Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10626


This item is only available as the following downloads:


Full Text
h

!
AMO IL, HOMERO 69.
Por qnartel pag# dentro de 10 das do 1. mez : ^|Q00
Idemtfep s l.M *0 dias lio comecoe dentro do qaartel. 68000
Porte aictrreio por tres mezes...........M : 7go
DIARIO DE
SEXTA FEIRA 24 D MARCO DE 1865.
Por aBB pago dentro deludas do 1. mez 191000
Porte ao correio por un anno.............. 3Jooo
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva i Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Alaloas, o Sr. Clandlno Falco Das; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; ltio de Janeiro, e Sr Jos
Ribeiro Gasparlnho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagSes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho,, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, salgaeiro e Ex, as qaarlas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a i
hora da tarde.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
4 Quarto cresc. as 9 ti., 59 m. e 16 s. da m.
12 La chela as 8 h., 22 m. e 10 s. d m.
20 Quarto roing as 10 h., 16 m. e 22 s. da m.
27 La nova as 3 h., 8 m. e 22 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAKS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relagao : tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
20. Segunda. Ss. Faustino e Analolio rom.
21. Terca. S. Benlo ab.; S. Birillo b.
22. Quarta. Ss. Basilissa e Caleciua mm.
23. Quinta. Ss. Victorino eFrumencio mm.
24. Sexta, s. Agapio m.; S. Latino >.
2o. Sabbado. A Annunciacao de N. Senbora.
26. Domingo. Ss. Ludgero e Braulio ab.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 m. da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezas de Janeiro, margo, ojalo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprielarios Manoel Figueiroa de
Faria,& Filho.
PARTE QFFICiAL,
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 21 de margo de 1865.
Cilicio ao Exm. presidente da provincia do Matto-
Grosso.Acenso recetado com o officio de V. Exc.
de 5 de dezerobro uliimo, dous exemplares do re-
latorio apresentado pelo seu antecessor, o conse-
lheiro Herculano Ferreira Peona, assembla le-
gislativa dessa provincia, em sua sessao de 3 de
maio de 1863.
Dito ao coronel commandante das armas.Sir-
va-se V. S. de mandar alistar- no corpo de Volun-
tarios da Patria, os SI cidados mencionados na
relagao inclusa, os quaes me foram apresentados
pelo capilo Joo Vicente de Brito Galvo.
Dito ao niesmo.Sirva-se V. S. de informar so-
bre o que pede Jos Lourengo da Silva no incluso
requerimento.
Dito ao raesme.Remetiendo a V. S. a inclusa,
relacao dos individuos que se apresenlaram na ci-19U<
do-se os preceitos constantes do aviso da repartigo
da guerra de 11 do corrente, por copia incluso,
afim de serem enviadas para a curte, a proporgao
que se forem apromplando.
Dito ao chefe interino da repartigo das obras
publicas.Aulonso Vmc. nos termes de sua infor-
mara > de hoje, sob n. 84, dada acerca do requeri-
mento dos moradores da ra Nova desta cidade, a
mandar mudar, os 10 lampedes, que naquella ra
acham-se collocados na parede para o alinhamento
dos passeios da mesma ra.
Dito ao mesmo.Para que en possa resolver
acerca da materia do seu officio de 17 do corrente,
sob n. 7o, faz-se preciso que Vmc. mande orgar a
despeza a fazer-se com a obra do levantamenlo do
mnro de encosio da ponto da Boa-Vista, e bem
assim com o atterro necessario no lugar em que
estava a mesma ponte, dando-me cunta do resulta-
I do desse trabalho.
i Dito a Jos Antonio Serfico de Assis Carvalho,
juiz de paz do 2 disiricto de Agua-Prela.Com o
I officio de Vmc. de hontem datado, se me apresen-
tou o cidado Mauoel Francisco dos Santos, a
alistar no corpo de Voluntarios da
dade de Santo Anto, para servirem no corpo de
Voluntarios da Patria, recommendo que em vista
das datas da apreseniagao dostuesmos Voluntarios,
mande organisar um pret dos vencimentos que U-
verem percehido nos termos da mesma portara de
6 de fevereiro ultimo,al o diado seu alistamento,
afim de serem pagos pela thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de niaodar alis-
tar no corpo de Volonlarlos da Patria, a Manoel
Francisco dos Santos. Pedro Ucha Cavalcanti Lins,
Manoel Luiz de Sonza Chaves, Francisco Dionisio
de Souza Chaves, Jos Ignacio Pereira da Rocha
Patria, e muito agradego a solicitude com que Vmc.
procura auxiliar esta presidencia no empenho de
obier grande numero de Voluntarios.
Dito a Joo Joaquim de Kigueiredo.Accuso re-
cebido o officio que nesta data me dirigi Vmc.
offerecendo para servir no corpo de Voluntarios da
Patria, a seu filho de norae Joo Francisco de Fi-1
gueirede.
Mandando-o alistar no predito corpo, cabe-me i
agradecer a Vmc. essa prova de patriotismo, to'
digna de louvor.
Dito a cmara municipal da villa da Boa-Vis-
| ta.Declaro a cmara municipal da villa da Boa
Sobrinho, Camillo Goncalves de Oliveira e Mello,,: V,'.sta' era resPSIi< ao seu officio de 13 de Janeiro
Antonio Rodrigues doNascimento, 2 sargento Jos i u""", que approvo a arremalagao dos impostos de
organisago dos de infamara do exercito. Para
servirem como officiaes do referido corpo tlcam no-
meados lamben) provisoriamente os cidados men-
cionados na relagao Inclusa, assignada pelo secre-
tario do governo.Antonio Borges Leal Castillo-
Branco.
Relacao dos officiaes nomeados pelo Exm. Sr. pre-
sidente da provincia para o primeiro corpo de
voluntarios da pairia da provincia de Pernam-
buco.
Para commandante interino, o coronel do corpo de
estado maior de segunda classe Antonio Gomes
Leal.
MajorVago.
Tenente-ajudante O segundo tenente do quarto
batalhode anitharia a p Joao Jos Ribeiro de
Freitas.
Q uariel-mestreVago.
Ten ente secrelarioVago.
Alferes porta baudeiraVgo.
1.' companhia.
CapitoO Dr. Jos Paulino da Cmara.
TenenteVago.
AlferesHypolito da Silva.
DitoVago:
2.' companhia.
Capito-Jos Luiz Pereira.
TenenteManoel de Carvalho Paes de Andrade
Gouvim.
Alferes Joaquim Ribeiro de Aguiar Montar-
royos.
DitoVago.
3. companhia.
CapitoVago.
TenenteO alferes reformad.0 do exercito Quinli-
liano Hennque da Silva Primavera.
Alferes-Graciano da Cuuha Machado Pedrosa.
lemanha, lem observado urna restricta neutral!- se deter; que nao restara seoao muito poucos
nn T r ? passar.e 1 rev,sta as diver- i r>rtnQr i. /., P e*ler,c_-' e interior o impe- tiver lido a sua vez, a calma se restabelecer pou-
temhTiitS ?U.e' a c,J?,venCao assinnada a 15 de co a pouco, e ao mesmo lempo ser esquecido
blpma ,t?m,n i Pr, ^ -a solu5ao de um prP- 'No.raeio dos cuidados e dos embaraces do gover- jmeme
It-flfA ^LLl?1^*9? n7f 'e,noda D0 NapotoIU, acba lempo para escrever. O
tala e a independencia da Santa Sede. Todas as publico espera delle eom
partes outr ora iracas c devldida, da Italia se lem urna historia de Cesar.
reunido para formar um grande paiz ; a Italia se
constitue assim definitivamente; mas
lempo se obriga a respeitar
governo Pontificio, e a
A Franga
te pela seguranga do Santo Padre.
Napoleao III aprecia a situagao .
um poni de vista ioteiranient sali
urna viva impaciencia
A escolha do assumpto tem
por si mesmo urna significago: urna certa seme-
ao mesmo Inanga de situagao entre elle e seu hroe, tem de-
i independencia do vido determinara escolha do imperial autor. Exa-
sobre eslas differenles questoes de poltica externa
que a opposigo dar assallo ao ministerio. No que
respeita poltica interna, ha dous assuraplos de
diviso entre o ministerio e a opposigo ; primei-
a reforma eleiloral.
O syslema de syffragio restricto quo reina hoje
nao convm raaisa um povo loavangado em civi-
lisagao qual a Inglaterra. Depois, a laxa estabe-
lecida sobre a cevada ; um numero incrivel de
banquetes e de meetings teem tido lugar durante
os intervalos das sessoes, em vista de abolir esta
eaItl,ar?sK^^
j.mos- propna conduela em urna carreira anloga. Elle
II VOtl0..? iTe.s PaIavras ? pacificag do paiz nao pode escrever a historia de Cesar sem ter
Pedro Alexandrino das Chagas, Pedro Jos dos 1Be 'a os termos de contratos, que por copia
Santos, Candido Jos Nogueira, Ricardo Amando acompanbaram o seu citado ofRc.a
da Costa, Cicero de Souza Leo, Joaquim Lopes ,. a- 9a"11,3" municipal da Floresta.-Com a
Machado, Manoel Gregorio da Hora, Joaquim Pe- i nfo"acao juma por copia do director gerai da
reir de Carvalho, Jos Mariano, Antonio de Mello, 118,rnc(ca2 PUb ICa> Jdatadae 24 de fevere.ro pro-
Joo Paz Francisco, Sebastin Jo5 de Soma, Ma-'. 52 r.esPn1(,o ao, offleo que me dirigi a
noel Carneirode Oliveira, Rosalino Bezerra de Me- camara nnnwipal da villa da Floresta, em 15 de
nezes, Gregorio Ferreira do Bom-Fim, Mariano de l J.aneiro n.l,im?' communicando a deliberarlo que
Oliveira Melle, Ignacio Jos de Sanl'Anna, Bartho-
resposta ao seu officio de 13 de Janeiro DitoVago.
4.* companhia.
CapiioJoo Vicente de Brito Galvo.
TentnieO alferes reformado do exercito, Antonio
de Albuquerque Maranho.
AlferesVicente Antonio do Nascimento Feitosa.
Dito-Vago.
1* companhia.
CapiloHermillo Peregrino David Madeira.
e o desenvolvimenlo de seus immensos recursos.
Menciona depois a ultima rebeilio dos rabes na
Algeria. Esta rebeilio provocada pelo fanatismo
religioso tem rebenlado precisamente no momento
em que a Franga ia assegurar a propriedade do
solo populago rabe. Esta insurreigo tem si-
do promptamente reprimida, e, como a victoria,
nao tem sido seguida de alguma represalia sangui-
naria, de alguma severidade intil, ha lugar de
crer que as populagoes indgenas voltaro dis-
posigoes.mais pacificas.
Depois o discurso annuncia o fim de todas as
nossas expedigoes, a volta de todas as tropas que
combaiem ainda fra de sua patria c o encerra-
meolo do templo da guerra e esta passagera ser-
ve de traosigo para nos canduzir a um program-
ma de administrago interior.
O imperador mostra que o clero exerce em
Franga urna influencia consideravel, pao sement
sobre a direcea das consciencias, mas ainda sobre
a direcgo dos negocios pblicos ; porm, quanlo
maior e influente a sua posigo, tanto mais elle
obrigado a respeilar os direitos do poder civil;
estes direilos'sero poL mantdos intactos a des-
peno de-lodas as tentativas. Este trecho lera por
eneito, preciso espera-lo, reduzir os nossos bi-
pos urna mais completa subraisso s leis do
Estado.
No paiz do sullragio univer.al, todo o cidado
do Mxico, sob (cia dos sentiraentos das ideas que tem guiado sua SSEiideUT TddSTdeStoSmS
..sfacorio mos- propna, condacta em urna carreira aaloga. Elle ch^StJX^a^m^%^
cificaco do paiz nao pode escrever a h stori.i d* rnrMi>r ". prouuz annuaimente ui.a
lomeu do Nascimento. Manoel Jos do Nascimento,
Agosiinho Antonio, Manoel de Mello, Antonio Alves
da Cesta, Joo Alves da Costa, Leonel Cavalcanti
de Albuquerque, Cesarlo da Luz Cavalcanti, Anto-
nio Francisco do Espirito-Santo, Joaquim Campello
deSant'Anna, Antonio Jeronymo da Silva, Joo
Francisco Evangeli-ia, Laurenlino Francisco da
Silva, Jos Severno da Silva-* Domingo* de Souia
Leao do Reg Barros.
Dito ao mesmo.Remello por copia a V. S. para
seu conhecimento e direcgo, o aviso de 27 de fe-
vereirb ultimo, do qual consta nao s que o gover-
no imperial aceilou o offerecimento que fez o Dr.
Alexandre de Sonza Pereira do Carreo para pres-
tar os seos serviros mdicos na qualidade de en-
carregado do hospital militar desia provincia, sem
remuneragj alguma pecuniaria, mas tambem que
se vo expedir as convenientes ordens, aflm de
que opportunamente possa tornar se effectivo se-
melhante offerecimento.Communicou-se ao ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Expega V. S. suas ordens para
<]ue com urgencia se aprsente ao juiz municipal
da segunda vara urna praga de cavallaria.Com-
nuiicou-se ao juiz municipal da segunda vara.
Dilo ao mesmo.Recommendo a V. B. que per-
muta a transferencia para a companhia sob o
commando do alferes Felippe Jos da Exalugo
Maniva, caso o pegam elles, dos homens pretos
que se acham alistados no corpo de Voluntarios
da Patria.
Dito ao mesmo.-Sirva-se V. S. de informar so-
bre o que pede no incluso requerimento Joaquina
Mara da Conceigo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Em defer ment ao requerimento incluso, de Anto-
nio Hermenegildo Cavalcanti, alistado no corpo n.
1 de Voluntarios da Patria, autoriso V. S. a man-
dar abonar mensalmente familia dessa praga, a
contar do Io de maio vindouro em diante, a quan-
tia 12000, que sero entregues ao sogro do sup-
plicante, Manoel dos Santos Leal, fazendo-se as
convenientes deelaracoes na guia que se passar ao
referido corpo, afim de ser deduzida essa consig-
nago dos vencimentos dosupplicante.-Commnni-
cou-se ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.Offerecendo o capello refor-
mado do exercito, padre Joaquim Mauricio Wan-
derley, a quinta parle do seu sold, a contar do 1"
de abril prximo vindouro, para
Tenente-Joo Capisirauo>de: Aguiar Monlarroyos. deve MbeMerTum' projcto'de liTser apresen"
tomou de chamar a Manoel Vieira de Fontes Fei-1 AtieresTiburtmo Pinto du Almeida. **---------->-"---
Capito O
Barros.
6." companhia.
lente do exercito Jos
losa, para exercer o cargo de proessor interino: DitoVago,
dessa villa.
Portara.Os senhores agentes da companhia
Brasileira de paquetes, fagam transportar por cob- ,
la do ministerio da guerra, no vapor que se espera lenteVago.
do norte, 5 caixdes com arligos de fardaraento que Alteres Bernardo Pacifico de AgaUr Montar-
o coronel commandante das armas desia provincia' rys-
lem de remelcer ao da Bahia com destino ao con-; Dit0 -Vago.
ilngente ao 4- baulho da arthacto p.Htm- .. ,, 7." companhia.
municou-se ao coronel commandante das ar-! Lap'iao\ age.
mas.
lado ao &)rpo legislativo para propagar mais e mais
ainstruegao primaria. As difficuldades que si
oppoem a extengo da iniciativa individual dimi
do Reg nuidas tanto quanto for possivel. Sero tomadas
mediaas para pertriltir urna liberdade maior s
associag5es commerclaes ; ao mesmo tempo o go-
que se
..,200,000
Somos afinal, levados a dar alguns apontamentos
sobre esta biographia.
Em face do primeiro volumese acha um prefacio
de qualro paginas. Ah ercontra-se esta nota, que
certas nagSes sao anniquilladas depois de terperdi-
A camara dos deputados italianos lera peran-
te si urna grande tarefa a cumprir : a unifica-
gao judiciaria da Italia collecgo de leis que tem
sido preparada e que se vai submelter sua ap-
provago, consume urna organisaco completa da
e que possuem as ideas que convem no momento lueraria tc ele
mesmo, que sao necessarias marcha da humani- Tudo isto ser disentido, e votado om ilimit lk
dade. Desde que estes homens tem firmado seu svs- mas nao Tena necessario ,S VZ UJ
tema, este syslema se impoe de qualquer modo SShSoS Sn, df m?&SHa?E
rrTnvecifer ?C5 ^"SSEi. *evi. S^os^'ffli&o'Sltt^Si:
| si que fundado sobre nosso cdigo Napoleao, ainda
AobraPse-divj,le eraqua.ro partes, gr^edUas"^rS^ *"** de casament e de
de cartas magnificas, e que trazem os ttulos se-, Urna outra reforma amortante ser o esiahelc
: I^consmuigo poltica de Roma; cons-' ti^tatf^SX^^SSZ
Qlhas e dos filos. No Piemonle os varoes tinham
yerno autonsar a creago de todas as sociedades i tituigao poltica da Italia ; 3o constiluico da baca
s a memorar a condigo das classes ope- do mediterrneo; 4o Julio Cesar.
O autor emprega urna sorte de ardor cheio de
rarias. Os conselhos municipaes, e os coaselhos
geraesj^rao estender suas allrlbuig5es. As com-
munas
Tenente O segundo tenente do quarto balaiho F^^lSoTSS? P
Expediente do secretario da governo do dia 21
de margo de 186S.
N. 83.Officio ao 1 secretario da assembla
legislativa provincal.Passo as mos de V. S. de
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
para ser presente a assembla legislativa provin-
cial, o officio incluso por copla que dirigi a cama-
ra municipal de Cabrob, em 27 de Janeiro ollimo,
acompanbado de mais copias sendo urna da acta
da tomada das contas ao ex-proenrador e fiscal
Feliciano de Oliveira Diniz, oulra da postura que
creou a mesma a bem das lavouras, outra de urna
carta e conta do encarregado da obra da casa da
feira, outra de um requerimento do director dos
indios da aldeia da Assumpgo, e finalmente, de
um requerimento do porteiro da mesma camara
pedindo augmento de ordenado e do quadro da
receita arrecadada em 1861 a 1862, 1862 a 1863, e
1863 a 1864.Communicou-se a predita camara
municipal.
de artilharia a p Francisco Jos da Silva.
AiferesVago.
DitoVago.
8.a companhia.
CapiloO tenente reformado do exercito Fran-
cisco Googalves de Arruda.
TenenteJos Rodrigues de Oliveira Lima.
AlferesJos Conolano Mendes Lins.
DitoVago.
Secretaria do governo de Pernambuco, 20 de-
margo de 1865.O secretario, Dr. Francisco de
Paula Sales.
(Assignado)Jos' Maiia
Veiga Pessoa e Mello.
Est conforme. Antonio
COMMANDO DAS ARMAS.
Quarlel do commando das armas de Pernambuco
na cidade do Recife, 21 de margo de 1865.
Ordem do dia n. 46.
O coronel commandante das armas Interino faz
publico para conhecimento da guarnigao e neces-
sario effeito que a presidencia em portara de 20
do corrente, abaixo transcripta, reselveu, de con-
formidade com o disposto do decreto de 7 e aviso
da repartigo da guerra de 10, tudo de Janeiro do
corrente anno, que a forga de Voluntarios da Pa-
tria em deposito no quarlel do Hospicio, sob o
ser applicada s! commando Interino do Sr. coronel do corpo de es-
despezas da guerra com as repblicas do Uruguay tado-maior de segunda classe, Antonio Gomes
e Paraguay, em quanto durar a mesma, assim o Leal, seja organisado com a denemlnago de Io
declaro a V. S. para seu conhecimento e afim de corpo de voluntarios da Patria, segando o plano
que opportunamente faga effectivo esse offereci-. estabelecido para os corpos de infamara do exer-
menlo por meio de descont no mencionado ; cito, e nohieou os Srs. officiaes constantes da rela-
soldo. gao que tambem vai transcripta para servirem no
Dilo ao mesmo.Em vista do pret junto em du- referido corpo. Em virtude, pols, desse acto da
plicala, que rae foi remettidopelo coronel comman- presidencia, determina o mesmo coronel comman-
dante das armas, com officio de hontem, sob n., dante das armas interino que o mencionado Sr.
30, mande V. S~pagar os vencimentos relativos coronel proceda a organisago, dividindo a forga
primeira quinzena desle mez, dos Voluntarios da i da maneira segrate -
Patria, quando era deposito sob o commando do
capito Gaspar Lopes de Azevedo Villas-Boas.
Communicou-se ao coronel commandante das
armas.
Dito ao mesrao.Declarndome o tenente-coro-
nel commandante do 3 batalho de infantera da
guarda nacional, que aqaartellou no dia 16 do cor-
rente, Francisco de Miranda Leal Seve, que cede
era favor das despezas da guerra do Imperio cem
as repblicas visinhas, todos os vencimentos a que '
tiver direito, durante o lempo qoe estiver aquar-
lellado, e que o mssmo offerecimento fazem o capi-'
tao Luiz Pereira de Farias, cirurgio-mr Dr. Joo '
Maria Seve, tenente-quartel-mestre Jos Pedro das ,
Neves, e alferei-secretario Adriano da Silva Fa-
Estadomalor e menor.
rias: assim o commanco a V. s. para os conve- '
sientes descontos.
Dilo ao inspector da thesouraria provin-
cial Transmiti a V. S. as 2 inclusas contas era
duplcala na importancia de 198&800, despendida
com o sustento dos presos pobres da cadea da villa
do Garanhuns, nos mezes de Janeiro e fevereiro
ltimos, afim de que nao havendo inconvonte, seja
ella paga a Joao Haptsta dos Guimares Petxoto,
conforme solicitan o delegado daquelle termo, em
officio de 11 do corrente, sob n. 3. Communi-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito a Joao da Costa Nogueira.Com o officio
de V. S. de hontem datado, foi-rae apresentado o !
cidado Cesario da Luz Cavalcante, qne se otlereceu
para servir no corpo de Voluntarios da Patria, no
qual mandei alista-lo, e muito agradego a V. S. a
solicitude com qne procura secundar as deligen-
cias de governo, para obter 6 maior numero possi-
vel de Voluntarios.
Dito ao director do arsenal de guerra.Faca
Coronel commandante 1
Major 1
Ajudante i 1
Quartel-raestre 1
Secretario 1
Total 5
Sargento-ajudante 1
Dito vago-mestre 1
Espingardeiro 1
Coronheiro 1
Corneta-mr 1
Mesire de msica 1
Msicos 16
Urna companhia.
Capito 1
Tenente 1
Alferes 2
Total 4
l' sargento i
2a* sargentos 2
Fnrrieis t
Cabos de esquadra 8
Anspegadas 8
Soldados 80
Cornetas 2
Recapitulago.
Officiaes de estado-maior
Officiaes de comp*anhias
Pracas de pret do estado-menor
Pravas de pret das companhias
S
32
22
816
1* secgo.Palacio do governo de fernambuce,
Vmc. apromptar com urgencia afim de serem en- 20 de margo de 1865.O presidente da provincia,
viados ao deposito de artigos bellicos da provincia em observancia do disposto no decreto de 7 e aviso
do Rio-Grande do Norte, como se determinou em da repartigo da guerra de 10, tudo do mez de ja-
aviso da repartigo da guerra de 8 do correte, os neiro ultimo, resolve que se organise provisoria-
artigos de fardamenlo constantes da nota por copia mate com a forga de Voluntarlos da Patria, ac-
inclusa para os Voluntarios ou recrutas daquella tualmente aquartellada no Hospicio, sob o com-
provincia, qne se alistarem no exercito.Commu- mando do coronel de estado-maior de 2* classe,
nicou-se ao Exm. presidente da provincia do Rio Antonio Gomes Leal, um corpo com a mesma de-
Grande do Norte. nominago de 1* de Voluntarios da Patria da pro-
Dito ao mesmo.Mande Vmc. fazer com urgen- vincia de Pernambuco,observndose nessa orga-<
cia blusas de panno verde e azul escura, observan- nisagao as disposicoes das leis e ordens que regem I thlas pela Dinamarca, e sua boa vontade pea l-
Lra paragrapbo consagrado aos trabalhos p-
blicos aos quaes se de ver dar um enrgico ira-
pulso. Depois vem ama promessa que ser bem
acolhida por todo espirito liberal.
O imperador annuncia que ser proposla adop-
j gao das cmaras duas leis que tero por objecto,
| a primeira aulorisar que se ponha em liberdade
provisoria, com ou sem fianga, as pessoas perse-
guidas judiciariamente, mesrao em materia crimi-
nal, a segunda de supprimir a detengo pessoal
em materia civil e era materia commercial.
... I Terminando seu discurso, tem eraittido este pen-
Udefonso acorn da smenlo que trabalhando com afflnco no progres-
n i s>, era necessario respeitar a coostituigo e a de-
trancuco Duaile, Tender contra aquelles que querem destru la ; af-
segundo tenente ajudanle de ordens interino en- fecundo querer simplemente aperfeicoa la.
carregado do delalhe | Como se pode julgar, este discurso muito cora-
n rAmn.,1 nim rf i plet0' e ,odas as Huestes, que preoecupam neste
coronel commandante das armas interino, em momento os espiraos, ah encootrarara lugar. To
execugao das ordens em vigor e dos que foram ex- dos, excepto duas; primeira a liberdade poltica,
ped das pela presidencia em officio de 21 do cor Sobre este ponto o governo lena ainda alguma
rente, mandando que os corpos da guarda nacionar f ousa a nos conceder, se elle o quizesse ; seguudo
desta capital reunidos aos de polica e linha for- t, guerra da America ; admira que o imperador
massem em parada no da 2u deste mez para so- teaha guardado sobre isto a neutralidade do si-
temnisaro anniversano do juramento da Const- lencio.
luicaodo imperio determina que o 1- esquadro J que temos fallado da America podemos dizer
tiSSftJ^r ?e'nfan e 4 todos da guarda nacional, o corpo de polica e Franga, a noticia de que as negocuroes pacificas,
um parque de artilharia de quatroboccas de fogo que tinham sido emtaboladas entre os americanos
guarnecido por pragas do 4 batalho de artilharia do sui e os americanos do norte, tinham tido um
a p, formando-urna brigada sob o commando do resultado desfavoravel; a abertura destas neg-
br. official da guarda nacional que por le compe- ciagSes alias um testemunho do escotamenlo e
t.r esteja postado emi linha no paleo Pedro II pelas do cangaso causados por urna guerra longa e san-
'J!I,?in*carded0C,^d0.d,aU guiara. Este cangaso nae deisar de crescer.
Logo que. o Sr. commandante da brigada tiver i\o se poderam entender desta vez sobre as con-
passado sua revista fara marchar para o campo diges da paz se entendero seguramente quando
das Pnncezas, onde pelas 4 i horas era ponto to- se tiverem enfraquecido de ambos os lados a
marao conveniente posigao, para dar as descargas to de nao poder mais continuar a guerra,
e fazer as continencias que sao do estylo. | Um episodio interessanle assigna-la a
Sao convidados os Srs. officiaes do exercito a feta por nossos bispos
amargura, em repellir as accusagdes feitas contra
cerlos ridiculos e ceos vicios de Cesar, accusicoes
^S,rrfndramSeT heSUar Cm calrnVS> emYr7nT;rno'sr"TnIoro cem^ememoT'ca':
&S}SS^ ^^ SaraeDt0 reIg9S0' 1 continuar" a ser o nico
urna parle dupla da parte das Gibas. A detengo
pessoal deve ser reduuda ao caso era que houver
fraude.
O casamento civil nao ser obrif atorio como
valioso.
O novo cdigo nao admitte o divorcio. Assim ca-
minha se para a nnidade. Unidadee centralisago
administrativa sao duas coasas que se tem. Os
costumes polticos da Italia van mudar.
A via municipal tem talvez mais energa na Ita-
lia que em outro qualquer p- iz, ella ah existe de
erapo pelo espirito phiosophico le que est Po, ^S^S^^iiSS^l^
Znn,Jr^lms S Sl As Peas J^t.calivas de formago recente composU de provincia que
sao numerosas. Acrescente-se aislo o interesse a muito muco temnoeram uadnTPirartne com
ESSA ^T,dC ,a-H m0ral qUe- eXfaT r*& iXneKT4 e taVlece" uma^-
tre o hroe e o seu biographo, e a origmalidade 6j das vistas deste, e tereis a explicago do interesse sS^TZSSSJ! =T?*1S!LJHS? !
Ha paginas as quaes homem se revela, por
assim dizer a despeito de si mesmo, por pensamen-
tos que tem urna connexao lnteiramente intima e
ligada com a personalidade do imperador. Toda-
va lem procurado, em geral a dar a sua obra um
cunho de irapersooalidade. A obra se recommenda
por urna erudigao vasta, e minuciosa ao mesrao
pon-
comparecerem no palacio da presidencia para as-
slslrem a parada e ao cortej-j que pelas 5 horas se
fara efflhie de Sua Magestadejo Imperador, em cu-
jo acto tocaro as msicas dos corpos assim como
ao alvorecer e recolher do sobredito dia 25.
O Sr. commandante da brigada escolher os seus
empregados d'entret-os Srs. offieiaes de que ella se .
C0??-Sw. .a >,,. a protestos apaixonados contra a conducta, alias mu
1"5nn. Z^ T d,af T^^ t0 W' mil Da,ural- raui'o sensata que o gover-
g hJJn^ P*fE5T .,5?"1 dr21 "ro?- D0 ,iohl lid0 le conjectura. O governo tem se
(Assignado.) -Josc [Mana Ildefonso Jacomc da portado a seu respeilo com urna louvavel moderar
wSi a i p r, ^io-se lem "nltado a fenr com urna sorte de re-
A^9')-**10*." toarte, tenento prehenso legal, muito iooffensiva em si mesmo,
ajudante de ordens interino, encarregado do de- prelados que tinham aberta e formalmente infrin-
assigna-la a guerra
ao governo proposito da
encycllca. Dous decretos do imperador tem decla-
rado que havia abuso da par; do bispo de Mou-
lins, e da parle do eardeal arcebispo de Besangou,
no facto de ter dado a leilura ex cathedra da parte
da eneyelica, cuja publicago nao tinha sido au-
lorisada no imperio francez.
Pelo que todos os nossos bispos tem formulado
a I he.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS RO RA
RIO RE PERNASUCCO.
I' \HIS.
24 de fevereiro de 186o.
Era Franga eua Inglaterra, a abertura das c-
maras tem despertado o semlmento da vida poli-
tica.
O discurso do imperador, .como se ver ura pon-
co mais abaixo, contem excedentes cousas, e nos
proraelle leis muito liberaes, o da rainha de In-
glaterra de um menor alcance, mas annuncia
igualmente boas medidas legislativas.
A Hespanha est em apuros com as difficulda-
des de sua posigo financeira.
Por nessa conia eremos em urna proxim ma-
daga de.gabinele, o que nao melhorar em nada
o estado das cousas.
Quanto Allemanha, ella espera a solugao da
quesio dos ducados, negocio interminavel, cujo
desen'ace parece recuar sempre.
A abertura da sessao legislativa foi feita a 15 de
fevereiro pelo imperador. O discurso que o so-
berano pronuncia nesta circunstancia tem sempre
ura interesse maior, porque contm urna revela-
gao mais ou menos completa da linha de conducta
que se propoe seguir as quesloes pendentes.
O imperador tem revivido, no principio de sea
discurso, a idea que tinha tido no anno passado de
submetter a um congresso internacional a accom-
medago das differengas que agitavam alguns Es-
tados europeos. Esta idea nao foi adoptada..
t O governo, francez, disse o Imperador, em pre-
senga do conflicto que surgi, sobre as bordas do
Bltico, tem ficado devidido entre as suas sympa-
gido sua prohbico.
A opinio publica tinha sido vivamente excitada
pelas prlmeiras cartas pastoraes, o numero e a se-
Ihanga destes documentos tinham acabado por des-
aprecia-los, e pde-se dizer que ellas se tinham tor-
nado um pouco indifferente, lula empenhada en
tre o episcopado e o governo, quando desceu are-
na, um personagem que nunca deveria ter ahi
apparecido, monsenhor Chigi, nuncio do papa.
Monsenhor Chigi tem dirigido ao bispo de Poitiers
e ao bispo de Orleans, cartas as quaes os felicita
com admirago,, por ter lomado a defeza do sobe-
rano pontfice.
O mandamento de Mr. o bispo de Puitiers, note
mos de.passagem, era empregnado de urna grande
violencia. O governo do imperador achou mo que
o representante official do santo padre, aoprovasse
os bispos do Franga nos actos
vncias, evidente que a sbstituigao do nov re-
gimera legal ao amigo contraria hbitos invetera-
dos, fere certos interesses pela perturbago mo-
mentnea que ella produz.
Eis, em substancia, o que contm: o governo da JttmhmZmTS&JSXJ
rainha se felicita pela terrainago da guerra da H.^Kttcft TJm^^SS^f^.
Dinamarca, guerra que nao tem obrigado a logia-1 c^rT^e^lS^^-JS^tZ.
poderoso que se liga ao livro em questao.
A 7 de fevereiro os commissarios de S. Ma-
gestade a rainha de Inglaterra lcram ao parlamen-
to o discurso real de abertura.
ierra a sahir da neutralidade.
ros : .-lo deve ser assim ; os Italianos senlem per-
r^o'n8'S *Mrdar* a mesma neutralidade pe-: feitameote esta necess.dade de unidade. A adogo
Uda do Sn" n^8i-nMrTc'0MHaS rePara5ehs b- i dos differenles cdigos que devera de ora em dian-
^^JSi^Sf^itR\tff,oda ,tal,a ao encolrar difflculdades
discurso offerece de mais saliente, se diz nelle que K ^aT r^'T ,sidoHfelr,m dar saa-^
?L\JZTLt,? de'e8ad0S deStS Provic,aii da depois de ter sido coraegada era Turim se termine
America doNorte, que se tem reunido emQuebec.lenfprancai mesmo provavel que a forga das
i couzas produzir este resultado.
e cujas resolug5es tem por objecto estabelecer, en-
tre estas provincias, urna unio mais intima, sob
um governo central.
Se estas resoluc5es forem adoptadas pelas cama-
ras legislativas das provincias, urna lei ser apre-
sentada s cmaras ioglezas para consagrar o no-
vo estado poltico destas regioes.
No qoe diz respeilo situagao material do
paiz o discurso a declara satisfactoria ; certifica a
cessago do estado de penuria, no qual se tinham
achado alguns districlos manufacleros.
Os trabalhos legislativos nao estao muito avan-
gados, ainda que nao se tenba perdido tempo, fal-
tara leis considerveis votar a venda dos cami-
nhos de ferro, sua reorganisago, a venda dos bens
ecclesiastcos. A commlsso encarregada do exa
me da le relativa este ultimo objecto admitte a
venda dos bens immovei, e sua conservago em
rendas, admitte tambem a suppresso da maior
parle dos conventos. Em troca dos bens vendidos
Urna cousa digna de nota que a questao da re- evads tUlfnorUfflaT*" QUe frem
forma eleitoral completamentedeixida em silen- TctKSafodesototu ren
xjszztt es,ar(rr preosccTnesle ^^^V^SiSSStTu^
"* 2.,S Ha lDlalerra-H As dua3 ?- enirar na via do arbitrario ? A comm sso projec
EWuLtre*!* Sen V.t0 !f 2ffiKdr; 'a ainda reorganisar as circumscripgoes diocesa-
^^^"SS^'^lSeSX -' ^P-avelmeme de alcordo como
tem eito realgar a necessldade para .Inglaterra, | A camara tera. depois de examinar alguraas leis
apoio a confederagao canadi-1 sobre fioangas entre outras aquella que augmenta
ommnnc Mr v Soniiv tom nm imP0S, s*1"6 a fortuna mobiliaria, imposto que
testado contra ara" "SS. SK ^ S S? L^" i53a8 'S"
de prestar o
ense.
seu
ser to satisfactorio como se dizia
clamava pelo contrario muitos meihoramentos. E'
de receiar que esta reclamago dictada por um
sentimento de huraanldade e de justiga nao seja
escnlada, porque na Inglaterra em vo invocar-
se a justiga e a humanidade quando a Irlanda
a cansa disse.
Este discurso um documento pratico, serio,
tem ainda outras cousas alm do que acabamos de
mencionar, e alguma cousa de mais importante
para.osInglezes. E' a promessa da apresentago
de um bil para a iosiallago de tribunaes de justl
E' urna cousa ja decidida, que todo o governo
estara' era Fiorenga a Io de maio, por conseguinte
se a camara nao tiver terminado at essa pocha
os trabalhos que temos enumerados, devera' se
transportar Floreaga.
O discurso de Napoleao III tem sido maito bem
acolhido na Italia : tem se visto, pelo que disse-
mos precedentemente que elle continha a expres-
so de ama sympathia muito viva para Italia, pro-
messas positivas sobre a execugao da convengao de
15 de setembro e a volta das tropas francezas qne
de desobediencia s
leis de seu paiz. | naes dos condados, para o aprfeigoanenlo das es
O nuncio tem declarado que nunca Uvera era co,as publicas.
Z !S h?u ",e 'aS era. i0036-8 convenientes,; 0CCQ am Roma neste momemo, para os Italianos
de ara outro bil para a modiflcagao da legislagao 0 obj^to de ama patritica satsfago.
aetual sobre as patentes de ravencao.de projectos Na Hespanha a questao de dinheiro a or-
e leis para a extensao da jurisdcgao dos tribu- dem do dia. Mr Barzanallana ministro da fazenda,
tinha imaginado para eneber o thesouro publico,'
am projecto de lei pelo qual os imooslos deviam
iniengao entregar eslas cartas a publicidade ; que A sessao que vai-se abrir e a ultima do parla- ser pagos adiantados. A anticipacao deviaser obri-
ellas continhara a expressao de opinies inteir- ment actual ; em seu encerramento os dous par- gatoria smente para os contribuinies aae nasa-
mente pessoaes, que nao tinha enunciado em sua tidos que disputara o poder tero de bngar de no- vam mais de 60 reales, e Dar os funcionarios me.
qualidade de representante do papa; e que erofim vo pela escolha dos ejeitores. Bem que o program-. tivessem mais de 8,000 reata de ordenados n-
ellasnao tinham chegadoao conhecimento do pubh- ma dos trabalhos.parlamentares tragado pelo dis- nuaes, quanto aquellos uue nao fazendo Baria de
co senao por urna lamentavel indiscricao. EsUs curso real, nao encerr alguma questao calorosa, e urna destas duas categoras, seriara no entinto per-
expheagoes nao podiara satisfazer completamente de natureza a produzir tempestades, provavel que -
ao imperador. O nuncio, como oatro qualquer no- os dous partidos oppostos, acharo todava occa-
mem, nao tem seno urna consciencia que Ihe ser siao de medir, urna ultima vez suas forgas. A op-
ve to bem como embaixaeor da santa sede, mais posigo nao se despedir do ministerio sem o hon-
rar com alguns ltimos ataques.
O ministerio do deixa de offerecer alguns pon-
tos vulneraveis, nao pode ter bella posigo quando
seus adversarios Ihe reprovarem a guerra desgra-
ainda como homem privado. As opinioes do ho-
mem sao necessariamente as opinioes (as opinioes
intimas secretas) do embaixador pontiflcio, e Na-
poleao III poda tomar, como bom direito, a som-
bra do qoe monsenhor Chigi conslderasse como
funesto e irreligioso o decreto applicado a eney-
elica, e visse como corajosa, nobre e gloriosa a re-
sistencia illegal dos hispas da igreja de Franca.
Assim o embaixador de Franga em Roma, Mr. de
Sartiges tem sldo'encarregado de se queixar do fic-
to perante a corte de Roma.
Existe um motivo muito racional para pensar-se
que o movimento ofensivo de nossos prelados vai-
medido a anticipar o pagamento de seus impostos,
e devia se Ihe pagar, um interesse de oilo por
cento.
O consentimento unnime da nago leria s6 po-
dido justificar am acto semelhante ; a opinio pu-
blica se tem pelo contrario mostrado muito hostil
ao projecto. Mr. Barzanallana lem em consequen-
cia disto, delxado o mnisterlo,*foi substituido por
cada que a Jnglaierra sustenta contra os indgenas' Mr. Castro que tem logo retirado o projecto de lei
da Nova-Zelandia ; ou os negocios do Japo que : da antielpagao do imposto,
novas injurias feitas a subditos inglezes tem vindo i A rainha vendo a sitaagao precaria das tinnga
tornr mais deplorayeis. fez donativo ao thesouro de urna somraa de 60O
As relages com o imperio do Brasil nao estilo milbocs de reales. Este acto vai a tornar mais po-
anda restabelecidas sobre o principio de cordiali- {pular. O ministro do interior julgou dever assegu-
dade, tanto falta anda para isso a neotralidade rar a' camara a respeilo dos boatos que se tinham
completa guardada entre os Estados-Unidos e os' espalhado, segando os quaes o partido carlista se
estados rebeldes, censurada por muita gente. E'' despertara e cuidara em tomar as armas. E", diz

l
mmm


"""-"
*-
1
*t
i. at; r..
filarlo de Prn&ntbiiftO Se*t flf* "4 de Mai'eo de i 665.
XJJ
o miniflro, um hiato sem fundamento, le a irn-
qilidade do reino b%o estav ameagada. Nos acre-
ditamos que guante ao presente cora etleito nada
ha a temer-se por ?se lado. ,
O gabinete de Berlin se prepara a formular
quena impor aos ducados. Por outro lado trata-se
de fazer entrar o Sebleswig na Confederaglo Ger-
mnica. Dizem que a Austria contribuira para islo
cora todas as suas forcas querendo antes ver os
ducados suhmellidos a influencia da Dieta que a
da Prnssia. A Austria quera, o que dizem, apro-
veitar-sc dasc-rcumstancias para fazer entrar na
confederacio todas as provincias do imperio que
nao fazem parte de!la,parece*-nos que este augmen-
to dos estados da Conederaco Germnica nao po
de se offectuar senao rom o censentimento das po-
tencias assignalarias do tratado de Vienda.
Mas este tratado tem receido tamos golpes, que
as potencias aHernias o tem sem envida riscado de
sua memoria.
Ojprojedo approvado com as emendas.
Contina discussao do arl. 11* do projeelo n. 12,
deste anno.
ga?.te'JC!D"Lfi!S? mad meSa "" i ACTA A SESSAO ADMINISTRA
Q arl. 11 seja substituido pelo seguate: MARCO DE 1863.
Os postes que vagarem no dito corpo de polica
CHR0MC4 JliDICIABH
TiiimwL o com MEiacio
PERKAMRUCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
t SESSAO EM 23 DE MARCO DE 1865.
ITKWOBNIA 1)0 SU, DR. SABINO OLEGARIO.
as H horas e 4S minutos, fcita a chamada,
achamse presentes os Srs. deputados Buaique
Francisco Pedro, Joaquim do Reg Barros, Ro-
chad, Gongalves da Silva, Teixcira de Mello, Dio-
doro, Braulio, Sabino, Arminio, Amynthas, Lourei-
ro, Ayres Gama, Brandan, Aquino Fonseca, Ribeiro,
Reg'Barros, Ramos, Maranho, S Pereira, Silva
'Barros e Jacobina.
O Sn. PnESiorciTE abre a sessao. .
O Sr. 2 secretario faz a leitura da acta, a qual o
approvada. *
EXPEDIENTE
l'ma petigao dos guardas da casa de detencao
pefliodo que seja posto em discussao o projecto n.
97 do anno passado, que concede um augmento de
20 % nos seus ordenados.A archivar.
Outro de Manoel Alves Guerra, contratante rio
albonsamenlo desia cidade, pedindo a assemblea
qje se digne autorisar a cmara municipal desta
cidade para que d andamento aquelle contrato
com o supplicante. A commissao de orgamento
municipal. ..,>.
Outro da mesa regedora da contraria de hanta
Rita de Cassia, pedindo a assemblea para que se
digne dar preferencia para se extrahir a sna ulti-
ma parte, assim como conceder-lhe raais a graga de
urna lotera de 120:> 005 para a promptiticagao da
referida igreja.A' commissao de fazenda e orga-
mento e tambem a de peliges.
Sao lidos os seguinles pareceres :
i A commissao de conta e despezas municipaes,
tendo presente a petgo de SebastiSo Francisco
Belm, que pede o pagamento pela cmara muni-
cipal deOlinda daquantia de 1395780, proveniente
de costas em que foi a mesma cmara condemna-
da, julga necessario para dar o scu parecer que
seja ouvid a dita cmara para o que requer que
pelos canaes competentes se pegam informages a
cmara municipal de (linda, acerca do conteudo
na dita petigo.
Sala das commissoes, 23 de margo de 18bo.
Carvalho Moura.Ayres Gama.
. E' approvado.
A' commissao de estatistlca tendo examinado
a representago da cmara municipal da villa da
Boa-Vista, pedindo a esta assemblea a creago de
tres di>trictos de paz, um na freguezia de Sania Ma-
ra da Boa-Vista e dous na nova freguezia do Sr.
Bom Je>us da Igreja Nova, de parecer se adopte
a resolugao seguiBte :
A assemblea legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
t Art. 1." Fica creado um terceiro dislricto de
paz na freguezia de Santa Mara da Boa-Vista, que
compreheuder o territorio desde a barra do riacho
Jacar, rio S. Francisco abaixo at o Giqoi, e para
o norte o riacho Carahyba com todas suas aguas.
Art. 2. Ficam igualmente criados na fregue-
zia do Sr Bom Jess da Igreja Nova dous distri-
tos de paz com os >egulntes lmites : o i" denomi-
nado dislricto da Caxoelra do Roberto, que princi-
piara desde a fazenda L'mary subindo pelo riacho
Peolal al os (miles da provincia do P/aahy e os
desterres de Pilo Arcado, provincia da Babia ; e
o 2 denominado dislricto de Petrolina que se es-
tender desde a barra do riacho Ponlal pelo rio S.
Francisco cima at o Pao da Historia, inclusiveis
as fazendas Morros, Terra-Nova e Aricury, que fi-
cam no centro do mesmo dlstricto.
Arl. 3." Ficam -revogadas as disposigoes em
contrario.
t Paco da assemblea legislativa provincial de
Pern.ini'buco,23 de margo de 1865.Francisco Pe-
dro.Maranho.
Vai a imprimir.
A commissao de agricultura, commercio e
obras publicas, considerando que ha utilidade pu-
blica em melhorar e incurtar a esirada de Beberi-
be a esta cidade, julga que o projecto n. 36 de 1864
pode ser adoptado em 2' disctjsso modificado com
as emendas abaixo mencionadas.
t A commissao teve em vista o estado dos cofres
pblicos, que nao perrailtem a despeza necessaria
para se fazer toda o melhoraroenlo desejado, como
sena a abertura de urna estrada de rodagem se-
gurado a direegao da estrada denominada da Bola-
da, indicada na planta da cidade do Recie, e do
alargamenlo, reedificago e empedramenlo da es-
trada de Joo de Barros.
Esia ultima obra (o empedramento) ser de gran-
de necessidade logo que fr aberla a nova estrada,
por que (icaria toda a estrada de Beberibe sem as
areias que difflcultam o transito publico, nao senda
mais necessario a qnem se dingisse a essa locali-
dade passar pela parte da antiga estrada na proxi-
mdade do riacho d'Agua-Fria, onde ha grande
quanlidade de areias.
A nova estrada tem a vantagem de incurtar
4/6 pouco mais ou menos a distancia de Beberibe
ao Recife, de dispensar a passagem pelas areias :
parece portanlo a commissao que o projecto n. 36
deve solFrer as seguintes emendas :
t Ao arl. 1." Em vez de comegar do lugar deno-
minado Bombadiga-se : a comecar da eocruzi-
lhada da Belm, seguindo a direegao mais conve-
niente para terminar entre a estrada da Boiada e o
becco do Fundo.
Supprima-se o art. 2o.
Aoart. 3 o Substiiua-se peloseguinte : o pre-
sidente da provincia Oca auiorisado a despender
at a quantia de 12:0005 com esta obra, podendo
applicar a sobra que houver no orgamento, se for
superior a esta quantia, ao empedramento da es-
trada de Joo de Barros.
Arle. 4." e o. Como estao no projecto.
Sala da commissao, 22 de margo de 1865.
isoares Brando.Sonto Lima.Campello..
-Fica obre a mesa para ser tomado em conside-
ragao quando se discutir o respectivo projecie.
E' lido e approvado o seguinte requerimento :
Bqueiro que seja ouvido o Sr. vigario capitu-
lar sobre a materia do projeelo que transiere a se-
de da freguezia de Flores para a capella da Baixa-
Verde na mesma freguezia.S. BBuarque.
Vem a "mesa, e posto em discussao o segninte
requenmenio :
Reqoeiro que seja nomeada urna commissao
para examinar os estabelecimentos de caridade.
Silva Ranios.
Fica adiada a dieusso pela hora, depois de ha-
verem orado os Srs. Bnarqne, Jacobina, Silva Ra-
mos e S Pereira.
ORDEM DO DfA.
Discussao do parecer da commissao de petires,
sobre a, preteng de Manoel Camillo Pires Fal-
co.
O Sr. Buarqi'e justifica e manda a mesa a se-
guinte emenda :
t Seja remetlida apenas commissao de legis-
ago.
E' apprpvado o parecer e emenda.
Entra em 3" discussao o pe-jeclo n. 4 de 1861,
mandando construir dous acudes, nm na povoago
de Salgoeiro, e outro na do Granito, e sera dis-
cussao approvado.
Entra em 3' discussao o projecto n. 61 do anno
passado, concedendo duas loteras de 60:0005000
para a concinslo das obras da capella da Concei-
<;o da povoago do Barro, na freguezia dos Arro-
gados.
Veem a mesa e sao approvadas- as seguintes
emendas:
t Ficam concedidas doas loteras de 120:0005
cada urna, sendo urna para Nossa Senhora do Rosa-
rio de Barraros, e a ontra para a capella dos no-
vlcos da ordem Terceira do Carmo desta cda-
,, de.- S. R.Rochael.
Mais duas loteras de 120:0005000, sendo urna
para as ebras da matriz de S. Jos do Recife, e ou-
tra para as da pova matriz doBrejo S. R.-Buar-
antes de sua partida para o sul sero preenchidos
pelo tsxm. presidente da provincia, com pessoas do
mesmo corpovem quanto honverem nelle offlcios
e pracas de pret com a precisa idoneidade e as
demais habitagoes, sendo da sua confianca. >
t 0$ postos, porm, que vagarem desde qne
acabar a guerra at qne o mesmo corpo volte a
esta provincia e depois disto, serao preenchidos
por accesso, mas serao preferidos, em ignaldade
das demais circumstancias osofBciaes inferiores e
pragas de pret que se houverem distinguido na
guerra por actos de denodo e bravura regular-
mente comprovados. t
Sao approvadas as seguintes emendas :
t Emenda ao artigo 11. Em vez dequer ao
tempo da guerra, quer depois delladgasede-
1 pois da guerra, podendo presidente da provincia
conservar nos postos os offlclaes que por ventura
forem promovidos pelo governo geral. Campello,
1 Ayres Gama.
Em vez depodendodiga-se devendoAs
; palavraspelo governoccresceote-sese forem
I dos corpos de voluntarlos e guarda nacional da
provincia.Ferrelra Jacobina, Lourelro.
Tomaram parte na discussao os Srs. Jacobina,
Loureiro e Campello.
Reconhecendo se nao ha ver casa, o Sr. presi-
PRESIBENCIA 00 KXM. SR. DESEMBARGADoR
ANSELMO FRANQSCO PERETTI.
s 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Atcofbrado, Basto e Leal, e
presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm. Sr.
presidente declarou abena a sessao.
Lda, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Dus offlcios de 3 e 23 do mez prximo passado,
do Exm. Sr. conseiheiro presidente do tribunal do
commcrclo da corte, cojnraonicando no primeiro
ter Qcade sciente de haver o Exm. Sr. presidente
deste tribunal reassumido o seu logar, e dizendo
no segundo ter fleado de posse da copla do relato-
rio apresentado aogoverno-imperial:Mandaram-
se archivar.
Outro do secretario da presidencia desta provin-
cia, de 21 do correle, convidando de ordem da
mesma presidencia, ao Exm. Sr. presidente do tri-
bunal, para assistir ao cortejo que lera logar em
palacio no dia 25 do referido mez.Inteirado.
Disiribuiram-se aos senhores deputados os livros
Diario e Copiador de Thomaz Francisco de Salles!
Rosa & C. e o Diario de Keiler & C.
OESPACHOS.
No requerimento de Joao Esleves Alves, deca-1
rando ter satsfeito rom'um documento que apre-
loncura; vendo porm que os legtimos arautos do coubesse no desfecho decoroso de urna queslao na-
partido deixavara correr essas ideas, sem que pro- cional...
nunclassem seus verdadeiros sentimentos; tomeil Infelrmente para o crdito do nosso paz, real-
a resolugao de tomar sob a rninha responsabilidade sou>se a segunda hypothese.
manifestag5es para as quaes nem estou autofisado, No momento em que se receba a faustosa noti-
nem me sinto inspirado. cia do trlumpho incroento obrido pelos exercitos
O partido conservador comprehende perfeitamen-' alliados, no momento em que a populago fluminen-
te que para se chegar ao grao de condanca e con- se, dominada do mais frvido enthuslasmo, sauda-
sidera^ao, que merece do paiz, mister concorrer, va a nossa bandeira flue tremulara victoriosa era
como tem sempre concorrido para o bem commom Montevideo, o governo brasileiro demiltia acinto-
e geral. 'smente o comraissario diplomtico que dirigir o
E seja qual for a extremidade a que o tenha re- movmento estaurador, e que tijera tal vez a me-
duzdo a situagao, elle nao esqueeer nunca o qne llior parte na conquisa civilisadora que fizemos
deve a nagao c a si; J mais abandonar a norma para vingar nossos bros ultrajados, para assegu-
de conduca que tem sempre adoptado, eque tanto rar a tranquillidade de nossos patricios vilipendia-
abona o seu bom senso. ; dos, perseguidos e atrozmente violentados na cam-
Comprehende perfeitamente qne nao retirando panha oriental I
osen concurso as occasiSes difBceis e perigosas, Que valente incentivo para futuros servidores ?
que alcanga influencia legitima na marcha dos ne- Que dir do nosso governo o eslrangeiro ? Que jui-
gocios. zo faro agora os nossos visinhos do Prata acerca
Quando elle se dedica sempre desinteressado,: das intengods benefleas do Brasil ?!...
quando profliga nao se deixa inspirar por paixoes O governo dos paizes mais Ilustrados, como a
ruins. Nao pode por tanto ter a menor afBnidadu Inglaterra, nunca relira ostensiva e acintosamente
com os sentimentos de horaens, que, as circums- a conflanga depositada em seus agentes, quando se
tandas criticas e arriscadas era que nos adiamos, se ventila urna questao internacional; nunca o des-
dilatara em espirito sarcastico em presenga dos lu-: conceilua aos olhos do estrangeiro, suppondo com
gares, que serviram de theatro aos feitos gloriosos sobrada razao que o desar do mandatario importa
dos nossos irmos, lugares sellados com seu san- o desar do governo e at da propria nagao -rarfl-
gne, e consagrados por seus despojos mortaes. sentada por esse mandatario.
A homens de boa f.circumspecgoe gravidadede! Anda ha pouco ti vemos um exeraplo dsso com
i." CUMIm 4 ('.-,"" I)r J'ihh'l ti Mil lltlori'l liT-
dente manda fazer a chamada e levanta a sessao senll) 0 despacho de fl de fevereiro ultimo, afira de
as dnas e meia, dando para a ordem do da z* a |he ser concedido alvar de patente de corretor ge-
contlnua?ao da msma. ral da praga de Macei :Vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
REVISTA DUSU-
No de Antonio Botelho Pinto de Mesquita Jnior,
corretor geral, pedindo prorogago de licenga por
.... __hibAaiMb mais seis mezes, visto continuaren) os seus incom-
- Acaba d al.siar-se ne C0,rP%^,^^a!r^! modos de sade, como prova com documento :-
j torta o c.dadao Antonio dos Santos Mede.ros. VJsU aQ Sf. dBSemDargaJor 0scaL
d Aginar, morador na comarca de Goyanna d onde Com nformaQao do^r desembargador fiscal:
v. .i- ..,__nn*nntac No de Jos de Castro Redondo e Joo de Almei-
Sua pos.gao al!, sua fortuna e seus precedentes da Ljm contrata de so-
ciedade :Satisfagam o parecer fiscal.
Prseme a proposta apresentada anteriormente
pelo Sr. deputado Aleoforado, para que sejara ad-
mittidos rubrica os livros copiadores de cartas,
por machina, como se pratlca no tribunal do com-
mercio da corte, como se v da certido que o mes-
mo Sr. depuiade apresentou : Foi a mesma pro-
posla approvada unanimemento, em vista do que
ponderou o Sr. desembargador fiscal, e autoHsada
a secretaria para fazer sellar taes livros, quando
forem apresentados, e submett-los i rubrica.
Apresentado o summario instaurado contra o ad-
ministrador do trapiche Pelourinho pela inrraccao
do artigo 89 do cdigo do ':onrraercio, sem defeza
ou respssta do summariado, foi este condemnado
ao pagamento da mulla pedida nos artigosde aecu-
saco e as cusas.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao as onze horas e um quarto
da manha.
SESSAO JUD1CIARIA EM 23 DE MARCO
DE 1865.
PKESIDNCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As onze horas e meia da manha o Exm. Sr.
presidente abri a sessao, estando reunidos os se-
nhores desembargadores Res e Silva, SihraGuima-
res, Accieli e Barros Vasconcellos, os senhores de-
potados Rosa, Candido Aleoforado, Basto, Miranda
Leal, e os senhores deputados supplentes Castro e
Leal Reis.
Lida, foi approvada a acta da esso antece-
dente.
Foram assignados os accordos proferidos na ul-
tima sessao as appellagoes entre partes :
Appellantes, Guimares 4 Ollveira ; appellados,
Braga Silva & C.
Appellantes, Tasso & Jrmao ; appellados, Manoel
Jos Salgado Oouto e outros.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Jos Antonio dos Santos Fon les.
Appellantes, os administradores da massa Wli-
da de Joaqoim-ftaueiscu di) Mello" Santos appel-
lado, Augusto Frederico de Oliveira.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado, o
vigario Manoel Esperidio Muniz.
JULGA ME.NT0S.
Appeilante, Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Seve & Fllhos.
Adiado na sessao anterior
Desprezaramse os embargos.
appellantes, D. Olympia Constancia de Moraes
Silva e oulra; appellado, Joaquim Luiz Viraes.
Adiado na ultima sessao
Foi confirmada a senlenga appellada.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lomos; appellados, Compiano & Cor-
deiro.
Adiadooa precedente sessao
Desprezaram-se os embargos.
Appeilante, o Dr. Ignacio JVry da Fonseca; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Siqueira & Pereira.
Adiado na sessao anterior.
O Sr. deputado Leal jurou impedimento ; e sor-
teado outro Sr. deputado pedio adiamento.
Appeilante, o r. Prxedes Gomes de Souza Pi-
tanga ; appellado, Octaviano de Souza Franga.
Adiou-se ojulgamento para se convidar o Si.
desembargador Costa Motta, que presidio e primei-
ro julgamento.
Appellantes, o presidente e directores da caixa
filial do banco do Brasil nesta cidade; appellados,
Manoel Jos de S Araujo e seus curadores fis-
caes.
Adiou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
Appellantes, os administradores d massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos 4 C. ; appellado, o
conego Firmino de Mello Azedo.
Desprezaram-se os embargos.
PASSAGENS
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res e Silva :
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
James Crabtree Si C.
AGGRAVO INTEUPOSTO DO JUIZO ESPECIAL DO
COMMERCIO.
Aggravante, Joao de Siqueira Ferro; aggrava-
do, Luiz Gonzaga dos Santos.
0 Exm. Sr. presidente negou provimento
-Nada mais havendo a tratar o Ewn. Sr. presi-
dente encerrou a sessao 1 hora da tarde.
traduzem' todo o elogio, que merce o seu patriot
1 co procedimento.
Filho de urna familia prestimosa n'aquelle lugar,
all bem estabelecioo e no gozo de bens de fortuna,
deixados por seu pai, o major Antonio dos Santos
I Medeiros Rapozo, bem conceituado e estimado por
I todos os que o conhecem, deixou tudo e foi arreba-
tado dos bracos de sua familia pelo mais louvavel e
patritico enthusiasmo I
Nao ha muito tempo esse distincto cidado pres-
tou seus servigos ao governo, como subdelegado da
: freguezia de Tejucupapo, onde resida.
Tal comportamento credor dos maiores elogios
; e folgamos em registra-lo em nossas columnas.
Vollando hontem o vapor Camaragibe do lu-
gar em que encalhou a brigue inglez Hebe of the
Exe, com a noticia de que se nao pode safar, se-
guiram para all nao s o mesmo vapor, como o
Curlew, vapor da marinha brtannca, e alguraas
barcagas, am de salvar-se a carga.
Hoje s 10 horas em ponto effecta-se o lei-
lao de 10 caixas de queijos, vindas no ultimo vapor
francez, por lotervencao do agente Pinto, em seu
escnplorio na ra da Cruz n. 3 A.
-as 10 112 em ponto, comecar o leilo dos sal-
! vados do brigue inglez Hebe afilie Exe, por inter-
vengas do mesmo agente, no armazom alfandega-
do baro do Livramento, caes de Apollo.
Amanhaa d a sociedade recreiativa Cory-
bantina a partida mensal.
I 0 dia escolhldo para essa funegao urna home-
i nagem, que aquella sociedade rende ao fado me-
moravel que elle recorda, dando assim urna copia
dos Sentimentos patriticos que se aninham nos
peitos dos jovens que a compoem.
Consta-nos que oSr. Thomaz Zany acaba de
compor um drama, enjo assumpto se inspirou no
brilhanle triumpho alcangado pelas nossas tropas
de mar e trra nos muros de Paysand.
Dizem nos ainda que o referido drama foi es rip-
1 to com grande enthusiasmo, assim como que o seu
autor pretende leva-lo scena brevemente no ihea-
; tro de Santa Isabel.
Foram hontem submetlidos a julgamento os
reos Antonio Gomes Benico, Domingos Francisco,
Manoel Dias da Paixo e Baymundo Antonio dt)
Espirito Santo, pronunciados no artigo 269 do c-
digo criminal.
A aecusagao corren pelo rr.inisteno publico e a
defeza foi incumbida ao Sr. Dr. Americo Netto de
Mendonga..
Hoje tem lugar a procisao do S. Bom Jess
dos Martyrios, que sahe de sua igreja ; percorrer
as ras Augusta, Imperial, Direita, do Imperador,
das Cruzes, estreita do Rosario, Trincheras, Nova,
Flores, camboa do Carmo e Hortas a recolher. A
mesa regedora espera que os moradores dessas
ras sedignaro mandar limpa-las.
Na companhia de voluntarios de homens pre-
tos se achara mais juramentados os seguinles se-
nhores :
11 Paulo Francisco da Silva.
12 Manoel Joaquim do Nascimento.
13 Bernardo Joaquim da Costa.
14 Firmino Pedro Vieira Gomes.
15 Daniel "de Oliveira.
16 Theodf ro Vaz de Jess.
17 Alexandre Jos da Silva.
18 Jos Correa de Lima.
19 Manoel Jos de Oliveira.
20 Manoel Severiano de Souza.
21 Tito Rodrigues da Silva.
22 Joao Antonio Dias.
23 Pedro Jos dos Santos.
Pelo patacho brasileiro Beberibe foi encontrado,
! na |at. N. 2o II' e Iong. O. 24o3' a galera fran-
1 ceza Aigle, em viagem de Marseille para Buenos-
1 Ayres.
Passageiros do vapor brasileiro Apa, saludo
para os portos do sul:
Capitao Theotonio Joac,uim de Almeida-Fortuna,
| Marianno Lopes Rodrigues, su senhora e 2 Olhos,
Francisco Florio Leal, Candido Jos do O' e Silva,
Pedro II. de Caraargo, Joao Jos de Souza Menezes
Jnior e 1 escravo, Augusto Magno de Mello Nat-
os, 1 cadete voluntario da Patria Antonio d'Olivei-
ra Borges Jnior, Cicero Brasileiro de Mello, Dr.
Jos Joaquim de Moraes Navarro, Manoel Pessoa
d Silva, Ludgero de Oliveira Rocha, Alexandre
Ferreira Guimares, 1 Io cadete de cavallarla. 5
soldados do 1, 7* e 9o, Pedro Olympio de Almeida.
Repartiqao da polica. :
Extracto da parte do dia 23 de margo de 1865.
Foram recolhidos casa de deteBgo ne da 22
do correte :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Mar-
cellino Baplista do Nasclmento, por crlme iiafian-
gavel; Vicente Alves Ferreira, sem declaragao do
motivo; foi posto logo em liberdade.
A' ordem do subdelegado do Recife, Ventura
Africano livre, para correceo.
A' ordem do de Santo Antonio, Jos Manoel de
Castro c Lourengo do Piedade. para correcgo;
Bernardo, Luiza e Benedito, escravos, o priraeiroj
de Fr. Joo Baptista do Espirito Santo ; o segundo,
de llosa de tal, e o ultimo, de Jos de S Leilo J-
nior, sendo o primeiro e o segundo por suspeitos
de estarem fgidos, e o ultimo a requerimento do
respectivo sennor.
A' ordem de da Boa-Vista, Manoel Carlos dos
Santos, por crlme de morte.
O chefe da 2* secgo,
J. G. deMesqutta.
Casa de detenqo.Movmento da casa de
detengo do da 22 de margo de 186o. Exisliam
presos 367, entraram 10, sahiram 11, falleceu 1,
existem 365 ; a saber : nacionaes282,estrangeiros
22, mulheres 2; estrangeiras 2, escravos 49; e$r,
cravas*8.To-tal 365.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 150.
Movmento da enfermara do dia 24 de marco de
1865.
Teve alta :
Joao Canella de Nambvj.
Falleceu :
Felippe Dantas Correia d'Araujo. Enterite chro-
nica.
Cemiterio publico.Obituario do dia 22 de
margo de 1865.
Ansantho, Pernambuco, 20 annos, S. Jos; bron-
chite.
Manod, Pernambnco, 6 annos, S. los; convnl-
soes.
Urna recem-nascida exposta, Santo Antonio; con-
vulsoes.
Francisca, Pernambuco, 24 annos, solteira, Boa-
Vista; ferimento.
Josepha, Pernambuco, 40 annos, escrava, Boa-Vis-
ta ; laringite chronica.
Joo d'Araujo, Pernambuco, 66 annos, Recie; ve-
Ihlce,
Marianna Mana da Conceicjio, frica, 50 annos,
casada, 8. Jos ; tubrculo pulmonar.
Perpetua de Carvalho, Pernambuco, 37 annos, ca-
sada, Si Jos tubrculo pulmonar.
A perra, o espirito nacional, e o par-
tido conservador.
Affastado do movmento geral, s, solado, sera
lago nenhum qu me prenda ao pessoal dos parti-
dos, conservando-me na esphera de minha intelli-
gencia e de minha vontade, contemplo cheio de in-
teresse, e com anciedade.o curso dos acontecimen-
tos em que nao me dado tomar parle.
Vejo passarem como sombras 'fugitivas os pode-
res, que se suecedera; e sob as formas puras do
systema que nos rege nao distingo nelles um s
pensamenlo de governo, que esteja em harmona
com os interesses vtaes da nagao.
Vejo arcarem odios e paixes mesquinhas: mas
nao distingo um sentmento, que exprima o espiri-
to publico, formando a opiniao nacional. Ongo a
voz de homens anlipathicos e egostas, que esqueci-
dos do que devem a seu paiz, s fallam em nomo
de seus interesses, de interesses puramente pes-
soaes; mas nao percebo a aegao daquella porgo
de homens, que rene e resume em si os maiores
elementos de torga moral e intelectual da nossa so-
ciedade. Ougo o troar do canho, da guerra nun-
cio fatal, da guerra, qne symbolisa a forga bruta
ero luta sangrenta com o direito e a lei; mas nao
vejo que se reunam as torcas vivas do paiz para
conjurar o terfltel flagello
Eis o ponto capital a que
ideas.
Bem certo de que o partido
lendo-se sempre na esphera mais luminosa da ra-
zao, nao receberia o Influxo de algnns espiritos ce-
gos Ou embrutecidos pelo Interesse, os qnaes s
visam na guerra um appeodice as imrnen-as diffi-
culdades com que luta a situagao, guardei o mais
corripleto silencio a doatrlna absurda do indiferen-
tismo. Esperci que vozes autorisadas, e mais ha-
bilitadas protestassem contra um systema poltico,
que sendo absurdo em theoria, na pratica ama,
se dirigem nossas
conservador, maU
julgamento e honestidade repugna esse escarneo
ensanguentado adrado a face da nago.
E' verdade, que o partido ainda est sob a im-
presso de recentes affrontas.
E' verdade, que ainda parece ver os escndalos
vergonhosos, a corrupgao dos coragSes e o avlla-
mento das inlelligencias dos mandarras de um po-
der to tristemente inaugurado.
E' verdade, que nada se pode esperar de bom e
de honesto da parte de homens, que em todos os
seas actos vo muito alm da extravagancia de urna
rabo em delirio.
E' verdade, que as cirenmstancias actuaes a
demisso do Sr. Paranhos, cujo nomo rene e r-
o Sr. Christie. A Gra-Brtanba nao quera, pro
vavelmente, que seu ministro levasse to longe as
suas demasas contra urna nago amiga, cuja cau-
sa despertara as sympathias das nagoes cultas, e
o que mais -dos proprlos inglezes, at no parla-
mento.
Entretanto o governo de S. M. Britannica nao
cassou bruscamente os poderes do Sr. Christie, que
sahio do Brasil com todas as houras de nm agente
diplomtico, e alm disto nao foi desfeiteado em
seu paiz.
Que contraste entre este procedimento e o que
se teve com o Sr. Paranhos, quando sens servigos
no Rio da Prata anda podiam ser mui vantajo-
sume em si toda a gloria que nos cabe pela queda de sos ?1 O echo da excommunho fulminada contra
Montevideo faz esmoreceros mais animados; mas o nosso diplmala vae sorprndelo entre as fervo-
nem isso, nem tudo quanto de mais assustador so | rosas congratulagoes que Ihe dirigem no Prata e
pondere deve embaragar o cumprimenlo de deve-1 Rio Grande os que souberam apreciar devidameu
res sagrados, te o seu procedimento honroso c digno da naco
E de mais ha nmfacto real,qne deve destruir to-! que elle acaba de representar,
da e qualquer repugnancia que possa haver em fazer I Chegam as noticias corte. Antes de se pode-
communho com um tal poder, o que sendo esse rem aquilatar os incidentes e peripecia do drama,
poder o mais impopular que at hoje se tem eolio- levanla-se a suspeila infundada de que o nossa, di-
cado a frente dos negocios, a cansa porque se ar-
ma a nagao o a mais popular, que tem animado o
espirito nacional; por tanto por maior repugnan-
cia, que possa haver em combinar nos meios do
servir essa causa; essa repugnancia deve desap-
parecer a simples idea de que entre o governo e a
nago nada pode haver de commum, senao a rela-
go, que existe entre oppressores e opprimidos, en-
tre a victima o o algoz.
Qual pois a norma de conducta, que deve adop-
tar o partido conservador ?
Dever collocar se na retaguarda da nago, que
nelle deposita todas as suas esperangas ?
E sso quando um grito universal reclama a of-
ferenda de um sacrificio ?l
Nao.
E' preciso, qne os homens de cabega e corago
se reunam, combinen) as suas forgas, e formadas
em um s corpo procuren) dar movmento e diree-
gao ao espirito nacional, que nao deve ser repre-
sentado como um turblho no meio das pragas pu-
blicas.
Era vez dessas tentativas impotentes de espirito?
ebsecados pelo Interesse proclamando o indiferen-
tismo, surjara ideas generosas ; falle-se a razao e
ao coragao do povo ; falle-se muito embora dos ma-
les qoe nos acarreta a situagao, ja que elles se ma-
nifestam de um modo to calamitoso, mas falle-se
igualmente do bem que se deve fazer, nao em ter-
mos vagos, mas em sua realidade concreta, em
sua forma applicavel as circumstancias, e as ne-
cessidades actuaes.
Val isso mais do que atacar desatinadamente a
todos os agentes do poder, at mesmo aquelles que
nem por acto?, nem por symptOmas se nos mos-
traran) hosts.
O systema de tudo deprimir odioso, iroproficoo,
ineficaz ; e a idia de exigir aborricos oconcebi-
veis 6 urna extravagancia.
E' preciso nao concedermos aos nossos adversa-
rios o direito de nos dizer com alguma apparencia
de verdade, que nos era vez de pagarmos o tribu-
to sagrado que devemos a nagao, consumimos in-
tilmente o lempo em declamagdes fastidiosas.
E' preciso por tanto que os orgos do partido sa-
tisfagam a neceessidade de provar, que quando
censuran) nao por odio, e quando se dedicam nao
por in*erese.
A accao poderosa da imprensa deve-se dirigir
ao fim commum ; por ora s temos inimigos exter-
nos. Ser urna abnegago, mas a prova mais
evidente, que pode dar o partido de seu desinte-
resse.
E' preciso que os chefes se apresentem aos olhos
do publico, e que provm por actos, que elles sao
os homens que bem merecem do paiz.
.' assim que se lirmam as influencias legitimas,
assim, que se attinge a essas posigoes solidas,
e inabalaveis, qne do o direito de ser ouvido, e at-
tendido em todas as suas reclamagSes, e satsfeito
em todas as suas mais nobres aspirages.
Mas pela forma, porque se tem dirigido o parti-
do nesses ltimos dias, forgoso confessar, perde-
se um terreno iramenso.
Se eu me achasse em posi^o de darnm parecer;
se a minha voz fosse attendida, eu lhe dira, que
ao menos conservasse a sua supremaca no mundo
intelleetual ; eu lhe dizia iangai as vistas sobre os
ltimos acontecimentos, examinai-os era todas as
snas relacSes, e em sua connexo com os effeitos e
as causas ; e um pensamenlo intuitivo vos assalta-
ria a razo : nenhum partido deve ass^lir as con-
vulses de seu paiz, como se assiste a um drama
do qual se mero espectador.
Eu lhe diria, que, tendo os melhoresdados para
esjender raizes profundas era nossa sociedade, nao
se deveria abandonar ao agradavel passa-tempo de
exercer a arte frivola de corripor algnmas phrases
brilhantes, de compor alguas ramalheles de flores
artiflciaes, bellas slm, mas sem vida, sem aroma, e
sem fructo; mas a minha voz sempre abofada, se
cumprime nos labios, e s mormura sons confuzos
e discordes.
Nao baja insistencia sobre os meios qoe se devem
empregar para se conseguir o fim desejado.
Quem ler com atlengSo o relatorio do actual pre-
sidente comprehendera claramente a sua intengao.
Collocando a necessidade de aproximar todos os
partidos naturalmente empenhados no desidertum
da nago cima de outras necessidades secunda-
rias, que nao teve tempo de estudar, absorvido
como se acbava em um grande^pnsamento.s teve.
em vistas chamar os partidos a nm s accerdo.
Descriminando as ideas, os excessos, e os flns a
que cada um se prepunha, demonstren evidente-
mente que nao era iropossvel um acord a que
esse accordo era o seu mais ardente desejo.
Assim langados os dados nao havendo razo
nenhuma para se evitar urna adminislgo, que
arado nao se manifestou em hostilidades, es'to fran-
queados todos os meios.
O que resta pais ?
Que o partido se submetta aos dictamos da razo.
Que nao falsifique o seu verdadeiro pensamento,
se obstinando em erros fataes.
, Que nao ultraje o senso commum resistindo aos
ImpuUos de seu corago, trabindo a propria cons-
clencia.
C.C.
0 Sr. conseiheiro Paranhos.
Quando aqui se soubeque o Sr. conseiheiro Jos
Mara da Silva Paranhos bavia aceitado a misso
especial no Rio da Prata, alguns conservadores au-
guraran) que se havia de verificar uma.de duas
hypotheses : ou S. Exe, por circumstancias insu-
peraveis, e apezar de seus reconhecidos talentos,
seria menos feliz em sua espiohosa tarefa, do que
anciosamente desejavam seus amigos sinceros, ou
terminara a commissao cobrlndo-se de louros im-
| marcessiveis.
No primeiro caso os adversarios polticos do II
! lustre consejheiro, especialmente aquelles qne de-
ram o mais'solemne cavaco com a sua escolha, ex-
ultaran), vendo naufragar urna grande capacidade
escoltada para encaminhare resolver devidamente
a queslao do Prata, na falta de um vulto saliente
que as fileiras do partido dominante podesse ser
escolhldo para remover dlfJBculdades gravissimas,
a que se nao poda dar solugao conveniente com
um simples decreto asslgnado por sete minis-
tros....
No segundo caso, porm, no caso de um trium-
pho esplendido, nao foliaran) pretextos pararen-
bar-se ao conseiheiro Paranhos a gloria que lhe
plmala nao attendra completamente os interesses
nacionaes. Foi talvez islo o resultado da intriga,
ou de um plano arteramente preparado. Dizem
mesmoque reclaraagoes populares, filhas de un-
presses ageitadas, deram corpo suspeita.
Sem mais detenga nem exame, o nosso governo
lavra o decreto estupendo da exonerago I No
meio do regozjo nacional resolve-se o sacrificio de
mais urna victima Ilustre, que de um modo lo di-
recto concorrra para esse regozjo 1
Pouco depois, quaado a declinado da febre pa-
tritica,especie de embriaguez,deu lugar re-
llexo calma, ao exame lgico dos factos, a leitura
dos documentos, recooheceu-se quo o nosso dipl-
mala tioha feto o que era humanamente possivel.
O tratado de paz, completado pelas notas que an-
teriormente se trocaram entre o conseiheiro Para
nhos e o general Flores, as ovagSes estrondosas
que o diplmala recebra de nossos irmos do
Rio Grande, to visinhos do theatro dos acon-
tecimentos, as manifestages frequentes e numero-
sas da mprensa, o juizo circumspecto des homens
sensatos e at de adversarios, convencern) do er-
ro e precipitago deploraval do governo imperial.
Urna reaego honrosa, lao honrosa como o trium-
pho obtido pelo Sr. Paranhos na Repblica Orien-
tal, veio realgar o procedimento rreprehensivel
do diplmala brasileiro, e cobrir de opprobrio esse
trstissimo systema de sugeitar a censura de mi-
nistros inexpertos, hicapazes ou desprestigiados o
carcter, o mrito e servicos dos veteranos mais
eminentes.
Antes de proseguirnos neste assumpto, cumpre
registrar um faci acontecido aqui na capital, fa-
ce de todos. Quando urna multido imraensa.dts-
posta a percorrer as ras da cidade, dando provas
de jubilo fervente, para va em frente da casa da
polica, a priuviru o-quo ergueu para viclo-
riar o conseiheiro Paranhos repelidas vezes, foi a
voz de um adversario, mas adversario generoso,
que nao pode reprimir os impulsos da verdade...
Que motivo pode provocar o fado assombroso
da exonerago ? Seria o governo imperial seduzido
pela vaidade infantil de querer dar urna prova
de sua energa ? Pretenderla acaso por meio desse
acceso febril levantar-se nm pouco da prostrago
moral era qoe jaz e prolongar por mais alguns dias
a existencia ingloria e rachitica que vai sendo to
pesada ao paiz ? Cocbidiaria o doraonio da inveja
ao menos ao ouvido do tllusti adi$s,tmo Sr. Dias
Vieira, humilhado diante da superiurtdadea to-
dos os respeitos reconhecidado conseiheiro Para-
nhos, e apercebendo-se afinal do papel mediocre
ou antes inerte que representara na- grande ques-
lao do dia, deixando tudo aos esforcos do diploma-
la brasileiro,tudo, al me*moo manifest ao cor-
po diplomtico 1 Haveria apenas em ludo issu o
et-tiinulo caracterstico do corago ingrato que se
quer retrahir, aproveitando o primeiro pretexto
para dispensar-se do reconhecimenlo condigno de
um grande servigo 7
Ou ter-se-hia guiado o governo pelas suas pri-
maras iinpresses, ou pelas pmneiras impresses
populares 1 Mas qual o governo sisudo que se
deixa subjugar por essas piimeiras impresses ou
pelas primeiras impressoes populares, de ordiuario
invflectidas, que elle deve antes moderar, escla-
recendo a opiniao,pois que a razo de ordem
des actos administrativos nao pode estar na praga
publica ? Qul o governo circumspecto que pra-
tica um acto gravissimo sem examinar escrpulo-
smenle os fados, sera pesar e medir todo alcance,
toda importancia desse acto ? Qual e governo
srrio quo aventura-se a expedir um decreto repen-
tino e impensado que poda irazeNbo o anependi-
ment, como vai acontecendo, e obrig-lo a descer
a explicaedes qne so servein de aggravar e por
mais patente urna nova e desastrosa inconsidera-
co da alta goveroago do paiz ?
Admillindo-se a hypothese,talvez a mais prova-
vel,de ter o ministerio quenJoaproveitar o Io pre-
texto afn) de reverter toda para si a gloria do ad-
versario no desealace da queslao, e aa mesmo tem-
po gasta lo e desprestigia-lo, para dest'arte arredar
cada vez mais o espectro conservador (que tanto as-
sombra !) dar urna satisfarao aoo alliados, e com-
prar o perdo daquelles que tanto se estomagaran)
com a escolha do Sr. Paranhos,que sentimentos
mesquinlios nao revela essa intengao indecorosa 1
Apedrejar o adversario, expo-lo injustamente s
iras populares depois de obtido o soccorro e todo
proveito que delle se impetrara em crise arrisca-
dissims, quando debaldc se buscara auxilio valioso
as fileiras amigas, um acto lo pequeuino, io
aviltanie, que envergonhara o hornera mais rus-
tico que estivesse acoslumado a prezar a lealdade
e a pagar com gratido os favores recebidos.
E ainda se clamar porque os adversarios nao
preslam auxilios preciosos depoh de to triste
exemplo, que vem confirmar ama verdade muito
proclamada e j altestada por factos innmera-
veis :Neste paiz tudo se resolve pelo absurdo.
Nao ha systema : o que ha bestunto, interesses
ou affectes de occasio.
Nao deixanemos de notar dous inconvenientes
palpitantes qne resultan) do acto do governo. O
primeiro, deixar interrompida urna misso que
s devra cmpletar-se ao conseguirmos todo
nosso desidertum em Montevideo e Paraguay.
Oulro qualquer diplmala, ainda que fosse possi
vel enconlra-lo to hbil como o Sr. Paranhos as
fileiras progressistas, nao leria acompanhado to
de perto o fio dos acontecimentos, e poderia perder
tempo precioso em averiguagoes e estudos, alm
de nao contar com as sympathias, com a confianga
que o Sr. Paranhos por seu laclo, por suas manei-
ras insinuantes, conquistou-as repblicas visinbas
e entre os membros do corpo diplomtico.
0 outro inconveniente ainda mais grave. O
pretexto ostensivo da demisso que o Sr. Para-
nhos nao fez tudo quanto devra ter fetto... A res-
triego mental que eslas palavras deixam suspei-
lar, nao ser um motivo de desconlanga para os
nossos visinhos do Prata, quanto s intengoes do
Brasil, lao acreditadas recentemente por elles, e
lo justificadas pelo procedimento do nosso dipl-
mala ? .
Pois bem: na triste emergencia que se acaba
de verificar, s resta ao partido conservador urna
manifestagao, um voto positivo, que a par da estr-
ia que ihe merece um alliado to distincto como o
Sr. conseiheiro Paranhos, memore os servigos rele-
vantes que elle acaba de prestar ao nosso paiz, re-
presentando um papel to brillwnte no destecho
que se applaude com tanto phrenesi. Essa mani-
festagao, que, estamos eertos, ser partilhada pelos
homens justos de lodos os credos, importar ao
mesmo tempo um protesto contra o aclo que dexa-
mos de qoaliflcar devidamente.
Nao ha muito tempo que eidados de todas as
classes e cores polticas se congregarara para offe-
recer ao veneravel baro de Montserrate um teste-
munho irrefragravel de reconhecimenlo pela digLi-
dade, impavidez e abnegagao com que elle soube
repellir o papel de cmplice que o governo lhe
impunha na violacao flagrante de um preceito
constitucional. A despeilo do que se v na gover-
nanga, ainda existe opiniao independente que nao
se forma as regioes ofikiaes, e que antes fulmina
reprovagao moral a cerlos faetos que dimanara do
poder executivo.
Agora ainda se trata de urna victima proemi-
nenle, posto que com circumstancias diversas. O
acto governativo por que soffrera o baro de Mont-
serrate era nada menos que um golpe dado na in-
dependencia e perpotuidade da magistratura. O
acto recentemoote decretado nada menos que um
acuite desleal e impoltico, fcito a um servidor be-
nemrito que colhra a palma da victoria, servio-
do ao paiz sob o dominio de um governo ingrato-
e leviano, que lhe pagara na mesma moeda com
que pagara ao conseiheiro Saraiva, .com urna
differenga nolavel : o Sr. Paranhos' um adversa-
rio que se poda despedir de um modo infamante :
o Sr Saraiva, porm, era um alliado que poda fa-
zer mal, e anquera convinfia dourar a pilula com
urna presidencia.
Lina justiga faremos ao Sr. Saraiva e ao Sr. Ta-
vares Bastos. Si um dos flus da demisso do con-
seiheiro Paranhos foi acalental-os, eremos que
ainda sob esta relago o governo errou o pulo : e
em todo caso a desiituigo nm acto que em vez
de deslustrar o Ilustre senador, veio por em alto
relevo o seu merecimento, e fazer descer esla si-
tuagao bastarda mais um grao na escala progressi-
va do descrdito.
Assim nao perdesse lauto o paiz com a descren-
ga, confuso e desanimo que resultam desse e de
outros factos, que, alm do mais, servem para de-
monstrar que nao existe garanta offlcial parado
mrito, que nao t^ julga necessario n'um paiz lo
novo, era que se procura nivelar tudo, corlando os
vos gloriosos das reputages superiores e verda-
deramente prestimosas.
Chegamos quadra em que cada qual deve jul-
gar-se feliz conservando-se modestamente isento
das ir..nras ofDciaes, e cuidando na sua vida parti-
cular ou nos misteres de sua profisso que lhe as-
segure a subsistencia com honestidade e indepen-
dencia.
O bomem justo ou ha de locupletar-se com todas
as vanlagens do poder que lhe garantam compen-
sago sobeja nos dias da adversidade poltica : ou
resignar-se s amarguras-della, sem esperanga de
qne mo poderosa se estenda para honrar e ampa-
rar o ment ou a probidade por mais proverbial
que seja.
O peor de tudo que era ao menos podemos
contar com as garantas con-litucionaes sob o go-
verno anormal que nos dirige. Amanha poder
elle, por seu livre arbitrio, mandar decepar-nos a
cabeca na praga publica, ou expor-nos s pedradas
dos moleques; e nao faltaro talvez amigos dedi-
cados que approvem as boas intencoes do acto...
O paiz vai se acostumando, infelizmente, sanc-
go dos factos consummados, para os qnaes nao ha
reparago, 6 menos punigo possivel...
Sob o dominio liberal o nosso governo represen-
tativo vai lomando um carcter verdadeiramenle
assustador. Absorve sem a menor ceremonia a
plenilude dos poderes polticos...
Dissolve previamente a cmara sem um acto,
urna palavra sequer que estabelega o conflicto
constitucional entre ella e o poder executivo.
Fere escandalosa e iniquamente o poder judicia-
; rio em sua perpeluidade e independencia, primei-
ras condigoes de sua forga...
Usurpa altribuiges do poder legislativo, revo-
gando o cdigo commercial por um ukase asslgna-
do por todos os ministros^bella parodia do que
; se passa n'algum paiz conquistado e dirigido pelo
arbitrio sem limites de um dictador de occasio;
, bella parodia dessa forma irrisoria do governo
republicano moldado como o de Lopes, e que sc-
i tem de liberal o nome e a lettra mora,
i E ainda ha Brasileros lo degenerados que por
, ambuo baiem palmas a todos esses desmandos I
Pobre paiz I Ai delle si anda lhe nao valesse a
opiniao dos horaens sensatos I...
J. B. C. F. J.
Recife, 20 de margo de 1865.
CORRESPONDENCIAS
Ao publico.
Srs. redactores.Com grande admiragao tenho
lido em vosso conceituado jornal uns communica-
dos, transcriptos do Jornal da Parahyba e assigna-
dos pelo bacharel Joaquim Gomes da Cunha Bel-
tro, nos quaes pinta a enmarca de S. Joao no
maior estado de desolago e aoarchia possivel, em-
prestando os mais torpes senlimentos aos Srs. Drs.
juiz de direito interino, juiz municipal, promotor
publico, ao delegado, subdelegado, commandanle
do destacamento, a mim e a alguns membros de
minha familia naquelle lugar, por bavermos de
combinago praticado actos arbitrarios e vilenlos
contra elle.
O cupado em roinhas obrgages escolsticas,
baldo de forgas e recursos para sustentar polmi-
cas pela imprensa, mxime com aquelle bacharel,
cuja falta de senso e espirito desordeiro noctoria-
menle reconhecido, cedera a estas consideragoes
se pdesse ser indiferente ao modo inslito, por
que atacada e calumniada a reputago de minha
familia, a de pessoas que rae sao charas, finalmen-
te a minha que tanto prese.
Levado por estas consideragoes, especialmente
por diterenga ao publico que ha lido aquelle no-
jento araiuel (onde em cada phrasc respira o mais
requintado odio) entendo que condemnando-o ao
silencio me mais prejudicial, do que embora para
rompe-lo seja eu forgado a dar publcidade a fados
indignos della.
Sinio profundamente que nao sejam bem conhe-
cdas nesta provincia as vctimas das loncuras do
autor daquelles communicados, e que os factos qne
elle nos attribue a palernidade, se tenbam dado
sessenia leguas distante daqui, porm maior o
meu sentmento, por serem elles de natureza da-
quelles que a decencia e a moralidade.imponhe-
Ihes segredo, visto quo alguns delles involvem a
vida privada de familias, por elle desacatadas. Mas
nao obstante isto pedimos ao respeitavel publico,
que suspenda qualquer juizo a nosso respeito, em
quanto nos veem as raaos os documentos que te-
mos para provar quem o nosso iosensator ag-
gressor.
Por agora, porm, cumpre-nos dizer, que aquelle
bacharel, j bem conhecido nesta cidade desde es-
tudante, onde por suas celebres richas cora seus-
collegas, foi sempre to mal suocedido, j tambem
conhecido em Nazareih, onde por seo mo humor
nunca fez causa cora sens habitantes, uo cabendo
no seio de sua propria familia, buscn os sertoes
da Parahyba, en i endeudo tal vez que acobertado
cora o prestigio do nome de sua familia, e com ora
titulo dado por nossa Faculdade de Direito, poda
occultar seus precedentes e achar qnem o suppor-
lasse com lodo o cortejo de immoralidades e inso-
lencias que o caraelerisa. Acontece qne tocando
na villa de S. Joo, escolhesse-a de preterencia pa-
ra iheatro de suas imraoralidades, j pela simplici-
dade dos costumes, ja pela proverbial tolerancia de-
seas babilanles.
Chagando aquelle lugar dirigi se a minha fami-
lia e della tecebeu os ofibios que estavam as raas
de suas forgas, e qne Ibes acooselhava a hospitali-
dade. Mas nao tardou muito que aquelle bacha-
comegasse por actos reprovados a dar copia de sua
conducta e desmentir o respeito devido a seu titu-
lo, cahindo no mais completo ridiculo. E nao obs-
tante, as frequenies doraonstracoes de descontenta-
mente que lhe davam os habitantes daquelle lugar
por seu proceder, emenden que devia continuar em
seusmos habitos,j pelas mas publlcas.j no sagrado
recinto da matriz, j finalmente, atirando-se sobre
as familias, onde por um pasquim escripto em ver-
sos cuspio as mais injuriosas allusoes sobre urna
senhora til lia de urna das familias honestase dis-
tinctas daquelle lugar, prestando-se depois a expli-
car seus versos.
Ora, por este ultimo acto daquelle bacharel le-
vaBtou-se a maior indignagao na populago, e enlo
resolv chama-lo a assignar nm termo de bem vi-
ver, pois nao era possivel encontrar oulro meio
para reprimir suas desordenadas paixes e coovt-
nha a lodo transe por nm paradeiro a aquelle jogo
da honra das familias.
Enlo entendeu aquelle bacharel qoe devia ser
eu e minha familia o alvo de seus furores, e qner
particular, quer publicamente, nao poupando mais
o doesto e o insulto para assacar e envoltendo tam-
bem em sua rede certas autoridados daquelle lugar,
ceriamente por pao apoiarem seas actos. Desde


Diarlo e Fernarabiid **** letra 4 t tarfo de la.
aquella poca ten elle lanzado mo de lodos os
relos que dos podem ser offensivos, esqoecendo-se
na fcbre de seas dllirlos qua em tempo opportuno
ter de responder por qualqaer calumnia quo sobre
nos tenha langado. Porm, o que raais admira a i lutor vendido bens de seu lutellado sem licenga do
habilidade eoin que aquelle bacharel converte os.Wlao, recebera deste a quantia de cera mil ren era
faetos em sea favor I dinheiro para o dispensar dasconlas e deixa-lo ir
Sabeado elte perfeitamente qne o termo de b^rn Impune para a saa casa desfructar em paz o pro
1." Qae o bacharel Maximiano Francisco Dlf-' 1 barricas earro animal; a Domingos Jos F
je tendo mandado notificar a Alexandre Mentes da Uuiraarca.
Rocha para como tutor prestar coatas d sa ad-! 3 barris carfle de porco; a CstoJiJ Jos A
ministrago, em conseqnencia de baver o mesmo Guirares.
109 caixas azulejo} a Duarie Perefa & t.
100 saceos semeas; a Tasso frmao.
ves
-
mcmuvfis.
viver qne chame! a assignar naquelle Jolito s nao
teve andamento porque depois da audiencia em
que elle compreceo padindo um prazo para apre-
seniar saa defeza, alhiiram lantos faeto, c'dfe su-
perior importancia no respectivo canario, qae nao
foi possirel tomr-se o depoimento das testemu-
bis.
Como que agora, apresenta-se chamando-me
de calumniador, infame, por nao poder provar o
qne em minha peticao alleguoi ? E sabendo mais,
que quando para aqu segoi deixei acostado a mi-
nha petigao urna procuragfto dando todos os pode-
res para proseguir naquella causa.
E de roais, se sou calumniador, infame, como
diz em seu coramunlcado, porque me nao chama a
responsabilidade ? Ser por compaixao de mim 1
Tanta condescendencia nao Ibe promelto, pelo que
de mira disser e nao provar.
V portaoto o publico que nao posso ser o qne
apona o autor daquelles communicados, que nao
achando mais meios para offender, lembrou-se at
de chamar a atiencae de meas lentes, o que des-
pieso, nao s por confiar na justica de seus julga
mentas, como mesmo nos meus precedentes, que
felizmente desde estudante de preparatorios at bo-
je ipni que me acho no quarto anno do curso) nao
soffri ainda a mais leve reprehensao delles.
Outro tanto nao pode dizer aquelle bacharel, que
estando em S. Joo a tao poucos tempos tentando
obter ura attestado de sua conducta civil e moral,
nao o consegro das pessoas gradas daquelle lu-
gar.
Eom homem deste quilate que provoca aos
outros para que Ihes a ponte m faetos em sua vida! tifa de minha pretengo.
que o desabone ? Quanlo cynismo. Ora, depois V. S. claramente sabe
de haver mostrado ao publico que s sou aecusado
par aquelle bacharel por o haver chamado a assig-
nar um termo de bem vlvtr, cujo resultado com
promeito-me publicar logo que me venha as maos,
desojara dizer alguma coasa acerca do proced-
ment das autoridades e mais desafectos delle em
S. Joo, o que humanamente tmpossivel fazer de
urna s vez, mesmo porque espero publicar todo
aquelle processo, quando fornecerei os mais esela-
recimentos.
Entretanto c para mim e deve ser para o publi-
co urna das provas da culpabilidade diquell ba-
charel, o faeto de queixar-se de una violencia e
nao adiar garantas em nenhum dos membros da
admraistrago judiciaria, ncm policial e uem tao
pouco (accrescento eu) nos horneas sensatos da-
quelle lugar, que liveram conhecimenlo do faeto.
Pasma o modo por que se exprime aqoelle bacha-
rel, quando diz em sea communicado, que a causa
dos ataques e violencias que lia soffrido all, ter
elle servido de obstculo aos maitos crimes prati-
cados pela familia Ponta da Serra. Quanta pre-
tengo E' a falta de senso em seu mais perfoito
estado.
Pois bem, declaro a aquelle bacharel, que sob
pena de responsabilidade aprsenle os crimes da-
quella familia. E ao mesmo tempo advirto-o que
se disponhe da faculdade de obstar actos crimino-
sos seria de mais conveniencia que nao abaudo-
nasse o lar paterno.
Concluo aconselhando-o que se nao comprometa
cada vez mais, assim como nao preteoda Iludir
as vistas do pnlilieo e de sua familia, narrando
faetos falsos e sujeltos portanto as consequencias
delle.
Assim como tambem digo urna vez por todas que
me nao atterram seus insultos, apezar de minha
humilde posicao de estudante e nem tao pouco aos
que contigo seffrem.
Recife, 20 de marco de 1865.
Domingos da Costa Ramos Filho.
Eslava reconheclda.
duelo de sua malvcrsago ; e que o jniz recbenlo
dita quantia o absolver de pena e culpa e o man-
dara einbora sem prestar as contas.
2. Que o mesmo bacharel Duarte pedir era-
prestada a quantia de 2005000 ao capito Jos Ig-' Fonceca.
naeio Goncalves da Luz, que tirrha de justificar pe-' 10 barais viaagee, 23 ancorlas azoitonas; a Jo-
rante elle urna divida para ser contemplada na par- s Joaquira da Costa Ferreira.
tilha do inventario do engenho Novo, da fregnezia 100 barris vinagre; a Manoel Jos da Soma,
da Luz, e que o referido capito apenas pode era-! 2 barris carvao animal; a Flix Pjreira da
prestar ou dar a qaantia de 100-3000 pira ver-se Silva.
livre de difflculdades era saa pretengo, como pa-1 70 caixas, 140 meias e 280 quarlas passas, 2
recia indicar o tal empreslimo, se effectivaraente o barris vioho, 33 ditos e 3-pipas vinagra, l'J saceos
nao fizesse. feijflo, 23 caixas velas de cera; a Chrisiovo G.
Sou ura propnelarlo na freguezia da Gloria de Breekeofleld A C.
Goit, onde sou juiz de paz : lenho toda a inde- \ 3 seleiras, 6 hombreiras e 3 vergas de pedras ; a
pendencia para se nao suppr que seu. instrumento Manoel Jos Daitas.
de odios alheios. 4 barricas cevada; a ordem.
Joao de Albuquerque Barros Guimaraes. i Reeebedorla de reud is nter-
---------n. Reodimeotodo dia I a 22..
Caka filial dd baaeo do Brasil
em icroiiif>n 3 cai xas bolacha, 20 ditas velas de cera, i saceos i r <4 4t netro de 1863
nor aostrtaores ue ioaasllao Jos da bilva a virem
33 barris vial.>; a Joa> Pereira Pedrozo Lima. ??*E??.,*?*?HrB *lnnu caixa o que en
b pipas e 73 barris vinho a Thomaz d'Aquino
/'ara combar o espectculo ^ companhia dra-
mtica cantar o novo e marcial
ymno de guerra
poesa do Sr. Guimaraes "Jnior. Msica de Sr.
Lolas Filho.
Comegar as 8 horas.
raleio Ibes toca da venda de urna dasproprieda
des, quesegundo auoncordata.lhe foram entregues
para serem vendidas.Oguarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
t)e ordem da directora desta mesma caixa se
fae publico aos senhores accionistas que o respec
tivothesoureiro esiaotorisado a pagar o 22. di-
videndo de 105 por aeco.
O guarda livros,
fgnacio ones Correa.
A thesouraria provincial compra para a casa
de deteoeo o seguinte :
2 caldeires de ferro para a coziuha, igoaes aos
que actual mente servem no mesmo estabeleci-
menlo.
IflSOS ffllEITIlttOS.
m**rsx*cm
Offerece.se este documento ao Sr. Emygdio, que, l* %,dia a ........
promovendo hojeerajuizo justificacao Je Iwmem ,a"ra d0 Jia H.................
honrado muto pode aproveitar-lhe, nao obstante
esta carta nao ter sido respondida por nao ser mais
precisa sua resposta.
Illm. Sr. Dr. 1. N. da F. Com surarao pezar
venho a presenca de V. S. importnalo com ninha-
nas na occasiao, que o eacoairo encommodado em dem lo li;> 21
seu leito de S'jffriraentos ; certa porra da nimia
bondade do seu cora;ao, cont que serei sincera-
mente desculpa Jo lauto mais quanto V. S. com o
elevado criterio de que dispoe e o espirito de recti-
do que o domina reconhece evidentemente a jus-
1 dito de dito forrado de portellana de 22 ga-
407195720 loes.
1:0945460 a quera convier tratar-semelhante fornecimeuto
7ZT7T7Z. cmparega na mesma thesouraria, no dia 23 do
41:8145180 correle, pelo meio dia, com saa proposta em carta
==== fechada.
Coagulado Drovlnelal. Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
RandinoetUo do da 1 a 22....... 77:26759{W buco, 14 de marco*! 1863.

1-9415803
79:2095759
1QYIMENT0 10 POETO
Nidio futrado no da 22.
O secretario,
R. F. ti'/lnniincHi do.
. Pela theseuraria provincial se faz publico,
que a arreroatacao do imposto do pedagio da pon-
: te de Motocolomb (oi transferida para o dia 30 do
corrale.
Secretaria da thesouraria proviacial de Pernam-
buco 17 de margo de 18630 secretario.
A. F. d'Aonunciaco.
Pela thesouraria provincial se faz publice,
que a arrematacao dos reparos de que precisa o
impedrameoto do lugar denomiaado Areias do
Giqui-na estrada da Victoria, foi transferida
claramente sabe, que -ou legitimo possui-
dor de urna letra de seu aceite saccada por Anto-
nio Emygdio Ribeiro, letra que tendo fluctuado em Lisboa31 dias, brigue in vafr est hoje no de duzeotos e nvenla e um mil nelailas, capilao Freiarii^k Liis, equiagetn 8,
e oitenta ris em consequencia de reformas que carga sal, a Aranaga Hijo & C.
lem soffrido e de alguinas sommas, que V. S. lera Navios saludos no mismo dia.
me remttido pelo saceador para meu pagamento.. Rio da Prata Escuna nacional Nossa Senhora da Paa o da 30 do corrente.
Peco-lhe pois encarecidamente que, com a verda-; Concetcao, capilao Lauriaao Jacinlhode Carva- Secretaria da thesouraria provincial de Pernara-
! buco 17 de margo de 1863.O secretario,
A. F. d'Aonunciaco.
I Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematacao da obra dos reparos da ponte
. dos Caminos foi transferida para o dia 30 do cor-
rente.
de quo o caracterisa e presido a "todos os seas ac-' Iho, carga assucar.
los, haja de responder-rae ao p desta carta, dando-' Lisboa Bngue p irtuguez
O :1 f-ilill.li. .1 ., I ^ f __ [1__________________t_________I > [*>f **-* 4 I '
me faculdade de fazer della o uso que me for con-
veniente, aos seguintes quisitos :
1." Sa realmente sou legitimo possuidor da refe-
rida leira do aceite de V. S. e saque de Antonio
Emygdio Ribeiro da quantia de 2915880.
2." Se, era cada vez que a letra lem sido refor-
maJa, Ihe tem sido levada e apreseutada para esse
fim por Antonio Emygdio Ribeiro, saceador della.
3." Sa a lettra foi ullimameote reformada a seis
mezes precisos era I i de dezembro de 1S63, em
cuja occasiiio V. S. remetteume pelo saceador a
quantia de oitenta mil ris para >er-rae fielmente
entregue.
4." Se por ventura sabe que essa quantia por
V. S. assim enviada, por mo de Antonio Emygdio
Ribeiro por conta do debito de que trato, nao rae
foi entregue, como cumpria que o fosse, faltando
elle asim com o dever de portador confidente.
3. Finalmente nesta lettra, por Vezes cima re- ,_ .
ferida, da quantia da 2915830 ris, veocida desde I,lm- ?f- inspector da thesouraria proWn-
11 de junho do prximo passado anno, ja Ihe foi ial-' e'n imprmenlo da ordem do Ev.n. Sr. prasi-
apreseniada, como de estillo commercial e por 7eae da provincia de lo de marco corrente, man-
quera, e nao Ihe tendo sido porm apresealada, se ida a^rpublico, que no da 30 do raesmo, perante
sabe em poder de quem
Bella Figneirense, capi-
to Jos Cirrcia de C. Sbnnho, c Micei -Patacho inglez Umlannle, capito W. A.
Jackman, em lastro.
PanadoIliate brasileiro Amelia, capito Austri-
cliano Henry Mafra, carga varios gneros.
Liverpool Lugre inglaz Brilhanle, capilao F. B.
Walker, carga algodo.
Portos do sul Vapor brasileiro Apa, commaodao-
ta o Io lenla Carlos Antonio Gomas.
Qbservaco.
Suspendeu do lamaro para New-York a barca
ingleza Onjx, capito P. Gil, com a mesma carga
que trouxe de Adelaide (na Australia.)
EfrlfAES.
olla est, se no meu ou
no do sacador.
Sao emfim Illm. Sr. doutor estes os quisitos, quo,
leudo subm-ltido a pureza de seus seotimeatos,
imploro a V. S. os responda com- a p sstvel brevi-
dade; pois me faz a nem de meu direito ; cajo fa-
vor peuhoiareteroaraeato minha sincera grati-
do.
Aproveito
a opportuaidade para assegurar ao
a junta dafazeoda da mesma thesouraria, se ha de
i arrematar, i qaem por menos fizer, a obra da re-
; coostruccao da bomba d varzea de Paalista, ava-
liada em8005.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 13 de maio de 1834, e sob as
clausulas especiaos abaixo copiadas.
As pessoas que se propoxerem essa arremata-
Cao, comparecam na sala das sessoes da referida
Sr. Redactor. Muito gostou Sua Magestade
Imnerial de Peraambuco, na visita que se dignou
fazer-nos; mas, do que vio aqui, nada Ihe deu tan-
to goslo, como vero museu do gymnasio, e na ver-
dade teve razo; nao tasto pela abundancia dos
objectos, como da escolha delles e do estado de
cooservaco: nresa occasio all fomos e onvimos
as observacoes por elle feitas Sua Magestade a
Imperatriz que o conduzio depois de o ter visto de
manha; foi portanto duas vezes ao museu En-
tre nos as cousas passam diferentemente ; e ve-;
Illm. Sr. doutor meus protestos de estima e consi- Jun* aodia M,B,a_ ntf.nciooado pelo meio da, e
deraco, offerecendo o meu pequeo pfestime pa-1 corffpetentomente habilitadas
i pois sou com veras de ; f Para fons,ar' se manaou Pu,,ll
ra o que for do seu servioo
V. S. atiento venerador e obrigado criado.
Ci*a de V. S. na estrada do Porabal .. de feve-
reiro de 1863.
lustino Slartyr Correa de Mello.
icar o frsente
' pelo jornal.
Secretaria da thesourarir provincial de Pernam-
bu'co, 18 de margo de 1863. O secrelario, A. F.
d" Atmnnciarao.
Clausuas especiaes para a arrematacao.
it A recoustruego da bomba da Varzea no en-
l'm remedio TegeUl de urna prodigalidade assom- :'gen* P*1*. na importancia de 8O05, ser feita
i,r... : de accotdo Com o presente orgaraetito approvado
.- orosa. 1 pela presidencia.
Afinal chegou o da em que se descobrio dentro, s O arrematante dar comeco obra no praio
da concentrada essencia de um producto para a
a maior udinWonga quasi geral em ludo rme cura de t0(,as as molt)St'a3 precursoras da ptiisyea.
' A 1 tuic salntar de. vida, puis-TTtir
concorre para a instruccao seicniiiloa, r. assim mu
seu, bibliothecas, etc., simulara a solido dos cerai-
terios.
O. museu acha-se patente todas as quintas feiras,
como foi publicado neste Diario, entretanto anda
nao pisou neile p de gente : mas nao isso que
admia, admira sim a iodifferenca daquelles mes-
mos, que esto no caso de applaudir o interesse
que Sua Magestade Imperial mostrou pelo nico
museu da, provincia-: e lauto assim. que as ses-
soes passadas de nossa assembla proviucial, a
qnota votada para conservagao, admiulstrago e
augmento do museu, foi de 40050001 I
Sem o augmento de novas acquisigoes existem
all pelles sem estar armadas, 00 duplo do que
existe montado, e que de dia a dia se deterioram :
para as montar precisa-se de dispendio nao peque-
o, tanto em utensis, drogas, mo d'obra, como ar-
marios, quadros, taboleiros, tudo eavidragado; pre-
cisa-se de empregados para esses misleres subordi-
nados ao administrador do museu : ora, com a quo-
ta de 4005 que nao bastante para pagar ao var-
redor, que se ha de prover a tanto ?
E de mais essa migalba votada assim mesmo
nao tem sido empregada pela grande diiculdade
e dependencia de poder ser applicada pelos trami-
tas por que passa o mais pequeo pedido, quando,
em semelhante caso, muito se pouparia, mesmo s
autoridades que pedem informago a meio mundo,
a mandar entregar alli a pessoa competente a quo-
ta qualquer, obrigadas a dar coolas do emprego
dasquantias dispendidas.
Ninguem obrigado a trabalhar sem interesse
ou gloria, e assim, se nao houver desejo de acabar
oque tanto dinheiro tem custado, e realmente vale
tao dislincta creacao, indispensavel votarse no
orgamenfo quantia correspondente as necessidades
do museu.
Xo se diga de nos, que aquillo, que chegmos a
er, roeoosprezaraos, e j que nao augmentamos,
S dias, e a concluir 110 de 43, cootados ambos
lento
verdadeiramentese a devera' chamar; da qual se
extrahe este precioso e ineslimaval Ihesouro, a I
Anacahuita do Mxico, e oPeitoral de Anacahui-
ta de Kemp, a preparago por excellencia qne '
obtem com a maior facllidade a victoria sobre to- I
das as eofermidades pulmonares. Jamis houve re-
medio algum, que d'entro de tao curto espago de demnisagao^qiratijaeT que seja
tempo se tornasse lo umversalmente popular. Os
leslemunhos e attestados desuas innumeraveis cu-
ras, em casos de tosse, anginas, rouquido, inflam-
mago do peito, bronchites, asthma, catarrhos,
constipagoes, etc., se recebera aos centenares por
cada correio, enviados de todas as partes do mun-
do. Aha-se de venda em as pharmacias de Unan &
Barboza e J. C. Bravo & C.
' 1 11 1
de
.1* O^iSJifmelir afra Tbito cumma 6 pt eiwgflo,
dedois da obra acabada.
4.* O arrematante, na execuco dos trabalhos,
seguir restrictamente as hstrcges doengenhei-
ro encarregado da fiscalisago dos mesmos tra-
balhos.
^0 arremataote nao ter direito algum a in-
a natureri da alie-
GOMMEICIO.
Cotaccs olflciacs.
PllAQA DO RECiFE.
23 de margo de 1863.
Algodo primeira sorte 175500 por arroba.
Algodao segunda sorle13J300 por arroba.
Couros salgados seceos140 res, por libra.
Cambios sobre Londres 90 di vista 26 1/4 d.
por 15000.
i)uboarcq Jniorpresidente.
Guimaraessecretario.
.Yovo banco de Peraam-
buco.
O banco paga o 14" dividendo na razo de 85
por aego.
\iv banco de Pernambuco.
O banco desconta letras na presente semana a
PUBLICARES A PEDIDO
Ditas palavras a respeito da nomeago do Illm
Sr. coronel Antonio Gomes Leal, para roinman-
ilantc do corpo de voluntarios da patria.
O governo da provincia acaba de dar mais urna
prova de sua sabedoria, com a certada nomeacao
do Sr. coronel Leal para comraandaoto do corpo de
voluntarios da paria. N;io se dedma de nossas
palavras, que desejamos faz3r o pauegyrico do Sr.
coronel, ou que Ihe queremos prestar urna obla-
gao : ne, nos s temos em vista felicitar ao corpo
de voluntarios, pela felicidade que teve, de ver em
seu gremio, tao distiacto quo brioso militar, que
sem lisonji se pode chamar o Turene brasileiro,
porque sabe, collocando-se na rbita de seas de-
vores ser valente como um bravo, generoso como
um hroe, alfavel para com os seus iguaes, e bon-
dadoso para com os seus subditos.
Horneas como o Sr. coronel Leal, fazem honra a
sua provincia, ao Brasil e ao exercito brasileiro, e
nao ser, pois a nossa humilde peana, que Ihe pos-
si teeer ora pompse elogio.
Parabens, pois, ao corpo de volCrtitartes, o qnal
tenho a gloria de pertencer, e aceite o Sr. coronel
Leal este tributo de considerago e rerpeito que Ihe
consagra o alferes
lbnrtino Pinto de Almeida.
lO pilbliCO-
Acabo de apresentar ao Exm. Sr. presidente da
provincia ama denuncia contra o juiz municipal e
le nrphos do termo de Pao d'Alho, bacharel M-
ximiano Francisco Duarte, pelo crime de peita
praticado por elle duas vezes, como mostrei em
minha denuncia, narrando os fados e oircurastan-
cias relativas com toda a individuago, e in^truin-
do a aeensaeao com nm termo de declarages lo-
madas ao proprio eserivio de orphos fgnacio Go-
mes de Souza, que dertrou o seguinfe i
a praso nunca menor da
nem mesmo sabemos conservar. A nossa esperan-112 por cento ao anno at o prazo de seis mezes.e
ca de vermos o museu progredir encerra-se em ''
urna s considerago, e na illustrago, patriotis-
mo, e bom senso de nossos Ilustres deputados pro-
vinciaes, qae nao querero abandonar a sciencia
poeira ou calamidades do clima e s tragas.
toma dinheiro a juros
tres mezes.
Alfandcga
tend ment do dia 1 a 22.......
dem do dia 23...............
394:1034832
gagio qne fizer
5.* Em tudo mais qne nao se contm as presen-
I tes clausulas, segutr-se-ha o que dispoe o regula-
ment das obras publicas.
Conforme.A. F. f AnnunciacSo.
-* O Illm. Sr. inspector da thesouraria" proviu-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, de 16 do corrente, manda fa-
I zer publico que no dia 6 de abril prximo vindou-
' ro, perante a junta da fazenda da mesma thesoura-
ria, se ha de arrematar a quem por menos fizer os
reparos de que precisa o empedramento da estra-
da de Apipucos, desde o lugar em frente a da
Trempe at o Chora-Meuioo, avaiiados em rs......
3:0805.
A arrematago ser feita n forma da lei pro-
vincial n. 343 de T3 de maio de 1834, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
gao comparegam na sala das sessSes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se maodou publicar o presente
peld jornal.
Secrctari da -theseurarw provincial de Pernam-
Luco, 20 de mango d 1885.
O secretario,
Antonio Ferreira da Annunciagao.
Clausuras especiaes para a arrematago.
1? As obras dosfeparos ao empedrameato ci-
ma mencionadas sarao feitas de conformidade com
o oncaruento junto na importancia de 3:0805.
2? O arrematante dar principio no prazo de 13
dias, coacta i r no de dous mezes, ambos conta-
dos da data da arrematago.
3M) pagamento ser reahsado em tres presta
ces IguTes," sendo a* primeira quando uverlTtb
urna terga parte da ohra, a segunda quando tiver
Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
buco 17 do margo de 1863.O secretario, .
A. F. d'Annunciago.
Pela thesouraria proviacial se faz publico
que a arrematago da obra dos reparos da cadeia
da villado Cabo foi transferida para o dia 30 do
corrente.
Secretaria da thesouraria provincial de Fernam-
buco 17 de margo de 1863.O secretario,
A. F. d'Annunciago.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematago dos reparos de que precisa a
entrada-do portiMte-fiaitnhas, foi transferida- para
o dia 30 do corrate.
Secretaria d mesonraria provincial de Pern*n-
huco 17 de margo de 1865.O secretario-,
A. F. d Anfliinciaco.
Praca.
Sexta-feira 24 de margo, depois da audiencia do
Illm. Sr. Dr. juiz de orplios vai a praga pela ulti-
ma vez por venda, por tempo de 3 annos pela
quantia annaal de 6005 o sitio no larga da Casa
Forte, com grande casa de vi venda o todo seu ter-
reno comprehendendo o lado que foi dividido pelo
encanameoto, e com grande bixa para capitn,
podendo Os pretndanlas dirigirem-se ao tutor dos
menores e cohsenhor Joao Joaquim da Costa Lelte
na ra di Qaeimado n. 2, para as mformacts qne
quizerety.
Em consequencia de ser feriado o dia 23 do
cofrenft?, a audiencia do Sr. Dr. juiz municipal da
segunda vara sera no dia 24 a 1 hora no Itfgar do
costuhle, o que se faz publico por ordem do mes-
mo juiz.
O escrivo,
Manoel Joaquim Baplista.
Pela secretaria da cmara municipal desta
idade se faz publico que a mesma cmara prin-
cipia a sua primeira sessao ordinaria dete anno
id dia 24 do corrente, e no< que se seguirem.
Secretaria da cmara municipal do Recife 22 de
rtiargo de 1863.O secretario,
-Frttw?iro-cmTro'rta-flttfiviaj^em. '
No da28 do torrente mez tem de ir em
praga para ser arrematada una parte da casa
terrea o*. 47, da rkla das Cateada freguezia de
S Jos, com utna porta eJaneti na f-ente, ava-
liza dita parte em 5135204 rs., penhorada a
Ladgero Baltrfnd Soars de Carvalho por xe-
cucas de Antonio Moreira Rei, eomo cessiona-
rio de D. Joanna do Rosario Guimaraes.
Correio geral
Pela administrago do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convenci postal
celebrada pelos governos brasileiro e frncez, se-
roexpedidas malas para Europa 00 dia 30 do cr-
rante pelo vapor f.aneez Navarre. As cartas se-
ro recebidas at 3 horas antes da que for marca-
da para a saluda do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras antes.
Administrago do correio de Pernambuco 22 de
margo de 1865.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Juizo de paz do Io districlo da iregiicm da
Boa-Visla.
A segunda audiencia deste juizo na presente se-
mana, ter lugar no dia sexta-feira 24 de margo,
as 4 horas da tarde, no lugar do co a > do mesmo aiez dia santificado.
COMPANHIA BBASILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR
pos portos do sul esperado
al o dia 31 do corrente um dos
vapores da companhia o qual de-
pois da demora do costume se-
,, ,'uir para os portos do norte.
>esde ja recebem-se passageiros eengaja-sea
carga qne o vapor poder eonduzir, a qualdever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendase dinheiro a frete ateo diada saluda s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio Grande do Sul segu em poucos
dias o brKue brasileiro Prazeres, capito Jerony-
rao Jos Talles : recebe alguma carga a frete e a
tratar 00 escriptorio de Amorim Iraiaos, roa da
Cruz n. 3.
Para Lisboa
pretende sahir em poneos dias o patacho portugnez
Jareo por ter a maior parte da carga tratada, e pa-
ra o pouco que Ihe falta trata-se cem os consigna-
tanosj>almerra & Beltro, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
Ri Grande do Nortee Ass.
Segu a barcaga Dous Amigos, a sahir por esles
dias, recebe carga por precos commodos: a tratar
na escadinha com o mestre, ou no caes do Ramos
n. 24.
Para Lisboa
pretende seguir com muita brevidade a barca por-
lugueza Henriqueta, lem parte de sen carregamen-
to a bordo : para o resto qua Ihe falla e passagei-
ros, para os qnaes tem mnitos commodos, trata se
com os seus consigoatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo 4 ('.., no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
^ara o Porto pela iha tie S. Miguel
O bem conhecide brigue nacional Amelia pre-
tende seguir at o l'un do mez, tem parte do seu
carregamento a bordo : para o resto que Ihe falta
e passageiros, para os quaos tem excellentes com-
modos, trala-se com os seus consignatarios Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C, no seu escrip-
torio ra da Cruz n. 1.
PaPa o Hio de Janeiro
o veleiro brigue escuna Nao Sei, pretende seguir
delrW' 2 radeiras de braco, 2 palanquins. 1 fog*
nale'esJ'* l'*ra i:,h- l ("at"'dH de 4 rodas.
1 emita 1 Mih-|eL i rodas e oulros objectos, 1
escava de 33 auno*, e^rjyo de 18 ano?.
SegiiHda-feifa 27 io comente.
Na Solcdade prlocipio da" Wl de Joao de Bar-
ros cms .t 1-
Cordeiro Siiif far leilao dos objerlo cima
mencidn?dos e por conla e orden de urna pesipa
que se retira para orop.
Dar principio o leilao- as 11 hora?. r:.TIindo da
ra do Crespo um mnibus as 10 horas pjr- cen-
duegao dos pretendentes.
1YIS0S DITEBSOS.
G abaixo assignado pede encarecitlamon-
le ao Sr. Antonio Emygdio Ribeiro, q.ue a
bem da sua honra entregue ao anoonante
a quantia de O^, a qual tn o complemento
da restrtuic'&e de 80/>, dados pelo Illm. 9r.
Dr. i, N, daF. a 14 de dezembro de iSGfc,
para serem enlregues ao anniincianii!. Sinr,
Sr. Emygdio, complete esla restimiciio ;
porque vem muito ao caso, a quem pie-
tende provar em juizo o quesito de ho-
mem honrado, em occasio de abertura de
falencia que se Ihe promove Sim, Sr.
Emygdio, repito, cotrtm reslituir este di-
nlieiri; assim como e*tituro letra d acei-
te da mesma pessoa j referida edo valor de
291-5880, no dia 7 de fewreiro ih presente
anuo, quando o annunciaote expro' rou a
S. S., em altas vozes, no cswhelecimento de
ifazendas do Sr. Manoel d Sili Aniunes.
na uta do Queimado ; afim db se Ihe- resti-
tuir a referida letra, que eslava em meu
poder, para fins convenientes, dtsde 20 de
maio de iHUi, e restituir ambem nrjwilh
quantia de 80(5, a qual prometiendo S. S.
solemnemente restitui-la a 28 de fevereiro
do prximo anno, s restituir) 206 por mo
do dono doestabelecimento. O annunciante
ainda Ibe accessivel. se nao enco;.ia-!u
em sua residencia, naos carlorios ou rn casa
de audiencia ; bote o referido valor db (jo>
no deposito geral, porque fiea riscadt da
conducta do Sr. Emygdio este abuso de -,'on-
fianca, que todos sabem a lei como qunliica
faetos desta ordem praticados quando se
fecliou a loja, e desappareccu o qoe
havia dentro. J o Sr. Emygdio pode
passar entre a Ilustre coiporaco commer-
cial, atravessar o grupo de amigos e entrar
em algum templo, como homem honrado.
Complete oSr. Emygdio a restituir!) aindav
tf ovlmentoila alfandesa
Volamesentradoscomfazendas... 320
i com gneros... 211
Volamossahidoscora azeedas. 86
i i com gneros ... 834.
l-f77fiinfe'10 ^ous ,erGs> e a terceira e ultima quando li
J ver concluido e entregue definitivamente.
4." Para tudo mais que n5o estiver especificado
as presentes clausulas, seguir-se-ha o que deter-
mina o regulamento de 9 de julho de 1861. .
Conforme..*
Antonio Ferreira da Annunciagao.
609:681*492
561
------940
Dosarregam no dia 24 de margo de 1863.
Vapor inglezHrscAe/mercaoorias.
Brigue hanoveriano -Sylpkidim farinha de trigo.
Polaca italianaLindadiversos gneros.
Galera uglezaHermioneferro para aponte.
Barca inglezairon Gem objectos para a estrada
de ferro.
Brigue inglez Carrie idera.
Brigue portuguez Constante II lagedo.
Brigue hollandez -Orion diversos gneros.
Patacho nacionalBeberibridem.
Barca inglezaD. Manacarvao.
Brigue inglezEliziaidem.
Patacho inglez Spray idem.
luiporaco.
Patacho brasileiro Beberibe, chegado de Lisboa,
manifestou o seguinte:
30 saceos farello, 40 barricas alpiste, 3 snrroes
cwninhos,8 atados passas, 34 barris vinho; a Eu-
zeblo Raptiael Rabello.
20 barris azeite, 50 ditos vinagre, 23 ditqs tou-
cinho, 25 ditos linguigas, 200 ancortas azeitonas,
200 caixas ceblas, 8 surroes cominhos, 10 saceos
erva-doce, 439 ditos farello, 18 milheiros de sar-
das, 4773 moios sal; a A. L. de Oliveira-zewdo
C, ;
30 barris vinho, 23 ditos, 10 pipas e 2 meias di-
tas vinagre; a Manoel J. Ramos eSilva 5: Gen-
rw.
50 pegas de cabo de cairo; a Manoel Luia dos
Saatos. & C.
4 pipa? e 30 barris vinho: a Joao Macado d'Ai-
tteida.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 16 do corrente, manda fa-
zer publico que no dia 6 de abril prximo vindou-
ro, perante a junl da fezenda da mesma thesou-
raria, A ha de arrematar a quera por menos fizer
os reparos de que precisa a ponte do Rio Formoso,
servindo de base a esta arrematago a quantia de
787,5600.
A arrematago ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de margo de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esla arremata-
gao coraparegam ua sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio-dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se manden publicar o presente
pela jornal.
Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 20 de margo de 1865.
4 O secretario,
Antonio F. da Aanimeiagao.
Clausulas especiaes para a arrematago.
I. Os reparos da ponte do no Formoso, serAo
ifeitos de conformidade com o orgamento na impor-
tancia de. 787*800.
1.* As obras devero ser principiados no prazo
de to das e concluidas ad de 3 mezes, ambos co
lados da data da approvagao da arrematacao.
3. Os pagamentos serao realisados em daas pres-
tag5es iguaes, a primeira quaodo tiver metade das
obras e a segunda na sua conclaso e entrega de-'
Unitiva.
4.* Para tudo o que nao estiver especificado as j.
presentes clausulas seguir-se-ha o que determina .
o regulamento de 9 de julho He 1864.
?eVmetParr"'lSe.mnT; 1^^,^'recommendu-lhe, nao facasuas lestemunha
estremecerem no acto de bolarem a mo di-
reita no ivro dos-Santos Evangcllios : nem
regamento emgajado : para o resto qoe Ihe falla,
trata-se com os seus coosiguatarios Aolonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio roa
da Cruz n. 1.
Para o Para
pretenda seguir com muita brevidade o veleiro
hiate Dous Amigos, tem dous tergos de s.eu carre-
gamento proraplo : para o resto que Ihe falta tra-
ta-se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Olivara Azevedo & C, no seu escriptorio ra >ia
Cruz n. l.
Para a Babia
segu o patacho D. Luiz com parte da carga
prompta: para o resto tratase com Jos Maria Pal-
meira, largo do Corpo Santa n. 21.
Para o Para.
vai seguir com muita brevidade o paihabote Pa-
raense, tem a maior parte da carga prompla'.e
para o resto que Ihe f.iita trata-se com o consigna-
tario Joaquim Jos Googal ves Beltro, na ruado
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6.
armazem.
Maranhao
O paihabote Guribaldi segu para Maranhao por
esles dias, recebe carga : a tratar com Tasso Ir-
mos.
Para a Bahia pretende sahtr em poneos da*
a escuna Eliza por ter alguma carga tratada, e
para o resto que Ihe falta, trata-s com o consig-
natario Joaquim Jos Gongalves Beltra, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6,
armazem.
LS IL OES.
TffEVTRO
S. ISABEL
EMPREZA--COIMBRA
Sabado 25 de marco de 1864
Sumptuoso espectculo em grande
gala em festejo ao anniversa-
rio do juramento da conslitaico do
imperio.
Logo que S. Exc. o Sr. presidente da proviocia
se digne apparecer na tribuna, a orchestra execu-
tar como introducgo, a brllhante marcha militar
intitulada
A TOMADA SE PAYSAND0
Leilao de urna c sa ierre na ra dos
Prazeres n. 12.
Freguezia da Boa-Visla.
Martins far leilao de urna casa terrea edificada
era terreno proprio uos Coelhos a ra dos Praae-
res com 2 salas, 3 qu*rtos, cosioha fra, quintal
cora cacimba e mais um quarto no quintal.
hoji:
Era seu escriptorio ru da Cadeia n. 9, primeiro
andar, as 11 horas do dia.
Leilao de parte dos salvados do brigue
iuglez Hebeof the E\e.
Constando de arroz, looga, cerveja e phosphoros.
Hoje i' de marco as 10 1|2 horas
no armazem alfaodegado do baro do Livramen-
to caes de Apollo.
O gente Pinto fara leilao requer ment dos
consignatarios do brigue ingl-z Hebe of tue
Exe, encalhado nos arrecifes de Itamarac, com
licenca do iaspector da alfandega, em presenca
dos empregados da mesma repanigo para o flm
nomeados.com assislencia do consnl interino de
S. M. Britannicae por conta e risco de quera
pertencer de 6 saceos com arroz 7 caixas com
palitos phosphoricos 3 barricas e 6 gigos com
louga, 7 barricas coai 28 duzlas de botijas com
cerveja branca que fazm partes aos salvados do
referido brigue e existentes no armazem alfande
gado do baro do Livramenlo caes do Apollo, on
de devera' ter lugar o ieil3o as 10 1|2 horas em
po nto^_____________________________________
Leilao de cerca de 150 saceos com mi-
lito. 160 ditas de feijo e 120 meios
desoa.
Martins fara leilao por conta e risco de quem
pertencer des artigos cima, na roa do Vigario
composigo da Exm.* Sr." D." Amelia Carolina
Fiok Romano, e por ella offerecida aos voluntarios
da patria, em seguid* Abrirse-la a scena e armaiem n. 1, ao meio da do da cima.
rante as effigiesde SS. MM. II. a companhia dra- Lcilta (le 10 CitivaS C01U
matica cantar o
flh-
quiijos
MMN,
IOJK
O agente Pinto far leilao a reqaerimento de R.
B. Lasserre A- C. com autorisago c era presenga
do cnsul de Franga e por conta e risco de qnem
pertencer de 10 caixas coa queijos, marca R. B.
L.ii C. n. 1|10 viudos no vapor francez Navarre
Findo o drama e para concluir o espectculo lo- tSEftM L*'?, ffi '
\\\mi) NACIONAL
Ter lugar depois a representago do excelleate
drama em 4 actos
0 PODER 1)0 OLBO.
da a companhia cantar um novo e marcial
Hymno de guerra.
Poesa do illustrado acadmico o Illm. Sr. Gui-
maraes Jnior, msica do hbil professor regente
da orchestra o Sr. Colas Filho.
Os Mneles acham-Stfa venda ne escriptorio do
Iheatro.
Coraegar as 8 horas.
Recita extraordinaria Ilvre de
assignatura.
Domingo 26 de marco de 1856.
Subir a scena o magnifico mysterio em 4
actos, ornado de msica e maclHnismo
GABRIEL E LUSBEL
A. F. da AnnnnciacSo. 16S MIL4GRES BE S,-
ellectuado as 10 horas do dia cima dito em sea
escriptorio ra da Cruz n. 38.________________
1^1 lo
De ama fabrica dn fezer serveja para 3,000 gar-
rafas de cada vez.
Urna machina de engarrafar.
I'ni moinnu gravtte para caf ou cevada.
Um tanque de eobreom torneira para oteo e
muitos onlros objectos que estaro presentes no
acto do leilao
Martins far leilao dos objectos cima na ra do
Vigario armazem n. 1, ao meio dia.__________
Leilao
De urna mobilia de Jacaranda com pedra, 1 guar-
da vestido, i mesa elstica, 3 secretarias, 1 cama
trancea, 1 la valono com pedra, 2 cadeiras de
blango, 1 guarda roopa, t sof, 1 cama do ferro,
16 cadeiras, 1 kpar*iho para jantar, 8 laaternas,
6 jarres para flores, 2 serpentinas, 1 aparelho para
almoco, 2 salvas de prata, 6 castlgaes de prata, 1
palneiro de prata, 3 bancos para jojjo, 4 escarra-
scus amigos por envergonzados se horrori-
sarem.
Justino Martyr Corre a de iVelh.
LOTERA
AOS 6-MOWO.
Terra-feira 28 do corrente mez, se ex-
trnhir a ultima parte da lai|" da 2a lo-
tera (10'j a beneficio ti mtriz de S. Jo-
s do Recife, no consistorio da igreja de
Nossa Senhora do Rosario da freguezi
de Santo Antonio.
Os billetes,meios e guarios esto a ven-
da na respectiva thesoararia ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de G-000#000 al 10r>00
seropgos una hora depois da extraccao
at as i horas da tarde,, e os outros depois
da distiiliuig.au das list.-is.
As encommendas- s-rao guardadas se-
ment at a noite da vespe/a da extracelo
como de costume.
O thesoureiro,
_________Antonio Jos Rodrigues de Souza.
. Os administradores da-massafaliida de Alo-
rim, Fragoso, Santos & C. declarara que o paga-
mento do 1* dividendo de 5 6/0 j annunciado por
vezes, ter lugar somente at o da 31 do corren-
te, e depois desse dia depositar*} as ipianlias per-
tencentes quelles senhores credores que nao se
apresentarem no praso marcad.
Jos Gomes Fonseca retirase para fra do
imperio.
Precisa-se de urna ama forra de muito bons
cosiumes para tratar de meninos, engommar e ou-
tros peqneuosservigos: na ra dos Guaiarapes,
sobrado n. 6.
Joanna Maria Macil previne ao respeilavel
publico que nao contrate com o seu marido Fran-
cisco Jos Duarte Camargo, porque este se acha em
estado de nao ser valido qtoocr contrato feito
por elle, e quem o fizer pausar pelo degosto de*
perder o seu dinheiro e bens. Recife 21 de marco
de 186o.____________________________________
Na ra da Florentina b. 36, prepara-se co-
mida para fora por comraodo prego._________
Precisa-se alugar urna eserava para todo- o-
servigo de urna casa de familia : na ra das Cru-
zes n. 9, segundo andar.
Jos Domingues da Cucha retira-se para f-
ra da provincia.
O abaixo assignado lem justa o coniraiada a
taberna sita no pateo do farmo n. 2 com o Sr. Es-
tevo Rodrigues Fontes : quem se julgar com di-
reito a mesma, dirija-sa no praso de tres dias, a
contar desta dala. Recife 21 de margo de 163^
Thur.iaz Jos de Oliveira.
O abaixo assignadotem justa e contratada a
sua taberna sita no pateo de CarmonH com o Sr.
Thomaz Jos de Oliveira : qaem se jnigar com di-
reito a mesma, dirija-se no praso de tres dias para
ser attendido, no largo do ('.anuo n. 13. Recifd
22 de margo de 1865.
Estevo llorifues Footes.
FAPRIGCE
PIQFNAS M-QTilXAS
RRA-MAICIR
FAFEtiCONTAS- IB-TRAS;
B QA^TOBS PE^VZ-ITAS :
raiXETES $.\?.a CARTAS
ACRE OBRE.IAE TINTA
Na. ra do AragUo n. 12.
CotsjKi nbia Air eslrada de fer?
DO
Reeife a Sao FranciscK
Peta superintendencia de>ta companhia se faz
puWico que os bjlhetes de passagrros de ida e
voUa comprados hoje sexta feira S* do corrate,
servirao at segunda feira 27. .
Esta regra fiea entibe I eci da todas as vezes quo
houverom (luis dias saniiricatiosseguido*-.
Villa do Cabo, escriptorio da supenniendeucia
S4 de margo de 1865.
G. O. Mino,
Engnbeiro e superintendente interino.
Calxlero. -
Na roa Direlta n. ft precisa-se de um rapaz de
idado de 14 a 18 nos para caixeiro de padarla.
qae abone seu coaipQrtaraeut.

'. '


Dtarto *e reru
Seita lelra 4 t Marca de !&.
Ama de leite.
Precisase de urna ama de leite que queira acem-
panhar ama familia ra da capilal : na ra da
Cruz n. 42, segundo andar.
Pergunla se aos senhores administradores da
massa de Manoel de Azevedo Pontes se anda res-
la fazer algara dividendo, e quando pretenden)
prestar conus.____________
Precisa-se de um moleqoe de 18 a 20 annos:
na ra das Larangelraa n. 10.
Canario
Fugo no dia 2l; pela tarde, un canario da tr-
ra, grande, rauito amarello e bastante manso : a
pessoa que o pegou, querendo fazer o favor de o
entregar, dirija-se a ra do Arago n. 22, ser ge-
nerosamente pago.
Precisa-se de am menino de 14 a 13 annos,
que lenba bastante pratica de taberna e d fiador
a sua conducta : na ra do Rosario da Boa-Vista
d.43.__________________________________
Joo Florentino Cavalcanti de Albuqoerque,
residente na eidade de Campia Grande da pro-
vincia da Parahiba, acnando-se accionado por am
de seu credores, o Sr. Manoel Lniz de Oliveira
convida a todos os outros s*us credores para que
comparec.am no mais curto praso, aQm de euira-
rem em rateio, ou requerer todo o direilo quo lhes
assiste.
Precisa-se de urna ama para o servico de
casa e comprar : na ra Augusta n. 5.
Attenciio.
Offerece-se am horaem com bastante pratica de
administrado de eogenhos : quem de seu presu-
mo se quizer utilisar, annuncie por este jornal pa-
ra ser procurado.
Aluga-se o segundo andar do sobrado p. 33
da ra da Matriz, tem commodos para grande fa-
milia : a tratar com o Sr. Antonio Joaquim Fer-
reira Porto, ou com Miguel Joaquim da Costa na
ra da Cadeia n. 12.
Da-se dinhelro a juros em pequeas
tas : na ra Augusta n. 45.
quan-
Alugam-sedous grandes sobrados.com com
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comjardim.cochelra,estribara eoulras commc
didades,natravessade Joo Fernandos Vieira : a
t*atar na ra daSenzala Nova n. 42.
mmm mmummm mmmmm
| Conipanhia fldelldade a g|
seguros naritlmos e ter-|M
restres estabeleci'da noS
ttlo de Janeiro.
IBI AGENTES BU PEPNAMBIC0
am Antonio Luiz de Oliveira Azevedo H., gK
competentemente aatorisados pela direc- 9
| toria da companhia de seguros Fidelida-
Sde, tomam seguros de navios, mercado- W&
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruin.l. W
Conciliario.
Ha sesso extraordinaria desta sociedade no dia
24 do presente, as 6 horas da tarde, para a qual
sao convidados todos os seus membros.
Os irmos e prenles do finado padre Ignacio
Antonio do Reg, agradecen) cordialmente a ir- [
mandade do Divino Espirito Santo, a todos os Srs.
sacerdotes e as mais pessoas que se dignaram as-
slstir ao funeral do seu muilo estimado mano,
protestando a todos eterno reconhecimenlo.
Aluga-se urna casa na Passagem da Magda'
lena, junto a ponto grande com bastantes commo-
dos, sendo 6 quartos, soto com 2 quartos, cosinha
fora, dispensa e I quarto no quintal, ptimo ba-
nbo no fundo : a tratar na ra Direita n. 3, pri-
meiro andar._____________________________
Precisa-se alugar duas escravas, urna que
saiba cezinhar e comprar e outra para o servico
interno de urna casa : a tratar na ra do Quei-
mado loja n. S.
Instruccoes para o servico
das guardas do exercito, extrahidas do re-
glamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra qu muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Iod pendencia, a \&.
Antonio Joaquim de Mello, amigo advo
gado nesta eidade e procarador fiscal da
thesooraria de .fazenda, emprego que
servio por mais de 22 annos, contina a
advogar em todos os ramos do civcl
crime, com provisao do Exm. Sr. conse-
Iheiro presidente da relago. Na ra to
Imperador n. 14.
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se ada de novo prompto ao seu dispor para todos os misleres da sua pro-
fisso, advertindo quetrouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes; caout-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeirade operaces, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso de servir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a conanga.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh at ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares.
Aluga-se urna negra que cosinha efazo mais ]
servico de casa de familia, tambem se a luga urna
negrinha de 12 annos : na ra do Sebo n. 35".
Theotonio Flix de Mello, avisa ao respeitavel
publico que lodos os escravos da propriedade do
Sr. Pedro Coellio da Silveira, rendeiro do engenho
Bataria da comarca de Santo Anto i he esto hy-
pothecados por escriptura publica lancada na nota
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna (anca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa a
ministroslo da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Bauco de Hespanha
DIRECCO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervivencia dos seguro
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso mesmo por mortedo se-
do tabelliao Porto-carreiro, afim de que nao seja gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
n?Trl?f i0' ViS, .costor7,he 1"e mesmo Sao to suprehendentes os resultados qae prodazera as sociedades da ndole de A NACIO-
senborpretendeu dispor de algum dos referidos ""
escravos.
CLUB PER!M\NBUG4N0
A reunio familiar do corfente mez, ter lugar
na noite do dia 24.________________________
Aluga-se um sitio na ra do Cabral
da eidade de Olinda com casa terrea, com
cupiar na frente, bota os fundos para a es-
trada e margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-lo, arvoredos de ruc-
tos, sem visinho defronte nem pelo fundo,
com ptimos passeios, sala e gabinete na
frente, muito propria para passar a festa e
tambem se alugar por anno: a fallar no Re-
cife, no Recife, na livraria ns. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia e em Qlinda na casa
contigua com o capito Antonio Bernardo
Ferrcira. ______
tfma pessoa bastante habilitada propoese a
leccionar preparatorios em algum engenho do in-
terior desta provincia : qnem se qnizer utilisar,
dirija-se a livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
de ncia^quesedirccjnquemtralar.
Est para alugar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um i e 2 andar de um sobrado
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mel agua na estrada de Joao
de Barros, com arvoredos, agna de beber,e porto
para o becco do Pombal : quem pretender faile
naruadasCruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhaa at ae meio dia.
Aluga-se urna pequea casa terrea com quin-
tal, cacimba, etc., prego de 125 : na ra do Gazo-
metro confronte a fabrica. ________
club commerciac
A partida do club cammercial no orrente mez
ter lugar na noite do dia 25, anniveisario do ju-
ramento da coQslituigao do imperio.
Francisco Lucio de Castro
secretario.
.4 quem inleressar
O abaixo assignado solicita pela polica em ge-
ral qualquer prelengao como: passaportes, porta-
ras, apprehencSes de qaaesquer objectos-, pela
presidencia portaras, passaportes, patentes de of-
flciaes da guarda nacional e outras qnaesquer in
CASA DA FORMA.
Aos 6:000#000.
Bllhetes garantido.
A' hua do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zesbilbetes garantidos da lotera que se acaben
de extrahir a beneficio das obras da igreja de N.
S. do Amparo de Olinda, os segulntes premios :
Um meio n. 2353 com a sorle 6:0004009.
Um quarto n. 2619 com a sorle. de 1:410*000.
Um meio n. 127 com a soile de 300$.
Eou'ras muitas sortes de 100*, 40*, 20* e
iUJUUU.
Ospossuidorespodem vr receber sens respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da ultima parte da e !
da 2' lotera beneficio da matriz de S.Jos do
Rectfe, que se extrahir no dia 28 do conecte
PRECO.
Bilhetes.....7,5000
Meios......3,8500
Quartos. .... 14900
Para as pessoas que compraren de 10000d
para cima.
Bilhetes.....6*500
Meios......3*250
Quartos.....1*700
Manoel Martins Fiuza.
?"7qUehand2 meSn, dimiDnd um? -5 Pane do interesse produzido em recentes liquida- "^S^^^^At^U^^S^l
goesecombinando-ocomamortal.dade da tabella de Depareieux qne e adoptada pela companhia L0 .terreno, deraar.nhae de estabelecimentos
IrUiandade las almas do UrDO SawlO. g3, ,-^us clenlos e liquidagoes em segurados deidade de3a!9annos, urna iniporsicaoannualqae por engao ou ignorancia de seus uroprieta-
Porordem da mesa regedora convido a todos os e l0* Produz em estivo metlico: ries estejam &ujeitos ao rjgor d(J flgc.. pela capi_
irmaos para se reunirem domingo 26 do corrente! ^o nm ae o annos. ...... *-*I*^ taniado porto matriculas de carpinteiros, calafa-
pelas 10 horas da manhaa, no consistorio da mes
ma, para em assembla geral, deliberarem de ne-
gocios que muito intoressam a referida irmanda-
de.O escrivo,
Domingo Jos da Costa Guimaraes.
O solicitador Pedro Alexandrf-
00 da Costa Hachado
se encarrega ante o foro desta eidade de tudo que
fortendente a sua probssao, aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercialmediante razoavel ajuste. Contina
a se encarregar de cobranzas nos termos do Cabo
clpojucaaondecontinua a trabalhar como d'an-
tos,-! encarrega-se de defezasperaDte o jury nos
terraosproximesa viafrrea,offerecendo gratoi-
tamenteseus servidos aos desvalidos: pode ser
procu-adotodososdias uteisdas9 horas da ma-
nhaa asida'arde na ruaestreita do osario n.
3i, efora lessashora na ra raperlaln.36,ca-
sede>aa reidencia.
Precisase alugar urna escrava para o servi-
qo de urna casa e que engomme, para uma-s pes-
soa : na ra larga do Rosario n. 31, segundo an-
dar do sobrado que faz esquina.
Precisa-se alugar urna ama que seja escra-
va e saiba cosinhar e engommar: na ra Nova n.
44, segando andar.
de 10 .......3:942*600
de 15........11:208*200
de 20........30:256*000
de 25........80:331*000
Xas idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informacSes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ma da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ma da Imperatriz n. 12, estol el
cimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao.
Furtaram do engenho Mussamb da comar-
ca de Goianna, Da quinta-feira 10 do corrente mez
de marco, tres cavados com os signaes seguinies :
dous castaDhos e um amarello, castrado* troncho
da orelha, e est crusado nos quartos, por isto tem
pouca sustancia, porm mnito bom para arrodagao
de engenho, o outro rasianbo escuro, tem orna
estrella na testa, e um p branco, do piador para
bano, e o ultimo cardao, bravo per ser pai do
lote todos carnudos, e o cardao bem feito e est
gordo bastante, novos, e esto ferrados : pagase
bem1 j quem os entregar no Recife aos Srs. Leal &
Irmao, c no dito engenho Mussamb ao padre Lua
Jese de Figutiredo.
M
Maques sobrePortugaf.
" O abaixo assignado^ autorisado peh
Banco.Mercantil Portueuse.e naausencia
|Jo Sr. Joaquim da Silva Castro.saca ef-
(fectivamentepor todos o-'paquelessobre
as pra?as de Lisboa e Porlo, e mais Inga-
|res do reino, por qualquer son.na vis-
Ita, e a praso; podendo, o< que temaren:
caques a praso,reeeberem%ista.no mes-
I no Banco, descontando 4 0|0 acanno: na
I')a da nhapnos da ra do Crispo n.6, ou
i ra do Imperador n. 63, segundo a-
ilar.Jos Joaquim da Costa Maia.
91
Joao Baplisla Gomes Penna roga nesta ei-
dade aos amigos do finado Antonio Pereira
Ribeiro Guimaraes, negociante que resida
na prafa do Rio de Janeiro, ruja casa gyra-
va com a firma de Ribeiro Guimaraes i C,
se dignem asslslir a urna missa por alma
daquelle finado, as 7 horas da manhaa no dia
sexta-feira 2i do corrente na igreja do Es-
pirito Santo. O 3gradecimento por este acto
lio pi e religioso sera' vivo e sincero.
XAROPE DEPURATIVO
Joseph Pradines
com sua familia.
retira-se para a Europa
Consultorio medico-eirurgico na ra larga do
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreirada Silva regressando sua
casa,contina em o exercicio de suaprofisso
nao s na parte medica como tambem nacirur-
cb._____________________________________
No dia 21 do corrente mez desencaminhou-
se um preto ganhador com um sacco cem 25
cuias de farinha e urna arroba de caf, que deu-
se para elle levar no largo da igreja de N. S. da
Soledade da freguezia da Boa-Vista, e vinha em
companhia do dito preto ama preta de idade da
casa do dono dos obyectos, e ella nao pode seguir
os passos do dito preto : roga-se as pessoas a
quom for cfferecido estes ebjectos, de toma-Ios e
fazer o favor de mandar leva-Ios ao sm dono, mo-
rador na ra de Joao Fernandes Vieira n. 64. eu
annunciar pelo Diario, que se pagarao as des-
pezas.__________________
Grande soi'limeuto de musics
chepadas pelo ultimo vapor do Rio de Janeiro, e
tiradas das rnelhores operas dos melhores autores
da Europa e da corle do imperio, entre ellas se
acham as denominadas :
Familia imperial
Fumada de Paysandu
Eutrega de Mentevido
Os voluntarios da patria, eic, etc.
A cas viudas de Pars pelo ultimo vapor : ra do
I mirador n. 53, fabrica de pianos.
Traspas.vsi; a loja de barbeiro da ra da
Imperatriz n. 63, muito propria para um princi-
piante ou outro qualquer negocio pela sua boa lo-
calidade : a tratar na mesma.
Hl\ ILHCA DO
Rosarlo n. 33.
O propietario do hotel Traviata, achando-se de
novo em sea estabelecimento, e tendo feito nelle
muitos melhoramentos, convida a seus mui distinc-
tos freguezes, qae se dignem de hnralo com suas
presencas ; offerecendo-se-lhes para remelter co-
mida as suas casas com toda promplido e asseio
pelo'precio mah commodo possivel: no mesmo es-
tabelecimento ha buhares, sorvetee refrescos.
Aluga-se a casa terrea n. 105 da ra de San-
ia Rita : na ra da Aurora n. 36._____________
Precisase de urna ama que faca o servigo
de urna casa de pouca familia, paga-se bem : na
rua-do Queicado n. 33, loja.
U-se 208 mensaes pelo aluguel de um es-
cravo ou escrava para carregar fazendas : ua ra
do Hospicio n. 62.
Veneravel eonfraria de Sania Rita de Cassia?
O abaixo assignado, em nome da mesa regedora
convida a todos os irmaos desta eonfraria para no'
dia sexta feira, 24 do corrente, pelas 2 horas da
tarde, reunirem-se em nossa igreja, afim de en-1
corporados.acompanharmos a procisso do Senhor
dos Martynos.
Consistorio da eonfraria de Santa Rita de Cassia I
21 de marco de 1865.O escrivo,
Joao da Malta Beltrao.
JLE GOUX
BR0M0-SULPH0-I0DURAD0
Este nove producto resultado de urna trplice combnacSo de tres metaloides cujas proprie-
dades sio mu conheeidas, o Bremo, o Euxofre t o Iodo, oceupa hoje a primeira ordem de
eatre todos os depurativos dos quaes o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais nouveis dos hospiues de Paris, os senhores Cazenave,
Puche, Bazm, Btache, Cuibout, Barosehet, Danet, Legroux, Vasse e Aubry, te., demonstrarlo
sua poderosa efneacia as affeccSes seguientes:
Doenea* de palla,
Barlroa e borbalhaa da taria a esaatlr,
I'la can 111 ue oa,
Obalrareoca lini|>tllce,
rapelraa,
Eacrofalaa,
Abecaaoa, ponlemaa, .
Cneraa,
Vlceraa,
Timba,
Kacarbnta,
Hia ou Baabaa (do Brasil},
O Xarpa da Le GoUX, de urna fcil digeato e de.Oito delicioiio. aa aajjaaaM-uolm
cora muita vantagera aconselnado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas rachiticas ou sobre a influencia de um vicio hereditario, e mui
superior neste mprego ao oleo de ligado de bacalho e aos xarpes depurativos e anli-escor-
buticos que se administravio at agora.
Deposito geral, em Paris, na botica Boullay, mtmbro da Academia imperial de Medicina de
Paris, of/ictal da Lefito ele Henra, e ni todas as boticas dt Franca e dos paizes estrangtiros.
Fraaiboeala,
Uaaiarea fra,
Raoblllama,
Ophihalaila eacrafnlaaa a ehraalea,
Tnica eacrafaloaa,
Affeceoea njphlllllca
Ejcphantlaaltt doa Greyoa,
E todas as doenras occasionadas por un vicia do
sangue, e ji tratadas sem nenhum successo pelas
prtparacSes vegetaes, iodadat e o oleo de tic ido
de bacalho.
Precisa-se de urna pessoa para botar sentido
a um sitio na Capuuga, dando-se-lhe dous quar-
tos para morar : a. tratar na ra da Imperatriz
nJl._____________________
Anda contina por alugar-s o soti do so-
brado n. 62 da ra da Guia, que equivale a um
terceiro andar por ter 2 janellas de frente, 2 salas,
i) quartos e urna grande cacimba, o qual acha-se
pintado de novo, e aluga-se barato : a tratar no
l- r.m-iro andar com o sea propietario o baeharel
Frsacisco Loiz Correia de Andrade.__________
Urna carroca para cavallo.
Quem tiver e quizer negociar, annuncie ou ap-
pareca na ra do Livramento n. 38.___________
Xa ra de Santa Bia n. 1, precisa-so de urna
ama para servico de casa e comprar, prefere-se
escrava.
Precisa-es de ama ama para .cozinhar e fa-
zer o miis servico de urna casa de familia : na
travessa dos Ferreiro--, casa qae tem lampio de
gaz na porta._______________ '__________
Anda est para aiugar o segundo andar da
roa do Rangel n. 67, confronte a botica : a fallar
na 1 ;a do Costa e 8,_______________________
~ Precisase de amassador; a raa da Vnzala
Velha n. 9i.
na ra lar-
Eaxaqaeea,
Nevraliaa,
Epaaoioa,
Altaajaea de nervaa,
Varllajeaa,
S)'neopea,
r
ASTHME
Alaga-se urna sala no primeiro andar na roa
JJva n. 23, muito propria para escrlptqrjo : *
tratar ns loja.
Precisa-se da urna ama do leite
gado Rosario n. 26, segundo andar.
Aluga-se um sitio cercado, com algulnaTar
vores de fructo, poco d'agua doce, um telheiro que
serve de estribara, casa de pedra e cal, pintada
de nova, na Estrada Nova, perto do sitio da vuva
Vilasecca, com quem podera entender-se
O abaixo assignado lendo de fazer urna via- \
gem a Europa deixa o Sr. Joo Francisco de Oli-'
veira-Santos,subdito brasileiro, sen discpulo en-!
carregado de sua officina de cutileria sita a ra \
Nova n. 34, que fara' como de coslume as amla-
eSes, cODcertos da armas e outros trabalhos ten-
dentes a sua arte, os qoaes desempenhara' com
habilidade visto estar em sua companhia ha mais i
de 6 annos. O ab'aixo assignado espera que seus
freguezes continen) com a mesma benevolencia
ao dito Sr. Joao Francisco de Oliveira Santos, o
qual se tornara' merecedor della pela sua pericia.
E deixa por seus procuradores em primeiro lugar
o Sr. Julio dos Santos Pereira, em segundo o Sr.'
Augusto Bertrand e em terceiro o Sr. Joo Fran-
cisco de Oliveira Santos.
Joseph Pradines.
mmMwm mmm mmmmm
^H O baeharel Alvaro Caminha T. da Silva -J
JB lem seu escriptorio de advjcacia a' ra B
H do Imperador n. 41, primeiro andar, on-
|B| de pode ser procurado das 10 as 3 horas, ^g
M Em qualquer outra occasio sera' encon- fg
3R trado na casa de sua residencia a mesma jS|
-m ra n. 3, junto ao Gabinete Porluguez. asa
Claudio Dubeux faz sciente ao publico que,
em coDsequencia de estarse concertando a ponte
da TacaruBa tica por em quanto enterrompida a
carreira do mnibus para Olinda; principiando
novamenle a dita carreira logo que a ponte fique
concertada.
Os abaixo assignados socios da firma social
Alfredo de Albuquerque Martins Pereira & C.,'
vendo publicado nos Diarios dos dias 21 e 22 do
corrente mez, um annuncio de Jos Teixeira da
Costa socio da mesma firma social em qus declara
que deixou de ser socio da prensa de algodo, sita
no Forte do Mato que gyrava debaixo da referida'
firma social, e bem assim que ficavam somente
responsaveis os abaixo assignados pelo activo e
passivo da mesma sociedade, vem pois protestar
coaira dito annuncio e declarar que, nao podendo
am socio de ama sociedade qualquer della reti-
rarse e eximirse da responsabilidade a sea arbi-,
trio e sem roatuo accordo dos outros socios, o re- j
ferido Costa, nao poda come tal fazer um seme-
Ihante annuncio vista como nenhum accordo bou-'
ve a tal respeito entre os abaixo assignados, os
quaes consideram o dito Sr. Costa como socio e
solidariamente responsavel, tanto como os abai-
xo assignados pelo activo e passive de dita pren-
sa social, em quanto nao fr dita sociedade le-
galmente dissolvida per mofua concordata de to-
dos os supraditos socios.
Alfredo de Albaqaerqae Martins Pereira.
Frederico Augusto Vellose da Silveira.
Precisa-se de orna ama que saiba bem cos-! Na ra do Mondego olaria n. 13. existe urna
nhar e comprar: na ra Direita n. 112, primeiro carta para ser entregue ao Sr. acadmico Anto-
andar.__________________________________j nio Jos Lopes Filho, e na mesma eiara pode
Aloga-se ama casa nova e fresca por preeo entregar a respesta.______________________
commodo na Capanga na primeira entrada antes j FurUram na noi de 21 do corrente. do ea-
de chegar S. Jos do Mangmnho : a tratar na nu- genho Timb em hbotSOi urn estallo aJasao ca-
mero j A._____________________ bocio, declinas e cauda braucas, com o nico fer-
Na ra da Cadeia do Recife bTm precis-se ro F no quario direito: quem delse souber e qai-
fallarcom o Sr. Manoel Pereira Branda? a nege- :zer dar uolicia ao propnelario do referido enge-
XAROPE D'ETHER
D BOULLAY
Doutor da Faculdade de Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legio de Honra,
Ra des Fosss-Montmartrs, 17, Paris.
Este xarpe composto mais de vinte annos pelo sabio lente Boullay, constitu a melhor
maneira de administrar.o Ether. He empregado com suocesso em todas as doencas que lirio sua
erigcm de um erithismo nervoso, como sao as:
Calmare* de (ilomaio,
Iadla-eataea,
Caava ladea,
Aeeeaaaa hjraterleea e hypo-
coadrlacaa,
Calleas veateaaa oa aerto-
aaa, heptica Satalantaa,
Aeeeaaaa de cola e de rheu-
aaatlaaia,
Caaaa da cnveucalrmonlo,
te, etc., etc.
Deposito geral, em Paris, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro dn Academia
imperial de Medicina de Paris, official da Legio de Henra, ra des Fosss-MonUnartrc, 17, e
em todas as boticas de Franca tr dos paizes estrangeros.
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCQO NERVOSA E 0PPRESS0
nico remedio efficaz para combattr esUs molestias, acalmar m attaque d'asama t impedir a
volta o Xarpe aromatice de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Daeeoberta ialeiramcsU
recente, este noto producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admirareis racil-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, t em todas aa
boticas de Franca e do tstrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22, em casa de Caros Barbosa.
^flft$fc
N. 11Ra do Queimado--N. 11
Superiores cortes de seia preta com lindas barras.
Superior seda faconn o que ha de melhor e mais gesto.
Moreantique preto muito bonito a 2,5800, 3, 3*1500 e 4f o covado.
Completo sortimento de grosdenapU preto de muitas quadades.
Pannos pretos e casemiras de u. uitas qualidades.
Bournus, chales e los de renda pretos superiores.
Superiores pelisses e sautembarqaes de seda para s. nheras.
Bournasde lia para seohoras a il>
Chapese chapelinas de palba do Italia para senhoras.
Cort*s de lia de barras de 145 a 22 de muite gosto
E muitas outras fazenda? de superior qualidade sa loja de Augusto FreJerlco dos
Santos Porto sonde tambem se vendem as melhores e mais baratas
Esteiras da India para forrar salas.
i\. 11Raa .\o>a-N. 11
tes, botes, canoas etc. Pode ser procurado no Re
jeife armazem de molhados do Sr. Antonio Lopes
! Braga, ra da Cruzn. 36; em S. Antonio loja de
! livraria popular, ra do Collegio n. 57 do Sr An-
tonio Domingues Ferreira, e em S. Jos ma Direi-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Paranhos.
__________Joaquim Jos dos Santos Barraca.
Aluga-se urna casa terrea na ma da Concor-
dia, tendo 2 salas, 2 quartos e quintal com cacim-
ba : a tratar na ra Nova, loja de ferragens con-
fronte a botica frapceza.
Samuel Power Johnsloii & Companha
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
iiiudlvao deLow Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para um'e dous cavallos.
Relogios de o.ro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.______
Affonso Jos de Oliveira, professor jubilado
da cadeira de geographia e historia do ex-lyco
desta eidade e competentemente autorisado pela
directora geral da instrucgo publica para ensi-
nar primeiras letras, latim, francez, rhetorica e
geographia, contina com aula aberta destas mes-
mas materias na ra larga do Rosario n. 28, se-
gundo andar, e recebe alumnos internos e ex-
toroosr
Francisco Luiz Goncalves Ferreira participa
aocorpo do commercio qne dissolven a scida-
de qne tinha con. Maximiano da Silva, Arando o
abaixo assignado rema easa de pssu da roa das
Cruzs n. 39, denominada Veneza do Norte. Re-
cife 23 de marco de 1865.
_______Francisco Luiz Gorcalves Ferreira. '
Na ra do Arago n. 3, faz se cernida para
fora, lava te e engomma se cem j crfeicao ludo
mais barato do que em outra qualquer parte.
Deseja-se filiar com o Sr. Domingos-
da Costa Ramos Filho, na la Jarga do Ro-
sario n. 36, segundo andar, a negocio de
seu interesse.
COMPRAS.
Compra-se ouru e praia em obras velbas pa
ga-sebem : na loja de bilhetes da Praca da Inde-
dendencia n. 22.
Comprase (-(lectivamente ouro e prata em
onras velhas, pagando-sc bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sem vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da rna da Aurora.
Compra-se cobre, bronze e ferro ruado ve
Iho : na fundicao da Aurora, em Sanio Amaro.
Comprase ou aluga-se um escravo que sirva
para todo o servicn : a tratar na rna da Coneor-
dia n. 64, padaria do gaz.
Compra-se ma mobilia de amarello : no
corredor do Bispon. 9.
Comprase ou
que seja coiinheiro :
aluga-se um preto tu preta
na ra do Pillar n. 143.
Salitre
;Na roa do Queimado n. 37, leja de ferragens, de
Domingos Jos Ferreira Guimaraes, vende-se sali-
tre refinado por 25? a barrica de 4 arrobas, ou a
6sU0O a arroba s a dinheiro.
Os Srs. academices que vao matrlcular-le
no terceiro anno da Faculdade de Direito, podem
dirgir-se a ruada Saudade n. 9, fronteira a do
Hospiio, onde se lhes vender o compendio Jde
direito civil ai as 9 horas da manhaa, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
Tin tur aria
Jomaes para embrulho
Compra-se a 140 rs. a libra : na amiga fabrica
de cigarros, ma dos Quarteis n. I*.______
Na ra do Crespo n. 16, primeiro andar
compram-se libras esterlinas.
Compra ,-o uma balanca que sirva para ar-
mazem de carne secca : na'rua do Vigano n. 2'
loja. '
VENDAS.
Na ra Direita n. 116 continna-se a tingir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.
A Inga-s
umacasaacabada agora, com commodos para fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos,com banho na porta, no lugar do P050
daPanella,ruado Rio : a tratar com Tassoir-
maos.na ruado Amonm n. 35.
Precsa-se de urna ama que engomme e co
zinhe : a tratar na ra da Cadeia do Recife n. 40
loja de relojoeiro.
Phosphoros.
Na loja do rival sem segando, ra do Queimado
ns. 49 e 00, chegoa urna pechincha ; dnzia de
phosphoros de seguranca a 120 rs caixas de pen-
nas inglezas muito finas a 500 rs.; estes dous ar-
tigos sao pechinchas por serem de qualidades su-
periores.
Desde 9 dedezembro de 1864 que est au- Vende-se metade da casa terrea n. 86 da ra
sent da casa de seu senhor o escravo Herculano, de Si.* Rita, com porta e janella, 2 salas 2 anarto
ALMANAK..
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanali AdministratiTO e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se 'a
ljj; na livraria ns. 6 e8
da praca da Independencia.
A ttenco.
Vende-se superior vnho do Porto em caixas de
ama duzia : em casa de Johnston Pater & C. ra
doVigaro n. 3.
Queijos
o melhor que ha neste genero a 2 cada um e ce-
bolas a 15 o cento : no amigo e acreditado esta-
belecimento junto a esta typographia n. 42.
cabra, idade 40 annos, alto, cabellos carapinhas,
rosto descarnado e comprido, olhos e orelhas pe-
quenas, nariz chato, barba pouca, tem apenas bi-
gode e pera, perna esquerda de quebra mangue e
o pe. desse lado torto que o faz andar como cam-
bado, suppoe-se andar pela Casa Forte amaziado
com urna mulata forra, baixa, alvacenla, que pa-
rece maluca : qnem o pegar leve o a ra Direita
n. 54, que ser geaerosamenle recompensado.
Aluga-se a casa n. 29 da rna do Pires ; a
chave acha-se na ra da Cadeia n. 26, esquina do
becco Largo, onde se trata : esta rasa tem com-
modos para familia.
Precisa-se de ama casa com sitio ou sem elle
propro para um moco solteiro, prefere-se na So-
ledade on suas immedacoes : quera tiver dirija-
se a ra da Cruz o. 34, armazem.
Na ra da Cruz n. 38, em casa de Mills La-
tham C vende-se :
Cha.
Oleo de linhaca.
Folhas de Flaodres.
Sellins e silhdes inglezes.
Cervcja aspinall.
Dita Mass.
Dra Jobn Isfpry di C.
E nm piano com pouco uso-
Attengo*
Am
co que nao Ignora,
no ter um boa recompensa.
*K3
Suarda litios.
Um guarda livros que tem ajgumas horas dls- j
pooiveis de eja emprega las em alguma escripia!
regular, assim como tambem offerec se a (accio-
nar escripturaco mercantil por partida simples j
e dobradas : pode ser procurado na ra do Cres-
po n. 4, loja de relojoeiro.
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
I vel publico e a todos os senhores ofliciaes do exer-
f cito e da marinha que contina a ter sua casa sor-
?^K i tida de fazendas e roupas feitas, e por medida : no
>-tv largo do Livramento n. 34.
<) baeharel Jos Baplista Gitirana
"" advoga nos termos de Bonito e Caruar.
Pode ser procurado na villa do Bonito,
roa Direita o. 16, defronte da cadeia.
s
cosinha fra, quintal morado, cacimba s :' quem
pretender, dirija-sc a esta tvpographia achara com
quem tratar. ______
Vende-se um sobrado de um andar ha~pooco
reedificado na ra d Hortas em frente a travessa
de S. Pedro : quem o pretender comprar dirija-se
a ra do Hospicio n. 41, ou ao Forte do Mattos,
prensa n. 22.
Vende se urna
asa Forte n. 8 :
u na mesma.
taberna com poneos fnndos,
a tratar na ra da Praia n.
Vende-se
Precisa-se de um feitor qne saiba ler e es-
crever, e que seja porluguez, para o engenho Mal
to Grosso, comarca do Rio Farinoso : a tratar
com Joio Bento de Gouveia, propriaiario do mes-
mo engenho, oa cora Leal & Irmao, fl rus da Ca-
deia do Recife n. 56.
Uma pessoa bastante habilitada pro-
pe-se a leccionar a lngua portugueza e
franceza em algum engenho do interior des-
ia provincia; quem se quizer utilisar diri-
ja-se a ra Direita n. 75, que achara cem
quem tratar.
um sitio no Caranho Novo, roa da Esperanca n.
64, quo vai para o Manguinho, com grande casa
muito fresca emuitos commodos : na ra do Des-
lino n. 16.____________
Vende-se um jarro, baca e salva grande de
prata contrastada com o peso de 1,443 oi*avaF,
muito proprio para o lava-ps de qninta-faira san-
ta, uma escrivaninha de prata com todos os sens
pertences, 12 colheres para sopa, 12 ditas para
cha, 12 garlos e algumas facas, 1 ulher de tirar
sopa, ulher de trinchar, tuda prata antiga, ama
cama de Jacaranda muito aotiga, talvez de mais
de um secuto, composta de mais de 80 pegas, com
rauitos bordados e relevos, faltando-lhe algumas
pegas, que com facilidade se pode mandar fazer,
est se acabando de invernisar uma duzia do ca-
deiras tambem de Jacaranda, gosto anligo, vindas
do Rio de Janeiro para um casamento : quem
pretender qualquer dos objectos cima, dirija-so a
rna da Sensata Velha n. 124 qne achara com
quem tratar.
Luvas de pellica.
A loja Esperanca recebeu novas luvas de pelli-
ca, brancas, prctas e de cores, assim como enfei-
tes pa-a cabeca : oa ra do Queimado n. 33.
t-Cra de carnauba em saceos por preco c im-
modo i na roa do Araprim n. 52 armazem de An-
tonio Alberto de Souza Agniar.
Vendem se dnas casas na estrada do Ca-
xang, tendo ara grande "elheiro ao lado e es-
tribara : a tratar na padaria do Chora Menino
Vende-se ura bonito cavallo muito novo e
bom andador sem achaques, para tratar e ver na
raa do Imperador dclieira o. 23.
J


Diario de peruambuco Sexta felra t4 de Uareo de tfsia.


PRODUCTOR ADMIRAREIS
DO
ENSIGNE CHIMICO
lelil
DO
RIO DE JANEIRO.
Um Duzia.
Chumbador IehI.
ou esmalte branco inalleravel, sem cheiro nem sabor e da mais
simples applicagao para chumbar os dentes por si mesmo, ins-
tantneamente, sem chumbo nem dor, meio prompto e perfea-
mente elcaz. O cliumbador Iebl torna-se na bocea branco co-
mo os proprios dentes: acorapanlia urna guia...... u$000 40#000
Cimento chlaez
para concertar com a maior perfeicao iouca, porcellana, crystaes,
vidros, marmore e qualqoer objecto precioso...... IfJSOO 12000
Cimento de gutta percha '
especialmente preparado para chumbar os dentes cariados.. Acom-
panha urna guia............. 2#000 18#O00
Cosmtico indiano epilatorio
pura destruir quasi instantneamente os cabellos de qualquer par-
te do corpo, sem dor e sem alterar a pelle. Ac urna guia. 3#000 2i#0G0
Elexir odontalgico vegetal
para curar instantneamente as dores dos dentes mais rebeldes, e
que e tambem proprio para a conservado dos mesmos, o en-
durecimento das gengivas e a suavidade da bocea. Acompanha
urna guia.................. 2000 18000
lncrivorc
para tirar a tinta do papel e limpar as pennas de ac..... 500 |i#000
Vlatela
pedra austraca para curar os tumores, inchaces eieridas prove-
nientes de rocadura de coleira, sellim, cangalha e oulros arreios
dos burros e cavallos; adoptado as estribaras imperiaes da
Austria desde o anno de i 741. Aflianca-se que nao preciso
mais de 24 horas para que a chaga esteja cicatrisada, e que nao
exista mais incuaco. Acompanba urna guia.....". 1>000 9S000
Limas chimicas
extracco dos callos e cura garantida sem dor nem perigo, em 30
minutos pelas afamadas limas chimicas de Pedro Mourth.
Acompanha urna guia. O par.......... 3 $000 3l?$000
Massa dentaria Bamako I
esta mas a, pouca temp> depois de sua ialroduccao na cavidade
dentaria, adquire urna dureza consiiieravel e nao atacada por
nenhuma das substancias alimenticias ou dentificias. Acompa-
nha urna guia................ 341000 240000
Massa lustrosa
para limpar e abrilhantar instantneamente os trastes, pianos, ar-
macoes de loja, grades e corrimoes de escada, tirar o sujo das
moscas, cando envernisados como novos. Ac. urna guia 1^000 9#000
Papel chelroso
'nQammavel, queimando sem bulla, para perfumar casas e quar-
tos, produzir sensacoes agradaveis e desinfectar o ar dos dentes:
Carteiras. ... 500 4)000
dem..... 1)9000 7000
dem..... r->50Q 101000
Pomada Rondesicus
contra piolhos e lendeas; afiancada sem mercurio..... 20000 205000
pos de prata
para pratear inslantaieamente o cobre, o latao, o bronze, ele, e
reparar os objectos antigos prateados, como faqueiros, salvas,
castices, apparelhos de cha e oulros objectos semelhantes, af-
flancados sem mercurio, para uso dos joalheiros, relojoeiros,
pticos, negociantes de ferragens, curiosos e casas de familia:
Vidros de 2 oitavas. 1-5500 120000
% dem le urna onca. 3ri0C0 28*000
pos para limpar a prata tarrada
sao affancados infallivcis. Acompanha urna guia, vidro .... 500 isOOO
pos purgativos
para curar e prevenir as molestias dos caes. Acomp. urna guia:
Carteira. 5O0 40000
dem 14000 7:>000
Sabo oriental
para tirar todas as nodoas simples ou composlas sem alterar os
tecidos como sejam: nodoas de vinho, licores, caf, frutas,
gordura, e limpar as golas e paramentos dos vestidos civis e mi-
litares. Acompanha urna guia........... 300 4?>000
Tinta Azul indelevei para marcar a roupa
azul no escrever, e em 24 horas na sombra ou menos de una
hora no sol, torna-se preta e nunca ma's sabe do panno as la-
vagens. E' preciso escrever sobre panno encorpado ou engom-
mailo. Affianca-se que nao ha melbor na corte em qualidade,
Vidro de tre*oo$as 1,5000 70000
dem de urna onca. 500 000
T'nta enea nada indelevei supcrua
para marcar a roupa, em vidros de meia onra....... 23000 i8->000
Ungento lelil
remedio maravilhoso o melhor at lieje conhecido contra feridas
novas e antigs, ulserosas e saniosas, fis'jilas, frieiras, hemor-
roidas, lucencas, mordeduras, muas, panarizos, queimaduras,
reumatismos, supurares putredas, cabecas de prego, abeessos
no seio das senhoras, tumores e ulceras em qualquer parte:
Rolos. 46000 30O0O
dem. 2^000 17,>000
nico deposito em Pernambco em grosso e a retalho
EM CASA DE MANOEL & C.
8 RUI DO C'AIIVC-A 8
i'iirus
YECETAES
DO
DR. AYER.
N5o ha necessidade mais ge-,
ral em todos os paizes do que a
de um purgante que seja ao'
mesmo tempo innocente, eflicaz
e digno de toda a confianza.
As pilulas que ora oferece-
mos ao publico preenchem estas
condices; pois pdem ser to-.
madas pelas pessoas mais fracas,
NOVO
LOJA DE MIUDEZAS
16RA DO QUEIMADO10
Enfeile de cibeca
Mara, acabara de clugar pelo uiimo vapor ran-
cez os mais modernos enfulles de caneca a Mara,
os quaes se vendem rauilo era cunta, a 25, 32, 42,
52, 62, 7J e 8*.
Cascarrilhas.
Bonitas cascarrilhas de seda preta e de cures.
LOJA
DO
BALAO
DE
AZEVEDO & FLORES.
sem perigo algum, nao tendo em e com difIereMes larguras, a 12, 1*280, e 1*500 a
peca.
Ditas
sua composicao mercurio nem
outro ingrediente nocivo sau.
de, mas sendo composto de a.
gentes vegetaes mu fortes, sao bastante
eflicientes e activas para puricar os corpos
mais robustos. '
Estas pilulas exploram e purificam toda
a extensao do canal alimenticio, e do vigor
a todas as partes do organismo, corrigindo
sua aeco viciada e fazendo recuperar sua
vitalidade.
Um remedio inestimavel contra dor de
cabera nervosa, enxaqueca, prisao do ven-
tre, hemorrhoidas, molestias do figado, fe-
bre gastro-hepatica, e todas as molestias
biliosas que teem sua origem no entorpeci-
com duas cores, e de todas as cores dille-
rentes larguras, a 12500 e 1*800 a peca.
Ditas ditas de la cora differentes cores a 1* e
1*280 a peca.
Fitas.
Rqnlssiraas filas do grosdenaple lavrado, boni-
tos gostos e de lindas cores de 3, 4, e 5 dedos de
largura, a 1*, 1*280, e 1*500 a vara.
Ditas ditas de sarja lisa de todas as cores e de
varias larguras, a 400, 500, 600, 1* e 1*280.
Pecas ditas de sarja muito estreitinha para en-
feitar lencas, a 600
Varas de lita do gaz de todas as cores e lavra-
das de 2, 3, 4 o o dedos di largura, a 200, 24'.),
300, 400 e 50'.
Pegas grandes de tranca de lia, a 240.
Varas de lita de ia de todas as cores para de-
brum de vestido, a 100.
Bice prele
Bonitos bicos pretos de seda gosto muito raoder-
llua da Cadela do Itccife n. 17, esquina que volta para a Madre de Dos.
AttenCclo.
Madapeloes fram-ezes ">ca} 13*, 11* e 15*.
Chitas para coberta a'320 rs. o covado.
Lias lisas um completo e variado sortimento.
Lencos brancos muito finos a 2*00 a duna.
Ditos de esguiao. .
Um completo sortimenlo de chitas largas de 300 \ 500 rs. o cora le
Cntralas lisas brancas muito finas a o* a peca.
Aberturas de linho pregas largas.
Ditas de algodo muito linas.
Bramante de urna largura.
Algodo da Bahia para saeco.
O 11.11, AO VENDE
duz derramamento da bilis no estomago ou
em um desarranjo geral dos orgos diges-
tivos.
ment do figado que causa a escassez da
bilis na nflammace d'este orgo que pro- 0S>a ?., 2i. 320, 400, 500, 640, soo e i*.
,1.17 rWramamontn ,1a hilie nn oc. mi Dltos dllos de >">hO, a 00, 160 e 200.
Labrrinlhos
de chroch imitacao dos da trra de dous dedos
at um palmo de largura, a 1*, 1*280, 1*600, 2*,
A Ictericia | 2*500, 3*, 3*500, 5*000 e 7*000 a peca com dez
-produzida pela absorpcSo da bilis no varas.
sangue, dando pelle e aos olhos urna cor Luvas de Jouvio. .
amarellenta ; nao smente dolorosa por Brancas, pretas, cor de canna e todas as cores,
si, porm conduz aos mais serios soffrimen-, P*fa homens e para senhora por 2*500.
fnc Ditas pretas de seda, para homens e para senho-
ra por 2*
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas to-, Ditas gretas de Jouvin, para homeos e para se-
das as manhas, isto bastante para mover-. nhora, porm naa sao frescas, a 500.
o ventre smente at que se recupere a ac- Sintos e fivelas,
Qo saa do systema. Biquissimos sintos pretos e largos com fivelas
Mal do finado, febre gastro-hepatica,' pi-etas e grandes, a3*e 5*.
a-.,., .k^, ii- La- ,.- i Ditos ditos pretos e bordados a ouro muito lar-
dtorrhea biliosa, tndigestao, a nevralgia g0s e com fivelas grandes a 5*.
ou tic douleureux, sao todas molestias que Biquissimas flvellas para sintos dos gostos mais
tem seu comeco n'um desarranjo da bilis.' modernos que tem apparecido, a 1*500, 2*, 3*,
A observaco dos duelos da bilis faz esta J* | *; *ao as fivelas mais bonitas que tem vin-
volver ao sangue, com que circula depois, a pMftiitM a. np|rt
em todo o corpo e causa estragos desas-' n- *S K / A ^
,_, j1 j cotiafeua ucoao Riquissimos alfinetes cravejados de pedrrahas e
trosob a saude e produz urna sene innu- madreperla do mais apurado gosto, a 1*, i
meravel de males. 11*600 e 2*.
Todos estes incommodos sito curados com Leques de Sndalo.
as pilulas do Dr. Ayer. | Bonitos leques de Sndalo de muito gosto, a 5*,
Direcces minuciosas acompanham cada 6*>7^ e 8*-
frasco. Correntes de relogio,
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-; Prelas e de muit0 sst, a 1*280, 2* e 8*300.
rer c C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Ra Ilircia 15
RIO E .9 4 V I I II O
Vende-se em' Prnmbc:
na pharmacia i'ranceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
FOLHItfHAS
Fara 18G5
Acliam-se venda na livraria ns, 6 e 8 da
pra?a da Independencia:
A F0LII1N1IA DE PORTA, 'abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dostribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIREIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Ranha em versos, o StabatMater
em verso, devoco ao agonisante, coraco
de Jess, cntico em louvor doSantissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria Nos-
sa Senhora, trinta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero dema-
ximas e pensamentos, urna historiacomo
muitas (romance), e vintecinco novase
pilhericas charadas a 320 rs._________
i.tilines nios a 6,40o rs. a arroba*
Na padaria atrar da fundicao do Sr. Starr ven-
de fe ervilhas verdes, ditas amarellas e descasca-
das, ientilhas e sevadinha pelo preco em sortimen-
to de4400 rs e conforme /r a porgao faz-se al-
gum abat mente. -
o
8*500
avariado.
Francez barrica
Fortland idem
Em perfeito estado:
Francez barrica 10*000
Porlland idem 12*000
No armazem deTasso Irmaos caes do Apollo.
Interpretacad das leis
pon
Crrela l'clles.
Na livraria da pra?a da Independencia ns. 6 e gommada e'para flore's; cadeiras
8 vende se por 2*500 a Iheoria da interpreta^o meninas
Francisco Jos ^Germano
RA AOVA I.
acaba de receber um lindo e magnifico sortimento
de oculos, lunetos e binculos, do ultimo e mais
apurado posto da Kiiropa.
Vende-se a casa de mochados na rna da Impera-
triz n 31 por seu dono ter de retirarse para a
Europa a tratar do sua saude, tem commodos para
familia,e faz-se lodo o negocio : a traur na raesma.!
Vmko ("ollares.
Acaba de chepar de Lisboa.o superior e
verdadeiro vinho de Collares, em caixa,;
esta excePente qualiaade d3 vinho torna-se,
recommendavel, por nao conter espirito el
ter agradare! paladar, supeior ao melhirj
Bwrdeaux, sendo aquella particularidade ]
apreciavel e til na presente eslac3o calmo-'
sa, emque os vinhosaguardentados se tor-
nam prejudiciaes: vende-se no deposito,!
ra da Cadeia escriptqrio de Leal Reis.
Vende-se IpO frascos de tinturas ho-
meopathicas vindas de Paris (d'Catellan):
na ra da Cruz n. 6.____________________
NICO DEPOSITO
DE
Pao e de cestas em Pernamhuco
Rua larga do Rosario n. 3e.
Este estabeleermento nico nesta cidade, sonido
de um ludo que desejar-se em obras de palhis e de vi-
me,acaba de receber da Europa os econmicos bercos
volantes de todos os tamanhos para recem-nasci-
dos, ditos paia banecas de meninas, balaios de
i meninos aprenderem a andar, ditos com lampa e
I sem ella para costuras grassas, dltos com tampa
! para arumar roupas de passar dias fura e conduzir
| jantarts, ditos grandes e menores para deposito de
roupa suja, ditos para ajuntar papel rasgado, ditos i
para costura de meninas e cestinbas deltas
Albuns.
Para 12 retratos, 1*000 e 1*800.
Ditos para 20 retrato-, 2* e 2*200.
Ditos para 100 retratos, 6*, 15* e 20*.
Ditos de veludo para 50 retratos, 6*.
Ditos ditos para 100 retratos, 8*.
Varios objectos.
Escovas para dentes, 160, 320 e 500.
Ditas para cabello, 600,800 e 1*280.
Ditas de roupa, 800 e 1*.
Correles preta para relogio, 1* e 2*.
Enfiadorcs de espartilbo, 60 e 120.
Varas de galo branco lavrado, 80.
Varas de fita de relroz preto, ISO.
Bonecas grandes vestidas, 800.
Ditas que choram, a 160, 800 e 1*280.
Alfinetes pretos para peito, 4*, 1*500 2*.
Rosetas pretas, 1*, 1*500 e 2*.
Pulseiras de continhas, 500 e 600.
Ditas de aljfar, 1*, 1*500, 2* e 2*500.
Voltas prelas grandes, 1*500.
Pentes pretos, 1*500 e 2*.
Bonitas cruzes com pedrinhas, 1* e 1*600.
Perfuman as,
Garrafas de agua Florida, 1*280.
Garrafas grandes d'agua de Colonia, 1*100,
1*600 e 2?.
Fras juinhos de dita, a 400, 500 e 800.
Ditos de Sndalo, a 1* e 1*500.
Ditos de oleo pheiocome, a 800.
Frascos com banha franceza, a 400 e 800.
Ditos com baoha e extracto, a 1*.
Copos com banha franceza, a 1*200 e 1*400.
Caixinhas do p d'arroz. a 000 e 1*.
Sabonetes de bolla, a 360.
XAROPE
deLABELONYE
Palctots de casemira pretos e de cores saceos a 9*, 105, U* e 12*-
Diios de alpaca branca e preta a i*, 1*500 e 5*.
Calcas decasemira preta de 8* a 15*.
Ditas de casemira cor a 5*,8* e 10.
Caigas de brim branco a 3*, 4* e 5*.
Golletes de dito dito de 2* a 3*500.
Ditos de cise nir.i pretos a de c res a 4J, 4*500 a 55.
Caigas de princea para lulo a 4* e 5*.
Ceroulas francezas a 1*600.
Ditas de linho com duas costuras superiores.
Camisas francesas de diversas qualidades de 2* a 55.
Ditas verdadeiras inglezas.
Colariohos de linho muito finos.
Ditos de papel a 40 rs. cada um.
Corles de casemira de cores por presos commodos.
Ditos de casemira preta ina de 7* e 5*.
Moias cruas inglezas o melhor que ha a duzia 8*.
Baloes de 20, 23 e 30 arcos a 3* e 3*500.
Camisas de flanella de cores de 3*50 a 7*.
Os donos deste estabeleciraento encarr^gam-se de mandar fazer qualquer obra de bri; o ca-
semira etc., para homeos e meninas por preeos que admira ; aproveitern que o Balao est disposto a
Dueimar, so ejuer dinheiro I

o!>s>
Kmpregado con inraritrel suecesto desde 30 aoOM
pcUt Mdicos de todos o payxes contra as moltsttai
rganicM eu nlo orgnicas do eoraca, ai direrias hy-
ropisiai a maior parta das molestias do peilo dos
kronchios (fntvmtnU, calarrhnt pumonarii, aitkmm,
i*/lamma<;dit nertosas doi'bronckioi, cttarrhtira,ek...)
O IAMH de labf.lo.we nio je icnde senlo tu
Krrafas com rotulas de cor e fechadas com una chapa
'ando a firma da mrentor.
Isas PARS, r arhan-VHIeae-nTe, IO.
GRAGEAS
GLSE CONT
Approvad pela Academia de Medicina de rart.
Resulla pelos dous relatnos, adoptados pela dita
Academia em 1840 e em 1858, que as GRAGEAS de
ELIS e co.nt sao o melhor e mais efficaz remedio
ferruginoso para curara chlorosis (alias fluor-arbo), oa
fluxot brancos, a fraqueza de' compleixa nos dous
sexos, e tambem para ajudar a menstruaco das mocas.
latas Grageas nio sao rendidas senio em caixinhas
aa lidros cobertos com rotulo e fechados com ama tira
lerando a firma do depositario geral : i.abeloxye,
Iaarmaceutico, rua Bour6on-ri/iifur, 19. Part-
da
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ba de melhor gosto em
Pernambnco.
dem de gorguro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem de gorguro de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2#100, 2>G0, 3$, 30500, 40, 5& 6,
75 e 8^ o covado.
Superior gorgurlo de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhola.
dem idem lavrada a2o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimenlo de grosdenaple preto
3>00, i>, 4;$500 e o?5.
Pannos pretos de superi >r qualidade de 3 a
Casemira preta de IG00 a o;) o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil prelo.
Mantas pretes-de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na lija das Columuas
na rua do Crespo n. 13 ae Antonio Correa de Vasconcellos C. successores
de Jos Morena Lopes.
a 10500,1|800, 2& 2JB0O, H,
12;> o covado.
COMPENDIO DOLOROSO
que conten o oflicio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
rea, um setenario e mais oulros exerci-
cios de piedade e devoco; ordenado pe-
la irmandade dosservos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja deN.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S.M. I., que Deusguarde;
dado luz por devocSo do muito reve-
rendo padre Fr. Placido de Missina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Rua do Queimado n. 19.
Vende-se o segninte:
Lcnccs de panno de linho
pelo baratsimo prego de 25400.
Lences de bramante de linho
de um s panno a 35500. (
Coberta de chita da India
pelo baratissimo preco de 2V0i>.
Lencos decambraia brancos
proprios para algibeira, a t$ a duzia.
Pecas de bretanha de rolo cora 10 raras
propria para saia, a 3800.
Pecas de cambraia
MACHINAS liEPATENF
de trabalhar n,?.o -ara
descarocar aEgodao
FABRICADAS
Por Plant Brothers & Cr
OLAI
Deposito geral em Pernambnce rua
i Cruz d.22 em casa de Caros & Barboza
das leis por Correia Telles.
Salsa parrilha de
Bristol.
Pilulas de Kemp.
Vende-se na pharmacia de Pinto, roa larga do
Rosario n. 10.
e cesiinbas dellas enQa-1 Vvloiina PnTrat.
rem no braco ; bandejas de vime para roupa em-1 UUlaiuS XlUjOI
para senhoras e ou colares anodines elctricos conlra as eonvulses
viagarem nos vapores e recreio nos trra- ,,,- fpianMs
eos, condecas e acaales brancos e pintados de to- uuups.
i dos os tamanhos, balaios e cestas das compras no u bom e Proveitoso resoltado que as enancas
marran- pnniinni .nnt > L.m.^r .n.i~.t. ootem na denticao. trazendo desses colares, ja
bem conhe,cido, e por isso se tornam hoje indis-
So pensaveis porque assim teem os pais incontesta-
mal: esses colares vendem-
; se tambem na rua do Queimado, loja d'aguia bran-
ca n. 8.
mercado : continuamos a fornecer sortimentos
dettas obras, a< pessoas de fra que nos honrara
i cornos seus pedidos, certos de que os preeos serlo ioensaveis porque assi
os mais razoaveis, por muito carecermos da protec-'
i gao dos nossos fregueses e amigos.
Veadem-se moedas portugaezas
15000 : na rua Direita n. 2i.________
de ouro de
Jumentos.
Vende-se um lindo casal de jumentos, de bella
raea, grandes e novos, proprios para a conscrvacSo
dVmesma raca, e crusamento, do que se eolher
naacnifleo* machos e muas para carros e carga?,
cuja jumenta est grvida ; assim como urna lin-
da jumentinha com poaco menos de om anno:
a ver tratar cm Jos Pereira Cesar no sitio Pi-
rauuyra, arrabalde da villa do Limoeiro.
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
* Cnnha, a tratar com Tasso trmios.
Ceneuto romano
e de Portland : no armazem de Tasso Irmos.
Vende-se ama vacca boa lelteira com orna
cria ehegada ha ponco de Goianna : a tratar na
roa das Larangeiras n. S, primeiro andar.
Vende-e ora bonito faqueiro novo de prata
e daas grande salvas: na roa da Praia P. 9.
FA RELO
Attcncao
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Continuase a vender em porcSo e a retalho :
em saceos de mais de 100 libras
de Tasso Irmao.
Antonio Duarte Carneiro Vianna scientifica ao na rna do Queimado, loja d'aguia branca n. 8.
nos armazens. respeitavel publico, e especialmente aos sens nu-
| merosos freguezes, que acaba de abrir um novo
----------------------7777-------r------------------- estabelecimenlo na casa n. 22 da roa Nova,- situa-
AttenCaOi *> enire o seu antigo armazem de ferragens e a sna
Lonreiro Santos & C, acabara de receber da Eu- }? conbecida e popular loja da expos.cSo de can-
ropa pelo vapor, um lindo sortimento de enfeites elros i gaz, exisiindo entre as tres casas espa-
pretos, proprios para a quaresma, enfeiles anda Cosas communicacoes, de maneira que faciluam aos
nao vistos em Pernambuco, pelo preco de 5, 6S,
105,12$ e 20tf, bem como grosdenaples preto, mo-
reaotiq, capas de grosdenaples, e southarabarques
de mesmo ; ludo por preeos mdicos : rua do
Crespo n. 1 i, junto a loja de louga.
compradores munirem-se cornmodamente dos ob
jectos diversos de que precisarem. Alm do cos-
tumado e variado sortimento, que o r*speitavel pu-
blico sempre enconlrou, e continua a encontrar nos
seus estabelecimentos, achara no que acaba de fran-!
quear urna multidac de objectos de luxo, gosto e
utilidade, aas mais afamadas fabricas de Franca,
Inglaterra e Allemanha, para as quaes continnar
sempre a fazer encommendas especiaes ; e sendo,
como fastidioso numerar os muito e variados
Bonitas trancas, franjas
e ijales pretos para ksmiIos,
A aguia branca recebeu novamente um bello
sortimento de enfeites pretos parr. vestidos, sendo
bonitas Irancas, franjas, galoes e bicos pretos, etc.,
assim como boloes eofeitados de vidrilhos, e ou-
para forro com 8 1|2 varas a 256 0.
Guardanapos
de linho finos duzia 35300.
Algodao enfestado
com 7 1)2 palmos de largura vara 5200.
Cortes de lia
com 15 covados a G&.
. Cambraia adamascada
com 20 varas propria para cortinado peca '*
Fil de linho
liso fino vara 800 rs.
Atoalhado adamascado de algodSo
com 8 palmos de largura vara 25200.
Atoalhado adamascado de linho
com 8 palmos de largura vara 35200.
Laazinhas carmezim miudinhas
prepria para vestido de menina, covado 600 rs.
Laazinhas
de cores finas covado 560 rs.
Fazendas para a quaresma.
Grosdenaple, moreantlque e ricas capaste gros-
denaple bordadas.
Esteira da India
propriaparaforrarsalas.de 4, o e 6 palmos de
largura, por menos preco do que em outraqual.
quer parte.
Neste armazem de fazendas rse encontrar um
grande sortimento de roupa feita e por medida.
Vende-se
A tnelhor taberna da rua de S. Miguel nos A fu-
gados, com poucos fundos, na mesma tem nm ran-
cho bem montado para sertaoejos, cora urna nume-
rosa freguezia, e deixaura resultado qoe s se artigos de cutellana tapegana, cristalaria, de me-
acredita mostrando se a quera pretender. ,aes ,ID0!!> ? porcellanas, etc., etc., deiza de o fa-
________________________________________zer, e convida ao mesmo publico, que veoha visi-
Vende-se ou troca-se por outra que cozinhe lar os seus mencionados estabelecimentos.
e engomme, urna escrava de naco, ptima quitan-
deira, que paga pontualmente por semana 65000 :
a tratar na roa da Detencao, casa defrente do so-
brado n. 13. Na mesma se vende urna crionlinha
mulata com principio de costura e labyrintho, de
Idade de 9 para 10 annps, eicellente peca para
memosear aignma noiva.
ATTENCAO.
do Im-
Vende-se no armazem Garanda da rua
perador n. li, ceblas novas a 15 o cento
tas a 15600 a arroba e 60 a libra, e carne de por- j da praca da
, C9 de Minas em lambo a NO rs. a libra emplar.
Francez barrica 5$000
P >rtlani barrica 8#5 0.
Ni trap embira") do Livramente aj caes
d'Apollo.
DKOGARIA.
31Rua larga do Rosario34
Bailholoiueu Francisco deSeuza k C.
Vendear:
Acido actico puro pararetra' ':*
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres a velludadas.
Tinta brancasuperior em lata.
AlvaiadeVeneza, fino, era paes.
0 GASTELLO DE GRASYILLE
Traduzido do francez per A. J. C. da Cruz.
, Vende-se este bello romance em quatr
, das, a disciplina que se pratica no Axercito brasi- tomn, npln haratiirrin nrppn rl^ 9A^;nn
: bata- leir *, com a tabella das continencias: na livraria os Pem oaraussimo prepo fle 2A5UO .
tros muitos enf-ites de differentes cores, conti-
nuando a aguia branca na rua do Queimado n. 8
a vender ludo isso por preeos commodos.
Bonitas caixinhas
com msica e sem ella para costura, e outras
igualmente lindas com perfumaras finas.
A aguia branca na rua do Queimado n. 8 acaba
de receber um lom sortimento de caixinhas para
costura, e outras com perfumaras finas, e conti-
na a vende-las baratamente.
Vende-se
instruccGes para os servicis das guardas extrahi-
das dos reglamenos de nfantana e accoramoda-
i* liviana a*i*
independencia ns. 6 e 8, al5cadaiaa praca da Independencia, nvraria ns.
'6 e 8.
Estas machina:
SC^P^fe^a, podem desea r>;ar
io:alqaer cj-eu
de algodao sem
estragar o o,
sendo bastante
du.ispessoas para
o iralialho; pode
descarocar nma
arroba do algo-
dao em .-Aroco
em 40 mtnutos.
on 18 -'arrobas
por diaou o ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descaroeam 18 arrobas de algodao
limpo, por da; e motores para mover urna, u'uns,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender nm bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas'
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47,
Sauaders Brothers k l.
51. II, praca do Corno Hanto
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.

Cd9,:j;ac0.(p^^JaM
- a>
a >
S..71
a>
a q 5 S'
a 5 ft
5 w
o. =4 3
to a EL
(o o :r\_. -
&2
va
3
03
-* "2

a

o
s^B
hS 03 TI HS
~ 2 c
l. !j a f
;g-|
% s>a
o
-2 w^
-" a -. -i
JO',
3 '* :.'
%
^
S
'l-grgS.&SS
ce o
-i -i
n o >
B9I
ja
o a
en CD ^r
"2.
2 B w
s* S
o a.
w cu O
3
Of
3
Q.
9
cus
ai
3
s
O
i>sf
^^ 3 3
^ 2 o
2 as cu
y -i v> a.
a o
-i o
r a 2
2
" W n
O.
o. I
aa
O a>'
O
2
-i
-i
e

cu
-i a
ai a.
g
e
Frecos que admira.
Snalos de Iraqca superiores pelo barate prfeo
de 1 o par, e duzia iQ& : no vigilante, na do
Crespo n. 7.
Bico adamascado de todas as larcura. i prca
com 10 varas, cada peca a 400, 480, Lo e 600
rs. : no vigilante, rua uo Crespo n. 7.
Clchete em eartao de urna e duas eaireir?
perfeitas, pelo iMimto preco de 40 e 60 rs. eada
eartao, e duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar caljello.aduza a litOO. f'('CO,
2, 35,4-5 e :,5-
Balaios propriamente para costura e para ftm-
tas, e para menina trazer no braco a 1JS00,1 .'('O,
1800. 2J e -25500.
Perfumara, macaca p'iola a 2, 24200, 3J e
42 a duzia, oleo de mSozinha a *I5.e C5 a dnzia,
banha a 32, 42 e 52 a duzia. Estes objectos so
vendem por admiraveis procos pm coosrqrcrria
de serem arrematados dos salvados da barca hn-
cela, pois affanca-se a pouca avana e a ti a r,na-
lidade : s no galofvigilante. rna do Grospo n. 7.










Otarlo de Peruaniburo sexta felra 14 de Marco de 1865.
* ....
AURORA BRILHANTE
GR4NDES ARJZENS
DE '
I.QLHADOS
YIMIOS
ESPECULES
Largo da Santai
Cruzns. 12e84,j
aesquiua daroadoj
sCebo.
Largo da Santal
ruz ns. 12 e 84 j
fjesquina da ra do?
Cebo.
'lilil
Rriihiitdono hdVa ma" acredi'ados armazensde malnados denominados"Aurora
nmnri^r.'i/nrlei recberde suapropriaencommenda.muitos gneros delicados
ink ai 11^ e-staa0' e le" dos os eus gneros saoe priraeira qualidade.
adores H^ama tabella "WW a todos de base para ajuste de contas aos por-
RHifl,!5I? a"nam vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
oi-uname, ja pelo grande sortimento que tem, j raesmo por seu dono seachar encom-
raoaajo em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outro na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveilar urna quadra destas para se comprar
(Litas com 8 libras de chourigas rauito novas,
a 7$j)0.
k Ditas grandes cota peixe em postas inteiras
mais de 12 qualidades, a 1000, 1,5280 e
fpwO.
Ditas com ostras, excedente petisco para fri-
j r gideira, a 720 rs.
Ojias com ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
unas com favas, a 640 rs.
fcDjtas com ameixas a 1,8200, lSO0 e 35300.
i Ditas com marraelada do afamado fabricante
i Abreu, a 880 rs.
(Ditas com massa de tomate, a300 rs.
DiC02A"rt5 de com*dre> novos> a 'S300,
P'^| "m bolachinha de soda muito novas, a
Ditas com biscoitinhos iaglezes de maita^ aua-
i lidades, a lJiOO.
Chocolate.
novo, a libra a
arro, talhariam e alclria amarella, a libra
JH Chocolate superior muito
jjg 1*20!).
a 48) rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Gaixas com estrelinha, pevide, e outras mas-
) sis, a caixa 34500.
(Ditas dita em libras a 640 rs.
iaj, h iibra a 360 rs.
3evadi;i!ia para sopa a libra, a 240 rs.
Brvilhas sectas, a libra a 160 rs.
{Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
[Tapiona maito nova, a libra a 280 rs.
farinha de araruia verdadeira, a libra a
M) rs.
I Arroz Jo Maranho, em sacco, a arroba a
23400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a II- Cartas floas para ogar, a duzia a 2*5 '0.
Vinlio verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gomiaa.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de sev
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
Familia.
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 53000.
Caf.
Cafe do Rio muito unerior, a arroba a 8*,
8*500 e 9*000.
Cha.
Cha, temos uestes gneros o melhor possivel,'
hyson, a libra a 2*60!).
Dito parola a 3*000.
Dito uxim a 2*700. .
Dito hvsou muito doo a 2*800.
Dito redondo a 2*300.
Dito preto de primeira qualidade a 2*300.
Dito mais bato a 2*000 c 1*600.
Erra ate.
Encllente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Emprnatele.
O masso rom 6 vellas de esperraacete i 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Calzas de 16 e ? libras de pascas novas pro-
prias para mimo- a 43 e 2*500.
Xom.
Xuzes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpista t paiiico.
Alpistae pain-o. a irroba 4*000 e a libra a,
160 rs.
Cartas.
1
bra a 100 rs.
JJ r i.:ioh i de Lisboa a 9>500 a arroba e a 320
rs. a libra.
:?% Dito de Santos, a arroba 7*000 e a libra a
V 260 rs.
. itj''llios cora 123 ceblas grandes, a Ijf280.
jiyVistarda franceza, caixa com 2 duzias a
J 8)000.
f frascos ora mostarda preparada em vinagre,
_ a 400 rs. *
Ditos coa e.inscrvas inglezas e trancazos, a
-A, 640e800rs.
H'iiws cora sal refinado (qo, a 640 e a 500 rs.
'jP Ditos cora a verdadeira geoebra de larania, a
ti 1*000.
;, *\ 640 ftj.
,B)lija< com dita propria para negocio, a
100 rs.
arrafoes com 2 gaies com dita, a 6*.
I Servej i boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
J du/.;a a 65OOO.
Viulio muscatel de Setubal, a garrafa a I*.
Marrjsqwulio verdadeiro, frascos a 80C rs. e
, a 1*200.
iGlianpague, a duzia 20*000, e a garrafa a
2*000.
\zeite retinado portuuez e francez, a garrafa
1 a 1*000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
7*, 83, 9-5 e 103 a caixa.
Ditas coai dito branco, a 7* a caiit.
Ditas com dito lacrimas dO'Douro verdadeiro,
a 20*.
duque do Porto verdadairo,*a
'Ditas o-11
18*000.
1 Ditas com cliamisso superior, a 14*.
'Ditas com Porto vellt> e outras muitas mar-
ca-, a 123.
{Vinln do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
\ eSOOrs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 33200,
33300 e 43, e a garrafa a 500 e 560 rs.
'Diij da Figueira, das segrales marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
43300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
qae j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
LDitos de marcas mais descoahecidas, a cana-
da a 3*500 e 43000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
.Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
>D.to de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Cislanhas.
Castanhas nova- vi nas neste vapor, a arro-
ba 4*000 ea libra ajOO rs.
ImMms.
Barris com azeitonas novas a 1*500.
Uanleiga.
Manteiga superior, a iibra a 1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita fraocpza-nova. a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qurtjos.
Queijos novos viudos neste vapor a 3*200 el
3*500.
Ditos londrinos muito novos, a libra
1*000.
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 43800.
Dito dito I izo de Itabo, a resma a 4*500.'
Dito de pea) lizo e pautado, a resma a
2*500.
Dito de embrulho, bom a 1* e 1*200.
Vinho Madura.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez eMa-i
deira a 1*300 e 23000.
lemprros.
Folhas de loar o, piraenta do reino, cominuo
e jravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a,
480 rs.
Ameadoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixes de doce de goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
lijlos df limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
(iraxa.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 2*000, e i
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos liaos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos presos, caixa e meias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
ATTENC10
AO *
NOVO ARMAZEM DE MOLHADOS
S. 18 Roa do talmg11. 18.
Defronle da matriz de Santo Autonio,
* DE
Lima Se C.
Os propietarios desle novo estabeleci ment avisa ao respeitavel publico, que acha-
se prvido de um com[>leto sortimento de moluados e soceos, todos novos e por pnecos
eom modos.
Os propietarios nunca quizeram annunciar pelo jornal a existencia de seu estabe-
!e imtiQto ; porm, como faz-se necessaria a noticia aos senhores de engenho e agricul-
:> e.que uiandam seus. portadores directos a esta ou queila casa, motivo pelo qual os
prop: etarios o fazem agora.
Aproveitam a occasio para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
mjnio se achara sempre completo de um variado sortimento de molbados, seceos e ou-
uus ibje^tos perlencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus preQos serao menos 5 por cento do que em oulraqualquer parte, e para
asta fim chama-se a attencao de todos emgeral.
Os pesos e medidas, equalquer engao dado na casa, serao garantidos pelo dono
em favor do consumidor, em qualquer occasio que reclamar.
Os propnetarios deste novo eslabelocimento esperam dos seus freguezes, e do
pulico em geral toda a protecg3o, prometiendo os proprietarios da Flor dos Progr's-
ms tirar to smente um lucro razoavel do laborioso trabalho, com que possam dar
cumprimento a esta ardua misso.
Adiando desoecessaria a publicacSo dos precos minuciosamente explicados de
seus gneros, com o que geralmente todos fogem, pelo motivo nao somentede serenfa-
doaiio, orno tambem por nada valer, os proprietarios tm smente em vista ntreter es
suj consomidores com gneros novos, e precos mais razoaveis do que em oulra qual-
quer p irle, pois serao as garantas para a proteceto ao NovoMrmazem de Molhados.
FLOR DOS PROeiRESftO.
Laboratorio enologico e chimico de F. P. Lebeuf e C.
ra Moiitinartre, 31, em Paris.
brica em Argn ten i!, prs Pars
E FABSIC4(\0
Dos viulios, agearaentes elicores.
(Franca).
iT
NEM COROAS NEM MITRAS
AGUARDEXTRS.-Essencla de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor eo aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros,.5 f.
KltlSCHEABsINTHO.-Esseuciade kirsch e
de absintho, para os fazer com alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 5 f.
LICORES.Extractos para fabricar se lodos os
licores conhecidos sem fogo nem alambique, (in-
dicar-S os que se deseia.) A doso para 20 ou 2o
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para 20 ou 2o litros, 1 f. 25'.
TODOS os oulros producios para o trabalho dos
vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encommenda.
UTENCILIOS de laboratorio e de clilmica.
e engaado nossos
VINHOS.Imitajao dos vialros de todas as
qualiilades,Eitraelo de Medsc, adose para 230
litros, 1 f. 2a,de Bordeax, 2 f., de Pomard, 3
(.,de Lisboa, 2 f.,de CaUlan, 2 f.,de Porto,
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 2o ou 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e lodos os outres. A dose para
500 litros, 50 f.
CLACIFICAGOPs Iriglezes, pos dos vinhos
da Haspanha, da Franca, etc. A libra para 500
IHros, 5 f.
COLORACAO.Purpirigine para colorear os
vinhos brancos e vinhos claros. As duas libras
para 500 litros 16 f.
Alguns de nossos agentes tendo falsificado e imitado nossas preparaede
reguezes, dove-se exigir sobre as rolhas e rtulos as inlciaes F. V. L. Paris,
0 modo de usar-so das preparaees acha-se iudicailn no rotulo.
Ai encommondas devem ser acompanhadas por urna letra sobre Paris ou qualquer oulra cida-
de de ranea, ou garantidas por umi casa r.ontiociJa.-Dirigir-se aos Srs. Lebeuf & C. chimicos,! ra
Motrtmirtre, n. 31, em Pars, oua sua fabrica em Argenteml. prs Paris.
Vende-se na botica franceza, ra do Imperador n. 38.
co^siltoroIedico-cirirgico
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3J H
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
Horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 boras da noite, excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial liomeopathica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
. de 24 tubosgrandes. 180000
de 36 tubosgrandes. 240000
de 48 tubosgrandes. 300000
_< Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remed
(u* id Dedif,
Um tubo avulso ou frasco'de tfntura de meia onca 10fiOO.
Sendo para cima de 12, custarSo >s precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LIVJIOS.
A melhor obra da homeopatbia, o Manual de Medicina Homeopatbico do Dr. Jahr
ions grandes volumes com diccionario.........* 203000
.Medicina domestica do Br. Bering, ......... '. 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes........." ." .' .' 65000
Diccionario de termos de medicina ...',.* \ ', 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por deraais conhecidos e dispesam portan-
deserem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros,energicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, notaveis )elasua boa conservaco, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada prepracao, e portanto a maior ener-
ga i certeza em seus effeitos.
Casa de saude pira escravos.
Recebe-seescravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao, para o que o aununciantejulga-sesuficientemente habilitado.
Otratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
runccionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
poide duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar sbus
Paga-se 21000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operares serSo previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azoaveisquecostuma pedir o annunciante.
GRADE ARMAZEIfl
RA DO IMPERADOR \. 40
Junio ao sebrado em qne mora aSr. Osberne,
Duarlc Almeida A C, receberam de sua propria cbccdbcu-
da o mala lindo e variado sortimento de molhados, ptet tic*
da presente estacSo.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra novavinda no ultimo vapor a l.ooojpara sopa a melhor que se pede desrjir
rs. alibra eem barril a 8oo rs.
Manteiga franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
tipio rs. ^
F48RIC1 m CHPEOS DE SOL
X. 3 l Rii \i>va e^quint da (uaboa do Carmo e ra do
CaMig n. 8.
A ln;t;).*h dsse ostabelecimentfi o mais importante que existe neste genero
as provincias lo norte do imperio, qurendo que o publico desta provincia goze das
vantagens que proporciona a fabcapo otn grande escala e directa retaco com as mais
importantes fabricas da Europa, faz scieate que resolveu-se a vender ainda mais barato
do que docostume como demonstra a seguinte tabella : !&i
Descont em duzia.
20 /o
10 %
15
o
i o/0
Chapeos de sol de panno a 2>000.......
armac5o deba lea ,2i500 .
de seda armaco de ac irfglez de 20 pollegadas
40, u 21 5S, de 26 50500 e de 28 60.......
Chapeos de sol inglezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 90, e de 28 100.
dem idom a balo de 16 varetas pa'tent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26120. e de 28 13,3......
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam dealpaka, ditos debrrm de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes sao to vantajososcomoosannunciados. ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-seisralfttente em porco e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
mar pelo preco que o estabelecimento retaltia.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia sero considerados como
a realho.
\:l.
mi
L>i

prs

Chales de renda preta e bournus deguip preto^
k leja da ra do Crespo n. 17, g
de Wm
TO^i: CO^lES VILLAR

u VeuZ\ i5*',i0i< m- ** 50* 60. capas e casacSes de gros pratos, chapeos 8
e chapelinas de palhan outras muitas faendas proprias para a quaresma SgS
Jos Comes Villar pretendendo ir a Europa tratar de sua saude espera
devedores tanto do mato como desta praca saldem seus dbitos quanto antes
Amendoas
<*ufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. i
libra.
Ameixn em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas asqualidades a 10000 a libra.
Presnntos inglezes
dosmelhoresfabricantes a 800 rs., tambem
temos velaos para 500 rs.
Queijos flainengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Qneljo
londririoo mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs
o fraseo.
Figos
em libras ecaixinhas ricamente douradas
proprias para mimos a 900 ei02oo!
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode venderpor menos Z
30 a 0i.ou. uiciios ae
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
0 mais aromtico que tem vindo ao nnssn
mercado a 20600. DOSSo
Maesas amarellas
para sopa, macarrao, taibarim e alptria ,
480rs. alibra. eina a
COG.AC
o muito afamado cognacPalBrandv a i nn
rs. a garrafa e de oatras muitas quaida-
desa l,ooo e 8oo rs. a garrafa
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e S.ooo rs a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco greve, peso e de outras muitas cua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma dme-
la ., PaPeI de botica 3
I de excellente qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
r^fnmT mbraxoie {'i0a 2>200
Corinthias
T5-BTproprias para
'Fumo .
Vinagre
PRcadTumTrelaSde^adasal3.ooors.
Cebollas
as mais novasdo mercadoa 7,ooo rs a caixa
e 1 ,ooo rs. o molho
. Alpisfca o Painco
ma'f ,vo d0 mercado a 1 io rs a libra
e 40400 a arroba. IlDra'
CEBLAS
mma0dnona7a n?? ?Cent0 "''uadoQue:.
gotcarmoUa9[mperadorn-40ea-
GR-iO DE BICO
miito novo a 30400a arroba e 140 rs a li
bra na ra doQuoimrdo n. 7 nn Vn*
Imperador n. 40 e larn a W rua d0"
!ii
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba e 16o rs. a libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na rua do Imperador n. 40.
GHMimi OS MODERNOS CiLES DE
FILO PRETO.
Superiores chales de fil preto chegados pelo uliimo vapor framez a B
m loja das coiumnns rua do Crespn. 13, de Anlonio Corroa de Vasconcel-
** los muito fresco a 800 p I T-l
Queintadou,7 ruaVrm bra/a rna do
largo do Carm n 9 mperad0r n" 40 e
tipuiaramosmfs^rs^^
macarro, talharim ealeiria a 4tt i"s~'
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas m?reas ure-
ditadas a 500 rs. a garrafa,
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a carrafa e
2,5800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fal ri-
cantes da cidade do Porto a 10 e l/^co
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as c ar
cass3o as seguintes: Chamisso Filho
F. & M., Nctar ou vinho dos ltuzes'
lagrimas do Douro eoutros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha inglezi
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* .i bra.
'Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mai -
cas de 40500 a 60500 a uzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outres em
meias caixinhas a 10500.-
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
. *&*Sorte doRio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com 4 ,2 garrafas com vinagre a 10000 w
ogarrafao.
. GEKEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, ede 110000
a caixa.
dem
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBHA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oo a groza
e2ors. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Premuni .
Tmrdaeir" prezunt0 de & a ^o rs.
u ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
ae ,ooo, a 3,2oo rs. a arroba
. VELAS
de esperraacete de diversas marcas a SCo rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
, : VELAS
JS?i5! caifls de arreba a 9'3C0
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
emcajxasde2arrobasa50aca;xae6Ors.
Passas muito nayas
e"Sree4no'n!lqUar,0ef",5e
_ Chocolate
. GOMMA MUITO NOVA
Mcod.7 Sadnl" "! rUa d Coe-
do Carmo'n 9 mperadorn- 40 e,"o
BOLACHINHAS
em latas de dofferentes qualidades a 10200
QUEIJOS FLAMENCOS
c rtSc"?? v Seo
ov
aos seos
61-
TbES-
*V 45. -
J. VIGNES.
RUA BO TffPKRADOR K. ft*.
Os pianos desu ;. fahri"V;^h Pw 'WBRJ
,o superioridada, yanlajens ^ garandas oellwS^08 para T ** n'F^T0 *** sobn t
reisque elles tem defliitivamfn^ onS2tnJ compradores, qualidades estas incontesu-
suindo um teclado e machinismQ mSrShlS 'i"105 os qne ,em *to*net** sia praca ; ode-
aunca falhar, por serem rabrS, ^J^em a ^^ Tontadas e caprichos tes pianistas'-^:
^So!SF~ea^f^^^
melhores SrSiniT'0 ? Kb sen*re exple^io rir*d. sotoSKnSa, A>

^r


BlftrU de Pernambace Sexta felra 14 de Mar? de iS5
Atten$to.
Fazendas-pretas para a qiaresna par
pr baralissino prcca, na loja e ar-
uiazeiu da Arara, roa 4a Imperatriz
n. 56. .
Lourenco Pereira Mendes buimaraes.
O uroprmtario deste estabelecinieato retira-so
naja a Europa a traiar de sua saude, portn antes
de reiirar-sa pretende fazer urna liquidago de ba-
baratissirao prego para fechar comas agora fre-
suezes veade-se grosdenaples preto muito bom
para vestidos, a 10600, 20 e 2*300, dito de 5 pal-
mos de largo, a 30 : na ra da Imperatriz loja da
Arara u. 5b.
jleurautique preto a$.
Veade-se meurautiuue preto para venido a 35 o
covado, grosdenaple muito largo e encornado a 30,
2*300, 2* e 10600 o covado, alpaca pret para
vestidos palito a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de la para vestidos, caigas o palitos a
640 e 800 rs. o covado, la preta para vestidos a
6W rs, bombazina preta para vestidos a 14280 o
covado : ra da Imperatriz lojada Arara n. 36.
Ricos vestidos a Man* Pa a 120.
Veadem-se ricos vestidos a Mana Pa a 10*,
120, 145,163 ra da Imperatriz loja da Arara
rara vende pecas de panninlio a 5$ e de
madapoln a 4a.
- Vendem-se pecas de paoninho muito fino de 12
jardas a 55, vendem-se pecas de madapolao infes-
VuuT% li 45300, vendem-se pegas de madapolao
deVjaisbom a 65, 75, 75300, 80, 90 100 e
I Is vendem-se pecas de algodaosraho a o0, 65,
' Vendem-se baloesde arcos de tod.os oslamanhos
Fazendas pretas paro a qua-
resma.
Ka loja do Pavo.
Acha-se este estabelecimentocompletaroente sor-
lido de fazendas pretas- propriaspara a quaresma,
a saber : ...
Grosdenaples preto largo e muitissimo encorpa-
do, oulros mais estrenos tendo dos precos de
15280, 1*600,15800, 25, 25400 e 35, superior
moreaatique preto a 35, superior sarja preta he*-1 ^,,-.#0
panliola, superior setim preto maco, ricas capas 1
AO PUBLICO
Sena o menor eonstran-
glmcnto se
do
u. 36.
3300,
35, 35500 e 15: ra da Imperatriz
Suinhasda Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se lazinhas para vestidos de senhoras
meninas a 320, 400 e 500 rs, ditas lizas de lo-
daTa* coles a 400, 500 e 560 rs. o covado. cassas
fina, para vendos* a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz a. 56.
f hitas da Arara a 240 rs. o covado.
o covado, ditas irautuza ""*? >
-iOJ urelara para vestidos a oOO e 560 rs. o cova-
' ma dalmperatriz toja da Arara n. 56.
pretas bordadas, soutorabarque3 muito bem enfei-
ladas, ricas vasqulnas e casacos dos mais moder-
nos que tem viudo, superiores manteletes, camisi-
ahas com manguitos proprias para luto e ricos
chales prelos de rede, ludo isto se vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parte por ser a di-
aheira : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do Pavo.
Acha-se nesteestabelecimento um grande sorti-
mento de roupas feitas para homem como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
muito tino e forrados de seda a 225. 255 e 305,
ditos forrados de alpaca a 115, 165 e 205, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de brim de todas as qualidades, colletes
de casemira pretos e de cores, velludos, setins
ele, sendo todas estas obras cortadas por um dos
nSo agradar.
ARMA
entregar o
genero que
ATTENQSO
O preco da seguate
tabella para todo, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
Irritado dos pulmftes. angi"
rias, tosse, escarros de
sangue, erupo ou garro-
tilho, catarro, rouquidilo
e todas as innumeravei molestias que affec-
lo aos orgaos da respiraco.
DEIAPPARECK11
mediante a ac<;ao da balsmica e irresistivi 1
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Coneelcao)
PARA BEM DE TODOS.
ANAGAHU
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promplidao e intei-
reza com aue sero tratados, convida a uma visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteceo e preferencia na com-
w..unM.nwuw,m,aM........--. Dra dos generes que precsarem, e quando nao possam vir podero mafrjar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratteos,
?mer0afzPnPoodGamaA)8iiw Pava0 rua pois sero to bem servidos como se viessem pcssoalmente, havendo para com estes toda recommendaiao, afim de que nao vio em
Chitas em res com 10, 11 e 12 covads outra parte
PEITORAL be
do
Liquidaco
de soutambaques e lazinhas a
7$, 8* e 10K.
JSSSSSSn a 240, 320 e 500 rs, mango,,
.s com ola a 15. cam.zinhas para senhora 20,
A ditas muito linas bordadas a 45500 : na bja
LoaraSrda Boa-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56. amr^t
Cortes de ditas unas a 2>40.
Vendem-se cortes de diUs cora 10 covados por
-5W0 d tos de dita fraaceza a 35200, cortes de
SS^,So85^aada.mPeratr^56.
Liquidarlo de roupas feitas palito, a 2*
v.ni. n ^- nalits de bnra de cor a 25, 25oi0 e
J>- casimirde cor e preta e de panno a 125,
i3 li?20lcaT5ade bnm decr a5 e 25500,
Jius brincas de liatio a 3*500 e 4* ditas de ca-
* mira de cor 4*, 6* e 85, preUs a 5*. 6* e 8f
Ti.M ?Ip easimira de cor e preto, de brim de cor
%) braS S e "OSiO, ceroulas feitas a
^lis as a.5600 e 2*. camisas franco-
' ^ 4 e 2*500, ditas inglezas de pregas largas a
IS Je linho a35 e 35500, coleriahos econmicos
ftiJ r' a duzia?dilos de liaho a 500 rs, um : na
ra da Imperatriz loja da 4WU.-
Arara vende as cobertas a 20.
Vendem-se cobertas de chita anas a 25 e 25500,
j,us d damasco a 45 : ra da Imperatriz n, 36^
E' na Arara que e ven le cortes de casimira
preta a 35.
Vendem-se cortes de casimira preta para calca a
35, 3*300, 4*300, C* e 85, ditos de cor a 35,
ilOoTej : ra da Imperatriz n. 06.
Arara vende panno preto a 23.
Vende-se panno preto para calca e palito a 25,
34 "300 45, 45300 e 65 o covado, casimira pre-
a lia a 25,25500 e 3*o covado e ouiras muitas
lazendas para* liquidar : na loja e armazem do
Arara, ra da linperatriz_n. w.
Na loja do Pavao vende-se uma grande ^orjao Manlega ingieza especialmente escelliida a
decoresdechitasi'*ncezas sendo claras e escu- ."* "' ras todas de coresit as com 10 covados a 3*200, 1 ,ooo e 800 rs. a libi a e em barril se faz
com 11 covados a 35600 e cora 12 covados a 14, j abatimento.
pechincha para se apurar dinheiro : na loja do \em franceza a mais nova do mercado a 9*0
Pavao, de Gama & Silva ra da Imperatriz n. 60. rg> a ,jbra fi 90() ^ m barrjl Qu meos
Cirande lll"daVf J; cha hysson de superior qualidade a 2,600
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas. rs a 1j)ra>
do Pavo de Gama & Silva. L,. sunerior do mercado a
Acha-se este estabelecimentocompletameate sor- Cba perola o mais superior ao merciao
tido de fazendas inglezas. francezas, allemaas e I 2,800 rs. a UDra.
suissas, proprias tanto para a flraca como para o dem hysson muito superior em latas de 15
mato, prometteado veader-se mais barato do que^ libras muitoproprio para negocio a 2,000
Vuvidades
Na nova loja de fazendas e
roupafeita nacional
Ra da Imperatriz m. 72
Pechincha
CortesdeehitaaWO
Venle-se cortes de chita cora 10 covados a
* a MS>,dtos de cassa a 35, ditos de laazi-
hi^uiraVMlido a 35600 e 45, ditos lios de bar-
TJXISL 125, 41 e 165, ricos sou.eam-
barqaes de liazinha em tantos. M gj
ditos de grosdenaplepretos Unos a 205, |.5 e-05,
capas pretas de grosdenaple a 20*, 235, e
Da ra da Imperatriz n. 72. .
Fazendas prelas para a quaresma.
Vende-se arosdenapie preto Qno a 1*600, 25, e
-4350 o covldo, panno Uno para calcas e paletots
4 !5 5500, 4530J e 5* o covado, cas.m.ra
UM iua 2*. 25300, e 35, alpaca preta para
sai se vestidos a 500, 600 e 800 rs., sarjas de laa
para caSe Paletots a 040 e 800 rs. o covado.
Lnanhas a W e 360 rs o covado
Vonde-se lazinhas para vestidos a 360, tOO
300, e 560 o covado. chitas linas para vestido a
40 o 28') o covado, ditas francezas linas a 320,
360 e 400 rs. o covado, capas francezas unas a
320, 360 e 400 rs. o covado:
Roupa feta.
Vende-se paletots de cor e Pw 34, 65, 85 e
*:,!*
35 : na ruadalmperatriz n 7-.
Madapolao entestado a 40.
Vende se pecas de raadapola eufestado a 45,
i:t 7 o s enrin de ca cas de brim a iwiu e
5' di.ofSSSiri prela a 34. 3*300 45 e 35 :
na'rua da Imperatriz n. /2.
em outra qualquer parte, principalmente sondo em
porco, e de todas as fazendas dao-se amastras,
deixando flcar peahor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
tamisiiilias a 1$.
Vendem-se camisinhas com manguitos, seade
muito bem eafeitadas, proprias para senhoras a
meniaas, pelo barato pre^o de dez tustoes cada
urna : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 30.
Veadem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos mnito delicados
pelo baratissimo preco de 351C0 o corte : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Carabraias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapadae transparente, pelo baratissimo Dreco de
4* tendo 8 1|2 varas cada peca, ditas muito linas
a 75, 85 e 95 a pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 7*, 9* e 10$, ditas (
Garrazes fazenda muito encorpada fazenda pro-1
.rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,60o rs.
Alelria, macarro e talliarim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide o rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caisa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 0 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
. 32o, 4oo e 000 rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellcnte quali-
dade a ioo e 000 rs. a garrafa c em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
dem preto o que se pode desojar nesle ge-: Vinho braceo para missa em caixas de 1 du-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra. zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra eem Vinho do Porto das melhores marcas que
barril se faz abatimento.
Chourigas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Sal refinado em frascos dc-vidro com tampaia anacahuila mexicana que d o neme es-
do mesmo, a 5oo rs. j pecial este incomparavel remedio, urna
Cerveja branca das marcas mais acreditadas arvore, cujj madeira por Baoilo (empose
que \em ao mercado, a 5oo, 56o e 640,11a usado no Tampico para a curo das eft-
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du- fertilidades cima mencionadas. Foi :aai-
bem ensaiada e approvada pela academia
medica de Berlim O peiloral de Kejaip
um xarope delicioso inteiramente livn de
opio, acido hydrocyanico c oulros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors & B. -
boza, Bravo & C. e em todos os eslabclwt-
m-ntos pharmaceuticos do imperio.
Vendem-se noRecife em casa de Caors 4
Barboza eJoo da C. Bravo & C.
pria para forro a 360 rs. a vara ou 256OO a pe-' Ervilhas e favas portuguezas ja preparadas
ca : ito na loja do Pavao ra da Iinpojatriz a 60, j em lalas hermticamente lacradas a 64o.
e Gama&S.lva.Tes(dos |Feijao verde muito superior a_640rs. alaja.
BEMZINA
Novaessencia para tirar nodoas sem ata-
car os lecidos nem alterar as ores
Mancha algoma produzida por gorduras,
cera, etc., resiste a este famoso dis-
solvente, que pode sem receio appll- j
car-se sobre vestidos de seda, laa,
tapetaras, paaos de bilhar etc.
Restaura perfeitamente as lavas de peli- M
ca usadas. rgs
Cada frasco iOOO. g
Um irapresso queacompanha cada fras- 1
co easina a manetra de nsar-se, assim m
como indica outras multas apphcacoes Q
que esto nova essencia pode ter as g
^PHARMACIA RIBEIRO
EM PERNAMBUCO
22Praga da Boa-Vista22
Gesso
barricascom gesso : nosarmazens de Tasso Ir-
mos.
Vacca
Na Piranga, defronte ao sitia do Sr. Millet, ven-
de-se uma vaeca mnito boa leiteira com cria.
Potassa da Rnssia.
Acaba de chegar a mais aova e verdadeira po-
tassa da Rnssia, e vende-se apreeo comm^do: no
escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Firho,
largo do Gorpo Santo n. 19.
Graade pechincha a 35500.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imitaco de tarlatana com muitos
delicados desenhos, maiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 35o06cadaum,
sendo fazenda que sempre se venden a 75, na loja
do l'avo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 10 e a 7$
Na loja do Pavo vendem-se ricos cortes de vesti-
dos Maria Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de 45 e 75, sendo- fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por haver grande
porgao, na loja do Pavao ruada Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Os enfeites do Pavao.
Vendem-se os maismodernosenfeitesparacabega
de senhora: na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pavo.
Vendera-se as mdis bonitas cassas francezas, de
padroes mludinhos e grados, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos precos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porgo : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
. As lazinhas transparentes a '00 rs.
Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas
lazinhas transparentes, sendo de lisias raiudinhas
a imitago das sedinha?, pelo barato prego de 400
rs. o covado ; ditas entestadas de uma s cor e
ditas de salpiquiuhos proprias para vestidos e rou-
pas de criangas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60. de Gama & Silva.
Ricos soulamharnues do Pavae.
Acaba de chegar um rico sortimento de son-
tainbarques de grosdenaple preto mnito bem
eafeitadas, que se vendem pelo barato prego de
205,225, 235, 305. Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em conta: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezasa 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas, colletes, paletots, roupas para
criangas : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil covados de la.
Graade pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo com listras e quadrinhos miadinhos, e
lisas, teado de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de soda Maria Pia, tendo de todas as cores, e
algumas proprias para luto, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, isto por haver uma graade
porgo : na ra da Imperatriz a. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Maria pia,
Graude pechincha a 10?000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, iendo
todos com as cores mais delicadas que rem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 105 o cor-
te ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 105, ditos de cambraia
com barras bordadas a crox no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 65 : na loja do Pavao, ra aa
Imperatriz n. 60, d.e Gama & Silva.
Cassas de liaho a 360 rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de liuho
propria para vestidos e ronpas para criangas, com
muito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato preco de J6 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas Usas.
Veoderaseas mais finas laziahas de uma s
cor, teado grande sortimeato : aa Iqja do Pavio,
raa da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavao os
mais ricos chales de reoda cora tres ponas, seado
todos pretos. ajarabemeom asseato* de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tera yindo a este
mercido, ricamente bordados e cerculados de um.
elegante bico preto de mais de palmo de largura;
estes modernsimo chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem nma elegante visto sobre
um vestido de qualquer cor, assim como muito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama & Silva, ra da Im-
peratriz a. 60, loja do Pavo.
Soutambarquesdecor na loja
do Pavao.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais ri-
cos soutambarques de cores, sendo os mais bem
enfeitados que tem vindo a este mercado, com
adornos da velludo, seda e 9etim, renda, etc., s
avista do grande sortimento qne os freguezes
podem dar o verdadeiro aprego a esto fazenda, e
vende-se por difireme precos conforme a quali-
dade : na loja do Pavo de Gama e Silva, rna da
Imperatriz n. 60.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5,5oo
rs. aduzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
1,00o e 1,2oo rs. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-1
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
i2,ooo e lo,ooo a caixa com I duzia e 9oo,
l.ooo e i.Soo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade al 6,000
a duziae l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio," em lata de 6 li-
bras por 2,5oo rs.
zia.
Cevadinha de Franca mu lo nova, a 2oo rs.
Charutos doaffamaro fabricante JosFurta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposicao Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
L. nilhas de Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,000 a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa mgito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.'
Banha de porco refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,600 e 3,5oo cada uma.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
BCVS rUGIBOS.
xe a 800,1,000 e l,2oo rs. Ameixas francezns em fiasco de vidro com j barris pequeos ou a relalbo, a vista se
Vinho Bord'eaux das marcas mais acredita- i tampa do mesmo, a 105oo. far o preco.
das que vem ao nosso mercado a 7,oooe Ameixas franc zas em caixinhas de diversos Azeitonas de Rivasem ancoretas grandes de
8000 a caixa e 64o e 7oo ris agar-! tamanlios com bonitas estn pas na cat-
ria. xa exterior, a l,4oo, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de I cada uma.
conla certa. Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez
Frasqueirasde genebra de Hollanda a 6,800 a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
Batatas muito novas-a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra?.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
.8,500 a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l,ooo e H.ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranho de Ia qualidade a loo Momo inglez em garrafa devidro comrolha
rs. a libra e 2,8o a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. | a 800 rs. o frasco.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-; Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Paincoe alpista a 14o rs. a libra e 4,ooo a; fcentilhas francezas, excellente legume para
arroba.
sopa
a 2oo rs. a libra.
Massadetomatesdesuperiorqualidadea64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de uma libra c56o rs. a reta-, 13 a garrafae ll,ooo a duzia.
Iho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada uma ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,000 o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada uma e 72o
rs. aduzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra*
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a-caada
e640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 000 rs. a
garrafa.
Fngio no dia 14 do comente mez, as 3 horas ua
tarde, o preto Joao, crioulo, idade 30 aunes, m uto
mais ou menos, estatura baixa, um tanto fine
barrigudo, proveniente de relrialdade de quf pa-
dece ; este escravo foi da familia do Sr. Carrito!,
foi vendido para o snl, e depois veto vendido pa
esta cidade, tem oflicio de pedreiro, e por itsc po-
de ser que ande irabalhando em alpum* obra :
quem o pegar leve-o a ra da Concordia n. 8, qoe
se gratificar cem gnero?idade._____________
Aos capitcs Desappareceu no dia 21 do crreme, da casa d#
seu senhor, 9 escravo de nome Benedicto, cabra
escuro, com idade de 25 annos, letra vestida cal-
ca de algodo de listra, camisa de algodao da tr-
ra, e chapeo de couro de abas largas, tem atiura
regular, cheio do corpo, cabello a escoviciio,
olh'os prelos muito vivos, nariz c bocea regulares,
muito pouca barba no queixo e um pequeo ho-
co, todos os dentes, pos reputares, ele. e de (re-
sumir que seguisse a estrada de Goianna por ter
vindo da cidade de Sodza, provincia da Parahiba.
ha 13 dias, e foi comprado ao vr. Jos Antonio
Borges daqnella cidade : roga-se perianto aos se-
nhores capitaes de campo a apprehensao do rel*-
rido escravo, e levarem-no a ra do Imperrdor n.
83, segundo andar, que se gratificar rom ;>0.
Aviso
aos capitaes de campo c a polica.
Desappareceu em paincipio do rnez de outnhro
do anno passade, do bordo do paihabete rafictal
Araujo Malo, dous escravos de nemes Riltrto
(por apellido Slacei), e Miguel; o> e da annos, pouco mais ou menos, crien, rcr fui,
estatura baixa, barba perrada, um pomo tuto das
pernas, e com alguns cabellos branres, tsnte na
barba como na cabeca ; o 2o alio, cheio de cene
sem barba e falla grossa, reprsenla lente 26a
30 annos, rujos escravos desconlia-o amiaren pe-
llos arrabaldes desta cidade : quem es appr<-r.ei--
der queiram levar a ra do Trapiche n. 4. oue
ser generosamente gratificado. __________
Aos capilfs Fngio no dia 27 de fevereiro deste aune, c. o-
sa de seu senhor o escravo Sebasliao, criool*. i'-
lo. com idade de 22 a 24 annos, foi esclavo
senhor doengenhoQuandus da comarca de nao
Antao, d'onde linba vindo para esta f ida^a 8
BIVAL
Sem segundo,
Ra do Queiutado, n. 49 e 5o. E' para admirar.
Carrelis de linna com 150 jardas......
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60..............................
Dito dito de 60 a 200.................
Novellos de liBha grandes com 400 jar-
das ..............................'
IduHi idem brancos e* de cores de 100
jards ...............................
Livrospara assento de ronpa Uvada...
Cordo branco para espartilho (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de botOes de pnho todos de cores
Tinteirosde barro com tinta...........
Tesouras para costuras finase unhas
Ditas para costuras com toque d'avaria
Escovas para limpar dentes muito finas
160,200e..............................
Caixas com lOOenvelopes das melhores
qualidades...........................
Ditas com 20 caderaos, rapel pautado e
liso...................................
Cadernos de papel pequeo ( e a reta-
Iho)................................
Meiadas de linba frouxa para bordar...
Pares de sapatos de tranea. ..... 1J50U
Massos com superiores grampas para
senhora............-o............
Frascos de macaba perola muito soerior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e------..................
Ditos e garrafinhas de agua de Colonia
muito fina.....................
Ditos de banha a Ganbaidi e da familia
imperial.............2......
Pecas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade...........-----
Pares de ligas para senhora as melho-
res ............................
Pegas de bicos francezes e rendas.....
Frascos de agua dentfrico muito supe-
rior..............................
Caixas cora 4 papis de agnlbas a balo
e Victoria............*...........
Libras de laa sendo de todas as cores...
Bonecos vestidos e tambem de choro...
Caixas com superiores obreias........
Ditas de hnha de gaz com 50 novellos..
Enfiadeiras de fila para espartilhos.....
Carretis delinha de cores com 100 jarr
das..........-----; 1...........
Pegas de cordao imperial............
Bixas hamburgudas.
Vende-sena raa Nova n. 61.
60
120
100
80
30
100
20
160
120
100
400
200
320
640
600
20
20
30
200
500
400
900
240
320
320
800
200
60000
160
40
800
60
20
40
Vende-se a casa de molhados na roa da Ira
peratriz n. 34, por sen dono ter de retirar se para
tratar de sua saude, faz-se todo o negocio : a fal-
lar na mesma cima.
Veade-se a taberna sita no pateo do Carrao
n. 39, bem afreguezada para a trra, boa para
quem quizer ter ara principio por ser em ponto
pequeo.
BOTICA E DROGARA
BarlholomeuFranc&sco de Souza C.
34ftualanja do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
PilulasdoDr. Laviile.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilnlasdo Pobrebomem.
Pilulas americanas.
Pilulasvegetaes.
Pilnlasyegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha deCh Alberl.1
InjeceaoFeaugas.
Agua denticade Desirabode.
Papelchimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos aoti-epileticos deBrest.
RobL'Alfecteur.
Xarope do Bosque.
ognento Holloway._________
pechincha na o va toj a de fazeatlas
roopa feita nacioaai, rna da Impe-
ratriz d 72. .
Pechincha a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas de cares fixasa *4M*>"-n0.
corado, ditas francezas largas a 300, 320, 3b, 400
e 440 rs. o eovado ; pecas de madapolao fino a Bf,
7, 80, 90 e 100 5 pegas de algodao a 5, 60, 7#
j 80 : rna da Imperatriz p. 72.
Roopafeila nacional.
Vendem-se palitos de cazemira preta e de cores
a 50, 60, 80 e 100, ditos sobrecazacos a 12, 14
e 160. Palitos de brim de cor a 20500, 30 e 30500
rs., calcas de cazemira preta a 6#, 7 e 8J>, ditas
de cazemira de cor a 5, 60 7, e 80 i coletos de
cazemira de cores e prelos e ditos de brim a 10500,
e 20500 rs.,; calcas de brim de cSr a 20, 20500 :
ra da Imperatriz n. 72.
Soutambarque de tdres a 70, 8)9 e iOl.
Vendem-se soutambarque de 13a e seda para se-
nhoras a 7tf, 80 e 100 5" ditos de grosdenaple pre-
lo a 20o 250 ; capas pretas a 20 e 250 ; vesti-
dos de laa a Maria Pa a 120, 14$ e 160 : ra da
Imperatriz n. 72.
Cortes de cazemira preta a 30.
Vende-se cortes de cazemira preta para caiga
a 30, 30300, 50 60 e 60, ditos de cazemira de
cor a 30,10,3$, e 70, ditos da brim de cores a
10600, e 20, ditos de chUas finas a 20400 e 30200,
ditos de casias franceza a 30 : ra da Imperatriz
loja do barateiro n. 72.
Fellao
Na rna da Madre de Dos n. 9 vende-se fejao
mulatinho, dito tranco, edito preto, mis barato
do que em outra qualquer pane, approveitem a
peehincha qae a qaaresraa bate porta.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 33 lojas de miude-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por pregos mais barato do que em
outra qualquer parte, quem quizer ver o que
bom e barato venha a loja do Rival.
Latas com superiores banba............
Frascos de vidro com superior banha..
Pares de luvas de seda muito finas
Enfeites do melhor gosto que tem vindo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira.
Pulceiras do melhor gosto e modernas.
Volla para pescoco do melhor gtfsto....
Baralhos para voltarete, finas a 200 e..
Varas de franja branca de linha que*
tem muita serventa.................
Duzia de pennasd'ago muito superiores
Frascos de oleoBboza muito finos.....
Talheres para meamos a melhor quali-
dade............................
Diversos livros, todos religiosos a 100,
200..................................
Duzia de colheres de metal muito finas
para sopa...........................
Duzia de colheres de metal muito finas
para en........................
Grosas de botoes de osso para caiga...
Grosas de botoes madreperula para ca-
rniza..............................
Grosas de botoes de looga prateados
mnito finos......................
Varas de babado do Porto sortido.....
Duzias de lapes differentes qualidade a
240..............................
Quaderoos de papel de peso muito fino.
Resma do mesmo papel.............
Duzia de facca e garfo muito boas....
Sabonete de espuma muito superior...
Capachos compridos e redondos muito
bons.............................
Ditos para sof......................
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa...................... ......
Creiao para dezenho de todas as qua-
lidades...........................
Cartas de alfioetes francezes muito su-
periores...........................
Caixas de clcheles francezes a 40 ris
Dazia............................
Carretis de retros com quatro oitavas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade.............................
covinha, rabera pequea e redoi., lesljf
bem cantuda, olhos prelos e regulares,
lo, bocea regular, beigos regulares, iml.
limados, nenhnnia barba.apeas um n'ij
de, corpo bem limpo, ps regulan s e B
gos: roga-se porlantoaos Srs. capitaes o* 65(0
a apprebensao do mesmo a entrgale > rs ne
Imperador n. 83, segando andar, defronte do e--
reio, que se gratificar com 500.______,_
Negro fgido
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro deste-
lla
200
240
320
20300
15280
500
500
240
060
060
200
240
500
20400
10500
' 200
500
200
060
400
030
20000
20400
040
500
20000
|iOC
500
020
100
. 360
800
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembre do.ai-
no passado ao Sr. Manool Francisco Marqui s nra
armazem de assucar na de Apollo ; leven* re-
misa e caiga de algodo branco, ropresenta te/ ue
45 a 50 annos de idade, alto e de grossura regu-
lar, cor fula, cabega comprida, qneixos largos,
olhos amortecidos, beigos grossos, sendo o *Ht-
rior um tanto defeituoso, bastante barba, perm
raspada, finalmente tem uma grande costura enlre
os peitos proveniente de queimadura, e suppoe-se
terse dirigido para o norte, d'oade veio : grattfi-
ca-sea quem o appreheoder ou denunciar o coito
em queestiver : na ra da Cadeia do Rccifo no-
mero 52.__________________________
Fugio no dia 14 do corrente da ra da Cruz
n. 8, terceiro andar, a escrava Benedicta, com os
signaes seguintes : cor fula, tem falta de dentes
na frente, levou vestido escuro de palminhas bran-
cas, chale encarnado, bem conhecida por ter si-
do escrava do Sr. Salostiano Cantalisla : recem-
menda se as-autoridades policiaes e capitts de
campo que a peguem e levem-na a casa cima, ou
a rna da Senzala Velha n. 94, qcc sero gratifi-
cados. .
200
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade
iU alata : nos armazensda ruado Im-
perador n.i6 e roa do Trapiche Nevn. 8.
Fugio no dia 7 de margo, o escravo crionio
de nome Pedro, idade de 19 annos, pouco mafc ou
menos, altu?a regular, um unto cheio do eerpo,
cor meia fula, cabeca pequea, orelhas pequeas,
olhos pardos, beigos grossos 5 est com nma ca-
triz no beigo superior, nariz chato, dentes separa-
dos, ps e mos regulares, dedos compridos e sec-
eos, tem mais duas cicatrizes, nma no p esquerdo.
e ontra no p direito na parte interna, algunas
manchas pelo roslo e peseogo, um pouco. gago:
quera o aprehender queira recolhe-lo a cadeia, par-
ticipando ao Sr. Manoel Domingos da Silva Jnior,
ou em Beberibe, qne ser generosamente recom-
pensado por seu senhor Manoel Elias de Moura.
Beberibe, 8 de marco de 1865.
Manoel Elias de Monra.____
100$
Qnem apprehender elevar no palacete do V
conde da Boa-Vista, rna da Aurora, ou no tngmii-o
Trapiche do Cabo,' a escrava Joaquina, fula, alta,
falta de dentes na frente, umita conhecida n*sta
cidade, anda as vezes de timo ou saia de bailo, e
se diz qne est em companhia de um pardo de
nome Jacob, que mora em Iumarac, recbela a
rratifleagao cima de 1000. Esta escrava estfu-
gida desde setembro do anno prximo passaw, e
desde j se protesta contra quem a livor em sua
cempanbia.

1*.
11 .i m..... 1 ^
II r-#*ii#r-





1
s
Diarlo de Pern.iml>iioo Sexta lele* 14 de Marco de i85.
i

LITTSRTRA.
No dia II pelas 5 horas da manha lar-
guei aquella praia e seguindo ao SE 4 S
, .i .n-..s. com drecCo ponta mais do sul da praia
ISvplorafao c exaae do rio Tocauliu, pelo ea utao Mllr,.. _,_.!., .. .__. a .
tonenle da armad. Frantisc Parah>Duna dos ^a.nde P0r Passei s 6 horas*
Hcis ,45 s 7 horas e 20' monta a praia do
'(Continuado.) -, Chico-Gorgulho e a ponta N da illia do mes-
N'i dia 6 pelas 6hor3S da manha, larguei mo nome, ludo prximo margem direita
o i'of.o do Bruno pafa observar a bocea do (do rio; s 8 horas entrei no Tauhiry com
canal Capitary-cura a qual sendo secca e proa SSE e costeando a margem esquerda
ce>v,ada de cora de ara, impede que aqelr aos rumos S 4 SE at o 30 pelo S, s9
le canal soja Iransitavel quando o rio estive- horas passei a trra do rebojo do Cajueiro ;
vasio ; d volta passando pela do canal do 1 hora e 35' pela ilha do Ananaz, e s'4
Infamo, prumei em 7,8, 9 e 10 bracas d'a- lioras encostei a urna praia que fica junto
gua. abstendo-me de ir prumar no principio t da margem ao N 4 NO da ilha da Bagagem,
dos rebojos pelo receio que Uve de qae a e ao N do travesso Agua da sade.
igirit ali perigasse; naquelle lugar "eslou 0 pralico Piraentel> alis mut0 conbece_
i
bem certo que a sonda muilo maio .
dor daquelle rio, assevera que ignora os no-
tando feito aquello pequeo exarae, s 8 raes de muitas loas, praias e pontas do re-
' lioras e 25' principiei a vogar aos rumos de ferido por anda a%s nao ter ouvido denomi-
NO i N, NO e NO 4 O ea direceo bocea (Dar a ninguem.
de Itabos, que achei obstruida desde amar I)esde que entre nQ lmhirh tenbo na_
gem meridional que forma un dos labios da; vegado sempre pela margem esquerda e pelos
-dita foz at a ilha do Aro, por um grande pequeos canaes para evitar os travesses
tab)!eiro de ara, e cascalbo que ali cha- Valentim e Repartimento.
No dia 12 pelas 7 horas da manha sahi
da praia cima mencionada e costeando a
de E do recife que jaz defronte da ilha mais
pequea que coroa a praia da Raioha, junto
da qual prumei em 6 bracas d'agua, e se-
guindo ao S lr2 SO at s 7 horas e 48 mi-
nutos, prumando8empreem 6 bracas, mon-
tei a ponta N. da enseada da praia da Rai-
nha; s 7 horas passei por algumas pedras
soltas e por um pequeo travesso que fica
aE 4|* NE da ponta N, da enseiada da praia
da Rainha, segu daquelle lugar ao N. Ir2
NO at N, 4 1|2 NO at s 8 horas e 35 mi-
nutos, que puchando para O. atraquei
margem esquerda d'onde larguei s 10 bo-j
rase 20 minutos, e seguindo os rumos de;
NO a N 4 NO, s 10 horas e 46 mioutos en-
trei ao boqueiro do Tauhiry de cima, fa-
. Coitado era bommofo.
UM THOCADII.HO.
O Dr. Semana nao dado aos trocadilhos;
mas nao pode deixar de mencionar o seguin-
te que ouviu a um eletor da provincia.
O senado vae concertar ?
Porque ? perguntou o Dr. Semana.
Nao querem mandar para l urna pe-
d eir.
mimgorfiulhosobre o qual nao havia
m.r'sde 11 12 pollegadas d'agua, pelo que
fui obrigado a alliviar a igarit e arrasta-la, ,
- onde! os ,umos ( r, corre ali ao S) por
i | entre pequeos travesses montei um s
at muito perlo do Arrepcndido
cheguei s 11 horas e 30' da manha;
hora e 40'cheguei ao-Torlmho-'ondej^^^-Aw^&Me pelas 8
? no,as e 50 as 10 horas e 15' monte a ha
volv a mandar descarregar a gante e con-jdo A|exandre> .$ ^
sftguindo montar aquella pancada, sahi d ali
s 2 horas e 50'
5' a bocea de
, s 3 horas e 45' ^J2?! esqaerd. quocha-
abaixo da pancada-Jos Correa- ondeper- %^JT* "TV* tambem dei
llleii as l,Das que lhe ficam fronteiras na margem
Tendo recebido naquelle dia a noticia do dlre'ta^ as|J1 horase40' montei a ponta
b ,ie ter chegado ao -Poco do Bruno- or-' L KArana"cuara \ as 12 horas e
i minutos a bocea do furo Arana-cura
de-nei a passagem de se.i carregamento para
oJos Correa atim de que no dia 28 de
U\ moro estivesse promplo a descer o rio
para no dia 2 de outubro encontrar ni pon-
a daMontanha o vapor que des a capital
fosse expedido para aquelle destino.
Nooia 7 mandei fazer um rogado na mar-
gem esquerda cima da refer 'a pancada do
Jas Correa, e napr.a prxima ao ro-
gado armar a barraca granie. onde foi reco-
I*i todo o carregamento do bote.
Nd dia '8 cntinuei com a descarga e pas-
sagem da carga do bote para a Itaboca.
N) dia 9 tendo concluido a descarga e
. passage n da carga do bote para a Itaboca,
prosegu a examinar a resistencia que oppo-
riam as pedras.
Comoemprego de!2pessoasJ algumas
aiavancas, cunhas e morroes e utilisando-me
das fundas que apresentavam as p dras, con-
segu naquelle mesmo dia, desde as i at s
6 Loras da larde desmororal cerca de 20 to-
neladas de pedra, quantdade que para ser
removida a urna distancia de 20 bracas, foi
preciso empregar a mesma gente por espa-
co de B dias; e assim manifest que a
operago mais difficultosa na limpeza do To-
citins, a condcelo da pedra extrahida
para os lugares que lhe bao de servir de de-
psitos.
No dia O s 6 horas e 30' da manha, lar-
guei a pancada doJos Correa-e seguin-
do rio cima, s 7 horas cheguei aCachoei-
ra Grandeonde alliaviada a igar, pelo
desvio do E, foi anv.stada por cima de ro-
los ; s 8 horas e 30' larguei aquelle lugar e
seguindo aos rumos S 4 SO, SSO e SO 4
S,s 9 horas e 10' cheguei ao poco do
Bacury ; s9 horas e 25' passei pela boc.
ca igarap Bocury, tendo navegado pelos ru-
mos SO 4 S e S 1|2 S. s 9 horas e 45' ten-
do andado aos rumos L. e S 4 SE, cheguei
ao Pinag ; s 10 horas e 10' venc o Salti-
nbo do Prucuba, tendo navegado aos ru-
amos de S, S 4 SE, SSE SE 4 S al ao sec-
co do mesmo nome, seguindo ao SE entrei
n:) cstirao doJacob que vae ao SSO, e s
(o rio at ali vae ao S 1[2 SE, do Arana-cura
para l vae ao E, e pouco alm chega a ir a
E NE no principio da enseada do Puraqu-
cura); a 1 hora e 15'encontrei no furo
Mand-pichuna que pelo furo Arana-
cura communica com o furo de Santo An-
tonio, que vae sahir defronte da Praia-alta,
prxima bocea de cima -do Tauhiry, po-
rm adiando ali pouca agua tive de voltar,
e tendo sabido ao dito furo em seguida en-
contrei diversos e pequeos travesses ; s
3 horas e 50' passei" por entre as ilhas do
Pimentel prximas margem direita, e a
do Mand-pichuna; e costeando aquella ul-
tima ilha aos rumos de E I 2 NE, e ESE
por E s 4 horas e 25' encostei a urna
praia que fica ao O 4 NO da bocea for-
mada por urna pequea enseiada que se
torna muilo saliente na costa do Puraqu-
cura. -*
PROPHECIA.
Vd em progresso as modas masculinas
para os corpos femininos. Ho de acontecer
zendo diversos rumos na direceo do S, S boas cousas com estas modas.
SE; s 11 horase 13 minutos estava EO Todos conhecem a ancdota da menina
com a bocea lo furo Santo Antonio, e seguin- 1ue eslando a ver com o irmo um quadro
do ao N. montei s 11 horas e 38 minutos a ^f. e Eva' anles do Peccado' Per8UQ-
ilha da praia alta, e o furo formado pelas Qua| o Ado ? Qual a Eva ?
libas Santo Amonio e Suimuma ; s 11 horas Como queres que eu saiba, respondeu
e 48 minutos montei a ponta N da ilha Su- rmo, se esto ns!
mauma, tendo andado ao rumo do norte en-' ,. Pois bem- contrario ha de acontecer no
trei no canal grande do Tauhiry; s 11 ho- A^VStf?T ****-
.ras e 50 minutos passei um pequeo tra j Prophetiso a seguinte scena :
vesso, onde a agua teria a velocidade de 45
milhas por hora, passad aquella correnleza!
seguimos ao NNE, e s 12 horas e 3 minu- j
tos passei a pancada do Puraquequara,se-
guindo logo ao quadrante de NO, passei di- \
versas pancadas s 12 horas e 44 minutos,
tendo montado a ilha de Mandu pechuna, an-
dei ao noria passando entre a pona norte
da enseiada do -Puraquequara e as Ibas do
Meu amo, veiu urna pessoa procura-lo.
Quem ? Homem ou mulher ?
Nao sei, nao senhor, estava vestida.
II horas e 35' tendo seguido aos rumos S
i SE passei pelo portoJatub tendo na-
vegado em 12 e 13 pollegadas d'agua por
cima de um taboleiro de cascalho, que to-
maado o rio de margem a margem nao ter
meaos de 30 40 bracas de comprimenlo,
p;ssado o qual prumei em 2 e logo mais m
7 bracas, avistando naquelle lugar a bocea de
cima da Itaboca ao SE a qual montei s 12
toras e 20'; o rio no lugar do taboleiro te-
r cerca 200 bracas de largo.
Naquella bocea da Itabocca observei a do
canal do Inferno ao rumo magntico de
ESE/e a doJacund ao SE, e que na re-
ferida paragem o Paran-miri, Itaboca tem
cerca de 30o bracas de largo.
Seguindo a margem esquerda do rio, cu-
ja cosa na parte que naveguei, corre SSE,
observei que as aguas ali estavam paradas,
ftoique sendo represadas pelos p dregaes
existentes entre as boceas da Itaboca e In-
ferno, a mor parte dellas en travam pelos ca-
naes do Inferno e Jacund.
Achando-me ao O e NO da ilha do
Meio que fica entre as boceas do Inferno
e Jacund atravessei com direceo a ilha,
l>assei pela bocea do Inferno 1 hora e 10';
costeando a ilha do Meio, tive que vencer
apms travesses, da ponta SSO da dita ilha,
atravessei ao rumo S 4 SE em direceo a
f)raia do Murusi-grande na margem esquer-
da passando pela bocea do Inferno 1 bora
e 55'; s 2 horas e 55' passei pela ponte
do Murusi-grande que me tinha dirigido,
d'ali atravessei para a margem direita ao
rumo de ESE aonde marginei a costa do Ja-
cund ; s 4 horas passei a bocea do igara-
p Jacund na respectiva costa, e continuan-
do ao SE s 5 horas e Id' atraquei praia
Jacund aonde pernoitei.
Desde que entrei o Tauhiry nao me tem
Mdo possivel tomar um rumo a bordo da
igarit pelos seus movimenlos rpidos, e
bem assim nao me tem sido possivel desig-
nar a velocidade da correnteza que varia
a lodo o momento, bem como a sonda.
No d a 13 s 7 horas e 10' larguei a re-
ferida praia e navegando acSE costeei a ilha
Mand-pichuna ; s 8 horas e 25 minutos
atravessei para o lado opposto; s 8 horas
e 35' montei a ponta do norte da ilha Su-
miuma na margem esquerda; s 8 horas e
40' a bocea do furo Puraqu-cura na mar-
gem direita ; s 8 horas e 50' a bocea de
cima de um furo formado pelas ilhas Sumau-
ma e Santo Antonio; s 9 horas passei pela
bocea do furo Santo Antonio (estiva secco),
e ao mesmo tempo principiei a costear
Praia-alta mais prxima da margem direita,
intervallo entre aquella margem e a re-
ferida Praia-alta estav completamente secco,
costeei aquella ilha aos rumos de S at SE
f S pelo SSE; s 9 horas e 15' montei a
extremidade S da r. ferida ilha; s 11 horas
e 15' sahi a bocea de cima do Tauhiry,
tendo sempre navegado pelos lugares de
i hppquena correnteza e remansos, em cuja es-
eolha o pratico Pimentel pareceu muto h-
bil; s 12 horas continuando sempre o ru-
mo de sul, a que tenho navegado depois
que sahi dos pedregaes avistei a praia da
Rainha aos rumos de S e S 1|2 SE; e a cor-
renteza ali torna-se uniforme e achei ser de
1,5 milhas por hora ; s 5 horas e 15' da
tarde encostei praia da Rainha prxima a
margem esquerda aonde pernoitei.
Da bocea de cima do Tauhiry para o sul
haalguns pequenes travesses e algumas
pedras.
No dia 14 pelas7 horas da ma haa lar-
guei a praia da Rainha, e vagando para o
sul s 8 horas e 50 minutos, passei pela
bocea do lago Camitahu' na margem direita;
s 9 horas passei por entre a ilh i do Cardo-
CABTA AO SOL.
Meu caro Sol.
Tenho notado um fado : que vos re-
l ano mmmm>Tw. -* colheis aos bastidores sempre que ha chuva,
.nELi TS i ?' S6g semelhante neste ponto cerlos polticos qu
ao, rumos entre NNE e NO pelo N, s 2 ho-; se meltem na concha na hora dos abalos Ju-
ras e5 minutos passei por urna pequea blicos.
pancada defronte da ponta norte da ilha mais 0ra> como ltimamente tem chuvido mui-
seplenlrional das do Pimentel, s 2 boras e, l?> fegue-se que a vossa presenca nao tem
14 minutos ,;,.__ a vindo animar a vista dos infelizes mortaes
i* minutos passei por urna pancada forte a esta banda.
E da ponta norte da ilha d Alexandre, se-1 Quando daes audiencia no tribunal do es-
goindo diversos rumos na proximidade do PaC ^az UQ1 gst0 v^r COfflo as rnortaes des-
norte ; s 2 horas e 31 mioutos passei pelo ta terra sa,iem a rua> como perlustrao a ra
pontos, da ilha de bagagem ; s 2 horas e o Ouvidor como vio aos thealros, como
. 6 6 llurdi' c animam vista dos solteiroescomo eu, que,
40 minutos a ponta norte daquella ilha, ten- em falta de mulher propria, contento-me em
do-a costeada por E ao rumo de N 4 NE ; ver as rnulberes dos outro*.
s 2horas e 50 minutos salteia pancada Ora, se nao fosseis como varios deputa-
Agua de Saude, tendo andado da ilha da Ba- %*l eftarieis sempre Pres^le no cu>e sto
gagematalliaos rumos NO 4NeN0 se- SfSK a que T' 0,bo* S?,da
.-La ,1 vista deliciosa que ofierecem os rostos das
guindo ao rumo NNE ebeguei ao fim dos re- mocas fluminenses,
fto;'osd'Agua de Saude s 2 hores e 55 mi-! E" Pr isso que vos enviu estas linhas, pe-
nutos: continuando a vagar os rumos com- dindo-vos que vos compadecaos de um mor-
prehendidos entre NNE e N s 3 horas fi R tal que entre os mortaes' (Iue mais vos
minutos pa^eio pao de Gaviao por E. e Recebei, meu aro Sol, as segurancas da
ueixanoo o canal do Urub a direita, conti-1 estima que vos consagra, este que de vos-
nuei no canal grande entrando na pancada! sa claridade, criado muito obrigado
chamada Repartimentos 3 horas e 45
minutos; s 3Jioras e 52 minutos sabi della:
dentro daquelles reboj<*(os mais fortes que
alli observei) com 15 bracas delinha nunca i
prumei: o canal naquelles lugaras ter 80' E' ^ acadmico Joaquim Vilella esta poe-
a 100 bracas de largo ; a veloc dade da cor- "* que foi ^ecilala
rentezaser de G milhas por hora; s 3 ho-
ras, e 55 minutos moatei a ponta sul da ilha
Capellinha, ao rumo norte ; s 4 horas e 2
Dr. Seitxtna.
: reate, por occasiko dos festejos patriticos.
minutos as pedras a qo& dao o nome Ca-
pellinha ; s 4 horas e'3 minutos a ponta
N da referida ilha ; s 4 horas e 13 minu-
tos estava NS c >m a ilha d > Ananaz na mar-
gem esquerda ; navegando aos rumos entre
NE s 4 horas e 38 minutos passei o rebojo
do Cajueiro, prximo margem direita, e
seguindo no mesmo quadrante de NE, s 4
horas e 45 minutos passei pela bocea do
baixode Tauhiry ; s5 horas tendo navega-
do ao NO encontrei a ponta sul da praia do
Chico Gurgulho, montando ao mesmo tem-
po a praia da respectiva ilha.
(Continuarse-ka.)
>e<
UM P0UC8 DE TUPO.
Na Semana Ilustrada l-se o seguinte :
O BOM MOCO.
Infelizmente daquelle a quem se d o no-
me de bom moco.
BommoQo quer dizer ; espirito ecoraco
facis de explorar por todos os especu-
ladores.
O bom moco tem por primeira virtude nao
negar nada a ninguem.
Queris dinheiro ?
Ide ao bom moco que elle vos dar por
emprgstimo.
Mas nao podis pagar ?
Nao vos importis ; o' bom moco importa-
se menos.
Queris um trabalho difflcil, massante,
aborrecido ?
Ninguem melhor que o bom moco pude
faz-lo. Para que haveis de aturar seme-
lhante massada qdando est em corpo e alma
ao vosso dispr ?
Precisaes de um empenho ?
Quem que suppe possa haver melhor
so e a margem occidental, e s 9 boras e 20 interm dio que o bom moco ? E' realmente
minutos cheguer bocea do lagoVerme- desconhecer a verdadeapregoada por todos.
ho', aonde encostei.
O lagoVermelho na sua entrada de
um aspecto triste, e as suas aguas turvas e
estagnadas indicam que o lugar pouco sa-
lubre : entretanto abundante de pirarucu\
tartaruga e de toda a qualidade de pescado,
e ali com facilidade o!>tem-se muita caca;
(Adifferenca do nivel ali era de tres bra- lhnni rePulaCao de P. e Z. ?
Bom moco, um empenho
Estaes aborrecido hoje ? Queris dormir?
Ir fra da cidade ? Nada, isso incommo-
do ; tendes mo quem vos aturar duran-
te duas horas, no fim das quaes estaris vivo
e lesto.
E' o bom moco.
Tendes a lingua aada ? Queris um ta-
cas).
O bom moco um arma ; ide a elle. E'
urna santa alma que ouve sem tugir nem
No dia 15 pelas 5 horas e 45 mioutos lar- mugir
guei da bocea do lagoVermelho, e tendo' Para tudo isto e para muita cousa mais
andado ao rumo de NNE, s 6 horas da ma- serve bom m
nha montei a ponta norte da ilha do la*o-' porgo est ?m crear -roP^0- Uma
Varmoihn < ^-.,m- u V6Z creada, o mais corre por conta dos bom
\ ermeluo aonde priunei em 5 bracas, fun- homens que n3o se fartam nunca de elevar
do iodo ; daquelle luga-segoi ao N at s 7 o carcter do bom mopo.'ao ponto de deixa-
horas, que tendo montado a ponta S da en- lo no fim de certo lempo, compromettido
seadada praia da Raioha e a pona norte da com : homens e comsigo, aborrecido, can-
costa Canitahu' sempre prumei em 5.5 bra-
cas d'agua, mdeiaoN 4 1|2 NE at s 7
boras e 30 minutos, quando montei a ponta
sado, doente, morto.
E quando se annuncia a morte delle, os
bons homens fazem um ar de pena, excla-
mando :
Hosanna hosanna vencemos !
Se quer lutar o inimigo,
Fujamos, seno morremos f
Medita, e diz l comsigo.
Ao ver as nossas bandeiras,
As nossas bravas fileiras,
Se rende Montevideo I
P'ra nosso futuro d'ouro
Mais urna palma de louro,
Mais um soberbo tropho !
as folhas da nossa h'storia,
Que nunca a sombra envolveu,
Mais um poema de gloria
A rubra espada escreveu !
No cu o azul que nos cobre,
Nos campos da terra nobre,
No mar, no fero alcantil.
Se escuta, ribomba o grito
Deste soldadogranito,
Deste gignnteRrasil!
Mordido sa:ode a coma
O rei das selvas, leao ;
Mas quando o inimigo doma,
Nobrea dar-Ihe o perdo f
Assim o Rrasil,dos guascas
Nao quiz assistir as vascas,
Do inimigo leve d !
E dando-lhe a mo direita,
Lhe dizlevnta-te! aceita
Meu p'erdo, raca de p I

Hosanna 1 hosanna 1 trmula
Nosso auri-verdi estandarte
De Montevideo, que ulula,
as torres, por toda a parte !
Ao lampejo das espadas
Das nossas filas formadas
Cede o orgulho do Uruguay ;
Assim ao luzir do raio,
Queimado, em fero desmaio,
O roble robusto cahe !
Deus, cujo olhar tudo abrange
Desde o sol, at o reptil,
Viu nossa muda phalange,
E disse ;venga o Rrasil !
Uruguayos, Rrasileiros,
Sao ambos grandes guerreiros,
Nao tremem vendo o canhSo ;
Valor em ambos se tica...
Mas era nossa a justlca,
Era por nos a razo 1
De qual dos dous a victoria
Devia em torno pairar ?
P'ra quem as cr'oas de gloria
Devia a fama enastrar ?
Deus pesou nossos direiios,
Medio, contou nossos feitos ;
E em lettras d'ouro e de ail
Escreveu, na luz immerso.
Sobre o livro do universo,
Somente um nomeRrasil t
Quem teve o nosso p ssado,
T3o fulgurantes manhSas,
Audaz, indmito brado
De avs que foram titiles
Nunca desmente o futuro,
E olha co'olbar seguro.
Para urna estrada polar,
Que brilha em nosso horisonte,
Rem como o pharol defronte
De extenso braco de mar [
<^\
E a estrella d'atva, que um dia
as nossas nuvens brilnou,
Foi a cruz,sol que alumia
Tudo quanto Deus creou !
Dos soldados brasileiros, -
Rebentos d'allos pinheiros
Os peilos nao sao venaes!
Quem nos guia a Providencia ;
Liberdade nosea essencia;
Honra o Deus nos'sos phanaes!
Hosana hosana! vencemos!
Honra ti, o pavilhao !
Randeira augusta, q.ue temos,
Nosso mais lindo padro !
Oh \ quando acabar-se a guerra,
E jazerem sobre a terra
Os osses dos bravossos,
Possas tu, paladio santo,
De glorias servir de manto
A' tanta sombra de hroes I
Da patria na molle alfombra,
No doce eolio das mes,
Debaixo da tua sombra
Descansem nossos liles!
O' Rrasil jardim de amores,
Terra de luz e de flores.
Patria gentil de meus paes!
Espera em Deus: Elle e grande
Talvez que um dia te mande
Ter brasoes, trophos de mais!
Quem dizque nunca teu dedo
Ha de marcar as naces ?
Quem diz ?Nao morre, em degredo,
A raca dos Camares l
E' mui grande o teu futuro !
S te falta um Palinuro
Que aos mares conduza a nao !...
Mas q:ando tu o tiveres,
Quando tu j nao soffreres
Insultos de um mundo mu....
Ento ento nestas plagas.
Que beijam, lambendo, os mares,
J nao sangraro as chagas
Dos fllhos dos leus palmares \
Ento ento gloria ao povo,
Dos Gracchos nobre renov,
O povo,p feito Deus !
Gloria a bandeira triumphante !
Honra ao Brasil que gigante,
E vos que sois ilhos seus !
L-se no Caireo Paulistano :
De urna carta escripia por um joven Pa-
lota, guarda nwrinha, e datada de Sama
Lucia, oxtrahimos o seguinte:
Alguns fados ha de verdadeiro herosmo',
praticados no aiaque de Paysand'i, por indi-
viduos do exereit e armada brasileira.
Entre el les, os seguintes:
Marcha o Saidanha, como porta-bandeira
dos. imperiaes marinheiros, q ue ia como de
costume, guardada por cabos; o fogo era
vivo e os nossos leoes do mar marchava
sempre, basteando o auri-verde pavilhao,
que ganbava sempre terreno : urna bala vm,
e vara o peito da-cabo da direita.
Elle cahe, mas diz com abnegacao.
Que importa morrer ? se sirvo de trir-
ebeira aos nossoe:
- Umoutro.
E' um tambor: o inimigo atira-lhe urna
baila e elle cae r sent que a vida vae a es-
caparle, e quer despedir-se te sua compa-
nheira, a sua caixa ; e diz-llie enternecida-
mente, mas com calma e valor :
Ah! rainha caixa, nao te tocarei mais;
nao... mas urna segunda bala veiocortar-lbe
a despedida e acabou de mata-lo.
Oh! Como sao bravos os nossos f
No dia 4 de Janeiro foi exhumada na ca-
thedral de Patencia, onde se acbva enterra-
Le-se no Conhnbricense:
A MORTE DO POETA BRA5II.E1U0 ANTONIO C0N-
CALVES DUS.
O anno de mil oito centos e sessenta e qua-
tro, quas se despeda sem deixar urna pa-
gina de lagrimas no grande livro da littera
tura, quasi que nao plautava um cedro a
commemorar a morte de um homem de let-
tras, quasi em fim, a rama flexivel do me-
lanclico chorlo nao marcava o tmulo de
um desconhecido, que nos trousesse magoa
ao ler-lhe o nome esculpido em marmore !
Mas dezembro, o mez glido implacavel,
trouxe-nos duas mortes para sentir, e dous
nomes i:i morredoros I
Jos Feliciano de Castilho e Antonio Gon-
galves Das !
E, in omprehensivel coincidencia! aquel-
le que era porluguez, veio deixar o mundo
em territorio da patria; e este brasileiro,
desappareceu no mar da terra de Santa
Cruz !
Ha vnte e um annosfrequ ntara Goncal-
ves Dias aqui a Universidade ; e foi ento
que se lhe desenvolved o estro e cantn a
Cancao do exilio.
Que doce enlevo, que saudade rescendem
aquelles threnos sentidos pelas suas to~ ca-
ras palmeiras e sabias !
Poucas nacoes tem sido to prodigas em
poetas como o Rrasil ; mas tambem poucas
naces tem sido to desafortunadas como
ella !
Tres poetas contemporneos (apesar de
pouco conhecer do primeiro e segundo, a
nao ser pelos Iivros de memorias, e alguns
jornaes) deixaram a vi 'a quasi simultanea-
mente ; Dutra e Mello, Junqueira Freir e
Alvares de Azevedo, tres botes que a segu-
re da norte, ceifou antes que desabroc/ias-
sem, como diz o Sr. Fernandes Pinheiro ; e
agora. Antonio Goncalves Dias, homem es-
timado e respetado por todos pela sna gran-
de e chara intelligencia!
Foi para Deus e deixou-nos osseus. Can-
tos, theiouro que a posteridade ba de agra-
decer e respeitar.
A. Herculano, Lopes de Mendonea, Fer-
nandes Pinheiro, e M. Pinheiro Chagas tece-
ram-lhe panegyricos desapaixonados e jus-
tos : Herculano aponta o Canto do guer-
reiro e os seus olhos, de que nao resisto
lentaco de transcrever duas estropbes,
apesar do limitado espaco :
Seus olhos to negros, to bellos, to puros.
De vivo luzir,
Estrellas in ertas, que as aguas dormentes
Do mar vo ferir ;
Seus olhos to negros, tao bellos, lab puros,
Tem meiga expresso,
Maisdocequeabrisa,mais docequeonauta
De noute cantando.maisdoce qae-afrauta
Quebrando a soido.
Nunca lemos nada mais maviosoy e to
lindo como aquella poesa !
Lopes de Mendonea marca a Tempesta de;
Fernandes Pinheiro o Canto do Piaga; Pinhei-
ro Chagas as Sextillias de fre Anio;. c nos
aponamos os Cantos como preciosidades que
tod s deveaa 1er e saber.
Ali est a reputaro li iterara de um ho-
mem, digo mais, de urna naco,
Goncalves Dias era poeta, tinba o avoir le
verve dos francezes : tinha o fogo sagrado
que o Creador dispensa aos infelizes do
mundo!
Que lindo divagar se l na sua Rosa do
mar ; que f revela na A' manha ; que
simplicidade, que frase attrahente se l no
Um menino!
Qualquer das suas poesas creava a repu-
taco de alguns ltleratos, ou que se teem
por isso!
da, amamiade I). Urraca, antiga rainha de!,. A80ra- poeta, na etherea regio que ha-
Navarra, fallecida em Patencia a 12 de ou-
tubro de 1185*.
E' admiravel o estado de conservaco do
cadver, mas por effeito do decorrer dos se-
clos, o corpo estava em completo estado de
nudez ; a aeco do tempo tinha devorado
a mortalha que o envolva.
Por ordem da rainha Izabel, o corpo de
D. Urraca foi coberto com um rico minio
azul com ornatos e bordados de prata e ou-
ro, e o fereto, forndo de velludo bordado
a ouro, collocado n'um cofre de vidro.
Presidiu execuco destas disposcoes,
como delegado da rainha, o Sr. Urena, go-
vernador da provincia, aconpanhado de
grande numero de personagens, e em espe-
cial do marquez de Fuente Pelayo, fidalgo
da cmara.
Os jornaes de Berln referem o seguinte
facto, occorrido no caminho de ferro de
Berln.
Um dos guardas que se acham de vigia
no entroncamento de duas vias frreas, es-
t iva no seu posto com a bandeira na mo,
porque o signal annunciava o appare imento
do trem. Este achava-se j, apenas a alguns
minutos do entroncamento, quando o po
bre guarda, voltando a cabeca. viu que um
dos filhos estava brincando entre os dous
rails.
Hroe, mas cumprindo o seu dever, o
desgracado tomou urna resoluco sublime
mas dolorosa.
Deita-te gritn crianca, com ges-
tos desesperados.
E conservou se no seu posto. O trem pas-
sa no caminho que linha a percorrer ; sal-
varam-se talvez cem viajantes, mas a desgra-
Cada enanca t ?
Passado este momento, o pae corre para
levantar o cadver do filho. Mas qual nao foi
a sua alegra A crianga tinha ouvido, e
seguido pontualmente a reeommendaco pa-
ternal, deitado de barriga para baixo, todo o
trem pas-ou sobre elle, sem que lhe off n-
desse um nico dos cabllos. ,
Na manha seguinte o rei Guilherme quiz
ver o guarda, e collccar-lhe, com a sua
propria mo, no peitooa medalha destinada
a premiar os actos de coragem civil.
bitas, ainda ouvirs o terno gorgei do teu
to querido sabia ? !
A barca franceza Viile de 3oiogne serviu-
Ihe oe athau'de, o mar americano de gleba, o
murgir da vaga embravecida depsalmos, as
estrellas de cyrios, o vento d preces, e a
lympha do cu de lagrimas; e nos, longe,
bem longe murmuramos os sentidos threnos
dos Sr. J. R. de Oliveira Santos:
Envolucro d'alma grande e nobre
Alguns palmos de terra era mui pobre
Jazigo a genio tal
Do atlntico a vasta sepultura
E' maisproprio, de certo mais n'altura
Do cantor immortal.
L-se no Paiz o seguinte, sobre a era
do veneno da cobra:
Dando-se em miuha fazenda de escravos
urna grande cura de veneno de cobra, pro-
duzida pela applicaclo de pennas de namb-
ass carbonisadas, entendo que presta V. S.
bom servico a huraanidade dando-lho publi-
cidade.
Essa ave, que contm em si antidoto, to
poderoso contra o veneno de cobras, co-
nhecda entre nos por, namb-ass ou tona,
e em Pernambuco por macuco.
Dizem que a- carne, as pennas, ossos e
mesmo o escremento, carbonisados, produ-
zem o mesmo effeito. ,
Eis a communicaco que me fizeram:
O teu moleque Emygdio, sendo picado
por cobra, esteve morte; porm j o con-
sidero salvo.
Nao sabe-se ao certo qoal a qualidade da
cobra que o picou ; mas pelos terriveis ef-
feitosjulgoser cascavel.
Apenas foi picado cahiu sem falla, e d'ahi
urna hora estava doudo furioso, mas nao
fallava..
Tomou pennas de n >mb-ass carbonisa-
das com casaca, e d'ahi pouco langou san-
gue negro, voltou immediatamente razo
dizendo que nada senta.
Esteve desde entosocegalo, porm dei-
tando sangue negro pela bocea e na ourina
o qual foi gradualmente clareando; no di
seguinte s deitava sangue claro na ourina
e alguns escarros de sangue, e no quarto dia
emfim nao havia symp'omis de veneno
e o p mordido eslava completamente dese-
chado,
i

- i
i

pernambuco.~tW\ y m. f. de f. & hlh


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGMD27Q4H_AAVOXP INGEST_TIME 2013-08-27T23:17:29Z PACKAGE AA00011611_10626
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES