Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10618


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AflNO ILI. HOMERO 61.
.Ii ;> u:
qoartel pago deatrt de 10 das do i.
Uem depois dos i.
ftr
mea ...::.. 5J000
10 das docomecoe dentro do qoarlel. 61000
Porte tocorreio por traaeits.........., '750
DIARIO DE
y.
OARTA FEIRA 15 D MARCO DE 1865.
Por auno pago dentro de 10 das do l.'mez
Porte ao eorreio por nm anno.......

191000
S|000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE)
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqaim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Aires &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTEJ
Alaloas, o Sr. Claadino FalcSo Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos|
Ribeiro Gasparinho.

PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacdes da via frrea at
- Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo'Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Boro
Conselho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ez, as quartas
feiras.
#gunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
. hora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
relros, Agua Preta e Pimentelras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
4 Querto cresc. as 9 h., 59 ro. e 16 s. da m.
12 Loa chela as 8 h., 22 m. e 10 s. de ni.
20 Qoarto rolng as 10 h., 16 ro. e 22 s. da m.
127 La nova as 3 h., 8 ro. e 22 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio : segundas e quintas.
Relaco: tercas e sbados as 10 horas.
Fazeada : quintas s 10 horas.
Julzo do eommercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
13. Segunda. S. Sancha princeza v. j S. Rogerio f
14. Terca. S. Mathilde rainha de Allemanha.
15. Quarta. S. Zacharias p.; S. Loogulnho s.
16. Quinta. 8s. Cynaco e Taciano diac. rom.
17. Sexta. S. Patricio b. ap. da Irlanda.
18. Sabbado. S. Gabriel arch.; S. Narciso are.
19. Domingo. S. Jos esposo de N. Senhora.
* PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 54 ro. da manha.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos roer.es de Janeiro, marco, malo,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
oo Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figneiroa de
Faria & Filho.
PARTE GFFICIAL
COVBRNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 4 i de mareo de 186o.
Oflicio ao Exm. Dr. vigario capitular desta dio-
cese. Ero virtude de deliberadlo da assembla
legislativa provincial, contida em offlcio do respec-
tivo priaeiro secretario, datado de hoje e sob n. 19,
passo s maos de V. Exc. o incluso projecto n. 79
do anno prximo passdo, aflm de que se digne de
dar-lhe o sen assentimento.
Dito ao coronel commandante das armas. Sir-
va-se V. S. de mandar alistar no corpo de volunta-
rios da patria a ."Sorberlo Francisco do Barros e
Pedro Celestino de Almeida Cavalcanli, os quaes
oceupam os postes de segundos sargentos do bata-
lho n. 42 da guarda nacional de Stnnhem, con-
forme declarou-roe o respectivo lente coronel
commandante em offlcio de 9 do crreme.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens para
que o tenente do corpo de guarnido Jos do Reg
Barros Oque nesta capital auxiliando o capillo com-
mandante do deposito de voluntarios da patria.
CommunicoU'Se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao mesmo. Transmiti a V. S. o incluso
requerimeoto de Manoel Ferreira Lima, alim de
que providencie acerca do que nelle pede o supplt-
cante como for de justica.
Dito ao mesteRespondendo ao offlcio que V.
S. me dirigi em 8 do correte, sob n. 454, cabe-
Dito ao mesmo.ltemetta-me V. S. urna rea-
cao dos objectos que pertenceram a relinago do
Monteiro e foram vendidos por autorsaco do juiz
dos feitos da fazenda com declaracao dos precos e
nemes dos comoradores, alim de que se possa sa-
lisfazer a requisigo da assembla legislafiva pro-
vinc'al contida em offlcio do respectivo Io secreta-
rio datado de hoje e sob n. 20.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
No vapor da companhia Pernambucana que tem
de largar do porto desta cidade no dia 14 do cor-
rente serao embarcados pelo arsenal de guerra com
destino a esse presidio os objectos constantes da
relaco junta por copia.
Por esta occasio previno a V. S.deque no mes-
mo vapor segu o novilho de raca. que mandou es- j
ra. conego ella Jmnerecida nao produz aqu sensaco seria,, tados-Unidos e a Confederado do Sul foram a cau-
da prega- nem podera jamis segundo me parece levar este sa prxima dessa baixa naquelle genero, alm de
que se achava ah o missionando o Rvra.
Joo ChrisoBtonio, serve-se at mesmo
Cao delle para saciar a soa vinganca : i governoa estorvar directamente a aceito do gover-
HaLfprfSen -?aeixoso corao'estemunhas | no do Imperador em relaco aos sucessos politi-
deste faci o capito Iooocencio Furtado de Men- eos a que me tenho referido. Da Europa conti-
t?Tr*JS22! WSu Cavalcan" Ferreira de Mel- na a ser remeKido para o Brasil excellenle ar
lo, francisco Martins Grangeiro, Jos Soares de mmente por coma do governo imperial, alir
Moraes Valcacer, Jos Thomaz de Faria e outros,
como V. Rvma. vera' da copia que lhe remello In-
clusa :
Cumpre que V. Rvma. sero perda de tempe, me
exponlia clrcumslanciadamenle o que houve a tal
respeilo, e o que deu causa a urna queixa lo gra-
ve e lo positiva.
Dito ae conego Jlo Chrysostomo de Paiva Tor-
res. Queira V. S. informarme sobre as causas I
governo imperial, alm
da canhoneira encouracada que mandamos cons-
truir em Toulon foram agora encommendadas mais
duas que serao acabadas com a maior brevidade;
deste modo nao tardar que possamos cootar com
cinco oavios enconracados, incluiodo os dous que
se acham nos estaleiros do Rio, numero que bas-
tar para uossas futuras operaeoes cootra o Pa-
raguay.
A Inglaterra mantera a neutralidade na actual
a qual queixa Ibe envi por copia.
13
i Pe'o qce rspeita a Franca, porm, annunciam
alguns jornaes desta capital que o gabinete de Pa-
Offlcto ao Exm. Sr. presidente da Parahyba. ns deve
que a febre com que se especulou tanto nesse ar
tigo se acha abatida por virtude da crise (inanceira
por que acaba de passar o mercado de Londres ;
muias quebras liveram lugar em resultado de
taes especulacSes, e agora chegou, pois, a hora da
reflexao, que est tambem Influindo oo preco desse
genero. Entretanto, a esperanca da paz desvane-
ceu-se, e per conseguinte se pode prever qua essa
mercadoria tender gradualmente a subir de pre-
Co, sobre ludo se Wilmington vier a cahir as maos
dos federaos.
Cacao do Brasil de 37 s. 59 s. per cwt, ou 112
arrateis loglezes.
Caf de i qualidade de 70 s. e 80 s. per cwt;
2 dita de 63 s. 69 s., e ordinario de 52 s. 62 s. per
cwt.
Pao Brasil nao tem apparecido venda.
Assucar branco de Peroambuco e da Parahyba
de 22 s. 25 s. per cwt; mascavado de 16 s. 21 s. 6
d. per cwt.
seceos do Rio de 6 1[2 d. a 9 d. por
rdeos oecessarias.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda.D V. S. suas ordens para que na' vwcio ao xm. ar. presidente da Parahyba. ns deve a esta hora ja ter sido rogado por urna
fortaleza de llamara' e oo forte do Pao Amarello, eudo o subdelegado de Itabaiaoa Jos llutino de missao especial de Montevideo, que acaba de che-1 Couros
destaquem, ueste urna, e naquelle duas pracas da ra va, no dia 26 de fevereiro prximo passado, gar a Franca a bordo do Guienne, a bem de urna libra
guarda nacional sob seu commando superior, cora- Jn***> *Plar na capel la da povoaco do mes- mediaco no conflicto exstentejenlre essa republi-! Na" ultima quinzena houve o seiruinte mnvimen
roo oome o cadver do prvulo Hermeliodo, bran- ca e o imperio do Brasil; sem enrolado indlcarem' to BfiiiWiflBST
^ y r T de STtAD,0D0 de*Garvalh0 qual ser 6 resu,ud0 desse expediente que se attri-! guiiam dTdlversos porto inelezef narTo oe d
ldhe?""a i,e,smuda de Paiva, sera que para is- bueao presidente Ago.rre, e que era principio nao lontfrto: deKfi^flfw?^ RiS ra
ttER ssmjprA sssns ssrrrr1***sabiae,edas Tu- SSS f^SS5sSfm 3S8
Tavares Bezerra, e al era opposicao as admoesla- Essa nova situacao, nao pode, todava, prejudi
edes ueste e costra soa vontade, como me partici- car os interesses do imperio, ja porque o gabinete nambuco'
nho ^otlTLZ^T^ ? Stef S**^ +**?***&.*&* **\ De diversos portes do Brasil chegararo Ingla
rouolcando me a data em que esta ordem for exe-
cutada.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Cabo.Expeca V. S. suas ordens para que
em cada um dos fortes deGaibu' e Nazareth des-
taquen) urna praca da guarda nacional sob seu
esmroando superior, commuoicando-roe o dia em
qne esta ordem for executada.
PortarlaO presidente da provincia, usando da
medizerlhe que em quante o constar offlcial- r'Vicao que lhe confere.o 10 do art. 211 do
mente a decisao deffluitiva e absolutoria proferida
pelo conselho supremo militar de justica acerca do
coronel do corpo de estado maior de segunda clas-
se Antonio Gomes Leal nada pode esta presiden-
cia resolver a semelhaole respeilo.
Diloao mesrao.Sirva-se V. S. de, em vista do
incluso documento, permiltir que o volutario da
patria Joaquim Amancio de Freitas Castro use das
insignias de 2 cadete.
Dito ao mesrao.Sirva-se V. S. de mandar alis-
tar no cerpo de voluntarios da patria a Jos Anto-
nio Correa, Joo de Barros Antunes Lins Wander-
ley, Francisco Antonio Wanderley, NapoleSo Anto-
nio Mooforte e Jos Diooisio Vieira de Barros.
Dito ao Dr. chefe de polica.Queira V. S. re-
metter-rae cora brevidade as informaedes exigidas
em data de 18 de oolubro ultimo, para cumprimen
regulamento o. 120 de 31 de Janeiro de 1842, re-
solve additar o art. 12 da portara de 16 de Janei-
ro ultimo, declarando que o juiz de direilo da co-
marca do Cabo ser substituido em seus impedi-
mentos : 1 pelo juiz municipal do termo do Cabo,
2o pelo de Ipojuca.
DE
GOVERXO DO BISPADO
PERWIHBUCO
SEDE VACASTE
Expediente do dia 9 de Meto de 1865.
Offlcio ao coadjuctor do Bom Conselho.Em
resposta ao seu offlcio de 7 do prximo passado,
tenho a dizer-lhe, que approvo as deliberacies lo-
a
madas por V. Rvma. de acord com o digno Dr.
to do aviso circular do ministerio rda justica de 1*3 Jal? de direito e o Rvra. inissionario apostlico frei
de setembro do anno passado, aflm de serem en-
viadas no vapor que passar para o sol.
Egidio, sobre a recepeo das duas pensionistas,
urna vez que a regente prestasse a sua annuencia,
Dito ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens para jcomo "^ persuado que deve ter snecedide.
que sejara embarcados cora segur,ancapara bordo! Quanfo aos casamentes de viuvos de que me
do vapor da companhia Pernambucana, que deve faila^deve previamente exigir a competente jasti-
largar para o presidio de Fernando no dia 14 do. Bc-acao de bito, principalmente dando-se essas fal-
corrente, os 19 sentenciados mencionados na rea- i S'ficacSes que V. Rvma. allega.
Cas inclusa por cpia, eerlo de que o arsenal de i Dit0 ao vigario da Varzea.Recebi o seu offlcio
marioha lem ordem para ministrar naqneile dia a | de 7 do correte, em que me participa ha ver nessa
uecessaria condcelo. Expediram-se as necessa-! da,a entrado na regencia da freguezia da Varzea,
rias ordens. a qualidade de vigario encommendado de que fl-
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. e0 sciente.
Mande V. S. abonar em os devidos lempos a con- D'10 ao vigario de Buique.Pelo sea offlcio de
signaclo qne segundo o roquerimento incluso pre- 4 do crreme, fleo sciente de haver V. Rvma. en-
trale deixar do respectivo sold nesta provincia, carregado a regencia da sua freguezia ao padre
para alimentos de sua familia o 2o eirurgiao do Miguel Joaquim da Silva durante o seu impedi-
corpo de sade do exercito Dr. Ernesto Feliciano mente, por ter de assistir s sessdes da assembla
da Silva Tavares, que tem de seguir para a corte provincial, de que V. Rvma. digno membro.
em virtude de ordans in.periaes. Dito ao vigario deA/gua PretaTendoV. Rvma.
Dito ao mesmo.Pela verbasoccorres publi- sido pronunciado na/ causa enme, que se acha
eose era vista da inclusa conta, mande V. S. pa- pendente no juizo eclesistico, e havendo per isso
gar a Manoel Baptista do Nascimente a quantia de Hcado suspenso de meio e beneficio, nesta data
1755 proveniente dealuguel de carros quecondu- nomeei o Rvd. Loufencode Albuquerque Loyula
Grande ; de Liverpool The Commodore (21) para
Pernarabuco; e de Clyde habella (21) para Per-
diflcar a situacao anmala que elle crea entre a
Graa-Bretanba e o Brasil I
As noticias do Pacifico chegam al 16 de Janei-
ro. O Per assignra um convenio com o almi-
rante Pareja, obrigando-se a pagar qualrocentos
railboes de reales a Hespaoha e a mandar plenipo-
tenciarios a Madrid; deste modo reputase estar re-
solvida a contenda entre esses dous patzes.
De Nova-York escrevera era data de 11 do cor-
rente que Grant simulara no dia 7 um ataque con-
tra Richmond, sendo seu lira real destacar forcas
conira Wilraington : nesse encontr as torcas fe-
deraes foram repelladas pelo inimigo com perda de
1,500 horneas. Sherman marcha va contra Char-
leston, que, segundo as noticias de Nova-York,
acaba de ser evacuado pelos confederados.
Na mtnha ultima noticiei que Mr. Blair nao fura
feliz na sua missao de paz Richmond ; posterior-
mente liveram lugar successos mais importantes,
havenao-se reunido no forte Monroe ama conferen-
cia para a paz, em que tomaram parle o presidente
Lincoln, Mr. Seward, Mr. Stepgers, vice-presidente
da Coofederacao e oulros. O resultado, porm,
dessa reunio toi nullo, porquanto Mr. Linela re*
cusou-se a discutir sobre a base de separacio que
lbe toi apresentada pelos confederados. A guerra
continuar, pois, a ser o expediente de que se ser-
virao esses combatentes para resolverem a causa
era litigio.
O premio do ouro baixra, fkaodo a cotacao'em
Nova-York a 205 1/2.
^tp&xri& rs=5SSwffi s>rrSSHDiJiRio de pernambuco
que se digne dar as necessarias provindencias, de Montevideo. j,., ,J~ir./ I
l?!rqUe1aSa-UlOrdadesc0DStiluidasParafaie,: Dand0 DOticla da <-heada daiuella il*JMTcft.|fb&tlklSiSSV
respeiiar a le. nao.sejam as primeiras a vilala e Franca, alguns jornaes disserara que ella sollicila- Cowes; de Sanios G^JSTS^fS" e
ra a raediacao tomando tmbem por base a defeza da Babia Esperanza (21) a Torbav
dos interesses das potencias neutras compromettl-
dos em consecuencia da guerra entre a Banda
Urienlal e o Brasil; mas acaso o gabinete francez
profanar os templos'cmraettendo nelles actos de
reprovada arbitrariedade.
E lo perniciosos sao estes exemplos, Exm. Sr.
2Sijai,l3,pe8S*" daqu,e,le lugar ,evarara a ef- *
teiio igual apuso, enterrando na capella de Nossa poderia jamis sustentar essa doutrina, ou o abi
Senhora do Livramento oa mesma povoaco o ca-
dver de outro prvulo de oome Jaouario
nele imperial aceita-la quando defendida por qual-
quergoverno? Seria absurdo subordinar o direilo
Ein \. Excs. lem a lei um sustentculo, e a re- soberano que tem o Brasil de fazer I
ligiao um defensor; e estas coosideracoes me' Molevido, aos ioieresses das potencias oeutras
trauquiiiizam e me dao a certeza de que jamis se que apenas tem o direito de reclamar, em contor-
reproduzrao semelhantes abusos. I midade com a lei internacional, favores que de
a ao.v'8ari0 d0 Pilar. -Tenho presente o offl- modo algum possam compromeiter o lim supremo
co ae a do crreme, em qae V. 8. me participa o que levam em vista as parles belligerantes.
procedimento do subdelegado de Itabaiana, que no! Assira, pois, parece-roe que o objeclo daqaella
aia 2b ao prximo passado, fez euterrar o cadver roisso caducara', devendo a accao do gabinete de
de um prvulo na capella da povoaco do mesmo Pars limittr-se a propor ao Brasil urna mediacSo
oome, de grades abano, cootra -
pressa do Rvd. i
i roceuimeolo *>q para t so-
HowSv Prh,b,50 HBlSBfSJBWStt 86r ^ei,ada!^ie^aa''a"*^no^mmptede^^ez
capeiiao respectivo. i pelo gabinete do Rio se assim coovier aos oossos coosagraco de urna igreia era Hieheate onde or
o este que toi ogo_segu.do por oa-; interesses, e iste sera a menor offensa para o go-1 virtude do mo Zfno EStKzESLEL
iros individuos que, a exemplo" da auter.dkde po-1 verooda Franca, visto como'o re-rT^'se acha IqelTaslepols ewa^^Sra na IdanVdTS
hcial, tambera enterraram sera liceoca e cadver ja ha rauito lempo era luta coolra Montevideo, tero -
de ouiro prvulo na capella
Livramenlo.
de Nossa Senhora do lodo o direilo de ajuizar da opportunidade de um
j tai expediente.
Resta, data me dirijo ao Exm. presidente dessa Nao deixarei de informar os leilores acerca de
provincia em quera tenho eocootrado sempre o I ludo quanto possa eu colher em relaco a este as-
mis decidido apote a causa da religio e da justi-1 sumpio, de que como disse ja se oceupou urna par-
ca; pedtndo-lbe em oome da lei e do templo ul- le da imprensa.
tmjado que se digne dar as providencias, afim de Consta rae que da Irlanda ha offerecimentos em
que nao se reproduzam taes actos, e lo flagrantes favor do Brasil para a formaco de alguns regi- ,
abusos de amor.dadej e fleo tranquillo na conv.c- mentes quedesejaram entrar agora no servico mi- omanahaviaTaut fundado
Cao de que elles se nao bao de reproduzir. ; litar do imperio; mas o governo imperial nao de- Llraco dora, n tShXil
Temos vista datas da Europa, trazidas pelo va-
por francez Navarre, alcancando : de Hamburgo
20, de Londres e Paris 23 e de Lisboa 28 do pas-
sado.
Chegou a Pars no dia 20 a commisso presidida
por D. Francisco Juanic, que em oome da assem-
bla do Uruguay vem pedir a iniervenco da
Franca no seu conflicto com o Brasil^ Nao pare-
ce provavel que as potencias europeas deem consi-
deraco ao pedido de iniervenco. Na cmara dos
comamos em Inglaterra, Mr.Lajrard snb-secreurio
de estado dos negocios eslrangeiros, disse que a
Inglaterra nao bavia receido pedido algum de
mediaco eolre o Brasil e Montevideo, declarando
que o governo inglez nao tioha tencSo de temar
part neste conflicto.
No dia 15 de fevereiro abriu-se o parlamen-
to fraocez com teda a solemnidade. A ceremonia
vericou-se oo palacio de Louvre. A ira pera triz
e o principe imperial foram recebides sua che-
gada pela princesa Clotilde, e pelas princezas Lu-
ciana Mural eAana Mural, e o imperador pelo
aooos e alguos mezes A igreja archepiscopal de K|!f,pe Wll0 S pel0S PrBC'Pe da fatBilia '.m-
i Perla': 'mperador, a imperatriz e o principe
Os consolidados inglezes fleam cotados a 89 1(4;
e a renda franceza a frs.67 25 c.
Os fundos brasileros de 5 Ora. de 100-102 e os
de 4 l|4 0|o a 83 1|2. Rllanos 5 0|0 64. Porlu-
guezes 3 Uto 47 3|8. Perufcnos 4 Ii2 Ojo 84 3|4.
Chilenos 6 0|fj 100 H4. Russos 0|o89 1[8. E tur-
cos garantidos de 4 0|0 de 99 a 102.
Aigreja calhoMca acaba de soffrer neste Reino
Unido urna perda sensvel e quast irreparavel. Ni-
colao VVisemao, cardeal arcebispo de Westminster,
primaz do catholicismo na Graa Bretanba, fallecen
no dia 15 do crreme, victima de urna eryslpella
que lbe atacara a eabeca, sero que os esforeos da
medecina podessera salvar o Ilustre enfermo. Sem-
br zeloso no comprimeoto dos seos de veres, -sa
virtude do mo tempo que fazia colheu a molestia
Westminster chora a perda do seu prelado virtuo-
so, e a Inglaterra ero geral a de um sabio na pes-
soa do Cardeal Wisemao; porqae era verdade essas
ambas qualidades residan) nesse Ilustre principe
da igreja. sua Eminencia preslou relevaotes ser-
vicos religio, organisando na Gra-Bretanha a
hieran hia cathollca e consolidando todas as iosti-
tuicoes que a piedade dos subditos fiis da igreja
e a sua prudencia e
ziram o inspector da sade publica ao municipio
de Iguarass, para traiar das pessoas indigentes
accoraroeoltidas de molestia que all appareceu
com carcter epidmico.
Dito ao mesrao.Inteirado do contedo do seu
offlcio de 9 do corrente, sob n. 150, tenho a dizer-
lOe que deve V. S. contratar com o gerente da
companhia Pernambucana a ida para Fernando de
Noronha no vapor qne para all lera de seguir no
dia 14 do corrente, do novilho mandado vir de In-
glaterra com destino a'quelle presidio, em virtude
de ordem do meu antecessor de 26 de agosto do
anno prximo passado; convindo que V. S. tambem
providencie sobre a compra da porcao de farello,
eeadjuctor pro-parcho desta freguezia, a qaal o
mesmo Rvd. sacerdote, reger llorante o tempo
que V. Rvma. estivr impedido : o que lhe parti-
cipo para sua intelligencia.
; 10 -
Offlcio ao vigana de Cabrob.Para satlsfazer
a requisico da assembla provincial, que pede a
minha informaro sobre o projecto n. 3 que crea
urna freguezia na I povoaco do Sacco, com a de-
nominaco da Senhora Santa Anna ; cumpre que
V. Rvraa. me d;a tal respeilo urna inforraaco
circunstanciada, daclarando quaes as convenien-
cias dessa diviso, qual o estado da capella da Se-
nhora Santa Anna, que sequer erigir em matriz,
cev&da e feno que fr precisa para alisientacao do e ?e tem os paramentos e alfaias necessaria para o
mesmo novilho, nao so durante a viagem, mas mister a que deslinam.
tambem para 2 mezes que medeiam entre esta e a Incluso por copia achara V. Rvma. o projecto n.
segunte viagem aquella Ibado vapor da sua com- 3 a que me refiro
panhia. Igual aos vigarios das freguezias do Salgueiro,
Dilo ao mesrao.Deferindo o incluso requeri- Ex e Ouricury.
ifiento do capito do 4o batalho de artilharia a p Dito ao vigario de Cimbres Tendo en de ex-
Tiburcio Hilario da Silva Tavares, recommendo a pender a minha opinio sobre o projecto n. 70 da
V. S. a expedico de suas ordens, aflm de que se assembla provincial, que crea urna nova fregue-
ajuste comas ao mesmo capilo que lem de seguir zia desmembrada da de Cimbres, cumpre que V.
para o presidio de Fernando na qualidade de com- Rvma. me informe circumslanciadamente sobre a
mandante do respectivo destacamento, e bemassira conveniencia dessa creacao, tendo em vistas to
para que se consinta que seus vencimenlos sejam sraente o bera espiritual dos fiis, a commodidade
tirados nesla capital pelo corpo ou companhia a dos povos e o augmento e prnsperidade da nossa
' que ti ar addido, visto ter o predito batalho de religio. Para o que torna se necessario que me
seguir para o sul. Comraunicouse ao corooel iotorme sobre a localidade da capella de Nossa Se-
commanJante das armas. nhora Mi dos Homens sita na villa de Pesqueira,
Dito ao mesmo.Ao alferes do corpo de guar- se est decente e tem proporcoes para ser matriz, e
meo Joaquim Pedro do Reg Barros, que segu se est prvida de alfaias.Igual aos vigarios das
para a villa de Tacarat' pela provincia das Ala- freguezias do Buique e S. Benlo.
goas, mande V. S. abooar o quanlilativo preciso ; Dito ao vigario de Buique.-Tendo-se dado nm
para o seu transporte, de um cabo e tres soldados, conflicto entre V. Rvma. e o juiz municipal do ter-
bera assim de dous caixes contendo objectos que m do Buiqae sob-e as leis e avisos qae ordeoam,
se deslinam ao mesmo corpo, sendo a viagem por que os orphaos menores de 21 annos nao poderao
mar de Penedo a Piranhas, e per ierra desie lugar easar sera o coosenttmento do juiz de orphaos,
a predila villa.Fez-se e necessario expediente a cumpre-me declarar a V. Rvma. que, apezar das
este respeilo. judiciosas raz5es por V. Rvma. apresentadas no
Dito ao mesmo-Deferindo o incluso requeri- seu offlcio de 17 de Janeiro ultimo, dirigido ao
mente do capito reformado do exercito Caetano mesrao juiz municipal, todava nio se trata de jure
Gaspar Lopes de Azevedo Villas-Boas, sobre que constiluendo, e sirn de jure constilulo e por tanto
versa a iotormaco do coronel commandante das forcoso cumprir alei que est em vigor, e-que
armas de 3 do corrente, sob o. 416, recommendo ordeoa que os orphaos menores s poderao casar
a V. S. que, nao havendo inconveniente, mande obleado licem;a do jaiz respectivo. Pelas nossas
pagar ao supplicante o sold que lhe competir in- leis sao reputados orphaos to s mente aquellos
dependentememe da anresenlaco de ua patente que nao tem pai, visto como as mais nao tem entre
de reforma e da cerlido de seus assentameotos, nos patrio poder, como V. Rvma. muito bem sabe,
atientas as razSes pooderadas no predito requeri-1 11
mente. Communlcou-se ao coronel commandante! Offlcio ao vigario da Independencia. Chegando-
das armas. me as maos urna queixa dada por Alberto da Sil-
Dito ao mesmo.Remetto a V. S. para ter a coo- \ veira Borges, e por elle asslgnada em data de 20
veniente applicaco a quantia de cero mil ris em' do prximo passado, em que diz que quando o
uraa nota do novo banco desta provincia, que ac- Rvra. conego Joo Chrisostomo de Paiva Torres
ba de ser offertada pelo cidado Manoel Francisco ; andar missionando por essa freguezia. V. Rvma.
Ferrad de Albuquerque, rendeiro do eogenho Ara-: por animad versad qoe conservava ao qoeixoso, se
ticti da freguezia de Barreiros, por intermedio do; empenhara cora e Rvm. conego Joo Chrisostomo
juiz de direito da comarca de Palmares, bacharel para conseguir de algumas autoridades policiaes
Joao Francisco da Silva Braga, para asdespezas da' desse termo, que fossem presos correccionalmente
guerra do imperio com as repblicas do Paraguay os feitlceires, e Isto to smente alim de molestar
e Uruguay. ao queixoso incluindo-o no numero destes :
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Em Constando mais do documento a que me reflro
vista dos inclusos documentos e nao havendo in- que, aehatido-se-o qoeixoso nessa occasio enfermo
conveniente, mande V. S. pagar ao pharmacentico em sua casa, tora arrancado do leite da dor, por
Leocadio Jos de Figueiredo conforme solicitou o I homens armados de hasteas de pinho, com que o
chefe de polica em offlcio de hontem, sob n. 336,1 fustigaram todo o caminho, at o fazerem entrar
a quantia de 520720 rs. em que importaran) os nessa villa oo meio de ralas e apupadas; sendo
medicamentos por elle tornecidos durante o mez de
dezembro altimo para o curativo dos presos po-
bres da cadeia de Goianna.
Dito ao mesmo. -Transmiti a V. S. as duas in-
clusas cootas aflm de qae, nao havendo inconve-
niente mande pagar a Antonio Mooiz Perelra con-
forme soliciten o chefe de polica em offlcio de
hontem, sob o. 340, a quantia de 400 despendida
com o sustente dos presos pobres da cadeia do
termo da Escada, nos mezes de dezembao e Janei-
ro ultimo.
que, mesmo depols de recolhido prisd tora ioju
riado e maltratado por V. Rvma. :
E nao podendo passar desapercebido nm proce-
dimeoto to atroz da parte de uro pastor ; que, em
lugar de curar de suas oveihas, doutrina-las e en-
sinar-lhes o perdo das injurias e o amor do pr-
ximo, tio recommendado por Jess Chrlsto, como
ama das primeiras virtudes christes, pelo contra-
rio expoe estas mesmas owlhas ao ridiculo e s
vaias da populaga, leva-as fcara assim dizer ao de-
sespero, e o que mais wrve-se da occasio em
illuslraco deve o catholicismo sestea Reinos a
governo imperial
sejara' tal vea ntroduzir no Brasil o elemeota mili-1 grande "influencia de que est gozando, pelo acert
lar estrangeiro, sobretudo quando se trata de urna com que sempre ensinou a doutnn
CORRESPONDENCIAS DO DIA
RIO DE PER.I'A JIRCCO.
LOrSlRK*.
23 de fevereiro de 186o.
A correspondencia do Brasil, vinda pelo vapor
Guienne da linha de Bordos, toi aqui destribuida
no dia 20 do corrente, e os jornaes inglezes da
i guerra em que temos de repellir tambem a inva
! sao do nosso territorio : entretanto o povo Irlandez
bravo, e em caso de necessidade sera pois mui
I til para o Brasil tancar mo desse expediente a
I que a propria Unio Americana tem recorrido.
As noticias commerciaes vlndas do Brasil pela
i presente mala, nao foram satisfactorias, vista do
j numero elevado das Armas que se declararam fal-
'. lidas em virludeda crise de setembro ultimo. Se-
j raelhante situacao promove a desconfljnca entre
! este mercado e as nossas priocipaes praca, e d'ah
| resulta urna oolavel iluninuico Das transaccoes
ooute deram logo cora desenvlvimento as noticias I mutuas o que aflecia seriamente a riqueza publi-! M ola va neto moos um semimenlodeveoeracol H?a,n.d ?V0 rein'' da llal/a e a iaependeocia
(lll imnprin nilA n fnlpnranhn tia f i.-Kr. i li.ui. .V I Ca los flnllS ii.-U7i'< m:w mnil. mo> a An rtrocil m .1_________.______ ^ Ua Santa SO
de Lisboa bavia j Ica dos dous paizes, mas mnito mais a do Bras
como isso obvio. Queira Deus que a severa li- 0 coche
Cao que acabamos de receber nos sirva de expe- fazendo
riencia, limitndonos em materia de eommercio a
urna base compativel com os
crdito de cada um, o que smente
lian Bank Acarara apenas com o premio de 2
a 4, e as do Brasilian & Porlagueze cem o de X
l|2 a g 1.0 Laodoo de Brasilian deu ltimamen-
te um dividendo na razo de 6 Oto ao anno.
O descont do banco de Inglaterra mantem-se a
5 1|2 0|0 ; mas os Joiot Stock Banks tem descon-
do imperio que o telegrapho
transiniltido para aqui.
A tomada de Paysand pelo exercito brasiieiro,
depois de urna renhida luta que durou cincoenla
horas, toi noticiada por esta imprensa com nm
pouco de m vontade contra nos, sendo porm que
as folhas de Londres se referiram pela maior parte
jornaes e correspondencias do Rio da f.ata, ad-
versas ao Brasil.
Fo assim que os orgos espalbaram haver c-
nido aquella praca as nossas mos durante urna
tregoa, que havia sido ajustada entre os combaten-
tes, mas que nao toi respeltada pelo commandante
em chefe do exercito imperial; accrescentando que
o general Leandro Gomes tora assassinado depois
de haver capitulado, successo este que alm de
outras circumstancias denotava bera o carcter
sanguinario e brbaro com qae est empenhada a
guerra naquella parte do mundo I Era Franca hou- lado a 3 1|2 Oo sobre Armas de primeira ordem e
ve al urna folha que mencioneu o assassinato de a u dias. O mercado monetario est abundante,
Leandro Gomes, alludindo a connivencia por parte e esla eircumstauca leva a crer que o banco redu-
do almirante baro de Tamandar, aleivosia que zira em breve a sua taxa.
todava nao toi aqui partilhada, sendo pelo contra- Entre algumas novas companhias que acabam
rio publicado bem distintamente qoe tora o cau- le apparecer aqui, ligura a da illuminaco a gaz
dilho Flores e autor daquelle crime, que toi mui da cidade do Rio de Janeiro, cujo previlegio per-
reprovade pelo almirante brasiieiro. tencia a baro de Mau. As arces dessa empre-
A noticia de que o exercito do Imperador, forte Ia se acho coladas com ai 1 \t a i de premio ;
de mais de dez mil homens, se achava em marcha e a vista do bora resultado que tem offerecido no
contra Montevideo, onde encontrara j a esquadra Brasil essa empreza nao duvidou que as acedes
imperial destinada ao bombardeameolo dessa pra- a8ora emitlidas aqui veoham a subir muito de
Ca, veio persuadir o publico inglez de que em bre-; P"eC0.
ve a capital da Banda Oriental cahiri em nossas' e emprestimo contratado pela casa Man & Mac
mos, com o que ter o Brasil re-olvido a primeira Gregor, e de que dei noticia ha j algum tempo,
parte do drama militar era que se acha empeeha- "-o.niina colado oo Stock Exchange com o premio
do, e cuja segunda parte com relaco ao Paraguay le 3 1|2 a Sf 4. Esta operaco foi feiu em
vira a ter, comqaanto mais tarde, um resultado avor da repblica de Montevideo na importancia
igualmente favoravel s armas impenaes. A(l am milhd esterlinos ; consta-me que aquella
E' esla a opinio daquelles que imparcialmente [ "rn,|a espera ver realisada toda essa somma den-
julgam e Brasil em relaco aos seus meios de ag- [lr" gresso na luta que est actualmente pelejando,; quanto haja rumores em contrario, afirmando ha-
embora hajam folhas que, fomentando a opinio dos ver falhado essa operaco.
. e com que
dotou, de accordo com os outros prelados, a igreja
apostlica aqui com um sacerdocio exemplar.
Hoje leve lugar o enterro desse Ilustre prelado,
sendo mmenso o concurso e innmeros os signaes
de ultimo respeilo pagos aos restos morlaes do
grande homem : os offlcios fnebres tiveram lugar ,
ero Santa Mara de Moors Fields, e d'ahi parti de- ^gSS^-^g.'g.g*ggfe.g **
pois o cortejo funerario dirigind-se para Kensal- SiSlSllfffcf! nacionalidades, e o
Green, ondeoi depositado o8corpo de sua entinen- SItAJST ni ******&- 1 r'f
cia em iazieo nermanente a rms di camial nnr p ? fua sor,e '-(Jue a convencao de 15 de se-
oodeempJa"'o6u o^SSfftaertre? acavSE?.?i- SZ^S!Sl^S& """*
nhadas com milhares de pessoas em cujos rostes {ra dous grandes P"pl.oa, a coosoli-
.0 de veueracao;
e alguns ceoteoares de carruageos acompaohavara
imperial foram aclamados com enthusiascos vivas
a sua entrada na sala.
O discurso imperial toi aeolhido ealtiuisiaMica-
menle pela assembla, e recebido mui favoravel-
mete em todos os deparlamentos da Franca, e li-
songeiramente apreciado pela imprensa estrangeira.
Neste documento o imperador lastima nao ter
sido possivel effecioar o cougresso europeu por
elle proposto, como nico meio de applainar as
difflculdades que ameacavaro a tranquillldade da
Europa ; pois a espada corla muilas vezes as ques-
toes sera as resolver, e a nica paz duradoura
a satisfacd dada pelo accordo dos soberanos aos
verdadeiros oteresses dos povos ; que em presen-
ca do conflicto dano-germanico o governo divid
entre, as suas sympathias pela Dinamarca, e a sua
boa vontade pela Allemanha, guardara a mais es-
tricta neutralidade, e que
que conduzia o corpo do Ilustre prelado,
ludo grave impresso no meio desta me-
que o estado provisorio e precario
que tantos receios tem excitado vai desapparecen-
do-; que a Italia um grande paiz que elevndo-
se acuna dos preconceitos locaes e despresando ex-
a
latera ae eommercio a ,r0poie, onde reside e cheto do protestantismo e cu- dtar^irrXt^ ue>presanoo ex-
recursos e razoavel ja maoria adversa ao catholicismo. Ignora se SSLSSSftJSSSW cora osaa,e,le a
rnente poder restabe- p0r em quanto nuem ser o successor do cardeal a p para coracao da pennsula, collocan-
lecer o equilibrio as transaccoes das nossas pra- RST3VSK l$5^t^ fa^inloraavel'0 ti i&ZZSZ Ta ?.
Cas, consolidando ao mesmo lempo o crdito geral para esse fim os nomes dos monienhores Morninir .- ,moraavel' 9ue a Ijal,a Pr esle acto de patrio-
que a pedra fundamental do eommercio. As ac rNewader e do itera de Soiithwark e de Ma 22 Se C0DSU,uedeflniiivamenle, e reconcilia ao
Coes dos bancos inglezes que tem llgato com o chesler wumwa e ae Man- mesmo lempo com 0 ca,no|cisrao obrigando-se a
Brasil baixaram, podendo altribuir-se este inciden-. Na minha antecedente carta noticiei a checada resDe!lar a mdependenca da santa s e a proteger
te ao ue cima levo di : as do London 4 Brasi- fcVStTSSV ptnS D. IsanK fiif. 2j*ft ?^.'*
companhia de seu marido
que attribuem ao Imperador projeclos de conquista
oo Rio da Prata, espalhem opioides erradas, alle-
gando que o Paraguay obrigar o Brasil a fazer
urna paz desvantajosa.
Urna correspondencia, vinda do Rio por esta, ma-
la, communicou para aqui que o governo imperial,
achando-se em difflculdades pecuniarias, mandou
instrueces ao baro do Penedo, aflm de ser con-
tratado nesta praca um novo emprestimo na im-
portancia de tres milhoes esterlinos; nao creio po-
rm nessa verso, que nada me autorisa a confir-
mar, sendo pelo contrario certo que os nossos fun-
dos de 5 '/, subiram a 102, o que de modo neo-
hum indica aqui o presseotimento de que o thesou-
ro do Brasil busque entrar em nevos eompromis-
sos com esta praca.
Essa mesma correspondencia, escripia no senti-
do hostil a nossa causa, declara mais que nao
real o enthusiasmo militar que as nossas folhas do
como existente no imperio, pois que dos milhares
de voluntarios a que se referem as mesmas folhas
apenas ha am eento delle; tal o meio por que
esse orgo da opinio dos estraogeiros residentes
no Rio procura desfigurar a verdade, qoe alias Ihes
amarga, porquanto os nossos recursos no actual
conflicto sao bem conbecidos pela sua soperiorida-
de emrelaco aos do Inimigo do Brasil.
Toda esta guerra gratuita que nos fazem, funda-
se porm no ja mencionado receig de que o Brasil
quer engrandecer-se do lado do ma, e pois que
As acedes das nossas estradas de ferr ficam co-
ladas pelos segrales precos : as do Recife 13
l|2e14; as da Baha a 16 ; e asdeS.
Paulo a .17 1|2. J se v, por tanto, que eslo
sempre a descont conslderavei, sem que nada in-
dique um meiboramento de condico nesses fun-
dos, a menos que o governo imperial esleja dispos-
te a fazer novos sacrificios em favor dessas empre-
zas. A companhia do Recife nao tem dado dividen-
dos ltimamente, e nao me admirara que outro
tanto venha a succeder com a da Baha, apezar das
economas que a directora desta ultima empreza
tem feilo : o mal esl na ausencia do trafico, ero-
quanlo que o costeio sempre mui despendioso e
aquello inconveniente nao desapparecer to cedo,
porque infelizmente o iracado "aquellas duas li-
nhas nao tem correspondido, no que resneila aos
clculos sobre elle feitos para o fim dos lucros pro-
vaveis, expectativa dos promotores dessas obras
de tamanha utilidade publica. Se o senado vier,
porm, a votar a exlensao da garanta em favor da
linha do Recife, creio qne as acedes desta empreza
melhoraro algum tanto, porque nesse caso a direc-
tora poder vir a dar novameote os competentes
dividendo aos accionistas dessa companhia.
O algodao do Brasil tem obtido no mercado de
Liverpool as seguales colacdes : o de Peroambu-
co 18 3|4 d. a 19 d. por libra ; o do Maranho 19
d. a 20 d., e o da Baha 17 1|2 d. por libra. Os ru-
more? de ama provavel reconciliacao entre os Es-
o prncipe conde d'Eu.
Suas altezas lem continuado a residir em Clare-
mont, onde tem sido muito festejadas pela rainha
Amelia e por lodos os principes d'Orleans; deve-
ro demorar-se neste reino at principio de abril-
seguindo entao para a Blgica, Austria e Portugal,
onde se erabarcaro em junho de regresso ao Bra-
sil. No dia 21 do crrente a princeza imperial toi
recebida no caslello de Windsor
deste modo a retirada das tropas francezas; que
o lerritorio pontificio flea sob a salva-guarda de
um tratado que liga solemnemente os dous gover-
oos; que a convencao nao urna arma de guer-
ra, mas sim urna obra de paz e de conciliario.
Que, no Mxico se consolida o novo Ihrono pa-
cificaodo-se o paiz, e desenvolvendo-se os seus
iramensos recursos ; que estes resultados eran
o feliz eflelo do valor dos soldados francezes do,
de a rainha, sendo acompanhada Ko "32o"' \Zt tUSJT*** "^V"**"9
e>poso, pelo duque J
Margarida d'Orleans
de Nemours e pela princeza I
j e posteriormente essa nossa
princeza veio a Londres visitar o principe e a prin-
ceza de Galles, que haviam convidado soa alteza
imperial para am lunch em Marl-Corough Vallace.
Consta que sua magestade a rainha recebara sua
alteza imperial com a maior distioeco, refenndo-
se rauitas vezes ao bom acolhimento que o impera-
dor fizera no Brasil ao principe Alfredo.
A presenca da herdeira do ihrono do Brasil oes-
te paiz tem creado a esperaoca de que em breve
se restabelecero as relacdes polticas entre o im- dfflculdade
perio e a Gra-Bretaoha; e al o Awil, jornal de :
Londres, deu como prximo esse desejado suc-
cesso. Entretanto nada tem occorrido de novo a
respeilo do nosso conflicto, depois daquillo que re-
fer na minha ultima missiva ; espera-se que em
breve transpirar o sentido da nova proposta que
lord Russell fez ao Brasil, e que elle presume sera
acceita pelo governo imperial.
A linguagem porm que esse ministro susleolou
ai oda ha pouco no parlamente deixa receiar pela
bondade desse novo expediente, visto como nao
provavel que o gabinete de Londres queira collo-
car-se em contradiroo.
Sua Exc. reiterou nessa occasio a boa f cora
que procedeu no caso do naufragio do navio Prtn-
ce of Walles, dizendo que jamis levou em vista
olTender a nossa soberana; sustenta todava os ac-
tos de Mr. Christie, e nisse mostra que nao cohe-
rente, sendo que lhe cumpria reprovar taes actos
para provar a boa f que nos quer inculcar em re-
laco ao conflicto aoglo-brasileire.
Nao vejo, portante, qae sahna decente bascar
esse ministro para contentar o Brasil, que se pres-
tar talvez a modificar o ultimtum que aqui apre-
sentoo ha dous annos, mas nao a supprimi-lo.
O gabinete de Londres poderia ao menos ter da-
do urna satisfaco absoluta ao governo imperial,
no caso da prlso dos offlciaes da Forte, em qne foi
julgado desfavoravelmeote pelo rei da Blgica j mas
oo o fez, e agora mesmo, quando se falla do nosso
conflicto, lord Russsell nem se quer toca mais nes-
ta segunda especie.
O conde Russell e sua familia foram inscrever
seus nomes na lista das pessoas que tem procura-
do sua alteza imperial do Brasil: este slgnal de
respeito muito louvavel, mas nao basta para mo-
A marioha fraoceza unida da Idglaterra, HoT-
laoda e Esiados-Uoidos dava no Japo ama nova
pruva do que pode e sabe fazer.
Alludindo a ultima iusurreico de Argel diz qae
o governo francez por um espirito de generosa
justica, assegurou a propriedade de territorio po-
pulacho rabe, e em que por medidas liberaes pro-
curava fazer compreheoder-lhe que looge de oop-
primir, quera attrabi-lo aos beneficios da civilisa-
Co, que os rabes vizinhos do deserto levanta-
n o estandarte da revolta ; que apezar das
dos lugares e do rigor da esta cao, o
exercito francez vencer em pouco tempo a insur-
reico, nao sendo a victoria instituida com a menor
repressd sanguinolenta nem com a menor severi-
dade intil.
Deste modo, diz e imperador, tedas as nossas
expedicSes tocan o seu termo ; as nossas tropas
de trra evacuaram a China, a marrana basta para
manter os oossos estabelecimeotos da Cochinchina;
o nosso exercito da frica vai ser reduzido, o do
Mxico j esl regressando a Franca ; a guarnicao
de Roma voltar dentro em pouco, e terminando a
poca da guerra pederemos com firmeza inscrever
um novo anno de Iriumpho as seguinles palavras :
A' gloria dos exercitos francezes, pelas victorias
que alcancaram na Europa, Asia, frica, e na
America.
A segunda parte do discurso trata da poltica
interna, e alinde desintelligencia com o clero
francez, dizendo que todos os cultos goiam de
igual liberdade, que o clero catholico exerce fra
do seu ministerio urna legitima influcencia j pe-
lo ensino j tomando parte pela e lei cao nos conse-
Ihos pblicos, e pela constituicao temaodo asseoto
no senado ; mas que maior a eonsideracao e de-
ferencia que lhe dispensamos mais contamos qne
respeitar as leis faodaraeolaes do estado. E' do
meu dever manter intactos os direitos do poder ci-
vil, qoe desde S. Luiz nenhnm soberano em Fran-
ca jamis abandonoa.
O discurso cooclue com o seguate periodo :
t Continuamos pois a seguir a marcha tracada;
no exterior vivemos em paz com as difireme?
potencias, e fazemos ouvir a voz da Franca pelo
direito e pela jusiira ; no idterior protegemos as
ideas religiosas, sem ceder coasa alguma dos di-
reitos do poder eivil; espalhamos a iosiroccio em

\


1
-t,,--
Piarlo de Fcfanifenco Goa.i lelf 15 de Marco de 186. jft (t fll'1 MIT W 1.1 )[ ftUBA
o im-
am tto
muito,
todas as clases da sociedad? tlroplificamos. aai
o deslruir, o nosso ftdmiravel syslema adminis-
lrali vida WJttfcWenie,- sascMaroosa iaiciativa indivi-
dual frajWlaTito d associago ; elevamos emflm e
alm e forTiflcamos o corpo da riagSo. "Mas toman-
do nos promotores ardentes das reformas otis,
mantemus com firmeza *s bases da coustiloieao.
Oppomo-nos as tendencias exageradas daquellu*
que provocam mudanga* com o nico Bm de tul-
focar o (pie temos fundado. A utopia para o
bem, o que a llusko para* verdade, e o progres-
so nao a realisago do uroa theona mais ou me-
nos engenhosa, mas >m a applicacao dos resulla-
dos da experiencia consagrados pelo tempo e acei-
los pela opiaio publica,
A imprema inglesa oceupa-te larsamente deste
documento. O Timts faz sobresahlr a sua htipor-
taneia, per *'0 que entende manitosiar-se em sen-
tido favvravel aos iuteresses da paz do inundo,
pronitRvndo o imperador a sua protecgo as dou
irinas da liberdade commercial, civil e social, as-
sihi ornoda liberdade poltica;julgaporm que
no Scurso encontram algumas omisses. Duen-
do que estimarla saber se se emprearan) lados os
meii'S para a recoacHlagao do catholecismo, la-
menta que o discurso nao trate da poltica futura
da Franga ; nao aihide guerra civil da Americ,
iiem aos boatos espalhados sobre a cessao a bran-
ca de urna das mais ricas provincias do Mxico.
h Times nota fulmente algumas onussoes na
parte relativa aos negocios internos, sentindo que
se nao Talle de economas, de redujo de despea
ou do suppreso dos Impostas. Neta que naquelle
documento se nao d urna esperanca sobre a abo-
liro das restriegues do direito de recusa sobre a
liberdade da impreusa e da discussao, em quanto
se iiromette ampliar a liberdade commercial e
suppnmjr a priso por dividas: e diz que
perador concede muito ou muito pouco:
pouco se tem tengao de ir mais alm ; e
se tiSo quer sahir da posigo em que acha.
A imprensa Habana mostrase satisfetia pelo
modo como o imperador Iratou da questo roma-
na e de compromtsso contrahido pelo governo ttR-
taliano pelo convenio de 15 de setembro respertar
a independencia da santa s, e de nao tolerar cen-
tra o poder oontillcio.o menor ataque externo. A
imprensa sustenta que estes pontos satisfazem os
votos do.-, italianos, e declara que jamis serao
violados pela Italia, apezar dos receos que tem
manifestad i o partido ultramontana.
A imprensa austraca aprecia devidamente o
discurso poltico do imperador Napoleo. G Sots-
Chafter e'Weom, interpretando as palavras do
imperador dos francezes a res|ieito do convenio de
15 de setembro infere que a Italia se renuncia a
posse de-Roma, e diz que a convencao por eHe
interpretada em sentido iranqullisador e concilia-
dor ;oue e,la interpretacao pacifica concorda cora
O espirite do discurso que so faHa da paz ; que
ntinea os discursos do imperador prestaran) tanta
nemenagem paz, e a Europa ha de aoceitar as
oalavras do imperador com tanta confianga como
nando annunciam a guerra. .Quandc o impera-
dor'convida os seus povos a eotregarem-se com
Mfei estanca aos irafeaHtos da pa*, dtve-se dar
te us sua#.-ualavras. O imperador nao fallara
esm taa Maura nga da'P8*. coaima aquelje jor-
nal, se estas ideas nao fbssem nutridas no seu co-
racao. O imperador inaugura urna nova era, an-
uuneiado urna irie de projeetos de le destina-
das ao progresso e bem estar intellectual e mate-
rial do seu paiz. .
O Fremdembladth de Vienna diz que o discurso
de 18 de feverwro justifica mais do que nunca a
expectativa da Europa.
Nao se catata, oom o ultimo discurso do thro-
no em Inglaterra, em abrir secoaroenle e segundo
o eslylo dos negocios, a sessio do parlamento ; em-
deixar suspensa* poltica externa por meto de
nina pbrase banai e curia, e em aanunciar a apre-
sentacao de alguns projeetos de lei; inaugura um
Bovo syslema poltico, om sj stema de paz pelo qual
os estados, em lugar de s odiarem uos aos oulros,
se agrupara, aos que eslo dispersos para se asse-
ciarem pacificamente.
O nuncio da santa s em Pars Mgr. Chipi
escreveu aos bispos de Orleans e de Poitiers, car-
tas spprovando o seu procedimento a respeito da
resistencia qoe estes prelados flzeram prohibigo
da publieagao de urna parte de eocyolioa.
O governo francez publicou urna broehura, que
denominada o /pro amareUo, e que contm dif-
ferentes documeoios diplomticos, e entre elles a
correspondencia entre Mr. rooyn de Lhoys e: Mr.
de Sarlyes embaixador francez em Roma, nao so
em relaeao a eueyclica, mas a respeito das cartas
escripias pelo nuncio em Paris. Quanto eneych-
ca, Mr. de Lbuys moslra a inopportunidade dapn-
blicagodaquelle documento em que se condem-
nam os principios da socedade moderna, dificul-
tando assim o deeropenho da tarefa emprehendi-
da pela Franca no interesse da saota s.
Pelo que respeita ao incidente promovido pelas
cartas de Mr. Fia-vis Chigi, o ministro dos estran-
geiros moslra a Mr. de Sarlyes, desgoslo que Ihe
causaran aquellas carias dizendo que o nuncio ul
trapassara assoas allribuicoes, e que na qualida-
de de embaixador, faltara a um dever essencial,
animando a resistencia contra ae leis do paiz em
que reside, e vituperando os actos do governo, jun-
to do qual est acreditado ; e ao passo que faz ver
a esperanca qoe lem de que a c6rte.de Roma, dSo
ha de permittir que se renovem fememanles acon-
teeimentos, conclue, que pela sua parle, o gover-
no francez nao est disposlo a lolera-lo.
Espalhou-se logo o boato de que a evacuaeiio de
Roma comecaria no mez de marco, mas a Patrie
sem desminiir a noticia afirma qne ainda se nao
expedirn) ordens algumas para esse rlm. (
Mgr. de Chigi foi recebldo em audiencia parti-
cular pelo imperador Napoleo, e mani/estou a S,
M. o profundo sentmwnto qoe Ihe causara a pobli-
cao das cartas particulares que havia dirigido
aos bispos de Orleans e de Poiliers, e declara que
compenetrado dos deveres qne meimpSeo seo ca-
rcter diplomtico, nunca hvera iotencao de fallar
ao direito nacional.
O Moniteur de 15 que, publica esta nota accres-
centa que o imperador acolhera estas explicaces
com benevolencia.
O governo imperial recebeu a rommuDieacao of-
ficial da resposta do cardeal Anlonelli, s reela-
ma?5es de Mr. Drouyn de Lhuys, em coosequen-
cia de incidente promovido peo nuncio do papa.
Esta resposta ama satisfacao plena ao governo
francez desapprovando completamnie o procedi-
mento do seu representante em Paris. Jolga-se qm>
Mgr. Cftigi brevemente sahir para Roma, pois a
sua po.ficao em Paris insostcntavel.
Fallase porm de urna carta dirigida por sua
sanlidade a Mr. Depouloop, biopo le Orleans, em
que considera e seu irabalho como una interpre-
tacao official da corte de Roma, pelo que toca ao
manifest pontificio.
Esta noticia anda desacompanhada de pormeno-
res, e pode nao passar de urna falsidade. Nao ga-
rantimos a sua veracidad*, mas a ser verdadeira,
pode traier novas complicaedes entre as daas cor-
tes, cuja votaco ser de certo muito difflciL
O Moniteur de 21 diz que a exposicao das
ellas arles lera' logar simultneamente com a ex-
posicao universal de 1867.
O discurso da corda na abertura do parla-
mento inglez. .considerado como um programla
de negocios internos.
A cmara dos communs deve examinar um bil
para a .concentrarlo dos tribunaes de justiea, com
as soasdependencias, n'um lugar mais convenien-
te a esle bil, para inodiQcar as leis relativas nos
breves de in venci,.e alguns projeetos de lei para
ampliar a jurisdiccao dos tribunaes do condado, ou
modificar a organisaeao das escolas publicar. Ne-
ohum destes assumplos pode promover discussoes
importantes, mas pde-e afflrmar qoe os conser-
vadans os radlcaes aproveltaram esta ultima
sesso, para prepararem os nimos dos seus edi-
tores para a lueta futura.
Nao se falla ainda de assumpto escolhido para a
lula, parece ccrtoque a oppotioao renovar as re-
crimina rf5e$ da ultima sessio contra o ministerio.
A opposicao Um diauie de si a guerra que a Ingla-
terra sustenta a lano cusi na Nova Zelandia ; os
negocios do Japao, aggravados pelos recentes as-
sassinalos ncuiralidade, que obstinada mente se
tem manlido ntreos Estados do Norte e es do Sul,
e a inferrupen das relaces com o imperio do Bra-
escolhem aovamcaifl^pedldo da reforma el ei toral. orea memo do exordio exige modidescoos e dimi
Estas duas questSei sao as que na actualidade mais, nui^oes essenciaes; que se dovem conceder som-
preoecupam o pbvo injdez. I mas mui censideraveis para fias productivos, me-
No ialsrvallo parlameoiar verifiBaram-se mnitos Ihoramento, ensino, augmento de sajarlos para os
medings e banquetee pedinilo a referma eleiloral, funecioaarios subalternos, etc.; que o governo
bateras do estreito de Slmonosaki, que tinliam sido uonta minuciosa s curtes dos seus trabamos e dos
destruidas per-eondemnacao. A esquadra in|loz* resultados obtidas.
conserva-se a vista de Yeddo, capital do im-i c Palacio,'18'de'fover'eiro de 1865.Francisco
perro. hOoicoerrQtea. *
Do Mlico consta que a venda dos beas de Acerca de Portugal diz-nos nosso correspon-
e*a abolindo talt-tax que pesa sobre as bebidas deve tratar da diminuico das despeis de jastica, e4ero utras medidas cuntidas as leis da rfer denlenr Lisboa, a' ultinra hora':
fermentados. Parece, porm, que a maioria da ca-1 e do correio, e
luara reawwar ao futuro parlanwto a deeisao des-. imaosto sobre
las duas qoestoe, pois o imposto sobre oma/t pro-1
due nnualmente seis midioes de libras esterlinas
o que corresponde a urna duodcima parla de inda
a receia da Gran-Brelantia, em quanto a reforma
eieiloral amplia urna moditicacao censlvel no seo
systema poltico.
No parlamento principiaban) os debates tomando
lord Derby e lord Syncader parle na discussSo so-
bre os negocios do Onad, concordando-se em
que os meios de despeza sao insuficientes.
Pelos jornaese cartas 'que recebemos agora
temos ma,s alguns esclareoimentos sobre os acon-
tecimentos de 30 de jarreiro em Turio, o que mo-
tivaran! a sabida de el/rei Victor Manoei para Tu-
abolir o monopolio do sal; .que. o
as constrncoes deve volr
sua parceUa primitiva, revertendo o enrdenle
para os cafres das respectivas aaamunas; que
necesario proeeder (raaMonnaoao legsl io im-
posto dos cheles sobre os rendimeofls.
Sala prepost* ainda veio aggravar mais'o con-
flicto entre a ceeiara e o governo, e todos os das
te espera a dissolucao da cmara ; resla.,.porm,
saberse a Iota da cmara ser de novo sustentada
ma, nao dcixara de ser q.i1rut;"la-i Parece que
uo ariochro tem havido a1BBB*("irnorrto ptra
oaaegair que o imperador rfitvpadlia em pratiaa
estes matadas.
Timm escreveu que o imponulor *) Mxico
tiona ttalo Franca algumas provincias du M-
xico, satas as quaes figurava Sonara, e Gfaialiuaaaa
como Tsaompensa do auxilio prestado petas tropas
(rancezas para a crear ao do nova haperio mexica-
no. Esta noticia foi desmentida logo petos corres-
pelo paiz. considerando novo mndalo aos seus re-' pondentes-de Paris,eem segtiftla olHoniteur decla-
presenlanies, ou *e se imila o-exempiodado-pela ru lambem que-no era-exaeta. Os jornaes da
cidade de Colonia, que ofTereceu a Mr.de Grabow California declaram que a sessao de Sonora
urna coroa civica, como recordacao do discurso II-, Franga nicamente como garanta e at que ter-
beral que preferio, quando tomn posse da presl- mine o pagamento das soramas devidas pelo novo
dencia da cmara.
rin. / u ministro da razeno
Os fados d'aquella/ooite foiam promovidos par commisso financeira,
gente da primeira socedade, que empregava di- Ihoes do thesouro sem
nheiro para que a gai atada insoltasse de differeiftes
m< los as pes&oas que concorriam ao baile do paco.
A exposicao que el-re (ez aos seus ministros sobre
estes acoDtecimentos e a respeito da sua i n ten cao
de se retliar inmediatamente de Turln, fbi consi-
derada como urna censura indirecta da parte do
soberano ao ministro do reiao, por nao poder inan-
ter a tranquilidade publica ; o general Maraarmora
pedio a demisso de todo o ministerio.
O rei Victor Manoei nao querendo promover
urna crise nesla occasio, nao annuio a este pedido,
mas maateve a resolucao que havia tomado de
abandonar Turin. O ministro do reino fez cha-
mar o syndico, Rosa, expoz-liie a situacao mostran-
do a conveniencia de uia manifestaco por parte
da municipalidade.
O syndico dirigi urna proclamacao a guarda-na-
cional, para Ihe agradecer o apoio que havia pres-
tado na manutencao da ordem, e declarando em,
seguida ao governo que esta proclamacao era urna-
censura implcita da manifestarlo de turin, e que
a mumcipalidade entenda nao dever ir mais alm.
Os ministros aceitaran) euto a opioio de Vielor
Manoei como urna necessidade. A resolucao de
abandgnar Turin e partir para Florenca pi igno-
rada n'aquella cidade at o momento em que se
venflcou.
A popularn de Turin sentio-se humilhada com
a rpida sabida de el rei. A O/nione v nesta re-
solucao de el-rei urna questo de dignidade. A
Perscveranza lancou toda a responsabilidade da-
quelle desngradavel incidente sobre o syndico o
Sr. Rosa que nao soube encontrar urna nica pa-
lavra a favor da Italia e do rei e que a dignidade
real impunhaao soberano o dever de se nao expor
a desordens c cuja repetico nao eslava prevenid i
pela altilude hostil e passivos das autoridades de
Turio-
A partida do re foi considerada como urna
questo poltica. As desordens do Turin causaran)
impresso geral, as demonstrar-oes de sympalhias
espontaneas, que acoinpanliaram el-rei na sua via-
gem al Florenca, levaram o conseibo municipal a
reparar a falta que se. havia commellido, e vollou
urna mensagem ao rei, encarregaado-se de apre-
i-utar S. M. urna deputacao que parti logo para
Florenca. A populacao de Turin promove assigna-
turas para fazer ver ao soberano que desapprova
os actos que se pralicaram, assegurando-lhe ao
mcMiiu lempo a sua dedicaco e respeito.
O rei contina a receber em Florenca todas as
demunslragoes de s.yinpatliia.
O Ttmps assegura que o governo francez diz que
notificara ao italiano que o t razo para a evaeuaco
de Rema dataria da passada .do rei a Florenca a 6
de fevereiro.
O rei Victor Emmaouel chegou a Turia ao da
23, onde vai passar alguns dias, sendo por toda a
parle receido com as mais vivas demonslracoes
de sympathias. O general Lamormora, indo para
aples alravessou Roma.
A cmara iialiana encelou a discussao das leis
sobrs a uoiOcacao judiciana. O cdigo civil foi
preparado por urna commisso da cmara presidi-
da por Mr. Ralazzi e por urna commisso do sena-"
do, presidida por Mr. Sclopis. Esle cdigo civil
em parte promulgado sobre o cdigo Napoleo,
euo.1 quanto se Ihe nolem algumas dilferencas no-
laveis. Entre as mudaocas notaveis,encontrase o
casamento civil que nao existe em todo o Pie-
iiiuuie, e que existe em aples apenas como com-
plemento do casamento religioso. O cdigo estaoe-
lece a igualdade entre os fllhos vares e lilh.is em
materia de successo ; e&la igualdade existo na
Lombardia, mas no Piemonle pertence aos li-
nios urna parle duplicada do que as ulhas.
O casamento civil sera facultativo, e os minis-
tros do eulto conservars o direito de dar validado
a esses casamentos. A Italia actualmente rege-se
por cinco cdigos differentes. Na Lombardia exis-
te o cdigo austraco de 1813 no Piemonle e na
Emilia ba o cdigo Alenles ; em aples existe o
cdigo das Duas Sicilias, que o cdigo francez
modificado em sentido religioso e aristocrtico;
cada um dos ducados tinha o seu cdigo, mas a
Toscana nao tinha cdigo, e os seus jurisconsultos
aceitan) com diUculdade o novo projecto.
O projecto da commisso parlamentar para a
suppressao das corporacoes religiosas, pode resu-
mirse nos seguintes pontos : A administradlo civil
do culto catholico, Oca confiada aos institutos dioce-
sanos e parochiaes, em beneficio dos habitantes
calholicos ; sendo estes institutos formados por
eleitores calholicos diocesanos e parochiaes, na
conformidade de urna lei especial.Os bens eccle-1
siasicos sero todos vendidos n'um periodo de dez
anuos, por roeio de lotes maiores ou menores.
As ordens religiosas sero todas supprimidas a ex-
cepgo daquellas que a lei eslabeleceu. Os exce-
dentes dos rendimentos, um terco tica pertencendo
uo culto, eos oulros dous tercos sao para as pro-
vincias destinados beneficencia e inslrucco
publica, llavera um bispo ou areebispo em cada
provincia administrativa.
O projecto sobre o casamento civil j entrou em
discussao, sendo apena combatido pelosdeputados
Reggio e Cesar Canlu, que sustentan) na cmara
as ideas clericaes.
Em toda a liana se celebrara o carnaval.
A abstengo de urna parle dos Romanos as so-
lemnidades do carnaval, foi considerada pelo go-
verno como orna manifesucao poltica.
Um jornal clandestino que agora se publica em
Roma, denominado Roma dei Ilomant, diz sobre
este importante assumpto, que ca absteocao do po-
blico tinha al agora sido motivada pela incerte-
c u que bavia a respeito da duracao da oceupa-
cao de Roma. A convenci fez ressar a tristeza
c e o luto. Entra pois o po t gria, inslruindo nicamente o pensamentode
< que em pouco estara livre das bayonetas estran-
geiras e do jugo eieiloral.
Este jornal cuja publicacao produzio profunda
impressao em Roma, explica o seu titulo da se-
guinte maneira : A palavra Boma dei Reman
< lembra aos nossos concidadios os seus direiios;
< casia dominadora a realidade des lempos; ao
< mundo civilisado o dever qoe lem de fazer des-
< apparecer as anomalas polticas. Se queremos
< que o rei da Italia suba um da ao capitolio,
< necessario que baja agora Iraoquillidade, pru-
< dencia, unio e coragem.
No parlamento belga votaram-se os ornamen-
tos coocedeado-se ao governo um mi I nao de fran-
co.- para serem empregados no ensino primario.
Pareee imminente a dissolucao do parlamen-
te prnssano. O general Roon, ministro da guerra
quaodo apresenlou cmara o projecto de le, des-
tinado a modificar e a completar a lei sobre a
obrigaco do servico militar, apresenton o uttinra-
iuii) do governo, declarando qne o governo persis-
te na opiniio de que a reforma operada de faeto
era perettamente legal, e re qwe a experiencia ad-
quirida na ultima guerra tinha fortalecido a eon-
fianea do governo quanto s excedencias daqnella
reforma ; o ministro manlfestou depois a esperan-
ca de que a necessidade de om aceordo, profunda-
mente sentida no paiz, ba de aehar o seu legitimo
eche na cmara, e de qne o sentimento da gran-
deza e do poder da Prnssia, ha-de sempre ser mais
forte do que o espirito funesto dos partidos, do
que as sympathias ou anlipathias pessotes.
- Contina a fallar-se emaudiament das cor-
tes ; mas nao I por oracousa alguma de positivo
que garanta etteboato. Tudo solocao que tiver a crise miailerial porque esta-
mos passando. A-crise foi determinada pe* de-
misso do ministro da guerra, o general Passos. O
Sr. duque de Lale, interrogado na cmara dos
pares, a tal respeito, disse qae.pelos satos do seu
ex-collega da guerra, resajgndiaquem ospraticra,
e pelos do governo, todo o gabinete. Accrescentou
qae elle como presidente do conselho eslava tra-
tando de recompor o ministerio.
Hontem (segunda-feira do carnaval), reunise
todo o ministerio e a maioria da cmara elec-
tiva.
imperio ao tliesouro francez. t Da pasta da guerra ficou interinamente encar
O ministro da razenda declareu amara que a Foi definitivamente assignado o tratado de. regado o Sr. Joo Chrysoslomo de Abrcu e Souza,
liaba empregado dez mi- paz entre a Hespantia e o Peni, devendo esla repu- ministro das obras publicas c merinamente da uia
aulorisacid. blica pagar urna indemnisago pelas despezas da rinha.
Parece qoe se negocia um tratado de commercio [ expadicao hespanhoia; esla iademnisacao parece < Na cmara hereditaria tem continuado a ques-
entre a Russia e a Inglaterra. | que subir 900 milnSes de reales podendo ser to contra o ministro da guerra por causa do ge-
0governo prona ou vai appresentar cmara o (saiisfeita em goano, flcando o governo hespanhol neral Lobo d'Avila, rmo do ministro da fazenda.
plano para a formaco da esquadra. autorisado a vende-lo ao commercio. Depois de terem fallado varios dignos pares, c
A questo do'Schleswlg Holstin encaminha-1 A noticia mais.importante da America a principalmente os jurisconsultos da cmara, o Sr.
se a urna nova phase. Diz-se que Mr. de Bismark insistencia com que ambos contendores fallam conde d'Avila, inspirado por sua natural modera-
anoanciara ao representante austraco, que a Prus- na paz. Diz-sc que depois de urna conferencia de gao, propoz urna commisso especial que resolvo-
sla estava reselvida a sustentar as propostas, que qnairo horas a bordo de um vapor entre Lincoln, do a these, tirasse ao negocio o carcter pessoal
fez ao governo de Vienna quando mesmo fosse ne- Seward e os commissarios confederaes as negocia- que tornava irritante. Annuira a cmara a esle
cessario recorrer s armas. Os jornaes anuriaeos cues para a paz tiveram um resultado negalivo. alvitre e elegeu a commisso, a qual na sua maio-
c-tlam a resposta dada polo conde Mensdorff na ca- O sitio de Wilmington contina. A tomada deste ria ficou sendo composla de membres da oppo
mar a urna inlerpellaco do deputado Gi.-kra. O importante ponto confederado deve costar muito sico.
ministro diz que o governo ha de conseguir pela sangue. i o mmis'ro das obras publicas apresentou s
sua altitud-* firme e moderada, vencer as difflcul- As torcas.federaes do commsndo do contra-almi- corles doos projeetos muito imporlaotes : om, para
dades qoo devia prever as actuaos compleacoes ranle Parlar e do gmeral Perry tomaram o forte a liberdade de cereaes e ontro para a liberdade dos
e chegar a urna soluco que nao deixar de provar, Fisher atacando-o por mar e por trra. Os confe- vinhos.
que o governo adoptou um bom systbema. derados perdern 500 homens, e os federaes 800 ( Foi nomeado conselheiro de estado exlraordi-
Falla-se porm de urna nota de lord John Rus- homens entre os quaes se contam muitos offl- nario o Sr. Miguel do Canto e Castro, ex-governa-
sell que parece denotar que o gabioete britaooico ciaes. A perda do forte Fisher de grave prejuizo dor civil do Porto.
se propoe sahir da sua reserva, em relaeao aos! para os confederados por iseo que o cerco de Wil- Por delerminaeao do ministro da fazenda, foi
ducados. Diz-se que lord John Russell declarara mington est cada vez mais aportada, e os sitiados ordenado que o cambio para a converso da divida
confidencialmente ao embaixador austraco em | nao podem receber armas, municoes, nem manti-' fosse de 5i y2 dinheiros esterlinos ; e tambem o
Londres, que a sorte dos ducados nao poda ser memos. mesmo ministro deu providencias para facilitar a
resolvida sem o concurso da confederaco germa- A nomeacad do general 'Lee para commandante descarga na alfandega.
nica, por isso que do contrario poderiara surgir em ohefe dos confederados, vista como om fado t Na cmara dos deputados vot-in-se a lei de
graves dillictildades e complicaco.'s europeas; af-
firnia-so tambera que o governo austraco ja res-
importante. | desamerlisacao dos bens das corporacoes de mao-
* A' 4 de mareo o presidente Lincoln presta novo morta, incluindo hospitaes e misericordias,
pondera mostrando "que eslava firmemente resolv- juramento, e vai entrar no segundo qoadriennio do i Teve 103 votos contra 8. A discussao na es-
do a nao adraitlir resolucao alguma, "que deixasse ; cargo de presidente E' pralioa noticiar esle acn- pecialidade tem sido muito demorada. Est-se no
de estar de aceordo com o direito federal. Julga- tecimeoto s potencias, e diz se que entre a Fran- art. 1*.
se que a Franca nao estranha ao passo dado pe-' ca e a Inglaterra existe ora aceordo para reconhe- j Pelo ministro da guerra demlssionario foram
lo gabinete raglez, e que estas duas potencias cer Mr. Lincoln anana presidente dos estados que o apreseniadns varios projeetos de lei augmentando
apoiam a poltica austraca contra as tentativas elegeram. O lacio de nao ter Mr. Lincoln oblrdo os sidos dos oulciaes militares, e outras despezas
um ubico voto dos estados hoje confederados, Im-
portar, o reconbecimeoto tcito da independencia
do sol. .
Nos relatrios ofllciaes dos doos presidentes sobre
a conferencia qoo se verificoo, mostra-se que o
presidente Lincoln pedio a submissd simples e
prussiaos.
Dizta-se qoe o governo prussiano teocionava
consultar aassembla dos notaveis dos ducados
antes de fqrmular definitivamente as propostas re-
lativas as relacoes, que se deveni eslabelecer entre
a Prussia e os mesmos ducados; mas o conselho
do exercilo.
O presidente do conselho de ministros e inte-
rino dos negocios estrangeiros, depois de apresen-
tar vaiias eonvencoes com diversos lados da Alle-
manha, mandn tambem para a mesa urna pro-
posta de lei para crear de novo o logar de minis-
tro e secretario de estado dos negocios eslran-
de ministros prussiano furmulou a redaccao delini- completa do sul Unio. N'um reeetiog qu hon
Uva dessas propostas em prese oca des relatnos ve em Ricbraond foram.completamente regeiladas' geiras.
appresenudos pelos ministros da guerra, marinha; condicoes appresentadas por Mr. Linela. Foi pelo governo nomeada urna commisso
e commercio. Estas propostas sanecionadas pelo Os confederados armaram eem mH escravos, e para dispor acerca dos productos ultramarinos para
rej Guilherme foram submellidas ao gabinete de i preparam-se a continuar a luta com o mesmo en-1 a exposicao do Porto, qu lo governo intenta dar
Vienna. I carnicamento apesar dee seus ulninos revezes.
A Aoslria e a Prossia estao de aceordo na adop-; A aotieia mais digna dameocao na Hespanha,
cao da bandeica Schleswig-Holstineza, e qo9 neste desde o ultimo paqoets, o faeto de ter S. M. a
sentido se vao dirigir s potencias martimas. raioha cedido todos os seus bens para as urgencias
Os esforcos empregados pelos estados secun- do thesouro. O ministro Bazzanallana, que tinba
darios da Allemaoha com o proposito de esubele- aprosentado um projecto de aotecipacao deimnos
cerera entre si lagos vigorosos para se opporem as
exigencias da Prussia, acham-se consignados n'u-
ma memoria redigida por Mr. Beoot. O ministro
de Saxooia compilando o resultado das reunies,
que tem bavido entre os ministros dos cinco esta-
dos secundarios, que concorreram s conferencias,
asseola os principios de orna organisaeao qoe
camprehende lodos os eslados peqoeoos e medios.
Por esla organisaeao cria-se om poder executivo
que teoha mais torca, urna representado parla-
mentar coromum, e urna legislaco igualmente
commum, a mullos respeitos.
A memoria pela qual se cria tambem urna re-
presenlaco commum no estrangeiro foi j com-
municada a todos os governos, que devem coope-
rar para o bom exilo deste irabalho, diz-se porm
que a conclusao ser addiada at que se lenba de-
cidido a questo dos ducados.
O governo de S. Petersburgo nio descanca
o* sua tentativa de incorporago da Polonia ao
imperio moscovita. Estabeleceo-se ujttimameote,
que o servico dos correios na Polonia fique sujeito
s mesroas leis que regem no imperio.
A fronteira da Polonia e.-la guarnecida de tropas
russas; em todo aqoe'.le paiz se nota a maior cons-
ternaco principalmente entre os estudantes da
universidade de Varsovia, depois da medida qne
eleva o contingenle militar a 17 mil homens. A
Gazeta de Uoscoiv eccopaodo-se do tratado de
Vienoa. que obriga a Russia a dar Polonia orna'
constiioigo com urna administraco separada, faz ;
sobresabir a pouca esperanca que aquella povo
deve ter, quando o governo de S. Petersburso recu
los, relirou o projecto a pedio a na demisso. En-
trn para a pasta das lieancas o Sr. Castro, pres-
deme do coagresso.
Eis o projecto de lei, que confirma a cedeneia
dos bens da coroa ae estado :
Art. 1." Formaran o patrimonio da cora,
unido perpetuamente a esta :
i." O palacio real de Madrid, com soas cava-
Iharicas, cocheiras, parques, jatdins e demais de-
p endencias;
l" Os reaes sitios do Bnen-Retiro a casa de
campo e a Florida, exceptuando a parte do primei-
io destinadas a novas coostrucedes e via publica
nos projeetos de mellioramenlo e embellesamento,
approvados j pela administrarn geral da real
casa e pela munieipalidade de Madrid*,
3.a Os reaes sitios de Aranjuez, San Ildefonso,
Pardo, e San Lorenzo, com seus pertence-;
4." Os palacios reaes de Barcelona, Valladolid
e Palma de Mallorca, e o easlello de Bellwer ;
5.* O real moseo de pintura e esculptura ;
6. A armera real
7." O edificio da Alhambra e o alracar de
Sevilha;
8. O patronato do raostelro das Huelgas de
Burgos e do conveoto de Santa Clara de Fordesilia *
qoe eocerra pattieons de r-eis e priocipes hespa-
nhoes, e o das mais casas religiosas declaradas do
real patrimonio pelas autoridades competentes do
estado.
Arl. A totalidade dos movis e semoventes
existentes nos palacios edemais propriedades com
prehendidas no artigo anterior consderar-se-ha
sa dar um cdigo constitucional a Moscow, que tambem como patrimonio da cora, sem prejuizo
espera una recompensa pela sua dedicaco e fide- da natural faculdade que para dispor de algum ou
idade aothrono.
A mensagem que a assembla da nobresa de
Moscow pretenda appresentar ao imperador, pe-
dmdo em termes respeltosos a convocacao de urna
assembla constituate composta de representantes
de todo o imperio, para tratar dos interesses da
naco rassa e progresso do paiz ; espalhou-se qoe
o imperador nao receberia a depulagao, mas re-
pentinamente appareceo um decreto dssolvendo a
assembla da nobresa de Moscow, e declarando
alguns delies resida no rei.
c Art. 3. Declarain-se em estado de venda os
predios urbanos e rsticos, -a os censos que per-
tencem na actualidade ao real patrimonio, que nao
se acham comprehendidos no art. 1.
c Art, 4." as vendas das propriedades e mais
beos de sementante oatureza, observar-se-bo as
seguintes regras :
c 1. Os compradores pagaro o preco em qna-
tro prestacoes iguaes, sendo a primeira a contado,
nullas todas as suas decisoes e votacoes. A no-1 e as outras em prazos que devero succeder-se de
bre.-a nao affrouxou oa soa insistencia de dirigir a
mensagem ao imperador, mas este encarregoo o
principe Obobuskves de proceder a um inquerito
para Ihe appresentar um relalorio sobre a origem
e votaco da mensagem.
O estado Onanceiro da Grecia obrigou o go-
verno de Atbenas a appresentar aos ministros das
tres potencias protectoras no principio do anno
anno em auno;
2. As vendas annunciar-sc-ho em hasta pa
blica, e se adjudicarao ao melhor lancador;
< 3. Os bens continuaro at sua cesso a
cargo da admiaisiraco geral do real patrimonio ;
t 4. O valor de lii por cento de lodas as quan-
tias obtidas em resultado das veodas se considera
r como pertencenie ao estado, e lera Dgresso oo
passado, ama exposicao sobre a situacao do paiz, I tbesouro publico. Os 5 por cerno restantes per-
sollicitaodo dellas as seguintes concessOes: Cma tencero real casa.
5. Para reunir os censos pertencenles ao real
patrimonio, se de-ignara aos censieaarios nm prazo.
moratoria para o pagamento das sommas que o
governo grego deva pagar em relaeao aos annos
de 1861 a 1863;Urna prorogaco de cinco annos I > ** fixaro as condicoes convenieates. Transcor-
da convenci concluida em 1839, e pela qual o! rdo o Prai os censos reunidos se vendero era
thesouro grego devia pagar annoalmente s tres hasta publica, com as mesmas condigoes dos pre
potencias, a quantia de noveoentos mil francos, 90S offerecidos aos censionarios.
para cumprimento das antecipagoes que essas po- j A importancia das remiss5es e das vendas dos
leneas lixeram do emprestimo Rothschild ; e reco-' censos se distribuir e applicar do modo pres
nliecimenio de um novo direito a favor do governo cripta no art. 4" relativamente ao preco das pro-
grego o de desigoar, anles da completa liquidacao priedades e semelhantes.
dos jures e annuidades da divida de 1832, urna i AfL 0s edificios e trrenos do real patn
parte do rendimento do paiz para fazer face s monio que se repuiein necessarios para os serv
eos do estado serio por este adquiridos pela quar
ta parle do prego do seu valor, que sededuzir
das quanlias que, em resultado das vendas, corres-
ponderem ao thesouro.
< Art. 7. As jubilagoes, prestacoes a viuvas e
orphos e demais obrigacoes e encargos proceden-
tes das admimstrages patrimoniaes dos bens ven
didos continuaro a cargo da administracao geral
da real casa e patrimonio.
Art. 8." Para os lins desta lei, organisar-se-ha
urna commisso composla pela seguate ma-
neira :
< Do presidente do conselho de ministros, que
ser o seu presidente ;
Do ministro da fazenda, qoe ser o seu vice-
presidente ;
c Do administrador geral da real casa e patri-
monio ;
c De dous senadores e dous deputados s cortes,
que serio eielos respectivamente pelos corpos co-
legisladores ;
t Do procurador geral do ministerio da fa-
zenda ;
t Do advogado consultor geral, que sera' tam-
bem secretario da commisso.
Art 9.* Perteuce a esta commisso :
i 1. Fixar as regras por qoe devero regular-
se oas suas moitas relagoes as ofQcinas do estado
e da real cara e patrimonio para a execugo desta
para os
A cmara resoivea nao lomar deliberaofo al-
sil; estas questdes podem servir de ponto de alta- goma sobre o projecto, considerando inutil randa-
que aos adversarios do gabioete, mas jolga-se que lo urna commisso, por isso que a atlitude do
os esforcos da opioio nao serio sufficientei paia o governo nao delxa esperanca algnma de bom xito
derrubar : I a retpeMo das modificaces iniciadas pela cmara.
O parlamento j nao est divido as duas frac-1 O ministerio coma a seo favor o rei Guilherme,
edes dos lories e whyo, compoe-se -de muitos gro ao partido feadtl; os deputados ciotam pela soa
pos polticos, e a sua torga importancia varia se i parte com as sympathias do povo prnssano, que
gundo a natnreza das qaestdes, nem todos os con- por occasio da ultima dissolucao as reelejnm.
servidores fazem parte da opposicao, nem todos os I Os relatores da commisso do orgamento propo-
radicaes acompanham a poltica ministerial. Pa- teram qoe a cmara declaraste ao governo que' cer.es. O mikado, nio qner respertar as condigdes le.
rece que os conservadores ae preparam para alta- nao sde reconhecer no estado flnanceiro, sanio do ultimo convenio concluido com as nacoet' da < Art. 10. Concluidos os trabalhos da corarais-
car o imposto sofera o malt, em qoanio os radiraet orna justa divisio das daspetas poblfcas; que o Buropa, e o priocipe'Nafalo fortifica novamenle as sao, e a execugio de iodo o disposlo nesla lei dar
obrigagoes dos empresllmos de 1824 a 1825.
Os ministros das tres potencias respondern)
agora conectivamente, e declararam que os seus
respectivos governos consentem na moratoria para
o pagamento das quanlias, qoe o governo grego de-
ve em relago aos anuos de 1861 a 1863; consen-
tem na prorogaco por 5 annos a contar do Io de
Janeiro de 1861da convenso de 1839, qoe coo-
signa em 900:000 francos a quantia que o goveroo
grego tem de salisfazer annoalmente e que deve
ter diminuido em virtude da concesso feila a fa-
vor do actual rei da Grecia pelo tratado de Lon-
dres de 30 de margo de 1864.
As tres potencias iosistem porm em qoe o go-
verno grego declare, qoal a receia publica que
deve ser especralmeote consagrada ao pagamento
desta annuidade.
As tres' potencias reconheeendo que o melhor
meio de restabelecer o crdito da Grecia na Euro-
pa, o emprege de ama boa administrado e a
adopcao de economas bem entendidas, nao jnlga-
ram conveniente, abandonar a situacao previlegia-
da qae Ihes concede o tratado de 18152, mas nao
julgaram dever sacrificar os seos Inte.-esses aos
dos demais credores do governo grego.
A Grecia luta ainda com grandes difficuldades,
os partidos manleem-se na soa efferveceneia, e
nao se pode considerar reslabelecida a ordem
completamente. O principa de Glaksbourg, lio do
rei Jorge, j sabio de Alhenas. 4 ingerencia des-' lei;
le principe nos negocios do paiz, tioha merecido
a desapprovaeo do soberano.
As cartas da China fallam dos progressos
qoe o eatholicismo est fazeode naquelle paiz. Os
misslooarios francezes tem conseguido numerosas
conversoes, ediz-se qae daas proviocias vo abra-
gar a religic chrisla. Na ilha de Ceylo tambem
os missionanos belgas eontegnem mullas conver-
sos entre a populacao mussnlmaoa.
Os Japonezes persistem na soa altilade e
agressio contra os europeos. O brbaro assassi-
nato dos dons offlelaes inglezes, foi severamente cas-
2. Designar os prazos e pregos para remisslo
e venda dos censos ;
3." Resolver as questdes e reclamatoes pen-
dentes entre o estado e o real patrimonio sobre a
propriedade e posse de qualquer herdade, flxaodo
os respectivos direilos, e compensando-os no seu
caso de aceordo com esta lei ;
4. Determinar quae3 os edificios ou terrenos
do real patrimonio, qoe sao necessarios
servigos poblieos da estado ;
c 5. Formular nos precisos casos o prqjeclo ou
! ligado, mas apezar deste exemplo novos attentados projeetos de lei que no seu parecer sejam opportu-
se tem perpetrado contra alguns marinheiros fran- nos para a melbor execugo dos (ios aesla
um subsidio, para o que j apresentou no parla-
mento a respectiva proposta.
Foi nomeado governador civil de LisbOao
Sr. Geraldo Jos Braaocamp, irmo do ox-ministro
Rvm. Anselmo Jos Braancamp.
Publicaram-se folhetos contra o general Lobo
d'Avila, com o titulo de A cruz de Fontulho, ou
victoria do assassinato do infeliz Agosttnho Julio
etc. i
Duzias de gaiatos se encantram as mais fre-
queniadas ras de Lisboa, vendendo o folheto em
grandes taboletas em que a maneira de cartas se
I o anouocio do envenenador pamphleta.
A noite accendem laoleroa e tornara transparen-
te a tablela.
Admira-se a complacencia da polica contra es-
tes pasqoins ambulantes, verdaderos epitaphios da
reputacao de um general com servigos relevantes
causa da liberdade e do throno
EXPEDIENTE.
UmoiBaiadasaoraurieitaajtflierBo.ta provincia
remellando o oficio por copia, em qup a cmara
municipal da villa da Boa-Viela pata a creagao de
um 3o distrlcta de paz na frogaexia dyunesmo no-
me e 2 na fregoeiia do Senhor Bom Jesns da Igre-
ja Maaa.A' ammiss ida aatalistica c divisa
civil.
Oulrodo metmo, IraasmlataJdo copiado offlcio
do juiz de direito do-Pao d'-iHa), eni que expoo as
necessidades de sua .vamaraarA' commisso de
commercio e obras publicas.
Outro do mean, remeiiendopor copia a demons-
tratao'd* necessidade do crtaHa supplenlar abeno
em 5 de dezensbro ultimo pareajuipamenlo do cor-
po de polica, de que trata o oficio da assembla,
sob o. 18.A' commisso de orgamento muni-
cipal.
Outro do mesmo, remetiendo o projecto de pos-
turas confeccionado pela cmara municipal da vil-
la de Salftueiro.A' commisso de posloras.
Outro do mesmo, remetiendo as relagoes minis-
tradas pelo thesoureiro das loteras das parles de
loteras consignadas na lei do orgamento vigente
que deixaram de ser extrahidas no acluai exerci-
cio.A' quera fez a requisigao.
Outro do mesmo, transmiltindo por copia o offi-
cio dirigido pela cmara municipal desta cidade,
pedindo autorisago para continuar a pagar pela
respectiva vt rba qoe ja se acha extracta, as custas
criminaes que ainda extem por salisfazer.A'
commisso de crgamenlo manicipal.
Outro do mesmo, declarando ficarem expedidas
as coovedieotes ordeos solicitadas era oflicio de 13
do crrente.Inteirada.
Urna petigao do bacharel airistovo Xavier Lo-
pes, pedindo consignago de quola na lei do orga-
nienlo municipal para pagamento da quantia de
132,5217 que Ihe deve as cmaras munieipaes do
Honilo e Caruar de custas de processos decaiiidos.
A' commisso de orgamento municipal.
Outra do padre Joo Jos deJAraujo, pedindo o pa-
pagamento da quantia de 1:630;265,do que se ihe fi-
cou a dever naqualidadede professor de ostruego
eUraeular do i- grao da villa ae Sania Mara da
Boa-Vista.A' commisso de ordenados.
Sao lidos os seguintes pareceres :
A commisso de peiicao leu devidamente a re-
preseniago que o Exm. Sr. Dr. Joaquim Francis-
co de Farias, vigaro capitular desta diocese, diri-
gi a' assembla legislativa provincial, pedindo
que seja nomeada-urna commisso d'entre os mem-
bros desta assembla para examinar a nova matrit
de S. Jos desta capital, as obras qoe nella foram-
fetUs pela commisso que o mesmo Exm. senhor
nomeou, as coalas apreseotadas e juntas, e o que
falta fazer, afim de melhormente informar a esta
assemWa para votar quola necessaria para paga-
melo do delii-it existente para conclusao exterior
do templo : atlendendo s innmeras provas qoe
o mesmo Exm. senhor tem dado durante toa ad-
ministrago de amor, dedicago e zelo pela Igreja
e iieis de .-ua diocese, considerando rasoavel e
justa o pedido no final da representagao, esta
commisso de parecer que se noraeie urna com-
misso para proceder o exame pedido e propor as-
medidas mais convenientes a satisfaze-lo.
Sala das commissoes 13 de margo de 1865.
Ferreira Jacobina.Manoei Nelto.
O Sr. Gongalves da Suva fundamenta e manda
a' mesa a seguinte emenda, qne approvada jau-
tamente cosa o parecer, depois de ter o Sr. Jaco-
bina, como membro orador da commisso, declara-
do que a aceitava.
Em lugar de ser nomeada orna commisso qua
va examinar as obras da matriz de S. Jos, dga-
se :Meando a commisso de petices desde ja'
encarregada de propor a' assembla meios coove-
nientes nao s de resolver-se o debito contrahido
para a factura das mesmas obras, seno tambem
para a factura das que faltam. -S. R.Gongalves
da Silva.
A commisso de petigoes, atlendendo ao exposto
na peligo dos novigos, e novigas da veneravel
ordem terceira do Carrao desta capital, de pare-
cer que se approve o seguinte projecto de lei:
Art. nico. Fica concedida urna lotera de.....
60.000$ para os rncenos iadiepeneaveis da ca-
na
t O filho do aggredido, o Sr. Rodrigo Lobo d'A-1 pe[la dos novigos na ordem terceira de Carmo
vila, deputado as cortes, escreveu e publicou urna esta capital, revogadas as disposigoes em con-
defeza de seu pai, muilo sensata e que revela mu-1 :-
lo hom senso e cordura.
Fila anda o partido progressisla os olhos no Sr.
conde de Torres Novas, recem-chegado da India,
para tomar coala de alguma das pastas vagas e dar
coro a soa preseoga no gabinete, mais torga a si-
tuacao.
Afllrma-se porm que o conde recusara a of-
fert* da pasta da guerra, vai passar algum tempe
a sua quiota do Carril e voltara' a India, onde del-
xou a condessa sua esposa.
Ao passo que as tolhas raini.-teriaes esperam
a mais satisfactoria solugo da crise actual, o Jor-
nal do Commercio, fazendo coro com os peridicos
da opposigo, dcscr da recomposigo do gabinete
e aconselha a queda constitucional do governo.
Eis o seu artigo de hoje :
t Ainda a crise ministerial nao esta' resolvida,
mas nao nos parece difcil antever o seu desfecho,
depois do estado a que as cousas teem chegado.
Houve esta noite urna reunan de deputados da
maioria, a convite do goveroo, oo sabemos por
quem provocada, otas ignoramos anda neste mo-
mento qoal foi o lim especial da sua convocacao, e
o que ahi se passou ou resolveu. Receava-se que
houvesse escndalo, e recriminagSes entre as duas
parcialidades ministeriaes, que o publico appellida
significalivamenle pelas denominagoes da unba ne
gra e unba branca.
t Tentam-se os ltimos esforcos para conservar
no poder o chefe da unha negra, o Sr. ministro da
fazenda. Diz-se que a sua tenacidade em nao lar-
gar a pasta nvenciveL Sempre o suppozemos,
e mais de ama vez o libamos proguoslieado; po-
rm, os seus dias ministeriaes esto contados.
t Parece que hontem se tratara eifectivamenle
de convidar alguns cavalheiros para entrarera
n'uma recomposigo ministerial, mas que todos re-
cusaran) fazer paite do ministerio, em que perma-
necesse o Sr. Lobo d'Avila.
i Hoje diz-se que alguns dos amigos ntimos e
mais fiis sustentculos deste ministro, presentin-
do ineviiavel a sua queda, coraecam a abandna-
lo, e al houve de entre esles quem se ofierecesse
ao presidente do conseibo para ir em seu nome le-
var o cordao de seda, signal de morte, ao gro-vi-
zir das finangas.
Nao para extranhar. O Sr. ministro da fa-
zenda esta' fadado para, quando calnr do poder,
receber mais affrontas dos amigos, que o bajula-
ram, do que dos proprios adversarios: justa pu-
oigo de quem se rodeou de lal gente, c empre-
gou a corrupgo e a immoralidade como meio de
governo.
Despidos de affeigo ou odio pessoal para com o
presidente do conselho, campretiendemos e lamen-
tamos as dilliculdades da sua posigo, sem o azl-
vennos da sua demasiada loaganimidade para com
as devassiddes e para com os devassos, e de ler
pela sua ineiplicavel inercia tomado responsabili-
dades, que nao vo bem ao seu earacler, e deixa-
do chegar as coutas ao extremo a que chegaram.
A sua posicao embaragosa. Accusado pela opi-
nio de se considerar ministro indispensavel, des-
pedrado menos lealmente alguns dos seas collegas
em 1862 a em 1864, hesitan em aggravar estas ac-
cusages, despediodo tambem o seo actual collega
da fazenda, quando o poda fazer em nome de to-
das as conveniencias. Agora nao deseja natural-
mente, em nome do seu pundonor, cabir abragado
com elle. Porm, o Sr. ministro da fazenda teima
em vi ver ou era o arrastar na sua queda. Eis abi
a situago, e a causa das hesilages e dos embara-
ces para resolver a crise.
O estado presente insustentavel. Ou o mi-
nisterio se recompoe, sahiodo o Sr. ministro da fa-
zenda, ou dar' lodo elle a sua demisso. O ul-
timo Klvitre o mais constitucional, e, no estado
a que chegaram as cousas, parece-nos ineviia-
vel. >
PERNAMRUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
11* SESSAO BM 14 DE MARCO DE I86S.
PRESIDENCIA DO SR. DR. PEREIRA DE BRITO.
As 11 e 1/2 da mauha, feita a chamada, acham-
se presentes os Srs.deputados Buarque, S'Perei-
ra, Joaquim do Reg Barros, Gongalves da Silva,
Francisco Pedrq, Souto Lima, eooro, Silva Bar-
ros, Ayres Gama, Aqulno Fonseca, A mininas, G
Campelle, Jacobina, Ramos, Nelto. Pereira de tiri-
to, Silveira Lobo, Brando, Arminio, Maranbo,
Ribeiro e Loureiro.
O So. PflGiDK.NTK abre a sessup.
0 Sn. i' Sbchetaiuo taz a leitura da acia, auual
approvada.
trano.
Pago da assembla provincial, 13 ne margo de
1865.S. R.F. Jacobioa.Manoei Nelto.
Vai a imprimir.
A commisso de estaiistica, tendo examinado a
representagao dos habitantes da povoago da Bai-
xa-Verde, comarca de Paje do flores, que pedem-
seja elevada a' cathegoria de villa a mesma povoa-
go cora a denorainago de villa de Santa Isabel
da Baixa-Verde, em lerabranga da augusta prince-
za imperial, e que para all se translira da sede do
lermo de Flores, e comarca de Paje, bem assim,
igualmente se transfira a sede da matriz de Nossa
Senhora da Conceico de Flores para sua capella
filial na Baixa-Verde, tomando finalmente com-
misso em muila considerago, oo s o pedido
daqnella populago, constando de mais de 600 as-
signaturas, como aos attestados de juiz de direito,
da cmara manicipal, e das mais autoridades l-
caos, alm de ser justamente levada pela importan-
cia da populosa, frtil, e commercial povoago de
Uaixa-Verde, de parecer, que, depois da audien-
cia do Exm. vigaro capitular, na parte que Ihe
diz respeito, se adopte a resolucao seguinte :
t A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, resolve :
Art. 1 Fica elevada a cathegoria de villa a po-
voago de Baixa-Verde, com a denominags de
vlila de Santa Isabel, e para all tranferida a sede
do termo de Flores, e comarca de Paje, bem as-
sim a da matriz de Nossa Senhora da Conceico de
Flores, Jpara sua capaila na povoago de Baixa-
Verde.
\rt. 2 Fica exlincto o actual termo, e villa de
Flores. N
Art.:) Ficam revogadas as disposigoes em cod-
trario.
Pago da assembla provincial de Pernambuco,
11 de margo de 186o.Francisco Pedro. Mara-
nho.
Vai a imprimir.
f A commisso de fazenda e orgamento, lendo
examinado os contractos celebrados pela presiden-
cia da provincia com os Drs. Joaquim Pires Ma-
chado Portella e Freocisco de Paula Salles, para a
conffcgao e classificago das leis provinciaes, de
parecer que se adopte a seguinte resolugc :
Art. Caico. Ficam approvados os contratos cele-
brados pela presidencia da provincia era 30 de no-
vembro de 1864 rom os Drs. Joaquim Pires Ma-
chado Portella e Francisco de Paula Salles, para a
confecgo e classificago das leis provinciaes.
1* Os referidos senhores devero prestar a
fianga pelas sommas recebidas na thesouraria pro-
vincial, e pela completa satisfagao dos encargos
que contrahiram, tirando sujeilos, paroste ultimo
caso, a multa de 1:0005 por cada anno de demora
que decorrer na entrega dos trabalhos contratados.
12 de margo de 1863.Manoei Buarque de Ma-
cado.Campllo.Reg Barros.
Vai a imprimir.
A commisso do constiioigoe poderes, qual
foram remedidos os autographos da resolucao des-
ta assembla de 30 de abril, e de 2 e 7 de maio do
anno prximo passado, qne deixaram de ser sanc-
ionados pelo eximio e distinoto cidado, que en to
eslava encarregado da adminislrago destajirovin-
vincia, emende que por ora nada Ihe compre fa-
zer, seno requerer que va' a imprimir cada urna
das tres referidas resoluges, junctamente com os
respectivos motivos da denegago da saocgao para
o fim de sef cada ama de per si com os referidos
motivos submellidas a nova discussao na forma
determinada no arl. 13 do acto addicional a' coos-
tiloigo (Kililica do imperio.
Ontro sim, requer a mesma commisso qoe v
tambem a imprimir (comlexeepgo dasassgnatoras>
a peligo que, assignada por grande numero de
proprietarios e habitantes desta capital, foi apre-
senuda na sessso do da 3 do cerrente mez, para
que na dlseosso da ollima das tres referidas resola-
gdes ou projeetos se possa dar a consideracao que
merecem.
Sala das commissoes, 11 de margo da 1865.
Loureogo Trigo de Loureiro. Araujo Barros.
Fica adiado por ler pedido a palavra o Sr. Boar-
qoe>
A commisso de consiituiciio e laderas, lando
examinado aecuradamentejo projecto de Wi o. 112
que concede a Jos Mara Rainonda prevegio por
cioco annos para o fabrico de macarro, que nao
poder a' em caso algum ser vendido por mais de 3x0
n. a libra, de prrecer que alie nao deve ser ap-
provado por esta assembla ; purquanlo por ana
lado elle nao esta' nem explcita nem irapiicila-
monla comprebeadido em paragrapbo algum dos
que compoem quer o 10", quer o li* artigas do ac-
to addicional, a cun.-tiiuicao pulica do imperio, a
cooseuiBlemenle avisia da ultima parte do arl.
120 do mesmo acto addicional, nao podem as a>-



Marf serablas proirfnetaes legislar sebre elle : por oo"
tro lado elle ofrenda profuddamente a direito de
propriedade e a lierdade de industria e coramer-
eio artos mechanicas, eroqoaote veda nao s ao
fabrcame preWlegiado, mas tambera aoe particu-
lares oacionaes e ealrangeirot, que Ihe quizerem
comprar para vender o producto do seu trabalho e
industria a venda delle por mais de 320 rs.'a libra.
gelrava as agruras da vida uos breves momentos
de urna existencia eonrmum.
Faileeeu boniato repentinamente o Rvm. pa-
dre Ignacio Antonio do llego.
Era um digno sacerdote, cujo? servidos esto na
memoria de todos, peis no seu ministerio desenvol-
va sempre nolavel energa e incansabilidade.
A' bordo do vapor francez
Nesia parte, "pois,. principalmente o predito pro- '27 passageiros da Europa, sendo 9 para Pernara-
jeclo contrario no>s aos verdadelros principios buco, 5 para a Babia, 09 para o Rio de Janeiro, Tt
de economa poltica- moderna, nica verdadeira e para Montevideo e 37 para Buenos-Ayres. Entre-
conveniente aos povos, mas tambem ao art. 179 lies acham-se os Srs. van Loo, ministi
3S 22 e 2i da consliiulgo do imperio, o primeiro vicomte de Beaumonl, diplomata francez.
priedade em toda a sua plenitude, garante a-todos pool, devia tocar em Lisboa de 2 a 3 do correte,
o direito de venderenv os objeotos de sua proprie. i em viagem para o nosso porto,
dade pelo prego que espontanea e livremenle for I Pelo consol no le saude de Portugal foram
ajustado entre elles e compradores, com as nicas! considerados limpos es portos da provincia da
depulados Rosa, C. AlcoteraiU, Basto e Leal, e
presente o Sr. desembargarte* flscal, o Exm. Sr.
presidente deelaroa Iberia a stJssao.
Lida, foi a pprovada a aota da sosso antece-
dente.
nsoiHrrm
Um oDcio da junta dos correteras, datada-de
Navarre vieram boje, remetiendo a cotaclo dos presos da pracw na
semana Onda.Archive-se
Ouiro do conservador do coromercio do Cear,
de 4 do corrate, communlcando tur nomeado>in-
limitagSes expressas em cada um dos dous cita-
dos paragraplios.
t Deve portante por cada nm destes dous moti-
vos ser rejeitado o predito projecto n. 112.
Sala das ses3e$ da comraisso, 11 do margo
de 1863.-Dr. Lourengo Trigo de Loureiro.Fran-
cisco de Araujo Barros.
Pica adiado por ler pedido a palavra o Sr. Ha-
noel Nelto.
Sao bdos e julgados objectos de deliberacao os
seguintes projeclos :
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Artigo nico. O presidente da provincia Oca
autorisada a mandar constrnir mais un raio no
edifico que serve de hospital de caridade.
c Paco da assembla provincial aos 11 de marco
de 186Silva Ramos.
c A assembla legislativa provincial de Pcrnam-
buco resolve :
Art. 1," Fica reunido ao offlcio de escrivo
privativo do jury do termo de Olinda o de escri-
vao crime do raesmo termo.
t Ari. 2. Ficam revogadas as dispesigoes em
contraro.
t Paco da assembla provincial aos 13 de marco
de 1865.Araujo Barros. Arruiniu Tavares.
Gongalves da Silva. Maranho.
ET tambem lido e approvado o seguinte requeri-
mento:
t Requeiroas seguintes informarles :
t Copia de todos os officios dirigidos ao Exm.
Sr. presidente, Dr. Domingos de Souza Leo, pejo
2o juiz de paz da freguezia de Iguarass', Joo
Francisco do Amaral, relativos a ultima eleicao de
vereadores e juizes de paz, Officios do mesmo
Exm. Sr. dirigidos aos membros da mesa da cita-
da freguezia e respostas aos mesmos membros.
c Aitestados do 3* juiz de paz, vigario e com-
mandante do destacamento-e de muitos outros ci-
dados relativos mesma eleicao.
Copia da aciafinal da eleicao.Ferrera Jaco-
bina.
ORDEM DO DA.
Contina a 2- discusso adiada do projecto n. 7
do anno passado, autorisando a construcgo de
urna estrada de Trorabetas a Bonito.
Encerrada a discusso, foi approvado o reque-
rimento do Sr. S. Ramos, para que se ade a dis-
cusso do projecto al chegarem as oformacoes
do engcoheiro Millet.
Entra em discusso o projecto n. 68 do anno
passado, reslluindo a Cimbres o riacho de Capit,
o sem debate approvado.
Entra depois em discusso o projecto n. 47 do
anno passado, elevando a povoaco de Pedras de
Fogo cathegoria de caridade.
Pede a ,-alavra o ir. Buarque e diz que nao o
faz cum iotengo de se oppor ao projecto ; mas in-
teiramente alheio materia do mesmo deseja es
clarecimentos.
O orador pede aos signatarios do projeelo que
Ihe digam qual a parte mais importante da povoa-
co de Pedras de Fogo, se a que pertence a l'ara-
tiyba, ou se a que pertence a Pernambaco e que
ora se deseja elevar a' cathegoria de ctdade.
O orador deseja mais ser esclarecido sobreest
ponto : qual a razoporque pretndese remover
de Itamb a sedo da freguezia para Pedras de Fo
go, qnando esta ultima povoagao esta' na extremi-
dade
Se derem esclarecmentos convenientes, e que
tirem as duvidas do orador, elle nao duvida votar
pelo projecto.
Entende qne o passo mais conveniente era apre-
senlar-se urna indicaco ao governo geral, aflm de
flear pertencendo a Pernambuco a parte de Pedras
de Fogo pertencente a Parahyba, se acaso aquel-
la mais importante do que esta, e isto em vir-
ude do poderoso principio de que o maior deve
absolver o menor, a parte mais rica deve absorver
a mais pobre.
O orador er ejulga que todos eslao convencidos
de que um gravissirao inconveniente que parte
de um povoado perlenca a urna provincia, e parle
a outra; nao pode deixar de haver conflictos a ca-
da passo.
O orador diz mais que quer-se dar um grande
salto elevando a povoaco de Pedras de Fogo a
cidade, e que seuo Ihe derem os esclarecimentos
precisos volar contra o projecto, por quanto acba
que elle um precedente fatal e que moslra de al-
goma forma negligencia da parte dos legisladores
provinciaes.
.e Pedras de Fogo eslava no caso de ser eleva-
do a villa, se linha para isso os recorsos neressa-
necessanos, j o devera ter sido, e o facto de o
nao ser demonstra negligencia.
O Sa. Maranho pronuncia um discurso em
sentido opposto ao projecto em discusso.
Vera mesa e apoiado o seguinle requeri-
raento :
t Requeiro que sejam ouvidos sobre a conve-
niencia do projecto os Exms. Srs. presidente da
provincia, vigario capitular, os juizes de direito de
Nazareth e Goianna, e as cmaras respectivas.
Buarque.
OSr. Soto Lima faz um extenso discurso em
favor do projecto em discusso.
O orador responde ao Sr. Maranho, e da' os es*
clarecimentos pedidos pelo Sr. Buarque.
Entre outros documentos o orador tem nma re-
oresentacao de 91 moradores de Pedras de Pogo e
itamb, na qual pedem a elevago da primeira a'
cidade.
Finda a discnsso, oSr. Jacobina requer que se
vote por partes o requerimento de Sr. Buarque.
Feita asslra a votagio, .approvado o requeri-
mento smente as parles-em qne pede que sejam
ouvidos os Exms. Srs. presidente da provincia e
vigario capitular, senda- as duasairas rejeiladas.
Entra Analmente em discusso o projecto n..52,
creando um imposto addicional para manutengo
do asvlo de meodicidade.
O Sr. Ramos pede a palavra e faz um discurso
m sustenlago do projecto.
Nao havendo mais numero snfflciente, o Sr.
presidente declara adiada a discusso, e da' para
ordem do 15 :
Continuago da anteriormente dada; 1* discus-
so dos projectos ns. 13, 14 e 15 deste anno; 2
discusso do de a. 12 deste anno; e 3' do de n. 61
Levanta-se a sessio a's 3 horas da tarde.
Cear.
At hontera juraram bandeira, no corpo de
Voluntarios da Patria, os seguintes Srs. :
317 Romo Jos de Saol'Anua, 20 annos, Pernam-
buco.
318 Elias Jos Cabral, 24 dem, Parahyba.
319 Antonio Augusto da Frota Menezes, 24 idem,
Cear.
320 Miguel Leopoldo Lima, 31 idem, idem.
321 Napoloo Antonio Monforl, 32 idem, Pernam-
buco.
322 Jos Antonio Correa, 27 idem, idem.
323 Joao de Barros Antunes Wanderley, 23 idem,
idem.
324 Francisco Antonio Wanderley, 22 idem, idem.
325 Pedro Ferroira Bastos, 28 idem, idem.
326 Antonio Kirraino de Mello, 20 idem, idem.
327 Jus de Barros Cavaleanti, 20 idem, idem.
328 Joo'Biptista de Barros Colho, 20 idem, idem
329 Viriato Luiz de Souza, 25 idem, idem.
330 Jos Luiz de Moraes, 18 dem, idem.
331 Valdo Alves Cavalcaoti. 25 idem, idem.
332 Ciaudino Malinas do Nascimenlo, 22 idem,
idem.
133 Manoel Felippe Santiago, idem, idem.
334 ITIisses de Mendonca Vasconcellos, 19 idem,
idem.
335 Antonio Rodrigues da Costa, 35 idem, idem.
336 Jos Gomes de Oliveira,25 idem, dem.
337 Maximiano da Silva Nogueira, 18 idem, idem.
338 Lourengo Jos da Silva, 20 idem, idem.
339 Antonio Alves Fi!ueira, 19 idem, idem.
340 Joaquim Jos de Sant'Anna, 19 idem, idem.
311 Flix Francisco Cardoso, 20 idem, idem.
312 Estevo Francisco, 20 dem, dem.
343 Jos Gabriel de Saut'Anna, 20 idem, Idem.
Aflnal foram hontem postas em liberdade,
por deliberago da relago do districto, as duas
mullieres de Tres Ladeiras, Manoella e Lourenga,
victimas da prepotencia das autoridades policiaes
de Iguarass.
Hontem mesmo tarde seguirn) ellas para suas
elles acham-se os Srs. van Loo, ministro belga terprete do coramerefo da mesma provincia aci
dado brasileiro Jos Samico, em consejuenciade
se ter mudado-do imperio Izidoro Bendor. Au-
se-se a recepeo e archlve-se.
Outro do tabelliao Luiz da Costa Portocarreiro,
de 10 do correte, communicando ter entrado'no
exercicio do seu offlcio, por se haver Mudado a li-
cenga que obtivera.-Archive-se.
Distribuiram-se aos senhores deputados os livros reir de Lyra;
Diario e Copiador de Manoel Joaquim Riboiro, e o Silva.
i da de Araorink Fragoso, Santos & C. ; appellado,
lado, Amonio Ferreira da Silva Maia.
Do Sr. de embargador.Silva Guiuiaret:
Appellante, Francisco Antonio d Brilo ; appel-
lado, David William BOwman.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res e Silva :
Appellanie, Jos Ouarte iftn Heves; appellado,
Jo Baptista da Fonseca Jnior.
DlSTRIDUigdES.
Ao Sr. desembargador Silva Gotmares :
A*ppetlantes, os administradores da massa falli-
da de Amoritn, Fragoso, Santos & C. ; appellado, o
vigario. Manoel E>ueridio Muniz.
AGCRAVO INTERPO.-TO DO JUIZOESPECIADB
COMMRIICIO.
Aggravante, Jos Gabriel Pereira de Lyra, como
administrador de seu lilho Domingos Galirie Pe-
aggravado, Antonio Eg.ydio da
O Exm. Sr presidente negou.provimento.
Nada mais havendo a tratar o Exin. Sr. presi-
dente encerrou a se^so s 2 horas da tarde.
C0M1NJ11EA36S.
Diario de Maury, Romaeuera Hijo & C.
DESPACHOS.
No requerimento de Manoel Pedro de Mello, pe-
dindo o registro de urna escriptura de contrato an-
te-nupcial que apresenta : Begistre-se.
No de Jos Maria Ferreira da Cuaha, satisfeito o
despacho de 9 do correte para ser registrada a
escriptura de hypotbeca que aprsenla : Regis-
tre-se.
No de James Ryder & C, pedindo cerhdo do
theor da nomeago de seu caixeiro
Vieirade Souza : Certiflque-se.
Foram com vista ao Sr. desembargador flscal :
O de Villaga i Irraos, pedindo o registro do seu
contrato de sociedade.
O de Jos de S Leito Jnior, cidado brasilei-
, ro, do 31 annos de idade, [estabelecido nesta cidade
com casa de conunissdds, e de gneros naeiooaes e
' estrangeiros, de conta propria, pedindo matricu-
larse.
i O do Manoel Jos Guedes Magalhes e Joaquim
Jos da Silva Oliveira,.apreseoiaodo o seu contrato
de sociedade para, ser registrado.
| O de Manoel Jo.- Carnoiro, apresentando tam-
: bem um contrato de dissolugo de sociedade pura
i ser registrado.
i O de KeUer & C, apresentando igualmente o seu
contrato de sociedade iraduzido do allemo pelo
interprete F. L. Guimares, para ser registrado.
O de Jos Antonio Moreira Dias, satisfazendo o
despacho proferido nos autos de sua rehabilitacao,
com varios documentos, o que ludo se mandou jun-
tar aos respectivos autos, o dar tambem vista ao Sr.
desembargador flscal.
Voltando informados pelo Sr. desembargador fis-
cal, mandaram-sej registrar os contratos de socie-
dade :
De Francisco Jos Gongalves da Silva, Ouarie
Antonio de Miranda e Manuel Joaquim Gongalves,
mrad^s.'Vind^a'recc^-as a"viganga"que'iro_de soba Arma deFraocisco Jos Goocalves da Silva, i
tirar aquellas autoridades, se fiearem sem um bom & **,, Jog ^ lves^llva Jolo Jos frente da orgulhosa cidade de Montevideo vmgando
dos Santos Lima, sob a firma de GoDcalves 4 Li-. <* nllrages a sua nagaa as quadnllus de ladroes
ma_ ; de eavallos, que como em nenhum outro ponto
De JooQainno deAgmar e Manoel d* Silva assaJUvara os viandantes, robaodo-os e deixndo-
Santos, sob a Arma de Joao Qurino de Aguiiar i 'hes s cargas sem conduegao as estrabas, busca-
4 C.
Voltando lambotu informados pelo Sr. desem-
bargador (fecal :
O requerimento de Joao Quinno de Aguilac, pe-
dindo ser admitlido matricula, teve o seguale
despacho : Matrieole-se.
O de Manoel Joaqaim Ramos e Silva:di GMros,
pedindo o re/is(ro do seu diatcato de sooiedado :
Registre-se sem omtsso de- palavra altjrnma.
O de Joaqnira Antonio Pereira darSobrinho, pe-
dindo o registro do aeu contrato dsociedade :-'
Satisfagam o parecer fiscal.
O de Antonio Ramosa de Barros e Manoel de
Souza Cordeiro Simoes Jjioior, pediodo tambem o
registro do seu conttato de sociedade : -O mesmo
ERRATA,
que se d no commuiiicado do Dr. Joaquim dlAqui-
Jos A nes., no Fonceca ;
Em vez do Dr. Maximiano Lopes Machado, lea-
se : Dr. Maximiano Francisco Duarte.
PflBLISAygES A PEDIDO
VJm Teto de ^nlWiw.
Iguarass, 10 de margo de 1865.
Se aquella a quem a le incumbe o dever de ve-
lar da honra, vida e bens do cidado, esqoecendo-
se dos deveres do seu cargo merece ser analbema-
tisado, uo ser menos juslo, qne tambem se cu-
bram de encomios, aos que bem preencham tao sa-
grado dever.
Todos sabem, que Maricola distando apenas tres
leguas da sede do governo desta provincia, at hon-
tem era o asylo dos malfeitorcs de toda especie, a
morada do crime, onde o bacamarte e a facca de
pona trnsluziam como prlncipaes adornos na maior
parle seus habitantes I Os crimes que ah se prati-
cavam, fleavam acoberlados pelo negro manto do
patronato! lloje grogas a-aclivitladado aouialsMb-
deleaado o Sr. AnUini Boiae* flWwo UoboaKMa-
ricotaacha-se cono inio resurtida. Apotardos
migpaos recursos da uue dispoB a.pjBliai,,Q:Sr.
Borges pela forga de vontade ludo tem conseguido.!
Oiue desertores das dSerentes armas tem sido
capturado por essa subdelegada, e eslanao hoje em
com gneros
Volantessahldoscom fazeedas.
i com genero; ..
DosarrBgam no dia 15 de margo de 1865.
Galera francezaAmeliamercadorias e fari3ha
de trigo.
Galera inglezaHermionecarvao e ferro.
Brigiie ingfezBellote Creslmercadorias.
Barca inglezaSeraphxnaidem.
Lugre inglezLar/naidem.
B.m*a ingleza/. O. Idem.
Patacho portuguezFlor Je Mana diversos g-
neros.
Patacho inglezErabacalbao.
Barca inglezaron Gem -objeetos para a eslrada.
Brigue InglesCarne-idem.
Brlgue hespaohol Aquilino couros seceos.
Barca inglezat. Mana -carvao.
Barca iiruiezaCo/i'adcarvao de pedra.
Brisrue rnglez James stwartidem.
Brigue inglezBliziaidem.
Patacho inglezUndaunteidem.
Itecebedorla de rendas inter-
nai;eraes de Peruaubieo.
V
Reodimeto do dia I a 13.
idem do dia 14..........
29:1124854
Consalado nroviiclal-
Rendimanto do da. 1 a 13....... 46:o15I08
dem do dia 14............... 3:87ti051
-- l:W' So''mm>> ***** C0"adQS' "'* 'w'fmaia.
< Um -3".0 pa8amen!o s" realizado era daas presla-
i-sq F06.5'!"8"' aPr,raelra H^ndo livel o .arrecia-
tante felo melade das obras, e a segunda quando
I tlver concluido todas asobras e entregue diiinilira-
menle.
4* Para Judo mais que nao editar especificado
as presentes clausulas aegnir-sadia n que deter-
mina o regulamenie de de julho de 1864 que re-
ge esta repartigo. -
Conforme.
Antonio Ferreira d'Ananncago.
O lllm. Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial, em cumpriinenlo da ordcni do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia ,1o 23 docoirente, manda fa-
zer publico, que no dia 16 de margo prximo vin-
doui o, peranle a junta da fazenda da mesma Ihe-
sourana se ha de arrematar quem por menos fi-
zer, os reparos de que preci.-a a ppnte dos (;arva-
Ihos sobre o rio Jaboatao, avaliados em 550000.
A arrematagao ser feila na forma da le.i provin-
cial n. 343 de 13 de niaio de 1854, e sob a.- clau-
sulas especiaos afeaixo copiadas.
As possoas que se propozerem a etta arrcmala--
gao comparegam na sala das sos.-oes da referida-
junta no da acuna mencionado, pelo meio dia e
cicrnpetentemenle habilitadas.
E para constar se mandou publicar o prsenle
pelo jornal.
Secretaria da tliesooraria provincial de P<-rnam-
buco, 27 de fevereiro de *865.0 secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciagao.
Clausulas especiaes pr.ra a arrtmalualo.
1.* Os reparos da ponte, (ios Carvalhos sero fei-
KA.avTiuico! l0S '' confonnilade com o srcamculo.junto na im-
oU./*io.i portanria de550OO(I.
2.d As obras devero ser principiadas no prazo
de 10dias, c concluidas no de 3 mezes, ambos coa-
lados da dala, da arremalago.
3-' Opagamenio ser realdad em urna s pres-
27 4815(3
1:678*341
Hamliariro, 21 de fevereiro de 186o.
Iklalono eommercial.
Continuando interrompida a navepacao falla todo
o_impulso ao negocio, o qual por isso se rao ve u em j tago, ijiiaiido o arrmatante livr'conciuido todas
as obras e entregue delinitivameale.
correctivo, pelos seus superiores.
De S. Exc. o Sr. presidente da provincia e do Sr.
Dr. chefe de pollcia esperamos providencias que,
de urna vez para sempre, facam desapparecer esses
despotas dointerior, appelhdados attforidades po-
liciaes.
Aflm de evilarmos conletagoes declaramos
que, qoabjuer escriptoque nos fdr offetecido, para
ser gratuitamente publicado, nao ser devolvido
seu auior, anda mesmo nao merecendo as honras
da publicidade.
O Sr. Antonio Jos Botalho, subdito de S. M.
Fidelissima, e residente desde annos na villa do
Bonito, onde se emprega na cultura do algodao e
outros ramos de industria agrcola, offereceu-se
presidencia para fazor gratuitamente o forneei-
mento.dos presos pobres recolhidos cadeia da-
quella villa, destinando essa contribuigao para auxi-
liar o estado as difficuldades que Ihe suscitara as
duas guerras ao sul.
Este rasgo de generosidade tanto mais para uespacno.
louvar, quando se reflecte qne procede de um es
trangeiro, que nao deve ao paiz se nao a hospita-
lidade.
Casa de detbkovo, 14 de marco de 1865.
Falleceu na enfermara desta casa de tysica tu-
berculosa Gaspar, escravo de Joao Leopoldo da Sil-
va, pardo, solteiro, natural de Pernambuco, idade
de 18 annos, prolissao uanoeiro, estatura 4 ps, 9
poliegadas a3 pontos, cabellos pretos e c-.rapio.hos,
rosto redondo, olbos pretos, nana grosso, bocea pe-
quena, sem barba, reno.hido em 5 de abril'de 1862

O de Nunes & Coelho, pedindo igualmente que
se registre o seu contrato de sociedade 0 mes-
mo despacho.
O de Manoel Mendes Guimares, pedindo ser
nomeado agente de leiToes d praga do Ceara : O
mesrao despacho.
Sendo presente pelo ollieial-maior da secretaria
a petigo de Jos da Silva Goelno, visto oo decla-
rar o genero de negocio a que o suppcanie inten-
ta dedlcar-se, a se o nade ex/Tcer-jor grosso u a
retalho, como determina a artigo, lo d> decreto na
Mn.... T't'J J.QV A, ...._.1___.1.. IU-.I) .1 .,il.,.-,...".i
ordem do subdelegado do Recife, e disposigo. mero 738 de 25 de novembrode 18,0 ; deelaraejio
1 subdelegado de santa Antonio para averigua- Q06 <> *-er inserida na matricula que.lbe vai ser
coes emerime de iorie', Ve"n"do"ido"proucTado concedida-i-Mo-proced^adavida, visto j-ooo..
Pelo mesmo subdelegado em em 26 de julho de l" a qaaildade do_commercio em que se emprega
1862, no art. 139 do cdigo criminal.
Foi eondemnado pelo jury desta cidade a era 22
de agosto de 1862 pena de priso perpetua.
Casa de detenqao.Movimento da casa de!
detngaoslo dia 13 de margo de 1865. Bxistiam
presos377, entraram 21, sahiram 9, existem 389 ;
a saber : nacionaes 30, estrangeiros 20, mulheres
6 ; estrangeiras2, escravos 50; escravas 7.To-
tal 389.
Alimentados a casia dos cofres pblicos 166.
Movimento da enfermara do dia li de margo de
186o.
Teve baixa:
Manoel Viceote de Barros.
Falleceu :
Gaspar, escravo, sentenciado.
Passageiros do vapor francez Navarre, vlndo
de Bordeaux portos intermedios :
Aphonse Benjamn Binet, Francisco Furiate, Pie-
tro Gerbase, Joo Simoes de Almeida Jnior, An-
tonio Sarapaio Pereira, Antonio Dionisio Pereira de
Camino e Antonio Fernandas de Almeida.
Passageiros do brigue portuguez Constante
2, vindo de Lisboa :
Antonio dos Santss Guimares e Antonio F. da
i v 'i l'" r*" 1 r t'
_ Passa'eiros do vapor nacional Mamanguape, I As .on7;e horas e meia da manhaa o
-,ahido oara a Ilha de Fernando presdeme abri a^sessao, estandb reunidos os sa-
ra da (>)nceigao, Maaoel Saturnino dos-Santos Na-, J^.e Acc.ol. e os senhores dfepntads Bosa, Can-
ves, Francisco Joaquim Pessoa. Rosa Maria da Con- 1 Alcoforado, Basto e Leal.
o sapplicanto, vista da matricula dos outros so-
cios.
Sendo tambem presente pelo mesmo offlcial-maior
a nomeaca de Aletandre Pinto de Vedeiros, cai-
xeiro de Simpln & C, que se dizem matriculados
neste tribunal, e que o nao sito': Procede a duvi-
da do offtcial-maior, urna ver queos snpplicantes
Simpson & C. nao-sao matriculados oeste tribunal
como dizem na nomeago junta.
O Sr. daputado Alcoforado apresentou .urna pro-
posta para que sejam adraettidos rubrica os II-
vros copiadores de cartas de que os oomnercian-
tes azom aso, por maquina ; pratica estabelecida
no tririunal do commercio da corte, como mostra.
com documento, e de grande vantagem paraocoiu-
mercio : Foi eom vista, ao Sr. desembargador
fiscal.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. pres-
deme encerrou a sesso as onze horas eum guari
da roanha.
SES.-iAO JL'DIUIARIA EM 13 DE MARCO
DE 1865.
PltKSIDBNCIA DORXtb SR. DESEMBARCADOR
ANSELMO FKANCISCO PKRETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As onze horas e meia da manha o Exm. Sr.
cargas sem conduegao
vam outros lares; o bacamarte e a.facca cahiram
em desuso; emfim em Maricola j se dorme o som-
no da consciencia sol o re^asso de-urna polica
enrgica e bem entendida. Em verdade o ramo
da adminislraco publics qoe mais salutareseffei-
tos traz aum povo, a polica, quando exeroida por
homens como o Sr. Borges, zelosos.
Continu o Sr. Borges em sua ardua mas honro-
sa tarefa, nao recae dlanle de pequeas difflcuWa-
de* qoeiha aotoiha o genio do mal; a empreza
difcil, porci& gtsriasa.
0 apreciador rfo mrito.
REVISTA DIARIA.
A assemtda oceupon-se hoBtem com a diseas-
sao do projecto n. 52, que crea um impasto addi-
ic nal para a maoaiengo do asylo de meodici-
dade.
A agencia Havas expedio para Lisboa, em 2i
do pascado, de Londres, o seguate telegramma :
t OSr. Layard dissena cmara, dos coramuns,
que a Ioglaterra nao tinha recebdo nenhum ped-
-do de nwdiaco entre o Braail e Montevideo. O
governo inglez nao. tem tengo nanhuma de se en-
volver nessa questS.
0 reo que antehontem foi julgado no tribu-
nal do jnry, foi condomoadT no grao medio do art.
Entrn hontem em jigamento no tribunal
do jnrv o-reo Antonio Procopio dos Santo Oorra,
pronunciado na penas d) art. 193- do cod. orm,
em eonseqoeneia de Ihe serattrihuida a aotoria d
niorte de Cyrillo Gongalves Rbeiro da Gama
A aecoaeao desenvolvida pelo ministerio pn-
Wico, e a defeza pelo Sr. Dr. Angelo Heorique da
Silva.
Em consequencia das respostas dadas aos quesi
tos pelo conselho de senlenga, o reo condemnado
id grao minimodoart. em que fdra pronunciado.
Hoje pelas 8 horas da raanhaa, na igreja ma-
triz da Boa-Vista, celebra-se um 1 misaa pelo repou-
sri eterno da Expa. Sra. D. Urania de Cerqueira
Hibeiro Campos,' esposa do nosso collega Dr. Joa-
quim Jos Campos.
T o feud-j da saudade quo se eleva at Dos,
para implorar a graga de abrir a mansao celaste
.10 aojo que vodu d'enire os vivos, deixando partido
de dflr aquelle com quem convivera, e a quera a-
reigo. Mana Felippa da Coasegao, Ignez Luiza do
Espirito Santo, capilo Tiborcio Hilario da Silva
Tavares, suasenbora, 3 Mlhos, 1 escrava e 1 cria-
da, Agostinha Maria Das de Freitas e fllhos, An-
ua Joa juina de S Cavalcante, Krancelioa do as-
cimento do Amor Divino, cabo de esquadra Gaspar
Jos Henriqaes dos Reis, sua molher e 1 fllho. 20
sentenciados de justica, 15 soldado, 1 sargento o
1 cabo.
Passageiros do vapor nrelonal Parahyba, sa-
hido parao Areeajfr e portos iniermedios:
Alfares Joaquim Pedro do Rago Barros, cabo Sa-
turnino Jos de Saol'Auna e sua mulber, 3 solda-
dos e 1 mulher, J. Antonio Fernandas, Bellarraino
Pinto de Araujo, Joaquim Martins de Ramos.
Passageiros do vapor francez Navarre, sahi-
do para o Rio de Janeiro e Babia:
Antonio de Magalhes. Isidoro Binder e saa mu-
lher, C. H, Offensant, Manuel Fernandez, Jos Ja-
nuano de Carvalho Paes de Andrade, Isaac Esna-
,ly, Sebastlao Pereira Pinto.
OBITUARIO DO DA 13 DE MARCO DE 1865, NO
CEMITEBIO PUBLICO :
Joao Cardozo Ayres, Pernambuco, 55 annos, casa-
do, Boa-Vista: erysipela.
Isabel, Pernambuco, 4 mezes, Santo Antonio; agn
1 cesso,
Manoel, Pernambuco, 1 hora, Santo Antonio; t-
tano.
Mara, Pernambuco, 16 mezes,Santo Antonio; con-
vn's5es- n .r- -
iMarceomlla, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista;
dentico.
Ravmundo, Pernambuco, 35 annos, solteiro, Boa-
Vista; apoplexia fulminante. -
Maria, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos; eslranguria.
Mara do Carmo Guadas, Pernambuco, 24 mezes,
soneiro,Santo Antonio; phUiisica.
Antoaiojde Mello Magalhes, Pernambuco, 49 an-
nos, casado, Boa-Vista; phthisica.
Virtorlno, frica, 84 annos, solteiro, Boa-Vista;
velhice (escravo).
Francisca Mlquelina da Cuoha Sonto Maior, Per-
' nambaoo, 3o'annosI.soltfh*a, 9. Jos1; turJercalos
pulmonares.
Gullherme, Blgica, 34 anuos, Boa-Vista; gastro-
inlerite.
Aona Perpetua de Castro Nunes, Pernambueo, 64
annos, solteira, S. Jos; congeslo cerebral.
Mara da Conceigo; frica, 30 annos, sollelra, Re-
cite; diarrha.
. B.No da 12 oo houverara enterramentos.
GflK0iMA JUDIGIAM4
TRIHl'f Ali IM CORIlvlERCIO
ACTA DASESSAO ADMINISTRATIVA DE 13 DE
MARCO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERBTTI.
A 10 horas da matilia, estando reunidos os Srs.
Lida, Toi approvada a acta da essao anleco-
dente.
Foi assignado o aecordae proferido na ul-
tima sesso naapaaMaoao entre cartea:
Appallanle, Antonio Germano Alves da Silva ;
appetlaao, Domingos Nogueira dos Sanios Catn I.
JOUMMIHTOS.
Appallanle, Manoel Ribeiro Bastes; appellados,
a.embargante 3* D. l'heodora Maria Quiteria e ou-
tros.
Adiado na precedente'sesso
ReceberatD'M os embargos.
Apnellantes, os caradoras fiscaes da raa&sa falli-
da de Araorim, Fragoso, Santos 4 C : appellados,
Luiz Jos Rodrigues da souza e Rodrigues ii Ri-
beiro.
Adiado na ultima sesso
Foi contiemada a senlenga. appallada, e seu a i -
ditamento.
Appellante, Domingos' Francisco de Souza Leo;
appellado, Bento Jos da Cosa.
Adiado oa sesso anterior.
Juigou-se nullo o processo.
Appellautas, Sam Meud.-I de Mancliesler eos
curadores fiscaes da massatailida de Rosirou Roo-
ker & C.; appellados, Ka I k man IrmosA C.
Adiado na sesso anterior
Foi confirmada a senlenga appellada.
Appellante,Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior; ap-
pellados, os administradores, da massa fallida de
Seve Si Fllhos.
Adlou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
Appellante, Jos Fraocsce Barrle ; appellados,
os administradores da massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos <& C.
Adioo-se o julgamento a requerimeoio de um
dos senhores deputados.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Avnorim, Fragoso, Santos & C.; appellado, o
Dr. Gabriel Sbares Raposo da Cmara.
Adioo>se ojuigamento a requertmenlo de um
dos senhores deputados.
FASSAORNS
liiMslPiiriii iscolpavel.
Quando nos dirigimos, por e correte, a pessoa do Sr. Jos Luiz de Souza, e Ibe
pergunlamos o qne sabia.acerca da compra de um
sitio na povoaga da Varzea, realisada, Relo finado
Manoel Joaquim S'oares, sendo pascada a escriptu-
ra de venda em nome de S. S.; nao visamos, as
prudente* e rasoaveis pergunlas que Ihe flzeraos; o
Mteresse da adqperir a sua extempornea gratidao
nem o cortejode sua proverbial delicadeza.
Nao pois com essa especie de respota, ero
guiza de nlimaco burlesca, qno o Sr. Jos Luiz
de Sooza fez inferir no Ditrio de boj, qne se jus-
tifica e se defende de maneira satisatorie ant'a
tespectatfva publira.
Espi'ravamos urna resposia cabal, da parte do
Sr Jos Luiz de Souza, a perguntas que Ihe fize-
mos: enganamo-nos: a incoherencia oaquillmes-
'rao que S. S. fez sahir a publico em defeza de sua
reputacao compromettida, j nos vai da algum
mado, fazendo crerque as lagrimas- da viuva o
orphaos do infeliz Manoel Joaqnipn Soares, Ihe
otferacem horas bem amargas a o collocam em
bem triste e lamentavel siiuacio.
Sena irrisorio lembrar aqui a prava que o Sr.
Jos Lniz exige acerca dasuadeseutelligencia com
o (nado seu compadre e amigo Soares; lodo Islo
mais urna prova do embaracp em que se acha S. S.,
para responder as duas pergunlas qu< Ihe uzemos,
na esperanga de suspender juizos desfavoraveis
que se fazem a seu respeito.
Assim insistimos anda era pedir ao Sr Jos Luiz.
urna resposta franca quillo que j Ihe pergunla-
mos e se o nao flzer no espago de tres das Acare-
mos convictos de sua criminalidade neste as-
surapto.
Agua de Florida de iliirraj e
JLaauaan.
As senhoraa que esli acoquinadas a usar pos de
arroz que s faz intum'ecer o rosto, fechando os po-
ros da pelle, privando a exaporago da superficie;
^obrara com jeizo eiai.pt> toiBiramaiae de-parte
somelhanie iajrnadient^. substduindD em seu lugar
este1 puro conmetleo Boral; o qnal n5o s perfama
a pelle coa, urna'fragrancu ta frasoae deleitavel
como o respiro e oheo das llores oieias al>ertas;
mas sim tambem tai remover todas as maculas que
desfiiam a formosura das feigoe.s, dando aos vasos
strperflciaes am aspecto saudavel e vigoroso, resti-
tuiodo as feigoes a primitiva cri robwuada ema-
ca, dando-Ibes urna pura e linda transparencia e
el aslii-idade.
Todas essas aguas adstringentes, pos e nomina-
das, etc., do dia, nao fazem mais do quearuinar a
pelleeestragar aformosur contaminando mais
tarde ou mais codo a.pwpria sade; emquaotoque
a tendencia desta agua saudavel e aromatica, ntel-
ramente opposta. Quando misturada n'um pouco
d'agua, toroa-se um excedente e exquisito meio de
lavagem paraos denles e gengitas, dando a bocea
e ao paladac um deliciosa gosto aromtlco. (Bar
cousequencia das muilas imiugoes que por abi exis
tem, recemmendaraos as pessoas que corrrprarem
esta excetleote agua, tenhwB o-cnidriti de-ver e
examinar qne-osinames de tMurray e Lanman se
achem devidamente inscriptos.eob cada.envollorio,
letreiro, a at mesmo gravado no vidro das pro-
pras garrafas, e na falta dos mesmos, claro est
fque toda a mais' ffttoa e para nada serve.)
Vende-se as pharmacia.- na Caors & arbo-a, e
J. C. Bravo .4C i
mu estrenos limites.
Cafa.O ultimo despasho do Rio de 24 de Janei-
ro annuncia subida de precos e o leilo holiandez
realisou-se um pouco cima das laxas, isso a
falla de novas entradas, por causa do gelo, influio
provavelmente sobre o mercado e tornou os possui-
dores mais reservados.
Na quinzena as vendas foram de 16,000 saceos
de caf do Ro e Samo a 6 i/i, 7 3/4 sch. e 16,100
saceos de dito dito floculantes, a precos que se ig-
norara.
Colamos o car real ordinario do Rio de Janeiro
6 5/8, 6 3/4 seto, e o dito dito de S. Domingos 6 3/i
7 sch.
AssucarO mercado moatrou pouca anmaco, e
s se pedaram realisar vendas a precos maisbaixos
d* eerca 8 sch.
A entregar venderam-se 400 caixas e 400 saceos
de assucar mascavado da Bulla.
Colamos: assucar do Brasil.
Braneoera caixas 1619- marcos por 100 libras.
> em saceos 17 i/2 -21 dito dito.
Mascavo era caixas 13 1/215:1/4 dito dito.
em saceos 1415 1/2 dito. dito.
Algodio.Kxlraccao frouxa e pr-cos vacilantes.
Notamos venda da 255 bailas da algodao do
Cear.
Tabaco.Nao toariam vendas de tabaco do rabil
em primeira mao; desta qualidade s existem em
ser SOOliallas.
Ca o.Mais alto em pregaa em cousequencia
de melhores noticias d Inglaterra.
Pelo motivo cima dite nao fizemos nenhum mo-
vimento de entrada e sahida da navios nos ltimos
15 dias.
Cambios.
Sobre Loarires 3 m. d., 13 marco* 2 7/8 sdt ban-
co por St.
Praso enrteIU mareos 51/4 seh. dilo.
Sobre Pana, 3, n. U)U 1/i francos por 100
marcos banco.
Praso curio 188 1/4 dito dito.
Sobre Lisboa, 3 m. d. 45 l/2-scliillings. banco |>or
I500O.
Descont 3-3 1/2%.
4 l^ra ludo o que nao estivcr especificado as
presentes clausulas, segu'r-se-ha o que dispe o
regulamenfo de 9 de julho, que rege esta repar-
tigo
Conforme,
Antonio Ferreira d'Annunciagao.
O Illa. Sr. inspector da tbesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 20 do crrente, manda fa-
zer publico que no dia 16 do marco prximo vin-
| douro, peraote a junta da fazenda" da mesma the-
sourara, se ha de arrematar quem por menos fi-
zer, os reparos mdispensaveis da cadeia da villa do
Cabo, avaliado em 345,8.
A arrematagoser feila na forma da iei provin-
cial d. 343 de fS de maio de 1851, e sob as clau-
I sulas especiaes abaixo copiadas.
. As pessoas que se propozerem a esta ai remata-
| gao comparegam na -ala das sessoes da referida
junta, no da cima mencionado, pelo meio da e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretara da thesoorara provincial de|Per-oam-
buco, 27 de fevereiro- de 1863.(^secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciacao.
Clausulas espeoittes para a arrematacao.
1." As obras dos reparos urgentes da cadeia d*
villa do Cabo, sero feitas de conformidade com o
orcamento junto na importancia de 345s090.
2.* O arrematante devera principiar as ditas
obras no prazo de lOdtas, e conclu-las no de 60,
ambos contados da data da arremalago.
3.' O pagamento sera' realisado em urna s
prestaco quando o arrematante lver concluido to-
das as obras e entregue definitivamente.
4* Para ludo mais que nao estiver especificado
as prsenles clausulas seguir-se-ha oque deter-
mina o regularaento de 9 de julho de 1864.
Conform*,
Antonio Ferreira d'Auuuuciago.
MOYIMENTO DO POETO
DECLAlifOES.
Atavio* entrados no dta 14.
Montevideo-38'dias, sumaca hespanhola Guada-
lupe, da 133. toneladas, capto Joo Fontanelly.
equipagenY li, carga 3400 qurataes- hespanhes
de carne de charque; a Amorim & Irmo.
Baha10 dias, barca ingleza Braijanea, de 398
toneladas, capilo P. M. Credie, equipagem 16,
em lastro; a James Ryder & C.; recebeu ordem
e seguio para Parahyba.
Bordeaux e portos intermedios13 dias, vapor
francez Navarre-, da 1271 teseladas, comman-
dante A. de la No, equipagem 115, carga fa-
zendas.
Lisboa23 das, brigpe portuguoz Constante II, de
252 toneladas, eapilo Eugenio Jos da Costa,
equipagem II. carga, vinho a outros gneros ; a
Manoel J- deOliveirae Filho.
Navios saludos no mesmo dia.
liba de FernandoVapor nacional Aktimmguape,
coramandanla Manoel Rodrigues dos Santos
Maura.
Araeaje per-tointermediesVapor nacional Pa-
rahyba, comraandante J. J. Martins.
Rio de Janeiro e Baha Vapor francez Navarre,
commaodaote A. de la No
GibrallarBrigue inglez Yedo, capilo Wilson,
carga asquear.
OuservacSo.
Sahlo e fundeou no lamaro para acabar de car-
regar a galera portugueza Not-a Fama.
Cala filial do baneo do Braail
em l'eraaiuriuco.
14if nwo(ifl865.
De ordem da directora desta caixa, se convida.
ao.-credores de ^ebastlo Jos da Silvia viren
! receber dolhesoureiro da mesma caix o que en
| raleio Ibes toca da venda de urna das proprieda-
des, quesegundo aconcordata.lhe foram entregues
para serem vendidas.O goarda-livros,
Ignaaie Nenes Correia.
EDIT1ES.
A cmara municipal deslacidade, convidada
por S. Exc. o Sr. presidente da provincia para, pe-
los meios ao seu alcance promover o alistaraeuto
do maior numero possivel de cidadios nos corpos
de voluntarios da patria, dirige-se aos seus munici-
pes neste sentido, certa de que a ninguem cedem
em valor e.patnotismo.
Descendentes dos Veiras, Dias e Camaro, esses
hroes que tanto se ennobreceram pelo seu*valor,
amor a patria e a religiao, elles nao desmenlirao
certamanle de lo gloriosos ascendentes e correro
apressados a vjngar a injuria feita a honrada na-
go, nao sement pelo governo do Uruguay, senao
tambem pelo novo despota do Paraguay.
Este tyrano, sem nenhuma provocago da parte
do Brasil, nao s tem aprisionado os nossos vasos
que franca mente subiam o rio confiados na f dos
tratados, senao tambem enviou as suas bordas sel-
vagens para devastaren! os campos e as povoagoes
indefezasda nossa provincia de Mallo-Grosso.
De ordem da directora desta mesma caixa sa
faz publico aos senhores accionistas que o respec
livothesoureiro est auiorisadn a pagar o 22.* di-
videndo de 104 por acoae.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Santa Casa da Misericordia a"o
HeGife
A lllm* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico, de
conformidade com asrdeos do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, que no dia 16 do correte, pelas
4 horas d tarde, na sala de suas sessS.s, tem de
ir a praga por tempe de nove annos o arrenda-
menlo do sobrado n. 63 publico e 15 particular,
sito na ra da Cadeia do bairro de S. Fre Pedro
Gongalves.e pertencente ao patrimonio de orphaos,
servindo de base para a arrematacao a qnantia de
1:0004 pela renda anuual, oHerecida por Olympio
Ferreira da Suva e Antonio da Silva Ferreira J-
nior, ficando o arrematante obrigado a fazer no
dte sobrado no praso de oito mezes, contados do
dia da arrematagao, e sem prejuizo da respectiva
renda, os concert a qua sob estas condigoes se
sujeila o adrenle Ferreira Jnior, e que consta
da clausula especial abaixo transcripta.
Os preteodentes devem comparecer acompanha-
dos de seus fiadores, ou munidos de cartas distes,
que ficam responsaveis pelo inieiro cumprimento
do contrato.
Clausula especial.
Picar, rebocar e guarnecer toda a frente e oito,
stibstituindo por cornija o telaado, que cobre a va-
randa da frente.
Por veranda de ferro na frente da casa em lu-
gar da de pao existente, corlando os cachorros de
pedra aflm- de ticaTem mais curtos.
Fechar ama porta existente no oito junto a es-
quina, abrindo outra com portadas de pedra no
mesmo oRSa por baixo da varanda do primeiro
andar:
Abrir orna porta no primeiro andar e no meio
do oito eom varanda de ferro, igual as duas que
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Reis e Silva por ser este juiz certo
e haver cessado o seu impedimento :
Appellante, o Dr. Prxedes Gomes da Souza P-
tanga ; appellado, Octavian) de Souza Franca.
Do Sr. desembargador Silva Gulraaies ao Sr.
desembargador Accioli :
Appellanie, Amonio da Costa Villar; appella-
dos, a viuva D. Alexandrina Chacn de Leo a seas i
fllhos.
Apnellantes, Tasso & Irmao ; appellados, Manoel
Jos Salgado Cont e Francisco Luiz Salgado e ou-
tros.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Joaquim Francisco de Mello Samas; appel-
lado, Augusto Frederico de Olivelra.
Appeiiaotes, os curadores Qfcae* da massa.. fall-
C0MHE1GI0.
Cotaedes offlelaes.
l'KACA UO RECiFE.
14 de marco de 1865.
Algodao de Macelo -por arroba posto a bordo :
195000 boniato.
17000 hoje.
Cambios sobre Londres 90. d| vista, 46 1/2 d.
per 1O08.
ubourcq Jniorpresidente.
Gui mares-rsecretario.
\ovo banca de Peruana
buco.
O banco paga o 14" dividendo na razo e
por aoeao. a*
*t>vo banco de Pernambuco.
O banco descoma letras na presente semana a
12 por canto ao anno at o prazo de seis raezes.e
toma dinheiro a juros a praso nanea menor da
tres mezes.
Ufantlega
Rendimanto do dia t a 13....... 380:7615781
dem do dia 14.............. 21:5475980-
-
E' a pnrasira vea que, depois da nossa indepen- exstem, e qae corresponda outra porta do pavi-
deocia, ama bandeira estrangeira arvorada era menl0 tepreo, fechando no mesmo correr dessa
territorio brasileiro; ecamo urna tal aflronta nao perU ^ prm?iro andar urna janella.
pode ser perdoada por nenhom povo qae presa a I Collocar varanda de ferro eir. urna porta do so-
saa iadepeudencia e soberana; confia a mesma ca-1 tso que Bea no oito, pondo es cacharros que rai-
mara que os Pernambucanos, sempre celebrados, Um> encnriando os qae existem, e demotindo o.
pelo sen valor e patriotisn-.o, correro a allstar-se I temado que cobre esta varanda.
nos bataihSes de voluntarlos da patria para repel- j Cotlecarcaixilhos teitos de> madeira de amarello-
lirem a ihvazo estrangeira, autoando com enthu- em todas as portas janellas de andar e solao,
siasmo, viva a nagao brasilelra, viva S. M. imperial iqne os nao tiverem, concertar os existentes e ne-
o Sr. D. Pedro II, vwam os Pernambucanos, vivam | parar loaas as portan, pendo-lhe boas forragens e

4t2:3095761
HoTlneolada a Handera
Volameaalradoscaoilazend^s...
os voluntarios da patria.
Pago da cmara muiniripal do liecife, 1 de mar-
de de 1865.Luiz Jos Pereira Simoes, pro-presi-
gonte.Francisco Canuto da Boaviagem, secre
tarl.o
O lllm, Sr. Inspector da thesauraria provin-
cial em cump rimen te da ordem do Exm Sr. presi-
tlete div provioea da 23 do correnta, manda fazer
publico que no da 16 de marco prximo vindouro
peranle a junta da fazenda da mesma (hesoararia,
se ha de arrematar quem por meaos tizer o re-
paros de que precisa a eslrada do Porto de GaMi-
nhas avaliados |em 7485000.
A arremaiaeo sera, feila oa forma da Iei pro-
vincial n. 343- de 15 de maio de 185'4, e sob as
clausas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cao comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pk) raeio-dia e
competentemente habilitados.
K para cooslar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da ihesourara provincial de Peruan-
buco, 27 de fevereiro de 1865.
O secretario,
Antonio Ferretea d'Annunciagao.
Cla&ula especiaes faira a arrentarv.
1* As obras dos reparos da eslrada do Porto de
Salteabas sero Iei las de conformidade cooa.oor-
gament Junto na importancia de 7485000.
2 O arremataate-aVver principiar as mencio-
loadas obras no praso do 10 das, e coaclui-las ao
fechad tiras.
Reparar o soaiho do primeiro andar e sotao-on-
da for precteo.
Rebocar internamente o predio onde se tornar
necessario, e ladrilhar de aovo o pavimento-terreo
eom alvenaria batida na parte qne nao da-pedra.
Concertar a-eoberta do toda a casa, e a escadar
finalmente calar e pintar o predio.
Secretaria da Santa Casa da Miserisordia do
Recife. 10 de narco de 1865:
O esenvao,
F. A. Cavalcarrti Coussetio.
Nc* *a ak>de corrente mez, a 1 hora da tar-
de, na salado audiencias,se ha do-artvmataF em,
praga puMiea do Sr. Dr. juiz municipal da vara,
escrivao Baplista, por arrendamealo, o ira piche
denomiaado do Cunha, na ra da Moeda, com
frente para o largo da Assembla ao bairro do Re-
cife, avahada por 1:1005 por anuo, por lempo de
tres annos, que importa 3:3005* ficando o aaeun-
ciaate obrigado a prestar flanea idnea e a pagar
em quarteis vencidos; a roqnerimcnlo de Maria
Joaquina do Sacramento Cuaba e mais berdeiros
do finado Jos da Cunha.
Pela subdelegacia da Vanea foram appre-
hendidoj dou cavallea, sendo uro alaso escoro e
outro cactanbo : quero se achar com direito a el-
les compareca neelejaiao monido de seus doen-
taeaios para Ihe serem witregaes. 0 subdelega-
da f soppiente em eaerocio,
rrawisca Soller de Figoeiredo Casar
T
^Uk.1 a


Diario e
.- sarta feira a* c Mar^e de ll
Tribunal de commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernarabuco se faz publico que nosta data ca
registrad" o cootrato 'te sociedade celebrado entre
Joo Jos Ribelro Guimaraes, Pedro Tinoco e Joa-
quim Ferreira Deniz, Portugutzes, estabelecidot
nesta eidade sob a Arma de Van na & Guimaraes;
devendo a mesma sociedade, que teve principio
em 2 de Janeiro do crreme anno, durar em quan-
to convier ao socio Guimaraes, rom o capital de
45:200*. fornecidos 40:0004 pelo socio Guimaraes
em mercadorirs e dividas, 5:000* pelo socio Ti-
noco em ferragens, e 200^ pelo socio Deniz, em
dinbeiro, saldo des seos ordenados de caix?lro.
secretaria do tribunal do commercio do Per-
nambuco 11 de marco de 1865.
O offlcial-maior,
Julio Guituarae;.
Pela mesma secretaria se lax igualmente publi-
co que nesta data Rea registrado o contrato de so-'
ciedade de Jos Joaquim da Silva Gomes, Jerony-
mo Joaquim Fiuza de Olivelra o Jos Ferreira da
Silva, os prime i ros Porluguezes, e ultimo Brasi-
lero, establecidos hesla eidade sob a firma de
Jes Joaquim da Silva Gomes <5t C., o raesmo con-
trato estipulado por tempo de tres anuos, conta-,
dos do 1 de Janeiro do corrente, e o seu capital
de 121:396#799, para o qual entra o socio Gome
com 37:995*808, o socio Fiuza com 29:7764606,
o socio Ferreira com 33:6244385, proveniente
interesses havidos
troccao dos passeios om trente de suas proprie-
dades.
Reparlico das obra publicas 14 de marco de
1864.O secretario Interino,
Maooel Lourenco de Mattos.
o consellio de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para o Forte do Baraco.
1 oculo grande de alcance.
Para provimeoto dos armazens.
2,000 covados de panno azul.
250 covados de hol lauda de forro.
5,000 varas de brim branco.
2,500 varas de algooznho.
Companhia do Rio Grande do Norte.
175 covados de panno azul.
636 covados de panno aznl para capot*.
371 covados de baeta.
56 varas de hollanda de forro.
460 varas de brim branco.
19 1|2 covados de oleado.
210 boioes grandes amarello lisos.
i33 dites pequeos.
As pessoas que quizerem vender taes artigos
aprsentela suas propostas em carta fechada na
saladas sessoes do con sel lio, as 11 horas da ma- i
nhaa do dia 15 do correte.
Sala das sessoes do conselho de compras de ar-
senal de guerra 13 de marco de 1865. O en-
carregado da escripturago,
Manoel Jas de Azevedo Santos.
Conselho de compras navaes
Contrata o conselho no da 18 do correte mez,
LEILOES.
Leilo de urna taberna,
Cordeiro Simoes reqoerimenlo dos caradores
flseaes da massa fallida de Antonio Alves Vilella,
e mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, far leilo dos gneros, armaco e ulenci-
lios da taberna, ra da Gloria n.iUemumou
mais lotes, a vontade dos pretendentes.
m *:. JES
Quarta-feira, 15 do corrente, as 10 horas da
manha.
do saldo liquido do capital e
em favor de cada um no balanco a que procedern ^ as C0ndj 5es do de ,res
no estabelec.menlo social raeze5 findo* em jnnn0 ffinuuta vindouro a
.|Cn^ala0Jd?lM-S ,a"em de roupa dos esabelecimentos de marinha,
nambuco 11 de maago d e o fornecimento a' estes e aos navios da armada
OfflrUl mafr dos seguales objectos de fardamento :
Para os aprendizes artfices.
Bonets de uniforme, bonets para o -servigo, blu- .
sas de brim branco, blusas de algodo azul, caigas
Le la ie 6 tachas de eolire para reli-
naco e seus pertences.
mmma
Qnarta-feira 15 do correte as 10 horas.
Cordeiro Simoes a requermento dos curadores
flseaes da massa fallida de Antonio Alves Vilella
e despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, far leilo dos objectos cima menciona-
dos na taberna a ra da Gloria n. 114.
Leilo
De 2 mobilias de Jacaranda, 1 dita de amarello, 1
guarda vestido de amarello, 1 dito de mogno, 1
cofre de ferro, 1 mesa elstica, 1 machina para
costura, 2 cadeiras de balanco, 1 sof, 12 cadei-
ras de faia, 1 marqneza, I cama franceza de
amarello, 1 dita de mogno, 2 aparadores, i com-
reoda, 1 berro, 2 cabides, e de outros muitos
objectos.
Quinta-feira 16 do corrente, s 11 horas.
Cordeiro Simoes far leilo dos objectos cima
mencionados por conta e risco de quera pertencer.
Ser eflectuado o leilo ra da Cruz n. 57.
O hospital militar contrata, em vista das pro-
postas qne Ibe devero ser apresentados no da 20
do correte, pelas 10 horas da manha, e sob as
condicoes ja estipuladas, nao so a lavagem e cos-
tura da roupa de estabelecimento, como tambera o
fornecimento de vveres e outros gneros abaixo
declarados, no trimestre de abril a junho do cor-
rente :
Para as dietas e racoes.
Azeite doce, arroz pilado, assucar refinado, ale-
tra, bananas, bolachas, biscoitos, bolacliinhas in-
glezas e de araruta, caf inoido e de caroco, cha
verde, de porco
de brim branco, ditas de algodo azul, ditas de
panno aznl, camisas de algodozinho, cobertores
de !a, colchas de algodo, colchdes de linho cheios
de palha, fronhas de algodozmho, frdelas de pan-
no azul, lencos de seda preta para grvalas, len-
(oes de algodozinho, sapatoes feites no paiz, sac-
eos de guardar roupa.e travesseiros de linho cheios de Philadelphia para este porto :
de palha. Quinta-feira 16 do corrente
Para os imperiaes maroheiros e aprendizes ditos, s 11 horas da maobaa, em seu armazem, ra da
Bonets de panao azul, camisas de brim branco, Senzala Velha.
Leilo de farinha de trigo
A 16 do corrente.
Mathens, Austin & C. faro leilo por conta e
risco de quem pertencer e por intervengo do
agente Oliveira, de, sob diversas marcas, cerca
700 barricas de farinha de trigo e 100 barnqoi-
nhas de bolachinhas avariadas a borde da barca
iogleza iJohn Malheus na sua recente viagem
?S^uCJSLM Sl'^bTipta';: *** 'odo 'las M branca, ditas I
?,tt^!?:^,tt,* ^tn' de panno azul, camisas de algodo azul, frdelas
goaSoaPr;S SUSL1 SfiI* u,: leDos de seda 'para
laraojas, manleiga ingleza e franceza, marmelada, .
macarro, ovos, pes de 2, 4 e6 ongas, rap, sal, ""'>""
Para o expedienle e outros servicos. Ide,as de PaDno *fardas de brim braDC0- "*
de panno azul, camisas
e seda preta
sapatoes feitos no paiz, e saceos de lona de mari-
Para os fusleiros navaes.
cele.
fe*5ftjfi" de.l0"3^ *3S2 P""aS I i!S!^ conselho aos que pretenderen, esses T
do
de ac, tinta preta,
Leilo de escravos mor gerados.
Sexta-feira 17 do correte no armazem da ra da
adeia doRecife n. 36.
OLYMPIO-
Vender em leilAo diversos escravos de ambos
os sexos com habilidades e sem ellas, os quaes es-
plenles no dia do leilo.
e livros de cincoenta, cem e

50 de 1865.
1865.
O escrvao,
Jos Marcelino Alies da Fonceca.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
uial, em cutnpriment da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 10 do correte, manda fa-
zo r publico qne no da 14 de junho prximo vin-
douro, perante a junta da faieaaa da mesma the-
souraria, se ha de arrematar, a quem por menos
fizer, a obra da cadeia da eidade de Nazareth, ava-
dada em 18:0934900 rs.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1834, sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
A> pessoas que se propozerem essa arremata-
cao, comparecen na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, e com-
petentemente habilitados.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretarin da thesouraria provincial de Per- dido drama em 5 actos
nambuco, 14 de margo de 1865.O secretario, A.
F. d'Anaunciago.
Clausulas especiaos para a arrematado.
I.* O edificio para a cadeia de Nazareth, ser
feito de conforraidade com a nlanta e oreamenlo
junto, na importancia de 18:093*900 rs.
2.* O arrematante ser obrigado a dar principio
aos tribaldos no prazo de 30 dias, e concluidos
no de um anno, ambos a contar da data da assig-
nalura do contrato.
3.a Os pagamentos sero feitos em 3 presiagSes
igoaes correspondentes a cada terco .da.obra fioda.
4.* Nao ser em tompn algum altuodia.t qualquer
reciamago por pane do arrematante tenden-
te inderonisago, quaesquer que sejam as aliega-
ges em que se lujan para esse fin, anda raes-
mo por prejnizos provados.
5.* Para tuJo o que nao estiver especificado as
presentes clausulas, seguir-se-ha o que dipoe ore-
gulamenio de 9 de Janeiro de 1864.
Conforme.A F. d'Ann'jnciacao.
A thesouraria provincial compra para a casa
de detengan o seguinte :
2 caldeiroes de ferro para a cozinha, iguaes aos
que actualmente servem no niesmo ealabeleci-
mento.
1 dito de dito forrado de porcellana de 22 ga-
loes.
A quem convier tratar semelhante fornecmeuto
comparega na mesma thesouraria, no
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
THG1TRO
>E
S. ISABEL
EMPREZA OOIMBRA.
36. recita da asslgaatura.
QUINTA-FBIRA 16 DE MARgO DI 1865.
Representar-se ha pela segunda vez o applau-
OS ISERWEIS.
Leudo de mobilias comple-
tas, pianos, guarda rou-
pa, relogios e outros ar-
tigos de gosto.
Sexta-feira 17 do corrente s 11 horas,
no armazem da ra da Cadeia do Recife
n. 36.
Dar fim ao espectculo
vaudeville em 1 acto
o sempre applaudido
A corda sencivel.
Tomam parte as Sras. D. Eugenia o D. Camilla,
os Srs. Lisboa e Guimaraes.
Comegar as 8 horas.
1YIS0S M1BITIM0S.
OLYMPIO
Vender em leilo 1 mobilia de Jacaranda com
lampo de podra marmore, 1 dita de amarelle,
i guarda roupa, mesa elstica, aparadores com pe-
dra marmore, marquezas largas, guarda vestido,
quadros diversos, camas francezas, apparelhos de
i louga para jantar e almogo, pianos de armario
quasi novos, camas de ferro, bercos, duzias de ca-
deiras avulsas, santuarios e outros muitos objecto-
que se torna enfadonho mencionar, desde ja pos
dem ser examinados ditos objectos.
Leilo de ama casa terrea na ra dos
Prazeres a. 12.
Freguezia da Boa-Visia.
HarliBS far leilo de urna casa terrea edificada
em terruo proprio nos Coelhos a ra dos Praze-
res com 2 salas, 3 quarios, cosioha, quintal com
cacimba e mais um quarto oo quintal.
Sega oda-feira 20 do corrate.
Em seu escriptorio ra da Cadeia n. 9, primei-
ro andar, s 11 horas do da.
Para o Para.
vai seguir com muita brevidade o palhabote Pa-
raense, tem a maior parte da carga prompla, e
para o resto que Ihe faita trata-se com o consigna-
tario Joaquim Jos Gongalves Beltro, na ra do
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santo n. 6,
armazem.__________^__ _________
PARA O
Rio de Janeiro
dia""iT&o I|seSue com raui,a brevidade o patacho brasileiro
crrente, pelo meio dia, com sua proposta em carta! ?lut0- 1uarrecebe a>g"ma carga
fechida.
e escravos a
frete : a tratar no pscriptom de Amorim Irmos,
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam- ^ua.da Cruz 3> ou com caPilao Joaquim Jos
narco de IfifiS. da Molla.
Leilo de duas machinas a vapor
Sendo:
Urna portavel, forga de 14 cavallos, sobre rodas,
com caldeira patente e todos seos pertences.
Outra fixa e orisontal, forga de 12 cavallos cem
caldeira e mais pertences.
Terga-feira 21 de margo, em frente a
Associago Commercial.
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencer das duas machinas a vapor cima des-
criptas proprias para engenho, as quaes se tornara
recommendadaspela sua perft-igo e per seren
dos melhores fabricantes de Inglaterra, os preten-
dentes podero desde ja' examinaren! ditas ma-
chinas para o que podero entenderem-se com c
mesmo agente em seu escriptorio ra da Cruz nu
mero 38.
buco, il de margo de 1865.
O secretario,
R. F. d'Annuncia o.
Naata Casa da Misericordia do
Recite.
A Illm.' junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 16 do corrente pelas 4 horas da tarde na
sala de suas sessoes tem de ser arrematado o for-
necimento dos genero que houver de consumir,
oj s os eslabelecimentos do caridade como tam-
bem os collegos de orphos no trimestre de abril
a junho prximo futuro :
Eslabelecimentos de caridade.
Manleiga franceza. libra ; tapioca, dem; caf
em grao, dem ; assucar branco em torro, arro-
ba ; assucar refinado, dem ; assucar refinado se-
gunda sorte, dem; arroz pilado do Maranho,
dem ; bacalho, dem ; toucmho de Lisboa, idem;
sabio amarello, idem ; velas de carnauba, idem ;
velas de spermacete, masso de 1 libra ; farinha |
de mandioca da ierra, alquelre ; feijo mulalinho,
alqueire ; vinho tinto de Lisboa, caada; dito
branco, caada; agurdente branca, caada ; vi-
nagre de Lisboa, caada ; azeite doce, caada ;
dito de carrapato, caada ; farello de Lisboa, e-
ca ; carne verde, libra ; pao e bolacha, libra.
Collegos de |orphos.
Assucar refinado, libra ; caf em grao, idem ;
manteiga franceza, idem ; arroz pilado do Mara-
nho, dem ; batatas, dem ; alelria, idem; pao e
bolacha, dem ; toucinho de Lisboa, idem ; ari,-
nha de mandioca, alqueire; feijo, dem; azeite
doce, garrafa; vinagre de Lisboa, idem ; sal, cuia;
lenna etr achas, cento.
As proposUs devauj ser apresenladas era cartas
fechadas, devendo ser especiaes ja para os estabe-
leciraenlos de caridade e ja para os coliegios de
orphaos; sao tarabem aceitas propostas somente
para a carne verde e para o pao e bolacha.
Os pretendentes podera dlrigir-se a esta secre-
taria as horas de seu expediente, afira de colhe-
rem as informagoes, que juigarem precisas e no
acto da arreraaiago devem comparecer acompa-
nhados de seus fiadores ou munidos de cartas
destes que llcaro responsaveis pele inteiro cum-
priraenlo dos respecliws cootratos.
.Secretaria da -anta Casa da Misericordia do
Recife 10 de margo de 1865.
O escrvao.
,. F. A. CavaJcanti Cousseiro.
Ue ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz publico que
oo da 18 do corrente mez, a 1 hora da Urde, es-
tar em hasta publica perante a mesma inesoura-
ria para ser arrematada a quem por menos fizer,
a obra de um pequeo lango de caes qne |pm d
ligar o encontr da ponte de ferro do Recife ao
oacs do passei* publico, e o fornecimento d'agua
potavel ao forte do Buraco e ao laboratorio de fo-
Ko*-. as pessoas a quem convier a mesma arrema-
tado, devero comparecer na sobredila Ibesoura-
ic no da e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 13 de margo de 1865.Maooel Jos
Pinto, servindo de offlcial-maior.
Pela raparticao das obras publicas se faz
publico que os propietarios da ra Nova teem o
liras* de 30 dias, a contar de neje, para a ecos-
na praga do commercio.
Maranho
O palhabote Gartbaldt segu para Maranho por
estes dias, recebe carga : a tratar com Tasso Ir-
mos.
AVISOS PITEMOS.
LOTERA
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado des portos do norte .
at o da 20 do crreme o vapor i AmPar0 *!e O -"ida
Apa, commaadante Carlos Anto- de ossa Senhora
nio Gomes, o qual depois da de-; de Santo AntODO.
portoTdo-sui.mora C0SlU"e seguir para Os bilhetes, meios e quartos esto a ren-
Desde jrecebera-se passageiros e engaja-se a i ^a na respectiva thesouraria ruadoCres-
carga que o vapor poder conduiir, a qual dever; PO n. 15.
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen- Os premios de 6-0006000 at lOOOO
das ediaheiro arrete ateo dia da sahida as 2 h i-19erao pagos una hora depois da extracto
AOS 6:000#000.
Sabbado 18 do corrente mez, se extrahi-
r a i1 parte da 1* lotera (9a) a beneficio
das obras da greja de Nossa Sennora do
no consistorio da igreja
do Rosario da freguezia
ras: agencia, ra da Cruz n. 1, escripteriode An-
tonio Lniz de Oliveira Azevedo & C.
Para Lisboa
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuicao das listas.
As encommendas s rao guardadas so-
preteode sahir era poneos dias o patacho portogoez mente at a noite da vespera da extraccao
Jareo por ter a maior parte da carga tratada, e pa-
ra o pouco que Ihe falta trata-se ecm os consigna-
tarios Palmelra & Beltro, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
^ara o lllo dr Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o brigue es-
cuna Joven Artkur, tem parte de seu carregamoo-
to engajado : para o reste que Ibe falta traase
com os seus consignatarios Antonio Luii de Oli-
veira Azevedo 4 C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1
CLUB PERNlMBlJCiNO
A reunio familiar de correte mez, ter lugar
na noite do da 24.
O Dr. Joaquim Jos de Campos roga en-
carecidamente a sens amigos e a seus col-
legas, que se dignem fazer-lhe o candse
obsequio de cencorrer a igreja matriz da
Boa-Vista, no dia 15 do corrente, pelas 8
horas da manha, aflm de ouvirem urna
missa que ahi se ha de celebrar, pelo eter-
no repouso da alma de sua finada mulher
a Exm.' Sr.' D. rsula de Cerqueira Ribei-
ro Campos.
n hacha re Manoel Barbosa de Araujo,
director do collegio de S. Joaquim, convida
os professores e os alumnos externos de sea
collegio para ouvirem urna missa que quar-
ta-feira 15 do corrente, pelas 7 horas da
manha, pretende mandar celebrar por al-
ma da Exm.* espesa de seu presado amigo
e collega Dr Joaquim Jos de Campos.
Salitre
Phosphoro.
Na loja do rival sera segando, roa do Qneimado
na roa do Quemado n^37 Jeja de ferragens, da bs. 49 e 55, chegou orna pechincha ; dnzia de
phosphoros de seguranga a 120 rs caixas de pen-
nas ingleza* muito finas a 500 rs.; estes dons ar-
tigos sao pechinchas per seren de qualidades su-
periores.
Domingos Jos Ferreira Guimaraes, vende-sc sali-
tre refinado por 25J> a barrica de 4 arrobas, ou a
6J>400 a arroba s a dinheiro._______________
Os Srs. academices que vo matricular-*e
noterceire anno da Faculdadede Direile, podera
dirigirse a ra da Saudade n. 9, fronteira a do
Hospiio, onde se Ihes vender o compendio de
direito civil at as 9 horas da manha, e das 4 at
as 6 horas da larde.__________________________
Tinturara
Na ra Direila o. 116 conlinua-sc a Ungir para
qualquercor, e o mais ba>to possivel._________
Saca-se sobre Lisboa, Porto e Ilha de
S. Miguel, na ra do Apollo n. 20, escri-
torio de Carvalhoe Nsgueira.
AMA
KttenqaQs
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
vel publico e a todos os senhores okiaes do exer-
cito e da marinha que contina a ter sua casa sor-
tija de fazendas e roupas feitas, e por medida : no
largo do Livramento n. 34.
[0 liarliarel Jos Baptista (i'uirauaf
advoga nos termos do Bonito e Caruar.
Pode ser procurado na villa do Bonito,
ra Direita n. 16, defronte da cadeia.
Precisa-se de um triado estrangero, bom co
peiro, e que afiance a sua boa conducta : na ra
do Imperador n. 29.
Fspectaculo gratis.
Quarla feira 15 de margo ir pela prtmeira vez A U6710UU
no Ihealro da roa das Larangeiras, o muito apre- >* curtume da ra Imperta! n. 191 precisa-se
ciado drama-O dote de um par de borzeguins de trabajadores forros ou escravos, com tanto que
aonde execuiara o principal papel a actriz Bata-' sejam pessoas robustas.______________________
Iha, em seguida ir a scena a muito chistosa co-
RA LARGA DO
Rosarlo n. 3 9.
O proprietario do hotel Traviata, achande-se de
novo em seu estabelecimento, e tendo feito nelle
muitos melhoramentos, convida a seus mu dislinc-
j tos freguezes, qoe se dignem de hnralo com suas
Jos Aives da Silva Guimaraes e sua senho- i Presengas ; offereceodo-se-lhes para remetler co-
ra vo a Europa. i mida as suas ra-as coni leda proraptidao e asseio
pelo prego mai, commodo possivel:
media era 1 actoO meirinho impertinente.
Banco Novo.
Deseja-se alugar urna ama fo rra ou captiva
para servigo de casa, paga-se bem, mais fra
da eidade : quem quizer dirija-se a ra das Aguas-
Verdes era casa de Dr. Rangel n 46
no mesmo es-
tabelecimento ha buhares, sorvetee refrescos.
TTENAO.
O proprietario da officina de encadernagao da
ra do In.perador n. 15, defronle de S. Francisco,
acaba de entregar a direcgo da dita otQcina ao
Sr. lleraclio Constantino de Paula Mooteiro, enea-
dernador que fui da iivraria Acadmica, onde pro-
vou habilidade e pericia na arle, tanto em enea-,
dernagoes em bsame, comoem cu uro, veludo.etc,
o qual se acba munido de todos os ulencilios e
aprestos necessarios para bem servir aos fregue-
Precisa ee de urna pessoa com as habilita-
gees necessanas para ensinar a 4 meninos em um
engenho peno desta praga: quemsejulgar habi-
litado dirija se a ra da Cruz n. 18, primeiro
andar, que se dir as vantagees que se faz.
Antonio Feroaodes de Azevedo vai a Europa
e deixa eocarregado de seus negocios em primei-
ro lugar os Srs. Antonio Martins de Carvalho Aze-
vedo, em segundo Jsaqnim Domingues Feroaodes,
e em terceiro Aotonlo Ferreira Alves._______
A pessoa que annancioudar dinheiro a pre-
mio sobre hypotheca qneira ter a bondade de
deixar o seu nome e lugar onde pode ser procura- zes e por mais barato prego do que qualquer outra
doem carta fechada com as iniciaes A. A. V., nes- pessoa. Na mesma oQicina ha a venda : livros em
ta typographia. branco para borrador e mesmo para repartieses,
b .---------------------------- livros de litteratura e sciencia, e ludo quanto e ne-
SOrVcteiro. cessario para as escolas primarias como : cartas
Precisa-se de urna pessoa que saiba fazer muito de A B C, laboadas, cathecismos, grammalicas de
Castro Nunes, pautas, procuragoes bastantes, espe-
: ciaes e geraas, despachos da alfandega, papel pin-
tado e marbrados de diversos unannos e pregos,
papel almago e pintado, ele.
Precisase alugar urna preta para todooser-
vigo de urna casa de familia : na ra do Trapiche
numero 4.__________________________________
Claudio Dubeux, proprietario das linhas de
mnibus, faz sciente ao publico que no dia 15 des-
te corrente mez de margo tira do Cachang o m-
nibus que parle daquella povoagao as 7 horas da
manha e as 5 1|2 Ha larde do Recife ; assim co-
me lira tambem oo mesmo dia o mnibus de Api-
pucos que parte daquetle tugar as 6 horas da ma-
nha, e do Recife as 6 da larde.
Na ra do Crespo n. 14, primeiro andar, preci-
sa-se de urna ama que saiba coznhar e que faga
o servigo de casa e ra.
No dia 8 de outubro do anno prximo passa-
do fugio a escrava de nome Margarida, de nago
Cosa, cora os signaes seguales : baixa, grossa,
preta, belguda, tem urna peladura sobre um hom-
bro, pux por urna perna, tem algumas marcas na
cabega, foi vista na eidade de Ohnda vendendo
agua nos Quatro Cantos com nm balde cor de bl-
zoore, marcado com tres letras F. M. O., cuje bal-
de ella o carregou na occasio de sua fgida dis-
se ella a algumas pessoas que a conheceu que es-
lava alugada a um doutor, depois foi presa por om
soldado no mez de dezembro, e o mesmo soldado a
soltou: portante roga-se a lodos os capites de
campo e autoridades policiaes a captura di dita
escrava e leva-la a ra do areal das Cinco Ponas,
largo do Forte n. 43, a sua senhora Feliciana Ma-
na Olimpia, qne ser bem recompensado, tarabem
protesta-se contra quem a tiver occulta.________
A abaixo assignada.casada cera Jos Nunes de
Paula, faz publico que soffrendo Infelizmente dilo
seu mando desarranjos em sua facoldade intellee-
lual, foi assim julgado por sentenga o Illm. Sr. Dr.
juiz de orphos deste termo a 2 de corrente mez ;
e por isto nomeada a abaixo assignada curadora e
administradora do dito seu marido e bens do seu
casal cm qoanto durar o referido estado de alie-
nago. Dando disto sciencia ao publico, previne:
1" que com o mencieoado seu curalelado neohuraa
transaego fagam ; 2 conviaa aos credores de sua
casa para que enlendam-s* com a abaixo assigna-
da afim de que no ioteresse de iodos resolva-se o
melhor acerca da liquidadlo do passive della ; t
quando o nao fagam a tal resneito pedir a mesma
abaixo assignada as providencias legaes dez dias
depois da publicago deste. Ollnda 8 de margo de
1865.Rita Mana dos Aojos Paula.
bem sorvete : a tratar roa Nova o. 11.
Attenco
lesappareceu no dia 8 do correle mez, um
mulalinho forro por nome Miguel, com idade de 8
para 9 annos, levou vestido urna caiga de riscado
j velha, urna camisa de brim brance, sem nada
na cabega, foi de p nochio : rogase portanto a
quem e encontrar ou delle der noticias levar a
ra da Cruz do Recife n. 28, que ser recompen-
sado.
FeJe-se providencia'
O morador da ra das Cruzes n. 5, pede ao Sr. Aluga se o segundo e lerceiro andares doso-
iospector da mesma roa para que providencie aos brado n. 62 da roa da Guia com commodos cada
insultos que diariamente uns meninos e moleques um delles para grande familia, os quaes se acharo
Ihe fazem a porta, a ver se sao mandados oo de pintados de novo por acabar de ser dilo sobrado
sua livre vontade, pois estamos em orna roa pu- concertado : e a tratar no primeiro andar com o
biica desta eidade. prr.prielario bacharel Francisco Luiz Correia de
Andrade.
Para o Porto pela Ilha de S.
Miguel.
O velleiro e bem coobecido bngoe nacional A-
melta pretende seguir com muita brevidade, tem
parte do seu oarregamento engajado, para o resto
que Ihe ralla e passageiros, para os quaes tem ex-
celentes comraodos : trala-se com os seus consig-
natarios A. Luiz de O. Azevedo 4 C. no seuescrip-
orlo na roa da Cruz n. i.
Para Lisboa.
Pretende seguir com mnila brevidade a barca
porlugueza Henrtqueta, tem parte de seu carrega-
mento prompto : para o resto trata-se com os sens
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, do seu escriptorio roa da Cruz n. I.
Rio de Janeiro.
O brigue Trovador segu com brevidade e rece-
be algoma carga a frete e escraves : trata-se com
os consignatarios Marques, Barros & C.
para Lisboa
pretende seguir com toda a brevidade o patacho
portuguez Flor de Marta por ter a maior parle da
carga prompla : para o resto e passageires trala-
se cora o consignatario T. de Aqoino Funseea J-
nior, aa andar. r
como de cosiume.
thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
CASA DAFORTiiiU
Aos 6:000#U00.
Bilhetes garantidos.
A^iua no Crespo n. 23 e casas do costlmr.
O abaixo assignado vendeu nos sens muilo feJi-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabep
de extrahir a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia, os segulntes premios :
Dous quartos n. 3227 com a sorle de 10:000,8000
Um quarto n. 1383 com a sorte de 3:100400o
Um bilhete inteiro n. 2299 com a sorte de 800*.
E outras muitas sorles de 200,5, 100f, 40* e
Os possoidorespodem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna roa de Grespo n. 23.
Acnam-se a venda os da parte da l lotera
beneficio das obra; da igreja de Nossa Senhora
do Amparo de Olinda. que se extrahir no dia 18
do correte.
PREGO.
Bilhetes.....7,3000
Meios......35500
Quartos.....1*900
Para as pessoas que compraren! de 100^000
para cima.
Bilhetes. .... 6*500
Meios......3*250
Quartos...... 1*700
Manoel Martins Fiuza.
Ue.-eja-se saber onde reside Antonio Jos
Gomes naoirai de Lisboa, filbo de Jos Gomes, e
de Vicencia Rosa, aquel le veio de Lisboa para Per-
nambuco em 1815 recommendado aos Srs. Mo-
raes legistas de ferragans no Recife, depois cons-
tou ter ido para o mato em pregando-se era com-
mercio e lavoura, ignorase o lugar e se vivo ou
morto e se teve aqu herdeiros : roga-se qualquer
esclareciraento a respeito na roa do Caldeireiro
b. 4.__________________________
A segunda rscoh primaria da fregue-
zia de Sanio Antonio desta eidade
coolinuar aberta a concurrencia publica do dia
16 do corrente em diante, na mesma casa da roa
da Palma n 23.
Por occasio de fazer o presente annuncio o
abaixo assignado, professor publico da referida es-
cela, faz ver aos Srs. pas de familia, e a quem
mais interessar, que, como d'antes, continua a
leccionar tanto por casas particulares cerno na de
sua residencia nao s as materias de sua protis-
so como o la ti ni e o francez, para o que se acha
devidamente titulado.
_________________Joao Jos Rodrigues._______
Oo sello desaupareceu um saque da Parahi-
ba da quantia de 350* sobre a casa dos Srs. San-
dres Brothers & C, roga-se a quera por engao o
levou queira fazer o favor de o entregar loja de
Silva Guimaraes C. ra do Cabugi a quem per-
tence. E ao mesmo tempo pede-se ao Sr. Sanares
Brothers o nao aceite visto ter-se desencamiohado.
AVISO.
A directora da sociedado Beoeficente dos Artis-
tas Alfaiales convida a todos os socios da mesma
comparecerera hoje 15 do correle, em casa de
suas sessoes, afim de precederse a eleigo, visto
que no dia marcado nao ooupareeeu numero suf-
iciente. A mesma directora firma-se no artige
17 dosnossos estatnlos.
Anselmo Avres R. de Azevede.
i* secretario.
A luga-se
uraacasa acabada agora, com commodos para fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos,com banho na porta, no lugar do Pogo
daPanella.ruado Rio : a tratar com Tassoir-
mos,oa ra do Araonra n. 35. __________
Franca e Brasil,
J. Mercier, atraate francez, precisa de bons
offlciaes e boas coslureras : a tratar atraz do
Corpo Santo n. 27.
O Sr. padre Francisco Virissimo BandeLa
professr de primeiras letras na eidade de Naza-
reth, queira por favor cumprlr o que asseverou
em sua carta, na oiaria n. 13 aruado Mondego.
O abaixo assignada declara que no dia 13 do
corrente, tendo desapparecido de seu paletot a
quantia de 800*, do porto da esendinha al e
becco do Amorim, pede a qualquer pessoa que
Ihe der noticia ou por ventura o tenha adiado
queira restituir ao mesmo abaixo assignado na
roa do Queimado a. t7, que ser generosamente
gratificado.
!______________Joo Pereira de Mallos Oliveira.
Aloga-se urna escrava, a qual cozinha e faz
o mais servigo de urna rasa, assim como urna ne-
grinha de 12 annos que j emende de cozinha, e
muilo diligente para o servigo de casa : na ra do
i Sebo n. 35.
Mudanca.
Euzebio Raphael Rabellomudou o seu escripto-
rio da ra da Cadeia n. 55 para a ra do Trapiche
n. 44, segundo andar._______^^_^^_
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que
cozinhe e engomme : na ruado Livramento n. 20,
segundo andar. v
(iullryio de S. Joaquim.
Acha-se aberta a matricula do curso de medeci-
na legal, assim como de todas as outras materias
ensinadas no collegio de S. Joaquim; as pessoas
que pretenderem frequentalas durante o corrente
anno lectivo, queram vir inscrever seu nome at
o tlm do correnta mez.
Aluga-se urna escrava muito boa coiinheira,
boleira, doceirae engommadeira : quem a preten-
der dirija-se ao patee da Santa Cruz, sobrado nu-
raero 92.___________________________________
Quem precisar de urna pessoa competente-
mente habilitada para co branca de dividas no ser-
to de Cariry Velho, qur amigavel, qur judicial-
mente, dirija-se ao escriptorio do Dr. Joaquim Jos
de Campos, praga de Pedro II, ou ao collegio de S.
Joaquim, ra dos Coelhos n. 8, onde receber mi-
nuciosas informacoes do zelo e actividade de dita
pessoa em negocios dessa ordem.
Atteiic&o.
ma
Urna mulher branca de bons costumes se offere-
ce para ama, cozinha e compra : na roa da Penha
n. 1, primeiro andar._______________________
Vinva Machado & Filho.na ausencia do socio
gerente Joaquim Lopes Machauo, constituem como
seus bastantes procuradores, em i lugar ao Sr.
Jos Jerony.no da Silva, em 2 ao Sr. Henry Fors-
ter Hith, e em 3* ao Sr. Joo Querino de Agnilar.
Precsa-se de um raixeiro para taberna : a
i^ ? as',g"ad0 teaao d0 retjrar-e para ,ratar na rQa lreila dos Af0|radosF n. 3l ou nesta
Europa, julga nada dever a pessoa alguma, mas cidade Da roa do Alecrim n. 2.
sealguera se julgar seu credor, dirha-se a roa do ,. -----------------------------------------
Livramento n, 2, loja de Andrade A Maia, que sera i ~ Amda Precisase de urna ama para coznhar
inmediatamente pago. e engommar : na ra do Livramento n. 20, se-
1 gundo andar.
Jos Francisco de Andrade Jnior.
Preclsa-se de um caixeiro mener de 18 an-
nos para o malo : a tratar na ra de Livramento
numero 16.
Precisa-se de urna ama que saiba coznhar e
engommar para casa de pouca familia : a tratar
na ra do Crespo n. 18, primeiro andar.
O abaixo assignado tendo por este Diario
convidado a seus credores para urna reunio no
dia 28 de fevereiro prximo passado com o fim de
pagar Ibes rom o producto da venda que fez do
Qmco bem que posstiia, as partes do engenho Tim-
b, e como quer que dita reunio nao tivesse lu-
gar por diversas causas independenie da vontade
de abaixo asignado, por sso de novo os convida
para o dia 17 do corrente mez, em a ra de Apol-
lo n. 20, as 11 horas da manha,
Dase dinheiro a premio
quem precisar aonnncie.
sobre hypotheca
Aluga-se urna pequea casa terrea com quin-
tal, cacimba, etc., prego de 12* : na ra do Gazo-
metro confronte a fabrica.
A viuva do finado Aristides Brbosa deiro Feitosa.cordealmeote agradece aos ami-
gos do finado, e mais pessoas qne se digna-
ran] acompanhar ao cemiterio no dia 10, os
restos mortaes do seu charo esposo, e pede
aos mesmoso obsequio de assistirem a missa
do dia 15 do corrente s 7 horas da manha
na matriz do Corpo Santo, confessando-se
eternamente grata a to caridoso obsequio.
Desappareceu no dia 10 do cerrenle, de casa
de seu tutor Antonio Ignacio Lardoso, morador na
ra da Aurora n. 44, um menor por nome Jos
Antonio do Sacramento, de idade 10 annos, cheio
do corpo, cabellos corridos, para a idade um pou-
co desenvolvido, branco moreno, aprendia e offlcio
de marciaeiro com o seu tutor, levou vestido calca
de casemira, camisa de chita desbotada, ohapeo de
massa, tem urna cicatriz de ferimento do lado di-
reito da cabega. Este menino sem motivo algum
abandonou a casa de seu tutor, o qual o mandou
procurar urna casa para habitagao da familia : ro-
ga-se, pois, a quem delle souber, queira dar noti-
cia na casa cima, que ser recompensado genero-
samente.
O Sr. Joo Francisco de Pontes, ex-secio da
firma de Carvalho & Pontes, eslabelecido com pa-
daria em Caruar, tenha a bondade de mandar
pagar a sua letra vencida a 2 para 3 annos, da
quantia de 100*, na ra da Penba n. 23, primeiro
andar.
Est para alugar-se urna casa terrea na roa
da Gloria n. 14, um e 2o andar de um sobrade
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, o urna mei agua na estrada de Joo
de Barros, com arvoredos, agua de beber,e porto
para o becco do i'omhal : quem pretender faile
na ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manha al ae meio dia
Aluga-se a casa n. 53 da roa Augnst, nova,
eom 3 quartos, despensa, cozinha grande, 2 quar-
tiohos no quintal, e porto para a ra do Dique;
urna boa casinha para trazer-se com asseioe gos-
10 : a tratar na ra do Mondego, oiaria o. 13.
Precisa-se alugar urna escrava para coznhar
e fazer mais algum servigo para casa de familia :
a tratar na roa da Imperatriz n. 4, primeiro andar
Avisa-se aos pretendentes que vo ser arre-
matadas pelo juiz do commercio da villa do Cabo
oito moradas de casas na mesma villa, seis de li-
jlo, estando duas em caixao, urna de taipa, e a
ultima de tijolo e taipa, t- das em boas localidades,
e por barato prego : os pretendentes podem ir
examinar antes que rhegue o dia da arremaiago,
podendo all se en(ender*m com o Sr. Joo Jos
Pinto de Oliveira, e nesta praga com Joaquim
Francisco dos Santos, na roa de Queimado em sua
loja.________________________________________
Jeorge Patchel manda para Europa soa mu,
Iher e urna ilha acompanhada de orna criada de
nome Eliza Steel.
O Sr. Jos Mendes Carneiro Leao se-
nhor do engenho de Taquari, queira appa-
recer na ra do Crespo a. 16, primeiro
andar, a negocio de seu interesse.
Ao interessado.
Na roa Direita n. 32, segundo andar, existe una
trouxa de um chales de la, contendo artigos de
roupa de homem e senhora, e objecto de euro, que,
da eslacao da^ Cinco Ponas veio por engao em
urna bagagem no da posterior ao da festa da Boa-
Viagera : quem for seu dono dirjase a casa ci-
ma indicada, que, dando os signaes e pagando o
importe deste annuncio, Ihe ser entregue.
esperande que
todos comparegam por si ou por seus procurado- Manoel Lopes da Silva, subdito portuguez,
res, visto que o abaixo assignade nada mais dse- relira-se para o Rio do Janeiro. __________
h -iU5 P80a-Lqae,D deVe' aifa rae?,a0, "TI ~~ O,administradores da massa fallida de Amo"-
lniSn1;^?rirft?T*,^mp"ap0d,r rim, Fragoso, Santos 4 C. declarara que o paga-
cool.ouar a v.ver como sempre vrveo. mtm do ,. dividendo de 5 0/o ja anoonciado por
Frapiisco Verissimo do Reg Barros.
vezes, lera logar somente at o dia 31 do corrn-
te, e depois desse dia depositario as quanlias per-
tencentes queiles senhnres credores qne nao se
Em Saul'Auna de dentro
aluga-se urna boa casa muilo fresca, e por prego
muite commodo : a tratar com o solicitador Ma-
ooel Luiz da Veiga ea raa da Gleria n. ft.
Escravo fgido.
Fugio no dia 3 de Janeiro do correote|anno a es- a presentare m no praso marcado,
crava Catharina, de nago Congo, de idade de 45
annos, pouco mais ou menos, estatura regular, e
quem a levar a ruada Guia n. 31 sera gratificado.
* (Jasa para alagar.
Na ra do Rangel, o segundo andar n. 43 : a
tratar na mesma. ________
AUVOGACIA.
Os hachareis Jos Ladislao Pereira da Silva, Pe-
dro Affon-o de Mello e A. J. de Souza transferirn)
o seu escriptorio para a roa das Cruzes n. 41. pri-
meiro andar, defroote da typographia de Sr. Fi-
gurirua.
Offereee-se urna moga solteira que eotende
bem de costur, prefere alguma casa de modista :
ao p da fundigo, taberna de Jos Jaeintho de
Carvalho, ou annuncie.
Lava se com perfeigo tanto de barella como
de ensaboado e engomma-se por prego commodo:
no becco da Bomba n. 3.
i'recisa-se de um caixeiro portuguez para a
loja de calcados na roa do Livramento n. 7.
Aluga-se a alguma familia urna mulata moga
a qual lava, engomma, cozinha, e tem mais habi-
lidades : quem a pretender dirija se a ra da Au-
rora n. 10, segando andar.
Precisa-se de urna ama : na roa larga do
Rosario n. 35._______
Aluga-se um sitio com casa, boa cacimba, e
arvoredos de fruclos : quem pretender dirija-se a
santo Amaro junto ao cf miterio, primeiro sitio ao
lado do norte. *
a
Prornradoria.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
ce de Len, como soliciuder, se encarre-
ga das causas crimes, civeis, eommer-
ciaes e ecclesiaslicas. Elle anda recebe
algumas casas de partido, medanle a
um ajuste razoavel. Pode ser procura-
do as salas das audiencias e na ra
Imperial sobrado n. 64.
Precisa-se de unta ama que saiba bem cozi-)
Espanto teriivel
Pergnnta se ao collector de Olinda como cobra
de Manoel Jos Fiuza Lima tres tainos, quando o
mesmo s tem um em Apipucos, como publico e
notorio ; que procedimento infame I! 1
rrcciM-se uc uiua aun ijue saiuz sem coz-w
nhar e comprar : na roa Direita n. 112, primeiro] Manoel Joaquim de Paiva, subdito portuguez
indar. retirase para Europa.
Roga-se aos Srs. Luiz Alves Vilella eBarlh-
lomeu Tavares de Oliveira o obsequio de appare-
cerem oa praga da Independencia n. 22, afim de
darem alpuns e? clare rmenlos sobre a pessoa a
qnem deram um meio bilhete premiado, que se
achoo na referida loja._______________
Fugio no dia 13 do sobrado da travssa da
Matriz n. 14, um papagaio : quem o pegou leve ae
dito sobrado, que ser recompensado.
Caixeiro. ~
Na taberna da ra Augusta n. 114 precsa-se de
om caixeiro de 12 a 16 annos, que tenha alguma
pratiea. "
f


I
Diaria de Pcmaiubuca .. tuarta lelra 1A Je Marea de **.
COMPRAS.
Compra-s ouru e prata em obras velbas, pa
ga-ae btm: na loja de bilbelesda Praca da lude.
deMeMian. 22.
Compra-s um escravo de idade que
sirva para trabalho de sitio: nesta tvpo-
graphia se dir quem quer.
Compra-s effec(ivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : Da ra Jarea do
Rosario o. 24, loja de ourlves.
Compra-se um eseravo cozinheiro que teta
moco, robusto>e sem vicios : a traur no sobrado
n. 31 da ra da Aurora.
Coropra-se cobre, brome e ferro cuado ve-
Iho : na fundido da Aurora, em Santo Amaro.
~.C?n>pri*M ou *lo*-se um esmvo~queTlrva
para todo o servico : a traur na ra da Coneor-
dia n. 64, padaria do gaz.
YENDAS.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
DO
DR. AYER.
Nao ha necessidade mais ge-
ral em lodos os paizes do que a
de um purgante que seja ao
mesmo lempo innocente, efficaz
e digno de loda a conanca.
As pilulas que ora offerece-
mos ao publico preenchem estas
condices ; pois pdem ser to-
madas pelas pessoas mais fracas
sem perigo algum, nao tendo em
sua composicao mercurio nem
oulro ingredienle nocivo sau-
de, mas sendo composto de a-
vegelaes mui fortes, sao bastante
IiOJA
BALO
Na esquina da Madre Deas,
Vende-se algodo da Baha o melbor que ha no
mercado.
LOJA
DO
DE
BALAO
AZEVEOO 4 FLORES.
As pastilhas digestivat com a pepsina de Was-
man, empregao se com succcsso bi j alguns
gentes
efficientes e activas para purificar os corpos ?r J*-!>^de. medicaes de F
mais robustos.
Estas pilulas explorara e purificam toda
a extens5o do canal alimenticio, e do vigor
a todas as partes do organismo, corrigindo
sua acfo viciada e fazendo recuperar sua
vitalidad.
Jres, Vienna, etc., cm todas as incommodi-
dades em as quaes a digcslo 6 difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para coral as
Gn.lrnlclaa
Rlmpcaalaa.
Enibararaa gMrtraa
A (taatrltr.
Aa affeecoea orgni-
ca la raloninit.
Em todas as molestias cmpreg8o-se a minde as
Dlarrheaa e a eonatl-
paraa araanlda*
prla rlaboraeoes
a>rrrliiaaa dos all
mealaa.
Iaq Ha oco 4- r\ 1 Um remedio inestimavel contra dr de
1US Ue OSSa lypOgrapllia O cabera nervosa, enxagueca, prisao do ven-
AlnaUflK AdTnnQfrft-flX7A a 'r* hemorrhoidas, molestias do figado, fe- aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
V,., AUiuiiii&uaiiY Q bre gastro-hepatica, e todas as molestia *w*rncnie aspasthasdericky.Emmttoi
Mercantil e Industrial desta ** **** *. origen M entorpec- ^nti^^JlT^^t
nrOVTlPfl Or\TTOOf\ o+ Q1 F?nt0 d0 "8ado que causa a escassez da de Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
pvnuwu, lAAIClAV Hit? 01 bilis na inflammacae d'este orgSo que pro- os alcalinos empobreccm o sangue e issodetal
de dezembro. e VMldfi '" "ivraria ni 6 tlZT de8arran)'gcraldosorg5os diges' gg-.a
lia IViaia IlB. O i3OtlV0S. transforma-se ao mesmo tempo que se effectua a
A Ictericia transformacao dos alimentos assimilhando-se
produzida pela absorpcSo da bilis no ? ei!f.8 taj-udo t*J?cm ""> eies a nutricio
sangue dando i pella e 'aos olhos urna cor tAXauSSpIJr^^i^
amarellenta ; nao e Smente dolorosa por affecedes gstricas cima mencionadas sSo unica-
si, pormeonduz aos mais serios soffrimeri- y*0.10 fracas ou d'um temperamento um pouco
tos dc.bl1' e necessito substancial alimento para for-
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas to-' ^mTO^S^^^^^
das as manbas, isto bastante para mover- chegar.
o ventre smenle al que se recupere a ac- x Av? imPT CO saa do SVStema pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
Valdn T~ t i -i s,flcavoes e im.laccs d'esse producto que os
M ao fif/ado, febre gastro-hepaltca, mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
diarrfiea biliosa, indigesto, a nevralgia boa preparaco a pepsina que n'ella eatra, jaz
sao todas molestias que 2Efl S*remos o abrigo d'este inconveniente,
Un. seu cornee n'um desarranjo da t,L. SS&VgSSS^SSSSOSS
A observacao dos ductOS da bilis faz esta Depsitogeralem Pars, pharmacia Chtvriw
volver ao sangue, com que circula depois **' ubonrg-Montmartre, e em todas as Loas
Roa da Clela do Itecife n. 47, esquina qoe volta para a Madre de Dos.
Attengfto.
MadapolSes francezes (peca) 13, 14 e 15}.
Chiias para coberu a 3i0 n. o covado.
Laas lisas um completo e variado sortimento.
Lencos trancos muilo finos a 2J00 a duia. *
Ditos de esgujao.
Um completo sortimento de chitas largas de 300 a 300 rs. o covado
CamLraias lisas brancas muito finas a H a peja.
Aberturas de linho pregas largas.
Ditas de algodo muito finas.
Bramante de urna largura.
Algoda i da Babia para sacco.
O BALAO VENDE
da praca da Independencia.
A ttenco.
Vende-se superior vioho d'o Porto em caixas de
urna duiia : em casa de Johnston Pater A C. ra
doVigario d. 3.
Q>
weijos
o melhor que ba oeste genero a 1} cada um e ce-
bolas a 1 o cento : no amigo e acreditado esta-
belecimento junto a esta typographia n. 42.
-Vende-se urna casa terrea nos Afogados, ra
SJSr.?ia ,kB -2:a,ratar "roa largado ou tic douleureux, sao todas molestias que l1^- Seremos a0^abrigo 'este inconveniente,
nosano n. lo, taberna. __ a Miiiit..__u
Acf oes do navo banco.
Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho vendera 100
ar;oes.
Mange
a (des.
Acedes da caixa filial.
Ignacio de Oliveira & Filho vendero 20
Vende-se urna escrava crloula com 25 annos
de idade. cozioha, engemma e disposta para toda e
servigo : para ver e tratar na rna Bella n. 6.
Vende-se urna mei-agua em Fra de Porlas
na ra do Pharol n. 66 : a tratar com Vicente
Ferreira da Costa na primeira barca de viga.
rise commercial de 10 de
setembro de; 1864.
Acaba de publicarse um Inleressante escripto
sobre a crise commercial do Rio de Janeiro O Dr.
Ferreira Soares, autor de diversas obras sobre
sciencias positivas applicadas ao Brasil, acaba de
dar-nos com est publicacao mais urna exuberante
prova da sua deaicacao pelo progresso do paiz.
Tratase no uliimo escripto do Dr. Ferreira Soares
de demonstrar cera os fados verdadeiros a origem
da crise commercial de 10 de setembro de 186i, e
por tal forma consegue o autor os flns que teve
em vista que anda em resumido esboco, como elle
o lis, ja se conhece a origem verdadelra dessa
catastrophe. Chamamos, pois, a attenco dos es-
tudiosos para a leitura do esboco da crise commer-
cial do Rio de Janeiro, que se acha venda na li-
vraria econmica, ra do Crespo n. 2 defronte do
arco de Sanio Antonio.
Vende-se
um sitio no Caminho Novo, ra da Esperanza, que
vai para o Maoguioho, cora grande casa muito
fresca, tendo 4 salas, 6 quartos, cozinhae dous [er-
rados na frente e fundo da casa, e grande soto
com 3 salas bstenles frescas por ter 11 janel-
las, estribara, quarto para criadas, 2 cacimbas
com agua de beber, tanque e casa para banhos, o
sitio todo murado e com 1.000 palmos de fondo,
portao de ferro, boas larangeiras de urnblgo, sapo-1
tis e outros arvoredos : a tratar na ra do Desti-
no n. 16.
em todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innu-
meravel de males.
Todos estes incommodos s5o curados com
as pilulas do Dr. Ayer.
Direccoes minuciosas acompanham cada
frasco.
Vnde-se na pharmacia franceza de Mau-
rer & C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Una Dlrcua 15
RIO DE flANIRO.
Vende-se em Peraambuco:
na pharmacia franceza de
P.MAURER i C.
RA NOVA N. 48.
AGUA FLORIDA
pkarmaciaa de Franca dos paiaa estrangeiroa.
(iljtisf
ro3
Jal' ~ l~TiWn
1.1 ti II3TINI
a-1*
-, -o o
2.2.2
S*> 3
Paletotsde casemira pretos e de cores saceos a 9&, 104 115 <> f*
Ditos de alpaca branca e preta a 4, 1^500 e ofi.
Calcas de casemira preta de 85 a 155.
Ditas de casemira de cor a 55,85 e 105.
Caigas de brim branco a 35, 45 e 55.
Colletes de dito dito de 25 a 35500.
Ditos de casemira pretos e de cores a 45, 45o00 e 55.
'alcas de priuceza para luto a 45 e 55.
Ceroulas francezas a 15600.
Ditas de linho com duas costuras saperiore?.
Camisa* francesas de diversas qualidades de 25 a bi.
Ditas verdadeiras Inglezas.
Colariohos de linho muito finos.
Ditos de papel a 40 rs. cada um.
Cortes de casemira de cores por presos comraodos.
Ditos de casemira preta fiaa de 75 e 55.
Meias cruas inglezas o melhor que ha a duzia 85.
Baldes de 20, 25 e 30 arcos a 35 e 35300.
Camisas de mella de cores de 3550j a 75.
Os dooos deste estabelecimenlo encarr^gam-se de mandar fazer ifOaltlOBr obra de brim
iiaima A para b..en. e ,neoin*s por preoos que admira ; aproveitem -jue o Balo est disposto
queimar, so quer dinheiro I I
cair.po
a seus
un e
ca-
a
eS-S 2.* 2." "2
% 3 2: g> a gt.a
07
&3
= 2 .
DE
Felje.
Vcnde-se urna porcao de feijao molatinho muito
novo a 15 a cuia, dito preto a 880 rs., dito rajado
do Porto a 5iO rs. : na ra Direita n. 8.
MURRAY & LANMAN
Veudem-se diversas obras de direito romo
sejam : direito natural por D'Azeglio. Autran,
Ahren ; direito publico ecclesiastlco pelo Dr. Vi-
talia Tavaros, direito publico universal pelo Dr.
Autran, e direito remano por Heinecio, todos estes
livros estao em perfeito estado e vende-se por
prego muito commodo : na taberna dos Quatro
llantos da Boa-Vista roa da Gloria n. 95.
Vende-se a casa de molhados na roa da impera-
triz n. 3 por seu dono ter de retirar-se para a
Europa a tratar do sua saude, tem commodos para
familia, e faz-se todo o negocio : a tratar namesma.
Va cea
Na Piranga, deronte ao sitio do Sr. Millet, ven-
de-se uraa vacca muilo boa leiteira com cria.
Sintos fiiissimos.
A I )ja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu riquissiraos sintos largos tanto de fita co-
mo de jalao douradoscom livelas, estes sintos sao
os demais posto que tem chegado a esta praca, e
twfeites muilo modernos para cabera.
DROGARA.
34Ra'larga do Rosario31
Bartliolomea Francisco deSooza
Vendem:
Vcido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar easas.
Guaroicoes avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Vlvaiade Vneta, fino, em pies.
Farinka de mi Iho,
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas : na rna do Rangel n. 3.
A agu florida de Murray Lanman,
olhada como um artigo de perfume, nao
lem podido ser igualada pelas preparac5es
as maiscustosas: conserva seu aroma.como
se formasse parte da prenda a que ella se
applica. Sua efficacia tilo delicada, como
elegantes sao seus multiplicados usos, quer
seja empregaila como artigo de toucador
quer no uso do banho, ou como suavisador
da pelle, depois que se tenliafcito a barba
j para limpar as gengivas eu aromatsar
balito.
D suavidade, brilbo e elasticidade as
completcoes, depois de se haver lavado; al-
livia a irritacode erupcoes ordinarias; faz
desapparecer o desagradare! aspecto dos
pannos, das sardas do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua effi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso appli-
ca-la como estimulante e antisptico, nos
concursos e assemblas numerosas, as lo-
calidades infeccionadas, na alcova de um
entermo, assim como um antidoto excel-
las
III lITIilll'HaaViil
4ASSA E XAROPE
E R t H
COM CODEINA
Prpconizados por todos os mdicos contra
as Definios, a Grippa e todas as nitacSes
do peilo.
AVISO
FulsilicacSes reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Mus de Berth,
nos obrigo a recordar que esses productos
to justamente
nomeados nao se
cntrpgao seniocm
boectas e em fras-
cos com a assigna-
tura aqui indicada. 'Miliiiimin^^
151, ru Sainl-Honori, na pharmacia no
luvrb, e em todas as pharmacias,
Deposite (eral em Pernambucra
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbn
Vendem-se seis terrenos para edificar, chaos
proprios, todos com frentes para osul; quatro del-
les com 30 palmos de frente, dous com 40, e todos
com 150 de fundo ; a localidade a melhor possi-
lente para os desmatas causados nnr nnn-! .'. S.r n,e d0 G"ora-a,en"1 e a da Magda-
CO OU SUToMcan Dfn. a I no m.esmo ponto em 1ue a comPnhia de He-
Preparada nicamente ber.he acaba de collocar um chafariz, agua de be-
Vende-se urna honita escrava de idade de 18
annos, ungomma e cozioha bem, 1 dia de meia
idade, cozinha bem, e vende-se por 3005: na tra-
vessa do Carran. 1. *
Na ra das Crazes n. 18, ha para vender-se 13
escravas preta, entre ellas algumas que engom-
raam, cozinham e lavam bem, e fazem todo servi-
do de orna casa : a tratar na mesma casa.
Vendem-se duas moradas de casas na roa"
triz da Varzea, com graades commodos para fami"
lia e proprias para qoalqner negocio, quintal bem
plantado, urna carimba rom eicellcnte agua de
beber, em urna das ditas rasas existe nina taberna
tendo de fundo de 5005 para cima, exeede de
1:0005 de dividas, tudo se vende por 1:0005 ; as
casas teem 45 palmo* de frente e 280 de fundo, o
terreno fornito do pairimonio do S. 8. C, paga
de ro 95 aoouaes : quera protender tal negocio,
pode dirigirse a ra Direita, padaria n. 40, ra
da Praia n. 49, que ah achara com quera tratar ;
pondo a raiae por que se d por este precn.
Vende-se urna vaecm crioola, parida de pon-
co, mu,ito boa de lelte : para ver e tratar, na ta-
berna defronte da capella de S. Jos do Man-
guind.__________________
"^ Vende-se a casa de pasto da roa do Imne-
rador n.2 : a tratar na mesma.
por Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda
porCan.'s & Barbosa.
Vendem-se no Recife em casa de Caors
t l. Barboza e Joo da C. Bravo & C.
Livraria Aenrarfern^co acadmica , W- rte Meeiros, (ex caixeiro
da livraria econmica) raa 4o Im-
perador o 79
aniiiS^re,ar,' me, tab-locimento participa
M r fT adpmieo, uae M acha .
SS T0,t0 conhe'^ Mwaria acadmica,
u>m on grande sortimento rte obras de direito e
de literatura, onde encontrar-se-ha as principaes
obras, assim como todos os compendios da Farul-
nrf.e- "*" :*" Prearaofos. Tambera
mP!n^ 8Ua "iweqiier encadernacoes
eo.n aporadogo^to e linpeza. Tudo pelo menor
ul- -a^10 Sr-confelnwo Autran por 35 I vo-
ior/n td?;- U^f Acadefncas sobre arti-
ynia ^'go Criminal por Jannar.e Bezerra
Montenegro 1 volme en^adernado 55 Waldock
Sernaanlrr0' ^ eo,B"'-to- '* *!
t^SS^t^ U'raS mU"" br" ^
~- Vende-se um sitio com c** de morada, ter-
i ilmi>"0, J1 com a,UM ^voredos e boa ca-
IZaI ,P/mVgaa' PvuC3odoCachang, sitio
aJ^K-5M uma eXRe"eoie negra Mossambi-
que, de idade, pouco mais ou menos, 31
multo sadia e Bel, cozinha e lava muito bem as-
sim como faz eom perfeicao todo o rranio de uma
casa de familia, e e excedente quitandeira que na-
ga 8O0 rs. por dia : a tratar na roa do Principe
n. 3z. r
*! e feijio rbegado agsra.
Saces com feijao mntatinho novo a 125, ditos
com milho novo a l300 : na rna dos Quart<>is n.
22 junto a loja Je fnnileiro.
Vende se ama easa terrea bem construida,
nos Afogados, ra di Motocolerob n. 1: a tratar
na roa dos Quartes, taberna n. 18.
ber ao p, to perto da cidade, para onde e d'onde
se pode fazer o trajelo a p, a beira de nma es-
trada frequentadissima, dous porlos, o do rio e o
da earaboa, para embarque e desembarque, e para
banhos, coja necessidade tilo reclamada era nos-
so clima queote, e cidade edificada com tantas des-
conveniencias hygienica;, sao commodidades mui
vantajosas e apreciavei?. Um dos ditos terrenos,
o da esquina ao naseente, tem duas frentes livres
e uma grande mangueira da mais bella e attrativa
sombra, e do fructos, cuja excellencia nao cede ao
de nenhuma outra mangueira <| provincia ; dos
outro lerri'.iiiis, um tem boa cacimba e os outros
algumas arvores fructferas, cabieiro, romeiras e
sapotlzeiros que do ptimos sapotis : na roa do
Imperador n. li.
PSisi da Rasfa.
Acaba Mu chegar a mais nova e verdadeira po-
lassa da Kussia, e vende-se a preco commodo: uo
escriptorio de Maiioel Ignacio de Oliveira & Filho,
largo dj Corno Santo n. 19.
COMPENDIO DLDKOS
que contm o oflicio de Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devofao; ordenado pe-
la irmanlade dosservos da mesma Se-
nbora que se acha erecta na egreja deN.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
appiovado por S.M. I., que Deusguarde;
dado \ por devocao do muito reve-
rendo paire Fr. Placido deMissina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 9
da prapa da Independencia.
Vende-se por commodo preco o sobrade de
tres andares e soto da ra do Amorim n. 19 para
cumprlr ordeos de seu propriftario que se acha
ausente : qnem o pretender dinja-se a ra do Vi-
gario n. 19. primeiro ander. ^
Superiores cortes de.moirs preto com barra, o qoe ha de melhor gosto em
Pernambuco.
dem de gorguro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem do gorguro de seda bordados com barra.
Superiores moirs prelos e largos 20400, 2^600, U, 3:>o00, 1J, M, 6,
/) e 841 o covado.
Superior gorguro de seda preto, a raalhor {azenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta desenlila.
dem idem lavrada a 2 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimento de grosdenaple preto a 10800, IdSOO. H, 2AS00, 3f>,
3^500, 4 S, 4,5l500e5^ v v, ^ ,>,
Pannos pretos de superhr qualidade de 30 a I2r> o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil prelo.
Mantas pretcs de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na 1. ja das Columnas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos A C. successores
de Jos Morei a Lopes.
Presos
que admira. .!
Sapalos de trauca superiores pelo barate preco
de 15 o par, e duzia 105 : no vigilante, ra do
Crespo n. 7
Bico adamascado de todas as larguras, peca
com 10 varas, cada pega a 400, 480, 500 e 600
rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Colchetes em carto de uma e duas carreiras
perfeitas, peto barato preco de 40 e 60 rs. cada
carto, c duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, a duzia a 15200,15600,
25,35,45 e 55.
Balaios propriamente para costura e para troc-
las, e para menina trarer no braco a 15500,15600.
15800, 25 e 25500.
Perfumara, macaca parola a 25, 25200, 35 e |
45 a duzia, oleo de raozinha a 55 e 65 a duzia,
banha a 35, 45 e 55 a duzia. Estes objectos se
vendem por admiraveis precos era consequeneia
de serem arrematados dossa'lvados da barca fran-
ceza, pois affanca-se a pouca avana e a boa qua-
lidade : so no galo vigilante, roa do Grespo n. 7.
Milho novo era saceos grandes: no trapiche
lo Cunba, a tratar com Tasso Irmos.
MACHINAS DEPATENT
de trabalhar mo para
descaroe ar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAI
Raa do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
I posoi Balitea, na sna ordera do da, e pela Brai ea
Aguia, apesar de que, para tsle> o Callo n m aeus
agudesesporoes nunca os olfenOer, antes o acra-
ciara na mesma conformidade, para que c Bm.i
possamarchar em frente, a branca Agoia rova
ievantarieu vo,|ievando no bico as palinbas seo
ninho;e o Gallo Qcar em seu espadse
daodeJe novo o sea canto annnnciando
oonsrregiiezes e aorespeilavel publico
0 grande sortimento de objectos de muito gesto que
acaba de receber.
Iticasoaitialias com msica ricamente enffita-
aaspara jostura, proprio para wn delicado me-
Hiquissmioscofresinhos com cadeadosde metal
para guardar joias.
Ricas .anas om estejo, contendo todos os per-
lencesparahomem.
Ui luUsimas voltas lingindo perola.
Uitas comlacinhode fita.
Ditas deliadascores
suras.
Lindos lirteos
ihantes.
RicastivJias para cinto, de todas as qualidade.'
e bom gesto.
Ricos cintos de ultimo posto de Paris.
Graodesortimento de lindos enfeiio- para ral*
{a, sendo do ultimo gostoe de todos os pnce*
Mores muito finas para noivas.
Luvasenfeitadas e meias de seda para rcivas.
louquinhas sapatinhos e meias de >a \iH
oaptisade.
Riquissimas fitas de todas as qualidade? larala-
50, cintos ecinteiros.
Camisinhas e gollnhas para senhora.
tliquissiraosjrros e figuras para ortan tato de
Grande sortimentode gravatinhas tanto para se-
nhora como para hornero.
e preta, de todas as gro$-
com pedrinhos Ongicdo Iri-
Luvasdepelica branca e decore1:
Cascarrilhasde bonitas cores.
CIMENTO
Francez barrica f<$<>00
Portlnnd barrica 8#5 0.
N-i trapiche barao do Livrament aoces
d'Apollo.
Vlaho collarea.-
Acaba de chegar de Lisboa a superior e verda-
deiro vinho de Collares era caixas : esta excellen-
te qualidade de vinlio toroa-se recommendavel por
nao conter espirito ter agradavel paladar, supe-
rior ao melhor Borbeaux; sendo aquella particula-
ridade apreciavei e util'na presento esta^o calmo-
sa, em que os vinhos aguardentados se tornara pre-
judiciaes : vende-se no deposito, ra da Cadeia,
escriptorio d Leal Res.
Lcjumes naves a 6,40u rs. a arroba*
Na padaria atraz da fuodico do Sr. Starr ven-
de se ervilhas verdes, ditas amarellas e descasca-
das, lentilhas e sevadinha pelo pre$o ero sortimen-
to de 65400 rs e conforme fr a poaio fz-se al-
gum batimento.
BCT-aj s r n o ^ 1_. r n n P
as

c o t -J 57 o
- 0.0.05 =-0 o
2 M a O-g g 3-
a. v> o r o. S
c Q*a> ja
3 *
g "o,
a.
a

Vende-se a taberna n. 12 no largo da Penha:
a tratar as mesma,
Trancinhas.galo e maraviihas para "(*.
lranselins de cabellos e de retro? para rtkflo.
Hapelamisadee de outras qualidades
Bolsas para viagem.
Entremeiose babadinhos de lindos rdi?{.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para horaem, senboras, ireiilof t BB)
UaS.
Pitas de veludo lisas e rom talan t- t'e nas f
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualid:es.
brande sortimento desabneles.
Lindos vasos com banha para orTcnriii ilik L.
^Caixinhascom seis frasquinhos.
/^Essencias de todas as qualidades.
t^guaverd-deira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grande5, t eic
rrascosquadrados cgarrafinhas.
Pomadaflna de todas as qualidades.
superior banha em frasese copos tt Uiutt
tamanhos. mmm
Saboinglez em paos grandes e peonar
scovasdecabo de madreperola, rrajf rj t de
osso, para dentes. oe
sftPentes Para desembaragar.com friso dt n|.)
Ditos de tartaruga
des.
e de mnias outras qcalia-
Pentes de tartaruga para senhoia
Ll.J de sida c Oc dln^dc, ..<.. .
Estas machina* utros objectos degosto quesera nic-sh, .,,,.
podemdescaroca! joinar.que a vista far f, so no Gallo Vigiinif
qualquer especie cue do Crespo n. 7. '
de algodo sens Veltinbas.
senrdaogar bastamt \JSkVS^ d E2LLf*laS Sf""1*^8
duas pessoas para -i .* ?B0h5ri,ha1nlts' *?,w ",D10/M" ,lf *''
o trabalho; pd f/J"** Pel ^!at0 Pre? d,eT. *.* b
descarocar nm ^avuUasa 100 rs. s no Vigilante, roa do
arroba de algo
do em careo
em 40 minutos,
ou 18 arroba;
por dia ou 5 ar-
robas de algod:
limpo.
Crespo n. 7.
Leqaes.
Riquissiraosleques de madreperola tacto pira
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 125 e 145; s no Vigilanle, roa do Crrsrr.
n. 7. '
Fitas de lia.
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias
.> uc uctutids i.-quaiiuaui*, propna? i>a-
Assim como machiuas para serem movidas por ra debrnm de vestido a 700 rs. a pera s no Vi
imaes, que descarocam 18 arrobas de algod. gllante, ra do Crespo n. 7
Vende-se calgado francez da barra franceza
S.Jnao rfd Luz-, na rna do Livramento n. 21.
wrzognins delstre (Nanles) 65000.
Hilos- de hezerro de tres solas (Nantes) 65000.
1)1 tos de hezerro de duas solas 65000.
Sapalos do tapete 610 rs.
Estopa a 24' rs
a jarda : na loja da ra da Madre de Deot n. 16
defronte da arfandega.
am
limpo, or dia; e mjtores para mover uma, duas,
euirss dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um beliissimo va
por que pode fazer mover seis destas machina?
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nOva n.47.
Saunders Brothers L.
M. II, pra^a do Corpo Santo
RECIPE.
Os aicos agentes neste paiz.
0 GASTELLO DE GRiSVILLE
Traduzidt de tnntn per .A. J. C. da Crni.
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baratissimo preco de 2500 :
ua praca da Independencia, livraria ns.
6 e^______________________________
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Raa do Qtieiiuad'i n. 19.
Vende-se o seguate :
Lences de panno de Hnbo
pelo baratissimo preco de 25400.
Lences de bramante de linho
de um s panno a 35500.
Coberta de chita da India
pelo baratissimo preeo de 25500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 25 a duzia.
Pecas de brelanha de rolo com 10 varas
propria para aia, a 35800.
Pegas de cambraia
para forro com 8 l|2 varas a 156 0.
Guarda na pos
de linho finos duzia 35500.
Algodo entestado
com 7 l|2 palmos de largura vara I5J0O
Corles de la
com lo covados a 65
Cambraia adamascada
com 20 varas propria para cortinado peca lis.
Fil de linho
liso lino vara 800 rs. '
Atoalhado adamascado de algod.io
com 8 palmos de largura vara 25200.
Atoalhado adamascado de linho
com 8 palmos de largara vara 35200.
fazinhas cirmezira miudinhas .
i propria para vestido de menina, covado 600 rs.
LinKas
de cores finas covado 560 rs.
Fazendas para a quare;ma.
Grosdenaple, moreantique e ricas capas de gros-
denaple bordadas.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, e 6 palmos de
largura, por menos preco do que em outra qual.
quer parte.
Neste armazem de fazendas se encontrar um
grande sortimento de roupa feita e por medids.
Ricos esptlhos.
Riquissiraos espeihos com moldura drnrda
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim rnr0 cm
columnas de differentes tamanhos a 25, 35,45 r
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissiraos jarros e figuras de porcelana fira,
para enfeite de sala, sendo omelhorgosio c,ies tem apparecido; s no Vigilante, rna do Crespo
n. 7. '
Para pos de arroz.
Riquissi mos vasos com bonecla para pos dea rrnz
cousa de muilo gosto a 15500 e 25, assim como
jacotes s com os pos a 320 rs. cada um: s uo
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, | (.ota-
das, a -.-i m como de lindos copos ou vasos ci n> dis-
tinctivos e oflerecimentiis as sinhasinhas dos n e-
Ihores e mais afamados autores de Par/s e Irprati-r-
ra, assim como os grandes copos debanha j.iicpeza
a 25 e a 15, assim como ontros objecirs que n"o e
possivel por hoje annunciar, e i vista dos frepue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo VriJUte
ra do Crespo n. 7. '
lAgua Florida.
Para restabelecer e conservar acor natural
dos cabellos.
A igua florida nao ama tintura, faci essen-
cmI acontesur, a mesma agua dando a cor prini-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias i noffensi vas, ella tem a propriedat*
derestituir aos cabellos o principio corante qne rt-
les tem perdido. D'uma salubridade inrortesla-
vel, a Agua Florida enlretem a limpeza da cabeca
destroe as. ca-pas e Impede os cabellos de calir
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
constite poderosamrfe. com a Agua Florida, a
(orea,a belleza e a conservacio dos cab.'.;.
Em Paris, casa de Quislanr n. 12, ra de P.iche-
lien, e 21, bonlevard Montmar're
Todos es frascos, nao tendo intacto e cbro,o
timbre prateado da casa, sae reputados falsos.
Deposite, rna do lmperador,pbarnacia n. 38.
Cemento remane
e di Ponan! : no arroazen? de Tasso Irmos.
Coke do gaz.
Piten do gas.
Alcatro do cax.
Coke, tonelada tOpOOO.
Pitcb, arroba 35000.
Alcatro, caada 560.
O cok reconhecidamrnte o carv3o mais eccno-
ico, toroa-se por isso recemmendvel, Ixro ro-
0 pelo aeeio que se nota as rasiohas tende i
lie usado. Piten e alcatro, alcm s aidftr pape-
oes diversas a qoe se prestan, como paracaaf
tar embarcaqSes, alcatrflar madeiras, ele, teee-
estes a propriedade de preservar do cupim, ler-
mtgas, etc. entregue oaabrica do gaz, ou man-
dado por em qualquer pMtoda cidade, segondoa
voOtadedo comprador eprevio p;nsfe.
Azeie de carrapato
Vende-se por atacado ou a relalho mafs barrio -
i aue vendero os malulos oas cargas : na fabri-
ca da travessa do Cpriafa 9. i, |c do Ramos, '

- .
.
r-^%r% /r-i



fiarlo de Pwnamamco Qnarta felra 15 de narco de I SO&
Laboratorio 3|oljfei(|o e himieo de F. F. Lebeuf e C.
ra. Ionuiaitre, 31, em Park
Fabrica era Argenten!!, pra Pars (Franca).
GB4NDES ARM4ZENS
DE
MOLHADOS
, 11 HSi ffiHHKji
Largo da Santa
jCruz ns. 12e84<'
jesquina da ra do!
iCebo.
\1NH0S
ESPEC1AES
Largo da Santal/
Cruzns. 12 e 84,
esquina da ra o)
Cebo.
B0MF1CAC.\ E FABlC-VC'i
Dos vinhos, agurdenles e licores.
x
VINHOS.Imltacio dos vanos de todas as
qualidades, Extracto de Med-ir, dose para 230
"Uros, 1 f. 25,de Bordeax, 2 f., de Poraard, 3
f.,de Lisboa, t f.,de Cataln, 2 f.,de Porto,
Xerez, Moscatel, Malaga, dose para 2o uu 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e todos os onlres. A dose para
500 litros, 50 f.
CLAC1FICAGOPos Ingleics, pos dos vinhos
da Hespaoha, da Franca, etc. A libra para 500
litros. 5 f.
AGrARDE.VTES.-Eswiai. de cognac para dar
a agurdeme ordinarias o sabor e o aroma de
copnac. A.garraa para 100 litros, 5 f.
KIHSCHE AUSlNTHO.-BseBCiade kirsch e
de absintho, para os faicr com atcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 5 f;
LICORES.Extractos para fabricar se todos os
licores conhecidos som fugo nem alambique, (in-
dlcar-se os que se deseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os licores Anos ou
communsa dose para 20 ou 25 litro?, 1 f. 25.
TODOS os oulros productos para o trabalho dos
vinhos, aguardentes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados-de encommenda.
CTENCILIOS de laboratorio e de chlmiea.
e engaado nossos
O dono dos ja muito acreditados armazens de moihados denominados Aurora
Brilhante, acaba de receber de sua propria encommenda, rauitos gneros delicados
proprios da presente estacao, e tendo grande sortimento comprado aqui, aflanca que to-
dos os seus gneros sao de primeira qnalidade.
A seguate tabella servir a todos de base para ajuste de coutas aos por-
tadores.
Nenhum armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por seu dono seachar encom-
modado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outro na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
barato.
COLQRACAO.Purpirigine para colorear os
vinhos brancos e vinhos claros. As duas libras
para 500 litros, 16 f. OTENCILIOS de laboratorio e de chimica. rs. a libra e em barril a 800 rs.
Alguns de nossos agentes tendo falsiticaJo e imitado nossas preparaces, e engaado nossos ?l;;i(rl:i franceza
freguezoSTdevd.se exigir sobre as rolhas e rtulos as inlciaes F. V. L. Paris, pa ,afra nova a6(Jo rs. alibra, e em barril
0 modo de usar-so das preparajcs aeha-seindicado no rotulo. rfHf Q rs u*v
As enembtiindas devem ser acoupanhadas por Mi letra sobre Paris ou qualquer oatracida-t^w' r8, _
de de Pranw, ou garantidas por urna ca conhici la.Dirigirle aas Srs. Lebeuf & C. chimicos, ra V AlliOllClOaS
0
COROAS NEM
i
GRANDE
ARMAZEM
DE
RA BO IMPERADOR W. 4
Junte ao sebrado em qoe mora eSr. sbarne,
Da arte Almeida dfc C, receberam de ana propria cdcoebci-
da o mala lindo e variado sortimento de moihados, prcjrica
da presente estacao.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra nova viada no ultimo vapor a I,ooo para sopa a melhor que se pode
macarrSo, talhaTim e*aleiria a
libra e 4;>.'00 a caixa.
Vinlie
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
defejar,
400 rs. a
[Latas com 8 libras de chouricas muito novas,
i a 75500.
kDitas grandes cora peixe em postas inteiras,
mais de 12 qualidades, a 1,0000, 15280 e
ISiOO.
i Ditas com ostras, eicelleate petisco para fri-
gideira, a 720 rs.
'Ditas com crvilbas novas, ensopadas, a720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
Ditas com ameixas a UiOO, l800 e 35500.
Ditas com marmelada do afanado fabricante
rtY) Abreu, a 880 rs.
g v Ditas com massade tmale, a500 rs.
u,j? Ditas com flgos ae comadre, novos, a 15500,
25 e 25500.
(Ditas rom bolachinha de soda muito novas, a
25000.
'. Ditas rom biscoitiohos ingleze.- de muitas qua-
lidades, a 15400.
Chocolate.
[Chocolate superior muito novo, a libra a
15200.
Macarro, talhariara e aletria amarella, alibra
a 480 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
.Caixas com estrelinha, pevide, e ostras mas-
sas, a caixa 35500.
i Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
1 Sevaditilia para sopa a libra, a 240 rs.
Emilias seccas, a libra a 160 rs.
l)itas descascadas, a libra, a 200 rs.
{Tapioca muito nova, a libra. 280 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a- libra a
500 rs.
Arroz do Maraahao, eru sacco, a arroba a
2500 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a II-
bra a 100 rs.
'Toucinh de Lisboa a 99000 a arroba e a 320
rs. a libra.
[Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
260 rs.
.Somos com 125 ceblas grandes, a 1280.
iVlostarda franceza, caixa com 2 duzias a
' 8;000.
frascos com mostarda preparada em vinagre,
a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas, a
640 e 800 rs.
Ditos com sal refinado flnn. a RIO e a 500 rs.
< unus com a verdadeira genebra de laranja,
1J000.
Ditos de 2 carrafas de Hollanda verdadeira, a
640 rs.
.Botijas cora dita propria para negocio, a
400 rs.
^Oarrafoos cora 2 galoes com dita, a 65.
I Servej boa, marra, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
' Viiirio moscatel de Setubal, a garrafa a 15.
Marrasqiunho verdadeiro, frascos a 80C rs. e
a 15200.
[Champagne, a duzia 205000, e a garrafa a
i Azeite refinado portuguez e francez, a garrafa
a 15000.
Caixa di vinho Bordeaos muito superior,a
75, 85, 95 e 105 a caixa.
'Ditas com dito hranco, a 75 a caix.
Ditas com dito lagrimas do Donro verdadeiro,
a 205-
'Ditas com duqae do Porto verdadlrora
185000.
Ditas com chamisso superior, a 145-
i Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 12&.
Vinho de Porto da pipa, a garrafa a.640, 720
e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 35200,
15300 e 43, e garrafa a 500 e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marcas (N.)
(J. A. A.) (i. L. G.) fO. M.) a caada a
45500, e a garrafo a 560 e 640 rs., dfeste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotnlo do arraaaera.
'Ditos de marcas mais desconhecidas, acana-
| da a 35500 e 45000, e a garrafa a 480 e
520 rs.
Yinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
[Dito de caj moito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
Gtana.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de seN
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs. i
Sabo massa, a libra a 200,240 e 280 rs. |
r'ariuua. j
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 55000.
Cal. ,
Cal do Rio muito superior,, a arrotaui 8*,.
85500 c 95000.
h.
Cna-, temos nestes gneros o melhor possivel,*
hyson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxira a 25700.
Dito hvson muito fino a 25800.
Dita redondo a 25500. atenn
Dito preto de primeira qnalidade a 25500.
Dito mais baixo a 25000 e 15600.
Erra mate.
Exeellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Esperniacete.
0 raasso rom 6 vellas de esperraacete a 000, J
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 45 e 25500.
Nones.
Haas, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
Aloisia e patuco.
Alpistee painco, a arroba 45000 e-a Irerara,
*0rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar, a duzia a 255 K).
Cislanhas.
Castanhas nova* vindas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra a 200 rs.
AzeRosn.
Barr com azeiloaas novas a 15500-
lanteiga.
Manleiga superior, a libra a 15000.
Dia mais abaixo a 800 rs.
Dita menos suparior a4340.es.
Dita franceza nova, a fibra a 720 rs.
Dita dita era barris e tneioa ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qneijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 35200 el
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra al
15000.
Papel.
Papel almajo pautado, a resma a 45800.
Dito dito lizo de linho, a resma a 45500.
Dito- e peso lito e pautado, a resma
25500.
Dito de embrulho, bom a 15 e 15200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-^
deira a 15500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominuo
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a,
480 rs.
Amendeas.
Amendoas cora casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de dbre de guiaba, grandes a 15400
e perneaos a> 640 rs.
'fijlos de limpar.
Tijolos de arcar facas a 140 rs.
*.rait.
Duzias de boldes de graxa n. 97 a 25000, e l
de lats a 15000, e os boiSos & 240 re. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos linos dos melhores fabricantes da
Bihii por dtversos pree^s, caixat e meias.
Montmartre, n. 31, em Paris, o a sui fabrica em Argatetnl, pr Paris. jlBl
Vende-se na botica franceza, rna da Imperador afc38'. :i
CONSULTORIO ME1C0-CIRIRGIC0
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MKOICO, PARITinO K OPERADOR.
3 Roa da Gloria, casa do Fundao 3
O Or. Lobo Moscoso d consaltas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 1
floras da manhaa, e das 6 e meias 8 boras da noite, excepcSo dos dias santificados
Pharmacia espeeiai hameopakica
Nb! mesmo ceoiultorie '.ubosavutsos, assim como-tinturas de varias dymajisaco& e.pelos preijas seguintes
Garteiras.de l tubos grandes, l<^W
? de 24 tubosgrande. 1SSD00
de,3t>tubosgrandes. i^O
de 48 tnbosgrandafc .- 30)5000
de (JO tubos grandes, 35000
Prepara-se qualqwercartwra conformeEa^ptdid que se flzer, e com os wmedi
p se pedir.
Um tubo a vulso ou frasco de tintura de meia onca 15' 00.
Sendo para cima de {2, mistaran os presos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 504 ris.
LIARON.
A nuellior obra da bomeopathia, oMimiatde Medicina Homeopathico do h-. Jabr,
otts grandes TOluroes com diccionario .......'....... 20|000
Medicina domestica do Dr. Hering,............. 100000
Repertorio'd'e Dr. iMelle Moraes.............. 6OO0
Diccionaria d termos (re medicina ..,...,... 319000
Os remedios deste estabelecimentos3o rdetmiis conhecidos e dispensara poetan-
to de seren novamente'recommencrados aspessow qnrquijserem asir de remedios ver-
dadeiros,energicos e duradores: ha tudo do metboc^ue se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa ce*6erva$So., tiuilradBst mais acreditados
estabelecimentos eurosos, a mais-**acta e aecursdagreparacs, e portante tmaior oner-
?i5e certeza em seus effeitos.
Cam de sad?, pura, ezeravos.
Recebe-seescravss para tratar de qualqoer enernaidade eru fazer-se-lhe fualquer
operaco, para o que o annunciante jtiiga-se suffiaenteraento abilitado.
Otratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar^ como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatroannos, ha tiwitas- pes^oasi de cu jo conceito- sano
pode duvidar, que pdera ser consultados por aqueRas que desejvvem mandar seus
ioentes.
Paga-se 25000 por dia durante 60 dias e faheo&diante I509.
As operares sero previamente ajustadas, se alotse quizerem sujeitar aos procos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
FVIlillCV l)S CHPEOS M SOL
ttmfeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2400, muito propios para mimos.
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1300.
Chocolates
detodasasqualidade8al0OOO a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
teims vleos para 500 rs.
Queijos flamencos
chegados neste ultimo vapor a 2#6oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2*600 cada um.
neijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendornteiro e a 900 rs, a retalhe.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o ira co..
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a- 900" e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pod vender por menos de
Iden perola
3speciai qualidade a 2/1700 rs. a libra.
dem livssofl
mais aromtico que tem viudo ao doss<
mercado a 2*600. j
Massas araarellas
para sopa, macarro, talbarim e aletria a
480 rs. alibra.
o muito afamado cognacPad Brandy a 4,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a i,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPOS!
lapidados para agua a 4,5oo e S.ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almajo, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5eo a resma do me-
lhor.
calas.
grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se:
ATTENCH
AO *
NOVO ARMAZEM DE EOLHADQS
N. H-Rua do C'abiig-m. 18,
91 lt ii \ r,i e4f|tila. tin Cimbou do Carao c rna do
Cabng n. 9.
Papel de botica
de exeellente qualidade a 2*200 a resma,
A listona dwe estabelecimento o tuais importante que existe neste genero! PAPEL
as provincias do norte do imperio, querendo- que o pablfco desta provincia goze dasazu'e P'rdopara embrulho de l,4oo a 2,2oe
vantagens que proporciona & fabric30iem grande escala e directa relacSo cora as mais
importantes fabricas da Europa, faz.scienle que reo!veu-se a vender ainda mais barato
do que do costume como demonstra a segrate tabella :
Descanto-em duzia.
7o
o\
Ghapos de sol de panno a 2#000........ 20
armacO de baleia a 2#a0 10
de seda armico deago inglez de 20 pollegadas
4*, de 24 50, de 26 50500 e de 28 6*...... 15
Ctraoos de soi ingleses a bat3o i 2 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 8*, de 26 90, e de 28 10*. 15 /o
dem idem a balo de 16 varetas palent paragon de fox de 24
pollegadas 11*. de 26 12*. e de 28 13* ..... fS t/0
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam de alpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanbos efeitios, os quaes sao to vantajosos como os annunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-se igualmente em porcao e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, aftm de poder reta-
Ihar pelo preco que o estabelecimento relalha.
W. R. Os objeetes comprados em menos de urna duzia serlo considerados como
a retalho.
Defronte da matriz de Sanie Anlenio
DE
&
>
Lima & C.
Os proprietarios deste novo Ubeleciment avisa ao respeitavel publico, que acha-
se prvido de um completo sortimento de moihados e seceos, todos nevos e por precos
mmOsSo rietarLes ^^ qaizeram annunciar pelo jornal a existencia de seu estabe-
lecimento ; porm, eomo lae^se neoessaria a noticia aos senbores de engenho e agncul-
to es.que mandam seus. portadores directos a esta ou aquella casa, motivo pelo qual os
proprietarios o fazem agora.
Aprovertanr aoccasio para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
mento se achara sempre completo de um variado si rtiraeato de moihados, seceos eou-
tros objectos perlenceotes ao mesmo. ramo de negocio.
Seus precos seta, meas*ipor cento do que em outra qualquer parte, e para
este um cliama-se a attencao de todos em geral.
Os pesos e medidas, e qualquer engao dado na casa, sero garantidos pe,o dono
em favor do consumidor, em qualquer occasiao que reclamar.
Os proprietarios deste nov estabelecimento esperam dos seus fregnezes, e do
publico em geral toda a proteoeao, prometiendo os proprietarios da Flor dos Progr-s-
*ns tirar to rnente um lucro razoavel do laborioso trabalho com que possam dar
cumprimento a esta ardua missa'o.
Adiando desoecessaria a publicaco dos precos rainucioaamente explicados de
seus gneros, com o que geminante todos fogem, pelo motivo n5o somentede serenfa-
donho, como tambem por nada raler, os proprietarios tfita smente em vista entreter es
seus consumidores com gneros novos, e precos mais razoaveis do que em oulra qual-
quer parte, pois 9ero e garantas para a proteceo ao Ato Armwm de Moihados.
FLOR DO* PROfiREWOI
RW9
[Chales de renda preta e bournus deguip pretor
A' leja da rna do Crespo n. 47,
D
JOS <-om:s vilir
Vende a tit, 205, 305, 405, 305 e 605, capas e casacoes de gros pelos, chapos
echapelinas de palhan outras maltas fazenda.proprias para a quaresma.
Jos Gomes Villar pretendendo ir a Europa tratar de sua saude espera qne seas
daredores tanto do mato como desta praca saldem seus dbitos qmmto antes.
SI

GOMMA NOVA.
Em paneiros muto Iva 4,ooo re. a arroba e 16o rs. a. libra e compran-
do de um paneiro para cima.se far abatimento narua do Imperador n. 40.

CHEG4MM aSMODERNOS CHILES DE
FILO PRETO.
Superiores chales de fil preto chegados pelo uliimo vapor franrez, a
loja das cohminas ra do Crespo n. 13, de An'onio Corren de Vasconcel-
los & C:
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito aovas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
i,4oo rs. alibra.
Vinagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novasdo mercado a 7,ooo rs. a caixa
e loao rs. o molbo.
Alpista o Painco
0 maaLAvo d0 mwcad0 iOrs. a libra,
e 4*400 a arroba.
CEBLAS
muito oras a 1*000 oebnto na ruado Qm\.
madon 7, ra doImperad-or n. 4elar-
go do Caimo n. 9
aO DE BtCO
mHito novo a 3*400 arroba er40rs. a li-
bra aa rna doQueimrdo n. 7, ra do.
Imperador n 40 e largp do Carra.*. 9.
i QUhuo- sursso
muta freso.a Sao p, a ibra na roa do
Queiraadon. 7, ra do Imperador n. *0 e
largo do Carmo n. 9
Os
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2*800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafad* dos memores fal-ri-
cantes da cidade do Porto a 1* e t-20
a garrafa e de 10* a 12* a caixa, as iar
cas so as seguintes: Chamisso Filbt,
F. M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro eoutres muito.
Latas
com 10 libras de baBba a 4*0C0.
Bolachinha ingleza
a 1*800 a barrica da mesma que
vendem a 2*000 e 2*400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* bra.
'Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas a&mai
cas de 4*500 a 6*500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres em
meias caixinhas a 1*500.
Arroz
do MaranhSo a 100 rs. a Kbra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2*500 a 3*000 a ar-
roba desses que vendem por 3*400.
CAF
de l.1 e 2. sor do Rio de Janeiro a 8|Sf
e 8*800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
arrafes
com 4 /* garrafas com vinagre a l o garrafSo.
GBNEBRA DE LARANA
verdadeira a tm-o frasco, e de H*OOC
a caixa.
IDKtt
em frasqueiras de Hollanda a 5*800 com
i 2 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a (ko
rs. cada orna.
PAUT08
os verdadeiros palitos do-gas a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinba,
LlGQRg
finos de todasasqualidades, a lo.ooo a ctia
com urna duzia e a i,ooo a garrafa.
Marmelada
doamelhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Marankao, Java e India, a loe rs. a libra e
de 3,00o, a 3,20o rs. a arroba.
VELAS-
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa tari abatimento.
VELAS
de carnauba era cairas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de arrobas a 5*la caa e 60 rs.
a libra.
Passas auilo notas
em quartos e inteiros a 2* o quarto e 6*500
a caixa e400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao
Frotas tm calda
enejadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640rs. a lata. J
*600 el*ocaixae.
. GOMMA MUITO NOVA
emrnia,n!'T/nde 2 arrobas a 3S00 a ar-
roba el 40 rs. alibra na roa do C B0LACHJNHA5
em latas de deferentes qualidades
a lata
a 12C0
ichegadosneste ultimo vapor um rna
M ?ZaH ,D- Tj rufl ^A^or"
sssiSSSSSSSSSSSassa.-
Veriadeira Prid|al na da Imperadar IA
FARELLO DE LISBOA
Marca % verdadeiro em saccas nom e grandes a 4*500: na roa do Imperador n. 40.

i-j
DE
BE
J. VIGNES.
. ** UA I>0 IMPERADOR N. 5. .
us piano desta antiga fabrica sae hoje assaz coaheeidos para croe seja Beeessarfo Bistir sobra *
,ua superiendade, vanlagense garantas que efferecem aos compraderas, Validades estas MentoL-
reisque elles tem definitivamente conquistado sobre todos os qoe tem apparecio nesUwaw^odo-
suindoum teclado e mach.nismo qufcedecem todas as vontades eeapriehes das rtanistes'sem^
aunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente metoraracttM srtar.-
nssimw para o clima deste paiz ; quaato s voies sao melodiosas e flautadas, por isoHund.
Tois aos ouvidos dos apreciadores. --~-
Fazem-se conforme as encommeadas, tanto nesta fabriea como na do Sr. Bionel de Parte Mi
orrespondente de J. Vigms, em coja capital foram seeopre premiados en todas as exwstefies.
N mesmo estabelecimenlo se acha sempre um expandido e variado sortmetloaeausfoas do
toelhores autores da luwp, assim eoao harmnicos e pianos harmnico/, sesdo m teidMo oor
preces commodos e razoaveis. ^ ^



1 .....
t


mmmmmmmtmmmttmmmtmm
1
i
tl U
hc*t4** pipi l*i*+ $,*,*M*mw*mtMt.
t*t
Faztadas nretas para, a qaareima par
toe baratis** orax, na laja e -
mmh da Arara, ru da laaeratrii
.se.
Loimnfo Pereiref Mmies Gttimares.
O propneurw tasto estabeieeiiento retiva-se
para a Ensopa a tratar te so saude, pordet aoies
dt rdUiar-se pretende Eazer urna UquiJagao de bar

FnaeiKto prea* parre a^aa-
fcswta
Va luja do Puvo.
Acha-se este estabelecrmenlocoHipletam8n.taor-
[Ido de fazendas pretas proprias para a (ruaresma,
a saber :
fi*09Mupics pneao largo a milsimo eacerpa-
ito, eulrus ious estreno* toado das precas de
128U, l600,15800, 2, 2i00 e 34, superior
moreawique preto 2 .15, superior sarja preta hes-
panliola, superior seto* prato macao, ricas capas
baratisslmo prega para fechar coalas agora fre- p^^.bardadas, saueeasbarquesmuilobem eefei-
guezes vende-s grosdenaples preto muito bom
para vestidos, a 14600, 24 6.24500, dilo de 5 pal-
mos de larga, a :i4 : aa ra da Imperatriz luja, da
Arara n. 5o!
Meuraiitlqne preto a 3$.
Vende-se raeoraunaae preto para vestido a 34 o
covado>4psteaait'iattrto torga, e enwpada a 9&,
23300, 2 a l^tiOO o covado, alpaca orol* para
vestidos e pantos a 500, 900, TOO e 800 rs. o cova-
do, sarja de la P**a vwbdw, calcas e patitos a
640 e 800 rs. o covado, la preta para vestidos a
540 rs., bombazJoa preta para vestidos a 14280 o
cwva*): roa te imaoratna loja da Arara n. 38.
Kieos vestidos a Mari Pisa lr>.
Vendem-se nene vestidos a Mafia Fia a i&
125, 145,165 : ruada Imperatriz luja da Arara
B-. 56.
Arara vende pegas de panninho a 54 ete
madapoln a 45.
Vendem-se pegas de panninho multo fino de 12
jardas a 55, vendem-se pegas de madapulo infes-
tado a 45 e 14590, wadera-se pegas de madapolao
de 24 jarda* bom a. 65, '5, 7531, 5,9* 14 a
125, vendeza-se poca* de algoJosiuiio a 55, 65,
75, e 85 : ra da Imperatriz n. 31
Arara vende os baloes a 2^500.
Vendem-se bTi"* daarcosde. todos os tamanhos
a 25300, 35, 35500 e 45: ra da Imperatriz
n.36.
Laziahas da Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se tie*a-pwa veMttes te.suhoras
e menina 320, *D0> e *K rv, atlas haa de to-
das as corea a 400; OOiaSiU s. eovate cassas
linas para vestidos a 32% 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperatriz n. 56.
Chitas da Arar* a 240 rs. o gotshd.
Vendem-se chitas de edres ftxas a 840 a 280 rs.
o covado, ditas fraacezas finas a 320, 360, 400 e
500, preclara para vestidos SO e 360 rs. o cova -
do : ra da Imperatriz toja da Arara n. 36.
Liciuidaoao de scrutambaqpes e Eraziahas a
7. 86 e lit.
Vendem-se soutamfcaaves da laziahas para se-
nhoras a 75, 85, dita de alpaca branca a 105, ditas
muito uas ajggatefS pcato a 205,Uj* e 304,
capas pintas d gTosdeaapla lia* 205,235 e 305,
manteletes pelos i* p*s*eaa*ie 21*5 a **4,go-
lintias para seohora a 24e\ 320 a 5 rs., mangui-
tos com gola a 15, camizinbas para seuhora, 25,
e 35, ditas auto linas asedadas a 45300 : la loja
do barateirte ioa-Wst ra, te Imperatiz loja
da Arara a 3*.
Cortes de diaamas a S04OO.
Vendem-se corles de ditas com 10 covados por
25400, drtes de ra franeara a 3*200, coates de
cassa francera fina eotn H ee-vadas, per BR ven-
dem-se pecas de- cambra brama Osa a 35500,
45300, 55300, 65 e 85 ? raa> da Imperatriz n. 56.
Liquidacao de roupas feitas palitos a 25.
Vendem-se palitos de bnm de cor a 25, 9ft.>. 0 e
35, jaqueles de hrim pardo a 35 e 35300, palitos
de'casimira bem Teito a 35, 65, 75,85 e K5, di-
tos de panno prelo bom a 85 e 105, daos sobreca-
sacos de casimira de cor e preta e de panno a 125,
145,165 a 205, caiga de bnm de cc a 25 e 25500,
ditas brancas de liuho a 35300 e 45, ditas de ca-
simira de cor 45,65 e 85, pretas a 55, 65 e 85,
colletes de casimira de cor e preto, de rim de cor
a 15500, brancos a 25>a 205-0, ceroulas feitas a
15280, ditas finas a 15600 o 25, camisas france-
zas a 25 a 2530, ditas ioglezas de pregas largas a
35, de iinho a35 e 35500 coknntws econmicos
a 640 rs. a duzia, ditos de Iinho a 500 rs, ura : na
ra da Imperatriz. toja, da Araoa n. 56.
Arara vende as cobertas a 2#.
Vendem-se caberlas de chita finas a 25 e 15500,
dalas te damasco a 45 : ra da imparatriz n, 3l>.
\] aa Arara que e ven le cortes de casimira
preta a 34.
Veadem-se cortes da casimira preta para caiga a
35, 35500, 45300, 65 e 85, ditos de cor a 35,
15300 e 6J : ra da Imperatriz n. 56.
Arara verirte parmo preto a 25.
Vende-se panav preta para caiga patito a 25,
35, 230O, 45,45600e 65 o covado, casimira pte"-
u lina a 25,25300 a 35 o covado e ooiras muas
fazeadas para liquidar : na loja e armazem do
Arara, roa da Imperatriz n. 56. _______ '.'
iate ricas vasqiiuus a sasacos dos mais muder
nos que ieai viudo, superiores manteletes, caimsi-
a*as com manguitos proprias para luto a neos
chales pretos de rede, ludo Isto se vende mais ba-
rato do que *in OHira qmlqoer parle par ser a di-
uleiia : na loj&do-a.vo ra da ImperaLriz n. 60
de Gama & Su va.
As roupas do PavSo.
Acha-se neste estabelecimente um granffe serti-
raenl te raspas fricas para homem como sejam :
upenonas puletots sobretasasos de panno pret
multo fino a forradas de sote a 225, 255 e 305,
ditos forrados de alpaca a 115, 165 e 205, >pe-
riores paletots o> casemira tanto saceos eotno so-
brecasacoa, drtos *e meia casemira preto a d co-
res, ditas de broa de todas as (jualidades, coiieies
da oaisamira pretos a de cares, velludos setins
e.lc sendo tocas estas obras cortadas por um dos
tiwllTores mestres nacrOnae!!, manda-se fareT qoat-
quer obra por medida : na loja do Pavao ru da
raiperatriB a. 60, d* liana & Silva.
rpBiico
Hem o menor consrao-
gimento se entregar o
Importe do (enero %ne
nao agradar.



STTEHCIIO
OS presos da seguate
tabella para todo, po-
dendo asain serrlr de ba-
se para o ajnate de costas
com os portadores.
fomiiisva.
Para 1865
Aclwav-ss vaada Halivranaas, e 8 da
praca da Independencia:
A FWiffffHfA ^POIrtA, arwarrgffro o
Kalendario civil e ecclesiastico, kabeflas
de feriados, de emolumentos dos tribo-
naes do commercio, etc. a 160 r*.
A POLHIIHIIA DE A*I8EIRA cci-tcnrlt. o
mesmo que aquella e mais mm nwia
Salve Kainba em verso?, o Siaoat Maler
em verso, devocao ae agooisante, twacao
de Jess, cntico em Touvor do Santsi-
mo Rosario, cntico a Virgom Maria ffos-
sa Serrhora, trirta e tt&s chisfos.ts arrri:-
dolas, um .nedito poraa sobee >saven-
turas de um coziuueirs, o cauao -c uaaa
solteira (poesa), crescido nnmoro deii.a-
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vinte cinco novns o
pilnerkas charadas a MJl rs. _____
Vende-se um moleta #e 9aW anoos a>
Idade, bem preto a moto bonita figura: na ra
Senhores e senhoras, o aceto MAZEM UNIAO MI
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da Conceieao)
PARA REM DE TODOS.
Uiilas em crte eotn 40, 11 e 12 covados .outra parte.
%%*^:^1S0'%!ir%l!. MMtelga mgtera especiaimtnte cscolhida a
i ,ooo e 800 rs. a libra e em barril se faz
reza cora que sero tratados, convida a< urna visita-ao mesmo, certos4e que sem du.vida me daro a protcegao e preteocia oa com-'
praidasgeoeres.^ue pfecaareHi, e quaodo nao possam virpodero mandar seu* portadores, ainda que estes sej.am pouco praticos,
pois serao lo bem senvidos camo se v.iessem pessoaltaeat, bavejodo para cora estea toda recommendai,Iio, afim de que nao vo em
ESCRAV0S Firtim
a .!<
ras todas de cres xas com 10 covados a 35200,
com rl corodos a 35600 e com 12 ovadas a 45
abatimento.
paciiKba para se apurar disheiro : na roja t I(Jem franceza a mais nova do mercado a 9 j
Pavao, de Gama & Silva, ra da Imparaun n. MI.
Grande liquidac&o.
Uua da Imperad iz n. 60, loga de fazeadas
d>) Pavo de Gama & Silva.
Achaseeste estabelecimentocompletamente sor-
lido de fazendas inglezas. francezas, allemas e
Navidades
Na nova loja de fazeadas e
ronpa feita naeional
Ba da Imperalriz m. 72
Pechiacha
Cortes de ehitaa .** lo<
Vende-se cortes de chita com H) covados a
2J>400 a 33200, ditos de cassa a 35. ditos de lazi-
nhas para vestido a 35600 e 45, ditos finos de bar-
ras a Mara Pia a 125, 145 15, ricas sonteam-
barques de laazinha ea fantasa a 85- 75 e 105,
dito. de grosdenaple pretos fiaos a 205, 225 e 255,
capas pretas de grosdenaple a 205, 235, e 25'5,
na ra da Imperatriz n. 72.
Farendas prelw para a qnaresma.
Vende-se grosdenapie preto fino a 15000, 25, e
25->j0 o covado, panno fioo para calcas e paletots
a 25,35, 35>00, 4530i) e 55 o covado, casimira
prpto tiaa a 25, 25300, e 35, alpaca preta para
saias e vestidos a 930, 60D e 800 rs., sarjas de ISa
para calcas e paletots a B40 e 80O r?. o eovao.
Laaiinbas a 3O e 3*JO rs. o covado.
Vonde-se laiinias para veatiaaa a stM| 480,
300, e 560 o aovado, chas finas paca vestidos a
240 o 280 o covado, ditas francezas finas 310,
360 e 400 rs. o covado, capas Trancezas tinas a
320,360 e 400 rs. o corado:
Roupa fcita.
Vende-se paletots de cor e preto a 35, 65, 85 e
105, calcas pretas de casimira a 55, 5 e 35, cor-
tes de olales e paletots de brnu a 25, 250OO*
39 : na ra da imperatriz n. 72.
Madapolao enfestado a 45.
Vndese peps (fe madapdfSs entestado- a 45,
dito em paoainfte 55, oe?w d matfapelrio e 2*
jarlas bom a85,75a 105, dita* de algodao a 35,
65, 7 e 85, cortes de caUjas de brim a 15600 e
25, ditos de casimira prela a 35, 353D0"5 e 55 :
a ra 6i Imperairi? n. 7.
mm
s
BEiXZINA
suissas, proprias laulo para a praja como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do qne
em outra qualquer parte, principalmente sonda em
porcia, e de todas as fazendas dao-se amastras,
dsiiaodtoflcar penhor, oh mandara-se levar em ca-
sa petos caixelros da laja do Pavao.
CaBQisinhas a 1 $.
Vendeose camisinhas com mangoites, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato proco de dez tus toes cada
urna : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 3$.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corto, cas dasenias. muito delicados
pelo baralissimo preco de 35'( 0 o corte : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Cambraias lisas, Ha loja do Patio.
Vendem-se pecas de cambraa risa muito fina,
ta^adam transparente-, pelo baratissimo are^a de
45 tendo 8 lj varas cada peca, ditas muito finas
a 75, 85 e 9$ a peca, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo b&ratissimo prego de 75, 95 e 109, ditas
SarrawB faxeod.amia* eooorpa pria pava forro a 36S> ts. a vara oa 25600 a pe>-
a : isto na loja do Pavao ra da Impooatriz n. 60,
de Gama& Silva.
Os vestidos do Parfo.
Grande pectifacha a 35500.
Veaaia-sB ok mais bouitos vestidos da cambraa
transparente imitacao da taclalana cora muitos
delicados desenhos, muiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissirao prec.o ne 35506 cada um,
sendo fazenda que se'mpre se venden a 75, na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 45 e a 75
Na loja do Pavao vendema-saricos corles de vesti-
dos Maria Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato preco de 45 a 75, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por haver grande
porcao, na loja do Pavao ruada Imperatr n. 601
de Gama A Silva.
O eaaile* do Pavo.
Vendem-se os maisanodernosanfai tes para cabeca
de senhora : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
.lar cassas da ParS.
Vendem-se as mafs bonitas cawas" francezas, de
pairos:nH*lintw e urados chocados pelo>odei-
mo vapor, pelos baratos procos de 306, 320, 360
rs., por haver grande porco : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, do Gama & Silva.
is larfnfiasr transparentes a -W0 rs.
Xa loja do Pavao vendem-se as mais modernas
lazinhas transparente*, sendo de listas miudinaas
a imitacao das sediabas, pelo-barato prego de_ iOO
rs. o covado ; ditas ebfestadas de urna s cor e
ditas de salpujuinhos. proprias para vestidos e rou-.
r-M de oriancM : mt loja do Pavo rna da fmpera-
1. iz n. 60. de Gama A Silva.
Ricos. sButaabalqiBs. da Paxs.
Acaba de chegar uta sica snrtiaento de sou-
tambarques de grosdenaple preto muito bem
enfullados, que se vendem pelo barato prego de
205,225, 255, 305. Cipas e casaros de-flaca pre-
tos que se venden mnio-am caula: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, da Gama di Silva
Casimiras eseastezas.a 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas, colletes, paletots, roupas para
maneas : na loja do Pavao, roa' da fmperatri-z
n. 60, de Gama A Sirvo.
Aos tintfl mil avadas de la.
Grande pechinclia a 240 e 320 rts.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo com llstras e quadriohos miudinhos, a
lisas, rend de'todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, aela baratissiaM prego de 240
rs. ocwado; di las transparente cora palesiemas
de seda Maria l*i>, lando de todas as cores, e
alsumas proprias para lulo, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, isto* por haver urna grande
porgb': oa ras- dalmperatris ai 60, Je Gama
Silva. '5
Vestidos Maria Pia,
Grande peskiteha a 10rJWO rs.
Chegaram.os mais bonitqs cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeftes para o corpo, ;endo
todos com as" cores mais defiendas qtre tem vindo,
a vendem-se pelo baratlssimo preso de 105 o cor-
te, ditos deprcala 000. lindas barras a enfeftes,
com 19 cavados eada urna 105, ditos de cambraa
com barras bordadas acrox no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 65 : na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. oTIfi Gama t$ 911a.
assas de liaho a 3ti rs.
CJiegou esu nova fazenda, sendo cassa de Iinho
Sropria para vesllos e roupas p^ra criangas, com
initodeHeadas-cores, moderna, e vende-se pelo
barato prego de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de (fraft & Silva.
Lazinhas lisas.
Vendem-se as.mais finas lazinhas de urna s
cor, tendo grande sortiraento i na lqii do Pavo-
ra da ImpTaartt n. 60, de Gama & Silva..
Ctales argentinos de reada.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavo os
mais ricos diales de renda com tres ponas, sendo
tdba'arefos, e tambemeom assentos do cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que-tem vindo a este
e cercuiados de um
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior quadade a 2,600
rs. a libra.
Cha perula o mais superior do mercado a
2,8oo rs, a libra.
dem liyssou muito superior em latas de 1,S
libras muito proprio para negocio.a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em. latas de 1 e 2 li-
bras a l,6oo rs.
dem prelo o que se. pode desejar neste ge-
nero a 2,000 e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 800 rs. a Libra e em
barril se faz abatimento.
Cbourga> e paios a8uors. a libra.
Costelletas inglezas a 64o vs. a libra, serve
para temperar panella ou para ambre.
Queijps. do reino chegados ueste mltimo- va-
por a 2,2oo. rs-, ditos-de navio, de vella a
2J200 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
Ideat aj-atoa 800 rs. a libra, e.iiUeira so faz
abaUmeato.
dem suisso o mais superior que tem viada
ao mercado a 64o rs. a. libra.
Ervilbas e fa-vas portuguezas j preparadas
em latas bermelicame/ite Lacradas 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a Lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo
rs. a duzia.
dem dem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l.ooo e 4,2oo rs. a libra;
Bspermacele superior a 60a Woirs. ahi-
lira e-e eaixa se faaaimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la- j
Aletria, mBearrao- e lanMari a feora. a li-
bra 6,ao a ai*.
Massa para sopo: estreHinha, petkte e pbs-
nha branca ou amarella a 6o> m. a libra,e
3,Sw> a caix cw 8 libras.
que \ n as mercado, 5o, 5<5o e 64o
a garrafa., e 4.800, ti,00o e 6,3oo a du-
Vinho do Porto muite fino pTOpr1 pwa[ zia.
erfarraar, em aneareias de S auadas a ^Cffradrrma
3,ooo r. ClwretoB d adamado fabricante Jos Forta-
Vrnvio era pipa-: Perto^Flgaeira Ltefeoo a as de Simas, das,s-eguintes qaaWades:
32, km- e Ssr> rs. a garrafa, e em cana* Expsito Normal de H .1 vana, lmpeciaes,
a 2,50c, 9,m&& &\8oe.
I Vinho brafleo- da Lis^ea tcellenei aali- f
dade a 4n>r> e 5oo rs. a garrafa e-ensiawa-
Sal refinado em frascos de vidro com tampa
Aos eapitts t campa.
Fmjio ne da 2T de fcwretro des,te anno, o'e ca-
sa de seu seuhor o ascravo Sobastiao, tiii.n.lo. fu-
Cerwja branca das marcas mais acreditadasMo- fm idade de a annos, ffi mtivo c
spohordoeirgenhoQsBnotis da snsstn de S.
da a 3,oof> 6 3>,5oo.
Tmbo branco par* mies em-oshas 4 da-
z-ia a 8-,oaa>a'68e>f. a garrafa.
Vinho do Porto das memoras marea qwe
tem ao mertado eowo sejam: Lagrimas
do-euro Buqwe^o-Porto, Raitiba deTW-
tngal', Bwfoe genaitto, r>. tola 1, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a f *,oeo, #^aeo,
12,eoo e lcaue-a eaitacom i duzia. t 00,
r.ooo e ,5oo*rs. agwraftt.
Vmho Cheres && uperier ejwidrae a f iieoa
a dwziae t,5eers. agarrafa.
Sarrfrnhn s de Nmtes a 4ocr rs. os qaartfts e
tlio rs. as mefe latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrT'ca e 320 rs. a libra.
Borachiflbas du soda em tetas de ersas
qiraJMadw a f ,3oo rs.
Anlao, d'onde linba vindo para e.-ia cistlo a 8
das, de1 presumir que segnisse rara laquaritro*
ga aonde tem mi e irmaos, levan radiro- Rbssa.a
de Franca muito nova, a 2oo rs. braPPa basfnte ?uia-allura rSgZr> Cibl}]
cavmha, cabega peqaena e reffonds, ma nstidt* e
besa cantil da, albos prain e refutan *, um esa-
lo, becca regular, beigos regulares, denles todos e
fmidb?, nenhtrma barbaa^via ai pateco t i'. -
de,corso htm Imano, pos regulares a a^oca iar
gos: roga-se portanto aos Srs. capiiaes de can;
aappretreB*ae do mesmo a entrpalo rna
IiBporador n. 83, segauda aadar. duconiu do ck
reio, qpe se gratificar rom D.
Loudrmos, Guanabaras, Pariswiises, Sus-
piros Delicias, a 4,000, 4,ooo, o^ooo,
f>,oo e 7,ooo a carxa ou em meias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
, oautesb oras sejam : l-'lAr da Norte, Ma-
mUias.de Ilavana, intervaltefi, Veasedares,
i PanateiTas e Suspiros, a< 2,ooo, 2,5oo e
3,oo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2woi a xas-rafa.
Qocada casca de geiaba a 2,000 a laia com
4 libras.
Farfufia de araruta verfiadeira a 32o rs.. a
libra.
Matte, (crlenle cb* para o navegantes, a
2oors.
Sebollas de Frauda mu lo grandes e novas
a 1,800 o rento e 1 ,00 solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
ToMcinbo>de!iisbfla muito novo a 32o rs. a
Ufen e 8;5o a arroba.
Cartfes com boib franrez raarto proprios'pa- bob de poreo refinada a 56a rs. a libra.
ra mimo a 64o rs.
e 5,5oo I Passas mnito novas era> caixmhas etfeiladas
para mimo a 3*/)oo rs.
Passas de carnada a 8,000 a cabra *eo- r*.,
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Ajsetutois de csea mole a 4uu rs.. a libra.
Ma de amendoaa a. 5oo. rs.
J4oJadinha d'agua e sal, da.fabika deJoo
de lili lo ao lieatn Anlonio, em lata de G ,1-
Uolaebinba Alberto,, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado^ a2oo
a lata.
-Farml do-Mararth5o muito al va e cfteirosa
i a 900 r?. a libra.
Frascos, com fruetas em a Ida 4w diversas
qua lula des a 2,000 e l.oo o frasco.
Caixinhas com fruetas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a I,6oo, ,6oO'e 3,5oo cada urna.
eradas e das melhores qualidades de pei-! braa por.Iioors. lluibos, exoellecle peixe portugaez, em
xe a 800, ,ooo e 1,2oo rs. liuaeisas frasweztie em fiasco da vidro cqbui barris pequeos ou a relamo,, a vista se
Vinho ftordeairx das mareas mais acredita*1 tampa do mesmo, a l^ioo. far o preco."
das que vem ao rrosso mercado a: T,ooo e Ameixaaftfaac zas, em caiximbss de dirersos1' Azeitonas 9e R'rvas em ancoreras grandes de
8,000 a caixaeOio c 7oo res agar-
rafa.
Genebra de Tollanda a tsa rs.Tt botija d&
conta certa.
Frasqueiras de genebra de Flollanda a 6,800
taaiaiilies cura b*nitas eatau'pas na-cai-
x exterior, a i,4eo, 1,600, l,8oo e 2ooo
cUa una.
Aaeite doce refinado hespaulioiou portuguez
a oe ks. a garrafa a loaroo a caixa
t:
Negro fug-.dv
Est fgido desde o da aj de fevereiro d. k-
anno o preto Joaquim, de nagae Angula, que foi
eserawdaSr. eapitio Ptawisw Joa*iuiv fiavsl-
esnti taiv, mocador era Mara Karml.a (,Cria,.
o qual vendeu-o nesia cidade em dezm.l ro do au-
no passdde ao Sr. Manoati f*paelsoo Marwnrs rni
armazem- de assucar roa de Apollo ; levou ea-
mia e calca de algodao braneo, roprefinta ler de
43a .WaDBOde Maae, -slio e-de grootarare^D-
lar, cor tula, rabera comprada, qutm.s laigos,
offios amortecidos, e{os grossos, ft-ndo o puf-
Tlor am tanta defeihmsa baMsnte barba, pnrm
raspada, finalmente tem urna grande costura entre
os pertos proveottmw de qneimadnra, e suppoe-se
tBr-se dirsjtido-pasBi a nnte, Yonde ve.: urattfi-
ca-se a quetn o appreliend. r ou denunciar o otile
em queestlYer : na roa da Cadeia do P.erife nu-
mera 52.
Aviso
e 64o rs. o frasco. Batatas muito novas. 80 rs. a libra e,oo
Genebra de larauja verdadeira em frascos o gigo com 36 libra*.
grandes a f,oo#e 11,000rs. a frasqueira. Conservas inglezas a 73o. rs. o. frasco e
Caf do Rio de 1* quaffdade a 28o rs. a'fi- 8Soo a doaie.
bra e 8,5oo rs. a arroba. Valuaras de escoYa para esfregar casa a
Cafe do Cear muito superior a 24o rs. a l- 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Noae tanta notas a 16ors. a libra.
Arroz do Maranhao. de 1* qualidade a fbo Molho inglez em garrafa de vidro iiumrolha
rs. a fibra e 2,8oe a arroba. de.asesmo, a 1.6o es.
dem da India a 10o rs. a libra e 2,800 a Mostarda inglesa do& meLhores fabricantes,
arroba. a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 fs. a libra e 2,4oo a ar- Mossarda raiwezB em. potes, j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco^
Painco e alpisla a I io rs. a libra e 4,ooo a Lentilhas franeezas. weeote legua para
arroba. \ lifff a 2eo ra. a libra.
Massa de tomates de superior quadade a 6'4o Marrasquino da.Zafa propnente dito a
6oRrs.
rs* a
too.
lata de urna libra c 5
a ceta- r 44 a garrafa e; t/100 a duzia.
'falitoa de dente a io rs, o ma$o*
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azei tunas portuguesas aooors. agarrafa e
l,."ioo cada urna aneo re la.
'Ctiampdgnc da molhpr qualidade (ue vem
ao mercado, a 2,oooe '3*,5oo a garrafa, e
2 4, oeo" a 26, eoo- gige.
Gomma de eugommar muito al va a 12o rs.
a Ubra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs1. a duzia.
Papel azul para botica' a2",oeo a resma.
Balaios para ronpa soja, grandes e peque-
os, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas cmt frncae era calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
1 rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Azeitedoce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagro branca j engarrafado/ a ioo rs. a
garrafa.
aos faprtM de campo e a paliria.
Besapeamceu em ipJiBtaai do mes da aotuarc
do annopassade, de bordo do palhabote rac;i 1.?.-,
.franjo Mato, dous escraves de nones rVfceru
(pocapaliido.Macean^ e Mijtael; e Io de irindr kl
annos, pouco mais ou manos, crisolo, cor fula,
estatura baixa, barba serrada, nm penco turto des
pernas, e aom alguns cabellos blancos, ifi u na
barba como na cabeca o 5" alio, cheic do oori b,
sflra barba e faJlat rosa, yeprastnlo urde 25 a
:)0 anuos, cojos, escravos. descona-.^c amburm pe-
hos arrabaldes desta cidade : qnem os ffprehn-
der queiram lavar a rea.
ser^enartsamento gratificado. .
Nega fogida.
I A use ntou-se nodiaSida rasfQo de carada, sin
senhor rna do Mondego. n. 2, a escrava ce nf me.
Tlwreza, pwia fata, aMa e ettm do eotpe, vnica
le despachada, oatarat do ser le ecensia qae an-
da esl na praca, Ievou bastante rcupa : qnem a
prender e enlrapa-la stk bem recompensado.
SadiaSde mana ausantsnrse da casadtsfu
senhor, Jos dos Santos Ramos de Olivcira ra de
MondPgo. n. % a escrava de nome Tberasa, prela
fula, anda moga, alia, cheia do corpa, vi.sio-a
despachada, Ievou bastante roupa. consta qne fui
par* casa d* seu ex senber Jtenoel Joa^iinv Sii-
veira em Caruaru', a por isso pede-se a queo '*
encontrar que a prenda e remetta para e?la prafca.
a seu senlu.r. que recomr*Bs:ira bem a qnem *e
a enU'flgar. _______
':
(11 1
i
caa i naa*> per- 4 : nal loja
principal baraiwro, ca da Madco da Deos-ji^jU
defrortte da guarda da alfandega.
VenJ(Ma.as* 4ft,aMUi*d* nsins iasaaj
peratriz n. 34, por seu dono ter de retirar se para
turar ds oa iMTa, Tai^a.tstf*irHWT5.T;aT|Fi 1
Jar oa mesma cima.
Nsva essencia para tirar nodo as sem ata-
car os lecida Bem aUerar as. cares
Mancha alguraa produzida por gorduras,
cera, etc., resista a tMe famoso dis-
sol vale, que pode sem receio a poli-
car-se sobre vertidos de seda, la,
tapegaria, panos de bilhar etc.
Restaura perreitaotente'H lavas drpeli-
CS usadas.
Caula fraseo 1 jfOOO.
Unr impresao qae acompanha eads fra?-
00 ensiaaa maneira da usar-se, as9im
como indica oulras muitas appiicagues
que esta npva essencia pode ler as
artes.
PH-ARlV-AVC-IA roETOO
EM PERNAUBUCO
22Praja da Boa -Vista22
mmmmmm mmmmmmwm
Fizeiwlas baratas.
Madapoldas eonv **isrdas *.*#.- m 7#* pee*,
ditos BfLes a lace* 7,g0U. 800, Al e *i-Wtt.
algodes a peca a 34, 6, 6*500, 7#. 74500 e 8AJ a TOflaorssslaj''eJftrBsr HSst aal.al
chitas inglezas a 200 rs. o covado, cortes o'e ia fe,jRu do orand* soriMsaato lae-^s traauexes
-- .. L* _Jv,__i
RfVAL
Sm segundo,
Una do yueiiuado, n. II e E' para admirar.
Garxelits de linna cora 150 jardas...... 60
Ditos com 200 tardas de Alexandre fe
a'flO........................W.it m
Dito ito da 60 a 20i................... 106
Novellos de liaba grandes con 3 jar- ..
das............,^---,......... 80
Idsni dem brancos e de cures de IOO ,
jarVs............................... 30
Livros para assento- da ronpa lavada... 100
Coxdia brancu para eaparlha (vara) ;. 20
Varas de fraui* biauca larga.......... 60
Pafes de ootSes de punho todos de cores 120
Tinteirofrde-rarTO- com tinta..;......i. MO
Tesouras para costuras nasa ansas VM
Dina para .costuras ton toque d'a^aria 200
Escasa* para liuupar denles, muito finas
60,20ae..............,............ 3Tj
Caitas com lO envetopes das melhores
qualdades...........................Z *
Ditas com. 20 cadernos, rapel paulado e
.liso.......,..,..............,.- tr>...... 600
Cader#Qs de papel pegooao ( a. a reta-
Iho)-................................
Meladas de linha f musa para bordar... *8
Paros de sapatos d tranca.......... aJESOO
Massos eom superiores gcampas para
senhora.............o............ 30
Frascos de macaca perbla muito saerior 200
Ditas da terdadeiro olea de babosa a
400 ib. a ,u~.............,-..J---------bc &W
Ditos e. garraliabas do agua da. otonia :-,
mullo lina ,..,._........-.af..... *00
Dttbs de banlta a Ganbaldi e da familia .
imperial___.........'J-..'......... 9n*
Pecas de Qtas elsticas aaraveattna a <>.
amibos quandact...................
Pares de liga*, para senhora as melbo-
'ii1)
res
T
roercida,,ricamente bordados
elegante Meo preto d mis de palmo de largnra;
estes modernlslmos chales n5o ?6 sio proprios Pe?as de Meos francotes b renoas'.
par paaseio pop taieren* nma elegante vista sobra) Frascos de agua dentifrice muito supe-
ura vestido de quakque* cor, assasa onw mnitai rlf....r.^.<......................
proprios para os actos da quaresma : vendem-se | Caixas.com i papis da agullias a balao
nicamente n loja de Gama & Silva, ra da iaa- e Victoria.........................
..**. i .&.:*. ii^.x Libras de la- sendo de todas as cores..:
peratrrr a.flO, loja do Pavao.
Soutambaquesdecor na loja
do Pavao.
Clwfaraan padanaJtraso vapor francez os mais.ri-
co* soutarabarques de cores, sendo os mais.bem
qne tem rindo- aestemereado,
evffeltaos
com
onrorrie a anaff-
podpm dar o vfd^jdeLro aoreo a
yende-se por differetrB presos filWfre i qtra
radfr: ti* lot9a Pari>6we'iatr*, ruada
lliMrfmiris D, 60
irtnr
Bixas RBDtii'gBezas.
Vende-sena raa Noran. 61.
T-a-

..
320
3*
800
200
6fO60
IfO
40
Itonecos vestidos e tambera de choro....
Caixas com superiores obaeiaa........
Ditas de linha da gaz com 50 novados..
EQftadeiras de fita para espartilhos.....
Carrelis de linha de cores com 100 jar-
das.............iLiiltiUBQ.m.QUri '
Pagas da. cardao i maerial............
- : FARKIO
a 3JfiOO : as pa larca do Rosario a..H lapeima
da escjBana m> volt*, pajea,,aroa..es^ta, d0..%
.---------------w___I....1! 1 n ..1
.40
Milla a 4r6 Na rna larga de Bossriel>4H}/tareraii da >esr
quina qne volta para a da estreita do Rosarlo.
BOTICA E DROGARA
Bailklomeu Francasco deSovza&C.
i\Rualanjja da Rosacis34
Vendeto:
PnrtltrsHbHoway.
PilulasdoDr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilulas do l'obfa-ttoiatou
Pilulas americanas.
Pilulasvegetaes.
Pilulasragataes atsuoaradas de Kesan.
Salsa de Hristol.
Remedios do Dr. CnaBTe.
Balfii daPejisina.de Grimauit. j,
Vinho de SalsapartUh* de Ota. Alien.?
InjecgaiB'aaugasv
Agua den ti tica de Besirabode.
Papelchimico, para talhos.
Xarope SepHratfrode Chable.
Licor aromtico de Rasnail. -,
P*saiJt|.eprIeJicosderrest.
RobL'Aflectieur.
Xarope da Boscfne. i< 1
Unj^eB.ta.Hottayayv. .. ,
Pechincha nan ova loja d e fazeadas
ronpa t'eila nacional, rna a Impe-
ratriz n 72.
PecWoeha a 240 rs. o corado de dula.
Vendtn-se chitas de cores filas a 240,280 rs; o
covado, ditas francezas largas a 300, 320, 360, 400
e 410 ra. ocerado : peca* de madapoie ftao a 64,
74, 84 V4a mu Reeas de algodao a % 64.7
e 84 : roa da Imperalriz n. 72.
Roupa feita nacional.
VeodXnMe patitos de cazemlra preta e de cores
a 54, 64, 84 e 104, ditos sobrecazacos a 129, 14a
e 161. Patitos do brim de cor a 24600, H e 3#WPD
rs.. calea da eazemwa preta a 6, 7 e 84 das
de cazeraira de cor a 5#,. 64 7, e 84 ; coletes de
cazemira de Cores e pretos e ditos de brim a 15K00,
o 2*809 r., nlifas de brim dte e6r ajl,' 2J6F:
ra da Imperatriz o. 72.
*utambars.ne de flores a 74, 8^ e 10*.
Vendem-se soutambar 1 jae de la e seda para se-
nhoras a 70, 84 e 104 ; ditos, de grosdenaple pre-
to a 203 e 254 ; capas pretas a 20$ 254 i oli-
dos de 18 Maria Pa a 124, f4i e 164 : ra da
Imperatriz n. 72.
Corteada eacsmira prsta a 3*.
Vendem-se certa de tazemira pratic tara calca
a 34, 3400, .54 .(J4 e 64, ditos de acemira de
rr a 34, 44, S, e 74, ditos e brim de cores a
14600, e 24, ditos dWiflftifc fins a4*W e 34200,,
ditos de cssSM (Vanrru *3* : rna da Imperatriz
loja do baiatAare.a 73,
Na rna da ftre naDeos1 w. tWlqV-se feijo
mulatinho.dilo I raaeo, a dHo saato, ntis barato
do qne em ootra ajnaltfoer parta, approveiiem a
peehlncba que a quaresma bate porta.
.'
1
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra du Uueimada a. t iiloaid* miude-
zas de Jo.- & Azevedo ilaia e Silva sontina a
veauicr ludo por precos mais barata do que em
outra qualquer parle, quem quizer ver oque ba
bom e barato venha a toja do Rival.
Latas com snperieres banlia............
Frascos de vidrucum suaerior Uanha..
Pares de iuvas tfe seda muito finas
finreites Sd mdhor (retoque tem-vintfo.
Fugio no dia 18 ik marco prximo
passado, um cabra de nome Matnias, do
engwih Pmt\ termo de Seritih-em, jul-
ga-8t elle audar para as bandas de Porto
Calvo a titulo de ferro, cm os sigaaes qe-
guintes: cor caiira, corpe grosso, cabelis
carapiBbados, com bigpqe e pequea barba
im qrreixo, lem urna das pernas ma s grt-
sa aae wrtra moti'radoaaumaferM'a'cwio
que .atada conserva, terou dedo do pe per
oiuado outro encostado ao dedo grande t
tem falta de um dantea^ frente no queixo
de cima, carreiro e traba Iba de sa'pateiro :
quem o pegar oa dKe''tlibtfch berta Me-
ra IQPiS de iu-utkkai;au no mesmo eng^nho
Pontal ou em casa do Sr. Maaoel A as Fer-
relra. nesta praca, assim como o dito es-
crava mudoa o nome de Mattrias para o de
.Garrafas d'agua de Florida verdadeira..
^Pnlcetras do taefbor gosto e modernas.
Volta para pescoco do melsor gopte.,..
Baralhos para voltarete, finas a 200 e..
Vasss de franja branca de Uatt qne
tem muita serventa.................
DazTa de pennasd'aco multo superiores
Frascos da*ateaBUosa amito linos.....
Talberes para me-niau a uiaiw quH-
Divsrsoc'liim, nados peUgloso a 1*80.
Duzia de colheres de metal muito finas
pasa sopa.;.. ................-.'.......
Duzia de colheres de metal muito finas
para eha-._.....,;,.,...........X..
Grosas de botoes de osso para caiga'..
Grosas de botoes madrapetula para ca^
miza.....,,, -...,., >hn> p.... -... vi.
Grosas de. botoes de lonca prateados
muitoi fliK.......................
Varas de babado do Porte sortido.....
Duzlas de. lapes differentes qualidade a
J40.,.J.v!;L.....m........:.'...,
Quadecses. do papel da pesa muita fino.
Resma do mesmo papel.............
ozia de'fceoa e |*fe mottoboas
Saboneta da espuma, bho upahor... -
Capachos compridos e redondos mufto
bons:......;.:...................
Ditos para sot*..........,-----......
Pares de suspensorio muito hona,e para
acafiaf......'.....................
Essencia oriental para tirar nodoas de
Creto para dienho dV iiotts4 w /
lidades. N. .....,*,. Hnti*......
Cartas de amueles francezes multo su-
1 ^eriorts".......'.:,..'.......'..:;...
Caixa da clchales fraaceaes aaOrrs
Duzia..............r-'i' vrrfi'r"*"
Carretls'dB remlcorn''auatro oitava*..
Golinhas para: saalor a mdhor ajaa-
dfr>n'.7V.r iiViiiV Vli fii.ifiwr" Vi.
900.
. 340
320
t#5o0 JoaquimAntawo,
10280
o'OU
00
240
PXiffio- na midnijiadtt de> enapa, o prsto
choulo de ooma Actoniv com os signaes ssgotfi-
tes : idade vinte hnos, ponco mais ou freno?. peni
barhiv tenso ua> lo dhs4sraao direiia corlado
-, Iuntoa uuba, um p.cheio, de cravos secos, com a
Q^^Arma tanto ttii,pm* *,., vestido roupaainl rom uaianamieadebaeia enejr-
[naoa,chapeo de oalha pintada : qoem o pepar le*
VniHib PttSf es# Tota (re Poma v. iif, o-
tora^ede. sai aadar, qna tara rtroiiyanaaQa. ,
atO(
00
2440O.
I45OO-
2Q0,
0
060*
m I _
QBO- H* 1
0*0"
[1W
5001.

Quem aapr^lieniler a lavar na paJacele da Vis-
conde da Boa-vista, rna da Auroraron no engeno
SOfj tWiHe-OaCa*o, a *sor*i'Joaqufnft, ftfla, afla,
falla da denles na fc-ante, muito coabecjda gtta
cidade, anda as vezes de timao ou saia de balao, e
sb *H qae asta em oempaaWa e nsn parta Te
nema J*cob, que q*ora em Itamaraft, reeebet a
traiifccao cima de W04- Esta escrava esl Th-
mtoalie>tawtr^w^anao-prK) ftfisnU, e
24000- ts*d J protese>.etyi*M.lu**: a>*err em spa
Fugio dos abaixo .asignados, no dia 8 de jaaairo
deste anno o sen escraVo erioulo d nome Jos,
com as sMa seguale ..aojara-aturo, cabel-
los caraplnhos, estatura baixa, ebeto do carpo, jt.s
lardos, e fae urh-feito Ws peinas qoando anda,*
rpaitopo*wo bsrbad, swa urna cicairis beaa vi-
.^ Sivel em um lado do qoeixo; quanto a reypa neo
'sv.fcallgajaajBpor teT IWMo-ti qne a-n -vr^b,
^raesro ebHaSo -do Cblla a.ftaiaaldii cujo. iiaja-
w .vo compramos junto com optro ao Sr..cailo I-
- f"*B'4tti(erBt;de ann-. 9 erw'sirltor ana
^-inji^^-ay.Jo^QifcsjA morador en Waia-
w retn. Consta-nos que o referido escravo antes,de
perteweer eo TVfiWfcaf, foW afcmsPBhor ms^r.
.
GAZ GAZ GAZ
\V 1



JPP morador no Brejo d'Arela, ooa>; o ,mtaasral>
' casado e tem fimos, tendo ltimamente morrido
awtHiat. Sabaaioa caes cartea a% ler psssadt.
sftafpj^so-ewravoiafiPso VAft an, dwMpo
, qdelres lugares : roga-se perianto }s autonaaBea
Yoadatfa. aaa a maihor amUdia *->0iaa a a^aienaa partieaiaT. a c#!e
perffer ir.l ti rM tVapiClle N^%'.1*^',^*flrttSKT Verretr. & C.'
W0*


MUriVri* fmiiiUe*
LITTOiWHA.
O que ve pelo !
lita o discurso de S. M. o imperador dos
FraDce7.es, na abertura das cmaras :
i Senhores senadores e senhores deputa-
,/os-Na poca da nossa ultima reunio es-
f **
fots*** 4 WMf de l.
adas, encerra dous grandes principios ras
a consolidado d* novo,eino da Italia, ea\ t Perrailtindo 0 estabelecimento destas
mJependenaa da Santa S. sociedades, guardando todas as garantas de
Vaedesapparecer o estado provisorio ereguranca publica, facilitaremos urna til
precario que eicitava untas inquietacoes. experiencia.
Nao sao os membros dispersos da patria ita-1 r\nnBr\hn i,-j j .
,. F. vit.' O conselho d estado estudou cuidadosa-
|(3na que por iracas ligaooesquereni de no-lmente um ,e que tem (le dar mais am_
voun.r-se a uro pequeo estado situado ao p|itude s attribuicOes dos conselhos muni-
fik dos Alpes. E um grande paz, que, ele- cipaes e geraeS As communas e os depar
vando-se acuna deprejuizos locaes, e des- tamentos ^ por este modo cnamadas a
prozando excilaces irreflectidas, transpor- tratar por si mesmas os seus negocios, os
ta ousadamente a sua capital para o seio da quaes discutidos as proprias localidades
pennsula, e colloca-a no meio dos Apenni- seo resolvidos mais promptameute
nos como cidadella nexpugnavel. | Completar esta reforma o conjunto
i Por esse acto de patriotismo, constitue- das disposices tomadas para simplificar ou
se a Italia definilivamente, e aomesmo tem- supprimir regularaentos impertinentes que
p reconcilia se com o calholicismo ; com- ioutilmente complieam os orgos da admi-
prometle-se a respeitar a independencia da nistracao.
.waia s, e proteger as fronleiras dos esta- Inaugurada pelo tratado com a logia-
de associaco : elevemos emfim a alma e
fortifiquemos o corpo da nac5o. Mas. promo-
tores ardentes das reformas ute'is, defenda-
mos com Smeza as bases da constituicSo.
< Opponhamo-nos s tendencias exagge-
radas dos qaa provocam mudancas com o
fim nico de minar os alicerces do que te-
mos fundado.
c A utopia para o bem o que a illusao
para verdade, e o progresso nao a rea-
lisaco de alguma tbeoria mais ou menos
engenhosa, mas applicacao dos resultados
da experiencia, consagrado^ pelo tempo e
acolhidos pela opioiSo publica -
M--
UM P0UC8 OE TUDO.
Prazeres tendo a gosar,
E que nem mesmo nos males
B asphema, pe-se a chorar.
I
Que nse'chega um instante
A lograr doce ventura ;
Porm que nem siquer verte
Um pranto na desventura,
Que soffre resignado
Conservando a alma pura...
Que passando dia noute
Em san as medit coes,
Julga a vida um pego immeitso
De martyrios e affliccSes;
Mas que a Deus sua alma eleva
Em ferventes oracoes.
umi legitima influencia. Pela le do ensino
concorre para a flducacloda mocidade: pela
lei eleiloral pode entrar nos conselhos p-
blicos ; e pela constituigao tem assento no
senado. Porm, quanto mis o cercamos de
cusideracao, mais contamos que elle res-
petar as leis fundamentaos do estado.
E' do meu dever manter intactos os di-
perava eu que por meio de um congresso reitos do poder civil, qoe nenhum soberano
des pparecessem as difficuldades que amea- em Franca, desde S. Luiz, deixou de manter.
cavam o socego da Europa. ISao aconteceu << Merece a vossa solicitude o desenvolvi-
assim, o que me penalisa, porque a espada menio da instruccao publica. No paiz do
moitas voze: cortas as quesloes mas nao as suffrsgio universal todo o cidad3o deve sa-
resolve. A nica base de ama paz durad ira ber lr e escrefer. Servos-ha apresentado
a satisfago dada, por accordo entre os um projecto de lei para que a instruccao
soberanos, aos verdadeiros interesses dos primaria se propague cada vez mais,
PUVOs- Esforco-me, todos os annos, para dimi-
i Em presenca do conflicto que surgiu nuir os obstculos que ha tanto tempo em
as margens do Bltico, o meu governo que Franca se oppem a livre expansao da ni
tinha sympathia pela Dinamarca e conside- ciativa indiridual.
cacao pela Allemanha, conservou a mais res- .___... x ...
, ... Pela le das colligac5es, votada no ulti-
tncta neutrahdade. amado, em urna con- mo anno taQt0 QS lraba cmo qs
f renca, a emilbr a sua opiniSo, bm.tou-se que mandam lraba,|l3rj aprenderam a reso,_
a diligenciar que prevalecesse o principio vorentre si as suag pendenciaSj sem ^^
das nacionalidades e o direito dos povos, rem sempre com a interven(.3o dogovernp>
quanto a serem consultados acerca da sua ^^ apt0 para regular as relag5es t3o va_
sorte. A nossa linguagem, em harmona com rjavejs entre a procura % a 0ffrta.
a attilude reservada e amigavel para com| Hoje far-se-ho novos projeets para
os dous partidos. ,dar majs amp,a ,iberdade ag associac5es
No meio dia da Europa, devia a acgo commerciaes, e desembarazar o governo de
da Franca ser exercida mais reso otmente. | reSponsabilidade, sempie illusoria. Desejei
< Quii tornar possivel aresolucao de um destruir todos os obstculos que seoppu-
problemadifllcil. A convenco de 15 de se- nnam < fftrmnc5n Aie e;.win i, '..Li.
tenh.a dodinda de inter, retacn anaixn ntiam formaCao das sociedades destinadas Advertida da occorrencia a aucloridade.
ten* o, delgada de interpretares apa.y)- a meill0rar a condi -0 das c|asses conyertesse em cautellas da lotera
Mas houve um da em que a jogadora
Nenbum religiSO representa O ultiUJO Prlmelras dam.s klUrUai, em Florenca: Beo
daizi, era Rema; De Giali-Borsi, em Odessa; Ga-
'etli, em Milao Lborde, em Moscova ; Lolti, em
Milo ; Peralta, em Alexandria do Efypto ; Pric-
ci, em Mosoowa ; Charlan, en Pam : Spjuia. em
Madrid.
Tenores : Agresti, em Odessa; Fraschini, em
termo do desenvolvimento do principio di-
vino que vive qo homem; nenbuma, con-
sequentemente, pode pretender immu
tabilidade : o progresso n5o conhece li-
mites.
Eis aqui, reduzidos sua expressSo mais
simples, os axiomasfundamenlaes do racio- Madrid; Landi"em Tarn ; Livernrm Flor"
nalismos progressista, em si e em suas re- 5a; Malvetzi, em S. Pelersbargo; Mrate, em Na-
lacoes com O chnstianismo. poles Nerl-Baraldi, em Moscowa; Prudenza em
Urna refutafo completa exigira umadis- Moscowa Tamberlick, em S. Petersburgo: Vil
cussao profunda da natureza e dos prin- lani, em Nizza '
ePiladdaa PereC,1dade ^P1103"13 d0Utrna: BarUonos : '^rlon., em M,lio ; Beneveniano-
N5o bistaria mostrar o absurdo, as con- L^^^^V W 8m Ma"
tradiccfes p a fakidade histrica rlri^ntama ,u,ccUrdl'em NaP'e9 i Pandolflm, em Tu-
iraoiccoes e a raisiaaae nisionca aosystema rjn saccomamo (aniigo tenor) em Milo
considerado em seus principios geraes e '
em sua applicao origem e historia do Baixos comics: Scolese, em Madrid ; Varezi
dogma christao ; seria mister examinar de (a,'8 bariiono) em Milo; Zaccbni, em Pars.
Aotonnucci, em Paris; Benedetli, em
Barceii
i Turm ; Mediai, em MilSo;
que genero de progresso susceptivel o Baixos .
Ha pouco tempo um porteiro de Pars, christianismo ; quaes s5o as causas, as con- Messina Bouch, em Barcelona
Do Jomatde Lisboa transcrevemos o se -pediu a um actor, que morava na escada, diges e a lei; com que signaes pode se nova Manfredi em Turm Me
guintes : i 1ue e.l,e guardava, um bilhete de theatro distinguir o desenvolvimento moral da cor-' Rocco, em Alexandria d3 tnZ
Em 25 de Janeiro ultimo, segundo narra para ir ver urna pega de que se fallava ropcao, o progresso da transformado. R .. ...
o peridico Courrier d Tain, cometteu-jmuito. Urna materia to vasta e tao complexa' ,nnas; Bellini' m Palerm; Pllle".
se um crime na aldea de Ti ivale cant5o de! O actor para acceder inmediatamente ao nao pode ser circtmscripta nos limites d'um M"
Lacanne. Pedido do seu porteiro, deu urna carta para artigo.
E' o facto referido do seguinte modo ; j secretario do theatro. Limitar-nos-hemos, presentemente, em es-
QuaBdo pelas seto horas da manhaa um Foi-lbe concedido o bilheto; mas qual nao tudar a theoria racionalista do progresso
operario priacipiava o seu trabalho, distin- to a sorpreza do actor, quando ua tonta do em sua applicacSo; origem do dogma! Asta, frica e Amrica, porque nestas parles do
guio a pequea distancia da casa, um corpo seu porteiro encontrou a seguinte verba: christao, e s diversas liypotheses por meio' mundo ha iheairos lyricos italianos, desde Lisboa
cuja cabeca eslava completamente submer- recado a casa do secretario do theatro, um das quaes os partidarios do systema cnsaiam al Bombaim.
Choreogrphos ; Borsi, em Cremona ; Vienna,
em Turin.
Os 1,087 artistas esio espalhados pela Europa,
franco I
--<&-'<
gida n'um regato.
Figura-se-lhe um homem querendo con-
servar-so em i osic5o horisontal.
Aproximou-se do local, viu, examinou, e
reconheceu que o infeliz n5o dava o menor,.
signal de vida ; e portanto dirigiu-se a to- ^ ^J.mf das ,oter!as> oque obnga-
da pressa a Lacanne, na persuas5o de que lM?|&LSlEffi CaS3'
o crime ali houvera sido commetid. fKor "SJJS cHQnfiar mer, com meuo de que o pao quotidiano se
A mulher de um laborioso artista auslria-
atar de novo o christ anismo a Jess Cliris-
to, segundo seus principios.
Entretanto poremos adianto algumas con-
sideraces sobre os principios em si mes-
mos e suas consequencias as mais ge-
raes.
cabeca, porque sonhara .toda a
noute com tres nmeros que n5o tinham
noves.
dos romanos, e deste modo poderemos re-
irar o nosso exercito.
garantido sob a salvaguarda de um tratado
que liga solemnemente os dous governos. A
trra a liberdade coramercial, estendeu-se
esse grande principio s nossas relacoesjcom
a Aleminha, Suissa e reino unido da Suecia
e Dinamarca.
Devia o mesmo principio applicar-s
conoenco nao pois, um instrumento de industria dos transportes martimos. Estu-
guerra; urna obra de paz e conciliacao. I de-so a lei para estabelecer no mar a con-
c No Mxico consolida-se o novo thronvtcarrencia necessaria para promover o pro-
paciica-se o paia, e desenvolvem-se os seus [ 2resSl>-
immen os recursos. Feliz resultado do valor Finalmente a conclus5o rpida dos
dos nossos soldados, d i hnm seBBo da po- nossos caminhos de ferro, dos nossos canaes,
pubeo mexicana, e da iutelligencia e ener- das nossas estradas, complemento neces-
ita poucas emanas, um inglez domicilia- L-sc no Cruzeiro do Brasil o seguinte:
do em Wolverbamplon, vendeu a sua mu- jescs christo e se ensi.no, secundo atheo-
lher e tres filhos a um dalgo americano, ra racionalista do progresso.
mediante a quantia de 150 H ras. n
Apenas concluido o mercad^ e jmerica- hypotbese d-uma transformaco pro-
no conduzu a mulher e filhos pira Lon-
dres.
gia do soberano !
A nossa marinha no Japao, unida de
de Inglaterra, da Holianda e dos Estados
ILndos. deu nova demonstrado de quanto
pode e do que sabe.
Na frica veiu subtamente urna insurrei-
co perturbar a seguranca das nossas pos-
sessoes e mostrar quanto certas tribus des-
c-jnhecem anda a nossa forca e as nossas
benvolas inteoces.
Quando, por espirito de generosa jus-
tif-i, a Franca assegurava a propriedade do
solo ao iwvo arale ; quando empregando
ineios liberaes, nos digenciavamos fazer
comprehender quelle povo, que, em lugar
de opprimi-lo, queramos conduzi-lo aos be-
neficios da civilisaco, foi nessa mesma op-
pcrlunidade que os rabes visinhos do de-
serto, hastearam a banleira de revolta, ob-
cecados pelo fanatismo religioso.
t Apezar das difficuldades locaes, e do ri-
gor da estac5o, o hosso exercito conduzido
com habilidade, supplantou depressa a in-
surreicSo, e depois do combate nao houve,
represalias sanguinolentas, nem severidade
intil que obscorecesse a victoria.
* O zelo do experimentado chefe que pre
side Alegra, a unidade que se restabele-
ceu no commando, e o protesto dos genero-
sos designios da Franca,, tudo cncorreri,
assim o espero, para que se nao repitam
eguaes desordena.
Deste modo esto a acabar todas as
nossas expedices. Os nossos exercitos s
biram da China. Basta nos a marinha para
sustentar os estabelecimentos da Cochincbi-
na. O nosso exercito de frica vae ser redu-
cido ; o do Mxico entra j em Franca ;
guarnicao de Roma cedo vo.tar; fechando
o templo da guerra, poderemos com ergu-
Iho, em nm novo arco de triumpho, inscre-
ver as seguintes palavras :A gU ra dos
exercitos francezes, pelas victorias alcanza-
das na Asia, frica e America.
Entreguemo-nos sem inquietacao aos
trabalhosdapaz. O intorvallo dassessoes
empregado em procurar os meios de aug-
mentar o bem estar moral e material do
povo, e toda a idea til e verdadeira tem a
certeza de ser acolhida por mim e adoptada
por vos. Examinemos, pois, reonidosas me-
didas proprias para augmentar a prosperi-
dade o imperio.
A religiio e a iostruccao publica sao o
Qbjeeto das minhis constantes preocupacSes.
Guzam lodos os cultos de sua egual liber-
dade; o clero catnolico eierce, anda mes-
saro dos melhoramentos encelados.
Completaremos este anno parte do que
temos a fazer, excitando as empresas par-
ticulares, ou consagrando s obras publicas
os recursos do estado em arriscar o bom
governo da nossa fazenda e sem recorrer ao
crdito.
A faclidade das communicacoes no inte-
rior do pas ecom as Dacoes estrangeiras,faci-
lita as troca, estimula a industria e obsta
caresta e a superabundancia dos productos,
causas cujos effeitos sao nocivos ora.ao con-
sumidor i ra ao productor.
Quaato mais extenco tomar a nossa
marinha mercante, quanto mais facis fo-
rem os transportes, menos taremos a^recear
de mudancas repentiuas no grecos dos g-
neros de primeira necessidade. Assim po-
daremos combater o mu estar parcial que
boje afflige a nassa agricultura. Altribuem
algunsesses soffrimentes momentaneossup-
pressSo da escala, movel, e esquecem que
em 1861, q tando ella existia, era naior an-
da a depreciapSo dos cereaes e que mesmo
este anno as ex; ortaces de trigo excedem
muito as importaces.
Ao conrario, graeas a urna legislacao
liberal, graeas ao impulso dado a todos os
elementos da riqueza nacional, o nosso
commercio externo que em 1851 e"ra de
francos 2,614,000:000 (res ,470,520:0005)
aseen !e hoj sommi prodigiosa de mais
de 7,000,000:000 (1,260,000:00O,jlOOO res),
nuciosas e severas investigaces. tods as
suspeitas aecusaram o lilho da victima, man- '
cebo de vinteeoito annos, cujos anteceden-
tes eram pessimos.
Preceden a polica de Lacanne captura | ,Era a feltdade na lotera que se Ihe re-
do indicia!, e levaram-no ao theatro do velavaem sonbos.
crime, esperando obter a confisso de tao I Em va0 Pediu d,n1heiro ao mando P3"
nefando crime comprar urna cautella.
As pergunta's que lheforam dirigidas, na j. < "* sur(,o assupplicas e rogos.
presenca de seu pae, o Sr. G... oppz ,A mn!her. des,st,u d(! P*"\ mas. aPenas
audacia n5o commum; declarou nao rVco- :este f h'uvfo' a 0uma S?*! ,rU UI"
nhecer o autor de seus dias, insisiindo com; casacJ "sado de J mar,do> e vendeu- a0 i
lenacidade e sangue fro, nao ter a menor Pr,me,rof ferro velho _____ -! prar os tres nmeros fataes.
L-se no Cearenoe o seguinte :
As differentes localidades do Cear tem
dado representantes provincia, na cmara
dos depulados, na proporco seguinte :
noticia dest: crime, e nao ser portanto o
autor delle.
No dia seguinte, o juiz correccional e o
delegado do ministerio publico dirigiram-se
a Lacanne, e o indiciado foi remeltido com
Aracaty.
Sobral .
Ico.....
Fortaleza .
Crato.....
Sahoero. .
Piacho do Sangue.
Lavras ....
Vicosa ....
Russas....
Cascavel .
14
43
5
4
4
3
2
4
1
i
4
Teve umdelles o premio de 200 florins ;' N es,e numero entrara os depulados ao
mas ao saber o marido que a sorte o tinha cong^ss0 e Lisboa, ao conselho de pro-
favorecido ao preco do casaco esteve a pon- curadores e constiturate.
Dos senadores filhos do Cear, 2 foram do
Araeatr, 2 de Sobral, 4 do Crato, 4 de Sa-
to de perder a cabeca.
ama escolta para Castres, indo depois para caiaco velho e usado servia ao desd.toso ^ ^ -
o^-xio^ Hacr^,MoH. artista para esconder as suas economas da: ^"ue .d ...
! paixo viciosa da mulher. I Tres U9IC0S ministros de estado tem dado
Entre o forro e o panno tinha guardados a provmcia. e sao todos eiles filhos do Ara-
a cadeia desta cidad
Ioformava-se a justca ; mas ignoram-se.
quaesquer promenores que confirmassem
as suspeitas
1,800 florins.
caty, a saber: Pedro Jos da Costa Barros,
Nascimento e Liberato.
E' do Sr. i. J. F. A. esta poesia:
A ELLA....
I
gressiva dos dogmas, dos preceitos e das1 Ei-la qual anjo,divnai figura
ex-m ter do in- insliluicIies do christiansmp nao de or- De maga adoraco t
*1pz victin?Z Sdlrtes e,.?maIo omt 8em re6ente' Sorrindobella,-caminhando o val
glez, victima ds saudades emmaou o me projiuxiu.^ desde os pr meiros seculos, A' doce inswracSo!
IherquepossuiaereRressouaoslares'con- witrfi os ensticos e os^m0tanistas; cita
,Uamericano escreveuao marido, dizen- HC1T n vSrT1".T/T7
do-lhequetiahasaadisposic5o501ibrasse fiff* Dav,d de D,Dant e abba(k
no mnlhar Ao tina Ao\ vnltar '"R*,
convencesse sua mulher de que devia voltar
para Londres.
Concluiu-se novo tratado,
e o fidalgo
Nos lempos modernos, Lessng tornou-
se o propagador no seu Ensaio sobreaedu-
caco do genero humano.
do
FAra dPsi exasnerad ie o loara dir- Progresso indeterminado toma um carcter
rora; de si, exasperado pe o logro, um- conforme as idas dominantes: ella sabe
pu-se a polica, qaen^s pelo te- de necessidade dobrar.
legrapho para que fossempre^s. s ^ as da ordem ttbrtM|Iira|>
roram prows em Bismingham ,">aslo-; N.uma^poca em a f nos feitos
goque chegou ornando, aclarou-se oae-,dvnos do Slfetanfamo est profundamen-
gocio.
MalhiT anjo do cu onde colheste:
Formosura tanta?
Quera te des estes olbos deslumbrantes
De luz que encanta ?
II
Eu fu; outr'ora na vontade altivo
Dos actos meus autor,
Eu respirava liberdade e vida
Zumbando do amor.
Quando o irem'ia partir', oamerkano S'08?^ ProfS0 do espirito bu- Depois o tempo d'all vez de outr'ora
deu urna nota do banco ao inglez, que a m~| nf lendiam a ada l
Jurou punir-me...
E ame r buscando da belleza a lorca
Tentou seguir-me...
O americano dera a nota de cinoo libras
te as alias, nao na energa espontanea
mo fra diS attrbuicoes do seu ministerio, memos a iniciativa individual e, o espirito

i Em outra ordem de ideas ser-vos-ho
propostas novas lea com o fim de augmen-
tar as garantas da liberdade individual. A
primeira autorisa a soltura, provisoria, com
ou semfianca, mesmo em materia criminal
e diminuir os rigores da priso pre-
ventiva asegunda supprime pris3o era
materia civel e era materia coramercial,
novaco que n3o seno a reapparicS de
um antigo principio. Noprimeiro secuto de Degosos'inrindos.demsnba ventura:
Roma, decidira-se que os bens e nao o cor- Espectro medonho lhe diz ao ouvi lo,
po do devedor re;ponderiam pela soa di- Que tudo no mundo mentira eloucura.
vida.
do raciocinio, mas sim na aeran da Provi-
por engao, e depois de pago orestante :denc em mua nova revelacSo, continua-
da quantia, o inglez voltou socegadaoente. o e complemento das reveiacoes anterio-
para sna casa emetoanto o americano se dhre3 i^se-ha procurar o principio e a
ngia | ara Londres com a saa compra, livre }fti ^ trmj.fnrma(^ft!, rP|n-nss da huma-
de qualquer embaraco
E' do Sr. H. d'Alencastro Autran
SCISMAS MELANCLICOS.
Meu Deu, Seaher mea Deus, o que ha no mundo
Que Dio sej* sotl'rer I
O lumera uasce, e vive um s momea
E soffre at raorrer.
meato,
(Gon^alvts Dios).

lei das transformacoes religiosas da huma
nidade ; "d'ahi, entre os partidarios do pro-
gresso, os supra-naturalistas ao lado dos
racionalistas propriamente ditos.
- Os primeiros remontam ordinariamente
ao Espirito Santo a nova revelac3o, da
qual se intilulam os orgos.
O Pae revelou-se no Antigo Testamento,
o Fillio no Novo; resta 0 terceiro periodo,'. ". .
que ser assigfialado pela manfesiacao do:: .
Espirito iMbegreja.. ., : Nao; vm comigo repartir primores,
E assim como a lei amiga era o preludio! No altar sagrado.....
de urna let'mis perfeila, que a refigiao I Juntos busquemos os momentos gratos:
Que e cu tem dado.......
forma provisoria destinada a preparar a
Mas estes mimes receando anda,
Meu carcter bravo;
Emfim mostraram-me teu rosto d'anjo;
Que tornou-me escravo I
Eiio eu vendo reluzr leus mimos;
E captivo; talvez....
Um s teu riso com seu vasto imperio :
Meu osgulbo desfez I
V pois oh virgem qual o juramento
l'um peito ardente:
Amar-te sempre. quanto amar se pode
Quanto alma sent!
III
Entao que dizes da effeico qu'escutas:
E dos extremos meus?
Sers to impa qoe nao des-me um goso :
D estes mimos t us ?
ESCUTA...
Quando desejo em sonoroso canto
Dizer que s bella de primeira classe,
Vou a taverna, mando vlr cerveja
Fina, de Bass.
Quando desejo repitir n'um bymno
Que eu sou vassallo e que tu s rainha.
Me satisfago com um longo trago
De laranginha.
Quando preciso de em sentidas trovas
Fazer minh'alma te pedir conforto,
Desfalco a bolsa, preferindo o vinho
Velho, do Porto.
Quando pretende produzir idyllios
Em que a syotaxe duas pernas quebra,
Si s leu nome nao dispde a musa,
Bebo genebra.
Quando desejo le offerlar sonetos,
Km que confesso receiar o alaqne
Dos senlimeotos que o ciume gera,
lomo cognac.
Quando procuro nos momentos vagos
Ver si um poema do meu estro espirra,
Lembro leus dolos, vou beijar o frasco
Da geogibirra.
Quando, disposto a conversar comtigo,
Simo esse medo que o amor acanba,
Gondemno abolsa a sacrificio enorme,
Provo cuampanha.
Quando despert de um sonhar penoso,
Em que te vejo contra mim zangada,
Fico com febre, vou pedir allivio
A' limonada.
E' pena que este pandego matreiro,
Em sua collecco parasse ah;
Que virtud* urna vez nao recorress*
DoParaty.


. .
.
Nem se npre do homem vaguea nos labios cirista, est por sua vez nao senio urna!
Um riso, que exprim suave'alegra ;
Pois que, muitas vezes, furtiva urna lagrima vinda da religiao perfeita e difinitiva.
Lhe corre bem quente na face qu fra.
Nem. sempre fagneira sorri-lhe a esperanca,
Que doura-lhe os sonhos, que a-]o feliz :
As vezes, o derao de negras desgranas
Lhe oospe na fronte e o torna infeliz.
Nem sempre delicias encontra na vida,
Que dorem do tempo no todo correr:
Espinhos agudos,abrolho imprevisto,
Lhe, surgem da terra,: lhe fjzem gemer.
Nem sempre no crneo rae fervem idas
Continuemos todos a seguir o carainhe
traca lo. No exterior vivamos era paz com
as potencias e nao facamos onvir a voz
da F;anca sena era prol do direito e da!
jostica. Noibterior protejamos as idas re-
Hgosas, sem nada ceder des direitos dopo-;
der civil. Derramemos* instruefao per to-
da a clase da sociedade ; simpliliquemos
o nosso admiravel systema administrativo
sem o destruir ; demos manicipalidade e
proviocia vida mais indepeodente ; aoi-
Assim que a vida do hornera se esca
A's vezes, no meio de dores e cantos;
A*s vezes, no meio da duvida e crenca ;
A's vezes, no meio de risos e prantos.
Feliz portanto daquelle.
Que despido de iliusdes,
" Nlo' deixa denjro em seu peito
Agtarem-se paixe-
Que at mesmo de sua alma
Nao compr'tiende as emocoes...
Feliz daquelle que cedo ,
Acostuma-se a libar.
Da desdita o fel amargo
A theoria moderna do progresso, pro-
veniente do racionalismo soffrfu a influen-' ^T? ~ ,,I,tt i-n ***?".***
ca e conservou 0 carcter. escripuirados actualmente nos d.fferentes theatros
Bem como. a precedente, ella attribne ,yr,cos 'uUaD0S mundo' exlrahiBWS" ^in-
forma aetnl do chrislianismo um valor "* nel,c,*s:
puramente relativo; como ella tambem, ella Btao em eiercicip : 35i primen-as damas, W3
ensina a' necessidade e a annuncia a viada lenores>i53 bariiono, M baixos cemicos, 96 bai
prxima d'uma renovacao religiosa, porm xos M ba,lar!,,*s. 38 bailarinos, J3 mmicas, 72
excluea intervencao das causas sobrenatu- mimico coreographos; mu, 1,087.
raes e nao admitte nenhum progresso ver- Funccionam-se agora H7 iheatros; e deste 71
dadeiro fra do desenvolvimento necessario sao na Italia,
e exponlaneo da razao. O cartel&o refere se a poca do carnaval, e faz-
A marcha progresriva da humanidade, so lodos os annos-
segundo os racionalistas, est submettida Enire esses artistas, s figura umponuguez, que
4 dupla lei d (toqtinuidade e da necessi- o nosso bartono Celestino, que esta" agora no Rio
dale. I da Praia,onde tem colhido os malares triumpuos,
Nenhum poder capaz de fazer desviar | e encontrado um verdadelro rio de gloria e de


nem suspender o movimerfto que leva apoz onro.
si as sociedades,as vas do aperfeicoamento Ha tbatros, como os da tondre,e Vena*. que
indefinito. s uaccionam na primavera, e nao vo inoluidos
O mundo parece muitas vezes parar, re- ao candi.
troceder mesmo; na realidade elle camraha ... metLtrt,4i .
sempre Alera dos 1,087 artlsla, |a oe ' 0 geoio.da oumanidade, sempre vivo, SWMto', 5 *****. *> oro croido.
sempre activo, aspira a reproduzir-se, a se Ja' se sabe, que os artista incluidos no cartea*
desenvolver todo inteiro; de busca uma sao nicamente os que gosam da cathegoria de
expressao que corresponda sua virtualida-. prlmeiras partes ; e, portanto, abrangendo todas
de infinita; mas apenas engendrada a w clasies, sbem de certo a 2,000.
forma como elle a destre e de suas rui- Ot ietaUx;gostro de saber quaes os theatros
as, faz brotar urna nova forma, que onde ora esto alguns artistas que teem figurado
para logo, por sua vez ser posta de parto emS. Carlos com appiauso, por Uso vamos dar
como urna vestimenta usada, noticia delle; i
As gazei.is eatholicas e proleslantes trazem in.
ier<*ssantes pormenores acerca da consagraeao da
caliedral de S. Pedro e S. Paulo de Philadelphia.
E' este nm facto de grande importancia.
A segunda crdade dos Estados-Unidos conla 600
mil almas; acidada dos qmkers possue emfim
um monumento digno da religiio catholica, e que
pode rivalisar com os grandes templos da Europa.
Foi esta egreja comecada em 1846 e est edifi-
cada no lugar onde esteve a egreja de Sanio Agos-
tinho, qaeimada ha 20 annos pelos fanticos ko-
nownothinq.
Forma urna cruz latina com um soberbo zimbo-
rio de columnatas corinthias.
Debaixo do ximbono representada a Assb
gao da Virgem, e nos quatro medalhoes sobre pila-
res os quatro evangelistas.
Os doze apostlos sao pintados a fresco, seme-
ntando relevo.
Na extreaidade da nave, do Udo de leste ha
pintado um cruxilii-ado obra prima.
O templo custou mais de tres mllhes de fraa-
cos^recolhidos de es molas.
Nesia ceremonia coniavam-se tres areebispos,
doze bispos, um abbade, e para mais de duzenlos
padres.
Nao s porm na America do Norte que os
novos templos abundam; a Inglaterra ltimamen-
te nao se canga em nos dar destes edificantes ex-
emplos.
Ao sudeeste de Londres borda do Tamisa, o
bispo de Solhwarth benzeu a 15 dedezembro a e-
greja de Nossa Seahora do Monte do Carmo.
No Laocastre a 4 de dezembro foi Lemida pelo
bispo de Liverpool nma pequea egreja que pode
conter 600 catholicos.
Nesse mesmo dia em Hanchesler foi tambem
?augurada a capella de S. Gurlherme.
Em Pee!, urna das cidades da ilba de Mam, foi
laneada a 8 do correte a primeira pedra de nma
nova egreja catholica.
Na Escocia ao lado do Invernessbire, surgiu un
bello templo peno do prirado de Deauly.
Estes e outros esemplos semelhanles, nos ve,
mostrando a influencia do calholicismo nesta ella,
parte da Europa, outr'ora chamada a ilba. dos.
Suntot.
Que a religiao catholica medra n'aque-ltas para-
gens a olhos vistos, um facto iucontestavel qoe
oioguem jamis podora contestar.
i----------mu ni

A Gazrt* do Meio dia publica o seguinte :
O iaiquo ukase de 8 de dezembro, qoe suppr-
me os conventos no reino da Polonia, tem eHo.
nascer a mais viva udigoacao ao Vaticano e no
seio do sacro collegio.
A situacSo excepcional deMe desgranado pata, a
gwrra de morie que o governo russo tem declara-
do ao calholicismo, o carcter ao mesmo tempo
hvpocrita e cruel do nkase fazem considerar ele
acto como um dos malores attentados, que ltima-
mente se tem eommettido, neste seculo, contra a
egreja.
E' impossivel tigurar-se a dr o a Mata colera
do papa. Cedo ou urde o exemplo e a voz do so-
berano pontfice acabaro por despertar no seio
dos governo) europeos o seotimenlo sopiudo de
sua responsabelidade, aparteade-oa do goverao
moscovita, solando-o, para cetloea-lo la nivel da
civilisaco christaa.
O papa nao pode deixar de contribuir para a
ttttatlo e resUbeleciraento da Pplonia, assim co-
mo a PolonU por vezes tem protegido o papa e co-
balto a tbiara com a ssada de SeMetki.
PBRNAMBUCO.-TYPDd M t DE P. A KtLrlO



-



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZI08Y7GC_95SLPJ INGEST_TIME 2013-08-28T02:28:22Z PACKAGE AA00011611_10618
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES