Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10611


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Mi
r *V*-"J-.*""."
PBHMP


AHITO XLI, HOMERO 54
?r fiartelfagt etire de 10 das do i. mez ...
Idea deteiM >4as Porte MwrreiOptrtmiiees...........

5|000
6J000
750
E.\CARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrioo de Lima ;
aial, o sr. Autouio Marques da Silva; Aracaty, o
r. a. de Lemos Braga; Cear, Sr. J. Jos de
oiiveira; Maranlio, o Sr. Joaqulm Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves A
Minos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Cosa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL
Alagoas, o Sr. Claudine Falro Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martina Alvs; Rio de Janeiro, oSr. Josl
Ribeiro Gasparinho. <
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagSes da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Igaarass e Goyanna as segundas e sextas feiras-
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar
Altinho, Garanhuns, Buiqoe, S. Bento, BomCon
selho, Aguas Bellas eTacaratt, as tercas feiras
Pao d'Alho, Nazareth, Llmoeiro, Brejo.Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella,Cabrob, Boa Vis
ta, Ouricury.Salgneiro e Ex.nas quartas feiras
Seriuliaem, Rio Formoso, Taraandar, Una, Barrei-
ros,Agua Preta e Pimenteiras, nasqaintasfeiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para alisanir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARgO.
4 Quarlo cresc. as 9 h., 59 m. e 16 s. da m.
(2 La chela as 8 h., 22 m. e 10 s. da m.
20 Quarto ming. as 10 h., 16 m. e 22 s. da m.
27 Loa nova as 3 b., 8 m. e 22 s. da m.
TERCA fEIRA 7 DE MARCO DE 1865.
- Por anno pago dentro de 10 dias do l.'mez
ror anno pago dentro deludas do 1.mez ,,,.,.. 191000
Porte ao correio por um anno.............. 3$000
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do coramercio: segundas e quintas.
Relago: lerdas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. -quintas s 10 horas.
Jnizo doeommercio: segundases 11 horas.
Dito de orphios: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas e sextas 10 meio
dia.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbadcs a 1
hora da urde.
DIAS DA SEMANA.
6. Segunda. Ss. Vctor e Victoriano mm.
7. Ter^a. S. Thomaz de Aqoino dout. anglico.
8. Quarta. S. Quintlllo b.; S. Poncio diac.
9. Quinta. S. Francisca Romana viuv.
10. Sexta. S. Mililo m.; S. Drothoveo ab.
11. Sabbado. Ss. Candido e Heraclio mm.
12. Domingo. S. Gregorio Magno dout. da egr.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as O hora e 30 m. da tarde.
Segunda as 0 horas e 54 minutos da manha.
PARTE OFFIGIAL
Relatorie rum que o Exm. Sr. Dr. Antonio llorges
Leal f.astflis Braneo abri a presente sessio da
assemhla legislativa provincial.
Continuando.)
: instruccao publica.
Sinto profundamente nao ter podido esludar o es-
lado deste servico entre vos, sendo que o considero
o mais importante de todos, e que mais deve atlra-
hr a vossa e a minha atlengo.
Tendo, pois de offerecer-vos simples considera-
g5es geraes, nao o poderei fazer tao bem, como
transcrevendo aqu as palavras de um homem ve-
neravel e muito competente, Mr. Eduard Labou-
laye ; cerlo de que as ouvireis com prazer.
i Nao estamos habituados ao suffragio unver-
sal, e por isso novidade em Franca considerar
< a educagao popular como urna garanta poltica.
Mas na America (Estados Unidos), onde a derao-
< cracia soberana, comprehendeu-se muito
que a educacao orna questo de vida e de mor-
te para a repblica. Oque ahi se tem feito por
ella excede infinitamente tudo o que se ha ten-
< lado no velho continente.
t Convencidos de que a liberdade nao possivel
emquanlo o cidadao nao sabe regular por si mes-
mo, sua vida poltica e civil, o Americanos es-
c tabeleceram por toda a parte escoiat de difJeren-
les graos,-as quaes o individuo o mais pobre
< pode receber urna instruegao solida e variada.
De cinco a quinze annos todo o Americano pode
aprender a lr, escrever, contar e desenhar. En-
t sina-se-lbegeometra e geographia, nocoes usuaes
de physica, de astronoma, de historia natural,
de physiologia e de hygienes. A gymnastica Ihe
desenvolver o corpo ; a recitagoja declamado
< c o canto o prepararlo para a vida civil; fallar-
Ihe-ho sem temor de moral e de poltica ; e des-
c de a infancia elle se habituar! a respeiar acons-
< tituico, e a amar a liberdade.
Se, depols desta primeira educado, o mance-
bo conhece em si dsposigoes para riaiores estu
las para urna escola onde eslo opprimiaas sobre
um duro assento, dormindo ou chorando tres e
mais horas, como os adultos : isso seria realmente
urna barbaridade intil e perneciosa. Mas as boas
escolas da puericia nunca deve ella estar cons-
irangida, se nao alegre e contente, desenvolvendo
as faculdades da alma e do corpo, aprendendo sem
trabalho e de modo recreativo infenitas couzas e a
pratica do bem.
E' preciso ver, como eu vi, funcclonar essas es-
colas para acreditar nos prodigios operados pela
hondade e do?ura de orna hbil professora, que
outros meios nao recorre nem conhece as necessi-
dades de castigos.
Confio que prestareis mais seria attengo as
reflexoes exposias, para me habilitardes a fazer
algum roelhoramento em maieria to transcenden-
te e to estreitamente ligada com a felicidade pu-
blica.
ESCOLAS PUBLICAS.
Existem 90 do sexo mascolino e 29 do femlnino.
Estas foram frequentadas no anno passado por 920
meninas, e aquellas por 3,738 meninos.
Alm desta ha tambem as da Associago des
Artistas Mechanicos Liberaes, frequentadas por 25
alumnos, a do collcgio de meninas em Papacaca
com 41, ambas soccorridas pelo cofre provincial,
as dos arsenaes de guerra e marlnha pagas pelos
cofres geraes, e as do collegio das orphas e casa
dos expostos a cargo da Santa Casa de Misen
cordia.
ESCOLAS PARTICULARES.
Existem 39 do sexo mascolino, e 42 do femnno,
frequentadas estas por 420 meninas, e aquellas
por 800 meninos.
Das 22 cadeiras de instrueco primaria para o
sexo mascolino e 27 para o femnno ltimamente
creadas foram prvidas 6 deslas e 10 daquellas.
GYMNASIO PROVINCIAL.
Opina o director geral da Instruegao publica que
as materias que alli se cnsinam se devem limitar
primeiras ledras, e as que podem aproveitar
para a Faculdade de Direito, conservando-se o
museu.
Insta tambem pela concluso do edificio em que
.PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30 para o norte
at a GraBja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de Janeiro, margo, maio,
julho, setembre e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Maneel Figueira de
Faria & Filho.
pois que elle regulansou o tratamento, o que rea-
Dimou a populacao, em cujo auxilio procura elle,
de combmaeao com algumas'pessoas gradas do lu-
gar, organisar urna commissao beneficeate, que for-
nega alimentos, roupas, etc., aos enfermos necessi-
tados.
Aeham-se em boas condicoes hygienicas os esto-
belecimentos pblicos, oo particulares como, casas
de educacao, de saude, de- detengo, hospitaes,
quarteis, oflkinas, fabricas, cemiteno, matadouro,
etc.
(Conttnuar-se-ha.)
" I f ,!? J" do 'i601/8 com offlci de nJe. sob Dito ao inspector da saude do porto. Nao po-
Mr os v^miL.0 ,ncn.-eDleD,e' mand/Y-s- denclo ser actualmente autorisada, segundo me foi
rpfrr, i 2 h /nt0S/elal,V0^ M mex de feve" declarad em aviso expedido pelo ministerio do
1 '?;,da ,or da urt a nacional destaca- imperio, em data de 14 de feverciro prximo lindo,
a tropa de linha no despeza na importancia de 931*900 rs. para os
T^TL a que'se refere offlco le V. S. de 25
de abril do anno passado sob n. 92.
da nesta capital
tas corneo &nl.* bS aSSm as ***** cJonrIOS e PotuVa"do"dBcTol"areto da'ilhl
> lornecimenlo d agua para o respectivo
supe-
GOUMO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 3 de maride 1865.
quarteL-Communicou- ao commandanle
rior da guarda nacional do Recife. dezembro do anno passado
coronel SSH.T ?2 d qe reP^esen,a D.Uo aos a8ftn,es d eompanhia Braslleira de pa-
armas em offlcio do Io quetes a vapor.-Podem Vincs. fazer seguir
Despacho do dia 3 de margo de 186a.
Rfquertmentos.
o nna : assim o commnico Vrac. para seu co-! ,u!S2 ass,Buad0s abogados, negociantes, pro-
hecimento, e em resposla ao seu offlcio de 24 de :,,?' e ^Preados pblicos desta capital.
ivemeitmoao r. chefe de polica para aproveitar
do Pina
n
do corrente sob n. 408, junto por copia, r
para
i-TS ST v",", .^""'- /Pr,0S deseus deslinos os vapores Tocantins e
rarnmdViiiJHS, h ad an ar. ao cap.tao en- Apa, amanhaaas horas indicadas em seus offlcios
carregiao do deposito de voluntarios da patria a desta data.
pode receber em casamente a nubentes menores de alistameuto.
21 annos sem expressoconsentimente paterno, ou
das pessoas que por lei pode dsr, aflm de evitar
conflictos, como o que ultmente se deu entre elle e
ojuiz municipal do termo d'aquelle nome.Com-
muncouso ao juiz municipal do Buique.
C' fi; W00, iflm de ,n eMej? elle nabi- fortKU P'esidente da provincia resolve no-
abono de veiicimentos de que nre- mear, de conformidade com o artigo segundo do
lente
, para o
ugar de director parcial dos indios da aldeia de
Panema na freguezia de Aguas-Bellas. -Fizeram-se
as necessarias communicages.
Dita.O presidente da provincia, attendendo ao
1865. cisare,n Pa sua alimentagao aquellos dos mesmos decreto n. 426 de 24 de julho de 1845 o
-Rogo a ,SMgg.!"gStf^jg 2?J*!awS*ww,
tfflcio ao Exm. Dr. vigano capilular.-Rogo i se alis.arem porteriormente ao pagamento' da quTn"
do prct que se seguir ao seu
patritico offerecimento dos abaixos assignados
nos termos porque feito e segundo as convenien-
cias do servigo publico.
Antonio Jos da Silva.-Indeferdo por ser o sup-
plisante estrangeiro e esUr respondendo a processo
pelo crime de estelionato, como informara o Dr.
chefe de polica.
Padre Albino de Carvalho Lessa.E- aceita como
um acto de patriotismo a oTerta do supplicante.
Amonio Fernandes de Miranda.-Declare qual a
isengao que pretende provar.
Tenente Antonio Vilella de Castro Tavares.-D
, cerudao querendo-a o supplicante.
dos, encontrar escolas superiores, as quaes e!'l,em de funccionar, e que para elle se transfi-
Ihe ensinaro por tres ou quatro adnos algebra, !;!ra0 af aulaldo Curso Comnwcwl, ao da Escola
trignometria e suas applicagoes, escripturago Normal, a bibliolheca provincial, e a secretaria da
mercantil, economa poltica, lingua franceza, "rectora da instroegao publica, nomeando-se 2
geologa, chmica, etc. Em urna pahva, nao ha I repartidores que se fazem de urgente necessidade
sciencla que elle nao possa estudar. [ ne!.se. estabelecimento.
Todas essas escolas sao intelramenie gratuitas.! ,Foi elle 'requemado no anno pretrito por 17
sendo que a municipalidade fornecel at livros, I alumnos internos, S pensionistas, 46 externos, 6
papel e pennas. Do pai de familia se exige' "Hernos gratuitos, 2 meio-pensionistas e 11 exter-
o filho. 'D0S tambera gratuitos.
a A gratuidade e a excedencia da educagao re-', Destes foram examinados e approvados com dis-
solveram nos Estados Unidos urna qhesto que linccao 3 inlernos, plenamente 6, com distinccao 2
nos agita hoje : Codera a le ordenar que a edu-' meio-pensionistas, plenamente 1. Foram examina-
cago seja obrigatoria ?
A primeira vista assim parece.
Com que direito pode um pai conser
filhos na ignorancia e lorna-los fras
quando a municipalidade faz todas a
do ensino T
dos no Collegio das Artes e approvados em fraocez
e latim 2 internos, em latim 3 externos, em inglez
2, em Irancez 1 e em philosopbia 1.
Dengosas,; CURSO COMMERCIAL.
despezas! Malricularam-se 25 alumnos, sendo 13 do Io
anno, inclusive 1 ouvinte, 7 no 2o, inclusive 3 ou-
I vintes, e 5 no 3o.
lecen.
Tres perderara o anno c 1 fal-
< Nao tem a sociedade immenso int^resse em
que o mais pobre cidadao conheca seus deveres
e direito.-. e tire de suas faculdades tollo o par- Fizeram acto e foram approvados plenamente 1,
tido possivel ? Em tal caso o interessejda socie- simplesmente 3 e reprovado 1 do Io, e plenamente
dade nao justifica urna intervengao benvola que I ** 2o anno. Dos 5 do 3o anno nenhum compa-
sen prejudicar o pai, protege o filho ? U prioci- """ a exame.
pi me parece justo, mas quantas diflkuldades e ESCOLA NORMAL,
arbitrio na exeeogo. Em Paris e as grandes Matrcolaram-se em suas aulas 57 alumnos,
cidades a medida ser talve proficua ; mas nos De?tes, 12 perderam o anne, 1 falleceu e 33 fize-
ram exames, sendo approvados plenamente 17,
simplesmente lOereprovados 6.
As materias do seu ensino, diz o director geral
da instruegao publica no seu relatorio, que a este
campos, onde os municipios comp5em-se de ca-
sas muito dispersas ; onde a mi tem necessi-
dade dos fiihos durante os mezes de esto, e nao
ouza deixa-los sahir no invern; onde o joma-
VUCA UVIAO-IW .-mili UU lUKIUUj UlIUf U JUIIlrt"----------------'' *----,- ..-_ ~ vmw leiro s tem seus bragos para ganhar um sala- acompanha, devem ser urnas limitadas e outras ter
rio iosufOciente, que far o juiz quando o ar-
raslarem a sua presenga nm homem cojo nico
delicio a mizeria ? Se puoe o pai, soffre igual-
mente a familia, e converte a educagao em
ameca liorrivel : se hesita, reduz a lei urna
ameaga intil.
A solugo americana me parece a mais efficaz
e a mais democrtica. A mais efficaz, porque,
por sua d-gura e altrativos chega a um resulta-
do que o conslrangimemo diflicilmt nte ditera'
e nunca exceder'; a mais democrtica, porque
nao offende, nem a liberdade do cidadao nem a
auloridade do pai de familia, ofiVnsa que sem-
pre delicada e de mo extmplo, embora a in-
tengao seja boa.
O exemplo dos Estados Unidos prova que, em
um paiz livre, a produegao agrcola e industrial
tm proporgo dos progressos da educagao. Se
melhurarmos oopeiario, elle melhorara' por tor-
ga, e [Multiplicara' snas obras ; a sociedade ga-
nhara' ludo o que ganha o individuo...
t O poder de urna nago e-ia' antes no trabalho,
energa de seus cidados do que no algarismo
dos seus exercitos. Em um pair. livre o budget
conderavel o das escolas, porque o da ri-
queza e civilisago. Em quanto nao sentirmos
esla verdade, nao comprehenderemos o novo es-
pirito que arrebata as sociedades christaas para
um melhor porvir; arraslar-nos hemos no car-
ril da idade media, e por mais que aperfeigoe-
mos a arte de matar-nos mutuamente, nao pas-
saremos, envergonho-me de dize-lo, de barbaros
engenbosos.
< A educagao apenas urna preparago para a
vida, que abre o espirito, mas nao o enche.
Nao basta, pois inslr uir o menino, preciso ain
maior desenvolvimento, addicionando-se-lhe urna
escola pratica
Com esta reforma ainda mais necessaria se faz a
mudanga deste estabelecimento, para um edificio
que off-reg< as precisas accommodagoes, visto ser
bastante acanhada a parte do torreo da alfandega,
em que elle actualmente funeciona.
AULAS DE LATIM.
A cadeira de S. Jos foi 'requemada por 11
alumnos, e a de Goianoa por 7. Tanto estas como
a de latim e francez no Ouricury, creada o anno
passado e que ainda nao foi provida, entende a di-
rectora geral da instruegao publica que devem ser
supprimidas, logj que se possa dar aos professores
das duas primeiras cadeiras o destino que for mais
conveniente.
PROFESSORES.
Durante o anno passado foram nomeados 11, re-
movidos 15, concedidas 14licengas e 1 permuta.
Por portara de 10 do mez lindo, remov a pedi-
do, o professor publico, Manoel Marinho Cavalcan-
li de Albuquerque, da cadeira de instruegao pri-
mara da povoago do Abren para a do Bom-Jar-
dim, e por portara de 15 do mesmo mez eoncedi
ao professor publico de instruegao primaria da fre-
guezia de S. Jos desta cidade Liberato Tiburlino
de Miranda Maciel, a gratificago correspondente a
5* parte de seus vencimentos por se haver distin-
guido no seu macisierio por mais de 15 annos.
BIBLIOTHECA PROVINCIAL.
Possue636 ebrascom 2,725 voluntes; adquiri
o anno passado 25 obras em 29 volumes, e foi fre-
quemada por 537 pessoas.
Precisa de livros essenriaes, como a Legislagao
Brasileira, Historia do Brasil e da provincia, e para
isso pede o director geral da instruegao publica o
que o tenente-corouel Sebastiao Lopes Guimares
baseou o seu pedido, de reforma no posto de major
de ca val lana, o que disse a commissao medica quo
o inspeccionou e finalmente se o pedido da refor-
ma leve lugar depois de ser elle elevado a major
effectivo da mesma arma.
Dito ao mesmo.Aos offlcios de V. S. do 1" do
corrente sob ns. 403 e 40 respondo dizendolhc
que remella para o hospital Pedro II, que tem or
dem de recebe-los, aflm de serem alli convenien-
Tenente coronel Domingues Alves Malheus.-
Prtr!.ar'cC?Dcedei,do a licena pedida.
Barros.Concedo prazo
tv, ...,>. ... ***" pww ua provincia, auenuenoo ao ; i.iu i .: "'.....
nJMS? rere,b"a Pastara o mesmo cap lao que represeoiou o respectivo commandanle supe- i a*,? '2? oJos da Silva.-Deferido com o despacho
m1ml.m,T/epar,'5a0 0PPO"onimente. toin- or em data de 21 de dezembro ultimo, e 6 do dt2a-da!a-
fS ? uron' cominan(|ante das armas. correte, resolve remover do engenho Miringaba*
Jito ao mesmo.-Transmiti a V. S. o pret jun- para o lugar denominado Laga Compr.da, a para-
.a~ _i-----------|I'1"1"......----------- francisco Sebastiao de
de 10 das.
Francisco Tavares da Silva.-Informe o Sr. te-
nente coronel recrutader.
Coronel Francisco de Paula Souza Leao Dirja-
se ao br. diretor da insiruegao publica.
.' d?asC,SC A'VeS da S'1^--00006410 Pra" le
a 6 mezes de li- u.f- Joao Clem.en,e da Rocha -Intreguese nao
aa liana dingio-me era 27 de fevereiro ultimo com- tenga para tratar de sua aude hayendo ineonveniente e prestando fianga.
municdodo, que um consequencia de seguir a ne- Dito.O presidente da provincia, conformando- Jo*?Pha M,9r'a' le Jess.-Vivendo o marido da
supplicante tora de
mu. n in>ntn.Mr.i ci...:= .___ /-..:___=.. "'" UA "j|w! de ariilices. Communicou-1 londendo ao que requereu Francisco Joaauim Gal-
nnaX C0,Dma,Qdan,te ,das armas. | yao, capilao da lerceira eompanhia do balalho n.',
Dito ao vice-ransul da Italia.-Tenho presente o 10 de infamara da guarda nacional "- "'12 d,as-
offlcio que o Sr. Eduardo P. Willson -.......' -," -'---
^,''r.geDle para- R' usencia o vice-consalado a cargo do j desta data, resolve conceder ao bacbarel Sergio Di- P,de mao coi)du:ta conforme informa o Sr. Dr.
Sr. Jos Saporiti, que por vezes ja se tem delle
achado racuiubido.
Inteirado do que me communica o Sr. vice-con-
ves
a sua
diS'
niz de Moura Mattus a exonerago
cargo de delegado de polica do termo da'Escada,
para o substituir nomeia o cidadao Joo Flix
que pedio do ch?df R0"?* Bao Pde serisetto do recruiamento.'
Josepha Ferreira da Costa.-Indeferido.'por ser
ao Dr. chefe de po-
dos Sanios.Communieou-so
licia.
Dita.O Sr. gerente da eompanhia Pornambu-
cana, mande dar transporte at o presidio de Fer-
corpo de volontarios da patria, depols que estive^ post no Vrtie fi ,u cZ ..k,. 25 d.'8'
rera curados, este de urna ulcerae aquelledeerup-1 BruU c ni) 1 ?2 .JnSUlar e,n,re
cao psorica conforme propoe a junta militar de sau-' fenSla lili I n JL- ii' *"** me i r
denos seus pareceres annexosaos citados offlcios. S ls .Jh d* Preed0!. 'I,118 '*. Prte I "ando no pnmeiro vapor que para alli seguir, em
Neste s-nt.do offlciou-se ao Exm. desembariador cu ar J "?' "S!"**0 no avJ cir"' Sgap de PT' ds">ado a passageiro de estado, a
provedor da Sania Casa de MisericordiaT reteun nlr-D do aano passado' Quej rraneelina do Nascimento "-
Dito ao mesmo.-Perm...a v S. que os volunta-1 TnM'"o rlrlXJrt SSS! PS- "^ *" deSVa"da-
rios da patria percorram a noite como desejam as SffS" SSff ST2 ,22.^ 1?
do Amor Divino, que
ras desta cidade.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S de mandar que
seja novamente inspeccionado o cabo de esquadra
do corpo de polica Jos da Costa Barros, visto ter-
se desencaminhado a 1" lospecco a qu8 foi sub-
mettido.
por isso no caso de ficar encarregado do mes
mo consulado.
Prevalego-are da opportuoidade para apresentar
Dita.Os Srs. agentes da eompanhia Brasileira
de paquetes, mandem dar transporte at o Rio
Grande do Norte ne vapor Apa, em lugar de r,
destinado a passageiro de estado,
- por
estrangeiro o filho da supplicante. '
Jos Francisco Querino.Em vista de que infor-
mou o juiz municipal da primeira vara, expedio-se
ordera para ser reroetida a guia do supplicante.
Joaquim Cypriano Bezerra de Mello.-D-se.
Jos Mananno de Barros Cavalcanti.-Ao Sr. ins-
pector do arsenal de marinha para reparar o enga-
o, se existe.
Bacbarel Joaqum Lheolono Soares de Avelar
Entregese.
Luiz Soares Coelho.Indeferido por nao provar-
se isengao legal.
Liuz Francisco da Silva.-Declare o supplicante
ao sr. bduanlu Willson a seguranga de minha es- aposentado do thesouro, Augusto Carlos de Amo-' q autor',ade que recrutou seu Bino, visto
tima e Ast.Bcu considerago. rim Garcia. B u 1"? pela pela policia nao foi preso nenhum indi-
-U!t*'_eo^Bj% f ranga.-Respondendo ao offl- Dita.-Os Srs. agentes da eompanhia Braslleira "R f0m, ul ^me-
Manoel t.uiz Coelho de Almeida.D-se.
bre o que, ao iroveroo ii inerial ed 'n cVutA A> "Si T'"" "*>~vw cousui de Fanga nesta provin-1 vpor Apa, em luKr rd," i-,7udo uaeiru
rara os soldados do coroo de oolica Josf Pal Ba? ; K2tS2 dt ser,cida,,a0 '% Podeado loaavia a Crie ,,or con,a do ">inislerio da marinha, no va-
bosa, e Sii^hMmntSi^^.'... PS' em l,berdade se-r filno unico de mu" por ****. ^ recrutas constantes da relago
H.forenTjalgados a L ? g ^ i frv7a>co"^"nidesse iadmdU,oase; Junt, assgnada pelo secretorio do governo.-
Dioaomesmo,-Em vista do que me pondera | pe^S^ do brigue escu-
Manoel Antonio Ferreira.Nao sendo isengao le-
gal o ser propietario nao pode ser deferido.
Padre Nemezio de Sao Joao Gualberto.uinja-
se a thesouraria provincial.
Alferes Pedro de Alcntara Tebino Capristano.
Passe portara concedendo a liceoca pedida, de-
vendo o supplicante recolher-se a esta capital at
o fim do corrente mez.
da qne, sahindo da escola, cada da IheofJereca restabeleclmento da quotaoutr'ora consignada para
compra de livres, e bem assim a creago de um
empregado que, subslituindo o bibliothecario em
seus impedimentos, se encarregue do asseio da
casa e conservago dos seus livros e utencilios.
SAUDE PUBLICA.
O estado sanitario da provincia geralmente sa-
tisfactorio.
A varila, que animalmente apparece na estago
calmosa, nao tem sido destruidora, e sem duvida
novas ligos, e encontr um ensino perpetuo pa-
ra o humera, o ebrislo, o operario, o cidadao.
Eis o servigo que prestara gratuitamente a'so-
ciedade, as igrejas, os jornaes, as bebliothecas
populares, os cursos pblicos, as reunioes publi-
cas, e essas mil associagdes que, nos paizes li-
vres, conservam sempre acordadas a religio, a
sciencia e a opioiao. >
Do que arabo de traoscrever veris como cora-
gao
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Deferioddo o incluso
da armada
SSR&ussts; --'s-S ra#*irreformado pe,
ra^'S.Si^ 'era como digna
ttZStt&TiSSF dcaepS'oressaprova dt |,a,rio,ismo d refer'd0
Diloaomesmo.-OirerecendoouadreAltunode'U1^ find fiquei '1Ieirad e que naquella data
s commando superior.-Communicou-se a theseura-
transporte para
a provincia das Alagas a praga do corpo de poli-
ca Salvador Alves dos Santos, sendo a despeza do
iransporte paga n'aquella provincia. Communi-
cou se ao r. chefe de policia.
do dia 3 de
prehendda em lodos os paizes civilisados a edu- menos seria ainda se a populacao, mais compenc
cago e instruegao da mocidade, e o atrazo espan- irada das grandes vantageus da vaccinagao, se o (Te
toso, em que nos acharaos a semelbaate respeito.
Teraos curtamente muias escolas as quaes se
da' algum ensino primario secundario ; temos
professores talentosos e instruidos as materias
do ensino, em litieratura e sciencias; mas faltam-
Ihes geralmente methodo e dedicaeao, e sendo a
instruegao primaria a mais importante, da'-se de
um modo incompleto, o nem os professores teera
as habilitagoes precisas.
recese este servigo bem regularisado, e em con-
digoes de urna extensa vulgarisago. Mas, nesta
capital, onde elle se Taz com algoma exactido, nao
to accessivel, como devera, a repartico, collo-
cada no 3 andar de ura torreo da alfandega, e
assim retirada do centro da populacao ; todava
foram ahi vaccinadas no anno lindo 1,114 pes-
soas.
Pelos outros pontos da provincia crescem as diffl-
Se, porm, estamos mal de instruegao propria- culdades pela falla de pessoas que se encarreguem
mente, muilo peior estamos de educagao, porque da distriboigao de um soccorro to pequeo em ap-
esta nao xiste entre nos senao, e multo defeituo-
sa, as familias e intrnalos.
Os nossos professores nao se oceupam absoluta-
mente de formar a moral dos meninos, inspirando-
Ihes sentimentos religiosos, e o amor do trabalho
e bons coslumes. Ao contrario as escolas Cuntra-
hem os meninos mos habites, disposigdes viciosas
e aversi ao estudo, nao s pela negligencia dos
mestre>, e mos exeroplos que alguns do, como
parencia quao fcil e fecundo, pela negligeocia das
familias, e pela consequente difflculdade de con-
servar o puz preservador. Nao iria mal ao sacer-
dote e municipalidade tomarem a si esta tarefa,
e sem duvida ella se prestaran.
A febre amarella e cholera-morbus nao se des-
envolvern) sporadica nem epidmica, tanto na ca-
pital como as povoagdes cenlraes.
Diversas molestias mais ou menos grassaram du-
pelo contacto permanente com alumnos pervertidos rante o anno : a phtysica pulmonar e as convul-
e pelo constrangmento e violencias de que sao vic- ses as mangas foram as que mais victimas fi-
timas. zeram.
O svstema de edocago entre ns tal que, se A epidemia, que se desenvolveu ltimamente ero
devesse produzir todo o seu elleito, se nao fosse Iguarass. para onde fiz seguir o Dr. inspector da
contrariado pela nossa boa indole, deveriamos ter saude publica, Informou se este funecionario em
urna populago depravada.
Puncas pessoas comprehendem a necessidade de
comegar cedo a educagao da infancia, mas por-
que suppoem que educar criangas tenras manda-
data de 23 de fevereiro que ainda continnava, po-
rm com carcter benigno, tendo sido delta accom-
meltidos 58 pessoas, das quaes falleceram 7 antes
de soa chegada aquella villa, e neuhuma mais deJ1 ment qns me foram reraeliklos pelo comman
que o paiz se acha empenhado 10
seus vencimentos como capello da'eompanhia de
menores do arsenal de guerra desta provincia,
assim o declaro a V. S. para que apportuuamente,
faga arrecadar a importancia dessa offerla, afitu de
ler a convemnte applicago.
Dte ao mesmo.-eclarando-me o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra em aviso de 18 de fevereiro ulti
rao que na mesma dala se concedeu a essa the-
souraria, por coma do exercicio corrente o aug-
mento de crdito de 16:3185871, na forma da ta-
bella junta por copia ; assim corarauaico V. S.
para seu conhecimenlo e direego.
Dito ao mesmo, De conformidade com o dis-
posto no aviso da reparlgo da guerra de 14 de
evereiro ultimo, junto por copia, trate V. S. de
promover com a possivel brevidade da parte dos
procuradores do capillo do 5o regiment de caval-
laria ligeira Francisco Jos de Meoezes Amorim,
a reposigao da quantia de HOfQOO correspondente
consignago mensal de 105000, no periodo de-
corrido do Io de dezeararo de 1862 ao fim de no-
vembro (indo, a qual fura paga irregularmente por
essa ihesouraria aos preditos procuradores, em
consequencia de nao communicar a thesouraria de
(azeoda da Bahia essa a suspengo daqoella con-
signago, a contar do 1" do supracitado mez de
dezembro de 1862.
Dito ao meso. De conformidade com o aviso
do ministerio da guerra de 11 de fevereiro ultimo
os lugares de praga do mesmo corpo procuradas
instantemente.
ao procurador do tenente do J^SSC*"* *''*-'** ""
ra de fazenda.
#ito aocommandante superior da guarda nacio-
nal de Santo Anto.Pelo offlcio de V. S. de 26 do
mez passado fiquei ntelrado de que no dia 20 do
mesmo mez deslacaram, como determine!, na ci-
dadu de Santo Antao- 9 pragas e am inferior da
guarda nacional sob seu commando superior. -
Communicou-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao director geral da instruegao publica.
Attendendo ao que expoz no requerimente, que Ihe
ser api esentado, o coronel Francisco de Paula
Souza Leo autoriso a V. S. a maular adraittir no
Gyranasio provincial como alumqo interno o filho
dosupplicante de nome Alfredo Milln de Sraza
Leao, licando elle obrigado a apresentar dentro do
praso de 4 mezes ceriido, pela qual prove ser o
dito seu filho menor de 12 annos.
Dito ao commandanle do corpo de policia. In-
forme V. S. aflm de que se possa sati.-fazer a re-
quisigo da assembla legislativa provincial cons-
tante do offlcio do respectivo Io secretario datado
de hoje e sob n. 3, quantas vagas de pragas de
pret existem no corpo sob seu commando ; quer ,.
na secgo urbana, quer na volante : desde quando i1Uo o director geral da instruegao publica solicitou
existem essas vagas e finalmente se em poca an- j autorisago para prover a cadeira de instruegao
terior a existencia das mesmas vagas, eram ou nao primaria do sexo feminino da villa de Cabrobo,
creada pela lei n. 598, de 13 de maio do anno pas-
do, a qual nao Ihe pode ser concedida pelo mesmo
Exm. Sr. por falta de consignago de crdito para
Einsdiente do secretario do goverao
margo de 186.
N. 3.Offlcio ao Io secretario da assembla le-
gislativa provincial.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda transmittir a V. S., para serem pre-
sentes a assembla legislativa provincial, 40 exem-
plares do reculamente para a escola normal, crea-
da pela loi n. 598 de 13 de maio do anno passado
e 40 ditos do regiment interno da mesma es-
cola.
N. 4.Dito ao mesmo. -S. Exc. o Sr. presidente
da provincia manda remetter a V. S., para terem o
conveniente destino 39 exemplares das collecgSes
das leis promulgadas no anno passado.
N. 5.Dito ao mesmo.Passo aos mos de V. S.
para lerem o conveniente destino, os inclusos auto-
graphos dos aclis de ns. 577 a 590, 392 a 59, 5%
a 598, 600 a 604 promulgados pela assembla le-
gislativa provincial em sua sess do anno passado,
delxando de ir as de ns. 591, 593 e 599 por ter so-
mente vindo um exemplar.
N. 6.Dito ao mesmo.Passo as mos de V. s.
de ordera de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
para serem prsenles a assembla legislativa pro
vracial, 40 exemplares do regularaento da reparti-
go das obras publicas dado em 9 de julho do an-
no prximo passado para execugao da lei provin-
cial n. 584 de 9 de maio daquelle anno.
N. 7. Dito ao mesmo. De ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, transmiti a V. S. para
serem presentes a assembla legislativa provincial,
os 3 inclusos autographos das resolugoes da mesma
assembla de 30 de abril, 2 e 7 de maio do anno
passado que nao foram saneciouadas pelos motivos
nelles declarados.
N. 8. -Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, passo por copia as
mos de V. S para ser presente a assembla legis-
lativa provincal aflm de ser tomado em considera-
cao o offlcio de 2"> de Janeiro ultimo, sob n. 25, era
para o exercito.
VSv a0HdAP3Ana 5 aVa Ce"^. f elh0' ?er" ar convenirte Lela.'"' ".....""" ""' i Di.-Os'Srs asentes da comnanhia Brasile.ra I Rosa Floriada de Menezes.-O filho da supplcan-
iTeV*SS82*Z?!*>S*' JAS?SimfindLarri,e%BgS?m-1depaque,esMS%tr8ttaS-S Z?*t r insp--ad*f"**'
i an nsnpi-inr rt, ihi, j i___^ ae ser exonerado do emprega de almojarife
lofireSS do r tenen7eldeSSepresd, ,PVao,a2do s DE
9 balalho de infamara Luiz Antonio Ferraz J-
nior a consignago mensal do sold por intelro
que se Ihe permiti deixar nesta provincia a favor
de sua familia a contar do referido mez.
Dito ao mesmo. Para ser satisfeita a rcquisi-
go do assembla legislativa provincial, comida em
offlcio de respectivo secretario datado de hoje e
visto terem sido julgados aptos
para isso, como consta de seu offlcio n. 137 desta
data, os paisanos Trajano Bezerra dos Santos e Ar-
senio Jos da Costa.
Dito ao director do arsenal de guerra.-Rtcom-
raendo Vmc. que mande fornecer por erapresti-
mo ao commandanle do vapor Tocantins, urna ca-
I deira pertencente ao nono balalho de infamara
sob n. 5, informe V. S. que sidos ou gratificagoes ae existe em deposito nesse arsenal, e da qual
K225?fLftufiSSFZ l tenente-coronel Se- m preCsao o mesmo vapor para o se vigo dVtro-
bastiao Lopes Guimares com designagao de cada a nn,. taHM n, 7SJL mn Z3L____^
aquelle fim.
N. 9.Dito ao mesmo.S. Exc. oSr. presidente
da provincia manda transmittir por copia a V. S,
para ser presente a assembla legislativa provincial
afim de ser temado era considerago o incluso re-
latorio que apresentou a cmara municipal do Re-
cife com o balango de sua receita e despeza do an-
no de 1863 a 186i,acompanhados de 756 documen-
tos.
N. 10.Dito ao mesmo.Para fer presente a
,pa quo transporto para a corte como ponderoume assembla legislativa provincial, passo as mos de
mTJ.i, taflSfcKSM* C ^"'P^' aquello commandanle, certo de que a mencionada V- S. de ordera de S. Etc. o Sr presidente da pro-
quant.as.-Igual inforraagao pedio-se a thesouraria! caldeira ser restituida a esse estabelecimento vincla a informago que rainistrou ojuizde direilo
provincial.
Dito ao mesmo.Constando de aviso da repart-
gao da agreultura commercio e obras publica de
14 de fevereiro ultimo sob n. 8 ter sido marcado
ao ajudante do alvicareiro do telegrapho da torre
do Collegio desta capital o vencimenlo mensal de
305000. solicilando-se do ministerio da fazenda a
expedigio das necessarias ordens, alien de que essa
thesouraria seja habilitada com os meios precisos,
para occorrer a esto despeza : assim o communi-
co a V. 8. para seu conhecimeoto. Communicou-
so ao administrador do correio.
Dte ao mesmo.Era cumprimento do que de-
terminado ero aviso da reparlgo da guerra de 11
de fevereiro ultimo, d V. S. as suas ordens para
que do mesmo mez em diante se pague a consig-
nago mensal de 405000 qne o capilao do 9o bata-
Iho de infamara Pedro Alfonso Ferreira estabele-
ce nesta provincia em favor de sua familia.
Dito ao mesmo. Em vista dos inclusos docu-
a esse estabelecimento
I quando voltar o predilo vapor para o norte.
Dito ao mesmo. Em cumprimento do aviso do
i ministerio da guerra de 11 de fevereiro ultimo,
mando Vmc. fornecer a eompanhia de cagadores
do Rio Grande do Norte as pegas de fardamentos
constantes da nota inclusa por copia para ajuste de
contas do anno passado, e pagamento dos venc-
mentes do presente.
Dito ao Dr. juiz de orphos desta cidade. In-
forme Vmc. sobre os fados coudos na pelcao, in-
clusa por copia, de Antonio Francisco de Menezes,
declarando se o testamento de que se trato ja foi
execulado, em poder de qoem se acha o legado que
o peticionario diz ter-lhe sido deixado, e se com ef-
felo o mesmo peticionario est reeonhecido como
livre, e desde quando.
Dito ao Dr. juiz municipal da primeira vara des-
ta cidade.Fica a disposico de Vmc. o sentencia-
do Antonio Francisco de Souza, de que trata o meu
offlcio de 4 de fevereiro ultimo.
da comarca do Bonito acerca do requerimento que
devolvo do escrivo do crime e civel e 2o tabellie
de notas daqueila comarca Joao (Jomes da Silva. -
Fica assim saiisfeita a requisigo da mesma assem-
bla constante do offlcio de 25 de abril do anno
passado sob n. 91.
N. 11.Dito ao mesmo. -Transmiti por copia a
V. S., de ordem de S. Exe. o Sr. presidente da pro-
vincia, para serem presentes a assembla legislati-
va provincial em satisfago ao que solicitou, segun-
do o seu offlcio de 19 de abril do anno passado sob
n. 88, as inforraacSes ministradas pela thesouraria
de fazenda acerca do reguerimento quo devolvo dos
propietarios dos terrenos sitos as margens do ca-
nal da roa da Aurora.
N. 12Dito a mesmo.Passo por copia as
mos de V. S. d ordem de S. Exe. o Sr. presiden-
te da provincia, par ser presente a assembla le-
gislativa provincial Informago ministrada pela
cmara munivipal de Olinda acerca da peligo que
Inclusa de.TGlto de Mauoel Luiz da Veiga e mais
OVEREO DO HISPIDO
PiHiviniirco
SEE YA!: WTK
Expediente do dia 24 de fevereiro de 1865.
Offlcio ao vigano interino de S. Jos. Tenho
presente o seu offlcio datado de honlem, no qual
me diz que Manoel do Nascimento da Silva, estan-
do com proclamos as freguezias desta cidade para
se casar cora Francisca Gullhermina, dolosamente
obteve licenga do Rvd. vigario da Muribeca para
casar com outra mulher, de nome Felisra.na, a
qual, sendo com effeito natural do Muribeca, se
acha domiciliada nessa freguezia de S. Jos cora a
residencia de perto de um anno; bem como o nu-
bente .sendo natural da freguezia do Cabo, reside
nessa cidade ha annos, como tudo se prova com os
attestados dos diversos inspectores de quarteiro
que V. Rvm. me remetteu.
Nesta data exigo do Rvd. vigario da Muribeca
todos os documentos em que se baseou para dar
tal licenga, afim de eu providenciar ulteriormente
como o caso exige.
Dito ao vigario de Muribeca. Constando-me
por participago do Rvd. vigario da freguezia de
S. Jos ter casado com licenga de V. Rvma. Manoel
do Nascimento da Silva, com Felismina de tal, sen-
do a nubente natural dessa freguezia da Muribeca,
porm moradora na cidade do Recife ha perto de
ura anno, e o nubente natural da freguezia do Ca-
ba, porm morador ha annos na freguezia de S-
Jos, ordeno-lhe que sem perda de lempo me re-
mella os proclamas desses contrahentes, corridos
na freguezia do Cabo e das da cidrde do Recite,
bem como todos os documentos em que se fundou
para dar tal licenga.
- 25 -
Offlcio ao vigario da Boa Vista.-Accuso recei-
do o seu offlcio de 20 do corrente, no qual V Rvma.
diz que dirigindo-se capella do Ctiora-menioos,
como Ihe recommendei em offlcio de 14 deste,
achou-a com effeito em um estado deplorave, e em
tanto ruina que melhor seria demol-la, do que
tentar urna reedifleago. Diz-me raais V. RVma.
que era um corredor da parte do norte mora urna
mulher casada, que consta ser fllha do actual pro-
pietario da mesma capella, Jos Antonio Marques,
o qual oceupa oulro corredor opposto eom o trafego
de urna padaria.
Nesta data me dirijo ao propietario da referida
capella, para que retire d'alli a sua moradia e es-
tabelecimento, como determinara os sagrados ca-
ones e as constituigoes diocesanas no titulo 29, n.
738; bem como em virtude do que ordenara as
mesmas constituigoes no ululo 19, n. 694, deve V.
Rvma. dirigir-se novamente mesma capella, le-
vando em sua eompanhia um sacerdote qne Ihe
sirva de escrivo, e alli proceder a vestoria do esta-
do em que se acha a referida capella, reduzindo
ludo a auto, que ser assigoado por V. Rvma., e
mais tres tesiemunhas, para que a todo o tempo
conste o estado da capella, e a circumspecgo com
que se procedeu em materia de tanta impor-
tancia.
Quanto ao retabulo que V. Rvma. diz ser a ni-
ca imagem que alli existe, cumpre que o conduza
para a matriz, afim de ser ahi guardado com a de-
cencia devida.
Dito ao Sr. Jos Antonio Marques. Constando-
me por parlicipago offlcial do Rvm. vigario dessa
freguezia que V. S. m>ra em um des corredores
da capella sita no Chora-merino, onde tem urna pa-
daria, sendo que no oulro corredor mora urna pes-
soa de sua familia, cumpre-me appetlar para os
sentimentos religiosos de V. S., e aedir-lhe que
deixe de morar nesse corredor da igreja, e nem
consinta quepessoa de sua;familia ahi more ; bem
como, que retire desse lugar o estabelecimento que
ahi conserva, pois que os sagrados caones e cons-
tituigoes diocesanas expressamente prohibem fazer
feiras, por tandas, ou qualquer outro ramo de ne-
gocio as igrejas ou suas dependencias. Espero,
pois, que V. S, dotado como de sentimentos or-
.
[ I I Ia" ,4-.l\ # I


Dltlo d frBambuco ii'^a elra 1 de Marco de !&.
mrm
5*a
-
-----,
todoxos, conhcendo'esta dlsnosIgH das leis da oom xito da defeza militare offerecer s pessoas, E Montevideo sacrificada insensatamente, pois
Igrej*, se aprcssar com loumel teto em desem
baragar essas immediagoes do tempio, alim de que
eessea de un vez quaesquer profanagoes*
Oulcosim ; docaroda-me o mesmo Rvd. paro-
cho qoe es capel se aetia-em tai estado de rui-
na que melhor dmili-la, do que tentar a sua
Teedincaqa^, e ordenando o*- sagrados caaoneso
conslilui$oes diocesanas qae, ero laes caso, nao
podendo as grejas se reeeaetruir, sejain demolidas
para se evitar os escndalos, irreverencias e pro-
anacoes; assim o corarmmieo ?. S. para sua in-
Telligencia, como dono qae da referida capella.
57
u propriedades garantas serias e efllcaies. que anda que o Paraguay se aprestesse a passar
Estou certo de que este Qm e estes raeios mere- o Uruaguay, anda que o grita de rebelliao soasse
cem a adheso de V. Exc. em Entre-Ros, tudo isto somente servira para
Neste presupposto lenho a honra de assegurar- precipitar e tornar maior a catastrophe de Moate-
me de V. Ere. mallo affeisoado amigo e leal orla- video.
Ao.Anir Lamas.
Reservada. A S. Exc. o Sr. D. Rapbael Ulysses
Barbolani.- Bueoos-Ayres, 24 de janeiro de 1865.
Presado amigo e Sr.Tive hontem a honra de re-
cebar as suas apreciaveis cartas de St e 22.
Summamente grato aos generosos esforcos de
V. Exc. e de seus collegas pelo beni de mea pali,
Offlcio ao Exm. Sr. presidente da provincia da i espero que nao desistan do seu empenho humani-
jparalryto.enho a honra de accusar recebidas j tario. As circunstancias podem anda lornar-se
as dtias collecgoes aas leis provnciaes, promulga-1 Tavoraveis.
das pea assembla legislativa dessa provincia du-
rante a sesso ordinaria do anno prximo Ando',
Lem-como o offlcio de V. Exc. firmado em 17 do
correte, que as acompanhou, o que tudo cordial-
Essa catastrophe approxima-se, e pareoe-me que
j nao temes metes para evita-la.
Se V. Exc. e os seus collegas os tiverem para
convencer o Sr. Aguirre da verdade da situacao r,
do seo dever de evitar o sacrificio criminoso de
Montevideo, devem contar os Instantes, que sao
breves.
Pela minha parte j nada espero do Sr.
Aguirre.
Parece-me intil observar a V. Exc. qoo mal o
Sr. Aguirre comprehendeu o qoe na minha carta
do 24 tive a honra de dixer a Y. Exc a respeito
do Brasil.
O Sr. Aguirre tinha difflculdade em tratar as
queslSes do Brasil. E eu elliminava esta difficul-
l-to que parece urna inspiracao posthuma do
dolo rulo em Caseros, o inaior dos Crimea qae
resolucao de acompanttor com seu poder, e suas ar-
mas a defeza, qjie faz o meu governo da indepen-
Amaro, achara nao ser exacto o que me tiaviam
informado sobre o estado de rnina e de indecencia
m que se dizia estar tal capella. Informa V.
Bvma. que os paramemos, posto que nao sejam
novo?, esto ainda em bom estado ; que as ima-
gens, os altares, bem como toda a capella, com
cuanto nao aprsente o asse de um templo dia-
riamente frequentado e zelado, nem por isso se po-
dem dizer immundos, e incapazes de proporcionar
aos liis os meies de cumprirem os preceitos da
religiao. E sobretodo diz V. Rvma. que o actual
propietario da caperla, o Sr. major Jos Joaquim
do llego Barros vai effectoar o reparo de alguma
ruina, de queseTesente a mesmacapella.
Suu contente com esta infbrnwgao circumstan-
ciada, e muito estime qoe rrioseja ex, ca ades-
ripcio qoe me flzeram do estado deplorare! da
capella de Santo Amaro. Dirija-se V. Rvma. em
mea nome ao Sr. major Jos Joaquim do Reg Bar-
ros,e,louvando o seu zelo, diga Ihe qoe muito
breve espero ver effectuados os reparos de que ca-
rece a capella que est a sea cargo.
28
Offlcio ao vigario da ridade de Soma.Estou
de posse do seu offlcio de 5 do correte, no qual
me diz V. Rvma., que depois de me ter dado noti-
cia da morte do Rvd. Joaquim Theophilo da Guer-
ra, paroeho encommendado da fregnezia de Nossa
Seohora do Rosario na povoacao de S. Joao, pas-
sra a nomear o Rvd. Anelio Marques da Silva
Guimares para reger interinamente a parochia
ga, at que eu deliberasse o que ccnvinha. E
esta nomeacao diz V.Hvma. have-la feto de accor-
do com o parecer dos Rvds. padres-mestres Her-
culano, Rolm, e Jos Thomaz ; parecer tirado por
iliaca do que no concilio de Trento esta disposto
sobre a vacancia da .
Obrou mal V. Rvma. em fazer urna nomeacao
para a qual nao eslava autorisado de modo algum.
Cuando fallece o paroeho de urna freguezia, com-
pete ao paroeho mais vzinho participar (inmedia-
tamente ao ordinario, e administrar os sacramentos
na parochia vaga, excepto o sacramento do matri-
monio, o qual nao deve administrar a parochianos
que nao sao seus.
E nenhnma illaco poda V. Rvma. tirar do qne
est disposto sobre a vacancia da s, pois o caso e
inteiramenle difireme, e nio oflerece paridade em
sentido nenhum. Se pois o Rvd. Anelio Marques
fez algum casamento, on dea para isso licenca a
ootro sacerdote, compre qne V. Rvma., de accordo
com o Rvd. Amancio Leite da Silva, por mim no-
meado para reger essa freguezia, d as providen-
cias, atim de que taes casamentos sejam revalidados
com as cautellas qae o caso exige.
Dito ao padre -eraphim Gomes de Albn Em resposta ao seu offlcio datado de 2> de Ja-
neiro oltimo, tenho a dizer-lhe qne, se V. Bvma.
nao deixasse ficar na ruao de urna pessoa do Reci-
e a sua provisao de vigario encommendado, ea
conservasse em sen poder, como Ihe compria, nao
Ihe havia de ter succedido continuar na regeneia
da parochia, quando a sua provisao j se aefcava
linda. E nem o favorece a clausula qae V. Rvma.
diz haver na mesma provisao, em qoe se Ihe de-
clarava que servira por um anno, ou em qoanto
nao se mandasse o contraro ; por quanto ainda
mujw i|uauuw .. ro-un artim fos< redimida,
o sentido claro e constantemente imn protn, i
que servir por um anno.se antes de lindo o anno,
Ihe nao for ordenado o contrario.
Assim pols, se, Anda a sua provise, V. Rvma.
assistio a algum casamento, compre que quanto
antes se entenda com o Rvd. paroeho novamente
collado nessa freguezia de Cajazeiras, para, de com-
binaco com elle proceder a revalidago de taes
casamentos, com as reservas qne as circunstancias
pedem.
Espero que V. Rvma. nao reincidir' em com-
metter desses erros, para me nao ohrlgar a usar
do rigor que o caso requer e as lels da igreja
exigem.
Antes de qualquer passo, escrevi no da 11 ao
Sr. Prannos, e S. Exc. respondeu-me inmediata-
mente o seguiute :
Nao receie V. Exc, que os nossos preparativo! .
mente agradeco. bellicos signillquem falta de amor da paz. E a pas ^ade duendo qae iuo fleana paprnoinovo overno
Dito ao vigario da Boa Visla.-Tenho presente o que nos procuramos pela nica via honrosa que;d? pa'*. depois da pacificagao interna, e isto quasi
seo offlcio de 20 do correte, em que V. Rvme. me | nos deixram. Oala que os volos e esforcos de V. E
participa que, tendose dirigido a capella de Santo Exc. abrara os olhos aos cegos de Montevideo.. ^
O Sr. Aguirre por ora nao respondeu rae.
Dizem me que as difflculdades sao :
1* A condicao de solicitar a Inlervengo do ge-
neral Mitre.
2* A repunancia de tratar com o Brasil.
Para vencer estas difflculdades lembro V. Exc.
que o Sr. Aguirre responda minha carta dizendo-;
me que a sua dgnidade nao Ihe permitte solicitar, c
mas que aceitar de bom grado, se Ihe for offere-1 or. Aguirre.
cda espontneamente, a interferencia do general; Reiterando a V. Exc. e a sens nobres collegas
Mitre no intuito de conseguir a paz entre os Orien- os agradecimentos que todos osOr.en-
taes. deixando as queslos com o Brasil para se-: ^es, Ihes devemos, tenho a honra, ote.-Andre La-
KicS mlrna0,rern0 W nSllr dePS I Tt Athanazio C Aguirre.- Buenos-Ay-
Pirec!SIqToetles termos o Sr. Aguirre con-! res, 27 de Janeiro de iSSo.-Senhor^Acabo de ter
sultana nao s a sua dgnidade como at os seus hopra dereceber a resposta que, com dala de 2a,
escrpulos V- Exe- se ,*n* dar a m,nna ciTia de 17-
Poi bero, meu amigo Sr. Barbolani. se ea rece-! .Fe.th V. Exc. m linMe a porta a toda a neg
besse urna resposta do Sr. Aguirre em laes termos,; c'ajao.
nutro fundada esperanca de os razer aceitar aqoi e a.p,ossu,do de fallazes, 2era"cas "g1'
1 do Paraguay e as tentativas de rebelliao qne se
Mas a m intelligencia em qne escreve o Sr.
Aguirre torna ainda maior a sua responsabilidade,
ainda entendendo que se Ihe dizia que o Brasil re-
cuarta do que elle chama seu errado caminho,
fecha as portas negociago e nao nos deixa meio
de evitar qae os canhSes brasileiros arrazem Mon-
tevideo. Nao quer elle abrir oojro cominho hon-
roso ao Brasil.
Repito, pois, pela minha parte nada espero J do
Tenho a honra de ser, com a mais alta conslde- faxem em Entre-Ros, faz V. Exc. o ultimo e o mais
rago, de V. Exc affeicoadissirao amigo e leal cria-. injustificado dos sacrificios que exigem as furias
dof-AiNf/e Lamas. d seu- p"lldo: ... v .
Em junbo e julho saenflcoa V. Exc. a paz da re
Particular.Montevideo, 25 de janeiro de 1865.
publica e attrahie sobre ella a guerra estrangeira
-Meu caroe respeitavel Sr. Lamas. Apenas re- Ifra nao dar entrada no sen ministerio a indw
cebiacarta com qoe me honrastes em data de dos do partido colorado nem mesmo aos homens
hontem, puz-me en? movimento para empregar no-; ,mDarcniaesr MlfSL&KTSSEll. v Ftc
vos psfnrras no intuito nno m indiiastes Ao Dlsar estrangeiro o nosso solo poda V. Exc.
vo> esforcos uoiniuito qoe^me indicastes. ^^ g erra cjvj| nm Q chamando ,
vosso]^m^.lXSrZSSJS, e! Pa'd.o colorado ao governo, mas nao leve a cora-
que peearia sobre elle urna grave responsabilidade | 8e^* "e o',zer- ___. il__ ^ _> _.
seorocusasse. Pareceu-me perplexo e indeciso! ?* SSSfiVK2l
por algum lempo, masemfira proinetieu-me escre "siao de formar a independencia do pa.z reun.n-
ver-vos hoje mesmo de um modo assas favoravel: do:nos' Pr uma alta inspinjs*o, debaixo da ba-
as vossas ideas, apezar de algumas n.odiflcacoes deira nac,oaal P* que todos Ihe serviseemos de
que nao prejudicam o fundo das propostas. Pelo wvalneravel escudo,
que perceb, creio que eile desejara aditar ao ge-
neral Mitre algum outro governo. Emfim veris :
da minha parte fiz o qne era .possivel, e nao me
cansare nunca de trabalhar emquanto houver es-
peranca, para chegar a nina solugo pacifica. A
todos os meus collegas animam guaessentimentos.
EXTERIOR.
Documentos relativos qaestio
do lrat;i.
Exm. Sr. D. Athanazio C. Aguirre. Buenos-
Ayres, 17 de janeim de 1865.-Meu estimado ami-
go e senhor. Dominade pelos sentimentos que me
con.luzram a Montevideo no mez de jnnho, pelo
amor que professo a essa nossa bella capital, e pelo
desejo de que se evitem novas e maiores despra-
cas, cheguei-me ao Sr. general Mitre para pergun-
tar-lhe se, conservando-se, como eslava seguro de
se conservar, nos saos e elevados propsitos que
manifesluu na declaracao pacificadora do seu mi-
nistro o Sr. Dr. Elizalde, estara disposto a inler-
pdr os seus respeitaveis e amigaveis bons offlcios
para que, evitando-se ruinas e sangue em Monte-
video, se chegasse a dar ao desenlace que vai ter a
situacao actual, nm carcter incruento, eque dsse
as garantas que sao para desejar para todos es
Orintese.
O general Mitre tt-ve a bondade de assegurar-me
que, possuido sempre dos sentimentos que eu
Ihe conheco, e aosquaes fago jnstiga, eslava promp-
to a ioterpor os seus bons offlcios, para que pou-
i>ando-se novas desgragas por meio de uma solu
cao pacifica, fleassem seriamente Igarantidas as
pessoas e as propriedades, e no gozo dos direitos
que Ihes d a constituigao do estado, se esta nter
vengo for desejada com sincerdade, e (iver por
este desejo, devidamente manifestado, occasiao jus-
tificada para exercer-se.
Certo das rectas intenedes de meu amigo
o Sr. general Mitre, apre posla ao conbecimento de V. Exc, como o nico
meio de evitar os desastres de uma defeza impos-
sivel, e que traria sobre V. Exc. a responsabilida-
de de sacrificar, sem necessdade, a populagao de
Montevideo, e de privar seus amigos polticos das
garantas civis e polticas que Ihes pode dar uma
solugo pacifica.
Para chegar a este resaltado no deve perder
nm s instante.
Daqui a mnitos poucos dias chegarao Montevi-
deo, por trra e por mar, forgas irresistiveis, e o
desenlace violento pode ser immediata
Creio esensadodizer V. Exc. qae Ustou nteira-
mente s suas ordens para todas as diligencias que
nos podem levar ao benfico resultado que pro-
coro.
Pode V. Exc. contar com a minha discr^ao tan-
to como com o meu patriotismo.
Tenho a honra de ser de V. Eac muito affectuoso
amigo e criado Andr Lamas.
ola.Desta carta enviarei umacpia S. Exc.
o Sr. Barbolani.
O corpo diplomtico se dirigi ao Sr. Aguirre
para que solicitarse a mediago do governo argen-
tino.
O Sr. Aguirre recnsou tenazmente.
i u i
Exm. Sr. brigadeiro general D. Venancio Flores
-Buenos-Ayres, 20de janeiro de 1865Sr. gene-
ral e amigo.Julguei que devia communicar V.
Exc. os passos que nestes momentos damos junto do
Sr. Aguirre, e a bondade com qoe V. Exc. tero i soblevago i
animado os meus esforcos anteriores para a pan- rientes.
cagas do paiz, aulon.-a-me a dirigir-rne V. Exc.
sobre este objecte.
Para proceder aislo com a mais inteira franque-
za, envo V. Exc. copia da nica carta que al
hoje se tem dirigido o Sr. Aguirre.
Este carta mostrar a V. Exc. o fim que nos
Ace.tai a seguranza da minha extrema conside-
rado.
bou, senhor, vosso muito atiento, obrigadoe cria-
do.-it. U. Barbolant.
Sr. D. Andr Lamas.Montevideo, 25 de Janeiro
de 1865.Estimado senhor e amigo. Nao tem sido
colpa minha nao ter respondido antes soa esti-
mada de 17 do correle. Fazendo-o agora para
mim grato dizer-lhe que, sciente do seu contedo,
nao posso deixar de reconbecer o inleresse que
Vmc toma pela paz deste paiz; apesar disso, nao
possivel confiar em que os bons offlcios do Sr.
presidente Mitre deem a seguranga pacifica que o
paiz reclama na luta a que foi injustamente provo-
cado pelo Brasil.
A poltica observada pele governo argentino para
com o Brasil os seas compromissos com e-ie nao
podem inspirar aopovo oriental acoofianca pi trisa
a que Vmc. parece entregar-se.
Seria insensato da minha parte depois dos suc-
cessos que se tem dado e se esiao dando vista de
todos, attribair completa impa^cialidade ao proce-
dimento que se irm wiv.
N3o peuso como Vmc. que a defeza que estamos
resolvidos a fazer a tdflo o tranze contra a domina-
gao do Brasil seja impossivel e sem motivos; con
sidero-a possivel e com o objecto mais sagrado a
que pode dedicar um povo os seus sacrificios e seu
sangue, a dgnidade e independencia da repbli-
ca. Ou havera quem considere justa a guerra que
o Brasil nos ireuxe ? Ou quem confie anda depois
de Paysand as bas intenedjs do Brasil T
E' dever meu compartir as desgragas ea respon-
sabilidde que possa cahir sobre os meus concida-
dos por defender a independencia e a honra da
sua patria, e eu atragoaria o cumprimenlo deste
dever fazendo acto de sabmisso s pretengoes
com que o Brasil quiz hamilhar-nos. Como chefe
do estado estou obrigado a compri-lo integra-
mente.
O Sr. Barbolani teve hoje a bondade de commu-
nicar-me um trecho da carta em que Vmc. Ihe ma-
nfesta a possibilidade de apartar o Brasil do erra-
do caminho em que anda relativamente nos: nao
posso imaginar que Vmc. seja levado a acreditar
isto por outro sentimento que nao seja o de desviar
as desgragas que nao possam vir-nos. Seria intil
afasta-las agora para depois assentirmos mais gra
ves: sobretudo estando nos j resignados a sof-
fre-las porque a isso somos obrigados por varias
causas.
Muito e muito agradego os offerecimentos que me
faz e dos quaes me aproveitarei quando me forero
necessarios, confiado em que far Vmc. outro tanto
em ludo para que possa ser-lhe til o seu, etc.,
eleAlhanasio C. Aguirro.
A a. Exc. D. Raphael Ulysses Barbolani.Buenos
Ayres, 27 de janeiro de 186o.Eslimado senhor e
amigoA carta que V. Exc. me fez a honra de
dirigir 25 deu-me a esperanga de que poderiamos
ainda continuar na nossa boa obra, porque nao
quera por em duvida a sincerdade com que oeste
momento supremo para Montevideo o Sr. A> uirre
Ihe prometiera que Ihe respondera favoravelmente
s iniiilias ideas, embora cora algumas variantes
que nao mudariam o fundo das propostas.
Nao se meoccullava.pelo queV. Exc. accrescenta-
va, que feriamos muia.s difflculdades; mas emfim
oe recebiamos uma repulsa in Itmtne, o Sr.
Aguirre punha a pona do p oo caminho da paz, e
desde que islo conseguamos, com a paciencia que
nao nos faltara, e com um pouco de savoir futre
podamos ter a esperanga de alcancar o que con-
ven) a todos, blancos e colorados, evitando a uns e
a outros a desgraga, que para lodos grande, de
cahir e subir entre as ensanguenudas ruinas de
Montevideo.
Infelizmente nao sustenta o Sr. Aguirre a sua
palavra, e agora como em juoho nos d a guerra,
quando as suas palavras annunciavam a paz ou a
possibilidade delta.
Eavio a V. Exc. copia da carta que acabo de
receber do Sr. Aguirre, e que, como ver, uma
repulsa redonda de toda e qualquer negociago.
Ruim pelo fundo, ainda peiorpela forma. Como
se nao Uvera bastantes nimigos e difflculdades de
sobra, o Sr. Aguirre as busca novas, offendendo
sem necessdade nem razo os mesmos que, esque
cendo amigos dios, eslendiam mo generosa para
erguer Montevideo do abysmo de sangue a qae vo
arrojar aqaelia bella cidade.
Direi a V. Exc. a verdade do que pens, como
sempre fago.
Nao creio nem que o Sr. Aguirre seja inconve-
niente por desconhecer as formas corlezes em que
poda ter envolvido a sua recusa, nem to pouco
que nao perceba que a presenea do geverno argen-
tino no acto em que as armas do Brasil apparecem
em Montevideo, seria nova e mui regura garan-
ta para a independencia e dgnidade da repblica
oriental.
A verdade qae anda a esta hora se entrega
elle no meio de fallazes illusoes s tentativas de
provocar de combinarn com o Paraguay ama
provincias de Entre-Ros e Cor-
commetteu o rancoroso exclusivismo dos partidos, dncia e soberana da repblica oriental, como base
Oxal qae seja o ultimo. de seguranga e eagrande.'imeoio para povos liga-
se nao fr o ultimo, aquella nacionalidade est dos por vnculos de tradigao, fraternidade, espe-
morta. rangas, e pobres e legitimes ioteresses.
Sabia V. Exc. qne ea esteva disposto a separar! Tendo cumprido as ordens do mea governo, e
me dos negocios polticos do meu paiz no mesmo com a mais plena conflanga na fidalguia e nobreza
dia em que conseguissemos pacifica-lo. dos sentimenios'do governo e povo paraguayo, le-
Realisa-se hoje esta resolugao com a amargura nhoa satisfago de reiterar a V. Exc. os protestos
que me causa a cataslrophe de Montevideo. Cora sinceros da miuna consideracao e dlstincto aprego.
este raen triste adeus, sou sempre o seaAndr Jos Vasquez Sagastume. AS. Exc. o Sr. D.
Lamas. Jos Berges, ministro e secretario de estado das
Sr. Dr. D. Andr Lamas.Mea querido amigo, relacoes exteriores.
Vejo com dr pela sua carta de boje que os seu
nobres esforcos a favor da pacificado de sea paiz
se mallograram mais uma vez.
Quando as ouiras. aoiles meperguntau, confiden-
cialmente se esteva disposto a empregar os meus
Ministerio das relacoes exteriores.Assutnpcao,
1 de fevereiro de 186o.
Teeho a honra de accusar a V. Exc. a recepgo
da nota que se dignou dirigir-me com data de hon-
tem, acompanhaedo a copia das communicagoes do
bons offlcios a favor da pacilicago da Repblica ministerio das relagoes exteriores da repblica
Oriental, alim de evitar cidade de Montevideo as
calamidades que a esperavam, disse a Vmc que
esteva como sempre disposto a isso, toda a ves que
a mediago do governo argentino fosse sincera-
mente desejada, e por consequencia solicitada da
forma que se considerasse mais digna e convenien-
te para todos; porra accrescenlei que se ella nao
fosse solicitada, esteva resolvldo em todo o caso a
offerecer a mediago officiosa do governo argenti-
no, e a fazer quanto dependesse de mim nao s
para evitar desgragas, como tambera para produ-
cir a paz e garantir quanto fosse possivel a sorte
presente e a ordem futura no Estado Oriental.
Depois do passo que deu o corpo diplomtico' ferocidade,
em Montevideo convidando o Sr. Aguirre a solici- culo,
lar a mediago de governo argentino para por ter-
mo guerra que assola aquel le bello paiz, e da ne-
gativa do Sr. Aguirre do faz-lo, ainda julgava
possivel fazer alguma cousa nesse sentido, offere-
cendo directamente a minha mediago (se o solici-
ta-la era um obstculo) por intermedio do proprio
corpo diplomtico-, caja nobre conduca nesla cir-
curastancia foi lao juste quao acertada.
A resposta do Sr. Aguirre que Vmc. communi-
ca, fecha-me at esse ultimo caminho, piecisameote
no momento era que tinha adiantado muito no sen-
tido da paz, obtendo o assentiraento nos 'demais
beligerantes, e aplanando graves obstculos que
podiam entorpecer nm arranjo conveniente.
Deploro-o, porque amo a Repblica Orienlal co-
mo uma segunda patria, da qual conservo as mais
gratas recordares, porque qaizera preencher para
com ella os deveres de bom amigo e bom visinho,
e porque, como governante e como Argentino de-
sejara, evtando-lhe desgragas no presente, contri-
buir ao mesmo lempo para assegurar-lhe a ordem
constitucional, a paz e felicidade no futuro, por
meio de uma poltica de tolerancia, de reparago e
oriental, de 11 do Janeiro prximo passado, e da
circular ao eorpo diplomtico.
O mea governo vio com profundo desgosto os
actos de atrocidade, nunca desculpaveis, c|ue as
forgas brasileiras, alliadas s que sao commanda-
das pelo general D. Venancio Flores, perpetrara!
com os heroicos defensores de Paysand, na toma-
da daquella cidade.
Actos de semelhante natureza imprimem a igno-
minia sobre os seus execulores, e meu governo nao
pode deixar de lamentar que se estabelecaro lo
funestos precedentes que, justificando represalias,
podem chegar a dar a guerra o carcter de uma
indigna dos povos civilizados deste se-
Successos lie deploraveis mostram desgraciada-
mente que a poltica do governo imperial nao re-
cua ante o esquecimento de sua orgem, para al-
Har-se rehelto, qem ao emprego de meios to
pouco dignos para atlingirans seus Qns.
O governo de V. Exc. tem motivo de sobra para
erer na sustentagao das solemnes declaragSes de.-te
em seu protesto de 30 de agosto, e as operac5es
das forgas naclonaes no alto Paraguay sao uma
prova de que o governo paraguayo nunca empe-
nha debaldn a sua palavra, e que nao deixar de
empregar sua aeco militar e poltica, na forma e
poca que mais assegure immediatamente o resal-
tado desejado, lao depressa como razoes "estrat-
gicas e consideragSes indispensaveis assim o per-
mittam.
Meo governo espera que o patriotismo do povo
oriental e seus recursos ho de permitlir ao de V.
Exc. sustentar a situagao, al que o empenho dos
dous paizes possa salvar a nacionalidade orienlal e
os fundamentaes principios, cuja salvaguarda poz
em armas a repblica do Paraguay.
Aproveito esta occasiao para renovar a V. Exc.
de progresso anloga que salvou a minha patria, as segnrangas da minha alta consideragao c apre-
0 seu partido, abrindo espontneamente a casa
do governo aos colorados para que todos os Orien-
laes unidos fechassemos o nosso territerio ao es-
trangeiro, ter-se-hia salvado gloriosamente e livra-
do a nossa infeliz patria desse espectculo horrivel.
sem nome, que se deu em Paysand, e que V. Eic.
vai fazer repetir era Montevideo.
Sempre o partido cima da patria I
Assim o faz V. Exc, assim o fazem outros.....
Desespero, senhor, da salvago da nossa patria.
E.-tao-a a matando e desdouram o nosso nome
n'uma disputa de posigoes ornciaes, porque emfim
isto tudo.
Nao desejo, Dos bem o sabe, fazer injustiga
V. Exc. nem a ningnera, mas em consciencta creio
que V. Exc. sacrifica ao seu partido a cidade de
Montevideo.
E.-tarei equivocado?
Fcil V. Exc. preva-lo. ^alve Montevideo.
Dirija-se V. Exc. Repblica-Argentina, funda-
dora e fiadora da nossa independencia, e aos repre-
sentantes da Inglaterra e da Franca, nagdes que
virtualmente a garantirn) tarobem, e diga-Ibes:
i A cidade de Montevideo vai ser destruida
n'um combale de morle em defesa da Independen-
cia e dgnidade da repblica. E para provar qae res.-Buenos-"Ayres" 31 de Janeiro de 860C r.
c somente a independencia nacional qne me leva a
este immenso sacrificio, e que este poro de todo
o interesse de partido, proponho entrar em nego-
cagdes dehaixo das seguales bases:
1." Organisar-se-ha am governo provisorio
composlo de cidadaos do partido colorado.
2. Haver esquecimento de todo o passado e
estpular-se-hao garantas serlas e efflcazes para as
pessoas, propriedades e.livre exercicio dos direitos
constltacionaes.
3.a As questoes pendentes com o Brasil sero
tratadas com o governo oriental debaixo da media-
go ou com o concurso dos representanfes da Re-
bublica Argentina, Inglaterra e Franca, potencias
fiadoras e interessadas na independencia e integri-
dade da repblica. >
Propostas estas bases, immediata e offlcialmente
creio que ellas produziro um armisticio e uma ne-
gociago.
Em toda a negociago com o Brasil em que in-
tervenhara a Repblica-Argentina, a Inglaterra e
a Franga, esto salvas a independencia e a inte-
gridade da Repblica.
Se islo, nao mais, que V. Exc. quer salvar, ahi
tem um mel efficaz.
Tenho a honra, eleAndr Lamas.
Exm. Sr. general D. Bariholomeu Mitre. Meu
querido amigo.Hontem tive a honra de informar
a V. bxc. de que o Sr. Aguirre havia prometlido
ao Sr. Barbolani que respondera minha carta de
17 de uma maneira muito favoravel s mtilias
Ideas, embora com algumas modificag3es que nao
alterariam o fundo do meu pensamento.
Acabo agora de receber a esperada resposta, e
com profundo pesar vejo que o Sr. Aguirre faita
promessa que fez ao Sr. Barbolani, e a quanto me
mandara dizer particularmente, animndome a en-
celar esta negociago da forma por que o fiz, e re-
cusa ni limine qualquer negociago, condemnando
a nossa amada Montevideo triste sorte de Pay-
sand.
Participo, pois, V. Exc que os meus esforgos
mallograram-se inteiramente, e envi ao Sr. Bar-
bolani a resposta que recebi, manifestando-lhe leal-
menle as causas a que attrbuo o cruel e injusto
sacrificio de Montevideo, cuja destrugo j est
iniciada pelas medidas que se adoptara para a re-
sistencia que telvez nao seja mais do que uma des-
ordem sanguinolenta e funesta para aquella pobre
populagao.
Conhece V. Exc. intimamente lodos os esforcos
que hei feito desde o mea regresso ao Ro da Pra
ta,
regenerando-a o curando nella as dores das suas
passadas lutas.
Reconhecendo os seas generosos esforgos a fa-
vor da paz, e desejando que se aprsente alguma
occasiao em que ainda possam ser uteis os meus
bons offlcios desgranada cidade de Montevideo,
evitando-lhe dores ou minorando-lh'as qoanto pos-
sivel. Son sempre muito seu Bartholom Mitre.
Sua casa, 28 de Janeiro de 1865.
Sr. D. Andre Lamas.Barra de Santa Luza, 28
de janeiro de 1864. Meu estimado senhor e arai-
go.Com summo prazer recebi a sua apreciavel |
de 20 do crreme, e os passos que acaba de dar
junto do Sr. Aguirre, bascando meios de evitar
desgragas e ruinas a heroica cda le de Montevi-
deo, me enchem de satisfago. Oxal que o Sr.
Aguirre comprehenda bem a inmensa responsabi-
lidade que vai pesar sobre a sua pessoa, se capri-
char em fazer uma resistencia infundada e sera
obter nenhum resultado favoravel para a injusta
causa que sustenta.
Nesse terreno de enxugar lagrimas dos nossos
compatriotas e de evitar ruinas e desastres nos-
sa querida patria, me encontrar sempre disposto,
e portento deve contar com a minha boa vonlade.
De Vmc sempre amigo e servo. Q. B. S. M.
Venancio Flores.
Exm. Sr. .brigadeiro-general D. Venancio Flo-
go. Jos Berges. AS. Exc. o Sr. Dr. Vasquez
Sagastume, ministro residente da repblica orien-
tal do Uruguay.
o.-
ASSENBLE4 PROYNCUL.
SESSAO EM O DE MARgO DE 1865.
da fregnezia de Cimbres flea alterada pela maneira
segyint:
< 1. O dstricto da Matriz que lera a designa-
cao de districto, Acara eiaeomseripte dos quar-
teiroes do mesmo nome da trra de Frecheira e da
Barra.
S 2." Fca creado um distrto na villa de Pes-
queira com a desigoaco de 2 dstricto, o qual
comprehender os quarteirdes do mesmo nome do
Carrapicho de Sanhar e da & Joo.
t 3. Fica creado um dlslricto na povoacao de
Pao de Assuear com a desigoaco de 3 dstricto, a
qual comprehender os quarteiroes do mesmo no-
me de Acah do Pontedo e o (fAITectos.
t 4. Flca creado am dstricto na povoago de
Alagoinhas com a desigoaco de 4o dstricto, o qual
comprehender os quarteiroes do. mesmo nome.
5." O distrielo da povoago de Olho d'Agua
dos Bredos passar a ter a designago de 5 dstric-
to, fleando com a circumscrpgo actual.
t Art. 2. Ficam revegadas as disposigoes em
contrario
c Sala das sessoes, 6 de margo de 1865.Fran-
cisco Pedro.Marauho.
O Sn. Nabob pede a palavra e aprsenla o se-
gointe projecto :
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, resol ve :
Art. i. O presidente da provincia fica auto-
risado em quanto o paiz se acbar em guerra a
abrir um engajamenlo extraordinario e indetermi-
nado de pracas para o corpo de polica ; podendo
igualmente crear tantos postos de offlciaes qnaalos
julgar necesssarios para a boa organisago das res-
pectivas companhias.
Art. 2. Na razo do numero das pragas en-
gajados poder o presidente dividir o corpo de po-
lica em duas secgoes nao devendo a primeira
deixar de ser empregada no servico interno da
provincia de conformidade com o art. 7* da le de
9 de juoho de 1836, e a segunda podendo ser dis-
pensada deste .-ervigo e commissionada a servigo
de guerra se voluntariamente se offerecer e ao go-
verno geral convier.
ArL 3.* Ser a favor da referida secgo com-
missionada a guerra a presidencia da provincia de-
clarar extensivas as vantagens que pelo art. 7o de
sua portara de 6 de fevereiro do correte anno,
sao concedidas aos guardas nacionaes que a esse
corpo se olferecerem para a guerra, poder o mes-
mo presidente conceder a cusa da provincia e a
favor das pragas e offlciaes da sobredicta secgo,
um sold addiccional at SO por cento do que se
acha actualmente estipulado e mais uma gratifica-
So de 30 por cento emquanto durar a commisso
e guerra.
Art. 4. Se, porm, nao houver lugar a favor
da referida secgo e pelos cofres geraes, a conces-
so das vantagens indicadas no citado art. 7o da ci-
tada portara, ser em lodo o caso garantido pelos
cofres provnciaes as pragas e offlciaes da sobredl-
ta secgo, nao s o sold por inleiro, segundo a ta-
bella existente, como mais a gratificaco de 15 a
25 por cento do mesmo sold durante o* servico da
goerra.
t Art. 5." Para o flm de obterem aposentadoria
ser cootado o lempo da commisso da guerra pelo
dobro aos offlciaes que Dojhoaverem demerecer cen-
sura por cobarda ou algum outro acto infamante, e
pelo qnadruplo com o seu posto de accesso quelle
que se disleguirera em qualquer victoria alcanga-
PRBSIDENCIA DO Sn. DR. CAETAKO BHITO. .______., r -. j. -
A's 11 horas e 3/4 da manhSa acham-se presen-1 ^ua"uer fe,l d armas 1ue lnes atlramr lou-
c ,1 .i,.,11 .,!.,.: Gihr, A..i,n., P.incona >OreS.
les os Srs. tleputados : Sabino, Aquino Fonseca,
M?ranho, Gongalves da Silva, Araujo Barros, I'.i-
beiro, Rochael, Soares Brando, D Ulpiano, S Pe-
reira, Teixeira de Mello, llego Barros, Francisco
Pedro, Amynthas, G. Campello, Ayres Gama, Joa-
quim do Reg Barros, Buarque, Braulio, Nabor,
Silva Barros, Arminio, e Ramos.
O Sn. Presidente abre a sesso.
0_Sr. 1* secretario procede leitura da acta da
sesso anterior, a qual approvada.
EXPEDIENTE.
Um offlcio do secretario do governo da provin-
cia passando por copia para ser presente a assem-
bla legislativa provincial, alim de ser tomado em
consideragao, o offlcio de 25 de Janeiro ultimo, sob
25, em que o direclor geral da
n. 25, em que o direclor geral da instrnego pa-
general e amig''oter aboarad accusar a re-! blica solicita aulorisago para prover a cadeira de
cepgo da.carta que V. Exc se dignou diriglr-me instrucgo primaria do sexo femenino da villa de
no dia 28 docorrente, cumpro o dever, bem peno- Cabrob, creada pela Ici n. 598 de 13 de maio do
so para mim, de communicar V. Exc que, quan-1 a9no passado.A commisso de instracgo pu-
do menos devi espera-lo, o Sr. Aguirre respoudeu
minha carta de 17 em termos que repellindo vn
blica.
Um offlcio do secretario do governo da provin-
cia apresentando assembla legislativa provin-
cial o relatorio da cmara municipal do Recife
com o balango de sua receita e despeza do anno de
1863.A commisso de conlas e orgamento muni-
cipal.
Outro do mesmo senhor, remetiendo para qne
limine tudo quanto haviamos proposto, nao me
deixam esperanga de poder contribuir para dimi-
nuir e evitar as desgragas por que este passando e
de que se acha ameagada a cidade de Montevideo. (
Derrocada esta minha ultima tentativa, profun
damente desconsolado pela inutilidade dos esforgos
que fiz desde agosto de 1863 para que se restebele- tenha conveniente destino, trinta e seis exemplares
cesse a paz entre os Orientaes e se consoiidasse dasleisdo anno passado.A distribuir,
esse bem supremo pela co-existeitcia legal dos', Omro do mesmo senhor, remetiendo a assembla
partidos em que se d.videm, afflictissimo pelo pre- legislativa provincial 40 exemplaras do regula-! J"' ubUcal aoe*no form ndisoe"
sent e com serios temores para o futuro, sepa- ment da escola normal creada por le n. 598 de JEE?2tai!lSU?2 >Zf
_____a................... ..i.:... ,'. ..... t3 fia main itn annn niCuH Q ir Hit^c ro me
paiz.
dos actuaes assumptos polticos do nosso
13 de maio do anno passado, e 40 ditos do reg
ment interno da mesma.A distribuir.
Ao faz-lo mui grato para mira reconhecer que Outro do mesmo senhor, remetiendo para terem
as occasioes em que tive a honra de dingir-me a conveniente destino os inclusos autographos dos
V. Exc, sempre o enconlrei disposto a aceitar a de ns- 577 890,592 a 594, 596 a 598, 600 a
avengas que Ihe apresentava. 604, promulgados pela assembla legislativa pro-
Na vida particular em que vou encerrar a mi- vincial em sessao do anno passado A archivar,
nha tristeza, ser-rae-ha mui agradavel poder maoi- 0atr do mesmo senhor. remetiendo para serem
festar o alio aprego em que tenho aquella nobre Psenles assembla legislativa provincial, 40
conducta de V. Exc. exemplares do regolamento
De V Exc. alTectuosissimo amigo e seguro servo!ODrao publicas.A distribuir.
Andr Lamas. uulro do mesmo senhor, remetiendo as infor-
t 6 O soldado de polica que se distinguir
per qualquer acto de denodo ou feito glorioso, qae
o faga sobresahir aos seus companheiros, poder
ser elevado sobre o campo indepeadentemente de
graduos accessos, al o posto de primeiro lente,
devendo para estas noraeagoes o presidente da pro-
vincia dar commisso especial ao commandante da
referida secgo, o qual nao poder ter patente in-
ferior a de major.
Art- 7. Os offlciaes ou pragas que se tornarem
invalidas por ferimentos recebidos valerosamente
em acgo de combate sero aposentados com di re to
0 sold inteiro ; aquelles, porm, que o forem por
ferimenlos recebidos em desairosa fuga sero apo-
sentados cora dircito somente a meio sold.
Art. 8." As filhas e filhos menores dos que
fallecerem em combate sero alimentados, vestidos
e educados nes estabelecimentos piedosos da pror
vincia, e a custa dos cofres provnciaes, podendo
por isso o presidente abrir nm crdito especial e
empregar os neios que julgar necessarios.
t ArL 9._0s offlciaes de pclicia que voltarero
da commisso da guerra em estado de servir, nao
podero ser demiitidos se nao a pedido proprio ou
por sentenga condemnatoria, que os sujeite a pri-
so por mais do dous annos.
Art. 10. Fica aathorisado o presidente da pro-
vincia a abrir qualquer crdito extraordinario a-
1 a o dispendio com o corpo de polica emquanto
durar a presente guerra, podendo alm de outras
; justes providencias sobrestar o andamento das
saveis aos
palpitantes da provine!
1 Revogadas as leis e disposigoes em contrario.
Pago da assembla legislativa provincial em 4
de margo de 1865.Nabor.
O projecto, a pedido do seu autor, remeltido a
commisso especial j nomeada.
ORDEM DO DIA.
Entra em discusso a emenda empatada do pro-
jecto n. 17, a qual depois de haverem orado os
aa"renarttefe'a!!Srs- Mara"nao,G. Campello, S Pereira, Loureiro,
1! Buarque e Jacobina, rejeitada.
Entra em discusso o projecto n. 7. Fica adia-
^m-m^--------- i magSes ministradas pela thesouraria de fazenda d. porner s,do aPProvado um requenmanto do Sr.
Legagao oriental na repblica do Paraguay.- acerca do requerimento dos proprietarios dos ter-1 kamPell Ped,ndo W* esperassem.as informa-
Sera rezTSs?coCaBal "" ABron-A I VuVS le'rceira discusso o projecto n. 69.
Outro do mesmo senhor, remetiendo os antogra-1 ^'1^ ?SSS- Araajo Barros> K Pedro' Mara"
phos das resolugoes desta assembla em 30 abril, nnel'va,ia"?- .
2 e 7 de maio do anno passado, que deixaram de' fc"M"!Efti projerl STS>'*aD'
ser sanccionadas.-A commisso de contas e po- o reJeilado o ^gumte reqaenmento do Sr. Mara-
deres.
Outro do mesmo senhor, remeltendo as infor-
macoes ministradas pela cmara municipal de
Olinda acerca da petigo de Manoel Luiz da Veiga
A 31 de dezembro do anno prxima passado, par-
ticipando a V. Exc. a annullago dos tratados com
o Brasil, que o meu governo teve necessdade de
declarar, era coosequencia da perfidia e deslealda-
de cora que o imperio os bavia violado, represen-
tando os sentimentos do meu paiz, tive a honra de
dizer a V. Exc.:
< A repblica oriental aceita a guerra que Ihe
faz o imperio do Brasil, Do cobarde e barbara-
mente como este a pratica, mas sim franca, leal e c """os.A quem fez a requigo.
sincera como cumpre a um povo nobre e cavalhei- _Outr0 do mesmo senhor, remeltendo as informa-
roso, que a far al morle, sem tregoa nem des- e?. ministradas pelo juiz de dlreilo da comarca
canso, sera medir a forga e o poder dos seus ini- dj Bonito acerca do requenmeoto do escrivo do
migos, e preferir cahir lutendo, envolvido ua sa- cnrae e ^lv' e 2 tabellio de notas daquella co-
grada bandeira da sua nacionalidade, a vver com marca.A quera fez a requisige.
a ignominia de obedecer s leis escravocratas do Una peticao da viuva e herdeiros de Jos Ma-
mperlo.o mede A'ves Ferreira, pedmdo que esta assembla
Desde essa poca, Sr. ministro, os successos da 'he mande pagar a quantia de 102:7605742 que
s guerra tem chegado exlremidade de por em emi- se ,ne e5ta dvendo em virtude do contrato cele-
' i nenie perigo a independencia e integridade da re-: brado com o governo da provincia.A commisso
, ,K?!r* T, P"a trafr Pae,ficara*Dte a sce" I publica oriental, sem que o valor edeciso de seus de fazenda e orgamenli.
na poltica o partido colorado, depois para localisar, ft|nos seja bastanU, para resislir e \ Sao em seguida lidos e approvados os seguales
arevolugao(quecondemnare. como qualquer ou-1 menios combinados de conquistadores e trado- requerimentos :
Nutrem neste momento a esperanca (infundada
segundo creio) de consegui-lo e trabalham activa-
mente na roali.-ago deste esperanga. Para isso
prometiem em Enlre-Rios, como prometieran! no
Paraguay resistir era Montevideo, ainda mesmo
reduzindo a deslrocos a cidade, para dar lempo a
propomos, e os meios que queremos fazer aceitar, qoe cheguem os Paraguayes e se ergam os pendCes
O fim evjtar uma desgraga lamaoha como o da rebelliao em Entre-Ros e Corrientes.. A este
seria realisar a sanguinolenta ruina da cidade con- projecto se sacrifica de ha muito a paz desse paiz
sagrada pela maior das gloras pacionaes vossa altrahindo sobre elle a guerra estrangeira.
bella o amada Montevideo. | A este projecto se sacrifica arada hrsie a cidade
O meios sao fazer sentir a jmpossibilldade do de Montevideo. E' este a verdade, senhor.
ira) fortalecendo as barreiras do direlo interna-
cional, como a lodos convem, e muito pouco mais
tarde para restabelecer a paz pela reconciliaco
dos Orientaes, e para consolida-la pela co-existen-
cia legai dos partidos; e conhece V. Exc. tambem
as angustias e dores que soOri nesla inte ingrat-
sima e estril com o exclusivismo do ceg espirito
de partido.
De todos os meus niallogros nenhum, porm,
rausou-medr mais funda de que o que agora Ihe
annuncio.
O genio da destraigo estende as azas negras so-
bre Montevideo, e os insensatos que all vio cahir
conjuram-o a que nao se afaste, e repellem com
energa os que querera afasta-k).
Se V. Exc. j nao pode ntervir para evitar a ca-
taslrophe, pde-o fazer alim de diminuir os estra-
gos e a effuso de sangue que ainda se pode es-
tancar.
Muratori o fez era Paysand, honrando s cores
argentinas e o pensamento de V. Exc.
Estou seguro de que isto e raais se far em
Montevideo, porque a Repblica-Argentina tem de
velar all pelos grandes inltresses internacionaes,
que represente e resguarda a independencia real
do Estado-Oriental.
D'emre as ruinas de Montevideo (se emfim nos
transformo Montevideo era uma ruina), necessario
erguer a nacionalidade oriental vivificada e for'a-
lecda por uma poltica fraternal, porque s a fra-
ternidade pode curar as feridas do abomlnavel fra-
tricidio.
E" este o interesse bem entendido, o interesse
legtimo do Brasil, assirn como oda Repblica Ar-
gentina.
Pobre Montevideo, meu querido Mitre I
V. Exc a chorar como ea, porque Montevideo
tem jas s lagrimas de V. Exc, que quasi seu
filho, como s de todos os homens Ifvres.
E sacrifteam-nos Montevideo nes aris do Para-
gaay (1)______________________
(t) Um dos membros do corpo diplomtico, re-
sidente em Montevideo, dizia-me com date de 22 :
O Sr. Agoirre deixou-roe eomprehender cla-
ramente que os compromissos qne elles teem com
o Paraguay nao Ihe permlltiam que o abandonas-
dores.
A heroica Paysand suecumbio victima da trai-
go imperial, e as suas ruioas, santificadas com o
sangue precioso de preclaros patriotas, serviro de
lestemuoho das atrocidades do Brasil e de glorioso
t Requeiro que pelos canaes competentes se
pegam as seguntes informagoes :
Se foi ou nao elTectuada a canalisaco d'aeua
polavel para a cidade da Victoria com decretou
esta assembla, e em caso negativo se ja se proce-
sepulchro aos martyres da independencia e da hon- i deu a^algum trabalho neste sentido.S. R.Carv.-
ra da repblica.
O governo oriental ter de defender a causa da
patria na mesma cidade de Montevideo, que ser
em breve atacada por todo o poder martimo e ter-
restre do imperio.
A justiga, o bom direito e a resolugao de mor-
rer cumprindo o dever de defender as iostilugoes
seberanas da repblica nao bastem para assegurar
a victoria dos principios salvadores que inters
sam vitalmente a eslabildade e o futuro destes pai-
zes.
0 governo do Paraguay, estebelecendo uma saa,
previsora e elevada poltica externa, tem sustente-
il> o equilibrio do Rio da Prate, e protestado con-
tra as sanguinolentas aggressoes do Brasil, fazendo I
effeciivo esse protesto com lustre e gloria das suas
armas.
Essa nobre attitude do Paraguay garante a exis-
lho Moura.
i Requeiro que se pegam as seguntes nforraa-
g5es pelos canaes competentes :
1." Que nomero de orphas existera no collegio
de Sania Thereza em Olinda.
2 Quantas desappireceram ou fugiram o
anno passado.
< 3. Que providencias se deram e quaes os
seas resultados.
4." Se a pessoa encarregada desse estabelecl-
mento ainda contina a rege-lo nao obstante factos
desia ordem.S. R.S Pereira.
t Requeiro qoe se pegam ao governo as segun-
tes informagSes:
Quaes as parles de loteras consignadas na
le do orcamenlo vigente, qne deixaram de ser ex-
Irahidas no actual exercicio.
Quanias loteras concedidas aos estebelecmpn-
tenciada nacionalidade oriental, e offeruee genero- tos de caridade e ao iheatro da provincia existem
sa um xito feliz aos heroicos esforgos com que lu- por extrahir.S. R.Buarque.
tara o governo e o povo oriental. ,', Sao em seguida lidos e approvados os seguales
O mea governo, porm, sent a necessdade de Pareceres:
assegurar um termo a essa lula desastrosa, em qoe I A commisso de agricultura, commercio e
o Brasil destre a riqueza nacional e pretende ex- 0Dras Publica?. para dar seu parecer a respeito do
terminar os elementos de vida propna que tem a \ me'nor ponto de partida da estrada projectada por
repblica. um PnIo prximo ao becco do Fundi na estrada
Tem elle, pols, preciso de marcar proximamen- de Beberibe, requer que pelos canaes competentes
te o dia da victoria para a causada justiga, porque s5 Peca com urgencia uma nformaco da repart-
assim demonstra a razo dos seus sacrificios na lu-, 5a0 das 0Dras publicas a este respeito, atlendendo
te, ejusliflea ante o mundo a sua inabalavel re- a conveniencia de ficar mais cotia a distancia
solugo de resistir a todo o transe conquista im- en,re Beberibe e esta cidade, e o menor custo
perial. possivel da obra.
Para fortificar a sua actualdade cora essa im- Sala das sessoes em 6 de marco de 1865.Cam-
portante declarago, me ordenou transmitlisse a V. pello.*oare_s Braodo.
Exc. os documentos que em copia legalisada lenho A commisso de estatistica, tendo examinado
a honra de ajustar e reclamar uma palavra ojficial a representacao da cmara municipal de Cimbres,
do governo do Paraguay, que certifique a sua firme o.d* Parecer que se adopte a segnlnte resolu-
---------------------------------------------------------cao :
sem neste easo e o deixassem s noembarago. O1 1 A assembla legislativa provincial dePernam-
nosso procedimento conectivo foi portelo intil:! buco resolve :
infeliimente competir aocanho a ulfima palavra.! Art. 1. A diviso actual dos districtos de paz
Requeiro que seja adiada a discusso do pro-
jecto at que venham as respectivas informagoes
do Exm. vigario capitular regente do bispado.
Contina a discusso das posturas da cmara
municipal de Agua Preta.
Sao approvados tees quaes os segoinles arlgos :
46, 49, ol), o, S4 a 57, 59, 60 e 61.
art 45 approvado com a segrate emenaa :
t Supprima-se o final do art. 45 sendo as palavras
alm de indemnsar at priso.G. Drum-
mond. >
E' approvada uma emenda do Sr. Buarque, sup-
pressiva do art. 47, por estar previsto no orgamen-
to municipal.
O art. 48 approvado com as segrales emen-
das : Supprimam-se as palavrasespecificados
nos ardaos precedentes.Buarque. >
t Em vez de fiscaes dgaseprocurador da c-
mara. Souto Lima.
E' approvada uma emenda do Sr. Sabino sop-
pressiva do art. 51.
O art. 53 tambem approvado com a seguinte
emenda : t Em lugar de um anno, dgase 18 me-
zes.Sabino Olegario.
O art. 58 com a seguinte : Supprima-se a pa-
lavra algumas.Sabino.
E' finalmente approvado o seguinte artigo subs-
titutivo do art. 62 : t E' prohibido a qualquer
pessea que nao seja arrematante passar os vian-
dantes de um para outro lado dos rios Una ou Se-
rlnhem nos lugares, caja passagem for arremata-
da ; os infractores pagaro lOOOO.Souto Lima.
Entra depois eu primeira discusso a proposta
da commisso de polica do anno passado de nm
artigo additivo ao regiment. Oraram os Srs.
Buarque e Ribero, sendo afinal approvada.
Entra tambem em primeira discusso o projecto-
n. 70. E' approvado, depois de ter o Sr. Francisco
Pedro apresentado um requerimento pedlndo qae
sem prejuizo da primeira discusso, fosse oavido o
Sr. vigario capitular, o qual requerimento foi tam-
bem approvado.
Entra finalmente em discusso o regulamento
do cemilerio de Caruaru'. Os Srs. Aquino Fonce-
ca e J. Reg Barros apreseatem o seguinte reque-
rimento : Requeremos que o regolamento v a
commisso de saude publica e negocios ecclesias-
tic>s, alim de que ihe d melhor redaegio.
O Sr. presidente declara a discusso adiada pela
hora e da' para a ordem do dia 7 :
Primeira discusso dos projeclos ns. 104, 88, S2
4 e 33, segunda do de n. 25, e continuago da an-
teriormente dada.
Levanta-se a sesso s 3 horas da tarde.
REVISTA DIARIA.
_ A assembla proviflcial provincial, em sua ses-
so de bontem regeitou a emenda, empatada no
anno passado, acerca da inspecgo do algodo;ap-
provou em 3 discusso o projecto n. 3 do correa-
te anno; diversos arilgos de posturas da cmara
de Agua-Preta ; e era-1" discusso o projecto n. 70
^







1
I
t
-
i
IklAAAA IL 1^%/M^I-Mr-A
11 r-^%\ # 1


;
o de rern amonto Tvc teJra t de Marro de 1 SftS.
I


I
de 1861, que eleva a capel la de Nossa Seobtra li
dos Horneas a matriz.com o nome de Sania Af uida.
~ As bases apresentadas para o contrato da m-
presso dos irabalhos da casara municipal care-
cen) de nota reconsiderago, se quo a coneurroB-
cia a que foi elle subraettido, nao ama burla.
As cuudigoes em que esta' elle eoucebido ex-
cluem, com eftoto, ama arrematago em devdos
termos de reciprocidade; e elsticas cuino sao, so
podero ser aceitas pelo empreiteiro mefliante orna
compeosacao peenniaria superior a' 3:0000t por
quanto neoburaa imprensa querera' tear as-
sim ao arbitrio de flseaes, Juntas qualicadoras,
preparaciies de jurados e quaniaeousa pUe abran-
ger a serie de diftoreutes aervigos, de que fallara
aquellas condigdes.
Alen disto, nao deurroinam a quanlidade.qual-
dade e formato dos impreasos avulsos, e nem tito
pouco o mximo de liabas do jornal, de que se te-
nha Qe servir a cmara para a publicago dos seus
actos; e assim eis a porta aborta para reclamares
e conflictos continuos entre a municipalidadc e o
infeliz impressor que flzer o contrato, e que por
torga deste sera' por flm o cordeiro da fbula, ao
passo que aquella fara' do leo.
E pois, estamos certos que os Srs. vareadores,
por nao seren profisslouaes na materia, e nao to-
rera lido presamente sciencia exacta do que dei-
xamos exposto, que mandaran) por e*se contrato
a concurso seb semelhantes condigoes, que dao cau-
sa a duvidas diarias e realisam lesoes enormes era
sua pratica, de sorte que para alguem se propr a
respectiva arrematarlo, preciso que d'antes te-
nha esse alguem o proposito de ir (Iludir as refe-
ridas estipulagdes, nao satisfazendo aos seus com-
promisses.
E sera' isto conveniente.
Importa, pois, que se atienda ao expendido, com-
penetrndole a niunicipalidade deque sua f foi
illaqueada na confecgo de taes base.-, olTerecidas
para fundamento da arrematago a que nos referi-
mos ; as quaes, por tanto, osen) er modificadas
convenielcmente rom clareza e detemiuagao do
servico.
At o dia 5 4o corrate contava o oorpo de
Voluntaria da Patria o seguinte numero de pes-
soas que ja trabara Jurado bandeira:
490 Joo Paulo da Rosa Seve, SO annos Pernam-
buco.
191 Domingos Jos [Rodrigues, 22 annos, dem.
492 Jos Paes Barbosa, 22 annos, idera.
493 Joaquim Pereira Alves de Siqueira, 20 annos,
idem.
401 Antonio da Silva Pinheiro, 19 annos, idem.
Os nossos leitores esto informados do que se
passam, no prximo passado anno, entre o proprie-
tario deste Diario e a assembla provincial ; cura-
pre-nos agora accrescentar que tendo o mesmo pro-
pnetaro proposto urna questao contra a thesoura-
ria provincial pela nulidade da recso do contrato
para o apanhamoulo e publicago dos debates da
assembla, tratou de previuir-se para o cutnpri-
to at aqu tem dado coala fiel do que se tera pas-
sado no recinte da cmara.
Ora sendo urna das suas abrigarles fornecer Dia-
rtos para todos os Srs. deputados, nao deixou elle
do enva-los effeetrvamenie desde o i" do correte,
em que coraecaram os trabalhos at o da 3 inclusi-
ve, quaudo pelas i huras da tarde veio o aju-
dante do porteiro da assembla, Joaquim Clemen-
te dos Sanios cora um retado do Sr. presidente no
sentido de que o mesmo proprietano retirasse os
Diarios, a que negava-se a entrada aluno caso con-
trario. Assim, pois, fique o pubulico inleirado de
qne essa falta nao provera do proprietario deste Dia-
rio, que aqui a consigna era suas circumstancas.
O Sr. subdelegado supplenle em exercicio
desta freguezia de Santo Antonio tomou a provi-
dencia" de restabelecer a's portas dos inspectores
de quarteiro uipa tabolea indicadora da residen-
cale autoridade de-tes.
Era por certo uraa medida ha rauito reclamada,
pois aconteca que moradores de uraa ra dada
ignorava quem fosse o seu inspector e onde mora-
va ; o que hoje nao succedera' cora aquella provi-
dencia.
A excepcao dos domingos, os fiis que tenham
de cumprir qualquer acto votivo na imperial ca-
pella da Estancia, dever-se-ho entender previa-
mente ou com o ihesoureiro a' ra Velha n. 56,
ou cora o juz da irroandade respectiva, a ra do
Rosario da Boa-vista n. 47, afin de que Ibes seja
franqueado o templo para satsfago a sua pieosa
devogo.
A nova mesa regedora conta, mediante seus es-
orgos e a coadjuvago dos devotos, celebrar aos
domingos e dias santificados all o incruento sacri-
ficio da missa.
Na sesso do conseibo supremo militar de
18 de de fevereiro ultimo, foi continuada a seotea-
ga do conselho de guerra, a que havia respondido
Sr. coronel Antonio Gomes Leal, Qcando por tan-
to absolvido.
Felicitando o Sr. coronel Leal, nao podemos dei-
xar de reconhecer que o conselho supremo militar
deu mais urna prova de jusliga e imparcialid de
-de seus venerandos raembros.
Amanhaa pelas 10 horas do dia mandara os I
Srs. director e lentes da Faculdade de Direilo des-
ta cidade celebrar na matriz da Boa-Vista urna mis-
sa de rquiem era suffrago do fallecido conselheiro
Loureueu Jos Ribeiro, que foi installador e pri-
meiro director do curso juridico de Olinda.
E' um tributo do corpo docente s qualidades,
pessoaes e aos servigos prestados pelos illustre fi- !
nado, ao qual se devera associar todos os escolares'
com a sua as>itencia.
Hoje, Cordeiro Simoes, far leilo de movis,
-cristacs, e outros muitos ohjectos degosto : na ra
da Cruz n. 24 1 andar.
De Pao d'Alho eserevem-nos em data de 5 do
frrenle :
O que sei para referr-lhe que andamos em
ruar de interinidades.
c Interina a cmara do municipio, por que ja
flndeu o seu lempo, e serve si el in quantum.
Interinos sao os empregados da raesraa cma-
ra, pois corre que serao demillidos apenas enire a
novameute eleila, se sbtiver o nomine discrepanli,
que espera dos altos poderes, a cujo plaeet foi sub-
metiida a sua eleigo.
Interinos sao os juizes de paz pela razo supra. I
< Interino sao : o juz municipal, delegado e j
subdelegados, por que andam esas cousas por
mos de supplentes.
Interino vae ser e promotor ptrblco, por ter
dado parte de doente, o qae serve o lagar effecli-
vamenle,
< Interinos sao alguns escrives de paz, o parti-
dor e destribuidor, muitos inspectores de quartei-
rao e todos os offlciaes de jusiiga deste foro.
Iotenno tem Vmc. aqui um correspondente,
com o que nao me agaslo, e ainda no Diario de 3
do corrente vi urna noticia do cujo dito, e a pro-
pusilo Ihe rogo, que assim que publicar as miabas
carias o faca de modo a distingu las das desse ou-
tro amigo, por que s goslo de carregar com as
minhas culpa?, e nunca com certas odiosidades
que posso muito bera dispensar, sera prejuizo de
Com esse pedido nao preciso offender a Vmc.
e era de leve ao referido amigo.
t Interinas andam por ahi umitas cousas, que
nao jolgo conveniente dizer.
f E finalmente interino o socego que se nota
nesta villa de certo lempo a esta parte, porque a
causa que acta para o estado contrario, nao pode
felizmente ser interinamente substituida. Adeus.
Chamamos a altencao da authoridade, a quem
possa competir, para o estado em que se acha o as-
soalho da bomba denominada do Gaz, pouco adian-
te da villa do Cabo, afra de que se evite algum de-
sastre ; visto ser grande o transito por ahi.
Pedem-nos a seguinte publicago, em satis-
fago a urna pergenia que foi tolla pela mesina.
I'ermilta-me que na sua apreciavel Revista Diaria
pondere ao Sr. incommodado pelos tiros queouve
para as bandas do Corredor do Bispo, a necessida-
de de se dar taes tiros contra os continuos assal-
tantes nocturnos dos muros dos quinlaes e sitios,
que effectivamente nos visitam, para nos levarem
quanto por descuido deixamos da parte de fra de
nossas casas, cujas portas e janellas sao empurra-
das, e ai daquelle que as ti ver mal seguras t A po-
lica nao omnisciente para poder prevenir taes
vasos; toca a cada cidado cuidar da sua seguran-
za. As obras publicas eslao parausadas, orecruta-
niento em efleclividade ; os menos vadios, que se
empregavara era srvenles e trabajadores e>tio
oceultos de dia, valem-se de noite, de todos os
meios reprovados para acudir sua subsistencia
Ojianto ao sobresalto que nos causam os tiros,
uiiior deve ser, quaodo nos dias de grande parada
se retiram os guardas, dando cento e tantos tiros
at as oito horas da noite, qne voltam s suas ca-
sas, e ainda nao consta que tenba bavido movito
ou aborto por tal causa. Em summa mea amigo,
i'u.-tunierao-nos e a nossos Qlbos ao ebeiro e estron-
ilo da plvora, visto que a patria nos chama a
de&aggravar nossa honra nos campos do Paragyay.
Creio que estamos concorde;.- Os do Corredor do
Bispo.
Passaieiros do vapor braalleiro Parahyba,
entrado de Macei :
Dr. Joa* Lopes de Aguiar, Dr. Joaquim Newlion
de Carvalho, A. A. Alves Monteiro, Dr. Florlano J.
de Miranba, Dr. Francisco Pial> Pessoa, e sua Sra.
4 sobrtnho, e 4 criada, Antonio di Amaral Botelho,
4 (liba e 4 escravo, de Antonio Jeromno Marques,
J. A. da Cruz, N. I). Caraeiro Gomes, Pedro da $.
Rogo, B. P. deAraujo, M. A. da Silva Hirelibe.
Passageros do hiale Novo Jnveucivel, sabido
para o Araeaty :
Antonio Francisco Coelho, J. H. Gomes de Mal-
los, F. P. Curado, Franklin de A. Malveira, sua fa-
milia e 2 escravos.
Casa de detencao.Moviraenlo da casa de
detengao do dia 4 de margo de 486S. Existan)
presos 383, eolraram 25, sahiram 25, existen) 383 ;
a saber : nacionaes301, estrangeiros 19, muJaeres
o ; esirangeiras2, escravos SI; escravas 5.To-
tal 383.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 167.
Movimento da casa de detengo do dia 5 de
margo de 1865.Exista presos 383, entraran)
5, exislera 388 : a saber : nacioaaes 04, estran-
geiros 21, roulheres 5 eslrangeira 1, escravos 51,
escravaso.Total 388.
Alimentados |a custa dos cofres pblicos 186.
Movimento da enfermara do dia 6 de margo de
1865. Tivebaixa:
Jos A. da Costa, contundes.
Tiveram alta:
Jos F. Alves da Silva.
Bellarmno Jos de Lima.
OBITUARIO 00 DIA 5 DE JIARgO DE 1863, NO
CEHITERIO PUBLICO '.
Antonio Ignacio da Trindade. Parnambuc j, 60 an-
nos, solleiro, S. Jos; caiharro pulmonar.
Joao, frica, CO annos, solteiro Boa-Vista ; conges-
tTio cerebral, r'rsrravo)
Leocadia Mara de Mendonga, Pernarabuco, 73 an-
nos, vio va, S. Jos ; pneiinonia.
Manoel, Pernambuco, 4 raezes, Boa-Vista den-
tigTio.
COMMUNICABOS.
Nao obstante nao ser um protesto o que eu e meu
nobre amigo e collega, o Sr. Dr. Jos da Cunha Tel-
xeira, apresentamos ante-hontem a assembla pro-
vincial, e foi lido na sessao de hoje ; mas urna in-
dicagao fundamentada, na qual propnnhanoos um
voto de censura contra a maioria da coramisso de
polica transacta da mesraa assembla : nao obs-
tante nao termos protestado nessa indicagao contra
deciso da assembla provincial, depois de votago;
mas houveniio proposto um voto de censura em
consequencla de ter a maioria dessa commissao ex-
cedido suas atlribuigoes, requisitando, em abril do
anno passado, torga armada para cercar e guarne-
cer o edificio, em que funeciona a mesma assembla,
sera scieacia e aulorisagao desta, sera sciencta
e assentimento do respectivo 2." secretario, o Sr.
Dr. Ferreira Jacobina, que o disse em plena sesso,
o Sr. Caelano Brito, actual presidente dessa assem-
bla, considerou, sera demonstra-lo, essa ind'caco
como um protesto, e sera redectir que nella se nao
tratava de protestar contra deciso da assembla,
depois de votago, e sira de censurar nm excesso
de attribuig5es da maioria da commissao de poli-
ca, que Ihe noforam, nem Ihe podiam ser confe-
ridas, julgou que eslava autorisado para regeitar,
por si e sera consultar a assembla, essa indicagao,
baseando-se na disposigao do artigo 149 do regi-
ment interno, que passo a citar.
Eis o que diz esse artigo :
< Art. 149. Nenham deputado poder protestar
por escripte ou de palavra contra a deciso da as-
sembla : poder sim inserir as actas a sua de-
clararan de voto, apresenlando-a na mesraa sesso,
ou na subsequente, sera ser motivado.
O artigo 149 supracitado nao linha, segundo
creio, nenhuma applu-ago indicagao, nao por
que esta nao era ara protesto e nella se nao tratava
de deciso da assembla depois de votago, e sim
de censurar a maioria da commissao de polica por
causa de um fado, que eu e outros deputados con-
siderramos como excesso de attnbuigoes, senao
porque esse artigo se refere a decisoes da assem-
bla tomadas por meto de voUco, e por isto se
acba coniprehendido no capitulo 9. do regiment
to inlerno que tem por titulo modo de votar; e
a segunda parte desse artigo bera deixa ver que
se trata de vol. O que eu e meu nobre amigo e
collega apresentamos, repito, foi urna indicagao, e
o dissemos desde o da 2 do correte, em que foi
apresenlada, e neste caso o Sr. Caetano Brito devia
cinsir-se ao que dispoe o artigo 108 do mesmo re-
gimffnto, que diz que as naicagoes, independen-
tes de votago, serio reraetlidas coramisso, a que
por sua natureza perlencerera, e nao regeila-la,
prevalecendo-se de que era um protesto contra de-
ciso da assembla, embora esta nao tivesse sido
consultada quaudo a maioria da coramisso de po-
lica julgou precisa a requisigo da torca armada,
erabora nao Ihe tivesse dado aulorisagao para isto,
pelo que a presenga dessa torga causou uraa ver-
dadeira sorpreza quedes que nao erara admiti-
dos nos segredos administrativos ; entretanto que
na indicagao procura vamos garantir a soberana da
represenlago provincial contra excelsos de attri-
buigoes da commissao de polica que, julgando-se
autorisada para tanto, principalmente depois do
precedente, pode cercar e guarnecer com torga ar-
mada o edificio, era que funeciona a assembla pro-
vincial, quando Ihe aprouver, pode ale mesmo d'alli
fazer cxpe'lir deputados que se opponham aos des-
mandos da presidencia da provincia, ou aos esban-
jamentos dos diobeiros pblicos.
Ninguem, lendo a indicagao que foi apresenlada
e vai abano publicada, e confrontando o que nella
se l com o disposto no artigo 149, era que se ba-
seou o Sr. Caetano Brito, dir qne ella um pro-
testo feito as condlg5es, de que trata esse Jartigo ;
entn tanto o Sr. Caelano Brito assim nao pensoo, e,
apoiado nos dous membros da mesa, da qual faz
parte o Sr. Dr. Costa Ribeiro, regeitou a indicagao.
Creio que nao preciso entrar em tongas conside-
rares, nem prodnzir argumentos para provar o
que tica dito : eu e meu nobre amigo e collega pro-
pozemos um voto de censura, e nos fundamos no
regiment interno, qne em artigo algum nao per-
mute commissao de polica requisitar torga arma-
da para cercar e guarnecer o edificio, em quefanc-
ciona a assembla; mas nada disto peson sobre o
espirito do Sr. Caetano Brito, que quer mesWar-se
reconhecido al ao lim.
Admirou-me que o Sr. Dr. Costa Ribeiro, qne
leu a indicagao, nao vsse qne ella nao era era
encera va um protesto, nem se pareca com esse
que dirigimos, em abril do anno passado, mesa
da assembla provincial, depois de retirar-nos era
cousequencla da presenga da torga armada, e foi
impresso ne Diario de Pernambuco e Liberal; e ad-
mirou-rae que ello nao reconhecesse semelhanga
entre essa indicagao e urna exposigao que assig-
nou em 18 de abril do anno fiado, exposigao que
nao foi apresentada, e vai abaixo trausrripta. Se
o Sr. 1." secretario livesse dito que a lodicago nao
era um protesto, e que nella se nao repeli o qne
havia sido dito no protesto que mesa da assem-
bla provincial dirigirn) os deputados, no dia se-
guinte ao de sua retirada, no qual declararan) qae
nao vliarain as suas cadeiras em quanto perma-
neciese a torga armada, tal vez o sr. Caetano Brito
nao insistisse era regeitar a indicagao a pretexto de
que era ura protesto ; mas o Sr. Dr. Costa Ribeiro
nao o fez : pelo contrari suas palavras s servira
para dar torga ao Sr. Caetano Brito, e fazer-me crer
que tudo isto se deve ao convenio.
Quando apresentamos a indicagao sabamos qae
ella nao sena approvada; mas, coofesso, nao espe-
ravamos que fosse regeiada, porquanto a assembla
provincial eslava em seu dimito nao approvan-
do-a, entretanlo que, para qae fosse regeiada, era
preciso que nao exisiisse no regiment interno o
artigo 408. O qne procuramos, apresentaodo essa
indicagao, foi que a assembla provincial ou consi-
deraste o acto pratica lo pela maioria da coramis-
so de polica como um excesso de attribuigdes, ou
o reconhecesse fundado, e convertessesaa opioio era
artigo addilivo ao regiment, atim de que ninguem
niais ex tranhasse proced meuto .-envinante; mas o Sr.
Caetano Brito, para trar-se de difOcoldades, regei-
tou sera fundamento plausivel a indicagao, que li-
nha raais alcance do que elle suppunha, como Ihe
mostrara o futuro.
Pretenden) alguns, que sustentan) a resol ugao do
Sr. Caelano Brito, que, tendo a maioria da assem-
bla provincial decidido qne fosse conservada a
forca armada, o resultado da votago equivala a
urna deciso que exprime uraa resolugo anproba-
torla da requisigo da torga armada, e por conse-
qnencia nao podamos protestar contra o vencido ;
mas o voto de censara, que propozemos, nao se re-
feria conservarlo da torga, e sim requisigo
felta pela maioria da commissao de polica, sera
sciencia da assembla provincial, sem auterisaco
desta, qne Bao Ih'a poda dar vista do regiment
interno.
E quando fosse liquido o qae pretenden) os que
procurara sustentar a resolugo do Sr. Caelano Bri-
to, fundando-se em qae a assembla decidi por
meio de votago que a commissao de polica esla-
va autorisada a requisitar torga armada, e qne li-:
cava absolvida de a baver requisitado sem sciencia
da mesma assembla, creio que d'ahi se nao segu
que este anni nao se podesse tratar do facto. .*e
ara projecto, presentado e regeitado em um asno,
pode ser presentado e approvado no anno seguin-
te, segundo dispoe o art. 131 do regiment interno,
eomo nao so pode dar o mesmo a respeit de urna
indicagao, que tera por lim censurar um excesso de
I attribuig5es qoe o regiment Interno nao eoofere
commissao de polica? Mudem-se as scenas polti-
cas, e veremos como preceder a assembla pro-
vincial que substituir essa, que fu' ceiona.
As pessoas, que esto dominando a situacao, nao
consideran) no errado passo que deram. Que im-
porta que Mannel fosse expnlso da cmara dos de-
putados de Franga, em 1823, e se visse arrastrado
por gendarmes ? Deixou de ser por isto violento e
arbitrario o acto dessa cmara, que o illiminou do
i numero de seus membros e erdenou sua expulsao,
que era urna exorbitancia de poderes ? Nao, e o
que receiava e proeurava evitar Manuel concorreu
poderosamente para a revolugo de julho de 1830,
que derrnbou do throno Carlos X. Que Importa
so do nobre segundo secretario, como elle mesmo
declarou era sesso; de sorte que foi orna verda-
dera sorpreza para todos os raembros desta assem-
bla, pelo menos para aquelles que nao esto nos
segredos administrativos, a oceupago do edificio,
em que ella funeciena, pela torga armada, foi um
abuso de eonflanga nessa commissao posta por esta
assembla, que nao poda consentir que a dita
commissao excedesse os podares que Ibe d o re-
giment interno, entre os quaes nao se acba o de
requisitar torga armada, nem o de fazer oceupar o
edificio por soldados.
Se em caso algum permute o regiment inter-
no que esta assembla requisito torga armada,
nem mesmo na intengo de proteger a liberdado
das discussSes ou garantir a vida dos deputados,
ainda menos o permiti a coramisso de polica ;
mas, quando realmente se actasse ameagada a li-
berdado das discussoes, ou em perigo a vida de
algum ou de alguns deputados, apenas era permit-
irlo a asta assembla pedir pelos canaes competen-
tes a governo da provincia as providencias, que
a este parecessem procisas para conseguirse o lim
desejado, e nunca torga armada para oceupar o
edificio, em que etla foneciona.
Tendo evidentemente a coramisso de polica des-
ta assembla nllrapassado os limites dos poderes
que Ihe sao conferidos peto regiment inlerno, e
devendo-se considerar como um atteniado contra a
soberana deaia assembla o recurso torga ar-
Cidade do Recito de Pernambuco, em 2 de abril
de 1840.
Jos Joaquim Coelho.
para o
Pasllns vermfuga* de R>mp.
Chamamos a atiengo de tidas as miles
remedio raais agradavH e ntil que M conbecepara riraero'"de"aa*ecia,' depafe'ij qiiToTwDe^a
ruar avrtnlliv ai>ric i..- ih.IiIIi.l- i-..rmif.i _____ > r% i> m_ >
Ettrahi o presente do protncolte de Mttiewtas er
junto o respectivo mandado de pennora. Eu Paas-
tiuo Jos da Fonseca, escrevenle juramentado os-
crevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, eeeri-
vo o subscrevl.
Segundo o que assim se continha em dito reque-
que Frei Joaquim do Amor Divino Caneca fosse raada, de que servio-se sera aulorisagao alguraa,
fuzilado no largo das Cinco Ponas por crime de' que nao poda ser-lhe concediCa por nao estar
llberdade de impresa, quando j eslava jurada a' oompreheadida no regiment interno, os abaixo
Constituigio do imperio? Lease oque disse o dis-! assigoados denuncian! perante esta assembla o
tracto secretario do Instituto Histrico e Geogra-! faci, de que se trata, e esperara qae ella vote
piuco Brasileiro em sen ultimo relatorio annual, e ceusura a referida commissao, fazendo-se que im-
ver-se-ha qual foi a consequencia desse acto revol- mediatamente seja retirada a torga armada ; mas,
lanle e de outros semelhantes. O acto que prati- quando a maioria desta assembla nao queira con-
cou a m-ioria da commissa > de polica da assem-, siderar a gravidade do facto apuntado, os abaixo
sembla desta provincia foi nm excesso de attri- assignados julgam ser de seu dev.-r retirarem-se,
bnl^es, foi un alternado soberana da represen- declarando que nao comparecerSo as sessos dosta
lago provincial: esse acto agradou aos dominado-
res da situacao; mas lempo vira em que elles mes-
mos lerao de arrepender-se, sem que era mesmo
Ihes assista o direito de se qneixarera contra a
violencia.
Se me parece que o Sr. Caetano Brilo nao obser-
vou o qne dispoe o regiment interno, e tomou
urna resolugo arbitraria, raais arbitraria me pare-
ce a de ier-se prohibido que fosse transcripta no
assembla, era quanlo este edificio fdr oceupado
por torga armada, qnalquer que seja o numero de
pragas de que ella secoinpozer, qualquer que seja
a razo a que se soccorer a coramisso de polica
eu a maioria desta assembla, visto que a requisi-
go de torga armada e oceupago .do edificio por
soldados, nao lera fundamento no regiment inter-
no, e os abaixo assigoados nao eslao disposto*,
nem devem subscrever a abusos semelhantes, que
jornal, que publica os trabalhos da assembla, a pdem ter graves coasequeocias e alterar a trn-
indicago apresentada, sendo a ordera transmiltida quilidade e a tirdem publica,
ao Sr. Carlos Falco.tachigrapho da mesma assem- j Relirando-se os abaixo assigoados, prolestaro so-
bla, peto Sr. Dr. Costa Kibeiro; mas dt-ixo isto lemnemenlo contra o procedimealo da maioria
sem apreciago, mencionando esta circunstancia desta assembla, e appellaro para seu comralt-
para que seja bem conhecida. Para minha satis-1 lentes, aos quaes devera conta de seus actos,
fago, como deputado, basta-rae ter declarado, na Pago da assembla provincial. 18 de abril de
sesso do primeiro do crreme, que nao entrei no 1861.
convenio que teve lagar entre os deputadas pro-
gressislas e liberaes, e ver a votago confirmar que
convenio se deu, e foram eleitos para a mesa aquel-
les, cujos u mies rae haviara sido indicados por um
progressista que, extranho assembla, concor-
reu para que se effecluasse o convenio; e para
nossa justilicaco nao precisa raais do que ver a
maioria da commissao de polica transada substi-
tuida por outra, o que equivale a um voto de falta
de conliauea, urna desapprovagao a alguns de seus
actos, embora se diga que o Sr. conselheiro Loureu-
go Trigo de Loureiro declarou, entre amigos, que
nao poda continuar; excepto se os que dirigen) o
partido progressista nao reflecten).
Propozemos que se quebrasse a ponta do ponhal
rom que tomos feridos o anno passado : nao qnize-
ram convir nisto. Veremos so se noarrependero
aquelles que quizeram conservar a ponta dessa
arma.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonoeca.
4 de marco de 1865.
1NDCACAO.
t Considerando que a maioria da commissao
de policia desta assembla provincial, reqnisitando,
o anno passado, torga armada da presidencia, es-
to oceupada peto Sr. Domingos de Souza l.eo,
para cercar e goarnecer o edificio, em que fune-
ciona a mesma assembla, nao s oltrapassou os
poderes que Ihe erara conferidos pelo regiment
interno, seno commetten um alternado contra a
soberana da represenlago desta provincia, por
quanto, consuliando-se o capitulo 40 desse reg- ;
meato, apenas se encontra o artigo 176 que man-,
da que se Tacara sabir inmediatamente das gale-
ras os espectadores que perturbaren) as sessoes, e
o artigo 177 quepermitte ao presidente da assem-
bla levantar as sessoes no caso deque a inquitta-
go do publico ou dos deputados nao posta ser co-
hibida por suas admoPStagSes, e nonsultando-se o
capitulo 13 do mesmo regiment nada se v, entre
as dispo-iroes geraes relativas commissao de po-
lica, que a autorise a lauto, nao halando em caso
algum do recurso a/crea armada.; e, fazendo oceu-
par todas as airadas deste edificio e galeras des-
ta assembla por soldados armados de granadeiras ]
de bayonetas calada- e moiMciados, procuren inti-
midar" os espirito.*, e embaracar, per este modo, a
liberdade das discassoes *.
Considerara! que a maioria da coramisso de '
polica nao consultou esla assembla se convioha
pedir o auxilio Ja torga armada para manter a or- >
dem, qoe ella suppunha alterada, ou garautir as
pessoas dos deputados que julgava expostas a vio-
lencias ; mas pedio-a nao ( sem sciencia e as-
sentimento desta assembla, senao sem sciencia e
assentimento do segundo secretario, comotlemes-
mo declarou, de sorte que foi urna verdadeira sor-
preza para todos os membros desta assembla,
excepcao daquelles que eslavam aos segredos ad-
ministrativos, a oceupago deste edificio pela torca
armada, foi um abuso da conlianga posta na refe-
rida commissao :
< Considerando que, se em caso algum permute
o regiment inlerno que esta assembla requisite
torga armada para oceupar o edificio, em que ella
foneciona, nem mesmo na intengo de proteger a
Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca
Jos da Cunha Teixeira.
Joo Francisco Teixeira.
A J. da Costa Ribeiro.
Diodoro l'lpiano Coelho Catanho.
Joo Braulio Correa e Silva.
Gaspar de Menezes V. de Urumraond.
Manoel Nelto.
Sabino Olegario.
fazer expellir as lorabrigas : as pistilhas vermfu-
gas de Kemp. En vez de todos esses iraraundos
e pengosos remedios vermfugas compostos de
toda a casta de mineras*, apresentamos um deli-
cioso confeito vegetal, prompto e Infallivel na sua
operago, nao causando oauseas sem incommodos
de qualidade alguraa, produzindo sempre o seu
elfelto de urna maoeira soave e completa, nio
carecendo depois a assislencia de qualquer um
outro purgante : til como ura exceltonle raeio de
fazer remover as obstruegoes do venlre, mesmo
no caso de nao existir vermes alguns, e final-
mente loruara-se ellas dignas por todos os respei-
tos da conllang i e approvaco de todos os pas de
familias, os quaes acharan estas pastilhas elegan-
temente acondicionadas dentro de frasquinhos de
chrystal e a venda as botieas de Caors & Bar-
bosa e de Joo da C. Bravo & C.
2K1IE&CI0.
escrivo Manoel de Carvalho Paes de Andrade, que
este subscreveo fez passar o presente, pelo qnal
e seu theor chamo, cito e he por citado a todos os
credores insertos dos mencionados- executados, pa-
ra que dentro do prazo ae dez dias eomparegara
ante este juizo, allegando e pryvandu- ludo quanto
for a bera de seu direito e ju*tlga, sob pena de se
proceder as sias revelias.
E para que ebegue ao c rahetmeino de todo
maiide passar e presente qne ser publicado pela
imprensa e afOxado no lugar do costme.
Dado e passado nesia cidade do Recito de Per-
nambuco, aos 28 de fevereiro de 1865.
K i Manoel de Carvalho Paes de Andrade, eseri-
vao o subscrevi.
Tristao de Abracar Ararpe.
. \ovo banco de Pernaoubuco.
O banco desconta letras na presente semana a
12 por cento ao auno al o prazo da seis mezes, e
toma dinheiro a juros a praso nunca menor da
tres meze.
Ufaade^a
Rend ment do da 1 a 4.......
dem iludid 6...............
9fr823#320
4?.8ol284
133.674J60
Hovltaeotoda alfandega
Volamesentradosconjfazendas.
* > cora gneros..
Voluntessahidoscom fazeedas.
com gneros ..
213
169
132
785
------897
382
1 !
PgJgCAgOg A PEDIDO
Poesa consagrada a eximia ac-
triz D. Camilla Moreira Ciui-
mare.v
Lri liberto' du genieet a"art
Toutre tous les tresors...
(A. Cuemer.)
Sublimo artista, magestosa e bella
s linda estrella da manba no alvr;
leus attractivos, tens magia tanta...
sednz, incauta o teu sorrir d'amor.
Quando no palco a tua voz saudosa
ergues mimosa a modular ura hyrano,
rumpera as palmas que merece o genio,
gozar o premio d'um futuro dio.
Cantar nao posso com sonora lyra,
em que a razo s'inspira
o brado excelso da magia tua ;
gentis leus labios de punira rosa
fazem-te majestosa,
qual noite amena de serena la.
Dos annos inda em flor o teu porvir
]4 senles emballar os doces sonhos
de uraa grata esperanga,
coberta de triumpho a loz da gloria
reflecte o teu sorrir. colheste os louros,
que os iouros sempre alcanga.
Eia I prosegap, leu caminho notre,
j se deseohre do futuro a gloria ;
eia nao pares, que mais um portento
tera oassenlo nos laureis da historia.
Sublime artista, magestosa e bella,
s tinda e-treila da manha no alvr,
tens attractivos, tens magia tanta...
seduc, incanta o ten sorrir d'amor.
Macei, fevereiro de 1863.
Parizio Mata.
liberdade das discussoe>, ou pessoas dos diputados, fi08. fciQi0.roe fcndo D0 raeuorgullio, como um dos
ainda menos o permute coramisso de polica
mas que, quando realmente se acbasse 'ameacada
a liberdade das disuissoes ou em perigo a vida de
algum ou de alguns deputados, apenas era permi-
tido a esta assembla levar ao conhecimenlo da
autoridade competente a exposigao das ocenrren-
cias, e pedir providencias que mesma autoridade
parecessem precisas para qae se cooseguisse o (ira
desejado, e nunca requisitar torga armada para oc-
eupar este edcio:
Considerando que a torga armada oecupon esto
edificio at o ultimo dia da sesso desta assembla,
entretanto que diversos deputados trabara declara-
do, ao retirarem-se, qae nao voltariam s suas ca-
deiras em quanlo permaneoesse essa torga ; o que
evidentemente mo.-tra que a conlinuago da oceu-
pago do edrfkio so teve por lira conservar arreda-
dos esses deputados, que protestaran) contra a vio-
Unca que elles denunciaran!, para que passassem
atropeladaraentee semas devidas formalidades leis
de interesses individuaes
lllm. e Exm. Sr.Quando me record que no
veedor dos meus annos, (1822 e 1823) abandone! a
casa paterna, e a nslrucco que recubia para alis-
tar-me as ileiras militares a combater pela inde-
pendencia nacional no* campos, sempre de glori,
do Piraja, afitn de sacudir, como succedeu, grilbes
pesador que manietavam valenles pulsos brasilei-
O Brigueinjlez unirmenercadorias
Hiate ioglezSea Breeze diversis gneros.
Barca ingleza ohn M itlieus diversos gneros.
Brigue in?lezNenbacalho.
Patacho \ng\et-Glenlivotidem,
Barca iogloza Seraplunaplvora.
Brigue ingiezRangmede carvo de pedra.
Barca inglezaCon-adidem.
Bricrue inglez J-vws stwirt idem.'
Galera ingleza Hermane mereadorias.
Buca inglezaJ. O.idem.
Brigue nocionalIris-diversos gneros.
Heeebedorla de rendas Inter-
na* seraes de Pernambaco.
Rendraentodo da-I a4........ 12:81265l
idem do dia 6 ................. 3:772JU8
16 6841719
MOVIMENTO 90 PORTO
Navios entrados no da 6.
Uha da Madeira -28 dias, brigue inglez Esperanza,
de 219 toneladas, capito G. Brehaul, equipa-
gem 9, carga em lastro; a Saunders Brothers
& C.
Liverpool28 dias, galera ingleza D. Mana, de
810 toneladas, capito W. Couth, equipagem 27,
carpa carvo; a Wilson & Helt.
Liverpool-28 dias, palera ingleza Hernicone. de ieVnpo"deTa3"anos"as'rendas"d'a
308 toneladas, capito John Grigory, equipagem '
15, carga fazendas ; a Itabo Scbmeieau 4 C. acompanh?dos do seus fiadores ou murados fe
Liverpool38 dias, barca ingleza Serapluna, de!cartas(lestes
Caixa Olial do baneo do Brasil
em Peraaiubneo,
14 de neiro de 1865.
Be ordein da directora desta caixa, se convida
aoscredorts de -ebastt Jos da Silva a viren
reesber do thesoweiro da mesma caixa o que em
rateiu Ibes tuca da venda de nina das propieda-
des, *iesegundo aeoaeortiata^ torara entiegue
paraerem vendidas.Oguarda-livfw,
IgMei Nncie Oorrei.
De ordein da directora desta mesma caixa se
faz pubhco aos senhores a.;eien)sias que o respec-
tivo tbesoureiro est autorisado a pagar o 2/ di-
videndo de 10 por aega.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
COSHANIIIA FERNAMBUCANA,
De ordein do conselho de direceo sao convi-
dados os Srs. accinoistas a rcumrem se em assem-
bla geral no dia 9 de margo prximo, ao moio
dia, no segundo andar da ca.sa n. 11, na praga do
Corpo Sanio. Pernambuco, 2'i de tovereiio de
1865. .
O gerente,
F. F.Borge*.
O conselho de compras do arsenal de goerra
precisa comprar o segrate :
Para o deposito de recrutas.
133 bonets redondos.
132 esleirs.
133 mantas de la.
672 1|2 varas de bnra branco.
320 varas de algodozinho.
Para o corpo de volutartos da patria.
400 gorros com as cores uacionaes.
500 mantas de la.
2U0 bonets redondos.
As pessoas que qujaereai vender ditos artifos
apresentera suas pioposlas em caria lecbadysio.
sala do conselho, as 10 horas da manha do lia ?
do correte.
Sala das sessoes do conseiho de compras do ar-
senal du guerra 3 de marco de l86o. O encajo*
gado da escripturaco,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
anta Casa de Misericordia do*
Occife.
A lllm junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Kecife manda fazer publico qw
no da 9 do carrele, pelas 4 horas da tarde, su
sala de suas sessoes continua a ir a praga fw
s casas abaleo
declaradas : os pretendemos devem comparecer
299 toneladas, capito E. Lamb, equipagem 12,
carga 300 barris com plvora, fazendas e outros
gneros ; a Jotinslon Paier & C.
Ri de Janeiro25 das, brigue brasileiro ris, de
190 toneladas, capito Jos Gongalves de A. Bi-
no, equipagem 12, carga farinha de mandioca,
cerveja e outros gneros; a Marques Barros
&C.
Terra Nova-42 dias. patarho inglez Era, de 181
toneladas, capito W. Brater, equipagem 9, car-
ga 2,200 barricas rom bacalbao ; a Tasso ,\
Irrno.
Nao houveram sahidas.
Observacao.
Fundeou no lamaro uraa galera franceza e urna
barca ingleza, mais nao tiveram commonicago
com a trra.
EBITAES.
primeiros obreiros do edicio nacional, vendo boje,
que aleda lonco eslraogeiro se arroja a profanar
cun ps invasores parle do territorio brasileiro pe-
lo qual naque.ile lempo trabalhei, seria com duplo
motivo para mira, urna covardia, ura crime raesrao,
se estando ainda em estado de poder mover a es-
pada rae tornasse adepto do iodifferentismo que com
espanto aqui se nota, ao chamado do governo para
a defeza do paizl do mea paiz que idolatro desde a
infancia, para ajudara rebater, e punir tanta ousa-
dia de urna gente inferior em ludo a do Brasil.
Assim, eu nodevo, e nem posso Ocar innativo
e em ocosidade, sob as desmoronadas muralhaa da
fortaleza de Tamandar que interinamente com-
mando; quero correr ao lugar aon le me chamam
o dever e a honra, e concorrer para a gloria ua na-
go a qne me ufano de pertencer.
Nao fago questao da minha reforma, porqoe nao
me Oca bem, desarame : seria motivo para dis-
serera qne nao o interese nacional, e sim o mea
era o flm que visava, aim de que me parece que
Considerando que, tendo a maioria da commis-1 ot,rjgagao de todo brasileiro desafronlar em qual-
sao de polica desta assembla manitostamente ul- ,,uer poca 0 |Ugar os ^og nacionacs, c|oe hoje
trapassado os poderes que Ibe foram conferidos; pfeitradem ofuscar, urna horda de bugres selva-
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Bosa e juz especial do cora -
raercio nesta cidade do Recito, capital da provin-
cia de Pernarabuco e seu termo, por Sua Mages-
tadii lmpenal que Dos guarde, etc.
Fago saber aos qae o presente edital viren), qae
a] roqiierimenlo de Jos Joaquim da Cosa Maia,
tora aberta a falienoia de A. B. Cuervo & C. pela
acntenga do theor seguinte :
Vendse destes antes de aresto a que se proee-
deu a requerimento de Jo* Joaquim da Costa
Maia, que os arestados A. B. Cuervo & C achaoi-
se insolventes, hei por declarada a fallenrla dos
mesmos arestados, e mando que em seus livros,
papis e bens se ponbam sellos na forma da lei, e
se proceda nos termos da arrecadago. Nomeio
para o cargo de curador fiscal ao arrematante, e
sejam convocados os eredores para o dia 7 do cor-
rente mez marcaren) depositario. Publique-se a
faileneia por editae*, eando feita a cessagao du
pagamentos.
lente, 3 de marro de 1865.Tristao de Alencar
Araripe.
E mais se ne continha em dita sentenga, em
vriude da qual o escrivo respectivo fez passar o
preseote, pelo theor do qual convoco todos os ere-
dores dos ditos fallidos a comparecerem na sala
das audiencias s 11 horas do indicado dia, para
qne tenha lugar a mencionada diligencia.
E para qae o presente chegue ao conheclmento
de lodos, ser publicado pela imprensa, e anisado
na forma do estylo.
Eu Manoel Mana Rodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subsrrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
Deeiaraeo.
A fallencio de A. B Cuervo C foi declarada
pelo regiment interno, e devendo-se considerar
como um atlentado contra a soberana da represen-
lago desta provincia o recurso torga armada, da
Sual servio-se a mesma maioria sem aulorisagao
esta assembla, que nao In'a deu nem Ib'a poda
dar, uor nao estar isto comprehenddo no regi-
ment interno, os abaixo assignados denunciara
este facto, e propde que esta assembla vote cen-
sura maioria da commissao de policia.
c Pagoda assombla provincial de Pernambuco,
2 de margo de 1865.Jos da Cunha Teixeira.
Dr. Joaquim de Aqoino Fonceca. *
EXPOSICAO.
A commissao de policia desta assembla provin-
cial, reqaisitando forca armada da presidencia
da proviucia para corapr o edificio, em qoe fune-
ciona a mesma assembla, nao s ultrapassou os
limites dos poderes que Ihe sao conferidos pelo re-
giment interno, seno coraioetleu ura attentado
contra a soberana desta assembla ; porquanto,
coasultando-se o capitulo 12.a do dito regimen-
t, apenas se encontra o art. 176 que manda que se
faga immediatamente sabir das galeras os exper-
tadores que perturbaren) as sessoes, e o art. 177
que permilte ao presidente da assembl levantar
a sesso no caso de qne a inquietaran de publico
ou dos depotados nao possa ser eohrbida por as
admoestages, e consultando se o art. 13, nada se
v entre as disposigdes geraes relativas commis-
sao de polica, qae a autorise a tanto, nao tratando
nunca do recurso torga armada, era quando
manda qae se faga sahir das galeras os turbulen-
tos, nem quaodo diz que essa commissao tera a
seu cuidado a ordem as galeras e corredores ; e
fazendo oceupar todas as entradas oeste edificio o
galeras por soldados munidos de granadeiras de
eos.
Isto posto,era qualquer torga que rae mandarem
marchar, serei o mesmo da nago que prefere mor-
rer batendo-se peto seu direito, a ser testemunha
dos insultos e desacatos, pratieados por taes feras
comas familias brasil-iras.
V. Exc. pois, seiente dos meus senlmentos, indi-
car o que nouver de determinar para raen go-
verno.
Deas guarde a V. ExcCidade do Recito, 23 de
fevereiro de 1865.
lllm. Sr. Dr. Antonio Borges Leal Caslello Bran-
co, presidente da provincia.
Jorge Rodrigues Sidreira
Altores reformado do exercito.
COPIA. ()
Jos Joaquim Coelho, offlcial da imperial ordem do
Cruzeiro, brigadeiro graduado do exercito, direc-
tor do arsenal de guerra, por S. M. oimpera-
der, etc.
Era observancia ao despacho retro do Exm. Sr. I
commandante das armas, atiesto que o sargento;
ajudante Jorge Rodrigues Sidreira, sendo furriel do c,aaae- *"? lCtUM!S "i re,e.r'
exmelo baialbio J7*de l bnha (cora o qual toz a 1"* em uteocia nuWica do
campauhadosuDfoidemiltdoporoccasledadis- ^ peto solicitador Antonio
sol vi gao deste corpo, entu n. 12, ese eu^ajou logo
no batalho 54 de 2* linha qne entao eslava aquar-
t eia do fazendo o servigo da guarnigo. o com elle
fez a guerra de Panelias o Jacuipe aoode se portou
bem, qner na secretaria eomo amanuense, quer no
campo balendo-se com o niraigo, sendo depois por
miin, quando commandante das armas, noraeado
amanuense desta reparligo.
Os servicos deste sargento sao valiosos, porque
alcnt do qae venho de expender, fez mal* a campa-
uha a favor da independencia, a da Barra Grande
lilOOt
I20AOO
Patrimonio de orpnos.
Ra do Vigario sobrado de andares
ii. 27........ 603$0
Hua da Senzala Velha sobrado de 2 an-
dares n. 132.......4
Becco das Boias, dem n. 39.
Ruado Amorlm, casa terrea n. 26. .
Ra de S. Gongalo, idem n. 22.
Card.de.
Ra da Gloria casa terrea n. 65.
TTave^sa do Carcereire dem n. II.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do R-
c i fe 9 de margo de 1865.
O escrivo,
Francisco Antonio Cavalcaoti Cousseiro.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segrate :
Para o corpo de voluntarios da patria
2,000 covados de panno azul.
2,800 capotes de dito.
1,400 covados de baeta verde.
50 covados de casemira ve/de.
25 ditos de dita ainarella.
133 varas de aniagem.
2,300 varas de algodozinho.
3,000 ditas de brun branco.
4,000 boles grandes de meial amarelio.
2,800 ditos pequeos de dito dilo.
cara provimento dos armazens.
7,500 varas de brim braueu,
7,5o0 ditas de brim da Russia.
500 meios de sola.
6 chapas de lato de n. 15.
6 arrobas de rame de lato de n. 7.
6 ditas de dito dito de n. 8.
6 dilas de dito dito de n. 12.
Para a aula dos menores do mesmo
arsenal.
7 Simaos de Nanlua.
40 Economas da Vida Humana.
100 cartas de A B C.
50 taboadas.
100 canelas.
2o traslados de bastardinho.
30 ditos de bastardo.
50 ditos de A B C
As pessoas que quizerein vender taes artigo*
apresentera su*s propostas era carta fechada ti
sala das sessoes do conselho, as 11 hora* da ma-
nha do din 8 do correte.
Sala das sessoes do consemo de compras do ar-
senal de guerra 1" de marco de 1865. O cn-
carregado da escripturago,
Manoel Jas de Azevedo Santo*.
Tribunal de commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio da
Pernambuco se faz publico que nesta dala tica
aberta por sentenga de juz nos autos do arresto registrado o contrato de sociedade felo entre Ro-
requerido, e feito por Jos Joaquim da Costa Maia, I dr' p"" Moreira> ***.* de Atbuquerqoe
e ne a requerimento do dito arrestante, corao i
por engao se disse no edital publicado e affl-
xado.
O escrivo do juizo especial do commercioMa-
noel Mara Rodrigues do Nascimento.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juz especial do commer-
cio desta cidade do Recito capital da provincia
de Pernambuco e seu termo por Soa Magestade
Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro II a
quem Dos guarde, etc.
Fago saber pelo presente, que perante este juizo
e carlorio do escrivo que este subscreveo, corre
uraa execugao de sentenga por mandado de pre-
dito, ordenadas entre parles, a saber : como ese-
quente o bacharel Gabriel Soares Raposo da Carea-
ra, e como executados os herdeiros de Marcelioo
Antonio Pereira, e pro-egumdo dita execugao os
seas devidos termos, procedea-se a pendura em
continuagao a primeira que nao chegou para o pa-
gamento da mesma execugao, cm dinheiro naquan-
tia de 3:054131, existente no deposito geral desta
cidade, pertencentes aos referidos executados, pelo
dia 20 do rorrele
Carlos Pereira de
Burgos Punce de Len, procurador do exequenle,
fra frite o requerimento do theor segointe :
Aos 90 de fevereiro de 1865, nesta cidade do Re-
cito de Pernambuco, em publica audiencia que aos
feitos e as partes fazia o Dr. juz de direito espe-
cial do commercio Tristao de Alencar Araripe,
nella pelo solicitador Antonio Carlos Pereira do
Burgos Pone de Leo, procurador do exequenle,
ora aecusada a pennora feita em dinheiro na
fquaniia de- 3-:OJft631, existente no deposito publi-
co desta cidade, pertencentes aos executados os ker-
baonetas caladas, procurou intimidar os espirito.*, j em jgj* nitimameirte toda a do Para. E" e une deiros.de Marcelino Antonio Pereira, requerendo
*---------------->. ) l. 1 .1 ^ 1__ j:____<-_ST___ r f\a naA c-i hi>Ki:i i-aim iln.i il.i In
e erabaragur a liberdade das diseuses.
A commissao de policia nao consultou esla as-
sembla, se convinha pedir o auxilio da torca ar-
mada : peto contrario ella pedio-o sem sciencia
e consenso desta assembla, sem sciencia e consen-
posso afirmar sob minha palavra de honra; e para Que nao s cassem assignados os seis dias da le,
que conste aondelhe convier,mandei passar o-pre- |,ei^?A como 2*f5 d,ws aos c,redores ;
seste era aue me a*siuno d0< refendos executados, para cujo m se Ihe des-
_________________1_J_____________________ se os editaes do esivlo, O qne otvido. pelo, jo
(*) O original exite na secretaria da. guerra. cima o detono*
e Francisco Amonio da Silva Tenorio, estableci-
do* nesta cidade sob a lirma de Rodrigo Pinto Mo-
reira A C, que deve gyrar por espago de um anno
contado do 1 de Janeiro do correle, com o capi-
tal de 11:1765455 foriMcido polo socio .Moreira, o
constantes do balango dado em 31 de dezembro do
anno passado, ne esubelecimento que faz o objec-
u> da sociedade.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 3 de marco de 1865.
O official-maior,
Julio Guimares.
Pela mesma secretoria se iai igualmente publi-
co qoe nesta data tica registrado e contrato de so-
ciedade de Tueodosio do Lago, Hespanhol, e Juo
do Lago Fre tas e Silva, Brasileiro, eslabotoridos
na povoago de Bvberibe, sob a rma do Theodosk
do Lago Filbo, da qual s o socio Theodnsio po-
der usar t a mesraa sociedade deve durar por
espago de dous annos, e o seu capital de &50
torneeido pelo primeiro socio em gneros uten-
cilios existentes ao etabelecinieoto social
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 3 de majco de 1865.
Julio Gnimares,
OfUcial-maier.
Arrematucdit
Finda a audiencia do dia 11 do corrente, do jui-
zo da orpbaos, escrlvo GalmarSes, a reqnerlmen-
to da junta administrativa da Saata Casa da Mise-
ricordia do Recito, ser arrematada de venda, ser-
vndo de base a quaulia de 40J&412, urna parte do
sobrado de nm andar e solio, sito na ra de Har-
as, freguezia de Santo Antonio desta cidade, ava-
llada dita parte em* 61f329, deduzida esta de
4:0u05 por quanto foi avallado o dito sobrado, a
qnal parte pertencente a Auna Rosa das Mercs
ou Prazeres, que se acha recomida ao. hospicio dos
alienados, e vai praga a retejida parle para, sa-
tisfago aos aUrueatos

.ZT7T


^
Diarlo de reriambacs .- Terca lelra f e Marco de lStt
Nao tendo sido contratada, como fura annun
ciado, a impresso e publicacao dos trabalbos da
cmara municipal desta cidade, a mesma cmara
de dovo convida aquellos qae quizerem contratar
apresentarem as suas propo.-tas no dia 7 do cor-
rente, no sea paco, as 12 oras da manha.
Paco da cmara municipal do Reeife i de mar-
co de 186o.
Lnii Jos Pereira SimSes,
Presidente.
Francisco Canuto da Boavlagem,
Secreurio.
mmm mu
Relaca das carias segaras existentes
a administradlo d< correio desta
cidade para es'senhores abaiit de-
clarados
Anionio Lopes Rodrigues.
Baronexa do Livramento.
Clandino de Hollanda Cavalcanli.
Candido Vieira da Cunba.
Felippe Nery dos Santos.
Francisco de Mello Barreto.
Joo Francisco Silvestre de Mello.
Joiw Gualberto de Souza Gouveia.
Jos Porflrio Teixeira de Mendonca.
D. Mana Josephina de Jess.
Vicente Francisco de Oliveira.
Correio neral.
Pela administrado do correio desta cidade se
fai publico que as malas que tem de conduzr o
vapor costeiro Persinunga para os portos do norte
cora destino at a Granja serao fechadas hoje (7)
as 3 boras da tarde.
Leilo de duas machinas a vapor
Sendo:
Urna porlavel, forca de 14 cavallos, sobre rodas,
com caldeira patente e todos-ieus pertences.
Outra tixa e orisontal, Torca de 12 cavados com
caldeira e mais pertences.
Quiuta-feira 9 de margo, em frente a
Associaeao CoramerciaJ.
O agente Pinto fara leilo por conta de quem
pertencer das doas machinas a vapor cima des-
criptas proprias para engenbo, as quaes se tornam
recommendadaspela sua perfeico e par serem
dos melhores fabricantes de Inglaterra, os preten-
demos podero desde ja' examinaren] ditas ma-
chinas para o que poderao entenderem-se com o
mesmo agente em seu escriptorio roa da Cruz nu-
mero 38.
Na fabrica de calcado do paleo da ribeira de
S. Jos n. 23 precisa-se de artistas tamaoqueiros.
O London A Brazilian Bank, saca por todos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
__________Amarante._______
O Sr. Leopoldo Gadault tenha a boadade de
vir a roa do Imperador n. 83, segundo andar, a
negocio que n3o ignora.
Leilo qninta-feira 9 do correte a ra da
Gadeia do Resife n. 53, armazem.
Pelo agente Euzebio
se far leilo de dnas casas terreas em cbos pro-
prios sitas na Capunga ra das Crioulas ns. 39 e
41, os pretenden les sao convidados ao previo exa-
me e comparecerem no acto do leilo.
Leilo de 50~barris con figos.
Quinta-feira 9 do corrente.
O agente Pestaa far leilo de 50 barris com
figos desembarcados ltimamente em um ou mais
lotes : quinta-feira 9 do corrente as 10 horas da
manha no armazem do Sr. Annes defronte da al
fandega.
Salitre
ATOOS MATUtOS.
COMPANHIA. PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costeira por vapor.
Ilha de Fernando de oronha.
No dia 14 de marco prximo,
as 10 horas da manha seguir
um dos vapores da companhia,
para o presidio de Fernando. Re-
^Jceber carga at o dia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete al 9 horas
da manha do dia da sahida : escriptorio no For-
te do Mallos n. 1._____
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
* Aracaj e escalas.
O Vapor Parahyba, comman-
dante'Marlins, segu no dia )4 de
corrente as 6 hora* da tarde. Re-
"eebe carga al o dia 13 ao meio
____^Jti. Encommcndas, passageiros
s dinheiro a frele al 2 horas da tarde do da da
dahida : escriplorio no Forte do Mallos n. 1.
ATOOS PITEMOS.
BOTERA
Aos10;OO00O0e 3;uO$000.
Sexta-fe!ra 10 de marco t r lugar ex-
traeco da 2a parte da 4a lotera da Santa
Casa da Misericordia (8a) no consistorio da
igreja de Nossa Senhora do Rosario da fre-
guezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos esto a Ten-
da na respectiva thesouraria ruado Cres-
po n. 15.
Os premios de lOOOOtJOOO at 20#000
serio pagos urna hora depois da extracclo!
at as 4 horas da tarde, e os outros depois j
da distribuicao das listas.
.va roa do Queimado n. 37, leja de ferragens, de
Domingos Jos Ferreira Guimares, vende-so sali-
tre refinado por 254 barrica de 4 arrobas, ou a
64400 a arroba s a dinheiro.
Os Srs. acadmicos que vo matricular-se
no terceiro anno da Faculdade de Direito, podem
dirigir-se a ruada Saudade a. 9, fronteira a do
Hospiio, onde se Ihes vender o compendio de
direito civil at as 9 horas da manha, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
Precisa-se de urna pessoa habilitada
para escrevente de um tachygrapho quem
estiver no caso de bem preencher o lugar
dirija-se ao escriplorio desta folha ou ao
hotel de l'Univers.
Tinturara
Na ra Direilan. 116 conlinua-se a Ungir para
qualquercor, e o mais barato possivel.
Saca-se sobre Lisboa, Pono e llha de
S. Miguel, na iua do Apollo n. 20, escrip-
torio de Carvalho e Negueira.
mmm mmmmmm mmmmm
Companhla ildelldadc de |
segaros martimos e ter-1
restres estabeleclda no 2
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PIPNAHBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo k C, fl
competentemente autorisados pela direc- g
toria da companhia de seguros Fidelida- *
de, tomam seguros de navios, mercado-1
ras e predios no seu escriptorio ra da *
Cruz d. i. I
s
m
*
m
s
porto e Lisboa
As encommendas s se guardarlo at a j
! noite da vespera da extraeco como de eos-!"
i turne. Rogare ao Sr. hachare! Cezano
O thesoureiro, de Azevedo juiz municipal deGaran-
Antonio Jos Rodrigues de 9ogza. heas, queira dirigase praca da lo-
EncanamentO d'agua. | dependencia ns. 6 e 8, od annunciar
Precisa-se de urna pessoa qne saiba saa mdroda Para scr Procara_i-
A galera Nova Fama, de primeira classe, segu
para os portos indicados at o da lo de marco,
por ter a maior parte de seu carregamento promp-
to : para o resto da carga e passageirds para os
quaes tem excellentes commodos, trata-se com Cu-
nha, Irmos & C, ou com o capilo na praga.
Para o Porto pela llha de S.
Miguel.
O velleiro e bem conhecido brigue nacional .4-
melia pretende seguir com muila brevidade, lera
parte do seu carregamento engajado, para o resto
que Ihe falla e passageiros, para os quaes tem ex-
cellentes commodos : traase com os seus consig-
natarios A. Luiz de O. Azevedo & C. no seuescrip-
orlo na ra da Cruz n. 1.________________
COMPAHl PERNAMBUCANA
DE
Xavegjeo costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Macio, Aracaty, Cear
Acarac e Granja.
No dia 7 de margo corante se-
gu para os portos indicados um
dos vapores da companhia. Rece-
Ihe carga al o dia 6. Encommen-
______JdcAS passageiros e dinheiro a frete
at 2 horas da larde do dia da sahida : escriptorio
no Forte Jo Mallos n. 1.___________________
Para Lisboa.
Pretende seguir com muita brevidade a barca
poriugueza llennqueta, tem parte de sen carrega-
mento prompto : para o resto trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C., uo seu escriptorio ra da Cruz n. 1. ____
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o brigue es-
cuna Joven AfHhm; tem parle do seu carregamon-
to engajado : para o resto que Ihe falta trata se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Para o Hio de Janeiro
segu em poneos das o brigue nacional Marquex
de OHnda por ter o seu carregaraeato quasi com-
pleto : para o reno que Ihe falta e escravos a fre-
te, tratase com Manoel Ignacio de Oliveira & Fi
lho, largo doCorpo Santo n. 19.
concertar encanamenle d'agua de ca-
sas particulares; a tratar na livraria
ns, 6 e 8 da praca da Independencia*
A
mteressar
Consultorio medieo-cirwf ic na na larga do
Ilesa rio n. 20.
0 Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sna proflsso
nao s na parte medica como tambem na cirur-
gica.
***;**& m-mwmmmmm
| O bacharel
1 Francisco Augusto da Costa \
I *K
ADV6GAD0
I Ra do Imperador numero 69.
Autenio-Luiz Oe Oliveira Azevedo &C
Agentes do banco Uni3o de Porto.
Competentemente autorisados sacara por todos
os paquetes sobre o mesmo banco para o forto e
Lisboa e para as seguinies agencias :
Londres sobre Bank of London.
Frdric S. Ballin & C.
Joo Gabe & Filho.
Francisco Rbala & Ballesta.
Jaime Merie.
Crdito Commercial.
GonzaloSegona.
M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Francisco Lucio de Castro e Joaquira da
Fonseca e Silva tendo de mandar celebrar
urna missa pelo repouso eterno do finado
Manoel Francisco da Silva Carneo na igre-
ja do Corpo Santo no dia 9 do corrente as 6
horas da manha, convidara aos amigos do
mesmo Carrivo para assistirem a esse acto
de religi3o, agradecendo desde j aos que se
dignarem comparecer.
quem
O abaixo assignado solicita pela polica em ge-
i ral qHalquer pretenco como : passaportes, porta-
rlas, apprehencoes de quaesquer objectos -, pela
presidencia portaras, passaportes, patentes de of-
flciaes da guarda nacional e outras quaesquer in-
cumbencias ; pelas repartieses fiscaes desembara-
zo de terrenos de mannha e de ustabeleciraentos
que por engao ou ignorancia de seus proprieta-
ries estejara sujeitos ao rigor do fisc; pela capi-
tana do porto matriculas de carpinteiros, calafa-
tes, botes, canoas etc. Pode ser proourado no Re-
eife armazem de molhados do Sr. Antonio Lopes
Braga, ra da Cruz n. 36; em S. Antonio loja de
livraria popular, ra do Collegio n. 37 do Sr An-
tonio Domingues Ferreira, e em S. Jos roa Birei-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Paranhos.
i Joaqoim Jos dos Santos Barraca
Francelina Alexandrina da silva Marques, fia-
ra e inventarame dos bens deixados por morte de
seu marido Diniz Antonio Ferreira Marques, faz
sciente a todas as pessoas que se julgarera credo-
res do mesmo casal que tratem de provar os seus
crditos, nos autos do inventario que se esl pro-
cedendo pela juizo de orphos desta cidade, escri-
ve Brito, os que assim nao lizerem nao serao at-
tendidos no acto da partilha, nao obstante seren
declarados na desrripco feita pela mesma inven-
tarame. Reeife 28 de fevereiro de 1863.
Vobilias dealuguel.
Alngam-se mobilias completas de toda a qnali-
dade ou qualquer traste separado e por preco rom-
modo : na ra Nova armazem de mobilia do Pinto.
Joao Antonio da Silva, subdito portuguez,
vai a Europa tratar de sua saude.___________
Preco diminuto.
Alugamse duas casas, urna terrea e ontra so-
bradada, com bastantes commodos para grande
familia, sito na cidade nova de Santo Amaro, con-
fronte ao hospital inglez : quem pretender, dirja-
se a ra da Manguera n. 20.
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
Em Portugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. Caslello'Branco. Guimares.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covlho. Lattego.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. Moneo.
Braganca. Evora. *
Faro Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Piona!. Regoa.
meis. Porto-alegre. Setubal.
Peona fiel. Thomar. Vianna do (
Tavira. Villa Nova de tello.
Villa do Conde. Portimao. Villa Real.
Villa Real de Vizen. Madeira.
S. Antonio. Faial. S.Miguel.
No imperio.
Bahia. >(irmho.
Rio de Janeiro. Para-
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo seren descontados no
mesmo Banco a razo de 4 por cento ao anno a
ratar na ruada Cruz n. 1. |
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa Machado
se encarrega ante o foro desta cidade de ludo que
fortendenteasuaproflsso,aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercialraediante razoavel ajuste. Contina
a se encarregar de cobranzas nostermos do Cabo
elpojucaaondecontinuaatrabalhar como d'an-
tes,"s encarrega-se de defezasperante o jury nos
termosproximosa va frrea,offerecendo gralni-
tamenteseus servidos aos desvalidos, pode ser
procu-adotodosos dias uteisdas 9 horas da ma-
nha as3 datardena ruaestreita do osario n.
34, eforadessas horas na ra Imperial n.36,ca
se de sua reidencia.______________________
Na praga da Independencia loja de ourives
n. 33, comprara-se obras de ouro e praiae pedras
dreciosas, assim como se faz qualqoer obra de
encommenda e todo e qualquer concert
O Dr. Carolino Francisco de LimaSan-
tos,contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2* indar, onde pode ser pro-
curado aqualquerhoradodiae da noite
para o exercicio de sua proflsso de me-
dico ; sendo queos chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde.devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias dointerior, prosegue, com o
maior afflnco, no das mais diffieeise deli-
cadas operacSes. como sejamdos orgos
nurinarios,dos ollios, parto?, etc.
I
Para Lisboa
pretende sahir em poucos dias o patacho portuguez
Jareo por ter a maior parte da carga tratada, e pa-
ra o pouco que Ihe falta tratase com os consigna-
tarios Palmeira & Beltro, largo do Corpo Santo
n. i, prmeiro andar. __________________
Rio de .lanero.
Pretende sahircom brevidade para aquelle por-
te o brigue Cruzeiro lo Sul, ainda recebe alguma
cargaeescravos a frete: a tratar com Marques,
Barros & C.
LEILES.
Leilo
Scm lmete.
De 2 mobllias de Jacaranda com lampo de pe-
dra, 1 cama franreza, 1 mesa elstica, 2 marque-
zas, 1 machina para costura, 1 gnarda ronpa, 2
comraoda?, 1 cabide, 2 cadeiras de balanco, 2 apa-
radores, 1 lavatorio com pedra, 1 candelabro, 2
duzas de calixes, 2 ditas de copos, 2 garrafas, 2
candieiros a gaz, 2 redomas, 1 relogio de prata
patente suisso, 1 bomba de Japy para regrar flo-
res e capim, diversos quadros e outros objectos
de gosto.
HOJE
Terea-feira 7 i* correte as 10 horas, a na da
Cruz 21. princiro andar.
Cordeiro Simesantorisado por urna pessoa que
se retira para Tora da provincia far leilo dos
objectos cima mencionados.________________
Leilo de fazendas avariadas.
Quarta-feira 8Jde marco.
Mills Latham & C. faro ieilao por intervenco
Ao agente f oto e por conta e risco de quem per-
tencer de differentes fazendas inglezas, taes como
madapoles, algodoes, chitas e saceos vazlos ava-
nados a bordo dos navios inglezes Chance e
ElizabethBarter as 10 horas do dia cima dito
em seu armazem a ra da Cruz n. 38.
Leilo de um carro de 4 rodas com 2 ca-
vallos.
ijnarta-feira 8 as 11 horas na praca do Commercio,
OLYMPIO
vender em leilo um carro de 4 rodas com a
competente parelha de cavados, sendo o mesmo
mnito leve e proprio para passeios e alaguis.
Leilo de 60 latas com gtz kerosene,
?aarla-fera 8 do corrente.
estaa far leil.nl por coota e risco
de qoem pertencer de 60 latas com gaz kerosene
era asa ou mais lotes a vontade dos compradores:
quar.ta-feira 8 do corrente pelas 10 horas da ma-
Dhaa no armaiem do Annes.
O director e lentes da Faculdade de Di-
reito desta cidade, tendo de mandar celebrar
urna missa, no dia 8 do corrente, as 10 ho-
ras da manha, na matriz da Boa-Vista, pelo
repouso d'alma do finado conselheiro Lou-
I renco Jos Ribeiro, instalador e primeiro di-
rector do curso jurdico de Olinda, convidam
os estadantes da mesma Faculdade e a to-
dos quantos quizerem prestar homenagem as
virtudes e servicos d'aquelle preclaro cida-
do, a assstir a esse acto de caridade.
ni un.....samaaammmakammm
Ama
Piecsa-f e na ra da Cadeia do Reeife n. 5, loja,
de urna ama para cozinbar, engemmar e fazer to-
do o servigo de urna casa de pouca familia.
Est definitivamente vasia a casa assobrada-
da da ra do Progresso^n. 14 : quem a pretender
dirjase a ra da Praia* armazem de carne secca
n. 34 junto a ribeira do peixe.______
Precisa-se de um menino para caixeiro com
pratica de taberna : na ra do A leer ira n. 2.
Aluga-se urna sala de frente, propria para
i escriptori, na ra das Cruzes : a tratar na mesma
ra n. 41 A.
No engenho Goiabeira junto a Santo Amaro
de Jaboato, necessita-se de um feitor que tenha
pouca familia : a fallar no mesmo engenho, ou
na ra da Imperatriz n. 22, segundo andar.
Precisa se de urna mulher capaz, portugue-
za ou brasileira, quequeira ira Portugal em com-
panhia de urna familia que se retira no mez de
abril : a fallar na ra dos Pires n 62.
Rodrigo Pinto Morelra, subdito portuguez,
vai a Portugal, e deixa por seus procuradores Jos
Egidio de Albuquerque, Sebastio Jos da Silva e
Tiago Jos dos Santos.
Joo Antonio Torres,
tira-se para Lisboa.
subdito portuguez, re-
Precisa-se de urna ama secca para casa de pouca
familia: a tratar na praca do Corpo Santo n. 17,
terceiro andar.__________________________
Aluga-se o segnndo andar e solio da casa n.
33 da ra da Matriz, tem muitos commodos para
familia : a tratar com o Sr. Antonio Joaquim Fer-
reira Porto, ou com Miguel Joaquim da Costa, na
ra da Cadeia n. 12.
.4 luga-se
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos.com banho na porta, no logar do Pojo
daPanella.ruado Rio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do Amonm n. 35.
Na ra do Trapiche Novo n 22, precisa-se
de urna ama para urna familia estrangeira.
O Sr. Joo Francisco de Pontes, ex-socio da
firma de Carvalho & Pontes, estabelecido com pa-
daria em Caruar, tenha a bondade de mandar
pagar a sna letra vencida a 2 para 3 annos, da
; quantia de 100, na roa da Penba n. 23, primeiro
andar.
VltVALECO\T~
7Roa da Imperalriz7
Madame Lecont participa aos seus freguezes,
que receben pelo ultimo vapor um compelo e va-
riado sorlimento de perfumaras as mais finas pos-
siveis, como sejam : Nouveau Rgneralenr de
Gell, nnica para conservacao dos cabellos ; rece-
ben tambera correles de Plaqu, muito finas e do
ultime gosto para relogio, po de brilhante e de
ouro para penteados de bailes, 1,000 varas de bico
prete proprio para enfeites de vestido, e diversas
outras cousas. Avisa tambem que na sua casa
contina a fazer todo o trabalbo que diz respeto
a cabellos, como cabelleiras para homen* e senho-
ras, assim como penteados para fra._________
Precsa-se alug'ar urna preta para todo o ser-
vi$o de urna casa de familia : na roa do Trapiche
numero 4.
Esta para alugar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, nm 1 e 2* andar de um sobrade
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Joo
de Barros, com arvoredos, agua de beber.e porto
para o becco do Pombal : quem pretender falle
na ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manha at ae meio dia.___________________
Um sitio.
Aluga-se um excellente sitio na estrada dos
A ffl icios, tendo casa terrea e soto, cora capad da-
de para morada de grande familia, diversos arvo-
redos de fructos, e multas ootras cemmoddades
que com a vista se reconhecer : a tratar na ra
m
mmmmmwmmmmm
Alogam-se doos grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comjardim,cocheira,estribara eoutras commo-
didades.natravessade Joo Feroaodes Vieira : a
tratar na ra daSenzala Nova n. 42.
Vende-se ou trocase por casa nesta praca
um sitio no lugar denominado Curcuranas, com
1,000 ps de coqueiros, casa de vivenda, urna boa
horta com muitos ps de arvores fructferas, baixa
para capim, boa agua de beber, e grande a^ude
para lavar animaes, trras de lavouras para tra-
balharem at dez captivos, podendo ter-se cinco11
oilo vaccas de leiteamarradas; vende-se por nao
poder o seu dono continuar nelle : qnom preten-
der dirjase a ruado Rangel i. 6. ou no dito sitio
a Manoel Jos Nunes de Medeires.
A NACIONAL.
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna flanea em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
D1RECQO GERAL
Madrid : Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mntuo todas as combinares de supervivencia dos segures
sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso mesmo por morie do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que anda mesmo dimlouindo urna terca parte do interesse prcdnzide em r< remes liquida-
cues ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada jelaccmpanliia
para seus clculos e HquidacSes, em segurados de idade de 3 a 19 annos, urna iroporsico ancua)
de 1004 produz em effectivo metlico:
No lim de 5 annos.......1:1195300
de 10 .......3:942*660
de 15 .......11:208*200
de 20........30:256*000
' de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maior es de 30, os productos sao mais considera veis.
Prospecta e mais nformacoes serao prestadas pelo sub-direclor nesta provincia,
mo Joaquim Fiuz de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12, eslabele-
cimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmo.
BANCO I1H0
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE,
A direccao do BANCO U.N'IA'O tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisago
para estabelecer o seguro de vidas em mutualidade, faz publico que desde j toma subs-
cripces annuaes por urna s vez, debaixo das segumtes condicoes:
Com perda de capital e lucros;
Dito de capital somente;
Dito de lucros somente ;
devendo a priineira liquidaco ter lugar no Io de Janeiro de 1869.
As vaotagensdo emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao so-
mente se colhe o juro de quanlias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar ne-
nhum resultado; mas alm d'isso, este rendimento augmentade pelo capital ou lucros,
ou ambas as cousas, conforme as condicoes da subscripcao, dos que fallecem. Tambem
partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os socios moroso nos seus paga-
mentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que occorrerem
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidacoes sao pelo systema das companhias hespanholas, tutelar e outras ; e
para se poder fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annua de 10*000, pu-
blica-se a seguinte tabella baseada sobre a experiencia de muitos annos de companhias
desta natureza.
25 annos
4:700,5!
3:700,5
3:500
3:400*
3:350*
3:330*
3:400*
3:700,5
5:000*
As entradas por urna so vez do resultados muita superiores s annuaes.
Mnimo das "entradas 5#000.
Porto, 10 de agosto de 1863. Os directores do BANCO UNIA'O, Jos da Silva
Machado.F. M. van der Niepoort.
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, roa da Cruz
numero 1.
Em o annos 10 annos 15 annos 20 annos
Por um menino de 1 dia a 1 anno 110,5 4005 9005 2:0005
c de 1 anno a 2 905 3005 7505 1:7005
de 2 a 3 8G0 2905 7205 1:6005
c de 3 < a 1 860 2705 7105 1:5G05
de 3 t a 15 865 2705 7005 1:5505
Por urna pessoa de 15 a 20 865 705 7005 1:540*
< de 20 a 30 . 865 2705 7105 1:5605
t de 30 a 40 865 2705 7205 1:6005
a de 40 a 50 905 3035 7505 1:8005
Edecaco de meninas.
Francelina Maurinada Silva Albuquer-
que, professora particular de instruciao
primaria, continua a ter sua aula na ra
estreita do Rosario n. 38, segundo andar,
admitle aluranas internas e externas As
materias do eosino sao as seguintes : le-
tura, calligraphla, noc5es de arithmetica,
grammatica portugueza com applicacSes
praticas, doutrina evanglica, costuras, j
marcas e bordados de todas asqualidades.
Aluga-se urna escrava de idade de 14 annos, \ da Cadeia do Reeife n. 57.
pouco mais ou menos, nao para sahir a ra : na
ra do Padre Floriano o. 34, a tratar com Leonar-
do Rufina de Freitas.
O Dr. Antonio de Vasconcellos Menezes de
Drummond,antigo advogado neste foro, contina
no exercicio da sua proflsso, podendo para isso
ser procurado todos os dias uteis das 10 horas da
manha as 4 da tarde, em seu escriptorio ra do
Imperador o 43, primeiro andar ; bem como para
casos urgentes a qualquer outra hora do dia, em
seu domicilio rna da Aurora n. 26._________
Offerece-se um mogo para copeirode alguma
casa ingleza ou portugueza do que tem bastante
pratica ou para outro qualquer emprego de portas
a dentro : a tratar na ra da Cadeia n. 52, loja.
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arle dentaria, alm de com-
prar o segiedo de diversas preparacoes empregadas com mallas vantagens, tem a hon-
ra de participar o respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misleres da sua pro-
flsso, advertindo que trouxe um immenso sortimentodedenladurasartifuiaes; caout-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeira de operacoes, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso de servir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confanca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh at ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares.
AMA
Precisa se alugar urna preta escreva ou mesmo
forra, que cozmhe e engomme, para casa de duas
pessoas: na ra das Cruzes n. 5, casa terrea.
Precisa-se de urna ama para se encarregar
somente do ser vico de cozinha : na rna da Cadeia
do Reeife n. 52, terceiro andar.______________
Precisa-se alugar urna ama que saiba bem
cozinhar.e sirva para comprar para urna casa de
duas pessoas : ama da Imperatriz n. 34, primei-
oo andar.
kttenqao*
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
vel publico e a lodos os senhores officiaes do exer-
cito e da marrana que contina a ter sua casa sor-
tida de fazendas e roupas feitas, e por medida : no
largo do Livramento n. 34.
Precisa-se alugar um escravo para todo o
ser vico de urna casa de familia : na roa da Cadeia
do Reeife n. 52, terceiro andar.
Precisa-se de um criado estraogeiro, bom co-
peiro, e qne afiance a sua boa conducta : na rna
do Imperador n. 29.
Casas para alugar.
No primeiro becco da camboa do Carino existe
para e alugar una pequena casa terrea de 11* i
mensaes o seu luguel: qaem a pretender dirija-
se a ra do Imperador n. 38, segundo andar.
Precisa-se alugar urna escrava para carregar!
fazendas : na ra do Hospicio o. 62. Lsva-se e engorama-se com toda a perfeicio :
" Precisase de um'crTado que faca todo o ser- P* roa dos Pires n. 21._____________________
vico de urna casa de homem solleiro, inclusive co- i Uicc Eso.ily, subdito francez, val Bahia e
ziohar ; m roa da Impertlriz n. 26, primeiro deixa seu filho oi:carregado da sua fabrica de rap
odar. imperial.
(0 bacharel Jos Baplisla Gilirauaj
adv.iga nos termos do Bonito e Caruar.
Pode ser procurado na villa do Bonito,
na Direita n. 16, dttfronte da cadeia.
Aluga-se urna boa sala cora casa de entrada,
mnito propria para escriptorio, na ra do Impera-
dor : trata-se na mesma rna n. 14, armazem Ga-
ranta.______________________
Francisco Jos Gtica! ves da Silva faz scien-
te ao respeitavel publico e eom especialidade ao
corno do commercio, que se relira temporariamen-
te para fra do imperio, e durante sua ausencia
deixa por seos procuradores em logar o Sr.
Jos Joaquim da Silva Gomes, e os seus socios Joo
Jos dos Santos Lima e Duarte Antonio de Mi-
randa.______^________^^_
Na roa do Crespo n. 14, primeiro andar, pre-
cisa-se de costoreiras que trabalhem de alfaiate e
com perfeicao, com machina ou sem ella.
Livro do Povo.
O livro do povo, obraornada coraestampas,con-
tendo a vida deNosso Senbor JesusChristo, e mui-
tos artigosuteis. Este livro das familiasrecom-
mendado eapprovado pelos Exms. Srs. D. Luiz
bispo do Maranho e D. Manoel arcebispo da Ba-
hia, vende-se a IjOOO cartoriado, na livraria de
Jos Nogneira deSouza, roa do Crespo n. 2.
Precsa-se alugar urna escrava para todo o
servco de urna easa, e que saiba engoramar, para
urna s pessoa : na ra larga do Rosario n. 31,
segundo andar.
GASA DA FORTOR
Aos 10:000$000. .
Bilhetes garantidos.
A' IDA DO Crkspo n. 23 E casas do costume.
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio do patrimonio de orphos,
os seguintes premios :
Um quarto n. 989 com a sorte de 6:0OOWO0.
Um quarto n. 2469 cora a sorte de 1:4(105000.
um quarto n. 1942 com a sorte de 500*4000.
E outras muitas sortes de 200*, 100*, 40 e
20J000.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra da Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2' parte da 4' lotera
beneficio da Santa Casa de Misericordia que se
extrahir no dia 10 de marco.
PRECO.
Bilhetes.....12000
Meios......65000
Quartos.....35000
as pessoas que compraren! de 100(3000
para cima*
Bilhetes.....115000
Meios......55500
Quartos.....25750
Manoel Mautins Fiuza.
O Sr. Domingos Gomes Feroandes tem urna
carta rinda da ilha de S. Miguel : na ra da Pe-
ona n. 29, primeiro andar.
Para
Precsa-se alugar urna ama portugueza que
saiba engommar bem e coser, para urna casa de
duas pessoas : na ra da Imperatriz n. 34, pri-
meiro andar.
a
s
Maques sobrePortugal.
O abaixo assignado autorizado pelo
, _ancoMeccantil Portue\-se. e naausencia
H 8fectivamente por todos o paquetes sobre
aspra$as de Lisboa e Por .o, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso; podendo, os que temaren-'
saques a praso.receberemalista,no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 aoanno: na ]
eja de chapos da ra do Crespo n.6, ou 1
ia roa do Imperador o. 63, segundo an- 9
Bdar.Jos Joaqnim da Costa MVia.
HaaaKBifBie*
Precisa-se de urna ama para fazer todo o se-
vico de casa de urna s pessoa : no becco das Ba-
reiras, casa n. 3.________________________
Ama
Precisa-.1 e de urna ama para comprar e cozinhar
e fazer o servigo interno de orna casa de familia,
paga se bem : na rna do Queimado n. 33 A, loja.
Aluga-se urna casa terrea na ra da Senzala
Nova n. 36, ratificada de novo com tres grandes
quartos, quintal e cacimba, com porto que deita
para a rna de Apollo, propria para urna familia:
quem a pretender dirija-se a ra Nova botica Da-
mero 51. i
Precisase fallar aos herdeiros do fina-
5 nado Cesario Marianno de Albuquerque S
JK Cavalcanti sobre urna pequena heranea flR
S5 que Ihes pertence existento no termo de jig
5 Sant'Anna comarca do Aearac provin _s
JB ca do Cear, na ra estreita do Rosario 9R
^ n. 23, primeiro andar, escriptorio do Dr. yi^
m Feitosa.
wwm mmmmmm mmmm
Samuel Power Johnstoa & Conipanliia
Rna da "enzala Nova n. 4'.
AGENCIA DA
FHadicao de Low Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo,
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de o^ro patente iaglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Na ra dos Pires n. 54, alnga-se urna excel-
lente escrava de boa conducta a qual faz todo ser-
vico de urna casa de ramilia, interno e externo.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba la-
var, cozinbar e engommar : na rna da Manguei-
ra, sobrado n. 6.____________
Aluga-se um escravo cozlnheiro : quem o
pretender dirija-se a ra da Manguera, sobrado
numero 6.
Fazem-se comidas para fra com asseei o
proraptido, por preco commodo : na ra |dos Pi-
res n, 32.
Aluga-se o segundo e terceiro andares do so
brado n. 62 da ra da Guia com commodos cada
um delles para grande familia, os qua-s se achara
pintados de novo por acabar de ser dito sobrado
concertado : e a tratar no primeiro andar com o
prc.prietario bacharel Francisco Luiz Correia de
Aodrade.
mmmm mmmmmmmmm
ffl Procurador..
1M Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
5 cede Len, como solicitador, se encarre-
5 ga das causas crimes, cireis, commer-
H&ciaes e ecclesiasticas. Elle anda recebe
7 algumas ca-as de partido, mediante a
jf um ajust razoavel. Pode ser procura-
ndo as salas das audiencias on na ra
I Imperial sobrado n. 64.
V
\




Alian Patersoo, 'subdito
imperio.
inglez, rctra-$e do


^^v

Diarlo de l'er nambuco Terca elra 9 Je Mareo de 1 Despedida. Na padaria da Torre precisa-se de um No armazem rlp fV/Pnrl'w ha.
- 0 abaixo assignado nao podeado depedlr-se amassador que saibajeotregar pao. i i. jo, + S ?fl
Arrendase a nropriedade denominada Baa TtlS UG uUlOS O LOGlJlO
de Serinhem, sita na freguezia do mesmo nome,
cotn grande coqueiral i disfructar, e rauilos foros
cobrar annualrneute : a tratar na ra da Aurora
numero 26. t
- Precisa se de urna ama secca para casa "d pel bwatissimo prego de 2*400.
ponca familia e paga-se bem : a tratar a roa da Lences de bramante de linho
de seus amigos por falta de sade, espera que to-
dos a desculparao de tal falta involuntaria; e ao
mesmo tempo poe a disposicao o sen limitado
prestio em qnalqaer parte que a sorte o leve,
Antonio Barbosa de Barros.
Ao commereio.
O abaixo assignaco deixa por seus procuradores
em Io tugaros rs. Palmeira & Beltrao, em 2 o
Sr. Euzebio Raphacl lUbello, era 3 o Sr. Jos Lo-
pes Corral.Antonio Barbosa de Barras.
Ra do Queiuiado n. 19.
Vende-se o seguluir:
Lences de panno de linho
Gru n. 68, segundo andar.
| Furtou-se, na Baixa-Verde, de poder do abai-
_ xo assignado, no dia 28 do crreme, um relogio
Anda esta para ser vendido o sitio da tra- de prata hortsontal, de 5139, e urna corrente on
vessa do Keraedio na fregueiia dos Afogados o. cadeia de prata : quera aprehender esses objectos,
21 : quem o pretender dirija-se a ra de S. Fran- levando-os casa do abaixo assignado, ra da Guia
cisco, sobrado n. 10____________________________n. 45, ser generosamente gratificado, assim como
Alfonso Jos de Oliveira, professor jubilado raesmo abaixo asignado previne que pessoa al-
da cadeira de geographia e historia do ex-lyco 8uma 'a5* negocio cotn dito relogio.
desta cidade e competentemente autorisado pela
directora geral da instrurco publica para ensi-
llar prime ras letras, ltiro", francez, rhetorica e
geographia, contina cora aula aberu destas mes-
mas materias na ra larga do Rosario n. 28, se-
gundo andar, e recebe alumnos internos e ex-
ternos.
Henrique Leonardo.
Preclsa-se de urna ama forra ou captiva que
saiba cozinhare en'o:nmar: na ru do Livramen-
to n.M, segundo andar.
Aluga-se um sitio na ra do Gabral
da cidade de Olinda com casa terrea, cora
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 67 cupiar na frente, bota os fundos para a es-
4a ra do Rangel defronte da botica: a tratar na trada e margern do rio Beberibe com com-
ua do Queimado n. 71. modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-lo, arvoredos de ruc-
tos, sem visinho defronte nem pelo fundo,
com ptimos passeios, sala e gabinete na
frente, muito propria para passar a festa, e
Precisa-se de um bom cozinhelro e de um
copeiro : no sobrado n. 32 da ra da Aurora.
Dase a quantia de 6005 a juros a dous por
cent sobre hypotheca de urna casa terrea, ou
mesmo sobre hypotheca de um escravo ou escrava
que sejam sadios : na ra Nova n. 69, segundo tambem se alugar por anno : a fallar no Re-
andar, esquina do pono das canoas, se dir quem cife, no Recife, na livraria n*. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia e em Olinda na casa
contigua com o capitao Antonio Bernardo
Ferr ira.
Attencao.
Fugio um papagaio da ra da Penha n. ,
sendo grande e tolo verde, levou um pedaco de
corrente em um p : roga-se a quera o pegou de
entregar na raesraa, que se gratifica bem.
Aluga-se um grande sdtio com sufflciencia
para ter 8 vaccas de leite, 2 baixas para planta
de capim, casa com commodos para grande fami-
lia, prximo ao Recife, que se pode ir a p, e mu-
tos arvoredos de fructo : na ra larga do Rosario,
loja n. 32. __________
O abaixo assignado, proprietario de urna sor-
te de trras de 1|2 legoa de frente e 1 de fundo,
a margern do rio Taquara, cuja se acha legalisada
e capaz de toda a agricultura, faz sciente que a
vende ; e as pessoas que pretenderen) dirijam-se a
casa de sua residencia na ra Nova n. 27. >
____________Jos Egidio de Albuquerque.
James Eustace e William King, subditoFin-
glezes, retiram-se para a Europa.__________
A viuva de Jos Caetano annuncia comidas
para fra aos assignantes particulares, por preco
commodo e com asseio : na travesa da ra da :
Cruz becco do Abreu n. i.
Na ra do Imperador n. 28, vndese linguas.
salprezas novas e superiores, em barril e a relalho,
ceblas novas em restias e em paredes.___________|
Aluga-se o 1 andar do sobrado da ra Di- fals5 be :_ n*iJ* de bilne,es da Praa da Inde-
relta n. 88, com commodos para familia : a tratar
pa padaria n. 81.____________ Compra-se um escravo de idade que
sirva para trabalbo de sitio: nesta Ivpo-
grapliia se dir quem quer.
de um s panno a 35500.
Coberla de chita da India,
pelo baratissimo preco de 24500.
Lencos de cambraia brancos
prpprios para algibeira, a 25 i duzia.
Pecas de brelanha de rolo com 10 varas
propria para saia.a 45.
Pecas de cambraia de forro, a 2#600. ,
Esteira da India
Iropria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gura, por menos prego do que em outra qualquer
parte.
Toalhas alcochoadas para m5os
55 a duzia.
Lazinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 606 riso co-
vado.
LOJA ,, BALO
DE
AZEVEDO & FLORES.
Roa da Cadeia do Recife n. 47, esquina que volta para 1 Madre de Dees.
Atten$lo.
Pelos seguales preces :
Paletos de casimira (saceosI 125, 115,
Mi ......... 85000
Lazinhas de cores finas
do melhar gosto que ha no mercado, a 560 ris o
corado, neste armazem de fazendas se encontrar
um grande sortimento de ronpa feitae por medida Camisas francezas a 25, 25500, 35 e
Madapoles francezes (pega) 135, 5,
Ditos de alpaca 55 e
Ditos de alpaca branca 55 e .
Sobrecasacos de panno fino francez
Ca^as de brira pardo 24500, 35,34500
Ditas de brim branco 44, 44500 e .
Ditas de casimira de cor 55, 75, 85 e
Cortes de casimira prela Una 74 e. .
Seroulas francezas linas.....
Colletes de casimira pretos e de cores
34500, 44 .......
Baloes de 20 e 40 arcos dos melhores
que tem viudo ao mercado .
Precisase de um caixeiro com pralica de mo-
Ihados e que d nanga sua conducta : no arma-
zem Girantia, ra do Imperador n. 14.
Alujase urna casa com bom sitio, na Ca-
paa,'i Vrflln, qae foi do Sr. Setaslfia Penna, cora
bastantes coran)los, tendo cocheira, estribara,
quartos para pretos e uiuilas frocteiras : a tratar
na ra jo Imperador n. 46.______
Negra fgida.
Ausentou-se no dia 5 de margo de casa de seu
senhor ra do Mondego n. 2, a escrava do nome
Thereza, preta fula, alta e cheia do corpo, vistosa
e despachada, natural do sertao e consta que an-
da est na praga, levou bastante roupa : quem a
prender e entrega-la ser bem recompensado.
COMPBAS.
Compra-se ouro e prata ero obras velbas, pa-
-se bem : na lo"
dendencian. 22.
TTENAO.
O proprietario da offlcina de encadernago da
ra do Imperador n. 15, defronte de S. Francisco,
acaba de entregar a direccao da dita offlcina ao
Sr. Ileracbo Constantino de Paula Monteiro, enea-
dernador que fol da livraria Acadmica, onde pro-
vou habilidade e pericia na arte, tanto em enea-
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
Chitas para coberta (covado) .
Las lisas de todas as cures .
Vestidos de liia Mara Pia muito fios
Lencos brancos muito Tinos (duzia) .
Um completo sortimento de chitas lar-
gas de 300 a ........
Cambraias lisas brancas muito finas
(peca) ...........
Um variado e lindo sortimento de cha-
les de merino estampados de 55 a
Seroulas de linho muito unas .
Aberturas de linho pregas largas .
Bramante de urna largura ....
Camisas de llanella bonitas, cores eco-
nmicas.........
1550OO Lencos de esguiam.......
VIMHIUMI!
45000
45500
225000
45000
550OO
105000
55000
15600
45500
54000
320
4
185000
24800
500
55OOO
84000
n- h a. 1 1 n.. L5as lisas de todas as cores muito fnasa
0t 2t oja do.BALAOencarregam-se de mandar fazer qualquer obra de brira
eiu, para noraense meninos, aluda que a fazenda nao seja comprada na dita loja do
ou casimira
Algodao em carolo.
Compra-se qualquer quantidade por maior pre-
go do que se paga no mato : na fabrica da traves-
sa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
dernacSes era bsame, como era curo, veludo, etc, Comprase efectivamente ouro e prata em
o qual se acha munido de todos os uteocilios e obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
aprestos necessarios para bem servir aos fregu- Rosario n. 24, loja de ourives.
zes e por mais barato prego do que qualquer outra
pessoa. Na mesma offlcina ha a venda : livros em
branco para borrador e mesmo para reparlicoes,
livros de litteratura e;sclencia, e ludo quanto e ne-
cessario para as escolas primarias como : cartas
de A B C, taboadas, cathecismos, grararaaticas de
Castro Nunes, pautas, procurares bastantes, espe-
ciaes e geraes, despachos da alfandega, papel pin-
tado e marbrados de diversos tamanhos e pregos,
papel al mago e pintado, etc.
Os elementos que compoem esta preparado, o
ferro, o iode e a quina, a collocao no prineiro
grao das preparaedes ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmro sua poderosa effieaeidade as
seguintes affecedes:
Mingo no aangue.
Fraqnea.
Aaaala.
Chlorose Ictericia.
Menatraa.
Attecroc* da ntera.
Sapprtssoea d re-
graa e aleaardaa aa
acaatruacaa.
AfTeccao pulmaaar e
aathlalc.
Molestia d'rHloataca.
Gaatralglaa.
Perda d'apaellte, etc.
Con valr scenea de laa*
as moleailas.
Maleatlaa eaerafala-
aaa.
Papelra.
Obstrurraa daa fjlaa-
dalaa.
Humores braacos.
Rachltlsmo.
Arreceea cancerosas
a shlllilco.
Febrea tyaholdes.
Varales, etc., etc.
CIIEGAIIAJI OS MODERNOS tlhLES DE
FILO PRETO.
Superares chuls de fil preto chegados pelo ul'imo vaper fran: ez, a
loja das columnas ra do Oespo n. 13, de An onio Corteia de Vas o;;cel-
los & C.
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sem vicios : a tratar no sobrado
n. 32 da ra da Aurora.
Comprase cobre, bronze o ferro cuado ve-
lho : na ftindicao da Aurora, em Santo Amaro.
Cumprara-se diarios na fabrica de cigarros
de Joo Gongalves llespanhol, na ra larga do Re-
ario os. 4 e 8.
portao
- PogiodoTillo~Rirchao71i$rriciole^SieTiSit T Compra-se um preto moco, de boa.
penencente a Manoel de Souza Silva Serodio, o, conducta, para fazer algum servico de rna-
moleque de nome Antonio, idade de 18 a 20 an- ( nliHa e depois ir para o ganho, e um mole-
nos cor fula, cabellos crespos, resto pequeo e re- (que ou cabrinha, que possa servir para co-'
dondo, Olhos pequeos, bocea regular, corpo secco, 1 nprn ,,_,, hpm nararlanrln tratar na
tendo as costas algumas "-
cenduzio um cavallo rugo
esquipa, tendo no peito um lobinhoj ferrado no
quarto e na p com o ferro MJ : quem o pegar
e levar a seu senhor ser recompensado com
1004;_______________________________________
Pode-se ao Sr. thesoureiro das loteras que
Dio pague o quarto garantido de n. 2637 d que ha de correr no dia 10 deste mez, visto terem
roubado Jo- Antonio Martins.
Vtja te os bulleins de Iherapeulica medica
e eirurgka de 30 de novembre 1860; a GaxMa
ios hotpitaes de 28 dejulho 1860, etc., etc.
Alm das pHuas de iodureto duplo de ferro e i$
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
faxro e de quinina do mesmo autbor para at
pessoas que nao gostao de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope Dio tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se de se nao poder conservar.
Peca-M o folbeto que se d de graca em cata
dos pharmaceuticot depositarios.
Para-se evitarem falsilicagSes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas 00 Xarope a a-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paria, pharmtciaRbilion,
442, rae du Bac, e em todas as boas pharmaciaa
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
cSzeiTe"cast o!IP*' W b,em agradando: tn
pedrez; anda baixo B ifPMga porto do Lasserre, sitio do
' iutado de verde, do lado direito.
r
Os robores esiudautes da ra da Aurora
que alugaram os tres vestuario* no sobrado con-
fronte a igreja do Paraizo, venham pagar, do con-
trario vero seus nomes neste jornal; assim como
o Sr. F. A. C G. que tambem alugou tres vestua-
rios e deixou seu nome por um bilhete venha tra-
zer o dinheiro do aluguel seno quizer soffrer o
mesmo, e em iguaes circumstancias se acha o da
roa do Livramento.____________^_^
No sobrado conlroute a igreja do Paraizo, se-
gundo andar n. 29, fazem-se flores para enfeites
de igreja, festoes, rosas, palmas, arcos e capellas
para imagens, caixos e palmas para enfeites de
andores, sipo de flores para saiotes de anjos e en-
feitam-se peitos e capacetes para os mesmos, tudo
de flores de canotilbo, aljfar e flores de panno e
papel, com perfei^ao e presteza, e a prego muito
commodo : na mesma casa aprmptam-se vestidos
pretos para a quaresraa feitos pelos ltimos figu-
rinos ; enfeitam-se tambem velas com flores de
cera proprias para baptisado, pelo prego de 105,
tudo de muito bom gosto.
Precisase de um bom cozinheiro no hotei
Trovader, ra larga do Rosario n. 44, e paga-se
bem. ___________________________
Na ra do Lobato u. 3, outc'ora ra dos Co-
piares, se precisa Je urna ama para compras e
serv'150 interno de ucea casa de pouca familia.
YENDAS.
ttenco.
BISMUTH
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparaedes d
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de lodos os paizes, para prevenir
curar as
FAZENDAS PRETAS PAR* A QllARESMA.
N. 11Ra do QueimadoX. 11
fazPndhnrglar,e^S.UbeleCment0 pe' 3?"0 W^ vindo da Eur0Pa um bel1" sortimento de
f3tTFSJZ?,,!**0. raaisl'nd0 sortimento de moir preto lavrado o mais supeior,
tX I h. i*50"? de !fda pret0 avrad0 cora barras todai estas fazeDas s5l> Parias para ves-
n =nn,r,n1rot k I$ ?oderDO **,in m am ndo sortimento de bournus de renda pretas mui-
tolKr^.nb^f,eSpretode croche desedaoque ha de melhor chapelinas e chapeos de palha de
nrrnt Mnho i Pnnos e casemiras preus e eutras rauilas fazendas que se vendem por mdicos
precos
tIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 53 lojas de miude-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barato do que em
outra qualquer parte, quem quizer ver o que ba
bom e barato venba a loja do Rival.
Latas com superiores banha............
Frascos de vidro com superior banha..
Pares de luvas de seda muito Anas___
Enfeites do melhor gosto que tem vindo.
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira.
Pulceiras do melhor gosto e modernas.
Volta para pscelo do melhor gosto....
Baralhos para voltarete, unas a 200 e..
Varas de franja branca de liaha que
tem muita serventa.................
Duzia de pennas d'aco muito superiores
Frascos de oleo Bboza muito finos.....
Talheres para meninos a inelbor quali
Grande liquidacao de fazen-
das finas, ruadalmpe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 66, de Lourenco P.
Mendes Guimaraes.
Fazendas para o carnaval.
Vende-se velbutina de todas as cores a 800 rs. o
2K ovado' ean8a encarnada a 360 o covado, sarjelira
oOO de cores a 280 o covado, alpaca de cores propria
v! para vestuarios a 320 e 360 o covado, tafet de seda
240 de todas as cores a 600 rs. o covado : ra da Impe-
ratriz, loja da Arara n. 56.
Cuitas baratas a 210 rs
Vendem-se chitas finas a 240 e 280 o covado,
chitas francezas finas a 320, 360 e 400 rs., cassas
200
240
320
24300
060
060
200
0 VIGILANTE
Ra do Crespo n.
O gallo vigilante tendo Jilo agraciado pelo i im-
puso Uallisa, na sua ordtru do da, epeiafiacc
Aguia.apesar de que, para eMe> o Galle ru reos
agudesesporoes nunca os offender, antes otacra-
ciar na mesma conformidade. para qnt <. Baliza
possa marchar em frente, a Branca Apui resfa
levantarseu vo,|lcvando no bicoas paliabas sea
ninho;e o Gallo flear em seu espagoso cairro
dando de novo o seu canto annunciando asees
oonsfreguezes e aorespeitavel publico
0 grande sortimento de objectos de muil#sto?t>e
acaba de reeeber.
Ricascaixinhas com msica ricamente fMeita-
das para costura, proprio para um delirado me-
nino.
Riquissimoscofresinbos com cadeadosde metal
para guardar joias.
Ricascaixas cora estejo, contendo todts es per-
lences parahomem.
Riquissiinas vultas lingindo perola.
Ditas com lacinho Oe lila.
Ditas delindas cores e preta, de todas at cri*-
suras.
Lindosaderegos cora pedrnbos lingindo Mi-
mantes.
Ricasfivellas para cinto, de todas as cualidades
e bora gasto.
Ricos cintos de ultimo gosto de Paiis.
Grandesortimento de lindos enfeites par (ale-
ga, sendo do ultimo gosto e de todos espira?.
r lores muito finas para noivas.
Luvasenfeitadase meias de srda [ara tmvat.
Touquinhas sapatinhos e meias de (it tsra
baptisado.
Riquissimas fitas de todas as qualidade i ata li-
go, cintose cinteiros.
Camisinhas e gollnhas para senhora.
Hiquissimosjarros e figuras para efriufc ce
sala.
Grande sortiraentode gravatinbastacto i h-
nhora como para homem. /
Luvas de pelica branca e it cie/.
Cascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas,gal3o e maravilhas para r.r.f>.'f,
Transelins de cabellos e de retro? ra'Mli"'
Papel amisadee de outras qualldadf's.
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos de lindos tsditrs.
Lencinbos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, ttenltof < ntvt-
as.
Fitas de veludo lisas e com tratan e de ti t*af as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qnalidadts.
Grande sortimento de saboaetes.
Lindos vasos com banha para offerfin (dos.
Caixinhas com seis frasquinbos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas gractif. t frascos quadrados egarrafinhas.
Pomadafina de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e ropos de
tamanhos.
Sahoinglez em paos grandes e peqnerr?.
Escovasde cabo de madreperola, maifm <
osso, para dentes.
Pentesparadesembaracar, com friso c!f treta) e
sem elle.
dade .:. """"^ qUa"" m Pnas de cores a 320 e 400 rs. o covado, percalas
W*r*?.^*!&^: ooo *S*31tt'&V&mm*s ruadi
Duzia de coheres de meti muito finas C*rt*s de cambraias, a Irara vende a 30.
para sopa........................... 2^400' vondem-se cortes de cambraias finas brancas a
Duzia de coheres de metal muito finas 35500, 4 e 53, cortes de cassas francezas finas a
para en........................ ijsqO cortes de chita de 10 covados a 25400, ditas
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de j
urna duzia : em casa de Johnston Pater & C. ra
do Vigario n. 3.
Pede-se ao Sr. subdelegado da Capunga que
lance suas vistas para urna espelunca (casa de
jogo) que existe na ra da Ventura entre Cunha e
Cinto, aonde se esto desgranando pas e filhos fa-
milias, voltarei a declarar os nomes dos freqaen-
tadores cada um de per si se continuarem.
AMA.
Precisa-se de urna ama para cozinhar :
vessa do arsenal de guerra n. 13.
na tra-
Jos Soares cTAzevedo, i ro ssor de
lingua e litteratura nacional no Gynnasio
Provincial do Recife. tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um curso especial
i ;ir;i cada urna das seguintes disciplinas:
LINGUA FRANCEZA,
GEOGRAPHIA E HISTORIA,
PHILOSOPHIA RACIONAL E MORAL,
RHETORICA E POTICA.
As pessoas que d sejarem estudar qual-
quer destes preparatorios podem dirigir-se
indicada residedeia, de manbaa al s 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
Protestos de letras.
O escrivo Faria Torres est de semana e per-
manece d:sde as 9 horas da rnanhaa at o por do
sol, na casa da ra estrena do Rosario, em que
tem escriptorio o Sr. Dr. Jos Teixeira.
Lava-se e engorara i-se com perfeigo e por
prego nafta com:a)dj, sendo a 120 rs. tanto cal-
ets con) camina* : qnra pnicisar dirijase ao
pateo da Stnta Cruz, oa de dua portas defronte
da ra Vellia sera numero.
- Precsa-se de um cozinheiro : no Gymnasio
provincial.
Quera pr.'cisar de un mogo hbil itado para
enslnar stramnatira pirtugueza. latim e francez
nesta cidade ou fra, pode dirigirse a ra do Im-
perador n. 77, segnndo andar, que achara com
quem tratar.
DIarrfcf-a* chranlcaa. Mea dlgrstea.
Dyaacaterlaa. Gaalrllea.
Dores a estomaga Gallralglas, ele.
Dyapepslaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveit
affeccoes se manifesto ordinariamente por diges-
Set laboriosas, axidumes, falla d'appetite, pesos
los de nossa typographia o, TC^.,^^
ALMANAK.
ACaOil de fallir UOS Are- *""Sf**po de cada comida, caimbrat
x*Y""l v k-uu" ^Vk- ,F*V lomacaes, e, muius vezes, por espasmos nerv<
Grosas de botdes de osso para calca...
Grosas de botdes madreperula para ca-
rniza ..............................
Grojas de boloes de louga prateados
muito finos......................
Varas de babado do Porto sortido.....
Duzias de lapes differentes qualidade a
240.............................
Quadernos de papel de peso muito fino.
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns.*6 e8|
da praga da Independencia.
Vendem-se dous baleos de amarello de mo-
dlo de consolo, sola para nonta de taco e giz pa-
ra bilhar. e urna comraoda do mogno : na ra da
Roda n. 6. i
vitavelmente, que seja:
Maleallaa de Ogade.
A Ictericia.
ral pilars de corara*
DSrea nos rlna.
Arara vende baldes de arcos a 3,000.
Venoe-se baloes de arcos a 35, 35300 e 45, lin-
das golinhas para meninas e senhoras a 240 e 320,
Oaareaeoea.
norrs de eaheea.
rrltaeoee de brslga e
da msirU. ese.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelu
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomadas a
tempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Paris, pharmaciaChevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos
estrangeiros.
GRAGEASdeCUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYI
Estes confeitos que tem por base o prin.
camisinhas a'15,25, 35 e 45300 : na ra da Ira- Cipio activo da orimeira Ctibeba juutO com
peratnz loja da Arara n. 36. a tiipahi/ba pura, nao nausen O estomaga.
Grande liqmdaeao de roupa fetu e seroulas Elles fazem parar immediatamente as mais
v,a ,,, 1*608- rebeldes gonorrhas, mesmo as que res sti-
Vende-se paletots de casemiras de cores e pretos ram nhAh. o nnalnaS. i~**A~L1lL>
a 55,65,85 e 105, ditos sobrecasacos a 125,145, r-m a cubeba G a cupabyba isoladamente.
165,185 e 205, caigas de caseraira preu a 55, Deposito (eral em Pernambnc ra da
65 85, caigas de casemirade eJraH, 65 e 75, Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
caigas de brira de cor a 25 e 25500, paletots de -,,,--------------------------------
brim de cor a 25.25300 e 35, paletots de alpaca
preta a 35, 45 e 55, colletes de casemira preta e
brim de cora 15500 e 25, camisas francezas a
25 e 25500, ditas ingiezas de pregas largas de li-
nho a 35 e 3o5O e outras militas roupas fetas
que se vende barato : na ra da Iraperatriz nu-
mero 56.
Liquidado de madapol5o a peca a l#.
Vendem-se pegas de madapolo entestado de 12
jardas a 45, madapolo inglez de 24 jardas a 65,
75,85, 105 e 125, pegas de algodao a 55, 65, 75
e opUs
Aran vende cobertas a 2$.
Vend-se cobertas de chita a 25, ditas de da
200 Qnas a 3*20 : na loja da Arara, ra da Irapera-
1 trlz, n. 56.
300' dos a 35 e 3-5300 o covado, grodenaple preto fino
i a 15680, 15800 e 25, dito superior a 25600, dito
200 com palmos de largura a 39 o covado, panno fi-
060 no preto a 25. 25800, 35300 e 35 o covado, case-
! mira preta fina a 25,25500 e 35 o covado, alpaca
400 Preta a 300, 600 e 800 rs. o covado : ra da Im-
030 peratriz, loja da Arara n. 56.
;<<<: (5
de
Ditos de tartaruga e
des.
de muilas outras ocalida-
Duzia de facca e gario muito boas___
Sabonete de espuma muito superior...
Capachos compridos e redondos muito
bons.............................
Ditos para sof......................
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa............................
Creio para dezeuho de tedas as qua-
lidades ...........................
Cartas de alfinetes francezes muito su-
periores ..........................
Caixas de clcheles francezes a 40 ris
Duzia............................
Carreteis de retros com quatro cita vas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade...........................
25400
040
500
25OOO
io:>
500
020
108
360
800
200
2 ^S a o o i ** ST o o e
3?. Ss;5?B5 IsssS
i H
51
(V-
Q. a ea
a > -------1
t =* = S a S

Vende se um sobrado de um anda/ na tra-
vessa do Veras n. 13, em chaos proprios : na ra
da Alegra n. 3 se dir quem vende.__________
Vende-se urna linda mulatinha, a qual tem
todas as habilidades : na ra da Praia n. 47, ter-
ceiro andar._____________
V-nde-se urna casa nova anda sem calgada,
na ra do Socego (Campo Verde) n. 19 : a tratar
na ra da Imperatriz n. 80.
43
1 o w m .
" V OI < "1
09
c ~ a>

o,S S.5 g-g-o-o

Wnde.in se dous sobrados, um 11a freguezia
do Rectfee outro na de S. Jos : a tratar na ra
Augusta n. 24.
Farelo
masco a 45 : na ra da Iraperatriz loja da Arara era saceos de mais de 100 libras : nos armazens
T 3"- de Tasso Irmos.
Arara vende corles de casemira Dreto a 35. ,r,t~,---------t~z-------:--------
lV35d6FeC75eSdftaCdarcan,ra KT2 1 2^ ^SS^SSBK T*"
i, 5* 65 e 75, d.ta de casemira de cor para cal- Borzoguins de lustre (Nantes) 65000.
Ditos de hezerro de tres solas (Nantes) 65000.
Ditos de bezerro de duas solas 65000.
S ipat..s (le tapete 640 rs.
J. J. Lofapacher, cidadu suisso, reiira-se pa-
ra Eoropa._________________________________^
Aluga-se urna escrava de idade de 14 annos,
pouco mais ou menos, nao para sahir a ra: na
ra do Padre Floriano o. 34, a tratar com l,eoDar-
o Rufino de Freitas.
para
ga a 35, 45, 55 c 65, panno preto para caiga e
pak-tot a 25, 25500,35, 35500, 45, 55 e 65 o co-
vado, casemira preu fina setim a 25, 25500 e 35
o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
Arara 1 ende chitas finas a 240 e 280 rs.
Vonde-se chitas finas a 240 e 280 o covado, di
Milho novo em saceos grandes : no trapiche
di Cunha, a tratar com Tasso (rmaos.
tas largas a 300, 320, 360 e 400 rs. o covado, cas-! Vendem-se duas casas sitas na Capunga urna
sas francezas finas a 320, 360 e 400 o covado, per- na ra da Amizade com 22 palmos de frente o
calas finas para vestidos a 500 e 560 o covado : outra na ra das Pernambucana* ao voltar para a
na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56. ra da Amlzade, onde tem o estabelecimento de
Vende-se na Arara cortes de brim a lGOO taberna e refinago no fundo das mesmas casas e
Vende-se cortes de brim de cor a 15600 e i
ditos de meia casemira a 25500 e 35, ganga para
caiga e palitots a 500 e 400 rs. o covado : na ra
da Imperatriz n.56.
Arara vend chitas para coberta a 320.
Vende-se caitas para coberta a 320 o covado,
ditas francezas a 360 e 400, chapeos de sol de se-
da a 65500, 75 e 85, chapeos de panninho a 25 e
nm terreno murado junto a mesma proprio para
edificar : a tratar na ruada Gloria n. 93, taberna.
V.-nde se a taberna' da ra de Joo Fernn-
des Vieira n. 64, na freguezia da Boa-Vista.
Una taberna.
Vende-se a taberna sita na ra da Concordia
(sobrado do Sr. Rartholomeu) bem afreguezada
25500,"e outras multas faieods'qe se"vende"por V*Ti a terra- tnibem se tiram os gneros que nao
baratissimo prego para apurar dinheiro a loja est quizerem ou mesmo quAreado s a armagao : a
aberta at 9 horas da noite : na ra da Iraperatriz trauma rua Novan. 69._______________________
n. 38, loja da Arara de Lourenco Perelra Mendes Vende-se urna machina de coser saceos, inda
Guimaraes. nova a completa : na rua Xova n, 31, botica.
Resma do mesmo papel............. 25000 Arara vende cortes de casemira prela a ;!o00.
Vendem-se cortes de casemira preta a 35300,
45, 55 e 65, ditas de cores a 35,45, 55 e 75, cor-
tes de brira e ganga para caiga a 15600, 158OO e
25 : rua da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Panno de linho a 610 rs.
Vende-se panno de linho para lenges e toalhas
a 640 e 70, hambnrgo a 500 e 560, bramante de
10 palmos de largo a 35 e 2J500 : rua da Impe-
ratriz n. 56.
Arara vende es balees a 5 madapolo a \b.
Vendem-se baldes americanos a 35,35500 e 45,
ditas de musselina a 45300, pegas de madapolo
enfestado a 45, dito de 24 jardas, largo, a 65000,
65500, 75, 85, 95, 105 e 125, finos, algodao pe-
gas a 55, 65, 75 e 85 : rua da Imperelriz, loja
da Arara n. 56.
Soiilambarqups pretos a 20 A
Vende-se soutambarqne preto de grosdenaple a
205 e 255, capas pretas de grosdenaple finas a
205, 255 e 305, soQUrabarque de lazinba a 75 e
85, ditos de alpaca brancas a 85 e 105, ricos ves-
tidos Mara Pia de novo gosto a 85, 125, 145,
165 e 205 : rua da Imperatriz, loja e armazem da
Arara n. 56.
Grande sor.iaaento de roupa
frita.
Vendem-se paletots de casemira de cores a 55,
65,85 e 105, ditos pretos de panno fino, sobreca-
sacas a 125, 149.165 e 255, paletots saceos pretos
de panno a 55, 65, 85 e 105, caigas de casemira
preta a 45. 65 e 85, ditos de casemira de cor a
45,65 e 8.5, ditos de meia casemira a 35 e 3$500.
ditos de brim e ganga a 25 e 25560, ditos de brim
branco a 355OO e 45, colletes de tolas as qualida-
des, ramisas francezas a 25 e 25500, dius Ingiezas
de linho de pregas largas a 35 e 35500, ceroulas
a 15280,15600 e 25. paletots de brim de cor a 25
e 35, ditos de alpaca preta a 35 e 35500, ditos de
alpaca branca a 45500, ditos de alpaca de cordo
a 45,colarinhos de linho a 640, ditos de ppela
640 a duzia : na rua da Iraperatriz, loja da Arara
numero 56. O proprietario da loja e armazem da
Arara declara que todas as suas fazendas se vende
emperfeitoestado, como os compradores pedern
examinar; a loja est aberta at as 9 horas da
noite : rua da Imperatriz, loja da Arara n. 56, de
Mendes Guimaraes.

.
ce e
2 o
v> a> g Q- w
3 3
wo.
V. 3
SJ
a a>
"1 O
cr
z>
VI
= ~B
SsSfBSSj-So?* S
co e o
M
~o M a> e
B 2 2 9
- o o 8
a bm en S
O OCH3
T3
tu
o o
a g a
3 B S' *S
s* 2 ~
w M e
o & 5
- O O O'
S, ta< ,-, as s 5
SffS? -gf
^^5 2*-
o o TI a>

Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodao, assim r 1 n r n uitt s
utros objectos de gosto quesera bxpc.'shfl u 1-
oinar.que a vista far f, s no Gallo Vigilante,
cue do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas conrruzmlias
lingindo brilhantes, assim como crozir.l ;-s mjIi
e voltinhas, pelo barato prego de >5 e I52C0. 9?
cruzes avnls asa 400 rs. s no Vif ilante, rua d*
Crespo n. 7.
Leques.
lllquissimosleques de madreperola tanto |ra
senhoras como para meninas, pelo barato mo
de 125 e 145; s no Vigilante, roa do Crtfio
n. 7.
Fitas de lia.
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias pa
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s ce Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ricos espelbos.
Riquissimos espelbos rtm moldura i'-rr? sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim r. no nm
columnas de differentes tamanhos a 25, 35,45. ,5
e 65; s no Vigilante, rua do Crespo d. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelaca fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor posto qneaqoi
tem aaparecido; s no Vigilante, rua do Cn-spo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz
cousa de multo gosto a 15500 e 25, assim cerro
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um ; s no
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
l'er fumarias.
Grande sortimento de extractos e banbas, (1 ira-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tlnctivos e offerecimentes as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inplrter-
ra, assim como os grandes copos de banha jajonezn
a 25 e a 15, assim como ontros objectos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fngue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante.
ma do Crespo n. 7.
Arua Florida.
C3
ai a
a -a
-t o
o*
o
a a> a
1 a
a> o
as
!
53"
o
o
a>
5
o_
o.
a>
co

a
Legantes novos a 6,400 rs. a arroba*
Na padaria atraz da fuodicao do Sr. Starr ven-
de se ervilhas verdes, ditas amarellas e descasca-
das, b'ntilhas e scvadlnh.i prin preeo em sortimen-
to de 65400 r<, eeonforme for a norgo faz-se al-
gum abatimento.
Vende-se tira cabrinha d* 13 a 16 annos,
muito lindo, proprio para pagem : na rua do Im-
perador n."43, terceiro andar.
NaruadosCoelhos n. 10, sobrado, vende-se
urna excellente escrava com as habilidades seguin-
tes : lavar, engommar, cozinhar e cose, tudo com
algnma perfeigSo, muito fiel, 26 annos de idade,
canra. muito sadia e robusta, tudo se garante na
venda ao comprador por ser rial.
Portatsa di Rii9sia7~
Araba d chegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da Russla, e vende-sc a prego corarn-do: no
escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira <& Filho,
largo do Corpo Santo n. 19.
Precos que admira.
Sapalos de trauga superiores pelo barato prego
de 15 o par, e duzia 105 no vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Bico adamascado de todas as larguras, a pega
com 10 varas, cada pega a 400, 480, 500 e 600
rs. : no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Clcheles em carto de urna e duas carreiras
perfeitas, pelo barato prego de 40 e 60 rs. cada
cario, e dozia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, aduza a 15200, 15600,
25.35,45 e 35-
Dalaios propriamente para costura e para fruc-
tas.epara menina trazer no bragoa 15500,15600.
15800, 25 e 25500.
Perfumara, macag perola a 25, 25200, 35 e
45 a duzia, oleo de mozinha a 55 e 65 a duzia,
banha a 35, 45 e 35 a duzia. Esles objectos se
vendem por aduiiraveis precos em consequencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, pois affanga-se a pouca avaria e a boa qua-
ldade : s no galo vigilante, rua do Crespo n. 7.
Bixas liamburguc/as.
Vende-sena rua Novan. 6I.R __.
Para restabelecer e conservar acor naicral
dos cabellos.
A agua lorlda nao urna tintura, fcto esser-
cial acontestar, a mesma agua dando a cor prin i-
tiva ao cabello. Gpmposta de plantas exticas e
de substancias indfnksivas, ella tem a proprir dae
de restitu r aos cabellos o principio corante que el-
les tem perdido. D'uma salubridade incoDlesia-
vel.a Agua Florida entretem alimpeza da cabera
destroe as caspas e impede os cabellos de raf.ir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, file
constitue poderosamsa*, cora a Agua Florida, a
forca.a belleza e a conservago dos cabe". .
Em Paris, casa de Quislaur n. 12, rua de Rir-be-
lieu, a 21, boulevard Montmar'rr.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposite, rua do Imperador.pharmacia n. 38.
Goke do-az.
Pltchdogaz.
Vlcairo do gaz.
Coke, tonelada lOaOOO.
Piten, arroba 35000.
Alcatro, caada 500.
O cok reconhecidamente o carvao mais rrrno-
mico, lorna-sc por isso recommendavel, I rm co-
mo pelo aceio que se nota as rasinhas sonde ?
elle usado. Pitch e alcatro, alom s aidtmpape-
58es diversas a que se prestao, como para eslaf a
tar erabarcagCes, alcatroar madeira?, etc., ucc-
estes a propriedade de preservar do cupim. lor-
migas, etc. E entregue na fabrica do gaz, ou man-
dado prem qualquer ponto da cidade, segundo a
vontade do comprador e previo ajuste.___________
Azeite de carra pato
Vende-se por atacado ou a retalho mais banio
('o que vendem os matntos as cargas : na fabri-
ca JJaatravessa do Cariaca o. 2, caes do Ramos.





-


V
Diarlo de Peraambuco Terca lelra 9 le Marco de i
85
PILULAS VEfiKTAES
DO
DR. AYER.
N5o ha neoessidade mais ge-
ral era ledos os pajzes do que a
tiie um purgante que seja ao
mesmo lempo innocente, eicaz
e digno de toda a contian^.
As plelas que ora offerece-
mos ao publico preenchem estas
condices ; pois pdem ser to-
madas pelas pessoas mais fracas
sena perigo algn, nao leudo em
soa cemposicao mercurio nem
outro ingrediente nocivo sau-
de, mas sendo composto de a-
gentes vegetaes raui fortes, sao bastante
oicientes e activas para purificar os corpos
mais robustos.
Kstss pilulas exploram e purificam toda
extensio do canal alimenticio, e dao vigor
a tudas as parles do organismo, corrigindo
a iftqa viciada e fazendo recuperar sua
vjtalidade.
Um rene-fio inestimnvel contra dr de
cabeca nervisa, en.vaqueca, priso do ven-
tre, h-'iii orrkoidas, molestias do figado, fe-
, bra gastro-hepatica, e todas as molestias
biliotas que teem sua origen no entorpeci-
meato do figado que causa a escassez da
bilis ua inflammacao d'este orgao que pro-
rlu derramamento da bilis no estomago ou
em um desarranjo geral dos orgSos diges-
tivos.
A ictericia
producida pela absorpcao da bilis no
sangne, dando $ pelle e aos olbos urna cor
amarellenta ; nao smente dolorosa par
m, porm conduz aos mais serios soffrimen-
tos.
Par cura-la toma-se de i a 5 pilulas to-
das as minhas, isto bastante para mover-
o vootre smenie at que se recupere a ac-
cio saa do sysiema.
.1// do fc/ado, febre gastro-hepatica,
dinrrhea biliosa, indigesto, a nevralgia
t ie douleiircux, sao todas molestias que
tom seu comeco n'um dessrranjo da bilis.
A. observago dos ductos da bilis faz esta
volver ao sangue, com que circula d*pois
em todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innu-
moravel le males.
Todos estes incoramodos sao curados com
as pilulas do Dr. Ayer.
Direeces minuciosas acompanham cada
Irasco.
Vaada-se na pharmaeia franceza deMau-
rer A C. ra Nova n. 48.
AGENCIA CENTRAL
15 lina Direita 15
RIO DE JANEIRO.
Vende-se em Per Bambuco:
a a pliarmacia franceza de
P.H&URER & C.
KA NOVA N. 18.
Fazendat pretas para aqua-,Laboratorio enolegico e chimico de F. P. Lebeuf C.
H
'i
UfflMSBEMEW
i
para
(rabalhar & mi
descarocar agodSo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
1*41
Estas machia'
podem descaroea'
qualquer especi
de alcodao sen
estragar o fit
sendo bastant
doaspessoas pan
otrabalho; pd'
descarocar. um
arroba de alp
dio em earoo
em 40 minuto:
ou 18 arrobv
por da ou 5 ar-
robas de algodit
limpo.
kmm com machinas para serem movidas po
aniue, que descarocaai i8 arrobas de algod
l.ii;u, uor da; e mular es pura mover urna, dua?.
eujrw iIissk iohi-Iim as.
fjj mismos tem para vender inri bellissimo va-
p >r que pode fazer mover seis destas machina*
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores virem ver e examina-lo, no arma-
ivn le algodo, no largo da ponte nova n.47.
Sauoders Bsolhersk C.
N. II, praca do Corpo llanto
RECIFE.
O unios agentes neste pa.
altas
i
< '- :*- .'V'4* l di 9
Approvada por varias AcmJtmias
summiatlu medicas*
O qveocea.uRa < in gTl is Hinlclias *t)ono
designadas i a cila^cav-io do sangue eai certa
par! o carpa, a qual prodluala |u-lu rpsfi-ia-
mcnlus e niuia Miras camas, ciiUo drclario-*e
OS liheumalismus. Cuta, 'P'tralysia, Flaqueza,
dos membros, 'ons tifaeics. Elephantiasit ir
Pernas Inchatu, ti arts tremolas.
O uto la CYcoia EUCmO-KACME-
TICA ifni siiccsso certe para i cara ile lodat
' ps:a molestias, stm recorrer se a afnluima oulra
mrdicacM. Ella H-m una forma mui manjate!
c produz, a vn lude de quera d'ctla osa, tcos ma ii
uteis e fclizcs resultados. Seoemprejoiireseni
das molestias aeiuia. Para TOaHrofbrroacoeiw*-
ul-te-se a noticia que accompanba cada Escota.
DEPOSITO CESAS.
Bouteemrt Uu Primt Eufene, 1S, Pmt.
Vende-se na ra do
franceza n. 38.
re$ma.
Ia loja do Pavo.
Acha-se este estabelecimentocompletamente sor-
ttdo de fazendas pretas propriaspara a qaaresma,
a saber :
Grosdenaples preto largo e muitissimo encorpa-
do, outros mais estrenos lendo dos procos de
14280, 1{>OUO, 1*800, it, 3*400 e 3*, superior
moreaatique preto a 3*, superior sarja preta hes-
iiaohula, superior setim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, souterabarques muito bem enfei-
tadds, ricas vasquinas e casacos dos mais moder-
nos que tem viudo, superiores manteletes, camisi-
ahas com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, ludo isto se vende mais ba-
rato do que em qulra qualquer parte por ser a di-
nbeira : na loja do Pavo ra da Imperatriz a. 60
de Gama & Silva.
As rotipas do PavSo.
Acha-se neste estabeleciroeato um grande sorti-
mento de roupas fetas para homem como sejam :
superiores paletois sobrecasacos de panno preto
muito Una e forrados e seda a 22*. 25* e 30*,
ditos forrados de alpaca a 14*, 16* e 20*, supe-
riores paleots de caseraira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de brtm de todas as qualidades, col leles
de casemira prelos e de cores, ve'ludos, selins
etc., sendo todas estas obras corladas por um dos
melhores mestres nacionacs, manda-se fazer qual
quer obra por medida : na loja do Pavo ra da
Imperatriz n.60, de Gama & Silva
Chitas em cirles con 10, 11 e 12 covados
Na loja do Pavo vende-se urna grande porcSo
de cortes de chitasf'tneezas sendo claras e escu-
ras todas de corett xas com 10 covados a 3*200,
com 11 covados a 3*600 e com 12 covados a i*.
pechindia para se apurar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Craade liqnidacSo.
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas
do Pavao de Gama & Silva.
Acha-so este estabelecimentocompletamente sor-
tldo de fazendas inglezas. francezas, aUemas e
suissas, proprias tanto para > pra<;.i como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualqaer parto, principalmente sondo em
porcio, e de todas as fazendas dao-se amastras,
deixando fkar penhor, ou mandam-se'levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
Camisinhasa \$.
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muito bem enfeiladas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato preco de dez tusies cada
urna : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
pe Gama & S:Iva.
Cortes de cassa a 3.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa,teado
7 varas cada corto, com desenhos muito delicados
pelo baratsimo proco de 3*9C0 o corte : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Cambrtias lisas, na loja do Pavo.
Veadem-se pecas de rambraia lisa muito fina,
lapada e transparente, pelo baratissimo Dreeo de
t* tendn 8 1|2 varas cada peca, dilas muito finas
a 7*, 8* e 9* a pera, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 7*, 9* e 10, ditas
Garrazes fazenda muito encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 2*600 a pe-
Sa : isto na loja do Pavo ra da Impojatriz n 60,
e Gama & Silva.
Os vestidos do Pari.
Grande pechncba a 3*500.
Vendera-is os mais bonitos vestidos de eambraia
transparente imilaco de larlatana cora muitos
delicados desenhos, mu Un proprios para partidas
passeios pelo baratissimo preco oe 3*o00cada um,
sendo /atonda que sempre se vendeu a 7*, na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 1 c a <
Na loja do Pavu vendem-se ricos corles de vesti-
dos Mara Pa, sendo bordados e.com barras,
pelo barato precj) de 4* e 7*, sendo fazenda que
val mujto mais dinheiro, isto por haver grande
porco, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de (ama & Silva.
Os afeites de Pavo.
Vendem-se os maismodernosenfeilesparacabeca
de seohora: na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As ci\sas do Pava).
Vendem-se as m.tis bonitas cassas francezas, de
padroes mludinhos e wa-los, ebegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos presos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porco : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As laazioaas transparentes a -100 rs.
_ Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas
laziohas transparentes, sendu de lisias miudinhas
a imitaco das so.diuhas, pelo barato preco de 400
rs. o covado ; dilas enfesladas de urna s cor e
ditas de salpiquiohos proprias para vestidos e rou-
pas de chancas : na loia do Pavo ra da Impera-
triz n 60. de Gama & Silva.
Ricos soulambarqtes do Pavo.
Acaba de chegar um rico sortunenlo de son-
tambarques de grosdenaple preto muito bera
enfeilados, que se vendem pelo barato prego de
20*, 22*, 25*, 30*. Capas e casacos de glace pre-
tos que se vendem muito era cotila: na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezasa 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas clleles, paletois, roupas para
cnangas: na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Aoi vinte mil covados de la.
Grande peebincha a 240 e 320 rts.
Vendem-se as mais bonitas laziabas transparen-
tes, sondo cora lislras e quadriohos miudinhos, e
| lisas, teado de todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; dilas transparentes com palminhas
i de seda alaria Pa, teado de todas as cores,
I algumas proprias para Into, pelo barato prego de
! 320 rs. cada covado, isto por haver ama grande
| oorgo : na ra da Imperatriz a. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Mara fia,
(irande pechincha a 10000 rs.
Chegarara os mais bonitos cortes de lia alaria
Pa com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, ^endo
todos cora as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 10* o cor-
te, ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 10*, ditos de eambraia
I com barras bordadas acrox no ultimo gosto, pe-
: lo barato prego de 6* : na toja do Pavo, roa da
Imperatriz n. 60, de Gama di Silva.
Cassas de I i oh a 3GO ra.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de liobo
propria para vestidos e roupas para eriancas, com
i muito delicadas cores, i moderna, e vende-se pelo
barato prego de 390 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, roa da Imeeratriz n. 60, de Gama & Silva.
LSazIohas lisas.
Vendem-se as mais finas ISazinhas de urna s
cor, tendg grande sortimento : na laja do Pavio,
raa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavo os
mais ricos chales de renda com tres ponas, sendo
todos pretos, e tambemeora assentos de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tem vindo a este
mercido, ricamente bordados e cerculados de um
1 elegante bicopreto de mais de palmo de largura-,
] estes modernsimo* chales nao s sao proprios
Imperador botica para passeio por fazerem ama elegante vista sobre
! nm vestido de qnalqner eor, assim como multo
proprios para os actos da qnaresma : vendem-se
ms. Mottpiattre, 31, em Pars.
Fabrica en Argn ten i I. prs Parla (Franca).
BONIFICADO E FAB1CA(!\0
Dts vinhos, a guarden les e licores.
NEM COROAS NEM MITRAS
VINHOS. Imitagao dos vinhos de todas
qnalidades,Extracto de Medie, adose para 2
litros, 1 f. 25,de Bordeax, 3 f., de Poraard, 8
f-,de Lisboa, f f., do Cataln, 2 f.,de Porto,
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 2o ou 30 li-
tros, 4 f. '
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e todos os outros. A dose para
500 litros, SO f.
CLACIKICAGO.-Ps loglezes, pos dos vinhos
da Hespanha, da Franca, etc. A libra para- SOO
litros. 5 f.
COLORAfO.Purpiriglne para colorear os
vinhos branc.es e vinhos claros. As duas libras
para 500 litros, 16 f.
Alguns de nossos agentes lendo falsificado e imitado oossas
fregnezes, deve-f* exigir sobre as rolbas e rtulos as inlciaes F. V
AGl'ARDENTES.Essencla de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIRSCH E ABsINTHO.-Essencia de kirsch e
de absintho, para os fazer cora alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, o f.
LICORES.Extractos para fabricar se lodos os
licores conhecidos sem fogo nem alambique, (in-
dicarse os que se deseja.) A dose para 20 ou 25
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os licores finos ou
commuos a dose para 20 ou 2o litros, 1 f. 25.
TODOS os outros productos para o traballio dos
vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de encommenda.
UTEXCILIOS de laboratorio e de cfaimica.
preparacoes, e engaado nossos
L. Pars,

GR1IOE
ARMAXEM
DE
0 modo de usar-so das rcpararScs acha-se iadicado no rotulo.
As encommendas devem ser acompauhadas por una letra sobre Paria vu patqnar outra cida-
de de Franca, ou garantidas por urna casa conhecida.Drigir-se a* Srs. Lebeuf & U. chimicos, -
RA DO IMPERADOR IV. 40
Junto ao sebradt em qoe mora Sr. Osbome,
Duarte Almelda sfc C, receberan de ana propria encomme*-
da o mais lindo e variado sord vento de mol hados, prcfjrios
da p resente estacio.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1 ,ooo | para sopa a melhor qae se pode
MontBMrlre", n. 31, em Pars, ou a sua fabrica em Argenieuil, jur Pars.
Vende-se na botica franceza, ra do Imperador n. 38,
DE
ra
PE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO I IMPERADOR M. -
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz coahecidos para qne seja necessario insistir sobre t
saa superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compraaores, qnalidades estas incontcsta-
veis que elles tem definitivaaienle conquistado sobre todos os que tem apparecdo nesta praja ; odo-
luindo um teclado e machinismo que obedecen: todas as voatades e caprichos das pianistas, sem-
nonca falhar, por serem fabricados efe proposito, e ter-se feito ltimamente melhorainentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s voces sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondet, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesic&es.
Ne mesnio estabelecimento ae acta sempre um explendido e variado sortimento de msicas do;
xelhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
oreos commodws e razoaveis.
CONSULTORIO HE1I1C0-GIRURGIG0
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao
- 3
O Dr. Lobo Mostoso d consultas gratuitas aos pobres todos os
lloras da ruaahaa, e das 6 e meia s S horas da nuite, e&cepco dos
das das 7 s i
das santificados
Vende-se a taberna da rea dos Acouguraiios uiicamente'na loja de Gama & Suva, ra da Im-
n 20: a tratar na nusma.
- Vende-se por commodo preco o sobrado de
fre andares e soto da roa do Amorira n. 19 para
tmprir ordena de seo proprietario qne se arha
vsenle : onem o pretender dinja-se a ra do Vi-
gario n. 19, pnroeiro a*dr.
-^0 ab'ixo assisnado, proprietario de urna sor-
i.! fle trras do 1/2 legoa de frente e traa de fnn-' adornos da velludo, seda e setim, renda, etc..
penrtriz n. 60, loja do Pavao.
Soutarabarquesdecor na loja
do Pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais r-
eos soutambarqnes e cores, sendo os mais bera
enfeitados que tem vindo a este mercado, com
s
do. a mar,'em do rio Taquara, cujas seacham le
calcadas e capaz de toda agricultura, faz sciente
j'ic a vendo ; e as pessoas que pretenderen! diri-
jam-se a casa de sua residencia, na ra .Nova ou-
incro 27.
Js Egidio de Alfcajoerque.
Vendem-se saceos de feije mulatiAp d% f6
caas por preco commodo : no Forte do la' ar-
mazn) da Companhia Peraambucana.
avista do grande sortimento que os fregnezes
podem dar o verdadeiro apreco esta fazenda, e
vende-e por difieren tes presos conforme a<]oali-
dade : na loja do Pavao de Gama e Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
Farinha de milho,
Veadem-se barricas de farinha de milho ameri-
i cana de 6 arrobas: na ra do Rangel n. 3.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado aortimeato de carteiras
tobos avulsos, assim como tinturas de varias aymnamrsaces e pelos prepes seguales
Carteiras de i2 tubos grandes. 12^000
> de 24 tubos grande. 1IG0
de 36 tubos grandes. 24?OOG
de 48 tubos grandes. 3000
> de 60 tubas grande*. 354000
Prepararse qualqaer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remed
'jue se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 4' 00.
Sende para cima de 12, custaroos preco* estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a'500 ris.
LITROS.
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Hantetga franceza
pa afra nova a 60o rs. alibra, e em barril
JJ560 rs.
Anieudoas
wifeitadas de lndissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2^400, muito propios para mimos,
Oartoes
com bolos fraucezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 14300.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos iaglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
tem>s velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 256oo.
Qneljos
chegados no ultimo vapor a 2#600 cada um.
<|ueijo
londrino o mais fresco que se pede esperar
e de excellaate maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, aretalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e i200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
3 a 24600.
dem perola
especial qualidade a 2)5700 rs. a libra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macan-So, taloarim e aletria a
480rs. alibra.
COCSV4C
o muito afamado cognac Pal Brandy a i,8oo
rs. a garrafa e de outras mnitas qualida-
des a i^ooo e 8oo rs. a garrafa
eoios
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada nm.
rs. a
A melhor obra da homeopatnia, o Manual de Medicina ^omeopatliico do Dr. Jahr, -,im.-A **APBi<
-ons grandes volumes com diccionario............ 2O0OO H 'Jwe, peso e de outras multas qua-
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 100000 T68 de 22oo, a 4,5oo a resma do me-
Repertoriod8 r. Mello Montes............. 60OOO _.
Diccionario de termos de medicina ........... 3/J000;de ., ,. PaPel e botica
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensan portan- j excel|ente qualidade a 20200 a resma,
to de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios 'or-i^i PAPEL
dadeiros,)nergicos e duradores: ha tudo do raemer que se pode desejar, globos de ver- ,. *^?.Par> embrulho de l,4oo a 2,2o
dadeiro issucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeas, a mais exacta e aecurada preparacao, e portanlo a maior ener-
giae certera em seus effeitos.
ar-
rs. a resma.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se estraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o anaunciante julga-se sufidefitemeote habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
fuoecionano a casa a mais de quatre annos, ba muis pessoas de cujo coaceito se nao
pode da vi dar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
deentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d*abi m diante 10500.
As operaces serSo previamente ajustadas, se nie se quizare sujeitar aos pr*cos
azoaveisquecostuma pedir o annunciante.
Corinthias
mm
[Chales de renda preta e bounins deguip pretoj
WtM
A' loja da roa do Crespo o. 17,
DE
JOS CROMES VU.LJLR
Vende a lojl, 20J1, 30ft, 405. SQ$ e 60J, capas e casacoes de gros pretos, chapeos
e cbapelinas de palhae outras muius fazendas proprias para a qaaresma.
Jos Gomes Villar pretendeodo ir a Europa tratar de sua saude espera que seus
devedores tanto do mato como desta praoa saldem seus dbitos quanto antes.
t3
m
Htm
FABRICA DE CHPEOS DE SOL
TV. S3 Raa \ova esqaloa da Canaboa do Carme e raa do
Cabag a. S.
A directora desse estabelecimento o mais importante que existe neste genero
as provincias do norte do imperto, querendo que o publico desta provincia goze das
vantagens que proporciona a fabricaco em grande escala e directa refaci com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender anda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabella :
Descont em duzia.
20
7*
Chapeos de sol de panno a 20000.......
armaco de balis a 25500 .... 10
de seda armac5o de ac inglez de 20 pollegadas
40, de 24 50, de 26 50500 e de-28 60...... 15 /o
Chapeo* de sol inglezes a balio 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 90. e de 28 100. 15 %
dem dem a balo de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26120, e de 28 130...... 15 o,'o
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam dealpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes s2o to vantajosos como os anuunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e r-
alas de caca, ps quaes vendem-se igualmente em porcSo e a retalho, notando porm
qoe o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
lliar pelo prego que o estabelecimento retalha.
N. B. Os objectos comprados em meaos de urna duzia serio considerados como
a retalho.
passas corinthias muito novas proprias para
podtm a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
1.400rs, alibra.
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.oeo rs. o mofli.
i Alpisfca o Painco
e 40400 a arroba.
CECOLAS
"nrrV im*-* na ra do Qoe:-
grdrCaLrUnad9mperadOrn'40elar-
CRIO DE BICO
muto novo a 30400a arroba e 140 rs. a li-
bra aa ra doQueimrdo n. 7, ruado-
Imperador"- Me largo doCarmoa. 9.
mn-tnt QCJEJ0 suisso
otimeadon 87 rs- a libra na raa d0
ra do Imperador n. 40 e
fregnezes .^^J,^
largo do Carm n
Os
a ar-
Coei-
aos seus
68-
Verdadeiro Priotpal roa do Imperador 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas
aovas e grandes a 40500: na ra do Imperador n. 40.
NOVIDADES.
. ?eIJW das faas o mis fresco que se pode dse,
jar a 10200 alibra, e sende inteiro ter algum abatimento, ricas caixinbas
redondas enfettadas, proprias para mimo da festa pelo barato prtco de 40
cada nma, ricas caixas de figos tambem preprs para mimo de 690 1*500
cadauma. Vende-se unicameote no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.
i
W
desejar,
macarrao, talbarim e aleiria a 401; rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinko
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Pono
generesos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porte a U e 40200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas s3o asseguintes: Chamisso Filbo,
F. de M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de Launa a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica d mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r< bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesle de todas as mat
cas de 40500 a 60500 a duzia.
COROTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de I. o 2.* sortedoRio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a br
Garrafes
com 4 Vi garra/as com vinagre a 10000 toa
o garra fie.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
era frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiro* palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2ors. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa,
Marmelada
dos memores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oe rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto deLamego a 52o r*
a bbra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo t
caixa e 34o rs. a libra.
atalas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
3 iord.
Passas nailo novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pe
Frotas em calda
cnegadas ltimamente, pera, pecego, RiDj,e
outros muitos a 640>s. a lata g J
a 600 e 10 o caix5e.
, GOMMA MUITO NOVA
em Paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500
roba el 40 rs. alibra na ra do
rc^mo'^1^0--406'"^
BOLACHINHAS
"ato? defferentes cualidades a 1206
QUEIJOS FLAMENGOS
lt2flitn, Vapor a ***M "a
_
* i
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
120 alata : ao* arraazens da ruado Im-
perador n. 16 e ruado Trapiche Novo n.'g
barricas com gesso
naos.
Gesso
nosarmazeas e
Tasso Jr-
VeMa.
Vende-s nma prc.ao *t> feMo roolatiDop moit
boto a 10 a cuia, dito areto a 00 rs., ito rajado
do Porto a 510 rs.: m ma Dtreita o. a.
-I
.-^,


i
DiarU de Pnrnaiatmcn Vrrca Id** f dk Mareo le 185
''/
A 4 8 0 CORTE.
Peehincha aem igual
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padrees
pelo baratissimo preco de h% o corte : na loja das
columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
reia de Vasc&ncelles A C.
18 PUBLICO
ca o menor coustran-
gluienlo se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATTEKCAO
o preco da seguate
tabella para todo, po-
deodo asslm servir de ba-
se para o ajuste de eoutas
cout os portadores.
Cassas para vestidos.
Tal pechincha. s a dinheiro se pode vender.
Superiores cassas francezas de cores niiudinhas, de qaadros, lisas, e de raraagens, coro grande
variedade de padrdes, fazenda que se tem sempre vendido a 800 rs. a Tara, pelo baratissimo prego de
300 rs. o covado: na loja das columnas da ra do Crespo a. 13, de Antonio Correa de Vasconcelos
& i.omp.
ARMAZEM UNA
RA DA CADEIA DO RECIPE N. 53
(Logo passaudo o areo da Coueelc&o)
PARA BEM DE TODOS.
FOUtflYIIAS
Para 1865
Acham-se venda Ba livraria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e eeclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu--
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo qao aquella e mais nma nova
Salve Raioba em versos, o Stabat Mater
em verso, devoco ae agonisante, coraco
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
uio Rosario, cntico a Virgem Maria Nos-
sa Senhora, trinla e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero dema-
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vintecinco novase
pIbricas charadas a 320 rs.
0 GASTELLO DE GRASYILLE
Traduzido do francez per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baratissimo prego de 20500:
ua praca da Independencia, livraria ns,
PASTILHAS
COMPENDIO DOLOROSO
que coatm o officio de Nossa Senuora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ra, am setenario e mais outros exerci-
cius de piedade e devoco; ordenado pe-
la irmandade dosservos da mes-ma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Peoha do imperial hospicio dos re-
verendos padres misionarios apostlicos
capuchinhos italiano* de Pernambuco,
approvado por S. M. I., qne Deusguarde;
dado luz por devoco do muito reve-
rendo padre Fr. Placido de Missina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. fl e 8
da praga da Independencia.____________
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queiniado, n. 49 e 55. E' para admirar.
Carretis de linda com 150 jardas...... 60
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60.............................. 120
Dito dito de 60 a 200.................. 100
Novellos de buha grandes com 400 jar-
das ................................. 80
dem idem brancas e ae cores de 100
jards............................... 30
Livros para assenla de roupa Uvada... 100
Cordao branco para espartllho (vara) 20
Varas de franja branca larga.......... 160
Pares de botoes de punho todos de cores 120.
Tinleiros de barro com tinta........... 100
Tesouras para costaras Uase unbas 400.
Ditas para costaras com toque d'avaria 200
Escovas para limpar dentes muito finas
160,200e.............................. 320
Caixas com 100 envelopes das melhores
qualidades...............%........... 640
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso................................... 600
Cadernos de papel pequeo (e a reta-
mo)............................. 20
Meiadas de linha frouxa para bordar... 20
Pares de sapatos de tranca........ 1500
Massos com superiores grampas para
senhora.............o............, 30
Frascos de macaba perola muito suerior 200
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................ 500
Ditos e garrafinhas de agua de Colonia
muito fina....................... 400
Ditos de banha a Ganbaldi e da familia
imperial.............*........... 900
Pegas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade.................. 240
Pares de ligas para senhora as melho-
res .............................. 320
Pecas de blcos francezes e renaas..... 320
Frascos de acua dentifrice muito supe-
rior.............................. 800
Caixas com 4 papis de agnlhas a balo
e Victoria........................ 200
Libras de la sendo de todas as cores... 600O
Bonecos vestidos e tambem de choro... 160
Caixas cora superiores obreias........ 40
Ditas de linha de gaz com 50 novellos.. 800
Enfiadeiras de fita para espartilhos..... 60
Carretis de linha de cores com 100 jar-
das ............................. 20
Pe^as de cordao imperial............ 40
Vende-se metade da propnedade QuemeYOu'
sita na comarca do Bonito, urna legua distante da
estago da Gameleira, a qual tem urna legua de
trra, cwborta de matas e pela qual passa um rio
torrente. As trras sao excellenles para a cultu-
ra de canna, algodo etc., san aili conhecidas pelas
trras do fallecido senador Jos Carlos Mayrtnrk
da Silva Ferrio : quem as quizer comprar diri-
ja-se a ra do Brum n. 56> tratar com Mauricio
Francisco de Lima.
PUTASSA
DE KEMP,
NOVA YORK.
DE COR CMEIRO E SABOR AGRADAVEJ8
Infinitamente mais eflicazes do que todos
os mais remedios perigosos e nauseabundas
que existem para a expulso das lombrigas.
Nao causam dores e produzem seu effett
sem precisar logo depois de purgante ne-
nhum e to incitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as enancas esto
promptas a lomar mais do que marca a re-
ceita.
Liis como um excellenle meio de fazer
remover as obstrueces do ventre, mesaw
no caso de nao existirem verme algutn,'] as
PASTILHAS VERMFUGAS DE KEMPS SO prOmp-
tas e infalliveis na sua operacao e por todos
os respeitos dignas de confianca e approva-
co de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman de d,
Nova York.
Vendem-se no Recife em casa de Caors
Barboza e Joo da C. Bravo A C.
Vndese a taberna sita na ra de Bonifica n.
29 : a tratar na mesma.
Vende-se a casa terrea na roa do Padre Flo-
orian n. 62 : na ra de Imperador n. 14.
PechDcha na iiu loja de faieudase: firande sor,iraf' ^ fazendas baratas na m da
rm fel.a nacional, rna H tape- K^HUZnlIST **
fut 1Z n 7. O proprietario deste estabelecimento retira-se
Pechincha a 240 rs. o covado de chita. Para Europa a tratar de sua sade, por isso vai
Vendem-se chitas de cores fixas a 240,280 rs. o fazer de novo uma hquidago para feixar conus.
covado, ditas francezas largas a 300, 320, 360, 400, Aproveitem a occasiao freguezes.
e 410 rs. o covado : pecas de madapolo Qno a 65, Cortes de chita a 2,9400.
7*. 8#, 9 e 10* ; pegas de algodo a 5*. 6, 7tf Vendem-se corte de chita fina a 23400,2J800 e
e 8 : ra da Imperatriz n. 72. 3200, ditos de cassa Iranceza a 3000, ditos de
Kouta feita nacional. cambraia de habados a 3j000, pecas de cambraia
Vendem-se patitos de cazemira preta e de cores Dranca a 3#5O0, 4J500 e 6*000. Ra da Impera-
a 5*. 65, 85 e 105, ditos sobrecazacos a 12, 14 Jf'1 loJa do Arara D- *
e 165 Palitos de brira de cor a 25500, 35 e 35300 ranwis preas para a quaresma. Grosdfmple
rs., caigas de cazemira preta a 69, 7j e 8& ditas
de cazemira de cor a 5, 65 7, e 85 ; coletes de
cazemira de cores e pretos e ditos de brim a 15560,
e 25500 rs.,; calcas de brim de cor a 25, 25500 :
ra da Imperatriz n. 72.
Soutanilarque de cores a 75, 8$ e 10->.
Vendem-se soutamharque de la e seda para se-
nhoras a 7, 85 e 105; ditos de grosdenaple pre-
to a 20$ e 255 ; capas pretas a 20 e 255 i vesti-
dos de la a Maria Pa a 125, 14 e 165 :
Imperatriz n. 72.
Cortes de cazemira preta a 30.
Vendem-se cortes de cazemira preta para caiga
a 35, 35500, 55 65 e 65, ditos de cazemira de
cor a 35, 45,3#, e 75, ditos de brim de cores a
45600, e 25, ditos de chitas finas a 2540 e 35200,
ditos de cassas franceza a 35 : roa da Imperatriz
loja do baratero n. 72.
Senhores e senhoras, o aceio que
reza com que sero tratados, convida.a uma
pra dos generes que precsarem, e quando
pois ser3o to bem servidos como se viessem
outra parte.
Manteiga ingleza especialmente escclhida a
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 9 "o
I rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,660
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
I 2,8oo rs. a libra.
dem hysson muito superior em latas de 15
I libras muito proprio para negocio a 2,ooo
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
i bras a 1 ,Goo rs.
dem preto o que se pode desejar neste ge-
ero a 2,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra eem
barril se faz .abatimento,
Chouricas e paios a 8oo rs..a. libra.
j Costelletas inglezas a 64o rs. a, libra, serve
para temperar panella ou para fiambre-
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra,
dem pratoa 8oo rs. a libra, e inleiro se faz;
! abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindb
i ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e i.Soo
rs. aduzia.
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e sui>so a 9oo,
l.oooel,2o rs. a libra.
Espermacele superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que veno ao nosso mercado a 7,ooo e
8,ooo a caixa e 64o e Too ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conta certa.
Frasqueiras de genebra de Hollanda a 6,8oo
i e 64a rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e 11,ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de 1* qualidade a 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,5oo rs. a arroba.
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo
rs. a libra e 2,8oo a arroba.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a
arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra e 2,4oo a ar-
roba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e 4,ooo a
arroba.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o
rs. a lata de uma libra e 56o rs. a ren-
io.
presidio aos arranjos desie novo estabelecimento, e mais que ludo a promptidao e intei-
visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a prolcccao e preferencia na com-
nao possam vir podero mandar seu6 portadores, anda que estes sejam pouco praticos,
pessoalraente, bavendo para com esiea toda recommendako, afim de que n3o v5o em
Aletria, macarro e tatharm a 4oo rs. a li- Sal refinado em frascos de vidro com tampa
bra e 6,oooa calza.
Massa para sopa : estrelinba, pevide e rodi-
nlia branca ouamarella a 64o rs. a libra e
3,5oo a caixa com 8 libras.
Vinho do Porto muito fino proprio para
engarrafar, em ancorelas de D caadas a
d5,ooo rs.
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
32oj 4oo e 5oo rs. agarrafa, e em caada
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
Vinlwlirafico-de- Lisboa de exceHente quali-
dade-a 4oo e 3oo rs. a garrafa e em cana-
da a 3,ooo e 3,5oo.
Vinho branco para raissa em caixas de I du-
zia a 8,ooo e 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas que
vem ao mercado como sejam : Lagrimas
d&Douro, Daquedo Porto, Rainba de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvaia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e Io,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oors. a garrafa.
Vinho (herex d superiorqualdade a 16,ooo
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64q rs. as muas latas.
Bolachinhas inglcas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartestom bolo ftancezmuilo proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas etacaixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs..
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, em Jala de 6 li-
bras por.2,5oors.
Ameixas francez tampa do-mesmo, a !S5oo.
Ameixas frane zas era caixinbas de diversos
tama los com bonitas esta" pas na cai-
xa exterior, a 1,4oj, l,6oo, l,8oo e 2,ooo
cada uma.
Azeitedoce refinado hespanholou portuguez
a 9oo rs. a garrafa e lo:ooo a caixa.
tala tas muito novas a 8o rs. a libra e2,5oo
o gigo com 36 libra>.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
s,.*ioo a duzia.
Va?souras de eseova para esfregar casa a
oo rs.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
do mesmo, a 16o rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
a 8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4oo rs. o frase.
Lentilhas francezas. exceUente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
Marrasquino de Zara propriamente dito a
1$ a garrafa e I l.ooo a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o maco.
do mesmo, a 5oo rs.
Cerraja branca das marcas mais acreditadas
que vem ao mercado, a 5oo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,ooo e 6,5oo a du-
zia.
Gevadinlia de Franca muilo nova, a 2oo rs.
Charutos do aflamado fabricante Jos Forta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposicao Normal de Hivana, Imperiaes,
Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4i0oo, 4,5oe, 5,ooo,
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em n eias.
Charutos finos de diversa-; marcas e fabri-
cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
nilhasde Havana, interallos, Vencedores,
Panalellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
3,ooo a caixa.
Cognac.inglez das melhores marcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banha de porco refinada a 56o rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fruclas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos lamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada uma.
Ruibos, excellenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes de
8 garrafas por 6oo e 8oo rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
l,5oo cada uma ancorela.
Champagne da melhor qualidade que vem
ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
24,ooo e 26,ooo o gigo.
Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
a libra.
Figos em sextinhas a 8o rs, cada uma e 72o
rs. aduzia.
Papel azul para bolica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, per diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 8oo
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeile doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa.
A Heneao
6
Nova loja de fazendas e roupa
i'elta nacional, na da Impe-
ratriz, loja de A norias n. 9t.
Chitas da loja n. 72.
Vendem-se chitas linas a 240 e 280 o covado*
ditas francezas linas a 320, 360 e 400 rs. o covado,
cassa franceza lina a 320. 360 e 400 rs. o covado,
laztahas para vestidos a 3/50, 400, 866 e tdt t
covado, pecas de madapolo fino a 65, 75, 8 e
95, pegas de algodo a 55, 65 e 85 : ra da Im-
peratriz n. 72.
Roupa feita nacin!
Vendem-se paletots de panno fino a 145, 'f '
185. ditos saesos 3*65,85 e 105, ditos decasinir-
decores a 65, 85 105, ditos de l,nn< do nni a
25500, 35 e 4J, caigas de casemira preta < de co-
res, cohetes e caigas de brim decores a 2( U-r
25300 : ra da Imperatriz n. 72.
Sintanbarque a 85.
Vende-se sootambarqoe de laasinha a 75o?.
dos de alpaca branca a 85 e '05, diloc fle fn >
denaple preto a 205 e 255, capas pretasde jjps-
denaple finas a 205 e 255, panno uno prth a 25.
35, 45 e 55 o civado, easemira preta a ?5. 2581 O
e S5, ftrosdenaple preio para vesiido a tfefO, 5 r
25300 o covado : ra da Imperatriz n. 72.
Cortes de la Maria Fia alfil
Vendem-e cortes de vestidos > Maris fha a 1('
145 e 165, cortes de cassa franre;a a 35. ccrif
de brim para raiga a 15600 e 25. ditos c.e case-
mira de cor a 35, ditos de dita preta a 356X0. 1,
55 e 65 : ra da Imperatriz n. 72. Elr novo pf-
abelecimenlo vende barato para obter frecuezia
na ra da Imperatriz, loja n. 72.
Vende-se potass em barris a commedo prego o
na ra da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriptori:
de'Antonio de Almeida Gomes.
Vende-se a rasa de moldados na ra da Im
peratriz n. 34, por sea dono ter de retirar se para
tratar de soa saode, faz-se todo o negocio : a fal-
lar na mesma cima.
attencao
Estopa a 240 rs.
a jarda : na loja da ra da Madre de Dos n. 16
defronle da alfandega.
Vende-se nma armagao de amrello toda en-
vidragada, propria para loja de calgados, teodo e
nleao na frente um grande lteiro : a tratar na
roa da Imperatriz n. 6.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito r a bo-
ica franceza, ra da Cruz n. 22 pre-
fo3
a 1
Vendem-se grosdenaple preto a 1600, 15800,
2J0OO e 29500, dito de 5 palmos de largo a 3c000.
Moranlique preto fino para vestidos a 35000 o co-
vado, sarja hespanhola a 23500 o covado. Ra da
Imperatriz loja do Arara n. 56.
Bramante de linho a 25500.
Vende-se bramante de linho para leneoes, de 10
palmos a 2*500 a vara, brim liso a 500, 560 e
raa aa 640 a vara, sarj)a de la preta para calcas e pali-
,0| a 640 e 800 o covado, alpaca preta a 500, 600
e 800 o covado. Ra da Imperatriz loja do Arara
Sntambarog a 85000 e 101fOO#.
R^ndfm.m,barque8 de ls"'Dha a7*000-
.iaJL .iJ^9P' ,tos de grosdenaple pret a
22*22?. ***> e 30*000- capas pretas a 205000,
Z55UJW e dOaOOO, vestidos de barra de mussulioa
.a .25000, 145000, 16500 e I850OO. Ruada
Imperatriz loja do Arara n. 56.
Vende-se uma escrava preta, com uma cria
de 5 mezes : os pretndanles dirijam-se a raa No-
va, casa dos Srs. Novae- & Filho.
Piano.
Vende-se por metade de sea valor um piano de
Jacaranda quasi novo: na raa da Conceicao nu-
mero 20.
ATTENCO.
Vende-se chita franceza larga a 260 rs. o cova-
do : na loja do passeio publico n. 5, sobrado do
Sr. Maia.
AO
NOVO ABMAZEM DE MOLHADOS
N. 18Raa do Cabagn. 18,
Defronte da matriz de Santo Antonio,
DE
Lira & C*. .
O proprietario deste novo estabelecimento avisa ao respeitavel publico, que acha-
re prvido de um completo sortimento de molhados e sccos, todos novos e por precos
commodoa.
O proprietario nunca quiz annunciar pelo jornal a existencia, de seu estabeleci-
mento ; porm, como faz-se necessaria a noticia aos senhores de engehho e agricultores,
que mandam seus portadores directos a esta ou aqulla casa, motivo pelo qual os pro-
prietarios o fazem agora
Aproveitam a occasiao para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
mento se achara sempre completo de um variado sortimento de molhados, seceos e ou-
tros objectos pertencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos serao menos 5 por cento do que em oulraqualquer parte, e para
este fim chama-se a attencao de todos em geral.
Os pesos e medidas, equalquer engao dado na casa, sero garantidos pe'o dono
em favor do consumidor, em qualquer occasiao que reclamar.
Os proprietarios deste novo estabelecimento esperam dos seus freguezes, e do
publico em geral toda a proteceo, prometiendo os proprietarios da Flor ios Progre-
sos tirar to smeote um lucro razoavel do laborioso trabalh, com que possam dar
cumprimento a esta ardua roisso.
Achando desnecessaria a publicaco dos precos minuciosamente explicados de
seus gneros, com o que geralmente todos fogem, pel motivo nao somente deer enfa-
donho, como tambem por nada valer, 'os proprietarios ttn somente em vista entreter es
seus consumidores com gneros novos, e precos mais rzoaveis do que em outra qual-
quer parte, pois sero as garantas para a proteceo ao Novo Armazem de Molhados.
FLOR DOS PROORESaO.
BOTICA E DROGARA
Bar lilo met Francssco de Sonza i .
34Ra larga do Rosarit34
Vendem:
PilulusHolloway.
Pilulas do Dr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pillas do Pobre-homeni.
Pilulas americanas.
Pilulas vegetaes.
Plalas vegetaes assncaradas de Kemp.
Salsa de Brisiol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha deCh. Albert."
Injecgo Feaugas.
Agua dentiflea de Desirabod.
Papel chimleo, para talho*.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromticod Raspan.
Pos anti-epileticos de Brest.
RobL'Affecteur.
Xarope do Bosque.
Ungento Holloway._____________________
Fejio
Na ra da Madre de Dos n. 9 vende-s feijao
mulatinho, dito branco. e dito preto, mais barato
do qne em outra qualquer parte, approveitem a
peehincha qne a quaresma bale porta.
Vende-se a casa terrea n. 25. da ra de Ma-
rolas Ferreira da cidade de Olinda : quem a pre-
tender dirjase a tratar nesta cidade na raa Au-
gusta n. 59.
te.
DROGARA.
34Kuajlarga do Rosario34
Barllioloinff] Francisco de Sonza
Vendem:
Acidoicetico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnig5es avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Veneza, fino, em paes.
Vende-se feijiio mulatinho novo a 80 rs. a
cuia : no pateo do Carmo n. 1.
ESCBAVOS FGIDOS.
Fugio o escravo Iodorio, alto, cor preto, poora
barba e rapada, cabello cortado rente, beigos n.rti-
to grossos, tem todos os dentes, olbos de piln, ba,
ps grossos e apalhetados, tem no peito de um dis
ps uma costara de um talho, levuu caigas de gau-
ga de quadrinbo miudiuhn, jaqueta de ganga s-
trada, camisas branca e chapeo do Chili velho :
quem o prender e o levar a ra das Calcadas n.
9, que ser gratificado.
Escravo fugido.
No dia 24 de dezembro prximo pastado fugio
o preto Rraz.com os signaes sepuintes : baixo.de
corpo regular, sem barba, cara larga, com muitas
verrugas em cima do oibo direito, levou canTfta
de algodaozinho e caiga de azolao, e outra de bae-
ta verde, chapeo de palha, o qnal talvez ja tenba
mudado, costoma andar muno de vagar epnxa
pelaperna esquerda por cansa de soffrer de dores
rheumaticas, e foi escravo do Dr. Olinda Cami el-
lo : quem o pegar sirva-se lvalo a ra dasCru-
zes n. 32, padaria, que ser bem reeomptnsedo.
Aos capitaes de campo.
Fugio no dia 27 de fevereiro deste anne, de ca-
sa de seu senbor o escravo Sebastiao. crioolo. fu-
lo, com id;|ie de 22 a 2i annos, foi tsrravo do
senhor doengenhoQuandns da remarca de Sa.it"
Antao, d'onde tinha vindo para esta cidade a 8
das, de presumir que seguisse para TaquariHn
ga aonde tem mi e irmaos, levou raiga e camisa
branca bastaute suja, altura regular, cabello a es
covinha, cabega pequea e redonda, testa grande c
bem cantuda, olhos pretos e regulares, nariz da
to, bocea regular, beigos regulares, denles todos o
lunados, nenhuma barba,apeas m pequeo bigo
de, corpo bem limpo, ps regulares e pouco lar-
gos: roga-se portanto aos Srs. capilaos de campo
a apprehensao do mesmo a entrega lo t ra do
Imperador n. 83, segundo andar, defronte do cr-
relo, que se gratificara com 50.
Gratificacfto de 100$
Fugio dos abaixo assignados no dia 8 de Janeiro
deste anno o seu escravo crioulo de nonie Jus,
com os signaos seguintes : cabra escuro, cabel-
los caraplnhos, estatura baixa, cheio do corpo, ps
largos, e faz um geito as pernas quando anda,
muito pouco barbado, e tem uma cicatriz lem vi
sivel em um lado do qneixo; quauto a roupa uso
ha signaes por ter levado mais do que a do corpo,
mas o chapeo do Chile Garibald'i ; cujo esrta
vo compramos juuto com outro au Sr. capitie Sil-
vino Gniherme de Barros, e este senhor os navia
comprado ao Sr. Joo Cabral, morador em Naza-
reth. Consta-nos que o referido escravo antes de
pertencerao Sr. Cabral, fura de um senhor major,
morador no Brejo d'Areia, onde o dito escravo t
casado e tem tilhos, tendo uliimamenie morrido
a mulher. Sabemos com certeza de ter passado
este nosso escravo em Pao d'Alho com direegao
quelles lugares : roga-se portanto as autoridades
policiaes e a qualqner particular a captura do
mesmo eseravo, e trazerem-no aos seus senhores
nesta praga, ra da Imperatriz n. 46, refinacao.
que se gratificar com 160.
______________Luiz da Silva Forretra & C
Negro fug do
Est fugido desde o dia 27 de fevereiro deste
anno o preto Joaqnim, denage Angola, que foi
escravo do Sr. capito Francisco Joaquim Cava I-
eanli Galvo, morador em Maria Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do an-
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques com
armazem de assucar ra de Aoollo ; levoo ca-
misa e caiga de algodo branco, ropresenla ter de
45 a 50 annos de Idade, alto e de grossura rega-
lar, cor fula, cabega comprlda, qutixos larges,
olhos amortecidos, beigos grossos, sendo o supe-
rior um tanto defeituoso, bstanle barba, porm
raspada, finalmente tem uma grande costura entro
ospeilos preveniente dequeimadura, e suppoe-sc
terse dirigido para o norte, d'onde veio : gratifi-
ca-sea quem o apprehender en denunciar o coito
em qoe estrrer : na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 52.
Aviso
aos capites de campo e a polica.
Desappareceu em pjincipio do mez de outubre
do anno passade, de bordo do palhabte nacional
Arattjo Malo, doas escravos de nomes Roberto
(por apellido Macei), e Miguel ; o 1 de idade 4
annos, pouco mais ou menos, emulo, ror fula,
estatura baixa, barba serrada, um pouco turto das
pernas, e com alguns cabellos blancos, tanto na
barba como na cabega ; o 2* alto, cheio do corpo,
sem barba e falla grossa, representa ter de 26' a
30 annos, cujos escravos desconfla-se andarem fe-
los arrabaldes desta cidade : quem os apprehen-
der queiram levar a ra do Trapiche n. 4, que
ser generosamente gratificado.
FARELO
a 3*500 : na raa larga do Rosario n. tfO, taberna
da esquina que volta para a roa estreita do Ro-
sario.
Escravo fugido.
Desde o da 12 do corrente que se aosentou -da
casa de seu senhor, ra da Alegra n. 9, o escra-
vo pardo de nome Andr, idade de 40 annos, pou-
co mais oo menos, baixo chelo do corpo, cem
marcas de bexigas, barbado, com passa pirlha, e
quando olha parece querer fechar um olh, quan-
do anda indina a cabega para um lado, tem ca-
bello caxiado e asa de banha : este escravo veio
i cerca de dous annos da provincia do CearA em-
barcado : muito ladino, tem a falla muito jies-
cangada, e falla sempre com mona moderago e
humildade, consta qae anda pelo bairro da loa-
Vista para a Soledade, caixa d'agua, e ra do Cis-
co, tambem tem sido visto no Recife- e Santo An-
tonio, ma poocas vetes : quem o pegar pode le-
va-lo casa cima mencionada, qne ser genero-
samente recompensado por seu atanor Jos Anto-
nio Bastos.



'

LITTER ATORA.
O que vae pe* miado.
De resto, leraos conflanca: Deas nao cessa de nisso paravatn os conhecimeotos vagos,
Diarlo de PernaNiM Tere* letra 4c Vare* 4e i 5
.i!.!! JL BIMB Paravam os ^nhecimenlos vagos, as conjec- Nestes lempos, em que os progressos materlaes. des, as qaaes seis seclos nao tem podido fazer I d,da
vigiar sobreasuaegreja: e no momento das | taras sobre Mallo-Grosso. A conngoracio do solo,' parecem querer ludo materialisar, por isso qne perder sea pramo, ignorassem o qae era a Hnba'Gomi
grandes provas e das crjses na apparencia mais a sltuacao das raonlanhas e dos nos, a natarea' os homens, occupandose sobretodo do bem estar
temiveis "- -'-''j--*-- **> '--------------
No Monde l-se a carta dirigida pelo Sr. his-
po de Valence ao Sr. ministro guarda sellos, eila:' desconhecidas e blasphemadas, em qoe a egreja
< Valence, 22 de Janeiro de 1865. o alvo dos ataqoes irais prfidos e mais audacio
Sr. ministro.-J um certo numero de bispos sos' e em 1ne ProPrio ,f>sus Chrislo ameagado
do imperio fizerara chenar ao seu conhecimento, na pessoa de S6U v'aro; quando o erro se esfor-
com as suas queixas, algumas observagSes acerca ?a era secar ou alterar todas as feotes da verdade,
da ioterdicgo que Ihe fez de publicaren) a ultima penetrando no dominio das ciencias as mais ele-
eocyclica do soberano pontfice, vadas, a philosophia, a theoiogia, a moral, o di-
Teem-vos dito, estes meas venera veis collegas, re|to, a poltica ; quaudo o veneno destilado por
com o sentimento de profunda afflicgSo que est maos habes. apresenUdo a todas as edades, a to
recta
Esta pretendida irregaiaridade, o arcliitecto
previu e a quiz. Esi lagar de ama cruz tragada
esqnadris, o Homem Deas qae elle nos repre-
que a sna providencia se maniesta de das produccoes, lado era completamente ignorado.' material da sociedade humana, como observamos
urna maneira mais brilbanle. Assim, no momento Veja-se o qae a respeito diz Ferdlnand Denls. (Bra-! no nosso paiz, tratara slm de cultivar o espirito
era que as verdades fundamentaes da religlSo sio\ sil, Colombia e Guyanas, por Ferdinand Denis e M. dos sens Albos em ordem a primarem entre seas
C.Jantn. concidados pelo resultado de sna bem cultivada ,
J^^TT^rpar,e do Brs- Sr'3'sera cuidarera a-bso,ulare dt 5 s-~ "^i* s^S
s I ne se estado. Foi s raa.s tarde que os commet- magao de seus juvenis coragoes, conforme os d.c abertos para abragar o mundo e eleva-lo at
tmenlos, o genio audaz e emprebendedor dos pau- lames da religiao santa que professamos, e sem -
listas fizeram as primeiras incursdes aquellas pa- se lembrarem que os Albos sao aquillo que a edu.
ragens, undando-se o aldeismento de Cniab, hoje cacao os '"
a capital da provincia.
Gomo
Para que se calcule a demora que deve ter o obedientes e dedicados; ilhos respeitosos e reco
governo actual, para ahi fazer cbegar nossas tro- nhecidos, se elles nao Ihes inspiraran! esses sent
mundo e eleva-lo ate a
Deus. O core a sua cabega pendida para a direi-
ta; as vidracas avermclhadas gottejam anda o
sen sangue ; e estas estatuas mudam de dr e de
querem ter os paes bons ilhos; Olhos admiragao, ou langadas nos fundos de seus nichos
n9 fundo das suas almas, m* com a moderacao aas as eondfgoes, se Introduz debalzo das formas pas, os embaragos que temos de vencer (visto qne memos pelo ensino religioso; se desde a mais
de llnguagem, que Ihes irapge a dignidade de que as ma,? seductoras era todas as partes do corpo Bo nos licito por oraatravessar Corrientes e En- toara infancia nao Ihes flzeram c mheeer a santa
esto revestidos, ludo quanto esta medida tem pa- S0C|al, a vigilancia do successor de S. Pedro, Ion- (tre-Rios, era passar por Humait sem os navios 'ei d'Aquelle que, tendo mandado como Deus ser-
ra elles de doloroso. E na verdade, podiara obrar e de estar desprevenida, descobre os designios e encouracados) damos a lume os seguintes aponta- mos obedientes, respeitosos e reconhecidos para
elles de outra maneira ? O primeiro effeito della tda a tctica do mimigo, segue-lhe os passos, mntM com nossos paes, veio elle mesmo ao mundo para
foi por aos olhos do mundo inleiro aquelle que o ( fraslra-lhe os esforgos, persegne-o em todas as di-. CUBAj umKL DK matto-grosso, dista nos dar o exemplo do pontual desempenho destes
eu doutor, o seu guia, o seu pae, era suspeigao, "J" e a, em seus ltimos entrincheiramentos' Do Rlo de Janelro fao noroeste melo ^^ m < ,50 sagrados deveres!...
t.opedir a sua palavra de chegar aos que devera desmascara-o, derruba-o. leguas ;
esclarecer e conduzir, enlrega-lo a elle proprio sem O erro definitivamente condemnado, e os Da Baha (a oeste mel sud-oeste 350 ditas i
defeza quelles que gratuitamente se leem eito direitos imprescriptiveis da verdade postos em sl- De Pernambnco (a oeste sud-oeste) 449 ditas;
seus inimigos. I va-guarda. D0 Maranhio (ao sudoeste) 357 ditas;
E' por ventura para admirar que es primoge-! c O soberano pontfice fallando para todos, as- Do Para (ao sul-sud-oeste) 317 ditas;
nitos da grande familia catholica soffram, quando slm para os sabios como para os ignorantes, as- De s- p*alo (ao noroesto) 330 ditas;
o seu chefe soffre, a exemlpo do seu mestre provas slm para os grandes da trra como para os peque- Da cidade de Matto-Grossoou Villa-Velha(a leste
taes ? I nos, faz brilhar a verdade a todos os olhos. tima mo' sudoeste) 76 ditas;
Teem-vos dito anda, com luda a deferencia e to. ""P^sa impa e licenciosa trabalbava ha rauito a *** Guro Preto (a os-noreeste) 249
l tempo em falsificar o espirito publico; intelligen-,auas i
De Goyaz (a oeste meio neroeste) 129 ditas ;
De Moutevido (ao norte) 392 ditas;
rcias mu cultivadas estavam expostas a seguir ca-
{minho errado. Pi IX Ihes fez um servigo immen-
da a confianga que vos sao devidas, estes earissi-
mos irmaos, tudo o que, contra a vossa previsao,
esta medida tinha de pungente para elles ; porque
em quanto conceda s cera mil vozes da imprensa! ?.V**** e aP^nUndo Ihe para o estado
a liberdade de publicar e mesmo despedagar este'daS SC'enC'aS' "*** 9" P^jecu sobro todas, ^Wdlus,
documento doutrinal, que o santo padre, na sua so-1 "f ms T r*st de ,az qae" deve niap; Ai"
licitude para todas as egrejas, as dgnou dirigir a !""' TT l -"^ cooperadores' as d".s5es da
todos os bispos da christand de Ih'as recusaram Sf*?S f? JST ~L**
___=!- D>l x j u estados, nos servirao de balisas e de criterio uo
Z TJIZZZ1 a?; ***?** i ame dos erros 1 ** l** a baier. as
com fundados poderos, o acred..dos de ofBco pa-! D08sas iD8,rucc5eS) nas B0Ssas conversaCoe., ap-
ra a explicar, commentar e defender, sao de faci provaremos ^ resmciio 0 que o santo padre ap-
por esta d.spos.gao excluidos, riscados e como des- provaj proscreveremos e condemnaremos o que el-
herdados da sociedade do beneficio d 3 di reito eom- le proscreve condemna.
mura Se toda a excepgao reputada sem dreito ;
odiosa e pungente, o ser esta menos do aue as I Nao temos necessidade de vos recommendar
De Assuropgo, Paraguay (ao norte meio nordes-
>ee*
do que as
otras? jdiscossdes inutels, apaixooadas, que nao podem
Teem-vos dito.'ainda, estes nobres e fiis pre-1 seno azedar os espiritos. Saberes fallar e obrar
lados, com a reserva e moderago qne est no seu'com esta prudencia e esta descripgao que tera sem-
caracler, tudo quanto esta medida, por autorlsada Pre em conta as diversas circumslancias em que
que parega pelo texto de orna le que nao est re- se aclia colloeado. Assim o santo padre nao tem
vogada, e pelo uso que della tem feito os preceden- ordenado o 1er no pulpito & lista das proposigSes 0 nosso distincto poeta Francisco MunizYarret
tes governo?, tera de anormal. Pode ella, no tempo 1ue ,era ,a justamente condemnado. Tambera Cuja lyra patritica na presente conjuntura tem
em que a le que Ihe serve de base, tinha at um 'es,a lei,ara seria Pel menos inat" a maor parle ; desferido sons, qne arrebatara.
certo ponto segundo a situago que estava feita a!das Pafochias. Mas preciso applicar-vos a com-
egreja sua razao de ser, ferir menos o sentimento bater a dos erros assigaalados que tem curso en-
Da Villa-Real, idem (quasi no mesmo rumo) 160
ditas;
Do forte de Bourbon (ao norte quarto e meio ao
nordeste) 114 ditas;
Do de Coimbra (ao nor-nordeste) 96 ditas ;
Do presidio de Miranda (ao norte approximada-
mente) 80 ditas;
De S. Kaphael de Chiquitos (a es-nordeste) 95
ditas :
Be Santa Cruz de la Sierra (a leste meio nordes-
te) 170 ditas ;
Da cidade de Lima (a es-sueste meio sul) 442
ditas.
na attilude de urna meditago profunda, vos an,
nunciam que um grande mysterio enmpriu-se, all"
onde vos nao procuris seno pedras engenhosa-
mente cellocadas.
O que querem dizer estas columnatas sobre co-
lumnatas e galeras sobre galeras ?
Ellas querem exalar o co.
Que sigoificagao tem esta mnltido de homens e
de animaes, elevando-se uns sobre outros no meio
de urna floresta de folhagens, de produccoes de to-
do o genero T
E' a bumanidade, a natureza inteira fazendo
um esforgo immenso para ir ter com o autor dos
seus das.
Mas que harmona, diris vos, existe nessa in-
no
E' assim que vemos anda o Evangelho de ne-
je narrar que o menino Jess crescia em edade
e sabedoria, e era obediente a seus paes I...
Estes se mostraram pontnaes em cumprir eom
os preceitos da lei, indo todos os annos a Jernsa-
nao Ihes servmdo de obstculo nem a longa dis- A harmona da creacao, responderemos nos,
tancia em que moravam, nem as asperezas do; harmona immensa como o mundo invisivet de que
caminho, e lovavam sempre corasigo o menino' e"a e symbolo material : nao offerecendo senao
Jess, s para ensinar-nos cora quanto cuidado a '"egalaridade e a desordem vista humana, in-
itAvamne HanHu m,=----- .,. ? capaz de ver com um se olhar o grande e o mag
aevemos aesdo a mais tenra infancia inspirar em D|fico
nossos filhos os sentimentos de piedade para com Nossas mais vastas construcgdes gothicas nao
Deus e de obediencia a sua santa lei, pois que sao, por assim dizer, senao as primeiras bases do
bem sabiara, que este divino menino nao es- edificio tragado pele genio christao, o resto se per-
tava seno voluntariamente sujeito a esta lei. i de,na Prolu.u,J.eza dos cos.
. ih i. immensidade no todo, vanedade e perfeigao n-
Assm tambera vemos pelo Evangelho de hoje* flnita nos ornatos, taes sao os dous tragos distioc-
at que ponto levava Jess Christo os *m*-j&Jtt Umbem ^^ d"
obediencia dos filhos para com seus paes, pois qae \ Mas nao se diga que nos assim fallando censu-
tendo Elle se demorado no templo entre os douto- ramos a applicagao do genro grego aos edificios
res da lei, disputando com elles e ouvindo-os cer-! christos, genero adoptado na Italia, e que ah pro
Esto hymoo dos Zuavos bahianos composgo
Esse Gongalves a que se refere o poeta na nona
christao; mas hoje que se faz sentir urna uecessi-.,re os Povos oue deveis instruir. Por exemplo em ^rophe o crioulo tenente-coronel Manoel Gon-
dade de liberdade por toda a parte, ella ja nao es- qaantas cidades e aldeias os principios desastrosos
la nas nossas ideas, nem nossos costumes, nem do pantheismo, do racionalismo, do indifferentis-
oas nossas aspirages; urna contradegao com o! m0 sb as formas que os reduzem sua mais sira-
esplrito geral da nossa poca. Desde logo que as P'65 expresso ? Nao esto elles resumidos nestas
opinides sao livres, porque motivo ha embaragos especies de axiomas nzados pela ignorancia gros-
a's ideas e a' crenga catholica ? j sera e pela rapiedade rasteira : Deus nao outra
Permit, Sr. ministro, que me assoce a todas,cousa sena a natureza,o homem nao deve crer
estas respeitosas observagoes; eu me associo a el- senao 1Qe comprehende, e nao tem outro guia
las tanto mais voluntaria que eu as creio verdade- sena0 a soa ""o,todas as religides sao boas-
xas, justas e fundadas : na minha conviegao ellas cada um d*ve se8uir aQuella em que nasceuLas-
tiSo-de progrtdir : o futuro seguramente seu. ta ser nomc,o de bema egreja tem acabado o
Tenho mesmo razo para esperar, Sr. ministro,! seu ,en,P e|c-
que V. Exc, cujo espirito tao elevado, e a per-
cepgao lo juMa, as apreciara* no seu justo valor,
e que em caso necessano as patrocinara' nos con-
selhos do imperador. Que servigo assignalado nao
faria por iste nao smente a' egreja, mas tambem
ao estado I Porque, preciso 6 reconhec-lo, nem
Eis aqu impiedades tao absurdas como revol-
tantes, que, despojadas de todos os exteriores bri-
ihanles dos escriptos philoscphicos e dos iivros ele-
gantes, se espalham at nas mais humildes chou-
panas. .' sobre este terreno que nos devemos,
segundo as necessidades dos lempos e das pessoas,
soffrero um e cutro de tudo o que perturba e agi-
ta as consciencias.
Que necessitara' pira isto, Sr. ministro? E'
cousa que nos parece nao seria muito difficl.
t Bastara, segundo nos parece, ou de fazer re-
vogar as dispoigoes da le orgnica de que se pode
tao fcilmente abusar para suscitar embaragos, o
de a deixar dormir em paz nos cart5es da chancel-
lara, como muitos outros artgos desta mesma lei
que sao de urna applicagao difflcil, ou que tem ca-
bido era desuso. Deus, nao o duvido, vos leria isto
em conta; porque segundo o testamento do papa
Celestino ludo o que se faz para bem da egreja se
t converle em vanlagens do imperio.
Xesta persuaso, Sr. ministro, vos reitero.com
os meus votos bem sinceros, a certeza dos meus
sentimentos os mais respeitosos e os mais dedica-
dos.
Joo Paulo, bispo de Valence, arcebispo no-
meado d'Albi. >
um nem o outro ganham em sens conflictos. Elles Perse6air a ocredulidade. Nos encontraremos os
mais seguros elementos de successo na exposigo
ciara e solida das verdades cbristas apresentadas
com as provas tiradas da escriptura santa, dos
concilios, dos padres da egreja, das conslituicoes
pontificias e dos pnneipaes apologistas.
Nao esquecereis, senhores e caros cooperado-
res, a saba prohibigo inscripta no artigo 96 dos
estatutos, a respeito dos negocios polticos. O pul-
pito nao urna tribuna; e o cbo Jas lutas e das
agilag5es dos partidos nao deve penetrar no san-
(Uario. A nica poltica de que se possa oceupar
o ministro da palavra santa consiste era pregar
por seus discursos como por seus exemplos, o res-
peito para o poder e para as autoridades que o re-
presentara em todos os graus da jerarchla social,
e a obediencia s leis, conforme as recommenda-
goes que os apostlos faziam aos christos da pri-
mitiva egreja ; Que toda a pessoa seja subraissa
aos poderes, por que o poder vera de Deus, e
por elle que teem sido estbelecldos os poderes
< que existem. Omms anima potestatibus subli-
mo ribus sub dita sil: non anas est potestas msi a
Carla que o bispo de Meaux diriga em circular I dea, quae autem Deo ordinat sur. Rom. 13,1.
ao seo clero. Finalmente, senhores e caros cooperadores,
Meaux, 19 de Janeiro de 1865. | que o nosso zello seja sem amargura e sem rispl-
t Srs. e charos cooperadores.Tinhamos a in- d 15 qae tenha lodos os caracteres da caridade pa-
tengao de vos dirigir a todos a encyclica de 8 de cente, doce e benevolente: Carita patiens est
dezembro e o syllabus on resumo das proposigoes benigna est II Cor. 13,4. Sainarnos reconhecer o
condemnadas pelo santo padre, judiando a estes qoe ha de bom e louvavel ao redor de nos, deli-
documentos alguna avisos a cerca do cuidado que genciemos torna-lo melhor anda. Ao clero cura-
dev.eis lomar de instituir os vossos parochanos pre ,rabalhar para fazer cahir este funesto preju-
destas grandes verdades da rel.giao que tem sido zo qae representa a egreja como in.miga da socio-
tao audaciosamente atacadas em nossos das pela dade e da civllisacao.
raipiedade.
A religlo pelo contrario,
esencialmente beneficente, adiada natural da
'.. ^'.TZff'T .e*l\,'l':.qai0 sociedade civil> Pos ella a base dos estados,
recebemos a circular do ministerio dos cultos data-
da de 1 de Janeiro, edepois o dereto de 5 do mes-
mo mez, que nao autorisam os bispos senao a pu-
blicar a parte da encyclica relativa ao jubileu. Ver-
dade que o texto dos actos pontificios tem sido re-
produzido integralmente pelos jornaes que se en-
contra nas livrarias, e que esta', por assim dizer,
em todas as maos, de sorle que a promulgagao re-
gular feita immediamente pelos bispos nao poda
augmentar a sua publicidade.
t Vedes, alm disto, que esta publcagao authen.
tica nao necessaria para que as decisoes emana-
das da santa s sejara obrigatorias, e que, segundo
O sentimento commum dos theologos e canonistas,
liasia que ellas tenham sido publicadas em Roma
na forma ordinaria para que os catholicos que del-
tas teem conhecimento sejam obrigados de a ellas
se submelterem.
c Comtudo, infinitamente lamentavel, no pon-
to de vista da liberdade da egreja e da obediencia
a' autoridade da s apostlica, que a publicacao
destes actos pontificios encontr obstculos n'um
paiz calholico. Tambem em nossa legitima dr, te
mos nos pensado que era do nosso dever o dirigir
0b*ervag5es respeilosas ao Sr. ministro dos cultos,
e j oigamos telo feito com a franqueza que con v m
a um bispo.
c Acharis nesta carta, de que vos coramanica-
mos o texio eroseguimento a esta circular, os prin-
cipios e os sentmimentos de filial submissao a res-
peito do soberano pontfice, de que vos proprios es-
(aes animados. Sabemos com qoe respeito e com
que docilidade recebis sempre as palavras que
desce da cadeira apostlica, e comprehendefs que
nos devemos rodea-la mais estreitamente anda, se
i possivel, nos das difflceis e Dengosos, para nos
servir da expressio de S. Paulo : lnstabunt tmpo-
ra periculosa : erunt homines.... currupti mente,
rtprobi circa fidem II Tan. 3,
a origem da grandeza e da prosperidade dos impe-
rios ; ella a amiga das verdadeiras Inzes e de to-
do o progresso legitimo. E' ella que tera civilisa-
do o mundo; s ella o pode anda salvar.
Recebei, meus caros cooperadores, a seguran-
ga da minha sincera affeigo.Acgsto, bispo de
Meaux.
gal ves, um dos mais bravos e disti netos offlciaes
de Piraja', na luta da independencia.
Soa crioalo ; da guerra na chrysma
Por Zuavo o raen nome troquel;
Tenho sede de sangue iniraigo ;
Por bebe-lo o meu sangue darei.
D'Hennque Dtas
Neto esforgado,
Vo ao teu brado,
Patria gentil !
Mais que o daFranga,
Ligeiro e bravo
Seja o Zuavo
Ca do Brasil I
Para medo Infundir a contrarios
Tem meu rosto das trevas a edr;
Para vidas crestar de tyrannos
Tem meu peito do sol o ardor.
h'Henrique Oas, etc.
O vermelho unlf >rme, que trago,
Diz o sangue, que vou derramar
Para um novo bapismo de gloria,
Para as nodoas da patria lavar.
H'Henrique Dtas, etc.
Como pennas as armas manejo;
Corro como, como o teado veloz ;
Quando estranhos me assanham, me pisam,
Son giboia, sou onca feroz.
H'Henrique Dias, etc.
Sou crionlo; da guerra na chrysma
Por Zuavo o meu norae troqnei:
Campear vou do sul nas batalhas...
Do mea ferro, gaiichos, tremei I
D'Hennque Dias, ele.
Contra a hyena cruenta do Prala,
Contra o monslro voraz i'Assumpgo,
Raio ardente ha de ser o meu braco,
Minha vez temeroso Irovo.
D'Hennque Dias, etc.
Como a cor que o semblante me tinge,
Tenho negra minh'alma, a raivar ;
Oh t preciso da luz das victorias
Para clara minh'alma tornar.
h'Henrique Dias, etc.
Mata, roulu. incendia, devasta,
Gorostiaga covarde e cruel 1
Tu a pena ters de teus crimes ;
Nos te re mos da gloria o laurel.
D'Hennque Dias, etc.
De Gongalves, o bravo d'outr'ora
Nas refregas do meu Piraja,
A bradar-meque morra ou triumphe
Dentro d'alma a memoria me est.
D'Henrique Dias, etc.
Sou crioulo ; Zuavo me chamo ;
De Zuavo o appellido honrarei...
Do meu ferro, nas lides vibrado,
Paraguayos e blancos, tremei t
D'Henrique Dias
Neto esforgado,
Vo ao teu brado,
Patria gentil!
Mais qae o da Franga,
Ligeiro e bravo
Seja o Zuavo
Ca do Brasil!
ca do reino de Deus, e admirando a' todos a sabe-
doria de suas respes tas em tao tenra edade de doze
annos, logo que S. Jos e Mara Santissima, na
grande distancia de um dia de jornada se perce-
beram da ausencia do menino Jess, e, nas maiores
afflicgdes, voltaram sobre seus passos em sua pro-
cura, al que o forara encontrar no templo; apenas
se dirigem a elle manifestando os erneis tormentos
porque acabavam de pajsar, sem saberem onde
o tinham perdido, iramediataroente se entrega a
elles sabmisso, apesar de que o negocio de que se
tratava era o do Pae Eterno I...
Oh I Bondade infinit de um Deus hurailhando-
se at cteatural...
Paes e maes de familia 1 Eis aqu os exemplos
que vos consigna hoje o Evangelho por parte de
s. Jos e de Mara Santissima, no cuidado que de-
veis ter na educagao moral de vossos filhos, ins
truindo-os com a palavra e com o exemplo.
dnzio tantas obras primas.
Tal nao o nosso pensamento.
A Italia coberta dos mais bellos monumentos da
arte amiga, Roma principalmente, enrequecida por
seus imperadores deludo quanto o genio dos gre-
gos e dos romanos comprebendea e execntou de
maior, nao poda sabir deste genere sem repudiar
esta heranga de modelos e de raateriaes.
Alm disto, entrava nas vistas da Providencia,
que os monumentos do paganismo servissera de
tropho a seu vencedor.
Era de mister qne o obelisco egypcio de Cal-
gula ornasse a praga de S. Pedro de Roma, que
as columnas do tmulo de Adriano fossera aformo-
sear a grande nave da baslica de S. Paulo, ao
mesmo tempo qne as columnas erigidas a Marco
Aurelio e a Trajano serviram de pedestaes s es-
tatuas do; dous apostlos.
Porm adoptando a architectura pagua o genio
italiano a tem christianisado, dando-lhe este ma-
ravilloso de grandeza, este carcter do infinito,
ignorado dos antigos.
O Paotheon Ihe parecen muito baixo, elle o ele-
j von algumas centenas de ps cima do solo, snbs-
I tituiu-lhe a grande claraboia circular,
imnriH = nra wawina uioum, que termi-
Reflecii na grande responsabilidade que peza nava ,ao framente por um magnifico zimborio ; e
sobre vos, seno derdes ama educagao chnstaa a a cruz da cpula brtlhando nos ares, na altura de
vossos filhos, porque, como diz S. Agoslmho: ma,s de sescentos palmos, annuncia ao universo
cidade por um gosto de predilecgao que lem para imita, engrandece, divinisa ludo onde pe a mo.
com ella, emquanto ella conserva o thesonro pre- Assim, tambem como sua doutrina reunindo as
cioso de sua innocencia. verdades espalhadas no fundo das crengas huma-
1 nas, as aprsenla em um todo desconhecido ao ge-
Tendes a maiar^rova desta verdade na sua ol- ero humano, do mesmo modo sua architectura'
licitude, na sua dogura e lernnra para com os me- i abraado lodos os primores de arle da anlgoida
1 de, organisa um todo que causa admiragao anda
nios, quando, durante sua misso neste mun-
do, se deixava rodear delles, dizendo a seas apos-
tlos : -
Deixae-os vir a miro, destes o reino dos
cus.
Isto estes sao os favoritos de meu Pae pela
sna candnra e innocencia de sua alma.
En la o os abengoava e os apena va de encontr a
seu cora gao 1...
Vos exercets um verdadeiro sacerdocio para
com vossos Minos.
Deus vo-los confiou para qae tivesseis o mere-
cimento de os instruir nos seus preceitos, e de
assim faze-los chegar ao conhecimento de um
aos seus mais ph?natcos detractores.
Bis a segunda carta que hontem acusamos e
que nao aeompanhou a primelra por falta de espa-
go nesta pagina:
1 Buenos-Ayres, 15 de Janeiro de 186o.
< Meu caro irmo.
< Escrevo-lhe com grande satisfagio. Tenho a
annunciar-lhe urna explendida victoria, que honra
as nossas armas.
Estou no gozo de urna licenga que o almirante
me deu mui expontaneamente, para descangar de
27 dias de campanba e 52 horas de renhidssirao
combate.
n'um brasleiro, por ordem de Leandro
Gomes.
Houve mais da 500 horneas fora do combate,
700 prisioneiros e 89 eulciaes, que forara postos
em liberdade quatro ou cinco horas depois da vic-
toria.
< Os brasilelros so portaram com grande gene-
rosidaae. Salvaran) a lodosos que Ihes cahiram nas
maos.
Todos os chefes morreram em combate. Pa-
garan com a vida, o mal qoe flzeram.
Eu estou sao como um pero, esperando ancio-
so pelo assalto de Montevideo.
t Adeus : at depois delle, se tiver a fortuna de
escapar.
Seu mano e amigo,
Al'GCETO.
Mg>-
E' do Sr. Jos Tolentmo a seguinte poesa
LEANDRO GOMES.
Ura dos tremendos escudos
Do vil selvage' Uruguay,
Um chefe de bolocudos
Por ierra prostrado cae I
Captivo de um povo nobre,
Repelle o manto que o cobre
Captivo dos seus vae ser I
Imbcil I Sempre olvidara
Os crimes qne praticra,
O sangue que ez correr 1...
Imbcil 1 Nem se lembrara
Da forca de um odio atroz !
Do filho que a me tao cara
V ser mora sua voz I
Da victima ensaDguentada,
Pelos cabellos puxada
A's mas a percorrer I
Tudo olvidara o tyranno I
Viva era delirio insano,
Sorra-se ao vermorret I...
Sorria-se I Labios malditos I
S tinham riso infernal I
Do peito nos olhos titos
Lla-se-o genio fatal I
Alma do bem transviada,
Na malvadeza acarada,
Dos vicios pelo torpor I
Alma de todo perdida
No sangne negro homicida,
Das vis paixes no ardor I
ErgueBdo a fronte deixava
Brilhar um disco de horror I
Na mo raivosa hostentava
Um gladio de rubra cor I...
Marchava infrene a peleja,
Coraeem tinha sobeja
P'r' o inimigo affrontr I
Corra sdenlo aos bravos I...
Mas teve a qneda d'escravos,
Fizeram-no emfim parar I...
E ei-lo entregue cohorte
De destemidos vares!
Imgos que do-lhe a morte,
Dando-a mesmo em traigoes !
E o forte d'hontera, cobarde
S'entrega ; nio mais ihe arde
No peito a chamma feroz I
Ei-lo por Ierra abatido
De todo valor despido,
De toda sombra de hroes I
Nao mais onviram-se os nomes
Dos bravos que tinha a par !
E' raorto Leandro Gmez,
A aurora vem de raiar 1
As nuvens de um cu escuro
S'escondem ; surge o futuro
P'r'as ligas de um bando hostil;
Que eusado repelle o manto
Que o cobre, e vae no entnto
Morrer ao proprio fuzl I...
Que a mesma sorle se aguarde
A' fera do Paraguay 1...
Que nova queda nao tarde
Na luta que abrir-se vae 1
Que o Lpezrival de ero,
De Gmezirmo severo,
Succumba ao proprio fnzil !
Que o proprio povo selvagem
Vinganga 1 brade : carnagem
D'ura chefe tyranno e vil I
Fevereiro de 1863.
a^i
Deus era tres pessoas: da encarnago da segunda I a^Sd. ShffJTdo'SSSS %A
destas pessoas; do seu amor para comnosco; da' a Paysand. Cumpre agora que o informe das oc-
infallibilidade de sua egreja e da submissao que currencias posteriores a esse dia.
devemos s suas leis.
S assim formareis de vossos filhos bons chris-
tos para a egreja, bons cidados para a nossa pa-
tria, e para vos mesmos filhos respeitosos, reco-
nhecidos e dedicados.
----------- I raa 1 -----------
ARCHITECTURA CHHISTAASEO CARCTER :
As primeiras egrejas christas no Occidente,
diz o autor dos estudos histricos, nao foram mais
do que templos em contrario do que boje sao :
o culto pago era exterior, o ornato do templo
foi exterior ; o culto christao era interior, o or-
nato da egreja foi interior. As columnas passa-
rara de fra para dentro do edificio.
Parece que por seculos durou esta metmor-
pbose.
Como edificar era um solo incessaantemente aba-
lado pela invaso dos barbaros ?
Ao tumulto das guerras accrescia essa terrivel j
Cooveiu-se em que o segundo assalto (vesse
lugar a 31. A 30 parlirara toda a artilhart e o
contingente, ficando s o contingente de navaes.
t Islo me contristen ; mas o almirante, perce-
bendo-o, consolou-me, dndome esperangas de ata-
car tambem, no di > seguinte, com a mraha forga,
pelo lado do porto.
t Logo ao amarihecer rompeu o fogo de artilha-
ra. Quando as 9 horas a infamara principiou a
atacar a cidade, principlei eu a pedir ao almirante
para tambem atacar.
< Mandou-me sabir do porto e collocar-me n'um
ponto mais avangado, onde as bailas chegavam,
porm j fras.
< Dabl maodei-lhe tres pedidos e entendendo a
ultima resposta a meu geilo, internei-me com me-
tade da forga pela cidade, chegando em pouco tem-
po ao ponto era qu estavam os companheiros do
exercilo mais avangados.
t O almirante mandou-me procurar; mas sa-
bendo que eu havia avangado, ordenou-me que
sustentasse o ponto onde eslivesse.
< Era-me multo preciso o resto da minha gen-
te : aproveitei-me por isto da noute e fui pedi-la
ao almirante, que me consentio leva-la.
c Continuei o fo?o. Quando mandava ao porto
Sobre o Evangelho de S. Lucas cap. 2 v. 40.
0 menino Jess ficou no templo sem que seus paes
o soubessem escreve o Cruzeiro do Brasil:
i.* DOMINGA DEPOIS DA EPIPHANIA.
A observancia da lei de Deus, que est cima
UM POUCO DE TUDO.
Extratamos o seguinte :
Matto Grosso fica a oeste de Goyaz : o nosso
limite com a Bolivia, com a coofederago argenti-
na, com o Paraguay; a ultima de nossas provin-
cias centraes. As immensas florestas, que deram o
nome aquella vast regio, a confuudlram por lar- .
go lempo com o territorio immenso qoe se desig- de todas as le"' deve cer,amenle *>jecto "a
nava emao vagamente sob o nome de Amazonia. nossa soll,c,,nde-
O neme de Matto-Grosso era apenas repelido nas' e Para serraos bons cidados, compre que
mais celebres geographias. Suas florestas mages- B0ssas aeges sejsm sempre conformes com as
tesas, seus innmeros ros, que abrem lo impor- 'eis <'ae ref>em a sociedade, como poderemos ser
untes communlcagoes com os mais remotos luga- *?s cnrisl3os sem observarmos pontualmente a
res do interior, suas minas, apenas exploradas,! iei de Jesus c,'rist0 ?
tudo islo era completamente desconhecido anies de Qe Prncaa '5o nos d hoje o Evangelho
Ayres de Casal.
Quando Malte Brun Insera nos seus Annaes das
viagehs a noticia dada por Ferdinand Denls, e sa-
bio geograpbo confessou que Uvera al entao ideas
singularmente vagas sobre a topographia de Matto-
Grosso.
iradigo, que dava o mundo por acabado no fira L*var feridos e mor'8S> ou bas<*r munigoes, rece-
. ,n 1 j a bia sempre o aviso do a mirante para mandar bus-
do 10- seculo, e por isso nada temos de admirar car mais munigao, se carecesse.
do tardo esforgo da architectura chrsta. < Divid, pois, a gente do meu coramando se-
Tanto, porm, que acreditou-se que o mundo ^^^0^
durara, appareceu emfim esla architectura, mar- duziram ao porto como trophos de victoria qua-
rent e cinco prisioneiros e nma bandeira Ini-
miga.
< Houve um incidente, qne muito me ffligio.
Calumniaram me dizendo ao almirante que eu ha-
via mandado fuzilar o general Leandro Gomes, de-
pois de se me baver rendido.
t Alm de fallar muito alto a humanidade com
vilhosa fusao de todas as archlecturas, original,
inexgolavel, mysterosa, infinita come a religiao
qne a inspiroo, e de quera ella o Iransnmpto.
Tmida, embarazada como urna noviga no lim-
borlo de Pisa, no 11o seculo parecen alcangar o!
seu apogea na cathedral de Colonia e na torre de
Strasbourg no 13 seculo Iqae lra'o a lodos os meus Prisioneiros, defenden-
! do-os dos inslnctos sanguinarios de seus compa-
A archlibectura grega, tomando o hornera por trilas, houve urna lestemunlia occnlar do meu
typo, nao poda elevar-se cima delle. procedimento, que determinou o almirante a aper-
A arte chnsia, tomando a Deus por modelo l11"'01! a mo- em presooca de todos os offlciaes,
por esta prod.giosa ousadia eslava obrigada a ele- ^pTs.Ta ^p^S^SJSLm es-
var-se sempre. ^ j trangeiros e de muitos offlciaes, lornou a louvar o
Se orna louca admiragao nao ti vesse feito parar! TCi.Ttve a honra de jantar com elle.
esse sublime impulso, se em lugar de imitar os tou penhoradissimo das atiengoes com que me ira-
primores da Grecia, se houvesse aperfeigoado a Ia. desde enio. Deu-me urna licenga para eu vir
invengao chrsta, teriamos sem davida edificios {"Jfar a Buenos-Ayres, estando o meu navio nas
religiosos que seriara para a cathedral de Colonia | ".J J ^varias pessoas me tem assegura-
0 que asoragoes fnebres de Bossoet sao para as do qne elle se raostra muito satiseito de miro!
lendas do XIII seculo. < Os Srs. Prannos e Leal cumprimentaram-me
Os historiadores da arte, dorante os dous ulti- cora eP"?ss5es_muito bonitas. O primeiro tralen-
._____. ____,___-Z. .. 1 me com distincgao, pedime que Ihe apuarecesse
mos seculos, concorda em nos dizer, que a ar- a miudo e dectrou-me que fiara rauito saiisfeito
chiteelura desappareceu cora o imperio do Occi- com a noticia do mea procedimiento.
a Tenho eonsciencia de haver feito o mea dever.
dente para nao reapparecer seno no XIII seculo.
este respeito com a pontualidade observada por O golhico, dizem elles, menos urna arte qne a1;i^*K^,!!.ISi^0p^^rM.q?,eX:e.9M?m,
'S. Jos e Mana Santissima, viudo de lo distante d toda a arte, onde nao ha regularidade,; penla Plicas sao ja muito boa
residencia Jerusalem todos os annos para cele- ProPOrSao e symetria. o silencio dos meus cantaradas me bastara
brar a Paschoa, como era mandado por Deus' Profundos escriptores I o que pensarieis daquel- tarabem, depois de lanas lojusticas de qoe tenho
aquello povo, no nico templo em que o Senbor, fl f* *. *sentido endura lvro, por- 'g^ f5rS5o''gt tn^Mue"
quera ser adorado Que cada palavra ou cada linha nao comega on acabo de fazer em Paysand.
Entretanto que na lei da graga, sendo tantos uao acaa pela mesma letra I Pois bem, as coas- Todos se portaram bem. O assalto de Paysan-
Kstavam exploradas em diversos sentidos as eos- os templos, quantas sao as parochias, e contendo ,rQCCOes gothicas sao nma esenplara. um livro ; dii o feito mais brilhante da historia militar do
imperio.
t A marinha conquisten nlle mais urna pagina
d'ouro para seus gloriosos annaes.
Posto houvesse em armas perto de 10,000 ho-
mens, asseguro-lhe que nao subiu a 2,000 o nu-
mero dos que combaterara.
c Paysand est em ruinas. Estao arrasadas
quasi todas as casas, que presencian m a sorra
tas do Brasil, comecavam at a apresentr urna po- estas anda muits egrejas filiaos, esto ellas va- aprendei a lelo antes de censurar o autor.
pulago numerosissima, e Matto-Grosso era anda
perdido para os brasileiros, por causa da situago.
Tudo que entao se sabia era que havia ahi vas-
tas regidos, qoe servlam de asylo s tribns vaga-
bundas, quedeviam communicar com o Per; mas
tas nos domingos e dias santos em que somos Perguntam, por exemplo, porque em nossas
obrigados santifleago, e em que a santa egreja mais bellas igrejas gothicas a linha longitudinal
irop5e a sens filhos o dever de assistir em suas quebrada em sna extremidad superior, porque no
parochias o santo sacrificio da missa e outros di- coro soas azas sio obiiquas at a nave, como se
vinos oficios t aquellos qae elevaran) essas prodigiosas pyrami-
O jornal francez Le Droit publica o seguinte :
Um (al P... serviu por espac6 de muitos annos
na qualidade de creado em differenles casas ira -
portantes.
Com quanto tvesse a eonsciencia das ms ar-
goes que pralicava, como adiante se ver pela nos-
sa exposigo, consegulu, a forga de hostilidade,
deixar aquelle servigo sem que jamis se suspei-
tasse da sua probidade.
Passado algnm. lempo P... oceupava-se de ope-
ragoes da Bolsa.
Tinha conseguido vencer as difneuldades, e des-
empenhava as funeges de corrector.
Eotregavara-lhe valores para negociar; mas elle
em vez de os empregar, formou delles um deposito
era casa de ura agente de cambios com a garanta
das operages a que se enlregava por cont pro-
pna. '
Durante certo tempo as suas operagSes liveram
bom resultado ; mas afinal chegou o revez. Nao
s perdeu todo quanlo tinha ganho, mas tambem
sommas representadas na sua garanta, e vin-se
portnto na impossibilidade de restituir os valores
que Ihe haviam sido confiados.
Depois deste fado, apresentaram-se simultnea-
mente ao procurador imperial tres queixas contra
elle.
O eommis ario de polica do districto de Sainl-
Germain-des-Prs, onde resida o aecusado, teve
ordera para proceder um inqnerito a este respeito.
Fez-se pois urna busca no domicilio do antigo crea-
do, e estas investigacoes produzlram urna deseo-
berta muito cariosa.
N'um gabinete pertencente a casa qne P... oc-
cupava, encontron-se um grande numero de ca-
xas de diferentes dimenses.
Mandaram-se abrir e viu-se que continham urna
prodigiosa qnaatidade de bjectos de (oda a espe-
cie, provenientes de snblracgoes commettidas pelo
aecusado em todas as casas onde tinha servido.
Havia pon-dllanas de 6'axonia, Svres e Japao
objecios de arte, de b onze: vidros da Bohemia 5
crysttes e artgos da China; candieiros, caroa-
pheus, grandes medalhas, caixas de luvas de jo-
go e de apparelhos de trabalho 5 frasqueiras de
licores, lude de que se pode carecer n'um locador
papel de tmpresso, navalhas de barba, toalhasd
mao e de mesa, tapetes, estofos, artgos de seri-
gueiro, fato, candelabros, urna colleegao de benga-
las de mais ou menos valor, perfumara, mais de
sessenta escovas, etc., etc.
At se encontraran) bacas de cama, sendo al-
gumas de caoulchjuc.
Tudo islo parece mostrar que da parte deste in-
dividuo oronbo era mana, por que as caixas con-
tinham nao s medicamentos, laes como frascos
de cantridas, pomadas e uognontos, mas lambem
doces e outros arligos de confeitria e pasleleria,
nos qnaes se nao linha tocado havia muitos annos,
e que estavam completamente deteriorados, sem
lerem aproveitdo a pessoa alguma.
Emfim enconlrou-se ura grande numero de me-
dalhas emblemticas, que se costumam collocar
sobre as campas, e que elle havia roubado nos ce-
ralterios da capital.
A enumeragao de todos os objectos apprehendl-
dos eocheria nimias columnas de jornal; havia de
certo sufficiente para estabelecer urna luja de ade-
lo, por que foram necessarios dous carros para
transportar tudo para casa do commissario de Do-
lida. ^
Em consequenet das investigages a que se
procedeu, descobrin-se arada outra especie de frau-
dulencia pralicada por P.... a pretexto de soccor-
rer um operario ferido accidentalmente, ou urna
viuva em desgraca.
Rifa va um objecto qualquer, como por exempl
um relogio de cobre dourado, que dizia ser de ou-
ro, etc., e como tinha conservado relagdes com os.
criados das casas em que servir, passava entre
elles os biIhetes, a crdito, e recebia em seu pro
veito o jaro qne eolbia.
Depois do interrogatorio, o acensado foi posto a
disposigio da justiga.
PERNAMBUCO.-TYPDE M.. F. DE F. &. KLHO
V'



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXB5R3DN7_LAD4ZS INGEST_TIME 2013-08-27T23:52:07Z PACKAGE AA00011611_10611
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES