Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10610


This item is only available as the following downloads:


Full Text

T
b
AMO ILI. HUMERO 53
Ptr qiirtel pago dentro de 10 das do i. mez ...::.. 51000
dem deiois des i.os 10 (lias do comecoe dentro do quartel. ... 6JJ000
Ptrte tt etrreit tr tres mezes.......,..,.:. 750
SEGDHDA FEIBA 6 D MARCO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 das do 1.nez ,,,.,.. 19J00O
Porte ao correio por an auno.......... 3$000
encarregados da subsgripqao no norte
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Draga; Cear, o Sr. J. Jos de
Otiveira; Maranho, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO NO SL
Alagoas, o Sr. ClaudineFaleao Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
- PARTIDA DOS ESTAFETAS. iSerinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
.. oL' r. u p.j,..,.a, j,-, i A ros,Agua Preta ePimenteiras,nasqaintasfelras.
Olinda, Cabo, Escada e estages da va frrea al I .' _?,______...u:
' .. Ilha do Fernando todas as vezes que para alisahir
Agua Preta, todos os das. nayJ0
guarass e Goyanna as segundas e sextas feiras- Todos os estafetas partem ao meio dia.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Carnarj
Allinbo, Garanhnns, Buique, S. Bento, BomCon EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
selho, Aguas Bellas eTacarat, as tercas feiras 4 Quarto cresc. as 9 h., 59 m. e 16 s. daro.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo,Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis
ta, Ourieury, Salgueiro e Ex.nas qnartas feiras.
12 La chela as 8 h., 22 m. e 10 s. da m.
20 Quarto ming. as 10 h., 16 m. e 22 s. da m.
27 Loa nova as 3 h., 8 m. e 22 s. da rn.
AUDIENCIA DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relagao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundases 11 horas.
Dito de orphos: tergas e sextas s 10 horas.
Prlraeira vara do aval: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
6. Segunda. Ss. Vctor o Victoriano mm.
7. Terga. S. Thomaz de Aquino doul. anglico.
8. Quaita. S. Quintlllo b.; S. Poncio diac.
9. Quinta. S. Francisca Romana viuv.
10. Sexta. S. Militan m.; S. Drolhoveo ab.
11. Sabbado. Ss. Candido e Heraclio mm.
12. Domingo. S. Gregorio Magno dout. da egr.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as II hora e 42 m. da manhaa.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30: para o norte
at a Granja a 7 o 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos muzos de Janeiro, marco, malo
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independenria
os. 6 e 8, dos propietarios Manoel Figueira de
Faria & Filho.
PARTE 0FFKIAL
Rtlatori eon que o E\in. Sr. Dr. Antonio llonjes
Leal Castillo Brisco abri a presente sesso da
assembla legislativa provincial.
(Conlinuacao.)
EXERCITO.
Tendo sido por decreto de 21 de Janeiro ultimo
exonerado do commando das armas desta provincia
o coronel Joaquim Jos Gongalves Fontes, e trans-
ferido do da provincia do Para para o desta o ma-
rechai de campo Francisco Sergio de Oliveira, as-
sumio o commando interino no dia >6 do mez pas-
sado o coronel Jos Mara Ildefonso Jacome da Vei-
ga Pessoa, por nao ter ainda chegado aquello ma-
rechal.
Em virtudo do aviso expedido pela repartcao da
guerra em 5 de Janeiro deste anno, Ilz seguir para
a corte no vapor que do porto desta cidade largou
no dia 2 de fevereiro rindo o 9 batalhao de infan-
tina de linha.
Tambem por aviso de 9 e 18 do predito mez de
Janeiro me foi ordenado qne Iiz sse recolher cor-
te, sem demora todos os offlciaes do corpo de en-
genheiros, e dos corpos de estado maior de 1" e de
2* classe, que estivessem desempregados nesta pro-
vincia, e, a proporco que d'aqui seguisse a torga
de linha, os cirurgioes do corpo de sado do exer-
cito, sendo-me autor i sado contratar os mdicos que
fossem indspensaveis para o servido da guarnicao.
Para cumprimento uestes avisos exped as conve-
nientes ordens ao commandante das armas em 31
de Janeiro e 6 de fevereiro ultimo.
O Exm. Sr. ministro da guerra respondendo aos
offlcios da presidencia ns. 28, 37 e 49 do rnez de
Janeiro prximo lindo, relativos tedos a ida para a
corte da tropa de linha, declrou-me que devia co-
mo ja se bavia praticado. chamar guardas naci-
-oaes para os destacamentos que erara feitos por
aquella torca, a qual deveria impreterivelmenle
marchar segundo as ordens daquelle ministerio,
podendo porm ser conservado em Fernando de
Noronha o destacamento do 4 batalhao de artilha-
ria a p que all existe.
A requisgo do commandante das armas mandei
transferir dez pravas da companhia de artices pa-
ra aquella batalhao que deiiou de seguir para a
corle no dia 24 de fevereiro ultimo, como se tinba
determinado, por terem vindo lomadas por tropa
do norte as accomroodages do vapor Paran, se-
gundo me commnnicon a agencia da companhia
Brasileira.
Todava pmiram nesse vapor 51 praca inclusi-
vo offlciaes e inferiores, dos batalalboes 2, 7 e 9
de infanlaria, e mals seis cadeles voluntarios da
patria.
A sabia deliberaco do governo imperial subinet-
ti alguraas consideracoes sobre a conveniencia de
iermanecer nesta provincia a companhia de caval-
aria, e.o corpo de guarnicao. E' aquella torca a i
nica qae, por sua nalureza pode ir com presteza
em auxilio da autoridade a qnalquer ponto ; e sem
esta, principalmente seguindo para a corte o corpo
de polica, muito mal guardados ficaro os remotos I
6erloes da provincia, em alguus dos quaes se tem:
mostrado audaz.
Recommendei ao commandante das armas que
me informasse sobre o estado das forlifiragdes da
provincia, e no caso de nao ser este satisfactorio
me propo2esse as medidas que entendesse necessa-
vias para conserva-las as melhores condicoes de
prestaren) servicos.
ARSENAL DE GUERRA.
Para cumprimento do decreto n. 3375 de 11 de
Janeiro deste anno, que declarou quaes os empre-
gados que devera desempenhar as attribaigoes que
exerciam os conselhos administrativos extractos
pela le n. 1220 de 20 de julho do anno passado,
resolv por portara de 9 de fevereiro Godo que
aquellas attribuigoes tossem exercidas conjuncta-
menle pelo director do arsenal de guerra, servindo
de presidente seu ajudante e dous empregados de
fazenda; sendo na niesma data para isso designados
os feitores conferentes da alfandega Antonio Carlos
de Piuho Borges e Francisco de Paula Gongalves da
Silva.
Para acudir de prompto, como exigem as ueces-
sidades do servigo, os fornecimentos de fardamen-
to, annament e equipamento que sao feitos pelo
arsenal de guerra nao s ao corpo de voluntarios
da patria, mas tambem aos roertas do exercito e
mais pragas de linha, que ainda exislem aqu,
guarda nacional e s requsigSes de outras provin-
cias, autorisei a promptificago de cinco mil cor-
reames para infantaria e caradores. 600 fardas pa-
ra voluntarios da patria, 600 frdelas de brim pa-
ra os mesmos, e os concertos e reparos do arma-
mento depositado no mesmo arsenal, que precisava
desse melhoramento.
ARSENAL DE MARINHA.
O chefe deste estabelecimenlo capito de mar e
guerra, Hermenegildo Antonio Barbosa de Alme-
da, obteve do governo Imperial, segundo me foi
communicado por aviso do 1 du fevereiro; qua-
renta e cinco dias de lie-enea, em cujo goso entrou
a 24 deste mez.
Por aviso de 23 de Janeiro ultimo, expedido pela
repartijaj da marinha, se delerminou que seso-
br'cstivesse em todas as obras, que por conta da
verbaObrasdaquelle ministerio se estavam fa-
zendo nesta provincia sem contrato com prazo de-
terminado ; por aviso de 25 tambem daquelle mez
ei ordenado que se proseguis.se as obras neces-
sarias para a conser vaco do fundo do porto desta
capital.
Em consequencia ordenei a paralysago de todas
menos o caes do Norte, cujo abandono prejudicaria
o porte e tornara depois o caes muito mais dispen-
dioso ; a collocago de ante-paros que vedem a en-
trada das aguas pluviaes pelas janellas do edificio,
que se construe para a residencia do inspector ; e
a contiouacao do caes entre a ponte da Roa-vista e
a casa de detengo, por estar sujeita a contrato com
tempo determinado.
GUARDA NACIONAL.
Por deficiencia de torga de l* linha, em conse-
qiiencia da retirada desta, ja meus antecessores
haviam chmalo 300 pragas da guarda nacional
sob o commando de um major, e os offlciaes ne-
cessanos ser vico de destacamento nesta capital;
um oflkial e vinte pragas, que foram depois dis-
pensados, no municipio de Olinda; um dito de tre-
ze pragas no do Pu do Albo, e um outro com vin-
re pragas uo Ourieury.
Pela mesma razo, e por assim o exigrem as
-emergencias do servigo, mandei augmentar o des-
tacamento desta capital com mais quatro offlciaes,
oito cabos e cento e trinta e duas pragas e quatro
tambores. *
Al o dia 23 do mez Dndo era o estado do effec-
tivo deste destacamento o seguate:
1 major.
4 capites.
6 tenentes.
6 altores.
6 1* sargentos.
8 2* sargentos.
4 furriel"
28 cabos.
336 guardas.
7 tambores.
Tambem mandei destacar para guarnecer as for-
talezas do Brurn e Buraco a seguate torga do 1"
batalhao de arlilharia da mesma guarda nacional.
1 lente.
2 sargentos.
No Brota......M cabos de esquiara.
s 3 anspegadas.
22 guardas
I tambor.
3 cabos de esquadra.
No Buraco.....11 anspegada.
(13 guardas.
E nos municipios de tora da capital tenho man-
dado destacar a torga que se segu :
Municipios.
Olinda
Goianna.
Bonito.
Caruar.
Rio Formoso.
Serinhem.
Agua-Preta.
Santo Anto.
Limoeiro.
Flores.
Ingazeira.
Buique.
Cimbres.
Ipojuca.
Sao Bento.
Garanhuns.
Guardas.
13
13
9
11
15
7
7
9
11
25
18
9
8
5
5
12
Perjurio................
Falsidade...............
Moeda falsa.............
Tentativa dedamnoem bens
pblicos..............
Contra a liberdade indivi-
dual...................
Homicidio..............
Complicidade de homicidio
Tentativa de homicidio...
Infantecidio.............
Offensas physicas graves..
Ferimentos e offensas leves
Ameagas...............
Injurias verbaes.........
Estetellionato...........
Rapto....
1
2
I
4
63
8
23
19
57
2
1
9
4
Estupro................ 10
O/ficiaes.
1 inferior.
1 offlcial subalterno.
1 inferior.
1 offlcial subalterno.
1 dito.
1 inferior.
1 dito.
1 dito.
1 dito.
1 offlcial subalterno
1 dito.
1 inferior.
1 dito.
1 dito.
1 dito.
1 dito. 12 ADMINSTRAgAO DA JUSTICA.
O decreto n. 3,383 de 21 de Janeiro ultimo, cha- Segundo os mappas nmeros fornecidos pela
mou como sabis, servigo de cornos destacados secretaria da polica, houveram em todo o anno
para defeza das pragas fronteiras e costas do im-i pa-sado, nos diversos termos da provincia, as ses
perio, e para o servigo da guerra nos estados do' soes do jury que se se guem :
Begamia.
Roubo................
Complicidade de roubo...
Tentativa do mesmo......
Entrada em casa alb;ia..
Damno.................
Furto..................
Armas defezas..........
1
44
1
3
1
3
37
4
Uruguay e Paraguay 14:796 guardas nacionaes.
Tocando a esta provincia concorrer com o con-
tingente de 2424 guardas cm cumprimento de avi-
so do ministerio da justiga de 3 do mez (indo, pro-
curei proporcionar a designago destes a torga de
cada um dos municipios pela maneira seguinte :
Municipios. Nmeros de pragas.
268
110
192
126
145
82
112
165
200
122
173
182
111
138
80
136 i
82
Recito...
Olinda e guarass..................
Goianna............................
Pao d'Alho.........................
Nazareth...........................
Limoeiro...........................
-anto Anto e Escada................
Bonito e Caruar....................
Garanhuns, Sao Bento, Bom-Conseiho e
Buique.........................
Flores, Villa-Bella e Ingazeira.........
Tacara! ti...........................
Brejo e Cimbres.....................
Cabo e Ipojuca......................
Rio Formoso e Serinhem.............
Barreiros e Agua Preta.................
Boa-Vista e Ourieury...................
Cabrob e Ex.........................
O raappa n. demonstra de que torga se compoe
a guarda nacional da provincia.
CORPO DE POLICA.
Ninguem melhor do que vos rahece este corpo,
porque pela lei n 507 Ihe dstes organisago e
ainda o anno passado fixasles a sua torga em- 400
pragas de vid idas era duas secgdes.
Da exposigo sob n. verts o que a seu resuci-
to diz o respectivo commandante, e o estado do seu
quartel.
O mappa n. mostra qual o sea estado effectivo e
que faltam 4 pragas para o completo da secgao vo-
lante, e 2 para o da urbana e o mappa n. demons-
tra o seu armamento, equipamento, etenss e muni-
gao.
E' de esperar que este corpo, que tao bons ser-
vicos tem prestado a provincia, e que cerlo nao c
menos patritico do que os de outras, se offerega,
como fizeram estes, para ir desalTronlar a honra
nacional nos campos da guerra, e juntar mais um
tropheo a glora e herosmo de Pernarabuco.
Converja que resolvesseis se, a veriflcar-se esta
hypothese, deve elle marchar com os vencimentos
que tem e por conta da provincia, ou se a cargo
do estado : se outro corpo deve ser organisado e
com que condigoes: o destino quo deve ter linda a
guerra e o mais que juigardes acertado.
SEGURANCA INDIVIDUAL E DE PROPRIE-
DADE.
Do mappa n. v-se que durante o anno prximo
passado o numero dos criraes corametdos foi de
245, sendo :
Resistencia.............. 7
Tomada de presos........ 4
Fugas dos mesmos....... 10
Capital 12' 3 4" 5'e 6a
Olinda 2>
guarass Ia
Goyanna 1* 2
Nazareth 2
Pao d'Alho Ia
Limoeiro 1* 2'
Santo Anto Ia 2a
Escada 1" V
Cebo 2J
Ipojuca Ia 2"
Rio Formoso Ia 2'
Serinhem Ia 2a
Barreiros Ia 2a
Agna-Preta Ia 2a
Brejo Ia 2a
Cimbres Ia 2a
Garanhuns 2*
Buique Ia
Villa-Bella 1
Tacarat I*
Boa-Vista !
Ourieury Ia
Cabrob !
Ex !
JLLCAMENTO PELO JCM.
Pelo tribunal do jury foram proferidos 415 jul
gainentos em 306 procesaos, coraprehendendo 350
3
i
2
2
144
4
92
reos dos crimes abalxo declarados,
nos annos de 1835,1839, 1845, 1846,
e 1864. ..
Resistencia......
Tomada de presos ....
Falsidade...... .
Contra a liberdade individual
Homicidio.......
Infanticidio......
Offensas physicas......
Estupro.......14
Rapto..........2
Estellonato eoutros crimes con-
tra a propriedade .... 12
Damno.........3
Roubo....................... 35
Fabrico de instrumento para
roubar........1
Furte....................... 18
Dos ilo julgarncntos 207 foram absolutorios
Todos os outros estao em exercicio.
JUIZES MUN1CIPAES.
Estao vagos os lugares de juizes municipaes dos
termos de Ourieury e do ji : este, por ter sido
recentemente creado; e aquelle, por ter o bacha-
rel Pedro Alcntara de Miranda Veras, terminado
o quadriennio em 29 de dezembro do anno pas-
sado.
Entrou em exercicio no prirreiro de fevereiro
prximo Ando, o juiz municipal comeado para
Santo Anlao, bacharel Virginio Carnero da Cunha
e Albuquerque.
Em 6 do mesmo mez entrou, no termo da Esca-
da, o bacharel Luiz Antonio Pires, no gozo de nm
j mez de licenga concedida pelo Exui. conselheiro
presidente da relagao.
O do termo de Cimbres, bacharel Joaquim Theo-
tcnio Soares de Avellar entrou em exercicio em 20
de Janeiro no gozo da de dous mezes com venc-1
mentos, concedida pelo meu antecessor em 11 do!
mesmo mez.
O do Limoeiro, bacharel Emigdio Marques San-;
tugo, terminou era 27 do referido mez a licenga
de quarenta e cinco dias que havia obtido em de-
zembro edeixou por molestia de reassumir o exer-
cicio, como partiripou.
Finalmente o de Garanhuns, bacharel Francisco
Antonio Cesario d'Azevedo, comecou em 26 do
mesmo mez de Janeiro, a gosar de dous mezes de
licenga com vencimentos que obteve em novem-
bro.
Conced um mez de licenga sem vencimentos ao
juiz municipal do termo de guarass, bacharel
Joao Carlos Augusto Cavalcanti Villez e outro mez
com vencimentos para tratarem de sua saude a
cada um dos juizes municipaes, Henrique Pereira
de Lucena do termo de Goianna, o Maxmianno
Francisco Duarte, do-lermo do Pao d'Alho: este
ultimo entrou no gozo delta em 7 do mez Ando, e
acha se pronunciado pelo juiz de direito da rs-
ped va comarca era enrae de responsablidade,
como incurso as penas dos artigos 139 e 145 do
cdigo criminal. Os dos demais termos estao em
exercicio.
PROMOTORES PBLICOS.
Acerca destes s tenho que accrestentar ao que
dsse meu antecessor o seguintd :
J assumiram o exercicio de sens cargos o de
Pao d'Alho, bacharel Bartholomeu Torquato de
Souza e Silva, e o desta capital, bacharel Jos Pau-
lino da Cmara, o qual, porm, querondo alistar-
se como voluntarlo da patria, me requeren para
(al lim dispensar do exercicio emquanto se em-
pregasse n'aquclle servigo, a qual julguei dever
conceder-lhe em altengao ao seu patriotismo e de-
dicago.
Haveodo 22 pretendentes ao lugar de promotor
de Santo Anto, todos habilitados, achei-me emba-
ragado para aquilatar por mira seus ttulos e me-
rec memos, visto es nao conhecer e desejar no-
Alagas, e que para Uso nao apresentava ja cerli-
do da sua patente.
Dito ao inspector da thesourana de fazenda.
Transmiti a V. S. para os convenientes assenta-
menlos a liliago dos dous tambores engajados rfo, n.r...
Ia do mez flodo, para o 3 batalhao de infanta Ja JwSiS Zllt' J.llL""* enlSe 1m:,-S d '
da guarda nacional deste municipio, em sotstitui-:. ,n.m,r !',, ill, > ^ao^ nao r,odia
gao dos de nome Joao Francisco da Silva e Manoel J.JTo*d i,n LhJ^ T conf'uencla-
po o o or.raor uar cumprimento ao seu dever.
tendo sido lda nessa oceasiio em virtude da ob-
servagao que Ihe fez a mesa, a qual ureslou todo u
respei to.
No dia segninte tambera nao pode ser lida a in-
Antonio Tiburcio, que foram despedidos, como
consta de offlcio do respectivo commandante su-
perior n. 54 de 24 do mesmo mez.Comraunicou-
se ao commandante superior do Recife.
Dito ao mesmo.Communico a V. S. para os
convenientes descontos, qu6 o tenente secretario
do corpo de polica Luiz Jeronymo Ignacio dos
Santos, olfereceu a 8" parte do sold que percebe
de lente reformado do exercito, a contar deste
mez, para as detpezas da guerra com o Paraguay.
Uito ao commandante superior interino da guar-
da nacional do Rerito.-OITerecendo o lenle ag- ^^m^TS^JSSSJX!lSZ iWI2 "^
gregado ao 1" batalhao ae arlilharia da guarda na-1 na o cntrario p0niUaal0 reS',neoI de,erm'-
Sabe o orador que a Indicagao nao dexar de
trazer-lhe alguma odiosidade.
O Sn. Phesioe.nte observa quo o orador tem a
palavra pela ordem, e que as indicagoes sao remet-
tidas a mesa para serem lidas pelo Sr. 1" secre-
tarlo.
O Su. CtiifHA Teixeira responde que j tem ob-
servado o contrario e que olln mesmo em outra
sesso j leu urna indicaco tendo pedido a palavra
pela ordem.
1 Su. Puksioe.nte responde que tora tal vez des-
cional deste municipio Pedro Paulo dos Santos, em
favor das despezas da guerra com o estado Orien-
tal, os vencimentos que^ Ihe compeiirem, no caso
daquelle batalhao acuartelar, declaro a V. S. em
resposta ao seu eiTiciu n. 58 da 27 do mez findo, e
para que opportunameute aprovete o
O Sn. Cunha Teixeiiia declara que nao faz disto
questo. Urna vez que o Sr. presidente acha incon-
vcnienle em que o orador faca a letura dajndicacao
elle com muito gosto a remelle a mesa.
Era seguida o Sr. 1 secretario proceda a letura
que a maioria da commissc
pairionco ^3 sesuinte indicado
offarecimento do referido lente, que aceito e lou-1 ," Considerando* nu
ZSlTl^^lXhSa^''Cmaa' d Pli('ia de!.Ia feW*a provincial' re.lu.s,Tando.
SSi oSun'dwlfdfSSS-d. poicia.-E. I ^TcZll^Sr TSSH S^* n
visla do que consta de sua ntormago o. ide\Sr!SSt &J*XSEi*.f2S '
+ &StfJ*&n? FdlxBezerra:P0Jeresque_.he erara conferidos pelo "regiment
n ~, J ua'i re" a [ interno, senao commelteu nm alternado contra a
r merao-"Jo<1 V- S. mandar engajar solieraia da representagao desia provincia, por
para o servigo do corpo sob sea commando, o pai- uanl0 consultndose o Vanimio 107 Jai
sano Raymundo Pereira Dutra, apresen.ado polo So? SSSS2!iS& 176 que' mfn-
da que se fagam sahir immedialamcnte das gale-
, ras os espectadores que perturbarem as sossoes,- e
; o artigo 177 que permute ao presidente da assem-
bWia levantar as sesses no caso de que a inquieta-
sen offlcio n. 134 desta data.
Portara.Os Srs. agentes da companhia brasi-
leira de paquetes a vapor, mandem dar passayem
para a corte por conta do ministerio da marinha,
no vapor que se espera do noite, ao 1 tenente da
armada Manoel Marlins de Araujo Castro.
desobediencias.
Moeda falsa..............
Tentativa de damno em
bens pblicos.........
Contra a liberdade indivi-
dual.................
Homicidios.............
Tea tai i \ a de homicidios...
Infanticidios............
Offensas physicas graves..
Ditas leves.............
Ameagas...............
Entrada em casa alheia...
Estupros................
Raptos.................
Furtos.................
Estelllonatos............
Damno.................
Roubos..................
Tentativas de roubos.....
Armas defezas...........
8
2
1
47
17
2
22
38
1
1
5
5
39
3
3
23
3
4
208 condemnaram com as punas seguintes
Morte......1
Gales perpetua 5
Ditas temporaria. 26
Prisao com trabalho 41
Dita simples ... 57
Multa......65
Desterro .... 4
Degredo. 2
Agontes.....7
Dos 350 reos, 335 sao brasleiros e
geiros ; sendo :
Do sexo masculino. 330
Do dito feminino 20
commetiidos mear o mais digno e que melhor diretotivesse.
1848, 18,63 EsMre pois a informago do respectivo juiz de
direito exigid* por mea antecessor, a qual me dei-
xou na mesma difiieuldade, porque, com qnanto
d elle preferencia a ura dos candidatos, declara
que rnente conhece a quatro.
Ful pois torgado a atteoder a outras informagoes
muito valiosas, que pela malor parte convergiram
em favor do bacharel Armiuio Coriolano Tavares
dos Santos, nao comprehenddo no numero daquel-
les quatro, ao qual por ludo isto e at pela consi-
derago de j ter sido julgado digno pelo governo
imperial do lugar de juiz municipal de Olinda, no-
rail i promotor de Santo Anto ; estando porm
certo, e tenho prazer de o reconhecer, que alguns
dos outro?, que nao pude alleuder, nao sao inferio-
res era rnerecimento.
Dando a lei preferencia aos hachareis formados
paraos lugares de promotor, leve certamente por
e tlm nao s o bom desempenho das funegoes, como
PERNAMRUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
3.a SESSO EM 8 DE MARCO DE 1865.
13 eslran-
A saber
Solteiros. .
Casados. .
Vuvos .
De 14 annos .
De t a 17. .
De a 21. .
De a 40. .
De 40para cima
141
163
44
i
7
31
250
62
Comparando-se estes dados com os do anno pas-
sado v-se qoe houve urna differenga para menos
como se reconhece pelo quadro seguinte :
Crimes commettidos no anno de 1863.
Resistencias............ 14
Tomadas de presos....... 10
Fogas dos mesmos....... i
Desobediencias.......... 39
Moeda falsa............. 3
Contra a liberdade indivi-
dual................ 1
Homicidios.............. 44
Tentativas de homidios___ 17
Infantecidio............. 1
Offensas physicas graves. 35
Ditas leves.............. 94
Ameagas................
Entrada em casa alheia... 3
Estupros............... 12
Raptos................. 4
Furtos................. 93
Estelllonatos............ 13
Roubos................. 12
Tentativas de roubo...... 2
Armas defezas........... 24
Oecorreram no mesmo anno passado os segua-
les lacios notaveis :
Arrombamentos de cadeias 3
Mortes casuaes.......... 16
v Suicidios............... 6
Tentativas de suicidio----- 4
Ferimentos graves casuaes 4
Incendios.............. 9
No decurso do mesmo anno foram capturados
144 desertores do exercito e da armada e 314 reos
de diversos crimes, a saber :
Resistencia............. 6
Tomada de presos........ 18
Desobediencia........... 1
JULAMKXTOS PELOS JUIZES I>E DIIlEirO.
Julgaram esles como veris dos mappas nme-
ros 24 reos comprehendidos em 16 processos e
pelos crimes pralicados nos anuos de 1838, 1862,
1863 o 1864, que se seguem :
Por prevaricagao......2
falta de execucao de deveres 2
> tirada de presos.....1
> furto de animaes.....14
Destes, 2 foram absolvidos e 22 condemnados,
figurando um mesmo individuo em 2 processos :
Prisao simples.....6
> com trabalho ... 13
Inhabilitago para emprego 2
Suspeosao do emprego 1
PRISES.
A casa de detengo, posto que nova, bem situa-
da, segura e aceada, j precisa de reparos na
coberta e no umboro, e ainda nao lem o seu ter-
ceiro raio concluido. Esta obra, asim como aquel-
los reparos sao de inclinavel necessidade.
Foram a ella recolhidos no anno passado 4:240
presos, sendo o numero mnimo dos detentos
de 380.
Dos 402 recolhidos a enfermara, 369 saturara
curados e 24 falleceram.
Ao mo estado em geral das prisoes, como ve-
ris do rea lorio do Dr. chefe de polica, sob n...
se deve as fugas que este anno se deram de pre-
sos das cadeias do Bonito, Boa-Vista, Garanhuns,
animar o estudo as escolas patrias, e crear na
classe um tirocinio de raaiores habelitago.'s prali-
cas paraos cargos de juiz de direito, que s podem
ser dados aos formados no paiz. Estes pois nao
devem ser preteridos por individuos, embora mui-
to idneos, que receberam seus diplomas em direi-
to de escolas estrageiras.
Por estas consideragoes diraitti o bacharel pela
universidade de Cuiubra Jos da Costa Dourado,
do lugar de promotor publico de Garanhuns para
o qual ooraiei o bacharel Antonio Salustiano de
Abreu Reg, que o requerco, e de quem tive boas
informagoes.
DIVISO POLICIAL E SEL PESSOAL.
Durante os poucos dias de minha adrainistrago
nao soffreu alleragao alguma, e continua chefe de
polica dcsia provincia o juiz de direito, Dr. Jos
Pereira da Silva Moraes.
No decurso, porm, do anno passado, e depois
de vossa ultima sess, creou-se urna delegada no
Salgueiro, e as subdelegancias da S em Olinda,
do 2 distrlcto do Pao d'Alho da extrema na Esca-
da, de Manopla no Rio-Formoso, de S. Benedicto
em Caruar, e de sitios novos no Ourieury.
O pessoal da polica o mesmo que encontre
por qne s conced a Jos Thomaz Gonralves do
Rosario a exoneragao que pedio do cargo de subde-
legado do 1 districto da freguesia de Santo Anto.
Reconhego j a necessidade de alguma allera-
gao ; mas nao pretendendo faze-la senao no intui-
to de raelhorar o servico, julgo mais conveniente
conservar o que est, "at que o conhecimento de
substitutos idneos me habilite para fazer nomca-
goes que justifiquen! a admioistragao, nao Ihe em-
prestem>vistas qoe nao tem, nem vo peorar s
cousas.
(Continuar-se-ha.)
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 2 de marro de 1865.
Offlcio ao Exm. desembargidorprovedor da San-
la Casa de Misericordia.Queira V Exc. expedir
suas ordens para ser recolhida e tratada no hospi-
cio dos alienados em Olinda urna preta louca e fu-
riosa que existe na cadeia do termo da Escada, e
recusa declarar o seu nome, conforme solicitou o
Dr. chefe de polica em offlcio n. 250 de 22 do mez
findo, ao qual recommendo que envi a V. Exc. a
nota de que trat i o seu offlcio n. 91 do 27 daquelle
Barreiros, e outras que liveram lugar no anno mez No-te sentido offlciou-se ao Dr. chefe de po-
passado.
Este objecto vos deve merecer seria atteogo-
MAGISTRATURA.
Relagao e tribunal do commercio. Continuam
no estado exposto por meu aojecessor, tendo eu
concedido nm mez de licenga sem vencimentos ao
desembargador Alvaro Barbalho de Ucha Caval-
canti.
JUIZES DE DIREITO.
Consta, porm nao offlcialmeote, qae fallecen
em dias de fevereiro prximo fiado; e na cidade de
Goianna, onde se achava com licenga e trataaJo de
sua laude, o da comarca de Tacarat bacharel
Verlato Aurelio da Cunha Gouveia: o da comarca
da comarca de Cabrob bacharel Leocadio d'An-
drade Pessoa, gosa de licenga concedida pelo go-
verno imperial,- e, estando esta a expirar, consta
que antes disso estar em exercicio; e o de Naia-
reth, bacharel Joao Paulo Monteiro d'Andrade, en-
trou em 14 do mez passado no gozo de dous mezes
de licenga que lbe toram concedidos com venci-
mentos para tratar de saa saade.
licia.
Dito ao coronel commandante das armas.Para
que eu possa resolver acerca do adiantamento que
V. S. solicita em seu offlcio de hontem, sob n. 408,
para estar o commandante do deposito de volunta-
rios da patria habilitado a fazer aos mesmos vo-
luntarios os abonos necessarios a sua alimentagao;
faz-se preciso que V. S. indique a quantia que
para isso deve ser entregue pela thesourana de fa-
zenda ao mencionado commandante.
Dito ao mesmo.Sirva se V. S. de mandar alis-
tar como volnntario da patria, se para isso forem
considerados aptos, a Francisco Evaristo de Sou-
za, Genuino de Hollanda Vasconcellos e Jos An-
tonio de Hollanda e Mello.
Dito ao mesa.Aprsenlo a V. S. o cldado
Joaquim Marques Santiago, qae se offereoe para
servir como voluntario da patria, aflm de que o
faca alistar no respectivo corpo, como 2a cadete
nos termos do art. 6 do decreto n. 3,371 de 7 de
Janeiro ultimo, visto declararme qae seu pal fura
altores das extiuctas milicias na provincia das
PRESIDENCIA 00 SU. 01. CAETANO B1UT0.
Ao meio dia acham-se presentes as Srs. deputa-
dos : Andrade Lima, Silva Barros, Mrranhao, Sil-
veira Lobo, Jos do Reg Birros, Brando, Ribei-
ro, Braulio, G. Campello, S Pereira, Aquino Fon-
ceca. Ramo.;, Francisco Pedro, Teixeira de Mello,
D. Ulpiaoo, Amynthas, Ayres Gama, Brillo, Jaco-
bina, Arminio, Rochael, Nabor e Buarque.
O Sr. PubsioEiNte abre a sesso.
OSr. 1* secretario procedo letura da acta da
sesso anterior, a qual approvada.
O Sr. Io Seciietaiiio da' conta do seguinte
EXPEDIENTE.
Urna pelico da irraandade de Nossa Senhora de
Guadelupe, da cidade de Olinda, pedmdo a esla
assembla que Ihe mande extrahir do preferencia
a ultima parte da 5a lotera concedida em 1840.
A' commisso de orgaraento.
.Sao lidos e approvados os seguintes requer-
memos :
ReqUeiro que se solicite do Exm.Sr. presiden-
te da provincia o seguinte :
1." Copia do contrato feto com o engenbeiro
Mllet para os e?tudos da zona da e?trada de ferro.
< 2. Copias destes estudos.
t 3. Copia dos estudos feitos para continuagao
da estrada de Trombetas ao Bonito, se foram feitos.
Pago d'asseinbla, 4 de margo de 1863.S. R.
Gervasio Campello.
c Requeiro que se nomeic urna commisso espe,
cal de 5 raerabros a que sejara remeltidos os pro-
jectos ns. lea deste anno, afim de que, estudan-
do-os arabos, indique qual o que deve ser preferido
para servir de base 2a dscusso, ou os refunda
em ura s, concillando suas disposiges e aprovei-
tando aquellas que mais convenientes forem ao fim
a que ambos os projectos tendem.
4 de margo de 1863. -Costa Rbero.
O Sr. Buarque apresentou a este ultimo requeri-
menlo a seguinte emenda, que foi rejeitada depois
de abrumas observagoes do *r- Campello :
Em vez de urna commisso de 5 mambros, d-
ga-se urna commisso de 3 meinhros que, reunida
de torga pulicial, d o seu parecer sobre os refe-
ridos projectos. -. R.-Buarque.
Foi tambem apresentada a seguinte emenda e re-
lirada a pedido do seu autor.
t E'i vez de urna commisso de 6 membros, di-
ga-se de 3 membros, reunida de torga policial,
afim de refundir os dous projectos em um s. S. R.
L'arvalho Moura.
O Sr. Presidente declara que se vai proceder a
eleigao da commisso especial, de que resa o re-
querimenlo approvado.
O Su. Bi'arqie declara que, segundo os proce-
dentes, mesa compete fazer i nomeagao, e assim
o propoe.
Consultada a casa, decide unnimemente pela
afflrmaliva, e nema o Sr- presidente para a mes-
ma commisso os Srs. Araujo Barros, Campello,
Sabino, Buarque e Ayres Gama.
E' lido e approvado o seguinte reqnerimento :
t Requeiro que se pega ao Exm presidente da
provincia as seguintes informagoes :
1.a Quantos reerutas deve daro termo de Ca-
ruar no corrente exercicio em vista do respectivo
quadro ;
f 2.a Quantos j tem sido do mesmo termo re-
melllos e apurados al agora. S. R-Joaquim Jo
Reg Barros.
Sao em seguida lidos e julgados objectos dede-
liberago os seguintes projectos :
t A asseiTibla provincial de Pernarabuco re-
sol ve :
Art. 1." Fica o presidente da provincia auto-
rizado a mandar construir com toda a urgencia um
agude na freguezia da Gloria do Goit em lugar
conveniente e que abaslega d agua potavel aos ha-
bitantes da dita localidade.
< Art. 2. Fica decretada para a factura do dito
agude a quantia de 4:000$.
Art. 3." Ficam. revogadas quaesquer disposi-
goes em centrario.DeoJoro Ulpian*.Cunha Tei-
xeira.Jacobina.
c A assembla provincial de Pernambuco re-
sol ve :
< Art. 1. Fica o presidente da provincia autori-
sado a mandar concertar a pontela ra do Rio na
cidade de Goianna, podendo dispender a quantia
qae for necessaria para esse concert.
< Art. 2. Ficam revogadas as disposigdes em
contrario.
c Pago da assembla, 4 de margo de 1865.Ar-
minio Tavares.Maranho. Andrade Lima.
tambem lido e approvado o seguate requer-
meato :
t Requeiro que a relagao das pessoas recruladas
oo termo de Caroar pedida anteriormente seja
nominal. & R.Aquino.
O Sn. Onha Teixeira pede a palavra pela ordem
e diz que ao segando dia de sesso mandn a mesa
em hora j4 adiantada urna indicacao, contendo um
voto deeeosara a maioria da mesa traosaeta, uo
gao do publico ou dos depuiados nao possa ser co-
hibida por suas dmoestagoes, o consnllando-se o
capitulo 13 do mesmo regiment nada se v, entre
as disposigdes geraes relativas commisso de po-
lica, que a autorise a tanto, nao datando em caso
algum do recurso firga armada ; e, toiendo oceu-
par todas as entradas deste edificio e galeras des-
ta assembla por soldados armados de granadeiras
de bayonetas caladas, e municiados, procurou inli
midar os espiritos, e embaragar, por esle modo, a
liberdade das dscussoes :
Considerando que a maioria da commisso de
polica nao consultou esta assembla se convinha
pedir o auxilio da torga armada para manter a or-
dem, que ella suppunha alierada, ou garantir as
pessoas dos depulados que julgava expostas a vio-
lencias ; mas pedio-a nao s sera scicncia e as-
seniimento desta assembla, seno sem scencia e
asseutimcnlo do segundo secretario, como elle mes
rao declarou, de sorie que foi urna rerdadeira sji-
preza para lodos os membros desta assembla,
excepgo daquees que estavam nos segredos ad-
ministrativos, a oceupago deste edificio oela torga
armada, foi um abuso da conlianga posta na refe-
rida commisso :
c Considerando que, se em caso algum permute
o regiment interno que esta assembla reqoisite
torga armada para oceupar o edificio, em que ella
ftiorciona, nem mesmo na intenro de proteger a
liberdade das discusse>, ou pessoas dos deputados.
ainda menos o permute commisso de polica .
mas que, quando realmente se acbasse ameagada
a liberdade das discussoes ou em perigo a vida de
algum ou de alguns deputados, apenas era pcrrail-
tido a esta assembla levar ao conhecimento da
auloridade competente a exposigo das oceurren-
cias, e pedir providencias que & mesma auloridade
parece:>sera precisas para que se conseguisse o (im
desejado, e nunca requisilar torga armada para oc-
eupar este edificio :
< Considerando que a torga armada oecupou este
edificio ateo ultimo dia da sesso desta assembla.
entretanto que diversos deputados tinham declara-
do, ao retirarem-se, que nao voltaram s suas ca-
deiras era quanlo perraanecesse essa torga ;* que
evidentemente mostra que a continuagao da oceu-
pago do edificio s levo por fim conservar arreda-
dos esses deputados, o,ue proleslaram contra a vio-
I- ncia que riles denunciaram, para que passassem
atropeladaraente e sem a>> devidas formalidades leis
de interesses individuaes :
_ Considerando que, tendo a maioria da commis-
so de polica desta assembla manifestamente ul-
irapassado os poderes que Ihe foram conferidos
pelo regiment interno, e devendo-se considerar
corno um alternado contra a soberana da represen-
tagao desla provincia o recurso torga armada, da
qual servio-se a mesma maioria tem autonsago
desta assembla, que nao lh'a deu nem Ih'a poda
dar, por nao estar isto comprehenddo no regi-
mcnlo interno, os abalxo assignados denunciara
este fado, e propoe que esta assembla vote cen-
sura maioria da commisso de polica.
t Pagoda assembla provincial de Pernambuco.
2 de margo de 1865.Jos da Cunha Teixeira.
Dr. Joaquim de Aquino Fonceca.
Finda a lei tura, o Sr. presidente pede ao Sr. Cu-
nta Teixeira que tenha abondade de lr o art. 149
do regulameato, que resa: Nenhuin depatado
poder protestar por escripto, ou de palavra, cop-
tra a deciso da assembla : poder sim inserir
as acias a sua declarago de volos, apreseotan-
do-a na mesma sesso, ou na snbsequente, sem ser
motivado. Enlende o Sr. presidenlo que a indi-
cagao nao pode ser aceita pela mesa, porquaoto a
vinda de torga para a casa da assembla e um acto
consumado e approvado pela maioria da mes-
ma.
O Sr. Cunha Teixeira pede a palavra pila
ordem.
O Sr. Presidente declara que o Sr. deputadoj
fallou pela ordem.
O Sr. Cunha Teixeira :Quero pedir o cumpri-
mento da lei.
O Sr. Presidente :Para isso tem a palavra. A
outra questo, porm, est decidida in limu.
O Sr. Cunha Teixbira : Havemos de ver.
O Sr. Presidente :Posso asseverar ao nobre
depulado que est decidida.
O Sk. Cunha Teixeira : Vamos questo de
ordem.
Eu pedi a palavra, e V. Exc. ra'a coocedeu,
para fazer a letura da minha indicagao.
:Nao conced a i
palavra ao
fazer a letura da ndi-
concedeu-m'a
O Sr. Presidente :
nobre deputado para
cacao.
O Sr. Cunha Teixeira :Eoto
sem saber o motivo 1
O Sr. A. Foksrca : Taoto peior!
O Sr. Presidente :Pela ordem pode qualqucr
depulado pedir a palavra.
O Sr. Cunha Tbixeira :Mas V. Exc. me inter-
rompeu, dzendo que nao poda dar semelhante coo-
sentimento. Eu pego a V. Exc. quo lea o art. 112
do regiment. (Lendo): Todos os projectos de
lei, de resolugdes e indiragdes, urna vez lidos pelos
seus autores, nao sero repetidos pelas secreta-
rios. Qual a coosequeneia lgica deste artigo? E'
que o autor esta autorisado para lr pedindo pre-
viamente a palavra.
O Sr. Presidente pede ao orador que lea o
art. 108, que diz : tAs iodieaedee sd poderlo ser
feitas pelos membros da assembla porescripto, e


_-.
assignada por clles; elidas K mesa, cm da para
so destinado, como os pfojctos serao, indepi-n-
dente de volare, remetMas s commissao, a que
por sua natureta pertancerem praticaado-secomo
nosarls. 61 e 61
O Su. CtmBA TSrtKiRA diz qae preciso combi-
nar o arligo 102 cora o artigo 108, e nao acha que
clles destruaro.
Passando a traiar da indicacaa, o orador declara
que nao aceita o arbitrio que o Sr. presidente quer
lomar.
O Sr. Presidente observa ao orador que nao
pode fallar sobre isso.
O Su. C/ ma Teixeira diz qae pode fallar.
O Su. Presidente : Para isto nao tem a pa-
lavra.
O Sn. Cunha Teixhra Digo que posso fal-
lar, e estando de accordo -com a lei, teiido ella na
..--------<.
=
niai-o Je Femanibnco segunda felra o de Marco de i 8G5.
Ha mnito riamos sol. mis o tempo, de hofi-
tem para c> tomou o seu ar do invern, e promette
tchuvas.
i Sefcra nna pobre Romam que estar* desmn-
cnanto urna casa, cabio a parede, e o deixou
morto, todo machucado.
* Dizem que o delegado recorren da pronuncia
do juiz de direito para o ttibonal da relago.
Informam-nos que o Cypriano, de quem tra-
tamos com recommendacao a polfeia de S. Louren-
90 da Malta, alli nao existe mais ba algom lempo. Julio'Auguso
Importa que se removam esses mendigos que publico,
oceupamo passadico, pois ah collocados do urna Manoel Joaquina Silveira, advogado.
pessima copia de nos Peraarabucaoos aos olhos do Dr. Lourengo Trigo de Loureiro. lente da Facol
estrangeiro. daae.
O mtrseu do Gymnasio provincial aclia-se Antonio da Assumpgao Cabra! advogado.
aberto e Tranqueado s pessoas que o quizerem jri- Jos Eusiaquio Ferreira Jacobina idem
sitar, todas as quintas-fciras, das 8 a 1 hora da tar-; Francisco Amynlhas de CarwlhoMoura i
Dr. Joo Jos Ferreira de Aguir, lente da Facul-
dade.
Joao Jnvencio Ferreira de Aguitr, advogado.
Hermino Francisco do Espirito-Santo, dem.
Thom Fernandes Madeira" de Castro, idem.
Silvino Cavalcanti de Alboqnerqne, deputado
geral.
Joao Dtmz Ribeiroda Cunha, advogado.
Dr. Joo Silveira de Souza, lente da Faculdade e
depulado geral.
da Cunha Guimarles, empregado
mao, nao ha poder nenbem sobre a trra que me de, das semanas em que nao houverem das santos! Francisco Carlos Brandao deoutado cerl
f.liil.'i llil fnlh.f 1 -\ !,nii..i.y\ mu ni* nilm ..11.1 Pltll fll] fr I ** i ti \- -------______ i --- __ "
idem.
nliiha de fallar: preciso que se saba que sou
aqu depulado I
O orador continua declarando que o Sr. presi-
dente est interpretando mal a lei, que a est cal-
cando aos ps, e qoe elle no se sujeila a isso. A
vinda da torca para a casa das sesses nao foi de-
cidida pela assembla ; a assembla apenas appro-
vou aronlinuago della pelas circumsiancias es-
peciaes que ento se davam.
A assembla nao decidlo que a mesa Iransacta,
ti nlia fe i lo uso do urna aliribuico legal e tanto nao
o fez que snjetlou o acto approvagiic, o quepro-
ou feriados.
At sabbado jurar:m mais bafideiras, no cor-
po de Voluntemos da Patria, as seguintes pes-
soas
167 Amito Francisco dos Santos, 20 ancos, Pernam-
buco.
168 Pedro Jos do Carmo, 21 idem, idem.
169 Joaquim Cypriano .Bezerra de Mello, 27 idem,
idem.
170 Joao Francisco Tenorio, 23 idem, idem.
171 Joaquim Lamberlo Paes Brrelo, 20 idem,
Cear.
va va que a mesa tinhaTeito urna requisicao irre- 172 Joaquim Luiz de Ollveira, 19 idem, Pernam-
buco.
173 Manoel Jos da Costa, 19 idem, idem.
174 Francisco Jos das Chagas, 23 idem, Para-
hyba.
175 Manoel Ignacio de Aquino Regis, 28 idem, Per-
nambuco.
176 Manoel Luiz da Silva, 23 annos, idem.
O Sa. Presidente pede que, se o orador nao 177 Tiburtino Pinto de Almeida, 36 idem, idem
se quer sujeilar a decisao da mesa, nquera que 178 Joao Baplista.de Souza, 2o anuos, idem.
seja consuliada a casa. '9 Crispiniauo Teixeira de Mello, 16 dem, idem.
O Sr. Cumia Teixeira diz que conseguio j o im 180 Hcnrique Rodrigues de Seixas, 18 idem, idem.
guiar, tiotki usado do em direito que nao Ihecom
pelia.
O orador nao protesta contra a decisao da a--
semblca : a assembla decidi, eslava no seu di-
reito de decidir que a torca permanecesse. Pro-
testa stm contra o direito de requlsitar foica de
que usou irregularmente a mesa transada.
para que apre ihe importa agora que ella seja rejeitada. que o Sr.
presdeme interprete mal a lei.
O Sr. A. Fonseca : O que eu quero que
fique o precdeme, e que ninguem se queixe no
tm.
O Sn. QCMBA Teixeira deixa que o Sr. presiden-
te pratique o arbitrio que quizer, porque ludo lhe
serve.
181 Manoel Damazlo Rodrigues, 21 idem, idem.
182 Joao Ferreira da Silva, 18 idem, idem.
183 Genuino de Hollanda Vasconcellos, 23 idem.
idem.
184 Jos Antonio do Hollanda Mello, 18 annos,
idem.
185 Francisco Evaristo de Souza, 18 idem, dem.
1S6 Luiz de Paula Araujo, 17 idem, idem.
187 Joaquim Marques Santiago, 23 idem, idem.
O Sr.. Rireiro (pela ordem), principia dizendo 188 Antonio Deoclecio Gonzaga, 21 Idem, idem.
le ja conhecido o seu juizo a respeilo do proce- ] 189 Jos Ignacio Ribeiro Roma, 22 annos, dem.
que .
dimonto da mesa passada. Eolende que na acta-1 Por esquecimento nao chamamos a attengao
lidade sem proveitd'a manifestaco que leve por dos nossos lei lores para um artigo publicado aute-
tim a indicacao, sobre que versa o dbale. .. hontem no Forum, sob a epigraphe Grande ques-
OSr. A. Fonseca :Tem proveito muito grande 'So do da : o que hoje fazemos por considerar irn-
saber-se se a mesa lem eu nao tem direito de porlanle a materia do mesmo artigo,
requisitar torga. No resumo das sess<5es do dia 3 do correnle,
O Sr. Ribeiro : -___tanto mais quanlo, segn- no lugar em que se diz a publicacao da le n.
do se recorda, foi o anno passado dirigido a esta j>9_2 de 20 de abril do anuo passado, lase a pu-
assembla um officio em sentido idntico ao da in- blicagao da lei do anno passado que revogou a de
dicacao. Em todo o caso pensa o orador que o fim n. 552 de 20 de abril de 1863.
que se leve em vista esla' conseguido, e pede aos No dia Io do corrente pelas 4 horas da tarde
eus collegas autores da indicacao que a relireni. toi, pelos Srs. Drs. Eduardo de Barros Falco de
O Su. Ciniia Teixeira :Aceito o destino que o Lacerda, Pedro Alfonso de Mello, Jos Ladislao
Sr. presidente qiiizer dar-lbe. Perira da Silva e Fernando Alfonso de Mello, l souraria de fazenda.
O Sr. Presidente : Ordem do dia I aposentada ao Sr. presidente da provincia a se- Manoel Jos Pinto, empregado publico
O Sn. Cumia Teixeira :E o destino da indi- guinte peticno, em que com outros cicladnos se offe-1 Francisco de Salles de Andrade Luna idem
Hermngenes S. Tavares de Vasconcellos, juiz mu-
nicipal.
Jos Rodrigues do Passo, advogado.
Cicero Odou Peregrino da Silva, idem.
Antonio Rangel de forres Bandeira, lente do Gym-
nasio.
Francisco de Paula Penna, advogado.
Luiz Emygdio-Rodrigues Vianna, idem.
Dr. Antonio de V. M. de Drumond, lente da Facul-
dade.
Antonio Jos da Costa Ribeiro, advogado.
Dr. Joao C. Bandeira de Mello Filbo, lente da Fa-
culdade.
Luiz Salazar da Veiga Pessoa, empregado pu-
blico.
Antonio Annes Jacome Pires, idem.
Dr. Francisco de Paula Salles, idem.
Francisco Lucas de Souza Rangel, advogado.
Antro Manoel de Mcdeiros Furlado, idem.
Joo Francisco Teixeira, idem.
Ernesto d'Aquino Fonseca, juiz d'orphos.
Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carmo, me-
dico.
Alexandre de Souza Pereira do Carmo Jnior, aca-
dmico.
Francisco Leonardo de Souza Miranda Couto, ad-
vogado.
; Gullherme Augusto d"Athayde, escrivaodo eivel.
Antonio Joaquim Poreira d'Oliveira, contador.
Joao Vicente de Torres Baodeira, escrivao da fa-
zenda provincial.
Fauslino Jos da Fonseca.
Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escrivao do
commercio. -
Dr. Jos Antonio de Figueiredo, lente da Facul-
dade.
Dr. Caelano Xavier Pereira de Brito, deputado
geral.
BalbiDO Simoes de Carvalho Camello Pessoa, soli-
citador.
Hermillo-Duperron, advogado.
Dr. Felippe Nery Colaco, dem.
Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment, medico.
Gabriel Soares Raposo da Cmara, propietario.
Jos Vicente Duarte Brandao, idem.
Joao Vicente da Silva Costa, empregado publico.
M. Sorna Jnior, Antonio Fredenco Cardoso do Me-
nezes Sooxa e 2 escravos, Joo Borstelmann.Ma-
noel de Vasconcellos, Manoel C. da Cruz, Candido
J. do Reg, 4 recrulas de marinha, Antonio F. Lei-
te, su senhora e 1 escrava, Jacintho N. Leite,
Antonio do Amaral Botelho, Jos N. Ferreira da
Costa, I praca de polica, Jos V. Teixeira de Arau-
jo, W. G. Broadley, Jos Antonio G. N'etlo, Anto-
nio Ladislao de Jaciensk, Jos G. Nogueira, 51 pra-
cas de pret, 7 escravos a entregar.
,T. ^eiros da barca portugueza Sympatkia,
sabida para o Porto :
Antonio Barbosa de Barros, Manoel Carlos Tei-
xeira e I escrava.
Obituario do da 3 de marco no cemitbbio
publico :
Ursulina, Pernambuco, 5 raezes, Boa-Vista ; es-
pumo.
- 4 -
Terlulaino, Pernambuco, 7 mezes, Santo AntoDio ;
denticao.
Lucros e nerdas.
Lucros sujeitos .a
liquidaoao. .
49:5473456
12,112:965^778
O guarda livros,
Ignacio Nuncs Correa.
PUBLICARES A PEDIDO
oriniento da alfandega
Voianaseitradoseamt uantes... 187
eoin gaueros.. 345
Volumessabidoseom fazenda..
t com gneros ..,
partido Liberal de Pernambuco, nunca duvidaram
do patriotismo dos seos correligionarios ; e esta-
vam certos, como ainda esto, de que todo o
liberal pernambiTcano eoncorrera, conforme per-
mitiirem as circumsiancias de sua situaeo, com a
sua pessoa ou com os seus bens, em auxilio da
Emilia Maria, Pernambuco, 9 mezes ; Santo Anto- Patr,a l:, cobardemente ultrajada pelos selvticos
-----532
79
462
-----541
Dosarregam no dia 6 de marco de 1865.
frpue in^'lezHuntressemercaduras.
Barca inglezaJoAn Matheus diversos gneros.
Brigue porluguez Bella Figtterencia idem.
Aos Llberaes de PeraaHbaeo. Srlae. iiwiei-*ca-bacaiMo.
n, -'-> ; Barca inglezaCondoldem.
h abaixo assignados, membros directores do Brigue inglez-fluni/med-carvio de pedra.
Hiate inglezSea Breeediversos gneros.
Barca ingleza/. O.-idem.
nio ; denticao.
Mana, Pernambuco, 7 mezes, Santo Antonio ; con-
vulsoes.
Abrahao, Pernambuco, 20 anno, solteiro, Boa-Vis-
ta, escravo ; loucura.
Joao. Pernambuco, 3 mezes, Recito ; convul-
s5es.
Vcencla, Pernambuco, 16 mezes, S. Jos : desin-
teria.
Rosa Maria de Lima, Pernambuco, 14 annos, sol-
teira, Santo Antonio ; ttano.
tliliOMCA JLDICIAH
TRini\AL A RE,Ai lO.
SESSAO EM 4 DE MAR^O DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSELHEIRO
i n SOUZA.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desumbargadores Gitirana, Lourenco Saniiago, Al-
meida e Albuquerque, Assls, Doria, Motta, Domin-
gues da Silva e Barros Vasconcellos, faltando o Srs.
desembargadores Santiago e Guerra, procurador da
cora, abrio-se a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JLGAMENTOS
AppellaaJes civeis.
Appellante, Manoel Pereira Caldas ; appellado,
Francisco Jos Regalo Braga.
ConOrraada a sentenga.
Appellante, o juizo ; appellados, os herdeiros de
Manoel Rodrigues de Oliveira.
Confirmada a sentanga.
Appclla'coes crimes.
o juizo ; appellado, Jos Ferreira,
Appellante,
escravo
Reformada
Appellanie,
da Graga.
A novo jury.
a sentenga e imposta a pena.
o juizo; appellado, Manoel Simao
dos seiruintes
cagao? recan para formar tima guarda cvica que se en-
0 Sh. Ramos :-Ja declarou que a nao aceita. carregar do servico de rondas, etc.:
O Sn. Cumia Teixeii.a :Fundado no art. 149? Wm. e Exm. Sr. presidente.Os abaixo assigna-
0 Sr. Bamos :Sim, senhor. dos compenetrados da necessidade de ser rondada
O Sr. C.Teixeira :-Quero que V. Exc. men- esta cidade durante a noite, no intuito de evitarse
cione islo na acta.
O Sr. Bamos : Darei conta cm simples resumo.
O Sr. Cumia Teixeira: O uobre depulado nao
pode deixar de meucianar na acia o que aqu se
passa.
O Sr. Ramos :Isto pertence aos tachyraphos.
O Su. Cuhita Teixeira : O pobre deputado po-
de dizer que tol apresenlada a indicago.
quaesquer disturbios contra a seguranga de seus
habitantes e propriedades; c recouhccedo a quasi
impossibilidade, em que se acha presentemente o
governo de cumprir tao rigoroso dever em presen-
ga das circumsiancias extraordinarias e excepcio-
naes, cm que se acha o paiz, que reclama o con-
curso valioso de lodos os cidados prestantes, que
possam fazer uso das armas, afim de vingar a
O Sr. Ramos :irei que foi apresenlada a indi- affronta toila a dignidade, soberana c inlegridade
cago, mas Do ludo o que o nobre deputado quer; do imperio pelo vandalismo do estrangeiro ingrato
tcoho o regiment na mo, e sei interpreta lo e turbulento, que ousa invadir o nosso bello larri
O Sr. Presidente : Attengao I Ordem do da. torio, mutilar e assassinarcom inaudita fejoridade
Entram era i" discussSo, e cada um por sua vez, os nossos inermes irmaos : vem offerecer-se a V.
es projectos ns. 61 e 68 do anno passado, os quaes Exc. para preslarem o servigo de ronda nr" turna
sao sem debate approvados. nesta cidade e seus arrabaldes, como guardas ci-
Entra depois em segunda discusso o projecto viras, sob o commando do lllm. Sr. Dr. chi fe de
n. 36 do anno passado. polica, e bem assim quaesquer outros serviges
Apresentaram^se a* -Seguintes emendas : compaliveis com as suas profi soes, e que V. Exc.
Em vezya pTlavra Bona, diga-se encruzi- em seu illustrado criterio julgar necessarios para a
Ihada de Belm.Amiotas. manutengao da ordem, tranquillidade e seguranga
Ao artigo 1." Diga-se decretada para quando publica, desde que tiver de relirar-se desta provln-
os cofres provinciaes o comportaren!. Silveira cia a ultima torga de linha aqui existente, e corpo
Lobo. de polica, at que o paiz vulte ao seu estado ordi-
Oraram os Srs Nabor, Ayres'Gama, Ramos, Ger- nario. O.- supplicantes desejando prestar este pe-
vsio Campello, e Silveira Lobo. queno servigo a sua patria as circumsiancias
Apreseataram-seos seguintes requerimenlos : difliceis e penosa conjunclura, em que esta se acha
Requeiro o adiameoto do projecto para que esperara, que V. Exc. como primeira autondade
seja reraetlido a comroissiio de obras publicas. da piovincia se dignar aeolher benignamente este Manoel Antonio Simoes do Amaral, idem,
Jacobina. seu modesto ofTerecimenlo, e oestes termos pedem Joaquim Jo- de Souza Serrano, idem.
Requeiro que seja nomeada urna commissao a V. fcxc. favoravel deferimento.E. R. M.Reci-' Gamillo Lins Chaves idem.
espinal de tres membros e da qual devero fazer fe, 28 de fevereiro de 1865. Thomaz Lins Suriano' dem,
parte professionaes, afim de procedendo a um exa- Eduardo de Barros Falco de Lacerda, advogado e Joo Soares da Fonseca Velloso, Idem.
me tupographico, e tendo em vista as economas empregado publico,
dos cofres pblicos, d urfta intormagao exacta so- Pedro Alfonso de Mello, advogado.
bre a divergencia que ha do ponu despartida da Jos Ladislao Pereira da Silva, idem.
estrada em questo, segundo asdesignagoes do pro- Fernando Affonso de Mello, idem.
jecto e da emenda : outro sim, requeiro o adia- Anselmo Francisco Peretti, presidente do tribunal
ment da discusso al que chegue casa as in- do commercio.
Luiz Lopes Caslello Branco, advogado.
Joao Baplista de Castro e Silva, inspector da lhe-! Assignou-se diaf'pafa^ulgamento
i (eiios :
As appellagoes.civeib.
Appellante, Urbano da Silva Costa Gondim;
appellado, Thomaz Jos de Sena.
Appellante, Antonio Ferreira da Ponle; appella-
j do, Manoel Ferreira da Ponte.
FT SXavier pereira de Brit0>so,icitador da: JSffOS^lSfS^Vascon-
J.nu,r.o(-Mo.rod.A^^
PASSACENS.
Thomaz de Carvalho Paes de Andrade, idem.
Jesuino Rodrigues Cardoso, idem.
Carlos Joo de Souza Correia, dem.
Antonio Marilns de Seabra Lemos, idem.
buco.
Emilio Xavier Sobreira de Mello, contador da the-
souraria.
Pedro de Alcntara Pinheiro, empregado pu-
blico.
Jos Francisco de Salles Baviera, idem.
Jos Candido Viegas, idem.
Herculano Deodato dos Santos, idem.
Joo Pompilio Cavalcanti, idem.
Dmaso Melchiades Barata, idem.
Cicero Brasileiro de Meilo, idem.
Joo Gregorio dos Sanios, dem.
Francisco Pereira Vianna, idem.
Melchlsedech Arao de Albuquerque Lima, idem.
Feliciano Eleuterio do Horisonte Brasileiro, idem. 5
Joo Jos Correia Jnior, id^m.
Ulysses Pernambucano de Mello, idem.
Gosme das Trevas Teixeira, idem.
Miguel da Purificacao Gomes, idem.
Nicolao Rodrigues da CuDha, idem. ,
Eleodoro Fornanaes da Cruz, idem.
Antonio Jos Ribeiro de Moraes, idem.
Targioo Silverio de Souza Magalhes, idem.
Autcoio Jos de Miranda, idem.
Francisco de Oliveira Mello e Silva, idem.
formagoes indicadas.Nabor.
Antonio Baplista Gitirana, desembargados
Foi'posto a v bina, e sendo approvado, flcou o oulro prejudicado. Jos Pereira da Cosa Molla, idem.
Continuou a discusso das posturas da cmara Francisco de Assis Pereira Rocha, idem.
municipal d'AguaPreta.foi appiovado o arl. 44, Antonio de Barros Vasconcellos, idem.
coja discusso ficara encerrada. Bernardo Machado da Costa Doria, Idem
Ent a em discusso o art. 45, ao qual foi olfere- Aff.inso Arlhur de Almeida Albuquerque, idem.
juiz de
juiz dos feilos da fa-
; Agostinho Moreira Guerra, procurador da coroa.
O conselheiro Firmino Antonio de Souza, presiden
le da relago.
\ Adelino Antonio de Luna Freir, advogado.
1 Joao Amonio de Araujo Freilas Henriqoes,
direilo.
Jos Nicolao Bigueira Cosa,
zenda.
Tristo de Alencar Araripe, juiz do commercio.
Francisco de Araujo Bzrros, juiz municipal da 21
vara.
Jos dos Anjos Vielra de Amorim, advogado.
Rufino Augusto de Almeida, administrador da casa
REVISTA DIASll. Jos Bernardo G. Alcoforado, advogado.
A assembla provincial, no sabbado, approvou 'os Bernardo G. Alcoforado Jnior, idem.
em primeira discusso, sem debate, os projectes Alvaro Caminha Tavares da Silva, idem. ,
ns.61 e 68 de 1864, aquelle concedendo duas lote- in? Rodrigues Pereira Jnior, idem.
ras de 60 contos de ris cada urna para as obras -Miguel Jos de Almeida Pernambuco Jnior, idem.
dacapella da Conceigao da povoago do Barro, e Vr^Joaa Jos Pinto Jnior, lente da Faculdade de
cida a seguinte emenda :
o Supprima-se o final do art. 45.Drummond.
NatMiavendo mais numero, e nenhum Sr. depu-
tado que queira a palavra, o Sr. presidente decla-
ra encerrada a discusso do arl. 45, e levanta a
sesso s 2 3/4 horas, dando para ordem do dia 6:
3* discusso do projecion. 69, Ia do de n. 70,
2* c uliima da en.enda empatada do projecto n. 17,
propesta da commissao de polica do anno passa-
do de um arlieo addilivo ao regiment; e conti-
nuago da anteriormente dada.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago
A appellago civel.
Appellante, Manoel Ribeiro; Lima ; appellado,
Joao Evangelista Bello.
Ao Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
A appellago civel.
Appellantes, D. Anna Mara da Conceigao e ou-
tros ; appellado, Francisco Joaquim Dantas.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago-ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque,
Aappallacocrime.
Appellante, o promotor ; appellado, Jos Das
Mitcnegro.
Do Sr. desembargador Alraeidae Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
A appellago civel.
Appellante, Jos Antonio de Medeiros Bilten-
court; appellada, D. Anna Felicia de Macedo e
outra.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
As appellagSes civeis.
Appellante, a fazenda ; appellada, Joaquina Vi-
cencia da Silva Couto.
Appellante, D. Sancha Maria da Conceigao Caval-
canti ; appellado. Dr. Joao Francisco de Arruda
Falco.
A appellago crime.
Appellantes, Antonio Alves de Athaydo e oulro ;
1 appellada, a justiga.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gada Domingues da Silva
As appellagoes crimes.
Appellante, Joaquim Jos da Silva, por seu ca-
; rador ; appellada, a justiga.
Appellanie, Manoel do Valle Pedrosa ; appellada,
a justiga.
Do Sr. desembargador Dommgues da Silva ao
Sr. desembargador Barros Vasconcellos
A appellago crime.
I Appellanie. Joo Jos de Mello ; appellado, Joo
: Chrysostomo Correa de Farias.
i Do Sr. desembargador Barros Vasconcellos ao
Sr. desembargador Caetano Santiago
As appellagoes civeis.
Appellante, o juizo
vizinhos do Paraguay, epelo impopular governo
do Estado Oriental.
Entretanto, ao passo qne o nosso silencio as
pugnas da poltica interna, por nos adoptado como
urna demonstrago de que nao somos esses ho-
raens inquietos e intrataveis, que tem pintado os
nossos adversarios, c aponlado por estes como in-
dicio concludente da nossa fraqueza como partido,
o nosso silencio quanto poltica externa, conse-
cuencia d'aquelle, pois o nosso orgo esta suppri-
mido, pelos mesmos adversarios" traduzido como
iniuu, e lisios mesmos auversanos irauuzau como iiavr n.i, pr.ahh,
indicio de que conspiramos as trevas impedindo | "'/ Ji I/bS
Iurportacao.
Barca ingleza Grace, entrada de New-York, con-
signada a Phipps Brothers 4 C, manifestou o se-
guinte :
2,880 barricas farinha de trigo; aos mesmos.
Brigue inglez James Stewart, entrado de Liver-
pool, consignado a Saunders Brothers & C, mani-
festou o seguinte:
250 toneladas de carvao de pedra ; aos mesmos.
Experta^ao.
Vapor inglez iVcicon, carregou para Liverpool :
'118 saceos com 2,981 arrobas e 28 libras de al-
godo, 1,000 couros salgados e seceos eom 31,540
libras.
Barca franceza Jean Bapliste, carregeu para o
910 arcas com 5,221 arrobas e 17 libras de al-
godo, 900 couros salgados e seceos com 23,360
libra?, 685 couros verdes com 32,890 libras.
s expansSes do patriotismo da populago, como
um meio d'enfraquecer a siluago politica.
E assim, ora somos fracos demais, ora somos
fortes demais.
Se nos era licito deixar correr, at quando nos
parecesse, a primeira impulage, o mesmo nao
acontece a respeilo da segunda.
Isto posto, dingimo-nos com oslas liohas a lodos
os nossos correligionarios da proviHCia, lembrando-
Ihes, que urna causa sagrada essa em que se Abanos.........cento
acha empenhado o paiz, e todos devem auxilia-la, Agurdente de cana .... caada
sem attengao a cores, era dssengoes polticas. dem restilada ou do reino >
Embora a frieza por lodos notada da parle de \Itlem caxaca.....,
Pernambuco no movimento enlhu-iastico, que agi- j dem genebra......
la o imperio, seja de alguma sorle justificada por 1 dem alcool ou espinto de agua-
multas causas acumuladas, alguma das quaes | ardente ........
actuam no movimento presente, sempre certo, 1 Algodo era carogo .
que peante urna causa nacional devem ser es-i dem em rama ou em la
quecidos quaesquer resemimentos, por justos que \ Arroz com casca .
sejam, originados da gerencia do paiz quaulo ao dem descascado ou pilado
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
AUTA DOS PRECO DOS EREBOS SrJElTOS A DIBEITODB
EXPORTAgAO. SEMANA DB 7 A 11 DO MEZ DE
MARCO DE 1865.
Mercadorias. Unidades. Valores.
1S300
800
800
400
800
900
arroba
interior.
E lambem certo, que os brios de Pernambuco
lem muilo que ver na presente occasiao. As tra-
dicgoes gloriosas de nossa provincia esio bradan-; Azcite de amendoim ou mende-
Assucar mascavado
dem brauco
dem retinado
do-nos, que nao devemos dar direito, a que se
conclua com ares de razao, que os nossos assom-
mos patriticos, que sao a nosso gloriosa historia,
esmoreceram por urna vez.
Nao I Cada corago pernambucano protesta
contra seraelhanle bypothese. E' preciso, porm,
que o protesto se traduza em fados ; c nesle pa-
tritico intento, que os abaixo assignados se diri-
gen) aos seus correligionarios.
Que nao se diga de Pernambuco, que a cadeia
de suas tradiegoes quebrou-se por urna vez I
Que nao se diga de nos lioeraes, que especula-
mos com as affbcoes da patria I
Nem s isto lem os abaixo assignados de pedir
ao patriotismo dos seus correligionarios. Na ca-
rencia de torga de linha em que vai ficaresla pro-
vincia, mais que nunca preciso que os nossos
correligionarios alistados na guarda nacional se
preslem com a melhor vonlado ao servigo da mes
na ; e que todos em geral, pela prudencia do seu
procediraento, e respeilo auloridade, coucorram
para que a ordem publica se nao allere. Sendo
casada
>

arroba




Jos Delphino da Silva Carvalho, idem.
Jos Jeronymo de Souza Liraoeiro, dem.
Angelo Custodio Rodrigues Franga, idem.
Jos Joaquim Ferreira de Carvalho, idem.
Francisco Augusto de Almeida, idem.
Manoel Joaquim Correia de Almeida, idem.
Eduardo Firmino da Silva, dem.
Vicente Ferreira da Porciuncula, idem.
Agnello II. de Araujo Pernambuco, idem.
Jos Pedro da Silva, inspector da thesouraria pro-
vincal.
Antonio Ferreira d'Annunciaco, empregado pu
blieo.
Antonio Cardoso de Queroz Fonseca, idem.
Francisco Graldo Moreira Temporal, idem.
Bernardo Carneiro M. da S. Santos, idem.
Joaquim Franquilino de Lemos Duarte, idem.
SSKT1S2WKLquerque, idem. ^gSt
este um rclevantissimo servigo que fazemos aopaiz j Cocos
as criticas circumsiancias acluaes, ser ao mes-1 Colla
mo tempo urna demonslrago em to solemne oc-
casiao do espirito de ordem, que nos anima, e
sempre nos animou.
Os abaixo assignados esperara, que sero tten-
didos pelos meubius do grande partido liberal
de Pernambuco, os quaes ne perdero mais esta
opportunidade para demonstrar, que a_sua divisa
politica como toi sempre. coxstituico e liber-
DADE.
Sesso em 20 de fevereiro de 1865.
bim
dem de coco......
dem de mamona ....
Batatas alimenticias ....
Bolacha o dinaria, propria para
embarque ......
dem fina .......
Caf bom .......
dem cscolha ou restolho. .
dem torrado......libra
Caibros ......
Cal.........
dem branca ....
Carne secca (xarque) .
Carneiros ......
Carvao vegetal ....
Cavernas de sicupira .
Cera de carnauba em bruto.
)dem idem em velas .
Cha ........
Charutos ......
Cevados (porcos)
Direito.
Joaquim Pires Machado Porlella, advogado.
vai o resumo dos traba- ^r Joaquim Jos de Campos, dem.
esle resliluiddo ao termo de Cimbres o riacho de
Cupli.
No lugar competente
Ihos. Francisco Leopoldino de Gnsmo Lobo, idem.
Afim de que nao sejam interrompidas as ma- Joaquim Jos da Fonceca, idem.
uifestagoes publicas de enthsiamo, pela tomada de Francisco Augusto da Costa, idem.
Montevideo, acaba o Exm. Sr. presidente da pro- Americo Netlo de Mendonga, idem.
vincia de ordenar que a suspensao do recrutamen- ls Paulino da Cmara, promotor publico.
to, no da em que chegar o navio portador dessa Ayres de Albuquerque Gama, advogado.
noticia, e no seguinte, em annuencia ao pedido que Dr- Antonio Vicente do N. Feitosa, advogado de-
lhe dirigiram alguns Srs. depuiados assembla pmado geral.
geral. Dr. Joaquim Jos de Miranda, advogado.
Era sem duvida nenhuma de grande necessida- ^os Aoslregesilo Rodrigues Lima, idem.
de essa medida, para que toda a populago possa JuS da Cnnha Teixeira, advogado e deputado pro-
tomar parte no regosijo, e seja elle completo. j vincial.
Damos, por nossa parte, mil agradecinjenlos ^8S Leandro de Godoy e Vasconcellos, diputado
8. Exc. !, geral.
Sabbado, pelas 9 horas e mea da noile, na Joaquim Theodoro Cisneiro de Albuquerque, advo-
fregnezia de S. Jos, esquina da travessa dos Mar- f ado.
iyrios, um individuo pedreiro de norae Fabriciano, Ja. Goncalves da Silva Montarroyos, idem.
do tiro, e muilo inslenle e atrevido, soffreu urna nasio.
punhalada sobre o peito esquerdo, da qual, meia Dr. Vicente Pereira do Reg, lente da Facnldade.
hora desos, sncombio. Dr- Manoel do Nascimento Machado Porlella,
Alguem afliariga ter elle dito na occasiao do fe-1 'dera- ,
rmenlo, as palavrasSerra matasle-me- assim Domingos Jos Alves da Silva, advogado.
como que o moflo, sem duvida por motivos de en- Dr- APri^i" Ji^iiciano da Silva Guimaraes, lente
triga, tora o prkneiro a provocar o assassino, dan- da Faculdade.
do-me dnas bengaladas. O criminoso logrou e-va- ("1=par de Menezes V. de Drummond, advogado e
dir-se. deputado provincial.
Hontem pela manhaa no pateo do Tergo, e na ( Maximiano Lopes Machado, advogado.
taberna ultima da rna Direila, urna creanga de 5 Conselheiro Francisco de Paula BapUsta. lente da
annos de idade que brincava com o bode denomi-' Faculdade.
nade Yoyo.quereodo acaricia-lo, tirou um puohado 'Cracliano de Paula Baplista, advogado.
de milho da barricada mesma taberna para dar ao Antonio Witrnvio Pinto Bandeira eAceiolj de Vas-
seu amigo, eis senao quando o caixelro, de idade i ellos idem
de 16 annos.que preser.ciou lo grande v.olacio.ali-; Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa, advogado.
ra sabr o pequeo a faca de cortar tooeroho, que Dr. Jeronymo Villela de C. Tavares, lente da Fa-
certeiramente,lhe foi rolar urna das velas de ama! culdade
das uernag. Foi immediataraenle preso em flagrao- Manoel Jos da Silva Neiva, juiz de direito.
te e se vai instaurar o competente carpo de de-; Antonio Joaquim de Mello, advogado.
|ICU>-_ n, .,. a.. Antonio Jwiino de Souza, idem.
Escrevem-nos de Pao d Albo, em 2 do eor- Dr. Alfredo da Rocha Bastos, medico.
Manoel da Silva
Jos Peretti Seve, idem.
Joo C. M. da Silva Sanios, idem,
Marcomiro Pancracio P. dos Santos, idem.
Antonio M. de Farias Neves, idem.
Thomaz Jos da S. Gusmo, Idem.
Antonio Jos Duarte, idem.
Dr. Joo P. Maduro da Fonseca, medico.
Dr. Candido Jos Casado Lima, idem.
Joaquim da Costa Dourado, advogado.
Joaquim Glseno de Mesquia, empregado publico.
Jos X. Faustino Ramos, idem.
(.Agostinho Jos de Oliveira, idem.
Joaquim Jos do Reg Rangel, idem.
Antonio Affonso Ferreira, idem.
Flix Ribeiro do Amaral, idem.
Antonio Joaquim Ferreira de Carvalho, escrivao Com i
da Relago. dito
Jos Peres C. de Almeida, idem;
Dinamerico A. do Reg Rangel, official do tribuna
do commercio.
Joo Bernardo da Costa Reg Monteiro, negociante.
Jacintho Pereira do Reg, advogado.
Theodoro Jos Tavares, empregado publico.
Joaquim Leocadio Viegas, idem.
Francisco de Lemos Duarte, idem.
Firmino Herculano Baplista Ribeiro, idem.
Manoel de Miranda Castro, idem.
Francisco Lucio de Castro, idem.
Francisco Bellarmino dos Santos Freitas, idem.
Joo Baplista Ferreira d'Annunciagao, idem.
Luiz Francisco Vieira de Luna, idem.
Trajano Osias Goncalves dos Santos, idem.
Joo Manoel de Castro, idem,
Hulino Jos Fernandes de Figueiredo.
Casa de detkncao.Movimento da casa de
Appellante, Luiz Jos da Cosa Amorim
lada a fazenda.
appel-
Caixa tiiial do banco do Brasil em Per-
nambuco
BALANCETE EM 31 BE FEVEREIRO DE 1865.
ACTIVO.
Letras descontadas.
Com duas assigna-
turas residentes
no lugar do des-
cont....... 167:4615887
dita
7:215^000 74:6765887
Luiz Cesario do Reg,
Vice presidente.
Antonio Jos da Costa Ribeiro,
Io secretario.
Dr. Aprigio Ju-liniano da S. Guimaraes,
2o secretario,
Jes Leandro de Godoy e Vasconcellos.
Dr. Jos Antonio de Figueiredo-
Autonio Rangel de Torres Bandeira.
Manoel Camello Pessoa.
Manoel Netlo Carneiro de S. Bandeira.
Clorindo Ferreira Cato.
Manoel Antonio Ribeiro.
Francisco Aocioli de Couveia Lins.
Jos Antonio de Brito Bastos.
Manoel da Vera-Crpz Lins e Mello.
Vicente de P. Oliveira Villas Boas.
Dcodoro Ulpiano C. Catanho.
Joo Flix dos Sanios.
Antonio Goncalves Ferreira.
Sebaslio Alves da Silva.
Dr. Jeronymo Vilella de C. Tavares.
Manoel Jos da Costa.
Manoel Pereira de Moraes Pinheiro.
Dr. Antonio de V. M. de Drummond.
um
arroba


um
arroba
urna
libra


cento
um
seceos)......cento
libra
Couros de boi, salgados f t
Idera idem seceos espichados
dem idem verdes .
dem idem cabra eortidos .
dem idem de onga ...
Doces seceos ......bra
dem em gela ou ittassa
dem em calda .
Espanadores grandes
dem pequeaos......
Esleirs para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional .....arroba
45250
171000
15500
25600
15900
35200
55120
25000
15600
15000
15200
35OOO
75OOO
75400
65OOO
440
360
280
500
35200
4,5000
15000
>

um

um
300
300
15500
I5COS
155000
65008
600
150
240
105
350
IO50OO
15000
320
500
45OOO
25OOO
alqueire
arroba
c
um
arroba



Letras caucionadas.
Por onro, prata e
ttulos commer-
eiaes .......
Por outros ttulos.
17:2775380
Letras a receber.
Saldo desta conta.
Contas correntes.
Saldo desta coma.
Diveisos.
Saldo de varias con
tas........
Caixa,
Pelos seguintes va-
lores:
Em moeda de ou-
17:2775380
6,366:7685360
795:7465646
1,924:7235878
delengo do dia 3 de margo de 1865. Exisliam ; re de 22 quila-
presos 379, emraram 9, sahiram 5, existem 383; tes........2,258:0505000
a saber : nacionaes30l, eslrangeiros 18, molheres Em notas do the-
3 ; estrangciras2, escravos 53; escravas 9.To- souro dos valo-
lal 383. ros de 105000 e
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 169. superiores. .
Movimeuto da enfermara do dia 4 de margo de Em notas menores
1865.Tiveram baixa: Antonio da Silveira SBar- de 105000.....
reto, Manoel Henrique da Silva. Em moeda de tro-
Passageiros do vapor brasileiro Apa, sabido Emnotas da* nro-
para o Para e portos intermedios : nro /.,,
D. Philomena Bidley e 2 escravos, Joaqnim Jos
da Silva Jnior, Joo Rodrigues da Costa, Abraham
Israel, Antonio Maria da Conceigao, Tito Belfort
Lopes, Geneboux Jules, missionano Fr. Ludovico
Mazanno, Augusto Carlos de Amorim Garca, Jos
Moreira da Silva, sua senhora e 1 criada, Manoel
Jos Peres da Costa, sua senhora e 5 Olhos, Manoel
da Costa Lima* sua senhora e dous escravos, Pedro i
pria caixa.
9:8005000
12:9225000
5627
353:0005000 2,633:7725627
12,112:9655778
Passivo.
Banco do Brasil conta do capital.
Valor fornecido pe-
la caixa matriz.
Bmstdo.
Illm. Sr. Em vista dos officios dirigidos S.
Exc. o Sr. presidente da provincia pelos Illms.
Sr. Dr. Manoel Clementino Carneiro da Cunha,
juiz de .direito da comarca do Cabo, e Exm. Sr.
vice-presidente, desembargador, Aiselmo Francis-
co Peretti, e publicados nos Diarios de Pernam-
buco ns. 46 e 48 de 25 e 28 do mez prximo fin-
do, devo dar a razao do met procedimenTo.
Exigindo S. Exc. o Sr. viee-presideole ao dei-
xar a adminisirago desla provincia esclareci-
mentos para o seu relatorio, eu disse que turna
havdo a segunda sesso ordinaria do jury do ter-
mo de Ipojuca, como conslava de officio do juiz de
direilc de 23 de dezembro, mas que este nao havia
declarado os das da sua abertura e encerramen-
to : e assim proced porque recorrendo a pressa e
no meio de outros irabalhos ao masso de officios
dos juizes de direito n'elle s encontrei aquello de
23 de dezembro, em que o Dr. Manoel Clementino
remellen os mappas das dicisoes do jury, e nao
declarou os das da aberturas e encerramento
deste.
Aos mappas nao podia eu soccorrer-me, porque
como V. S. sabe, sao remeltidos a secretaria de
estado dos negocios da justiga.
Escapou-me porm o officio de 9 de dezembro,
d'onde consiava ler a referida sessao sido abena
era 6 e encejradaera 8 do mesmo-mez, com o qual
s deparei em um oulro masso a que sao levadas
certas communicagoes para confeccao dos mappas
semestraes exigidos pelo aviso de 23 de margo de
1858 : e islo devido aos variados e multiplicados
Irabalhos, superiores s minhas fracas torgas, por
que sou obrigado a repartir simultanemenle a mi-
nba attengao.
Sinlo, e sinto profundamenle que, pesar do
escrpulo e cuidado cora que procuro desempenhar
raeus deveres, desse lugar a jusla reclamagao do
Dr. Manoel Clementino, e a resposta do Exm. Sr.
vice-presdente, desembargador Anselmo Fran-
cisco Peretti, a quem cordealmente agradego o
eonceito que de mim faz. Nao sendo porm inten-
cional a minha falta, espero ser della relevado; e
pego a V. S. que levando o exposto ao conheci-
mentodeS. Exc, o Sr. presidente da provincia,
me d permissao para publicar o presente officio
em homenagem a verdade dos fados, de que me
oceupo.
155000
15600
25500
600
SMOO
55000
145000
85000
8600
55000
600
25500
235000
25iKM
115000
8000
240
900
3M60
55000
55000
800
45OOO
15009
120
Dos guarde a V. S. secretaria do governo de
Pernambuco 2 de margo de 1863.- Illm. Sr. Dr.
Francisco de Paula Sales, mui digno secretario do
governo da provincii.O official cheto da segun-
da secgo, Antonio Annes Jacome Pires.
2,000:0005000
rente: Custodio
< Nada sei para referir-lhe, mesmo porgue esta-' gador.
mos em sitio pelas aguas do Capibaribe, que tor- Alexandre Bemardino dos Res e Silva Idem
nam muito caras as communicagoes eom as casas Jos Ignacio Accioli de Vasconcellos aero
que nos ficam alm. Ninguem esperava pela tal Galdtao Ferreira Gomes, advogado. '
chava, qae hontem s 8 horas da noite fe.-se an- Diodoro Ulpiano Coelho Caianho, advogado.
nunciar pelos grito*, e tiros dos que se alegrara I iDOocenclo Serapbieo de Assis Carvalho, depulado
com essas coasas. I geral.
Tinoco, Antonio Benlo de Moraes, Jos Joaquim da Valor em circula-
Costa Barroca, Luiz Soares Raposo da Cmara, Jo- ] cao........
Guimaraes, desembar- ^ de A. e Silva, Manoel Antonio Pires, Jos da Sil-1 letras t pagar.
va Coemo, D. Joaa Buson. Pordinheirotoma-
Passageiros do vapor brasileiro rocano'**, do a premio. .
saludo para o Rio de Janeiro e portos intermedios: Por saques.....
- Migoel M. Nsgaelra, Domingos Alves Matheus,
14aprendzes marinheiros,Vicente Atibo Reglo, 1* Diverso*.
lente, da armada Manoel M. de Araojo Castro,'Saldode varascon
D. Felicia Cardoso de Menezes Souza, Joo C. de' tas........
5
1:3975120
8,352:0005000
1:3975120
1,710:0215202
COMMERCIO.
Mero baco de Pernambuco.
O banco descoma letras na presante semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis mezes, e
toma dinheino a jures a praso nunca menor de
tres mezes.
.4 flan I eg a
endimento-dodi. I a3....... 68:3375088
Wemdodii 4............... 22:i86232
-----v,_____
Farinha de de mandioca
dem de araruta ....
Feijae de qualquer qudlidade
Frechaes ......
Fumo em lolha, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinhas .......Uma
Gomma........arroba
Ipecacuanha (raiz).....
Lenha em achas.....cento
Toros......... ,
Linhas e esteios ...... um
Mel ou indago......caada
M'lho.........arroba
Papagaios .......am
Pao Brasil .......quintal
dem de jangada......um
Podras de amolar .... urna
dem de filtrar .....
Idem de rebolo .....
Piassava........molho
Ponas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento
PranchSes de amarello de dous
costados.......um
dem de louro ......
Rap.........libra
Sabo......... 1
Sal...........alqueire
Salsa parrillia.......arroba
Sebo em rama......
dem em velas...... >
Sola em vaqueta......urna
Taboas de amarello.....duzia
dem diversas.......
Tapiocas.........arroba
Tatajuba........quintal
Travs ........Hma
Unhasdeboi ......Cento
Vassouras de piassava ...
Ditas de timb.......
Das de carnauba......
V'nagre.........caada
Alfaudega de Pernambuco, 4 de mano de 1865
(Assignados):
O 1." contorenle, Manoel Peregrino da Silva
O 2. contorente, Jos Maria Cesar do Amaral
Approvo.-AlfandegadePcrnamuco, 4 de mar-
vereiro de 1865.-A. Eulalw.
Conforme.O 3. escriplHrario, Joao dos Santos
Porto.
Recebedorla de rendas Inter-
nas geraes de Pernambuco.
35500
205000
105000
15000
120
400
255000
55000
75000
25800
1405000
875000
35OOO
65000
200
105000
8500(1
65000
500
Reudiraento do dia 1 a 3
idem do dia 4 ...".....
9-8235693
2:9885958
12:8125651
90:8235320
PRA^A DO RECITE
5 DE .TI.111V BE f 5.
a'STRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios.......Sobre Londres saccou-se a 27 e
28 1/1 d. por 15000, para o va-
por francez; sobre Pars a 350
rs. por fr. e sobre' Lisboa de 95
a 98 por cento; montando os
saques efferluados durante a se-
mana a 170,000.
Algodao........Vendeu-se o de Pernambuco a
175000 e 185000 por arroba, o
de Macei, posto a bordo, de
185300 a 185500, e o da Para-
hvba, tambem posto a bordo, de
195000 a 195500.
Assuear........ Vendeu-se o branco do 35400
a 35800 por arroba, o soraenos a
25800, o mascavado purgado de
25050 a -25400 e o bruto de
15700 a 15900.
Agurdente..... Vendeu-se a 705000 a pipa.
Couros.........Os seceos e salgados venderam-
se a 145 rs. a libra.
Arroz...-.......O pilado da India vendeu-se do
25200a25500aarroba;eodo
Maraoho a 35000.
Azeite-dce.....Vendeu-se o de Lisboa a 25400
_ o galio, e o do Estreiio a 25000.
Bacalhao.......Vendeu-se em atacado a 135500
a barrica, e a letalho de 135000
a.4i#5; flcatido em deposito
14,000 barricas.
l
'



M
Diario de ternanibrt efunda elra G ft **#&, le
f 83
3
Carne secca.
..
Btalas......... Veodeu se a 4*30 o gigo.
Rolaxinhas.....dem a 45000 a barriquinha.
Caf......v... Mera da 7JO0 a 8*000 arroba.
Cha............Hem de 14600 a 8*309 a libra.
Cerveia........A duila de garrafas vende-se
de SiOOr a 5*300.
A do Rio-Grande do Sui, velha,
vendeu-se de 300 rs. a 23W0O
per arroba e a non ida 3*800 a
4*200; ficando etti deposito 64
mil arrobas, a do Rio di "ra-
ta, velha, vendeu-se de 1*000 a
2*600 e a nova de 3*800 a 4*;
ficando em depsito S.000 ar-
robas.
d fi
rnesraos arrestados, e mando que em seas livres,
papis e bens se ponham sellos na forma da lei, e
se proceda nos termos da arrecadaco.
Nomeia para o eargo de curador fiscal ao arre-
matante, e sejam convocados oscredores para o dia
7 do crreme mez nomearem depositario.
Publique-se a fallencia por editaos, ficando fixa-
4a a data da fallencia no dia tu do mez prximo
passado, desde quando consta a cessaco de .paga-
mentos.
Recife, 3 de mareo de 1883*.-Tristao de Alencar
Araripe.
E mais se nao conlinlia em dita sentenga, em
rriode da qual o escrivo respectivo fez passar o
presento, | po theor da qual convoco todos os ere
Farinha de trigo. A o'e Philadelphia e New-York dores dos ditos fallidos a compareeerem na sala
das audiencias, s II horas do indicado dia, para
que tenha logar a mencionada diligencia.
E para que o presente chegue ao conhecimento
de todos ser publicado pela imprensa e aflitado
na forma do eslylo.
Recife, 3 de margo de 1863.
Eu Manuel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
O Dr. Joao Antonio de Araujo Frcitas Henriques,
jalz de dircito do crime, e substituto do do com-
mercio desta cidade do Recife de Pernambuco e
seu termo, por Sua Magesiade Imperial c Cons-
retalhou-se de 17*000 a 19*000
a barrica e a de Trieste a 21*
e a do Chile realhou-se a 8*000
o sacco com 100 libras; ficando
em deposito, 3,500 barricas da
primelra, 14,500 da segunda,
9,500 da terceira e 4,500 saceos
da quarta; inclusive tros carre-
garoentos entrados durante a se-
mana.
Loncha.......... A ingleza vendeu-se com 320
por cento de premio sobre a fac-
tura.
Manteiga.......Vndense a ingleza de 600a
800 rs. a libra, e a franceza a
750 rs. a dita.
Maesas......... Venderam-se a 6*000 caixa.
Passas.........Mem a 3*000 a ma.
Queijos........Os flamengos venderam-se a
1*406 cada um.
Sabao.......... O inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 120
rs. a dita.
Toucinho....... Vendea-se a 7*900 a arroba, do
de Lisboa.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se a 100*
a pipa.
Vinhos.........Venderam-se os de Lisboa a
200*000 a pipa e os de oulros
parzes de 160* a 200*.
Velas........... As de composifo venderam-se
a 530 rs. o pacute de 6 velas.
Descontos.......O rdate de letras regulou a 12
por cento ao anno.
Fretcs.......... Para o Canal inglez 3>-a 37/6
5 % nominal, para Livorpool
12/6 5 % Pelo I"'" e s/ Vi d.
5 % pelo algodao.
MQYIMESTO SQ POETO
Natos entrados uo da 4.
Macelo 19 horas, vapor brasleiro Parahyba, de
104 toneladas, commandante J. J. Martins.
Bnenos-Ayres pelo Rio de Janeiro34 dias do pri
metro porto, e 2 do segundo, brigue brasleiro
Pallas, de 186 teneladas, capilao Porfirio Primo
da Costa, equipagem 11, carga 3300 quinlaes
hespanbes de carne.
Terra-Nova34 dias, patacho inglez GrenviM, de
139 toneladas, capilao Michael Power, equipa-
gem 8, carga bacalha: Johnston Pater & C.
dem43 dias, patacho ioglez Electra, de 195 to-
neladas, capite Wiiit, equipagem 7, carga baca-
Uno ; a Johnston Pater & C. Seguio para a Pa-
rahyba.
Liverpool 45 dias, barca ingleza /. 0., de 27 to-
neladas, capilao J.'liu Coltier,equipagem 13, car-
ga 800 barricas com plvora e outros gneros;
Tueodoro Chrisiiansen & C.
Navios sahulos no mesmo diaL
Rio de JaneiroPatacho brasleiro Viamun, capitao
Jos C. de Castro, carga assucar e 2 escraves a
entregar.
AracatyHiate brasileirn Novo Invencivel, capitao
Joaqiiim Antonia r'iguciredo, carga difierenles
gneros.
ParahybaPatacho inglez Monda, capilao Fordy-
ce, m lastro.
Para e portos intermedios Vapor brasleiro Apa,
commandante Antonio Carlos Comes.
Rio de Janeiro e portos intermediosVapor bras-
leiro Tocanlins, commandonle Io lente Pedro
C. Duarte
.Vjwo saludos no dia 5.
Porto Barca portugueza Sympathia, capillo Pau-
lino Antonio Caldoso, carga assucar e outros g-
neros.
Philadelpha Barca ingleza Imperador, capitao
Power, carga assucar.
Paros de que precisa a estrada do Porto de Galli-
nhas avaliadosem 7484000.
A arremalacao ser feila na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sot ar
clausas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
gao comparegam na sala das sessoes da referida
jirnta, no dia cima mencionado, pelo meto-da e
competentemente habilitados.
E para consaT se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tltesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de fevereiro de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Clasulas especiaes para a arremarao.
I* As obras dos reparos da estrada do Porto de
Calimbas sero feilas de conformidade com o or-1
carnelo Junto na importancia de 748*000.
2a O arrematante dever principiar as mencio-
i nadas obras no praso do 10 das* e conclni-las no
de 3 mezes, ambos contados da data d'arremata-
gao.
3' O pagamento ser realisado em duas presta-!
goes guaes, a prlmera quando tiver o arrema-1
lante feito metade das obras, e a segunda quando
tiver concluido todas as obras e entregue diflntiva-
mente.
4" Para tudo mais que nao esliver especificado
tltncional o Sr. D. Pedro II quem Dos guar- oas prsenles clausulas seguir-se-ha o que detef
de, etc. I mina o regulamento de 9 de julho de 1864 que re-
Faco saber pelo presente, que no dia 18 do mez ge esta repartiyo.
de margo do crreme anno se ha de arrematar por Conforme.
venda a qoem mais der em praga publica depois | Antonio Ferreira d'Annunciago.
da audiencia respectiva a escrava cnonla de nome | O Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da im-
me Leopoldina, que representa ter dez annos pou-
co mais ou menos, a qu3l est soffrendo de frial-;
dade, avahada em quatro ceios mil res, cuja es-
crava pertenceute Manoel do Reg Barros, e'
vai a praga por execugao quo contra o mesmo en-'
caminham Gurgel & Perdigo. E na falta de lici-
tantes sera' a arrematagao feila pelo prego da ad-
judjcago com o abatimento respectivo da lei.
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio, nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, por Sua Magestade
Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro II,
quem Deus guarde etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem, que no da 6 do mez de mar-
go do corrente anno, se ha de arremalar por ven-
E para que chegue ao conhecimenlps de todos da a quem mais der em praga publica deste juizo,
mandei fazer o prsenle edttal, quesera' affixado depois da audiencia respectiva, o sepilite : 4gi-
nos lugares do costume, o publicados pela im- gos, contendo, 1,700 canudas de vidro, para can-
prensa, dieiros a gaz e azeile, avahado cada um vidro em
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per- 100 ris, 170*, os quaes vo apraga, por execugao
nambuco aos 4 de margo de 1865. de Antonio Joo Ramos, contra Justioo Antonio
Ha Manoel de Carvaltio Paes de Andrade, escri- Pinto, e na falta de licitantes ser arrematagao fei-
vo o suhscrevi. ^ | ta pelo prego da adjudicacao com o abatimento res-
Joao Antonio de Araujo Fretas Henrlques.' pectivo da lei.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da im- > E para que chegue ao conhecimento de lodos
perial ordem da Rosa e juiz especial do coaimer-' mandei fazer o presente edital, que serEalJxado
co desta cidade do Recife capital da provincia no lugar do co turne e publicado pela imprensa.
de Pernambucoe seu taimo por Sua Magestade | Daoo e passado nesta cidade do Recife de Per.
Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro II a nambuco, aos 18 de fevereiro de 1863.
quem Dos guarde, etc. Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
Fago saber pelo prsenle, que perante este juizo' crivo o subscrevi.
e cartorio do escrivo que este subscreveu, corre Tristao de Alencar-Araripe,
urna execugao de senlenga por mandado de pre-
dito, ordenadas enire partes, a saber: como exe-
quente o bacharel Gabriel Soares Raposo da Cma-
ra, e como executados os herdeiros de Marcelino
Antonio Pereira, e pro.eguindo dita execugao os
seus devidos termos, proc<-deu-se a penhora era t'alxa filial do banco do Brasil
continuagao a prmeira que nao chegou para o pa- PwnimhiiM
gamen'.oda mesma exHCug.io, cmdinheiro naquan- reman nuco.
lia de 3:034*131, existente no deposito geral desta 14 de neiro de 1865.
cidade, pertencentes aos referidos executados, pelo De ordem da directora desta caxa, se convida
que era audiencia publica do dia 20 do corrente I aos credores de sebastiio Jos da Silva a vrem
mez, pelo solicitador Antonio Carlos Pereira de: receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
Burgos Ponce de Len, procurador do cxequenle, raleio Ibes toca da venda de urna das proprieda-
fra feito o reqaerimento do theor seguinte : des, quesegundo a concordatario foram entregues
Aos 20 de fevereiro de 1865, ne>ta cidade do Re- para serem vendidas.O guarda-livros,
cife de Pernambuco, em publica audiencia que aos
DECLAIACSES.
Arsenal de perra.
De edem do 9r. director do mesmo arsenal se
convida aos operarios de espingardeiros, laloeiros,
correeiros, coronheiros e tanoeiros, para trabalha-
rem por empreiladas oeste eslabelecimento : os
interessados comparegam ao referido arsenal, das
9 horas as 3 da tarde, a eotenderem-se com o
mesmo senhor director.
Directora do arsenal de goerra do Pernambuco
10 de margo de 186J.O escriturario,
Jos Alfredo dw Carvalho.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para o corno de voluntarios da patria
2,000 covados de panno azul.
2,800 capotes de dito.
1,400 covados de baeta verde.
50 covados de casemira verde.
25 ditos de ditaamarella.
133 varas de auiagem.
2,300 varas de algodaozinho.
3,000 ditas de brim branco.
4,000 boti-s grandes de metal amarello.
2,800 ditos peqoenos de dito dito.
rara proviinento dos armazens.
7,500 varas de brim branco,
7,auO ditas de brim da Russia.
500 meios de sola.
6 chapas de lato de n. 15.
6 arrobas de rame de laiao de n. 7.
6 ditas de di lo dito de n. 8.
6 ditas de du dito de n. 12.
Para a aula dos menores do mesmo
arsenal.
7 Simaos de Nantua.
40 Economas da Vida Humana.
100 cartas de A B C.
30 taboadas.
?00 canelas.
2u traslados do bastardinlio.
30 ditos de bastardo.
50 ditos de A B C.
As pessoas que quizerem vender laes artigos
apresentem sus propostas em carta fechada na
sala das sesses do conselho, as 11 horas da ma-
nhaa do dia 8 do.corrente.
Sala das sessoes do conselho de compras do ar-
senal de guerra Io de margo de 1865. O en-
carregado da escriplurago,
Manoel Jo-e de Azevedo Santos.
Para o Porto pela liba de S,
Miguel.
O **H*m e bn oonbecido brigue nacional A-
melt pretende Jfgolr eom morra birvidade, tem |
parte do sen carregamento engajado, para o resto 11
quelhe falla e pnssageiros, para os i|uaes tem ex- s
celleales commodos : trata-se com os seas coosig-
natanos A. Luiz de O. Azevedo & C. no seucscrip-
-oriona roa da Cruz n. I. _________________
COMPANHM PERNAMBUGANA
DE
%arega^3o eostelra por Tapor.
Parahyba, Natal, Macio, Aracaty, Cear
Acarac e Granja.
No dia 7 de margo crrante se-
gu para os portos indicados um
dos vapores da companha. Rece-
be carga at o da 6. Enrommen-
_ 'das passageiros e dinheiro a frete
at 2 horas da tarde do dia da sahida : escriptorio
no Forte do Mallos n. 1.
ara Lisboa.
Pretende seguir com muita brevidade a barra
ponugueza Irnriqncta, lem parte de seu carrega-
mento prompto : para o resto trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oveira Azevedo &
C, uo seu escriptorio ruada Cruz n. 1.
Para o Kiode Janeiro
pretende seguir com mnila brevidade o brigue es-
Joioda3ilva Ramo.", medico pela Un
fersj(lade de Coitnbra, d consol las em
so casa da 9 s 11 horas da manha, e
das46d tard. Visita oadoentes
era aaas casaa reaularmente dss horas
para o designadas, salvo m casos ur-
gentes, que sern soccorriilos tm qual-
quer oeeasio. J) consullas aos Abres
que o procwarera no hospital Pefco II,
aonde eiieoHtrado diariamcBle das 6
as 8 horas da manha.
Trui sea casa de sade regulaMpente
monrada para receber qualquer dxiente,
anda mesmo os aenvdns, para o que
lem commodos apropriartos e nella nra-
tiea qualqoer operagaocirnrgica.
Para a casa de tude.
Prmeira classe 3*OtWdiarios.
Segunda dita.... 2*50r >
Terceira dita.... 2*000 >
Este estabelecimento ja beftadredi-
tado pelos- bons servicos que sem pres-
tado.
O proprieario espera qne elle eont-
nue a merec?r ,i conflanga de qo# em-
pre tem gozado.
mmBRb
^S
Grande u-azciu de Untas,
BOA DO IMPERADOR .\. 22.
O armazen de tintas um grande djfposrtf) de
cuna Joven Artknr, tem parte de sen carregamon- productos ciiimicos uieusw u <>s maiseminegados
to engajado : para o resto que Ihe falta trata se e usados na i>harmaci*,|>i>au'ra.r'hotorapl>ia. tln-
coraos seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-, tu|*ar|a, pyrinechiiiia(r.jgosdeariilicio) oens outra
veira Azevedo 4C., no seu escriptorio ra da inouslM*.
Cruz n. 1 Mouudoaaa grande oeaU, PWfprdo-se di-
---------- ----,--- reclmenle ias Minciiwts ilrujianiastbPars, Lon-
PfLT'fl, t iiid til* iftnpiVi' *"*** H*"*"f^*< e f4toa, pde^Ifereceer
rilfa U iiW Ut, JUilLI '^.producios K-viesa coulianrae s*tisfazer qualquer
segu em poucos das o brigue nacional Jfm'7iMz'nr-nmmendaagros$o tr*ta e arJalhu, Horprecos
de Olinda por ter o seu carregann-nti) quasi com- ; razoavds.
pleto : para o resto que Ihe falta e escravos a fre- Prvida ie machinas -apprcpriadas satisfar
| te, tratase com Manuel Ignacio de Oliveira & Fi : com prompHdO qualqusr uediilo ere tintas muidas
Iho, largo do Corpo Santo n. r*.
Para Lisboa
pretende sabir em poucos das o patacho porluguez
O administrador da recebedona de rendas
internas geraes, em cumprimento do disposlo na Jarro por ter a maior parte da carga tratada, e pa
portara n 130 de 28 de dezembro ultimo, do Itlm. ra ? Pu^ Que Iha falta trata-se cem os consigna-
feilo; e as parles fazia o Dr. juiz de direito espe
cial do cominercio Tristao de Alencar Araripe,
nella plo solicitador Antonio Carlos Pereira de
Burgos Ponce de Lefio, procarador do exequente,
fora aecusada a penhora feila em dinheiro na
quanliade 3:051*631, existente no deposito publi-
co desta cidade, pertencentes aos executados os her-
deiros de Marcelino Antonio Pereira, requerendo
que nao so Qcassem assignados os seis dias da lei,
penhora, como os dez dias aos credores incertos
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da directora desla mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22." di-
videndo de 10* por aego.
O guarda lvros,
Ignacio Nunes Correa.
GOMPANHIA PEilNAMBCANA,
De ordem do conselho de direcgo sao convi-
dos referidos executados, 'para cujo fim se Ihe des- da!los os Srs- accieoislas a reuoirem se em assem
se os editaes do estylo. O quo ouvido pelo juiz
cima o deferio.
Exlrahi o presente do protocollo de audiencias e
junio o respectivo mandado de penhora. Eu Faus-
tino Jos da Fonseca, esc.-evente juramentado o es-
crevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo o subscrevi.
bld geral no dia 9 de margo prximo, ao meio
dia, no'segundo andar da casa n. 11, na praca do
Corpo Santo. Pernambuco, 24 de fevereiro de
1865.
O gerente,
F. F.Borges.
Conselho de compras navaes
Contrata o conselho no dia 6 do corrente mez,
Sr. inspector da thesourana de fazenda. avisa aos
devedores abaixo declarados, da dizima de chan-
cellara averbada, relativa a causas, cujas senten-
gas passaram em julgado no juizo especial do com-
mercio desta cidade no trimestre de oulubro a de-
zembro do anno prximo lindo, que venham pagar
os seus dbitos dentro do prazo de oito dias, conta-
dos da pubhcagflo desle, dudo o qual, se proceder
a cobrangaexeculiva ; a saber :
Octaviano de Souza Franga, Francisco Antonio
de Oliveira e Masoel Couveia de Souza, a quantia
^ de 26*182, contra quem foi julgada a acgo de le-
tra de Antonio Correia de Vase^ncellos & C, como
arrematantes das dividas da rnassa fallida de Joo
Jos de Figueiredo.
Francisco Jos Silveira a de 50*, conlra quem
foi julgada igual acgo de Luiz Autooio Vieira.
Ilenrque Luiz de Barros Wanderley a de ris
33*357, contra quem foi julgada igual acgo de
Manoel Joaquim Ramos e Silva.
Jos Victorino de Paiva e Theoionio da Silva
Vieira a de 200*020, sastra quem foi julgada igual I
acgo de Kalkman, Irmes & C.
Os inesmos a de 74*317, contra quem foi julga-
da igual acgo de Liden Wild i C.
Joaquim Cavalcanii de Albuqnerque Mello a de
86*936, contra quem foi Julgada Igual acgo de
Jos Maria Ferreira da Cunha.
Antonio Bao a de 222*990, contra quem foi jul-
gada igual acgo do Manoel Carpintelro da Silva.
A viuva e herdeiros de Joo de Sania Rosa Mu-
niz a de 609159, contra quem foi julgada da acgo
ordinaria de Joaquim Baptista de Souza.
Mignel Vieira de Mello e Joaquim Jos Silveira
a de 39*116, contra quem foi julgada igual acgo
do Novo Banco de Pernambuco.
tarios Palmeira & P>eltro,
n. 4, primeiro andar.
largo do Corpo Santo
Para
Segu brevemenie para o indicado porto o haic
a oleo, cuja qualidadpe pureza de :,eu ingredien-
tes poder* ser examinada pelo cunjajmidor, o que
nao fcil fazer com aquellas quoso importadas,
e que se euconlram no mercado einlatasfechadas.
Tem grande Colleccao de vi.Iros de diTerentes
formatos, desde urna oitava at dezeaeis ongas de
eapaeldade; de vidros para vdracas e diamantes
! para corta-Ios: de pinceis para fingir madeira com
i propriedadee outro<; de papis donrados e pra-
leados; folhas de gelatina para ornamento : de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
paraemlirtilho, para forro de casa, para d-senho
Lindo Paquete, capitao lenrique Antonio do Ama- -com fundo j feito; de papel albun.'ioado e !!
Segundo o que assim se cootinha em dito reque-! sob as condicSes do eslvlo e per lempo
rmenlo de audiencia, depois do que o respectivo zes Qnd0s em moho prximo, lavase
J. Carpenter, carga assucar.
Observaco.
Nao houveram entradas.
de tres me-
_m de roupa
escrivo Manoel de Carvallo Paes de Andrade, que dos estabelecimenlos de marinha, e o fornecimento
Liverpool Br.gue inglez omf, capitao Thomaz : este subscreveu e fez passar o presente, pelo qual a estes c aos nav.os da armada de arroz do Marat
i e seu theor chamo, cito ehei por citado a todos os |,ao, agurdente branca de 20 graos, assucar
i credores incertos dos mencionados executados, pa- branco grosso, araruta, aletria, assucar branco re-
ra que dentro do prazo ae dez das comparegam finado, azeile inferior, azeito doce de Lisboa, baca-
ante este juizo, allegando e provando tudo quanto iho, bolacha, bolachinha americana, carnauba em
for a bem de seu direito e justiga, sob pena de se velas, cevadinha, cal preta e branca, carne verde,
proceder as suas revelias. cha hyssoo, carne secca.caf em grao, cangica ou
Epara que chegue ao cinhecimento de todos mlho ntlaJo, Teijao, farinha de mandioca da trra,
n n T ,- .. mmmm ,-,, i Paadei Pas*ar_ presente que sera publicado pela galinhas, lenha, manteiga ingleza e franceza, mate,
O Dr. Trislao de Alencar Arar.p-, offlcul da im- imprcnsa e afflxado no lugar do coslume. ^o, sal, sabao, lijlo d* alvenara grossa, touculi
penal ordem da Rosa, ejiiz de direito especial Dado e passado nesta cidade do Recife de Per- j de Lisboa, tapioca, vinagre de Lisboa, velas estea-
nesta cidade do Recife de Per- nambuco, aos 28 de fevereiro de 1863. rias e viuho de Lisboa.
EDITAES.
ral, paraalguma carga que pode ainda receber
trata-se como respectivo consignatario Antonio de
Almeida Gomes, na da Cruz n. 23, primeiro
andar.
Rio de Janeiro.
Pretende sahircom brevidade para aquellepor-
to o brigue Cruzeiro do Su!, ainda recebe nlguma
carga eecravos a frele : a tratar com Marques,
Barros & C.
LEILES.
Lelo ile imponanlcs dividas.
Martins levar novamento a leilao as dividas
activas da rnassa fallida de Joaquim Vieira Coelho
& C, na importancia de 81:661*324 rs., sendo
50:581*963 rs. em contas de livro e 31:079*339
em letras.
HO#JE
Em seu escriptorio ra da Cadeia do Recife
9, as U horas. ____________________
verdadeiro saxe para photogranhia e para lilirar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira. copal para o interior e ex-
tei ior ; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de linhaga
clarificado, oleode oielet, secalivode llarfn. euro
verdadeiro em p ; prata, euro, e eslanbo em fa-
llas de varias cores ; tintas vegetaes, Inolfensi-
vas proprias para confeilaria; lar de < :">res, e
olhos de vidros para imagens ; lila em tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
j ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
| rol y, jasmim, bergamota, aspice, palchonly, mbar,
I bouquct.limao, alcaraiva, melissa, ortelaVpimenta,
louro.cereja, alfazema, Portugal, lima, lonrpero.
ans da Russia, canella, cravo o muitos outros ob-
jecios que sconi a vista poderaosaf mostrados.
Joo Pcdr das Heves,
Gerente.
Leilao
iem lmete.
De 2 mobilias de Jacaranda com lampo de pe-
dra, 1 cama franceza, 1 mesa elstica, 2 marque-
Joaquim Silvtno de Souza eJoaquiai Jos Silvei-1 zas, 1 machina para costura, 1 guarda roupa, 2
ra a de 39*116, contra quem foi julgada igual ac- commodas, 1 cabide, 2 cadeiras de balance, 2apa-
go da direccao do Novo Banco de Pernambuco. radores, 1 lavatorio com pedra, 1 candelabro, 2
Antonio Jos Pereira de Miranda a de 20*200, |donas de calixes, 2 ditas de copos, 2 garrafas, 2
contra quem foi julgada execugao que prornoveu candieiros a gaz, 2 redomas, 1 relogio de prala
contra Manoel Peres Campello de Almeida e Ben- patente suisso, 1 bomba de Japy para regrar tlo-
famim Peres Campello, sendo embargante 3o Jos res e capim, diversos quadros e outros objectos
Peres Campello de Almeida. | de gosto.
Recebedoria de Pernambuco, 2 de margo de.Terga-feira 7 do crtente as 10 horas, a ruada
Cruz n. 24, primeiro andar.
Cordeiro Snnoesauorisado por urna pessoa que
Jos Soares d'Azevedo, | ro ssr.i g i e
Nagua e I literatura n.-iciocal ao Gyn nasio
Provi. cial do Recife tem aberlo cm SHa
n. casa, ra Bella n. 37, um curso especial
I para cada una das seguinles disciplinas:
LINGUA FRANCEZA,
GEOGHAPIIIAE HISTORIA.
PHILOSOPHI RACIONAL E BWRAL.
RHETORICA E POTICA.
As pessoas qud sejareti esiudsi rjual-
querdesles preparatorios podem dii igir-se
indicada residedeia, de man aa s *
horas e de tarde a qualqu r hora.
do commercio nesta cidade do Recife de Per-
nmbnco. por Sua Madestade Imperial e Consli-' Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade. escri-
tucional o Sr. D. Pedro II, que Dos guarde, etc. | vo o subscrevi.
Fago saber aos que o presente edital virem c[ Tristao de Alencar Araripe.
delle noticia tiverem, qne por parte de Joaquim O lllm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
Monteiro da Cruz me foi dirigida a peticao do tneor; cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. prc-
segeinte : lllm. Sr. Dr. juiz de direito especial sidente da provincia de 23 do corrente, manda fa-
do commercio. Diz Joaquim Monteiro da" Cruz
que, sendo credor de Adelino Candido Carnciro da
Cunha, pela quantia de 439*468, alm dos juros
estipulados, debito este proveniente de urna letra
sacada pelo supplicanle, acceila pelo supplicado e
vencida em 3 de margo de 1860, quer o supplican-
te protestar contra o supplicado nos termos do ar-
tigo do cdigo commercial, afim de que se nao rea-
lice a prescripcao. E porque o supplicado se achc
ausente desta cidade, em lugar incerto e nao sabi-
do, o supplicanle requer a V. S. sirva-se de man-
dar tomar por termo o seu protesto, e admilli-lo a
jusiifiesr a ausencia do supplicado para que, julga-
da por sentenga a justiflcago, seja o protesto inti-
mado por edictos, guardadas as formalidades da lei
e do eslylo. Pede V. S. deferimento. Espera
receber merc.Costa Ribeiro.
E mais se nao conlinha em dita petigo aqui mui
bem e Fielmente copiada, na qual dei o despacho do
theor seguinte : Justifique no dia 22 do corrente
mez, s 1 i horas da manha. Recife, 20 de feve-
reiro de 1865.Alencar Araripe.
E mais se nao conlinha em dito despacho aqui
mui bem e fielmente transcripto e copiado. Em
virtude de qual fora a mesma peticao distribuida
ao escrivo deste juizo Manoel Maria" Rodrigues do
.Vascimento, o qual fez lavrar o termo de protesto
do thoor seguinte : Aos 5 de fevereiro de I8r)3,
nesta cidade do Recite em meu cartorio, perante
mim e as testemunhas infra assignadas, compare-
zer publico, que no dia 16 de margo prximo vin-
douro, parante a junta da fazenda da mesma Ihe-
souraria se ha de arrematar quem por menos li-
zer, os reparos de que precisa a ponte dos Carva-
Ihos sobre o rio Jaboalo, avahados em 350*000.
A arrematagao ser feita na formada lei provin-
cial n. 313 de 15 de maio de 1851, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
gao comparegam na sala das sessoes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se maudou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de fevereiro de 1865.0 secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Clausulas especiaes para a arrnnatacao.
1.* Os reparos da ponte dos Carvalhos sero fei-
tos de conformidade com o orramento junto na im-! seal de guerra 3 de marco
portancia de 550*000. | gado da escriplurago,
Manoel Jos de Azevedo Santos.
E convida o conselho aos pretendcnles a esses
contratos apresentarera suas propostas no refe-
rido dia 6 do corrente mez, at s 11 hora da
manha.
Sala do conselho de -compras navaes, 2 de mar-
o de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
O conselho de compsas do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
Para o deposito de recrutas.
133 bonets redondos.
132 esleirs.
133 mantas de laa.
672 1|2 varas de brim branco.
320 varas de algodaozinho.
Para o corpo de volutanos da palria.
400 gorros com as cores nacionaes.
500 mantas de laa.
200 bonets redondos.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,
apresentem suas propostas em carta lechada, na
salando conselho, as 10 horas da manhVi do dia 8
do correle.
Sala das sessoes do conseiho de compras do ar
de 1863.O encarre-
2.a As obras devero ser principiadas no prazo
de 10 dias, e concluidas no de 3 mezes, ambos con- \
lados da dala da arrematagao.
3." O pagamento ser realisado em urna s pres-'
tago, quando o arrematante tiver concluido todas,
as obras e entregue definitivamente.
Inspec^o do arsenal de ma-
rinha.
Faz-se publico que a commisso de peritos exa-
-.Mi- i> t-uiio.uc u-riiiiiiiii'iiti. i*
4- Para tudo oque nao estivr especificado as m,nando D* formado erminada no regulamento an-
ceu o supplicaot* por seu procurador Joo Caetano i tigo
de Abreu, e por elle foi dito que reduza a termo o '
prsenles clausulas, segur-sc-ha o que dispSo o
regulamento de 9 de julho, que rege esta repar-
Cooforme,
Amonio Ferreira d'Annunciago.
contando de sua petigo retro, a qual oflerecia co
mo parle do prsenle, no qual, depois de lido, se I
assignou com as indicadas testemunhas; do que "lra- Sr- inspector da thesouraria
liz este termo. Eu Manuel Silvino de Barros Fal-1 cial, em cumprimento da ordem do Exm.
provin-
Sr. pre-
co, escrevenle juramentado, o escrevi; eu Manoel
Maria Rodrigues do Nascimento, escrivo, o sub-
screvi.-Joo Caetano de Abreu.Manoel do Nas-
cimento Paiva Joaquina Pinto de Barros.
E mais se nao cootinha em dito termo de pro-
testo aqui mui bem e lielmenls copiado. E tendo
o supplicanle produzido suas testemunhas, sellados
e preparados os autos, subiram a minha conclusao
nelles dei a seutencado theor seguinte : Julgo sn'as especiaes abaixo copiadas,
procedente a justificago; e asslm mando quo o" _As pessoas qne se propozerem a esta arremata-
supplicado seja citado por edictos de trinta dias pa- cao comparegam na sala das sessoes da referida
ra o fim requerido. Recife, 28 de fevereiro de j junta, no da cima mencionado, pelo meio dia e
'. sidenle da provincia de 20 do corrente, manda fa-
zer publico que no dia 16 de margo prximo vin-
douro, peranle a junta da fazenda da mesma the-
souraria, se ha de arrematar quem por menos fi-
zer, os reparos indispensaveis da cadeia da villa do
: Cabo, avahados em 345*.
A arrematagao ser feila na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
1863.Tristao de Alencar Araripe.
E mais se nao conlinha em dita sentenga aqui
mu bem e fielmente copiada. Por forga da'qual o
referido escrivo fez passar o presente edital, pelo
qual chamo, cito e bei por citado o referido suppli-
cado, para qne comparega oeste juizo dentro do in-
dicado praso, afim de allegar o que for de justiga.
E para que chegue ao conbecimcnta de todos,
niindei passar o presente que ser publicado pela
impronta, e afxado no lugar do costume.
Recife, 3 de margo de 1863. Eu Manoel Maria
Rodrigue do a*oneMo, escrivo, o subscrevi.
Tristao de Alencar Arartpe
C Dr. Tristao de Alencar Araripe, oITcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do commer-
cio desla cidade do Recife de Pernambuco e seu
termo, por Sua Magestade Imperial, que Deus
guarde, etc.
F.ico saber aos que o presente edital virem, que
a requerlmento de Jos J -nqnim da Costa Maia,
1- ra aberta a fallencia de A. B. Cuervo & C, pela
senleDca do th> or seguinte :
Veodo-se destes autos de aresto a que se proce-
d ii a reaaeritn.'nt d Jo? Joaquim da Cusa
Miia, que 06 arcslados A. B. Cuervo &G. aclmra-
..! insolventes, hci por declarada a fallencia dos
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 27 de fevereiro de 1865.O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1." As obras dos reparos urgentes da cadeia da
villa do Cabo, sero feitas de conformidade com o
orcainento junto na importancia de 343j000.
2." O arrematante dever principiar as dilas
obras no prazo de 10 dias, e conclui-las no de 60,
ambos eontados da dala'da arrematagao.
3.* O pagamento sera' realisado cm una s
prestagao quando o arrematante tiver concluido to-
das as obras e entregue definitivamente.
4 Para ludo mais que nao esliver especificado
as presentes clausulas seguir-se-ha o que deter-
mina o regulamento de 9 de julho de 1864.
Conforme,
Antonio Ferreira d'Anounciaco..
O lllm, Sr. Inspector da thesotirati* provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm Sr. presi-
dente da provincia de 23 do corrente, manda fazer
publico que no da 16 de margo prximo vindeura
perante a junta da fazenda da mesma thesouraria, i
se ha de arremalar quem por menos fizer os re-.
nexo ao decreto n. 1,324 de 5 de fevereiro de
1834, o ca co, machina, apparelho, mastreacao, ve-
lame, amarras e ancoras do vapor Persuuinga da
companhia pernambucana de navegago costeira;
achou todos esses objectos em regalar estado.
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
co, 4 de margo de 1865.
S. C. dos Santos.
Servindo de inspector.
Nao tendo sido contratada, como fura annun
ciado, a impresso e publicar) dos trabaihos da
cmara municipal desla cidade, a mesma cmara
de novo convida quelles que quizerem contratar
apresentarera as suas propostas no dia 7 do cor-
rente, no seu pago, as 12 horas da manha.
Pago da cmara municipal do Recife 1 de mar-
go do 1865.
Luiz Jos Pereira SimOes,
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
Santa Casa de Misericordia do
Iteeife.
A lllm janta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite manda fazer publico que
no dia 9 docirreule, pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sesses continua aira praga por i
tempo de 1 a 3 annos as rendas das casas abaixo
declaradas : o pretendentes devem comparecer
acompanhados do seus fiadores ou munidos de
cartas destes.
Patrimonm de orpios.
Ra do Vigario sobrado de '2 andares
n. 27......... MMOOe
Ra da Senzala Velha sobrado de 2 an-
dares n. 131......450*000
1865.Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
De ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica
se fez publico por esta repartigo, para conheci-
mento de quem inleressar possa, que se acha pre-
so na cadeia da villa de Piracuruca da provincia
do Piauhy, o crioulo de nome Paulino, que diz ser
escravo de Joaquim Severiano Leite, morador nes-
la provincia no lugar denominado Barra do Libe-
ral, segundo consta da commumeago do respec-
tivo Dr. chefe de polica de 12 de Janeiro ultimo.
se retira para fora da provincia
objecios cima mencionados.
far leilao dos
I.eila de fazcuilas avariadas.
Quarta-feira 8jde margo.
Mills Lathain <& C. faro ieilo por inlcrvengo
do agente Plato e por conia e risco da quwn per-
tencer de diOerenles far.endas ingiezas, taes como
Secretaria de polica de Pernambuco 1 de mar-; aadapoleS) a|goti6es, chitas e saceos 'vazios
co de 1863.-0 secretario,
Eduardo de Barros Falco de Lacerda.
ATTENQnO.
Pela delegaca de polica do termo de Pao d'A
Iho foi preso no dia 24 do corrente o moleque
crioulo de noine Bibiauo, que declarou ser escra-
vo de um senhor morador na Capunga, tendo sido
anteriormente do Sr. Plinio Cavalcanti : quem se
julgar com direito ao mesmo comparega compe-
tentemente habilitado. O delgalo de polica em
exercicio, Luiz Candido Carueiro da Cunha.
Aviso
aos navegantes.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhecimento dos navegantes, que a
ava-
hados a bordo dos navios inglezes tChance e
.ElizabethBarter as 10 horas do dia cima dito
em sen armazem a ra da Cruz n. 38.
Leilao de duas machinas a vapor
Sendo :
Urna portavel, forca de 14 cavados, sobre rodas,
com ealdeira pateple e todos seus pertences.
A litga-se
urna casa acabada agora, com cnmmndos para fa-
milia, estribara, cocheira, quarlos para feilor
escravos,com banho na porta, no lugar do Pee*
da_Panella,rua do Rio : a tratar com Tasso ir-
maos, na_rua do Amorim n. 35.
Maria d'Assumpgo de Andrade Luna, pro-
fessora pnbliea da terceira cadeira da frepuezia de
S. Anlnnio desta cidade faz saber a quem irrteres-
sar que tem abertoa sua aula ra da Florentina
casa n. 6.
Precisa se de urna ama serca para rasa de
pouca familia e paga-so bem : a tratar a ra da
Cruz n. 62, segundo andar.
Fortoo se, na Baixa-Verde, de poder do abai'
xo assignailo, no dia 28 do corrente, um relngo
de prata horizontal, de 3139, e nina corrente ou
cadeia de prala : quem aprehender esses objectos.
levndoos a casa do abaixo assignado, roa da (uia
ni ...i- iii [mi i. i .-.i.- j 11 mi -. >
Oulra tixa e orisoulal, forca de 12 cavados com \ n- 4o. sera enerosamente gratificado, assim como
ealdeira e mais perlences.
Quiola-fera 9 de margo, em frente a
Associagao Commercial.
O agente Pinto fara leilao por conta de quem
pertencer das duas machinas a vapor cima des-
criptas proprias para engenho, as quaes se tornara
recommendadas pela sua perfeigo e par serem
dos melhores fabricantes de Inglaterra, os preien-
itentes podero desde ja' examinaren! ditas ma-
o mesnio abaixo assignado previne que pessoa al-
gurna faga negocio cun dito relogio. .
Henrque Leonardo.
boa do extremo do sul do banco do iuglez que ha- chQas para 0 l|u0 "poderao entenderem-so com o
va sidolangada praia por Ihe haver arrebenta-
do aamarragio, foi novamente collocada. demar-
cando-lhe o pharol do picao ao O 1/2 N O, e a lor-
redo seminario de Olinda ao N 1/2 N O, rumos
magnticos, e em fundo de 5 bragas, exactamente
node termina pelo sul o Recife que forma o banco
nglez. Capitana do porto de Pernambuco 4 de
fevereiro de 1865.O secretario,
Decio de Aquino Fonsec.
Aviso aos navegantes
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhecimento dos uavegantes, que no
da 18 do cjrrente foi novamente collocada, e na
mesma posige, a boia que marca o termo dos
iiaixos de Olinda ; e a qual havia sido arrojada
; raia por Ihe haver faltado a amarra.
Capitana do porto de Pernambuco 18 de feve-
reiro de 1865.O secralario,
Decio de Aquino Fonseca.
i'o'Tcio geral
Pela adoiustrago do correio desta cidade se
faz publico para fins convenientes que em virtude
do 'ii.-posto no art. 138 do regulamento geral dos
correios de 21 de dezembro do 1844, e artigo 9 do
decreto n. 785 de 15 de maio de 1851, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
go pertencenlcs ao mez do fevereiro de 1864, no
da 6 de margo prximo, as il horas do dia, na
porta do mesmo correio, e a respectiva lista se
acha desde j expesta aos interessados.
Administrago do correio de Pernambuco 20 de
fevereiro de 1865.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
mesmo agente em seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero 38.
Leilao ipiinta-feira 9 do corrente a na da
Caeia do Resfe n. 53, armazem.
Pelo agente Euzrbio
se far leilao de daas casas terreas em chaos pro-
prios sitas na Capunga roa das Crioulas hs. 39 e
41, os pretendentes sao convidados ao previo exa-
rae e compareeerem n" acto do leilao.
AYISOS B1TEBS8S.
LOTERA
Preeisa-se de urna ama
saiba eozinhare engommar :
to n.-20, segundo andar.
forra ou captiva que
na roa do Livramen-
Atten$lo.
Precisa-se de um caixeiro com praiica de mo-
Ihadose que d fianga sna conducta : no arma-
zem Garanta, ra do Imperador n. 11.
Cm sillo. "~7"
Alnga-se nm excedente sirio na estrada do<
Afietos, tendo casa terrea e sotan, rom capacita-
rte para morada de grak familia, diversos arvo-
redus de Tractos, e murta1 ourras commodidades
que com a vista se reconheccra : a tratar na ru*
da Cadeia dn Recife n. 57.
Kt ten cao.
Jos Joaquim de Nwsm faz seiente ao respeila-
vel publico ea todos os senhores ofilciaes do sxer-
cito e da marinha que contini a ter sna easatsor-
! tida de fazeodas e roupas fritas, e por medid;'.-: no
largo do Livramento n. 34.
Aos 10;O0O>000 c 3;'>00$0O0.
Sexl-e ra 10 de raan;o t r lugar ex-
traccao da 2a parte da 4a lotera da Santa
Eacanamento d'a^ua.
Prccisa-sc de urna pessoa Cisa rfaItise'.rcrjrdra (8a) no consistofio da concertar eucaiiaraeat d'apa defa-
7IS0S MABITIMOS.
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
3iavega liria de Fernando de Noronlia.
No dia 14 d margo prximo,
,_i Becco das Boias, dem n. 39.....5004000
Ruado Amorim, casa terna n. 26. 804000
Ra de S. toncalo, dem n. 22. 1834000:
Cardade.
Ruada Gloria cara terrea n. 65. li'i,500O
Travo-sa do Carcereiro idem n. II. 120000
Secretaria da Santa Casa de Misereordu do Re-'
cife 9 de marco de 1865.
O eoriva,
Francisco Antonio Cavalcao Coussaro-.
um d.*s vapores da companliis,
para o presidio d PernaLo. Re-
eber carga at odia 13. Encom-
rrtendas, passageiros e dinheiro a frete at 9horas
da msnha do da da sahida : escriptorio no For-
te do Mattos n. 1.
igreja de Nossa Senhora do Rosario da fre-jsas aar|iiiil|ri ; a U-alar Ha livraria
gea 4e Santo Afttoflio
Os billietes.jaeiose quartos esto a ven-
da na respectia thesouraria ra do Civs-
pn n. 15.
Os premios de 10-0000000 at 206000
sfcro pagos urna hora depois da extraerlo
a| as 4 horas da tarde, e os outros depois i
de distribuifitodas lista.
As encommeodas s se guardaro atr> a
no i te da vespera da extracc3o como de cos-
time.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AX3
luga-se om
Suito propria i
* : Man m aa mssana ra rtr ?*-,
Aluga-se orna boa sala com ca^a do entrada,
mito propria para escriptorio, na ra do Impera
nfhiszcftj ^T^,I
rantia.
Francisco Jos Goncalves da Silva faz scion-
te ao respeitavel publico e cora especialidade ao
corpo do commercio, que so retira temporariamen
i te para fora do imperio, e duraaie sua ausencia
deixa por seus procuradores om Io lugar o Sr.
A galera Vota Fwna, de prmeira classe, segu {os1 Joaquim da Silva Comes, u, os seus socios Joo
para os portos indicados at o da 15 de margo, Jos dos santos Lima e poartc Antonio de M-
por lar a maior partde sen carregmento promp-1 ran(*a-______________ '
to:parao resto da carga e passageiros paraos Na ra do Cresiw a. 14, primeiro andar, pre-
quaes tem encllenles commodop, trata-se com Cn- i cisa se de costureiras qne trabalhea e alfxlatc e
nha, Irmaes & C, oa com o w^h n praca. com perfeigo. com BJachina ou s*mella.
Porto e Lisboa
ns. 6c 8 da praca ila toiepik.ndene*l.
1) iiacharel Jos Uaplisla (iiiii-uia[|
a advoga nos termo-; do Bonito e Garuar. fi
S Pode ser procurado na villa cV) Bonito, *
51 rm Dreita n. 16, defronte da aifeia. fl
.-.nrtsj p?aasiMini9i'?a>c-
mmB
Lava-se eengormna-se cora toda a perf-.igo :
na roa dos Pires n. Si.
Aluga-se urna ca ITova n'.3fi,ralilicada.de ivo com tres grandes
quartos, quiotnl e cacimba, eom porlSo que deita
para a ra de Apolo,j)riiMria>|tara uma familia :
4Hmi nreteoder dinja-sea roa Nuva botica nn-
mro*H.
Ahi*-SH o segmiilo e lufoetro awaWts do so-
brado n. 65'da rtw da ftm coin commndos cada
nm MMs para grande familia, M qM s se sobara
IMiiliikw l iiiiiin pui acakir d>; ser dito sobrado
concertado : e aliatar uo prmeira andar com o
prr.prietario bacharel Franciseo Luiz Correia de
Andrade.
Livro do Poyo.
O livro do povo, obraornada com estampas,con-
tendo a vida deNosso ,-enhor JessChrisin. e mu-
tos artigos uteis. Este livro das familias rerom-
mendado eapprovado pelos Exms. Srs. D. Luiz
bispo do Maranho e D. Manoel arcebiapo da Ba-
ha, vende-se a 1400o cartorado, na livraria da
Jos Nogueira de Souza, ra do Crespo n. 2.
V^
f I r aii ja T


Diario de Pernambueo .- Segunda feira de Mareo de i9*.
INJECTION BRO
XAROPE
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
Maa)IACB " Este wrope, regularisando as funccoes do estomago e intestinos, destroe essas
indisposifocs proleiformes, e faz abonar as molestias de que sao indicios precurso-
res. Mdicos e docales tem reconhecido que resubelece as indigesloes, fazendo
desapparecer os pesos de estomago, que calma as eaxaquecas, espasmos, e eaimbras,
que sao resultado de digestdes penosas. Seu gosto agradavel e a acilidade com quo
se soporta, o tem ftito adoptar como especifico infallivel das doencas nervosa',
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de etttrankas, palpitares, dores de
corceo, vmitos nervosos; sua aeco sobre a* funccoes assimiladoras tal, que oa
mdicos mais Ilustres o tem adoptado por rescipiente real dos dous primeiros
agente* therapcuiicos: o odureto de Potassa e o Proto-Iodureto de ferro, leudo
observado que debaixo de sua inlluenau, primeir perde sua accao irritante, e o
segundo sea effeito adstringente.
XAROPE FERRUGINOSO
XAROPE OEPURATIVO
De cascas de laranjai amargas coa Io-
iureto de potassa.
iedurtto de polas, aci...uistrado ra
solacio oa dtbaixo da forma solida, ansa ao
doente urna grande repugnancia, ou determina
aceideatos que o forcio i renunciar a esta
raedieaeio efficaz.
Uaido porcia ao Xarope de cascas d Uran-
ias, ello nao causa ncm gastralgias, nem per-
turbaeie de estomago o intestinos, e grscas a
este salvaguarda, os tralamentes depurativos
sie coatinuados sem internipeio, as affec-
CSes ticrofuioiss, tuberculosas, cancerosas t
na rundaraj (rciariss, mesmo nunt-
tkisttes, bu quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose est definida de tal maneira
qse e medico pode varial-a a sua Tentado:
O frasco: 4 fr. 50 o.
De caicas de laranjai amargas com
proto-iodureto do ferro.
A aasociacio de sal ferr ao Xarope de eas-
oas de laranjas tanto mais racional quante
que este xarope, empregado si, para estimu-
lar o apetite, activa a secregio de sueco g-
strico, t por fin regularisa as funches abde-
minaes, neutraliza os mies effeitos dos ferru-
ginosos e dos eduretos (poso de cabeca, pr
sao do Teatro, dores ipigastrieas) em quanto
Jae facilita saa absorpflo. Disiohriaa no
arope, elle se tema e se lupporta fcilmente,
por achar-ss ao estado pare mais assimilaTel;
e assim podo continuar-ae a cura da pallides,
corrimentos broncos, anemia, affeccSes escro-
fulosas e racaitiinte:
O frasca : 4 fr. 50 e.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto sempre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedices: em casa
J.-P. LAROZE, ru dea Lions-Saint-Paul, 2, Paria.
Ra du Imperador n. 38, botica franceza.
r
H
se
i
e
f
?I

Si
a
S9
0
a
eu
a
2
i?
3.

! fl
4
I
D
i
*
3

VE!.
o & a
s, i
2 H
e-I
TV!
Z"
tt P
|s
*\*
I
a
2^
O o
O =5
H
n ti
ce
O*
"3
a-
3 3 K ?.2 &
8 Ss; .= i =
-gS:t83lBB5-i
|V"J3lelZ
affll- Iri
S- S5 p 2o3S_.
iSS.!"
M
4
M
H
S
a
MSJWW I v?msr*j
P- C- e~. r- *
S-;Ox>
3i?sfr
fas|5?r
.1- !
,.3>-S-E*
8 b* 5
a -
lis
2 />
1I1U
filial
i-i* As-a
sr *s
_ 53
I O
C3
zj
kd
o

ex
5 3
>
rs
55
55
O
? 11 = *.
XARQPEDEPURATIVO
IjE golx
-I0DURAD0
Este novo producto resultado de una trplice combinacao de tres meUlloides cujas propie-
dades sao mu conhecidas, o Bromo, o Euxofre e o Iodo, oceupa hoje a primeira ordem de
entre todos os depurativos dos quaes 6 o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notareis dos hospitacs de Pars, os senhores Cazenave,
Puche, Bazu, Blaclie, Guihout, Baroschct, Danet, Legroux, Vasse e Aubry, etc.-, dcmonstrarSo
sua poderosa efneacia as affecvfies seguientes :
riocncu de pello,
Duriro e bol-bullan ale toda a especie,
l'laru* iiiucooiiN,
Obutrueee* lymphatleee.
Papel rea,
Eae roala*,
Abeenaos, peatenaaa,
Cancros,
Ulceras,
fiante,
Escorbuto,
ra ou rtoubas (do Brasil),
Framboesla,
Uuniores fros,
Rachlllsmo,
Ophibalmla eaerofnlosa c rbronlea,
Tsica escrofulosa,
Affcccoes sypbllltleaa,
Elephanllasls dos Grcjos,
E todas as doencas occasionadas por um tco do
sangne, e ji tratadas aem neubum sucetsso pelas
preparares Tegetaes, iodadas e o oleo de ligado
de bacalbio.
O Xarope de Le Goux, de nma fcil digestao e de gosto delicioso, se emprega tambem
com muita vantagem e 6 aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
criancas debis, escrofulosas e rachiticas ou sobre a influencia de um vicio hereditario, e mui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalho e aos xaropes depurativos e anti-escor-
buticos que se administravo at agora.
Beposiio geral, em Pars, na boea Boullay, mm6ro do Academia imperial de Medicina de
Pars, offtal da Legiao de Honra, e em todas as boticas dt Franca e dos paizes estrangeiros.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA11 ASTHMA
SUFFOCgO NERVOSA E 0PPRESSA0
nico remedio efficaz para combattir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e inpedir a
volta o Xarope aromatice de Succino [mbar amarello) do Dr Danet. oscoberu inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, c em todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdadede Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legiao de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paria.
Este xardpe composto i mais de vinte annos pelo sabio lente Boullay, constitue a melhor
maneira de administrar o Ether. He empregado com suocesso em todas as doencas que tirio sua
origcm de um erithismo nervoso, como sao as:
Enxasjaeea,
Nerralglas,
Espasmos,
Attaejaes ale ervos,
V Bjncopee,
Caimbros ale cstomasa,
Indlsesloeo,
Cenvulsoes,
Aeeessoa hystcrleos e bypo-
condrlacos,
Calleas eniosas ou erre-
sas, hepalleaa flalulrntas,
Aeeessoa de sota o de rheu-
matlasne.
Casas ele mvenenlenaenlo,
etc., etc., etc.
Deposito geral, m Parts, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro da Academia
imperial de Medicina de Paris, official da Legiao de Honra, ra des Fosss-Montmartre, 47, e
em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Depositogeral em Peraambuco ra da Cruz n. 22, em casa de Caros Barbosa.
. Na fabrica de calcado do pateo da ribeira de
S. Jos n. o precisase de artistas umaaqaeiros.
O London dt Braziltan Uank, saca por todos
os paquetes, sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
____________Amarante.
O Sr. Leopoldo Gadault leona a bondade de
vir a roa do Imperador n. 83, segundo andar, a
negocio que nao ignora.
Consultorio medico-cirurgico oa ra larga do ;
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sua proflsso
nao so na parte medica como tambem na cirur-
gica.
Salitre
I Na roa do Queimadon. 37, leja de ferragens, de
! Domingos Jos Ferreira Guimarus, vende-se sali-
tre refinado por 255 a barrica de 4 arrobas, ou a
65'0O a arroba so a dinheiro.
Os Srs. academices que vao matrlcular-se
no terceiro anno da Faculdade de Direito, podem
dirigir-se a ra da Saudade n. 9, frooteira a do
Hospiio, onde se Ihes vender o compendio de
direito civil at as 9 horas da manhaa, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
Precisa-se de urna pessoa habilitada
para escrevente de um tachygrapbo : quem
estiver no caso de bem preencher o lugar
dirija-se ao escriplorio desta folha ou ao
hotel de l'Univers.________________
Tinturara $
Na ra Direita n. 116 conlinua-se a Ungir para
qualqoercor, e o mais barato possjvel.
Saca-se sobre Lisboa, Porto e liba de
S. Miguel, na ra do Apollo n. 20, escri; -
torio de CarvalhoeNegueira.
O bacila re
francisco ugasto da Costa
m
Compnba Qdelidade de g|
seguros martimos e ter- g
restres estabeleclda no
Rio de sf anelro.
AGBNTES KM PKPNA.M11UCO
Antonio Luir de Oliveira Aievedo 4 C, ^K
competentemente autorisados pela direc- n
toria da companhia de seguros Fidelida- B
de, tomam seguros de navios, mercado- %k
rias e predios no sea escriptorio ra da v
Crnzn. 1. m
Aulonio-Luiz de Oliveira Azevedo
Agentes do banco Uni2odo Porto.
Competentemente autorisados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo banco para o 'orlo e
Lisboa e para as scguinles agencias :
Londres sobre Dank o London.
Paris Frdric S. Ballin Hamburgo Joao Gabe & Filho.
Barcellona Francisco Rohala 4 Ballesta.
Madrid Jaime Herie.
Cadis Crdito Commercial.
Scvilha Gonzalo Segoria.
Valencia M.Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figneira.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. Castello'Branco. Guimaraes.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilhao. Laniego.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. Monr3o
Braganca. Evora.
Faro Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aie- Pinhal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Setubal.
Peona Bel. Thomar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova de tello.
Villa do Conde.' Porlimao. Villa Real.
Villa Real de Viten. Madeira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
No imperio.
Baha. Maranh ao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prato ou a vista, podendo
logo os saques a prazo serem descontados n
mesmo Banco a razao de 4 por cento ao anno
ratar na ruada Cruz n. i._________________
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa Machado
Afi Sr liar I 1*1*1 C^iuria se encarregaante oforodestacidadede^^ ludo que
) r, D LeZan<,;fortendentcasua|.rofissao,aceita departido an-
de Azevedo joiz municipal de Garan-
huBs, queir dirigia-se praca da In-
dependencia ns. 6 e 8, on annanciar
sua maroda para ser procurado.
i O abaixo assignado solicita pela polica em ge
ral qualquer pretenco como : passaportes, porta
rias, apprehencoes de quaesquer objectos; pela SE desoa reidencia.
presidencia portaras, passaportes, patentes de of
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercialmediante razoavel ajuste. Continua
a seencarregardecobrancasriof terrcoF do (-abo
elpojuca aondecontinua a trabalbar como d an-
tes.e encarrega-sededefezasperante o jury nos
termosproximosa va frrea,offerecendo gratui-
tamente sens servicos aos desvalidos, pode ser
procu-adotodososdias nteisdas9horas da ma-
nhaa as3 datardena rnaestreila do Rosario n.
34, eforadessashorasna ra Imperial n.36,ca-
combencias ; pelas repartieres flseaes desembara-
Napracada Independencia loja de ourive
llciaes da guarda M-SflsjgMaggfJ ; n. com.se obra's de onro e pralae pedrt>
co de terrenos de auShiftlSbSaEli! Preciosa...., .tjayjatejglgr obra de
que por engao ou ignorancia de seus iroprieta-
rios estejam sujeitos ao rigor da flse^; pela capi-
tana do porto matriculas de carpinteiros, calafa-
tes, botes, canoas etc. Pode ser procurado no Re-
cife armazem de molhados do Sr. Antonio Lopes
Rraga, ra da Cruz n. 36; em S. Antonio loja de
livraria popular, roa do Collegio n. 07 do Sr An-
tonio Domngues Ferreira, e em S. Jos ra Birei-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Prannos.
Joaquim Jos dos Santos Barraca
Hobilias de aluuel.
Alugam-fe mobilias completas de toda a quali-
dade ou quaiimer traste separado e por prego com-
modo : na ra Nova armazem de mobilia do Pinto
Joao Antonio da Silva, subdito portuguez,
vai a Europa tratar de sua saude.
Aluga-se a casa terrea n. 105 da ra de yan-
ta Rila : na ra da Aurora n. 36.
Descuido.
Pe deu-se nesta praga da ra do Imperador at
a praca da Independencia o moleque Raymundo,
escravo do Sr. Feliciano do Reg Barros Aranjo,
do engenho Montevideo, que tendo seguido com
urna pessoa que o eocaminhava at a ra da Pal-
ma n. i', aconteceu (supponho) acompanhar um
outro. elle crioulo, muito matutado, um pouco
Icio, trajava jaqueta branca velba, caiga no mes-
mo estado, chapeo de palha velho.conduzindo urna
calca e urna camisa nova de algodo de listra, o
mesmo escravo nao sabe dizer quem o conduzia, e
nem para onde la, representa ter 16 a 18 annos
de idade : roga-se a quem delle der noticia de o
levar a casa indicada da roa da Palma, ou no es-
criptorio da ra da Cruz o. 30.
Pceo diminuto.
Alugam-se duas casas, urna terrea e outra so-
bradada, com bastantes comraodos para grande
familia, sito na cidade nova de Santo Amaro, con-
fronte ao hospital inglez : quem pretender, dirija-
se a ra da Mangueira n. 20.
Precisa-fe aiugar urna negrinha, mesmo pe-
quena, para andar por casa com um menino que
anda nao anda : quem tiver annoncie ou dirija-
se a ra do Barlholomeu (ecc segaimento do Poci-
nho casa de detencao) n. 45. Paga se bem.
encomraenda e todo e qualquer concert
O Dr.Carolino Francisco de LimaSan-
J$ tos,contina a residir na ra do Impe-<
| radorn. i7,i indar,onde pode ser pro- ^
" curado aqualquerhoradodiae da noite f
|| para o eiercicio de suaprofissao de me- W
Kdico ; sendo qoeos chamados, depois de p!
K meiodiaat4 heras da larde.devem ser
ME deixados por escripto. O referido Dr. ^
ffi nao abandonando nunca o estndo das gg
5 molestias do interior, prosegue, com o m
WL maior afflnco.no das mais difflcefe deli- W
W& cadas operagoes. como sejan-idos orgaos jlf
S nurinarios,dosolhos,partos,etc.
wmmmwnm mmwmm
Alugam-se dous grandessobrados com com
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comjardim.cocheira,estribara eoutras commo-
didades.natravessade Joo Fernandes Vieira : a
tratar na ra daSenzala Nova n. 42.
snw
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBR0 DE f859
Orna tianca em dinheiro, depositado aos cofres do estado, garante a boa ad
ministract da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA D1RECQO GERAL
O Banco de Hespanha | Madrid : Ra do Prado n. !
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripgo de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que ainda mesmo dminuindo urna terca parle do interesse prcdnzido em n remes liquida-
g5es ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux qne e adoptada rela cempanhia
para seus calclos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 a 19 annos, ama imporsicao annoal
de 1001 produz em effectivo metlico:
No tim de 5 annos.......1:1193300
de 10 .......3:942,5600
de 15........11:2084200
de 20 ..... 30:2564000
de 23........80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideravei?.
Prospect >s e mais nformacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
mo Joaquim Fiuz de Oliveira, ra daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Iroperatriz n. 12, eslalele-
cimento dos Srs. Raymundo, Cario.-, Leite & Irmao.
NCO UNA 0
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE,
A directo do BANCO U.NiA'O tendo obtido do governo de S. M. F. a aulorisaco
para estabelecer o seguro de vidas em mutualidade, faz publico que desde j toma subs-
cripgoes annuaes por urna s vez, debaixo das seguintes condices:
Com perda de capital e lucros;
Dito de capital somenle; '
Dito de lucros somente ;
devendo a primeira liquidacao ter lugar no Io de Janeiro de 1869.
As vantagensdo emprego de capilaes em mutualidade, sao obvias, porque nao so-
mente se collie o juro de quanlias diminutas, de que avulsas se nao poderia tirar ne-
nhum resultado; mas alm d'isso, este rendimento augmentade pelo capital ou lucros,
ou ambas as cousas, conforme as condices da subscripco, dos que fallecem. Tambem
partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os socios morosos nos seus paga-
mentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que occorrerem
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidacoes sao pelo systema das companhias hespanholas, tutelar e outras ; e
para se poder fazer urna idea do que pode produzir urna entrada annua de IO0OOO, pu-
blica-se a seguate tabella baseada sobre a experiencia de muitos annos de companhias
desta natureza.
Em o annos 10 annos
Por um menino de I dia a
i de I anno a
de 2
t de 3
de 3
Por urna pessoa de 15
i de 20
de 30
de 40
1 anno
2
3
1 i
18
20
30
40
oO
90,5
860
86
860
86,$
860
860
900
400-$
3000
2900
2700
2700
2700
2700
2700
3030
lo annos
9000
7500
7200
7100
7000
7000
7100
7200
7500
20 annos
2:0000
1:7000
1:6000
1:5600
1:5500
1:5400
1:5600
1:6000
1:8000
25 annos
4:7000
3:7000
3:5000
3:4000
3:3500
3:3300
3:4000
3:7000
5:0000
As entradas por urna s vez do resultados muite superiores as annuaes.
Mnimo das "entradas 50000.
Porto, 10 de agosto de 1863. Os directores do BANCO UNIA'O, Jos da Silva
Machado.F, M. van der Niepoort.
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C, ra da Cruz
numero 1.
19 RA NOVA 19
Frederico (lautier, cirurgio dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas com muitas vaniagens, tem a hon-
ra de participar o respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
seu marido Diniz Antonio Ferreira Marques, faz .,cuJar' que se *! de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
sciente a todas as pessoas que se juigarem credo- j hssao, adveitindo que trouxe um immenso sor,timenio de dentaduras artificiaes; caout-
Francelina Alexandrina da Silva Marques, viu
va c inventariante dos bens deixados por morlede
Precisa-se de urna ama secca para casa de poura
familia: a tratar na praca do Corpo Santo n. 17,
terceiro andar.
Aluga-se o segnndo andar e soto da casa n. -
33 da rna da Matriz, tem muitos commodos para
familia : a tratar com o Sr. Antonio Joaquim Fer-
reira Porto, ou com Miguel Joaquim da Costa, na
ra da Cadeia n. 12.
abaixo assignado. comraercante nesta pra-
ga, declara que nao se entende com elle a prsao
para correegao, elfectuada no dia 2 do correntc
mez no individuo de igual nome, ordem do sub-
delegado da freguezia de Santo Antonio, como se
v aparte da polica publicada no Diario de hoj<>.
Recife, 3 de margo de 1865.
Jos dos Santos Neves.
Na ra do Trapiche Novo n 22, precisa-se
^e uma ama Para uma familia estrangeira.
O Sr. Joao Francisco de Pontas, ex-secio da
firma de Carvalho Si Ponte?, estabelecido com pa-
daria em Caruarii, tenha a bondade de mandar
pagar a sua letra vencida a 2 para 3 annos, da
quanlia de 1004, na ra da Penha n. 23, primeire
andar.
YUYA LEC0\T
7Rna i* Inperafrii7
Madame Lecont participa aos seus freguezes,
: que receben pelo ultimo vapor um completo e va-
riado sortimento de perfumaras as mais finas pos-
sives, como sejam : Noovean Rgnerateur de
Gell, nica para conservacao dos cabellos ; rece-
ben tambem correotes de Plaqu, muito finas e do
ultimo gosto para relogio, po de brilhante e de
ouro para ponteados de bailes, 1,008 varas de bico
prete proprio para enfeites de vestido, e diversas
outras cousas. Avisa tambem que na sna casa
contina a fazer todo o trabalho qne diz respeito
a cabellos, como cabelleiras para horneo* e senlio-
ras. assim como perneados para fra.
Precisa-so alugar uma preta para todo o ser-
; vi50 de uma casa de familia : na ra do Trapiche
numero 4.
Ltva-se e tigomma-se com perfeieo e por Quem precisar de um mogo habilitado para
prego muito commpdo, sendo a 120 r?. laslo cal- enslnar graramatlea portugueza, latim e fraoeez
as como camisas : quem precisar dirjase ao nesla cidade ou fra, pode dirlgir-se a ra do Ira-
paleo da Santa. Cruz, casa de doas parlas defronte parador n. 77, segnndo andar, que achara com
da ra Velha sem numero. qnom tratar. '
Precisa se alugar uma preta escreva ou mesmo
forra, que cozmhe e engomme, para casa de duas
pessoas: na ruadas Cruzes n. 5,casa terrea.
Precisa-se de uma ama para se encarregar
na rna do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da! somente do servigo de cozinha : na ra da Cadeia
Santa Cruz, e uma mei agua na estrada de Joao do Recife n. 52, terceiro andar,
de Barros, com arvoredos, agua de beber,e portao
para o becco do Pombal : quera pretender falle
1 Est para alugar-se nma casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um 1 e 2 andar de um sobrade
declarados na descripgao feita pela misma inven-
tariante. Recife 28 de fevereiro de 1865. _
Vendase ou troca se por casa nesta praga
um sitio no lugar denominado Curcnranas, com
1,000 ps de coqueiros, casa de vivenda, uma boa
horta com muitos ps de arvores fructferas, baisa
para capim, boa agua de beber, e grande acude
para lavar anmaes, trras de lavouras para tra-
balbarem at dez captivos, podendo ter-se cinco a
oilo vaccas de leite amarradas; vende-se por nao
poder o seu dono continuar nelle : quom preten-
der dirjase a ruado Rangel i. 6. ou no dito sitio
a Manoel Jos Nunes de Medeiros.____________
A luga se uma casa na Passagem da Magda-
lena com 2 salas, 8 quartos, solao, quintal mura-
do e banhu no fundo : as pessoas que pretende-
rem, dirijam-se a ra Direita numero 3, primeiro
i andar.
1 mwmmmm m mm mmmmm'
Edacaco de meninas.
Francelina Maunnada Silva Albuquer-
que, professora particular de instruego
primaria, continua a ter sua aula na ra
estreita do Rosario n. 38, segundo andar,
admitte alumnas internas e externas. As
materias do ensno sao as seguintes: lei-
tura, calligraphla, nogdes de arithmetica,
grammatica portugueza com applicagoes g
praticas, doutrina -evanglica, costuras, ,%*;
marcas e bordados de todas asqualidades. |^
Mmmmm mmmm mmmmm
Daniel Tavares Coelho, subdito portuguez,
retira-se para Portugal a tratar de sua saude.
Precisa-se de uma ama forra ou captiva e
tambem se compra sendo por commodo prego : na
ma do.Rangel n. 38, primeiro andar.
a confianza.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manh atao meio dia com cer-
teza e as 4 h(>ras da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares.
m
GASA DA FORIOlfA
Aos 10:000^000.
Bilhetes garantidos.
A' iiua do Crespo h. 23 e casas do costime.
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zesbilhetes garantidos da lotera, que se acabou
de extrahir a beneficio do patrimonio de orphos,
os seguintes premios :
m quarto n. 989 com a sorte de 6:000,5000.
Um quarto n. 2469 com a sorle de l:4o0WO0.
um quarto n. 1942 com a sorte de 500000.
E outras muitas sorles de 200, I00, 405 e
.205000. '
Os possuidores podem vir receber seus respec-
| tivos premios sem os descontos das leis na Casa
l da Fortuna ra da Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2a parte da i" lotera
j beneficio da Santa Casa de Misericordia que se
extrahir no dia 10 de margo.
PREGO.
Bilheles. 12^000
Meios......C5OO0
Quartos.
OSr. Domingos Gomes Fernandes tem nma
I carta vinda da ilha de S. Miguel : na ra da Pe-
' nha n. 29, primeiro andar.
.mmmmmmm
Precisase fallar aos herdeiros do fina-
nado Cesado Marianno de Albuquerque
Cavalcanti sobre uma pequea heranga
que Ihes perlence cxistenio no termo de
Sant'Anna comarca do Acarac provin-
cia do Cear, na ra estreita do Rosario
n. 23, primeiro andar, escriptorio do Dr.
Feitosa.
Samuel Power Johaston &. Companhia.
Rna da .-'enzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Biu.II.u, de Lo Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho.
Para
O Dr. Antonio de Vasconcelos Menezes de
Drummond.antigo advogado neste foro, contina meiro' andar,
no exercicio da sua profissSo, podendo para isso
ser procurado todos os das uteis das 10 horas da
manhaa as 4 da tarde, em sea escriptorio :i ra do
Imperador n i!, primeiro andar ; bem como para
casos urgentes a qualquer outra Imra do dia, em
seu domicilio ra da Aurora n. 26.
Offerece-se um mogo para cope rod alguma
casa ingleza ou portugueza do que tem bastante
pratica ou para outro qualquer emprego de portas
a dentro : a tratar na ra da Cadeia n. 52, loja.
v"1 *"".....3ji000
as pessoas que comprarem de 100^000 Arreos de carro para um e dous cavallos.
! Relogios de o^ro patente inglez.
| Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Na ra dos Pires n. 51, aluga-se uma excel-
lente escrava de boa conducta a qual faz todo ser-
vcode uma casa de familia,interno e externo.
para rima*
Bilhetes..... 11,5000
Meios...... 53500
Quartos..... 2750
KaNOaX MaBTI.NS FlLZA.
Precisa-se alugar urna ama portugueza que
saiba engoramar bem e coser, para uma casa de
duas pessoas : na ra da Imperatriz n. 34, pr
5
Bii
O cartorio de appellacoes, aggravos e protes-
tos de letra a cargo do escrifo interino Farias
Torres, acha se no primeiro andar do sobrado n.
12 da ra estreita do Rosario, na sala posterior a
era que tem escriptorio o Sr. Dr. Jos Telxeira.
AMA
na ra das Cruzes, sobrado
manhaa at ao meio dia.
n. 9, das 9 horas da
w- Precisa-sede um "vinlK-iro
provincial.
no Gymcasio' *% h Loppacher, cidado *uU*o, relira- Pa"
, ra Europa.
- O Sr. SebastiSo Accioii Santiago Ramos,
ueira vir a roa u'.'i Imperador n. 83, segando an-
ir, para cooclair o negocio que qao ignora,
Precisa-se alugar uma ama que saiba bem
cozinhar, e sirva para comprar para uma casa de
duas pessoas : aa ra da Imperatriz n. 34, primei-
oo andar.
taques sobrePortngal.
O abaixo assignado. autorizado pelo
Banco Mercantil Portuek.se. e na ausencia H
jdo Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef- M
Sfectivamente por todos o : paquetes sobre S
aspragas de Lisboa e Por .o, e mais luga- m
res do reino, por qualquei somma vis-M
|ta,e a praso; podendo, o; que tomaren- B
gsaques a praso,receberem Nista.no mes-
|mo Banco, descontando 0|0 aoanno: na M
Mioja de chapos da roa do Crispo n.6, ou 1
gna ra do Imperador n. 63, segundo an- H
Bjdar.Jos Joaqnim da Costa Mila.
lllIl!MMMllMmiH
Precisa-se de uma ama para fazer todo o se-
vico de casa de uma s pessoa : no becco das Ba-
reiras, casa n. 3.
Ama
Precisa-se de uma ama para comprar e cozinhar
e fazer o servico interno de nma casa de familia,
paga se bem : na ra do Queimado n. 33 A, loja.
Alian Paterson, subdito
imperio.
Cozinheiro oh eozinbeira eunt.
Na praga da Independencia ns. 23 e 25 ao p
do funileiro, precisa-se de quem cozinhe, escravo
ou forro, quer homem ou mulher, assim como se
precisa de quem eogomme, preferindo-se alguma
Portngueza, garante-se bom ratamente, e a casa 6
de pequea familia.
A commisso encarregada da liquidago d.
casa do finado Manoel de Geuveia e Sonza, convida
aos credores do mesrao a apresentarem sens ttu-
los no escriptorio do mesmo finado, i roa do Apol-
lo, e os senhores de engenho a apresentarem suas
contas correales, afira de facilitar a liquidago as
ergas e sextas-feiras, das 2 as 3 horas da larde.
Precisase alugar uma escrava que saiba la-
var, cozinhar e eogommar : aa roa da Manguei-
ra, sobrado n. 6.
Alaga-se um escravo cozlnheiro: qaem o
pretender dj/ija-se a ra da Mangueira, sobrado
numero 6.
inglez, retira-se do
Redrigo Pinto Morera, subdito portuguez.
Alugase o primeiro andar da casa da ra vai Portugal, e deixa por sens procuradores Jos
de S. Francisco o. 68, de preco de 18J, coja chave Egidio de Albuquerque, Sobastio Jos da Silva e
se acha na ;ua do Crespo d. 0, esquina. Tiago Jos dos Santos.
Aluga-se uma escrava de idade de 14 annos
pouco mais on menos, nao para sahir a ra: na
ra do Padre Fioriano n. 34, a tratar com Leonar-
do Rufino de HYcitas.____________" _________
Precisase alugar urna escrava para todo o
servico de uma casa, o que saiba eogommar, para
nma s pessoa: na ra larga do Rosario n. 31,
segando andar.
Pazero-se comidas para fra com asseei o
promptido, por prego commodo : na ra dos Pi-
res n, 31
.1




*
i

__


Diarlo Para todos.
0 abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
pablico que mudoa a saa offleina de palbinfia da
roa do Imperador n. 24 para a roa das Crines d.
23, igualmente tem para vender palha e janeo
mais barato que em outra qualquer parte.
Manoel da Costa Aievedo Napoleao.
-i
Precisa-se de um padeiro perfeito em sea
trabalbo para ir para a villa do Cabo : a tratar no
pateo do Terco o- 141. ______________
Aluga-ie
o terceiro andar do sobrado da ra larga do
Rosario que volta para a do Cabug, com
grandes commodos para familia: trata-se no
segando andar do mesmo._____________
Na padaria da Torre precisa-se de um
amassador que saiba entregar pao.______
Arrenda-se a propriedade denominada Barra
de Serinhem, sita na freguezia do mesmo nome,
com grande coqueiral disfructar, e muilos foros
coorar annualmento : a tratar na ra da Aurora
numero 26. ____________ ________________
TIIESOURO DAS MAIS
Providencia das enancas.
COLLARES ROYER
Elctroaagnelicos.
CHAMADOS
COLLARES ANODNOS DE DENTigO
Contra as convulsoes e para facilitara
dentice das enancas preparados e inventa-
dos por Royer, pharmaceulico da esco-
la superior do Pars, snecessor de Chereau,
membro da academia de medicina
antiga casa de Bouillon-Lagrange.pharmaceutu'C
do imperador
chefe dos trabalho? chimicos da escola po-
lytecnnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendetn-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.___________
Aluga-so urna casa com bom sitio, na Ca"
punir Velha, que foi do Sr. Sebastio Peona, com
bastantes commoJo?, tendo cocheira, estribara,
quinos para pretos e muitas fructeiras : a tratar
na ra do imperador n. 46.____________________
Protestos de letras.
O escrivo Paria Torres est de semana e pe r-
manece dtsde as 9 horas da maohaa t o por do
sol, na casa da ra "estrena do Rosario, em que
tem escriptorio o Sr. Dr. Jos Teixeira.
Fugio o escravo Iodorio, alto, cor preto, pouca
rba e rapada, cabello cortada rente, bucos mul-
to grossos, tem lodos os dentes, olhos de pitomba.
ps grossos e apalhetados, tem no peito de um dos
ps una costura de um talho, levou calcas de gan-
ga de quadrinho miudinho, jaqueta de ganga lis-
irada, camisas branca e chapeo do Chili velho :
Sacra o prender e o levar a ra das Calcadas n:
, que ser gratificado.
COMPRAS.
VENDAS.
Atenco.
Vende-se superior vinho do Porto em caisas de
urna duzia : em casa de Johnslon Paler & C. ra
do Vigario n. 3.
" ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Alinatiak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
No armazem de fazendas ba
ratas de Santos & Colho
Raa do Qacimadoi. 19.
Vende-seo seguate:
Lences de panno de linho
pelo baratissimo prego do 2540O.
Lences de bramante de linbo
de nm so panno a 35300.
Coberta de chita da india,
pelo baratissimo preco de 25500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 25 a dozia.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas
propria para saia, a 4$.
Pegas de cambraia de forro, a 2&600.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, S e 6 palmos de lar-
gura, por menos preco do que em oulra qualquer
parte.
Toalhas alcochoadas para maos
'i 5 a duzia.
L3azinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 600 ris o co-
vado.
Lazinbas de cores finas
do mellar gosto que ha no mercado, a 360 ris o
covado, neste armazem de fazendas se encontrar
um grande sorlimento de roupa feitae por medida
COMPENDIO D0L0E0S0
que contm o ollicio de Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e offerecar a co-
rea, um setenario e mais ou tros ex cre-
dos de piedade e devorao; ordenado pe-'
la irmandade dos servos da raesma Se-'
nhora que se acba erecta na egrej de N.!
S. da Penba do imperial hospicio dos re-'
verendos padres misionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco, I
approvado por S. M. I., que Deusguarde:
dado luz por devoco do multo reve-
rendo padre Ff. Placido de Missina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
LOJA
DO
DE
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
Os elementos que compoem esla preparadlo, o
ferro, o iode e a quina, a collocao no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta atleatar
seus resultados obdos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relator ios dos prcticos mais eminentes,
que confirmrao sua poderosa efficacidade as
seguintes afecces:
Sur.
Compra-se ouro e prala em obras velhas, pa-
ga-se bem : na loja de bilbetes da Praca da Inde-
pendencia n. 22.
Compra-se um escravo de idade que
sirva para trabalho de Fitio: nesla tvpc-
graphia se dir quem quer.
Algodao em carolo.
Compra-?e qualquer quantidade por maior pre-
co ilo que se paga no malo : na fabrica da traves-
sa do Carioca n. 2, caes do Ramos._______________
Compra-se effeclivamente ouro e prala em
oDras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.___________________ I
Compra-se um escravo cozinheiro que seja
moco, robusto e sem vicios : a traiar no sobrado
n. 32 da ruada Aurora._________________________
Compra-se um preto mogo que saiba cozi-
nhar e lenha boa conducta, e oulro qae teoha 18 a
tainos e de bonita fl;ura : a fallar na ra lar-
ga do Rosario n/34, botica.__________________
Compra-se cobre, bronze e ferro cuado ve-1
Iho: na fundicao da Aurora, em Santo Amaro.
Compram-se diarios na fabrica de cigarros
de Joao Goncalvos Hespanliol, na ra larga do Re-
sano ns i e 8.___________________________ _
Compra-se um preto moco, de boa (
conducta, para fazer algum servico de ma-
nbSa e depois ir para o ganho, e um mol e-
que ou cabrinba, que possa servir para co-
peiro, paga-se bem agradando : tratar na',
Capunga porto do Lasserre, sitio do portan!
pintado de verde, do lado.direito.
^ Mi i i.
MlnKa m
Fraques*.
Anemia.
ChloroHt- ou Ictericia.
Menstruo.
Affecee do ulero.
Sapprcsse rias re-
iiraa e desordes na
menatruaeao.
Affeeco pulmonar e
phlhlale.
Malestlas deslomas*.
Gastralgias,
rerda d'appeilte, ete.
Vejas se os buetins de therapeulica medica
e cirurgiea de 30 de novembre 46G0; a Gazeia
dos hospitaes de 98 dejulho 1860, etc.. ele
COavalceeenea de Ion-
una molestias.
Molestias escrofulo-
sas.
Papelra.
Obatruecio das gln-
dulas.
Humores fros.
Humores (trascas.
Raehltlsmo.
Affeeces caaeerosas
o ayphllltlcas.
Febrcs lyuholdra.
Variles, ete., ete.
FOLIULYIIAS
Para 1865
Acham-se venda na livraria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalcndario civil e (eclesistico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em versos, o Stabal Mater
em verso, devocao ao agonisante, coracSo
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria Nos-
sa Senhora, trinla e tres-chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesia), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs.
0 GASTELLO DE GEASVILLE
Traduzido do francez per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baratissimo preco de 24500 :
ua praca da Independencia, livraria ns.
6 e 8.
AZEVEDO i FLORES.
Ra Ja Cadeia da Reeife n. 17, esquina que volta para a Madre de leas.
Atten$lo.
Polos seguintes presos :
(saceos 12*, i I 5,
Paletos de casimira
*?#.e ,......... 83000
Ditos de alpaca 55 o...... 4*000
Dilos de alpaca branca 35 c 44500,
Sobrecasacos de panno uno francez 215000
Calcas de brim pardo 24300, 34,34500 45000
Ditas de brim branco 45, 44300 e 54000
Dilas de casimira de cor 55, 74, 85 e 104000
Cortes de casimira prela na 75 e. 54000
Seroulas francezas finas ....'. 15000
Golletes de casimira pretos e de cores
3*300 44........ 45300
Baloes de 20 o 40 arcos dos melhores
que lem vindo ao mercado ... 5
Camisas francezas a 25, 25300, 35 c 55000
Madapoles francezes (peca) 135, 115, 154000
Chitas para coberta (covado) .
I.aas lisas de todas as cures .
Vestidos de laa Maria l'ia muilo fino
Lencos brancos muilo linos (duzia) .
l'm completo sortimento de chitas lar-
gas de 300 a ........
Cambraias lisas brancas muito unas
(peca) ...........
Um variado e lindo sorlimente de cha-
les de merino eslampados de 35 '
Seroulas de linbo muito linas .
Aberturas do linho pregas largas .
Bramante de urna largura ....
Camisas de tlanella bonita?, cores eco-
nmicas.........
Lencos de esguiam.......
320
5
185000;
35800
500
35000
5000
0 VIGILANTE
ADHIKi:ti!
n, L5as lisas de todas as cores muito finasa
aio ?3 ja BALA0 encarregara-se de mandar f.izer qualquer obra de brim 011 casimira
eic, para nomense meninos, aindaqne a fazenda nao seja comprada na dita loja do
RIVAL
Sem segundo,
Ra do Queimado, 0. 49 e 00. E' para admirar.
Carrelis de linha com 150 jardas...... 60
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
12 a60.............................. 120
Dito dito de 60 a 200.................. 100
Novellos de linlia grandes com 400 jar-
das ................................. 80
dem dem brancos e de cores de 100
jard s...............................
Livros para assento de roupa lavada...
Cordao branco para espartilho (vara)
Varas de franja branca larga..........
Pares de botes de punho todos do cores
1 I ntAlSA/ il A l.A Mu^. A_-b_ i 1 __ A_
Tinteiros de barro cora tinta
Te.'ouras para coaturas finase unhas
Ditas para costuras com toque d'avaria
Escovas para limpar denles muilo Anas
30
100
20
160
120
100
400
200
GHEGAR4U 0SH0DERIX08 CHILES DE
FILO PRETO.
Superiores chales de fil preto chegados pelo uliimo vapor franez, a
loja das columnas ra do Crespn. 13, de Anonio Coneia de Vas o'cel-
los & C.
i?iys
r.
i r.

i nuipuua ue aro kiw .., *., >* E-scovas para limpar denles muito unas
Alm dos pilulas de lodureto duplo de ferro ede 160, 200 e.............................. 320
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselho Qai xas com 100 en velones das 'melhores
igualmenle o Xarope diodure duplo de qoalidades........ CIO
firro e de quinina do mesmo author pan as Dilas om ^ cadernos rapf | n'atado'
pessoas que nao goslao de medicamentos sob Wr- |jso........ r gQQ
ma pHular e os meninos. Este MWge *. Cadernos 'de 'papel''pqaeno'('e a reta-
como o xarope A'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se n5o poder conservar.
Peca-se o folhelo que se di de (traca em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para-se evitarem falsificacSes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris, pharmacia Rebillon,
142, me du Bac, e em todas as bou pharmaciu
de Franca a dos puizes eslrangeiros, etc.
GRANULOS
BISMUTHJ
DECHEVRILR
Os gmnuMs au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Dlui-rhcas ehronlcaa. M;s dlgcatoes.
D;aaenlerlua. Gaatrlte*.
Ddrcs d'oHliiiaso. Gallralglas, ele.
Dyspeaslas.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affeccoes se manil'esto ordinariamente por diges-
tSes laboriosas, azidumes, falta d'appelite, pesos
'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacal*, e, muitas vetea, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o dcscuidao, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Opprcssoes.
Dores de eabeea,
Irrllacoes de beslga e
da nialrla, ete.
Os granulos Chevrier sio ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e rural as quando sao tomados a
lempo.
0 preco de cada fiasco de 4 francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
c em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
eslrangeiros.
iho)........:.: ./..;.............. 20
Meladas de linha frouxa para bordar... 20
Pares de sapalos de tranca........ 14000
Masaos com superiores grarapas para
^ senhora.............o............ 30
Frascos de macaca perola muito suerior 200
Ditos de verdaduiro oleo de babosa a
400rs. e........................ 300
Ditos c garralinhas de agua de Colonia
muito lina....................... 400
Ditos do banha a Ganbaldi e da familia
imperial.............;........... 900
Pecas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade.................. 240
Pares de ligas para senhora as melho-
res .............................. 320
Petas de biro- francezes e renaas..... 320
Frascos de acua dentifrice muito supe-
rior.............................. 800
Caixas com 4 papis de agulhas a balo
e Victoria........................ 200
Libras de la sendo de lodas as cores... 64O00}
Bonecos vellidos e tambera de choro... 160
Caixas com superiores obreias........ 40
Ditas de linha do gaz com 50 novellos.. 800
Rnliadciras de lita para espanilhos..... 60
Carrelis de linha de cores com 100 lar-
das............................. 20
Pecas de cjrdo imperial............ -40
FAZENDAS PRETAS PAR A QUARESMA.
N. 11Ra do QueimadoN. 11
r. a Cheeou .a este estabelecimenlo pelo ultimo paquete vindo da Europa um bello sortimento di
lazendas proprias para a quaresma como sejam : fagonn de seda prela lavrada linos desenos h
zenua compieiarnente nova, chegou o mais lindo sortimento de moir preto lavrado o mais superior
ricos vestidos de facone de seda preto lavrado com barras lodas estas fazendas sao proprias para ves
liaos e o qae ha de mais moderno ; assim como um lindo sorlimeato de bournus de renda prelas mui-
lo superiores e chales preto de croch de seda o que ha de melhor ; chapelinas e chapos de palha de
nana para senhoras ; pannos e casemiras pretas e eutras muitas fazendas que se veudem por mdicos
prcCOS.
060
060
200
Molestias de Usado.
A Ictericia.
Falpllaco de rorarao
Dores nos rlns.
A LEGITIMA
SAIMHR1LHA
RIVAL
SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 55 lujas de miude-
zas de Jos & Azevcdo Maia e Silva contina a
vender ludo por pre$os mais barato do que era
oulra qualquer parte, quem quizer ver o que ha
bom e barato venha a loja do Rival.
Latas com superiores banha............ 200
Frascos de vidro cora superior banha.. 240
Pares de luvas de seda muilo linas____ 320
Enfeites do melhor gosto que tem vindo. 25300
Garrafas d'agua de Florida, verdadeira. lj>280
Pulceiras do melhor gosto e modernas.
Volta para pescoco do melhor gosto....
Baralhos para voitarete, finas a 200 e..
Varas de franja branca de liaha que
lem muita serventa................
Duzia de pennas d'a$o muito superiores
Frascos de oleo Bboza muito Irnos.....
Talheres para meninos a melhor quali-
dade...........;................ 240
Diversos livros, tdos religiosos a 100,
20a..................... .......... 300
Duzia de colheres de metal muito Tinas
para sopa...........................
Duzia de colheres de metal muito finas
para chi........................
Grosas de botoes de osso para calca...
-!Grosasde botoes madreperula para ca-
rniza..............................
Groas de botoes de louca prateados
muito tinos.....................
Varas de babado do Porto sonido..... 060
Duzlas de lapes differentes qualidade a
240....................!......... 400
Quadernos de papel de peso muito liuo. 030
llesuia do mesmo papel............. 25000
Duzia de facca e garfo muito boas.... 25400
Sabonete de espuma multo superior... 040
Capachos
Ilua do crc&po n.
. O gallo vigilante leudo ido ag u-,a poso Uallisa, na sua ordeni do da, e pela hiatit,
Aguia.aposar de que, para efe* o Caiiuun. tes
agudosespordes nunca os offender, ames o>?*ra-
ciara na mcsiiia conformidade. pata que o Eslijj
possa marchar em frente, a Branca Apirit poffa
ievautarieu vo,jlcvando nobicoas paliabas i si*
ninbo;a o Gallo Meara em seu espacoso r;.irno
dando bonstreguezos e aorespeitavel publico
0 grande acaba de receLer.
Rica< caixiuhas com msica ricamente MiMhr
dai para costura, proprio para um delicado me-
nino.
RJquissinioscofresinbos com eadeadot e irttal
para guardar joias.
Bicasc itxas co.n estojo, contendo todor es rr-
tncos paraboaiem.
Riquissimas volias lingindo perola.
Ditas com lacinlio de lila.
Dit-is delindas cures e prela, de todas as erc-
snras. fc
Lindosade.-ecos com podrlnhos flngindo bri-
1 liantes.
Rlcasvellas para cinto, de todas as qealidades
e bom gas lo.
Ricos cintos do ultimo gosto de Parir.
Grandesortimento de lindos enfeites para esti-
ca, sendo do ultimo gosto e de todos ospretr?.
Flores muito tinas para noivas.
Luvasenfcitadase meiasdesda para cetras.
Touquinhas sapatinhos e nieia de 'da
baplisado.
Biqnissim.is fitas de todas as qnalidailes parala-
do, ciise cinteiros.
Camisinhas e goiinhas para senhora.
tiquissimosjarros e figor. ara ortrn rrfe de
sala.
Grande sortimento de gravativas tanto pora uhora como para liomcm.
f'Uvasde pelica branca e decores.
Cascarrilhasde bonitascre?.
Trancinhas.galiio e maravilbas para rrff i*t?. '
Transelins de cabellos e de reto? iaia ;(,j!f<
Papel amisade e de outras qoalidadrs.
Bolsas para viagerr.
ntremelos e bahadinhos do lindos fitttt.
Lencinhos de linho bordado?.
Meias para homem, senhoras, n mine e iriti-
nas.
Fitas de veludo
larguras.
Thcsouras c caivetes de todas as qaalidades.
Grande sortimento do sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerfrinitfcs.
Caixirthas com seis frasquinhos.
Kssencias de lodas as qualidade?.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grande
Fazendas para o carnaval. frascos quadrados egarralinhas.
Vende-se velbutinadetodasas cores a 800 rs. o, Por"adafina de lodas as qualldades.
superior bnnha em frascos e cepos r"e HPtt ts
[Tt,
Grande liquidadlo de fazen-
das finas, puadalmpe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de LourenQO P.
Mendes Guimaraes.
lisas e rcm tratare de tfftf ?*
f (DI
280 covado, ganga encarnada a 00 o covado, sarjelira superior
500 de cores a 280 o covado, alpaca do cores propria pannos.
500 para vestuarios a 320 c 300 o covado, la fel de stda g^naolng
240 de lodas as cores a 600 rs. o covado : raa da Impe
rairiz, loja da Arara n. 56.
Cbilas baratas a 210 is
Vcndem-se chitas finas a 2i0 e 280 o covado,
chitas francezas finas a 320, 360 e 400 rs., cassas
linas de cores a 320 e 400 rs. o covado, percalas
linas para vestidos o 500 e 360 o covado
de
.. ez em paos grandes e peqcone.
Escovasdccabo de madreperola. marni e
osso, para denles.
Peotes para desembarazar, com friso de rrfffe
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outra -italida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligasdestfda o de algod3o,asffm eoiro nuifrs
. ra da
fmperatriz, loja da Arara n. 56.
Caries de cambraias, a Arara vende a 30. j ,a objf c,os. (,,p oslo tiuo seria impo' aitt' n i r -
|oinar,que a visla fara f, son Gallo Vigilscte,
'5400 Vendem-se cortes de cambraias finas brancas a!""JJ ,'lc*' s'a l,
-,5i(X, 35500, 45 e 55, cortes de cassas francezas finas a CUB d C,e5P n- '
1*300 35, cortes de chita de 10 eovaios a 25400, ditas
200 '
finas a 35200 : na loja da Arara, ra da Impe*a-
trlz.n. 36.
k
3b
'%
FIGADOde baoalhau
FREPAlADA U3ICAJ8ENTE POR
LANIAN&'lBfeP.
Farelo
em saceos de mais de 100 libras
de Tasso IrmSos.
nos armazens
Vende-se calcado francez da barca franceza
S. Joao da Luz, na'rua do Livramento n. 21.
Borzoguins de lastre (Xames) 64000.
Ditos de hezerro de tres solas (Nantes) 64000.
Dilos de bezerro de duas solas 64000.
Sipatos de tpele 640 rs.
Milho novo era saceos grandes: no trapiche
do Cunha, a tratar com Tasso Irmaos.
Vendem-se duas casas sitas na Capunga urna
na raa da Amizade com 22 palmos de frente o
outra na ra das Pemambucanas ao vollar para a
ra da Amizade, onde tem o estabelecimento de
taberna e refinaco no fundo das mesraas casas e
nm terreno murado janto a mesma proprio para
edificar : a tratar na ra da Gloria n. 93, taberna.
Vndese a taberna da raa de Joao Fcrnan-
des Vieira n. 64, na freguezia da Boa-Vista.
Vende-so a taberna da ra dos Acouguinhos
n. 20 : a tratar na mesma.
Potassa da Itnssia.
Acaba de chegar a mais nova e verdadeira po-
taa da Rassia, e vende-se a preco comm.>do: no
escriptorio de Manoel Ignacio de'Oiiveira&Filho,
largo do Corpo Santo n. 19.______________'
Vndese ama machina de coser saceos, inda
nova e completa : na ra Nova n. 51, botica.
Vendem-se saceos de feiiSo mulatinho de 26
cuias por preco commodo : no Forte do Matto ar-
mazem da Companhia Pernambucana.
Urna taberna.
Vende-se a taberna sita na roa da Concordia
(sobrado do Sr. Bartholomeo) bem afreguezada
para a Ierra, tambern se tiram os gneros ene nao
quizerem ou mesmo qo^rendo s a arroacao : a
tratar na raa Novan.69.
I*
P eo processo de Clierrier, pliarmaceulico em
Paris, ra do Faubourg Uonlmarte l\.
Este oleo de um cheiio agradacel, e de
um sabor assttcarado o nico que nao tem NOVA YORK.
nem o gosto, nem o cheiro do peixe. Ob- Composta de substancias, gozando de
jecto de numerosos relatnos scienlificos e propriedades eminentemente depurativas;
mdicos, este mdicamente que-, goza em approvada pelas juntas e academias de me-
Fraooa de um successo tao raro como bem dicina; usada nos principaes bospitaes, in-
merecido, receitado diariamente pelos v'is. militares e da marinba as Antilhas e
principaes mdicos dos hospitaes de Paris. no continente americano ; receitada pelos
O oleo de figado de bacaliio desinfecta- facultativos os mais dstiiictos do imperio do
do ferruginoso emprega-se com os maiores Brasil e da America hespanliola
successos as molestias em que se emprega CURA RADICALMENTE
o oleo quando sao acompanhadas de debut- escropbulas, rheumatismo, escorbuto, en-
dade e atonta. fermidades venreas e mercuriaes, chagas
Deposito geral em Peroambuce ra da antigs, morphea e todas as molestias pro-
Cruz n.22 em casa de Caros & Rarhoza
Vndese metade da propriedade Quemevon,
sita na comarca do Ronito, urna legua distante da
estacao da Gameleira, a qual lera urna legua de
trra, caberla de matas e pela qual passa um rio
correte. As trras sao excellentes para a cultu-
ra de canna, algodao etc., sao all conhecidas pelas
trras do fallecido senador Jos Carlos Mayrinck
da Silva FerrSo : quem as quizer comprar diri-
ja-se a ra do Rrum n. 36 a tratar com Mauricio
Francisco de Lima.
BJ Vcnde-se a casa terrea na raa do Padre Fio"
riano n. 62 : na ra do Imperador n. 14.
venientes d'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitacoes e
lalsificacSos, preciso a maior cautela para
evitar os engataos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOAO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
Vendem-se no Reeife em casa de Caors 4
Bai boza e Jo3o da C. Bravo & C.
Vende se um sobrado de nm andar na tra-
~""" I vessa do Veras n. 13, em chaos proprios : na ra
da Alegra n. 3 se dir quem vende.__________
Vende-se urna linda mulatinha, a qual tem
Vende-se potas em barris a commedo preco o todas as habilidades : na ra da Praia n. 47, ter-
na ra da Cruz n. 23, primeiro andir. eseripton: ceiro andar.
de Antonio de Almeida Gomes. ___________________
POTASSA
Vende-se a casa de molhados na ra da Im "~ Vende-se urna casa nova anda sem calcada.
peratriz n. 34, por seu dono ter de retirar se para na rna *J sceo (Campo Verde) n. 19 : a tratar
ratar de sua saude, faz-so todo o negocio : a (al-,na rua a If"pgratriz n. 80.______________________
ar na mesma cima.
Vendem-se dous balcoes de amarello de mo-
dello de consolo, sola para ponta de taco, e giz
ppra bilhar. e urna eommoda de mogno : na roa
aa Roda n. 6.
Vendem se dous sobrados, um na freguezia
do Reeife e ontro na de S. Jos : a tratar na rua
Augusta n. 24._________________________
Vende-se a taberna sita na rua de Henifica n.
29 : a tratar na mesma.
jOO! dos a 35 c .'13500 o covado, grodenaple preto fino a voltinhas, pelo barato preco
a 14600, 15800 e 25, dito superior a 5600, dito j es avnls asa 00 rs. s n
<*00 com 3 palmos de largura a 3# o covado, panno li- i Crespo u. 7.
Vulliiiias.
Lindas vollinhas dependas falsas conciDzitthaa
lingindo lirilliarli-s, assin ci rro eroziiil ?s mt *f.s
e 15 e f^Sffiff-
o Vigilan;? *ea to
apachas compridos e redondos muito | tes de brim e ganga para calca a 15600, l;
bons............................. 500 24 : ruada Imperalriz, loja da Arara n. 36.
no preto a 24, 25S00. 35300 e 35 o covado, case
mira preta lina a 2-5,25300 e 35 o covado, alpaca
prela a 300, 600 e 800 rs. o covado : rua da Im-
peralriz, loja da Arara n. 36.
Arara vende col'tes de casemira preta a 3?>o00.
Vendem-se cortes de casemira preta a 35300,
55 e 65, ditas de cores a 35, 45, 35 c 75, cr-
15800 a
Ditos para sof
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa............................
Creiao para dezenho de todas as qua-
lidades...........................
Cartas de allioetes francezos muilo su-
periores..........................
Caixas de clcheles francezes a 40 ris
Duzia............................
Carrelis de retros com quatro oitavas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade.............................
25000
[lO.i
300
020
100
360
800
200

2 a
lili
.2!-3
0^213
co ce o o- _
Cb _. o
s
ca
o> o -,
3 o.S-"
Ct> DM W CO
O O 3
O 09 <
H'. I
03 ** Cfl 09
9 M ~
o o, <
3
o
o.
CJJ_
Bf
s
9
- =- O. O. as --
3 a aBa
9 a. M O tya.
os co o. ce ja q
g O g-ST3T3
, g5 a. w ce -j -i
ce 2 B9.o.~.as *
=-.llfll5
o o k o 3. _
ST || S
o sr o. o.
2. ce Sar
i o o
o o.
o

te
i
3
3 *
o. w -
o _,ce r^
2, _c? vi
llsa
ma
2.
o'
s. a
o
^>
a. ce 3
CK)
O
73 T3
1
09
09
O
-i
3
o
o
09
o.
o
09 C3

-a
09
CD
-1
^
cr
09 &9
a-'
09

Lfgames novos a 6,400 rs. a arroba*
. Na padaria atraz da fuodicao do Sr. Starr ven
de se ervilhas verdes, ditas amarellas e descasca-
das, lentilhas e sevadinha pelo preco em sortimen
lo de65400 rs., econformo fr a porco faz-se al-
gum abatimento.
st pa a 240 rs.
a jarda : na loja da rua da Madre de Dos n. 16
defronte da alfandega.
Vende-se um cabrinha de 13 a 16 annos.
muito lindo, proprio para pagem : na rua do Im-
perador n. 43, terceiro andar.
Na rna dos Coelhos n. 10, sobrado, vende-se
urna excellente escrava com as habilidades seguin-
tes : lavar, engommar, cozinhar e cose, ludo com
alguma perfeicao, multo fiel, 26 annos de idade,
caora, muito sadia e robusta, todo se garante na
venda ao comprador por ser rial.
Panno de linlio a 610 rs.
Vende-se panno de linho para lencos e toalhas
a 640 e 120, hamburgo a 500 e 560,' bramante de
10 palmos de largo a 35 e 2J300 : rua da Impe-
ralriz n. 56.
Arara vende os baloes a 3(5 e madapelao a -5
Vendem-se baldes americanos a 35.35300 e 45,
dil= de musselina a 45300, pecas de madapoln
enfestado a 15 dito de 24 jardas, largo, a 650C0,
65300, 75, 85,' H5, 105 e 125, finos, algodao pe-
cas a 55, 64, 74 e 85 : rua da Imperetnz, loja
da Arara n. 56.
Soulanibarquesprelosa 2
Vende-se soutambarque preto de grosdeuaple a
-205 e 255, capas pretas de grosdeuaple tinas a
205, 235 e 304, soutambarque dG lazinha a 74 e
85, ditos de alpaca brancos a 85 e 104, ricos ves-
tidos Maria Pa de novo gostoa 85, 125, l'<5.
165 e 205 : rua da Imperatrlz, loja e.armaiem da
Arara n. 56.
Grande sortimento de roupa
feita.
Vendem-se paletots de casemira de cores a 35,
65,85 e 105, ditos pretos de panno lino, sobreca-
sacas a 125, IV&, 165 e 235, paletots saceos pretos
de panno a 3i, 65, 85 e 105, ealcas de casemira
prela a 45. 65 e 85, ditos de casemira de cor a
45,65.e 85, ditos de meia casemira a 35 e 3J300.
ditos de brim e ganga a 25 c 25500, ditos de brim
branco a 34500 e 44, colletes de todas as qualida-
des, camisas francezas a 24 e 25300. ditas Inglezas
de linho de pregas largas a 34 e 35300, ceroalas
a 14280,15600 e 25, paletots de brim de cor a 25
e 35, ditos de alpaca preta a 35 e 35500, ditos de
alpaca branca a 45500, ditos de alpaca de cordito
a 44, colarlnffos de linho a 640, ditos de papel a
640 a duzia : narua da Imperalriz, loja da Arara
numero 5i>. O proprielarioda loja e armazem da
Arara declara qae todas as suas fazendas se vende
em perfeitoestado, como os compradores peder
examinar; a loja osla aberta at as 9 horas da
noite : tua da Imperatriz.loja da Arara n. 56, de
Mendes Gn maraes.
Leques.
Rlqnissiraosleqaes de madreperola tanto rra
senhoras como para meninas, pelo barato | ir co
de 124 e 145; ^ no Vigilante, rua do Crino
n. 7.
Filas de la.
Fitas de laa de lodas as qualidades, propriss pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s ro Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ricos esprlbos.
Riquissimos espelhos cem noldura d sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim cr rro rnn
celaranas de differentes tamaitos a ?5, ?$,k$. -5
e 65; s uo Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e liguras de porcelana fv,
para enfeito de sala, scdcIo omelbcrposto qi'e.-.ii
tem apparecido; s no Vigilante, rna do Crf'ro
n. 7.
Para pos de arroz.
Riqnssitnos vasos com bonecla para pos de aires
consa de muito gosto a 15500 e i$, assim cirro
pacotes s com os pos a 320 rs. cada un,. s eo
Vigilante, rua do Creapo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e lacha-, ima-
das, assim como de linde; copos nu vasos cem dis-
tinctivos e orTerecimentes as siohaslnbas des ire-
Ihores e nais afamados autores de Pars e Inplster-
j ra, assim comu os grandes ropos de banha jai 1 re;i
a 25 e a 15,assim como ontros ubjeclos que 1 ;"r o
possivel por boje .iniiunciar, e vista dos firf ce
tes se liar tojo esocio; na loja do Gallo VigikLte,
rna -lii Crespo n. 7.
Presos que admira.
Sapalos de irauea superiores pelo barato preco
de 15 o par, e duzia 105 : no vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Rico adamascado de todas as larguras, peca
com 10 varas, cada peca a 400, 480, 300 e 600
rs. : no vigilante, rua do Crespo n. 7.
Clcheles em cartao de urna e duas carreiras
perfeitas, pelo barato preco de 40 e 60 rs. cada
cartao, e duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, a duzia a 15^00, 15600,
25.35,45 e 35.
Balaios propiamente para costura e para "ruc-
ias, e para menina trazer no braco a 15300,15600.
15800, 24 e 24500.
Perfumara, macaca perola a 24, 24200, 35 e
45 a duzia, oleo de maozinba a 35 e 65 a dozia,
Lanha a 35,15 e 34 a dozia. Estes objectos se
venden) por admiraveis precos em consequencia
de seren arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, pois affanca-se a pouca avaria e a boa qua-
lidade : s no galo vigilante, roa do Crespo n. 7.
Bixas amburgBe'as.
Vende-sena rua Nova d. 61."
Arua Florida.
Para restabelocer e conservar acor naitral
dos cabello?.
A agua "lorida nao urna tintura, faci esstr-
cial a.'.ontestar, a mesma agua dando a cor prini-
tiva ao cabello. Composla de plantas exotirsr e
de substancias inoffensivas, ella tem a proprii 6z*
derestituiraos cabellos o principio corante que ti-
les tem perdido. D'nmasalubridsde inennesfa-
vel.a Agua Florida entretem alimpeza da carca
destroe as caspas e impede os cabellos de rarir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
constite poderosamJ*a. com a Agua Florida, a
forca, a belleza e a conservaco dos m*m!*..
fm Paris, casa de Qaislaur n. 12, ma de Riche-
lien, e 21, boulevard Montmr'.'f.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro,
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposite, roa do Imperador.pharmacia n. .18.
Coke do &;az. .
Piten dogaz.
AleatrSo do gaz.
Coke, tonelada 10*000.
Piten, arroba 35000.
Aleairao, caada 500.
O cok reconhecidamente o c.irvao mais riro-
mico, torna-sc por isso rccommendavel, I ar ri-
mo pelo aceio que se nota as rrsinhns sonde l
elle usado. Pitch e alcalino, alrn s aidlni.ne-
Qes diversas a que se prestao, como para ralaf a
lar embarcares, alcatroar madelras, etc., Inf-
estes a propriedade de preservar do cnpim, f-
migas, etc. entregue na fabrica do paz, ru rran-
dado prem qualquer ponto da ridade, jrguedo a
vontade do comprador p previo ajuste._________^
Azeie de carrapalo
Vende-se por atacado cu a retalho mais tanto
iio que vendem os malotos as cargas : na farri-
cajdajtravessa do Cariaca u. 2, cies do Raros.
'


i-


Diarlo de Pemambuco -- Segunda le* a 6 de Mareo de J 6S
-
r^&Z:^Tt\Fazenda$ vretos vara-aqua- laboratorio flnolo^ieo e cliimico de f. P. Lebeuf e C.
ra MoBtniartre 31, em Pars.
erofula um dos males mais
^revalecentes e universaes que
lia em tuda a extensa lista das
enfermedades de que soffre |o
genero humano: disse um cele-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parte de
todos aquelles que morrem antes
da velhice so victimas, ou dir
p :-por o. u..u u u,u ^|-1 Hhascom manguitos .
tiva, p jrm a principal causa de omitas ] chalt5 Prelos le rede, "tudo isto se vendo mais ba-
o 11 tras enfermidades que nao Ihe s5o ger
mente attribnidas.
E' urna causa directa da phthysica pi l-
mmar, das molestias do (gado, do estom t-
yo e affeccoes do cerebro : Entre os seis
llanurosos symptomas acham-se os segu n-
*" : falta de appnite ; o semblante pal-
tti 1 e s vezes incitado, s vezes de urna
a'.::ira transparente e outras corado e-a-
marellenlo ao redor da bocea ; (raquea e
mvlleza nos musculos: disgestai fraca e
tippetite irregular, falta de energa, ventre
Anchado c ecacuaco irregular; quandq o
ni teai seu assento sobre os pulmoes, urna
Or zulada mostra-se em roda dos olhop;
quindo ataca os orgos digestivos, os ollios
oniam-se avermelhados:o hlito ftido,
a iujua carrejada, dores de cabeca, ton-
* 'vis etc.
as pessoas de disposigao escrofulosa ap-
pareeem frequentiMiieute erupces na palle
da cabeca e entras partes docorpo, silo pre-
disponas s affeccoes dos pulmdcs, do jiga-
d), dos rins e dos orgos digestivos e ule-
VIXHOS.Imitacao dos vinhos de todas as
calidades,Extracto de Medac, adose para 2lO
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 2i> ou 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agite
os vinhos cima e lodos os oulros. A dose para
300 litros, SO f.
CLACIFICACAOPos Ingieres, pos dos vinhos
da Hespaoha, da Franca, etc. A libra para 500
litros. 5 f.
es
pr-
o-
as
nos. Portanto, nao somonte, aquel
tjue padecem das formas ulcerosas e tub
culosas da escrfula que necessilam de p
teceo contra os seus estragos; todos)
queltes ern cujo sangue existe o virus lat n-
h: d'estc lerrivel flagelto (e s voces heri-
ditario) esto expostos tambera a soffrer das
eafermidades que elle causa, que sao :
A phthysica, ulcerares do /gado, do es-
tomaga e dos rins: empees e enfermina-
t eruptivas da cutis ; rosa ou crysipeva ;
bjrbulhas. pstulas nascidas, tumores, rh-
enma carbnculos, ulceras e chagat, rlveu-
mitismo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades femininas, flores bran-
cas causada pela ulceracao interior, elen-
fe.rmidades uterinas, lujdropesia, indiges-
ta i. enfraquecimentn e debilidade gera.
Aos pulmoes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpeo pulmonar :
as Rnulas ella produz inchacoes e tornam-
sa ulceras: nos orgos digestivos
demarramos que produzem indigesto,
yepsia, molestias do figado e nos ria
na pelle produz erupces e affeenjes futa-
*n '.'i-i.
I'ndos estes males tendo a mesma
gera, carecem do inesmo remedio;
Mii" : purificar e fortalecer o satigue.
A salsa parrilha de Ayer
eomposta dos antdotos mais efficaze que
brir,
DE
DE
J. VIGNES.
\. 55.
resma.
Ka loja do Pavo.
Acha-se este estabelecimentocoinpletamente sur-
tido de fazendas pretas proprias para a quaresma,
a saber :
Grosdenaples preto largo e muitissimo encorna-
do, outros mais estrenos tendo dos precos de
15280, 10(100,15800, U, 25400 e 3, superior
moreantK]ue preto a 3, superior sarja preta lies-
(anhoia, superior setim preto maco, rieas capas
pretas bordadas, soulcrnbarques muito bem enfei-
ia 00 indirectamente da Escrofd-' ,ail. ricas vasquinas e casacos dos mais raoder-
mi-<\nr i ninn lln rtoJ-1 nos q*16 ,em v'ndo, superiores manteletes, canusl- ^rVr''s*"rtTii',-?.T.""V """"f"''* =*"
LkuM.M.^ita. proprias para luto erip^-f,^U:J?f;d?to'dwrI'alf-,~-d? Poa,,:d':3
tudo isto se vendo mais ba- l'~6 .L.,sboa' ? f: -de Calalan> *u-* M.
a i rato do que em outr.i qualquer parte por ser a di
nucir : na loja do Pavia ra da Iiuperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As ronpas do Pavo.
Acha-se nesleestabelecimento um grande sortl-
meiio de roupas feilas para homem como sejam :
superiores paletots sobrocasacos de panno preto
muito Ono e Torrados, de seda a 225, 255 e 305,
ditos turrados de alpaca a 145, 165 e 205, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
broeasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de bnm de todas as qualidades, colletes
do casemira pretos e de cores, ve'ludos, selins
etc., sendo todas estas obras corladas por um dos
melhores mestres nacionaes, manda-se fazer qual-
quer obra por medida : na loja do Pavo ra da
Imperatriz n.CO, de Gama & Silva
Uiilas em edrtes co-a 10, II e 12 covades
Na loja do Pavao vndese urna grande sorcao
de cortes de ehits nncezas sendo claras e escu-
ras todas de edresC as com 10 covades a 35200,1
com 11 covados a 35600 e com 12 covados a 45,1
pechinrlia para se apurar dinheiro : na loja do i
Pavao, de (ama ^ Silva, ra da Imperatriz n. 60.;
Cirande liquidaco.
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas
do Pavo de "Gama Acha-se ele estahelecimentocompletamente sor-
tido de fa/.endas inglezas. fi ancezas, alletnas e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
malo, premeltendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer liarte, principalmente sondo em
porcao, e de todas as fazendas dao-se amastras,
Jeixando flrar peobor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
(iiuisinlias a 1$.
Vendem-se camsinhas com manguitos, sende
muito bem enfeiladas, proprias para senhoras a
oieninas, pelo barato preco de dez lusioes cada
ama : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n.60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 35.
Vendem-se mnito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corto, com desenlies muito delicados
pelo baraii.-simo preco de 35'-(0 o corte : s na
loj do Pavao, ra da Imeratrrz n. 60, de Gama
\ Silva.
Canibraias lisas, ca laja o Pavo.
Vendera-sc pegas de rambraa lisa muito flna,
lapadae transparente, pelo baratissimo t>rec,o de!
15 tendo 8 1|2 varas cada pefa, ditas muito finas
a 75, 85 e 95 a peca, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo preco de 75, 95 e 10, ditas
Garrazes hzenda muito- encorpada fazenda pro-
.iria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a pe-
ga : ato na loja do Pavao ra da Impojatriz n 60,
de Gamac Silva.
Os vestidos do Pavo.
Grande pechincha a 35300.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente milaeo- de tarlatana com muitos
elicados desenliis muiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 35300cadaum,
sendo fazenda que sempre se vendeu a 75, na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a r ? 7:i
Na loja do Pavo vendem-se ricos cortes de vesti-
dos Maris Pia, sendo bordados e cora barras,
pelo baralo prego de 45 e 75, sendo fazenda que
val muito mai dinheiro, isto por haver grande
poroto, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama A Silva.
Os eafeites da Pavo.
Vendem-se os maismodernosenfeitesparacabeca
de senhora : na loja do Pvo, ra da Imperatriz
d. (0, de Gama & Silva.
As cassas do Pava).
Veadetn-se as m^is bonitas cassas francezas, de
padroes miudinhjs e gra los, cliegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porco : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gima fe Silva.
Js Iazinbas transparentes a -iOO rs.
_ Na loja da Pavo venden) se as mais modernas
Iazinbas transparentes, sendo de lisias miudinhas
a imitacao das sedinbaa, pelo barato prego de 400
rs. o covado; ditas enfesladas de urna s cor e
ditas de salpiquinhos proprias para vestid js e rou-
iias de criangas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n 60. de Gama & Silva.
Fabrica era Argenteuil, prs Parla (Frasea).
BONIFICADO E FABnICAClO
Dos vinhos, a guarientes e licores.
AGl'ARDENTES.Essencia de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100-litros, 5 f.
KIltSCH E ABsl.\THO.<-Esseneia de kirsch e
de abslntho, para os fazer com alcooLe agua. A
garrafa para 100 litros, 5 f.
LICORES.Extractos para fabricar se lodos os
licores conhecidos em fofo num alambique, (io-
dicar-se os que se deseia.) A dose para 20 ou 2o
litros, 3 f.
PERPUMES para fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para 20 oo 25 litros, 1 f. 23.
TODOS os ouiros productos para o trabalho dos
vinhos, agurdenles, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de eneemmenda.
TENCILIOS de laboratorio e de chimica.
e engaado nossos

NEM CORO AS NEM MITRAS
E
T i! TV I
.. I v4.M. i. Ja
GRAIIIE
AttMAZEM
DE
COLORACAO.Pnrpirigine para colorear os
vinhos braneos e vinhos claros. As duas libras
para 500 litros, 16 f.
Alguns de nossos agentes teodo falsificado e'imitado nossas preparacoes
freguezes, deve-s* exigir sobre as rolbas e rolulos as iolciaes F. V. L. Pars,
0 modo de asar-so das preparaeSes acha-se indicado no rotulo.
As encommendas devem ser acompanha.las por u*na letra sobro Pars ou qualiuer outra cida-,
de de i- ranga, ou garantidas por urna casa conhecida.Dirlgir-.e aes Srs. Lebeuf A C. chimicos, ra 1
Monimartre, n. 31, em Paris, ou a sua fabrica em Argenteuil, prs Paris.
vende-so ua botica franceza, ra do Imperador n.38.
RA DO IMPERADOR X. 40
Junio ao sebrado em qoe mora oSr. Os borne,
Duarte Almeida de c. receberam de ana proprla euroniKca-
da o mala lindo e variado arflmento de naolhadoa, prenrlos
da presente estacSo.
Manteiga iagleza i Ma^as brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1,00o para sopa a melhor qo% se pode deseiar,
raararrao, talbarim e aleiria a 4Ct r>. a
c msa
dis-
ori-
sa-
cura
que
ordi-
pelas
tem
a sciencia medica tem podido deset
pai a esta m lestia assoladora e para a
de todos os males provenientes d'ell;
conten virtudes verdadeiramente extn
o:'iis provado incontestavelmfiite
:uas nolaveis e bem conliecidas qufl-
fiilo de tumores, erupcdes cutneas, tryti-
pMttft) borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, parebas, hydrope-
*-.,',, losse quando causada por deposites tu-
nos pulmoes. Debilidade) ge-
e
ti-M CUlOSOS
f.i\ : -Indigislio, Sypltilis coiistitucidnal
molestias mercuriaes. molestias das rajuihe-
4'es, ulceracow do ulero, a nevralgia o con-
vaiy.is epiiepUcas e em samma, toda serie
d' eafermidades que nascem da impureza
to saugue. Vede as certidoes no Ala-
mele e Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitameate nos lugares onde
so vendem os remedios.
Esle remedio o fructo de lorigas e labo-
11 osas experiencias, e ha abundantes provas
*.!:>- sois viilulos: posto que offerteido
M publico sob o nomo de Salsa parrilha,
r.omposto de diversas plaas, algumas das
rjia 's sao superiores a melbor salsa plarri-
\.,i no sen poder alterante.
PErroaiL o txam de ayer.
Gura prompiamenle a asthma, bronc lile,
losse, defJnxo, angina, coqueliche,
putbysica primaria, tuberiulos
paimonaces, e todas as
molestias pulmo-
nares.
\i!ivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peilo
e dos pulmoes pdem ser curadas em potr-
eo tempo pelo peitq:ial de cbbeia d(i dr.
a.TBO.
\' venda as principaes boticas e droga-
i-do imperio, e na agencia central dG
.' de Janeiro ra Direita n. 15.
Vende-se em Pemambuco:
na pharoiaca franceza d|e
9 f"
i c.
KUA NOVA N. 18.
HUffllNiSIIEPVrEYr
de trabalhar : mo par
dessarocar aSgodSo
F\BRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Eitas machina!
podindcscarot-ar
qualquer espsci*
"le algodao sen-
estragar o fie.
sendo bastanu
duas pessoas para
o trabadlo; pd<
descarogar umi>
arroba de algf-
do ern rarog<
em 40 minutos
ou 18 arroba.
por da ou 5 ar-
robas de a1,,' i <.(
limpo.
1 ii tono machinas para sorem movidas m>
ni5-, que descirogan 18 arrobas de algodi
11, m dia; o notorut para mover uir,.i, dii?.-.
i-atti* dessas machinas.
f^i mismos tem para vender um bellissirao va-
; te ple fazer mover seis deatas machlnai
ionadas ; para o qHe gjnvd?.-se aos Srs.
^ricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
z-sm de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Saanders Brothers &C.
K. II, praca do Corpo Santo
RKCIFE.
Os nnicos agente oeste pas.
'Tomle-sH a taeras'da roa dos goguiuhflS
n JO: a tratar na raesraa.
tambaaqaes de grsdenaple preto
enfeitados, une se vendem pelo barato prego de
05, 22,5, 25$, ;0,8. Capas e casacos de glace pre-
[ns que se venden muito em canta: na lujado Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras eseossezasa 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas, colletes, paletots, roupas para
enancas : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama Silva.
Aos viole mil covados de la.
Grande pechincha a 240 e 320 re
RA B0 IMPERADOR X. &d.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre t
Jna superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qnalidades estas incontesta-
res que eiles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca : odo-
sumdo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunca ialliar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feilo ultimamente melhoramentos importac-
tissimo para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuj* capital foram sempre premiados em todas as expesieoes.
No mesmo estabelecimanto se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autwes da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, seado tudo vendido por
preces commodos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDICO-CIRURGICO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LORO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO 12 OPERADOR.
3 Eorn da Gloria, casa do Fiuidao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consaltas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s i
iioras da manhaa, e das 6 e meias 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo CtHwuKork). ba sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. i2000
de 24 tubos grandes. 180000 -
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. .. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e cora os remed
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 10'OO.
Sende para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Maatelga franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
.,aC560rs.
Amendoas
o&ufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 50Q rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas asqoadades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambera
tenns velaos para 500 rs.
Qaeijos flainengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queljos
ebegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
QueIJo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellaate maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 102Oo!
Cha uxim
o melhor que se pode desojar, qne outro
qualquer nao pode vender por menos Ha
30 a 20600. Qe
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hyssoo
o mais aromtico que tem viudo ao oosso
mercado a 20600.
Sassas amarelas
para sopa, macarrao, talharra e aletria a
480rs. alibra.
COGIC
o muito afamado cognacPat Brandy a 1 8oo
rs. a garrafa e de ontras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa
COPOS
lapidaos^para agua a 4,5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada nm.
A melbor obra da homeopatbia, oMmual de Medicina Homeopathicodo Dr. Jahr,
ions grandes volumes com diccionario............ 20^000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 100000
Repertorio do-Dr. Mello Moraes.............' '. 60000
Diccionario de termos" de medicina........... 300001 j
,nrtan.de mllenle
rs. a
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma dome-
inor..
Os remedies-deste estabelecimento s5o poc demais conhecidos e dispensam portan-!
to de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-'
Papel de botica
qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
(tiros sonlamhaniucs do Pavo.
a de chegar um neo sortimento de son- dadeiros,energicos e duraderos: ha tudo do melhor que se pode deseiar, globos de ver-: azuJ e P^o para embrulbo de i, 4oo a 2,2oo
)n.io muito cen ^j-.:.. .,,.,,,, A i: *-: _| v n^_..~r. i:_.___j______:- ____.-, i
dadeiro issucar de leito, notaveis pela sua boa conservacJo, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e accorada prepracao, e portanto a raaior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-seescravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o anBunciantejulga-se sufficientemente habilitado.
O tratamonto o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
Vendem-se as'mais bonitas lazinhas transparen- SfS?/ C3Sa 3.maS de ^uatre f fs' ha militas pessoas de cujo conceito se nao
tes, sendo com iistras e quadrinhos miudinhos, e Poae uvldar. que podem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas doentes.
e roxas para luto, pelo baratissimo preco de 240 Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi erad ante 10500.
ifit^VSV^I^l^^ perac5eS erso previamente ajustadas, se ne se quizerem sujeitar aos precos
algomas proprias para luto, pelo barato preco'de i az0av0is que costuma pedir o annunciante.
:i20rs. cada covado, isto por haver urna grande *vfi)^aa!*B^ntfB^ffl^a AtflM'>ye9X!^^?^i ri'
rcao
Silva.
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Vestidos Mara ra,
brande pechincha a 100000 re.
Chegaram os mais bonitos cortes de lia Hara
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, ^endo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
e vendem-se pelo baraiissmo preco de 10 o cor-
le, ditos de precata com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 105, ditos de cambraia
com barras bordadas a crqx no ultimo gosto, pe-
lo barato preco de 6$ : na loja do Pavo, ra da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassaa de liuho a 360 rs,
Chegou esto nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para enancas, com
inuito-delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
baralo preco de 366 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, cua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vazluhas lisas!
VenJeni-i: as mais linas lazinhas de urna so
cor, tends grande sortimento : n* Iqja do Pavo,
na da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chales argentinos de renda.
Chegaram ltimamente para a loja do Pavao os
mais ricos chales de renda com tres ponas, sendo
todos pretos, e lambemeom assentos do cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tem vindo a este
jnercido, ricamente bordados e cerculados de um
elegante bico preto de mais de palmo de largura;
estes modernsimos chales nao s sao proprios
para passcio por fazerem urna elegante vista sobre
nm vestido de qualquer cor, assim como muito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
unidamente na loja de Gama & Silva, ra da Im-
l>< ratriz o. 60, loja do Pavao.
Soutambarquesdecor na loja
do Pavao.
CHegaram pelo ultimo vapor francez os maisri-
co* soBtambarques ae cores, sendo os mais bem
enfeitados que tem vindo a este mercado, com
aonrnos de wlludo, seda esetim, renda, etc., s

%
)hales de renda preta e 'bournus deguip pretoJg
A' leja da roa da Crespa n. 17,
DE
JOS OJJ1ES VIIiLAB
Vende a 155, 205, 305, 405, 50J e 605, capas e casacoes de gros relos, chapeos ffi*
e chapelinas de palhae outras militas fazendas proprias para a quaresma. Ps
Jos Gomes Villar pretendendo ir a Europa tratar do soa saude espera que seus Wk
devedores tanto do mato como desta- praca saldan seus dbitos quanto antes. gag}
m
m
FABRIC4 DE CHlPMS DE SOL
\ 83 Rua \ova esquina da Cambpa do C'ai-iao c rna do
Cabnga n. 9.
A directora desse estahelecimento o mais importante que existe neste ger.ero
as provincias do norte do imperio, querendo que o-publico desta provincia goze das
vantagens que proporciona a fabricaco em grande escala c directa relac5o com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que" resolveu-se a vender ainda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabe'la :
Chapeos de sol de panno a 20000 ........
armaco de Tialeia a 20500 .
de seda armacao de ac inglez de 20 pollegadas
U, de 2150, de 26 50500 e de 28 60 .
Chapeos de sol inglezes a balao 12 varetas, cabos, muito riees e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 e de 28 100.
dem idem a balo de 16 varetas patcnt paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26120, e de 28 130
Descont em duzia.
'o
o-',.
20
10
15 o
lo to
15 o o
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que exislem na mesma casa
avia do grande ortimeoto qe oa tceguezes j como sejam de alpaca, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambom de seda e de panno
Efi^^ os tamanhos ofeilios- os Qa sSo 180 vanlajosos como os annunciados. ha
\enue se pprnii renlos nrfcos ^ororino a. quaii. ^ f ,1a hor^lo, cK.mIm ^oKimh tuin fi.
d;'.e> : na loja do P*w de Gama e Silva,
Imperatriz i. CO.
ua da sempve um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caga, os quaes vendem-se igualmente em poro/io e a retalho, notando porm
Farinlut de milho,
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas: na rua do Rangel n. 3.
que o comprador por atacado ter sempre um descont raioavel, aflm de poder reta-
Ihar pelo preco que o estabelecimento retama,.
IV. B. Os objectos comprados emmenp> de urna duzia serKo considerados como
a retalho.
rs. a resma.
(femadas
passas conothias muito novas proprias para
podJi a 8oo rs. a libra.
Fumo
vinagre
^dTuma001"6138 dC 9 CaDadaS a 1S'000 rs"
Oekllas
"sTf8? Td0 a 7j00rs-a caixa
e .ooo rs. o molho.
. Alpista e htiuco
GEBUS
mmadnonVa7a r^ ?Cent0 naruado*^'
gTdocJmorUr:.d9Ornlperaaol-40ela'--
cro de bico
m*to novo a 30400a arroba e 140 rs. a 1.
bra na rua do Queimrdo n. 7, rua do-
Imperad0!,)rrnfi;f4r0ae 'argo do Carran. 9
QUEUO SIJISSO
m om3 8700 rs-a 'a na raa d0
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao aseguintes: Chamisso Filho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Denzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de baBha a 40000.
Bolachinlia iagleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120' bra.
Cervejas
dos melhores fabrcantes|e de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de ?*" sorte doRio de Janeiro a 805*
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com i / garrafas com vinagre a 10OOOt#
ogarrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110060
a caixa.
dem
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a croza
e2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a 10,000 a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs a
libra.
Presunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
, L ARRz
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9.3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
emaClibraS dC 2 arrbaS a 5|* 3 Caixa e 60 "
Passas muilo novaa
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 605^0
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejara800rs.alJbrael40rs.rro
k^ a rPntas eni calda
chegadas ltimamente, pera, peceeo einia
outros muitos a*^~ J."5. g0j gIDJa
a 600 e10
a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da guiaba
o caixae.
. GOMMA MUITO NOVA
rob cl40rs. a libra na rua do C'oei-
rCa?mLrU9d0lmperad0rn-40e,arg<>
BOLACHINHAS
em^ latas de deflferentes qualidades a
a lata
1200
Os proprieiaros do grande armazem o VerdaT d Carm
, OUEIJOS^FLAMENGOS
tom^mm, >apor aS*m na
do Quemado n. 7, ruado Imperadorn.
n. 9.
40
fremiMM A.- uu K'"uue armazeui o veraarjeiro Prin/inai Honio.
0 Verdadeiro Principal raa do Imperador n 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas
novas e grandes a 40500: na rua do Imperador n. 40.
NOVIDADES.
iar a tA&ifiJ1^^ A^V-dn ilbas mais' 1 se Pode dese-
K^f! a-S? So t^Sc
cada urna,ricas caixas de figos tambera proarias nar 7nSmaJf>i ak!
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
0 alata : aos armajens da ruado Im-
perador n. 115 e ruado Trapiche Novo n.*8
desso
barricajrcm gesso : nos armaiens de Tasso r-
mios.
Vende-se ama nor^ao de feiiao malalinho mnito
novo alji cuia, dito preto a 880 rs., (Kto rajado
do Porto a 320 rs. : na roa Direita s. 8.
_

111 r"^%l%/r-i


1
ii
Mari* de Pcrnatubnco Segunda f-l.-a de Marco de i5
NO VOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiramente novos
era goslo e qualidade : loja das columnas, na rnado Crespo a. 13, deAntonio Correia
de Vasconcellos & C, successores de Jos Moreira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidas de senhora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gorgurao e de setim imperial.
Ditos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de la com barra e grande variedade era cores e padrSes.
Ditos de organdys com barra
Liadas sedas de quadros escosseza e miadas.
Superiores laas lisas cora grande variedade de cores.
Ditas cora salpicos, com flores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de ores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas decores, e lindas cambraias ergandy
Grande variedade de chita de cores, de percalia eoutras muitas fazendas delaa.
Para hombros de seobora
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de la e de seda.
Grande variedade de sout'erabarques de seda de I8 a 40J.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados fios, de cachimira com listrasde
seda e de (li preto.
Camizinhas modernas, zuavos braneos e de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
lianas cora pannos e outros muitos artigos.
Para cabeca de seuhora e menino
Superiores chapeos e chapellinas de palha de Italia enfeitades para senhora.
Ditos de feltroeneitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores,
para senhora.
Na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonie Correia de Vasconcel-
os & C.
GJHItAIi RECOJffiflENDACJLO
AZU COIVSERVATI
23-Largo do Tereo-23.
Joaquim Simo dos'Santos, dono deste bem sortido armazemde melbados taz sciente erag
ueudago aos seus amigos, freguezes e a todos era geral, que esta resolvido a venderos seus
jujeemos -eneros de primeira qualidade,por menos de 10 a 20 por cento, menos doque em ou-
Uquer parle a dinheiro contado.e todo o comprador que comprar de 503 a IUI'3 terao descon-
S a 10 por ueutopelo seu prorapto pagamento; e por Isso se faz annuncio de algunsgeneros-
am esto melhor se certieareni.
ii-iasis ,i.ira sopa macarrao, talharim e aletria a
2iJ ti. J. libra e era caixa a 5.
foaciano de Lisboa alvo muito superior a 280rs.
a libra e 83800 a arroba.
Oa( do Rio de primeira esegundasorte a 260.280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8f e
83300.
Chouricas as mais novas do mercado a 560 rs.
libra e em barril a 1SJL
Passas viadas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 8J. .,
Batatas emaigos de 33 a 40 libras por 2*400 a ar.
roba e a.80 rs. a libra.
Cha hysson miudinho superior qualidade a 1*200,
2*000, 25300 e 3* a libra.
Vinho de Pfgueira, Porto e Lisboa em pipa a >60,
300, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem proprio para neocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 2*400 e 2*700.
Milho alpista e painco muito limpo a 146 rs. a li-
bra e a arroba a 4*400 e 4200.
Phosphros do gaz viudos por coma propria a 18^
rs. o mago e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga,
lo a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs.a
garrafa e a duzia a 5*800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abalimento.
Arroz do Maraohao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2*800, 23 e 2*400.
Assim como ha um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soefa, conserva? choco-
late, marmelada, vinho engarrafado e entro"! mui-
tos gneros que enfadonho meaciona-los, e se al-
guem duvidar venlia ver.
Cassas para vestidos.
Tal pechincha s a dmiieiro se pode vender.
Superiores cassas francezas de cores miudinhas, de quadros, lisas, e de ramagens, com grande
variedade de padroes, fazenda que se tcm sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baratissimo preco de
300 rs. o covado : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos
& Uomp.
0
81HUA DO IMPERADOR- 81
Segunda casa do lado direito indo do pateo o Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a sasfac5o de avisar aos seus freguezes e ac respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incomnaodos de saude, acba-se novamente
com um bello e bem sortido armazemde seceos e molhados primorosamente escolhidt;
como sempre capriebou terdas melhores qualidades, efrancamente ?fiancas pessoasque
se diguarem comprar em seuestabelecmento,que alli de preferencia outra qualquer par-
te serio mais bem servidos, em quatidade e precos, como em pesos e medidas, no que
sampreo aaaunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessu alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradoresqueo'queiram honrar como seu comileiitdhes
assegiira que o producto de seu laborioso traballio ser o mais bem reputado no merca-
da desta praija, para o que sejulga convenientemente habilitado pela longa praticacom-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois dese-
rem lielmente cumprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos9rs. agricultorese negociantesque Ihe merecam confianca, fa-
zendo um abatevantajoso aos que pagarem a vista suas mercaduras, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commisso, entregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seuarmazem,
prescindir da commiss5o.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera oannunciante sna valiosa proteccSo.fre-
quemando como outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que lhestributa offerece espon-
tneamente seus servicos.
JuUa lesaecesario publicar a tabellados precos de sens gneros: sao seusrecursos
garanta'sufficiente de poder accempanhar os menores precos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estbelecmentos, tendo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
Prcvcncao neeessarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo ramo deneg-]
ci ni mesma ra, julga prudente advertir quesaffirma ese responsabilisa pelo que
tem declarado no qae disser respeito ao armazem.
i ibi&d wmmt
81-RUA DO IMPERADOR-8
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio
A 4 8 0 CORTE.
Pechincha sem igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padroes
pelo baratissimo prego de A$ o corte: na loja das
columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio for-
rera de Vasconcellos C.
AO PUBLICO
Bem o menor constran-
glmeato se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENGftO
ttencio
Os precos da segulnte
tabella para todos, pu-
dendo assim servir de ba-
se para o ajaste de contas
i-} com os portadores.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o arco da ConcelcSo)
PARA BEM DE TODOS.
Senhores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promplidao e intei-
reza com que sero tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida rae daro a prolecco e preferencia na com-
pra dos generes que prec sarem, e quando nao possam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos,
pois sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommenda;,o, afim de que nao vo en
outra parte.
Manteiga ingleza especialmente escelhida a
i ,000 e- 800 rs. a libra e em barril se faz
abatimento.
dem franceza a mais nova do mercado a 9 'o
rs. a libra e 900 rs. em barril ou meios.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs. a libra.
dem hysson muilo superior em latas de i3
libras muito proprio para negocio a 2,000
rs. a libra.
dem hysson nacional em latas de 1 e 2 li-
bras a 1 ,Goo rs.
dem preto o que se pode desejar nesle ge-
nero a i,ooo e 2,2oo rs. a libra.
Linguigas muito novas a 800 rs. a libra e em
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas inglezas a 64o rs. libra, serve
para temperar panella ou para ambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,000 rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 800 rs. a libra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas porttiguezae j preparadas
em latas hermticamente lacradas alHo.
Feijao verde muilo superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 5>,5oo
rs. a duzia.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanhol e suisso a 9oo,
l,oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 600 e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abalimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 800, l.ooo e l,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que vera ao nosso mercado a 7,ooo e
8,000 a caixa e6o e 7oo ris agar-
rafa.
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de
conia certa.
Frasqueiras de genebra de Hollanda a 6,800
e 64o rs. o frasco.
Genebra de laranja verdadeira em frascos
grandes a l.ooo e ll,ooors. a frasqueira.
Caf do Rio de Ia qualidade a. 28o rs. a li-
bra e 8,5oo rs. a arroba.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-
bra e 7,co rs. a arroba.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li- Sal refinado em frascos de vidro com tampa
bra e 6,000 a caixa. do mesmo, a 000 rs.
Ifassa para sopa : eslrelinha, pevide e rodi- Cerveja branca das marcas mais acreditadas
nha brancaouamareia a 64o rs. a libra e que vera ao mercado, a 5oo, 36o e 64o
3,5oo a caixa com 8 libras. a garrafa, e o,8oo, 6,000 e 6,000 a du-
Vinho do Porto muito fino proprio para zia.
engarrafar, em ancoretas de S caadas a Cevadinha de Franca muilo nova, a 2oo rs.
35,ooo rs. Charutos do aflamado fabricante Jos Furta-
Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a do de Simas, das seguintes qualidades:
32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, c em caada. Exposicao Normal de H.ivana, lmperiaes,
a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo. Londrinos, Guanabaras, Parisienses, Sus-
Vinho branco de Lisboa de excellente quali- piros Delicias, a 4,000, 4,509, 5,ooo,
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana- 6,000 e 7,ooo a caixa ou em n eias.
da a 3,000 e 3,Soo. Charutos finos de diversas marcas e fabri-
Vinho branco para missa em caixas de 1 du- cantes, como sejam: Flor do Norte, Ma-
in a 8,000 e 680 rs. a garrafa. nilhasde Ilavana, inlervallos. Vencedores,
Vinho do Porto das melhores marcas que i Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5oo e
vemao mercado como sejam : Lagrimas 3,ooo a caixa.
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Por- Cognac inglez das melhores marcas, a 800 e
tuga!, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e lo,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cherexde superior qualidade a 16,000
a duzia e l,5oo rs. a garrafa.
Sardribas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as raeias latas.
Bolachinhas inglezas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda era latas de diversas
qualidades a l,3oors.
Cartes com bolo francez muito proprios pa-
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixinhas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
' de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por2,5oors.
Ameixas francez s em r asco de vidro cora
tampa do mesmo, a 1 Ameixas franc zas em caixinhas de diversos
tamaitos com bonitas estn pas na cai-
xa exterior, a 1,4o?, l,6oo, l,8oo e 2,000
cada urna.
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,000 a laa com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excellente cha para os navegantes, a
2oo rs.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo solas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
Toucinho de Lisboa muilo novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Banlia de porco refinada a 060 rs. a libra.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranbo muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,000 e l.ooo o frasco.
Caixinhas com fructas em dofe secco de di-
versos tamanhos, muito proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o prego.
Azeitcnas de Rivas em ancoretas grandes de
8 garrafas por 600 e 80b rs. a garrafa.
Azeitonas portuguezas a 000 rs. a garrafa e
l,5oo cada urna ancorela.
Azeite doce refinado hespanhol ou portuguez Champagne da melhor qualidade que vem
a 9oo rs. a garrafa e lorooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo' 24,000 e 26,ooo o gigo.
o gigo com 36 libras. Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
duzia.
de escova
8,5oo a
Va-souras
4oo rs.
Nozes muito novas
para esfregar casa a
a 16o rs. a libra.
72o
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo. Molho inglez em garrafa de vidro com rolha
-rs. a libra e 2,8oo a arroba. \ do mesmo, a 16o rs.
dem da India a loo rs. a libra e2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes,
arroba. 1 a 800 rs. o frasco,
dem de Java a 80 rs. a libra e 2,4oo a ai- Mostarda franceza em potes j preparada a
roba. 1 4oo rs. o frasco.
Painco e alpista a 14o rs. a libra e4,ooon Lentilhas francezas. excellente legume para
arroba. sopa, a 2oo rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamente dito a
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-! l a garrafae 11,000 a duzia.
lho. Palitos de dente a 14o rs. o maco.
a libra.
Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e
rs. a duzia.
Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
Balaios para roupa suja, grandes e peque-
nos, por diversos precos.
Amendoas confeitadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,ooo rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 5oo rs. a
garrafa. '
3


r c _
5-wi'Ba
,2. g 3 2*1
= 2-S--
O S W CD = B M O Si B H *
_ "1 B ff.O
lilil
:If*iB

-
O.
B
-a
O
i g
s 3
o> =, H
s.a
3
ft> "n

eo O. a -
i.asls
s; O O -1 .
4TTEN(1A0
AO- *
NOVO ARMAZEM DE MOLHADOS
N. iHllua do Calingan. 18,
Defronle da matriz de Santo Antonio,
DE
Lima & C
O proprietario deste novo estabelecimento avisa ao respeitavel publico, que acha-
se prvido de um completo sortimento de molhados e seceos, todos novos e por precos
commodos. .
O proprietario nunca quiz annunciar pelo jornal a existencia de seu estabeleci-
mento ; porm, como faz-se necessaria a noticia aos senhores de engenho e agricultores,
que mandam seus portadores directos a esta ou aquella casa, motivo pelo qual os pro-
prietarios o fazem agora
Aproveitam a occasio para declarar aos Srs. consumidores, que seu estabeleci-
mento se achara sempre completo de um variado sortimento de molhados. seceos e ou-
tros objectos pertencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos serSo menos 5 por cento do que em outra qualquer parte, e para
este flm chama-se a attenco de todos em geral.
Os pesos e medidas, e qualquer engao dado na casa, sero garantidos pelo dono
em favor do consumidor, em qualquer occasio que reclamar.
Os propietarios deste novo estabelocimento esperam dos seus freguezes, e do
publico em geral toda a proteccSo, prpmettendo os proprietarios da Flor dos Progre-
sos tirar t5o smente um lucro razoavel do laborioso trabalho, com que possam dar
cumprimento a esta ardua misso.
Achando desoecessaria a publicado dos precos minuciosamente explicados de
seus gneros, com o que geralmente todos fogem, pelo motivo no somente de ser enfa-
donho, como tambem por nada valer, os proprietarios tm smente em vista entreter es-
seus consumidores com gneros novos, e presos mais razoaveis do que em outra qual-
quer parte, pois ser5o as .garantas para a prolecco ao Novo Armazem de Molhados.
FLOR DOS PROGRESOS.
BOTICA E DROGARA
Bartholomeu Franessco 34Ra larga do Rosario31
Vendem:
Pillas Holloway.
Plalas do Dr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Plalas do Pobre-homem.
Plalas americanas.
Plalas vegetaes.
Plalasvegelaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Cfaable.
Elexir de Pepsina de Grimanlt.
Vinho do Salsaparrilha deCh Alberto
Injec^ao Feangas.
Agua cientfica de Desirabode.
Papel chimico, para tainos.
Xarope depurativo de Chanle.
Licor aromtico de Raspan.
Pos anti-epileticos deBrest.
RobL'Affecteur.
Xarope do Bosque.
Uoguento Holloway. _____________
FeiJSo
Na roa da Madre de Dos n. 9 vende-se feijao
mulatinho, dito branco, e dito preto, mais barato
do que em cutra qualquer parte, approveitem a
pechincha que a quaresma bate porta.
Vende-se a casa terrea n. 38 da ra de Ma-
tbias Ferreira da cidade de Olinda : quem a pre-
tender dirjase a tratar nesta cidade na roa Au-
gusta n. 59.
MRELO
a 33000 : na ra larga do Rosarlo B>. M, taberna
da esquina que volta para a roa estreita do Ro-
sario.
-\ova loja de fazendas e roupa
felta aacloBal, na da luipe-
ratrlz, loja de 4 portas o. 19.
Chitas da loja n. 72.
Vendem-se chitas tinas a 240 e 280 o covado,
ditas franceza* finas a 320, 3C0 e 400 rs. o covado.
cassa franceza lina a 320,3C0 e 'i()0 1 s. o covado,
laazinhas (ara vestidos a 360, OO, SCO e 860
covado, pecas de madapolao fino a 6$, lf>, 8e
9i, pecas de algodao a 5, G e S : ra da lm-
peratriz n. 72.
Roupa feila nacin? 1
Vendcm-se paleto!? de panno fino a 14j, i( e
183. dito sacaos a 63,83 e 105, ditos de casimira
decores a 65, 85 105, ditos de brim de coks *
25500, 35 e 4#, calcas de casemira prea e rt o-
res, colletes e caigas de hnm decores a 2CC0 e
25500: 1 na da Iroperalrli n. 72.
Sonlambarque a s.
Vende-se soutamharqne de laasinha a 75 e fe5,
ditos de alpaca branca a 85 e i5, dilns dcnaple pretoa 205 e 255, capas preasde gros-
denaple finas a 205 8 233, panno fino preto a 5.
35, 45 e 55 o covado, casemira preta a 23. ?3'( O
e M,5. erosdcnaple preto para vestido a rjfCO, ?5 e
23500 o covado : ra da Impeairiz n. 72.
Corte de ia Mara I ia a Hr\
Vendcm-se cortes de vestidos s Mara Pa a lf'5,
145 e 165, dirtps de cassa fram-e/a a ?5, corles
de hrim para calca a 15600 e 25, ditos de case-
mira de cor a 33, ditos de dita prea a 35800. i.
"5 e 65 : ra ;la Iraperatrli n. 72. Este novo rs-
ahilecimento vende barato para ohter frrgoezji :
na rna da Imperatrz, loja 11. 72.
DROGARA.
IIRna'larga do Rosario3i
Bartholomeo Francisco deSooza fC.
Vendem:
Acido icetico puro psra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnicoes avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Veneza, lino, em paes.
Vende-se feijao mulatinho novo a 800 rs. a
cuia : no pateo do Carmop. I.
Vende-se por commodo preco o sobrado de
tres andaras e solao da ra do Amorim n. Ifl para
cumprir ordens de seu proprietario que se acha-
ausentc: qnem o preender dlnja-?e a rus do Vi-
gario n. 19, pnmeiro ander.
O abaixo assijjnado, proprietaro~de"nm"sor-
te de trras de 1/2 legoa de frente e urna do fun-
do, a marjrem do rio Taquara, cujas se acham le-
galisadas e capaz de toda agricultura, faz cenf?
que a vende; e as pessoas que preter.dercm din-
jam-se a casa de sua resideneh, na rna Xova nu-
mero 27.
JosEgidio do Arbnqoerque.
m
Escravo fgido.
No da 2? do dezembro prozimo passado fugio
o preto Braz.com os sipnaes seguintes : baixo, de
corpo reular, sem barba, cara larga, com muitas
verrugas em cima do olho direito, levou camira
de algodaozinho>calca de azulao, e outr de bae-
ta verde, chapo'de palha, o qual lalvez ja tenba
mudado, costnma andar muito de vagar e puxa
pela perna esquerda por causa de soffrer de ders-
rheumaticas, e foi escravo do Dr. Olinda Campet-
lo : qnem o pegar sirva-se lvalo a ra das Cni-
zes n. 32, padaria, que ser bem recompensado..
Aos c Miilaes do campo.
Fugo no dia 27 de levereiio deste anne, de ea-
sa de seu senhor o escravo Scfaastiao, crioolo, lu-
lo, com id;|le de 22 a 24 annos, fui escravo o
senhor do engenho Quandus da comarca de Sacto
Antao, d'onde tinha vindo para esta cidade a O
das, de presumir qne seguisse para Taquariun-
ga aoode tem mai e irmaos, levou calca e camisa
hranra bastante suja, altura regular, cabello es-
covinba, cabeca pequea e redonda, testa grande e
hem rantuda, olhos pretos e regulares, nariz rha-
lo, bocea regular, beieos regulares, dentes iodos e
limado*, nenbuma barba,apeias um pequeo bigo-
de, corpo bem limpo. pea regulares e pouco lar-
gos : roga-se portauto aos Srs. eapitiies de carneo
a appretiensao do mesmo a entrgalo a ra do
Imperador n. 83, segundo andar, defronte do coi-
reio, que.se gratificar com 50.
Gratificiicno de 100$
Fugio dos abaixo asignados no dia 8 de Janeiro
deste aono o seu escravo crioulo de nome Jrf,
com os signaes seguintes : cabra escuro, cabel-
los carapiuhos, estatura baixa, cheio do corpo, pes
largos, e faz um geito as peroas quanJo anda, o
muito pouco barbado, e tem urna cicatriz Lem vi-
sivel em um lado do queixo; qusuto a roupa ifao
ha signaes por ter levado mais do que a do corpo,
mas o chapeo do Chile Garibaldi ; cujo e^ra-
vo compramos junio com oulro ao Sr. capilio Sil-
vino Guiiherme de Barros, e este senhor os havia
comprado ao Sr. Joao Cabra!, morador em {tata-
reto. Con/ta-nos que o lefendo escravo antes pertencerao Sr. Cahral, tura de um senhor majer,
morador no Brejo d'Areia, onde o dito escravo
casado e lem lilhos, tendo ltimamente morridu
a mulher. Sabemos com certeza de ter passado
esle nosso escravo em Pao d'Alho com direcoao
aquellos lugares: rogase portanlo s autoidados
policiaes c a qualqner particular a captura do
mesmo escravo, e trazerem-no aos seus senhores
nesta praca, ra da Imperatrz n. 46, refinacao,
que se gratificar com 1005-
I.iiz ila Silva Ferreira & C.
negro fug do
Est fgido desde o da 27 de fevereiro deste
auno o preto Joaquim, denacao Angola, que foi
escravo do Sr. capitao Francisco Joaqoim Caval-
eanti Galvo, morador em Mara Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezembro do an-
do passado ao Sr. Manoel Francisco Marques cf m
armazem de assucar ra de Apollo ; levou ta-
misa e calca de algodao branco, representa ter.de
45 a 50 annos de idade, alto e de grossura regu-
lar, cor fula, cabeca comprlda, qntixos largos,
olhos amortecidos, heleos grossos, sendo o supe-
rior um tanto defeitnoso, bastante barba, porm
raspada, finalmente tem urna grande costura entre
ospeitos proveniente dequemadura, e supp3e-se
terse dirigido para o norte, d'onde veio : gratifi-
care a quem o apprehender ou denunciar o coito
em que cstiver : na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 52.
Aviso

ans capites de campo e a polica.
Dcsapparcceu em pjincipio do mei de outufiro
do anno passado, de bordo do palhabote narioral
Araujo Malo, dous escravos de nomes Roberto
(por apellido Macei), e Miguel ; o Io de idade.45
annos, pouco mais ou menos, crisulo, cor fula,
estatura baixa, barba serrada, um penco torto fias
pernas, e com alguns cabellos braneos, tanlo na
barba como na cabeca ; o 2o alto, cheio do ecri o,
sem barba e falla grossa, representa ter de 25 a
30 anros, cojos escravos desconia-se andarem pe-
los arrabaldes desta cidade : qnem os apprfhvn-
der qneiram levar a roa do Trapiche n. 4, que
ser genersamente gratificado.
Escravo fgido.
Desde o da 12 do corrente que se ausenton o"a
casa de seu senhor, ra da Alegra d. 9, o escra-
vo pardo de nome Andr, idade de 40 annos, pou-
co mais on menos, baixn e cheio do corpo, com
marcas de bexigas, barbado, com passa pie lho, e
quando olha parece querer fechar um olho, quan-
do anda inclina a cabeca para um lado, tem ca-
bello raxiado e asa de banha : este escravo xtio
cerra de dous annos da provincia do Cear em-
barcado : muito ladino, tem a falla nroilo des-
cantada, e falla sempre com mnita moderacHo' e
humildade, consta que anda pelo bairro da Ma-
Vista para a Soledade, caixa d'agua, e roa do Cis-
co, tambem tem sido visto no Recife e Santo An-
tonio, mas pencas vezes : qaem o pegar pede le-
va-lo casa cima mencionada, qae ser genero-
samente recompensado por seu senhor Jos Anto-
nio Bastos.

Tu rn\/n


?lailo de JPernambiieo --- Segunda letra de Mareo de 1865.
LITTEB ATURA.
O qne vae pela mundo.
o afonde traduzimos a seguate memoria, diri-
gida pelo Sr. bispo de Rodez ao ministro dos
tulles em rosposta a cireuiar do i. de janeiro de
ISOo. relativa eneyelica (tontificial
c Rodez 8 de Janeiro de 1865.'
Sr. ministro.
5 Recebi a circular do I. do corrente que V.
Ele. me fez a honra de dirigir, e na qual se diz
que a recepgao e publicarlo da primeiFa parle da
..neyclrea pontiticia de 8 de dezembro e o docu-
mento que Ihe esi annexo sob o ttulo de Sylla-
l,u.-, complectens prree.ipuos nostrate etalis erro-
i ea etc., nao poderiam ser aulurisados, porque
estes actos contm proposiges contrarias aos
principios sobre os quaes descaoea a constitu-
(o do imperio.
e Em consequencia, em 5 de Janeiro, interveiu,
sobre o relatorio do conselho de estado, un de-
i reto que autorisa nicamente a publicago da
parte da eneyelica que concede um jubilcu para
86.
E' com urna viva dr, Sr ministro, que vejo
cria prohibigo, esla sortc de embargo posto sobre
as instrucees do chefe da egreja a respeito do
i jicopado, c eu nao duvido que ota dor deixe de
>er partilhada pelosTneus veneraveis collegas, as-
sim cuno por todos os verdadeiros catholicos e
1elos partidistas sinceros da liberdade dos cul-
tos, quaesquer que sejam as suas convicroes reli-
giosas.
Nao tenho o pensamento de enlrar aqnl
a'uma discusso doutrinal, mas V. Exc. me per-
i.iiltir de considerar dcSaixo de differentes pon-
t y., de vista a sentenoa leical qno acaba de ferir
tira dos actos raais irnporiantes do pontificado de
To IX, o de prohibir aos bispos a publicarlo odl-
i.ial as suas dioceses.
x Em toda a causa subraettida a um processo
. urminando num julgamenlo, 6 a proposito
o coheeer a moralidade dos aecusadores, a
(ompelencia dos juizes, a lei que domina o de-
bate, e as consequencias da deciso. Sao sobre
. alea diversos pontos que vao. versar as minhas
0l:servagoes.
i Quaes sao os aecusadors da eneyelica e do
Syllabus que Ihe est annexo ? V. Exc. os co-
nheee tilo bem como eu. Nao creio enganar-me
..fikmando que sao, pela maior parte, os ho-
i.icns que uo crem na egreja, os proteslan*
i2S o judeus, os livres pensadores, os san-si-
montanos, os pan'.-heislas ou alheu?, o que quasi
o mesmo.
<. Nao s el les nao crem na egieja, mas
jdos os seus esforgos tendem a aniquila-la,
* este negro trama, urdido as lojas da l'ranc-
uagonana, explica o encarnigamenio com que
cllcs dirigen! os seu aiaques contra o pontifico
wupremo. Ferindo o pastor esperara dispersar o
ebanbo. ^_
t Nao tenho necessidade de indicar os orgaos
contra a Ilustre assembla, apreoiacio da qnal litica. Excepto o senado, aonde se sentam os nos-
a Eneyelica e o Syllabus foram dilTerldos. sos crdeles, e o ensino publico, do qual ama cer-
Teem-se visto os concilios ecumnicos, presi- la P-irte est entregue aos ministros dos differentes
dides pelos papas oo pelos seus legados, deliberar caitos, elle est eliminado de todas as posiges of-
sobre os pontos de dogma, de moral e de discipli-: Hciaes, e nao senao accidentalmente qae alga
taco dos actos da Santa S, o art. 6 da mesma
lei ameaca de appello como de abuso, a todo o cora
ou vigario que permittisse lr-se no palpito o que
todo o livre pensador pode lr e comrnenur debai-
xo do prtico mesmo da egreja, sem fallar das pe-
na, e fixar por seus decretos as doutrinas tradi- mas vezes se seota as commissoes dos hospicios as mais graves impostas pelo art. 201 do cdigo
' penal.
i Estas consequencias, Sr. ministro, podem mul-
to bom regosijar aquelles coja razo est cega pe-
las paix5es anti-clericaes, mas ftrem as nocoes as
mais elementares da equidade, econtrlslam a par-
te mais sa e a mais numerosa do povo francez,
que noquereria ver repellir em Franca a autori
cionaes da egreja. Teem-se visto os concilios na- e as mesas de beneficencia.
cioaaes c proviociaes deliberar e estatuir cer- j Amigamente o clero possaia urna dotacao ter-'
a approvaglo' ritorial, que lho tinba sido felta pelos nossos paes,
Teem-se vis- e os dous tercos das suas rendas eram applicaveis
ca das mesmas materias ; salva
dos papas, e eram competentes,
lo parlamentos invadirem algumas vezes o domi-
nio das cousas espirltnaes e promulgarem decretos
contra os quaes o papado e o episcopado protesta-
vam, assim como tambera a cousciencia publica.
Estavam nisto as servidoes impostas ao clero de-
ba i xo do nome de lberdades da egreja gatlicana.
s egrejas e aos pobres. Hoje a excepcao da in-
demnidade estipulada a seu favor pela assembla
constituinte, que o tem expropriado, elle nao pos-
suenemjossantnarlos em qae celebra o caito dade sagrada do papa, que nos sustentamos em Ro-
divino, nem as habitacoes aonde descama a ca- raa COtra a voluco.
beca.
Nos estamos pois n'um mundo todo differente,
Em face da legislacao que conduz a semelhan-
les resultados, permitli-me Sr. ministro.de aqu re-
Mas havia pelo menos ento ama garanta ou urna
circumstauciaattenuante que tornava menes peri-' ""' T *!r^.T'*M".T' "'uv" jIT? cordar como urna agradavel memoria e uma con-
. :- i ese o corpo ecclesiaslico poda inspirar outrora a .________ ... ,
gosa esla confuzao dos dous poderes. O estado era j,n. .. V-__-.___.. saladora esperanga, a bella palavra pronunciada
catholico, e urna lei fundamental da nacao pro-
i inveja oa a desconflanga, agora, refugiado no asy-
lo do direito commam, luta a grande casto contra
qae nao os nsu|[os e as ompresas s8m cessar renascentes
da revolugao. Perqu ha pois leis de excepcao
u mesmo aconteca nos corpos coostiluinles. ., ,, a r> j- -. a j
k__i..i*_ *_ i.. uua,lvu,u'D-' contra elle? E nao digno de d ouvir os deca-
madores retrgrados que quereriam recuar, era
nome do progresso e da liberdade, para as ssrvi-
ddes do antigo rgimen ? Durante que ellos se em-
pregam nesta tarefa, os orgaos da impiedade de-
maggica podenam bem recuar at poca do do-
minio romano, o desenterrar as leis de proscrip-
bibia o accesso ao llirono a qualquer
fosse catholico.
e havia alm disso no seio dos parlamentos urna
seceo de conselheiros clrigos. A incompetencia
destes corpos as qdestoes religiosas era pois con-
trabalancada pelo elemento de orthodoxia, do qual
eram to fortemente impregnados, c se o apello
como de abuso era devolvido aos parlamentos con-
pelo imperador depois de escrutinio nacional que
segoiu o golpe de estado de 2 de dezembro : En
c sahi da Iegalidade para entrar no direito.
Acetae, Sr. ministro, etc.
< Luiz, bispo de Rodez. >
UM P0UC6 OE TUPO.
Recommendamos a leitura das duas seguintes
na o clero, o clero, que formava urna das tres or-1 ^ dadas pelos imperadores contra o christianls- cartas, escripias pelo Sr. lente da armada Au-
dens da naco, podia recorrer perante o reie apel- m0) 0u mesmo levantar a estatua de Nabqcodo. gasto Netto de Mendonca ao Sr. Dr. F. Lopes Net-
lar para o papa contra os parlamentos. Assim tu- nosor. |0; porque ellas relatando os acontecimentos rela-
do se contrabalancea na amiga monarchia, e sua | Mas Sfl 0 cler0 -0 frac0j hamanamente fa,_ tivos ao auque e tomada de Paysand, adiantam
mdependencia da egreja era algamas vezes amea- |aQd0j que dremos QS do geu augQSt0 ch(te que circumsUocias que eram ainda desconhecidas, e
cada por conflictos penosos, a unldade nao era ro-|S(J sen|a no vaticano, protegido pela espada da importara por tanto ser sabidas de todos.
e o
ta e a concordia prevaleca entre o sacerdocio
imperio.
< E' o que se viu era particular depois da bor-
Franga 7
Bocea do Paran, 10 de Janeiro de 1863.
Meu caro irmo.
Depois dasexpoliagoes de qae victima, e t Na incerteza de Ihe chegarem as cartas que
rasca de 1682, quando Luiz XlV.todo absoluto qae I em faee da ultima que o ameaca, nao nm escar- |ne lenh0 escriplo, aproveito alguns momentos de
era, escreveu ao papa Inoocenclo XII para Ihe neo brutal, digno da criadagem donrada do rei descaBp0 para dar-lhe outra vez noticias mi-
parlicipar que elle tinha dado as ordens a Bm de, Herodes, o dizer que elle quer e pode perturbar o nnas
que tas coisas comidas no sea edicto de 22 de mundo e depor os soberanos, como na poca da
t marco, relativas dcclaraeao feita pelo clero de edade media os seus predecessores, acclamados
Sem espera-lo e por favor do mea amigo Mon-
taury, fui a 5 de dezembro com os imperiaes do
Bebertbe para bordo do Rectfe, afim de desembarcar
em Paysand no dia seguinte.
i A necessidade do servigo daqaelle vapor
t Franga, nao fossem observadas. I umversalmente chefes supremos da christandade.
> defensores do direito, da moralidade e di liberda-
Esta siluagao que nos nao lamentamos, desa-(de nuraana) arrancaram a- sociedade aos furores
pareceu debaixo dos golpes da revolugao franceza sanguiaari05 ou as deassidi5es dos tirannos, que
para dar lugar a novas instituiges. A liberdade inlernaraenle a deVastavara, e harbaridade mu-
dos cultos, a egualdade dos cidadaos perantes a sa|mana que externamente a ameagava Tomar
lei a admissibilidade de todas as fanccSes publicas,' precaugoes contra taes eventualidades, levantar
sao agora, senao dogmas, ao menos factos sociaes enlre 0 soberano pontiDce e o episcopado a barrei-
que tem prevalecido entre nos. Segue-se disto que ra do arlig0 pra,eiro da lei supra citada, com-
o conselho de estado, assim como os outros corpos meUer U(n anachronismo, gritar ao fogo! em ros e 50 pragas do batalhao naval,
constituintes e constituidos, um composto de lio- p|eno diluvio. A' 30 de novembro parti com elles o almiran-
mens, aos quaes se Ihe nao exige nenhuraa condi- A(m djst0) nos lernos a BVOcar 0 arlig0 pr.: te, levando o seu eslado-maior, ou, como disse um
gao de orthodoxia. mejrQ da coaco;daUj que determina que a reli- ; 1 de BuenosAyres, a sua equipagem.
Elles podem pois ser israelitas, protestantes, gja0 catholica, apostlica o romana ser livremea-! t Na viagem soubemos que o general Flores
pantheistas, musulmanos e mesmo catholicos. P Ie exercida era Fran?a. Em que Sfi converle esla hayja occupado a cdade do Salto, cuja gaarnigao
dem crer na egreja, ou nao acreditar cousa algu- liberdade solemnemente estipulada, se o episcopa-! capitulara, sem resistencia. Esta noticia induzio
ma. Eis aqu os padres do concilio chamados a do nao pode commanicar com o seu chefe hierar- todos a suppor que em Paysandii succederia outro
julgar as doutrinas do papa I Acaso possivel: chico sera aulonsacao do g0verno, e se o conselhe tantc.
menos em relago nossa temeridade. A do ge- era necessario condaego ao menos para os offl-
nnvnl tln.ftn <>' n\n(n* n rtim CQ (faifa flt 11 r I lili i f mr\
ciaes.
< Alm do incommodo physico, de qae fallei.
sentamos o moral, que ainda era maior, de ver
os brasileiros a p, qnando todos os orientaos
marchavam commodamento a cavallo.
i
neral Flores foi malor, o que se deve attribuir ao
estado da sua gente.
< Conheceu elle entao qae nao se appanham
moscas com vinagre, e o almirante qoe Os nossos
alliados tinham menos forga do qae arrotavam, e
eranecessaria a tomada de Paysand. j As duas horas pousamos para churrasquear.
Resolverse por isso o assedio da praga, at Entao recorremos ao general Netlo, que poz logo
que ebeg ssem a diviso do general Netto e o cavallos nossa dispoMgao
exereiio do general Menna Brrelo, pelos quaes Falhavam-nos porm arreios. A necessidade,
esperavamos com a impaciencia com que Napoleao que mae da industria, inspirou-nos nessa oc-
esperou por rouchv em Waterloo. casio.
t Postou-se, em lugar conveniente, urna batera Fizemos das sogas redeas, e dos capotes dos
para ir entretanto bombardeando a cidade sendo o soldados arreios.
commaudo della confiado ao Barros, que portou-se Ah vae pois a cavallana de mrinha, provo-
com grande galhardaria e prestou relevantes ser- cando riso aos proprios RioGrandenses que sao
vigos. excellentes cavalk-iros.
t O bombardeamento, praticado pelas nossas pOUco nos importava isto. Consolava-no a
conhoneiras, causou grande mortandade e conside- recordaco do adagio portuguez-antes tanhoso
ravel estrago na cidade. do que sem nariz.
No da 9 estipalou-se am armisticio de 6 hora o cerlo qae iamos to alegres e garbosos,
para a retirada das familias; que ainda havia em como se cavlgassemos o proprio bucfalo. Apenas
Paysand, onde as bombar, no dia antecedente, precisavamos, de vez em quando, marear nm
haviam morto tambem mulheres c creangas. pouco bolina, por causa dos taes seiins de capo-
i Causava d o espectculo, que offereciam cen- (eS) qU8 erara sobremanera qnentes.
tenares de familias, ainda paludas e tremolas, $esse da marchamos at as 6 horas da tar-
alravez da ridade, carregando o pouco, que suas de> e no da 34 at s 2.
forgas permlliam, depois de deixarem expostos ', Soaberaos entao qae Saa, por ser informado
ao saque o frucio de lautos annos de severa eco de qUe an)0S em sua procura, havia retrocedido.
nomij|- IAchavase fraco para aguenlar ama carga da
Foi na verdade esla a scena mais lgubre que | cavallaria do general Netto e medir-se com a in-
tenho presenciado I Por mais que forga de ama-
bilidades e obsequios procurassemos suavisarlhes
as magoas, em quanto no porto aguardavam trans-
porte para o outro lado do rio, liamos com pezar
em seus semblantes a exprobagao de sermos a
causa occasional de sua desgraga.
Concluidoo armisticio, tornou a operar a bate-
ra, commandada pelo Barros, que responda o
forte. O fogo dcste durava pouco por que as pe-
gas delleeram logo desmontadas.
t Sendo pouca a nossa forga, foi mister aprovei-
ta-la bem : isto nos fez andar em roda viva deste
dia em diaote.
t Felizmente o inimigo, havendo experimentado
o valor dus nossos soldados, aitribuio, estrategia
e nao a insufflciencia da forga, a falta do repego
do ataque.
c Principiou entao a appareceralgum ciume en-
tre os meus camaradas. Os que entraram pelo la-
do de leste diziam que s l tinha havido combate,
nao havendo feito nada os que assaltaram a cidade
pelo lado opposto.
t Era impossivel escapar de seraelhante enredo.
Houve al quem fizesse chegar aos ouvidos do al-
mirante que eu, durante o fogo me esconder por
traz de um muro t
t Por fortuna minha o almirante achou isso tao
extraordinario quetratoa de informarse, reconhe-
de os considerar como juizes competenles em se-
melhante materia? Teem-se elles estudado os au^" u^u.r os cam.anos pe.os quaes a ^ ElIj que sabia tanto como os meus camaradas
raethodos e as altas questoes de theologias ? ] IDStrQc5 as benS^ *8' J Chr.sto de- g na(ureza das for,inca5ges desa praQaj conso|a.
Sao elles versados no d.reite cannico com01 vem chegar a consc.enc.a dos fiis ? E.s-aqu. dous va.me ja do desg0,0 de na0 ,er sido designado
.arabera no direito civil, ,n utrogue jure, como se I arl.,g0S *!*+ !?JEZ .i!*** I Para esembarcar com a idea de que apenas
dizia amigamente ?
fundado das materias, praticam elles, como o papa,'
ihecUneDtopiloa,ro'oa,berdadere,lgiOS* do calnoIic,smo esta presentasse o almirante com o prestigie de seu
1 aqui confiscada pelas desconflangas retrospectivas nome e dos cannoes da nossa esquadra, Flores
uas deci-; da Polilica- Sou levad0 T^ qe l0dS.?S b'S'! eoM8Mr,i en,rar em Paysand ainda mais fcil-
co^ da< nossas crencas c do nosso culto se esfor-1 oes ? I Pos da tranfa ter,am Publlcado a eneyelica, se i mente que no Salto onde s havia duas canhonei-
. '..i.. ,ini j t. Ihe nao tivessem posto estes obstculos ao seu mi- ras nossas.
r,ara era perverter es povos; toda a gente ouvm t Na verdade, Sr. ministro, recordan-se invo- .
01 seus clamores e vu a sua attitudc em face dos' luntariaraente as criticas aceradas s quaes se en-
Jocumenlos emanados da ca'iera pontificia. Nao' iregou M. de Cormenin, seb um outro regimem,
mas aquellos mesmos que nao a teriam
publicado, devem experimentar o sentido doloroso
. que eu experimento a' vista do poder temporal in-
:,abendo ja que argumentos mventar conira o prm- (contra a competencia deste corpo em materias que; lerceptando ou abSorvendo o poder espiritual. E'
cipado temporal, que garante a independencia es-1 mcam to profundamente o ensino religioso e a li-
Pritual da santa s, porque o direito reiste a ; herdade da consciecia humana. Nao sraente es-
odas as perfidias e a lodos os sophismas de an-1 ie tribunal nao competente, mas elle nao nem
pode ser imparcial; e nao creio ter necessidade
de o demonstrar. 1 mar esla |,berdadei pre?0 do sangue dos nossos
t Mas, dir-se-ha, o conselho de estado nao tem; martyres, que ella est garantida a todos os cultos
a examinar as doutrinas em si proprias, o seu en-! pe|a conslfuigao de 1832, como por aquellas que
cargo limia-se a verificar se ellas contm cousas L tora precedido depois que a Franga escapou ao
contrarias aos principios sobre os quaes descanga j cezarismo medonho da convengao e do diretorlo.
iiexago revolucionaria, apossou se rom avidez da
crcasio de langar summariamente o analheraa
contra o papa e re, e conira o papa chefe da
egreja, e pareceu-mo ouvir o Synhedrio rugndo
contra o Chrislo : t Elle tem blasphemado, qne
xeressidade temos ainda do tesiemunhas 1 Blas-
f'hcmacit, gutd adhuc eegemus lestibv.s ?
t Opapa"pe o apagador sobrfra-nndeia do
vrugresso e da civilisago ; elle a (Tuga o espirito
modepno e o direito novo; elle rtsuscita a edade-
ciedia e quer absorver a sociedade laical. Blas-
pliemavil Cerremos as nossas fileiras, despeda-
cemos a concordata e fagamos nnlrar a egreja no
estado privado, como no hnm lempo do cezarismo
1 omano, ou como na repblica modelo dos Esta-
o medo, estes hislrias tem macaqueado o desdem.
4 O papa est moribundo, a eneyelica o seu
t,rlo de agona. Loueura impotente a de querer
lutar contra a torrente das ideas uovas, e de oppr
6 velho dogma ao dogma do 1789! Tal a lin-
guagem desies aceOMdores, que, segundo as ex-
pressoes de S. Pauln. nao sab m o que dizem,
uem do que fallara : No mUMfmtei negu quae
Ijquunlur, eque de quibus affinunti (I. Tim-
I. 7.)
V. Exc. sabe tambem que a febre delirante
destes inimlgos de Dtus, de Jess Ghristo, do pa-
pa, da egreja e da alma humana, lanea-se atacan-
do tanto a ordem temporal como a ordem espi i-
lual, e que o corolario da irajiodade universal
seria a anarrhia universal, o que elles lea cha-
mado o grande golpe de vastara destinado a fazer
desapparecer iods os tarnos e todas as dinastas.
Lu nao tenho necessidade de me alargar sobre es-
tas consideragoes, porque V. Exc. esta em pos-
cao de conhecer melhor do que en de que lado
C3toos perigos e as onnspiragoes, em que. campo
esto as bombas de Orsini e os punhaes de Mila-
no, com os apolgicas da insurrelgao e do assas-
iinlo.
f O papa e a egreja catholica ficaiao sempre
fiis a este programma de S. Pedro, o principe
dos aportlos e o vigario de Ghristo : t Deum li-
tiiete, regem honoroficale, fraternitatem ditigite
(I. Peir. II. 17.)
t Mas, pois que est provado com a ultima ev.
denea qae as ac.cnsaees dirigidas contra a eney-
elica pontificia emanam principalmente dos adver
earios declarados de (oda a erenga, de todo o culto-
sos quaes se juotam os sectarios de toda a especie,
C os partidarios retardados de urna enreja nacio-
nal, calholicieni > baslardo formando das tradgoes
do jausenismo e do gallicanismo parlamentar, se"
gando Pierre Pithn, pois que est provado que
a maior parte destes adversarios, que se dirigem
contra o papa, miram ao derruhamenlo de todos
os tireitos privados e pnblico sobre que se apoia o
t.iundo civilisado, ser justo e ronvcnieOte ouvir
.taes aecusadores e dar-lhesTazao? Antes funda-
mento ha para dizer que as doutrinas do santo pa-
dre sao eminentemente favoraveis a sociedade,
cois que o bando e a escoria do bando da revolu-
to Ihe prodigam tantos abrases. Fallando do
edito de persegnigao langado por ero contra os
christaos, Tertuliano disse ua saa apologa : pre-
ciso qoe esta religiSo seja bem exr.ellente. pow
que ella tem tido por perseguidor um lao malvado
II
Depois da moralidade dos arcusadores, chego a
fallar (ft competencia dos juizes. Aqu, Sr. minis-
tro, nao me escapar nenhuraa palavra offensiva
< Assim porm nao aconteceu. No outro dia s
5 horas e SO minutos da manba foi sorprendido
no meu camarote por Montaury, que me veio bus-
. car e aos imperiaes para o desembarque.
1 urna questao de principio a qual se subordina a. r r 1
existencia mesmo da egreja catholica e a liberda- Pareceu-me entao que o negocio era mais se-
I de das almas; ou a concordata, ou a lei orgnica. r'O- Fiquei com isto muito salisfeto o fui mar-
Nos temos tanto melhor fundamento a recia- cnande caladinho, antes que mandassem outro
offlcial era mea lugar, embora rae tocasse esse
servigo, como encarregado, que era, dos imperiaes
marnheiros.
a constiluigao do imperio.
i Ser-nos-hia impossivel o comprehender que um
c Quando amanheceu o dia e eu pode observar
a resistencia opposta pela cidade forga, que ata-
cava pela parte de leste, j com a artilharia, j
Eu respondo, Sr. ministro, que a Eneyelica I privilegio de oppressao pesasse sobre nos, que so- com a mosquetaria, que se aproveitava de urna in-
proclama principios geracs, sera tacar as constitu- mos a grande maioria da nagao, que pregamos finidade de seteiras, abertas na egreja e em dilfe-
ges de nenhum paiz. com o papa a submissao e a fldelidade ao poder es- rentes casas, disse com os meus botoes que o caso
t Estas constituigoes, como o tenho dito, factos tabelecido, e que rogamos pelo imperador maito | nio era como eu havia pensado,
permanen'es gu variaveis, tradicionaes ou eserip- mais de certo, que nao rogara o conselho de esta- Com tudo a tomada da praga nao me pareca
tos, tendo por origem tao depressa a conquista, to do, e os outros corpos constituidos...
de pressa o genio do legislador to depressa a ex- IV
pressao de urna vontade nacional. c No momento mesmo em que eserevia o prece-: para Ihe garantir a victoria, quando o menor revez
Es ali o direilo poltico tendo por base a jus- deDlt' recebi a amPliaCio do decret0 de 5 de Jane'- podia desmoralisa lo completamente na primeira
liga e a forga, or coragao a liderdade dos povos, c ro' que V" Exc- rae ,eI a honra de me diriir- Re" occasiao, em que se apresentava com o apoio
por sanegao a vontade Divina, que restringe a servo-me examinar se ser a proposito o publicar effectivo da nossa forga, que alias constava apenas
consciencia sob os diversos regimens de heranga o fraguemenlo da eneyelica pontificia, relativo ao de 350 pragas.
e de eleigao. da monarchia e da repblica. Os Jubilea- e se nao convira raais Privar desta 8raSa Era eutrelanto a realidade o contrario do que eu
principios ou os prembulos pnilosophicos, sobre as PPul?oes da niioha diocese, do que aquiescer; presuma e de mais a mais Leandro Gomes intimado
os quaes se apoiam podem ser mais oa menos ver- a uma semelhante mutilagao. Por agora vou ac-
dadeiros ou falsos, mas o estado pode acaso impo- bar esla memoria' examinand as consequencias
los como dogmas ?
i Gragas a liberdade de qae a imprensa gosa en-
tre nos em materia religiosa e a rapidez das vias
de communeagao, a eneyelica e o syllabus tem
penetrado por toda a parte, e quab/uer que l um Montaury.
jornal pode conhecer estes documentos to graves! Desembarcamos sera novidade c com extraor-
, ., __j ___. ,., idinano enthusiasmo. Lm piquete de cava aria
dirigidos ao episcopado do mundo inteiro para se- do genera| K|re5 gn00.D \{* defroo(e de nma
casa, em que o inimigo se entrincheirra e donde
nos fazia vivissimo fogo.
jem por elle transmittidos aos povos.
f Esla grande publicidade um facto ao qual
nos podamos dar os nossos applausos, se estes ac-
tos do papado nao tivessem sido desnaturalisados e
Tomamos ahi a posigao conveniente c, gragas
ao sangue fri e habilidade do Montaury, nella nos
conservamos, com a insignificante perdi de quatro
da decisao tomada pelo conselho de eslado e con
vertida em decreto por saa magestade.
t Lma tal exigencia seria exorbitante da parte
de um poder que nao tem a mlssao de ensinar, e
>obre tudo n'um poca em qne e primeiro qudam
pode negar a Deus, a Jess Ghristo, a alma huma-
na, o bem e o mal, o direito privado e publico,
n'uma palavra, todos os fundamentos da religio e
da sociedade, com tanto que a estas negagdes nao
ajunte o que a lei qualifica de ultrage----
Que faz o santo padre t reunindo as contro-
versias da nossa poca que tem to fortemente agi-
lado o mundo, elle tem proclamado o que sabe ser
a verdade absoluta na ordem social, deixando s
nagOes a liberdade de marchar as suas vias, co-
mo o declogo deixa aos horneas a liberdade de
seguir suas inclinagos, mas lhes mostra os riscos
e os pengosi Pois que o conselho de estado ad-:uu *""*'" | michas ordens, nao me impeda de observar oque
millo independencia do pensamento para si mes- Seria pois necessario, para esclarecer os espi- em torno de mira se passava enlo.
rao, como podera elle irapr crengas ao mundo ca- ritos, para corabater tantas es.ravaganeias e Ira-1 ,3^^^ ^
Uiolico e interceptar as nstrucges que Ihe vem posturas, que os bispos podessem transmitur offi- Cia-rno mesmo que haria entre elles alguma rlesor-
do seu chefe espiritual ? Nao, este tribunal nao cialmente aos fiis as instruegoes do Pae coromum \ dem, e chegnei a concluir da intensidade do fogo
uem competente nem imparcial, nem aceitavel em' com as expllcagoes on os comraentarios que as fa- doJm.mi*o que nao tiravamos do combate vantagem
suas declaragoes doulrinaes, e pois que elle se lera riam apparecer na sua vcrdadeira clareza. Esla
apossado deste negocio, o que podia fazer de me-: liberdade lhes recusada a elles.cuja competencia
inor, era deixar passar a eneyelica e o syllabus nao pode ser contestada nem pelo governo, nem
com a formula ordinaria : Sem approvago das pelos adversarios mais irreconciaveis da egreja ca-
clausulas eu expressoes que sao ou podero ser tholica. E' preciso convir, Sr. ministro, que isto
contrarias, etc.
III
ara estranho espectculo offerecido ao mnndo. Co-
mo I qualquer pode publicar de viva voz oa por mais rehindo o combate do lado em que nos acha-
V. Exc. permitta-me agora o apreciar a dispo. escriplo as decisoes e as instruegoes da Santa S JJe^,?dot{,da!do Og da D0SSa geDle'
siglo legal, segando a qual a eneyelica e seus an-1 dirigidas s aos bispos, e s os bispos nao tem o
nexos tem sido deferidos ao conselho de estado, poder para o fazer I
Esta disposigo aquella do artigo 1 da lei de 18;
do germinal anno X, a qual foi junta por ama das
havia determinado o adiamento da sua par- cendo alinal que nao passava de negra calumnia,
tida para o Rio, o almirante querendo tambem Barros e Montiury asseguram-n'o que o alrai-
marinha a gloria da tomada de Paysand, mandn r5Rr^STASJ55fl;
aprompta-lo para levar o resto do contingente de apezr de me nao aecusar a consciencia do mais
infantaria, indo no Recife 100 imperiaes marinhei- pequeo acto de fraqueza, pois sendo elles meus
amigos, podiam avurba-los de suspetos.
Aguardei entretanto o procediraento do almi-
rante, sem dar a menor demonstrago do meu des-
gosto, afim de juslificar-me opportunamente.
Passados dous ou tres dias charaou-me elle e
perguntou-me se a gente que estava comigo fazia
muiu falta a bordo, pois ello aueria mandar o Be-
beribe para as bandas do Paraguay. Respond-lhe
que sira : o que deu lugar a ordenar-me que re-
gressasse com ella no dia seguiote para o mencio-
nado navio.
Declarei entao a S. Exc. que, posto desejasse
seguir o destino dos que haviam entrado em fogo
comigo no primeiro dia, estava prompto a cumprir
aquella ordem e me limitava a pedir-lbe licenga
para reeommcndar-lhe um sargento, cujo cornpor-
taraento no combate havia sido to distincto, que
se eu tivesse autoridade, punha-lhe as divisas de
alferes bem persuadido de. que Ihe nao fazia favor,
c O almirante respondeu-me : pois fique o se-
olior e o sargento e o resto da genle v para bor-
do. >
< Fiquei salisfeto, por acreditar entao que no
animo do almirante nao havia calado a calumnia,
que me assacarm. Fui empregado na batera e
nella permanec al que ella foi retirada.
c Como nao livesse do fazer piquetes, guardas
avangadas e outros servigos proprios do exercilo,
sobrava-me lempo, quando nao estava de quarto,
para pensar na nossa situaco.
t Confesso-lhe queme entristeca, vendo Paysan-
d ostentar sua resistencia e achar-se bandeira
brasileira empenhada naquella aegao. Quem nao
soubesse das antecedencias, era muito pouco devia
ter o nosso poder, uma vez que estacavamos assim,
diante de uma cidade do interior de uma republi-
quia, apezar de auxiliados por uma revolugao que
se dizia to geral no paiz.
Nao era esse o papel quo nos competa repre-
sentar, depois de termos declarado urbi el orb que
iamos vngar a nossa soberana, lomando Salto e
Paysand em represalia.
< Mina tristeza se aggrava ainda com a consi-
deragao de quo mais raingoada seria a nossa sorte,
se o inimigo, apreciando bem as cousas ousasse sa-
bir da praga para nos aggredir.
Assim levamos, sem avangarmos um passo al
o dia 23.
1 Durante todo esse lempo, tao cruel para os
brasileiros, que apreciavam bem a nossa siluagao,
o almirante, honra Ihe seja feita, nao deixou um
instante de aniuui -uos com sua presenga.
c Doente de uma peraa, abandonava salisfeto a
cmara do seu navio, para compartir comnosco os
perigos e as privagoes, dormindo ao relento, como
o mais insignificante soldado. Era este lalvez o
meio mais seguro de encobrir as dfflculdades da
nossa posigao.
O cerlo que assim mesmo mpunhamos res-
peo ao inimigo, o qual nao ousou atacar-nos, an-
tes se conservou sempre quedo era suas .formida-
veis trincheiras, nao obstante contar com o exerci-
lo oriental, que se dizia grande e em marcha pata
o soccorrer.
t A 19 ou 20 chegou o general Netto com 1,400
homens de cavallana de lanceiros. Com quanto
esta arma fosse a mais dispeosavel para o ataque
da praga, ficamos com o auxilio della habilitados
para resistir com vantagem a qualquer sortida, que
se lentasse contra nos.
c A situago principiou ento a tornarse agr
davel a nos.
c O nosso exercilo mvrcli iva corno tudo o que
nosso, nao por culpa do chefe, nem dos soldados,
que todos ardiara em desejos de chegar a Paysan-
d a tempo de tomarem parte no assalto ; roas por
causa de tomarem parle no assalto ; mas por causa
de uma serie de ordens e flscalisaccs que sem im
pedirem a fraude, cream dfflculdades a cada passo
e revelam desconfianga daquelles que mais a me-
recen!.
c Infelizmente este vicio, que muitas vezes pode
eomprometter os altos interesses do paz, est to
radicado as nossas repartigoes fiscaes, que amea-
ga zombar ainda por mailo tempo da raais dolo-
rosa experiencia.
t Um general, isto am homem encanecido no
servigo e a quem cabe a subida tarefa de repre-
sentar o paiz as questoes que mais de perto en-
tendem cora a sua honra, nada pode fazer sem o
beneplcito de um obscuro apara-penBas do theson-
ro, o qual chicapando, muitas vezes atraza-lhe o ex-
pediente, complicando, por meras formalidades, ne-
gocios serios, que reclamara promptas providencias.
t Foi o qoe aconteceu ao nosso exercilo, desde
que sahio do Rio-Grande. A sna demora podia
ser fatalisslma aos sitiadores de Paysand, e por
consequencia honra e aos altos interesses ao im-
perio.
i O general Flores, tendo noticia de qae ama
forga do 3,000 homens, commandados por Saa vi-
nha oe Moolevido em soccorro de Paysand, re
duvidosa, pois julgava que Flores nao teria empre
hendido semelhante assalto, sem forga snfficiente
pelo almirante e por Flores para capitular, havia
respondido que so o faria forga de balas.
Logo que percebemos que a cidade estava
sendo atacada pelo lado de leste, o almirante fez
desembarcar a forga martima para ataca-la tam-
bem pelo oeste.
1 Constava ella -de 132 pragas, s ordens do
indignamente invertidos pelos comraentarios de es- j homens, respondendo sempro ao fo?o dos nossos
.:.... contrarios,
criptores hostis as nossas crengas e a nossa gerar- Foi nesle |URar que vi 0 genera, F|res pe,a
cnia, Judeus, protestantes, pantheistas, sain-sismo- primeira vez. Veio dizer a Montaury que nao s-
manos, compondo o que se pode chamar a Babel hiss do progresso moral e social. .*. ielo.aae empenhava na dirregao da gente s
sensivei.
Retirou se uma pequea forga de infantaria,
que eslava comnosco, e nos iicamos s*. E ajashi
noule : estavamos n'uma cidade, cuja planta des-
Cjnheciamos, e, o qae anda peor, nem ao menos
sabamos do distnctivo do inimigo, cajo fardamen-
lo era idntico ao dos nossos alliados II
< Das quatro horas da larde em diante tornou-se
Entrada a noute, estivemos ao ponto de fazer
fanlaria dos navios, a qual, segundo elles mesmos
confessara, a vanea para as balas como para o chur-
rasco.
A contra marcha de Saa deu lugar a que des-
cansessemos nos dias 24 e 2o.
Foi ento que (hemos conhecimento dos nos-
sas guascas do Rio-Grande. A' excepgo do que
no havia no acampamento, como barracas, sal.
arVeios, ele, ludo pozeram elles nossa dispo-
sigo.
Gomi pela primeira vez o tal churrasco. Nao
pralo que raerega os elogios do nosso bom ami-
go...
c Forcoso me foi trgalo. Lembrei-me entao
dos jamares extravagantes, que tive no Grande
Hotel de Pars.
< E' mister experimentar lado, para se saber
aquilatar o mereciraento de cada cousa.
1 Para solemoisar a nosso encontr, diante dos
ic\-nigos da patria, a cavallaria de marinha offe-
rec\i um baile militar aos compatriotas rio-gran-
denses.
< A sala era o campo, o lustre uma fogueira, o
lee tu o ceu estrellado... o mais nao se precisa por
na carta.
e O divertlmento esteve animadissimo. Dansa-
ir.os at madrugada.
A 25 a cavallaria de marinha foi com a mu-
sica frente dar boas festas ao general Netto, em
sua barraca.
o Na manha de 26 regressamos a Paysand,
onde chegamos no mesmo dia. Desfizemos em
urna s marcha o que lindamos feito era tres, por
eslarera os nossos soldados menos deshabituados a
semelhantes passeios.
c Na larde de 27 chegou-nos a noticia de que
Saa, reunindo se em caminno a Servando Gomes,
vinha sobre Paysand com 5,000 homens das tres
armas, protestando levar faca Flores e qaautos
com elle e>tivessem.
O negocio lornava-se mais serio.
c Todava Flores anda se sahio bem, suspen-
dendo de novo o sitio e marchando a incorporar-
se ao nosso exercilo. Era o nico meio de ne
compromelter a causa, em que estava empenhado,
atienta a superioridade da forga, qae Ihe vinha no
enlace.
Os pragnentos talvez chamem a isto retirada ;
mas eu que nao o sou nem quero se-lo, chamo-o
mui emphaticaraente de estrategia superior.
i Partimos na tarde de 27, deixando grande nu-
mero de pragas, estropeadas as marchas anterio-
res. Andamos duas leguas na direcgo do nosso
exercilo, que alias vinha para ros toda a
pressa.
t Aqui cumpre fazer justiga aos generaes Ta-
mandar, Flores e Menna Brrelo. O primeiro tem
desenvolvido admiravel actividade ; o segundo
homem de ferro,, e, sem duvida quera 'rabalha
mais ne seu exercito ; e o terceiro apezar de se-
riamente enfermo, nao menos activo e revela he-
roica abnegago. Todos soaberam collocarse ci-
ma de suas proprias posigoes.
a O que nos agradava a nos, muilo natural
mente desagradava a Saa e a Servando Gomes,
que nao tem o nosso paladar.
< Qderia-nos a sos, porm nao emeompanhiado
general Menna Barreto, que j estava na distancia
de 20 leguas de Paysand, e cujo exercito diziam
geralmeute ser to grande, se nao maior, que os
de Xerxes ou de Dario.
< Julgarara pois, mais prudente regressar
Montevideo, embora assim sacricassem a Lean-
dro Gomes, irmo de Servando, e os onlros defen-
sores de Paysand, os quaes Dcarara entregaes
seus proprios destinos.
c Iateirados deste movimento, regressamos no
dia seguinte ao porto de Paysand, onde aguarda-
mos a chegada do exercilo, verificada a 29.
c Deu se o assalto no dia 31. Antes por minha
antiguidade do que por meu mereciraento, coube-
me a honra de commandar o contingente do bata-
lhao naval.
t Agora temos lenha. Havemos de tomar Pay-
sand, anda que Leandro Gomes a encourace, co-
mo estencouragada a fragata hespanhola Tetuao,
qae est destinada quando sahir do estaleiro, a
melter a pique todas as esquadras do mundo I
t A marinha ha de cumprir o seu dever. O no-
vo combate exige uova descnpgo. Fico portanto
hoje aqui.
c Seu mano c amigo
t Augusto.
partes contratantes convengao bilateral da con
cordata de 1801. All se acham na sua quinta es-
sencia as suspeigdes a respeito da sania s, as
As imprensas podem prestar 0 sen concurso
" i impunemente a qualquer que quizer reproduzir es- general Flores, certo_ da impossi,hllidade de susten
les documentos de uma roaneira purae simples,
ou com o acompanhamento de improperios ou de
anatliemas, mas nao podem, sem se exporem aos
clausulas preventivas e represivas para o clero da m M
catholico, n uma palavra toda esse apparato das .."
amigas servidoes da egreja gallicana, conhecdas;
bispos.
Anda mais, ser licito a todo o rabino na sua
debaixo do norae de liberdades, e collegdasnos ^^ m no sea
olms dos parlamentos sem que se lenha tido era fi e r a seQ mQdo as |e(|ras do
eontaamudanga radical e completa *re tudo de M nessa .,.<>, 0 m rfo e pa-
nas nossas instituiges. Amigamente, o clero era lrotsm0; com a esp dfl ama me 5o ,)on.
a primeira das tres ordens da nago, sentava-se
como lal nos estados geraes, sentava se nos parla-
mentos, tornava parte no governo, e mullos ho-
mens da egreja figurara entre os nossos maiores'
homens de eslado.
rosa no jornal officioso da sua localidade : mas o
padre catholico, segundo o aviso de V. Exc, deve-
r abster-se de todo o discurso qae prestasse as-
c sumplo a interpretagOes lamentaveis I
Como o artigo primeiro da le da 18 do germl-
Em nossos dias elle j nao tem exislencia po- nal anno X creon uma alfandega conira a irapor-
fogo gente do general Flores, que nos era des-1 solveu ir-lhe ao encontr para nao nos expora flear J^'S^I^^S^lm^^
coohecida e veio procurar a nossa proteego. entre dous fogos. Esta estrategia produzio o me- ^'^K-d^
Felizmente em to apuradas circumslancias, o Ihor resultado. JSJS' Inculcand0 se como v,c"111* ae om erro a
A infamara de Flores era pouca. Por haver N 5 _edi ,vros _ara ltr e a l... ru^.
E3SL* T"^^mtnHAnrrS2SArqtrdJ ; W/^ b0a POda dil 6' *** "^ ""^ fedu' condemnado, exerceu 'nelle tal mflen-
punham os sitiados, mandoa-nos retirar para o da. qoe pedio a confisso. que antes recusava
Pr'Tivemos a fortuna de n5o ser Incomodados > de'.eSSrfa. Tra ^TH^JSX ^^1^^^!^^^ f
nesta retirada, nem se resolver o inimigo a inda- tingente da esquadra. Flores o alcangon fcil- nnin*5?^toMmml?^
gar, no dia seguinte, com1 queforga o haviamos mente do almirante, que nao poupa a si nem aos Q d h v loear do snppllcio falln a'
atacado, suppondo-a, sem duv.da, muilo sopenor seus subord.nados, quando se trata do servigo na- nS^pedindo-lhe nerdo do crime que havfa
ao que realmente era. eional. commettdn
A nossa fente portou-se bem. Honve apenas! Qvando menos oesperavamoe, eisquetocaa, 2 ,. Q a deurans do radar,
alguns que, repugnando avangar para paredes va,- -r 1^^ p festraarinha" aoe' *&T&^^
carneas, puzeram-se em debandada; mas esses aerce,aavam0eVLrr" e o cura de Creil, qoe o acorapanaa-
foram encontratados logo pelo Barros, que os levou /* Se'gmmos a p ao general Flores, e a SDa! varo, e entregon-se indiferenlemente aos algozes.
a dispotassem, nao mesirando nmguem mais valor JJJ%nde cavaco 'nenando os pea, esUj horrive, wpeettcilto-
do que elle. Entenda que Flores, assim como conheceu
f Foi insignificante perda, qne tivemos, ao qne precisara de nos, devia saber iambem qne PERNAMBUCO. -TYPDE M. F. DE F. A FlLHO
No dia 23 de Janeiro as 8 horas da manha foi
executado na praga publica de Creil em Franca
Marcier, condemnado a morle pelo tribunal de
l'Oise.
Mercier foi aecusado de ter violado e assassina-
do Mara Miette na noite de 16 de agosto ultimo.
na estrada de Creil.
A vctima centava apenas 7 annos e meio, e foi
encontrada na madrugada do dia seguinte no meio
do camiuho deitada sobro o lado direilo.
A pobre crianga tinha a cabega e a cara cobertas
de echymoses; o pescogo mostrava ter sido aper-
lado to violentamente que se viam nelle os dedos
assignalados.
abdomen estava aberto por uma ferida, pela
qual sahiam os intestinos e a maior parte do esto-
mago. Mais abaixo tinha ama inciso que partm-
do do?irneo e corlando o osso pobis, pareca indi-
car que se linha querido dividir o tronce em duas
partes.
Os mdicos declararam que o autor do crlme ti-
nha querido violar a crianga e nao pedendo conse-
guido rompeu-lhe os orgaos sexuaes com ama f-.ca
e satisfez os sus desejos, fazendo os outros feri-
mentos a offendida, para Ihe tirar a vida e escapar
ao merecido castigo.
Miette poucos momentos viven depois que foi en-
contrada, mas ainda pode dar os signaes do assas-
sino, e confrontada com Mercier reconheceu-se
sem menor hesilagao.
Mercier tinha apenas 22 annos, era baixo, paludo
e imberbe, s com nm bigode quasi impereep-
livel.
Mostrava inlelligencia eenergia pouco vulgar;
respondeu sempre cora firmeza, negando obstina-
c menle o crime.
J
_ i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFKJX0UDU_VQZB61 INGEST_TIME 2013-08-28T01:35:50Z PACKAGE AA00011611_10610
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES