Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10625


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XU NUMERO 68.
-*
>
: :
Par nrtol M jw 4t 40 4i do i. mez .
I tka de coiaecoe dentro do quartel.
Porte t ctrrek *r tres mezes ..*.,...,..,
5J000
6}000
780
DIARIO DE
QUINTA FE1RA 23 DE MARCO DE 1865.
Per anno pago dentre de 10 das do i. mez ,,,.#.. 19J000
Porte ao correio por um anuo.......... 3}000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqulm Marques Ro-
drigues ; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fillios ; Amaxonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Alaloas, o Sr. Clandino Falco Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr Jos
Ribeiro Gasparlnho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bez9rros, Bonito, Caruar,
Allinho, GaranhunS, Buique, S. Bento, Bom
Conseibo,, Aguas Bellas e Tacarl, as tergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Lmoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quarlas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
ora da tarde.
Serinhera, Rio Formoso, Tamandac, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
4 Qaarto cresc. as 9 h., 59 m. e 16 s. da m.
12 Loa cbeia as 8 b., 22 m. e 10 s. de m.
20 Quarto raing as 10 b., 16 m. e 22 s. A m.
27 La nova as 3 b., 8 m. e 22 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Jnlzo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do clvel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados al
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
20. Segunda. Ss. Faustino e Anatolio mm. .
21. Ter?a. S. Bento ab.; S. Birillo b.
22. Quarta. Ss. Basilissa e Calecina mm.
23. Quinta. Ss. Victorino e Frumencio mm.
24. Sexta. S. Agapito m.; S. Latino b.
25. Sabbado. cjfa Annonciago de N. Seabora.
26. Domingo. Ss. Ludgero e Braulio ab.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 1 horas e 18 m. da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figneiroa de
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL
fiOVBMO Di PROVINCIA.
Expediente de dia 20 de, marco de 1865.
Offlcio ao Exin. presidente da provincia do Rio
Grande do Norte.Transmiti V. Exc. a respos-
ta que den o juii de direito Miguel Goncal ves Lima
ao Exm. conselheiro presidente do supremo tribu-
nal de Justina, sobre a reclamago de antiguidade
dojuiz de direito Jeronvmo Mximo de Oiivelra e
Castro, de que trata o "offlcio de V. Exc de S de
dezembro ultimo.Commaoicou-se ao Dr. juiz de
direito Miguel Gongalves Lima.
Dito ao coronel commandante das armas.Sir-
va-se V. S. de mandar alistar no corpo de volunta-
rios da patria a Manoel Aprigio de Almeida Lima,
Franc'sro Jos de Preitas, Vi ra lo Tavares de Mello
Brrelo, Marcolino Peres Campello, Joo Baptlsta
Ramos, Manoel Bezerra Cmlcanti, Francisco de
Assis Cruz, Manoel Minias da Silva, Christovo
Francisco de Paula Cavalcanti e Joao de Aquino de
Souza Albuquerque.
Dito ao mesmo.Determinando o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra, em aviso de 2o de fevereiro ulti-
mo, que sigam para a corte, sem demora, os teen-
tes do corpo de engenheiros Jos Carneiro da Ro-
cha, Kugenio Adriano Pereira da Cunta e Mello,
3ue servem como ajudanles do engenheiro fiscal
a estrada de ferro, e o major do corpo de estado-
maior de segunda classj Sebastio Aaiouio do Re-
g Borros, que servia como vogal do exliocto con-
selho administrativo : assim o communico V. S.,
aliii e que d execugao na parte que ihe toca, ao
disposto no citado aviso.
Dito ao mesmo.Determinndose em aviso do
ministerio da guerra de 9 do corrente, que ficando
no hospital militar desta provincia, para o servgo
do mesmo hospital, urna caixa de ferro paraampu-
taco, remetta-se todas as outras para a corte, onde
sao indispensaveis s forjas em campanha, assim
o communico V, S. para seu conhecimenlo, e ex-
pedido das convenientes rrdens.
Dito ao mesmo. Devolvo V. S. a folha dos
vencimentos do alferes da guarda nacional Tibur-
tino Piolo de Almeida, alistado no corpo de volun-
tarios da patria, relativamente ao mez de fevereiro
ultimo, para que seja por elle assignado, como
exigi o inspector da thesourana de fazenda em
offlcio desta data.
Dito ao Dr. chefe de polica.Respondendo ao
offlcio de V. S. d. 338 de 10 deste mez, dizendo-lhe
que autorise o delegodo do termo de Goianna a for-
necer agua e luz ao destacamento da guarda nacio-
nal daquella cidade, de conformidade rara a tabel-
la marcada para o exercito, bem como urna racao
de etape aos recrutas,recommendando Ihea promp-
ta remessa destes, e que nao consiata prender para
o servico do exercito a pessoas que nao estejam no
caso de ser recruiadas. Communicou-se ao ins-
pector da thesourana de fazenda
Dito ao mesmo.Respondo ao seu offlcio n. 367
de 14 do corrente, dizendo-lhe que faca constar ao
subdelegado do segando districlo de Iguarass,
gue em vista do que dispoe o artigo 67 do regula-
menlo n. 120 de 31 de Janeiro de 1842, nao devia
exigir o passaporte de que trata era sua infor-
magao.
Dito ao inspector da tbesouraria de fazonda.
Transmuto por copia V. S., para seu conheci-
menlo e execugao na parte que Ihe toca, o aviso de
10 do corrente, em que o Exm. Sr. ministro do im-
perio, communcando-me hajjer aberto um crdito
na importancia de 2285 para a verbapresiden-
cias de provinciase ouiro na de 7075500 para a
verbafatuidades de direitodo corrente exerci-
cio, recommenda a maior economa em taes despe-
zar, e indica medidas acerca das ultimas deltas.
Communicou-se ao Exm. viscoode de Camaragibe,
director da Faculdade de Direito.
Dito ao mesmo.Vendse da coala que devolvo,
o que V. S. remetten-me cora o seu offlcio de 16
do corrente, sob n 168, que nella se acha decla-
rado ter o carro de que se trata, feto cinco va-
gens a Iguarass nos dias 8,15, 21 e 23 de feve-
reiro ultimo e 2 do corrente, a razo de 355 por
viagem, declaracSes estas que V. S. assevera
em seu citado offlcio nao existirem naqaella con-
ta, compre que me informe quaes as demais for-
malidades que entende necessarias, alm da rubri-
ca do inspector da saie publica, a qual nao po-
da authenticar a referida conta, por nao ter elle
alugado o carro em questao, que o foi pelo aju 1 in-
te de ordens desta presidencia.
petir, logo que elle aprsente nessa thesourana a' que Vmc. me remetteu com offlcio de 21 de feve-
sua f de offlcio. servindo a publieago da ordem ; reiro ultimo, as relages de que trata o decreto n.
do dia do exercito n. 431, de 17 de Janeiro desle 2,865 de 21 de dezembro de 1861, cumpre que
anno, de commnoicago offlcial do ministerio da m'as remetta cqm a brevidade que for possivel.
guerra, afim de que possa ter lagar o citado paga-
mento.
Dito ao joiz de paz mais votado do 1 dinricto
da freguezia de Iguarass'.Constando de seu
seguudo no dia 4 do crreme.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. para os ns
convenientes a inclusa relago, tfontendo os nomes
e liac5es de 2 Voluntarios que se alistaram no
corpo de goarnigao desla provincia, a 19 de Janei-
ro ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.De-
vol vendo a V. S. coberto com copia da informaco
ministrada pelo delegado do termo de Iogaseira,
em 29 de Janeiro ultimo, o requerimento documen-
tado, a que se refere o seu offlcio de 17 de dezem-
bro do anno prximo passado, sob n. 547 e no qual
o bacharel Vicente Jansem de Castro e Albuquer-
que, pede o pagamento do aluguel de 6 mezes
vencidos em 14 de outubro daquelle anno, e na
razo de 105000, mensaes, da casa que no predilo
termo serve de cadeia, e bem assim da quantia de
1005000, em que foram oreados os reparos indis-
pensaveis a me raa casa para flear no estado em
que foi alugada, o autoriso em vista do sen citado
offlcio e do que expoe o predito delegado a mandar
Dito ao mesmo.Communico a V. S. que os des- offlcio do 1 do corrente nao se ter installado a
tacamentos da guarda nacional do Bonito e Carua- junta revisor* de qualilicago dessa freguexia no
r, entraram em servico, o primeiro no dia Io e o correnle anno, pela razo de nio ler sido feila a
convocaco em lempo, recommendo a Vmc. que
guardado o prazo e mais formalidades da le, con-
voque a referida junta e a faca reunir no dia 30
de abril vindouro, que para isso fica designado.
Dito ao juiz de paz mais volado do t* districlo
da Treguezia de Maranguape.Nao se tendo reu-
nido a junta revisora de qualilicacao dessa fregue-
zia no dia designado em meu offlcio de 15 de fe-
vereiro ultimo, pelas razoes declaradas no de Vmc.
de 13 do correnle, recommendo-lhe que guardado
o prazo e mais formalidades da lei, convoque no-
vamente a referida juma e a faca reunir ae da 30
de abril vindouro, que para isso fica designado.
Dito ao lente quarlel-mestre do 3* batalbo de
infamara da guarda nacional deste municipio,
Jos Pedro das Neves.Ao offlcio de 16 do cor-
rente, em que Vmc. declarou ceder para as des-
pezas da guerra os vencimentos que Ihe compeli-
rem em quanio estiver aquartellado, tenh a di-
zer-lhe em resposta que recebendo igual participa-
cfio do lenente-coronel commandante do balaltio
nlentes irdens para que tenha lugar o pagamento
dos sidos do supplicante.
Manoel Thom de Albuquerque.Nesta data se
expedem ordens no sentido que requer o suppli-
cante.
Alferes Miguel Rodrigaes da Silva.Informe o
Sr. commandante superior da guarda nacional de
Palmares.
Capito Manoel Theodoro Pereira Lins.Informe
o Sr. commandante superior da guarda nacional
da comarca de Palmares.
Pedro Ferreira dos Sanios.Informe o Sr. di-
rector do arsenal de guerra.
Dia 18
Antonio Ferreira de Barros Campello.Nesta
dala se expede ordem para a baixa do filho do sup-
plicante.
Antonio da Silva Gnsmio Jnior. -Tendo sido o
supplicante quera pessoalmente offereceu sea filho
para ser alistado como Voluniario da Patria, con-
forme as olas tomadas na secretaria, explique a
razo por qne agora requer contra seu proprio
acto.
Clara do Monte.Informe o Sr. Dr. chefe de po-
lica.
Cecilia Mara da Concego. Nao tem lugar o
que requer a supplicante por estar provado que o
recrula nao filho nnico.
Dionisio-Jos da Cmara.Fica o supplicante
relevado da multa.
Francisco dr. Freitas Gamboa Fica o suppli-
cante relevado da multa.
Firmino de Farias Barroso e Silva.-Informe o
Sr. director geral da instrnegao publica.
Hercolano Lourengo Barbosa.Concedo 15 das
: effeetuar taes pagamentos na parte pertencente ao a que Vmc. pertence, acabo de agradecer, louvar,
correnle exercicio, a pessoa que para isso se mos- e de levar ao conhecimento do governo imperial o
trar habilitada, fazendo processar o que disser res-' sea patritico offerecimento.
peito ao exercicio j encerrado de 1863 a 1864,' Portara.O presidente da provincia, tendo on-
para ser satisfeila quando houver crdito. I rido as repartieses competentes, resolve conceder
Dito ae commandante superior da guarda naci-! a Antonio Cypriano da Silva Fragoso a exoneragio' de licenca.
nal do Recife.Para que eu possa resolver acerca; que pedio do lagar de correio da recebedoria de Joe Goncalves.Informe
das dnvidas mencionadas pelo inspector da tbesou- j rendas internas nesta provincia, e nomeia para o
raria de fazenda no incluso offlcio sob n. 170, que substituir nesse lagar a Francisco Bebiano de
me ser devolvido, cumpre que V. S. ministre com; Gouva.Commnnicou-se thesouraria de fa-
urgencia a informago qae exig por despacho de! zenda.
8 do corrente, proferido em oulro offlcio do mesmo Dila.-0 presidente da provincia em observan-
inspector datado de 6 des'e mez. ic'* d disposto no decreto de 7 e aviso da repar-
Dito ao mesme.Expeca V. S. as suas ordens; tigo da guerra de 10, todo do mez de Janeiro ul-
am de que seja postada em frente da igreja dos; t'mo, resolve que se organise provisoriamente com
Martyrios da freguezia de S. Jos desla cidade, urna a forca de Voluntarios da Pafria actualmente
guarda de honra tirada de um dos batalhoes da aqaarlelada no Hospicio sob o commando do coro-
guarda nacional sob seu commando superior para! nel de estado maior de segunda classe Antonio Go- alistar o sopplicanie no lugar que Ihe compete,
acompanhar a proeisso do Senhor Bom Jesas dos mes Leal, um corpo com a mesma denominado de Victorino Henrique de Alvarenga.-Nao exis-
Marlyrios, que tem de sahir daquella igreja no dia Io de Voluntarios da Patria da provincia de Per- tiodo vaga, segundo informa o director do arsenal
24 do corrente, as 2 horas da tarde. I Bambuco, observando nessa organisaco as dispo- de guerra, nao pode por era ser adrafttido o filho
Dito ao commandante superior da guarda nado-' siges das leis e ordens que regem a organisaco do supplicante.
nal de Govanna Expeca V. S. suas ordens, afim dos de infamara do exercito. | ____________________________
de que ama guarda de honra de um dos batalhoes Para servirem como offlciaes no referido corpo
da guarda nacional sob seu commando superior ficam nomeados tambem provisoriamente os cida-
dos mencionados na relago inclusa assignada pe-
lo secretario do governo.
Relaco dos offlciaes nomeados pelo Exm. presi-
dente da provincia para o 1 corpo de Volunta-
rios da Patria, da provincia de Pernambuco.
Para commandante interino.
o Sr. capilo do
porto.
Joaqulm Severiano Cavalcanti de Albuquerque.
J foi prvido o lugar.
Major Luiz Pires Ferreira.-Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do Cabo.
Thomaz Lins Soriano.- Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Tranquilhno Bandeira de Albuquerque Mello.
Apresente-se ao Sr. coronel commandante das
armas, a quem se expede ordem para mandar
lenle do 4 batalho de
artilharla a p Jos Antonio Ribeiro de Freilas.
Tenente quartel-mestreVago.
Dito secretario Vago.
Alferes porta bandeiraVago.
1' Companhia.
CapiloDr. Jos Paulino da Cmara.
TenenteVago.
AlferesHypolito da Silva.
DitoVago.
2' compaohia.
acomparrhe a proeisso de triumpho. que no dia 9
de abril vindouro s 4 horas da tarde tem de sahir
da igreja da ordem terceira dessa cidade. Com-
municou-se ordem terceira da cidade de Goyanna.
Dito ao mesmo. Expeca V. S. suas ordens, pa-
ra que urna guarda de honra de um dos batalhoes
da gaardi nacional sob seu commando superior
acompanhe a proeisso do Senhor aos Enfermos,
que tem de sanir da igreja matriz dessa cidade,
bem como que da quinta feira de undoencas ao
domingo da Resurreicao assista postada s portas
da referida matriz aos actos da Santa Redempco.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Brejo.Nao precisando V. S., em seu offlcio
de 3 do corrente o dia em que entraram em servi-
co as 8 pracase 1 inferior da guarda nacional, que
raandei destacar em Cimbres, recommendo-lhe o
declare com brevidade.
Dito ao commandante do corpo de poiicia.Man-
de V. S. a presen lar ao coronel commandante inte-
rino do corpo de Voluntarios da Patria o Io sar- CapiloJos Luiz Pereira.
genio do corpo sob sed commando Antonio Jos de TenenteManoel de Carvalho
Andrade, afim de coadjuvar os trabalhos de escrip-
turaco daquelle corpo.
Dito ao mesmo. Em vista doatiestado junto ao
requerimento do furriel Manoel Eugenio de Souza,
e do que consta de sua informaco n. 165 de 14 do
corrente, mande V. S. dar ao referido furriel a bai-
xa qae pedio.
Diu ao mesmo. Expega V. S. as suas ordens,
afim de que se apresentem ao coronel comraan
dante do 1 corpo de Voluntarios da Patria 2 cor-
netas do corpo sob|seu commando, os quaps alli per-
manecero at segunda ordem.
Dito ao inspector do arsenal de marinha. Com
este offlcio ser apresentado Vmc. o menor Jos
Luiz de Carvalho, afim de ser alistado na campa-
nilla de apreodizes marinheiros.
Dito ao mesmo. Ao offlcio.que me dirigi essa
inspectora sob n. 841 e datado de 18 de fevereiro
ultimo, respondo-lhe declarando-lhe que, era vista
da informaco do inspector da thesouraria de la-
interior:
Kie DE JANEIRO
A grande qnestao do da.
O coronel oeorpo de eattdoHBtfor'de 2- classe 0 acrordo de 20 de fevereiro.0 Sr. eonsclheiro
Antonio Gomes Leal
MajorVago.
Tenente-ajudante-O 2'
Gonvim,
Paes de Andrade
Prannos. (*)
lCon/ini(afoj
XIII'
Parece tirar demonstrado o muito que a nossa
diplomacia obleve, e, para maior gloria nossa, de
um modo incruento. ,
Incruento t Eis ahi o principal enme, aos olhos
dos fnrabrazes. Esses bellos polticos nao que-
rem seno rosarios de Paysands. Para elles a
guerra no urna immensa, mas indeclinavel, ca-,
taslrophe : urna tragedla pralica, um magnifico,
espectculo gratis, um divertimento de commogSesj
e abalos. Os espectadores so applaudem quando
corre muito sangue, e quando o ciro dos uladia-
Hores se ensopa no dos que cahem com graca.
Qnerem resascitar a qualilicacao da cliar ca
Alferes Joaquim Ribeiro de Aguiar Montarrovos 'non. Era indlspensavel urna hecatombe humana;
Lommunicando m. o mesmi inspector da saude i zenda de l do corrente,constante da copia inclu-
publica em offlcio de 3 deste mez, que fora algui-. sa nAo pode ser aQiorisada por ora a con,pra dos
rass seis vezes, sendo a pnme.ra conduz.do em ^ ps de raanguelra para a bomba de apapar ,n.
carro de Joaquim Marques dos Santos Souza e
Mello, come se v da conta que a este arompanha,
e cujo pagamento autoriso sraeole na importancia
de 405 e cinco no carro deque cima se trata, mande
V. S. satisfazer a importancia das referidas contas
sob minha responsabilidad?, nos termos do decreto
n. 2384 do 1." de fevereiro de 1862, visto nao ha-
ver crdito na verba por onde ellas correm, se no
que venho de expender nenhum inconveniente a
isso se oppozer.
Dito ao mesmo.Determinando o aviso do mi-
nisterio da guerra de 6 do corrente, que do presen-
te mez em diante seja suspenso o pagamento da
consignarlo mensal de 105000, que deixoo nesta
provincia o capitao Raymundo Jos de Souza, de-
vendo essa thesouraria enviar a competente guia a
4a directora geral daquella secretara de estado ;
assim e communico a V. S. para seu conhecimento
e execugio.
Dito ao mesmo.Determinando o aviso da re-
partgio da guerra de 22 de fevereiro ultimo, que
seja suspenso do 1 do corrente em diante o paga-
mento da consignacao mensal de 245000, estabele-
cida nesta provincia pelo alferes do corpo de guar-
nieao de S. Paulo, Jorge Caelano de Sonza Cossei-
ro, assim o communico a V. S. para seu conheci-
mento e afim de que, de conformidade com o dis-
posto no citado aviso envi com urgencia a 4*
directora geral da secretaria daquella repartigo a
respectiva guia, para se poder aulorisar urna ootra
consignago, que o referido alferes pretende insii-
tair.
Dito ao mesmo.-Transmuto a V. S. para os fins
convenientes a inclusa guia, que me remetteu o
Exm. Sr. ministro da guerra em aviso de 17 do
fevereiro ultimo, na qoal a pagadoria das tropas
declara que a consignacao do sold da patente esta-
belecda na corte, pelo Io tenente de corpo de
engenheiros Jos Carneiro da Rocha, foi suspensa
do Io de fevereiro ullimo.
Dito ao me3roo.-Mande V. S. abonar ao inspec-
tor da sade pablica, Dr. Ignacio Firmo Xavier, a
quantia de 2005000, como remuneragao dos servi-
cos que prestou as pessoas indigentes, do munici-
pio de Iguarass, accommeltidas de urna febre, que
ali appareceu com carcter epidmico, e para o
tratamento dos quaes foi elle 6 vezes aqoelle mo-
icipio, podendo essa despeza ser feita sob minha
responsabilidade, nos termos do decreto n. 288, i
i' de fevereiro de 1862, visto nao haver crdito
para esse fim-Commumcou-se ao inspector da
sade publica.
Dte ao mesmo.Autoriso V. S., nos termos de
sua informago de 16 do correnle, sob n. 171, a
mandar pagar a capilo reformado Caelano Gas-
par de Axevedo Villas-Boas, o sold qne Ihe com-
Junior.
Di loVago.
3.* companhia.
Capilo-Vago.
TenenteO alferes reformado do exerclo Quinti-
liano Henrques da Silva Primavera.
Alferes -Grnciliano da Cunha Machado Pedrosa.
DitoVago.
4.a companhia.
CapiloJoo Vicente de Brilo Galvo.
TenenteO alferes reformado do exercito Antonio
de Albuquerque Maranbo.
Alferes Vicente Antonio do Nascimento Fei-
tosa.
DitoVago.
5. companhia.
CapiloHermill) Peregriao David Madeira.
Tenente Joo Capistrano de Aguiar Montar-
royos.
Alferes Tiburtino'Pinto de Almeida.
DitoVago.
6." companhia.
Capito O tenente do exercito Joi do Reg
Barros.
TenenteVago.
Alferes Fernando Pacifico de Aguiar Montar-
roys.
DitoVago.
7.a companhia.
CapitaoVago.
TenenteO segundo tenente do qaarto batalho
de arlilbaria a p Francisco Jos da Silva,
cendio, que offlerecem os negociantes Samuel
Power Johnston & C. na proposta que devolvo in-
clusa.
Dito ao director do arsenal de guerra.Para po-
der satisfazer a exigencia contida em aviso do mi-
nisterio da guerra de 9 do corrente, baja Vmc. de
informar-me com urgencia se no mercado desla ci-
dade existem venda caixas com ferros para ara-
putaco.
Dito ao capito Joo Vicente de Brito Galvo.
Inteirado de quanto Vmc. me cemmunica em seu
offlcio de 8 do correnle, tenho a dizer-lhe que agr- AlferesVago,
dega em nome desta presidencia o acto patritico Ditodem,
dos cidados Antonio Jos Rodrigues da Costa e ; 1 8.a companhia.
Felippe Antonio Rodrigues da Costa, mandando CapitoO tenente reformado de exercito Fran-
preparar ama casa com os necessarios commodos,; cisco Gongalves de Arruda.
e offerecendo-a para servir de quartel aos Volunta-' Tenente-Jos Rodrigues de Oliveira Lima,
rios da Patria, cujo alistamenle Vmc. houver de AlferesJos Coriolano Mendes Lins.
promover. DUo-Vago.
Diio Manoel Gongalves Nunes Machado. ; Secretaria do governo de Pernanrlwco, 20 de
Sciente de que Vmc, como me parlicipou em seu marco de 1865.O secretario,
offlcio de 17 do corrente, pretende organisar nesse Dr. Francisco de Paula Sales.
maoicipio urna companhia de Voluntarios da Pa- gxpediente do secretario do governo do dia 20
tria, tenho a dizer-lhe em resposta qae pode ad-
miltir n'ella, como julgar conveniente, um tenente
e um alferes da guarda nacional do mesmo man-
cipio, ama vez que o numero de Voluntarios seja o
que devo ter ama companhia.
Quanto, porm, ao abono de sold s pragas que
se forem alistando, pode Vmc. effectaa-lo tendo,
porm, em vista que so o deve fazer a pragas, que
effectivamente sejaa consideradas aptas para o ser-
vico e jurera bandeira.
Dito Manoel Jos Pereira Borges. Inteirado do
contedo de sea offlcio de 13 do corrente, tenho a i
de margo de 1861.
N. 81.Offlcio ao Io secretario da assembla le-
provinclal.Passo s mos de V. S., em solugo ao
sea offlcio de 15 do correnle, sob n. 26, e de or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, para
serem proseles a assembla legislativa provincial,
as inclusas ioformages minislradas pelo Dr. chefe
de polica, relativamente ao estado em que se
acham as casas que servem de cada nos tres ter-
mos de que se compoe a comarca de Cabrob.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.S.
declarar-lhe que me envi urna relago nominal I te. o Sr. presidente da provincia, -manda trans-
dos Voluntarios da Patria, que desejarem consig- m''r a,v- s- as c"?co 'c,asas ordena do thesouro
nar parte de seus sidos nessa comarca pgra ali- nacional, sob ns. 23 a 27, bem como dous officios
menucio de suas familias, afim de que opporluoa-, <| directora gera das rendas publicas, datados de
""T1 o ~uuY. i.n.! ordem : *3 de fevereiro ultimo e 8 do corrente.
mente se possa expedir a conveniente ordem a
respectiva collectoria para o pagamento de taes
consignagSes, convindo tambem que os mesmos
Voluntarios dem procuracSo bstanle a alguem
para receb-las e passar qnilago.
Dito ao juiz de paz, presidente da junta de qna-: cial.
n____V- -i_ a .i 1. J.x t *.* b*IUn Vn tunrlA a. I
Despachos do dia 17 de margo de 186o.
Requerimentos.
Vigario Antonio Rufino severiano da Cunha.
Informe o Sr. inspector da thesouraria provin-
Anna Joaquina de Jess.informe o Sr. tenente-
coronel reerntador.
Francisco Dorolheo Rodrigues e Silva.Informe
o Sr. cjmmandanle superior da guarda nacional
ificaca d freguezia de Aguas Bellas.Nao tendo
acompanhado a lista dos eidados qnalificados vo-
tantes nessa freguezia no corrente auno, qne Vmc.
me remetteu com offlcio do 1" do corrente, as rea-
coes de que trata o decreto n. 2865 de 21 de de- da comarca de Palmares.
zembro de 1861, cumpre que m'as remetta com a, Vigario Jos Teixeira de Mello.Informe o Sr.
possivel brevidade. inspector da thesouraria provincial.
Dito ao juiz de paz presidente da junta revisora j Josino da Silva Accioli.Informe o Sr. lenente-
de qualicago da freguexia do Ex.Tendo dei-: coronel recrutador.
xado de acompanhar a lista dos cidados qualifl- Miguel Luiz da Parificagao,-Ao governo irap*.
cados volantes nessa freguexia no corrente anno e rial se soincita nesta data a expedigo das conve^
os vencedores brasileiros nao podiam marchar bem
! as ras de Montevideo seno calcando as ruinas
' fumegantes de urna das mais explendidas cidad.-s
; da America Meridional, arrazando edificios inno-
I centes, sulerrando toda urna populago e salgando
o solo dessa moderna Troya I
Quem assim pensa nao homem das nossas tr-
ras nem do nosso seculo. Se j um Herodoto di-
zia ser a paz o lempo em que os filhos enlerravam
os pais, e a guerra o em que os pais enterravara
os filhos; se j ura Horacio clamava contra bella
matribut detstala \ que ser hoje, quando o chris-
tianismo e a civilisago se insurgera contra essa
tremenda calamidade, esse resto da antlga barba-
ria, anda nao desencravado das mo lernas socie-
dades 1 Essa ultima ratio regum, tornada cada dia
mais rara, exige na actualidade que nem ao pro-
prio inimigo se cause mal, que seja dispensavel.
As guerras exterminadoras, vandlicas, sao o
opprobrio dos seculos que j l vo. Pois, era
igualdade de circunstancias, e alcangado o xito
desejado, nao mais doce a coragoes bem forma-
dos deixar intactas as cidades, que alias pudessem
arrasarse, vivos os nossos semelhantes, de que
alias houvessemos podido fazer cadveres ? Aug-
mentara a nossa gloria um Montevideo desmante-
lado, ou empnala hia um Montevideo inclume ?
Sao os templos, os edificios, os monumentos, as
habitagoes, os quarteis, entes animados, delinquen-
tes, punveis por estranhos erros t Quanto mais
ensopados em sangue, mais reverdero os nossos
louros T Dormir mais brando somno a conscien-
cia do guerreiro, quando ella Ihe apresentar a ima-
gem dos defunios fetos pelo seu brago, do que es-
trellejando-lhe com a imagem das vidas que pou-
pou? E n'uma cidade bombardeada, suecurabem
smente os calpados, ou antes um culpado por ca-
da centenar d innocentes?
E nao s isso. E os nossos ? N'uma luta en-
carmgada, nio poucos teriam de morder a trra
Anda no Mercantil de hoje se l, de Montevideo :
Esta praga estava muito bem fortificada; e an-
tes do dia 18 foi observado do Buceo um exercicio
de fogo, bombas, balas e fogueles de congrve,
feit com toda a pericia e preciso. Se certo
que dentro da cidade havia 4,090 ou 5,000 solda-
dos ; se o que tal numero" se deve computar pe-
lo quintuplo ou sxtuplo, atienta a circumstanca
de combaterem ao abrigo de reductos, contra si-
tiadores a peito descoberlo ; se finalmente conhe-
cemos a forga de infamara de que nos podamos
dispor para as operagoes do sitio e do assalto, ad-
Suiriremos a convlcgo de que a esphera armillar
caria, sim, afina! vencedora, mas coberta de loto
pela perda de mailos Centenares de valentes Bra-
sileiros, cuja conservago precisamos hoje para a
guerra do Paraguay, e senpre para a gloria da
patria.
Cada um desses nossos briosos concidados qne
anda vivem, e com honra, e que a metralha iui-
miga houvera arrebatado, significa urna familia
que deve ao convenio um seu memoro ou o seu
chefe. Nao pouco sangue se derramou ja, em
Paysand; sera um crime repetir essa mortaoda-
dede homens esforgados.
Accresce que os successos dos ltimos dias qua
precedram o do accordo, haviam completamente
mudado a face dos negocios. Como se havia entao
de arrasar a cidade de Montevideo ? Montevidea-
nos eram os nossos adiados, a quem nao convinha
e nem to pouco a nos) inaugarar a nossa ordem
e cousas pela destruigo da capital de sua patria;
o que converleria era maldigSes os vivas com que
J) l'or engao sabio hontem a Ia parte do pre-
sente artigo.
(A ttedaccao.)
foram acolhidos. Os Montevideanos do interior da
praga j nao eram aquelles contra quem haviamos
tomado armas; j nao lnham poder os Aguirres,
Suvielas nem Carreras, que haviam desapareci-
do ; os insultadores da nossa soberana, os recu-
sadores do nosso ultimtum, os antagonistas de
nosso nome, os calcadores da nossa bandeira, j
nao dictavam a lei. Um novo presidente, Villal-
ba, embra blanco, porm nao exaltado e era
systeraaticamente hostil ao imperio, representava
urna completa revolugo pacifica dentro da praga.
Esse hjraem significava, nao mais o odio implaca-
ye l_, o desprezo de todo o direito e justga, a selva-
jeria, mas antes urna situago, seno diametral-
raenie opposta, totalmente diversa.
Quem queriara pois que sepultassemos sob as
ruinas da capital da repblica? Sobre quem reca-
hiriam as nossas vngangas? Os Montevideanos,
Aguirre & C. haviam desapparecido da scena, e j
se achavam homisiados em navios eslrangelros.
Os Montevideanos, Villalba e os seus, sem ttulos
a nossos rancores, pediam a paz. Os Montevidea-
nos, Flores e seu exercito erara nossos companhei-
ros de armas, amigos e alliados. Quaes eram,
pois, em taes circunstancias, es Montevideanos
que o bombardeamento ia, com justiga, castigar ?
Nao os havia. Seria um acto vandlico, proprio
de Paraguayos, nunca de Brasileiros.
Cremos, porlaoto, que gloria do resultado ob-
tido cumpre juntar a mais formosa anda de ama
victoria sem combate, de um triumpho sera san-
gue, de ura resaltado bnlhantissirao sem destru-
gao de vidas e cidades, de jbilos em lagrimas, de
ramos de oliveira enfeixados com palmas.
XIV
Afim de bem pdennos aquilatar o valor de al-
gumas outras censaras que ahi se balbucan),
msier esclarecer como queslo previa um ponto
imporlantissimo. A refutago dessas descabdas
censuras est na deciso deste assumpto, que nao
vemos inconveniente em ser debatido com franque-
za. Do principio se deduziram lgicamente as con-
sequencias.
O eslrangeiro, que vir recebida na poma das
bayonetas urna solugo lao honrosa, pergontar
naturalmente: < L'ntao, que mais querieis vos ? >
E em torno desta pergunla se gropariam as se-
grales considerages, que os interrogantes segre-
darara a si mesmos:
Basta uma-simples inspeegao do mappa-ranndi
para reconhecer que os limites martimos nataraes
do gigante brasilico sao, o Amazonas e o Prata.
Toda a diviso de territorio que nao asseotar sobre
esla base ser artificial, ephemera. E' poltica
tradiccional e secular, sempre affagada e praticada
pelo governo portuguez quando governoa o Brasil,
dar-lhe estas divisas. A independencia veio adiar
a actual repblica incorporada no Brasil, sob a
designago de provincia cisplatina. Formn esta
j parle do imperio, sendo regida por suas leis e
autoridades, e chegando a ver os seus deputados
no Rio de Janeiro, com assenio na represenlago
nacional.
' t O Brasil perdeu depois essa provincia; e com-
quanto conlribuisse para ser elevada categora
soberana, vio sempre com mos olhos uma sepa-
rago desnatural. E', pois corrente qae a sua po-
ltica, patente ou secreta, promova a reincorpora-
gao. Se o imperio a nao alcangar por ont'ra for-
ma, aproveitara' qualquer pretexto, e recorren' a'
conquista. >
E sob o peso de to graves aprehensoes, qae
rebentar a tal pergunta ao imperio descontente :
< Ento, que mais querieis vos? >
Nao I cumpre diz-lo bem alio, nao queramos a
coaquista de Montevideo, nao a queremos, nao nos
conviria ; longe de nos dar forga, enfraquecer-nos-
hia.
E' acaso de mais territorio que precisa o segun-
do imperio do mundo em dimengoes ? aquello que
em superficie abrange espago igual Europa intei-
ra, menos as ilhas Brianniuasl aquelleque, alias
abengoado pela uberdade, conta apenas 8 a 10 m-
Ihdes n'um solo igual ao que na exhausta Europa
sustenta 300 millioes de homens ? Aspirem a es-
sa s annexagdes povos de escassas fronteiras; nao
as precisa o Brasil.
Nao s as divisas naluraes que separara os esta-
dos independenles ; raros sao na Europa os que se
acham divididos por ocano, cadas de raontanhas
ou curso de rios; nos mesmos som is abracados
por uma serie de repblicas de origem hespanho-
la, e cora limites quasi todos convencionaes. Nao
colhe, pois, argumento dos terroristas estrangeiros.
Todo o Brasil de origem porlugueza; a mesma
lingua fallada desde a fronteirada Tabatngaat
o Chuy. Somos todos a mesma familia ; todos nos
entendemos e nos queremos, e nao convem nossa
amiga sociedade Estados-Unidos, com germen de
ulterior desunio.
Os usos e costumes das duas ragas sao divers-
simos ; a fuso sincera fra urna utopia.
Amamos cordealmeote a inslituigo monarebica,
eraquanlo os Montevideanos foram educados, em
j quasi duas geragoes, com as formas repblica
as, e ura systeroa de caudlhagem, qoc de modo
nenhum quereriamos introduzir em nossos hbitos,
por melhor que elle seja.
Por eslas c outras consideragoes, repelliroos co-
mo funesta a nossos interesses a calumniosa idea
de conquista. Queremos excellentes relagdes de
paz e boa vlzinbanga com a repblica Oriental, e
nada mais ; cada um em sua casa.
Quanto aos factos, foraos nos que contribuimos
para a independencia desse estado; ns a garanti-
mos por" tratados; nos, como bous vizinhos, o temos
auxiliado em grandes crises; nos o libertamos de
inimigos crois, dos temos vasado no Uruguay o
nosso erario, e nunca pedimos, em to largos an-
nos, a mnima parcella da sua autonoma.
Se to graves consideragSes nao bastassera, ac-
luar-nos-ha o desejo de viver na melhor harmona
com uma quantidade de estados contiguos, e que,
regidos todos por iguaes iostUuigdes, originarios
da mesma raga, usando idntico idioma, veriam
com repugnancia semelhante conquista.
Alm disso, nao fomos nos sos que garantimos a
independencia do Estado Oriental; outras e pode-
rosas nagdos nos acompanbaram, e a f dos trata-
dos cousa sagrada.
E', portanto, evidente que nos nao queramos a
conquista de Montevideo, porque ola inhibiam a
nossa poltica, os nossos coraprorassos. as nossas
conveniencias e o nosso bro nacional.
XV
E porque importa argumentar sempre com leal-
dade, coofessemos que oeste ponto os gabinetes
brasileiros, inspirados alias cortamente n'uma alta
sabedoria, tem sido sempre explcitos em suas de-
claracoes e em seas actos. U Brasil tem bradado
at sociedade, que a independencia do Estado
Oriental ha de ser respeitada pelos outros e por
elle.
Querendo ser justos, diremos at que talvez a
attitude especial que o nosso governo fez assumir
ao Brasil na guerra que ora findou proviesse do ar-
dente desejo de patontear ao mundo a rectido de
suas vistas, nao conspurcadas por pensamento al-
gum reservado de annoxago.
N*o foi porque e Brasil precisasse coadjnvacao
para a empreza que, encetava, mas slm para ar
um novo penhor de suas lees intengSes, qne nio
duvidou tomar por alliado o general Fldres, qae,
a testa do sea exercito libertador, oceupava gran-
de parte do territorio. Qaera poda crer era pro-
jectos de conquista de Montevideo, tomando-se por
auxiliar um general e um exercito de Montevideo ?
Desde qae, porm, se deu este importante facto,
a siluago revesta nao menos um carcter pecu-
liar. Nos. iaraos, sem plano de conquista, entrar
em territorio albeio, onde funecionavam dous exer-
citos e dous governos, hoslis um ao ouiro : uomo-
nos a ura desses governos e exercilos; desde esse
dia era-nos defezo consideramonos era hostlidade
com a nago oriental. Pranos, o governo recto,
justo, real, de facto, era o de Flores, representante
da repblica; se este era o nosso alliado, nao me-
nos o era a repblica, e nos nao podamos bumilhar
a esta, nem inaugurar no dia da victoria uma pu-
blica antipoda da que al ento baviamos seguido.
XVI
Do que antecede suavemente se deduz a resposta
a cu ira da mais repelidas censuras.
Dizem: < O Brasil andou semp e na segunda
plana c a reboque do general Flores. O Sr. coose-
ltieir> Prannos comprometteaos bros nacionaes,
consentindo que o accordo de 20 de r"e fevereiro
fosse tomado entre os Sr. Flores e Villalba, e s
depois approvado pelo plenipotenciaria brasileiro
Lendo todas as noticias do Prata, nunca vimos
tal i eboque nem cousa que cora isso se assemelhe.
Harmona, fralernidade, isso nouve constantemen-
te, como convinha para o intuito commum; mas
nem sombras de segundas nem primeiras planas.
Alm disto, note-se'bem,-essa poltica nio foi
iniciada pelo Sr. Paranhos, era mesmo executada
no seu lempo em escala tao larga, como anterior-
mente. Estava, sem duvida, as mais perempto-
rias instruegoes do governo. Ninguem acensar
de subservente o Sr. viscoode de Tamandar :
pois bem ; nao se ter apagado da memoria o mo-
doattenciosssimo e respeitosissimo como, por oc-
sio do Sallo, S. Exc. se dirigi ao general Flores,
reconhecendo-o como o legitimo representante da
Repblica ; dando-lho satisfages, e ofTerecendo
at saudagoes bandeira oriental.
A misso Paranhos, a esse lempo, nondum nata
erat. .
Quem pofs quizer sustentar aquella reprehensao
nao a dirija ab conselheiro Paranhos; tome ontra
direcgo, talvez superior e anterior. Essa poltica
boa ou m (boa* dizemos) nao a crcou, recebeu-a
j feita ; era ponto cardiai das soas intruegoes ;
tinha de o respeitar.
Nestes termos, ebegado o dia da capitulagio.
como era humanamente possivel adoptar tramites
diversos dos que se empregarara ?
As negociages de paz foram originariamente
propostas pe'o Sr. Villalba aos Srs. Paranhos e
Flores. Seguindo-se um pactuado armisticio, as
conferencias venficaram-se, na villa da Uno,
entre o plenipotenciario do Sr. Villalba (Sr. Her-
rera y Obes), e os Srs. Paranhos e Flores Por con-
seguinte est visto que o Sr. Paranhos tomou cons-
tantemente parle em todo o prncesso, desde o
principio aie seu termo, e que lodas as clausulas
foram com elle estipuladas.
Eslas porm eram necessaramente de duas na-
turezas, urnas referentes s questes internas do
Estado Oriental, outras s de inleresse brasileiro.
Se o acord, segundo a exigencia dos alliados,
levava desde logo presidencia do governo o ge-
neral Flores, com om ou mais secretarios de esta-
do, livremente escolhidos pelo mesmo general e
demisslveis ad nutum, que tinha mais o Brasil que
fazer caso de promessas exigiveis a quem as nao
podena mais cumprir ?
Porque ira o Sr. Paranhos ao jube domna do Sr.
Villalba ?
Todo o inleresse do Brasil que se satisfago a
suas justas exigencias, actos que s podem ser
futuros. Quem superintende o futuro da Rep-
blica o general Flores. Este espontneamente,
as suas notas de 28 e 31 de Janeiro, formalmente
ratificadas pelo accordo, do qual formara parte in-
tegrante, deu ao Brasil lodas as salisfagdes, e tez
as solemnes promessas que se queriam ; est ludo
bem concluido, e da forma mais regular.
u Sr. Paranhos nao poda reconhecer, a um tera-
po, dous governos' da mesma nago ; a respeite do
compromissos s poda tratar com o seu alliado.
sera dever consentir em pear-se com quaesquer
restriegues que o Sr. Villalba se lembrasse de Ihe
suscitar. Nj tinha satisfagoes que dar-lhe. Nao
tinha que tratar com um governo decahido. Foi
acto de alta poltica nao intervir ah, como parle
contratante, porque isso at rebaixaria a nossa po-
sicao.
Do proprio protocolo se colhe qae o agente do
Sr. Villalba reconhecera que competindo ao novo
governo levar a effeito o compromisso comido as
notas, trocadas com o Sr. Prannos, nao poda isto
offerecer a menor difficnldade.
Muito mais elevada por tanto a siluago em
que nos collocou o accordo. Alcangaraos quanto
quizamos com elle, por meio da ratifk-ago das no-
tas, e exigimos as satisfagoes de quem cava ha-
bilitado a dar-no-las.
Esta forma cautelosa e delicada, teve certamen-
te anda outra nobre e poltica intengo, se nos sao
engaamos, e a seguinte : Em toda' a parle,quan-
do se do casos anlogos, os iuiraigos da nova or-
dem de cousas, embora irumpbante. procurara
langar o odioso sobre es homens qu venceram
coadyuvados por armas eslrangeiras; e d'ahi se
seguem ciumes de perigoso alcance, (A queda
dos Bourbons nao teve por ultima causa a reaego
contra as invases dos alliados.) Sabe-se que a
imprensa de Aguirre usava largamente desle arie-
te contra a reputago do general Flores, a quem
alcunbava de Coriolano, de traidor a sua patria,
de lente do Brasil. Nada ha nisto que devesse
lisongear o nosso amor proprio nacional, e ha mui-
to ahi qae nos devesse contrariar. Tudo isso se-
riara elementos de fraquaca. para o novo presiden-
te, e ao Brasil importa, agora mais que nunca, ter
em Montevideo ura presidente amigo, justo e (orle.
Se, correada aps ama. fantstica glorila, ap-
parecessemos como dictando, no accordo, as dis-
posiges sobre rgimen interno da Repblica,
commeteriamos tres- erros : ostentaramos es-
tultamente o nossa intervengo sos objeclos de po-
ltica interna de ootro povoacarrearamos sobre-
nos, sem compensagao alguma, animadverso em
qae nio precisamos ter parte farlamos o dizr
adverso verdadeiro, enraquecendo o general Mo-
res, de quem s temos que exigir o cumprimanto
das promessas a nos feitas, sem nos embaragarmos-
com as questes de rgimen interno de asa paiz
i a de pendente.
Afflgura-se-nos dest'arte evidenciado qoc o ac-
cordo de 20 de fevereiro, exceliente na essencia.
nao menos merece approvagao pela forma, que foi
a mais conveniente, a mais poltica, a mais apro-
priada.
xvn.
Como additamento ao que precede, cumpre re-
cordar qae a poltica de considerar o general Fio-
res como belligerante, como general chefe do
exercito libertador, como potencia, do governo
imperial, e data de prazo muito anteripr partida
do Sr. Paranhos ; e tambem abi portanto, se o go-
verno quizer fustigar, fuswgue-se a si mesmo.
Nio est varrida das memorias a segunda varian-
te da misso do Sr. conselheiro Saraiva. A inter-
vengo diplomtica, em que este cavalheiro ugu-
rou, den ao general Flores as honras de bellige-
rante, reconhecido, respeitado como tal, e que v
representantes de poderosas nag6es irero tratar
com elle a sua tenda de campanha.
Se ja, o governo oconsiderav* asjim, quando en,.


____________________.

-.
I I I I
Diario de ^ernambneo Quinta fetra 13 de Marco de I8G5.

Jre esse homem e o Brasil nao avia estipulado Por nossa parle, ella um axioma de proceder
alguma, que ser boje, quando aos mesraos ttulos o Brasileiro nao da etn homem cahido. Honrara
juniQu os" de alliado." de victorioso e de presiden-
te ? i 9
Foi, portento, o espirito das inslrucges minis-
teriaefr-qo} origindu a* forma*, ora rao Injustamente
aggredida.
xvm
Oatra censura que por aJH anda feita com ace-
dme, a que trar.rreveremos do artigo qoe mais
vehementemente a formulou. Da elle :
B' o Brasil quem, com sen proprio puoho,
reconhece e confirma as patentes at entao expe-
didas, iste quem consagra com sua intervencao
as recompensas conferidas a Muoz, a Moniz, a
Apparicio, esses salteadores descarados que ainda
a esta hura as fronteiras do Rio Grande roubam,
incendiara e devastam fazendas, sublevan) a pope-
lago eserava, castram e mutilan) os Brasileiros
sorprendidos on vencidos e finalmente assassinam
cidadaes inermes, violando aos olhos dos pais e
dos esj.osos as mulheres e as ninas dos Brasilei-
ros.
Ni quizemos traducir era nossa phrasc ehaa
esse trecho ardente e sentido que a indignagao pa-
tritica vibrou de labios eloqnentes. Facemos coro
com as palavras de horror, (angadas como stygma
indelevel-sobre perversos, no tocante qaalifica-
cao dos actos denunciados.
Mas, qoando o Ilustre escriptor henvesse, mais
de animo asseule, estudiad os fundamentos da sua
increpagao, persuadimo-oos que haver reeoube-
cido provir ella de urna leitura superficial dos do-
cumentos.
Aps a amnistia do art. P> do convenio, eis co-
mo se expressa o" :
Sao exceptuados assim os crimes e delictos
commnns, como os polticos, qce possam estar su-
jeitos jurisdiccao des tribanaes de justiga, por
sen carcter especial.
Pois os (romeos quopraticaram os actos relata-
dos recebem por aquello artigo indulto algum t
Pois esses adquirem conflrmago das recompensas
conferidas 1
Pois nao crime e delicio commom ser descara-
do salteador?
Pois nao estao sujetos a jurisdiccao dos tribu-
naos de justiea os que roubam, incendian) o devas-
tam fazendas ?
Pois nao sao crimes de carcter especialrssimo o
castrar e mutilar homens, assasslna-los, violar mu-
lheres casadas e doncellas ?
Ob, nao I Confiamos lanto na boa f do accusa-
dor que o suppomos capaz de retirar a sua violen-
ta expr-obago, Acaso os odios partidarios cegaram
a pomo de negar-se ao Sr. conselheiro Prannos
os foros do mais honesto cidadao, cireomspecto,
prevideote Nao so v manifestamente nesse art.
2* o Man, Thcel, Pitares, que vaticioa a sorte
desses hediondos Balthazares ? Nos anda nao pos-
smmos seno noucos dos documentos ; o impossi-
vel ^ae o Sr. Paranhos nao obtvesse a certeza de
que a tremenda disposgo daquelle artigo ha de
necessariamente ser apphcada a taes uionstros, e
de um modo inexoravel.
Acaso se quereria que n'um accordo desta or-
dem, se descesse a nomes proprios ? qoe se fices-
se aos Munhozes e Apparicios a honra de os indi-
car nominalmente, legislando ao mesmo tempo so-
bre a penalidade que tivesse de Ibes ser imposta ?
Ab9urdo'l A nica'forma aceitavel era proceder
as columnas do Correio Mercantil estas curtas pa-
lavras do sen numero de hontem t Etrtr os
passageros do Mersey, que seguem para, a Europa,
vera dous tristemente oelbres, Juan Sa e Nin
Reys. A colera dos Brasileiros nao se pode dirigir
contra elles ; cabiram. Basle-Ibes o remorso dos
males que cansaran) a seu paiz. >
Eis-ahi a nobre linguagcm que todos comprehen-
demos. Eis a eloquente resposta censura peta
amnista.
Epamintmias.
Rio, 7 de marco de 1865.
fr0Lnelecad', ao n3Peclor.da quarteirio, ao re-1 Boje pela volta das 11 horas tendose reunido no do, deu um aceres too e renda Je Iff-rai* e
Y,J' que ,nu"as- v"es s2 ot?t,Q uu,,* *! 'o dB p8dro o corpos cima referidos, nanos com o termo medio dlrarrma^cSas ios annof 'dt
C- g Pvoaao- ._ da provincia, coramandanle das armas, chele da ais de 1867lfc
- nill !eo mfQ l f*cl"iad poltoia,commandante superior da guarda nazional L-se'no Cearense
M.VmB,gS "*'"* ^Si!^"!r-def ^TVV^ dM ^^* SS-e.ru partic.ar, queera
VShdoemre^epSerin^do.ed^ t, ^^T^lfi *"^a; Sant-A-^ia muito invern..
lentos positivistas, que Batan kobsemr a&aou- Ca*ad das Mercs e ru**Mm atea, poste d
sas e de racwcnar sobr ellas.. '6ereBHda Companhia '
Disse-mo ee: Sises Itfares so ptwoam
muito depres poque awd se nao sab* bem se
pertencem Minas ou ao Espirto Santo ; raas,
d?sde qao rnu.wrem alautoridades, sobre tudo
desde o racnwnto. qoe levar villa, qm>bou-
ver cmara o eleiaoes, todo mando quecor. ser
vereador, todos quererSo ser autoridades, todos
do A maconas a embarcar
do vapor Apa, con destino ao campo
para tord)
aa ganara.
As roas e as casas por onde pateara a ates car-
pos teuWo a sua frente as autoridades superiores
desta capital estavam vistosamentacheias de poro;
a ra de Belm aonde o embarque eslava al-
. cal i rada de folhas de canefla, alen de varios ar
auererao mandar e ninguem.obedecer, o-r-eouiuulo cus. por onda paec^r1fri t ni poj^ 0 bandeiras na-
cionaes e de differentes nacSes que se viam tremu-
lar em frente ao aes.
a que as povoacoes decrescem e decrescem em
urna progresso rapidissima, de modo que da or-
dinario reduzem-se outra vez a nada.
Comecei a observar, e infelizmente a expe-
riencia me teni mostrado isto em quasi toda a
parte.
Os romanos quando queriam Qagellar algumas
de snas provincias enviavam para ellas pro cn-
sules como Verns.
o Quando vos quizerdes punir alguma povoacio,
que vos tenha feito algum mal, elevai-a a villa ; e
eu vos asseguro que Isso ser peor, de que quanto
Verris honve na antiguidade.
t Sendo conforme disse innalo no carcter do
COBRESFOIVBENCIAS BO MA
RIO 1E I*Klt \ A TI Itl < O.
AMAZONAS.
ManiHis, 28 de feremi-o de 1864.
Finalmente o Tapajoz trouxe-nos a noticia da to-
mada de Paysand, que tem cansado aqui vivo re-
gosijo. Por este motivo ilfuminaram-se as casas
as tres ooites decorndas da ebegada do vapor por
diante. Urna banda de msica na primeira noite
percorreu as ras da cidade acompanhada de grao-
de concorso de povo, dando vivas entusisticos e
anlogos ao assnmpto,e estacionando a frente das
casas das principaes autoridades, onde um orador
popolar, o Dr. Canavarro, prononciava animados
discursos, que foram muito applaudidos.
Jendo o presdeme da provincia feito publicar
o decreto que crea corpos de voluntarios da patria,
aeompanhado de urna proclamado em que falla
aos bro nacionaes, e lendo nomeado urna cotn-
missao para promover os alistanwotos, esta reo-'
se contentara. | Cada embarque de-tropa que aqui so faz rea-
t Jato e a raita de capitaes sao as verdadeiras: lisado oom as devidas ovacoes e dedieacao, em fa-
causas da escassez da produccao flxa em vossa' vor daquailes que vao verlar o sau$ue e dar a
provincia. vida pela honra a dasaffronu da patria.
nao digamos que a preguica.
t Se encontrassemos bandos de homens amarel-
los e lvidos, familias inteiras errantes ahi por esses
rios, como eu as vi, sem commodos nenhuns, e sof-
frendo tudo, nao huvets por certo de levantar a
as differentes casas e por todo o correr da ru
havia una grande quantidade de povo to compac- Baturlt, ja contara
ta que mal se podamecher ; das janellas com es- alisudos.
pecialidade da casa da companhia do Amazonas,
d.eitavam-se flores e davam-se vivas no momento
do embarque que se eOectuava na melhor ordem a
no meio do enthusiasrao popajar
Atracado a ponte da gerencia esliveram os vapo-
res Mandos, Tahalinga e Explorador que receben-
do a tropa dos tres corpos a conduzio pelas duas
horas oa tardo para Bordo do Apa foi entao e s
depois dos vapores larem regressado aos sens an-
a pouco e
Depois da capital nem urna freguezia teraeon-
corrido mais para angmentar o alistamento de vo-
luntarios do (ice a de- Marangmpe, qne -tena dado
uns 60 ou mais, segundo estamos informados.
Continua a escassez c alto preco das gneros
de primeira neeea6idade no mercado desta capital.
Eis os fabulosos preces por aue so retalaam no
mercado :
Feijao o alqoeire a 128 patacas.
Milho a 10f> ditas.
FariBlia de mendioca o alqueire a 64 dita*.
c Arroz em casca a 6i ditas.
Pilada a 20 ditas.
Cora os 34 voluntarios ltimamente vndos de
300 o corpo dos voluhtarios
sao o segrate pa-
paraense o desejo de independencia, a consequen-] coradores, qu o povo foi-se dispersando
ca natural o isolamento para o fundo das [ pouco do lugar do embarque.
maltas. Fogem para desertas, vao colher seringas; j Os navios mercantes nacionaes e estrangeicos as-
moram hoje aqui, amnhaa acoli Sao pobres, su-: sira como a barca da alfandega esliveram emban-
im-se a rezar, aturam todos os soffrmautos,! deiradoa a cheos de gente a bordo, alm de muitos
povo.
Houve anda calorosos discursos, fogoetese mu-
sica, percorrendo esta as ras, e inde palacio a
commissao e o povo comprimeaterem o presidente.
Diversos voluntariosapresuntaram-se, e partem no
presente vapor eom a tropa, que aqni tinhamos, e
segu toda agora.
Para substituir a esta mandou o presidente des-
tacar cento e cincoenta pravas da seceo de arti-
Iharia da^ruarda nacional, ae mando do major Joao .
pela popularidade de que goza
A guarda nacional aqu da capital, pode servir,
apezar dos pecares, mas a do inter.-or...
S. Exc. aproveltando s boas disposiedes, qoe
vai encontrando na populaeo, estimula qoanto po-
de o senilmente publico, dingindo eirculares as
cmaras municipaes, as autoridades judiciarias e
policiaes, para promoverem o alistamento de vo
governo informajSes, nao destinadas a favorecer
os vossos amigos polticos, a ageitar reeleicoes,tans
informacOes legitimas e proprias de homens de bem,
verdaderamente amigos de seus concidadaos, e
veris essa tSo fallada indolencia esvair-se diante
; dos olhos dos que nella crem, como se esvai urna
temarios ; e de esperar que colha os me
resultados, atientas as manifestaedes que vao ap-
parecendo.
Hontem urna commissao, composta de cinco ne-
gociantes portuguezes, foi ao presidente apresentar
um abaixo assignado, em que quarenta e orto sens
compatriotas residentes nesta cidade, se offerecem
com a denominacao devoluntarios aliados,pa-
ra auxiliarem a guarda nacional no servico da
"2 vo' nnvem de fumaga, condensada sobre os rios ao ap-
s parecer do bello sol de vossa provincia.
Se pode ha ver verdade evanglica nos.relatnos
que o acto addiclonal manda, que os presidentes
Para o embarque do* voluntarios da patria oorpo
especialmente da provincia preparam-se muitas
manifestares publicas; quando ser o embarque
anda nao se sane, mas pens que nao se efectua-
r sem que chegue e almamente encommendado
para os Estados-Unidos.
Os corposfUos do Amazonas, o 11 de infamara
desta provincia e o pequono contingente de fuzilei-
ros do Maranha que compoem a dlvisao que hoje
segu para o sul,.orcaia a 800 pracas entre as de
pret e ofllciaes.
O corpo de 10 40 pracas que esta provincia tem
de aquarlelar para as emergencias da guerra, j
tem nomeado os p/iueipaas ofllciaes, sendo o major
do 11 batalbao da infantaria o escolhjdo para o
commandar e instruir, e por isso aqui ca este of-
ficial sera poder seguir no seu baulliao.
Por isto se reconhecer que tudo aqui sao cuida-
dos a preparativos bellicos, e nem podia deixar de
leiara as assemblas provinciaes, preciso reco-1 ser assimquando a dignidade do paiz est cora-
nhecer, que ella exista no que abi flea dito, bero, promeltida n'uma grande luta, da qual de certo se
.-ahir rom honra pela justiea da causa que plei-
ou mal a proposito.
E aqu cumpre notar que os Ilustres Lycurgos
; paraenses, de corpo presente e animo alegre, ou-
e!S<5 JeooncM.., crims que serio aman ooe alratara > aqoclle, om esplendido /o of- Serm eovol.er Da pollto. lol wslo oZro> das
EEiS? cf">";. oUlelalidade, Amaroras I Cada L eo i o? som I
sociedade, Inclusive senhoras, concurrente a essa
castigados, como o determina, nao s o accordo,
mas a nota de 28 de Janeiro, a qual resa assim :
-Os autores e cmplices notorios de delictos
commeltidos contra as pessoas de subditos brasi
leiros, residentes em meu paiz, serio punidos com
toda a severidade das leis da repblica, sendo des-, significativa despjdida.
tituidos imiaediatmente, e sem prejuizo des res-1 K HJnd.08_os.bJr,,nde.s e discursos, o Incas, empare
assembla, e at a cmara municipal de Villa Bella
compacta dos mesraos individuos, qne influirn)
para que ali fosse derrotada a chapa do Sr.Sinval,
na eleicao de 1863, acaba de dirigir, urna felicita
da causa .
teia e pelos grandes recursos de que dlspoe.
De poltica pouco ha de notavel a nao ser a op-
posicao de alguos jornaes ; os factos sendo peculia-
res a esta provincia deixo-os de mencionar por nao
serem de maior interesse.
Do comraercio tambera nao sao notaveis as novi-
dades, ella porm progride gradualmente n'uma
provincia rica de recursos naturaes como esta.
Tiveraos o entrado sem grande animacao a nao
ser os costumeiros bailes de mascaras no tneatro
Providencia.
Bailes particulares com este nome nenhura hou-
veram ; apenas um paqueno divertimento ou reu-
niao a costume aqui se deu entre amigos.
Por emquanto na quaresma apenas sahio a pro-
cissao de Passos, nao permittindo a chuva do actual
vindicta das Iris.
Se assim foi estipulado, esperamos que o facto
cedo vira converter as promessas em realidades.
Todos os primeiros actos do general Flores reve-
lara a efficacia com que se est applicando a dar
provas da sua lealdade e do seu anecio e gratdao
ao Brasil. Elle bem sabe que para nos sao ques-
loet em <|uo todos oslamos re allaia aqneltas oiin
prendern com o pundonor nacional. A satisfazte
ha de na pratica ser plena, como formalmente se
acba prevenida as clausulas da neta e do ac-
cordo.
Ainda neste assumpto, foi o conselheiro Para-
nhos to cauto como era qoantos prendiamcom os
omnmodos interesses pblicos.
XIX
Houve, sem duvida.uma amnistia, concedida s
Cadoc, ponaoto, e peta tai.a er,e aceos., L1**"* P" E aqoi eabe aiodS der, ao, mal Informado foi Dorante XMoTnaeoatoo, de malor Ir.-
UssSiAs sssssut' Tsssssssm, n **. vsss^LvsetsiA, opo"oqs:l rsx asirie did "d" enciod,,s
,ra estimulo do valor dos nossos bravos ? i Fique vei por ,odas sabendo> qae no Affla.
zonas, romo em quasi todas as provincias peque-
Consta que de Sobral virao uns 20, outros
tantos da Imperatriz, e mais 60 de Baturit ; nes-
ses poneos das, pois, leremos 400 voluntarios.
Ro Grande.L-se no Progressista :
(Temos noticia de copiosas chuvas, por todo o
sertao da provincia, e ja se estendera ao litoral.
Parece que o invern vem ressarcir nos pre-
juico que soureram os criadores, principalmente
do Trahiry e Cear-mlrim.
Sobe o numero delles a 176, sendo -132 da
patria.
( DeS. (ioQcalo vieram ltimamente 11, tendo-
se apresentado parte delles em urna reunio pro-
movida pela commissao patritica, e os de mais
por diligencias do d&legado de polica, memoro da
mesma commissas.
Parahyba.enhuma noticia tivemos desta pro-
vincia.
PERJAMRUCO,
A8SE!BI,EA PROVINCIAL.
17' SESSAO EM 22 DE MARQO DE 1863.
PRESIDENCIA DO SR. DR. SABINO OLEGARIO.
as It horas e 40 minutos, feita. a chamada,
acham-se presentes os Srs. deputados Joaquim
do Reg Barros4.Teixeira de Mello, Braulio, Ribei-
ro, S Pereira, Francisco Pedro, Arminio, G.
Uampello, Sabino, Aquino Fonseca, Maranhao,
Goncalves da Silva, Rochael, C. Teixeira, Ayres
Gama, Brandan,. Ramos, Jos Maria. Silva. Barros,
Loureiro, Buarque a Dodoro,
O Sr. Presidente abre a sessao.
Procede-se a leitura da acta da sessSo antece-
dente.
O Sr. Aquino Fonseca diz que compareceu hon-
tem a' sessao o esperou at que dsse meio dia.
para
Desde pela manha vejo grande movimento no
nosso porto : o Ptraj, atracado as pedras do forte
de "
ra
la guarda nacional,a guarda nacional, nessa vas-
tidao do Amazonas I
Sobre este ponto, e para que tenha nma idea do
qoe sao as populacSes destas paragens, oucamos o
tragao.
-*-<3>-**
PARA.
Belm, 13 de mareo de 1865.
turnas envolvidas nos acontecimenio?, a qual naojMuc a yagiua io ao seu reaionoao anno passado, p- Mnt a BiTon.o<.onria o n anth?amn .
comprehende, como dito fica, os delinquentes ex- disse o Sr. Couto Magalhes perante a assembla JLjJiata eTto iteaaSSS^
cepcionae, E surgi voz brasileira que' por seme- m******, e que se app.ica tambera ao tt&1ES&rX3Ett
"SarS apSro^vT'dl contrapo- 'T&immen viajava, quando desci o To- JS^*1**" d3S pr0VDCaS COffi0 de toda a S
sico na ndole das duas ranas, a circunstancia de cantins, s 2 horas da madrugada, para aproveitar i cnrinstilailA nnhirM a amnmn i___a. ,,,,
qde, em casos como estes, os descendentes de san- a mar, escrevendo dentro do camarn, do bote al-! vt^^A^aZA^v^Xl^^
guehespanhol mandara espingardear provisoria- gamas notas de cousas que-havia Omn^i^llSt^A^^^^^S^^J^
mente es prisioneros, em quanto os descendentes rante o dia, quando euvi no meio do silencio pro- HfcS BKLSftffi ShmJ? ??,', ,
de sangueportnguez estendera, no proprio carapo fndo da natureca sons de voces humanas. Sui gl! ^Lo^Sa^tinU*^^1'^0
da naialba, a mao ao vencido ; o da seguinte o pa ver o que era. i vn^SSma^ktS rf do indulto ; o immediato da apotheose Contrastava com a escurido do cu e com as; d,So 2 enthnriX. ll i f.?.^ ^aL',1'
Fique, pois, consignado em pagina cor de rosal humidades qne descara em espessas BmeSoST1* QU ^^
dos factos da civdisacao americana, que a primeira neblina, aquellas cantigas de alegra e aquella mu-1 n corno dp noticia nn noio u n 77 ..^u.
vez em qne um general victorioso em repblica tidao de pequeas luces semeadas pelo metoda denooffi-M ffJfflfflfJ
de lngua hespanhola, subi ao poder, aps annos vastidao do rio. j Sfastt em 2 S i ,H .' dB*.PV
de tetas, sendo o sen primeiro acto todo o possivel j O que aquillo? Pergunte eu ao meo piloto, ft de acoraDanhar 0 J?L *!%
esqBecimento das passadas offensas, foi quando,'~S5o pescadores, senhor,que vem vindo das cara- Juerra ac0fDpan,,ar exerc,t0 ^s operacoes da
hombro a hombro com os Brasileiros, esse general | M.m fl"? estao alegres, porque pescaram moito,| 0 seu nuraer0 de pracas pode ser e|eva(Jos a ^
combata contra raimigo commom; fo> quando fl-; Tomei nota do facto; e, confrontando-o com P
nalmente um diplmate, da tempera do Sr. conse- outros e outros, cheguei a seguinte conclusao : este KK fe ??S \m nrm
lheiro Paranhos, assignava ao inesmo lempo esse O Paraense trabalha tanto cerno trabalba ----- al voteu 100.(
documento honrosissimo, e qne por si s revela um
grande progresso as ideas de tolerancia, liberda-
de e pbilantropia, lao proprias da era em que vi-
vemos.
Pois Brasileiros condemnam amnistas ? Per-
guntem o qne a tal respeito pensa o supremo ma-
gistrado da nacao, esse que ainda nao honve urna
s tentativa
S' Isto da ( toica das Paraenses nma deltas.; c f** ,
sobre^Ke S'prSK fiSK 9^^^?^^^
de prisioneiros'bre a colheita do cacao, dos leos e da borracha, de
Sr. conselheiro dentro de um bom gabinete, e rodeado dos con- acharem o differentes corpo org'an'isaToi; fio s
Mas raettei-vos era urna canoa
terreno coberto de um palmo de lama,
doeotio, sujeito a seces, sem recurso algum n
hmido, do Amazonas, ab todo comportando 300 pracas"
Igum no a 10 do correnta r~
meto dos desertos, andando exposto s cobras, aos cioVsob o commando
culposa contra o throno, a sociedade, a
orden, publica, tentativa por mais louca que fosse,! Insisto sobre isto porque materia muito im-
qne a nao cobrlsse sem detenca o manto da sobe- portante.
rana clemencia. E o paiz Ih'o agradece, lh'o ap- *. '* certas mentiras, que custa de serem re-
plaude sempre ; um sentimeoto congenilo com o pelidas muitas veces, passam afinal como verda-
cora^o brasileiro.
E note-se como a malevolencia apaixonada sabe
distribuir justiea recta I Ainda hontem, panegyri-
cos ao nobre visconde de Tamandar, por ter dado
liberdade sem condiQes a centos
em Paysand; boje argulcoes ao
Paranhos, por ter consentido urna amnistia, em fa-
vor de secuodarios, e com restriccoes. Com os
homens soltos cm Paysand iam ser engrossadas
as liluiras do immigo, e augmentados os riscos dos
nossos ; com os amnistiados em Montevideo, ne-
nhum perigo desses existe, visto que a guerra aca-
bou. Os prisioneiros em Paysand, bem podia ser
poltico e militar ret los; os implicados de Monte-
video poltico delxa-los inclumes, para que, co-
nhecendo s vantagens de nm rgimen paternal, se
Ibe dediquem. Em Paysan, os soltos tioham va-
sado catadupas de saogne brasileiro ; em Monte-
video, n5e se tinha disparado um tiro. N2o, pre-
tendemos com isto atacar nem defender o facto de
Paysand : s temos em vista apuntar a contradic-
co dos injustos julgadores.
E' fercoso lambem notar ero que circumstancias
se deu este accordo de 20 de fevereiro.1 Claro es-
t que urna cidade que, tendo meios de defeca,
abre as portas ao inimigo sem disparar um tiro,
tem jus, segundo as leis da guerra, a conslderiioes
mni ootras, do que quando tomada por sitiadores
aps luta encarnicada. Teamos vencido, se hou-
vesse combate, mas essa victoria nos houvera cus-
tado multas sacrificios e precioso sangne dos nos-
sos tambem. Xo era possivel condemnar urna ci-
dade em peso, quando, podendo mais oo menos de-
fenderse algum lempo, se entregava confiadamen-
te s torgas sitiantes. Urna amnistia era, em taes
cirrumstancias, irreensavel.
E se ella nao fosse dada, acaso julgam que os
caberas da desordem seriara victimas das perse-
gu(;5es ? Esses, desde que Villalba subi ao po-
der, eompreherrderam a sua sorte, e buscavam asy-
los impenetraveis. ProcedjmeMos que deixando
Ilesas os Agnirres, Carreras, Sas, Juaoics.'e se-
melbantes, so ferissem agentes de terceira ordem,
seram flagrante injostiga relativa.
Deve mais considertr-se, por parte do general
Flores, qne o sea pensamento parece ser a extinc-
clo de antigs dissensOes, e o trabalho em cora-
mura para cicatrizar as feridas caasadas por tan-
tas e to Improductivas revorogdes. Elle aspira a
melhoramentos permanentes, e nio a popularidades
partidarias de nm dia. Quer ser, nao caadbo de
urna faccao, mas presidente do seu estado. NSo
h para isso mais babil meio que a amnistia.
este fim a assembla provincial
ductos da natureca nao to grande como se \z- UM ?.as Pr,DC,Paes casas comraercio arae-
, pelo menos equivalente^LTr oTlavou a SSafi aSDKl maDdaSSe Vr Cm
emontras provincias; no entretanto sens resulte- oXadas
dos sao muito menores, porque nao se podem esta-
beiecer onde colham os productos de urna indus-
tria fixa.
presente com as segrales decla-
rares ; a alfandega rendeu durante o mez de fe-
vereiro 116:0 0#, a recebedoria provincial 36:000,5
e as outras reparjigoes 4:200,$, assim como o va-
lor dos dilTerentes gneros exportados para New-
York, Londres e Liverpool, monten no dito mez a
267:000,}.
O cambio ao fechar esta est colado na praca
pela segninte maneira ; sobre Londres a 27 d., so-
bre Paris a 360 por franco e sobre Lisboa a 103
% a 30 dias.
O movimento de estrangeiros e navios o se-
guinte :
Passageiros. Entrados. Saludos.
Portuguezes.. 6 5
Francezes.... 6 i
Inglezes...... 2 3
Peruanos..... o 5
Americanos.. 0 1
Marroquinos.. 0 1
Italiano...... 0 2
Alleraes..... 0 1
Polacos...... 0 2
declarago do aproveitaraento dos respectivos
aranos.
2. Urna nota das visitas medicas qae em cada
anno tem feito aes doentes daquelle estabelecimen-
to o- reapeelura faculurttfo, asado, nella menciona-
das as affeccSes e suas termi.nac8es.-S. II.A.
Fonseca. >
E' lido e posto em-
recer:
A commissao de polMMesejando satisfazer
as iBtorniagas que o Exm. presidente da pro-
vtwia pede acerca do ofllciaa-maior desta assem-
bla que requar sua aposeotadoria, declara que
nada existe na secretaria des assembla em desa-
bono do supplicaole duraoteo tempo em que exer-
ceu o cargo em que desoja ser aposentado.
Sala das commissoes, 21 de margo de 1863.Dr.
Sabino O. L. Pnho, vicepresidente.Cesta Ribei-
ro, Io secretario. Silva Ramos, 2o secreta-
rio.
Tendo pedido a palavra o Sr. Amynthas, o Sr.
presidente declara adiado o parecer.
O Sr. Buarque requer urgencia, a qual appro-
vada.
Tomara parte na discusso os Srs. .-imvnthas e
Cesta Ribeiro, sendo depois o parecer appro-
vado.
Pala pela ordem o Sr. Buarque.
Continua a discusso do requenmento do Sr.
Reg Barros sobre o delegado de Caruar, e depois
de orar o Sr. Araujo Barros, fica a discusso
adiada.
ORDEM DO DIA.
Entra em discusso o art. 6o do projecto n. 12, o
qual, depois de um pequeo discurso do Sr. Jos
Maria, approvado.
Segue-se a discussSo do art. 1.a
Oram os Srs. J. Maria, Araujo Barros, Jacobina,
e Ramos. '
Encerrada a discusso o art. approvado.
Euna depois m discusso e sao approvados os
arts. 8", J e 10, orando sobre o 8 o Sr. S Pe-
reira.
Entra finalmente em discusso o art. 11.
Vera a mesa a seguinte emenda :
Depois da palavra -sero-, accresceote-sena
provincia. Araujo Barros. Campello. Buar-
que.
Toma a palavra o Sr. Jacobina e faz algumas
relJexes sobre a redaego do artigo.
E' approvadada a seguinte emenda :
Depois das pslavrascerpo de policadi-
ga-sequer antes de partir para a guerra, quer
depois uo lempo della, quer depois dola- Ro-
chael.
A discusso fica adiada por nao baver casa.
Levanta-se a. sessao s %'/,, sendo a ordem do
dia.23 : contmaago da antecedente, e 2 discusso
do projecto n. 83 do anuo passado.
Navios.
Nacionaes ...
Inglezes......
Francezes___
Portuguezes..
14
11
3
1
0
15
22
11
3
0
1
13
uso
melbor autor, mo-
na campanha do exercilo
mais em
federal.
Em menos de dous mezes aqui deve estar este
armamento e o mais preciso para os voluntarios se-
guirem para o theatro da guerra.
V portanto que nem a presidencia nem a as-
sembla provincial, se descuidara de auxiliar o go-
verno central na defeza do paiz.
"awsrff amad-de,ias- ^^r^tffl?*-*"
mais simpes do que discorrer com Ioda a actividade ; Diurnamente
dos productos da natureza so- deu a presidencia susp'ende-To Sgnrnda"-ordem.
Presumo que esta medida foi effectuada por se
fortes da vida, como commuramente o fazeraos.
com recrutas como com voluntarios.
De Manos chegou aqui no dia 4 o vapor Tapa-
5" de fuzileiros do Ma-
ranhao, e os corpos flxos de artilharia e infantera
Navios no porto.
Tewekelhng, patacho hollandez
Onda, patacho iLglez.
Ozell, hiate inglez.
Bertha Reinstorff, brigue brasileiro.
Scrates, brigue francez.
Amazonas, barca portuguexi.
Rhondd, barca Ingleza.
Graciosa, brigue brasileiro.
l/xdy Hilda, barca ingleza.
inda, barca portugueza
Femando, brigue francez.
Mrquez da Santa Cruz, brigue portuguez.
Italian Hcro, patacho mglec.
O vapor Apa parte a meia noite.
A' barra consta estar dous navios ingleces e a
barca portugueza Flor do Ver qoe se espera de
Lisboa.
DIARIO DE PERNAMBUCO
tt35rj?lSZ SSS *-a-.- m.
Hontem, depois de meio da, fundeou em nosso
porto o vapor nacional Apa, procedente dos do
norte do Imperio, cora datas : do Amaconas at
28 do passado, do Para at 13, do Maranhao at
16, do Cear at 18, do Rio Grande at 20 e da Pa-
rahyba at 21 do correte.
Amazonas ePar.A'cerca dessas duas provin-
A 10 do corrate reumram-se no largo de pala-1 cas, reenmo nos ao que dicem nossos corresDou-
io, sob o commando do marecbal Sergio, nao s i dentes.
os corpos indicados, ms ainda o 11 de cagadores Maranhao.A subscripgo agenciada entre os
e o de voluntarios da patria, fazendo os necessarios I negociantes desta praga, e que tem por fim com-
prar mil aomas a Meni, que sero offerecidas ao
gaverno como auxilio para a guerra, montava
mais de doze conles de res.
A assembla geral dos accionistas, da Com-
panhia de .Navegago a vagor, elegeu para direc-
animaes selvagens, aos Indios feroces, e vossos
proprios semelhantes vos perseguindo constante-
mente, soffre. todas as calamidades da vida desses exercicios das respectivas armas.'
pobres hornea*, e depois vtnde dizerme se e cousa' A p0pulagao desta capital correu nressurosa a
f.r^aher Pr0dQCt0S esPn,aneo8 na Pro": ver este'ajuniaraento de tropa, prendeudo a sua at-
Discorrerratbeoricamente sbreos lucommodos ^TSSVtroMW^^
muio dfver^l ; S CUS11raa' r^'^do-se aos q^teis ao meio
Nao ha povo, talvez no mundo inteiro mais mente, porque o contraste entre ellas era cemnle-
heroieo, mais capaz de sofinmentos de qoe seja o to. O indio, taciturno, ae phisionomia immovel e
de vossos concidadaos; no entretente, tas os ho- apathica, conservava-se acocorado aporta tirando
S S^fqtndo^ CsZZ qKstotes a^arre^ j TS SSS"5
choupanas em que elles vivera, sao mal cobenas de vos s interrogaces da malher C m\ >em d Alme.da Braga e J. J. Tavares Belfort.
capim, nao tem divisdes nenhnmas internas, res-! Este pormiale7rteSI'falla domK, Era( conhec.do o resoltado^ dos diversos col-
pondels :- r pregulga, nio ,erem trabahar;\ r^'S^'^ 'SFigS ffaqS |S^SS^SS llTeT^ S\%$
l i o i. I-i i\ i-, n Dnv*n rl > P.mJ- ~i^ m^ 1__.7- -i
teres no anne-corrente os Srs. : Mnoe Gongalves
Ferrol ra Nina, Raymnndo Joaquitn Cataabede,
Joao Pedro Ribeiro, Jos Joaquim Lopes da Silva e
Dr. Antonio Reg.
Acham-se definitivamente eleitos depnudos
Vendo, porm, que a essa hora nao havia numero
sufflcient'para abrir-se a sessSo, relirou-se.
Retirou-se o orador na persuaso de-que nao ha-
via sessao, vista do art. 56 do regiment que
muito terminante ; mas boje lende o Jornal do Re-
cifi e o Diario de Pernamburo vio que a sessao se
traba aberlo aos dez minutos depois do meio da, o
que nao esta' em harmona com o que dic a acta.
Faz depois o orador urna reclamago contra un
aparte seu que este' publicado inexactamente no
jornal da casa.
Fallara pela ordem os Srs. Soares Brandad e S
Pereira.
Finda a discusso a acta approvada.
Comparecern depois de aberta a sessao os Srs.
Araujo Barros, Amintas, Souto Lima, Jacobina,
Nabor e Manoel Netto.
EXPEDIENTE
Um officio do secretario do governo, remetiendo
o officio dirigido pela cmara municipal de Flores,
expondo a necessidade de ser elevada a categora
de villa a povoacao de Baixa Verde, transferida
para all a sede da freguezia, termo e comarca de
Flores.A commissao de estatisiica.
Outro do mesmo, remetiendo o ofJQcio por copia
da cmara municipal de Cabrob ; acorapanhado
de mais copias sobre differentes objectes, um re-
quermonto do director dos Indios da aldea da As-
surapgao, e outro do porteiro da mesma cmara,
pedindo augmento de ordenado.A commissao de
orgamento municipal.
Um requerimente da irmandade do apostlo S.
Pedro desta cidade, pedindo preferencia na extra-
gao de snas loteras.A commissao de fazenda e
orgamento
Um requerimente da irmandade das almas da
freguezia de S. Lourenco da Matta, pedindo a ap-
provagao de seu compromisso.A commissao de
negocios ecclesiasticos.
Outro de Juviniano Fernandes da Silva Manta,
oppositor as cadeiras do Curso Commeroal Per-
nambncano, pedindo que se Ihe marque um orde-
I nado como substituto dos professores do referido
Curso.As commissoes de mstrucgo publica e de
ordenados.
Outro de Alexandre Americo de'Caldas Bran-
do, primeiro escripturario da thesouraria provin-
cial, pedindo seis meces deMicenga com seus ven-
cimentos para tratar de sua sade, bem como a
restitugao dos vencimentos descontados por occa-
sio de molestiaA' commissao de petigoes.
Outro de Landelino de Luna Freir, professor
interino do collegio dos orpuaos desta cidade, pe-
dindo que per um acto legislativo autorise-se a
administrado da Santa Casa de Misericordia a
contratar com o 3upplicante a effectvidade do en-
sino do mesmo collegio.A' commissao de pe-
tigoes.
E' lido a vai a imprimir o seguinte pareeer :
A commissao de posturas e negocios de cmaras
municipaes, tendo examinado o projecto de postu-
ras da cmara municipal da villa de Pesqueira,
de parecer quemelborada a redaeco pela res-
pectiva commissao desta assembla, seja o mesmo
projecto adoptado com as alteragoes seguin.es :
No art 1. Em vez da palavraespiritodiga-se
bebidas espirituosas.
No art. 3. Em vec das palavras-pela primeira
vezdgasepor urna s vec para cada estabele-
cimente. O mais como no artigo.
O art. 14 sari substituido pelo seguinte :
Todos os que comprarem ou venderem fazendas
ou gneros que devam ser medidos ou pesados,
devero ter os pesos e medidas de que se servi-
rem aferidos dentro do anno Hnanceiro, o de con-
formidade com o padro da cmara. Os infracto-
res pagaro e multa de If e soffrero 5 dias de
cadea.
Supprima-se o art. 3..
0_ art. 7. ser substituido pelo seguinte :
A' aferlgo lera lugar nos dous primeiros mezes
do anno financeira, e a revista aos dous segrales,
e oaferdor passar aos donos dos pesos e medidas
bilhetes de aferigo ou de revista, qae llies serv-
rao para provarem urna e outra cousa.
No arl. 8. diga-se depois da paiavea aferi-
goas seguirnos -ou revista. No final do artigo
em vez de 45-diga-se-10.
No arl. 9. Supprima-se a palavra-facilraente e sendo
REVISTA DURii-
Na manha de hontem ao entrarem no estabele-
cimento ao largo do Corpo Santo, os caixeiros da
casa commercial de Saunders & Brothers, encon-
traran) todas as carteiras arrombadas e alguns ou-
tros objectos, d'ondo levaram os ladros perto de
oito centos mil ris eradnheiro e fazendas no va-
lor de mais de um cont de res:
A entrada dos ladros foi realisada pelo telhado
para onde se passaram os mesraos depois de terem
penetrado na casa prxima, em edifleago, perten-
cente a Luiz Jos da Costa Amorim, e do telhado
desta foi que flzeram a passagem para o d'aquella,
por onde penetraran).
Pelo Dr. delegado foi preso nm trabalhador de
Amorim, no intuito de ver se possivel alguma
cousa descobrir; pois em poder db mesmo eslava
a chave do predio de dito Amorim, onde deviam
ter estado os ladroes.
O subdelegado do RecilB fez a competente visto-
ria a recolheu alguns objectos que foram abando-
nados pelos ladroes.
Na manha de hontem 21 do corrente foi br-
baramente assassinada Francisca Silvina das Cha-
gas, parda e moradora no camraho do Cemiterio
publico, pelo pardo Manoel Carlos dos Santos, com
quem tinha a mesma relages illicilas sendo que a
morre foi occasionada por cansa de ciumes.
O criminoso pode evadirse do lugar do delicio
onde prompiamente compareceram o Dr."delegado
e e subdelegado respectivo, que presidio ao acto
de vistoria no cadver da infeliz, no qual encon-
tiaram os peritos cinco ferimentos; dous na face
do lado esquerdo, dous no pescogo e um na p es-
querda; sendo que um houve que causou a morte
e foi o que corlou a jagular.
Foram cercadas e varejadas diversas casas, na*
quaes era de suppr tivesse procurado abrigar-se
Manoel Carlos, que nao foi enoontrado, tendo o
mesmo se resolvido apresenlar-se ao referido sub-
delegado na manba de 22, declarando na accasio
que elle se nao poderia furtar as vistas da polica,
tendo confessado o crime que havia commettido e
qoe fizera os ferimentos com nm cannivete de
mola.
Acha-se, pois, Sanios recolhido a casa de delen-
go para ser processle.
Foi hontem sabmettido a julgamento no tri-
bunal do jury o reo Apolraario Antonio de Souza,
pronunciado as penas do art. 201 do cdigo cri-
minal, em consequencia de ferimentos leves feitos
em dous belgas, qoe se achavara recolhidos ao hos-
pital Pedro II, onde existia o mesmo reo.
A defeza que foi commetlda pelo Sr. Dr. juiz
de direito presidente ao Sr. Dr. Americo Netto de
Mendonga, propoz antes de formado o conselho a
excepgao de incompetencia do tribunal, visto que
nao resalta va do processo era a condigo da fia-*
grnela da priso, nem a da miserabilidade dos>
offendidos; e sendo impugnadas com procedencia
pelo ministerio publico as razoes produzidas, re-
solveu o Sr. Dr. presidente do Jury que proseguis-
se o julgamento por este, principalmente por de-
cerrer a miserabilidade da propria e manifesta
condigo dos offendidos.
Decidido assim este incidente, oceupa-se o mi-
nisterio publico da aecusagao, concluindo, em vir-
tude da natureza, do crime, por pedir a condem-
nagao do reo as penas do referido artigo por duas
vezes, grao mximo, por concorrerera as aggra-
vantes dos 1, 4 e 6 do art. 16 do cdigo criminal
e venflear-se a bypolhese do art 61 do mesmo c-
digo. A defe/a, a sea turno, reconhecendo a exis-
tencia do crime e a autora attribuida ao roo faz
consideracSes em ordem de atlenuar o acto delic-
tuoso.
Terminados os debates, recolhe-se o conselho
cuja decisao basfia a condemnacao dupla do reo'
no grao mnimo do art. 201, em que fura pronun-
ciado.
Um destes ltimos dias entrando ex abrupta
por um s&brado da ra Augusta, pelas 2 horas da
tarde, urna parda de nome Maria Joaquina de Je-
ss, que dlzem soffrer de alienago mental diri-
ga se a urna jaoella da sala posterior desse sobra-
do, e d ahi atlrou-se ao quintal do mesrao, sem que-
so nouvesse tempo ao menos de presentir a sua-
, intengo. Dessa queda ficou ella bastante pisada,
inmediatamente soccorrida pela policial
L?222 al Kir dUS m" rdS pelaS- .$?; ^^ereToS^llt
tem a facilidade dos productos expontaneosf
Conversei com qoasi todos esses homens que O tom" cadenciado de sua voz, a pronuncia lar-
ah existem espalhados pelo immenso valle do rio dia e graciosamente incorreta aue esuecial
Tocantins, e notei um trago muito caracterstico tapla, e tanto impresiona 'os Albos das oniras
dos tllhos da vossa provraea, e e qne cima de tu- provincias que visitam os nossos rios e lagos, aug-
menta va m o interesse de sna conversa, e fa'ziam-
do o Paraense ama a independencia.
t Eis ahi a razio, pela qnal elle ama a agricul-
tura : tambem ella a raco porque elle se sola
qualro mil res de multa.
Artigo substitutivo ao art. 13.A cmara torne-
cera os curraos que forem precisos para se reco-
Iherem os gados, destinados malanga para con-
sumo, pagando os donos dos gados 46 rs. por cada
rea
Ao arj, 14 accrescentersea sasfaro as des-
pecas da obslrucgo do camraho, que sero feitas
sna casta.
No art 13 Em vec da palavra-tiradadiga-se
aberta.
Substitutivo do art. 16.-Os proprietarios ou
possui dores de trras breira on rondeiras, sao
obnhados a rogar as estradas ou caminhos que
passarem por suas comprehensoes, conservando-as
limpas e desemharagadas, deveado as estradas
Riachio e Barra do Corda. Os votados sao os Srs.
m SttffiTSTaS* C0WMl Isid0r Jn9e 1,8r "'""pa'lmoTTe' TaTgur'a eTs^mte'hoTdTe
- L-se no pSS : I meJ*!im!i. uubo de.cada "
am premio de cont de ris ao bravo
mTnronnn!lefimVaS ^^ ', primero pavilho nacional nos moros'de HumaT-
Tocou, por fim, a vez de fallarmos do vjgarlo. t, e se fr maranhense dar-Ihe-ha dous
para os mallos; nesses mattos vai ter alimentos' Entao a velha, possalndo-se de urna animaco mu d res
grosseiros, e muitas vezes soffrer o tormento da poneo commom no indio, exclamou
tome ; mas ao menos sabe que nao est sugeito ao
commandante da guarda nacional, ao vigario (l),
(1) A respeito do vigario, constela, que lhe re-
fira um facto, que parece vir em abono da obser-
vago de S Exc.
Foi entregue pelo Dr. A. Itenriques Leal no
a.T.. 8 estrue lodas Banco to Mar"lh"0 a quantia de 304*340 rs. ao
tisana!'^m.K a iL iaT0 de 7 POCjento ae anno ; semina esta prove- p
I. ,Prtd n^pr5der.bem ess? d!.zeri e 1ues- i niente- ls0#f>e foram remetlidos pela commlssio ala
Os infractores soffrero a multa de dez mil ri
O Sr. Jos Ferre.ra da Silva Jaalor, offerece e indemnisaro as despecas que se zerera com
que arvorar trabalho da viagem.
Sala das commissoes da assembla legislativa
contos proviK.al de Pernambuco, 18 de margo de
1863.J. J. de Sonto Luna.Nabor.
Sao approvados os segrales requetmentos.
Requeiro que se pegara do presidente da
provincia, intormagoes acerca do
tionel-a de novo." Mas a tapuia relrahindo^. d^^d^nonT^ol^taT^TW^ ^TrLZnTJ1**1**0
Z^lV^ZT^^sim e.^fallad' w Cuimares;.54540 reis, produ.lo liquido de um suafuXoeco,
pequeas betaflcio dado pela sociedade particalar Tkaliense,
- pela sociedade benefleente Ca-
, tirou-se e voltou logo trazendo-me duas
Quando ba cousa de tres anuos, viagei percorri tartarugas de cabega vermelha, especie rara, qae e 100 rem
o Bio Negro, sublndo at a nossa ronteira com' s se encontra no Rio Negro, e qae os natara'listas xiense
Venezuela em ama extensao de quasi 270 teguas,; qae tem viajado este valle, multo apreciara. I Cbar L-e na ConstUuict
i,.i*ta,SS.i PU5ar Da maloca de um velb9' l Confesso' I8 ro sendo naturalista trocara de I Hontem (20j concluio se Varromatacao do di-
"SfLT S'nne r i^vonade o presente pela explicagao clara e zimo des gados rossos de tedas s. Szias da
. Se certo qae doas genios igaaes nao razemli- fraoca do caso. Na entanto, at hoje ainda ignoro provincia, caja resoltado foi de 62 6464 one
ga, essas daas creataras dev.am viver perfeita- corao e que o vigario estrue. Talvez seja instrue, comparad* com o da arreraaiago doSopffi
pilal Pedro II para ser tratada.
A' bordo do vapor Apa vieram do do Ama
zonas docentes e quarenta e duas pracas dos cor-
pos fiaos; do Para 362 pragas do dcimo primeirc-
balalhao de mtantaria; a do Maranhao 138 pracas
do corpo fixo. fv
Segando coramanicago do delegado de Se-
rinhaem. foi enconlrado no logar Larangeiras do-
engenho Gindahi, o cadver de urna prete escrava
ae diversos herdeiros. Da vesloria rosoJtou conhe-
cer-se ter ella sido assassinada por asphyxia. Po-
ram presos dous eaeravos do engenho Pedra de
Amolar, como executores desse crime.
Ha vendo, constado estar 'wicalhado, nos arre-
cifes da ilhade Itamarac, a brigoe inglez Hebs of
lite Exe, que vinba de Liverpool para o nosse por-
te, seguiram para o lugar do sinislro o vapor de
reboque Camaraibe e a lancha da alfandega, com
os soceorros precisos.
Iodo o crkralo Jos Joaquim de Sant'Anna
cobrar uma divida do Portuguez Joaquim Pinto da
Fonseca, em ierras do engao* Tapaeur, da fre-
guezia da Luz, travaram-sa de racoes sabindo o
primeiro ferido gravemente cora urna lacada. O-
criminoso foi preso.
Remeitem-nos o seguinte, pedindo sna publl-
cagi,o:
Srs. redactores da Revota.Le se na sua Re-
era cada anno lectivo, desde a vista de hoje qne da cidade da Victoria cheaaram
fundagao e com a distribuigao dos discpulos 62 voluntarios da patria all obtidos por2E?
forcee.
Assim como nio desejarei, Srs. redactores,
que me tirem aqaillo qae me pertence, tambem
nao devo consentir qne passem por meus somente
servigos que lambem pertencem outro qae tanto
me ajudaram. Eu deligenciava attt ooier volante-
numero dos
as aulas do Gvrana-
em cada aula, e quaes flzeram exames e o resalta-
do destes.Silva Hamo?.
Requeiro que por Intermedio da Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, sa pea com urgenoia o
segninte:
1." m raappa dos discpulos qne tara tido em
cada anno desde sua creacao, os alomos de alie- rios, que me acorapanhssera era deteaa da patria
mao e grego ao Gymnasio Pernambacano com de-1 mas poucos ainda tinha alistado, quando o Exm.'
1


-







Diario > Ternamaneo f* ninfa ierra ta de Mareo de 1.8 2.
Sr. presidente da provincia eflciou cavara mu-. Cirurgio-mr ....
Dicipal da Victoria, eiviando-rhe umaimrclafliagao Dilu ajudante .___
e oomeoa ao rse-mo lempo uAa commissao ea- Sargento ajudante..
viaodo-lhe o deetoto 3.371, a portara de 6 de fe- Dito vago-mestre...
vereiro e a tnesma'proclamacao, par a commissao Corneta-mr......
dar-lhe toda a pnblicidade e eoHigh- voluntarios, i
Pe depois que a cmara por seu pro^presi-! Cada companhia.
denle o lenente-corooel Jos Menes Carneiro Leo' CapitSo
leu a felra sta proclamagSo ; fei depois que o
Sr. teneote-coronel da guarda nacional Dr. Betto,
como nombro da commissao, tomando perto o
desempenbo deHa pelo Dr. juiz municipal e outros
amibos nossos : oom os 6rs. rs. Cassiano, Ca-
margo e e 8r. Gomes Pessoa, Fr.Aogoslo, Rrd. vi-
gario, Paulo Bezerra etc., falloa por rezes ao povo
e guarda nacional, que os voluntarios comecarara
a affluir para o alistameoto de que me enearre-
guei na cidade, bem como de os ter aquartejados.
D-se, pois o seu a sea dono, e mira o que
me pertence. Os roluniarios assim alistados foram
enviados ao mra. Sr. presidente pelo Sr Dr. Pedro
Bezerra Pereira de Araujo Beliro que nos acom-
panhou, e conduzidos por mim.
Sei que o Sr. Dr. Beltrao por sua modestia e
amizade com que me honra, nao se importara' que
esses esfurcos me sejara allribuidos, masdevo ser
leal para com lodos ^ife nos ajndaram, a o publico
deve saber a rerdade, que ego a' Vracs. restabe-
tecam com a inserto de.-ta, com que muito obri-
garo a' seu atlencioso, venerador e criad, Joo
Vicente de Brilo Glvao. Recife, 22 de marco de
1865.
Acaba a Exma. Sra. D. Amalia Francolina
dos Res Campello de offereeer-se ao Exm. Sr. pre-
sdeme da provincia para costurar gratuitamente
o fardamenlo do corpo de voluntarios da patria,
que spja compalivel hiu) suas ior(as-
' este um arto que .(Da mudo alto em favor
dos senlimeolos da ofTcrenle, que por seu sexo nao
poJeudo concorrer com a propria pessoa em soc-
corro da patria, se presta com aquillo que esla' as
suas torgas. E' um exemplo no entretanto, digno
de ser imitado pelas nossas amareis coruprorincia-
nas, era qaem eertamente tranca faltn amor pela
patria as eccasies solemnes desla requerer os
serviros de seus filhos.
Como ja' hootem publicamos, foi o Sr. 2o t-
senle d) 4o batalho de artilharia Jos Antonio Bi-1
fxiiro de Freilas oomeado para tenente ajudante j
do corpo de voluntarlos da patria. Esta noroeago i
tem por si precedentes 'honrosos, pols o referido
Sr. Ribeiro de Freilas fez a eampanha do Uruguay
e Baenos-Ayres-: tem ocurso do Tiro ; e para ap-
provago plena que nelle obtere, foi considerado
instructor das armas de artiiharia infamara.
Alm disio, foi eoearregado pelo Exm, Sr. gene-
ral Solidonio para organisar urna linha de tiro em
Olinda, sendo-lhe igualmente conflada a inslrueco
da forra de linha da ga*roicao dessa praga, cons-
tando que aqnelle general ao retirarse para a cor-
le, fura portador de trabalhos Importantes doSr.
Freilas, para apreseola-los ao ministro da guerra,
com relacao ao eslabeleciraenio aqu de urna esco-
la de tiro, cuja direcgo seria incumbida ao mesmo
Sr. Freilas.
O Sr. Antonio Jos Duarle Coimbra, digno
mprezario do iheatro de Santa Isabel, da' no dia 3
de abril prximo futuro um espectculo, cujo pro-
ducto sera' applicado a favor das familias dos vo-
luntarios da patria.
Nao podemos omillir a expressao dos nossos elo-
gios por um arto t j generoso, quanto patritico,
que porcerto recommcndaa quemo pratica agra-
ndan publica.
RfiPARTICAO DA POLICA :
Extracto das parles dos dias 21 e 22 de marco
de 1863.
Foram recolbidos casa de detengo ne dia 20
do correte :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Cos-
me Damiao da Silva, para recruta.
A' ordem do subdelegado do Recife, Francisco
Jos da Triodade, por fermentos leves.
A' ordem do de S. Jos, Benedicto, escravo de
Sebaslio Jos da Silva, por disturbios.
A' ordem do Ja Boa-vina, Ajthanazio, escravo de
Henrique Bernardo de Oliveira, por embriaguez.
No dia 21 do mesmo mez :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Joao
.os de Sonza, pelos orimes de morte e roubo ; e
Jos Antonio Cidrim, sem declaracao do motivo
e posto logo em liberdftde.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Antonio
Francisco de Barres, por ofensas physieas.
A' ordem do subdelegado do Recife, Henry Emer-
sn, Henry Fuolurs, Potree Melvy, Araericauos,
requisigao do respectivo cnsul.
A' ordem do de S. Jos, Florencia Mara da Con-
ceicao, Felippa de S 'ana de Sanl'Anna. Francelina
Mara de Jess, Francisca Maria do Espirito San-
to e Ezequiel Jos de Meudonca, por disturbios; e
toncalo Jos de Sanl'Anna, por crime de furto de
cavallos.
A' ordem do da Varzea, Cosme Daraio, por cri-
me de furto.
O chefe da 2" seccSo,
J. G. de Mesquitu.
Passageiros do vapor nacional Jaguaribe, sa-
bido para os porto do norte : Dr. Francisco de
Paula Pessoa e sua cunhada, Luiz Manoel Fernan-
des Filho, D-. Francisco de Assis de Oliveira Ma-
ciel e sua senhora, Carlota X de Amarante, 1
criada e 8 escravos, sendo unrdestes de peilo, Dr.
Sebastodo Reg Barros e nm criado, Dr. Manoel
Lopes da Cunha Maciel, sua mai e ama criada,
Maneel Gomes Carneiro, Malaqaias Maciel Pnhei-
ro, Rosa dos Santos Callada, Eustaquio da Costa
Maia.
Passageiros do patacho nacional Beberibe, en-
trado de Lisboa: Mathfas Soares de Mesquita,
tiento Pereira, acoroe Jos de Azeredo.
Passageiros do hiate nacional Sobralense, en-
trado do Ass: Antonio Fernandos de Oliveira
Sicupira, Genuino Bezerra de Sonza.
Passageiros do vapor nacional Apa, entrado
dos portos do norte :Alex Fournier, Miguel No-
rat, Mara Victoria Moreira da Costa, Leopoldo Ce-
zar Barredo, um escravo, Vicente Augusto de Ma-
galhaes, Antonio Jos Pereira do Lago, Antonio
liarlos do Alraeida Albuquerque, Jos Rufino de
Sonta Rangel.
Seguem para o sul:
Jos Kleer, batalho 11 com 30 offlciaes, 362
(iracas de pret, 17 mulheres e filhos dos offlciaes e
27 das pracas, Corpo do Amazonas, 18 offlciaes e
cadetes, 143 pracas, 16 mulheres e varios filhos das
pracas. Arlilharh do Amazonas, 5' offlciaes, 76
pracas, 2 mulheres e 3 lhos das pracas. Guarni-
co do Maranhe l't offkiaes e cadetes, 124 pra-
cas, 9 mulheres e varios filhos das pracas. total
816. .
Casa de detenco.Mortmento da casa de
detengan do dia 21 de marco de 1865. Existlam
presos 334, eutraram 2l, sahiram 8, existem 367 ;
a saber: nacionaes 283, eslrangeiros21, mulheres
6 ; estrangeiras 2, escravos 48; escravas 7.To-
tal 367.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 149.
Movimento da enfermara do dia 23 de marco de
1865. i
Tiveram alia :
Francisco Barboza Camello.
Jos Felippe da Silva.
Teve baixa :
Luiz Goncalves da Silva: aslhma.
Cewterio publico.Obituario do dia 19 de
marco de 1865.
Jacintho Gregorio, Pernambuco, 70anuos. Boa-vis-
ta erysipella.
Florencio, Pernarabaco, 2 anuos, S. Jos, denticlo.
Aprigio, Pernambuco, 8 mezes. Boa-vista, collite.
Alfredo, Pernambuco, 17 mezes, Boa-vista, bron-
chite.
TeneBte.......
Alteres........
tsargento-----
2- dito........
Furriel .......
Corneas......
Baieatas......
1
1
1
d
1
1
1
2
i

1
t
65
11
Total............. 75 por 8 600
Estado completo............. 611
E ja que fallamos da organisagao do segundo
corpo de voluntarios,, Jemnrareraos tambe para
organisador e commandaote delle o Sr. commen-
dador PedroAlexandrino de Barros Cavalcanli La-
cerda, tenente reformado do exercito.
Soldado da independencia, cobrio-se de gloria
nos campos de Piraj e fji promovido por dislinc-
co. A Barra Grande, em 1824, anda foi tete-
muulia da sua bravura. Na guerra de Panellas
nao desmentio o seu valor em diversos recontros e
especialmenie no ataque da povoacao do AUinho
em 1833, onde depois de valorosa resistencia, ae-
cossoa o inimigo em sua retirada por raais de duas
leguas. Isto quanto sua bravura e-valenta.
Quanto sua capacidade e habiltacoes para com-
mandar, basta recordarraos, que o corpo de polica
desla provincia, no qual o Sr. Barros Cavalcanli
servio nos postos de capilao e major, f j por elle
commandado no posto de commandanle peral des-
de 1837 al 1846, e que o manteve no maior grao
de disciplina, inslrucco e moralidade, pelo que
preslou relevantes servicos provincia.
Parece-nos por tanto que, sem oUeosa de outros
cidados habilitados, podemos lembrar como mui-
to aproveitaveis as habiltacoes e a bravura do Sr.
Barros Cavalcante, para essa honrosa commissSo, e
confiamos tanto no seu civismo, que acreditamos
que o Sr. Barros Cavalcanti nao se recusar a dei-
xar os commodos da vida pacifica que ora desfruc
ta, para mais na vez sacrificarse honra e a dig-
nidade do Brasil.
Anda outra indicacao.
O Sr. Joao Pacheco Alves, soldado da nossa in-
dependencia como o Sr. Barros Cavalcanti, offlcial
das nossas campanhas no sal, offlcial da guarda
nacional, offlcial do corpo de polica sob o eom-
mando do Sr. Barros, e um dos melhores instruc-
tores de caradores na nossa provincia, parece ta-
Ihado para major do corp) cujo commandante for
o Sr. Barros Cavalcanti.
Kilos se conhecem de perto, comprehender-se-
hao e as vantagens sero do paiz.
O veterano.
PUBLICARES A PEDIDO
Maraohto.
BESCISO DE COWTttATO.
Par acto 4e2l do crvente resol ven S. Exe. o
Sr. presidente da provincia rescindir o contrato
Iheatrl celebrado com o artista Germano Fran-
cisco de Oliveira, em data de 21 de eutubro de
1861.
E' um acto censumado e portanto nao queremos
entrar em questae, apenas declarando por crdito
na benfica adrninistraco do Sr. Primo de Aguiar
e ao muito em que temos os servieps do Sr. Ger-
mano, o seguinte :
Que o thealro de S. Luiz nao existira boje se
nao fosse a boa resolucao do ex presidente e o des-
iplerfisse do Sr. Genaano.
Eslava no raais pessimo estado de ruina o thea-
tro, pelo que ha'muito nao funcclooava ; e quando
os engenheiros orgavam os seus coucertos em se-
tenia e tantos contos, o Sr. Germano contrata com
o governo da proviocia sua bella reedifictgao in-
terna apenas por trinta coulos, com a cendicciio,
porm, de ter sobre o mesmo posse. exclusiva por
seis annos.
A provincia que pela condiccao 12 do contrato
era obrigada a urna sobvencao nunca inferior a
6:000, fallou com esse compromisso logo po pri-
meiro anno, em que alias o empresario apresentou
urna exccllenie companhia I Nao tendo a pro-
vincia concorrido com o auxilio fra de duvida
que o empresario nao poda ser obrigado a ter
companhia.
O Sr. Germano tem muitos (.Huios que e tornara
merecedor da eslima do publico e do governo se
como artista e empresario gosa de um bom norae
em lodo o Brasil, na menos o gosa como cidadao.
Seus servicos e sua bolsa estao sempre prorap-
tos.
Aqu deu alguns beneficios pi-, e na questo
ingleza deu urna recita com applicaco ao arma-
mento, entrando para os cofres da thesouraria
nessa occasiao com um cont de ruis da sua algi-
beira, alm do preducto da recita.
No Cear por occasiao do cholera raorbus deu
favor dos indigentes alguns beneficios, procedi-
mento este que tem tido na sua vida de artista em
muitas outras provincias.
Agora mesmo annuncia o Jornal do Commercio
que deu elle na edrte do imperio no thoatro qne
dirige e cora assistencia de S. Magestade urna re-
cita applicando todo o producto para as despezas
da guerra, e provavelmenle nao licar ah o seu
patriotismo. ,
A bomens como Sr. Germans, devia-se ter era
mais consideracao.
(Do Constitucional.)
vos diga que liberdade sm frtjocaminba eopre
par da desgraca.
Ides salvar a Itenra da naci, mas, para que as
bengos dos eos o aeompanheni, deve terebe-
dientes a vtssos.saperiores. Consista t*dt ossa
alegra na gloria de vossss armas; todo voss or-
gulho na probidade de vossas ccSes; Joda a vossa
felicidade no culto do Dos ds xerotlos, a Quera
fazemos votos para que rollis aos vossos lares,
cobrtos de gloria e de ventura.
Viva S. M. o Imperador^
Viva a integndado do Imperio.
Vwam os notares defenssres da Patria.
Vivamos voluntarios Viclorieoses.
Viva o Exm. presidente da provincia.
OfTerecp-vos um saudoso abrago na pessoa do
toiso chefe o Sr. capilao Joao Vicente de Brito Gal-
rao od de qualquer de v6s.
O Sr. Dr. Beltrao braopu o dito capilao e urna
das pragas.
DfA ISfl dl ** d" aTr80 de Pitellana ds 22 ga-
" TT" *- -------" '"' '" A Dera convicr tratar seraellianie fornecimenlo
_ O lita, &. inspipior da llnjsourara provin-1 compareca na mesma Ihesouraria, no dia 23 do
cal; ei,cumprineBto da cudem do Exm. 8r. presi-, 9or'"8"le' Pe, meic dla> cora sua proposla em caria
dente da provincia de lo do margo correle, man-1 kwda.
Para Lisboa
pretende segolr com rouia brevidade a barca por-
lugoeza Hmriqtaa, Uva ijarte de seq carregamen-
bordo : paca o resto qnn Ihe falta e passagei-
' da fazer ppblieo, uc no dia 30 do mesmo, perante' Secrelaria da Ihesouraria provincial de Pernam- :Iomp"^HS^^!1 '* c?.mo?,M. *i*?
a junta hfazeod'da mesma ihesouraria, se ha de *<><, de margo de 1865. Ca v, ,Xx/^ ''M.*"rtPK), Lu,/ ?e J>h'
arrematar, quera por raenys fizer, a obra da re-
coflsiruugo bQwiba da varzea Ue Paulisia, ara-
ada emSeO. -
A aijeiiiaiago ser eita na turma da le
O secretario,
R. F. provincial se
reir Azuvedn & C., no seo eaeripiorio roa da Cruz
oume.ro 1.
Pela thcMuraria
pro- vineial n. 3 de lo de maio de 1834, e sob as te de Motocolombo foi transferida para o dia 30 do [ende seeuir at o a l\
claasulasspeciaesabaixo copiadas. eorrente. carregameni. Iwdt
As pessoa^ que se propozerem essa" arremata-1 Secretaria da ihesouraria provincial de Pernam- e passageiros, para os a
^XCm^m w saJ ^ ftea85es da refertda i bQC ,7 de mar5 de 863-9 secretario. modos, trata .'se com os^eus 2 wSSKo Anto
junta no da cima nwncwuado pelo meio dia, e ,n, A. F. d'Annunciaeao. ^jo j6l de (m6kt Axe Ji0 trVZSJSuL
competentemente habilitadas 'Pela ihesouraria provincial se faz poblice, ZuTZL^L"."" "do& C, no sau ehenp-
E para constar, se mandou publicar o presente 1ue a. arrematadlo dos reparos de que precisa o
faz publico, Far o Porio lea iik e 8. mmI
Ohemconhecidobriguenacieal AvJua pre-
uiez, test parle do sea
carrgamejjJp Iwrdo : para o resto que Ihe falta
C0MMZ1CIQ.
Cotskfoes ofUciaes.
PIUQA 00 BECiFE.
22 de margo de 1865.
Couros salgados seceos140 res, por libra.
Dubourcq Jniorpresidente.
Guimaressecretario.
\ovo banco de Pernam-
bnco.
O banco paga o 14 dividendo na razao de 8J
por aego.
Novo banco de Pernambuco.
O banco desconta letras na presente semana a
12 por cento ao aano at o prazo de seis raezes,e
tomadinheiro a juros a praso nunca menor do
tres mezes.
Alfandega
Rend ment d dia 1 a 24.......
dem do dia 22............. ..
Hovlmentoda alf andera
Volme sentrados comfazendas.
* > com gneros..
Volume.-sahidoicom aiendas.
> com gneros ..
lorio ra da Gruy. o. 1.
pelo jornal. impedramento do lugar d'enominado Areiardo Pfli'fi f\ Ht\ riu rwiMMMA
Socreiaria da thesourarir provincial de Pernam- Gi1ui*-o estrada da Victoria, foi transferida x* "iv WK 4\Alt&n (>
buco, 18 de marco de 1863. OKCrelario, A. F. Para *a 30 do eorrente. o releiro brijjue escuna Xo Se/, pretende seguir
(f-lnnunriarao. i Secrelaria da ihesouraria provincial de Pernam- no "m da presente semana, lem parle do sea car-
Clausufas especlaes para a arremalaglo. aeo 17 de margo de 1865.O secretario, regamenlo emgarado : para o resio que Ihe falta
1." A reconstruegao da bomba da Varzea no en- A. F. d'Annunciaeao. trala-se com os seus cnnsignaiarios Antonio Lwz*
geubo Pa6ia, na imp^rlaiicia de 8005, ser feita i Pela Ihesouraria provincial se faz publico, de Olivjwa Azevedo A f.., no seu escrptorio rna
de accordo com o prsenle orcaraeplo approvado 'lue a arrematagao da obra dos reparos da ponte da Cruz o. 1.
pela presidencia. dos Carvalhos foi transferida para o dia 3000 cor-
2.' O arrematante dar comeco a obra no prazo rente.
i de 15 dias, e a concluir no de 45, contados ambos Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
na forma da lei. ; buco 17 de margo de 1863.O secretario,
3." O pagamento ser feto era urna s prestagao, A. F. d'Annunciagao.
dedois da ob/a acabada. i Pela thesouraria provincial se faz publico
4.* O arrematante, na execuco dos trabalhos, 5ue a arrematagao da ebra dos reparos da cadeia
seguir reatriclaraenle as inslrueedes doeogenhei- da vi"a do Cabo foi transferida para o dia 30 do
ro encarregado da-fiscalisacao dos mesraos tra- orrente.
balboa. Secretaria da thesouraria provincial de Fernam-
: 6." O arrematante nao lera dtreito algum a in-, ^eo 17 de marco de 1863.O.secretano,
demoisagao qualquer que seja a nalureza da alie- A F. d'Aununciago.
gaco que fizer Pela Ihesouraria provincial se faz publico,
6." Em ludo mais que nao seconlm as presen- V* a arrematagao dos reparos de que precisa a
tes clausulas, seguir-se-ba o que dispoe o regula- estrada do porto de Galinhas, foi transferida f ara
ment das obras publicas. o dia 30 do correte.
Conforme.A. F. a'Annunciarao. Secrelaria da thesouraria provincial de Pernam-
| O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-' buco 17 de mareo de 1865.O secretario,
561 579,8542 cJai em emprmenlo da ordem do Bsm. Sr. presi-! A. F. d'ABDuocago.
32.3245310 ?!e da Provi"icia de 4 do eorrente, manda fazer Inspeceo do arsenal de ma-
_________ publico, ffe no dia 23 do mesmo, perante a junta rinha
594:103*852 \ l/"^* d* ^fflii!!T.rParia' J1*^ arre-1 P'e publico que a commissao de peritos exa-
Si'a ,q^?./SI d D0S nz.er S rerS df Kque; minando na frra de.ermioada no regulameoio
Sval-ulo* W&SS!,ry S r,oTracUB,,5em annexo ao decreto n. 13i4 de 9 e fJvere.ro de
A arrL^J- ? f *.ui i 1S34' casco. machina, oalderas, appareH.o, mas-
[ A arrematagao sera fetta na forma da le provin- -
cial n. 343 de 13 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
Para a Para
pretende seguir com murta1 brevidade o veleiro
Imte Doiis Ainigot, tem dou tercos de sen carre-
gamenlo prompto : para o re.-io que Ihe falla Ira-
ta-se com os seu< consignatarios Antonio Luiz de
Otvera Azevedo & C, no seu eseriplorio ra aa
Cruz n. l. _______
Para a Baha"
segu o patacho D. Luiz com parte da carga
prompta: para-o resto trata se com Jes Mara Pal-
meira, largo do Corpo Santan, 21.
Para o ParT
vai seguir con muta brevidade o paihabote Pa-
raense, tem a roaior parte da carga pmmpia, e
para o resto que Ihe faita trata-se com o consigna-
tario Joaquim Jos Goiigalves Beliro, na ra do
Vigario n. 1U, ou no largo do Corpo Santo n. 6,
arraazera.
317
674
Mar animo
1-9
724
991
tneaco, veame, amarras e ancoras do vapor Ja-
guanbe da companlna Purnambucana de navega-
Desarregam no dia 23 de .margo de-1865.
Brigue hollandez Oriongenebra.
Patacho hespanholfen^ diverso generes.
Barca ingleza/. 0.dem.
Barca'ingleza lronfieobjectos para a estrada
Brigue inglez-Garri-ideoJ.
Galera inglezaermwneferro nara aponte.
Brigue porluguez Constante II lajjedo.
Vapor inglezHerschelmercaoorias.
Ac IT ,IU ue,J,',raudS- gaocosteira, achou todos esses objectos era regu
As pessoas que se propozerem a essa arremata- lar estado "j<^iU3 c .c6u
- 843 SifM! na sa,a .das *ess6e,s da refrida WspeccSo do arsenal de marioha de Pernambu
olJ Unta no (lia inmi mnni'um-n u ni n mam H i i ./! i_* .__- hum-
OpalhabotyG'.ojW* segu para Maranho por
estes dias, recelje carga : a traiar com Tasso Ir-
mos.
junta no dia cima mencionade, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para cowar se mandou publicar o presente
pelo jornal
Secretaria da Ihesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de margo de 1863.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Aouitaciago.
Clausulas espauaes para ameniatagao.
'" ^.r???!!0* te ?0ie d* ^iary a mporum
c, 22 de margo de 1865.
S. C. dos Santos.
Servindo de inspector.
Praca.
Sexta-feira 24 de margo, depois da audiencia do
| Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos vai a praga pela ulti-
ma vez por venda, por tempo de 3 annos pela
quantia annual de 600 o sitio no largo da Casa
Forte, com grande casa de vi venda e todo seu ter-
Br!ilI! n^e[Jn-; W'*"-fa"nha de tri8' cii'dehomo, M*77e"^nUm^m *m> co"mpVhendendo otado qne M dividid
Brigue nacional -Pallas charque.
Sumaca hespanhola-Guadalupeidera.
Barca inglezaD. Marta -arvo.
Brigue inglezEliziaidem.
Patacho inglezSpray idera.
TmportacSo.
nacional D. tuiz, entrado da Bahia,
a Jos Maria Palmeira, manifeston o
Patacho
consignado
seguinte :
3 fardos
Mercadorias estrangeiras.
aoiagera, 5 pipas cera 155 : de fumo
o respectivo orgamento approvado pela presiden-1 encanamento, e com grande baixa para capim,
cia. I podendo os pretendeniesdirigirem-seao tutor dos
2a O arrematante dar comeco aos trabalhos no! menores e coosenhor Joao Joaquim da Costa Leite
1 na ra do Qoeimadu n. 2, para as informagoes que
prazo de 8 dias e as concluir o de 30 dias, con-
tados ambos na forma le.
3* O pagamento ser feito em urna s prestacao
depois dos liabajhos concluidos.
4' Na execugaos dos trabalhos o arrematante se-
guir restrictamente os instrucc5es doengenheiro
encarregado da fiscal sarao dos mesraos ira-
balbos.
moido, S ditas com 66 (f> delirio florentino em p,: 5 O arrematante nao ter direito a indemnisa-
83 raolhos cora 100 $ de rotim, 204 caixas massas ggo algmna, qualquer que seja a natureza da alte-
Para a Bhhia pretende sahtr era poucos dis
a escuna Eltga por ter alguma carga tratada, e
para o resto que Ihe falta, trata-s cora o rondo-
natario Joaquim Jos Gongalves Beltra. na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6,
arraazera.
para Lisboa
pretende seguir com toda a brevidade o patacho
porluguez Flor de Mana por ter a maior purte da
carga prompta : para o resto e passageiros trata-
se com o consignatario T. de Aquno Funseea J-
nior, na travessa da Madre de Dos n. 5, priraeiro
andar.
ana i wMHaBBHi
Alloeugo dirigida pelo Sr, Dr. Pedro Bezerra
Pereira d'Araujo Delirio aos.03 Voluntarios
da Patria, qnando partirn da cidade da Vic-
toria.
C0HMNIC1D0S.
O numero da voluntarios da patria j alistados
excede a 600.
L'mbramos a que competir que seria convenien-
te principiar, desde j, a creago de um segundo
--orpo; tanto nara nao se rqproduzjr o iocoove-
nieole de ettegarem os alistados i crescido nume-
ro sem orgaoisago regular, e coosequentemente
.sem educagao e disciplina militar, como porque,
Unto quanto entendemos das cousas militares, nos
parece que para raelhor regularidade, flsealisagao
* raesmo execugod; certas manobras nao convm
qae os eorpos tenham forga maior 600 praga6,
em 8 companhlas.
Nesta convicgio lembramos a seguinle orgauisa-
^lo para cada batalho de voluntarlos.
Esta maior e menor.
Tenente coronel... l
Major...........
Ajudante......... t
Secretario........ i
Quarlel-mestre----- l
CapeUSo......... 1
Briosos Voluntarios da Patria Vos me per mi t-
titejs que ueste solemne momento, em que ides
deixar vossos lares e vosas affeigoes para acodirdes
fervorosos aos lirados da patria, eu me nao oceupe
da nobreza e elevago de vossos sentfmentos patrio-
ticos; porque o que estamos presenciando falla
mais alto do que tudo quanto ueste sentido eu po-
desse dizer em vosso louvor : mas antes, como a
vosso amigo, me permitiiraie que, nesta solemne
oacasio de vossa partida, vos faga leves observa-
goes conducentes ao fiel cumprimento de vossos
deveres, e felicidade que cordealmente ros de-
sojo. Sim ; nao basta que offeregais patria esle
sacrificio; mas que elle seja digno della, e to bem
acceito, como os de Abel.
Voluntarios da Patria, lembro-ros em priraeiro
logar, que ha pouco sahiraos do templo do Dos
vivo, do Dos dos exercltos, a Quem acabamos de
dirigir supplicas em vosso favor; mas deveis sa-
ber.que nao poner contar com a proteegao divina
aqnelle que, em to nobre dililigencia, se nao por-
tar com bro, honra e virtudes dignas da magesta-
de do Dos vivo, a quem nada se pode esconder.
Lembro-ros tambera que sois filhos desla trra
de bravos, e ennobrecida por tantas victorias svm-
bohsadas no nome desla muito leal cidade, para
senlirdes o dever que vos corre de conservardes
Ileso esse legado de gloria, que vos deixarara vos-
sos valerosos graudevos antepassados.
Nao esquecereis aluda que pais d'ao p ds fa-
moso monte das Tacocas, que pelo celebre com-
bate de 3 de agosto de 1645 estendeu o seu aoiae
a todo um districto. All algumas eenteoas de ros-
sos antepassados, apenas com 200 armas de fogo,
fizeram prodigios de ralor reocendo a 800 Indios,
e a 2 bem aguerridos regimentos hollandezes, com-
mandados por seu coronel Hus. Pois bera ; que
depois de 220 annostje ouea dizer C esto os
Lebas de Tabocas resuscilados as campias do
Paraguay, castigando assassnos e baodoleiros mais
affeitos a atacar mulheres do que a defender suas
forlificagdes.
Briosos Voluntarios da Patria, nunca vos escape
da lembraoga que sois Pernambucanos, para oeo
consentirdes c,ue sejam deslustrados es bros tradi-
eionaes desse uame, com que se honraram tantas
hroes.
Animo, pois, e as armas, briosos Voluntarios,
sem receiardes pela sorte de vossas familias, que
serio soceorridas pelo patriotismo dos que ros nao
podem acorapanhar; e o futuro ser vossohon-
ras, exempgdes, preferencias, privilegios, tudo se
vos offerece com seguranga.
Volunahos da Patria, felicito-vos pela vossa no-
bre resolugao, e se ros nao acompaoho, pela mi-
nha pouca saude, e por nio poder abandonar a
educagao de nore filhos menores, todos dispersos
d'aqui at a Franca, para fazer* drilles mais tarde
um mais digno presente patria.
Briosos Voluntaria, permitti, finalmente, quo
alimenticias; a ordei de diversos.
200 garraes com 1,250 medidas de geuebra, 200
ditos rasios a Jos Vicente de Lima.
Gneros naeionae/.
341 caxnhas com 20,000 charutos; a Manoel
Joaquim II. e Silva-A Genros.
i caixes com 15,000 charutos; a Noff &
Nadler.
t oaixio com 8^X0 charutos; a Henry Saser
1 a C.
1 cano com 2,000 charutos; aSemj)son d C.
5 caixes e 226 caixuhas cora 93,300 charu-
tos ; a Joaquim Jos Goncalves Beltrao.
4 caixOes cora 78,100 charutos, 150 saceos
arinha de mandioca; a Palmeira & Beltrao.
43 caixoes e 300 caxjnhas com 518,000 charu-
tos, 100 fardos panno de algodo, 1 caixinha corta-
deiras de ferro, 440 saceos com 1,760 (B de caf ; a
ordem de diversos.
Patacho nacional Garibaldi, entrado do Bo-Gran-
de do Sul, consignado a Bailar 5 Oliveira, manifes-
tou o seguinte :
10,200 @ de carne secoa de aharque, 50 saceos
cevada, 5 ditos colla, 700 resleas ceblas, e 8
barris (aranas; a ordem.
Hiate nacional Exhalarlo, entrado do Aracaty,
consguado a S Leitao, manifesiou o seguinte :
43 satcas com 160 (8 e 30 g de algodo, 25 ditos
com 100 () de cera de carnauba; a Jos de S
Leilo Jnior.
25 caixas com 41 ( e 19 de velas de carnau-
ba ; a Francisco Gomes de Mallos Jnior.
26 saccas com 108 (a) e 25 S de algodo; a
ordem.
137 caixas cora 132 (j) e 27 de volas de car-
nauba, 44 saceos com 167 (j> e 23 libras de cera de
carnauba, 1 caixa com 2a % de dita araarella, 5
saceos feijao, 14 meios de sola, 59 juolhos 1,461
esleirs, t caixa 8 X de buxos, 3 volmes com
99 e ,'( de peanas de ema; a ordem.
Hiate nacional ous Amigos, entrado do Para,
consignado a A. L. de Olivieira Azevedo & C, ma-
nifeslou o seguinte:
7 saceos com 28 arrobas de cera de carnauba, 16
molhos com 400 esleirs; a Souza Aguiar.
31 saceos com 122 e 27 <8 de algodo; a An-
drade & Bego.
18 saceos com 62 (8 de cera de carnauba, 38
caixas com 38 (5) de velas de dita; aVieira Moreira
& Filhos.
16 saccas com 103 a e 3 tf de ajgodo; a Gus-
tava S. Portado de Mendonca.
148 saccas com 696 (> e 14 S de algodo, 25
ditos feijao; a Jos de S Leitao Jnior.
56 saccas cora 293 cf> el libra de algodo; a
Francisco Gomes de Manos Jnior.
Hiate nacional Sobralense, entrado do Ass, con-
signado a C. C. da Costa Moreira, manifestou o
seguinte :
2 saecas com 11 (S e 16 de algodo, 14 melos
de sola, 53 libras de peonas d e ema, 300 molhos de
palha e 337 alqoeires de sal; a Antonio F. de Oli-
veira Sica pira.
18 saceos com 82 t) de cera de carnauba; a
ordem.
necebedorla de rendas Inter-
nas geraes de Pernambuco.
Rendimenlo do dia 1 a 21........ 39:855^170
idem do dia -2i................. 864*330
gacae, que para esse fim fizer.
Conforme,
Amoaio Ferreira4'AnnuncJag5o.
O TIm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-! rao expedidas malas para Europa no dia 30 do 'cor-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre- rente pelo vapor francez Nuvarrr. As cartas se-
quizerem.
Em consequencia de ser feriado o dia 25 do
eorrente, a audiencia do Sr. Dr. juiz municipal da
segunda rara ser no dia 24 a 1 hora no lagar do
costume, o que se faz publico por ordem do mes-
mo juiz.
O escrvao,
Manoel Joaquim Baplista.
Correia geral
Pea administrago do correio desta n la Je se i
faz publico que em virtude da conveogSo postal
celebrada pelos govurnos brasileiro e francez, se '
LEILOES.
sidtnte da provincia, de 16 do crrenle, manda fa-
zer publico que no dia 6 de abril prximo vindou-
; ro, perante a junta da fazenda da mesma thesoura-
40-719*720
Consulado nrovineial.
Bendimento do da 1 a 21....... 72:117*1-25
Idem do dia 22............... 5150*831
77:267*956
MOVIMENTO SO POSTO
Navtos entrados no da 22.
Lisboa33 dias, patacho brasileiro Beberibe, de
29 toneladas, capito Jos Manoel Vieira, equi-
pagem 12, carga vinho e outros gneros; a An-
toaio Luiz de Oliveira Azevedo & C
Ass10 toneladas, caprtio Antonio Gomes Pereira, equi-
pagem 8, a/a saj ; *.C. C. da Costa Mo-
reira.
Barcelona41 dias, sumaca hespanhola Dolores,
de 140 toneladas, tanitao Sjlvestro Marte, equi-
pagem .. earga vltdio e oulros effejlos; a Pe-
reira Carneiro & C.
Hamborgo57 das, patacho hanoveriano Widar,
de 120 toneladas, capilao T. Braak, eqoipagem
7 carga fazendas e outros gneros; a Rabe Scha-
metau A C.
Portos do norte-8 dias, e do nltimb porto 10 ho-
ras, vapor brasileiro Apa, de 917 toneladas, com-
mandanle o Io tenente Carlos A. Gomes, equina-
gem 57.
JVotos sabidos no mesmo dia.
MaceloBarca franecza Gmlherme Tril, capito Le
Bourgeols, cargJ algodo e couros.
Acaracu' e portos intermediosVapor brasileiro
Jaguurtbe, commandaote Manoel Joaquim Lo-
bato.
ra, se ha de arrematar a quera por menos lizer os
reparos de que precisa o empedramento da estra-
da de Apipucos, desde o lugar em frenle a da
Trempe al o Chora-Menino; avallados em rs.
3:080*.
A arrepiatagao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de'5 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
gao comparecara na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para eoustar se mandou publicar o prsenle
pelo jornal.
Secretara da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 20 de margo de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreirada Auounciago.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1.* As obras dos reparos ao empedramenio ci-
ma mencionadas serao feilas de conformidade com
o orgamento ionio na importancia de 3:080*.
2.* O arrematante dar principio no prazo de 15
dias, e concluir no de dous mezes, ambos conta-
dos da dala da arrematagao.
3." O pagamento ser realisado era tres presta-
gees iguaes, sendo a primeira quando ti ver feito
, urna lerga parte da obra, a segunda quando liver
feito dous tercos, e a terceira e ultima quando li-
ver concluido e entrezue defliniivamente.
4.1 Para tudo mais que nao estiver especificado
as presentes clausulas, seguir-se-ha o que deter-
mina o regulamenlo de 9 de juiho de 1864.
Conforme.
Antonio Ferreira da Annunciagao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 16 do eorrente, manda fa-
zer publico que no dia 6 de abril prximo vindou-
ro, perante a junta da fezenda da mesma thesou-
raria, se ha de arrematar a quem por menos fizer
os reparos de que precisa a ponte do Bio Formoso,
servindo de base a esla arrematagao a quanlia de
787*600.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
vincial o. 343 de 15 de marco de 1854, e sob as
clausulas especiaes abaixo eopiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremala-
gao comparecara na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio-dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se maodeu publicar o presente
pelo jornal.
Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 20 de mareo de 1865.
O secretario,
Antonio F. da Aununciacao.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1." Os reparos da ponte do rio Formoso, sero
feitos de conformidade com o orgamento na impor-
tancia de 787*600.
2.* As obras devero ser principiados no prazo
de 15 dias e concluidas no de 3 mezes, ambos con-
tados da data da approrago da arrematagao.
3." Os pagamentos sero realisados em daas pres-
lagoes iguaes, a primeira quando tiver metade das
obras e a segunda na sua eonclnsao e entrega de-
Onitira.
4.a Para ludo o que nao estiver especificado as
presentes clausulas seguir-se-ha o que determina
o regulamento de 9 de juiho de 1864.
Conforme.
A. F. da Anuunciacao.
BECLASACOES.
rao recebidas al 3 horas antes da que for marca-
da para a .-aluda do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras antes.
Administrago do correio de Pernambuco 22 de
margo de 1865. O adamisirador,
Domingos dos Passos Miranda.
Oiveio siiTal.
Pela administrago do 'carreio desta cidade se
faz publico que as malas que tem de cooduzir o
vapor Apa para os portos do sul. sero fechadas
boje as 3 horas da tarde, os jornaes al meio dia,
e as cartas adraetdas a segura at 2 horas da
tarde.
Leilo de perfumar as, calcado raocez,
chapees de sol, fazendas, objectos para
fumantes, 20 duzias de peotes para alisar
cabellos etc., etc.
Quinta-fera 23 do carrete as 11 horas.
LIQUIDADO.
Cordeiro Simoes far leilo de 182 pares de bor-
zeguins para senhora, do fabricante Touset e Joly,
141 ditos de oulros fabricantes, 6 caixas com per-
fumarias, 13 duzias de sabonetes, 3 indispensa-
veis, 57 fumadeiras de mbar fino, 18 eharuteiras
de metal, 200 chapeos de sol de seda para hom m,
60 duzias degolinhas bordadas para senhora, e de
outros muitos artigos de goslo. Ser effecluado o
leilo ra da Cruz n. 57.
Leilo
THGATRO
S. ISABEL
EMPREZA-COIMBRA
Sableado 25 de marQode 1864
Sampluoso espectculo em grande
gala era festejo ao aniversa-
rio do juramento da conslitaicao de
imperio.
Logo que S. Exc. c-Sr. presidente da provincia
se digne apparecer na tribuna, a orebestra ejecu-
tar como introducgo, a brilbante marcha militar
intitulada
i TOMADA DE PATSANDO
composigo da Exm.1 Sr.* D. Amelia Carolina
Fiok Romano, e por ella offerecida aos voluntarios
da patria, em seguida abrir-se-ha a scena e pe-
rante as efflgiesde SS. MM. II. a companhia dra-
mtica cantar o
imi\0 NACIONAL
Ter tugar depois a representagao do excedente
drama em 4 actos
0 PODER 1)0 GIRO.
Pind o drama e para concluir o espectculo to-
da a companhia cantar um novo e marcial
Hymno de guerra.
Poesa do (Ilustrado acadmico o Illm. Sr. Gui-
mares Jnior, msica do hbil professor regente
da orcheslra o Sr. Colas Filho.
Os bilhetes acham-se a venda no escriplorio do
theatro.
Comegar as 8 horas.
naais artigo.
CaUa filial do banco do Brasil
em Pernamoueo.
14 de nitro de 1865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aoscredores de -ebastlo Jos da Silvaavirem
receberdoihesoureiro da mauma caix o que era
raleio Ibes toca da venda de urna das propreda-
des, quesegundo -a cpncprdatajbe foram entregues
para serem vendidas.O guarda-livrof,
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da directora desta mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22.* di-
videndo de 10 por argo.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
A thesouraria provincial corap para a casa
de detenco o seguinte :
2 caldeiroe.% do ferro para a coznha, Iguaes aos
que actualmente servera no mesmo estabeleei-
ment.
AVISOS MABITIMM.
COMPANHIA BRASILEIKA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 3 do correle um dos
vapores da cumnanhia o qual de-
pois da demora do costume se-
guir paraos portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros eengaja-sea
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada ne diado sua cliegada : encom-
mendase dinneiro a frete ateo diada sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escrptorio de
Antonio Luiz de Olivara Aaoredo & C._______
Para o Rio Grande do Sul segne em poucos
dias o brigue brasteiro Prazeres, capitSo Jerony-
mo Jos Telles : recebe alguma carga a frete e a
tratar no escrptorio de Amorim Iroios, ra da
Cruz n. 3.
Para Lisboa
pretende sahir em poucos dias o patacho porluguez
Jareo por lera maior arte da carga tratada, e pa-
ra o pouco que Ihe falta trata-se com os consigna-
tarios Palmeira & Beltrao, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
Rio Grande do Norte e Ass.
Segu a barcaga Dous Amigos, a sahir por estes
dias, recebe carga por pregos commodos : a iratar
na escadinha com o mesire, ou co caes do Ramos
n. 24.
de ctitilarias, ferragens, m'udezas.
ac, papel e
H(ME
Prente Vianna & C. farae leilo por interven-
gao do agente Pestaa de um esplendido e com-
pleto sortimento de cutilerias, ferragens, miude-
zas, ago, papel, todo o mais proprio dcsle mercado
sem reserva em seu armazem da ra da Cadeia :
quinta-fera 23 do eorrente-pelas 10 horas da ma-
nhfl nnilp psrtpra a as freguezes e amigos.
Leilo de urna casa terrea na roa dos
Prazeres a. it.
Fregnezia da Boa-Vista.
Martins far leilo de urna casa terrea edificada
em terreno proprio nos Coelhos a ra dos Praze-
res com 2 salas, 3 quartos, cosintu fra, quintal
com cacimba e mais um quarto no quintal.
S_exta-feira 24 do crreme.
Em sen escrptorio ru da Cadeia n. 9, primeiro
andar, as 11 horas do dia.
Leilo de cerca de \ 50 saceos com mi-
lito. 160 ditas de feiju e 120 meios
de sola.
Sexta-feira 2i do eorrente.
Martin fara leilo por eonta e risco de quem
pertencer des artigos cima, na ra do Vigari
armazem n. 1, ao meio dia do dia cima._______
Leilo de l caitas cora qiieijos lia
mengos.
Sexta-feira 24 de margo.
O agente Pinto far leilo a requerimento de R.
B. Lasserre & C. com autorisago e em presenga
do cnsul de Franca e por conta e risco de quem
pertencer de 10 caixas com queijos, marca R. B.
1..& C.. 1|10 vindos ao vapor francez Xavarre
na sua ultima viagem a esle poru. O leilo ser,
effectuado as 11 horas do dia aciraa dito em seu
escrptorio a ra da Cruz n. 38.______________
Leilo
De urna fabriea m fazer serveja para 3,00tt gar-
rafas de cada vez.
Urna machina de engarrafar.
Ura raoiobo grande para caf ou cevada.
l'm tanque de obre com torneira para oleo a
muitos outros objectos que estaro presentes no
acto do leilo
Sejcto-frira 2do correal.
Hartins far leilo dos objectos cima na ra do>
Vigario armazem n. 1, ao meio dia.
Leilo
De orna mobiiia de Jacaranda cora podra, i. guar-
da vestido, 1 mesa elstica, 3 secretarias, 1 cama
franceza, 1 lavatotio com pedra, 1 cadeiras da
b>lango, 1 guarda ronpa, 1 sof, 1 ama de terso,
16 cadeiras, 1 aparelbo para jantau, 8 lanternas,
6 jarres para dores, 2 serpentinas, 4 aparelho para
almogo, 2 salvas de prata, 6 eastlcaes de prata, 1
j palirtiro de prata, 5 bancos parajtfo, 4 escarra-
deiras, 2caaeiras de braco, 2 paianquins, 1 fog
| inglez, esteiras para sala, 1 cabaiolet de 4 rodas,
1 avallo, 1 cabriole!, 2 rodas e- ootros objectos, I
esc. ara de 35 annos, 1 escravo- de 18 a naos.
Segiinda-feira ti do corrale.
lii Soledade principio da estrada de Joao de Bar-
ros casa n. 7.
Gorderro Simdes far leilo dos objectos cima
mencionados e por conta e ordem de urna pessoa
que se retira para Kuropa.
Har principio o leilo as II horas, parlindo da
rna do Crespo um mnibus as 10 horas para con-
dnegao dos pretendentes.
avisos Dirasos.
O abaixo assignado ten justas contratada a
sua taberna sita no pateo do Carmo o. 2 com o Sr.
Thomaz Jos de Oliveira : quera se julgar com di-
reito a mesma, dirja-sa no praso de tres dias para
ser atMadido, no largo Ao Carmo n. 13. Recite*
22 de margo de 186S
Estevo Rodrigues Fontes.
-/
Na ra da Cadeia do Recite a. 54 precisa-se
fallar com o Sr. Manoel Pereira Rraudo, a nego-
cio que nao ignara.

L


Diarlo de rernambuco .- LOTERA
AOS 6:000#000.
Terca-feira 28 do corrente mez, se ex-
trahir a ultima parte da i* f 4a da 2* lo-
teria (10a) a beneficio d* m trizde S. Jo-
s do Recife, no consistorio da igreja de
Nossa Senhora do Rosario da freguezia
de Santo Antonio.
Os burieles, meios e quartos esto a ren-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de 6-000,5000 at 100000
sero pagos urna hora depois da extracgo
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas s' ro guardadas so-
mente al a noite da vespera da extraccao
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Condlia$io.
Ha sesso extraordinaria desta sociedade no dia
24 do presente, as 6 horas da tarde, para a qual
sao convidados todos sens membros.
. Os irmaos e parentes do finado padre Ignacio
Antonio do Reg, agradecen) cordialmente a ir-
mandade do Divino Espirito Santo, a todos os Srs.
sacerdotes eas mais pessoas -iiie se dignaram as-
sistir ao funeral do seu muito estimado mano,
protestando a todos -eterno reconhecimento.
Aluga-se ama casa na Passagem da Magda-
lena, junto a ponto grande com bastantes comino-
dos, sendo 6 quartos, soto com 2 quartos, cosinha
tora, dispensa e 1 uarto no quintal, ptimo ba-
nho no fundo : a tratar na ra Direita n. 3, pri-
men o andar.

t 1 3 -i 5F o 7> 5" -i o H -i
o B H x. 5 n. 5 I O o-
a O <3 ra 5' v) E) _o O a o | I re V a, 'X-p H Di O a -j w o. CD - 9 -i B V es V -1 0 O S u a. c 1 1> -1 s s 3 3 2. O H o Vi o M > w i

Precisa-se alugar duas escravas, uina que
saiba eezinhar e comprar e ontra para o servigo
interno de urna casa : a tratar na ra do Quei-
mado loja n. S.
InstruccOes para o servido
das guardas do exercito, extrahidas do re-
guiamento de infantaria e accommodadas ao
exercito brasileiro; obra que muito convm
aquellas pessoas que se alistam nos corpos
de voluntarios; vende-se na livraria n. 6 e
8 da praca da Ind pendencia, a 10.
Ana de leite.
Precisa-se de unta ama de leite que queira acom-
panhar urna familia fura da capital : na ra da
Cruz n. 13, segundo andar. .
O Sr. commendador Antonio Luiz Gongalves
Ferreira tem nma carta vinda do Rio de Janeiro :
do largo do Panizo n 26.
Perguntase aos senhores administradores da
Antonio Joaquim de Mello, anli?o advo-
gado nesta cidade e procurador fiscal da
thesouraria de fazenda, emprego qne
servio por mais de 22 anuos, contina a
advogar em todos os ramos do civel
crime, com proviso do Exm. Sr. conse-
Iheiro presidente da relago. Na ra do
Imperador n. 14.
Site? >7sXa va* a va*yx*\x*
Aluga-se urna negra que cosinha efaze mais
servico de casa de familia, tambem se aluga urna
negrinha de 12 annos : na ra do Sebo n. 35.
Theotonio Flix de Mello, avisa ao respeitavel
publico que todos os escravos da propriedade do
Sr. Pedro Coelho da Silveira, rendeiro do engenho
Bataria da comarca de Santo Anto Ihe esto hy-
polhccados por escriplura publica langada na nota
19 RA NOVA 19
Frederico tautier, cirurgulo dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misleres da sua pro-
fisso, advertindo quetrouxe um immenso sortimento de dentaduras artiflciaes; caout-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeira de operaces, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso deservir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manhS at ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando notiver de ir em casas particulares.
CLUB PERNiMBICANO
A reunio familiar do corrente mez, ter lugar
na noite do dia 24.________________________
Aluga-se um sitio na ra do Cabral
da cidade de Olinda com casa terrea, com
cupiar na frente, bota os fundos para a es*
trada e margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
ecapim para sustenta-lo, arvoredos defruc-'
tos, sem visinho defronte nem pelo fundo,'
com ptimos passeios, sala e gabinete na
frente, muito propria para passar a fesla e
tambem se alugar por anno: a fallar no Re-
cife, no Recife, na livraria ns. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia e em Olinda na casa
contigua com o capito Antonio Bernardo
Ferreira.
. A NACIONAL
Companhia geral liespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
tima lianca em riinlieiro, depositado nos cofres do estado, garaate a boa ad
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O iiauco de Hespanha
DIRECgO GERAL
Madrid : Ra do Prado u. IO
de supervivencia dos seguro
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinare
sobre a vida.
Nellapdeselazer a subscripcao de raaneira que emnenhumeaso mesmo por mortedose-
massa de Manoel de Azevedo Pontes se ainda res-. 'aoelluo Porto-carreiro, afim de que nao seja I garado se perca o capital tem os juros correspondentes a estes,
ta fazer algu.-n dividendo, e quando pretendem ; ^^^^^u^^^J^m "JSSSl I S tio suprebendentes os resultados que produjera as sociedades da ndole de A NACIO-
prestar^COflUs.___________________________sentorpreleodeudispor de algum dos referidos, NAL,-que ainda mesmodimlnnindo urna !erSa parte do interesse produzido em recentesliquida-
Precisa-se de um molc^ue de 18 a 20 annos:---------------------------------------------. i 5es ecorabinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia
na ra das Larangeiras n. 10. IlUiandatlc das almas do CorpO Santo Para_seus clculos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 a 19 annos, urna imporsicloannual
Porordem da mesa regedora convido a todos os d 00* produz era efTee'v" metlico:
., ,. vUllrlO irmaos parase reunirem domingo 26 do corrente
rugi no da 21; pela tarde, um canario da ter- pelas 10 horas da manhaa, no consistorio da mes-
ra, grande, muito amarello e bastaste manso
pessoa que o pegou, querendo fazer
entregar, dirija-se a ra do Arago n. 22, ser ge
nerosamente pago.
Precifa-se de um menino de 14 a fo annos,
a i ma, para em assembla geral, deliberarem de ne-
favordeo gocios que muito intoressam a referida irmand-
de.O escrivilo,
Domingo Jos da Costa Guimaraes.
No
fim de o
> de 10
de 15
de 20
i de 25
annos.
1:1195300
3:9425600
11:208*200
30:256*000
80:3315000
AMA
Na ra do Crespo n. 14, primeiro andar, preci-
sa-se de urna ama qne saiba cozmhar e qne faga
o servido de casa e ra.
rima pessoa bastante habilitada propoe-se a
leccionar preparatorios em algum engenho do in-
terior desta provincia : quem se quizer utilisar,
dirlja-se a livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
ciencia, que se dir com quem tratar._________
Est para alugar-se urna casa terrea na ra
GASA .DA FORTORL
Aos 6:000$00(X
Bllhetes garantido*.
A' hua do Crespo n. 23 b "casas do costohi.
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zesbilhetes garantidos da lotera, que se acaben
de eztrahir a beneficio das obras da igreja de N.
S. do Amparo de Olinda, os seguintes premies :
Lm meio n. 2333 com a sorte 6:0005000.
m quarto n. 2619 com a sorte de 1:410*000.
Lm meio n. 127 com a soile de 500*.
104000IraS mUUS SrleS de ,0*' 40,' 2* e
Ospossuidorespodem vir receber sens respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda osdaollma parte da e 1
da 2' lotera beneficio da matriz de S. Jos do
Recife, que se extrahir no dia 28 do corrente
PRECO.
Bilhetes.....75000
Meios......35B00
Quartos.....1*900
as pessoas qne compraren! de 100006
Para
para cima.
Bilhetes.....65500
Meios. \ 3*250
Quartos.....1*700
Manoel Martins Fiia.
Fabrirain-se
pequeas machinas para marcar papel, fazer car-
na ra do Rosario da oa-Vista, quasi no pateo da |
Santa Cruz, e urna mel agua na estrada de Joao
de Barros, com arvoredos, agua de beber.e porto
para o becco do Pombal : quem pretender falle
narua dasCruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhaa al ao meio dia.
Precisase de urna ama para cozinhar e en-
gommar em urna casa de duas pessoas : na ra
da Penha n. 22, segundo andar.
que tenha bastante pratica de taberna e d Hedor!wl0^!^StJ^^r^^^' mo ,M a sua conduca : na ra do Rosario da Boa-Vi.ta; JEStSttSSft'S segundVan-"! i mwU> dS SrS- Raymund' **'**> Lei,e
;__I__________________________________ ; dar do sobrado que faz esquina.
Joo Florentino Cavalcanti de Albuquerque, Offerece-se urna nreii crinnli""arT"ama de
5SS p SftS dth,CaarapDa GraDde da Pf- dSina cozmhaP eng mm tgTJSfl
vincia da Parahiba, achaado-se accionado por um t0(Jo 0 mas co dc 'ra=a menns de ra na
de seu credores, o Sr. Manoel Luiz de Oliveira ^ rUa dadores n 7
convida a todos os outros sous credores para que;_____________"_____
mlm*??-110 ma's cur' .pr.aso' .alim de ,B.Lra" A na n. 61 siu mi da Concordia do
rera em rateio, ou requerer todo o dire.to que Ihes, Norberto Muniz Teixeira Guimaraes. acha-se
as idades menores de 3 annos e raaiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectas e mais informales serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
mo Joaquim Fioza de Oliveira, na daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz d. 12, estabel
& Irmao.
\tlencao<
Sr.
hy-
potheeada o seu talar e seus alugucis e igualmen-
assiste.
Precisa-so de urna ama para o servico de te ponhorada pela fazenda provincial,
casa e comprar : na ra Augusta n. 5.
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
vel publico e a todos os senhores offlcies do exer- i
cito e damarinha que centina a ter sua casasor-
tida de fazendas e roupas feitas, e por medida : no
largo do Livramento n. 34.
Juizu de paz do Io districlo da fregueiia da
Boa-Vista.
Ji segunda audiencia deste juizo na presente se-1
mana, ter lugar no dia sexla-feira 24 de margo,,
as 4 horas da tarde, no lugar do costume, visto ser
a 23 do mesmo mez dia santieado.
Atteiic&o.
Offerece-se um homem com bastante pratica de
administrarlo de engcnlios: quem do seu presu-
mo se quizer utilisar, annuncie por este jornal pa-
ra ser procurado.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 33
da ra da .Matriz, tem commodos para grande fa-
milia : a tratar com o Sr. Antonio Joaquim Fer-
reira Porto, ou com Miguel Joaquim da Cesta na
ra da Cadeia n. 12.
Precisa-se alugar urna ama que seja escra-
ya e saiba cosinhar e engommar : na ra Nova n.
44, segundo andar.
Joo Baptista Gomes Penna roga nesta ci-
dade aos amigos do finado Antonio Pereira
Ribeiro Guimaraes, negociante que resida
na prar,a do Rio de Janeiro, cuja casa gyra-
va com a firma de Ribeiro Guimaraes & C,
se dignem as>istir a urna missa por alma
daquelle tinado, as 7 horas da manhaa no dia
sexta-feira 24 do corrente na igreja do Es-
pirito Santo. O agradecimento por este acto
tan nin rpligioso sera' "iva sincero
[0 bacharel Jos Baplista Oilicanaj
advoga nos termos do Bonito e Caruar.
Pode ser procurado na villa do Bonito,
ra Direita n. 16, defronte da cadeia.
2 & Dr.Carolina Francisco de LimaSan-
JK tos,contina a residir narua do Impe-._
mm rador n. 17,2* andar, onde pode ser pro-jgj
5R curado aqualquerhoradodiae danoite^
^ para o exercicio desnaprofissodeme-jp(
g dico ; sendo queos chamados, depois de'.-*;
^* meio dia at 4 heras da tarde,devemser^
) deixados !por escripto. O referido Dr.^K
YM nao abandonando nunca o estudo JasM
S molestias dointerior, prosegue, com o*,
*5? maior afflnco.nodas mais difflceise deli-?
^ cadas operares, como sejamdos orgos^
^ourinarioSjdsolhos^artos^tc.
mmmmm mmmmmm mmm
Na pra$a da Independencia loja de ourives
n. 33, compram-se obras de onro e pratae pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de
sinetes para cartas, tanto para servir com obreia
como sem ella : na rna do Aragao n. 12.
Furtaram do engenho Mussaml da comar-
ca de Goianna, na quinta-feira 10 do corrente mea
de margo, tres cavallos com os signaes seguintes ;
dous casUnhos e um amarello, castrado, troncho
da orelha, e esta crasado nos quartos, por isto tem
pouca sustancia, porm moito bem para arrodacio
de engenho, o outro castanho escuro, tero nma
estrella na testa, e um pbranco.do piador para
baixo, e o Diurno cardao, bravo per ser pai do
lote, todos carnudos, e o cardao bem feito e est
gordo bastante, novos, e esto ferrados : paga-se
bem a quem os entregar no Recife aos Srs. Leal &
Irroo, o no dito engenho Mussaml ao padre Luiz
Jes de Figutiredo.
na
Aluga-se urna pequea rasa terrea com quin-
tal, cacimba, etc., prego de 12* : na ra do Gazo-
metro confronte a fabrica. _______
Club eommereial.
A partida do club cammercial no corrente mez
ter lugar na noite do dia 25, anniversario do ju-
ramento da coastituigo do imperio.
. Francisco Lucio de Castro
____________secretario^___________
.4 quem interessar
O abaixo assignado solcita pela polica em ge-
ral qualquer pretengo como: passaportes, porta-1 ------------
rias, apprehengSes de quaesquer objectos; pela | Compra-se ouro e prata em obras velhas, pa
in esidencia portaras, passaportes, patentes de of- ga-se bem : na loja de bilhetes da Praga da Inde-
flciaes da guarda nacional e outras quaesquer in- dendencia n. 22.
cumbencias ;pelas repartieres fiscaes desembara-
I recisa-se de nma ama para cozinhar:
ra da Cadeia n. 12, primeiro andar.
COMPRAS.
- Comprase effectivaraente ouro e orata em
go de terrenos de mannha e de estabelecimentos ooras velhas, pagando-se bem- na rna larca dr>
quepor engao ou ignorancia de seus propneta-1 Rosario n. 24, loja de ourive "
rios estejam sujeitos ao rigor do flsc^-, pela capi-1 ------,----------------------^----------------------
taniado porto matriculas de carpinteiros, calafa-1 ~ compra-se um escravo cozinhcro que seja
tes, botes, canoas etc. Pode ser proourado no Re-1 raf> ro,)as'o e sem vicios : a tratar no sobrado-
cife armazera de molhados do Sr. Antonio Lopes jD- ra-
Braga, ra da Cruz n. 36;
Precisa-se deura criado estrangeiro, borneo
I peiro, e que afiance a sua boa conducta : na ra
' do Imperador n. 29.
RIJA I VEtU V DO
losarlo u. 39.
O propretario do hotel Traviata, achando-se dejencommenda etodoe qualquer concert
novo em seu estabeleclmento, e tendo feito nelle j Alugam-se dous grandeTTobrados com com
muitos melhoramentos, convida a seus mu distmc- mofJos para numerosa familia, novos e aceiados-
tosn-guezes, qoe se dignem de hnralo com suas comjardim.cochelra,estribara eoutras comrao-
presengas; offerecendo-se-lhes para reraetter co- didades.natravessade Joo Fernandes Vieira : a
: mida as suas casas com toda promptidao e asseio tralarQa rua daSenzala Nova n. 42.
pelo prego man commodopossivel: no mesmoes-
. tabelecimento ha buhares, sorvete e refrescos.
Uina pessoa bastante habilitada pro-
poe-se a lecci-nar a ligua portugueza e
francesa cm alyum enytilio ilu interior des-
O Sr. Luiz Cesar Pinto de Parias queira di- \& provincia ; (juera se qui/.er utilisar tlin-
ririr-se a rua da Madre de Dos, armazem entre ja-se a rua Direita n. 75, que achara com
Joseph l'radine
com sua familia.
retira-se para a Europa! ~Z"
quem tratar.
.los capitcies de campo
nnannarpeen nn da ''I Un rnrrpnle. da rata ilu
seu senhor, o escravo de nome Benedicto, cabra
escuro, com idade de 2o annos, leveu volido cai-
ga de algodo de listra, camisa de algodo da Ier-
ra, e chapeo dc couro de abas largas, tem altura a igreja e a botica,
regular, cheio do curpo, cabello a escovlnha,
olhos pretos muilo vivos, nariz e bocea regulares,
muito pouca barba uo cjueixo e um pequeo bu-
go. todos os denles, ps regulares, etc.: c c'e pre-
sumir que seguisse a eslrada de Goianna por ter
vindo da cidade de Souza, provincia da Parahiba,
ha 13 das, e foi comprado ao -r. Jos Amonio
Sffi i\qule^Sdc\Bo^n%nPn^ 1' if0 *ssinado- cm nome da mesa r(,8edora te'e depois dsse dia JePositaro as luantias.per-
51m ^Pn,Wi i dorare- convida a todos os irmaos desta confraria para no lencentes aqueles senhores credores que nao se
- gundoand "?afcrt XS'" ^ diarx,a feira' 2i do correnlP. ***S di \ apresentare'm no praso marcado.
W.jgan lo andar, que se gratificara com .>0*. tardo, reun.rem-se em nossa igreja, afim de en- Antonio Joaqun. Goncalves Fraga, subdito
m-se dinnelro a juros em pequeas quan- corporados.acompanharmos a procissao do Senhor
Na rua da Florentina n. 36, prepara-se co-
mida para fora por commodo prego.______
cr^o'u^vaT^rlr^it3'^11^ de um es"! Os administradores da massa fallida de Amo-
crayo ou escrava para carregar fazendas: na roa ; rim> Frilgogo> Sant08 & c. dec|aram que o paga-
mento do 1* dividendo de o 0/0 j annunciado por
do Hospicio n. 62.
Vencravel eoufrai a dc Sania Rila de Cassia.
vezes, ter lugar somente at o dia 31 do corren-
tias : na rua Augusta n. 43.
Precisa-se de urna ama que en^omme e co"
zinhe : a tratar na rua da Cadeia do Recife n. 40>
loja de relojoeiro.
No dia 21 do trrenla mez desencaiuinhou-
se um preto ganhador com um sacco t-om 23
cuias de farinha e urna arroba de caf, que deu-
se para elle levar no largo da igreja de N. S. da
Soledade da freguezia da Boa-Vista, e vinha em
companhia do dito preto urna preta de idade da
casa do dono dos objectos, e ella nao pide segair
c> paseos do dito preto : roga-se as pessoas a
quf-m for offerecido estes enjerto?, de toma-Ios "
fazer o favor de mandar leva-Ios ao stu dono, mo-
rador na rna de Joao Fernandes Vieira n*6i. ou
annunciar pelo Diario, que se pagarao as des-
pezas.
dos Martynos.
Consistorio da confraria de Santa Hita de Cassia
21 de margo de 1863.O escrivao,
_______________ Joao da Malta Beltrao.
Precisa-se de 700i sobre hyp"heca em es-
cravos : a quem convier queira deixar seu nome
e morada nesia lypograplua com as iniciaes
N. F. T.
portuguez, retira-se pora a Europa.
Offerece-se urna pessoa de bons costumes pa-
ra fazer lodo o servigo de casa de homem solleiro :
quem de seu prestimo se quizer utilisar dirija-se
ao becco do Veras n. 18.____________________
Precisa se^de urna ama para casa de pouca
familia : na rna da Cruz n. 21, primeiro audar.
na roa lar-
Precisa-se da uina ama do leile
ga do Rosario n. 26, segundo andar.
Aluga-se um sitio cercado,- com lgumaVar
Precisa-se de
Florentina n 18.
um cozinheiro : na rua da
O abaixo assignado faz sciente ao publico e
com especialldade ao respeitavel corpo do commer-
vores de frticlo, pgo d'agua doce, um telheiro nue Vo' qut ae'\,u ae ser soc' des=>""?- AUredo de Al-
serve de estribara, casa de pedra e cal, pintada Perqu Martins Pereira e Frederico Augusto
de nove, na Estrada Nova, perto do sitio d viova Velloso da Sileira na prensa de algodo sita no
Vilasecca, com quem podem enlender-se \orl do M"ttos'lue 1ae ^"1? sob rma J*!?1
------ .----------------------------------- de Alfredo de Albuquerque Martins Pereira & C,
o abaixo assignado tendo de tazer una via- [cando os mesmos responsaveis pelo activo e
gem a Europa deixa o Sr. Joo Francisco J
Traspassa-se a loja de barbeiro da rua da
Lnperatnz n. 63, muito propria para um princi-
piante ou outro qualquer negocio pela sua boa lo- c/ies, concertos de armas e outros trabalhos ten-
calidade : a tratar na mesma. denles a sua arte, os qoaes desempenhara' com
habilitada visto estar era sua companhia ha mais
de 6 annos. O abaixo assignado espera que seus
freguezes conlinuera com a-mesma benevolencia
ao dito Sr. Joo Francisco de Oliveira Santos, o
- pas-
ancisco de Ol- sivo da mesma. Recife, 18 de margo de !865.-Jos
Neira banto?, sundiio brasileiro, seu discpulo en- Teixeira da Costa.
Aluga-se a sala da frente do terceiro andar
do sobrado da rua do Imperador n. 32 : a tratar
na livraria da esquina d mesma rua.
carregado de sua otflcina de utilera sita a rua
Nova n. 34, que fara' orno de eostume as amola-
(irande sortimento le inusii: s
chepadas pelo ultimo vapor do Rio de Janeiro, e
tiradas das memores operas dos melhores autores
Jos Gomes Fonseca
imperio.
retirase para fura do
Precisa-se de urna ama forra de muito bon.-
cosumes para tratar de meninos, engommar e ou-
da Europa e da corte do imperie, entre ellas se E deka Z/PV nr na rua dos Guararape*.
aeham as denominadas
Familia imperial
Tomada de Paysandu
Eulr?ga de .Vutevido
Os voluntarios da patria, eic, etc.
Asim como um esplendido sortimento
c:s vindas de Paris pelo ultimo vapor
Imperador n. 53, fabrica de piano?.
E deixa por seus procuradores em primeiro lugar gohradn n ->fi
o Sr. Julio los Santos Pereira, em segundo o Sr.
Augusto Bertrand e em terceiro o Sr. Joo Fran-
cisco de Oliveira Santos.
Joseph Pradine?.
dc mus-
: rua do
Fugio no da 7 de margo, o escravo rrioulo
de nome Pedro, idade de 19 annos, poueo mais ou
menos, aJlu.a regular, um tanto cheio do corpo,
cor meia fula, eaneea iiequena, orelhas pequena=,
u, olhos pardo?, beigos grossos;est com urna cica-
triz no bei$o superior, nariz chato, denles separa-
do?, ps e maos regulare?, dedos compridos e sec-
O abaixo assigaados socios da lirma social
Alfredo de Albuquerque Martins Pereira 4
v.-ndo publicado nos Diwtos dos dias 21 e 22 do
corrente mez, um annuucio de Jos Teixeira da
Costa socio da mesma firma social ero qus declara co"?,'t7m raai^dii'sHMtriwrnma^no'p e
que de xou de ser socio da prensa de algodo, sita e ontra no p dire.to ua parte interna Xmas
no Forte do Mato que gyravadebaixo da referida manchas pelo rosto e pesco!, un mocoS"
^C.'a: t T- aSS'm 'mA flcava,ra S0^ale 1ue aprehender que.'ra reo he-lo a cadeia, u-
/esponsaveu os abaiw assigaados pelo act.vo e ticipando ao Sr. Manoel Domingos da Silva Jnior
Sr^&SSEirafT' VCal fdis. Pro'estf,oaem Beberibe, que ser generosamente
conira dito annuncio e declarar que, nao podendo
i: i socio de urna sociedade qualquer della rell-
rar-se e eximir-se da responsabilidade a seu arbi-
trio e sem mutuo accordo dos outros socios, o re-
linio Cista, nao poda como tai fazer um seme-
Ihante annuncio visto como nenhum accordo hou-
ve. a tai respeito entre os abaixo assignado?, os
rfjuaes consideram o dito Sr. Costa como socio e
recom-
pensado por seu senhor Manoel Elias do Moura.
Beberibe, 8 de marco de 1865.
Manoel Elias de Moura.
O bacharel Alvaro Caminha T. da Silva 2j
tem seu escriptorio de advjcacia a' rua 9
do Imperador n. 41, primeiro andar, on- 0
de pode ser procurado das 10 as 3 horas.
Em qualquer ontra occasio sera' encon- M
Irado na easa de sua residencia a mesma W
rua n. 3, junto ao Gabinete Portuguez. m
i Joanna Mara Mucil previno ao respeitavel
publico quo nao contrate, com o seu marido Fran-
l cisco Jos Duarte. Camargo, porque este se acha em
estado de nao ser valido qualquer contrato feito
por elle, e qu;m o zer passar pelo desgosto de
perder o seu dinhero e ben?. Recife 21 de margo
de 1865.
^ Piocuradoria.
>j Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
5 cede Leoo.como solicitador, se encarre-
|S ga das causas crimes, civeis, commer-
(M ciaes e ecclesiastira?. Elle ainda recebe
*V^ algumas casas de parado, mediante a
1 um ajuste razoavel. Pode ser procura-
B do as salas das audiencias ou na rua
Wk imperial sobrado n. 64.
i mmmmsm mmmm w.,
iO escrivao da fazenda provincial prgeisa de
urna pessoa liel para protocollista : na rua Formo-
sa n. 4.
solidariamente responsavel, Unto como os abai-
xo assignados pelo activo e passive de dita pren-
sa social, ca quanto nao fr dita sociedade le-
i;aJuiatedisolvida per mutua coawdata de to- >
los os supraditos socio?.
Alfredo de Albuquerque Martins Pereira.!
Frederico Augusto Velloso da Silveira.
----------------j,-------------------------------.^ I Llaudio Oubeux faz sciente ao publico que
Precisa-se de urna ama que saiba bem cos- em coosequenefa de estar-sa concertando a ponte
nhar e comprar: na rua Direita n. 112, primdro.da Tacaruna fica por em quanto enterrompida a
an(,ar- _________^_________________ I carreira do mnibus para Olinda; principiando
Aluga-se urna casa nova e fresca por prego novar"ente a dita carreira logo le a ponte fique
eomraodo na Capunga na primera entrada antes concertada._____________________
' tbegar S./^do Mapgoiqho ; i (rafar no nu-1 Prccisa-se de uma ama forra ou e*enn
mero 3 A. O rua do imperador n. 27. -
Cakeire.
Na ra Direita n. 82, precisase de um rapaz de
idade de (4 a 18 annos para eaixeiro de padaria,
I qne abone sen comportamento,
Precsa-se alugar uma escrava para todo o
servigo de uma casa de familia : na rua das Cru-
zes n. 9, segundo andar.
Compaahia fldelidaae a jg
segaros martimos e ter-
i'csirc estabelccida no^
Ro de Janeiro. "
AGENTES EM PEPNAMBCCO
Aaionio Luii de Oliveira Azevedo 4 C, >&
competentemente autorisados pela direc- ^S
toria da companhia de seguros Fidelida-w
de, tomam seguros de navios, mercado- Wt
rias e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1. mm
O solicitador Pedro .Kexandri-
do da Costa machado
se encarregaante ofrodestacidadedetudoque
fortendenteasnaprofisso,aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercilinediante razoavel ajuste. Contina
a scencarregardecobrangas nos termos do Cabo
elpojucaaondeconlinua atrabalhar como d'an-
tes.e encarrega-se dedefezasperante o jury nos
termosproximosa viafrrea,offercendo gratni-
tamenteseus servigos aos desvalidos.pode ser
procu-adotodososdias uteisdas9horas da ma-
nhaa as3da!ardena ruaestreita do Rosario n.
34, efora lessashora na rua Imperialn.36,ca-
sede^aa reidencia.
HaqaessobrePortugal.
MO abaixo assignado; antorisaco ifl2
IJanc o Mercantil PortueLse. e n.ausencia 9
jQ'lo Sr. Joaquim da Silva Castro.saca ef- 12
fectivamente por todos o.' paquelessobre m
aspragas de Lisboa ePoz.o, e mais luga- mm
gres do reino, por qnalquer serrma vis 8
ta, e a praso; podendo, o< que temaren- m
saques a praso,receberfBi-.ista,nomes-
Jmo Banco, descontando 4 0|0 aoanno: na 9|
Mioja de chapos da rua do Crespo n.S, ou om
na rua do Imperador n. 63, segundo an- I
Bjdar.Jos Joaquim da Costa Maia.
mmmmm mmmmmmmmm
Joo Jos Ribeiro Guimaraes, Portuguez, vai
a Europa.
O bacbarel
francisco Augusto da Costa
ADV6GADO
M
Rua do Imperador numero 69.
Jjs Domingues da Cunha
ra da provincia.
retira-se para f-
O abaixo assignado tem justa e contratada a
taberna .la no paleo do Carmo n. 2 com o Sr. Es-
tevao Rodrigues Fontes : quem se iulgar com di-
. .reitoa mesma, dirija-?: no praso de tres dias, a
:, conar fieta dala. Recife 21 de marco'de &65.
1 # Tfiomaz Jos de Oliveira.
Consultorio medieo-cirurgico na roa largado
Rosario n. 20.
O Dr. Joio Ferreira da Silva regressando sua
casa,contina em o exercicio de sna profisso
nao s na parte medica como tambem nacirur-
ca. _____________________
Orise eommereial de ITde
seterabro de 1864.
Acaba de publicar-se um inleressante escripto
sobre a crise eommereial do Rio dc Janeiro O Dr.
Ferreira Soare*, autor de diversas obras sobre
selencias positivas applicadas ao Brasil, acaba de
dar-nos com est publicaco mais uma exuberante
prova da sua dedicago'pelo progreso do paiz.
Tratase no ultimo escripto do Dr. Ferreira Soares
de demonstrar com os fados verdadeiros a origem
da crise eommereial de 10 de setembro de 1864, e
por tal forma consegue o autor os fine que teve
em vista que ainda em resumido esbngo, como elle
o diz, j se conhece a origem vcrdadelra dessa
eatastroptiw Chamamos, poi?, a aitengo dos es-
tudiosos para a ,'eilura do esbogo d? crise commer-
em S. Antonio loja de
ivrria popular, rua do Collegio n. 7 do Sr An-
tonio Domingues Ferreira, e em S. Jos rua Direi-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Paranhos.
__________Joaquim Jos dos Santos Barraca.
Aloga-se uma casa terrea na rna da Concor-
dia, tendo 2 salas, 2 quartos e quintal com cacim-
ba : a tratar na rua Nova, loja de ferragens con-
fronte a botica franceza.
Samuel Power Johnston & Compauha
Rua da vnzala Nova 4.
AGENCIA DA
Fuadlcao deLow lloor.
Machinas a vapor le i e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreips d carro para um e dous cavallos.
Relogios de oiiro patente inglez.
Arados-americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Alfonso Jos de Oliveira, professor jubilado
da cadeira de geographia e historia do ex-lyco
desia cidade e competentemente autorisado pela
directora geral da instrucgao publica para ensi-
uar primeiras letra?, latim, francez, rhelorica
Comr>r3-se cobre, bronze e firro ruado ve
Iho : na fuodigao da Aurora, em Samo Amaro.
Cumpra-se ou aluga-se um escravo que sirva
para todo o servigo : a tratar na rua da Coneor-
dia n. G4, padaria dogaz.
Compra-se uma mobilia de amarello : nc
corredor do Rispo c. 9.
YENDAS.
e cosinha fra, quintal murado, cacimba s<
K&rra^t fiaTsfs asa?*"tK* iy^Mph:a m
ALMANAK.
Acaba de ^ahir dos pr-
los de nossa typograpLia o
Almanak Administiafiyo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at, 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Vende-se melade da casa terrea n. 86 da rua
de St Rita, com porta e janella, 2 sala?, 2 qoarlos,
quem
gundo andar,
temos.
e recebe alumnos internos e ex-
Salitre
-Na roa do Queimadon. 37, leja de ferragens, de
Domingos Jos Ferreira Guimaraes, vende-se sali-
tre refinado por 2a# a barrica de 4 arrobas, ou a
640 a arroba s a dinheiro.
Os Srs. academices que ?So matricular-se
no terceiro anno da Facoldade de Direito, podem
dirigir-se a ruada Saudade n. 9, fronteira a do
Hospiio, onde se Ihes vender o'compendio Jde
direito civil ai as 9 horas da manhaa, e das 4 at
as 6 horas da larde.
Tinturara
Na rua Direita n. 116 conlinua-se a tingir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.
A higa-se
umacasaacabada agora, com commodos para fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos.com banho na porta, no lugar do Pogo
daPanella.ruado Rio : a tratar com Tassoir-
mos.na ruado Amonm n. 35.
Aluga-se a casa terrea n. 105rda ruadeSan-
a Rita : na rua da Aurora n. 36.
Vende-se um sobrado de um andar ha pouco
reedificado na rua de Ilortas em frente a travessa
de S. Pedro : quem o pretender comprar dirija-se
ama do Hospicio q41, ou ao Forte do Mallos,
prensa n. 22.
Veude se urna taberna
na Casa Forte n. 8 : a tratar
13, ou na mesma.
com poucos fnndo?,
na rua da Praia n.
Phosphoros.
Na loja do rival sem segando, rua do Queimado
ns. 4 e- oo, chegou uma pechincha : duzia de
phosphoros de seguranga a 120 rs caixas de pen-
OBe inglezas muito finas a 500 rs.; estes dousTar-
ugos sao pechinchas por seren de qualidades su-
periores.
Na rua do Jardim n.
aceio o perfeigo.
20 engomma-se com
Desde 9 de dezembro de 1864 que est au-
sente da casa de seu senhor o escravo Herculano,
cabra, idade 40 anno?, alto, cabel.'os carapinha?,
rosto descarnado e comprido, olhos e orelhas pe-
quenas, nariz chato, barba pouca, tem apenas bi-
gode e pera, perna esqnerda de qoeLra mangue e
o pg desse lado lorio que o faz andar como cam-
bado, suppoe-se andar pela Casa Forte amaziado
com uma mulata forra, baixa, alvacenta, que pa-
rece maluca : qnem.o pegar leve o a rua Direita
O- 54, que ser generosamente recompensado.
.\Tuga-?e a casa n. 29da rua do Pires ; a
chave acha-se na rua da Cadeia n. 26, esquina do
beccv Largo, onde se trata : esta rasa tem com-
modos para familia.
Precita-se de uma casa com sitio ou sem elle
proprio para um mogo solteiro, prefere-se na So-
ledade ou suas immediagoes : quem liver dirija-
searua da Cruz n. 54, armazem.
Na rua da Cruz n. 38, em casa de Mills La-
tham A C vende-se :
Cha.
Oleo de linhaga.
Folhas de Flandres.
Sellins e silhrjes inglezes.
Cerveja appinall.
Dita Bass.
Dita John I>fpry C.
E nm plano com pouco uso.
Quem precisar do um rnulatinho para servi-
go interno ou externo de uma casa, ou mesmo pa-
ra vender na rua, do que tem bastante pratica, di-
rija-se a roa do Brum n, 8i.
v 7 De!*lera do ,llra- Sr. juiz da irmandade de
i> S. da Soledade da freguezia da Boa-Vista, con-
vido todos os seus irmaos a se reunirem em mesa
geral no dia 29 deste mez, pelai 4 l|2 horas da
Vende-se um bonito faqueiro novo de prata
e duas grandes salvas : na rua da Praia n. 9.
NICO DEPOSITO
DE
Pao e de ceslas em Pernambueo
Rna larga do Rosario n. 3.
Este estabelecimento nico nesta cidade, sonido
deumtudoquedesejar-seemobrasdepalhisede vi-
me.acaba de receber da Europa os econmicos bergos
volantes de todcs os tamaitos para recem-nasci-
dos, ditos paa bonecas de menina?, balaios de
meninos aprenderem a andar, ditos com tampa e
sem ella para costuras grassa?, ditos com tampa
para arumar ronpas de passar dias fora e conduzir
jaman ?, ditos grandes e menores para deposito de
ronpa soja, ditos para ajuntar papel rasgado, dilo?
para costura de meninas e cestinhas dellas enfia-
rem no brago ; bandejas de vime para roupa em-
gommada e para tlores ; cadeirai para senhoras e
meninas viagarem nos vapores e rerreio nos terra-
gos, condegas e agafates brancos e pintados de to-
dos os lmannos, balaios e cestas das compras no
mercado : continuamos a fornerer sortimentos
deslas obras, as pessoas de fra que nos honran
com os seus pedidos, certos de que os pregos sero
os mais razcaveis, por muito carecermos da protec-
gao dos nossos freguezes e amigo?.
Aenco
Antonio Duarte Carneiro Viarraa scientifica ao
respeitavel publico, e-especalmente aos seus nu-
merosos freguezes, que acaba de abrir um novo
eslabelecimento na casa n. 22 da rua Nova, situa-
da entre o seu antigo armazem de ferragens e a sua
bem conhecida c popular loja da exposigo de can-
dieiros gaz, existindo entre as tres casas espa-
gosas coramunicagoes, de maneira que facilitam aos
compradores munirem-se coinmodamente dos ob-
jectos diversos de que precisaren). Alm do eos-
tomado e variado sortimento, que o respeitavel pu-
blico sempre encontrn, e continua a enontrar nos
seus eslabelecimentos, achara no qne acaba de fran-
quear uma mullidc de objectos de Juxo, posto e
utilidade, das mais afamadas fabricas e Franca,
Inglaterra h Allemanha, para as quaes continuar
sempre a fazer encommendas especiaos; e sendo,
como fastidioso numerar os muito e variados
artigos de cutellana, topegaria, cristalaria, de me-
taos finos, de porcellana?, etc., etc., deixa de o fa-
zer, e convida ao mesmo publico, que veoha visi-
tar os seos mencionados eslabelecimentos.
Attenc&o.
Loureiro Santos 4 C, acabam de receber da Eu-
ropa pelo vapor, am lindo sortimento de enfeites
preto?, proprios para a quaresma, enfeiles ainda
nao vistos em Pernambueo, pelo prego de 5, 6,
10,5, 125 e 20$, hemeomo grosdenaples preto, mo-
reaotiq, capas de grosdenapie?, e soulhambarqaes
do mesmo ; tudo por pregos mdicos : rua do
Crespo n. 14, junto a loja de longa.
cial do Rio de Janeiro, que se acha venda na li- tarde, afim de elegirse o thesoureiro qqs lem de
vraria econmica, roa do Crespo o. 2 itefroote do servil- no corrente anno.O escrivao
arco de Santo Antonio. j JBDar0 G- Monteiro de Andrade.
Vende-se
A melhor taberna da roa de S. Miguel nos Afo-
gado?, com poucos fundo?, na mesma lera um ran-
cho bem montado para sertanejos, com urna nume-
rosa freguezia, e deixa um resultado que e
acredita mpsiraodo se a quera prelender.
*


m
Diarlo de pcruaiubuco (ulula feira 93 Je Marco de 1
_____________________'_____________i_____________________
Sflo.
Attenco.
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
urna duzia : em casa de Jobnsion Pater & C. ra
do Vigario o. 3. ______^__
Queijos
o melhor que ha neite genero a 25 cada um e ce-
bolas a 15 o cento : no antigo e acreditado esta-
belecimento junto esta typographla n. 42.
Legames novos a G,40O rs. a arroba-
a padaria atraz da fundico do Sr. Starr ven-
de se ervilhas verdes, ditas amarellas e descasca-
das, lentilhas e sevadinba pelo prego em sortimen-
to de 65100 rs., e conforme fr a poryao (az-se al-
gura abatimento. ________
Vendem-se moedas portuguezas de ouro de
15000 : na ra Direita n. 24.__________________
Jumentos.
Vende-se um lindo casal de jumentos, de bella
raca, grandes e novos, proprios para a conservacao
da mcsma rac.a, o crusamento, do que se colher
magnficos machos e muas para carros e cargas,
cuja jumenta est grvida ; assim como urna lin-
da jamentinha com pouco menos de um anno :
ver e tratar com Jos Pereira Cesar no sitio Pi-
rauuyra, arrabalde da villa do Limoeiro.
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
d>> Gunha, a tratar com Tasso Irmaos.
Cemento romano
e de Portland : no armazem de Tasso lrmos.
Vende-se a taberna da ra dos Acouguinhos
D. SO : a tratar na mesma.
SALSA PARRILUA DE AYER.
Transcrevehos aqu alguns
dos muitos aitestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer. t
RliOHkuaisuio.
DE JOAO JOS DOS SANTOS.
Ouro Prelo.
Sals-i parrilha de
Brhtol
Pitillas de kemp.
Vende-se na pharmacia de Pinto, ra larga do
Rosario n. 10.
DE PEPSINA!
[oiGESTIVAslfHfil
DE WASMAN
LOJA
DO
BALOI
DE
AZEVEDO & FLORES.
As pastilhas digestiva* com a pepsina de Was-
man, empregao se com successo ha j alguns
anno* pelas celebridades medicacs de Pars,
t Soffri rheumatismo por mul-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
Solvi-me a comprar um frasco C fazer USO Londres, Vienna, etc., em todas as ineommodi-
d'ella ; e ames de concluir o primeiro fras- * . I._: r i- mn:<- Ioi-qI imperfecta ou mesmo mpossivel eis o melhor
co, achei-me forte e sem sentir a mats ie\e; recio para cmii as
dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
lava affectada d'esse terrivel encommode
que roubou-me tantas noiles de somno.
Erupees, borbulhas pstulas,
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO Slt.'JOO PAULA DE ABREU E SOL'ZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Gantralftlaa.
Mnprpalaa.
Embararon (ulrlrsa.
A saatrlte.
Aa aneccoe* orgni-
cas do estomago.
Dlarrhcaa e a constt-
arao producidas
pelas elakarafca
defectuosos do ali-
mentos.
Em todas as molestias empregSo-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e plmente as pastilhas de Vichy. Esse meio i %6
efficaz qnando se trate de dispepsias de curta du-
Francisco Jos Germano
RA NOVA !. I,
acaba de receber um lindo e magnifleo sortimento
de oculos, lunetos e binculos,
apurado gosto da Europa.
do ultimo e mais
ilTCMW
Vende-se a casa de molhados na ra da Impela-
triz n. 3 por seu dono ter de retirar se para a
Europa a tratar do sua saude, tem commodos para
familia, e faz-se todo o negocio : a tratar na mesma.
Soffria mais de dOUS annos de uma; raco, mas o prolongado uso das aguas epastilhat
erupcao sypliilitica em todo o corpo. mos S^ffeWSr^effiWS
trando-se sempre com mais violencia na ca- manera qne ines rrebihio a pane vivificante,
ra, prove muitOS medicamentos e COnsultei nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
muilOS mdicos, e eslava quasi desanimado, como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
,... j- -_- ...a. a ci nnvrilhn transforma-sc ao mesmo lempo que se eifectua a
quando vi os annuncios da Salsa pan Uta transformavao dos alimentos assimilhando-se
do Dr. Ayer : comecei a fazer uso u ella e com0 eics e ajud0 labcm como elles a nutricio
nos primeiros dias a erupcao aggravou-se, j ral. Sua aceito vivifica o sangue e os drgos
porm antes de acabar o segundo frasco ti- deulsoricque,athcaspcssoasquesemsoffrer as
nha o mal desaparecido completamente de I "a**8 easlricas ?-c,ma mencionadas sao .-
todo o corpo.
Ra da Cadeia do Recife n. 17, esquina que toIU para
Attencjlo.
Madapoloes francezrs (peca) 135, 1*5 e 155-
Chitas para cob'Tta a '120 rs. o covado.
Laas lisas un completo e variado sortimento.
Lencos brancos milito linos a 25^00 a duzia.
Ditos de esguio.
Um completo sortimento di .'.hitas largas de 300 a 300 rs. o covado.
Cambraias lisas brancas muito finas a 55 a pesa.
Aberturas de linho pregas largas.
Dias de algodo muito finas.
Bramante de uma largura.
Algoda da Baha para sacco. w
O B.lLiO VENDE
Madre de Dos.
V^s

Doctor Don Jos Valdes Herrera, pboffa-j
sor de medicina y cirl'rjia, subdelegado
em ambas as facultades del sesto dis-
tricto.Habana.
Certifico que he usado la zarzaparril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
mente fracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessilo substancial alimento para for-
tificar se, achao no emprgo das pastilhas pep-
sina de Wasman, um poderoso rucio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de Wasman din causa a se fazerem fal-
sincac5es e imilaeoes d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacao a pepsina que n'ella entra, jas
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenhio
LOJA DE MIUDEZAS
16RA DO QUEMADO16
tu (Vite de ca beca
tor v las considero como um porgante, cuya U^^!!^2!!^^^SSSS3Z'
.J i_ i Depositogeral em Pars, pharmacia Cnevrier,
accin ademas de ser segura, ha sido muy 4 Faubourg-Montmartre, eem todu as bou
ecaz en el tratamento de las enfermidades! pnarmacias de Franca e dos paizts estrangeiros.
que exsigeu el uso de los porgantes, y no| g |-B a ^
vacilo en recomendar estas preparaciones, i g |v7? 7 S:_
Y para los Dnes que puedan convenir doy "S- 2 o?r|gg^
la presente en Regla a 7 de seterabro de
1860.
Dr. ios V. Herrera.
Gscrophula.
ATTESTADO DO 1I.I.M. SR, FRANCISCO FEBBAZ
dos santos. Ouro Prelo.
Me acho ha quasi dows annos affectadoj
de escrfulas, e tendo soffrido tanto q'ue al-1

Paletots de caseraira prjtose de cores saceos a 9J, 10J, tl-5 e I2.
Ditos dj alpaca branca e preta a 4^, 45500 e o.
Cal?as de casemira preti de 8* a 155-
Ditas de casemira di cor a 5,5,8,5 o 10^.
Calcas de brim branco a 3-3, \$ e 55.
Cotletesde dito litode 25 a 3*500.
Ditos docasenira pre'os Galeas de prnceza para lulo a 15 e 55.
Geroulas francezas a 15600.
Ditas de linho com duas costaras superiores.
Camisas francezas de diversas qualidades de 25 a 55.
Ditas verdadeiras Inglezas.
Colarinhos de linho muito finos.
Ditos de papel a 10 rs. cada um.
Cortes da casemira de cores por precis commodos.
Ditos de casemira preta fina de 75 e 55-
Meas cruas-injriezas o melhor que ha a duzia 85-
Baloes de 20, 25 e 30 arcos a 35 e 35500.
Caroisasde flanella de cores de 3550d a 75- .
Os donos deste eslabelecimento encarregara-se de mandar fazer qualqucr obra de tnm
semira etc., para homens e meninas por pregos que admira ; aproveitem que o Baiao esta diaposlo a
bueimar, tt qner dinheiro I
fla?njfP''^n' ipt^i
e i-a-
a 13 s
3 !9 =
:iMaria,acabam'd7cieg7rpeio"ulu'mo vapor fran- fmaf vezcs j!^ que chcgo.a desinimar
cez os mais modernos enfeites de cahega a Maria, da vida e maldizer da minha infeliz sorle,
os quaes se vendem muito em conta, a 25, 35, 45, tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
55,65,75 e 85. ta cidade, e nenlium pode vencer j tenaci-
Cascarrilhas. dade de minha molestia, eslava tera espe-
Bonitas cascarrilhas de seda preta e de cores, rangas de recobrar a minha saude ; quando
cora differentes larguras, a 15,15280, e 15o00 a ultmamenle resolvi fazer uso da yfl/sfl par.
Ditas com duas cores, e de todas as cores di le- rilha do Dr. Ayer. Completa n-SC hoje)
rentes largaras, a 15500 e 15800 a pega. trinla e sete dias que comecei com esle
Ditas dius de la cora differentes cores a 15 e sant0 remedio, e tantas melhc-ras tenhoj
15-80 a pega. _. sentido que tenho conviego de em breve
_, ni a ..-*. >., recobrara minha saude, perdida ha tanto
Itiquissimas fitas de grosdenaple lavrado, boni- fpm '
tos gostos e de lindas cores do 3, i, e 5 dedos de if"v" ..
e
pega.
largura, a 15, 1*280, e 15500 a vara.
Ditas ditas de sarja lisa de lodas as cores e de
varias larguras, a 400, 500, 600, 15 e 15280.
Pegas ditas de sarja muito estreilinha para en-
feitar toucas, a 600.
Vaias de fila do gaz de todas as cores e lavra-
das de 2, 3, 4 o 5 dedos d3 largura, a 200, 240,
300, 400 e 50?.
Pegas grandes de tranca de lia, a 240.
Yaras de lita de laa de lodas as
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco.
* dem de gorguro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia.
> dem de gorguro de seda bordados com barra.
! Superiores moirs pretos e largos 2i00, 2!000, U, 3|800 i?, U, 6#,
jflL 7 e W o covado.
J Superior gorgueo dcseJa preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhola.
\$$ dem idem lavrada a $& o covado.
Cff dem idem lavrada muito superior.
" Completo sortimento de grosdenaple preto a I51300, 1,>800, U, ->o00, 3>.
3300, l#, 4^500 e U.
Pannos pretos de sopernr qualidade de 3^ a 12 o covado.
Casemira preta de 1-5600 a U o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de filo prelo.
Mantas pretes de fil e los pretos. .
E muitas outras fazendas de superior qualidade na li ja das Columua^
na ra do Crespo n. 13 de AntODio Correa de Vasconcelos & C. successores
de Jos Moreia Lopes.
CT litS
rale-
i
Syphilis e molestiasnerruilaes.
Do Illm. Sn. Db. Jacksoi'.
Medico muito conhecido as provincias do
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa pa-rilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphilis constitucional c sempre com os
ascores para de- mais feli/.es resultados; o melho> alleran-
brum de vestido, a 100. te que conheco.
BC0 preto. L.eucorrha e flores brancas.
Bonies bicos pretos de seda gosto muito moder-1 Temos cartas em que nos contam casos \
nos, a 160, 240, 320, 400, 500, 640,800 e 15- inveterados que foram radicalmente curados
Ditos diios de linho, a lOO 100 e 200. CQm um Qu dous fragcos d>esla Sasa
Labjnnllios \ rilha
dechroch iraitacaodos da terra ^de ous dedos | Q n5o nog permille tra.iscrever
ate um palmo de largura, a 15. 15280, is>ooo, z, i ,. r ,
-25-500, 35, 35500, 55000 e 75000 a pega com dez todos OS atlestados que possuimos las vir-
varas. itudes d'esle extracto composto de Salsa: ias e o xaora d hvdrocotyla asitica d*
Luvas de JoOvin. parrilha do Dr. Ayer. Hasta decorar ao 'jfSS^^TwS^^'^SmPt
Brancas, pretas, cor de canna e todas as cores, publico que tem Sido empregado na mais; ft\U, at ai mais inveteradas, assim como a lepra
para homens e para senhora, por 25500. je viote anuos pela profisso medi ,a tanto n morphea, a siphilis, h molestias escro-
Ditas pretas de seda, para homens e para senho- impricas enmn fla VnrAna e n nntw L0SA8> os Reumatismos chronicos, etc.
ra por 23 I aas Amencas como a hliropa, Sftn nunca neosit geral em Pars, em casa de FOURNIB*
Dilas"r.retas de Jouvin, para homens e para se- desmentir a sua alta rcpulacSo. iabelonye. ra Bor69*-Fi(te. 19.
Deposito i?eral em Pernambuce roa da
GRANULOS e XAROPE
D'HYOROCOTYLE ASITICA
de J.LEPINE
Kesulta pelas experiencias feilas as Indias e ea
Franca pelos mais afamados mdicos qne as GRAx-
nhora, yorm naa sao frescas, a 500.
Sintos e flvclas,
Riquisimos sintos pretos e largos com (velas
gretas e grandes, a 35 e 55-
Dilos ditos pretos e bordados a ouro muito lar-
dos e com Itvelas grandes a 55-
.Riquissimas flveltas para sintos dos gostos mais
modernos que tem apparecido, a 15500, 25, 35,
i-S o .!5; >ao as fivtilas mais bonitas que tem rin-
do a sta-praga.
A! lia des de pe i lo.
Biqoiesimos aflneies cravejados de pedrinhas e
madreperola do mais apurado goslo, a 15, 15280,
15WOe25-
Lt'qaes de Sndalo.
Bonitos I-a |ues de Sndalo de muito gosto, a 55,
65, "5 e 89-
Correales de relogio,
Prelas e de muito goto, a 15280, 25 e 25500.
Altiuus.
Para 12 retraas, 15600 e 15800.
Ditos para 20 retrato-, 25 e 25200.
ilus para 100 retratos, 65, 155 e 205.
Ditos de veludo para 50 retratos, 65.
JJitus ditos para 100 retratos, 85.
Varios objeclos.
Eseovas para dentes, 160, 320 e 500.
Du... para cabello, 000,800 e 15280.
Dius de roupa, 800 e 15-
Corrntes preta para relogio, 1 e 25.
Caadores de esparlllho, 60 e 120.
Varas de galo branco lavrado, 80.
Varas de Uta de relrjz preto, 120.
Bonecas grandes vestidas, 800.
Ditas queelioram, a 160, 800 e 15280.
Alflneies or-eios para peito, (5. 15500 e 25-
Rosetas pretas, 15, lfi.jOO e 25.
Pulseiras de continhas, 500 e 600.
Oius de aljfar, 15, 15500, 25 e 25500.
Yoltas pretas grandes, 15500.
Pentes pretos, !5*W e 2.
Booitas crazes com pedrinhas, 15 e 15600.
Perfamatias,
Garrafas de agua Florida, 15280.
Garrafas grandes d'agua de Colonia, 15'00,
15600 e 2#.
Fras |uiohos de dita, a 400, 500 e 800.
Ditos de Sndalo, a 15 e 15500.
Ditos de oleo pbeiocome, a 800.
Frascos com banha franceza, a 400 e 800.
Ditos com banha a extracto, a 15-
Copos com banba ranceza, a 15200 e I5'*80. %
Caixinhag de p d'arroz, a 600 e 15-
Sabonetes de bolla, a_.W.________________
~^" Vede-se ou troca-se por outra que cozinhe
e engomme, uma escrava de nagao, ptima nuUaii"
deira, que paga pontualmente por semana t>5000 ;
a traur na ra da Detenco, cata defrente do s-
bralo n. 13. Na mesma se vende nma enonlinha
mulata com principio de costura e labyrintho, de
idade de 9 para 10 annos, excellente peca para
memosear alguma noiva.
Para a cura radical de escrfulas e iffecces Cruzn.22 em casa de Caros & Barboza
escrofulos, syphilis e molestias syphi-
liticas, uleeras, feridas, chagas,
erupees cutneas e todo e
qualquer incommddo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TOMEM A
Colares Royer
ou celares anodines eleclricosconlra as convulses
das crianeas.
O bom e proveitoso resultado que as crianeas
obiem na deniicao. irazendo desses colares, bem conliecido/e por isso se tomara buje indis-
peusaveis porque assim teem os pas ncontesta-
4LWA PARRlLHt IK tYER. I velmente prevenido o mal: esses colares vendem-
A venda na ra Direita. ns. 12- 20 e 76; J0*"na rua do Queiraad. loia a'asila braQ-
ra da Quitanda n. 31 ; praca da Consti-'L
tigo, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pliarmacias e drogaras do im-
perio.
Vende-6e em Pernambuco:
aa pharmaela franceza de
P.MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
Agua florida e tnico orien-
tal de Kemp.
Conlinna-e a vender em porcao e a retalho :
na rua do Qaeiinado, loja d'aguia branca n. 8.
Bonitas trancas, franjas
e palees pretos para vessidos,
A aguia branca recebeu novameute um bello
sortimenlo de enfeites pretos para vestido?, sendo
bonitas trancas, franjas, gales e bicos pretos, etc.,
assim como boloes enfeilados de viilrilhos, e 011-
tros muitos enfiles de dilTerentes cores, conti
nuando a aguia branca na rua do Queimado !n. 8
a vender tudo isso por precos commodos.
Bonitas caixinhas
com musir e sem ella para costura, e outras
igualmente lindas com perfumaras finas.
A aguia branca na rua do Queimado n. 8 acaba
! de receber um bom sortimento de caixinhas para
e conti-
ATTENCO.
Vende-se no armazem Gaiantia da roa do Im
parador n. H, ceblanovas a 15 o cento e bata-
tas a 15600 a arroba e 0 a libra, e cama de por-
co de M*nas em iombe a 140 rs. a libra
PRELO
ibras: nos arniazen*
FOLIIIXHAS
Fara 1865
Acham-se venda nalivraria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
(Calendario civil e eclesistico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ADGIBFJRA contendooico.slu/a;?!^ finai'
. nua a vende-las baratamente,
mesmo que aquella e mais nma nova
Salve Rainha em versos, o Slabal Mater
de Jess, canlico em louvor doSantissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria Nos-
sa Senhora, trinla e tres chistosas anc-
dotas, am indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de uma
solteira (poesia), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, uma historia como
'muitas (romance), e vintecinco novase
pilhericas charadas a 320 rs.
Vinho Collares.
Acaba de ebegar de Lisboa o superior e
verdadeiro vinho de Collares, em caixa,
esta excel'ente qua'idade de vinho torna-se
recommendavel, por nao conter espirito e
ter a?radavel paladar* supeor ao melhcr
Bardeaux, sendo aquella
COMPENDIO DOLOROSO
que contm o oflicio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
rea, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devoco; ordenado pe-
la irmandade dosservos da mesma Se-
nhora que se acha erectana egreja deN.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S.M. I., que Deusguarde;
dado luz por devo?ao do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deM.issina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
"dirpraca da Independencia.____________
No armazem de tazendas ba-
ratas de Santos "& Colho
Raa do Queimado o. 19.
Vende-se o segiiinte:
Lences de panno de linho
pelo baratissimopreco de 25400.
Lences de bramante de linho
le um so panno a 35500.
Coberta de chita da India
pelo baratissimopreco de 25300.
Lencos decambraia brancos
proprios para algibeira, a 25 a duzia.
Pecas de bretanhade rolo com 10 varas
propria para san, a 35800.
Pecas de. cambraia
para forro com 8 1(2 varas a 256 0.
Guardanapos
de linho finos duzia 35o00.
Algodo entestado
com 7 1|2 palmos de largura vara 15-00.
Corles de la
cora lo covados a 65.
Cambraia adamascada
com 20 varas propria para cortinado peca 1I#.
Fil de linho
liso fino vara 800 rs.
Atoalhado adamascado de algodlo
coro 8 palmos de largura vara 25200.
Atoalhado adamascado de linho
com 8 palmos de largura vara 35200.
Liiazinhas carmezim raiudinhas
prspria para vestido de menina, covado 600 rs.
Laazinhas
de cores Anas covado 360 rs.
Fazendas para a quareema.
Grosdenaple, moreantique e ricas capas de gros-
denaple bordadas.
Esteira da India
propria paraforrarsalas.de i, 5 e 6 palmos de
larura, por menos preoo do que era outraqual.
qner parte.
Neste armazem de fazendas se encontrara nm
grande sortimenlo de roupa feita e por medida.
IIACH
de
trabalhar wo para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAS
Estas machinai
podemdescarocar
nualquer especis
de aigodao sen)
estragar o tto.
sendo bastante

r
0 VIGILANTE
nuil do Crespo o.
Ogallo vigilante tendo sido a^raciit'c peocoan
poso Oallisa, na sna o'rdem do dia, e pela Liant
Aguia, apesar de que, para esle.- o Galle nm sena
agudesespores nunca os oileiicier;-. acles os agra-
ciar na mesma conformidade, para ene o BaTu*,
possamarchar era frente, a Branca Apuia tossa
levanlarseu vo,|levando no bico .s palinhas sen
ninhoje o Gallo Acara em seu espajese can-pe
dando de novo o sea canto annunciando asees
bonsfreguezes c aorespeitavel publiro
0 grande >ortimen(o de objeclos tt mailngosle qt
acaba de receber.
Ricas caixinhas cora msica ricamente ti hHa*
dasp.iracosiura, prourio para um delicado me-
nino.
lli|iissiinoscofresnhos com cadt;.^t' e< roeiri
para guardar jo as.
lticas'Uica cono estajo, contengo odv t pe-
lences para limem.
Itiiuissiiiias rollas liiigindo.peroia.
Ditas com lacinlio de f.ia.
Ditas delindascores e preta, de it^ v. co.-
saras.
Lodosaderecos com Dedrinbc? flrgfii tu-
llanles.
Ricaslivellas para rinto, de ledas
i b'im gesio.
Ricos cintos do ultimo gosto dt Paii.
Grandesortimento de lindos eneltof ;
ca.aendode ultimo gosto e detcdc c? \:<
Mores muito linas para DOivas.
Luvasenfeitadase meias de sed?, rars i
Touquiiihas sapatinhos e rr.ei c"e (
baptisado.
Riquissimas litas de toda? as qoalii : ;>'<- *
50, cintos ecinteiros.
Gamisinhas e golinbas para senhori .
Riquissimosiarros e figuras rara frisn 'n,u o*
sala.
Grande sortimento de gravatinbastaii'.i firs se-
nhora como para honiem.
Luvasde pelica branca e de cerf?.
Gascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas.galao e maravilhas i-r; Transelins de cabellos e de rii 1 \ :<
l'apelamisadee de outras qualidade?.
Bolsas para viagem.
Entremeios e babadinhos delirdcs [>c<
l.encinhos de linho bordados.
Meias para homem, senderas, r (i ri
as.
Fitas de veludo lisas e c< ni n a!; n ( (t ;id.sa
larguras.
Thesourase caivetes de tedas as qca! 1 lia.
Grande sortimento de sabonete?.
Lindos vasos com banha para i !'. 1 .<..
Gafxinhas com seis frasquinhes.
Essencias de todas as qualidade?.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grsti
frascos quadrados egarralinha?.
Pomadafina de todas as qualidade?.
Superior banha em frascos e copos Qf
lamanhos.
Sahaoinglez em paos grande? e pe si 1
Eseovasie cabo de madreperola. n;
oso, para de ntes.
Peniesparadesembaracar.com frise i
; sem elle.
I Ditos de tartaruga e de rr.uilas t;:ir; s
des?.
Pentes de tartaruga para senhora
Lilias de seda e de aigodao, as.-:i, i ; nuiles
outros objeclos de gosto que seria i; 1 os-: -. cinar.quo a vistafarf, no t::. !o :;;ri,
rus do Crespo n. 7.
Yoiiiilus.
Lindas voltinhas de perolasfalsa: cen rcziiiha'i
lingindobrilhanti's, assim corroen,. 1.1; -.ilsss
.! IKS.
r. *!
-' frr
i es e?
: i 1 re
11 <:?.
1 .vic

duaspessoaspara e voltinhas, pelo barato pn-co ele i l^fO.as
o trabalho; pode cruzes a vals asa iOO rs. .- no Vi
em saceos de mais de 100
de Tasso Irmu.
5"
'mi
m
descarocar urna Crespo n. 7.
arroba de aigo-
dao em earcico
tra 40 minutos,
on 18 arroba?
por dia oa 5 ar-
robas de algodc
limpo.
igii
roa do
Assim como machinas para seren movidas por
anunaes, que descarocam 18 arrobas de algodc
limpo, yor dia; e motoras para mover urna, duas,
eutrss dessas machinas.
Os mesmos tora para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover" seisdeslas machinas
mencionadas; para o que couvida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zemde algodo, 110 largo da ponte nova n.i7.
Saunders Brolhers C.
\. II, praca do Corpo santo
BEC1FE.
Os nicos agentes ueste paiz.
jai
apaado.
Francez barrica 35000
i'oriland idem 85300
F.m perfeilo estado:
apreciave e til na presente eslaejto calino-
sa, emque osv.nhosaguardentados se tor-
Francez barrica 105000
Poriland idem 125000
No armazem de Tasso Irmaos caes do Apollo.
faterprctacao das leis
ron
Crrela Tclles.
Na livraria da praca da Independencia ns. 6 e
8 vendase p ir 25300 a Iheoria da interpretaco
particularidade das leis por Correia Talles.
Vndese
nam prejndlCiaes : vende-se no deposito, 0,truCoes para os servicos das guardas extrahi-
rua da Cadeia escriptorio de Leal Reis^ das dos reglamenos de'infamara e accommoda-
--------^~ ~i--------rane'..^. i tinin-io hn da?, a disciplina que se pratica nj "-xercito brasi-
Vende-se 160 frascos de tinturas no- leir's com a ttbcfta aas ontTnhcas: na livraria
meopathicas vindas de Pars ((i'Gatellan): da praca Ja indepeodcncia us. 6e8, a 15 cada
pa roa da Cruz n, 6 i. ejemplar.
r$>oo
SJ5'I0
CBD-ssascOO-i zr^1 a o o o
Q- 2 P a." w -j -i -
c os WM
Kfl O
2 a
3
V5 fi
C-* OS
r-
a. sj
O. CJ
-a -
^ 't
o
g>
a
JoOteS
o 3 w -a
1 9 7 as
v
' H.O.
- n -

o
u
^S8
2 3
2 = 35'
O ; Q,
oa M O
Francez barrica
P -rtan barrica
N1 irap c'iobaro do Livramente a) caes
il'Apollo._________________________
DROGARA.
31Rua larga do Rosario3-1
BaHIiolomen Francisco dcSoaza & C.
Vcuelciu :
Acido icetco puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Giurnicdesavelludadas.
Tinta hrancasup rior em lata.
Alvaiade Venoza, fino, em paes.
0 GASTELLO DE GRASVILLE
Traduzido do fi-ancfz per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo prego de 94500:
ua praca da Indopandeocia. livraria ns,
6 e8.
u
3
3
s.

rs
->
a
CB
? 5

3
O
a
as
O
J SJ *
o z> tk
O a ;
i 5
\i
B zr
- -_-
g
ce
a ^
a.
as
Leques.
Riqaissimosleqaes de madrepeuta tsit< [sra
senhoras como para meninas, peio baiie [rece
de 125 e U5; s no Vigilante, rua i. .icfi
n. 7.
Fitas de la.
Fitas de !aa de todas ps qualidade;. j. yf.tt r-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca : so do Vi-
gilante, ruado Crespn. 7
Ricos espedios.
Riquissimos ospelhos !oom me di ra repr?d|
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assfw n itn ttn
eslumnasde diflerentes tamanhos a S5, ':f'., tjf
e 65 ;s no Vigilante, rua do Crespo e. '.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e ^guras de porcelat fcra,
para enfeite de sala, sendo o melhor fosto e,i oacni
tem apparecido ; s no Vigilante, rua dr Ci p;
n. 7.
Para es de arroz.
Riquissimosvasos comboneclapara o 6t arrc
cousa de mnito gosto a 15300 e ". ass n ren-e
pacotess com os pos a 320 rs. cada en so no
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractes e l.ar;;.-. ima-
das, assim como de lindos copo? en vr,> rern ,ii-
tinctivos e offerocimenios as sil.Ilasii'hat i'i itc-
Ihores e mais afamados autores de VtrH < ir;:!
ra, assim romo os grandes ropos de taris j;; a 25 e a 15. a=sim corro futres rI > ri i ro
possivel por hoje annur.ciar, e virta iepce-
zes se far todo neeorio ; na li'ja de Galfi f i Ble,
na do Crespo n. 7.
S
Affua Florida.
Pr-ecos que admira.
Sapaiosde tranca superiores pelo bara;e pree;o
de 15 o par, e dzia 105 : no vigilante, rna do
Crespo n. 7.
Bico adamascado* de todas as larguras, a peca
com 10 varas, cada pega a 400, 180, 300 e 600
rs. : no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Colchetes em cartao de uma e duas carreiras
perfeitas, pelo barato preco de 40 e 60 rs. cada
carlio, e duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, a duzia a 152OO, 15600,
25,35,45 e 35.
Balaios propriamente para costura e para rruc-
tas.epara menina trazer no braco a 15300,15600,
15800, 25 e 25500.
Perfumara, macac_ perola a 25, 25200, 35 e
45 a duzia, oleo de maozinha a 35 e 65 a duzia,
banha a 35, 45 e 35 a duzia- Estes objectos se
vendem por adrairaveis precos em conseqnencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
] ceza, pois atTanca-se a pouca avaria e a boa qua
Para restabelecer e conservar a cor :.: ;t ra!
dos cabellos.
A agua nrda nao uma tintara, farro esse*
cial acontestd", a mesma agua dando a r6> prin<
tiva ao cabello. Com|osta de plantas exetiras
de substancias inoffensivas, ella tem a pn 11 < dada
derestituiraos cabellos o principio corante qne -
les tem perdido. D'uma salobridjide incentesta*
vel.a Agua Florida enirttem alimpeza da carrea
destroe as caspas e impede ds cabelles rabir
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetae s exe-l '. eii
constite poderosamtete, com a Agua lio;mv. a
(orea,a belleza e a conservacao dos cab.:..:.
m Pars, casa de Qnislaur n. 12, rua d< I iebe-
lien, eSl, boulevard Montmarre
Todos os frascos, nao tendo intacto p eliro. o
timbre prateado da casa, sao reputados':.
Deposito, roa do Imperador.pharmaei?. 1 38.
Goke co gaz.
Pltch do gaz.
AlcatrSo do caz.
Coke, tonelada 10*600.
Pitch, arroba 35000.
Alcatrao,caada 3(10.
O cok reconhecdamente o carvo n\. eertc-
mico,torna-se por isso rccorrnier.eivi. 1 ao re-
mo pelo accio que se nota as ra lobas ; re"?
elle usado. Pilche alcatrao, alem s ai.iirrrape-
coes diversas a qne se prestao, corr.o par.-vcalata
lar embarcac;5e, alcatroar madeiras, eit leec-
estes a propriedade de preservar do crrm, ter-
migas, etc. t entregue na fabrica dp ga:, "H man-
dado por em qualquer por.to^a CUc. srpnndoa
vontadedo comprador ? previo ajusie.__________
Vende-se uma varea ciiooln. paiida de [cu-
co, muito boa de leite : para ver o traU'y na ta-
berna defronle da capclla de S. Jos J> ttlm-
llidade"; s no palo vigilante, roa" do Grespo 7. guioho. ..,,

1
T
---r ---r


Diarlo de Pernaoibueo --- Quinta felra 93 de Mareo de 15,
&mrf&
AURORA BRILHNTE
GRANDES ARMAZENS
IMF
MOLHADOS
M& MMIM mmmwmmMvs
\ Largo da Santa)
roz ns. 12 e 8&,
(esquina da ra do*
iCeDo.
VIMOS
ESPECIAES
Largo da Santa>
jCruzns. 12e84,j
sesquina da roa do
sCebo. i
5& jtf'A.' '' si'tti.YSiessf
Ihanl^^'h?^""!10 acred'Ui 'anril i recber de sua propria encommenda, maitos gneros delicados
nranri k ila ., ou* iiupiia ouuuiiiuicuua.iuuiios gneros uencauus
'.in as so7,= t e e,s,?a. e tado grande sortimento comprado aqu, aflanga que lo-
dos as seus gneros sao de priroelra mialidade. 4 V H
para ajuste de contas aos por-
-------pnraeira qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base
tadores
Rriih,i?eD-ura 1armazm vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
modado ei JlP?l.5!."dllorAimenl? *lae tem> J mesmo Pr seu dono seachar encora
xlraa prima
barato.
- r. B'-n uiiinieiii que iem, ja mesmo por seu nono seacnai
sua saude ter de vender um de seus armazens agora, e o outro
vera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se
na pro-
comprar
, Latas com 8 libras de chouricas muito aovas
1 a 7*o00. '
Ditas grandes com peixe em postas inteiras
musde J2 qualidades, a 1*000, 1*380
191UJ.
Ditas com ostras, excelleole petisco para fri
gid-ir, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
Ditas com favas, a 6i0 rs.
{D.tas com ameixas a 1*200, 1*800 e 3*300.
(unas com marmelaJa do sumado fabricante
j*B Abreu, a 880 rs.
I A Ditas com massa de tomate, a aOO rs.
S^Ditueoa figos de comadre, novos, a 1*300,
Ditas com bolachinha de soda muito novas, a
i ')00.
Ditas com biscoitinbos ing-Iezes de muitas qua- J* f&m?m
i lidades. a IMf) "I10 ProU *3SEr
Dito uxim a 2*700.
Viuho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
fioaaa.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se1
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
Farioha.
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 5*000.
Caf. ,
Gaf do Rio muito superior, a arroba a 8*,
8*500 e 9*000.
Ca.
Cha, temos uestes gneros o melhor possivel,?
lula J.-.-, a 1*400.
Chocolate.
muito novo, a libra a
C'wolite superior
f, 1*100.
jjjSSMicarrSo, lalbariam e alelria araarella, a libra
*^ a 48) rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixa* com estrelinba, pevide, e outras mas-
, sas, a caixa 3*500.
Ditas lita em libras a CiO rs.
a,', libra a 360 rs.
evad ato para sopa a libra, a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
jjaOitM descascadas, a libra a 200 rs.
Y)' rapio.sa mano nova, a libra a 280 rs.
-'..nniu de araruta verdadeira, a libra a
m 300 rs.
ri5 Arroz d> Maranbo, era sacco, a arroba a
2i00 u a libra a 80 rs.
fbDit da India e Java, a arroba a 3*200 e a II-
"> bra a 100 rs.
Dito hyson muito fino a 2*300.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira quajidade a 2*500.
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Erva mate.
Escellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacete.
O masso com 6 vellas de esperraacete a 600,!
640 e 720 rs.
Passas.
Caitas de 16 e 8 libras de passas"novas pro-
prias para mimo a 4* e 2*500.
Kozes.
Xozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpista e painco.
Alpistae painc). a arroba 4000 e a libra a.
160 rs.
Cartas.
Cartas lio is para jogar, a duzia a 2*5 0.
Castanha>.
!*oucin) > de Lisboa a 90300 a arroba e a 320, Castanhas novas viudas neste vapor, a arro-
7*000 e a libra a
rs. a libra.
)ito de Santos, a arroba
260 rs.
I liaos com 123 ceblas grandes, a 1J280.
Vistar.la franceza, caixa rom 2 duzias a
8j0l)0.
m mostarda preparada em vinagre,
m
.I*) Frascos con
m a400rs.
'$? Diln* com e
onservas inglezas e francezas, a
6'Je80rs.
Jilos wm sal refinado fioo, a 610 e a 500 rs.
Ditos com a verdadeira genebra delarania, a
1J000.
0io< de 2 garrafas de Hollanda verdadeira, a
40 rs.
Blljai com dita propria para negocio, a
403 rs.
irrafoes com 2 galoes com dita, a 6*.
S^rvej boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
dazia a CjOOO.
finhe mscale! de Setubal, a garrafa a 1*.
Marrasqninlio verdadeiro, frascos a 80C rs. e
a 15200.
Uhampijac, a dazia 20*000, e a garrafa a
2*000.
Izeite refinado portuguez e francez, a garrafa
a 1*000.
Caixa de viaho Bordeaux muito superior, a
7*, 8*95 e 105 a caixa.
Otas com dito branco, a 7* a caix.
Ditas com dito lacrimas do Donro verdadeiro,
a 20*.
Ditas com duque do Porto verdadeiro,**
185000.
Otas com chamlsso superior, a 14*.
Ditas om Porto velln e outras muitas mar-
cas, a u*.
Vmli > do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 8 )3 rs.
I) 'o .! Lisboa muito bom. a caada a 3*200,
3*500 e 4*. e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Kijueira, das segaintes marcas (X )
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
4*509, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado cora o
rotulo do armazem.
ttitos de marcas mais descoahecidas, a cana-
da a 3*500 e 4*000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vmho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Jite de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
ba 4*000 e a libra a 200 rs.
Azritonas.
Barrs com azeitonas novas a 1*300.
M intriga.
Manleiga superior, a libra a t*00O.
Dita mais ab uxo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e raeios ditos, a libra
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Quejes.
Qoeijos novos viudos neste vapor a 3*200 el
3*500.
Ditos londrinos muito novos, a libra
1*000.
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 4*800.
Dito dito I i 7.0 de linho, a resma a 4*500.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
2*500.
Dito de embrulho, bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 2*000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, corainho
e cravo, a libra a 400 rs. i
Velas de carnauba. \
Massos com 6 velas de carnauba refinada a,
480 rs.
Atoendoas.
Amendoas cora casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duzias de boides de graia n. 97 a 2*000, ei
de latas a 1*000, e os boides a 240 rs. ca-{
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos fiaos.
Cbarutos finos dos melhores fabricantes da.
Baha por dtversos precos, caixas e meias!
caixas. -
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecinientos, que deixam de an-
nunciar-se.
'S.x
ATTENdAO
AO *^
NOVO ARMAZEM DE M0LHAD03
\. i**Biu-i do Cafcugn. 18,
Defroule da matriz de Santo Antonio.
DE
Lima & C.
Os propietarios deste novo estabelecimelo avisa ao respeitavel publico, que acha-
se prvido de utn completo sortimento de molhados e seceos, todos novos e por presos
oommodos. ^t
Os proprietarios nunca quizerara annunciar pelo jornal a existencia de sea estabe-
ie;im3ato ; porm, como az-e necessaria a noticia aos senhores de engenlio e agricul-
u es,que mandam seus portadores directos a esta ou aquella casa, motivo pelo ual os
propietarios o fazom agora.
Aproveitam a occasi,ao para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
aiiiitd se achara spmpre coiapjeto de um variado sortimento de molhados, seceos e oo-
tis objectos pertencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos serao menos 5 por cento do que em oulra qualquer parte, e para
este lim chama-se a attencao de todos em geral.
Os pesos e medidas, e qualquer engao dado na casa, serlo garantidos pelo dono
em favor do consumidor, em qualquer occaso que reclamar.
Os |)roprietarios deste novo eslabelecimento esperam dos seus freguezes, edo
publico em eral toda a protecc5o, prometiendo os proprietarios da Flor dos Progrn-
itt tirar tito smente um lucro razoavel do laborioso trabalho, com que possam dar
cumprimento a esta ardaajBiss5o.
Adiando desnecessariu a publicaco dos precos minuciosamente explicados de
seus gneros, com o que geralmente todos fogem, pelo motivo nao somante de serenfa-
donho, orno tambem por nada valer, os proprietarios tm smente em vista entreter es
sem consumidores com gneros novos, e precos mais razoaveis do queem outra qual-
quer parte, pois serSo as garantas para a proteccSo aoJVano Armazem de Molhados.
FI.HR DOS PROGRESOS.
Laboratorio enologioo e chimico de F. P. Lebeuf e 0.
rta Montijiartre, 31, em Pars.
Fabrica em Argenten!!, prs Parla (Franca).
BONIFICADO E FAC4(l\e
Dos tinto, agaaTdeites e tieorts.
VINHOS.Imltago dos vanos de jodas as
qualiades, Extracto da Medsc, dose para 230
litros, 1 f. 23,de Bordeax, 2 f., de Pomard, 3
f.,de Lisboa, t f.,de Cataln, 2 f.,de Porto,
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 2.5 ou 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e todos os outros. A dose nara
500 litros, 50 /.
CLACIFICACO.-Ps Inglezes, pos dos vinhos
da Hespanha, da Franca, etc. A libra para 500
litros, 5 f.
COLORACO.-Purpirigine
vinhos braceos e vinbos claro

NEM COROAS NEM MITRAS
E
para colorear os
As duas libras
AGUARDENTES.-flsseoeia de cognac para dar
as aguardustes ordinarias o sabor e o aroma de ;
cognac. A garrafa para 100 lros, 5 f.
KtBSCH E ABSIN'THO. -Esaencia de kirsch e
de absintfio, para os fazer com alcool e agua. A
garrafa .para 100 Juros, o f.
LICORES.Extractos para fabricar se lodos os
licores condecidos som fogo era alambique, (in-
dicar-se os que se deseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES Para fabricar-se os licores Gnos ou
coramuns a dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho des
vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., s5o
fabricados de encommenda.
L'TEXCILIOS de laboratorio e de chiraica.
e engaado nossos
GRANDE
ARMAZEM
DE
1*7
para 500 Hitos 10 F"
Aiguns de nossos agentes tendo falsificado e imitado nossas preparacSe
freguezes, deve-se exigir sobre as rolhas e rolulos as inlciaes F. V. L. Pars,
0 modo de.usar-so 4as preparaeesKha-eeindicado oo reale.
a ^ 0flc:>m'niQda5 davera ser acora^anhadai por urna letra sobre Paris ou aoalquer outra cida-
?ie,niemB5*J iU. S31"^1* Pr ami M* onheciJa.-Djfigir-se aes Srs. Leteuf & C. chiraicos.J roa
Montmirtre, n. I, era Pars, ou.a su i fabrica em Argeoteml, prs Paris.
Veade-se na botica franceza, ra do Imperador n. 38.
RA jBO IMPERADOR W. 40
Jinto ao sebrade em qne mora Sr. Osbarne,
Dnarte Almelda &. c receberam de sua propria cuten n co-
da o mais lindo e variado sortimento de molhados. I rt i rk
da presente csta?o.
Mauteiga ingleza Ma^as braneag
da safra novavinda no ultimo vapora l.oooj para sopa a melhor qoe se pede defrjar,
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Mantelga franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
KtO rs.
CONSULTORIO MEDICO-CIRIKGICO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
1IEDICO. PARITIHO E OPERADOR.
3 Kua da Gloria, casa do Ftindao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres hgs os das das 7 s l
floras da manuSa, e das 6 e meta s 8 horas da noite, escepcao dos PJiarmacia especial homeopatJiied
No mesmo cenaulterio ha sempre o mai appaaBriade sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim oomo tinturas de varias dymnamisatf&es petos preces seguintes
Carteir.as4e 12 tubos grandes. 120000
de 26 tubosgrandes. i 18#0G0
* de 36.tuhosgrandes. 24000
de 48 tubosgrandes. 3O,JO0O
de 6G.ti*bos grandes. 35^000
Prepara-se qualquer.carttira conforme o pedido que se fizer, e com os remed
[Or se mr. *
Um tubo avulao ou frasede tintura demeia oca l^ooo.
Sende para cima de 12, distarlo .s prepos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos.cada um a 500 ris.
LIVKON.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina ,M0meopathico do Dr. iahr
dons grandes rolomescam dicciwtario....... 20I00G
Medicina domestica do Ikr. Hering, .......... \ lOjJOOO
Repertoriode Dr. Melle Meraes.........'.." .' ." 61000
Diccionario de;termos de medicina ...,.'..,,'.. 3)JO00
Os remedios deste estabelecimente sao pordemais conhecidose diapensamportan-
to deserem noyamenea-eoanendados aspessoa* qye quizerem usar de remedios ver-
dadeiros,energicos e duradores: ha tudo do melhor tjoe se pode desojar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis oela sua boa conseiwaoo, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanto a maior ener-
ia i certeza em seus effeitos.
Casa de saiide pira escravos.
Recebe-seescraves para tratar de qnalqirer^nferaiidade ou laner-se-lhe qualier
operaco, para o que o annunciantejulga-sesuficientemente habilitado.
Otratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cajo eonceito se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
toentes.
Paga-se2-5000 por dia durante 00 dias e d'ahiaalante 1^500.
As operafes serao previamente ajustadas, se ni se quizerem sujeitar aos precos
azoaveisquecostuma pedir o annunciante.
F4BRIC1 DS CHPEOS DE SOL
Amendoas
twj/eitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Araeixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1,5300.
Chocolates
de todas,asqualidades a 10000 alibra.
Presuntos inglezes
dosmelhoresfabricantes a 800 rs., tambem
temos velaos para 500 rs.
Queijos mmsm
chegados neste ultimo vapor a 2,56oo.
Qaeijos
egados no ultimo vapor a 20600 cada um.
. Oueijo
londnnoo mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 00 rs, aretalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ricamente douradas
proprias para mimos a 900 e i0200'
Cha uxim
o rneibor que se pede desojar, aue nutro
qualquer na pode vender por Enf X
30 a 206UU. menos de
dem perela
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hjsson
o mais aromtico que tem vindo ao mmm
mercado a 20600. D0S&'
Massas araarellas
PT80fiOrsa'alTra"5O'ta,harm e a,etra '
COWAC
omuito afamado cognacPalBrandv a 4 s
rs. a garrafa e de outras moitas quaida
des a 1,00 e 8oo rs. a garrafa
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo r< 9
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada om.
PAPEL
almaco greve, peso e de outras muitas qua-
jjdades de 2,2oo, a 4,5eo a resma do me-
Papel de botica
de excellente qualidade a 20200 a resma
PAPEL
bra.
i 11 X*\ i e Cabng u. ti.
A liri-,t.).'ii djtae Mtabslecnento o man impwtimte que existe neste gerero'
as provincias do norte do imparto, querendo que o publico desta proviocia goze "das l^a'e pardo para embrulhonV l inn 9 9
vantagens que proporciona a fabricaco em grande escaia .e directa relafao com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resbeu-se a vender anda mais barato
do que do costme como demmslra a seguinte tabella :
Descont em dazia.
20 /o
10 /o
15 /o
15 /
15 o
Chapeos de sol de panno a 20000.....
armacao de baleia a 20500 .
de seda armac5o de a?o inglez de 20 pollegadas
40, de 24 50, de 26 50500 e de 28 60......
Chapeos de sol inglezes a balao -12 varetas," cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 90, e de 28 100.
dem idem a balito de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26120, e de 28 130 : .
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam de alpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes sato lao vantajososcomoosannunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, cutilaria fina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-seigualmente em porco e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
lhar pelo preco que o estabeleimenlo retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia sero considerados como
a retalho.
rs. a resma.
Corinthias
Tumo
macarrato, talharim ealeiria a 4t
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas atre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Ideal de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. ,a carrafa e
20$Jtf> a cajuda.
Idm do Porte
fteeaMos ftgarrafed* 4s rnemes $ ri-
cantes da cidad* do tortea 14 e 4d00
a garrafa cas sle as seguinles: Ctamisso Filio
.4c H., Neetar ou vinho dos Deuzcs
laptoos Doure eoutros mntiot.
Latas
com 10 libras de fcanha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* a
'Oervejas
dos melhores fabricantesle de todas as mar
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maraph a100 rS..a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
a?Jk Wrte doR0 de ^eir a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
arrafoes
com 4 i garrafas com vinagre a 10000 tom
o garrarato.
GEKEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo agroza
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a cixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto deLamego a 52o rs
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooe, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 5Co rs
a libra e em caixa ter abatimento.
. VELAS
cafa^3/ em Ca'ff de arreba a 9'3oo *
caixa e 34o rs. a libra.
MfMfe *- ^ k- ASSUSSta e 60 .
$m
mm

[Chales de renda preta e bournus deguip preto
A' leja da roa do Crespo n. 17,

DE
JOS 0]IES VILLAR
wm
Vende a Hf.MA 30*, 40J, 50i e 05, capas e casacoes de gros pretos, chapeos ^^
e ohapelinas de palha e outras raaitas fazendas proprias para a qaaresma. ^^
Jos Gomos Villar pretendendo ir aHuropa tratar de soa saude espera que seus
.de ve teres tanto do mato como desta praca saldem seus dbitos quanlo antes.
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito Iva a 4,ooors. a arroba e 16o rs. a libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na ra do Imperador n. 40.
Vinagre
Cebollas .ms;:
Alpisfca o Painco
o mais novo do mercado a 1 Idr a libra
e 404OU a arroba. dl*^-s. a nora,
CEBLAS
mma0don?aS7a H&'^'Wiifl^
go1rCamorUn.9OmperadOrn-40efar-
CRiO DE BICO
mu.to novo a 30400a arroba e 140 rs a li
bra na roa doQaelmrdo n. 7 ua d'"
\iutuo stiisso
muito fresco a 800 re T-u
Queimadon. 7 "a.L?- "* *
largodocarmn90lmperadorn-40
a libra.
Paasag muito novas
em quartos e jnteiros a 20 o quarto e CIq
a caixa e 400 rs. a libra, *
Chocolate
sejaraSOOrs aj1brael40rs.opo.
a 600 9 A1!!" da-e,s" 0lba
*0 o caixae.
GOMMA
em paneiros de 1
WUITO NOVA
robae i4o7s" 1 Hh"rbas a U a ar"
atSr**?fit
i... a ^ACHINHAS
em te de defferentes qualidades a lsco
0 VenhMni Pri.ei,.! r. d. Inferior 40
FARELLO DE LISBOA
Maro, H verdadeiro mat Mw ^ .
na u oto Imperador n. 40.
mmm os modernos chiles de
FILO PRETO.
Superiores chales de fil preto chegados pelo uliimo vapor francez a
toja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconce-
los & C
DE
DE
J. VIGNES.
,ua sape'rK *** ^ ,
sasAa tasb sA&^P^'^^^i^
aunca alhar, por seremhbS^s SiSSST ??tZ $*deS "P*88 PristassT
tissimo* para o'cliaa ieslSTwJSWSls m^lolwS^*!*6*^6"'06 P"-
veis aos ouvidos dos aprecadors. melodiosas e flautadas, e pe, lst0 mait0 lpida.
SmaSf^^ *-. 4 Par, d.
Ni mesmo estabel* imuto w STiSeS Sd,^f ***&*
melhores autores da Europa, assim como Sonaos n?nn^ L22? W*1"8! uh o
precos commodos e ramavSS narmomcos e pianos harmomcos, sendo tnde vendido po
- I

S


Diarto de PernaaiHC* Qnlnta felfa t2 de Mareo de 1SS&.

.
-

-
,\
Atten^o.
Fazendas flretas para a qiaresma p*r
par baralissiaio prego, aa toja e ar-
naxeok 4a Arara, ra da Imaerairiz
n. 36.
Lonrenc-o Pereira Mtndes Guimarts.
prjpnetario desta estabeleciinrato retira-se
para a Europa a tratar de sua saude, porra antes
de retirar-se pretende fazer urna liquidagb de ba-
baratissimo prego para feehar contas ; agora fre-
guczes veode-se grosdenaples preto muito bom
para vestidos, a 1*600, 2* e 2*300, dito de 5 pal-
mos de larga, a 3* : aa ra da Imperatriz loja da
Arara a. 5o.
lleuraatlqae preto a 3.
Vende-se meurantique preco para venido a '15 o
covado, grosdenaple muito largo e encorpado a 3*,
2&iX), i& e 1^600 o covado, alpaoa pret para
vestidos e palitos a 500,600, 700 e 800 rs. o cova-
do, sarja de la para vestidos, calcas e palitos a
tii'J e 00 rs. o covado, la preta para vestidos a
640 rs, bombazina preta para vestidos a 15280 o
covado : ra da Imperairiz loja da Arara n. 56.
Ricos vestidos a Mara Piaa 120.
Vendera-se ricos vestidos a Maria Pia a 105,
125, 1*5, i65 : roa da Imperatriz loja da Arara
a. 36.
Arara vende pecas de panntnho a 5$ e de
madapolo a 40.
Vendem-se pecas de panninno muito fino de 12
jardas a 55, veadem-se pecas de madapolo infes-
tado a 4* e 45300, veadem-se pegas de madapolo
da 24 jardas bom a 65, 75, 7*300, 85, 95, 10* e
125, vendern-se pecas de algodosinbo a 55, 65,
75, e 85 : ra da Imperatriz n. 35.
Arara vende os balos a 2^500.
Vendem-se baloes de arcos de todos os taannos
a 25500, 3*. 35300 e4*: ra da Imperatriz
n. 36.
Laziuhas da Arara a 3Ors. o covado.
Vendem-se lazinhas para vestidos de senlioras
e meninas a 320, 400 e 506 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 500 e 360 rs. o covado. cassas
tinas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz u. 56.
Chitas da Arara a i40 rs. o covado.
Vendera-se chitas de cores fixas a 240 e 280 rs.
o cov*lt, dita*, ffaacezas finas a 320, 360, 400 e
30J, preclara para vestidos a 500 e 960 rs. o cora -
do :' ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Li'iaidacao de soutamftaques e lazinha a
70, 80 e 100.
Vendem-se soutambaqties d lazinhas par* se-
nhoras a 75, 85, dita de alpaca branca a 105, ditas
muito Haas degrosdeasple-prAto a 205 235 e 305,
capas pretas de grosdenaple fino a 205, 235 e 305,
manteletes protos de grosdenaple a 205' e 225, go-
linhas para seahora a 1W, 320 e 500 rs., mangui-
tos com gola a 15. eamiziuhas para seahora, 25,
o 35, ditas muito Unas bordadas a 45300 : na loja
do oarateiro da Boa-Vista ra da Imperatriz loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 2^400.
Vendem-sa corte de'ditas cora 10 covados por
25lOO, daos de diu franca* a 3*200, cortes de
cassa franceza, una cora i i covados, por 35, ven-
dera-se pe^-as de cambraia branca lisa a 35500,
45500, 55300, 65 a 85 ra da Imperatriz n. 56.
Liqui Jacio de roupas fe'rtas palitos a 20.
Veadem-se palitos de bnm de cor a 25, 205CO ei
35, j.n|uetoes de bri pardo a 35 e 35300, palitos
de casimira bem taita a 35, 65, 75,85 a 105, di-
tos de panno preto bom a 85 e 105, ditos sobreca-
sacos de casimira de cor e preta e de panno a 125,
145,165 e 205, caiga de brira decr a 25 e 25500,
ditas brancas de lioho a 35500 e 45, ditas de ca-
simira de cor 45,65 e 85, preus a 55, 65 e 85,
coiletes de casimira de cor e preto, de brira de cor
a 15300, braocos a 25 a 205\i0, ceroulas feitas a
15230, ditas tinas a 15*00 e 25, camisas franca-
zas a 25 e 25500, ditas inglezas de pregas largas a
35, de liulio a 35 e 3(5300, colorinhos econmicos
a 640 rs. a Luia, ditos de linlio a 500 rs, um : na
ra da Imperatriz loja da Araja n. 56.
Arara vende as cobertas a 20.
Vendem-se cobertas de chita finas a 25 e 25300,
dita* de damasco a 45 : ra da Imperatriz n, 56.
E' na Arara que e venle cortes de casimira
preta a 30.
Vendem-se cortes de casimira preta para caiga a
35, 35300, 4550O, 05 e 85, ditos de cor a 35,
55OO e 6j : ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende panno preto a 20.
Vndese panno preto para caiga e palito a 25,
35, 25300, 45, 45500 e 65 o covado, easiraira pre-
ta tina a 25,25300 e 35o covado e outras muitas
fazeadas para liquidar : n loja e arraazem do
Arara, ra da Imperatriz n. 56. _____________
Fazendas pretas para a qua-
resma.
Xa loja do Pavo.
Acha-se este estabeleciraentocompletamente sor-
tido de fazeadas pretas propriaspara a quaresma,
a saber:
Grosdonaples preto largo e tnuitissimo encorpa-
do, outros inais estrenos teno dos precos de
15280,1*600,15800, 25, 25400 e 35, superior
moreantique preto a 35, superior sarja preta hes-
paohola, superior setim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soutembarques muito bem enfei-
tadds, ricas vasquiaas e casacos dos mais moder-
os que lera viudo, superiores manteletes, camisi-
ahas com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, ludo isto se vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parte por ser a di-
nheira : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do Pava".
Acha-se neste^stabeleci ment um grande sorti-
ment de roupas feitas para homem como sejam :
superiores paletots sobrecasacos da panno preto
muito fino e forrados de seda a 225, 255 e 305,
ditos forrados de alpaca a 145, 165 e 205, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de bnm de todas as qualidades, coiletes
de casemira pretos e de cores, velludos, setins
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos
anlnores mestres naciotiaes, manda-se fazer qual
AO PUBLICO
Seui o menor constran-
glmento se estregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ABMAZEM
ATTENCAO
O preces da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
A LEGITIMA
ALSAPAHffll

Senhores
reza com que serao
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Conceico)
PARA BEM DE TODOS.
es e senhoras, o aceio, que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptidao e intei-
ao tratados, convida a (fma visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e preferencia na cnm-
PREPARAM UIlEAtaTE. POE
,A\MA\ EEIP,
NOVA YQHK.
wr obra por medida: na oja do Pavao ra da pra dosjeneros que prec'sarem, e quando nao poasara vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam douco nrapfw" r xUHK
mperairiz n.60, de Gama & Silva. pots serao to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recoramendaiao, allm de oue nin van pm! P,os,la de s,lbstancias,
Chitas em caries com 10, li e 12 covades outra parte. v ,ue nao vaoem1Propneda(les eminentemenie
. parte
Xa loja do Pavao vndese urna grande porglo ,, ,
de cortes de chitas rncezas sendo claras e escu- Manleiga mgleza especialmente esccllnda a
ras todas de coresfl^as cora 10 covados a 35200,1 1,000 e 800 rs. a libra e em barril se faz
com 11 covados a 35600 e com 12 covados a 45,' abatimento
f^^S^^ffiSiSii 60 Me franceza a ais nova du mercado a 96o
Grande llqnidaco. rs* a llDra e 90^ rs* em ttarril ou meios.
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas!Cha nvssoa de superior qualidade a 2,600
do Pavo de Gama & Silva. |.,.r8< a llbra-
Acha-se este estabeleciraentocompletamente sor-, Cha perola o mais superior do mercado a
tldo de fazendas inglezas. francezas, allemas e
suissas, proprias tanto para a praga como para o
mato, prometiendo vender-se majs barato do que
em outra qualquer parte, principalmente sondo em
porgo, e de todas as fazendas dao-se amastras,
deixando flcar penhor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
Camisiiiliasa 1{\
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato prego de dez tustoes cada
urna : na loja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60,
pe Gama & S:lva.
Cortes de cassa a 3$.
2,8oo rs. a libra.
dem bysson muito superior em latas de 15
libra muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oors.
; dem preto o que sa pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Choliricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
7 Sl^l6^.'10 boniLos coles ">. tendo; para temperar panella ou para fiambre.
ISS^S^T^Sl^ 7cZ?!Tnl os ** S*? iA ^^0. va-
oja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama i Por a 2'2o rs- ^ios de navin de vella a
& Silva.
Gambraias lisas, na leja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito
fina,
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
Kdo!5^ a libra, e inleiro se faz
a 75, 85 e 5 a pega, ditas Victoria com 10 va-! abatimento.
ras pelo baratissimo prego de 75, 95 e 10j, ditas dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Navidades
Na nova loja de fazendas e
roupa feita nacional
ltua da Iaiperalriz ni. 72
Pecltiiicha
Cortes de ehltaa -too
Veade-36 cortes de chita com 10 covados a
2J400 a 35200, ditos de cassa a 35. ditos de lazi-
nhas para vestido a 35600 e 45, ditos Anos de bar-
ras a Mara Pia a 12.5, '45 a 16$, ricos souteam-
barques de laazinha era fantasa a 85. 75 e 105,
ditos de grosdenaple pretos finos a 205, 225 e.235,
capas pretas de grosdenaple a 205, 235, e 255,
na ra da Imperatriz n. 72.
Fazendas prelas para a quaresma.
Vndesegrosdenapie preto Ano a 15600, 25, e
25350 o covado, panno fino para caigas e paletots
a 25,35, 35-jOO, 45300 e 35 o covado, casimira
preto lina a 25, 25300, e 35, alpaca preta para
salas e vestidos a 500, 600 e 800 rs., sarjas de la
para caigas e palatovs a 640 e 800 rs. o covado.
Lazinhas a 320 e 360 rs. o covado.
Vonde-se lazinhas para vestidos a 360, 400,
500, e 360 o covado. chitas unas para vestidos a
240 o 280 o cova-lo, ditas francezas finas 320,
360 e 400 rs. o covado, capas francezas Hnas a
320, 360 e 400 rs. o covado:
Roupa feita.
Vende-se paletots de cor e pre* a 35, 65, 85 e
105, caigas prelas de casimira a 55, 65 e 85, cor-
tes de coiletes e paletots de brim a 25, 25300 e
33 : na ra da Imperatriz n. 72.
Madapolo enfestado a 4(51.
Veode-se pegas de raadpola eufestado a 48,
dito era panoinho a 55, pe?s madapolo de 24
jardas bom a 85, 75 e 105, ditas de algodo a 55,
65, 7 e 85, cortes de caigas de brim a 15600 e
25, ditos de casimira prela a 35, 35500 45 e 55 :
na ra da Imperatriz n. 72.
BE1\ZINA
I Nova essencia para tirar nodnas sem sta-
B car os tcciJos era atterar as cores
ag Mincha alguraa produzida por gorduras,
cera, ete., resiste a este famoso dis
I solvente, que pode sea receio appll-
car-se sobre vestido? de seda, la,
tapecarias, panos -de bilhar etc.
( Reslaura perfeitaraente as luvas de peli- "J
Zea usadas.
Cada fraseo Ignoo.
L'm impresso que acompanha caa' fras-
co ensina a maneira de usar-se, assim
como indiea outras muitas applicacoes
que esta, aova essencia pode ler uas
artes.
PHARMACIA RIBEIRO
EM renSA'MBUCO
22Praca da Boa-Vista22
mmmm wmwmm
Gesso
barricas com gesso : nos armazens da Tasso Ir
mos.
fa Piranga, defronte ao sitie do Sr. Millet, ven-
de-se urna vacca muito boa leiteira cora cria.
Potassa da Russla.
Acaba de ebegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da Russia, e veade-sa apceo gMnmjJT no
escriptorio de Manoel Ignacio de Oveira&Filbo,
largo do Corpo Santo n. 19.
Garrazes {azenda muito encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a pe-
ca : isto na loja do Pavo ra da Impojatriz n 60,
de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo.
Grande pechincha a 35300,
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imilago de tarlatana com mnitos
delicados desenhos, rauiio propros para partidas e
passeios pelo baratsimo prego ne 35500cada um,
sendo fazenda que sempre se vendeu a 75, na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 15 e a 75
Na loja do Pavo vendem-se ricos cortes de vesti-
dos Maria Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de 45 e 75, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por haver grande
porgo, ni loja do Pavo roa da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Os enfeites de Pavo.
Vendem-se os malsmodernosenfetesparacabega
de senhora: na lojajdo Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pavo.
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padrees miudinhos e grados, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320, 360
rs., por ha-ver grande porgo : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Is laziahas transparentes a 400 rs.
Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas
lazinhas transparentes, sendo de lisias miudinhas
a iraitago das sedinhas, pelo barato prego de 400
rs. o covado ; ditas entestadas de urna s cor e
ditas de salpiquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de criangas : na foja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60. de Gama & Silva.
Ricos soutambarques do Pavio.
Acaba de chegar um rico sortimento de sou-
tambarques de grosdenaple preto muito bem
enfeitados, que se vendem pelo barato prego de
205,225, 255, 305- Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em conta: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezasa 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para calcas, coiletes, paletots, roupas para
criangas : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama i Silva.
Aos vinte mil covados de la.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo com listras e quadrinhos miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Maria Pia, tendo de todas as cores, e
alumas proprias para luto, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande
porgo : na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Maria pia,
tirando pichincha a 105000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zando os competentes enfeites para o corpo, i>endo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 105 o cor-
te, ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 covados cada nm a 105, ditos de cambraia
com barras bordadas a crox no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 65 : na loja do Pavo, ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas de Itnho a 360 rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para criangas, com
muito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato prego de 366 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas lisas.
Vendem-se as mais linas lazinhas de urna s
cor, tendo grande sortimento : na lqja do Pavo
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a 'loja do Pavao os
mais ricos chales de renda com tres ponas, sendo
todos pretos, e tarabemeom assentos de cores, sen-
do oeste artigo os mais ricos que tem vindo a este
mercado, ricamente bordados e cerculados de nm
elegante bico preto de mais de palmo de largura ,
estes moderntssimos chales nao s sao propros
para passeio por fazerera uiaa elegante .vista sobre
um vestido de qualquer cor, assim como muito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama & Slfa, ra da Im-
peratriz n. 60, loja do Pavao.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas'hermeticamenle lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata. I ra mimo a 64o rs.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino praprio para
engarrafar, em ancoretas de S caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5q>, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho brinco p3ra missa emcaixas de du-
zia a 8,00 e"68rs. a garrafa.
Vinho do Porto das* melhores marcas qne
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Bouro, Dwqoedo Perto, Bainfaa d<& Por-
tugal, Duqw genumo D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a lr,ooo, 15,ooo,
12,ooo e o,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
1,000 e l,5oors. a garrafe.
Vinho Cherex de soperierqualidade a 16ooo
a duzia e l.Soo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglesas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
jCartes com bolo francezmuilo propriespa-
Copos lapidados para agua a 0,000 e 5,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l.oooel,2oors. a libra.
Espermacele superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por 2,000 rs.
Ameixas francezas em frasco de vidro com
lampa do mesmo, a li55oo.
a caixa e6io e 7oo res agar-
a 48o rs. a bolija de
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em caixinhas de diversos
tamanhos com bonitas estn pas na Cai-
xa exterior, a 1,409, l,6oo, l,8ooe 2,ooo
cada urna.
Azeite doce refinado hespanbolou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libras.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,000 a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
800 rs. o frasco.
8,000
rafa.
Genebra de Hollanda
conla certa.
Frasqueras de genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e I l.ooors. a frasqueira.
Caf do Bio de Ia qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e J,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao de 1* qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da Indir a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-1 Mostarda franceza em potes j preparada a
r0Da- 4oo rs. o frasco.
Pamcoe alpista a 14o rs. a libra 6 4,000 3^601111135 francezas, excellente leeume para
arroba. 1 a 200 rs.
sopa, a
libra^
Massade tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
r a lata rio nmi lhnn n Kdn ..<. n i i h -_____e. __..
rs. a
lho.
lata de urna libra e 56o rs. a reta-
Sotambarquesdecor na loja
do Pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais ri-
cas soutambarques de cores, sendo os mais bem
enfeitados que tem vindo a este mercado, com
adornos de velludo, seda e setira, renda, etc., s
avista do grande sortimento qne os fregaezes
podem dar o verdadeiro apreco a esta fazenda, e
vende-se por differentes pregos conforme a quali-
dade : na loja do Pavo de Gama e Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
Bitas liamburgnezns.
Vende-sena ra Nova n. 61.
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queimado, n. 49 e 35. E* para admirar.
Carrelis de hnha cora 150 jardas...... 60
Ditos com 200 jardas de Alejandre de
13 a60.............................. 120
Dito dito de 60 a 200.................. 100
Novellos de linha grandes com 400 jar-
das ................................. 80
ld6m idem brancos e ae cores de 100
jard.s............................... 30
Livros para assento de roupa lavada... 100
Cordo branco para spartilho (vara) 20
Varas de franja branca larga.......... 160
Pares de botoes de punno todos de cores 120
Tinteiros de barro com Unta........... 100
Tesouras para costuras finase unhas 400
Ditas para costaras com toqne d'avaria .200
Escovas para limpar dentes muito Anas
160, 200e.............................. 320
Calxas com 160 envelopes das melhores
qualidades........................... 640
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso.............,................... 600
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
mo)................................ 20
Meiadas de linha frouxa para bordar.. 20
Pares de sapatos de tranga____..... 1 JoOO
Massos com superiores grampas para
senhora.............o............ 30
Frascos de macaga perola muito suerior 200
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................ 300
Ditos e garrafinhas de agua de Colonia
muito una....................... 400
Ditos de baoba a Ganbaldi e da familia
imperial..............g,.......... 900
Pegas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade.................. 240
Pares de ligas para seahora as melho-
res .............................. 310
Pegas de bicos francezes e renaas..... 320
Frascos de agua dentfrico muito supe-
rior.*........................... 800
Caixas com 4 papis de agolhas a balo
e Victoria........................ 200
Libras de la sendo de todas as cores... 6J000
Bonecos vestidos e tambem de choro... 160
Caixas com superiores obreias........ 40
Ditas de linha de gaz com 50 novellos.. 800
Enfladeiras de Ota para espartilhos..... 60
Carretis de linha de cores com 100 Jar-
das ............................. 20
Pegas de cordo imperial............ 40
Vende-se a casa de molhados na ra da Im
peratriz n. 34, por seo dono ter de retirar se para
tratar de saa saude, faz-se todo o negocio : a fal-
lar na mesma cima.
Vende-se a taberna sita no pateo do Carrao
n. 39, bem afreguezada para a ierra, boa para
quera quizer ter nm principio por ser em ponto
pequeo.
l a garrafa e 11,000 a duzia.
1 Palitos de dente a 1 o rs. o mago.
BOTICA E DROGARA
Bartliolemeu Francesco de Sooza C.
-iltua (arija do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
PilulasdoDr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilulas do Pobre-homem.
Pilulas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pilulasvegetaes assucaxadas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimauli.
VinhodeSalsaparrilba deCh Albert.7
InjecgoFeaugas.
Agua dentUica.de Desirabode.
Papelchimico, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos anti-epileticos deBrest.
HobL'AlfeeuJur.
A'arope do Bosque.
Ungento Holloway._______________________
Pei'hioclia. aa ova loj a de faz ce das
roupa feila nacional, roa da Impe-
ratriz a 72.
Pechincha a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas de cores fixas a 240,280 rs. o
covado, ditas francezas largas*. 300, 320, 360, 400
e 440 rs. o covado : pecas de madapolo fino a 6,
7, 8*, e 10 -, pegas de algodo a 5#, 6, 7$
e 8 : roa da Imperatriz n. 72.
Ronpa feita nacional.
Vendem-e patitos de cazemira preta e de rdres
a 5#, 6J, 8* e 10,J, ditos sobreeazacos a 129, 14
e 16. Palitos de brim de cor a 2300, 3 e3500
rs., caigas de cazemira preta a 6#, 7j> e 89, ditas
de cazemira de cor a 5S, 6J 7, e 83 ; colotes de
cazemira de cores e pretos e ditos de brima 15.W0,
3 2*500 rs., ; caigas de brim de cor a 2, 2,5300 :
ra da Imperatriz d. 71.
SouUmliarque de tires a 7, 8# e 10)$.
Veadem-ee suutambarque de laa e seda para se-
nhoras a 7#, 85 e 105 ; ditos de grosdenaple pre-
to a 20a e 255 ; capas pretas a 209 e 235 ; vesti-
dos de la a Maria Pia a 125, Jkt e 165 : ra da
Imperatriz n. 72. ^
Cortes de cazemira preta a 3r
Vendem-se curtes de cazemira preta para caiga
a 35, 35300, 35 65 e 65, ditos de cazemira de
edr a 35, 45,3$, e 75, ditos de brim de edres a
15600, e 25, ditos de chitas Anas a 25400 e 35200,
ditos de cassas franceza a 35 : ra da Imperatriz
loja do barateiro n. 71
---------------------FJS^--------------------""
Na rna da Madre de Dos n. 9 vende-se feijo
mulatinho, dito branco, e dito preto, mis barato
do que esa outra qualquer parte, approveilem a
peehincha que a quaresma bate porta.
Sal refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que 1 em ao mercado, a Soo, 56o e C4o
a garrafa, c 0,800, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
do de Simas das seguintes qualidades:
Expsito Normal de Havana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5*,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
ndilas de Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,Soo e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para qs navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e ,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinhode Lisboa, muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,000
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco-.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a I,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o prego.
Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 000 rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidad que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,000 o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a i,8oo rs. a caada
e640 rs. a garrafa.
gozando de
depurativas;
approvada pelas juntas e academias de me-
dicina ; usada nos principaes hospit;;es, ci-
vis. militares e da marinlia as Antilhas e
no continente americano ; receitada petos
facultativos os mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanliola
CURA RADICALMENTE
escropbulas, rheumatismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercurises. chagas
antigs, morpbea e todas as molestia? pre-
venientes d*um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imiaces e
falsificarlos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-so por
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joao da C. Bravo & C.
Vendem-se no Recife em casa de Csors &
Barboza e Joao da C.Bravo d- C.
Vende-se urna vacca
cria ebegada ha pouco de
boa leiteira com urna
. (ioiacna : :. IraUr na
ra das Larangeiras n. o, primeiro andar.
ESCBAYOS FUGI&CS.
'k
Fugio no dia 14 do crreme mez, as 3 horas da
urde, o preto Joao, crionio, idade 30 anuos, pirco
mais ou menos, estatnra baixa, nm tamo' folo e
barrigudo, proveaif ni de refrialdade (le-quea-
dece ; esle escravo foi da. familia do Sr. Gardeal
foi vendido para o sol, e drois veio vendido |; u
esta cidade, tem efficio de pedreir, p por 5=0 10-
de ser que ande rrabamando em alpum ba :
quemo pegar leve-o a ra da Conrordia n. 9, i re
se gratificar fe ni generosidade.
Aviso
Vinagre branco j engarrafado a Soo rs. a
garrafa.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 33 lojas de minde-
zas de Jos Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barata do que em
outra qualquer parte, quem qoizer ver o que ba
bom e barato venba a loja do Rival.
Latas com superiores banha............ 200
Frascos de vidro com superior banha.. 240
Pares de luvas de seda muito finas____ 320
Enfeites do melhor gosto que tem vindo. 2K00
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira. 1^280
Pulceiras do melhor gosto e modernas. 300
Volta para pescoco do melhor gasto.... 300
Baralhos para voltarete, finas a 200 .. 240
Varas de franja branca de liaba que
tem muita serventa................. ^OCG
Duzia, de pennasd'aro muito superiores 060
Frascos de oleoBboza muito finos..... 200
Talheres para meninos a melhor quali-
dade............................ 240
Diversos livros, todos religiosos a 100,
2QQ............................. jjnn
Duzia de colher.es demetai muito 'finas
para sopa...........................
Duzia de colberes de metal muito finas
Dar cha.........................
Grosas de botoes de osso para calca...
Grosas de botSes madreperula para ca-
rniza___
Gresas de
muito
Varas de babado do Porto sflrtido..____
Duzias de lapes differentes qualidade a
botoes de lonca prateados
1*300
200
SOO
'200
060
aos capites de campo e a polica.
Desappareceu em pjincipio do n< z de cumbre
do anno passade, de bordo do patale f cariosa!
Araujo Malo, dous escravos de nenes Heleif
(por apellido Macei), e Miguel; o I ele idade 45
annos, pouco mais ou mecos, crii.ufo, ror fula,
estatura baixa, barba serrada, um perno torio das
pernas, e com alguns cabellos brores, tanta na
barba como na cabera ; o 2o alio, cheio dorrrpo,
sem barba e falla grossa, reprsenla ter de 55 a
30 annos, cojos escravos desconia-se nndrem fi-
los arrabaldes desta cidade : quem os aprehen-
der queiram levar a roa do Trapicl e n. 4, ser generosamente gratificado.
Aos c*pitaes de cuiiipo.
Fugio no dia 27 de fevereiro deste anne, ele ra-
sa de sen senhor o escravo Sebasniio, crenlo, le-
lo, com idade de 22 a 24 annos, fe i ewavS ro
senhor do engenho Quandns da re rrarra de Sanio
Anlao, d'onde linha vindo para ena rielare a f>
dias, de presumir que seguisse para Taqi.;.riin-
ga aonde tem mai e irmaos, levou ralra e c;iria
branca bastante soja, altura regular, atello es-
covinha, cabera pequea e redonda, lesM grande e
bem cantuda, olhos pretos e regulares, r>am cia-
to, becca regular, bei^os regulares, denles tedes e
limados, nenhuma barba,apeLas um i de, corpo bem limpo, ps regulares e ponto lar-
gos : roga-se portanto aos Srs. capites de csir.ro
a apprehensao do mesmo a entrega-lo a ra !p
Imperador n. 83, segundo andar, dtfronte do c&r-
reio, que se gratificar rom 50$.
Negro fngtdn
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro deste
anno o preto Joaquim, de nace Angola, qne foi
escravo do Sr. capitao Francisco Joaeoim Cavsi-
eanti Galvo, morador em Maria Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade era dezembro do an-
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques rtm
armazem de assucar ra de Apollo ; levou ca-
misa _e calca de algodo braneo, reprsenla fer de
46 a 50 annos de idade, alto e de grosora repe-
lar, cor fula, eabeca comprida, qutixos largos,
olhos amortecidos, Deicos grossos, senelo o fice-
rior nm tanto defeitnoso, bastante barba, pemn
raspada, finalmente tem urna grande cutlura jnlre
os peos proveniente de queimadura, e supiw-se
terse dirigido para o norte, d'onde veio : grattf-
ca-sea quem o apprehender ou denunciar o coito
em que estiver : na rna da Cadeia do Recife nu-
mero 52^_____________________________
Fugio no dia 14 do corrente da ra da Crcz
n. 8, terceiro andar, a escrava Benedirta, com os
signaos seguintes : cor fula, tem falta de denles
na frente, levou vestido escuro de palmiabas bran-
cas, chale encarnado, bem eonhecida por ter si-
do escrava do Sr. Safostiano Cantalisia : rettm-
menda-se as autoridades polieiaes e capies de
campo que a peguera e levem-na a casa aeirra, oa
a ra da Senzala Velba n. 94, que serao gratifi-
cados.
240.
Quadernos de papel de peso miritoflno!
itesitu do mesmo papel.............
Duzia de facca e garfo muito boa*....
babonete, de espuma muito superior...
Capachos compridos e redondos muito
.b0BS.............................
Ditos para sof......................
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar........................
Essencia
roupa.
Creio para dezenbo de todas as qua-
lidades...........................
Cartas de atflaetes francezes muito su-
periores..........................
Caixas de colche tes francezes a 40 ris
Dona............................
Carretis de retros con quairo oitavas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade.
oriental pare tirar nodoas de
400
030
ajooo
2*400
040
300
2fl)00
|10f>
500
020
100
I
360
800
200
Fugio no dia Ift de marco prxima
passado, um cabra de nome Maihias^ do
engeabo Pontal termo de Serinbaem, jul-
ga-se elle andar para as bandas de Foito
Calvo, a Ululo de ferro, com os signaes te-
guintes: cor cabra, corpo grosso, cafcellcs
carapiabados, com bigode e pequea barba
no queixo, tem urna das pernas ma s gies-
sa que a outra motivado de urna feridaqeio
que anda couserva, tem um dedo do \< por
cima do outro encostado ao dedo graede o
tem falta de um dente na frente no queixo
de cima, carreiro e trabalha de sapateiro :
quem o pegar ou delle der noticia certa te-
r 10Q(J de gratificado no mesmo engtnko
Ponlal ou em casa do^r. Manoel Alvo? Fer-
reira, nesta praca, assim como o dito es-
cravo mudou o uome de Mathias para o da
Joaquim Antonio
100S
!
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaida melbor qualidade a
li a Uta : nos arraaieosa ra do Im-
perador n.lB e ma do Trtrpieho Novoo. 8.
Qnem apprehender e levar no palacete do Vis-
conde da Boa-Vista, ra da Aurora, ou no engMi.o
Trapiche do Cabo, a escrava Joa/juloa, fula, alta,
falta de dentes na frentf, multo eonhecida nesta
cidade, anda as vezes de tiraao ou safa de balfo, e
se diz croe est em companbia de um pardo de
neme Jacob, qne mora em Itamarae, reeetei a
grabficac,ao cima de 100*. Esta escrava est fu-
tida desde setembro de anno prximo passado, e
desde j se protesta contra quem a tiver em. saa
MtopsMia-


I


Diarlo de Pernambuto Qiilaln ttlr* t* de Mai*eo de 1805
*

LITTERTRA.
liDiorafo e aune do rio TaeuUns, pelo eapito da Ressacca da Guariba para coadjuvar a
Se da mada GraBcisc8Parih,bn i.
Reta.
guara if
jcer o travesso Cavalleiro, o que feito, s
2 horas da tarde alravessei para a praia de
llm. eExm, Sr. Cumpre-me commun-j Yitam a-iernam aonde pernoitei.
en; a V. Exc que no da 25 de agosto pro- No dia 30 tendo recebido as ultimas or-
ximo passado pela uma hora da madrugada dns de V. Exc. deixei O Vilatn alernam
Tu dobras a fronte, e choras assim
No lise marfim de imagein sem cor;
Nao percas a gotta do pranto nos mares,
Espalha nos ares a essencia da d6r.
Eu quero essis bagas de incens cheiroso,
Que um anjo sem goso derrama as aguas;
que s davam passagem rio clieio. tenho tratado; e quasi direit -; circums- j Deus vos ampare em to nobre empe-
No dia 31 larguei a ilha do Tucuman- tancias que muito facilitaro o seu melho-, nfco.
duba s 7 horas e 50'; s 9 horas e 30' ramento, e que n"o se encontram em rea-' Tres naces vos ho de abencoar c o
pissei o travesso Arappo;. s 10 horas gao s obras que se tenham de praticar nos' mundo inteiro applaudir como vos applau-
As nuvens cerraram-se em lvido cu,
E o trmulo vn sumiu-se na nonte:
Um fraco murmurio as aguas soou,
A brisa passou com seu placido acoute.
as lendas escuras dos sonhos de outr'ora
Eu vejo essa aurora sem luz, desmaiada;
A filha dos mares fugio do horisonte,
A pallida fronte desfez-se no nada.
montei as pontasdosuldasilhasTucumandu- outros canaes.
ba e Magdalena ; s H horas e 25' aportei a
um sitio para mandar a igarile coadjuvar,
a guarnir) do bote na passagem do Ara-
pepo.
Entre as ponas sul das ilhas Tucuman-
duba e Magdalena, e as do norte das cha-
madas Canauh mais septenlrionaes, a des-
obstruyo me parece fcil por nao haver
n'.aquele intervallo senao o travesso Ara-
(Continuar-se-ha).
UM P0UC8DETUD0.
Da Semana Ilustrada l-se o
METHODO DE CURAR A TYRANNIA.
A tvrannia demencia.
seguinte
de o
Dn Semana.
DIVERGENCIA POLTICA.
Um dia os membros de urna opposicSo
parlamentar deram um jantar ao seu chefe.
Houve nesse jantar grande abundancia de er-
vilhas e vinho de Rheno.
D'ahi em diaute o vinho de Rheno e as
ervilhas nao entraram no estamago dos par-
lamentares governistas.
Era urna pequea divergencia poltica.
! !!
Est ahi a historia, desde os tempos bi-
pary (alias extenso e algumas pedras iso-: blicos at o presente, para provar este as-
ladas de pequeo lamanbo) e na pro- serto.
ximade existirem as ilhas CanauhS e as duas Os tyrannos formam um mixto execra-
grandes enseiadas que vo terminar na pon- Yel.
taAraparyna margem esquerda, e que, Participara da natureza dos animaes fe-
no caso de necessidade poderiam servir de rozes, damninhos e monstruosos.
deposito s pedras extrahidas nos lugares Tigres, javalis, lobos, raposos, cobras
prximos. lacraias, tubares, milhares, lobshomes,
Na dia ldesetembron3o tendo voltado vampirose boats inspiram medo, horror!
a igarit, segui em urna montara ro cima, e asco.
e no Qm de cerca de 20' de navegado apor- Nao ha quem nao conheg i to perigosa
le ao sitioCocalhabitaco de alguns aberraco dos preceitos zoolgicos no tocan-
indios Anambssob a direceo do indio; te a0 bomem.
Mariano que meraanifestoumuito desejo d-' Pouco definida, porm, nos tratados del
ter o gru de capho e tendo-me parecido alienado mental, a tyrannia, serpente lu- !eni0sootroV pares deuvas, quando en-
bom o trabalhador fiz-lhe alguns presentes. Drica, quer escapar-se pelas mallias da rede i, na loa utna senhora alta, formesa, ele-
No dia 2 nao podendo supportar ma;s a da loucura.
formiga de fogo que hava na ribanceira, N5o pode fugir nunca, mas at aqui an-
onde eslava abarracado, passei-me para urna a ninguem lhe applicou a casa de ora-
praia i luda a 40 bracas de distancia do j tes, custicos nuca nem a famigerada ca-
Cocal. misla.
No dia 3 tendo regressado a igarit, s, Parece que o i mdicos se tem descui-
10 horas larguei a praia cima referida ; s dado.
10 horas e 20' montei a ponta doPimen- pena.
telna margem esquerda que 6 a extremi-, a sciencia medica, investigadora, profi-
dade N da enseiada d)Correia; as 10 cua e pbilantropica tal qual j tinha tera-
horas e 50' montei as ilhas Pitaca p0 de apresentar em algum formulario o nutoSVdama"estava rodeada de doradoses.
prxima margem direita, e So-, meio de preparar drogas para o curativo de | Todos lhe pediam vahas e quadrilhas.
to fatal molestia. Portanto, mais de urna duaiade moseal-
Discutindo a omsso, averiguando bem o Jas com QV\n% iUVas, tocaran, ora na di-
.~ a ., i. r;n n nui-immm confaudindo assim
CONFIDENCIAS DE l*M PAR DE LUYAS.
Nasci em Paris e fui trazido para urna
casa da ra do Ouvidor, no Rio de Jartei -o.
Sou cor de palha e o meu tamaDho cor-
res "onde lettra D.
Um dia estava eu na caixa de papellao
sou
loja
gante.
De lodos fui eu o eseothido pela aama.
Nao si quanto custei, mas sei que dahi a
dous das estava eu as raaos de minha dona
que a a um baile.
Quando entramos na sala do baile uve
um murmurio de admiracS.
Isto deu-me a- entender que ella eta a
mais bella de quantas ali es4avam
To certo era isio que d'ahi a pouco* mi-
mauma prxima a esquerda,
ras principiei a costear o lado
s 11 bo-
de E da
ilha doInglezprxima estrada; s 3 caso, v-se que ha razo no esquecimento, 'm^ 0ra na esquerda,
hora- e 45' principiei a marginar a ilha de ou melhor no proposito de pedia a quem diversos perfumes.
S. Miguel, e a essa hora avistei a bocea do toca. i Mas ^ei que a primeira valque minha
igarap do mesmo nome ao rumo de SO : Os mdicos sao finos. dona dansou Coi com um rapazinho louro,
s 3 horas e 57' passei pela bocea do igara- Sendo obrigados, urnas vezes por derer, altQ ^n^, exactamente o contrario do ma-
pMa-cauarymargem direita, e s 4 ho- outras por caridade, a lidar com asquerosi- rido' nj0 wti f^ ajl0 nem. iCuro, nem
ras e 25* aportei ilha do Furinhopro- dades, nao querem ao acert dellas atirar jj0nto.
xima da margem esquerda, onde pernoutei. com mais urna ante a qual nauseam. | Qra" Iie9sa occasio as m3os da minha
Na seci;5o do rio onde jazem as ilhas j Neste ponto delegaram os seus poderes no dona tr^jam, s ao contacto dtas-maos do
Cunauh5que ter 700 800 bracas, ha p0vo. rapaz
pouco que limpar, pois a nica obstruego Melhores do que Pilatos, entregaran) Especialmente a> minha metade, aleada
que observei foi entre a ilha Cunauh mais acco das massas nao um justo aecusado, ^ m-Q esqUerda da dona, apertava com tal
occidental e a margem esquerda onde o ca- seno mdvados reconhecidos. fora 0 |lombi-o. do rapaz que chegou quasi a
nal est quas tomado por urna grande co- seja portanto o povo medico desses do- est,jar>###
roa de areia; as margeos do rio ali formam entes. | '" .
duas enseiadas bem pronunciadas, a da di- Nao tem desculpa se os nao curar radical-, A valsa durou um quarto ae Dora,
reita chama-se-Cunauh-, e da esquerda'' mente. | No fi desse tempo a dama fbi passeiar
Pucruhy, no centro da qual fica aboc-. Conhece bem a molestia pelos effeilos de com o cavalheiro pelas outras salas,
ca do-fro do mesmo nome que communica que sao victimas homens e mulheres de to- Outro quarto de hora,
com as cabeceiras do Pacajs, que vae sahir das as condicoes e edades,
prximo a Camet, parte da dita enseiada' x delegado dos mdicos de data re-
comprehendida entre a bocea do Pucruhy e mota.
a respectiva extremidade sul, chamam-lhe Continuepoisopovoadesempenha-lacom te mo direita um papennno ae cor ae
Caminho-longo. o zelo de outras eras. ,* | rosa, muito perfumado.
A diferenca do nivel entre o lume d'a-. Hoje existem alguns doentes de to grave { A dama mmediatamente peuio
guae o vestigio da ultima ench nte da ri- enfermidade. ;lheiro que a conduzsse a toilette,
banceia do Cocalno dia 3 d setembro, N5o pertencem Conchinchina,aoJapi,, Elle deixou-a l.
prximo passado empregando urna escala e' a China, Porta Ottomana, costa da Gui; Ahi, trmula e agtada, a dama moo
um nivel de bolha media 2,5 bragas. pertencem -quem dina? America do papelmho, fazendo as minhas duas meiaae>
O rio neste lugar corre ao S 4 SE com sul Montevideo e ao Paraguay |uma moldura ao papel cor de rosa que ena,
pequeas differencas- e tem de largo 700 Occultos nesses dous torroes do novo chegou lux.
bragas. I mundo, nao ha tropela, malvadeza, cruel-
Ao Oeste da ilha Paca que fica logo ao dade, que nao praliquem; nao ba cabecas,
sul da enseiatos Cunauh existem fundas qae dispensem da degolaco, embora este-
poucos : entre aquella ilha, e a Sumauma ha jam protegidas pelas bandeiras da Inglater-
sfrnn le profundidade d'agua mesmo encosta- ra, da Franca, da Italia, da AUemanha, da
du s pedras soladas, que ali sao em grande Hespanha, sem fallar na do Brasil, a que I gei uma das minhas melades foi para
quantidade, porm de pequeo lamanho; i honran com particular teir e iusultam com a aigbera do rapaz que o guardou n'uma
naquelle lugar a velocidade da correnteza,! desenfreada brutaldade. caxinha de tartaruga, e a outra serviu de
nao obstanleo rio estreitar-se 500 bra-! Esses rnonstros chamam-se, os do primei-! br ued0 nas maos raivosas dofilhodadona
cas, achei de ser 0,6 de milha por hora, em ro torro, Aguirre, Carrera e Barra; o do c^sa> que era |ogr0) alto e bonito, como
alguns lugares do mesmo canal torna-se in- segundo torrao Lopfe, filho de Lpez, ca- j Q va|sante do baile.
Sic transil gloria mmcli!
Tres commerciantesfrancezes resol veram
o problema de obter vinho e agurdente ba-
rato.
Nao era por meio da sciencia econmica
que elles liaba conseguido esta soluco;
queriam colher as vantagens sosera a
frau le.-
O meio queempregaram era de engenhe-
sa simplicidade ; tinha aberto uma passa-
gem subterrnea entre os armazeos de uma
casa na ra de Jussieu, e as adegas que lhe
serviam de deposito gnral de vinhos,
N'esta pa-sagem tinham eslabelecido dous
conductores que levavam, um o vinho, ou-
tra a aguarden'e para dous tanques, d'onde
eram conduzidos, por meio de uma bomba
aspirante, ao rez do cbo, sendo depois con-
duzidos ao seu destino.
Assim pa*sava o vinho e a agurdente
sem pagar direitos.
Estes commerciantes espera?am realisar
em pouco tempo vantagens consideraveis ;
mais a vigilancia e a sagacidade dos inspec-
tores de impatos, lascaran por trra as suas
esperances.
Quando menos se esperara um commis-
sario de polica do districto de Bowie-Non-
velle, estando ja prevenido, dirigiu-se ca-
sa da ra de Jossieu, e depois da conve-
nientes pesquizas, consegaiu descobrir a
fraude, e prender um dos culpados.
E' do acadmico Joaquim Vilella esta poe-
sa que foi recitada na no ite de 17 do cor-
rente, por occasiSo dos festejos patriticos.
Um povo heroico nao treme
Quando na lula se atira ;
Ou morre, envolto na gloria,
E deixa um nome na historia,
Que sempre, sempre reloz;
Ou vence, e cheio de louros
Sacde para os vindouros
As pahuas, alem que colheram.
Como.'inda ha pouco, fizezeram
Os filhos de Santa-Cruz !
na margem'direita, e em seguida venci os do braco que ao romo de E desagua no Ca-!quaes nao deve ficar pedra sobre pedra em
IravessSes Careca, Guaribo e Cavalleiro, pitary-cura, e sarjando-se-lhe o poco do (nenhum ponto do dominio lopezco.
aportando s 11 horas e 55' na ponta cha- Bruno de maneira que no verjo aquello Pagamento, bocea do cofre, das despezas
" braco d sabida superabundancia das do tratamento.
aguas, creio que aquelle canal se tornar O cos ment das orelhas, colhidas pelos
fcil de navegare mesmo muito manso, e que guaycurs, deve ser aquecido com lenha
a sua preparaco seria muito mais fcil cidas portas, soalhos e ledos do palacio del
menos dispendiosa que a que se intentasse supremo gobierno e de to 'as as casas da es- A lace do auyamo-eona que rasiima
para melhoramento do canal da Itaboca, vis- era va AssumpcSe. ,As Pla*as de cima sem lul de manas"
to que alm da remoco das grandes massas Se o doente nao mcrer, o que e de dse- Qh mQ yj eQ ,ament0
de pedra* sena indispensavel para aquelle jar para que saboree os effe.tos do cu.ativo Q [m dea|ent0 de viI.gem_Sosinha ?
canal ter agua no verao constru.r-se um deve ser metido em uma ga.ola^^Uiroj Eu choro comtig0i_nos labios de irmo
egacao e conmiercio ao Amazonas sao aa cruz e as o oras a una uo iucu- grande quebra-mar que tendo a raz no la-, exposto ao publico, como aconteceu ao mag- pei.passa lua m0 po|. a |arma minha.
com o destino de conduzira V. Exc. ao To-'manduba aonde pernoitei. bio norte da bocea da itaboca, seguisse pou- nanimo Bajazelo prineiro de que e a mais
cantins, e de explorar parte daquelle rio. Na ponta mais do norte d'aquella ilha vi- co mais ou menos, ao E4SE at a posico de perfeita encarnaco. D- A u t
A's 5 horas e 20' da tarde do mesmo dia zei aos rumos magnticos: o meio da Gua- biforcar as aguas que entram no canal do ( Povo do Brasil, povo do Rio da Praia,
ancore! no porto de Camela, aonde tendo: riba por 11 NE,e o da praia Vitamoeter- Inferno: obra exequivel, porm que julgo povo do Paraguay, que gemeis debaixo do
regido para transportar, a reboque, um I nam aos 30 NO. I bastantemente dispendiosa. | jugo desse despota sanhudo, apphcae as re-
bole de mineiros tripolado com viute e duas, Os intervallos entre aquella ilha c a im- Pondero mais que o canal do Inferno, ceitas, que publico, applicae-as sem o menor
nrjjsoa ea brrdo, oencarregado de gene- \ mediatamente oriental Magdalena e entre a alm de ter muita agua nas suas boceas e, escrpulo.
r wla'fazenda Sjmio Eslellita Airaiano e! ultima e a margem direita que n'aquelle lu- segundo todas as probabilidades nos se is Os remedios sao heroicos e vos sois o
iunrado por ordem de V. Exc. uma igari-! gar forma uma enseiada muito pronunciada canaes) onde nao vi florear uma nica p- nicos mdicos que os podis empregar com
t e uma montana e engaj do um pratico, a que chamam a do Arara, sao to seceos dra, mais curto que os contiguos de que certeza de successo.
pnra Baio, larguei aquelle ancoradour s
10 da noule.
No dia 26 s 7 horase 45 minutos da ma-
n'aa fundeei em Baio, alli a guarnico do
bote proveu-se de v. ras e o vapor de um
novo pratico, o que eito larguei aquelle
P'.'rto sll horas e 50minutos da manha
de- mesmo dia, e s 6 horas e 15 minutos
da. tarde ancorei em Tijucussu' em 2 bracas
e meia d'agua, aonde pernoutei. pelo rio
mquellas paragens estar incado de coroas
e :onsegaintemente a sua navegaco noctur-
na tornar-se um tanto perigosa.
No dia 27 pelas 5 horas e quarenta mi
nui s da manha laigei o Tijucussu', segura-
do os diversos rumos comprehendidos entre
S8E e SSO pelo sul, s 8 horas e 20 minu-
tos fundeei quem da ponte de S. Flix,
tendo alli recebido o pratico Luiz da Franca
Pimentel, s 9 horas e 35 minutos suspend,
e singrando rio cima at s 3 horas e 20
minutos, .momento em que tendo observado
0 fundo muito sujo de pedras elevadas quasi
ali'; o lume d'agui ancerei em 2 12 bracas
d'agua ao ONO da Montanha.
Em seguida V. Exc. ordenou o tripola-
menlo da igarit, de bordo da qual foi exa-
m'tiada a corredeira Tipayuna-cura que
ficava al l|2mi has de distancia do E-rplo-
t hr, c de cuja correnteza a velocidade me
1 u eceu ser de cerca de seis .militas por
hora, e porlante o Explorador incapaz de
vencer aquella correnteza nao obstante na
oxasio estar leve e um tintoandvjo.
Com o emprego de uma barquinha de
puente, e de um relogio regular podem ser
fcil e acuradamente det rminadas as ve-
locidas das correntezas daquella especie.
No dia 28 pelas 9 horas e 50 minutos da
manh i larguei o Explorador e segui rio
cima procurando a margem direita na refe-
r la igarit. tripolada com o contra-mestre
Cardoso, pratco Pimental e 10 pracas, le-
vando em minha companhia o encarregado
de gneros da fazenda Simo Estellita Ar-
riiano ; e quasi na mesma occasio largaram
o dito vapor, o bote gua necidocom os ditos
mineiros e um escaler conv nienlemente
tripoUdo cenduzindo a V. Exc.
Pelas 10horas e 10 minutos montei o
travessoTapuyuna-cura s 10 horas e
20 minutoso Caganjo. s 11 horas o Capo-
te, s U horas e 10 minutos montei a bocea
do igarapRetirosll horas e 40 mi-
nutos principiei a costear a ilha dasPacas,
s 1 horas e 30 minutos passei pela bocea
do igarap Mundurucu'; s 12 horas e 55
m'.nutos montei a enseiadaJanahu-cuara,
que jaz na margem esquerda daquelle ca
ni!, cuja enseiada sendo contigua a uma
praia, forma um grande remanso, na qual
tambem seencontra um poco de gnndesdi-
menses, que sendo preciso pode servir,
sem inconveniente, para deposito de pedras
exhaladas dos lugar s circumvisinhos.
Naquelle lugar, ha uma extenso de 500
a GOO bracas no sentido longitudinal do rio
que pouco ou quasi nada tem q:e limpar,
a correnteza do rio, na referida exteoso nao
excede a 0,8 de milha por hora.
A 1 hora e 10 minutos principiei a costear
a enseada do Athanazio na margem direita,
d 1 hora e 18 minutos pass i a bocea do
igarap do mesmo nome, 1 hora e 32 m:-
mitos montei a pona S da ilha do Arco (o
canal formado por esta ilha e a margom es-
querda disseram-me e pareceu-me ser mui
to estreita); 1 hora e 34 minutos monlei a
extremidade S da enseiada do Athanazio ;
! hora e 40 minutos passei pelo porto d"
Arminio, onde fiz uma pequea parada dei
xando aquelle lugar s 2 horas; s 2 horas e
35 m utos pela bocea do igarap Arminio
iu margem direita ; s 3 horas e 25 miuu-
tos montei a ressaca do Umbaubal, que
tem tod.i a semelhanca de uma gam1 oa,
tendo as paredes externas formadas por lon-
gos e estreitos tra essoesde pedra, que vo
terminar com aterra firme que forma a
margem direila do rio, sendo aquelles cor-
tados de distancia em distancia, por cajos in-
tervallos se precipita a agua com grande ve-
locidade, e em alguns em sentidos contra-
rios ; entrei e sahi a dita ressaca, sempre
empregando a sirga (que ali chamam cor-
da) e portanto sempre contra a correnteza:
aquelle phenomeno o resultado da ma-
neira porque eslo dispostas as grandes
massas de pedra dentro da ressaca.
A parede da dita ressaca, no sentido lon-
gitudinal do rio, ter de extenso de 4 a 5
amarras de comrrimento ele meia de
afaslamento da margem do rio.
A direceo do rio naquella paragem e ao
S 4 SO, a sua correnteza no canal, nos lu-
gares limpos. de 0,8 de milh \ por hora,
aonde nunca achei menos de 9 e 10 bracas
de fundo.
Dcixando a ressaca Umbaubal avis-
tei alm na margem direita a bocea do iga-
rap Pitanga e seguindo os rumos com-
prehendidos entre SSO e SO consegu atra-
vessar para a extensa praii do Arraio
contigua margem esque da, aonde aporiei
s 5 horas e 20', para pernoilar; naquella
travessia ti ve de vencer alguns travessBes
corda e observei que nas proximidades do
primeiro que passei, o canal bastante su-
jo ; e d'ali para cima que existem as maio-
res obstrueces do rio.
No dia 29 pelas 8 horas da manha che-
gou aquella praia o escaler que conduzia a
Y. Exc., e a montana que servia ao bote
dos mineiros; s 10 horas larguei a praia
do Arroio ; s 10 horas e 50' passei a boc-
ea do igarap das Almas na margem esquer-
da; s H horas cheguei bocea do Taqua-
rio, primo de Polioni, Nefretti foi pesioal-
mente a Bermingham onde elle trabalhava
como marceneiro. Gregorio declarou que
se tinha servido d'uma faca para se defender
contra os inglezes, que o aggrediram arma-
dos de pus e atlcadores; que na luta ma-
tara Harrington, nao estando Polioni sequer
na hospedara nessa occasio; que depois
disto se esconder em King's Cross alguns
dias, retirando-se par,* Bermingham onde
esperava escapar a acco dajustica; mas
visto que seu primo estava condemnado,
sendo innocente, que o ia salvar.
Gregorio parliu immediatamente acompa-
nhando Negretti, e ambos se dirigiram a es-
tco de King's Cross, onde o inspector ge-
ral Ibes tomou as competentes declaraces.
O Mensageiro de Cronstad contm a
seguinte descripeo de um phenomeno at-
mospherieo que foi visto em Cronstadt no
domingo 2 de Janeiro, das tres para a* qua-
tro horas da tarde, e que conhecido em
meteorologa pela denominaco grega1 de
halo.
O phenomeno observado em Cronsladt
foi dos mais completos.
Dous soes lateraes, de luz ardente, se
achavam dispostos de cada lado do verdadei-
ro sol, p todos tres na mesma lifrba paralella
ao horisonte.
Entre o sol e os seus dous sateftites a luz
passava do verde amarellado, que formava
a cor mais prxima do verdadeiro sol, a
urna cor vermeha, bastante afogueada, jun-
to dos soes lateraes.
Dos lados destes ltimos partiam raiosde
luz branca, que swttlhavam caudas de enor-
mes cometas.
Infelizmente, quem den estas informa-
ces ao citado jornal nao pode observar a
duraco do phenomeno, qoe appareceu pelo
flm de nm dia sereno, por nm tempo soce-
gad<) e sob a influencia, de 14 a 15 grus
Raumur abaixo de zero.
N'essa occasio o barmetro marcara'-
30,32._____
i i i n
Esta poesa fb recitada pele Sr. Belmiro
Salgado, na noute. de 17 do corrente, ao ba-
talhlo patriticoL'nio Commercial.
Brasileiros I a nobresa
De vossa grande naco, ,
St nessa immensa grandeza
Com que puns o villo.
Est no erguer das bandeiras
Que no meio da-; fiieiras
O canhao vae desfraldar.
Est neste enthusiasmo
Que do centro do marasmo
Resurge altivo, sem par.
No dia seguinte, s Ave-Maras, o rapazi-
! nho louro estava em nossa casa.
O marido estava fra.
Nao sei que houve
*
ry de baixo (grande travesso) fronteira
collina Mariroca e a ilha do mesmo nome
S sa-
ja Of ftl.ViivnM. f"- -
Tinham ido pagar os juros dos relogios
que estavam no prego.
fcstvei, nao havendo nas proximidades re- pataz de Lopezzinhos, enfeudados de corpo
bojo ou corredeiras. e alma mais nojenta vassalagem muito
No dia 4 pelas 5 horas e 45' da manha abaixo da escravido.
larguei a referida ilba do-Furnho ; s 6 como curar semelhantes doentes de ty-
borase45'montei a ilhado frodoChi-.rannia? P0BR evaid.vde.
queiro na margem direita; o intervallo Mais estupida que a de Caligun eoeHe-,
entre aquellas ilhas muito obstruido de liogaballo, mais sanguinaria que a de Scyl- Dous homens se encontram. Irazem ca-
pedras, pelo canal ali ser formado pelos la e de ero; mais prolongada que a de deias de relogio no collete.
pedregaesque nascem das duas margens do qualquer dos sultes apoiados nos alfanges Que horas sao ? pergunta um.
O da ilha do foro do Chiqueiro est a dos janisaros, dfficil de cura. I Que horas sao? pergunta outro.
ilha do Cocal prxima margem direita, e Ccm as cataplasmas da gener'osidade nada O meo relogio est parado,
para Oeste desta a do Tocaotins cuja extre- conseguirara os mdicos de taes doentes; o meu taftbem.
midademeiidional forma o labio norte das com o elixir da diplomacia muito menos qus Separam-se.
boceas do canalCapitary-curas 11 ho- nada; com os phillros da boa f nada vezes Dahi a uma hora ambos entram
ras passei e Remansinho ; s 12 horas e 30' nada, que tambem cousa nenhrima. I casa, sem se verem um ao outro.
o Remanso, assento da extincta colonia mi- Tudo isto ser malhar em ferro fri ou cho- hida se encontraran) na porta,
litar: 1 hora e 30' a bocea do Igarap ver no molhado. i
Piteira na margem esquerda; s 2 horas e S ha um tratamento efficaz, que vm
50' a ponta norte da ilha do Areo, cuja ex- a ser. ,
tremidadesul forma o labio norte das boceas para os sanguinarios tyrannos de Monte-
do canal Itaboca. a qual foi montada s 3 video:
horas e 20'; s 3 horas e 55'aportei aoj Recipe.
Poco do Bruao. -I Fomentacoes de plvora da melhor quali-
No dia 5 pelas 5 horas e 30' da manha dade
larguei aquelle ponto e por trra fui exami-' Muitas e multiplicadas esfregaces de la-
nar o canal do Inferno. mina de espadas pelo fio do lombo.
Aquelle canal corre ao rumos entre S4SE, I Encarceramento at que sejam jnlgados e
eSSO pelo S, tem a extenso estimada de condemnados por enme de lasa-naco.
4,5milhas, elle enoontram-se tres ilhas,; A pena deve ser a de gales perpetuas,
d versas oontas, e quatro fortes pancadas cumplida em trabalhos pubhces, -commecan-
com grandes rebojos, os seus canaes sao mui- do pelo resubeleciment de caes, que man-
to fundos, e naquella quadra despeja va* um daram destrom^
immenso volume d'agua ; entretanto que os Parg) arrogte o facanhoso Lpez:
canaes que lhe sao contiguos Capitary-cuara Recipe.
e Itaboca, estando ambos quasi seceos nas Cosimento de cem mil orelhas para-
entradas, o ultimo tinhrmuito pouca agua, guayas.
isto estes dous ltimos nunca se prestaram Repetidos buhos em nas de sangue pa-
a uma navegaco franca na eslaco do vero raguayo.
ao nwsmo tenVpo que o Inferno, destruindo- Pilulas de Minie e de Armslrong tantas
lhe as ponas qoe oppem entrada e^ quanUs sejam necessana; par encher o es-
sahida do grande volume das aguas que neUe paco comprehen iido entre Humait e As-
entrain, e as que interiormente se oppoem' sumpeo.
ao seu livre cureo alrgando-se-lae a bocea Ares de campo, para
a liberdade dos
E' do Sr. F. esta poesa :
VISO DO OCANO.
Nas aguas dos mares dormentes de noute
Que um tenue acoute da brisa affagoo,
Eu vejo-te, oh virgem. Cas faldas colhidas,
De orvalbo embebidas que a bnda Oxhalou,
Irma das on linas, que sonhas nas vagas,
To tardedivagas nos campos azues ;
Tens f nesses rolos de gaze espumosa,
Nao foges medrosa do sopro dos sues ?
To tarde perdida nos ermos gelados,
E os labios molhados tem saib de sal:
Da* praas longiquas nem vem um suspiro
Ao triste retirono hmido val I
Tu tremes de susto ? As mos sobre os seios
Nao velam anceios de madido peito ?
'Oh t rasga-me os vus de tantos segredos,
Ou dize-meos raedos, que afogam-te a eito,
Nao desmentiram seus nomes,
Nem seus lauris de soldados
Os vencedores ousados
Dos cantees de Paysand I
Bem mostram :s brasileiros;
Nao tremembravos guerreiros,
E deixam ver onde passsam
Fronte erguida, gladio n !
Cada olhar, que elles despedem,
Fuzila'qual raio ardente,
E quera o ficta bem sent.
Tremores, medos fates!
Fogem nossos inimigos ...
E os brasileiros erguidos
Que esmagam esses bandidos
Sao qu es torrentes caudes!
Nimguem se attreve doma-l"S!
Do despo fe*mn os vassallos.
Os vendo, hngemdesdem....
Masnossi heroica philange
Que gloria e valor abrange,
Quem ousa encara-la ? quem ?
Sao brasileiros os bravos!
Nao foram batalhar,
Mas a plebe dos escravos
Dos tirannos libertar !
Foram ao povo inimigo,
Dizer;Opprobio! commigo
Vinde ser livre I aprendei!
Mas ai do povo altrevido
A' quem o Brasil erguido
Disser um dia ; tremei !

Aos seus canhoes assassioos
Elle ha d gritar; parae!
E ha de tremer nas bazes
Esse traidor Paraguay 1
Oh ha de c .hir por trra
A soberba Humait!
Nos ast os do co eu leio
Que o Brasil triumphar !
E aos sons de nossa trombela,
A" cho visear das metra has,
Ho de cahir as muralhas,
Qmes muros de Jerich.
E da infame tyrannia
Sobr.', os destrocos sang ent >s
Vero tremular dos ventos
A* patri i bandeira s;
E os povos que nos vencemos,
Que redtuim Ho de pedir-nos clemencia
Nos dando os pulsos ao l.
Os vossos feitos heroicos
Sao bases d'alto tropho I
Vossos nomes sao e ser i p tos.
Em -lettras d'oiro, no cu I
O' soldidos brasileiros
Que oceopais Montevideo!
Do Brasil, naco gigante,
Nao sabe o peito tremer.
E bello, cobre, brilhante
Em prol da patria morrer.
Eia avante mocidade !
Quem conhece a liberdade
Jamis pode ser servil!
Eia avante 1..ter coragem
E' nobreza de linhagem
Que s sustenta o Brasil!
O carcter brasileiro
Que to firme como os cus,
J mostrou ao estraogeiro
Que humilhar-se...s a Deus t
E no meio das balalbas
Ao fuzilar das metra'has
Beijando a morte sorrir,
Attestou a sociedade
Qae anteDeas e liberdade
Nao se sabia eximir !
Eia pois!... most-aecom culto
De quemmocos descendis,
Cuspi na face o insulto
De quem quiz calcar as leis.
Quem da vida na pujanca
Quer saciar a vinganca
Que no peito lhe reluz,
Faz da guerra um temo canto,
Troca o riso pelo pranto
Troca o pranto pela cruz !
Alm portanto,... sentido
Meu valente batalho t
Erguei afronte aguerrido
P'ra defender a nac5o f
L nos campos da victoria
A s trombela da gloria
Vem nosso nomes dizer,
Como l disse em Caseros
Onde os peitos brasileiros
Souberam firmes morrer!
Eia os !. aos parsitas
Vamos mostrar os canhoes ;
A essas racas malditas
Que vivem entre as naces
Vamos dar-lhes o castigo,
Quem nao sabe ser amigo
Tambera nao bora irmo;
A le deve ser ouvida
E a falsidade cuspida
Nessas faces de villo
Do Brasil, naco gigante,
Nao sabe o peito tremer.
E' bailo, nobre, brilhante
Em prol da patria morrer.
E no campo da bataUta
Ao fuzilar da melralha
Beijaado a morte sorrir.
Digamos a sociedade
Que porDeus e liberdade -
Nos nao sabemos fugia !
, ir.nn l'i
B' indisivel o consumo de roadeiras que
faz o homem.
Imagine-se que s a cidade de Sonneberg
exporta annu dment tres mil Xonefadas de
brinquedos de pao !
Calcula-se em muitos centos de hectares
a superficie dos mattos consumidos neste se-
clo s para palitos de phosforo; ao paaso
que s uma fabrica europea mandn derra-
bar em dous annos tinte e oito mil noguei-
ras para varetas de espingarda, encommen-
dadas da Amica do Norte f
Calcule se por aqui o que valem as mal-
tas, que to descuidosamente derribamos.
O que boje botamos fra, o que queimamos
s m amor nem zelo, seria a riqueza de nos-
sos netos amanhSa ou outro dia.
Mas quem ha de ensinar aos nossos lavra-
dores que o sea systema de etrumar a ier-
ra vale mesmo ujae empobrecerla, e arrui-
na-la t
Serafino Polioni foi condemnado morte
em Inglaterra, por ter morto, em uma hos-
pedara de Soffron-Bill, Miguel Harrington
depois de uma luta, cuja origem se ignora.
Os italianos residentes em Londres nao
acreditaran que Polioni fosse autor do ho-
micidio, e fizeram todas as diligencias para
desabrir o verdadeiro culpado.
Negrettj, socio da firma Negretti & Zam-
bra de Hallon-Gardens, nao poupou meio
algum para chegar a conhecer a verdade. -
Havendo algumas-suspeitas oonlra Grego- pbrnambvcq,-TTP. de m. r, vis r. nutO

-;


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDZ9BY76N_CWXW7P INGEST_TIME 2013-08-28T01:37:59Z PACKAGE AA00011611_10625
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES