf.
ia para o Carmo. e ao entrar na igre- jectos diversos de que precisarem. Alm do eos-' n wroo^Tumnu, i*.
til .i_. rAiiJinla niim t\ ichir f-.ro---------_____;_.*,-___.t____.. .. i llannciA frawrtl -n liAai..uL.___
LABtLOWE,
Parts.
(luera" acnaf fara turnado e variado sortiraenlo, que o respeitavel pu-! uePOSlto geral em Pemambuce ra da
COMPRAS.
\ blico sempre encontrn, e continua a encontrar nos
; seus estabelecimentos, achara no qae araba de fran-
m quear ama multidac de ebjectos de Inxo, gosto e
utilidade, das mais afamadas fabricas de Franca,
Inglaterra e Allcmanha, para as quaes continua'ra
(sempre a faier encommendas especiaes ; e sendo,
como fastidioso numerar os muito e variados
Compram se libras sterlinas: no ar- artigos mazemde Ferrira 4 Matheus, na roa da iaesflnos.de porceiianas, etc., etc., Ma de o fa-
zer, e convida ao mesmo publico, que venha viaj-
ar os seus mencionados estabelecimentos.
Cadeia do Recife n. 66.
Na ra da Cruz n. 'i-i compram-se cedihc*
das caixas filiaos das provincias e do banco do
Brasil com descont razoavel.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contribne poderosamente, com a agua de Flo-
rida a torta, a belleza e a conservacao dos cabel-
los.
Ero Pars casa de Guilaur n. 112 ra de Recbi-
lieu e 21 boulevard Hontmartre.
Todos os frascos nao lendo Intacto e clare, e tin-
clre prateado da rasa, reputado falso.
Compra-se elfectivainente oaro e prata em: Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38
Z^TR \lTtowlvlT '" narUa,argad0 "- Vende-se urna mobilia de amarello asada:
110,-ario n. 2*, loja oe c a tratarna ra Velba n. 49.
Corapra-e un mulatinho de 10 a 12 annos
jue seja sadio e tenlia boa flgura : na ra do Im-
perador n. 46. ______________________ j
Cjmpra-se ouru e prata m obras velhas, p
se bem : na loja de bilhetes da Praga da Inde-.
nendencian. 22.
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboz
Casa terreas.
Vendem-se quatro casas terreas, na Solcdade,
sendo tres confrontes ao oitao da igreja, e urna
no principio da estrada de Jo5o de Barros, reedi-
lirada? ha pouco, esfaltadas, de porta e jane lia, i
salas, 2 quartos, rozinha tora, quintal e cacimba,
etc. ; sao de ns. 9, 11 e 13 : e urna confronte ao I
quartel do quarto batalho, n. 24, om as mesmas i
ooinuiodidades : a tratar,na ra dos Pires n. 62
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto era
Pernambuco.
dem de gorguro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia.
dem de gorguro de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2*400, 2*600, 3*. 3*300, 4#, 5*,-6*,
7* e 8* o covado.
Superior gorguro de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhola.
dem idem lavrada a 2* o covado.
dem idem lavrada muito superior. *
Completo sortimento de grosdenaple prelo a 1*500, 1*800, 2*, 2*500, 3*,
3*500, W, 4*500 e 5*.
Pannos pretos de superhr qualidade de 3* a I2?> o covado.
Casemira preta Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil prelo.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas oulras tiendas de superior qualidide na 1< ja dasColuauas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Morera Lopes.
MACHINAS EPATlIVr
de trahalkar ulv ft*
descarocar aEgodo
FABRCALAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAI
>V .......-------------- ~~.........I""
tem seu comeco n'ura desarranjo da fa/.-s
A observaco dos ductos da bilis Ia t :ta
volver ao sangue, com que circula d-pois
em todo o eorpo e causa estragos desas-
trosl satide e produz urna serie nnu-:
meravel de males.
Todos estes incommodos sito curador, .ou.
as pilulas do Dr. Ayer.
Direccoes minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza Kt Mi ti-
rar & C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 itua Direl.a 15
RIO OE JANEIRO.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaela franceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Bixas hamburgoe^as.
Yende-senarua Novan. 61.
Vende-se arroz com casca a 3 a sana tt-
20 cuias : na roa Direita a. 69.
opnr>.figx-!5His;
tSa&S.rgHf 8gc
6 : ^ t m C i
n
Q, Ca> ->
Al
B Bi 3.1
8
.ffff
-i CD
o
II
cr ~ B o JE "
ccMa."lo3 _
*2SBS!aTsS
c -- 5 c
=; ,7. 2.
* S ~ i m *
a 7' S B-Sr"*
3 a t a
I1
\J
BMM, rabosto e sem vicios : a tratar no sobrado I
n. 32 da rna da Aurora.
Compra-se cobre, bronze e ferro cnado ve
Iho : aa ifwdlgao da Aurora, em Santo Amaro.
Compra-se ou aloga-se um escravo que sirva'
para todo o ser viro : a tratar aa ra da Coneor-1
dia a. *, paiaria do faz.
_______\^_J./---------------------------------------
La earroca para cavad*.
Quera tiver qaiier negociar annuncie,. ou ap
pareca ha roa do Lmamento n^ 38.
C
30 annos
servico de ra : tu roa da Goi n'. 9.
Fcijo Mulatinho.
Vende-s superior feijlo mulatinho da trra
na ra da Madre de Dos,
mesma Igreja.
Francisco Jos Germano
RA NOVA *. ti,
no armazt-m junto a
Vende-se panno azul proprio para farda men-
t : na ra da Cadeia n. Si,
Fogo do ar
Valdivino da plvora vende bom fogo do ar a IfltQO
a duzia, noseu.arrtazemde sal da ra Imperial
n. 221.
Estas machina)
podemdescarocar
qcalqaer especu
de algodao sen
estragar o fio.
sendo bastante
duas pessoas par
o trabalho; pd
descarogar urna
arroba de algo
do em carocc
em 40 minutos
en 18 arroba
por dia ou 5 ar-
robas de algodt
limpo. .
Assim como machinas para serem movidas poi
animaes, qae, descarocau 18 arrobas de algodao
limpo. vor dia; e motores para mover urna, duas,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento j tuirss dessas machinas,
de oculos, lunetos binculos, do ultimo einaisi Os mesmos tem para vender um bellissmo va*
apurado gusto da Europa. por que pode fazer mover seis destas machina*
---------------------------------'mencionadas; para o que convida-.-e aos Srs.
/->i I -p. agricultores a virem ver e examina-lo, no arma*
UOlreS IlOyer m ^ algodao, no largo da ponte nova n.47.
Y
s-s
ts cb Z -i
__ -^ "I es
^ 13 ^ "
O s
<* -i,
a
~J
3 ss.8
EX
03
c
I

s
Vnde-se um bom escravo moco e muilo ci
ompra.se um escravo 0> naci que echa i jjjkadj p Wj o servico domestido, para o que I qSZffSSi
,pouco mitjmmenos, que s.rva para^ tem multa Qftajn J^JgS^J^ se tambera narua do |
ca n. 8.
ti colares ano4iaes eleclrieaseoalra as coavulsoes
das criancas.
O bom e proveitoso resultado qoe as crianzas
obtera na dentlcao. trazendo desses colares, j
bem conhecido, e por isso se tornam hoje indis-
Compra-se urna mobilla de araarello com
pcaco aso: no principio do Corredor do Uispo, I
nona casa do lado esquerdo._________________
Compram-se libras sterlinas e descontam-se
nota* o banco do Brasil e das caixas Aliaos : na j
praga da Independencia n. 22._______________ .
Cobre, IatUo e chumbo.
Corspra-ie cobre, lati e chumbo : no ar-
mazern da bola amarela no oilo da secretaria de
polica.___________
Compra-so ouro, prata e pedras preciosas :
do arco da Coueeieao do Rocife loja de oarives.
ro andar,
ama.
Ni mesma casa necessita-se de urna
pensavels porque assim leem os pais incootesta-
mal: esses colares vendem-
Queimado, loja d'aguia bran-
Sanoders Brotbers & C.
1, II, praca do Corpa Santo
RECIFE.
Os aicos agentes nesle paiz.
Jumentos.
Vende-se urna mobilia de amarello, usada :
a tratar aa ra VeHia a. 49.
ra do Crespo
tem para vender bicos da trra Anos e fronhas de
labyrintho multo ricas. _________
i A 2S000 A SACCA.
Feijao mulatinho aovo a 12, milho a \i : na
roa dos Qoartels a. 21 '
TEIDiS.
Vende-se urna UUrna propria para princi-
piante, az-se um nagooM vanujoso ao comprador:
i a tratar na roa da Guia a. 42.
Attencuo.
Veade-se superior viaho do Porto em caixas de
ama duzia : em casa de /ohnstcn Pater ot C roa
do Vifario a. 3.
Vendem-se dous bons cavallos de montara:
a tratar na roa do Qoolmtdo n......____________
PrviM>M aara a teaviaa tula..
Curimiat secca* muilo frescae.*, viada O nor-
te : aa roa da Praia o......
Vende-se ura lindo casal de jumento?, de bella
raca, grandes e novos, propiios para a conservacao
A "lia flnrii A fnnr-A nwan da mesma rca' e ""P1^10' d0 1nB te colhr
ilgllt HUllUa V lOlilCO Oneil- magnficos machos e muas para carros e cargas,
tal de Keinp.
Continua-se a vender em porcSo e a relalho :
na rna do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Bonitas trancas, franjas
e gales relos para vensidos.
A aguia branca recebeu novamente um bello
sortimento de enfeites pretos para vestidos, sendo
bonitas tranca-, franjas, galoes e bicos pretos, ele,
assim romo botSes enfeitados de vidrilhos, e on-
tros mnitos enf-ites do dilTerentes cores, conti-
nuando a apuia branca na ra do Queimado in. 8
a vender tudo isso por precos commodcs.
Bonitas caixinhas
coui msica e sem tifa p>ra costura, t oulras
igaalmente liadas com perfumaras finas.
A aguia branca aa rna do Queimado a. 8 acaba
de receber um bom sortimento de caixmhas para
costura, ontrascom perfumaras fina*, t contl*
oaa vende-las barafamente.
cuja jumenta est grvida ; assim como ama lin-
da jumentnha cem pouco menos de nm anno:
ver e tratar com Jos Pe reir Cesar no sitio Pi-
ranuyra, arrabalde da villa do Limoeiro.______
Vende-se um bonito molatinho de 12
anuos, proprio para qualquer servico; na
ra Nova n. 38, loja.
aTpTbico
Ainda pina e mais tinde !!!...........
O abaixo asigeado u m a honra de annunriar
ao publico one abrin um armazem com pinho, e
disposto a'Vender rom 16 a 20 0/0 de locro. sendo
este um negocio qoe sempre deixou seus !00 0/01
Por agora s se acha aa ra nova de Sania Rita
o. 17. al se desorenpar nm ou mais armaiens no
caes 22 de Novembro, para nessa occasio verem
a barateza; mas por em qnantovenham a roa no-
va de Santa Bita p, 17, ver e comprar, a los F.
Goethe. '
Presos que admira.
Snalos de tranca superiores pelo barate preco
de 11 o par, e andiz I0 : no vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Bico adamascado de todas as larguras, peca
com 10 varas, cada peca a 400, 480, j'00 e COO
rs. : no vigilante, rna do Crespo n. 7.
Clcheles em cartao de ama e duas carreiras
perfeitas, pelo barato preco de 40 e GO rs. cada |
cartao, e duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, aduza a U200,11600.
,3*,4e5#.
Oalaios propriamente para costura e para fruc-
tas.enara menina trazer no braco a 1^300,U600,
1*800, 25 e aWOO.
Perfomaria, macaca perola a 2#, 2*200, 3* e
4* a duzia. oleo de miezinha a *>* e 6* a duzia,
banha a 3*, 4* e 3* a duzia. Estes objectos se
vendem por admiraveis precos em censeqoencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, pois affanca-se a posea arana e a hoa qua-
lidade: s no galo vigilante, ra do Grespon. 7.
Amigos do lanche,
Vende-se a muito apreciavel cerveja Bass a '.Ot *
rs. o copo, queijo suisso a 300 rs. a libra, ci-inlr.ho
novo a 7* a arroba : no armazem Gerente, ra do
Imperador n 14.
Atlenco.
Vendem-se pecas de esleirs para forro m. sala,
tinta branca preparada a oleo, em latas do 2o li-
bras, para pi.tar casa, relogies para cuna Je me-
na para peadurar, arreios para i c -2 cavail,
velas de spermacete, tudo de superior qualiditit,
vindo dos E>tados Unidos : no armazem da rea c'o
Trapiche n. 8.
.DUOGARIA.
31Ra'larga do Rosario34
Bai-lliolomeu Francisca deSonza L G.
Vendem:
Acido actico puro p&ra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnifjoes a vel ludadas.
Tinta branc.-isnperior em lata.
AlvaiadeV?neza, fino.em pe?.
AGUA
Florida,
para restabeiecer e conservar a cor natural dos ca-
bellos.
A apaa de Florida nio orna tintura, fado es-
sencial a contestar, a mesma agua dando a cor
primitiva de cabello. Compostas de plantas exti-
cas e de substancias inofTensiveis, ella tem a pro-
priedade de restituir aos cabellos o principio co-
rante que elles tem perdido.
De ama salubridade incontestavel, a agM de
Florida entreten, a limpeza da eabeca, desiroe as
caspas e empede es cabellos de eabir.
No armazem de faatendas ha--
ratas de Santos & Cotillo
Ra de Queimado n. 19.
Vende-sc o seguate:
Leles de panno de linho
pelo baratissiinopreco de 2*400.
Len^es de bramante de linio
de um s panno a 3*300.
Coberta de chita da India
pelo baratissimo preco de 2*300.
Lencos decambraia brancos
propriospara algibeira, a 2* a duzia.
Pecas de bretanha de rolo cora 10 varar
propria para saia,a 3*800.
Pecas decambraia
para forro com 8 1|2 varas a 2*6(0.
Gnardanapos
de linho finos duzia 3*500.
Algodo enfestado
com 7 1|2 palmos de largura vara 1*C0.
Cortes de la
com 13 covados a 6*.
Cambraia adamascada
com 20 varas propria pura cortinado pe c,;. l i?
Fil de linbo
liso fino vara 80 rs.
Atoalhado adamascado de algod.'a
com 8 palmos de largura vara 2*200.
Atoalhado adamascado de linho
com 8 palmos de largura vara 3*200.
Laazinhas carmrzim mindlnhas
prapria para vestido de menina, covado ((0 rs.
Laasiahas
de cores finas covado 560 n.'
Fazendat para a t]aarrsma.
Grosdenaple. moreatitiqoe e ricas capa tfc pi.s-
denaple bordadas.
Es tai r a da Ir di.i
propria para forrar salas, de 4, 5 e C pames e
largura, por menos prego do que em outra i\\im.
quer parte.
Nesta armazem de fazendas se encentra r un*
grabde sortimento de rooaa feila e por medit^
-f
ILEGIVEL



,


!
i
1
>
fe

fp-r-wr^imp
ahrfttftryera.Mfcueo Sabbado t He ibrll 4< 1
Bfe AURORA BRILHANTE
GRANDES ARJIAZENS
DE
MOLHADOS
>M Largo da Santal
Crin ns. 12 e 84 j
'^esquina da ra do)
JiCebo.
o d
Brilhante,
proprios d
VIMOS
ESPECIAS
NJECTIONBROU
R Largo da Sant
*|Cruzns. 12e84,
esquina da roa do
sCebo.
muito acreditados armazens de ralhados denominados Aurora
recebar de sua propriaencomraenda.muitos gneros delicados
, presente estacao, e tendo grande sortimento comprado aqui, aflanca que to-
aos os seus gneros sao do priraeira qualidade.
seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
A
tadores.
Xenhum armazera vender mais barato, e raelhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimento que tem.j raesmo por seu dono seachar encora-
modado era saa saude e ter de vender ura de seus armazens agora, e o outro na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna qaadra destas para se comprar
barato.
PLitas com 8 libras de chouricas muito novas,
i a 7*300.
Ditas grandes cora peiie em postas inteira,
f^S "uis de ia lualidades, a 1*000, 1*280 e
">-rt 1)109.
fD:ta cora ostras, excellente petisco para fri-
riJira, 70 rs.
D tas c j;n ervilbas novas, ensopadas, a 720 rs.
k D,tas com favas, a 6U) rs.
fDiUs cora araeixas 1*200, 1*800 e 3*500.
'.Ditas com marmelada do afamado fabricante
2 Abreu, a 880 rs.
,'n Ditas com massa de tomate, aSOOrs.
Cj p Ditas cora figos de comadre, novos, a 1*300,
*ei3ou.
Q )itas com bolachinha de soda muito novas, a
jift 2*000.
Vinho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
(omina.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se*
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 lis
Sabo^assa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
Farinha.
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-<
to nova, a 5*000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*, |
8*300 e 9*000.
Cha.
Cb, temos uestes gneros o melhor possivel/
hyson, a libra a 2*600.
XAROPE ^
DI CASCAS d LARANJAS AMARGAS
de J.^P-LAROZB, Ctemco,
MAMACBITICO *l ISCOL* ioaioa lllli.
~ talt xarojre, regularisando as funcc5es do estmago intestinos, destroe essas
{tepoiices proteiformes, e fas abortar as molestias de qtta s3o uidicio* jwecarso-
Md
odeos doenles lea reconbecido quo
rastabeiece
aparecer as pesos de estomago, que calma as eaxaquecas
qnt sfo rasnltado dedigesiie peaotas. Seng
m suporta, o
XAROPE FERRUGINOSO
com
rndigecttM, fazenuo
espasmos, c caimbras,
goslo agradavel e a facilidade com qua
tem fsito adoptar como especifico iufallivel das daencas nervoso!,
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de tntranhas, palpitacSes, dores dt
concito, vomites nervosos; sua accSo sobre as funccSes assimiladoras tal, que os
medico* aais Ilustres o lem adoptado por rescipicnte real dos dous primeiros
anatas therapeuiicos: Iedureto de Potassa e o Frote-Iodureto de ferro, tendo
observado que debaixo de sua influenwa, o primeirt perde sua accio irritante, e o
segando seo effeito adstringente. \
XAROPE DEPURATIVO
O* oascas 4a laranjas amargas com Io-
areto da potassa.
O Udurato da potassa, administrada em
solufto ou dabaixo da (mi solida, cansa ao
docate una fraado repugnancia, ou determina
acekUaias aut forero i nanieiar a esta
edieiee- ffieax.
Uaido porm ao Xarope de cascas do laran-
jas, elle nt causa nem gastralpas, aem per-
turbaos do stomsgo o intestinas, o fragas a
esto sahagaarda, os tratamtatos deprateos
sio coatnaados aem iaUrraptat, asa affec-
cSas ucntvhtu, tubirculetu, costeros ai
mu inundaras t terciarias, awtaw rouns-
ahitmus, su aflata ello 4 mais siguro espe-
cifico. A doso esti definida 4o tal anetra
qe o medico pode taritl-i a taa voatado:
O frasco: fr. 60 o.
De cascas da laranjas amargas
aooU-ioarot* de farro.
A associtcio de sal ferro ao Xarope de cs-
eas de Uranias tanto mais racional quante
que esto xa#pc, pregado so, para estiaa-
lar o ap*t*v actitei a seereeio do saece g-
strico, e par fim reglense as fuacfSes abdo-
miaaee, neutraliza os mios effeito* dos farra-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabeca, pri-
sao do veatra, dores epigstricas) em quinto
5ue feerliu saa ebsorpeo. Dissolrido so
arope, elle se toma e se supporta fcilmente,
por aehar-se ao eatado puro mtiis assimilavel;
e assim poda coatiauar-se a cara da pallidex,
corrimentos braocoa, anemia, affeccou escro-
fulosas e rachitissae:
O trato*): fr. 50o.
Os Xaropes e J.-P. LAROZE est5o sampre em frascos especiaes
(aunca em meias garrafas nem em frascos redondos). ExpediyCes: em casa
J.-P, LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Paria.
Ra do Imperador n. 38, botica irauceza.
NIM COROAS NEM MITRAS
0
CRMUE ARMAZEM
HVJk DO IHPERADOR Ka 40
Junto ao sebrade em qae mora Sr. Osberae,
Duarc Alnieida C, receberam de sua proprla cdccbdcd
da o mala liado e variado sortimento de niolhados, prc|tla
da presente staefio. /
Manteiga i&gleza Ma^as brancas
para sopa
Ditas coa b'scoitiobos ingleies de maitas qaa-. Dh ola a 3sooo:
lijadas, a i#W(k. ( Dito uxim a S*700.
"4r Dito hvson muito lino a 25300.
A. Chocolate. Oil0 rridndo a 23500. #
/,S Dito prto Je primoira qualidade a 2Jo00.
ajJChocolajto superior muito novo, a libra a Dito mais baixo a 2J000 e 1^600.
33 O
libra
*
15203.
Vlacarrao, talhariam e aletria amarella, a
' a 480 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caisas com e^trelinha, pevide, e outras mas-
1 vis, a caisa 3500.
Ois dita em libras a CiO rs.
>a;, a libra a 360 rs.
evadiuria para s3pa a libra, a 240 rs.
vilhas seccas, a libra a 160 rs.
1 litas descascadas, a libra a 200 rs.
f raaioca maito aova, a libra a 280 rs.
'rinlia de araruia verdadeira, a libra a
t 500 rs.
j Arroz do Maraohao, em sacco, a arroba a
23400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3^100 e
bra a 100 rs.
Foucinh) de Lisboa a 9j>500 a arroba e a 3J0
rs. a libra.
1 )ito de Santos, a arroba 7,8000 e a libra a
289 rs.
,i linos com 123 ceblas grande-, a ls280.
1 'I Mara fraoceza, caixa com 2 duzias a
1 S.J000.
fraseos com mostarda preparada em vinagre,
a 400 rs.
"Ditos con conservas inglezas e francezas, a
, 040 e 800 rs.
5 litos com sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.
1 Ditos com a verdadeira genebra de laraoja, a
1 1#006.
! Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira, a
640 rs.
litijas cora dita propria para negocio, a
400 rs.
IGarraes com 2 galoes com dita, a 6J.
i Servej t boa, marca, a 300 rs. a garrafa, e a
I 'lima a 63000.
Vin'i 1 muscatel de Setnbal, a garrafa a 15.
arrasijumho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
a 15200.
Champagne, a duzia 205'KK), e a garrafa a
230ai).
Vzeite refina Jo portuguez e francez, a garrafa
' a 13000.
7-3, 83,93 e 103 a caixa.
'ditas com dito branco, a 73 a caix.
Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro,
1 a O.
'Ditas con duque do Porto verdadeiro^a
183000.
1'litas com chamisso superior, a 145-
' Ditas com I'ortovelhj e outras multas mar-
cas, a 123.
[Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
* 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, aeaaada a 33200,
[ 33300 e 4J, e a garrafa a 500 e 560 rs.
>Oito da Pigueira, das segaintes marcas (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
43300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
q je j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do arraazam.
iDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
( da a 33300 e 43000, e a garrafa a '480 e
520 rs.
jVinho branco uno, a garrafa a 640 rs.
iDito de caj muito superior, a garrafa a
300 rs.
Erra mate. 1
Ejcelleate cha medicinal, a libra a 320 rs. j
Esperraacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas Je 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 43 e 23500.
[fases.
N'ozes, a libra 160 rs. e arroba a 43000.
Alpisla e painyo.
Alpistae pamco, a arroba 43000 e a libra a,
160 rs.
Cartas.
a |- Cartas finas para iojst, a duzla a 23500.
I Gastantes.
Castanhas nova* vindas este ?apor, a arro-
tia3')i e a libra a 200 rs.
A/.eilunas.
Barris com azeitonas novas a 13300.
Manleiga.
Manteiga superior, a libra a 13000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 750 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a li
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Qaeijos novos viudos neste vapor a 33200 el
33500.
Dito londrinos muito novos, a libra a
13000.
Papel.
Papel almajo paulado, a resma a 43800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 43300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
23500.
Dito de embrulho, bom a 13 e 13209.
Vinho Madeira.
Garrafas eom o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
cominlio
la
r-
m
"jt
9
StS'P'r'-^n "2 5*3 2,S
;fsi!1li
fMfk,H|;i|
- w r g-8 a -. ?tf >?ff T3 _
".-8*" "2
Vi-mi
1 ? &

O
w
-o
=0 td
o
fco
|sfgsfrti-ai
**FS- = 2'35
E. r*-n
* "' "-
O
H
N
O
* w I >
. 3 C 3 ir 9 3 3
Vende-se na botica franceza, ra do Imperador n. 38.
F\IMC\ DE CHPEOS M SOL
si. ti
e r si a aa
da safra nova vinda no ultimo valora i,000
rs. a libra e era barril a 800 rs.
Manteiga franceza
Lpa safra nova a60o rs. alibra, e em barril
a 5;rs.
Amendoas
cufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachnhas de soda de todas as qua-
lidades a i300.
Chocolates
*vletodas asqualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos memores fabricantes a 80 rs., tambem
temos velbos para 500 rs.
Queijos flamencos
chegados neste ultimo vapor a 26oo.
Qdeljos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Queljo
londrinoo mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, aretalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 15200.
Cha uxim
o melbor que se pode desejar, que outro
qualquer nSopde vender por menos de
30 a 2^600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, aibarira e aletria a
480 rs. alibra.
coe.VAc
o omito afamado cojkk Pal Bmxiy a l8oo
rs. a garrafa e fteeutras muitas quatitk-
a l.ooo e 800 rs.a garrafi.
rs. a
deejat.
4lt is. *
bra.
e outros em
deira a 1J500 e 2J
Temperos.
Folhas de iouro, pimenta do reino,
e cravo, a libra a 400 rs. _
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a,
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
btu.
Calxoes de dor de volaba, grandes a 13400
e pequeos a 690 rs.
lijla* 4etapar.
Tijolos de arear facas a ISOTS.
firaia.
Dozias de boiaos tte^'iSM o. '17 a 23000, e 1
delatas a OOO.aoaboBea 340r. ca-j
da usa, e as latas a 1091
Charatas fe
Charutos finos dos melnores tabrtcantes fla.
Bahia por diversos presos, caixas e meias;
caixas.
20
10
15
/o
%
grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
lt 11 Sri essinlat d* Ciaboa lo c.i
Cabng n.
A lirr.tr'n 1m9 oitaliMectoiento o mais importante que existe neste gecro
as provincias ') norte do impjrio. querenlo que o pablico desta provincia goee das
vantagens oue onpirciona 1 fabricaco em grande escala e directa relacao com as mais
importantes fabricas di Europa", faz sciente que resolveu-se a vender arada mais barato
do que do ostume como demonstra a seguinte tabella :
Descorito em duzsm
Chapeos de sol de oami a 25000.......
armaclo de baleia a 20500 .
de seda annaco de tro inglez de 20 pollegadaa
40, de 24 50, de 26 50500 e de 28 60......
Chapeos de sol inglezes a balao 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior d* H pollegadas 80, de 26 90. e de 28 i00.
dem idera a hallo de i6 varetas palent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26 120, e de 28 130......
Alm de muitas outras lualidades d chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os lmannos e feitios, os qnaes s3o to vantajososcomoosannunciados, ba
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, catuana tina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-seigualmente em porcSo e a retalho, otando porem
que o comprador por atacado ter sempre um descont tjWIW
lhar pelo preco que o estabelecimento retalha. ,
N. B. Os objectos comprados em menos de ama daxiaserso coasraeraa
a retalho. \
lapidados para agua a 4,5oo e 5,000
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada im.
PAflt
almaco grere, peso e de outras multas qua-
tdades de 2,2oo, a 4,5oo a resma dome-
Ihor.
Pape! de botiea
de excellente qualidade a 20200 a resma,
PAPE!
azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
15 %
15 0/0
Corinthias
PToadimr'D?ialm^^vas proprias para
a 800
rs. a libra.
'Fumo
nunciar-se.
N; ll-Eua do Queimado-N. 11
Superiores corles de seda preta com lindas barras.
Superior seda tacounio que ha de melhor e-nrais posto.
1 -
Chales de renda preta e bournude gnTp preto;
A' leja da ra do Crespo n. 17,
/ J fOi
i a
DE

.....- ._ ____
Moreantiqae preto muilo bonilo a 2^800, 35,3590 e 4A o covado.
Completo sortimeotode grosdenapUflrelo de muitas qualldades.
Paanos pretos e case/piras de mOitas qualjdle* "
B jurnus, chales e los de renda pretos supiriore s. tatito'**
Superiores pelisses osoatembarqaes de seda para s nh9ras.
Bjurnasdela para sen horas a li
Chapeos e chapenas do palba de [tilia para senhoras. ,
Corfs de laa de barras de 14J a iti o> o)uito gosto
E muitas outras Uzeadas de superior qualidade na Inja de Augusto Fre Jer.co dos
Santos Porto aonde tambem se vondem asmelbbres e mais baratas
Esteiras da Inta
H. 11Raa do
aelbbres e mais baratas
para -itear salase
QaiimadA-lV. 11 (1;
GRADU
WMM
:iilas largas de cores flxas
da Madre de Qopsn,, 7..
na cu-
Vendase
, i
Vende a l, 20, 30$, iOfi, 50i e 605, capas e casac5es de jros protos, chapeos ^^
e chapellas de palha^ ontras muitas fazendas proprias para a qnaresma.
Je9 Go9s valar preteoilrjeo if' Biffopa tratar de saa snete apera qe seus
devedores tanto do mito como desla praga saldem seas dbitos qaanto antes.
n '-i
240 rs. o ovado :
i: "'
nm sitio no Caminho Novo, roa da Esperaafscn. ti a p^rfeita esudo:
i, que vai para o Maoginb, cora grande rasa ^ncsgllsm-Wa
muito fresca e tauitoscoaiafdos : na ruada Des-
tino a. 16.
iFraoraz 'barrio
Portland dem
O.
8A000
8#aoo
tueoo
ItfOW
N j aroiazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
GOMMA NOVA.
Em panelrosmuitb aira a 4,ooors. a arroba e 16o rs. alibra e compran- ^
do de um paneiro para cima se far batimento n roa do Imperador n. 40.
'!'')IIP't.1 il
I m&im OS MODERNOS
P8ET0.
Vinagre
PRadanQ^aCOrelaS de 9 Caaa
CeWUas
"ftS* "*** 7,ooo rs.a caia
e l.ooo rs. o molho.
. Alpisfca e humeo
* SJi!d0 ^ercad0 u ". **
e 45400 a arroba.
CEBLAS -
"SSSW li00S 0Jent0 "ruadoQoe:.
GR.iO DE BICO
m! .B,0VO aH308a arrba e 140 rs. a li-
bra aa roa doQaBmrdo ^ 7 f a "
imperador, u)e largo do Carmo't
yuuo sFsso
m QueSn'? ^ a ,ibra *"*
&d^rnUVol-P-dorn.40e
melhor qnese pode
macarrao, talharim ealeiria a
libra e 4^500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
25800 a caada.
dem do Porto
generoso engarrafado des melbores fii-ri-
cantes da cidade do Porto aloe 4soo
a garrafa e de 100 a 12 a caixa, Sf D ,,
cas s!o asseguintes: Chamisso 6 Filtt,
F. 4 M., Nctar ou viuho dos Euzcs,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de bafiha a 4(5000.
Bolachiuha iflgleza
a 1(5800 a barrica da mesma ene
vendem a 25000 e 2^1400.
Nozes
as mais novas do mercado a.iSCrt .4
^ervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mai
cas de 4t?500 a 6(5500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis
meias caixinhas a 1^500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 35OO0 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1. e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a 8#5f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafeg
com 4 '/i garrafas com vinagrea liJOOOtea
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, ede H0Oec
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 5^800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada ama.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas asqualidades, a 10,000 a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, cerno se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Presunto
o verdadeiro prezanlo de Lamego a 52o rt.
a libra.
ARROZ
MarannSo, Java e India, a loo rs. a lilra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a tfc ra.
a libra e em caixa ter abatimeMo.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oc 1
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 ra
a libra.
Passas Bailo dotss
em quartos eieteiros a 20e quarto e Cilio
a caixa e 400 rs. a libra, ^
Chocolate
iportuguez o mais especial que se iCt t-
ejaraSeOrs.abraeUOrs. o lc.
Frutas en calda
enejas ltimamente, pera, pecego, gi ja e
otros mnitos a 640 rs. a lata.
a bOO e 10 o caixSe.
. GOMMA MUITO NOVA
rooae 140 rs. a libra na
ra
a ar-
. \ a BOLACHNHAS
ato defferentes qalidades a 12C0
.,.- .flojos FLAMENGOS
dgoQueTmlaU^ovaPr "* M ma
40 ?Z i 7' rua d0 aperador n.
rreguezes eamigos e ao publice em peral nnenaraT:?-. PrmciPal declara aos seas
guiramos mesm6SprePcos JoVSC/*' COmmodidad d ^ "
FARELLO DE HSBOA
-a N verdadeiro e^.cca, eev. e ^ ,4,500: na m do ^

\ Snperieres chales-de fllq preto pegados pelo nllimovaper frapcez, a
1ojadasirolua3nasraado'Cf,e3ii'bn. 13, de"4Q,!onid Correia de Vasooncel-
Mo & 0.



t. 55. Bl 1 DO IMPERADOR
W.
m superiord*4e, vafKseas gM^atlas qoo ofibrecem "aos compradoL
teisqua Us (em skaailsV&isMtte WM^tl^fn todos os que teu.
mindo um teclado e maehiaismo me dbetocm i todas as voattdes e caprichos das
umearwnv, por serraa fabricados de proposito, # ter-se feito ultimamenie melhi
tissimos para o clima este paiz ; juaato s wtss sao melodiosas e flautt eis aaaj)Mridoi dos^ooiidores.--^ *
Fazem-se-eoaforw* w !tca*iSlliS,' fctto aesta febrtcaorno nado Sr. Blonlel de Paris socio
wrrespoaaflDSe 4e J. Vitues, em cuja espita! foram sempre premiados em todas as expstedes
,-N mesmo estabelecimento so'>lftii'^spr# um'eiplendido e variado sortimento de msicas 86
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tude vendido po"
'^*. presos commodos e razoaveis.
un ...-.
str sobre t
incootesta-
od(>
sem-
tos importan-
~ lUito agrada-
ILEGVEL
\


V --
i
O
i
i
.t>
i DlarU Oi PcvuMbioA ... Sabfcad* 1 de Akril 4c lies
X_

v Attengfto. x /
Faieidas pretas para a qiaresma per
por baratissB prega, na toja c ar-
iettfc Arara,mea InperairU
n. 56.
Louron$o Pereira Mendos Guimar.
0 praprwrio des esttbeloelineato retira-se
para a Europa a tratar de mu saado, portt anies
de rctirar-se pretende fazer um liquldacao de ba-
baratisslmo preco para fechar contas; agora re-
cuezes veade-se grosdenaples preto ^muito bom
para vestidos, a 15600, 25 e 25800, dito de 5 pal-
mos de largo, a 3 : na ra da Iraperatriz loja da
Arara n. 8b.
nniranIquc preto a 30.
Venie-se meurantique pretooara vestido a 34 o
covado, grosdenaple muilo largo e eneorpado a 35,
2 j' i), i> o 1-juO o covado, alpaca preta para
vestidos e palitos a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de lia para vestidos, calcas e palitos a
610 e 800 rs. o covado, lia preta para vestidos a
640 rs, bombazina preta para vestidos a 1*280 o
covado : ra da imperatriz loja da Arara n. 56.
Ricos vestidos a Maa Piaa I2.
Vendera-se ricos vestidos a Mara Pia a 10*,
15$, 145,163 roa da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Arara vende pecas de panninho a 5^ e de
madapoln a 45.
VenJera-se pecas de panninho muilo fino de 12
jardas a 5*, veudem-se pecas de madapolao infus-
tado a i 5 e 45300, vendem-se pecas de madapolao
de 24 jardas boro a 65, 75, 7*500, 8*, 9*, 10* e
12*, vendera-se pecas de algodosinhe a ."*, 6*,
7*, e 8* : roa da Imperatriz a. o i.
Arara vende os bales a 2#500.
Vuii lern-se balujs de arcos de todos os lamanhos
a 24300, 3*, 3*500 e 4*: ra da Imperatriz
D. 56.
LJaziahas da Arara a 3*0 rs. o covado.
Vendem-se llazinhas para vestidos de seohoras
e meninas a 320, 400 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 500 e 560 rs. o covado. cassas
linas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz n. 56.
Cintas da Arara a 240 rs. o covado.
Vendem-se chitas de cores filas a 240 e 280 rs.
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e
300, preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova -
do :' ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
LiiiuiJacao de soutambaques e laazinhas a
1 70, 80 e 10.
Vendem-se soutarabaqe.es de laazinhas para se-
nhoras a 7*, 8*. dtU de alpaca branca a 10*, ditas
muilo linas de grosdenaple preto a 20*, 234 e 30*,
capas pretas de grosdenaple uno a 204, 23* e 30*,
manteletes pretos de grosdenaple a 20* e 22*, go-
Jinhas para senhora a 240, 320 e 50 rs., mangui-
tas com gola a 1*, camizinhas para senhora, 25,
3*. ditas muilo finas bordadas a 4*500 ; na loja
do baratura da Boa-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56. '
Cortes de ditas finas a 2$400.
Vendem-se cortes de ditas com 10 covados por
24400, daos de dita fr'apceza a 34200, cortes de
cassa franoeza flaa com 11 covados, por 3*, vn-
dense pecas de cambraia branca lisa a 35500,
4550), 55500, 65 o 85 ra da Imperatriz n. 56.
Liijuidaco de roupas feitas palitos a 2$.
Veadem-se palitos de bnm de cor a 25, 243(9 e
34, jarjuetes de brim pardo a 34 e 34300, palitos
de'casimira bem feilo a 55, 65, 74,84 e 104, di-
tos de paono preto bom a 84 e 104, ditos sobreca-
sacis de casimira de cor e preta e de panno a 124.
145,165 e 205, calca de brim de cr a 25 e 24300,
ditas brancas de linho a 3*300 o 44, ditas de ca-
simira de cor i, 65 e 8*, pretas a 3*, 65 e 8*,
colletes de casimira de cor e preto, de brim de cor
a l*>00, braacos a 25 e 203.0, ceroulas feitas a
15280 ditas (loas a 15600 e 24, camisas france-
zas a 25 e 24300, ditas ioglezas de pregas largas a
34, de linho %3* e 35300, colerahos econmicos
a 640 rs. a dtuia, ditos de linho a 500 rs, um : na
ra da Imperatriz loja da Araja o. 36.
Arara vende as cobertas a -20.
Ven lem-se cobertas de chita finas a 24 e 24300,
ditas de damasco a 44 : ra da Imperatriz n, 56.
E' na Arara que e ven ie cortes de casimira
preta a 3*.
Vendem-se cortes de casimira prela para cal$a a
:4, 33300, 45300, 65 e 85, ditos de cor a 3*
45300 e 6J : ra da Iraperatriz n. 56.
Arara-vende panno preto a2#.
Vndese panno preto para calQa e palito a 25,
35 25300, 45,44300 e 64 o covado, casimira pre-
la lina a 25,2*300 e 3*o covado e onlras muitas
fazendas para liquidar : na_ loja e arraazem do
Arara, ra da Imperatriz^. 56^ ___________
Fuzenda* pretas para a cua-
resma.
Xa loja do Pavo.
Acha-se este estabelecimento completamente sor-
tldo de fazendas pretas propriaspara a quaresma,
* aher :
Grosdenaples preto largo e maitissimo encorpa-
do, ouiros mais estrenos tendo dos precos de
1*280,1*600,1*800, 2*, 2*400 e 3*, superior
moreaatiqae preto a 3*, superior sarja preta hes-
panhola, superior setim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soutembarques muito bem enei-
iads, ricas vasquinas e casacas dos mais moder-
nos que lera viudo, aperiores manteletes, caraisi-
bas com manguitos proprias para lato e ricos
chales pretos de red, todo isto se vende mais ba- >
ralo do que em outra qnalquer parte por ser a di-
uheira : na loja do Pavo rna da Imperatriz n. 601
de Gama & Silva.
As roupas do Pavo.
Acha-se neste estabelecimento um grande sorti-
mento de roupas feitas para homem como sejam :
superiores palelots sobrecasacos de panno preto
mnito fino e forrados de seda a 22*. 25* e 30*,
ditos forrados de alpaca a 14*. 16* e 20*. supe-
riores paletots de casemira tanto sacces como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
ree, ditos de brim de todas as quahdades, colletes
de casemira pretos e de cores, velludos, setins
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos
melbores mestres nacionaes, manda-se fazer qnal-
quer obra por medida : na loja do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chilas em estres com 10, 11 e 12 covades

Aft PUBLICO
sem o menor coustran-
gimento se entregar o
Importe genero que
nao agradar.
ARMAZEM

ATTENCIO _
Os preco da seguate
tabella para todos, po~
dendo assim servir de ba-
se para o ajaste de eontas
com os portadores.
ERCANTIL
CIMENT
Francez barrica -f$<00
Portlarid barrica 8$5"0.
No trapiche baro do Livrament& o < as
d'Apollo.
Attentfo.
Loureiro Santos & C, acabatn de reeeber da Eu-
ropa pelo vapor, um lindo sorlinientu de vuftius
pretos, proprios para a quaresma, entones simia
nao vistos em Pernambuco, pelo preeo de *, ft
10*, 12j) e 20, bem como grosdenaples pret.>, mo-
reantlq, capas de grosdenaples, e sor.ibaint: i i >s
de mesmo ; todo por preeos mdico; : a roa un
Crespo n. 14, junto a loja de lou^a.
Foyo do ar
Vende-se fogo do ar a laSOO a duzia : na :aa
mperial n. 249.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da t'oneeico)
PARA BEM DE TODOS.
Senhores e senhoras, o aceio qoe presidio m nrranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a prompiido e intei-'
reza com que ser5o tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me dar5o a proteceo e preferencia na com-
pra dos generes que prec sarem, e quanilo nao possain vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, em1barquTnaeiesrUa'dmha, trttem-Tcbca's
pois serao to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommenda(,ao, afim de que nao v5o em ihores do mercado, em caixa e cenio,
outra parte.
No armazem da vnvr Paula Lopes, defrtnu- no
iMll-
mr.i le-
nlo possivel.
J*?.& vendese nmi 6r?nde frin|Manteiga ingleza especialiEenteescdliida a
de cortes de chitas r-incezas sendo claras e escu-
ras todas de cdresC xas com 10 covados a 3*200,

Navidades
Na nova loja de fazendas e
roupa feita nacional
Ra da Imperatriz ni. 72
Pcchincha
Cortes de ehltaa 2^-too
Vende-se cortes de chita com 10 covados a
"siiOO a 3S2D0, ditos de cassa a 34. ditos de laazi-
nhas para vestido a 34000 e 44, ditos linos de bar-
ras a Maria Pia a 125, 45 e 16, ricos souieam-
barqaes de lazinha em fantasa alS*. /5>e 104,
ditos de grosdenaple pretos finos a 205, 224 e.2o5,
capas pretas de grosdenaple a 20*, 23* e 23*,
na ra da Imperatriz n. 72.
Fazendas pretas para a quaresma.
Vende-se grosdenapie preto Uno a 1*600, 24, e
2-5350 o covado, paono fino para calcas e paletots
a 25,35, 35300, 4530J e 54 o covado, casimira
preto fina a 25, 2-5-500, e 35, alpaca preta para
saias e vestidos a 300, 600 e 800 rs., sarjas de laa
para calcas e paletots a 640 e 800 rs. o covado.
Laazinhas a 320 e 360 rs. o covado.
Vonde-se laazinhas para vestidos a 360,400,
500, e 560 o covado. chitas linas para vestidos a
240 o 280 o covado, ditas francezas finas 320,
360 e 400 rs. o covado, capas francezas finas a
320, 360 e 400 rs. o covado:
Roupa feita.
Vende-se paletots de cor e preto a 34, 64, 8* o
104, calcas PreU* *e casimira a o4, 64 e 8*, cor-
tes de colletes e paletots de bnm a 25, 25o00 e
3# : na roa da Imperatriz n. 72.
Madapolao enfestdo a 4#.
Vende-se pecas de madapols eufestado a 45,
dito em panninho a 55, pegas de madapolao de 24
jardas bom a 85,75 *ft5, dilaf de alg*da104,5'
65, 7 e 8*, cprtes de caigas de bnm a 15600 e
25, ditos 4casimira prela a 3*, 3*500 4* e 5* :
na ra da Imperatriz n. 72.
BENZINA
Nmessenei pira tirar aodoas sem ata-
car < tecios nem alterar as cores
Mancha alguma produzda por gorduras,
cera, etc., resiste a este famoso dis-
solvente, que pode sem receio appli-
car-se sobre vestidos de seda, laa,
tapecarias, panos de billiar etc.
Restaura perfectamente as linas de peli-
ca osadas.
Cada frasco l000.
m impresso que acompanha cada fras-
co ensina a maaeira de usar-se, assim
corao indiea entra? mnitas applicac5es
que esta nov essencia pode ter as
ir t"?
PHARai.ClA RIBEIRO
EM PEllNASIBliCO ^
22-Praca da Boa-Vista--22L J
MMM9 WMWMMWSm
Proraessas para Santomaro.
Vendem-se pernas, .bracos, eablfa, peitos, de-
dos, pe, mofi e eoracSes, vellas afeitadas para
baptisados, tudo. de cera feito cOtn perfeicao por
eommodos precos : na loja de cera da ra do Li-
com 11 covados a 3*600 e com 12 covados a 4*,
pechincha para se apurar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, roa da Imperatriz n. 60.
Camisinhas a 1$.
Vendem-se camisinhas cora manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato precj de deztustdes cada
urna : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 30.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corto, com desenos mnito delicados
pelo baratissimo preco de 3*fC0 o corte : s na.
loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Camliraias ligas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo prego de
4* tendo 81|2 varas cada pega, ditas muito finas
a 7*, 85 e 9* a pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 7*, 9* o 1C, ditas
Garrazes fazenda muito encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 2*600 a pe-
ga : isto na loja do Pavao ra da Impojatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavao.
Grande pechincha a 3*500.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imitago de tarlatana com muitos
delicados desenhos, moli proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 3*300cada um,
sendo fazenda que sempre se venden a 7*, na loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos i 44.0 S 74 r
Na loja do Pavo vendera-sericos cortes de vesti-
dos Mara Pia, sendo bordados e com burras,
pelo barato preco de 4* e 7*, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por haver grande
porgo, na loja do Pavo ruada Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Os eofeites do Pavo.
Vendem-se os maismodernosenfeitesparacabega
de senhora: na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padroes mludinhos e grados, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porgSo : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
is laazinhas transparentes a 400 rs.
_Na loja do Pavao vendem-se as mais modernas
laazinhas transparentes, sendo de listas miudinhas
imitago das sedinhas, pelo barato prego de 400
rs. o covado; ditas enfestadas de urna s edr e
ditas de salplquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de criangas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60. de Gama & Silva.
Ricos soutaubarques do Pavo.
Acaba de chegar um rico sortimento de sou-
tambarques de grosdenaple preto muito bem
enfeitados, que se vendem pelo barato prego de
205,225, 25*, 30*. Capas e casaeos de glace pre-
tos que se vendem muito em conta: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil covados de laa.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendera-se as mais bonitas laazinhas transparen-
tes, sendo com llstras e quadrinhos miudinhos, e
lisas, tendo de tedas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado-, ditas transparentes rom palminhas
de seda Mara Pia, tendo de todas as cores, e
algomas propria; para luto, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande
porgo : na ra da Imperatriz b. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Maria pa,
Grande pechincha a 10^000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, tendo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendera-se pelo baratissimo prego de 10* o cor-
te, ditos deprcala com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 10*, ditos de cambraia
com barras bordadas a croi no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 64 : na loja do Pavo, ra da
Imperatrit n. 60, de Gama & Silva.
Cassas de linho a 360 rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para criangas, com
muito delicadas cores, moderna, c vende-se pelo
barato preco de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
I,Saz i nhas Usas.
Vendera-se as mais finas JSazinhas de urna s
cor, tendo grande sortimento : na Iqja do Pavo)
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavao os
mais ricos chales de* enda com tres pontas, sendo
todos pretos, e tarabemeom assentos de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tem vindo a este
mercido, ricamente bordados e cerculados de um
elegante bico preto.de mais de palmo de largura:
estes modernissimos chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem urna elegante vista sobre
um vestido de qualquer cor, assim como muito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama & Silva, ra da Im-
peratriz n. 60, loja do Pavo.
l.ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 95o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou raeios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,000
rs. a libra.'
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra,
dem hysson muito superior em latas de lo
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
Aletria, macarrao e talliarim a 4oo rs. a li-
bra e O.oooa caixa.
Massa para sopa : estrelinlia, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 04o rs. a libra e
3,5oo'a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de G caadas a
3o,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4qo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,000, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e ooo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
dem preto o que se pude desejar neste ge- i Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs a libra. a "a 8,ooo e 08o rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra eem Vinho do Porto das melhores marcas qne
vem ao mercado como, sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 10,ooo, 15,ooo,
12,ooo e 1 o,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oors. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a \ 6,ooo
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
j Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
04o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas .de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com.bolo .francez muilo proprios pa-
ra mimo a 04 o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amcndoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a ooo rs.
Bolachinha d'agna e sal, da fabrica de Joo
deBrito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por 2. Soors. -
Ameixas francezas em fiasco de vidro com
tampa do mesmo, a i^ooo.
Ameixas fraiic zas era caixinhas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na ca-1
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Coslelletas inglezas a 04o rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem pratoa 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portoguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijab verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a Ooo,
l.oooe l,2oors. a libra.
Espermacele superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e^7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,8oo! a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
e 64o rs. o frasco. Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
Genebra de laranja verdadeira em frascos \ 'o gigo com 36 libra*. *
grandes a l.ooo ell, ooo rs. a frasqueira.' Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco e
Caf do Bio de Ia qualidade a 28o rs. ali-! 8,ooo a duzia.
brae 8,5oo rs. a arroba. iVassouras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali- J 4oo rs.
bra-e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a IGo rs. a libra.
Arroz do MaranhSo de Ia qualidade a loo Molho inglez-em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. I a 8oo rs. o frasco.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. i 4oo rs. o frasco.
Paincoe alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lcntilhas francezas. expeliente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 04o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra c50o rs. a reta-; 1$ a garrafa ell,ooo a duzia.
lho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.
. :_________________._________
Sal refinado em frascos de vidro com tampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que \em ao mercado, a 5oo, 50o e 04o
a garrafa, e o,8oo, 0,ooo e 6,ooo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos doaffamado fabricante Jos Fui ta-
o de Simas, das seguintes qualidades:
Exposigao Normal de Ha vana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,ooo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhas de Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5co e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra. "
Matte, excellente cha para o? navegantes, a
2oo r.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muilo nove a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 50o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamaDhos, muito proprias para
mimo, a l,0oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Buibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o preco.
| Azeitonas de Bivas em ancoretas grandes de
8 garrafas por Ooo e 800 rs. a garrafa.
xa exterior, a l,4oi, l,6oo, l,8ooe 2,ooo I Azeitonas porluguezas a 3oo rs. a garrafa e
cada ama. l,5oo cada urna ancorela.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 2e,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a *2o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balais para roupa suja, grandes epeque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 04o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1 ,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 000 rs. a
garrafa.
Soutambarquesdecor na loja
do Pavo.
Chegaram pel ultimo vapor francez os mais ri-
cos soutambarques de cores, sendo os mais bem
enfeitados que tem vindo a este mercado, com
adornos de velludo, seda e setim, renda, etc., s
avista do grande sortimento qne os fregnezes
podem dar o verdadeiro aprego a esta fazenda, e
vende-se por differentes prgos conforme a quali-
dade na loja 4o Pavo de Gama o Silva, ra da
Imperatriz n. 60. .
" m t^W
Manteletes de fil na loja de Pari.
Vendem-se os mais ricos manteletes de fil pre
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queimado, n. 49 e 55. E' para admirar.
Carretis de hnha com 150 jardas......
LDitos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60..............................
Dito dito de 60 a200..................
Novellos de linha grandes com 400 jar-
das.................................
dem idem brancos e de cores de 100
jardiS'...............j..............
Livrospara assento de roupa lavada...
Cordao branco para espartilbo (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de bottis de punho todos de cores
Tinleiros de barro com tinta...........
Tesouras para costuras finase unbas
Ditas para costnras com toque d'avaria
Escovas para limpar dentes muito finas
160,200e..............................
Caixas com lOOenvelbpes das meltKres
qnalidades...;.......................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso.......................t.......
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
mo)................................
Meiadas de linha frouxa para bordar...
Pares de sapatos de tranca.......... 1500
Massos com -superiores grampas para
senhora........'. o............
Frascos de maca$a perola muito suerior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................
Ditos e garrafihas de agua de Colonia
mnito fina.......................
Ditos de banba a Ganbaldi e da familia
imperial.............3...........
Pecas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade..................
Pares de ligas para senhora as melho-
res ...___.......................
Pecas de bicos francezes e renaas.....
Frascos de am>a dentfrico muito supe-
rior..............................
Caixas com 4 papis de agnlhas a balo
e^ictoria........................
Libras de laa sendo de todas as cores...
Bonecos vestidos e tambem de choro...
Caixas com superiores obreias
60
120
100
80
30
100
20
160
120
100
400
200
320
640
60
20
20
30
200
500
400
000
240
320
320
800
vrameoto 0. 36 lano igreja.
Vude-se o sobrade de nm andar n. 9o da ru
Imperial, a casa terrea n. 91 da mesma roa, e a
de n. 13 da ra la Mangueira da Boa-Vista, todo
por preco com modo : atratir, ou em OUndi, ra
de S. Bento, com o promotor publico, ou no Reri-
fe, ra do Limpenlo b. 39, eom Pedro Alexandri-
do do Amparo.
td e oulroscom os centros de cor, sendo neste ar-
tige o mais rico qulem vindo ao mercado e mais Ditas de linha de.gaz com 50 novellos.
moderno por seroMmaito compridos e cora deli- EnOadeiras de fita para espartanos-
cadissfmos lavrores: Ufl loja do Pava, ra da Im- '
peratriz n. 60, de G*H & Silva.
Para meninos.
Vendem-se multo bonitas rouprahas proprias
para meninos do 1 a 4 anuos, sendo calcinhas e
200
6#000
160
40
800
60
20
40
jaquetinhas ignaes, e muito bem enfeitadas : na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Garra
& Silva.
Caleiibas do Patio.
Vendem-se muito bonitas calcinhas bordadas pa-
ra meninas a 640 rs.: na loja do Pavio, ruada
Imperatriz n. 60.
Carretis dlinha de cores com 100 jar-
das ......."......................
Peeat' de cordo imperial............
Mi lho novo era saceos grandes: no trapiche
de Cunta, a tratar com Tasso Irttos.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
125 a lata : nos armazensda ruado Im-
perador d.16 e roa do Trapiche Nevn. 8.
BOTICA E DROGARA
Bartliolomeu Fraacisco de Souza &C.
34Kua larga do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
PilulasdoDr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilulasdo Pobre-homem.
Pilulas americanas.
Pilulasvegetaes.
Pilulastregetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remediosdo Dr.Chable.
Elexir dePepsinade Grimault.
VinhodeSarsaparrilhadeCh Albert.'
Injecc.au Feaugas.
Agua dentificade Desirabode.
Papelohimico, para tainos.
Xarope depurativode Chable. .,
Licor aromtico de Raspa! I.
Pos auti-epileiicos deBrest.
RobL'Affectear.
Jarope do Bosque.
Ungento- FTolloway._____________________
pwhincha n&o i a lo} a de fazendas
ronpa feila leillil, roa da Impe-
ratriz n 72.
Pechincba a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas de cores Bxas a 240,280 rs. 0
covado, ditas francezas larga? a 300, 320, 360, 400
e 440 rs. o eovad i pecas de madapolao fino a b&,
75, 8J, 9^ e 10*; pecas de algodo a 5, 6*, 79
e 8* : roa da Imperatriz n. 72.
Ronpafeita nacional.
Vejidem-se patitos de cazemira preta e de cores
a 55, 6, 85 e 105, ditos sobrecazaoos a 12, 14
e 165. Palitos de brim de cor a25300, 3# e35500
rs., calcas de cazemira preta a 68, 7 e 8#, ditas
de cazemira de c6r a 5#, 65 7, .e 85 ; coletes de
cazemira de-eore e pretos e ditos de brim a 15500,
e 25500 rs.,; calcas de brim de cor a 25, 25500 :
ra da Imperatriz n. 72. -
Soutambarque de cores a 7 Vendem-se soutambavqne de laa e seda para se-
nhoras a 7#, 85 o 105; ditos de grosdenaple pre-
to a 20jj e 255 ; capas pretas a 20 e 255 vesti-
dos de 13a a Mara Pa a 125, 1* e 165 : rna da
Imperatriz n. 72.
Cortes de cazemira preta a 3$.
Vendem-se cortes de cazemira preta para calca
a 35, 35500, 55 65 e 65, ditos de cazemira de
cr a 35, 45,5, e 75, ditos de brim de cores a
15600, e 25, ditos de cHltas finas a 25400 e 35200,
ditos de cassas franceza a 35 : raa da Imperatriz
loja do barateiro n. 72.*
P*tasa da RnMla~
Acaba de chegar a mais ova o verdadeira po-
tassa da Rassia, e vende-se a preco commodo: no
escrlptorio de* Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
largo do Corpo Santo n. 19.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 55 tojas de muido-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barato do que em
outra qualquer parte, qnem quizer ver o qoe ha
bom e barato venha a loja do Rival.
Duzias de phosphros de segnraoca a ... 120
Francos com essencia de Sndalo mnito
superior.......................... 15000
Pentes de tartaruga mnito fino a....... *0
Pegas de fila de la prela para vestido de
10 varas .........................
Escovas de roupa muito superiores a...
Latas eom superiores banha............
Frascos de vidro com superior banha..
Pares de Invas de seda muito linas....
Enfeites do melhor gosto qne tem vindo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira.
Pulceiras do melhor goetoe modernas.
Volta para pescoco do melhor gosto....
Baralhos para voltarete, finas a 200 e..
Varas de franja branca de linha que
tem muita serventa.................
Duzia de pennas d'aco muito superiores
Frascos de oleo Bboza multo finos.....
Talheres para meninos a melhor quali-j
dado............................
Diversos livros, todos religiosos a 100,
200.............,....................
Duzl de colheres de metal muito finas
par sopa........................... 25400
Duzia de colheres de metal muito finas j
para cha........................
Grosas de botSes de osso para calca...
Grosas de botoes madrepernla para ca-
misa,..............................
Grosas de botoes de louca prateados
muito finos......................
Varas de babado do Porto sonido.....
Duzias de lapes differentes qualidade a
240.............................,
Quadernos de papel de peso mnito fino.
Resma do mesmo papel............. 25000
Duzia de facca e garfo muito boas.... 25400
Sabonete de espuma multo superior...
Capachos compridos e redondos mnito
bons......................'.......
Ditos para sof.....................-
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa........................
Creio para dezenho de todas as qua-
lidades...........................
Cartas de alfinetes francezes muito su-
periores..........................
Caixas de colchles francezes a 40 ris
Dnzia.........................
{Jarretis de retro* cora qnatro oitaias..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade.............................
60000
05
200
240
320
25500
15280
500
500
B240
;o60
060
.00
240
500
15500
--200
500
100
060
400
030
040
500
25000
Fazcnds btalas
No armazem que foi de Joaqu'm Pracrici de
Alem, largo da Assembla n. 1, venden e fintas
francezas, algodo grosso, estopa laipa e lfneos oe
chita, ludo por preco muilo conrimtdo em icii-t--
quencia de se acha'rem momados d'agua algiu.
Himnos
Acham-se a venda os bymBos dos voluntar.os
da patria da provincia de Pemamboco, e o b-vniao
dos voluntarios de Henriques de Pein?mbuc, i a
historia sagrada por Rojmonl, em um livro bem
encadernado : na ra do Imperador n. 15 derri-
te de S. Francico.
Veudem-se jarros vidrados vindos de Iftr Iba, proprios para agua, farinha, e mesmo para
deposite de doce de calda : na ra do Trapiche
Novo n. 24, achara com qnem tratar.
No escripiorio de Palmeira & Btltio, largo
do Corpo Sanio n. 4, vende-se o segrale :
Farello de Lisboa em sarcos grandes.
Toros d Jacaranda.
Conservas inglezas em frascos modernos.
Vinho do Porto fioo em barris.
Sement em latas de 1 libra muilo superior.
Chocolate especial marachense.
Farinha de mandioca da Babia muito nova *m
saceos de 2 alqueires minio bem medidos.
Varmoulh em caixas de i duzia.
ESCRAVOS FGIDOS.
Acha-se fugitivo o escravo Manoel Muqunu
rom os signaes seguintes : ciioulo, cor preta, alte,
magro, desdentado, tem urna fisiula abena fio
queixo proveniente de drde dente e una Cito luz
no rosto, reprsenla ter 40 annos pouco mai
menos, bastante afoTitu c presumido de valent;., :
a todas as autoridades e pessoas do povo e a rada
um de per si roga-se a captura do dito esrr.'.vo
que poder ser entregue ao Sr. Anti-nio da Roba
Accloli Lins ra do Apollo, ou no engenho Ocie--
rao. O senh r e depositario do mesmo protestan)
recorrer ao tribunal competente rontrn qnen o
lenha acolitado e paga-se com generosidade a
quem o apprehender.
Aos coaitaes de cawpo
Desappareceu no da 21 do correrte, da casa ce
sen senhor, e escravo deiiome Benedicto, catra
escuro, com idade de ib annos, leven vertido ral-
ea de algodo de lislia, camisa de algidao da le-
ra, e chapeo de couro de abas larpas, itm alu.ra
regular, cheio do corpo, cabello a escovlLl,.-.,
olhos pretos mnito vivos, nariz c bocea reglales,
muilo pouca baiba no queixo e um pfq&ttii i ti-
co, todos os denles, pes regulares, ele.; e r"e j,ie-
sumir que seguisse a esirada de-Gr.lanra jii ur
vindo da cidade de Souza, provincia da lai;.)i;..
ha 13 d>$, e, foi comprado ao sr. Jos meti
Borges daqoella cidade : roga-se perianto aov st-
nhores capiles de campo a apprebtnsio do i.te-
rido escravo, e levarem-no a ra do In.iendcr n
83, segundo andar, que .epralifir;.i rom ?0J.
Aos capiles de campo.
Fngio no dia 27 de feverelro deste anne, de ca-
sa de sen senhor o escravo Sebastiao, criculo, to-
lo, com idade de 22 a 24 annos, fui escravo do
senhor do engenho Qoandus da comarca te Santo
Anlo, d'onde linha vindo para esla cidade a 8
dias, de presumir que seguisse pan. TaqoariliB-
lia aonde tem mai e irmaos, leveu calca e canisa
branca bastante suja, altura regular, alello a es-
eovinha, cabera pequea e redonda, tosa' grande t
bem cantuda, olhos pretos e replales, i.;mz-ola-
lo, bocea regular, Leicos reglales, dentes lodos e
limados, nenhunia barba.apeiia.- um pequero ligc-
de, corpo bem limpo, pos regulares e peora ar-
gos: roga-se portanto aos Srs. capitaes do campo
a appretiensao do mesmo a entrcga-lo i ra do
Imperador n. 83, segundo andar, delronle to cor-
reio, que se gratificar com 805.____________
Desde 9 de dezembro de 1864 que est au-
sente da casa de seu senhor o escravo Heirulano,
cabra,Idad40annos, alto, cbelos tarafra?,
rosto descarnado e comprido, olbos e freiras le-
quenas, nariz chato, barba pona, tem apenas bi-
gote e pera, perna es<]uerda de queb;a n .nevo e
o pe desse lado lorio que o faz andar con o can-
bado, supp5e-se andar pela Casa Forte amszi.'do
com urna muala forra, baixa, alvaccnta, qoe |-
rece maluca : qnem o pegar leve-o a rra Direiia
n. 54, que ser generosamente recompensado.
Desde 6 de marco correte est fgida a es
crava Joanna,que foi ltimamente da Sra. D.Fran-
cisca Maria Marques do Amaral, com 40 annos,
peuco mais ou menos, nariz chato, ps apalbeta,dos
com signaes de foveiro, olhos grandes, falla um
ponco pegada : quem a pegar ou della livor j:: :<-
ca, dirija'-se Magdalena, travessa aos Remedios
n. 27, que ser gratificado.
1100
{00
020
100
Negro fgido
Est fgido desde o dia 27 do fevereiro -dos
anuo o preto Joaquim, de nacae Angola, que foi
escravo do Sr. capitao Francisco Joaqnim Caval-
eanti Galvao, morador em Mara Farinha rPraia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do ar
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques cem
armazem de assucar ra de Apollo ; levou ca-
misa e calca de algodo braneo, reprsenla ter do
45 a 50 annos de Idade, alto e de grossnra reco-
lar, cor fula, cabeca comprlda, quelxcs laicos,,
olbos amortecidos, beicos grossos, sendo o supe-
rior um tanto defeituoso, bastante liarbn, perem
raspada, finalmente tem urna grande roslnra tnire
ospeitos proveniente de queimadura, e suppoe-se
ter-se dirigido para o norte; d'onde veio : grattb-
ca-se a qnem o apprehender on denunciar o coito
em que estiver : ua ra da Cadeia do Rcrife nu-
mero 52. _________
__Foglo no dia 14 do correte da ra da Cruz
n. 8, terceiro andar, a escrava Benedicta, com es
signaes seguintes : cor fula, tem falla de dentes
na frente, levon vestido escuro de palmichas tran-
cas, chale encarnado, bem conhecida por ter si-
do escrava do Sr. Salustiano Cantalisla : rertm-
mendase as autoridades policiaes e capital de
campo que a peguera levem-na a casa acimB, ou
a ra da Senzala Velha n. 94, que serao gratifi-
cados.
Fugio em principios do mez de fevereiro do
crreme anno o consta estar acontado nesta cidade
o molerme Eozebio. escravo da viuva do Dr. Fer-
nando Affonsode Mello,-de 12 annos de idade pen-
co mais ou menos, cor preta, secco do corpo, omos
regulares e afumacados, cabeca nm ponco grande
e meia chata, belfos finos, dentes bem alvos, res
swcos e mnito ladino: roga-se por tanto a todas as
, autoridades policiaes e capilJes de campo quo o ap-
360'prehendam e levem-o a roa da Mangueira sobrado
800 n. 6 qne serio gratificados, protestando-se usar dos
melos jndiclaes contra qnalquer pessoa que o lenha
oo'emseupoder.
ILEGVEL


.*
Diarlo e rerntwihnto Saktm f ie AJtrll de 1SG5
JURISPRUDENCIA
Figreteos que a censura incisiva, direc-
ta, pessoal, abrange n'ama vasta rede um
grande numtro de individuos pertencentes
certa classe Os que eram mais suscep-
tiveis de emenda resentem-se da chamada
O Fornn.
Aigumas pessoas proticus e experimenta-
das que nos fazem a fineza de manifestar o 'nominal e descaridosa que se podia substi-
ica indulgente aproen s intenges benficas', tuir por urna advertencia branda e sinuosa:
com que resolvemos a publicco do Forum, [ e muitas vezes, despertados e perdendo certa
teeinlido-a louvavel franqueza de confessar modestia ao rerem-se daguerreotypados n'um
a mesmo tempo a sua ncredulidadc quun- jornal, quebrara o freio poderoso que os
to aosbo:s fruclos que dessa tarefa possam continha. Os incorrigivis.... resultar ros limites em que a vamos desempat zombar do ferrete da ignominia, e esta-
pwibando at agora. rao talvez dispostos a relorquir censuras
Infelizmente em nossa trra as parbolas com Jnsultos*
oo valem o que valiam no conceito do legis-1 Alm de que, sao de sobra os homens pa-
Irtor divino. A mo ca.udosa que talha i.cato que estoaffeitos a considerar como
.vrapuga sem apontar logo a cabega era queiorgulhosos, trefegos, utopistas ou catSes si-
bila se ajusta, rerde litteralmente o seu tem-' mulados, os individuos que n5o perdem oc-
po. Um ou oulro espirito maligno faz s psio de condemnar o procedimtnto alheio,
vezes a sua applicaro justa ou arbitraria,! anda omenosjuslo.
Ocertoque dos esforcos collectivos dos
bons e menos boas que pode vir o desen-
volvimento pratico de urna grande idea. Urna
andorinba s n3o faz verlo, diz o antigo pro-
loquio.
!5
dos Baptistas, dos Independentes e outras
seitas.
Em 1856, publicavam-se em todo' o Reino
Unido 799 jornaes, dos quaes 37 diarios re-
partidos do modo seguinte :. 5 eni Londres,
e 5 na Ir-
e ri-se costa alheia. Algum individuo a
quom a referencia quadra melhor, contenta-
se em attribui-la ostensivamente a outrem,
e vae andando seu camioho como dantes. A
maioria, essa olha indifferente para as allu-
i5ds, que muitas vezes n3o servem ao me-
nos para que foi objecto da censura disfarcada, nem
pira conterem os que podem transviar-se
p-ir vereda errada... A ninguem aproveita
o milagre quando nao se v nomeado o santo
que r> pratica. E' condigo da pobre huma-
n l.nle: aquillo que traz algum vislumbre
Je maledicencia pessoal que sempre um
grande incentivo, que, quando nada mais
faga, desperta... a simples curiosidade.
A caridade evanglica do missionario que
- falla das miserias humanas, sem chamar
baila nominalmente seus autores, porque
nao quer, no deve envergonha-los, e deixa
pira osygillo daconfisso os conselhos, os
reproches e correcces directas, embon pa-
ternaes, um santo systema que s tem a
ilesvantagem de nao ser bem comprehen-
dido, nem muito efficaz na esphera profana
ou temporal.
Que se pralicam abusos, e abusos escan-
dalosos, bem o sabe ja a consciencia publi-
ca, que com mais ou menos reserva aponta
acus autores. Pouco se adianta portanto
em denuncia-las, com cerlo veo, embora
transparente, aos que ainda as ignoram ou
aos inexpertos, urna vez que n3o se expe
a juelles autores irriso publica, que tal-
vez podesse enrubecer a face de alguns e
traz-los ao bom caminho pela insistencia
as revelacoes.
Nestas considerages at certo ponto
verdadeiras que certatnente se fundam
os dtscrentes de que cima tratamos, para
preferirem^ seu juizo, que tambem se apoia
n'outro faclb real:
E' to grande a corrupgo da poca, que
o empenho mais teBaz de narrar e morali-
zar os factos cora indicago de seus autores
vem a produzir bem pouco eTfeito. Se isto
assim, o que se deve esperar das simples
indirectas ? Ha tanto cynismo em praticar
abusos, at mesmo com certa ostentago, ou
dosprezo ao conceito publico, comUnto que
resulte alguma vantagem pessoal; ha por
ahi tanta mestria para se engendrarem si-
mulacoes, estratagemas e sophismas cem
que as maiores torpezas sao defendidas, en-
capadas, e at douradas, que o homem de
boa f chega s vezes a descrer de si mes-
mo, sem saber se elle que est em er-
ro, ou si com effeito a immoralidade que
tem tomado proporgoes largas e assustado-
ras. J urna grande vantagem quando o
iimplorio nao comprehende bem a efficacia
dos costumes, e os meios de bem viver;
porque ento ainda se conserva presa por
esses escrpulos louvaveis que nao o dei-
xam eatregar-se de todo impetuosidade
da correte, que na verdade arrebata-
dora. ..
Por tudo isto se conhece que nao falta ra-
zo aos que aquilatam de certo modo a di-
recto do Forum. Mas preciso que nos
entendamos.
Ha certas conveniencias que no se de-
vem desprezar, embora se deva pospo-las,
muitas *ezes, a motivos de ordem mais ele-
vada. As conveniencias a que nos referi-
mos sao as que derivam das relaces pes-
soaes. Fura preciso que vivesse solado o
homem que quizesse armar-se de um sem-
blante carraucudo, dispondo-se a fechar os
olnoi e agugar os ouvidos, para dirigir a to-
do transe o aguilhao da censura para onde
o chamasse a voz severa da verdade. Co-
mo as raizes do mal teem-se esteodido em
demasa, lodo esse ctonismo excessiva-
mente estoico levantara urna cruzada im-
mensa e furiosa.
Havia de vir a reaeco contra o pobre
moralista, aecusado at de ingratido, reac-
go qua inutilisaria talvez de certo modo os
bons resultados obtidos emquanto se suppu-
nha que a critica ficaria contida em limites
menos dilatados. E porque a vastkl > do
gystema moralisador abrangeria os menos
bons, alm dos mus, segue-se que smente
os bons poder lam amparar o moralista contra
os embates numerosos e repetidos de seus
antagonistas; Mas que os bons nao sao
tantos que podessem conter a onda, nem es-
to pela mor parte isemptos desse indiffe-
rentismo que lavra, e desse propositoto
commum boje em dade se evitaren! os
compromettimentos que podem vir por amor
da defeza, espontanea e gratuita, da causa
da verdade. *
Mas nao sao as relagoes pessoaes que em
primeiro lugar prohibem o desencadeamen-
to de censuras multiplicadas e mui directas.
A autoridade publica vae cabiodo n'um des-
prestigio lamentavel, concorrendo para isso
poderosamente, j a incapacidade dos que a
exercem, j os actos insustentaveis que pra-
licam. Ora : seria desconhecer as conve-
niencias publicas o expor-se a maior desres-
peito o principio da autoridade, levando-se
constantemente publicidade, sem reserva,
quaesquer sendos que se observara nos de-
positarios dessa autoridade, seja qualforsua
ordem ou jerarchia.
E por consegrante na critica pradente e
judiciosa pode haver urna certa obliquidade
s vezes, e certa parcimonia que a torna mais
efficaz. Mostram-se ou analysam-se os abu-
sos : mas nao se vae logo com a disciplina
s costas do peccador. Convm antes, por
meio menos rispido, procurar sinceramen-
te que elle se converta e viva, segundo o
que est escripto as sagradas paginas. O re-
curso extremo das personalidades fica para
os que se mostram insensiveis s reclama-
goes indirectas, ou para os factos de certa
ordem, quando se quizer vingar a lei ultra-
jada ou direitos importantes que foram des-
pezados, principalmente por motivos incon-
fessaveis.
Pelo que fica dito j se v que o Foram
nao demiite de si a faculdade de rebaler os
abusos especificada e nominalmente. E ha
de faze-Io, quando fr mister, com energa
e completa independencia. Fique isto assen-
tado urna vez por todas, si que n3o basta
o compromisso do nossoprogramma.
Quando outro xito nao obtenham, por-
ventura, nossos reparos, reclamares e in-
sistencias, serviro ao menos de protestos
contra os factos censuraveis.
Nofaltam clamores que nos cheguem
constantemente aos ouvidos. Mas isto n5o
basta. E'necessario que os prejudicados
apresentem seus apontamentos baseados em
verdade. Pela nossa parte nao podemos ver J
nem perscrutar tudo. Limitamo-nos ao que
cabe sob nossas vistas, sob nosso exame
conscieocioso.
Reclama-se muito por ahi contra decisoes
judiciarias, que nao se compadecem com os
principios de direilo, nem com cerla cohe-
rencia que deve baver nos arestos. Si
exacto o que nos informam, existem at deli-
berarles contrarias sobre factos idnticos.
No tribunal do* commercio (vamos toma-lo
para exemplo), possivel que isso prove-
na, em grande parle, da variedade dos jui-
zes depuiados, que se succedem, podendo
cada um delles encarar a questo por seu
modo.
valiosa que se funda no concurso de tantos
votos para cada julgamento, creou-se o tribu-
nal do commercio com cinco votos, sendo
somonte tres de homens togados, entre os
quaes sobresahe o presidente.
Por mulberes condiges que este rena, *0 nas provincias, 7 na Escossia
comopor exemplo odesembargadorP-llanda-
retti, elle tem voto de. desempate ; e a sbrte Deste resumo v-se o^progresso. feito pela
das partes na maioria dos casos fica depen- aprensa ingleza durante o periodo de dez
dente dos quatro juizes, comprehendendo1?01: ? rumero t,,ul dos jornaes augraen- {am^M Mpeb
se neste numero os dous deputdos. Slg"*' d' um te''C e a dosJOTnfesdiarios bem horrvel 1
Estes, que nao leem a responsabilidade
dos professionaes, porque alm i!e n3o faze-
rem da judicatura urna carreira, em que se
queiram adiantar ou distinguir por seu pro-
cedimento, e antes consideram verddeiro mirante Edhera-Pach chegou a Cherburgo
onus a misso que Ihes confiaran, podem | no dia 18 do mez passado, procedente de
decidir-se muitas vezes por affeicdes,.. sup-PIymouth.
Esta divisao naval compoe-se de tres na-
vios de hlice :
desta praga e o de outra mais remola ? Pro- A nu Kassova, de 80 pegas e 557 pragas
duplicou.
A liberdade fecunda.
?-^-*"
A esquadra oltomana do commando do al-
punham s somente esta hypo.these.
Trata-se de questo entre um negociante
Basta... Deve estar satisfeiti tua vingan-
ga, t aquem conheci to humano o mi?e-
ricordioso; suspende de sobre mira essa
maldigo que rae tortura; termina esse dec
sespero que me devora, esse anejar violen-
to em que vivo;' faz emmudecer vo ter-
na e inexoravel que noute e dia me grita
aos ouvidos:
Caminha!
Caminhar! caminhar sempre sem re-
pousar um momento,' sem cerrar um ins-
ras.Jv horrivDl, Senhor,
Perda-ine, Cliristo, perdoa-rae a dureza
docoragao; perda-me^is expressoes sahi-
das dos labios: perd6a-me pela cruz que
me deixaste, pelo calix de absynthio que
bei tantas vezes tragado!
E o misero parou um momentoimper-
ceptivelcomo o peni-amento; urna lagrima
lhe correu longa pelas faces cavadas: e ao
depois, sacudindo a poeira das sandalias, e
tomando o bordo nodoso, soltou um gemi-
do de desalent e rpido desappareceu na
curva da montanha.
mao benfica parauses denodados filhos do
catbolicismo ?
Elles nos pedem pao, um canto de trra
para rtrigo do desterrado. '
Generosos com#lomos no lh'o podemos
negar,
. ma eiusa esta orden, seria um cri-
rae imperdeavei, orna affronta jogada face
da civilisacao, om insultopraticado contra a
religio da Verdade. '
vavelmente o voto ser em favor daquelle de gaarnicao; este navio, em que est le-
com quera os julgadores se acham mais es- vantadaa bandeira do commando, da for-
treitaraente ligados pelos lagos... da amisa- de, do colleguismo, supponhamos.
A fragata Ertoyroal, de 56 pegas e 360
Do Jornal das Faimlias transcrevemos o
Entretanto ainda reslam dous jui7.es toga- pracas' da forga d 600 cavalos.
dos. Mas que a toga nem sempre tem a A fra?ala Khudevindiga, de 56 pegas e
virtude de evitar o erro, ou os impulsos... 357 Pra?as' da forga de 600 cavalos.
do coragao, suppunhamos ainda.
Ora, se acontecer infelizmente (a cousa
mui factivel) que coiocidam os votos dos
dous depulados com o do juiz togado n'uma se8ujnte:
das hypotheses que figuramos, ou quando1 Sou eu'amaldito deDeuse dos
baja de parte deste urna mudanca de voto tendo, como Caim, marcada a fronte com o
por via de embargos, sem razo jurdica suf- signal indelevel da vingang i eterna; con-
sciente, pde-se commetter urna grandissima demnado, pela vontade d'Aquello que tudo
injustiga. Neste caso nao valerde nadaum P()de' a iver' a viver indefinidamente na
voto dissdente, por mais justo que seja. I Ab ng0 poss0) n3o me dado 0 mor.
Por ora nos contentamos com estas sim- \T%}. _.
plesobservac5es.E'provavel que desgamos JZ\Ch*; ^ ^Z,Te
homens
depois nalyse minuciosa de factos que
justifiquen! nosso proposito : e ento os des-
crentes, a quem ainda esta vez nos refer- mago dos seculos!
momento minha
condemnou-me o. Eterno a caminhar sem
cessar, a caminhar sempre, ate a consum-
E' do Sr. Youmale
hym.no de paysandc
mos, bao de convencer-se de que o Forum
no se dispensa de corabater mui directa'
mente as injustigas....
F. J.
Recife, 26 de marco de 1865.
LITTERATRA.
UM POUCB DE TUDO.
O cardeal Wiseman deixou escripia urna
memoria a respeito do progresso que o Ca- rages se leem sucedido s geracoes: teem
Essa palavra que horrorisa o homem, po-
rm <|ue eu procuro como o rabe do de-
serto procura a sombra do oasis ou a fonte
em que refrigera as fauces; essa palavra que
quer dizerparalysaglo de todas as dores,
termo de todos os soffrimentos, cessago de
todos os males, somno de que se n3o des-
perta, descango da lousa, paz eterna dos t-
mulos, a mor le, a espe ranga derradeira e
querida nas agenias violentas do desespere,
nas ancias do desalent, nao a tenho, nao a
posso ter, porque me nao dado morrer.
Tudo tem desapparecido da trra; as ge-
tholicismo fez em Inglaterra desde que elle: su^ido imP.erios e J dePjs desabado Para
. .. ,. ., : ou tros surg rem em- lugar dos que desappa-
comegou a desempenhar a al a digradade de recerara.
chefe da egreja naquella nago. Especies inteiras de animaes, milhes de
Destes apontamentos resulta que pela in- especies de vermes, aves do cu e peixes
fluencia directa ou indirect i do cardeal, se do mar, se teem aniquilado, ao passo que
construiram em Londres e suas immediagoes outras surgem animadas, para terem lam-
71 egrejas, e 35 conventos catholcos. bem fu, dia deiradeiro
Tudo tem desapparecido da trra, que
O numero dos sacerdotes catholcos que constantemente se modifica e se transforma ;
estavam debaixo das ordens immediatas do! tudo I...
cardeal Wiseman era de 1,338, cmprehen-' J* ^u' Ahasverus, eu o maldito de Deus
A__. ,- .._ ,. ,_ i e dos homens, so eu nao posso morrer!
dendo 1 / b.spos, e alera destes mais 183 ( 0 que n3o 'tenho ^^.^ voltear de
prelados e entre elles quatro bispos na Ir- tantos seculos; que de transformaces, que
Ei-lo altivo carapeia nos ares
O gentil pavilho brasileiro,
Tem por base as muralhas cahidas
Deste forte castello roqueiro I
Oh que importa das balas o silvo".' I
E o sangue jorrar inda quente ? !
Honra ao'bravo cabido na futa,
Pela patria morrendo contente!
Que o brasilio guerreiro n3o treme,
Nem tremeu ante os brados de guerra;
Ouga embora o troar dos canhes,
Chovara raios era roda na trra !
Quando a patria seus filhos reclama
Para os campos~saTfgrentos da gloria,
Como as ongas, puland ligeires,
Nos chegamos, bradamosvictoria !
Que o soldado brasilio na lula
E' temivel qual negra phanthera ;
Ao erguer-se da Cruz o Imperio,
Treme o fraco, o valente se aterra !
Mas, nao baslam os lonros que temos
Nestes muros imigos colhido,
Inda Lpez nao foi castigado,
E preciso que seja punido !
Eia, avante I guerreiros, avante !
Ao covil do bandido voemos!
Rufem caixas nos campos de guerra t
Nossos brios e honra vinguemos !
Oh que importa das halas o silvo ? !
E o sangue a jorrar inda quente ? !
Honra ao bravo, cabido na hita.
Pela patria morrendo contente !

Um jornal de'Paris narra o seguinte facto:
M. de P...regressado poucos das da
Alleraaoba, dava um dia destes umareuni3o
intima em sua casa, na ra de Rivoli,
Doente de urna affecc3o do coraeSo, que
nessa noute o incommadava com mais inten-
sidade, quiz, com tudo sentar-se b piano,
que tocava magistralmente. Depois de ha-
ver executado com extraordinario enthu-
siasmo uns poucos de trechos, ficou em lal
estado de commogo, que Ibe pediram que
abandonasse o instrumento, saudando-o ao
mesmo tempo com merecidos applausos.
Nao obstante, M. de P... porfiou em to-
car mais urna meloda, porm nao a pode
terminar ; no meio de urna phrase musi-
cal, empallideceu estranbamente e cahiu pa-
ra traz na cadeira.
Acabava de suecumbir ruptura de um
aneurisma.
O que ha de singular neste facto que a
meloda executada por M. de P.. era de
Chopin, seu amigo, e que este grande artista
tentara toca-la no moni nto tambem em que
sentindo aproximar-se a morie, quiz dizer
adeus ao instrumento que traduzira as suas
poticas inspirag5es, e que lhe havia alean-
gado todos os seus triumpbos.
Mandara ebegar o piano para juato^eito,
eas suasm3os entorpecidas j peloino da
morte, extrahiram delle suaves e melancli-
cos accordes; porm, prostrado de novo no
seuleito dedor. urna hora depois deixvade
existir.
E a este respeito releva dizer: nuncasym-
pathisamos com a organisago dada ao tri-
bunal. Confiar a homens, sem sciencia do
direito, sem pratica de julgar, a decisao
de negocios imporlantissimos, roubar-lhes
o tempo que podiam empregar nas suas ope-
ragoes mercantis, levar muito longe a conr
veniencia de se attender aos esiylos do com-
mercio. Para os magistrados togados que
tiveram penetraglo e paciencia para destrin-
carem o corpus juris, para cotejarem as
opiraoes encontrados dos jurisconsultos, pa-
ra examinarem e combinaren! as disposigoes
do nosso direito escripto, em todos ts seus
ramos, to variados, t5o extensos, n3o era
l muito que com algum esforc e attengo
adquirissem o conbecimento indispensavel
das praticas ou estylos.
E s os estylos consideram-se objecto de
tamanha inpoFtancia que a intelligeocia del-
les s pode ser devidamente decifrada pelas j metros.
especialidades, ainda baveria um remedio, J .
como ha, por exemplo, para a vers3o au- i
thentica de documenlos preciosos para outra Publicam-se actualmente, no Reino-Unido
lingua, por meio dos interpretes que mere-. da Gr3a-Bretanha, 1271 jornaes, a saber:. na
gam toda confianca por sua fidedade e peri- Inglaterra, 944 ; no condado de Galles, 41;
ca. O meio. no caso em qnest3o, era dar j na Escossia, 140: na Irlanda, 132 ; e nas
aos deputados o voto consultivo to smen- ilhas inglezas, 14.
te. Nem por isso ficaria rebaixado o corpo Desles sahem luz diariamente 48 na In-
do commercio. Os cooselbeiros d'estado,. glaterra; 1 no condado de Galles, 11 na
escomidos entre as mais altas summidades' Escossia, 12 na Irlanda e 1 nas Indias in-
landa, formando um total de 1521 sacer
dotes.
Em 1829 havia em Londres apenas 29
egreja; e um convento.
Em 1857, este numero tinha-se elevado a
46 das piimeias e 11 das segundas, mas
em 1863, j havia 117 egrejas e 46 con-
ventos.
Em Philadelphia houve um grande incen-
dio no dia 10 de fevereiro.
Manifestou-se o fogo n'um grande deposi-
to de pe'roleo, ai dendo dous milbarris des-
te oleo.
Este sioistro, apresentou um espectculo
sorprendente, porque a trrenle das cbam-
mas percorreu urna ra inteira.
Mais de cincuenta casas ficaram reduzidas
acinzas
de espectculos assombrosos n3o teem pre-
senciado meus olhos!
Vi o imperio dos Cesares crescer e esten-
der-se como immensa serpente abarcando a
trra toda.
Vi aqueile corpo de gigante, gasto pelos
excessos e pelos vicios, ir pouco e pouco
perdendo a robustez e o vigor, at cahir
inanimado e fro na trra que por tantos
seculos dominara altivo.
Vi hordas de barbaros agarrarem-se a-
quelle corpo sem vida, como aves de rapia
despedacando a presa, disputarem-se os
fragmentos, lutarem,iiestruirem-se, enovos
imperios se irem formando das fraeges di-
vididas d'aqnelle grande imperio.
V as conquistas assombrosas da religio
do Christo, e os apostlos da nova lei levan-
do a luz da f e da civilisago as mais re-
motas e agrestes regioes do globo.
Tudo hei visto; tenho acompanhado to-
dos os cataclysmas porque tem passado a
humanidade; tenho assistido s lulas entre
os povos; tenho presenciado todos os hor-
rores, bei sido espectador de todos os grao-
des dramas representados no immenso sce-
nario do mundo.
Os estados da confederago germnica
possuiam nos principios de 1864, no mar
Bltico e do Norte 3,648 embarcacoes com
1,074,240 toneladas.
Este algarismo, no qual nao est compre-
hendida a raarinha mercante austraca, su-
perior ao de toda a marinha mercante fran-
ceza, incluida a cabotagem, os barcos- de pes-
ca, etc.
Devemos observar que as marinhas mer-
cantes da Franga, da Hollanda, da Dinamar-
ca e da Suecia, longe de t progredirem, di-
minuem de anno para anno tanto em mate-
rial como em pessoal.
Nestes ltimos 30 annos, sem protecgo
alguma de vasos de guerra, a marinha mer-
cante da Prussia duplicou, a de Mecklembur-
gotrplicou, a Jo Hannover quadruplicou,
as de Oldemburgo e Bremen quintuplica-
ram, e Haraburgo possue hoje sete vezes
mais navios, os quaes fazem Inglaterra urna
lemivel concurrencia.
Haraburgo e Bremen possuem um nume-
ro de navios egual marinha toda dos Pai-
zes-Baixos, e s o porto de Rostock rpnta
urna marinha mercante superior de todo o
reino da Dinamarca.
Estapoe8ia foi composta alternadamente
peios Drs. D. e G.:
DKSCRENCA E CRESOA.
O amor da mulher... vaga louca
Que rebenta n'aracora ruido ;
O amor da mulher... nao dura um hora
E' fallazpor essencia, sempre infido.
O amor da mulher... rosa .'inda
Que perde o aroma no cabir da tarde,
O amor da mulher... grirapa movel
E' luz phosphorica, que nao luz, nao arde.
E' o amor da mulher... elluvtc escapo
Da essencia dos labios'dos archanjos,
Quando nos cus em brincos e deirios
Trocam beijos e beijos co'osmais anjos.
Se rosa... oh ditoso do que a colhe
E aspira um momento sem perfume,
N'alma lhe fica um cheiro do que puro.
Sempre viva lembranga do que lume,
Lurae claro que em chammas- s-'ifradia
Na mente rebordada da ventura.
To suave... to doce... quagesa-lo
E da trra voar a impirea aKnra.
Le-se no Crnzeivo do Brasil o seguinte :
D3o os peridicos da capital, noticias de
E' sabido que quatro annos de guerra civil
na America tem produzido um augmento
notavel do prego dos gneros.
Damos em seguida alguns algarismos,
para que o leitor forme urna idea desse aug-
mento :
Epi 1830, o cha valia 400 a 1^000 por
libra; em 1864 subiu a 20 e 3(5.
O caf subiu de 120 a 600 e 800 rs. por
libra ; o assucar, de 80 passou a 300 rs.
A manteiga vende-se hoje a 700 rs. por
libra, em lugar de 230 a 300 rs. como em
1860, e o prego da carne duplicou, assim
como o das batatas.
Mas o augmento mais sensivel foi no pre-
go do da via vegetal, que durante quatro an-
nos cresceu de 54 a 13/5 por tonelada.
As chitas, que se vendiam a 80 e 120 rs.,
valem hoje 700 a 10 a jarda, ou 92 centi-
Eniretanto hei sobrevivido a tudo, em-1 ter chegado a esta corte, um personagem
hora tenha arrastado todos os perigos, em- 'polaco, cora o intuito de propor ao gover-
SSSrSfIrS^ 11 riJ aSZU no imperial, as bases de urna emigrag3o po-
diversas formas com que se reveste... em- .,
balis laca para o Brasil.
Quando o manto negro da peste se de-
J em um uuraero de nossa folha, n'um
do paiz, nao teem mais que o voto consul-
tivo.
Entretanto ao passo que se constitqiram
a- relagoes com to grande numero de jises,
offerecendo ellas deste modo urna garanta
glezas. }
Os Magazines e as revistas s3o 554, das
quaes 208 tem um carcter decididamente
religioso e sao o? orgSos da egreja de In-
glaterra, dos Wesleyens, dos Metbodistas,
terror a todos os coracoes; quando o incefl-!ver a iust,a desta causa> e as innmeras
dio devora os campos e infrenes as paixes vantagens que lucrara o Brasil, se por ven-
dos homens vio saciar-se no estridor dos tura favorecesse emigragSo dos expatria-
combates, ne Unir das armas no fumo da dos da Po|onia concedendo-lhes prazos de
plvora, na explos3o da metralha.-ah vou aramias tahrifiridas rara
eu... insensato e misero quesou 1! marcou- lerras e oulras 8aranlias estaDeiecraas para
me na froDte o dedo da vinganga celeste e o empreza desta ordem.
phantasma da pesie passa carrancudo e so-
turno por ao p demim, sem erguer, se-
quer os olhos, e respeita-me o fogo, e por
meus ouvidos vaovoando as balas, semao
menos me rocarem as vestes 1
Oh! Christo I Christo! bem m'o dlsseste
t, quando'acorvado ao peso de tua cruz,
subindo a ladeira do Golgotha, quizeste of-
fegante parar por um momento e descangar
porta de minha casa!
A causa deste povo martyr hoje com-
mum, e umversalmente abracada pelas na-
ges ainda as mais indiferentes.
Nao ba um corago piedoso, que nao vol-
va logo olidos de compaixSo para os infeh-
| zes filhos da patria dos Sobeskis.
Profundos catholcos. valorosos guerrei-
! ros, generosos, ilustrados e trabajadores,
Bem m'o disseste, quando repellindo de elles nos pedem um agasalho, de mister
meu corage lodos os sentimentos de ho-!nue 0 povo do Brasil to hospedeiro que o
^mEfi"16 Para 3 6Strada 6 te grt |~w> overDO- n3 *1' de P^teger
Sim, bem me disseste que camioharias, !#-Causa da justiga, abrindo os bracos a estas
porm que chegarias ao teu destino, ao almas generosas, que buscam a trra estran-
passo que eu caminharia, caminharia sem-' geira, nao como avenlureiros, mas como no-
pr, sem interrupgo, sem descanco, at Eres hospedes, trazendqj sua fronte o sig-
que, como jniz de novo voltasse a trra. nal indelevel de urna heroieidade e ,!e um
Bem me disseste que se fecaariam as ci-1 Datrotismo a tada a nrona
dades quando d'ellas me approximaflse e jp p ~*
que me deixarias por fardo o peso de toa' Os polacos mereceram do Summo Ponti-
cruz e por bebida o absinthio de teu c-
liz!
Ah! son o maldito de Deus e dos ho-
mens, son ojudu errante- o homem que
n3o morre, que caminha sempre e sem.- E o Brasil ser tao indifferente, que pro-
pre.
fice a mais decidida protecgo; os bispos
francezes pediram para elles o auxilio de
seus briosos subditos.
v
tegendoa colonos protestantes, nao estenda
Occupa a attengo de tode-o mundo o in-
menso subterrneo, que te de Hgar a Fran-
ga cora a Italia, forando os Alpes, 1,600 me-
tros abaixo de urna das gargantas.
Sua extenso de 12,220 metrros, que
equvalem a 5,540 bragas.
A parte construida at SI de dezembro
passado (em oito annos) de 3,886 melros
menos de um terco.
Espera-se cora tudo ultimar a obra em
mais 8 a 10 annos, visto que o ape.-feicoa-
mento successivo do trabalho tal que a
perfuragao annual. era 1858;, de 459 metros,
era 1862 de 623, ergueu em 1884 888
metros.
Em um jornal de dezembro encontramos
a seguintes curiosa noticia das quan ti dades
de materiaes consumidos nesta obra gigan-
tesca :
Por cada metro correntc-, em 100 furos
de mina, 200 perfuradores 120 metros de
estopim, e 45 kilogrammos de plvora.
Era t do o tnel 1,222.000 minas.....
2,444,000 perfuradores, 1,466,000 metro*
d estopim, e 56H.000 kilogrammos de pl-
vora, ou 1,200,000 libras.
Na mesma pnporgo o grande tunelfda
de D. Pedro II que de 7,336 ps inglezes,
ou 2.237 metros, exigira 223,700 minas,
que consumiriam 270,000 metros de esto-
pim, 210,000 libras de plvora, lvame-
nos, porque se con trae o tnel para va sin-
gla, e a do MonteCenis dobr.ida.
Neste momento em que a pena de morte,
diz o Precurseur tfAnvers, urna questo
de ordem do dia nao deixa de 6er- inleres-
satite saber quaes sao os e-lados, em que a
pena capital foi sapprimida do oodtgo penal.
Damos em seguida o resumo desta curio-
sa estatisiica, elassideando os estados segun-
dea data em que adoptaran, esta grande me-
dida.
Grao-ducado da Finlandia, 1826; a Lu-
ziana, 1830; ilha de Tait, 1831; estado
de Michigan, 1846; ducado de Nasssa,
1849; gr5o-ducado de Oldemburgo, 1849;
ducado de Brunsvrick 1849, ducado de
Coburgo, 1849; estados de Rhode Is-
lnd, 1852 : repblica de S. Marino, 1859 ;
a Toscana, 1859 ; a Ronmania, 1860; gr3o-
ducado de Saxe-Memingen, 1862; canto
de Neufchatel, 1863 ; Estados-l'uiaos de
Columbia. 1864.
CORRIGENDA
No folhetim Revista Dramtica, insera
no Diaria de hontem escaparam alguns dis-
cuidos typographicos, entre os quaes citare-
mos os seguintes.Na terceira columna na-
de diz : emoobes precipitada leia-se:
emoges precipitesNa quarta cotumna em
vez de :Gastavo Planche era d'uma avi-
dez assassii, leia-se:d'uma aridez assas-
8ina. Na quinta columna onde se l :Os
caracteres dedous rsticos etc. e$tao excel-
lentementerfoiacdoseaiende-sepor :
Os caracteres etc. esto excelentemente des-
envolvidos. Outras fal'as ba, mas. de fatcilli-
ma correego.
PBR?iAMBr;qo,-TYP. DE P. Mt.f.^'VlLH
s
,
' '


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8FI07PGH_OJ12VK INGEST_TIME 2013-08-27T21:47:01Z PACKAGE AA00011611_10632
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES