Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10614


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i

AMO ILI. HOMERO 57.
Por qoartel pago dentro de 10 das do 1. mez ... :
dem depois dos i." 10 dias do comecoe dentro do quartel.
Porte ao eorreio por tres mezes...........
5$000
6*000
750
SEXTA FEIRA 10 DE MARCO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 dias do 1. mez
Porte ao eorreio por nm anno.......
i >
191000
38000
ENCARREGADOS DA Sl'BSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva; Aracaly, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Har, os Srs. Geraldo Antonio Alves A
filtros; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA Sl'BSCRIPCAO DO NORTE
Alabas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr Jos
Ribeiro Gasparinlio.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Esrada e esiages da via frrea al
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anlo, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhuns, Buique, S. Benlo, Bom
Conselho,, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quartas
feiras.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
Serinhem, Rio Formoso, Tamaudar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
4 Quarto cresc. as 9 h., 59 m. e 16 s. da m.
12 La cheia as 8 h., 22 m. e 10 s. de m.
20 Quarto ming as 10 h., 16 m. e 22 s. da ni.
27 La nova as'3 h., 8 m. e 22 s. da m.
AUDIENCIAS DOS TIUBI'NAES DA CAPITAL.
Tribunal do romraereio : segundas e quintas.
Relagao : teigas e sbados as lO horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do comnicrcio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civil: quartas e sabbados a 1
hora da arde.
DIAS DA SEMANA.
6. Segunda. Ss. Vctor e Victoriano mm.
7. Terca. S. Thomaz de Aqoinodout. anglico.
8. Quarta. S. Quintil lo b.; S. Poncio diac.
9. Quinta. S. Francisca Romana viuv.
10. Sexta. S. Mlilo m.; S. Drolhoveo ab.
11. Sabbado. Ss. Candido e fkraclio mm.
12. Domingo. S. Gregorio Magno dout. da egr.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as O hora e P.0 m. da tarde.
Segunda as O horas e 54 minntos da manhia.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
ala a Granja a 7 c 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
?o Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE OFFIOAL
G0VERN0 DA PROVINCIA.
Continuarn do expediente do dia 6 de marco
de 1865.
Offlcio ao Dr. chefe de polica. Informe V. S.
procedendo as uecessarias indagares sobre o fac-
to abusivo denunciado pela mprensa de virem
guardas nacionaes recrutados, algemados o farda-
dos, recomraendanda sem demora as autoridades
policiaes que nao recrutem guarda nacional algum
sem intelligencia previa com os respectivos com-
mandantes; e quando por erro o fagam nao os re-
metlam desde que tal erro for conhecido antes de!
saberem dos mesmos commandantes, se estao os
recrutados as circumstancias de o serem, em cu-
tESSSSl* pen"""r 0U!0 WH"*WSatSFSLi im
! o que communico para seu conhecimeuto.
Dito ao mesmo.-Inteirado do conleudo do offl-
solicilado pelo respectivo delegado, > se nao pos-1 Monleiro, que se offerecea para servir no corpo
sivel fazer-se all ojservigo com o mesmo, numero, de voluntarios da patria.
de pracas com que at o presente se ha feito Dito a Luiz Paulino de Hollanda Valeaga.Em
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.O
bacharel Joo Alves Mergulho Promotor ^publico
nomeado para a comarca de Flores em 2o de no-
vembro ultimo, entrou no exercicio de seu cargo
em y de fevereiro prximo lindo, conforme parii-
cipou por offlcio dessa data : o que a V. S. com-
munico para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.O bacharel Jos Joaquim de
Souto Lima, deixou em 21 do mez passado o exer-
cicio do cargo de promottor publico da comarca
do Limoeiro, para tomar assento na ssembla le-
gislativa desta provincia, conforme parlicipou em
offlcio d aquella data, o que a V. S. communicou
para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.-Coramunico a V. S. que o offl-
cial subalterno e 13 pracas da guarda nacional que
mandei destacar em Goianna, eutraram em effecti-
e
ment
naturalmente nem se converta em arma de per-
seguigao, c devendo haver o maior cuidado para
que nao sejam presos individuos que tenham isen-
eot's legaes.
Os abusos nesta materia serao severamente re-
primidos.
Dito ao inspector da thesouraria
addita ment ao -tneu offlcio de 3 do corrente, re
raetto V. S. o incluso titulo de sua nomeago de
director parcial dos Indios da aldeia de Panema.
Dito ao inspector Interino do arsenal de man-
nha.Nao tendo Vmc. conhecimento, segundo de-
clara em seu offlcio de hontein datado, sob n.
838, do que exped essa inspecgo em 17 de fe-
vereiro ultimo, remello Ihe segunda via delle, cum-
prindo que Vmc. me enve com urgencia os escla-
recmentos exigidos em dito offlcio.
Dito ao director do arsenal de guerra.-Cons-
tando de offlcio do Exm. Sr. presidente da Para-
hyba de 2 do corrente, achar-se esse arsenal ja au-
tonsado pelo respectivo ministro para fornecer ao
corpo de guarnicao daquella provincia, os objecios
constantes da relagao inclusa por copia, dos quaes
lem o referido corpo urgente necessidade, recom
mendo a Vmc. que faca apromptar e remutter
quanto antes para alii os referidos objectos, e a
ser possivel, no primeiro vapor costeiro que seguir
para o norte.
Dito cmara municipal de Flores.Declaro
cmara municipal de Flores, em resposta ao seu
offlcio de 21 de fevereiro nltimo, que Qca approva-
sob n. do pela quanlia de 650$o00 re., e por tempo de um
a de- anno a arrematace do dizimo de miuncas e legu-
mes, de que trata o seu citado offlcio.
bem prohfbir-me de passar a limpo o que se acha
anda em fabrico, e que hoje mesmo devo agurda-
lo como rascunho.
Haviams Picado no dia 7 de dezembro acampa-
dos no porto de Paysandd, entregues s nossas re-
Qexoes de soldado ; pois bem : (i'ani at 30 do mes-
mo mez decorrem-se 23 dias que sao passados, nao
no dolce for niente desses patriotas que se agilam
prosando por cantos de ras, mas sim atropellados
por um servico demasiado fatigante.
Todas as noites pelas 8 horas seguamos mais de
urna legua e iamos proteger tres pegas da nossa
artilharia col locadas ao norte da cidade, urna de
68 commandada pelo i" tcncnteTeixeira c duas de
30 pelo lente Barros, d'onde s voltavamos pela
madrugada, fugindo s vistas do inimigo e vindo
de novo acampar no porto.
Durante esse intervallo de 23 dias, pequeos
damtios soffreram os sitiados, porque eram poucos
os tridos em um ou outro tiroteio, raras vezes a
artilharia offendia a um ou outro nos seus cantoes.
Entretanto que nos supportavamos mais do que el
O numero dos nossos soldados reunidos aos de
Flores nao perfazia 3,000 ; o numero de nimigos
era 1,000, mui pouco mais ou menos. Nao se ata-
cava, portant'.), nem me:mo com a metade das for-
jas que recommendam as regras da ai le o
todos os lados vivas enthusasticos ao Imperador
do Brasil, ao baro de Tamandar c as armas bra-
sileiras.
Paysand era nosso, custando-nos a victoria cer-
ca de 400 homens fra do combate, dos quaes
que fazer?... Exactamente o que se fez ; expor mortos 130 pouco majs ou l
inultas vidas, porcm vencer A responsab.hdade; E Leandr0 Gomes ? vjamo-lo.
de taes actos nao pode recahir sobre os chefes.
Entremos na aeco.
Eram 4 horas do dia 31
baixar do sol miravam-nos acampados mult alero
da cidade, vem agora aos primeiros raios do cre-
psculo da manhaa 3,000 bayonetas tocando-lhes
os peitos, urna batera de 16 pecas ameacando-lhes
as fortificacoes e mais de 6,000 homens de caval-
laria apenando Ihes o sitio e tirando Ihes o recurso
da fuga.
Foi por certa una bella sorpreza essa !
Nao contaratnelles com lauta rapidez de mano-
bra em urna < noite.
Sem duvida que tremeram com essa ameaca, e
teriam certamente depislo as armas, se, com a luz
os quaes-me
recrutas.
Recommende igualmente V. S. as mesmas auto-,
insubordinado e desrespeitador para com os seus mitto a Vmc. para seu conhecimento, copia do
superiores. aviso da reparticao dos negocios eslrangeiros de 16
Dito ao mesmo.Consta de participacao de Jos de fevereiso ultimo, dando solucao s duvidas sus-
! Antonio da Silva e Mello, que este, na qualdado citadas entre Vmc. e o cnsul de Portugal nesta
i de presidente da cmara municipal e em dala de provincia, com referencia verdadeira nacional!
ile fazenda _J 6 de fevereiro prximo lindo, assumio o exercicio dade do individuo de nome Manoel Jos Ferreira
..M.in mnrnrWpn do cargo de juiz municipal e de orphaos do lerjno de Andrade, fallecido na rreguezia dos Afogados.
O governoimperial tendoretonhcc.doimproceden- doLrnToeiro : o que a V. S. communico para seu! Dito thesourararia das loterias.-Para poder
conhecimento. I satisfazer a deliberago da ssembla legislativa
Ditoao mesmo.O bacharel Antonio Lopes da provincial, faz-se mister que Vmc. informe, quaes
Silva Barros, em 17 do mez passado deixou o exer-, as parles de loteras consignadas na lei do orea-
cicio do cargo de promotor publico da camarca de ment vigente, que deixaram de ser extrahidas uo [
les ; a fadiga que, a olhos ns, la-nos desfigurando,; que moribunda bruxoleia sempre. a mo de Lucas
a nsomnia que o re'.eio de sortidas nos fazia ter, Pires nao disparasse o primeiro canho, e os sus-
a falla de boa alimentacao, os ardores do sol, os teotasse ainda por dous das. A fraqueza, essa
revzes Jo tempo emfim.
Tudo era contra nos. E porque ? Porque estava-
mos como que abandonados, de ha muito espera
de um exercilo qne sempre em marcha nunca che-
gava. E por |ue t Porque esse exercito era um
de prphos desta cidade. -Trans- composto de (breas que nao linham (oreas; falta-
vam-lheos preparativos indispensaveis para mar-
cha ; faltava-lhe esquecer lodo esse odio poltico i d, lo
que lem sabido infiltrar at nos nimos dos pobres do? 1..
soldados para promov-los desunio: faltava-lhe,
finalmente, o que de notar sobretudo, o numero
de soldados necessaros para hastearem em seus
corpos o estandarte brasileiro *
pusilanimidade do e.*.pirito, tambera nos seus uni-
mos momentos adquire forcas para bater-se. J
nao eram as ideas que os arremessavam a luta, ~uj "t
era o delirio que os conduzia ao fogo onde exlin-
guiram a existencia.
E assim foi; bateram-se por amor da vida.
Serao esses por ventura os hroes de Paysan -
decantados pelos faccinoras de Monte vi-
Qoaudo no ataque de 6, diziam alguns jornaes
do Prata, o vento dissipava o fumo do miniares de
.-__..iT. :.:._ .iA: I bombas que se crusavam, apparecia impvido o
vulto de Leandro Gomes dictando ordens aos seus
soldados.!
Pois bem, agora, o mesmo Leandro Gomes que
por entre o p levantado pelo exercito brasileiro
aprsenla seu vulto paludo e trmulo pedndo que
seja levado ao chefe brasileiro. Observando-lhe
um dos officiaes colorados que o cercavam que de-
vena antes entregar-se acs seus compatriotas, em-
bora nimigos polticos, approvou elle a idea, pe-
dindo sempre que Ihe conservassem a vida.
Em quanto nossas forcas marchavam, alguns co-
lorados pralicavam um assassinalo na pessoa de
Leandro Gomes, que, como cobarde, supplicava
aos seus algozes.
Assm finalisou aquelle que dizia : t S ser
rendida Paysand quando o mea cadver rolar
sobre as cinzas desta Sebaslopol da America do
Francisco Jos de Freitas,
1. tenente da armada.
(Jornal do Commercio do Rio.)
Atrou-nos primeiro a lava esse gaucho atre-
vida, mas vio-nos apanhala com magistral
sciencia.
Ao primeiro tiro do baluarte inimigo responden-
PERNAMRUCO.
tes as razoes em que se fundou essa thesouraria
para impugnar o pagamento da despeza com luzes
para a guarda da cadeia da villa de Barreiros, nos
mezes de julho dezembro de 1863, revogou por
aviso de 13 de junho do anno prximo passado, a I
decisao de 2 do mesmo mez, que havia julgado em i
termos o recurso interposto pelo procurador fiscal
sobre aquelle pagaraeato, e nao obstaule ainda he-
sitou essa reparticao effjcluar outros pygamentos
de igual nalureza, a que sendo levado ao couheci-1
ment do mesmo governo, expedio o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra que nesse tempo j era outro, o
aviso de 10 de setembro ultimo, confirmando a dis-
posicao do de 13 de junho cima citado, prova de
que o seu antecessor nao resolveu tal pagamento
por mera deferencia presidencia e sim por ser
elle illegal.
Era vista pois do exposto, recommendo V. S.
que sob miaa responsabilidaJe mande pagar as
pessas constantes da inclusa relacao as quantias
nella Indicadas, provenientes de despezas feitas
com alugnel de casas e fornecimento de luzes para
qoarteis dos descmenlos de guardas nacionaes no
interior da provincia.
Relarao das pessas a que se refere o
officio supra.
Benedicto Jorge da Silva.
Gommendador Joaquim Lucio Mouteiro da Franca.
'Fiancisco de Souza Guerra.
Bacharel Vicente Jansen do Castro Albuquerque.
Antonio Domingues de Almeida Pocas.
Capit) Angelo Joaquim Pinto.
7
Seja dito de passagem para corroborar esta ul- se-lhe com 18 bombas que quasi a um tempo foram
lima das nossas proposicoes -aq ui chegaram que. rebentar as immediacoes da praca. Comecou I
nao conlinham 300 homens, quando o seu estado : entao a dpslruicao da cidade. O fogo da nossa ar-'
effectvo devia subir alm de 800II | lilhana contina vivo al s 9 horas, tendo come-
E para que mais, se alguns dos nossos eminentes cado s 4 horas.
Cabrob para tomar assento na ssembla legislali- i actual exercicio, e quantas loteras concedidas aos teem julg&do desnecessarios o exercito e a mari-1 Nao pude conter-meaos primeiros tiros da nossa
va desta'provincia : o que a V. S. communico para! estabelecimentos de cardade, e ao theatro da pro- nha? Para que mais, se para alguns preciso que arlilharia, e como nao linhamos ordem para mar-
seu conhecimento. I vinca, existem por exirahir. | nao vingue a forca militar mesmo com prejuizo, char, fui visitar a batera e apreciar os meus colle-
ito ao mesmo.O bacharel Jacintho Pereira do Dito ao juiz de paz mais votado do primeiro sensivel para o paz ? gas de bordo que nao estranhavam o elemento e
Reg offereceu-se para substituir gratuitamente o distrcto da freguezia de Serra Taihada. -Ioteirado Quanto nao daramos nos por ver a esses respe- batiam se com coragem ao lado dos valentos offl-
bacharel Jos Paulino da Cmara no cargo de pro-1 pelo seu offlcio de 16 de Janeiro nltimo, de nao se, tabilissimos senhores ao nosso lado, ouvindo o ge- j ciaes do exercito.
motor publico desta comarca, e nesse sentido sen- ter inslallado pelos motivos nelle declarados, a jun- mido do soldado agonisante, apalpando anda quen-1 Ahi eslava o modesto e brioso Io tenente Abreu,
do interinamente nomeado pelo juiz de direito da la revisora de qualificacSo dessa freguezia, na ler- te o cadavor do nosso camarada e amigo, sentindo | que com todo o sangue fro venficava as pontanas
! vara, como este me parlicipou em 28 do mezpas- ceira dominga daquelle mez, recommendo a Vmc.
que, guardado o prazo e mais formalidades da le
convoque os respectivos eleitores e supplcntes, c
rena a referida junta no da 30 de abril proximd
vmdouro, que para isso Oca designado e prosiga
nos demais trabadlos da reviso, tendo em vista
para a organisaco da respectiva junta, o disposto
no decreto n. 2,865 de 2i de dezembro de 1861, e
arsenal de guerra'para o quartel de polica e des-, mais disposicoes era vigor,
te para o do Hospicio, do armamento e ulencilios; Dito ao juiz de paz mais votado do primeiro dis-
para a forca aquartelada do Io batalho de infan-. trido da freguezia de S. Loureoeo de Tijucupapo.
laria da guarda nacional desta cidade e com o for- Tendo delxado de reunir-so no dia o da corrente cao entre os s
necimento de agua e luz as respectivas companhias designado por offlcio desta presidencia <* *
sado, prestou juramento e entrou em exercicio,
como consta de seu offlcio d'aquelle mesmo dia :
o que a V. S. communico para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.Devolvendo a V. S. os docu-
mentos que vieram aqnexos ao seu offlcio de 2 do
corrente, sob n. 110, relativos a despeza, na im-
portancia de 189^400, feta cora o transporte do
c. vibrar-lhes as cordas mais intimas do coraco, os i dos seus chefes de peca eordenava-lhes de atirar;
L-i,! lamentos do moribundo pal de familia, para ento j figurava nao menos o 1 tenente Barros, que, en-
faz los medir o valor de suas expressoes solas em thusiasmado, davavivasa cada um dos seus
um recinto onde a palavra dove ser autonsada e j liras. Era de notar, e muito, o Io lente Martins,
roectida ; para entilo mostrar-lhes a profundida- essa perola da nossa marinha, dando sobejas pro-
de da fonda que algumas palavras impensadas vas de bravura.
motivaram ?
A nao ser o pequeo numero de soldados que
accomiiielieram a cidade nos dias 31, 1 e 2, as vic-
timas nao senam tantas.
Nesta niMiia carta ver-sc-ha mais tarde a reta-
que
de 21 de i pra?a
SSEMBLA PROVINCIAL.
8.' SESSAO EM 8 DE MARCO DE 186o.
| PRESIDENCIA DO SR. DH. CAETANO BKITO.
As ii e 3/i da manhaa. feita a chamada, acham-
se presentes os Srs. depntados Joaquim do Reg
Barros, Braulio, Brando, Souto Lima, Manoel Nel-
to, S Pereira, Buarque, Silvefra Lobo, Avres Ga-
ma, Francisco Pedro, Ramos, Drummond, Teixeira
de Mello, Goncalves da Silva, Araujo Barros, Lou-
reiro, Pereira de Brito, Silva Barro*, G. Campello,
Jacobina, Arminio, Aminlhas, Maranho, Reg
Barros, Nabor, D. lpiano e Sabino,
O Sn. Presidente abre a sesso.
Lida a acta da sessao antecedente approvada.
expediente.
Um offlcio do secretario do governo. remetiendo
a copia do contrato celebrado rom os Drs. Francis-
co de Paula Salles, e Joaquim Pires Machado Por-
tella para a classiiicacao das Ieis provinrias. = A'
Ainda se coservam vivas na roinha memoria comraisso de orgamento municipal,
as palavras qne me dirigi : a Freitas, me diz elle, I u,ro d0 mesmo, remetiendo o bataneo da recei-
consegui muito da guarnicao destasduas ratadas ; J? e despeza da cmara municipal da Villa deBom;
nenhum homem se conchega trincheira guando, Conselho A _commissao^ dei ornamento r
vem a bala inimiga. E foi essa idea precipitada
atacaram a que Ihe causou a morte. Os inimigos nao tinham
espoletas de artilharia, trabalhavam com morro,
e a ca . i.u. u. r -j _______ _____________.._..'.___ .. .a ni. -i _-.ii.',-., I,, i,ni i i. ,ii -i i mu ii,, nii a lu. Q;tiv_ if_mlt_rl_s _nnnnf i55m enm anlM-MlMI.
ande effectuar o pagamento dessa despeza, sob: sa freguezia pelas razoes ponderadas em seu offl- nhaa-quaado urna noticia, que ale entao se jul
miaba re^pon-abilidade nos termos do decreto n. co de 27 de fevereiro prximo lindo, recommendo gava infundada, chegou-nos no da 20 com visos
2884 do 1 de fevereiro de 1862, visto nao haver a Vmc. quo guardado o prazo e mais formalidades de verdade. Era o exercito de Saa, genera blan-
crdito para isso segundo consta de seu citado of-, da lei, proceda a convocarlo dos eleitores e sup- mijho que vmha em soccorro de Paysand cora
(co penles que devem coocorrer para a organisacao 3,000 homens, dos quaes 1,500 de tropas regulares
Dito ao mesmo.Em vista das rasoes expend- da referida junta, a qual deven reunir-se no dia de infanlaria. Apenas contavamos com 300 nfan-
das em meu offlcio de hontem, transmiti a V. S. 30 de abril prximo vindouro, que para isso nova-' tes nossos, e entreUnlo na tarde desse mesmo da
os documentos sobre que versa a sua informacao mente designo. marchavainos em direccao ao Rabao, disianle 8le-!cial, e aquelles que de peno o conheciam virara
des- Dito ao chefe interino da reparticao das obrx> gws de i'aysand ao encontr de Saa. Verdade e expirar com elle algumas esperangas para a rege-
publicas. Em vista da deliberaco da ssembla '< que tstaviinos reunidos a Flores que dizia ter 600 neracao da nossa marinha. Se existisse alguns
legislativa provincial, constante do offlcio do res- infantes a cavallo, e a Nelio que havia chegado annos mais, seria um dos mais fortes csteios da
pectivo secretario de 6 do corrente sob n. 10 in-1 com 1,600 homens de cavallaria, dos quaes grande | corperago ; para isso sobrava-Ihe intelligencia,
Offlcio ao Exm. presidente da provincia do Pa-
r.Opportunamente vai ser transmitlido ao en-
.arrogado dos negocios do Brasil, em Roma, o offl de 27 de jane.ro ultimo sob n. 79, relativos a
ci que para ter esse destino V. Exc. me remetteu Pe" feita pelo alferes Francisco de Freitas Moreno
com o seu de 23 de fevereiro ultimo. I com o alguel da casa que servio de quartel ao
iin _n s-im rr wi-.rin caninlir deia dince- destacamento, que commandou na villa do Oranito .
"'" ,uf_Sr a6 MltarSa da a wmWa' com o foroeiaVento de iuzpara o mesmo qoartel, (orme Vmc. se foi ou nao eflectuada a canalisagao
_;___va nrvncial faz s Sari! queV Exc ludo na importancia de 383800 e a contar d, 20 d'agua pMavel para a cidade da Victoria, como de-
SfiuMSffllrM^SuS S. K de Janeiro l 20 de junho do anno prximo passado, cretou a mesma ssembla e era caso negativo se
"rimeio elevando em matriz a capella da Se- a iim que de essa quanlia seja levada em corita ao ja procedeu-se a algum trabalho nesle mesmo sen-
nhnr-i iani'&nna na rmvnar^n rtn Stecn na freup- mencionado a feres como pede no ollicio junto por iiuo.
S5 e cSmarca de Cabrob ?cX-undo s"c h copia, a que se refere o do commamdante uasarmas, Dito a Joaquim Francisco de Torres Gallindo. -
' datado de 25 de Janeiro ultimo sob n. 184. ; Accuso receido o offlcio de 4 do corrente, com
Diloao mesmo. -Expega V. S. suas erdens, aflm que Vmc. apresentou-me o seu lilho de nome Fe-
de que se arrecade a importancia dos direitos, sel- lippe Santiago de Torres Gallindo para servir no
lo e emolumento constantes da nota inclusa por corpo de voluntarios da patria,
copia, e que est a dever Raymundo de Si Araujo, Fazendo alistar dito seu filho no referido corpo,
estavam descobertas, annunciavam com anteceden
ca o tiro. Ao passo que os offlciaes e guarnigoes
abrigavam-se muilas vezes s trincheiras, que ha-
viam feito com saceos de Ierra, o Io lenle Mar-
tins apresentava-se sempre a peito descoberto jun-
to s suas pegas.
Foi geralmente sentida a morte desse bravo offl-
,5gnn-
geral.
do da freguezia de Nosa Seohora das Montanhas
da povoago de Cimbres a capella de Nossa Senho-
ra Mae dos Homens, sita na villa de Pesqueira e
elevando-a a matriz com a invocagao de Santa
Aguida.
Dito ao mesmo.Nesta
data e de ronformidade pela sua patente de major ajudante de ordens do agradego muito essa prova de patriotismo digna de
o corrente, dei o conve- commando Superior da guarda nacional dos muni-, louvor que Vmc. acaba dotar.
com o seu offlcio de 3 do -.
niente destino ao orcamento da obra do rain do sul, cipios de Cabrob e bxu.
no seminario episcopal dessa cidade, que V. Exc. Dito ao mesmo. Participando Joaquim Leonel
de Alencar, em 4 do mez passado que na qualida-,
de de lereeiro supplente se achava no exercicio do
eargo de juiz municipal e de orphaos do termo do
Ooricurv, por ter o bacharel Pedro de Alcntara
Peixolo do Miranda Veras terminado o seu qua-'
driennio : assim o communico a V. S. para seu
conhecimento.
Dito ao mesmo. Transmuto V. S. o inclusa
pret ou relagao afim de que, nao havendo inconve-
niente, mande pagar ao delegado do termo^e Pa-
pacaga, ou ao seu procurador, a quanlia de 21 ,
provediente da etapa abonada aos recrutas Fian
* a __ A __ la \ KM 1 In ** *S tf J M -V I I 1 -\ l J i ^ iPPn
me transmiltio com o seu citado offlcio.
Dito ao Exm. visconde de Camaragibe director
da Faculdade de Direito. Sirva-se V. Exc. de in-
formar acerca do que pede no incluso requermen-
. to Leopoldino Antonio da Fonceca.
Dito ao Exm. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia. Para poder satisfazer a re-
quisicao da ssembla legislativa provincial, comi-
da em offlcio de 6 do corrente sob n. 8, informe V.
Exc:
i. Que numero de orphaos existem no collegio
de Santa Thereza de Olinda.
2. Quantas desappareceram ou fugiram no mez cisco Antonio Vaz, Alexandre Lino Bezerra, Joo
passado. Correa da Rocha e Manoel Paulo do Nasci ment,
3." Que providencias se deram, e quaes os seus qUe, sendo remettidos daquelle termo para esla ca-
resultados. pital, foram pjstos dlsposigao do coronel com-
4. Se a pessa encarregada desse estabelecimen- mandante das arma?, para terem o conveniente
to ainda centina a reg-lo, nao obslante tallas des- destino, segundo consta de ollleio do chefe de poli-
ta ordem. cia datado do Io do corrente, e sob n. 286.Com-
Dito ao mesmo.Em vista do que expoe o cen- municou-se ao Dr. chefe de polica,
sul de sua mageslade catholica no offlcio incluso .
por copia, recommendo a V. Exc. a expedigao de Dito ao mesmo -Communico aV.S..para;seu
snas ordens para que seja recebido e tratado no conhecimento e direcgao, que no da 1 do corren-
hosoital Pedro II o subdito hespanhol Manoel Gon- te tomou assento na ssembla legislativa desta
calves, afim de que nao venha a realisar-se a hy- provincia, na qualidade de depulado, o engenheiro
pothese figurada pelo mesmo cnsul de perecer el- Gervasio Rodrigues^ Campello, pelo que deixa de
le em abandono sobre as calgadas desta cidade.- ejercer a commissao de quo se acha encarregado
Communicou-se ao cnsul de Hespanha. as obras do melhoramcnto do porto segundo me
Dito ao mesmo.-Auuriso V. Exc. a mandar por parlicipou o mesmo engenheiro em oflicio daquella
em hasta publica e de conformidade com a sua in- data.
formago de 4 do corrente, sob n. 98, o arrenda- Dito ao inspector da thesouraria provincial.
ment da casa n. 2t da travessa daMadredeDeus, Annuindo ao que oUcilOUO chefe de polica em
de qne trata a sua citada informagao. offlcio de hontem, sob n. 31o, recommendo a V. s.
Ditoao coronel commandanle commandante das que em vista da inclusa conta, mande pagar ao re-
arma Para que eu possa resolver sobre o paga- lojoeiro Jos Vinssimo de Azevedo a quantia de
ment pedido pelo 2 tenente do 4 batalho de arti- lo* proveniente do concert feito no relogio da
Iharia Assencio Minervino Mei-a, aqual se refe- secretaria da casa de detengao, que deixou de
rem os papis annexos ao offlcio de V. S. de 3 do ser trocado por oulro melhor, como se havia per-
corrente, sob n. 418 junto em original, cumpre qne mundo, por ter-se conseguido levar a effeito esse
me informe qusl a despeza provave do expediente concert, segundo consta do citado offlcio.-Com-
Sa%Vcnla'rP2imental municou-s.e ao Dr. chefe do polica.
D?to ao me mo -Cammnnico a V. S. que segn- Dito ao mesmo.-Mande V. S fornececer a casa
do constou de offlcio do Exm. Sr. presidente da de detengao os calde.roes do (erro pedidos pelo
BahU de S4 de fevereiro ultimo, alicengade3 respectivo administrador e de que trata o Dr.
mezs com que se acha o capillo do 10 ba- chefe de polica em offlcio n. 28o de 1 do cor-
tTmo deTnfanWria, Theotonio Joaquim de Almei- rente, junto por copia. Coramun.cou-se ao Dr.
tZl^vSFSiStiS*0*** daU' ^Dito^cimmandante do presidio de Fernando.
' D to me rao -Si va se V S demandar alis- Transmiti a V S. para os lins convenlenles, a in-
Urco^n"vXnta"riodopalrla-*PelppedaSanlia- clusa relagao dos objeclos com seus respectivos
goT^rrLGamndo pregos, que seguem no hya.e nacional SWan0,
Dito ao mesmo Faco aoresentar a V. S. o cida- para esse presidio,
dao JoaSuim d BarraKa que so offerecea para Dito ao commandante saperor interine da guarda
rvHoSrpo de volunt ros da patria, permiltin- nacional do Recife.-Expega V. S as suas, ordene,
do-lhe V. S. o uso do destinctivo de 1- eadete, a afim de que|seja pesiada em frente^da igrejai de N.
Uiir tem direito S. do Livramenio desta cidade, umaguarda de honra
q Ditoao mesmo.-Recommendo a V. S. qne per- de ura dos baulhSes da guarda .f cbnal sob seu
mitta ao voluntario da patria Manoel Ferreira Lima seu commando superior, aflm de' "mPnh"
jonor, o uso do destlnt.nctivo desoldado parli- proe.ssao de Nossa Seohora da Solodade que tem
cu lar dfl sanir daquella igreja no da 12 do corrente as 3
Dito ao Dr. chefe de polica.Para resolver so- horas da tarde,
bre a materia do offlcio de V. S. n. 314 de 6 deste Dito ao commandante do corpo de policia.-Au-
nez faz se necesario que V. S. informe sejulga torisoV. S. a mandar desligar do corpo sob seu
necearioo augmento do destacamento de Ipojuca commando, 9 cabo de esquadra Manoel Carneiro
Expediente do secretario do governo do dia 7 de
margo de 186o'.
N. 34.Offlcio ao primeiro secretario da ssem-
bla legislativa provincial.De ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, passo s mos de V.
S., para serem presentes ssembla legislativa
provincial, as informagoes exigidas em seu offlcio
de 3 do corrente, sob n. 3, relativamente as vagas
de pret que existem no corpo de polica e na sc-
elo urbana.
N. 3o.Dito ao mesmo.Passo as maos de V. S.
de ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, pa-
ra ser presente a ssembla legislativa provincial,
o incluso quadro demon-trativo que remetteu a c-
mara municipal de Olinda com offlcio de 11 de fe-
vereiro lindo, de sua receila nos tres ltimos an-
nos decorridos de 1862 a 1864.
N. 36. Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, passo as mos de V.
S. para serem presentes a ssembla legislativa
provincial, nao s copia do offlcio qne em data de 9
de Janeiro ultimo dirigi a cmara municipal de
Cimbres, expondo as necessidades de seu munici-
pio mais tambem o balango da receila e despeza
da mesma cmara relativo ao exercicio de 1863 a
1864 eoorgimenlo e tabella explicativa para o
exercicio de 1864 a 1865.
N. 37.Dito ao mesmo. Passo as maos de \.
S., de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, para ser presente a ssembla legislativa pro
vincial, os inclusos artigos addicionaes aos artigos
34 e 52 da lei n. 517 de 19 de junho de 1861, con-
feccionados e remettidos pela cmara municipal de
Olinda com offlcio de 18 de fevereiro ultimo.
parle sem carabina. | applicago, energa e bravura. Com a sua morte,
Ja nao fallo das vicissituJes da marcha para nao perdeu a armada um distinti offlcial, a socie-
lornar-ine fastidioso; direi apenas qne lizemos essa j dade um cidadao h< nrado c o paz um lilho presti-
viagem em um da. expostos ao lempo como sem-1 moso.
pre, e sem outras munigoes que as de guerra. Es- ( Pelas 9 horas da manhaa a infanlaria recebeu
(vemos algumas horas no Rab-, e como booves- ordem de aecummetter a cidade, devendo a briga-
sem noticias deque Sa repassra o Rio Negro, da do coronel Saropaio aucar pelo norte, e a do
vollamos a Paysand, onde nao nos demoramos 24 tenente-coronel Rsin por oeste. As duas briga-
horas, pois que, por motivos que at hoje ignora- das, que at entao se conservavam unidas, disse-
mos, marchamos para S. Francisco. S no dia 26 ram-se adeus cheias de f e confianga urna na ou-
regressamos ao porto, e de novo estabeleceu-se o ira, e marcharam.
sitio aos da cidade. Seguiam na frente linhas de atiradores que a al-
Se os inimigos nao obtiveram de Saa a proteegao guns passos distantes da balera j nos annuncia-
que espravam, quando menos aproveitaram-se da vam balas da mosquelaria inimiga. Carregamos
suspenso do sitio para refazerem-se de alimentos ento a marchc-marche at meio camlnho, Onde
frescos. nos foi preciso fazer urna pequea parada, e perder
Finalmente, a 29 chegou o nosso exercito, com- nao pouca gente ; tinhamos ura fosso a transpon
posto de 6, 00 horaens, dos quaes s 2,000 de in- Passamolo sem grande difficuldade, pois que a
(antaria
Os generaes reunirara-so, combinaram-se e de-
lineando o plano de ataque, deliberaran) que a ac-
go tivesse lugar no dia 31.
Na tarde de 30 de dezembro desembarcaram dos
navios da esquadra oito pegas de-artUhana, sendo
tres do systema La Hilte confiadas ao 1 tenente
Abreu, tres oulras Paixans, de calibre 30, dirigidas
pelo 1' lente Barros, e duas raiadas de Wi-
thworlli, ecmraandadas pelo l lente Martins.
Sob as ordens do primeiro destes offlciaes serva o
Io lente Pederneira do segundo os guardas mari-
nha Pereira Pinto, Noronha e Vctor Lamare, e do
terceiro o Io tenente Rollin e o guarda-marinha
Paiva.
Dispostas as pegas em carretilhas, seguiram
acompanhadas por seus commandantes, offlciaes, e
cerca de 80 imperiaes marinheiros, at a' Boa-visia,
terreno situado ao norte da cidade, quasi ao alcan-
ce de fuzil, e em posigito magnifica para descorti-
nar os pontos mais fortes do inimigo. Chegados a
esse lugar encontraram-se com oito pegas de cam-
sua profundidade
braga.
exceda a pouco mais de urna
Oulro do mesmn. remettenda
falla com que S. M. o Imperador't
da sesco da 121 legislatura da ,"s.-e
A archivar.
Outro do mesmo, remetiendo o balango da recei-
la e despeza da cmara municipal da villa de Bar-
reiros.-A' co.n;-nissao de orgamento municipal.
Outro do mesmo, remetiendo o balango da recei-
ta e despeza da cmara municipal da villa do Ca-
bo. -A' commissao de orgamento municipal.
Oulro do mesmo, remetiendo o balango da re-
ceila e despeza da cmara municipal da villa
d'Agua-I'rla.A' mesma commissao.
Oulro do mesmo, remeltenda o balango da recei-
la e despeza da cmara municipal da villa de Po-
d'Alho. A' mesma commissao.
Outro do mesmo, remetiendo o quadro da recei-
ta arrecadada nos tres unimos exercicios pela c-
mara municipal da villa de Caruar. A mesma
commissao.
Outro do mesmo, remetiendo o projecto de pos-
turas que enviou a cmara municipal de Buique.
A' commissao de negocios da cmara.
Urna peligao da mesa regedora da irmandade do
Divino Espirito Santo da igreja do Collegio, pedn-
do preferencia para serem extrahidas no corrente
exercicio as duas partes das cinco loteras que Ihe
foram concedidas. A' commissao de orgamento
provincial.
Outra de Andr Avelino de Barros, pedndo ser
aposentado com ordenado proporcional aos annos
em que servio de guarda dos armazens das obras
publicas.A' commissao de petigo.
Outra de Antonio Alves de Miranda Guimaraes,
teslamenteiro do finado Joo Vieira Lima, pedindo
que se mande restituir aos herdeiros do dito fina-
Alcangamos as prnneiras ras meia hora depois i do a quanlia de 8:000^060, que indsvidamcnte pa-
do ataque, e j tinhamos vencido o terreno niais
arriscado. Agora de casa em casa, de urna ra a
ouira, iamos dstinguindo melhor as trincheiras,
al que por lim nproximamo-nos dola a tiro de
pistola. Estavamos na primeira ra do norte pa-
rallela praga ; era a mesma a que no da 6 ha-
viams chegado por camiuho diverso. Subimos s
soleas dos sobrados que por ahi encontramos, ne'-
las plaamos bandeiras brasileiras, e fazendo
brechas nos parapeitos por ellas feriamos ao ini-
migo.
Passamos os dias 31 e Io debaixo de fogo segui-
do. Durante a noite era elle quasi tao vivo como
durante o da ; as poptarias eram ento feitas para
os pontos onde se davam as explosoes. Com esse
fogo consesulivo obtivemos fatigar os sitiados, que
no lim do seguudo dia de ataque mostraram-se me-
no- vigorosos.
No dia 2 pela madrugada tocamos um dos can-
loes que defendiam a praga, (icando dlreita urna
panha do nosso exercito, e formouse assim urna
batera de 18 pegas, sob o commaudo geral do le- trincheira e um fosso, com que nao contavamos
nente coronel Mallet. I porque haviams derrubado as paredes dos
Nessa mesma noute marchou do "porto para a i edificios, e ganhavamos terreno por dentro
INTERIOR.
Noticias da guerra do Rio da
Prata.
(carta segu.nda)
Paysand, 4 de Janeiro de 1864.
Meu esliroavel redactor.Aqui tem a miaba se-
gunda missiva, lo verdadeira coma a primeira, e
cojo estylo, despido de luxo, est ao alcance de to-
dos. E nem me estarla bem, fallando ou escreven-
do sobre os negocios da guerra, usar de outra elo-
quencia que nao a militar.
Na guerra os melhores discursos sao quatro ou
oito palavras que sabem inspirar ardor e bravura
a centenares de soldados, as melhores proclama-
coes aquellas cuja leitura pode ser apreciada no
curto espago de um agarrar, provocando ao solda-
do no seu remate q_ apenar o fogo entre os dedos e
gritar : Muito bem; tita o nosso general.
Nada de prembulos ; mais do que nunca trata-
mos agora do positivismo, e as digrossoes tornam-
se prejudiciaes. Um rutar do tambor pode distra-
anme- do empenbo que tenho em escrever-lhe,
emhora ja um pouco tarde: a chegada repentina
do paquete qac brevemenle so espera, pode tam-
retaguarda da batera o brioso contingente do 1
de infantaria, commandado agora pelo major Jos
Antonio Correa da jamara, que vindo a Paysand
era commissao, quando ainda o exercito se achava
em marcha, foi requisitado pelo almirante para di-
rigir essa forga em substilugo do capito, que es-
tava ferido. Eram seus offlciaes os meamos do
exeicito que citei na minha primeira carta, eos
da armada, 1 tenente Xavier de Castro, 2o tenen-
te Ferrao/commlssario de 2* classe Castro, e guar-
das-mannha Eliezer Tavares, Saldanha da Gama,
Joaquim Lamare e Conrado. Com esse batalho
tambem en marchei e entrei em aegao, represen-
lando o duplo papel de major e ajudante de ordens,
mas abslendo-me sempre das manobras inherentes
ao primeiro desles postos, porquanto aos officiaes
do exercito competiam taes prerogativas, se nao
por direito naquella eircumstancia, ao nenos por
homenagem a' arte. O meu maior prazer era per-
correr a cavallo, de um extremo a outro, essas fi-
leiras do bravos a transmllir-lhes as ordens do nos-
so commandante.
Quando chegamos Boa-Vista formamos na re-
taguarda da batera, era distancia prximamente
de 400 bracas, e ahi encontramo-nos com os bata-
Ihoes de infamara : 3, 4, 6o, 12* e 13. Fomos
logo incorporados brigada commandada pelo va-
lente coronel Sampaio, composta dos balalh5es 12,
6 e parte do 4; sto do tremeterra, encoura-
cado e comefogo, nomes pelos quaes eram el les,
conhecidos entre os soldados. Alm desta brigada
havia urna outra commandada pelo tenente-coronel
Rsin, e composta dos batalhes 3" e 13. A ou-
tra pirte do 4 batalho formavn a reserva, na re-
taguarda da artilharia.
delles.
Eram 5 horas da manhaa do dia 2, quando Lean-
dro Gomes jnacdou p'-dir ao almirante urna sus-
penso de armas por oito horas para acudir aos fe-
ridos e enterrar os mortos ; cbtendo immediata-
mente como resposta do almiranteque nesse cs-
pago de lempo as tropas alliadasestariam de posse
da cidade.
Foi isso bstanle para lavrar o desanimo as li-
leiras inimigas. '
Pelas 8 horas apresentou-se em um canlo de,
oeste o coronel colorado Saldanha, que se achava
preso entre os blancos, e pede que cessemos o fogo,
porque vao rndense os da cidade.
Cessamos de faci o fogo, mas fomos invesdndo
pela cidade, apoderando-nos dos ponlos prlncipaes,
e recebendo os prisioneiros que se nos aprsenla
vam rogando que Ihes garantis~$emos a vida. Mui
tos d'enire elles, offlciaes superiores, com bastante
servilismo o faziam, pois que chegaram a dizer que
como escrotos serta iam bandeira brastleira d'allt
em diante.
Eram esses os hroes de Paysand que tao co-
bardemente se entregavam a inimigos civilisados e
generosos. Os que pouco antes chamavam-nos de
cobardes, escrotos e asquerosos, agora saadavam ao
valenle baro de Tamandar c bravura das tro-
pas brasileiras.
Quando entramos pela cidade, o imperial mari-
nheiro Alexandre Jos da Silva, que tantas provas
deu de bravura, tirando de urna sota o nosso pa-
v'ilhe, foi correndo a matriz e collocou-o no alto
do zimborio, abatendo a bandeira oriental blan-
quilho quo all se achava.
Ao disparar do pavilho auri-vorde, soaram de
gou do sello do legado deixado ao Hospital Portu-
guez.A' commissao d legislago.
Sao lidos e julgados objeclos de deliberaco os
segrales projectos :
A ssembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Arl. nico. Ficam reunidos no lermo da vil-
la do Salgueiro, para serem exercidos por um s
tabellio do publico judicial e notas, os offlcios de
escrivao dos orphaos, dos residuos, capelias e das
execuges civeis e crimes.
Revegadas as disposigoes em contrario.
Pago da ssembla legislativa provincial de
Pernambuco 9 de margo de 1863.Antonio Lopes
da Silva Barros.
A ssembla legislativa provincial de Pernam-
buca resolve :
c Art. 1 Fica o presidente da provincia auto-
risado a mandar construir, com a maior urgencia
possivel, ura agude sobre o riacho Mandioca pr-
ximo a villa do Limoeiro, afim de abastecer d'agua
potavel aos habitantes daquella villa.
t Art. 2 Fica o mesmo presidente autorisade
despender at a quanlia de dous contos de res
com a factura do mesmo agude.
c Art. 3 Ficam revogadas as disposigoes em
contrario.
a Pago da ssembla provincial de Pernambuco,
9 de margo de 1865.-Souto Lima.
O Sn. Buarque fundamenta e manda a mesa um
requerimeuto, que publicaremos amaoha.
Oraram sobre o requerimente os Srs.1 S Perei-
ra, Reg Barros, G. Campello e Jacobina.
Fica adiada a discusso.
. O Sr. Ayres Gama pede a casa e obtem urgen-
cia para apressentar o segrate parecer e projecto:
c A commissao especialmente encarregada de
rever os projectos n. 1, 2 e 3 do corrente anno, so-
bre as vantagens concedidas aos offlciaes e pragas
de pret do corpo de polica e quaesquer outros
cidados quo se alistarem nos corpos de Volunta-
rios da Patria depois das conferencias, que leve,
entendeu que devia propor o.seguinte projecto de
lei :
* A asembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Art. 1 Fica o presidente da provincia auion-
sado a permittir que o corpo de polica v tomar
parte na guerra actual.
t Art. 2 Neste case o mesmo corpo ser consi-
derado em commissao ou diligencia extraordina-
ria, sendo ento creado um corpo provisorio que
far o seu servigo,
nico. Esse corpo provisorio ser dissolvi-
do logo que volte provincia o effectivo depois de
terminada a guerra.
Art. 3 O mencionado corpo provisorio ser
composlo de treientas pracas que formaro tres
1
mm ^^. m m. >^_


1
Diarto de Pcrnaaibuco --" sexta fcfra lO le Mateo de 1865.
comnanhias. Rm todo o mais ter elle a orga-
nisaco da actual seceo volante do corpo de po-
lica e Acara sugeito ao regulameoto de 2 de de-
zembro de 1853, e perceb -r todos es vendtnentos
laole.
passado cem de arrecadafo de derfraa, em pri- Sao
ipir, consas Insnnportaveis, e por tanto dignas i No de Joo Quirin deAguilar cidadao nortu-
e,r* fi8""5;10 rW* au onsando a berta- de uro* providencia quo as cohiba. caer, de 36 annos de idade esiabeiecido nesu ci-
!S^^LUitiU' ^a ?T i gUalniT a aWw,* d0 *r< SQb- dade com casa *> comm^rciote g ofsa Lto sob
nS1 hg p0Uvel ,dad1 df Jind de,e8ad0 a freguezia de S. Jos para o proceder'a Arma de Joao Qairiao de Aguillfr & C da qual
Weira Sff da c^a da "n^o ?X Santo t*V Lff0P0,dino- "ue Knarda Sonal, e leparte, pediodo ser admeS matriculad-
rerteiro anoar oa casa da praca do Corpo baoto que all tem por eos ume provocar a lodos com V sta ao Sr desemharpadnr fWeal
Art 4>Ocap..5o^dajpr.me.ra destas compa- ^leccionistas da Companhia Pernambucana ^^^^ respei.o%moradadepnbic! Neutrcdo raerao%edindS o registro do sen
hiastera agraduacao demajor eser ocoW dNav^^^
mandante do corpo, sendo substituido no comman-. 2,793 acedes. m pai de-familia a nuem i aim J1Z i _vuia .7 l Jr a >Dl0i-
approvaaa a acto ae desatino da parte dos provocados, cumpre ros :Registre-ee
1 que appareca a pedida providencia. i No de Yalle, Porto & C, pedindo tambero o re-
j a este porto com agua aberta o bri- gistro de om recibo que apresentam : Regis-
pedico percebero alm dos vencimentos qce lhes
sero concedidos pelos cofres geraes, mais nietade
do respectivo sold, o qual lhe ser garantido pe-
los cofres provinciaes desde o dia em qnesahirem
da provincia al o da saa vjita mesma finda a
guerf*.
Art. 6o E' garantido nos mesmos termos e
cirvimjstancias o meiowtWodos inferiores do mes-
illa con'o.
Art. 7. Durante o lempo da expedico ficam
coforado.
Aberta a sessao, depois de lida e
acta da antecedente, foi pela respectiva commissao
apresentado o parecer do exame das coalas do
anno passado. que foi o seguinie :
Srs. acciooistas da Companhia Pernambuca-
na.a commissao do exame de cenias, da Cora-
panhia Pernambucana, vem hoje apresentar-vos o
parecer que lhe compete dar, na forma do art. 22
dos seas estatutos. Um exame completo procedeu-
se em todos os livros. documentos e ttulos, que
gue bespanhol Aquilino. Procedente de Montevi-
deo, ia para a Coranha, na Hespanha, com carre-
gamento de eouros seceos.
Juraram bandeira no corpo de Voluntarios
Patria at hontem o seguinte numero:
225 Emilio Epaminondas Ferreira Rabello, 28 an-
nos, Pernambuco.
inalados e garantidos os venciroemos actuaes das constituem o activo e passivo da companhia, exa- j 226 Joao Francisco de Sant'Anna 18 dem idem
demais pracas de pret do meneranido corpo. Para rados no bataneo fechado em 31 de dezembro pro- 227 Jase Tavares Pessoa Dornellas Jnior 21 idem
sle fimj alm dos vencimentos que as mesmaspra- ximo findo. A escripturaco foi encontrada em
r perceberem pelos cofres geraes, perceberao dia, e examinados os livros Otario, Razio, Copia-
pelos da provincia mais 546 ris diarios addicio- *', Cauca e Auxiliares, achando se tedes regu-
Baes. \ I 'armante escripturados ; otando se o aceio e boa
Art. 8. As pracas de pret que nao marcharem ordem dos documentos, devidamente namerados e
para guerra, nao sero engajados de novo, Ando o i arrumados, bem como a correspondencia e mais
aetual engajamwrto. | papis concernentes ao expediente do anno pas-
Art. 9. As pracas de pret do corpo de polica sado.
que ja se tiverem a listado no de voluntarios da As differentes contas do balance foram confe-
patria, e que nao estverem enhabeis para o servico "das, encontrndose -exactas, eos docamentos de
depois de terminada ag;oerra, ficam com direiloase- caixa confrontados com os respectivos lancamen-
rem preferidas a quaesquer cidadaos cas vagas que tos. Merece^ pois, da commissao teda a confanca a
se derem n*ooelle corpo. escripluragao da Companhia Persambucana.
Art 10. Depois das pracas pret, de que cima Terminando esta limitada exposicao, agrde-
se falla, serao do mesmo modo preferidos as so- eemos a prova de conianca, que acabaes de dar-
bredias vagas quaesquer cidadaos ou guarda na- ros, e fazemos votos pelo progressivo augmento da
cional. que tiverem servido nos corpos de volunta- eompanhia ; de que deveis nutrir bem fundadas
rios da patria. I osperancas, achando-se tesia de seus negocios e
Art. 11. Os postes que vagarem no dito corpo; em sua gerencia o Sr. F. F. Borges, cujo zelo c in-
de pohcia quer ao lempo da guerra, quer depois teresse em prol de vossa empreza nao vos sao des-
della, serao preenchidos somenie por accesso, em
quanto houverem offieiaes c pracas de pret com
habilitares Idneas, que tiverem lomado parte na
guerra. Em igualdade de circumstancia serio
preferidos os-officiaes e pracas de pret que tiverem
pralicado actos de denodo e bravura regularmente
comprovalos.
Art. 12. 'Os lilhos e filhas menores, qner dos
offieiaes e pracas de pret de fallam os arligos 56
e 7 da prsenle lei, quer de quaesquer cidadaos
ou guardas nacionesquese alistarem nos corpos de
voluntarios da patria, serao a requenment de
seas pas admitlidos nos estabelecimentos pblicos
de educacco e mantidos custa da provincia em
qaanto durar a guerra.
| Tnico. Esta disposicSo se tornar perma-
nente para os lilhos e filhas" menores -dos que mor-
reremnacampanha.
Art 14. As vantagens pecuniarias concedidas
aos oflciaes e pravas de pret nos termos dos aris.
j'G e 7 desta lei, serao pagas na provincia s fami-
lias dos mesmos offieiaes Inferiores e mais pracas
de pret, ou as pessoas que elles designaren!, ou di-
rectamente aos mesmos fra delta e emeampanha,
pelos meios que o presidente da provincia achar
mais proprios.
Art. 15. O presidenle da provincia poder
adiantar at ires metes de meio sold aos offieiaes
inferiores que o pedirem, assim como tamb?m po-
der .pelo mesmo lempo e mesma conformidade
adiantar as pracas de pret a gratiScacao de que
trata o art. 7, descontando de uns e de ootrosem
cada mez a lerca parte no respectivo meio sold e
conhecidos, sendo cada vez mais digno de vossos
louvores.
Pernambuco, 22 de evereiro de 186S.-F.
Souvage & C, nonio Luiz dos Sanios, Alvaro
Augusto cTAImda.*
Depois de discutido, foi posto a votacao, o appro-
vado pela assembla geral, levaniando-se a sessao.
Informam-nos o seguinte :
Xa revista do batalho de guarda nacional de
Muribeca.que teve lugar, a 5 do correntemez, leu o
Sr. tenenle-coroael Marianno de S e Albuquerque,
a frente dos guardas comparecenles, a proclama-
co do Exm. Sr. presidente da provincia, e em se-
guida, consuitou se havia quem quizesse alistar-se
no corpo do Voluntarios da Patria; mas como nen-
hum guarda se offerecessp, dirigise S. S. para as
fileiras do batalho e na companhia principalmen-
te, a que perlencem os moradores dos engenhos
de Miguahype da Baixo, do lenente-coronel Mon-
larroyos, e Paraizo, do Sr. capilo Gabriel, li 1 lio do
mesmo tenenle-coronel Montarroyos, lirou para a
frente aquellesguarda?, qne lhe constou ou pare-
ceu serem solieiros, inclusive Antonio Jos de Frai-
las, homem vi ovo de muito boa conduela e traba-
jador, com um fllho menor, e de idade 43 annos;
alguns do Sr. capillo Jos Thomaz e outros do Sr.
capilc Jos Caelano, e completou assim o numero
de 14.
Jstc feito, dirigi a palavra a esses guardas,
dizendo-lhes que iam assentar praca no corpo de
voluntarios, de bom ou mo grado, ordenando logo
ao sargento Joao Ignacio, homem viuvo e carregado
de familia e ao Sr. lente Lima que conduzissein
idem.
Tavares Pessoa Dornellas Jnior, 21 idem,
228 Antonio d'Araujo Alcanforado, 21 idem, dem.
229 Manoel Garneiro Monteiro, 24 idem, Idem.
230 Jriao Capistrano d'Agular Montarroyos, 27
idem, idem.
231 Lauriaoo Germano d'Aguiar Montarrovos, 17
idem, idem.
232 Fernando Francisco d'Aguiar Montarroyos, 18
idem, Hem.
233 Manoel Das de Toledo Jnior, 18 idem, idem.
tre-se.
No de Joo Ribeiro Lopes, pedindo o registro de
nm rrtw que aprsenla :Registre-se.
no de Jos Mara Ferreira da Cunha, pedindo o
registro de urna escriptura de hypotheca que apr-
senla :Sellado o documento que ajunta com a es-
criplura, volie a petico.
No de Joaquira Antonio Pereira & Sobrinlio, pe-
dindo o registro do contrato de sua sociedade :
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Jos Alves da Silva Guimaraes, pedindo
certidao de ser commerciante matriculado : D-
se-lhe.
N'oulro do mesmo, pedindo o registro da nomea-
cao de seu caixeiro Luiz Jos da CosU e Silva :
Hegistre-se.
Com informajao do Sr. desembargador fiscal:
No de Joo Jos Ribeiro Guirates, Pedro Tino-
co e Joaquim Ferreira Denio, pedindo o registro do
** Antonio Joaquim de Barros Lima, 21 idem, | seu contrato de sociedade : Resstre-se e publi-
'dem. qae-se.
H2 ^aim, Jo?, de Sant'Anna, 25 idem, idem. No de Joao Joaquim da Silva Gomes & C, pedin-
230 Malino Jos dos Santos, 21 idem, Parahyba-. do tambem que seia registrado o contrato de sua
L :?*?. J*,a.riQno. Fajco, 23 dem, Pernambaco. sociedade :O mesmo despacho.
No de Andr Henriqne William e Francisco Jos
238 Manoel Joaquim Soars.
De Iguarass remettem-nos o seguinte
gratifleaco at completa inderonisaco dos adan-1 Resguardas a presenca do Exm. Sr. presidente da
lamentos que houverem felo. | provincia \ com o que muitos delles se puzeram a
Art. 16. O presidente da provincia tica auto-
risado a dar licenca por todo o tempo da guerra
aos empre3ados pblicos provinciaes, que solicita-
ren) para nella tomarem parte. >
7. O temp-j de servico em campanha desses
empregados lhe serao tambem levados pelo dobro
em conta para aposentadoria. >
, c Art 18. Para occorrer ao pagamento das des-
pezas creadas pela presente lei, fica o presidente
da provincia aulorisado a despender at a quantia
de lo:UU05 podendo para esse fin fazer as ope-
races de crdito que fvrem necessarias, se nao
existir nos cofres provinciaes fundos sufficien-
tes disponiveis.
< Art, 19. Ficam revogadas todas as disposicoes
em contrario.
Sala das commissoes, 9 de marco de 186.
Francisco de Araulo Barros, Gervasio Rodrigues,
Ayres de Albuquerque Gama, Dr. Sabino Olegario
Ludgero l'inho, Manoel Buarque de Macedo.
OSr. Araujo Barros pede e concedida dispen-
sa de impresso.
ORDtAI DO DIA.
Entram em discusso as emendas s posturas da
cmara municipal d'Agoa Preta, que sao sem de-
bate approvadas.
Entra em 2* discussao o projecto n. 2o do anno
passado, que manda ficar o consulado provincial
competente para arrecadar a decima dos predios
sitos ao Recife, cuja decima arrecada pela colle-
toria de Oiinda.
Ora o Sr. Araujo Barros, e aprsenla o seguinte
xequerimenlo:
a Requeiro que a discussao do projecto seja
adiada at que veoha casa o resultado da com-
missao nomeada para syndicar deste e de outros
objecios tendentes a impostos provinciaes.
Oram em seguida o Sr. Ayres Gama e o mesmo
Sr. Araujo Barros.
Finda a discussao, o Sr. presidente declara nao
aceita- o requerimento do Sr. Barros, porqaanto
noesi anda approvado pela casa o requerimento
em que se pede a noraeaco da commissao, de que
trata o mesmo senhor.
Posto a votos o projecto, approvado.
Entram em seguida em Ia discussao e sao
approvados sem dbale o projecto n. 83 do anno
passado, autorisando a construeco de urna estrada
a partir de Cha de Cachito para a villa da Limoei-
ro, e o de n. 87, tambem do anno passado, tendente
a abastecerse de agua potvel a cidade de
Oiinda.
Entra em I* discussao o projecto n. 102 do anno
passado, concedendo prevelegio para fabricar ma-
carro a Jos Mana Ramonda.
O Sr. BuxBQtE diz que, segundo o aclo addicio-
nal, as assemblas provinciaes sO podem conceder
previlegio para aquillo que relativo a obras pu-
blicas e navegaco.
Para se evitar, pois, que a assembla pralique
om acto que esta fra de suas attribuicees, o ora-
dor offerece um requerimento, que approvado,
para que o projecio v commissao de constiiuico
e poder.
Entra finalmente, em 2* discussao o projecto
n. Oi, relativamente construeco de dous acudes
na povoaco do Salgueiro e villa do Granito.
O S. Silva Barros observa que- tendo-se j
vetado no orcamento do anno passado urna verba
para o acude da povoaco tio Salgueiro, de ne-
cessidade a seguinte emenda que aprsenla :
Em lagar das palavrasdous acudes na po-
voaco do Salgueiro e villa do Granito-, diga-se
um a^ude oa villa do Granito.
O Se. Jacobina offerece como artigo addilivo o
segunie projecto, que ja foi apresentado a casa :
ArL 1. Fica o presidente da provincia aulori-
sado a mandar construir, com toda a urgencia, um
acude na reguezia da Gloria doGoiia', em lugar
conveniente, que abasteca d'agua potavel aos ha-
bitantes da dita localidade.
Ait. 2. Fica decretada para a factura do acu-
de a quantia de 4:0005-
Arl. 3. Ficam revogadas as disposicoes ero
conirario.
Paco da assembla legislativa provincial, 4 de
margte I865.-Deodoro.-Cunha Teixeira.Ja-
cobina. Aquino.-Costa Ribeiro.-. Olegario.
S'abor. >
Poi-se em seguida a votos o art. 1 do projecto
que foi approvado com a emenda do Sr. Silva Bar-
ros.
Passa-se a' discussao do art. 2.
OraramosSrs. Sabino Olegario, Francisco Pe-
dro, G. Campello, Jaeobina, Loureiro e Deodoro UI-
piano.
Apresentam-se diversas emendas.
A discussao fica adiada por ter dado a hora e
nao baver numero sufficiente de senhores deputa-
dos
Levania-se a sessao s 3 horas e mela, sendo a
ordem do dia 10 :
Continuarlo da anteriormente dada; i* discus-
sao dos projectes ns. 4 do anno passado, e 12 deste
anno.
chorar.
Ora. achando-se as cousas neste p, appareceu
o Sr. JonoOapitrano deAguiar Montarroyos, filbo
do referido tenente-coronel Montarroyos, observan-
do ao Sr. tenente-coronel S e Albuquerque que
desses guardas existiam alguns que e.-tavam con-
tratados coinsigo para irern se alistar no corro rio
volunlarios; para o que eslava elle at aulorisado
pelo Exm. Sr. presidente da provincia por urna por-
tara. Mas a esta observacao, retorqulo o Sr. te-
nenle-roronel S e Albuqurqae que elle oSn n ulia
levar nenhum dos guardas de seu batalho como
voluntario ; e a estes notou, que nao irlam rom o
Sr. Capistrano, mas sim com elle tenente-cuiouel;
por que seriam mais garantidos.
c Xo entretanto, o Exm. Sr. presidente sendo in-
formado do occorrido, obron com ajuslica que o ca-
racteriza, fazendo voltar a quasi todos os volunta-
rios apre.eotados por tal forma pelo Sr. tenente-
coronel S e Albuquerque.
Assim que se passaram as consas, e sirva
esta noticia do reclificaco ao que a resp'eito j se
disse com exegeraco por ahi.
O tenente-coronel Francisco de Aguiar Mon-
tarroyos, porm, offjreceu urna terca parte do seu
sold, como oflicial reformado do exercito, para as
despezas da guerra ; offereceu mais seu filho Joo
Capistrano de Aguiar Montarroyos para Voluntario
da Palria, sendo consenhor do engenho Miguahype
de Baixo, e mais dous netos Lauriano Germano de
Aguiar Montarroyos filho do capilo reformado Ga-
briel Germano de Aguiar Montarroyos, estudanle,
e Fernando Pacifico ce Aguiar Montarrovos, filho
do capitao reformado Joaquim Ribeiro de Aguiar
Montarroyos, estudanle tambem.
De Grvala dizem-nos o seguinte :
a Nao ha novidade por aqu.
Vio que disse, a proposito da policia desta lo-
calidade, o Exm. Sr. Dr, GoJoy ; mas estiS. Exc.
muito mal informado das cousas d'aqui. A policia
bi, e a seguranca publica nao pdesermelhor,
quer quanto a vida dos cidadaos, quer quanto as
suas propriedades.
t Os crimes que se commeitiam com escndalo
aqu; os furtos de cavallos que se davam em alia
escala ; os delinquentes de oulras freguezias, que
\inham acoutar-se oesta seu salvo, com terror
das familias e ameaea constante dos bons cidadaos,
sao cousas que hoje mal se er se houvessem da-
do; e o facto a que S. Exc. sesoccorreu para pro-
va de sua asserco, desvirtuado como foi, po-
der chegar a isto.
O Exm. Dr. Godoy foi mal informado, faco jus-
tica as suas intencoes ; porque s assim porteria se
pravalecer daquelle facto citado, pois elle fere an-
tes ao Sr. Joaquim Manoel que ao Sr.Vianna, con-
tra quem tendo aquelle dado urna queixa, nao ar-
tteulou semelhantes circunstancias, accrescendo
al que sendo o facto desses que deixam prestigios
e carecem para sua verificaco de corpo de delicio
este nao foi procedido nem requerido pelo Sr. Joa-
quim Manoel.
O mais qae dilo a respeito, parece que veio
a beneficio de inventario, para attenuar o espanca-
mento de urna criancinha de quatroa cinco annos
desvalida, pela perda de dous vintens.
Foram encontrados os seguiotes navios :
A 21 do mez findo, na lat. N. 18 e long. 21 40'
a galera ngleza Erail Donglas, de Sunderland pa-
ra Negapaton com 34 das de viagem.
A 27, na lat. N. 2 3*' a long. O 26 16', o brigoe
portuguez Lusitano, procedente de Lisboa com des-
tino a Montevideo.
A 1 do torrente, na lat. N. 1 21' e long. O. 23
40', a galera mgleza London, que de Glasgow se-
gua para Bomba y com 31 das j de travessia.
Pelo brigue porluguez Relmpago, entrado
hontem do Rio Grande do Sul, tivemos um nume-
ro do Commercial, de 9 do crreme, e nellc acha-
mos o seguinte :
Os boatos sobre a invazo do Paraguay pela
provincia de Corrientes nao sao exactos. Temos
a'vista a N do corrate, que relatando a tomada de Miranda,
distante de Corumba' 50 leguas, finaliza desta ma-
neira :
Qae era absolutamente fajso o terern passado
Para se poder com proveitousar dessa indus-
tria, basta ter o individuo moradia era alguma es-
trada, onde costuma passar boiadas, e armar-se de
um curral para perooitarem os bois, anda que
isso faca-se gratuitamente, por que os lucros do
para tudo. Recolhldas as boiadas, vo se appli-
caado disteis de vara nos bois, que mais convem e
o seu estado o exigir, e depois compra-Ios por m-
dico preco, tendo assim sempre boa carne para
vender populacao, sem precisar ter fazendas no
sertao I
O tal nao lera querido vulgarisar a natureza
da vara, e nem a quanlidade que se deve applicar
para se conseguir o effeito deseiado, sem disso re-
sultar-lhe algura proveito : acho-lhe razao A po-
licia, porm, fana grande servico encarregaodo-se
da descoberta ; mas nao quer...
O Sr. Pedro de Assis Campos Cosdem, mora-
dor oa villa de Pao u'Alho, aonde proprietario,
supplenle da subdelegacia da mesma villa e eleitor,
trouxe em sua companhia um seo filho nico, e
mais um individuo, os quaes apresentou-os hontem
ao Exm. Sr. presidente da provincia, que os acei-
tou, agraderendo o mesmo Exm. Sr. o sea patrio-
tismo, e jiiraram bandeira.
Hoje se extrahir a 2' parte da 4* lotera da
Santa Casa da Misericordia (8"), sendo os dous
maiores premios 10:0005 e 3:0005.
Consta-nos que hoje se apresenlar o Sr. Se-
veriane Jos de Moura, subdelegado em exercicio
da freguezia de Santo Antonio do Recife, eleitor e
juiz de paz do 4 anno da mesma fregaezia, o qual
oo s offereceu de seus vencimentos 5 por cento,
como os seus servcos pessoaes, quer aqui, quer
no campo da honra. E' este um acto digno de en-
comios e que devra ser imitado por muilos.
Pedem-nos do Ro Formoso a seguinte pu-
blicacao :
Srs. redactores da Revista Diaria. Como
Vmcs. befan o grande favor de noticiar o brba-
ro assassinato do infeliz Coute, morador no enge-
nho do Sr. major Thomaz Caldas Lina, rogo-lhes
que continuem e mesmo favor, pedindo providen-
cias ao governo Jsobre a priso do escravo assasi-
no, o qual passseia impunemente na cemarca do
Rio Formoso, sem que urna s autoridade procure
prendc-lo, resultando desta inipunidade o perigo de
ser mais alguma pessoa assassfnada pelo dito
monstro, que nao cessa de ameacar com igual
atroccidade. E' deploravel. que o homicidio vo-
luntario, e maior crime social, seja lo despresado
pelas nossas autoridades I Ser porque o iufeliz
Couto perlencia aos proscriptos f
Sobre este mesmo escravo pesa a mili seria
mputaeao de haver assassinado um aliemo : como
est esle malvado useiro e viseiro !>
REPAIITIQAO DA POLICA :
Extracto das parte?, do dia 9 de margo de
1865.
Foram recolhidos
do correte:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chele de policia, Jero-
nymo Doutor Marques, Severino Marques Frazo,
e Herculano Lourenco Marques Barbcsa, para re-
crulas.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Lucas
dos Santos, para correceo.
A' ordem do da Boa-Vista, Jos Peres daAssump-
?o, sem declaraco do motivo, posto logo depois
em liberdade.
A' ordem do da Capunga, Wenceslao, escravo de
Luiz Francisco de Paula, sem constar anda o mo-
tivo de sua priso. *
A' ordem do da Varzea, Cosme Alves Camello, e
Maria da Conceico, para correceo.
O chefe da 2* seccao,
J. G. de desquita.
Casa de dktenco.Movimenio da casa de
delenco do dia 8 de marco de 1865. Existiam
presos385, entraran) 10, sabiram 10, existen) 383 ;
a saber: nacionaes303, eslrangeiros 18, mulheres
4 ; estrangciras2, escravos51; escravas 7.To-
tal 385.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 161.
Movimento da enfermara do dia 9 de marco de
1865. v
Tevebaixa:
Jos Martins Ildefonso, pleurite.
obituario do da 8 de mago de 1865, NO
CEMITEHIO PUBLICO :
Manoel, Pernambuco, 5 mezes, Santo Antonio :
denlico.
Manoel, Pernambuco, 35 anuos, soiteiro, escravo,
Recife, escrfulas.
Bernardo Lopes da Silva, Pernambuco, 25 annos,
soiteiro, Boa-Vista ; ancefalite.
Jeronymo Jos de Lima, Pernambaco, 30 annos,
soiteiro, Recife ; ttano.
Davina, Pernambuco, 2 annos, escrava ; hydro-
pesia
Andr Avelino, Pernambuco, 2 annos ; Santo An-
tonio; dyarrha.
2290 > >
505000
Ris
114:5005000
1,200:0005000
D. Anna Carolina de Mello Santo?.
D. Maria Carolina Lins Soriaao.
D- Francisca Adelaide Lins Soriano.
D. Josephina Candida de Paula Ramos.
D. Maria Theonilla Motta.
D. Adelaide Gomes de Carvalho.
D. Lmbelina Amelia Lins soriaao.
Estado da caixa.
Eni ouro amoedad .' 389:1465000
Em notas do ihesouro de 105000
emiiores......... 4:0105000 D. Constancia Perpetua do Reg
5:0675000 D- Mar'a Francisca do Reg.
D. Maria Bemvinda do Reg Oliveira.
66:9405000 D- Candida Josephina de Miranda.
Em ditas menores de 105
Em notas da caixa filial do Ban-
co do Brasil......
Em notas do Novo
Banco de Per-
iiariibur. sendo -
47 de 2005 9:4005
45 de 1005 4:5005
55 de 505 2:7305
Eoi jrata e cobre.
16:6505000
6:0015606
Ris. 487:8145006
O guarda livros,
Francisco Joaquim Pereira Pinto.
COMIffffNieADQS.
da hilva, pedindo igualmente qae seja registrado o
sea contrato de sociedade :Salisfacam a exigen-
ca do Sr. desembargador fiscal.
No de Honorato Caetano de Abren, pedindo qne!
seja registrado o seu contrato de sociedade. O
mesmo despacho.
No de Jos da Silva Coelho, pedindo ser admilti-
do matricula :-Matricule-se.
Foi encerrada a sessao s 11 horas e um quarto
da manba.
SESSAO JUD1CIARIA EM 9 DE MARCO
DE 1865.
presidencia do exm. sr. desembargador
anselmo francisco peretti.
Secretario, Julio Guimaraes.
As onze horas e meia da manha o Exm. Sr.
presidente abri a sessao, estando reunidos os se-
nhores desembargadores Res e Silva, Silva Guima-
raes,e Accioli, e os senhores depulados "Rosa, Can-
dido Alcoforado, Basto e Leal.
Lida, foi
dente.
O Illm. Sr. Dr. J. il'Aquino Fonseca, era seu
commonicado publicado hontem neste Diario, fez-
me a honra de oceupar-se com a minha pessoa ;
mas infelizmente para mira o comraunicado na
parle que me toca conten) proposicoes, que nao
posso deixar passar sem a devida contestaco.
Transcreverei aqui os dous tpicos principaes, e
par de cada um ira a refutaco que julgo conve-
niente dar-lhe.
O primeiro tpico o seguinte :
t entretanto o Sr. Caetano Brito assim uo pen-
son, e, apoiado nos dous membros da mesa, da
t qual faz parte o Sr. Dr. Costa Ribeiro, regeitou a
indicaran. >
Esta asseveracao do Sr. Dr. Aquino nao verda-
deira. O Exm. Sr. presidente da assembla para
regeitar tn limine a indicaco ou protesto de que se
trata nao precisa va de-apoio dos secretarios; era
isso acto exclusivo de suas attribuicoes, e eu nao
profer palavra nem pratiquei faci algum que re-
velasse apoio ou nao apoio a essa deciso.
O segundo tpico o seguinte:
-----'........................ e Liberal; e ad-
mirou me que elle nao reconhecesse semelhanca
enlre essa indicaco e urna exposicao que assig-
t nou em 18 de abril do anno findo, exposicao que
nao foi apresentada, e vai abaixo transcripta.
O Illm. Sr. Dr. Aquino nao poder indicar pala-
vras ou acto meu, do qual concluisse nao ter eu
approvada a acta da esso antece- descoberlo semelhanca entre a indicaco de que
I se trata e a exposicao, que fez transcrever em se-
Foram assignados os accordos proferidos na ol- Bu'meMo ao seu communicado, assignada por mim
tima sessao entre parles : o por outros distinctos collegas, dos quaes a maior
Appeilanle, o Dr. Prxedes Gomes de Souza Pi- Parte ou quasi todos deixaram de assignar este an-
tanga; appellados, os administradores da masa D0. aquella inaicacao, ae passoque s era relaco a
fallida de Joaquim Jos Silveira. < mm dignou-se o Illm. Sr. Dr. Aquino de manifes-
Appellante, o presidente e directores da caixa 'ar o profundo pasmo de que diz-se possudo. En-
fili.ll do banco do Brasil nesta cidade ; appellados, 'retante cumpre declarar que aquella exposicao, da
Manoel Alves Guerra e o curador fiscal de sua fal-' 1ual Sr- Dr- Aquino hoje faz uso sem o consent
D. Flora Urabelina Xavier de Aneida.
D. Mara da Paixo de Jess.
Procurador geral.
O Illm. Sr. Francisco de Souza Reg Monteiro.
Thesoureiro.
O Illm. Sr. Miguel Francisco de Souza Reg.
O vigario encommendado, Jos Zacharias Ribeiro
a casa de deteoco no dia 8
lencia.
Appellante, Thomaz Teixeira Bastos ; appella-
dos, os administradores da massa fallida de Joa-
quim Jos Silveira.
JL'LGAMENTOS.
Appellante, Antonio Joaquim de Mello ; appella-
dos, Manoel Joaquim Baptista o D. Joanua Maria
das Dores.
Adiado na sessao anterior.
Desprezaram-se os embargos.
AppellaHte, Antonio Germano Alves da Silva ;
appellado, Domingos Nogueira dosSaatos Cabnl.
Adiado na precedente sessao
Foi reformada a sentenca appeFlada com o voto
do Exm Sr. presidente.
Appellante, Manoel Ribeiro Bastos ; appellados,
a embargante 3' D. Iheodora Maria Qaiteria e ou-
tros.
Adiou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
ApprJIantes, Sam Mendel de Manchester e ou-
tros ; appellados, Kalkman Irmos & C.
Adiou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
Appellantes, os curadores fiscaes da massa faTIi-
da de Amorim, Fragoso, Santos A- C.: appellados,
Luiz Jos Rodrigues de Souza e Rodrigues & Ri-,
beiro.
Adiou-se o julgamento
dos sonhores depatados.
melo de seus collegas, que a assignaram, depoL
de assignada, resolvemos nao apresenta-la, sendo
esla a razo porque ficou em poder do Sr. Dr.
Aquino.
Nao farei nlelligencia do meu Ilustrado colle-
ga a injuria de suppor que tenha concluido o jui-
zo que me attnbue do facto de nao haver eu assig-
nado a indicaco de que se trata, e de ter declara-
do que a julgava sem proveito ou inconveniente na
aclualidade : podiam a indicaco e a exposicao ser
como sao em tudo semelhantes, podiam ser at
idnticas, mas faltar-lhes hoje a opportunidade.
O Illm. Sr. Dr. Aquino sabe e conlessa no seu
communicado, que o anno passado mandamos
mesa da assembla um officio contendo um protes-
to contra o procedimento de sua maieria. Pois
bem I Se tiver a fortuna de continuar a merecer
de seus comprovincianos suffragios que lhe dem
um assento no seio do corpo legislativo da provin-
cia,julgar-se-ha o mea coilega obrigado a repredu-
zir todos os annos um vote de censura commis-
sao de polica do anno pa-.-a.lii.'
Entend e continuo a entender de accordo com
es meus collegas, lberaes como eu, que ai ma
quando nao livessemos feito aquelle protesto, nao
deviamos este anno eemnear os nossos trabalhos
por suscitar discussao sobre os fados desagrada-
veis, que se deram o anuo passado no seio da as-
requerimento de um sembla, o que seria um desservico provincia :
Estando funeconando assembla legislativa pro-
vincial, viemos lembrar aos seus digaos membros
a diviso da extensa freguezada Boa-Vista.
Antes, porm, de eulnnnos oesta discussao. que
de presumir que seja ventilada com todo afinco,
pedimos aos nossos impugnadores qae destruaru
os nossos argumentos, com factos e nao com so-
phismas.
Logo que constou aos moradores dos povoados
da Capunga, Manguinho, tstrada de Joo de Bar-
ros, etc., que os dignos deputados provinciaes Ay-
res Gama e Nabor Carnero, apresentaram na as-
sembla um projecto creando urna nova freguezia
oo bairro da Boa-Vista, que comprehenderia aquel-
las localidades e teria por sede a capella de S. Jos
do Manguinho, dirigirn) mesma urna represea-
tacao do Exm. e Rvmd. hispo docesaoo, na qual
dizia ser de necessdade a supradita diviso, porm
entenderam em sua alta sabedoria os Exms. Srs.
deputados, que de novo devia ser ouvido o referi-
do Exm. Sr o qual foi solicite era informar de no-
vo de urna raanera que nada deixava a desejar,
em rirlude do que foram unnimes em dizer os
moradores que somos orgos I
Sem duvda nao haver mais obstculos, sere-
mos brevemente altendidos no que desejamos.
Engao manifest I Eis queapparece algnem,pe-
dindoqoe semelhante creacao nao tivesse lagar f
Quaes as razes apresenladas por este algoem? Fins
polticos, limites, ser a sede da freguezia a capella
de S.Jos do Manguinho ? Cremos qne nao, e se foi,
limitaremos a dizer lhe : aqoelles que desejam a
creacao da fregaezia sao os desfavorecidos da for-
tuna, alheios inteiramente poltica (como bem
sabe o Sr..) limites, bem sabe, conhece este al-
guem que nao se faz questo; ser a sede a capella
de S. Jos do Manguinho, por ser o nnico templo
da localidade que offerece mais proporcoes para
esse lim, at que conclua a capella de Nossa Se-
nhora da Graga (a qual j tem sido subvencionada
pelos cofres provinciaes); em conclusao, moilo
confian) os moradores da futura freguezia na illus-
traco e equidade dos Srs. deputados provinciaes,
e esperam que este anno a sua justa pretencao seja
coreada do mais feliz resultado.
Continuaremos, se for preciso.
V.S.
Continuacao das pessoas que tem subscripto
para a Associacao Protectora das Familias dos-
Voluntarios da Patria.
146 Joo Jos Henriques Jnior, por
urna vez......................
147 Joo Baptista de Castro e Silva,
por mez e durante a guerra.....
148 Emilio Xavier da Sobreira de
Mello, idem...................
149 Joaquim Pereira Bastes, idem'.."
150 Joaquim Jos de Oiinda Tava-
res, idem.....................
151 Jos Francisco de Sales Bavie-
ra, idem....................
132 Antonio J s Ribejro de Moras"
Jdem.........................
133 Antonio* Luiz do Amarale Silva,
idem........................
154 Domingos Alfonso Nery Ferrei-
ra, idem....................
155 Januario C. Monteiro de Andra-
de, idem......................
156 Henrique do Reg Barros, idem.
157 Manoel Carnero de Souza La-
cerda, dem.-.................
158 Manoel Antonio Simoes do Ama-
ral, idem.....................
159 Joaquim Jos de Souza Serra-
no, idem.
55000
55000
55000
25000
5000
25000
15000
550OO
35000
25000
55000
esta nossa opinio fundada em mais de urna ra-1160 Francisco Augusto de Almeida
Appellante, Domingos Francisco de Souza Leo; Izao. e estas, Sr. Dr. Aquino, cada qual me parece '
35000
55000
25OOO
appellado, Beoto Jos da Costa.
mais nobre. Urna das
idem
pnncipaes esta no que o 161 Jos Tlieodoro de Sena idem
Adiou-se o Julgamento a requerimento de um meu collega expendeu no final do paragrapho deci-! 162 Joo Soares da Fonuw VpIIo
dos senhores deputados. | mo de seu communicado. Nao reproduzir este an- so, idem
PASSAGENS ,no discussao sebre taes factos nao importa de ne-'l63 Jos Jeron'ymo'de Soza LimoeV-
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. des- nnum modo retractacao de uossa parte quanto ao ro.dem.............
embargador Silva Guimaraes:
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado, o
Dr. Gabriel Soares Raposo da Cmara.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res e Silva :
Appellante, Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior ; ap-
pellados, os administradores da massa fallida de
Seve & Fllhos.
DISTRIBUIQES.
Ao Sr. desembargador Accioli pela suspeico
jurada pelo Sr. desembargador Silva Guimaraes :
Appellantes, D. Josepha Justina de Jesns Gon-
calves e outros ; appellados, Isaac Curio & C.
AGGRAVO DEPETigio I.NTERP0ST0 DO RIZO MUNICIPAL
E COMMERCIO DA VILLA DE IGUARASS.
Aggravante, Jos Francisco de S Leilo ag-
gravado, Jos Vieira da Fraga.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
CARTA TESTEMUNHAVEL VINDA DO JUIZO ESPECIAL
DO COMMERCIO.
Aggravante, Joao Alves de Moura; aggravado,
Amonio Joaquim Salgado.
O Exm. Sr. presidente dea provimento.
Nada mais havendo a tratar o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao urna hora e um quarto
da tarde.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Balancete do Novo Banco 4e Pernambuco em 28 de
fevereiro de 1865.
I procedimento que tivemos o anno passado. I 164 Antonio isu la lio Monteiro'' "oor
Nao concluire estas linhas que fui provocado, urna vez *"">" Por
sem accrescentar que novel e-inexpenente na car- 165 Luiz de Carvalho Pus 'de n-
re.ra poltica sou dcil em acceilar os conselhos drade, dem
daquelles que julgo habilitados para m'osdarera; Mais a mensalidd'de"!'"
5t2nTniF& H i,,!;PiraCoes daquelles que 166 Jaeome Geraldo Maria Luma'cn'i
posio fra da communha 1 poltica a que | de Mello, por urna vez.
pertenco.
Recife, 8 de marco de 1865.
A. J, da Costa Ribeiro.
PUBLICARES A PEDIDO
Eleico dos devotos que lio de festejar
o gloriosos Francisco de Paula eo
anuo de 1866.
Juizes.
Os Illms. Srs.:
Major Jos Carnero Rodrigues Campello.
Dr. Rufino Augusto de Almeida.
o ni o Protector perpetuo.
O Illm. Sr. Antonio Ricardo do Reg.
, Juizas.
As Exmas. Sras.:
D. Francisca Lima de Mello esposa do Illm. Sr.
Theotonlo Flix de Mello.
D. Ephfena Marcionilla do Reg Monteiro esposa
Illm. Sr. Joo Bernardo da Costa Reg Hon-
do Couto,
do
teiro.
IEY1STA DIARIA.
A assembla provincial approvon, hontem, as
emendas offerecidas s psteras de Agua Prela,
em segunda dlscnsso o projecto n. 25 do anno
as forcas paraguayas pelo territorio argentino e
orienta), e que at a sahida do vapor Cavour de
f Assumpcqo nada se sabia, e nem all se fallava
em preparativos para esse effelt.
O vi&conde de Tamandar protestoa contra o
procedimento do ministro italiano consentindo,
que om navio de sua naco transportasse para
Montevidfo um emissario do Paraguay.
Eslava prompto a sahlr para aqui o navio Cysne,
e ja' tinham sabido a 10 o Garibaldi. e a 16 o Sm-
perior, o Arthur, o Tigre e D. Mauricio.
A poesa Saudades, que hontem publicamos
no Pouco de Tudo de urna sen hora,- cujas ini-
ciaes all se vem.
Nao funecionou hontem o tribuoal do jury
por nao ler-se reunido o numero sufliciente de
jaizes de faci.
Em consequencia do que, procedido o compelen-
te sorteio para preencher essa falla, foi levantada
a sessao.
Chamarnos a attenco da respecliva autori-
dade para uns individuos que morando na Soleda-
de, entendem qae devem encommodar aos vizi-
nhos a ponto de quebrarem-lhes
No resumo da sessao da assembla provincial do
dia 8, publicado no Diario de hontem, escaparam
os seguintes engaos:
No extracte do -discurso do Sr. Jacobina, ende
sel: Tratando do adiameoto, o orador diz que
era umacto de perdencias ; lea-seaclo de pru-
dencia.
Mais abaixo onde l se:... orador acha o
adiameoto desnecessario, vota pelo adiameoto etc.
la-se: o orador acha o adiameoto desoecessa-
ria, vota pelo odiamento, etc.
E no firo, na parle em que se: Sao approvados
os seguintes requerimentos e emeudas; la-se:
< requerimento e emenda. >
ACTIVO
Apolicesd divida publica___.... 708:6725481!
Estrada de ferro de Pedro II...... 152:0005000
Estrada de ferro ds Babia........ 131:0745706'
Deposito
Joias
1167 Faustino Jos dos Santos, por
mez durante a guerra..........
168 Luiz Francisco de Mello Caval-
canti, por urna vez.........
.Mepsalidade durante a guerra.
169 Joo Manoel Ribeiro do C
idem.
170 Joo Duarte Carneiro Monteiro,
dem.........................
171 Jos Francisco dos Santos Mi-
randa, idem,..................
172 Joo Carneiro Lins Soriano, por
urna vez......................
173 Candido Manins dos Sanios Vi-
anoa Jnior, idem.............
174 Henriques Soares de Andrade
Bredtrodes, por mez durante a
guerra .......................
175 Firmiuo Jos de Oliveira,' idem.
176 Joaquira Jos de Miranda, por
urna vez......................
177 Joao dos Saotos Porto, por mez
durante a guerra...-...........
178 Antonio Carlos de PinhoBorges,
donativo......................
Mensalidade...................,
179 Pedro Alexaodrmo de Barros
Cavalcaote, idem.
Protectora perpetua.
A Exma. Sra. D. Francisca Rosalina Vieira Lavra
esposa do Illm. Sr. capito Jos Francisco Lavra! Meosalidade...................'.'
enna- ._ 1180 Jesuioo Jos Tavares, por urna
- ... Escnvaes. vez.......................
Uo......... 720005000 d ms- Srs-: 181
depositadas...... 5:7355280 : .[aDrIS^0 Jo* de B rros,anior-
Ttulos depositados. '. '. .' .' 72:6825274' Tneolindo Augusto do Reg.
Francisco de Paula Goncaives
da Silva, donativo............
Letras depositadas.
Letras caucionadas
7:3555750
10:3305000
As Exmas. Sras.
Escrivas.
Mensalidade.
182 Jos Thomaz de Campos Qua-
resma, por urna vez.
......................,..,..... u.iMVtauuu i, ...,.: i. ucun, ra uua vez............
Letras descontadas.....2:031:2475159 U-Ad^ide Eudocja Carneiro Lins flloa do Illm. 183 Jos Ribeiro Guimaraes, por
Letras receber...... 497365153 n u J^ raDC,SC0- Xav' Carneiro Lins. i mez............ v
220:5635969 jJ^LopaCnCe'5ao esposa do Illm- Sr- Manel '18i Joaquim Aurelio Vandrle'y,do-
Letras protestadas
Banco da Bahia N/C
Aluguel de casa .
Fornecimenlo
Protectores.
lltOUCA JUDICIARIA
tri ii r v a I. o comireiicio
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 9 DE
MARCO DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM: SR. DESEMBARCADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As JO horas da manha, estando reunidos os Srs
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Leal e
presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm Sr
presidente declarou aberta a sessao.
Lida, foi a pprovafla a acta da sessao
denle.
antece-
os vidros das ja
nella?, como o fizeram ante-hontem a urna pessoa nior, pedindo e regislro da sua nomeaco
inoffensira e respeilavel, que all mora. xeiro :-Regiti*-se.
EXPEDIENTE.
Foi distribuido ao Sr. deputado Alcoforado o li-
vro Diario de Joaquim Gomes Dourado & Irmo.
DESPACHOS.
No requerimeoto de Joao Carlos Mondes da Cu-
nha Azetedo, pedindo o registro da sua nomeaco
de caixeiro:Regisire-se.
No de Evaristo Mendos da Cunha Azevedo J-
nior, pedindo certidao de ser matriculado o com-
merciante Antonio Jos de Castro :De-se.
No de Manoel Ribeiro de Carvalho, pediodo cer
tido de ser commerciaale matriculado :D-se.
No de Evaristo Meodes da Cunha Azevedo Ju-
de ca-
.... 217:8095125
1:1375500, 0s i,,-. Srs .
.u.uwU.o...u....... 5000^000 w V. .rs"
Juros............................. 5:13554H MaJr Francisco Xavier Carneiro Lins.
Caixa..................... 487:814560 *?*? HermaD0 -Gar,ne-ira
/.oi*0uw) i Antonio Carneiro Leo.
Reis____
PASSIVO.
4 198-291*417 Pr- Grac'liano de P*ula Baptista.
*,138.ZMfl417 | Jacome Gera|d0 Marja Lum^he dfl Me,lo
ur. Joaquim Aatooio Caroelro da Cunha
Miranda.
Emsso< c5e.....
(Em caixa..
1,183:3505
16:6505
CaP^Emcircu.a.' >****>" mS^A^l**** '^
Jos Pedro do-Rego.
Jos Pedro das Neves.
l nn-nnasmiri ?r- Joi Felil de Bril Macedo.
72.0005000 joS d'Azevedo Andrade.
s-77,Ann Jos Rodrigues Ferreira.
28fi-mMm \,ajor F,rmino Jos de Oliveira.
70-SS Virgili0 Jos da Molla-
iiq-iOMifw ) '-e1le Ferreira Ma'a"runzo.
-*38S oaoXa-vie^ daFonspca GaP't.
sjWTft Florenc' Domingues da Silva.
15*270 joaquim Vital Machado.
i-fitfiannr.'Mauoel Joaquim Ribeiro.
136-6985853 entonto Vieira de Souza.
Saques.................. .... 36-2075847 J? ADBt0D, da Sil Pereira.
- -- |.'7S\i Ild,a FerreJra da -Iva.
m-mSooo r lph. L,beraJfPereira de 0livei-
1 -Wksnna fu,sy Juvenal do Re8-
15005000 joo Matheus.
ft-nmxnnn1 Anlonio Correa de Araujo.
Descont.......'...'...'...'...'...'...' 70:6904827 Franclsco de Pa'a Correa de Araajo.
/y.owgaz/ (Francisco Xavier Carneiro da Cunha Miranda.
Protectoras.
Depsitos da direccao ....
Letras por dinhero rocebido a
juros ..........................
Coolas correles simples..........
Contas correntes com juros .
Ttulosemrcau?ao .* .' .' .' \ 'IS i^^n "a- FB*" cTpTbarib*
Knowles&Foster.CeLoodre..,
Franclsco de Figueiredo & C, do
Rio de Janeiro................
Banco da Baha S/G
Massas fallidas cargo do Banco.
Dividendos. .......
Commissao do fiscal.....
Commissao do presidente e ge-
rentes
Pinto de Souza,
Barros, por
Peregrioo da Silva, dona-
His. 4,198:29454171 As Exmas. Sras :
14159 > > 1005000 415:9005000 D. Amalia AugustadifelkSantos
nativo..
Mensalidade.
185 Anselmo Jos
por urna vez.
186 Alfonso do Reg
mez........... .....
187 Beojamim A. Rocha Paria por
urna vez....................
188 Jos Miguel de Lyra, donativo."
Mensalidade..................
189 Florencio Domingues da Silva,
dem.........................
190 Manoel Antonio Viegas Jnior,
idem.
191 M.
livo.
Mensalidade..................
192 Maooei Caldas Barrete, dona-
tivo ......................
193 Joao Francisco Regs Quiolella,
mensalidade..............
194 Bazilio Baptista Furtado, idem-.
195 Domingos das Neves Paes B.,
donativo.................
Meosalidade...............
196 Godofredo Henrique de Miran-
da, dem...............
197 Joaquim Ignacio de Carvalho
Meodonca, urna vez..........
198 Jos Baptista de Castro e Silva,
mensalidade..............
199 Joo Amaocio Botelho, por urna
vez..................
200 Joaqun) Vital Machado, mensa-
lidade .................
201 Joo Germano de Paula, idem.
202 Salvador Coelho de Drumond
C de Albuquerque, idem.......
203 Jos FranciscoScheflar, idem..
15000
25000
15000
15000
35000
505000
IO5000
550OO
35000
55000
350OO
15000
I5OOO
15OOO
5500O
550OO
25000
55000-
IO5OOO
I5OOO
505000
IO5OOO
55000
35010
105000
105000
25OOO
55000
25060
55000
25000
IO5OOO
35000
55000
305000
105000
35009
2500J
'105000
25000
IO5OOO
550:0
15OOO
55000
25090
150C0
55000
55000
55000
15000
!*
150,0
25000
9
1


'

I


i
1
1


.
*>.
*-**.
*-
Diario d ter Bambino Sexta frita iO de Mte* de 18S.
MI Gaudmo de Carvalho Paes de
Andrade, dem............
205 Eustaquio Z. da Silva Braga,
dem..................
206 Maooel da Silva Neves.donativo
por araa vez..............
207 Elias Francisco Meudello, dem
208 Manoel Coelho Cintra, idem...
209 Tertuliano Scipiau da Fonseca,
dem.................
210 Anacleto Antonio de Moraes,
dem.................
211 Carlos A. Lins de Sooza, men-
salidade...............
212 Caetano Gomes de s, por urna
vez...................
213 Miguel Serafim de Castro Mu-
es, dem................
214 llicardo Pereira de Faria, dem
215 Joo de Assis Pereira Rocha,
idem..................
216 Silverio Joo Nepomoceno Bas-
to, mensalidade...........
217 Joo Al ves Quintal, donativo...
Mensalidade..............
218 Jos de Sant'Anna. dem......
219 Jos Thomaz de Aguiar, dona-
tivo ....................
220 Joaquim Pedro dos Santos Be-
zerra, dem..............
Mensalidade...............
241 Belmko Augusto de Alraeida,
donativo................
Mensalidade...............
222 Eduardo C. de Oliveira, dona-
tivo ...................
223 Mello Lobo & C, idem.......
224 J. Shafheiltn & C, idem.......
22o Greermpp Schwind, idem.....
226 Simpson & C, Idem..........
227 !>ttarr & C.idera............
228 Miguel Jos Al ves, idem......
229 Dr Ignacio Joaquim de Souza
Lco, Idem..............
230 Domingos Rodrigue de Andra;
de, idem...............
231 Pereira Carneiro k C, idem..
232 Joaquim Jos Rodrigues, idem.
233 Dr. Jos Bernardo Gal vao Aleo-
forado, mensalidade durante a
guerra.................
234 Adolfo Francisco Lavra, dem.
23o Carlos Mariano de Albuquerque
Cavalcanti, dem............
236 Domingos de Souza Leo, dona-
tivo...................
237 Jos Al ves Lima, mensalidade
durante o anno lectivo..........
238 Antonio Joaquim de Sena J-
nior, dem....................
239 Guimaraes Jnior, idem......
240 Francisco Cielo Toscano de
Bro, dem...................
241 Candido Jos Lisboa, por urna
vez..........................
242 Manoel Pinheiro de Moraes Oso-
ri i, dem........................
243 Fontenelle Cesar liurlamaque.
dem..........................
244 Jos Lustosa de Souza, dem...
24o Ju>tino Jos Baptista, mensali-
dade durante o anno lectivo.....
246 Luiz Duarte da Silva, por urna
vez...........................
247 Joaquim Moreira Pinto, dem..
248 Antonio Pedro Ferreira Lima,
mensalidade durante o anno lec-
tivo..!..........................
249 Manoel do Xascimento l'ontes
jnior, por urna vez............
250 Silvio Pellico Pereia Ferraz,
mensalidade durante o anno lec-
tivo..........................
251 Vicente Ferreira Gome, por
urna vez......................
252 Themolheo Epiphanio Ferreira
Lima, idem...................
253 Alejandre Barroso de Souza,
idem.....................
254 Francisco Piimeiro de Arauje
Sit, idem....................
255 AmamioConcessodeCantalicio,
idem........................
256 Alejandre de Souza Pereira do
Carino Jnior, idem............
257 Francisco Antonia de Oliveira
Sbrinlio, idem................
258 Aureliano Antouio Ribeiro e
"ilva, idem...................
239 Joo Pedro C. Moreira, idem...
260 Ludgero Teixeira Lopes, idem.
261 Joaquim Franci.-co Alves Mon-
teiro, dem..................
262 J. A. de Araujo, dem........
263 J. A. Vieira de Souza, idem...
261 Jos Maria Seve, mensalmente
durante a guerra..............
265 Amaro de Barros Correa, dona-
tivo..........................
Mensalidade..................
266 Manoel Jos dos Santos, dona-
tivo........................
267 Antonio Teixeira Lessa, idem.
268 Jos Joaquim da Silva Guima-
raes, mensalidade..............
269 Jos d? Silva Ne va, donativo..
270 JosFrancisco de Paula Ramos,
idem.......................
171 Francisco Nogueira Pinto, men-
.alidade.....................
272 Joo Baptista Goncalvcs da Sil-
va, donativo...................
273 Luiz Francisco de Paula Ra-
mos, Idem....................
274 Tnomaz Carneiro, idem......
275- Alexndre P. Borges, idem....
276 Jos Antonio Pinto, idem.....
277 Joo da Silva Guimaraes, men-
salidade ......................
278 Jos Pereira de Miranda Cunia,
donativo......................
279 Joaquim Claudio Monteiro, dem
280 Adolpho F. Lopes, idem.......
28t JosEgydio Ferreira, mensali-
dade.........................
282 Joaquim Jos Ferreira da Ro-
cha, idem....................
283 Aureliano Augusto de Souza
Serrano, idem.................
284 Pedro R. Oliveira, donativo...
285 Jos Antonio L. Guimaraes,
dem.........................
286 Antonio Alvaro Ferreira da Sil-
va, idem.....................
287 Antonio Jos Cordeiro Simoes,
idem.........................
28S Americo Ferreira da Silva, idem
289 Augusto Candido de Alahyde
Seixas, dem...................
90 J. Xavier R. de Andrade Jnior,
dem.........................
291 Jesuino Ferreira da Silva, do-
nativo........................
Mensalidade durante a guerra....
292 Joaquim Cardoso Ayres, dona-
tivo..........................
393 Domingos dos Passos Miranda,
Idera........................
294 Vicente Ferreira da Porciuncu-
la,"mensalidade durante a guerra.
295 Antonio Jos Ferreira, idem..
296 Aturo Gomes da Silva Ramos,
idem.........................
297 Antonio Jacintho Pereira, idem
298 Joo M. A. uliveira, donativo..
299 J. A. de Araujo, Idem........
300 Jos Mathens Ferreira, dem..
301 Valle Porto & C, idem.......
:J02 Vaz &Leal, idem............
303 A. V. da Silva Barroca, dem..
304 Parentes Vianna 4 C. idem...
305 Jos Caetano de Carvalho, idem
306 Dr. Rufino Augusto de Almei-
da, mensalidade durante a guerra
307 Francisco Xavier de Oliveira,
idem........................
fConfintiar-e-n ria sobre as enfermldades niraijras dosorgosda
oJOOO respiracao.
Jamis houve remedio algum que se flzesse den-
1JOO0 tro em to pouco lempo to umversalmente po-
pular.
550001 Os gratos teslemunhos dos coragSes agrad ecldos,
54OOO que padeceram detosses, esquinencias, rouquido,
oSOOO inflammag.o do peito, bronchites, asthma, catar-
rhos, constipagoes, phtysica, etc., se recebem cada
dia aos centenares de todas quatro partes do mun-
do.
Acha-se venda as bot icas de Caors Barbosa &
C, e J. da C Bravo.
55000
205000
1*008
25000
25000
25006
25000
15000
55000
25000
15'.00
25000
25000
15000
IO5OOO
550OO
505000
2005000
305000
1005000
2005000
505000
1005000
IOO5OOO
CQMMEBGIO.
203000
55000
55000
105000
25000
25000
25000
55000
"15000
35OOO
45000
55OOO
25OOO
55000
35OOO
13000
105000
13000
55OOO
25000
25(0S
55OOO
25iXI0
25000
2500o
33OOO
55IHK)
505000
105000
I0500U
105000
55000
105000
23000
103000
05000
53000
205OOO
105000
25060
Novo banco de Pernambnco.
O banco desconta letras na presente semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis mezes, e
tomadinbeiro a juros a praso nunca menor de
tres mezes.
Novo banco.
Convoco os senhores accionistas do novo banco
de Pernambuco para no dia 11 do corrente ao
mo dia na casa do banco, constituirem a assem-
bla geral, na qual teiii de dar-se cumprimento ao
artigo 23 dos estatutos. Rccife 6 de margo de
1865 Visconde de Camaragibe, presidente da
assembla geral.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 8....... 212.6643037
dem do dia 9............... 34:0285020
246:6925057
Xovlntenloda alfandega
pode ser perdoada por nenhutn povo que presa a
sua independencia e soberana; confia a mesma c-
mara que os Pernambucanos, sempre celebrados
pelo sen valor e patriotismo, correro a alistar-se
pos batalhoes de voluntarlos da patria para repel-
lirem a invazo estrangeira, autoando com enthu-
siasmo, viva a naco brasilelra, viva S. M. imperial
o Sr. D. Pedro II, vivara os Pernambucanos, vivam
os voluntarios da patria.
Paco da cmara muinicipal do Reclfc, Io de mar-
de de 1865.Luiz Jos Pereira Simoes, pro-presi-
conte.Francisco Canuto da Boaviagem, secre-
tario
THEATltO
DE
VolamesentradoscoiLfazendas..
com gneros..
Volamossahdoscom fazeedas.
com gneros ..
329
583
.----- 912
S '~"*T~s^:::d81376
Desarregam no dia 10 de margo de 1865.
Barca inglezaJro Ginraadeiras para a estra-
da de ferro.
Barca ingleza/. O rarvo de pedra.
Barca ingleza Gracefarinha de trigo.
Brigue hespanholAgwVinocoros seceos.
Galera francezaAmelia mercadorias.
Galera inglezaHermtonemercadorias.
Hliate inglezSea Breezediversos gneros.
Bnguejinglez//unirmemercadorias
Patacho portuguez -Flor de Marta diversos ge
eros.
Barca ingiezaCorvadcarvo de pedra.
Bricrue inglezJames Slwartidem.
Brigue inglezElisia idem.
Patacho inglezUndaunte-idem.
Brigue inglez Carrie pecas de ferro.
necebedorla de rendas Inter-
nas sjeraes de Pernambuco.
Rendimento do dia I a 8........ 193085699
idera do dia 9 ................. 1:0145441
105000
103000
53000
105000
23000
105000
33000
55000
35000
33000
35000
103000
103000
55000
53000
530.0
55000
IO5OOO
350 0
IO5OOO
205000
35000
15000
15000
15000
503000
505000
505000
505OOO
505000
303000
303000
505OOO
55OOO
2&3235140
MOYIMENTO DO PORTO
Navio sahtdg no dia 8.
Rio-Grande do Sul brigue nacional Aureliano,
capito Joo Esteves Varzea, carga assucar.
Navio entrado no da 9.
o-Grande do Sul20 dias, patacho brasileiro
R'iRelampagt, de 241 toneladas, capito Luiz Anto-
nio Rodrigues, equipagem 12, carga 12,980 ar-
robas de carne secca ; a Amorim Irmos.
Navios saludos no memo dia.
New-Yorkbarca americana Anaconda, capito
Pereira!, carga assucar.
Rio da Prata-brigue dinamarquez Carolina, ca-
pito P. B. Goldman, carga assucar.
Marstfillebrigue francez oii/s llaldcr, capito
Chauvelon, carga assucar.
EDITAES.
O Illm, Sr. Inspector da thesouraria provin-
cial era cumprimento da ordem do Exm Sr. presi-
dente da proviucia de 23 do correnfe, manda fazer
publico que'no da 16 de margo prximo vindouro
perante a junta da fazenda da mesma thesouraria,
se ha de arrematar quera por menos Dzer os re-
paros de que precisa a estrada do Porto de Galli-
nha avahados |em 7485000.
A arrematago ser feita na forma da le pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausas especiaos abaixo copiadas.
__,As pessoas que se propozerem a esta arremata-
gao comparegara na sala das sessoes a referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio-dia e
competentemente habilitados.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de fevereiro de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.*
Ckisutus especiaes para a urremacao.
1" As obras dos reparos da estrada do Porto de
Gallinhas sero feilas de conformidade com o or-
gamento Junto na importancia de 7485000.
2* O arrematante dever principiar as mencio-
nadas obras no praso do 10 das, e conelui-las no
de 3 mezes, ambos contados da data d'arremata-
go.
3" O pagamento ser realisado em duas presta-
goes iguaes, a primeira quando tiver o arrema-
tante feilo metade das obras, e a segunda quando
tiver concluido todas as obras e entregue diflnitiva-
mente.
4" Para tudo mais que nao estiver especificado
as presentes clausulas seguir-se-ha o que deter-
mina o regulamento de 9 de julho de 1864 que re-
ge esta repartigo.
Conforme.
Antonio Ferreira d'Annunciago.
S. ISABEL
EMPREZA COIMBRA.
O emprezario tem a honra de fazer publico, que
vai comegar os seas trabalhGs do correte anno,
tendo organisado urna companhia dramtica, espe-
rando augmenta-la de maior pessoal, que para isto
deu j todas as providencias necessarias.
As pessoas que quizerem ser assignantes tanto
de camarotes como de cadeiras, tepham a bondade
de se dirigirem ao escriptorio do theatro.
As assignaturas sero feitas sob as mesma?,
condigoesdo anno passado.
1.a Recita.
TERCA-FEIRA 14 DE MARCO DE 1863.
Dia de grande galla.
Em solenmidade ao natalicio de Sua Mageslade
a Imperatriz.
Logo que o Exm. Sr. presidente da provincia, I
tiver chegado tribuna, a orchestra execntar urna j
breve introducco, depois ahrir-se-ha a scena e |
peranle as efugios de SS. MM. II. a companhia
cantar o
IIHIMi NACIONAL.
Seguindo-se pela primeira vez neste theatro a
representago do excedente drama em 5 actos,
produrcao brasileira ao Dr. Agrario de Souza Mo-
nezes; denominado:
Os Miseraveis.
O repertorio da empreza para este anno acha-se
enrequecido com excellentes dramas comoAs
Aves de Rapia, Brasileiros e Portuguezes, Lusbila,
Aristocracia e dinheiro*, Molheres terriveis, Histo-
ria de urna moga rica, Domino verde, e outros de
igual raerecimento.
DECLARARES.
AYISOS njBMB.
Para o Kio de Janeiro
segu em pouco j dias o brigue nacional Mrquez
de Olinda por ter o seu carregamento quasi com-
pleto : para o resto que llie falta e escravos a fre-
----------- I te, tratase com Manoel Ignacio de Oliveira (Si Fi
Calva filial do banco do Brasil j ">. largloCorpo Santo n. 19.______________
em Pernamouco, para
14 de netrodeimS. |io d(: .lilllP Til
De ordem da directora desta caixa, se convida j segu com muita brevidide o patacho brasileiro
aoscredoresde -ebastlo Jos da Silva a virem ; Pluto. o qual recebe alguma carga e escravos a
receberdothesoureiro da mesma caixa o queem frete : a tratar no wenfrtori* de Amorim Irmos,
rateiolhes toca da venda de urna das prbprieda-1 ra da Cruz n. 3, ou com o capito Joaquim Jos
des, quesegnndo a concordata.lhe foram entregues, da Motta, na praga do commercio.
para serem vendidas.O guarda-livros,
Ignacio Nunes Corroa.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
De ordem da directora desta mesma caixa se iDA YfTFTF^l A VAPOR
faz publico aos senhores accionisias que o respec- **^vMJM.JLHJ r%. w rxi Li.
tivothesoureiro est autorisado a pagar o 22. di-
videndo de 105 por aego.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Arrematando
Finda a audiencia do dia 13 do corrente, do jui-
zo de orphaps, escrivo Guimaraes, a requerimen-
t da junta administrativa da Santa Casa da Mise-
cordia do Recife, ser arrematada de venda, ser-
E' esperado dos portos do norte
at odia 20 do corrente o vapor
Apa, commandante Carlos Anto-
nio Gomes, o qual depois da de-
mora do costume seguir para
os pOrtos do sul.
Bdejrecebem-se passageiros e engaja-sea
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 lio-
vindo de base a quantia de 4035412, urna parte do ras: agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de Ao-
unio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Leilode Kiqnnrtolagcom TiohoBof-
dcaux'
IIO.IK.
For cqnta de quem pertencer o agcnie Pestaa
far leilo de lOquartolas com excellente vinho
Bordeanx desembarcado ultimamento : seta-feira
10 do corrente as 11 horas da manha no arma-
zem do Annes.
Leilo de eabriolct com cavallo.
Hoje as 11 horas.
Cordeiro Simoes far leilo de uiu cabriole!
com cavallu.
No armar.em da na da Cruz n. 57.
Leilo de 10 barris eooi uianleiga in-
gleza e 3 pales de salames.
IK)JE.
Cordeiro Simoes fara leilo por conta e risco
de quem pertencer dos gneros mencionados ; no
escriptorio da Companhia Pernambucana
as 10 horas em ponto.
Leilo de escravos.
Hoje as 11 horas.
Cordeiro Simoes fara leilo dos escravos abai-
xo mencionados :
1 mulato bonia figura com 24 annos, bolleiro,
sapateiro e cosmheiro.
1 e sera va ptima cosinheira.
1 dita sem habilidades.
No armazem da roa da Cruz d. 57.
Leilo de200ca'ixas com sebolas, 100 i-
tas com batatas de 2 arrobas e 30 canas-
tras com castanhas.
HOJE.
O agente Pestaa vender em leilo por conta
e risco de quem pertencer os gneros cima raen-
icionados a vuntade dos compradores : hoje 10 do
I corrente pelas 10 horas da manhla no armazem
i do Annes.
Leilo
De diversos objec os de distilago, bem como
pipas, quartolas, ancoras, linas grandes, botijas,
garrafas, frascos de bocea larga e estreta, garra-
fes, mesas graudes e pequeas, papel de filtrar,
arraago, e muitas outras cousas que se vendero
em um ou mais lotes a vontade dos compradores
e por lodo e qualquer prego.
Martios far leilo por conta e ri.-co de quem
pertencer dos objectos cima, na ra do Arago
n. 21, segunda-feira 13 do corrente as II horas.
Leilode duas machinas a vapor
Sendo:
Urna portavel, forga de 14 cavallos, sobre rodas,
com caldeira patente e todos seus perteuces.
Outra fixa e orisonlal, forga de 12 cavallos com
caldeira e mais pertences.
Terga-feira 13 de margo, em frenle a
Associago Commercial.
O agente Pinto fara leilo por conta de quem
pertencer das duas machinas a vapor cima des-
criptas proprias para eiigenho, as quaes se tornam
recommendadaspela sua perfeigao e por seren
dos melhores fabricantes de Inglaterra, os pretea-
dentes podero desde ja' examioarem ditas ma-
chinas para o que podero eulenderem-se cora o
raesmo ageule em seu escriplorio ra da Cruz nu-
mero 38.
.
E5CRAVO.
Preclsa-se de um escravo para o ttrico de casa
de pouca familia : a tratar na l.ja n. 18 da ra
do Queimsdo.
09r. J. M. S. V. qu-ira mandar pagar a
subscripgo d-ste Diario, desde o Io de outubro
prximo panada i razo d;> prego que na frente
de nasso iarw est estipulado.
Precisa-se de urna ama para casa de familia
de duas pessoas : na ra da Viragao n. 39. Na
mesma loja comprase urna escrava com habilida-
des ou sem ellas.
Fugio no dia 18 de marco prximo
passado, um cabra de nome Mathias, do
engenho Pon tal lermo de Serinhem. jul-
ga-se elle andar para as bandas de Porto-
Calvo, a titulo de ferro, com os signaes e-
guintes: cor cabra, corpe grosso, cabellos
carapiiliados, com bigode e pequea barba
no qtieixo, tem urna das ponas ma's gros-
sa que a outra motivado de urna feridacreio
que ainda conserva, tem um -ledo do p por
eii a do outro encostado ao dedo grande e
tem falta de um de te na frente no queixo
de cima, carreiro e traballia de sapateiro :
quem o pegar ou delle d r noticia certa te-
r IO05de^ratificac3o no mesrao engenho
Ponlal ou em casa doSr. M.moel Alvos Fer-
reira nesta praga, assim como o dito es-
cravo mudou o nom", de Mathias para o de
Joaquim Antonio,
O Dr. Amonio de Vasconcellos Menezes
de Drumraond convida as pessoas que tive-
ram relacdescom o seu tina lo amig, o Dr.
Manoel Caetano Soares, para ouvirem urna
missa que se celebrar por sua alma ama-
nha 10 do corrente (anniversario do seu
filleeiment)). as 8 horas da manhaa na ma.
triz da Boa-Vista
A ma
KEEa*
Precisa-se de urna ama que sai ha engommar e-
dirigir o servigi) interno de urna casa de pouca fa-
milia : na ra da Aurora n. 86, primeira andar.
Na luja de livros deste Diario, praea da In-
dependencia, tem urna carta para o Sr. Dr. Anto-
nio Jos Lopes Filho.
AtteiiciToT"
No da 7 do correte veio do H>>go da Paneila
para esla cidade, onde est, a negriha Ponciana,
de 10 annos de idade, com oes bichentos e dona
dedos dos mesmos sobreposlos, tem silo visja na
rba larga do Itosano e no chafar da ra da Con-
cordia : quem a vir pode '.va-la so Sr. Maciel,
eom taberna de porta larga na ra larga do=Hosa-
rio, que se recompensara.
/
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA
um cavaHo-
sem signa!
AOS 6:000$000.
Sabbado 18 do corrente mez, se extrahi-
r a Ia parte da lx lotera (9a) a beneficio
das obras da greja de Nosea Sennora doj
. Amparo '!e O inla, no consistorio da igreja'
Dos portos do sul e esperado:, J, a n r
at o dia 14 do corrente um dos;de Nos6a Senhora do Rosario da freguezia
vapores da companhia o qual de-, de Santo Antonio,
pois da demora do costume se- \ Os bilhetes, mcios e quartos esto a ven-
guir para os portos do norte. da na respectiva thesouraria ra do Cres- ^ntr leve-o a ra da Maogueira,' sobrado % %<.
zembro do anuo prximo (indo, segundo cnnsla da
relago do escrivo de appellages Antonio Igna-
cio de Toares Bandeira, de 10 do referido mez de
dezembro, que venha pagar o seu debito dentro do
praso de oito dias,contados da publicago deste,
lindo o qual se praceder a cobraoga executiva, a
saber :
Antonio iionralvo da Silva a quantia de 304
contra quem foi julgada a appellacao do joio mu-
nicipal desta cidade, sendo appellanie Paulina Ma-
ra Bastes.
Recebedoria de Pernambuca 7 de margo de
1865.Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Aviso
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 23 do corrente, manda fa-
zer publico, que no dia 16 de margo prximo vin-
douro, perante a junta da fazenda da mesma the-
souraria se ha de arrematar quem por menos -
zer, os reparos de que precisa a ponte dos Garra-
mos sobre o rio Jaboato, avaliados era 5505000. K
A arrematarn ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
gao comparegara na sala das sessoes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se raandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de fevereiro de 1865.O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Clausulas especiaes para a arremalaco.
i.' Os reparos da ponte dos Carvalhos sero fei-
tos de conformidade com o orea ment junto na im-
portancia de 550000.
2.a As obras devero ser principiadas no prazo
de 10 dias, e concluidas oo de 3 mezes, ambos coo-
tados da data da arrematago.
3.* O pagamento ser realisado em urna s pres-
tago, quando o arrematante tiver concluido todas
as obras e entregue definitivamente.
4.' Para tudo o que nao estiver especificado as
presentes clausulas, segutr-se-ha o que disp5e o
regulamento de 9 de julho, que rege esta repar-
tigo
Conforme,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 20 do corrente, raanda fa-
zer publico que no dia 16 de margo prximo vin-
douro, perante a junta da fazenda da mesma the-
souraria, se ha de arrematar quem por menos Q-
zer, os reparos indispensaveis da cadeia da villa do
Cabo, avaliados em 345.
A arrematago ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
go cmparegam na sala das sessoes da referida
junta, no da cima mencionado, pelo mel dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de|Pernam-
buco, 27 de fevereiro de 1865.O secretario,
AntODio Ferreira d'Annunciago.
Clausula especiaes para a arrematacae.
1.a As obras dos reparos urgentes da cadeia da
villa do Cabo, sero feilas de conformidade com o
orgamento junto na Importancia de 345jOO0.
2." O arrematante dever principiar as ditas
obras no prazo de 10 dias, e conclui-las no de 60, clarados, os quaes deverao reqoerer thesouraria
ambos coudos da data da arrematago. : a liquidaco de suas dividas.
3.a O pagamento sera' realisado em urna s Licinio Persino Nestron de Andrade.
prestago quando o arrematante tiver concluido to- Olympio Theodoro da Silva,
das as obras e entregue definitivamente. j Antonio Braz da Silva.
4 Para tudo mais que nao estiver especificado Joaquim Jos Botelho.
sobrado de um andar e soto, silo na ra de Hur-
las, freguezia de Santo Antonio desta cidade, ava-!
liada dita parte em G30j329, deduzida esta de
i:000,5 por quanto foi avallado o dito sobrado, a :
qual parte pertencente a Anna liosa das Mercs
ou Prazeres, que searha recolliida ao hospicio dos j
alienados, e vai praga preferida parte para sa-'
lislago dos alimentos da mesma aleada.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes, em cumprimento do disposto na \
portarla n. 130 de 28 de dezembro ultimo, do Iiim. j De3de j recebem-se passageiros e engaja-se a
!L!ZF2E da H-Tr'V8 vZe h aVhSa a,' c:*a W o vaP>- peder conduzir, a qual dever P a 5- .
devedor. abaixo declarado, da dizima de chance!- [ serVbarcada no dia de sua chegada : encom- Os premios de 00000000 at i0;>000
lagao desta provincia, no semestre de julho a de- *3iESL ff, a,- 'e^tom de | ate as 4 horas da tarde, e OS Outros depois
da distribuifo das listas.
Devappareceu da ra do Queiraado
castanho amarells, estando ripado,
brauco, estradeiro baixo e passo curto, inleiro,
levou urna cangalha sem capa, e no cabegotn on>
prego feilo parafusp, encastoado em nm pao; o lit-
io cavallo ja foi de corheira, de carro, elemaig-
nal nos peitos dos arreios, e debaixo dos queiats
eskiraram cinco fstulas : quem o apprehender di-
rija se a ra dos Mariyrios em casa do Sr. Anto-
nio Joaquim de Alineiila, que seu dono pagara 06-
despezas ou o adiado.
Escravo fgido.
Fugio da casa do abaixo assignado um moleque-
de nome Euzebio, com os signaes seguintes : ida-
de de 12 annos, secco docorpo, pos stecos, olhos
regulares e aromagados, cabega um pouco grande-
e meia chala, muito preto.o qual dizem andar ptto
Campo Verde e Santo Auiarinho : quem o appre-
aos navegante.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para couhecimento dos navegantes, que a
boia do extremo do sul do banco do iuglezque ha-
via sido langada praia por Ihc haver arrebenta-
do aamarrago, foi novamenle collocada. demar-
cando-lhe o pharol do pico ao O 1/2 N O, e a tor-
redo seminario de Olinda ao N 1/2 N O, rumos
magnticos, e em fundo de 5 bragas, exactamente
node termina pelo sul o Recife que forma o banco
ngilez. Capitana do porto de Pernambuco 4 de
fevereiro de 1865.O secretario,
Decio de Aquino Fonseca.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia se faz publico pa-
ra conhecimento dos interessados, que o tribunal
do th eso uro em ordem n. 17 de 11 de fevereiro
ultimo, mandou proceder na forma da circular de
6 de agosto de 1847 a liquidagao das dividas do
exercicio de 1862 a 1863, de que sao credores os
abaixo declarados, os quaes devero api sentar
thesouraria os seos requerimentos para a referida
liquidagao.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 7 de margo de 1865.
Thomaz Tavares de Moraes.
Fre Joo Baptista do Espirito Santo,
Baymundo de Aranjo Lima.
Antonio Cabral de Mello Leoncio.
Francisco das chagas Cordeiro Campos.
Raymundo de Araujo Lima.
Joanna Anglica Fernandes Bastos.
Manoel Jos Pinto
Servindo de offlcial-maior.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de faz'eoda desta provincia se faz publico
para conhecimento dos interessados, que o tribu-
nal do tnesouro era ordem n. 14 de 6 de fevereiro
do corrente anno, utorisou o pagamento de divi-
das de exercicios lindos aos credores abaixo de-
AntonioLuiz de Oliveira Azevedo ji C.
Maranho
O pal batite Gartbaldi segu para Maranho por
estes dias, recebe carga : a tratar com Tasso Ir-
mos.
COMPANHIA, PERiVAMBUCANA
d'b
\'aveg;ipo eostelra por vapor.
I!ha de Fernando de orenha.
No dia 14 de margo prximo,
" as 10 horas da manha seguir
um d?s vapores da companhia,
.para o presidio de Fernando. Be-
'cebera carga at o dia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at 9 horas
da manha do dia da sahida : escriptorio no For-
te do Mattos n. 1.
Para o Porto pela llha de S.
Miguel.
O velleiro e bem conhecido brigue nacional A-
melia pretende seguir com muita brevidade, tem
parte do seu carregamento engajado, para o resto
quelhe falla e passageiros, para os quaes tem ex-
cellentes commodos : tratase com os seus consig-
natarios A. Luiz de O. Azevedo & G. no seuescrip-
-orio na ra da Cruz n. I.
COMPANHIA PERNAMMJGANA
DE
Xavegaco ^costeira por vapor.
Aracaj e escalas.
O .vapor Puraliyba, comman-
dante Martins, segu no dia 14 do
corrente as 6- horas da tarde. Re-
bebe carga at o dia 13 ao meio
_ 'dia. Eni'ommendas, passageiros
s dinheiro a frete at 2 horas da tarde do da da
oahida : escriptorio no Forte do Matlos n. I.
As encommendas s rao guardadas so-
| mente at a note da vespera da extt aegao
como de costume.
O thesoureiro,
_______Antonio Jos Rodrigues de Souza.
A cmara municipal destacidade nao nadan-
do ser indiferente grave situago em que se acha
I o paiz, proveniente dos ultrages fetos pelos assas-
i sinos de Montevideo e selvagensdo Paraguay, con-
' vida a todos os seus municpes para comparcerem
nodia 12 do corrente, pelas 10 horas da manha,
no pago da mesma cmara, aflm de tratar-se do
alistamento de voluntarios da patria, e eslabelece
rata-te os meio* e fundos necessarios para soccor-
ro e proteegao das familias dos mesmos, auxlian-
do-se por este modo ao governo no patritico e
louvavel empenho de defender a honra e integri-
dade da nago brasileira.
Pago da cmara municipal de Olinda em sessio
de 4 de margo de 1865.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque
Presidente.
Marcolino Dias de Araujo
Secretario.
as presentes clausulas segulr-se-ha o que deter-
mina o regulamento de 9 de julho de 1864.
Conforme,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Antenio Baptista.
Antonio de Souza.
Malaquias de Souza.
Antonio Francisco.
Francisco Lins.
Manoel Paulo.
Jos Maria.
A cmara municipal desta cidade, convidada ]
por S. Exc. o Sr. presidente da provincia para, pe-!
los meios ao seu alcance promover o alistamento | '5"^!'Vointin
do maior numero possivel de cidados nos carpos, *J" "' *" 'c, d
de voluntarios da tatria, dirigo-se aos seusmunicl-; k2JXGb^8Iooo do Amaral
pes ueste sentido, certa de que a ninguem cedera (gStiSR da^a Fragoso
era valor e patnot.smo. ^ J joaquim Teixeira Peixolo.
i m remedie vegetal asom-
broso,
Afinal hegou-se a descobrir na essencia concen-
trada d'um produelo vegeta um ellcacissirao re-
medio positivo, contra todas as enfermidades pre-
Descendetes dos Vieiras, Dias e Camaro, esses
O0w heroeg qUe tant0 se ennobreceram pelo seu valor,
amor a patria e a religio, ellos nao desmentirlo
cortamente de to gloriosos ascendentes e correro
apressados a vingar a injuria feita a honra da na-
go, nao sement pelo governo do Uruguay, seno
tambem peto novo depott do Paraguay.
Este tyrano, em nenhuma provocago da parte
do Brasil, nao s tem aprisionado os nossos vasos
que francamente subiam o ro confiados na f dos
tratados, seuo tambem envou as suas hordas sel-
A arvore da sade, pois, que assira verdadeira- vagens para devaslarem os campos e as povoacoes
mente que se deveria chamar, da qual se ex- indefezas da nossa provincia de .Malto-Grosso
trahe este inextiraavel thesouro, a anacanuita do E a primsira vez que, depois da nossa Indepen-
Mexico, eo peitoral de aoacahuita deKemp, forma dencla, urna bandeira estrangeira arvorada em
a preciosa composlgo que atranca sempre a victo- *
territorio brasileiro ; e cjrao urna talaffronta nao
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco em 6 de margo de 1865.
Manoel Jos Pinto
Servindo de offlcial-maior.
Aviso aos navegantes
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhociraenlo dos navegantes, que no
dia 18 do corrente foi novamenle collocada, e aa
mesma posigao, a boia qae marca o termo dos
baixos de Olinda ; e a qual bavja sido arrojada
praia por Ihe haver faltado a amarra.
Capitnia do porto de Pernambnco 1$de feve-
reiro de 1865.O secralario,
Declo de Aquino Fondea,
que se gralilicar o seu trahalho.
Pedro Alfui-ii de Mello.
Descuido.
PROGRAMA
DA
PriMssii da irntandade de .\. S. da Soledad tMo-
ta na iyrfja de \. S. do Livramento.
A mesa regedora da irmandade de N. S. da so-
ledade, tendo de expor vista dos neis devotos, no
dia 12Ido corrente. em solemne procisso a sua
divina padroeira a Senhora da Soledade e o Senhor
Bem Jess da Agona, tem de percorrer as ras
seguintes : ao sahir, ra da Pcnha, Direita, pateo
do Livramento, ra do Queiraado, praga de Pedro
II, ra do Imperador, (ravessa de S. Francisco, ra
da Cruzes, pracinha da Independencia, ra do Ca-
I bug, Nova, do Sol, Flores, camboa do Carmo,.pa-
teo do mosmo, ra de Horias, Augusta, travessa
de S. Joo, pateo do Tergo, ra Direita, travessa
! da Penha, pateo do mesmo, ra do Rangel a reco*
| Uier-se. A mesma mesa convida a todos os seas
I irmos para comparcerem no referido dia em
Para Iisboa.
Pretende seguir com muila brevidade a barca,
porlugueza Henriqueta, tem parte de seu carrega- >sso consistorio, pelas 2 horas da tarde para
ment prompto : para o resto trata-se com os seas | "s brilhanlismo do acto, assira como pede ao i
consignatarios Antonio Lula de Oliveira Azevedo & | moradores das ras cima, que 1 mpera as testo-
C., no sed escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muila brevidade o brigue es-
cuna Joven Arihur, tem parte de seu carregamon-
to engajado : para o resto que Ihe falta tratase
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio raa da
Cruz n. 1-
Para Lisboa
pretende sahir em poucos dias o patacho portuguez
Jareo por ter a maior parte da carga tratada, e pa-
ra o pouco que Ihe falla trata-se cem os consigna-
tarios Palraelra & Beltro, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.__________________________
Rio de Janeiro.
O brigue Trovador segne com brevidade e rece-
be algnma carga .a frete e escravos : tratase com
os consignatarios Marques, Barros *x C.
LEU OES.
LeiraoH'e movis, crystacs e pianos.
HOtlK
Sexla-fera 10 do corrente as 11 horas.
wem limites.
Cordeiro Simoes far leilo de movis, crystaes,
pianos, qoadros, 1 ooEe- de ferro, 1 grande espe-
Iho, 1 santuario, 1 cama de mogoo para casal, 2.
ditas de amarello o outros objectos de gosto.
Na mesma oocasiao vender um bonito cavilo
eom andares e com sella-
No armuera da roa da Cruz n. 67..
das de suas casas.
O portuguez Albino Baptista da
Bocha, relojoeiro e dourador, da
praga da Independencia loja a. 12,
faz qualquer concert de relogio e
douraflo por prego mais rommodo
do que outro- qualquer e respoesa-
bilisa-se pela seu trahalho- e espera
proteegao de seus amigos compatriotas.
Peraeu-se nesla praga, da ma do Imperador sl-
a praga da Independencia, o moleqne Raymundo..
escravo do Sr. Feliciano do liego Barros Aranjo,
do engenho Montevideo, que tendo seguido cora
urna pessoa que o encaminbava at a ra da Pal-
ma n. 41, aconleceu (supponho) acompaohar um
outro E' elle crioulo, muito amalulado, um pou-
co feio, trajava jaqu^ia branca velha, caiga no-
mesmo estado, chapeo de palha velho, conduzindo
unta ealga e urna camisa aova de alendan ii.- ita
O mesmo escravo nao sabe dizer quem o conduzia,
e nem para onde ia, representa ter 16 18 anno.-.
de idade ; roga-se a quem delle der noticia de o
levar casa indicada da ra da Palma, ou no es-
criptorio da ra da Cruz n. 30.
Atten^ao.
rtenriqoe Amis. relojoeiro, faz sciente ao res-
psitavel pul'liro que acaba de estabeler-se na ra
da Cadeia do Reirife n. II, onde se enearrega de-
concertar qualquer qualidade de rel-tgio por es-
cangalhado que esteja, com brevidade e multa ba-
ratez* e aanga por 6 mezes ou um anno.
Deseja-se saber onde mora Antonio Xavier
da Silva ou suas lillias a negocio que muito Ins
de ve interessar.__________________
Pe-guillas que nao eiTendem.
Se a pes:oa do Sr. Jos Luiz de Souza, morador
no Becife com sitio na povoagj da Varzea, nao
sent n^fundo d'alma as ferruadas pungentes do
remorsn, por qualquer acto que teoha praticado
no decurso de sua vida; queira responder com
aquella franqueza que Ihe peculiar, as seguintes
perguntas :
1.a Se cerlo que o tinado V.mmel Joaquim.
Soares, achaodo-se,em lempo embarazado era seus-
negocios commerciaes desejando offerecer, no ul-
timo quartel de sua vida, sua pobre familia um
arrimo; realisra a compra de u:n sitio na povoa-
goda Varzea, fazendo passar a escriptura de-
venda em nome de S. S. para garanta desse bem
qae elle deslinava em proveiio da sua pobre nu-
Iher e seus innocentes lilhos ?;
2. Se depois de realisada a compra do lilill
ludido procurou S. S. um meio ftil, um prebeMo-
calculado para se hoslilisar com Manoel i< *uno
Soares, e d'ah ficar at hojo- .-.enbor e possuidor
desse sitio que faz de presente as delicias de sua
vida campestre?
Tomos consciencia de o.pe o Sr. Jos Luiz de-
Souza incapaz de pralicar semelhante ataiso dV
coaBanga, mas para que ;> publico em geral Qque>
como nos inleiramenie convencido do contrario
de.-.-as iinputagoes, pedimos-lhe resposio. franca
para aquillo que aqui com franqueza lae porpua-
tamos.
Recife 9 de marvo. Je 1865.
Preoisa-se de-um menino de idade do 14 a
16 annos, para cauteiro de urna ta terna e que d
dador a sua conducta : na ra das. Sruzes n. 22.


LOJi 110 PRINCIPAL BAR TrlR
DE
Joaquim da Silva Boa-Vista.
llua do Crespo n. IO.
'Att
Paletots de casemira de >xv a
Ditos de alpaca branco a .
Caigas de casemira preta a .
Baldes de la, 20, il 30 e 40 arcos.
Lengos de cambrata braaco a duzia.
Gaseaira preta tiua. ....
Paaao no prelo......
Lengos de esutio- \
75500
IJaOO
i
2*500
i
*
Chitas para coberta covado. *
Laas lisas.........
Vestidos de laa a Maria Pia.
l'm completo sortimeclo de chita larga a
280 a .....
Bramante de linho......
Grosdenaple prelo. ,.....
Ricas capas de gros prelo bordada < che
> gadas pelo ultimo vapor. ,
320
I
174000
600

Na ra do Crespo numero
Loja do principal barateiro.
17.
m


*

Diarlo de rermanabuco .- sexta feira O e Mareo de 18
Joao da silva Ramos, medico pela Uni-
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 0 s li horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suag casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serf.o soccorridos em qoal-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Trm se.d casa de sade regularmente
montada para recebr qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operario cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 33000 diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 2,8000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
hs
Calxeiro. *
Na ra da Senzala Nova n. 39, offerece-se um
menino de idade e 13 annos, o qual j tem algu
ma pralica de taherna.
Prepara-se coni asseio.
Na ra da Florentina n. 36, forne-se comidas h
jcaa oa fora della notando-se a bemfeitoria, asseie
e barateza.
Salitre
Precicase de urna ama forra ou -cap-
Uva que saiba cosinhar e engommar, isto
para urna so pessoa : na ra da Senzala Ve-
lba n. 8, das 9 as 4 da tarde.
Antonio Moreira do MendooQa, Jod Moreira de
Mendonca, Joaquim Moreira de Mendonca, Ueuri-
queta Guadalupe Moreira de Mendonca, Guiller-
mina Honor a Moreira de Mendonca, Francisca
Domingas de Albuquerque Mendonca, Eulbioiio
Erasmo Moreira de Mendonca, Antonio Arthur Mo-
reira de Mendonca, Tude Tullio Moreira de Men-
donca, Donatilla Dorolhea Moreira de Mendonca,
.N'ahuin Nasiauzeno Moreira de Mendonca, Antonio
Alfredo Moreira de Mendonca, Anna Fortunata
Moreira de Mendonya, Antonio Francisco Moreira
de Mendonya e Leocadia Clementio<> Moreira de
Mendonya, filhos, ora e netos, agradecem a todas
as pessoas que compareceram e acompanharam
ao cemiterio publico sua presada e sempre chora-
da mai Leocadia Maria de Mendonya, e de novo
as convidan) para no dia ii comparecer na ordem
terceira do Carmo, alim de assistirem amissa no
stimo dia; s o horas da manhaa.
iNa ra do Queimado Domingos Jos Ferreira Guimarus, vende-se sali-
tre retinado por iS a barrica de 4 arrobas, ou a
65400 a arroba so a-dioheiro.
Os Srs. acadmicas que vio matrjcular-so
no terceiro anno da Faculdade de Direito, podem
dirigir-se a ra da Saudade n. 9, fronleira a do ajg
Hospiio,on.dese Ihes vender Jpxompendio de| y^
direito civil at as 9 horas da jrianaa, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
Consultorio medico-rirurgico na raa larga do <
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sua profissao
nao s na parle medica como tambem na eirur-
ic a.
al
Tinturara
Na ra Direita n. i 16 conlinua-se a tingir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.
Saca-se sobre Lisboa, Porto e Ilha de
S. Miguel, na ra do Apollo n. 20, escrii)-
torio de CarvalhoeN>gueira.___________
kttenco*
Jos Joaquim de Novaes faz scientc ao respeita-
vel publico e a todos os senhores offlciaes do exer-
cito e da marinha que contina a ter sua casa sor-
tida de Tazendas e roupas feitas, e por medida : no
largo do Livramento n. 34.
Aluga-sea.casan.S3 da ra Augusta, nova,. prmero andar da ^ fl
O conselheiro Francisco dePaulaBap-
"Ilista continua em sua profissao de advega-
I dn em seu escriptorio na ra d s Trinchei
19, aonde
10 horas
com 3 quartos, ^despensa, cozinha grande, 2 quar
tinhos no quintal, e porlao para a ra do Dique; poder a ser procurado desde as
urna-boa casinha para trazer-se com asseioe gos-1 do dia ate'1 as 3 horas da tarde.
to : a tratar na ra do Mondego, olaria n. 13.
Otadle Dubeux, autorisado por Antonio De
metrio da Silva Laranja, vende a casa n
na ra do Pillar, em Fra de Portas, propriedade
do mesmo Laranja : quem pretender dirija-se a j livros de N-gueira, e na casa de residencia
ra do Imperador n. 43, escriptorio do annuncian
e, para tratar.
Vende-se os compendios de herme-
)l67Usta ncutica jurdica, e de theoria do processo
civil reunidos emum s lhro, na Joja de
Encanamento (Tagua.
Precisa-se de um pessoa ipie saiba
concertar encanamcnlo d'agua de ca-
sas particulares; a tratar na livraria
ns. 6e 8 da pmca da Independencia-
Para a Europa.
Offsreee-se um moyo portngticz fallando algu-
ma cousa francez para criado de qualquer pessoa
que se destine a Europa : quem do seu prcslimo
precisar queira deixar carta ueste escriptorio com
as iniciaes A. H. ('.
I do autor dos ditos compendios, o conselbei-
ro Paula Baptista na ra do Hospicio n. 34,
ou em seu escr ptorio na ruadasTrinchei-
1 ras n. 19.
Ama de leitc.
Na ra dos Pires n. 54, ha urna excellente
boa leite e muilo sadia. .
com
[0 liacharel Jos Baptista tiitiranaj
advoga nos termos do Bonito e Caruar. j
, Pode ser procurado na villa do Bonito, *
ra Direita n. 16, defronte da cadeia.
O bacbarel
francisco Augusto da Costa
ADV8GAD0
Ra do Imperador numero 69.
Auioniu-Luiz deUliveira Azevedo i;
Agentes do banco Uniodo Porto.
Competentemente autorisados sacam por todos
es paquetes sobre o mesmo bancopara o forto e
Lisboa e para as seguintes agencias :
Londres sobre Bank ofLondon.
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cadis
Scvilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Avero.
Precisa-sede um coznheiro : no Gymnasio Barcellos.
provincial.______________________________! Bastos.
Precisase de urna mulher capaz, portugue- i 5eJa'
za ou brasileira, que que ira ira Portugal em com- Braga.
panhia de urna familia que se retira no mez de Braganca
abril : a fallar na roa dos Pires n 62.
Frdric S. Ballin & C."
Joao Gabe & Filho.
Francisco Bohala & Ballesta.
> Jaime Merie.
('rdito Commcrcial.
i Gonzalo Scgoria.
M. Pereira y Hijos.
Em Portuga
Faro
| Otiveira d'Aze
meis.
I Penna Oel.
Tavira.
1 Villa do Conde.
Angra Terceira.
Caininha.
Castello'Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilho.
El vas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Portimao.
(rande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimieos utensis e os maisempregadosi
e usados na pharmacia,pHtura,pholographia, tin-!
turara, pyrotechnia(J"ogosdcartico) e em outras!
industrias.
Alomado em grande escala, e supprindo-se di
D-se um sitio, para botar sentido, a quem roa
tiver poma familia : a tratar na ra da Impera-; 5e"amIe",?,,as ',r!uc'>aes Rogaras de Pars, Lon-
triz"n 64 idres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode ollereceer
------:,-------------------------------.--------- I productos de plena confianca e satisfazer qualquer
Joaquim Fernandos da Silva Lampos deixa encommcuda a grosso trato c arctalho, por precos
por seus procuradores os Srs. Jos Joaquim da Los-; razoa veis.
taMaia, Manoel Jos deSouza e Joo Maria Cor-! providos de machinas -appropradas satisfar
deiro Lima._____________________________: com promptldo qualquer pedido de tintas moidas
abaixo assignado, son que foi da extinc- a oleo, cuja qualidadee pureza de seusingredien-
ta firma de Campos & Lima, declara que as divi- tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
das pertencentes a mesma Ihe (carao pertencondo, nao fcil fazercom aquellas que sao importadas,
e que para a sua cobranya deu procurayo ao Sr. e que se enconlram no mercado emlatasfechadas.
Ivo Marims d^ Almeida, com quem os devederes | Tem grande collcyao de vidros de differenles
se deverao entender. fonnalos, desde urna oitava at dezeseisonyas de
_________Joaquim Fernandes da Silva Campos. capacidade; de vidros para vidrayase diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeiracom
: propriedade e outros; de |iapcis dourados cpra-
teados e folhas de gelatina para or'namento; de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
Aluga-re urna escrava de i'dade de 14 annos,
pouco mais ou menos, nao para sabir a ra : na
ra do Padre Floriano n. 34, a tratar com Leonar-
do Rufino de Freitas.______________________
Precisa-se alugar um escravo para todo o
ser viro de urna casa de familia : na ra da Cadeia
do Recife n. 52, terreiro andar.
Precisase de um criado estrangeiro, bom co-
peiro, e que afiance a sua boa conducta : na ra
do Imperador n. 29.
Est definitivamente vasia a casa assobrada-
da da ra do Progresso n. 14 : quem a pretender -atar ata ruada Cruz n. i!
dirija sea ra da Praia, armazem de carne secca
n. 34 junio a ribeira do peixe.____________
Precisase alugar urna ama que" saiba bem
cozinhar.e sirva para comprar para urna casa de
duas pessoas : na ra da Irnperatnz n. ;, primei-
oo andar.
de
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lartcgo.
Leiria.
Monyao.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Cas-
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No imperio
''i-<. i.-inYio.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer sorama a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo serem descontados no
mesmo Banco a razo de 4 por cento ao anno a
GABIMETE
PORTUGIEZ Dti lKIIIIU Eli PER-
KA1BDC0.
De ordem do Illira. Sr. presidente do conse-
Iho deliberativo convoco os membros do mesmo
conselho para sesso ordinaria sexta feira 10 do
corrente, as 6 horas da tarde, na sala das respec-
tivas sessoes.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco 7 de marco
de 1865.
A. A. dos Santos Porto
________________Io secretario._______
A pessoa que qaaer vender urna casa de um
andar e sotao na freguezia de Santo Antonio, se a
casa est em bom estado, e em boa ra, procure
no largo do Corpo Santo n. 19, escriptorio.
SOCIEIUDE
Recreativa Juventude.
De ordem do Illm. Sr. presidente convido todos
os socios da sociedade para se reunirem em sessn
extraordinaria domingo 12 do corrente, pelas 10
horas da manhaa, ififli de serem approvados os
estatutos que devem reger a mesma sociedade.
Sala das sess5es em 8 de maryode 1865.
A. F, Pereira
|o co^rAt.inO.
O Sr. Jos Meules Carneiro Leo, senhor do
engenho de Taquari, queira apjiarecer na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar.
Manoel Jos Nartins
tuguez, vai a Europa.
da Silva, subdito por-
O abaixo assignado tem justo comprar a ta-
berna da ra da Senzala Nova n. 22, pertencente
ao Sr. Bernardido Jo< da Silva Braga ; se alguem
se julgar com direito dita taberna, reclame no
praso de tres dias para ser pelo anuunciante at-
tendido. Recife 8 de margo de 1865.
Joaquim Manoel Lopes da Iva.
De ordem do lllm. Sr. Dr. prc.-idente desta
sociedade, fayo scienle aos Srs. socios, que ama-
nhaa s 7 horas ha sessao da assembla geral, e
ignilmentc do conselho director.
Secretaria di sociedade recreativa Corybantina,
8 de maryo de 1865.
O primeiro secretario,
Faustino Jos da Fonseca.
Precisa-se para urna casa de familia de cos-
taneras que cntendam de costuras de alfalate :
quem se achar neste caso dirija-se ao Passeio Pu-
blico n. 5, loja, que se dir quem qner.
paraembrulho, para forro de casa, para desenho
com fundo j fcito; de papel albnminado e Brisu-I
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira. copal para o interior e ex-
teiior; oleo graxo, oleo sfccativo. oleodelinhaya
clarificado, oleodeoielet,secativode Harlim.ouro
verdadeiro em p ; prala, uro, e estanho tm fo-
lhas de varias cores ; tintas vegetaes, inoffensi-
vas proprias para confortaras;- la d cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas (m tul os e
telas para retratos tintas em pasteise em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jasmm,bergamota, aspice, patchoulv,mbar,
bouquet.limao, alcaraiva, melissa, ortela'pimenta,
louro,cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
anisda Russia, cabella, cravoe muitos outros ob-
jectos que s com a vista pnderaoser mostrados.
Joan Pedro das Neves,
________________ _______Gerente.
Precisa-se
de urna mulher que nao tenha filhos e ncni pessoa
algurna sob sua responahilidade^ que seja capaz
de fazer com zelo todo serviyo interno da rasa de
um padre, inclusive engommao : quem esliver
nestas condicoes diria-se a ra do Imperador nu-
mero 3o.
Instrucro parliculr.
Urna pessoa com lodos os ttulos de habitado
propoe-se a aceitar em sua casa alguns meninos
menores de 12 armos por preco muito razoavel:
quem se quizer utilsar de seu prestmo pode se
dirigir na da matriz da Boa-Vista n. 26, pri-
meiro andar, que achara com quem tratar.
luga-se
Urna boa casa na ilha do Retiro (Passagem da
Magdalena) com 2 salas, 6 qoartos, 1 gabinete,
cosinha fi ra, quintal murado, sumidonro para as
aguas servidas e na porta : qnem pretender diri-
ja-se a ra da matriz da Bca-Vista n. 26, primeiro
andar.
Aluga-se urna preta para casa de urna s
pessoa ou pequea familia sabendo fazer todo e
qnalquer serviyo tanto para casa com fora della :
a fallar na ra do Crespo loja n. 18.
Precisa se de um amassador : na ra lar"a
do Rosario n. 16, padaria.
O solicitador Pedro Atexandri-
uo da Costa Machado
se encarregaante o foro desta cldadedetudo que
fortendenteasuaprofissao,aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercialmediante razoavel ajuste. Contina
1 (Muir. a seencarregardecobranyas dos teneos do Cabo
Na ra do Hospicio n. 34, precisa-se de um elpojucaaondecontinua atrabalhar como d'an-
fetor. ______________ __________ i tes,-} encarrega-se dedefezasperante o jury nos
~" Aluga-se a casa n. 36 na ra da MatrTfda termosproxlmos a va frrea,offerecendo gratoi-
Boa-Vislaee Io andar n. 9 na ra, Direita em tamentesens servicos aos desvalidos, pode ser
frente para a ra da Penha : atratar nosegundo procu-adotodososdias uteisdas9horas dama-
andar nha as3datardena ruaestreita do Rosario n.
34, eforadessas horasna rna Imperialn.36,ca-
se de sua reidenca.
Precisa-se de um menino para caixero, de
10 a 14 annos, que seja portuguez: na ra do
Rangel n. 24
Attenco.
N curtume da ra Imperta! n.
Na praya da Independencia loja de ourives
n. 33, compram-se obras de onro e pralae pedras
dreciosas, assim como se faz qualqner obra de
de trabalhadores forros ou escravos, com tanto que
sejam pessoas robustas.
II IJlKQA do
Rosario n. 39.
O proprietario do hotel Traviata, achando-se de
novo em seu estabelecimento, e tendo feito nclle
muitos melhoramentos, convida a seus mui distinc-
tos freguezts, que se dignem de honra lo com suas
presenyas; offereceudo se-lhes para remetler co-
mida as suas casas com toda promptido e asseio
pelo preyo mais commodo possivel: no mesmo es-
tabelecimento ha buhares, sorvete e refrescos.
Attenco.
Adverte se a quem quizer arrendar a proprie-
dade da Barra de Sermhaem, que toda essa pro-
priedade nao do Sr. Dr Drnmmond, que dentro
della est encravada oulra onde existe a capella,
cuja propriedade pertence ao convento da villa de
Serinhaem dos religiosos franciscanos, e que jus-
tamente aonde tem a maior parte des coqueiros.
Frci Mano A do Amor Divino.
Guardio.
191 precisa-se! encommenda e todo e qualquer concert.
ATTENAO.
O proprietario da offleina de cncadernayao da
ra do Imperador n. 15, defronte de S. Francisco,
araba de entregar a diTecfao da dita ofUcIna ao
Sr. Heracho Constantino de Paula Montero, enea-
domador que fol da livraria Acadmica, onde pro-
vou habllidado e pericia na arte, tanto em enca-
dernayes em bsame, comoem couro, veludo,etc,
o qual se acha munido de todos os utenciliose
aprestos necessarios para bem servir aos fregue-
zes e por mais barato preyo do que qualquer outra
pessoa. Na mesma offleina ha a venda : livros em
branco para borrador e mesmo para repartiyes,
livros de lilteratura e selencia, e todo quanto e ne-
cessario para as escolas primarias como : cartas
de A B C, taboadas, cathecismos, grammaticas de
Castro Nunes, pautas, procurayoes bastantes, espe-
ciaes e geraa, despachos da alfandega, papel pin-
tado p. mar I irados de diversos taman los e preyos,
papel almayo e pintado, etc.
mmm mmm wmm mmmmm
i O Dr.Carolinc Francisco de L'imaSan-'
tos,contina a residir narua do Impe-i
\ radorn. 17,2* indar,onde pode ser pro-j
i curado aqualquerhoradodiae da noitej
j para o exercicio de suaproflssao de me-
dico ; sendo queos chamados,depoisde j
meio dia at 4 horas da tarde.devem ser
! deixados por escripto. O referido Dr.
dio abandonando nunca o estudo das
molestias dointerlor, prosegne, com o
maiorafflnco^no das mais diffieeise deli-!
cadas operayoes. como sejamdos orgaos j
ourinarios,dos olhos, partos,etc.
Pede-se ao senhor que levou em conlianya a
chave da casa da ra da Ponte Velha n. 23, o fa-1 matriz n
vor de entrega-la na loja da ra do Crespo n. 17, j Ferreia Porto ou com Mgel Joqim daCosta"
alias soffrera as consequencias de seu procei-1 ra da Cadeia n. 12.
ment.
Aluga-se o primeiro andar, lo;a e grande
quintal com duas cacimbas, arvores e fructo e
commodos para grande familia da casa da ra da
3 : a tratar com o Sr. Antonio Joaquim
Precisase alugar um primeiro ou segundo
andar que esteja aeeiado e tenha commodos para
pequea familia, as seguintes ras : Imperador,
Qucimado, pateo do Livramento, ra Bireita at o
pateo do Terco, pateo do Carmo, Cabug e ra
Nova ; pagase bom aluguel : a quem con vier ap-
pareya na roa da Cadeia do Recife n. 30, segundo
andar.
30*
Fugio de casa da Sra. vmva do commenJador
Luiz Gomes Ferreira, o escravo preto denome Ju-
vencio, i ad- de 25 a 30 annos, estatura regular,
cor muito pret, rosto oval, testa grande, nariz
chato, beiyos grossos, deotes alvos, ps chatos,
muito conhecido como coziofeeiro, levon bastante
roupa para Iludir com seus disfarces, sabe ler e
escrever : quem o apprehender receberi a grati-
fieaeao cima, no sitio da mesma senhora no Mon-
dego.
Os abaixo assigaades fazero scienle a todos
os seos freguezes e corpo do commercio que
dissolveram amigavelmente a sociedade que li-
nhaot na cocheira da ra do Apollo n. 3, (cando o
socio Antonio Jos Teixeira com a mesma cochei-
ra e responsavel p.lo activo e passivo. Recife 7
de maryo de 1865.
Antonio Jos Teixeira.
______________Jos Pinto Tavares.
Na ra do Lobato nT 3, outr'ora ra dos Co-
piares, se precisa de urna ama para compras e
serviyo interno de urta casa de pouca familia.
Henriqne
ropa.
Olio, subdito alkmo, vai a Eu-
Quem tiver para vender una laparelli em
aueio uso, dirija-se a ra dasCrutes n.4I, segn
do andar, que achara com quem tratar.
Na ra dos Pires n. 54 ha para se alugar
urna excellente escrava, muito fiel, toca 20 annos
de idade e muito robusta, a qual sabe bem fazer
todo serviyo de urna easa de familia.
Precisa-se alugar ama escrava para cozlnhar
e fazer mais alguna servieo para casa de familia :
a tratar na roa da Imperairiz n. 4, primeiro andar.
Os abaixo assignados d^claram que prssoa al-
juma nao faya negocio com as parle do engenho
Timb, pertencente Francisco Virissmo do Reg
Barros, porque o mesmo senhor ainda nao pagou
aos abaixo assignados; e para ninguem chamar-se
a ignorancia previnem em tempo.
Antonio da Rocha Accioli Lns.
,_______________Joaqnim Luiz Virae.
O abaixo assignado participa'ao retpeitavel
publico que nao se rcpoMabilisa por ordem algu-
rna que falsamente for pedido em seu nome.
Francisco Rodrigo dos Santos.
Jos Soares d'zeyedo, |rof>ssor de
lingua e lilteratura nacional no Gymnasio
Provincial do Recife. tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, ara curso especial
para cada urna das seguintes disciplinas:
LINGUA FRANCEZA,
GEOGRAPHIA E HISTORIA,
PHILOSOPHIA RACIONAL E MORAL,
RHETORICAE POTICA.
As pessoas qued sejarem estudar qual-
quer destes preparatorios podem tlirigir-se
indicada residedeia, de manhaa at s 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
Pessoa que dese ja fallar ao sTTjos'Mathias
Lopes da Fonseea negocio de seu particular in-
teresse, rega-lhe que aBnuncie a sua morada.
No engenho Goiabera"fnio a Santo Amaro
de Jaboatao, necesslta-se de um feitorqne tenha
pouca familia : a fallar no mesmo engenho, ou
na ra da Imperatriz n. 22, segundo andar.
Precsa-se de urna ams secca para casa de pouca
familia: a tratar na praca do Corpo Santo n. 17,
terceiro andar.
No sobrado confronte a igreja do Paraizo, se
gundo andar n. 29, fazem-se flores para enfeftes
de igreja, festoes, rosas, palmas, arcos e canellas
para imagens, caixos e palmas para enfeites de
andores, sipo de flores para saiotes de anjos eea-
feitam se peitos e capacetes para os mesmos, tudo
de flores decanotilho, aljfar e flores de panno e
papel, com perfeiyo e presteza, e a preyo muito
commodo : na mesma casa apromptam-se vestidos
pretos para a qoaresma feilos pelos ltimos igu-
rinos; enfeitam-se tambem velas com flores de
cera proprias para baplisado, pelo preyo de 105,
tudo de muito bom gosto.
Precisa-se alugar urna preta para todo o ser-
viyo de urna casa de familia : narua do Trapiche
numero 4.
A quem mferessar
O abaixo assignado solicita pela polica em ge-
ral qnalquer pretenyao como : passaportes, porta-
rlas, apprehencSes de quaesquer objectos; pela
presidencia portaras, passaportes, patentes de of-
flciaes da guarda nacional e outras quaesquer in-
cumb ocias -.pelas repartiydes flseaes desembara-
zo de terrenos de mannlu'e de estabelecimentos
que por engao ou ignorancia de seus proprieta-
riosestejam sujeitos ao rigor do flse;; pela capi-
lanad )_porto matrculas de carpinteiros, calafa-
tes, botes, canoas etc. Podo ser proourado no Re-
cife armazem de molhados do Sr. Antonio Lopes
Braga, ra da Cruz n. 36; em S. Antonio loja de
livraria popular, roa do Collegio n. o7 do Sr An-
tonio Domingues Ferreira, e em S. Jos ra Direi-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Paranhos.
_________Joaquim Jos dos Santos Barraca.
Na ra do Imperador n. 28, vndese lingoas
salprezas aovas e superiores, em barril c a retalho,
ceblas novas em restias e em porySes.
Claudio Dubeux, proprietario das linhas de
mnibus, faz scienle ao publico que no dia. 15 des-
te crreme mez de marco tira do Cachang o m-
nibus que parte d aquel la povoacao as 7 horas da
manhaa e as 5 I|2 na tarde do Recife ; assim co-
rno tira tambem no mesmo dia o mnibus de Api-
pucos que parte daquetlc tugar as 6 horas da ana-
nha, e do Recife as 6 da tarde.____________
Precisa-se de urna ama que cosinhe e en-
gomme : na ma do Imperador n. 17, segundo
andar.
Aluga-se urna meia agua na ruado Alecrim
entre as eaas de ns. 51 e 53 ; a tratar na ra Di-
reita n. 24.
^s^'^s *5:wJ'^*ist''^.'^K mam
Alugam-se dous grandes sobrados com cora-
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comjardim,cocheira,estribara eoutras commo-
didades,natravessade Joo Fernandes Vieira : a
iratar na ra daSenzala Nova n. 42.
Offerece-se um moyo para coptirode alguma
casa ingleza ou portugueza do que tem bastante
pratca ou para outro qualquer emprego de portas
a dentro : a tratar na ra da Cadeia n. 52. loja.
Precisa-se de urna ama para se encarregar
somente do serviyo de cozinha : na ra da Cadeia
do Recife n. 52, terceiro andar.
A NACIONAL
Coinpanhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA, PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE i 859
Urna fianca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garaHle a boa ad
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de llespanha
DIRECCO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 1
segures
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinayoes de superviven
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripyao de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do so
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tosuprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que ainda mesmo diminuindo urna terya parte do inleresse prcdnzde em nertto liqui(i2-
yoes ecombinando-ocom a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada i-ela rtirrarHa
para seus calculse liquidayoes, em segurados de idade de 3 a 19 annos, urna imponicio anaml
de 100 produz em effectivo metlico: n*
No im de
o annos.
de 10
de 15 >
de 20 .
de 25
1:119*300
3:942,5660
11:208,5200
30:2565000
80:3315000
as idades menores de 3 annos c maiores de 30, os productos sao mais consideravei'
Prospecta e mais nformacoes serae prestadas pelo sub-director ncsia provincia
Joaquim Fuza de Olvera, rna da Cadeia n. 52, ou a Boa-Visla rna da Jmnoratri? n 19
ento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao. 'wamz n. iz,
mo
cimento
estaje)
MO UNUO
SEGUROS DE VIDA EM MTUALIDADE.
A direceo do BANCO NIA'O tendo obtido do governo de S. M. F. a aulorisacao
para estabelecer o seguro de vidas era mutualidade, faz publico que desde j toma subs-
cripcoes ananaes por urna s vez, debaixo das seguintes condicoes:
Com perda de capital e lucros;
Dito de capital somente;
Dito de lucros somente ;
devendo a primeira liquidaco ter lugar no Io de Janeiro de 1869.
As vantagensdo emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao so
ment se collie o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar ne
nbum resultado; mas alem d'isso, este rendimenlo augmenlade pelo capital ou lucros
ou ambas as cousas, conforme as condigoes da subscripciio, dos que fallecem Tambem
partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os socios morosos nos seus paga-
mentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que occorretem
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidacoes sao pelo systema das companbias despatilllas, tutelar e outras e
para se poder fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annua de 10,4000 u-
blica-se a seguinte tabella baseada sobre a experiencia de muitos annos de comoahias
desta natureza.
Por um menino de
de
de

c
Por
dia a
anno a
a
de
de 3 a lo
urna pessoa de ib' a 20
de 20 a 30
de 30 a 40
de 10 a 50
1 anno
2
3
i
Em o annos
iM
90,5
860
860
860
860
860
860
900
10 annos
i 000
3000
2900
2700
2700
2700
2700
2700
3090
lo annos
9000
7500
7200
7100
7000
7000
7100
7200
7500
20 annos
2:0000
1:7CO0
1:6000
1:5600
1:5500
1:5400
1:5000
1:6000
1:8000
As entradas por urna s vez do resultados muit? superiores s annuaes.
Mnimo das entradas 50000.
25 annos
4:7000
3:7000
3:5000
3:4000
3:3500
3:3300
3:4000
3:7000
5:0000
Porto, 10 de agosto de 1863. Os directores do BANCO NIA'O Jos da
Machado.F, M. van der Niepoort.
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C
numero 1.
Silva
ra da Cruz.
g Companhia fldcltdadc de g|
seguros martimos e ter- g
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
S agbntrs em pepnambdco
W Antonio Luiz de 01 i ve ira Azevedo & C, 2K
* competentemente autorisados pela direc- %
| toria da companhia de seguros Fidelida- 8
ra de, tomam seguros de navios, mercado- 23
S? ras e predios no seu escriptorio ra da S
S Cruz n. 1. H
Roga-fe ao Sr, bacbarel Cczario
de zevedo juiz municipal deGaran-
luiHS, queira dirigase praca da In-
dependencia ns. 0 e 8, ou annanciar
sua moroda para ser procurado.
Na ra do Crespo n. 14, primeiro andar, pre-
cisa-se de costnreiras que trabalhem de alfaiate e
com perfeigo, com machina ou som ella.
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descaerlas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte denlaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparares empregadas com muitas vanlagens, tem a hon-
ra do participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
fissao, advertindo que trouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes caout-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumenlos novos, ferramenta moderna, cadena de operacoes, etc., etc. dos mais acre
ditados fabrcenles de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso deservir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer loda
confianza.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manha al ao meio dia com cer-
teza c as i horas da larde guando nao tiver de ir em casas particulares.
O London & urazilian Bank, saca por todos
05 paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real. '
Coimbra.
Amarante.
VIliVA LECOT"
7Raa ala Imperatriz7
Miname Lecont participa aos seus freguezes,
qne receben pelo ultimo vapor um completo e va-
riado sortimento de perfumaras as mais finas pos-
sives, como sejam : Nouveau Rgnerateur de
Gell, nica para conservado dos cabellos ; rece-
ben tambem correntes de Plaqu, muito finas e do
ultime gosto para relogio, p d brilhante e de
ouro para penteados de bailes, 1,000 varas de bico
preto proprio para enfeites de vestido, e diversas
outras cousas. Avisa tambem que na sua casa
contina a faz. r todo o trabalho que diz respeito
a cabellos, como cabelleiras para homen* e sents-
ras. assim como penteados para fra.
O Sr. Joo Francisco de Pontes, ex-secio da
firma deCarvalho & Pontes, estabelecido com pa-
daria em Caruar, tenha a bondade de mandar
pagar a sua letra vencida a 2 para 3 annos, da
quantia tfe 100, na ra da Penha n. 23, primeiro
andar.
GASA DA FORTOM
Aos 10:000^000.
Bilhetes garantidos.
A' ba do Crespo n. 23 e casas do costisie.
O abaixo assignado wendeu nos seus muilo feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio do patrimonio de orphos,
os seguintes premios :
Um quarto n. 989 com a sorte de 0:000,5000.
Um quarto n. 2169 com a sorte de l:4i)0000.
vm quarto n. 1942 com a sorte de 500,5000.
E outras muitas sortes de 200, 100, 403 e
20*000. '
Os pessudores podem vir receber seus respec-
tivos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2" parte da 4* lotera a
beneficio da Santa Casa de Misericordia que se
extralur no dia 10 de margo.
PREGO.
Bilhetes.....125000
Meios......6000
Quartos. .... 3*000
Para as pessoas que eomprareui de 100-jOOO
para rima*
Bilhetes.' .... 11*000
Meios......:$:oo
Quartos.....2*730
_______________Manuel Mabtins Fuza.
Precisa-se alugar urna ama portugueza que
saiba engommar bem e coser, para urna casa de
duas pessoas : na ra da Imperatriz n. 34, pri-
meiro andar.
O sr. Domingos Gomes Fernandes tem urna
carta vinda da ilha de S. Miguel : na ra da Pe-
nha n. 29, primeiro andar.
Precisase fallar aos herdeiros do fina-
nado Cesario Marianno de Albuquerque
Cavalcanti sobre urna pequea heranca
que Ihes pertence existente no termo de
Sant'Anna comarca do Acarac provin-
cia do Cear, na ra estreta do Rosario
n. 23, primeiro andar, escriptorio do Dr.
Feitosa.
ALUGUEL.
Aluga-se orna casa terrea do lado A sombra,
no principio da ra do Varadooro, em Ojiada, com
I commodos para grande familia, por muito barato
proco : quem pretender, dirija-fcc a ruadoWw*-
mento n. 31, segundo andar.
Aluga-sa o segundo e terceiro andares do so
erado n. 62 da raa da Guia cora commodos cada
um delles para graiwle familia, os qnaes se achara
pintados de novo por aeabar de ser dito sobrado
coseeriado : e a tratar ao primeiro andar com o
prcenetario bacbarel Praoeisco Lniz Crrela de
Andrade.___________________ _^_
Gffereee se urna mulhr para cozlnhar par-
cular '. o m da Conceigao n. 62,
Precisa se de urna ama para casa de pouca
familia : na rna larga do Rosarlo n. 18.
Est para alugar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um Ia e 2* andar de um sobrado
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Jlo
de Barros, com arvoredos, agua de beber,e porto
para o beeco do Pombal : qnem pretender falle
na ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhaa at ao meio dia.___________________
Un sitio.
Aluga-se um excellente sitio na estrada dos
Aiflictos, tendo casa terrea e sotlo, com capacida-
de para morada de grande familia, diversos arvo-
redos de frnctos, e muitas outras eouaa?odidade*
que com a vista se reconheeera : a tratar na ra
da Cadeia do Recife d. 57.
ttaques aobrePortugal.
' O abaixo assignado. autorisado pelo 2
Banco Mercantil Portuei_se. e naausencia 9
J|doSr. Joaquim da Silva Castro,saca e-
afectivamente por todos o paquetessobre
gaspracas de Lisboa e Poro, e mais luga- *
(resdo reino, por qualquei somma a vis-I
Sta,e a praso; podendo, os que tomaren g
saques a praso,reccbereroNsla,no mes- 5
mo Banco, descontando 4 0|0 aoanno: na ]
Mioja de chapos da rna do Crtpo n.6, ou I
*oa ra do Imperador n. 63, srgundo an- i
Bdar.Jos Joaquim da Costa Mila.
ssMm mmmm mmmmm
Anda est para ser vendido o sitio da t-a'
vessa do Remedio na freguezia dos Afogados n.
21 : quem o pretender dirija-se a raa de S. Fran-
cisco, sobra do n. 10-____________________
Alfonso Jos de Oliveira, professor jubilado
da cadeira de geograpbia e historia do ex-lyco
desta cidade e competentemente autorisado pela
directora geral da nstruccao publica para ensi-
llar primeiras letras, latim, francez, rhetorica e
geographia, contina com aula abena destas mes-
mas materias na ra larga do Rosario n. 28, se-
gundo andar, a recebe alumnos otemos e ex-
ternos.
Samuel Power Johnston &, Companhia.
Rna da ."'erzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fnndleio deLow Ifoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d^ carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Quem precisar de um moco habilitado para
enslnar grammatica portugueza, latim e francez
nesta cidade ou fra, pode dirigirse a rna do Im-
perador n. 77, segundo andar, que achara com
quem tratar.
_ O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado paja o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io. molestias
2o
3o
JoSo Antonio da Silva, subdito portugue!,
vai a Europa tratar de sua saude.
de olhos;
de peito:
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias ds
6 as 10 da m.inha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer pera-
Co que julgar conveniente.para o m
8 prompto restabelecimento dos seus M
doentes.
MSMtt*SSttMBMi

\
i


Diarlo de Pemanibuco Sexta elra O Je Marco de 1&H&.


A luga-se
umacasa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, coeheira, quarlos para feitore
escravos.com banho na porta, no lagar do Poco
da Paaella, roa do Rio : a tratar com Tasso ir-
maos.na rna do Amorim n. 35.
Aluga-se um sitio na ra do Cabral
da cidade de Olinda com casa terrea, cora
cupiar na frente, bota os fundos para a es-
trada e margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-lo, arvoredos de ruc-
tos, sem visinbo defronte nem pelo fundo,
com ptimos passcios, sala e gabinete na
frente, muito propria para passar a festa, e
tambem se alugar por anno: a fallar no Re-
cife, no Recife, na liVrsria ns. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia e em Olinda na casa
contigua com o capito Antonio Bernardo
Ferreira._______
Aluga-se urna casa com bom sitio, na Ca-
punga Velha, que foi do Sr. Sebastiao Peana, com
bastantes commodos, tendo coeheira, estribara,
quartos para pretos e maitas fructeiras : a tratar
na ra do Imperador n. 46.
Na ra da Senzala n. 126, precisase de
urna ama para cosiohar.
Na ra Augusta o. 7, sobrado, compra-se
urna escrava que soja cosinheira e engommadeira
ou um moleque de 12 a lo aonos de idade.
Franca c Brasil.
J. Mercier, alfaate francez, precisa de bons
offlciaes e boas costureiras : a tratar atraz do
Corpo Santo n. 27.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velbas, pa-
-a-se bem : na loja de bilbetes da Praga da Iode-
dendencian. 22. _______________
Compra-se um escravo de idade que
sirva para trabalho de sitio : nesta tvpo-
graphia se dir quem quer.
Comprase effectivamente ouro e prata em
onras velhas, pagaodo-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de urives.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sem vicios: a tratar no sobrado
n. 32 da rna da Aurora.
Compra-se cobre, bronze e ferro cuado ve-
Iho : na fuadicao da Aurora, em Santo Amaro.
Compra-se um preto moco, de boa
conducta, para fazer algum servico de ma-
ndila e depois ir para o ganho, e um moje-
que ou cabrinlia, que possa servir para co-
peiro, paga-se bem agradando: tratar na
Capunga porto do Lasserre, sitio do portao
piolado de verde, do lado direito.
Compra-se urna escrava com habilidades e
que tenha ama cria : na ra da Cadeia do Recife
n. 64, segundo andar.
Dlnrrhcaa e a conatl-
puca* producidas
peina elaboraron
drrrl iiosna das all-
nicntoa.
As pastilhas digestivas com a pepsina de Was-
man, empregio se com successo ha j alguns
aonos pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., ora todas as incommodi-
dades em as quaes a digesto difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: es o melhor
remedio para curl as
Gastralgias.
Mspcpslaa.
mbararos gxlrlcoi.
A gastrlte.
Aa afforcea oi-rAuI-
cas da calamaco.
Em todas as molestias empregao-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente as pastilhas de Vichy. Esse meio 6 s
efficaz qu&ndo se trate de dispepsias de curta du-
racio, mas o prolongado uso das aguase pastilhas
ie Vichy, teni grandes inconvenientes., por quanto
os alcalinos cmpobrcccm o sangue e isso de tal
maneira que lhes arrebalhio a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contraro,
como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transforma-sc ao mesmo lempo que se effectua a
transformacao dos alimentos assimlhando-se
como cllcs c ajudo tabcm como elles a nutricio
Seral. Sua aegao vivifica o sangue e os rgSos
e tal sorte que, alh as pessoas que sem soffrer as
affecces gstricas cima mencionadas sao nica-
mente fracas ou d'um temperamento um poueo
dbil, necessilo substancial alimento para for-
tificar se, achSo no cm prego das pastilhas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a Uso
chegar.
Aviso importante. O successo das pastilhas
i pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
sincaedes c imitaedes d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falla d'uma
boa preparacio a pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo (Teste inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenhSo
as iniciaos B. P. e saiio da pharmacia Chevrier.
Depsitogeralem Pars, pharmacia Chevrier,
14, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiros.
PIIL.M CATH4RTICAS DE AVER.
Estas pilulas vegetaes s3o a-
daptadas a todos os usos de um
^purgante as familias, pois s3o
'perfeilamente innocentes, e em
quarjlo miiures de pessoas cou-
fessam com gralidao que foram
curadas por ellas de molestias
-severas e perigosas;nao ha
um s caso em que baja suspei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqu alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
LOJA
DO
BAL
DE
AZEVEDO & FLORES.
Roa da Caleta do Recife n. 17, esquina que Tolla para a Madre de Dos.
Atten#io.
S r&M I
lili8?
iilBl
2. o B 3 2
g.KSg-
fcBg
!.g-32
5*a --ES'3
YENDAS.
i
ALMANAK.
Acaba- de sabir dos pre-
tal de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Veodem-se diversas obras de direito como
sejarh : direito natural por D'Azeglio, Autran,
Abren ; direito publico ecclesiastico pelo Dr. Vi-
lella Tavaros, direito publico universal pelo Dr.
Autran, e direito romano por Heinecio, todos estes
livros esto em perftito estado e vende-se por
prego muito commodo : na taberna dos Quatro
Cantos da Boa-Vista roa da Gloria n. 93.
Mu
2.2.2 o
P ?"2
5 2 ..
m ?&'
s p,
a-~ g o-
c S a.
GRAGEAS
GL'SE CONT
Lfl.Il
DO
BALAO
Na esquina da ladre Deus.
Vendem-se baldes de 20, 25 e 30 arcos a 35 e
s*soo.
Veadera-se tres partes de um sobrado na ra
do Trapiche : quem pretender dirija-se a mesma
ra, escriptorio do corretor geral Affjnso, que se
acha enearregado de effecluar a venda.
Crise commercial de 10 de
seteinbro de 1864.
Acaba de publicarse um interessante escriplo
sobre a crise eommercial do Rio de Janeiro O Dr.
Ferreira Soarea, autor de. diversas obras sobre
sciencias positivas applcadas ao Brasil, acaba de
darnos com esta publicaga? mas urna exuberante
prova da sua dedicaran' pelo progresso do paiz.
Tratase no ultimo eseripto do Dr. Ferreira Soares
de demonstrar cem os fados verdadeiros a origem
da crise commercial de 10 de selembro de 1864, e
por tal forma consegue o autor os flns que tev
en vista que anda em resumido esbogo, como elle
o diz, j se conhere a origem verdadeira dessa
.atastrophe. Chmanos, pois, a a llene, ao dos es-
ladioso- para a leilura doesbo;o da crise commer-
cial do Kio de Janeiro, que se acha venda na li-
vraria econmica, na do Crespo n. i defronte do
arco de Santo Antonio.
Veade-s a taberna da ra dos Aconguinhos
rt 10.: a tratar na mesma.
Appioasdit peU Academia de Medicina de Parla.
Resulla petos dous relatnos, adoptados pela dita
Academia em 1840 e em 1858, que as guaguas de
SLIS CONT to o melhor e mais efficaz remedio
ferruginoso para curara chlorosis (alias fluor-albo), os
fluxos brancas, a fraqueza de cotnpleixao nos ilous
sexos, e tambem para ajudar a menstruago das mofas.
Etas Grageas nao sio Tundidas sent em caixinhae
ou ridros osbertoi com rotulo e fechados com ama lira
ltTando a firma do depositario s'ral : LABELOW2,
pfcarmacenUeo, ra Bourbon-ViUntuve, 19. Pars.
Deposito ijeral em Pernambnce ra da
Cruz n.22 em casa de Caros 4 Barboza
Irritae&o dos pulmoes. angi-
na?, tosse, escarros de
stngue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquido
e todas as innumeravei molestias que aflee-
to aos orgos da rospirarao
DES.IPPARECKH
: mediante a acgo da balsmica e irresistivel
Affccco cliro'uica do ligado.
li.i-M. Sr-
Jitiz de Fura,' 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que rae fez favor de dar um v-
dro, tendo tirado um resultado no espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
fermidades do ligado e baco, coai o uso
das pilulas posso lne assegurar que estou
bom, pois ten lo desappa'recido uns granda
engorgitamento que soffiia, muitas dores
sobre a regiao do figado e costas, dores de
cabeca, inchaco do ventre, nao podendo
deitar-me senao do lado direito, isso me>-
mo procurando posicao para ler socego, bo-
je me acho livre d'esse padecimento; como
por aqui ainda as niio baja, eu como tenho
este proprio que de casa, Ihe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do cbarope de
cereja, que tive occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve urna
preta que com elle curei, faco uso d'elles
ras tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as p-
lalas pode montar a doze, "porque tenho
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, ia d i ,mt e g e
resultado; sou btdoorojeandeoda
De V. s. attensgPs.ar
Francisco FEtrtEArERAit
lUieumalismo e ataques hemorrhoidaes,
Illm. Sr.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que sorendo eu dores 'pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annosl e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e
acompanhado de urna dr no queixo, con-
sullei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o aimanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta principie! a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portanto sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
JoAo Rodrigues Fk de Carvalho.
Gastrilc.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Atiesto que tendo feito uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
iquei perfeitamente bom de urna gastrite
que solTria e que privava-me de andar aper-
tado, hoje felizmente nada sinlo.
Augusto Goixatino de Mello.
Paletos de casimira ('saceos) li&, 11$,
O* e.........
Ditos de alpaca o e .' .
Ditos de alpaca branca oj e .
Sobrecasacoi de panno lino francez
Calcas de brim pardo 25300, 35, 35300
Ditas de brim branco V5, 45300 e .
Ditas de casimira de cor 55, 75, 85 e
Cortes de casimira~preta fina 75 e. .
Seroulas francezas linas.....
Colle.tes de casimira pretos e de cores
35300, 45 .......
Baldes da 20 e 40 ar^os dos melhores
que tem vindo ao mercado .
Camisas francezas a 25, 25300, 35 e
Madapoloes francezes (pe$a) 135, 145,
Pelos segnintes precos
85000
5000
45300
225000
45000
55000
105000
55000
15600
45300
55000
135000
Chitas para coborta (covado) .
Lias lisas da todas as cores .
Vestidos de liia Mara Pia muito fios
Lencos brancos muito fin>s (dazia) .
Um completo sorltmento de chitas lar-
gas de 303 a ........
Cambraias lisas brancas muito finas
(pe?a) ,.........
Um variado e lindo sortimenw de -cha-
les de merino estampados de 55 a
Seroulas de linho muito finas .
Aberturas de linho pregas larcas .
Bramante de urna largura ." .
Camisas de llanella bonitas, cores eco-
mmica<.........
neos de esguia'n.......
180000
25800
500
33000
85030
ADHIREH!
L3as lisas de todas as cores muito finasa
Os donos da loja do BALAO encarregam-se de mandar fazer qualquer olira de brim ou casimira
etc., para homens c meninos, ainda que a fazenda nao seja comprada na din loja do

Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco.
dem de gorgurao preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem de gorgurao de seda bordados com barra.
Superiores moirs pretos e largos 2#i00, 2.^600, 3#, 3>->00, ij, 5^, G.^,
75 e 8$ o covado.
Superior gorgurao de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhola.
dem dem lavrada a 2$ o covado.
dem idem lavrada muito superior.
Completo sortimentode grosdenaple preto a I#500, 1800, 2M$J00, 3>,
3<5500, 4?, 4,4500 e 30.
Pannos pretos de soper'nr qualidade de 3$ a 12 o covado.
Casemira preta Je 1$600 a 5$ o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes e retoudes de fil preto.
Mantas preles de Al e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na 1 ja das Columuas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcelos & C. successores
de Jos Morei a Lopes.
Falta de apetilc.
Ouro-Preto, 24 de feoereiro de 1864.
Sendo eu aflectado do figado ha muito
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou gracas a Deus por achar-mc sao
e perfeito com o usadas pilulas catharticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieira.
AHUITA
SSaK
AfpfttUa pm- HI144 ACauanias e atlas
1 u.111 iiia.li? uif.l.r.s.
i-, o/tte iNicaf i g'-r *' inolrslias abaiio
tit'y ;-4,^ .1 1 'a^iid^o da unguc em ceijas
u>( Mfi....., : '|iali,|ir'i pelos resfria-
. ni.- "mi - Kmi1W< '. '' ', l'-rntj,'i. I'raqucz
a, ''..11:1', i4 I 'ItSU/titti*. liUi'tuiuiiiisi* ou
I I, 1. i.'.i, .' oi-ct Srveiat.
> ,. ,|. mu ELICTUO-MACNS-
IC-. u m su. na certo |>ara a ruit de tadas
o, m lun'ia*, si-Bi rcrorrer se a ncnlmma eulra
aari 1 1. !.i ; ;,i ,n.| forma mu manejare!
. pro.)) / um i..iii'i'-/(U(-ni d'clla una, *> miil
..,1- i. 1/.. < 1, sul!ni rju presen*
, .>- m-'" i tu u-tK i' '.ti.i ajar ceenmpauba cadaEtcOTB.
CCrCSITO GER4X
Bvuliierl Ju PunceEu/iie, JK/,ri'i. '
Vende-se na ra do Imperador botica
franceza n. 38.
PEITORAL de KEMP.
I a anacaluiita mexicana que d o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito lempo se
ha usado no Tampico para a cura das en-
fermiilades cima mencionadas. Foi tam-
bem cnsaiada e approvada pela academia
' medica de Berlim O peitoral de Kemp
um xarope delicioso inteiramenle livre de
1 opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors A Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os estabeleei-
mantos pharmaceuticos do imperio.
Veridem-se no Becife em casa de Caors
: Barboza e Joao da C. Bravo & C.
- Nff paleo do Larmo n. I, vende-se feijo a
800 rs. a euia.
Vende-se ou hypolheca-se por 3:0005 um
; sobrado de um andar e sotao na freguzia de San-
! to Antonio cujo reade 45 mensaes : quem quizer
j annunee.
Vedc-se um escravo eroolo com 23 annos
de idade, bem feito e sem vicios : quem o preten
der diri^a-se a raa da Roda n. 47, segundo andar,
que achara com quem tratar.
Attencao.
Vende-se superior vnho do Porto em caixas de
orna duzia : em casa de Johnston Pater & C. rus
do Vigario n. 3._____________________________
Farinha da trra
Vende-se farinha da trra mnito superior a 85
o alqueira com 32 caas: na raa de Santa Rita
p. 3.
Constiparo, dores de caliera.
Ouro-Preto, 28 de marc.o de 1864.
Atiesto que achando-me atacado de urna
forte eonstipacao que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
mente por espaco de quatro dias; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas i-
quei sao e completamente restabelecido em
tres dias, de sorte que estou no firme pro-
posito de aconselhar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem affectadas de
constipaces.
Agostimio Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. _______^_
. irrilaeao do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muilo teuapo excessiva irritac3d
de estomago, pouco apetite e difficil dges-
tao, d'ella tenho experimentado sensives
melhoras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pebeira Bosa.
Lombrigas.
Ouro-Preto, 28 demarco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas) fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez annos, que
solTria de vermes inteslinaes, notando-se
que os symptomas que ento apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymundo Nonato de S. Thiago, pharma-
ceutico.
Farinha de milho,
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas : na ra do Rangel n. 3.
Vende-se a casa terrea n. 2o da ra de Ma-
thlas Ferreira da cidade de Olinda : quem a pre-
tender dirjase a tratar nesta cidade na ra Au-
gusta n. 59.__________________ _________
Gesso
barricas com gesso : nos armazens de Tasso Ir-
maos.______________________________________
Vende-se urna armagao de amarello toda en-
vidragada, propria para loia de calgado, tendo o
i balcao na frente um grande liteiro : a tratar na
ra da Imperatriz n. 6.______________________
Letames novos a 6,40U rs. a arroba-
Na palara atraz da fundicao do Sr. Starr ven
, de se ervilhas verdes, ditas amarellas c descasca-
, das, lentilhas e sevadinha pelo prego em sortimen-
to de 65403 rs, e conformo fr a porgo faz-se al-
1 gum abatiraento.____________________________
Potassa da Rassla.
! Acaba de chegar a mais nova e verdadeira po-
lassa ilaj^assia, e vende-se a preco comm-do: no
, escriptorio de Manoel Ignacio de 'Olivcira & Filho,
' largo do Corpo Santo u. 19.
Estopa a 24' rs.
a jarda : na loja da ru da Madre de Dos n. 16
defronle da alfandega. >3S
Vendase por commodo preco o sobrado de
tres andares e sotao da ra do Amo'rim n. 19 para
cumprlrordens de seu proprietario que se acba
ausente: qnem o pretender dlrija-se a ra do Vi-
gario n. 19, primeiro ander. ____________
Milbo novo em saceos grandes: no trapiche
di Cunba, a tratar co,m Tasso Irmaos.
H4CHINASDEPATENT
de trabalhar mo para
descarocar aBgodo
FABRICADAS
Por Pla Brothers & C.
OLDAB
Estas machina
podemdescaroga'
|qualquer especi>
de algodao seo
estragar o fk
sendo bastant-
duas pessoas par;
o trabalho; pd-
descarogar um
arroba de algc-
dao em earoc
em 40 minuto-
ou 18 arroba
por dia ou 5 ar
robas de algoda
limpo.
Va ce a
Na Piranga, defrontc ao sitio do Sr. Millet, ven-
de-se urna vacca mnito boa leitera com cra.
Vende-se
Nevralgit.
Urna carta do Illm, Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que solTria dores
no hombro e as costas, tomei urna infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito das, e es-
tou completamente restabelecido; ba tres
dias que nao smto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pilulas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e dregarias do imperio, e no
Rio de Janeiro, luaDiroitan. 15.
Vende-se em Pernambuco:
a pharmacia fraoceza de
P.MAURER C.
BA NOVA N. 18.
a armago da loja da ra Direta n. 31, de tres
pontas, propria paraqnalquer estabelecimento, por
prego muito barato : a tratar ua ra da Impera-
triz n. 63._________________________________
Sintos fiaissimos.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38,
recebenriquissimos sintos largos tanto de fita co-
mo de galao douradoscom ti velas, estes si otos sao
os demais gosto que tem chegado a esta praca. e
enfeites muito modernos para cabera.__________
Vendem-se seis terrenos {ara edificar, chaos
proprios, todos com frentes paraosul; quatro dal-
les com 30 palmos de frente, ddus com 40, e todos
com 150 de fundo ; a localidade a melhor possi-
vel, entre a ponte do Chora-menino e a da Magda-
lena, no mesmo ponto em que a companhia de Be-
beribe acaba de collocar um chafariz, agua de be-
ber ao p, to perto da cidade, para onde e d'onde
se pode fazer o trajelo a p, a beira de urna es-
j trada frequenladissima, dous portos, o do rio e o
da camboa. para embarque e desembarque, e para
banhos, cuja necessidade to reclamada em nos-
so clima quente, e clade clficada com tantas des-
conveniencias hygidnica;., sao eommodidades mu
vantajosas e aprcciaveis. Um dos ditos terrenos,
o da esquina ao naseente, tem duas frentes livre
e urna grande man,iu:r.i da nuis bulla e attratva
sombra, e de fructo-, cuj 1 excellencia nao cede ao
de nenhuma outra mangueira da provincia ; dos
outros torreaos, un tem boa cicimha e os outros
algumas arvores fructferas, cajunro, romeiras e
sapotizeiros qiH da) ptimos sapotis : a\ raa do
Imperador n. 14.
Vende se a casa de molhados na ra da Impera-
triz n.3t por seu dono ter de retirar se para a
Europa a tratar do sua saud", tem commodos para
familia,e faz-s-s irlo o negocio : a tratar na mesma.
Aos seahores padres.
Na rna da Cadeia n. 39 vendem-se superiores bi-
cos da trra proprios pira roquetes.
Vende-se a taberna n. 12 no largo da Penha:
a tratar na mesma,________________
Vende-se urna armago e seu.< peKences de
urna taberna livre e desembarazada de todos os
impostos : quem a pretender dirija-se a ra das
Cinco Ponas n. 63. .
Vndese ama casa terrea bem cousnuida,
nos Afosados, ra do Motocolamb o. 2 : a tratar
na raa dos Quarteis, taberna n. 18._______
Vende-se urna neg.a de meia Idade sem vi-
cios, muito sadia, que sabe ensaboar e ozinbar
com perfeigaoo diario de.umaeasa; na ra da
Gloria n. 80.
Assim como machinas para serem movidas po
animaes, que descarocam 18 arrobas de algod
limpo, oor dia; e motores para mover urna, duas,
eutr;s dessas machinas.-
Os mesmos lem p-ia^nder um bellissimo va-
por que pode azeWnover es deslas machina*
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da poete nova n.47.
Sauuders Brothers & C.
X. II, praca da Corpo Santo
HECIKE.
Os nicos agentes neste paiz. _____________
lo aniHzeui de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Raa da Qu^imado b. 19.
Vende-se o seguate:
Lences de panno de linho
polo baratissimo prego de 500.
Lences de 'bramante de linho
de um s panno a 3300.
Coberta de chita da India,
pelo baratissimo prego de 2500.
Lencos de'cambraia brancos
proprios para algibeira, a 2 a duzia.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varasj
propria para saia, a 4.
Pecas de cambraia le forro, a 2G00.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 3 e 6 palmos de lar-
gura, por menos prego do que em outra qualquer
parte.
Toalhas alcochoadas para m5os
53 a duzia.
Lazinhas carmezim miudmhas
proprias para vestido de menina, a 600 riso co-
vado.
Lazinhas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a 560 ris <
covado, neste armazem de fazendas se encontrar,
um grande sorlimento de roupa feitae por medid.
CfJIPENDTOrDOMOSO
que cotitm o oflicio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros ejerci-
cios de piedade e devoro; ordenado pe-
la irman lade dos serves da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egrej de N.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres misionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S.M. I., que Dcusguarde;
dado luz por devocao do muito reve-
rendo padre Fr. Placido de Mi&sna.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
DROGARAN ~
31Ruaarga do Rosario31
Bartholomeo Francisca deSoaza kC,
Venden:
Acido actico pnro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Gaarnigdesavelludada?.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Veneza, fino, em paes.
0 V1GILME
lkna do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pele | oe-
poso Uallisa, na sua ordeni do da, t pi a Bisnca
Aguia,apesar de que, para este.' o Cailtuoi .'eu.-
agudosesporoesnuncaos offeuder, i.its es apre-
ciara na mesma conformidade. para qne o Baliza.
possa marchar em frente, a Branca Afvi prsja
levaatar>ea voo,|levando no bico as paliebas sen
niulnja o Callo Qcara em seu espaetsi campo
lando le novo o seu canto anounciando asets
bousfreguezes e aorespeitavel publico
0 grande sortimenlo deobjectos dcmuiloijostoqte
acaba de receber.
Rica caisinh'as com msica ricamente ftftitf
das para costura, projirio para um delicado me-
nino.
ftiiiaissintoscofresinhoa com cadeadosde uetai
para guardar joas.
Ricasc.11 xas cjin estejo, oootendo todos ts per-
tenees parahomem.
RiquUsimas rollan linv'indc perola.
Uila.s com lacinho de lira.
Ditas dolindas cores e preta, de todas as frc.--
suras.
LindosaJeregos com pedrinhc tii.'Cirdo tra-
illantes.
Ricaslivellas para rinto, de todas ai qtsltsdt
e bom gesto.
Ricos cintos do ultimo posto de Pan.v
Grandesortimento de lindos enfeiKs iru. (le-
ga^ sendo do ultimo gosto e detodrs ff pif <,?.
Flores muilo finas para noivas.
Lavasenfeitadas e meias de seda [au iu\tt.
Touquinhas sapatinhos e meiss de sfc*a |ii
baptisado.
Riqoissimas fitas de todas as qualidat'is |i la-
go,ciise cinteiros.
Camisinhas c golinhas para senhora.
Riquissmosjarros e figuras para minute de
sala.
Grande sortimentode grsvatin.'isstatte |iia st-
nhora como para homem.
I-uvas de pelica branca c dr- cres.
Cascarrilhasde bonitascre?.
Trancinhas.galo e maravilbas para f r..'i i! Transelins de cabellos e d retrez tara m1cs
Papel amisadee de outras qnalidadr*
Kolsas para vagerr.
Enlremeios e babadinhos delirios \iiit(t.
Lencnhos de linho bordados.
Veas para homem, senboraF. rr as.
Fitas de veludo lisas e cem tral.ne d ut; ;
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as nv.slu'ziis.
Grande sortimento desabneles.
Lindos vasos com banha para offen cuMLtrs.
Caixinhas com seis frasquinbos.
Essencias de todas as qualidao1.
Agnaverdadeira Florida.
Agua daColonia, em garrafas eranir-. c IB
. irascos quadrados cgarrafinhas.
Pomadatina de todas as (jualidades.
Superior banha em frascos e copos dt tcdiscs
tamanhos.
Sahaoinglez em paos grandes e peqcrns,
Escovasde cabo de madreperoln. naifn e de
iosso, para denles.
Pentes para desembarazar, com fmo t r ft| t
1 sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas oiiiras trals-
des.
Pentes de tartaruga para senhera.
Ligas de seda e de algodao, assim rett < ntiitcs
utrosobjccios de posto quesera iirrtJiif+Tifi
oinar.que a vista far f, s no Gallo Vifilecte,
cub do Crespo n. 7.
V tilinta*.
Lindas voltinhas de perolas falsar-iui 11 nidias
lingindo brilhantes,'assim COBO fiMii I; > m fas
ie voltinhas. pelo barato preco de l^i/<(,*
cruzes avuls asa 400 rs. so no "VigilJli*, ica v
Crespo n. 7. r~)
Leqnes. '
Riquissimosleques de madreperola lar'f prra
senhoras como para meninas,pelo ltalo jkio
de 125 e 11^; s no Vigilante, ra de Crespo
n. 7.
Fitas de la.
Fitas de laa de todas as qualidadts, prcprial pa-
ra debrnm de vestido a 700 rs. a pega; s rt Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Reos espelbos.
Riquissimos espelbos com molcira du'r'a*
sem ella de 85, 105, 12$ e 14, assim frito rom
celumnasde dilferentes tamanhos a 2i, ?.'i?, ?
e 6 ; s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riqussimos'jarros e figuras de porreara Era,
para enfeite de sala, sendo omelhorgosto (.rt rf r,i
tem apparecido; s no Vigilante, rea de Cuspo
n. 7.
Para pos de arrci.
Riquissimos vasos cumboneclapara p df-arrc
cousa de multo gosto a 15S00 e ?$, assim nmo
pacotes s com os pos a 320 rs. rada ttr: s no
Vigilante, ma do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de estrados e i.arfas. ruta-
das, assim como de lindo; copos ou tUMt fcni dis-
tlnctivos e offerecimentos as siDhasir l.;s ('me-
lhores e mais afamados autores de l'aiis elrj'ftfr-
ra, assim como os grandes copos de tai ha jaiereta
a 2t e a 1,8,assim como outros objertTf ,i o ifo e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fiopce-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vipmte.
rna rio Graspo n. 7.
Arua Florida.
Cernalo remano
e de Portlanj : do armazem de Tasso Irmaos.
Para restabelecer e conservar acor Daicral
dos cabellos.
A agua florida nao urnarin(nra,frte> f-sset-
cial aeontestar, a mesma agua dando a cor | rim-.
tiva ao cabello. Composta de plantas exi ticas e
de substancias inoffensivas, ella tem a pro| 1 in'; de
derestituiraos cabellos o principio ccrantr r, f ).
les tem perdido. D'umasalubridade rurtfsta-
vel,a Agua Florida entretem alivpeii d,~ iIcr
destroe as caspas e impede os cahellrs de filir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetars eiotra, te
constitiie poderosamef1, com a Agua Fie 1 ida, a
torga, a belleza e a conservago dos cat>..
m Pars, casa de Qoislanr n. 12, ra t'e Rete-
lien, e 21, boulevard Montmay'rr.
Todos os frascos, nao tendo intacto e.ckro.o
timbre prateado da casa, sao reputados fals's.
Deposito, rna do Imperador,pharmaria o. 38.
Goke do gaz.
Pltcb do gnz.
llcatro do g.
(xike, tonelada iOOOO.
Pitch, arroba 3^000.
AIcatrao, caada ."00.
O cok reconhecidamente o carv'ic mais irerc-
mco, torna-se por isso rccorntiiendrcl, t mo pelo aceo que se ola as casicl a 'f r/e P
elle usado. Pitch e alcalrao, alfm s ai'"'mr.*rf-
g5es diversas a que se prestao, ermo ;arar;!:;fa
tr embarcagSes, alcatroar madeira?,, etc., tfre-
estes a propriedade de preservar do rnpir, tr-
micas, etc. ealregne na fabrica ^0 car. rr man-
dado por em qoalqner ponto da nUa!e, .-nuidc a
tontadedo comprador t previo ajuste._________
Azeite de carromato
Vende-se por atacado ou a realho mis f .'rato -
o que vendem os malutos as cargas : ra f;.tri-
ca da travesa do Cariara 1. 2, .caes de,R*irc,


II I ^BWI mmmm


Diarlo de Pernamburo Sexta felra O Ce Ha reo de i 8tt5
''
AURORA BRILHANTE
GRANDES ARMAZENS
i*e
MOLHADOS
mmmmmmm
Largo da Santal
flCroi ns. 12e84,
"gesquina da ra do]
tCebo. *
.1
ESPECIIS
Largo da Santal
^Cruzns. 12 e 84,*|
esquina da ra do]
iCebo.
e<*mm
O dono dos ja muilo acreditados armazens de molhaUos denominados Aurora
Brilhante, acaba de receber de sua propria encommenda, muitos gneros delicados
proprios da presente eslaco, e tendo grande sortimento comprado aqu, allanta que to-
dos es seus gneros sao de primeira qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
tadores.
Nenhom armaren) vender mais barato, e methores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo graade sortimento que tem, j mesmo por seu dono seachar encom-
modado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outro na pr-
xima primi.vera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
t barato.
Latas com 8 libras de chourieas muito novas, k* Viiih verde superior.
755U0 i A canada a 3,3500 e a garrafa a 430 r>.
unas grandes cora peixe em postas inteiras, i (.amina
matad. 12 qua.idades, a 1*000, 1*280 e | Saccas d(J. 4 aub a verdadeira de se*
engommar, a arroba a 3J00O e a libra
19400.
Ditas com ostras, excellente petisco para fri-
j gideira, a 720 rs.
Ritas com arvilnas novas, ensopadas, a 720 rs.
> Ditas com favas, a 040 rs.
'4*< Ditas oom ameixas a 15200, 15800 e 35300.
qfDitas com marmelada do afamado fabricante
fjm Abreu. a 880 rs.
p jf Ditas com n.assa de tomate, a 300 rs.
Vfcr Ditas com ngos de comadre, novos, a 15300,
5e 25500.
(Ditas rom boiachiaba de soda muito novas, a
25000.
l Ditas com biscoiiinhos ingiere? de muitas qoa-
$$ lidades, a 15400.
Chocolate.
superior muilo novo, a libra a
[Chocolate
15200.
Macarro, lalhariam e aletria amarella, a libra
' a 480 rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha, pevide, e outras mas-
i sas, a caixa 3*500.
I Ditas dita em libras a 640 rs.
\&m, a libra a 360 rs.
'Sevadinba para sopa a libra, a 240 rs.
Emilias seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
.'Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Parinha de araruta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroz do Maranbo, em sacco, a arroba a
25400 a a libra a 80 rs.
jDito da India e Java, a arroba a 3*200 e a II- Cartas floas Par Jt"ar, a duiia a 25 -
lira a 100 rs. Caslaaaa.
'Toucinho de Lisboa a 9$500 a arroba e a 320 Cistanhas novas vindas neste vapor, a arro-
I rs. a libra. ba 45000 e a libra a 200 rs.
{Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a! Azeitonas.
260 rs. i Barris com azeitonas novas a 1*300.
.Muihos com 123 ceblas grandes, a 1J280. | Manteiaa
).\i-.tar.la frauceza, caixa com 2 duzias a
120 rs.
Sabo massa, a libra-a 200, 240 e 280 rs. ]
Fariuha. <
Saccas grandes enm farinha de Goianna mui-,
to nova, a 5*000.
Cal.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*,
8*500 e 9*000. <
Cha. i
Cb, temos nestes gneros o mellior' possivel, *
hyson, a libra a 2*600.
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 25700.
Dito hyson muito lino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto" de primeira qualidade a 2*500.
Dito mais baixo a 25000 e 1*600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacete.
O masso com 6 velias de esporraacete a 600,
640 e 720 rs.
Panas*
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e 2*500. .
Ifam.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 4*000.
Alpisia e paineo.
Alpista e paineo, a arroba 4*000 e a libra a.
160 rs.
Cartas.
8:000.
# frascos com mostarda preparada em vinagre,
a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas, a
A^ 6i0e800rs.
tj-pDitos com sal refinado fino, a 640 e a 300 rs.
l.j Ditos rom a verdadeira genebra de laranja, a
1*000
Ditos de 2 garrafas de llollanda verdadeira, a
640 r*.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
,.Garrafdes com 2 galoes com dita, a 6*.
. -i vi-j 1 boa. mam:., 300 rs. a garrafa, e a
> doria a G;000.
^Violto scale! de Selubal, a garrafa a i .
. Marrasquiiihi) verdadeiro, frascos a 80C rs. e
4 a 15200.
(Champagne, a duzia 205000, e a garrafa a
2*000.
Atarte refinado portuguez e francez, a garrafa
' a 1*000.
Caia d.- vinho Bordeaux muilo superior, a
75, 8*, 9* a 10* a caira.
'Ditas com dito branco. a 7* a caixi.
Ditas com dito lacrimas do Douro verdadeiro,
a 20*.
* Ditas rom duque do Porto verdadeiro,"*
, 18*000.
.Ditas com chamisso superior, a 14*.
'Ditas rom Porto velho e outras murtas mar-
cas, a 12*.
i Vmli i do Porto da pipa, a garrafa a 640, 720
eSOOrs.
D;to .1" l,sima muito bom, acanada a 3*200,
i 35500 e 4*. e a garrafa a 500 e 560 rs.
(Dito da Figaeira, das seguintes marcas (X.)
(J. A. A.) (J. L, G.) (O. M.) a canada a
\ 4*300, e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
> que j est engarrafado e lacrado com o
rotnlo do armarera.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
i da a 3*300 e 4*000, e a garrafa a 480 e
320 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
'D:to de caj muito superior, a garrafa a
I 800 rs. '
Manteiga superior, a libra a 1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e raeios. ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijus.
Queijos novos viados MSte vapor a 3*260 e\
3*600.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
1*000.
Papl.
Papel almajo paulado, a ruerna a i*800.
Dito dito lixo Je lioho, a resma a 4*500.
Dito de peso liro e pautado, a resma i
2*500.
Dito de embrulho, bom a 1* e 1*200.
Vinho Hadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xcrer e Ma-}
deira a 1*500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominlio
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a,
480 rs.
Anendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a l*(M)
e pequeos a 640 rs. *
Tajlas de limpar.
Tijolos de arcar facas a 14Q rs.
(raa.
Durias de boiSes de graxa n. 97 a 25000, e i
de latas a 15000, e os boidos a 240 rs. ca-|
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos Anos dos melhores fabricantes da,
Bahia por diversos precos, caixa e meias;
caixas.
s. caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
Laboratorio enologico e ctiimieo de F. P. Lebeuf e C.
ra Montmartre, 31, em Paris.
Fabrica em Argcnteuil, prs Paris (Franca).
BONIFICADO E FABnlCC\0"
Das viohos, agaardentes e licores.
nunciar-se.
4TTEN(
AO
NOVO ARMAZEM DE MOLHADOS
Af. 18Roa do Cabugn. 18,
Defronte da matriz de Santo ntonio,
DE
Lima & C.
O proprietario deste novo estabelecimento avisa ao respeitavel publico, que acha-
te pi-ovido de um completo sortimeoto de molhados e seceos, todos novos e por precos
ritmodos.
O proprietario nunca qau annunciar pelo jornal a existencia de seu estabeleci-
ojftto ; porm, como faz-se necessaria a noticia aos senhores de engenho e agricultores,
ip mandam seus portadores directos a esta ou aquella casa, motivo pelo qual ospro-
elarios o fazem agora.
Aproveitam a occasio para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
j. rnlo se achara sempre completo de um variado sortimento de molhados. seceos e ou-
trr, objectos pertncentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos se rao menos 5 por cento do que em outra qualquer parte, e para
( te fffli chama-sea attenco de todos emgeral.
t)s pesos e medidas, e qualquer engao dado na casa, sero garantidos pelo dono
em favor do consumidor, em qualquer occasio que reclamar.
Os iH'oprietartos deste novo estabelocrmenlo esperare dos seus freguezes, e do
1 .'-'.ico em j?eral toda a proleccjlo. prometiendo os pronrietarios da Flor dos Progfs-
'so tirar to smente um Ukto razoavel do laborioso trabattto, com que posiam dar
cimprimento a esta ardua mtsso.
Achando desnecessaria a pubiioao dos precos minuciosamente explicados de
sons gneros, com o que geralmcnto todos fogem, pelo motivo n5o somentede serenfa-
C ?M, como tambem por nWjraler, os proprietarios tm smente em vista entreter s
sotii consumidores com gneros ovos,"T^r$os mais razoaveis do queem outra qual-
|ner parte, pois sero as garantas part a proteccio ao Novo Armazem de Molhados.
Fl.Olt DOI l'ROURG^OH
Y1N1I0S.Imitarao dos vinhos de todas as
qualiJades,Extracto de Medie, adose para 230
litros, 1 f. 23,de Bordeux, 2 f., de Pomard, 3
f.,de Lisboa, 2 f.,do Cataln, 2 f.,de Porto,
Xerer, Muscatel, Malaga, dose para Vi ou 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e lodos os outros. a dose para
500 litros, SO f.
CLACIFICACOPos Inglezes, pos dos viohos
da Hespauha, da Franca, etc. A libra para 500
litros, 5 f.
AGUABDEXTES.Essencla de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIBSCHE ABsINTlIO.-Essenciade kirsch e
de absintho, para os farer com alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 5 f.
LICOBES.Extractos para fabricar se todos os
licores conhecidos sem foso nem alambique, (in-
dicar-se os que se deeja.) A dose para 20 ou 2o
litros, 3 f.
PEKFUMES para fabricar-se'os licores finos ou
communs a dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
Vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encommenda.
UTENCILIOS de laboratorio e de chiraica.
engaado nossos
0
NEM CORO AS NEM MITRAS
E
GRAUDE ARMAZE9I
COLORACAO.Pnrpirigine para colorear os
vinhos bxaneos e vinhos claros. As duas libras
para 500 litros, 16 f. ^~5
Algnns de nossos agentes tendo falsificado e imitado nossas preparares, e
freguezes, deve-se exigir sobre as rochas e rtulos as iulciaes F. V. L. Paris,
0 modo de usar-so das preparares acha-se indicado no rotlo.
As eniuniiin lis divjm >:r ao n.iauhitii por um letra sobre Pars ou qualquer outra cid;
de de Fran$t, ou ftfaotfdts p>r umt casa con'vwida.Dirigir-se aes Srs. Lobeuf & C. chimicos, ru
Montmartre,n. 31, e.n Paris, oa sai fairici en Ar^eateuil, prs Paris.
Vende-se na botica fraucera, rcra dj I nporudor n. 38.
RA DO IMPERADOR *. 40
Junto ao sebrado em que mora Sr. Osbarne,
Duarle Almeida *SL C, receberam de ana propria encomkto-
da o mais lindo e variado sortimento de molhados, propvloa
da presente estaeo.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra novavinda no ultimo vapor a l.ooo]para sopa a melhor que se pode desejar,
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
CONSULTORIO HEIHCO-GIKIRGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO.
HEBICO, PARTEIRO K OPERADOR.
3 Rna da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s i
ooras da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noe, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio-oa sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
> de 24 tubos grandes. 18000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubosgrandes. 300000
> 4e60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquerxarteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedi
pie se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10^00.
Sendo para cima de 12, custaraois precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LIVltON.
A melhor obra da homeopatliia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jah
ions grandes volumes com diccionario............ 9^"
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 100000
Repertorio do Dr. Melle Moraes...........'.. 60000
Diccionario de termos de medicina ...,...,,.. 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
te de seren novamente recommendados as pessoas que qaizerem usar de remedios ver-
dadeiros,energicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-seescravos para tratar de qualquer enfermidade on fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre annns, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
ieentes.
Paga-se20000 por da durante 60 dias e d'ahi emdiante 10500. ,
As operacoes serao previamente ajustadas, se ne se quizerem sujeitar aos preco
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
FABRICA RE CHIPOS DE SOL
Manteiga franceza
pa <360rs.
Ame 'ion^
coufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Oartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
IVIT!*.
com bolachinbas de soda de todas as.qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas asqualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabrican tes -a 800 rs., tambem
tem velbos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
QueIJo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excehante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas ingleza.^
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
propria s para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nlo pode Tender por menas de
i:} u v *''
dem perola
dem hvsson
mais aromtico que tem viudo ao noss
mercado a 20600.
par sopa, macarrSo, taiharim e aletria a
480 rs. abra.
bmuito afamado cognac Pal Brandy a i,8oo
rs. a gaixafa e de outras muitas quaiida-
desa l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
V 3
rs. a
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5e rs. cada nm.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
Jidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente quaudade a 20200 a resma,
PAPEL
Rua ivi esqnlat da Caotboa do Carmo e rna do
Canng n. 8.
A directora desse e as provincias do norte do hnpaA. i|aerenio que o pablico desta provincia goze das azu' e Par(^0 para embrulho de l,4oo a 2,2o
vantagens que proporciona a fabricano em grande escala e directa relaciio com as mais
importantes fabricas da Europa, faz scieate que resolveu-se a vender ainda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabe'la :
Descont em duzia.
20 %
10 %
15
1
u o
Cbapos de sol de panno a 20000.......
armaco de baleia a 20500 .
de seda armaco de aso inglez de 20 pollegadas
40, de 24 50, de 26 50500 e de 28 60......
Chapeos de sol inglezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 90, e de 28 100.
dem idem a balo de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26120, e de 28 130......
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na resma casa
como sejam de alpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os lmannos e feitios, os quaes sao lo vantajosos como os annunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, cutilaria fina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-se igualmente em porco e a retalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
lhar pelo preco que o estabelecimento retalha.
-N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia sero considerados como
a retalho.
/
'Jes
(Chales de renda preta e bournus deguip preto^
A' leja da rua de Crespo n. 17,
DE
JOS lOJIES VILLAR
Vende a 13J, 20, 300, 400, 300 e 600, capas e casacSes de gros pretos, chapeos
e chapellnas de palhae outras militas fazendas proprias para a qnaresma.
' Jos Gomes Villar pretendeodo ir a Europa tratar de sua saude espera que seus
devedores tanto do mato como desta pra$a saldem seus dbitos quanlo antes.
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias par
podim a 8oo rs. a libra.
Flinir
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l.ioors. abra.
Vinagre
PRRem aacoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cekllas
as mais novasdo mercado a 7,ooo rs. a caixa'
e l.ooo rs. o molho.
Alpista o hunco
0 TilSS0 d0 Trcad0 a ^ a libra^
e 40400 a arroba.
CEBLAS
mu.touofasa 10000 ocento naruado Que:-
raado n. 7, rua dolmperador n. 40 elar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muite novo a 30400a arroba e 140rs. a li-
bra na rua do Queimrdo n. 7, rua do-
Imperador B.40e largo do Carmo n. 9.
QUE/0 SJSSO
m Oue rnaZn3 ? rs^ a libra na rna do
Os
macarro, talharim e aleiria a 4Cu rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A-e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a canada,
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao as seguintes: Chamisso Filho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e-20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mat.
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
metas caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1. e 2. sorte do Rio de Janeiro a 805*
e.80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
CiarrafSea
com 4 '/* garrafas com vinagre a 10OOOt*a
ogarrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco", e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2ors. cada caxinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa*
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezonto de Lamego a 52o rs.
3 llura.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs
a libra e em caixa ter abatimento.
. VELAS
de carnauba em caixas de" arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs
a libra.
Passas muilo novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e C50
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
eT?8bn!?8 eIT:al qUe Se P6de de*
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao
a wu e 10 ocaixe.
. GOMMA MUITO NOVA
emrT,liriLe l e 2 arrobas a 305CO a '
roba el 40 rs. a libra na rua do
ar-
Coei-
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba e 16s rs. a libra e compran-
do de um paneiro para cima se far abatimento na rua do Imperador n. 40.
CHG64R4H OSNOIMOS CHILES DE
FILO PRETO.
Siperiores chales de fil preto chegados pelo nlmo vapor frar ez, a-
lojadasrohnr.nasrua do Crespo n. 13, de An'onio Correia de Vas'xrcel-
los & C.
dot?m^r.ro,mpwadorn-4oe,a^
. BOLACHINHAS
a lata' defferentes calidades a 1^200
.. QUEIJOS FLAMENCOS
ebegadosneste ultimo vapor a 20800 na rna
do Queimado n. 7, rua do Imperador n
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na roa do Imperador n. 40.
DE
DE
J. VIGNES.
Os manos dt". ??' 7i RlJAv IMPEADOR N. ft&.
sna suDeriorid^ t,J!,ga bnca **?*>!* ^^ coiihecidos para trae seja nec'eaario iiisistir sobre *
S OUf eles m ^flgv S e arantias^(3 offerecem aos eobpraores, qualida^s estas ES
la ndlura teclado Sv eD'e C0(^^ *" todo o. que tem appareeido nesta pra^X
^^3LF*P^&r*T T* obedecen 'odaa as voiitedes e caprichos das plinistes seaT
So* a ?Htar2Labf"ads de Pr9POs>. e ter-se feilo ultiroaraente meftoramentos importan-
o^ o"mslZwiS^a* VMCS mddk,eHlS C ftlatadaS' **i stomto adrada-
imSSSISL'aS'SI6 as em!ommeBda?. tonto nesu fabriea como na do Sr. Btondel, de Pars, socio
cotwpondente de J Vijrnes, era coja capital foram sempre premiados em todte a eiMsieae*
ttiivlrflc ^^bei?,meoto se *5h* semPre OTP)<'lido variado sortimento dmusiow dos
Zv^lJz?! a BarPa' *93i orno harmoMcos e pianos tarmoakosy sendo todo vendido por
precos commoaos e razoava.

N
/



Diarle de Pernaubico Sexta lelra i O le Marco de 1S05

Fazendas pretas para a qua-
resma.
Ya loja 4o Pavo.
Acha-se este estabelecimentocompletameote sor-
ti do de fazendas pretas proprias para a qaaresma,
a saber :
Grosdenaples preto largo e maitissimo encorpa-
do, outros mais estrenos tendo dos pregos de
15280,1K600,15800, 25, 25400 e 35, superior
moreaatique preto a 35, superior sarja preta hes
Grande liquidadlo de fazen-
das feas, ruadalmpe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de Louren^o P.
Mendes Guimares.
Fazendas para o carnaval.
panhola, superior seUm preto maco,' nas capas -JS*8;!6 ,^51?S COres a 80 rs'
pretas bordadas, souteinbarques muito bem enfei- I al^liLT?^ IlAC0Vad_'_ sarJeliin _^
Importe do genero que
tadas, ricas vasquinas e casacos dos mais raoder- r r? oaVnaf A^Ci df cor.es propria Bao agradar.
nos me tem vin/to nnAPi^ m,.outac m.e. !" \esiuanos a 320 e 360 o covado.tafet de seda m
AO PUBLICO
Seni o menor constran-
giuiento se entregar o
nos que lem viudo, superiores manteletes, cam.si-. KtadHas JTes 600 rTn0pnOT5do,to,e, deS6da'
has com manguitos proprias para luto e ricos I .;?. .?S Srs.a.?_ Tt covado : rna da ^Pe-
chales pretos de rede, tudo isto se vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parte por ser a di-
nheira : na loja do Pavo ra da Imperalriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do Ravao.
Acha-se nesle estabeleciment un grande sorti-
mento de roupas feitas para homem como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
muito tino e forrados de seda a 225, 255 e 305,
ditos forrados de alpaca a 145, 165 e 205, supe
riores paletots de casemira tanto saceos como
ratriz, loja da Arara n. 56.
Chitas baratas a 240 rs.
Vendem-se cintas finas a 240 e 280 o covado, I
chitas francezas finas a 320, 360 e 400 rs., cassas i
finas de cores a 320 e 400 rs. o covado, percalas
linas para vestidos o 500 e 560 o covado : ra da'
Imperalriz, loja da Arara n. 56.
Caries de canibraias, a Arara vende a 30.
.^Pdem-se corles de cambraias finas brancas a
i ,' e S*' corte5 de cassas francezas finas a
J, cortes de chita de 10 covados a 25400, ditas
finas a 35200 r na loja da Arara, ra da Impera-
lriz, n. 56.
ATTENCAO
Oa presos da aegalnte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajnste de contas
com os portadores.
so-
brecasacos, ditos de meia casemira prelos e de co-
res, ditos de bnm de todas as qualidades, colletes
de casemira pretos e de cores, ve:ludos, setins; Arara vende cortes de casemira preta a 3500.
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos | Vendem-se cortes de casemira preta a 35500
melhores mestres nacionaes, manda-se fazer qual-: 45, 55 e 65, ditas de cores a 33 45 55 e 1& cor- i
quer obra por medida: na loja do Pavo ra da tes de brlm e ganga para calca a 15600, 15800 e
ARMAZEM UNA
reza com
Imperalriz n. 60, de Gama & Silva
Chitos em caries con 10, 11 e 12 covados
Na loja do Pavao vndese urna grande porco
de cortes de chilasf nncezas sendo claras e escu-
25
a 65
roa da Imperalriz, loja da Arara n. 56.
Panno de linlio a 640 rs.
pra dos generes que prec sarem, e quando nao possam
pois sero to bem servidos como se viessem
outra parte.
Vende-se panno de linho para lenges e toalbas nM,t-{. .,
6io e 720, hamburgo a 500 e 560, bramante de Manieiga ingleza especialmente escdhida a
ras todas de coresf. cora 11 eovados a 35&00 e com 12 covados a 45, rairiz n. 56.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Concei^ao)
PARA BEM DE TODOS.
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimenlo, e mais que ludo a prompiidao e inlei-
que serao tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e preferencia na com-
nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes tejam pouco orticos
pessoalmente, bavendo para com estes toda recommeriuXo, afim de que nao vao em
pechincha para se apurar dioheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da Imperalriz n. 60.
Grande liqaidaciio.
abatimento.
Vendem-se bales americanos a 35,35500 e 45,
ditos de musselina a 45500; pecas de madapolo
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas entestado a- 45, dito de 24 jardas, largo, a 65000,
Arara vende os Mies a U e madapolo a 40. {dem francezaa mais nova do mercado a 9 lo
500, 75, 85, 95, 105 c 125, finos, algodo pe-
cas a 55, 65, 75 e 85 : ra da Imperetriz, loja
da Araran. 56.
do Pavo de Gama 4 Silva.
Acha-se este eslabelecimentocompletamente sor-
tido de fazendas Inglezas. francezas, allamaas e
suissas, proprias tamo para a praca como para.o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que,
em outra qualquer parte, principalmente sondo em 205 > 2i>5, capas prelas de grosdenaple finas a
porco, e de todas as fazendas do-se amastras, I 205. 255 e 305, soutambarque de laazmha a 75 e
rs. a libra e 900 rs. em barril- ou meios.
Cha liysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
Vende;seS:ot,rmffquePper5o de gfosdenaple a "^^^^^[^^i^^ f
deixaodoflcar penbor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
Camisinhasalg.
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senboras a
meninas, pelo barato preeo de dez tustoes cada
urna : na loja do Pavo, ra da Imperalriz n. 60,
pe Gama & S:lva.
Cortes de cassa a 3)5.
Vendem-se mtiilo bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corto, com desenlios muito delicados
pelo baratsimo preco de 350CO o corte : so ns
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
di Silva.
Cambraias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia lisa muito fina,
tapadae transparente, pelo baratissimo orego de
45 tendo 8 1|2 varas cada peca, ditas muito finas
a 75, 8J e 95 a peca, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo preco de 75, 95 e 10, ditas
Garrazes fazenda mu'to encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a pe-
ca : isto na loja do Pavo ra da Impojatriz n 60,
de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo.
Grande pechincha a 35500.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imilQco de Urlatana com mnitos
delicados desenhos, moho proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 35500cadauro,
sendo fazenda que sempre se vendeu a 75, na loja
do Pavo, ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 4$ e a 7$
Na loja do Pavo vendem-se ricos corles de vesti-
dos Maria Pia, sendo bordados e cora barras,
pelo barato preco de 45 e 75, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por haver grande
porco, na loja do Pavo roa da Imperalriz n. 60,
de Gama 4 Silva.
Os enfeites do Paiio.
Vendera-se os mais modernos enfeites para cabeca
de senhora : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, deGama & Silva.
As cassas do Pava).
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padroes mludinhos e raudos, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos precos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porco : na loja do Pavo,
,, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Is lazinhas transparentes a 400 rs.
Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas
lazinhas transparentes, sendo de listas miudinhas
a imitaco das sedinhas, pelo barato preco de 400
rs. o covado; ditas enfestadas de urna s cor e
ditas de salpiquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de enancas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n 60. de Gama & Silva.
Ricos soulambarqaes do Pavo.
Acaba de chegar um rico sortimenlo de sou-
tambarq'ues de grosdenaple preto muito bem
enfeilados, que se vendem pelo barato preco de
'205, 225, 255, 305- Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em conta: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezas a t ,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas, colletes, paletots, roupas para
enancas : na loja do Pavao, ra da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
los vinte mil covados de la.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo com listras e quadrinhos miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo preco de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Maria Pia, tendo de todas as cores, e
algumas proprias para luto, pel barato preco de
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande
porco : na ra da Imperatriz b. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Maria pia,
6randc peruincba a 10,-5000 rs.
Cbegarara os mais bonitos cortes de la a Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, i>endo
todos com as cores mais delicadas que tem viudo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 105 o cor-
te, ditos de precala com lindas barras* e enfeites,
com 19 cavados cada um a 105, ditos de cambraia
com barras bordadas a crox no ultimo gosto, pe-
lo barato preco de 65 : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & silva.
Cassas de linho a 360 rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para maneas, com
muito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato prego de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas lisas.
Vendem-se as mais finas lazinhas de nma s
cor, tendo grande sortimenlo : na lqja do Pavo,
ra da Imperatriz Br60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavo os
mais ricos chales de renda com tres ponas, sendo
todos pretos, e tanfbemcom assentos de cores, sen-
do nesle artigo os mais ricos que tem vindo a este
mercido, ricamente bordados e cerculados de um
elegante bico preto de mais de palmo de largura;
estes modernissimos chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem urna elegante vista sobre
um vestido de qualquer cor, assim como muiro
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama & Silva, ra da Im-
peralriz n. 60, loja do Pavo.
Soutambarquesdecor na loja
do Pavao.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais ri-
cos soutambarques oe corea, sendo os mais bem
enfeitados que tem vindo a este mercado, com
adornos da velludo, seda e setim, renda, etc., s
visla do grande sortimenlo que os freguezes
podem dar o verdadeiro apreco a este fazenda, e
vende-se por differentes pregos conforme a qoali-
dade : na loja do Pavo de Gama e Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
ditos de alpaca brances a 85 e 105, ricos ves
"dos a Maria Pia de novo gosto a 85, 125, H5,
165 e 205 : ra da Imperatriz, loja e armazem da
Araran. 56.
libras muilo proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra,
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1,60o rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
Grande sorthnento de ronpa ncr0 a 2,ooo.n 2,2oo rs. a libra.
felta. Linguicas muito novas a 800 rs. a libra e em
Vendem-se palelots de casemira de cores a 55,1 barril se faz abatimento.
65, 85 e 105, ditos pretos de panno fino, sobreca- \ Ghouricas e paios a 800 rs. a libra.
preta a 45. 65 e 85, ditos de casemira de cor a L Pa.ra temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs.; ditos de navio de vella a
2,000 rs.
e 85, ditos de meia cafemira a 35 e3i500,
ditos de bnm e ganga a 25 e 25560, ditos de brim
branco a 35500 e 45, colletes de lodas as qualida-
des, camisas francezas a 25 e 25500, ditas inglezas rAnrr, l
de i.nho ae pregas largas a 35 e 35500, ceroulas iIdem andrinos muito frescos e de superior
a 15280,15600 e 25, paletots de brim de cor a 251 qualidade a 800 rs. a libra.
e 35, ditos de alpaca preta a 35 e 35500, ditos de! dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
alpaca branca a 45500, ditos de alpaca de cordo abatimento
a 45, colarinhos de linho a 640, ditos de papel a '
640 a dosis; na ra da Imperalriz, loja da Arara
numero 56. O propietario da loja e armazem da
Arara declara que todas as suas fazendas se vende
em perfeitoestado, como os compradores poder'
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Erviihas e favas portuguezas ja preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
inana ayftfiB S J> ? 5? i pw y* r l0 suPerior a 64rs-a la,a-
Bitas banbargoetas.
Vende-sena ra Nova n. 61.
noite : r
Mendes Guimares.
Arara vende bales de reos a 3,00>.
Venoe-se baloes de arcos a 35, 35500 e 45, lin-
das golinhas para meninas esenhoms a 240e 320
camisinhas a 15,25, 35 e 45500
peralriz loja da Arara n. 56.
Grande liqnidaco de ronpa frita e seroulas
a 10600.
Vende-se palelols de casemiras de cores e prelos
a 55, 65, 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125, 145,
165,185 e 205, caigas de casemira preta a 55,
65, 85, caigas de casemira de cor a 55, 6# e 75,
caigas de brim de cor a 25 e 25500, palelots de
brim de cor a 25,25500 e 35, paletots de alpaca
protaft 35, 4* c33, colletes de casemira prela e
bnm do cora 15500 e 25, camisas francezas a
25 e 25500, dilas inglezas de pregas largas de li-
nho a 35 e 38500 e ootras muilas roupas feitas
que se vende barato : na ra da Imperatriz nu-
mero 56.
Liquidacao de madapolo a peca a 4$.
Vendem-se pegas de madapolo enfestado de 12
jardas a 45, madapolo inglez de 24 jardas a 65,
75,85, 105 e 125, pegas de algodo a 55, 65, 75
t OjjfUlK/.
Arara vende coberlas a 2$.
Vend-se coberlas de chita a 25, ditas de da-
masco a 45 : na ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Arara vende cortes de casemira preto a 35.
Vende-se corles de casemira preta a 35, 35500,
45, 55,65 e 75, dita de casemira de cor para cai-
ga a 35, 45, 55 e 65, panno prelo para caiga e
palelot a 25, 25500,35, 35500, 45, 55 e 65 o co-
vado, casemira preta fina selim a 25, 25500 e 35
o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende chitas finas a 240 e 280 rs.
Vonde-se chitas finas a 240 e 280 o covado, di-
las largas a 3U0, 320, 360 e 400 rs. o covado, cas-
sas francezas finas a 320, 360 e 400 o covado, per-
calas finas para vestidos a 500 e 560 o covado :
na ra da Imperalriz loja da Arara n 56.
Vende-se na Arara corles de brim a I#600
Vende-se corles de brim de cor a 15600 e 25,
ditos de meia casemira a 25500 e 35, ganga para
caiga e paltois a 500 e 400 rs. o covado : na rna
da Imperatriz n. 56.
Arara vend chitas para coberta a 320.
Vende-se chitas para coberta a 320 o covado,
dilas francezas a 360 e 400, chapeos deso de se-
da a C5500, 75 e 85, chapeos de panninho a 25 e
25500, e oulras muilas fazendas que se vende por
baratissimo prego para apurar dinheiro a loja est
aberta at 9 horas da noite : na ra da Imperatriz
n. 56. loja da Arara de Lonrengo Perelra Mendes
Guimares.
Grande sortimento de fazendas baratas na ra da
Imperatriz loja e armazem do Arara n. 56, de
Loureneo Pereira Mendes Guimares.
O proprietario deste estebelecimento retirase
para a Europa a tratar de sua sade, por isso vai
fazer de novo urna liquidago para feixar contas.
Aproveitem a occasio freguezes.
Cortes de chita a 25100.
Vendem-se cortes de chita fina a 25400,25800 e
3*200, ditos de cassa franceza a 35000, ditos de
cambraia de babados a 3:000, pegas de cambraia
branca a 35500, 4j500 e 65000. Ra da Impera-
triz loja do Arara n. 56.
Fazendas pretas para a qaaresma
a 4/1600.
Vendem-se grosdenaple preto a 1JJ600, 15800,
2j008 e 28500, dito de o palmos de largo a 3j000.
Moranlique preto fino para vestidos a 35000 o co-
vado, sarja hespaahola a 2{500 o covado. Ra da
Imperalriz loja do Arara n. 56.
Bramante de linho a 2500.
Vende-se bramante de linho para lengoes, de 10
palmos a 2*500 a vara, btim liso a 500, 560 e
6*0 a vara, sarja de la preta para calcas e pali-
los a 640 e 800 o covado, alpaca preta a 500, 600
e 800 o covado. Ra da Imperatriz loja do Arara
n. 56.
Siilaiiibanjues a 8000 e 10?000.
Vendem-se sulambarqnes de lazinha a 75000,
8JOO0 e IO5OOO, ditos de grosdenaple prete a
205000, 255060 e 305000, capas pretas a 205000,
25j000 e 3O3OOO, vestidos de barra de mussulina
a 125OOO, 145000, 165000 e 185000. Ruada
Imperatriz leja do Arara n. 56.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e o,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
i da ira- Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
I.ooo c i,2oo rs. a libra.
Espermacele superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l,ooo e l,2op rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e 6io e 7oo ris a gar-
rafa.
Ger.abra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueiras de genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a caixa.
Massa para sopa : eslreliaha, pevide e rodi-
nha branca ouamarella a 64o rs. a libra e
3,ooo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs.a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,5oo.
Vinho branco para missa em caixas deH du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa. N.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,000,15,ooo,
12,ooo e lo,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherex de superior qualidade a 16,000
a duzia e i,5oo rs.a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartoes com bolo francez muilo proprios pa-
ra mimo a 6o rs.
Passas muito novas era caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d/agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Amonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francez i em f asco de vidro com
lampa do mesmo, a l#5oo.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos Azeitonas' deRvas em ancoretas grandes de
1 com bonitas estampas na ca- 8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
que
Sai refinado em frascos de vidro com lampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que i em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Cevadinha de Francamuito nova, a 2oo rs.
Charutos do affamado fabricanle Jos Furta-
do jje Simas, das seguintes qualidades:
ExposicaoNormal de Hivana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em h eias.
Charutos finos de diversa* marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
ndilas de Havana, intervallos, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
Cognac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2.000 a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,000
a lata.
Farinha do Maranho muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos lmannos, muilo proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o preco.
FOLHIiVHAS
Para lh(J5
Acham-se venda nalivraria ns, 6 e 8 da
piafa da Independencia:
AFOLHINHA DEPORTA, abrangendo o
Kalendano civil e ecclesiaslico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tritu-
naes do commercio, etc. a 160 r
A FOLHINHA DE ALGIBE1RA coiitebo o
mesmo que aquella e mais 1 ma non
Salve Rainha em versos, o Stabal Kalr
em verso, devoc5o ae agonisante, ccraaa
de Jess, cntico em louvor 'do Sutilsi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria rW
sa Senhora, trinta e tres etafetosas an-
dotas, nm indito poema sobre ai ma-
turas de um cozinheiro, o canto de i;iia
solteira (poesia), crescido numero df ca-
ximas e pensamentos, urna histeriac muitas (romance), e vinte cinco novase
pilhericas charadas a 320 rs.
0 GASTELLO DE GRASVII13E
Traduzido do francez por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatr*
tomos pelo baratissimo preco de2500-
oa praca da Independencia, livraiia :t
6 e 8.
Precos que admira.
Sapalos de irauca superiores nelu tralo rr de 15 o par, e duzia 105 : no vigilante, la o
Crespo n. 7.
Bico adamascado de ledas as larpnras i<
com 10 varas, cada peca a 4C0, 480, 600 e 1(0
rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Clcheles em carlao de orna e duas raittii;*
perfrita?, pelo barato pnce de 40 e Cl i?.i<
carlao, e duzia a 400 e 5C0 rs.
.PoD-,e,s.para alar "Mlt'. adnzia a IJSCO. Uf.O,
25, .15,45 e 55.
Balaios propiamente para roslora t r-aia fiter-
iwa,e"iiio",erno b"<,w.w
Perfumara, macaca perola a Si, 25200, 35 e
45 a duzia, oleo de maozinha a 55 e 65 ;. c'uiia,
banha a 35, 45 e 55 a duzia. Estes otkcU i m
vendem por admiraveis precos em foostqwtm
de serem arrematados dos salvados da laico frin-
ceza, pois affanea-se a poura avana t a tta^t-a-
lidade : s6 no galo vigilante, ra do 6f*c#e n. 7.
^BaS-ai.3
OP

w a
M
a> -- = S c
" o .
O. en ce
S S-B B'fg
as c
as
a> a
09 5 C en
co q a> v.
-a rz- --
< a F Do =
5 g S B cJ 8 S 5
-1 2 ?r>n D. 0.3 2
09
M C.CD *
ce
'a sa
091
O O CX)
O 09
a>
gcTlIcTroS
cZ 2 5 24
e
S
e

si
CD
)0
xa exterior, a I,4oj, l,6oo, l,8ooe2,ooo
cada una
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
I,5oo cada urna ancorela.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez Champagne da mellior qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa. 1 ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a earrafa, e
batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo 24,ooo e 26,ooo o gigo.
o gigo com 36 libra*.
Brandes a 11,000 e H,000 rs.a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
Cafe do Rio de l-1 qualidade a 28o rs. ali- 8,000 a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. i Va Cafe do Ceara muito superior a 24o rs. ali-1 4oo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. | Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Arroz do Maranho de I qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8oo a arroba. | do mesmo^ i60 rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. | a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza em potes j preparada a
roDa- 4oo rs. o frasco.
Paincoe alpista alio rs. a libra e4,oooa Lentillias francezas. excellente legume para
arroba. SOpa> a 200 rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 6io Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta- l& a garrafa e H,ooo a duzia.
mo- 'Palitos de dente a 14o rs. o mago.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs;cada urna e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queimado, n. 49 e 55. E' para admirar.
60
Impera
Grosdenaple
POTASSA
Vende-se potassa em barris a commedo preco o
na ra da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
Vende-se a casa de molhados na ra da Im
peratriz n. 34, por seu dono ler de retirar se para
tratar de sua saude, faz-se todo o negocio : a fal
lar na mesma cima.
ATTEHCIO.
Vende-se chita franceza larija a S60 rs. o cova-
do: na loja do passeio publico n. 8, sobrado do
Sr. Maia.
Carretcis de liona com 150 jardas......
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60..............................
Dito dito de 60 a 200..................
Novellos de linhajgrandes com 400 jar-
das .................................
dem idem brancos e de cores de 100
jards ...............................
Livros para assento de roupa lavada...
Cordao branco para espartllho (vara)
Varas de frabj a branca larga..........
Fares de botdes de puuho todos de cores
Tinteiros de barro com tinta...........
Tesouras para costuras finase unhas
Ditas para costuras com toque d'avana
Escovas para limpar denles muito finas
160,200e..............................
Caixas com 100 enveiopes das melhores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso...................................
Cadernos do papel pequeo (e a reta-
Iho)... ............................
Meiadas de linha frouxa para bordar...
Pares da sapalos de tranca.......... 15500
Massos com superiores grampas para
senhora.............o............
Frascos de macaca perola muito suerior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................
120
100
80
30
100
20
160
120
100
400
200
320
640
600
20
20
30
200
500
Ditos e garrafinhas de agua de Colonia
maito fina....................... 400
Ditos de banha a Ganbaldi e da familia
imperial.............B............ 900
Pegas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade.................. 240
Pares de ligas para senhora as melho-
res .............................. 320
Pegas de blco> francezes e rendas......320
Frascos de aaua dentifrice muilo supe-
rior.............................. 800
Caixas com 4 papis de agulhas a balo
e Victoria'........................ 200
Libras de la sendo de todas as cores... 65OOO
Bonecos vestidos e tambem de choro... 160
Caixas com superiores obreias........ 40
Ditas de linha de gaz com 50 novellos.. 800
Enfiadeiras de fila para espartilhos..... 60
Carrelis de linha de cores com 100 jar-
das ............................. 20
Pegas de cordao imperial............ 40
IAICIIO
a 3550O : na ra larga do Rosarlo n. 50, taberna
da esquina que volta para a rna estreita do Ro-
sario.
BOTICA E DROGARA
Bartliolomeu Francssco de Souza C.
34Ra larga do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
Plalas doDr. Laville.
Pilulas do r. Alian.
Plalas do Pobre-homem.
Piiulas americanas.
Pilulasvegetaes.
Pilulasvegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimaull.
VinhodeSalsaparrilhadeCh AlberU"
Injecgao Feaugas.
Agua dentificade Desirabode.
Papelchimico, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspall.
Pos anti-epiletlcos deBrest.
RobL'Affecteur.
Xarope do Bosqne.
Ungento Holloway.
I UVAB
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 55 lojas de miude-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barato do que em
outra qualquer parte, qoem qnizer ver o que ba
bom e barato venba a loja do Rival.
Latas com superiores banha............
Frascos de vidro com superior banha..
Pares de lavas de seda muito finas___
Enfeites do melhor gosto que lem vindo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira.
Pulceiras do melhor gosto e modernas.
Volla para pescogo do melhor gosto....
Baralhos para voltarete, finas a 200 ..
Varas de franja branca de linha que
tem muita serventa.................
Duzia de pennasetago muito superiores
Frascos de oleo Bboza muito finos.....
Taiheres para meninos a melhor quali-
dade............................
Diversos livros, todos religiosos a 100,
200................................ .
Duzia de colheres de metal muito finas
para sopa...........................
Duzia de colheres de metal muito finas
para en........................
Grosas de botoes de osso para caiga...
Grosas de. bolSes madreperula para ca-
rniza..............................
Grosas de botoes de longa prateados
muilo finos......................
Varas de babado do Porto sonido.....
240.
Pechincha na nova loja de fazen das
ronpa feila nacional, rna da Impe-
ralriz n 72.
Pechincha a 240 rs. o cavado de chita.
Vendem-se chitas de cores fixas a 240,280 rs. o
covado, ditas francezas largas a 300, 320, 360, 400
e 440 rs. o covado; pecas de madapolo fino a 65, r
75, 85, 95 e 105; pegas de algodo a 5fc 65, 7# Da.l'nS de laPes differentes qualidade a
e 85 : ra da Imperatru n. 72.
Ronpa feita nacional.
Vendem-se patitos de cazemlra preta e de cores
a 55, 65, 85 e 105, ditos sobrecazacos a 12j, 14j>
e 165 Palitos de brim de cor a 25500, 35 e 35300
rs., caigas de cazemira preta a 69, 7j> e 89, ditas
de cazemira de cT a 5#, 65 7, e 85 ; coletos de
cazemira de cores e pretos e ditos de brim a 15500,
e 25500 rs.,; caigas de brlm de c5r a 25, 25500 :
ra da Imperatriz n. 72.
Soutambarque de cores a 70, 8$ e I0).
Vendem-se soutambarque de la e seda para se-
nhoras a 79, 85 e 105 ; ditos de grosdenaple pre-
to a 209 e 255 ; capas pretas a 20 e 255 i vesti-
dos de 13a a Maria Pia a 125, 14$ e 165 : ra da
Imperalriz n. 72.
Cortes de cazemira preta a i&.
200
240
320
25500
15280
500
500
240
060
060
200
240
500
25400
1*500
200
500
03

B
B
o.
3
9

_ o
, 63 CD 03
B3 0
rs *
OS
"J
-1
o
o
a
_ P>
o os 2 ft
32/
O. B.
O ?<=
S =>
as
:1
5
fe
5

B
Vende-se calgado francez da barra franceza
S. Joao ta Luz, na ra do Livramenio n. 21.
Borzopuins de lustre (Nantes) 65000.
Ditos de hezerro de tres solas (Nanles) 65000. 1
Dilos de hezerro de dnas solas 65000.
Sapatosde tapete 640 rs.
Feljo.
Vende-se urna porgao de feiio mnlatinho muito
novo a 15 a cuia, dito preto a 880 rs., dito rajad
do Porto a 520 rs. : na ra Direita n. 8.
lilho a 4,000.
Na rna larga do Rosario n. 80, takerna da es-
quina que volta para a da estreita do Rosarlo.
Vendem-se corles de cazemira preta para caiga, Carreteis de retros com qualro oitavas..
a 35, 35500, 55 65 e 65, ditos de cazemira de
cor a 35,45, % e 75, ditos de brim de c6res a
15600, e 25, ditos de chitas finas a 25100 e 35200,
dilos de cassas franceza a 35 : roa da Imperatriz
loja do- baratelro n. 72.
Flji
Na roa da Madre de Dos n. 9 vende-se feijao-
mulatinho, dito branco, e dito preto, mais barato
do que era ootra qualquer parte, approveitem a
peehincha qne a quaresma bate porta.
Quadernos de papel de peso muito fino.
Resma do mesmo papel............. 25000
Duzia de facca e garl muilo boas.... 25400
Sa bonete de espuma muito superior... 040
Capachos compridos e redondos maito
bons....,........................ 500
Ditos parasof...................... 25000
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa............................
Creio para dezenbo de todas as qua-
lidades...........................
Cartas de alfinetes francezes maito su-
periores..........................
Caixas de clcheles francezes a 40 ris
Duzia
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade.............................
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
____ESCBAVOS rUEIDOS.
Fupio na noite do dia 4 do correnle da casa
de Jos Pedro do Reg o preto Manoel, escravo d
Manoel Gomes da Cunha, senhor do engenho Ma-
caco do termo-de Nazareth, o qual tem os signaes
seguintes : rosto redondo, barbado, cheio do cor-
po, com falta de dentes no lado superior, quebrado
do nmbigo, tem cicalrizes as nadegas denotando
ter sido cesligado. levou vestido camisa de algodan
ripeado azul e caiga da mesma fazenda : quemo
apprehender Ieve-o a casa do mesino Jos Pedro
do Reg, na rna das Cruzes n. 18. ou a ra da
Cadeia do Recife n. 86, de Leal & Irmao, corres-
pondente do senbor do dito escravo.
Aos capiles de campo.
Fogio no dia 27 de fevereiro deste anno, de ca-
sa de seu senhor o escravo Sebaslio, crioolo, to-
lo, com id.'fle de 22 a 24 annos, foi escravo te
senhor do engenho Quandus da comarca de Sapw
Anio, d'cnde tinba vindo para c-ia cidade a>.
dias, de presumir qne segnisse pata Taquaritio-
ga aonde lem mi e irmaos, levou caiga e camina
branca bastante snja, altura regular, cabello a *~
covinha, cabega pequea e redonda, testa grande e
bem cantuda, olbos prelos e regulares, nariz da-
lo, bocea regular, beicos regulares, denles todos
limados, nenhuma barba.apenas um peqneno bigo-
de, corpo bem limpo, ps regulares e pouco lar-
gos : roga-se porlanlo aos Srs. capiaes de campo
a appretiensao do mesmo a entrgalo a roa da
Imperador n. 83, segando andar, defronte do cor-
reio, que se gratificar com 505.
Negro fug do
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro desn
anno o preto Joaqnim, de nagao Angola, que foi
escravo do Sr. capitao Francisco Joaquim Caval-
eanti Gal vao, morador em Maria Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do as-
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques am
armazem de assucar ra de Apollo ; levou ca-
misa e caiga de algodo branco, ropresenia.lerdr
45 a 50 annos de Idade, alto e de pros.urn regu-
lar, cor fula, cabega comprida, qneixos largos
olhos amortecidos, beigos grossos, sendo o supe-
rior nm tanto defeitnoso, bstanle barba, pern
raspada, finalmente tem urna grande costara tntre
os peitos proveniente de queimadura, e suppe-e
terse dirigido para o norte, d'onde veio : graltf-
ca-se a quem o apprehender ou denunciar o corte
em qne estiver : na roa da Cadeia do Recife tm-
mero 52._____________
Aviso
aos capiles decampo e a polica.
Desappareceu em pjincipio do mez de oululw>
do anno passade, de bordo do palhabole nacional
Araujo Malo, dous escravos de nemes Roberto
(por apellido Macei), e Miguel; o 1* de idade i*
annos, pouco mais ou menos, crisolo, cor fula,
estatura baixa, barba serrada, um pouco torio Vas
100 pernas, e com alguns cabellos branros, tanlo da
I barba como na cabeca ; o 2* alto, cheio do corpa,
3601 sem barba e falla grossa, representa ter de 25a
800; 30 annos, cojos escravos desconfla-se andar pe-
los arrabaldes desta etdade : quem os apprenee-
200 der queiram levar a rna do Trapiche n. 4, >qae
ser generosamente gratificado._______
200
060
400
030
[10T
500
020
Negra figida.
Ausentou-se no dia 5 de margo de casa de sea
senhor roa do Mondego n. i, a eserava oe nooe
Thereza, prela fula, alta e cheia do corpa, visto
li.0 a lata : nos armazensda raa do Ija- e despachada, natural do serto econsta qne a-
pradnr n 4 ft a m> Hn TYnirh Navnn S 1d* est na Pr,c* leTon bastante roopa : rraem a
peraaor n.irj e raaao Trapicne W0Y0n.8.| prender c entrega-la ser bem recompensada
T--______* _. 1



I



Diarlo de rernamfonco s'eita leira iO de Mareo"de i8*5.
JURISPRUDENCIA
i,
O Foriiui
uveiuos occasio de fazer nm ligeiro reparo
dfio, at
demasiada a
iccedimeuto dos quo na discusso foreo-
;-suram ensejos psra desabafos do amor pro-
lo desaeit; A qu-m observa de porto os
i^^^Ht abasos que ? este rospeito se
o-cr.i audiencias nao parecer
i Hstencia neste assompt.
Teftwie ate convertido n'uma especie de habito
inveterado a lctica de se inculcar de certo modo
inferioridad,; dos recursos do adversario como
sen lo isla um meio de robustecer a defeza da cau-
sa. O bom senso porm est mostrando que diante
do tnbuual incumbido de aquilatar o valor dos ar-
ralados, o decidir segundo asallegagoes o provas
completamente escusada a prelengao quo tepde
tules a descubrir o mrito do contendor, e offender
indinares, do que a circumscrever-se a urna ana
vse polida e tupida da questo controvertida.
Ja urna voz filiamos as cotas marginaos toMg-
nas -na phrase da Ordenago. Sobre tudo no foro
do interior, onde cotn mais frequencia o doeslo
t;,.!;;lilue a discusso illuslrada e calma, cncon-
ira n-sc autos reclieiados dessas quotas, ora inep-
tas oa escusadas, ora sarcasticas ou injuriosas.
ti tilas vezes o cinprego desse meio pode dar a me-
tavam os banhistas cora eoncertos e congos picares- conflssSes, francas e bonitas, como as da o cora-
cos. Muitos lentes de Cmmbra innobreciam o bai. co, constratavam com todas as requintadas pa-
l ; estes, nao se tornando notavejs pelo espirit lestras de rimadores visionarios.
eram admiraveis pelas figuras exticas de homens
de sciencia.
Houve um folhetinista, que disse do baile que a
sala vista atravez das viJragas pareca um musen
de ioglez curioso ; que as velhas crain cegonhas
erapaihadas e os lentes dolos chinezes : eu nao sei
que verdade lia n'estes ditos.
N'este baile o poeta recitou urna poesa mimosa,
um doutor entoou um soneto bocageano, e muitas
Apezar d'estas desventuras, D. Rita corresponda
meigamente ao marido.
Seas extremos eram creados pela boa dispojicao
de sua alma para os amores, e pelo dever respe-
toso para com um horaem, que a salvava de urna
vida tormentosa.
VII
boas rendas, ms infelizmente a pobre dama era
um verdadeiro cesto rote, ainda quando tivesse lu -
erado o duplo, ella hoje nao estara mais rica.
Sem duvida, nao tnha ordem, respond, ou
talvez amasse muilo o luxo.
Nem urna nem outra cousa, senhora, porm
era um dess-;s caracteres deleixadisque nao sabem
prever o futuro ; parecialhe qu) o seu talento
nunca Ihe faltara, gastava todo o seu ganho em
esmolas, e teria dado a sua ultima camisa aquello
que Ih'a viesse pedir; tantojque quando a desgraca
feriu-a.ella nicamente linha com que viver um ou
Os leitores de romances francezes talvez espe
pessoas dirigram-se a I). Rita para quo recilasse rem que na5?a desla situago a Bovary, a herona ,ious mezes; e, sem a pequea fortuna de sua so-
tambera. A senhora esquivou-se, negando a pren- de um roinancc pleenatico, d'essa realidade deso-1 brinha, a misera creatura estara presentemente a
da do versifleadora. ladora de Flaubert. Enganam-se. Bovary soffria
Houve, porm, na asserabla quem combatesse a p0r molivss de caprichos vadosos. D. Rita pade-
repugnancia de I). Rita, alarmando ter visto as ca p0r uma cansa sagrada : o desejo de ser ama-
paredes das capeas da matta dous versos com o da. jjo flm do vero de 186*, appareceu ella nos
uome d'ella por baixo. banhos de Luso com uma linda crenga no regago.
EITscivamcnte o anjo tutelar d'aquella muiher os sorrisos do innocentinho abririm-lhe os pala-
nao pode evitar que o dabo coxo gravasse no cjos dos encantos reaes da existencia.
muro branco urnas certas impresses d'ella em ,....,
hora aziaga. Nopnmeiro balbuciar dos labios da cnanga(
escutou ella todo o poema fechado no cofre de seu
coragao. Desvaneceram-se as nuvens, que a cir-
D. Rita recitou. As meninas sorrlam turliva
mente, alguns cavalheiros abandonaram a sala
clandestinamente, e os mais delicados escutaram
com attengo, agradecenJo com palavras cortezes e .
affectuosos elogios.
O poeta foi sentar-se junto de D. Rita e entraram j
em palestra sentimental. O murmurio dos mofa-
cargo da cardade publica. E' bom ser caritativa'
mas tambera deve-se saber dirigir o que seu>
accrescentou a propietaria a maneira de sen-
tenga.
Meu Deus 1 que bellas aegoes, que virtudes
oceultas e descoohecidas dos homens vos recom-
pensaes na outra vida > exclamei do fundo do
coragao.
Conceb desde ento um grande desejo de co-
nhecer mais de perto estas duas nobres mulheres.
para as quaes me senta atenida pela mais terna
iflerec
di.la ou da desidia que evita um trabalh) methodi- dores nao era de tal sorte abafado.^ que nao fosse
cu c completo, ou da pobreza iolellcctual que nao
priendo encontrar o triumpho em discusso cer-
rdan lgica, peJe soccorro a esses pensamentos
trancados com que se busca depreciar as razos do
adversario.
A legislago antiga consagrava meios de repri-
mir esses desvos lamentaveis que cffectvamente
,o dio no cname judiciario.
O nosso cdigo criminal, que nao podia omittir
este importante assumpto, commina a pena de sus-
peosio do offluio por oilo a trinta dias, e multa de
quilro a quarenta mil ris, ao advogado ou procu-
rador que escrever calumnias ou injurias em alle-
gagesou cotas de autos pblicos; devendo riscar-se
as injurias. No caso de calumnias ou injurias ao
juiz procede-se ex-ofileio, por denuncia do prome-
ta publico, como declara o aviso n. 127 de 10 de
d.zembro de 1838.
Convinha que ao menos se empregasse com al-
tura rigor o correctivo de se mandaren) rscar dos
culos contumelias. Nao fallam outros vehculos
paia desabafos.
Entretanto nos consta que ja se deu aqu o facto
de atacarse a ida privada do um juz sera quo
seu successor flzessc ao menos cancellar as exprs-
Tas injuriosas, como at indicara o promotor-----
F. /.
lia maito que nos chegam constantemento aos
cuviJo.- certos fados burlescos do nosso foro que
silvem para convencernos de uma triste verda-
de As cousa mais serias deste mundo podem
i tvoWer o ridiculo, nao porque ellas por si pres-
nenie a3 vocagc"3s, nao se procura tragar a lnha
divisoria entre o bom c o mu: e, do ordinario,
cada qual n;o se contem na esphera que a nature-
i*. lhe Iragoa. Pondo no tablado, representando o
4>apel de rei, ura pobre huraem fadado para bufo,
que elle forgusamente ha de estropear o stu papel,
fazendo o mais desastroso i isco... elle, que exci-
(...i os applausos da multido eraquanlo nao sahia
tura de seu carcter proprio.
Oque acontece nascenn, verifiea-se tambera as
profistojs. E dahi se originan) esses fados bur-
tes.'os a que acabamos de allndir.
A priucipip hesitamos cm leva-lis publicidade.
tkeoirea-aos porm aquello bem conhecido pro-
v.ibio Ridendo castiqat mores.Alm disto pare-
ce u nos dever entrar em nosso plano a exposigao
de hotos reaes, que embota possam provocar o ri-
so, ni devem por isso limitar-se ao simples co-
Ohecimento de poucos individuos. Elles importara
abasos, descuidos e at miserias, que curapre re-
velar para correegao de seus autores. Isto pojo
irazer um escarment salutar, e concorrer de cer-
to modo para uma reforma benfica de praticas e
de costumes. Qaanto mais alta fr a esphera cm
que se tentia intromeltido o ridiculo, maior empe-
ll de ve liaver em desterra-lo.
E como nao possivel admittir essa colleegao de
tactos na parte jfi'ia do nosso trabalho, reservamos
para elles um cantinho da nossa columna, inscre-
veudo-os d'oravante sob a segunte eplgraphe:
YARIEDADE
O FORO ANECDTICO.
C..a consulla carissima. Certo individuo de
ama provincia visinha veiu a esta cidade com in-
caubencia de certo demandista para obter a res-
posta a uma consulta dirigida a determinado juris
(a, qae julgou fcar sobejamente retribuido pelo seu
Irabalbo, cora o honorario que spontaneamente lhe
f entregue sera ajuste. Passado algara lempo,
vera o demandista confiar pessoalmente ao mesmo
afivjgado o patrocinio da causa sobre que versara
a eonsulta : mas fiea com ares de maravilhado ou-
vuJo o prego regular que o advogado lhe peda.
Suppondo este que o pasmo proviera de tonar o
seu cliente que ainda nao era mdica a quantia
Indicada, procurou tranqullisa-lo declarando que
caj fazia questo por dinhero. Mas cahiu das nu-
vens quando soute o motivo que havia provocado
a a-lmi/agao muda do demandista: O emissario a
OjOem cima alludimos recebra 1:0005000 incul-
caudo falsamente ter sido este o honorario exigido
p.-lj advogado, a quem effectivamente entregara
apenas 150&000, flcando-se cora o restante. Nao
contente com o proveito resultante dessa innocen-
te espertas, nao teve acanhamento em aceitar...
60i)5000 a titulo de despezas de viagem, commis-
so etc.
Ura por isto que o consliiuinte ficra exttico
adiando que o valor cstipnlado para todo trabalho
do uma causa era excessivaraente diminuto em re-
lagao cifra elevada de 1:5005000 a que chegra
dispendio com uma simples proposta.
Este facto ensina que as partes tambem devem
er toda cautela com os intermediarios ou commts-
$aros de demandas.
C'-ra ludo se especola neste mundo!
llicife, 7 de margo de 1865.
pecebdo pela poetisa; isto deu-lhe thema para
uma longa dissertacao acerca dos espinhos da exis-
tencia, das desillusoes, e outras cousas de ridiculo
doloroso. Excitada naquelle momento, D. Rita fal-
lava com anmago, affrontando muitos othares ad-
miradores e muitos insolentes. As irmas estavam
corridas, a mae sorria de vaidade, e o velho tro-
pego dorraitava a um canto da casa.
As quadras, que recitou D. Rita, erara innocen-
temente scepticas, e a voz tremola d'ella fazia rir
sinceramente.
Com tudo por debaixo d'aquillo via-se um cora-
gao triste e uma existencia lacrimosa.
Os verdadeiros poemas das mulheres'sao fetos
para serem cantados junto do bergo de um Qlhinho
Dos iabios da creanga que balbuca, que uma
muiher deve tirar a inspiragao tremente.
Raras vezes as palavras de uma mae carinhosa
dexam de perfumar-nos o coragao de poesa sa-
grada.
Quando urna muiher falla cora os labios ungi-
dos pelo beijo de um filho, as palavras fluem doces
como o mel do Hybla e a voz reesnde como se
atravessra um jardim de agucenas. Lsta a ver.
dadeira poesa, echo de uma harmona divina. Urna
muiher santa quando comprehende isto, e ma-
ravillosa, quando possa ser Valmore. D. Rila, es-
tando fra d'isto, era por consequencia uma crea-
tura desnaturalissma, e, considerada superficial-
mente, um ser, que desafiava a zombaria.
V
curadavaro, coraegou a florir a trra a seus pes
Achou-se feliz. I sympatliia; porm nao offefeceu-se occasio. Che-
A dignidade materma dava um realce magniQ- gou o invern, as arvores perderam a sua verdu-
co a suas fegoes rejuvenescidas. Nos bailes era ra, o vento e a clutva afugentaram os passeantes
muito bem acolhida, e rospeitada como senhora nao ouvi mais fallar dolas, nao as encontrei em
de espirito cultivado. nenhuma parte, e acabei por esquece-las de todo;
porm no mez de abril, quando o ar se tornou
O poeta foi padnoho do filho, o as meninas da quCDte c perfumado, e o jardim encheu-se de no-
asserabla de Luso chamavam-lhe S. Gongalo de
Amarante, casamenteiro das velha?.
(Commercio do Porto.)
Chrlstlna.
Havia poucos dias, que eu raorava era Draguig
nan, onde acabava de alugar uma pequea casa
feita de novo, a nica que ento existia as aleas
de Azemar.
vas flores, desci ao pavillio, e apenas assentei-rne
E' ura excellente homem apezar das suas ma-
neiras brnsa, me disse ella; adora seo filho,qae
conheci, ha dous annos, em casa de uma das suas
prenlas, onde vinha com sua mae passar as. fe-
rias do foro, e este filho um moco de mrito, um
coragao nobre e generoso.
Se assim, porque nao quzeste espsalo 7
repliquei-lhe.
i'odia cu abandonar aquella que me serviu
de mi, no triste eslado k que est reJuzida t ex-
rlarnoa a rapariga.
Madcmoasclla Tournel sent sinceramente
que est casamento nao se reilisasse.
Nao couheceis a mnha boa lia, responden
ella ; de sua natureza o esquecer-se constante-
mente de si pelos outros; ella tem mil vezes sa-
crificado o seu loteresse a minha felicidade on aos
m^us prazeres. Nao um dever para mim ren-
der-lhe lerpura por ternura ? Seria preciso que cu
fosso bem ingrata para ter a triste coragem de
ab indmu-la a mos estranhas.
Mas a constancia de Mr. Ernesto nao vos toca
um pouco? disso-lhe cu.
Mr. Ernesto achira sem costo uma outra mu-
iher, pirque rio e amavel; eu sou a nica p-
renla que minha lia tem.
E porque nao eonfessastes francamente este
motivo ao commandante Botssier 1 Estou persua-
dida de que elle teria sido feliz em obter a vossa
mao para seu filho, ainla mesmo com acondigao
de nao vos separar de vossa lia.
Primeiro eu nao quera que ella podesse sus-
petar a causa da minha recusa. Depois Mr. Er-
nestp e lUhq nico, nao posso nem devo aprtalo
de sua mae que adora-o, ainda quando elle con-
viesso nisso ; e demais sao poucos todos os meus
instantes c toda a mnha ternura para tratarem e
consolarem a minha pobre tia.
Apertei contra o coragao a nobre joven c ex-
clamei : .
Possa o cu recompensar nesta vida lao ge-
nerosos sentimentos !
Chrstni me encama com sorpreza ; a sua con-
Nanea o beijo perigoso
Se dado por gratidao.
Escaldar nao qar meu osc'lo
Essa lo mimosa mao.
A tua cora de virgem
Que nos cus tem sua origem
Jamis manchada ser
No cumprir o meu desejo :
Deporte na mo um beijo
Dilecta filha d'AKaA I
Recebe-o, pois; a prenda
Que tenho p'ra te offertar,
E' singella, mas pura
Como de Deus o pensar.
A fronte que a mo do genio
Ergucu alm do proscenio
Jamis se curva ao favor...
Mas vera curvarse abatida
A teus psfada querida,
A leus psanjo de amor.
dcscobri que vinham ao longe as mesmas damas, ucla pareca lhe lo simples c lo natural que es-
que tinham-me to vivamente interessado o anno lava persuadida de que todo o munlo teria feto o
rindo.
Me pareceu que madaraosella Tournel eslava
gorda, ella tambem caminhava com mais facilda-
de; sua robrinha, pelo contrario, tinha perdido a
cor. Ambas deram muitas vollas pelo passeo, e
vierara ainda descangar sobre o banco, dizendo-se
reciprocamente palavras ternas. As aleas estavam
ento iuteiramente desertas. Logo um homem de
Esucasa, quastencoberta pelas atvores, dava de cicoenla e 0ft) a sessenIa ann0Sf de semblante
s, ura lado para o passeio publico e do potro para um : franc0j f lmeQ(lo ^ pe[0 a me(Ja|ia do oflWa| da
erande bello jardim, no qual as g.njeiras, as pe-, Lggi-o ^ ^^ chegou do Mo d passeio. pa.
reiras, as alfaces e alcachofras estavam misturadas i rU n0 C0ntro deste> o|nou ao redor de ^ viu ^
com a madresilva, o goivo e o lilaz enrolndose, duas sennoras e drgiu.se a ellas com a vivacida-
as chagas e as campalnhas, em mil logares, ao re-ide d< um rapaz airislDaj cerlamente, conhe-
dor das cepas nodosas da vinha trepadeira.
\ ceu-o, porque enrubeceu a seu aspecto e era sllon-
O mez de setembro tinha corrido folgaso para
todos os habitantes do Luso.
A aldeia comegava a langar de seus alvergues,
familias adas e frescalhonas para as suas trras
nataes. A mata poda j ser vista em sua solido
magestosa e silencio profundo. Os chos estavam
j livres das vozes de militares de visitantes pata-
ratas, e preparavam-se para responder aos brami-
dos dos ventos do oulorano : e aos pos das aves
nocturnas. O lugar era outro. Abria-se o coragao
religiosamente debaixo do arvoredo, como se a
gente entrasse n'uma soberba cathedral.
Quando o fro cotn;gou, a familia Campos tratou
de se recolher a Vizeu. No mesmo vehculo, par-
lio o bacrfrcl com ura seu amigo.
O companheiro do poeta era um sugeito das vi-
sinhangas de Yizeu, cavalheiro delicado e de boa
presenga. Rico bastante, dava-se s lettras ame-
nas ; affeilo vida campestre, era dotado de multa
simpleza e agradavel iogenuidade. Frequentando
a casa do poda, linha alcangado um carcter get-
loso.
Os brandos raio3 de um sol de noverabro con vi- c0 abaixou a cabega.
davam ao passeio; aproveitei-meidelle para visitar: ff a madaraoiel'ia Tournel que tenho a hon-
mlnuciosamente o meu novo dominio. Depois de ra de fa|lar? di.se ell6t Sou 0 commandante Bois-
muits voltas pelas veredas bordadas de morangos | sieri cheg0 da vos_a CJsa> madara0:iel|ai disserain.
e violas, vira assentar-me debaixo de um caraman- me que VO encon[raria n0 pas5eio> e virn em vos-
chel de verdura, cujo exterior meio coberto de fo-
Ihagera de jasmias e de roseiras de Rngala, dei-
xava ainda assim serem divisados os raros passean-
ies das aleas do Azemar; havia muitos minutos
que eu so via offlciaes reformados, conversando fa"
miliarmente entre si debaixo dos grandes olmeiros,
quando duas mulheres avan^aram lentamente al o
passeio, e seguiram a alea lateral que costea o mu-
ro do jardim.
sa procura, porque falta-me tonino, e meu navio
parte depois d'amanha, e preciso que eu volle
esta tarde para Toulon.
Senhor, respondeu madaraosella Tournel
com voz alterada, a vossa visita me honra, mas
ignoro o que me queris.
Trata-se do meu filho, madaraosella.
Christna raurmurou algumas palavras lo baixo
I que nao pude ouvi-las, porm o commandante con-
A medida que ellas approximavam-se da grade, ,iauou com a sua voz grossa .
eu distingua melhor o seu talhe e figura; urna
dellas pareca ter quarenta annos ; era alta, secca,! Pelo contraria, Chrislina, tenho mdito era
morena e tinha marcas de bexigas ; a outra, con- que eslejaes presente esta conversa, o meu po-
tava apenas dezoito anno de edade; teria podido b Ernesto est sempre triste depois que a vossa
servir de modelo a Riphael para a sua mais encan- j'' desmanchou o casamento no qual, em principio,
tadora maiona, tanta era a ternura dos seus olhos, vos ambas consentistes.
a candura virginal e a graga modesta de toda a sua Nao miuha tia quem recusou; sou eu, se-
pessoa. nhor, disse a joven cora o coragao arfando de sus-
Queris ir mais adiante, querida tia ? disse: piros,
ella com uma voz harmoniosa o cora leve accento j Vamos, minha querida senhorita, diguae
provengal. vos de dizer-me a razo porque 1
- Nao, minha filha, 4 caminho basUnte para as j ~ No lenh0 esU origago, respondeu ella fa-
minhas fracas pernas, e t deves estar fatigada de; ^ndo esforgo para reter as lagrimas,
me teres arrastado at aqu/ Pobro Christioa! I R* Ernesto um excellente sujoito, um
que trabalho te dou, e que triste juventude passas, bom e bello rapaz? replicou o velho cora calor.
Madaraosella Dulac guardou silencio.
Ter-vos-hia otlendido nvoluntariaiu*nto ?
replicou a rapariga ; que Nuaca> slahor respoiideu a moga, e fago
junto de mim!
Nao fallis assim,
L ITT ER ATURA.
Poe*ia de nSe, por Francisco
de Azevedo Casteilo Brasieo
(Concluso.)
IV
O mez de agosto ia quasi lindo. Lu- trans-
ttordara de gento. Comegavam os eoncertos e bai-
les na casa da assemWa o na do conde da Gra-
ciosa.
A va frrea espjjhou a fama das bellezas do
Bussaco, e a conor^nca foi muito numerosa.
Abrise um baile esplendido para o sitio. Alguns
acadmicos das ilhas, que nao vo s ferias, delei.
No decurso da jornada o Lachare! e D. Rita pra-
licaram largamente.
Acocteceu, que a pobre senhora nao fosse mui-
to infeliz em seus ditos, sendo isto devido talvez
lberdade de seu espirito perante pessoas ja to
familiares.
O sugeito da Riira syrapathisou com a nstruc-
gao da senhora e nao lhe achou uma figura des-
graciosa.
Com effeito D. Rila amacou com os banhos a
cutis do rosto, rotoraou uma leve cor, e com seus
bellos olhos e cabellos em abundancia era. muiher
muilo acceilavel.
VI
Perto de Vizeu o amigo do poeta apartou-se da
cempanhia descendo por ura atalho para a sua al-
deia. Este homem vivendo solado, e com tontices
Lutimentaes, scistnava uma vida anglica ao lado
d'uma muiher instruida.
A leilura d'alguns romances francezes linhara
acoquinado o bom homem a eslimar em pouco as
Penelopes e as humildes Lucrecias. Desejava
outra cousa alm da dedicage conjugal.
Consultado o seu amigo poeta, dirigu-se a Vi-
zeu para pedir em casamento D. Rila d Campos.
Alguns amigos officiosos o aconselbavara que
nao eaasse com uma muiher que despresava os
cuidados domsticos, e sobre esto ponto eram fre-
nticas as instancias d'uma vaina tia do amador.
Nadaodcmoveu de seu plano ; tratados os ne-
gocios, dentro de pouco tempo, sahiu era drecgo
a sua aldeia uma vistosa companhia, no centro da
qual se via radiante de gallas D. Rita. O marido
amava extremosamente sua muiher.
Fleumatico, apezar do esforgo litterario emque
lidava, nao passava de um cavalheiro delicado,
mas sem sabor. As companhias do poeta linham-
Ihe dourado um pouco o espirito, mas visto de
perto notava-se bem a galvanisago. A aldeia dos
conjuges cncostava-se na ladeira de ora valle gra-
cioso bem guarnecido de arvoredo alegre e vare-
gado.
u. Rila via-se s portas de um paraizo, porm
a espada invisivel de ura archanjo vedava-lhe ain-
da a entrada.
Sua alma, acosturaada a doudas phantasias, nao
se acostumava completamente ao soefigo da vida
domestica.
as horas mais Intimas procurava abragar todo
o seu antlgs ideal entre os carinhos do marido,
mas este pela mesma torga de seu amor corres-
ponda a seus enlevos ordinariamente cora tolices
de muito affecto.
As condigoes de sua existencia tialiam-lhe mu-
dado quasi o temperamento, e era j como viver
normal e natural d'ella a luta constante do seu
espirito. Os livros superficiaes e maginosos falla-
vam-lhc de uns certos amores e intimidades celes-
maior fellcidade posso ter do que a de vos ser Qte|ra ,us, a a geDer0sidade dos seus sentimen
ulil 7 Assentemo-nos debaixo desta arvore e des- ^ tf escellente de|cadaza da sua conducta.
cangae.
Exprima Jo-se assim, a amavel Christna dobrou
- Ento porque o recusaes ?
Eu nao quero mais casar-rae, disse ella a'
em quatro o chale que trazia sobre o brago, cobriu nal.
com elle um banco de pedra que%tava a tres -ou! Isso na0 raa parece natural, replicou o velho
quatro passos da grade do pavilho, e tomando a I com a sua brasca franqueza do marnheiro, ha al-
dama mais velha pela mo, f-la assentar cora cni- gam mysterio; nao o poderei adevinhar, porqdo
d^o. i p0UCO entendo destas cousas, e com ellas certa-
Nao achaes que o ar puro do eampo faz bem ? mente ne me meltera, so nao se tratasse da feli-
disse ella. cidade de meu filho nico; mas o pebre rapaz me
Sim, o ar puro do campo e a sua vista prin- faz pena, esta' triste de ver como uma fragata de-
cpalmente, respondeu a outra dando um sus- sarvorada, e nao quiz ouvif fallar em uro.outro
piro. casamento muito vantajoso que sua mae lhe pro-
Notei ento que ella era cega, do que nao tinha poz. Vamos, minha bella menina, nao sejes to
duvdado logo que a vi. cruel, e pensa que apesar de tudo um homem
Pobre tia I disse Christna apertando-lhe af- honesto que vos ama, que vossa ta escolheu, e
fectuosamente a mo. contra quem nada tendes a dizer, nao um parti-
Havia ao mesmo tempo tanto amor e piedade do a desprezar.
nesta simples exclaraago, que as lagrimas vieram- O commandante tem razo, minha querida
me aos olhos. Qlria, disse madamosella Tournel; este casamento
Houve um momento de silencio. accumularia todos os meus votos, porque nao co-
Que a vontade de Deus seja feta I disse afi- nhego homem mais digno da estima e affeigo de
nal a cega; mas a lembranga de ser en ura obsta- uma muiher do que Mr. Ernesto,
culo a tua felicidade, um pezar superior as minhas Tambem ne esposare i outro, respondeu;
forgas. Chrislina com voz firme; podis dize-lo ao senhor
Minha boa lia, minha mae I continuou a ra- vosso filho ; que elle se case logo, pois que os seus
paUga com urna voz que enterneca o coragao, por prenles o dese,am, e que seja feliz I nao cessa-
que nao queris dar-me crdito quando vosaffirm0 rei jamis de rogar a Deus por sua felicidade I
Junada lamento, nada absolutamente a excepgao Madamosella Tournel quiz insistir de novo, mas
A chegada de minha criada grave que pro.
curava-me para certos arranjos de casa, me obri.
gou a deixar o pavilho, e qoando a elle voltei
meia hora depois, as duas damas tinham-se reti-
rado.
mesmo.
Algum tempo depois um cirurgtao da minita
amizade fez uma viagem Provenga, e veiu ver-
me em Dragugoan. Era um homem prudente e
hbil, fallei lhe acerca de mademoasella Tournel,
c levei-o sua casa. Elle examinou-lhe os olhos
com milita atteugo, hesitou por milito temoo an-
tes de enunciar a sua opinio, e allnal, disse, ao
contrario do parecer dos cirurgies da cidade, que
havia pouco risco em tentar un.a operago, cujo
bom resultado comtudo era duvidoso.
Ainda que hsse muito leve semelhanto esperan-
ra, a pobre velha a ella agarrou-se evidentemente.
' Como exclamou ella com exallago, nao seria
impossivel que eu visse o cu^e a trra, o sol dou-
rando com os seus raios o simo dos montes, a apra-
zivel verdura das arvores, as fl >res dos nossos jar-
dins, emlim todas as bellezas da natureza, e a mi-
nha querida Christin ,' cujo rosto ympalhico en
ptderia de novo contemplar \... O' meu Deus !
que se faga esta operago j e j.
Custou-nos muilo moderar os seus transportes
fazendo-lhe ver que a occasio nao era propria,
quetornava-se preciso esperar o bom temps-, e su-
jeitar-se a um rgimen preparatorio.
A rapariga, ao contrario, estava longe de tomar
parle no ardor de mademoasella Tournel, tomia
uma terrivel decepeo e talvez urna desgraca maior.
Se minha ta morresse as mos do cirur-
go me dizia ella ; e ainda mesmo que resistie-
se a este cruel sofTrimento, nao devemos temer as
consequencias da operago, a indammago que ne-
cessariamenle delia resoltar, e mais que tudo
isso, o desanimo profundo que o mo resudado
muito provavel pode fazer nascer no seu coragao
imprudentemente auerto esperanca ?
Queris qae ella fique cega toda a sua vida .
responda lhe eu, que as mais doces sensages lhe
sejam arrebatadas para sempre I Ponde-vos no
seu lugar, minha querida ; nao poder nem ler,
nem trabalhar; nem andar s, uma exi.lencia
siiiporlav^l ? e, para esta organisaco de artista,
para esta natureza snper'or, to sensivel s belle-
zas de paizagem, ao prazer immenso e sempre re-
nascente de contemplar o bello sol) todas as formas,
que cruel afDicgo como a perda da vista Mais
infeliz mil vezes do que o ceg de nascimento, que
nanea entrevia a luz do dia, a lembranga dos
prneres passadoi deve-lhe tornar semelhante pn-
vago muito mais dolorosa.
Rtnovaes lodos os meus pezares, prosegua
Christna chorando, pe.nsei muitas vezes em tudo
qaanto acabaos de dizer-me, porm nao pude do
minar as minhas apprehensoes ; talvez tambem
j me engae procurando persuadir-me de qu- com
tudo nos acostumamos ueste mundo, e que forga
de carinhos e amor, de leituras interessantes e ter-
nas conversas, me foi possivel at certo ponto
compensar minha boa lia e tudo aquilk> que ella
perdeu.
-E se estes carinhos e amor viessem a faltar-lhe
de repente ? Se, por uma dessas desgragas contra
as quaes nem a juventude nem a saude sao garan-
tas suffiVientes, Tosseis arrebatada deste mundo,
que viria a ser ento da pobre cega, s. sera ar-
rimo ?
Ela ultima considerago pareceu impressionar
forternento a rapariga, porm anda assim ella
continuou a oppoi-se tentativa projectada. Quan-
do viu que nao abalava a resolugo de mademoa-
setta Tournel, tet-ti ?.o menos, por astucias inno-
centes, afT.istar o momento fatal, nunca adiando a
poca bem escoHUda, tendo ainda alguns prepara-
tivos fazer, depois dilerindo de um da para ou-
tro o escrever ao cirurgio ; todava, este tomou a
iniciativa e annaneiou a sua chegada para 28 de
abril. A pobre Chrislina perturbou-se lendo a car-
ta do doutor; meus esforgos para conlerem os
seus funestos presentimentos foram perdidos, ella
tornou-so triste e pensativa, passando horas intei-
ras em orago, rogando a Deus para nao ficar se-
gunda vez orphaa.
iConfiMiiar-je-Bij
L-sc no Cruzeiro do Brasil o seguinte :
Em Portugal as questoes suscitadas com a santa
s, vo tomando ltimamente ura carcter desa-
gradavei.
O conego Fej da cathedral de Bragsnga e ex-
deputado as cortes, fra proposto pelo governo por-
tuguez para hispo de Macu; ora, o santo padre
recusou confirraa-lo, nao por motivo do seu proce-
der irregular nem to pouco por falta de orthodo-
xia, mas nicamente porque o governo. exige que
este novo bispo seja confirmado com junsdiegao
sobre toda a diocese de Macu, que comprehende
segundo o art. 5a da concordata de 1857, Macu,
a provincia de Kuang-Tong em Canlo.as ilhas ad-
jacentes excepgao do Quam-Si c a ilia de Hong-
Kong.
O papa respondeu : < Darci ao bispo de Macu
uma completa jurisdiego, quando o governo tiver
cumprido com as condigoes estipuladas na con-
cordata de 1857 ; porm em qnanlo elle se recusar
a cumprir ao que se obrigou, eu nao posso dar ao
bispo proposto seno a jurisdiego para Macan ;
assim procedendo, cumpro o que a santa s se
acha ohngada.
"A concordata diz : O padroeiro, isto o go-
verno, se oceupar de augmentar o numero de
misionarios aptos e capazes, de lal modo que elles
possam se empregar com os j existentes, em con-
servar e em propagar a f catholica nestas re-
gios.
E Portugal nao tem cumprido estas condigoes
desde o da em que foi feita a concordata.
Assim, nao o papa que culpado, mas o go-
verno porluguez, que odiando as ordens religiosas,
nao se decide a recorrer a esse nico meio con-
veniente e possivel de crear missionarios.
Se Portugal obleve outr'ora diretos do padrea-
do, foi sem duvida mediante certas obrigagoes. Se
as tivesse cumprido lena conservado, com esse pa-
dreado, uma influencia inmensa na India e na
China.
Cumpra hoje com as clausulas da concordata,
que para logo o santo padre confirmar o bispo de
Macu.
A revolngo destruiu o padreado, e acabara por
destruir as colonias portuguezas.
Em 18.1 i ella arabou nao s com o que poda ser
reformado, mas ainda com o que era ptimo, so-
bretodo a congregacao da mlsso establecida em
Rilhaolles, encarregada das missoes da China.
Esta congregago fra fecunda em missionarios
zelosos e dedicados, como por exemplo o actual
bispo do Purto e o de Marianna no Brasil, que tan-
to tem missionado e que to dignamente gever-
nam os seus bispados.
A maior parle dos governos que se tem succedi-
do desde I83 para c tem monhecido esta ne-
cessidade, e o Sr. Mendes Leal, ex-minisiro da ma-
rrana, confessou em plena cmara a necessidade
das ordens religiosas as colonias.
C.onvm, pois, que o governo porluguez cumpra
com o seu dever. Clamores, insultos, citages trun-
cadas nao sao argumentos.
O dia seguinm era n m domingo, as aleas de Aze-
mar se encheram de homens e mulheres que pas-
Christina pediu a' sua tia que a deixasse senhora
da sua sorte. O commandante enfadou-se e sup-
plicou .por vezes; a rapariga foi inflexivel e s
respondeu com lagrimas.
Todos ires separaram-se muito tristes.
Alguns dias depois, uma chuva grossa surpren-
deu estas damas no seu lugar favorito, apres-
sei-me em offerecer-lhes urna hospitalidade que el-
seavam, expon lo aos olhis invojoso3 o vestido ou o las aeccitaram de boa vontade; desde ento toma-
chapu recentemente chegado do Mwsolha; mas mos conhecraento, ellas vierara logo ver-me, em-
debalde procurei a all figura da senhora cega e o prestei-lhes a chave do jardim e uma terna amiza-
sympalhico rosto da sua sobrinha. No dia imme- de se estabeleceu entre nos.
diato, por causa de uma indisposgao, nao sahl do Posso afflrmr que nunca conheci carcter mais
meu quarto ; olhei muitas vezes atravs das vidra- syrapathico do que o destas mulheres; aprazia ver
gas, e pelas duas horas da tarde descobri as duas a saa amena piedade, bendade infinita, e mutua
incgnitas, collocadas no mesmo banco em que ti- ternura.
uham descangadona ante-vespera. Pelo espago de 3 Brevemente eu nao ignora va que Christna Du-
semanas as vi deste raod todos os das, exceptan-, iac, orpha aos doze annos, linha sido educada,
do-se os domingos, assentadas quasi debaiio das t com todos os cuidados imaginaveis, por sua res-
minhas janellas; e diariamente eu notava as mes-! peitavel tia. Madamosella Tournel nunca fra ri-
mas attengoes delicadas da parte da rapariga, o; C3j porra 0 sen talento pela pintura largamente
mesmo sontimouto de tristeza e de amor, impresso' sal,sQzera suas precisos at o dia em que aprazeu
por assim dizeras feices emmagressidas da ao senhor afiligila lo cruelmente com a perda da
pobre cega. Um vivo interesse me attrahia pira sia. Debalde recorreu ella aos mdicos, elles
essas mulheres, cuja toilette modesta aecusava gran- \ na0 conheceram a sua molestia e declararam-n'a
de medlocridade de fortuna. | incuravel. Era um golpe terrivel, porm ella te-
Conheceisestassenhoras? disse eu umjdia de- Ve a coragem da resgnacao, e sua sade, a prin-
slgnando-as com o dedo a propnetara da casa, que (cipio forleraente abalada, voltara ao antigo esta-
por acaso se achava no meu aposente. do. Toda a heranga de Christna eram uns trinta
Se as conhego I responden ella em povenga1, mil francos; ambas viviam das rendas desta som-
a pequea Dulac e sua tia, madaraoisolla Toar-, ma, gragas ao trabalho incessante, a' ordem e eco
tes, e a muiher acreditava por necessidade n'essas nel, a roestra de desenho, a qual fioou cega o anno nomia da rapariga.
escripturas desasizadas. Esquecida na sua prima-
vera florida, espera va que o acaso lhe Qzesse en-
contrar ama alma irma da sna, ora hornera, em
flm, que a comprehendesse. O cavalheiro da Boi-
ra sabia muito peuco d'isto, e as suas siogellas
passado, como se diz, porque trabalhava muito, | Um dia em que me achava s com esta fallel-
uma moca honesta e um bom coragao, como nunca' lhe acerca do commandante Boissier, confessando
honve; tal qual a vedes, ella ganhava qaatro ou que liona visto e ouvido tudo quanto se passara
cinco mil Trancos annualmente em fazer retratos e. entre ellas e elle as aleas de Azemar.
dar lices; com economa teria podido amontoar Madaraosella Dulac enrubeceu a estas palavras,
* r
TJM POLCO DE TI DO.
Publicou-se o Curso de Direito Civil Brasileo
pelo l)r. Antonio Joaquim Ribas, autor do Curso do
Direilo Administrativo, obra ha muito tempo espe-
rsda por ser o compendio adoptado para a facul-
dade jurdica do imperio.
O Curso de Direito Civil Brasileiro, um traba
Iho que todos lio de lr porque o aulor uma
lluslragao notavel e justamente respeitada na aca-
demia de S. Paulo e muito conhecido rfo Brasil.
A obra tem o merecimenlo de acompanhar a ju-
risprudencia de todos os palzes rriais adiantados.
Nclla o autor aprssen'.a todas as fonies do direilo
civil patrio ; trata da queslao da coditicago da le-
gislagao civil, indicando o melhor melhodo a adop-
tarse. V-se que o autor teve necessidade de apre-
sentar nm melhodo novo, e que se distingue do da
antiga jurisprudencia, de modo que as materias,
que discute, se apresentam ao espirito sob uma for-
ma mais expedita, mais fcil e clara, prineipal-
meute sobre questoes em que, os nossos amigos
praxislas sao omisses, ou em que tocara de passa-
gemtal o disposto no cap. 5 tit. 11quando
trata das pessoas jurdicas.
A classilicago adoptada para a ordem das ma-
terias com pouea differenga a mesma criadajior
Savigny e pelos jurisconsultos modernos allemes,
e ltimamente seguida pelo cdigo do Chile.
Alm da excelleueia da obra considerada em ge-
ral, e de tudo que ali inditamente discutido, e
professionalmente dogmatisado, aecresce que no
Ululo V do livro 2o, vem um appenso onde o aulor
se oceupa da litteratura jurdica, da jurispruden-
cia romana, da moderna, dos civilistas estrangei-
ros e dos civilistas patrios anteriores a compila-
gao fillppina e dos posteriores e por ultimo trata
dos diversos systemas de coditicago civil.
No ifra desse appenso ha grande numero de no-
tas que sao ricas de citages onde se apontam os
jurisconsultos nacionaese estrangeiros, bem como
os textos legislativos qae os preceder, s questoes
discuidas nos diversos captulos do lodo o livro.
do Sr. B. S. esta
DADIVA.
Dsle me um cravo, guardei-o
No centro do coragao,
Recebe em troca donzella
Um beijo na linda mo.
Um beijo todo respeito
Nascido dentro do peito
De quem sabe agradecer,
Nao pode fazer-te medo,
Nao umbeijo-segredo
Que te faga enrubecer. -
RSCS i UIU-TO E SKI ENS1NO, SEGUNDO- A THEOHIA
RACIONALISTA DO PKOGRESSO
Urna das obieegoes o mais das vezes reprodnzidas
contra a egreja catholica a iocomparibilidade de
suas doutrinas o de suas institulgoes cora' o pro-
gresso da luiraandade. .
Cnminam-lhe a sua persistencia era proclamar
e manter a hnmutabilidade do dogma -T aecusam-na
de ficar iminovel em face do moviment que arras-
ta as sociedades modernas para novos destinos;
foi-lhe predito que a sua fidelidade aos velhos sym-
bolos ser a causa de sua ruina.
Com elfeito, se acredilarmos no que dizem os
panegyrislas enthusiastas do tempo presente, esta-
mos sem duvida em vesperas de uma renovago
universal; o instante nao est longe emque os
germens daeivilisago, depositados na humamda-
de, apresentaro seus frucios; o mundo prepara
uma nova rdigio, e ja em todas as partes appare-
eem os symptomas precursores da transformarlo
prximo ddehristianismo.
Accusada de immobilidade por uas, a egreja esta
exposta a ataques de um outro genero, partidos do
lado opposto ; langa-se-lhe em rosto ter-se desvia-
di da simplicidade dos lempos apostlicos na con-
cepgo e exposigao da verdade cluist, e de ter al-
terado, pela mistura de opinioes puramente huma-
nas, a iuiegridade do deposito que Jess Christo
lhe confiara.
De uma e de outra parto desconhece-se os ver-
dadeiros caracteres do progresso no christianismo.
Uns negam a legitlmidade de ura desenvolvmento
qualquer na religio ; outros, por um excesso con-
trario, admittem um genero de progresso incompa-
livel com a idea mesmo da verdade revelada.
Os primeiros sao os prosteslantes, aquelles ao
menos que se dizem orthodoxos e pretender con-
servar' a f na ordem sobrenatural instituida por
Jess Christo. Para elles a verdade christ rece-
ben Da Biblia sua expresso completa; o dogma
est de tal maneira ligado a lettra da Escriptura,
que desliga-lo annulU-k.
A predica do Evangelho, em todos os seculos e
at o lint do mundo, nao deve ser outra cousa,
mesmo quanto forma, se nao a repetigo- mono-
tena, ou a simples traduego do ensino apostlico
stereotypado uma vez por todas no Novo Testamen-
to. Desta maneira, o trabalho perseverante dos pa-
dres e doutores da egreja nao tenderla se nao a
corromper a pureza da f, alterando a simplicida-
de antiga da doulrina : desenvolviment e novida-
de seriam termos synoojmos.
Na ideologa mais complexa das edades poste-
riores, o protestante ver, nao o livre desabrocha-
mento de um principio Interno e sempre existente,
mas uma degenerago da vitalidade primitiva. Na
sua idea, a doutrma.chrisi cora um rio cojas-
aguas tornam-se cada vez mais torvas e lodosas
proporgo que se vae eslendendo longe da sua ori-
gem ; pois fonte mesma que mister remontar
para extrahir d'ahi uma agua menos abundante,
porm mais pura.
Em quanto que os protestantes encadeaia o es-
pirito humano a lettra mora da Escriptora, os ra-
cionistas querem liberta-lo nao smente da lettra,
como da doulrina. Elles submettem a rogio
lei do progresso, como ellos o entendem; ora, pro-
gresso, em sua linguagera, significa, a3u a simples
evolugo de um principio, de ara germen preexis-
tente, mas ama mudauea substancia), uma trans-
forroago radical das deutrinas e das institugos.
O christianismo a religio universal, difinitiva,
mas nao se deve confundi-lo com suas manifesta-
g5es passageiras no tempo e no espago.
As formas vanadas sob as quaes elle se tem pro-
duzido al o presente sao todas legitimas, por que
elle nao tem nma s que Bao represente uma das
faes da verdade e nao corresponda s necessua-
des da sua poca ; ellas nao eslo menos destina-
das a parecer, por que em nenhuma existe a ex-
presso intera da idea chri.-ta.
Tal a sorte reservada egreja catholica : de-
pois de ter por muito tempo camnhalo a frente da
hu.nanidade ella tem preenchido sua tarefa : ella
vae daqni em diante augmentar o numero das for-
mas religiosas e sociaes usadas pelos progressos
da civilisago, e tornadas mu estreitis para con-
ter e comparar-se as conquistas do espirit moder-
no. Chegou o momento em que o christianismo
deve despojar-se do seu involucro tradicional. Re-
mocado ao contacto das ideas novas ser a religio
do futuro como f6i a do passado.
Taes sao as esperangas, ou melhor, as illases
dos modernos apostlos do progresso. _
PERNAMBUCO.-TYPDE M. F. DE F. & FILHO
I



.
i

ii r^*i\/i-i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUHN3OAWG_WL2SKI INGEST_TIME 2013-08-27T22:05:01Z PACKAGE AA00011611_10614
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES