Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10617


This item is only available as the following downloads:


Full Text
./
-
AMO III, HOMERO 60.
Ut fiartel pago dentro de 10 diis do i. mez ...::.. &J000
Idea deow<>*-o'*0dia8docoBecoe dentro do qnartel. 61000
Porte ao correio por tres mezes............: 7jo
DIARIO
TERCA FEIRA 14 DE MARCO DE 1865. '
Por anno pago dentro de 10 dias do 1. mez ,,,.,,. 191000
Porte ao correio por om anno.........., 3J000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alcxandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araraiy, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; MaranhSo, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves i
Filhos; Amazonas, o Sr. Je'ronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Alaloas, oSr. Claudico Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras
Santo Antao, Grvala. Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Benlo, Bom
Conselhok Aguas Bellas e Tacarat, as trras
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso, Taraaudar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteirs, as quintas
feiras.
EP1EMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
4 Quarto cresc. as 9 b., 59 m. e 16 s. da m.
12 La chela as 8 h., 22 m. e 10 s. de m.
20 Quarto ming as 10 h., 16 m. e 22 s. da m.
27 La nova as 3 b., 8 m. e 22 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do corarnercio : segundas e quintas.
Relaco : tergas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas aomeio
da.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
13. Segunda. S. Sancha princeza v. S. Rogerio f
14. Terca. S. Mathilde rainha de Allemanha.
15. Qu> ra. S. Zacharias p.; S. Longulnbo s.
16. Quinta. Ss. Cynaco e Taciano diar. mm.
17. Sexta. S. Patricio b. ap. da Irlanda.
18. Sabbado. S. Gabriel arch.; S. Narciso are.
19. Domingo. S. Jos esposo de N. Senhora.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as 6 horas e 6 m. da manha.
Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEUiOS.
Para o sul at Alagoas a 11 e 30; para o norte
ata a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos das 14 dos mezes de Janeiro, margo, raaio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNASE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa di
Faria & Filho.
PARTE QFFIC1AL
GOTOiO DA PROVINCIA.
Eipedienle do dia 10 de marco de 1865.
Offlrio ao coronel cemmandante dasarmas.-Ex-
peea V. S. as suas ordens para que seja apresenta-
Ji ao Dr. chefe de polica o Voluntario da Patria
de nome Manoel Francisco de Lima, que o Rv. frei
Alberto de Sant'Augusta Cabral, reclama como
eseravo de urna sua irma, alim de ser interro-
gado.
Dito ao mesmo.Mande V. S. alistar no corpo
de Voluntarios da Patria depois de julgados aptos,
os cidados Joo Joaquim de Sant'AnHa e Antonio
Ferreira de Barros Campello Jnior, este filho do
capitn Antonio Ferreira de Barros Campello, a
quem V. S. mandar alistar como cadete apresen-
tado por Manoel de Carvalho Paes de Andrade, e
aquelle pelo coronel Manoel Jos da Costa.
Dito ao mesmo.Queira V. S. mandar alistar no
cerpe de Voluntarios da Patria na qualidade de 2*
cadete o cidado Elias Jos Cabral, que se offere-
ceu para servir naquelle corpo.
Dito ao mesmo.Tendo-se-me offerecido o Dr.
Joao Bap'.isla Casanova subdito Francez, para ser-
vir na qualidade de medico do hospital militar sem
remuneraco alguma pecuniaria, visto lerem de
seguir para a corte, na forma das ordens imperiaes,
os cirurgioes do corpo de sade do exercito: assim
o commnico a V. S., alim de quando tiver de con-
tratar mdicos civis para substituir os militares
tome em consideraco esseoffereciraenlo, approvei-
tando os servicos do mencionado doutor.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de inrormar
acerca do que reclama no incluso officio o. coronel
commandante superior interino el. gaarda nacional
do municipio do Recife.
Dito ao mesmo.Ao officio de V. S. de hontem
datado, sob n. 450, respondo declarando que nao
tendo eu aulorisado a nomeago de inferiores para
o corpo de Voluntarios da Patria, nem nomeado
aiuda o seu commandante, so podem ser conside-
rados inferiores aquelles que como laes tem sido
alistados, por j o serem na guarda nacional o
corpo policial, c sendo o numero destes diminuto,
como supponho, cumpre que o capitao enearrega-
do do deposito de voluntarios informe se sao desli-
gados a estes as bandas de laa e divisas de que
trata o seu pedido annexo do officio de V. S. j
citado.
Dito ao mesmo.Mande V. S. alistar no corpo
de Voluntarios da Patria, depois de julgados aptos,
os cidados Ignacio Ferreira da Silva, Jos da Hora,
e Joao Manoel Roma Jnior, sendo este ultimo
alistado no posto de sargento.Communicou-se ao
juiz municipal do Cabo.
Dilo ao Dr. chefe de polica.- Queira V. S. pro-
ceder as averiguagoes necessarias, alim de saberse
se o menor Manoel Pires Quintas, que hontem
tnandei rerolher ao arsenal de marinha, ate ulte-
rior deliberaco oa nao orpho de pai e mi, e
morava na cidade da Victoria, em corapanhia de
seu mestre. Benedicto Jos Alves, a quem fura
entregue pelo juiz municipal do Limoeiro.
Dito ao mesmo.Devolvo a V. S. afim de ser
assignada pelo respectivo fornecfdor, conforme
solicilou o inspector da thesouraria provincial em
ofliclo de 22 de fevereiro ultimo, sob n. 79, a conta
que velo annexa ao de V. S. n. 79, de 6 do mesmo
jmez, relativamente a despeza feita com o sustento
dos prezos pobres da cadeia do termo de Gara-
nhuns, durante o mez de dezembro do anno prxi-
mo passao.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. Em
vista dos .inclusos documentos qne me foram re-
meilidos com officio do commandante superior
deste municipio datado de 8 do corrente, e sob
n. 68, mande V. S. pagar seno bouver inconve-
niente, os vencmentos relativos ao mez de feve-
reiro ullimo, dos officiaes de 1' linha, lambores,
cornetas, e clanns empregados nos corpos da
guarda nacional desta capital.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Au-
toriso V. S. nos termos da sna informago de 22 de
fevereiro ultimo, sob n. 77, dada com referencia a
da contadoria dessathesouraria, a mandar entregar
mediante llanca edonea ao thcsourelro da irman-
dade do Sanlissimo Sacramente da freguezia da
Boa-Vista, Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior, cunfor-
me solicitou a mesma irmandade a quantia de
6:9965000, que se acha em deposito nessa reparti-
do, proveniente dos beneficios das partes de lote-
terias extrahidas nos dias 1, 16 e 23 de dezembro
ultimo, a favor das obras da igreja matriz daquella
fregue/ia.
Dito ao mesmo.A' Olympio Theodoro da Silva,
mande V. S.,pagar se nao houver inconvenenle, a
quantia de 665200, despendida desde 2 de setem-
bro do anno prximo passado, at 26 de Janeiro
ultimo, com o sustento dos prezos pobres da cadeia
do termo de Barreiros, como se v da inclusa con-
ta que me rem tleu o chefe de polica com officio
de 4 do corrente, sob n. 306.
Dito ao mesmo.Restuindo a V. S. as 2 contas
que na importancia de 128200, vieram annexas
ao seu officio de 22 de fevereiro ultimo, nJb n. 80,
relativamente a despeza feita com o sustento dos
presos pobres da cadeia da villa do Ouricury, du-
rante os mezes de novembro a dezembro do "anno
prximo passado, tenho a dizer em resposta que
mande pagar Joo Pereira de Magalhes, para
esse tim indicado em meu officio de 16 do predito
mez, smente 915600, por se ter deglorar 36,3600,
correspondente aos presos Antonio Ribeiro Wan-
derley Cavalcante, que segundo V. S. declara nao
se arham contemplados na relaco dos detentos
naquclla cadeia e bem assim aode nome Jorge por
ser escravo.
Dito ao mesmo. Inlerado do conteudo dos offi-
ciosqueV. S. dirigiu emrae 10 e 22 de fevereiro ulti-
mo sob ns. 60, e 74 tenho a dizer em resposta que ap-
provoaarrematacao que peranle a junta dessa the-
dando souraria eTectunu Francisco Botelho de An-
drade, por tador Jos Dias da Silva Guimares, re-
lativamente a obra da varanda de ferro da ponte de
Santo Amaro com o abale de 1 por cento no prego
do respectivo ornamento.
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em hasta pu-
blica a obra da cadeia de Nazareth, servindo de ba-
se a essa arrematago as clausulas e orgamenio
juntos por copia na importancia de 18:093^990, os
quaes rae foram reineuidos pelo chefe inleinno da
repartigao das obras ppblicas com officio de 8 do
corrente sob n. 63.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Cabo Em vista do exposto pelo comman-
dante do batalho numero 40 de infantaria da
gnarda nacional sob o sea cemmando supior,
em officio junto ao de 7 deste mez, convem
que se proceda a qualificago dos guardas nario-
naes Ja freguezias aquepertence aquelle batalho,
e o de n. 41 por ara s conselho na forma da le
para em vista do sea resaltado propor V. s. o que
julgar conveniente, era face do diposto no arl.
41 do decreto n. U30jde 12 de marco de 1853.
Dito ao coramandanie superior do Limoeiro.
Representando-me o lenle coronel commandante
do batalho n. 21 da guarda nacional dessa comar-
ca, Severino Alejandre Villanm, que propondo o
advogado Chri.-tnvan da Rocha Cunha Soulo Maior,
para o posto de teaeote cirnrgio d'aqaelle bata-
lho nao fwi ateo presente informada dita propos-
la, queira V. S. remetter-m*a sem demora e com a
sua infermaco.
Dito ao director do arsenal de guerra.Median-
te o corapoteote recibo mande Vmc. entregar um
fardamento ao Io cadete do corpo de volunta-
rios da patria, Antonio Joaquim de Barros Lima.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. fornecer ao capi-
llo commandante do doposito dos voluntarios da
patria, um livro de cem folhas para o lancamento
tado ; foi no mesmo dia exonerado a seu pedido do
cargo de ajudante da colonia militar de Pimentei-
ra o Sr. teneote reformado do exercito Manoel Car-
neiro Machado Freir.
Faz publico ontro sim que approveu o engaja-
mento que contrahio a 11 do correte, o soldado da
1* companhia do 4* batalho de artilharia a p Da-
mlo Diniz da Cunha para servir por mais 6 annos
nos termos da le n. 1,220 de 20 de julhedo anno
das visitas sanitarias passadas diariamente pele j pausado, conforme participou o respectivo Sr. com
facultativo encarregado deste servico, como solici
tou o coronel commandante das armas em officio
n. 461 de hontem datado.Communicou-se ao co-
ronel commandate das armas.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. fornecer farda-
mento aos voluntarios da patria, Joaquim de San-
t'Anna, Antouio Ferreira de Barros Campello J-
nior, Ignacio Ferreira da Silva, Jos da Hora, Joo
Manoel Roma Jnior, Joaquim Ribeiro de Aguiar
Montarroyos Jnior, Joo Capistrano de Agaiar
Montarroyos, Lauriano Germano de Aguiar Montar-
royos e Fernando Pacifico de Aguiar Montarroyos,
cumprido que Vmc, exija de cada um o competen-
te recibo para a vista delle Ihe serem levados em
conta taes fardamentos.
Dito ao Dr. jaiz de direito presidente do tribu-
nal do jury.Sirva-se Vmc. sendo possivel dispen-
sar de servir na presente sesso desse tribunal, pa-
ra que foi saneado o engenheiro chefe interino da
repartigao das obras publicas Antortio Vicente do
Nascimento Feitoza Filho, visto serem indispensa-
veis os seus serviros naquella repartirn.
Dito ao sHperitendente da estrada de ferro
Rerommendo ao Sr. superintendente da estrada de
mandante em officio n. 143.
(Assignado.) Jos Marta Ildefonso Jacome da
Veiga Pessoa e Mello.
(Conforme)Jos do Reg Barros, teoente- en-
carregado do detalhe.
INTERIOR.
CORRESPOMOEWCIAS DO DIA
RIO DE PERJf AHBUCO.
RIO I.HA NDB l.0 \OHIi:.
Natal. 10 de marco de 1865.
Meu charo redactor: Agradego-lhe a honra e
consideraco, com que dlstinguio-me, aceitndo-
me correspondente de seu imporlanlissimo jornal.
Prometi que esforcar-mehei quanto puder, por
corresponder o apreco que deu rainha primeira
missiva, satisfazendo o arduo compromisso que
me impuz com a pootualidade do costume.
Lisongeio-mo
de ter-lhe agradado o estyllo e o
a expedico de suas ordens para que os individuos modo, porque trace! meu trabalho.
destinados aos corpo de voluntarios da patria ; re- O vapor Apa, procedente do sal, visitou nos-
meitidos pelas autoridades e mais pessoas encarre- j so porto 6 do corrente, trasendo algomas on-
gadas do seu alistamento, designadas no artigo 3o cias, urna bastantemente surprehendedra para o
da inclusa portara de 6 de fevereiro prximo lin-
do, tenham passagem para esta capital nos trens da
referida estradaCommunicou-se ao respectivo
engenheiro fiscal.
Dito ao Dr. Joo Baptista Casanova.Recebi o
officio de 6 do corrente, em que Vmc. se offerece
para prestar seus servicos mdicos no hospital mi-
litar, sem perceber por i-so remuneraran alguma
pecuniaria, visto terera de seguir para a corte, na
forma das ordons imperiaes os cirurgio.'s do corpo
de saude do exercicio, e tenho a dizer-lhe em res-
posta que muito Ihe agradeco to generoso offere-
cimento, assegurando-lhe que vou teva-lo ao co-
nhecimento do governo imperial, aira de ser toma-
do, na consideraco de que merecedor, entijlan-
to oflir-io nesta dala ao coronel commandante das
paiza retirada do gabinete do Sr. conselheiro
Roan, sem a menor explicacSo na emergencia
actual; quando o exercito e "armada nacionaes,
victoriosas em Paysand, sitiam a cidade de Mon-
tevideo : outras, de magna importancia acerca do
thealro da guerra. N'um paiz monarchlco consti-
tucional, onde a publicidade ludo, ao governo
incorre o indestructivel dever de explicar pela im-
prensa official a causa determinante de urna raodi-
ficaco ministerial, para que paiz devidamente
instruido, julgue do facto com o preciso criterio.
Proceder diversamente aprofundar o espirito pu-
blico n'um mar de cenjecturas : falsear o sysle-
ma que nos rege.
Ora, se, n'uma situagao recular qualquer, era
censaravel ao governo o silencio, depois de um
armas Interino que est aulorisado a contractar acontecimento desta ordem; como nao ser hoje
mdicos civis para substituir os militares, afim de
aproveitar os seas boas servidos logo que delles
tenha necessidade.
Dito ao jniz municipal e delegado do Cabo.
Com o seu officio desta data me foi apresentado e
mandei alistar no corpo de voluntarios da patria,
o cidado Manoel Luiz do Nascimento, e agrade-
cendo a Vmc. a solicitude que manifesta para au-
xiliar-me na acquisico des mesmos voluntarios*
tenho a dizer-lhe que estes tem passagens para a
capital pela via frrea sempre qae forem all apo-
sentados por parte das pessoas encarregadas de
promover o seu alistamento.
Dito ao chefe interino da reparticao das obras
publicas.Declaro a Vmc. para seu conhecimento
e tim conveniente, que tendo em vista a sua infor-
maco de 23 de fevereiro ultimo sob n. 49 acabo
de conder ao arrematante do pedagio da barreira
de Tapacur Antonio de Faria Brando Cordeiro,
a permisso que pedio ou para transferir o porto
d'aquell barreira para o lugar por elle indicado,
ou para fazer arobranca desse imposto no predito
lugar independentemente do tal porto.
Dito ao 1" juiz de paz do 1." districto do qua-
driennio findo da freguezia de >anto Antao.
Declare Vmc. porque razao tendo-lhe eommunica-
do o juiz de paz mais votado do 1." districto do qaa-
driennio findo dessa freguezia, nao poder por mo-
lestia ir presidir os trabalhos da respectiva junta
revisora de qualificago, como me asseverou aquel-
le juiz de paz, em officio de 10 de fevereiro ultimo,
nao compareceu Vmc. na matriz para tal lira, e se
no caso de ler tido impedimento, o participou ao
seu immediato.
Portara.O presidente da provincia tendo m
vista o que nformou o respectivo commandante
superior em officio n. 45, de 18 de fevereiro pr-
ximo findo, sobre o requerimento do tenente quar-
tel mestre do 2.c batalho de infantaria da guarda
nacional deste municipio, Joaquim Lopes Machado,
resolve conceder a este seis mezes de licenca para
ir a Europa.
Dita.0 presidente da provincia, attendeado ao
que requereu o professor publico de iostruceo
primaria da villa de Flores Luiz Ignacio de Olivei-
ra Jardim, resolve conceder-lhe 30 das de licenca
cem vencmentos para vir a esta capital, tratar de
sua sade.Fizeram-se as necessarias communi-
cacoes.
Dita.O presidente da provincia, altendendo
ao que requereu Antonio Augusto de Lima, mes-
tre de canteo, resolve conceder-lhe licenca para
tirar pedras nos arrecifes da barra de Suape, no
lugar que for designado pelo capilao do porto, a
quem esta ser apresentada.
do dia 9 de
em frente das complicag5es com qne nos achamos,
provenientes da guerra que movemos contra nos-
sos insolentes inimigos do Prata?
O pai i nao vive de mysiificaro ; tem o direito
de saber a verdade, e ao governo incumbe o ri-
goroso dever de dize-la; mormenle, quando elle
levantase, como um s hornera para profligar os
insultos e desvarios desses tygres que pensande
beber o sangue brasileiro, vo caro pagando sua
arrojada temeridade.
O Sr. Rohan um carcter nobre mas pela no-
bresa de seu carcter que a verdade, e a razan
devem vir espancar as vers5es que se fazem, sobre
sua retirada.
Nao tenho conhecimento pesseal do Ilustre
general, o Sr. visconde de Camam, mas a julgar,
por seos importantissimos servigos prestados ao
paiz, por seu espirito de r^ctido e justica; pela
looga experiencia dos negocios que correm pela
pasta que Ihe foi to dignamente confiada, sua no-
meacao foi assas vantajosa.
A noticia qae nos deu o Diario de Pernam-
buco, transcripta do Jornal da Baha, de que
Aguirre e Carreras haviam fgido no vapor fran-
cez Sainlonge arrebatou-nos de enthusiasrao, por
vermos assim cortado o n gordio de urna de nos-
sas questoes; mas a nova de que o blanco Vilhal-
ba, posto que moderado, achavase no governo da
repblica, inquietou-nos novamenle, porque assim
nao acreditamos que a questo com o Estado
Oriental esteja terminada j.
A' Dos permuta que nao seja assim.
O .ilstamento de voluntarios da patria con-
tina fazer-se com mais enthnsasmo, que d'an-
tes.
Hontem (8) os capites da guarda nacional do
batalho da villa do Cear-meinm, Miguel Germa-
no de Oliveira Sncupira, Francisco Guedos da
Fonseca, Jos Ferreira da Costa e o Dr. Jerpnymo
Cmara apresenlaram ao presidente dezeste vo-
luntarios da patria, dos quaes dezeseis tiverara
praga.
Hoje apresentou-se mais um voluntarlo, e no
Mumanguajie que chegou do norte, vieram em
companhia do Br. Ernesto Augusto Amorim de
Valle nove, sendo um conseguido pelo mesmo
doutor.
Hontem chegaram de Ponta-Negra nove re-
crutas que foram agarrados pelo capitao Nobre J-
nior que para all havia partido em deligencia,
sendo um julgado incapaz pela inspeegao, e os
mais promptos.
Em officio do primeiro de margo communi-
cou ao Sr. Dr. chefe de polica, o subdelegado de
Sant'Anna de Mattos que all se achavam nove in-
dividuos promptos para alistarem se voluntarios,
os quaes seriam brevemente apresentados nesta
capital.
O Dr. I.renla, juiz municipal da cidade do
Ass offereceu-se presidencia para marchar pa-
ra a guerra, como tenente da guarda nacional que
Eipediente do secretario do governo
marco de 1865.
N. 57.Officio ao 1. secretario da assembla
legislativa provincial. Para sarem presente a as-
sembla legislativa provincial, remetto V. S. de '~ tero em"resp^ta~qae""lvaria"ao"cohecmeno
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, \ j0 gaTerno imperial seu offereciment.
40 exemplares impressos da relaco das causas | corre que da villa de Campo Grande viro,
executivas da fazenda provincial e outros tantos. sem demora, vinte voluntarios offereccr seus ser-
das nao executivas. y|g0s patria.
N. 58.-Diio ao mesmo Passo as mos de V. i e1 urna resolugo que muito ha de honrar seas
S. de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provm- autores.
cia, os inclusos orgamentos e balango que remetleu
a cmara municipal da Escada, com o officio de 11
de fevereiro ultime, junto por copia, no qual a mes-
ma cmara expoe como necessidades mais urgen-
tes do seu municipio a construeco de urna ponte
sobre o ro Ipojuca junto da villa, e factura de
urna estrada entre a estago da Escada e a villa, a
remogao da cadeia para algum edificio apropriado
e finalmente a constroegao de um matadouro, por
ser a malanga do gado em lugar inconveniente e
perlencente a um particular.
N. 59.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, transmuto V. S.
para ser presente a assembla legislativa provin-
cial, afim de ser tomado em consideraco o officio
incluso per copla, datado de 13 de jaueiro ultimo,
em que a cmara municipal da villa da Boa-Vista,
pede a crearan d? um 3." districto de juiz de paz
najreguezia do mesmo nome, e a organisaco de 2
na fre uezia do Senhor Bom Jess da Igreja Nova,
todos com as denominag5es e limites declarados no
citado ofilcio.
COUANDODAS ARIAS.
Qiiarle 1 do enramando das armas, dr Peroamhnco
na cidade do Recife, 13 de mareo de 1865.
Ordem do dia ti. 42.
O coronel commandante das armas interino, faz ,
certo para os fins convenientes qae segundo cons- Graf & II
tou de officio da presidencia de 9 do crrante da-1 Os Sr. Graf A C. teem prestado lao considera-
O digno guarda-mr d'alfandega desta cida-
de, o Sr. Affongo de Paula de Mbuquerquo Mara-
nho offereceu ao governo dez por cento de seus
vencmentos para auxiliar as despezas da guerra,
dorante o lempo que ella durar.
E' a segunda vez que o Sr. Affonco, alma eleva-
da no ardor de nm bem vivo patriotismo, vem of-
ferecer patria os recursos de que pode dispor.
Felcito-o por essa nobresa de sentimento.
do primeiro dez de margo teem-se alistado
voluntarios 53 individuos.
A thesouraria provincial que meas a iutelli-
gencia, e zelo de sen digno inspector, o Sr. lago
Francisco Pinhelro, acha-se hoje as melhores
condicoes de prosperidade.
O rendimiento do I* ao ultimo de fe-
vereiro foi de................. 17:1415020
Do 1 9 de margo tem rendjdo___ 3:6095't3
Sou informado qae em cofre existe. 40:0003000
A' severa arrecadacao das rendas provinciaes,
ao zelo e actividade, tanto do Sr. lago, como do
Sr. Francisco Gomes da Silva, procurador fiscal
da mesma, muito se deve o ter a thesoui aria sa-
bido do estado ruinoso em que achavase, e baver
altlngido o grao de prosperidade ero qae se acha.
Esto carga neste porto os seguintes na-
vios procedentes de Pernambuco: brigae inglez
Melina, barca franceza Jean Baplisle. Era descar-
ga, o brlgue francez Cear, procedente do Havre
com nm pequeo carregamento de mercadorias,
perlencente bem acreditada casa dos Srs. I. H.
veis quo valiosos servigos provincia, augmen-
tando, lanto por meio de carregaraentos de impor-
tagao directa, como de exporlaco, a renda geral
e provincial.
Alguns amigos, c negociantes desta praga,
offereceram na noute de 25 de fevereiro um es-
plendido soire ao distincto cavalheiro, ex inspec-
tor desta alfandega, o Sr. Jos Ribeiro da Cunha
carcter sympathico, honesto e probidoso.
A' essa bella reunio comparecern! todas as au-
toridades superiores da provincia, empregados das
diversas repartigoes, negociantes e officiaes do
i exercito.
Os membros dos dous partidos que se combaten)
na provincia, estavam ligados em um s pensa-
menlono aprego, e homenagem que tributavara
ao nobre carcter, e virtudes cvicas do emprega-
do zeloso, e intelligenle que nos ia deixar.
No toast, o Sr. Leal, empregado na mesma al-
fandega, e mogo de reconhecida hablidade, em
urna bem exposta allocug >, expoz os molivos da
(reuniao, demonstrando evidencia, o modo digno
porque se conduzira o Sr. Cunha no arduo des-
empenho de seus deveres, considerando sempre os
ioteresses da fazenda com o bom trato e urbani.
dan com que communicava s partes. O Sr. Leal
terminou oferecendo um brinde ao Sr.Cunha, que
foi geralmenle correspondido.
Mas larde, o Sr. Leal recitou urna bella despe-
dida potica, offerecida ao Sr. Cunha; o qual toman-
do a palavra, em um pequeo discurso repassado
das mais vivas emogoes de reconhecimento, agra-
dece a honrosa despedida que Ihe fizeram tantos
cavalheiros distinctos ; pedindo aDeus que, em
todo o peresrrer da sua carreira publica, fosse
lano feliz, quanto foi no Re Grande do Norte.
O Dr. Cunha com S. Exraa, familia seguio no
Apa para a provincia do Maranho, para onde foi
transferido.
Ventos propicios conduzao-o com S. Exma. fa-
milia seu deslino.
No vapor Tocantins veio o nosso muito caro
e estimavel amigo, Dr. Jes Mara de Albuquerque
Mello, mu digno juiz de direito da comarca da
Imperatriz, no Cear, que ia tomar assento na
assembli provincial de Pernambuco.
O Dr. Jos Mara demoron-se alguns dias entre
nos para ler o prazer de abracar seus muito apre-
ciaveis amigos.
Duranto os poacos dias que tem estado entre
nos, ha sido visitado por muitos amigos, concor-
rendo ve-lo alguns dos que rasidera, em villas
prximas da capital.
Segu hoje no vapor Mamanjuape para o Recife,
ventos propicios conduzam-n'o.
No da 3 de margo foi pre^o pelo proprio Dr.
chef de polica, Estevo Simplicio Ferreira, na
ocasio em que na casa das ordens ia ser inspec-
cionado de saude para seatar praga no corpo de
Voluntarios da Patria. Simplicio aecusado de
haver pratieado o crime de um fenmenio grave
em om individuo, na villa de 3. tiongalo, pelo que
est sendo processado, segondo inormages que
tenho.
Luiz Pereira da Cruz (por antonomasia Luiz Bol-
la) reo de rauitas mortes na provincia do Cear,
fot preso requisiao do Dr. chefe de polica, no
termo de Campo Grande pelo respectivo delegado,
o qual communicou ao Dr. chefe de polica que
mandando recolher o criminoso urna casa que
alli serve de priso, conseguir elle evadir-se na
noute do dia subseqaenle ao de sua captura.
O Dr. chefe deu s ordens convenientes, para
que fossem processades os guardas nacionaes que
achavam-se de senlinella ao preso.
No dia 3 de oulubro do anno passado al es-
ta data (10 de margo) teem sido presos 62 crimi-
nosos.
S este facto basta para provar o zelo, solicilude
e aclividade do Dr. Antonio Augusto da Silva, no
desempenho de importantes de veres que Ihe foram
confiados to acertadamente.
Hontem (9) pelas 10 horas da noute um tal
Joo Sereno, sera motivo justificado dera una
grande cacetada em um raarioheiro francez, da
qual resultara-lhe um grave fenraenlo na testa se-
gundo son informado, conseguindo evadir-se o cri-
minoso.
A polica diligencia por captura-lo.
i No mesmo momento o Dr. chefe de polica man-
dou proceder a corpo de delicio, para instaurar-se
o competente processo.
No Mamnnguape chegou de Mossor, o digno
engenheiro da provincia Dr. Amorim do Valle qae
foi alli receber um armazem que S. Exc mandara
construir para depsitos de productos da provincia,
i falta de que resentia-se alli os agricultores e nego-
'ciantes.
Ainda nao sei do estado da obra,
A companhia de cagadores e cento e tantos
voluntarios acham se um mez promptos pri-
meira voz para embarcarem, e irem reunir-se
seus companheiros d'armas ao sul.
Ai-ho maita morosidade no transporte d tropas;
o que faz-me crer que nao ha essa precsao que
se diz.
No dia 28 do passado chegou o Dr. Caetano
Siellita Cavalcanii Pessoa, na cidade de S. Jos de
Mipib para onde havia sido transferido. Muitos
cidados reunidos vieram 4 cavallo compriraenlar
o Dr. Caetano Stellita, e a S. Exma. familia urna
legua distante da referida cidade.
O encontr, segundo son informado, foi saudado
com vivas e foguetes que rompiara o ar.
O honroso acompanhamento o secundoa t a ci-
dade, onde urna banda de msica tocava em sua
entrada e acompanhamento, sub ndo novas fugue-
tes aos ares.
Chegando o Dr. Stellita a casa destinada para
sua residencia, ahi os Ilustres acompanhantes re-
novaram suas saudages com vivas S. S. e a S,
Exma. familia.
O Sr. Dr. Caetano Stellita deu vivas ao distincto
povo mipibnense.
Felicitamos ao Dr. Caetano Stellita por ssse fe-
liz presagio, c aos habitantes da cidade de S. Jos
de Mipib por saber tanto respetar, e apreciar a
autoridade constituida, revelando desl'arte o grao
de sua apreciavel civilisagao.
Desculpe haver sido lo enfadonho desta sez, so-
rel mais conciso de outras.
PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
A assembla provincial deixou hontem de func-
cionar, por falta de numero suffiriente de senhores
deputados.
Chegou hontem, da comarca de Palmares, o
digno Sr. Dr. Jos Paulino da Cmara, com cincoen-
e oito Po/un/inos da Patria.
Apresenlarem se na mesma occasio ao Exm.
Sr. presidente da provincia, mais quinze, trazidos
por dous disiinctos cidados.
Falleceu hontem o Sr. Joo Cardozo Ayres,
abastado negociante e.proprietario desta cidade.
A' sua Exm. familia damos os nossos sinceros
psames.
No dia 11 do correle, leve lugar a reanio
da assembla geral dos accionistas do Novo Banco
de Pernambuco. e foram presentes os relatorios e
baLngos do semestre Bode ero fevereiro prximo
passado.
Em cumprimento da lei sahiram da direegao os
Srs. Joo Ignacio de Medelros Reg, e Jos Pires
Ferreira, sendo substituidos pelos Srs. Jos Pereira
Vianna e Luiz Antonio Vieira, indo este para o
lugar de secretario da directora, por entrar na ge-
rencia o Sr. Manoel da Silva Santos que exercia
dilo cargo.
O Sr. Reg foi gerente desde a creago do banco,
e incansavel no desempenho de seus deveres.
Al hontem juraram bandeira, no corpo de
Voluntarias da Patria, os seguintes Srs. :
28i Landelino Uibeiro Pessoa, 22 annos, Pernam-
buco.
285 Francisco Procopio Ferreira,26 tdem, idem.
286 Benedicto Jo* de Freitas, 20 idem, idem.
287 Antonio Joaquim Ferreira, 19 idem, idem.
288 Antonio Manoel de Souza, 19 idem, idem.
289 Deolindo Fernandes Souza, 19 idem, idem.
290 Manoel Joaquim Soares, 19 idem, idem.
291 Joo Manoel Roma Jnior, 24 idem, idem.
292 Antonio Ferreira de Barros Campello Jnior,
19 idem, idem.
293 Jos da Hora Sanios, 19 dem, idem.
291 Isnaclo Ferreira da Silva, 21 idem, Cear.
295 Vicente Ferreira Soares, 37 Idem, Rio Grande ,
do Norte.
296 Francisco Gongalves Velloso da Silveira, 20
idem, Pernambuco.
297 Antonio Jos Joaquim dos Sanios, 20 idem,
idem.
298 Manoel Joaquim Alves de Oliveira. 20 idem,'
idem.
299 Benedicto Rodrigues Campello, 18 idem, idem.
300 Manoel Jos Monteiro da Fraoga 20 idem, idem.
301 Jos Bernardino Pereira de Brilo, 18 dem,
idem.
302 Antonio Machado Lima, 18 idem, idem.
303 Sebastio Manoel Lins, 20 Idem, idem.
304 Antonio Joaquim da Silveira, 19 idem, idem.
305 Joo Flix Martins de Mendonga, 20 idem,
idem.
306 Manoel Felippedos Santos, 21 idem, idem,
307 Manoel Ferreira da Paixao, 19 dem, idem.
308 Luiz de Carvalho Pimenta,23 idem, idem.
309 Francisco Jos Alves, 18 idem, idem.
310 Marcellino Joe de Souza Monteiro, 19 idem,
idem.
311 Antonio de Hollanda Cavalcanti de Albuquer-
qae, 21 dem, dem.
312 Andr Avelino de Mello Galvo, 20 idem,
idem.
313 Joaquim Jos Severino de Albuquerque, 21
idem, idem.
314 Ernesto Francisco Xavier, 20 idem, idem.
315 Joo de Carvalho Soares Brando, 18 idem,
dem.
316 Manoel da Franca Carvalho, 18 idem, dem.
Amanha, 15 do corrente, pelas 8 horas da
manha, o Exm. e Revm. Sr. conego Joaquim Pin-
to de Campos, prelado domestico de Sua Santidade.
celebra, na iereia matriz do bairrn da Bda-Vista.
urna missa por alma da Exma. Sra. D. rsula de
Cerr,ueira Ribeiro Campos, finada mulher do Dr.
Joaquim Jos de Campos.
Temos informagoes de que nm inspector de
quarteiro da freguezia do Pogo da Panella, conhe-
cido por Joo Prado, longe de exercer a acgo be-
nigna da autoridade, a quera esl incumbida a ga-
ranta des cidados, pelo contrario alli o atro-
pello destes, nao respeilando considerago al-
guma.
Alera de promover a zizania entre os gaardas
nacionaes, por ultimo tomou por victima a um
Raymundo Roberto, sargento da mesma guarda
qnem de continuo cobre de baldos e Bsultoscom
mistura da familia deste; e a despeito de suas
queixas autoridade superior, nenhuma providen-
cia foi dada.
E pois, importa que o Sr. Dr. chefe de polica d
alguma providencia, que faga cessar esse desen-
freio tanto mais escandaloso quanto parle elle de
um agente da autoridade publica.
O Sr. Hermilo Aureliano Chaves de Souza,
abrazado por patritico ardor, consegaio que se
alistasse no corpo de Voluntarios da Patria seu
irmo Sebastio Leopoldo de Souza Chaves, nma
vez que elle o nao pode pela familia que tem a seu
cargo.
Folgamos de consignar taes actos de patriotismo,
nao sendo menos louvavel o acto do alistado.
No sabbado ullimo havendo urna briga entre
Candido Jos de Mello e Manoel Francisco da Trin-
dade, remadores de escaleres da alfandega, este
ultimo atirou o outro ao -mar ; do que resulton a
mu re de Candido.
J tinhamns escriplo o que hontem publica-
mos, com relagao s duas infelizesmulheres presas
em Iguarass, quando velo-nos ao conhecimento
de que ellas aqu chegaram as II horas acompa-
nhadas do carcereiro, sendo recolhidas a' casa de
detenco.
naquella villa nos dizem, que houve alguma he-
sliago quanto a' remessa dellas, havendo at quem
protestasse prende-las de novo, cjso fossem solas;
o que por certo nos parece incrivel, se bem que
nos nao seja desconhecida a chronica daqnelle
ponto da provincia.
Como qur que seja, porm, notavel a pratica
de tamanhas vexaces para com duas miseras
mulheres inoffensivs, que vivendo do trabalho de
enxada, mal podem d'ahi tirar o pao quatidiano
para a alimentario c os quasi andrajos com que
se cobrem, s?ndo no entretanto o sea nico crime
haverem ontido do Exm. Sr. presidente da provin-
cia a soltura de um filho recrutado, em quera se
davam Isencfies legaes.
Chamamos a atiencao de qnem possa compe-
tir, para um Individuo da ra das Crioulas, que
enlende dever fa7er das calgadas o ponto dos seus;
despejos, nao altendendo s reclamaces que Ihe
laten os visinhos, acerca da inconveniencia;
disto.
Entrou hontem em jaigamento no tribunal
do jury, cuja cadeira presidencial foi oceupada j
pelo Sr. Dr. Hermogenes Scrates Tavares de Vas-
concellos, o reo Estevo Jos Pereira, pronunciado |
as penas do art. 205 do cdigo criminal.
A aecnsago foi agitada pelo ministerio publico,
e a defeza pelo Sr. acadmico Floriano Jos de Mi-
randa.
De dia em da engrossando as fileiras docor-
po de Ko/wnlan'os da Patria, que ja conta cerca
de trosentas e cincoenla pragas, parece-Bos que se
deveria tratar da organisago do corpo, nao s
para boa ordem do servico, como mesmo para que J
vo as pragas recebendo a instruego necessaria,
alim de nao chegarem ao terreno do combate ig-
norando as mais comezinhas cousas do servigo de i
guerra.
Tendo havido diversos offerecimentos pessoaes'
de officiaes da gaarda nacional e do exercito re-
formados, e aceilaco pelo governo. parece-nos
anda rasoavel que sejam elles apmveilados, desde
j, nesse corpo, preferindo-se na escolha e destri-
buigo dos postes a aoliguidade do offereciraento,
para nao haverem queixas.
Inexperieules como sao os Voluntarios da Pa-1
fra, devem ser victimas da impericia de seus che-1
fes, se nao forem estes tirados das fileiras dos co- i
nheeedores da arte militar, e mais qne tudo dos
homens aguerridos e valentes.
O Sr. major Francisco da Caoba Machado'
Pedrosa, senhor dos engenhos Cruz, Malta e!
Punficago, da'fregueaia a> Agua Preta, havia em
Janeiro do correte auno, consentido qae seu filho
Graciano da Cunha Machado Pedrosa viosse esta I
cidade asseolar praga no exercito, afim de, como
cadete, seguir aprestar seus servigos ao paiz na luta
iravada com Montevideo e Paraguay.
Chegado a esta cidade o Sr. Graciano buscn as
nleiras do batalho dos Voluntarios, sendo ahi alis-
tado sob numero 42.
O patriotismo e o ardor da mocidade levaram-no
a escolha do batalho que simbolisa o denodo e de-,
dicagao da provincia.
Coohecendo ser ainda diminuto o numero de sol-,
dados do batalho a que perlencia.e qnerendo con-
correr para que fosse elle elevado, obteve licenca
para ir a freguezia da residencia de sea pai, irazr
alguns mogos voluntarios.
Ante hontem tarde chegou o Sr. Graciano
esta cidade acompanhado de 11 voluntarios, e lam-
ben) dingio-sea palacio a apreseniar se e apresen-
ta-los ao Exm. Sr. presidente, que se dignou de re-
cebe-lo com palavras lisongeiras de agradecimento
* d.f,an,ma5So Pr l5 subida prova de patriotismo.
roigamos de registrar esle facto pralicado por
um mogo distincto por sua familia e qualidades, e
a quem o futuro sorri lisongeiro ltenla a disposi-
gao e amor que lem nore carreira das armas1.
Informara-nos o seguinte :
Temos assstido aos sermdes que a respeta-
ve I ordem lerceira carmelitana costuma na presen-
te quaresma a mandar celebrar.
Compondo-se a mesa regedora no seu pessoal
de 21 membros, e sendo sete os altares que con-
lem a ordem, o prior fez destribuir para cada
um destes aliares, tres irmos, que porfia, cada
qual deseja que mais realce aquelle de que se acha
encarregado ; effeclivamente os dous que vimos es-
tavam bem preparados e com a decencia propria
de taes artos.
t A religiosidade de que dotado o povo desta
cidade o lem feito affluir este templo paia ouvir
a palavra sagrada, pronunciada pelo Rvm. Sr. pa-
dre Mello, ja por lodos conhecido e bem apreciado
na tribuna. >
De Maricota escrevera-nos, em dala de 10 do
correnle o segrate : *
Hontem ia s^-ndo victima do punhal assassiao
o Sr. subdelegado Joo de Carvalho Raposo !
Aehavam-se descansando margem do rio
Cagafogo a quadrilha residente era Tres Laderas.
cranosla de Quinlilio, Patilio e Thoraaz (desertor
do quarto batalho), comraandada pelo celebre Be-
luario, irazendo lodos bons cavailos.
Passando ora individuo, quem estes ladroes ti-
niiam dias antes furtado um cavallo, e coohecendo
o seu animal, pegando no cabresto declaroa que
aquelle cavallo penencia-lhe; seraelnanle insulto
acudi toda a quadrilha de facas desembainhadas,
obrigando o pobre hornera a ceder a sua proprie-
dade e retirar-se : ao chegar porm algumas ca-
sas gritou no maior desespero pedindo soccorro, e
de novo vollou acompanhado de outras pessoas ao
logar onde existia a quadrilha. aue i alando a
..o tQuipu muniaoa, detiaram a correr em diffe-
rentes direegoes, correndo Patilio montado em dito
cavallo estrada limpa.
A' cerla distancia o subdelegado vendo aquelle
individuo a toda disparada assim correr, ordenou a
algumas pessoas que perto se achavam, que pren-
dessemno ; e alravessando o carro em que vinha
montado deu voz de priso ao ladro, que puchan-
do do punhal forgou o subdelegado, que desarma-
do eslava a dar caminho.
O subdelegado corajosamente deila o carro to-
da forga segurado o ladro, e como em frente exis-
tisse um povoado, e pessoas reunidas acudissem,
Patilio recejando, volla-se para o subdelegado, que
fragindo tirar urna pistola da caixa do carro fez
desviar o quadrilheiro, que logrou escapar-se dei-
xando o cavallo e oatros objectos.
Que os breves da marca passados a este e
outros quadrilheiros trar aioda peiores resultados
eu o previ I Miremse nesse espelho as persona-
gens que tao desveladas se tem mostrado em favor
do grande Belizario I Sei que isto nada o descon-
ceitua, porque Antonio moga, desertor da armada,
levou a sua perversidade a queiraar casas e cana-
viaes, e nada perdeu por esses actos para o seu
compadre, a quem esses fados e seu mrito gra-
da.
At breve.
A sentinea. .
I 3 I S
i i i s
3 s l 3
: : I :
B I -
!i
: i
: i :
o
>
O)
>
o
a
>
-- a i 1 1 Masculino. = 1 SI i > n
s - . i 1 Feminino. O.I SI as
s - * 1 co 1 CO Masculino. M en i i o ^
. > i 1 Feminino. 1 1 1 -
t - P^ te Masculino, i 9 r 1 < o m
- . A 1 i 1 Feminino. I .1.1 J
-j m A ^ 1 Masculino. x 1 K H h
oc 1 * 1 Feminino. 1 1 te 1
00 00 - . 1 1 1 1 Masculino, i 1 2 1 ,
C: m J Feminino. ] ' f
9
f
.' ) .'
| .te | TOTAL.
*

ADVERTENCIA.
Na totalidade dosdoentes existem 141, sendo 88
homens e 53 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 7, 7, 6 3|4, 6 1|2, 7, 7 lt2, 6 3|4, pelo Dr.
Ramos.
As 8 1|2, 8 Irl, 9 1|4, 8 1|4, 7 3|4, 8 3|4, 8
3|4 pelo Dr. Sarment.
Falleceram :
Jos Forran da Silva ; tubrculos pulmonares.
Bernardo Lopes da Silva ; urna encephalite chro-
nica.
Theodora Constantina ; plomo pneumona.
Jos Joaquim d'Araojo ; anazarca.
Francisco das Chagas ; bronchite chronica
Luiz de Franga ; infeceo purulenta.
Casa de dbtbnqao.Movimento do dia 11 de
marco de 1865.
Ktisliam 383 presos ; entraran) 7; sahiram 13 ;
existem 377 ; a saber :
Nacionaes 198; estraogeiros 18 ; mulheres 2;




I ^aw m >__


-
M-.*.
Iftrtd de rernambnco l'l'ia flr* i A de Mareo de 185.
-i

L
estrangeiras 5 ; escravos M ; escravas 8 total
377.
Alimentados a costa dos cofres pblicos 162.
Mpvuneuto da enfermara no dia 12 de marco
de 'IHt
Tiveram baixa >
Joo Bento de Vasconcelos.
Manuel Jos Sevenno.
Pedro Manoel Pegado.
Tiveram alta :
Alexandre Marinho da Costa.
Jos Martins Ildefonso
GOMMMIABGS.
Tendo publicado no Diario ie Perncmbuoo, de
7 deste mez, um communieado, eni que me occu-
pei de mostrar que o Sr. Caetano Brito, regeitan-
do sem fundamento a indicago, que eu e meu no-
bre amigo e collega, o Sr. Dr. Jos da Gunha Tei-
xeira, apresentamos a assembla provinc'al, na
sessao de 2 do correte, propondo ura voto de cen-
sura contra a maioria de sua transacta cominis-o
de polica, por ter requisitado forga armada para
Mov ment da casa de t-teocao do dia 12 de cercar e guarnecer o edificio, em que funeciona a
marco'de l8t5.
Existiam presos 377 > ntraramS; sahiramS;
eiislem 377. ^
A saber : nacionaes W8; estrangeiros 18 ; rau-
Ihcres 2; estrangeiras ; escravos 4'J escravas 8,
Total 377.
Alimentados cuita dos cofres provinciaes ICO.
Movirnento da enfermara do dia 13 demar-
co correle.
Teve baixa :
Francisco Amonto da Silva, diarrha.
Tiveram tflta: '
Galdino Ferreira de Barros.
Jos Alexandre da Costa.
Ignacio Pedro da Silva.
AolonioCatharino, escravo sentenciado.
nii'\nri:.\o da polica
mesma assembla, sem que estivesse autorisada
para taoto pelo respectivo regiment interno, ti-
nha procedido arbitrariamente, e me havendo re-
ferido ao que disse olllm. Sr. Dr. Antonio Jos da
Costa Ribeiro na sessao do dia 4, em que fui lida
c regeitada essa indicago, esperava desde loso
que o Sr. 1." secretario viesse a imprensa, o me li-
ona disuosto para rcsponder-lhe, se nao bem, ao
menos promptamente, como eostumo ; roas, achan-
do-me inuio incommodado desde odia 8, som que
me fosse permillidomanter-me sentado para poder
escrevor, vi-me obrigado a demorar mnha respos-
ta ; e posloque anda nao me ache inteiramente
restabelecido, e me exponha a que se aggravem
meus soffrimentos, vou cumprir o qoe prometti na
minha correspondencia, datada de 10 deste mez,
e publicada Deste jornal, e o fac < tamo mais an-
Exlracto das parles dos dias 12 e 13 de marco de ojosamente quaulo nao desejo, que se supponha que
1865.
Foram recolhidos a casa de detengao no dia KJ
do correle:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma-
aoel Vicente de Barros, como pronunciado no ter-
mo de Ipojuea, e Luiz Gongalvesda Silva, como
-snspeito de ser escravo, vindo do Cabo.
A' ordem do Dr. juiz de orphos, Francisco Pe-
reir da Silva, por nao ter cumprido os deveres
de fiel depositario.
A' Irdein do subdelegado do Rerife, 1-austrao,
escravo de Manoel Custodio Pacheco Soares, para
A''ordem do de Sao Jos, Mathias da Costa, para
correccao ; e Alexandnna, escrava de Augusto
Coelbo Leite, a requrimento deste.
- 12
A' ordem do subdelegado do Recife, Albino Fer-
reira e Umbelino Olegario do Espirito Santo, para
correccao. _
O chefe da 2' secgao,
J. G. ie Mosquita.
Gemiterio publico.-Obituario do dia 11 de
fuuei derrotado cum o Goal do communieado do
Illn. Sr. Dr. Cosa Ribeiro, e fujo da discussao.
Se depoisdo que leve lugar na reunio do direc-
torio do partido liberal, na ncite do I." de agosto
doanno passado, eu houvesse recorrido impren-
sa, como despjei, e lvesse publicado os dous com-
municados que cscrevi e existem em meu poder,
talvez que as cousas nao houvessem rhegado ao
ponto, em que se aeham, e eu nao me vase agora
obrigado a ser mais extenso do que me era preci-
so ; mas ha cerlos erros na vida do homem, que
Ihe sao proveitosos, porque Ihe servem de ligo, e
esta, que arabo de receber, e devo a considera-
goes, nao me ser improficua.
Se eu disse, em meu communieado, que o Sr.
Caelaoo Brito, apoiado nos outros dous membros
da mesa da assembla provincial, da qual faz par-
te, como 1. secretario, o lllm. Sr. Dr. Cosa R-
, beiro, regeitou a indicaco, que eu e meu nobre
amigo e collega, o Sr. Dr. Cunha Teixeira, apresen-
tamos, a pretexto de que era um protesto contra
; deciso da mesma assembla, nao fot porque ig-
noraste que nao Ihe era necessario, para faze-lo,
como foz arbitrariamente, o apoio do Illm. Sr.
So eu tivesse querido apresenta-la nesse dia, o te- bar-sose se devia fazer desde fjg-j opposigao ao sao do hygiene pobfrra e de cutimitssario Tacctna
via fcito antes de Jeixar a asseinWa, e por certojo overno, ou faze-la depos dos dos, e sim, e s- dor. Mas, nao obstante ter amargas queixas
houvera feito, se nao se tivesse dado a occurrencla mente, de prestar-Ihe apoio. De oura sorte este
de haver sido invadido o recinto da assembla convenio seria jiraa burla, e na organisaco da
pelas pessoas que se achavam aas galeras ; mas mesa da assembla nao loriara entrad dous libe-
devo confessarque mearrependi de ote-laapre- raes do grupa, que se rtirou era 18 de abril doanno
sentado, porquanlo j estara decidido se a mara passado, e dous progressistas da maiocia, que to
dacommibso de polica da assembla provmciaI haaMi ib moslrou a esse grnpo, efereiu-o a aban-
so acha autorisada para raquisitar f rga armada, e dae*t anas caderas, manteado a torca armada at
guarleeer o edificio, em que a tltiiH dia
tontra a governo, sempre *me> presto meos ser
vicos, sem altener a cor politica, quando estes sao
em favor do paiz e gratuitos; e devo nao omitlir
que em secretaria alguma, qur geral, qur pro-
vincial, se eneontra pedido meu para qualquer cou-
sa, que me seja rotativa.
Mas o Illm. Sr. Dr. Antonio Jos da Costa Ri-
' zerra Pereira de Araujo Bellro, e outros muitos
se.inores acorapanliados da banda de msica mar-
cial se dirlgirara a praca da teira, queentose
acha va bastantemente concurrida; e ahi o Sr. l-
enlo coronel Carneiro Leo, que.ote oceupava o
lugar de presidente da cmara municipal, recitou a
proclamado : e depois df.om.) breve, mas anima-
da allocugo dirigida aos espantadores, que admi-
ravo ao aucio patriota ; allcan, que bem de-
cora esta cercar e guarSeaer o edificio, em qoe a o ti time dia de sessao ; porquaoto a maioria se beiro quera me provoca por meio de insinuacoes ? ran7tr7-r a Ttmn* n". iri'^i .>' k'nnn < arhava ro-
mesma assembla fai saaosessoes, principalmente cnser<*a firme, e, se nao se tivesse effee-Mado o E1 muito I ^^
nao sendo esta consultada, previameute. Provawel- convenio que realisou-se porque n noite do Exra. Apenas de vista conhecia o Illm. Sr. Dr. Costa
mente o Illm. Sr, Dr. Costa Ribeiro qutl ver em presidente da provincia nao foi extran 10 aos esfor- Ribeiro, que encontrava por vuzes no escriptono
ros que se empregaram para isto, essa maioria ele- de meu particular amigo, o Dr. Moraes Silva ; mas
geria por si s a mesa, sem que Ihe fosse preciso sabia, como sabiam todos, que elle perteocia ao
admiitlr esses dous liberaes.
Disse.o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro, o provcame
a provar-lhe, que eu nao poderci indicar palavra
sua ou aeto, do qua se eonclua que elle nao des-
meu procediiaent um aeto de eslealdads \ mas
devo dizer-lhe que nao estou habilitado a pratica-
los, e a prova 6, que pecco em poltica por franque-
za de mais.
Disse a Illm. Sr. Dr.Co^ta Ribeiro que a Indicaco
e expsito podiam ser, como sao, em ludo seme-
Ihaotes, podiam at ser ideniicas; mas qoe fallava cobrira semelharioa entre a indicaco, quo apresen-
aquella opportundade. Na occasiao, em que foi tamos, e a exposicao, que elle e outros assi>:naram
apresentada a indicaco, nao ss trata va de saber se depois de mim ; entretanto suas palavras proferidas
eraxou nao opportuna sua apresenlacao, que para o na sessao de 4 do correte, sao disto prova, segundo
Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro deixou de slo desde creio, porquanto, desde que elle recoaheceu iden-
que elle enlrou no convenio de 28 de fevereirodes- tiiade entre essa indicaco e o ofhcio, que dirig-
le anno, porquanto, a nao ser assim, seapresenta- ram os deputados que se retiraram em 18 de abril
ra desde logo a suspeita de um acto de deslealda- do anno passado i mesa da assembla, recoaheceu
de: mas tratava-se de saber se a maioria da rom- tcitamente que nao bavia semelhanra entre a m-
misso de polica estava autorisada a requisilar dicacao e a exposicao, vistoque esta nao seme-
forra armada quando a julgasse precisa, e dispor i Ihante quelle efflcio ; e a prova mais frisante, de
della como Ihe conviesse. porquanto esta questo \ quo eHe nao reconheceu semelhanca entre a in-
nao estava, como anda nao est, definitivamente | dicacao e a exposicao, que anda no da i deste
decidida, e se tornava prenso, indispensavel mes-1 mez duvidava que existisse essa exposicao. O ter-
mo, que o fosse, depois de ouvirse o parecer da! me admirado de que elle nao houvesse notado se-
coinmissao, a que essa indicaco tivesse de ser re
mettida, e depois de ser esse parecer discutido e
approvado ou regeitado. O Sr. Dr. Cunha Teixei-
ra tinha dito, apresentando a indicajao, que nao
pretenda entrar em discussao, e isto bastava para
que cessasse o receio, que se poderia ter de revol-
verse o passado, e creio que as palavras de meu
nobre amigo e collega devlam tranquUisar o Illm.
Sr. Dr. Costa Ribeiro, quo considerava como um
desservtro provincia, que comecassem os traba-
Ihos da assembla suscitndose discuso acerca
dos factos desagradaveis, que era seo seio se de-
ram em abril do anno passado, para os quaes elle
concorreu tanto quanto os seus coegas do grupo
liberal, podendo por este modo o Sr. l" secretario,
e aquelles que entraram no convenio, concorrer
para os serVicos, que esta provincia ter de regis-
trar no fim das sessoes.
Dizende o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro que a maior
parte, ou qnasi todos os deputados, que assignaram
a exposicao, deixaram de prestar suas assignatu-
ras Indicajao,devo deduzird'ahi que nao o fez sem
partido conservador. Quando o partido liberal resol
veu-se a disputar a eleiro que se tinha de fazer
em 7 de setembro de 8'6, fui informado que
o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro, abalado por
causa a\\s violencias empregadas pelo governo
contra nos, so tinha ileclerado ein nosso fa-
vor ; e sendo por islo admiltido as reu-
nioes do partido liberal, fez seu auto de f na
primeira, a que assistio, o desde enlo foi conside-
rado como membro desse partido, passndo logo
depois a ser eleito membro da commisso de re-
daceo do Liberal Pernambucano.
Tendo julgado conveniente separar-me da redac-
cao do jornal, que servia de orgo ao partido, e o
fazendo na noite de 18 de maio de 1857, porque o
directorio resolveu que no Liberal Pernambucano
se suslentasse o ministerio, que havia sido orga-
nisado sob a presidencia do Sr. marquez d*Olinda,
dando-se como razo o ter nelle entrad) o Sr. Sou-
margo de 1865.
Francisco de Paula Lopes Res, Pernambuco, 78 Dr. Costa Ribeiro ; mas porque, eslava, como estou ..
annos, solteiro, Boa-Vista; diarrha. ainda convencido,que o Sr. Caetano Brito a nao re-! in|eiao occolta, isto quiz <|ue se entrevisse que
Henrique, Pernambuco, lo mezes, S. Jos"; gastro geiiaria in limine, seo Sr. 1. secretario nao !nessa mdi-aeo nao figuraran) os nomes dessesde-
interite. apoiasse por meio de algumas palavras, que pro Pu'a porque se recusaran! a presta-Ios j mas,
Adelaide Cezina Lago Braga, Pernambuco, lo annos ; fer0 e se acham resumidamente transcriptas no Daa luercndo deixar sem resposta, vejo-me obri-
solteira, Bca-Vista ; aneurisma do coracao. i Otario de Pernambuco de 6 do correle, e no Jor-' 8ad0 a dizer a este respeito alguma cousa, para que
Joan. Pernambuco, 2 mezes, Boa-Viia ; anazarca.. na/ 0 RecfeaA mesma data, a regeigo por jul- i na ool!la rU{,t0 de sua insinuacao.
Francisca das Chagas, Pernambuco, 8i aunos, viu- gar sem .)roveto a manifeslaco que teve por fim I DaP" de redigida e assiguada por mim e pelo
| essa indicaco,-jden/iM em sua opiniao ao of- meu nobre amigo e collega, o Sr. Dr. Cunha Tei-
ficio que, no dia l de abril do auno passado, di- \ xe!ra- a 'n^icacao que apresentamos, nao a demos
riglram mesa dessa assembla os deputados que a ler a ^^ algm'ia, nem procuramos assignatu-
se linham retirado no dia antecedente, e haviam ras : Pel contrario, sabendo que no da 28 do mez
va, Boa-Vista; bronchite chronica.
Luiz de Franca, Pernambuco, 16 annos, solteiro,
Boa-Visla; mfecco purulenta.
Amonio Martins da Costa. Portugal, 26 annos, sol
tetro, Boa-Vista ; gaslro iolerile.
Severino dos Santos, frica, 58 annos, Recife ; n-
flammaqo chronica.
Manuel Joaquim das Noves, Bahia, 36 annos, sol-
teiro, Bua-Vista ; tubrculos pulmonares.
Relatorio da direceo do novo banco
de Pernambuco.
Saibores accionistas do nove banco.A direccao
do novo banco tora a satisaco de manifestar-ros,
que, o nosso estabelecimeoto cootina a gozar do
melhor conceito publico. A sua pequea emisso
acceita, e conservada na circulaQo com a ron-
fianra que inspiram as solidas garantas do banco.
As nossas operacoes nao tiveram incremento no
anno lindo. A conta das letras descontadas
principiou em marco do anno prximo passado a-
penas coai 78.": 180*929 rs., e ainda represeotava
por 748:990j749 rs. em agosto, inclusive do mes-
mo auno, quando mui de vagar foi apparecendo
alguma demanda de descontos, at os ltimos dous
mezes, que se tornou mais importante, resaltando
disto passar para o semestre que agora principia o
melhor negocio feito durante o passado.
No tempo da faKa de eruprego de capitaes, re-
mpileu--- cara ii Um iie Janeiro, afnn de serem al-
l colloradas da melhor forma, algumas sommas,
que ja se Uzeram recolher, sendo de maior conve-
niencia a sua estada aqui.
A importancia de 11:499*720 rs. de mais tres
lettras protestadas por falta de pagamento foi ainda
este anno ltimamente augmentar a somma dos t-
tulos em liquidacio. O movimenlo annual desta
conta o seguinte :
Saldo de 1864................... 266:453*244
Valor das tres lettras............ 11:499*720
protestado cofctra a presenca da forra armada, de- P*8^ se havia celebrado Das
clarando que nao voltariam s suas caderas, era ^air?.vl.n.^la...n} ???!2
ante-salas da as-
para que nao co-
277:952*964
Recebimento por liquidacao....... 150*420
dem por conta................. 57:238*575
Saldo do presente anno.......... 220:563*969
277:952*964
Contina rom moita demora a liquidacao desta
conta, sem alterar porra a espectauva de ser o
fundo de reservabem sufflciente para a perda
qoe offereca.
Tran.-fenranvse este anno lio accoes, sendo as
sim 141 os acciooistas acluaes, contra 147 do anno
passado.
Os empregados continuaram bem exercer as
suas funecoes. Somente foram gratificados no
principio deste semestre com metade do que cos-
tumavam receber animalmente, em vista dos limi-
tados inleresses do anno lindo.
Os lucros do 1 semestre foram. 100:981*689
Deduccoes .... 20:98*689
Dividendo..... 80:000*000 100:981*689
quanto all se mantivesse o cerro e oceupacao do
edificio por essa forca; porquanto o Sr. Caetano
Brito teria consultado a assembla, se se tratava
de urna indicaco ou de um protesto, e s depois
de sua deciso podetia regeita-lo, se todava licas-
se decidido que era um protesto feito as condi-
coes, de que trata o art. 149 do regiment interno.
Sei que, para que o presidente da assembla
provincial lome certas resolucoes, como seja a de
regeilar protestos contra alguma deciso da mes-
ma assembla depois de votaco, nao precisa do
apoio dos outros membros da mesa ; mas nao se
tratava de um protesto, e sim de urna indicaco,
que nao continha protesto algum, e neste cas as
palavras, proferidas pelo Illm. Sr.QDr. Costa Rihri
mrcassem os trabadlos suscitando-se discussao so-
bre os fados desagradaveis que se deram o anno
passado u) seio dessa assembla, o que era consi-
derado pelo lllm. Sr. Dr. Costa Ribeiro, que entrou
nesse convenio e foi eleito 1." secretario, como un
desservico provincia, convinha-nos por isto mes-
mo que outros, alem de nos, a nao assignassem, e
tanto isto verdade que, leado-se-me offerecido
para assjgna-la um dos deputados que prestaran)
suas assignaturas exposice, eu le disse que
preferamos que a indicaco s fosse asslgoada pelo
Sr. Dr. Cuoha Teixeira, e por mim, e isto mesmo
repel a este amigo, quando me perguntou se con-
vioha apresenta-la aquelles que haviam figurado
melhanca entre essa indicaco e a exposicao que m Franco, o lllm. Sr. Dr. Costa Ribeiro conlinuou
tinha assgnado em 18 de abril do anoo passado, na commisso de redaeco desse jornal, subscre-
entretanto que havia dito que havia identidade en- vendo ao que detorrr.inava esse directorio, que re-
ir a indicaco e aquello offlcio, desagradou-lhe, e, cebia a influencia de alguem ; e quaudo esse para faze-lo sentir, transformou minlia admlraco guem julgou que dovia aggredir-me nesse jornal
em pasmo e pasmo profundo; mas devo declarar em artigos de fundo, sem todava declarar meu no-
que nao foi para molesta-loque disse, que me bavia rae, nao me constou que o Illm. Sr.Dr. Costa Ribei-
adrai_rado, e por isto nao posso acoeitar a tran macao, porquanto a tanto ns foi minha adraraeo, essa picarda, embora elle soubese que eu nao me
e nao estou disposta a ir contra o quo dizem os havia posto fura de sua cvmmunhao poltica, e nao
lexicographos, embora me ponha em desacord cm
o Illm. Dr. Costa Ribeiro.
Eu disse, com elteito, terminando meu commu-
nieado, que para nossa justitkago,minlia e de
meu nobre amigo c collega, o Sr. Canlia Teixeira,
nao precisava mais do_que nao ter sido reeleita a' tida, sendo um de seuscorypheos ; entretanto, pos-
maioria da commisso de polica da assembla, %0 qUe alguem quizesse ver se rae altrahia sua
porque isto exprima um voto de falta fle confian- causa, levando seus esforcos at incluir-rne na cha-
ca da parte da maioria da mesma assembla, e: pa de deputados provinciaes pelo primeiro dis-
coustasse quo eu tivesse sido ou fosse Iraludor.
Achava-rae em Pars, em 1862, quando se fez
aqui a liga, da qual resullou o partido progressista,
e, regresando a esta provincia, fui informado que
o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro pertencia a esse par-
disto se aproveilou o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro
para dizer que bastava esse resultado, para que se
toroasse desnecessaria a apresenlacao de nossa in-
dicaco ; mas nao crea o Sr. 1 secretario que foi
a falta de confianza, que fez realmente nao ser re-
eleita a maioria dessa eorfrmissao, e sim o suppor
alguem que, effeotuado o convenio, qae tomou tan-
to a peito.se congragariam os dous lados da assem-
bla, e desapparecera o receio de opposicao, vindo
por este modo a passar suavemente todas as pro-
digalidades, que por algum tempo sero as des-
granas desta provincia ; e, para que se efectuasse
o convenio, era indispensavel a partilba dos lugares
da mesa. Se alguma cousa houve em todo esse ar-
ranjo, foi erro poltico, do qual vira a ser respon-
savel o directorio do partido progressista, que para
elle concorreu subscrevendo ao que delle exiga
esse alguem ; porquanto d'ahi resultar seu enfra-
quecimento na opiniao de seus correligionarios, e
emoaracos no futuro, vistoque elle nao deve contar
muito com essa noca liga.
Nao provoquei olllm. Sr. Dr. Costa Ribeiro em
meu oommunicado, nostoque desde algum tempo
note em seu proediment) a meu respeito cortos
motivos de queixa, e, se nelle fallei, foi por ter
sido o nico da maioria quo se digaou de oceu-
par-se com a indicaco; pelo contrario fui por elle
provocado. Accedo,pois, aprovocaco,senlindo se-
ment que o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro, citando o
que escrevi, supprimisse algumas palavras do final
de um dos periodos; porque foram estas sem du-
vida que o irapelliram a procurar-me.
Disse o Illm. Sr. Dr. Co>ta Ribeiro "que, novel e
inexperienle na carreira poltica, dcil em arceitar
os conselhos daquelles que elle julga habilitados
para Ih'os dar ; nao arceita, porm, as inspirarles
daquellesque se tem posto forada communliaopo
trelo eleitoral, que deixou quando teve do retirar-
se para nao vollar mais, eu conlinuei a ser liberal
sem msela. Tinha-se de proceder eleico, e eu
para que Dovisso meu nome passar por urna der-
rota, que servirla de argumento a intrigantes, diri-
gme aos eleitores ; mas em mnha circularal-
leguei somonte que era liberal de 1842, entretanto
o lllm. Sr. Dr. Costa Uibeiro, que anida era pro-
gressista, tai eleito, e teve grande votaco.
Logo depois da votaco, constou que o Illm. Sr.
Dr. Costa Ribeiro eslava desgostosp de seus novos ,
correligionarios, tendo interrumpido suas relacoes
com esse alguem que me havia aggredido no Liberal
Pernambucano e foi um dos promotores da liga ;
e com elfeilo vi na assembla provincial que era
exacto o que se me havia dilo. Entretanto, se eu
declarei por vezes que nao
porque previa seus resultados, nao quiz nunca en
irar uo ajuste de coatas entre os progressistas e os
deado o seu coracao, foram vtvas entoados a Sua
Magestade o Imperador, ao Eira. Sr. presidente
da provincia, e aos voluntarlos da patria, achando-
se all alguns, que tendo desta eidade seguido para
a capital com o Sr. alferes Tiburtino Pinto de Al-
raeida, Qlho da Sr. coronel do mesmo nome, li-
nham com o mesmo voltado, j fardados, dando
assim rnn incentivo aos seus concidados..
O Sr. Dr. Pedro Bezerra Pereira de Araujo Bel-
tro, um d)s encarregados do alistamento dos vo-
luntarios da patria, nao poupou esforoos, em um
seu discurso persuasivo, convidando os a se virem
alistar.
Em seguida o nosso veterano da independencia
poltica o Sr. coronel Tiburlino Pinto de Almeida
dirigi aos Victorienses urna calorosa proclamarlo
da qual surgiam os senlimentos de puro patriotis-
mo, de que sempre foi dominado o seu coracao ;
chamando-os ao campo da honra, lembrando-lhes
a gloria, e renome dos seus antepassados, e men-
cionando-lhes as vantagens, que o nosso encansa-
vel governo, na lula actual Ihes offereria.
O Sr. Dr. Casiano em um bem elaborado dis-
curso fez inculir nos nimos o amor da gloria ad-
quirida no campo da honra ;e que os reclamos da
patria ultrajada estavam alm de ludo.
Tambem nao deixou de ser ouvida a voz do Sr.
Dr. Cannazo relativa ao mesmo assumpto.
, O calor do sol mtenso, augmentado pela exalta-
cao dos nimos, de?ej...sos de correr as armas para
Tingar a patria ultrajada o olTendda, era ento
apenas suavi.-ado pela meloda do hymno nacionai,
que do quando em quando era repetido pela ban-
da da msica marcial ; vivas 6 gyrandolas de fogo
que subiam ao nr.
Este acto pois da cmara municipal, secundado
pela dedicado dos seus muoicipes, tem produzdo
o desejado effeito.
Nao pequeo numero de voluntarios se tem
apresenfado nestes dias, e muito breve chegaro a
essa capital.
Louvores por tanto srjam dados aos Victorienses
animadores do alistamento voluntario. Louvores
aos voluntarios da patria.
&
RIO GRANDE DO NORTE.
Somente agora que me chegou as mos o seu
conceituado jornal do 14 do mez ltimamente fin-
do, trazendo iocenda a minha ultima, por cuja pu-
blicado vou sendo ameacado petas autoridades
deste termo, as quaes pretenden) contra mim ex-
ercerem urna vingamja, e voz publica, que era
breve serei recolhido a cadea publica e..., perm
Bao me sendo possivel remar vou proseguir na-
; larefa.
No dia 7 de Janeiro tomou posse a cmara mu-
tinha adherido boa nic'Pal e os quatro joizes de paz deste districto em
'! cujo numero mo acho incluido.
A nova cmara tem a sua frente o commenda-
com seus nomes na exposicao e se tinham rotirado
ro nessa caslo'derara forca morai'ao SriCat,.- (,a ai*embla em 18 de abril do anno passado, de-
no Brito que, sabendo quo o Sr. i. secretaria ti- I,01S de naver canid o requrimento em que se pe-
nha entrado no convenio celebrado as ante salas dia ^retirada da for^a armada; e, se oSr. Dr. Gas-
da assembla no dia 28 do mez passado,na in- Par Drumraond teve em seu poder essa indicaco,
tenco de evitar-se opposicao, do que resn.J ai a es,a so lne '0I confiada depois de ter sido apresen-
partilha dos lugares da mesa entre progressista* e ua.*> e Isl mesmo o disse o Sr. Dr. Cunha Tei-
liberaes, contava com o apoio de seus collegas, e'xeira- Se a'guma cousa se deu a este respeito, foi
por islo, e sera dignar se de consultar a assemba Procurar-se conseguir que meo nobre amigo e ol-
acerra da natureza do papel que foi por nos apre-1 !e8a a nao aPreseulasse, e a razo que bavia para
sentado, regetou-o in limine, considerando-o como IS,0> era 1ae se desejava evitar que rompesse desde
um protesto, embora o Do fosse, como o prova a, l0S a opposicao, que j nao rompeu, porque se
mesma iniracao que loi puuiicaoa no uiario Je ,om at'ondido a podidos mens, como posso prova-
l'crnambuco, e deixou de s-lo no Jornal do Recife, lo e deixou-o entrever o Sr. Dr. Cuuha Teixeira,
que iranscreve os irabalhos da assembla, em vir- flWMo apresenlou um requrimento, em que pe- faria parte da commisso de redaegao do partido
lude de ordem transmitida ao respectivo lachigra- dia nformagoes relativamente a um processo que '
o juiz de direito de Pao d'Alho havia instaurado
contra o respectivo juz municipal, o Sr. Dr. Uaxi-
miano Lopes Machado ; e, se nao recorremos a as-
signaturas, nem por isto dei xa vamos de contar com
algOns votos, e se ente estes nao contavamos, nem
deviamos contar com o do Illm. Sr. Dr. Costa Ri-
beiro, era porque, tendo elle entrado no convenio
e achando-se eleito 1." secretario, para ser cohe-
rente e leal, Ihe cnmpria negar-se a d-lo ; mas
nem por isto, se a indicaco fosse posta a vetos,
va como um ataque soberana da representarlo
provincial.
Approximando so o dia da abertura da assem-
bla provincial, disse a diversos amigos que nao
comparecera, e ainda repet isto mesmo no dia
27 de fevereiro ; mas, sabendo que se havia cele-
bradlo um convenio entre progressistas e liberaes
gemirnos, e nao tendo nemcuuem meu nobre amigo
e collega, o Sr. Dr. Cualia Teixeira sido convi-
dados para essa reunio, reconheei que se nos que-
pho, o Sr. Carlos Falcao, pelo Illm. Sr. Dr. Costa
Ribeiro.
O -r. Caetano Brito, para regeitar in liminen in-
dicaco que apresentamos, prevaleceu-se de que
era um protesto contra deciso da assembla ; mas,
nao sendo ella, nem encerrando protesto algum,
estou persuadido que, se o lllm. Sr. Dr. Costa Ribei-
ro, em vez de oceupar-se, quando teve de fallar, do
setnproreito dessa indicaco, houvesse mostrado
quenaosedava fundamento para sua regeico,
Os lucros do 2o semestre foram.
Deducroes .... 32:343*987
Divideudo..... 80:000*000
112:343*987
112:343*987
Novo
1863.
banco de Pernambuco, I de margo de
Jos Joo de Amorim.
Presidente
Manoel da Silva Santos.
Joo Ignacio de Mederos Reg.
Joo da Silva Regadas.
.Manoel Joo de Amorim.
Manoel do Nascimento da Costa Monteiro.
Luiz Jos da Costa Amenm.
Jo.- Antonio de Carvalho.
PARECER DA COMMISSO DE CONTAS.
lUms. Sis. accionistas do novo banco de Pernam-
buco. A commisso fiscal do novo baoco de Per-
nambBco, em vista de balauco e exposicao que Ibe
foram apresentadas pela respectiva dirergo, rea
tivas s operacoes do mesmo estabelecimento, no
anuo decorrid do de margo de 1864 ao ultimo
de fevereiro prximo Ando.; e de parecer que seja
approvado o procedmento da direcgo, louvando-
se-lhe o disvello e acert com qne proseguio na
gerencia dos negocios a seu cargo.
Recife, 8 de margo de 1865.
Domingos Alfonso Nery Ferrelra.
Luiz Antonio Vieira.
Demonstrar? da conta de lucros e per das
em 28 de fevereiro de ISiio,
DEBITO.
Desperas geraes................. 12:933*532
porquanto ella nao era um protesto, e existe no re- oeixanamos de ter alguns bem significativos,
gimento interno o art. 108 que manda que as indi-' L"se no resumo do discurso do lllm. Sr. Dr.
cagues vo, Independentemenle de votago, s com- ^os,a Biheiro, publicado no Jornal do Recife, que
missoes a que por sua natureza pertencerem, di- e"e nayia pedido a seus amigos que retirassem a
vergindo neste ponto da opiniao do presidente da mdicago, de que se trata, porque j haviaraos con-
assembla, que pode errar, como ja le m errado, e se8u'do o fim que tinhamos em vista; mas, sendo
Sr. Caetano Brito se veria forgado a cumprir esse essa 'mlicagao apresentada pelo Sr. Dr. Cunha Tei-
regimento, cingindo-se ao art. 108 supracilado, e, xeira e por mim, e tendo-me posto fra da commu-
quando se nao quizesse de boa vontade sugeila'r a nnao Pl'lica d*o "Ira. Sr. Dr. Costa Ribeiro, est
isto, teria consultado a assembla ; entretanto o c,aro 1ne smente ao meu nobre amigo e collega
lllm. Sr. Dr. Cota Ribeiro procedeu diversamen- se navia dirigido seu pedido, embora este nao li-
te, deixaodo crer por seu silencio a este respeito, ve*se eotrado do convenio, e nao estando conse-
que considerava fundada a opiniao do Sr. Caelan guido Tltn. 1ae tinhamos em vista, islo ficar de-
Brito, e subscrevia sua resolugo. E nao se diga cidido se a maioria da commisso de polica da as-
que isso, que nao rez o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro smbla provincial tem o direito de requisitar fer-
podia ter feito o Sr. Dr. Cunha Teixeira; porquan- ?a arina(la. quando Ihe aprouver, nao podamos
lo o Sr. Caetano Brito, dando-lhe a palavra, deca- subscrever ao seu pedido ; excepto se o Illm. Sr.
rou Ihe que elle s teria de fallar pela ordem. Dr- r'osta Ribeiro estava persuadido quo, nao ten
De feito, quando o IUm.^r. Dr. Costa Ribeiro te-, do sido reeleita a maioria dessa commisso, devia-
ve de servirse da palavra, que lhc foi dada sera mos so P?r ist0 declarar-nos satisfeitos. Se o Illm.
reslricgo, nao emitto opimo definiliva a respeito Sr- Dr- t-osta Bbeiro houvesse recorrido a mim
da natureza do papel que apresentamos, embora Para ob.ter al"um servigo, provavelmente o leria
devesse faze-lo, porque s assim se poderia saber ^onsfRQido sem custo ; mas a retirada da indica-
corno considerava a ^resolugo do Sr. Caetano 5a0' nao 5 Pr QuaJto mi o dever, que me levou a
Brito, que regeitava-o in limine, pretexundo ser Prestar-lhe minha assignatura, e era ainda o dever,
um protesto ; mas empregou os termos indicaco e 1ue rae obrigava a insistir por urna deciso defi-
proleslo separados pela conjunego disjunctiva ou,! nit7a' -
e isto mesmo repeli no seu communieado; e des-1 Na0 sei se ,erei> nem espero ter, estando fra
de que o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro declarou que da communho poltica do Illm. Sr. Dr. Costa Ri-
o Sr. Caetano Brito eslava em seu direito regeiUn- Deiro> a fi"'una de ser reeleito deputado provincial
do esse papel, sem que Ihe fosse preciso o apoio' par:* a Pro*ima legislatura, principalmente se pro-
dos outros membros da mea, posque isto era ex- l0DSar;se a existencia da liga, a que oSr. l.e se-
clusivode suas atlribuiges, como presidente da cetario deu alent, entrando no convenio, por
assembla, reconheceu tcitamente que o conside- I03010 tudo corre agora satisfago do progresso,
rava, nao como tima indicago, e sim como um pro- i e,m.fretG da nica se acha olllm. Sr. Dr. Costa
testo, porquanto,1 a nao ser assim, o Sr. Caetano |BiDeiro i.mas posso afflrmar-lhe que, se anda vier
Brito nao tinha direito para regeita-lo in limine, a ser e,eit0 n?i de procurar obter urna deciso,
vistoque o art. 108 do regiment interno nao ofle- Qna'limr que ella seja, para que Qque estabelecido
rece duvldas. no regiment interno o que assembla provincial
E' verdade que o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro as Mlw acerlado. E nao esUre, Sr. Dr. Costa Ri-
palavras, que proferio e foram diversamente re>u-', D?iro' em meu direito, como deputado f Creio que
midas no Diario de Pernambuco e Jornal do Recife, slm:
oceupou-se somente de dizer qoe a apresentago; Na0 duvido que o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro en-
do papel, de que se trata, era sem proveilo, o pedi- ,endesse, o ainda entenda, de accordo com seus
ra sua retirada, porque nossa indicaciio ou proles- c.olle8as. liberaes como elle, que ainda quando nao
lo, termos de que anda se servio em sua resposta, l'vessem feito o protesto do anno passido, pro-
era idntica ao offlcio que mesa da assembla tesl 1ue se refera conservago da forga armada
provincial dirigirn), em 19 de abril do anna pas- em l?rno da assembla provincial e em seu recinto,
sado, os deputados que haviam abandonado suas ~ nao deviam este anno comegar os trabalhos sus-
cadeiras em consequencia da presenca da forga ar- cl?ndo se discussao cerra dos factos desagrada-
mada, nelle protestando contra a violencia do acto, veis- ni ahr| An %nnn fin'1" ""
hlica, a que elle pertence. Parece-meque i.- to bem ha excluir da corarauuhfio, para que ficassemo
positivo, e serei o primeiro a divulgar o que elle considerados como os exaltados da assembla, e
astutamente quiz deixar entrever. por isto resolvi-me a comparecer, o que fiz no dia
Desde 1856 vejo o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro {.- do correte com esse amigo. Comparecendo,
figurando na poltica militante, e j antes manifes-! julguei de meu dever declarar que nao tinba en-
tava elle opioiSes, sendo sab.do que perteocia ao: trado em convenio, e tomamos, eue meu amigo, o
; e, a nao ter experiencia, nao Sr. Dr. Cuaba Teixeira, a resolugo de apresenlar
'a iudicogo, de que se trata, propondo nella um
iweral, para o qual se passu em setembro daquol-' voto de censura contra a maioria da transacta
le anno, nem oceupar o lugar de, Io secretario do Com misso de polieia da assembla.
directorio do actual partido liberal genuino, em que: E que tem de reprovado meu procedimento 1
figurara homens que, ha tres annos, pertenriam a* I Creio que nada, embora muha d jelaracao tivesse
partido conservador; excepto se esse partido con-, posto em difilculdades aquelles que entraram nes>0
lia lugares importantes a pessoas, que nao eslo ] convemo, e a prova vio-se logo depois que o Exra.
no cas de desempenha-los. Mas, quando eu o ju!-: presidente da provincia leu a parle politica do seu
gasse novel, apesar de seus noue annos de pratica, relatorio.
e inexperienle, nao obstante figurar como um dos. Nao coatesto que me puz fra da communho
directores desse partido, nao procurara dar-lhe! poltica, a que actualmente pertence o Illm. Sr. Dr.
conselhos, nem inspira-lo, nao porque eu me tenha Costa Ribeiro, e declaro que nunca mais me acha-
posto Tora da actuar communho poltica do Illm. rei em sua communho, se elle nao vier a que te-
sr. r. Costa Ribeiro, e sim porque nao me julgo nho ; mas, se nao contesto o que foi dito pelo Sr.
habilitado para dar conselhos ou fornecer inspira- "
goes, principalmente a quem m'os nao pede. Jul-
go razoavel que o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro
nao acceite conselhos ou ospiragoes de quem se
poz fra da communho poltica, a que elle perten-
ce actualmente; mas, vendo no que disse um pen-
samento oceulto, que s pode prejudicar-me, se dei-
xa-lo passar como urna insinuacao, devo respon-
derme com franqueza, sentindo smente se esta o
afligir.
Vendo que o partido liberal, desfalcado com a
liga, e mal dirigido, como sempre lem sido, nao po-
deria conseguir que se mudasse a situago, decla-
rei que, nao tendo acceitado, nem acceitando com-
proraisso algum, tomarla a direcgo poltica que me
parecesse mais acertada, para que se conseguisse o
liberaes que se dizam gemimos, deixando por isto dor Antonio d Albuquerque Maranhao Cavalcanti,
as sessoes, logo que principiava a discussao dolW.Ia8M wpMdo pelo melhoramento de mu-
projecto de forca policial: mas sempre apoie com B1CIP' \ ma? como neste mundo nada ha perfeito,
meu voto o que se referia as partido liberal, e, se jr- ***> Coribono Justo Pereira, o vice-presi-
me retire no dia 18 d'abnl, protestando que nao i ao,e d eHa ....
voltaria assembla, em quaoto nella permane-! .t-sse individuoenrontrandoembarago na acquin-
ces:.e a forga armada, foi porque julguei que. nao S*> de. urna provisao para advogar, talvez pela pu-
devia sun'eur-ine essa violencia, que considera- blicagao de minha ultima, aparte qne Ihe diz res-
peno, mandou tirar por aqui alguns attestados por
intermedio de seu lio e padrinho o vigario Manoel
laarlo Bezerra Cavalcanti.
OSr. Januario conseguio reunir extraordinaria-
mente a cmara municipal e d'ella obteve um at-
testado era favor de seu sobrioho, cuja peligao se
achava assignada pelo Sr. Januario na qualidade
de procurador.
Consta-me que o Sr. Jaouaro conseguir mais
attestados em favor do Sr. Coribouo e que tambem
Ihe passra um outro.
Eis aqui os documentos com os quaes o Sr. Co-
ribono procura peraote o Exm. Sr. presidente da
relago contestar o que contra elle tenho dito pela
imprensa, porm o mesmo Exm. Sr. saber apre-
ciar taes documentos, que alera de serem gracio-
sos nenhuma importancia se Ihe deve dar, por
quanto, os attestantes sao sospeitos para tal Um.
A cmara municipal seria to ignorante que era
um attestado dissesse que o seu vlce-presidenle
de pessima conduela! I...
Isso importarla o mesmo que dizer somos
rantes e mais infames do que elle.
Cusa a crer, mas urna realidade, que
Januario sendo procurador do Sr. Coribono,
conseguir taes attestados, fosse capaz de nm fa-
vor de seu constituate attestar sobre sua con-
ducta I I
Felizmente ao Exm. Sr. presidente da relagao
pertence o julgameuto desses cavilosos attesta-
dos...
Se o Sr. Coribono quer provar que nao tem pes-
sima conducta, e que nao perder por isso as qua-
'dades de jurados deste termo, requeira ao Exm.
igno-
o Sr.
para
1 secretario, nem por islo doulhe o direito
de erigr-se era juiz de meu procedimento, por-
quanto, se ellejulgou-se autorisado para fazer-se
Um desejado, e isto mesmo repet na reunio que
leve lugar na casa, em que resida o Sr. Dr. Urba-1 ao'fim.Vqne me propuTetrando em politica na
no Pessoa de Meljo, das antes da sua partida para: quelle anno.
Sabem todos que eu nao tenho aspragoes, pois
de conservador liberal, de liberal progressista, de *; Dr- Olyntho que Ihe mande dar por certido a
progressista liberal genuino, e de liberal genuino mformagao que o Sr. Dr. juiz de direito dra sobre
vollar aos progressistas por meio do convenio, jul- llegado na petigao de recurso dos jurados ellmi-
go-me autorisado pela mesma e melhor razo gy?A?._af>f?Se'l.te'8e asau'or_'dades competentes
para concorrer com meus
mude a situago, e seja
tuico, funte de todas as nosssa liberdades, tor
naudo-se urna verdade o systema representativo.
Pouco me importa a dcaominago que tem o
paido, a que me encorporei para isto. Nao
as denominagoes que fago consistir o mrito dos |
partidos, e, tendo perdido as esperangas de ver
realisado o que desejo desde 1812, me ho de per-
mitiir que me associe aquelles que podem chegar
esforgos afim de que ao Publico pela imprensa, porque, s assim que
respeitada a Const-, se contestara os factos.
Mas, b. s. nao e capaz de cahir nessa orriola
porque bem conhece de que lem feito II...
Consta-me qae o Sr. Dr. promotor publico, que
prente e amigo do Sr. Coribono Ihe dra tam-
bera um desses graciosos attestados era signal de
agraderimento do voto que Ibes prestara para de-
putado provincial...
Se me fosse permitlldo dizia ainda quo o Sr. Co-
ribono, sendo saquarema, em das do anno passa-
do estando no estabelecimento do Sr. Ignacio Jos
Pacheco, ahi, por um quarteiro de vinho, consen-
tio que se Ihe rapasse a peira, sendo esse vinho
que s desejo poder viver na Europa por meio de ,
meus recursos inJividuaes, e, se fui procurar novos I dad, Pr Anlero uarle PlDt0 de Mesquita...
alliados, nao o fiz na inlengo de ver satisfeitos For e#.ses outros actos fagatn idea o publico do
meus interesses pessoaes. A minha pouca forga immto e cazar esse Coribono.
est na prolisso, que exergo com alguma repula-! Us gneros alimenticios se encontram cora gran-
go, e na pequea fortuna adqueri la or meio des-1d? escasstZ e Pr a" P^go, nao so, pelo forte ve-
sa prolisso, de herangas, e boa gerencia de meus rao' coino 'a'pbem pela falta de conductores ao
negocios, sendo tudo isto ajudado pela ecouomia. Se mercado publico, isso em consequencia do mal de-
cu tivesse alguma pretengo, esta seria abafada lalhado recrulamento que dirige o celebrrimo
pela dignidade de meu carcter. subdelegado terceiro supplente, Custodio Rodrigues
Se o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro julga que lem freir .\laia, e o nianhoso delegado Sebasto
o direito de proceder em politica como eutende,' Polprpo d piiveira..,.
porque razo eu nao julgarei ler o mesmo direito _._"l%0.,inal d?iam_ad.0_.recru.lameD,0> Porque, os
l.'ui i|ue i.i.ni eu iiiiu juiuaiei le o nie.-mo uireno .--------: .---------- *" wu>
para ir francamente associar-me aquelles queguer- 1ue es,a" "as crcumstancias de serem recrutades
ream a situago actual, que por certo nao a da 8""" da proteegao dessas autoridades e seus
Premios de saques e remessas.
Commisso do fiscal........
Fundo de reserva
Pelo de ti 0|0 sobre
Rs
91:634*709
Saldo da conta de lu-
cros e perdas.
3:499*282
153*427
:2.)3*746
1:500*100
5:654*709
6:000*0(0
Dividendo 14................... 80:000*000
Rs. 113:343*987
CRBD1T0.
Descontos...................... 58:791*000
Juros da garanda d'emisso........ 30:811*614
Juros........................... 22:741 *373
Commisso
tes,......
do presidente egeren-
Rs.
112:343*087
O guarda llvros,
Frtncisct Joaquim Pereira Pinto.
veis, que se deram em abril do anno lindo no seio
e declarando que nao voitariam assemba"em- ida asseml)la ; mas se me ha de permittir quo eu
quanto all se mantivesse essa forga,que foi manii- creia 1ae eSia reslugo nao for tomada por censi-
da at o ultimo dia de sessao, offlcio que o Illm. derar-se isto como umdesservigo proviucia, e sim
Sr. Dr. Costa Ribeiro confunda com a exposicao, PQr1Ut a. nao faze-lo se haviam comprometido
que existia em meu poder, e foi publicada no Uta- aciuelles liberaes, como elle, que entraram no con-
rio de Pernambuco de 7 deste mez ; mas nao bas-. venil)' '.se nao. fora assim, o lllm. Sr. Dr. Costa
lava mais do que isto para que o Sr. Caetano Brito Rlbe,ro Dao seria lto 1." secreUrio, por quanto
se julgasse apoiado, e iusistisse em manler sua ar- elle nao dispunha era seu favor dos votos da maio-
btraria resolugo, bascada em que se tratava de ria da assembla, que Ihe era mfensa em conse-
um protato, a nao de urna indicaco. ^uencia desses mesmos factos desagradaveis do
Para qoe eu publleasse a
anno passado, e o uo acceitaria seno debaixo de
por "SER SUS | t^SSjUTas qaaes""" *
pela primeira vez no Diario de Pernambuco, nao
me era preciso obter a approvago ou aotorisago
O Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro considerou como
a corte; mas, nao obstante isto, continuei a pres;
tar, na imprensa, meus serviros a esse partido,
todos sabem que na assembla provincial nao aban-
donei a sua causa.
Approximando se o dia 7 de setembro do anno
passado, em que se tinha de proceder eleigo de
vereadores e juizes de paz, e prevendo que o resul-
tado nao seria favoravel ao partido liberal, solado
e guerreado de morte pelo progressista, que oceu-
pava, como ainda oceupa, toda* as posigoes officiaes,
propuz urna junego com o partido conservador,
sem fuso de principios polticos, e sob condiges
mu vantajosas para o partido liberal; mas, sen-
do inteiramente contrariado pela maioria do direc-
torio, reunido na noite no Io d'agosto daquelle au-
no, nisto inDuindo poderosamente o Illm. Sr. Dr.
Costa Ribero, retirei-me da reunio, declarando que liberdade ? Sel bem"o quo"qeriam '; mas fltate- amJ80S-,
daquelle da em dame eu nao faria mais parte des-! ihes o calculo. Nao procure! um partido no poder,! Becrulam-se aleijados, fllho nico de viuva, e at
se directorio, e deixarla de porteocer a esse part- como fizeram aquelles iiber.es que entraram oa liga al8UDS d?lle ostentam, alm da infeliz me algu-
do liberal, que esse directorio representava. To- em 1862,porque os progressistas dominavam.occu- mas "-maes' assim como irraaos orpbos que os
davia nem por isto tenho host.lisado o partido ti-! pando as posigVs olllciaes liguei-me a um partido tem seu car e subsistencia...
beral: pelo contrario anda nao deixei de lomar i que, segundo dizem seus adversarios, nunca mais1 Nao ha garantas nem mesmo aquellas das ins-
sua defesa, e creio que o Constitucional nao o tem voltar ao poder, e por isto se nao devem aflligir truccoes do recrutamento de 10 de julh) de 1822,
maltratado; e devo oonfessar que ainda nao tenha com meu procedimento que, se lem alguma cousa' Da J,arle 1ae isenIa do recrutameoto, irraao de
queixas desse partido, sendo de notar que na do vergouhoso, s a mim deve prejudicar. ornhan n,i,> nvf-
eleicao a quese procedeu, eni setembro, para ve-1 Durante vinte e dous annos militei as fileiras
readores na chapa desse partido, e fui o mais votado em al-! e anda nao mudei de crengas polticas. No Brasil
1 todos querem a liberdade : islo mesmo confessou
o Exm. presidente da pro/incia em seu realo, io.
Assim, pois, nao me parece que traio miabas creogas
umndo meus esforgos aos daquelles que procurara
derrubar esta situago, qae a menos liberal que
se tem visto.
Basta : cumpria-me ser claro e franco, e por isto
vi-me forgado a ser mais extenso do que dese-
java; e repisar mesmo.
Dr. Joaquim de Aquino Fonceca.
13 de margo de 1865.
gumas freguezias.
Sei que de ter eu declarado, que nao fazia mais
parte do directorio desse parlido liberal, a que ac-
tualmente pertence o Illm. Sr. Dr. Costa Ribeiro,
se tem servido certos intrigantes para indisporme,'
e sel mais que isto mesmo se procurou fazer valer
na reunio que teve lugar na assembla provincial
no dia 28 do mez passado, da qual resullou o con-
venio, j preparado com antecedencia; mas nao
serei eu quem procurar impor confianga ao parli-
do. Todava posso afflrmar que, militando mesmo
as fileiras do partido conservador, e o fazendo por
estar cangando com illuses o decepgoea, e desojar
que esta provincia chegue realidade, a que nun-
ca a far chegar esse partid), que o Illm. Sr. Dr.
Costa Ribeiro e outros liberaes, como elle, dirigere,
daaue.lesque Ihe prestaran, suasassisnaturas, por-1 um desservigo prvin"cia"o7ome"c;a7em "oT uZ-1 "ei fflSs ^T,zeT^^
quanio essa exposicao nao era orna carta, mas sim Ihos da assembla suscitando-se d scossoes acerca i sores entretanto npwnrnrim ^rf,
pega meramente politica, cuja publicado se torna- dos factos desagradaveis que em seu seio se deram co fees e tulS, %? WroS do que digo'eslaIra
va n*cessana para prova do que eu havia dito em em abril do anno passado, e bom que o tivesse aue Dodeodo en snrriii/r rrm ^ C ?1 r,
MS^*1 *f2SM seess,a di, em seu M'!o. P>n.qae ncasse^egisTra- ?am SSTm^SmSZ^^ ^Jlt
pega meramente poltica, cuja publicaco se torna- dos factos desagradaveis que em seu seio se deram coru-tles e ZZ, V aTrova do aue tiro enl
va ru-res.-ari.-i liara nrnva lio nnt>. n hasia Am am am shnl Ar. an .,..; .!.. k_ x ___ ,. ^ y piovrt uu (jue Oigo esta era
o tivesse que, podendo eu especular cora a
registra- ram outros, prefer romper relacoes de amizade
mas, se assim nao posso deixar de admirar- que apreciava, a ver soffer o oartido cuis cansa
me que. tendo o Illm. Sr. Dr. Costa Rfbe.ro entra- efendi durane vinte e dous annos S'm ZZTer
CORRESPONDENCIAS
posico deixon de ser apresentada mesa da as-
sembla provincial em sna sessao de 18 de abril .
do anno passado, nao foi porqno nisto Do tivessera do no convenio cora seus colleiras, liberaes como n jara i
conviBdo como suppoe o Illm. Sr. Dr. Cosa Ribei- elle, para que se realisasse seu desiieratum seT memSinloS TU TZ?r
ro.aqaeltei deputados que a assignaram, mas sim solvesse a assist.r reunio que teve lugar no dTa d Soledla ni rttonnw^S?..'0***11' desta Prov'DC,a .cora decrel imperial, cream
porque se tendo elles retirado precipitadamente da 4 deste mez, afim de saber-se se convinlfa romper wr^tSlf^^r&^XL^^9'!!' "l.^PO ? voluntarios da patria' deu pressa
assembla, nesse da, sendo en o orimelro nne o fir m A**d* tam am mm** n ..l*.?P.L If 2"?*.22S*S relaces. de dlD'"d^. inlerrom-; publiracSo dessas pecas com a maior srdemnirt-,,
Srs. Redactores.Nao devendo firar em silencio
o que se vai passndo por esta eidade a respeito
da causa, que ora oceupa a attengo de todos os
braslleiros, agnerra do sol ; resolvi-me alomar
esse trabalho, levando-o ao vosso conhecimento e
ao mesmo tempo rogando-vos a sua publicidade
as paginas do vosso bem conceituado Diario
A cmara municipal tendo recebido a muito
patritica proclamagJo do Exm. Sr. presdeme
desta provincia com o decreto imperial, creando
assembla, nesse dia, sendo en o primeiro qoe o fiz,
logo que cahioo requrimento, em que se pedia a
retirada immediata da forga armada, o que teve lu-
gar apenas por tres votos, ilcou ella em meu poder
e deixou por isto, e sopor isto,de ser apresentada.
pegas com a maior solemnidade
sedesde logo ora opposigo ou esperarse'ainda m7*tt*Zlffm^
pelos factos, porquanto, tendo-se celebrado o, con- formagSes polticas, e subscrever l eieoci;ui illa- NeKmimn.
ven.o para que houvesse fuso entre o dous lados gaes, nao tena sido ezUoclo o conwto de Carne i u?- nente-coronel Jos Mendes
d. assembla, isto maioria p-ogresstsla e minora falubridade publica, SSmSSUm. eS S GomT'daftit loV^'*?. JSe Ai/ares
liberal, nao se dev.a cu.dar lao de prompto de sa- nao teria sido'demiuido de presidite' da f2 Sdcuaba? ^^^"iSa^
do
orpho que tiver a seu cargo a sua subsistencia e
educago; filho nico de viuva ; filho nico de la-
vrador, ou em a sua escolha, quando houver mais
de nm, que cullivarem trras, proprias ou arrea-
dadas; feilor ou administrador de fazenda com
mais de >eis escravos, quer seja de plaotagao cria-
go ou olaria; tropeiro, boiadeiro, mestre d'e offl-
cio com toja abena, pedieiro, carpineiro, cantero
e mais officiaes de offlcio, uma vez, uns e ootres,
que exerciiem os seus offlcios effectivamente, e te-
nham bom comportamento: assim como outras
muilas execugoes mencionadas as supraditas ins-
truegoes que deixo de as menciooar aqui por ser
um pouro instenga.
Em vista de to horroroso procedimento as
changas e alguns paes de familias abandonaram
suas casas e rogados, e buscaram as maltas para
seu as y lo.
Por tudo isso paralsou o comraercio, soffre o
commercio, soffre a renda da provincia, e finalmen-
te todos nos soffremos...
E qual a causa de tantos soffrimentos ?...
As autoridades corrompidas...
O foro se acba parado, por temerem as partes-
demandaren) peranle autoridades que nao Ihes ins-
pirara conlianga e serem ellas acensadas por crl-
mes de falsidades, sem que as autoridades upe-
rioras da provincia procedara centra ellas ou man-
dem tomar conheclmente de seas crimes II
At esta dala uenhum procedimento tera havido
contra os autores da falsiflcago do processo do
Joo Conha, e pelo que teDbo onvido, nada have-
ra contra elles, assim como contra o Antonio Jos
Jeronymo pela negociada das madeiras, e conti-
nan) a serem do peito do Exm. Olynth)
a subdelegado Custodio, qae se acha em exerei-
oo, em uma diligencia ao engenbo Estrella, acaba










arlo etMiMUM^tofi tetra i fMirf de ttft.
de disparar ama pistola sobre o inspector Manoel, cni padaria
I ernambuco, que felizmente por estar muito perlo 'orno da mes
d'elle e ter podido dar cora mo aa pistola" dei-
xoa de snccumbir Insntaaeamente, por ser o tinr
a qneima-roupa; decujoacto cabo de ser infor-
mado por pessa 4a escolta para o qual chamo
atiencao do 8r. f>r. chefe de polica, ja que o Exru.
Olynlho a nada se move.
Deus queira ter compaixo dos pobres habitan-
tes oeste infeliz termo...
Acabo de despachar urna pelicao de queixa con-
tra o encyclopedlco Custodio pelo crime de-a1sida-
de, em coQseqaencia de ter elle falsificado no pro-
tocollo o termo de ama audiencia com o flra de
prejudicar-me em urna causa que advogo; peto
que pretendo proseguir na aecusags at a ultima
instancia, e tenho f que elle desta vez nao Iludi-
r o sabio formador da culpa.
Por mais de urna vez tenho chamado a attengio
10 fundo do quintal con um grande
padaria, avllala er 3:000*000
pntolfca para o estado deste cantioho, e tudo tem
sido baldado, porque o Exm. Olyntho parece que-
rer levar em capricho sustentar as autoridades
deste tormo, erabora isso cusle derramamiento de
sangue, o que se espera a cada momento, pelas
provocaces exercidas pelo subdelegado e seus
sapplenies, que serven alternativamente.
Na segu nte tratarei do pessoal da polica, seus
actos, inclusive o recrutamento.
Sade e boas autoridades Ihe desejo.
Ignacio Leopoldina d'A'buquerque Maranhao.
Villa da Penha, 8 de feveretro de 1865.
urna dita noesm lugar atada por acabar com
duas poetas na/renta, em caixo, com tra vejamen-
to para soto, cera deas janeMas no oitio, com quin-
tal e cacimba, dividido o quintal com varas, avalla-
da por 1:300*000 Asquaes casas foram peohoradas
por eneencaa de rfanoel Carpinteire a Silva contra
Antonio Bao. E nao havendo lancador que cubra
o prego da avaliacao a arrematagao ser feta pelo
prego daadjudcago- na frma da lei.
E para que chegue ao conheciraento de todos
mandei passar o presante, qne ser publicado pela
tmprensa, e afflxado no lugar do coslurae.
Recife, 11 de marco de 1865. Eu Manoel Mara
Hodrigues do Nascimento, escrivao, o subscrevi.
Tristo de lencar Araripe.
-- O lllm, Sr. laspector da thesenran provin
cial em cumprimento da ordem do Exm Sr. presi
i A arrematagao ser feita na iprma da lei pro-
vincial n. 343 de 13de maio dTi85i, e sob as-
Clausulas espociaes abaixo declaradas.
Al pessoas que se propozerea esta arremata-,
cao eomBarecao ta sala das atssoes da referida
junta no da cima mencionado pelo meo da e
competentemente habilitada.
E para constar se mandn ptrMiraf o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buoo, 9 de marco de 1865.
O secretario,
Antonio Perreira d'Annuneagao.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
)s reparos da ponte de Goianna na
chinas, ealdefrW, appareiho, veame, amarras o
ancoras em regular estado.
Inspeccio do arsenal de marioha de Pcrnmbu-
co, 13 de marco de 1865.
S. C dos Santa".
Servindo de inspector.
ana* Casa da Misericordia do
Recife.
V l\'m-'aM administrativa fla Santa Casa de
isei-Hr jrdia do Hecife manda fazer publico que
no da, Ib do corrale pelas 4 boma da tarde na
saia necimeoto dos genero que houver de consumir,
nao so os estabelecimentos do caridade como tam
-----ar------------- -- u i-.\ui kji iii ca-
dente da provincia de 23 do corren te, manda fazer
publico que no da 16 de margo prximo vindouro
perante a junta da fazenda da mesma thesouraria,
se ha de arrematar quem por menos fizer os re-
paros de que precisa a estrada do Porto de Galli-
nha> avahados (em 748*000.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854. e sob as
claosas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
PBLIC1CIS A PEDIDO
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Todos os mdicos que especialmente se leero
dedicado cura das molestias das crianeas, asse-
veram que as pastilhas vermfugas de Kemp o
remedio o mais excellente e efflcaz que at hoje
tem sido conhecido. Acham-se ellas exclusivamen-
te preparadas com as substancias vegetaes as mais
salutferas. 11 seu sabor delicioso, nao causam
nauseas nem dores, etc., prodnzem seu effeito
completamente sem que seja preciso logo imme-
diatamente usar de nenbuma especie de purgan-
tes. Tanto as mts como os propries filhiuhos
nunca, desesperam dellas, porque se as primeiras
teem completa eoaflanca nae pastilhas, estes olti-
mos as tomam com o maior prazer possivel. Des-
da qne estas admiraveis e incomparaveis pastilhas
foram descoberlas, todos os demais vermfugos as-
Suerosos teem sido quasi inteiramente abandona-
os e desterrados por lodos. As pastilhas verm-
fugas de Kemp se acham lindamente acondiciona-
das dentro de frasquiohos de crystal, nao s para
sua bi exportago como para sua conservagao
contra todas a9 vlcissitudes dos tempos.
A' venda na loja de Bravo & C, e de Caors &
Barbosa.
js reparos da ponte de Goianna na importan- ( --" omhmb ramu idm-
cia de 2:200,9000 sero feitos deconformidade com "^f 0olle8.'s <*? orpbaos no trimestre de abril
o respectivo orgamento approvado pela presiden-
CI3.
2" O arrematante dar comego aos trabalhos no
prazo de 15 das, e os concluir no de tres raezes,
contados ambos na forma da lei.
)s pagamentos sero feitos em duas presia-
unho prximo futuro
Estabeh cimento de caridade.
Manteiga franceza. libra; tapioca, idem; caf
ern grao, dem ; assucar braneo em torro, arro-
ba ; assnear refinado, idem ( nMntM reliando se-
gunda, orle, dem; arroz pilan do Maranhao,
dem | bacalho, idem; toucinho de Lisboa, idem;
PARA 0
Rio de Janeiro
segu com malla brevidade o patacho brasilero
Pluto, o qaal recebe alguma carga e escravos a
frea : a tratar no escripterb de Amorim frmos,
ra da Croz n. 3, ou com o capitao Joaquim Jos
da Motta, na praga do commercio.
Maranhao
O prthalwle Ganbaldi segu para Maranhao por
esujs dias, recebe carga : a tratar com Tasso Ir-
maos.
ta, no da cima menconado, pelo meio-dia e travios ser o respomavel al que eflectae a dita
50MME1GI0.
.Vovo banco de Pernan-
bueo.
O banco paga o 1 i" divideado na razo
por aeco. a
.\'n>vi baneo de Pernambnco.
O bauco descoma letras na presente semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis niezes,e
torna dinheire a juros a praso nunca menor d,<
tres mezes.
Alfandega
Rendimenlo dodia la 11....... 303:6852770
.dem dedil 13............... 77.0760I1
380.761*781
ti ovimento da alfandega
376
1,234
----- 1:610
128
641
769
''A un ese ntradosconif azendas.
com gneros..
Voiumes sabidosconi (azendas.
i com gneros ..
Oesarregam no di?. 14de margo de 1865.
Brigue inglezBeUow Crest mercadorias.
Barca ingleza Seraphtnaidem.
Calera inglezaHerm>one carvao e ferro.
Barca ingleza ron Gen objeclos para a estrada.
Brigue inglez -Carne-idem
Patacho in?lezEra bacalho.
Brigue hespanholAgui/jno couros seceos.
Barca inglezaD. Mana -carvao.
Barca inuiezaCandadcarvao de pedra.
Ilrisne inglez James Stwart idem.
Brigue inglezEUzia idem.
Patacho inglezUniwnte-Idem.
Reeebedorla de rendas nter-
nao geraes de Pernamhneo.
Rendimento do da I a 11........ 22:7874499
idem do da 13................. 4:647#014
competentemente habilitados.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de fevereiro de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Clasulas especiaes para a arremacao.
1' As obras dos reparos da estrada de Porto de
Gallinhas serao feilas de conformidsde com o or-
gamento Junto na importancia de 748*000.
2" O arrematante dever principiar as mencio-
nadas obras no praso do 10 das, e conclu-las no
de 3 mezes, ambos contados da data d'arrenrata-
go.
3a O pagamento ser realisado em duas presta-
goes igoaes, a primeira qnando tiver o arrema-
tante feito metade das obras, e a segunda qnando
tiver concluido todas as obras e entregue diflnitiva-
mente.
4' Para tudo mais que nao estiver especificado
as presentes clausulas seguir-se-ha o que deter-'
mina o regulamento de 9 de julho de 1864 que re
ge esta repirtigao.
Conforme.
Amonio Ferreira d'Annunciago.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, oficial da im-1
perial ordem da Rosa e juiz de direito especial'
da'1S'eaaSS 3J3!KS SJSS *f ."BS*"^
dos os trabalhos. uumuuww velas de .permacete, masso de 1 libra ; farioha
4- Na execugio dos trabalhos o arrematante se- lqSf^Ak^'WnfiJ fe|a m!,la,in.ho'
gnira restrictamente as instruegoes do engenheiro raocJ u,d?? SJLt'&Zl "2* dU>
encarregado da ffecalisago dos trabalhos. | Trlh ffi ig **! ,'?nc?' canada ; vi'
i; carne verde, libra ; pao e bolacha, libra.
provincia de Pernambuco e seu termo, por S. M.
I. e C. o Sanhor D. Pedro II quem Dos
guarde.
Fago saber aos que o presente edilal virem e
delle noticia tverem, que por parte de Joaquim
Rodrigues Tavares de Mello me foi dirigida a pe-
tigao do theor, forma, modo e maoeira segninte :
lllm. Sr. Dr. jura de direito do commercio.-Diz
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, negociante
estahM'ecidfl com loja de fazendas na ra dw Quei
27-434*513
Consalado nroTlnclal.
Rudimento do da 1 a 11....... 37:367*212
Usa do da. 11............... 9 165*435
46:532*647
. .,--------' .<-""~ ua i im un yuti- gira resine
ijia.iuji. 3, que para o noi de interromper a pres-1 encarregado
cripcao contra seus seguintes devederes ; a saber :' balhos
Josc Louretigo de Medeiros Muniz da quantia de
60*410 por letra vencida em 13 de jaoeiro de
1861, Alberto Jaciniho de Souza da quantia de
2ob095 por letra vencida em 2 de julho de 1857,
Jos Joaqnim de Ollveira da quantia de 149*40
por letra vencida em 15 de dezembro de 1860, An-
tonio Manoel Lages da quantia de 346*820 por le-!
ira vencida em 1 de maio de 1860, Antonio Fran-'
cisce Vieira da quaulia di 1:069*290 por letra
vencid, em 28 de abril de 1861. Joao Antonio Pe-
reira Ramos a quantia de 612*950 por letra ven-
cida em 13 de juliio de 1860, Antonio Lobo Alber-
tim da quantia de 161*500 por letra vencida em 2
de Janeiro de 1861, Manoel Affongo de Azevdo
Albuquerque da quantia de 5:278*480 por 5 letras
da importancia de 1:035*G90, vencida a primeira
em 22 de novembro de 1861, e as oulras subse-
quenlemente de 4 em 4 mezes, Manoel Jos de
Souza Lima da quantia de 386*778 por letra ven-
Collegios de |orphos.
: Assucar refinado, libra ; caf em grae, idem ;
manteiga franceza, idem ; arroz pilado do Mara-
inao dem ; batatas, dem ; aletria, idem; pao e
noiacha, dem; toucinho de Lisboa, idem; fari-
nna de mandioca, alqueire; feijo, idem; azeita
doce, garrafa ; vinagre de Lisboa, idem ; sal, cuia;
lenha em achas, cento.
As propostas devem ser apresentadas em cartas
lechadas, devendo ser especiaes ja para os estabe-
lecimentos de caridade e j para os colleglos de
orpnaos; sao Umbem aceitas propostas somente
para a carne verde e para o pao e bolacha.
Os pretendentes po-Jem dirigir-se a esta secre-
taria as horas de seu expediente, am de colhe-
rem as informagoes, quejulgarem precisas e no
amo da arrematagao devem comparecer acompa-
sados de seus Badores ou munidos de cartas
destes qoellcaro responsaveis pelo inteiro cum-
primento dos respectivos contratos.
Secretaria da santa Casa da Misericordia do
Recife 10 de margo de 1865.
, -" O escrivao.
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Da ordem do lllm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz publico que
no da 18 do crreme mez, a 1 hora da tarde, es-
tar em hasta publica perante a mesma thesoura-
ria para ser arrematada a quem por menos fizer,
a obra de um pequeo laogo de caes que tem de
ligar o encontr da ponte de ferro do Recife ao
caes do passeio pnbftco, e o fornecimento d'agua
potavel ao forte do Buraco e ao laboratorio de fo-
gos : as pessoas a quem convier a mesma arrema-
tagao, devero comparecer na soljredita thesoura-
' ric no dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de faiwnira de Per-
nambueo em 13 de margo de 1865.-Manoel Jos
Pinto, servindo de offlcial-maior.
Arremataco.
Na praga do juizo de orpb do dia 14 do cor-
o u arrematante nao lera direito a indemnisa- rente, depois da audiencia, lem de se arremataren
geoalguma, qualquer qne seja a natureza da alie- dous escravos,sendo utna escrava de todo ervico
gacao, que para esse nm fizer. nm h*hi entrega.
__&* O arrematante nao ter direito indemnisa-
gao alguma, qualquer que seja a natureza da alie-
gago, para esse Jim fizer.
Conforme.
Antonio Ferreira d'Annunciago.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Ezm. Sr. presi
dente da provincia de 4 do correnle, manda fazer
publico, que no dia 23 do mesmo, perante a juuta
da fazenda da mesma thesouraria, se ha de arre-
matar quem por menos fizer os reparos de que
precisa ponte de Bujary sobro o rio Tracunhaem
avahados em 330*000.
A arremataco sera feita na forma-da lei provin-
cial n. 343 Je 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
gao comparegam na sala das sessdes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de margo de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Clausulas especiaes para arrematagao.
provincia ue PernamLncoe sen turma or s; m o a~ iinniw .._ #_:._-.,_'.'. *. .._
ca de 330*000, sero feitos de conformi iad com
o respectivo orgamento approvado pela presiden-
cia.
2* O arrematante dar comego aos trabalhos no
prazo de 8 dias e as concluir un de 30 das, con-
tados ambos na forma lei.
: 3" O pagamento ser feito em urna s prestago
| depois dos trabalhos concluidos.
4' Na execugos dos trabalhos o arrematante se-
guir restrictamente os instrucgSes do engenheiro
ili -n.i I _^_^_j. !
da fiscalisacaj dos mesinos tra-
gago, que para essa fin fizer.
Conforme,
Antonio Ferreira d'Annunciacao.
DECLAMASES.
MOVIMESTO DO PORTO
Afamo sahido no dia 14.
Liverpool Barca ingleza E. M Corning, capitao
William Hebert, carga algodo e assucar.
demPatacho inglez Elisabelh Bortlr, capitao Pe-
perell, carga assucar e algodo.
Observacao.
Nao houverara entradas.
Caixa (ili.il do baneo do Hrasll
em I'eruanionenn
14 de netro ieiWo.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aos credores de --ebastiao Jos da Silva a virem
receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
en_ raieiolhes toca da venda de urna das proprieda-
cida em 10 de julho da 1860, o si.bredito Alberto 1nese""do aeoncordata.lhe foram entregues
Jacintho de Sotaa daoaotia de 196*280 por letra Paraserem vendidas.Ognarda-livrof,
vencida em 10 de marco de 1857, Joaquim Basts- Ignacio Nunes Correia.
ta da Silveira da qnantia de 327*900 por letra
vencida em 14 de (jezembro de 1861, Jos Duarte H ordem da directora desta mesma caixa se
Correia de ullioesi da quantia de 360*000 por le- fa* publico aos senhores accionistas que o respec-
tra vencida em 14 Ue margo de 1862, e o mesmo tivothesoureiro est autorisado a pagar o 22 di-
Manos! Jos de Souza Lima por outra letra" da videndo de 10* por aegao
quantia de 386*788 vencida no I- de fevereiro de i O guarda livros,
9 462*901ma lUd ,mPonancia de res j t Ignacio Nunes Correa.
E oniue todos os supplicados se acham ausen- Santa ^asa d Misericordia d-0
tes em lugar nao sabido, sendo natural que altura Hf.rif
delles tenha fallecido, quer o supplicante Kisu- i ui "
car a ausencia, e faze- os citar, e ao aue mCes- u-A ,lifn 'aBia admiaistrntiva da Santa Casa de
sar possa por ditos para o flm d "4rTpre'cri ^iserieordia do Ree.fe manda fazer publico, de
cao das referidas letras interrompHa nos termos da foaHforraidade com brdeos do Erm. Sr. presiden-
primeira parte do 2-do art. 453 do cdigo do i"kI*.?!1"0"! I^no^la^e do correte, pelas
commercio
Pede V. S. Ihe defira admittindo a justificagao
e mandando depois de justificado passar os editos
seguindo-se os demais termos de direito.E. R.
M-O procurador Manoel Raymundo Penaforie.
Nada mais se contmha em dita petigo aqu mui
bem e fielmente copiada, na qual dei o despacho
que do theor seguinte Justifique no dia 4 do
crrente mez as 11 horas da manhaa.
e com habilidades, e o escravo perito refinador de
assucar, e que tem estado at o presente emprega-
do, gaohando 25* por mez,os quaes vao praga a
requerimealo de Narciso Jos da Costa Pereira par
seu procurador bastante Flix Francisco de Souza
MagaJhats, cora tutor dos menores filhos do falle-
cido Jos Francisco de Lima.
Nodia 15 do correte mes tem de ir em
praga do juiz municipal da segunda vara, afim de
serem arrematados diversos movis peohorados a
Geraldo Correia Lrma, por execweio de Joaquim
Paebeco da Silva, a ultima [iraca.
Arrematagao
Finda a audiencia do dia 14 do corrento, do jai
zo de orpuas, escrivao Guiraares, a reqnerimenlo
da junta administrativa da Santa Casa da Miseri-
cordia do Recife, ser arrematada de venda, ser-
vindo de base a qnantia de 403*412, urna parte do
sobrado de um andar e soto, sito na ra de Hor-
tas, fregnezia de Santo Antonio desta cidade, ava-
hada dita parte em 630*329, deduzida esta de
4000*, por quanlo foi avaliado o dito sobrado, a
qual parte pertencentc a Anna Rosa das Mercez
ou Prazeres. que se acha recolhida ao hospicio dos
alienados, e vai praga a referida parte para sa-
ti.-'fagiodos alimentos da mesma alienada.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E esperado dos portos do norte
at o da 20 do corrente o vapor
Apa, commandante Carlos Anto-
nio Gomes, o qual depois da dc-
. mora do cosRjme seguir para
os portos do sul. v
Desde jrecebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua cnegada, encommen-
oas e dinhero a frete at o dia da sabida as 2 ho
ras: agencia, ra da Cruz a. 1, escriptoriode An-
tomo Luiz de OliyejraAgevgdb & C.
OOMPANHIA BBASIXEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos de- sirt esperado
at o dia 14 do frrente nrn dos
vapores da companhia o qnal de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qne vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada : encom-
mendase dinheiro a frete ateo diada sabida s 2
horas, ageneia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Aze^edo & C.
gompanhia; pernambucana
DR
Karega^o costclra por vapor.
Hita de Fernando de oajonha.
No dia 14 de marco prximo,
as 10 horas da manhaa seguir
ura dos vapores da compaaliia,
.paran presidio de Fernando. Re-
.'cebera carga ate o dia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at 9oras
da manhaa do dia da sahida : escriptorio no For-
te do Mattos n. 1.
Leiao de mobilias comple-
tas, pianos, guarda ron-
p, reJogio e ontros ar-
tigos de gosto,
Sexta-feira 17 do correnle s li hora>
no armazem da ra da Cadeia do Recife
d. 30.
OLYMPIO
Vender em leilo 1 mobilia de Jacaranda con*
tampo de pedra mafmore, 1 dita de amarelle,
guarda roupa, mesa elstica, aparadares com pe-
dra marraore, marquezas largas, guarda vestido-,
qnadros diversos, camas franceza*, apparelhos de
louga para jamar e al mogo, pianos de armario
quasi novos, cnias de ierre, berros, duzias de ea-
deiras avalsas, saniuarios e outrus miiilos objecto-
que se loma enJdonho mencionar, desde ja pos
dem ser examinadas ditos objeetos.
vapor
LeilSode dHjw machinas a
Sendo:
tma porlavel, forga-de 14 cavallo?, sofcre roda,
com caldeira patente e todos seos pertenrfs.
Outra tixa e orisontal, forra de 1* eavars rom
caldeira e mais pertence?.
Terga-feira 21 de margo, em frenre a
Associagao f.ommerrial.
O agente Pintofar leilo por conta de rnem
pertencer dbs dna machio* a vper aem> des-
criptas propras para engento, as qoaes-se tornaa
recommendadaspela soa perfeigao e pr ftrtm
dos melhores fabricantes de nglatt-rra, os nreien-
dentes podero-desde ja1 examinarem dffs ma-
chinas para o qne poderlo eniPBderwn-se com o
mesmo agente em seu escriptorio ra f.mi nu-
mero 38.
Para Lisboa
pretende sabir em poneos dias o patacho portuguez
Jareo por lera maior parte da carga tratada, e pa-
ra o pouce que Ihe falta trata-se cem os consigna-
tarios Palmeira & Beltro, largo do Corpo Sanio
n. 4, prmeiro andar.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com rnuita brevidade o brigue es-
cuna Joven Anhur, tem parte de seu carregamon-
to encajado : para o reste que Ihe falla tratase
com os seus consignatarios Antonio Luix de Oli-
veira Azevedo i;., no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Para o Porto pela liba de S.
Miguel.
O velleiro e bem conhecido brigue nacional A-
melta pretende seguir com rnuita brevidade, lem
parte, do seu carregamento engajado, para o reste
qne Ihe falta e passageiros, para os quaes tem ex-
celentes commodos : tratase com os seus consig-
natarios A. Luiz de O. Azevedo & C. no seuescrip-
orio na ra da Cruz n. I,
AVIS9S DIYEHSOS.
mm
LOTERA
AOS 6:900$000.
Sabbado 18 do corrente mez, se extrahi-
r a Ia parte da Ia lotera (ir) a beneficio-
das obras da greja de Nossa Sennora do
Amparo le O'in la, no consisiorio da igrej*
de Nossa Senliora do Rosario da freguezia
di Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartns estn ,i ven-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. ili.
Os premios de 6000 serSopagos urna hora depois da exirarcao
at as 4 horas da tarde, e os outros depof
da distribuicaodas listas.
As encommendas s rao guardadas se-
ment al a noite da vespera da extraccJo
como de costume.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
s
TULMTRO
BDIT1SS.
A cmara municipal desta cidade, convidada
por S. Ext. o Sr. presidente da proviacia para, pe-
tos meios ao seu alcance promover o alistamento
do maior numero possivel de cidadaos nos corpos
do voluntarios da patria, dirige-se aos seus munii-i-
pes nesie sentido, certa de que a ninguem cedem
em valor e patriotismo.
Descendentes dos Vieiras, Das e Camarao, esses
hroes que tanto se*ennobreceram pelo seu valor,
amor a patria e a religio, elles nao desmentiro
certamente de to gloriosos ascendentes e correrlo
apressados a vingar a injuria feita a honrada na-
cao, nao somente pelo governo do Uruguay, seno
tambem pelo novo despota do Paraguay.
Este tyrano, sem nenhuma provocago da parte
do Brasil, nao s tem aprisionado os nossos vasos
que francamente subiam o rio confiados na f dos
tratados, senao umbem enviou as suas hordas sel-
yagens para devastarem os campos e as povoagoes
indefezas da nossa provincia de Matto-Grosso.
E' a prniHira vez que, depois da nossa indepen-
dencia, urna bandeira estrangeira arvorada em
territorio brasileiro ; e como urna tal affronta nao
pode ser perdoada por nenhurn povo que presa a
sua independencia e soberania; confia a mesma c-
mara que os Pernarabucanos, sempre celebrados
pelo seu valor e patriotisrr.o, correro a alistar-se
nos balalhoes de voluntarlos da patria para repel-
lirem a invazo estrangeira, autoando com enthu-
6asmo, viva a nago brasilelra, viva S. M. imperial
o Sr. D. Pedro M, vivara os Pernarabucanos, vivam
os voluntarios da patria.
Pago da cmara raoinicipal do Recife, t de mar-
de de 1865.Luiz Jos Pereira Simes, pro-presi-
coate.Francisco Canuto da Boaviagem, secre-
tarla
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da jm-
perial ordem da Rosa, < juiz de di re Id especial
do commercio nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, por Sua Magestade Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde,
etc.
Fago saber aos que o presente edltal virem e
delle noticia tiverera, que no dia 3 de abril do cr-
reme anno se ha de arrematar por venda a quem
mais der, em prraga publica deste juizo, o seguin-
le : urna casa terrea sita no lugar da Casa Forte,
ora numero 31, tendo na frente tres portas e
urna janella dividida em duas partes, duas portas
que seruem para venda e urna porta e janella para
filtradla, com duas salas, tres quarlos, cozinha f-
ra, quintal murad.), com porto aolado que d sa-
bida no fundo, e a outra parte oceupada com venda
com as mesrnas preporgoes, e o fundo oceupado
Recife 2 de margo de 1865. -Alencar Araripe.
E mais se nao contmha em dito meu despacho
aqu transcripto, depqts do qual se va a replica
do theor seguinte :
lllm. Sr. Dr. juiz do commercio.O supplicante
vemrequorer a V. S. se digne mandar que o es-
crivao Manoel Mara lome por termo o protesto do
suppcaote para a p escripgo que trata a presen-
te petigao : pelo que espera E. R. M.-O procurador
Manoel Raymundo Penaforte.
Nada mais se va era dita replica aqui transcrip-
ta, na qual dei o seguinte despacho.
Sira.Recife 3 de margo de 1865. Alencar
A raripe.
Nada mais se va e mostrava em dito despacho
aqui mui bem e fielmente copiado e transcripto,
por forga do qual fara a mesma petigo destribui-
da ao escrivao deste juizo Manoel Maria Rodrigues
do Nascimento que fez lavrar-se o termo de pro-
testo do theor seguinte :
Aos 3 de marco de 1865, em meu carlorio cora-
pareceu o supplicante por seu bastante procura-
Manoel Raymundo Penaforte, e por este foi
4 horas da tarde, na sala de suas sessd.s, tem de
ir a praga por lempo de nove anuos o arrenda- j
ment do sobrado n. 63 publico e 15 particular
site na ra da Cadeia do bairro de S. Fre Pedro
Googalvcs.e pertencente ao patrimonio de orpnaos,'
servindo de base para a arrematagao a quantia de j
1:0005 pela renda annua!, offerecida por Oiympio!
Ferreira da Silva e Antonio da Silva Ferreira Ju ; tendo org'anlsado urna" eompwhla"dranYatoI es'pe-
nior, cando o arrematante obngado a fazer no; raudo augmenta-la de maior pessoal, que para islo
dit sobrado no praso de oito mezes, contados do, deu j todas as providencias necessarias.
l*la arrematagao, e sem prejuizo da respectiva As pessoas que quizerem ser assignantes tanto
l,-tl fJSUmUL a que S?b esU* Cftes se; de camarotes como decadeiras, lenham a bondade
sujei a o offerente rerretra Jnior, e qne consta de se dirlgirem ao escriptorio do theatro.
n r!? a?*51!1 abaUo trnsertP- As assignaturas sero feitas sob as mesmas
O pretendentes devem comparecer acompanha- condicoes do anno passado.
EMPEEZA COIMBRA.
O emprezario tem a honra de fazer publico, que
vai comecar os seus trabalhos do correnle anno,
CUIPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Naregaro costeira por vapor.
Aracaj e escalas.
O .vapor Parahyba, comman-
dante Manins, segu no dia 14 do
corrente as 6 horas da tarde. Re-
nene carga at o dia 13 ao meio
m Jia. Eocommendas, passageiros
dinheiro a frete at 2 horas da tarde do da da
anida: e.-rripinrio no Forte do Mattos n. I.
Para Lisboa.
Pretende seguir com muia brevidade a barca
portugueza Henriqueta, tem parte de seu carrega-1
ment prompto : para o resto trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, uo seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Rio de Janeiro.
O brigue Trovador segu com brevidade e rece-
be alguma carga a frete e escravos : tratase com
os consignatarios Marques, Barros & C.
dos de seus fiadores, ou munidos de cartas destes.
que Ocam responsaveis pelo inteiro cumprimento
do contrato.
Clausula especial.
Picar, rebocar e guarnecer toda a frente e oitao,
substituindo por cornija o teibado, que cobre a va-
randa da frente.
Por varanda de ferro na frente da casa em la-
gar da de pao existente, corundo os cachorros de
pedra afim de flearem mais curtos.
Fechar urna porta existente no oito junto a es-
quina, abrrado outra com portadas de pedra no
mesmo oito por baixo da varanda do prmeiro
andar.
Abrir urna porta no prmeiro andar e no meio
do oito com varanda de ferro, igual as duas que
existem, e que corresponda outra porta do pavi-
En
dito perante mim e as testememhas infra assitrna-l meit0}*"*?'fechando no r
das que reduzia a protesto o cometido de sua peti- pe?V0 Pnaie,ri> andar urna janella.
gao retro, a qual ollereceu como parte do presente .-Lollocar 'randa de ferro err. orna porta do so-
que Oca sendo, no qual depois de lido se assienoa que flca n? ollo- pondo es cacharros que fal-
com as Indicadas te*terauohas: eu Manoel Sil vino '' *ncurtaDdo os iue existem, e demondo o
de Barros Falcao, escrevente juramentado, o es- telpad,0 queclob'Ke es,la va"nda- .
crevieu Manoel Maria Rodrigues do Nasciunto Lollocar caixilhos feitos de madeira de amarello
escrivao o subscrevi.-Manoel Raymundo Pena- todas_as_portas e janellas
forte-Joao Caetano de AbreuManoel do Nasci-
1.a Recita.
TERCA-FEIRA 14 DE MARCO DE 1865.
Dia de grande galla.
soleninidade ao natalicio de Sua Magestade
a Imperatriz.
Logo que o Exm. Sr. presidente da provincia,
tiver chegado tribuna, a orchestra executar o
hymno marcial de
PAYSANDU'
depois abrir-se-ha a scena e perante as efflgies
de SS. MM. II. a companhia cantar o
HYINO NACIONAL.
Seguindo-se pela primeira vez ne?le theatro a
i uuira pona ao pav- representagao do excellente drama em 5 actos,
mesmo correr dessa producgiio brasileira do Dr. Agrario de Souza Me-
-'-"- nezes, denominado:
ment Paiva.
E mais se nao continha e era alguma outra
eousa mais se declarava em dito termo de protesto
aqui mui bem e fielmente copiado e transcripio.
E tendo o supplicante produsido suas testemu-
nhas, sellados e preparados os aothos subiram
rainha concloso, e nelles dei, profer e publiquei
a sentenga do theor, forma, modo e maneira se-
guinte.
Proceda a justificagao ; e havendo por justifica-
da a ausencia dos supplicados, mando, que sejam
citados por edites de 30 das para o (ira requerido
a olhas 2.
Recife 4 de margo de 1863.Tristao de Alencar
Araripe.
E mais se nao continha e nem alguma outra
cousa mais se declarava e mostrava em dita sen-
tenga aqui transcripta, por Torca da qual, o referi-
do escrivao fez passar a presente, pelo qual cha-
mo, intimo e hei por intimados os reteridos sup-
plicados, para que dentro do indicado praso com-
paregam neste juizo, afim de allegarem o que fer
de justiga.
Portante qualquer ,pessoa, parete, amigo ou
conhecido dos mencionados supplicados poder fa-
zar-lhes sciente de todo quanto tica dito.
E para que chegue ao conheciraento de todos
mandei passar editaes que sero publicados pela
imprensa e afiliados nos lugares do costume.Re-
cife 8 de margo de 186.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 4 do corrente, manda f ,zer
publico que no-dia 12 de abril prximo vindouro,
perante a junta da fazenda da mesma thesouraria
se ha de arrematar a quera por menos fizer os re-
paros de qn precisa a ponte de jaana. avahados
em 2:200000.
. do andar e solao,
que os nao liverem, concertar os existentes e re-
i parar todas as portas, pondo-lhe boas forragens e
techadoras.
Reparar o soalho do prmeiro andar e soto on-
de for preciso.
Rebocar internamente o predio onde se tornar
necessario, e ladrilhar de novo o pavimento terreo
s msEit \va:is.
Para Lisboa
pretende seguir com toda a brevidade o patacho
portuguez RW de Mana por ter a maior parte da
carga prompta : para o resto e passageiros trata-
se com o consignatario T. de Aquino Fonseca J-
nior, na travessa da Madre de Dos n. 5, prmeiro
andar.
LEILOES.
Leilo
De 10 barricas com manteiga ingleza e3 potes de
salames.
PERSONAGENS.
Fausta. *. .
Cnristina. .
Eugenio Alvares. .
Severo, typographo.
Vicente Ferrer.
Prxedes.
ACTOKES
D. Engenia.
D. Camilla.
Lisboa.
Coimbra.
Porto.
Germano.
Gn"ga.......GuimarSes.
Macrobio Curvello.....Santa Rosa.
Afra.........D. Jesuina.
com alvenarla batida na parte que nao de pedra. O padre Satyro.....Coelho.
Concertar a cubera do toda a casa, e a aseada,
finalmente caiar e pintar o predio.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife. 10 de margo de 1865.
O esenve,
F. A. Cavalcanli Cousseiro.
* No dia 15 do corrente mez, a 1 hora da Car,1 tu me.
de, na sala das audiencias, se ha de arrematar em : ^^^
praga publica do Sr. Dr. juiz municipal da -2* vara, j ***
escrivao Baptista, por arrendamento, o trapiche!
denominado do Cuoha, na ra da Moeda, com I ____
frente para o largo da Assembla no bairro do Re-
cite, avahada por 1:100* por asno, por tempe
Brao'io.......Teixeir'a.
Damas, convidados, criados etc.
No intervallo do Io ao 2 acto a orchestra eje-
cutara a nova sehotisch%S FLORES D'ALMA
composigao do mestre Colas Filho.
Cs bilhetes acham-se a venda no lugar de eos-
1TIS0S 1HABITIM0S.
Para o Para.
Tergafeira 14 do corrente, as 10 horas.
Cordeiro Simdes fara leilo por conta e risco de
quem pertencer dos gneros cima mencionados,
cuja manteiga propna para padaria: e leilo se-
r efTecluado no armazem do Annes.
Leilo denma taberna.
Cordeiro Simoes requerimento dos curadores
fiscaes da massa fallida de Antonio Alvos Vilella,
e mandado do lllm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, far leilo dos gneros, armagao e utenci-
lios da taberna, ra da Gloria n.H4emumou
mais lotes, a vontade dos pretendentes.
Quarta-feira, 15 do corrente, s 10 horas da
manhaa.
Leilo e 6 tachos de cobre para rei-
naco e sens pprtences.
Quarta-felra 15 do corrente as 10 horas.
Cordeiro Simdes a requerimento dos curadores
fiscaes da massa fallida de Antonio Alves Vilella
e despacho do lllm Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, far leilo dos objeetos cima menciona-
dos na taberna a ra da Gloria n. 114.
CASA DA FORTORi
Aos 6:000$000.
Bilhetes garaotldes.
A' BL'A DO CaESPO K. 23 F. CASAS 1)0 COM I MK.
0 abaixo assignado vendeu nos sens ronilo feti
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabe
de extrahir a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia, os seguintes premios :
Dous quarlos n. 3227 com a sorte de i0:00000nv
1 m quarto n. 1383 com a sorte de 3:i 00*000.
Um bilhete inteiro n. 2299 com a sorte de 8000
E outras muitas sortes de 200*, 100*, 40* n
205000.
Os pessoidores podem vir receber sens respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Cas
da Fortuna rna do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da Ia parte da I* lotera
bouco.iu da* ooras ua igreja ue nossa :*iiuora>
do Amparo de Olinda, que se extrahir no dia 1*
do corrente.
PRECO.
.... 7*000
.... 3*500
.... 1*900
que compraren! de 100400*
para rima.
.... 6*500
.... 3*250
.... 1*700
Manoel Mabtins Fh /..
Para
Bilhetes.
Meios. .
Quarlos.
as pessoas
Bilhetes.
Meios. .
Qoartos.
Leilo
De 2 mobilias de Jacaranda, 1 dita de amarello, 1
guarda vestido de amarello, 1 dito de mogno. 1
cofre de ferro, 1 mesa elstica, 1 machina para
costura, 2 cadeiras de balaogo, 1 sof, 12 cadei-
ras de faia, 1 roarqneza, 1 cama franceza de
amarello, 1 dita de mogno, 2 aparadores, 1 com-
moda, 1 berco, 2 eabides, e de outros muito
objeetos.
Quinta-feira 16-do corrente, s II horas.
Cordeiro Simoes far leilo dos objeetos acina
mencionadas por eonta e risco de quem pertencer.
Ser efectuado o leilo ra da Cruz n. 57.
O Dr. Joaquim Jos de Campos reg en-
carecidamente a seus amigos e a eos col-
legas, qne se dignem fazer-lhe o candse
obseqoiode concorrer a igreja matriz da
Boa-Vista, no dia 15 do correte, pelas 8
horas da manhaa, afim de ou virem orna
missa que ah se ha de celebrar, pelo eter-
no reponso da alma de sua tinada mullier
a Exm.'Sr.* D. rsula de Cerqueira Ribei-
ro Campos.
Obaeharel Manoel Barbisa de Araujo.
director do collegio de S. Joaqnim, convida
os professores e os alumnos externos de sen
collegio para ourirem urna missa que quar-
ta-feira 15 do corrente. pelas T hora, da
manhaa, pretende mandar celebrar por al-
ma da Exm." esposa de seu presado amigo
e collega Dr Joaquim Jos de Campos.
Leilo
trigo.
. por anno,
tres annos, que importa 3:300*, licando o annun-1
cianle obngado a prestar flanea idnea e a pagar! vaI seffu,r om muita brevidade o palhabote Pa
vencidos; a requerimento de Maria I >'aens*< em a maior parle da carga prompta, e ri51
mais herdeirosi Dara rest? qe tt frita trata-se rom o consigna- agente Oliveira, d* seb diversas marcas, cerca
tarto Joaqun Jos Gongafves Beltrao, na ra do 700 barricas de farioha de trigo o 101 barriqni
em qoarteis vencidos; a .
Joaquina do Sacramento Cunha
do finado Jos da Cunha.
Pelasubletegaca da Varzea foram appre-
heniidoi dous cavalles, sendo um alaso escuro e
outro castanho : quem se achar com direito a el-
les comparega neste joizo munido de sens docu-
mentos para Ihe serem entregues. O subdelega-
do l supplente em exercicio,
Francisco Soller de Fgueiredo Castro,
Inspeeeo da arsenal de na
rio. ha.
Faz-se pnblicoque a commisso de peritos exa-
minando na forma duposta no regulamento anne-
xo ao docreto n. 1324 de 5 de fevereiro de 1854,
os vapores Parulnba e Mamavgnape da companhia
Pernambucana de navegago costelra, julgou que
podiara continuar esses navios em que se empre-
gam por se acharera os cascos, maslreaces, ma-
lte farinha de
A 16 do corrente.
Matheus. Austin C. farao leilo por eonta e
risco de quem pertencer e por interveneo do
d-\ seb diversas
Vigario n. 10, ou no largo do Corpo Santa n. 6,
( omptuhi i m Heasagerles
Iraperialis.
At o da 16
do correnle mnz
esperase da Eu-
ropa o va por fran-
cez ttavarre, o
qual depois da
demora do eos
turne seguir pa-
ra Baha e Rio
de Janeiro
ParacondlgSes, fretos e passageas trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
nhas de botachinha avanadas a bordo da barca
ingleza John Matheus na sua recale viagem
de Philadelphia para esle. porto:
Quinta-feira 16 do corrente
s 11 horas oa manhaa, em seu armazem, ra da
Ssnzata_Veiha.__________________________
Leilo de escravos mor gerados.
SexJa-feira i7 do crrenlo no anmzem da ra da
a lea d'i R-cifrt n. 36.
OLYMPIO-
Ao autor das pergunta qe nao
oll'tMliilMU.
O-Sr. Jos-Luiz de Souza Farrera nao sent
esses remorsos a que ahucie o aulhor dessas per-
guntas feitas neste Diario, de 10 do corrente, a
l>rjmette exibir com toda a clareza o qne se den
acerea do seu sitio na Varzea, se provarem qne
houve a menor dasinteJIigeoeia em suas relagoes
de amizade com o fallecido Manoel Joaquim Soa-
res, sen compadre e amigo al seu fallecimiento ;
e agradecido a esse senhi\ que Ihes faz jastiga,
sendo oprimeiro a acreditar em suas boa* inten-
goes, pede-lhe todava publique-se para, ver a
quem deve sua gratido.
Avhivado^iaT^Srua^^Barbosa
| deiro Feitesa.cordeaJroente agradece
pos do finado, e mais pessoas qne s
nm acoaapanhar ao eemiterio no tr
restes rnertaes de sen charo esposo,
aos mesmos o nbseiptio do assistirem
do dia lo do correnle s 7 horas da
I na matriz do Corpo Santo, co
eternamente grata a to caridos
Veudera em leiaa diversos escravos de ambos
os sexos com habilidades e sem ellas, os quaes es-!
taro patentes no dia do leilo.
Quem apprehender e levar no palacete do Vis-
conde da Boa-Vista, roa da Aurora, on *n engenho-
Trapicho do Cabo, a escrava Joaquina, fula, alia,
falta de denles na fronte, multe coaberida esta
cidade, anda as vezes du timooa saia de balite, e
t se diz que est em companhia de um pardo de
I noroe Jacob, que nn/a em Itamaraca, receber a
graiificagao cima de 10o*. E^ta escrava est fu-
: gida desde sotomJro do anno prximo passado, u
' desde j se protesta contra quem a tiver em sua
companhia.

Manoel Lopes da Silva, subdito portuguez,
lrelira-se para o Rio de Janeiro.
I
------------------







Diarlo de re roana buco .-- Tereletra 14 4e Mareo de &Stt
Encanamento d'agua.
Precisa-se de ana pessea qoe saiba
ctocertar eocauamcate d'agua de ca-
sas particulares; a tratar aa limria
ns, tic 8 da ptaca da ladepeudencia-
O conselheiro Francisco de Paula Bap-
tista continua em sua proflssSo de advoga-
do em seu escrip torio na ra d..s Trinche*
ras. primeiro andar da casa n. 19, aonde
poder* ser procurado desde as 10 horas
do dia at.1 as 3 horas da tarde._________
Vcnde-sc os compendis de herme-
nutica jurdica, e de theoria do processo
civil reunidos emum so h>ro, na loja de
livros de Nogueira, e na casa de residencia
do autor dos ditos compendios, o conselhei-
ro Paula Baptista na ra do Hospicio n. 31,
ou em seu escritorio na ruadasTrinchei-
ras n. 19. _____
Salitre
->a ra do Queiroado n. 37, leja de ferragens, de
Domingos Jos Ferreira Guimares, vunde-se sali-
tre reOaado por 25J> a barrica de 4 arrobas, ou a
6400 a arroba so a dinheiro.______________
Os Srs. academices que vio matrlcular-se
do terceiro anno da Faculdade de Direito, podem
dirigir-se a ruada Saudade o. 9, froDteira a do
Hospiio, onde se Ihes vender o compendio de
direito civil at as 9 horas da manha, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
Tin tur aria
Na ra Direita n. 116 conlinua-se a Ungir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.________
Saca-se sobre Lisboa, Porto e liba de
S. Miguel, na ra do Apollo h. 20, escrip-
torio de Carvalhoe Nogueira.__________
kttenqao*
Jos Joaquim de Novaes faz ciente ao respeita-
vel publico e a todos os senbores offlciaes do exer-
cito e da marinha que contina a ter sua casa sor-
tija de fazendas e roupas feitas, e por medida :
largo do Livramento n. 34.
Consultorio medico-cirurgico na ra larga do
Rosario a. 20.
O Dr. JoO Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sua prusso
nao so na parte medica como tambem na cirur-
ca.
mmmmmm m-mmmmmwm
i O bacbarel
Francisco Angosto da Costa
ADVOGADO
| Ra do Imperador numero 69.
A NACIONAL
Companhia geral kespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna flanea em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garaHte a boa ad
ministradlo da companhia.
10 bacbarel Jos Baptista ltiranaf
" advoga nos termos de Bonito e Caruar. j
Pode ser procurado na villa do Bonito, *
ra Direita n. 16, defronte da cadeia.
tirande anuazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22. .
O armazem de Hutas um grande deposito de
productos chimicos ulensis e os maisempregaoos
e usados na pharmacia.pi^tura.photographia. tin-
turara, pyrotechinia(fogosdearlincie) e em outras
industrias. ,
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente aas principies drogaras dePan,Loo-
dres, Hamburgo, Anverso Lisboa, pode onereteer | preCisa-se alugar um escravo para todo o
productos de plena conanca e salisfazer qaaiquer, servi0 de urna casa de familia : na ra da Cadeia
encommeada a grosso trato e arctalho, por presos d0 Recife n. 52, terceiro andar.______________
razoaveis. ___...i., .n.hrt Precisase de um criado cstrangeiro, bom co
Prvidos de machinas iWWBMiamu afiaDce sua bM conaucla na rua
com promplldao qualqusr pedido ie tftfU MWM h
a oleo.cuj qualidadee pureza de seus ingrtd.en
tes
nao
>s poder ser examinada pelo consumidar,o que
nao fcil fazercom aquellas que sao'''r^a ,
e que se encontram no mercado emUUs echadas
Tem grande colleccao de vidros de diferentes
formatos0, desde urna oitava ate; dezeseis oncas de
capacidade; de v.dros para vidracas ed'amanles
para corta-Ios; de pinceis para fingir m^e'racorn
propriedade e outros; de papis dourados cpra-
teados e folhas de gelatina para ornamento, de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embramo, para forro de casa, para desenlio
com fundo j feito; de papel alburoinadoeBrisioi
verdadeiro saxe para pholographia o para uur.ir, p.....__ j.................. r_
e outros ; vernizes de essencia para quadros, oe mida as suas casas com toda promptidao e asseio
espirito para madeira, copal para o interior ecx-1 pe|0 preco maiscommodo possivel: no mesmo es-
tei iur oleo graxo, oleo seccalivo. oleo de linnaga tabelecimento lia buhares, sorvetee refrescos.
SSft! ,le0ie ^^fJEffSfil "ATTEN AO.
O proprietario da ollicina de encadernacao da
A ttenedo.
No curtume da rua Imperial n. 191 precisa-se
de trabalbadores forros ou escravos, com tanto que
sejam pessoas robustas.____________________
KL1 IjAKA DO
tesarlo n. 39.
O proprietario do hotel Traviata, achando-se de
novo em seu estabelecimento, e tendo feito nelle
muilos melhoramentos, convida a seus raui distinc-
tos freguezt s, qne se dignem de hnralo com suas
presencas ; ofTerecendo-se-lhes para remetter co-
verdadeiro em p ; prata, euro, e
lhas de varias cores ; tintas vegelaes
vas proprias para confeilarias ; l:,a ,[,"' rua do Imperador n. 15, defronte de S. Francisco,
olhos de. vidros para imagens Unas em iulo. e acaba de enlregar a d,reCcao da dita offleina ao
telas para retratos ; tintas em pastis e em po pa- Sf Heracho Constantino de Paula Monteiro, enca-
ra aquarella ; essencia de rosa supernna, oe_ne- dernador que 0l da vraria Acadmica, onde pro-
rolv, jasmim,bergamota, aspice, paictiouly,_amoar, V(JU nitD|liaaae e pericia na arte, tanto em enca-
boquet,liinao, alraraiva.melissa, ortelaa pimenta, i (jernac$es em t,asame, comoem couro.veludo.etc,
louro.cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero, 0 qUa| se acha munido de todos os utenciliose
anisda Russia, canella, cravo e muitos outros od- aprests necessarios para bem servir aos fregue-
jectos que s com a vista poderao ser mosirados. > zes e por mas jjarat preco do que qualquer outra
Cas-
Joo Pedro das Nei-es,
Gerente.
Precisase
de urna mulher que nao tenha filhos e nem pessoa
alguma sob sua responahilidade.c que seja capaz
de fazer com zelo todo servico interno da casa de
um padre, inclusive engommado : quera esiiver
nestas condi^oes dirjase a rua do Imperador nu-
mpro 3o. ______
Espanto terrivel
Perguntase ao collector de Olinda como cobra
de Maneel Jos Fiuia Lima tres talhos, quando o
mesmo s tem um em Apipucos, como publico e
notorio ; que procedimento infame!!!
~l!ndanca.
Euzebio Raphael Rabello mudou
pessoa. NamesmaoQiciha ha a venda : livrosem
branco para borrador e mesmo para reparticoes, I
livros de litteratura e fdencia, e tudoquanto e ne-1
cessario para as escolas primarias como : cartas
de A B C, taboadas, cathecismos, grammaticas de
Castro Nunes, paulas, procuracoes bastantes, espe-
ciaes e geraa?, despachos da alfandoga, papel pin-
tado o marbrados de diversos tamanhos e pregos,
papel almac.0 e pintado, etc. ____
Precisa-se alugar urna preta para todooser-
vico de urna casa de familia : na rua do Trapiche
numero 4._______________________________
.4 quem inleressar
O abaixo assignado solicita pela polica em ge-
ral qualquer pretencao como : passaportes, porta-
ras, apprehencoes de quaesquer objectos; pela
presidencia portaras, passaportes, patentes de of-
flciaes da guarda nacional e outras quaesquer in-
cumbencias ; pelas repartieres fiscaes desembara-
o seu escnplo
ro da rua da'Cadeia n.55 para a rua do Trapiche
n. ii, segundo andar._____________________ {
"^ PrecTsa-se de urna ama forra ouescrava qneiCO de terrenos de marinha e de estabelecimentos
cozinhe e engomme : na ruado Livramento n. 20, que por engao ou ignorancia de seas Mropneta-
se"iindo andar ri9S enejara sujeitos ao rigor do lisc;; pela capi-
--------------:-----r------------------------j taa Jj porto matriculas de carpinteiros, calafa-
Gollegio de N. Joaquim. [eSi bote?, canoas etc. Podo ser procurado no Re-
Acha-se aherla a matricula do curso de medeci- \ rf arinari>in de mnlhados do Sr. Antonia Lopes
na legal, assim como de todas as outras materias, Braga, rua da Cruz n. 36; em S. Antonio loja de
ensinadas no collegio de S. Joaquim; as pessoas [ vraria popular, rua do Collegio n. o7 do Sr An-
que pretenderen! frequenta las durante o correte (00 Domingues Ferreira, e em S. Jos rua Direi-
an:io lectivo, .jueiram vir inscrever sen nume ate Ia 00lica n gg do Sr_ jos da norna Paranhos.
o lim do correnta inez.
Aluga-se uma escrava uiuito boa cozinheira,
boleira, d'iceira e engoinmadera : quem a preten-
der dirija-se ao pateo da Santa Cruz, sobrado nu-
mero 92J________________________________
Aluga-se uma pequea casa terrea eo:n quin-
tal, cacimba, etc., prego de 123 : na rua do Gazo-
mlitro confronte a fabrica.___________________
Quem precisar de uma pe=soa competente-
mente habilitada para cobranca de dividas no ser-
tao menle, dirija-se ao escriptoriodoDr. Joaquim Jos
de Campos, praca de Pedro II, ou ao collegio de S.
Joaquim, rua dos Goelhos n. 8, onde receber mi-
nnciosas informagoes do zelo e actividade de dita
pes;oa em negocios dessa ordem._____________
- Desappareceu no da 10 do correte, de casa
de seu tutor Antonio Ignacio Cardoso, morador na
rua da Aurora n. ii, um menor por nome Jos
Antonio do Sacramanto, de iJade 10 nnos, cheio
do corpo, cabellos corridos, para a idade um pou.-
co desenvolvido, brauco moreno, aprenda e ofOcio
de marcioeiro com o sou tutor, levou vestido caiga
de casemira, camisa de chita desbotada, chape > de
massa, tem uma cicatriz de ferimento do lado di-
reito da cabega. Este menino sem motivo algum
abandonou a casa de seu tutor, o qual o mandou
procurar uma casa para habitagao da familia : ro-
ga-se, pois, a quem dclle soubcr, quera dar noti-
cia m casa cima, que ser recompensado genero-
samente._______________________________
Lava se com perfeigo tanto de barella como
de ensaboado e engomma-se por prego comraodo:
no becco da Bomba n. 3.
O Sr. padre Francisco Virissimo Bandeja
professr de primelras letras na cidade de Naza-
retli, queira por favor cumprir o que asseverou
em sua carta, na olaria n. 13 a rua do Mondego.
O abaixo assignada declara que no dia 13 do
correte, tendo desapparecdo de seu paletot a
quantia de 800JJ, do porto da eseadinha at o
becco do Amorim, pede a qualquer pessoa que
Hi3 der uolicia ou por ventura o tenha achado
queira restituir ao mesmo abaixo assignado na
rua de Queimado n. 17, que ser generosamente
gratificado.
Joao Pereira de Mattos Olvera.
Aluga-se uma escrava, a qual cozinha e faz
o mais servico de uma casa, assim como uma ne-
gi iuha de 12 annos que j enlende de cozinha, e
imiii diligente para o servico de casa : na rua do
Sebo n. 35.
Ama
Uma mulher branca de bons costumes se offere-
e para ama, cozinha e compra : na rua da Penha
n. I, primeiro andar. __________
Vinva Machado <$ C na ausencia do socio
ei -He Joaquim Lopes Machado, constituem como
seus gastantes procuradores, em Io lugar ao Sr.
Jci- J-rony.Tio da Silva, em 2 ao Sr. Henry Fors
er llitv, e em 3 ao Sr. Joo Querino de Aguilar.
Os administradores da massa fallida de Amo-
wm, Fragoso, Santos & C. declaram que o paga-
mento do 4* dividendo de 5 O/o j annunciado por
vezirs. ter lugar soraente at o dia 31 do corren-
te, e depois desse dia depositario as qoaotias per-
teneentes qaelles senhores rredores qaa nao se
apresenlarem no prafo marcado.
Precisa-se de um caixelro para taberna : a
tratar na rua Direita dos Afogados n. 32, ou nesta
riJade na rua do Alecrim n. 2.
' ^da precisa-se de uma ama para eoziohar
e eogommar : na rua do Livramento n. 20, se-
gundo andar. ________^_____^___
D se dinheiro a premio sobre hypotheca :
quem precisar annunce. _____
Offereee-se uma moga soltara que eotende
bj:n do costura, prefere algumacosa de modis'a :
ao p da fandigao, taberna de Jos Jacjnlho de
Carv|ho, ou anpunclp,
Joaquim Jos dos Santos Barraca.
Claudio Dubeux, proprietario das linhas de
mnibus, faz sciente ao publico que no dia 15 des-
te corrente mez de marco tira do Cachang o m-
nibus que p'.rte daquella povoagao as 7 horas da
manha e as 5 1|2 na tarde do Recife : assim co-
mo tira tambem no mesmo di_ o mnibus de Api-
pucos que parte daqueilo lugar as 6 horas da ma-
nha, e do Recife as 6 da tarde.______
Aluga se o segundo terceiro andares do
brado n. 62 da rua da Guia com commodos cada
um dellos para grande familia, os quaes se acham
pintados de novo por acabar de ser dito sobrado
concertado : e a tratar no primeiro andar com o
proprietario bacharel Francisco Luiz Correia de
Andrade._______________________________
Prepara-se com asseio.
Na rua da Florentina n. 36, forne-se comidas em
casa ou fora delta nctando-se a bemfeitoria, asseio
e barateza.
Precisa-se de umaama de
va n. 7, primeiro andar.
eite : na rua Xo-
A tugase
Auionio-Luiz dcUliveira Azevedo __
Agentes do banco Uniaodo Porto.
Competentemente autorisados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo bancopara o t'orto e
Lisboa e para as seguintes agencias :
Londres sobre Bank ofLoodon.
Pars > Frdric S. Ballin & C.
Hamburgo > Joo Gabe & Filho.
Barcellona > Francisco Rohala & Ballesta.
Madrid > Jaime Merie.
Cadis > Crdito Commercial.
Sevilha GonzaloSegona.
Valencia M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figuera.
Arcos de Valde Caminha. Guarda.
Vez. Castello'Branco. Guimares.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilho. Lanego.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos.
Bragaoga. Evora.
Faro Fafe.
Oliveira d'Aze- Pinhal.
meis. Porto-alegre.
Pennaflel. Thomar.
Tavira. Villa Nova de
Villa do Conde. Portimao.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No imperio
lin lir Ro de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo serem descontados no
mesmo Banco a razo de 4 por cento ao anno a
ratar na ruada Cruz n.' 1. *______
O solicitado!' Pedro Alejandri-
no da Cos.a Hachado
se encarregaante o foro destacidadedetudo que
fortendenteasuaprofissao,aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercialmediante razoavel ajuste. Contina
a seencarregardecobrangas noslerrcos do Cabo
elpojucaaondecontinua alrabalhar como d'an-
tes.e encarrega-sededefezasperante o jury nos
termosproxmos a va frrea .offerecendo gratui-
tamenteseus servigos aos desvalidos.pode ser
procu~adotodososdias uteisdas9horas da ma-
nha as3datardena ruaestreita do Rosario n.
34, eforadessashorasna roa Imperlaln.36,ca-
se de sua reidenca.
Napragada Independencia loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro e pralae pedras
dreciosas, assim como se faz qualqner obra de
encommenda e todo e qualqner concert.
__C____M __(__)_ __ _k is,- _fc >j
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de llespanua
DIRECgO GERAL
Hadrid : Rua do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripgao de maneira que em nenhumeaso mesmo por mortedo se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL, que anda mesmo dimlnuindo uma terca parte do interess produzido em recentes lquida-
goes ecombnando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia
para seus clculos e lqoidagoes, em segurados de idade de 3 a 19 annos, umaimporsigoannual
de 100$ produz em effectvo metlico:
No flm de 5 annos.......1:1195300
de 10 .......3:9425660
, de 15 .......11:208*200
. de 20 .......30:2364000
de 25 >.......80:3315000
as idades menores de 3 annos e maores de 30, os productos sao mais consideraves.
Prospecta e mais informagoes serao prestadas pelo soh-dreclor nesta provincia,
mo Joaquim Fuza de Oliveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12, eslabel
cimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao.
Jeorge Patchet manda para Europa soa mu-
lher e orna hiha acompanbada de uma criada de
nome Eliza Steel.______________________
O Sr. Jos Mendes CarneiroLeo se-
nhor do engNiho deTaquari, queira appa-
recernaruado Crespo b. IB, primeiro
andar, a negocio de seu interesse.
Ao interessado.
Na rna Direita n. 32, segondo andar, existe uma
trouxa de nm chales de lia, contendo artigos de
roopa de homem e senhora, e objecte do euro, que,
da estagao das Cinco Ponas veio por engao em
nma bagagem no da posterior ao da festa da Boa-
Viagem : qoem for seu dono dirija-se a casa ci-
ma indicada, que, dando os sigoaes e pagando o
Importe deste annuncio, Ihe ser entregue.
Precisa-se de um caixeiro portuguez para a
loja de calgados na rna do Liviamento n. 7.
Mongao.
Moncorva.
Regoa.
Setnbal.
Vianna do
tollo.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
O Dr.Carolino Francisco de LimaSan-**
los,contina a residir narua do Impe- jSI
rador u. 17,2* indar, onde pode ser pro-S
curado aqualquerhoradodiae da noite^
para o exercicio de suaproflssao de me- &
Jico ; sendo cucos chamados, depois de 3f
meio dia at 4 heras da larde,devem ser c~
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estado das 2Bf
molestias donterior, prosegne, com o S
maor afflnco.no das mais difflceise deli- 9
! cadas operagSes. como spjamdos orgaos Mj
ourinarios.dosolhos,partos,etc. ^
wwwmmw.wmm
Alugam-se dous grandes sobrados com cora"
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comjardlm.cochelra,estribara eoutras commo-
didades.natravessade Joao Fernandes Vieira : a
tratar na rua daSenzala Nova n. 42.
Precisa-se de uma ma para se tnrarrrga
somente do servlgo de cozinha : na roa da Cadeia
do Recife n. 52, terceiro andar.
Companhia fldelidade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleelda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonio Lniz de Olheira Azevedo iC, Zi$
competentemente autorisados pela direc- ^
toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado- ^
ras e predios no seu escriptorio rua da ,^,
Cruz n.l.
BAtVCO UNMO
SEGUROS DE VIDA EM MTAL1DADE.
A drecc3o do BANCO NIA'O tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisago
para estabelecer o seguro de vidas em mutualidade, faz publico que desde j toma subs-
cripces annuaes por uma s vez, debaixo das seguintes condicoes:
Com perda de capital e lucros;
Dito de capital somenle;
Dito de lucros somente ;
devendo a primeira liquidaco ter lugar no Io de Janeiro de 1869.
As vantagensdo emprego de capilaes em mutualidade, sao obvias, porque nao so-
mente se collie o juro de quanlias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar ne-
nbum resultado; mas alera d'isso, este rendimento augmentade pelo capital ou lucros,
ou ambas as cousas, conforme as condicoes da subscripeo, dos que fallecer. Tambem
partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os socios morosos nos seus paga-
mentos, sao por este motivo obrigaJos a pagar, bem como caducidades que occorrerem
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidaces sao peio systema das companhias hespanholas, tutelar e outras ; e
para se poder fazer uma idea do que pode produzir uma entrada annua de 10^000, pu-
blica-se a seguate tabella baseada sobre a experiencia de muitos annos de companbias
desta natureza.
Em o annos 10 annos
1100 4000
904 3000
86 290,9!
860 2700
860 2700
860 2700
860 2700
860 2700
900 3080
As entradas por uma s vez do resultados muite superiores s annuaes.
Minimo das entradas 50000.
Por(t, 10 de agosto de 1863. Os directores do BANCO NIA'O, Jos da Silva
Machado.F. M. van der Niepoort.
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C, rua da Cruz
numero 1.
Desaparecern! da rua Imperial dons bos man-
sos pncaDgados, sendo um de cor amartlla afo-
gueada, e outro amarello coro algorras manchas :
quem delles dr noticia certa, ou os levar asupra-
citada rua n. 62 ser gratificado c pagar-se-ha a
despeza feita com elles.
Fugio na madrugada de domingo, o preto
crioulo de nome Antonio, coro os slgnaes seguin-
tes : idade vinle annos, pouco mais ou menos, sem
barba, tendo um dos dedos da mo direita corlado
junto a uuha, um p cheio de cravos secos, com a
cor um lano fula, procedido de frialdad?, levando
vestido roupaazol com uma carniza de baela encar-
nada, chapeo de palha pintada : qoem o pegar le-
ve roa do Pilar em Fura de Portas n. 127, so-
brado de nm andar, que ser recompensado.
Aluga-se a alguma familia uma mulata moca,
a qual lava, engomma, cozinha, e tem mais habi-
lidades : quem a pretender dirija se a rua da Au-
rora n. 10, segundo andar.
Manoel Joaquim de Paiva, subdito porluguez,
retirase para Europa.
de uma ama : na rua larga do
Precisase
Rosario n. 35.
Aluga-se nm sitio com casa, boa cacimba, e
arvoredos de frurlos : quem pretender dirija-se a
santo Amaro junto ao cemiterio, primeiro sitio ao
lado do norte.
Precisa-se de um forneiro que enlenda bem
da rua proflsso, para uma padaria distante desta
praga oito legoas : irata-se na rua larga do Rosa-
rio n. 9 defronte da botica do Bartholomeu.
Por um menino de 1 dia a 1 anno
(l de 1 . inno a 2
de 2 a 3 IC
de 3 a a i
< de 3 a a 15 1
Por uma pessoa de 15 < a 20
B de 20 a 30 1
de 30 a 40
<( de 40 1 a 50 1
la nunos 20 annos 25 atmos
9000 2:0000 4:7000
7500 1:7000 3:7000
7200 1:6000 3:5000
7100 1:5600 3:4000
7000 1:5500 3:3500
7000 1:5400 3:3300
7100 1:5600 3:4000
7200 1:6000 3:7000
7500 1:8000 5:0000
Procuradoria.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon- j
cede Len, como solicitador, se encarre- 2
ga das causas crimes, cives, commer- 9
ciaes e ecclesastcas. Elle anda recebe 9
algumas casas de partido, mediante a
um ajuste razoavel. Pode ser procura- Z
do as salas das audiencias ou na rua g
Imperial sobrado n. 64.
umacasaacabada agora, com commodos para fa-
milia,estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos,com banlio na porta, no lugar do Pogo
daPanella,ruado Rio : a tratar com Tassoir-
mos,na rua do Amorim n. 35.
Nos abaixo assignados fazemos scienle ao
respeitavel publico e com especialidade ao corpo
docommercij, que no dia 7 do corrente dissolve-
mos amigavelraeiite a sociedade que tinhamos na
taberna da rua Augusta n. 114, que gyrava sob a
razio de Silva, Souza & C, cando o activo e pas-
sivo a cargo do socio Souza.
Bernardiuo da Silva Maia.
Antonio de Souza Pereira.
Jos Ribeiro da Silva
Antonio Soares 5s Oliveira, Portuguez, ret
ram-se Eara Europa.
Aluga-se uma casa na Passagem da Magda-
lena junto a ponte grande, cam 6 quarlos, solao,
cozinha fra, despensa e 1 quarto no quintal, pti-
mo banho no fundo : as pessoas que pretenderem
dirijam-se a rna Direita n. 3, primeiro andar.
Aluga-se um sitio na rua do Cabral
da cidade de Olinda com casa terrea, com
cupiar na frente, bota os fundos para a es-
trada e margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
ecapim para sustentadlo, arvoredos deruc-
tos, sem visinho defronte nem pelo fundo,
com ptimos passeios, sala e gabinete na
frente, muito propria para passar a fesla, e
tambem se alugar por anno: a fallar no Re-
cife, no Recife, na ivraria n?. 6 e 8 da pra-
caxtja Independencia e em Olinda na Casa
contigua com o capitSo Antonio Bernardo
Ferreira.
Fr'Bfa e Brasil.
J. Mercier, alfaiat francez, precisa de bons
offlciaes e boas costureiras : a tratar atraz do
Corpo Santo n. 27.
Frecisa-se de uma ama para todo o servigo
de uma casa : na ruado Rangel n. 3!.
Roga-te aoSr, bacharel Cezario
de Azevedo juiz muaicipal de Garan-
huas, queira dirigase praca da In-
depeodeocia bs. 6 e 8, ou anuunciar
sua mrod; para ser procurad.
O London & Brazillan Bank, saca portodos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
19 RUA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conbecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparaces empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misleres da sua pro-
h'ssSo, advertindo qu trouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes; caout-
cbou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumenlos novos, ferramenta moderna, cadeirade operacoes, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso de servir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Aclia-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh ate ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando naotiver de ir em casas particulares.
s
saques aoibreJPortugill.
j O abaixo assignado, autorisao pelo j
Banco dercanlil l'ortueuse. e naausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro,saca ef- j
fectivamentepor todos o paquetessobre j
aspracas de Lisboa e Por .o, e maisluga-
resdo reino, por qualquer somma vis j
ta,e a praso; podendo, o; que tomaren
saques a praso,receberem>ista,no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 acanno: na ]
loja de chapos da rna do Crespo n.6, ou
oa rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
ln*tracco particular.
Uma pessoa com lodo os ttulos de habitacSo
prop5a-se a aceitar em sua casa alguns meninos
menores de 12 annos por preco muito razoavel :
quem se quizer utrtsar de seu prestimo pode se
dirigir 4 rua da matriz da Boa-Vista n. 26, pri-
meiro andar, que achara cem qoem tratar. .-

ta Rita ; na rua ii Aurora n. 36,
O Sr. Joao Francisco de Pontes, ex-secio da
firma de Carvalho & Pontes, eslabeleeido com pa-
daria em Caruar, tenha a bondade de mandar
pagar a soa letra vencida a 2 para 3 anuos, da
quaola de 1005, na rna da Penha n. 23, primeiro
andar.__________________________________
Est para alugar-se uma casa terrea na rua
da Gloria n. 14, um 1 e 2 andar de um sobrade
na rua do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e uma me agua na estrada de Joao
de Barros.com arvoredos, agua de beber,e portao
para o bscco do Pombal : quem pretender falle
na rua das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhaa at ao meio dia____________________
Aluga-se a casa n. 53 da rna Augusta, nova,
com 3 quartos, despensa, cozinha grande, 2 quar-
tinhos no quintal, e porto para a rua do Dique;
uma boa casinha para trazer-secom asseio e gos-
to : a tratar na rua do Mondego, olaria n. 13.
Precisa-se alogsr uma escrava para cozlnhar
e fazer mtis algum servir para casa de familia :
a tratar na rna da Imperatriz n. 4, primeiro andar.
Aluga sea sala da frente do terceiro andar
do sobrado da rua do Imperador n. 82 : a tratar
na livrara de Guimares & Oliveira, na mes-
ma rna._______________________________
Aluga-se uma preta escrava para o servico
de casa : a tratrr na rua do Imperador, loja de
livros da esquina n. ."t.____________________
Atten$io.
Precisase de um caixeiro com alguma pratica
de mudezas e ferragens para um estabelecimento
na cidade da Areia, provincia da Parahiba : tra-
ta-se na rua da Crnz n. 36 defronte do becco da
Lingoeta.________________
Avisase aos pretendentes que yao ser arre-
matadas pelo juiz do commercio da villa do Cabo
oito moradas de casas na mesma villa, seis de li-
jlo, estando duas em calxo, uma;; laipa, ea
ultima de tijolo etaipa, tedas em boas localidades,
e por barato preco: os pretendentes podem Jr
examinar antes que chegue o dia da arremajaco,
podendo a) se entenderm com o Sr. Joo Jos
Pinto de Wveirs, e nesta praca com Joaquim
Francisco dos Sanios, na rua do Qqeifnado em sua
loja.
Alfonso Jos de Oliveira, professor jubilado
da cadera de geographa e historia do ex-lyco
desta cidade e competentemente autorisado pela
directora geral da mstruccSo publica para ensi-
nar primeiras letras, latim", francez, rhetorica e
geographa, contina com aula aberla destas mes-
mas materias na rua larga do Rosario n. 28, se-
gundo andar, e recebe alumnos internos e ex-
ternos. *
Samuel Power Johnston & Companhia
Ruada v'enzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fisudi^So de i.o\v flor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios do carro para um e dous cavallos.
Relogios de o iro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Precsa-se de uma ama para comprar e co-
zinhar : na rua de Aguas-Verdes n. 6.
Aluga-se uma casa com bom sitio, na Ca-
punga Velha.que foi do Sr. Sebasliao Penna, com
bastantes commodos, tendo cocheira, estribara,
quartos para pretos, e muitas fructeiras : a tratar
na rua do Imperador n. 46^_________________
Bma mulher com bastante pralica de ama se
offerecc para casa de homem solteiro o:i de pouca
familia : a tratar na travessa de S. Jos n. 39,
aTTTuel!
Aluga-se nma casa terrea do lado da sombra,
no principio da rua do Varadouro, em Olinda, com i
commodos para grande familia, por muito barato!
preco : quera pretender, dirjase a rua do Livra- '
ment n. 31, segundo andar.________________
Precisa-se de um menino de idade de 14 a '
16 annos, para caixeiro de uma taberna e que d
fiador a sua conducta : na rua das Crnze n. 22.
Offerece-se uma ama para trata* de raoi- j
nos, lavar e engommar para 08 m?*mos: na rua i
da Vnzala Nova o. 19. '
O Br. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
4 e 2 andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profls-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3o dos orgaos geni ti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias ds
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
co que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Rogase aos Srs. Luiz Alves Vlella eBarlho-
lomeu Tavares de Oliveira o obsequio de appare-
cerem na praca da Independencia n. 22, afim de
darem alguns esclarecimeotos sobre a pessoa a
quem deram um meio bilhete premiado, que se
achou na referida luja.__________
Fugio uo dia 13 do sobrado da travesa da
Matriz n. 14, um papagaio : quem o pegou leve ao
dito sobrado, que sera recompensado._______
Caixeiro.
Na taberna da rua Augusta n. 114 precsa-se de
um caixeiro de 12 a 16 annos, que tenha alguma
pratica.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em o'bras velhas, pa-
ga-se bem : na loja de bilhetes da Praca da Inde-
dendencian. 1
Compra-se um escravo de idade que
sina para trabalho de sitio: nesta tvpc-
graphia se dir quem quer.
Comprase efTectivamente ouro e (Tata em
ooras velhas, pagndose bem : na rua larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sem vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da ruada Aurora.
Compri-se cobre, bronze e ft-rro cuado ve-
lho: na fundicao da Aurora, em Santo Amaro.
Compra-te uma casa terrea que si ja nova e
em boa rua, e que seja na freguezia da Boa-Visla:
quem tiver e quizer \< nder, pode dirigirse a (.Ta-
cada Sania Cruz, padarifk n, 6, que se dir quem
compra.
Comprare ou aluga-se um escravo que sirva
para todo o servigo : a tratar na rua da Concor-
dia n. 64, padaria dugaz.
VENDAS.
ALMANAK.
Acaba de ?ahir dos pr-
los de nossa typograplria o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na vraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Attencao.
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
uma duzia : em casa de Johnston Pater A C. rua
do Vgario n. 3.
Q>
Joo da Silva Ramos, medico pela ui-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da mauhiia.
Tf m sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa do sade.
Primeira classe 3000 diarios.
Segunda dita.... 2o00 >
Terceira dita.... 2000 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera qne elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro de 14 a IC annos que ,
d fiador a sua conducta : a tratar na rua larga
do Rosario n. 21. loja de ouro.
Aluga-se uma casa terrea na rua da Concor"
dia, tendo 2 sirias, 2 quartos e quintal com cacim"
ba : a tratar na rua Nova, Inja de ferragens con"!
fronte a botica frsnceza.
ueiws
o melhor que ha ueste genero a 2$ cada ura"c ce-
bolas a i o cento : no amigo e acreditado esta-
belecimento junto a esta typographia n. 42.
Ventase urna ra>a lerrea nos Afogados, rua
do Uotocolomb n. 2 : a tratar na rua larga do
Rosario n. 18, taberna.__________________
AccSes do novo banco.
Manoel Ignacio de Oliveira Filho vendera 100
actes._________
Accoes da caixa filial.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho vendera 20
ac5es.
Vende-se uma escrava crioula com 2o anuos
de idade. cozinha, engomma e disposu para tode o
servigo : para ver e tratar na rna Bella n. C.
Vende-se uma mei-agua em Fra de Portas,
na rua do Pharol n. 66 : a tratar com Vicente
' Ferreira da Costa na primeira barca de viga.
Crise commercial de 10 de
setembro de 1864.
.Vaha de publicarse um Interessante escripto
sobre a crise commercial do Ro de Janeiro O Dr.
Ferreira Soares, autor de diversas obras sobre
sciencias positivas appcadas ao Brasil, acaba de
dar-nos com est pubcaco mais uma exuberante
prova da sua dedicacopelo progresso do paiz.
Tratase no nliimo escripto do Dr. Ferreira Soares
de demonstrar rom os fados verdadeiros a orgem
da crise commercial de 10 de setembro de 1861, o
por tal forma consegue o autor os flns qoe4eve
em vista que anda em resnmido esbogo, como elle
o diz, j se conhece a origem verdadelra dessa
catastrophe. Chamamos, pois, a attencao dos es-
tudiosos para a leitura do esboco da crise commer-
cial do Rio de Janeiro, que se acha venda na li-
vraria econmica, rua do Crespo n. 2 defronie do
ajro de Santo Antonio.
-


I
I
Diarlo le Peruambuco Terca felra 14 Je narco de i?to.
Vende-se
um sitio no Caminho Novo, ra da Esperan?, que
vai para o Manguinho, com grande casa muito
fresca, loado 4 salas, 6 quartos, cozinha e dous ier-
raco oa /rente e fondo da oas, e grande souo
com 3 safas bastantes friscas por ter 11 janei-
las, estribar/a, quarto para criadss, 2 cacimbas
com agua de beber, tanque e casa para banhos, o
sio todo murado e com 1,000 palmos de fondo,
porto de ferro, boas laraogeirasdeurablgo, sapo-
tis e ontros arvoredos : a tratar na ra do Desu-
no n. 16. ________
Vndese um moleque de 9 a 10 anuos de
Idadft, bera preto e muito bonita figura : na ra
de Apollo n. 19, priineiro andar.___________
Vendem-se tres parles de um sobrado na ra
do Trapiche : quem pretender dirija-se a roesma
ra, escriplorio do corretor geral Alfonso, que se
acha encarrtgado de elTectnar a venda.
Feljo.
Vende-se urna porcao de feijao mulatinho muito
novo a 1| a cuia, dito preto aj880 rs., dito rajado
do Porto a 520 rs. : na ra Direita n. 8.
Vendem-se diversas obras de direito como
sejam : direito natural por D'Azeglio, Autran,
Ahren direito publico ecclesiastico pelo Dr. Vi-
lella Tavaros, direito publico universal pelo ur.
Autran, e direito romano por Heinecio, todos estes
livros estao em perftito estado e vende-se por
prego muito commodo : na taberna dos Quatro
Cantos da Boa-Vista ra da Gloria n. 95.
Vende-se a casa de molhados na roa da Impera-
triz n. 31 por seu dono ter de retirarse para a
Europa a tratar do sua saude, tem commodos para
familia, e fai-se todo o negocio : a tratar namesma.
Estopa a 24' rs.
a jarda : na loja da ra da Madre de Dos n. 16
defronte da alfandega. _______
A molestia ou infecc3o pecu-j
lial conhecida pelo nome de Es-1
troful um dos males maisj
prevaleoentes e unjversaes que-.
ha em toda a extensa lista das I
enfermidades de que soffre o
genero humano : disse um cela-!
bre escriptor da medicina que,
mais de urna terca parte de
JLOJA
todos aqelles que morrem antes
da velhice sao victimas, ou dir-1
ta ou indirectamente da Escrofu-
a :por si nao to des-1
Uva, porim a principal causa de omitas ^
outras enfermidades que nao lhe sao geral- j
mente attribuidas.
E' urna causa directa da phthysica pul-1
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e affeccoes do cerebro:Entre os seas
numerosos symptomas acham-se os seguin-:
tes : falta de appetite ; o semblante pal-;
liio e (s vezcs inchado, s vezes de una
alvtira transparente e outras corado e a- i
marellento ao redor da bocea; raquera e
molleza nos msculos : disgesto paca e
appetite irregular, falta de energa, ventre
inchado e evacuaco irregular ; quando o,
mal tem seu assento sobre os pulmoes, urna
Na esquita da Madre Dos,
Vende-se algodao da Baha o melhor que ha no
mercado.
oMH$
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
Os elementos que compoem esU preparacSo, o
ferro, o ioie e a quina, a collocflo no primeiro
ero das preparares ferruginosas. Baste attestar
Vende-se por commodo preco o sobrado de
tres andares e soto da ra do Amonio n. 19 para
cumprirordens de seu proprietario que se acha
ausente : qnem o pretender dlrija-se a ra do Vi-
gario n. 19, pnmeiro aoder.
Vacca
Na Piranga, defronte ao sitio do Sr. Millet, ven-
de-se urna vacca muilo boa leileira com cria.
Sintos finissimos.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38,
recebeuriquissimos sintos largos tanto de Oa co-
mo de galo douradOscom Gvelas, estes sintos sao
os demais goslo que tem chegado a esta praga, e
enfeites muito modernos para cabera. _____
barricas com gesso
roaos.
Gesso
nosarmazens de
Tasso Ir-
DHOGARIA.
34Ra | larga do Rosario31
Bartholomeo Francisco deSouza & C.
Vcudeiu :
Acido actico, puro pra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Venea, fino, em pies.
Hlniu no |nr-
Fraques*.
Anemia.
Calorosa oa Ictericia.
Menutrao.
Affeeeees do tero.
Suparesaoea daa re-
groa e deaordea na
nienatruac&o.
Affeccao pulmonar e
ph(hUlc.
Molestia 'estomago.
Gastralgias.
lerda d'appetlte, ete.
COnvaleaeenea de Ion-
Ka moleailaa.
Molestias eaerafula
aaa.
Papelra.
Obatruccaa daa glan-
dalaa.
Bumorea fra*.
Huiuorca brancas.
Rarbltlamo.
Afleecoea raneeroset
a ayphllltleaa.
Febrea lypboldea.
Varlolea, etc., ete.
!
PASTILHAS
cor azulada mostra-se em roda dos olhos; ^^^I~Mo."p^o. Mdicos dos hospi-
quando ataca OS OrgaOS digestivos, OS OlnOS ueg^ e os relaiorios dos prcticos mais eminentes,
tornam-se avermelhadOS : O hlito ftido,! qe'confirmarlo sua poderosa efficacidade as
o lingua carregada, dores de cabeca, ton- j seguintes affeccoes:
teiras etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupcoes na pellej
da cabera e outras partes do corpo, sao pre-
dispostas s affeccoes dos pulmoes, do figa- j
to, dos rins e dos orgos digestivos e ule-i
rinos, Portanto, nao smenle, aqelles
que padecem dis formas ulcerosas e tuber- \
enlosas da escrfula que necessitam de pro-
tecte contra os seus estragos ; todos as
quelles em cujo sangue existe o virus laten-
te d'este terrivcl flagello (e s vezes heri-
ditario) estao exposlos tambem a soTrer das 1
enfermidades que elle causa, que sao:
A phthysica, ulcera^ocs do figado, do es-.
tomago e dosrins: eruprdes e enfermida-\
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela ; i
borbulhas. pstulas nascidas, tumores, rh-1
cumacarbunculos, ulceras e chagas, rheu-, **^\.$^1^ s.
matism, dores nos ossos, as costase na do8 pnarmaceuticos depositarios.
cabeca, debilidades femininas, flores bran-, para-se evitarem falsificages, exija o com-
ea* causada pela ulceraco interior, e en-; prador era cada frasco de Pilulas on Xarope a at-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-, ^S^SXvu.^bamtOM^aiom,
to, enfraquecimento e debilidade geral. \ ^ ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
AOS pulm&es a escrfula produz tuberCU- de Franca a dos puites estrangeiros, etc.
los e finalmente consumpco pulmonar :
as glanulas ella produz inchaces e tornam-
Sfl ulceras: nos orgos digestivos causa;
desarranjos que produzem indigesto, dis-
pepsia, molestias do figado e nos ria : |
na pelle produz erupces e affeccoes cuta- i
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-!
gem, carecer do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrllha de ycr
composta dos antdotos mais efficazes que
a
LOJA
DO
BALAO
DE
AZEVEDO t FLORES.
Ruada CaJeia de Recife n. 17, esquina que volta para a Madre de Dos.
Attentflo.
Madapoloes franceses (peca) 135,145 e lp.
Chitas para coberta a :)40 rs. o covado.
Las lisas um completo e variado sortimento.
Lencos brancos muito finos a 25?00 a duza.
Ditos de esg,uiao.
Um completo sortimento de chitas largas de 300 a 500 rs. o covado.
Caiutraias lisas brancas muilo finas a 35 a pe?a.
Aberturas de linho pregas largas.
Ditas de algodo muito finas.
Bramante de urna largura.
Algodio da Bahia para sacco.
-O BALAO VEHDD
Veje se es bulUlins de therapeuttca medua
e cirurgica de 30 de novembre 1&60; o Gazeta
dos hospitaes de 28 dejulho 1860, ele, etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
uinina de lleblon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope d'iodure duplo do
torro e de quinina do mesmo aulhor par as
pessoas que n5o gostao de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
Paletots de casemira pretos o de cores saceos a 95, 105, 115
Ditos de alpaca branca e preta a 45,45300 e 35.
Caigas de casemira preta de 85 a 155-
Ditas de casemira de cor a 55,85 o 105-
Caigas de brim braoco a 35, 45 o 35-
(Metes de dito dito de 25 a 35500.
Ditos de casemira pretos e de cores a 15. 5300 e bf.
Calcas de prioceza para luto a 15 e 55-
Ceroulas franceas a 15600.
Ditas de linho com duas costuras superiores.
Camisas francesas de diversas qualidades de 25 a 55-
Ditas verdaderas Ingletas.
Colarinhos de linho muilo finos.
Ditos de papel a 40 rs. cada um.
Corles de casemira de cores por pregos commodos.
Ditos de casemira preta fina de "5 e 55-
Meias cruas inglezas o melhor que ha a duzia 85-
Baldes de 20, -25 e 30 arcos a 35 e 35500.
Camisas de flanella de cores de 3550." a 75- .
Os donos deste estabelecimenlo encarregam-se de mandar fazer quajquer obra de bnm c ca-
semira etc., para homens e meninos por pregos que admira ; aproveitem que o Balao esta disposw a
queimar, so quer dinheiro I 1
DE KEMF
!
GRANULOS
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismulh empreeadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir
curar as
Ma dlgeatoea*
Gaaliltea.
Gallralglaa, ete.
Oppreaauea.
Ddrca de cabeca.
Irrllacocade IhtIr e
du nialrlB, etc.
Dlarrbeaa ebrenlcaa.
Dyaaentcrlaa.
sciencia medica tem podido descobrir, gJ^ET"**?"
para esta molestia assoladora e para a cora 0s primeros symptomas d'essas formidaveu
de todos OS males provenientes d'ella que affeccoes se manil'cstao ordinariamente por diges-
contm virtudes verdadeiramente extraordi- toes laboriosas, azidumes, faiad'appeie, pesos
narias provado incontestavelmente pelas fi-^Sk^p^^tS
curas nolaveis e bem ronhecidas que tem com vmitos.
feito de tumores, erapedes cutneas, enjsi-\ Este estado mrbido, se o dcscuidao, trazine-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs, [ vitavelmente, que seja:
ulceras, rheuma, sarna, parchas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoes. Debilidade ge-
ral :Indigesto, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, ulceracocs do tero, a nevralgia e con-
vul(;es epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que naseem da impureza
do sangue. Vede as certides no Alma-'
nack e .Manual de sadc do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o fructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes provas)
das suas virfti les': posto que offerecido
Moleatlaa de Uftado.
A Irterola.
PulpHarao de rorarao
Ddrca noa rlna.
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor goslo em
Peraambuco.
dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia.
dem de gorgurao de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2#i00, 20600, U, 3300, 1$, 55, 0-,
75 e 85 o covado. .
Superior gorgurao de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hesjianhola.
dem idem lavrada a 25 o covado.
dem idem lavrada muito superior. .
Completo sortimento de grosdenaple preto a 15300, 15800, 25, 2^'jOO, 35,
35800, 4, 45500 c 55. !
Pannos pretos de superior qualidade de 35 s 12-> o covado.
(Tasemira preta de 15600 a 55 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de tilo preto.
Mantas prctes de fil e los pretos. ,
E rauitas outras fazendas de superior qualidade na toja das Columuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. successores
de Jos Morera Lopes.
LOJA DO PRINCIPAL BAU1TEIH0
DE
Joaquim da Silva Boa-Vista.
Ra do Crespo u. lO.
ATniCIA
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando so tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsilo geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paiie
estrangeiros. _____
GRAGEASdeCUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYE
IVOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVE16
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos e nauseabundos
que existem para a expulso das lombrigas.
Nao n^^*^^**?* '^m'4t^^:'po^'i^eYelm\ Estes coditos que tem por base o prin
sera precisar logc. depois *mg* [ ao publico sob o nomo de Salsa panilha, cipio activo da vnmeira cubeba jauto com;
nhum e tao mciunte^ ^Jl1^''31'S* composto de diversas plantas, a gamas das a cupahyba pura, nao nausen o estomaga. 1
.....i U .,nn.;w .\ni .^ -Su.....s Elles fazem parar immediatamente as mais
rebeldesgonorrhas, mesmo as que ressti-j
ram a cubeba o a cupahyba isoladmente.
Deposito geral em Pernambuce ra da i
Cruz n.22 em casa de Caros & Rarboza
Paletots de casemira de cor a
Ditos de alpaca branco a
Caigas de casemira preta a .
Baloes de 15, 20, j, 30 e 40
Lengos de cambraia branco a
Casemira preta fina.
Panno lino pelo.
, Lengos de esgniiio. .
Na
7^500
4S00
85300
Chitas para coberla covado.
Laas lisas......
Vestidos de la a Mara Pia.
Um completo sortimento de chita larga a
arcos. 280 a.........
duzia. 255OO Bramante de linho......
5 Grosdenaple prelo.
J Ricas capas de ros preto bordada che
6 gadas pelo ultimo vapor.
17.
320,
. 175000
lina do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordem do da, e pela Biaoe
Aguia.apesar de que, para este- o Gallo cim .-eus
agudesesporoes nunca os offender, antes ti.-apia-
ciar na mesma couformidade, paia (jur o Ealiia,
possamarchar em frente, a Branca Aguia ((.sa
levantarieu vo,|levandonobicoas paliabas fen
ninho;e o Gallo ficar em seu espadse campe
dando de novo o seu canto anuunciando a seus
bonsfreguezes c aorespeitavel pnblice
0 grande sorliinenlo deobjectos de muilo goslo qi:*
aeaba de receber.
Ricascaiiiahas com msica ricamente ttfeita-
daspara ostura, proprio para um aelicado me-
nino.
l\i|dissiiioscofreiinhos com cadeadosde metal
para guardar oas.
Ricas :.Mt:is 0111 estejo, conlendo todos os per-
teneos parahomem.
t*i luissimas vallas fingindo perola.
Uius com lacinho de lila.
Ditas de I indas cores e preta, de toda? as f.ros-
suras.
Undosa lere$os com pedrinhos liugindo bn-
litantes.
Ricaslivellas para cinto, de toda? as qnalidates
e, bom gesto.
Hicos cintos de ultimo posto de Par-.
Grande sortimento de lindos BBelief (;i: c*t*-
ga, sendo do ultimo goslo e de todos (trI^<(^
Flores muilo Onas para Horras.
Luvasenfeitadase meias de sta pira renes.
Touqmnhas sapatinhos e mei.#.t de fita jsri
baplisade.
Riquissimas fitas de todas as qualidades [itli-
co, ciise cinteiros.
(.amisinhas e golinhas para senhora.
Riquissimosjarros e figuras para en:?n sala.
Grande sortimentoJe gravatinhastaute para se-
nhora como para homem.
I.uvasde pelica branca e decores.
Cascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas,gal3o e maravilh;i>fiara er.ftis.
Transelins de cabellos e de rtrez r^ra rclclci.
Papel amisadee de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e babadinhos delindos padlfrs.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoraf: tcenlnc* u*fBl-
as.
Fitas de veludo lisas c cem valsn 1 (t cits as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas a.' (1 aiii tCet.
Grande sortimento desabneles.
Lindos vasos com banlia para o(kiicr: 1 r ;(;>-
Caixinlias com seis frasquinhes.
Essencias de todas as qualidade?.
Agua verdAdeira Florida.
Agua daColonia, em garrafa? prsrdo.. rert
frascos qnadrados egarrafmbas.
Pomadafina de todas as qualidade?.
Superior banha em frascos e copo? df U.Ct es
lamanhos.
Sabaoinglez em paos grande? t lequirt?.
Escovasde cabo de madreperola, najfn r c<
osso, para denles.
Pentes para desembaracar.. com friso t< r t})
sem elle.
Ditos de tartaruga ? de muias entra? n .
des.
Pentes de tartaruga para stnhcra.
Liga? de seda e de algodao, assin ubi i ; :
ra do Crespo numero
Loja do principal barateiro.
gosto, qu
promptas a lomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstruccoes do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum,5 as
PASTiLOAS vermfugas de kempsso promp-
las e infalliveis na sua operacSo e por todos
os respeitos dignas de confianra e approva-
c/ao de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Vendem-se no Recife em casa de Caors 4
Barboza e J080 da G. Bravo & C.
quaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PE1TOR.U. DE CENEJA DE AVER.
Cura promptaihenle a asthma, bronchite,
. tosse, delluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
CIMENTO
Francez barrica 5J000
Pvrtland barrica 8$500.
No trapiche barO do Livramente ao caes
d'Apotlo. ________________________ '
e dePoilland
Cemento romano
no armazem de Tasso Irmos.
Vende-se urna bonita eirava de tdade de 18
annos, engomma e cozinha bem, 1 dita de raeia
idade, 1 i/.inha bem, e vende-se por 3005: na tra-
vessa do Carino n. 1. _____
Xa ra das Cruzes n. 18, ha para vender-se 13
escravas preta?, eulre ellas algumas que engom-
mam, cozinham e lavan bera, e fazem todo servi-
do de ama casa : a tratar na mesma casa.______
Livraria ecacailcraacao acadmica de
Joo W de Nedeiros, >v caiieire
da livraria econmica) raa do Im-
pera I r 79
O proprietario deste estabelocimento participa
ao illaslrado corpo acadmico, que se acha esta-
beleeido na muilo onhecida livraria acadmica,
com um grande sortimento do obras de direi(o e
de litleratura, onle encoutrar-se ha as principaes
obras, assim como tolos os corapaniios da Facul-
da le de Direita e dos preparatorios. Tarofcem
prepara em sua offleina quae?quer eucaderna^oes
om apurado go-to e li.nsea. Tudo pelo menor
preco pos-ivel, bem como relajSes de Economa
Poltica pljSr. conselheiro Autran por 35 I vo-
lunte encadernado ; licSes Acadmicas sobre arti-
gis do Coligo Criminal por Januario Bezerra
Moitenegro 1 volumo en'-adernalo 5J, Waldoclc,
Direito R imano, obra completa, 1 velume enea-
dernado em couro 55, e outras muitas obras que
com a vista se verificar.___________________m
__Vende-se um sitio com casa de morada, ter-
reno proprio, j com alguos arvoredos e boa ca-
cimba para agaa, na p3Voa,odj CaehMri, sitio
aonle tem a padaria : a tratar na ra da Impera-
triz, taberna n. 45.__________________
Vndese urna exeelleoie negra Mossambi-
qne, de idade, douco mais ou menos, 32 annos,
muito sadia e fiel, cozinha e lava muito bera, as-
sim como tt com perfeicSo todo p arranjo de urna
eaflt de familia, e excellente quitandeira que pa-
ga 800 rs. por dia : a tratar na ra do Principe
n. 3!.
les com 30 palmos de frente, dous com 40, e todos
com loO de fundo ; a localidade a melhor possi-
vel, entre a ponte do Chora-menino ea da Magda-
lena, no mesmo ponto em que a companliia de de-
Todas as molestias da garganta, do peito .beribe acaba de collorar um chafarz, agua de be-
e dos pulmoes pdem ser curadas em pou- ber ao P> & vCTt?da cidade> Para onde ed'ondo
Vendem-se seis terrenos para edificar, chaos 1----------
proprio.-, todos com frentes para osul; quatro del- ^q ailliazeni (le taZeilOaS &-
a beira de urna es-
co lempo pelo pe.toi.al de cei.em d dr. | f?aS freien^dSimS! docl'i.
ratas de Santos & Colho
liua do Queimado n. i9.
Vende-se o segninie:
Lences de panno de linho
pelo, baratissimo preco de 25400.
AVEn. !da ta-nboa,para embarque e desembarque, e paral Lences de bramante de linho
A' venda as principaes boticas e droga-1 banhos, cuja nectjssidade lao reclamada em nos-; de um s panno a 35300.
rias do imperio, e na agencia central doiSclima luente.e cidade odmca_d_^com tamas des^
Rio de Janeiro ra Direita n. lo.
ivres
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaela franceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
r03-ajcooi rr'-i a= o O as ^
4 ?5 -^ _. ^ is cj & > ra -^ ;*, =
Coberta de chita da India
conveniencias hygienca:., sao commodidades mui i pe]0 Daratissimo preco de 25300.
vantajosas e apreciaveis. Um dos dilos terrenos, i Lencos de'cambraia brancos
o da esquina ao naseente, tem duas frente0 "
uma^rau-de-mangueira'da mais bella c attrativa I 9%**E\> !* Vm't0 varas
sombra" e de fructos, cuja excellencia niio cede ao I Pe?as de bretanl a de rolo com 1U varas
de nenbuma outra mangucira da provincia ; dos proprta para saia.a .i*uu.
outros terrenos, um tem boa cacimba e os outros j ecas de cambraia
algumas arvores fructferas, cajueiro, romeiras epara forro com 8 12 varas a ^o.u.
s s> y
a>
os g -i -ua.^iz'oS
apolizeiros que dao ptimos sapotis
Imperador n. 14.
na ra do
"5

M
-1
-a
BS,
CJ 03
n. n> -
T1 u ^ en t
O
o c
9
Cb O
co
-2 3 o-
aa
B3
13
n*-!g3
< S B! i
M g. 5 a-a
* =5 -, S--1 2. o o- S
O. ? u, -, C8 o
o-3B3
S
o 2.
~ n Si a
3 co
O O C3
o s
so a" 2 f'
o
S
m a ^
2 S S s' s
o a.^
O- CB 3
s
^g-O-3 O
i s co s
? -i vi a.
si o
S S
a ?
O s
"O co
i
3
a> a
o.
o
^
s
b o
'-
S
O,
Q.
(D
U>
co
co
O)
3
a>
09
g
i
Si
i*
Potassa da Rtissia.
Acaba d;; chegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da ftussa, e vende-se a prego commodo: uo
cscriptoro de Manoel Ignacio de livetra &Filho,
largo do Corpo Santo n. Io.
Guardanapos
de linho Anos duzia 35300.
Algodo entestado
com 7 1|2 palmos de largura vara 15-00.
Cortes de ,1:1a
com 13 covados a 65-
Cambraia adamascada
com 20 varas propria para cortinado p ja
Fil de linho
liso fino vara 800 rs.
Aloalhado adamascado de algod.to
11J.
COMPENDIO D0L0110S0
que comm o oflicio deNossa Senbora das cotn 8 p'a"mo7deU|argu7ama "25200"
Dores; o modo de resar e olferecer a co- Amainado adamascado de lnho
roa, um setenario e mais outros exerci- com 8 palmos de largura vara 35200.
cios de piedade e devocao; ordenado pe- ^SgSiS^
la irman lade dos servos da mesma Se- LSazinhas
nhora que se acha erecta na egreja deN. 'de cores Qnas covado 360 rs.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-1 Fajeadas para a n
600 rs.
verendos padres misionarios apostlicos de^3Sda7:
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S.M. I., que Deusguarde;
di lo lu/. por devocao do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deMissina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.____________
Grosdenaple, moreanllque e ricas capas de gros-
M4CUINA50EPM
de trabalbar no para
desearocar agodo
FABRICADAS
Por Plaut Brothers & C.
OL0AI
Estas maehna
podemdescaroga
iiualquer especi
le algodao seo
, estragar o fit
r-*Jf sendo bastant
duas pessoas par
o irabaiho; pd'
descarogar um
arroba de algo
dao era earoe
em 40 minutos
ou 18 arroba
por dia ou 3 ar-
robas de algodac
limpo-
Asstra como machinas para seren movidas per
animaes, que descarogatn 18 arrobas de algoda
iimpo. uor dia; e motores para mover urna, duas,
eutns dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode azer mover seis deslas machina
mencionadas; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo. no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sauoders Brolliers k C.
X. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paii._____________
0 GASTELLO D GBASVILLE
Traduzido do.franccz por A. J. C. da Crnr.
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baratissimo preco de 23500 :
ua pra^a da Independencia, livraria ns.
6 e 8.
i utros objeclos de gosto que seria in:u>m 'u i -
^oinar.que a vista farfer, s no Gafk Vil rite,
cue do Crespo n. 7.
600; Volliunas.
I Lindas voltnhas de porcias falsas cooifrczittbts
lingindobrilhank's, assim como croiiliai bvoIi
te voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15SCu, as
1 cruzes avus asa 0 rs. s no Vigilante, ra do
Crespn. 7.
Leques.
Rlquissiinosleques de madreperola tanto i?rs
senhoras como para meninas, pelo barato riere
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Fitas de la.
Fitas de laa de todas as qualidades, r.roi rias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s ce Vi-
gilante, ruado Crespn. 7
Ricos esjielhos
Riquisslmos espelhos com moldura *'< irrta"
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim cerrr cetn
columnas de differentes lamanhos a 25, 35,45, Sf
e 65 ; s no Vigilante, ra do Crespo d. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimosjarros e figuras de porre',: tira.
para enfeite de sala, sendo omellior pesio <,i> aqoi
tem apparecido; s no Vigilante, ra doCrfric
n. 7.
Para 6 de arroz.
Riqoissimosvasos com bonecla para pos c arrd
cousa de muito goslo a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada uir; s ce
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhs,; 1 rr*-
das, assim como de lindos copos cu va.-c- n 1 i-
tinclivos e offerecinientcs "s sinhasinhas ('1 t>>
Inores e mais afamados autores do l'ariseiiif oi-
r, assim como os grandes copos > L-.-u[. i,: 1 na
a 25 e a 15, assim 'vimo outfos dbjerlos qiu rio o
possivel por hoje Snnunciar, e vista dos Ufgffe-
zes sefartodn negocio; na loja de Gallo Vigilante,
rna do Cresno n. 7.
Vende-se a taberna n. 12 no largo da Penha:
a tratar na mesma,
Vende-se calgado francez da barca franceza
S. Joao da Luz, na rna do Livramento n. 21.
Milbo e feiio ehegado agir. Borzoguins de lustre (Nanles) 65000.
Sacas com feijio mnlatinho novo a 125, ditos Ditos de bezerro de tres solas (Nanles) 65000.
com mlho novo a 4300 ; na roa dos Qqarteis n.- Ditos de bezerro de duas solas 6.WM0.
U jonto a loja de fonileiro. SPaWs uPe,e i0 r8
Vendem-se duas meradas de casas na ma-
triz da Vanea, com grandes commodos para fami
lia e proprias para qoalquer negocio, quintal bem
plantado, urna cacimba rom excellente agua ae
beber, em urna das ditas casas existe urna taberna
lendo de fundo de 5005 para cima, exeede de
1:0005 de dividas, tudo se vende por 1:0085 ; as
casas teom .J3 palmo< de frente e 280 de fundo, o
terreno foreiro do patrimonio do S. S. C, paga
de foro 95 annuaes : quem protender lal negocio,
pode dirigir se a ra Direita, padaria n. 40, ra
da Praia n. 49, que abi achara com quem tratar ;
ex pondo a raza por que se d por este prego.
Vndese ama casa terrea bem construida,
nos Afanados, ra do Molocolomb n, 2 : a tratar
na ra dos Quartei;, taberna n. 18.
Esteira da India
propria paraforrarsalas.de 4, S e 6 palmos de
largura, por menos prego do que em outra qual.
quer parte.
Neste armazem d9 fazendas ?e encontrar um
' grande sortimento de roupa fe.ta e por medida.
Vlaho collares.
Acaba de chegar de Lisboa a superior e verda-
deirovinho de Collares em caixas : esta excellen-
te qualidade de vnho lorna-se recommendavel por
nao conler espirito e ler agradavel paladar, supe-
rior ao melhor Borh?.i'ix; sendo aquella partcula-
rdade aprecianel o til na prsenle estacao calmo-
sa, em queosvnhos agnardentados se tornam pre-
judiciaes : vende-se no depo.ti, ra da Cadeia,
escriplorio d^ Leal Res.____________________
Lesumes noves a 6,400 rs. a arroba*
Na padaria atraz da fuedifo do Sr. Starr ven
de se ervilhas verdes, ditas amarellas. e descasca-
das, lehtilhas e sevadinha pelo prego em sortimen-
to de 65400 rs, e conforme for a porcao fai-se al-
gara abatimento.
Precos que admira.
Sapalos de trauca superiores pelo barato preco
de 1-5 o par, c duzia 105 : no vigilante, ra do
Crespo n. 7
Bico adamascado de todas as larguras, a pega
com 10 varas, cada pega a 400, 480, 500 e 600
rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Clcheles em cartao de urna e duas carreiras
pereitas, pelo barato proco de 40 e 60 rs. Cada
carto, e duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, a dnzia a 15200, 15600.
25,35,45 e 55-
Balaios propriamente para costura e"para fruc-
las.epara menina trazer no brago a 15500,15600,
15800, 25 e 25500.
Perfumara, macag perola a 25, 25200, 35 e
45 a duzia, oleo de rnaozinha a 55 e 65 a duzia.
banha a 35, 45 e 55 a duzia. Estes objeclos se
vendem por admiraveis pregos em consequenca
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, pois affanga-se pouca avaria e a boa qua-
lidade : s no galo vigilante, rna do Crespo n. 7.
Mlho novo em saceos grandes: no trapiche
de Ctroha, a tratar cora Tasso Irraaos.
.Affua Florida.
Para restabelecer e conservar acor natura]
dos cabellos.
A agua 'lorlda nao i urna Untura, facu ..-,
cial aeoatestar, a mosma agua dando a cor; i in
tiva ao cabello. Composia de plantas exticas e
desiibstaociasinoffensivas,olla tem a proprkdace
derestitair aes cabellos o principio corante oue oi-
les tem perdido. D'nma saluhridado inconlesta-
vel, a Agua Florida entretem alimpeza da catega
destroe as caspas e impedo os cabellos de caLir
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes extica:. me
constite poderosam?*'" com a Agua Floridfi, a
torga,a belleza e a conservagao dos eaboi
Em Paris, casa de Quislanr n. 12, ra de Rlct>-
lien, e2I,boulevard Montmarr
Todos os frascos, nao tendo intacto o chn-. o
timbre prateado da casa, sao reputados falso?.
Deposito, roa do Imperador.pbarmacia n. 38.
Coke do "az.
Pitch do paz.
Alcatio do gaz.
Coke, tonelada lOOOO.
Pitch, arroba 35000.
Alcalrao, caada 560.
O cok reconhocdamonle o carvao roaistreno-
mico, torna-se por isso recommendavel, hn'ro-
mo pelo aceio que se nota as casinhas ser.de" e
elle usado. Ptch o alratriio, nlrm s ard.'rr r"i -
goes diversas a que so i>restao, ermo para caala
lar embarcagoes, alcalroar madeias, etc., iki-
estes a propriedade de preservar do cofim, le-
migas, etc. entregue ra fabrica do paz, oo man-
dado prem qualqner ponto da cidade, segundo a
vontade do comprador e previo n)nste._________
Azeite de carrap a (o
Vende-se por atacado ou a relalho nai barsto
o que vendem os malntos as cargas '. na fat ri-
ca da travessa do Cariaca n. i, |ces do Ranm.

ff.. -^


**
Diarlo de Pernaubnco ... ferca felra 14 de Marco de 18O&
AURORA BRILHARTE
GRABES ARSZENS
MOLHADOS
Laboratorio enologico e Jirimico de F. P. Lebeuf e G,
ra Montmartre, 31, em Pars.
Fabrlea em Argenten!!, prs Parla (Franca).

B0MFICA(1A0 E FABiCACiO
Dos vinhos, agnardentes e licores.
| Largo da Santal
feCruz ns. 12e84,*a'
Hfesquina da ra do
Cebo.
VINHOS
ESPECULES
Largo daSantai
gGruzns. 12 e 84,5
|esquina da ra doj
sCebo.
VINHOS.Imitado dos viabos de todas as
qualidades,Eitraelo de Medie, dose nara 230
luros>U.23,-deBorde1x,2f.,-de Poroard, 3
f.,-de Lisboa, 2 .,-do Cataln, 2 f.,-de Porto,
Aerez Muscaiel, Malaga, dose para 25 ou 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcaoi e acua
WSSmt***"'9?? A dose ,,ara
CLACIFICACO.-Ps Inglezes, pos dos vinhos
wnTt f" a 5>T elc' A llbra para 300
COLORAQO.-Purpirigine para colorear os
violios brancos e vinhos claros. As duas
AGl'AHDE/TES.EsscicU de cognac para dar
as agurdenles r Jinarias o sabor a o aroma de
cognac. A garrafa para 100 Irtres, 5 f.
KIUSCHEAUSI.VTHO.-Essenciade kirsch e
de absintno, para os aier com alcool ara. A
garrafa para 100 litros, 3 f.
LICORB8.Extractos para fabricar se todos os
licores eonhecidos sena fogo nem alambique, (ia-
dicar-se os que se de3eja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os-licores Anos ou
commnos a deje para 20 ou 23 litros, 1 f. 23.
TODOS os ouiros productos para o trabalbo do>
vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de enceinmenda.
UTE.N'CILIOS de laboratorio e de ehlraica.
e engaado nossos
0
NEM COROAS NEM MITRAS

GRANDE 1RMA25EM
BrilhamedTahi0Srtar^hO.aSreditd0S rmazen-' moltul^leqpmiDKiTAaron
pnSkxmetniJ^' e saa Propriaencomtnenda, muitos gneros delicados
ipST. VSSSS>a^0&SSrmm comprado aqui> aflan^ueto-
ladoresA SegU'B" ,abe"a Se"'ra a todos de base Para aJuste de con,as aos Pr-
Brilhanp "S"L 2E V6Dder mais barat0' e memores gneros do que a Aurora
modadn ImJlLint? sor1,,meDt1 qne tem, j raesmo por seu dono seachar encom-
5m. nr?m,t, 1 e ter 5 vender um de seus armatns agora, e o outro na pro-
bario P m 6Ve'Se aProveitar Qmi qaadra dess para se comprar
para 500Trw.leT"------' U"M **?
fr0noAlgHDS de n0SS0s agfe.n,es lendo fals<0cado e imitado noss:
fregoezeMeve.se ex.gir sobre as rolhas e rtulos as iniciaes F. V. L Pars,
0 modo de asar-so das preparares aeha-se iudicado no rotnW.
Vende-se na botica franceza, ra do imperador n 38.
RUI DO IMPERADOR 4
Jeito ao sebrade en que era oSr. Osbwne,
Duarte Almelda <& C, reeeberam de sua proprla cocn n rn
da o mala lindo e variado sortimento de molh.do, prcfri,
da p rescate estaeio. *""*S^"
Manteiga ingleza i Masas brancas
da safra nova rinda no ultimo vaporea 1 ,ooo para sopa a melhor que se pode deiar
A
[Latas cora 8 libras de chouricas muito novas
.1 a 7&oM. '
Ditas grandes com peixe em postas inteiras
SVoo 'luatdadeR' a 1*00. MMN
l Bitas cora ostras, excellente petlsco para fti-
J gideira, a 720 rs.
Oiias cora ervilnas novas, easopadas, a 720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
IDitas cora araeixas a 200, ifl800 e 3*300.
Ditas com inarraelada do afamado fabricante
.,./ Abreu, a 880 rs.
K:^?!tas com massade tomate, a 300 rs.
Diiascqmi jigos de comadre, novos, a 15500,
>D's,s,v?m bolachinha de soda muito novas, a
, Ditas com biscoitiahos iaglezes de maitas qaa-
lidades, a ii00.
Chocolate.
superior muito novo, a libra a
-V
Chocolate
1500.
MacarrSo, talhariam e aletria amarella, a libra
a 48U rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs
Canas com estrelinha, peride, e ootras raas-
sas, a caixa 34300.
Ditas dita em libras a 6i0 rs.
jSa.-, a libra a 360 rs.
'Sevadinha para sopa a libra, a 240 rs.
Brnthai seceas, a libra a 160 rs.
> Di tas descascadas, a libra a 200 rs.
, rapioca muito oova, a libra a 280 rs.
i <*rioha de araruia verdadeira, a libra a
, 300 rs.
' AtlT2 _ 2500 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a li-
bra a 100 rs.
Toucinhj de Lisboa a 9>300 a arroba e a 320
rs. a llbra.
Dito de Santos, a arroba 7*000 e a libra a
260 rs.
M ilhos com 123 ceblas grandes, a l#280.
M istanla franceza, caixa com 2 duzias a
8;000.
Frascos com mostarda preparada em vinagre,
a 400 rs.
Ditos cora conservas inglezas e francezas, a
6l0e800rs.
Ditos com sal refinado fino, a 610 e a 500 rs.
Ditos cora a verdadeira genebra de laranja, a
li)000.
Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira, a
640 rs.
Botijas com dita proprla para negocio, a
400 rs.
Garrafes com 2 galoes com dita, a 6*.
Ssrveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
iuza a 6:000.
Vi ihrt muscatel de Setubal, a garrafa a 1*.
Marrasqmnho verdadoiro, frascos a 80C rs. e
a 1*200.
Champagne, a duzu 20*000, e a garrafa a
2*000.
Azeit,) refinado portuguez e francez, a garrafa
a 1*000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
7*. 8*. 9* e 10* a caixa.
D.tas com dito branco, a 7* a cain.
Ditas com dito lacrimas do Dooro verdadeiro.
a 20*.
Ditas com duque do Porlo verdadeiro'a
18*000.
Ditas cora chamisso superior, a 14*.
Ditas cora Porto volho e outras muitas mar-
ca <, a 12*.
Vmlio de Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a 3*200,
3*300 e 4*, e a garrafa a 500 e 560 rs.
Dit i da Figueira, das seguintes marcas (X.)
(J- A. A.) (. L. G.) (O. M.) a caada a
4*3J0, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
Ditos d marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 3*300 e 4*000, e a garrafa a 480 e
820 rs.
Vinho branco Gno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho rerde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gomuia.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se'
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao massa. a libra a 200, 240 e 280 rs.
larioaa.
Saccasgraqdes com farinha de Goiauna mu-;
to nova, a 3*000. -
C.jfr,
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*.:
8*500 e 9*000.
M.
Cha, temos nestes gneros o melhor possivel,'
hyson, a libra a 2*600.
Dito perola a 3*000.
Dito uxim a 2*700.
Dito hvson muito lino a 2*300.
Dito redondo a 2*300.
Dito preto de primeira nualidade a 2*300.
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Erra mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caitas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e 2*300.
Nozes.
Xozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpisia e paincii.
Alpista p painco, a arroba 4*000 e a libra a,
160 rs.
Carlas.
Cartas linas para jogar, a duzia a 2*310.
Castanhas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra a 200 rs.
Azeilonas.
Barris com azuitonas novas a 1*300.
Manleiga.
Manteiga superior, a libra a 1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita era barris e raeios ditos, a libra
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Qaeijos novos vindos Baste vapor a 3*200 e
3*500.
Ditos londrinos muito novos, a libra
1*000.
Papel.
Papel almacJ pautado, a resma a 4*800.
Dito dito lizo de finho, a resma a 4*300.
Dito de peso lizo e pautado, a resma
2*300.
Dito de embrulho, bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*300 e 25000.
Temperos.
Folhas de lonro. pimenta do reino, corainho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a,
480 rs.
Amendois.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a 1*400
e peqneno8 a 640 rs.
lijlos de liapar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
(irava.
Dnzias de boies de graxa n. 97 a 2*000, e
de latas a 1*000, e os boiocs a 240 rs. ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos fiaos.
Charutos Anos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos preces, caixas e meias
caixas.
CONSULTORIO MEDICO-CIRURGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os das da? 7 i 4
oras da manbaa, e das 6 e meia as 8 boras da noite, exceptos das sanflcdos
Pharmacia especial homeopathica
thrtc? .m mbosavulsos, MigM.-a.dii varias dymnami^es pe|os ,*^5fi5
tarteras de 12 tubos grandes. 12008
de 24 tubos grandes. 18,5000
de36tubosgrandes. : 2-i^OOQ
de 48 tubosgrandes. 30^000
Mn. 'e tubos grandw. 3S#000
N m 7* qualwrcarta,ra conforme o pe*do que se flzer, e com os remed
m tubo avulso ou frasco de tfntura de meia oaca l^noo
S2SJK22I5! d6 S cus!arSo ,s "recos estabelecidos pra as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ri.
LITROS.
*o...Ta!^
Medicina domestica do Dr. Hering, '..... ?Sxx2
Repertorio de Dr. Mello Moraes............. 25SSS
Diccionario de termos de medicina '...... 52Jw
t a 2 r^med,0s de.ste estabelecimentosao por demais'cohecidos e dispensara oorStv
&LS!S aovamen rewmmendados aspessoas qdl quiserem usar de remis w-
ffil?' nergT,e-duradores ha tdo do melbor que se podedesejar,globosde ve-
5J22.leite.' ntaveiS pela sua boa conservo, tintura dos raafs acredUados
Casa de sade pnra escravos.
0Derar5rnt;TCraVS Para ratar.de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualqner
operacSo para o que o annunc.ante julga-se suficientemente habilitado q
S D?e'0r Possive,'tanto na Parte alimentar, como na medica, e
SVdS.a(Tcasaa.maisde crannos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
ioentes q P m S6r consultados Por a Paga-se 25000 por da durante 60 das e d'ahi ern diante 10500
., S Perac?es serio previamente ajustadas, se nSe se quizerem suieitar aos Drecos
izoaveis que costuma pedir o annunciante. J p c
PABR1C.4 DI CRiPOS M SOL
rma e ru-.i do

81 Rui Nora e^qnlni di Cambo* do Car
Ciibug d. H.
A rirestaria deise ejtabdteciiaenlo o mm importante que existe neste imrni
9113, faz SCiente un ti reinlrmi-( 9 vanA* n;nA~__:. i.____ n ....
do que do costume como demonstra a seguinte tabella :
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
.Tlaatelga fraaceza
pa "afra nova a 60o rs. alibra, e em barril
2560 rs. au
Amendoas
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimes,
Oartoes
com boles francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com belachinhas de soda de todas as qua-
'idades a 10360.
Chocolates
de todas asqualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
terms velbos para 509 rs.
Queijos flamengos
cnegados neste ultimo vapor a"2*600.
Queijos
cnegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Queijo
londnno o mais fresco que se pede esperar
e de excellant maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o ira co.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas
proprias para mimos a 900 e !02Oo!
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, qUe outro
qaalquer n5o pode vender por menes de
Ideaa perola
'special qualidade a 25700 rs. a 11 ra.
dem livsson
> mais aromtico que tem vindo ao nnssn
mercado a 20600. osso
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480 rs. alibra.
" AC
o muito afamado cognacPalBrandv a 1 800
rs. a garrafa e de outras muitas miaiida-
desa i,ooo e 800 rs. a garrafa
lapidados para agua a 4,5oo e 5 000
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
aimaco greve, peso e de outras muitas qua-
jjdades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
Papel de botica
ae excelleute qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
bra.
e outres
rs. a
macan-So, talharim e aleiria a 4C0 ra. a
libra e 40500 a caia.
Vinhe
Figuefra J A A e outras mniti? Barcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Ideai de Lisboa
6 aeeoAUiras marcas a 40 rs- a gtrnt*, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto 10 e I0S6O
a garrafa e de 100 a 120 a caira, as asar
easto as seguintes: Chamisse dFiFbo,
F. M., Nctar ou vinho des Deozes,
lagrimas do Doure e outres urahoi.
latas
com 10 libras de banha a 40OC9
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaaue
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercade a !2Cr* .<
'Cervejas
?S,h sI?bric,inte* de todas as mar
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis
meias caixinhas a 10500.
a if t Arro
Ll*A- a 1,bra' e **SQ0 a 3OO0 a ar-
roba desses que vendem por 30400
A CAF
akM SOrte doRO d Janeiro a 803f
e 0800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
arrafSes
CogarrlfirafaSCOmvinagre a *****
a a GNEBA DE LARANJA
verdadera a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
dem
alisos"' ^ Hllana 3 *m Cm
GENEBRA
PAUTOS
os verdadeiros palitos de gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha g
LICORES
finos de todas as qualidades, a 10,000 a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
lib 6U C 0alr0S muitos a 6oe r8- a
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estahelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
Descont em duzia.
20 %
Chapeos de sol de panno a 25000.......
armaco de baleia a 20500 [
** ,\..de,seda arm,Co de a?o inglez de 20 pollegadas
40, de 24 55, de 26 50500 e de 28 60 .
Chapeos de sol inglezes a balao 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 90. e de 28 100
dem dem a balao de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26 120, e de 28 130 .
,.m Alem e mui,tas ontras 1urb'Iades de chapeos de sol' que existem na mesma casa
SZSS ?e alpaKka' drt0S debrim de linh0' etc- elc' ha taabe^ de sedaTde panno
dtitodos\m taatMPfcoe e feitioe, os quaes s5o to vantajosos como os aonunciidm h!
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fin,"' ar-
f^SS os ^s'endem-se igualmente em porco e a retalho, not ndo pore'm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim
ihar pelo preco que o estabelecimento retalha.
a retalho B' S ob^ectos comPrados em menos de urna duzia sero considerados como
10 %
15 Ve
15 /o
l o o
Corinthias
rSttffif*proprias para
Fumo
Vinagre
TadTuamTetaSde9caQadasa5'00^s.
Cebullas
as mais novasdo mercado a 7,000 rs a caixa
e 1,00o rs. o molho.
, Alpista o Painco
de poder reta- o ma novo do mercado a 140 rs. a libra.
n%M*
)7n
'^^^^^^^^<^M '30ilales de reuda Preta hournus de guip preto
4TTENCA 0
AO
NOVO ARMAZEM DE MOLHADOS
.". 18Rna do CabiijEo. 18.
Ueroote da matriz de Santo Antonio,
E
Lima & C.
Os proprietarios deste novo estabelecimento avisa ao rcjpeitavel publico, que acha-
ue prvido de um completo sortimento de molhados e seceos, todos novos e por precos
co nmodos.
Os proprietarios nunca quizeram annunciar pelo jornal a existencia de seu estabe-
lecimento ; porm, como faz-se necessaria a noticia aos senhores de engenho e agricul-
t) es.que raandam seus portadores directos a esta ou aquella casa, motivo pelo qual os
propietarios o fazm agora,
Aproveitam a occasio para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
m iitto se achara senvpce completo de um variado s< rtimento de molbadoi. seceos e ou-
t i* i- objectos perlencentes ao mesmo ramo de negocio. /
Seus precos serao menos 5 por cento do que em oulra qualque/ parte, e para
<;*'.c fim chama-se a attencSo de todos em geral. /
Os pesos medidas, equalquer engao dado na casa, serSo garar/tidos pelo dono
;n fivor do consumidor, em qualquer occasio que reclamar. '
Os proprietarios deste novo estabelecimento esperam dos seus freguezes, e do
publico em eral toda a proteccSo, prometiendo os proprietarios da Flor dos Progr-s-
<;>s tirar tp smente um lucro razoavel do laboros trabatlio, com que possam dar
<:imprmenlo a. esta ardua-ruisso.
Achando denecossaria a pnblicacao dos precos minuciosamente explicados de
seas gneros, com o que geralmentc lodos fogn, pelo motivo nao somentede serenfa-
donho, como tambem por nada valer, os proprietarios tm smente em vista entreter es
set consumidores com gneros novos, e precos mais razoaveis do que em oulra qual-
quer parte, pois serao as garantas para a prolecc5o ao Novo Armazem de Molhados
FLOR DO PRORE*90.
4'leja da rna do Crespo n. 17,
DE
JOS OHES VIIiLJLK
- i.h.lli6. ainfh',0*' 3.0*' m- 50* e 605'capas casac5es de ^ros Preto, chapeos
e cbaMlfus de palhae outras monas fazendas proprias pra a quaresma. P
Jos Gomes Villar pretendendo ir a Europa tratar de sua saude espera aue seus
devedores tanto do mato como desta puca saldem seus dbitos quanto autes
ARROZ
deD3 oooJaaVa.Vnd,'aj a ,0 a
ae J.ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
, VEUS
aeiihrrfaCete de.ffl>eraaamarcaa a 56o rs
a libra e em caixa ter abatimento.
. VELAS
,de carnauba em caixas de arroba a 9 2 .
ca.xae34ors.alibra. ,3f
Batatas oras
emaCaixaaSde2arrobasa50acaiMe6Or..
om Pmms B|t ?
"^4S8S".satT*o*
. Choeolae
,Frwa m calda
pao.
chegadas uMimam**," ea,da
a 600 e10
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,000 rs. a arroba e 16a rs. a titira e compran-
do de um paneiro para cima se far abatnenlo na ra do Imperador n. 40.
CEBLAS
""mal?8/ r? ?C6nt0 Daruad >
gotc4oran.9Imperadorn-4<>^-
R^O DE Bico
"br 0(bfi0-a arroba e "" a H-
Dra na ra doQueimrdn n 1 *
muito fresco a 800 rf -
Queimadon.7 raarfrTJ ra,Qa raa do
largo do carme %Ia,perador *' 40 e
a 640 rs. jala.
o caixae.
. GOMMA MUITO NOVA
adou.3' mdni* 2 ra do Cw-
do Carmo n 9 mperadorn- 40 e,a'o
. BLACHINHAS
IE
CHE04R4M OSHODEft^OS CH\LES DE
FIL PRETO,
Superiores chiles de fil prelo cliegados pelo uliimovaper fraacea. a
.tojadas.rotumnas na do Crespn. 13, de.An'onio Correia de Vasconcel-

BE
, J. VIGNES.
Os pianos desta *? fabrilVi^hD IJn*KADOR W, ft&.
faa superioridade, vanlagens e^^L^a^S^0' ^^ T* Seja "K?*!^ nsstr >>'
res que elles tem definitivamfn ^ conaultadfS, h comPraos, qualidades estas iaconW
suindo nm tec ado e marhinkmn iSr2C5**) so^re ,odos os ussimos para o clima deste paiaTqmSiK) ? v?lf? ultimflamtD'e melhorafluntos importa
vois aos ouvidos dos apreciadores melodiosas e flautadas, e por islo muito grada-
n5oa% fc jT^^^ ^riea como nado Sr. ttaaM, ^p^ wi#
N mesmo estabffi^nfn ?*.M.!L,tol foram sea,Pre Premiados em todas as ex|sice^^,
^ precw commodos e raSt' harmt>n,cos e Pianos barm.onfcos, sendo tudo. v3c por

...
\


Biarlo de Pe*m*mhm* erc lelra i4 de H*r*o de iSO&.

Atenlo.
Fazendas pretas para a qaaresma. por
por baratisfcinfl precu, na loja e tr-
aaxem 4a Arara, ra da lapeisunz
n.56.
Lourenp) Pereira Hiendes Guimares.
O propietario daale eslabeleciuieato retirase
para a Europa a tratar de sua saude, po.-m ames
de retirar-se pretenda fazer una liquidago de ba-
baratisslmo prego paTa fechar coalas; agora fre-
guezes veade-se grosdenaples prelo muilo bom
para vestidos, a 14600, i e i&M, dilo de 5 pal-
mos de largo, a 34 : na ra da Imperairiz luja da
Arara n. 56.
Menrantlqne preto a 3$.
Veode-se meurantique preto para vestido a3jo
covado, srosdeaaple muilo largo e encorpado a 14,
2)5300, 24 e llk) o covado, alpaca preu para
vestidos e palitos a 500,600, 700 o 800 rs. o cova-
do, sarja de la para vestidos, calcas e palitos a
640 e 800 rs. o covado, la prela para vestidos a
640 rs., bombazioa prela para vestidos a 14*80 o
covado : ra da Imperalriz luja da Arara a. 56.
Ricos vestidos a Maria Piaa 1:2$.
Veodern-se ricos vestidos a Mara Pia a 104,
124, 14$, 16$ : ra da Iiaperatriz luja da Arara
n. 56.
Arara vende pecas de panninho a 5$ e de
madapofo a 40.
VeuJem-se pecas de paaoioho muilo lino de 12
jardas a 54, vendem-se. pegas de madapolo iufes-
taJo a 44 e 44300, vendem-se pegas de madapolo
de 24 jardas bom a 64, 74, 755O0, 8$, 9*. IOS a
124, vendem-se pecas de algoJausimio a 5$, 6$,
74, e 84 : ra da Imperalriz o 51
Arara vende os baloes a 2500.
Vendem-se baloes de arcos de todos os tamaabos
a 2500, 34, 3J500 e 44: ra da Imperalriz
n. 56.
Laazifihasda Arara a 320 rs. o covado.
Vendem-se laazinhas para vestidos de seaboras
e meninas a 320, 400 e 500 rs., ditas lizas de to-
das as cores a 400, 500 e 560 rs. o covado. cassas
finas para vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado :
ra da Imperalriz o 56.
Chitas da Arara a 240 rs. o covado.
Vendem-se chite de cores Usas a 240 e 280 rs.
o covado, ditas francezas linas a 320, 360, 400 e
500, preclara para vestidos a 500 e 560 rs. o cova -
do : ra da Imperalriz loja da Arara u. 56.
Liquidago de soutambaques e laazinhas a
n, 84 e 104.
Vendem-se soutambaques de laazinhas para se-
nhoras a 72, 82, dita de alpaca branca a 102, ditas
muito linas de grosdenaple preto a 202, 252 e 302,
capas pretas de grosdenaple tino a 202, 252 e 302,
manteletes pretos de grosdenaple a 202 e 224, go-
linlias paca seohora a 440, 320 e 500 rs., maugui-
tos com gola a 12. camiziubas para senbora, 22,
e 32, ditas ututo Haas bordadas a 42500 : na luja
do barateiro da Boa-Vista ra da liuperalria loja
da Arara n. 56.
Cortes de ditas finas a 25400.
Vendem-se cortes de ditas com 10 covades por
22400, ditos de dita franceza a 32200, cortes de
cassa franceza Ana com 11 corados, por 32, ven-
dem-se pagas de cambraia branca lisa a 32200,
42500, 52300, 62 u 82 : ra da Imperalriz n. 56.
Liquidaco de roupas feitas palitos a 2#.
Vendem-se palitos de bnm de cor a 22, 233.0 e
32, jaquetoes de bnm pardo a 32 e 32500, palitos
de casimira bem feito a 52, 62, 72,82 e 102, di-
tos do panno preto bom a 82 e 104, ditos sobreca-
sacos de casimira de cor prela e de panno a 122,
142,162 e 202, caiga de bria de cj. a 22 e 22500,
ditas brancas de liuho a 32300 e 42, ditas de ca-
simira de cr 42,62 e 82, pretas a 52, ti 3 e 82,
colleles de casimira de cor e preto, de brim de cor
a 12500, brancos a 25 e 205.0, ceroulas feitas a
12280, ditas Boas a 12600 e 22, camisas france-
sas a 22 e 32500, ditas inglezas de pregas largas a
32, de I i nho a 32 o 32500, colerinhos econmicos
a 640 rs. a duna, itus de linliu a 500 rs, um : na
ra da Imperalriz taja da raja o. 56.
Arara vende as cobertas a 20.
Vendem-se cobertas de chita Tinas a 22 e 22500,
ditas de damasco a 42 : ra da Imperalriz n, 56
E' na Arara que e ven le cortes de casimira
preta a 3$.
Vendem-se cortes de casimira preta para caiga a
32, 32300, 42300, 62 e 82, ditos de cor a 32,
42300 e 6 j : ra da Imperalriz n. 56.
Arara vende panno preto a 20.
Vende-se panno preto para caiga e palito a 22,
32, 2;300, 42,42900 e 62 o covado, casimira pre-
ta tina a 22, *2#W 32 o covado e outras umitas
fazendas para liquidar: na loja e arraazem do
Arara, ra da Imperalriz n. 56.
AO PUBLICO

ATTEHCAO
Seni o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nSo agradar.
ARMAZEM
Os precos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
Fazendas pretas para a qua-
resma.
\* loja do Pavo.
Acha-se este estabolecimentocompletamente sor-
tldo de fazeadas pretas propriaspara a quaresma,
a saber:
Grosdenaples preto largo e muitissimo encorpa-
do, outros mais estrenos lendo dos pregos de
12280,19600,12800, 22, 22400 e 32, superior
moreaatique preto a 32, superior sarja preta hes-
pauhola, superior setim preto macao, ricas capas
pretas bordadas, sautembarques muilo bem enfei-
ladw, ricas vasquiaas e aasacos dos mais moder-
nos que lem vindo, superiores manteletes, canusi-
ahas com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, ludo Isto se vende mais ba-
rato do que em uu ra qualquer parle por ser a di-
mitir : na loja do Pavo ra da Imperalriz n. 60
de Gama & Silva.
As roltipas do Pav5o.
Acha-se neste estabelecimento um grande sorti-
raento de roupas faltas para homem como sejam :
superiores paletots ,sobrecasacos de panno preto
muilo tino e forrados de seda a 222. 252 e 302,
ditos forrados de alpaca a 112, 162 202, supe-
riores palelots de casemira tanto saceos mo so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de bnm de todas as qualidades, colleles
de casemira pretos e de cores, ve'Iudos, setins
etc., sendo todas estas obras corladas por um dos
quer obrYTorTedWaTnT^ e quando nao possain virpodero mandar seus portadures, ainda" que estes sjam pouco pratcos,
Imperau-iz n. 00, de Gama & silva I pois ser5o tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendayo, afim do que nao vao em
Chilas em cortes com 10, II e 12 covados loutra parte.
Na loja do Pavao vende se urna grande porgo w....__ ....
de cortes de oliitasf bocezas sendo claras e esc o- Manteiga mgleza especialmente escollnda a
ras todas de cresr". com 11 covados a 32600 e com 12 covados a 42,' abatimento.
pechincha para se apurar dinheiro : na loja do iAem francP7i, a m,j, nnv, ,\n mprpadr a Q ir,
Pavo, de Gama & Silva, rna da Imperalriz n. 60.1 Iue'u "P"'"" D("a a? mercaao a J .0
Cirande liquidaco a ,lbra e 9"" rs# em barril ou meios.
Ra da Imperatriz n. CO, logTde' fazendas,Cha hvs.^n de superior qualidade a 2,600
186b
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Conceleio)
PARA BEM DE TODOS.
Senhore
I reza com que serao
es e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promptido e intei-
o tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccao e preferencia na com-
dj Pavo de Gama & Silva.
rs. a libra.
Acha-seeste estabelecimento completamente sor-,tha Perola mais superior do mercado a
tldo de fazendas inglezas. francezas, allemaas e | 2,8oo rs. a libra.
suissas, proprias Unto para a praga como para o dem hysson muilo superior em latas de 15
mato, prometiendo vender-se mais barato do qae Irhras mnitnnrnnrin mra nponoina 9 nnn
em outra qualquer parte, principalmente sondo em r? pr0pri Para nBSOCiO a 2,000
porgao, e de todas as fazendas dao-se amastras, rs* a 'Dra.
deixando flcar penhor, ou mandam-se levar em ca- dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
sa pelos caixeiros da^ loja do Pavao. bras a 1,600 rs.
Caii>ulias a \ $. dem preto o que se pode desejar neste ge-
Vendem-se camisinhas eom manguitos, sende j ero a 2,000 e 2,2dO rs. a libra.
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
-
Aletria, macarrao e Ulliarim a too rs. a
bra e C.ooo a caixa.
Massa para sopa : eslrelinha, pevide e rodi-
nha branca ou amarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa : Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Navidades
Na nova loja de fazendas e
ronpa feita nacional
Km da Inperalrii m. 72
PecbiBcha
Cortes de ehltaa Z$ too
Vende-se corles de chita com 10 covados
3400 a 3o200, ditos de cassa a 32. ditos de laazi-
nhas para vestido a 32600 e 42, ditos finos de bar-
ras a Maria Pa a 122, '42 e 16j, ricos souteam-
barques de lazinha em fantasa a 82. 72 e 102,
ditos de grosdenaple pretos finos a 202, '-22 e 232,
capas pretas de grosdenaple a 202, 232, e 232,
na ra da Imperalriz n. 72.
Fazendas prelas para a quaresma.
Vndesegrosdenapie preto fino a 12600, 22, e
32330 o covado, panno fino para caigas e paletots
a 22,32, 32300, 4230J o 52 o covado, casimira
preto fina a 22, 22500, e 32, alpaca preta para
saias e vestidos a 500, 600 e 800 rs., sarjas de laa
para caigas e paletots a 640 e 800 rs. o covado.
Laazinhas a 320 e 3ti0 rs. o covado.
Vonde-se laazinhas para vestidos a 360, 400,
300, e 560 o covado. chitas finas para vesiidos a
240 o 280 o covado, ditas francezas finas a 320,
360 e 400 rs. o covado, capas francezas finas a
320,360 e 400 rs. o covado:
Roupa feita.
Vende-sa palelots 102, caigas pretas de casimira a 52, 62 e 82. cor-
tes de cohetes e paletots de brim a 22, 22500 e
3$ : na ruada Imperatriz n. 72.
Madapolo enfeslado a 4#.
Vende-se pegas da madapoln eufestado a 43,
dte em panninho a 52, pegas de madapolo do 24
jarlas bom a82,72 e 102, ditas de algodo a 52,
62, 7 e 82, cortes de caigas de brim a 12600 e
22, ditos de casimira prela a 32, 32500 42 a 52 :
a ra da Imperalriz n. 72.
meninas, pelo barato prego de dez tustoes cada
ama : na loja do Pavao, ra da Imperalriz n. 60, baml se faz abatimento.
pe Gama & S:iva. Chouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Cortes de cassa a 3$. Costelletas inglezas a 64o rs. libra", serve
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo para temperar panella ou para fiambre.
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados Queiios do reino chpoadrn np pelo baratissimo prego de 32^(0 o corte : so na y3; ** ?* A S2i
loja do Pavo, rna da Imperalriz n. 60, de Gama Por a 2'2o ... ditos de navio de vella a
<& Silva. 2,000 rs.
Cambrias lisas, na loja da Pavo. dem londrinos muito frescos e de superior
Vendem-se pegas de cambraia lisa muilo fina, qualidade a 8oors. a libra,
tapadae transparente, pelo baratissimo prego de \Aem nrato? 8nn r* a lihra p inlpirn p f7
42 tendo 8 1|2 varas cada pega, ditas muito finas "aLES L
a 72, 85 e 92 a pega, ditas Victoria cora 10 va- aDat'uierrtO.
ras pelo baratissimo prego de 72, 92 e 10, ditas dem SU19SO O mais superior que tem vindo
liarrazes fazenda muito encorpada fazenda pro- ao mercado a 64o rs. a libra.
5Pan:airnafro;a0dao3p6avSSo rua^ IraPSz ** "%%*f JSfST
de Gama & Silva. em latas hermticamente lacradas a 64o.
Os vestidos do Pavao. Feij5o verde muito snperior a 640 rs. a lata.
Grande pechiacha a 32500. Copos lapidados para agua a 5,000 e 5,5oo
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia rs. a duzia.
Linguicas mnito novas a 8oo rs. a libra eem Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duquedo Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 45,ooo,
12,ooo e lo^ooo a caixa com i duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oors. a garrafa,
Vinho Cherex de superior qualidade a 16,ooo
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartoes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
SKi^JM^ ya* para vinho a 24 "'e 24ors- *de "* 8^oa ca *<><> *
passeios pelo baratissimo prego ne 32500cadaum, a duzia.
sendo fazeoda que sempre se veodeu a 72, oa loja Chocolate Irancez bespanhol e SU1SS0 a 900,
do Pavao, rna da Imperalriz n. 60, de Gama &' 1,000 e 1,200 rs. a libra.
Sl,va> _- Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
v i a o- e* '* a bra e em caixa se faz abatimento.
Na loja do Pavao vendem-se ricos cortes de vesli- r,-:__ -. _. i ,
dos Maria Pia, sendo bordados e com barras, reixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l,oooe l,2oo rs.
pelo barato prego de 42 e 72, sendo fazenda que
val mnito mais dinheiro, isto por haver grande
porgao, na loja do Pavo ruada Imperatriz n. 60,
de Gama Ji Silva.
Os enfeites do Pavo.
Vendem-se os mais modernos enfeites para cabega
de senhora: na loja do Pav5o, ra da Imperalriz
d. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pavi.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e 7oo res agar-!
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de:
. .conta certa.
nJSffSS honil.as calsas f;ance"s> ,?e, Frasqueiras de genebra de Hollanda a 6,8oo
padroes miudinbos e grauJos, chegados pelo ulti- a i.n n u "uua u'"u"
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320, 360' e ",0 rf" ra;,.co*
rs., por haver grande porgo : na loja do Pavo, Genebra de laranja verdadeira em frascos
raa da Imperatriz n.60, de Gama & Silva. I grandes a 1,000 e ll.ooors. a frasqueira.
As laazinhas transparentes a -190 rs. Caf do Rio de 1* qualidade a 28o rs. ali-
Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas hra p 8 Son r a arrnha
lazionas transparentes, sendo de lisias miudinhas' rJf' J r'^'ln" J a. ,.
a imiiago das s?dinha, pelo barato prego de 4001 Ca[e do Ceara muit0 Snperior a 24o TS. a ll-
rs. o covado ; ditas enfestadas de urna s cor a bra e 7,500 rs. a arroba,
ditas de saipiquiohos proprias para vestidos a rou- Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolactnha d'agua e sal, da fabrica de JoSo
deBrito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francez is em frasco de vidro com
tampa do mesmo, a li?5oo.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos
tamar.hos com bonitas estanpas na cai-
xa exterior, a 1,4o?, l,6oo, l,8oo e 2,ooo
cada urna.
Azeitedoce refinado hespanholou portuguez
a Ooo rs. a garrafa e io:ooo a caixa.
Batatas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
pas de mangas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n 60. de Gama & Silva.
Ricos seulambarques do Pavo.
Acaba de chegar um rico sortimento de sou-
tambarques de grosdenaple preto muito bem
enfeitados, que se vendem pelo barato prego de !
rs. a libra e 2,8oo a arroba,
dem da India a loo rs. a libra
arroba,
dem de Java a 8o rs.
roba.
o gigocom 36 libras.
Conservas inglezas a sJ5o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Va&souras de escova para esfregar casa a
4oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
e 2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
| a 8oo rs. o frasco
a libra e 2,4oo a ar-: Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frasco.
Sal refinado em frascos de vidro com tampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja brauca das marcas mais acreditadas
que \em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,oo a du-
zia.
Gvadinha de Franca muito nova, a 2oo rs.
Charutos do aflamado fabricante JosFurta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposicao Normal de Ha vana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n;eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhas de Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
o gnac inglez das melhores marcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a 1,8oo o cento e 1,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Baoha de porco refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinba Alberto, as meihores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alfa e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Azeitonas.portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Para
Acham-se venda na linaria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos u ibu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.-
A FOLHINHA DE ALG1BEIRA centendo o
mesmo que aquella e mais t.rra nova
Salve Rainha em versos, o Stabal Maler
em verso, devoc3o ae agonisante, eoracae
de Jess, cntico em louvor do Santsi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria Nes-
sa Senhora, trinta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
tara! de um cozinbeiro, o canto de urna
solteira (poesa), rrescido numero de m-
ximas e pensamentos, urna historia cerno
muitas (romance), e vintecinco novase
pilhericas charadas a 320 rs.
Farinha de milho.
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas : na ra do Ranpel n. 3.
ESCBAYOS ratgjfo
Fugio na noite do dia 4 do crreme da casa
de Jos Pedro do Reg o preto Manoel, esrravo de.
Manoel Gomes da Cunha, senhor do engchho Ma-
caco do lermo de Nazaretb, o qual lem os signaps
seguintes : rosto redondo, barbado, cheio do' cor-
po, com falta de denles no lado superior, quiIrado
do umbigo, tem cicalrizes as nadegas d< nolaiirto
ter sido cestigado, levou vestido camisa de alendan
ri.'cadoazul e caiga da mesma fazenda : quemo
apprehender leve-o a casa do mesmo Jos Pedro
do Reg, na ra das Cruzes n. 18. ou a ra to
Cadea doRetife n. 86, de Leal & Ira.au, clik.-
pondepte do senhor do dito escravo.
Aos capiaes de campo.
Fugio no dia 27 de fevereiro deste anne, de ea-
sa de seu senhor o escravo Sebaslio, ciiutlo, lu-
lo, com id.t;le de 22 a 21 annos foi esrjravedo
senhor do engenho Quandus da comarca de Siola
Anlao, d'onde tinha vindo para es la cidade a H
dias, de presumir que seguisse para Taquarion-
ga aonde tem mi e irmos, levou caiga e camisa
branca bstanle suja, altura regular, cabello a es-
covinha, cabega pequea e redonda, testa grande e
bem cantuda, olhos pretos e regulares, nariz cha-
to, bocea regular, beicos regulares, dtntes tndr-s e
limados, nenhuma barba,apejas um pequeo bigo-
de, corpo bem limpo, ps regulares c/yfisco lar-
gos: roga-se portanto aos Srs. capafs) de earcpo
a apprenenso do mesmo a entrega-W a ra do
Imperador n. 83, segnndo andar, defijonie do cer-
reio, que se gratificar com 30. '
!%2t%^mDre2Sr?.;Si,K Paipg^ alPista al4 rs-alibra e4Joooa;untll.M francozas. excellente Iegume para
vao ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezas a 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas, colleles, paletots, ronpas para
cnangas : na loja do l'avi >, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte rail covados de la.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas laazinhas transparen-
tes, sendo com listras e quadrinhos miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Maria Pia, tendo de todas as cores, e
arroba. Sop3, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito
I s a garrafa e 11,ooo a duzia.
rs. a lata de urna
lho.
libra e 56o rs. a reta-
Palitos de dente a 14o rs. o ma^o.
RIVAL
Sem segundor
Rua do Queiraado, n. 49 e 5o. E' para admirar.
Carretis de linna com 150 jardas...... 60
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60............;.................
algumas proprias para luto, pelo barato prego de vlveUos de liuha er^dVcnm'Voo'ikr.
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande: da' grandes com 400 jar-
porgao: na ra da Imperatriz n. 60, de Gama Idrfn /dVra Wanco's"" e* "de' cores" de'
Vestidos Maria pia,
BEMINA
Novafsseacia para tirar nadoas sem ata-
car as tecidos aera alterar as cores
Mancha alguraa produzida por gorduras,
cera, etc., resiste a este famoso dis-
solvente, que pode sem receio appll-
car-se sobre vestidos de seda, la,
lapegaria, panos de bilhar etc.
Restaura perfeitameote as lavas depeli-
ca usadas.
Cada fraseo 10O&O.
Um impresso qae acompanha cada fras-
co ensina a maneira de usar-ye, assim
como indica outras muitas applicagdes
que esta nova essencia pode ter as
artes.
PHARMACIA RIBEIRO
EM PBRNAMBUCO
22Praca da Boa-Vista22
imi mmmmmm
Fazendas baratas.
jard.s ...............................
Livros para assento de roupa lavada...
Grande pechincha a 103000 rs. Cordo branco para espartiiho (vara)
Chegaram os mais bonitos cortes de 13a Maria' v"as de franja branca larga.......
Pia eom as barras primorosamente bordadas, tra- Pares.de bt(5es de punho todos de cores
zendo os competentes enfeites para o corpo, tiendo nteiros de barro cora tinta
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 105 o cor-
te, ditos de preeala com lindas barras e enfeites,
com 19 eavadoscada nm a 10$, ditos de cambraia
cora barras bordadas a crox no ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 6 : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas de llnho a 360 rs.
Chcgou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
:OI
Madanol5es com 24 jardas a SS, 6 e 7$ a pega,
ditos fldos e largos a 75500. 84300, 94 e 94500,
alg*d5es a pega a a', 64, 64500. 74, 74500 e 84,
chitas inglezas a 200 rs. o covado, cortes de la
com 15 covados por 44 : na loja do verdadairo e
principal barateiro, roa da Madre de Dos n. 14,
defronte da guarda da alfandega.
propria para vestidos e roupas para criangas, com Meiadas de liona taraza para bordar"...
muito delicadas cores, a moderna, e vende-se pelo
barato prego de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Eiiaztnhas lisas.
Vendem se as mais Anas laazinhas de urna s
cor, tendo grande sortimento : nalqja do Pavot
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavo os
mais ricos chales de reada com tres ponas, sendo
todos pretos, e tambemeom assentos de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tem vindo a este
merend, ricamente bordados e cerculallos de nm
elegante bico preto de mais de palmo de largura;
estes modernsimos chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem urna elegante vista sobre
um vestido de qualquer cor, asslm como mnito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama Jt-Silva, ra da Im-
peratriz n. 60, loja do Pavo.
ct_ i_ r i i Bonecos vetidos e tambem de choro...
Soutamoarques de cor na loja caia co superiores obreas........
i t i Ditas de linha de gaz com 50 novellos..
UO Jl aVRO# I Ennadeiras de uta para espartilhos.....
Chegaram pelo ultimo vapor francez os maisri- Car.r!,is delinna de cres com 100 jar-
cos soutambarques de cores, sendo os mais bem
120
100
SO
30
100
20
160
120
100
400
200
320
640
600
20
20
Pares de sapalos de tranca.... ..... 14500
Massos con superiores rampas para
senbora.............o............ 30
Frascos de macaga perola mnito snerior 200
Ditos da verdadeiro oleo de babosa a
400 re. e...............j........ 500
Ditos e garraliohas de agua de Colonia
muilo fina....................... 400
Ditos de banha a Ganbaldi e da familia
imperial.............J........... 900
Pecas de itas elsticas para vestidos a
melbor qualidade.................. 240
Pares de ligas para senbora as memo-
res .............................. 320
Pegas de bfeos francezes renaas..... 320.
Frascos de agua deati/riee muito supe-
rior.............................. 800
Caizas com 4 papis de agulhas a balo
e Victoria........................
Libras de la sendo de todas as cores..
Tesouras para costuras finase unhas
Ditas para costuras eom loque d'avaria
Escovas para iimpar dentes multo finas
160,200e..............................
Caizas com 100 envelopes das melhores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso...................................
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
dlo).
Vende se a casa de molhados na ra da Im
paratriz n. 34, por seu dono ter de retirar se para
tratar de sua saude, faz-se todo o negocio : a fal-
lar na mesma cima.
enfeitados qu tem vindo a este mercado, com
adornos da velludo, seda, e setim, renda, ele, s
avista do grande sortimento que os fregnezes
podem dar o verdadeiro aprego a e*ta fazenda, e
vende-se pordifferentes pregos conforme a quali-
dade : na loja do Pavo de Gama e Silva, roa da
Imperatriz n. 60.
Bixas hamborgneas.
Vende-sena roa Nova n. 61.
das
Pegas
de cordo imperial.
300
64000
160
40
800
60
20
40
PRELO
a 34500 : na rna larga do Rosarlo n. 80, taberna
da esqnina que volia para a roa estreita do Ro-
sario.

Milho a 4,000.
Na rna larga do Rosario n. 50, tacerna -da es-
quina qne voila para a da estreita do Rosarlo.
BOTICA EDROGABIA
Bartholomeu Francssco de Sooza C.
i ilina larga do Rosario34
Vendem:
PilnlnsHoIlovray.
Pillas dt>Dr. Uville. -
Pilulasdo Dr. Alian.
Plulasdo Pobre-homem.
Pilulas americanas.
Pilulasvegetaes.
Pilulasvegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Uristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elezir de Pepsina de Grimault.
Vinhode Salsaparrllha deCh Alberu?
Injee^oFeangas.
Agua dentificade Desirabode.
Papelchimico, para lalhos.
Xaropc depurativo de Chable.
Licor aromaticode Raspad.
Pos anti-epilelleos deBrest.
RobL'Affeeteor.
Tarop do Bosque.
Ungento Holloway.____________________
Pechincha nan ova loja de fazendas
roupa taita nacional, roa da Impe-
ratriz n 72.
Pechincha a 240 rs. o covado de chita.
Vendem-se chitas covado, ditas francezas largas a 300, 320, 360, 400
e 440 rs. covado : pegas de madapolo fino a 64,
74, 84, 95 e 104; pegas de algodo a 5, 64, 7
e 84 : raa da Imperatriz n. 72.
Ronpa feita nacional.
Vndera-'e patitos de cazemlra preta e de cres
a 54, 84, 84 e 104, ditos sobrecazacos a ItS, 143
e 164 Palitos de brim de cor a 24500, 34 a 34500
rs., caigas de cazemira preta a 6#, 7$ e 83, ditas
de cazemira <}e or a 5#, 64 7, e 84 ; coletes de
cazemira de cores e pretos e ditos de brlraa 14500,
e 24500 rs.,; caigas de brim de cor a 14, 25500 :
ra da Imperatriz o. 72.
Soulambara,tie de cores 1 7& 84 e 10.>.
Vendem-se soutambarque de la e seda para se-
nhoras a 7$, 84 e 104 ; ditos de grosdenaple pre-
to a 20-3 e 255 ; capas pretas a 209 e 254 ; vesti-
dos de 15a a Maria Pa a 124, 14 e 164 : rna da
imperatriz n. 73.
Cortes de cazemira preta a 3$.
Veadem-se cortes de cazemira preta para calca
a 34, 34500, 54 64 e 64, ditos de cazemira de
cor a 34, 45,53, e 75, ditos de brim de cres a
14600, e 24, filos de chitas finas a 24100 e 34200,
ditos de cassas franceza a 34 : roa da Imperalriz
toja do barateiro n. 71.
Flji
Na ra da Madre de Dos n. 9 vende-se feijo
mulatinho, dito tranco, e dito prelo, mtt barato
do que em outra qualquer parte, approveilem a
peehincbaqne a quaresma bate i pona.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
rs. a duzia.
Pabel azul para botica a 2,000 a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco^ rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a i,8oo rs. a caada
eG40 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 00 lojas de miude
zas de Jos & Azevedo Uaia e Silva contina a
vender tildo por pregos mais barato do que em
foatra qualquer parte, quem quizer ver o que ha
bom e barato venba a loja do Rival.
Latas com superiores banha.......... 200
Frascos de -vidro com superior banha.. 240
Pares de luvas de seda muito finas.... 320
Enfeites do melhor gosto que tem vindo. 25500
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira. 1^280
Pulceiras do melhor gosto e modernas. 500
Volta para pescogo do melhor gosto.... 500
Baralbos para vollarele, finas a 200 e.. 240
Varas de franja branca de liaba que
tem muita serrentia................. 0*60
Duzia de penoasd'ago mufle snperiores 060
Frascos de oleo Bafaoza mnito finos..... 300
Talberes para meninos a melhor quali-
dade............................ 240
Diversos livros, todos religiosos a 100,
2O0--............................... 500
Duzia de colheres de metal muito finas
para sopa........................... 25400
Duzia de colheres de metal muito finas
para cha........................ 15500
Grosas de botoes de osso para calca... 200
Groaas de botoes madreperula para ca-
a.............................. 500
Grosas de botoes de louga praleados
mnito finos...................... 200
Varas de babado do Porto sonido..... 060
Duzias de Upes diferentes qualidade a
2W.............................. 400
Quadernos de papel de peso mnito fino. 030
Kesma do mesmo papel___"......... 25000
Duzia de faeca e gario muito boas___ 15400
Sabonete de espuma muito superior.. 040
Capachos eompridos e redondos muito
bons............................. 500
Ditos para sof...................... 25000
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
"Essencia oriental para tirar nodoas de
roopa............................
Creio para dezenho de ledas as qua-
lidades ...........................
Carlas de alfineles francezes muito su-
periores..........................
Caizas d clcheles francezes a 40 ris
Dazia............................
Carretis de retros com quatro oilavas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade..............____'...........
Negro fugro
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro deste
anno o preto loaquim, de nagao Angola, qce loi
escravo do Sr. capito Francisco Joaqtitm Caval-
eanti Galvo, morador em Maria Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do afi-
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques erm
armazem de assncar rna de Apollo ; levon ca-
misa e caiga de algodo branco, ropresenla lerde
45 a 50 annosde idade, alto e de grossfira rega-
lar, cor fula, cabega comprlda, qneizrs larges,
olhos amortecidos, beigos grossos, sendo o supe-
rior um tanto defeituoso, bstanle barba, perm
raspada, finalmente lem nma grande coMura entre
os peitos proveniente dequeimadnra, e supi-Qe-se
terse dirigido para o norte, d'onde veio : gratlB-
ca-sea qnem o apprehender ou denunciar o cono
em que estiver : na rna da Cadeia do Rerife nu-
raero 52.____________ ____^^
Aviso
aos capiaes decampo c a polica.
Desappareceu em pjincipio do mez de oulchro
do anno passade, de bordo do palhabote r?cirtal
Araujo Mnlo, dons escravos de nones Pcluto
(por apellido Macei), e Miguel ; o Io t!e iride K
annos, pouco mais ou menos, crisole, cor fofa,
estatura baiza, barba serrada, um peuro torio das
pernas, e com alguns cabellos branros, tanto na
barba como na cabega ; o 2o alio, cheio do ct-rpo,
sem barba e falla grossa, reprsenla ter de 25 a
30 annos, cojos escravos desronfia-se andarem pe-
los arrabaides desta cidade : quem os apprt hen-
der queiram levar a ra do Trapiche n. 4, que
ser generosamente gratificado.
Negra fgida.
Ansenton-se no dia 5 de margo de casa de sen
senhor ra do Mondego n. 2, a escrava de neme
Thereza, prea fola, alta e cbea do corpo, vistosa
e despachada, natural do serto eccnsia que an-
da est na praga, levou bastante rcupa : quem a
prender e entrega-la ser bem recompensado.
No dia 5 de margo ansenton-se da rasa de sea
senhor, Jos dos Santos Ramos de Oiivelra toa do
Mondego n. 2, a escrava de oome Thereza, prot.i
fula, ainda moga, alta, cheia do corpo, vistosa e
despachada, levou bastante roupa. consta qne foi
para casa de seu ex senhor Manoel Joaquim Stl-
veira em Caruaru', e por isso pede-se a quem a
encontrar que a prenda e remeta para esta praga
a sen senhor, que recompensar bem a qnem Ine
a entregar. ________________________
Fugio no dia 18 de marco prximo
passado, um cabra de nome Malbias, do
engenho Pontal termo de Serinhaem, ni-
ga-se elle andar para as bandas de Porto
Calvo, a titulo de ferro, com os signaes se-
guintes: cor cabra, corpe grosso, cabelles
carapinliados, com bigode e. pequea barba
no queixo, tem urna das pernas ma's'gra-
sa que a outra motivado de urna feridcreio
que ainda conserva, tem um dedo do p pvr
cimado outro encostado ao dedo grandee
tem falta de um dente na frente no queixo
de cima, carreiro etrabalha de sapateirt):
quera o pegar ou delle d r noticia certa to-
ra 1004 de jiratiflcacao no mesmo engenho
Ponlal ou em casa do Sr. Manoel Alves Fer-
reira. nesta praca, assim como o dito es-
cravo mudou o nome de Mathias para o de
Joaquim Antonio,
[10!
500
Q20
100
360
800
Escravo fgido.
Futri da casa do abaixo assignado nm moleqae
de nome Euzebio, com os signaes seguintes : ida-
de de 12 annos, secco do corpo, ps seceos, olbos
regulares e aramagados, cabega um ponco grando
e meia chata, muito preto, o qual dizetn andar pato
Campo Verde e Santo Amariuho : quem o appre-
hender Uive-o a ra da Mangueira, sohrade n.,6,
que se gratificar o seu trabalho.
Pedro Affenso de Mello.
Gratificaco de 100$
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qnalidade a
i4 a lata: nos armazensda rudo Im-
perador b.16 e roa do Trapiche rfevon.6.
Fugio dos abaizo assignados no dia 8 de Janeiro
deste anno o seu escravo crioulo de nome Jo
eom os signaes seguintes : cabra escuro, cabal-
los caraplnhos, estatura baiza, cheio do cerpo, pds
largos, e faz nm geito as pernas quando anda,
mnito pouco barbado, e tem ama cicatriz bem v-
sivel em um lado do qoeizo; quauto a ronpa nao
ha signaes por ter levado mais do que'a do cor^e,
mas o chapeo do Chile Garibaldi ; cojo tra-
vo compramos junto com outro ao Sr. capitap Sil-
vino Gnilherme de Barros, e este senhor os havia
comprado ao Sr. Joao Caral, morador em Naia-
' reih. Consta-nos que o referido escravo antes da
1 pertencer ao Sr. Cabral, /ora de nm senhor major,
D morador no Brejo d'Arela, onde o dito escravo 6
casado e tem fimos, tendo ltimamente morrMj
a molher. Sabemos com certeza de ter passado
este nosso escravo em Pao d'Albo com direco
quelles lugares : roga-se perianto s autoridades
pollciaes e a qualqner particular a captura do
mesmo escravo, trazerem-no aos sens senhores
nesta praga. rna da Imperatriz a. 46, refinacia,
que se gratificar com 1004.
Luiz da Silva Ferrelra & C.


Diario de Peraambnco Tere* letra 14 de Mareo de 13A&.
f)
:
JOBISPRBDEIICIA
O Fomm
OS NOSSOS TRIBUNAES DE JUSTIQA.
Ja distemos em oulra oceaslo que o fundamento
da sociedade civil nao 6 seno assogurar e garan-
tir o direito dos asociados, dando a rada um o que
for seasuumcMqiufcuere: e que n valor da
toga e do diadema na.jjtt>vn do prego da materia
Je que sao feitos; mas sim da jusliga que repart-
reai ao povo os qae com elles se decoram.
a boa applicagao da justiga nao depende pura e
simplesmeule da reclidao do juize da perfeigaodas
leu ; depende taiubem muito do molo e forma com
jue 6 ella administrada. Queremos dizer que se
deve manter cora muito cuidado o prestigio dos lr-
baaaes, prestigio que mediatamente resulta da gra-
v;lile com que os juizes se apresentam nos tri-
na tiaos, e da boa disposigao pin sica e aceio
das casas em que estes fuoccionam ; pois que, di-
gam la quanto (juizerern os espiritualistas : o povo
deixa-se impressionar muito pelos orgaos dos senti-
dos, e daqui a necessidade do explendor e solemni-
za lo do culto externo, e a conveniencia de certa
deeoracao nos tribunaes de Justina.
Quera entra no templo de Themis deve sentir
certa emocao ao ver sentado na cadeira curul um
magistrado venerando, e u seu lado os respectivos
o!Ti:iaos decentemente dispostos para os actos judi-
ases : folgar tambem de ver em frente dos juizes
os propugnadores do direito, chamados advogados>
d cujos labios estar pendente a aitenco dos ex-
pecladores, anciosos du saberera da parte de quera
oslar a razao. Todo este apparalo que d ao tri-
bunal o prestigio de que cima fallamos.
lira nosso paiz, Infelizmente, falham todas estas
coriJigoes. A casa das audiencias publicas asse-
melbara-se mais a um bazar do que a um san-tuario
de justiga. Quera se approxiraa a esse lugar Oca
desconsolado ao presenciar urna sala quasi immun-
da e urna cadeira que ser o que quizerem, menos
cadeira curul. Alguns advogados dedignam se de
comparecer s audiencias, e os procuradores de
causas, vestidos phantasia muilas vezes, eucarre-
gam-se de fazer os requerimentos corriqueiros de
audiencia, deixando o mais para as petigdes avul-
M que avultam enormemente os processos, retar-
dan Jo e s vezes intortando as decisesda causa
liando poderiam muitas qaestdas incidentes Ocar
l;.;j revolvidas; sendo ojuiz mais bem informado
i contmenti, si os advogados assistissem s au-
l:r:K-ias, como faziam os amigos naedade t* ferro,
na edade era que se olhava para estas, cousas com
mais gravidade do que na eJade ouro e do va-
IJr.
Quanto aos juizes da primeira instancia ver-
dade que podem elles ii eafrouados d'uidi t-
nica que Ibesdestinou o Sr. Nabuco, e que com ra-
i) vae- cahindo em desuso, parque com effeito nao
oniiz a cara com a careta. Nada mais triste do
lie envergar o pobre juiz de direito umi beca, le-
vaaJo na mo um barrete eofeitado de arminbo, e
ver-so depois obligado a seolar-s-j em urna cadeira
(eita a machado c collocala em sala nojenta; ten-
do dame de si um auditorio vestrd a neglig.
Para que um juiz possa ir de beca ao trihunal.
lObre tulo e.;n urna grand? capital, necessario ou
ter um carro e;n que se transporte para a casa das
ludieoctas, ou ao menos achar nella um quarto
privado para poder tomar a toga, lego que liver
descansado da viagem a pe e di fadiga do calor tro-
pical.
Oesengaoemo-nos: ama reforma qualquer nao
se faz assira por modo de lufa-lufa, con nao ten-
flj-se em vista outro Ora que nao sej.i ganhar cole-
IriJado surprendentc, anda que reine afinal a con-
. (;'.3ao e o-ridiculo. Si queriam dar beca aos juizes,
dessem-lhes prirasiro jS meios de subsistencia de.
cente.regulansassem os tribunaes, e lizessem o mais
que fosse uecessano, para que tivessem estes presti-
gio. Se nao podiam fazer urna reforma bem pensada
e prudente, deixassora car as cousas como erara,
(torque eslavam rnelhores.
Em tudo se meche no nosso paiz: ha urna gran-
de actividade para ludo, menos para regular a ad-
ninislrago da juslig. Succedem-se os ministerios
con frequencia, e nao se oscapaoa do que mus
importante. Depois das carretilhas do Sr. Eusebio
era que alguma cousa se fez a bem da magistratu-
ra, os ministros da justiga nao teem cuidado senao
em montar edesmmtar magistrados, e era fazer
uoraeages Je offluiaes da guarda nacional para
fiustentarem a liberdide do voto. Todas as repart-
goes publicas sao vistala* pomposamente, mis na0
consta q-ae o tivessem sido, urna vez sequer, os tri-
bunaes de justiga ; ellos esto entregues a si mes-
nos. E" lempo de pcdirmos aos mdicos, pharma-
ceticos e enfermeiros polticos de nossa Ierra que
cuidera dos meios de salvar o enfermo poderoso,
que lem sede de justiga.
Fazemos votos para qae os nosos jaizes de prmei-
ivi instancia, no que depende de sua jurisdiegao pro.
pria e ordinaria, procurein restabelecer a decencia
do foro, altrahiudo os aJvogados s audiencias pu-
blicas, e dando-lhes lugar honroso nellas; afim de evi-
tarera as tropelas e delongas dos processos, as quaes
bao de ser inevitaveis desde que todo movimeulo
titigioso das audiencias eliver somente a cargo
ios procuradores de causas, por rnelhores e mais
bem mencionados que elles sejam. Felizmente
temos boje grande copia de hachareis formados
mu i capazes de pleitear na barrados tribunaes, on-
de acharo raeioj de provar verbalraente e de im-
proviso a sua capacidade jurdica.
AS SE N IKM.. v-.
Segando os preceitos triviaes da theoria do pro-
cesso, a sentengadeve ser : clara, dada segundo a
prava dos autos, e restricta materia do litigio, de
corte que nao se julguo mais do que se contm as
conclusoes das partes.
Aiin destes e oulros requisitos, o bom senso nos
dicta que a sentenga deve ser bem dedazida, e con-
Isa sem omissao de qualquer ponto MMMtat, evi-
tndole cuidadosamente certas superfetacSes, e to-
do vislumbre de parcialidade ou prevengo da
larte do juiz contra algum dos litigantes.
A sentenga tem seu estylo apropriado; nao urna
pega qaedevaessencialraente distinguirse pela dic-
{So elegante e primorosa que se ternaria indispen-
avel n'uma produccao lilleraria. Mas cumpre qae
eja proferida com lioguagem limada e cha; sem
essas figuras de rhetorica e citagoes escusadas que
podem ser roui cabiveis em escriptos de outro ge-
nero.
Entretanto ha por abi sentengas heladas de bor-
res, entrelinhas e emendas, que era ao menos se
resaltan; seotengas notaveis por sna ehscuridade
Ou diffuso; sentengas contendo sobejiddes ou ex-
crescencias, taes como invocacoes de mero luxo,
Jmagens at comparativas, recriminagdes, e consi-
derandos qae revelen) ou deixam entrever a par-
cijlidadedojoiz; sentengas que julgam mais do
que se contera as conclusoes das partes, como ob-
servamos n'uma que mandara dar preferencia, em
arrematago, 4 eerta parte que pedia apenas reUn-
glopor bemfeitoriasna cousa que se mandara
arrematar; sentengas, finalmente, que nio se limi-
tara s provas dos autos, e dio como provados fac-
tos e circunstancias que delles nio constam con-
cadentemente.
Por agora nos limitamos a transcrever textual-
mente os trechos de nina sentenga de um juiz de
Hthurgia grega, apercebia-se as cabecas augnsus | corrido os sertoes, traosposto as serras.em-
raiodeinz; epois os bateles se fecha- brenhado-se nasmatas, e visto campos, onde
vam, e oeculta por este vu de pintura, de verme-
Ihu e de pedrarias, a parte secreta e roystenosa dos
servigo se cumpria.
O resto da nave era occopado pelos grandes
ofDciaes da cora e do exercito, os membros do
direilo dando provimento ao recurso que, em cr- I carpo dlplomatioo e ura certo numero de convida-
dos, que forraavam urna multido, da qual cada
urna pessoa era Ilustre, celebre ou poderosa.
As ceremonias do culto grego tem muita mages-
tade. As dalmticas e as estola, semeadas de
crazes bordadas ouro ou prata, conservara o
talho das antigs vestimentas orientaos e as tiaras,
achatadas como os barretes dos magos, massa de
ouro, cujo fundo desapparece com a scintillago
das podras preciosas, tem o aspecto o mais venera-
ravel e o mais pontifical. Como os padres grego?
trazem as barbas e os cabellos longos, sua physio
me de infanticidio, a promotoria publica interpoze-
ra de um despacho de nao pronuncia preferido pe-
lo juiz municipal de certa provincia.
Passando urna ligeira vista pelos trechos indica-
! dos, o leilor benvolo confessar que fariainos in-
juria ao seu criterio, si julgassemos necessario com-
menta-Ios para mostrar a justa applicagao que a
elles possam ter as conslderag5es cima enun-
ciadas.
c Deixou vestigios capaces de seren occular-
mente inspeccionados como forano.
A lei deve humanamente suppr (diz o parecer
medico) que cada receranascido nasceu mono
at que o contrario se prove.A le (observa o
juiz deve humanamente soppor o contrario,
urna vez que a vida que pela sciencia natu-
ral e ella que entra no plano dacreagao e nao
a morie. Os peritos portanto decidirn) com acer-
t providencial a queslao omiltida no segundo
quesitodoexame dos mesmos peritos.
S se o cajueiro em que deu a luz F., ou o
barreiro, cacimbo ou como quer que Ihe cha-
men) en que foi seu Qlho encontrado morto, a
seraelhaoga dos corvos que foram tomados por
testemi/nhas pelo poeta Ibis, qoando os salteado-
res o roubaram e assassinarara em urna estrada
deserta, e que annos depois um dos assassinos,
estando ante um juiz, ao ver certo corvo se tra-
< hio, servisse tambem de traigo aos criminosos
t infanticidas.
Entretanto a circunstancia do corvo foi a pro-
' va que descobrio o crime 11.... Entretanto por
tal prova foram os criminosos julgados e con-
c deinnadas!!... >
os embargos. Santo suspenso, e com as azas estendidas, no meio
i Nao foi sem mu solido fundamento que a lei de uma aureola radiante, at cima de um pogo
; concedeu s partes differenles modos de explana- praticado no gelo do Neva.
rem seus direitos, e facultou recursos que propor-
as vezes s ha arbustos raros, em desabri-
da secca, perfeitamente sabe, que, na exp-
sito feta, n5o ha exagerarlo, e dir, que o
quadro esbocado nao foi com as carregadas
tintas daquetleduro soflrer, quando se ex-
perimenta sedehorrivel, calor intenso; que
ao viajor exhausto de fadigas livra em pobre
choupana seu pobre habitador. O pobre
morrepor amparar quem solre, da caridade
amante, a caridade exerce, emquanto o
rico olhando-a com desdem a menospreza,
despiezando os irmaos que o braco eslen-
dem, e que umasylo buscam a seus labores.
Sendo pois assim, porque aos humildes e
mizeros indigentes negamos um tributo
que devemos T
Porque hospedagem lh j n5o damos sem-
comparar a um mar agitado por violentos ventos;
por isso que sao tantos os trabalhos qae nos sobre-
vera emquanto vivemos no muodo ; sio tantas as
agitacoes qae as aossas necessidades fazem actoar
sobre nos; sio tantas as adversidades qae trans-
tornam os nossis mais bem combinados planos,
que certamente bem se pode comparar a esse in-
cessante agitar das ondas.
A quem recorrermos, pois, em tantas aillcgoes,
em tantos perlgos, em tantas miserias, era tantas
penurbagoes, e ainda mais, em tantas tentagSes
com que nos assalta o o!migo commum de nossas
almas, senao a Jess Christe que dorme, indiffe-
rente aos nossos soffriraentos pelo nosso esqueci-
ment do sua le, dos seos mandamentos, e at pelo
desprezo dos meios mais efflcazes da sua graga, is-
lo dos Sacramentos, que, na sua infinita miseri-
cordia, Elle inslituiu para nos facilitar a nossa re-
conciliago cora Elle, e fortificar-nos contra os ter
nomla bblica completa. Tem o ar de viver alm P1 e'Ugimos, as Sitas vistas procurando rveis embates de nossas paixSes e apetites car-
| cionam occasioes de demoostrar-se pleuamente a
! verdade por meio de urna larga discusso.
Os embargos, por exemplo, quando acompanha-
dos de novas provas sobre o facto, pdera justificar
incootestavelmente a reforma da opiniao consagra-
da no pnmeirojulgamento.
Isto porm nao tem applicagao absoluta aos em-
bargos oppostos com relagao nicamente ao ponto
de direito lei, ja discutida e devidamente apre-
ciada. Deve o juiz coohecer a iegislagao concernente
materia, e al supprir a deficiencia dos arrazeados.
Si porm muda de accordo pelo fundamento das
; allegagoes quanto ao direito, pode dar motivo
'< suspeita de que ou da priraeira vez nao examinou
aecuradamente a questo, ou que no segundo jul-
gamento iofluiu alguma considerago alheia jus-
tiga da causa.
Nada mais doloroso e sorprendente para um
j pobre litigante do que perder a saa causa por va
j de embargos, quando o seu direito fra assei'ado
por uma deciso anterior, cuja reforma nao se
funda em novos documentos que devessem induzir
a revogago do julgado.

Nao queremos com isto desconhecer a fallibilida-
de do juizo humano, qne por um descuido ou por
outr circumstancia occasional pode transviar-se e
voltar depois ao acert por um segando exime, il-
luminado s vezes por concurso estranho. N'uma ou
n'outra questao mais complicada em qne os .termos
da lei, a omissao della no caso verterte, as dispo-
sigdes antinmicas, e as opinides encontradas dos
jurisconsultos do lugar a diversas lnterpretag5es,
pode ser bem aceitavel uma madanga de conceto.
fstes casos, porm, sao excepgdes para fkmarera
1 a regra qae se funda na presumpgio de Jwver o joiz
formado juizo seguro, no prUneicer^jlgado, por
! uma justa apreciagao do ponto de direito, como
I deve acontecer ordinariamente, havendo o roaior
i escrpulo para obter-se este resultado.
i Si as partes vencidas, tendo diante de si a evi-
i dencia j confirmada por um julgamento, que de-
vessem reputar como filho de apurado exarae, nao
| vissera, por outro lado, exemplos tao frequeHtes de
! reformas que nao se fundam em now prova sobre
o facto ; si pao observassem o desprestigio dos
; arestos, pelo facto anormal de se darem algumas
vezes decis5es encontradas sobre facto idntico, nao
haviara de alimentar tantas esperangas infundadas,
tantas illusdes engaadoras, nem tao pouco quere-
I riam avenlurar-se com recursos, que alm de pro-
longa-em uma incerteza dolorosa, acarretam-o ac-
; crescirao de trabalho e de despeza intil.
Recite, 13 de margo de 1863.
F.J.
dos lempos da vida eterna das religioes.
Escotamos com admiragao os choros com acom
se enconlra mais de uma meloda grega; depois
corremos nossa janella para ver desfilar o cortejo
sobre o caes, onde eslavam j collocados em ordem
os Lesghienses, os Tcherkassianos, os Circassianos
e os Cosacos da guarda do imperador, immoveis,
com seus magnficos uniformes,sobre seus cavallos
importantes,que cavavam e mordiam a nev.
Todas as salas do palacio de invern, por onde o
mperador tioha de passar, eslavam guarnecidas de
tropas escolhidas; a brevidade do transito nao per-
miltia um grande apparato militar.
Um pavilho, formando uma capella, tinha sido
construido sobre o Neva, peno do caes, em frente
do palacio, e com elle se communicava por urna
ponte volante coberta com um tapete.
Esvellas columnas sustentavam o tecto malisado
e pintado de verde, e permiltiam nao perder parte trra, e soffreu marlyrio e marte ? !... E
alguma da ceremonia. Do alto descia um espirito nao certo ainda, que o soberano distribui-
dor de premios e castigos, leve na trra es-
pecial amor pela pobreza, deque do teste-
munho rrefragavel, seu nascimento, sna
vida e morte ? Certo tudo isto.
E eis a razao porque cima perguntava eu
que esperar devemos nos es que maltrat-
rnosos irmaos nossos ? Nao sei, confesso,
naes?
Que melhor e mais convincente prova queremos
evita-los, como se elles leprosos fossem ?
Como os seus corpos cobertos de vestidos
nhamento de msicos da capella imperial, sosten-! menos limpos nao foSiem obra de Deus, em-! da'M.sehcordia Divina a nosso favor, do que esse
.ando com suas vozes o canto dos sacerdotes,onde *0I mal \estldOS e tostados, nao enrerrassem prorapto despertar, que nos refere o Evangelho de
tambem urna alma, emanaco mysteriosa do hojej as afflicias V02es e seus discpulos, quando
Ente Creador, e multas vezes mais candida, tter,dos pela tremenda tempestade, que agitava
pura e sublime que a alma do cortezSo, do ^ maneira 0 at e elles se viam prestes
nebre,ou do principe, em umapalavra:- serem dos Ias enraiveciaas ondas r
como se, aquelle que se alimenta mal. que r. ., .
mal M .,; r.__,1 j j I Jess Chnsto, que com e les vinha na mesma
mal se veste, nao tendo ouro, e nao andando A ,, k
carro, irmao nao fosse de principe, do no-! ba,r,ca'dorm,a a somno.solto; sem c "flS
bre, docortezo, e do mais soberbo habita-; sa't0 p0.; uma ,a0 form,davel 'empes.ade desfeita
dor d- explendido; palacios, onde os me-!
taes e os brilhantes nao deslumbram'? Entretanto s3o bastantes para o despertar as af-
NS,OS que tratamos assim OS nossos nctas vozes de seus discpulos, que na angustia de
eguaes, que llevemos esperar de quem nos' s"a a|ma recorrein ao Divino Salvador!...
disse, com suprema autoridade, que traas- J O temor nao.pode perturbar seu tranquillo son-
semos a todos como a nos : El prout vttltis no, porm sim o seu amor pelos homens o faz acu
m faciant vobis homines, et vs facite illis
similite)* Qae... e um Deus justo, e Pae
de todos, que por todos jorrou sangue na
LITTERATDBA.
O que vae pelo mundo.
Do Journal Ilustr iraduzimos o segointe artigo
sobre o baplismo do Neva :
O baptlsmo ou antes a bengao do Neva uma
cerimonia verdaderamente, russa. Ella se celebra
a C de Janeiro do kalendario grego, 12 das alraza
dos do nosso. O Neva nma potencia com a qua
preciso contar, apesar dos soberbos caes de gra-
nito de Fioland, construidos por Pedro o Gran-,
de. Desaguadouro do lago Ladoga, muito visinho
tendo por embocadura um golptio,este rio tem suag
enchentes, suas tempestades, seus perigos. Uraas
vezes o vento do mar que impelle as aguas, ou
tras o lago que se langa em ondas, muito abun-
dantes, e como as margeos sao baixas, quasi ao
nivel da corrente, as Innundagoes sao numerosas e
rpidas; e o canho do alarma faz mais de ama
vez no anno ouvir seus sigoaes obedecidos promp.
lamente, porque a onda sobe depressa. O invern
conduz os gelos, a primavera as enxurradas, e
todas estas operagoes da natureza,sobre as quaes o
horaem nada pode, o fazem recorrer proteegio
celeste. O rio, recebendo a bengao,e coilocado seb
a tutella de Deus, se espera, que se comportar
bem, e se contentar em trazer os navios ao longo
dos caes, refletindo em suas lmpidas aguas os
zimborios e as flechas de ouro da cidade de que
elle gloria e a fortuna.
Asistimos esta magestosa ceremonia, de uma
das jiraellas do palacio de invern. Nao pedamos
esta melhor collocados para apreciar todos os epi-
sodios, sem soffrer o rigor do fri, ordinariamenle
muito intenso nesta poca do anno; mas, com
grande pesar dos velhos Russos, o invern se vae,
e nao fazia quasi nesse dia mais de sete a oito
grus abaixo de zero, em lugar de vinte i vinte
cinco, temperatura normal.
Uma missa era celebrada na capella do palacio,
pelo metropolitano de S. Petersbourg. O impera-
dor e a imperatriz, os grios duques e lodosos
membros da familia Imperial ahi assistiam colloca-
dos alraz da grade e dos lados; e cada vez
que a porta se abria para dar passagm aos mogos
O imperador e os grao-duqaes chegaram, toma-
ram lugar, e com a eabeca descoberta, escu-
taram as oragoes dos padres, inclinados sobre o
orificio do pogo, e abengoando o rio com as forma-
lidades consagradas.
A' roda do pavilha-, sobre e gelo do Neva, solda-
dos, inclinados, cora os capotes aos ps, espagados
em distancias regulares, mantiam um grande cir-
culo vaso. Uma batera de artilharia em posigao
sobre o caes da Bolsa, marcava cora suas detona-
goes os intervallos eguses aos psalmos dos padre,
e augmentava a soleranidade da ceremonia.
Os caes, as rampas que descem ao Neva, e o
proprio Neva, estavam cobertos de uma multido
qne se conservava em um silencio calmo e religio-
so, se associando intimamente ao espectculo, do
qual militas partes Ihe escapavam.
Outr'ora, dar-se crdito a uma tradico que
repelem todos o guas de viajantes, e que temos
razio de julgar apocrypha, as mies piedosas apre-
senlavam ao patriarcha os seus tilhinhos para os
baptisar na agua do Neva pelo buraco feilo na
carnada do gelo. Por vezes aconteca que as mitos
do padre trmulas e hirtas de fri deixavam esca-
par as creangas que desapparecam no fundo do
buraco abengoado. Ento o padre fazendo ura
signal'da cruz dzia tranquilamente. Ha um
dir de prorapto s supplicas de seus discpulos ate-
morisados pela furia das ondas e os sibillos dos
ventos I
Elle manda as ventos que se abrandem, ao mar
que se torne tranquillo, esraente exprobra a seus
discpulos o temor de que se deixaram possuir,
quando, estando Elle era sua compauhia, deviam
ter f de que nada de mal Ihes poderia acontecer,
dizenddlhes: Porque teraestes, homens de pou-
caf?
Assim pois, tambem vos que vos desesperaos
com os trabalhos da vida, que nao aprendestes de
nem sao miabas vistas descortinare pres- jesus christo a levar com paciencia a cruz que
crever futuros: mas, duaspalavras baslam,iim taa cada um de n6 corao Elle condluiQ
para explicar tudo.-Nao se paga mai do; em seus ^ hoinbros ia era linha
que se deve: -quera premio merecer tera i de exha|ar 0 ullimo suspiro s nos |ibertar do
Pr(>ueicaptiveiro do peccado, estae cerlos de que Elle
adormecer a vosso respeito, emquanto vos nao
Deus .. .. E' Deus para que mais ttulos.
Mas que procuro ?... Onde vou ?.. Per-
di meu rumo, me affastei do ponto : porm
ah quania ventura t Uma feliz e incom-
prehen ivel successo de ideas me chamam
para elle.
Na s a humillissima choca muita vez ge-
ni o pobre sob a pressao do rico desalma-
do, que sde seu poder as leis conhece, e s
de sua vontade o impulso segu, mas sua
vidji nao ma'diz o pobre, nao blasphema,
E como senio (ora pouco, os jornaes deram
noticias que estes mesmos.homens tentaram ata-
car i nossa corveta, procurando incendia-la, quan-
do bnscava sal var de serem degolados os nossos
compatriotas os fiiboe da Repblica Argen-
tina.
O que dir agora a imprensa da corle, o corres-
pondente de Genova do Jornal do Commercio e
quejandos, qne tanto preconisaram estes seus h-
roes como os paes da patria e os defensores da li-
be rdade ?
Era justo qne elles entrassera as flleiras de
Leandro Gomes para dufenderem suas propieda-
des, n'uma guerra justa como um servigo mesmo
ierra quo os acolbeo em seu selo ; mas nunca
formarem legioes separadas, sem autonsagao legal,
e ostentaren) com e malor cinismo a bandeira do
chefe nos muros de Paysand.
Aunca darem proteegio a um brbaro que cal-
cando aos ps todos os direitos e lagos religiosos
e civis, mandara cruelmente degolar os seas pri-
sioneros.
Nunca p6rem-se em defeza de nma nagio que
sustenta uma guerra evidentemente injusta, pro-
vocando os pacficos visinhos.
Miremse oeste espelho os nossos patricios e
vejara quem sao os ioimigos do papa.
Pesem os nossos escriptos, e conclua se tinha-
mos razio ou nao quando de tal modo fallavamos
dos liberticidas garibaldinos.
vollardes a Elle, corao outr'ora fizeram na barca
os seus discpulos.
O que vos detra pois era abandonardes essa vi-
da desregrada, essa vida de escndalos, que entor-
pece a vossa alma para o bem ?
Notendes o exemplo da promplidao com que
Jesus Christo ouve a aquelle que a Elle recorren)
ebeios de f e humildade I...
Un, pois, a estas disposigoes ama verdadeira
nem pe de as esperanzas : fa-los-h a, se no'conlrigao de vossos peccados, e ehegae eheios de
fosse christao ; mas elle tal, e um Deus esperanga ao tribunal da graga, para reconciliar-
confessa justo, bom, providente, que tudo vos com Elle, que promplo ser, como outr'ora, em
ordena e faz e tudo p de, que nao distingue | receber-vos em seas bracos cheio de alegra, como
O pobre do oppulento senao para ajna-lo o bom pastor se alegra quando encontra aovelha
mais. i que se desgarrn do sen rebanho.
E por isso que, grave e modesto, sem Se as lentagoes vos embaragam nos vossos pas-
urn gemido arrancar d > intimo peito, sera;sos,recorreia Jess.
outro. E a inumeragio continuava. Quanto a um ge to fazer de descon en:e, supporta da Se o inundo vos alucia com suas glorias e vai-
pobre mae, ella se consolava cuidando no bello penuria os duros golpes no seu triste viverjdades, abragae-vos com Jesus.
lugar que oceuparia no cu seu caro filho.
?*-43>--<
UM P0UC9 DE TUPO.
O Echo da Juvenlude escreve o se-
guinte :
os POBRES.
Nao me esquego de vosnao vos deslembro.
Era um dia de novembro, s nove horas
e sentado estava eu doce sombra de um
lindo cajazeiro, a beira mar, vendo quebra-
rem-se na praia as ondas, contemplando
absorto a natureza com todos os seus en-
cantos, e me elevando em xtasi aos cus
formosos, onde a noute as estrellas s3o bri-
lhantes, que seintillam quaes lucidos pha-
resem tempo escuro, quando me veio a
mente occtipar minha penna rude e pobre
com esses da fortuna repellidos- e mizer-
rimos mortes, que neste seculo, em que s
com ouro tudo magnifico, passam indubi-
tavelmente uma vida montona e sombra,
sempre longe dos sales, das grandes ro-
das, opprimidos de dor a mais profunda ;
e, as mais das vezes. cercados das insupera-
veisbarreirasda indigencia.
Bem sei, e neme meu intento, pintar ao
vivo suas miserias todas,descreve-los ;
mas, ti5o importa, sempre desses homens
que o opulenta echupa o sangue, desses no-
bresirmos, que tem por timbre servir a
humanidade a Deus servindo, sacrificando
a saude, a vida, os proprios lhos em ob-
servancia de um preceito. ou divino ou
humano, cemautoridade impo>to, que pre-
tendo fallar sem outra voz ouvir, que nao
sejaa da minbaconsciencia.
E como nao ser assim se, muitas vezes,
exposto ao ardente sol dos nossos "trpicos,
e a sede abrazadora dns cam.inb.os, onde, em
critica estacao, tao difflcil d'agua, quefaz-
se necessario gastar dias inteiros procuran-
do-a, mateia minha sede, e achei conforto
do pobre na cabana, tendo-me sido pelo
rico negado, que dar-me podia, se ama
alma egual tivesse a do pobre ? !
Quantas vezes o mize.ro viajante, em neu-
te tenebrosa, ouvindoo ribembo dotrovo,
j aproxima a tempestade, ao rico se che-
gou pedindo um canto onde evitar podesse
clamor eperigo tanto, e este com cynismo
respondeu-lhe, que esperava amigos a
quem tinha a porta aborta, e que por-isso
procurar devia outra pousada, onde melhor
podesse accommodar-se.... oh muitas ve-
zes.... muitas I.... eeu mesmo, longe
dos lares onde tiveo berco, j Ti-me expos-
to a soffrer, nao polendo, tempestade e a
morrer no caminho em noute escura, sem
haver quem me offerecesse um braco ami
go, por me ter dito o rico que esperava
amigos Amigos !. :.
Queris saber, porm, aonde remedio
achei mal to grave, t5i perigoso tran-
se? Como gosto o digo;do pobre na ca-
bana; e grato ao pobre serei por isso mesmo
eternamente.
Ou durma, ou vele, ou folgue, ou soffra,
viverei com elle, pensarei s nele
Quem das cidades nao sanio ainda, quem
s por mar e n5o por turra, viajado tem,
chamar pode exagerarlo quanto hei narra-
do ; masquem agros caminhos tem cortado.
soffie por si e por seus lindos filhinhos... I Se vossa alma se agita pelas perturbagoes da
tambera soffie... Elle OS v muitas ve/es a vida, que vos accommeltede mil maneiras, recebei
cahir de fraqtieza, a suspirar, a est nder aJesns Sacramentado, eentaovs mesraos vos ad-
supplicantes OS debis bracos, como qufim^ mirareis da salutar mudanga operada inieriormen-
diz nos ltimos arrancos ; de fome perece-1 te em vossa alma, e nao tereis remedio senao ex-
mos se nos nao accodem J clamar como outr'ora aquelles homens que obser-
E iao se limita a ist > o seu soffrer; a seu \ varara que os ventos e o marobedeciam sua voz:
lado geme ainda inconsolavel a ex remosa I Quem este que a quem os ventos eo mar obe
digna me de seus filhinhossua bella con-'' decem 1...
sort companhira infallivel eincan-avel de! Senhor I Como sois benigno e misericordio-
seus dias, dos risos, e das dores, das lides so para com aquelles que vos buscara sineera
ede tudo.
A nulher tem mais (locura. emais s:-
jeita aos extre nos na dr, como nos risos ;
e a razao esta porque sendo christa a ri-
sonha esperanca de conforto mais d presse
mente!...
Quem lao bom, como vos, para vossas crealu-
ras, de quem nada dependis 1...
Ellas, no engolphamento de seas prazeres mun-
danos, ingratas se esquecem de que tudo que sao,
perde a razao e la porque se desanima, e | e de que gozam duvwo sa Vos
o marido invoca.
Eis o viver do pobre: e muito sofire elle!
ah! muito ..
E, mais profundas chagas, quem soffreu
jamis Ninguem. Mas nao im orla, feliz
elle.e, tai julgar se deve, se alime lado foi
desde o seu berco nos saos principios, nos
preceitos santos damaisaugu-la, grandiosa
e santa das instituices que o mund ha vis-
to, mas que n3o do mundo o christi>
nismo.
E' de grande conforto, e deve ser para o
pobre, e o infeliz que chora a sublime idea,
e a feliz lem ranga de que ser pobre e ser
christao, ter de mais um Ululo para re-
montar-se as regioes celestes, a patria dos
h Vos tao propicio sois para cora ellas, quo, ao
seu primeiro suspiro por Vos, acodis inmediata-
mente ao seu reclamo, indo em seu soccorre e au-
xiliando-lhes com a vossa divina graga I
Sede, Senhor, sempre em nosso auxilio, e (Le-
nos o dom da Santa Perseveraoga al a nossa ul'
tima hora, para assim exhalarmos o nosso ul-
timo suspiro nos doces effluvios do nosso divino
amor.
Quando em 1864 escreviamos contra o procedi-
menio irregular e anti-caihoiico dos revoluciona-
rios da Italia, para logo a imprensa da capital, as-
sacando-nos calunias e langando contra nos suas
iras, acoimava-nos de ultramontanos, despticos
cherubins, mans5o dos justos. E'ter de
m is um titulo para ser amado do Rei tres roupetas e m''mTOhs ePlhel0S>iue soem "
vezes santo, que a um ac eno s, fazer bem pronos desses homens.
pode surgir milhoes de mundos, mais ele- i *>.&***. porem.mais no que defender uma
Jantes, e muito mai; tormos, do que es e, *; Wj usurpados pela ma.s
j delicias a que maravilhados c,nt mplamos, revoltan.e in.,u.dade os direitos inaufer.veis do pa-
como pode, se (or vontade sua, abater n'um ,rimon, de s-PeT0-
mom nto o pode-oso, e o nobre dando-lhes Como calmbeos e como brasileiros nao nos dei-
por habitagao a trra fria, e elevar o p ibre Mmos levar P* luv,ao das <. "" f>*<>
a occupag5o do um throno sumptuoso, todo falso patriotismo de Ganbaldi, que patrocinara
ouro e brilhantes magnficos, todo tapetes e uma causa Pes^m*. derramando sangue e fazendo
sedas de exquisitos gostos. mil estragos, smente pelo depravado gosto de ver
Assim pode ser tudo, poderosos da trra planada a discordia e a sisania no meio de um
tirai p is dos oraos vossos o veo densissimo povo, outrora tao feliz e to catbolico.
despertai, e sabei.que tudo neste mun- Nao eram tambera ideas nossas; esposavamos sim
do uma illuso, e feliz s aquelle qne sa- 0s pensamenlos de Mansoui, de Cantu, do conde
be comprebender sua mi sao ; rico o que s> larde la Margarita, e de episcopado do rounuo
tem no Cu rico thesOU Onobre O que nO |Dieiro, que sempre protestou contra os desvarios
manchou su'aima no inmundo lodagal do dos usurpadores dos dominios do papa e do tbro-
crime, e, para tudo isto, deveis s*ber, mui- n0 do sobnnho da imperairiz do Brasil,
to maior facilidade encontra o indigente,
que tanto despresaes, e opprimis tanto. j Reconhecendo o reino da Italia, escreviamos
Aqui a reflexo lindou-se, e, eu tambera eD,a0>,a,vez iue Brasi1 am Passo de Puco
findo, pedindo instantemente para o pobre
mais conceito, n.eihores disposigoes e um
bom cantinho no banquete da vida, onde
possa encontrar doce alimento, e o i o da
intelligencia, doce p8o que produz maravi-
llias assorabrosas.
Ricos, nao S vergonhoso, mais, ses homens chamados garibaldistas, que tao pre-
um crime deixar morrer fome o desgraga- conisados foram pela imprensa da corte como os
do, e permiltir que O genio, emanaco sohli- fauces la liberdade, o brago de ferro que esma-
raissima do Infinito, per-ga no esqueci en- 8Q despotismo do papa,
to e morra mingua, sem cultivo, sem na .'a E' notorio, pois todas as folhas publicaran), que
s porque nasceu pobre e pobre vive.
de ceremonia, que execntavam alguma evoloco da exposto aos f empernes, e .1 olma, ha per-
acerto.
Nem sempre o que vae adame o quo mais ga-
nha no caminho.
Agora as ultimas questoes do estrangeiro, que
tanto tem oceupado o espirito publico, vierara dar
uma prova a nossos compatriotas dg que sao es-
i j i HW^-----------
Sobre o Evangelho de S. Ilalheus, cap. 8% v. 23
a 17 Porgue temis homens de pouca fl- escreve
o Cruzeiro do Brasil o segal ote :
QUARTA DOMINGA UIP0IS DA KPIPHAN1A.
A vida do homem sobre a Ierra bem se pode
foi o agente de Viclor Manoel em Montevideo
o que mais obstculos nos pdz as quesldes do
Prata.
E nao bastando isto, o estandarte do Caudilho
de Aspra Monte (oi visto tremular, e defendido
per seus partidarios, no ataque da praga de Pay
sand; e isto contra o exercito brasileiro, que
se debata para Uvrar o Uruguay dos despostas de
Quinliros.
E* do Sr. J. de Freitas esta poesa
QLEIXA.
Se alguem definha
Por amor teu,
Sou eu, sou eu, sou eu.
(G. Dios).
E triste o canto, que acompaaba o pranto.
Como da rola o solitario arrollo ;
Como a palmeira na soidio solteira,
E' triste a queixa, que nao tem consolo.
Paixo demente, que meu peito sent
Turbou-me a paz, que meu peito tinta,
=As verdes cores sao paiaeis de dores.....
T mesmo a crenga j se vae.....delinha.
D'um soffrimento s fugaz lamento
Sollo chorando, sem achar allivio : .
Castos amores sao murchadas flores,
Paludas nodoas I n'um quadro niveo.
Roubou-me a calma, que senta n'alma.
Formosa virgem, que cruel que .etla l
Oh seduz, enleia, mas comtudo odeia
A quem Ihe vota adoraglo singella
Todo o desprezo fez cabir em peso
A mim, coitado, que Ihe quero taito !
Quero deixa-.'a, eunao devo ama-la ;
Mas to bella tem dos cus encanto i
Ser a ambiguo que em seu corago
Accende o orgulho, que me vem roubar
O amor que meu, que ella nao me deu,
A paz, que agora, j n5o quer voltar ?..
E. pois, quer onro ? nio Ihe don nm Ihesonro
Melhor que todo que no mundo existe f f
Um peito amante nao ser bastante ?
Mas, nao l nSoquer:s quer ver-me triste.
Pois bem, irei j que na trra lei
Fortuna cega ser a panacea :
Ou alcangala, ou cahir sem falla.
Como Gilberto que segua Andrea.
Mas nao desejo.,... s a morte vejo
Como limite deste meu soffrer f...
Nao queroa vidad'illuses perdida ;
Nao tenho allivio, quero pois morrer.
Nao hei conforto, mas depois de morto.
Talvez que Deus, que melhor que ella,
Tenha-me pena, que me mude a scena
Enlao eterna, l no cu, mais bella.
Ella uma vez se lembrar talvez
Queamei a muito, e exclamar comsigo:
Que dura sorte carpir minha morte :
E dir-lh'-hei do cu: vem morar comigo.
E' triste o canto, que acompanha o pranto.
Como da rola o solitario arrollo ;
Como a palmeira na soido solteira,
E' triste a queixa qtie nao tem cowelo.
E' sobretudo a verdade o que os catholicos mais
derem amar; apenas ella Ihes for mostrada pela
infallibilidade da egreja, para logo Ihes prestario a
maior sobmisso e silencio : e julgaodo-se felizes
por verem o erro condemnado, ainda mesmo que
nclle hajam ldo parte, preparem-se para combte-
lo com todas as suas torgas.
lioje mais do que nunca a nniao se lorna neces-
saria; a unio da intelligencia com a nniao da
graga levaro de vencida o erro e o mal.
A 21 de dezembro o papa publicou uma eocycti-
ca, que indica e conderana os principaes erros mo-
dernos conrernentes a religiao revelada,^ phiso-
lopha, a sociedade civil e aos contrarios principios
e preceitos da egreja catholca, a moral, ao casa-
mento christao e ao poder civil dos papas
A eneyelira annuncia tambem um jubilen para
o anno de 1865.
O pipa ta|:a, mostra os erros, assignala os peri-
giis; sua palavra e suas doulrinas serio sem du-
vida receidas com uma filial sobmisso, por lodos
aquelles que coroprehendem a gravidaoe das cir-
cunstancias.
^(3-*-
Uro padre protestante, (inha subido ao pulpito
para ler uma passagm da Biblia suas ovelhas ;
depois de ter deitado os oeulos, leu : Eoto Deus
deu uma companhia a Ado.> Depois, virando a
pagina, o santo homem cootinuou : E ella era al-
cairoada por dentro e por fra, e cheia de toda a
casta de animaes. O reverendo tinha saltado uma
folha, e cahido no meio da descripgao da arca.
?-^-?
Um (dalgo, em um momento de clera, dizta em
presenga de S. Vicente de Paola :
Quero qne e dial me leve.
Senhor, Ihe disse finalmente esle sanio reli-
gioso, eu vos re tenho para o bom Dos.
Os commissarios confederados receberam das
roaos do cardeal Antonell a resnosta ao manifest,
qne elles dirigirn) a tonos os gabinetes europeas.
O enviado confederado, que e protestante, sania
maravillado do carcter do soberano pontfice.
Nao ha nimruem, que ao ver Pw IX delxe de fi-
car captivo delle por motivo de sea trato ameno e
de suas maneiras afaveis.
S os garibaldtstas, que Unto mal nos tem feltn,
que ltimamente pegaran armas em Paysand
contra o exercit brasileiro, arvorando o estandar-
te do bandido, bascando queimar os nossos navi s
de guerra, s elles sao capazes de antipathisarem
com a pesso do venerando Po IX.
PERNAMBt'GO.-TYPDE M. F. DE F. A FILHO
1



' .


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ6NJTZ17_D2VEBA INGEST_TIME 2013-08-28T02:49:17Z PACKAGE AA00011611_10617
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES