Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10613


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLI. NUMERO 56
v-
}
Por qaarlel pago dentro de 10 das do 1. mez ...::.
dem depois dos i.0 10 diasdo cometo edentrodoquartel. .
Porte aa correi por tres mezes......., ,
5J000
6S000
750
ENCAHREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahybn, o Sr. Antonio Alexaudrrao de Lima ;
-Natal, o sr. AQtouio Marques da Silva; Aracalv, o
r. A. de Lemos Braga ; Cear, o Sr. J. Jos" de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqulm Marques Ro-
drigues; Para, os Sjrs. Geraldo Antonio Alves d
Filio) Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alvs; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho. '
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e eslagoes da via frrea at
Agua Prela, todos os dias.
Iguarass eGoyanna as segundas e sextas feiras
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanliuns.Buique, S. Bento, BomCon
selho, Aguas Bellas eTacarat, as tergasfeiras
Pod'Alho.Nazareth, Lirnoeiro,Brejo,Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob.Boa Vis-
ta.Ouricury.Salgueiroe Ex,as quartasfeiras
Seriuhera, Rio Forraoso, Tamandar, Una, Barrei.
ros, Agua Preta e Pimenteiras, nasquintasfeiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para llisanfr
navio.
[Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
4 Qaarto cresc. as 9 h., 39 m. e 16 s. da m.
12 La cheiaas 8 h., 22 m. e 10 s. da m.
20 Quarto ming. as 10 b., 16 m. e 22 s. da m.
27 La nova as 3 h., 8 m. e 22 s. da m.
QU1WTA FEIRA 9 D MARCO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 dias do l.mez ,,,.,,. 491000
Porte ao correio per um anuo.............. 3J000
Al'D/ENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commerrio: segundas e quintas.
Relacao: tergas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo docommereio: segundases 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sahbadcs a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
6. Segunda. Ss. Vctor e Victoriano mm.
7. Terca. S. Thomaz de Aqoino dout. anglico.
8. Quarta. S. Quinltllo b.; S. Poacio diac.
0. Quinta. S. Francisca Romana viuv.
10. Sexta. S. Mililao m.; S. Drothoveo ab.
11. Sabbado. Ss. Candido e Hi-raclio mm.
12. Domingo. S. Gregorio Magno dout. da egr.
PREAMAR DE BOJE.
Primeira as 2 hora e 6 m. da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manha.
PARTE GFFIGIAL
Docnmenlos relativos aoassalto
c tomada de Paysand
(Concluso.)
Passando a referir-me a outros offlciaes, devo
mencionar o capitao lente Francisco Freir de
Borja Salema e Garcao, commandante da conho-
neira Araguary, incumbido de auxiliar o chefe
Pinto na distnbuicaodos gneros e mugoes neces-
sarias torga, executou este servigo com muita
aevidade e gosto,
O capitao tenente Luiz Mara Piquet, comman-
dante da canhoneira Belmonte, pelas excellentes
pontanas feitas porseu navio epela boa guarda no
acampamento, noqual permaneceu varias noutes.
O primeiro tenente Guilherme Jos Pereira dos
Sanios, commandante da canhoneira hahy, pela
Dos guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. conse-
Iheiro Francisco Xavier Pinto Lima, ministro e se-
cretario de estado dos negocios da marinha.Ba-
ro de Tamandar.
Offlciaes da armada e classes annexas que desem-
barcaran em Paysand.
Vice-almiranle barao do Tamandar, comman-
dante em chefe da esquadra Io tenente Euzebio
Jos Antunes, secretario e ajudante de ordens; di-
to Antonio da Silva Teixeira de Freitas, dem ; di-
to Joo Baptista de Oliveira Montaurv, ajudante de
ordens ; dito Jos Lamego Costa, dem; chefe de
divisao Francisco Pereira Pinto, chefe do estado-
maior e commandante da 3* divisao ; Io lente
; Helvecio de Souza Pimentel,secretario e ajudante
de ordens; cai'itao-tenente Luiz Maria Piquet; di-
to Francisco Freir de Borja Salema e Garcao ;
Primeiros-ienentes Guilherme Jos Pereira dos
Sf ntos, Antonio Carlos Mariz e Barros, Hennqoe
rinheiro Manoel Dias Machado : houve urna ampu- s Pereira da Silva e para mdicos o Dr. Luiz Al- acaba de parlicipar-me terem sido fundidos em
ffi! Val"LhT"LP!fCada P0l Dr A' i"}?- $? BaDh0 e esludaD,e d0 6 ano L"* Sil- s, e contara SferiZ todos ortontae
zio do Nascimento, ajudado por mim e pelo Dr. va Flores, que tambem a.jui exerce as funccoes de
Adriao Chaves, do lado direito no imperial mari- 2o cirurgiao da armada. Posso garantir a V Exc
nheiro Manoel Domingues do Nascimenlo ; tres que nao tenho exprs.-oes com que a V Exc dos-
amputacoes, urna no terco Inferior do braco direi- sa descrever o zelo, actividade e intellgencia no
to, outra no terco inferior da cxa direita.outra no curaiivo desses valentes soldado* Para e terco inferior da peroa esquerda, em tres indivi- dicos, Exm. Sr., nao ha privagoes, nem incommo-
duos das torgas do general Flores: urna laqueago dos ao ouvir o gemido do doente que se extorce oo
da popltea e outra da axilar praticadas pito Dr. leito da dr, e quando aigum momento de repou-
um
Adrin Chaves em doas pravas das forcas do gene
ral Flores, reclamada a primeira por ama aneuris-
ma diffusa, occasionada por ferimentos daquello
vaso, e a segunda por ferimento da brachial : pelo
mesmo Dr. Chaves a desarticulacao tarso-phalan-
giana dos tres ltimos arlelhos do pe direito, con-
servandose o primeiro e o segundo, e a do dedo
mnimo da mao direita em individuos das ditas for-
gas : ama reseego no tergo medio do cobito di-
so se aprsenla, o hmido assualho das enferma-
ras e o seu leito. Tem sido muitas as ofTertas, pa-
ra o servigo e trabalho medico, dos mdicos ar-
gentinos e orientaes.
Ointeresse que dem-jnstram
Francisco Martins, Augusto Netto de Mendon'ca, reito, duas desarticulares,'urna do pollegarda
Joaquim Francisco de Abreu, Joao Gongalves mo direita, outra dos ltimos artelhos do p es-
Trabalham all tres irmas de carldade, e as
respectivas despezas sao pagas pela autoridade do
general Flores, all constituida.
Dees guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. conse-
Iheiro Francisco Xavier Pinto Lima, ministro e
secrelano de estado dos negocios da marinha.
Batao de Tamandar.
Relacao nominal dos mdicos assiduos no curativo
dos doentes dos dous hospitaes de sangoe estabe-
lecidos em Buenos-Ayres.
Drs. Nicolao Tolenti'no de Gouva Portugal e
Adolpho Deroseau.
Mdicos que tm tratado de alguns doentes.
un. Joao Jos Montes d'Oca, Leopoldo Montes
d Oca, Manoel Augusto Montes d'Oca e Joao Anto-
nio Argcrich.
Trabalhou aos primciros das o Sr, Dr. Manoel
que dem-jnstram pelo restabeleci-
menio do soldado que em seu peito aprsenla o fe-
rimento adquirido no campo da batalha notavel.
Se as guerras incessantes que so lem travado
na Europa, o medico militar rene os fados e ob-
servacoes cirurgicas que as salas de um hospital,! Bonicho.
sna coragem e.dedicaco ao servic), indo volunta-1 Duarte, Jos Ignacio da Silveira.Franeisco Goulart qoerdo, por' mim praticadas tambem em pragas do com espanto asciencia posso aseeurar'a V^Em
mente aos logares de risco ajodar seus cama-! Rolim, Francisco Jos de Freitas, Fernando Xavier mesmo general. que nesse fogo vivissimo que leve lear em' P*v.
radas-. 1e Caslro ; segundos-lenles Tell Jos Ferrao,' No dia 7, a bordo da Parnahyba o Dr. Luiz Al- sandasobservagoescirurgca< ao de tal nalur'e-
O primeiro tenente Antonio Carlos de Mariz e! Antonio Sevenano Nunes, Miguel Joaquim Peder- ves do Banho, ajudado pelo Dr. Costa Antunes, za que prendem tambem com cnanto i aliene
Barros, que, commandando a batera mais ptente neira, Miguel Antonio Pestaa, Jos Antonio Cor-' praticou no.capitao de fuzileiros Francisco Maria I do cirurgiao brasleiro.No lira desta lta oue se aue nire
a todas, foi geralmente elogiado pelo denodo com rea de Mello, Julio Carlos Teixeira Pinto, Julio dos Guimaraes Peixoto, a desarticulacao do dedo travou no Rio da Prata, terei occasiao de otTerecer i Mar.anna Smi h daVo a !
aue se portou, e acert com que dirigi os tiros Cesar de Noronha Francisco Flix da Fonceca Pe- medio da mao direita. Por ter de partir nesse considerado de V. Exc. o meu relatorio de am- bolina Va^T' DFlidaYKr
das sas pecas, que Gzeram barritis estragos ao mra Pinto; guardar-marinhas Luiz Felippe de Sal- mesmo dia para Buenos-Ayres o mesmo Dr. Ba- panha, e en&o es.ou certo que ero ava iados cm d de Morffi PaSSl An on o LU'M Cj-"*"
intrnente no seu pos- danha da Gama, Ehezer de Coutinho Tavares, nho, pasera para bordo do Recife o capilo Peixo- jaslica os trabalhos e curas importantes dos nos
to, que icou entregue aos meus cuidados.
Bes e ataduras para o cu-
rativo dos doentes.
A familia do Exm. Sr. ministro residente do
Brasil, D. Josepha Codeva, Sra. de Santos, D. Ma-
na Segu, Thomaz Prudent, D. Virginia Elisalde
inimigo. Permaneceu constaniemen
to, e mostrou, alm de valor, desembarazo e acer- Alfonso Henriques da Fonceca, Joaquim Hay mundo
lo no trabalho de desembarque, conduccao e mon- de Lamare Sobrinho, Jos Victor de Lamare, Car-
tagem das pecas \ elle conOadas. i los Miguel Conrado o Gregorio Ferreira de Paiva ;
O primeiro tenente Augusto Xetto de Mendonga i capitao-lenente cirurgiao de divisao, Dr. Claudio
mostrouse valoroso no combate, pelo que foi mu- io< Pereira da Silva ; seguodos cirurgioes Dr.
to recommendado pelo coronel oriental Goyo Sua- Baldumo Athanasio do Nascimento, Dr. Joao Adrlo
rez, tornando-se igualmente recommendavel pela, Chaves, Dr. Luiz Alves do Banho, Dr. Joaquim da
energa e obslinago com que resisti s ordens Costa Antunes; commissarios de segunda classe
com que queriam arrancar de seu poder osj)ri-! Antonio Joaquim da Silva Castro e Manuel da Silva
sioneiros qae desarmou, comprometindose a sal- j Campos, e de terceira classj Joao Jos dos Santos e
var-lhes a vida;o que cumprio por honra sua e da Almeida.
nossa bandeira. Pracas do balallifw naval e imputaos marinheiros.
Os primeiros tenenles Joaquim Francisco de Prlmciros sargenjos Domingos Pereira Jnior,
Abreu e Francisco Jos de Freitas foram tambem Francisco Borges de Souza, Maaoel Francisco Pri-
recommondados com especialidade pelos offlciaes: meiro, Joaquim Lacerda da Luz, voluntarios prati-
que os commandaram; bem como os segundos te- co Francisco Etchbarne e Joaquim Marques
nentes Tell Jos Ferrao e Jos Antonio Corroa de Lisboa.
Mello. Este offlcial, que ne combate do dia 6 trope- Offlciaes do exercitoque seniram com a forra na-
coa e cahio, sendo pisado, por varias pracas que val, desembarcados da esquadra.
o seguiam, ncou desconceltuado por ter tidoestel Major do 2-regiment de cavallara Jos Antonio
accidente como acto de cobarda ; quando, porm, I Correia da Cmara, capitao do Io batalho de in-
V.sembarcon a no>sa forca para dar o ataque de i fantana Francisco Maria qs Guimaraes Peixoto,
3J de dezembro, pedio-me com o raaior empenho lente do dito Eduardo Emiliano da Fonceca, al-
para provar, nos postos de maior perigo, a injus-1 feres do dito Francisco de Paula Pereira e Sebas-
tica com que o tinhao julgado, qualilicando sua ; tiao Raymundo Ewerton, 2o cadete I sargento do
queda, inteiramente accidental, independente de | dito Helvecio Moreira Felles de Menezes, segundos
sua vontade, como um acto de cobarda que o in-
famava. Annul a este justo e nobre pedido, segu-
ro de que era inspirado por um verdadeiro pun-
donor militar, e cbeme a hoara de informar que
este digno offlcial illustrou com o sen proce-
dimento no combate, seu nome e a farda da cor-
poracao que veste. O distincto major Cmara as-
segura-me que seu comportarnento nada deixou a
desojar.
Devem ser distinclamente mencionados pelo va-
lor e galhardia com que se portaram no combate,
os guardas marinha Luiz felippe de Saldanha da
Gama, Francisco Flix da Fonseca Pereira Pinto,
Kliezer Coutinho Tavares, Gregorio Ferreira de
Paiva, Jos Victor de Lamare e Joaquim Raymun-
do de Lamare Sobrinho. Esto joven ainda depois
sargentos Antonio Carlos da Silca e Melanio dos
Reis Pereira do Lago.
Offlciaes que servnam na balera de jmsirao bom-
bardeando Paysand' nos dias 31 de dezembro
de 1864 a de Janeiro de 1865.
Primeiros (encoles Henriques Jos Martins. An-
tonio Carlos de Mariz e Barros, Joaquim Francisco
de Abreu, Francisco Gonlarl Rollm, Miguel Joa-
quim Pederneira ; segundos ditos Julio Cesar de
eronha, Francisco Flix da Fonceca Pereira Pin-
to ; guardas-marinha;., Jos Victor de Lamare e
Gregorio Ferreira de Paiva; piloto, Francisco de
Paula Saracanho e pratico Fernando Etchbarne.
Offlciaes e miras da armada morios e feridos em
Paysand'.
Io tenente Henrique Jos Martins, morto no da
de erido por duas balas, urna no braco e outra na! 31; guarda-marinha Joaquim Raymundo de La-
perna, conservou o maior sangue trio,- admiravel' mare Sobrinho, ferido no dia 31;'guardao Jos
em sua idade. O guarda marinha Jos Vctor de Ribeiro da Silva, morto no dia 6; cabo do batalho
Lamare, que servio na batera do primeiro tenenle: naval Francisco Antonio Pacheco ; soldados do di -
Barros, patenleou a todos o seu valer, actividade, to Kelicissimo Jos Guimaraes, inoito no dia 6 ;
inalteravel calma. Ladislao Francisco da Costa, morlo no dia Io; e
Devo fazer igualmente mnito particular mencao Manoel Mendes, morto no dia 31; cabo de impe-
do eommissario de segunda classe Antonio Joaquim riaes marinheiros Benedicto Correia, ferido.
- sos cirurgioes militares que comigj compartilham
hm sua volia de Buenos-Ayres nomeeio Dr. B.v as (adigas da guerra,
nho, eDr. Costa Antunes para auxiliaran o serv- i Ferimentos produzidos por fcil na caixa thora-
co do hospital. as frequentes visitas que fazia ao xica e no crneo, nos membros superiores e inte-
hospital, tinha sempre motivo de encher-me de sa- riores, desarticulares de membros thoraxicos am-
tislacaopor veroasseiojordem,bom desempenhodo pulacoes, reseccoes, eis as scenas que compoem
servico e humanldade com que eram tratados os esle grande drama. O soffrimento do soldado bra-
feridos, que confessavam agradecidos os cuidados sileiro ferido em Pavsandu', eis os pontos sobre
assiduos que 1hes prestavam estes mdicos. que devem versar os trabalhos de um relatorio ci-
Tomo por isso a liberdade de recommendar a rurgico.
V. Exc. os notaveis servieos desles deus mdicos,
assim como os Drs. Balduino Athanazio do Nasci- pre-me declarar que o Exm. Sr. almirante barao de
ment e Joao Adriao Chaves, que prestaram com Tamandar tem sido incansavel em procurar o le-
pericia. humanidade eexcessivo zelo, servico.digno nitivo do soldado brasleiro, redobrando de esfor-
delouvor, e da attencao do governo imperial. eos para que nada falte, e de prompto mandado
\a distrlbuigao que os mdicos flzeram entre si por em execucao as exigencias de todos nos era-
do servigo do hospital, nao obstante cada um flear '
com numero quasi igual de doentes, auxiliavam-se
com ludo reciprocamente.
Com a chegada dos alumnos pensionistas Luiz
da Silva Flores Filho, Felippe Pereira Caldas e
Justiniano de Castro Rabello, tiveram os mdicos do
. Cosa e Smilh,
Adelo Ferrer, D. Maria G. Flores, Santiago Al-
bamacin, D. Clara Osana de Campos, D. Ignez Pa-
gla de Orlis, D. Florida Martnez, D. Mana Costa.
Vieram outros presentes de lios mandados por
pessoas que nao quzeram declarar o nome.
O Sr. Eslevao Ramos offereceu ao hospital uns
potes de balsamo particular, que diz aproveitar
muito no curativo dos doentes, e que ne lemos
por ora experimentado.
Buenos-Ayres, 18 de Janeiro de 1863.Dr. Car-
los Frederico dos Sanios Xavier, chefe de saiide da
Antes, porem, de terminroste meu officio cum- esquadra.-Conforme.-Euzebio Jos Antunes, 1
tenente secretario e ajudante de ordens.
benebeio dos feridos, e par desses esforgos se
apresentam ao leito da dr em auxilie do enfermo,
essas dignas irmas de caridade, verdadeiras he-
ronas no exercicio de sua profissao.
Os poucos momentos roubados ao aecurado tra-
balho que tenho, e o de ver de minha profissao obri-
nosnual o auxilio desses mogos intellgentes, e j gam-me a nao ser tao prolixo, como desejava, as
sumcientemente instruidos, cheios de desejos de iuformagoes que a V. Exc. poderia dar
prestar servieos a sua patria, e ahi serviram at o ( Dos guarde a V. ExcHospital da marinha
dlVu- a jbrasileiraem Buenos-Ayres, 9 de Janeiro de 1865.
Nesse da foram nomeados os alumnos Pereira Illm. e Eun. Sr. Dr. Joaquim Candido Soares de
Caldas e Castro *
GVERiO DA PROYINlIA.
Expediente do dia 6 de margo de 1865.
Officio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba.Em additamento ao meu officio de 20 de
fevereiro uliimo, passo as mos de V. Exc, o in-
cluso conhecimento e chaves pertencentes ao espo-
lio do Dr. Manoel de Brito Machado Paiva que para
t rem esse destino me foram remettidos pelo con-
sulado geraldo Brasil era Portugal, com officio de
28 de novembro de 1864.
Dito ao coronel commandante das armas interi-
Rabello para acompanhar a forga Meirelles, chefe de divisao graduado e cirurgiao- j no.-Fago apresentar a V. S. o furriel do 9 billa-
quemarciou, passando para bordo do Recife o mor da armada Curios Frederico dos Sanios Xa ] Ihao de infantaria da guarda nacional de Olinda Ma-
lSTL im t2L. Ver *,AzVf0: cnef? de saude da esquadra. -Es- j noel Ignacio Soares, que se offereceu para servir
a a V' levaD,aod-5e acampamento, tive la conforme. -Antonio Alba Coireade Carcalho, I no corpo de voluntarlo da patria, aim da ana V.S.
2ntm^? r alm,r!"?,p w, nnmpar dous mrur- aoreiarw j ihe de o conveniente destino, depois de inspeccio-
gioes para acompanhar os doentes que tinhara de N. 9.-Commando em chefe da forga naval do nado. P iuuew.io
seguir para Buenos-Ayres em navio mercante e Brasil no Rio da Prata.-Bordo da corveta Ntthe- Dito ao mesmo.-Fago apresentar a V. S., o cida-
alli estabelecer m hospital para o tratamento de rohy em Montevideo, em 5 de fevereiro de 1865. dio Joao Borges Vieira da Fonseca, que s offere-
aX 2K f* naoC0Dfprmidade das mstruecoes Illm. e Exm. Sr.-Para iratar o grande numero ceu para servir no corpo de voluntarlos da patria,
R-m .?" alrairanle-, 'de fnd0 1ue 'vemos em Paysand', e transfer- aim de que V. S. Ihe d o conveniente desuno, de-
Lm oenelicio dos mesmos doentes, e levado pelo los dos hospitaes provisorios que ali creamos na pois de inspeccionado
espirito de justica, entend que os mdicos que pra- occasiao do combate, foi neiessario montar em I Dito ao mesmo.Sirva-se V S de consentir aue
icaram s pnnnpaes operagoes e em maior nume- Buenos-Ayres dous hospitaes de sangue, visto que o 1 cadete do corpo de voluntarios da patria Jos
da Silva Castro, que bffereceu-se par marchar, e
que em todas as eirenmstancias se portou o rae-
Ihor possivel. Este offlcial havia servido rauitos,
annos no nosso exercito, onde chegou a ser sar-
gento ajudante. Sua experiencia na arte militar,
e a boa vontade com que marchou, e o valor que
manfestou, o fez distinguir por seus superiores e
amaradas.
Outro eommissario fez-se tambem distincto por
se offerecer para marchar, e se comportou com va-
lor e denodo no cmbale. Foi o de terceira classe
Joao Jo dos Santas Almeida.
Terminarei minha exposigao relativa aos offlciaes
da armada, declarando a V. Exc. que os dos cor-
pos de saude, tendo a preencher o dever de repa-
rar o damno feito pelas armas, foram exercer sua
humanitaria missao at nes pontos mais avanca-
^ados, expondo-se aos azares da guerra. Aos se-
gundos cirurgioes, Drs. Balduiuo Athanazio do
Nascimento, Luiz Alves de Banho e Joaquim da
Costa Antunes, coube marchar com as forcas que
atacaram o inimigo em seus intrincheiramntos, c
ah mesmo prestar os primeiros cuidados que os
feridos reclamavam. Reunidos depois ao chefe de
saude, Dr. Claudio Jos Pereira da Silva, segundo
cirurgiao Dr. Joao Adriao Chaves, e aos alumnos
pensionistas, segundos cirurgioes Justiniano de
Castro Rabello, Luiz da Silva Flores e Felippe
Pereira Caldas, prestaram nos ho.-pitaes improvi-
sados as proximidades do porto os mais desvela-
dos cuidados aos nossos feridos, e aos dos nossos
alliados em numero superior a 80. Seus desvelos
e pericia com que fizeram muitas operagoes im-
portantes, mereceram os elogios dos cirurgioes dos
navios de guerra estrangeiros que estavam no
porto. Por estes servigos notaveis sao elles dignos
de toda a consideracao do governo imperial.
Resta-me ainda assigoar o primeiro sargonto do
batalho naval Francisco Borges de Souza, Gui-
Ihermino Manoel dos Passos Ramos e Alexandre
Jos da Silva, que se portaram com intrepidez ad-
miravel, tendo este a honra de ser o primeiro que
collocou a bandeira imperial no zimborio da ma-
triz.
Quanto ao bravo major Cmara, valente capit
Peixoto e mais offlciaes inferiores do contingente
do primeiro batalho de fuzileiros embarcado* na
esquadra, j tive a occasiao de elogia-los divida-
mente na parte dirig que ao Exm. Sr. ministo da
guerra, e de que dei conhecimento a V. Exc. Re-
pito smentc agora que susientaram as glorias do
exercito, e que merecem ser remunerados pelo go-
verno imperial.
A lomada de Paysand, Sr. ministro, nao s
nm bnlhante feitod'armas que veio Ilustrar o nos-
so exercito e. armada. Politicamente encarado,
este trinmpho de um immenso alcance, porque
arrebatan ao inimigo a sua posigao mais forte, e
que elle reservava para centro de sua acgo, co-
mo ponto de reuniao dos Paraguayos e dos Entre-
Itianos, com cujo pronunciamento a seu favor ain-
da hoje conta.
Alm disto deve ser considerado como nina car-
i' classe : Faustino Ferreira, ferido : Leonardo
Jos dos Santos, idem.
2J classe : Fructuoso Manoel dos Passos, ferido;
Guilherme Manoel dos Passos, idem.
3" classe : Manoel Jos Gabriel, ferido ; Antonio
Mathias Monleiro, idem ; Jos da Rocha, idem.
2 marlnheiro Manoel dos Passos, ferido.
Cabo de impenaes marinheiros Gabriel da Motta,
morto.
1* classe : Florisbcllo da Silva, morto ; Jos Ro-
drigues, idem.
2a classe : Manoel Marcellino dos Santos,
morto.
3' classe : Manoel da Rosa, morto ; Domingos
Antonio do Monte, idem ; Joaquim Antonio
da Cruz, idem ; Antonio Pereira da Costa, idem.
Cabos do batalho naval : Joo Francisco Amojo.
ferido ; Francisco Antonio Pacheco, idem.
Soldado ditos ditos: Marcellino Gomes de Oli-
veira, idem ; Angelo Moniz Brrelo, idem ; Casi-
miro Raymundo da Silva, dem; Jos Vieira de
Araojo, idem ; Vicente Ferreira, idem; Manoel de
Deus Machado, idem; Novato Jos Pereira, idem ;
Francisco Joaquim de Figueiredo, idem ; Pedro
Celestino Bispo, idem ; Antonio Jos do Nascimen-
to, idem ; Lourengo Alv>es da silva, idem ; Antonio
Franci co da Cunha, idem ; Agostinho Ferreira de
Souza, dem ; Jos Pereira de Azsvedo Ferreira,
idem ; Antonio Justo Callado, idem; Manoel An-
selmo de Jess, idem ; Francisco Jos de Moraes,
idem ; Domiciano Jos da Silva, idem
Jos Pereira, Idem.
araputacao_ scapulo-humeral, e dous das forgas do divisao
general Flores, por estarem em to pequeo navio,
sem commodo sufficienle para se tratarem feri-
mentos to graves A um delles urna forte e vio-
lenta congelo pulmonar deu causa marte.
Os doentes que falleceram a bordo do Recite, em
consequencia de ferimentos em combate, foram o
cabo do batalhae naval Gabriel da Motta, lo gra-
vemenle ferido' que s, viveu n.eia hora depois da
sua chegada a bordo ; nm anspegada do Io de fu-
zileiros, ferido jjravemente na espinha dorsal, s
viveu quatro horas depois de chegar a bordo ; o
cabo do Io de fuzileiros Felippe da Paixo, ferido
gravemente na reglao occipital, viveu dous dias de-
pois de sua chegada a bordo.
Bord da corvla a vapor Recife, em frente de
Paysand', 23 de dezembro de 186i. -Illm. e Exm.
Sr. Dr. Joaquim Candido Soares de Meirelles, che-
fe de divisao graduado e cirurgio-mr da armada
divisao e por varios mdicos da nossa forga.jiaval,' Lino, Manoel Accioli Wanderley, Jos Francisco do
fazem honra nossa solicitude pelos infelizes que Nascimento, Deodato Marque'de Mello e Jos de
haviam derramado seu
sangue no campo de bata-
lha, e pericia dos nossos offlciaes do corpo de
sa-le, que a porfa se esmeram na sua tarefa hu-
manitaria.
Quatro irmas de caridade francezas se presta-
ram promptamente a ir consagrar nelles, aos nos-
sos soldados e marinheiros doentes, os santos cui-
dados da profissao a que se dfdicaram.
nacional e -mperial. Claudio Jos Pereira da Sil- ra aqui, determinei o chefe de saiide'da esquadra
va, cirurgiao de divisao e chefe de saude daesqua- que orgaDisassc o servigo medico e cirurgico des-
dra do Rio da Prata.Est conforme, Dr. Alba de sas duas enfermaras do melhor modo possivel,
Larvalho, secretario. contratando os facultativos que julgasse necessa-
Illm. e Exm. Sr. Honrado com a confianga i rios. Km execucao desta ordem informou-me elle
do governo imperial, nomeando-me chefe de sau-' que convidou o Dr. Nicolao Tolenti'no de Gouva
de da esquadra brasilera em operagoes no Rio da Portugal, e o cirurgiao chefe de sad da esqua-
Fiata, segui para o meu destino no da 26 de de- j dra argentina. Proposto ao primeiro doutor o con-
zembro do anno passado, ehogando ao porto de! trato, respondeu que eslava como Brasleiro e me-
Hootevido na madrugada do dia 31. Sendo de dico prompto a continuar
Barros da Silva, mandando abonar sold a esles
dous ltimos, desde o dia 25 do mez passado, em
qne se apresentaram ao commandante superior da
guarda nacional do Rio Formoso.Comraunicou-se
ao predito commandante superior.
Dito ao mesmo.Mande V. S. alistar no corpo
de voluntarios da patria, os guardas nacionaes men-
cionado! na inclusa relacao que me foram remetti-
Hnitas senhoras Brasileiras, Orientaes e Argn- dos pelo tenente-coronel do 7 hatalho de infanta-
tinas visilaram-os, e offereceram fios de linho pa- ra da guarda nacional desle municipio Mariano de
ra o curativo, procedimento que bastante nos pe- S e Albuquerqne, e a V. S. serao apresentados
nhorou. Nao s isso. Diversos mdicos distinc- pelo tenente Jos Rodrigues de 01'
tos, constantes da relacao junta, offereceram seus excepgao do de nome Antonio Jo
serygos, que foram aceitos e agradecidos. ter sido dispensado do alistamento.Commuoicou
Tendo de retirar-se toda a esquadra do porto de se ao predito tenente.
Buenos-Ayres com quasi lodos os seus medico-, Dito ao mesmo.-Mande V. S. por em liberdade,
visto que vinha ella para novas operagoes de guer- dando-lhe baixa se j esiiver alistado, o recruta de slvao aos mesmos_voluntarios.
Dito a associagao do Hospital Portuguez de Be-
neficencia nesla cidade.Accuso recebido
bacharel Henrique Pereraa de Lucena nogoso da
Ucenca de um mez que obteve, e em 25 do mesmo
mez reassumio o exercicio do seu cargo, renun-
ciando o resto da referida licenga : o que a V. S
communico para seu conhecimento.
Dito ao inspector da Ihesouraria provincial.-Se
nao nouver inconveniente mande V. S. pagar a An-
tonio Domingues de Almeida Pocas, em vista doaltes-
tado junto em duplcala, que me foi remettido pelo
enere de polica com officio de 20 de fevereiro ulti-
mo, sob n. 230, a quantla de 305 do aluguel de 3
mezes vencidos em dezembro do anno prximo
passado, da casa que serve de cadaia na villa de
Agua Preta.Communicou-sc ao Dr. chefe de po-
lica. K
Ditoaocommandantesuperior daguarda nacional
do Recife.-Hemetto por copio a V. S. a inclusa lista
dostrahalhadores e empregados as offleinas da es-
trada de ferro que em vlrte.de da condigo9\ d'a-
quellas que baixaram com o decreto n. 1,030 de 7
de agosto de 1832, estao isentos do recrutamento
edo servigo activo da guarda nacional.-Igual ao
commandante superior do Cabo, Rio Ferraozo, Es-
cada, ao tenenie-corenel reerntador e ao Dr. chfe
de polica.
pito ao coronel superior da guarda nacional de
Olinda e Iguarass.Hecebi o officio que V. S. me
dirigi em data de i do correte, apresenlando-me
Para servir "o corpo de voluntarios da patria o tor-
ne! do 9" batalho de infantaria da guarda nacio-
nal sob sen commandando superior, Manoel Joaquim
Soares Agralecendo ranitoe applaudindo lo pa-
tritico procedimento de V. S. acabo de mandar
alistar o mesmo furriel no predito corpo.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Limoeiro.Eipega, V. S ordens terminan-
tes para que seja cora a maior presteza substitui-
do por outro o destacamento da guarda nacional
existente nesse municipio.
Dito ao commandante do corpo de polica.An-
loriso \. S. a mandar engajar para o servigo do
corpo sob seu commando o paisano, que para isso
foi foi julgado apto, Guilherme Augusto de Oliv^i-
ra, de que trata o seu o officio n. 145 desla data.
Dito ao director geral da inslruccio -uliliea.
Era vista do que ponderou V. S. em'sua informa-
gao de 22 de fevereiro ultimo, sob d. 60, nao pode
ter lugar o que pede no requerimiento que devol-
vo o bacharel Egidio Francisco das Chagas.
Dito ao tenente-coronel reformado Francisco de
Aguiar Montarroyos.Accuso recebido o officio de
6 do correte em que V. S. nao s me apresentou
para alisiaremse no corpo de voluntarios da patria
o sen fllho Joo Capistrano de Aguiar Montarroyos
e seus dous netos Fernando Pacifico de Aguiar
Montarroyos e Lauriano Germano de Aguiar Mon-
tarroyos aos quaes mandei assentar praga naquel-
le corpo, mas lambem offereceu a torga parto do
SOldO que percebe como offlcial reformado Sa sur-
Cit para ser applicada as despezas da guerra com
as repblicas doRioda Prata em quanto esta durar.
Em resposta tenho a dizer que aceito e muito
agradego em nome do governo imperial o seu pa-
tritico offerecimento digno por certo de louvor.
Fez-se o necessario expediente a este respeilo.
Dito ao vigario da freguezia de S. Lourengo de
Tejucupapo.Aceito e louvo como um acto de seu
patriotismo o offerecimento, que fez d= 23 por cen-
lo de sua congrua a contar do 1 do correte, para
as despezas com a guerra actual em Montevideo e
Paraguay, e nesta data expego ordem a ihesoura-
ria de fazenda, para que proceda ao devido des-
cont em taes vencimentos.Offlciou se a thesou-
raria de fazenda.
Dito ao tenente-coronel commandante do 7. ba-
talho de infantaria da guarda nacional deste mu-
nicipio Mariannode S e Albuquerque.Tendo-se-
me apresenlado para o corpo de Voluntarios da
Patria, os guardas nacionaes do batalho sob seu
commando, mencionados na relagao juma ao seu
officio de 5 do correte, agradego a vmc. a patri-
tica coadjuvago que presta ao governo com taes
acqulsicoes, communicando-lbe que despense o
guarda de nome Antonio Jos de Freitas por me
ha ver este declarado que nao podia alistar-se na-
quelle corpo.
Dito ao tenente-coronel Coriolano Jos Vellozo
liveira lima com 'da ,s'lveira-Sendo-me apresentados para o corpo
' de FrS no? de Voluntarios da Patria com o seu officio de 5 do
o Pommnmn- corr.en,e os hadaos Vicente Jos Lino e Manoel
do
, os cidados Vicente Jos Lino e Man
Accioly Wanderley, agradego a Vmc. a solicitude
que manifesta em auxiliar o governo com a acqui-
poucas horas a demora nesse porto, segu nesse
mesmo dia para Buenos-Ayres, porto do meu des-
uno, c"achando-sc o Exm. Sr. almirante em Pav-
sandu, dirigia-me a este porto, quando honveram
ordens terminantes de ancorarmos em Fray Bea-
| to, pequea povoago na margem do Uruguay aflm
Honorato i de desembarcarmos a forga de 1,600 homeris que
j tinham vindo do Rio de Janeiro cop o fim de re-
no servigo em que se
tem empregado desde a inaugurago destes hospi-
taes, nao recebendo por isso, como nao tem rece-
bido, o menor subsidio do governo imperial, mas
que desejava que em atlengo a estes serviros Ihe
fosse concedida a preferencia na abertura da casa
de sade em Montevideo, na qual fossem tratados
os soldados do exercito
nome Manoel, visto ser africano livre.Comrauni-
cou-se ao curador dos africanos livres.
Dito ao Dr. chefe de polica.-Queira V. S. lou-
var em nome-desla presidencia, a todos os cidados
inscriptos no abaixo assignado, que em i do cor-
rente Ihe remetti, pelo patritico offerecimento que
fizeram pira formarem urna guarda cvica e faze-
rem o servigo de rondas nocturnas nesta capital e
seus arrebaldes, e outros compaliveis com as suas
prolisses, quando houver de retirar-se da provin-
cia a forra de 1" linha que existe.
Dito ao inspector da ihesouraria de fazenda.
Consta de participago
. o officio
que em data de 2 do corrente, me dirigi a associa-
gao do Hospital Portuguez de Beneficencia nesta ci-
dade, pondo a disposicao desta presidencia as en-
fermaras d'aquelle eslabelecmento, para nellas se-
rem tratados gratuitamente as pragas da guarda na-
cional que achando se aquartelladas para o servigo
desta guarnigo, venham aprecisar dos soccorros
da medicina e dos recursos que o mesmo hospital
em tal caso, Ihes pode facultar.
Aceitando e agradecendo muito esse offereci-
mento tao digno de louvor, cabo-me dizer a mesraa
e pragas da armada.
O chefe de sade da esquadra dizendoquedexa
Relatorio do chefe do seraco de saude da esquadra; torgar o nosso exercito. Ahi soubemos que urna! minha considerago esta proposta accrescenta
estacionada no Rio da Piala, dirigido ao Exm.' lut- renhida e encarnigada se travara em Paysan- que eumpre o seu dever declarando 'que os servi-
Sr. cirurgiao mor da armada, sobre os ferimen- di entre as forcas brasileiras, colligadas comas eos deste medico brasleiro, que j fez parte do
tos que resultaram do combate liavido no dia 3 e orientaes, com e fim de se apoderarem dessa po-1 no 6 de dezembro entre as forcas colligadas e as de voago entregue ao furor de um inimigo encarni- tinuaro a ser muilo importantes, tendo elle sido
Paysand. gado. I estemunha do zelo, actividade e'perieia no cura-
No dia 5 desembarcaran) os contingentes do ba- I A minha missao de medico i i principiar em tivo dos enfermos.
urna defeza valoro-a e de gloria, e era de esperar i Em minha opinio rene tambem elle todas as
que "
seu
rente
talho naval e 1 de fusileirus do exercito. desig-
nados por mim, os seguiro os Drs. Joaquim da
Costa Antunes e Luiz Alves do Banho.
Na dia G de madrugada, por ordem do Sr. almi-
rante, desembarcou o Dr. Balduino Athanazio do posta dos vapores Recife e Parnahyba, trazendo o
o Nascimento, acompanhando um destacamento de seu convs juncado de 132 feridos, sendo alguns
imperiaes marinheiros, e irou comigo a bordo do "
vapor Recife, o Dr. Joo Adriao Chaves para auxi-
liar-me no tratamento dos feridos.
i uncid vdiuio-a e oe giona, e era ue esperar e.m minna opiniao rene tambem elle todas as
os nossos bravos soldados sulcassem com o condires e garantas necessarias para ser incum-
sangue a victoria. E de fetono dia 5 do cor- bido dessa tarefa em occasiao opporluna, c desde
e enlrou em Fray Bento a esquadrilha com- j peco autorisago a V. Exc. para contratar com
i'el volta das 3 horas da tarde comegaram a
chegar os feridos, que completaram o numero de
32, e foram todos tratados convenientemente. Como
a praca d'armas daqirelle vapor nao comprtasse
maior numero de feridos, nos dirigimos para bordo
do vapor hahy, e ahi tratamos de mais 11 fe-
ridos.
No da 7, ordenando-me o Sr. almirante que
montasse em torra urna enfermara ou hospital de
sangue, designei para esse um os' Drs. Athanazio
do Nascimento e Adriao Chaves, que desembarca-
ram immediatamente, e em quatro casas montaran
sete enfermaras.. Receberam-se logo 48 feridos,
que foram todos soccorridos, empregando aquellos
mdicos esforgos superiores s suas forgas, sendo
offlciaes. Os doentes se achavam entregues aos cui-
dados dos Dr.-. Balduino Alhanasiodo Nascimento
e Luiz Alves do Banho, e do chofe de saude Clan-
acao a v. exc pa
elle o tratamento de nossos doentes da armada e
do exercito, no porto de Montevideo.
O cirurgiao Adolpho Deroseau, ex-cirurgio da
esquadra argentina, foi contralado por 141 pata-
coe mensaes. quantia esta correspondente ao sol-
ta de aviso Repblica do Paraguay, que nao es- elles apenas dous, e os ferimentos muilos e graves,
tara, a hora em que escrevo a V. Exc, muito tran-
quilla, vendo que os soldados e marinheiros brasi-
leros nao sedelem diante de muralhas e triochei-
ras, quando se trata de lavar a offronta feita a sna
nago, que cedo ou tarde vinga triuraphando de
todos os obstculos postos sua marcha..
Cheio de jubilo e orgulho encarrego a V. Exc.
de beijar por mim a mo de S. M. o Imperador a
quem felicito como ao primeiro cidado Brasleiro,
congratulando me com V. Exc, com o governo im-
perial e com o paiz inteiro por esse notavel suc-
cesso de nossas armas. (
o hospital na ra da
demandando prompta cura em curto espago de | Esmeralda, reconheci logo os inconvenientes que
lempo. ; resullavam da aggloraerago de individuos affec-
Estes feridos e os que se acham bordo sao pela lados de ferimentos por armas de fogo, e enlo
dio Jos Pereira da Silva, vindo no vapor Recife,! do e gratificares dos segundos cirurgioes embar
o estudante do 6o anno Luiz da Silva Flores, que I cados. Este cirurgiao desde o dia 6 lem servide
aqu exerce as funeges de 2o cirurgiao.
Principiou enlo para mim o trabalho medico,
que a V. Ene passo a expr.
Anteriormente tinha sido ordenado ao Dr. Tris-
to Henriques da Costa a organisago de um hos-
pital, que incansavel no servigo, preparou para tal
fim em Buenos A y res urna casa escolente, Surtin-
do-a de tudo que era. mister. Nao obstante, nao
comportavaella o numero de.enfermos que vinha
de Paysand, e que eram em numero superior ao
que se suppunha.
Tudo, porm, se achava quasi preparado, res-
tando-me to smente distribuir e coordenar o
servigo medico. Estabelecido
maior parte pertencentes s forgas do general Fi-
res, os nossos podera formar a quarta parte.
Muitas foram "as operagoes que se pralicaram,
tanto de pequea, como de alta crurgia.
Extrahiram-se 26 balas em diversas regioes, re-
duziram-se 2 fracturas, sendo urna dupla, com fe-
rimentos no ante-braco direito, era um soldado do
Io de fuzileiros de nome Manoel Alves ; ootia no
ante-braco direito com ferimentos, no imperial ma-
consegui urna outra casa na ra de Simpalha, for-
mando um novo hospital, e distrbnindo por am-
bos os doentes. Encarregando-me da direceo ge-
ral de ambos os hospitaes, porm parcial do pri-
meiro, nomeei par* mdicos delles os Drs. Tristo
: Henriques da Costa e Balduino Athanasio do Nas-
cimento, sendo entre mim e elles dislribuidoo ser-
vico medico. Para o segundo hospital nomeei di-
rector delle o cirurgiao de divisao Dr. Claudio Jo-
cados. Este cirurgiao desde o dia 6 tem servido
gratuitamente com assiduidade, pratica e habili-
dade.
O servigo dos referidos hospitaes ficou delalhado
da maneira seguinte : director, o cirorgio de di-
visao Dr. Claudio Jos Pereira da Silva; assislen-
tes do primeiro, 2o cirurgiao Dr. Balduino Athana-
sio do Nascimento e o medico civil Dr. Portugal;
assislente do segundo, 2o cirurgiao Dr. Joo Adriao
Chaves e Dr. Adolpho Deroseau, medico civil.
O numero de doentes actualmente de 133,
quasi todos do exercito, devendo por consegrante
ser feita pelo ministerio da guerra quasi toda a
despeza com estes eslabeleclmentos, e para o da
marinha devidamenle indemnisa-lo pela sua, farei
organisar urna conla detalhada, que enviarei a V.
Exc. com as explicagoes convenientes a respeilo,
parecendome entretanto de equidade que a repar-
tigo da marinha licasse at exonerada de toda a
despeza com os poucos do mies que nelles tem, vis-
to que o servigo tem sido feito pelos mdicos do
corpo de sade da armada.
Devo referir mais a V. Exc, porque se liga ao
mesmo assumplo de que trato, que em Paysand
ficou por minha ordem o 2o cirurgiao lir. Joaquim
da Costa Antones, incumbido dos hospitaes de ca-
ridade e militar d'aquella cidad.e, os quaes elle
to qiiH o" bacharel J^ser Antonto^or^Vd^Silval^- af 0CiaCao I oportunamente sero aproveitados
nuneiando o resto da licenga de 2 mezes que obteve, c
reassumio o exercicio do cargo de promotor publi-
co da comarca de Goianna, no dia 6 de fevereiro
prximo lindo : o que a V. S. communico para seu
conhecimento.
Dito ao mesmo. -D V. S. as necessarias ordens
para que seja remettida a provincia das Alaguas, a
ser entregue ao respectivo Exm. presidente, urna
calza que se acha na alf.mdega desla cidade, re-
mettida para ter esse destino pelo consulado geral
do imperio em Lisboa, a bordo dobrigue portuguez
Constante, capitn Silverio Manoel dos Reis Jnior,
igos
Circular a todos os juizes de direito.Sendo-mo
declarado por aviso circular do ministerio da jus-
liga de 6 de fevereiro prximo findo, para fazer
constar aos juizes desta provincia que as preca-
torias, em que a fazenda decahe, devem os respec-
tivos autos com antecedencia ir com vista ao pro-
curador da fazenda aim de examinar a conla das
cusas, e assim poder a ihesouraria despensar a
descriminagao das mesmas, na conformidade da
ordem do thesouro n. 121 de 19 de maio de 1833,
assim o communico a Vmc. para seu conhecimento
a qual contm o espolio do marinheiro brasleiro' e.execugao.-Igual circular a todos os juizes mu-
Jos Teixeira Uzorio.-Tiansmillio-sc ao Exm. pre-; n|cipaes e communicou-se a ihesouraria de fazenda.
sidenle das Alagoas o conhecimento e a chave do i P." a0 lhefe mterino da reparlicao das
predito espolio.
Dito ao mesmo.Constando de officio do enge-
nheiro fiscal interino da estrada de ferro, datado do correte, sob n. 7,,rawe preciso que Vmc. re
Dito ao chefe interino da repartigo das obras
publicas.Para salisfazer a reqnisigo da assem-
bla legislativa provincial conlida em officio de 4
do Io do corrente, haver Jos Luiz Netto de Mon-
donga, nomeado pelo governo imperial para acom
panhar as obras da mesma estrada, entrado naquel-
le dia no exercicio de sua commisso: assim com-
munico a V. S. para seu conhecimealo.
Dito ao mesmo.-Tendo nesla data me participa-
do o engenheiro Jos Carneiro da Rocha ler entra-
do no dia 3 do corrente, no exercicio do cargo de
engenheiro fiscal da estrada de ferro : assim o com-
munico a V. S. para seu conhecimento.
Ditoao mesmo.Recommendo a V. S. que, em vis-
ta das 2 contas Juntas em duplicata, que me forara
remettidas pelo capitao do porto com officio datado
do Io do corrente,sob n. 39,e nao havendoinconve-
niente, mande pagar a quantia de21!|J399, sendo
171,5600 proveniente da publicagao no Diario de
/Vmamodcodoanniincio chamando voluntarios para
a armada, e 39$999 correspondente a impresso
papel e encadernago de 3 livros para o registro
de que trata o artigo 19 do regularaento de 19 do
mato de 18i6.-Communcou-seaocaplao do porto.
Dito ao mesmo Transmillo a V. S. para ser pa-
go o incluso pret em doplcata qoe me remetteu o
coronel commandante das armaseom officio de 4 do
corrente, sob n. 428, tirando vencimentos para os
voluntarios da patria correspondentes a segunda
quinsena do mez de fevereiro ultimo. -Communi-
cou so ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.Em 5 do mez passado entrn o
juiz municipal o de orphaos do termo do Goianna
metla-me urna copia dos estudos feitos para a cons-
truego da estrada de Trombetas ao Bonito, se fo-
ram elles feitos.
Dito ao mesmo. -Inteirado docontendo do offi-
cio que me Vmc. me dirigi, em 10 de jaueiro ul-
timo, sob n. 368, concedo a autorisago nelle pedi-
da para lavrar o termo de recebimento definitivo e
de responsabilidade da conservago do terceiro ter-
mo da estrada da Victoria, entre os marcos de 12
mil a 520 bragas, alm do marco 17 mil bragas, por
arhar se aquella parte da predita estrada conve-
nientemente conservada e (indo o prazo de respon-
sabilidade do respectivo empreiteiro, ficando Vmc.
na intelligencia de que acabo de recommendar a
Ihesouraria provincial, que em vista do competente
certificado, pague ao menciondo empreiteiro a im-
portancia dIo s da ultima prestago do seu con-
trato, mas tambem a das de garanta, em deposito
na snpradila ihesouraria.
O que Ihe declaro para seu conhecimento e em,
resposta ao seu citado officio.Offlciou-se a ihesou-
raria provincial.
Dito ao mesmo.Para que en possa salisfazer
a requisigao da asserobla legislativa provincial
conlida, em officio do respectivo 1. secretario da-
tado de hoje, e sob n. 11, faz-se precisa que Vmc. *
com urgencia me informe com o sea parecer acer-
ca do melhor ponto de partida d?. estrada projecta-
da para Beberlbe, attendendo a conveniencia de en-
cartar o mais posslv&l a distancia entro aquella
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS..
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada-mez; para Fernaa
do nos dias 14 dos mezes de janeire, margo, mak,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietaros Manoel Figu(ra &d
Faria & Filho.








/



nmmmmm
1
**
=.
------------
-
Diario d Pernambuco guala felfa de Mareo d 185.
povoago e esta ci'dade com o menor dispendio pos-
sivel dos dinheiros pblicos.
Dito ao Dr. Jos Joaquim Firmlno, segundo sup-
plenttdo delegado de,GqJanna.Acceso recebido;
o cffiio,do f do correnie> e'm que Vmc. me com-
uiiinie-a vloda pare eta-capital de Polyoarpo Bo-
mingues da Silva, que deseja servir no corpo de
Voluntarios da Patria.
chefe de polica.
Manoel, africano livre.
iiiimuu ii- Mi i nuiu. -#--------------- --------------
Mandando-o nesla data alistar no predito corpo, coronel recrutador geral.
Informe o Sr. tenente
tonho a recommendar a Vine, que era meu nome
louve o comportamento do pai do referido volunta-
rio, cirurgio Joao Domiagues da Silva, pela boa
vontade com que aquiesceu ao impulso patritico
do dito seu ilho.
Agradego os esforgos que Vmc. tem em pregado
para obier o maior numero de voluntarios, e con-
fio que coutinuari nesse patritico empenho.Nes-
Manoel Francolino de Barros.Expeca-se ordem
para ser sostada a marcha do recruU em quanto
pende de deciso a isenglo que allega.
Manoel Perreira da Silva.Em vista da informa-
gao do desembargador provedor da Santa Casa da
Misericordia, nao tcm lugar o que requer o suppli-
cante.
Virgilio Vieira da Costa Pinto.Em vista da
te"sentido"offlciou-&e"ao coronel commandante das! informaco do director geral da instruegdpublica,
armss. nao pode ser concedida a licenga pedida.
Dito ao delegado de Ipojuca.- Com o seu offlcio; Da 6
de 3 do corrente, me foi apresentado para o corpo Antonio de Araujo Alcoforado.Apresenle-se
de Voluntarios da Patria, o cidadlo Jos Francisco o supplicante ao Sr. commandante das armas,
do Nascimentc : e agradego a Vmc. os esforgos que para o fazer alistar como primeiro cadete ao corpo
faz para augmentar o numero d'aquelles bravos. de voluntarlo da patria, erno pretende, com o que
Dito ao pharmaceutico Joaquim de Almeida Pia- prmicara um acto de^patriotismo.
10.Aceitando e gradecendo muito o generoso e
las pessoas a quem se quer soccorrer, por quanto
existen muitas loteras ja concedidas e estas lote-
ras devem correr com mais urgencia. Qaando
correr' a lotera concedida em favor dos votunla-
rios t
Se por nm lado a assembla mostra bons desejos
Joao "Tiburclo Nunes Soares Brandlo.Ficam | graves ultrages quo Ibe fizeram os barbaros do Iguarassu'.--A' commisslo de orgamento muni- lotera de mil contos crear erabaracos para aquel
expedidas as convenientes ordens no sonlido que Paraguay. cipaL
requer o supplicante. E', pois, ura esforgo grande e nobre: as duas I Outro do mesmo remetiendo as informales pe-
Jos Domingues da Costa Informe o Sr. juiz pequeas provincias que o Sao Francisco banha e dias acerca das vagas das pragas de pret que
municipal da 1" vara. ; separa, Serglpe e Alagoaspatenteiatn desta ma- existem no corpo de polica, na. seceso urbana.
LuU Francisco de Araujo.-Informe o Sr. Dr. neira seus elevados sentmentos de Bdelidade A quem fez a requisito.
monarchia e de acrisolado patriotismo. Outro do mesmo remetiendo 40 ejemplares do
Aqu, (deve-se confessar) muito tem contribuido bataneo da receita e despea provinciaes no exer-
para esse resjjltado lisongeiro a actividade do ac- oto prximo Ando.A commisslo de fazenda e
tual administrador e chete de polica. orcammto.
Eses dons funecionarios pblicos contnoam a Outas do mesmo remettendo o orgamento da re-
inspirar confianza a todos os seos governados. caita e aspeza da cmara municipal da Villa Bel-
Preoccupados com a grande questao do da, el- la.A' eooirasso de orcamento municipal,
les nao aliraeatam discordias, nao agulam os odios, Outro do mesmo remetiendo o balango da racei-
nd entreten a provincia com rivalidades polili- ta e desperas da cmara municipal da villa do Be-
cas, naufragio de todas as adroiaistracoes. Ese nito.A'ommisso de orcamento municipal,
continuaren!, farao um importante servigo a's Ala- Outro do mesmo remettendo o balango da reeei-
goas e ao paiz. ta e despea da cmara municipal da vrHa do Bre-
A imprensa unnime em excitar os brios jo.-A' commisslo do orcamento municipal,
da populacho, em convidar o povo para acudir Oulro do mesmo remetiendo os artigos addieio-
aos reclamos da patria. aaes de posturas da cmara municipal de Olin-
Continnam os offerecimentos pecuniarios dos da.A' commissao de negocios de cmaras,
empregados pblicos e de outros individuos. Outro do mesmo transmetlindo o offlcio era que
Dezeja-se um meio de conducglo que possa a cmara municipal de Cimbres expoe as suas
transportar as forgas aqu existentes, e deplora-se mais urgentes necessdades.A' commissao de e-
que a incuria do goveroo do Brasil tenha chegado gocios de cmaras.
Bacharel Antonio Calumbano Serfico de Assis
patritico offerecimento que fez Vmc. para pres- Carvalho.Passe portara concedeno o prazo re-, a ponto de acontecer que as provincias do norte, Outro do mesmo remettendo o quadro demons-
tar gralailamente os *eus servigos de sua arte s querido. I estejam milhares de cidadaos, promptos para se ; trativo da receita da cmara municipal de Olnda,
familias dos Voluntarios da Patria, da frecuewa de I _.rnara'na !aria^? Ora.Concedo a suppli- (guirem para o campo da honra, e nao haja barco nos tres oltmosanoos decorriuos de 1862 a 1864.
Sanio Antonio, que marcharem par a gnerra
sul, durante o lempo em que nella estiverem,
do
lo-
cante
legal.
o prazo de tO dias, para provar a isengo
Francisca Mara da Conceigao Informe o Sr.
a vapor que os leve a seu deslino I A' commissao de negocios de cmaras.
Isto val sem commentario 1 I Oulro a cmara municipal do Brejo remlten-
nh a dizer-lhe que opportunamente sero aprove- rrancisca nana aa uonceicao niorme o ar. Passaram-se os tres dias do carnaval em que do urna represenlaglo dos moradores do districTo
tados os seus bons servigos, quaodo 'forem elles. Dr. chefe de polica, ouvindo as antoridadss poli- os amantes do folguedo que substituio ao brbaro de Jurema acerca da separagao d'aquelle dislricto
precisos : caes do lugar. j entrudo divertiram-se como poderam. Nao houve para a freguezia de Tacait.A' commissao de es-
"-companhia do 3o bat Ihie! t-rancisca Haymtinda de Medeiros.Informe e "
faci algum a lamenlar-se: porm pouca anima-
gao no geral: entretanto apparectrara alguns mas-
caras de espirito, excellentes caricaturas c boas
criticas.
O goveroo da provincia por acto de 27 do
Dito ao capillo da 6 -
de infamara da guarda nacional desle municipio,; Sr. recrulador o que com certeza souber sobre o
Francisco Antonio de Assis Ges.Aceito cora o estado do recrula Antonio Upes de Mello, visto
agrado e louvo o patritico offerecimento, que em dizer o subdelegado Jos Francisco de Souza L-
data de 2 do corrente, fez Vmc, para sustentaglo na, que Ihe entregou por Ihe diier o mesmo br.
dos brios e Inlegridade do Imperio, de todos os recrutador, que o recrotado solteiro, entretanto, passado distribuio pelos 15 municipios da guarda
vencimentos que como capillo, houver de perceber; que da escusa e passapories juntos, consta ser elle nacional, o numero de pragas que cada um delles
durante o anuarteilamento do 3o natalho de infan- casado. I tem de dar para formar o corpo de 484, que s
Juliao Pereira Mattoso.Informe o Sr. Dr. chefe Alagoas coube dar, segundo o decreto n. 3,383 de
de polica sobre a questao de limites de que se tra-! 21 de Janeiro nliimo. O numero das pragas de
to nesta pettgo. I pret ser de 467, e o resto constar de offlciaes,
Jos Joaquim da Silva Guimaries.Informe o. que opp'-riunamente sero nomeados. Es a dis-
tribuigo
Sr, Dr. director geral da ioslrucgo pub'ica.
Jos Mariano de Barros Cavalcanti.Dse.
Luiz Francisco de Araujo.Informe o Sr. Dr.
jiuz de direito desla cidade, ouvinde o vigario da
taria da guarda nacional desle municipio a que
pertenee, e neste sentido expego as convenientes
ordens.fieram-se as necessarlas communica-
goes.
Portara.O presidente da provincia, attndendo
ae que reqnereu o alferes do 7o batalho de infan-
taria, addido a companhia de artfices, Pedro de
Alcntara Tiberio Capistrano, resolve conceder-lhe
para regressar a villa de Tacarai, afim de condu- fregueia dos Afogados.
lir sua familia d'eli para esta capital aonde o sup- Luiz Manoel Uodrigues Valeoca.Dse,
plieanle no seu regresso deve estar al o fim do! Manoel Francelmo de Barros.Em vista da se-
corrente mez, para qoe possa seguir para a corte, gunda inspecgo requerida pelo supplicante, da
no primeiro vapor de abril vndouro a reunirse ao qual resullou nao soffrer o mesmo supplicante
seu batalho.Comrnumcou-se ao coronel com- molestia alguma, -nao pode ser isento do orviga.
mandante das armas. llisses Patriota Brrelo.Apresenle-se ao Sr.
., 0 i ______ coronel commaodanle das armas, o que concidera-
r no posto que Ihe compete em vista dos docu
Expediente do secretaria de governo do dia C de
marga de 186o.
N. 23.Offlcio ao i" secrelario da assembla
legislativa provincial.Com o offlcio incluso por
copia, que dirigi a cmara municipal do Bom
Conselho, em 24 de Janeiro ultimo, passo as mos
de V. S., de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, para ser presente a assembla legislati-
va provincial o incluso titulo de receita da mesma
cmara.
N. 24.Dito ae mesmo.-Bemetio a V. S., de
ordem de S. Exc o t. presidente da provincia,
para ser prsenle a assembla legislativa provin-
cial, o incluso orcamento da despeza para o exer-
cicio de 1864 a I86S que enviou a cmara munici-
pal da villa do Bom-Conselho, com o offlcio de 24
de Janeiro ultimo, junto por copia, no qual expoe
as necessidades de que se recente o seu muni-
cipio.
roemos juntos.
Victoriano Henrique da Alvanenga.Informe o
Sr. teneate-coronel director do arsenal de guerra.
COMMAMMMUS ARMAS.
Quarlel de ominando das armas de Pernambueo
na ridade do Recite, 8 de margo de 1865.
Ordem do dia n. 40.
O coronel commandante das armas interino faz
cerlo para os fins convenientes :
1.- Que o Sr. capillo do 10 batalho de nfanta-
Macei.............. 53
Santa Luziado Norte.. 20
Alagoas............. 33
S.Miguel............ 23
Atalaia.............. 28
Assembla.......... 45
Imperatriz........... 53
Passo de Camaragibe. 20
Porto Calvo.......... 38
Porto dePedras...... 20
Anadia;............. 35
Poxim............... 20
Penedo............. 33
Porto da Folha....... 33
Matla-Grande........ 11
Somma........467
t Nao ha inda certeza do dia em que os VO'
kintarios, quer da patria, quer da polica (qoe se,
diz fermarao um so corpo) slgam : se o i.* vapor
do norte os poder conduzir elles iro. O numero
dos recrotas lambem crescido.
O vapor Santa Cruz, da companhia bahiana
ao vir para esta cidade encontrou no dia 22 ou 23
. do passado urna barca naufragada no lugar Zonda,
ra, Theotooio Joaquim de A'meda Fortuna, apre-; ao "!'^dopSao Fr""-!sco, entre a foz desse rio e
sentou-se no dia 4 do corrente, vlodo com permis- a ".ra r0, j ., ....
sao do Exm. Sr. presidente da Baha, fruir nesta Pre-e'1encia dera logo todas as providennas.
provincia o resto da licenga de 3 metes que obli- sabendo-se que era navio inglez, para ai foram
vera, e que se Anda a 15 deste mez, conforme de- ">'? owe-coosul Wucherez, d aquella nacao,
clarou a presidencia em offlcio daUdo de hontetn. caP|,ao do P0". guarda-mor d alfandeg.a difle-
N. 2o.Dito a mesmo.Transmuto a V. S., de l <* o qU a presidencia em porlaria de 6 do cor- rentes empregados da capitana, 4 pragas de poli-
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,! Te^e de perraisso ao Sr. alferes do 7" batalho cia' ? os soccorros que foi possivel mandar,
para ser presente a assembla legislativo provm-' da mesma arma, Pedro de Alcntara Tiberio Ca-
cal, o incluso quadro de receita arrecadada nos pjslrano, para regressar a villa de Tacarato, com o
'-' e Oro de conduzir a esta capital a sua lamilla que
alli deixou no seu regresso da villa do Oonciiry,
devendo o mesrao Sr. alferes estar de volta at o
fim do mez, para seguir para a corte no primeiro
vapor de abril vndouro.
3. Qoe o mesmo coronel approvou o ongaja-
mento qne hontem contrahio o soldada da <" rm-
1862 a 1863, qoe remelteu a cmara municipal da
villa de Flores com o offlcio de 9 de fevereiro ullimo,
junto por copia.
N. 26 Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, manda transmittir a V. S. para
serem presentes a assembla legislativa provincial,
o incluso mappa demonstrad vo do balango da re-
ceita c despega do anno linanceiro, que decorreu I
do 1 di- "iitui.ro de 1863 ao ullimo de selembro
de 1865, acompanhados dos documentos comproba-
torios das despetas feitas, durante o exerciclo fin-
So e Or. nma reiago nominal Oos evedores, bem
como do orgamento para o anno linanceiro de 18G5
a 1866, os quaes foram remeitidos pela cmara
municipal da villa de Iguarassu, com o offlcio de 4
de fevdreiro ullimo, junto por copia, no qual a
mesma cmara expoe as palpitantes necessidades
de que se recente o seu municipio.
N. 27.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, transmuto a V. S.,
para ser presente a assembla legislativa provin-
cial, o incluso projecio de postura confeccionado e
remeltido pela cmara municipal da villa do Bom
Conselho, coro officio de 24 de Janeiro ultimo.
N. 28.ito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provinra, transmuto a V. S., para
ser prsenle .a assembla legislativa provincial, o
incluso tuulo dereceila que enviou a eamara mu-
nicipal da villa de S. Bento, com offlcio de 17 de
Janeiro ullimo.
N. 29.Dito ao.mesmo.S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, manda transmittir a V. S., para
ser presente a assembla legislativa provoril, o
incluso projecto de postura que foi confeccionado;
e remeltido pela cmara municipal de iguarassu,'
com offlcio d 4 de-evareiro ullimo.
N. 30 Dito ao mesmo.De ordem do Exm. Sr.
presidente da provinria, transmittoi V. S. para ser
pantiia do 4 batalho dearlilhana p, Th.ntonio
da Cosa Ferreira, para servir por mais 2 aunos,
nos termos da le n. 1,220 de 20 de julho do anno
passado.
(Assignado.) Jos Mana Ildefonso Jacome da
Vciga fiessoa e Mello.
(Confbrme.) Tiburcio Hilario da Silva Tavares.
capitao ajndanle de ordens interino.
INTERIOR
CORRESPONDENCIAS BO IA
RIO DE PEB.\AIll'CO.
ALAGOAS.
Macei, 2 de marro de 1865.
Ainda oceupo e oceupar-me-hei da ordem do
da.
Todos os espiritos aguardan) anciosos a che-
gada do paquete do sul, porque as altengoes con-
vergen intelramente para os successos do Rio da
I'rata.
Cahiria Montevideo ?
ti se eahio; rendeu-se, como annuncia a ultima
noticia trazida pelo Newton, ou cedeu a forga de
nossos caabSe?, an alaque de nossos bravos ?
Realisaria o enfatuado cacique do Paraguay suas
iii. -'. m. us> ,'iii. ii) i"- II nu.~llllll< i (i O, llalli >c i _> ..
prsenle a assembla legislativa provincial, o inclu-' ameaCa.s f 'nvadir o Brasil ca por bao, puar o
so orgamento da receita e despeza de 1863 a 1864, l^Tfno Corrientes, e vir soccorrer Montevi-1
qoe remelteu a cmara manicipal do Brejo com of-1 S ,..-. .... '
Bcio de 30 de novembro do anno passado. I, Estara0 a Ml.hora destrogadas as hordas canni-
N M Dito ao mesmo.-De ordem de S. Exc. 0baesds assassinos armados do trnguay, que aU-|
Sr. presideote da provincia, transmiti a V. S. para j ji,ra,m srpr"a e andam a devastar a provincia
serem presentes a assembla legislativa provincial ~10 "raode ul
as comas e orgamento da receita e despeza do1 E's em 9"* ^ Pensa e porque se espera com
exercicio de !86:i.a 1864, e bem assim oorgamen- V1? anridade a mala d R' de Janeiro, posterior
to para o exercicio de 1865 que me remellen a ca- a nfwlon.
mar municipal do Bonito, coro o officio de 30 de ~, A/radou mito por aqu o prorrdimenlo que
Janeiro, ultimo jnmo.por copia, no qual expo'e as V?^A?eZmp*m *"" rela^oa>sa^-
necessidades mais urgentes do seu municipio. leuuienws ua guerra.
N. 32. Dito ao mesmo.-De ordem de S. Exc. o' .E,n. odas a, provincias olha-se com horror para
ST. presidente da provincia, passo as mos de V IDSult0 descommunaJ Ja fra d Assumpgao, e pa-
S. oara srrem Dresenteuientes a asMMihtS* nrn^in. af t.yrannias dogovernicho da infeliz cidaJe de
Montevideo : Em quasi todas ellas falln bem alto
o nobre sentimento do amor da patria, o dezejo
ardente de contribuir efficazmente para a obra
S. para s*rem preseuteroeotes a assembla provin-
cial, os inclusos,orgaraemo,tjalango tabella explica-
tiva e quadro demoostraiivo da receita e despeza
que remetleu a cmara municipal de Villa Bella,
com offlcio de 24 de dezembro do anno passado e
12 de Janeiro ultimo.
N 33. Dito ao mesmo.-^De ordem de S. Exc. o
Sr. pressidente da provincia, transmiti a V S.
para serem presentes a assembla legislativapro-
vincial, 40 exemplares impresses dobalango da re-
ceba e despesa provincial, realisados no exercicio
prozimo finio.
Pela secretaria do governo se communica para
o fim conveniente ao Illro. Sr. Antonio da Silva
Ferreira Jnior, na qulidade de.procurador nesta
praca d-s negociantes francezes residentes na do
Para, iniz Cronan & C, que, segundo consta de ,
aviso do ministerio da fazenda de 18 de fevereiro "vaniado como um gigante para debellar o audaz
ultimo,*? M. o Imperador nouve por bem ouvir a V invade,nossas promcias, insulta nossa honra,
secgfio de fazenda do eonselho de estado a cerca do rJst e.zomlja da naCao mais adiantada d America
recurso dos prediios negociaules contra o imposto I ,, ,
decretad,) pela assembla legislativa desla provin- i A respetando os mol vos, Uljez ponderosos,
cia, sobre o sabio fabricado fora della e contor- "dilTerenlismo actual da pnraeira provjncu do
mandse por sua immediaia resoluco de 28 do'norle,.crei gue os..perna""bucanos saberlo des-
mez de Janeiro deste anno com o parecer da dita V*4 seccJb raandou submeer este negocio a asamblea I caasa e comra.om. era. Que a patna teme e recla-
^geral legislativa,
cidi-lo.
Sbese que a barca ingleza Guayacan, com
carga estrangeira de cobre denominadoregulus.
O presidente da provincia offlciou em dita de 27
de fevereiro passado ao juiz municipal do termo
do Penedo, recommendando-lhe que em virtude
dos artigos 731 a 739 do cdigo do commercio,
combinado com o artigo 14 do decreto n. 3,217 de
31 de dezembro de 1863, desse todas as providen
cias que dependerem de sua auloridade, dando a
altengo devida ao vicecnsul de S. M. Britanni-
ca, que foi o portador do citado offlcio.
Se souber alguma cousa a respeilo, eu Ihe com-
municarei n'outra occasiao.
A exemplo dos principaes habitantes desta
capital, a villa do Pilar e a cidade do Penedo or-
I ganisaram lambeai sua guarda rCfa,' para na
ausencia do corpo de polica e forga de linha, fa
zerem o servigo da ronda nocturna d'aquelles lu
gares.
A alfandejra desta cidade renden durante o
mez flodo 53:167*3*8 ris.
E o consulado provincial 29:759*572 ris.
O vapor costeiro que hontem chefe u dessa
provincia trouxe a grata noticia do patritico offe-
| recimenlo do promutor publico do Recife, o Sr. Dr.
Jos Paulino da Cmara que se alistou no batalho
dos Voluntarios da Patria. Muito apreciado foi
esse rasgo de verdadeiro patriotismo do Sr. Dr.
Cmara. Honra ao nome de Pernarnhucano.
Esse facto induzme a flear inteiramente conven-
cido daqne Pernambueo imitar o procedimenlo
asss louvavel dos dignos Bahianos, na prsenle
conjunctura nacional.
A demora do vapor do sul vai ja' dando que
fazer.
Continan os exercicios diarios e as instruc-
g5es que se dao aos voluntarios da patria, aos vo-
luntarios da polica, e a este corpo. Os 192 vo-
luntarios da pairia apresentam um corpo luzido e
1 garboso.
Ha idea de ficar tndo addido a' polica sob o
commando do digno Sr. major Castro.
Todos reunidos formarlo o batalho dos Volun-
' tarios das Alagoas.
Hoje 2 reune-se a 1." sessao do jury do cor-
rele anno nesla cidade sob a presidencia do Dr.
juiz de direiio Silverio Fernandes d'Araujo Jorge.
Ha varios processos a julgar. Os crimes porque
responden os pronunciados na presente sessao sao
de ferimenlos graves e leves, furlo, tentativa de
raorle, e outros mais.
Cbegf u finalmente o vapor do sul e quando
eu achava-me no lim desta carta.
As novas que elle traz-nos nao sao ainda termi-
nantes.
Ficou Montevideo eniregue a' mais desesperada
anarchia, e nada ainda de assalto.
Findou a presidencia do odioso Aguirre, que se
diz, escafedera-se na ulilma hora.
O tal Carreras praiicava aclos de rematada lou-
cura.
recuava de Matto Grosso
nada I
Lopes parece que
Cuyaba' esperava-e e
Que babel I
E' innegavel que
muito melindrosa.
Adeos.
nosso paiz passa urna crise
com poder competente para de-
magnanima da vioganga, da reslauragao de nossos
brios e de nossa dignijade.
A provincia do Para, a extrema-norte do impe-
rio, l dos conflns septentrionaes deste paiz, e>ten-
deu os bragos palriotieos sua vleme irmAa, sita
na extrema sul da nagao, e Iheatro das calamida-
des que pralicam hoje 06 selvagens Uruguayos do
partido de Aguirre (que hoje deve estar reduzido
a zero.)
O Pam porta-se, pois, eomo provincia de brio,
orno imprtame que e inda mais o ser para o
futuro.
Contrista que Pernambueo nao se tenha j
ASSEMBLA PROVINCIAL
7.' SESSAO EM 8 DE MARCO DE 1865.
PniSlDBNCU 00 SR. 01. CABTAN0 BR1T0.
As 11 e 3/4 da manha, feita a chamada, acham-
se presentes os Srs. depulados Aquino Fonse-
ca, Braulio, Brando, Ribeiro, Aminlhas, D. l-
piano, Nabor, Loureiro, Araujo Barros, Goocal-
ves da Silva, Rnchael, Pereira de Brito, Sabino,
Teixeira de Mello, Ayres Gama, Francisco Pe-
dro, Armioio, Santo Lima, Maranho, S Pereira,
Buarque e Cunha Teixeira.
ma os servigos de seus bravos.
Em geral, este Jado do imperio acede dignamen-
te s necessidades presentes do paiz. Portaolo
bonra e gloria ao norte do Brasil I
O enthusiasmo por aqu augmenta e a pro-
vincia, pequen, agrcola como exclusivamente e
,---------D----------------------_... O Sn. Prrioente abre a sessao.
uespacnos ik- da J e 1 de margo de IsCa. O enthusiasmo por aqu augmenta e a pro- Lida a acia da sessao antecedente^ sem debate
Abano assignado dos depulados geraes desta j.vincia, pequen, agrcola como exclusivamente e approvada.
pn.viniia.Fica expedida a ordem ao Dr. ebefe de por conseguinte carecedora dos poucos bragos que I expediente.
polica e ao recrutador geral para suspender o possue, despenacom animo e valor.Seus fllhos' Em offlcio do secretario do governo remetiendo
recrulamento no dia em que chegar o vapor, qua nao se mostram impassiveis. De todos os pontos [ o orgamento da despeza da cmara municipal da
trouxer a noticia da lomada de Montevideo e no ehegam Voluntarios da patria. Voluntarios da po- j villa do Bom Conselho para o exercicio de i86* a
eguinte. ; licia. O vapor Sania Cruz que no dia 26 chegon j 1865.A commissao de orgamento municipal
Joaquim Mamede de Albuquer-'do Penedo irouxe 4i bravos das margens do Sao Outro do mesmo transmettindo o offlcio da ca-
do documento junio pelo suppli- Francisco, da Palmeira e da MaUa Grande, os mar municipal da villa do Boro Conselho com o
da
Clemenlino
que.Em vista
eanl, poder ser considerado soldado particular i quaes vieran jurar bandeira e alislar-se no corpo
usando do respectivo destintivo, sendo esle despa- dos Voluntarios da patria.
cbo apresenlado ao Sr. commandante das armas
para os ns convenientes.
Francisca Rayrounda Lopes de Medeiro.O re-
querimento da supplicante foi a informar ao Sr.
Dr. chefe de polica.
Padre Francisco Virisiimo Bandeira.D-se a
certido pedida.
Francisco Jos de Sant'Anna.A pretengao do
suppliranle j se acha salisfeita, segunda a infor-
magao do desembargador provedor da Santa Casa
da Misericordia.
Jos Pelix Barbosa.A isengao de molestia ser
verificada pela inspecgjo e quanto aonials alegado,
pao pode ser aitendido.
Esse corpo consiava al hontem de 192 pessoas,
as uuaes com os duzentos e trinta da polica for-
man j um grande contingente do 422 Volunta-
rios alagoanos.
Se reuuirmos esse numero ao dos recruias, ver-
se-ha que as Alagoas al o presente offerece ao
governo do paiz mais de 500 de seus Albos para o
servido glorioso da guerra.
E se incluirmos ainda os 484 que vo ser tira-
dos da guarda nacional da provincia, na forma do i
ullimo decret que charoou s armas viote e tan-
tos mil guardas nacionaes do imperio, resultar
que marcharlo do meio de nos um numero supe-
rior a mil cidadaos, para vingarem a patria, dos
lituto de sua receita.A' mesma comoiivslo.
Outro,do mesmo remettendo o quadro da receita
arrecadada nos aooos financeiros de 1860 a 1861,
1861 a 1862,. e 1862 a 1863,A'mesma com-
missao.
Outro do mesmo remetiendo um "projecto de
posturas da cmara municipal da villa de Igua-
rassu'.A' commissao de negocios de cmaras.
Outro do mesmo remetiendo o titulo de receita
da cmara municipal da villa de S. Bento.-A' com
misso de orgamento municipal.
talistica.
Urna petigao do commendador Manoel Cumulo
Pires Falcao, ex-thesoureiro das loteras desta pro-
vincia, pedindo a esta assembla que Ihe mande
restituir a quanta de 1:560* proveniente da sobra
de 3 por cento que se deu na extraegao da 4" e5*
partes da 4" lotera a favor do Gymoasio e thealro
de *anta Isabel.A commissao de pelgoes.
Outro da irmandade do Sr. Bom Jess das Dores
de S. Gongalo pedindo preferencia para exlrahir
suas loteras.A commisslo de orgamento.
Sao lidos e aprovados os scguinles requerimen-
tos :
Requeiro que por intermedio do Exra. presi-
dente desta provincia se pegara as seguinies infor-
magSes:
t Io Se o professor de grammalica do collegio das
a vara o pro-presidente da cmara municipal Jos
Antonio da Silva e Mello.
A obra da matriz contina com actividade sob
as vistas do nosso vigario. Concluida ella, tere-
mos era estado satisfactorio o templo nico que ha
na villa.
A casa da cmara e cadeia precisam de mu-
Artes, Jos Pedro da Silva, inspector effectivo da acto de pendencias em relagao ao projecto addui-
ihesouraria provincial ou interino.
2a De que empregados se compunha a thesou-
raria provincial quando foi reorganisada em 1848
e quantos conta actualmente.
c 3* Quanto percebiam esses empregados quan-
do foi reorganisada essa reparligo e quanto perce-
be m agora.
< Quanlas vezes tem sido defraudada a renda
publica, segundo diz o respectivo inspector em seu
relalorio, e a que quanlia se eleva a defraudaglo.
< 5 Quantos empregados julga precisos o dito
inspector para que o servigo da reparligo, que
elle dirige, Oque endia. S. R.Aquino.i
t Requeiro que pelos canaes competentes se ob-
tenha nm quadro demonstralivo das quanlias pa-
gas a' empreza Mamede, suas datas e descontos
feios, e o valor de todas as obras recebidas, rom a
data em que comegaram a vencer os juros de 9 por
cento, tudo at o fim do 1 semestre do corrente
exercicio.S. R.Campello.
c Requeiro que pelos canaes competentes se pe-
ga a' presidencia da provincia copia do processo
instaurado pelo juiz de direito de Pao d'Alho con-
tra o juiz municipal, o bacharel Maximiano Fran-
cisco Duarte, e delegado de polica Carlos Jos Go-
mes de Oliveira.
t Pago da assembla provincial, 8 de margo de
1865,-Cunha Teixeira.
E' tamben lido e jugado objecto de deliberagao
o seguinte projecto:
A assembla legislativa provincial de Pernam-
bueo resolve:
Ait. 1. Fica concedida urna lotera de mil
contos de res, dividida as partes que o presiden-
te da provincia julgar mais conveniente, para au-
xilio das familias dos cidadaos que se alistaren
nos corpos de Voluntarios da Patria desta provin-
cia.
> 2 O presidente da provincia fica autorisado a
mandar correr em cada mez impreterivelmente
urna parte desta lotera.
Arl. 3." O beneficio de cada parte dessa lotera
que correr ser immediatamente entregue, inde-
peedente de fianga, sociedade protectora das re-
feridas familias para que esia me oe desuno ae
accordo com os fins de sua instiluiglo, ficando en-
tretanto a dita sociedade obrigada.a prestar comas
da sua distrihuiglo na thesourana provincial.
t Art. 4." O imposto provincial de 5 por cento
sobre os premios maiores de 400*, assim como o
em querer ser til a' essas familias, por outro lado l08 concertos. Para orga-los aeha-se entre nos o
conductor das obras publicas Julio Pompeo. Deus
queira que o orgamento nao fique na pasta da pre-
sidencia, como tem succedido, em lodosos lempos,
edm o de outras obras, de que tanto carecemos.
De Iguarassu escrevem-aoe em dala de 7 da
corrente o seguinte :
Sr. redactor da ttevista Diaria.E' incontes-
tavelmenie recoabecido qne das innmeras deseo-
bertas machinadas como auxiliares da civilisagao,
a mais sublime e maravilhosa por seus effetos, a
mprensa I Um pequeo pelouro soprado apenas do
alto deste respeitavel baluarte, atravessando largo
espago, chegou vigoroso anda ao famoso arraial
das tres ladeiras, recenlndo-se do choque produ-
zido o Hercules daquelles roundes, em cuja pre-
senga tudo emndece, e fica quedo.
E' verdade, esse Pacha, que sempre com o
maior indilferentismo ouvio os reclamos daquelles
servos, contra a respeitavel qnadrilha, que alli se
conserva protegida... ao ler um dos arligos ten-
dente aos Quintilios e Patilios, publicado em sua
acreditada Revista, jurn pela cruz de sua dorin-
dana que havia tirar esse pretesto as maldizentes
lngoas; que tres ladeiras seria de ora era diante
o seu Paysand e foi dito e feilo I
Reunido povo e tropa a hora aprazada, apre-
senlaram-se ao Gra-visir : porm a noile era te-
nebrosa, e a mudanga de clima nao Ibe sendo mui-
to natural, pedia produzir-lhe alguns enjoos, e af-
fectaodo grande incommodo, poz a forga a disposi-
gao do seu muito conceituado mandarim, e este
com a energa que Ihe propria, a dislriboio con-
venientemente pelas differenles avenidas, deixando
em certo beco alguns dos seus confidentes, e ao
sigaal do ataque, por ahi escaparam-se os Uru-
guayos saos e salvos, com todo o trem de guerra,
levando o desertor Thomaz a reboque, urna excel-
lente fragata a hlice... sendo tal o escndalo que
o commandante do destacamento prendeu o man-
darim como cmplice da fuga, cojo acto foi acre-
mente eslranhado pelo Pacha, (cando sem effeito
a pnslo, e o compadre Inspector continuando a
merecer a mais extremosa cenfjaoga !
Para que estas pataquadas f
s. s. nao diz constantemente que quando se-
estes desejos serlo burlados.
O Sn. Araujo Barros :No projeelo se deterrair
na que todos os mezes corra urna parje impreteri-
velmente.
O Sr. S Pereira : Correr' ou nao, meo col-
lega.
OSn. Buarque :A preferencia tem de ser de-
cidida por esta casa; nlo pode deixar de correr.
O Su. Sabino Olegario :Salvo abuso, e com
elle nao devemos argumentar.
O Sr. S Pereira observa que a provincia e es-
sencialmenle agrcola, e que os bragos queseti-
ram da agricultura e que vo tomar parle na
guerra, ja sao um sacrificio enorme.
O orador enlende que a medida a tomar, nao
a que est em discusslo, nutra muito diferente.
Sr. S. Olegario : Indique urna outra idea,
que nos aceitaremos.
O Sn. S Pereira : Emende que se devla
apresentar urna indicaco pedindo um terreno on-
de se podesse fundar um estabeleciment agrcola
ou industrial em favor dessas familias.
0 orador conclue dizendo que vota nlo s con-
tra o projecto qoe se discute, assim como os arti-
gos additivos.
O Sr. Maranho pronuncia um discurso.
O -. Araujo Barros impugna o reqoerimento
de addiamento apresentado pelo Sr. Gervazio Cam-
pello, e sustenta o seu projecto combatido pelo
Sr. S Pereira.
Oran em seguida os Srs. Buarque e Ribeiro.
O Sr. Jacobina pergunta a mesa se o projecto
relativo aos voluntarios adduvo ao que esta em
discusslo, e quaes os artigos (ue tem de ser dis-
cutidos.
OSr. Presiden-te declara que o projecto addl-
tivo, mas que est em priraeira discusslo.
0 Sn. Jacobina faz largas consderag5es sobre
o assumpto, e declara-se contra as emendas que
estabelecen preferencias, visto que esta tem de ser
estabelecida, segundo o artigo 1" da iei n. 582 do
auno passado, na le no orgamento.
Tratando do adiamento, o orador diz que era ura
vo; mas desde que o Sr. presdanle diz que est o
projecto em 1' discusso o orador acha o adiamen- ;.^ umrp0]j7jcrT'par"apraIicaPseHquamo7e
to desnecessario, vota pela o adiamento com rela-
gao aos ciernis artigos additivos,porque pensa que
ouiras igrejas existen em idnticas circunstancias;
e portanto, a semeitianga do que se fez o anno pas-
sado, vo todos os arligos additivos urna commis-
slo especial,alim de que d um parecer que possa
prehencher todas as aspiracoes.
O Sn, Presidente deelar a rasa que houve um
engao da parle da mesa. Suppuz que o projecto
em discusso s linha um artigo, e assim aceilou
os addilivos mandados mesa, mas notando ago-
ra que o projeelo lera dous artigos, e determinan-
do o regiment que os additivos sao s prometi-
dos depols da discusslo do ullimo arligo do pro-
jacto, retira os da discusslo, continuando nella o
art. 1. do projeelo. Oram sobre o art. I. os Srs.
Gervasio Campello e Araujo Barros. Posto a votos
o mesmo artigo approvado.
Entra em discusso o art. 2..
O Sr. Reg Barros justifica e aprsenla o se-
guinte requerimento, que approvado :
Supprima-se o art. 2o.
Entrara em discusslo os addilivos, e sao appro-
vados os seguintes:
i Fica concedida urna lotera de cento e vinte
contos de ris para a igreja de Nossa Senhora do
Rosario de OHnda.Rochael.Cunha Teixeira.
a Fica concedida urna lotera de cem contos
de res para a matriz do Rio Forrnoso.S. RAy-
res.Carvalho Moura.
Proporaos cora o artigo additivo o projecto re-
lativo lotera concedida as familias dos volunta-
rios.Buarque.Araujo Barros-S. Olegarioi
Em consequencia deste requerimento, foi appro-
vado artigo por artigo o projecto de que elle resa.
c Outra lotera de sessenta contos para a igreja
de Abreude Una,Carvalho Moura.Ayres.
Mais oulra lotera de sessenta contos para a
concluso da greja do Lvramenlo no Pao d'Alho.
Soares Brando.
< Quairo loteras de cento e vinte contos em fa-
vor do Gvmnasio Provincial.Buarque.
t. urna de cento e vinte contos em favor da
igreja matriz, ouque serve de matriz, na fregu
zia de Nossa Senhora da Conceigao ae Sennhem,
a qual correr cora preferencia.rummond.
Silva Ramos.
t Mais urna de cem cintos de ris para a conclu-
so das obras da igreja da Misericordia na cidade
excesso da quanlia destinada para pagamento de
sellos reverterlo em cada parte da dita lotera que je Goianna.-Arminio Tavares.
correr, em beneficio das raenciouadas familias, e Mais outra lotera de 60:000*000 para o con
sendo igualmente entregues pela forma estabele- cerl0 ,ja igr*>ja da povoaglo da Punta de Podra na
cida no artigo precedente referida sociedade Pro- i comarca de Goianna. Arminio Tavares.Gongal-
teclora, para o fim j indicado. ves da Silva.c
t Art. 5. Ficam revogadas as disposiges em E' afinal approvada a seguinte sub-emenda
contrario.S R Suppriraam-se as ultimas partes das emendas
Pago da assembla provincial de Pernambueo, q0e pedera preferencia as loteras apresentadas,
8 de marco de 1865.Francisco de Araujo Barros.
Arminio Tavares. Rochael. Nabor. Gongal
ves da Silva.Francisco Pedro.Ayres Gama.
F. de C. Soares Brando.Silva Ramos.C. Mou
vislo nao ser occasiao opporluna.Jacobina.
Sao regeitados os seguintes requerimenlos e
emendas :
Requeiro que o projeelo n. 61 e emendas
ra.Dr. Lourengo Trigo de Loureiro.Maranho., apresentadas sejam remeilidas a commisslo de or-
Dr. Sabino 0. L. Pinho.D. Ulpiano.J. Brau- camenlo para ailender convenientemente.-Cara-
lio C. da Silva.J. J. de Souto Lima.Costa Ri- pe|lo.
beiro.Buarque de Macedo.Aquino Fonseca.
Reg Barros.
Sr. A. Fonseca, obtendo a palavra pela ordem,
diz qoe lendo-se na acta que no fim da sessao de
hontem se procedeo a chamada, estando mencio-
nados os noraes daqnelles Srs. depulados que se
haviam retirado, v-se obngado a fazer urna Je-
clarago.
Determinando o art. 52 do regiment que as
sesses comecem s dez horas, o orador sempre
comparece as dez horas detalhando o seu servigo
de maneira a poder permanecer na casa sqoatro
horas que marca o regiment. Succede, porm,
que a sessao comega sempre pouco ames do meio
dia e dura as mesmas quatro horas do regiment,
vendo-se o orador Ra necessidade de relirar-se an-
tes de lindar a sessao.
Pede portanto o orador que ou se ponha em n-
teira execuglo o regiment, ou transfira a abertu-
ra da sessao para o meio da.
O Su. Presidente responde ao orador que abre |
a sessao quando ha numero legal de Srs. deputa-
dos, e que o regiment manda esperar at ao
meio dia.
ORDEM DO DIA.
Eotram em discusso e sao approvados os pro-
jectos ns 88, 104 o 68.
Entra depois em 2" discusso o projecto n. 61.
Apresentam-se diversos arts. additivos e entre elles
o seguinte :
Propomos como artigo additivo o projecle rela-
tivo lotera concedida as familias dos voluntarios.
Buarque.Araujo Barros.Sabino Olegario.
OSr. Gervasio Campello fundamenta e manda
mesa o seguinte requerimento :
Requeiro que o projecto n. 61 e emendas apre-
sentads sejam remeilidas a' commissao de orga-
mento para atlender convenientemente.
0 Sr. S Pereira observa que existem loteras
concedidas ha mais de 8 aonos, e que entretanto o
presidente da provincia (o orador nao se refere ao
actual presidente, e sim a todos aquelles que lem
ore upado este lugar) s tem mandado correr aquel-
las lateras, nao pela antiguidadede sua concesso,
mas pela forga do patronato. (Nao apoiados.)
O anno passado apresenlou se na assembla a
t E urna de cento e vinte contos em favor da
matriz do Rio Formoso, que correr com preferen-
cia.Drummond.
Considera-se prejudicado o seguinte requeri-
mento :
i Fica o presidente da provincia autorisado a
mandar exlrahir asparles das loteras na ordem
numrica marcada na Iei do orgamento. Mara-
nho.
O Sr. Presidente levanta a sessao s 3 horas e
um quarto, ed para ordem do dia 9 :
Continuago da anteriormente dada ; ultima dis-
cusso das emendas das posturas da cmara de
Agua Prela ; primeira discusso dos projectos ns.
81, 83, 86, 87 e 101 do anno passado.
REVISTA DIARIA.
A assembla provincial, em a sessao de honlem,
oceupou-se com a discusso dos projectos n. 61 do
anno passado.
Hoje deve installar se a primeira sessao judicia-
ria. do jury desta capital no corrente anno, sob a
presidencia do Sr. Dr. juiz de direito da primeira
vara Joao Antones de Aranjo Freitas Henriques.
A 23 do mez nido foi encontrada na lat. S
12 4' e long. O 25 a barca ingleza Arequipa, na-
vegando de Liverpool para Valparaizo; e a 4 do
corrente na lat. S 5o 50' e long. O 30 15" a bar-
ca da mesma naciooalidade Chanoral, procedente
de Londres com destino a Madras.
Consta-nos que os logistas da ra Nova vo
alli estabclecer urna illuminago igual a da ra do
Crespo.
Deu-se j comego ao calgamento da ra No-
va segundo o systema do calgamento geral da ci-
dade.
Em dala de 5 do corrente escrevem-nos do
Limoeiro:
Desde o dia 3 do mez passado, em que tive-
mos urna tremenda troveada, que tem chovido
mais ou menos neste termo, e por duas vezes tem
o Capibaribe tomado tanta agua, que nossas rela-
goes tem sido quasi interrumpidas por alguns dias;
temos a esperanca de
em compensagao porem temos a esperanga
idea de se 'estabelece'r preferencia as loteras" e foi esle irabalho entregue a urna commissao para no frPC0 dos viveres-
dar o seu parecer, e estabelecer-se a preferencia Terga-feira da semana passada recebemos aqui
na le do orgamento. Mas o que sceedeu ? A a Brata noticia da victoria que alcangamos sobre
commissao estabelecen a preferencia como enten-1 os Uruguayos em Jaguaro.
deu, esquecendo as loteras que ja' se achavam I A uoite o povo percorreu a villa cora msica
concedidas. (Reclamagoes.)
O orador observa qoe sao tantas as loteras j
concedidas que elle o primeiro a reconhecer a
impossibilidade de ellas correrem em 4, mesmo
em dez annos.
Quanto ao projecto concedendo urna lotera de
mil contos em favor das familias dos Voluntarios
da Patria, o orador acha a idea mnito boa, muta
patritica ; roas pede licenga para dizer que nao
vota por elle, por quante reconhece que os volun-
larios nao se empregain no servigo propiamente
da provincia, e sim no da nagao, competindo ao
governo geral soccorrer soas familias.
e fugeles, visitando as casas das primeiras auto-
ridades e dando enihusiasticos vivas.
Nossa populaglo tem tomado urna parte bem
louvavel pelos negocios do sul do imperio; as au-
toridades procuran corresponder a espectativa do
governo, nao s promovendo o alistamento de vo-
luntarios da patria, como concorrendo para que o
recrutamento se faga com diligencia.
Os partidos a este respeito esto de tregoas e
nlo tem dous peosamentos, honra seja feita ao
bom senso de um e outro lado.
t Os mus porm nao repousam em sua obra
de inquidade ; Bora Jardim tem sido este anno o
ponto do termo em que mais crimes se lera per
Oulro do raemo remettendo o projecto de pos- campo da batalha, esta medida deve ser outra ; es
turas da aaiara municipal da villa do Bom C nse- \ labeleca-se uira subscrpgo particular, e desde
loo.A' comioisso de negocios de cambras. ja ello' deciaraqe subscreve paradla.
Outro do mesn?o remettendo o balanco da re-'- Um Sn. Deptadc:Ja existe,
ceila e despeza da cmara municipal da villa de I O Sr. S Pereira eiitende que poqceder-se est
O orador emende que, a se querer tomar algu- petrado; ainda ha bem poucos das teve lugar"all
ma medida era favor daquelles que perecerem no,' uro assassiuato, cujas circumsiancias nao chega
ram ao nosso conhecimento. A polica deve langar
para alli suas vistas.
c No da 25 do mez (Indo reassumio o exercicio
o nosso juiz municipal Dr. Emifdio Marques de
Santiago, que se achava de licenga, tondp deixado
quer ? e se assim vio praticando, para que pr-se
em susto aquella ooa genle, qnando dentro dos
umbraes do seu castello existe um desertor da ar-
mada, distilando ou purgando I
A Sentinella.
Informam-nos que, pretendendo-se concertar
a ponte da Tacaruna, sera' interrompido o transi-
to para Olmda, por falta de um passadigo, urna
vez que pela estrada do Salgadmho impossivel a
passagem era mares cheias.
Chamamos a atiengo de quem compete para se-
melbante facto, e pedimos providencias para evi-
tar-se que caa mais esta praga sobre a infeliz
Olinda.
Al o dia 7 do corrente juraram bandeira,
co corpo de Voluntarios da Patria, as seguintes
pessoas :
195 Jos Ricardo Colbo Jnior, 17 annos, Per-
nambueo.
196 Antonio Paes de S Brrelo, 40 dem. idem.
197 Antonio Caetano d'Oliveira Coragem, 19 idem,
idem.
198 Lanrentino Alvef Colho, 24 dem, idem.
199 Jos Joaquim de Sama Anna, 10 idem, idem.
200 Martiniano Jos da Silva, 21 ideo, idem.
201 Francisco Antonio Nogurira, 21 dem, idem.
202 Joo Nepomuceno Chaves, 35 idem, Alagoas.
203 Hermino Deocleciano Loyolla, 20 idem, Per-
nambueo.
204 Manoel Ferreira Lima Jnior, 25 idem, Rio
Grande do Norte.
205 Raymundo Pereira Duarte, 25 idem, Cear.
206 Felippe Santiago Torres Galindo, 22 idem,
Pernambueo.
207 Jos Francisco Pereira, 28 idem, idem.
208 Joaquim Francisco Torres Galindo Jnior, 21
idem, idem.
209 Jos Esleves Moreira da Costa, 22 idem, idem.
210 Deodato Marques de Mello, 26 idem, idem.
211 Jos Francisco do Nasciroenlo, 20 idem, dem.
212 Vicente Jos de Lima, 20 idem, idem.
213 Jos de Barros Silva, 36 idem, idem.
214 Joo Borges Vieira da Fonseca, 22 idem, Ma-
cei.
215 Francisco Jos Rodrigues, 18 idem, Pernam-
bueo.
216 Manoel Joo Wanderley, 20 Idem, idem.
217 Polycarpo Domingues da Pilva, 20 idem, idem.
218 Jos Antonio Francisco, 18 idem, idem.
219 Jeronymo Emiliano Ferreira de Mello, 18
ide.ro, idem.
220 Joo Evangelista de Moora, 20 idem, idem.
221 Modesto Carlos d'Albuqcerque, 20 idem, idem.
222 Franqmno Jos Rodrigues, 20 idem, idem.
223 Isidro Vicente Ferreira, 30 idem, dem.
224 Jos Antonio Seifert, 20 idem, Ceara'.
Amanha se extrahir a 2' parte da 4' lote-
ra da Santa Casa da Misericordia 1(8*), sendo os
dous maiores premios 10:000$ e 3:0005.
rkparticao da polica :
Extracto das partea do dia 8 de margo de
1865.
Foram recolhidos a casa de detengo no dia 7
do corrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Faus-
tino Jos da Silva, Joao Severino dos Santos e Ma-_^
noel Thomaz do Nascimenio, para reerutas.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Vicencia
Maria de Jess, por infraego do regnlamento da
va frrea, Josepha e Luiza, escravas,esta de Fran-
cisco Ignacio Paiva e aquella de Jos Marcellino da
Cunha, ambas por feridas.
A' ordem do subdelegado do Recife, John Mara
Caul, inglez, requisiglo do respectivo consol.
A' ordem do de S. Jos, Veneranda de Mello
Cavalcami, por disturbios.
A' ordem do da Magdalena, Francisco de Fran-
ca, Jos Borges da .*itva e Francisco Thomaz de
Aquino, todos para correego.
O chefe da 2* secglo,'
J. G. de Mezquita.
Passageiro do hiate brasileiro Caribaldi, viu-
do Ass :
Manoel Martis de Vasconcellos Porto.
Passageiros da patacho brasileiro Barros I,
sahido para a Baha :
Antonio de Oliveira Cardoso Guimaries, sua se-
nhora, 1 criado, 1 escrava cora 1 cria, e 1 escravo
a entregar.
Casa dk detengo.Movimento da casa de
detengo do dia 7 |de margo de 1865. Exisliam
presos381,entraram 14, sahiram 10, existem 385 :
a saber: nacionaes304, estrangeirps 18, mulherss
4 ; eslrangeiras2, escravos 50; escravas 7.To-
tal 385.
Alimentados acostados cofres pblicos 165.
Movimento da enfermara do dia 8 de marco de
1865.
Tiveram baixa:
Francisco de Paula Campos, rheumalismo.
Galdino Ferreira de Barros, intermitiente.
John Maria Caul, idem.
Tiveram alta :
Manoel Henrique de Lyra.
Antonio Rodrigues Chaves.
OBITUARIO DO DA 7 OE MARQO DE 1865, NO
CEMITEH10 PUBLICO
Joo, Pernambueo, 3 mezes, Sanio Antonio ; co-
lite.
Margarlda Francisca de Cortona, Pernambueo, 70
annos, solleira, J. Jos ; tubrculos.
Maria Josepha, Pernambuce, 5 mezes, Santo Anto-
nio ; convul.-5es.
Jos Ferreira da Silva, Pernambnco, 38 annos, sol-
teiro, Recife ; tubrculos pulmonares.
Maria, Pernambueo, 15 das, Santo Antonio ; es-
pasmo.
Dionizio Joaquim da Costa, Pernambueo, 26 annos,
solteiro, Boa-Vista ; herysipella.
^blicacoesrrmo"
Aos eldadSos da gnarda cvica
desta capital.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia ordena-me
que, em seu nome, louve aos cidadaos da guarda
cvica, consumes da relagao que Ihe foi apreseota-
da, pelo patritico offerecimento que fizeram da
seus servigos nesta capital e seus arrabaldes, Coav
prindo, pois, lo grato dever, o abaixo assignado se
prevalece da occasiao para assegurar a todos
aquelles cidadaos em geral, e cada um de per si,
o aprego, estima e consideragao em que os"lem.
O chefe de polica,
Jos Pereira da Suva Moraes.
X
-.





i


Diarfe e rra__ilMM*
t fftf de Mare *V l*fti




CURA
Espantoza e Admirare!
DE UMA CHALA
CANCROSA E ROEDORA
oc
PLIPO m NARIZ.
Craa errada de servir residente oiu Peraam-
buco e pertunceatc Es"?." SerT. Viscondessa
DE Goiahna, foi atracada i rana, terrivel cha-
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Naris.
A inesnia involvia e tomara todo n parte in-
ferior do nariz, amelgando j diatrnir tanto a
parte cnitilaginusa como o mesmo oso ; Come-
cou primeiro por njiparecer sob o beico supe-
rior e parte da face, extendendo-sc por tal
forma e coni tul rapidez, que era pouco aaiea-
?ava transformar todo o rosto n'uma enorme
charga viva e asquerosa. Dorante tedo esto
terrivel estado, todos os recursos medicinis
<(ne en tues cazos se uzao forSo abundante-
mente em]ircgndos, sem quo de levo fizesse
parnr a marcha lenta e distruidora de tao hor-
rivel i-nli-nnidadi-, e todos os nicios e esfori;os
foriio baldados, e no eiu tanto o-mal eaesea eis
as coozas neste ponto, se experimenton pela
vez priimia a
SALSAPAtMLHA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, qua.-d quo instantneo
por este inestiniavel remedio foi verdadeira-
mente maravillioso o sem igual; esto grande
purificador do sangue e dos liuinorus do 3ys-
tema, mmediatamen'o pi um termo mar-
cha disostroza e fatal dn mahstta, derramndo-
se e infiltrando-se atruves dos tecidos os maie
delicados do eorpo, c-xpellindo at-: i ultima
propriedude ou vestigio virulento da molestia,
C dentro d'um curto esparo de tempo produzio
urna
CURA
Completa e Radical.
Este feliz qoSe adrairavel resultado foi obti
do apenas cora o simples uso
Duina 80 nica Garrafa!
d'este incomparavel e inapreciavel de]>uratorio,
recommendamos portante i todos os Doentes
nica e verdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De XOVA ORK,
na certeza de que, tedas as mais preparaedea
imitativas nao valem para couza alguma.
Vende-se as boticas de Caors & Barbosa
e C. Bravo & C.
de Caldas Bran-
Monteiro da Silva
~&-
Recife, 8 de margo de 1865.
Reunirn) se hontem pela terceira vez em casa
do Etm. Sr. Dr. Domingos de Souza Leo os so-
cios fundadores da Associaclo Protectora das Fa-
milias dos Voluntarios da Patria.
Alguna des ditos socios que foram ncarrogados
de agenciar asignaturas para a mesroa Associaco,
apreseataram suas listas, tendo conseguido mais
de dozeeontos de ris de donativos, dos quaes per-
lo de nove ja arrecadados com o mais que hoje se
receber, sero recolhidos ao Novo Banco ; e perto
de um cont e quatrocentos mil ris subsenpios
por raez. Amanha ser installada a Associaco.
Resolveu-se pedir ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia urna relacao de todos osVoluntarios da
Patria,com declarado dos que tiverem familia,
se cons'.ar, do lugar de sua residencia, data de
suas pragas, e dia de sua partida desta provincia
para o sal.
O Sr. Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito, offe-
receu a Associaco os seus servidos mdicos gra-
tuitos, durante a guerra, a bem dosVoluntarios
da Patriae suas familias que residirera na capi-
tal, offerta que foi recebida com agradecimento e
ser communicado ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.
A Associaco Protectora das Familias dosVo-
luntarios da Patriatem j obtido o auxilio pecu-
niario constante das assignaturas seguintes :
1 Antonio Borges Leal Castelle-
Braoco, dorante a serventa, e
do seu ordenado............... 10 por %
2. Barao doLivramento-por mez
e emquanio durar a guerra^... 2005000
3 Jos Pereira Vianna idem..... 100800o
I Antonio Luiz dos Santospor urna
s vez........................ 505000
5 Luiz Antonio de Siqueira idem.. 5005000
7 Luiz de.Moraes Gomes Ferreira,
idem......................... UOO30OO
8 Antonio Jos Leal Res, idem.... 205000
0 Bailar & Oliveira, idem......... 3005000
10 Saunders Brothers, idem...... 5005000
II Tisset Freres, idem.......... 2005000
12 Joo Ignacio de Medeiros Reg,
idem......................... 5005000
13 Maia 4 Espirito Santo, idem... 2005000
1 \ Amorim i Irmos. dem...... 1:0005000
45 Aolonio Luiz de Oliveira Azeve-
do, idem...................... 1005000
16 Francisco Joo de Barros, por
mez, idem...................... 1005000
17 Joao Cardoso Ayres, idem..... 205000
18 James Ryder & C, por urna vez 3005000
19 Jos Antonio Mureira Dis,
dem.......................... 205000
20 Joao Keller 4 C, idem....... 3005000
21 Eduardo A. Burle, idem...... 1505000
ii Dr. Franoisco de Paula Sales,
emquanto durar a guerra, e do
ordenado...-.................. 5 por "L
23 Francisco de Lemos Duarte,
por mez e dorante a guerra..... 25000
34 Antonio Josc Rodrigues de Sou-
za, idem...................... 105000
23 Augusto Hygino de Miranda,
idem.......................... 105000
26 Joo Rodrigues de Souza, idem. 35000
27 Manoei Luiz Virios, idem...... 35000
28 Gustavo Jos do Reg, Idem____ 55000
'29 Innocencio Smoltz, idem....... 55000
JO Jo5o da Silveira Rorges Tavora,
idem......................... 105000
31 Manoel de Carvalho Paes de Ao-
drade, idem................... 5*000
32 Dr. Jos Pereira da Silva Moraes,
idem........................ 105000
.13 Dr. Eduardo de Barros F. Lacer-
da, idem..................... 35000
:)i Dr. Luiz de Albuquerque Martins
Pereira, idem................ 55000
V, Agoslinbo Jos de Oliveira, idem 25000
3o Joaquim Jos do Reg Rangel.
idem......................... 35000
37 Jos Xavier Faustino Ramos,
dem......................... 35000
38 Antonio Alfonso Ferreira. idem. 25000
39 Joaquim Gilseno de Mesquita,
idem.......................... 31000
_0 Flix Ribeiro do Amaral, ide'm'. 25000
41 Antonio Ferreira da Anauucia-
-clo, idem..................... 25000
4 Antonio Cardoso Queiroz Fonse-
ca, dem...................... 35000
43 Alexandre A.
dio, idea-----
44 Bernardo C.
S_m >s, idem
45 fhora Joaquim do'Rego Brre-
lo, idem...............,......
46 Francisco de Barras Faloao Ca-
. valcanli de Albuquerque, idem..
47 Jos Peretti Seve, idem........
48 ThomazJos da Silva Gusrao,
idem.........................
49 Manoel Pereira da Cunha, idem.
50 Jeao Carneiro Monteiro da Silva
Sanios, idem..................
51 Joaqnim Tranquilino Duarte,
idem.........................
52 Marcomiro Pancracio Pereira
dos Santas, idem...............
53 Ignacio Bentode Loyolla Jnior,
idem.........................
54 Francisco Geraldo Moreira Tem-
poral, dem...................
55 Pedro Alexandrino Machado,
idem........................
56 Domiogos Soriano Alves da Sil-
va, idem......................
57 Antonio A. de Farias Neves, por
umas vez....................
38 Goilherme da Silva Guimares,
idem........................
59 Luiz Antonio Vieira, idem......
60 Augusto Cesar de Abreu, idem.
61 Theodoro Dammayer, idem.....
62 Marcolino Jos GoBQalves Fon-
tes, idem.....................
63 Alves Hambarger 4 C, idem...
164 Carneiro & Nogueira, idem-----
: 65 N. O Bieber, idem............
', 66 Ferreira 4 Araujo, por raez, du-
I ranle a guerra................
67 Jos Pereira da Cunha, idem...
68 Manoel Alves Barbosa, por urna
j s vez-----............... ...
69 Isidoro Neto 4 C, dem.......
' 70 Roth A Bidoulae, idem........
I 71 S. P. Johnston C, Idem......
72 Theodero Christiansen, dem...
73 Monhard & C., idem..........
74 Linden Wild <& C, idem.......
73 Brander a Brandis, idem......
76 Phipps Brothers & C. idem___
77 Arauaga Hijo A C, idem......
78 Manoel da Silva Santo?, idem..
79 Manoel Ignacio de Oliveira 4 Fi-
Iho, idem.....................
80 Francisco Gomes de Oliveira,
Idem.........................
81 Eduardo Firmino da Silva, idem
82 Dr. Antonio da Assumpco Ca-
bral, dem.....................
83 Manoel Raymundo Penna Forle,
idem........................
8i Tasso 4 Irmos, idem.........
85 Luiz Jos da Costa Amorim, idem
86 Barros e Silva, idem..........
87 veixas Azevedo & C, idem....
88 Joao da Conceicao Bravo & C,
idem.........................
89 Cunha [nulos & C, idem.....
90 Jos Joaquim da Silva Gomes &
C, idem......................
91 Joaquim Jos Goncalves Beltro,
idem.........................
92 Rosa & Irmao, idem..........
93 Joo Jos da Silva, idem.......
94 Luiz da Costa Porto-Carreiro,
por mez, emquanto durar a guerra
95 Dr. Joo Diniz Ribeiro da Cu-
nha, idem..................
96 Augusto Cesar de Carvalho, por
mez, e emquanto durar a associa-
go..........................
97 Carlos Steuber, idem..........
98 Manoel Caetano Espinla, idem.
99 Dr. Luiz Carlos de Magalhaes
Breves, idem..................
100 Dr. Ayres de Albuquerque Ga-
ma, idem.....................
101 Filhos de Eduardo Firmino da
Silva, por mez, e durante um au-
no...........................
1C2 Dr. E-tevo Cavalcanti de Al-
buquerque, do seu ordenado, du-
rante a associaco e a commisso.
1(3 P*dre Tranquilino Cabral Ta-
vares de Vasconcellos, idem.....
104 Joo Pereira do Reg, por urna
vez..........................
195 Luiz de Oliveira Lima, idem...
105 Alfredo Jos Autuoes Guima-
r.w, idem....................
107 Rabo Khamcttanx, idem......
168 Dr. Joaquim Jos da Fonseca,
idem........................
109 G. O. Mann, idem...........
110 H. Davis, idem..............
111 Dr. Francisco Amintas de Car-
valhe Muin a. por mez, durante a
guerra.......................
112 Dr. Manoel Buarque de Mace-
do, idem.....................
113 Dr. Gervasio Rodrigues Cam-
pello, por dous mezes..........
114 M. A. Lima, por mez, durante
a guerra .....................
115 Dr Lourenco Trigo de Lourei-
ro, da gralilicago, por um anuo.
116 Vigario Francisco Pedro da Sil-
va, por mez, e durante a guerra.
117 Vigario Jos Teixeira de Mello,
idem.......................
118 Joo Silveira de Souza, por mez,
e durante a associaco.........
119 Dr. Joo da Silva Ramos, idem.
120 Major Luiz Jos Pereira Simoas,
idem........................
121 Fioriano Correa de Britto, idem
122 Dr. Silvino Cavalcanti de Al-
buquerque, idem..............
123 Dr. Antonio Vicente do Nasci-
ment Feitosa, Idem............
124 Dr. Caetano Xavier Pereira de
Bruto, por urna vez............
125 Dr. Francisco Carlos Brando,
idem........................
126 Dr. Domingo de Souza Leo,
donativo por urna vez..........
Mensahdade emquanto durar a as-
soc?co......................
127 Goes A Bastos, por urna vez..
128 Antonio Goncalves de Azevedo,
idem.........................
129 Laurintino Jos de Miranda,
idem.........................
130 Joo Evang lisia da Costa e Sil-
va, idem....................
131 Olintho Goncalves Rosas, idem.
132 Andrade 4 Maia, idem.......
133 Domingos Jos Ferreira Gui-
mares, idem.................
134 Antonio de Moora Rolim, idem.
133 Celicina Espinla Moura Rolim,
idem........................
136 Herminia de Moura Rolim,
idem.........................
137 Joo de Moura Rolim, idem
138 Thereza de Moura Rolim. idem
139 Antonio de Moura Rolim Jnior,
idem .......................
140 Mara de Moura Rolim, idem..
141 Manoel de Moura Rolim, idem.
142 AlbInoAmorim 4 C,idem....
143 Gui maraes & Basto, idem.....
144 Fern andes Gomes da Silva,
idem........................
145 Jos Cordeiro dos Santos, idem.
25000;
35000
25000
35000
;>3000
penado di 8
212.664*037
45000
25000
25OOO
35000
25OOO
25000
25OOO
I5OOO
I5OOO
Havlmente da allada
Voiameenlradosjjomazendas...
com gneros...
36.0875564 se ha de arrematar a qaem por menos flzer os re-' De ordera do lllm. Sr. inspector da thesoo,
paros de que preeisa a estrada do Porto de Galli- raria de fazenda desta provincia se fa* publico pa-
nha.s avahados jem 7485000. ra conhecimento dos interessados, que o Irib nal
vinei^"OT s?" i"114 f?rm5~da l81J,ro" toibawaroeraordem n. 17 de II de feverelro
ManlJ- e l5- de m"10. de lSoi' 80b as a"ia,' mandn proceder na forma da circular de
claosas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem
708
Volurn.es sabidos com (tiendas..
com gneros ...
1.102
121
440
------661
Desarregam no da 9 de marco de 1868.
Galera franceza Ameliamercadorias.
BrigueinglezHuntressemercadorias-
Galera inglezaHerntwnmercadorias.
Barca ingleza/. O.idem.
Patacho portaguez Flor de Mana diversos g-
neros.
Barca ingleza-Gracefarinha de trigo.
Patacho ioglezGlenhcotbacalho.
Hiate inglezSea Breeze diversos gneros.
Brtgue inglezRunijmedecarvo de pedra.
Briirue inglezJames Stwarl-idem.
fleccbedoria de rendas Inter-
de Pernalu<'o.
1:1* geraes
Rendimenlodo dia 1 a 7
a esla arremata-
gao comparecen) na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio-dia e
competentemente habilitados.
E para constar se mandou publicar o prsenle
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de ferereiro de 1865.
0 secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciaco.
Clasulas especiaes para a arremato.
1* As obras dos reparos da estrada do Porto de
Gallinhas serao feitas de conformidade com o or-
carnalo Junto na importancia de 7485000.
2* O arrematante dever principiar as mencio-
nadas obras ao praso do 10 das, e conclu-las no
de 3 mezes, ambos cornados da data d'arremata-
go.
3* O pagamento ser realisado em duas presta-
res iguaes, a prlmeira quando liver o arrema-
18:1665512 tante feito melada das obras, e a segunda quando
, 6 de agosto de 1847 a liquidaco das dividas do
exercicio de 1862 a 1863, de que sao credores os
abaixo declarados, os quaes devero apresentar
thesouraria os seus requerimentos para a referida
liquidadlo.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 7 de marco de 1865.
Thomaz Tavares de Moraes.
Fre Joo Baptfsla do Espirito Swto,
Raymundo de Aranjo Lima.
Antonio Cabral de Mello Leoncio. S<
Francisco das chagas Cordeiro Campos.
Raymundo de Araujo Lima.
Joanna Anglica Fernandos Bastos.
Manoel Jos Pinto
Servindo de offleial -maior.
Da ordem do lllm. Sr. inspector da ihesou-
raria de fazenda desta provincia se faz publico
para conhecimento dos interessado?, que o tribu-
nal do thesouro em ordem n. 14 de 6 de feveretro
do correle anno, antorisou o pagamento de divt-
Leilode movis, cryMa finos.
Sexta-feira 10 do correle as 11 hor&
Sem limites.
Cordeiro Simes far leilo de movis, crystaes,
planos, quadros, 1 cofre dn forro, 1 grande espe-
llio, I suntuario, 1 cama de mogoo pjra casal, 2
ditas de aoiareMo e outros objectos de gosto.
Na mesma occasio vender nm bonito cavallo
tom andares e com sella.
_______No armazem da roa da Cruz ft. 57.
Leilo de lOquartolaseom vdIio Bor-
itmw
Sexta-feira 10 do cerrente.
Por conta de quem pertencer o agenle Pestaa
far leilo de 10 quarlolas corn excellente tnho
Bordeaux desembarcado Itimamente : sexla-teira
10 do crrenle as 11 horas da manha no arma-
zem do Annes.
Leilo
De diversos objecos de distila?, bem como
pipas, quartolas, anearas, tinas grande?, botijas,
I garrafas, frascos de bweca larga e estreita, garra-
as d eTrcSflnitai ao credores aLixo de If6es' "?esas Brandes e W0**' ^l M'r
105000 idem do da 8 ................. 1:1425187 liver concluido todas as obras e entregue dilinil.va-1 clarados o aes SeVer? re ue er a besSrarfa arma5a' e mU"f,0U,rM T ,que se vendera('
_____ monta waidui/, us quaos uoTCirtu ieijuoit.1 d luebOUldla ftIn in ..,, m.,f. ot,. ., Vl>n,A. ,)o< ojm^radnroe.
mente.
1005000' 193085699. 4' Para tudo mais que nao estiver especificado
2OO5OOO ======'as presentes clausulas seguir-se-ha o que deter-
305000 Consulado nrovlnclal. I mina regulamento de 9 de julho de 1864 que re-
^m i Rendimento do da 1 a 7....... 20:2795^83 ge esta reparticio.
dem do dia 8............... 4.8025600, Conforme.
505000
805000
505000:
5005000:
305000'
1050OOI -
25:0815883
MOYIMENTO DO PORTO
1005000
505000
505000
505000
2005000
505000,
305000
1005000
3005000
505000
5005000
4005000
505000
455OOO
165000
55000
5005000
5005000
30(15':(X)
lOOjOOO
05000
1505000
1505008
505000
5'50;0
30-301 0
I25OOO
25000
Navios entrados no dia 8
Ass-7dias, hiate brasileiro Garibaldi, de 109
toneladas, capito Custodio Jos Vianna, equipa-
gem 8, carga sal; a Tasso- 4 Irmao.
Glassow-35 aias, patacho inglez Unlaunted, de
158 toneladas, capito William A. Jackman,
eqnipagem 8, carga carvo ; a Soutliall Mel-
lors & C.
Liverpool48 dias, lugar inglez Laviiua, de 145
toneladas, capito J. L. Messune. equipagem 9,
carga fazendas; a Saunders Brothers 4 C.
Londres49 dias, brigue inglez Carrie M. /.., |de
204 toneladas, capito J >nn Fenck, eqnipagem
Antonio Ferreira d'Annunciago.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offleial da im-
perial ordem da Rosa- e juiz especial do coramer-
co desta cldade do Recife capital da provincia
de Pernambuco e seu termo por Sua Magestade
Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro II a
quera Dos guarde, etc.
Fago saber pelo presente, que peranle esle juizo
e cartorlo do escrivo que este subscreveu, corre
urna execucjio de sentenga por mandado de pre- \
dito, ordenadas entre parles, a saber : cerno exe-1
quente o bacharel Gabriel Soares Raposo da Cama-1
ra, e como executados os herdeiros de Marcelino
Antonio Pereira, e proseguindo dita execucao os
seus devidos termos, procedeo-se a penhora era
continuado a primeira que nao chegou para o pa-
gamento da mesma execuco, cmdinheiro naquan-
tia de 3:0545131, existente no deposito geral desta
cidade, pertencentes aos referidos executados, pelo
que em audiencia publica do dia 20 do corrente
mez, pelo solicitador Antonio Carlos Pereira de
8, carga carvo; aWillson Hett.
Lisboa47 dias, patacho portuguez Flor de Mana,
de 116 toneladas, capito Manoel Joequim de
Oliveira Ramos, equipagem u), carga vinho c
outros gneros ; a Euzebio Raphael Rabello.
Montevideo 40 dias, brigue Iiespanhol Aqudtni,
de 200 leneladas, capito Luiz A. Garca, equi-
pagem 13, carga couros ; a Tasso 4 Irmo'
Este navio arribou com agua aberta : seu desli-
no era Corunha : lera 6 passegeiros.
Navios saludos no mesmo dia.
BabiaPatacho brasileiro arros l. capito Silve-
rio da Silva Gallo, carga farinha de trigo e ou-
tros gneros.
Marseille Patacho hanoveriano Emma, capito
Steckmao, carga assucar.
ParahybaBrigue inglez Pkanlon, capito J. Ma-
ressy, em lastro.
SBITAES.
25000
10500
105000.
105000'
55000
A cmara municipal desta cidade, convidada
por S. Exc. o Sr. presidente da provincia para, pe-
los meios ao seu alcance promover o alistamento
do maior numero possivel de cidados nos corpos
de voluntarios da patria, dirige-se aos seus muid-'
pes neste sentid, eerta de que a ninguem cedem
em valor e patriotismo.
Descendentes dos Vieiras, Dias e Camaro, csses
hroes que tanto se ennobreceram pelo seu valor,
amor a patria e a religio, elles nao desmentlro
I certainenie de to gloriosos ascendentes e correro
apressados a viogar a injuria faita a honra da na-
go, nao sement pelo governo do Uruguay, seno
tambem pelo novo despota do Paraguay.
Este tyrano, sem oeuhuma provocago da parte
do Brasil, nao s tem aprisionado os nossos vasos
que francamente subiam o rio couGados na f dos
tratados, seuo tambem enviou as suas hordas sel-
vaoens para devaslarem os campos e as povoacoes
indelezas aa nossa provincia de Matto-tirosso.
E' a pniii-'ira vez que, depois da uossa indepen-
Anr>A dencia, urna bwideira estrangeira arvorada em
55000
10 por Y
10 por f,
305000
;00e
5050J0
O'
1U'5>0
505000
territorio brasileiro ; e orno urna lal alfronla nao
pode ser perdoada por nenhum povo que presa a
sua independencia e soberana; confia a mesma c-
mara que os Pernambucanos, sempre celebrados
pelo seu valor e patriotismo, correro a alistar-se
nos balalhoes de voluntarlos da patria para repel-
lirein a invazo estrangeira, autoando com enlhu-
siasmo, viva a nago brasilelra, viva S. M. imperial
o Sr. D. Pedro II. vivam os Pernambucanos, vivara
os voluntarios da patria.
"ivinn Pago da cmara muinicipal do Recife, Io de mar-
co de 1865.Luiz Jos Pereira Simoes, pro-presi-
dente.Fraocisco Canuto da Boaviagem, secre-
taori.
O cidado Antonio Augusto da Fonseca, cavallelro
da imperial ordem da Rosa e juiz de paz do se-
gundo anuo em exercicio do primeiro da fregue-
zia do Santissimo Sacramento do bairro de San-
to Antonio da cidade do Recife de Pernam-
buco.
Fago saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia tiverem, que o Dr. Jos Bernardo de
Figueiredo me inderessou a petico seguinte :
lllm. Sr. juiz de paz.Diz o Dr. Jos Bernardo
9a&fin' ^e F'8ieiredo por bastante procurador nesta cida-
zu# j de, que elle quer fazer citar Guilhermc Frederi-
tasOOO' de ^ouza C31""3'00 Para na primeira deste jui-
zo, depois de citado, pagar ao supplicante a m-
550.0
I
235O0O
3005000
20 por %
W50C0:
1050001
105000
lOfOOO:
I
10500 j I
1050.0 i
1005000
505000
4005000
205000
305000
505000
505000
205000
205000
205OOO
205OOO
205000
105000
105000
105000
IO5OOO
IO5OOO
105000
105000
IO5OOO
55OOO
55000
{.Continuar se-ha)
COMMEBGIO.
a im
portancia de sua nota promissoria da quantia de
tres contos seis ceios e trila e nove mil e sele-
centos e sessenla e quatro ris, alm dos juros que
se contaren), isto sob pena de revelia e editas. E
porque o supplicado se acha auzenle em lugar nao
sabido requer o supplicautea V. S. oadmiua a jus-
tificaca da auzencia, depois do que sirva-se V. S.
de manda-lo notificar por carta de edictos por tnn-
I ta dias na forma da lei.
Pede a V. S., Sr. juiz de paz da freguezia de San-
to Antonio Ihe delira : espera receber merc.
' Manoel Lnjz da Veiga, procuradar.
Na qual pelicao dei o despacho seguinte :Co-
; mo requer.
Freguezia de Santo Antonio, 17 de fevereiro de
1863.Augusto da Fonseca.
i Era virlude do qual despacho se procedeu a lo-
quirico de testemunhas, que depozeram sob o ju-
ramento dos Santos Evangelbos, a respeito da au-
; zoncia, incerteza do lugar da residencia do sup-
plicado Goilherme Frederico de Souza Carvalho, e
sendo tudo autuado me viera m os aotos conelusos,
pormimlidos, nelles profer a sentenca que se-
gu :
Visto provar-se pelo depoimento das testemunhas
a folhas que o supplicado Guilherme Frederico de
Souza Carvalho acha-se auzente em lugar acer-
t ; hi'i por justificada a sua auzencia, o escrivo
passe carta de edictos com o prazo de trlnla dias,
e pague o justificante as cusas.
Freguezia de Santo Antonio do Recife, 21 de fe-
vereiro de 1865.Antonio Augusto da Fonseca.
E nada mais se continha era dita sentenca dada
nos autos, por bem da qual se passou ao justifi-
cante o presente edital como prazo de trinta dias,
I pelo qual chamo, cito e hei por citado o referido
, Guilherme Frederico de Souza Carvalho para que
\ dentro dos trinta dias comprela por si ou por seu
bastante procurador, para se proceder aos termos
de conciliaria, na forma da petico, e a qualquer
outra pessoa para que Ihe faga sabedor desta mes-
ma cilaco, afim de que elle nao fique indefezo. O
a lquidago de suas dividas.
Licinio Persino Nestron de Andrade.
Olympio Theodoro da Silva.
Antonio Braz da Silva.
! Joaquim Jos Botelho.
Antenio Baptista.
Antonio de Souza.
Malaquias de Souza.
Antonio Francisco.
Francisco Lins.
Manoel Paulo.
Jos Mara.
Joaquim Veloti).
Ignacio Jos Machado.
Francisco Gomes Simoes do Amaral.
Joaquim tgolino da Silva Fragoso.
Joaquim Teixeira Peixoto.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco em 6 de margo de 1860.
Manoel Jo.- Pinto
Servindo de ofBcial-maior.
Aviso aos navegantes
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhecimento dos navegantes, que no
dia 18 do corrente foi novamente collocada, e na
mesma posico, a bota que marca o termo dos
ia sido arrojada
amarra.
Pernambuco 18 de feve
reiro de 1865.O seeratario,
Decio de Aquino Fonseca.
em um ou mais lotes a vootade dos conqtradores-
e por todo e qoalquer preeo.
Marlins far leilo por conta e risco de quem
pertencer dos objectos adrmt. na ra do A-rago-
n. 21, segunda-feira 13 do corrente as II boras.
vapor
Leilo de duas madrinas a
Sendo:
Urna porlavel, forga de 14 cawUos, sobre rodas,
com oldoira patente 9 todos seuf pertences.
Oulra ttxa e orisonial, forga de *2 cavados cor
caldeira e mais pertences. *
Terga-feira 13 de margo, em renle a
Associago Coinmerda!'.
O agente Pinto fara leiao por oona de quem
pertencer das duas machinas a vapor cima des-
criptas propr&s para engenho, as quae?se lomara
I recommendadas pela sua perfeigo e per serein
dos rnelhores fadriranles de Inglalerra, os preten-
denles poiere-desde ja' examinaren) dUas ma-
chinas para o que podero eutenderem-se com o
I mesmo agente er seu escriptorio ra da (!?uz nu-
mero 38.
AVISOS MlalTIMOS.
Ibo, largo do Corpo Santo n. 19.
j cife de Pernambuco, em publica audiencia que aos
feitos e as partes faza o Dr. juiz de direilo espe-
cial do commcrco Tristo de AleBcar Araripe,
nella pelo solicitador Antonio Carlos Pereira de
Burgos Punce de Leo, procurador do exeqoente,
fora aecusada a penhora feita em dinheiro na
quantia de 3:0515631, existente no deposito publi-
co desta cidade, pertencentes aos executados os her-
deiros de Marcelino Antonio Pereira, requerendo
que nao s licassem assignados os seis dias da lei,
penhora, como os dez dias aos credores incertos, ,
dos referidos executados, para cujo fin se Ihe des- de 0Unda V* ler sea carre";
se os ediiaes do estylo. O que ouvido pelo juiz
cima o deerio.
Extrahi o presente do protocollo de audiencias e
junto o respectivo mandado de penhora. Eu Faus-
tino Jos da Fonseca, escrevente juramentado o es-
crevi.
_Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Segundo o que assiin se continha em dko reque-
rimenlo de audiencia, depois do que o respectivo
escrivo Manoel de Carvalho Paes de Andrade, que
este subscreveu e fez passar o presente, pelo qual
e seu theor chamo, cito o hei por citado a todos os
credores incertos dos mencionados executados, pa-
ra que dentro do prazo de dez das comparegam
ante este juizo, allegando e provando tudo qoanto
for a bem de seu direito e justga, sob peaa de se
proceder as suas revelias.
E para que chegue ao onhecimenio de todos
mandei passar presente que ser publicado pela
imprensa e afflxado no lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife-de Per-
nambuco, aos 28 de fevereiro de 1865.
Eu ManOel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
BCLiBAgOES.
Novo banco e Pernambuco.
O banco desconta letras na presente semana a
12por ce/ito ao anao al o prazo de seis mezes,e docerldo'em'trraa,o qual tambem ser publi-
toma dinheiro a juros a praso nunca menor do cado geh imprensa.
Cai&a filial do banco do Brasil
em Pernainonco,
14 de neiro de 1865.
De ordem da directora desta caia, se convida
aos credores de -ebastlo Jos da Silva a virem
receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
laido Ibes toca da venda de urna das propieda-
des, que segundo a concordata,Ihe foram entregues
para seren vendidas.O guarda-livros,
Igoacio Nunes Correia.
De ordem da directora desta mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o- 22." di-
videndo de 105 por aego.
O guarda livros,
Ipnacio Nunes Correa.
COMPANHU HERNAMBUCANA,
De ordem do conselho de direceo sao convi-
dados os Srs. accionistas a reunirem seeraassem-
bla geral no dia 9 de margo prximo, ao meio
dia, no segundo andar da casa n. II, na praga do
Curpo Sanio. Pernambuco, 24 de fevereiro de
1865.
O gerente,
F. F. Borges.
Manta Casa de Misericordia do
Recife.
A lllm'junta administrativa da Sania Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no da 9 do corrente, pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sessoes continua a ir a praga por
tempo de 1 a 3 anuos as rendas das casas abaixo
declaradas : os pretendenles devem comparecer
acorapanhados do seus fiadores ou munidos de
cartas desles.
Patrimonio de orphos.
Ra do Vigario sobrado de S andares
n. 27.........603JOO0
Ra da Senzala Velha sobrado de 2 an-
dares n. 132.......4505000
Beceo das Boias, dem n. 39. 5005000
Ruado Amorim, casa terrea n. 26. 805000
Ra de S. Gongalo, idem n. 23. 1835000
Cardsde.
Ra da Gloria casa terrea n. 65. 1445000
Travefsa do Carcereiro idem n. II. .1205000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 9 de margo de 1865.
O escrivo,
Francisco Antonio Cavalcanti Cousseiro.
O administrador da recebedoria de rendas
ioternas geraes, em cumpriraenlo do disposto na
portarla n. 130 de 28 de dezembro ultimo, do Iilm.
Sr. inspector da thesouraria de fazenda, avisa ao
devedor. abaixo declarado, da dizima de chancel-
lara averbada, relativa a causas, cujas senlengas
passaram em julgado no superior tribunal da re-
lacao desta provincia, no semestre de julho a de-
zembro do anuo prximo fiado, segundo consta da
relago do escrivo de appellagoes Antonio Igna-
cio de Toares Bandeira, de 10 do referido mez de
dezembro, que venh pagar o seu debito dentro do
praso de oito dias,contados da publicarlo deste,
Ando o qual se preceder a cobraoga cx'ecutiva, a
saber:
Antonio Gongalvos da Silva a quantia de 305
contra quem foi jolgada a appcllacao do juwo mu-
nicipal desta cidade, sendo appellante Paulina Ma-
ra Bastts.
porteiro-desle juizo' publicar estenos lugares;, f^". .1?'^/, l?'rt de
mais pblicos desta freguezia e o afflxar passan- Manoel Carne,rd de Souza Lawrt*
tres mezes.
Aviso
Dado e passado neste districto da freguezia do
Santissimo Sacramento do bairo de Santo Antonio i
.\ovo banco. da cidade do Recife de Pernambuco, aos
Convoco os senhores accionistas do novo banco um dias do mez de fevereiro de 1865.
de Pernambuco para no dia 11 do corrente ao I Eu Joaquim da Silva Reg, escrivo que o es-
meio dia na casa do banco, conslituirem a assem- : crevi.
bla geral, na q ual tem de dar-se cumprimenio ao' Antonio Augusto da Fonseca, subscrevo e as-
artigo 23 dos estatutos. Recife 6 de margo de' signo.
1865. Visconde
assembla geral.
de Camaragibe. presidente da
Alfandega
Rendimento do dia ia7 ...----- 176:5765473
O lllm, Sr. Inspector da thesouraria provin
cial em cumprimento da ordem do Exm Sr. presi
aos navegantes.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
vinte e publico para conhecimento dos navegantes, qne a
boia do extremo do sul do banco do iuglez que ha-
via sido langada praia por Ihe haver arrebenla-
do aamarrago, foi novamente collocada, demar-
cando-lhe o phafol do pico ao O 1/2 N O, e a tor-
re do seminario de Oilnda ao N 1/2 N O, romos
magnetices, e em fundo de 5 bracas, exactamente
Dode termina pelo snl o Recife que forma o banco
; avisos DimsQS.
lotera
Aos i0;OO0s090e 3;"00$00.
Corre amanha.
Sexta-fera 10 de-marro t r lugar en-
traeco da a parte da 4* lotera da Sania'
j Gasa da Misericordia (8a) no consistorio da'
PdkV O ti'10 de jaWerO l igreja de Nossa Senhora do Rosario-da fre-
segueem poucos dias o brigue nacional Mrquez 8uez,a .d Santo AntoiMO.
de Olinda por ter o seu carregamento quasi com- i Os Dllnetes, meiOS e (juartos esto a *e-
pleto : para o resto qoe Ihe falta e escravos a fre-; da na respectiva thesouraria cua do Cres-
te, tratase cora Manoel Ignacio de Oliveira & Fi I po n. 15. '
PARA O
Rio de Jaueiro
segu com muita brevidade o patacho brasileiro
Pluto, o qual recebe alguma carga e escravos a
frete : a tratar no escriptori* de Amorim Irmos,
ra da Cruz n. 3, ou com o capito Joaquim Jos
da Molla, na praga do commercio.______________
^GOMPHA. PERNAMBUCANA
\aves;;vo costelra por vapor.
liba de Fernando de Noronha.
No dia 14 de margo prximo,
as 10 horas da manha seguir
um d?s vapores da companhia,
para o presidio de Fernando. Re-
'cebera carga at o dia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete al 9horas
da manha do dia da sahida : escriptorio no Kor-
te do Mattos n. 1._________________________
Para o Porto >e_a llha de S.
Miguel.
O velleiro e bem conhecido brigue naeional A-
melia pretende seguir com jnuita brevidade, tem
parte do seu carregamento engajado, para o resto
que Ihe falta e passageiros, para os quaes tem ex-
celentes commodos : trala-se com os seus consig
natanos A. Luiz de O; Azevedo C. no seuescrip
orio na ra da Cruz n. 1.
N'avegacao costeira
COMPANHIA PERNAMBIGANA
DE
por vapor
Aracaj e escalas.
O;vapor ParahybQ, comman-
danteMarlins, segu no dia 1 i do
corrente as 6 horas da tarde. Re-
vl.e carga al o dia 13 ao meio
a. Encommendas, passageiros
s dinheiro a treto al 2 horas da larde do da da
aahida : escriptorio no Forte do Mattos n. I.
Para Lisboa.
Pretende seguir com muila brevidade a barca
porlugueza ilenrtquela, tem parte de seu carrega-
mento prompto : para o resto trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
d, uo seu escriptorio ruada Cruz n. 1.______
Para o Rio de ianelro
pretende seguir com muita brevidade o brigue es-
cuna Joven Ariliur, tem parte de seu carregamon-
lo engajado : para o resto que Ihe falta trata se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C., no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Para Lisboa
pretende sahrr em poneos dias o patacho portuguez
Jnrcopor ter a maior parte da carga tratada, e pa-
ra o pouco que Iho falta trata-se cem os consigna-
tarios Palmeira <_ Beltro, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar._______________^^
.po n.
Os premios de lO-OOCtfOOO at SdAOoO
sero pagos una hora depois da extraerlo
at as i horas da tarde, o- os outros depois
da distribuicao das listas.
As encommendas s se- guardaro alo a
noite da vespera da extraeejio como de co#-
lume.
O trPsoureiro,
________Antonio Jos Rodrigues de Souza,
Encanamento d'agua.
Precisa-se de urna pessea que saib*
coacertar enea menlo d'agua de ca-
sas particulares ; a tratar na livraria
ns. 6 e 8 da praca da Independencia*
O professor da Boa-Viagem anda veixado pa-
ra provar que s por motivos d eslriga o querew
desmoralisar, se assim porque deixam de 're-
quemar sua aula os filhos do juiz de paz, dos pro-
prietarios Rento, Duelas e outros ? sero estes os
seus desafeigoados ? e porque ? Meu charo, quand
o funecionaro publico quer exceder as regras da
decencia, o resultado soffrer. Gutde s. me. em
bem cumprir sens deveres, spja pofido para con
lodos que ser bem quito e aceito, e- todos porfa
Ihe mostraro amizade e respeto,- como j gozou,
sua aula ser bem frequeotada, porque no lugar
ha muitos meninos que precisara ser educados.
___________________________O rade.___________
- U-se um sitio, para botar sentido, a quem
livor pouca familia : a tratar na roa da I npera-
triz n. 64.
Joaquim Fernandes da Silva Campos deixa
por seus procuradores os Srs. Jos Joaquim da Cos-
ta Maia, Manoel Jos de Souza e Joo Mara Cor-
deiro Lima.
O abaixfl assignart, so-io que ft da extinc-
ta lirraa de Campos & Lima, declara que as divi-
das pertencentes a mesma llw Ocaro periencondo,
e que para a sua cobranca tn procura^o ao Sr.
Ivo Martins de Almeida, com quem os devedor.es
se deverao entender.
__________Joaquim Fernandos da Suva Campos.
GABINETE
PORTUGUEZ DE LEITUIU EM PER-
NAMBUCO.
De ordem do lllm. Sr. presidente do conse-
lho deliberativo convoeo os membros do mesmo
conselho para sessao ordinaria sexta-teira 10 do
corrente, as 6 horas da tarde, na sala das respec-
tivas sessoes.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura era Pernambuco 7 de marco-
de 186o.
A. A. dos Santos Porto
1 secretario.
Para a Europa.
Oflerece-sc um moco portuguez fallando algu-
ma cousa francez para criado de qualquer pessoa
queso destine a Europa : quera do seu prestimo
precisar queiradeixar carta ueste eseriptorio com
as iniciaes A. B. C.
Kio de Jaaeiro.
O brigue Trovador segu com brevidade e rece
be alguma carga a frele e escravos :
os consignatarios Marques,
trata-se com
Barros & C.
LEIIES.
1104I-
Leilo quinta-feira 9 do corrente a ra da
Cadeia do Resife n. 53, armazem.
Pelo agente Euzebio
se far leilo de duas casas terreas em chaos pro-
prios sitas na Caponga ra das Criouias ns. 39 e
41, os pretendenles sao convidados ao previo exa-
me e comparecerem no acto do leilo.
dente da provincia de 23 do corrente, manda fazer ngilez. Capitana do porto d Pernambuco 4 de
publico que no da 16 de manjo prximo vindouro fevereiro de 1865.O secretario,
perante a junta da fazenda da mesma thesouraria,' Decio de Aqojno Fonseca.
Leilo de 50 barrs com fijos.
iioji:.
O agente Pestaa far leilo de 50 barris com
figos desembarcados ltimamente em um ou mais
lotes : quinta-feira 9 do corrente as 10 horas da
manha no armaiem do Sr. Annes defronte da al-
fandega.
Leilo de 150 barris e 21 caivas com
figos.
mn
O agente Pestaa far leil.lo por conta e risco
de quem pertencer de 150 barris e 21 caixas com
figos desembarcados ltimamente em um ou mais
Mies a vontade : quinta-feira 9 do corrente pelas
10 horas da manha no armazem do Aunes.
Transferencia _e leilo.
O leilo das machinas a vapor anounciado fara
hoje (9 do corrente) fica transferido para o dia 81
do crrenle, no mesmo lugar indicado.
A pessoa que quer vender ama casa de um
andar e soto na freguezia de Santo Antonio, se a
casa est em bom estado, e em boa ra, procure
no largo do Corpo Santo n. 19, eseriptorio._______
smieimn:
Recreativa Juventude.
De ordem do lllm. Sr. presidente convido todos
os socios da sociedade para se reunirem era sessao-
extraordinaria domingo 1_ do correle, pelas 10
horas da manha, aflm de serem approvados os.
eslatntos quedevem reger a mesma sociedade.
Sala das sessdes-em 8 de marco de i86o.
A. f, Pereira
1* secretario.
O Sr. JosrMendes Carneiro Leo, sentoor dr>
engenho de Taquari, queira apparecer na ra.do-
Crespo n. 16,.primeiro andar.
Manoel Jos N'artins
tuguez, vai a Europa.
da Silva, subdito por-
Offereee-se urna Manar para cozinban par-
ticular : tu ra da Coneeieo n. 61
O abaixo assignado tem justo comprar ta-
berna da ra da Senzala Nova n. 22, pertencent
ao Sr. G_rnardido Jos da Silva Braga ; se alguem.
se julgar com direito dila taberna, reclame no
praso de tres dis para ser pelo annunoiante a^
tendido. Recife 8 de marco de 186.1
Joaqaim Manoel Lopt* da Sito.
De ordeni do. lllm. Sr. Dr. pre.-idente desta
sociedade, fac setente aos Sis. socios, nha s 7 horas ha sessao da assembla geral, e
4u_luitnto di coUMslho director.
Secretaria da sociedade recreativa Corvbantina,
8 de marco do 18*3.
O primeiro secretario,
Faustino Joae da Fonseca.
Precisa-se para urna casa de familia de cos-
tureras que entendam de costuras de alfaiale :
quem se achar neste caso dirjase ao Passeio Pu-
blico n. 5, loja. que se dir quem quer.
Pede-se ao senhor que levoa em confianza a
chave da casa da ra da Ponte Velha n. 23, o fa-
vor de entrega-la na loja da ra do Crespa n, 17,
alias sobrera as cousequenctas de sou procedl-
mento.____________________________________^
A vinva de Jos Caelano annuacia comidas
para lora aos assignantes particulares, por prego
commodo e com asseio : na travesa 4a ra d
Cruz becco do Abreu a.-i.



tari de rernambuco .- taita leira e Marco de iS
Joo da Silva Ramos, medico pela Uni'
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 as i i horas da manha, e
das i s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soccorridos em qual-
quer oceasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operaco cimrgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... 2*300
Terceira dita.... 2*000 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
Salitre
Prepara-se com asseio.
Na ra da Florentina 11^36, forne-se comidas cm aa roa d0 Queimado n. 37, leja de ferragens, de
casa ou fora della notando-se a bemfeitoria, asseio Domingos Jos Ferreira Gulmarcs, vende-so sali-
tre reflnado por 25* a barrica de 4 arrobas,
e barateza.
oua
l
Precica-se de urna ama forra ou cap-
tiva que saiba cosinhar e engommar, sto
para ama s pessoa : na ra da Senzaa Ye-
ma n. 8, das 9 as 4 da tarde.
, JoS
6*400 a arroba s a dinheiro.
Antonio Moreira de Mendonca, Joao Morira de as g horas da tarde.
Os Srs. acadmicas que vo matricular-se
no terceiro anno da Facnldade de Direito, podem
dirigir-se a ruada Saudade n. 9, fronteira a do
Hospiio, onde se Ihes vender o compendio de
direito civil aias 9 horas da manha, e das 4 at
Cousullorio raedieo-cirurgieo na rea larga de
Rasarlo n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, continua em o exercicio de sua prolisso
nao s na parte medica como tambem na cirur-
gica.
Mendonca, Joaquim Moreira de Mendonca. Henri
queta Guadalupe Moreira de Mendonca, Guilher-
mina Honoria Moreira de Mendonca, Francisca
Domingas de Albuquerquo Mendonca, Eatbimio
Erasmo Moreira de Mendonca, Antonio Arthur Mo-
reira de Mendonca, Tnde Tullio Moreira de Mea-
Tinturara
Na rna Direitan. 116 conlinua-se a fingir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.______
Saca-se sobre Lisboa, Porto e llha de
doea, Donatilla Dorothea Moreira de Mendonca,I ... ""* ,,' an <...;
Nahuro Nasiauzeno Moreira de Mendonca, Antonio s- Migue!, na ra do Apollo D. 20, esenp-
ilf.tJA &f ahah Jn Uh>m4f>Imi 4 *. P~rliinnln titfMfV Ha f1 A ti 1 \\ (" l YarmilTI
ALUGUEL.
Aluga-se uma casa terrea do lado da sombra. |
no principio da roa do Varadouro, em Olinda, com
commodos para grande familia, por muilo barato
prego : quem pretender, dirija-so a ra do Livra-
mento n. 31, segundo andar._________________
Aluga-se a casa n. 53 da ra Augusta, nova,
om 3 quarlos, despensa, cozinha grande, 2 quar-
tinhos no quintal, e'porto para a ra do Dique;
uma boa casinha para trazer-se com asseio e gos-
to : a tratar na ra do Mondego, olaria n. 13.
Claud Dubeux, autorisado por Antonio De-
metrio da Silva Laranja, vende a casa n. 67 sita I
na ra do Pillar, em Fra de Portas, propriedade i
do mesmo Laranja : ra do Imperador n. 43, escriptorio doannuucian-|
t e, para tratar.________________________
THESOURO HAS MAIS
Providencia das cria vea*
COLLARES ROER
Electroroagnelieos.
CHAMAOOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICAO
Gontraasconvuls5es e para facilitar a
dentigao das criauoaspreparados e inventa-
dos por Royer, pliarmaceulico da esco-
la superior do Pars, successor de Chereau,
membro da academia de medicina
antiga casa de Bouillon-Lagrange.pharmaceuticoi
do imperador
chefe dostrabalhoschimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Pars,e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante rna do Crespo n. 7.___________|
Quem precisar de um moco habilitado para |
ensinar grammalira portugueza, latim e francez
nesta cidade cu fra, pode dirigirse a ra do Im-
perador n. 77, sfgnndo andar, que adiar com ;
quem tratar.
Est para alugar-se una easa terrea na ra i
da Gloria n. 14, um Io e 2o andar de um sobrado
na ra do Rosario da Roa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e uma mei agua na estrada de Joao
de Barro-, com arvoredos, agua de beber,e portao,
para o bseeo do Pombal : quem pretender faite!
na ra das Cruzcs, sobrado n. 9, das 9 horas da;
manha at ao meio da.___________________
"Tin sitio.
Aiuga-se um excellento sitio na estrada dos
Afilelos, tendo casa terrea e sotan, com capacida-
de para morada de grande familia, diversos arvo-
redos de tractos, e muitas ouiras commodidades
que corr a vista se reconhecer : a tratar na ra
da Cadeia do Recife n. 37.
Aluga-se urna meia agua na ruado Alecrn]
entre as casas de ns. 31 e 53 ; a tratar na ra Di-
reila n. 24. ________ _____
James Eustace e W'illiarn King, subditos in-
glezes, retiram-se para a Europa.
O Dr. Cosme de S Pereira cont- H
na a residir na ra da Cruz n. 53, 1
Io e 2o andar, onde pode ser procu- j$|
rado para o exercicio de sua profis- gj
sao medica, e com especialidade
Alfredo Moreira de Mendonca, Anna Fortunata
Moreira de Mendonga, Antonio Francisco Moreira
de Mendonga e Leocadia Clemenlioa Moreira de
Mendonga, filhos, ora e netos, agradecem a todas i
as pessoas que comparecern! e acompanharara
M cemiterio publico sua presada e sempre chora-1
da mal Leocadia Mara de Mendonga, e de novo1
as convidara para no dia 11 comparecer na ordem
terceira do Carmo, afim de assistirem amissa no
stimo dia; s 5 horas da manha.__________
O conselheiro Francisco dePaulaBap
lista continua em sua profisio de advoga-!
dn em seu escriptorio na ra d s Trinchei \
ras, primeiro andar da casa n. 19, aonde |
poder ser procurado desde as 10 horas
do dia a ti'1 as 3 hoi as da tarde._________
Vende-se os compendios to herme-
nutica jurdica, e de theoiia doprocessoj
civil reunidos emum s litio, na ioja de
livros de Ncgueira, e na casa de residencia
do autor dos ditos compendios, o conselhei-
ro Paula Baptista na ra do Hospicio n. 31,
ou em sen escr ptorio na ruadasTrinchei-
ras n. 19.
torio de CarvalhoeNegueira.
Francisco Lucio de Castro e Joaquim da
Fonseca e Silva tendo de mandar celebrar
orna missa pelo re-pauso eterno do Onado
Manoel Francisco da Silva Carneo na igre-
ja do Corpo Santo no dia 9 do corrente as 6
horas da manha, convidara aos amigos do
mesmo Carrivo para assistirem a esse acto
de religiao, agradecendo desde j aos que so
dignarem comparecer.
ama de leitc.
Na ra dos Pires n. 34, ha uma excellente
bom Icile e nimio sadia.
com
O baeharel
francisco Augusto da Costa
ADV6GAD0
numero 69.
tu
m Ra do Imperador
mmmmm mhl.
Aulouio-Luiz de Oliveira Azevedo &C
Agentes do banco Uniodo Porto.
Competentemente autorisados sacara por lodos
os paquetes sobre o mesmo bancopara o
Lisboa e para as seguimos agencias :
uondres sobre Bank olLondon.
forto e
Pars
Hambnrgo
Barcellona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barceltos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
.Faro
Oliveira d'Aze-
meis.
'. Penna fiel.
,Tavira.
Frdric S. Ballin & C.
Joao Gabe Francisco Rohala 4 Ballesta.
Jaime Merie.
Crdito Comraercial.
< Gonzalo Segona.
M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Angra Terceira.
Caininha. .
Casicllo'Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilho.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
S. Antonio.
(iraude aiiiiazcn de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazera de tintas nm grande deposito de
productos cliirnicos utensis e os maisempregados
industrias. imperial._________________,____--------
Monladoem grande escala, e snpprindo-se di-: Precisa-sede um coznheiro : no Gymnasio
A tfencao,
Jos Joaquim do Novaes faz sciente ao respeita-
vel publico e a lodos os senhores oflkiaes do exer-
cito e da marinha que cenlina a tersua casa sor- Villa do Conde. Portimao.
tida de fazendas e roupas feitas, e por medida : no Villa 3 Viz
largo do Livramenlo n. 34.
imusiim mmmm
SO baeharel Jos Baptista Giliranaffi
g| advoga nos termos do Bonito e Caruar.
*S Pode ser procurado na villa do Bonito,
fjffj ra Direita a. 16, de-fronte da cadeia.
mmmm P iSRlMi
Isacc Esnaty, subdito francez, tal Bahia e
Je
Figueira.
Guarda.
Gulmaraes.
Lagoa.
Lagos.
[.anego.
Leiria.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Dina lianca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de llespanha
DIRECgO GERAL
Madrid : Rna do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo lodas as combinares de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de rnaneira que em nenhum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL, que anda mesmo diminuindo uma terca parte do interesse prcduzido tm r< rente*, licjuic",-.-
$5es ecombinaado-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada ela rcirpafibia
para seus clculos e liqoidacoes, em segurados de idade de 3 a 19 anuos, nma imporsie^oaiiti-a)
de 100$ produz em effectivo metlico:
No fim de 5 annos.......1:1193300
de 10 .......3:9423660
de 15........11:2083200
. de 20 .......30:2363000
de 25........80:3313000
as idades menores de 3*annos c maiores de 30, os productos sao mais considera veis.
Prospect>s e mais informales serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52,.ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12, estile I
cimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao.
Cas-
Faial.
Xo imperio
Uni*. I i oYo.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo serem descontados no
mejmo Banco a razode i por cont ao anno a
ratar na ruada Cruz n. 1.
O solicitador Pedro Aie&andri-
uo da Costa Machado
se encarregaante oforodestacidadedetudoqne
fortendenteasuaprolisso,aceita departido an-
malas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercialuiedante razoavcl ajuste. Contina
rectamentenas principaesdrogarasdeParis,Lon- provincia^__
dres, IlamburgOjAnvors e Lisboa, pode olTereceer Precisa se de uma mulher capaz, porlugue- a se encarregar de cobranzas nos'tcrnos do Cabo
producto* de plena confiangac satisfazer qualquer n ou bnieira, quequeira ira Portugal em com- elpojucaaondeconlinua a trabalhar como d'an-
encoinmenda a grosso trato earclalho, porpregos panrija de uma familia que se retira no mez de tes,e encarrega-se dedefezasperante o jury nos
razoaveis. .'abril : a fallar na rna dos Pires n 62. termosproximosa via frrea,offerecendo gratui-
Providos de machinas-appropnadas satisfar |-
nao fcil fazercom aquellas que sao importadas, ._V
e que se encontram no mercado emlalasfechadas. j Precisa-se alugar
Tem grande collec^ao de vidros de differentes
formatos, desde uma oilava at dezeseison^as de
capacidade; de vidros para vdrajase diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados epra-
leadose folhas de gelatiDa para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
paraembrulho, para forro de casa, para desenlio
com fundo j feito; de papel albuniDado e Brisivl
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
leiior; oleograxo, oleo scccaiivo, oleo de linhaca
clarificado, oleode oielet, secalivode Harlitn.ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para confortarlas ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens ; tintas em tubos e
lelas para retratos; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; es?eneia de rosa superfina, de ne-
um escravo para todo o
servico de uma casa de familia : na ra da Cadeia
do Recife n. 52, terceiro andar.__________
Na pra$a da Independencia loja de ourive-
n. 33, comprm-se obras de ouro e pratae pedras
Precisase de um criado estrangero, borneo-, dreciosas, assim como se Taz qualquer obra de
peiro, e que afiance a sua boa conducta : na ra -encommenda e todo e qualquer concert,
do Imperador n. 29. ______________
Casas para alugar.
No primeiro becco da camboa do Carmo existe
para =c alugar uma pequea casa lerrea de 113!
mensaes o seu luguel: quem a pretender dirja-
se ra do Imperador n. 38, segundo andar.
Precisa-?e alugar urnaescrava para carregar
fazendas : na ra do Hospicio n. 62.__________
Est definitivamente vasia a casa assobrada-
da da ra do Progresso n. 14 : quem a pretender
dirjase a ra da Praia, armazem de carne secca
n. 34 junto a ribeira do peixe.______________
Precisa-se de um menino para caixeiro
pratica de tatema : na ra do_Alecrim n^ 2.
frente,
com
rolv, jasniim,bergamota, aspice, pateboulv,mbar, i v -
bouquet.limao, alcaraiva, melissa, ortela'pimenta, i Aluga-se uma sala de frente, propna para
louro.cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero, escriptorio, na ra das Lruzes : a tratar namesma
anis da Russia, canella, cravo e muilos outros ob- rna n. 41 A.
sobre o seguinte
Io molestias
2
de olhos;
de pcito :
3o dos orgos geniti |
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-1
rao examinados na ordem de suas \
entradas comecando o trabalho pelos |
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias ds i
6 as 10 da manha, menos nos do- i
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
?o que jufgar conveniente para o j
prompto restabelecimento dos seus I
loentes. S
jectos que s com a vista pnderao ser mostrados.
Joao Pedro das Xevts,
___________Gerente.______
PrecSH-se
ier que nao (eolia filhos e nem pessoa
A ma
m
O Dr.Carolino Francisco de LimaSan-;
tos.contina a residir narua do Impe-
rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro- j
curado aqualquerhoradodiae da noite;
para o exercicio de suaprofisso de me- \
dico ; sendo queos chamados,depoisde
meio dia at 4 horas da tarde.devem ser
deixados 'por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias dointerior, prosegue, com o
maiorafflnco,nodas mais diffleeise deli-
cadas operarles, como sejarrdos orgaos
ourinarios,dos olhos, parlo?, etc.
de uma mu
algoma sob soa respomabilidade, que seja capaz
de fazer com zelo lodo servido interno da casa de
um padre, inclusive enpommado : quera estiver
Na ra do Imperador n. 28, vende-so linsnas
salprezas novas e superiores, em barril e a reUlho,
ceblas novas em restias e em poredes.
Aluga-se o Io andar do sobrado da ra Di-
reita n. 88, com commodos para familia : a tratar
ua padaria n. 8i.
Claudio Dubeux, proprietario das ilnhas de
mnibus, faz sciente ao publico que no dia 15 des-
te correle mez do marco tira do Cachang o m-
nibus que pa re daquella povoacao as 7 horas da
manha e as 5 1(2 na tarde do Reeife ; assim co-
mo lira tambera no mesmo dii o mnibus do Api-
pucos que parte daquelle tugar as 6 horas da ma-
nliaa, e do Recife as 6 da tarde.
Precisa-se de uma ama que cosinhe e en-
gomte : na ra do Imperador n. 17, segundo
andar.
Precisa-se alugar uma ama que saiba bem
cozinhar.e sirva para comprar para uma casa de
duas pessoas : na ra da Imperatnz n. 34, primei-
nesls codicoes dirija-se a ra do Imperador nu- \ oo andar.____________________________
mero 33. _________ Precisase de uma ama para casa de pouca
familia
mmmm mn mmw
Alugam-se dous grandes sobrados com com'
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comardim.cochelra.estribara eoutras commo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira : a
P.ecisa-e narua da Cadeia do Recife n. o, loja, lralari)a rna daSenzala Nova 0.42.
mmmmmm m mmmmmm
& bdncaco de meninas. #<
0 Francelina Maurinada Silva Albuquer- Ti
de uma ama para cozinhar, engommar e fazer to-
do o servido de uma casa de pouca familia
Inslrncco particular.
Uma pessoa com todos os ttulos de habitaco
propoe-se a aceitar em sua casa algnns meninos
menores de 12 annos por preco muilo razoavel :
que.ii se quizer nlilisar de seu prestimo pode se
dirigir ra da matriz da Boa-Vista n. 26, pri-
meiro andar, que achara com quem tratar.
Aluga-se
Uma boa casa na I ha do Retiro
Magdalena) com 2 salas, 6 qoartos, 1 gabinete/
cosinba f( ra, quintal murado, sumidouro para as
aguas servidas e na porta : quem pretender diri-
ja-se a ra da matriz da Bca-Vista n. 26, primeiro
andar.
de um
na ra larga do Rosario n 18. _
Feito r.
Na ra do Hospicio n. 34, precisa-se
; feitor.________________________________
luga-se a casa n. 36 na ra da Matriz da
, Boa-Vista e o Io andar n. 9 na ra Direita em
x frente para a ra da Peuba : a tratar no segundo
andar___________________________
Pawaoem ,ia I Precisa-se de um menino para caixeiro, de
1 "a.n. .i-- ...... -........m. na ra do
10 a 14 annos
Rangel n. 27.
que seja porluguez
Aluga se uma prela para casa de orna s
pessoa ou pequea familia sabendo fazer todo e
qnalquer serviro tanto para casa com fora della :
a fallar na ruado Crespo ioja n. 18.
Attencdo
No curtume da ra Imperta! n.
que, professora particular de instruegao ej
primaria, continua a ter sua aula na ra 5R
estreita do Rosario n. 38, segundo andar, S
admitte alumnas internas e externas As S
materias do ensino sao as seguintes : lei- SR
tura, calligraphla, nocoes de arithmetica, ffi
grammatica portugueza com applica?oes gj
praticas, doutrina evanglica, costuras, 9|
marcas e bordados de todas asqualidades. '^'
Offerece-se um moqo para copeirode alguma
casa ingleza ou portugueza do que tem bastante
pratica ou para outro qualquer emprego de portas
a dentro : a tratar na ra da Cadeia n. 32. loja.
m
SEGUROS DE VIDA EM MTUALIDADE,
A direccao do BANCO UNI.VO tendo obtidD do governo de S. M. F. a autorisagao
para estabelecer o seguro de vidas em mutualidade, faz publico que desde j toma subs-
cripges annuaes por uma s vez, debaixo das seguintes condigoes:
Com perda de capital 'e lucros;
Dito de capital somenle;
Dito de lucros somente ;
devendo a primeira liquidacao ter lugar no Io de Janeiro de 1869.
As vantagensdo emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao so-
mente se collie o juro de quantias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar ne-
nhum resultado; mas alm d'isso, este rendimenlo augmentade pelo capital ou lucros,
ou ambas as cousas, conforme as condigoes da subscripcao, dos que fallecem. Tambem
partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os socios morosos nos seus paga-
mentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que occorremn
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidages slo pelo systema das companhias hespanholas, tutelar e outras; e
para se poder fazer uma idea do que pode produzir uma entrada annua de 10^000, pu-
blica-se a seguinte tabella baseada sobre a experiencia de muitos annos de companhias
desta natureza.
2a annos
4:70(-V
8:7000
3:o00r>
3:4005
3:350,3
3:3305
3:4000
3:7000
5:0000
As entradas por uma s vez dao resultados milita superiores s annuaes.
Mnimo das entradas 5->000.
Porto, 10 de agosto de 1863. Os directores do BANCO NIA'O, Jos da Silva
Machado.F. M. van der Niepoort.
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C, ra da Cruz
numero I.
. Em o annos 10 annos lo annos 20 annos
Por um menino de 1 dia a 1 anno 1100 4005 9005 2:0005
i de 1 anno a 2 90:) 3005 7505 1:7000
de '2 a 3 865 2905 7205 1:6005
de 3 de 3 a 13 865 2705 7005 1:5505
Por uma pessoa de 15 a 20 865 2705 7005 1:8400
' de 20 a 30 865 2705 7105 1:5600
i de 30 a 40 865 2705 7205 1:6000
de 40 a 50 t 905 3035 7505 1:800>
de trabajadores forros ou escravos, com tanto que
sejam pessoas robustas.______
Precisare de uma ama para .-e encarregar
somente do servico de cozinha : na roa da Cadeia
191 precisa-se: do Recife n. 52, terceiro andar.
RA JLAK&A DO
losarlo n. 39.
- Precisase da quantia de 2:0005 sobre hy-1 0 propietario do hotel Traviata, achando-se de
potheca era um sitio perto da pra?a estrada de novo crn seu estabelecimento, e tendo feito nelle
quem pretender dinja-se a ra | mmtos melhoramentos, coovida a seus mu distinc-'
ra no pn- ,os fr,.gUezPS) q0e se dlgnem de honra lo com suas I
_________Ipresengas ; ofTerecendo-se-lhes para remetlerco-l
- Precisase de um amassador : na ra larga mida as suas casas com toda promplidao e asseio1
do Rosario n. 16, padaria. pelo preco mais commodo possivel: no mesmo es-
- Aliica-se o nriraeiro andar, loa e grande tabelecimcnto ha buhares, sorvetee refrescos,
quintal com duas cacimbas, arvores e fructo e'
estrella do Rosario n.36 ou na mesma
meiro andar do sobrado n. 11.
Caixeiro.
Na ra da Senzala Nova n. 39, offerece-se um
menino de idide de 13 aonos, o qual j tem algu-
ma pratica de taherna.
A quem interessar
O abaiso assignado solicita pela polica em ge-
ral qualquer pretenco como : passaportes, porta-
ras, apprehencoes de quaesquer objectos; pela
presidencia portaras, passaportes, patentes de of-
fkiaes da guarda nacional e outras quaesquer in-
cumbencias ; pelas repartieses flseaes desembara-
ce de terrenos de marinha e de estabelecimentos
que por engao ou ignorancia de seus propieta-
rios estejam sujeilos ao rigor do fisc^; pela capi-
tana d) porto matrculas de carpinteiros, calafa-
tes, botes, canoas etc. Pode ser proourado no Re-
cite armazem de molhados do Sr. Antonio Lopes
Braga, ra da Cruz n. 36; em S. Antonio loja de
livraria popular, roa do Collegio n. o7 do Sr An-
tonio omincues Ferreira, e em S. Jos rna Direi-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Prannos.
Joaquim Jo- dos Santos Barraca.
Joao Antonio da Silva, subdito porluguez,
vai a Europa tratar de sua saude.
Precisa-se de uma ama secca para casa de pouca
familia: a tratar na praca do Corpo Santo n. 17,
terceiro andar.
Livro do Povo.
commodos para grande familia da casa da rna da
matriz n. 33 : a tratar com o Sr. Antonio Joaquim
Ferreia Porto ou com Miguel Joaquim da Costa na
ra da Cadeia n.12.
| Companhia Ddelldade de g|
seguros martimos e ter- g
Srestres estabelecida no S
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C, $
^ competentemente autorisados pela direc- >**
I toria da companhia de seguros Fidelida- 9
Sde, toraam seguros de navios, mercado- K
rias e predios no s*u escriptorio ra da >^<
Cruzn.l. W
Rogase aoSr, baeharel Cezario
Os abaixo assignades fazem sciente a
os seus freguezes e ao corpo do commercio
dissolveram amigavelmenle a sociedade- que li
nham na cocheira da ra do Apollo n. 3, licando o
socio Antonio Jos Teixeira com a mesma cochei-
ra e responsavel plo activo e passivo. Recife 7
de marco de 1865.
Antonio Jos Teixeira.
Jos Pinto Tavares.
Atten^ao.
Adverte-.'c a quem quizer arrendar a proprie-
dade da Barra de Sennhaem, que toda essa pro-1
priedadenaodoSr.Dr Drmmond, que dentrode ZOCdO JU1Z UlUalCipal ttaflfl-
inrtnaidellaestaencravaaoulraondeexUte a caPella- hBs, oueira diri&ia-se praca da I-
,uous, cuja propriedade pertence ao convento da villa de Sr 0 !__.
dependencia ns. o e 8, ou annnnciar
sua meroda para ser procurado.
Na ra doCrespo n. 14, primeiro andar, pre-
cisa-se de costureiras que trabalhem de alfaiate e
com perfeicao, com machina ou sera ella._______
9j* Serinhaem dos religiosos franciscanos, e que jus-
tamente aonde tem a maior pane dos coqueiros.
Fre Mano:.! do Amor Divino.
Guirdiiio.
Precisase de um
Trovador, ra larga do
bem.
bom coznheiro no hotel
Rosario n. 44, e paga-se
Na ra do Lobato n. 3, outr'ora ra dos Co-
piares, se precisa de uma ama para compras e
servico interno de uaa casa de pouca familia.
A11X.
Precisa-se de uma ama para cozinhar :
vessa do arsenal de guerra n. 13.
na tra-
Fugio um p;i|::L3in da ra da Penha n. i,
sendo grande e todo verde, levou um pedaco de
corrente era um p : roga-se a quem o pegn de
entregar na mesma, que se gratifica Lem.
ATTENAO.
Jos Soares d'Azevedo, |rof>ssor de
lingna e literatura nacioDal no Gymnasio
Provincial do Recife. tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um curso especial
para cada uma das seguintes disciplinas:
LINGUA FRANCEZA,
GEOGRAPHIA E HISTORIA,
PIHLOSOPHiA RACIONAL E MORAL,
RHETORICAE POTICA.
As pessoas que sejarem estudar qual- No sobrado confronte a Igreja do Panizo, sc-
rmprrfpslPnrPnaratnrinsnnrlpm rliricir-sp Uindo andar n. 29, fazem-se flores para enfeites
queraesies preparatorios pooem dirigir se de igreja, festSesi, rosas, palmas, arcos e capellas
O proprietario da ollieina de encadernaeao da
ra do Imperador n. 15, defronie de S. Francisco,
acaha de entregar a direegao da dita ofRcina ao
Sr. Herarlio Coustanlino de Paula Monteiro, enea-
dernador que foi da livraria Acadmica, onde pro-
vou habilidad*: e pericia na arte, tanto em enea-
dernneoes em bsame, comoem couro, veludo, etc,
o qual se acha munido de todos os utencilios e
aprestos necessarios para bem servir aos fregue-
zes e por mais barato preco do que qualquer outra
pessoa. Namesma offieina ha a venda : livros em
branco para borrador e mesmo para repartieses,
livros de litteraiura e sciencia, e tudo quanto e ne-
ee-.-ariu para as escolas primarias como : cartas
de A B C, laboadas, cathecismos, grammaticas de
Castro Nones, pautas, procuracoes bastantes, espe-
ciaes e.geraa, despachoit da alfandega, papel pin-
tado e marbrados de diversos tamanhos e precos,
papel almaeo e piolado, etc.
indicada residedeia, de maohaa at
horas e de tarde a qualqu r hora.
s8
O hvro do povo, obraornada com estampas.con
tendo a vida deNosso Senhor JesosChristo, e mu
tos arligos uteis. Este livro das familias recom-
mendado e approvado pelos Exms. Srs. D. Luiz
bispo do Maranh.io e B. Manoel arcebi.'po da l>a-
kia, vende-se a 15000 cartoriado, na livraria dL'
Jos Nogueira deSouza, raa do Crespn, i. ira raa da Imperatriz n. 22, segando andar.
Pessoa que deseja fallar ao Sr. Jos Mathias
Lopes da Fonseca nefoeio de seu parlcular in-
teresse, rf'ga-lhe que aanoncie a sua morada.
No engenho Goiabeira junto a Santo Amaro
d#Jaboatao, necessita-se le am feitor qoe tenha
ponca familia : a fallar no meemo engenho, ou
para imagen, caixos e palmas para enfeites de
andores, sipo de flores para saioles de anjos een-
feitam se peitose capacetes para os mesmos, tudo
de flores decanotilho, aljfar e flores de panno e
papel, com perfeicao e presteza, e a preco muito
"i.
O Londondk llrazillan Bank, saca por todos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
. Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
______Amarante.__________^_^_
VIIV4 LECOINT
7Ra da Imperatriz7
Madame Lecont participa aos seus freguezes,
que reci'beu pelo ultimo vapor um completo e va-
riado sortimento de perfumaras as mais finas pos-
siveis, como sejam : Nouveau Rgneratenr de
Gell, nica para conservaco dos cabellos; rece-
beu lambem correntes de Plaqu, muito ffhas e do
nltimo gosto para relogio, p de brilhanje e de
ouro para perneados de bailes, 1,000 varas de bico
preto proprio para enfeites de vestido, e diversas
outras cousas. Avisa tambem que na soa casa
contrara a fazer tolo o trabaino qne diz respeilo
a cabellos, como cabelleiras para horaens e senho-
ras. assim como pentcados para fra._________
O Sr. Joao Francisco de Pontes, ex-sscio da
firma de Carvalho & Pontes, eslabelecido com pa-
daria em Caruar, tenha a bondade de mandar
pagar a sua letra vencida a 2 para 3 annos, da
commodo : na mesma casa apom^am.* vestidos 11antia de 1005, na raa da Penba n. 23, primeiro
pretos para a quaresma feitos pelos ltimos fleu- a'
rinos; enfeilam-se tambem velas com llores de
cera proprias para baptisado, pelo prego de 104,
ludo de muito bom gosto.
Precisa-se alagar uma prela para todo o ser-
vico de uma casa de familia : na ra do Trapiche
numero 4.
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurglao dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparar/Oes empregadas com muitas vanlagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
lisso, advertindo quetrouxe um immenso sortimento de dentaduras artilkiaes; caout-
chou galvanisado, ouro., platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeirade operacoes, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes d Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso deservir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh at ao meio dia com cer-
teza e as i horas da lar Je quamlo nao tiver de ir em casas particulares.'
CASA DA F0RTDRA
Aos 10:000^000.
Bilhetes saiMistidos.
A' IlLA DO CnRSPO X. t' E CASAS DO COSTl.ME.
O abaiso assignado vendeu nos seus muito fcli-
zesbilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio do patrimonio de orpbos,
os seguintes premios :
Um quarto n. 989 com a sorte de 6:000,5000.
Um quarto n. 2169 com a sorte de l:4u0JO0O.
tra quarto n. 1942 com a sorte de oOOJOO.
E outras muitas sortes de 200,5, 100#, 40 e
20J000.
f3s possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da i' parte da 4* lotera
beneficio da Santa Casa de .Misericordia que se
extrahir no dia 10 de marco.
PRECO.
Bilhetes. '. 125000
Meios......65000
Quarlos.....35000
Para as pessoas que comprarem de OOCMI
para cima-
Bilhetes.....115000
Meios......35300
Quarlos.....25730
_________ Ma.noei. Mabtixs Fhza.
Precisa-se alugar uma ama portugueza que
saiba engommar bem e coser, para uma casa de
duas pessoas : na ra da Imperatriz n. 34, pri-
meiro andar.
mmmmm mmmm mmmmm
Saques soOrePortugal. M
E O abaiso assignado. autorisaflo pelo^
HtBanco Mercantil Portuei.se. e naausencia I
ajBilo Sr. Joaquim da Silva Castro,saca ef- |
fectivamente por todos o paquetessobre
is oraras de Lisboa e Por.o, e mais luga- g
resilo reino, por qualquei somma vis-J|
ta.e a praso; podendo, o que tomaren*
saques a praso,receberem asista,no mes-H
Bjmo Banco, descontando 4 OO aoanno: na |
loja de chapos da raa do Crupo n.6, ou I
na ra do Imperador n. (53. segundo an- 35
|dar.Jos Joaquim da CosaMaia.
IIIII SS98
Anda est para ser vendido o sitio da tm*
vessa do Remedio na fregnezia dos Afogados n.
21 : quem o pretender dirija-se a ra de S. Fran-
cisco, sobrado n. 10_____________________
Alfonso Jos de Oliveira, prflfessor jubilado
da cadeira de geographa e historia do ex-lyco
desta cidade c competentemente autorisato pela
directora geral da inslrucc5o publica para ensi-
nar primeiras letras, latim', francez, rhetorica e
geographa, contina com aula aberta destas mes-
mas materias na ra larga do Rosario n. 28, se-
gundo andar, e recebe alumnos Internos e ex-
ternos._________________________________
Precisa-se de um bom coznheiro e de um
copeiro : do sobrado o. 32 da ra da Aurora.
OSr. Domingos Gomes Fernandes tem uma
carta vinda da ilha de S. Miguel : na ra da Pe-
nha n. 29, primeiro andar.
mmmmmmmmmh.:
SM Precisase fallar aos herdeiros do fina
" nado Cesario Marianno de Albuquerque
Cavalcanti sobre uma pequea heranca
'j i|U3 Ihes pertence existente no termo do
v^ Sant'Anna comarca do Acarac provia-
jflt cia Ai Cear, na ra estreita do Rosario J^
y, n.23, primeiro andar, escriptero do Dr. y,
fm Feitosa. 8R
Samuel Power Johnston & Companhia.
Ruada Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fnndlcao de Low Hoor.
Machinas a vapor de l e 6 cava!los.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Fazem-se comidas para fra cora asseei o
promptido, por preco commodo : na ra |dos Pi-
res n, 32.
Alaga se o segundo e terceiro andares do so
brado n. 62 da ra da Guia com commodos cada
um delles para grande familia, os qua-s se achara
pintados de novo por acabar de ser dito sobrado
concertado : e a tratar no primeiro andar com o
pre prietario baeharel Francisco Luiz Correia de
Andrade.
)* ProcDiadoria. :-'
'im Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon- |r
*g cede Len, como solicitador, se cncarre- i^
| ga das causas crimes, erras, commcr- >"*?;
Mg ciaes e ecclesiastcas. Elle anda recebe op
*?* algumas casas de partido, medante a *"p
j um ajuste razoavel. Pode ser procura- ^t*
2 do as salas das audiencias ou na ra g
Imperial sobrado n. 64.
Dase a qaantia de 6005 a juros a dous por
cento sobre bypotheca de uma casa terrea, ou
mesmo sobre hypotheca de um escravo ou escrava
que sejam sadios : na ra Nova n. 69, segundo
andar, esquina do pono das canoas, se dir quera
d a dita quaniia.
Aluga-se am grande .sitio com sufilcienria
para ter 8 vaccas de leite, i baixas para planta
de capim, casa com commodos.para grande fami-
lia, proxim > ao Recife, que se pode ir a pe', a mui-
tos arvoredos de fructo : na roa larga d? Rosario,
loja n. 32.
t
\


Diario de Pernambuco Quinta felfa 9 Je Vareo de ilis.
-
4 lllQ[
jase
uraacasa acabada agora, com commodos para fa*
uiilia,estribara, cocheira, quartos para feitore
eseravos.eom banho na porta, no lugar do Poco
da Panella,ruado Rio : a tratar com Tassoir-
mios.ua rus do Amorim n. 35.
_*L
PASTILKASIl!
IGEST.YAS
DE PEPSINA
Aluga-se ama boa sala coro casa de entrada,
muito propria para escriptorio, na roa do Impera-
dor : trata-se na mesma ra n. 14, armazem Ga-
DE WASMAN
As pastilhas digestivas com a pepsitm de Was-
man, cmpregSo se com soccesso h j alguna
anuo* pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., cm todas as incommodi-
dadet em as quaes a dgestio difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para cnrl as
rantia.
g DENTISTA DE PARS
s
8
19Roa Nota A9
Frederico Gautier, cirurgiao dentist i
faz todas as operac5es de sua arte, e cc-I-
loca dentes articiaes, tudo com supe-
rioridade e perfeicao, que as pessoas en-
tendidas Iho reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
Diarrhras e a ronstl-
pnrao produzldaa
prlna clubora^ea
dcfccluoaaa doa all-
inralon.
Precisa-se alugar urna ama para o servico
de urna casa de pouca familia : na ra da Palma
n. 41, taberna.
Alnga-se um sitio na ra do Cabral
da cidade de Olinda com casa terrea, com
copiar na frente, bota os fundos para a es-
trada a margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-lo, arvoredos de fruc-
tos, sem visinho defronte nem pelo fundo,
com ptimos passeios, sala e gabinete na
frente, muito propria para passar a festa, e
tambem se alugar por anuo: a fallar no Ile-
cife, no Recife, na iivraria ns. (i e 8 da pra-
ca da Independencia e em Olinda na casa
contigua com o capitao Antonio Bernardo
Ferreira._________________________
Aluga-se urna casa com bom sitio, na Ca-
punga Velha, que foi do Sr. Sebasto Peona, com
bastantes commodos, tendo cocheira. estribara,
quartos para pretos e muitas fructeiras: a tratar
na ra do Imperador n. 46.
Gantralftlaa.
Maprpalaa.
Embarace* gnd-lcoa.
A gastrlte.
Aa aflcecoc* riini-
cas do ealtiuag*.
Em todas as molestias empregao-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente as pastilhas de Vichy. Esse meio i sd
efficaz qnando se trate de dispepsias de curta du-
ricao, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
de Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecen! o sangue e isso de tal
maneira que llies arreblhSo a parte vivificante,
nutritiva e reparatrz. Com a pepsina, a contrario,
como ellauma subst&ncia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo tempo que se effectua a
PIULAS CATHAIITKAS DE AVER.
Estas pillas vegetes s3e a-
daptadas a todos os usos de um
purgante as familias, pois sao
perfehamente innocentes, e era'
quanio militares de pessoas coa-,
fessam com gralidSo qoe foram
coradas por ellas d molestias;
severas e perigosas;nao ha
um so caso m que haja suspei-
tas do raais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqu alguns dos
^W- attestados que temos de curas
notareis feitas ltimamente.
Um caso nolavel de
BALAO
DE
Afleccao clironica do ligado.
Illm. Sr-
I Jttiz de Fra, 17 de fevereirc- de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que rae fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
[ do ; padecendo ha mais de doze annos en-
ormidades do figado e baco, coai o uso
transformaco dos alimentos assimilhando-se das P< lulas posso Ihe assegurar que estOU
DO
]
AZEVEDO 4 FLORES.
Una da Carfcia do Recife n. 17, esquina que rolla pan a Madre de Dos.
Atteiiftio.
Pelos seguate* precos
(saceos) I2(, 115,
Paletos de casimira
104 e........" .' 85000
Ditos de alpaca 5'( o...... 55000
Ditos de alpaca branca 55 o 45300
Sobrecasacos de panno Tino francez 22(000
Calcas de brim pardo 25>00, 35, 35500 45000
Ditas de brmbranco 45, 45500 e 55000
Ditas de casimira de cor 55, 75, 83 e IOJO0O
Cortes de casimira preta fina 75 o 55000
Seroulas francezas finas..... 15(100
Colletes de cisimira pretos e da cores
35500, 45........ 45500
Baloes di 20 e 10 aros dos inel horas
que tem vndo ao mercado
COMPRAS.
como cllcs e ajudo tabcm como elles a nutrido
geral. Sua accao vivifica o sangue e os rgos
ae tal sorte que, alh as pessoas que sem soffrer as
affeccocs gstricas cima mencionadas sao nica-
mente iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, necessito substancial alimento para for-
tificar se, acho no emprgo das pastilhas pep-
sina de Wastnan, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de Wastnan diu causa a se fazerem fal-
siticaces c imilaedes d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacao a pepsina que n'clla entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo Teste inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenho
as iniciaes B. P. e saiio da pharmacia Chevrler.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
SI, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmaeias de Franca e dos paizes estrangeiros.
m
5* O!. "O Va g m 2
ilflfriii
3 2 P.~~
pois; lento desaparecido umgranda ^^f^*
filamento que soffria, muitas dores r ,KV/ *' "'
53000
135000
Chitas para cubera (corado) .
Lias lisas da totas as cores
Vestidos de laa Mara l'i i muito finos
Lencos brancas muito linos (duzi.ij .
Um completo sdriuaaato de chitas lar-
gas de 30J a ........
Cambraias lisas brancas muito finas
(peca) ...........
Um variado e lindo sortiment de cha-
les de marin estampados de 55 a
Seroulas de linho muito Unas .
Aberturas do linho- pregas largas .
Bramante de urna largura ....
Camisas de tlau.'lla bmitas, cores eco-
nimii'i-.........
lencos de esguiam.......
320;
* !
183000
23800
500
55000
0 VIGILAV
vmiHtiii:
Uas lisas de todas as cores muito (nasa
3 encarregara-se d>! mandar fazer qualqu
e meninos, anda que a fazenda uo seja comprada na dita loja do
Compra-se ouro e praia em obras velha?, pa-
ga-se bem : na loja de bilbetes da Praca da Ir.de-
dendencian. 22.
Compra-se um escravo de idade que
sirva para trabalho de sitio: nesla tvpo-
graphia se dir quem quer.
Comprase effectivamen'.e ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
IjOsario o. 24, loja de ourives.
Compra-se um escravo cozinheiro que teja
moco, robusto e sem vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da ruada Aurora.
Compra-se cobre, bronze e ferro cuado ve-
Iho : na fundigao da Aurora, em Santo Amaro.
Compra-se um preto moco, de boa
conducta, para fazer algum servico de ma-
nhaa e depois ir para o ganho, e um mole-
que ou cabrinha, que possa servir para co-
peiro, paga-se bem agradando : tratar na
Capunga porto do Lasserre, sitio do portao
pintado de verde, do lado direito.
Compra-se urna escrava com habilidades e
que tenha urna cria : na ra da Cadcia do Recife
u. 64, segundo andar.
YENDAS.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pe-
los de nossa typographia o
Almaiiak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de'dezembro, e vende se a
1$; na Iivraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Vendem-se diversas obras de direito como
sejara : direito natural por D'Azeglo, Autran,
Ahren ; direito pub'ico ecclesiastico pelo Dr. V-
lella Tavaros, direito publico universal pelo Dr.
Autran, e direito romano por Heinecio, todos estes
livros esto em perftito estado e vende-se por
preco muito commodo : na taberna dos Quatro
Cantos da Boa-Vista ra da Gloria n. 95.
Farinlia da trra.
Vende-se farinha da trra muito superior a 85
o alqneire com 32 cuias: na ra de Santa Rita
n. 3._____________.___________________________
Loja do balao na esquina da Madre de
leos.
Vendem-se baloes de 20, 25 e 30 arcos a 35 e
33*00.__________________________________________
No pateo do Carmo n. i, vende-se feijo a
800 rs. a cuia.
GRANULOS e XAROPE
D'HYOROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
Kemlu pelas experiencias feitas as Indias e ea
Franca pelos mais afamados mdicos que as granu-
las e O XAROPE de HYDROCOTVLA ASITICA de
I. LBPINB sio o ptimo remedio contra todas as espe-
cies de IMPIGENS ou HERPES e outras molestias da
pelle, at as mais inyeteradas, assim como a lepra
OU MORPHEA, a Smil IS as MOLESTIAS escro-
fulosas, OS RIIEUMATISMOS chronicos, ele.
Deposito geral cm Pars, em casa de focrnibr
LABlonye, ra ourion-Fi/eneutie, 19.
Deposito ^eral era Pernambnce ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
k legtima
bom,
iengorg
sobre a regiao do gado e costas, dores de
cabega, inchago do ventre, n5o podendo
deitar-me senao do lado direito, isso me$-' .. Osdonos da loja do BALAO encarregara-sed. mandar fazer qaalqaer obra de brim
. ce, [idia nomens i
mo procurando posicao para ter socego, ho-
je me acho livre d'esse padecimento ; como
por aqui ainda as nao haja, eu como tenho
este proprio que de casa, Ihe rogo man-1
dar-me alguns vidros, e o custo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do cliarope de
cereja, que tive occasio de experimentar;
em um ataque de guellas que leve urna,
preta que com elle curei, fago uso d'elles
as tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que pego para \
mandar alguns frasquinhos', e mesmo as pi-; i
lulas pode montar a doze, porque tenho
i feito uso d'ellas para uso da familia e al-,
gumas pessoas, ia d i ,mt e g e'
resultado; sou bldooroioandeoda
De V. S. attensgPs.ar
Francisco FEiREAreRAit
Rbcumalismo e alaijties heniorruoidaes.
Illm. Sr.
Ouro-Prelo, 30 de marco de i864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca^
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que;
suppunha ser rheumatismo, (molestia estaj
que j baa soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e!
acompanhado de urna dr no queixo, con-
jsullei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; pormi
lendo cu o al.manack do mesmo doutor, |
comprei em sua casa um vidrinho das mes-'
mas pilulas e por minha conta principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as j
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do I
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi- j
daes: portanto sao para mim as taes pilu-l
las as melhores que tenho experimentado;!
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
Joio Rodrigues Feu de Carvai.ho.
su '.a-miira
Superiores cortes de moirs preto com barra, o qne ha de melhor gosto em
Pernambuco.
dem de gorguro preto adamascado com barra a imperatriz Eugenia,
dem idem de seda bordados com barra e superiores moirs pretos e !a, :
2.0*00, 2^600, H, 30300, 40, 50, 60, 70 e 80 ocovado.
Superior gorguro de seda preto, a melhor fazenda que ha para vestido.
Sarja preta de seda,
dem preta hespanhola.
dem idem lavrada a 20 o covado.
dem idem lavrada muito superior.
{ Completo sortimento do grosdeaaple preto a 10-jOO, 1800, 20,20oOO, 3',
30500, 4, 40500 e 50.
Pannos prelos de saperijr qualidade de 30 a 120 o covado.
Casemira preta de 10600 a 50 o covado.
Lindos chales, bournus, algeriennes o retoudes de fil prelo.
Mantas pretes de fil e los pretos.
E muitas outras fazendas de superior qualidade na 1 ja das Coluinaas
na ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vasconcellos & C. sucoesMfes
de Jos Morera Lopes.
(iaslrile.
Ouro-Prelo, 29 de marco de i80 i.
DROGARA.
31Ra larga do Rosario34
Barlliolorueu Francisco deSeuza k C.
Venden!:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Gaarnicdes avelludadas.
Tinta brancasuperior em lata.
Alvaiade Vneta, fino, em paos.
Farinha de milfio.
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas : na ra do Rangel n. 3.
Vende-se a casa terrea n. 23 da ra de Ma-
thias Ferreira da cidade de Olinda : quem a pre-
AtteSlO que tendo feito uso, aconselhado tender dirjase a tratar nesta cidade na ra Au-
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer, gngfan.59.____________________________
quci perfeitamente bom de urna gastritej Gesso
que solfria OjOOO privava-me de andar aper-' barricas com gesso : nos armazens de Tasso Ir-
tado, boje felizmente nada sinto.
maos.
Augusto Goi.lati.no de Mello.
Falla de apetite. ,
Ouro-preto, 24 de feoerciro de 1864.
Sendo eu affectado do ligado ha muitos i
Vende-se urna escrava preta com urna cria
de 3 mezes : os pretendentes dirijamsc a ra No-
va, casa dos Sr;. Novae- & Filho.
Legnrnes novos a 6,4Uo rs. a arroba*
Na padaria atraz da fundicao do Sr. Starr ven-
annos, e ltimamente soffri falta de apetite, ^cSe.eri1',has verde*-.d'Us ^arenas e descasca-
u- ,i. .__ n i .', das, lentilhase sevadinha pelo preco emsortimen-
hoje dou gracasaDeus por achar-me sao-, 0 c 65*00 rs, e conformafor a porcao faz-seal-
e perfeito com o uso das pilulas catharticas gum abatimento.
'do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieira.
Constipaco, dores de cabca.
Ouro-Prelo, 28 de marco de 1864.
Atiesto que achando-me atacado de urna
forte constipado que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
mente por espaco de quatro dias; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas catharticas do Dr. Ayer: cora ellas G-
Potassa da Riissla.
Acaba de chegar a mais nova e verdadeira po-
i tassa da Russia, e vende-se a preco comm-do: no
| escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
largo do Corpo Santo n. 19.
Estopa a 24() rs.
a j trd.i : na loja da ra da Madre de Dos n. 16
defronte da alfandega.
Sintos finissimos.
A bja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38,
recebeuriquissimos sintos largos tanto de fin co-
mo de gal.o douradoseom velas, estes sintos sao
os demais gosto que tem irh-gado a esta praca, e
enfeites muito modernos para cabeca.
Vendem-se seis terrenos para edificar, chaos
proprios, todos com frentes para osul; quatro del-
les com 30 palmos de frente, dous com 40, e todos '
com 130 de fundo ; aiocalidade a melhor possi- >
vel, entre a ponte do Chora-menino e a da Magda-,
lena, no mesmo ponto em que a companhia de Be-
beribe acaba de col locar um chafariz, agua de be-
ber ao p, to perto da cida le, para onde e d'onde
se pode fazer o trajelo a p, a beira de nma es-
trada frequenladissima, dous porlos, o do rio e o
da camboa.para embarque e desembarque, e para
banhos, cuja necessidade to reclamada em nos-
so clima queote, e ciJale eJfflcada c un tamas des-
conveniencias hygienica sao commodidades mu
vantajosas e apreciaveis. Um dos ditos terrenos,
o da esquina a; nasceute, tem duas frentes livr.-s
c urna grande mangu.ira da mais bella e attrativa
sombra, e de fructos, cuja excellencia no cede ao
de henhuraa outra mingoeira da provincia ; dos
outros terrenos, un tem boa cicimba e os outros
algumas arvres fructferas, cajueiro, roraeiras e
sapotizeiros que dao ptimos sapotis : na ra do
Imperador n. 14.
PREPARADA NICAMENTE POR
LAKIAN & RE1P,
Vende-se por commodo preco b sobrado de
tres andares e soto da ra do Amorim n. 9 para
cumprirordens de seu propietario quo se acha
q"uei sao e Completamente restabeTecido"'em | JJ^J ^'"nnmeiro'aa'/r d"''Ja'Se rUa d Vi'
Sft ^fi ^^ "fa i0. lrme F?' I ~ Iho'now em saceos grandes 7 no"" frapiche
psito de aconselhar o uso das ditas plalas I d9 ,:nha, a tratar cjm Tasso Irmos.
a todas as pessoas que forera affectadas de vr----------------------35---------1------
constipares. No armazem. de lazeudas ba-
Agostimio Jos da Silva, negociante de fa-
de
trabalhar mico
descarocar aSgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLAH
Estas machina.1
podem descaroga:
^qualquer espseit
i de algodao sea:
estragar o flc.
sendo bastant'
duas pessoas par;
o trabalho; pdf
descarocar um:
arroba de algo
dao em caroc
em iO minutos
ou 18 arroba-
por da ou 5 ar
llua do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciado ptlo | hd-
poso llallisa, na sua ordem du da, e pe;. Li; nea
><3000i Aguia, apesar de que, tara esle> o Gano un um
agudosesporoes nuucaos olfender, siiit eta^ia-
ciarana mesma confoiruidadc, pata gu< o E,*.li7i.
possa marchar em frente, a Branca Afilia | (..
ijvantarieu vo,|levando no bicoas paliotigs ^<
tiinhoja o Hallo cara em seu espacosc cun.it
lando Je novo o seu cauto anuunciando a set
bonsfreguezes e aorespeitavel publico
0 ijrande sortimento deobjeetos demuiloijostor.it
acaba de receber.
Hicas caixnhas com msica ricamente u.Tt :--
das par--costura, proprio para um delicat'o me-
nino.
t laisstrao&CdtVesinbos com cadeados cp n.elal
para guardar joias.
Rieascauas can estejo, conteudo todos os u <
teucos parahomem.
Iliquissiiiias voltas lingindo perola.
Ditas cun lacnbode lila.
Ditas de liadas edres e preta, de todas a: li-
suras.
Liodcaderegos >om pedrinhos flngic.do Irr>-
litantes.
Hicaslivellas para cinto, de todas as qnslie'; ees
e bom gesto.
Iticos cintos do ultimo, gosto de Paris.
Grande sortimento de lindos enfeites ti: rabe-
ga, sendo do ultimo gosto e de lodos os | n { :
flores muito tinas para noivas.
Lavaseofeitada.ie ineias desda para t(i\z
Touquinhas sapatinhos e meias de S(a (ir*
baptisado.
rtiquissimaslltas de todas as qnalidades [tnls-
go.ciniosecinteiros.
Camisinhas e gollnhas para senkora.
Hiquiss'imosjarros e guras rara tir n irlo ce
sala.
Grande sortimentode (ravatinbastaiiic pra s*--
nhora como para homem.
I-uvas de pelica branca e d( rGres.
Cascarrilhasde bonilascres.
Trancinhas.galao e maravilbas rara refutes."
Transelins de cabellos e de rcit<7 rara libjKf.
Papel amisadee de onlras qualidade?
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos dolndo ftffttct.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras. rrerirrs e na i-
as.
Fitas de veludo lisas e com anaiae e t'c K s at
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualit'idff.
Grande sortimento desabneles.
Lindos vasos com banba para offer'oic cr.tc.v.
CaiiiobM com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidade?.
Aguaverdideira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados egarrafinhas.
Pomadafina de todas as qualidade?.
Superiorbanhaem frasese cepos de Icdr-so
tamanhos.
Sabaonglez em paos grandes e peqcerry.
Escovasde cabo de madreperoln, rrarfin e de
osso, para dentes.
Pentes para desembarazar, com frise de n etl e
para
.sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outras r,i tlioV
| des.
Pentes de tartaruga para sen tora.
Ligas de sida e de algodo,as.-:n rtot p U!
utros objectos di gosto quesera in i cm h m--
onar.que a vista far f, so uo Gallo Vipilrir,
cuc do Crespo n. 7. v .
Voltinbas.
Lindas voltinbas de perolttfalsa.8 ten <:c7d'?.
robas de algod lingindo brilhantes, assim como eroiii I; f %\\ !^^^
limpo. ,e v.jll'uihas. pelo barato prego de lie 5(0,ts
erales avos asa 00 rs. s no Vigilantr. iua i
Assim como machinas para seren movidas bk Crespo n. 7. /'
animaes, que descarogam 18 arrobas de algoda Loques,
limpo, oor da; e motoros para mover urna, duas, j ftlquissi'mosleques de madre/erola tante |?ra
eutr;s dessas machuas. senhoras como para meninas.pelo barato inti
0 mesmos tem para vender um bellissimo va idel* e U5; s no Vigilante, ra do Cmpo
porque pode lazer mover seisdestaamaehiiu
mencionadas ; para o que conviia-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, uo arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sauntlers Brolliers & C.
S. II, pra<;a do Corpo Waato
ItECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
a>arasMCOo-, u.1 ^ o p ae -
3
a:
-. p, q, aj
3
O. I
u w ao
zondas.
Vndese a casa de mofhados na raa da Impera-
triz n. 3i por sea dono ter de retirarse para a
Europa a tratar do sua saude, tem commodos para
familia, e faz-se todo o negocio : a tratar na mesma. i
.tos senhore padres.
Na rna da Cadeia n. 59 vendem-se auperiores bi-
cos da trra proprios para roquete?.
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando de
propiedades eminentemente depurativas;
approvada pelas juntas e academias de me-
dicina ; usada nos principaes hospitaes, ei-
vis. militares e da tnarinha as Anlilhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativos os mais ilislinctos do imperio do
Brasil e da America hespanliola
CURA RADICALMENTE
escropnulas, rheumatismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morphea e lodas as molestias pro-
venientes d'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitacjjes e
falsificarlos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por \ ren8a dc Azevedo.
CAORS A BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
VenJem-se no Recife em casa de Caors &
Barboza e Joo da C. Bravo & C.
Irritarlo do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Atiesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muito tetnpo xcessiva irritaco
de estomago, pouco apetite e difficil diges-
15o, d'ella tenho experimentado sensiveis
methoras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pereira Rosa.
Loiubrigas.
Ouro-Prelo, 28 demarco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas) fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez annos, que
soffria de vermes inteslinaes, notando-se
que os symptomas que ento apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymcndo Nonato de S. Tiiiago, pharma-
ceutico.
Nevralgia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
ratas d Santos & Oolho
Ra do (intimado n. 19.
Vende-se o seguale:
Lences de panno de linho
pelo baratissimo preco de 2400.
Lences de bramante de linho
de um s panno a 35500.
Coberta de chita da India,
pelo baratissimo preco de 2,8500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 2,5 a duzia.
Pecas de brelanha dc rolo com 10 varas
propria para saia, a i A-
Pecas de cambraia de forro, a 2^600.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 8 e 6 palmos de lar-
gura, por menos preco do que em outra qaalqaer
parte.
Toalhas alcochoadas para mos
55 a duzia.
Lazinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 600 riso co- i
vado.
cd aj m
-j o ^3
i IO "1
2 5" o, e v-
3 "9
|B1
una
O -j
= sr s s: o y
S'g es o sr
3 s =.-
oZ *
Z B ? 2 2
T3 aa --> 3- rf
a> bm w v> S
o o 03 ?
g-sj s -a.-
S 1) 1=
o a. 'm ?
J" a> O o
3
-- z
S-35'^2
=r c
'3
a-,
o a -
o. as
,
a>
o n.^ -
r->. -1 H -
--> Si o
o
B
o.
o
1 -
9 u i]
o > S,
a.
w
-> a
1 O l
o'
s
32
aje*
3^
o 3"?
s s
3 -I
o.
C> as
O c/s
=> >*
c
as
O
is
as
, -
5'
es-
as
m
SS
0
Ha mais de sete annos que soffria dores
no hombro e as costas, tomei urna infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
' tliarlicas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
Ven le se ama cisa terrea bom construida,
nos Afogalos. roa do Mtocolamh n. 2 : a tratif
na raa dos Quartois, taberna h. 18.________,
- Vende-se ou hvpotheca-se por 3:0003 um' ton completamente restabelecido; ha tres
sobradlo de am andar e solj na freguezia de San- dias que nao SHltO a mais leve dr nO hom-
to Antonio eujo rondij \1$ mjn^aes: rjaeni quizer | [-.po nem as costas.
annunie.
Vende-se a taberna o. 12 no largo da Penha:
a tratar na mesma,
Vende-se urna armacao e seas perlences de
urna taberna livre e desembarazada de todos os
impostas : quera a pretender dirija-se a raa das
Cinco Ponas n. 63.
Vende-se am escravo emulo 0:11 23 annos
de idade, bem feito e sem vici >s : 'jaem o preten-
der dirija-se a raa da R)Ja n. i", -> rilo andar,
que achara com juera tratar.
Ai ten cao.
Vende-se superior vinho do Porto em oaixas de
urna duzia : era casa do Johnston Pater A C. ra
do Vigario n. 3.
Estas pilulas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogaras do imperio, ,e no
Rio de Janeiro, ruaDiroitan. lo.
Vende-se em Pernambuco:
a pharmaeJa franceza de
P.MAU1ER & C.
RIJA NOVA N. 18.
Lazinhas de cores finas
do melhor soste que ha no mercado, a 560 res o
covado, ne^te armiem de fazendas se ene mirar
um grande sortimento de roupa feitae por medida
Vende-se a casa terrea na ra Jo Padre Fio-1
orian n. 62 : na ra do\Imperador n. 14._________
Vende-se urna armario de amarello toda en-!
vidracada, propria para loia de caljados, tendo o
balco na frente um rrande fltclro : a tratar na'
ra da Imperatrls n. 6. ______ .
e de Portland
Cemento romano
no armazem de Tasso Irmos.
Vacca
Na Piranga, defronte ao sitio do Sr. Mllet, ven-
de-se urna vacca muito boa leiteira com cria.
Vndese
a armaco da loja da ra Direila n. 31, de tres
pona*, propria para qaalqaer estabelecimento, por
preco rrioito barato : a tratar na ra da Impera-
triz n. 65._______________________________________
Cabriolet c. cavalto.
Vende se am bom cabrioiet em muito bom es-
tado e cora cavallo arreiado por I60J, de graca :
ni raa do Crespo n. 1.
conmfiuo DOLOROSO
que contm o odicio de Nossa Senhora das
Dores; o moJo de rosar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros exerci-
ctos de piedade e devofo: ordenado pe-
la irmanlade dosservos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres misionarios aposlolicos
capuchinhos italianos de Peruambitcu.
approvado por S. M. I., que Deusguarde
dado luz por devocSo do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deMi-sina.
Vende-se a 320 rs. na Iivraria i>. C e 8
da praca da Independencia.
Vende-se calcado francez da barca francei:
S. Joao da Luz, na ra do Livramento n. 21.
Borzouuins de lustre (Nantes) 6&O00.
Ditos de bezerro de tres solas (Nantes) 6W00.
Ditos de bezerro de duas solas 6(090.
Sapatos de tapete 640 rs.
FeljSo.
Vende-se umaporco de fei > mulaiinhs>muit'
novo alia cuia, dito preto a 880 rs., dito rajad
do Porto a 5J0 rs.: na roa Direita o. 8.
n. 7.
Filas de lia.
Fitas de 13a de todas as qualidades, pro| riss < a-
ra debriun de vestido a 700 rs. a pera ; s te V.
gllante, ra do Crespo n. 7
Ricos rspelhos.
Riquissimos espelbos rem moWon rm.-cs
sem ella de 83, 10>, 12 e 155, ;ssim rtro ( cAlumnasde diferentes tamar.hr.- a 2$, 34,4#, ^
e 6 ; s no Vigilante, ru* do Crespo n. '/'.
Lindos jarros e lioni >
P.iquissmos jarros e figuras de poreelapa fr,
para enfeite de sala, sendo omelhcrpcftn m< h,i.
tem apparecido; s no Vigilante, ra do ("mr.-;
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com boneela para pos di am
cousa de multo gosto a 1(800 e 2$, assim ttn"
pacotes s com os pos a 320 rs. cada irt : $ r,i
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, ((na-
das, assim como de lindos popos ou vafe- ci m dis-
tinctivos e offerecimentes as sinbasiuhas ts n-r-
Ihores e mais afamados autores de l-aris e frplato-
ra, assim como os grandes copos de banba j|ir>2-
a 25 e a 13, assim romo outros objeclos qr.e vi<-
possivel por hoje annanciar, e vista des frrfoe-
zes sefartodo negoiio; na loja do Gallo Vi(ilcte,
rna Agua Florida.
Para restabelecer e conservar acor nalnr?)
dos cabellos.
A agua florida nao amatiotura.frlo e.-sn-
cial acontestar, a mesma agua dando a rdr i rin t
ti va ao cabello. Composta de plantas exotiras e
de substancias inoffensivas, ella tem a proprif d; de restituir aos cabellos o principio corante qo ti-
les tem perdido. D'nma salnbridade inrriilena-
vel,a Agua Florida entretem a limpeza da fit(i,a
destroe as caspas e impede os cabellos de (*l ir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetes exticas, tKa
constite poderosame**". com a Apua Florida, a
torca, a belleza e a > onservacao dos rabil!.;.
m Pars, casa de Quislaur n. L2, rna dc Iiiil.-
lien, e21,boulevard Montmar::r.
Todos os frascos, nao tendo intacto e rlnro.r
timbre prateado da casa, sao reputados falsc-s.
Deposito, rna do tmpc-radorjibarmacia n. Hfc
Coke Pitch dogaz.
AlcatrSo do gp/-
Coke, tonelada ioooo.
Ptcb, arroba 3(000.
Alcatrao, caada 00.
O cok reconhecidamente o parvao maia > n
mico, torna-se por isso retorrnieridavel, l im ro-
mo pelo aceio que se ola as raslnhas rrr.f
elle usado. Pilche alcatrao, alrm saiillnrare-
c6es diversas a que se prestan, ermo para califa
tar embarcacoe?, alcatroar madeiras, re, bre-
estes a propriedade de preservar do rup!n\ l< r-
migas, etc. V. entregue na fabrica do gaz, rn nan
lado por em qualquer- ponto da cidade, tr^ubdo n
vontadedo comprador previo .-.r^sje^_______
Azeile de carro palo
Vende-se por atacado ou a relalbo mais lanto
?o que vendem os matlas as rargs : r.a fjlri-
ca da travessa do Canaca n. i. ce? do Rsn.cs.

T11 r-^i% #! I



DTarlo de Peraambnco quinta lelra 9 de Marco de 18S5
AURORA BRILHARTE
Laboratorio enolegico e ehimico de F. P. Lebeuf e C.
na Monfcmaitre, 31, em Pars.
Fabrica em Argenten!!, prs Parla (Franca).
BONIFICADO E F4BhICAClO
Dos vjnhos, aguardentes e licores.
frlANDES ARMAZENS
DE
MOLHADOS
immr
1IVIIAJ '& Largo da Santas
llllIllliJ g|Cruzns. 12e84,J
esquina daruado
ESPECIAES |cebo. L
lito acreditados armazens de molhados denominados Aurora
Brilhante, acaba de receber de sna propria encommenda, muitos gneros delicados J
proprios da presente estacao, e tendo grande sortimento comprado aqu, afianza qaeto-
dos es seus gneros sao de primeira qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para ajaste de contas aos por-
tadores.
Nenhom armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhatiie, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por seu dono seacbar eucom-
modado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outro na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
barato.
Largo da Santal
fcCruz ns. 12e84,,
^esquina da ra do!
ZCebo.
\MMwmmmm
) dono dos j muito acreditados
Latas com 8 libras de chouricas muito novas,
a 7o0.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
mais de 12 qualidades, a 15000, 1,8280 e
IJiOO.
Ditas cora ostras, excellente pelisco para fri-
gideira, a 720 rs.
Dias co.n ervilhas novas, ensopadas, a 720 rs.
Ditas com favas, a '640 rs.
Ditas wm araeia* a 14200, 15800 e 35300.
Ditas com marmelada do afamado fabricante
x~xp Abreu, a 880 rs.
O Ditas com massade tomate;* a 300 rs.
;' Ditas com figos de comadre, uovos, a 15300,
25 e 25300.
Ditas com bolachinha de soda muito novas, a
25000.
Diiascombiscoitinbos ngleze- de muitas qua-
lidades, a iiOO.
Chocolate.
(Chocolate superior muito novo, a libra a
, 15200.
j Macarro, talhariam e aletria amarella, a libra
' a 48U rs.
v 'Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Ca xas rom estreiinha, pevide, e outras mas-
sas, a ca xa 34500.
,t) Ditas dita em libras a 640 rs.
K Sau, libra a 360 rs.
Sevadinli i para sopa a libra, a 240 rs.
N Ervilnas seccas, a libra a 160 rs.
iS Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
''.'JjTai ioca muito nova, a libra a 280 rs.
/,, Familia de ararula verdadeira, a libra a
, JJK 500 rs.
V'.'- Arroz do Maranho, em sacco, a arroba a
.- 25400 e a libra a 80 rs.
5 Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a II-
OTjJ bra a 100 rs.
"Touciuho de Lisboa a 9#300 a arroba e a 320
. U rs. a libra.
-fjDito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
V 260 rs.
^Iblkos com 123 ceblas grandes,; 15280.
twMostarda franceza, caixa com 2 duzias a
'iP 8;000.
tft Frascos com mostarda preparada em vinagre,
$$ a400rs.
" Ditos com conservas inglezas e francezas, a
640 e 800 rs.
i Mos com sal refinado fino, a 640 e a 300 rs.
u/Ditos com a verdadeira genebra de laranja, a
fj 19000.
Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira, a
^5 640 rs.
.Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
>Garrafei com 2 galoes com dita, a
Vinh verie superior.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
(iooama.
Saccas de 4 arrobas, a verdaeiradsse'
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs. |
Sabio massa. a libra a 200, 240 e 280 rs. J
r'arinha. c
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-1
to nova, a 35000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,'
85500 c 95000.
Coi.
Cb, temos nestes gneros o melhor possivel,"
hyson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 25700.
Dito h\ son muito Uno a 2WO0.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira qualidade a 25500.
Dito mais baixo a 25000 e 15600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacele.
O masso com 6 vellas de espermaeete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libras de passas novas pro-
prias para mimos a 45 c 25300.
Noies.
Nozes, a libra 160 rs. e arroba a 45000.
Aloisia e patuco.
Alpista e painco, a arroba 45009 e a libra a,
160 rs.
Carlas.
Cartas finas par jogar, a dtuia a 255 O.
C asimilas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra a 200 rs.
Azeilonas.
Barris com azeilonas novas a 15500.
Maoleijja.
Manteiga superior, a libra a 15000.
Dita mais abano a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijes.
Queijos uovos viudos neste vapor a 35200 ej
35500.
Ditos londr.js muito novos, a libra
15000.
Papel.
dffeSerfeja boa, marca, a oOO rs. a garrafa, e a i Pape, a|maco paalado a rosraa a 4380.
S>v h a -TYU Dito dito lizo de liuho, a resma a 45300.
Xm' ;"eld?f'"l'rlgam,ali' Wo ^ peso lizo pautado, a resrt
,'X Hai rftftnninlm vuiamairn rmenne a Kfif re a .^........
Marrasqumlio verdadeiro, frascos a 80C rs. e
I a 15200.
)(;hain|-.ine, a duzia 205000, e a garrafa a
> 25000.
j Aznto refinado portuguez e francez, a garrafa
' a 15000.
Caixa do vinho Bordeaux muito superior, a
75.85,95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75 a caixa.
-Ditas com dito lagrimas do Douro verdadeiro,
a 205.
> Di las com duque do Porlo verdadeiro^a
, 85000.
\ Ditas com chamisso superior, a 145-
'Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 125.
$ Vinho do l'orto da pipa, a garrafa a 640, 720
? e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caaada a 3200,
l 35500 e 45, e a garrafa a 500 e 560 rs.
5Dito da Figueira, das seguintes marcas (.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (5. M.) a caada a
\ 45300, e a garrafa a 560 e 640 rs., desle
que j est engarrafado e lacrado com o
rotulo do armazem.
^Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35500 e 45000, c a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
{Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
resma
25500.'
Dito de embrulho, bom a 15 e 15-00.
\ inli Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 e 25000.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, eominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com G velas de carnauba refinada a,
480 rs.
Ameudoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de Itmpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Gran.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 25000, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs. ca-j
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos Idos.
Charuto; finos dos melhores fabricantes da.
Bahia por diversos precos, caixa e metas!
.. caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, que deixam de an-
a
nunciar-se.
g^Hi
4TTBNC.H
AO *
NOVO ARMAZEM DE MOLHADOS
\. I*llua do cabugu. 18,
Defronte da matriz de Santo Antonio,
& c.
DE
Lima
O proprietario deste novo estabeleciment avisa ao respeitavel publico, que acba-
sp. prvido de um completo sortimento de motilados e seceos, todos novos e por precos
oo :n modos.
O proprielario nunca quiz annunciar pelo jornal a existencia de seu estabeleci-
tiionto ; porm, como fa-se necessaria a noticia aos senhores de engenlio e agricultores,
nandam seus portadores directos a esta ou aquella casa, motivo pelo qual os'pro-
prielarios o fazem agora.
Aproveitam aoccasio para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
iii '.ato se achara sempre completo de um variado sc>rtimenlo de molhados. seceos e ou-
r > objectos periencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos serao menos 5 por cento do que em onlraqualquer parte, e para
eslft fim chama-se a attencSo de lodos em geral.
Os pesos e medidas, equalquer engao dado na casa, serao garantidos pelo dono
i>in favor do consumidor, em qualquer occasilo que reclamar.
Os proprietarios deste novoesiabelociraonlo esperam dos seus freguezes, e do
publico cm geral toda a protecrao, promettendo os proprietarios da Flor dos Progfs-
as tirar to smentc um fiero razoavel do laborioso trabalho, com que possam dar
i; ni primelo a esta ardua misso.
Adiando desnecessaria a publicacao dos ptecos minuciosamente explicados de
s8us gneros, com o que geralmente loaos fogem, pelo motivo nao somentede serenfa-
donho, como tambem por nada valer, os proprietarios t seos consumidores com gneros novos, e pregos^rfbts razoaveis do queem oulra qual-
quer parte, pois serao as garantas para a protn-cao ao Novo Armazem de Molhados.
FLOR DO* PROCiltEftftOS.
VLNHOS.Imita?ao dos vinbos de todas as
qualidades, Extracto de Medac, dose para 230
litros, 1 f. 25,de Borfleai, 2 f., de Pomard, 3
f.,de Lisboa, 1 f.,de Cataln, 2 f.,de Porto,
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 23 ou 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar Com o alcool e agua
os vinhos cima e todos os outros. A dose para
500 litros, 50 f.
CLACIFICACAOPos tnglezes, pos dos vinhos
da Hespauha, da Franca, etc. A libra para 500
litros. 5 f.
COLORAQO.-Pnrpiriglne
viotoos brancos e vinbos claros
para 500 litros, 16 f.
a
NEM COROAS NEM MITRAS
E
para colorear os
As das libras
AGUARDENTES.-Essencla de cognac para dar
as aguardentes ordinarias o sabor e o aroma de !
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIUSCHEABSLVTHO.-Essenciade kirsch e
de absintho, para os fazrr com alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 5 f.
LICORES.Extractos para fabricar se todos os
licores conhecidos sein fugo nem alambique, (in-
dicar-se os que se dsela.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES para, fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para 20 ou 25 litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encommenda
GRANDE AKMAKElfl
RA DO IMPERADOR M, O
Junto ao sebrado em qne ora oSr. Osberne, I
Datarte Aluieida *Sl C, receberam de sua propria cncon.Ecn-
da nals lindo c variado sortimento de Molhados, prcprloa
da presente estaco.
Ma^as brancas
UTEvNCILIOS de laboratorio e de chiraica.
Alguns de nossos agentes tendo falsificado e imitado nossas preparacoes, e engaado nossos
freguezes, deve-se exigir sobre as rolhas e rtulos as intciaes F. V. L. Paris,
0 modo de usar-so das preparacoes acha-se indicado no roalo.
As encomraendas devem ser acorapanhadas por urna letra sobre Paris ou qualquer outra cida-1
de de tranca, ou garantidas por urna casa conhecida.Dirigir-se aes Srs. Lebeuf & C. chimicos, ra \
lontmartre, n. 31, em Paris, ou a sua fabrica era Argenteutl, prs Paris.
Vendo-se na botica franceza, ra do Imperador n. 38.
CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGICO ~^
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSGQSO,
MEDICO, PARTEIRO K OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fimdio 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s l
aoras da manhSa, e das Ge meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
, Pharmacia especial komeopathica
No mesmo caosuttorio aa sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tiolaras de varias dymnamisacoes e petos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. i 20000 *
de 24 tubo&grandes. .. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
deQO tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e cora os remedi
fue se pedir.
Um tubo rvulso ou frasco de tintura de meiaonca 10'iQO.
Sende paraeima de 12, custaraos precos estabeleedos para as carteiras.
Ha tubos mais peqaenos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melbor obra da homeopatbia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr Jahr
dons grandes volumes com diccionario......... 205000
Aledicina domestica do Dr. Hering,....... 105000
Repertorio de Dr. Melle Moraes.......... .' 60000
Diccionario de termos de medicina -..,...],.. 35000
Os remedies deste estabelecimento s5o por demais conbecids e dispensam portan-
to deserem aoyamente recommendados aspessoas que qnizerem usar de remedios ver-
dadeiros/nergicos eduradores: ha. tudo do melbor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, notareis pela sua boa conservado, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparado, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Reeebe-seescravos para tratar de qualquer enfermidade oo fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciantejulga-se suflcientemente habilitado.
Otratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
"accionando a casa a mais de quatre annns, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
Paga-se20OOO por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operaces sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitfr aos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
Manteiga ingleza
da safra novavinda no ultimo vapor a l.ooo para sopa a melhor que se pode
a libra eem barril a 8oo rs.
rs.. a>libra eem barril a
Raatelga franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
Amendoas
t&ufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propies para mimos,
CartSes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
1 idades a 10300.
Chocolates
denodas as qualidades a 10000 alibra.
Presuntos ingtezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temjs velaos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Queljo
londrino o mais fresco que se pede esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro ea 900 rs, aretalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
e frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proonas para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qnalquer nSo pode vender por menes de
3tf a 20SOO.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a tttra.
dem hyssdn
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarella
par sopa, macarro, taJbarim e aletria a
480 rs. alibra.
COCHC
omuito afamadocognacPalBrandy i,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs a
duaia, e a 440 e 5o rs. cada um.
PAPEL
armaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
83 Ra Xova esquina da Cannoa do Carne e ra do Papel de botica
Cabng n. 8. I de excelente qualidade a 20200 a resma,
A directora desse estabelecimento o mais importante que existe neste ger.ero PAPEL
as provincias do norte do imperio, querenJo que o publico desta provincia goze das,azul e Pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
vanlagens que proporciona a fabricacao em grande escala e directa relaciio com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender anda mais barato
do que do costume como demonstra-a seguinte tabea :
desejar,
400 rs. a
precos
Fabrica re chpeos de sol
M.
Descont em du.
20 10
ta.
"/o
>
Chapeos de sol de panno a 20000.......
armacSo de baleia-a 20500 .
de seda armac5o de ac inglez de 20 pollegadas
40, de 24 50, de 26 50500 e de 28 60......
Chapeos de sol inglezes a balao 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 90, e de 28 103- 15 k
dem idem a balao de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26120, e de 28 130...... 15 /0
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam de alpaka, ditos debrim de lnho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes sao to vantajosos como os annunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caga, os quaes vendem-se igualmente em porco e a relalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
mar pelo prego que o estabelecimento retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia serao considerados como
a retalho.
^Chales de renda preta e bournus deguip pretol
A' leja da ra do Crespo n. 17,
DE
JOS COMES VILLAR
macarro, talharim e aleiria
libra e 40500 a caixa.
Yinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 40200
a garrafa ede 100 a 120a caixa, asmar
cas s5o as seguintes: Chamisso AFilho,
F. 4 M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Doure e outres muito.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Cr* bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mar i
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres em
metas caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
2,i sorte doRio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafoes
com 4 V* garrafas com vinagre a 10000 esa
ogarrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 eem
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2ors. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a iiord.
u ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9 3oo
caixa e 34o rs. a libra.
"to? ES. americaD0 em chaPa ajemaC^XraaS de 2a?roab'sT50*aScaiiae 60rs.
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
Veade a 13, 20, 30*, 40*, 50 e 605, capas e casacoes de gros pretos, chapeos
e chapelinas de palhae outras muitas fazendas proprias para a quaresma.
Jos Gomes Villar preteodendo ir a Europa tratar de sua saude espera que seus
devedores tanto do mato como desta praca saldem seus dbitos quanto antes.
Vinagre
PRRem aacoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novasdo mercado a 7,ooo rs. a caixa I
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o tainco
T&250 d Trcad0 a *4" -rs- a 1bra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muitonovasa 10000 ocento naruado Que!-
nado n 7, ra dolmperador n. 40 elar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE RICO
muito novo a 30400a arroba e 140rs. a li-
branaruadoQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n40e largo do Carmo n. 9.
QUEUO SUISSO
olSS*?00 rs-a libra narBad0
Os
Passas trito novia
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. alibra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. Vio
Frutas en calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata. J
a 600 e!0 ocaixae.
. GOMMA MUITO NOVA
em PKane"i,Snde e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba el40rs. alibra na roa do Coei-
rcarnm^TO,IBperadOrn-40e^
BOLACHINHAS
'"a lata' ^ defferenIes Quadadei a l^CO
QUEIJOS FLAMENGOS
dgoa00ueniemSi?,tm,Vap0r a^80oa a
GOMMA NOVA.
Em paneiros muito alva a 4,ooo rs. a arroba e 16j rs. c libra e compran-
do de um paneiro para cima se ar abatimento na ra do Imperador n. 40.
CHEG4R4M OSMODEBNOS CHOLES DE
FILO PRETO.
Superiores chuls de fil | reto chegados pelo nllimo vapor franez, a
loja dasroluimas ra dofrespon. 13, de An'onjo Correja de Vas orcel-
los & C.
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador o 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na roa do Imperador n. 40.
DE
DE
J. VIGNES.
fk B,-nna aW.* **' ~~ R,A DO HPERABOR IV. 55.
ina s^riorMaiip HhcJdos para que seja necessario instif sobre *
res que^ elles tm S?S e ga.ran,,as ^ *fferecem aos compradores, Validades este "cStei!
u te umf Slado ISK oC0n^isiado sobre ?*8 os & tem PParecido nesta pra^TX
aunca faIhar or v~m ti T 3ue o5edeeein a todas as vontades e caprichos das pianistas sem-
So?r'ocriKdOS ie Proposito> e-ter-S8 feit ltimamente melhoraiBentos n^D.
Jets aos ouXClrsa4rec^o^qaanl0 M ^ meld0SaS e flaUtdas> e "0I sto 52-
mrwSS^.Ca?f?l?e as encommeBdas, tanto nsta abrie como m do Sr. Blonel de Paris w
N mS t\\lg?es' T C8ja "P^1 foram semPre Premiados em todas aaTSeSj*
preces commodos e raioaveis.
F.
-


-i'
'
... ~~y, uu, oipiouuiuu o y*riauo sonimento e msicas dos
como tarmoaicos e pianos oarnaonicos, sendo wdo veadide por
-----------------------------------


BlarU de
...
teta felva de Mar^o de !&

r

1
Fazendas preUs yara a qua*
resma.
Xa lela do Pavo.
Acha-se este estabelecimeotocompletamente sor-
tido de fazendas pretas propriaspara a qaaresma,
a saber :
Grosdenaples preto largo muitissimo encorpa-
do, oulros mais estrenos leudo dos presos de
1*280,19600,1*800, 2*, 2*400 e 3*. superior
moreanlique preto a 3*, superior sarja preta hes-
panhola, superior setim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soulembarques muito bem enfei-
tadas, ricas vasquinas e casacos dos mais moder-
nos que tem viudo, superiores manteletes, camisi- de todas ,s eores a 600 rs Q C(mdo .- rna da ,
has com manguitos propnas para luto e ricos1 ratP1, |io Ari ArQ KR
Glande liquidafto de fezen-
das finas, ruadalmpe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de Louren^o P.
Mendes Guimaraes.
Fazendas para o carnaval.
Vende-se velbutina de todas as cores a 800 rs. o
covado, ganga encarnada a '160 o covado, sarjelim
de cores a 280 o covado, alpaca de cores propria
para vestuarios a 320 e 360 o covado.tafet de seda

18 PUBLICO
em o menor constran-
glmeato se entregar*
Importe do genero que
no agradar.
ATTENCftO
Os precos da seguirte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
chales pretos de rede, ludo isto se vende mais ba-
rato do que em outra quahjuer parle por ser a di-
nheira : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As ronpas do Pavao.
Acha-se neste estabelecimento um grande sorti-
ment de roupas feitas para hornera como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
ratriz, loja da Arara n. 56.
Chitas baratas a 240 rs.
Vendem-se chitas finas a 246 e 280 o covado, \
chitas francezas fioas a 320, 360 e 400 rs.', cassas
finas de cores a 326 e 400 rs. o covado, percalas
finas para vestidos o 500 e 360 o covado : ra da
Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Caries de vaubraias, a Arara vende a 3.
muito fino e forrados de seda a 22*. 25* e 30*,' uw i* ?!?,** f"**^fiD" bTTll
ditos forrados de alpaca a 14*. 16* e 20*, supe- %U *&>?"**' ,dne MM8 trin fln" *
.r^ mWm. a *;.. i'IT, romo so-' **> cortes de chita de 10 covados a 2*400, ditas
na loja da Arara, rna da Impera-
300.
riores paletots de casemira tanto saceos como so- "*> < ,
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-:" <*"
res, ditos de bnm de todas as qualidades, colletes. J"*I1-{H)-
de casemira pretos e de cores, ve'ludos, setins; Arara vende corles de casemira preta i
ARMAZEM NIAO M
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da Coneeico)
PARA BEM DE TODOS.
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos desienovo estabelecinjento, e mais que tudo a promplidao e intei-
etc, sendo todas estas obras cortadas por um dos ] Vendem-se cortes de casemira preta a 3*500, reza com que serSo tratados, convida a uma visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccao e preferencia na com-
^Z^^S^iST^^r!^: &t^'!wS*Xilo! !feoore" Pra 0J 8pJ 1ue Prej-sarem. e quando nao possam vir podar*) mandar seus porUdores, anda que estes sejam pouco praticos,
Imperatriz n 60 de Gama & Silva 2* : ruada iinperatriz, loja da Arara d. 56. P01Ssera0 la0 Dem servidos como se viessem pessoalmente, bavendo para com estes toda recommendakao, aflm de que nao vaoem
outra parte.
Chitas em caries con 0, 11 e 12 covadcsi Panno de linho a 640 rs.
Na loja do Pavo vende se uma grande porgo Vende-se panno de Iinho para lenges e toalhas fan,p;ffa ;n(Tip7a P-iwialment.
de cortes de chitas bocezas sendo claras e escu- a 6i0 e 70, hamburgo a 500 e 560, bramante de, M*uieiM nyeA eapeciaimenie
ras todas de cresli xas com 10 covados a 3*200,; 10 palmos de largo a 3* e 2J500 : ra da Impe-! .OOO e 800 rs. a Hora e em I
ratriz n. 56.
Arara vende os baldes a 35 e madapolo
com 11 covados a 3*600 e com 12 covados a 4*,
pechincha para se apurar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da imperatriz n. 60. j
Brande llquidacSo.
escdliida a
barril se faz
abatimento.
a -Uv dem franceza a mais nova do mercado a 9 lo
Vendem-se bales americanos a 3*, 3*500 e 4*, rs< a |bra e qoq rs. em barril oumeiS.
ditos de musselina a 4*500, pegas de madapolo rhh H up'rFnr nnMaAeT fiAfi
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas balate a 4*. dito de 24 jardas, largo a 6*000,: Lh*lf?e suPenor (lualldade a 2>G00
do Pavo de Gama & Silva 16*500' 7,S' *&'?* 10* c 12*' Dnos' a'8dao,pe' ,J- *
Acha-se^S^^SS^L^ wWU*^ e*: rua *P'*. loja|Ch5^0la ?"8 SUPerior d merCad a
Udo de fazendas inglezas. francezas, allemaas e aa Arara ,;ii. ~a 2,800 r. a libra.
suissas, propnas tanto para a praca como para o soutamoarquespreosa zw i iQm hysson muito superior em latas de 15
mato, prometiendo vender-se mais barato do que MJ,ene,-*e soulambarque preto de grosdenaple a ^ { propr0 para negocj0 a 2,ooo
em outra qualquer parte, principalmente sondo em 26* ejo*, pas preus _de g"tenapfo finas a | ^ JjjJ^l UF'1U *M A ueKuuu d a'uuu
porgo, e de todas as fazendas do-se amaslras,
deixando flear peohor, ou mandam-se levar era ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
Caniisinliasa 1$,
Vendem-se camisinhas cora manguitos, send.e
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato prego de dez tustoes cada
ama : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60,
pe Gama & S:lva.
Cortes de cassa a 3.
Vendem-se muilo bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada corlo, com desenhos muilo delicados
pelo baratsimo preco de ;*'10 o corte : s na
loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Cambraias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-s pe^as de rambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo oree,o de
4* tendo 8 1|2 varas cada peca, ditas muito finas
a 7*, 8* e 9* a pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 7*, 9* e 109, ditas
Garrazes fazenda mulo encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 2*600 a pe-
ca : isto na loja do Pavo rua da Impojatriz n 60,
de Garaac Silva.
Os vestidos do Pavo.
Grande pechincha a 3*500.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imitaco de tarlatana cora muitos
delicados desenhos, muiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 3*506cada um,
sendo fazenda que sempre se vendeu a 7*, na loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a i c a 73
N.. loja do Pavo vendem-se ricos cortes de vesti-
dos Marta Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de 4* e 7*, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por baver grande
porco, na loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60,
de (jama A Silva.
Os eifeiles do Pavo.
Vendem-se os maismodernosenfeitespara cabega
de seohora: na loja do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As essas te Pavi.
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padroes raludinbos e grados, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porgo : na loja do Pavo,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As lazinlias transparentes a iOO rs.
Na loja do Pavo veadem se as mais modernas
laziohas transparentes, sendo de listas miudinhas
a imitaco das sedinhas, pelo barato prego de 400
rs. o covado ; ditas eofesudas de uma s cor e
ditas de salpiquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de mangas : na loja do Pavo rua da Impera-
triz n 60. de Gama & Silva.
Ricos soutamnar^ups te Pavo.
Acaba de chegar nm rieo sorlimeoto de sou-
tambarques de grosdenaple preto muito bem
enfeitados, que se vendem pelo barato prego de
JO*, 24*, 2o*, 30*. Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em conta : na loja do Pa-
vo rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezasa 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para calcas, colleles, paletots, roupas para
mangas : na loja do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama i Silva.
Aos vinif mil covados de lia.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo cora llstras e quadrinhos miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para lulo, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Maria Pia, tendo de todas as cores, e
alcumas proprias para lulo, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, isto por haver uma grande
porgo : na rua da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Hara pia,
tirande pechincha a 10000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Marra
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, bendo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 10* o cor-
te, ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 10&, ditos de cambraia
com barras bordadas a crox no ultimo goslo, po-
lo barato prego de 6* : na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 80, de Gama & Silva.
Cassas de linho a 3GO rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para criancas, com
muito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato preco de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas lisas.
20*, 25* e 30*, sootambarque de lazmha a 7* e
8*, ditos de alpaca brancas a 8* e 10*, ricos ves- dem bysson nacional em latas de 1 e 2 li-
tidos Mara Pia de novo gostoa8*, 12*, 11*, | bras a l,6oors.
AraraSirUa da Imperalriz'loja e armazem da | dem preto o que se pode desejar neste ge-
Cirande sortlmento de roupa
felta.
Vendem-se paletets de casemira de cores a 5*,
ero a.2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
, 8* e 10*, ditos pretos de panno tino, sobreca- j Cbouricas e paios a 8oO rs. a libra,
sacas a 12*, 14, 16* e 25*, paletots saceos pretos Coslelletas inglezas a 64o rs. a libra, serve
de panno a 5*, 6*, 8* e 10*, caigas de casemira tpmnprar nanella ou nara fiamhre
preta a 4*. 6* e 8*, ditos de casemira decora! Pafa temperar paneiia ou para uamore.
't*,6* e 8*, ditos de meia casemira a 3* e3S500, Queijos do reino ebegados neste ultimo va-
ditos de bnm e ganga a 2* e 2*560, ditos de brim por a 2,200 rs., ditos de navio de vella a
branco a 3*500 e 4*, cohetes de todas as qualida- i 2,ooo rs.
teKV^^^ londrinos muito frescos e de superior
de linho de pregas largas a 3* e 3*500, ceroulas ... a ... r
a 1*280,1*600 e 2*. paletots de brim de cor a 2* qualidade a 8oo rs. a libra.
e 3*, ditos de alpaca preta a 3* e 3*500, ditos de! dem prato a 8oo rs. a libra, e inleiro se faz
alpaca branca a 4*500, ditos de alpaca de cordao j abatimento.
*n,:?!arIDhwJ,eJ!LL?3.di^.dS.p!p!Li Idem suisso o mais superior que tem vindo
640 a duza : na rua da Imperatriz, lojadaArara; .. moi.Mli i ,. uk
numero 56. O propietario da loja e armazem da! ao "lertauo a o*o rs. a HDra.
Arara declara que todas as suas fazendas se vende Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em perfeitoestado, como os compradores peder" em latas hermticamente lacradas a 6io.
examinar; a loja osla abe ra at as 9 horas da Fe5o veT(le muil0 superior a 640 rs. a lata,
noite : rna da Imperatriz, loja da Arara n. 56, de /-_ i.:j.j, t-
Mendes Guimaraes. CoPos lapidados para agua a 5,ooo e u,5oo
Arara vende bales de arcos a 3,000.! rs. a duza.
Venoe-se baloes de arcos a 3*, 3*500 e 4*. lin-; Idem 1(lem Para vinno a 2* rs->e 2,*00 TS.
das golinhas para meninas e senhoras a 240e 320,1 a du/.ia.
camisinhas a 1*, 2*, 3* e 4*500 : na rua da Im- i Chocolate francez bespanhol e suisso a 900,
peratriz loja da Arara n. 56 4 000 e { 2oo a ,bra
Grande liqnidacao te roupa fe.la e seroulas Espermacele superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
a 10600.
Vende-se paletots de casemiras de cores e pretos
a 5*, 6*, 8* e 0*, ditos sobrecasacos a 12*, 14*,
16*, 18* e 20*, caigas de casemira preta a 5-5,
6*, 8*, caigas de casemira de cor a 5*, 6$ e 7*,
caigas de brim de cor a 2* e 2*500, paletots de
brim de cor a 2*. 2*500 e 3*, paletots de alpaca
preta a 3*, 4* e 5*, colletes de casemira preta e
brim de cora 1*500 e 2*, camisas francezas a
2* e 2*500, dilas inglezas de pregas largas de li-
nho a 3* e 3j500 e outras muitas roupas feitas
que se vende barato : na rua da Imperatriz nu-
mero 56.
Liquidado de madapolo a peca a !.'>.
Vendem-se pegas de madapolo entestado de 12
jardas a 4*, madapolo inglez de 24 jardas a 6*,
7*,S*, 10* e 12*, pecas de algodo a 5*, 6*, 7*
e 8*000.
Arara vende cobertas a 2$.
Vend-se coberlas de chita a 2*, ditas de da-
masco a 4* : na rua da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Arara vende cortes de casemira preto a 35.
Vende-se cortes de casemira preta a 3*, 3*500,
4*, 5*, 6* e 7*, dita de casemira de cor para cai-
ga a 3*, 4*, 5* e 6*, panno preto para caiga e
palelot a 2*, 2*500,3*, 3*500, 4*, 5* e 6* o co-
vado, casemira preta fina setim a 2*, 2*500 e 3*
o covado : H-rua da Imperatriz n. 56.
Arara \ ende chitas finas a 240 e 280 rs.
Vonde-se chitas finas a 240 e 280 o covado, di-
tas largas a 300, 320, 360 e 400 rs. o covado, cas-
sas francezas finas a 320, 360 e 400 o covado, per-
calas finas para vestidos a 500 e 560 o covado :
na rua da Imperatriz loja da Arara n 56.
Vende-se na Arara cortes de brim a 1$600
Vende-se cortes de brim de cor a 1*600 e 2*,
ditos de meia casemira a 2*500 e 3*, ganga para
caiga e palHots a 500 e 400 rs. o covado : na roa
da Imperatriz n. 56.
Arara vend'chitas para coberta a320.
Vende-se chitas para coberta a 320 o covado,
ditas francezas a 360 e 400, chapeos de sol de se-
da a 6*500, 7* e 8*, chapeos de panDinho a 2* e
2*500, e outras mollas fazendas que se vende por
baratissimo prego para apurar dinheiro a loja est
aberta at 9 horas da noite : na rua da Imperatriz
n. 56, loja da Arara de Lourengo Perelra Mendes
Guimaraes.
Grande sorlimenln de fazendas baratas na rua da
Imperatriz loja e armazem do Arara u. 06, de
l.niirenco Pereira Mendes Guimaraes.
O proprietario des te estabelecimento retirase
para a Europa a tratar de sua sade, por isso vai
fazer de novo uma liquidago para feixar contas.
Aproveitem a occasio freguezes.
Cortes de chita a 2-5 iOO.
Vendem-se cortes de chila fina a 2*400,3J800 e
3200, ditos de cassa Iranceza a 3*000, ditos de
cambraia de babados a 3000, pegas de cambraia
branca a 3*500, 4J50O e 6*000. Rua da Impera-
triz loja do Arara n. 56.
hiendas pretas para a qnaresma. Grosdenaple
a 10600.
Vendem-se grosdenapt? preto a 1S600, 1*800,
2c000 e 29500, dito do 5 pumos de largo a 3;000.
Moranlique preto fino para vestidos a 3*000 o co-
vado, sarja hespanhola a 2j500 o covado. Rua da
Alelria, macarr5o e talliarim a 4oo rs. a li-
bra e 6,000 a calxa. .
Massa para sopa : estrelinba, pevide e rodi-
nba branca ouamarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancoretas de 9 caadas a
35,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,000 e 3,8oo.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,000 e 3,Soo.
Vinho branco para missa em caixas de 1 du-
zia a 8,000 e 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz I, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,000,
12,ooo e 10,000 a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherex de superior qualidade a 16,000
a duzie l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meias latas.
Bolachinhas inglesas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francez muilo proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas cm caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs, a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Uolachinh d'agua e sal, da fabrica de Joao
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por 2, Soors.
Ameixas francez is em f asco de vidro com
tampa do me sin o, a I .'loo.
Ameixas franc zas em caixinhas de diversos'
tama .los com bonitas estampas na cai-
xa exterior, a 1,4o1), l,6oo, l,8oo e 2,ooo
cada uma.
Azeitedoce refinado hespanholou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e 10:000 a caixa.
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra*.
75o rs. o frasco e
Vendem-se as mais finas lazinhas de nma sol Imperatriz loja do Arara n. 56.
cor, tendo grande soriimento : na Iqja do Pavo,
roa da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavo os
mais ricos chales de renda com tres ponas, sendo
todos pretos, e tarabemeom assentos de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tem vindo a este
mercido, ricamente bordados e cercnlados de um
elegante bico preto de mais de palmo de largura;
estes modernissimos chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem orna elegante vista sobre
um vestido de qualquer cor, assim como muito
proprios para os actos da qnaresma : vendem-se
nicamente na loja do Gama & Silva, rua da lm-
peratriz-n. 60, loja do Pavo.
Soutambarquesdeoor na loja
do PaTHo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais ri-
cos sonlambarques oe cores, sendo os mais bem
enfeitados que lera vindo a este mercado, com
adornos de velludo, seda e setira, renda, etc., s
avista do grande soriimento que os freguezes
podem dar.o verdadeiro aprego a esta fazeoda, e
vende-se por difiranles precos conforme a quali-
dade : na loja do Pavo de Gama e Silva, ruada
Imperatriz n. 60.
Bitas oambirpefas.
Vende-sena rua Novan. 61.
Bramante le linho a 2.'00.
Vende-se bramante de linho para lengoes, de 10
palmos a 2s500 a vara, brim liso a 500, 560 e
640 a vara, sarja de la preta para caigas e pali-
toB a 640 e 800 o covado, alpaca, preta a 300, 600
e 800 o covado. Rua da Imperalriz lojado Arara
n. 56.
Snlambarpes a 8)9000 e 103600.
Vendem-se sutambarques de ISazinha a 7*000,
8000 e 10*000, ditos de grosdenaple prele a
0*000, 25*0(50 e 30*000, capas pretas a 20*000,
2jjOOO e 30}000, vestidos de barra de mussulina
a '2*000, 14*000, 16*000 e 18*000. Ruada
Imperalriz leja do Arara n. 56.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800,1,000 e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vera ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e 64o e 7oo ris a gar-
rafa.
Genebra de Hollauda a 48o rs. a botija de
conla cenia. .
Frasqueiras de genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo ell,ooors. a frasqueira.| Conservas inglezas a
Caf do Bio de Ia qualidade a 28o rs. ali-; 8,000 a duzia.
bra e 8,5oo rs. a arroba. | Va>souras de escova para esfregar casa a
Caf do Cear muito superior a 24o rs. ali-j loo rs.
bra e 7,5oo rs. a arroba. | Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Arroz do .Maranhao de Ia qualidade a loo Molho inglez em garrafa de vidro comrolha
rs. a libra e 2,8o a arroba. do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a.Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. I a 800 rs. o frasco.
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar- Mostarda franceza era potes j preparada a
roba. 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,oooa Lentilhas francezas, excellente legume para
arroba. sopa a 2oo rs. a libra.
Massade tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de uma libra e 56o rs. a reta- M a garrafa e 11,000 a duzia.
lho. Palitos de denle a 14o rs. o maco.
Sal refinado em frascos de vidro com tampa
do mesmo, a 5oo rs.
Cerveja branca das marcas mais acreditadas
que \ em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,5oo a du-
zia.
Gevadinha de Franca muilo nova, a 2oo rs.
Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposic5o Normal de H-ivana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em h eias.
Charutos finos de diversas marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhas de Havana, intervallos. Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
Cognac inglez das melhores marcas, a 800 e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a ,00o a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8ooo cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grata.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refutada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada uma.
Buibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivas em ani*.nr.>1na grandegdo
8 garrafas por 600 e 800 rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada uma ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra, p
Figos em sexAmhas a 80 rs, cada uma e 72o
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
tatas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 000 rs. a
garrafa.
Rara lbC5
Acham-se venda nalivraria ns, 6 c 8 a
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE POBTA, abrangendo o
Kalendarto civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dostrilu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIBA eoutendo o
mesmo que aquella e mais nma nova
Salve Rainha em versos, o Stabut Kaicr
em verso, devocSoao agonisanie. cj
de Jess, cntico em louvor 1
mo Bosario, cntico a Virgem .
sa Senhora, trinta e tres chist
dotas, um indito poema sol
turas de um cozinheiro,- o ca
solteira (poesia), crescido mu.
ximas e pensamentos, uma historia e'tffcn
muitas (romance), e vinte cinco novas**
pilhericas charadas a 320 rs.
0 GASTELLO BE GRASYILLE
Tradnzido do franeez per A. J. C. da Crnt.
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baratissimo preco de a^iOO :
ua pra?a da Independencia, livraria n:..
6 e 8.
Precos que admira.
Sapatos de tranca superiores teto I arait> prfeo
de 1* o par, e duzia 10* : no vigilante, ua Cu
Crespo n. 7
Bico adamascado de todas as larcuras,; rrra
com 10 varas, cada pega a 400, 4tf0, 0 e tl.O
rs. : no vigilante, roa do Crespo n. 7.
Colchetes em carto de uma e duas rarn:;:'
perfeitas, pelo barato prego de 40 e CO rs. cada
carto, e duzia a 400 e SCO rs.
Pentes para atar cabello, aduna a 1*200, MHt,
2*,3*,4*e5*.
Balaios propriameme para costura e tara Bpoe.
tas, e para menina trazer no bragoa !*S(!0,i*CO.
1*800, 2* e 5>*500.
Perfumara, macar perola a 2*, 2*200, 3* e
4* a duzia, oleo de mozinha a 5* e 6* a dlto,
banha a 3*, 4* e 5* a duzia. Estes oljerirs >e
vendem por admiraveis precos em coii.=eqnerfia
de serem arrematados dos salvados da barra fran-
ceza, pois affanga-se a poura avaria e a bra qua-
lirtade : ?6 no galo vigilante, roa do (n-spo r>. 7.
Piano.
Vende-se por metade de seu valor um pisno fe
Jacaranda quasl novo : na rua -da Coneeigo nu-
mero 20.
ESCB1Y0S FGIDOS.
POTASSA
Vettde-se potassa em barris a eommedo prego o
na rna da Cruz n. 23, primeiro andir. eseriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
Vende-se a casa de molhados Da rua da Im
peratriz n. 34, por seu dono ter de retirar se para
tratar de sua saade, az-se todo o negocio : a fal-
lar na mesraa cima.
RIVAL
Sem segundo,
Rua do Queiuiade, n. 49 e oi. E' para admirar.
Carrelis de I rana com 130 jardas......
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60..............................
Dito dito de 60 a 200..................
Novellos de linha grandes com 400 jar-
das.................................
dem idem brancos e de cores de 100
jard.s ...............................
Livros para assento de roupa lavada...
Cordao branco para espartilho (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de boles de puuho todos de cores
Tinteiros de barro com tinta...........
Tesouras para costuras Unas e unhas
Ditas para costuras com toque d'avaria
Escovas para limpar (lentes muilo finas
160,200e..............................
Caixas com 100 envelopes das melhores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso...................................
Cadernos de papel pequeo ( e a reta-
Iho)..............................
Meiadas de linha frouxa para bordar...
Pares de sapatos de tranga........
Massos com superiores grampas para
senhora.............o............
Frascos de macaga perola muito suerior
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................
Ditos e garrafiohas de agua de Colonia
muito fina.................>.....
Ditos de banha a Ganbaldi e da familia
imperial.............2...........
Pegas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade..................
Pares de ligas para senhora as memo-
res .... ..........................
Pegas de Meo! frarfcezes e renaas.....
Frascos de asna dentifrice muito supe-
rior..............................
Caixas com 4> papis de agulhas a balo
e Victoria........................
Libras de la sendo de todas as cores...
Bonecos vertidos e tambem de choro...
Caixas cora superiores obreias........
Ditas de linha de gaz com 50 novellos..
Enfiadeiras de fita para espariilhos.....
Carrelis de linha de cores com 100 jar-
das.............................
Pegas de cordao imperial............
ATTENCO.
Vende-se chita franceza larga a 260 rs. o cova-
do : na loja do passeio publico n. 5, sobrado do
Sr. Mala.
60
120
100
80
30
100
20
160
120
100
400
200
320
64
600
20
20
1*500
30
200
500
400
900
240
320
320
800
200
6*000
160
40
800
60
20
40

a \m:i o
a 3*500 : na rua larga do Rosario n. 50, taberna
di esqnina que volta para a rua estreita do Ro-
sario.
Milho a 4,000.
Na rna larga do Rosario n. 50, tatema da es-
quina que volia para a da estreita do Rosarlo.
BOTICA E DROGARA
Barlkolomeu Francssco de Souza C.
i\Rua larga do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
Pilulas do Dr. Laville.
Pilulas do Dr. Alian. .
Pilulas do Pobre-hornera.
Pilulas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pilulas vegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrlna deCh Albert/
Injecgo Feaugas.
Agua dentifica de Desirabode.
Papelchimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos anti-epileticos de Brost.
RobL'Affecteur.
.Yarope do Bosque.
Ungento Holloway.__________________
Pechincha Da nova loja de fazendase
roupa IVila nacional, rna da Impe*
ratriz n 72.
Pechincha a 240 rs. o corado de chita.
Vendem-se chitas de cores flxas a 240..280 rs. o
covado, ditas francezas largas a 300, 320, 360, 400
e 440 rs. o covado ; pegas de madapolo fino a 6*,
7*, 8*, 9* e 10* ; pegas de algodo a 5$, 6*, 7$
e 8* : rua da Imperatriz n. 72.
Roupa feita nacional.
Vendem-se patitos de cazemira preta e de cores
a 5*, 6*, 8* e 10*, ditos sobrecazacos a 129, 149
e 16* Palitos de brim de cor a 2*500, 3* e 3*300
rs., caigas de cazemira preta a 63, 7 e 8#, ditas
de cazemira de cOr a 5$, 6* 7, e 8* ; coletes de
cazemira de cores e pretos e ditos de brim a 1*500,
e 2*500 rs.,; caigas de brim de cor a 2*, 2*500 :
rua da Imperatriz n. 72.
Soulambarque de cores a 7, 8:> e 10o.
Vendem-se soulambarque de la e seda para se-
nhoras a 7j, 8* 10*; ditos de grosdenaple pre-
to a 20 e 25* ; capas pretas a 209 e 25* ; vesti-
dos de la a Maria Pa a 12*, 14* e 16* : rna da
Imperatriz n. 72.
Corles de cazemira preta a 3$.
Vendem-se cortes de cazemira preta para caiga
a 3*, 3*500, 5* 6* e 6*, ditos de cazemira de
cor a 3*, 4*, Btf, e 7*, ditos de brim de edres a
1*600, e 2*, ditos de chitas finas a 2*'.06 e 3*200,
ditos de cassas franceza a 3* : rua da Imperalriz
loja do barateiro n. 72.
Fel|S
Na rna da Madre de Dos o. 9 vende-se feijao
mulatinho, dito tranco, e dito preto, mais barato
do que em outra qualquer parte, approveitema
pwhiDrha qoe a qoiresma bate porta.
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na rua do Queimado n. 49 e -V> lujas de miudc-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por pregos mais barato do que em
outra qualquer pane, quera qozer ver o que ba
bom e barato ve.nha a loja do Rival.
Latas com superiores banha............
Frascos de vidro com superior banha..
Pares de luvas de seda* muito finas
Enfeites do melhor goslo que tem vindo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira.
Pulceiras do melhor gosio e modernas.
Volta para pescogo do melhor gosto....
Baralhospara voltarete, finas a 200 e..
Varas de franja branca de linha que
tem muta serventa...............
Duzia de peonas d'ago muito superiores
Frascos de oleo Bboza muito finos.....
Talheres para meninos a melhor quali-
dade............................
Diversos livros, todos religiosos a 100,
200.................................
Duzia de colheres de metal muito finas
para sopa...........................
Duzia de colheres de metal muilo finas
para cha........................
I Grosas de botoes de osso para ealga...
, Grosas de botSes madreperula para ca-
rniza..............................
Grocas de botoes de lotfga prateados
muito finos......................
Varas de babado do Porto sonido.....
Dnzias de lapes diftereates qualidade a
240.............................,
Quadernos de papel de peso muito fino.
Resma do mesmo papel.............
Duzia de facca e gario muilo boas....
Sabonele de espuma muito superior...
Capachos compridos e redondos muito
bo8..<...........................
Ditos para sof......................
Pares de suspensorio muito boos e para
acabar..........................-
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa............................
Creio para dezenho de tedas as qua-
lidades...........................
Cartas de alfmeles francezes muito su-
periores..........................
Caixas de colchetes francezes a 40 ris
Duzia............................
Carreteis de reros com quatro oltavas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade.............................
200
240
320
2*500
1>280
500
500
240
060
060
200
240
500
2*400
1*500
200
500
200
060
400
034}
2*000
2*400
040
500
2*000
[10C
500
020
100
360
800
Furo na noite do dia 4 do crreme da easa
de Jos Pedro do Reg o preto Manoel, esrravo de
Manoel Gomes da Conha, senhor do engenho lfa-
caco do termo de Naiareth. o qual tem e* signae*
segointes : rosto redondo, barbado, rheio do *-
po, com falta de denles no lado superior, quebrado
do umbigo, tem cicatrizes as nadegas denotando
ter sido cestgado, Ievou vestido ramrsa de abjodSo
riscadoazul e caiga da mesma fazenda : quem o
apprehender leve-o a casa do mesmo Jos Pedro
do Reg, na rna das Crnzes n. '8. ou a rua da
Cadeia do Recife n. 86, de Leal & Irmo, corres-
pondente do senhor do dito escravo.
Escravo fgido.
No dia 24 de dezembro prximo passado fiigio
o preto Braz.com os signaes segrales : t;aixo,ae
corpo regular, sem barba, cara larga, rrn mcijxs
verrugas em cima do olho direiio, levou carrea
de. algodaozinho e caiga de azolo, e nutra de t>e-
ta verde, chapeo de palha, o qual lalvez j letla
mudado, costuma andar muito de vagar e i.ma
pela pe. ud eMiueraa por causa de solfrer de dor-r
rheumaticas, e foi escravo do Dr. Olmda Campcl-
lo : quem o pegar sirva-se lvalo a iua das Cru-
zes n. 32, padaria, que ser bem recompensgdc.
Aos eapitaes de c?ni|ie.
Fugio no dia 27 de fevereiro deste anne. de ca-
sa de seu senhor o escravo Sebastiao, crioofo, fu-
lo, com id.-fle de 22 a M annos, foi escravo do
senhor do engenho Quandus da comarca de Santo
Anto, d'onde linha vindo para esia rhtade a 8
dias, de presumir que segulsse para Taqnariiin-
ga aonde tem mi e irmos, levou raiga e camisa
branca bastante suja, altura regular, cabello a es-
covinha, cabega pequea e redonda, testa gande e
bem cantuda, ollios prelos e regulares, nariz cha-
to, bocea regular, beigos regulares, dentes lodos e
limados, nenhuma barba.apenas um pequeo bigo-
de, corpo bera limpo, ps regulares e pomo lar-
gos : roga-se portanto aos Srs. capilaes de campo
a apprehenso do mesmo a entrega lo a rua d
Imperador n. 83, segundo andar, defronte do cor-
re io, que se gratificar com 50*.
Gratificado de 100$
Fugio dos abaixo assignados no dia 8 de Janeiro
deste anno o seu escravo rrioulo de nome Jos*,
com os signaes seguintes : cabra esc uro, cabel-
los caraprahos, estatura baixa, cheio do corpo, ps
largos, e faz um geito as pernas quando anda,
muito pouco barbado, e tem uma cicatriz bem vi
slvel em um lado do qneixo; quanto a roupa nio
ha signaes por ter levado mais do qoe a do corpo.
mas o chapeo do Chile Garibaldi ; cujn escra-
vo compramos junio com ontro ao Sr. rapitao Sil-
vino Guilherme de Barros, e este senhor os tiavr
comprado ao Sr. Joo Cabral, morador em Naza-
reih. Consta-nos que o referido escravo antes de
pertencerao Sr. Cabral, fra de om senhor major,
morador no Brejo d'Areia, onde o dito escravo
casado e tem filhos, tendo ltimamente morriitu
a mulher. Sabemos com certeza de ler passadb
este nosso escravo em Pao d'Alho com -dirercjro
quelles lugares : roga-se portanto s autoridades
policiaes e a qualqner particular a captura do
mesmo escravo, e trazerem-no aos seos senhores
nesta praga, rua da Imperatriz n. 46, refioago,
que se gratificar com 100*.
Luiz da Silva Ferretra & G.
200
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
UL$ a lata : nos armaiensda rna do Im-
perador d.16 e raa do Trapiche Nevn. 8.
Negro fug to
Est fgido desde o dia 27 de fevereiro deste
anno o preto Joaquim, de nace Angola, que foi
escravo do Sr. capito Francisco Joaquim Caval-
eanti Galvo, morador em Hara Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do an-
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques coro
armazem de assucar rua de Apollo ; levou ca-
misa e caiga de algodiotraneo, representa ter de
45 a 50 annos de Idade, alto e de grossura regu-
lar, cor fula, cabega comprlda, quuxos largos,
olhos amortecidos, beigos grossos, sendo o supe-
rior um tanto defeituoso, bastante barba, poim
raspada, finalmente tem nma grande costura mire
os peitos proveniente de queimadura, e suppo>-se
ter-se dirigido para o norte, d'onde veio : gratil-
ca-sea qoem o apprehender ou denunciar o coito
em que esliver : na rna da Cadeia do hecife nu-
mero 52.
Aviso ~
aos capites de campo c a polica.
Desappareceu em pjiocipio do miz de cuiuhr
do anno passade, de bordo do palbabote raciona!
Araujo talo, dous escraves de nones Riberjr
(por apellido Macei), e Miguel ; o Io de idade 45
annos, pouco mais ou menos, rrioulo, cor fula,
| estatura baixa, barba serrada, um pouco torio das
pernas, e com alguns cabellos hiam <.-, tapio na
I barba como na cabega ; o 2 alto, cheio do corre,
sera barba e falla grossa, representa ter de 25 a
30 annos, cojos escravos deieonfia-se andarm pe-
los arrabaldes desta cidade : quem os apprehen-
der queiram levar a rua do Trapiche n. 4, que
serfc generesamenle gratificado. ___ ____
Negra fagida.
Ansenloo-se no dia 5 de marfode casa de seo
senhor rua do Mondego n. 2, a gsrrava de non*
Thereza, preta fula, alta e cheia do rurpo, vlstnsa
e despachada, 6 natural do serto e consta que ain-
' da est na praga, levon bastante roupa : quem a
! prender e entrega-la ser bem recompensado.
Tu rr*\id
J


*3
Diarlo de FernamhHco Unala letra de Har de 805-
LiTTEH ATURA.
Poesa de mae. por Francisco
de Azevedo Castello Braneo
Mires, l'eofant, qui joue volre senil joyeux,
Plus fiie. qive les eurs, plus sereuqu; lescieux
Vous conseille l'amour, la pudeur, la sagesse.
VlCTOB HUGO.
I
Comecra calmoso o mei de agosto de 1863, e a
pe.iueoa aldeia de Luso se'melhava um colmeal
p lo murmurio dos forasteiros, que para ali linharn
findo convidados pela frescura do Dussaco.
todas as povoacof.s circumvisinhas appare-
ejSm familios en magotes de todas as feicos.
urna par'e surgia urna familia, que recorda-
vi a poca palriarchal, nao s pela gravidade das
fas, como pela simpleza dos transportes, resig-
i jumentos,
outra parte despontava oulra familia com
la palla e desiinccao cm cavallos soberbos, no-
1o se ao lado das damas varios mancebos mei
-Jos cm diftlculdaaes de picara, o que Ihes dava
urna idea appi oximada dos centauros.
Das bandas de Vizeu, todos os dias transpunlia
>carnes da serra um vehicnlo medonho, s cem-
inravel a um hippoplamo gigaute. Doventredes-
.-..-: alimarij, urna manhaa sahiu a numerosa e fes-
u\a familia de D. Anna de Campos. Eram quatro
. luis, um filho pequeo e um velho tropego, que
nao servia ja seno de pretexto para viagens a
ierra de banlios. ,
Todo esse gento tomou pela estrada, que leva as
|.oii:inas da malla, em direccjio ao convento, aon-
dj eslabeleceu urna vivenda fresca e potica, uo
dizer da familia Campos, bem como no de muilas
uessjws entendidas.
r^o pateo do eonvento achava-sc maita gente de
robos os sexos 5 era grande o folguedo, unoceo-
le sobretodo, porque estes sitios mais queridos da
uatreza teem a propriedade de tirar do intimo
.lo liomem dos sublimos ou tolices raras. Aquella
erlic dizia adoraveis ingenuidades, admirando o
Oreaor, e elogiando a temperatura. O appareci-
uwnio das senhoras Campos augmentou a alegria
uaquella roda.
Gomprinentaram-se as pescas conheudas, c-n-
uvseapresentacdes francas e affectuosas. Al-
urjf sugeitos prendados foram buscar aos cubi-
clos flautas desabridas e cav-quiulios chorami-
Hs' Os sons argulos dos instrumentos ecboavam
Has recintos da floresta, e creio que Pao devia sus-
pirar no antro onde se acoita, fugindo as muiu-
dCs de fraque, bigode e cestos de vitualhas.
msica ua verdade era de tal modo primitiva,
l&bo envergonhava, cerlanicnie, os sete canu-
do (leus dos bosques. Os homens comprehen-
Jiam a situagao.
!*f urde, a bella soriedade subiu a encosta da
,,pelos meaivdjos trilhados asombra do vastas
.-fcaflas de arvoredo. O sol, penetrando a custo as
..jeos espessas, pareca pendurar redes de ou-
(0 fes francas verdes, e alguns nos furtivos a-
rnMJValcar as gragas de multas meninas provin-
0^.e o sol nao podia era doirar as gracas dos
jjal radores.
Chegados Cruz Alta, os velhotes discutiam
sobre os bispados,que d'ali se abrangem. D. Rita
de Campos mostrado mar ao longe, e fallou sobre
o infinito. Algumas meninas estavam calladas, e
eslendiam o olhos vagamente pelo horisonte.
Caba agora aqu urna descrpcao do por do sol,
em que se chamasse aquelle astro leo adormeci-
do, Sardanapalo moribundo, ou outra imagem de
alliiido lOle.
Oirei gmente que o sol baixou sobre as ondas,
qne os ltimos raios deram ama edr triste mon-
lanha, que a genio da Cruz Alia comecou a comer
marmclada com soreg de espirito.
Esto a verdade.
Ueve notar-se que D. Rita de Campos nao acei-
tou o mimo oTerecido por um galante, e flcou em
posicio scsmadora. As meninas murmurando,
ctiamavain Ihe romntica e sorriam.
O. Anna de Campos boa mae, sincera velha, pe-
' din que nao teimassem com a filba, porque era
.Inda quelles negocios de melancolas e exquisi-
tc<-;'.
Esta confissao foi acolhida com esgares poucu
li.-ongeiros para D. Rifa. Ao fechar da noule, des-
een a comitiva pelas ladeirasda serra, camiaho do
pateo do convento. A noute eslava quente e ape-
nas urna levo aragem, passando pelas carvalheiras,
desprenda um sussurro como o das azas de um
bando de pombas. A la appereceu eminento
wiatta e phantazia, leva va a gente perdida pelos
sitios encantados, chelos das bellezas e sonhos das
Jadas celias. Quantas visoes nos embaliam as
leudas da Germania tudo se podia ali naquella
lio: a abrazar na realidade. O coracao banhava-se
nos perfumes do sonrio de urna noute de esto de
S!akspeare. E' sabido que era crenca do norte,
que ao cantar do gallo repentinamente se escon-
dlam lodos os espiritos bemfazejos ou nimigos do
'liomem. E i.-to tambera se pode ver no Bussaco.
Um cavalheiro da beira galanteador, pimpao,
como um gallo, propoz um jogo de prendas, e im-
medialamente sumu-se aquelle mundo de encan-
tos erguido n'uns minutos de silencio.
O tun melanclico de D. Rita cada vez se torna-
va mais notavel, e a saa desiinccao enlrou a servir
de chacota para algumas pessoas de senso com-
mum, tolo e acauhado. A dita senhora foi manda
da para a berlnda por ser muito romautica. A
rae horria de ver que todos davam com a mama
da filha.
II
Ora entre os forasteiros residentes em Luso sobre-
1 sahia^m mancebo formado, havia poucos mezes. O
bacharel era elegante e cultor dedicado d.is bellas
letras. A poesa era a deusa, que mais votos Ihe
mereca.
Nao perlencendo esta classe de poetas app.i-
centemente ferozes, de olhar sibilino e gestos ex
traordnarios, era por consequencia bem acolhido
em allengo a sea tlenlo c sua natural delica-
deza. Recitava ao piano na casa da assembla de
.Luso, e escrevia nos albuns das meninas doces
anacrenticas. Como D. Rita fosse por algumas
(essoas tida na coala de mulher de espirito e de
muita iustruccao, foi com estes dotes apresenlada
ao poeta.
Em demoradas conversas nos passeios maltas
horas devanea vara os dous em nuvens lamartinia-
nas.
Alguns acrediiavam, que o poeta andava namo-
rado de i>. Rita As meninas nao tinham a mesma
opiniao, vendse preteridas por urna mulher de
trintaannos ecom defeitos, resultantes de orna mo-
lestia de pello. Os despeitos avoltavam os defeitos
de D. Rita, creando um partido, que eslava promp-
to sempre para rir dos ditos della mais ou menos
presumidos.
Cbamavam-lho poetisa da Fonte-frla, tRevolucao
franreza (facto a que ella muitas vezes alludia) e
ootras rousas disparatadas, de que nao tinham idea
muito precisa. .
O poeta por alguma gente era tido como disfrnc-
lador, porque nao conceoiam que um sugeilo pu-
des-e aturar urna tal cataplasma.
111
D. Rita era de'fima familia abastada, os bens da
casa nao lentavam os farejadores de bons casamen-
los. Passara a edade de ouro dos dezoito annos, e
a pobre menina nunca senta bater asportas de sea
palacio incantado um homem, que desejasse parti-
Ihar de seus sonhos, preso pela harmona de am
coracao virginal.
Corridos os vinte annos achon se assentada sobre
ruinas com a solidao ero volla de si.
Com ama alma fadada para o amor e orgulho
batante, D. Rita procurou melos de fazer Morir
anda os restos de sna vivenda de Armida. e foi
Eedir aos livros os segredos dos incantamentos.
endo ao acaso sem direceo de urna mao amiga, a
feilura fez de ama mulher ignorante, mas natural,
urna basbleu exquisita; em vez de urna flor esqae-
cda, appareceu om torlulhodoloroso.
Quasi nlnguem conhecia o drama desia mulher,
e por isso eram muitos a rir da parte cmica.
Por toda a parte onde aparecesse, comecou a ser
a fbula da gente. O despeito as mulheres e o
s?ns i alvar nos hmeos eram implacaveis com esta
senbora. O poeta comprehendeu, aperar de bacha-
rel em qne sagrado canlo do coracao lancavam
raiz a< miserias de D. Rita, magoada pelas mofas
ordinarias -, e, respeitando a vida dramtica da-
qiiella alma, passava longas horas com a triste se-
nhora.
as conversares enlre amigas, mosirava le-la
em consideracao, o que era julgada cynica irona.
(Conchnrte-ha,)
baile, e eu ouvi a ordem' do delegado de polica
para que todos tirassem as mascaras.
Como o mea coracao pal pita va de anciedade I .\.
Como eu sentia a minha alma transbordando em
prazer e alegria I...
DM POICO DE TUDO.
IM EPISODIO DO CABKAYAL DE 1863.
Eram 9 horas da noate de 6 de fevereiro de
186o.
O sali do theatro de Santa Iabel, assim como
lodo o theatro. eslava atulhado por myriadas de
mascaras de lodos os sexos, gostos-e edades.
Ao romper o slgnal da orcheslra para a primei-
ra contradanza, os mascaras qae passeavam no sa-
lo e varanda, desappareceram para se entregar
ao delirio da danca.
Eu tinba flcado s no salo, sentado junto a um
trem, considerando.... nao sel em que.
Rompeu nevamente a msica, a contradanza
principiou, e eu dirigi-me para o baile.
Qae canos!
Que borborinho I
Que quadro arrebatador, deslumbrante e seduc-
tor, apresentava entao o theatro !___
Que immensa desordem na arte de Terpsicliore I
Risos; zombarias; facecias: ditos picantes; ci-
me, ; odios; amores ; emflm, todos os sentimenlos' velha e hedionda messalina
sea regresso, ao palz natal, em consequencia de
nm accidente de caca.
O barao de Ablaing, qae vijjou na Abyssinia
dorante tres annos, que sabio o rio Branco, o rio
das Gazellas, e chegoa depois de 50 das de jornal
J todos tinham lirado as mascaras, s om*'da alm de Karthoum, onde nenhum europeo ti-
anjo anda se conservava : poucos minutos depois nna aja(ja penetrado, que de oilo companheirbs da
Homero perdido, .0 qae queres, qae faca a teu
respeito? dsts aos ootros a fortuna que possulas,
unieo meio de se adquirir crdito, honradez e no-
neslidade perante os homens I
E o qne fostes procurar para tua familia, para
teas fllbiohos? descrdito, forae, e miseria hor-
rvel I
de peccaflor I.... vos leudes j bem provado a
vossaorigem e o vosso poder todo divino e entao
bastar urna vossa palavra, deste lagar mesmo em
que vos dignastes oavir as preces de um indigno
peccador, para que a cura seja prompia e se fina-
lise tao horrvel padec ment I -. Eu tambem,
Senhor, na minha insgniflc'ante autoridade, mando
foi-se agglomerando a roda de nos urna multidao viagem Que linna> so d0U5) quc eram mademofseI-1 ,Ds,M ^ outros. ^ne dvias dar ao5 'eus; ^e Isio se faca, e a consa" feila ; mando qae si-
de pessoas, conservando urnas as mascaras na mao Ie Teino e 0 sabio a,|eraao Heug|in (que andavam
e outras que nko se linham mascarado. | proCnra do donlor Vogel), poderam com elle
Parecia-me qae todos queriam gozar o meu pra- voltar a Europa> esleve [ambeni) coino Speke e
zer e a minha alegria | Dumon() de Urvle, para ser victima de um acci-
0 circulo em que eu e o meu anjo nos acbava- denle, no da seguinte sua chegada a Taris.
mos pouco a pouco se lornava mais compacto. Na occas|l0 em que no da 16 d corren|e .
De repente a mascara cahe daqnelle rosto que vessava a roa de Rlvoli, na altara da ra de Echel-
ea imaginava lo bello, e oh I espanto I .oh hor- ie, foi atropellado por urna carruagem.
ror I... Oh I decepcSo das decepgoes !... urna das rodas forlu-o oo rosto e a outra pas-
Uma uoisona gargalhada rompeu de todos os la- SOu-lhe por cima das coxas.
dos, e a mais cruel apupada me foi prodigalisada 11 Mais feliz que os intrpidos viajantes que cita
.................' mos, e gracas aos cuidados do Dr. Favrot, as suas
A mulher que tanto me tinha enlevado, era ama feridas nao |DSpram nqoietacSo seria.
qae o coracao humano pode experimentar, ali se
achavam em completa fuso.
Sentel-me para melnor contemplar este quadro,
que na minha mente comparava com a celebre
descrpcao da Comedia do limbo por Balsar, at
que a contradanza flnalisou.
De repente vejo-me cercado por qualro masca-
ras, que me atormentavam horrivelmente.
Quiz fupir. porm qual I... Agarram-me e obri-
gam-mc a sofTrer novamenie e com toda a pacien-
cia, o mea martyrio, o qual comparava com o sup-
plicio de Tntalo.
Resignado cem a minha sorte, la a sentar rae,
quando um outro mascara vestido de vivandeira, e
que trazia um lindo bouquet na mao, se approxi-
mou ao grupo, e, offerecendo-me o seu braco, dis-
se-rae com voz harmoniosa :
Meu caro, quero ser o teu anjo salvador.
Em seguida, por urna inexplicavel influencia
exercida para com os meus atormentadores, pass-
mos pelo meio delles, que porfa nos abriam a
passagem, e eu todo orgulhoso lancei-lhes um olhar
de desprezo, e principiei a passear pelo braco do
meu anjo salvador.
A alvura do pescoco, a delgada cintura, o p pe '
quenino, e o bem torneado braco que eu apertava
de encontr ao mea peito, davam a conbecer que
forzosamente quem taes bellezas posssuia, devia;
ser no rosto urna virgem digna do pincel de Ra-'
phael.
Passados uns dez minutos, em que guardamos
completo si encio, o meu salvador parou, e voltan-
do-se para raim perguntou-me :
Ests comprometido para esta valsa f
Nao, respondi-lhe eu.
Pois entao dansa-la-has comigo.
Acceito com todo o gosto".
E continuamos a passear.
Eu senta um enlevo tal, ao ouvir o som da sua
voz, que quasi estive para ceder teutacao de Ihe
perguntar : i
Quem s ?
Porm a discrlzao venceu e ea guardei silencio.!
Dize-me porque ests tao triste? coBtinuou o!
meu anjo. Estars apaixonado '.'
Nao. respond eu.
Pois olha; acredita que este tea obstinado
silencio faz sofTrer alguem que te
Como ? atalhei eu vivamente.
Que te ama-----Porm deixemos a conversa
para iogo e vamos v'alsa.
com effeiio, na nrr.hestra executou-se urna linda
valsa, e logo aos primeiros sons, eu me sinti insen-
sivelmente arrebatado, e lancado no meio do torbi-
Ihao dos dansantes, de envolta com o meu anjo.
Havia j alhom tempo que durava a valsa, e eu
nao muito affeito a lo rpido movimcnlo, j me
sentia bastante encommodado; a vista faltava-me>
e a cabeza eslava j completamente transtornada.
Tres vezes me esforcei por me ver livre de quem
tanto e anda maior soffrimenlo do que o outro me
fazia experimentar, porm foi debalde.
Finalmente a msica cessou, c eu sem o sentir
achei-me no vestbulo do theatro, e pouco depois
transpunba os umbraes do boleqaira com o meu
anjo.
Gostei tanto do leu modo de danzar, disse r*e
elle, que te quero offerecer este bouquet.
E juntando a accao s paiavras, eotregou-mc o
bouque: que era formado de alguns craves e rosas,
e que no p tinha um grande lazo de Ota encar-
nado.
Quasi^que ao rcceb-lo o comprimo de bejos,
porm fui mais ousado: segurando a mosinha
que rao apresentava (sem mesmo a despojar da
luva de pellica branca) beijei-lh'a seffrega c vida-
mente, ao que o mea anjo nao se mostron insensi-
vel. Depois subimos, e eu pergunlei-lhe se queria
lomar alguma cousa.
Simplesmente um sorvete, disse-me elle,
l'edi e fui logo servido : j me dispunna a per-
guntar-lhe o seu nome, quando o bando que me ti-
nha atormentado appareceu no topo da escada, e
pouco depois veiu Junlar-se nos.
Se at ahi os detestava, agora anda mais; pois
que me privavam de saber o nome do meu anjo.
Querem sorvete? perguntou-lhes elle.
Queremos. Responderam os quatro mascaras
em coro, soltando em seguida urna estrepitosa gar-
galhada.
Nao te direi, leitor, o quanlo aquella gargalhada
rae encommodou : porm, vendo que eram pessoas
mohecidas do meu anjo/com prazer paguei os cin-
co sorvetes com os nicos dous mil ris que me
reslavam, recebendo de troco quatro centos ris, e
desci no meio dos diabos, e acompanhado por um :
anjo.
Mas. leitor, que horrvel deeepcao me aguardava
anda : Rompeu outra contradanza, depois um'
schotiskt, depois nraa valsa, urna polka, e eu dan-
sei sempre com o meu anjo todo, tudo, at que em.
fim j me achava canfado, porem a soa voz anima-
va-me, e eu nada sentia quando ella fallava.
Era quasi mela noute, quando urna menina ves-
tida de polaca, porm j sem mascara, me vem
perguntar se eu dansava ama valsa com ella, mas
en, encarando o meu anjo, vi-e fazer um movimen.
to imperceptivel com a cabeza, e vista delle re-
cusei.
Ficmos sos, e eu, conduzindo-a a urna cadeira
disse-lhe:
Permitta-me que Ibe peza um favor. Tire a
mascara.
EoQe e sahi immediatamente : a colera e o des-
peito tinham-me transtornado o semblante, e tornei
a resolucac de ir desafogar esta pnmeira ao hotel
Trovador, n'um pooco de pexe, viohoe pao, e de-
pois de carbonisar alguns charutos at os reduzr
a cinzas, entrei em minba casa, deitei-me, proles-
tei nao mais tornar a cahir em outra, e na manhaa
seguinte fui a egreja do Corpo Santo lomar a
cinza.
O bouquet
mora.
anda o conservo, para eterna me-
tu bem sei que ests ancioso por me conne-
ceres, portanto logo a Uro : responden ella.
Ao menos nao seja tao cruel: pego-lbe enca-
recidamente que me diga quem .
Basta que eu lbe diga, que soa ama pessoa
que o ama, e muito
Nao sei o que me impediu de me lanzar aos seos
E' do Sr. 1. M. S. estas bellas
SAUDADES
Vou soltar meu triste canto
No geraer de urna saudade ;
Queimar as faces com pranto
No verdor da mocidade.
Vou 1er a pagina escora
Que da morte a mao segura
Sobre urna lousa escrevea;
Relembrar um branco lyrio
Que do tufo no delirio
Resfriado emmurcheceu.
Oh I morte, porque tao cedo
Me roubaste a irma querida ? !
E' fatal esse degredo
Que rompe os lazos da vida.
Coitada I louca de amores
Pelos filbos, nos ardores
Da orpbandade os deixou.
Seus tilhinhos, que ella amava
Como a linda estrella d'alva
Ama a aurora que raiou.
Inda parece que a vejo
as ancias dessa agona
Em que da morte o adejo
Sua face entristeca.
O brilho ardente dos olhos
Eram agudos abrolhos
Traspalando o coracao ;
E convulsiva, sem tino,
Comprimi a lei do destino,
Desceu da morte mansito.
De pranto a face me inunda
O recordar dessa hora.
Minha irma, quanlo profunda
Esta ilr que eu sinto agora I
Quanlo me doe a lembranca
Dos enlevos de crianza
Que me prendam a ti 1
Da linda flor da existencia
Os perfumes de innocencia
Foi comligo que fru.
Quem nunca vio am tormento
Lancinante, agudo e forte,
Veoha ver um s momento
1,atar a vida com a morte.
Ver um pello estremecido
N'um crucianle gemido
Contrahr-se, esmorecer 1
E j sem eflr, de improviso,
Perdida a forma do riso,
A flor dos labios morrer !
Perd da vida o encanto
Nesse momento fatal.
Da pallidoz no quebranto
Eu vi da morte osignal
Meu corazao palpitante
Por minha fiel amante
De receio estremeca;
E n'um carpir sem consolo
Vergando s dores o eolio,
Enlre prantos repeta.
Minha irmaa, oh I minha amiga
E' cedo anda, nao vas :
Por leus filliinhos, atteode
Da saudade os ternes ais.
Desvia os golpes da morte, *
Que a lousa fra de mais.
Minha irmaa, filhos no mundo
J sem mae na tenra edade,
E' um penar sem segundo,
Que dura e triste a orpbandade.
Minha irma, da sepultura
Nao se eneberga a claridade.
Minha irmaa..... mas era tarde
Sea corazao resl'riou.
Pendeu a fronte sem vida,
Minha esperanza lindou.
Meus prazeres, mens enlevos
Com ella tudo acabocu
J nao tenho nos meus bragos
A minha amiga fiel I
Pois ludo fez em pedazos
Do deslino a rao cruel.
J nao existe da morte
Bateu nos frios umbraes,
Como o navio sem norte
Vae bater nos areaes.
Como a vaga suspirosa
Que na nraia se quebrou,
A minha amiga extromosa
Sera alent desmaiou.
Minha irmaa, l nessa altura
Levanta os olhos a Dos
Pela amarga desventara
Dos tenros tilhinhos leus. '
Se la no co sao ouvdos
Os ais que as faces descoraro,
Quando ouvires uns gemidos
Sao leus Olhinhos que chorara.
Que clioram dura saudade
Do calor do seio teu,
E na friez da orphandade
Mandam gemidos ao cu.
Minha irmaa, por ti pranteio
Ascruasdoresda ausencia,
As saudades que eu aoceio
Enturvam. minha existencia.
Guardarei meu triste canto
as foi has do corazao,
L onde borbulha o pranto
Da fatal separagaa
Le-se em ura jornal de Londres:
Ha na vida de certos homens acontecmentos
que fazem acreditar na fatalidade.
Toda a gente sabe qae o celebre Damont de
ps, ao ouvir taes paiavras, porm co'ntive-me, e,' Urv'"e, tendo exposto a sna vida, um sem nome-
resignando-me, esperei que o baile acabasse. ro de vezes> nas SQas vigens roda do mundo,
Leitor ou leitora 1 Confesso-te ingenuamente toi' final> viclima de simples accidente de
caminho de ferro, nn Ihe poz termo i existencia"
qae, sem saber quem era aquella mascara, amava
o meu anjo..................................
Anda bouveram mais polkas, valsas, cootradanj
sas, etc., e eu dansei ludo, at que afina! a musice
cessou. annunciaram-me qae se tinha floalisado o
Tambem de ve recordar-se que o sabio ioglez
Spekejdepols de ler percorrldo a frica, durante
tres annos, com Granl, e descoberto as origens do
Nil', correndo os autores perigos, succumblu, no
L-se no Echo da Juventude :
o JOGO.
Jogo I jogo, que penetrante nome I
O jogo, tem a mesma forza.que o fluido magn-
tico, toca um corazo.lmove e removo em um s
momento Porm como nao estende sua forza mag-
ntica sebre todos os homens ?
Ah I bem rae lerabro, nem todos os magnelisa-
dores sobre todos podem eslender o seu poder.
Osjogadores sao raagnetisados; pois vvem no
mundo da illuso ; sao escravos, e consideram-se
senhores.
Quantas vezes, nao dizem : a ultima vez que
jogo ; felizmente, (dizem elles), eu domino os meus
vicios.
Podes dominar os teus vicios, nada mais louva-
vel, menos o teu senhor, o teu lyrannoo jogo !
O jogador esquecido, o que diz hoje, amanhaa.
.... Sempre em continuo labor, a chuva, calor e
sol, nada o detem, at mesmo as doenzas !
llavera quem mais goze, e quem mais soffra,
do que o jogador ?
O gozo do jogador o arrebata, o eleva ao mundo
da illuso V o dinheiro ; sent o prazer sup-
poe-se opulento; faz, e desfaz palacios em um s
momento, pratica actos da mais louvavel
dstes a outros o alimento, e aos teus meodici- gam. e os meus sobalternos seguem; mando que
dade! venbam, e elles veeir.; qaanto mais podis vos,
Depois desse horrivel e desastroso infortunio sup- Senhor,em quem reconheco todo o poderdivino!...
poes adquirir pudor I E como? Na vordade ainda nlo encontref ,an,a f em
suicidio0! ma'8 hurr,,ro50 e rePu8nantc or,,ne Israel, disse Jess Christo.-Ide, seja feito como
acredilastes I
s o homem capaz de suppor que repara Anda precisaremos de provas ma|s evjdenle9 d0
qoanto Deas esta' sempre disposto a perdoar-nos,
desde que Ihe recorremos com as rtevidas disposi-
, ces?... Nao sero bastantes estes dous imoorlan-
nenhum se priva, voluntariamente, da vida; s les exemplos do Evangelho de hoje?....
o homem capaz de am tal allentado. Todas as
crealuras obdecem ao instincto, com que o Crea- Clieguemos pois com humilde confianza ao tribu-
dor as dotou : s o homem se atreve a desobede- nal da graza para alli puriflearmos a lepra da nos-
Oh!
a infamia com outra infamia !
S o homem ousa privarse da vida!
Nenhum animal rasga as proprias entranhas,
cer-lhel
Todos parecem adorar a Providencia : s o ho-
mem se revolla contra ella
E o jogo, que faz o homem commetter um tao
horroroso allenlado! E' o jojo, esse lonco que
ouso perturbar assim a razo do hornera!
Para I para! jogar, nao des mais um passo.
O jogo esse louco o cancro mais devasta-
dor, que o homem pode sofTrer, que nao se con-
tentando em arruinar s a pcrsonalidade, arruina
a toda familia !
O jogador com a bolza devastada, e a razao car-
comida, desespera, Oca louco!
sa alma, e recuperarmos a estola da graza do bap-
lismo que temos perdido pelos nossos peccados I..
Clieguemos a' sagrada mesa e recebamos essa
Hostia consagrada, para que nos alimente e nos
fortifique no caminho da perfeizo e da paz, e pa-
ra mais nao cahrraos na miseria do peccado.
E' do Sr. R. A. Correia da Faria esta poesa :
CREDO.
A creDZ, que adoro, que amo de veras,
E's t qusm revelas prodigio de Deas;
E's t, Feiticeira, quem vejo dos Ceus
Dictando-a na ierra.
Aqu soberana aonde hoje inspiras,
Propalas um Deus e eu n'elle acredito ;
Teu rosto alianza, que rosto bonito
Mysterks incerra I
Se os olhos le ponho, parece mentira
Que houvesse um poder capaz de formar-te,
Mas t m'o afianzas, e eu louco em olhar-te
Seu nome bemdgo.
carida-! O astro mais re no cu quando gira,
de ; -flca soberbo, e ao inimigo suppe esmagar !
Emum s minuto de revez conhece a illuso,
s v phantasia ; e agoraurna pura realidade ,
clama da sorte, que s nasceu para ser pobre;
desespera-aborrece da vida ; a ameaza, e quan-
tas vezes nao se tem levado a effeito !
Porm corrigem-se ? Deixam de jogar ? E
como ?
O jogador nao tem forza para as cartas; empe-
nha at a sua propria personalidade s para obe-
dece-las ?
Oh jogador nao comprimas a tua liberdade,
esse dom apreciavel, que nem mesmo o Ser Supre-
mo quiz tirar ao homem; como conseoies, qne um
tyranna, que um despotao jogodella disponha,
como se fra de si proprio !
Cede lude, menos a toa liberdado ; porque o
homem sem liberdade nm ser Irracional.
O jogador de proflsso nao pode ler razao. Quem
me contesta esta proDosicao ? ninguem.
O jogador, que ganha contos e contos de res
queadquire em um s momento a felicidade, que
podia servir para si e para os sens; porque nao
aproveila, o que a fortuna Ihe concedeu ? Porque
nao raciocina ? porque nao quer, ou porque nao
pode ?
Por iue nao quer regeito tal proposico, por-
que nao ha enle racional, que nao qtfeira a felici-
dade : e de mais, nao um caso novo ou impre-
visto, que se podesse appellar para a irreflexo,
nao : isso tao commum aos jugadores, como a
successao das noutes aos dias; logo porque nao
pode.
Nao pode racionar, porque urna forza superior
o jogodetu.-pando Ihe a razo, tornou-o irra-
cional, ou para nao injuriar, privou-o de fazei ra-
ciocinio I
Tal o estado do jogador que ganha, e nao sabe
aproveitar I
O que perde, perde, e nunca ganha, que ordem
merecer em nossa analyse ?
Se eu podesse pintar as negras cores do papel,
Nao diz o que dize*, formosa donzella :
Mais fallam teus olhos, leu rosto o revela
De um modo prodigo.
Por ti eu caduco, mulher lo querida,
Ai sim, eu caduco por lano seysmar...
Nas grazas que lens, no teu meigo olhar.
No mago sorrisol
Se os olhos te ponho... ento confundida
Minha'alma presinto querer me deixar :
Em xtasis fico julgando rae estar
L no paraso.
Propalas nm Deus! eu nellc acredito:
Quem pode negar que t sejas filha
De um Ente supremo, que s maravlha,
Qual s, pode dar?
O homem que fr, acaso, maldito.
Que ouse negar leus dotes.. ? que tema
Viganza de Deus! atheu que blasphema
Qne deve esperar?
Tu' s feiticeira,
O anjo mais anjo;
Tu' s nm archanjo
Dos cus mansageira.
Sobro o Evangelho de S. Matheus Cap. VIIISe.
nhor se fr da vossa vontade, vos me podis curar.
Jess Cltrislo eslendcndo-lhe a nulo, o tocou, e a cu-
ra realisou-seescreve o Cruzeiro do Sul o se-
guinte i
TEOCEIRA DOMINGA DEPOIS DA F.PIPHANIA.
Que poder tem a fe de Deus, e a esperanza fir-
me em sua divina bondade, quando a Elle nos di-
rigimos em nossas oraches, para implorarmos sua
misericordia para comoosco I... :
O leproso do presente Evangelho, no seu com-
pleto abandooo de prenles, amigos e at na pri-
vazo da entrada no templo do Senhor, nao esmo-
recen e nao desesperou do hediondo estado a que
ess;> lerrvei molestia o reduziu, sendo objecto de
horror e de repulso para todos quelles a quera
elle se approxiraava, pelo temor que Ihes inspirava
o contagio!
Jess Chrislo tinha coraezado sua divina prega-
zao. e convocara os que sotfressem a vir a elle,
afim de os consolar. O leproso, com urna f viva e
inabalavel esperaui,-a, nao se demora*, aproveian-
qne representa, o homem que perde, o hornera en- do-se da primelra occaso que se Ihe olTerece, elle
che barriga de vadtos, estou certo, que ninguem
mais jogaria, para nao merecer o titulo de enche
barriga I
Se o jogador que ganha, nao pode racicionar,
porque a ambicio o cega, e a miseria com passo
de gigante o esmaga, o que podera fazer aquelle
que perde I
E perde muilas vezes o que seus incansaveis
paes, a forza do mais duro trabalho e nsnporta-
ves difflculdades pode adquirir com dignidade I
Perde nao s isso, mas ainda o pudor! Sem
pjo, ouve o mundo dzer : seus paes com hon-
radez, teslaram-lhe fortuna ; elle com infamia, a
seus filhinhos, a mais dura miseria I >
Ah jodagor, para!
Nao vs, qne com rapidez preparas o mais des-
astroso futuro para os teus!
Perde! perde I sem que Ihe abandone a amavel
companheira da vida a esperanza!
A esperarla fecunda ; nos alenta, e nos ani-
ma quando em nossas emprezas usamos da
prudencia. Quando fenece a prudencia nao des-
apparece a esperanza; vm, nao como esperanza
que nos faca, mas como traidora, que em vez
de amenisar os nossos males pelo contrario os ag-
grava.
adianta-se por entre a grande multidao que cerca
va o Divino Salvador, prostra-se ante sua magesto-
sa presenza, adora-o, ejexclama na humildade do
seu corazao:Senhor! O que e mpossivel ao Fi-
lho do Deus Todo Poderoso, que nos foi enviado se-
gundo as promessas feias a nossos paes I Se vos
quizerdes podis curarme desla horrivel molestia,
que me faz estranho em minha patria, separado
dos meus prenles, e at como que expulso do
Templo do Dees Vivo!
Foi bastile esta fervorosa supplica para Jess
Chrislo Ihe estender a mao dizendo : Eu vos
quero curar. E a cura immediatamente se reali-
sou com a maior admirarlo de toda a multidao
que acompanhava Jess Christo, que descia de
Ihes pregar na raontanha, e que nao cesssava de
dar gloria a Deus por tao grande beneficio
Como pois vos esmorecis, peccadores, em re-
correrdes a misericordia divina confessando vossos
peccados, que certamente teem tornado vossa alma
mais hedionda do que o corpo deste leproso? Que
terror vos detem em vos lanzardes quanlo antes
aos ps de Jess Chrsto no tribunal da penitencia,
onde elle sempre vos espera para vos purificardes
j dessa horrivel lepra com que o peccado contagiou
! a vossa alma ?... Nao vos reconheceis na figura I
Ella com a sua avellodada capa iraz envolta o i de leproso do presente Evangelho ? Sabei pois que
punhal herrado com que nos fere, e nos arroja na
miseria extrema I
Fatal esperanza I
Para que veos ainda contribuir para tanta mise-
ria?
Nao vez, que o homem sequioso de ouro s em
ti deposita confianza, e t com leus fingidos afTagos,
o precipitas nos vaivens da miseria !
E o incauto jogador, sera prever taes lazos, per-
esse leproso a vossa figura, e com vosco vos fal-
la o Evangelho de hoje, animando-vos para que
vos apresseis com humildade e confianza a virdes
presenta de Jess Chrislo no santo tribunal da
penitencia, como ento veio elle esse leproso, pois
que seris promptamento purificados, e recuperar
a vossa alma o Drlbo da graza divina.
ah... que vos detem?... Nao sera'bastan
le o exemplo do leproso de que acabamos de fal-
de o ouro,. perde o crdito; e sem os ler, snppe ,ar.vos? Pois **. Este mesmo Evangelho vos
qne os lera aprsenla outro exemplo de f viva coroado dos
Perde, perde tudo; e arada nos vastos cantos mals felzes resu,ud mas VQ5 aQmar
dos sumptuosos sales (onde o tyrano o 0 Cen[uriao
Jogo-seacha enfatuado com cara de despoja- Jesas Chrlt0 qQandc chegava a Capharnaum que
dor", at.rando a uns no lamacal da miseria e a |he vem ao eoconlre ,., ,as dacjdade "
ouiros, somente por momentos, no apogeo d ale- que dispense de ,aQta benficencia) obra
gria por causa do ouro, que d agui e d ali o cer- eom ,anlos outros a|guma para cm e|| dj
ca,) ouve o retumbar da voz do miscravel :-cor- d0.se curar um sea crifido de grande e5limacao da
racorra paralysia que tao horrivelmente o atormenlava.
Os companhelros ( nao do infortunio mas do TaDla era a deste Cenlurio, que Jess Chris-
ouro, que individamenle o arrancara) zombam, l0 se dignou atlender inmediatamente a sua fer-
scarnecera do sea continuado corra, corra do'vorosa s"PPlica. dspondo-se a acompaoha-lo ca-
desespero I ** Para cnrar do enfermo. Mas qual nao foi ao
E' pelo estado dos temples sagrados de um povo
que podemos coocluir o gru de moralidade desse
mesmo povo.
Aquelle que nao respeila a casa do Senhor, qne
a deixa cahir em total abandono, em um estado de
perfeita ruina, certamente que nao tem em seu co-
razao anlnhada a virtude da f, a base, o germen
primordial de toda a saa moral.
Entr nos, egrejas ha, que bastantemente depoera
contra os nossos sentimenlos religiosos, qne pelo
aspecto que apresenlam mais se assemelham a vo-
ltios pardieiros do qne a habiaces de santos.
Templos onde as imagens denegridas, as paredes
immundas e os aliares esbroados, fazem correr dos
olhos christos lagrimas de dr, ponderando no es-
lado misrrimo a que tem chegado as cousas da re-
ligio.
Aos prelados, as autoridades constituidas compe-
te velar, na phrase do apostlo, para que de urna
vez desapparezam esses escndalos, que nos fazem
passar por incrdulos aos olhos das nacoes calho-
licas.
As leis ecclesiasticas tem tanto zelo nlsto que
mandam demolir os templos que ostentam tal as-
pecto e a consiilulcao do arcebispado, levada do
mesmo principio, ordena : que os visitadores nao
havendo quem se obrigue a reedificar, ou ornar as
egrejas, se as derribe e profane.
Foi sempre esle o espirito do catholicisrao; e
basta compulsronos os annaes ecclesiasticos para
logo nos certificarmos desta verdade.
Nos imitamos tudo o que pessimo do estrangei-
ro, no enlante que ueste ponto delle nos arredamos
o mais que possivel.
Anda ha pouco o governo francez gasten cente-
nas de contos na reedificacao do magestoso templo
de Nossa Seohora de Pars; e os bispos dessa na-
Zo, sempre solcitos pelo bem-estar e decoro da
Esposa de Jess Chrsto, nao dormem, velando sem-
pre com pastoraes para que os seus templos se
mostrem dignos da Augusta personagem que nel-
les habita.
b' um dever de consciencia, urna grande respon-
sabilidade que pesa sobre os hombros daquelles que
tem a seu cargo a administraco de urna dio-
cese.
Por ventura a matriz do Engenho Velho, a
egreja do Parto, a de Santa Rita e outras que por
ah ha, nao se acham nas clausulas de que fallara
. as constituiz&es synodaes?!
A propria rapela imperial desta corte, onde e
cnlto deva ser acompanhado de toda a magestade
e magnificencia nao s devida ao Ente Supremo,
como para eslar de accordo com o pomposo titulo
que a qualifica, nao est fra das penas fulminadas
pela consumirlo do bispado, por motivo da pobreza
de seus paramentos e da falla total de roupa bran-
ca para o uso dos sagrados myslerios, nao havendo
se quer nas roupas da sacrista um conveniente
aceio- para os ministros do altar.
Ser porque a capell imperial est sob a imme-
dala administraco do governo civil?
Nao seria bom, a exemplo dos bispos de Franca,
dirgirem-se pastoraes e circulares a essas irma'n-
dades fazendo-lhes ver a obrigazao que tem de
aceiarem os templos e reedifica-los cora a ajuda
dos fiis?
Foi sem duvida alguma levado deste sentlmento
qu o muito digno vigarlo capitular do bispado de
Pernambuco escreven neste sentido o offlcio, que
aqu transcrevemos por inteiro, enderezado ao y ga-
no do Peoedo:
Quando era dala de 19 de agosto ultimo, respon-
d ao ofTino que V. Rvma. rae dirigi firmado em
10 do mesmo, relativo ao estado de ruina em que
se achava a o pella de Nossa Senhora dos Prazeres
da freguezia do Collegio, eoulras capellas dessa
fregoezia, cncarreguei a V. Rvma. de se dirigir em
meu nome aos respectivos administradores, e pe-
dir-lhes da minha parle que reparassem essas ca-
pellas, pois qne as constiinizoes diocesanas recom-
mendam mui especialmente que taes capellas te-
nham o asseio e a decencia necessaria casa do
Senhor, e at ordenam que, no caso contrario, se-
jam demolidas por ordem do ordinario. Recom-
mendei muito a V. Rvma. que appellasse para os
senlimentos religiosos dessas pessoas e envidas-e
todos os raeos ao seu alcance, a fim de se reedifi-
carem essas capellas, ou ao menos de se fazerem
nellas os reparos necessarios: e ttrminei o meu
ofBcio com o seguinte paragrapho :
< Em fim, eu tanto confio no zelo e dedi.-aro
com que V. Rvma. se ha de empeBhar para que se
fazam nessas capellas as obras necessarias, que
desde j o empraso para, no mez de dezembro
prximo, me dar urna noticia circumstanciada dos
reparos que cooseguio fazerem-se, e quaes as
pessoas qae mais o coadjuvaram nessas diversas
emprezas, a fim de que eu me dirija a cada ama
dessas pessoas, e louvando o seu zelo, agradeca a
docilidade com que se prestaran) a trabalhar a seu
modo na vinba do Senhor, e Ihes annuncle a felici-
dade qne nesla vida e na outra aguarda quelles
que dispendem urna parte da sua fortuna com as
reparacaes dos templos consagrados ao Deus (res
vezes santo.
Sendo pois chegado o lempo por mim aprasado
a V. Rvma., espero qae me informe em que estado
se acbm agora as referidas capellas.
Ora, nos qne conhecemos o espirito religioso das
irmandadej do Rio de Janeiro, nos que somos les-
terannhas dos sacrificios, dos centenares de contos
gastos com as obras de S. Pedro, da Candelaria, de
S. Jos, do Carmo, do Terzo, de S. Francisco de
Paula e da Misericordia, nao podemos duvidar um
s momento que os mesmos sacrificios se reprodu-
ziriam, se por ventura nma voz autorisada em no-
me de Deus Ihes fallasse ao corazao, anlmando-os,
como bons catholicos, a continuarem nessa gloriosa
empreza.
A Correspondeitcia de Portugal da' a seguinte
noticia sobre o resultado das operacoes do Union
Bank no anno de 1861.
Esle acreditado eslabelecimenio de Londres, iao
relacionado com o Brasil, acaba de apresenlar
assembla geral dos seus accionistas um bello re-
sultado das suas operazoes em 1864.
Consta do seu relatorio e conlas um augmento
de reserva de 67,000 libras esterlinas a 30,(100 li-
bras pelo locro que resultou do premio de 20 li-
bras por aczo, sobre a ereaeao de urna nova serie
de ltalos todos subscriptos excepzao de 62 pelos
portadores das priraeiras acfes que estiro hoje a
50 libras de premio.
Pode se fazer urna idea do favor publico que
Queres que corra ? Como? Cora que garanta ?, mesmo tempo a prova da humildade desta supplica estas aezes gozam pelos lucres, paga todas as
Supp5es ter crdito ? Fatal illuso!
Hontem tinbas ouro, hontem tinhas crdito! ho-
je, porque a mao inconstante da fortuna, negou-te
os beneficios, estaes sera ouro, eMaes sem crdito!
Hontem por leu ouro eras respeitado, hoje que j
nao o lens s ladibriado.
do Centonan, que ouvindo de Jess Chrsto as pa-' despezas, que montam nos seis ltimos rcezes a
Urnas : .Vamos, eu curare! vosso criado,, imme- *<*.i1^3'"^L^^'f fc,T,dL'r,d!5do.1e 2
' por cenio no anno de loo, relia a deduccao do
diatamente proslrou-se diante do Salvador implo- meme tax. 0
randa ja outra graza, a de nao acompanhar sua
casa, dizendo : Senhor Eu nao sou digno de qne =-. .. ,, .....;..-.!.--------
entrerf^tn minha casa, porque casa de um gran- PERNAMBl'CO.-TYPDE M.. F. DE F. & filho
'<



\
f
I11 cr
Wfl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZH338BHT_S3E550 INGEST_TIME 2013-08-27T23:20:10Z PACKAGE AA00011611_10613
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES