Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10629


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ATO III HOMERO 72
Por qoartel pago dentro dM O dias do 1. mez \ i
dem depois dos i.0810 dias do couieco e dentro do quartel. .
Porte ao correio por tres mezes
..,..,.,
5|000
6|000
750
DIARIO DE
OAfiTA FEIRA 29 DE MARCO DE 1865,
Per anno oago dentro de i O dias do 1." mez 191000
Porte ao correio por um aun........,.,.,, 3$000
NCARREGADOS DA Sl'BSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o 3r. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; AfUfiy, o
Sr. A. de Lemos Braga; Ccar, o Sr. J. JoS? de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves
Filhos: Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO DO NORTE
Alaloas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Mirtina Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinlio.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacoes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyaona as segundas e sextas feiras.
Santo Anta*. Grvala, Bezorros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Bique, S. liento, Rom
Conselho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, I.imoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as qnarlas
feiras.
Segunda vara do civel: qnartas e sabbades a 1
hora da tarde.
Serinhera, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
i Quarto cresc. as 9 h., 59 m. e H s. da m.
12 Lna cheia as 8 h., 22 m. e 10 s. de m.
20 Quarto miog as 10 h., 16 m. e 22 s. da ni.
27 La nova as 3 h., 8 m. e 22 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TRIBl'NAKS DA CAPITAL.
Tribunal do commcreio : segundas e quintas.
Relaco : tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do eommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: trras e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
27. Segunda. S. Leandro b.; S. Robetto b.
28. Terca. Ss. Prisco, Maleo e Pistar mm.
29. Quarta. S. Berlholdo c.; S. Joas m.
30. Quinta. S. Rudezlndob; S. Clinio.
31. Sexta. S. Veremundo; S. Balbina v.
1. Sabbado. S. Macario b; S. Valerio ab.
2. Domingo. S. Nicolao b.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as 6 horas e 6 m. da manha.
Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 c 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNASE
ao Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de-
Faria & Filbo.
PARTE OFFIGIAL
G0YB&K0
Continuarlo do
DA PROVINCIA.
fipedienle do dia 23 de margo
de IM>>.
Oflicio ao commandanle superior da guarda na-
cional da Boa-Vista.Em deferimento ao requeri-
mcnlo do teneutecirurgio do batalhao n. 49 de
iufantaria da guarda nacional Thomaz Pereira Pin-
to, sobra que versa a sua informagao de 19 de fe-
vereiro ultimo, autoriso V. S. a mandar passar-lhe
a guia de que trata o ariigo 45 do decreto o. > 130
de 12 de margo de 1853, visto que esse offlcial
transfeno a sua residencia para o municipio de
Flores.Communicou-se ao commandanle superior
da guarda nacional de Flores.
Dito ao commandanle superior da guarda nacio-
nal de Nazareth. Ao alferes da 3.' companhia do
batalhao n. 18 de infamara da guarda nacional
sob seu commando superior Joo Cavalcanti Barre-
to Chaves, mande V. S. passar a guia de que trata
o artigo 45 do decreto n. 1130 de 12 de margo de
1853, visto ter transferido a sua residencia para a
provincia do Rio Grande do Norte.
Dito ao director geral da inslrucgao publica.
Para salisfazer a exigencia da assembla legislati-
va provincial, remettame V. S. com urgencia:
l. Um mappa dos discpulos que tem tido em
cada anno, desde sua ccagao as aulas de allemo
e grego do Gymnasio Pernamburano, com declara-
gao do a prove tamento dos respectivos alumnos:
. Urna nota das visitas medicas que em cada
amo tem feto aos doenles d'aqnelle estabeleci-
dos corpos preste urna guarda de honra para acom-
panhar o mesmo Senhor da igreja do Corpo Sanio,
at aquelle convento, as 6 horas da tarde de 30
deste mez.
Dito ao commandanle superior da guarda nacio-
nal dos municipios de Barreiros e Agna-Preta.
Recommendo a V. S. que nohavendo inconvenien-
te, mande passar ao alferes da 8* companhia do
batalhao n. 45 de infamara da guarda nacional do
municipio de Barreiros, Theodoro Jos Pereira Ta-
vares, a guia de que trata o art. 45 do decreto n.
1,130 de 12 de margo de 1853, visto ter elle trans-
ferido a sua residencia para o municipio de Goian-
na como allega no incluso requerimento.
Dito a Alexandre da Motta Canto.Agradecendo
o patritico offerecimento qu fe V. S. em sen of-
flclo de hontem datado de encarregar-se gratuita-
mente do tralamento pelo systema homeoptico das
ment o respectivo facultativo, sendo nellas men- cutnprido as .
cionadas as aifocges e suas terminages. segundo declarou-me o respectivo commandanle
Dito ao mesmo.-Para atisfazer a deliberago da em offlcio de 17 do corrente. Offlciou-se ao juiz
assembla legislativa provincial, ministre V S. in- municipal da 1* vara desta cidade enviando-se-lhes
formagdes acerca do numero dos alumnos que lem | as Ruias dos sentonciados de que se trata,
frequeoiado as aulas do Gymnasio Pernambucano, Duo ao mesmo.- Para que se possa effectuar o
em cada anno lectivo desde a sua fundago e com' pagamento que V. S. solicitou em offlcio n. 219 de
a destribuigo dos discpulos em cada aula, e quan- i 22 de tevereiro ultimo, das despezas fetas com o
los lizeram exames e o resultado destes.
ordens para que os inferiores do 4 batalhao de ar-
lilharia a p e das companhias de cavallara e ar-
tfices acompanhem a imagem do Senhor Bom Je-
ss dos Passos em procisso da igreja do Corpo
Sanio para o convenio do Carmo s 6 horas da
tarde do dia 30 do corrente.
Dilo ao mesmo.Remetto incluso o requerimen-
to que me inderecou Manoel de Souza Guedes alis-
tado no Io corpo de Voluntarios da Patria, para que
V. S. se sirva de altender a sua supplica como ter
de jutiga.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar acer-
ca do que pede no incluso requerimento Franceli-
na Mara dos Santos.
Dilo ao mesmo. Expega V. S. as snas ordens
para que ocirurgio do corpo desade do exercito
Dr. Jos Zacharias de Carvalho passe a servir no
corpo n. 1 de Voluntarios da Patria, com o qual
de ve seguir para a corte opportunamente. Com-
municou-se ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Remetto incluso o requerimen-
to que me inderegou Joo Luz de Paula, para que
V. S. se sirva de informar, ouvndo o coronel com-
mandanle do corpo de Voluntarios.
Dito ao mesmo.Haja V. S. de mandar apresen-
tar ao delegado do Io districto deste termo, hoje as
7 horas da noite e amanha s mesmas horas 2
palmillas de 3 pracas de cavallara cada nma, as i
quaes devem estar disposige do mesmo delega-:
do, at que se recolham as msicas dos corpos aos pinftat e Joo Baplista deMendonja.
respectivos quarteis, como solicitou o Dr. chefe de
polica. Communicou-se ao Dr. chefe de polica
Dito ao Dr. chefe de polica.Mande V. S. por a
dsposigo do juiz municipal da 1* vara desta cida-
de os 10 sentenciados de justiga mencionados na.
relago inclusa, os quaes regressaram do presidio no corpo de voluntarios da patria o cidado Ma
de Fernando no vapor Mamangmpe, por haverem noel dos Anjos Bispo que se me apresentou com
Despachos do dia 24 de margo de 186o. slito, indo consultar um dos cheles do partido re-
Requerimentos. generador, o Sr. Joaquim Antonio d'Aguar, par
Antonio dos Sanios Pinheiro.Informe o Sr. Dr. | do remo- e mimbro dos mais conspicuos e vehe-
juiz municipal eilecllvo do termo de Ipojuca. j mentes da opposigo na cmara alta. Este facto,
Dr. l'Ylippe Jansap de Castro Albuquerque.Di-' confessado pelo mesmo duque na cmara electiva,
e apregoado pelo anligo ministro do imperador, o
Sr. Joaquim Antonio d'Aguar, exacerbou os ni-
mos da velha guarda do partido progressista-histo-
rico.
Afutr mais; nao s o consultou mas lhe offere-
ceu tres pastas, que o Sr. Joaquim Antonio de
Agolar em nome do seu partido recusou, allegando
que antes prefera o seu lugar na opposigo que a
partilha do poder sendo ella conferida por mo de
um adversario poltico.
Anda mais. O Sr. duque procurou o Sr. Car-
que ha tres annos milita as
para lhe offerecer urna pasta,
rija-se ao Sr. inspector da thesouraria provincial.
Francisco de Carvalho Paesde Andrade.~Infor-
me o Sr. Dr. juiz municipal efectivo da vaia.
Flix Cavajcanli de Albuquerque Mello.Infor-
me ojsr. Dr. juiz muuicipal elfe:tivo do termo da
Escada, a mandar juntar certido da idade.
Honorio de Albuquerque Barros. Informe o Sr.
director geral da Inslrucgao publica.
Irmandade'do Sr. Bom Jess dos Passos da ma-
triz do Corpo Sanio,Ficam expe idas as ordens
no sentido em que requer.
Jos Luiz Innocencio Poggi.Reraettido a cama-. os l!en, da Silva,
i a municipal da cdade de Olinda, para tomar em '
familias dos voluntarios da patria que vierem a ca- consderaco no novo concurso qu'e'deve abrir. e '0I recusada tambem a sua olTerta;ainda mais,
recer dos seus servigos, acabo de submetter esse JyS Mara Machado de Figueiredo.-Informe o ?r- duque de Loul escreveu (diz-se) ao par do
offerecimento a Assoeiago Protectora das Familias Sr. director geral da inslrucgao publica. reino viscondu de Gouvea (Jos Freir de Serpa
des Voluntarios da Patria, para que opportunamen-1 Laurenttoo Gomes da Cunlia Pereira Beltro.- Pimenlel' otrerecendo lhe a pasta da justiga, o que
te o aproveile, caso seja preciso.Offlciou-se a este Passe. est* cavalheiro nao acceitou igualmente,
respeilo a Associago Protectora dos Voluntarios da i Luiz Antonio da Costa lndeftrido por nao ter o \ Parante toda esta perigrinago poltica pelos ar-
Patria. supplicante n testado a sua disposigo para ser raia?s adversos, o nobre duque, que empunhava o
Dito ao coronel Domingos Affonso Nery Ferrei- Voluntario da Patria seno depois de recrutado. bastando commando do partido progresista, nao
ra. -Com os offlcios de V. S. de 22 e 23 do corren-1 Mar
te, se me apresentaram os cidados Leopoldino i me
Exequial Correa de Noronha, Mariano dos Reis Es-! Mara _.
Maria do Carmo das Lhaga' Lopes. Concedo Wucionalmente, o que mullos lhe contestara anda
Mandndoos alistar no corpo de voluntarios da | mais oito das de praso a coniar desla dala. n?Je 9.epois de trocadas parlaraentarmente as ex-
patra, cbeme ainda urna vez agradecer a solci-1 Manoel Jordo de Vasconcelos.Informe o Sr. PllcaC0lis respectivas, mas acerbamente aecusado
tude com que V. S. tem auxiliado es esforgos do Dr. juiz municipal effectivo do termo de Iguarass. de alla ,raiCao poltica, por ter querido entregar o
governo na acquisigao de voluntarios. Paulino Teixeira de Carvalho. Informe o Sr. sea.. Partld maoietado a' opposigo ; lado que a
Dito ao Dr. Jos Candido Das.Mandei alistar Dr. juiz municipal effectivo do termo de Santo rfall5ar-se deslustrara os dous lades igualmente;
Aniao. a minora, por ter de acceitar o poder das maos
Rotilio Tolentino de Figueiredo Lima.Informe de um adversario, vendo-se logo obrigada a dis-
Eairetanto, as indicagdes constitucionaes nao o
indigtavam em 1865 para ser invenido na supe-
rior magistratura para a qual de certo nao ca-
mnho o silencio parlamentar. O marquez servio
com distinego os lugares de governador civil de
Braga, e de Lisboa.
Nao lem um longo passado, nao tem dotes pol-
ticos e de parlamento, mas um nome honrado,
urna repre-eutago limpa, um cavalheiro em toda
a exlenso da palsvra, nao para se medir com os
aihletas da invectiva, porque nao o fadou a Provi-
dencia para orador vehemente nem para tribuno
desgrenhado. E' porm um hornera que ha de des-
empenhar o seu lugar, em quanto o Saturno pol-
tico, o Charonie ministerial, como se tem chamado
agora ao Sr. duque de Loul, nJo o devorar, como
o primeiro fazia aos (libo?, ou nao o arrojar s on-
das stygias do olvido partidario.
Ootro nome novo, o do Sr. Antonio Ayres de
Gouva Osorio, ministro da justiga. Excita as iras
da opposigo e dos dissidenies. Confessam que
talentoso, mas que da primeira vez que orou em
cortes fizera completo fiasco. Que fuera imprimir
uns cartoes de visita em que se assignava o Dr.
Ayres do Porto. Que foi distincto como estudanl
da universidide, e desempenhra Ilustradamente
laria da Assumpgo de Andrade Luna.Infor- consnlton, nao ouvio um so dos seus amigos poli- | no mesmo intituio as funegees do magisterio, mas
o Sr. inspector da thesouraria provincial. IC.0- Po e dispoz por seu livre arbitrio contra que 0 seu e.,y||o campaudo elc. Em summi4
liara da Cruz.-Concedo o praso de oito das. ?,llas. as Prax" partidarias. Poderia andar cons-1 que nSo h de par|amenl0> nem de tal cou-
*- TU IlPlini Imonln f\ nt>n imilla.' \l\n Anndi.-lmn n i n il 1 i '
penas a qne estavam condemnados, guia passada por V. S. a quem continuo a agrade-
cer a solicilude que lem empregado na acquisigao
de voluntarios.
Dito a ChrUtovo da Rocha Cuoha Sonto Maior.
Com o offlcio de V. S. de 20 do corrente, apre-
seutaram-se-rae os cidados Joaquim Ramos da
Silva Moreira e Rodolpho Z-ferino de Oliveira Ca-
valcanti a quem mandei alistar no corpo de Volun
sustento dos presos pobres da cadeia da cdade de
Nazareth no trimestre de setembro a dezembro do
anno passado, necessario, como declarou o ins-
Dilo ao Dr. Lourengo Francisco de Almeida Ca-
tanho.Mandei alistar no corpo de Voluntarios da
Patria o cidado Joo Bezerra Leite, que V. S. me
i presenlou com o seu offlcio de 18 do crreme, a
que respondo agradecendo-lhe a solicitude com que
procura auxiliar o governo na acquisigao de Volun-
tarios.
Dito ao vgario do I.imoeiro. Manoel Ignacio de
pectur da thesouraria provincial em sua informa- Lima.Apresenton-se-mee mandei^ alistar no corpo
cao de 17 do corrente, que o delegado daquelle
termo ministre as relages exigidas por offlcio de
jarios da Patria, e muilo agradego a V. S. a solci- 9 de Janeiro deste anno : o que declaro a V. S.
a|s. i para expedigao das convenientes ordens.
de Voluntarios da Patria, o cidado Joo Pinho de
Souza Mello, de que trata V. Rvraa em seu offlcio
lude com que procura auxiliar o governo no alis-1 para expeoigao oas convenientes oroens. ^S^JS^S^^^S?^. "?- -?1?'"-
lamento de voluntarios Dito ao mesmo.-Declare V. S. ao delegado do, na acquisigao dos Voluntarios, e es
Dito ao Dr. Christovodos Santos Cavalcanti.- i termo de Barreiros, que em vista das inclusas in- e0"1"" I^.K"oM5LeSPe1!0- n
Apresenuram-se-me os individuos a que se refere formagoes da thesouraria provincial, nao pode ser I
de 19 do corrente, a que respondo agradecendo-lhe n?rae,lU Por, P,rtaria dCHhou'e?,Lrdl*,adaJ
muin n -.nriii,, n,,o ,h, h ZLeL Sr. capiuo do quarto balalhao de artilherla a pe
ra expeujgao aas cunTsuiniiBa oraras. -.-..----.-v.^--v k.v<,k.. v"""" Ue d Vpnipira I ima niniMMinir nrnvlsona-
Dito ao meVsmp. Declare V. S. ao delegado do, W^J^ V^U^ ajH^ 1 mTnte otT' de Sor SSTl RZl
aos aoaes paga integralmente como V. S. solicitou em seuof- constantes do seu offlcio de 21 do corrente, deixou
da Patria fino n. 306 do 4 do corrente, a importancia da i de apreseniar-se-me o de nome Jos Benio de Cr-
- valho, sendo que aos demas mandei alistar no
corpo de Voluntarios, onde tambera se acha com
o offlcio de V. S. da 20 do corrente,
mandei alistar no corpo de Voluntarios ..
e muito agradeco a V. S. a solicilude com que au- conta junta das despezas feitas com os presos da
silia o governo'a promover o alisiamento do maior cadeia daquelle termo no lempo decorrido de 2 de
numero possivel de voluntarlos. | setembro do anno passado at 26 de Janeiro ul-
iio ao commandanle do corpo de polica.Ao timo,
oflicio qne V S. me dirigi, sob n. 180 e data de 22 Dito ao inspector da thesouraria de fazenda O
do corrente, respondo declarando-lhe que pode no-: bacharel Francisco Antonio Cesario de Azuvedo,
mear o teneBte da secgao urbana Thomaz Rodrl-, participou-rae qne tendo entrado em 24 de Janeiro
gues Pereira para exercer interinamente as func-' ultimo no gozo da licenga de 2 mezes qne obteve,
coes de secretarlo do corpo sob seu commando, em reassnmto o exercicio do cargo de juiz municipal
quanto esliver em commissao no corpo n. 1 de Vo- e de orphaos do termo de Garanhuns no dia 16 de
tevereiro prximo lindo, gozando assim smente
25 dias da mesraa licenga : o que V. S. commu-
nico para sua inteligencia.
Dito ao mesmo. Ioteirado de quanto V. S. ex-
poz em seu offlcio de hoje, sob n. 201, tenho a di-
luntarios da Patria o lente secretario Lniz Jer-
nimo Ignacio dos Santos.
DitiTao inspector do arsenal de marrana.-De-
terminando o Exm. Sr. ministra da marrana, em
aviso de 3 da corrente.'que nao se leve a effeito .
obra alguma ou concert de importancia, sem que wr em resposta que mande effetuar, sob minha
sejam presentes ao g<<-erno imperial as competen- responsabilidade, nos termos do decreta n. 2884
es plantas e orcaraentes : assim o declaro a Vmc. do Io de fevereiro de 1862, o adiantadamento que
para seu conhecimento e execugao na parta que lhe ; na importancia de 3:730#000 rs. mandei fazer por
toca. i oflicio desla data ao commandanle do corpo do Vo-
Dito ao director do arsenal de guerra.Pea le-' lontarios da Patria n. Io por conta do pret do cor-
tnra do termo por copia incluso, licara Vmc. scien-' rente mez, vislo j se ter felo em idnticas cir-
le de terem sido entregues na Parahiba os objec- cumstancias outro adantamento de 1:0005000 ao
tos remedidos por esse arsenal com destino ao hos-1 cjpilo Caetano Gaspar Lopes de Oliveira Villas
praga o cidado Joo Fellsmino da Silva Guabrra-
ba, de que trata a ultima parle do seu citado offlcio
a que respondo agradecendo-lhe o empento com
que tem procurado auxiliar o governo nos seus
esforgos para conseguir crescido numero de Vo-
luntarios.
Dito ao commasdante do corpo da polica.Ex-
pega V. S. as saas ordens para que os inferiores do
cerpo sob seu commandn acompanhem a imagem
do Senher Bom Jess dos Passos em procisso, da
igreja do Corpo Santo para o convento do Carmo,
as 6 horas da larde de 30 do corrente.
Dito ao director do arsenal de guerra.A vista
da sua informagao n. 211, de 22 do corrente, auto-
riso Vmc. a mandar eliminar da companhia de'
apreodzes dosse arsenal, o menor Joo Lourengo
da Rocha.
Dito ao mesmo.Concedo a aulorfsago que Vmc.
solicitou em seu offlcio desta data o. 11. para man-
dar manufacturar os 200 fardamentos que sao pre-
cisos para completar o uniforme do primeiro corpo
o Sr. Dr. juiz municipal efleclivo do termo de San- solver as cyrles- e a0 Pa,f,ido histrico; por ir, de
to Anto um mo<'0 too imprevisto, rojar-se aos pes da op-
Thomaz Antonio Maciel Monteiro -Informe o Sr. Posife dand j assim pleno testimunho de que n?s
Dr. juiz municipal effectivo da 1 vara. suas phalanges nao existem horneas de talento e
qualidades governattvas, o que e falso porque o
partido nobre por snas Iradcgoes, e forte pelas
capacidades que o Ilustrara.
Regeitadas portanto as offertas, que, de motu-
proprio o Sr. duque andar fazendo pelo campo da
opposigo, ainda assim nao ouvio os seus amigos,
e compez urna lista de ministros que a cora, no
uso de sua prerogativa acceitou e confirmou, mas
que nao agradon geralmente, como passarei a ex-
pr, to imparcialmente quanto devo.
Presidencia, marinha e estrangeiros : Duque
de Loul;
Reino Marquez de Sabugosa ;
JusttcaAntonio Avres de Gouveia;
Fazenda -Mathias "de Carvalho e Vasconcellos
Guerra Marquez d3 S da Bndera ;
Obras publicas Joo Chrisostorae de^Abreu e
Souza.
E de notar quetendo o duque declarado no par
lamento que estavara todos os ministros exonera-
dos, no Diario offlcial apparecem os decretos de
COMANDO DAS ARMAS.
Quarlel do commando das araias de Pernaubuco
na cidade do Recife. 28 de margo de 186o.
Ordem do dia n. 48.
O coronel comraandante das armas interino,
faz certo para os fias convenientes, que a presi
posto de major do corp
ros da patria organisado uesla provincia.
Determina por unto o niemo coronel, que o Sr.
Cerqueira Lima se aprsenle sem demora ao Sr.
commandanle Interino do referido corpo, para
entrar no exereieio da snas funcgdes.
Declara outro sim, que aprovou o engajamento
que hontem eontrahirarn na forma da le n. 1220
de 20 de jnllm do anno passado, o cabo de esqna-
dra Alexandre Jos, c o soldado Manoel dos Aojos
Lima do mencionado quarto batalhao, (o primeiro
por-tres annos e o segundo por quatro couforme
participou o respectivo Sr. coramandante em offl-
cio n. 172.
exonerago de todos, menos o decreto da sua pro-
prta exoneracihr e qne devia ;exonerar o Sr. Joo
Chrisosthomo.
Um deputado da maioria, o Sr. Barros e Canha,
procurando na casa electiva defender a legalidade
e constitncionalidade da construego do gabinete,
sa elle presuma, honra lhe seja (eita. Quaudo
o Sr. duque de Loul o foi convidar para parceiro
no whist ministerial, respondeu que nao eslava no
caso de ser ministro, roas que tinha nanita conside-
rago pelo duque e dispozesse delle como julgas;
a proposito.
O ministro das obras publicas tem sido, talvcz
de todos, abaixo do duque presidente, o mais in-
vectivado de todos os ministros, pela sua uVsIrald.i-
de com o seu ex-collega da fazenda Lobo d'Avila.
Ora chegaraos ao ponto principal.
Quando se manifestou a erise, toda a gente en-
tendeu que a faego chamada da unlia urga ia
gladiar abertamenle a parcialidad^ da uaha branca.
designagdes com que se denominavam ltimamen-
te em phrase grrula os dous grupos : OM'e e o-
bo d'Avila.
Toda a gente por aqu dizia qne. o empenho do
presidente de conselho era vr-se livre da presen-
ta do seu collega das (nangas, indo com elle pedr
a demisse era nome de-lodos, e depois resuscitan-
do politicamente ao 8 ou nono da, mas sem elle
Que todo era comedia, qne ludo era farca di-
ziam outros, mas nmguem que ooouega a fundo o
carcter do marquez de S da Bandeira se resol-
ver a orer que o Ilustre mutilado as campanbas
da liberdade se prestara a aceitar ura papel de
comedia.
Este honrade general de urna candura de sen-
timeotos, de um patriotismo, porque assim o dga-
' \ raos quasi te fantico e sobre tudo to sinoero,
qne nao duvidou por couss alguma deste mundo
tornar a entrar em gabinete de que sabira pela re-
(Assignado.) lote \Maria Ildefonso acorn da qalz explicar esla anomala por um lapso bureau-
Veiga Pessoa e Mello. cratico. A errata nao appareceu no dia se-
(Conforme)Antonio Francisco Duarle. lente guinte porque seria peior a emenda que o son-
interino, encarregado do de- a^eb7eVrra\(ncou eraliroverblojervindo ZgZque ralT^IZ^'ZZZES'
inmnm a arallinn dns nnrinnicns nao minis- __,._ __.L__7__
sislencia que o seu plano de reorganisago do
exercito tinha encontrado.
O certo que sabio do gabinete o Sr. Lobo d'A-
vila, o ministro que nestes ltimos lempos tem ou-
sado mais era tioangas. Quando entras medidas
nao -ba.-.iassem para deixar vestigio da sua geren-
cia, citar se-ha seropre a aboligo do monopolio do
tabaco, que j se calcula que accrescentar, pela
dos respectivos direitos as alfandegas,
talhe.
pital do corpo de guarnigo d'aquella provincia.
Dilo ao superintendente da estrada de ferro.
Recommendo ao Sr. superintendente da estrada de
ferro a expedigode suas ordens aos chefes das es-
tagoes da Una e Prazeres, afim deque dem trans-
porte para esla capital na via frrea aos Volunta-
rios da Patria, que al se apresentarem, solicitando
passagem vinlo elles munidos de urna guia passa-
da pelo capito Gabriel Germano de Aguiar Mon-
tarroyos, que se acha autorisado a promover o alis-
lamento dos mesmos voluntarios.
Dito a Jos Antonio Seraphico de Asjis Carva-
lho. Recebi o offlcio de Vmc de hontem -datado,
de Voluntarios da Patria, promovendo Vmc. para
Boas, em virtude de offlcio'desta presidencia de 3 esse fim a compra do panno azul necessario.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. entregar ao lente |
Manoel Lourengo da Silva, 60 fardamentos brancos
para Voluntarios da Patria, exigindo Vmc. do
mesmo lente o competente recibo
Dito ao engenheiro fiscal interino da estrada de
ferro.Em vista do que Vmc. ponderou em seu
offlcio de 23 do crreme, approvo a deliberago
que tomou para que os bilhetes de ida e volta, que '
circulara em todos os tres dentro de 24 horas ou
48 se nellas se comprehender domingo, dia santifi
de margo ultimo.
Dito ao mesmo.O juiz municipal do termo de
Nazareth bacharel Joaquim Jos" de Oliveira An-
drade, parliclpoo em 14 de fevereiro prximo fin-
do, ter nessa data assumido o exercicio do cargo
de juiz de direito interino da respectiva comarca,
por ter e offectivo entrado no goso de licenga : o
que a V. S. communico para sua injelligencia.
Dilo ao mesmo.Expega V. S. as suas ordens,
para que o 2o tenente do 4o balalhao de arlilharia
a p Jos Francisco de Azevedo, seja pago de seus
vencimeotos como pede no incluso requerimento
apresentando-mL' o cidado Paulino Jos Soares de pelo almoxarifado do presidio de Fernando, onde
Sonza, a quem mandei alistar no corpo de Volun- elle se acha destacado.Fizeram-se as necessanas
urlo da Pairia e muito agradego a Vmc. o empe- commuocagSes.
nho com que procura obter o ahslamento de volun- Dito ao mesmo. O bacharel Luiz Antonio Pires
tartos, auxiliando assim os esforgos do governo. i participou-me em 8 do corrente, que tendo termi-
Dit ao Dr. juiz de direito do Brejo.Agradego nado nessa data a licenga de 30 dias que lhe foi
muito o empenho com que Vmc, as autoridades e concedida pelo conselheiro presidente da relagao,
alguns cidados dessa comarca procuram promo- deixou por molestia de reassumir o exercicio do
ver urna subscripgo para auxilio das despezas da cargo de juiz municipal e de orphaos do termo da
V. S. communico para sua intelli-
EXTERIOR.
ORRENPO\lH:\('IVf BO 1IA
RIO 1K PERAMBItO.
LISBOA.
12 de margo de 186.
Cahio e resurgi a situacao Loul. E' tonga a
historia das peripecias que a'companharam a cnse,
a qual se annnciava j, como Ihes communiquei,
sadida do ultimo paquete. Urna votacao hostil,
na cmara hereditaria, determinara a sabida do
general Passos da pasta da guerra. O ministro
daslobras publicas que tinha ficado com a interini-
dade dos negocios da marinha e colonias, foi tam-
bem provisoriamente encarregado do expediente
cado ou de fesla nacional, sejam validos at o pri- do ministerio da guerra. Diz-se que antes do du-
meno dia til, UVando estabelecida essa repra que (presidente do conselho) ir ao pago pedir a el-
sempre que houver dous ou mais dias santifi- rei a exonerago de lodo o gabinete, j o augusto
cados. chefe do estado tinha mandado chamar o nobre
Dito ao chefe interino da repartigao das obras marquez de S da Bandeira para ouvi-fo sobre a
publicas.Concedo a autonsago que Vmc pedio reconslrncgiio do ministerio, ou formago de ura
em offlcio de 22 do corrente, sob n. 8o, para man- novo governo. Acresccnta-se que tendo constado
dar fazer por admioislrago ou impreilada os repa- ao mesmo duque que a cora, seguindo as indica-
ros urgentes e pintura de que precisa a pontesinha g5es constitucionaes, tratava de procurar governo,
do Guerra, despendendo para esse fim at a quan- tora pedir a demisso de todos os ministros e a sua,
tia de 253,5000, como se v do orcamento que veio que lhe foi icceila, o que S. Exc. annunciou s
annexo aoseu citado offlcio, que nca assim respon-! dttas casas do parlamento opportunamente, e Qcon
dido.Communicou se ao inspector da thesouraria o marquez de S incumbido da formago do mi-
provincial.
Dilo ao juiz de direito de Cabrob. Para poder
resolver sobre a materia dos offlcios desse juizo
de 14 de Janeiro ultimo, faz-se mister que Vmc.
informe quaes as circunstancias da villa do Sal-
gueiro, que podara ou nao aconselhar a creagao de
um conselho de jurados, qual a conveniencia dessa
guerra, e aguardo o bom resultado de seus es-' Escada : o que a
torcos. igencia.
Dito ao thesoureiro das loteras,Era vista do Dito ao inspector da thesouraria provincial.At-
que me requereu a mesa regedora da irmandade tendendo ao que expoz Antonio Francisco Paes de
de Nossa Senhora do Amparo da cidade de Olinda, Mello .Barreta, arrematante dos reparos de520 bra-
aulonso Vmc. a mandar entregar depois do prazo cas na estrada da Victoria, entre os marcos de 12
da lei e de baver prestado fianga idnea na thesou- a 17 mil bragas no requerimento sobre que versa
raria provincial ao thesoureiro da mesma rmanda- a sua informagao de 25 de fevereiro ultimo, sob n.
de Luiz Jos Pinto da Costa o beneficio da lotera 81, recommendo a V. S. que em vista do compe-
ext ahida ne oa 18^ do correte, em faver das. tante certificado e das ioforraagoes juntas por copa creagao em re agao ao nnmefo de jurados que
ebras ffaqnell Jrea o qual prestar contas op-' ministradas a esse respeto pelo chefe interino da I possam ser eg.l.raamente qual.f.cados e fioalmen-
poMunamente naquella repartigo.-Communicou-! repartigao das obras publicas e pelo ex-ajudante de le a distancia em que esta aqoella villa da de Ca-
sea thesouraria provincial. ieogenheiros daquella repartigao beliciano Rodn- brobo ..
Ditoao director da colonia militar de Pimentei- gues da Silva, mande pagar ao mencionado arre- J*J ** J' L"**"'*. "d":
ra'-Concedo perm.sso para Vmc. vir a esla ca- matante a quantia a que liver direito proveTrtente de.-AIem des 2 sentenciados de que iratam os
Sal no Je : de abf prximo vlndouro, como sol- de taes reparos.-Communcou-se ao chefe Interino meus offlcios de 1 e 9 do corrente, mande V roe
? ton em seu offlcio de 20 deste mez, afim de pres- da repartigao das obras publicas. I apresentar diariamente mais 2 ao commandanle do
Sr Sonta, a Surarta de fazenda' dos dnheiros I Dito ao mesmo.-Accuso recebdo o offlcio que primeiro corpo de Volntanos am de serem em-
desSos coraje^estabelecmen.o no trimestre I V. S. me dirigi hontem, sob n. 1.0 mmunican- pregados como aquelles no servgo de fachina do
Brrente d haver W. Martineau, dando por fiador o barao respectivo quartel.
do Livramento, arrematado com o abate de 22 por. i i cont no prego do respectivo orgamenlo a obra da; K ed |e do serret0 do g(mrn0 do da 23
! ponte de ferro de Molocolombo. r .
Dilo ao mesmo.Altendendo ao que requereu o margo ae io.
Dr. Feiippe Jansen de Castro e Albuquerque, na i N. 84.Offlcio ao 1 secretario da assembla
qualdade de procurador de seu fllho bacharel Vi- legislativa provincial.De ordem deV. Exc. o Sr.
cente Jansen de Castro albuquerque, recommendo| presidente da provincia, passo as mos de V. S. era
Portara. Os senhores agentes da companhia
Brasileira de paquetes facam transportar para a
corle por conia do ministerio da guerra, em um
dos vapores da mesraa companhia o soldado Joo
Graciano de Souza Magalhaes, que val reunir-se ao
9' batalhao de infamara a que perlence.
24
Offlcio ao Exm. vgario capitular desta diocese.
Para salisfazer a deliberago da assembla legis-
lativa provincial, sirva-se V. Exc. de dar e seu pa-
recer acerca da materia do incluso projecto n. 21
deste anno. ...
Dito ao Exm. provedor da Sania Casa da Mise-
ricordia. S'rva-se V. Exc. de dar snas erdens,
para que o cidado Jos Diontzio Vieira de Barros
seja recolhio ao hospital Pedro II e all tratado de
urna ulecra1 que soffre na perna esquerda, afim de
que depois de'carado, possa elle ser alistado no
corpo do Voluntarios da Patria.
Dito ao coroitel commandanle das armas.Quei-
ra V. S. informar sobre o que pede D. Lauriana
Maria da Coneigio no incluso requer meato.
Dito ao mesmo.Remetto incluso o requerimen-
to queme dirigi,'Sebastlo Jos da Silva Braga,
para qne V. S. se sirva de mandar Inspeccionar
novamenle o filho do supplicante Ignacio Jos da
Silva Braga, que se acha com praga no Io corpo
de Voluntarios da Patria.
Dito ao mesmo.Haja V. S. de informar sobre o
que pede Joao Cavalcanti de Albuquerque Wander-
ley no incluso requerimento.
Dilo ao mesmo.Slrva-se V. S. de expedir >uas
de assumpto galhofa dos peridicos nao miois
teriaes.
E' mais de notar, que poucos dias antes do Sr.
duque de Loul ir procurar o Sr. Joaquim Antonio
de Aguiar para fazer parle do gabinete, o mesmo
duque declarara solemnemente as cmaras que
nao procurara a opposigo para lal fim.
O collorario de tudo isto que succinta e resumi-
damente acabo de narra-lhc sao as mais furiosas
aecusagoes de iraigo, perfidia e de^lealdade parti-
daria de que ha memoria. Os novos ministros,
como reos sem a protecgo das leis, corno victimas
de um holocausto horrivel, tem sido injuriados
com insolencias grossas, com altusdes finas, rom
sarcasmos repletos de insinuagoes envenenadas, e
todo este desabafo as snas faces, em pleno parla-
mento, em plenas galeras, alvo de assoadas popu-
lares, de caricaturas, de proclamages incendia-
i rias, de tiros certeiros, de objurgaiorias sem fim,
' diante das quaes sao perfumado ncesso as catili-
narias e verrlnas monumentaes que a litleratura
classica exhibe como o non plus ultra do arrojo
tribunicio.
Avultam nestes desabafos no parlamenta os dis-
cursos do Sr. Vieira Castro, jovem universitario,
sobrinho do antigo e fallecido ministro da cora
Vieira de Castro. E' um mogo que no anno pas-
sado acabou o corso em Coimbra. E' imberbe
ainda. Tem incontestavel talento, rauita energa
de locuco, eloquencia verddeira, as vezes petu-
lancia infinita, e agruras proprias de um orador
principiante, mas que o lempo pode limar e polir.
Ouve-se com arrebatamento, porque o entusias-
mo de to verdes annos aspira este David da tri-
a despedir da funda as mais ri
nisteno. Este cavalheiro, segando se afflrma, ten- buna parlamentar
do grande lepugoaocia a fazer novamenle parte da jas pedras aos ministros. A sua estrea, ha dous
admioistracao, procurou o duque de Loul a quem mezes fra auspicios. O sen desforgo brilhante,
declarou que, sendo elle duque o chefe do partido
progressista. lhe lembrasse quem havam de ser
as pessoas propostas cora para o novo gabinete,
e que se Julgasse ser indispensavel fazer elle mar-
quez parte d administrago, acceilaria qualqner
das pastas, menos a da justiga, que nunca tinha
servido. Assevera-se que o duque de Loul acn-
arada que era todas estas maolfestagdes haja a de-
plorar nm tristissimo symptoma de decadeocia po
litica.
Seja qual for a deslealdade de um caudilho par-
tidario, sejam quaes forem as razes de queixa que
um partido (em familia) possa ter contra o antigo
c eterual presidente do conselho que n se desfez
selhra a cora de modo que a misso do marquez de 14 collegas seguidamente, a prerogativa da co-
de S oo fosse salludioaria, mas completamente'. roa deve ser acertada no tacto da escoiha dos no-
cheia de restriegues. O marquez declarou co-: vos ministros, eabjurgatorii andar, que suppre com
roa que nao acceitava a misso se fosse preciso ; o descomposto da frase outra especie de expedien-
dissolver as cmaras legislativas, e que se em tres les representativos mais nm ptsso para a
a V. S. que independente de procurago que foi por solugo ao seu offlcio de 11 do corrente, sob n. 20
i elle perdida e nao havendo inconveniente, mande
pagar-lhe medanle fianga Idenea nao s o aluguel
de que trata o meu offlcio de 20 do corrente da ca-
sa que serve de cadeia na villa de Ingazeira, mais
tambem a quantia de 100 J indicada no men citado
offlcio, e em que forara orgados os reparos de que
precisou a predita casa para ser posta no estado
em que foi alagada vislo comprometter-se o suppli-
cante a apresentar nova procurago.
Dito ao commandaqte superior da guarda nacio-
nal do Recife.Constando-me que o guarda Anto-
nio Lniz da Silva, de que trata o offlcio V. S., n.
82 de 22 do corrente, j fez entrega do armamento
e corrame a que alinde o tenente-coronel com-
mandante do l" batalhao de arlilharia : assim o
communico a V. S. em resposta ao seu offlcio ci-
ma citado.
Dilo ao mesmo.Expega V. S. as convenientes
ordens para que os corpos da guarda nacional des-
ta capital acompanhem a imagem do Senhor Bom
e para serem presentes a assembla legislativa
provincial, inclusa informagao ministrada pela
thesouraria provincial, relativamente aos objectos
perteocenles a refinago do Monteiro, vendidos por
autorisago do juiz dos feitos da fazenda.
N. 85.Dilo ao mesmo.Para serem presentes a
assembla legislativa provincial, passo as mos de
V. S., de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, a inclusa informagao ministrada pela
thesouraria provincial e exigida no offlcio qne V.
S. me dirigi em 16 do corrente, sob n. 28, o qual
flea assim respondido.
N. 86Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, passo por copia as
1 mos de V. S., para que sa digne levar ao cooheci-
menta da assembla legislativa provincial, afim de
qne esta tome na considerago que julgar conve-
niente o offlcio do Dr. chefe de polica n. %7, de
27 do mez lindo, com outro era que o delegado do
termo do Rio-Formoso, exp5e o estado da cadeia
dias nao se desempenhasse do honroso mandato
que recebera das mos do soberano, desistia do
intenta. Parece que entretanto o duque sondava
directa ou indirectamente o animo do conde de
Torres Novas (Cesar de Vasconcellos) c que tendo
a certeza de que este cavalheiro nao quena de mo-
do algum ser chamado aos conselnos da cora fa-
zendo parte de nm gabinete, fra aconselhar a el-
rei qne o mandasse chamar, para eocarrega-lo da
formago do ministerio, o que succedeu logo que o
marquez de S, depois de altas deligencias, tai de-
clarar a el-rel que nao podera conseguir a cons-
truego do gabinete. As restriegues que lhe ti-
nham sido impostas, explicam essa impossiblida-
de da parte do marquez de S da Bandeira. Pas-
sou-se tudo isto em pleno carnaval.
O conde de Torres Novas, chamado pela cora,
a sua tanga ausencia do reino,
dencia das inslituiges, para o desprestigio da au-
loridade publica, para o descooceito dos poderes
do estado e da torga moral de um paiz.
o aos vituperios est exhausto pelos .?.*.. d:
ssislas no seu triduo de exproba- UUri., '
reita ao thesouro.
Se esta divergeucia entre o presidente do conse-
lho e o ministro da fazenda existir ou nae, tor-
na-se hoje para muitas pessoas um negocio levado
al ultima evidencia. i\as breves explicagesque
0 Sr. Lobo d'Avilla deu cmara dos deputados,
conhece-se, a despeito de toda a reserva e de cer-
ta superioridad* em abafar o despeito, quanto fic-
! ra o seu animo impressionado com as intrigas que
j se lhe urdiram. E' possivel, porm, que o presi-
| dente do conseibo nao tomasse parte nellas, nem as
autorisasse, o que para o nosso caso pouco im-
pon.
Resta-me fallar do novo ministro da fazenda o
Sr. Mathias de Carvalho e Vasconcellos, mogo de
poneos annos, rauita iasiruido em chimica, e late
na univsnidade de Coimbra, fra ha pouco lempo
nomeado director da casa da moeda, e tinha vindo
cmara pela primeira vez, onde foi eleilo por va-
rias commissoes das mais importantes, por in-
fluencia do presidente do conselho de quem in-
timo. Passa por carcter honesta. Nunca tinha ta-
| mado parle ero debate algum, e nenhuma iodica-
o poltica o indigtava para mini-tro, a oo ser o
acto de perlencer a commissoes parlamentares.
Insistem os adversarios da situagao em que o
seu mentor poltico o redactor da Gazeta ie Por-
tugal, o Sr. Antonio Augusto Teixeira de Vascou-
cellos, o que todava nao posso confirmar, e nesle
presupposto carrega o Sr. Malillas com as inimi-
sades e malquerencias de que o dilo redactor e
tambem depulado, porvenlura possa ter sido ob-
jeclo na sua longa carreira. Allusoes pungentes
se lhe lizeram face a face o que continuo a dizer.
deploravel, pois chegodo a tolerancia para a
absolver lamo e a tantas no passado, que rauita se-
ria moderar impetos impacientes para esperar pe-
los actos de um homem novo que apenas agora co-
mee a a sua carreira poltica ?
Entregar as Iraangas inexperiencia o raai-
1 serio capitulo de aecnsago contra a escoiha deste
cavalheiro.
Os mini-tros declararam quesnstentariam o pro-
jecto de desamortisaco, o da liberdade dos violtos
e o dos cereats.
O ministro do reino especialmente promelteu
apresentar em breve urna reforma de iiKlrucgo
primaria e outra do servigo de polica do reioo,e so-
bretodo em Lisboa e Porto, declarando que taes
projectas acarara feitos pelo sea antecessor
aquella pasta, o Sr. duque de Loul.
A guerra desabrida na cmara electiva foi apa-
casso ao quinto da da existencia mi-
nisterial, achando-se o governo com urna grande
maioria.
O vocabulario
oradores progress
coes contra as perfidias polticas- do seu idolo de
hontem. Ao Sr. Vieira de Castro segoio se o Sr.
Sant'Anna e Vasconcellos. O seu estyllo acerado ^ camara dos pares foi hontem a apresentagao
afiou inditas retaliages na mais violenta serie de ^ ^os mnistros e hontem mesmo priocipiaram
conceitos objurgaiorios que alh se tem ouvido des- os debates sobre a legitimidade representativa da
de que em Portugal ha urna representaco naci- sua investidura. Enceou a discussao o marquez
nal. Aps a dissecgo das deslealdades do duque ,je Vallada, orador verrinozo, mas que flcou muilo
presidente, veio para o iheatro anatmico do par- queo, dos oradores que na casa popular tinham
amento a analyse atroz, crnelissima da insignifi-
cancia dos homens pblicos reeem-ehegados aos
cooselhos da cora.
O novo ministro do reino, (marque* de Sabngosa)
aecusado de ninguero o conhecer.
verberado as pessoas dos ministros.
A' noite em S. Carlos espalbaram-se com nns
versos cantora Borghi-Mamo urnas proclamagr.es
que chamam o povo e o oxercito a revolta, que
nsinuam ao duque inamissimas culpas, que re-
desculpou-se com
que o affastra dos horneas e das cousas publicas Elevado ao paralo, ha ara anno, por direito do cardara o 13 de margo ao marquez de Sa. que fal-
da poltica militante, e declinou a honra qne S. M. successo, anda naqnella casa parlamentar nao ti-1 lam em companhias de olko vivo, que pedem as
lhe conferia de ser o encarregado de propr-lbe i nha erguido a voz ; ameno no trata, cavalheiro de' casas baratas, o pao barata, a carne barata, que
novos ministros. I veras, progressista .e tanta o tem sido qne na gran-1 descompoera os ministros, e que a final provam de
Nestas circunstancias, foram chamados ao pago de assembla popular de 1858, quando a palavra' mais. Ne quid tumis. O povo recebeu os papis
os presidentes das duas cmaras legislativas, (Dr. I inspirada de Alexandre Heruuano reunir-um ira- i anonyraos com frieza.
Cesario e conde de Castro) a m de aconsetharem | ponente coimcio no Roco para alh se tratar da! A epocha das paixes grandes vai passando ;
Jesu dos Passos era procisso no dia 31 do corren- daqnella cidade, e a informagao que a respetto
te estando para isso postados em frente do con- minlslrou o inspector da thesouraria provincial,
vento do Carmo as 3 horas da tarde, providencian- sob n. 107.Communicou-se ao Dr, chafe de po-
do V. S. ao mesmo tempo, para qne um do? referi-' liria.
a cora na mais satisfactoria solugo da erise que
j se ia prolongando demasiadamente.
Resulten dessa audiencia, que o duque de Loul
foi oulra vez encarregado por el-rei da formago
do ministerio.
Nola-se porm, que ti>ndo o duque aconselbado
o soberano impor as mais restrictas Indicacoes,
que limitassem a mirsao do marque de S da Ban-
deira se jalgasse desobrigado (para si proprio)
de taes restrieg-es. o que provoa de ara modo io-
qaeslo religiosa do ensino que entilo agtava o es-1 urna grande epocha, mais tarde ou mais cedo de-
pirita publico, foi o marquez de Sabugosa, ento vera' appellar para os sentimentos conectivos de
ainda sem titulo, eleilo pela grande assembla po-' urna grande maioria da nagao.
pu'ar para um logar de secretario da commissao Os mesquinhos espectculos de intriga que se
directora da associago do ensino do sexo femini- esto representando as barbas honradas do povo,
no. Tive nesse tempo a honra de ser collega delle quando nao ficam abaixo de seu desdem, provo-
cme secretario tambem, e bastante occasiao se cam a hitaridade.
me offereceu para apreciar de perlo os seotimen-' A imprensa poltica de Lisboa faz crua oppos-
tos patriticos de qne dotado, e o quanto se in-1 gao ao governo iocluind o l'artugue: orgo dos
teressava na diffuso do Rsino pifos hos do poyo.; progresis!as hisloricos e o Comwrro dt Uw,





I


MaVIBBM
MBB
=
Diario de Pernaubuco Qnarta felra te de Marco de i 65.
influencia otos- fleo e instructiva_para a alma, assim coSo para| quem se julear com d
o corpo servetn de cara esses blsamos que raa-' -
nam de troncos incisos e quando o theatro aure-
senu tan predurgoes 6 que se eleva i sua altura,
jornal que era minislerlal sob a
piragoes do Sr. Lobo d'Avia.
Tuina a defeza da sluago, por ora, uoicamente
aGoarta t Tortuga!.
O Jvrturf de Lisboa, de que e redactor o Sr. Bar- realiza a sua missao, e preenche o sea fim de es-
aza Leao, bao o'cofl)baie, defendi -com maitu 'cola de eostnmes.
boza
parcimonia. Fallase na creago dcoulro orgao po-, Isto comprehende perfeitamente o digno empre-
lltico, jornal diario, que tome a defeza dos actos zario, e praiica-o com consciencia, naocessando de
dos novos ministros. ornar taes dramas.
A questao Soutullto, preliraiuar desta celeuma O Sr. capitu Jos de Cerqoeira Lima foi no-
toda, nao morrea ; mas esmoreceu. O Times, o meado, por portara de hontem, major do Io corpo-
Siixle e outras folhas estraogeiras ha poucos das de Voluntados da Patria desta provincia,
anda annuueiavam com amito boa fe que a ques- E' ama excedente escolha sob qualquer aspecto
to de Mr. de Soutulho eonlinuava em Portugal, de aprectogo; e assim pensando fundadamente,
Agora que diro ? nao podemos omitlir os nossos elogios a' inspira-
Esquecia-me dicer-lhe que as aspiraooes do novo cao do Exm. Sr. presidente, felicitando ao mesrao
ministro da justica, Dr. Ayres, sao a igreja Hcre no tempo ao referido capitao pela dlstlncgo de que
,'Statio lare, tanto quanto o permiltam, etc., etc. foi alvo merecidamente.
O Sr. Antonio Jos Alplerri.que responden ao'
jury no ultimo dia de sessao, foi absolvido do cri-
me de morte, que comraettera
Temos onlre nos o Sr. Comingio Gagliani,
famoso concertista, applauddo no Scala de Milo e
Bellos desejo, que o Sr. ministro ajudar1 a reali-
sar tanto quanto lli'o permittam, etc., etc.
Por ultime coucluirei dizendo-llie que a impren-
sa adversa o gabinete Ibe chama o ministerio Ma-
linas d'Alverca.
Em ultima analyse, anda que seja tranquilllsa- n outros principaes tieatros da Europa, na sua
da a atmesphera parlamentar, ainda que numero- Catxa harmnica, de que inventor e o nico
sas maiorias oubram de apotaos e de votos os executante.
discursos e projectos dos novos conseltieiros da co- Consiste o sen instrumento em urna caixa qua-
ra, de crr qae os descontentes conspirem pa- dnionga, chapeada ra se vingarem doSr. duque deLoul, pelo fado ha trila e tres copos decrystol, cheios d'agua em
de ter ido mentar urna coalisao'Com os regenera-, diversas proporgoVs e combinados de modos dif-
dores sem ouvrr os conselhos do partido que o ti- leatea

rente
ceslo
vo deL
de Goyanna.
- Hemettem-nos o seguinte :
Roga-se-lhe o favor de lembrar, a quem fle di-
reito compete, que estando a reparar-se o ladrllho
de diversas ras desta cidade. occasio muito
ao coutrarto que estaca certo, e sabia que tu pro-
curava acabar com certos abusos que tinha encon-
trado no foro.
Era o morcego que soprava para poder tirar-me
o sangue, era o espirito de vinganga que se dis
re, sem ouvrr os conse
B|ja elevado uos seus escudos.
E' de crer que o basto de gsneralissimo polti-
co do partido progressista avttocado, sejaolfereei-
do ao Sr. conde de Torres Novas, homem de tra-
diccoes populares e honestsimo tambem.
E' de crer que um bollo dia o Sr. duque faca o
sen tempo, como se costuma diier, e desea parla-
menlarmeate dos bancos do governo onde tem en-
contrado tantos espinhos e tragado tanto fel.
E' de crer que... Nao tenho pretendes a pro-
pheta, nem quero nem posso anlecipar as corres-
pondencias qae Ihe hei de remetier para outra
quaresroa, se tiver vida e sade, e se esta situaeo
oahir n'outro domingo gordo, como cabio em 1862
a siluacao Loul-Avila (grande) e como cahio ago-.
ra 9itu.ic.io l-oul Avila (pequeo) para dar lugar a
sitnago Lonl-Mathias & C.
Nos ltimos das da passada situado dizia-se
que brevemente seria reunido o parlamento em
sessao secreta para se tratar de nm augmento na
dotago da lista civil.
Depois de formado o novo gabinete, contina a
dizer-se ainda que ul medida se tomara em vista
das urgencias em que se encontra a administra-
c5o da casa real.
Nao sei quanto ha de verdade em lado isto, mas
tenho-o ouvido aflirmar a pessoas que tem dados
para sabe-lo de certo.
Ueram-se boje a sepultura os restos mortaes
do nos so estimavel publicista St-bastio Jos Ribei-
ro de S, antigo redactor da Revista Universal Lis-
bonense, e antigo collaborador do Jornal do Com-
mercio.
Servio muitas commissoes publicas de grande
Importancia; deixa boa memoria a seus tunse
nenhuns hers de fortuna.
Incansavel e laboriosissimo, oceupava o Sr. Ri-
beiro de Sa todes os momentos com a penna na
mo, Ilustrando o paz as mais praticas quectoes
industriaos e econmicas.
Foi commissario regio de Portugal na exposicao
universal de Londres em 1831, e commissario re-
gio dcpois, do theatro normal de D. Mara II. Foi
correspondente do Diario Mercantil do Porto, onde
tive a honra de substltui-lo em 1861, quandn por
incomrnodo de sade se exoneren desse encargo
qoe desempenhou com tanta circomspecco.
Sebastio Jos Ribeiro de S era fldalgo da casa
real, commendador da ordem de Nossa Senhora da
Conceigao, cavalleiro da de Christo em Portugal, e
da Legio de honra, em Franca ; ex-chefe da re-
parligao de manufacturas no ministerio das obras
publicas; vogai e secretario do conselho geral das
alandega>; encarregado eventualmente de varias
commissoes de servigo publico dentro e fra do rei-
no, membro do conservatorio real de Lisboa, socio
e presidente em 1812 da extincta sociedade Esco-
lastica-l'hilomatica. Nasceu nesta capital a 30 de
maio de 182*.
Falleceu com 45 annos incompletos. Era seu pai
Luiz Jos Ribeiro, primeiro barao de Palma.
O fallecido Iliterato e publicista, cuja falta neste
momento deploramos, foi tambem correspondente
do diario do Commercio do Porto. Deixon publicados
diversos relatnos, estudos e comas ofciaes dadas
ao governo relativamente a assnmplos economico-
indostnaes. Um dos mais notaveis foi o que em
1862 se publicou na folha offlcial sobre a crise do
algodao promovida pela guerra dos Estados-Uni-
dos.
Publicou tambem a biographia da infanta D.
Beatriz, duqueza de Saboya. ?*
Foi tambem collaborador do Panorama. No Uni
verso Pittoretco imprimi a biographia do visconde
de S da Bandeira. A biographia do Sr. Joaquim
Fereira da Costa sanio n'um folheto avulso.
Cantos ao serao um volume. As fabricas na-
cionaes sao' urna histoi ia Pamphleto ec:nomico
em defeza das fabricas.
A desmoralisaco eosenlo: fragmentos 1843.
O Preso, esbogo do estado das cadas etn Por-
tugal e de alguns dos seus mysterios.
Ao seu funeral concorreu segundo acabam de
me contar, muitas pessoas que se presavam de ad-
mirar no Uado exceilenles virtudes domesticas a
par de multo estudo, hbitos laboriosos e de nm
espirito altamente Ilustrado. En que me honrei de
o ter por collega na imprensa e me ufanava com a
sua benvola atnisade, muito sinlo que me nao
coosentisse este dever imperioso de collaboracao,
o ir prestar ao p do seu tmulo a derradeira ho
meHigem de respeito que tinha e tenho pelo seu
nome.
O Sr. Sebastiao Ribeiro de S foi victima de urna
dolorosa enfermidade. Muitos conlratempos e ad-
versidades Ibe tinham cavado a sepultura nestes
ltimos annos. Lutando corajosa e varonilmente
contra a desgraca achou recursos e conolacao nos
peiores das, na assiduidade do seu trabalho e no
amor da familia de quem era adorado, e que extre-
mosamente amava.
L
P- S.Foi nomeada na cmara dos depulados
tima coinmissao para e.'tudar a questo dos co-
reaes, como fura proposta pelo Sr. Carlos Bento da
Silva.
Se houver alguma cousa de notavel at fechar a
mala diiel.
; de sorle que com o simples rocar dos
dedos indicadores pela superricio superior desses
copos arrebentam as notas mais claras e harmo-
nmsas ; brota urna meloda que assemelha-se as
vezes ao canto da ave, e outras ao Ciclo das brisas
da tarde ao perpassarem pelas arvores.
ue urna cousa to simples nunca imaginavaal-
guem que se podesse fazer urna fonte de harmo-
nas ; visto que d'ahi extrahe o Sr. Comingio sua-
ves msicas, tira todo e qualquer trecho das gran-
ees pegas com perfeita e esmerada execucio, alm
ue nelle percorrer todas as e?calas chromalicas,
como melhor o apreciara' o nosso publico, visto
que tem o Sr. Comingio de dar alguns concertos
no Santa Isabel.
Na manha do dia 2o do corrente, pelas on-
ze horas, foi entregue por urna commissao de hacha-
reis, no quartel do corpo das Voluntarios da Pa-
tria, ao digno capitao commandante da primeira
companhia bacharel Jos Paulino da Cmara, urna
chapa, distinctivo dessa eorporayao, mandada fa-
zer por alguns dos collegas do bacharel Cmara e
otferecida como nma tenue, porm significativa
prova do sacrificio heroico feito pelo mesmo, ao
dei xa r os commodos e vantagens de sua posicao
superior, trocando a loga de magistrado pela blu-'
sa do defensor da patria.
A forma da chapa a mandada usar pelos Vo-'
lontarios da Patria, feito de ouro de le, com a ins-1
cripcaoVoluntarios da Patria tendo na alto a
coroa brasileira, circundada por urna canna de as-
sucar e um ramo de caf, entretechos no final e
lacados por urna fila, em cuja largura esta' escrip-
ia aquella _inscripcao ; sendo ludo em alto relevo,
levantado cinzel e com a mxima perfeigao pos-
sivel, pois trabalho feito sob a direegao dodis-
Uncto artisu, o Sr. Nicolao Tolcntino de Carvalbo.
No ver-oda chapa lem se as seguintes inscrip-
goes abenas buril:
Dos, Patria, Imperador..
25 de fevereiro.
25 de marco.
1865.
Qffcreada ao bacharel Jos Paulino da Cmara, por
alguns de seus collegas e amigos.
Na occasio da entrega da chapa, que estova
acondicionada em nma caixa apropriada e toda
forrada de veludo carmezira, no tampo da qual es-
lao estampadas em ouro as iniciaes Dr. J. P. C,
nm dos membros da commissao disse as palavras
que abaixo se leem :
Pela causa da honra e dignidade da patria
commnm, pela defeza dos sagrados direitos dos
vossos e nossos concidadaos, fizestes o sacrificio de
urna brilhante carreira, facetada sob os mais es
perancosos auspicios; dos commodos de una vida
rizinha; dos prazeres de urna mocidade feliz e in-
depender passada entre os mimos de paes; ir-
maos e pareles extremosos e na convivemia de
numerosos amigos, sinceros apreciadores de voasas
raras qnalidades, e sempre firme e resoluto vedes
approximar-se a hora em que iris jogar a vossa
vida, ofTerecer o vosso sangue 1
" O brilho de tao honrosa acgo, de tao geaero-
sa abnegago, que fazem ex'reraecer em seus ja-
zigos os restos mortaes dos hroes de nossa histo-
ria, vos tem envolvido de urna aureola gloriosa,
cujo fulgor vem reflectir-se nessa classe a que nos
orgulharaos de pertencer comvosco.
De lodos os peitos patriticos clava-se para vos
ama homenagem I
Em breve delxareis o vosso lar, vossos ami-
gos e vossa provincia para marchar a essas plagas,
onde se vai lavar com sangue a.nodoa do ultrage
e trocar a vida pela honra e dignidade da patria.
Leval nma peqoena lembranga de alguns de
vossos amigos e collegas afleigoados; aceitai nm
fraco testemunho do quanto sabem apreciar e ad-
mirar vosso magnnimo procedimento.
_ Ei-ta nnida a vosso brago possa essa tenue
chapa de metal servir-vos de impenulravel escudo,
que vos guarde tiloso de toda a oflensa dos barba-
ros immigos.
Queira-o a Providencia Divina e consinto tam-
bem que dentro em breve vos acheis coberto de
novos e imraarcessiveis louros, restituido a vossa
sandosa familia, a vossos amigos e a vossa provin-
cia.
ttS^oS^^A^^1^' aS ,1aaes: "'".ra o inimigo covarde qao de emboscada e
imn. D J carcom,aas. d.e aueiraque fatem iraicoeiran.ente me esperava.
tropezar as pessoas que transitan, como do lu- Asroximando-se a noca da eleioan rara vera
gar ao empossamenlo das aguas de chavas em de- dores e iu?zes de naz m oual sedua nJI\!d
omaeUna na d^Ralt^? 212 ,n5 'eV? ei" era **K fio Sr*. Delfino b^como s'an
coma na rna do Rangel, nao obstante o reclamo tecedentes, princiniaram a annarecer cortos lacios
da obra que so por ordem positiva o faria. Lm0 depois V4iu okwia L iwrdau^ nar-
- Passou hontem a tarde, a vista de trra, nm cialidade do Sr" effino STa fftStSiSL
vapor, navegando a vela; pareca ser nm reboca- contra m.m ama quixa oe ante ol >r Delllno
-"sendoSeKs StSH^m a l Cm f^^JCSSSS,Slio
sendo perseguidos diversos ipdios, em 26 do facto de haver cu com forca de nrimeira linha
rPem aaa'a3osPOVr0eaS;aiLdme *S??\ P aDKda" md^ "uebrar ^^5" t Sa 52.
SSau?bzVSeTpaKma'0 ? dS h" gF ChaP3S d3 ** da fregue,ia da G'ra de
nw f>e 29, d2 "Tnte effectua-se o leilao de I A maneira parcial cela oual se oortou o Sr Del-
, n^o'!683^063 d0 L,m- mk"nstaarado,e no qual me pronuncien.
Esperamos tudo dos anistas incumbidos dos
dilferenies pape/s, e nao antocipamos nenhum
juizo, por entendermos que seria temeridade da
nossa parle. Aguardamos a exeeogo, j o disse-
raos, e entoo justiga ser feita a quem merecer.
Recite, 28 de marco de 1865.
G.
clonar na denuncia dada contra o mesmo r. Duar-
le, visto entender que nao me perrittido.
Rogo, srg. redactores, a pubJicagao destas lionas.
Pao a'Alho, 26 de margo de 1865.
Bartbotomeu Torquto de Souza e Silva.
PUBLICARES 1 PEDIDO
Consta-nos que o Illm. Sr. -Unente-coronel Fran-
ico de Albuquerqae MarUho Cavalcaati pre-
tende onerecer-se ao Exm. Ir. presidente da pro-
vincia, para organisar o segando batalho de Vo-
E lamentavel que, quando o raio da civilisagao
se expande al os ltimos conflns do mundo; quan-;
do a illustrago faz conquistas luminosas; quanlo "*
se procura plantar a ordem na sociedade, pelo iin- e
peno da lei, e rodelar o cidadao das maiores ga-
rantas : apparecam horneas que nao duvidam n- .
fringir as les sagradas do paz, praticar actos sub- 'an^rios da Patria.
versivos de toda ordem social, atrepellar os direi-' beiii,m ">r, podemos aftTangar que dentro em
los imprescripiiveis dos seus coucidados, levando. PH"0. Puc0 ,emP nevera surgir mais um bata-
a sociedade ao mais terrivel chaos 11 i IDa '
O facto horroroso, capaz de fazer corar a socie- O Sr. tenonte-coronel Maranhlo pelas maneiras
5f?2 al ,* SPVU? 'nais recnditos fundamentos, pra- afiaveis e cavalleirosas de que naturalmente do-
ticado pelo sujdelegado Amaro da Costo Ramos e lado, goza de urna influencia legitima principal-
seu mano, o acadmico Domingos da Costa Ramos munie nosul da provincia, e muitos cidadao'is
meu mano o bacharel Joaquim Go-' aguardam a sua
Ah se v, que elle para a formado da culpa,
ment, no caes d'Apollo.
ten7oseirla DS eSCreVem Cm ^ de hD' 3atse d um crim"publico; nao mandou c-
L^^sSes^^mt
mandada pelo intrpido cap.too Belizario, de glo- ah se Hw*ET^jnff
Ladoirs Pr,nC,palmeDle DOarraial daS TreS n.u"c'an'es para certa, declaracoes nao mandou
. As;everam-me que desta vez sera modado T'RTe SSff ?A^TffS&
Shocl'Zhp9araHoauToso,oPara.ga>'0' aoq!ie ade "^^a^^3SSi
ponho m.nhas duv.das, porquanto, ja estando ahi se v finalmente, que tendo designado dia bar
ihflfhKi"3 armaHda' Pr ma*ica de,sua T in(>,r,5ao das lesternlnLs e n SndTto
nnha, obteve dispensa do servigo, passando-se-lhe mar por se dizer incommodado nao ntnan o exer-
l!Wa<>raais hJe' W tem mais esse direi- cicioPcomo devia RSUS competa para
assim o fazer, mostrando desla sorte o quanto se
apresentacao, para o acompanha-
honra e gloria ao
rem I
Parabens ao Pernambucano,
Sr. tenente-coronel Maranho 1
Um que o acompanhar.
interessaija em ser meu juiz
O publico desta villa observou com pasmo e ad-
miracao o que se deu durante o curso do predlto
processo, isto vio os denunciantes em contacto
to a allegar ?
a Individuos mal reputados e desla ordem-deve-
se-lhes dispensar quaesquer direitos ou isengoes e
mndalos para o exercito alim de corrigirem-se
pelo rigor da disciplina militar, assim o entende
r,e, A sentinella.' activo e imraedi'ato com o"Sr7D"r.~Delfloo'. "vioaue
- Casa de DETENgAO.-Movimento da casa de no da designado para nauiricao das le*temuuln<
detengan do da 27 de margo de 1865. Exisliam foram os denunciantes com naS por dvenas ve
presos 372, entraram 16 sahiram 9, existem 379 ; zes a sua casa, sendo o procS S na ca4 da
a saber: nacionaev 291, estrangeiros 21, mnlhe- cmara 1 prooesso leuo na casa aa
Tntol ;,f'raneiras 2.esc>-avos 33? cravas 7.- O publico desta villa tem ouvido dizer como
AI,mtadosacasto dos cofres pblicos ,66. :STiSS^^^ ffS^
Mov.mento da enfermarla do da 27 de margo de perseguirse, para inulilisarse *hFZda*
ludo se far, tudo se empegar I
mes da Cunha Beltrao, residente-na villa de S.
Joao, e que j se acha no dominio do publico, a
prova robusto do que veoho de dizer.
Conhecido pois, como se acha, este facto, nao te-
nho necessidade do novamente descrev lo ; mes-
mo porque sera isto exasperar mais as pessoas i
sensatas, cuja satisfagan consiste em verem respei-' >9'* M Morilla (le flTPay C LilQUlMit,
todas a constituigo, a lei e a justiga. A minha ta-1 Que os poetas emhora fallem dos ares odorferos
refa, pois, limila-se a analyse de alguns trechos de na balsmica Arabia, porm apesar de tudo p-de-
uma correspondencia, qu traz a assignatura do'' se muito bem por em duvida, se jamis algum des-
Sr. Domingos, a qual foi publicada neste jornal, ses florescenles bosques de canelleiras ou laranjaes
n \ n ^ produziram ou derramaram incens ou perfume
Tendo o Sr. Domingos, nao salisfeito com seu ] ["ais refrigerante e deleitavel, do que aquello de-
procedimento reprovado para com meu mano, na I Hcioso e delicado aroma que exhala e dimana desta
villa de S. Joao, a ousadia de exarar neste jornal; admiravel essencia, colhida dos campos virgneos
fados imaginarios tendentes a aggravar a sorte do a Flora. A athmosphera, a qual rouba e diveste
1865.
Teve baixa :
Antonio Francisco da Silva, defluxo.
Manoel Per .eir de Moura, sesees.
Manoel Joaquim da Silva, bronchites.
Teve alto:
Joao Paulo da Rocha.
Alexandre Marinho da Costa.
Cemiterio publico.Obituario do dia 24 de
margo de 1865.
Candido Jos da Silveira, Pernambuco, 56 annos,
viuvo, S. Jos, rheumaiismo.
Tertuliano Theophilo da Silva, Pernambuco, 23 an-
nos, solleiro, Santo Antonio, phtysica.
Manoel Zeferino dos Santos, Pernambuco, 12 annos,
soltero, Santo Antonio, ttano.
ir,
E o juiz de direito da comarca satisfazendo a
essa sede de vinganga, j como poltico, j como
meu inimigo particular I Que miseria! E o que
revolto ouvir suas expressoes fementidas, eu nao
tenho interesse, estou cumprindo o meu lugar I
Pensei sempre que o Sr. Dr. Delflno nao fosse
meu juiz em um tal processo, mas enganei-me,
elle o foi, o achou-se com forgas de pronun-
cir-me.
Era esto a prova de amizade que o Sr. Delfino
prometlia darme 1
As utengSes revelam-se polos factos, e ei-los no
dominio publico.
Eis o juiz de direito da comarca procurando por
todos os meios ao seu alcance exercer cega vingan-
Manoel
mo.
Leopoldina, Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista, hy-
dropysia.
Sebastiana, Pernambuco, 26 mezes,
intermitente.
- 26
Maria, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio, es-
pasmo.
Gregorio, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio,
convulsoes.
Anathalia, Pernambuco, 6 mezes, Boa-Visto, con-
vulsoes.
Olympia, Pernambuco, 1 anno, S. Jos, varilas.
Joanna, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos, convul-
soes.
Vicente, Pernambuco, 5 mezes, S. Jos, vermes.
Modesta, Pernamouco, 2 mezes, Recife, convul-
soes.
Antonio Jos AI ves, Pernambuco, 85 annos, casada,
Roa-Vista, gastro chronico.
Candida Maria da Conceigao, Pernambuco, 24 an
w solteira, Boa-Vista, tubrculos pulmonares. ^ ssr trazido ao publico I
Pernambuco, 1 raez, Santo Antonio, espas- Aproveitaram minha ausencia do termo, pela
licenga que Uve para tratar de minha sade, para
conseguirem pormelos infames, documentos contra
mim, mas espero cora a verdade dos factos, mos-
. jse, lem-e trar ao pub|if0) a quera devo respejt0> ;,t onde
tem chegado a perversidade dos calumniadores
que procurara perseguir-me, e assim destruir urna
por urna das calumnias que me levantom.
E porque Sr. Dr. Delflno tanto averso contra
mim? Qual tem sido o meu procedimento como
juiz ? Quantos processos tenho instaurado contra
os meas adversarios polticos ? Qual o adversario
poltico perseguido por mim ? Ah estao os carto-
rios, nao encontrar por certo, um s processo fei-
to por mim a algum de sua parcialidade. Apr-
sente os perseguidos.
Qnantos porm os processos da responsabilidade
feltos pelo Sr. Dr. Delfino?
Sei, que poucas autoridade s das que nao sao do
seu credo poltico tem escapado do seu furor de
processar.
Ahi estao os cartorios, Sr. Dr. Delfino, que vao
nos solloira Rna-Vki inhriMiln milmorv- .j i.------"<, oi.m.ueiuuo, que vao ereio que nennum laclo all appar
nos, soueira, Boa Vibia, tubrculos pulmona sendo bem pesqulzados por V. S. e pelos seus ami-' ao que elle allega, que vai ferir
Joao liaDli joao Hpuwiluoaianno, i oriugai, 2- annos, soi me faga enveraon har. aoresent urna sonienoa da,t ito-.r m m.. mona ni ai .JSIa*
faga envergonhar, aprsente urna seutenga dada
40 an- Pf~im.c-0n-tra liUe.ral disposigo de lei, para pro-
Nao os votos de nossos coragoes.
Depois do que o Dr. Cmara se expressou nos
segrales termos :
Amigos e collegas.-Recebl a honrosa offrenda
que vos dignastes enviar-me. A honra que me
prodigahsaste- to sabida que a julgo superior a
qualquer agradecimento; as expressoes summa-
mente benvolas, com que me tratastes em o vosso
offerecimento me penborara tao altamente que nao
as poderei jamis retribuir tanto quanlo desejo e
PERNAIHRUCO.
REVISTA DI4E1A.
A assembla provincial em sna sesslo de hon-
tem oceupou-se com a discus>ao de |iareceres das
commissoes e com a terceira discusso do projec-
to n. o do anno passado, que determina seja arre-
cadada pelo consulado provincial a decima urbana
dos predios do rauuiciplo do Recife, que estao su-
jetos collectoria de linda, o qual deixou de ser
votado.
-*-A empreza Coimbra leva hoje' scena no San-
ta Isabel a Historia de tima moca rtca, eompo-
sigo dramalica do Sr. Dr. FranciscoPmheroGui-
mares a quem constiluio ella urna reputogo me-
recida.
A regeneragao da mulher o pensamento mo-
ral do drama, e a vida intima da nossa sociedade
em seus cambiantes prestou-se ao autor para de-
senvolver aquella these evanglica, de que se apro-
prkra elle e extendeu com tamaaha riqueza, to-
mando a defeza da mulher por meio da narrago
do sen martyrio perante ama sociedade, que a vi-
cia e condemna.
Os caracteres descriptos nao sao typos puramen-
1e ideaes : a verdade Inz em todos elles.
Gs Magalhes ahi avultam daguerreotypados em
muitas pbysionomias ; e nao fallam ah as Ame- i
lias, que sacrificadas, ultrajadas em todos os af- i Dr. Antoaio Epaminondas de Mello,
iectos, canem virtuosas ainda na corrupgo. Dr. Innocencio Serfico de Assis Carvalho
Aem oscontrastes tambem lo tomados a' ima- Dr. Silvfao Cavalcante d?. Albuqueraue
magao : sao urna copia da verdade quotidiana- i Dr. Luiz Fehppe de Souza Leao.
A patria urga por soldados que defendessem
os bros e dlgnid&de naclonaes ultrajados pelo es-
trangeiro, acudi ao sea justo reclamo. Empunhan-
do as armas e deixando a cadeira d'orgao da jas-
liga publica, corro os campos onde se propuena
pelos direitos e dignidade do Brasil.
Tenho simplesraenic cumprido um dever que
repulo sagrado.
Offereceste-me a chapa que destingue o volun-
tario da patria, irazendo a eloquenle inscripcao:
Veus, patria, imperador, trindade magestosa que
resuraindo o infinito e finito, o sublime e o gran-
dioso, resume tambem urna multido de ideas e
senliraentos cada qual mais nobre, mais tocante e
mais veneravel I
Vossa offerta acceito-a com verdadeiro jubilo
e urania, e protesto censerva-la come o mais sa-
grado talismn, que s de mim se apartar com a
VIQ3.
a Deis 1 Patria Imperador !
Deus ser dos seres, a justica da causa invo-
ca a vossa protecgo, protege! o Brasil.
Patria I mae commum de todos os brasileiros
acceitae o meu sangue que contente verterei em
vossa defeza.
o Imperador! senhor, vos que collocado na cu-
pula do poder social, imprims o movimento ao
grande corpo brasileiro, e velaei no destino do vas-
to imperio da Santa Cruz, acceitoe o fraco contin-
gente da pessa d'um vosso fiel subdito, que se vos
ouerece em defeza da patria.
Collegas e amigos, aceitoe o meu sincero pro-
testo de eterna gratidao, acreditoe que sereii sem-
pre presentes do vosso collega, que por sua vez
oerece a cada um de vos o seu retrato como sig-
nal inequvoco d'amisade e reconhecmento que
vos tributa : e recebei um cordeal aroplexo.
Relago nominal dos amigos e collegas do ba-
enarel Jos Paulino da Cmara, que concorreram
para a offerta da chapa que foi ao mesmo entregue
como cima fica dito :
Dr. Domingos de Souza Leao.
| Dr. Antonio Vicente do Nasciraento Feitosa.
teiro, Roa-Vista, tubrculos pulmonares.
retaco, I MM, Samo An,.n,o, pWy. S[t'iSSS; SU TaXZ KT
porque espero com a verdade dos Tactos destruir
o mezes, b. jse, convui lodi e qUa|quer mpuiago que
7dias, Boa-Vista, escravo, min"a ^te, felizmen.e, nao esto
Constancia,
mo.
sica.
Maria, Pernambuco,
sSes.
Manoel, Pernambuco,
espasmo. .
Manoel, Pernambuco, o das, Recife, espasmo.
Francisca Maria da Conceigao, Pernambuco, 25
annos, solteira, Boa-Visto, gastro interite.
Anna Maria, Pernambuco, 64 annos, solteira, Boa-
Vista, tubrculos pulmonares.
- me for feia, e a
em suas mos, e
no seu querer.
Foi depois de urna vida publica de oito aunos
que respond ao primeiro processo de responsabi-
lidade, tendo sempre a fortuna de servir com ma-
gistrados respeitaveis, e verdadeiras llustracoes do
paiz, como os Exras. Srs. conselheiro Francisco
Jos Fuado, actual
Ma:iroAhfeSte48 *"* *"* ^ ^ '*&&&$%& S^ 8
Luiz de Franga da Cruz Teixeira, Pernambuco, 79
annos, viuvo, Santo Antonio, Interite.
E a primeira ve* que rae aprsente ao publico
nestas circurastancias, e trazido pelo Sr. Dr. Del-
fino.
COMMNICDOS.
mesmo, victima delle e d'outros desalmados, e pre
tender ainda ferir a reputago de minha familia, a
qual, graga Dos, esto longe de ser tocada pelas
suas eovenenadas sellas; pois que minha familia
jamis pretendeu firmar-se em pedestal do infa-
mias ; entend que devia, em aitengao ao publico,
mostrar a falsdade de certos trechos daquella cor-
respondencia.
Primeramente, devo observar que o Sr. Domin-
gos, censurando o odio que em cada phrase respira
do nojenlo aranzel que denuncia o reprovado pro-
cedimento seu e d'outros de sua familia, tenhaem-
prega Jo expressoes, que traduzem a ira e furor de
que se acha possuido, vendo patenteado o facto in-
digno de que elle e outros sao aecusados. Tal a
sua ineonsequenca! Tal a sorte dos espiritos
que se desviam do verdadeiro caminho I
Diz o Sr. Domingos que sent que nao sejam bem
conhecidas nesta provincia as victimas das buca-
ras do autor dos communkados; e que os factos
Que elle nos atlribue a pakrnidwk se tenham dado
sessenta leguas distante d'aqui.
V-se, pois, que o Sr. Domingos considerou in-
compaliveis a publicagao dos noraes das pessoas
desacatadas por meu mano e a circunstancia de
nao seren bera conhecidas aqu. Eu creio que o
Sr. Domingos podia apontar essas pessoas por seus
nomes, independentemente do conhecimento: alm
de que ellas devem ser conhecidas; pois o Sr. Do-
mingos d a entender, quando diz bem conhecidas.
E' que tal vez ellas nao sejara conhecidas do Sr.
Domingos e de sua familia, fazendo-se preciso um
prazo para chegar a conhec-las.
Emendo que o Sr. Domingos obra mal, quando
lamenta que os factos immoraes, de que falla, se
tenham dado longe desta provincia : pois, quanto
maior a distancia, raaior a facilidade de ageita-los
a bel-prazer.
Quanto a rixas havidas entre-meu mano, quando
estudante, e os seos collegas, como diz, foram o re-
sultado da provocagaa da parte delles, como sa-
bido ; alm de que sao as rixas muito comrauns
entre estudanles.
Quanto simplicidade de costumes e proverbial
tolerancia, qae, na sua opinio, determinaran! meu
mano a preferir aquelle lugar, sao desmentidas por
um comraunicado do joruai da Parahyba, que, es
tigmatisando o procedimento do subdelegado Ama
ro para com meu mano, diz nao ser elle o primei-
ro que all soffre.
Sobre o dizer que nao coiibe. meu mano no seio
da familia, menos exacto, pois que elle, forman-
do-se bastante doenle, procurou os sertoes, afirn de
obter o seu restabelecimonto.
Comprehende-se ainda que o Sr. Domingos nao
poda encontrar affluencia de negocios superiores
que se opposessem a proseguir na causa; pois
ereio que nenhum facto all appareceria superior
sua reputagao.
do Sr. Domingos
dizer que meu mano nao foi apoiado por autoridade
ou tribunal algum. Espero que, se lia alguma de-
mora da parto do tribunal, elle ter por IIm aprc-
sentar urna deciso justa, que corresponda as luzes
daquelles grandes e sabios membros do mesmo.
Nao posso oceupar-me com todo o comraunicado, e
assim vou a analyse de um trecho, que parece rae
sobresahir :
E assim advirto-o que se dspoe da faculdade
de obstar actos criminosos, seria de mais conve-
niencia que nao abandonasse o lar paterno.
E' este o trecho.. A mterpretago que, por mais
lgica e natural, se lhe deve dar, que no seio de
minha familia do-se factos criminosos, e factos do
quilate do de que aecusado o Sr. Domingos e ou-
tros da sua familia. Sendo assim, protesto com a
energa de que sou capaz, em meu nome e no de
minha familia, e desejo que o Sr. Domingos apr-
sente em minha familia factos criminosos O facto
que se acha no dominio publico, nao tem justlfica-
go, quaesquer que sejam as cores que lhe dem.
Asssira, pois, meus votos e os de todos sao que
sejam responsabilisados estes homens; que o clo
altanero da audacia soja abaiido, ficaido garanti-
das a vjda, a liberdade, a honra e propriedade, sa-
grado thesouro^la humanidade I.' I
Recife, 27 de margo de 1865.
Joao da Cunha Pereira Beltrae.
a fragrancia quasi todas as mais aguas cheirosas,
parece- produzir bem pouco effeito sobre a exqui-
sita randado deste aroma, a qual pertence por ex-
ce lencia a esta preparago sublime e refrigerante.
Ella encerra em si, por assim dizr, o condensado
respiro e vida das flores as mais exquisitos e odo-
rferas do remo vegetal e sua fragrancia parece
inexhaurtvel, mesgotavel, mesmo depois de ter si-
do exposta a urna prolongada evaporaco ou dif-
fuso. Neste respeito ella se assemelha a original
agua da colonia de Faria, e preferida por toda
America do Sul e as Antlhas, nao obstante o va-
lor e custo dobrado daquelle onlro perfume.
Repara! bem qne os nomes de Mnrray e Lan-
man se actiem inscriptos sob cada envoltorio, le-
treiro e at mesmos embutidos no propriQ vidro da
garrafa e na falta dos mesmos toda a mais falsa.
COMMEBGIO.
PRACA. DO RECIFE.
Cota?5es offlciaes.
28 de nlargo.
Cambios sobre Londres 90 di vista 25 e 2&
1/4 d. por 1J000.
Dubourcq Jniorpresidente.
Guimaressecretario.
Ciii va filial do basco do Brasil em
Pernambuco.
A directora desla caixa saca sebre o banco do
Brasil no Rio de Janeiro e sobre a caixa filial do
mesmo banco na Bahi.
Yovo banco le Pernam-
buco.
O banco desconla letras na presente semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis mezes,
toma dinheiro a juros a praso nunca menor ds
tres mezes, e saca sobre a praca da Bahia.
Y'ovo banco de Pernambuco.
O banco paga o 14 dividendo na razao de8
por accao.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 27......
dem do da 28...............
680:849^907
29:393s02i
710:2425931
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Voluntes entrados com fazendas.,
com gneros...
Volumes sahidos cora fazendas...
com geceros-----
67
878
-----945
CORRESPONDENCIAS
Ao publico.
Srs. redactores.Tendo sido o advogado doSr.
capitao Jos Ignacio Gongalves da Luz no inventa-
do
851
-----1,016
Desarregam no dia 29 de margo de 1865.
Rrigue porluguezEsperanza diversos gneros
Polaca italianaLindadiversos gneros.
Patacho nacionalBeberibeidem.
Bjigue escuna norueguense Ironrofarinua de
trigo.
Brigue hollandez O/Vondiversos gneros.
Patacho haBoveriano Widardem.
Sumaca hespanhola Rengo xiaho.
Barca inglezaD. -ffdiia-carvao.
Patacho inglezSprayidem.
Barca inglezaScott- idem.
Galeola hollandeza -Elizabethplvora.
Importaco.
Brigue nacional D. Mauricio, entrado do Rio
Grande do Sul com escalla pela Bahia, consigna-
do a Maia Espirito Santo, manifestou o segrate:
10,011 arrobas de charque, 30 coaros seceos
500 re-teas de ceblas; a ordem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
OEIUES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 27.
idem do dia 28
44:178*279
1:149*658
4o-327*937
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1 a 27...'..... 87:308*385
dem do dia 28 ................ 3:398066
90:906*451
publico com o Sr. Dr. Delfino Augusto Cavalcanti ^ff Ji -
d'Albuqnerque, juiz de direito desla comarca, que oWiX^X^Z
ovando ns seus seni montos nniiiionc inmi..j. i ur|gauo Peio ar. ut. Ueltino
O superior tribuoal da relacao para o qual re-,
corri da pronuncia do Sr. Dr. Delfino, acaba em r! JDeLse Pr<-C_edea por fallecimento de Anna Ma-
sen respeitavel accordo de 24 do corrente, de jul- ria da no.juizo de orphos desle termo,
A, ....... gar nuilo por incompetencia de juizo o processo ?'enao no communicado publicado no Diario de
U ar. juiz de direito da comarca de Pao d'Albo, que m'o instauroa o Sr. Dr. Delfino. J 2i do corrente, do Sr. Joao de Albuquerque Barros
ellino ltiguslo Cavalcanti jd'Albiiqiiorqiip | Sirvam estos minhas palavras de solemne pro- Gaimares, qne este Sr. na denuncia que diz ter
Ao publico i testo aos actos que sobre mim como juiz possa I da ao Exm. Sr. presidente da provincia contra
E' chegada a occasio de entret'er-me nerante o'' exercer &,r- Dr Delfino> ('ne reconbecidamente i 5 D,r- Maximiauo Francisca Duarte, juiz municipal
..- l-utidSl.u_B men rniai inim.o : deste termo, quiz fazer crer que o mesmo Sr. Dr.
Duarte me poz obstculos quando promov no pre-
dito inventario o pagamento de nma divida do Sr.
capilo Laz ; devo declarar era abono da verdade,
que semelhante imputacao fllha somente da ima-
ginagao do Sr. Barros Guimares, e nao tem o me-
nor vislumbre de verdade.
O Sr. Dr. Duarte nenhum obstculo oppoz ao di-
reito do meu consttuinte, por ser incapaz de assim
praticar, e o procedimento dos interessados no tn-
ventarionao do lugar a esses obstculos ou a fa-
vor da parte do juiz ; porquanto todos elles reco-
nhecendo a divida do Sr. capitao Luz, como decla-
raram nos respectivos autos, tiveram sempre o
raaior Interesse em que fosse ella paga, tanto que
so para esse fim promovern) o mesmo inventario.
O Sr. Dr. Duarte procedeu para com o Sr. capi-
tao Luz, cerno precede um juiz imparcial e justi-
ceiro, consentio no pagamento de sua divida ; mas
os, maedan-
essas columnas, e ainda
ino que desejo se justifi-
que do quanto dgff a seu respeito.
Pao d'Alho, 26 de margo de 1863,
O juiz municipal do termo de Pao d'Albo,
Maximiano Francisco uarle.
levando os seus sentimentos polticos a inimlsade
capital, procura por todos os meios perseguirme,
para o que nao se tem poupado a commetter tudo
quanto ha de Improprio a um magistrado que se
deve presar.
Para tornar bem saliente a perfidia do Sr. Dr.
Delfino, faz-se necessario, que remonte-me ao que
se tem dado entre mim e elle, para que fique-se
melhor coohecendo do seu.carcter, e assim do
qnanto elle capaz.
Ha dous annos pouco mais ou menos, sendo o
Sr. Dr. Delfino censurado ro peridico Progressis-
ta, pelo correspondente desta comarca, entendeu
ser en antor das correspondencias, e neste sentido rente.
se queixava. Sem procurar justificar-se dessas De ha muito nutramos o desejo de dirigir ao
censuras, nem responder ao correspondente, tratou Sr. Coimbra um pedido afirn de aue elle fi;e*se
conHnSL^rn^/^.T <"" ^ "'* WV^^^^
continuassem, e neste sentido erapregou os meios. amigo e collega, e que outr'ora pccuplu eminente do ouviTao menor de 14 annos e ai curador geT!
THEATRO.
Historia de orna moca rica.
Drama em quatro arlos do Dr. Pinheire Gui-
mares.
Annunciou a empreza do nosso Santa Isabel a
eatendeu representagao diste drama para hoje 29 do cor-
MOVIMENTO DO PORTO
.Vario entrado no dia 28.
Liverpool-33 dia?, escuna ingleza Zampa, de 134
toneladas, capitao E. Wakeham, equipagem 8
carga fazendas e outros gneros; a Sympson
a C.
Navio sahtdo no mesmo dia.
Bahia-patacho brasileiro D. Luiz, capitao Jos
Teixeira de Azevodo, carga differentes gne-
ros.
EDITAES.
ginagao
mente produzida nesta nossa sociedade, na vida
real, que os forcece com fatal nberdade de sorte
que, tanto nos caracteres principaes, como nos ac-
cessorios, arha-se o retrato de urna physionomia
que familiar, qae se v todo o da.
E nisto esta' o mrito dessa prodo>!g5o como
raoralsadora da sociedade, visto que nao cora
Dr. Ayres de Albuquerque Gama.
Dr. Antonio Lopes da Silva Barros.
Dr. Eduardo de Barros Falco de Lacerda.
Dr. Francisco Amynthas de Carvalbo Monra.
Dr. Francisco de Aranjo Barros.
Dr. Francisco de Carvalho Soares Brandao.
Dr. Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa.
absiracgoes, com a creagio de situacSes desconfe- Dr. Jos! Ladislao Pereira da Silva.
cidas ou com a idealisagao da verdade que se che- Dr. Francesco de Paula Salles
gara' a doutrinar a qaem, pela presenga de factos Dr. Henrique do Reg Barros
contrarios, tem os olhos d'alma fechados para essa Dr. Joaquim Jos de Miranda
aprcciagao espiritualista. Dr. Pedro Afibnso de Mello. '
fc, portanto.a Historia de urna mora rica nm Dr. Jos Joaquim de Souto Lima,
drama qne importa ser visto e apreciado no palco, Dr. Luiz de Alhaquerqae Martins Pereira
i-ara se aprovettar a ligo qne delle deslilla, pro- A subdelegada da Capunga d scencia, a
nOmra/".nea,ta0 aavSado,nesta comarca, e oSr. lagar no palco do' Gymnasio do Rio de Janeiro
^mandante superior Lourenco Cavalcanti de cheganto al ao fanatismo o seu effeito cenico'
Albuquerque, procurou-me, fallando-me para que O Sr. emprezario porm, prevenio a nossa irTea-
sm aShl\8 >:^,aS/0responde,nciase que as" C5u- e lhe Veceraes por nos, e era nome de to-
sim o fazia a pedido de alguem de sua amizade, dos os apreciadores qae frequetam o nosso thea-
S?^ Tir ,FOSSe- eu'ODDSo au,or ,ro- a acertada "'&. ProporcVonana-o.no a occa-
dellas o que se. que ellas nao continuaran). sio de apreciamos urna ds nossas raelhores po-
u br. r. Delfino calculadamente se mostrou duegoes, na escola realista
SmalGam..IemP0 "ndiffereute aos negocios desta As bellezas e peripecias cheias de naturalidade
comarca, duendo sempre as pessoas de minha amt- que abundara nesta primorosa obra Iltierata
.22 mL ?JSoUvos para Ser metl lalmi*> mas ram sufflcientemente combatidas justificadas'por
2..?- ? ^e' e por oc?asi3o,de haver uma entendedores, e por Isso abstemo nos de accres-
quesiao entre elle como presidente do jury e o pro- centar deas que de nada mais servirao do me
motor publico d'ento o Sr. Dr. Virginio, dirigi- augmentar a alta reputogo que goza Q
se_ a mim, na casa da cmara, aperlando-me a Aguardamos a execuco
ni ? a Sobre que ,?e havia dad0' e tra"! Ba'aades seriara todos os esforcos empreeados
ntS!, Spn^!6-Sa aq,-eL'aS ""PonMcias, pelos mais habis e distractos KS
Jnl /. i0'me' que hnha razdes Para 1uei- falIaSse a animago e vida do talento artstico que
xarse de mim, mas que era meu amigo e queso em vivo quadro traduz o exprime o pensamento
rfXracSu nTn^TP."^ IZuL am i fMeDda0 nBltrar-e n espintoTo espectod'o7q','e mente do"meu' honrarte.*
le, nem iixei de acreditar em suas; se comove ou arrebata-se segundo a habilidade do
e s a vista do reconhecmento da divida por par-
te de ambos, mandou contmplalo napartlha.
Nada mais fez no inventario em questo o Sr.
Dr. Duarte em favor ou contra o Sr. cepitao Luz. e
se alguma cousa fez de mais, foi em favor dos or-
phos, mandando pdr em praga o escravo, nico
bera que exista pela diminuta quantta de 53, que
vcio a tocar aos mesmos orphos, para qae fosse
ella recolhida ao cofre, e Dcassem elles assim ga-
rantidos.
Julgo o Sr. capitao Luz incapaz de ter dito ao Sr.
escrlvo Ignacio Gomes de Souza, o que este de-
clarou emipizo, por que fago daquelle Sr. um ele-
vado concerto.ie nao e considero capaz de calum-
niar ao Sr. Dr. Duarte, pois tenho j mais que cer-
teza de que o referido pelo Sr. escrlvo Souza
uma verdadera calumnia. Estou convencido quo
o Sr. capitao Luz, o quo havia de ter dito ao refe-
rido Sr. Souza, foi que me deu I00 como paa-
palavras, e continuei a traalo como d'antes, sem
o communlcar.
Sendo nomeado juiz municipal deste termo, cons-
tou-me por pessoas de minha amizade que o Sr.
Delfino loavara minha nomeagao, mostrando-se sa-
Creio que nao estou inhibido de vir hoje peran-
interprete consciencioso, Neste caso, o artista te o publico, fazer ver o procedimento do Sr Dr
superior, elevando se ao grao sublime de creador, Duarte era relago ao Sr. capitao Luz para salvar
o que muito deve lisongear aquella qae testemunha qualquer juizo desfavoravel que se nossa fazer con-
os apptaasos da mnltidao, como recompensa s tra aquelle Dr., por oceupar nesta Comarca o car-
saas vigilias e lucubrares. I go de promotor publico, por oue nao pretendo fanc-
O Dr. Tnstao de Alencar Aranpe, ofBcial da im-
perial ordem da Rosa, e joiz de direito especial
do commercio, nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco e sen termo, por
Saa Magestade Imperial e constitucional o Sr.
D. Pedro II, quera Deas guarde etc.
Fago saber pelo presente que no da 3 de abril
do corrente anno, se ha de arrematar por venda a
quem maisder, em praga publico deste juizo, de-
pois da audiencia respectiva, a escrava crionla de
nome Gaudiana, que representa ter 50 anos mais
ou menos, avahada em 6005000 res, a qaal sendo
pertencente aos herdeiros de Francisco de Rarros
Correa, fora penhorada aos mesmos por execuco
de Jos Joaquim Alves.
Em falta de licitantes ser arremalag3o felta pelo
prego da adjndicagocom o abatimento respectivo
da lei.
E para que chegne ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edital, qae ser afflxado
nos lagares do co; turne e publicados pela Im-
prensa.
Dado o passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 16 de marco de 1865.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial; era camprimento da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia de 13 de margo corrente man-
da fazer publico, que no dia 30 do mesmo, perante
a junta da fazeoda da mesma thesoararia, se ha de
arrematar, a quem por menos flzer, a obra' da re-
construccao da bomba d varzea de Pausta ava-
hada ero800. '
A arrematagao ser felta na forma da le pro-
vincial n. 343 de 13 rje maio de 1834, e sob as
claasulas espectaes abaixo copiadas.



I


iDArilMA^rv IM^nDDrTA


v^
na rio ?* As pessoa* que se propozeram essa arremata-
cao, comparegam na sala das sessoes da referida
junta no da cima mencionado peto meiodia,e
competentemente habilitadas.
E para constar, se mandn publicar presente
pelo jornal. .. nh^ >
secretarla da thesourarir provincial de Pernam-
tiuco, 18 de marjo de 1865. O secretarlo, A. F.
tTAtrnunciaco.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
t* A reconstruccle da bomba da Varzea na en-
genbo Paulisia, na Importancia de 8002, ser feita
de accordo cem o presente orgamento approvado
pela presidencia.
f O arrematante dar comeco obra no prazo
de 19 Has, e a eoncluir no de 45, contados ambos
na forma da lei.
3." O pagamento ser feto em urna sprestaeo,
dedois da obra acabada.
4.a O arrematante, na execaeo dos trabalhos,
seguir restrictamente as instrucgdes doengeshei-
ro encarregado da fiscalisago dos mesmos tra-
balhos.
5.a O arrematante nao lera direito algum a in-
deranisago qualquer que seja a naturezi daallc-
gaglo qae flzer
o.* Em tude nuis qae nao serontm as presen-
tes clausulas, seguir-se-ha o que dispoe o regula-
ment das obras publicas.
Conforme.A. F. f Annuneiarfto.
() lllm. Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, de 16 do corrente, manda fa-
ter publico qne no dia 6 de abril prximo vindon-
ro, perante a junta da fazenda da mesma tliesaura-
ria, se lia de arrematar a quem por menos lizer os
reparos de qae precisa o empedramenlo da estra-
da de Apipucet, desde o lugar em frente a da
Trempe at o Chora-Menino, avahados em rs......
3:080,*.
A arrematagao ser feia na forma da lei pro-
vincial n. 313 de lo de mato de 1854, e sol as
clausulas espeflraes abaixo declaradas.
As pessoa* ft** se propocerem a essa arremata-
;"iit ruinparecam- nasata dae ses.-Ses da referida
junta, no dia anima mencionada, pelo meio dia, e
competenteraevt hnMfetad.
E para consta* se maadoB. panucar o presente
pelo jornal.
Secretaria da.tasouraria provincial de Pernam-
buco, 20 de macara de 1865.
O secretario,
Alerte Ferreira da Annunciago.
Glaasulas especiaes para a arremataco.
1.a As obras dos reparos ao erapedramento ci-
ma mencionadas se rao fe i tas de conformidade com
o ornamento junto na importancia de 3:0805.
2.a O arrematante dar principio no prazo de 13
das, e concluir no de dons niezes, ambos conta-
dos da data da arrematagao.
3.a O pagamento ser reallsado em tres presta-
$3es Iguaes, sendo a primeira quando livor feto
nma terga parte da obra, a segunda quando tiver
feito dous tercas, e a terceira e ultima quando ti-
ver concluido e entregue deffiottivamote.
4." Para tudo mais que nao estiver especilicaJo
as presentes clausulas, seguir-se-ha o que deter-
mina o regulamento de 9 de julho de 1804.
Conforme.
Antonio Ferreira da Annunciago.
O Dr. Tristo de Alendar Araripe, offl:ial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio nesta cidade do Recife de Per-
nmbuco, por Sua Madestade Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, que Dos guarde, ele
Fago saber que no dia 10 do mez de abril do cor-
rente anno se ha de arrematar por venda a quem
mais der em praga deste juizo, depois da audien-
cia respectiva, o escravo Theodoro, crioulo, de 24
annos de idade, avahado em 8005000, o qual vai
praga por exeeueo de Jos Rfbeiro da Cunha Gui-
raare- contra D. Jeanna Mara das Dores e outros.
G na filia de licitantes ser a arrematagao feita
pelo prego da adjudicago com o abatimento res-
pectivo da lei.
E panqueo piesente chegoe ao conhecimento
de todos ser publicado pela imprensa e afflxado
n forma do esiylo.
Dado e passad'o nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 28 de marco de 1865.
En Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
crivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
O lllm. Sr. inspector da thesourana provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 4 do corrente, manda fazer
publico que no dia 12 de abril prximo vindouro,
parante a junta da fazenda da mesma ibusourarie
se ha de arrematar a quem por menos Qzer os re-
paros de que precisa a ponte de Uoianna, avahados
en) 2:200,5000.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas qne se propozerem a esta arremata-
cao comparegam na sala das sessoes da referida
junta no da cima mencionado pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se raandou publicar o -presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pemam-
buco,' 9 de marco de 1863.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciagao.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
Ia Os reparos da ponte de Goianna na importan-
cia de 2:200J00 sero feitos de conformidade com
o respectivo orgamento approvado pela presiden-
cia.
i* O arrematante dar comego aos trabalhos no
prazo de 15 das, e os concluir no de tres mezes,
contados ambos na forma da lei.
3a Os pagamentos sero feitos em dnas presta-
gdes e iguaes, a primeira quando estiver feita me-
t'ade da obra, e a segunda depois de coneluidos to-
dos os trabalhos.
4a Na execuco dos trabalhos o arrematante se.
jruir restrictamente as Instrucgoes do engenheiro
encarregado da flscalisaeao dos trabalhos.
;> O arrematante f.ira entrega ao engenheiro de
toda a madeira velha que Dcar da ponte e pelos ex-
travos ser o responsarel at que effectne a dita
entrega.
6a O arrematante nao ter direito iudemnisa-
cao alguma, qualqaer que seja a natureza da alie-
gaco, para esse ttm flrer.
Conforme,
Antonio Ferreira d'Annunciagao.
O lllm. Sr. inspector da thesonraria provin-
cial, era cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 16 do corrente, manda fa-
zer publico que no dia 6 de abril prximo vindou-
ro. perante a juota da fezenda da mesma thesou-
raria, se na de arrematar a quem por menos lizer
os reparos de que precisa a ponte do Rio Formoso,
servindo de base a esta arrematagao a quantia de
787*600.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro
vincial n. 343 de 16 de margo de 1834, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
rlo comparegam na sala das sessoes da referida
juota, no dia' cima mencionado, pelo meio-dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se manden publicar o presente
pelo jornal.
Secretarla da thesourana provincial de Pernam-
buco, 20 de margo de 1863.
O secretario,
Antonio F. da Aanunciago.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
l.J Os raparos da ponte do rio Formoso, sero
feitos de conformidade cora o orgamento na impor-
tancia de 787J.600.
?. A obras deverao ser principiados no prazo
de 15 das e ceuuhiWas no de 3 mezes, arabos con-
tados da data da approvago da arremataco.
9.' Os pagamentos sero realisados em daas pres-
tages iguaes, \ primeira quando tiver metade das
liras e a sejjond?. na sua concluso e entrega de-
finitiva.
4a Para tudo o que nao estiver especificado as
preseates1 clausulas seguir-se-ha o que determina
o regulamento do 9 de julho de 18C4.
Conforme.
A. F. da Annunciago.
m

DEcimgoES.
f l Pelo juizo da 2- vara, escrivo Alhayde.ea
i luenraenio da testa mente i ro da Gnad 1>. Clara
J iseptn de Mello Bordes lem de ser arrematada
i .,- venda a casa deil"us andar e sotao cita na
na da Imperatriz n. 48, para pagamento das ais-
: osjepes testamentarias, avahada por 8;0005 ; cn-
j.i arrematagao "tera lugar na saladas audiencias
no (fia 29" do ceVrcnte as horas do costunic.senlo.
c,n a ullima praga. Recife, 24 de mafro de 1W
Mata Casa da Misericordia do
Reeife.
A lllm' junta administrativa da Santa Casa de
Mssericordia do Recife manda convidar as pessoas
que se quzerem eocarregar da mo d'obra de
carpina abaixo declarada, a apresentarem as suas
propostas em carta fechada, na sala de suas ses-
soes, no da 30 do corrente, pelas 4 horas da tar-
de, a saber :
tima coberta cem 200 palmos de compnmento e
30 de largo, 100 crabos sobrelinhas e mao de forga
no centro.
Onz9 grades de janellas cem bandeiras e caixi-
lho, tendo as janellas enchadas.
Cinco ditas com bandeiras e venesianas.
Seis portas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 27 de margo de 1865.
O escri vao.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Calxa Olla! do banco do Urasil
cin Peraantoueo,
li de neiro De ordem da dlreetorr* desta caixa, se convida
aoscredores de ^enastilo Jbs da Silvaavirem
receber do rbesooreiro da mesma caixa o que em
rateiolhes toca da venda de urna dasproprieda-
des,;quesegundo a concordata,lhe foram entregues
paraserem vendidas.Ogaarda-livros.
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da directora desja mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro estautorisado apagar o 22.di-
videndo de 10* por aegao.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Pela thesouraria provincial se faz publico
que a arrematagao da obra dos reparos da cadeia
da villa do Cabo foi transferida para o dia 30 de
corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Fernam-
buco 17 de margo de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciagao.
Pela thesourana provincial se faz publico,
que a arrematagao dos reparos de que precisa a
estrada do porto de Galinhas, foi transferida para
o dia 30 do corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
huco 17 de margo de 1865.O secretario,
A. F. d*Annunciago.
JL'IZO DE PAZ DO 1 DIsTRICTO DA FREGE-
ZIA DA BOA-VISTA.
A segunda audiencia deste juizo, na presente se-
mana ter lugar no dia sextafelra, 24 de margo
s 4 horas da tarde, no lugar do costume, visto ser
a 25 do mesmo mez, da santificado.
Tribunal de commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernamboco se faz publico que nesta dala foi
admettido a matricula o Sr. Jos de S Leito J-
nior, cidado brasileiro, de 31 annos de idade, com-
raerciante de commissoes e em gneros nacioaaes
e estrangeiros. de conta propria, nesta cidade.
secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 24 de margo de 1865.
O oQlcial-maior,
Julio Guimare.
Pela subdelegada do 2 districto do curato
da S de Olinda se faz pubiieo que no dia 25 do
corrente, pelas 2 horas da manlia, f*i apprehen-
dldo a Quintillo Antonio da Costa um cavallo fur-
tado de cor feveira e magreiro : quem for sen
dono, justificando, lhe ser entregae.
Subdelegada do 2* distrioto do curato da S de
Olinda 27 de margo do 1865. O subdelegado do
2 districto do curato da S de Olinda
Manoel Deonizio Gomes do Reg.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para o forte do Buraco.
30 pranchoes de secapira com 18 25 palmos de
comprido e 9 polegadas de altura, e 11 de largo.
Para o arsenal.
200 taboas de amarelio de ferro de 27 palmos de
compridos e 2 ditos de largo.
370 dita de dita de l|4 polegada de altura 9 de
largo e 27 palmos de comprido.
Para o deposito do Rio Grande do Norte.
2392 1)2 varas de brim branco.
1102 1|2 varas de ali(odosinbo.
326 bonets redonho de panno azul.
Para ocorpo do Cear.
846 covados de panno azul para capotes.
,493 covados de bata.
Para o corpo de voluutarios.
700 covados de hata.
400 varas de algodosinho.
25 covados de casemira amarella.
25 covades de casemira verde.
200 gorros conforme o modello.
As pessoas que quizerem vender taes artigos
apresenlem suas propostas na sala das sessoes do
conselho, as 11 horas da manba do dia 15 do cor-
rrente.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar-
senal de guerra 27 de margo de 1865. O en-
carregado da esripturago,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Subdelegada de polica da freguezia da Boa-Vista
27 de margo de 1865.
Por esta subdelegada se ach recolhida presa
desde 18 do mez prximo (Indo, por fgida, Maria,
escrava que diz ser de Jos Loorengo, residente na
Varzea ou nos Afogados : quem pois se julgar com
direito a dita escrava e provando ser-lbe-ha entre-
gue. Na mesma subdelegada existe um bah ve-
lho com porgo de formas para sapateiro, e mais
tres garrafas de essencias e dous copos lapidados,
que tudo ser entregue a quem provar pertencer-
Ihe.Becio de Aqnino Fonseca..
Pela theseuraria provincial se faz publico
que a arrematagao do imposto do pedagio da pon-
Braolia,
Emilia,"
los i una.
Joannit
Vieira..
iia i
iV
D.Ca<
IN. N.
ID. Balota
i), l.eopokftoa.
^oimbrai
Leilla
Dr. Robrfo.'.........*.. hermano.
Frederico.............., J_.i-.boa.
Hennque.............., Borge.
Arthur................. Coelho.
Alberto................ Guiraares.
Magalhes............. Porto.
Aolunes............... Pinto.
Alfredo............... Teixeira.
Leopoldo.............. Santa Rosa;
Joo da Silva........... S. Demetrio.
Joo, mulato escravo___ Manhonso.
l'm pierrot............ N. N. "
Um escravo........... N. N.
Um criado............. N. N.
Mascaradas de ambos os sexos.
01 e 2 aptos passam-se em Pernambuco; o 3o
na cidade do Rio de Janeiro ; e o 4o na provincia-
Dar flm ao espectculo o rauito applaudido vau-
derille em um acto
Principiar s 8 horas.
1IS0S MilITIMOS.
de 90 saceos com
asaltear.
HOJfc
(jjparta-feira tt.de mango as t 1| horas em ponto.
O agente Pinto far letlao a fequerimento do
depositario geral e por despacho de lllm. Sr. Dr.
juiz especial db-ccmmercio de 20 saceos com as-
sacar sendo Iff de rtame e 4 de branco, existen-
tes no referido deposito por execugo de Antonio
Joaqun Salgado contra Antonio Gongalves Fer-
reira, o leilo ser effectuado na dia cima dito no
referido deposito, roa do Imperador cara em fren-
te a secretaria de polica, denudo eomecar dito
leilo as 9 1|2 oras da manha, visto ter o mes-
mo agente outro leilo em continuago.
Leilo de .OOO couros de cabra.
n '* -} jb-o
O agente Pestaa vender em leilo por conta
de quem perteaoer 2,000 couros de cabra : quar-
ta-feira 29 do carrele pelas 12 horas da manba
no armazem do Avilla no Forte da Mallos.

COMPANHIA BBASIL1IBA
DE
PAQUETES A VAPOR
Loilao de 200 caixascom cebof3S, 15 quei-
jos suissos 20 ditos prat -.
mm
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 200 caixascom excellenles cebo-
las chegadas ltimamente, 15 queijos suissos e 20
ditos|prato muito frescaes: quartafeira 29 do cor-
rente pelas 10 horas da manha no armazem do
Annes.
A PREVIDENTE
SOGIEDAH POBTtGlim UE SEGUIOS H!TBS M k \\
FUNDADA E ADMINISTRADA
i'ELO
BANCO ALLIANCA
Autorlsada por decreto de a5 de julho de ISii.
CAPITAL SL'BSCRIITO
523:7785509
SUBSCRIPCES
1,293'
f^SCP.IPf/'ES COMPRADAS
164:7303000
le
raassas sortida
i.
ao da 80 caixas com
iioii:
O agente Pestaa vender por conta e riseo de
quem pertenaer 60 caixas com massas sortidasem
Dos portos do sul esperado lotes a vontade : quarla-felra 2n do corrente pelas
at o dia 31 do corrente um dos i 10 horas da manha no armazem do Annes.
^,ddS.^U,!SB.:.Lelito em con.inuacao dos-salvados dobri-
_^guir para os portos do norte. 8ue "glez tljebe O lhe Ei6.
Desde ja recebem-se passageiros eengaja-sea ff 0J K
carga que o vapor peder condnrir, a qual dever No armazem aifandegado do bario do Llvra-
ser embarcada no dia de sua chega:a : encom- ment caes do Apollo.
mondase dinheiro a frete ateo diada sahidas 2 o Diario do dia designar quaes asfazendas que
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de teem de serem ex boj tas em leilo.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio Grande do Sul segu em poncos
das o brigne brasileiro Prazeres, capito Jerony
mo Jos Telles : recebe algnma carga a frete e a
tratar no escriptorio de Amorim Irmos, ra da
Cruz n. 3.
Leilo
De um grande fugo americano econmico com
a competente chamie o qual se torna recommen-
dado por gastar pouca lenha on carvo.
HOJE
Quarta-feira 29 do corrente as 9J1|2
horas,
ir com larte carca Pol ,nIervengo do agente Pinto na ra do Im-
!!** peradorcasa n. 6, em frente a secretaria de po-
; iicia.
Para a Baliia
segu o
prompta: para o resto tratase com Jos Maria Pal
meira, largo do Corpo Santa n. 21.
Para o Para.
vai seguir com muita brevidade o palhabote Pa-
raense, lem a maior parte da carga prompta, e
para o resto que lhe faita trata-se com o consigna-
tario Joaquim Jos Gongalves Bellro, na fu do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6,
armazem.
Para o Para
pretende seguir com muita brevidade o veleiro
hiate Dous Amigos, tera dous tergos de seu carre- i Britannica e por coma e risco de. quem
gamento prompto : para o resto que lhe falta tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra aa
Cruz n. 1.
Leilo de maila|ioloes, lgido>-s, chi-
tas. Iirins, cobertores de algodo,
parle dos salvados do brigue iaglez
Uebc o lhe Exe.
Hoje 29de margo as 10 horas em ponto.
O agente Pinto far leiio a reqaerimento fdos
consignatarios do bngue iuglez tllobe ofthe Exe
com licenga do inspector da alfaudega, em pre-
senga de empregade da mesma repartigo para o
lim nomeado coni as>istencia do cnsul de S. M.
pertencer
Maranlio
O palhabote Gartbaldt segu para Maranhao por
estes dias, recebe carga : a tratar com Tasso Ir-
maos. ___________________________________
Para o Porto segu com brevidade o brigue
Esperanca por ter a maior parle de seu carrega-
mente prompto : para o resto e passageiras tra-
ta-se com Cunha lrmos & C, ra da Madre de
Dos n. 3, ou com o capito na praga.__________
Para isboa
das fazendas cima mencionadas parte dos salva
' dos do referido brigue e existentes no armazem
\ aifandegado baro do Livramento uoces do Apol-
: lo.aonde se eflectuar o leilo as 10 horas do dia
supradito.
Leilo de ama parte de um so-
brailo de 9 andares-i
i Quinta-feira 30 do corrente as 11 horas.
OLYMPIO
coinpetcnleineute autorisado veuuera eui leilo
urna parte do sobrado de 2 andares sito na ra da
Senzala Vellia n. 110, avaliada em 1:839, chaos
proprios, lora lugar o Idlo no dia adma no es-
criptorio do referido agente roa da Cadeia do Re-
pretende seguir com muita brevidade a barca por-1 cife n. 30, primeiro andar.
tugueza Henriqueta, tem parte de seu carregamen- i a^llSo de~uuia ZaJkJvS eiu i-
to a bordo : para onsto que lhe falla e passagei- ae u*a isnc fita em a-
ros, para os quaes tem mullos commodos, trata se aaelelra.
cora os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-, Uuinta-feira 30 do corrente ao meio dia em ponto,
veira Azevedo 4 C, no seu escriptorio rea da Cruz Cordeiro SimSes far leilo dos gneros da ta-
nuiuero herna cima dito a reqnerimento de Manoel Jos
----------------------:-------1------------------7---- ;da Silva Oliveira e mandado do lllm. Sr. Dr. juiz
Para O HlO UC JaneirO especial do commercio em um ou mais lotes a
mr I -ontade, e.ujos gneros foram arestados a Manoel
o veleiro brigne escuna Nao Set, pretende seguir joi Alves Coelho.
no flm da presente semana, tem parle do seu car-. -------
regamento emgajado : para o resto que lhe falta, i
trata-se com os
de Oliveira Azevedo
da Cruz n. 1.
Para o Rio da Prata freta-se a barca brasilei-
ra Nova Colonia, de lote de 300 toneladas: a tra-
tar no escriptorio de Amorim lrmos, ra da Cruz
n. 3, ou com o capito Manoel Nunes Barbosa, na
praga do commercio.
Para a Bahia prelende sabir em poucos dias
a escuna Eltza, por ter alguma carga tratada, e
para o resto que lhe falta trata-se coro o consigna-
tario Joaquim Jos Gongalves Beltrao, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6, ar-'
mazem.
quirfla-feira se vender em leilo pelo
e ca-
roupa,
to de
lona, e camas, dilas obras de amarelln, camas de
Ierro, tres cadeiras d'arruar, illradeira, e outros
artigos que soro presentes.
gajado : para o resto que lhe falta, ~ ".q".--ini m> veuuera ern leiiao
m seus consignatarios Antonio Luiz i aJnle, "enio una rica secretaria, mobilias
evedo&C, no seu escriptorio ra ?" de Jacaranda e obras novas, euardas ro
i ditos para louga, cadeiras de brago com encosl
AVISOS BIYEBSOS.
LOTERA
Aos10;OO6s0O0e 3;O00$0O0.
Porto pela liba de S.' Sabbaio 8 de abril do corrente anoo, se
Miguel. *i extrahir a 2* parte da 4a lotera (11a) a
O bem conhecido brigue nacional Amelia, pre- beneQcio d groja de Nossa Senltora do
tende seguir at o flm do mez, tem parte de seu I Amparo de Goianna, no consistorio da
carregamanto a bordo, para e resto que lhe falta,; greja de Nossa Senhora do Rosario da
e passageiros para os quaes tem excellenles cora
Para o
.u T*C 'l"i,"',l:"u v""6'""v- e passageiros para os quaes lera exceiienies com- ;f i Antnnin
te de Motocolomb foi transferida para o da 30 do,; n,^ 6lrau-se com os seus consignatarios Amonio eur, ? Anioni,
corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 17 de margo de 18650 secretario.
. A. F. d'Annunciagao.
Pela thesouraria provincial se faz publice,
que a arrematagao dos reparos de que precisa o
impedramento do lugar denominado Areias do
Giquina estrada da Victoria, foi transferida
para o dia 30 do correle.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 17 de margo de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciagao.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
Luiz d Oliveira Azevedo & C,
ra da Cruz n. 1.
no sea escriptorio
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
"avegaco eosteira por vapor.
Macei e escalas.
No dia 30 do corrente as 5 ho-
ras da tarde, segu o vapor Pa-
)'iAj/6fl,r.ouimaudante Martins, pa-
ra os portos indicados. Recebe-se
dia 29. Encom-
_________ carga ate o
que a arrematagao da obra dos reparos da ponte mendas,passageiros e dinheiro afrete at 2horas
dos Carvalhos foi transferida para o dia 30 do cor- da tarde jdo dia da sahida : escriptorio no Fr-
rente.
Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
buco 17 de margo de 1865.O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
Corrri geral
Pela administragio do correio desta cidade se
faz publico que era virtude da convenci postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
rae expedidas malas para Europa no dia 30 de cor- j
rente pelo vapor francez Navarrt. As cartas se-
ro recebidas at 3 horas antes da que for marca-
da para a sahida do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras antes.
Administrago do correio de Pernambuco 22 de
margo de 186.').O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Os bilhetes.meios e quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de 10.000^000 at 205000
serao pagos uma hora depois da extraccao
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As encommendas sro guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccao
como de costume.
O thesoureiro,
_______Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Antonio Lopes Braga, subdito portuguez, vai
_ _- viajar a Europa. '
Companhla das Wensagcrics
Iaaperlalls.
No dia 30 do
te do Mattos n. 1.
corretft mez es-
pera-s dos por
tos do sul o va-
por francez Na-
vane, eomman-
dante Aubry de
la Ko, o qual
GASA DA FORTill
Aos 10:000^000.
Bllhetes garantidos.
A' ria do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zesbilhetes garantidos da lotera qne se acaben
de extrahir a benecio da matriz de S. Jos do
TIIKVTRO
DE
ra do costume seguir para Bordeaux tocando em
S. Vicente e Lisboa.
Em S, Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para fretes, eondigSes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche u. 9.
depois da demo- ttecife, os seguintes premios
IEIL0ES.
___
lfl &B r% I 11 Leilo de 2 casas terreas sitas na Capungi
a niatlas Crioulas n. 39 e 41, em chaos
proprios edificadas a bem pouco lempo
com um grande t freno junto as mesmas. Para
Cordeiro Sim5es
uarta-leira \) de marco de rar*' Ie13 pr conu e risco **<\ m^e
EMPREZA-COIMBRA
4a recila da assinalura.
1865.
I das casas e terreno cima raenci inados: os pro^
tendentes poderae examinar e qualquer informv
! goeso mesro agente satisfar, cojo leilo ser tf-
Representar-se pela primeira vez. o mteressante fectuado
drama em 4 actos, do Sr. l'inlieiru Guimares, in-, IIOJIE.
titulado ; '. '
Dous quartos n. 2839 cora a sorte 6:0005000.
Um meio n. 2505' com a sorte de 1:400,5000.
E outras muitas sones de 1005, 405, 295 e
103000.
Ospossuidorespodem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Gasa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da Ia lotera
| beneQcio das obras da igreja de N. S. do Am-
paro de Goianna, que se extrahir no dia 8 de
abril.
PUECO.
Bilhetes.....125000
Meios. "*-" .' 65000
Quartos.....35000
a pessoas qne comprare it 1005000
para cima.
Bilhetos. .... 115000
Meio;......55500
Quartos.....85730
Makof.l Martins Fiuza.
HISTORIA
as 10 horas em po
n.
57.
poutonoarnuioma-r-adacrtu;

DE
'' .11
Preclsa-se'afugar nma ama que -cozinbe-
lomme, forra ou captiva, para casa de pequen
tlla : no pateo do Carino n. 2, segando andar.
Aluga-s o segundo andar do sobrado da
,
IM MOCA RICA.
PEH60KM3ENS. SI/ "
Amella............... D. Eupena.
Baronesa de Pflrirtyij.... n. Francisca.
Leilo de movis, crvstaes, pianos e ouiros T* ^
objectos de gosto. 'd0
O. Mara..
I> lestiia.
I* <**^BM5Z
Quaila-feira 29 do corrente as 11 h.ua;.
Cordeiro SimSes fara' lolSo de movis nuyo's c Apo
Kisalos,crystaes, planos e outros objectos df' gos-
j to que se torna eifaSon'i i mencionar.
No armazem da ra da Cruz n 3?,
Saca-s solre Lir-L-i. Porto e Kio deJaneiro
no escriptorio de Carvalho A; Nogueir, ra de
:%
"Aluga-se o sitio das Manga&Bifis na cidade
.de Olinda, ra do Bom-snrcesso^, junt a laelra
Ido Monto : a tratar na ra Wrcita t. 6*?.
O seguro mutuo sobre a vida om dos meios que mais contribu para se adqoirerem habito
de economa e de moralidad?, e o camlnho mais fcil e seifuro para cheirar foriona ; por iss
que todo pie qae desejar prevenir o futuro de seos (iljos deve. pdenlo fazer-lttes inscrever os
seus nomes na soeiedade1>KEVIDENTE, porque, como o lempo passa depressa, dentro em vinte
e cinco anuos, e com uma petfuena quantia que lodos os annos fr applicando, alcatifar una fortu-
na para si, orj um dote para shu fillios, que por nenhuin; ootra forma, e com tao pequeo desem-
bolse, tirado do fructo ds sua economas, podiria obter.
Vantagens que offerece esta aoeledade sobre a. dentis.
L\Uraa garanta de quatro mil contos de ris capital do Banco Allianca, que, na- eonformida-
de do art. 61 do; estatutos desta sociedad*, responsavel para eom os seas associados pelos actos e
boa adminislragao da sua direcgoe da dos demais empreados e representantes.
2.a Poder o subscriptor, do primeiro quioqaiennio em dianle, fazer as liijuidacoes annuaes.
3.a Ter o subscriptor a liberdade de escolher a manelra de pagar os direiDos de admini trago
que_sao 4 por censo pagos no acto da subscripgo, leando sujeito a dedueco de l'por cnit por oc-
caslo da liquidagac, ou 5 por cento pagos uo acto da subscripc.r.c, sem ficar su:eiJo a deduceao al-
guma.
4.a Receber o subscriptor, gratis, de tres em tres mezes, o Solango e conlas da sociedad, 8-
cando assm sempre a alcanee do seu roovimento e estado.
5.a A regolandadc com que esta soeiedade se acha organisad&v eom pessoas r.ptas e-habitiCaM
para este ramo de operacSes, j rom pralica de alguna annos em comcanhias hespanholas.
Porto 14 defevereiro de I86o.
O agente promotor e recebedor Jos Antonio Pinto da Rocha.
AOS PAES DE FAMILIA.
DiQiciI tarefa ad'aquelle que tem de propagar as doutrinn-t econmicas e wetaot
E bem sbulo que quaM todos u tendemos para pouce ou nada carar* do futuro, o- que s
olbamos para o presente. M
Quantos ha ah que gastam em nm s dia, em extravagancias ou emluso, aquillo de que tan-
to careceran! para o da segrate ?! .77:
E quantos outros lia lai&bem que, arrastades pelo vicio do Jogo, julgando fazer fortuna e*a
pouco tempo, perdem em alguns minutos nao s a- sua honra e fortuna, mas tambera o nao de sh
esposa e de seus innocenles tilniuhos ? I F
Tambem muitos ha, que embebidos na doce esperanga de apparecereniricos de um d;a para>
oulro, jogamquotidianainenle na loteraquaniias que, reunidas no tim do anno e convenimtvmeole
applicadas, nao de um da para o oulro, mas no tira de algn- annes, com bem mais urohabirdi.de e
seguranga Ihes proporcionan ara, um grande capital, ao qual bem podenam chamaro ande tira-
mio de lotera 8
J que nos coubea honra de sermos o escollwdo para o cargo de agente da-PREVIENE
tambem nos cabe a obrigago de diffundir e espalhar por toda a pane o conhecrsntMilo das vaiitagew
de uma das mais uleis e mais moralisaduras de todas as instituigoes econmicas que hoie se oo-
nhecem. '
Alguns d'aquelles que a noestudam nem coinprehendemdizem :a insliluigo boa ma>
para quera tem muito dinheiro.Outros dizem tambem :-para quem a in tituigo boa para cuaa
tem tilhos e os segura logo depois de nascidos e baptisados.K outros chamara :ios ja ienos 'um*
fortuna e nao precisamos de mais.
Ora digam-nos : as vantagens nao estoem.relago com as quantias desembolsadas ? Nao se
pode julgar tao feliz aquelle que nao podendo pagar mais do que i5 por anno, no fin de 25 anno
obtera l :0005, como aquelle que pode despender 4005 e lem 100:0005 ?
Por que um individuo solieiro e nao lem fllhos, mas tem W annos de idade, nao lhe vale i
pena, podendo, de arriscar 505 por anuo, para passar uma velhice socegada e eom meios, quando
mesis nao tenha no fim dos 25 annos mais do que o resultado da sua subscripgo 11
E aquelles que cora ufana dlzem :Temos uma fortuna e na precisamos de mais-no tero
vistocahir por trra, n'um momento, individuos millionunos, qu: tem ficado reduzidos miseria? E.
se eltes com a fortuna collossal que possuiam tivessera posto de parte uma i|uantia para oicorrer as
eventualidades que podessem acontecer-ibes, depositando-a em uma soeiedade de seguros mutuos so-
bre a vida, noteriam o seu futuro acautelado ?
Tratemos, pois, cada om de no* segundj as nasass circumstancias, de separar alguma quantia
do fructo das nossas economas para ir depostala na -PREVIDENTEporque nenhum oulro mea-
Ibeiro encontraremos raaisseguro e productivo. Os que assm lizerem, mais larde bem diro a hora
om que all inscreveram os seus nomes, porque os anuos succedem-se uns aos outros com a rapidei
do raio, e em breve nos acharemos no lira d'aqnelle prazo, que lj longe nos pareca, sensores de
nma fortuna que por nenhuraa oulia fornla ecom to pequeo desembolso, poderiamos obter.
Eia pois, pas de fami:ia, correi a inscrever o vosso nome naPREVIDENTE, sub-screvendo
por vossos filhos; mas tende em considerago que assimeomo nao deveis obrigar-vos por quantias que
vos seja difflcil pagar, assm tambem, podendo, nao deveis sub.crever com pequeas quantias, porque
nao tirareis tamaito provdto do tempo, e o ii>miio que nassa nao voita.
;IISi-0- iiuiiua uii'iilt' jiodi'iii produ/ir
Por um menino de
de
> > de 2
> > de 3
> de 4
a tima pessoa de 15
> de 20
de 30
> > de 40
1 dia al anuo. .
1 anuo a 2 annos.
a 3
a 4 >
a 15
a 20 .
a 30 >
a 40 >
a 50 >
Eia 5 an
nos.
5503000
4505000
4305000
4305000
WOiOOO
4305000
4305000
4305000
4505000
Em 10 an
nos.
2:0005000
1:5005000
1:4505000
1:4005000
1:3505000
1:3505000
1:15505000
i: 3305000
1:5005000
Em 15 an
nos.
4:5005000
3:75050 X)
3:0005000
3:5505000
3:5905000
3:5005000
3:3505000
3:6005000
3:7305001)
Em 20 au
nos.
0:0005000
8:5005000
8:000500.
7:8005000
7:75 5000
7:7005000
7:8005000
8:0005000
9.0005000
Era 25 an-
nos.
23:5005000
18:5005000
17:5005000
ir 0005000
16:6505000
6:6505000
17": 00050OO
18:5005000
55: 005000
As subscripijoes pagas por uma s vez produzein muito melnores resultados, purqae podera
dar uns 25 por cento mais do que o calculo apresenlado na tabella anterior ; porm sao mu aros os
que se acham habilitados para de uma s vez pagarem uma subscripgo forte, entretanto que sukdivi-
dindo-a em annualidades fcilmente o podem lazer, e a maneira mais suave de se adquirir um
grande capital com pequrao desembolso.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
corpo do cemmercio que* nesta data tem .dissolvido
a soeiedade que tinha com o Sr. Antouo Ferreira
da Cunha, na toja de fazendas da ra do Livra-
mento n. 14, sob a firma de Rosa i Cunha, (can-
do o abaixo assignado a cargo do activo e passivo
da mesma. Recife, 28 de margo de 1865.Oiympio
Gongalves Rosa.
A ma
O Sr. Francisco Martins da Costa, capito do
hiate Dous Amigos, tem nma carta na fabrica de
chapeos da praga da Indenria n. 24 a 30. _____
Aluga-se uma casa cora duas salas e tres
quartos grandes, cozraha fra, cacimba, e um pe-
queo quintal e porto, na ra da Conquista, na
Soledade : a tratar na ra da Cadeia do Recife
n. 3yQ0 na ra da Esperanga n. 85.____________
D-se dinheiro a juros era pequeas quan-
tias : na ra do Livramedto loja n. 35.
! Carlos Daumerie precisa de offlciaes de alfaiate
para casaca c paleto*, paga melhor que em outra
qaalqper parte : na ra da Cadeia n. 26, esquina
do becco Largo, primeiro andar.
A (tensad
Previne-se pelo presente a quem possa interes-
sar, que a verba testamentaria do Exm. finado
hispo do Rio de Janeiro D. Manoel do Monte Ro-
drigues de Araujo, relativamente aos bens que
deixou em Pernambuco para cumprimento de le-
gados, acha-se ha rauito tempo cumprida pelo res-
pectivo testamenjeiro e inventarame; e para que
ninguem possa ailegar Ignorancia se faz o presen-
te anntinclo.________________________________
ftoiibo.
Hontem pelas 11 horas da manba uma mulner
semi-branca com vestido de chita cabocla, en tro 1*
na casa n. 22 do pateo do Carmo e adiando dis-
trahida a dona da casa.ronboo um relogiode pra-
ta horisontatom o n. 19119, estando este eem t
corda e o vidro quebrados, assiai como uma cr-
rante de euro de 18 quilates, pesando 11 oiiavas :
ruga se polica a appreueno dos ditos objectos,
e pede-se aos senhores ourives a mesma appreben-
sao, dirigiodo se, qualquer que dr noticia* ao pa-1
teo do Carmo n. 22.__________________ .,...")
Venemel ordem terceira de S' Fra-
cisco do Recife.
OSr. secretario, abaTxo assignado-,. em nome da I
mesa regidora convida a todos sous charissimos'
irmos a cornparecerem pelas 2 horas da larde do
da sexta-feira 3 do corrente na igreja da mesma
veneravel ordem, paramenlados de seus hbitos,!
paraem commniiidknde scqjhpantarmos a praris-
sao do Senlior lij J -stte s Passos. Secretaria;
28 de margo de 1863.4 seererio
Francisco Jns dos Passos Gnimares.
Prccisa-se de tres amassadores de. padaria : j
a tratar na na da Senzala. Xova n. 30, padaria.
Aluga-se o primeire andar do sobrado da ma da
Cadeia do Recife h. 53, proprio para eseriptortc ou
residencia': a tratar na ra da Gloria n. 68
Quem precisar de unn ama pa?a casa r?
pouca famW*, irlte-* a raa Angas* *. 19. '
Precisase de uma ama para casa de pouca fa-
milia, que cozinlie e faga coniDras : na- ra da
Cadeia do Recife 0. 38, primeiro andar.
Na ra larga do Rosario n. 31, segundo an-
dar, precia-se alugar uma ama forra ou captiva,
que saiba cozinbar e que engorame para urna s
pessoa._____________________
Attenco.
Offerece so uma mlher para ser ama. de uma
casa de pouca familia : a pessoa que mvre-sar.
dirija-se a ra di Santa Rita nova na serrara nu-
mero 13.
t'erdeu-se orna pulseira de corad a sahir da
ra do Livramento ra Bella : quem achou pode
entregar na ra Bella n. 30, que sera gratificado.
Precisa-se de um criado que eulenda uo ser-
vico de copelro : na ra da Aurora u> 50._______
Espirito Santo do C&llegio.
Por deliberagaoda mesa regedora do Divino Es-
pirito Santo do Colleeio sao convidados todos os
irmos da mesma irmandade a cornparecerem em
a nossa igreja sexu-feira 31 do crtente, as 3 be-
ras da tarde, afim de encorporados, acompanhar-
mos a proelssSo do Senhor dos Passos para a sua
igreja, para cojo lim tomos convidados pela res-
pectiva irnianuade.O escrivo,
Manoel Lub d-a Veiga.
Aluga-se uma casa nova na-Capunga, ra da
Amizade, com uma porta e dras janellas de frente,
4 quartos, 2 salas, cozinha fra, quintal grande,
porto na frente e cacimba d'a*ua de beber : a
tratar na ra da Imperatriz n. 74.
Aluga-se a alguma familia uiaa mula'a moga.
a qual lava, engomma, cozinha, e t-111 mais habili-
dades : quera a pretender dirija-se a ra da Au-
rora n. 10, Sfgundo andar.
1 tii 1
Precisa-se de ura eaooeiro forro ou captivo
para trabalhar em lijlo, paga-s por viagem 00
por mez : a tratar na fu lar ^a do Rosario n. lt>,
padaria.
Precsase de amoriado qne saina principal-
mente fazer compras para urna casa do familia, e
d (ianga de sua conducta, sendo que pre/erir-s-
ba se for algum lapasinh : a tratar na ra Ja
Aurora n. S.
Aviso
Roga-se a pessoa-quo achou um esenpto oV pra-
ga dentro.de um ton 0 Petuimlmco, j eom a
certido do porteiro de nao ter apparecido langa-
dor ao bem ipe d*via ser arrematado pelo juizo
da 1* vara, escrivo B*j>!ista. o favor do ir levar a
taberna de Autooio Mareira Reis, judio a fortaleza
das Cinco Pealas u. 49, que ser generosamente
recenipeM&ado.
Precisa-se atugar dous esclavos: a tratar na
ra do Ifrum, fabrica de sbo. ______
Precisa-se de uma am* que engomme e co-
zi&he : a tratar na ma da Cadeia de Recle u. 40,
Ma de relojoeiro.
O prcfrietario da osa da ra* do Mondego em
(up morn o Sr. rmioo Antonio Jos'1/ipes Pf-
!ho, tem nma esria (ar.i o mesmo sfnbor, qu*1 fo-
der fzer o favor de a mandar Ciscar na olatfa
n. 13 na raesrha ra, o etl!tgflr a te^osls-
T
11
9 "
l\/l
I



Diario de reraajniraco .-- toara lelra te Mar^o de ftfe.
%&%
<*
Precisase de orea ama para o servico interno
de urna casa quo seja bou coslnheira e que possa
(azer assisteoeia na mesina casa, dando iuforma-
c5es de seu comportamento : poder se dirigir a
fu Nova n. 20, que achara com quem tratar.
Na ra de Trapiche n. 22, primeiro e segun-
do andares.ha qaartos para alugar-se com as com-
peteutes mobiliag. ________________
Manoel Jos Guedes Magalhes vai a Portu-
gal traiar de sua saude,e deixa por seus bastantes
procuradores aos Srs.: em Mugar Jc* Joaquim' ca da Independencia e em Olinda na casa
lA? <\ PAnlfl ^0
Aluga-se um sitio na ra do Cabral
da cidade de linda com casa terrea, cora
cupiar na frente., bota os fuudos para a es-
trada e margom do rio Bcbcribe, com com-
modos para familia, estribara paracavallo
e capim para sustenta-lo, arvoredos de ruc-
tos, gem visinho defronte nem pelo fundo,
com ptimos passeios, sala e gabinete na
frente, muilo propria para passar a festaj e
tambera se alugar por anoo: a fallar no Re-
cife, no Recife, na livraria ns. 6 e 8 da pra-
do Faria Machado, 2 Ignacio
Jos Lopes Alheiro.
Jos do Couto, 3*
Os abaixo assigoados declarara aos seus Ire-
guezes e ao publico era geral que teem mudado
o seu estabelecimento de vinhos, conservas, aguas
gazozas etc.. do caes de 22 de Novembro para a
ra do Trapiche n. 22, aoligo restaurante do com
contigaa com
Ferreira.
o capito Antonio Bernardo
Est para alugar-se urna casa torrea na ra
da Gloria n. 14, um i e 2o andar de um sobrado
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Joo
mercio, o qual compraran! ao Sr. Sebasliao uopes \ de Barros, com arvoredos, agua de beber,e porto
Gnimares Jnior, onde continuam com o mesrao
estabelecimento.
Cahors & Jeuve.
Na ra das Cruzes n. 18, ha para se vender
10 escravas, entre ellas tem algumas que sabem
bem engommar, cosinhar, lavar e fazer todo mais
servico de urna casa e bem assim um preto de
meia idade que serve para servico de casa ou de
campo : a traiar na mesma.____
Aluga se a casa terrea da ra da Manguelra
n. 1, a qual tem grandes commodos, o sobrado de
um andar e loja da ra de Santo Amaro n. 16, e
o terceiro e quarto andar do sobrado da ra do
Brum n. 70 : a tratar na ra larga do Rosario n.
34, botica.
Joo da Silva Ramos, medico pela ni
versidadc de Coimbra, da consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos era qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem si:a casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda raesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3,^000 diarios.
Segunda dita.... 23300
Terceira dita.... 2*008
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
merecer a confianca de que sem-
tem gozado.
Veneravel ordem terceira de Xossa
Senhora do formo.
Determinando o art. 10 dos acioaes estatutos
que sejam reptanos eslrandos a' ordem os novi-
os que fallecerem, toado completado o anno do no-
viciado e mais seis mezes de aviso sem haverem
feito as suas profissoes: e havendo a mesa rege-
dora deliberado que os ditos seis mezes de aviso se
principiassem a contar da data do presento para
aqnelles irmos, que, tendo feito a sua entrada
annos, ainda nao professaram : assim' se faz cons-
tar alira de que jamis possatn allegar ignorancia;
sendo que, Irado esse praio, so sero admittidos a
prolisso com a multa de 55000 por cada anno de-
corrido depois delle, como estabelecido no final
do art. 9 dos mesmos estatutos; sendo-lhes impos-
ta a pena do art. 10 no caso de fallecerem sem ha-
verem professado.
Secretaria da veneravel ordem terceira do Car-
ino, 24 demarco de 1865.
O secretario,
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro.
Ama.
Precisa se de urna ama que saiba engommar, co-
zer, e fazer o servico de casa paramma s pessoa,
e que nio sia ra : a tratar ra do Imperador
n. 41, arraazera de louca.
Atten#lo.
O Sr. Fernandes Gazzoll tenha a bondade de ir
ao Hotel de Italia concluir um negocio que l temj;
e caso nao compareca no prazo de tres dias, pre-
ceder-se-ha conforme a le o determina em relaco
aos penhores.
_________ O Diabo coxo.
Augusto B. Blandin, subdito francez, segu
para o Rio de Janeiro.
Francisca Jos Leite manda para a Europa
o seu lilho menor Gnilherme Jos Leile.
Offerece-se um menino de idade 13 annos
para caixeiro de taberna e com alguma pratica :
a tratar no becco Largo n 1, taberna.
de
para o becco do Pombal: quem pretender falle
na ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhaa at ae raeio dia.
A quem interessar
O abaixo assignado solicita pela polica em ge-
ral qualquer pretencao como : passaportes, porta-
rlas, appreheneoes de quaesqner objectos; pela
presidencia portaras, passaportes, patentes de of-
flcaes da guarda nacional e outras quaesqner in-
cumbencias ; pelas repartieres flseaes desembara-
zo de terrenos de mannha e de eslabelecimentos
que por engao ou ignorancia de seas proprieta-
rios estejam sujeitos ao rigor do flse;; pela capi-
taniado porto matriculas de carplnteiros, calafa
tes, botes, canoas etc. Pode ser procurado no Re-
cife armazem de molhados do Sr. Antonio Lopes
Braga, ra da Cruz n. 36; em S. Antonio loja de
livraria popular, ra do Collegio n. u7 do Sr An-
tonio Domingues Ferreira, e em S. Jos ruaDirei-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Prannos.
________Joaqum Jos dos Santos Barraca.__
Samuel Power Johnston k Gompanha
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
FnndlcSo de Lew Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreiosd.- carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costera.
Affonso Jos de Olivera, professor jubilado
da cadeira de geographia e historia do ex-lyco
desta cidade e competentemente autorisado pela
directora geral da inslrucc,3o pnblica paraensi-
nar primeiras letras, ltiro, francez, rbetorica e
geographia, contina com aula aberta destas mes-
mas materias na ra larga do Rosario n. 28, se-
gundo andar, e recebe alumnos internos e ex-
ternos.
Salitre
.Na roa do Queimadon. 37, leja de ferragens, de
Domingos Jos Ferreira Guimares, vende-se sali-
tre refinado por 255 a barrica de 4 arrobas, ou a
65'tOO a arroba s a dinheiro.
Os Srs. academices que vao matricular-se
no terceiro anno da Facnldade de Direito, podem
dirigir-se a ra da Saudade n. 9, fronteira a do
Hospicio, onde se Ihes vender o compendio Jde
direito civil at as 9 horas da manhaa, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
Tin tur aria
Na ra Direita n. 116 conlinua-se a tingir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.
A luga-se
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
Do volla de sua viagem a Europa, aonde tomou conhcimenlo das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alora de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se aclia de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
lissao, advertindo que trouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes; eaout-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para churabagem-
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeira de operares, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes deParis, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso deservir do modo o mais satisfalorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se serapre no seu gabinete das 8 horas da manhS at ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando nao tiver.de ir em casas particulares.
RA LARfiA DO
IIosrio n. 3 9.
O proprietario do hotel Travista, aehando-se de
novoemseu estabelecimento, e tendofeito nelle
mullos melhoramentos, convida i seas mu distinc-
tos fregueses, qoe se dlgnem de honra-Io com snas
presentas ; offereceodose-lhes para remetter co-
mida as suas casas com toda promptidao e asseio
pelo preeo mais commodopossivel: no mesmoes-
tabelecimento ha buhare?, sorvetee refrescos.
Aluga-se a casa terrea n. 103 da ra de San-
a R ita : na ra da Aurora n. 36._____________
Anda contina por alugar o sotao do so-
brado n. 02 da ra da Guia, que equivale a uro
terceiro andar por ter 2 janellas de frente, 2 salas,
6 quartos e urna grande cosinha, o qual acha-se
pintado de novo, e aluga-se barato : a tratar no
primeiro andar cora o seu proprietario o bacharel
Francisco Luiz Crrela de Andrade. ________
Na ra de Santa Rita n. i, precisa-se de urna
ama para o servico de casa e comprar, prefere-se
escrava.
do
1859
a boa
ad
COMPRAS.
A NACIONAL
Couipanliia geral liespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE
Urna fiaaca era dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA i t DIRECCO GERAL
' O Banco de Hespanha Madrid : Ra do Prado ni ~ Compra'sc um escravo >znhero que se]
, UM ...nuauvrrauon.lv moco, robusto e sem vicios: a traiar no sobrado
Esta companhia liga pelo systema mutuo todasas combnacoes de supervivencia dos seguro i 38 da r"* da Aurora.____________________
sobre a a. i.. Compra-se cobre, bronze e ferro cuado ve
eua poae se lazer a suDscripcao de maneira que em nenhum caso mesrao por mortedo se-1 Iho : na fundicao da Aurora, em Santo Amaro,
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. ---------------r-------:---------!--------------------~
^^JL^^iL^?1^ N--S sociedades da ndole de A NACI- ~ %*% ^'aKr" n/rua VoSS
Compram se libras sterlinas: no ar-
mazem do Ferreira & Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 66.________________
Na ra da Cruz n. 33 compramse cdulas
das caixas iliaes das provincias e do banco do
Brasil com descont razoavel.
Compra-e um mulatinho de 10 a 12 annos
que seja sadio e tenha boa figura : na ra do Im-
perador n. 46.
Compra-se ouru e prata em obras velbas, pa
ga-se bera : na loja de bilbetes da l'raca da Inde-
dendencia n. 22.
Comprase ellectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
NAL,que anda mesmodiminuindo urna ter$a parte do interesse produzido em recentes liquida
$5es ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Deparelcnx que e adoptada pela companhia
para seus calculse liquidares, em segurados de idade de 3 a 19 annos, urna imporsiraoannual
de 100 produz em effectivo metlico:
No fira de o annos.......1:119*300
de 10........3:942,8600
de 15........U:208200
de 20 .......30:256^000
de 25........80:331*000
Xas idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectas e mais informacSes serao prestadas peJo sub-director nestaprovincia,
mo Joaqum Fiuz de Olivera, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12,estabel -t
cimento dos Srs. Raymundo.Carlos, Leite & IrmSo.
da n. 64, padaria do gaz.
Fogo ao ar.
Vndese fogo do ar a 1500a duna : na ru
imperial n. 249.
laateletes de filo na lja do Pato.
Vendem-se os mafs ricos manteletes de fli pre-
to e ootros com os centros de cor, sendo-neste ar-
tigo o mais rico que tem vindoao mercado mais
moderno por serem muito compridos e com deli-
cadsimos lavrores : na Joja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Para menteos.
Vendem-se muito bonitas roupinbas proprias
para meninos do i a i annos, sendo calcinitas e
jaqnetinhas iguaes, e muito bem enfeiudas : na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 0, de Gama
& Silva.
Calcinitas do Pava*.
Vendem-se muito bonitas calcinhas bordadas pa-
ra meninas a 640 rs. : na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60.
Ha para vender
Pitiiio, pinito, mais pinho, mu (o pinhor
pina, rao da Praia. noje, rna Nova
de Sania Rita n. 17.
78910-e i i pollegedas de largura
De 10 a 35 palmos de comprido, cousa
muito boa e barata, e cora todas as gros-
suras: cheguem ra Nova de Santa Rita
n. 17, serrara de Jos F. Coelho.
Jornaes para embralho
Compra-se a 140 rs. a libra : na antiga fabrica
de cigarros, ra dos Quarteis n. 21.__________
Escravos.
No Hotel Italiano, compra-se um escravo crioulo,
novo, e que seja morigerado, e urna escrava as
I mesmas condicoes, que saiba bem lavar e engom-
mar.
ATTENQftO.
O Sr. acadmico Ernesto Botelho de Andrade
tenha a bondade de apparecer na ra Nova n. 61,
que se deseja fallar-Ib.
Vende-se on aluga-se um excellente sitio na Ca-
punga Velha com urna excellente casa para fami-
lia com 3 salas e 6 quartos, esta caiada e pintada
de novo, cocheira, estribarla, casa para escravos,
lna can-ora para cavallo.
j Quem liver e quizer negociar annuncie, ou ap-
- Um rapaz brasileiro com pratica de caixei-' Preta "a a do Livramento n. 38._________
ro offerece-se para ser empregado em loja de fa-: Compra-se nm habito da Rosa que nao seja
zendas, escriptorio ou outro qualquer estabeleci- pequero e que sirva para farda : a tratar na loja
ment, dando fiador a sua conducta : quem pre-: de sirgueiro do Sr Paula na ra das Trncheiras,
cisar procure na fabrica datravessa do Carioca n. para effectuar a compra.
2, caes do Ramos, ou annuncie sua morada para j r
ser procurado. ___^^_ '-------
Precisa-se de urna ama para o servico de
casa e comprar : na ra Augusta n. 8.
VENDAS.
Ao publico.
O escrivao do commercio Paes de Andrade, de-
, clara que da sala das audiencias, no dia 13 do cor-
dita para fetor, tanque para banho, dito para la- rente, desapparecera urna letra e varios documen- lne A UiQ^i tvnfifrrflnhlfl A
var roupa, viyeiro com peixe, terreno proprio e tos, sendo esta de Antonio Fernandes de Azevedo, 1Ufe U "UcbH l^pugldpilltt O
Almanak Administrativo e
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
muitas fructeiras com frnctos: quem pretender
dinja-se a Capnnga Nova, no entrar da mesma,
ao lado esquerdo passando o primeiro portao, no
segundo, achara com qoem tratar este negocio.
aceita por Joaqum Ignacio Ribero Jnior do valor
de l:700f000 mais ou menos ; e assim previne
que ningnem negocie dita letra, pedindo a quem llf AIWnTltl A Tn<1nGfiial Ip^q
, porventura a possuir, ou delta noticia tver, se di- Jn-ort,ai1111 lllUU&Uldl UCOLtt
Guimares, esta- rija a seu crtono a ra do Imperador n. 35 ou a nrfiv IH'in GiVVAfltli a t 1
belecido com lojas de fazendasna ra da Impera- saa casa particular ra da Unio n. 42, certo de FL v\*"via^ wixcviu aic ui
Lourengo l'ereira Mendes
umacasaacabada agora, com commodos para fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para fetor e
escravos,com banho na porta, no lugar do P050
daPanella, ruado Rio : a tratar com Tass o ir-
maos,na ra do Amorim n. 35.
FABRIGACE
piods-nas martinas
Para marcar
papel.contas^ letras;
k cartoes de vezitas-::-
pasck sinktes para qartas
Na ra do AragSo n. 12.
triz ns. 56 e 72, faz scienle ao respeitavel publico
e principalmente ae corpo de commercio, que vai
a Europa tratar de sua saude, e deixa em sua au-
sencia para tratar de todos os seus negocios como
procuradores os Srs. : em Io lugar Jos Alves Li-
ma, em 2o Carne:ro & Nogueira, e em 3 Jos Pe-
reira Mendes Guimares.__________
Offerece-se um bora criado de todo servido
de urna asa de penca familia ou de rapaz solteiro,
elle entende de coznha e de engommar e serve de
mandados na ra e para outro Qualquer lugar,
tanto para o sul come para o norte, tero bastante
pratica de criado, sabe 1er e escrever, e de mui-
to boa conducta, como pro va coro documentos, e
depois disto tem pessoas de confianca a quem po-
dem informarse de seu procedimento : quem o
pretender dirija-se a esta typographia.
que ser generosamente recompensado.
Precisa-se de um cosinheiro
rentina o. 18.
Ama
Na praca da Independencia n. 33 precisa-se
urna ama de leite.
O abaixo asignado pede encarecidamen-
te ao Sr. Antonio Emygdio Ribeiro, que a
bem da sua honra entregue ao annunciante
a quantia de UO.i, a qual faz o complemento
da restiluicao de 80#, dados pelo Illm. Sr.
Dr. I. N, daF. a 14 de dezembro de 1864,
para serem entregues ao annunciante. Sim,
Sr. Emygdio, complete esta restiluicao ;
porque vem muito ao caso, a quem pie-
lende provar em juizo o quesito de ho-
mem honrado, em occasio de abertura de
fallencia que se Ihe promove. Sim, Sr.
Emygdio, repito, convm restituir este di-
nbeir 1; assim como estituio a letra d> acei-
te da mesma pessoa j referida e do valor de
291880, no dia 7 de fevereiro do presente
anno, quando o annunciante exprobrou e
S. S., em aJtas vozes, ameacando chama-lo a
presenca da autoridade policial no estabele-
cimento de fazendas do Sr. Manoel da Silva
Antunes. na ra do Queimado; alim de se Ihe
restituir a referida letra, que eslava em seu
poder, para litis convenientes, desde 20 de
maio de 1864, e restituir tambem aquella
quantia de 800, a qual prometiendo S. S.
solemnemente restitui-la a 28 de fevereiro
do presente anno, e s restituio 20o" por m5o
do dono do estabelecimento. 0 annunciante
ainda Ihe accessivel. se nao encontia-lo
em sua residencia, nos cartorios ou na casa
de audiencia ; bote o referido valor de 604
no deposito geral, porque fica riscado da
conducta do Sr. Emygdio este abuso de con-
tonea, que todos sabe a lei como qua linca
fados desta ordem praticados quando se
feehou a loja, e desappareceu hasia dentro. J o Sr. Emygdio pode
passar entre a Ilustre eorperaco conuner-
cial, travessar o grupo de amigos e evitar
era algum templo.*, como hornera honrado.
Complete o Sr. Emygdio a resttuico. ainda
recommendo-be, nao faca sua* testemunhas
estremecer em no acto de botarem a mSo di-
reita no Ijsrro dos Santos Ewogelnos 5 nem
seus amigos por envergonhado6 se brrori-
sarem.
Jmtino Martyr Correta de Mello,
Na ra do Argao n. 3, faz-se
Os abaixo assignados fazem sciente ao res-
peitavel publico e com especialidaae ao corpo com-
mercial, que no dia 24 de fevereiro dissolveram
migavelmente a sociedade que tinhara na tabrr-
Alugam se dous grandes sobrados com com- n> da ra das Cruzes n. 22, que gyrava sob a ra-
modos para numerosa familia, novos e aceiados, zSo social de Carneiro & Fernandes, Gcando o ac-
com jardim, cocheira, estribara e outras cotnmo-''
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
&S
Na ra do Mondego olaria n. 13, existe urna
carta para ser entregue ao Sr. acadmico Anto-
nio Jos Lopes Filho, e na mesma ciara pode
entregar a respesta._______ _________
Os administradores da raassa faliida de Amo
nm, Fragoso, Santos & C. declaram que o paga-
mento do i dividendo de 5 0/0 j annunciado por
vezes, lera lugar somente al o dia 31 do corren-
te, e depois desse dia depositario as quantias per-
tencentes quelles senhores credores que nao se
apresentarem no praso marcado.
Precisa-se de urna ama forra de muito bons
costumes para tratar de meninos, engommar e ou
tros pequeos servicos : na rna dos Guararapes
sobrado n. 26.
co-
Na ra da Florentina n. 36, preparase
mida para fora por commodo prego.
Precisa-se alagar urna escrava para todo o
servido de urna casa de familia : na ra das Cru-
zes n. 9, segundo andar.
Lata carraca para cavalla.
Quem tiver e quizer negociar, annuncie on ap-
pareca na ra do Livramento n. .38.
Aluga-se um sitio que ol doSr. SebastiaoPeo-
na, na Caponga Veiha.com boa casa, cocheira, es-
triraria, quarto para preto, tanque para banbo, le-
trina, etc., e minias fructeiras : a tratar na roa
do Imperador o. 46.
Mtenco*
Jos Joaqum de Novaes faz sciente ao respeita-
vel publico e a todos os senhores officiaes do exer-
cito e da marrana que continua a ter sua casa sor-
tida de fazendas e roupas feitas, e por medida : no
largo do Livramento n. 34.
US!
tivoe passivo a cargo do socio Fernandes, o qual
contina com o mesmo estabelocimento ; e o socio
Carneiro livre de toda a responsabilidade. Per-
nambuco 24 de marco de 1865.
Francisco Jos Carneiro.
Jos Rodrigues Fernandes.
AMA.
Precisa-se de urna ama que compre, cozmbe e
engomme para casa de muito pouca familia : a
tratar na ra Imperial n. 36.
bacharel Jos Baplisla
advoga aos termos do Bonito e Carnar.
Pode ser procurado na villa do Bonito,
rna Direita d. 16, defronte da cadeia.
comida paca
fora, lava se e eugoaima-se com perfeicn ludo
mais barato do que era octra. qualquer parte.
Precisa-se de um fetor que saiba ler e es-
crever, e que seja portuguez, par o engenho Mal-
te Grosso, comarca do Bio Foraoco : a tratar
om Joao Bente de Gouveia, propriatario do mes
Urna pessoa bastante habilitada pro-
pe-se a leccionar a lingua portugueza e
franceza em algum engeaho do interior des-
ta provincia; quem se quizer ntilisar diri-
ja-se a ra Direita n. 75, que achara com
quem tratar. ______
Sitio para alugar.
Aluga se um dos melbores sitios, nao s pela
ptima casa de vivenda como por ler excellentes
baixas de capim e commodos para vaccas, alero
de innmeros arvoredos de fructo : quem o pre-
tender, dirija se ao primeiro sitio do lado esquer-
do, passando a capella dos Aflictos.__________
Vaccina piblica.
As possoas que precisarem vaccinar-se deverao
comparecer no terreao da alfandega as quintas e
domingos das 8 as 10 horas da manhaa, para apro-
veitar-se a transmissao do fluido de braeo a bra$o
Professora.
Precisa-s de urna stnhora que,sendo soiteira ou
viuva, tenha habilitacSes necessarias para ensinar
primeiras letras em um engenho na provincia de.
Ala'goas : a tratar na ra da Palma n. 60.______
Urna pessoa recem-chegada, profundamente
versada no ensino da lingua franceza, pretende
abrir um curso nocturno, e por isso convida s
pe>soasaue se quizerem inscrever dirlgirem-se
typographia econmica, ra do Crespo, para
maiores nformacoes.
A Sra. D. Anglica de Almeida Macha-
do Bello, que dizem morar no Jang, tem
urna carta nest 1 typographia.
Na ra da Cruz n. 38, em casa de Mills La-
Iham & C vende-se :
Cb.
Oleo de linhaca.
Folhas de Flaodres.
Sellins e silhoes inglezes.
Cerveja aspinall.
Dita Bass.
Dita John Isfry & C.
E um piano com pouco uso.
Precisa-se de urna mulher j de maior idade e
que nao lenba a menor pessoa de familia, que dan-
do pravas de sua boa conducta e comportamento,
esteja no caso de administrar urna casa de familia,
e fazer todo o servico interno da mesma : quem
estiver nestas circunstancias dirija-se a casado
sacristo da Ordem Terceira de S. Francisco na
mesma que dir quem o pretendente para tratar
do ajuste.
de dezembro, e vende se a
na ra da Fio .. .. 0
1#; na livraria ns. 6 eo
da praca da Independencia.
A ttenco
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
urna duza : em casa de Johnston Pater & C. ra
doVgario n. 3.
Queijos
O London & Brazilian Bank, saca
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
__________Amarante.____________________I
Aluga-se o 3o andar do sobrado da ra do
Livramento n. 36 : a tratar na loja.
Aluga-se um sitio cercado, com algumas ar
vores de Tructo, poco d'agua doce, um telheiro que
serve de estribarla, casa de pedra e cal, pintada de
novo, na estrada Nova, perto do sitio da viava vil-
lasecca, com quem pode entender-se.
Aluga-se a loja n. 9 na ra Direita, propria
para negocio : a tratar no segundo andar, entrada
pela ra da Penha.
Precisa se de um caixeiro at a idade de 16
annos: na ra do Rangel n. 8, deposito.
---------- o raelhor que ha neste genero a i cada um e ce-
por doos bolas a 1 o cento : no antigo e acreditado esta-
belecimento junto a esta typographia n. 42.
. Vende-se urna mohilia de amare lio usada :
a tratar na roa Velha n. 49._________________
Vendem-se jarros vidrados vndos de Marse-
Iha, propros para agua, farinha, e mesmo para
deposite de doce de calda : na ra do Trapiche
Novo 24, achara com quem tratar._________
' Vende-se um escravo de idade de 20 annos,
pouco mais ou menos, robusto e boiita figure : na
livraria econmica junto ao arco de Santo An-
tonio.
Presos que admira.
Sapatosde rauca superiores pelo barato preco
CresiT?.' C dUIa i0* : D Ti8"ame' r"a
^Cfnadamascad, de toaas as '""ras, i peca
com tO varas, cada peca a 400, 480, 300 e 600
rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Clcheles era carto de urna e duas carreira*
perfeitas, pelo barato preco de 40 e 60 rs cada
cartao, e dnzla a 400 e 500 rs.
*PV1ei P,r* *tor --abello.aduza a JUCO, 11600,
Z0, j, i e .)*.
Balaios propriamente para costura e para fruc-
Perfumara, macaca perola a 2J, 2*200, 34 e
*d a duza, oleo de maozinha a KJJ e 6* a duza
banha a 3J>, U c 3& a duzia. Estes objectos se'
vendem por admira veis precos em consequencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza pois affanga-se a pouca avana e a boa qu-
lidade : s no galo vigilante, rna do Grespo n. 7>
4 NIASSA E XAROPE
BERTH
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as IrrilacCes
do peito.
AVISO
Falsificacoes repreliensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Massa de Berth,
nos obrigo a recordar que esses productos
to justamente
nomeados n3o se
entrego senao era
hcelas c em fras-
cos com a asigna-
tura aqu indicada. *",i'urtmiMH^flHk I
151, rae Suinl-Honori, NA PHARMACIA
' UVHE, c cni lodas as pharmacias.
Vende-se panno azul proprio para fardamen-
to : na rna da Cadeia n. 52,
Gake do gaz.
pitch do gaz.
Alcatro do gaz
Goke tonelladas rs. 10^000
Pitch > ..... 800000
_____| AicatrSo caada..... 400
O coke recoohecidamente o carvo mais econo
mico, torna-se por isso recommendavel, bem co-
mo pelo asseio que se nota as cozinbas aonde
Pelo presente declaro que se achara cassados usado. Pitch e alcatro, alera das applica?oes
diversas a que se prestan, como para callafetar
embarcacoes, alcatroar madeiras, etc., teem este a
prepriedade de preservar do eupim, formigas, etc.
E' entregar na fabrica do gaz ou mandado por em
qualquer ponto da cidade, segundo a vontade do
comprador.____________________
Na ra da Cruz n. 38, em casa de Mills Rat-
teau 4 C, vende-se :
Cha.
Oleo de linhaca.
Folbas de Flandre.
Silins e silhoes inglezes.
Cerveja Aspinall.
Dita Bass.
Dita John Jeffres & C.
Um piano com pouco uso.
Vende-se urna taberna com pouco fundo na
Casa Forte n. 8; a tratar na ra da Praia n. 13 ou
na mesma.
Aluga-se urna boa casa n. f. sita na
Coelhos, junto ao sobrado do fallecido Anacleto
a tratar na olaria n. 13 na ra do Mondego.
ente d
os poderes que confer ao Sr. Antonio Borgesda
Silveira Lobo em urna procurado que passei ao
meu advogado, e pois nao poder dito senhor usar
driles em parte alguma.
________Antonio Caldas da Silva.
Precisa-se de una ama forra oa escrava: na
ra do Imperador n. 27._________
Por pouco tempo precisa-se de 2 3:000,
paga-se 6 0|0 ao mei : offertas recebe-se nesta ty-
pographia sobreasletrasJLB;^________
Forne-se comida para frapor commodo pre-
to : na ra da Cruzn. 11.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite pa-
ra criar um menino : na rna da Imperatriz n. 56,
loja da arara. ___
Caixeiro.
Precisase de um menino de 14 a 15 annos, qne
tenba bastante pratica de taberna e d fiador a
sua conducta: na ra do Rosario da Boa-Vista
n. 43.
Deposito geral em Fernambuc ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
Aeiico
2
Antonio Duarle Carneiro Vianna scienliflea ao
respeitavel publico, e especialmente aos seus nu-
merosos freguezes, que acaba de abrir um novo-
estabelecimento na casa n. 22 da ra Nova, situa-
da entre o seu antigo armazem de ferragens e a sua
bem conhecida e popular loja da exposico de can-
daros gaz, existindo entre as tres casas espa-
ciosas comrounicacoes, de maneira quo facilitara aos
compradores mumrem-se commodamente dos ob-
jectos diversos de que precisarem. Alm do cos-
tamado e variado sortimento, qne o respeitavel pu-
blico sempre encontrou, e continua a encontrar nos
seus eslabelecimentos, achara no que acaba de fran-
quear urna multidc de objectos de luxo, go.-to o
utlidade, das mais afamadas fabricas de Franca,
Inglaterra e Allemanha, para as quaes continuara'
sempre a fazer encommendas especiaos ; e sendo,.
como fastidioso numerar os muito e variados
artigos de culellana, lapecaria, crismara, de me-
taes Tinos, de porcellanas, etc., etc., deixa de o fa-
zer, e convida ao mesmo publico, que venha visi-
ar os seus mencionados etabelecimento?.
Vendt-se
urna porfo de doce secco e de calda, caj, laran-
ja, gela e grozella, por preco commodo : a tratar
no largo do Carmo n. 2, taberna.
Vende-se urna
principiante fazer um
traiar na rna da Guia n. 42.
taberna propria para un>
negocio de vantagem : a
Vendem-se duas arrobas de peanas de ero
de primeira qualidade, sendo a malor parle bran-
cas : na rna do Amorim n. 36.
Cerveja a * rs.
Chegou ao armazem Atlanci, rea do Imperador
n. 57 a superior cerveja bass em barril, que s
vende a 200 rs. o copo.
AGUA
Franca e Brasil.
;. J. Mercier, alfaiate francez, precisa de bons of-
ficiaes para obras grandes e de boas costureiras :
atraz do Corpo Santo n. 27.
DE
Florida.
InStrUCCOeS para O SerVtfO ^es,a^^r~servar acOr natural dos ca-
das guardas do exercito, exlrabidas do re-! A agua de Florida nao urna tintura, facto es-
gulamento de infantaria e accommodadas ao senci*1 a contestar, a mesma agua dando a cor
exercito brasileiro; obra que muito convm;^et\^
aquellas pessoas que se alistara nos corpos priedade de restituir aos cabellos o principio co-
da voluatarios; vende-se na livraria n. 6 e rante que elles tem perdido.
AMA
Precisase de urna ama que saiba bem cozinhar
e para comprar, forra on captiva : na loja da roa
Nova n. 11. _______________
CriaiT"
Precisase de um criado que se sujeile a todo o
serrco de urna casa de moco sojleiro ; na ra no-
vado Pires, defronte do hospital militar, o. 11
O bacharel Alvaro Camioha T. da Silva
. tem seu escriptorio de advocada a' ra
do Imperador n. 41, primeiro andar, on-
de pode ser procurado das 10 as 3 horas.
Em qualqner outra occasio sera' encon-
trado na casa de sua residencia a mesma
ra o. 3, junto ao Gabinete Portuguez.
8 da praca da Ind pendencia, a 1#.
Antonio Joaquim de Mello, antigo advo
gado nesta cidade e procurador fiscal da
thesooraria de fazenda, emprego que
servio por mais de 22 annos, contina a
advogar em todos os ramos do eivel e
crme, com provisao do Exm. Sr. conse-
Ibeiro presidente da relaco. Na rna do
Imperador n. 14.
Precisa-se de urna ama que saiba bem cosf.
nbar e wnprar: na ra Direita n. 112, primeiro
andar.
Na fabrica de charutos e cigarros da ra de
jno'eagenho, ou com Leal & Irpjjo. pa re (ja Ca-1 Precisa-se de urna ama que saiba os.^hir: Hortas n. I prcM-e de om rpflB'qo para caixel-
la tratar na roa da Crat n. 8, terceiro andar. j ro de i a 14 anoos.
dei* do Recife n. 56,
Theotonio Flix de Mello, avisa ao respeitavel
publico que todos es escravos da propriedade do
Sr. Pedro Coelho da Silveira, readeirn do engenho
Bataria da comarca de Santo Anto Ihe estio hy-
poihccados por escriptnra pnblica laucada na nota
do tabellio Porto-carreira, aflm de que nao seja
alguem Iludido, visto conslar-lhe qua p mesmo
De urna salubridade inconlestavel, a agua de
Florida entretem a limpeza da cabeca, destroe as
caspas e empede os cabellos de cabir.
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
contribue poderosamente, com a agua de Flo-
rida a forca, a belleza e a conservaco dos cabel-
los.
Em Pars casa de Guilaur n. 112 ra de Rechi-
lieu e 21 |pulevard Montmarire.
Todos os frasees nao tendo intacto e clare, e Un-
cir prateado da casa, reputado falso.
Deposito ra do Imperador pharmacia n. 38.
Vende-se arroz com casca a 3 a sacca de
20 cuias : na rna Direita n. 69.
PROPRIO PAR 4 SENHORA.
Vende-se um excellente cavallo muito o-
co-
sentorpretenieu dispor de algum doi rpros vo? manso com todos os andares : na
escravos. cneira do Paulino, i roa de Santo Amaro.
Na loja da ra estrena do Rosario n. 24 ven
dse um relogio patente inglez, um dito snisso e
dous ditos horisontaes. todos de onro, 2 pares de
brincos, 2 medaihas, 3 allinetes, 3 voitas e 1 abo-
toadura para colleie.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhOr qualidade a
1<5 a lata : nos armazensda rna do Im-
perador d.16 e ra do Trapiche Wovcn. 8.
Tambera ha
Barato, barato, muito barato, mais que barato, ba-
ratsimo de mais, prancboes de plnho de 7 a II
pollegadas do largura com 3 a 4 de grossura, de
differentes coraprimentos, serrados vonutde do
comprador; e tabeas de 1 pollegada de largura e
20 de grossura, nos armaxens n. 24 e 12 do caes
22 de novembrr. Aproveitem ocnsejo, pois nem
semjtre as praias do Rio Grande do Norto, ver-se-
ho abarrotadas de pinto naufragado, para ter o
mercado desta cidade pinho, e muito pinho.
Caaa* terreao.
Vendem-se quatro casas terreas, na Soledad?,
sendo tres confrontes ao oitao da reja, e nina
no principio da estrada de Joao de Barros, reedi-
ficadas ha pouct, csfaltadas, de porta e janella, S
salas, 2 quartos, cozioba fora, quintal e cacimba,
etc. ; sao de ns. 9,11 e 13; e urna confronte ao
quarlel do quarto baulhao, n. 24, < om as mesmas
commodldades : a tratar na ra dos Pires n. 62
Vende-K um bora quartao grande e ferie
para carga : ni Santo Amaro, .sobrado junto ao
cemiierio inglez.


-__. n -,
<
Diario de per Bambuco (uaria ieira u de narco de l.
Atiendo.
Fazeudas gretas para a qtaresaa por
por baratissimo oree, tlloja e ar-
aieu a Arara, ra 11 Iiaperatriz
1.16.
tymnco -P reir. Mande Guimares.
O'prepntario dest estabeieciraeHto retirase
para a Europa a tratar de sua saude, porm antes
de relirar-se pretende azer uina liquidagao de ba-
baratisslmo preco jara fechar comas; afora fre-
guezes vende-se grosdenaples preto muito bom
para vestidos, a 1*600, 2* e 2*o0, dito de o pal-
mos de largo, a 3* : na roa da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Hcurautique preto a 3#.
Vende-se meurantique preto para vestido a : o
covado, grosdenaple muito largo e encorpado a 35,
2*500, e 15600 o covado, alpaca pret* para
vestidos e palitos a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de la para vestidos, calcas e palitos a
640 e 800 rs. o covado, la pruta para vestidos a
640 rs, bombaziaa preta para vestidos a 1*280 o
covado : ra da Imperatriz luja da Arara n. 56.
Ricos vestidos a Mara Piaa 124.
Vendem-se ricos vestidos a Mara Pa a 104,
iig, 14*. 1*35 : ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Arara vende pecas de panninho a 5$ e de
madapolSo a 40.
Veodera-se pecas de panoinho muito fino de 12
jardas a 5*, vendem-se pe$as de madapolo infes-
tado a fcf e 44500, vendem-se pecas de madapolo
de 24 jardas bom a 64, 74, 74500, 84, 94, 104 e
124, vendem-se pecas de algodosiubo a 54, 64,
74, e 84 : ra da Imperatriz n. 5*.
Arara vende os bal5es a 250O.
Vendem-se baldes de arcos de todos os lmannos
a 2*500, 34, 34500 e 44i ra da Imperatriz
n. 56.
Lazinhas da Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se lazinhas para vestidos de senhoras
e meninas a 320, 400 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 500 e 560 rs. o covado. cassas
tinas para vestidos a 310, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz n. 56.
Chitas di Arara a 240 rs. o covado.
Vendem-se chitas de cores lias a 240 e 280 rs.
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e
500, preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova -
do : ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Liimiilac5o de soutambaques e lazinhas a
n, 80 e 10.
Vendem-se soutambaques de lazinhas para se-
nhoras a 74, 84, dita de alpaca branca a 10*, ditas
muito finas de grosdenaple preto a 204, 254 e 304,
capas pretas de grosdenaple fino a 204,254 e 304,
manteletes pretos de grosdenaple a 204 e 224, go-
linhas para senhora a 240, 320 e 500 rs., mangui-
tos com gola s 14- camizinhas para senhora, 24,
e 35, ditas muito linas bordadas a 44500 : na loja
do barateiro da Boa-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 2)400.
Vendem-se cortes de ditas com 10 covados por
JiOO, ditos de dita franceza a 35200, cortes de
casss franceza fina com 11 covados, por 34, ven-
dem-se pecas de cambrai branca lisa a 35400,
43500, 545OO, 64 e 84 : ra da Imperatriz n. 56.
LiquidacSo de roupas feitas palitos a 20.
Vendem-se palitos de brim de cor a 24, 245:0 e
35 iauaeldes de brim pardo a 34 e 35500, palitos
de casimira bem feito a 55, 64, 74,84 e 104, di-
tos de panno preto bom a 84 e 104, ditos sobreca-
sacos de casimira de cor e preta e de panno a 125,
145,165 e 205, calca de brim de er a 24 e 24-500,
ditas brancas de liuno a 34500 e 44, ditas de ca-
simira de cor 44,65 e 84, pretas a 54, 6* e 85,
colletes de casimira de cor e preto, de bnm de cor
a 14500, braocos a 24 e 205.0, ceroulas feitas a
13230 ditas linas a 14600 e 24, camisas france-
zas a 25 e 245OO, ditas inglezas de pregas largas a
34, de liaho a 34 e 34500, colerinhos econmicos
a GO rs. a duzia, ditos de linho a 500 rs, ura : na
ra da Imperatriz loja da Araja n. 56.
Arara vende as cobertas a 20.
Vendem-se cobertas de chita finas a 24 e 25500,
ditas de damasco a 45 : ra da Impe/atriz n, 56.
E' na Arara que e ven le cortes de casimira
preta a 30.
Vendem-se cortes de casimira preta para caiga a
35, 35500, 445OO, 64 8*. ditos de cor a 3>
15500 e 6J : ra da Imperatriz n. 56.
Arara ven4e panno preto a 20.
Vende-se panno preto para caiga e palito a 24,
35, 2500, 44,45500 e 65 o covado, casimira pre-
ta lina a 25,25-500 e 35 o covado e outras muitas
Uzeadas para liquidar : na^ loja e armazem do
Arara, ra da Imperatriz n. 56;
Fazenda.*. pretal para a qua-
resma.
X loja do l'avo.
Navidades
Na nova loja de fazeiidas e
roupa feita nacional
Ra da Imperatriz m. 72
Pecaiicia
Cortes de ealta a 400
Vende-se cortes de chita com 10 covados a
*400 a 3*200, ditos de cassa a 35. ditos de lazi-
nhas para vestido a 34600 e 45, ditos finos de bar-
ras a Miria Pa a 125, 45 e 16, ricos souteam-
barques de lazulia em fantasa W-'/e 105,
ditos de grosdenaple pretos finos a 204, 224 e.2o5,
capas pretas de grosdenaple a 204, 234, c 255,
na ra da Imperatriz n. 72.
Fazeadas pretas para a quaresma.
Vende-se grosdenaple preto fino a 14600, 24, e
25-550 o covado, panno fino para calcas e paletots
a 25 31, 34500, 4*503 e 54 o covado, casimira
preto fina a **, 24300, e 34, alpaca preta para
satas e vestidos a 500, 600 e 800 rs., sarjas de laa
para calcas e paletots a 640 e 800 rs. o covado.
Lazinhas a 320 e 360 rs. o covado.
Vonde-se lazinhas para vestidos a. 360. 400,
.500, e 560 o covado. chitas finas para vestidos a
240 o 280 o covado, ditas francezas finas 320,
360 e 400 rs. o covado, capas francezas Unas a
320, 360 e 400 rs. o covado:
Roupa feita.
Vende-se paletots de cor e preto a 54, 64, 84 e
104, calcas pretas de casimira a 54, 64 o 84, cor-
tes de colletes e paletots de bnm a 24, 24500 e
3$ : na ra da Imperatriz a. 72.
Madapolo entestado a 40.
Vende-se pecas de malapola eufeslado a 45,
dite em panninho a 54, pecas de madapolo de 24
jardas bom a 85,75 e 104, ditas de algodao a o*,
65, 7 e 84, cortes de ealcas de bnm a 15600 e
25, ditos de casimira prela a 35, 34300 44 e 54 :
na ra da Imperatriz n. 72.
BENZINA
Nava aseada para tirar ideas seo ata-
car es tendea aeai alterar as cares
Mancha alguma prodnzida por gorduras,
cera, etc., resiste a este famoso di-
solvente, que pode sem receio appll-
ear-se sobre vestidos de seda, la,
tapecarias, panos de bilhar etc.
Restaura perfeitameate aa Uvas de vli-
ca usadas.
cada fraseo \$%%%.
l'ra Impresso qae acompanha cada fras-
co ensina a maaeira de nsar-se, assim
como indica outras muitas applicacoes
que esta nova esseecia pode ter as
artes.
PHARMACIA RIBEIRO
IM PIRNAMBUCO
22Praca da Boa-Vista22
Aclu-so este estaOelecimeniocomplelamentesor-
tidode (aaendas pretas Irapriaspafa a quareama,
a saber .
Grosdeaaples preto largo e muitissimo encorpa-
io, ouiros inais estrenos temi dos precos de
14280,15600,14800, 24, 24400 e 34, superior
moreanlique preto a 35, superior sarja preta hes-
panhola, snperior sen m preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soulembarq'ues muito bem enfei-
tadas, ricas vasquioas e casacos dos inais moder-
nos que lem viudo, superiores manteletes, camisi-
abas com manguitos proprias para lulo c ricos
chales pretos de rede, todo isto se vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parte por ser a d-
nheira : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do Pavo.
Acha-se ueste esubelecimento um grande sorti-
mento de roupas feitas para homem-como sejam :
superiores- paletots sobrecasacos de panno preto
muito fino Torrados do seda a 225, 234 e 304.
ditos forrados de alpaca a 144, 165 e 204, supe-
riores paletots de casennra tanto sacces como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de brim de todas as qoalidades, colletes
de casemira pretos e de cores, veMudos, setins
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos
me/hores mestres nacionaes, manda-se fazer qual
quer obra por medida: na loja do Pavao ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
Chitas em caries com 10, II e!2 covades
Na loja do Pavo vende-se urna grande porco
de cortes de chitas ncezas sendo claras e escu-
ras todas de cresf. xas com 10 covados a 34200,
com II covados a 34600 e com 12 covados a 44,
pechincha para se apurar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Camisinhasa 1$.
Vendem-se c^misinhas com manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meniuas, pelo barato prego de deztustSes cada
urna : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 30.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corto, com desenhos muito delicados
pelo baratsimo preco de 35' ( u o corle : so na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Cambraias lisas, na leja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo ore^o de
45 tendo 8 1|2 varas cada peca, ditas muito finas
a 75, 85 e 94 a pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 74, 94 e 10, ditas
Garrazes fazenda muito encrpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a pe-
ca : isto na loja do Pavo ra da Impo-iatriz n 60,
de Gama & Silva.
Os vestidos de Pave.
Grande pechincha a 34500.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imitaco de tarlatana com mnitos
delicados desenhos, roiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 35506cada um,
sendo fazenda que sempre se vendeu a 75, na loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 40 e a 70
Na loja do Pavo vendem-se ricos cortes de vesti-
dos Mara Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de 45 e 75, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por ha ver grande
porgo, na loja do Pavo ruada Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Os enfeites de Pavo.
Vendem-se os maismodernosenfeltesparacabega
de senhora: na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pave.
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padroes mludlnhos e raudos, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos precos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porgo : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n.60, de Gama & Silva.
As lazinhas transparentes a 400 rs.
_ Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas
lazinhas transparentes, sendo de listas miudinhas
a imitaco das sedinbas, pelo barato prego de 400
rs. o covado; ditas entestadas de urna s cor e
ditas de salpiquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de criangas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60. de Gama & Silva.
Rices smilambarques do Pavo.
Acaba de chegar nm rico sortimento de son-
tambarques de grosdenaple preto muito bem
enfeitados, que se vendem pelo barato prego de
205,225, 255, 305- Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em cenia: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Aes vinte mil covados de la.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo com listras e quadrinhos miodinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Mara Pia, tendo de todas as cores, e
algumas proprias para luto, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande
porco : na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Uaria pia,
Graade pechincha a 100000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corno, bendo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 104 o cor-
te, ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 104, ditos de cambraia
com barras bordadas acrox no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 64 : na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas de llabo a 3GO rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para criangas, com
mnito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato prego de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas lisas.
Vendem-se as mais finas lazinhas de urna s
cor, ten i-i grande sortimento : na Iqja do Pavo
ra da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavao os
mais ricos chales de renda com tres ponas, seado
todos pretos, e tamberocom assentos de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos qne tem vindo a este
mercido, ricamente bordados e cerculados de um
elegante bico preto de mais de palmo de largara;
estes modernissimos chales nao s sao proprios
para passeio por faierem ama elegante vista sobre
nm vestido de qualquer cor, assim como muito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama & Silva, ra da Im-
peratriz a. 60, loja do Pavo.
AO PUBLICO
Sem o menor constraa-
glmenCo se estregar
importe do genere que
o agradar.
ATTENCaO
Os precos da seguate
tabella para todos, po-
deado assim servir de ba-
se para o ajuste de coatas
com os portadores.
ARMAZEM UNIAO
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passaado o areo da CoacelcSo)
PARA BEM DE TODOS,
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promplidao e intei-
rezacom que sero tratados, convida a uma visita ao mesrao, certos de que sem duvida me daro a prolecco e preferencia na com-
pra dos generes que prec'sarem, e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratieos,
pois sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommenda.ao, aflm de que n5o \o em
outra parte.
Manleiga ingleza especialmente escclliida a
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 9oo
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do rdercado a
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,6oo rs.
Alelria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,ooo a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
ulia branca ou amarella a Oo rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinno do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, ioo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
dem preto o que se pode desejar neste ge-! Vinho branco para missa em caixas de I du-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Coslelletas inglezas a 6 lo rs. a libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de veUa a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem pratoa 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Emilias e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muilo superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,000 e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,ioo rs.
a duzia.
Chocolate franco?, hespanhol e suisso a 9oo,
l,oooe l,2oors. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qalidades de pei-'
xe a 800, I/too e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e6io e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conla certa.
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a t.ooo e ll.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de I* qualidade a 28o rs. ali-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de I1 qualidade a loo
rs. a libra e 2,8o a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e 2,8oo a
arroba.
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, !5,ooo,
l2,ooo e 10,000 a caixa com I duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinbas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qalidades al,3oors.
Cartes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joao
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francezas em fi asco de vidro com
tampa do mesmo, a l#5oo.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos
tamanhes com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a 1,4o?, 1,600, l,8ooe 2,ooo
cada usa.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,.'ioo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
loo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesrao, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 800 rs. o frasco.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba.
4oo rs. o frasco.
Paincoe alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64oi Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de uma libra e56o rs. a reta-1 l# a garrafa e 11,000 a duzia.
lho. Palitos de dente a lio rs. o mago.
Sal refinado em fiascos de vidro com tam|ia"
.do mesmo, a seo rs.
Qerveja branca das marcas mais acreditadas
que ^ em ao mercado^a 5oo, uto c 61o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,000 a du-
zia.
Gevadinha de Franca muito nova, a oo rs.
Charutos do alfamado fabricante Jos Furta-
do de Simas, das seguintes qalidades:
Exposicao Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,000 a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,000 e
3,000 a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de aramia verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oosolas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 3o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qalidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a 1,600,2,6oo e 3,5oo cada uma.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de liivas em ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada uma ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,ooo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 2o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes c peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a 1,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a oo rs. a
garrafa.
Promessas para Santo Amaro.
Vendem-se pernas, bracos, cabecas, pellos, de-
dos, ps, mos e coracoes, vellas enfeitadas para
baptlsados, tudo de cera feito com perfeico por
comroodes precos : na loja de cera da ra do Li-
vramento n. 36 junto igreja.
Legiaes hot a 6,400 rs. a arroba-
Na padaria atraz da fundico do Sr. Slarr ven-
de-se ervilhas verdes, ditas araarellas e descasca-
das, lentilhas e sevadinha pei* preco em sortimen-
to de 6*100 rs-, e conforme fr a porco ftt-se *-
i/uro abatimento.
Soutarabarquesdecor na loja
do Pavao.
Chegaram pelo nltlmo vapor franeer os mais ri-
cos soutambarqoes e cores, sendo os mais bem
enfeiudos qae tem vindo a este mercado, com
adornos de velludo, seda e setim, renda, etc.. s
avista do grande sortimento qne os fregoezes
podem dar o verdadeiro apreco a esta fazenda, e
vende-se por differentes precos conforme a quali-
dade : aa loja 4n Pavo de Gama e Silva, ra da
Imperatriz .u60.
Bixas ttatrargaeras.
Vende-sena ra Nova n. 61.
Potassa da Rsala.
Acaba de chegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da Russia, e vende-se a preco commodo: no
escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira SjFilbo,
largo do Corpo Santn. 19.
Atteacfto.
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queimade, i. 49 e So. K' para adnirar.
Garretis de linna com 130 jardas...... 60
Ditos cem 200 jardas de Atexandre de
1* a60.............................. 120
Dito di tu de 00 a 00.................. 100
Novellos de liaba grandes com 400 jar-
das ................................. 80
Idtm dem brancos e de cores de 100
jardks............................... 30
Livrospara assento de roupa lavada... 100
Cordo branco para espariilhe (vara) 20
Varas de franja branca larga.......... 160
Pares de botCes de punho todos de cores 120
Tinteiros de barro com tinta........... 100
Tesouras para costaras finase nnbas 400
Ditas para costaras com toque d'avaria 200
Escovas para limpar denles muito finas
160,100e.............................. 320
Caixas com tOOenvelopes das melhores
qoalidades........................... 610
Ditas com 20 cadernos, rape 1 panudo e
liso................................... 600
Cadernos de papel pequeo ( e a reta-
lho)............................... 20
Meiadas de linha (roma para bordar... 30
Pares de sapatos de tranca........ ifSOO
Massos com .superiores grampas para
senhora.............o............ 30
Frascos de macaca perola muito soerior 200
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................ 500
Ditos e garrafinhas de agua de Colonia
muilo lina....................... 400
Ditos de banha a Ganbaldl e da familia
imperial.............J........... 900
Pecas de litas elsticas para vestidos a
melhor qualidade.................. **
Pares de ligas para senhora as melho-
res..............................
Pegas de bicos francezes e renaas..... 320
Frascos de asna dentifrice muito supe-
rior.............................. 800
Caixas com 4 papis de agullias a balo
e Victoria........................ 200
Libras de la sendo de todas as cores... 0*000
Bonecos vestidos e lambem de choro... 160
Caixas com superiores obreias........ 40
Ditas de linha de gaz eom 50 novel los.. 800
Rnfiadeiras de Illa para espartilhos..... 60
Carretis de linha de cores com 100 jar-
das ............................. 20
Pecas de cordo imperial............ 40
Bilhar.
Loureiro Santos & C, acabam de receber da Ea<
ropa pelo vapor, am liado sortimento de enfeites
pretos, proprios para a qnaresma, enfeites anda
nao vistos era Pernanibuco, pelo preco de 5|, 69,
10*, 129 e 200, bem como grosdenaples preto, ma
reaatiq, capas de grosdenaples, e soulhambarqaes
do mesmo ; todo por precos mdico? : 4 roa do] Milbo novo em saceos grandes: no trapiche
Crespo b. 14, jonto a loja de Moca. 1 le Canoa, a tratar coa Tasso Irmo?.
Vende-se um bilhar de Jacaranda, moderno, com
pouco oso, e com todos os seas perlences : a tra-
tar na roa da Cadeia do Recife a. (ti, segando
andar.
BOTICA E DROGARA
lartholomeu Francisco de Souza | C.
oRa larga de Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
PilulasdoDr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilnlasdo Pobre-lionit-m.
Pillas americanas.
Plalas vegetaes.
Pilulasvegetaes assucaradas de Keinp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimaolt.
Vinho de Salsaparrilha deCh Alien."
I njecco Feaagas.
Agua dentifica de Besirabode.
Papetchimico, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspan.
Pos anti-epileticos deBrest.
RobL'AfTecleor.
.Varope do Bosque.
Ungento Holloway._______________ _
Pechincha aat i a loj s de fazenda
rsnsa feila nacional, ma da Impe-
ratriz 72.
Pechincha a 240 rs. e covado de chita.
Vendem-se chitas de cures fixas a 240,280 rs. o
covado, ditas francezas largas a GOO, 320, 360, 400
e 440 rs. o covado : pecas de madapolo fino a 6*.
li, 8*, 9* e 10* -, pecas de algodo a 50, 6*, 79
e 8* : ra da Imperatriz n. 72.
Roapa feita nacional.
Vendem-se palitos de cazeniira preta e de c&res
a o*, 6*, 8* e 10*, ditos sobrecazacos a 129, 149
e 16*. Palitos de brim de cor a 2*500, 3* e 3*500
rs., calcas de catemira prela a 69, 79 e 89, ditas
de catemira de cor a 59, 6* 7, e 8* ; coletes de
cazemira decores e pretos e ditos de brim a 1*500,, n
e 2*500 rs.,; ealcas de brim de cor a 2*, 2*500 : D'^S dC la,,es d,ff"cntes qualidade a
ra da Imperatriz n. 72.
Sen tambarle dr ires a 7<$, 8 e I0(.
Vendem-se snutambarqae de lia e seda para se-
nhoras a 7, 8* e 10*; ditos de grosdenaple pre-
to a 20* e 15* ; capas prela? a 209 o 25* ; vesti-
dos de la a Mara Pa a 12*, 149 e 16* : roa da
Imperatriz a. 72.
Cortes de cazemira preta a 3$.
Vendem-se cortes de eazemira preta para calca
a 3*, 3*500, 5* 6* e 6*, ditos' de cazemira de
cor a 3*, 45,59, e 7*, ditos de brim de cores a
1*600, e 2*. ditos de chitas finas a 2*100 e 3*200,
ditos de cassas franceza a 3* : ra da Imperatriz
loja do barateiro n. 72.
ItIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 55 lojas de minde-
zas de Jos A Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barato do que ero
ourra qualquer parte, qoem qoizer ver o que ha
bom e barato venba a loja do Rival.
Duzias de phosphros de seguranca a ... 120
Francos com essencia de Sndalo muito
superior.......................... i*00
Pentes de tartaruga muito fino a....... 3*090
j Pecas de fita de la preta para vestido de
10 varas .........................
Escovas de roapa mu no superiores a...
i Latas eom superiores banha............
I Frascos de vidro com snperior banha..
1 Pares de luvas de seda muito finas....
I Enfeites do melhor gosto que tem vindo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira
Pulceiras do melhor gosto e modernas.
Volta para pescoco do melhor gosto....
Baralhos para voltarete, finas a 200 e..
Varas de franja branca de liaha que
tem muita serventa.................
Duzia de pennas d'aco muito superiores
Frascos de oleo Babosa muilo finos.....
Talheres para meninos a melhor quali-
dade............................
Diversos livros, todos religiosos a 100,
200................................ .
Duzia de colheres de metal muito finas
para sopa............*.....n......-.
Duzia de colheres de metal muito finas
para cha........................
Grosas do botdes de osso para caiga...
Grosas de botoes madreperula para ca-
rniza..............................
Grosas de botoes de looca prateados
muito finos...................... 200
Varas de babado do Porto sortido..... 060
600
l*00fl
200
240
30
2*S00
19280
500
500
1240
|060
060
200
240
oOO
2*400
1*500
300
500
Lavas de pellica.
A loja Esperanca receben novas luvas de pelli-
ca, brancas, pretas e de cores, assim como enfei-
tes para cabeca : m ni do Queimado a. 33.
iO.
Quadernos de papel de peso mnito fino.
lesma do mesmo papel.............
Duzia de facca e garfo raoito boas....
Sabonete de espuma muito snperior...
Capachos compridos e redondos muito
hons.............................
Ditos para sof......................
Pares de suspensorio muito boas e para
acabar...........................
Esencia oriental para tirar nodoas de
ronpa............................
Creio para dezenbo de todas as qa-
lidades...........................
Cartas de alhnetes francezes mnito su-
periores..........................
Caixas de clcheles franeexes a 40 ris
Duzia............................
Carretis de retros com qualro oitavas..
Golinhaspara senhora a melhor quali-
dade.............................
400
030
2*000
2*400
40
500
2*000
|I0C
300
020
100
360
800
iOO
FOLWIXHAS
Para lb(5
. Achain-se venda nalivrina ns, C o 8 da
prai;a da Independencia: 1
A FOLHINHA li PORTA, abrangendo o
Kaleudario civil e ecclesiastico, labellas
do feriados, de emolumentos do? irib-
naes do coinmercto, ele. a 160 r^.
A FOLHINHA DI", ALGrBKIRA cieido o
mesmo que aquella rfiais urna nova
Salve Itainha em versos. 0 Stab&l Mater
em verso, devoraoaa agonisanie, coi^ao
deJesas. cntico em |onvor
o Rosario, cntico a tirgtni Mari?. l\os-
sa Senhora, trinta etres chistosas u.ec-
dotas, um indito poema s'obn as aven-
turas de um cozinheiro, o cano de tina
solteira (poe6ia), crescido nurr.ero d( m-
ximas e pensamentos, nrr.a histeria rimo
muitas (romance), e vinlcinco uus e
pilhericas charadas a 3^0 rs.__________
A molestia ou infeccJo pecu-
lial conhecida pelo nome de Es-
crfula 6 um dos males mar
prevalecentes c universaes que
ha em toda a extensa lista da?
enfermidades de que soffie o
genero humano : disse nm cele-
bre escriplor da medicina que
mais de urna terca parle-de
todos aquelles que morrem antes
da velhiee sao victimas, ou dire-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la y :por si nao tac des-
ova, porm a principal causa de minias
outras enfermidades que naolhe sao ele-
mente attribuidas.
E' uma causa directa da phthyyica pui~
tnonar, das molestias do figado, do estoma-
go e affeccet do cerebro: Entre os seus
numerosos sjmptomas acham-se os siu:fi-
les -.falta de appetite ; o semblante pal-
lido e s vezes inchado, s vezes de urna
altura transparente e outras corado 4 a-
marellento ao redor da bocea ; fraejmm e
molleza nos msculos: dhgestao fraca t
appetite irregular, falta de energa, ventre
inchado e evacuaco irregular; quando o
mal tem seu assento sobre os pulme?, uma
er azulada mostra-se em roda dos olhos :
quando ataca os orgos digestivos, es o'hoe
tornam-se avermelhados:o hlito ftido,
o lingua car regada, dores de cabera, foia-
teiras etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupges na pelle
da cabeca e outras partes-do corpo, sao pre-
dispostas s affecedes dos pulmdcs, do figa-
do, dos. rins e dos org3os digestivos e ute-
rinos. Portanto, no smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
teccae contra os seus estragos; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivel flagello (e s vezes heii-
ditario) estao exposlos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que s o ;
Aphthysica, ulceraedes do figado. r.'< te-
lomago e dos rins : erupges e enfer*: .i.'a-
des eruptivas da cutis ; tosa ou trytipela ;
borbulhas. pstulas nascidas, Tumores, rh-
cumacarbunculos, ulceras e ckagas, nla>
matiswo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femininas, por es bn ti-
cas causada pela ulceraro interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, ndie>e-
to, enfraquecimento e debilidade ge/oi.
Aos pulmes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpcao pulmonar :
as glanulas ella produz inchacoes e torJa>
se ulceras: nos orgaos digestivos /Causa
desarranjos que produzem indigest, di^
pepsia, molestias do figado e nos nhs
na pelle produz erupcoes e affecces cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: ;. sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrllaa de Ayer
composta dos antdotos mais efflcazes que-
a sciencia medica tem podido, descobrir,
para esta m lestia assoladora e para a run-
de todos os males provenientes d'ella que-
contm virtudes verdaderamente extracroV
narias provado incontestavelmente pel.iff
coras notareis e bem conhecidas que ten
feito de tumores, empedes cutnea?, ttn&
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antias,
ulceras, rheuma, sarna, parchas, hgdrcpe-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade g-
ral:Indigstelo, Syphilis constitucional e
molestias mercwiaes, molestias das mulhe-
res, ulcerarles do tero, a nevralgia c nn-
vulcoes epilpticas e em summa, toda crtte
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certidoes no Alm*-
nack e Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o fructo de longas c labo*
riosas experiencias, e ha abundantes preval
das sua's virtudes: poste que offerecido
ao publico sob o nome de Salsaparrilha,
composlo de diversas plantas, algomas das
quaes sSo superiores a melhor salsa parn-
Iha no seu poder alterante.
, PEITORAL DE CEREJA DE AVER.
Cura promptamente a astluna, brondite,
tosse, defluxo, angina, coqueluche,
pbthysica primara, tubrculos
pulmonares, e tudas as
"molestias pulmo-
nares.
Allivia os tnicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do ptto
e dos pulmoes pdera ser curadas em pon-
en tempo pelo peitoiial dk cebkm k i h.
AYER.
A' venda as principaes bol cas e di opa-
ras do imperio, e na agencia centra: to
Rio de Janeiro ra Direita n. ib.
Vende-se em Pernambuco:
aapaarmaela fraaceza de
P.WflURER & C.
RA NOVA N. 18.
Interpretaca das leis
h- ron
Carreta Te lies.
Na vmia da praca da indepcnderio r.. 6
8 vende-se por 2*5f0 a theoria da nltii-reacao
porTerrria Telles.
Vende-se
nsiruccofs para os servicos d: guardas extr.-ihi
das dos reglamenos de mfantr.ua e acetmmoda
da?. disciplina one se praliea no 1 xew ilo brssi
lelr \ cem a tabella das coatmCDcias : na livraria
da praea da lodepeadencia as. 6 e 8, ai* rada
esemplar.
-


f.. r-^
1% #1-1


Diarto rernambuco Quarta feira 1 de llardo de f 8&.
i^lorf
te* i i
BRILHAKTE
GRANDES-ARSIAZENSIV
DE
MOLHADOS
Largo da Santal
JCruz ns. 12 e 84 j
esquina da ra doj
SCt'DO.
VINHOS
ESPECIAES
Largo da Santa
^ruzns. 12 e 84,*
ssquina da roa doj
Cebo.
Laboratorio nolegico e chimico de F. P. Lebeuf e C.
ra Montmartre, 31, em Paris.
Fabrica em Argnteuil. prs Pars (Franca).
BONIFICADO E FABBlCAjlO
Des vinhos, agurdenles c licores.
VINtlOS.Imitado dos- vanos de todas as
qualidades,Eilraeto da Medsc, dose para. 530
litros, 1 f. 23,de Bordeax, 2 f., de Pomard, 3
Porlo,
30 li-
agaa
para
Lde Lisboa, I f.,de Cataln, 2 f.,de
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 25 ou
tros, 4 .
Substancia para fabricar com o alcool e
os vinhos cima e todos os outros. A dase
500 litros, 30 f.
CUCIPIGACOPos ingtexcs.-ps dos vinhas
* Bespanlia, da Franca, etc. A libra para 300
litros. 3 f.
COLORACO.Purpiriglne para colorear os
vinhos brancos e vinhos claros. As dnas libras
para 500 litros 16 i.
i AGUARDEiNTES.Essencia de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KRSGHE ABsINTHO.-Essencia de kirsch e
de absintho, para os fazer com alcool e agua. A
garrafa para tOO litros, 5 f.
LICORES.Extractos para fabricar se lodos os
licores conhecidos sem fogo nom alambique, (in-
dicarse os que se deseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para 20 ou 25 litro?, 1 f. 23.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
vinhos, aguardentes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encommenda.

NEM CORO AS NEM
CIRAIDE AKH AZEU
-tasa
O dono dos j
Brilhante, acaba de
muito acreditados artnazens de raolliados^Ten^inados'Aurorr
- recebar de sua propria encommenda, muitos gneros delicados
m A l! esteno, e tendo grandesortimento comprado aqai, aflanca qae to-
aos o seu gneros sao de primeira qtulidade.
ladores Segui8,e tabella servir a todos de base para ajaste de contas aos por-
Br ih, en^.um arn>azem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brame, ja pelo grande sortimento que tem, j mesrao por seu dono seachar eacom-
raoaajo em saa sande e ter de vender um de seus armazensagara, e o outro na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveltar ama quadra destas para se comprar
[Latas com 8 libras de choaricas muito novas
a 7#500. "
.Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
m-iis de ij qualidades, a 1*000, l280e
i Dius com ostras, excellente petfsco para fri-
j gideira, a 720 rs.
'Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
Ditas com favas, a 6iO rs.
{Ditas cora araeixas a l&iOO, 15800 e 33300.
-Mas cora marmelada do afamado fabricante
, Abreu. a 880 rs.
Ditas com massa de tomate, a 500 rs.
Ditas cora figos de comadre, novos, a 15500,
z* e 25 >'0.
>Ditas com bolacbinha de soda muito novas, a
25000.
. Ditas com biscoitinhos inglezes de muitas aua
lidades, a IfVSb
Chocolate.
superior muito novo, a libra a
Ciiocoiat.
15200.
MacarrSo, talhariara e alotria amarella, a libra
a.48) rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Ca xas cora estrelinba, pavidez e outras mas-
sas, a caixa 35300.
Ditas dita em libras a 640. rs.
Saj, a libra a 360 rs.
evadinha para sopa a libra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
rapfoca imito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a libra a
303 rs.
Arroz do Maranaao, em sacco, a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 c a II-
b-a a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 9>50O a arroba e a 320
rs. a libra.
Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
260 rs.
,M'il!ios com 123 ceblas grandes, a ts280.
Mistarda franceza, caixa com 2 duzias a
8?000.
Frascos com mostarda preparada em vinagre,
a m rs.
Ditos com conservas ingieras e francezas, a
640 e 800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 500 rs.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja, a
19000.
Ditos de 2 garrafa* de Hollanda verdadeira, a
640 rs.
Botijas cora dita propria para negocio, a
400 rs.
jirrafous com 2 galo-'s com dita, a 65-
S^rveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65OOO.
Viol'10 muscatel de Selubal, a garrafa a 13.
Marrasqmnho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
a 15200.
Champagne, a dizia 205000, e a garrafa a
2*000.
izeite refina jo portuguez e francez, a garrafa
a 13000.
Caixa drf vinho Bordeante maito superior, a
75. 83. 93 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a "5 a nixt.
Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro,
a 205-
Ditas com duque do Porto verdadeiro'a
185000.
Ditas com chamisso superior, ai45-
Dilas cora Porto vello c outras muilas mar-
cas, a 123.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
o.10 de Lisboa muito born, a caada a 35200,
33'00 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguihtes marcas (\~.)
fj. A. A.) (I. L. G.) (O. IT.) a caada a
43500, e a garrafa a 360 e 640 rs., desle
que j est engarrafado c lacrada com o
rotulo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 39500 e 43000, e a garrafa a 480 e
320 rs.
/Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 es.
(omina.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se'
engomnm, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
SabSo massa, a libra a 200,240 e 280 rs.
Farioha.
Saccas grandes com familia de Goianna raui-.
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95000.
Cha.
Cha. temo; uestes gneros o melhor possivel,*
hvson, a libra a 25600.
Dito parola a 35000.
Dito uxiui a 25700.
Dito hvson muito tino a 2900.
Dit) redondo a 23500.
Dito preto de primeira qualidade a 25500.
Dito mais bailo a 230)0 e 15600.
Erra uate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacete.
O masso fom 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 43 e 25500.
Nozas.
Nozas, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
llpisla e painco.
Alpista.' piii-o. a arroba 43000 e a libra a;.
160 rs.
Cartas.
Cartas fiis para jogar, a duzia* 255 K).
Cislauhas.
Castanhas novas vin las oeste vapor, a arro-
ba 43000 ea bra a 200 rs.
aieitaat*.
Barris com apitonas novas a 13500.
Mantebja.
Manteiga supirior, a libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita era barris e meios ditos, a libra
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos
Queijos novos vindos nesle vapor a 35200 e!
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a(
13000.
Papel.
Pape! alraaco paulado, a resma a 45800.
I Dito dito |m de linho, a resma a 43500.
Dito de pe) lizo e pautado, a resma
23500.
Dito de embrulho, bom a 15 e 15200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-1
deira a 15500 c 25000.
Temperos.
Folhas de iouro, pimenta do reino, coroinho
e cravo. a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendois com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeo- a 640 rs.
lijlos de .impar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
traa.
Dnzias de boioes de graxa n. 97 a 25000, e
de latas a 15000, e os boi5os a 240 rs. ca-
da um. e as latas a 100 rs.
Charutos tinos.
Charuto? finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos pregos, caixas o meias
caixas.
;. caivi>.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecinientos, que deixain de an-
nunciar-se.
N. 11Roa do QueiiiadoN. 11
Superiores cortes de seda preta com lindas barras.
Superior seda faconn o que ba de melhor e mais po-'.o.
Moreantiqae preto muito bonito a 25800, 35, 35500 e 45 o covado.
Completo sortimento de grosdenapl preto de muitas quadades.
Pannos pretos e casemiras de mnitas qualiddes.
Bournus, chales e los de renda pretos superiores.
Superiores pelisses e soutembarques de seda para s nhgras.
llouroaada m para enoor-as a 125
Ctiapeos e chajiWias de nalha de Italia para senhoras.
Cort-s de lard? Barhwde !45 a 2*3 de muito gosto
E m utas oulras tazondas de superior qualidade na toja de Augusto Frelerico dos
dantos Porto iond umbm se rendem as melhares e mais baratas
Esteirs da India para forrar salas.
N. 11 Roa do QuemadoN. H
UTENCILIOS de laboratorio e de chimica.
Alguns de nossos agentes tendo falsificado e imitado nossas preparares, e engaado nossos
freguezes, deve-se exigir sobre as rollias e rtulos as iniciaes F. V. L. Paris,
0 modo de nsar-so das preparar oes acha-se indicado no rotulo.
A< encommindas devem s,r acorananhadas por urna letra sobre Pars ou qaalquer outra rlda-
de de Franca, ou garantidas por umi casa onhecida.Dirigir-se aas Srs. Lebeuf & C. chimicos,} ra
Mmtmartre, n. 31, era Paris, 00 a sua fabrica era Argenteuil, pros Paris.
Vende-se na botica franceza, ra do Imperador n. 38.
CONSULTORIO IHEDICO-CIRIMICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO K OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
lloras da manhaa, e das 6 e meias 8 horas da noite, excepcao dos dias sautificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesrao consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dyinuamisacSes e pelos presos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 42,5000
de 24 tubosgrandes. 180000
de 36 tubosgrandes. 240000
de 48 tubosgrandes: 300000
de60 tubos grandes. 350000
Prepararse qualquercartira conforme o pedido que se fizer, e com os remedi
ruuse o 3 i i r.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10'iiGO.
Senda para cima d Vi, custar5b os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha t >os mais pequeos cada nm a 500 ris.
IIVROS.
A melhor obra da homeopathia, o.Manual de Medicina Homeopathicodo Dr. Jahr.
dons grandes volumes com diccionario ...."...'..... 200000
Medicina domesticado Dr. Bering,........... 100000
Repertorio Jo Dr. Mello Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina ...,...,,.. 30000
Os remedios dest estabelecimento s5o por demais conhecidos e dispensam portan-
te d seren noyamente recommeadados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros,energicos e duradores: ba tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, notaveis lelasua boa conservado, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e accuradapreparacSo, e portanto amaiorener-
vjiaj certeza em seus effeitos.
Casa de smkie para escravos.
Recebe-sescravos para tratar de fualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
jperaco, para o que o annunciantejulga-sesuficientemente habilitado.
Otratamento o melhor pqssivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se n5o
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
ioentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi era diante 10500.
As operarles serio previamente ajustadas, se nSo se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis le ".ostumi pedir o annunciante.
iBdir
RIJA DO IUPER1DOR x\. 40
JHnto ae sebrado em qne ora eSr. Osbarae,
Duarte Almeida k. V.. receberam de sua propria cbcokkcb-
dn o mais lindo e variado sortimento de olhados, pregrtoa
da presente estacSo.
Manteiga ingleza
FIBMCi OS CH1PDS DE SOL

K 0
S. 9 1 Rn \,vi esqnlni da Caniboa do Carmo e na do
Cabug n. 8.
A-linito.-ia d3J9 e;tabelccmnto o mnis importante que existe Teste genero
as provincias Jo norte do imperio, querenlo que o pablico-desta provincia goze das-
vantagens que proporciona i fabricaco em grande escala e directa relajo com as mais
importantes fabricas da Europa., faz scieate que resolveu-se a vender aiuda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabella :
Descont em duzia.
Chapeos de sol de panno a 20000........ 20
armaco de baleia a 20500 .... 10
de seda armado de ac inglez de 20 pollegadas
40, de 21 50, do 26 50500 e de 28 60...... 15
Chapeos de sol inglezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 2i pollegadas 80, de 26 90, e de 28,100. 15 %
dem idem a balito de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26120, e de 28 130...... 13 o/0
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam dealpaka, ditos debrira de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes sao t3o vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caga, os quaes vendem-seigualmente em porco e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
mar pelo pre^o que o estabelecimento retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia ser5o considerados como
a retalho.
Ohales de renda preta e bournns deguip preto|g
da safra novavinda no ultimo vapor a 1 ,ooo
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Manteiga franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a O rs.
Amendoas
oufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. ;
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas asqualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velaos para 500 rs. f j
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
ai Qneljos
chegados no ultimo vaper a 20600 cada um.
Qneljo
lofldrinoo mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs
o frasco.
Figos
em libras ecaixinhas ricamente douradas
proprias para mimos a 900 ei02oo!
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outrn
tf) d ZffOOK).
dem per ola
especial qualidade a 2070) rs. a libra
dem ayssMi
o mais aromtico qi.e tem vindo un nn,
mercado a 20600. ao noss'
Massas amadlas
COGV4C
omuito afamado cognacPalBrandv a i ann
rs. a garrafa e de ontras muita quafda-
desa l,ooo e 8oo rs. a garrafa 4
CUPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,000 r< 9
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEf
tfff'Pf0 e de outs muitas qua-
l^des de 2,200, a 4,5oo a resma dome-
a* a i Papel dc bo"a
de excollente qualidade a 20200 a resma, i
'PAPE I
aZarseaPresm^ra embrulhode ^0 a 2,2oo
A' leja da rna do Crespo n. 17,
DE
JOS2 <- *Gl

Vende a 13* 20, 30, 404, 304 a 603, capas e casacoes de gros pretos, chapeos
e chapellnas ae palhae outras maitas fazendas proprias para a quaresma.
Jos Gomes Villar prelendendo ir a Earopa tratar de saa saade espera que seus
devedorei tanto do nato como desta praca saldem seus dbitos quanlo antes.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,000 rs. a arroba e 16o rs. a libra e compran-
do de um paneiro para cima se fura abatimento na roa do Imperador n. 40.
PECIMHA
:as larg-is dc cor raas W) rs. o covado :
na .mu da Madre dn Peo n. 7.
Vende-se
11 .to no Camiaho Novo, ra da Esporanca n.
"'Va' va pao Man|uintro,*om piarte casa
muito fresca e mu tos commodos: na ra d Pw-
tino d. 10.
avariado.
Frccez barrica 34000
fortland idem 84SOO
Eiti pirfeito estado: .,n
Francia barrica 104*100
Portland idem 124000
No arMWenl de Tasso Irmaos caes do Apollo.
CHEG\!t4V OSMODER^OS CHILES DE
FILO PRETO.

Superares clules de fil preto chegados pelo ulimovapor francez. a
oja das columnas ra do Crespn. 13, de An'onio Corteia de Vascoacel-
Corinthias
A A. Tumo
0"tdraKamericaDo-^p-
Vinagre
PRcadTarrelaSde9caQadas^^or,
Cebollas
as mais novasdo mercadoa 7,ooo rs a caixa
e l.ooo rs. o molho. .
. Alpista e'Painco
o mais navo do mercado n.>., iu
e 40400 a arroba '4o rs' a ltbn>
CEBLAS
^maToT 7a S ?C6nt0 oa ru^o Qoe!-
goadrc-JmorDn.d9rmperadorn-40"-
GRAO DE RICO
Imperador n 40 'Hn 5* l' rua *-
muito fresco a 800 r? ik
Queimadon.7 hi/h. lbraJna rDa de
largo do Garmna9d0,mperadorn-40e
-P?retaros do grande
Ma^as brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarro, talharim e aleiria a 4tt rs. \
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porlo
generosos engarrafado das melbores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 1S00
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, ai a ar
cas sao as seguintes: Chamisso dFilko,
F. & M., Nctar ou vinho des Beazes,'
lagrimas do Douro e outros mnitof.
Latas
com 10 libras de banha a kfiOfQ.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma aue
vndela a 2O0O e 240O.
Nozes
as mais novas do mercado a.!2Cr* .4 bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mar
cas de 40500 a 6500 a uzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres em
meias caixinhas a 10500.
, Arroz
do MaranhSo a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roha desses que vendem por 30400.
CAF
'iZL "^ doRio de Janero a 805f
e 8^800 a arreba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafoes
com 4 /i garrafas com vinagre a 10OOOtoa
o garrafaa.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
IDEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 can
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada. urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo acaia
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
o Verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs
a libra.
, ARROZ
MaranhSo, Java e India, a loo rs. a libra e
de J,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 5f o r$.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo 1
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
emaCaibraS 2 a,TObaS M 3 aixa e 60
Passas muilo ooTas
em quartos e nteiros a 20 o quarto e 6/(o
a caixa e 400 rs. alibra.
Chocolate
Sa M0maS efPKeCal ^ se re de-
sejar a 8O0rs. a libra el 40 rs. o pao
Frats em calda
ouu e 10 o caixae.
amu* a ?0LACHINHAS
emitas de defferentes qualidades a l^co
*J e largo do .Uroa-lSnrer8dor|
freguezes oamiros e"a7rinKiK,4Uue armazen> verdadeiro Vtmcim\Ae*ur*rr,
0 Verdadeir, Principal roa i Innnim 46
FARELLO DEXISBOA
aos sei
J. VGNES. nmwwiim'i
os bseos dMb. 7T -A, IS""EiaAR r. 5.
,ua supe'SdadT^^^A'S^^00' n T Seja n&"V *P
,ia ma pIIps tpiii diflv ,J",,uas lu,; oierecem aos compradores, craa dades estas inr.mfo.i,
JSfafi Tf?rve M "iiemlas, tanto nasta fabrica como na # Sr. Bfe^i *. psric ,nri>
corwadente de J VigD6s, em cuja capital foram sempre premiados e* lo*sTSJ? '
^^"aX^lSrtf ?SnM5w m !>?* variado ofSJnfflSS*.#la
P^^SSoT.aSSt m WmQ harmamC0S 6 P,aDOsh^^os, sendo tudo vendide po




Blarlo de rrrm.iwtbmf Qttarln letra t le Mareo de i S5
DO

DE
AZEVEDO i FLORES.
Ruda Cadeia do Rtcife n. 47, esquina qoe rolta para a Madre de Dos.
tten^o.
Madapoldes francezes fpe^a) 13*, 14* e 15*.
Chitas para coberta a 320 rs. o covado.
Lias lisas un completo e variado soriimento.
Lencos brancos muito finos a 2*800 a duna.
Ditos de esguiao.
L'm completo sortimento de chitas largas de 300 a 600 rs. o covado.
Caiutraias lisas brancas muitofinas loja peca.
Aberturas de linbo pregas largas.
Ditas de algodao muit finas.
Bramante de urna largara.
Algode da Babia para sacco.
O BALAO VENDE
Paletots de csemira pretos e de cores saceos a 9*, 10*, 113 e 12*.
Ditos de alpaca branca e preu a 4=5, 4*500 e o*.
Calcas de csemira preta de 8* a 15*.
Ditas de csemira de cor a 3*, 8* e 10*.
Calcas de brim branco a 34, 4* e 5*.
Colletes de dito dito de 2* a 3*600.
Ditos de csemira pretos e de cores a i*, i*.*>00 e 5*.
Caigas de princeza para lulo a 4* e 3*.
Ceroulas francezas a 1*600.
Ditas de linbo com duas costuras superiores.
Camisas francesas de diversas qnalidades de 2* a 5*.
Ditas verdadeiras Inglezas.
Oolarinfcos de iioho muito finos.
Ditos de papel a 40 rs. cada um.
Cortes de csemira de cores por precos com modos.
Ditos de csemira preta fina de 7* e 5*.
lleias croas inglezas o melhor que ba a duzia 8*.
Baldes de 20, 25 e 30 arcos a 3* e 3*300.
Camisas de flanella de cores de 3*306 a 7*.
Os donos deste estabelecimento encarregam-se de mandar fazer qualquer obra de brim e ca-
emira etc., para bomens e menines por precos que admira ; aproveitem que o Balo est disposto a
|ueimar, s qner dinheiro I 1
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ba de melbor gosto ero
Pernambuco.
dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem de gorgurao de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2#400, 2#600, 30, 3&o00, 40, 50, 6^,
7$ e 8* o covado.
Superior gorgurao de seda preto, a melhor fazenda que ba para Testido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhola.
dem idem lavrada a 9M o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 1*500. 1*800, 2^2^500, 30,
30500, 44, 4?>500 e 50.
Pannos pretos de soperior qualidade de 30 a I2 o covado. I
Csemira preta de 10600 a 5$ o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na b ja das Columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Morena Lopes.
Vinho Collares.
Acaba de chegar de Lisboa o superior e
verdadeiro vinho de Collares, em caixa,
esta exceUente qualidade de vinho torna-se
recommendavel, por nao conter espirito e
ter agradavel paladar, supe ior ao melhor
Bordeanx, sendo aquella particularidade
apreeiavel e til na presente eslacao calmo-
sa, emque os vinhns aguardentados se tor-
ntil prejudiciaes: vende-se no deposito,
ra da Cadeia escritorio de Leal Reis.
ii
DROGARA.
31lua larga do Rosario34
Bartliolomeo Francisco deSoaza & C.
Vcndem :
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres a velludadas.
Tinta brancasuperior em lata.
AlvaiadeVeneza, fino, em paes.
Vende-se um bonito molatinho de 12
annos, proprio para qualquer servico ; na
ra Nova n. 38, loja.

LOJA DEMIUDEZAS
16RA DO QUEIMADO16
En fe i te de cnbeca
Mara, acabam de chegar pelo ultimo vapor fran-
cez os mais modernos enfeites de caheca a Mara,
os quaes so vendem muito em conta, a 2*, 3*, i*.
5*,6*,7*e8*.
Cascarrillias.
Bonitas cascarrilhas de seda preta e de cores,
e com diferentes larguras, a 1*, 1*280, e 1*300 a
peca.
Ditas com duas cores, e de todas as cores dille-
rentes larguras, a 1*300 e 1*800 a peca.
Ditas ditas de la com differentes cores a 1* e
1*280 a peca.
Fitas.
Riqusimas fitas de grosdenaple lavrado, boni-
tos gostos e de lindas cores de 3, 4, e 3 dedos de
largura, a 1*, 1*280, e 1*300 a vara.
Ditas ditas de sarja lisa de todas as cores e de
varias larguras, a 400, 500, 600,1* e 1*280.
Pesas ditas de sarja muito estreitinha para en-
feitar toucas, a 600.
Varas de fita do gaz de (odas as cores e lavra-
das de 2, 3, 4 e 5 dedos de largura, a 200, 240,
300, 400 e 50'.
Pecas grandes de tranca de la, a 240.
Varas de tila de laa de todas as cores para de-
brum de vestido, a 100.
Bico preta.
Bonitos bicos pretos de seda gosto muito moder-
nos, a 160, 240, 320, 400, 300, 640,800 e 1*.
Ditos ditos de linlio, a lOO, 160 e 200.
La Inri ii tli os
de ebroeb imitaco dos da trra de dous dedos
at nm palmo de largura, a 1*, 1*280, 1*600, 2*,
2*500, 3*, 3*500, 5*000 e 7*000 a pega com dez
varas.
Lavas de Jouvin.
Brancas, pretas, cor de canoa e todas as cores,
para homens e para senbora, por 2*300.
Ditas pretas de seda, para homens e para senbo-
ra por 2*.
Ditas gretas de Jouvin, para homens e para se-
nbora, porm nae sao frescas, a 300.
Sintos e (velas,
Riquissimos sintos pretos e largos com fivelas
pretas e grandes, a 3* e 5*.
Ditos ditos pretos e bordados a ouro muito lar-
gos e com fivelas grandes a 5*.
Riquissimas fivellas para siutos dos gostos mais
modernos que tem apparecido, a 1*500, 2*, 3*,
4* e 3*; sao as fivelas mais bonitas que tem viu-
do a esta praca.
Alfinetes de peito.
Riquissimos alfinetes cravejados de pedrinhas e
madreperola do mais apurado gosto, a 1*, 1*280,
1*600 e 2*.
Leqnes de Sndalo.
Benitos leqnes de Sndalo de mnito gosto, a 3*,
6*. 7* e 8#.
Correales de relogio,
Pretas e de muito gosto, a 1*280, 2* e 3*300.
Alona,
Para 12 retratos, 1*600 e 1*800.
Ditos para 20 retrato?, 2* e 2*200.
Ditos para 100 retratos, 6*, 15* e 20*.
Ditos de veludo para 50 retratos, 6*.
Ditos ditos para 100 retratos, 8*.
Varios onjeclos.
Escovas para dentes, 160, 320 e 300.
Ditas para cabello, 00, 800 e 1*280.
Ditas de roupa, 800 e 1*.
Correles preta para relegio, 1* e 2*.
Enfiadores de eapartllho, 60 e 120.
Varas de galo braoco lavrado, 80.
Varas de fita de relroz preto, 120.
Bonecas grandes vestidas.'SO.
Ditas que choran), a 160,800 e 1*280.
Alfinetes pretos para imito, 4*. 1*300 e 2*.
Bosetas pretas, I*, 1*300 e 2*.
Pulseiras de continhas. 500 e 600.
Ditas de aljfar, I*. 1*300, 2* e 2*500.
Voltas pretas grandes, 1*300.
Pentes pretos, 1*500 e 2*.
Bonitas cruzes com pedrinhas, 1* e 1*600.
Perfumaras,
Garrafas de agua Florida, 1*280.
Garrafas grandes d'agua de Colonia, 1*100,
1*600 e 2$.
Pras juinbos de dita, a 400, 500 e 800.
Ditos de Sndalo, a i* e 1*500.
Dos de oleo pbeiocome, a 800.
Fraseos >m banba franceza, a 400 e 800.
Ditos com banha e extracto, a 1*.
Copos com banha franceza, a 1*200 e 1*400.
CaitNfeM de p arroz, a tXJO e 1*.
Sbemeles de bolla, a 360.
Cfl n ri ; o so 33
SS'ET2! ' B 3 E-o-b. S "O 2 2 H S
aOa-e.-So
2t3 n
a 3 ~ w
Oc2s
- sr 9 -
Z>
p a-
ere.'
en
r*>
"S
B>
09
ai
3 B
1,5
Z3
1 -O
OM_
O <*3
B>
w T
o* S t*
||s.
!
CO M O

o B Q. ... o a a,
" ST 3' O a S S-"
1' i*5tid^0-.'s!
3 H
o.>o 5

Q.
ce
-.^So-?.^?S-5*
M 5 Jo -, o. *
f B
5*5
-"ge?
O
CO
-o
B9
B
B
2.
Cu
a>
en
2.
Ct>
W3
o>
a

o--5 tu
" 3
09 O
OQ
"O "O
5^S
09
o
o
03
c
o
o
*, a
O 09 g
o 1 o
S 09 OJ
-i a
a =r
09 o*
C- O JQ|
s
^1
e
i."
e
s
i
NICO DEPOSITO
DE
Pao c de cestas em Per o a m buco
Ra larga do Uosarlo n. 36.
Este estabelecimento nico nesta cidade, sonido
denmtndoqnedesejar-se em obras de palhsede vi-
me,acaba de receber da Europa os econmicos bercos
volantes de todos os tamanhos para recem-nasci-
dos, ditos pata bonecas de meninas balaios de
meninos aprenderem a andar, ditos com lampa e
sera ella para costuras grassas, ditos com tampa
para aromar ronpas de passar dias fora e conduzr
jantarts, ditos grandes e menores para deposito de
(roupa suja, ditos para ajuntar papel rasgado, ditos
para costura de meninas e cestinbas dellas enfia-
rem no braco ; bandejas de vime para roupa em-
! gommada e para flores; cadeiras para senheras e
j meninas viagarem nos vapores e recreio nos terra-
| eos, condeces e agafates brancos e pintados de to-
dos os tamanhos, balaios e cestas das compras no
mercado : continuamos a fornecer sortimentos
destas obras, as pessoas de fra que nos honran:
com os seus pedidos, certos de que os precos serao
os mais razoavels, por muito carecemos da protec-
gao dos nossos freguezes e amigos.

Colares Royer
oo colares anodines elctricos contra as convulsoes
das enancas.
O bom e proveitoso resultado que as crianzas
ebtem na dentl^o. trazendo desses colares, j
bem contiendo, e por isso se tornam boje indis-
pensavis porque assim teem os pais incontesta-
velmente prevenido o mal :.esses colares vendem-
se tambero na ra do Queimado, loja d'aguia bran-
ca n. 8.
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Continna-se a vender em por?ao e a retalho :
na ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
Bonitas trancas, franjas
e galofs prftos para vessidos,
A aguia branca receben novamente um bello
sortimento de enfeites pretos para vestidos, sendo
bonitas trancas, franjas, galdes e bicos pretos, etc.,
assim como botoes enfeitados de vidrilhos, e ou-
tros mnitos enfeites de differentes cores, conti-
nuando a aguia branca na ra do Queimado ;n. 8
a vender ludo Isso por precos commodos.
Bonitas caixinhas
com msica e sen ella para costara, e ottras
igualmente lindas com perfumaras finas.
A aguia branca na ra do Queimado n. 8 acaba
de receber nm bom sortimento de caixinhas para
costura, e outras com perfumaras finas, e conti-
na a vende-las baratamente.
CIMENTO
Francez barrica 5$()00
Portlani barrica 8#500.
No trapich.'baro do Ltvramente ao caes
d'Apollo.
Francisco Jos Germano
Rl'A NOVA N. ti,
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de oculos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
apurado gosto da Europa.
escbayos ramios.
A os capitaes de campo
Desappareceu no da 21 do con-pnie, da rasa de
seu senhor, o escravu de come Bendicto, cabra
*scuro, com idade de 25 annos, leveu ve.Mido cal-
ga de algodao de lislra, camisa de algodao da ier-
ra, e chapeo de conro de abas largas, tem altura
regular, eheio do corpo, cabello a escovlnha,
olhos pretas mnito vivos, nariz e bocea regulares,
mnito pouca barba no queixo e um pequeo ho-
co, todos os dentes, ps regulares, etc.; de pre-
sumir que segnisse a estrada de Goianna por ter
vindo da cidade de Sonza, provincia da Parabiba,
ha 13 dhs, e foi comprado ao Sr. Jos Antonio
Borges daqnella cidade : roga-se portanto aos se-
nhores capitaes de campo a apprehensao do refe-
rid* escravo, e levarem-tio a rna do Imperrdor n.
83, segundo andar, que se gratificar com 50*.
Na quinta-feira 23 do corrente fugio
da sio de Dr. Witruvio, na Torre, umes-,
cravo, do nome Miguel, que o mesmo bavia
comprado no dia 17 aoSr. I.niz Antonio Pe-
reira. E' idoso, alto e j foi ha tempos cor-'
tador de carne nesta cidade, estando por
ultimo empregado em servico de sitio
d'aquelle senhor. Desappareceu levando
vestida calca velha de urna casimira escura,
jaqueta parda e chapeo usado do Chili; e
suppor que ande mesmo por esta cidade. I
Rogando-se a apprchenso d'elle, poder ser
entregue a ra do Cabug n. 2.
Aviso
aos capitaes de campo e a policia.
Desappareceu em pjincipio do mez de cutuhrr
do anno passade, de bordo do palliabete 1 aciena.
Araujo Malo, dona escravos de noff.es heterfo
(por apellido Macei), e Miguel; o Io Ce idade 4
annos, pouco mais ou menos, crisolo, or fula,
estatura baixa, barba serrada, nm peuco torto da?
pernas, e coro algnns cabellos branres, tanto na
barba como na cabeca ; o 2alto, cheio do corro,
sem barba e falla grossa, representa ter de 25 a
JO annos, cojos escravos desconfia-se andarm pe-
los arrabaldes desta cidade : qoem os apprer.ep-
der queiram levar a ra do Trapiche n. 4. au
ser generesamente gratificado.
Desde 9 de dezembro de 18C4 qoe esi;i;^.-
sente da casa de seu si nhor o escravo Hi < uau
cabra, Idade 40 annos, alto, cbelos ca
rosto descarnado e comprido, olhos e ore.i ;* re'-
. quenas, nariz chato, barba pouca, Km aptn !-
gode e pera, perna efqncrda de qtebra n ;i.
I o pg desse lado torto que o faz ai.dar trnu (0-
i bado, snpp5e-se andar pela Casa Fte an
I com urna mulata forra, baixa, al varona, qi rece maluca : qnem o pegar leve-o a na Di I iia
n. 54, que ser generosamt-nte re 1 n 1 Misare
Negro f'vgtdo
Est fgido desde o dia 27 de feveifirr dcste
anno o preto Joaquim, de nage Argda. que foi
escravo doSr. capitao Francisco Joaaolm Caval-
eanti Galvao, morador em Maria FariDha (frtia;,
o qual vendeu-o nesta cidade em dezfrrho do ar-
no passado ao Sr. Manool Francipco Marcut (ere
arroazem de assucar ra de Apollo ; Irvot o-
misa e caiga de algodao branco, rofresenla ter re
45 a 50 annos de idade, alto e de groaron rege-
lar, cor fula, cabera comprlda, qutixes tarjes,
olhos amortecidos, beicos grossos, sendo o inte-
rior nm tanto defeituoso, bastante barba, firfm
raspada, finalmente tem urna prande costura fntre
ospeitos proveniente de qneimadnra, e sopp8e-fe
terse dirigido para o norte, d'onde veio : prattK-
ca-sea.quem o apprehender ou denunciar o rpitc
em queestiver : na ra da Cadeia do Recife no-
mero 52.
Jumentos.
Yendc-se um lindo casal de jumentos, de bella
raga, grandes e novos, proprios para a conservaeao
da mesma raca, e crusamento, do que se colher
magnficos machos e muas para carros e cargas,
cuja jumenta est grvida ; assim como urna lin-
da jumenlinha com pouco menos de nm anno:
I ver e tratar com Jos Pereira Cesar- no sitio Pi-
' rauuyra, arrabalde da villa do Limoeiro.
Aos capitaes de campo.
Fugio no dia 27 de fevereiro deste anno, de ca-
sa de seu senhor o escravo Sebastiao, crioulo, fu-
lo, com idade d 22 a 24 annos, foi escravo do
senhor do engenbo Quandus da eomarca de Santc
Anto, d'onde tinba vindo para eFla cidade a'8
dias, de presumir qne seguisse para Taqnaritin-
ga aonde tem nrai e irmaos, levou caiga e camisa
branca bastante snja, altnra regular, cabello a es-
eo.vin.ha, cabera pequea e redunda, testa grande*
bem cantuda, olhos pretos e regulares, nariz cha-
to, bocea regalar, beicos regulares, dentes todos e
limados, nenhuma barba,apetjas um pequeo bigc-
de, corpo bem liropo, ps regulares e pouco lar-
gos : roga-se portanto aos Srs. capitaes de campe
a apprehensao do mesmo a entrgalo a ra de
Imperador n. 83, segundo andar, defrecte do cor-
reio, que se gratificar com 50*.
Fugio no dia 14 do corrente da ra da Cius;
n. 8, terceiro andar, a escrava Benedicta, com cr
signaes seguintes : cor fula, tem falta de dentes
na frente, levou vestido escuro de palminhas bran-
cas, chale encarnado, bem conhecida por ter si-
do escrava do Sr. Sainstiano Canlalista : rectir-
mendase as autoridades policiaes e capilars de
campo qoe a peguero e levem-na a casa acin a, co
a ra da Senzala Velha n. 94, que serao gratifi-
cados.
Acha-se fgido o escravo de n. me- Rufino,
crioolo, natural da povoacio de [engalla?, cernar-
ca do Limoeiro, baixo, grosso,do corpo. nariz t lu-
to, beicos grossos, em um dos ps onas verrugas
em ponto pequeo, no rosto ornas pintas de pan-
nos, tem nm geito pouco na perna dlrcita, relin-
do o jeelho para dentro, que pooco oivulga-sc
qnem pegar o referido escravo ser bem gratifica-
do pelo seu trabalho, levando-o a soa senhora L'.
Maria Cavalcanti fle Albuquerque, no sitio tftio
d'Agoa junto a mwmt povoagao de Bengallas ; ti-
zendo mais que vai sentar iraca no corpo de ve-
luntarios da patria. *
Fugio em principios do mez de fevereiro no
corrente anno e consta estar acoutado nesta c.dade
o moleque Euzebio, escravo da viuva do Dr. Fe- -
nando Alfonso de Mello, de 12 annos de idade peu-
co mais on menos, cor preta, secco do corpo, ptfu s
regulares e afumacados, cabeca um pouco grapde
e meia chata, beicos finos, dentes bem alvos, es
seceos e mnito ladino : roga-se por tanto a todas as
autoridades policiaes e capitaes de campo que o ai<-
pr?hendam e levem-o a ra da Mangueira sobrado
n. 6 qne serao gratificados, protestando-se usar des
ljelos judiclaes contra qualquer pessoa que o tnha
em seu poder.
100S

Qnem apprehender e levar no palacete do Vis-
conde da Boa-Vista, ra da Aurora, ou no engenfco
Trapiche do Cabo, a escrava Joaquina, fola. alia,
falta de dentes na frente, muito conhecida n*s'ra
cidade, anda as vezes de timo ou saia de balo.-.e
se diz qne est em companhia de um pardo de
nome Jacob, que mora em Itamarac, recebera a
gratificado cima de 100*. Esta escrava est f-
gida desde setembro do anno prximo passado, c
desde j se protesta contra quem a tiver em sua
cempanhia.


DOS PREMIOS DA ULTIMA PARTE DA
1. El. DA 2.
LISTA GERAL
lo!

. DA L. LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 330, A BENEFICIO DA MATRIZ DE S. JOS DO RECITE, EXTRAHIDA EM 28 DE MARCO DE 186o.

NS. PHEMS NS. PREMS NS. PREMS . NS. PREMS NS. 1 PREMS . NS. PREMS . NS. PREMS . NS. PREMS . NS. PREMS .iNS. PREMS.
1 6J \ 178 6 . 348 6 i 499 6J. i 674 i0 J 862 m 5 1045 6J (1223 6J (1370 6*1551 6*
2 40j L 79 - 49 - .501 76 BJ l 66 48 . 26 - 79 52
4 6j \ 81 oi 8 77 - 67 - 50 10 l 28 80 - 58
10 82 m 11 81 72 56 6 29 - 81 10*! 61 T
12 80 58 15 84 76 37 31' 104 ! 84 1 63
13 88 62 16 86 79 58 34 64 83 64 ---
14 . 90 63 19 87 81 60 35 92 - 65 _
18 10| 92 10* 68- 20 90 404 t .84 63 41 93 66 __
20 64 93 64 69 21 91 64 86 104 64 44 97 204 i 67 ---
25 96 70- 25 93 88 64 66 43 204 1400 64 [ 68 ---
27 98 71 26 98 91 67 50 64 5 69
33 200 72 28 704 _ 96 _ 77 54 8 70 ---
.36 5 73 __ 29 9 _ 97 B 78 59 9 72
38 8 73 m 30 12 _ 901 M 81 64 10 _ 73
42 9 76 20* 33 16 .. 6 ^^ 82 65 12 76 10*
47 12 77 6* 37 J9 9 ^^ 87 66 15 _ 77 6*
48 __, 16 82 38 22 ^ 13 ^H| 88 80 20 ^^ 78
49 _ 17 84 _ 46 23 16 _^ 90 500* 83 22 _ 83 100*
SI 10* 24 85 _ 47 25 H 17 _ 99 6* 85 24 __ 85 6*
52 10* 40 89 __ 63 28 __ 21 1100 1 91 26 88
55 6* 49 94 __ 68 _ 32 ._ 23 MM 1 _j 94 27 __ 91
58 50 99 Mh 70 37 ^ 28 __ 3 ^_ 95 10* 31 __ 92
fi2 53 403 __ 78 39 _ 29 pg 7 w-> 98 6* 37 95
63 56 8 80 46 __ 31 __ 8 99 41 1600 -_
6.1 57 9 87 52 --- 36 14 _ 1301 42 3 ^^
fifi 58 10 89 54 _ 37 17 ^ i 9l 5 j
68 100* 10* 6* 59 12 93 5o 38 18 _ 4 52 6
71 62 40* 14 95 60 44 23 ^ 5 _ 59 10 ^^
77 65 6* 16 601 62 --- 46 27 mm 7 __ 60 13 _
78 66 17 2 83 53 36 __ 8 61 15 ^^
79 68 29 5 64 57 47 9 ^ 68 20* 16 _
83 73 31 - 6 68 ~ 01 48 ^^ 17 85 6* 18 a^
85 ._ 80 34 9 69 64 54 ^ 19 86 21 40*
95 82 39 26 6* 85 ~ 66 61 ^_ 22 88 28
97. 80 47 --- 27 86 72 62 aM 28 _ 91 31 __
100 89 53 30 _ 87 78 63 ^_! 30 ~m. 95 10# 33 ^^
3 10* 9i 54 36 _ 88 m 79 65 ^^ 36 __ VV 0* 37 _
8 6* 97 55 37 90 6* 82 66 37 _ 1300 48 i.
14 303 _ 56 42 94 ~ 87 67 ' 38 1 _ 52 1
16 0 _ 59 --- 90 96 iiil 89 68 39 10* 8 58 ^^
17 10* 60 51 98 97 - 70 41 10* 9 61 40*
25 0* 14 61 52 99 98 71 43 6* 12 63 6*
36 lti 69 34 10* 801 1004 5- _ 76 10* 44 14 0* 63
38 18 _ 71 56 10* 2 81 6* 48 20 6* 70
40 20 _ 73 20* 57 6* 3 9 82 49 . 21 * 72
45 _ 24 73 6* 38 4 12 90 30 22 73 '
31 4 20 81 60 5 ' 13 91 - 31 24 74 _
52 ^^ 29 __ 87 62 10 1 96 57 33 76 _
54 -j 33 35 89 90 63 64 13 14 - 27 20* 6* 98 1204 z 59 63 37 39 200* 77 86
06
57 41 -a 01 63 04 7" 5 64 44 6* 87 . "I
63 10* 41 m 10* 70 33 *| - 60 45 88
68 44 46 z 3 95 0* 100* 71 73 10* 51 56 37 39 10 li 68 _ 48 50 w 89 91 10* 6*
IB iO* 1 VJ
NS. PREMS.
1696 6*
97 -
1700 -
10
13
13
16
22
2o
26
28
35
40
42
44
50
51
82
61
62
66
67
68
70
71
75
78
80
87
91
93
95
97
301
3
6
7
10
12
13
19
21
23
24
23
26
29
33
35
36
38
39
42
47
48
65
20*
6*
20*
6*
20*
6*
10*
6*
10*
6*
10*
6*
NS. PREMS.
1849
53
58
60
72
74
81
84
90
92
93
96
1905
8
11
15
17
18
49
20
26
27
31
38
44
47
48
55
36
60
63
71
72
78
79
81
84
86
91
92
M
l
2001
4
3
6
9
10
16
19
21
30
32
38
40
10*
6*
NS.
2041
44
45
46
47
49
54
57
58
62
66
71
73
75
80
82
83
90
07
99
2103
16
17
19
22
24
26
27
29
31
34
35
39
44
48
51
55
56
37
38
65
72
74
76
78
80
82
91
92
97
98
2200
t
i
PREMS.INS. PREMS.
6* 2208 1
13
10*
6*
10*
lOff
6*
14
21
2o
28
31
37
40
41
54
59
63
64
68
71
79
87
89
"95
2303
7
11
13
19
20
22
23
26
28
30
39
44
51
53
55
58
4
70
73
74
73
76
77
86
89
92
94
93
99
2405
8
10
12
20*
6*
NS. PREMS.
2415 I
10*
6*
20*
10*
6*
46*
6*
O escrMo, Jos Pedro das Neves.
4l .'
20
22
23
24
27
31
32
34
37
41
44
46
47
48
60
61
64
65
66
71
75
77
78
83
84
85
87
90
94
2501
3
5
6
:#
10
24
23
29
34
37
39
44
46
48
m
51
57
59
61
64
66
73
20*
6*
10*
6*
10*
6*
NS. PREMS.
2574 1
1:400*
6*
10*
6*
75
78
80
85
88
90
91
94
95
2605
7
10
12
13
14
18
25
26
27
29
30
35
42
43
44
45
50
54
56
59
0
61
63
67
72
78
85
89
91
97
99
2702
6
10
15
47
20
23
27
28
29
30
ai
46
10*
6*
10*
6*
NS. PREMS.-NS. P
2730 6*12912
10*
6*
20*
6*
67
68
n
Ti
77
78
84
H
87
88
89
91
96
97
99
2809
11
13
18
22
24
27
28
30
32
35
36
38
39 6:000*
44
M
47
51
34
m
67
63
66
67
6*
10*
6*
_ 74
_ H
__ 76
_ 80
82
_ 84
90
93
96
98
09
- 2905
10
14
16
20
22
23
27
29
31
43
48
50
51
52
54
57
60
62
67
69
71
73
74
78
79
80
81
84
85
89
92
93
3008
7
10
12
15
19
20
22
26
33
35
40
48
51
60
62
68
75
80
83
83
86
20*
6*
40*
6*
10*
6*
10*
6*
10*
6*
100*
6*
10*
*
10*
20*
6*
10*
6*
3094
96
3108
13
19
20
23
24
25
29
30
41
44
48
50
53
55
58
64
65
70
72
74
73
82
91
96
3201
2
4
6
8
13
14
20
21
30
33
34
35
36
38
33
59
61
66
69
?9
81
82
83
88
.89
96
10*
6*
PREMS. 1 NS. PREMS.
6*13302 6*
3
5 10*
11 6*
12
18 -
24
27
29
30
33
36
37
38
49
51
55
36
59
66
68
69
79
81
90
93
95
3407
9
12
10*
6*
10*
61I
1C*
6*
20
6*
10*
i
100*
19 -
21 -
23
27
#9 -
30
32 _

38 _
41 -
43
51 -
52
56 -
61

_ 'b-J

Pern.Typ. de M. F. de Faria 4c Filho.1898.
69
80
87
88
91
98
3600
J




Tu
T



Mario e Pera****** arta !*# e Mar^o da i*
LTTERATU
senas gagarantias.
| tratado.
Muitos rae aconselhavara confianca,
pelo menos resignaco.
ou
O CONVENIO DE 15 DE SETEMBRO E A ENCYCUCE
DE 8 DE DEZEMDBO, RKSMSTA PKLO EXM. A
I M. SK. DISP0DE0RI.KANS.
Pi'tiaeira parte.
O convenio.
I
Comcrarci por dzer a minha opinio so-
bree conven de 45 de seterabro de mi Q<* qaereii vos. duiam. quando o con-
pe,o qual a Fraafc se compromettcu cora o, W* nao era anda bem eonbeeido ; que
re Vctor Smmaouel a abandonar Roma no,(l"ere^ tos .
pmo de dous annos. O que est perdido, perdido est O
'->.!- nnr .rtft jp que importa conservar, o que resta,
esta veznao me accusaram por certo ae m t~ t
de ter fallade muito cedo. Ora se Vctor Emmanuel renuucia defini-
. u .* p tivamente a Roma, se a Franca garante po-
Duas graves razoes tmha eu para es- v
sitivamente a sui posse ao sant i padre, se o
nao abandonara o papa, e qoe prevenida te, sua politica de quinze annos, aoa'pla-
contra as amb'icSes persistentes e contra as nos proseguidos, aos factos cposummados.
passadas violencias do Piemonte, tomara L^ uma qUesi3o delicada ; passo todava |j
a trata-la,
desde j bem segur e pedindo a
perseguicto a amiga companhia das damas
da otapafafo-para o servico dos pobres o
dos enfermos.
Os ctrabineiros expoaram dopoute as
Affirmava'-se, aue tudo isto se achava no Deus de nada proferir que possa offender o, religiosas de Santa Cruz: Don gracas
perar.
santo padre, susten ado por tropas suas e
Nunca houve papel mais desagradavel, do teQj0 recursos sufficientes, fica em circums-
que o de propheta de desgrana- Todava j tancias de continuar livremente no vaticano,
desempenhei-o sem hesitar, qiiando foi ne-, ,Qn aTante qjq m\m\g0 o curso do seu di-
c'jrio ; desde o seu principio previ euoj?00 mm$teri0 eae real saceidocio, que
hn desta dolorosa questo. mas quere3 ? sem fechar todas as feridas,
Tenho seguido todos os passos, queaoPie- sem dar satisfago a todos os direitos, nao
mea paiz, cuja honra a minha, nem adul- a Deus, disse a superiora, de n5o ter
terar a verdade.da historia, cujo tcstemunho. morrido neuhuma de minhas filhas no meio
livre, soberano e immortal. da ra,
Retomando, pois, o fio dos fados procu- J haviam sido proscriptas as damas do
rarei ser b-eve: Sagrado Coracao: todas suas casas foram
_: -'. ... fechadas, suas novicas dispersas, e os seus
pnme.ramente.- 4 egreja hvre no ^beBsmoveis e de raiz> entregues ao thesou.
ro publico.
ente, Mas n5o vos iaquie- [ m sem qU6 a nova vida da senhora Fraacis-
ca em nada alterrasse seus-tabitos !
Pobre goto !... m qec hora fostes cal-
car-Mieos ptvpan %* te veres^algema-
ao por t5o excntrica creatura! 1
ceitou avi
teis, dizia a Sr. Cavaor, islo e 96 proviso-
rio. At o governa fraacez sedeixou en-
gaar.
P.rece qoe nao ha urna idea suficien-
temente exacta do carador da dctadura.offe-
recida na Italia ao rei de Sardenha ; della
deduzem, que, ao abrigo das armus fran-
ceza-i, o Piemonte conta reunir toda Italia
em um s Estado,
O Temps conta a seguinte ancdota a pro-
posito de um bafle do Hotel de Ville dado
ltimamente.
Umasenlioraedo8a vestida, como convem
Semelhantes conjectu- aumaedade avancada, mas com bellos dia-
tado livre.
A egreja livre para o Piemonte. ha qainze
annos, quer dizer;
Todos os bens da egreja confiscados ;
As ordens religiosas abolidas;
As religiosas deitadas ra ;
Os bispos encercarados;
O clero sujeito conscripco
Resumindo 7:850 religiosos foram des-
pojados e entregues a todas as necessi-
dades.
Eis aqu como o Piemonte entendeu des-
de o principio A egreja livre no estado
livre. E anda hoje nao o entende d'outra
forma, dispe-se a fazer as provincias an-
nexadas, o que fez em sua casa: hontem
mesmo lemos nos jornaes as nobres pilavras
monte se tein deixado dar sobre Roma, e o
que o Sr. Falloux chamou itinerario de Tu-
rr'fl a Roma,
Assim hei visto a grannde inspiraco da
Franca, viva ainda em um voto memoravel e os fados.
da nssembla na:ional em plena repblica,
viva na palavra do general Cavaignac quando
exdamouCompre voar em soccorro do
padre santo, viva as primeiras e nobres
dclarc5 s do nosso actual imperador; vi,
repito-o, enfraquecer-se e morrer essa gran-
de inspiraco.
Vi a garaptia solemne do direito coaver-
ter-se em protecco provisoria, a protecco
do direito em guarda de pessoa, a guarda
em simples escolta, a escolta em sentinella
s portas da casa e do jardim; depois pare-
ceu-me que o braco, que segurava a arma,
a asta pesada; tenho seguido os dias,
marcado os graus, contado as horas: catho-
i;:o inquieto, cidado humillado, nao tinha
pressa de juntar mals uma peca a i sse pro-
cedo, cajos juizes ho d- ser Deus e a pts-
teridade.
A minha demora tinha ainda uma segun-
-da razao. Nao qucrendo deixar de crer fir-
memente na sinceridade do governo franc i,
representado na negoc'aco que preceder o
convenio pelo Sr. Drouyn de Lhuys.quiz es-
perar, ouvir, reecr, antes de dizer comi-
go, que o meu paiz,. tantas vezes engaado
pelo Piemonte nos negocios de Italia, o fra
aindamis vez, e dera mais um passo para o
Cj:npleto abandono do pouer |ontificio.
Agora, depois da inte pretaco dada pelo
Piemonte ao convenio, jjne n5o restam du-
ndas.
Eu nao conheco dr semelliante aquella,
que provem de um tal desengao. E' ain-
da mais alTlictiva, quando nos levaram a es-
ta triste evidencia s apalpadellas por entre
Cirradaescuiido, a travez de horas, tongas
I i as de incerteza de anciedade, de hesila-
05o, de iquivocos e de angustias, que n5o po-
deram dissipar as explicaces embaracadas
e superfluas d'um ministro, que fazia esfor-
cos sinceros, mas vaos, para nao haver de
confessar a si mesmo que a sua palavra f-
ra victima de embulles.
Como soubemos nos, nos os bispos, d'es-
te convenio, que interessa a pessoa e os di-
reitos do chefe de egreja! Como foi d'elle
informado o soberano pontfice ?
Pelas indiscrces incompletas de alguns
jornaes, a qnem se liara revelado metade
do segredo.
Soubemos primeiro, que dous eslrangei-
ros tinham atravessado Pars; depois, que,
acabada a commisso, haviam partido, comr
viajantes apressados, e que levavam na sua
bagagem uma felha da nossa histeria nacio-
nal, um tratado, que deixou ajFranca ligada,
antes de o ter conbecid.
E' verdade, que este tratado recebera a
assignatun do imperador, que, por promes-
sas reiteradas, se comprometiera solemne-
mente a sustentar o papa.eassignatura d'um
ministro, que entrara para os negocios em
honra desta resoluco ; bastava isto para se
dever confiar ; mas nao era bastante para se
comprehender. E realmente nao se perce-
bia bem a qual nteresse obedeca a Franca,
mudando de papel lo rpidamente.
Nao fallara aqu do papel, que repres n-
tou a Franca, no reinado de Carlos Magno.
E todava pergunM com dr a mim mesmo:
E" porventura cousa assentada, que ninguem
deva j pensar nestc papel magnnimo? J
r;o fallo da aeco da Franca em 4849 e
n'outras frequentes vezes durante os mil
annos, que separem estas duas pocas.
Havia porm um papel menos bello, e
com tudo honroso ainda, aceito, ha algons
annos.
Dizia-se, que o imperador, guardando
Roma, e conservando nos estados pontificios
to violentamente diminuidos, uma occupa-
Co to restricta, consegua ainda quatro
grandes vantagens: grangeava com esta oc-
cupaco a eslima da Europa catholica, conti-
nha em respeito a Italia revolucionaria, ga-
nbava a gralidio do clero francez e final-
mente conservava uma posico politica e es-
tratgica importante..
Que lucrar a Franca em perder esta posi-
Co ? Nfo o sei esplicar; mas esta no a mi-
nha questo.pelomenoscomo bispo. Cuidava
eu, qoe ao menos a Franca, deixando Roma,
ser preferivel, ao que existe, um estado re-
dusido, muito injustamente ;edusido, mas
socegado ?
Esperemos, dizia eu, e vejamos os textos
Os bispados sem bispos;
As concordatas com a santa s violadas;
... .. ; m-i., dos bispos da Toscanadeclarando-seprmP"
As .mmunulades eccles.ast.cas, est.pula- ^ ^ ^ ^ ^ q ^
das por um tratado, abolidas; mesmos davam ^^ te \
A lei Siccardi votada aos gritos demoa .
c. ,. .. j As aspiracoes nactonaes, anda hon-
Siccardi Abaixo os padres *,, .',.. .
e tem, depois do tratado de 15 de setembro,
A lei sobre o matrimonio civil votada no invocadas pelo Piemonte, nunca tiveram para
dia 5 de junho de 1852, apezar do papa, e|ie sena0 um sentido: apoderar-se de Ro-
Pois bem I os textos e os factos fallaro.! apezar da concordata e dos bispos; roa e derribar o papa.
A lei de 25 de oovembro de 1864, vio- Sl'- &vour nao disse outra cousa nesse
lando formalmente, contra a egreja, o art. Memorndum, em que, no congresso de Pa-
29 do estatuto nacional: Tdas as proprie- ris, se tornou oaccusador publico do papa,
dades sao involaveis, sem excepto de n<-(em lerraos la<^ qe at o Times escreveu:
Talvez me achem extenso : porm como nhuma especje v Uma assembla puritana d'Edimbourgo ou
is sao destituidas de todo o fundamen-' mants, levava uma sua neta a este baile.
,. No momento de entrar o criado recusou
t0, acetar-lhe o seu bilhete de convite, pretex-
Nao o entenda assim o Piemonte. Esta- tando que nao vinha em toilette de baile por
belecia-se, como dono, em seus novos esta- nao vir degotada.
dos,, ochava ,oos ^progos apode- ^ZS^ZT"0 S P"V"e-
rava se de todas as posicoes, trabalhava por & Squ QeQ^ e portanto n5o posso an_
todos os meos em tornar definitiva a sua dar eg0^3_
dictadura, e Victor Emmanuel, em Florenca, o criado respondeu-lhe ;
dizia empunhaodo a sua espada e olhando Quando se est doente, fica-se em
para o lado de Roma .-Iremos al o fim.
Andreino al fondo.
Com effeito a paz de Villa Franca nem
um instante embargou os passos ao Piemm-
casa.
J sei com o que devo contar, e julgp op-
portuno dizer sobro o assumpto loda a minha
opinio, indo ao fundo das cousas.
Na minha edade, repficou a senhora.
nao se pode ir a um baile vestida como uma
menina.
0 criado tornou a responder-lhe :
Quando se velha fica-se em casa,
te, e as annex coes, apezar dos tratados de| Esta 3o aUrahia as allenc5eS qaan.
Villa-Franca e Zurich, foram realisadas nos. do a chega(ja u0 prcfeito Wansseman a ter-
ducadosde Parma, Placencia, M dena e Tos- minou, abrindo pobre senhora as portas
o senado e o corpo legislativo vo breve reu-
nir-se, como vas haver uma discusso deci-
: de Belfaste nao poderia dizer mais.
A lei deoutubro de 47, submettende os Fo a est, Memoi.atldumt que o proprio
siva sobre esta importante queso, qaeroescriptos dos bispos cemurapreventiva; .QrA do Sf ^^ #J Risorgir;enl0j cha.
trata-la a fundo, e abrange-la pela ultima
vez no seu todo. O momento urgente :
cumpre esclarecer o presente e o futuro pelo
passado.
Qual o sentido, que a Franca liga a este
tratado ?
A lei de outubro de 48, instituindo con-: mou falha d'um irresistivel incendio.
selhos seculares para inspeccionar ensino
de religio e dos catholicismos, e at no-
0 Piemonte, para chegar a este fim, al-
ou-se eslreitamente, e fez causa commum
mear os directores, espiriluaes as institu-1 com a revoluco, dando mostras de a desap-
coes religiosas ; j provar : activou em toda a Italia por vias
A lei de dezembro de 48 que subtrahia! subterrneas de que ha pouco fallava o
O Sr. ministro dos negocios estrangeiros as theses dos grus cannicas ao exame dos Sr. Drouyn de Lhuys, a mais violenta pro-
ter a bondade de no-lo explicar por meio
de despachos que apresen tam deste modo o
Piemonte.
A Italia converte-se e volla a sentimentos
mais razoaveis; podemo-nos fiar nella. Nao
podendo ir a Roma, contentar-se-ha com ter
Florenca por capital. Ainda mais, quer guar-
dar a fronteira do papa, em vez de a ultra-
passar. Nos collocamos o papa sob a guarda
d'um Lom visinho, deixamoslhe direito,
seno os meos de organisar o seu exercito
e as suas inancas,
A Italia est feita, Roma livre, e a nossa
misso acabada.
Mas o Piemonte entende a cousa d'oulro
modo, e os commentarios officiaes, dados
por Turin ao convenio vo demonstra-lo at
ultima evidencia a todo horaem imparcial
e de boa f.
Retomindo em relafo ao convenio, que
parece dever acabar tudo, o curso necessa-
ro das cousas, vou dizer simplesmente :
1. O que pensa do Piemonte ;
2.a O que espera da Franca.
Acrescentarei algumas observaces acerca
do que se requer do papa e finalmente soba;
quaes sero aqu as responsabilidades.
O que pensa do Piemonte.
Nao por uma va aecl irau de purismo
poltico, que digo : o Piemonte e nao a
Italia.
pagand revolucionaria; iacitou, assalariou
bispos;
, e armou as trevas aquelles, que estavam
A antica academia de Superga, casa de H A
a awigd a^auoui ^ encarregados de minar todas as soberanas
astados superiores ecclesiast.cos do remo,da peninsula) e principalmente a soberania
suppnmida ; pontificia: taes foram a sua poltica e as suas
Finalmente a lei de 51, pela qual se pre- aspirarles nacionaes.
tenda fundar uma tlieologia de estado, sub- Debalde protestou o imperador, que a
melter as escolas de tbeologia diocesanas guerra no desapossaria os soberanos e nem
inspecco do estado, obrigar os professores ai,alaria o throno do Padre Santo: e no
dos seminarios a seguir os programmas do mesmo momento, em que o imperador pro-
estado ; feria estas palavras, conferenciava o Sr. Ca-
E isto ao mesmo tempo, que na univer-! vour com os chefes das sociedades secretas,
sidade de Turim se ensinava : i e tracava, d'accordo com La Faria, presi-
. s .___k a.! dente da sociedade nacional, todos os planos
d A omnipotencia do estado sobre a egreja; _.r
das futuras revolacoes, tendo todava o cui-
A incompatbildade do poder temporal dado de ,ne dizer e VS) vos n3o ^jg ra.
e do poder espiritual; nistro, podis obrar livremente; porm ncae
A impossibilidade de demonstrar que sabendo, que vos renegare, se fr interpel-
o casamento seja um sacramento ; lado na cmara ou incommoda 'o pela diplo-
A impotencia da egreja em estabelecer naacia- (3)
impedimentos dirimentes ao casamento : Taes sao os meios maraes, que o Sr. La-
. .' vour pz ao servico das suas aspirares na-
Finalmente, que a egreja catholica ees comeSt 0 direil0 ^o, que elle inventou
penalmente a Santa S que promoveramo ge q gr ^^ procedia d,fi?te modo< Qs
scisma do Oriente. (2) embaixadores piemontezes junio das cortes
Eis como entendiam A egreja Hvre no italianas faziam o mesmo.
estado Une. k o rei Vielor Maaoel vae por estes dias
Os actos do Piemonte' eram conformes tqjnar a ver era Florenca um palacio liabita-
com estas leis. do em 4S69, pelo seu embaixador, o Sr.
Em 850 o arcebispo de Turim foi encar-; Buoncompagni. Ora, quando o gro-duque,
erado e depois banido 5 no anho seguinte muito sincero e muito bom soberano, to do
foi o arcebispo de Cgliari, depois o arce- j rei d'Italia, occupava ainda o palacio, ondo
bspo de Piza, depois o arcebispo cardeal se alojar dentro em pouco seu sobnnho,
de Angelis, depois os outros. encarregra o marquez de Lajatico de com-
E no momento, em que eu escrevo, me- f um "J** .,beral '> e jjfe
tade dos bispados de emente esto seml'omem poltico foi .procurar seus futuros
cana, as Legacoes e as Romanhas por
meio dos mais odiosos artificios, sem ne-
nhuma liberdade sob a presso das bayone-
tas piemontezes, com todas as forcas da in-
timidaco e da corrupco.
Convm recordar todas estas cousas a um
publico, que esquecc demais ; quando mui-
tos esto interessados em esconder o passa-
do em um silencio e n'uma conveniencia,
qoe indignam a minha consciencia.
At o imperador sentiu a necessidade de
se desviar de jtudo isto, qaando referindo-
seao TotodeNia e daSaboya, declaravas
potencias europeas, que este voto nao fora
arranjado nem por occupaco militar, nem
por insurreices provocadas, nem por sur-
dos artificios. (7).
A imprensa foi acalmada por toda a par-
te e foram os omnipotentes dictadores pie-
montezes que fizeram, elles sos, as votaces
sem terem em nenhuma conta a vontade dos
povos.
Na Toscana, nao admittiram a votar se-
.fno a vigsima quinta parte de populaco :
e nem mesmo foi votar a metade desta vi*,
gesima quinta parte ; do que resullou, es-
crcvia lord Normanby, que foi uma quinqua-
gestma parte da populacao, quevendeuos
Athenienses de Italia aos Beodos do
monte.
(Continuar-se-ha).
do templo de Trepscore.
Pie-
UH POUCO DE TUPO.
Digo o Piemonte, porque o Piemonte tem
culpas, e eu nao quero aecusar a Italia. A
ambico do Piemonte, a allianca de seu rei e
dos revolucionarios lem feito e est fazendo I &spos, e o mesmo acontece em toda a Pe-
todo o mal. A immensa maioria de popula-
cfio na Italia, todos os dias se est a ver,
calma, religiosa e paciente. A resignaco
ninsula.
Os padres estavam sob a vigilancia da poli-
ca, e perseguidos nao s pelas proclamaces
a sua feco caraderistica, e deve-a a reli- de Garibald, que dizia em Pava, aos estu-
gio. Ama e venera o papa, deseja o seu; dantes, que pegassem as pedras das ras
perdo e a sua benco. Se a confederapo,! para ,- cabo das vestes negras; come
cuja idea pertencc ao imperador, se zer al-
collegas, onde os achou ? O conspirar con-
tra o gro-duque em casa do Sr. Buoncom-
pagni, gracas immunidade concedida aos
embaixadores.
Isto foi officialmente escrpto pelo repre-
sentante da Gra-Bretauha na Toscana, o Sr.
Scarlett, ao seu governo. (4)
- O Sr. Scarlett exrevi a ainda ao conde de
gum dia, estou persuadido, que a Italia tem,
no futuro, como a leve no passado, uma mis*
sao providencial.
Amo e lamento a Italia, mais victima, do
tambem por circulares ministeriaes, que ac- j Malmesbury em 15 demaiode 1859 :
casavam o clero de cmplices dos alvorotos
por causa da carislia do pao.
Os cartuchos de Collegno que o Sr, Ra-
tazzi felicitara em 18 de outubro de 1852,
que cmplice, e eis o motivo porque, tendo' por' haverem cedido, com urna caridads to- cidades da Italia.
o dever de aecusar, evito o seu oome sem- da christaa, uma parle da sua casa para os E com effeito, quando a duqueza de Par-
E' minha convieco, que o acontecido
em Parow nao foi seno uma parte da gran-
de conspiraco urdida peto Piemonte ; esta
conspiraco tinha ramificaces em todas as
pre caro e aecuso smente e Piemonte. alienados, eram dous annos depois, em 10
Portanto. o que pens eu do Piemonte ? de agos.o de 1854, expulsos pelo mesmo mi-
nistro.
Suceessivamente expoliaram violentamen-
te os religiosos padres de S. Vicente de Pau-
lo, as religiosas Oblatas de Pigneroles, os
servitas d'Alexapdria, que acabavam de en-
viar dous de seus padres Genova para
substituir quatro, que tinham morrido no
servico dos cholencos.
As proprias mulheres, as irmas de cari-
dade, n30 foram pompadas.
As montanhas da Saboia nao escondiam
A resposta simples; o que os factos me
obrigam a pensar.
Nao tenho confianca nenhuma no Piemon-
te, e nao creio, que a Franca a possa ter.
Quantoa mim, estou decidido a repellir toda
illuso. Os tactos fallam bem alta e s en-
gaa, qaem se quer deixar engaar. Vou,
pois, direito a elles, e folgo de os resumir
uma vez por todas :
Para apreciar um tratado, essencial co-
nhecer bem as partes contratantes. Convm,
qoe haja toda a confianca naquelie com quera ~~^ Expresso introduzida por Carlos Al-
se contrata, que se conheca bem o seu ca- berto, precisamente para proteger as pro-
rader e a sua moralidade, o sentido que priedades ecclesiasticas; o que inspirou ao
Lgas palavras, que emprega, eos meios de Sr. Revel, na cmaras dos depulados, esta
J/ I beila pa avra: Realmente, senhores, se o
que se serve para conseguir seus fins. | re ^ Alberl0> cujJ im;Jgem temos aqui
Para mim valem pouco as palavws. Oh I diable de nos, soubesse como hoje ousam
Como o Piemonte as escolheu bellasfara seu, interpretar suas intences e seus actos, teria
i- LT7.a.u. escondido aquella mao, que elle estende
ow; a egreja hvre no estado lloreras J jurar a4COQSlUuic3o.4 sim senhoreS)
forcas maraesos progressos da civihsa- < te.^.bia escondido.
cao asaspirafdes nacionaes ;o direito no- Mas que importaram aos piemontezes os
juramentos e a mo descarnada de Carlos Al-
berto ?
(2) Proposices s quaes, para o dizer de
ma, depois d'uma primdira revoluco, pro-
vocada pelos e nissarios piemontezes, foi cha-
mada pelo vol espontaneo de seus vassallos,
o Sr. Cavour, para supprir a ineufiiciencia
das aspiragdes nacionaes, fez oceupar mili-
tarmente o ducado.
Em aples a casa do ministro piemonte/,
que tinh sido plenipotenciario com o Sr.
Cavour no congresso de Paris, era do mesmo
modo o centro habitual de todos os conspi-
radores (5)
Era assim, que o Piemonte resp itava o
direito das gentes, e punha era obra as forcas
moraes.o direito novo: direito novo, ver-
dade e que os povos civilisados nao tinham
anda conhecido at hoje.
Vejamos agora, para nos aproveitarmos
das lices do passado e para aprendemos
a prever mellior o futuro, de que modo as
annexaedes succederam s revolacoes.
Segundo o programma combinado a dicta-
dura dos ducados e dos Estados-pontificios
foi offerecida a Vctor Emmanuel, que a ac-
i
vo :o vol das populacSes....
Mas eu nao sei tomar as cousas de leve,
nem fallar no ar, e pergunto o sentido des-
tas palavras ao proprio proceder do Piemon-
passagem, alguns arligos da Encyclica e do
Syttabns teem por fim responder
(3) NecomediBianc'i,DocumentisulCon-
t di CavourTurim 1863
(4) Despacho do Sr. Scarlett a lord Mal-
mesbury de 29 de abril 1859,
(5) Cartas de lloa. pag. 16.
Publica o Nacional o seguinte :
Na povoaco de Gebelim, concelho d'al
fandega da fe d-se um caso curiouso e to
original que passamos a descrever como no-
lo aflirmam.
Francisca Gabriella, da referida povoaco,
enfermou aos 18 annos de edade, e dessa
enfermidade cahiu de cama, sem que toda-
va fosse de cuidado a sua molestia, que al-
guem suppoz ser malicia,o que de certo
nao para admirar visto que a malicia em
mulheres habitual, e principalmente na
o lade de Francisca Gabriella.
Foi chmalo o facultativo eeste passado
lalgum tempo declarou o qne a enferma nada
soffria. 4
Francisca, porm continuou a permane-
cer de cama, sem que ao menos se levan-
tase para comer!
Eslava como o porco quando entrr noseu
ultimo periodo da ceva.
Completou os 19 anuos, os 20 os 25 e
os 30, sem que nunca mais pozesse os ps
fra da cama, e sem nunca se importar do
mundo nem dos homens, que sao, diga-se a
vrdade, o manjar saboreo de appeiite das
mulheres muilo princi plmente na quella
edade de florescencia e de amor.
Francisca, viu durante o periodo de doze
annos, atravez das fendas da janella do seu
aposento, o despontar da primavera, o flo-
rescer do esto, e o reniorejar do outomno
sem que um s inst mte se recordasse dos
temps em que apa bava no prado as ver-
dejantes flormhas com que se enfeitava nos
primeiros annos da sua meninice.
Para ella tinha mais valor calor dos
lences e o das mantas do que os dias pas-
sados ao ar livre, emtempos aprasiveis.
ltimamente uma outra mania acommeten
esta celebre Francisca.
O invern, de que ainda estamos sentindo
os seus efleitos, foi, ao que parece um pou-
co descoromunal para a Sra. Francisca, o
que a obrigou a chamar a sua criada e'di-
aer-lhe:
Dora avante quero que me colloques aos
ps um calce bastante quente.
Para que, minha ama ?
Para me aquecer os ps, que tenho
sempre frioscmoo gelo.
A cread i sahiu do quarto para fazer o que
sua ama havia ordenado.
Esta ti iba um irmo gotoso, e disse-lhe
que fosse levar o calce senhora.
O pobre meco obdeceu.
Chegado ai quarto ordenou-lhe a senho-
ra que Ihe colloca&e junto dos ps o calce
Ditee feito,
O gotoso sahiu, repetindo sempre que
era preciosa a receita.
Porm o fri continuava, e os calces por
mais qnentes nao davam j calor bastante
para aquecer-me os ps!
Francisca Gabriella lembrou-se entao
d'uma nova receita.
Lembrou-se do matrimonio e disse ao ir-
mo da creada para casar com ella, pois
era nico remedio para que os calces que
elle Ihe raettia nada fatiam !
O gotoso annuiu com promptde... e
l se receberara no mez de Janeiro d'estean-
Cauto patritico, que, por occasio do
triumpbo de nossas armas as campanhas
do sul, rectou na noute de 47 e offereceu
aos Brasileiros, com especialidade aos Per-
nambucanos, o Sr. A. A. Affonso, natural do
Rio Grande do Norte :
Se ovante alm dos mundos
Do Brasil a fama, a gloria ;
Saibam oosjos descendentes
Seus trophos, nossa victoria.
Pretendeu vil inimigo
Nossos foros ultrajar ;
Deu ensejo a novos bravos
D'outros louros conquistar.
Uruguay, insana gente.
Quiz provar nosso valor,
Arrogante commetteu-nos,
Ebria e louca de foror.
.
O leo que adormecer,
Gratos ocios a fruir,
L sonhou, que ouvio tambores
Guerra Guerra! Repetir.
Estremiihba, ourica a greolia,
J de p se levantou :
Mal esperto, ouvindo goerra,
Guerra Guerra I Rebramou.
E os valentes da guerra aos tangeres
J nao podem seus brios con ter ;
Vam j, sitibundos de gloria,
Pela patria no prelio a morrer.
Uruguay j se estreita nos moros,
Do leo desdenhando os rugidos;,
Ei-lo : assoma... deslocam-se as pedras...
A traidora agonisa em gemidos.
J descorara variets da infame,
J se humilda soberbo Uruguay
Brasilero, leu gladio de fortes
Nao se embote n'Aguirre, parae !
E do imperio as phalanges guerreiras
Perdoaram da vil a traigo ;
Mas seus muros saudaram rendidos
Do Brasil o flammante guio.
Bravos filhos na luta erapenhados.
Para aos lares victoria trazer,
Exultae : vosso nome indelerel
Sinzelado na historia vae ser.
Guararapes, Tabocas, um tempo,
Feitos grandes obrarum mui feros,
Uruguay ind'agora se rende
Do Brasil ao triumpbo em Caseros
Nem Mauricios, Reymbaks, nem Rosas
Supportaram do forte a bravura y
Brasileiros ou vencem, ou morrem,
Sempre hroes na desgraca ou ventura.
Mas, meu Deus, que retumbos estrugem
Densos ares ao som do Bor ? !!
Quem a Ierra cam;a dos bravos,
Dize, wento do sul, oh! Quem ?
Matto-Grosso, teus campos talados
Por selvagens, viles Paraguayos ?...
Brasileiros. muito onde os brios;
Cabetes! Que vergonha I Onde os raios!...
Nao ouvis os lamentos acerbos.
Que magoamseus campos pollinos I...
Crinisparsa pranteia.-os a Virgem
Brasileira, que previos brutos :
Velhos, mes e pequeas criancas
Victimadas l sao aos milhares 1
Paraguay Que bruteza f Guerreiros,
Venham vells, cavalguem-se os mares 1!...
Arcaboxes, morteiros, bombardas
Relampegem nos campos d'alm ;
o Brasil reverbere s goerra,
Guerra ao bruto, que sobre nos ?em.
Parde o cu pelo fumo pulvereo,
Encrueca-se horrenda a tataib !
Brasileiros, vinganca vinganca!
Sangue | sangue metralha I metralha!
Cada homem j seja um guerreiro,
E o guerreiro j seja um leo ;
[Trema, ao v-lo trepar a meralha,
O tyraimo cruel d'Assumpeo.
Haja vida, mas haja victoria,
Que sem honra viver mui vil:
Ou florica cemnosco pujante,
Ou comoosco se acabe o Brasil.
Pernarabuco, record teus feitos
Generlos! adorna a .-curol.
Que fe rjaste na fragoa das-lides !
Cahets, ide gloria ; ide ao sul.
(6) Nota do Moniteur de 24 de junho de
;59.
(7) Discurso de abertura das cmaras em
1 d
1859.
7)
!e marco de 4860.

E por nos ondeando nos moros
D'Assompcio a bandeira gentil,
Nevos hymnos patria daremos.
Epinicios de gloria ao Brasil.
PRNAMBl'GO.-TYP. DE M. F. DE F. & r'tLHO
- O
.






Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7VFS8JBH_PZFS3X INGEST_TIME 2013-08-27T22:07:28Z PACKAGE AA00011611_10629
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES