Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10606


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.

AHHO XLI. ROMERO 49
.M

Por qaartel pago dentro de 10 das do 1. mez
dem depois dos i." 10 das do comee c dentro do quartel *
Porte ao correio por tres mezes ..".,..
.
5$G00
6S000
750
ENCARREGADOS DA'SUBSCRIPCO NO OBTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antouio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL.
Alagoa1, o Sr. Claudine Falrao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, oSr. Jos.
Ribeiro Gasparinho.
. ., PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da va frrea at
Agua Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anlo, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, BomCon.
selho, Aguas Bellas eTacarat, as tergasfeiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis.
ta, Ouricury.Salgueiro e Ex.nas quartas feiras
iSerinhem, HioFormoso, Tamandarc, Una, Barrei
ros, Agua Preta ePimenteiras.nasquinlasfeiras,
[Una de Femando todas as vezes que para alisahir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
v EPHEMERIDE8 DO MEZ DE MARCO.
4 Quarto cresc. as 9 h-, 59 m. e 16 s. da m.
12 La chela as 8 h., 22 m. e 10 s. da m.
20 Quarto ming. as 10 h., 16 m. e 22 s. da m.
27 La nova as 3 h., 8 m. e 22 s. da ro.
QUARTA FEIBA 1 DE MARCO DE 1805.
Por anno pago dentro de 10 iias do l.mez ,,,.-,.. 191000
Porte ao correio por um auno ..,..,........j, 3J000
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao i tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Jnizo do commercio: segundas s H horas.
Dito de orphios: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbadas a 1
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
27. Segunda. Ss. Anligono, CursoeBessas. mra.
28. Terca. S. Roroo ab.; S. Cereal ro.
1. Quirtade cinza. S. Eudocio e Anlonina mm
2. Quinta. Ss. Jovino, Basilio e Januaria ram.
3. Sexta. Ss. Hemetcrio e Asterio mm.
4. Sabbado. S. Casemiro rei; S. Lucio p,
5. Domingo. Ss. Focas e Palatino mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 7 hora e 42 ro. da manhaa.
Segunda as 8 horas e 6.minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a GraBja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janeire, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livrarla da praca da Independencia
os. 6 e 8, dos propietarios Maneel Figaeira de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL
GOVERNO DA PROYINCU.
Expediente do dia 2o de fevereiro de 186o.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
raliyba.Vai ser opporlunamente transmitido ao
ministro em Lisboa o Exm. Sr. bario de llamara-
e o offlcio que para teresse destino V. Exc. me
remetteu com o seudc 18 do corrente.
Dito ao mesmo.Com o offlcio de V. Exc. de 15
do corrente, sob n. 1,132 recebi dous exemplares
da collecgo das leis promulgadas nessa provincia
no anno passado.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Para.
Oportunamente ser transmitido ao encarregado
dos negocios do Brasil em Roma o offlcio que para
ter esse destino V. Exc. me remetieu com o sea
de 8 do corrente.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Mara-
nho.Accuso recebido com o offlcio de V. Eic.
de 10 do corrente dous exemplares do relatorio
com que o 2 vice-presidenle passou V, Exc. a
adminislraco dessa provincia no dia 3 de oatubro
do anno passado.
Dito ao Exm. conselheiro presidente da relacao.
Queira V. Exc. interpor o seu parecer sobre a
materia cuntida no incluso requerimento do escri-
vo da provedoria decapellas e residuos do termo
do Cabo Manoel Clemente Ribeiro Yarejo.
Dito ao Exm. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.Queira V. Exc. expedir
suas ordens am de ser recolbido ao hospicio dos
alienados o de nome Mariano Gomes da Silva,
guando fr apresentado por parte da policia, man-
dando V. Exc. previamente examinar o estado de
sade do mesmo Gomes.Communicou se ao Dr.
chefe de policia.
Dito ao coronel commandante das armas interi-
no.Transmillo V. S. os inclusos papis relati-
vos ao pagamento que pede o 2 lente do 4 ba-
talho de artilharia a p Ascencio Mioervino Mei-
ra, da quanlia de 18557U rs. de despezas feitas
com o expediente da 8' companhia daquelle bata-
Iho, am de que informe com o qoe Ihe occorrer,
visto constar do parecer do procurador fiscal da
thesouraria de fazenda que se refere a informa-
cao do respectivo inspector n. 124 de 22 do cor-
rente a qual vai cobrindo os mencionados papis
que o predito tenenle nao deixou de perceber a
gratiicaco de commando de companhia, e sim a
de director da escola do mencionado batalho.
Dito ao mesmo.Transmitto V. S. para seu
conhecimento, e afim de que Ihe d o conveniente
-destino a inclusa relago de alterages occorridas
no mez de Janeiro ultimo com o alferes do 9o ba-
lalhiio de infamara Albino Jos de Faria que se
acha na provincia do Cear.
Dito ao Dr. chefe de polica.Ao offlcio de V.
S n. 256 de 23 de corrente com referencia ao ou-
tra do delegado do termo de I pojara sobre o desta-
camento da villa, respondo dizendo-lhe que a or-
dem expedida foi para retirar-se aquelle destaca-
mento quando fosse substituido poroutro da guarda
nacional.
Dito ao mesmo.Nao me parecendo attendivais
as circumstancias actuaos, as razoes que apr-
senla o delegado do termo do Serinhem em offl-
cio junto ao de V. S. n. 2o de 22 deste mez, para
que all seja conservado o soldado do corpo de po-
lica Paulino Magno da Silva, por isso que entre os
guardas naciooaes destacados pode encontrar ao
menos um de sua confianca : assim o declaro
V. S. em resposta ao seu rilado offlcio.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Inteirado de quanto V. 3. me partlclpou em offlcio
de honlem, sob n. 130 teoho a dizer em resposta
que informe se a falla de collectorias as villas de
Ingazeira, Apua Preta, Ipojuca e na povoago de
S. Bento, devida a nao encontrar-se naquellas
localidades pessoas que possam ser nomeadas para
os respectivos cargos, afim de nesse caso recom-
mendar-se aos juizes de direito que as indique.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. -
Se nao houver inconveniente mande V. S pagar
a AntoDio Domiogues de Almeida Pocas como so-
licitou o chefe de policia em offlcio de 22 ao cor-
rente, sob n. 249 a quanlia de 134,5800 rs., despen-
dida nos mezes de setembro a dezembro do anno
prximo passado com o sustento dos presos pobres
da cadeia da cidade de Nazareth, segundo consta
das qnatro inclusas contas.Communicou-se ao
Dr. chefe de policia.
Dito ao onsul dos Pases Baixos.Pela commu-
nicaco que em 21 do corrente, me dirigi o Sr.
P. C. Von Sohsten, cnsul dos Paizes Baixo* nesta
provincia, fiquei inteirado de haver regressado da
Europa ereassumido naquella data as respectivas
fuocgoes consulares, do que don selencia as repar-
tices competentes.
Aproveito a occasto para apresentar ao mesmo
Sr. cnsul a seguranza de minha perfeita estima e
distinela considerado.Fizoram-se as necessarias
communicages.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Cabo.Declaro a V. S. em additamento ao
meu offlcio de 18 do corrente, que o inspector da
thesouraria de fazenda participou-me em offlcio de
honlem sob n. 130, haver expedido ordem collec-
toria do Cabo para pagar nos devidos tempos, e em
vista dos competentes prets, os vencimentos da
forca da guarda nacional mandad;; destacar na vil-
la de Ipojuca.Igual communicacao se fez aos
commandanles superiores da guarda nacional de
Garanhuns, Flores e Palmares.
Dito ao director geral da instruegao publica.
Respondendo ao offlcio de 25 de Janeiro ultimo,
sob n. 25, em que V. S. solicitou uiorisacao para
o provimento da cadeira de instruegao elementar
do sexo feminino da villa de Cabrob. creada pela
le n. 598 de 13 de maio do anno passado, tenho a
dizer-lhe que estando a assembla legislativa pro-
vincial para reunir-se prximamente, a ella ser
snbmettida a sua proposti, visto nao poder ser al-
tendida por (alta de quota para semelhante des-
peza.
Dito ao commandante do corpo de polica.
Mande V. S. apresentar ao commandante das ar-
mas e excluir do corpo sob seu commando, se fr
julgado apto para o servico do corpo de volunta-
rios da patria, como se pffereceu, o soldado Fran-
cisco Jos Martins, a que alinde o seu offlcio n. 123
df sia data.
Dito ao director do arsenal de guerra.Approvo
a delibera?ao qtw, segundo os motivos expostos em
seu offlcio de 23 do corrente sob n. 191, tomn de
sobr'estar na execuco do meu despacho do da an-
terior mandando incluir no numero dos aprendizes
desse arsenal que tem de ser transferidos para o
4o batalho de artilharia a p, os de nomes Aus-
picio Crespo e Joaquim de Santiago, conforme re-
queren) estes.
Dito ao mesmo.Instando o Exm. presidente das
Alagoas pela remessa quanlo antes das pecas de
fardamenio mandadas fornecer ao deposito de ar-
tigo? bellicos daquclla provincia pelo aviso de 3 e
a que alinde o meu offlcio de 15 do corrente, re-
commendoa Vmc.__que faja apromptar esse forne-
cimento, afim de ser para all enviado na primeira
opporlunidado.Communicou-se ao Exm. presi-
dente das Alagoas.
Dito ao mesmo.Em vista do que solicitou-rae o
Exm. presidente do Cear requisito do com-
mandante do corpo de guarnigo daquella provin-
cia, recomroendo a Vmc. que faga empregar toda
a actividade na promptificaco dos 141 capotes
que alm de outras pegas, faltam para o completo
fardamenlo mandado fornecer quelle corpo pelo
aviso de 28de abril do anno prximo Ando, de modo
que ditos capotes estejam na referida provincia o
mais breve que fr possivel.Communicou-se ao
Exm. presidente do Cear.
Dito ao mosmo. Faca Vmc. apromptar cora toda
a brevidade, para seren enviados capital do
Cear coro destino ao respectivo corpo de policia,
os artjgos de eqniparaento e correlaroe constantes
da relacao junta, os quaes devero ser da mesma
qualidade do que usa o exercilo, convindo que
Vm. me
Rosalin* Carolina Alexai
valida.
idrina que consta ser des-
Despachos do dia 21 de fevereiro de 186o.
Requerimentos.
Antonio Jos Gomes do Crrelo.Informo o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Africanos livres Loureoco e Tbom. Informe o
Sr. Dr. chefe de policia.
David Willian Rowraan.Remettido ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda para mandar
passar o titulo de qno se trata, fazondo-se a deca-
racao pedida.
Emiliano Manoel Barbbza.Concedo o prazo de
1.1 dias.
Dr. Frncisco Pinto Pessoa.Concedo a permis-
apresente a coma de taes artigos para ser
paga por aquella provincia, conforme solicita a pre- sao pedida.
| sidencia da mesma em offlcio de 14 do corrente, I Jos da Costa Barros, f Entregue-se.
sob n. 7.
Dito ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra. AUloriso o conselho de compras do arsenal
| de guerra a promover a acquislgo dos objectos
! constantes dos 3 inclusos pedidos sob ns. 10,13 e
116, os quaes sao precisos para supprimento do al-
\ moxarifado do mesmo arsenal Communlcou-se
ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao inspector interino do arsenal de marinha.
j Nao contrariando Vmc. em sua nformacao desta
' data, sob n. 852, o que allegou Jos Francisco Cre-
lo no requerimento sobre que versa a citada ic-
Capito Jos Marianno de Abuqucrque.A of-
ferta do supplicante rebebida como um acto de
patriotismo digno de louvor, pode apresentar seu
filho ao Sr. commandante das armas para faze-lo
alistar no lugar que Ihe compete.
Dr. Jos Paulino da Cmara, promotor publico
do termo do Recife Sendo muito patriticoedig-
no do roaior louvor o acto do supplicante concedo-
lhe a dispenca que pede do exercio do cargo de
promotor publico desta comarca durante o tempo
que estiver empregado na guerra como volunta-
rio da patria, para o que pode apresentar-se ao Sr.
formacao, autoriso-o a mandar pagar ao supplican-' commandante das armas!.
te nao havendo inconveniente, a gralificago de Joiio do Prado Martins Ribeiro. Eotregue-se,
1005 a que tem direito o seu fflho Galdino Fran- nao havendo inconveniente.
cisco Crelo, que foi alistado na companhia de apren
dizes marinheiros nos termos do art. 19 das '"
ins-
\ truccSes que baixaram com o decreto n. 1591 de
: 14 de abril de 1855.
COMMANDO DAS ARMAS.
f Dito ao Dr. Jacintho Pereira do Reg.Teoho
presente o offlcio de 24 do corrente em que Vmc.
se offerece para gratuitamente substituir o bacha-
rel Jos Pauliuo Cmara, no cargo de promotor
publico desta comarca, durante o seu impedi-
"inenlo.
Agradecendo e louvando tao patritico offereci-
Imenlo, tenho a dizer-lhe em resposta que nesta
dala o transmitto ao Dr. juiz de <*ireito da 1 vara %JZ
desta cidade a quem compete prover a substitu-'r
cao de que se trata, para o lomar na considera^o
que mereceOfflciou-se neste sentido ao juiz de
direito da I* vara desta capital.
Dito ao capito do porto.Transmitto a Vmc.
para seu conhecimento e flns convenientes o in-
cluso exemplar impresso do aviso regulamenlar de J:' jc
Quartel do eommando das armas de Pernambuco
na cidade do Recife, 28 de Fevereiro de 186o.
Ordem Havendo a Sr. alferes1 do 7o batalho de intan-
faria Pedro de Alcntara Tiberio que se achava
destacado na villa de Ouricury recolhido-se a esta
capital com o destacamento da linha sob sen com-
o coronel comman-
dante das armas interino determina que se consi-
dere de nenhum eiTeilo quanto a respeilo do mes-
mo Sr. alferes se disse na ordem do dia de 27 de
Janeiro ultimo sob n. 29 por terem cessade os mo-
tivos que duro lugar ao meu antecessor tomar as
providencias que na citada ordem foram decla-
19 de dezembro ultimo, abrindo urna excepcao na
regra geral estabelecida no artigo 20 de regula-
ment, mandado observar pelo decreto n. 447, de
19 de maio de 1846.
Dito ao chefe interino da repartido das obras
publicas.Pelo offlcio que Vmc. me dirigi bon-
tem, sob n. 51, Dquet inteirado de haver-se con-
cluido por administracao a obra dos reparos da es-
trada do Pao d'Alho entre os marcos de 7 a 10 mil
bracas encampada e de que era arrematante Anto- j
nio Malaquias de Macedo Lima, (cando o mesmo
arrematante e seus fiadores responsaveis pela quan-
lia de 220-5710 reis, que se despendeu de mais co-
mo se v da conla que veio annexa ao citado of-
flcio.
Dito ao juiz de orphaos deste termo.Declaro a
Vmc. em resposta ao seu offlcio de 23 do corrente,!
que o menor Jos Eustaquio Fernandes Gama, foi'
escuso do servico do corpo de Voluntarios da Pa-
tria, conforme me participou o
armas em data de 24 deste mez.
(Assignado.) Jos Mana Ildefonso acorn da
Veiga Pessoa e Helio.
(Conforme.) -Tiburcio Mario da Silva Talares.
capito ajudante de ordens interino.
CORUESPOXIIEXCIAS DO DIA
BBO DE PEBff ASE BUCO.
LIMBO*.
12 de feveiteirede 186o.
No da 2 do corrate fchegaram a Lisboa SS. AA.'
Impenaes, a princeza h^rdeira do Brasil e seu ma-
rido S. A. o conde d'Eu. El-rei o Sr. n. Luiz foi
commandante das; a bordo e voltou ao pac,a d'Ajuda com os principes,
' que em breve recolherara, partindo na manhaa se
Dito ao mesmo.Nao se podendo ajuizar pela guintc para Inglaterra. Afflrma-se que, depois dos
sua nformacao de 22 do corrente, se o escrivao: augustos viajantes se demorarem em Clermont, on-
Floriano Correa de Brito est ou nao no caso de ob-; de van visitar sua av que se acha gravemente
i ter o anno de licenca que pedio ao governo mpe-
. rial para tratar de sua saude, exija Vmc. do peli-
: cionario e remella a esta presidencia algum docu-
' ment comprobatorio da molestia que allega, atim
de ser levado ao conhecimento do mesmo governo
imperial.
Dilo ao major do corpo de policia Alexandro de
Barros Alhuquerque"Accusando a recomi do
offlcio de 18 deste mez, em que Vmc. declara per-
; sistir na resolugao de seguir para o sul, como Vo-
luntarios da Patria, se o corpo a que perlence tam-
ben) marchar voluntariamente, e mesmo s se esta
presidencia assim o ordenar, tenho a dizer-lhe em
resposta que agradeco e louvo o seu patritico of-
ferecimento, e o aproveitarei, se assim o aconse-
Iharem as circumstancias do paiz.
Dito ao chefe da I. companhia da seccao urba-
na do corpo de policia Joo Eduardo Pereira Bor-
ges. -Aceito o patritico oflerecimento que nesta
data fez Vmc. de 10 por cento do sold que per-
cebe para as despezas da guerra em que se acha
empenhado o imperio, e em quanlo esta durar no
caso de nao marchar para ella cora a seccao a que
pertence.Offlciou-se neste sentido a thesouraria
provincial.
Dito ao eleitor da freguezia de Santo Antonio,
Joao Vicente de Brito Galvo.Era solugo as du-
vidas que Vmc. propoz em data do Io do corrente,
doente, regressarao Lisboa, o que se espera tenha
lugar em junho deste anno.
A commisso ou ante^ deputacao de estufantes
brasileiros que frequentam a universidade de
Coimbra, nao leve lempo de chegar a Lisboa, co-
mo tenclonava, para prestar suas homenagens
augusta fllha de S. M. Imperial.
SS. AA. visilaram a snhora duqueza imperatriz
viuva do Urasil na sua residenciadas Janellas Ver-,
des, cm Lisboa.
SS. AA. almocaram no pago da Ajuda. As em-
barcacoes de guerra surtas no Tejo salvaran) en-
trada e sabida dos augustos viajantes. Acompanha-
rara el-rei de Portugal I). Manoel da cmara seu
camarista de semana e q1 Sr. D. Luiz da Cunha seu
ajudante de ordens. Por parte de S. M. el-rei D.
Fernando fez as honras do desembarque aos sym-
pathicos esposos o visconde de Campanhan e por
parte da senhora imperatriz viuva, o visconde d*Al-
meida.
A galeota real conduzo a SS. AA. para trra,
desembarcando noarseial de marinha. SS. AA.
foram tambera ao paco las necessidades visitar a
el-rei o Sr. D. Fernando. Quando tornaram para
bordo do paquete eram 3 horas da tarde, e foram
acompanhados pelo duqje de Loul e todos os
membros do ministerio
O paquete sabio do Tejo s depois das 6 horas da
tenho a dizer-lbe quanto a primeira que com quan-1 tarde. Os augustos viajantes tencionam, depois de
lo em regra nao deva o escrivao que funeciona pe-1 se deterem em Clermont pas.-ar a algumas das cr-
ranle a junta de qualifleacao ser destrahido desses tes da Europa, d'onde voltaro aqu.
trahalhos, visto como sendo elles relativos a elei-
cao devem ser preferidos, segundo a doutrina dos
avisos de 9 de Janeiro de 1849 e 27 de julho de
1860, todava em circumstancias especiaesa certas
localidades, as quaes haver grande difflculdade
de encontrar o juiz de direilo pessoa habilitada que
possa substituir o escrivao do jury, deve ser per-
raittido ao mesmo juiz chamar para esse servico o
respectivo escrivao, embora por aceumular o lu-
gar de escrivao do juiz de paz seache funceionan-
do peranle a junt que ueste caso, como em qual-
quer outro de falla ou impedimento desse funecio-
nario, devo nomear outro que o substilua nos ter-
mas do artigo 30 da lei de 19 de agosto de 1846,
sem que d'ahi provenhanullidade nos seus traba-
mos.
Sua Magestade el-rei o Sr. D. Luiz dignou-se
agraciar com o grao de cavalleiro da ordem de
Chrislo ao Sr. Gaskoio, subdito britannico, a quem
a litteratura medica portugueza deve urna grande
parte da noticia que tem tido os jornaes de medici-
na iogleza, e a quem igualmente o Escholiasle de-
ve Jor de algumas das noticias lo completas que
na secgao de correspondencias tcem publicado.
S. M. a rninha de Hespanha, tendo em atten-
qo os relevantes servicob prestados selencia e
humanidade pelo Sr. Antonio Ferrelra Moutinho,
distiucto medico horaeopalha da cidade do Port, e
presidente do Consultorio Homeopathico Porluense,
acaba de condecorar com o grao de cavalleiro da
real e distincta ordem de Carlos III.
Esleve explendido ,no dia 6, o primeiro baile |
deste invern no pago 6'Ajuda dos nossos res, i
a-tt!?.^?^ inoras e 500 a 600 borne
, ? ,S del849_que os encarregades da Apezar disto a cuncurrrencia pode considerar-se
MifTf^ S flscalisacao da fa- diminuase nos reportamos vastidao dossales
zenda nao devoro ser d.strahidos dos seus deyeres, \ que0s eslraogeiros admiraran), como dos melhores
e que por isso e incompativel o cargo de collector entre os palacios reaes da Europa. As salas acha-
de rendas com o de subdelegado de policia, fora
de duvjda que aquelle cargo vai ser cumulativa-
mente exercido pelo promotor publico a quem in-
cumbe denunciar dos funcclonarios pblicos por
crimes de responsabilidades.
Quanto Analmente a terceira, c fora de duvida
em vista do que estabelecc o aviso n. 97 de 20 de
marfode 18o8 com referencia ao de n. 10 de 11
de janeire de 1849 que ha incompatibilidade en-
tre o emprego de escrivao de collectona e o cargo
de subdelegado de policia.
Portara. -O presidente da provincia attenden-
do ao que requeren Joo Gdncalves de Macedo
resol ve codceder-lhe licenca para embarcar para
o presidio de Fernando no primeiro navio que para
all seguir os gneros constantes da relaco junta
assiguada pelo secretario do governo, nao podendo
porm efTectuar o desembarque de taes gneros
sem qne por parle do commandante do mesmo
vara se ornadas com sumptuosidade e inexcedivel
gosto.
Urna das salas mais prximas do baile tornava-
se notavel por nella existir urna armadura comple-
ta de cavalleiro da idade media. F." a armadura de
flao mota! o de um costoso trabalho. A immedla-
la linha uns elugrs contendo varios objectos pre-
ciosos de ouro e prata "e outros melaes de subido
preco o admirare! trabalho, distinguindo-se uns
pratos de cobre com pinturas de Raphael e militas
ricas jarras, e urnas da India e Japo. Na decora-
cao desta sala sobresahiam tambero tres magll-
eos quadros, representando dous destes vistas de
Hohenzollern Sigmaringen. Estes quadros haviam
sido enviados pelos prenles da Sra. D. Estephania,
mas quando chegaram aquella alma anglica ha-
via deixado a trra.
N'outra sala prxima entre objectos de subido
valor e de muila vanedade, via-se a grande baca
presidio se proceda a exame afim de verificar se de ouro macisso onde foi baptisado el-rei D. Sebas-
ha agurdente on oulra qualquer bebida espirl-! tio.
tuosas. Era magnifica a sala da quadrilha real, chamada
Dita.O Sn gerenl da companhia Pernambu- do throno, e a contigua, em que tambem se dan-
cana mande dar transporte at o presidio de Fer-1 sava, era a do docel, em que tambem se dancava.
nando no primeiro vapor que seguir para all em | Trezenlos lumes refleclindo-se em oilo espwhos,
lugar de proa destinado a passagiro do estado illuminaram a primeira sala. Sob o docel osiavam
quatro cadelrts douradas onde se sentaran) as pes-
soas reaes. A sala era toda forrada de seda encar-
nada e n um elegante e vistoso crelo toca va a m-
sica da real cmara um escolhido repertorio do
quadrilhas, polkas, walsas, ele.
El-rei D. Loiz dansou a primeira contradanza
com a marqueza de Tagliacarne esposa do ministro
de Italia, segunda com a vscondessa d'Almeida, e
as segrales com as condessas de Val de Res de
Thamar, e esposa do ministro da fazenda.
S. M. a ralnlia dancou a primeira contradanza
com el-rei DI Fernando, a segunda com o infante
L. Augusto 9 as seguintes com o marquez de Ta-
gliacarne ; conde de Branderabargo ministro da
Prussia, e a ultima cora o ministro da fazenda Lo-
bo d Avila.
El-rei I). Fernando dansou lambem com madama
Koudriaflsky esposa do ministro da Russia.
A toilette de S. M. a rainha era a primeira em
gosto e riqueza, u toucado da joven rainha era de
extrema simplicidade e de magnificencia real. Era
de lesas arliOriaes, entremeadas de brilhanles, on-
de se ostentava um magnifico brabante avahado
em 30:000$. Deslumbrava a quantidade de br-
Ihantes que tinha S. M. a rainha no diadema, no
collar e n'um precioso cinto. Trajava um vestido
de rendas de Franca, com ornatos de crystal.
A' hora e meia da noute entraram SS. MM. na
sala onde se servia a ceia, sala chamada de baile.
No lopo desta sala em mesa separada ceiaram as
pessoas reaes. Dos lados estendiam-se compridas
mesas onde primeiramente ceiaram as senhoras,
seguindo-se depois os homens.
Os pratos da mesa real eram todos de prata dou-
rada, e os das outras eram de prata. Encostados
s paredes elevam-se grande numero de apparado-
res, onde se via parte da esplendida baixella da
coroa.
Tornava-se notavel um magnifico sourlout de
prata representando emblemas de caca, pega de
inuilo valer artstico, e de subido prego. Nesta oc-
casio a banda de lanceiros tocava o hymnodorei.
A mesa foi presidida por el-rel D. Luiz, lendo di-
reita a rainha e esquerda el-rei D. Fernando e o
infante I). Augusto, os cem lugares da mesa foram
oceupados por ouiras tantas senhoras.
O servicu foi excellenle.
Com a riqueza e magnificencia esperadas,
verificon-se na noute do da 9 no palacio dos con-
des de Penaflel, s Pedras Negras, o explendido
baile dado por eslas personagens s familias das
suas relagoes.
Eram 9 horas da noute quando principiaran) a
chegar ao palacio os convidados, e depois da mea
nonte estavam todas as casas povoadas, dangando-
se com muita animagao em qustro das principaes
sala*.
Na primeira sala de baile, na mais espagosa e
luxuosamente decorada, eslava urna brilhante or-
chrestra que executou um repertorio novo, man-
dado expressamente instrumentar polos condes.
Em urna das outras salas esteve nma segunda
orehesira, a qual opporlunamente passou para o
coreto collocado na sala da cea.
Destacado' da sala principal de baile, eslava o
coreto de msica, entre o qual o a sala ha urna bel-
la escada que d serventa para a sala dos jogos.
A escada observada do coreto produz um bello e(-
feito.
Era todas as salas virara os convidados urna pro-
fuso extraordinaria de camelias, as quaes orga-
rara por 16,000. S o lustre da principal sala,
magnifica pega disposta em forma de cesto de (lo-
res, continha 2,000 bellisslmas camelias.
A sala da ceia, tola armada de, branco, eslava
guarnecida de urna especie de balco, onde se viam
oito candelabros di ferro vestidos de camelias e
violetas, tendo nove lotes cada um. Alm havia
mais oilo candelabros dourados de oito lumes, e
quatro de prata de sete lumes. O lustre principal
era urna especie de acafate todo engnnaldado cora
camelias escarlates e brancas, e alumiado por no-
venta e seis luzes, rematando a cpula urna cora
de conde. Aos quatro cantos da sala estavam qua-
tro pequeos lustres decorados do mesmo modo e
com vinte lumes cada um.
A sala lem cinco janellas por lado, e nos inter-
valos de cada urna viam-se os retratos era quadros
antigos dos avs da casa Penafiel. desde o funda-
dor desta casa al ao av da actual condessa. Nos
vaos da janellas estavam os aparadores com riquis-
simas pegas de baixelas, de ouro, prata, etc. Rodea-
vam toda a ca-a trinta placas de metal dourado
com tres lumes cada urna e guarnecidas por coras
formadas por camellas e cera.
No fundo dpsta sala, em um grande vidro de 3
metros de altura por -2 de largo, am-se as armas
da rasa magnficamente pintadas. Os alisares das
portas estavam decorados com camelias e outras
llores.
Contigua esta sala est outra que se destinou
para deposito das capas e tambem ricamente deco-
rada, principalmente duas porlas que do serventa
para urna outra sala forrada de damasco amarello
com barras de setim branco e ricamente mobilada-
Um bello retrato do pai da condessa guarnecido,
por nma moldura de talha dourada de custoso la-
vor, est collocado nesta sala e (oi all inaugurado
nesse mesmo da.
O baile acabou depois das sete horas da manhaa.
A' urna hora (oi servida a ceia em bufetes a mais
oe 1,000 pessoas, e a qual durou perto de tres ho
ras, porque acabou depois dos quatro. O cottilion
prinripiou s cinco horas e findou s sete.
Apresenlaram-se nesle baile magnficos toilettes,
predominando as cores de rosa e branca. A senho-
ra condessa de Penaflel trajava um vestido branco
de linlssima cambraia franceza com corpete e so-
bresaia de setim escarate, ostentando urna riqusi-
ma profuso de diamantes.
A gradara de ferro do pateo da entrada foi Ilu-
minado a gaz. Um piquete de cavallaria da muni-
cipal fez o srvigo da policia dos trens. Mais de
vinte criados com libres novas foram postados de-
baixo da arcada.
As escadarias estavam ornadas com bellos vasos
de bronze contendo cedros, camelias e outras flores
escolhidas
Pelo natural nteresse que inspiram entre
nos os negocios do Brasil, sao aqu reproduzidas
todas as noticias que dizer respeito s relag5es
desse florescente imperio e mormente ludo quanto
interessa ao seu pundonor.
As negociages entaboladas para por termo ?o
conflicto entre a Gra-Bretanha e o Brasil, como
sabido, proseguem, servindo de elemento conci-
liador a mediago offerecida pelo rei de Portugal.
Agora acrescenla-se que S. M. o Imperador do
Brasil fez constar ao augusto mediador que jamis
consentir em renovar as suas relagoes diplomti-
cas com a Inglaterra, sem que o parlamento bri-
tannico revogasse o chamado Acto Aberdeen.
Por este bil o cruzeiro inglez autorsado a de-
ter qualquer navio brasileiro, se suspeitar que se
emprega no trafico da escravatura, fazendo-o de-
pois conduzir peranto o tribunal do aimirantado, o
qual tem direito de o condemnar.
governo do Brasil nao qner sujeftar-se por
mais lempo ao direito de visita, especialmente de-
pois de haver declarado que os portos do imperio
esto fechados i imporlago dos escravos.
Algumas folhas autorisadas entendem que Ine-
vitavel a aboligao do bil, mas julga que o gabine-
te britannico nao annuir por agora aos desejos do
Brasil, em presenca da manelra por que sempre
tem procedido a respeito dos estados secundarios.
Se o Brasil, portanto insistir na sua pretengo,
nao e provavel que so restabelecam relagdes entre
0 imperio e a Inglaterra.
Como se sabe o governo americano, com bem
custo, deu ou re-olveu dar plena satisfago ao Bra-
sil pelo attentado contra o Florida, as aguas da
Baha.
Os particulares porm fizeram o correctivo de-
clararlo offlcial. Segundo se l n'um telegrama
de Londres, a asooclagao comraercial de Nova-
York adoptou urna rsolugo agradecendo ao ca-
pito Collios, commandante do Wassuchets a ap-
prehengo do navio dos estados do sul.
O conde de Thomar, na cmara dos pares,
perguntou ao presidente do conselho de ministros
quaes as instrueges que levava o commandante |
da diviso naval portugueza que (ora mandada'
para o Rio da Prata, porque existindo pendencias I
e,ntre o Brasil e aquellas repblicas, e havendo'
alli grande ciume quando apparecera as bandeiras
das nag5es europeas, preciso que aquelle com I
mandante esteja munido de instrueges muito con-:
ciliadoras e muito circunspectas.
O presidente do conselho nao usando agorada I
palavra para responder aos outros pares que se
me dirigirn), responder desde j ao conde de
1 homar, porque assaz momentoso o assumpto a
que S. Exc. se referi. Disse que as instrueges'
dadas ao commandante da divisao naval, sao posi-'
Uvas o claras, para que nao influa directa nem
indirectamente as questes que se agitan) entre o
imperio do Brasil e as repnblieas da America do
Sul; e trate nicamente de proteger os interesses
que all temos, patrocinando todos os nossos conci-
dados, atiento o estado de guerra d'aquelle paiz.
O conde de Thomar deu-se por satisfeito.
Na Quite do dia 9 cliegou a Lisboa o Sr. D.
iogo Colho de Portugal y Querada, gro-cruz da
ordem de Isabel a Catholica, commendador da de
D. Carlos III, grio-cru' da de S. Mauricio e S. L-
zaro, da de S. Jo/ge de Parran, offlcial da Legio
de Honra, cavalleiro da ordem de S. Joo de Jeru-
zalem e deputado s cortes.
O Sr. Querada j exerceu o cargo de ministro'
de Hespanha na Blgica e na confederago Suissa
e foi agora destinado para desempenhar igual car-
go em Lisboa.
O deputado Barros e Cunha Interpellou o mi-
nistro da jusliga acerca dos missionarios de Torres
\ edras e das perturbages que causavam entre os |
povos, e obteve em resposta que o caso nao era
tao grave, mas que o governo daria, como costu-!
inava, as devidas providencias.
Foi approvado na cmara dos deputados o!
projecto que fixava era 183 conlos de reis a contri-
buico pessoal, e declararan)-se vagos um circulo;
eleitoral em Lisboa outro no Porto, e os de Pena-:
fiel, Leiria, Villa Flor e Timor (no ultramar) por
lerem fallecido os deputados eieitos, ou optaram,
por outros circuios nos termos da lei.
Foi pronunciado e preso um dos padres Gral-
nhas da Covilha. Parece que a-culpa relativa a
tactos pascados por nimiMin das ci,-i,; .-. Quan-
00 o padre foi solt, grande concurso de povo o
segura.
Espalhou-se ha das que o governo tenciona-
va dar tu .'emnisacdes aos conlraladores do contra-
to do tabaco, chamado dos 12 annos. Foi desmen-
tido offlcialmente este boato. Tambem a folha of-
flcial desmentio o boato de que o ministro da guer-
ra mandara trancar a nota posta a um offlcial do
exercilo.
Na cmara popular o Sr. Lev y Maria Jordo
annunciava urna nterpellagiio ao ministro da jus-
liga cerca da rearro ecclesiaslica e fundamen-
lou-a, nao estando present" o respectivo ministro,
o qual se queixou depois cmara. A replica do
Sr. Levy obteve apoiados da maioria. O Sr. Pinto
Colho (legitimista) orn contra o Sr. Levy, e o
debate ia tomando proporges matares, quando a
presidencia deitou agua na ferrara, passando or-
dem do dia. O ministro proraetleu responder op-
portunamenle interpellagao.
Na cmara aristocrtica apresentou se a res-
posta ao discurso do throno, e declarou-se que se-
ria entendida como cumprimento a cl-rei na for-
ma que se observara na casa electiva. Tomaram
parte na discusso alguns oradores e (oi approva-
da. Foi por essa occasiao que o conde de Thomar
perguntou em que carcter ia a nossa csqnadrilha
o Brasil e que instrueges levava, como cima
Ihes disse.
N'uma das ultimas sessoes da cmara alta, o
Sr. Sebastio Jos de Carvalho pronunciou expres-
soes que feram tomadas por offensivas da legillmi-
dade dos membros da casa electiva. O deputado
Collio d'Amaral profesin enrgicamente contra
essa opinio do par do reino J. de Carvalho.
Este ultimo deu explicaedes calhegoncas e satis-
factorias.
Um dos membros da cmara hereditaria per-
guntou ha poucos das ao presidente do conselho
de ministros se havia a crise ministerial em que
geralmente se fallava. O duque de Loul respon-,
deu que nenhum dos ieus collegas tinha pedido a
sua demissao. Podia acrescentar-lhe anda, pois
constante que a recompcsico est prxima, com- {
pletando-se o gabinete com amigos da situagao.,
ludo faz acreditar que a chegada do ex vice-rei
da India portugueza, condo de Torres Novas, o
signal que se espera para a recomposigo. Gregos ,
e Troanos Ihe abrem os* bragos. Antes d'hontem ;
participava o telegrapho que o general chegra a
Gibrallar. Os amigos delle e progressislas decidi-
dos, offerecerara-lhe telegraphicamenlo um vapor
para o ir buscar, fineza que o conde recusou, res-
pondendo que viria no paquete da mala
O Diario offlcial em artigo excepcional, annun-
ciava offlcialmente a noticia da chegada do conde
a Gibrallar.
O baro de Barcelinhos, membro conspicuo do
partido regenerador, deu hontem um jantar allu-
sivo chegada do conde, e tenciona dar-lhe hos-
pedagem.
Para que lado se inclinar esta nolabelidade ? ,
Qae feigo tomar a situagao poltica resultante
da alllanca projeciada? Pedir o duque de Loul!
a demissao do ministerio lodo, para se descartar'
do ministro da fazenda (Lobo d'Avila) do da goer-
ra (general Passos) e de mais algum, para depois
ser pela cora encarregado de formar um novo.
gabinete, como tambem se diz ?
Na cmara alia es'i-se disculindo a interpel-'
lagSo feita ao ministro da guerra acerca dos lac-
ios relativos ao general Lobo d'Avila (Franciscode I
Paula.) Tem orado os Srs. Sebastio Jos de Car-
valho, marquez de Vallada e conde de Mello por,
parle da opposigao, e em favor do ministro os Srs.
general Baldy e Moracs Carvalho. Trala-se da
manlfestagao laudativa que os offlciaes da arma de
artilharia fizeram ao general da mesma arma, Lo- i
bo d'Avila, em coritraposicao das diatibres da m- [
prensa contra o mesmo general a respeito do as ,
sassinato de Soutulho.
Votou-se, com longa, discusso, na cmara.
dos deputados o projecto que fixava o reparta a |
contribuigo prodial, c comegaram os debales de
um projecto que amplia a desamortisago. i^rnan
do-a extensiva aos estabelecinentos pos, r ce a
cmara concordar no principio ; usaram. 'm,
da paiavra, combatendo o projecto os S ito
Ceelbo, Bento de Freitas, visconde de .ndella,
Thomaz Ribeiro (autor do D. Jayme) e a favor os
Srs. ministro da fazenda, Vieira de Castro e Jos
Luciano relator da eommissao. A discusso pro-
segue amaaba, e teem a palavra oj Srs. Castro
Bento da Silva, Mendes Leal e Claudio Jos Nunes.
O Sr. Rabello da Silva, par do reino, aeeitou
a incumbencia de traduzir em portoguez a Histo-
ria de Cesar por Napofeo III.
Dlz-se que o governo pretende expropriar o
palacio do abastado lavrader Raphael Jos da Cu-
nha, sito na praga de Luiz de Caraes, para nelle
edificar a academia das Bellas Artes.
~ A' bordo do vapor Uerschel, ckegado no dia
2o do passado dos portos do Brasil, vierara 526
passageiros, salvos quasi por milagre do herrlvel
incendio da nao. Bombay as aguas de Monte-
video.
Falleceu no dia 25 do mez passado o Sr. Dio-
go L. Doyle, subdito britannico e negociante desla
praga.
O governo inglez otlereceu ao Dr. Jos Bap-
tista de Oliveira, cirurgio da corveta SdaBandet-
ra em testemuuho do aprego em qoeteve a pericia,
attengo e disvelo manifestado pelo Sr. Oliveira,
na valiosa assistencia q e prestara a Mr. J. S.
Long, guarda marinha do navio inglez Archer, por
occasiao de fracturar urna coxa.
O governador da India partecipa haver che-
gado no dia 22 de dezembro a Nova Goa o seu
successor, o Sr. Jos Ferrelra Pestaa, e aevia to-
mar posse do governo no dia 24.
Reinava socego naquelle estado, e a tranquilda-
de publica nao tinha sido alterada.
Na nossa provincia d'Angola falla se urna
liugoa, que, embora com varias e s vezes nota-
veis cidereugas segundo as localidades, commura
a urna grande extensao de territorio na frica oc-
cidental.
Apezar de que alguma cousa havia sido j es-
cripta a respeito desta lingoa, nao linha ella ain la
urna verdadeira grammaiica. Mas segundo infor-
raagoes, essa lacuna est preenehida.
O Sr. Manoel Alves de Castro Francpa, empre-
gado do governo geral de Angola, ajudado pelo
L)r. Saturnino de Souza e Oliveira que fra alli
cnsul brasileiro, escreveu uns Elementos gram-
maheaes da lingoa ebunda ou angolense ojfei'ecidos
Sua Magestade Fidelissima o Sr. D. Luiz I, a
quem j foi apresentado o autographo.
as importantes obras e melhoramentos a
que vao proceder de alargaraento da rea do arse-
nal de marinha, dizem que vo construir um di-
que anlogo ao ja existente, aproveilando para tal
flm o boqueiro do corpo Santo. E' urna impor-
tante acquisigo, e jamis se o estenderem ao pei-
rau, porque ento podero reparar os navios de
maior lotago usados na moderna navegago
Consla que ja foi aporovado o plano do caminho
de ferro do porto Regoa, hila pelo engenheiro
o Sr. Souza Brando.
A cmara municipal de Guimares. dirigi
Sua Magestade el-rei urna representacao, pedindo
que aquella cidade seja ponto abrigado para o ca-
minho de ferro do Minho.
Dizem do porto, que os operarios que ultima-
mente se ocenparam na obras do palacio <" oryo
tal sao 146 traboihadores, rapazes e raulheres 342,
pedreiros 174, carpinteros 74, ferreiros 25, piche-
leiros 5, e vidraceiros 9.
Ja est estabelecida no porto no Aljube, urna casa
de correcgo, para as raulheres que forera encon-
tradas de noite divagando pelas ras, havendo
urna sala com 20 camas, por emquanto, onde ellas
devem dormir, e oulra para trabalho com os uten-
silios proprios para flagao, costura, etc. Dizem que
aquelle ulii estabeleclmento devido ao Sr. gover-
nador civil daquelle districto.
Falleceu quinta-feira ultima, no Port, o Sr. An-
tonio Joaquim Pereira de Faria, que por bstanles
annos foi vice-consul do Brasil naquella cidade.
O tribunal do commercio do Porto declarou em
estado de quebra, a contar do dia 8 do corrente,
o Sr. Jos Ferreira Barbosa Leal, commercianle
daquella praga.
As folhas do archipelgo dos Agores, que alcan-
gam a 4 do correte do as seguintes noticias :
adiaotou-se a quadra invernosa sem que o tempo
em Ponta Delgada, se tornasse rigoroso. Os traba-
llios ruraes tem-se feito regularmente. Al 31 do
passado exportaram-se para diversos portos de In-
glaterra 123,893 2|3 caixas grandes de laranjas.
Nao tem havido allerages no estado sanitario,
havendo s ltimamente na freguezia dos Arries,
alguns casos de febres com carcter epidmico,
sendo 258 os affectados e nicamente 10 os falle-
cidos. Aggrava-se naquella praga cada vez mais as
difflculdade occasionadas pela falta de moedas de
cobre.
Prinrpiaram em Janeiro os bailes nasassembleas
de Ponta Delgada. A 5 do passado encoslou pla-
taforma da doca o terceiro navio qoe alli desear-
regou por guindastes, que era a escuna ingleza
Sex Blotthers abrgando-se no mesmo lugar do
grande temporal que sobreveio.
O engenheiro inglez o Sr. John Plews foi substi-
tuido nos trabalhos daquellas obras pelo Sr. James
Mackee, e qual tem dado grande desenvolvimeuto
construccao da doca.
Est j prompta a pintura do sceoario do thea-
tro, confiada aos Srs. Laralertini e Candido Jos
Xavier. O Sr. Frandoni resceodia o contrato de
arrendamento que tinha feito do mesmo tbeatro.
Na audiencia geral crirae da comarca de Ponta
Delgada, s julga dos dezeseis reos dos quaes, sete
foram absolvidos e nove condemnados degredo
para frica occidental, por crimes de roubos e fe-
rimentos.
De Ponta Delgada nos escrevem partida do
paquete que aquella illia foi assaltada por um vio- -
lento temporal nos das 5 e 6 do correle, o qual
destruio complelamente os dous ltimos bancos da
plataforma que a direegao das obras publicas alli
est construindo em frente da alfandega. O resto
da quebra-mar sofTreu tambem alguns estragos. Os
navios ancorados no porto soffreram todos prejui-
zos, e tres navios de alto bordo deram cosa na-
quelles mares, perdendo-se alguns tripulantes.
Foi conferido o titulo de visconde ao filho primo-
gnito do tallecido visconde de Roboredo, nosso en-
viado extraordinario que foi perante a corte de
Berln.
Parece haver-se resolvido ltimamente, qne o
governo de sua magestade mande Italia alguns
discpulos da real academia de Helias-Arles de Lis-
boa, para se aperfeigoarem nos differenles cursos ;
e anda bera porque de urna necessidade pal-
pavel.
Dizem da Regoa que a quantidade de vinho ap-
provado, nao exceder a 45,000 pipas.
Consla que est contratado no Port, o casamen-
to da Exma. Sra. D. Anna Leonor Tenes de Mello
de Almeida Mealheiroso, com o Sr. D. Joao Lobo de
Castro Pimeotel.
At 31 de Janeiro ultimo tinha o banco Uniao
efectuado 8,301 seguros mutuos de vida, por um
capital subscripto de 2,899:360*000, e tinha com-
prado at a mesma dala inscripgoes no valor nomi-
nal de 1,552.1508000, que se achara depositadas
na Caixa Filial em Lisboa, como vai annunciado
no lugar competente.
Nestas cifras nao se comprebt-i:de a s^scrlpcao
recebida ltimamente do Brasil, que impor-
tante.
O Sr. Joao Jos de Souza Teiles, lera quasi
concluido o Annucuto Poituguez, relativo ao anno
de 1864.
Ja em 1863 o Sr. Souza Teiles presin um bom
servico com a publicacao do Annuario.




r
DUi-lQ d rcrnaaafcneo fera lelr i de Mar^o de 186*.
~^
>0 Annttai'io "6 identifico, Iliterario e arlis- Appfovou-se nella, que se diriglsse un repre-
y fleo. sentaban as ramaras legislativas pedindo o aug-
O fecundo dramaturgo Ernesto Blester acaba ment dos seus ordenados e a diminuido do lempo
de ser agraciado com o grao de ufflclal da ordem ae ser vico para a ubriania _
de S. Thiaiw. Parece que o mais qu ronrorreu Fallecen no da 29 do passado, a mela hora
para to premio-for a uliiaw composieo-do.Sr. depois aanni noute, victima de urna cotiea, o Sr.
Biestrs diffamadores.
Falleceu no dia 29 do passado o Sr. Antonio
Jos Cabral, respeitav.l capitalista da praga do Por-
to, e um dos propietario e directores da t;
de aco de algodo de Negrellos, junto
serla.
Por participacao do cnsul de Portugal em
liollanda sabe-se que naufragara na costa da ilha
Faustino da Gamar, par do reino, e presidente da
junta do crdito publico.
Era riqolssimo.
Foram nomeados por decreto o Sr. Felippe
ae Vi-1 Felque director geral des trabalhos geographleos,
) estatiscos e dos pesos e medidas, e director do ins
de Ameland, no principio do mez passado, a escuna
poriugneza DcoHma, capito Antunes, do Porto,
salvndose a tripolaeo e parte da carga ? que o
navio se julga perdido, e que o capito, o piloto e o
mogo eslavam anda era Ameland, cuidando, com o
vice-eonsulem Hnriingem e seu agente, dos salva-
dos, e que finco marinheirs haviam partid a ja para
este reino por va de Londres.
Assevera-se que um filno do duque de Cada-
val ia desposar-se com afllha mais velha do Sr. D.
titulo geographrco; o Sr. Eduardo Lessa, director
geral dos correios e pastas do reino; o Sr. Jos
Victorino Lamazio director geral dos telegraphos
do reino ; o Sr. Jos de Torres, chefe da reparticao
de esiaiistiea do ministerio das obras publicas; o
Sr. Joaquim Heariques Fradesso da Silveira, chefe
da reparticao do pesos e medidas.
Por decreto de 21 do mea passado, feram
concedidas ao general Taborda as honras do aju-
dante de campo de el-reio Sr. D. Luit, em alten-
5S0 aos servicos valiosos-que prestou causa da
liberdade.
Miguel deBragaoea.D. Mara das Neves, que as- Vem exonerado o conde de Torres Novas de
ceu a -B de agoto de 1852. ^ ^f d0 ^premo cmse{ho e- JuSt'ca
agosto -.
"Sabio do dique do arsenal o vapor Mindtlto,
entrando successivamenie para serem reparados, o
vapor mercante inglez 7Y$er e o hrlgue de guerra
Pedro Nunes, a nao Vasco da Gama e o hiato S.
Thorn.
Para se completaren) as obras da sala da c-
mara dos pares, diz-se que se precisam tle mais
20:000,8000, e que para a a-herlura deste crdito se
vai fazer tima prnpsla s cortes.
Sra. D. Carolina Prostes Rosado offereceu
militar, pelo haver sollicitado.
Por decreto de 30 de Janeiro, exonerado o con-
de da Ponte de Santa Mara do commando da
primeira divisao militar, por tambera o haver
I pedido.
Para o commando da primeira divisao militar,
foi nomeado o visconde de Tavira, que eslava uo
commando da stima divisao, e para esta foi no-
; meado o visconde de Santo Amonio, que eslava
funecionando no supremo conselho de juslica
um hvmno, de sua cemposicao, ao albergue dos in-; militar,
valido's do trabalho o ao asylo de -Eora. Este Consta que se vo fazer algumas obras de
hymno foi Ivtograpbado para qne c producto da reparago na Serrado Pilar e castello da Fez,
venda revertesse a favor dos mesmos institutos de : propostas pelo visconde de Leiria, commandante
beneficencia. militar daquella divisao, e approvadas pelo governo,
Houve agora por lem S. M. el-rei o Sr. D. Luiz
1, deelara-lo nacional e determinar qne fosse en-
para que, ao tempo da exposigo, aquelles dots
fortes estojan) convenientemente preparados para
saiado e executado pelas bandas narionaes dos di- as visitas que, provavelmeote, tero dos estrangei-
versos reglmentos, o que como testemunho de re- ros que vierero ao Porto, e aos quaes o noroe bisto-
conhecimento para com a pledosa compositora. rico da Serra do Pilar desafiar o desejo de tintar
Foi reconheeido propriefario da descoberla da aquel le ponto,
mina de ferro sita no Serr da Mina, freguezla do O visconde de Leiria encarregou o .eu sob-chefe
Cereal, conceibo de Odemira, districto de Beja, o
Sr. Jayme Larcer.
Diz se que n'um dos bailes de mascaras da |
corte, S. M. a ramha apresentar no seu costutne o i
maior brilhante que possue a cor8a ; e alm disso, I
que el-rei mandara fazer duzentas estrellas de bn-
Ihanles para o mesmo coslutne de S. M. a rainha..
Ha perto de um mez, que prximo da Alhan-
dra, na fregnezia de S. Marcos, no sitio denomina-
do as Quebradas da-Serra sobranceira ao lu
de estado maior e o commandante do material de
arlharia, daquella divisao, do exame local dos re-
feridos fortes e de indicaren), um relatorio, os
melhoramenlos necessanos sobre todo na Serra
do Pilar, para que aes olhos dos estranhos nao
mostr o aspecto de completo abandono que actual-
mente aprsenla.
A Fotha Official pubcou um decreto regu-
lando aclassificago dos conrelhos dos districtos do
continente do reino, e as quotas que competen) aos
gar de Calhandriz, rebenlaram urnas frvidas de exactores pela riscalisaca e arrecadaeo dos rendi-
agua. A Ierra comecou a ser levada pea agua,
ameaeando tres casas mi is vizinhas do sitio onde
rebentaram as'frvidas.
Os moradores destelharam as casas, e reliraram-:
se com es seushaveres, e em pouco foram ellas (
inundadas.
As aguas vio arrojando trra e pedras, e j se |
acham tncommunreaveis alguns dos moradores, e
tambem ja' esto destruidas e arrasadas algumas
pequeas" fazendas.
O lugar d Calhandriz tem nns quarenla fogos, e
os seus moradores andam atemorisados e alguns
se tem retirado.
D maneira que esla povoaco est agora como
as cidades das encostas do Vesuvio, ameagada de
ser arrasada, nao pela lava de um vulco, mas
pela trra e pelas pedras que se precipitan) das fr-
vidas ou fervedonros.
Parece que absolutamente indispensavel abrir
urna "valla, para feceber aquellas aguas e affasta-
las de sobre a povoaco.
J se-arria estabeleclda no Aljube do Porto a
casa da correcgo, pelo trabalho, para as infelizes
que forera encontradas de noite vagando pelas
ras.
Ha urna sala que foi transformada em dormito-
rio e ooira para trabalho.
Na primeira collocaram-se mais vinte camas,
por em quanto, e na oulra os instrumentos proprios
para os trabalhos de fiacao, costura, etc.
Foi no da 6 a installacao deste eslabelecimento,
que se deve iniciativs do governador civil, e que
muito para desejar seja, coro o lempo, levado a
proporces que plenamente correspoodem a' idea
generosa da sua instituicao.
Reuni se a asst-mbla geral dos accionistas
da companhia de liaran porluense, aflrn de ouvir
ler o relatorio e contas da direccao, e proceder a'
ci.-i_."iu iia roftimiseu do txame de cenias.
Do relatorio eis os sepuintes apontamentos :
< A companhia conta al hoje 631 acedes emit-
tidas, fieand' ainda por emillir 163, o que tudo
prefaz o capital de 80:0005000.
Os emprestimos que contrahio foram de letras
sacadas e acceitas pela propria dirnecao, a diversos
prazos, na importancia de 27:107^737 que foram
pagas puntualmente.
Vndenle o algodo em rama no valor de.....
24:4735635 que, junto a 8:272,8726, valor do exis-
tente liado, nvixtiu um lucro de 7:8655470.
Levada esta importancia a' conta de lucros e
perdas, e deduzindo-lhe a importancia dos gastos
geraes, tanto deste como do anno de 1863, apr-
senla um saldo de 4:1925311.
A direccao propoe que se repartam 6 c meio por
cento pelas acedes emitlidas, o que prefaz um divi-
dendo de 65500 por arcao. >
Deram entrada no musen do arsenal do exer-
cito dous-caixoes vmdos de Inglaterra por manda-
do do conde de Lavradio ao ministro da guerra,
trazendo um delles um arreio completo para ca-
vallaria.
O arreio pintado de preto. os estribos sao quasi
pelo modelo dos antipos estribos portuguezes.
A mala e a bolsa sao de panno azul e listados de
encarnado.
O sel I ira nao tem suadouros.
Ha um balde de lona, qne se suppfie servir para
o mi.-ter que entre nos servem os saceos para ce-
vada.
O outro caixote tero diversos armamentos para
iofantaria, arlilharia e cavallaa, e contera :
ma espingarda completa, cano liso, para infan-
taria, modelo de 1848.
Urna espingarda raiada. 5 raias para infan-
taria.
4 Urna carabina e espada bayoneta, para cagado-
res, tambem raiada.
Jim refe, espada corta quasi igual ao modelo das
espadas que trouxeram a Portugal os batalhdes
belgas em 1830 e que diz servirem para os arti-
lheiros a p.
Duas caramnas para cavallaria, com meias co-
ronhas.
Duas pistolas de cano liso, para cavallaria com
meias coronhas.
Urna espada com bainha de ferro, para caval-
laria. ,
Urna espada com bainha de ferro, para arlha-
ria a cavallo.
Todos os artefactos sao bem produzidos mas nao
excedem os fabricados no arsenal, que primara
pela elegancia.
E-tes objectos dizem serem usados pelos corpos
da guarda real do exerciio ioglez.
Julga-se serem destinados para o musen do ar-
senal indo agrnpar-se ao lado dos modelos que all
j existen).
_ O marquez de Souza, presidente da commis-
sao encarregada em Lisboa de-escclher o enviar
para a exposicao internacional doPorto os objectos
de bellss-artes, pesando bi-m o zelo da benemrita
associacAo dos architectos em tudo aquillo, qne to-
ma sobre si, oJBciou a* mesma associaco para
alm do seu digno presidente, architecto J. Possi-
donio da Silva, escolher mais dous socios, afira de
todos coadjuvarem os outres membros da academia
-de bellas-artes.
A assoriacao escolbeu para essa misso os Srs.
consetheiro Feij, e par do reino Miguel do Canto.
O Sr. Innoceocio Francisco da Silva vai
- efteotivamente reimpremir Ama colleccao de obras
classicas.
A primeira destas composlfdes que entrar do
prelo o tElucidario de palavras, termos e pilcases
que amigamente ero Portugal se ousaram e que
hoje regularmente se ignorara, por fre Joaquim
de Sauta Rosa de Viterbo.
Em seguida publicar-se-ho; a Historia de S.
Domingos, particular do reina e eonqui-tas de Por-
tugal, por fr^i Luiz de Souza, a Chronica dos
res de Portugal*, reformada pele licenciado Dntr-
te Nuoea de Leo, a Cbrtniea da companhia de
Jess do estado do Brasil, pelo padre Slmo de
Vafironcellos, e a Historia da guerra brasilka,
por Francisco de Brito Freir, o outras multas,
costosas hoje de encontrar.
No dia 29 do passado, houve em casa do Sr.
Moreir de S, redactor do Boletim do clero e do
proftnorado, urna reuniao do profassores, a que
assisto o Sr, eommissario do# eatodoi Mariano
Gbira.
Consla qua a directo to Bmco-Lashanobifo Btevlo Jo> da Silveira.
que leuha realisado o capital precito para poder Maooei Joaquim do Espirito Santo.
tunecionar era harmona com as disposcdes dos I
seos estatutos, organisar nao so a seceo dos seg-!
ros de vida, em mutualidade como a te seguros qs Bniada* d<> PprnmbiiM
contra rogo (art. 7 ns. 14 e 15 da sua M wguira.) ." P" ?* ** J.
Diz-se que estabelecer tambem o icrtiete e era-1 "* 8e<18 COmprorlncIailOS.
qoanto nao estiver prorapto o.predio, funecioaar cidadaos Pernambucanos 1-A guerra que o ira-
provisoriamente n urna casa alugada paraesse fim perro ddBra-il mantera actualmente com os e#ta-
tendo o seu capiUl era deposito no banco de Por- dos do Uruguay o Paraguay, cooMilna orna situa-
tugal, ou em qualquer das caixaa Miaes aqui esta- clo tito ave seria, que todos os BraaHeiros e-
r-?.S'___ m___^ ,em Bl* concentrar a maior atteocao e a mais
Consta aue a direcgo vai tratar de estuiar o activa ilcitude.
meio de pdr em pratrea o seguro de vidas do gado, n, ujm53o e qualidade de deputados assem-
seguros agrcolas e fluviaes, o que lafelizmenteain- bla gwral, temos para nos que devemos mani-
da nao temos e tanto precisamos. tar com franqueza a nossa opinlo, j aos dignos
Sabe-se que nao fara a direccao, chamada de ne- eteitores da provincia, ja todos os Pernambuca-
nnuma prestacaoemquanlo se coahecerom daerise m$> em retereircia rrartrcnlaTmeme ar/ cronvhe-do
monetaria, os menores vestigios. governo para que hajamVoluntarios da Patria,
s poucos dissidentes deste baoeo, propuzeram qup reclamacao urgente,
urna accao contra a direccao para Ihe ser re-titu- nj0 nos ocuparemos agora das diversas qoes-
da a primeira prestacao. Os fundamentos do libel- l5es que se m ,,e eRUdo de guerra pcrque
lo sao os mesmos que por varios teem sido pubb- oulras mniIas opportunidades se hao de offerecer
cados em alguns artlgos dos dissidentes mais m- naturalmente para sua discusso, e o emprego de
) capital nominal dos dissidentes que medidas e providencias uteis. Nem Bmesmo pro-
instauraran) o processo, monta apenas
Julgave-se que fosse mais importante.
296:0005.
L.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
FftESIDENCtA DO SR. CONSELHEIRO OR. LOUKBIRO.
curaremos mostrar aqu a razao e juslica que nos
i assistem na luta armada queeocetou o Brasil.^
I Sabe todo o imperio, que de ha muitos annoso
; Brasil, victim de offensas profundas e atrozes,
j contra elle praticadas "pelos Orientaes; e havendo
j exigido repararlo, nao foi jamis attendido pelo
; governo do Uruguay, 'abi a neressidade de ob
. ter por meios mais enrgicos o que nao poderam
conseguir os meios brandos, ou diplomticos. Co-
mecando pelas represalias, o Brasil teve inevita-
velmente de fater guerra propnamente dita ao es-
tado do Uruguay, ob antes ao seo governo, que est
em divergencia com grande parte do paiz.
Nesta guerra nenliuma relaco de hostilidade
havia com o Paraguay. Entreunto este, coasti-
nhaa e levanta a sesso as 2 1|4.
REVISTA CIARA.
A assembla provincial funecionou hooiem.
resumo dos trabalhos vai no lugar competente.
Hoje deve ler lugar a abertura solemne.
Chamamos a atteocao dos leilores para a pro-
clamado dos Srs. depu'ados geraes por nossa pro-
vincia, que vai em outro lugar.
Depois de nossa ultima publicajo tero jura-
do bandeira no corpo de Voluntarios da Paria as
seguintes pessoas: .
i-M I!.siiianu dos Santos Miranda, 18 aunos,
Pernambuco. 122Joaquim Marianno d'Albuquer'
que, 16 idem, dem. 123Manoel do Livramenlo
Ferreira, 19 idem, idem. 124Valeriano J. Jos
Eustaquio, 20 anno?, idem. 125Jos Corroa da
Silva, 45 idem, idem. 126 Jos Lopes d'Araujo,
idem, idem. 127 Dr. Jos Paulioo da Cmara,
26 dem, idem. 128 Joo Baplisla d'Azevedo, 20
idem, idem. 129Jos d'Alencar Araripe, 18 idem,
Ceara, 130-Henrique Luiz da Silva, 38 idem,Per-
nambuco. 131-Francisco Jos Martins, 22 Idem,
Cear 133Hyppolito da Silva. 27 idem, Per-
nambuco. 133Flaviano Cesario Colho, 19 dem,
Pedera-uos chamemos a atlencao de quem
moras da noite, com grave encommodo dos visi
nhos.
O Sr. Francisco Antonio da Silva Cavalcante
acha-se em exerclcio da subdelegacia da Capunga.
Falleceu, em consequencia de grave molestia,
o commandante superior da guarda nac- nal da. co-
marca do Bsnito, coronel Francisco Bezerra de Tor-
res Vasconcellos.
mentos pblicos; ficando por este decreto substi-
tuido a tabella 3" annexa ao decreto de 3 de de-
zerabro de 1860 no que diz respeilo classificacae
dos concelhos; e substitue a tabella junta ao decre-
to de 12 de abril do 1862, no que diz respeito s
quotas pela cobranga dos rendimenlos pblicos.
Este decreto precedido d'um relatorio do
ministro da fazenda.
Por este decreci rica o districto de Lisboa, com
os seguinles concelhos :
De primeira ordem, Alemquer, Bairro d'Alcan-
tara, Bairro d'Alfama,Bairro Alto, Bairro do Bocio,
Belm, Cintra, Olivaes, Setubal, Torres Yedras, e
Villa Franca.
De segunda ordem, os concelhos de Alcacer do
Sul, Aldeia Gallega, Almada,-Arruda, Azambuja,
Mafra c Oeiras.
De terreira ordem, os concelhos d'Acochete,
Bairro, Cadaval, Cascaes, Cerimbra, Gran Jola,
Lourinhaa, Moila, S.Thiago, de Cacem, e Seixal.
O districto do Porto, Oca com es seguintes
concelhos:
De primeira ordem, primeiro Bairro segundo
dito, lerceiro dilo, Penanel, e Villa Nova de
Geria.
De segunda ordem, Amarante. Baiao, Boucas,
Felgueiras, Gondaraar, Lonzada, Maia, Marco* de
Canavezes, Povva de Narzim, Santo Thyrso, e Villa
do Conde.
De terceiraordem, Pacos de Ferreira, Pandes,
e Vallongo.
A cmara municipal de Lisboa vai dirigir
urna representacao cmara electiva, pediodo au-
torisacao para poder vender todos os dominios
directos que possue invertendo o producto destas
rendas em inscripcSes.
O festejado actor do tbeatro norual o Sr. Jos
Carlos dos Santos, e autor de muitas produccoes,
acaba de escrever um drama martimo intitulado
os Piratas-, que destina s pro vas publicas no
theatro das Variedades Dramticas.
Ha das fallou-se vagamente n'uma viagem
que S. M. a rainha ia fazer a Turin ainda durante
este mez.
Nao sei que crdito mereca esta noticia.
Foi agraciado com a commenda de Aviz o Sr.
Jos Maria de Moraes Reg commandante do regi-
ment de iofantaria n. 2.
Por portarla do ministerio da mancha, foi
tncarregado o reverendo bispo eleito de Marau de
examinar o collegio das missoes ultramarina, e
verificar tanto o estado dos esludos e aproveita-
mentedos alumnos, como a sua educaco physira,
moral, e religiosa, devendo depois dar conta desse
exame e propdr o que para o melhoramenlo
daquelle eslabelecimento intender conveniente.
I-to para prover melhor organisagao que
demanda um estabelecimento de 'semelhante or-
dem.
Desta importante resolucao foi informada, para
os devidos effeitos, o superior do collegio.
A commisso constituida no Porto para pro-
mover a construceso de um monumento memo-
ria do marechal do exernto, o fallecido duque da
Terceira, reuniu-se no dia 5 do corrente, na casa
onde reside o general conde de Leiria, presidente
da mesma commisso, resolvendo que o monumen-
to seja urna estarna pedestre, para cujo fim delibe-
rou abrir e promover urna subscripeo.
Na groja da collegiada de Sania Maria de
Marvilha em Santarm se verficou no dia 6 do
crreme, o consorcio da Sra. D. Maria da Silva
Passos, filha do grande orador Passos Manoel com
o Sr. Pedro de Souza Canavarro.
Vai haver no Gremio Litterario palestras
Iliterarias.
Ja estao inscriptos para oradores nessas palestras
os Srs. Rrbello da Silva, Corvo Hendes Leal, Jos
Horta, Benevides e Dr. Lourenco.
As palestras verificar-se-hao duas vezes por se-
mana, mas por emquanto ainda nao ha o dia apra-
sado para o comeco.
Apresentaram no dia 26 no tribunal do com-
mercio a sua fallencia os Srs. Melquades 4 C com
eslabelecimento de livraria na ra do Ouro e na
cidade de Coimbra.
O juiz retmtrahio a abertura da Jallencia a 40
das, e nomeou curadores, os Srs. Oliveira Machado
e Valentira Jos da Costa.
Trata se effectivamente de accrescenlar o di-
que do arsenal da marinha tornando-o mais com-
prido 20metros para ornar.
O projecto e orgamentos destes trabalhos estao
commelldos ao engenheiro Joo Evangelisia de
Abreu. Pedir-se-ha autorisago as cortes para es-
tas obras e para outras de que ha necessidade no
mesmo arsenal.
As sommas que ser necessario dispender tal vez
subam a 350:0005.
O governo vai propora prorogagao at30 de
juoho de 1866 do praso para o gyro das amigas
n.oedas de prata, decretando-se que se cunhem
mais duzentos coritos das modernas. A cunhagem ,
destas suba al 30 de seterabro finito a........i fado e quem bem conhcer o carcter illustrado e
6^S6:4365400 e as de ouro 2,307:9725000. [as maneiras affaveis do dito profesor,dir que s
Pelas contas annexas ao relatorio do estado mesqoinhas vingancas dariam lugar a levantarse
da fazenda publica, v-se que o liquido producto de ? contra um professor que ha 28 annos exerce
emprestimo Slern foi de 5,299:4185777 correspoo-, as funegoes de seu magisterio semprecom louvore3
dente a 47,105 prego ainda superior aos calcules dos seus superiores.0 amigo da verdades
feitos pelo governo, e muilo mais elevado do que | Passageiros do vapor brasilero
As 2 horas da tarde do dia 28, achando-so pre-
sentes os Srs. Loureiro, Buarque, Andrade Lima,
Ayres Gama, Reg Barros, S Pereira, Francisco
Pedro, Amynlas, Soares Brando, J. do Reg Bar- tuinJo-se em tal emergencia inimigo voluntario do
ros, Souza Bandeira, Diodoro Ulpiano, Braulio, Na-, Brasil, e alijado preslimoeo do Uruguay, acaba de
bor, Ramos, Brito, Rochael, Jacobina, Arrainio, empunhar as armas em defeza do seu vizinho
Costa Ribeiro e Sabino Olegario, abre-se a sesso. i oriental, e invadi a provincia de MallO'Grosso, ahi
Em seguida declaron o Sr. presidente que se ia pralicando actos, que anda em tempo de guerra,
offlciar ao Exm. Sr. presidente da provincia para o direiio dasjrentes, a oivilisaco moderna e a hu-
designar o dia e lugar da abertura da assembla i moidade, nao permittem, nao i leram.
provincial. A iniciativa de aggressoes e violencias que tu-
Pela ordem, obsorvou o Sr. Buarque que a elei-' mou o governo do Paraguay, obrlga o Brasil, romo
gao da mesa, segundo os precedentes, devia ter previsto por todos, a redobrar de eslorcos e
logar amaoha depois da missa do Espirito Santo, meios, para repellir os inimigos e garantir os seus '
mas qne o art. 19 do regiment delerminava que o direitos. Sena duvda a guerra prolooga-se, e em
fosse ames : assim pedia que esta queslo fosse. muito damno aos Brasileiros, se da parte do go-1
sujeita a debate. verno imperial nao fo em postas no Rio da Prata
Fallaran) a respeito do assumple os Srs. Sabino' forgas sufflcientes, que conseguindo com prompti-
Olegario e S Pereira, e, a requerimento do Sr. do terminar quanto antes a luta armada, eviem
Braulio, decidi a assembla que a eieigo tivesse ao mesmo tempo novas e hornveis calaml-
lugar antes da-missa. dades.
O Sr. presidente convida os Srs. depulado para : Nesta gravissiraa conjunctura, o governo impe-
se reunirem boje 1" de margo, s 1(1 horas da ma-. rial ha de infalvelmenle recorrer ao recrutameo-
i to, ao cbamamento da guarda nacional, e ao con-
| vite dos corpos policiaes, e deVoluntarios da
Patria.
Ninguem ignora que a defeza da patria, contra
o estrangeiro que a offende e ataca, dever que
O esta cima de tudo : eo modo mais consenlaneo .dos senhores d-putados.
aos sentimentos da dignidade e da honra, para o
eumprimento desse dever, sem duvda alguma o
da apresentago de v'olunlarios. Todos os ootros,'
embora legitimes e justos, nao fornecem a vanta-
gem de poder o cidado por si conciliar e combi-
nar o sacrificio que faz, com o seu estado physicc, |
recursos de animo e interesses importantes que o
prendam familia e vida privada.
Nosso fim, pois, com a presente manifestara >. .
aconselbar aos nossos amigos, e pedir a lodosos!
Pernambucanos, que concorram voluntariamente ;
para a guerra. Quaesquer que sejam os desgostos
que existan) no pove, por causa dadirecgo gover-
namentai e administrativa da sociedade brasileira,
ou proveniente de outros motivos ratoaveis e jus-
tos ; se elles existen), devem cessar em face do I
perigo que corre a iniegridade do imperio, dos de-
sastres e insolencias que soffrem as provincias do
sul, e o desaggravo que reclamara a nossa digni-,
dade, honra e soberana ultrajadas.
Pernambuco nao escapar talvez urna razoa
vel censura, se em semelhante cris;t
certido de ser ou nflo (Ter deposfario dos arma
zens ns. 1, 3 e 5 do edificioAlfandega Velba :
Dse.
No de Jose^Monio Moreira Das, pedmdo sua
rehablitaco.Btando visto pelo Sr. desembargador
fiscal :Mostr o prelendeote ter cumprido a con-
cordata.
No de Honorato Caetano de Abreu, pediodo o re-
gistro do seu contrato de sociedade :\ista ao Sr.
desembargador fiscal.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente eocerrou a sesso as orne horas-da manha.
SES3A0 JUD1CIARIA BM 27 DE PEVERE1RO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. DESEMBARGADO
ANSELMO FRANCISCO PEUETTI.
Srcrrtarw, Jittio Guimares.
As onze horas e meia da manha o Exnf. Sr.
presidente abri a sesso, estando reunidos os se-
nhores desembargadores Res e Silva, Silva Guima-
res e Acoieh, e os senhores deputados Rosa, Can-
dido Alcoforado, Basto e Leal.
Lida, foi approvada a acta da esso antece-
dente.
Foram assignados os accordos proferidos na ul-
tima sesso entre partes :
Appellante, Ignacio Jos da Silva ; appelladas,
Maria Joaquina e Rita Maria, viuva eherdeira de
Manoel Antonio de Faria.
Appellante, Antonio de Sou/.a liego: appellados,
os curadores fiscaes da massa fallida de Joaquim
Vieira Coelho.
Arjpellaate, Manoel del guila, por seu procura-
dor ; appellados, Aranaga Hijo & C.
JLGAMENTOS
Appellante, Jos Antonio Pereira e sua mulher ;
appellados, a viuva e herdeiros de Joo Ferreira
dos Santos.
Adiado na ultima sesso
Foi confirmada a sentenga appellda.
Appellante, Francisco Antonio Pontual ; appel-
lado, Antonio Gomes da Cunha e Silva.
Adiado as sessoes de 20 e "3 do corrente.
Foi confirmada a sentenga appellda.
Appellante, o corone.l Jos Pedro Velloso da Sil-
veira ; appellados, os herdeiros de Francisco Car-
neiro da Mlva por seu tutor o Dr. Angelo Henri-
ques da Silva.
Adiado na precedente sesso
Ordenou-se um exame.
Appellantes, Joo Caetano de Magalhes e Joo
Luiz Vianna ; appellados, os administradores da
massa fallida de Jos Antonio da Silva Araujo.
Adiado na sesso anterior
Djsprezaram-se os embargos.
Appellantes, o presidente e directores da caixa
filial do banco do Brasil nesta cidade; appellado,
Joaquim Juvencio da Silva.
Adiou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
Appellante, John A. Thom ; appellados, os cura- cer s*13 forca e Poder : o dispertam senhores oi-
dores fiscaes da massa fallida de Amorim, Fragoso, I110, > se levanta indmito audaz.
Santos & C. eas recursos estao em seu seio, seu poder onde
Adiou-se o julgamento a requerimento de um ; na bragos fortes de povos oppressos, coragoes que
1 querem ser llvres.
Onde a cruz do mais santo se levanta, nao ha
povo escravo por gosto : o resgate do santo dos
santos se effeciua nesta hora grandiosa.
Vf
Abatei-vqs, soberhos senhores, que os povos do
orbe christo fem seus olhos Atados ao norte do
Novo Mundo ; que a estrella polar mais se abri-
Ihanta para ser o rumo dos povos oppressos.
E
Hosana I
J cautam estes povos.
E cora elles a raga maldita, redemida, ao senhou
enta
Hosana t...
Affonso d' Attmquerque Mello.
gem os povos oppressos. Alli sooj cegos de orgu-
lbor que resistero luz scvablante.
Aqui se libertam os povos e se fazero valentes e
fortes.
Aqu nao esperara ios; vo em busca della aa
nascente.
Encontrara a luz e os seohans to cegos e casa-
dos como cobardes.
A luz Ilumina os livres Talantes, enlouquece os
cegos de orgulho.
E' de milhares de annos a tnvasao no Oriente
pelds povos do oecaso ; mas-* Europa mvasora ao
nascente, Do alada a ierra para libertar os po-
vos captivos.
111
Grande povo se formn de opprimidos, emigra-
dos ao Novo Mundo ; l no norte onde, estrella
polar, mostra aos povos o rumo dos livres.
Grande povo to livre e valente, qae assombra a
todo o mundo : to guerreiro e constante na pug-
na, to activo e to calmo na paz, seu poder im-
menso, seus recursos sem fim.
Grande luta se levanta em seu seio, e to grande
como o mundo nao vira.
E' a causa de vida e de morte, da redempcao dos
captivos, da liberdade dos fracos
Os sooerbos seuhores na Europa sustentan) a
lua pelos soberbos senhore na America; os op-
pr essos na Europa emigran, America a trazer
luta seus brago em prol da causa dos livres.
Nao se joga o destino de um povo smente nessa
luta assombrosa ; lodos tem nella seus olhos, e a
esperaoga na bullanle estrella do norte.
IV
Sa a hora tremenda que abate os soberbos se-
nhores. Tomam-se todos de espanto re tremem de
medo, seotlodo seu orgulho abaler-se.
No era vo que os oppressos na Earopa, trou-
xeram seus bragos aos livres da America; e os se-
nhores que sustentaran) outros senhores, nao p-
dem tirar in punidos.
Elles ternera caminhe do mundo dos livres
a liberdade aos opprimidos na Europa jf e invaden
o_ solo da America a plautar o poder dos senhores.
Nunca livre ser o Novo Mundo, cora os soberbos
senhores na Europa.
Chepa pois a hora tremenda de dobrar a cerviz
dos senhores. 1" a hora da grande desforra do po-
vo forte e valente.
E a luz ao Oriente o atrahe, e os povos oppressos
o chamara.
E os senhores estrugem na Europa ; e os que o
sao em trras do Novo Mundo, temara cor de tlr
de algodo : sao tremendas as contas a dar ae po-
vo valente e potente, que levantara do seio da
paz.
V
O gigante dorma tranquillo, e sera bem conhe-
compete para um morador da ra do corredor do: dar contingente, que em casos ordinarios, a lei
Bispo, que tem o mo habito de dar tires s horas lPanda prestar em recrutas para o exercito : elle
deve auxiliar por todos os meios pesoaes e pecu-
niarios, o tiiHinplio a que tem direito o imperio
brasileiro. A causa geral; e cada cidado tora
rigoroso dever de serv-la, como for compativel
com as suas forcas o recursos. Cumpre que todos
os Pernambucanos de robustez e. idade aptas para
o uso das armas, e que se seutircra com animo e
resolwjao de correr o risco da vida, apparegam e
Appellante, Francisco Jos de Campos Pamplona;
appellado, Roberto Lighlbom 4 C
Mandou se por accordo ouvir o Sr. desembar-
gador procurador da coroa, soberana e fazenda
nacional.
DISTRIBUIQOBS.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellante, Manoel Candido Rocha de Andrade ;
appellados, sa.npaio, Silva & C.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
appellantes, I). Olyrnpia Constancia de Moraes
Silva e D. Adelaide Mmervina de Moraes Silva ;
appelfado, Joaquim Luiz Vires.
AGGRAVOS 1NTEUP0ST0S DO IDUO ESPECIAL DO
COMHERCJO.
Aggravante, Francisco Antonio de Oliveira; ag-
gravado, Silvino Guilherme de Barros.
O Sr. desembargador Reis e Silva negou provi-
mento.
Aggravante, Manoel Joaquim Ferreira Esteves ;
aggravados, Joo Jos de Albuquerque eobacharel
imilar-se a' '''"'' Roberto de Moraes e Silva.
Aggravante, Andr Blanco ; aggravaao, Joaquim
Amaro da Silva Passos.
Aggravante, Manoel Polycarpo Moreira de Aze-
vedo : aggravados, Patn Nash & C.
O Exm. Sr pr-sidente negou provimento.
Aggravantes, Wilson tino Joo de Carvalho, capito da barca portugue-
za Despique 11.
Aggravante, Jo> Baptista
Pessoa alli importante por sua posigo e familia,!se oflVrecam comoVoluntarios da Patria,
era estimado geralmenle por seus dotes pessoaes. i E impossivel acreditarmos que s as geragoes
Foi seu corpo dado sepultura no cemilerio de 1ue passarara, pssuissera o predicado honroso da
Becerros, acompanhado das saudades dos amigos e' coragem e do valor; e que dellas diversifique to
das lagrimas de urna grande familia de que era o profundamente a actual gerago ponto de deseo- j
sustentculo e o exemplo vivo. nhecer o que seja o senlimento da dedic?go ao
De Gravata, em dala de 23 do prximo pas-! seu ',alz- Jern tambem podemos admitlir que baja
sado, dizem-nos o seguinte : j nesla provincia opino alguma que pregue ao po-
Tem chovido bem aqui, e tem-se feto grandes vo>_a resolugo de nao lomar as armas em defeza
plantagocs de milho, feijo e algodo.
* A polica vai bem, pois nao dorme o somno
a indolencia ; o que ja nao pouco.
Bemeltem-nos o segrale :
t O escravo Antonio, que assassinou seu senhor,
o alferes Manoel Jos do Cont, morador no enge-
nho Pererecas, vive no mesmo engeBho bem ani-
mado, e consta que no proposito lirme de igual- bre todas as provincias
mente assassinar seu seohor mogo Manoel Jos do i tancia e recursos.
Couto Jnior, o qual acha-se oren lio na casa do se- i Pernambucanos; vossos bros e vosso carcter
nhor do dilo eogenho majur Thomaz Lina Caldas, mstam e impo>m que corraes volunlariamente s
Chamamos a attengo do Sr. Dr. chefe de po- armas, em defeza do Brasil.
do Brasil invadido.
- E'estimulo superior, a nica razo de que im-
meosa vergonha recahir sobre o Brasil, se for
vencido pelo estrangeiro, e de que os sacrificios de
sangue e dinheiro para que elle alcance victoria
(oque lodosos Pernambucanos de.-ejam) nao de-
ven) recahir e pesar smente sobre parte, mas so-
Da razo de sua impor-
Promettemos em um communcado publicado no
Diario de Pernambuco n. 34, tratar do recruta-
menlo, da maneira por que tem sido feito, e da re-
forma que se devia esperar da illustrago e espiri-
to de juslica do Exm. Sr. presidente : boje satis-
fazeroos ao nosso compromisso.
Antes de entrar na materia devemos duas pala-
vras redaegao do Constitucional Pernambucano,
para agradecer-lhe a attengo, que se digoou de
prestar as nossas observagoes sobre as diversas in-
fluencias polticas desta provincia, sentando que
| ellas anida nao se resol vessem a conlestar o que
da Fonseca Jnior ;, dissemos, cora signaes evidentes de vida, com actos
aggravados, os administradores da massa fallida de i de sincero patriotismo.
Lima & Martins. O povo ainda espera pelos homens, que o cha-
0 Exm. Sr. presidente deu provimento. mavara com tanto entusiasmo e promessas lisou-
Nada mais havendo a tratar o Exm. Sr. presi geiras, afim de pleitear as eleigdes, para, doraiua-
dente eocerrou a sesso duas horas da tarde. > dos pelo amor do bem publico, guia-lo ao campo da
gloria ero defeza de seus interesses reaes, era defe-
za das provincias saqueadas e devastadas pelos
selvagens do Paraguay.
Admiramo-nos que Ilustrada redaegao do
! Constitucional tivesse faltado alguma modestia
! para poder entender sem esforgo, que lendo-nos re-
i ferido as influencias d/s diversos grupos polticos
un aS^u^Pooe BSttft I %*$$> ^ ^ B -
COMMNICADOS.
ida para este fart>, ma vez que a polica local
nenhuma providencia procura lomar.
Pelo subdelegado da freguezia do Recife foi
preso o preto, crloulo, de nome Jos, escravo de
Alexandre Garca, da cidade de Goyanna, a quera
foi lomado um formid vel punbal, com o qual sup-
pe-se fizera dito escravo cinco ferimentos em urna
menor de cor braBca, por nao ter a mesma se que;
rido prestar em acceder aos seus pedidos e rogos,
resistindo assim para conservar a sua virgindade.
Consla que essa menor talvez j tenha suecum-
bldo aos ferimentos feitos pelo escravo Jos, cuja
prso ura importante servicn, priDcipalraente
quando tem a mesma lugar independente de qual- j
quer requisigo, e es ferimentos foram praticados
cinco ou seis das. -
Esse escravo nao negou o facto de haver tentado
contra a pudicicia dessa menor, visto como o con-
fessou peraule dito subdelegado.
Assim como fomos prompto era publicar a
queixa contra o Sr. professor da 1* cadeira de ras-
truccao primaria, da freguezia de Santo Antonio, o
fomos quanto a sua defeza, que nos enviada por
um assignante, deixando ao publico o juizo a se-
melhante respeilo:
tSrs. redactores da Revista Diaria.Em resposta
ao que saino na sua Revista, de 27 do mez lindo,
acerca do professor da 1* cadeira de instruegopri-
maria da freguezia de Santo Antonio desta cidade,
tenho a dizer que mal informado foi Vmc. para es-
clarecer juizos mal intencionados passarei a expor
tal como se passou ; els o facto :
No dia 24 do mencionado mez, o referido pro-
fessor mandou botar um banco no corredor d'aula
e fez a seguinte falla aos alumnos: Para aquelle
banco irao todos que seportarem mal, como casti-
go.Nene mesmo dia, tres alumnos, em cujo nu-
mero um fllho do queixoso, tornaramse dignos do
referido castigo, o que com grande exitaco cura-
priram, e no dia seguinte dous continuaram a fre-
quent*r a aula, e o filno do queixoso nao volton,
apparecendo ento a queixa. Tal a verdade do
Recife, 22 de fevereiro do 1863.
Antonio Eparainondas de Mello.
Francisco Carlos Brando.
Ionoceneio Seraphico de Assis Carvalho.
Antonio Vicente do Wascimento Feitosa.
Dr. Caetano Xavier Pereia de Brito.
Silvino Cavalcaol de Albuquerque.
Luiz Felippe de Souza Leo.
Antonio Ib reulano de Souza Bandeira.
CHROMCAJIDICIARIA
TRIBCrVAIi DO COS MERCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 27 DE
FEVEREIRO DE 1865.
PRESIDENCrA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
depuiados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Leal, e
presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm. Sr.
presidente declaron abena a sesso.
Lida, foi a pprovada a acta da sesso antece-
dente. ,
EXPEDIENTE.
'Um ofllcio da junta dos corretores com a cotago
dos precos da praga na semana finda.Archive-se
Distribuirn! se aos senhores deputados os livros
Diario
lysado, e devidamente commentado.
Eis o caso :
Como se explica o procedimento que tem tido
, na actual conjunctura o mu digno Sr. marquez de j jjaS a
[ ulinda, creador da presente siinago poltica ? Co-
mo se explica que, sendo S. Exc. conselheiro de
; estado, senador do imperio, e supremo director da
i ordem de cousas dominante, a cuja inaugurago
saenficou amigos, prenles, e Iradigoes de honra,
abandonasse acorte no ensejo em que mais uteis
e necessarios eram seus conselhos e diclames i
Pois o homem que aconselhou coroa a disso-
Iugo da cmara ; que aconselhou cora a mais
estrepitosa reaego* poltica de que ha noticia no
Imperio ; que aconselhou cora a regeigo do
arbitramento na questo ingleza, j nao sabe, ou
: nao quer aconselhar a cora as circunstancias
dfflceis em que se acha o paiz, a bragos com urna
guerra ? Pois o nobre marquez de Olinda s va-
lente e forte contra os seus patricios ? Pois os im-
pulsos da vinganga podem mais no seu coragao do
que os sentimentos de patriotismo, e de amor
i cansa nacional ?
Demos, porm, de barato que S. Exc. por este
ou aquello metivo vie=se a Pernambuco na occa
sio era que todos os deveres o prendan) a curte :
que Ihe rumpria fazer aqu ? Cninpria-lhe convo-
car as phalanges ligueiras, cujo chefe S. Exc, e
e Ihes fazer sentir a necessidade de quanto antes
se organisar um grande corpo de voluntarios, tira-
do de suas (Muirs, n > s por ser a liga a respon-
savel immediata da siluago, como porque s as-
sim podia S. Exc. provar que nao dludio, nem se
Iludi, quando affirmou a cora que a quasi una-
nimidade do paiz repellia os conservadores, e que
particularmente em Pernambuco a flor da popula-
go se achava calcada pela prepotencia de urna
minora olygarchica I J constou que S. Exc. fizes-
se essa tentativa 1 Se a fez e nao colheu resulla-
seguintes : Diario e -Copiador de Antonio Rodri-
gues d Souza & C, Diario da Companhia Pernam- do a consequencia que o seu grande parlido nao
bucana de vapores costeiros, e o livro de sahidasdo P*8*3 de nma limera ; se nao fez, segu se que
armazem alfandegado da mesma companhia.
DESPACHOS.
No requerimento de A. Schaffter & C, pdindo o
registro de duas procuragoes que apresenlam :
Registrem-se,
de urna chimera
S. Exc. abandonou a dirergo das cousas publicas
no momento mais critico para o paiz.
O Sr. marquez, como estadista consummado, sa-
be qno immensa e grave a responsabilidade de
A interpretacao Inexacta pode justificar a vehe-
mencia da linguagam erapregada, mas nao nos au-
torisa a fazer o mesmo, era a modificar nossas
respeito do que passamos a dizer sobre o
recrutamenio.
Esta arma poltica, que tanto damno tera causa-
do lavoura e a industria da provincia, tem sido
empregada al hoje : nenhum presidente achou
conveniente inutilisa-la; s no anno passado fo-
ram recrutados cerca de mil individuos e mais de
quinhentos assentaram praga no exercito.
Pder-se dizer que este tributo de sangue, que
Pernambuco pagou em 1861, annual com peque-
as oscilagoes em seu numero.
Devemos ao zelo excessivo dos presidentes e aos
patriticos sentimentos das influencias, que os tem
aconselhado, ou governado, a enormiaade deste
bributo em relago a algumasjprovincias do norte
e do sul do imperio.
Peior do que a importancia deste tributo a ma-
neira horrorosa, porque elle arrecadado, prati-
cando-se urna verdadeira cagada, obrigando-se os
homens solteiros de familias pobres a pernoitarera
fra de suas casas, aormido as capoeiras qnando-
no querem pedir a protecgo de alguma influen-
cia da poca : dentro da cidade acontece o mes-
mo.
A lei que creou o lugar de recrulador dos muni-
cipios do Recife e Olinda, nao produzio o resulta-
do desejado ; os individuos nomeados para exer-
ce-lo, nao tendo autoridades subalternas, como os
delegados de polica, para obter informagoes exac-
tas sobre as pessoas, que pretenden) recrutar, fi-
cam reduzdos, muitas vjzes, a prenderen) sem
| distinegao, mesmo os que nao esto no caso de se-
j rem recrutados : o paciente que justifique na ca-
deia, que tem sengo legal ou protector valioso.
Nem os almocreves nem os barcaceiros se podem
considerar livres de serem recrutados dentro desta
cidade.
Ha pouco tempo, apezar das lostroegoes do Exm.
Sr. desembargador Peretti, se prendiara barcacei-
ros no caes do Ramos, s pelo facto de terem ap-
parenclas de bous recrutas. O resultado deste zelo
excessivo pelo servigo publico foi o afugeoiamento
um chefe de partido nos governos ivres ; por con-1,
No de Antonio Barbosa de Barros, pedindo o re-! *ainte privar a cora de seu concurso de esfor- S^J^ a,aslece,B dade. como tem
os da posicao que chegon a dizer que oempreslimo gahido para Macei e pertos- iniermedios:
Parahyba,
D. Rosa da Cunha Miranda, sua filha e urna afi-
Ihada, capito Domingos de Sonza Barros, Guilher-
me Baptista dos Santos, Joo Firmo C. Pires da
Cunha, Jos Antonio Teixeira Pinto esna senhora.
Casa db detencao.
Movimento da casa de detengo do dia 27 de
produzria apenas 44 I/i por cento. Foi pois, ape
as de 0,893 por cento a differenga entre o produc-
to e o prego de 48 ajustado.
Cabe referir aqui, vi to tratar-se de emprestimo
de libras 2,500:000 que teve lugar em continuago
do de libras 5,000 de 1862, que as inverttes dos
mulos de divida externa em tilmos dedividas in-
ternas, tffectuadas desde Janeiro de 1^6lal junho fevereiro do 1868.
de 1864, si bem J a libras 3,547,333:120. Existiam presos 369 ; entraran) 27 ; sahiratn 1*
Addiccionando-se esta somma a de libras....... existen) 38.
1,117,517:200, importancia das inversoes realisadas A saber : nacionaes 304; esirangei.-os 19 ; mo-
nos annos de 1860 a 1861, acharaos libras....... Iberas 2 ; estrangeiras i; escravos 52; escravss
4,664:850,14,0 de bonds retirados dos mercados es- 5.tTotal 384.
trageiros a que corresponden) inscripges do valor Alimentados a custa dos eofres pblicos 160.
nominal de 20,732:659^681 como se v por um do-' Movimeolo da enfermara do da 27 de fevereiro
cumeoto de 1865.
Esles fartos provam satisfactoriamente, de urna Tiverarabaixa :
maneira irrecusavel que mais do metade dos ulii- Jeronymo Ferreira de Albuquerque, hejnorrodia.
mos dous emprestimo de Londres, sabio de fundos Amonio Rodrigues Chaves, idem.
existentes, no paiz que tlverara essa applicagodu-1 Tiveram alta :
rante o periodo de doos annos e meio. 'Amonio Francisco de Lima.
gistro do disirato da sociedade que tnha com Ma- ?os> depois de hav-la empenhado na inictagao de
noel de Souza Cordelro Simdes, sob a firma de Bar- uma poltica, que trouxe t"dos estes resultados,
bosa v Simdes : Vista ao Sr. desembargador ama a-'Ppclo de crirae de lesa magestade. E, pois,
fl-cal. j a nossa opinlo que s. Exc. saia do silencio" e da
No de Antonio Valeolim da Silva Barroca, pe-' reserva ; que declare desde quando deixou de ser
dindo o registro da nomeago de Leopoldo smitb responsavel pela marcha poltica do imperio, afim
de Vasconcellos, caixeiro de Jos Smith de Vas- dp 1ue se nao attribuam a S. Exc os funestos
concellos & Hughes, do Cear :Regislre-se. effeitos do que se vai passando. Falle s. Exc.; il-
No de Francisco de Vasconcelos Mendonga, de lumine os espirites, e ponha em relevo a sua in-
27 anuos de idade, e Amurico Netto Firmiano de fluencia pessoal, e a importancia poltica do seu
Moraes, de 24 annos, ambos Brasileiros, domicilia- Parl'do nesta urgente conjunctura, em que a pa-
dos na cidade de Macei, provincia das Alagoas ,r'a reclama sacrificios dos seos benemeritos.
com casa de commereio em grosso e a retalho, sob
a firma de Vasconcellos A Moraes, pedindo que
seja a mesma firma admittida' eaincula :Vista
ao Sr. desembargador fiscal.
No de Jos Joaquim da Silva Gomes & C, apo-
sentando o registro do sen contrato de sociedade
para ser registrado :Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
No de Ges, Bastos & C, pedindo o registro do
seu contrato do sociedade, visto terem cumprido o
despacho de 23 do corrente :Registre-ge.
No de Southal Mellors C, pedindo o registro
de uma procurago que apresentam : Regis-
tre-se.
No de Jos da Silva Coelho, Portoguez, de 52
anuos de idade, residente na cidade da Parahiba
do Norte, e all estabelecido cora casa de commer-
co, quegyra son a firma de Victorino Pereira Maia
& t, da qual faz parte, pedindo ser admittido a
matricula :Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Luiz Jos da Silva Guimaraes, pedindo
O Esftclador.
Kstadost nidos.
Triompha a liberdade na Amrica I...
Triumpha no orbe inteiro I...
Hosana I
Cantam os povos oppressos !
Hosana I
Euta a raga maldita.
Triumpha o sangue do Golgota, ha Untos centos
de anaos derramado.
A divindade da palavra pacifica cao supplanta os
senhores : o sacrificio de ros de sangue faz dos
homens i rmSos.
II
Levanta-se a luz no Oriente, e camieba para o
occaso. AHI sao "os soberbos senhores, de jjcem fo-
acontecido com os almocreves, que a muito custo
se arriscara a trazer os gneros de prodcese da
provincia.
Alguns b& quo nao viajam sem a certido de
casamento, ou baixa do servigo militar, como ia
Itvemos orcasio de observar.
Reconhecemos que ha exagerago nos boatos ater-
radores, que circulan) as firguezias de fra do Re-
cife, porm nao se pode negar que ha motivos bas-
tantes para isto.
Appellamos para o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia afim de dar as providencias que estao a seu
afcance, para fazer desapparecer estes recelos da
populago dos Campos.
O recrutameote feto como acabamos do descre-
ver bastante horroroso, porm tem um aspecto
mais odioso em relago a outro ponto de vista.
At 1862 recrutou-se no partido liberal, dessa
data a victima tera sido o partido conservador, e
em algumas freguezias, onde a influencia local
conervadora-progressista, tem sido ambos os par-
tidos : sempre o mesmo systeroa de poltica.
Nao consiste nisse toda a bdiosidade do recrota-
mento. 0 povo smente tem sido al hoje consi-
derado como massa recrutavel, e para isto que
pedimos toda a attengo do Ilustrado magistrado
qoe preside a provincia.
Era um precedente artigo dissemos, tratando do
recrutaronnto, que a lei na pratica nao era igual
para todos, o que uma triste realidade.
As autoridades s prendem para recrutas os in-
dividuos que nao perteoom s familias conbecidat
embora neslas se achem um grande numero que'
se meios de vida, a nao ler os jogos iniciaos, ti-
t
I




-


;


-
-" -

-
Diario fe iTrififftlmc Hilaria lera i de Hareo d itS
-a-;__
rariara a polica de grandes embarao, selssem
obrieados a assentarera pracA ; as familias muito
ganhariam em Ihes dar ama earreira publica ho-
nesta e mil ao pait.
Sejaro as am irdades polieiaes obrigadas a faze-
rem o recrutamento com esta igualdae, e bSo se
ouvira rets es jnstos clamores das lasses menos
abastadas da sociedade.
Nao querernos entrar na apreelagao das conse-
queneias destes fados, llmiumo-nos a aprevenalos
e pedir jaeliga ao iltustrado administrador da pro-
vincia.
PBLKiCQES 1 EDIDD
apa de florida de Marra v e Lanman.
Desde os mais remotos dias das descobertas hes-
panholas, formoso pait da Florida, tem sido justa-
mente afamado pelo balsmico a odorfero aroma
de suas raras e (brscenles flores e verdejantes ar-
bustos.
Aqu temos pols o flucta nte perfume e incens
de seus jardins agrestes e seus aromticos e refri-
gerantes bosquesinhos, harmoniosamente concen-
trados e encerrados dentro de um diminutivo espa-
go hermticamente fechado e sellado.
Esta agua florida deriva e recebe a sna exquesita
fragrancia das frescas, verdejantes e florescentes
olnas de Dores e planta do trpico. O seu subli-
me e delicado perfume, nao desmerece em nada,
posto em coroparago com aquelle da mais fina agua
da Collonia, e infinitamente superior a que se fa-
brica em Pars;-emquanto .ue ao contrario o seu
prego apenas a metade do custo de qualquer um
dos'utros. (E' importante e necessario que se
repare para os nomes de t Murray e Lanman os
quaes aehar-se-hao inscriptos e gravados so a ca-
pa, letreiro e garrafa, camella esta que se torna
mu essencal em consequencia do mercado se
achar innundado de iiniucoes inferioriores de agua
de Florida,)
Acha-se a venda aas pharmacias de J. C. Bravo
A C, e Caors & Barbosa.
(060 sobre T de al mangas e
"anis.....................
204 rs. por cada bote oa saveiro.
10*, rs. por cada escravo gaaha
dor........................
Iiiliosto sobre curros, mnibus,
'*rrcas e vehioul'is.......
Imposta de cavallos de sella, par-
ticular e de aluguei............
S 0(o sobre flaneas crimes ......
3 t>ur cento sobre o planto do
rsi'IOJ..............
EmolamMtos 4 polica.....
Multa por infraccao.............
Restituicdes e reposices......
o |0 sobre corporaces de rao
mora........................
305 rs. por balieira............
505 rs. sobre escravos exportados.
Matricula da Escela Normal......
50fi rs. sobre casas de modas.....
3:3874000
510*0 JO
S04000
1:350 000
36*000
47*600
167*363
7*800
130*764
4t*340
339*700
;io*ooo
1:330*00
2l25i00
30*000-
121:790*304
fevereiro
Mesa do consulado provincial. 28 de
de 1865.
O escrivb,
Ulisses Cocliles Cavalcanti de Mello.
MOYIMENTO BO POETO
GMMEBGIO.
Cotaees ofQclaes.
PlU^A O RECiFE.
28 de fevereiro de 1865.
Cambios sobre Londres 90 d|V. 27 1/2 d- por
1*000.
Dubourcq Jniorpresidente.
Guimaressecretario.
Navio entrado no dia 28.
Liverpool42 das, logre inglez Huntern, de 176
toneladas, capito J P. Vicent, equipagem 8,
carga fazendas ; a Senpson & <<
Navtos saludos no mesmo dia.\
Macei e portos intermelios Vapor brasileiro Pa-
rahybn, cemmandanle J. I Martins.
Rio-Grande do Sul Brigue brasiieiro Imperatriz
Thereza, capito Francisco Ribeiro chaves, carga
assucar e farinha de trigo.
Baha Barca hamburgueza Marietta, capito
Hans Peter Haussen, mi lastro.
Liverpool por Lisboa Vapor inglez Newton, com-
mandante Peel, carga algodo e ouiros gneros.
SDIfiES.
Noto banco de Pernanbnco.
O banco descoma letras na presente semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis mezes, e
toma dinheiro a juros a praso nunca menor da
tres mezes.
Alfaoilega
Rendimento do dia 1 a 27....... 694:4995357
iemdodii 28.............. 23.93597
tf oviuientoda alfaodega
Volumesentradoscomfazendas.
com gneros..
Volumes sabidos cora fazendas.
i > com gneros ..
384
324
~46
698
708
-----744
Dosarregam no dia Io de marco de 1865.
Vapor InglezSa/ndmraercadorias.
Brigue portuguez-Bella Figuerencia diversos
gneros.
Barca americanaAnacondaIII versos gneros.
Lugre inglez -BniAan<=-fariaha de trigo.
Escuna hollanieza Jacoboidem.
Barca ingleza Jnra bacalho.
Brigue ioilezNetaidem.
Brigue inglezRinympJ?earvo de pedra.
Barca ingleza -Ambleside -idem.
Barca ingleza Conrad idem.
Reeebedorla de rendas Inter-
nas geraes de Pernambnco.
Rendimento do dia I a 27.
idem do dia 28......
228*779
4*300
4:299*150
63*180!
2645000
138563i
5:120*000
RENDIMENTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS
intkun.vs cfcRA.t.s ni: pehNAMBUCO DO
MEZ DE JANEIRO, A SABER :
Renda dos proprios nacionaes. .
Frusde terrenos de marinha.. .
Siza dos bens de raiz.............
Decima addicional das corpora-
ces de iiiao mora.............
Direitos novos e veihes e de
chancellara....................
Ditos de patentes dosofficiaes da
gua rda nacional................
Dialma do chancellara...........
Matriculas da Faculdade de Di-
reito ......................
Multa por infraccoes do regla-
melo.........................
Sello do papel lixo................
Kilo do proporcional.............
Premios dos depsitos pblicos...
Emolumentos.................
Imposto sobre lojas e casas de
desceios ...........
Dito sobro casas de movis, rou-
pas, ele. fabricados em paiz es-
traugeiro............
Taxa de escravos.........
Cobranga da divida activa .
lndcmiiisagecs...........
l>eposito de diversas origens.....
A' cmara municipal dest cidade, tendo de
contratar a impresso dos seus (rabalhos, e dos
que por forra da le obrigada a mandar fazer,
coavida aos propietarios dos jornaes mais lidos
nesta cidade que quizerem contratar, se apresen
tem para esse iim no dia 1. d marco futuro s
dez horas da manha no paco municipal, munidos
de suas propostas em caria fechada, indicando oel-
las o menor prego.
As impressdes a contratar sao as seguintes :Pu-
blicagao das actas das sessSes da rnesma cmara,
editaes, annoncies, posturas, regulamentos, baln-
cetes da receita e despeza municipal inclusive os
docemilerio, editaes para a couvocaeao do jury e
es avulsos para o mesmo flm, ditos para a convo-
caco da junta de qualificagj e para as eleicoes,
que forem mandados pelos juizes de paz deste
municipio, ditos o annuncios dos liscaes relativos
7tft__UMJ ao cumPr'ment0 de seus deveres ; e linalmente a
_____ i impressao do relatorio e balanco que annualmente
* sao pregados pela cmara a assembla provincial,
dando o contratante cincoenta impressos destes
As condicoes para garanta do contrato, que dura-
r de um a tres annos, sero apresentadss aos con-
currentes no dia indicado, e antes de serem abor-
tas as propostas.
Pago da cmara municipal do Recife, '22 de fe-
vereiro de 186o.Luiz Jos Pereira Slmoes, pro-
presidente Francisco Canuto da Boa-Viagem, se-
cretario.
O lUm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exra. Sr. pre-
sidente da provincia de 23 do crreme, manda fa-
zer pubiieo, que no dia 16 de margo prximo vin-
(loiiro. peanle a junta da fazenda da mesma the-
souraria se ha de arrematar quem por menos ri-
zer, os reparos de que precisa a ponte rio< i!arva-
Ihos sobre o rio Jaboato, avahados em 5305000.
A arrematagao ser feila na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As panoli que se propozerem a esta arremata-
gao conifaregam na sala das sessoes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
c|> mpeteotemente babiiiladas.
E para constar se m.induu publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Pernara-
bnco, 27 de fevereiro de 1863.G secretario,
Antonio Ferreira d'Annonciagao. '.
Clausulas especiaes para a arremataetto.
1. Os rep&ros da ponte dos Carvalhos sero fei-
tos de conformidade com o orcamento junto na im-
portancia de 530*000.
2.a As obra* deverao ser principiadas no prazo
de 10 das, e concluidas no de 3 mezes, ambes con-
orTereeer, os impostos de eapim de planta por'
800*390, e gado ovelhum por 1*636. Os preten-
dentes podem comparecer no referido dia cora seas
dadores habilitados na forma da le
Pa?o Aa cmara manclpal de Oltttfla 25 de feve-
reiro de 1865.
JoaquiavCavalcanti de Alboquerque,
Presdeme.
Marcolino Dias de Araujo,
Secretario.
TrilMinal do comraercio.
Pela secretaria do tribunal de commercio de Per-
nambuco se faz publico que nesta data Oca regis-
trado o contrato de sociedade celebrado em i 5 do
correte por Antonio Leile de Magalhles Bato,
Portagaez, e Joaqulm Antero de Oliveira Luso,
Brasileiro, estabelecidos nesta cidade sob a firma
de Magalhes, Bastos & C, da qnal s podar trsar
o socio Magalhes Bastos ; devendo a mesma so-
ciedade durar por espago de tres annos, contados
de 20 de Janeiro prximo passado, com o capital
de 20:000*, fornecido em moeda crreme pelo so-
cio Magalhes Bastos, sendo (fue Luso apenas so-
cio de industria.
Secretaria, do tribunal do eommercio de Per-;
nambuco 25 de fevereiro de 18CS.
O offlcial-maior,
Julio GumarSes.
Tribunal de commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data fol ad-
mettido a matricula dos commerciantes o Sr. Tho-
maz Jefferies.cidado inglez, de30 annos de idade,
estabelecido nesta cidade com casa de commercio
de fazendas cm grosso.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 24 de fevereiro de 1863.
O offlcial-raaior,
Julio Guimares.
Pela delegaciade palicia do prlrneiro distrie-
to desta cidade se faz publico a quem Interessar
possa que foi entregue a mesma urna mala conten-
do alguns objectos, quem for seu dono comparega
que provandolheser eniregue. Recife 28 de fe
verero de 1863.
L. A. Martins Pereira.
Aviso
aos navegantes.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhecimento dos navegantes, que a
boia do extremo do sul do banco do iuglez que ha-
via sido laogada praia por Ihe haver arrebenta
do aamarrago, foi aovamente collocada.
Para o Para.
Seguir nestes dias para o mencionado porto a
escuna braslleira Ernestina, para o resto-da carga
Que Ihe falta, tratase no escriplorip da largo do
Cofpo Santo n. 4, primejro andar. .
OOMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do al o da 3 de marco o va-
por locantins, cornmandante Pe-
ro Hypolho Dnarte, o qual de-
'pols da demora do costume segui-
r para os porros do sol.
Desde ji recebetn*se pas.5Sgeros e engaja-se a
carga que o vapor poder cofldenrrr, a ermat dever
ser embarcada no dia de sna chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, raa da Cruz n. 1, escrptorio de An-
onio Luiz de Oliveira Azevedo & C
Para Lisboa.
Pretende seguir com moHa brevidadte a barca
portogoeza Henrtqueta, tem parle de sen carrega-
mento prompto : para orestotrata-se com os seos
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu escrptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de lanelro
pretende s^gotr com minia brevidade o brigue es-
cuna Joven Arihm; tem parte de seu carregamon-
to engajado : para o resto que Ihe falta trata se
com os seus consigna lari03 Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no sea escrptorio ra da
Cruz n. 1
Para o nio de Janeiro
Sahir com brevidade o patacho nacional Vta-
mfio, recebe carga a frete commedo e escravos:
irata-Se com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho alm de mu fresca, perto
no largo do C.orpo Santo escrptorio n. 19 ou com
o capito a bordo.
___
Segu nestes dias em direilura ao indicado por-
to o veleiro brigue escuna brasileiro Granosa, ca-
pitn Jacintho Nunes da Costa, por ler qoasi prom-
pto o seu c'arregamento ; para o pouco que anda
pode admettir, trata-se com o seu consignatario
Antonio de Almeida Comes, ra da Cruz n. 23,
demar- primeiro andar.
LelSo de 6 caixas com 600 chapeos de Sol
lie sed*.
Qmnta-feira 2 de marro.
No af-azem a fna da Croz n. 57 as II hora*,
Cordeiro Sirnoes vender em leilo por conla e
nsco de quem pervueer 600 chapeos de sol de
seda pSra homem.
Lei la
en llniie.
De 3 casas terreas de pedra e cal de 15 palmos
de freble, 32 He fundo, cosinha fora, quintal etc.,
sitas em chaos foreiro, por traz da ra Imperial
prximas aos armazens da estrada de ferro.
Qtiinta-feira 2 de margo.
Cordeiro Simes autorisado per urna pessoa que
9e retira para fora da provincia, vendw as casas
terreas cima mencionadas pelo malor prego ao
correr do martellor Sera effectuado o leilo no ar-
mazem ra da Croz n 57, as 11 horas.
Leilo de urna casa terrea 33 m ra
Velha.
Martins fara' leilo competentemente autorlfado
de urna casa terrea n. .Tina raa Velha freguezra
d Boa-Vista, e do construego moderna, propria
para se levantar um sobrado por lerem as pare-
des capacidade para isso, a qual faz esquina para
a iravessa da Campia
Sexta-feira, 3 de mareo
a perla da associago Commereial, as 11 horas do
dia.
GASA DA FORTOIi
Aos 10:00(^000.
BUhetes garantidos.
A' IRA DO CllESPO N. 23 E CASAS DO DOSTlUE.
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de exlrahir a bencQcio do patrimoaro de orpho?,
os seguintes premios :
Um quarto n. 989 com a sorte de #-.0005000.
Uin quarto n. 2469 com a sorle de 1:4' 0*000.
um ipiarto fi. 1942 cem aborte de 360*000.
E outras muitas sortes de 200*. 190*, 40* e
2ooo.
Os pesswdores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os des cornos das leis na Cas
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 2' parle da 4a lotera
beneficio da Sama Casa de Misericordia qae se
extrahir no dia 10 de margo.
PRECO.
Bilhetes.....12*000
Meios......6*000
Quartos.....3*000
Para as pessoas t[f compraran de 400;5O6t*
para rima'
Bilhetes.....11*000
Meios......5*500
Quartos.....2*750
^^^^^______Manoel Mahths Fu.za.
.4 quem interessar
Para Lisboa
cando-lhe o pharol do pico ao O 1/2 N O, e a tor-
redo seminario de Olioda ao N 1/2 .V O,' rumos
magnticos, e em fundo de 3 bragas, exactamente
norte termina pelo sul o Recife que forma o banco' pretende sahir em poneos dias o patacho portuguez
ngilez. Capilania do porto de Pernambuco 4 de /"'<* por ter a maior parte da carga tratada,e pa-
fevereiro de 1865.O secretario, ira o pouco que Ihe falta tratase com os consigna-
Decio de Aquino Fcuiseca. laros Palmera & Beltro, largo do Corpo Santo
Avino aos navegantes
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhecimento dos navegantes, que no
da 18 do crreme foi novamente collocada, e na
mesma poslgao, a boia que marca o termo dos
baixos de Olinda ; e a qual havta sido arrojada
praia por Ihe haver faltado a amarra.
Capitana do porto de Pernambuco 18 de feve-
reiro de 1865.O secratario,
Decio de Aquino Fonseca.
Cerreio sera I
Pela administrago do correio desta cidade se
faz publico para flus convenientes que em virlude
do dioposto no art 138 do regulamento geral dos
correios de 21 de dezembro de 1844, e artigo 9 do
decreto n. 783 de 15 de maio de t83l, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
gao pertencenles ao mez de fevereiro de 1861, no
da 6 de margo prximo, as il horas do dia, na
porta do rne^mo correio, e a respectiva lista se
acha desde j exposta aos i nteressados.
Administrago do correio de Pernambuco 20 de
fevereiro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda-.
Crrelo geral.
Peia administrago do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convengan postal
32154*585
2:9984703
33:133*288
Para o Porto pela liba de S.
Miguel.
O velleiro e bera conhecido brigue nacional A-
melta pretende seguir com muita brevidade, tem
parte do seu carregamento engajado, para o resto
quelite falla e passageiros, para os quaes tem ex-
cellentes comraodos : traia-se com os seus consig-
natarios A. Luiz d O. Azevedo & C. no seuescrip-
lorio na ra da Cruz n. I.
Para
Segu brevemeale para o indicado porro o hiate
Lindo Paquete, capito Ifenrique Antonio do Ama-
ral, para alguma carga que pode anda receber
tratase como respectivo consignatario Antonio de
Almeida Gomes, ra da Cruz n. 23, prmeiro
andar.
pnptd e lislioa
A galera Nova Faina, de primeira classe, segu
para os portos indicados at o da 13 de margo,
por ter a maior parte de seu carregamento promp-
to : para o resto da carga e passageiros para os
celebrada pelos"ovemos brasileiro e fra'ncez'serao quaes tem excelentes commodos, trata-se com Cu-
expedidas malas para Europa no da 30 do corren- nha, Irmos A C, ou com o capito na praca.
te pelo vapor francez Bearn. As cartas serao re- u- i Unon*
cebidas at tres horas antes da qne for marcada Binurniiuciu.
para a sabida dos vapores, e os jornaes at quairo! Pretende sabir com brevidade para aquello por-
horas antes. t0 bri8ue Cruzeiro dn Su!, anda recebe alguma
carga eescravos
Barros & C.
a frete: a tratar com Marques,
Administrago do correio de Pernambuco 20 de
fevereiro de 1865.-0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda. i
Xo dia Io de margo, depois da audiencia do
juiz de paz do Io districto da U_-Visla. pelas 4 '
horas da tarde, tem de serem arrematados por exe-
cuco de Francisco Lopes da Silva contra Thom';
Jos de Azevedo Santos,, os ohjectos seguintes: 12 Leilo das iluas Ierras partes da casa de sobrado
LEUDES
._ | lados da dala da arrematagao.
cadeiras, 1 berco de angico, 1 banco de marcinei-
ro, 4 bancos, 1 cama de armago, 1 dita usada, c
1 mesa dejantar.
Arsenal de guerra.
De ordem do Sr. director do mesmo arsenal se
e sitio da Passigem da Magdalena, ra do llem-
lica n. 32, com bastante terreno plantado al a
margeni du Caniliarilie.
IIOJ-
0agente Pinto far leilo por aiitorisacao da di-
regulamenlo de 9 de julho, que rege esta repar-
WJ'; Conforme,
P,!j?75 Antonio Ferreira d'Annunciaco.
ISm9 "lra" ^r' insl)L>ctor da ihesouraria pfovin-
*5*78.1 cai7 era cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
4bd*bbU sijeote fa provincia de 20 do correte, manda fa-
. zer publico que no dia 16 de margo prximo vin-
8:-b2oJJ ; donro, perante. a junta da fazenda da mesma Ihe-
! souraria, se ha de arrematar quem por menos fl-
zer, os reparos indispensaveis da cadeia da villa do
Cabo, avadados em 3'5*.
A arrematagao ser feila na forma da lei provin-
cial n. 343 de 13 de maio de 1834, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esla arremata-
gao comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no da cima mencionado, pelo mel da e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Pernam-
buco. 27 de fevereiro de 1865.O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciagao.
Clausulas especiaes para a arremalacao.
!.* As obras dos reparos urgentes da cadeia da
villa do Cabo, sero feilas de couformidarte com o
121:790*504 orcamento junto na Importancia du 345:000.
---------- 2.' O arrematante dever principiar as ditas
AEMDIMENTQ DA MESA DO CONSULADO PRO- obras no prazo de 10 dias, e conclu-las no de 60,
VINCIALEM O MEZ DE FEVEREIRO DE 1863. ambos contados da dala da arrematagao.
3.a O pagamento ser reaiisado em urna s pres-
taco. quaodo o arrematante tiver concluido todas i
as obras o entregue definitivamente. convida ao operarios de espingardeiros, Utoeiros. recloria ua (.a!U (|ja| do banco do Brasi| nesta C1.
4 'Para todc, S uao io "st r especificado as' correelros, coron he.ros e lanoeiros, para trabalha-; d das d ,es do edi aciina dl0
prLntL cSsuias Ztr^ Pr "pretadas neste estabelecmento : os. { hdr3S do ahupramencionado, em seu es-
nteressados comparegam ao referido arsenal, das, criptorio rua da Cnu i. 38.
9 horas as 3 da tarde, a cnlenderem-se com o--------------------._-j---------
mesmo senhor director. LdlAo HCil lerrC 11 i 2 (la Illa 00
4405000
1:2363000
1:967*581
3:10*500
127*334
35:153*288
Recebedoria de Pernambuco, 28 de fevereiro
de 1864
O escrivo,
Manoel Antonio Simes do Amaral.
Consulado Drovlnclal.
Rendimento do da 1 a 27.......117:121*827
dem do dia 28............... 4.668*577
659* (89
3:075*500
67*310
4:060*519
1:781*000
113*482
A SABER :
Direitos de 90 rs. por (9 do as-
mear exportado....... 38:636*480
Dito de 20 rs. por caada d'aguar-
dentn.ete....................... 1:983*660
Uem de 30 rs. sobre caada d'al-
cool........................ 9*120
Dilo 5 Olfl idem do algodo expor-
tado ..... ...... 38:839*868
Dilo de7 0lodo mel....... 69*146
Dito de 8 por ceiit de couros _
seceos, vi-rdes e espichados... 1:024*058
dem idem de 5 idem dos mais
gneros exportados. :.....
20 0|0 do C'i'isun" d'agua'dpnle
30 rs. por cada alqaeire de sal ..
Decima dos predios urbanos .
SO) rs. por meia siza de es-
cravos ............
Sello de herangase legados.. .
Dilo db 5 OjU sobre os premios
ioaiuri'8 das loU-nas ..........
I iij.ii.i de4 po> e-nli sbre di-
verses esiabelecimenios foro
dacidide...................... 845*291
8 0|0 obre consultorios mdicos
0 --.ripiuras.............. 422*400
Imposto !" 20 pur c-mo sobre
diversos i-suo-leeimenus 15:820*720
11) por cento de novos e vellios di-
reiios dosemptrgados provin-
ciaes............... 449*683
30* r- |por.casa de jogo de buhar 50*000
3* sobre chapeos eslrangeiros e
roupa feila etc............... 900*000
400* rs. por cada casa sem emis-
5*0...;..................... 800*000
100*000 por casadecompra e ven-
da de escravos.............. 100*000
100* sobre corrector coraraercial e
agentes de leilo............. 200*000
1 0|0 sobre producto de cada lei-
lo ......................... 1:438*88o
30f par scravo empregados no ^^
ervic i de alvarengas........ 720*000
3.a O pagamento sera' realisado em urna s
1 prestaco quamloo arrematante tiver concluido to-
das as obras e entregue definitivamente.
4" Para tudo mais que nao estiver especificado
as presentes clausulas seguir-se-ha o que deter-
mina o regulamento de 9 de julho de 1364.
Conforme,
Antonio Ferreira d'Aounciacfio.
Directora do arsenal de guerra de Pernambuco
Io de margo de 186.O escriturario,
Jos Alfredo do Carvalho.
Correio sera!.
Monilcgo fresuezia da Boa-Vista.
O agente Pinto
HOtlE
fara' leilo a
Antonio Lopes Rodrigues.
Claudino de II llanda Cavalcanti.
Candido Vieira da Cunha.
Felippe Nery dos Santos.
Francisco de Mello Brrelo.
Jacintho Febronio Esmeraldo.
Dr. Jos Candido Marinho de S.
Jos Firmino Ribeiro.
Jos Porfirio Teixeira de Mondones.
Vicente Francisco de Oliveira.
requerimento de
herdei-
na,
COrreill tiesta' ePr mandado do Illm. Sr. Dr. juiz do orphos,
da casa terrea da rna do Mondego n. 12, servindo
de base a quantia de 2:000*, as 11 l|2 horas em
poni do da cima dito em seu escrptorio rua da
Cruz n. 38.
a_. Domingos da Silva Ferreira Jnior e mais herd
RelaCaO (las Cartas Segaras existentes ^ ros d0 ,inad0 Miguel Archanjo Fernandos Viam
na admiaistraco
cidude para os scahores abaixo de-
clarados
vapor
*>>!>__) assignado solicita pria polica em ge-
ni esMencia poriarias, passapoi tes, pat>-nte. de of-
flciacs da guar.ta nacional e outras quaesquer in-
cumlienrias ; pelas reprlicoes liscaes- desembara-
go de ierrenos df marinha e de ettabelecimentos
que por engao ou ignorancia de. seas proprieta-
rios esicjam sujertos ao rigor d< ftsc^-, peta capi-
tana do porto matriculas de cariinteiros, calafa-
tes, bljs,canoas etc. Podo ser pronorado no Re-
cife armazem le trabados do Sr. Antooio Lopes
Brasa, rua da Cruz n. 36; em S. Antonio loja de
livraria popular, ruadoCollegio n. o7 do Sr An-
tonio DominE'.ies Ferreira, e em S. Jos rua FMrei-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Prannos,
.baquim Jo< do* Sanios Barraca.
Leilo da elefante rasa le laipa sobradada
com cnclieira e eslribaria Wra, banheiro
... j i i- w .inri**/ d?9i^umjv juiiui. rciw r/iir tu cm KC-
de tajlo 0 cal forrado de Cimento, jardim, ralquabj-ner pretengao como : pasaportes, porta-
cercadQ e baixa de capim, et_ Casanga, ras, appreheneoes de quaesqnrr objecfos; pela
na estrada real de Pod'Alte.
Sexta-teira 3 de fevereiro de 1065.
O agente Pinto far leilo precedida a compe-
tente autorisaco da casa de campo cima men-
cionada, a qnal se torna recommendada' por ser
da ponto pencH, e da
estacan dos mnibus; o leilo ser eflectuado as
11 horas do da cima dito na praca do Cemmer-
clo, em frente a Associago Commercial._______
Leilo^ de movis, crystaes e piano*.
Sexta-feira 3 do cor renta as H horas.
No armazem da rua da Cruz n. 37.
Cordeiro Simos fara leilo d 1 rnobilia no%"3 de
Jacaranda, 1 dita n-:'li. 1 dita de faia, 1 dita de
amarello, 1 machina para costura, marquetas, ca-
deiras, comuiodas, aparadores, cadeiras de balan
go, espelhos, candelabros, serpeollnas e oulros cb-
jectos
Leilo de du. marliinas a
Sendo:
Urna portavcl, forca de 14 cavallos, sobre rodas,
com caldeira patente e todos seus pertences.
Outra flxa e orisontal, forga de 12 cavallos com
caldeira e mais perlences.
Quinta-feira 9 de margo, em frente a
Associaco Commercial.
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencer das duas machinas a vapor cima des-
criptas proprias para engenho, as quaes se tornam
recommendadas pela sua perfrigo e par serem
dos melhores fabricantes do Inglaterra, os preien-
dentes polerio desde ja' examinarem ditas ma-
chinas para o i|iie podero entenilerem-se com o
mesmo agente em seu escriptoiio rua da Cruz nu-
mero 38.
Ama
LOTERA
Aos1O;OO0,6OOc 3;*M)0^0O0.
Sexta-fe ra 10 de margo t r lugar ex-
traccao da 2a parte da 4a lotera da Santa
Casa da Misericordia (8a) no consislorio da
igreja de No_i Senliora do Rosario da fre-
guezia de Santo Antonio.
Os bilhetes. meios o quartos estao a ven-
da na respectiva ttiesouraria rua do Cres-
po n. 15.
Os premios de 10*0000000 al 20;>000
sero pagos una hora depois da extraego
at as 4 horas da tarde, e os otttros depois
da distribuiclo das listas.
As encommeudas s se guardarlo al a
noite da vespera da extraeco como de cos-
tume.
O thesotireiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Consolado da Snissa.
Deseja-se fallar neste consolado com o Sr. Gia-1
como Rovelli de Pallanza (Italia), ou a quem delle'
tiver noiicaas.___________________________
Urna pessoa com pratica em agricultura se
offerece com 3 escravos mogos e robustos para se .
engajar err qualquer estabelerimento : pode cr
procurado na rua do Fogo n. 12._____
No Passeio Publico n. H ha para se alugar
um preto sem vicios e muito fiel.
as m i*?_
Francelina Alexandrinada Silva Marques, viu-
va e inventarame dos bens dexados por morte de
seu marido Diniz Antonio Ferreira Marques, faz
scienle a todas as pessoas que se julgarem credo-
res do mesmo casal que tratem de parrar os seus
Precisa-so de una para o servigo de tima pes-
soa : no beceo largo do Beeife n. 1. esquina que
vira para da Seazaza Yelha, trimeiro andar.
Na fabrica ao saho da rua de S. Miguel, rms
Afngados, precisase de quatro trahalliadores for-
ros ou captivos : a tratar na mesma a qualquer
hora.
Joaquim Lipes Macha'lo, (dldTbTasiler-
vaia America ingleza pela Koropa.
Precisa-se de urna criada
mado n. 12, terceiro aedar.
na rua do Quei-
Na rua do Queimado, sobrado n. 29. preci-a-se
de urna ama para casa de hornero solleiro.
Na labrica de charutos e cigarros, sita na
rua de Bertas n. 1, precisa-se de mu menino para
caxciro, Brasileiro ou Portuguez, s se exige boa
conducta.
V.nd>se ou trocase por casa nesta praca
um sitio no lugar denominado Cnrcuranas, com
1,000 pos de coqueiros,.rasa da vivenda, urna boa
horlacom muilos ps de arvores fructferas, baixa
para capim, boa agua de beber, e grande agude
para lavar animaes, ierras de lavourat para tra-
halharcm at dez captivos, podendo ter-se cinco a
oito vaccas de leiteamarradas; vndese por nao
(Oder o seu dono continuar nelle : quom preten-
der dirjase a ruado Rangel *. 6. ou no dito sitie
a Manoel Jos Nunes de Medeir*.
Arrenda-se a Droi>nedade denominada Barra
de Scrinhaem, sita na fregancia do mesmo iwme,
cem grande coqueral disfructar. e muitos foros
cobrar annualmente : a tratar na rua da Aurora
numero 26.
M
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da- Cruz 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua pros-
so medica, e com especialidade
sobre e seguinte
4 tolostia
2o
3"
do oslaos ; -
depetto :
dos orgSos geniti
urinarios.
Em seu escrip torio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comegando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
Cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Fugto na noite do da 23 do orrentc o e>cra-
vo Jos Res, com os seguintes signaes: ben
preto e bem barbado, muito ladino, le.-n o queixo
um puuco sahido fra do commum. a nadega es-
AVISOS M1&ITIM0S.
Leilo de dividas ua importancia de
5,368;442rs, sendo 5,<>84;5:>2 rs.
em letras e 283,91 ii rs. em vales.
n at _
Quarta-feira i de marvo as 10 horas em ponto.
O agente Pinto levar novamente a leilo as di-
vidas cima ^mencionadas pertencentes a massa
fallida de Antonio Pereira da Silva, as 10 horas
em ponto do dia cima dito em seu escrptorio
rua da Cruz n. 38.
de
DECLABICdES.
Cala filial do banco do Brall
em Pernanioaeo,
14 de netro de 1865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aoscredores de -ebastiao Jos da Silva a virem
receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
rateio Ibes toca da venda de urna das proprieda-
1:815000 des, queseguado a concordata,Ihe foram entregues
para serem vendidas.O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da directora desta mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22." di-
videndo de 105 por aegao.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
COMPANHtA PERNAMBUCANA,
De ordem do onselbo de direcgo sao convi-
dados os Srs. accionistas a reunirem se em assem-
bla geral no dia 9 de margo prximo, ao meio
dia, no segundo andar da casa n. 11, na praga do
C"rpo Santo. Pernambuco, 24 de fevereiro de
186S.
O gerente,
F. F.Borges.
Perante a cmara municipal desta cidade de
Olinda estaro novamente em praga no dia 4 do
mez de margo prximo vindooro para serem arre-
matados por t^mpo de um anno por quem mais
companhla das Mensagerles
Inperlalis.
No da 2 de
.J _^-<*> raatgo espera-se
dos portos do su
o
Bear, cornman-
dante Enout, o
qual deoois da
demora do cos-
tume seguir pa-
ra Bordeauk, tocando em S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para fretes, conligoes e passagens trata-se ua
agencia rua do Trapiche n. 9.
~GOMPAH-_A BRASILEIRA
DE
_ello do palhabote Artista
289 toneladas.
HO JE
Quarta-feira 1 de margo as 10 11 horas em ponto
na rua da Croz d. 38.
O agente Pialo far leilo no dia t> hora cima
vPnnlr0SrranrB7; dlt0 do pa'halioe Artista, tal qual se acna anco-
rado neste port em frente ao trapiche do algo-
do, o qual est prompto a seguir viagem para
qualquer lugar -,os pretendentes pndero desde j
examinaren! dilo palhabote e entendnrem-se com
o mesmo agente acerca do inventario do mesmo,
fecha-se qualquer negocio independente de ir a
1 leilo.
crditos, nos autos do inventario que se est pro- i tufada para fra, com as peraas poaco arqueadas,
cedendo peU juizo o> orphaos desta cidade, escri- muito locador de viola, jul^a-se ter vindo aqu
vo Brito, os que assim nao tizerem nao serao ai-
tendidos no acto da paitilha, nao obstante serem
declarados na descripeSo feta pela mesma inven-
tarame. Recife 28 de fevereiro de 1865.
Negro fng Esl fgido desde o dia 27 de fevereiro deste
nno o preto Joaquim, de nago Angola, que foi
scravo d> Sr. capito Francisco Joaquim Caval
anti Galvao,-morador em Mara Farinha (Praia),
o qual vendeu-o nesta cidade em dezerahro do an
no passado ao Sr. Manoel Francisco Marques com
armazem de assucar rua de Apollo ; levou ca-
misa e caiga de aleortao hraneo, representa ter d
43 a 50 annos de idade. alto e de grossura regu-
lar, cor fula, cabega comprlds, qoeixos largos,
olhos amortecidos, beigos grossos, sendo o supe-
rior um tanto defeituoso, bastante barba, porm
raspada, finalmente tem-urna grande costura entre
os peitos proveniente de queimadura, e suppoe-se
ler-se dirigido para o aorte, d'onde veio : grattli-
ca-se a quem o apprehender ou denunciar o coito
em que estiver : na rua da Cadeia do Recife nu-
3 da 2 de margo um dos faia, 2 candieiros, 4 espelhos, 4 jarros, ricos qua- "2___:------------------------------------------
.%luga-se
o lerceiro andar lo sobrado da rita larga do
Rosario que votta para a do Cabua, com
mesa"eTa'- grandes comnodos para familia: trata se.no
ser'mbarcada^^dTade sua ch'egada: "eneom- t,ca de amarello, 1 dita de mogno, diversas mesas segundo andar do mesmo.
mendase dinheiro a frete ateo diada sahidas 2 de abrir, 1 cama franceza, 1 diia de amarello, 1 .' ---------1---------;-----
horas agencia rua da Cruz n. 1, escrptorio de quartinheira. marquezas, cadeiras de diversas Na padart da Torre precisa-se de um
Antonio Luiz de Oliveira Azeredo & C. | qnalidades, ditas de balango, 1 pealo de alcance, amassador que saiba entregar pao.
Leilo de 18 c mas de%rro novas.
Quinta-feira 2 de margo
a 1 hora da tarde, por intervengo do agente Pinto
no armazem da roa da Cadeia n. 38, onde havera'
; leilo de movis no mesmo da.
PAQUETES A VAPOR. I De nm piano forte de Wm. Sassenboff. 1 mobi-
Dos portos do sul esperado Iba de jacarada' com lampo de pedra, 1 dita de
at o dia 2 de margo um dos faia, 2 candieiros, 4 espelhos, 4 jarros,
vapores da companhia o qual de- dros com finas gravuras 1 guarda-roupa com es-
pois da demora do costume se- j petho, 2 ditos sem espelho, 1 guarda vestido, 1 to-
gur para os portos do norte, cador com espelho, 1 rica secretaria do mogno, 1
Desde~ja7recebem-se passageiros e engaja-e a estante envidracada, 1 aparador de Jacaranda', 2
carga que o vapor poder conduzir, a qualdeyer ditos de mogno, 2 ditos de amarello,
Htbilias de alugnel.
Alugam-se mobilias completas de toda a quali-
dade ou qualquer traste separado e por prego com-
modo : na rua Nova armazem de moblia do Pinto.
Precisa se alugar urna escrava para todo o
servicode urna casa de familia : na ruada Cadeia
do Recife n 52, terceiro andar.
Precia-se de um oadeiro perfeito em seu
trabalho para ir para a villa do Cabo : a tratar no
pateo do Tergo n. 141.
para o Recife sentar praga : pede-se a todas as
autoridades polciaes e capitae< de campo a appre-
henso do dito escravo e leva lo ao engenho Me-
repes, comarca de Goiaona, que serao recompen-
sados^____________
JooBaptista Goncilves e. Augusto Ribeir.i
Lima Chalaga fazem ver ao publico ao corpo do
commercio desta praga que, tendo se dissolvido
amigaveJmente a sociedade que gvrava sob a firma
social de Guedes Gongalves, cojo estabeleci-
mento era na rua da Cadeia do Recife n. 7, orga-
nisaramos mesmos abaixo orenclonados urna no-
I va sociedade sob a firma social de Juo Baptisla
' Gangalves t C, licando a seu cargo todo o aciivo-
e passivo da extincta firma desde o Io de Janeiro
do corrente anno. Recife ITdefeveieiro de 186o.
Joao HaptiSta Gongalves.
Augusto Ribeiro'Lima (".balaca.
mk&* mam mmmmm
^ Procui-adwia.
JC Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
2 cede Len, como solicitador, se encarre-
SI ga das causas crimos, civeis, commer-
.fo caaes e eeclesiasticas. Elle anda recebe
algumas casas de partido, medante a
_{ um ajuste razoavel. Pode ser procura-
do as salas das audiencias ou na rua
Imperial sobrado n. 64.
__kt
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xave^aeSo costelra por vapor.
iiha de Fernando daoronha
No da 14 de marco prximo,
as 10 horas da manha seguir
um ds vapores da companhia, n. 36, onde se efTectivirV o leilo
cadeiras de
I ijualidades, ditas de balango, 1 oculo de
II prensa de copiar cartas e moitos outros objectos
| que estaro a vista dos compradores na vespera e
da do leilo.
Quiula-feira 2 de mareo.
Rua da Cadeia n. 36.
O agente Pinto fara' leilo por conta e ordem
de diversos dos objectos cima mencionados exis
toles no armazem do sobrado da roa da Cadeia
devendo princi-
Loj de iwodas francozas
Madama Buessard Millochan, receben pelo-ulti-
mo vapor f.ancez eornus, capas e chales de rendfc
preta. ludo de morto bom gesto. Assim como la-
vas de pellica de 2 boloes como se ua era Pars,
flores para cabeea e um grande soriimento do es-
partilhos hygieaicos, tanto para senhora como pi-
ra meninas, cintos largos, flvelas graadies par
ditos, enfeites para cabeea. leques etc.
para o presidio de Fernando. Re- i piar as 10 horas era ponto.
'cebera carga at odia 13. Eoeonv j Desde Ja' prevlne-se aos concorrentes que de-
meDdls", passageiros e dinheiro a frete at 9 hora verSo lomar oorrta de sous lotes em 24 hora?,
da manha do dia da sahida : escriplorio o For- j tlslo ter-se de entregar as chaves do dilo arma-
te do Mattos n. 1. I xera nodia posterior ao leilo.
O Dr. Antonio de Vasconeellos Menezes de-
Drnmmond, anligo advogado neslo foro, continua
no exercicio da sna profl*se, podendo para isso
ser procurarlo todos os das uteis das 10 horas da
manhaa a* 4 da tarde, em seo erriptnrio a rua do
Imperador n 43, pmeiro and ir ; bem como, para
casos urgentes a qualquer onlra har do (lia, em
sen domicilio rua da Aurora n. 26.
Aluga se urna casa na Pasagem da Magda-
lena com 2 salas, 8 (uartos, sola o, quintal mura-
do e banho no fundo : as pessoas que pretende-
ren, dirijam-se a rua Direit numeio 3, priraelro
andar.
Theodosio do Lago a Joao do Ijgo Freilas o
Silva fazem publico qne uniram-se em sociedade
eommercial em um estabeledmeiM de molhados
na povoagae de Beberibe, termo da cida.de de 0-
inda, sob a raz?.a social de Tbeodosia do Lago &
Filho.
s

.


.

\

mburo .- Qoarta letra t de Marco de i 85.
A NACIONAL
Oompanhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISA.DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Ola Banca en dinheiro, depositado eos cofres do estado, garante a boa ad
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de llcspanba
DIRECCO GERAL
Madrid: Ra do Prado n. i
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripto de maueira que em nenhum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. '
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que anda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida
coes ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia
para seus clculos e liqnidagdes, em segurados de idade de 3 a 19 annos, urna imporsigoannual
de 100J produz em. effectivo metlico:
No fin de o annos.......1:1194300
de 10 >.......3:9424660
de 15 .......11:208*800
de 50 *.......30:2364000
> de 25 i.......80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectw e mais informagdes sero prestadas pelo sub-director nesta provincia.
rao Joaquim Piuz de Oliveira, ru da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12, estabele-
cimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite A Irmao.
BANCO UISO
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE.
A direcgao do BANCO UNIA'O leudo obtido do governo de S. M. F. a autorisacao
para estabelecer o seguro de vidas em rautualidade, faz publico que desde ja toma subs-
cripces annuaes por urna s vez, debaixo das segumtes condicoes:
Com perda de capital e lucros;
Dito de capital somente;
Dito de lucros somente ;
devendo a primeira liquidaco ter lugar no Io de Janeiro de 1869.
As vantagens do empreo de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao so-
menta se collie o juro de quantias diminutas, de que avulsas se n5o poderia tirar ne-
nhum resultado; mas alm d'isso, este rendimento augmenlade pelo capital ou lucros,
ou ambas as cousas, conforme as condicoes da subscripgio, dos que fallecem. Tambem
partido pelos socios sobreviventes ludo aquillo que os socios morosos nos seus paga-
msntos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que occorrerem
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As Hqu i Jaces sao pelo systema das companhias hespanliolas, tutelar e outras; e
para se p)der fa/.er urna idea do que pode producir urna entrada annua de IO&000, pu-
blicase a seguinte tabella b3seada sobre a experiencia de muitos anuos de companhias
desta natureza.
Em o annos
nos
90:5
860
86,5
863
8U
863
863
903
As entradas por urna s vez dao resultados muite superiores as annuaes.
Mnimo das "entradas 53000.
Porto, 10 de agosto de 1863. Os directores do BANCO UNIA'O, Jos da Silva
Machado.F. M. van der Niepoort.
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz
numero I.
COMMEHCIO
Joaquim Gomes Dourado Irmao fazera sciente
ao respeitavel corpo do commercio que Julgamnada
dever, as se algnem se julgar credor aprsente
as suas cootas no praso de oito diai para serem
promptamente pagas._______
Precisa-se de nm rapaz de 13 a 14 nnos,
on um hornera d 30 a 40 annos, que saiba ter : a
tratar na roa da Concordia, casa n. 38
. Na ra d.o Queimado n. 9 deseja-se fallar
com o Sr. Dr. Jos Mana Moscoso da Veig.
Aluga-se a casa de sobrado n. 33 da roa da
Matriz em que mcrou o despachante Franco, tem
grande quintal com irvores de fracto, 2 cacimbas
e grandes commodos para familia : a tratar com
o Sr. Antonio Joaquim Ferreira Porto, ou cora Mi-
guel Joaquim da Costa na ra da Cadeia n. 12.
Precisa-se de urna ama
terno e externo de urna casa
na rna de Hortas n. 46.
para o servico in-
da pouca familia:
Antonio Bezerra Cavalcanii tendo encontra-
do outra de igual nome, por isso Qca d'ora em
dianteassignandose Antonio Bezerra Cavalcanti
de Albuquerqne.
Quem tiver achado duas coaves de porta,
que amarradas por um cordel, foram perdidas
honlem a noule em Olinda, desde a subida da la-
deira da Misericordia al o embarque no Varadou-
| ro, yindo pelos Quatro-Cantos e ras adjacentes,
queira levar ou mandar as ditas chaves a ra da
Aurora o. 26, onde ser gratificado.
No paleo do Para izo, confronte a igreja, no
sobrado n. 29, segundo andar, alugam-se ricos
vestuarios para mascaras, tudo novo e de muito
bom gosto, dminos de seda e velludo, e ontros
muitos vestuarios para bomens e meninos, pelo
diminuto prego de 5 e 10*.
D-se a quanna de 5004 sobre bypotheca de' r- A. Schaffier, tendo de retirar se para a Eu-
nm escravo qoe seja mogo e sadio, ficando os ju- ropa, deixa como seus procuradores e na geren-
ros pelo servigo do dito escravo : a tratar na roa ca de sua casa commercial A. schalTter & C,
Nova n. 69, segundo andar, esquina do porto das durante sua ausencia, os Srs. Hyppolito SchalTier
canoas. I________________________________ e Henrlque Oetli.______________
Na noite de terca para qoarta-feira 22 do: Quem precisar de roupa para engommar
correte roubaram da casa do abaixo assignado, por prego commodo, e juntamente urna ama para
morador] na ra do Aragao n. 25, os objectos cons- servico de casa : dirija-se ra Dlreiu n.J46.
tanles da relago abaixo transcripta; assim roga- '
se a todo e qualquer logista, ourives, on mesmo
particular a quem for oflerecida qualquer das pe-
cas roubadas, a bondade de a apprehender e dar
parte ao annunciante, que gratificar generosa-
mente.
1 reddma de ouro feixada por um paraso por
baixo, cheia de agnus-Dei.
1 cruz de 2 1|2 polegadas de onro macisso.
1 dita de pedras brancas, circulada de aljofares
de ooroJ
1 par pe rosetas de topasio.
1 dito de ditas de cbrisolitas.
1 ponteiro de ouro para menina, eniado em 4
palmos de trancelim grosso com possador lavrado.
Na fabrica de calcado do pateo da ribeira de
S. Jos n. 2o precisa-se de artistas tamaaqueiros.
O London & Brazillan Rank, saca por lodos
os paquetes.sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guiarles.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
vir~a mKSX CadaUl1,,enh3 ^^ de
1 medalha grande com 2 diamantes, enflada em r" do Imperad or b. 83, segundo andar, a
negocio que nao ignora.
Salitre
2 varas de trancelim de oitava o palmo.
' 1 medalna pequea com 1 diamante de um lado
e 1 pedra branca de outro, cnfiada em 2 varas de
,!6fh.. A I a* roa do Queimado n. 37, leja de ferragens, de
i Sm, h Mes de ,Uro corlados- i Domingos Jos Ferreira Guimares, vende-se sali-
lr,lr C0Jrente deouf baslanle rossa- 'tre refinado por 254 a barrica de 4 arrobas, ou a
l trancelim de ouro inglez para homem com 64400 a arroba s a dioheiro.
passador lavrado e mola de segurar relogio. Tgr- ,-..;------------=-------rr,-----
1 trancelim chato para senhora cora passador e'n-^,f/s- *"d3ecifs..,le vao matricularse
1 cassoleta redonda lavrada com 1 trato dentro. n0_2sa \TA\Z*? t ?'re! p0dT
1 par de rosetas com 1 diamante grande cada &"*e ad aSaud ade-. 9- fronteira a do
um. Hospieio, onde se mes vender o compendio de
Aula particular.
O abaixe assignado, professor particular,provi-
sionado peladirectoriageralda instrucgo pablica
para ensinar primeiras lettras, latira efrancez,
participa ao rospeitavel pnblico e igualmente aos
senberes pas de seos discpulos que seguoda-feira
9 do correte tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, adrailtindo matricula alumnos
externos,pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
ticade 19 annos consecutivos no exercicio de sen
magisterio, suainteiradedicago e sua moralidade
sao garantas queolTereceaos senhores pais de fa-
milias, que deselam a sa e til educarlo a seos
Albos.
Quem periantoquizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educarlo de seuslilhos, pode dirgir-se
a qualquer hora do dia aolerceiro andar do sobra
do n. 58 da ra Nova, onde lia muito tempo est
eslabelecido.
. _______Jos Mara\Uachado de Figueiredo.
Belouche avisa ao respeitavel publico que
comprou o estabelecimento de banhos, silo no pa-
teo do Carmo, que contina a dar banhos como de
costume, declarando que os eartoes assignados pe-
lo Sr. Caucanas tero vigor para tomar banbos s
at o dia 28 de fevereiro de 1865. O mesmo convi-
da o respectivo publico que comparega no mesmo
estabelecimento, que verao executado com todo o
esmero o systema e asseio que deve ter tal estabe-
lecimento.
Prego dos banhos.
Banho fri on quente, tomando 10 car-
toes, pelo prego de......4$00o
Um banho avulso ou s..... 50o
Para escriplorio
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo n.
23 : a tratar na toja.
Consultorio raedico-cirurgieo uarua larga do
Rosario n. 20.
O Dr. Jop Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina cm o exercicio de sua proisso
s aparte medica como tambem nacirur-
nao
gica
mm m-msm
O bacharel
francisco upsto da Costa
ADV8GADO
Por um menino de 1 dia a 1 anno
de 2 a 3 .
de 3 < a -1
c ( de 3 a lo
Por urna pessoa de 15 a O
de 20 a 30
i de 30 a 40
de 40 a 50
10 annos 15 annos 20 annos 2o annos
4003 9003 2:0003 4:7003
3003 7503 1:7003 3:7003
2903 7203 1:6003 3:5003
2703 7103 1:5603 3:4003
2703 7003 1:5503 3:3503
2703 7003 1:5403 3:3303
2703 7103 1:5603 3:4003
2703 7203 1:6003 3:7003
3093 7503 1:8003 5:0003
1 anie|iao de ouro esmaltado com 1 diamanle
grande. I
1 dito com 9 diamantes, sendo o do meio maior
1 par de brincos com 2 diamantes cada um.
1 anoelo com 1 brilhaote seguro por agarras.
1 pulseira de ouro de gomos e 1 alfinete todo
lavrado. j
1 alfinete para senhora com 1 diamante grande
no meio, circulado de folhas de' ouro ao redor do
diamante.
1 par de boloes pan punho de ouro falso.
1 loneta de ouro.
2 duzias de garfos, 2 ditas de colheres de sopa,
2 ditas de ditas para cha, e 1 concha para assucar,
tudo de prata lisa e obra antiga.
1 lace para pescoco e 1 par de brincos grandes
(obra antiga) tendo os brincos 12 diamantes cada
um, e o lago mais de 20 diamantes, sendo o do
meio bastante grande.
I coroa e 1 cruz de prata para santo.
1 habito
direito civil at as 9 horas da manha, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
Alugam-se o segundo e terceiro andares da
casada ra do Trapiche n. 46, com capacidad lia-
ra grande familia : a fallar na ra de Apollo n.
3o, primeiro andar.
19 RA NOVA 19
Frederico (autier, cirurgiao dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
escoberias e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se aclia de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
flsso, advertindo que trouxe um immenso sortimento de dentaduras artifkiaes; caout-
chou galvanisado, ouro, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeira de operaces, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabricentes de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca
no caso deservir do modo o mais satisfalorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manha al ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares.
para farda de cavalheiro da Rosa.
ROUPA.
3 lenges de bnm e 5 de bramante de urna s
largura con as iniciaes J. A. B.
6 camisas de senbora, de bretanha, com labyrin-
tho e renda, com as iniciaes M. P. D. B.
2 pegas de madapolao fino.
2 ditas enceladas de dito entrefino.
3 varas de esguio.
1 duzia de peitos de linho para camisas.
1 caiga de casemiracor de vinho.
1 chapeo de pello de seda novo para cabega.
1 balaio com 140 ovos.
I revolver com 6 tiros.
1 pnnhalicom cabo de marflm com annel ecas-
tao de praia.
1 caivete de mola.
3 lencos bovos para tabaco (rxo com pintas
brancas) e is iniciaes J. A. B.
2 cortes de chita escura de 14 covados cada um.
D. Maria da Conceigo d Moraes Chaves,
Joo Demetrio de Moraes Chaves, Franco-
lina Maria Chaves Ventura, Francisca Ma-
na Chaves de Almeida, Joo Juvino de Al-
meida, Cesano Aareliano Ventura, viuva,
fllhos e genros do finado Joo Pereira Da-
masceno Cbaves, agradecen) cordlalmente
a todas as pessoas que se dignaram tomar
parte em sua dr com especialidade ao seu
cunhado e compadre Francisco Jos de Cam-
pos Pamplona, e e novo rogam o candoso
obsequio de assistirem a urna missa que SJ
tem de celetrar na matriz da Boa-Vista
pelo descango eterno da alma do mesmo fi-
nado, na quinta-feira 2 do futuro pelas 5
horas da manhaa.
69.
Ra do Imperador numero
-..i mmmm mmmmm
nlonio-Laiz de Oliveira Azevedo] &C
Agentes do banco Unio do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo banco para o 'orlo e
Lisboa e para as seguintes agencias :
Londres sobre Bank ofLondon.
Para todos.
O abaixo assignado faz sciente ao respeilavel
publico que mndou a sua cfflcina de palhioba da
ra do Imperador n. 24 para a la das Crozes n.
23, igualmente tero para vender palba e junco
mais barate que em ootra qualquer parte.
______Manoel da Costa Azevedo NPoleo.
' THESOURO DAS MAK
Providencia das crio veas
COLLARES ICO 1 I II
Blectraaa|Betieo8.
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DEMICO
Contraasconvulses e para facilitara
dentgae das crianras preparados einventa-
dos por Royer, pharmaceutico da esco-
la superior do Paris, successor de Chereau
membro da academia de medicina
antiga casa de Bouillon-Lagrange.pharmaceolico
do imperador
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris.e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loia do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
T. de Aquino Fonseca Jnior saca sobre Lis
boa e Porto : a tratar na travessa da Madre de
Oeos d.o, primeiro andar.
I
Precisa-se alugar urna ama que saiba cozi-
nhar e engommar: na travessa da Madre de Dos
n. 7, primeiro andar._______________
Furtaram da povoago do Cachang, na noi-
te de 19 do corrente, pelas 10 horas da noite, um
cavaiio rodado claro com dinas e cauda brancas,
tendo una pequea belide no olno direito, an
dador de baixa a meio, um pouco abertas as per-
nas : quem o apprehender leve-o a ra dos Pires
n. 3o, que ser gonerosamente recompensado.
Ama oy, escrava
Precisase alugar nma ama que saiba bem cozi-
nbar, ou urna escrava, paga se bem : na ra da
Imperatriz n. 47, segundo andar.
- Precisa-se de urna pessoa habilitada
para escrevente de um tachygrapho ; quem
! esliver no caso de bem preeneber o lugar
dirija-se ao escriplorio desta folha ou ao
hotel de l'Univers._____________
A vinva fllhos e genros do finado Joo Pe-
reira Damasc^no Chaves agradecem do intimo
d'alma aos Illms. Srs. Drs. Jos Sergio Ferretra e
Silvio Tarquinio Villas Boas e pharmaceutico Joa-
qoim Ignacio Ribeiro Jnior, as naueiras urbanas
e desinteresse com que se prestaran) com espe-
cialidade o Sr. Dr Villas Boas, que acuda a todos
os chamados, favores estes que jamis sero es-
quecidos e se conservaro eternamente.
Quem tiver pare arrendar urna otaria de
obra grossa ou fina perto do porto de embarqtie,
dirija-se a ra da Palman. 41, taberna, se dir
quem precisa.
Precisase alugar urna preta para todo o ser-
vigo de urna casa de familia : na roa do Trapiche
numero 4.
Frcdric S. Ballin & C.
> Joo Gabe & Filho.
Francisco Rohala & Ballesta.
Jaime Merie.
Crdito Commercial.
Gonzalo Segoria.
M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Tin tur aria
A luga-se
urna raoleca de 14 annos para casa de familia :
as Cinco Pontas n. 85.
Aluga-se um primeiro andar na ra da Pe-
nha com fundos para a ra Djreila n. 9 : a tratar
no segundo andar.
Deseja-se fallar com o Sr. Jos Guilherme
Cesar de Vasconcellos, natural do Rio Formoso,
sobre o negocio de um escravo da cidade do Assu,
fazenda Olho d'Agua, o mesmo pode dirigirse a
ra do Raog^l n. 61, a entenderse com Bento Jos
Ferreira Lima.
mk
T3?
Jos Joaquim ee Xovaes faz sciente ao respeita-
vel publico e a todos os senhores ollciaes do ejer-
cito e da marinha que contina a ter sua casa
sortida de fazendas e roupas reitas e por medida :
no largo d3 Livramento n. 34.
Alexandrina de Luna e Albuquerque, pro-
fessora publica de instruego primaria, faz sciente
a suas discipulase a quem interessar possa, que
transfiri a sua aula da ra do Livramento para a
ra do Imperador, segundo andar do sobrado n.
16, onde principia a leccionar do Io de margo em
diante.
Precisa-se alugar urna ama portuguezaque
saiha engommar bem e coser, para urna casa de
duas pessoas : na ra da Imperatriz n. 34
m-:iro andar.
pri-
*.i O abaixo assignado. autorizado peloH
Janeo Mercantil Portuei-se. e na ausencia I
jH io Sr. Joaquim da Silva Castro, sac ef-
Sfectivamente por todos o! paquetes sobre S
ts pragas de Lisboa e Poro, e mais luga- i
res do reino, por qualquer soroma vis-M
('.a, e a praso; podendo, o; que temaren-. S
j-aques a praso.receberem >ista.no mes-1
: ao Banco, descontando 4 0|0 aoanno: na M
I oa de chapos da ra do Crtpo n.6, oa S
ha ra do Imperador n. 63, st-gnndo an-
Mar.Jos Joaquim da Co6ta Miia.
wb Bawarmv
-^Aluga-se um sitie na roa do Cabral da
xdade de Olinda, com casa terrea.com co-
piar nfrente, botaos fondos para aestra-
da e margem do rio Beberibe, com com-
modos parafamilia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-Ios, arvoredos de
frnctos, tem visinho defronte nem pelo
funio,cora ptimos Passeios,saIa e gabi-
nete na frente, muito propria parapassara
esta, e tambem se alugar poranno : a fal-
lar no Recife, na I i vrarii o. 6 8 da praca
independencia, e era Olindana,econ-
tigua jpm o capitao AntonioBerriflr(J0K'%er-
reira.
Perfumara e sabonetes de
Toilet
da casa Violet, perfumista com privilegio,
fornecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da raioha Isabel II
de Hespanha.
As flores as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorificos,
servem a composlgo dos productos exclusivos da
rainha das Abelhas.
Salio real de Tridaco.
O nico recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygienica*da pelle.
Balsamo de Vilela.
Pomada fluidificada pelos oleo virgens para o
servico dos caheleireiros.
Gotas de Violetas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. a rai
nha Victoria.
Sabo de balsamo de Vilelas.
r Homenagcm a S. M. a Imper?triz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Locgao benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz rosada.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas as
affecgoes dormaes.
Rosado das abelhas.
Locgao refrigerante para o toilete e os banhos.
Ceme poupador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Greme Sevigo.
Composico especial, para lustrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
(reme Trio espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido derraal.
Perfomes das brisas de maio.
Delicias dos lengos e sales.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Russia.
Gaixa de Juvencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para tiiieza.
Vermelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passeics e soires.
P horisontal
Pas as unhas o bnlho de nacarregado.
Perfomes horisontaes.
Para perfqmar as cartas, toalhas e os quartos.
Vende-se na ra do Imperador n. 38, botica
-nrfceza.
Precisa-so de urna ama par fazer todo o ser"
vigo de casa de cm s( pessoa : no neceo das Bar
reirs, casa n. 3.
Escriptura$o
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barceilos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro
Oliveira d'Aze-
meis.
Penna fiel.
Tavira.
Villa do Conde. Portimo.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No imperio
Baha. Maranh
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo serem descontados no
memo Banco a razo de 4 por cento ao anno a
ratar na ruada Cruz n. 1.
agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e ra do imperio por
commodo prego e presteza : na ra da Praia, pri-
meiro andar n. 47.
Roga-se ao Sr, bacbarei Cezario
dezc>edo juiz municipal dcGarau-
uuhs, queipa dirigia-se- praca da In-
dependencia ns. 6 e 8, on a'nnnnciar
sua moroda para ser procurado.
Jos Soares d'Azevedo, irof.ssor i'e
lingua e lilteratura nacional no Gyn nasio
Provi cial do Recife. tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um corso especial
ara cada urna das seguintes disciplinas:
L1NGA FRANCEZA,
GEOGRAPHIA E HISTORIA,
PHILOSOPIIIA RACIONAL E MORAL,
RHETORICA E POTICA.
As pessoas que d' sejarem esludar qual-
quer destes preparatorios podem dirigir-se
indicada residedeia, de manla al as 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
Angra Terceira.
Caminha.
Castel lo Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilho.
El vas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
iThomar.
Villa Nova de
Figueira.
Guarda.
Guimares.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Viauna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
5 o.
Jos Joaquim de Novaes faz scienie ao lespeita-
vel-publico e a todos os senhores ifBciacs to txer-
cito e da marinha, que ronlina a t sortida de fazendas e rcupas feilas e per n (dida :
no largo do Livramento c. 34.
A h/ga-se
Cas-
Na ra Direita o. 116 conlinua-se a tingir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.
Hanual do gnardn nacional.
Acham-se impressas quatro formas com 64 pa-
ginas em oitavo francez do segundo volume do Ma-
nual do guarda nacional, ou colleego de todas as
leis, decretos, avisos e ordens concernentes a mes-
ma guarda.
vJrl RJercV Car8.Ke escr,Plur,ar,os i Ha nestas quatro formas, importantes decisoes do
SnT A ^fHlo'hPel0S me'h0d0S ma'S td0PKtt" 8verno> pilcando as duvidas, que tem appareci-
dos e de facillcomprehensao, encarrega-se, as ho- S0 na exerco da lei da cnarda nacional p um*
escr!n^c5n?^rr,T' '" "^Ir1" ,rabalh, de 5S2affoA^TaUoWa
SSE2fVEEr q0em de S6U PeeSam- Propostas para ofBciaes dos corpos, quando estes
iaT^rrMThr^ah"DrariOSen/en,50,-diri" "* organizados, ou em organisacao : formacao;
17 rnm *S.. i a r a-8' P08'"0?' dinu medica : reforma dos offlciaes e inferiores:
L?rn 6 md,qoe 'Cal Dde soluSio das duvidas a resPeit0 das despensas do
ueve ser procuraao._______________________ SerVigo activo :\tempo dos offlciaes se acharcm far-
Attotnoin da lltfltllU* ordem da Rosa est isento de prestar servigo como
Ao Srs. que leve em sua casa a preta Anna, e a simPles guarda : se os inferiores dos corpos de-
mandou entregar no dia 18 do corrente sen se- vera se8u|r a ordem gradual do accesso para ser!
nbor, roga-selhe o especial obsequio, no caso que Promovido offlcial : quem substilue o commaodan-;
ella apparega de novo em casa de sua senhona, a t0 superior as suas faltas, ou impedimentos : qual
bondade de a mandar em casa de seu ex-senhor na deve ser a PeDa imposta aos inferieres que nao se
Soledade, certo de que, dahi mesmo sera ven- aPresentarem fardados no prazo que Ihes for mar-
dida. cado : se os instrumentos importados da Europa
para as msicas dos corpos da guarda nacional, es
O solicitador Pedro Aiexandrl-
no da Costa Machado
se encarrega ante o foro desla cidade de tudo que
for tendente asuaproflssao, aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercialmediante razoavel ajuste. Contina
a se encarregar de cobrangas nos termos do Cabo
elpojuca aondecontinua a trabalhar como d'an-
tes.e encarrega-se de defezasperante o jury nos
termosproximosa via frrea, offerecendo gratui-
tamente seus servigos aos desvalidos, pode ser
procu-ado todos os das uteis das 9 horas da ma-
nhaa as3 da tarde na ruaestreita do osario n.
34, eforadessas horas na ra Imperial n.36, ca-
se de sua reidencia.
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feiiore
escravos.com banho na porta, no lugar do Poco
da Panella, ra do Rio : a tratar com Tasso ir-
maos, na ra do Amorim n. 33.
Aluga-se a casa n. 199 da ra Imperial pa"
ra padaria, com forno e todos os ulencilios : a
tratar no largo do Carmo. tsquiua da rna de Hor-
tas n. 1
. ~,Esla para aluar-se uma casa terrea na rua
da Gloria n. 14, um 1 e 2 andar de um sobrad0,
na rua do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Jo
de Barros, com arvoredos, agua de beber, e porta0
para o beceo do Pombal : quem pretender faile
na rua das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manha at ae meio dia.
Emprestase 900$ a juros sob bypotheca :
no segundo andar do n. 2 da rna Aornsla.
Troca de chapeo.
Na matriz de Santo Anlonio, domingo 26 de fe-
vereiro, depois da missa de 9 horas, por occasiao
dos baptisados,se quizer desfazer Of ogao, procu-
re o tenentc-secretario docorpode polica.
Precisa-sn de urna ama para iodo o servico
de casa de pouca familia : no pateo da matriz do
Santo Antonio n. 8.
O Dr. Antonio de Vascmeellns Menezes de
Drummond, antigo advogado ueste foro, continua
no exercicio da sua proisso, podendo para isso
ser procurado todos os dias, das 10 horas da ma-
nhaa s 4 horss da tarde, em sen escriplorio rua
do Imperador n. 43 primare andar ; hem romo
para casos urgentes a qualquer hora do dia, em
seu domicilio, rua da Aurora n. 26.
mk-sbhe-sebb;
Joao da .silva Ramos, medico pela L ni |
versidade de Coimbra, d consultas em (J
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e )
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes 1
em suas casas regularmente as horas fl
para isso designadas, salvo os casos ur- J
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasiao. D consultas aos pobres n
que o procurarem no hospital Pedro II, |
aonde encontrado diariamente das 6 f
s 8 horas da manha.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o qne
tem commodos apropriados e nella
tica qualquer operago cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3000 diarios.
Segunda dita.... &500 >
Terceira dita.... 2006 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos borK servigos que tem pres-
tado.
O propietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianga de que sem-
pre tem gozado.
pra-
lo isenlos dos direitos da alfandega : quaes os
renclmentos dos offlciaes e guardas em servigo de
destacamento : se tem direito continencia o com-
roandante superior, passando pela frente de urna
brigada de linha : se o empregado de fazenda des-
tacado como offlcial da guarda nacional deve acca-
nmlar o sea ordenado : se offlcial da guarda nacio-
nal suspenso, por crime de responsabilidade dp
cargo de delegado, ou de juiz de paz lica tambem
suspenso do exercicio da guarda nacional : que
honras competem aos capitaes da guarda nacional
designados majores dos mesmos corpos : se ha in-
compatibilidade na accumulago do cargo de juiz
de paz e presidente da junta de qualificago dos vo-
tantes, com o posto da guarda nacional: ha incom-
patibilidade na accumulago do posto da guarda
nacional com o do cargo de juiz de paz : o offlcial
que exerce interinamente o lugar de ajudnte dos
corpos est ou nao despensado de servir no conse-
Iho de qualificago : em que priso devem os offl-
ciaes da guarda nacional cumprir as penas, con-
demnado no (oro eommom : se os guardas na-
cionaes esio ou nao isentos do recrutamento : se
os vendedores de sello dos correios estio despensa-
dos deservir na guarda nacional: se os offlciaes re-
formados da guarda nacional podem ser aggregados
ao servigo activo : em que circumstanelas podem
os commandantes interinos dos corpos fazerem
propostas para offlciaes : etc., ele, ele, etc.
Quem quizer desde j possuir estes esclareci-
mentos, mediante um diminuto estipendio antes de
se ultimar esto segundo volume, dirija-se ao segun-
do andar do sobrado da rua do Livramento n. 31,
Hypothecam-se, dons escravinhos por 1:2005000, e ah' os encontrar em broxura, assim como enca-
dndose como paga dos juros desta quantia o fer- dernado o primeiro volume do Manual do guarda
vigo dos mesmos : a pessoa qoe pretender deixe nacional. __________
Hmrgy e ST "a Casa fM res,dcnciana! -Saca-se sobre Lisboa, Porto e ilba~de
- Pede-se ao Sr. Jlo Gomes Pessoa filho do fi- ?,,ue> na [uua ^Apollo n. 20, escrip-
nado Antonio Gobef Pessoa, nao se retirar para o tor, e carvalnoe Nogueira.
IIYIOTHECA
Delouche, relojoeiro, avisa ao respeita
vel publico o a seus frepuezes que mu- 3|
dou a sua loja de relojoeiro da rua Nova 50
para a mesma rua n. 30 esquina do bec- jf
co de Santo Amaro, continua a fazer to- S
dos os concertos pertencentes a sua arte J|
cora muita brevidade e prego commodo. >g-
Na mesma casa acaba de'rectber mui- n
jW| tos bons retrgios de sna propria encom- JJR
|ji menda, de prata dourados e ouro patente, H
** tambem relogios americanos para cima ^
H de mesa e parede, tem tambtm instru- }%
^>5 mentosde msica, candieiros para gaz e Si?
^ muitos outros objectos todos por pregos B
j|r| muito commodos. fg
Na praga da Independencia loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro e prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de
encommenda e todo e qualquer concert.
mmmmm mmm mmmmm
^ O Dr.Carolinc Francisco de Lima San- H
H tos,contina a residir na rua do Impe- H
%t rador n. 17,2o andar, onde pode ser pro- y
g curado aqualquerhoradodiae da noite ^
JK para o exercicio de suaprofisso de me-
HB dico ; sendo queos chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das 2
molestias do interior, prosegne. com o S
K maiorafflnco, nodasmais difficeise deli- %
WS cadas operaroes. como sejamdos orgaos S
Mourinarios.dosolhos, partos,etc.
mmmmm mmmm wmmmm
Alugam-se dous grandes sobrados com com
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comjardim.cochelra, estribara e outras commo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira : a
tratar na rua daSenzala Nova n. 43.
_ Precisa-se alugar urna preta para todo o ser-
vigo de ucea casa de familia : na rua do Trapiche
noraero 4.
Arrcnda-se a propriedade denominadaBar-
ra de Sennlifiemsita na freguezia ds mesmo no-
me, com grande coqueiral desfruclar, e muitos
foros cobrar annualmente : a tratar rua da
Aurora n. 26.
Na padaria da Torre precisase de um amas-
sador, que saiba entregar nao.
Achando-se vago o logar de guarda da ma-
triz do Sntissimo Sacramento da freguc?ia de
Santo Antonio do Recife, sao pelo presente convi-
dados os pretendemos a a presenta nm ens re-
querimentos com a respectiva flanga visto como
tem de ser nomeado em mesa quarta-feira Io de
margo. Consistorio da irmandade do Sntissimo
Sacramento da freguezia de Santo Antonio do Re-
cife 27 de fevereiro de lc65.
O eserivo,
________________ Luiz Cesano do Kego.
O Sr. Sebasliao Accioli Sanliago Ramos,
queira vir a rua do Imperador n. 83, segundo an-
dar, para concluir o negecio que nao ignora.
Aluga-se um grande sitio com srfflciencia
para ter 8 vaccas de leite, 2 baix: s para planta
de capim, casa com commodos para grande fami-
, lia prximo ao Recife, que se pode ir a p e mui-
] los arvoredos de fructo : na tua larga do Rosario
I loja n. 32.
Aluga-se nm escravo na rua do Arago n.
12, sobrado de dous andares.
Precisase de urna ama para tomar coota de um
menino desmamado, e cuidar no traamento deller
preferese de meia idade e quetenha bons costu-r
mes : na rua do Hospicio n. 36.
Cezinlieiro oh eozinheira eam!
Na praga da Independencia ns. 23 e 25 ao p
do funileiro, precisa-se de quem cozinhe, escravo
ou forro, quer homem ou mulher, assim como se
precisa de quem eugomme, preferiodo-se algoma
Porlugueza, garante-se bom tratamento, e a casa
de pequea familia._____
Precisa-sc de urna ama para todo o servico-
na rua Direita n. 60, primeiro andar.
(0 bacharel Jos Daplisla (tirana)
' advoga nos termos do Bonito e Caruar.
Pode ser procurado na villa do Bonito,
rna Direita n. 16, defrontc da cadeia.
mato sem primeiro vir a rua Nova n. 51, concluir
o negocio que S. S. nao ignora
Am
No dia 14 do correte perdeu-se do tribunal do
commercio em seguimento a ra do Imperador
praga de Pedro n, nm pequeo aoto de aegao or-;
diara em que sao partes, como autor o Dr. Jos
Joaquim de Souza, reo Manoel da Silva Neves :
rogase pessoa qoe os =>chou que lenba a bonda-
de de o levar rua nova de Santa Rita n. 49, ou
no cartorio do eserivo Paes de Andrade, na roa
do Imperador Junto a secretarla de polica, que,
ser generosamente gratificado,
de
ra
Cr
I
m mmmmmm mmmmm
Companhia Qdelidade de
segaros martimos e ter-
restres estabeleclda po^
Rio de Janeiro.
AGENTES BU PBPMA1IBUCO
Antonio Loii de Oliveira Azevedo 4 C,
competentemente autorisados pela direc- S
toria da companhia de seguros Fidelida-1
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio rua da S
Cruz n. i.
m III II mmmmm
Urna pesssa que entende perfeitamente de
escripturagao mercantil por partidas dobradas e
simples, se ofterece aos senhores commerciantes
para encarregar-se de algumas escripias por qual-
quer um dos sistemas : a tratar na rna da Impe-
ratriz n. 39, terceiro andar.
Precisa-se alugar um preto para o servigo
desta typographia, ao qual dar-se-ha sustento, e se
pagar por semana ou per mez, segundo convenha
ao senhor : a tratar na praca da Independencia
ns. 6e 8.
A commissao encarregada da liquidago da
casa do finado Manoel de Gouveia e Sooza, convida
aos credores do mesmo a apresentarem seus ttu-
los no escriptorio do mrtmo finado, rua do Apol-
lo, e os senhores de engenho a apresentarem suas
contas correntes, afim de facilitar a liquidago as
lergas e sextas-feiras, das 2 as 3 horas da Urde.
COMPRAS.
Compra-se ouru e prata em oBas velhas, pa-
ga-se bem : na loja de bilhetes da Praga da Inde-
dendencia n. 22.
Compra-se um escravo de idade que
sin a para trabalho de fitio: nesta tvpo-
jraphia se dir quem quer.
Na rua do Cabug n. 3, segundo andar, se
apromptam comidas com lmpesa, e tambem en-
gomma-se : quem quizer dirua-se tratar deste
negocio.
Algodao emearotfo.
Compra-se qualquer quantidade por maior pre-
go do que se paga no mato : na fabrica da traves-
sa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
Compra se eflertivamente ouro e prata em
obras velbas, pagando-se bem : na rua larga do
Rosario q. 24, loja de ourives.
.


i;
I





ttlai-io de Pernambuco Quarta fcira 1 Je Marco de l5.



VENDAS.
Attencao.
Ventease superior vinho do Porto em caixas de
urna doria: em casa de Johnston Pater A C. ra
do Vigario d. 3.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da prapa da Independencia.
Vende-se a taberna da ra dos Agouguinhos
ii. 20 ; a tratar na mesma._________________
Vende-se feijo raulatinho novo a 800 rs. a
cnia ; no pateo do Carmon. i.______________
Vendem-se 2 bancos de corlar fumo cem
poaco uso e ama grade deamarello em bom esta-
do : na ra do Rangel n. 21.
VNDESE
nm rice.vestuario a Luiz de Cantos e urna cabel-
leira iateira, todo quasi novo n por prego rom-
modo : no neceo dos Pecados Mortaes n. 4.
Lia para bordar
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38
recebeu um grande sortimento de lita para bor-
dar das naeihores cores que tem chegado, a qual
se vende barato, tanto em libra como a retalho.
Bixas hamburgue/as.
Vende-se na rna Nova n. 61.______________
Prelo
em saceos de nais de 100 libras : nos armazens
de Tasso Irmaos.
0 GSTELLO DE GRASYIL1E q RIVA,L ,
Traduiido do fraucei por A. J. C. da Cruz. aQTB. SeglintlO,
Vende-se este bello romance em quatro PRaa ** Q,'ei',nado> n-S5 B" para adairar.
,__i i___i:__:______ j. u Larretis de lintia coni 150 jardas......
200 jardas de Alexandre de
tomos pelo baratissimo preco de 26500
ua praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
Ditos com
12 a 60.
Dito dito de 60 a 200..................
Novellos de liuha grandes com 408 jar-
das .................................
Idm idem brancos o de cores de 100
jard.s
60
F0L1IIX11A&
Para 1865.
Acham-se venda na livraria ns, 6 e 8 da tesnplrPa,^ent0 de upa hvada
.,,.. a, i~a j Lordao brauco para esuarlilho (vara)
praca da Independencia: Varas de franja branca larga
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o '
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBE1RA contendo o
mesmo que aquella e mais nma nova
Salve Rainha em versos, o Stabat Mater
em verso, devocao ao agonisanle, corceo
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria Nos-
sa Senhora, trinta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero dema- K0,Lde^H5l!!ero.La Tt? luerior
.;. __ v- __"itOi de verdadeiro oleo de babosa a
ximas e pensamentos, urna histonacomo 400rs. e........................
muitas (romance), e vintecinco novas e Ditos e garralinas de agua d Colonia
pilhericas charadas a 320 rs. | muil fin.......................
------^------------------------------------------ ; Ditos de banha a Ganbaldi e da familia
Vende-se nma taberna bem afreguezada pa-1 imperial.............i..
Varas
Pares de botes de punho todos de cores
Tinteiros de barro com tinta...........
Tesouras para costuras finase unhas
Ditas para costuras com toque d'avaria
Escovas para limpar denles muito finas
160,200e.........V....................
Caixas com 100 envelles das melhores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso...............................,...,
Cadernos de papel pequeo ( e a reta-
Iho)............................ 20
Meiadas de linha frouxa para bordar... 20
Pares de sapatos de tranca.......... 1J500
Massos com superiores grampas para
senhora.............o
120
100
80
30
100
20
160
120
100
4001
200 nheira
320
640
600
30
200
ra a trra : a tratar na ra das Calcadas n. 9.
machina para
Dara auimaes
Vende-se
descansar algodao, com motores
: na ra da Senzala Nova n. 42.
Presos que admira.
| Pegas de fitas elsticas para vestidos
! melhor quajtdade..................
Pares de ligas para senhora as melho-
res ..............................
Pe^as de bico; francezes e renaas.....
Frascos de asna dentifrice muito supe-
rior...........................
Caixas com A papis de agulhas a balo
e Victoria........................
Libras de lia sendo de todas as cores.
300
400
900
Fazendas pretas para a qua-
resma.
Ma loja do Pavo.
Acha-se este estabelecimento completamente sor-
.tidode fazendas pretas propriaspara a.quaresraa,
a saber : M
Grosdenaples preto largo e muitissimo encorpa-
do, oulros mais estrenos tendo dos precos de
1*280, 1#600,1*800, 2*, 2*400 e 3*. superior
moreaellque preto a 3*, superior sarja preta bes-
panhola, superior setim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soutoinbarques muito bem enfei-
tadas, ricas vasquinas e casacos dos mais moder-
nos que tem viudo, superiores mantelete, camisi-
ahas com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, tudo isto se vende mais ba-
rato do que em outra qualjuer parte por ser a di-
nheira : na loja do Pavo ra da Iinperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do Pavo.
Acha-se nesle estabelecimento um grande sorti-
mento de roupas feitas para homem como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
muito fino e Torrados de seda a 22*. 25* e 30*,
ditos forrados de alpaca a l*, 16* e 20*, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de brimde todas as qualidades, colletes
COMPENDIO D0L0E0S0
que coatm o ofcio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de rsar e oflerecer a co-
rea, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devocao; ordenado pe-
la irmandade dos servos da mesma Se-
nhora que se ada erecta na egreja de N.
S. da F'enha do imperial hospicio dos re-
verendos padres misionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. AI. I., que Deus guarde;
dado luz por devocao do muito reve-
rendo padre Fr. Placido de Missina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia._______
RIVAL
SEM SEGUNDO
do Queimado n. 49 e 33 fojas de miude-
Na ra
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva contina a
vender tudo por precos mais barato do que em
outra qualquer pan-., quem quizer ver o que ha
bom e barato venha loja do Rival.
Latas com superiores
0 VIGILANTE
banha.
de casemira prelos" Y d0""cr"e." w'hTd"S,"Veias" l pS^Sded|uv,del!^,S,,PerOr ban"a''
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos
muito finas....
Eafeites do melhor gasto que tem viudo.
melhores mestres nacionaes, mandarse fazer qual- RMr,.t. ,_ pln,
quer obra por medida : na loja do Pavo ra da ^^A^^t.^^Jf!^'.*-
Ovas do sertfio.
Vende-se ovas do serto muito frescas, na ra
da Santa Cruz n. 9, junto a ribeira.
Vende-se um relogio de ouro patente snisso
novo e bom regulador : na ra da Imperairiz n
38, loja de calgado._______
Vende-se calcado francez da barca franceza
S. Joao da Luz, na ra do Livramenlo n. 21.
Borzoguins de lustre (Nantes) 6*000.
Ditos de hezerro de tres solas (Nantes) 6*000.
Ditos de bezerro de duas solas 6*000.
Sapatos de tapete 640 rs._______
Milho novo em saceos grandes: no trapiche!
do Cunba, a tratar com Tasso Irmaos._________
Cimento romano e de Portlanl
nos armazens de Tasso Irmaos. ________
Farinha de milho,
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas : na rna do Rangel n. 3.
Luvas baratas na loja da Aurora.
Luvas baratas na loja da Aurora.
Luvas baratas na loja da Aurora.
Na loja da Aurora, ra larga do Rosario n*38,
vendem-se luvas de seda a 210 rs. o par, ditas de!
Jouvin pretas e de cores para homem a 1* o par,
lantljolas de todas as cores e diversos lmannos,
papel dourado e pratiado, lavrado e liso, latra
branca e amareila ; ludo isto se vende barato.
Vende-se a taberna da ra da Conceico n.
11, defronte do rancho, a dinhelro ou a praso.
faz-se todo o negocio ainda mesmo s com arma-
cao, a casa tem bons commodos para familia : a
tratar na mesma.
100 Jar-
Sapalos de trauca superiores pelo barato preco
; de 1* o par, e duzia 10* : no vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Bico adamascado de todas as larguras, i peca Ronecos vestidos e tambem de chor...
com 10 varas, cada pe?a a 400, 480, 500 e 600 Caixas com superiores obrejas........
: rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7. Ditas de linha de gaz com 30 novellos..
Clcheles em cartao de urna e duas carreiras Enfiadeiras ile fita para espartilhos
perfeilas, pelo barato preco de 40 e 60 rs. cada Carretis d.- linha de cores com 10
cartao, e duzia a 400 e 300 rs. | das
Penles para alar cabello, a duzia a 1*200, 1*600, pecas de &>rdo imperial
2*, 3*, 4* e 3*.
Balaios propriamente para costura e para fruc-
tas, e para menina trazer no braco a 1*500,1*600,
1*800, 2* e 2*300.
Perfumara, macaca perola a 2*, 2*200, 3* e
4* a duzia, oleo de maozinha a 5* e 6* a dnzia,
banha a 3*, 4* e 3* a duzia. Estes objeeios se
vendem por admiraveis precos em consequencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, pois aflanca-se a pouca a varia e a. boa qua-
lidade : s no galo vigilante, ra do Grespo n. 7.
240
320
320
800
200
6*000
160
40
800
60
20
40
MACHINAS EPATENT
de trabalhar nao para
descai'ocar algodSo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDM
Estas machinas
podemdescarocar
qualquer especie
de algodao sern
estragar o fie,
sendo bastante
duas pessoas para
o l rabal lio; pode
descarocar* urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 40 minuto's.
ou 18 arrobas
por dia ou 3 ar-
robas de algodac
limpo.
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
Vende se a propriedade e sitio n. 24, sita-j Assim como machinas para serem movidas por
do as ra do Mondego e Trempo, pertencente animaes, que descarocam 18 arrobas de algodac
aos herdeiros do fallecido Feliciano Augusto de limpo, por dia; e motores para mover urna, duas
Vasconcellos : quem pretender dirija-se ao mes- eums dessas machinas.
Convalcueenca de lan-
ga* molestias.
Msiestlas esersfulo-
sas.
Paaclra.
Obstruceaa das gln-
dulas.
Humares trias.
Humores brancas.
nurbltlnmo.
Affeecoes eaaeerosas
e sypbllUleas.
Fcbres lypbollea.
Variles, ele., ete.
mo sitio, das 6 as 8 1|2 horas
tar com um dos berdeiros.
da manhaa a tra-
Pmno
Vende-se um piano em bom estado e proprio
para quem se propoe a aprender : quem preten-1
der dirija-se roa larga do Rosario n. 37, que all
encontrar pessoa habilitada para tratar do ajuste:
exiguo prego do ohjecto nao pode deixar (le ter,
muitos pretndanles.________
Vende-se um excellente braco Romo, com !
todos os pertences de balanca, tudo em bom uso :
a tratar na padaria da ra Dircita n. 84.
PRELO
a 3*000 : na ra larga do Rosario n. 30, laberna
da esquina que volia para a ra estreita do Ro-
sario^___________
Vende-se a quarta parte da propriedade de-
ominada Pona de Passambi. e urna parte do en-
enho Roacica, ambis na freguezia de Ipojuca : os
retendentes emendante com o proprietario do
ngenho Cailhe na mesma freguezia.
u-, moMiio.- luin para vender um bellissiniowva-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Sauuders firolhei s & C.
X. II, praea do Corpo Santo
11ECIFE.
Os nicos agentes nesle paiz.
^ a:
25 E.
5 =1
a>cracoo-i -: S1 o o u "
-O C/a 1. S w c ^
B P-!t _,Q -K
w SS =-o b -a "
O1"
92
3 ^
- v 22
w a-
35 en
g-a
u
-
i;

S
2*" ~ ~>
5*3
1-8
0.0
a g
a
o
a w t
9 H'_.
OOtR
O 04

w te

a>
S-.* 3 3
j. c
o
9
e
i a
-rtf*
o

Os elementos que compoem esta preparacao, o
ferro, o iode e a quina, a collocSo no prmeiro
grao das prepara^oes ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos .Mdicos dos hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmlro sua poderosa el'licacidade as
seguintes afeccSes:
Mlagoa no sansae.
Fmqona.
Anemia.
Cblorose oa Ictericia.
Menstruo.
Affeeeoes da ulero.
Suppressoes das re-
gras e desordes na
menstruneao.
AfTeceao pulmonar e
phthlsle.'
Molestias d'estdmairo.
GastralKlaaL
Perda d'appetlte, ete.
Vejae se os bulletins de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de noeembre 4&60; a Gazeta
dos hospaes de 28 dejulhaMQ.elc.t etc.
Aiem das ptiutas de odufet duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
mito e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslao de medicamentos sob for-
ma pilular o os meninos. Eslc xarope nao tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-sc e de se nao poder conservar.
Peca-se o folhelo que se di de graca em casa
dos pliarmaceuticos depositarios.
Para-se evitarem falsificac^es, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas on Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito gcral em Pars, pharmacia Rebillon,
U2, rae du Bac, e em todas as boas pharmaciai
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
Imperatriz n.60, de Gama & Silva.
Gilas em caries coia 10, 11 e 12 covades
Na loja do Pavo vende-se urna grande porco
de cortes de chitas'ancezas sendo claras e escu-
ras todas de cres as com 10 covados a 3,520o,
com li covados a 3^600 e com 12 covados a 4,
pechincha para se apurar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Ciraode llqulda^o.
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas
do Pavo de Gama & Silva.
Acha-se este estabelecimentocompletamente sor-
tido de fazendas inglezas. francezas, allemas e
suissas, proprias tanto para a praga como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
era outra qualquer parte, principalmente sondo em
porco, e de todas as fazendas do-se amastras,
deixando flcar penhor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
Camisiahas a 1$.
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato prego de dez tusioes cada
urna : na loja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 3/5.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corto, com desenbos muito delicados
pelo baratissimo preco de 33C0 o corte : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Caiulinias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo oreco de
4*5 tendo 8 i|2 varas cada peca, ditas muito finas
a 7$, 8$ e 9$ a pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 7, 9$ e 10, ditas
Garrazes fazenda muito encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 2J600 a pe-
Sa : isto na loja do Pavao ra da Impojatriz n. 60,
e Gama & Silva.
Os vestidos do Pavao.
Grande pechincha a 3300.
Vendem-se os mais bonitos vestidos de cambraia
transparente imitago de tarlatana com muitos
delicados desenbos, muiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 3300cada um,
sendo fazenda que sempre se venden a 75, na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a -f A c a 7,->
Na loja do Pavo vendem-se ricos cortes de vesti-
dos Maria Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de 45 e 75, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isto por haver grande
porco, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Os enfeites do Pavo.
Vendem-se os maismodernosenfeltesparacabega
: de senhora : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cassas do Pava).
! Vendem-se as mais tronttas cassas rrancezas, de
padroes mludinbos e raudos, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos precos de 300, 320, 360
i rs., por haver grande porgo : na loja do Pavo,
: ra da imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As laa/iuhas transparentes a 100 rs.
Na loja do Pavo vendem se as mais modernas
lazinhas transparentes, sendo de listas miudinhas
060
060
2U0
20
300
23100
15300
200
300
Pulceiras do melhor goslo o modernas.
Volla para pes^ojo do melhor gosto ...
Baralhos para voltarete, linas a 200"e..
Varas de franja branca de linha que
tem muita serventa ................
Duzia de pennas d'ago muito superiores
Frascos de oleo Dboza muito linos.....
Talheres para raeniuos a melhor quali-
dade............................
Diversos livros, todos religiosos a 100,
Duzia de colheres de metal muito tinas
para sopa..........................
Duzia du colheres de metal mudo fiaas
para cha........................
Grosas de boloes de osso para caiga...
Grosas de botoes madreperula para ca-
rniza..............................
Grojas de boloes de louga prateados
mudo finos......................
Varas do babado do Porto sonido.....
Duzias de lapes differentes qualidade a
240..............................
Quadernos de papel de peso muito liuo.
Resma do mesmo papel.............
Duzia do facca e garfo muito boas___
Sabonete de espuma muito superior...
Capachos compridos e redondos muito
bons.............................
Ditos para sof...................... -250:j
Pares de suspensorio muito bons e para
acabar...........................
Essencia oriental para tirar nodoas de
roupa............................
Creio para dezenho de tedas as qua-
lidades...........................
Cartas de alfinetes francezes mmto su-
periores..................-........
Caixas de clcheles francezes a 40 ris
Duzia............................
Carretis de retros com quatro oitavas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade............................. 200
Hiia do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pele i oa-
j foso Uallisa, na sua ordem do da, e pela Blanca
200 A8u.ia> apesar de que, para esle o Gallo ei n eos
ajy agudosesporSesnuncaDs offender, antes o^atra-
mq war na mesma conformidade, para que o Baliza
253001 P*M marchar em frente, a Branca Agola mm
1?280! le.vahnla^eu vOo.ilevando no bico as pallnhas seu
aOUi""11!0',13 'alio car em seu espagoso
m dando de novo o seu canto anuunciando
i0[onsrr,guezes e aorespeitavel publico
0 jrande sorlimenlo deobjectos de muito goslo qce
acaba de receber.
Ricas eaixiahas com msica
das^irai:oiiura,
ni n<>.
R luissimos eofresinhos
para guardar joias.
Ricas ;.uh cjm estejo, contendo
teneos para homem.
di rulsshnas rollas fingindo perola.
Ditas com lacinhode lita.
s-r 8 '''iinM c')cos e l,rela. de tods:
Liodosalereeos
litantes.
200
060
too
030
2.8000
25400
040
300
campo
a seus
ricamente enfeita-
propr.o para um delicado me-
com cadeados de niela)
todos os per-
as gros-
com pedrinhos fingindo bri-
Ricas lianas paracinto.de todas as gbaHfedes
e ijoih gesto.
Ricos cintos do ultimo gosto de Pari
Grande sortimento de lindos enfeites pira cate-
ga sendo do ultimo gosto e de lodos otfttrc
lio
500
020
100
360
800
18
3 2 u
SJ
H
o s
g s
a 9
"I"
3 ~
a
c
O
e
Apprwda por varias Aeadsmias t
summidadet medicas.
O e ocdOH em feral as molesliai baxo
designadas i a esla^nato do sangue *m ccrlat
parirs do corpo, a qual produzida peles resfria-
mentes e muilai onlras cauzas, entao declaro-M
os RAcumatismos, Cota, Paralytia, Fraqtuza
dos mimbres, Cvnslipa(ia, Eltpkantiasis ou
Pernos luchadas, el Dores Nervosas.
O uso da escota ELECTRO-MAGN-
TICA tem suceesso ccrlo para a cura de loda
es las molestias, sc-m recorrer se a iicnliumo oulra
medicacie. Klla (em urna forma mni manejarel
c srodoz, ven lado de quem d'dla usa, s os mais
uteis felius resultados. Seo emprejo preserva I
da* molestias cima. Para maisinformaceston-l s>i
ul-te-se a nolicia que accompauha cada Escora. I
Deposito OamaX
aVakfari du Priim Eutfte, la, Pars,
Vende-se na ra do
franceza n. 38.
Imperador botica
Legnmes rovos a 6,40u rs. a arroba*
9fa padaria atraz da fuDdigao do Sr. Slarr ven-
den ervilhas verdes, ditas amarellas e descasca-
das, I entubas e sevadinba pelo prego em sortimen-
to de 65400 rs e conforme fr a porco faz-se al-
gum abat ment._________________________
Veada-se a casa terrea na roa do Padre Fio-
riano n. 63 : na ra ds Imperador n. 14.
Vende-se doce seco de caj em Sanio .Amaro,
junto ao ceraitorio primeiro sitio ao lado do norte.
g
s
sa parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
ESCRFULA
BISMTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as ouiras preparaedes de
bismuth em pregadas antes com o maior successo
pelos mdicos, de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Dlarrheaa cbronlcas. Ms dlgestoea.
Dysscnterlas. Gaslrltes.
Dores 'estomago. Gallralglaa, ele.
Dyssieaslas.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affeecoes se manifesto ordinariamente por diges-
tSes laboriosas, azidumes, falta d'appetile, pesos
a"eslOmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacaes, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuido, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Molestias de Usado.
A Ictericia.
Palaltaeo deeoraeao
Dores nos rins.
Oppressoes.
Dores de cabrea.
Irrltaces de bezlga e
da snatrla, ete.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicacs para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Pars, pharmaciaChevrier,
e em lodas as pharmacias de Franca e dos paiz
estrangeiros.
Attengo.
Vende-se em casa de Linden Wild & C, eslei-
rs para forrar salas de boa
largaras.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigase recentes, nico deposito r a bo-
jea franceza, roa da Cruz n. 22 pro-
co U
e todas as molestias
provenientes delta
todas as molestias da
pelle
ehensipellas, tumores, ulceras,
sarnas,
nascidas, empingens,
REUMATISMO
NYPIIIIjIS
em todas as suas formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
ITlceracSo do ligado
e em summa todos os males que tem sua
erigem na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACO DO SANGUE
e para dar nova forca
MSSA E XAROPE
BERTH
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
.ns llcjluxos,\ a Grippa e todas as IrritacSes
do peito.
AVISO
Kiilsificaces reprehensiveis excitadas pelos
successos de Xarope c da Massa de Berth,
nos obrgAo i recordar que esses productos
to justamente
nomeados nSo se
cntivgiio senio em
hcelas c em fras-
cos com a asigna-
tura aqu indicada. #dm,tmmttsrtisiism
lol, ru Saint-llonori, na pharmacia no
luvke, e em todas as pharmacia.
Deposito eral em l'ernambuce roa Ta
Grande liquidoslo de fazen-
das finas, ra da Impe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de Lourengo P.
Mendes (ruimares.
Fazendas para o carnaval.
Vende-se velbutina de tolas as cores a 800 rs. o
covado, ganga encarnada a 160 o covado, sarjelim
de cores a 280 o covado, alpaca de cores propria
para vestuarios a 320 e 3S0 o covado, tafet de seda
de todas as cores a 600 rs. o covado : ra da Impe-
ratriz, loja da Arara n. 56.
Chitas, baratas a 2 0 rs
Vendem-se chitas finas a 2t0 e 280 o covado,
i chitas francezas finas a 320, 360 e 400 rs., cassas
; linas de acres a 3O e 400 rs. o cuvado, percalas
i unas para vestidos o 300 e o'60 o covado : ra da
Imperatriz, loja da Arara n. 5'6.
Caries de cambraias, a Arara vende a 35.
I yendem-se cortes de cambraias finas brancas a
33300, IJ e 33, cortes de cassas francezas finas a
35, corles de chita de 10 covados a 23100, ditas
finas a.35200 : na loja da Arara, ra da Impera-
a imitacao das sediohas, pelo barato preco de 100 jH,".'^? ...
...^j. jt.------..'.:.j- a- JOr*Z* ... dos a 33 e 35o00 o covado, grodenaple preto tino
a 15600, 15800 e 25, dilo superior a 25000, dito
com 3 palmos de largura a 3}'o covado, panno ti-
no preto a 25, 25800. 33300 e 35 o covado, case-
mira preta tina a 25,25300 e 35 o covado, alpaca
preta a 500, 600 e 800 rs. o covado : ra da Im-
peratriz, loja da Arara n. 36.
Arara vende corles de casemira pela a 3$i00.
Vendem-se cortes de casemira preta a 35300.
15, 55e 63, ditas de cores a 35,15, 33 e "5. cor-
tes de brlm e ganga para caifa a 15600, 1->800 e
25 : ruada Imperatriz, loja da Arara n. 36.
Panno de Imito a 6i0 rs.
Vende-se panno de linho para lenccs e toalhas
a 610 e 720, hamburgo a 300 e 360, bramante de
10 palmos de largo a 35 e 2J300 : ra da Impe-
ratriz n. 56.
Arara vende os baldes a 35 e madapolo a i#
Vendem-se baldes americanos a 35,35300 e 15.
ditos do musselina a 13300, pegas de madapolo
enfestado a 15. dito de 21 jardas, largo, a 65000.
65300, 75, 85, 95, 105 c 125, finos, algodao pe-
cas a 35, 65, 75 c 85 : ru da Imperetriz, loja
da Arara n. 56.
Soutarabarques pretos a 20?
Vende-se soutambarque preto de grosdenaple a
203 e 255, capas pretas de grosdenaple finas a
203, 255 e 305, soutambarque de laazinha a 75 e
83, ditos de alpaca braoces a 85 e 105. ricos ves-
tidos Mara Pia de novo gosto a 85, 125, 115,
165 e 205 : ra da Imperatriz, loja e armazem da
Arara n. 36.
Cirande sortimento de ronpa
feita.
Vendem-se paletots de casemira de cores a ofi,
65,85 e 105, ditos pretos de panno fino, obreca-
sacas a 125, H*, 165 e 235, paletots saceos prelos
de panno a 35, 65. 85 e 105. caigas de casemira
preta a 45. 65 e 85, ditos de casemira de cor a
45,65 e 85, ditos de meia casemira a 35 e 3J3O0,
ditos de brim e ganga a 25 e 23390, ditos de brim
branco a 35300 e 13, cslletes'de todas as ijualida-
des, camisas francezas a 25 e 25500, ditas inglezas
de linho de pregas largas a 35 e 35300, ceroulas
a 15280,15600 e 25, paletots de brim de cor a 25
e 35, ditos de alpaca preta a 35 e 35300, ditos de
alpaca branca a 15500, ditos de alpaca de cordiio
a 15, colarinhos de linho a 640, ditos de ppela
610 a duzia : na ra da Imperatriz, loja da Arara
numero 36. O proprietario da loja e armazem da
rs. o covado; ditas enfesiadas da urna "s cor e
ditas de salpiquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de changas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz n 60. de Gama & Silva.
Ricos soutambarqnes de Pavo.
Acaba de chegar um rico sortimento de son-
1 tambarques de grosdenaple preto muito bem
enfeilados, que se vendem pelo barato prego de
205, 225, 235, 305- Capas e casacos de glace pre-
1 tos que se vendem muito em conta: na loja do Pa-
I vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras eseossezas a 1.600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras eseossezas
proprias para caigas, colletes, paletots, roupas para
mangas : na loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil covados de la.
Grande pechincha a 210 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo com Ostras e quadrinhos miudinhos, e
lisas, tendo de'todas as cores, assim como pretas
e roxas para luto, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com palminhas
de seda Maria Pia, tendo de todas as cores, e
algumas proprias para luto, pelo barato preco de
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande
porgo : na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Vestidos Maria pia,
Grande pecbincba a 10;>000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, :>endo
todos com as cores mais delicadas que tem viudo,
e vendem-se pelo baratissimo prego de 105 o cor-
te, ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 105, ditos de cambraia
com barras bordadas a crox no ultimo gosto, po-
lo barato prego de 65 : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas de linho a 3GO rs.
Chegou esta nova fazenda, sendo cassa de linho
propria para vestidos e roupas para changas, com
muito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato preco de 360 rs. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de dama & Silva.
Lazinhas lisas.
Vendem-se as mais Haas lazinhas de urna s
cor, tend9 grande sortimento : na Iqja do Pavo,
Flores muito linas para noivas.
Lavas enfeitadas e meias de sida psri 11 .
louqninnas sapatinhos e meias da
baptisado.
Kiquissimas fias de todas as qnalldsdc<
go^cintose cinteiros.
Camisinhas e golinhas para senhoia.
Hiquissimos jarros e figuras pu tmricfc Ce
rxl I .1 .
Grande sortimento de gravatinliastantc raa se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e decores.
Cascarrilhasdc bonitas cores.
Trancinhas.galao e maravilhaspam PDeiif!
rransehns de cabellos e de retro? rira rdt clc
Papel amisadee de outras qualidades
Bolsas para vingem.
ntremelos e babadinhos de lindos radi-ti
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, menino < rani-
nas.
Fitas de veludo lisas e com matan e tio ledas ?<
larguras.
Tltesonras e caivetes de todas as quaiidade*
drande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para oflerecimenlos.
Caixtnhas com seis frasquinhos.
Kssencias de todas as qualidades.
AguaverdAdeira Florida.
-Agua da Colonia, em garrafas grand- e tm
frascos quadrados egarrafinhas.
Pomadafina de todas ns qualidades.
Superior banha em frascos e coros de todof c
lmannos.
Sahoinglez em paos grandes e pequeo.
scovasdecabo de madreperola, marfim e de
osso, para denles.
Pentesparadesembaracar.com friso d< trefile
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outra* qnallda-
des.
Penies de tariaruga para senhora
Ligas de seda e de algodo, assim corre nucs
otrosobjectos degosio quesera iroposivflirfp.
oiuar que a vista far f, s no Gallo Vigilaste.
cue do Crespo n. 7. ,,
Volliuhas.
[.indas voltinhas de perolas falsas ccmcjuzwlir.s
fingindo brilbantes, assim como cruzinl.a? avnlfas
e voltinhas. pelo barato prego de 13 e 15200 s
cruzes avuls asa 100 rs. s no Vigilan:c-. rua'dc
Crespo n. 7.
Leqttes.
ltc|uissimosleques de madreperola tanto par?
senhoras como para meninas, pelo barato prc^o
de 123 e 113; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Filas de la.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos esjielhos.
Riqusimos espellios rom moldura dBiais
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim fumo cf-m
columnas de dilereutes lmannos a 25, 35,45, 65
e 65 ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo omelhorgosto queamii
tem apparecido; s no Vigilante, ra doCic-Ho
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz
cousa de muito gosto a 15300 e 25, assirr cono
pacotos s com os pos a 320 rs. cada um ; s do
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banha:-. perra
das, assim como tinctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha jponeza
a 23 e a 15, assim como outros objectos que Bao e
possivel por boje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; ua loja do Gallo Vigilante,
rna do Crespo n. 7.
Para
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. | Arara declara que todas as suas fazendas se vende
Chales argentinos de renda. emperfeito estado, como os compradores poder^
Chegaram ltimamente para a loja do Pavo os. examinar; aloja est .iberia at as 9 horas da
I maisrios chales de renda com tres ponas, sendo noite: ra da Imperatriz, loja da Araran. 56, de
e vigor ao corpo ja; cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
qaaiidade 0 diversas enfraquectdo pela doenca.
Vende-se na ra Direila ns. 12 e 76 e
. Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
P.IHaURER & c.
RA NOVA N. 1$.
Papel para flores
Vende-se a folha a 166 rs., de todas as cores :
i na ra da Cadeia do Recite n. 39. segundo andar.
1 Zihco e cobre em folha, estada*, izareo e alvaia-
de inglez.
t Em casa de Bothe & Bidoulac, ra do Trapiche
. o. 18, yendem-se os gongos cima por prego ra-
zoaveis.
lodos pret >s, e tambemeom assentos de cores, sen-
do neste artigo os mais ricos que tem vindo a este
mercido, ricamente bordados e cen-ulados de um
elegante bico preto do mais de palmo de largura:
estes modernissimos chales nao s sao proprios
para passeio por fazerem urna elegante vista sobre
um vestido de qualquer cor, assim como muito
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama & Silva, ra da Im-
peratriz n. 60, loja do Pavo.
Soutambarquesdecor na loja
do Pavao.
Mendes Gnimares.
Piano forte.
Vende-se um milito bom e
lindo piano forte de armario
e 3 cordas venicaes, fabrica-
do especialmente por encora-
menda e desembarcado a 8
dias : na loja franceza da ra
Chegaram pelo ultimo vapor francez os mais ri-;
GEMR0S IMEZES
eos souiambarques oe cores, sendo os mais bem
enfeitados que tem vindo a este mercado, com
adornos de velludo, seda c setim, renda, etc., s
avista do grande sortimento que os freguezes
podem dar o verdadeiro aprego a esta fazenda, o
vende-so por differentes precos conforme a qaaii-
dade ; na loja do Pavo de Gama e Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
Vende-se a ine3gao da casa terrea da ra do
Xogueiran, il.livre e desembaragada : a tratar
na ra das Rores d. 33, das 3 horas da tarde em
diante.
Bolacbinba de soda.
Gr.ixa 97 em potes.
Qtieijo de pinha.
Conserva*.
Serveja preta e branca de Bass.
Ditos francezes.
Vinho Rordeaux em caixas.
Ameixas em vidros.
Vende-se barato para fechar coma :
zem deThomazTeixeira Bastos, na ra
do Recife n. 60. *
110 arma-
da Cadeia
Agua Florida.
restabelecer e conservar acor natura]
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, fado e.'^r-
cial contestar, a mesma agua dando a cor prim
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
desubstancias inoffensivas, ella tem a propriedade
derestituiraos cabellos o principio corante que el-
les tem perdido. D'umasalubridade incontesta-
vel, a Agua Florida entretem alimpera da caneca
destroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, el.
constite poderosam*;*, com a Agua Florida, a
forca, a belleza e a conservagao dos cabe!!.:.
Em Paris, casa de Quisiaur n. 12, ra de Rwbe-
lien, e 21, boulevard Montmar'rf.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro,
timbre prateado da casa, sao reputados falso?.
Deposito, ra do Imperador.oharmacia n. 3fc
Cokc do saz.
ii th do gaz.
Alcatro do gaz.
Coke, tonelada 105000.
Pitch, arroba 35000.
Alcatro, caada 500.
O cok reconhecidamente o carvo mate econ-
mico, torna-se por isso recomnundvel, tan ro-
mo pelo aceio que se nota as casinhas aoade elle usado. Pilche alcatro,, alem saidlmiate-
ges diversas a que se presto, como para calata
tar cmbarcagSes, alcatroar madeiras, etc., trec-
estes a propriedade de preservar do cnpim, fer-
migas, etc. entregue na fabrica do gaz, ou man-
dado por em qualquer ponto da cidade, segundo a
vontade do comprador e previo ajuste.________
Azeile de carra falo
Vende-se por atadtdo ou a retalho mais Danto
0 que vendem os malulos as rargas : na fabri-
ca da travessa do Cariaea n. 2, caes do Ramo;.




Diarto de Pernambnco Quarta lelra 1 de maree de i 85
A 48 O CORTE
Pechincha sem igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras cora grande variedade de padres
pelo baratissimo prego de A$ o corte : na loja das
columnasra do Crespn. 13, de Antonio Cor-
rea de Vasconcellos A C.
LOJA m BALAO
DE
AZEVEDO & FLORES.
Rui da Cadei i Recite n. 47, esquina que tolla para a
Attencao.
Madre de Dos.
Pelos seguintes presos
'Ditos de casimira (saceos) 12*, l&,
10* e.........
Dilos de alpaca 54 e ......
Ditos do alpaca branca 35 [e
Dilos de dita branca iii e .
Sobrecasacos de panno fiao ira nuez
Caigas da brimpardlo U"M,U, 3#500
Ditas de brim branca 44, 4So00 e -. .
Ditas de casimira dle cr 34, 74. 84 e
.-M
ciiegarm -os mimos chiles de
FILO PRETO.
S iperiores chuls do fil preto cliegados pelo ullimo vapor fran ez, a
loja das 'Oluunas ra do Crespo n. 13, de An onio Correia de Vas o cel-
los & C.
: Mk w* ;#? i*!? 3*3 :'3*5*x!?!5S
MJB3BSra9SBSBB3G
Cortes de casimira
Seroulas francezas
Golletes de casimira
3*300, 4*\
Baloes do 20 e 40 aros dos melhore
que tom viudo ao mercado
preta fina 74 e .
linas.....
pretos e de cores
8,3000
44000
44W0
44300
224000
44000
54000
104000
54000
14600
44500
I4,
Camisas francezas
a 24, 24500, 34 e
Madapoloes francezes (per-a) 134,
Chitas para coberta (covado) '. .
Laas lisas de todas as cores .
Vestidos de 15 Hara Pia muilo finos
Lenjos brancos milito finos (dnzia) .
Um completo" sortimento de chitas lar-
gas de 300 a ........
Cambraia lisas brancas muito finas
(peca) ...........
fjm variado e lindo sortimentn de cha-
es de merino estampados de 34 a
Seroulas de linho moito finas .
Aberturas de linho pregas largis .
Bramante de ama largura ....
Camisas de tlanella bonitas, cores eco-
4 nominas......-~ .
54000 Cencns de esguiam. \ .
ADMIRE M!
134000
320
4
184000
24800
300
54000
84000
NEM COROAS .NEM MITRAS

GR11DE
1RMAZE9I
DE
IIU V DO IMPERADOR N. 40
Jaula ao sobrado era que mura eSr. O&borne,
Ouartc Almeld *fc C, reeeberam de sua proprla cnfflBWfi-
da o nal liado e variado sorllmcalo de molhados, propr los
da p rescate estae&o.
Manteiga ingleza Magas brancas
da safra nova viada no ultimo vapor a 1,000-j para sopa a melhor que se pode desejar,
Lilas lisas de todas as cores muito finasa 500 rs. o covado.
Os donos da loja do BALAO encarregam-se de mandar fazer qnalquer obra de brim
etc., para horneas e meninos, alada que a fazenda nao soja comprada na dita loja do
ou casimira
BftialHiifei*'-...-.*T^t ,Titt! **
rj
XAROPE
BE CASCAS de LAMNJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimrco,
B 3UACEUTICO DA tSCOU SL'PKRIii H DE r
Esie xarope, legularisando as funecoes do estomago c intestinos, de.-i-oc evo
tadifinosiedes pioicubrmcs, c faz abonar as molestias rcs. Hedan e docutvs tom reeoabeeido 4:11; resttbelece ss intiigrsidr*, ftamita
desapparecer os pesos :l estomago, que calma as euaqaaeas, eapa um, atimbran,
inte sao resultado de ''ifiopions penosas. Sea cosi agrnttavel < faciii laile rum r;
kc soporta, o icm Mo aiiu>iar como espet ico maUiml d is itocitoMS Rr*wmi .
gi itri is, juriialgias, clicas de estomago e U tMninliat, ;>.;/,-:.<.', J,.... wtu de
":o, vmitos veri-otos; sua acole sobre as fuacedes av-imiarioras 6 lal. rjun os
mdicos mais Ilustres o tcm adoplacB por toscipicule real u, dous ptitdrua
agenics tbcrapcuiicos: o lodureto dr. Potaua e o Proie-lodureio de fuo, nnda
observado que debaixo de sua influencia, o primsiro perde sua aci.'io inianie, e o
secando sen eft'eilo acistringentc.
XAROPE DEPURATIVO
Da cascas da laranjas amargas com lo-
dureto de potassa.
O iadurcto de poussa, adininisirmlo cm
olunao 011 debaixu da forma solida, eaaaa ao
liocp itma graiuie repugnancia, ou aotcn lina
accidentes que o bn.o renunciar a esta
ledietols cficaz.
t'nido |)arcm ao Xarope de cascas de lana*
jas, elle nao causa ncm gastralgias, ncm ;. r-
XABOPE FE.RUGIB0S0.
De cascas de laranjas amargas com
proto-ioiimo de ferro.
A assecUt;" d wl fprm .o Xar.>R .1? cas
cas de laraij.i:: i lamo hMs rafjnnal qnaaM
que i'Sl varu^p. eii,iicjic! > sai, nara csi.iim-
lar o apa lito, actifa a eeor strics, e in Bn ruQlUiija a-^ laa {> altd-
\ mina, neutraliza os uiio) etTciuis dua D rru-
lurbataa do estomago c iutestinos, e (tacas a
esta salvaguarda, os tralamentus depurativos
sio continuados sem interrupcao, n.is affec-
r.ees rscrnfutnsas, tuberculosas, canceris e
as tecundaritu e terciarias, mama reunm-
IMtSMtt, aas quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dos? est definida de tai mancira
que o medies pode varial-a a sua tout.-.de :
0 frasco: 4 fr. SO c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE estfto senipce ein frascos wpeeMa
(nunca cm melas gar/aiu nem era frascos redolidos;. Bxp(tdi^G< s: en ca.s
J.-P. LAROZE. rae des Lions-Saint-Paul. 2, Paris.
Ra do Imperador n. 38, botica franceza.,
gicosM e dos loduiTtis (scao de sabisa, pri-
aao da entre, darea pipMripaal edi quima
que f'u-ilita sua nhsorpcSO. DiSMilti^ tw
Xarope, elle s tama e a* ansanrta farnta......
por achar-se no astado puro i:i.!> a*siniila\ii(,
aasaim pode continuar-se a cura d pfttiidez,
rorriaientos bfancoa, aueinia, sffaec4oa eatrw-
fulosas e racbilismii:
O fiasco 4 fr. 50 c.
=P O
DE
J. VIGNES.
V. &&. RA DO IMI'I !lWOK K. fto.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conheridos para qse seja necessaro insistir sobre *
sua superioridaoe, vaitlagens e garantas que efferecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido resta praga ; odo
juindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
iissimo para o clima este paiz ; quanlo s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de 1. Vignes, em cuja capital foram serapre premiados em todas as expesicSes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas do
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
preces commodos e razoaveis.
MULTOIHO MEDICrailGICO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
HEDICO, PARTEIRO K OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
lloras da manb5a, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio b.a sempre o mais appropriado sortimento de carteira-
lubos avulsos, assim como tioturasde varias dymnamisac5es e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 12(J000
> de 24 tubos grandes. 18(J000
de 36 tubos grandes, 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de60 tubos grandes. 350000
Prep.ira-sc qualquer carteira conforme o pedido que se Qzer, e com os remeJi
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia on?a 10"OO.
Sende para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 fis.
LITROS.
A mellior obra da homeopatliia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
ions grandes voluntes cam diccionario............ 'iOSOOO
Medicina domestica do Dr. Bering,........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes.............
Diccionario de termos de medicina ...,...,,..
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Manteiga franceza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
]560 rs.
Ameadoas
doufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 alibra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
teans velaos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados nese ultimo vapor a 206oo.
QnelJos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas in^lezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qnalquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a 111ra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarr5o, talharim e aletria a
480 rs. alibra.
COCiAC
o muito afamado cognacPal Brandy a i,8oo
rs. a garrafa e de outras mu i tas qualida-
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
coro*
lapidados para agua a 4,5oo e S.ooo rs. a
*2*ZttttS
5 o 5&S.E s o -
6 S E: = e K
& ~ *'$"' >.%&
SF8- ig-il
tnSAS
Iii 8
"sIIbF:!!11
SPS-SSrBSS:
oss'ia i s;
O '_ C*.~3 tt^ U
?S S O" i -:o:'S BIS _
Ls|l3flv2.i8ltfi8a
r*?|?^J||ai"W&i
i"?:?!? sgfS'is^ag
rji *~4
S g.

ls;ls&8l|ITg
-:5ii>tig|iitsB*s
g o-g 1- l 3 3l
C o s o o
BSS"fFH
B
1
3.N
c"_ <
rilir
rl" bpi=
Fe. *3s?
< > S c -' 2- "=
^iillPl
s-k S.5 2 o.r
2 ? ? 5 5 t t '
en
o
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.'
Papel de botica
6*w> de excellente qualidade a 20200 a resma,
30000 PAPEL
Os remedios deste estabelecimento sao por domis conhecidos e dispensam portan-; azul e pardo para embrulho de 1 4oo a 2 2oo
to de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-! rs. a resma.
dadeiros,energicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, notaveis pela sua boa conservacao, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanlo a maior ener-
va e certeza em seus effeitos.
Casa de mude para escravos.
Recebe-se escraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o qoe o anaunciantejulga-se suficientemente habilitado.
0 tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre annns, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdem ser -consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doeates.
Paga-se20OOO por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500..
As operacoes serio previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
4.400rs. alibra.
Viaagre
l'RR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Vende-se na ra do imperador botica franceza n. 38.
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, emeasa de S. P. Johnston A C,
-llins e silh5esing!ezes, candieiros e casti-
'.: esbronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
'licoles para carros e montara, arreios para
./rros de um e dous cavallos.Je relogios de
Mitro patente inglez.
mmm iitiiiii
^ Fabrica Ooncei(#o da
Z Baha.
Andrade & Reg, recebem constante- S
ente e tem venda no seu armazem n. 91
;-jj 34 3a ruado Imperador,algodao d'aqael- ^
5 U fabrica, proprio ;-ara saceos de assu- (S
nBj cr, emhahr aieodao empluma etc., etc., ^i
|gg polo prei*o mais razoavel.
DROGARA.
34Ra Marga do Rosario34
5ltrthlmeB Praiisc* dcSouza k C.
Ven lera:
Aiido actico ouro pAra retratistas.
I'jsmaltfls oara oarives.
Paoel para forrar casas.
1uarnic5>s avelludadas.
Tinta branca superior cm lata.
Alvatade Veneza, fino, fin pie.
JTTENCO.
V'ende-se nma taberna bem afrognezada pnra a
sita na travesja do Pocoho n. 37 : a tratar
cm Jos Joaqnlm Alves, na rna Nova n. 69.
Noarmazemde fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Ra do Qaeiaiado a. 19.
Vende-se o seguale:
Lences de panno de linho
pelo baratissimo prego de 2*1400.
Lenges de bramante de linho
Je nm so panno a 35500.
Coberta de chita da India.
pelo-baf4stmo preco de 24500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 25 a duzla.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas
propria para saia, a 4V
Pegas de cambraia de forro, a 20600.
Esteira da India
propria paraforrarsalas.de 4, Se 6 palmos de lar-
gura, por meaos prego do que em outra qualquer
parte. ,
Toalhas alcochoadas para maos
5-5 % du?.ia.
L5azinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 600 ris o co-
vado.
Laazinbas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a 560 ris o
covado. neste armazem de fazendas se encontrar
am grande sortimeoto de roupa feitae por medida
-----------------------------^______________
Estfffyi larga
erjperior a 360 rs. a jarda^a lra 'a 460, e estrel-
la a 240 rs. a jarda : na lojada ra da Madre de
cjeos n. 16 defronie da gaarsfTda alfandega.
rCiiales de renda preta e bournus de guip pretoj
A' leja da roa do Crespo n. 17,
DE
JOH1 CUMIES TILLAR
Vende a 13J, 20, 30*, 405, 50* e 695, capas c casacoes de gros pretos,
e chapelinas de palhae outras muilas fazendas proprias para a quaresma.
Jos Gomes Villar pretendendo ir a Europa Uaar de sua saude espera
devedores tanto do mato como desta praga saldem seus dbitos quanto antes.
FABRICA DE CHPEOS DE
v 2 3 Rna Xova esquina da Camboa do C'armo e rna do
Cabilla n. 8.
A directora desse estabelecimento o mais importante que existe .ncsle ger.ero
as provincias do norte do imperio, querendo que o publico desta provincia goze das
vantagens que proporciona a fabricagao cm grande escala e directa relajo com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender anda mais barato
do que do costme como demonstra a seguinte tabella :
Chapeos de sol de panno a 2(000........
armago de baleia a 2<>500 ....
de seda armago de ago inglez de 20 pollegadas
U, Se 24 5fl, de 26 55500 e de 28 66......
Chapeos de sol inglezes a balJo 12 varetas, cabos mtiito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 8$, de 26 96. e de 28 106.
dem dem a balSo de 16 varetas palent paragon de fox de 24
pollegadas 115, de 26 (25, e de 28 136
Descont em duzia.
20 /o
10 /
lo /o
15
/0
15 o,'o
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam de alpaka, dijos de brim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os qtiaes s5o to vantajosns como os annunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de '"aga, os quaes vendem-se i?ualraente em porgao e a retalho, notando porm
| que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
lliar pelo prego qu*_o estabelenmejito retalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia serao considerados como
a retalho,
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o hunco
o mais novo do mercado a 14o rs, a libra,
e 46400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 16000 ocento na ra do Que:-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
(RiO DE BIC0
muito novo a 35400a arroba e 140 rs. a li-
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
. QUEIJO SUISS0
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Quemado n. 7, na do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
#. S PfPretarios do grande armazem o Verdadeiro Princioal Haram
ffiamL'It"publiM ?"> ?""" "^"'^^^T,^
upuiaram os mesmes pregos nos segumtes lugares: ^^
0 Verdadeiro Principal rna do Imperador a, 40
FARELLO DE LISBOA
arca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 4*500; na roa do Imperador n. 40
macarrao, talharim" e aleiria a 400 rs. a
libra e 45500 a caixa.
Vinhe
Figueira J A A e outras muitas maceas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
25800 a caada. .
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 16 e 14260
a garrafa e de 106 a 125 a caixa, as mar
cas sao as seguintes: Chamisso AFilho,
F. 4 M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito*.
Latas
com 10 libras de banha a 46000.
Bolachinha ingleza
a 15800 a barrica da mesma que l
vendem a 26000 e 25400.
Nozes
as mais novas do mercado a ISOr* .4 bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as ma
cas de 45500 a 66500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outres em
meias caixinhas a 16500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 26500 a 36000 a ar-
roba desses que vendem por 3^400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte d Rio de Janeiro a 865f
e 86800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafdea
com 4 '/i garrafas com vinagre a 15000i
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 16000 o frasco, e de 11500C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 56800 coa
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinba.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo n. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
MaranaSo, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 5*5o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9.3o e
caixa e 34o rs. a libra.
Btalas novas
em caixas da 2 arrobas a 55 a caixa e CO rs.
a libra.
Passas aails ntvas
em quartos e inteiros a 26 o quarto e 61500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pi
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, giaja e
ootros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da toiaba
a 600 e 15 o caixSe.
GOMMA UN NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 3|5C0 a ar-
roba el 40 rs. alibra na roa do Qcei-
mauo n. 7, ra do Imperador n. 40 elario
do Carmo a. 9 8
BOLACHINHAS
em latas de defferentes qualidades a I200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegadosneste ultimo vapor a 25800 na rna
do Quemado n. 7, ruado Imperadorn.
40 e largo do Carmo n. 9.
aos seus
es-
NOVIDADES.
Queijos do Uentejo, ditos das ilhas o mais-frf seo que so pode dese-
jar a 15200 alibra, e sendo inteiro ter algum abatimento. ricas caixinbjf
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato pr cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 16501'
cadauma. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ruado
Imperador n. 4.
*
G/VZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
I 5 a lata : nos armazens da rundo Im-
perador n. 10 e rna do Trapiche Novo n.*s
Vrtndm-se charutos da Bahiade variaTqua
lidades: em casa de Monbard & C, ra do Tra-
piche n. 48.
barricas com gesso
maos.
fiessa
nos armaren? de
Tasto Ir-
FrlJSo.
Vende-se ama r^rcao de feiin
novo a i a rnia, dito preto a 880 rs., dito
do Porto a 510 rs.: na roa Direita n. 8.
i


!


i..-. ." i 'r^
&
V
Mari* de Pcrnambiie* -- Quarta lelra 1 de Har* de 1S&.
$
H NOVOS VESTIDOS DE PHANTAS1A
Cuegaram as moderaos vestidos de dentaUfl de seda coa barra, inleiramente novos
em gosto qualidade : aloja das columnas, na ra do Crespo n. 13, dAntonlo Correia
de Vasconcellos & C, successores de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
Superiores cortes de seda de cor, de moranle, de gorgurao e de selim imperial.
Ditos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de lia com barra e grande variedade em cores e padrSes. c
Ditos de organdys cora barra
Lindas sedas de quadros escosseza e Blindas.
Superiores lilas lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com flores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de flores, fazenda inleiramente nova.
Superiores cassas decores, e lindas rambraias orpandy
Grande variedade de chita de cores, de perralia eoulras muitas fazendas dla-
Para hombres de senhora
Lindas capas e boarnoux de casemira de cor.
Ditas de Ua e de seda.
Grande variedade de soul'embarques de seda de 18g a 40$.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados Anos, de cachimira com listras de
- seda e de Al preto.
Camiiinhas modernas, zuavos brancos e de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
linhas com punlios e outros muitos artigos.
Para cabera de sentara e menino
Superiores chapeos e cbapellinas de palha de Italia enfeitades para senbora.
Ditos de eliro enlejiados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortiment de enfeites modernos de relroz, de froco, de cabello e de flores
para senhora.
Na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonia Correia de Vasconcel-
los 4 C.
CKRAIi KECOJOIESDAX O
MWM CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaquim Simio dos Santos, done deste bem sortiddlarmazemde melbados Taz sclente erag
recounueutlucu tos seus amigos, freguezes e a lodos em geral, que esla resolvido a venderos seus
1(j.u cjuuecidos gneros de pruueira qualiuade.por meuosde 10 a 20 por cento, menos doqueem ou-
na qaalquer parte a dinheiro coutado.e iodo o comprador que comprai t 60 a 100$ terao descon-
t de o a 10 por cerno pelo seu prorapto pagamento; e por isso se faz annuncio de alguns generos-
para com este melhor se certificaren!
.abusas jara sopa raaoarrao, t3lharim e aletria a
t't rs. a libra e em caiza a 5.
l'ouciuUo de Lisboa alvo muito superior a 280rs.
a libra e 8,1800 a arroba.
Dale do Rio de primeira e segunda sorle a 260.280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8j> e
85300.
Chourigas as raais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 1-2.5.
Passas Pimas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caxa a 8.
Batatas em gigos de 35 a 40 libras por 2J400 a ar.
robae a 80 rs. a libra.
Cha hysson miudinho snpe-ior qualidade a 1,5200,
000, SS506 e 3* a libra.
Vlnho de Figneira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
500, 400 e 640 rs. a garrafa.
dem proprio para netroeio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 2,5400 e 2$700.
Mil lio alpista e painoo muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 45400 e 4&200.
Phosphros do gaz vlndos por conta propria a 180
rs. o mago e ta a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga,
lo a 25800 e a caada a 45500.
Serveja das marcas raais acreditadas a 500 rs.a
garrafa e a duzia a 55800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abalimento.
irroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 25800, 2e 25400.
Assim como ha um grande sorlimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas choco-
late, marmelada, vnlo engarrafado eoutros mui-
tos poneros que enfadonho menciona-los, e se al-
guem duvidarvenha ver.
FRANCISCO J. GERMANN
31 RA MOVA N 21
Acaba de receber um magnifico e completo sortimenio dos objecios que de mehoj qualida
de encontrar em orna relojoaria, taes como : cbrononietros martimos e de algibeira, relogios 'de onro
e prata, douradose filiados, ditos para mesa e de parede, francezes, suissos, allemes e americanos,
reguladores de eompensacao, relogios grandes com msica e sera ella, dilo de sol monlados com pecas
para disparar em cenas horas, despertadores de diversos lmannos, caixas com msicas, igual sorti-
manto de oculos e lunetas de ouro e prata dourada e tartaruga, bfalo, ace, e varios metaes, oculos o
lunetas especiaes para senhoras, de ultimo gosto, ditos propros para os que foffrem de inflammaces
nos olhos, tabricados segando os preceitos dos mais acreditados mdicos da Europa e igualmente os de
Pernambuco, os quaes so se vendem por consulla dos mdicos, vldros de crystal branco e de cores,
.oculos de alcance para o mar e onlros proprics para observaeoes astronmica, oitantes e sextantes,
biaoculos para theatro, para mar e para campo, microscopios e meridiano universal, baromelros, ter-
mmetros, calas de instrumentos mathematicos, correntes e chaves, sinetes e trancelins de ouro, dou-
rados e foleadas, tudo dos melhores fabricantes. Eocarrega-se de qualquer concert e encommenda dos
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante um anno por qualquer relogio vendido ou concert
aeito, era seu estabelecimento; e vende por menos que pode fazer outro qnalquer.
Cassas
para
vestidos.
Tal pechincha s a dinheiro se pode vender.
Superiores cassas francezas de cores miudinhas, de quadros, lisas, e de ramagens, com grande
variedade de padroes, fazenda que se tem sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baratissimo prego de
300 rs. o covado : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Corroa de Vasconcellos
& ijomp.
0
Arm
81--RIJA DO IMPERADOR-SI
Segunda casado lado direito indo do palto o lollegie.
Francisco Jos Leite, tem a satisfago de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sonido armazemde seceos e molhados primorosamente escolhido&;
como sempre caoriebou terdas melhores qualidades, efrancamente ffiancas pessoa^que
se dignarem comprar em seu estabeleclmento,que all de preferencia outra qualquer par-
te sero mais bem servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, no que
sempreo aanunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradoresqueo qneiram honrar como seu comitertilhes
assegura que o producto deseu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para o que sejulga convenientemente habilitado pela longa praticncom-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente cumprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultorese negociantesque lbe merecam confianca. fa-
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero dopaiz, mediante urna mdica coromissao, entregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commisso.
Dos seus antigos ebenignos freguezes espera o annuuciante sua valiosa proteccao.fre-
quemando como outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que lbestributa offerece expon-
taneamente seus servidos.
Jul,{a desaecesariopublicar a tabella dos precos de seus gneros: s5o seusrecursos
garanta ufficiente de poder accempanbar os menores presos de idnticos e mesmo de
rmis apparatosos estabelecimentos, tendo somente em vista o augmento de suasvendas
diarias.
i*i*cvenco necessaria.
Tendo sido o proprietar
ci ni mesraa ra, julga pru
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
gimenfo se entregar o
importe do genero que
nao agradar.
attencao AGUA FLORIDA
presos da seguate
tabella para todo, po-
de ndo assim servir de ba-
se para o ajaste de eontas
com os portadores.
ARMAZEM UNI9
MURRAY & LANMAN
A agu Honda de Murray & Lanmsn,
olhada como um rtigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas prepsraeocs
as mais custosas: conserva seu aroma,romo
se formasse parte da prenda a que ella se
applica. Sua efficacia ; to delicada, come
elegantes sao seus multiplicados usos, traer
Senbores e senhoras, o aceio que presidio aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo a promplido e intei- seja empregada como artigo de u.ueadoi.
reza com que serao tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccio e preferencia na com-'quer no uso dobauho, ou como sua\i.-ait,i
pra des gneros que prec sarem, e quando nao possam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes tejam pouco_ praticos, j da pellp., depois que se lenha feito a tai ha ,
pois serao 13o bem servidos como se viessem pessoalmente, liavendo para com estes tod4 recommenda.ao, aflm de que nao vo em ja para limpar as gengivas ou aromai.'sar
outra parte. hlito.
RA DA CADEIA DO RECIFE N. 53
(Logo passando o areo da ConeeicSo)
PARA BE DE TODOS.
Manteiga ingleza especialmente esc< lida a Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
l,ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz' bra e 6,ooo a caixa.
abatimento. Massa para sopa : estrelinha, pevide e rodi-
Idem franceza a mais nova do mercado a 72o nha branca ouamarella a 64o rs. a libra e
rs. a libra e t.80 rs. em barril ou raeios. 3,5oo a caisa com 8 libras.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600 Vinho do Porto muito fino proprio para
rs. a libra.
Cha perola o mais superior do mercado a 33,ooo rs.
2,8oo rs. a libra. Vinho em pipa: Porto, Figueira e Lisboa a
dem hysson muito superior em latas de 13 j 32o, 4oo e 5oo rs. a garrafa, e em caada
libras muilo proprio para negocio a 2,ooo a 2,5oo, 3,ooo e 3,8oo.
rs. a libra. Vinho branco de Lisboa de excedente quali-
Idem hysson nacional em latas de 1 e 2 li- dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa e em cana-
bras a i ,0oo rs.
dem preto o que se pode desejar nesle ge- Vinho branco para missa em caixas de \ du-
nero a 2,ooo e 2,2oo rs a libra. zia a 8ooo e 68o rs. a garrafa.
Linguicas muito novas a 8oo rs. a libra e em Vinho do Porto das melhores marcas que
barril se faz abatimento.
Cbouricas e paios a 8oo rs. a libra.
Coslelletas inglezas a 64o rs. libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo rs., ditos de navio de vella a
2,ooo rs.
dem londrinos muito frescos e de superior
qualidade a 8oo rs. a libra.
dem pratoa 8oo rs.a libra, e inteiro se faz
abatimento.
dem suisso o mais superior que tem" vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portuguezas j preparadas
em lftas hermticamente lacradas a 64o.
Feijo verde muito superior a 640 rs. a lata.
Copos lapidados para agua a 5,ooo e 3,5oo
rs. a duzia. cs
dem idem para vinho a 24o rs., e 2,4oo rs.
a duzia.
Chocolate francez hespanbol e suisso a 9oo,
!,oooel,2oors. a libra.
Espermacete superior a 6oo e 64o rs. a li-
bra e em caixa se faz abatimento.
Peixe em posta em latas hermticamente la-
cradas e das melhores qualidades de pei-
xe a 8oo, l.ooo e 4,2oo rs.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
Sal refinado em frascos de vidro com lampa D suavidade, brilho e elasticidad as
do mesmo a 5oo rs compleicoes, depois de se haver lavado; al-
Cerveia branca das marcas mais acreditadas 'lvia a rritaco deerupces ordinarias; fu
que em ao mercado, a 5oo, 56o e 64o desapparecer o desagradavel aspecto cr-
a amata, e 5,8oo, 6,ooo e6,5oo a du- Pannos, das sardas do rosto, rugas e toda a
79 casia de ebulicoes, e d vigor e frescura a
engarrafar, em ancorelas ele S caadas a Gevadinha de Franca muilo nova, a 2oo rs. parte onae qner que se appnque. Sua eIb-
Charutos do affamado fabricante Jos Parta- ciencia e elegancia sao igualmente infalh
do de Simas, dassegumtes qualidades: veis nos casos em que seja precisa appb-
Exposi?3o Normal de Hivana, Imperiaes, ca-'a como estimlame e antisptico, no.^
Londnnos, Guanabaras, Parisienses, Sus- concursos e assemblas numerosas, as lo-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5oo, 5,ooo, calidades infeccionadas, na alcova de um
6,ooo e 7,ooo a caixa ou em h eias. enfermo, assim como um antidolo excel-
Charuios finos de diversas marcas e fabri- lente para os desmaios causados por cansa-
canies, como sejam: Flor do Norle, Ha- co ou suffocaciio. Prepara-la nicamente
nilhas de Havana, intervallos. Vencedores,; por Lanman Kemp, No va-York, e a venda
Panatellas e Suspiros, a 2,ooo, 2,5uo e por Cao.:s & Barbosa.
da a 3,oo e 8,5oo.
vem ao meroado como sejam : Lagrimas
do Dtmro, Duque do Porto, Rainha de Por-
tugal, Duque genuino, D. Luiz 1, Madei-
raSecca, Malvazia fina a 16,ooo, 15,ooo,
12,ooo e lo,ooo a caixa com 1 duzia e 9oo,
l.ooo e l,5oo rs. a garrafa.
Vinho Cnerex de superior qualidade a 16,ooo
a duziae ,6oe>rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e
64o rs. as meiasiatas.
Bolachinhas ingleas muito novas a 5,ooo a
barrica e 320 rs. a libra.
Bolachinhas de soda em latas
qualidades a l,3ooii.
3,ooo a caixa.
Cognac inglez das melhores marcas, a 8oo e
l,2oo a garrafa.
Doce da casca de goiaba a 2,ooo a lata com
4 libras.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Matte, excelente cha para os -navegantes, a
2oors.
Sebollas de Franca muito grandes e novas
a l,8oo o cento e l,2oo soltas.
Palitos do gaz a 2,2oo a grosa.
de diversas Toucino de Lisboa muito novo a 32o rs. a
libra e 8,5oo a arroba.
Cartes com bolo francez muito propriospa- Banha de porco refinada a 56o rs. a libra.
ra mimo a 64o rs.
Passas muito novas em caixiahas enfeitadas
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de carnada a 8,ooo a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a" 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
Milo de amendoas a 5oo rs.
Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
de Brito no Beato Antonio, em lata de 6 li-
bras por 2.5oo rs.
Ameixas francez s em f asco de vidro com
tampa do mesmo, a l5oo.
Bolachinha Alberto, as melhores que pre-
sentemente tem vindo ao mercado, a 2,ooo
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e cheirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com fructas em calda de diversas
qualidades a 2,5oo e l,5oo o frasco.
Caixinhas com fructas em doce secco de di-
versos tamanhos, muilo proprias para
mimo, a l,6oo, 2,6oo e 3,5oo cada urna.
,Ruibos, excellenle peixe portuguez, em
barris pequeos ou a relalho, a vista se
far o prego.
das que vem ao nosso mercado a J.ooo e Amixas franc zas em caixinhas de diversos AzciUnas de Rivas em ancoietas grandes de
8,ooo a caixa e 01o e 7oo ris a gar- tama los com bonitas esta pas na ca- 8 garrafas por 600 e 800 rs. a gar-afa.
rala. ''xa exterior, a l,4o>, l,6oo, l,8oo e 2,ooo Azeitonas portuguezas a 5oo rs. a garrafa e
Genebra de Hollanda a 48o rs. a botija de cada urna. l,5oocada urna ancorela.
conta certa. Azeite doce refinado hespanboloupurtuguez Champagne da melhor qualidade que vem
Frasqueiras de genebra de Hollanda a 6,800 a 9.>o rs. a garrafa e lo:ooo a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
e 64o rs. o frasco. ; Batatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo 24,ooo e 26,ooo o gigo.
Genebra de laranja verdadeira em frascos o gigo com 3rt libra-. |Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
grandes a l.ooo el l,ooo rs. a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e a libra.
Caf do Rio de Ia qualidade a 28o rs. ali-; 8,5oo a duzia. Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
bra e 8,5oo rs. a arroba. Va-souras de escova para esfregar casia rs a duzia.
Caf do Cear muilo superior a 24o rs. a li-; 4oo rs. \ Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
bra e 7,5oo rs. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra. Balaios para roupa suja, grandes e peque-
Arroz do Maranhao de Ia qualidade a loo. Molho inglez em garrafa de vidro com rolha nos, por diversos pregos.
rs. a libra e 2,8oo a arroba, do mesmo, a 16o rs. ; Amendoas confeiladas a 64o rs. a libra,
dem da India a loo rs. a libra o 2,8oo a Mostarda ingleza dos melhores fabricantes, Latas com fructas em calda: pera, pecego,
a 800 rs o frasco. damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
Mostarda franceza em potes j preparada a rs.
loo rs. o frasco. Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
Lentilhas francezas. excellente legume para fa ea l,4oo e 2.000 rs. a caada.
Jo5o da C. Bravo & C.
Vendem-se noRecife em casa de Caerse
Barboza e Joo da C. Bravo & C. _______
HHT4M8TWS.
Obra absolutamente propria para tu-
Ireteni meato.
Achara-se venda, Da ra do Imperador n. 15,
defron'ede S. Francisco, os sefuinies testa melos:
da Gallinha, do Gallo, do Cachorro, do Porco, fa
Per, da Onca Tigre, do Vparia e do Leo ; a Pe,
leja da Alma", S. Miguel e o Diabo, 160 rs. cada
um ; aproveilem em quantn lempo. Igualmente
ha venda cartas de A I! O, taboadas, pautas, e
eutros objectos propros para as escolas.
arroba,
dem de Java
roba.
Painco e alpisla
arroba.
a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
a 14o rs. a libra e4,oooa
sopa, a 2no rs. a libra.
Massa de tomates de superior qualidade a 64o Marrasquino de Zara propriamenle dilo a
rs. a lata de urna
lho.
libra e56o rs. a rta-
la a garrafa e 11,00o a duzia.
Palitos de dente a 14o rs. o maco.
Azeite doce de Lisboa a 4,8oo rs. a caada
e 640 rs. a garrafa.
Vinagre branco j engarrafado a 000 rs. a
garrafa.
S D f LG
Sfrn Coa "
&B 5
b5!
J.
< c-. c
a *-
_c-tt o
ot asi a s
O o P =5
. o-
S5 3 -
- IO (t
It BSS
r s c
o-
=
to C
u.
CD
a
pi
JogB
iBfl'J
B <=> "* S <=
-i


D
ce,
c d r.
ti
B<"3 o. "
t o o ec -j

ttenco
\ova loja de fazendas e roupn
feita nacional, roa da Impe-
ratriz. loja de 41 portas n. 1%
Chitas da loja n. 72.
Vendem-se chitas finas a 240 e 280 o covado.
ditas francezas finas a 320, 3(10 e 400 rs. o covado.
cassa franceza fina a 320.3C0 e 400 rs. o covade.
gastabas para vestidos a 360, 400, SCO e 60 O
covado, pecas de madapolao fino a 6, 7, 85 e
95, pegas de algodo a 55, 65 e 85 : ra da Im-
peratrfi n. 72.
Roapa feita nacional
Vendem-se paletots de panno fino a 145, 1^5 e
185. ditos saesos a 65,85 c 105, ditos de casemira
de cores a 65, 85 105, ditos de brim de cores a
25500, 35 e 4?, calcas de casemira prela e de co-
res, colletes e caigas de hnm de cores a 25000 e
25500: ra da Imperatrlz o. 72.
Sonlamliarque a S-j.
Vende-se soutamharqne de laasinha a 75 e 85,
ditos de alpaca branca a 85 e 105, dicsdepros
denaple preto a 205 e 2">3, capas prctas de. pro>-
denaple finas a 205 e 255, panno fino pretn a 25.
i, 45 e 55 o covado, casemira preta a 25. 25500
'5, grosdenaple preto para vestido a 15600, 25
25500 o covado : ra da Imperatnz n. 72.
Corles de 1:1a laria Pa a IOS
Vendem-se cortes de vestidos a Mara Pa a 105,
145 e 165, cortes de cassa franceza a 35, corles
de hrim para calca a 15600 e 25, ditos de caso-
mira de cor a 35, ditos de dita prela a 35500, 45,
55 e 65 : ra da Imperatrlz a. 72. Este novo es-
abelecimento vende barato para obter freguezia :
na ra da Imperatriz, loja n. 72.
.GEPCIi
DA
FNBIClO LOW-MGGfi.
Roa da Senialla nova a. 42.
Neste estabelecimento contina a havtr
am completo sortimento de moedas e rneis*
moendas para engenbo. machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C
ra da Senzalla Nova n. 42.
4TTEN(!0
' ]^^iT%7S^J%!*m ^ raP0QSab"IM P6l 'D< tos ob,eclus Derleceles ao L. rmn ,, emno.
8i-muA no im per ador-si
Segunda casa do lado direito indo do pateo 4o Collegio
Potassa da Eussia
Acaba de chegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da Russia, e veBde-se a preco commodo: no
eecrlptrio de Manoel Ignacio de Oliveira & PHbo,
Jargo do Corpo Santo n. 19.
P0T4SS4
Vende-se potasa am barris a commedo prego o
na rna da Cruz n. 23, primairo aadir, eseriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
AO
NOVO ARJLVZEM DE MOLHADOS
M. 18Rna do Cabngn. 18,
Defronte da matriz de Santo Antonio,
DE
Lima & C.
O proprietario deste novo'estabelecimento avisa ao respeitavel publico, que acha-
se prvido de um completo sortimento de molhados e seceos, lodos novos e por precos
commodos. r
O proprietario nunca quiz anminciar pelo jornal a existencia de seu estabeleci-
mento ; porm, como fa/.-se necessaria a noticia aos senhores de engenho e agricultores,
que mandam seus portadores directos a esta ou aquella casa, motivo pelo qual os pro-
pietarios o fazem agora
sea estabeleci-
seccos e ou-
tros objectos perlencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos serao menos 5 por cento do que em oulra qualquer parte, e para
este im chama-se a attencao de todos em geral.
Os pesos e medidas, e qualquer engao dado na casa, sero garantidos pelo dono
em favor do consumidor, em qualquer occasio que reclamar.
Os ,proprietarios desie novo estabelecimento esperam dos seus freguezes, e do
publico em eral toda a protejo, prometiendo Os proprietarios da Flor dos Progre-
sos tirar tSo stnente um lucro razoavel do laborioso trabalho, com que possam dar
cumprimento a esta ardua missq.
Aihando desnecessaria a publicaco dos precos minuciosamente explicados de
seus gneros, eom o que geralmente todos fogem, pelo motivo nao somente de ser enfa-
donho, como taimem por nada valer, os proprietarios tm somente em vista entreter s
seos consumidores com gneros novos, e precos mais razoaveis do que em outra qual-
quer parte, pois sero as garantas para a prolecco ao Novo Armazem de Molhados.
FLOR lUO*.RI S*0*.
BOTICA E DROGARA
Bartholomeu Francssco de Sooza & C.
34Ra larga do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway
Pilulas do Dr. Laville. '
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilulas do Pobre-homem.
Pilulas*ameriranas.
Pilulas wgetaes.
Pilulas vegetaes assucaradas de Kenp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha deCh Albert.''
Injeccao FVaugas.
Agua dentifica de Desirabcde. )
Papel chimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Lleor aromtico de Raspall.
P1? anti-epileticos deBrest.
Rob L'AfTecteur.
Xarope do Bosqne.
Ungento Holloway.____________________
Rna da Senzalla Fova n. 43.
Neste estabelecimento'vendem-setachas dt
ferro coado libra a|HO rs., idem de Lo
Vfoor libra a 120 rs.
Feijo
Na rna da Madre de Dos n. 9 vende-se fefjo
mulatinho. dito I raneo, e dito preto, mls barato
do onn em ontra qnalqner p'att*, approveitem a
peehincha que a qoaresma bale porta.
ESCBAVOS FUGIDS.
. Aviso
aos capilaos de campo e a polica.
Desappareceu em pjincipio do mez de ootnbro
do annb ^assade, de bordo do palhabnte nariorai
Araujo Malo, dous escravos de nomes Roberto
(por apellido Macei), e Miguel ; o i de idade 4o
annos, pouco mais ou mecos, rri-ulc. cor fula,
estatura baisa, barba serrada, um penco torio das
pernas, e com alguns cabellos brancos, tanto na
-barba como na cabera ; o 2" alto; cheio do corpo,
sera barba e falla grossa, representa ter de 2o a
30 annos, cojos escravos desconfla-se andarem pe-
los arrabaldes desta cfdade : qoem os apprehen-
der queiram levar a rna do Trapiche n. 4, que
ser generosamente gratificado._____
Vonde-se a casa terrea n. 93 da rna de Ma-
thias Fermra da cidade de Olinda : qoem a pre-
tender dirjase a tratar nesta eldade na roa Au-
gusta n. 89.
Escravo fgido.
Desde o da 12 do correte qoe se ausenton da
casa de sen senhor, ra da Alegra n. 9, o escra-
vo pardo de nome Aodr, idade de 40 annos, pern-
eo mais ou menos, baixo e cheio do corpo, com
marcas de bexigas, barbado, com passa pirlho, e
quando olha parece querer fechar om olho, quan-
do anda inclina a caneca para um lado, tem ca-
bello castado e osa de banha : este escravo vrio
cerca de dous annos da provincia do Cear em-
barcado: muito ladino, tem a falla muito des-
caneada, e falla sempre com multa moderacao e
humildade, consta que anda pelo bairro da Boa-
Vista para a Soledade, caixa d'agua, e ra do Gis
co, tambem tem sido vislo uo Recife e Santo An-
tonio, mas poucas vezos : qoem o pegar pode le-
va-lo casa cima mencionada, que ser genero-
samente recompensado por seu senhor Jos Anto-
nio Bastos.
Moleque
Nodiai8 do corrente ausentou-se da casado
seu senhor o moleque Crubiano, de 14 annos,
tem o rosto do lado esquerdo com pequeas man-
chas amarellas, levou calca de easemtra aznl, e ca-
misa de chita cor de rosa, o cabello cortado ren-
te, e foi comprado no dia 16 do corrente ao Sr. ea-
pitao P. Angugto Cavalcante fie Alhuquerque, se-
nhor do engenho AlbuqneYquena comarca de Na-
lareth, de suppor qne sepuisse para aquellas pa-
rageas, e por isa se recommenda as autoridades
policiaesa sua apprehensao, e lvalo na Capoaga.
padaria do Sr. Bastos, que generosamente se re-
compensar toda despeta.

i
I



m

H
Diarlo de Perfiitiluico (triarla lelra 1 de Uar LITTER ATORA.
A Ogiva sombra.
(cont hhantastico)
Sem duvida, no lempo da mais
bella flor da architeriura gothl-
ea, qnando fui coustrnida a cathe-
dral de Colonia, lipa va-se una
grande importancia a estes rutine-
ros simblicos, porque a concep-
go anda confusa das ideas ra;io-
naes, cciilenta-se fcilmente cem
estes signaos exteriores.
hegelEstethica.
A cathedral I a creagao suprema da edade m-
dia, em que a arte pelo senlimeoto, em urna stro-
1 he de podra, sabe concentrar o espirito radiante
, do Chnslianismo, pela forga audaciosa do symbo-
Ella reprsenla a aspirado incessante da al-
i a (jue se eleva para o ceu ; ella como a esposa
das cantares, que espera em silencio a visita do
auiado, e se veste de suas gallas e realca d'encan-
i..-. A curva suave da ogiva imita uns olhos lan-
piidos, urna pupilla scismadora, enleiada naquellc
cx!:i>is sensual do amor divino, que Thereza de
feus senta nos seas delyrios myslicos ; asflexas
atrevidas, liradas para os ares, a linhaa infiniti-
var-se, a perder-se no espago, as agulhas bordadas
i eudadas, sao os cabellos dispersos, fluctuanles da
Conzelinha, que se assenta cansada de errar pelas
breabas e em volla Ja cabana dos pastores bus-
ca do amado, A cpula altiva, representando
a melle momento em que a alma se desprende dos
Unios terrenos e se absorve toda na myslica uniti-
va, o eolio, que o poetados cantares comparava '
torre de marfitn que oltia para o occidente, e cu-
ja magestade semelliante da la que se alevan-
ta. Migue! Angelo chama tambera a urna egreja
as efusoes do seu pantheismo artstico, mia
tpota.
Cada monumento antigo como urna fronte ve-
neranda, enrugada pelos seculos, animada por urna
expresso profunda. Essas expresses a lingua-
gem dos evos, creada pelo espirito que nao pode
c mtemplar um fado, acreditar na sua existencia
iJepcndentemente de urna idea, de urna razito de
sor que procura acliar n'ello. E' a fatalidade do
onygmadasphinge. As cathedraes gothicas ret-
i. :n quasi sempre a legenda pia, om a legenda,
grotesca e diablica ; ellas sao como a incerteza da
alma que pairunccrta entre a possosso e eexta-
is. Urnas rezes, sao os aojos que vem de noute
trazer dalonge grandes molles para a edifieacao da
fabrica, que lavram a pedra, que alevantam o
(uosteiro. E' a nspirago doanonymo as gran-'
dos obras. As vezes, o diabo, que com a mira
cm dilatar o seu imperio faz ludo, e transporta pa-
ra a conslrucgao asraelhores pegas que nmbade'
outros monumentos, como urna columna do templo
de Diana em Ephcso para o templo de S Zeno i
emVerooa. A alma doarchitecto est retratada
na sua conccpgo ; receiando de suas forjas para
roalisir o idea! sublime dos sentimentos do chris-
tiabismo nos blocos de marmore para que cria
urna forma, nao teme evocar a potencia das trevas.
as ojivas escuras, soturnas das calhedraos go-
thicas, nos arabescos extravagantes das janellas
e^guias, nos monstros buqui-abertos que serverrj
de goteiras, nos masthodontos Informes dos pedes-
laes, refbele-se cstaallianca do mysticismo goelico
Ctn o mysticismo divino. Muitas vezes a cathe-
dral tem o mysterio de um symhelo que se mobi-
lisa para seguir os sentimentos da humanidade ;
com as invasoos e descobrmcnlos martimos ella
toma a forma de um navio voltado para o oriente,
u'unJe llie vem a luz ; lambem imita tima cruz es-
tendida ao longo, como na nossa maravilha de ar
chitectura a Baialha, o poema da crenca e do he-
rosmo do um seclo. i
Estamos em plena edade media. A noute era
caliginosa e ttrica ; o coriscar frequente dos re-
lmpagos, o rimbombo soturno dos trovoes reper-
cultadc-se distante, e o restrugir medonho da flo-
resla, complelavam as harmonas nlraduziveis da
lempestade. A alma, diante deste espectculo es-
tupendo na natureza, senta urna pressaoque a f.v
zia concentrar-se possuida do sentmento do infi-
nito, a que os homens que tudo indagam e submel-
tem s formulas metaphy-icas chamam o skWi-
me.
Yia-se alravez da escuridade absoluta das horas
monas umelarao incerlo, como de urna alampada
veladora. Sera algum discpulo de I'laniol ou de
Lulo absorvido pelos my.-terios da alebimia, sub-
metlendo a mater a, inlerrogando este Proteo i
eterno, que, a cada pergunta, o-lenta urna forma
diversa, e responde de mil mojos ditl.-rentes, sera '
que cheguem a surprehenJer-lhe o segredo de sua
simplicidade I Seria um monge silario enlevado ',
na paz ignota da vigilia, procurando no silencia da
noute elevar-sc pelo coraco at Deus ? A l;v.
prrava da janella do aposento humilde e sombro-
Dentro, sentia-se o respirar cansado de um peilo.
oppresso, a alampada espalhava em torno urna pe-
numbra onde fluctuarn as visageus caprichosas
de urna mente tresvalada, evinha reflectir-se pal-
uda, descorada sobre o rosto macilento, em que
os gestos davam urna expresso incomprehensi-
vel como os pensamentos que o agitavam. Via-se
naquelle rosto impressa a anciedade dos que pe-1
uetram pela intuco a verdade de um problema
insoluvel, e urna distragao leve lhe fez esqnecer.
Sobre urna mesa estavam pergaminhos extensos^
desenrolados, cobertos de linhas cabalsticas, com ,
que se evocara os espintos nocturnos, compassos e'
astrolabios, espheras e mappas.
Era all que mora va meslre Gerardo, o architec-
to da cathedral de Colonia. Eslava contemplando |
o trabado da sna obra ; a physionoma aoimava-se-
Ihe de quando em quando com urna luz, um res-
plendor vivo de transflguracao, como n'um xta-
sis em qne o ideal se deixava tocar, determinar
em urna forma s concebida pela mente do homem
Os cabellos audavam-lhe revoltos, espalhados so-
bre a fronte, como as convulses de urna sybilla
quando entrev o futuro, o sent o influxo vertigi-
noso que lhe dita o vaticinio. Depois, urna sombra
espessa, como de um desgosto repentino, vein of-
snscar-lhe a srendade que se lhe espelhara na |
fronte, em que os annos redobravam a magestade.
N'isto levou a mao cabega, como para snster o
peso de urna idea que lhe occorrera :
A arte I a arte ella que me vem deseo-
brir estas linhas que e.u trago no marmore, e que
bao de ser a admiracao dos seculos. Ella vem-me
ensinar este segredo do ornato, a variedade dis-
posta de modo, que leva o espirito unidade do
pensamento.
A arte urna religio que inspira tambera una
f viva, ardente, intensa, e d forjas para affrontar
a duvida, que cerca e pnnge o espirito creador.
Um dia duvidaram de mini, nao imaginavam que
eu podesse levantar essa molle de pedras, urna ca-
thedral representando o vo mystco da alma I Ri-
ram-se do plano da minha obra \ Eu tenho pensa-
do das e noutes, como na virgem eleila dos sonhos
da mocdade. A cathedral I ella appare-me na phan-
tasia, illumin?da por nm sol brilhante, que tras.
bordando de msicas e harmonas suaves, perfu-
mada di iocenso, revestida de purpura, recamada
de oir, como a loiva que se veste para entrar no
aposento do real esposo. Cada pedra que se vae
dispondo, cada arco, cada pilastra erguida, a
ponta de um vu que se alevanta e me deixa v-
la, sonha-la idealisa-la sobre essa realidade Incom-
pleta. E' como a ierra que vae apparecondo vaga-
rosamente ao uauta causado das tormentas, me-
dida que seesvaece o nevoeiro da madrugada. A
cathedral I a cathedral I eu sesmo e estremeeo
diante della, quando a contemplo ; snto odelyrio
do artista grego apaixonado pela verdade que ia
descobrindo o seu esenpro.
Ella parece-me urna fada escondida, e que a ar-
te me dcscobre o segredo para quebrar-lhe o en-
cantamento, e mostra-la altiva, bella, radiante ele-
vando-se para o alto n'uma ascensao divina. Eu
quera v-la suspensa nos ares, servindo-lhe as nu-
vens o os cmulos alvacentos de pedestal I Agora
ja me nao inspira terror o desdem dos meus inl-
mlgos ; descobr a ultima strophe do poema da mi-
nha vida, hel de confundi-los, faze-los curvar-se
adorando-a : o zimbono, a cpula arrojada s al-
turas, semelhante ao vo exttico da alma at a
absorpgao em Deus.
Havia nestas palavras a ribrago frentica do
delyrio ; ruestre Gerardo de Colonia licou silencio-
so, como na proslracao dos fortes impulsos que lhe
dera a alegra. Os olhos brilhavam, humedecidos,
scintllanles, exprimindo o regosijo intimo da con-
teinplacao da sua alma. E tornou a inclinar-se so-
bre a fulha de pergaminho, a recompor na mente
as linhas que ali tragara n'um momento de inspl-
raco. Depois, impellido por um novo accesso de
c-uthusiasmo, arremessou de si o tragado ; es olhos
llammejaram coruscantes, pareca que estava
doudo :
Eu quero mostrar assim, que as confrarias
dos obreiros constructores do Strasbourg, de Vien-
na, de Zucich e de Madebourg nao podem disputar
a proeminenca a Colonia.
Todos os obreiros e artiGces da Baixa-Allema-
nha hao de reconhecer em mim a supremaca do
chefe. Que importa que Strasbourg queira ser a
sede da grande meslria ? De que vale a homena-
gem prestada pelas confra'ernidades maromeas da
Alta Allemanha, de urna parte da Franga, da Hes-
se, da Suabia, de Thuringe, da Franconia e da Ba-
viera ? O zymboro da cathedral ha de erguer-se
bem alto para a admiragao de todos.
E calou-se de repente, como envergonhando-se
diante de si mesmo, de se haver deixado possnir
daquella vaidade. Depois continuou com dor :
Qtiantes monumentos estupendos, quantos
obeliscos gigantes, que assombram as edades, e
que mostram o poder creador do homem, compe-
tido com ai creagoes de Deus, quantas maravi-
llas espalhadas pela superficie da trra, e que o
architecto nao quiz que se soubesse o seu nome,
com urna abuegago sublime da gloria do mundo !
Eu, que ainda nao complete! a minha obra, que a
tenho ainda na cabega, nem sei mesmo se chegarei
a realisar este sonho, se terei a forga de Athlante
para suster nos ares a cpula audaciosa, eu, mes-
quinho. ufanme, ensoberbeco-me I
O genio nao tem consciencia de si, nao conhece
o poder mgico de que dispoe, por isso nao se in-
fata. O que a gloria do mundo ante a gloria ce-
leste Illusao que nunca chega a ter um momen-
to s de realidade ; urna nuvera tcnulssima que
tolda o uzul diaphano do empyreo. Para a alma
do que presente os encantos do cu, a gloria do
mundo una tentagao dolorosa ; um martyrio in-
cessante porque entao para ella vida como a
luz vivid* da alampada, que se consom no silen-
cio da noule diante da emagem veneranda; assm,
a alma procura envolver-se no olvido, no esqueci-
ment de s, para resplandecer raais pura.
Os legendarios esto cheios destas lulas violen-
tas com os sentimentos mais profuudos do coraco
do homem. Um dia Rubens estremeceu attonilo
diante de um quadro escondido na penumbra de
um coro em urna egreja hespanhola. o quadro era
um mysterio quasi irapossivel de ser traduzido, di-
vulgado pelas cores sobre a tella. Era a morte do
justo.
A expresso mrbida do rosto macilento, urna au-
reola divina difTuolndo-se em roda, a alma an-
ciosa pelo jubilo do cu a exalar-se docomentc, co-
mo o ultimo raio do sol da tarde, e por sobre a ca-
bega os amigos debrucando-se das alturas a con-
templaren! o monge na hora do passamenlo Era
urna Iran.-ligurago sublime, a idea mais bella, a
que resume todo o chrstianismo revelada pela ar.
le. Quando o grande pintor voltou a si daquelle
xtasis imprevisto, senliu-se pequeo aop de urna
creago lao perfeila. Pergunlou ao monge que o
conduzia, que pincel realisara tamanha obra, para
"'-"frssar-so seu discpulo, e proclama-lo admira-
5 u do mundo. O monge sentiu um estremecimen-
to convulsivo e respondeu-lhe apenas : Nao
jado mondo; e quando elle voltou sua celia
juntou os pinceis, a palheta e langou-os na corren-
je de um ribeiro que dcslisava manso falda da
tanella, e para esconder as lagrimas que ainda urna
vez lhe escaldaram as faces relindas na palidez
da penitencia, foi procurar conforto na orago fer-
vorosa. Como nao teria tambem e>ta energa pa-
ra luelar comsigo aquelle que escreveu na mudez
da celia um lvre de resignagao e consolo, a Imi-
tacao de Christo e que abnegou dessa gloria para
nao torua-lo urna mentira 1
Meslre Gerardo de Colonia Acara obsorvido em
urna meditago em urna meditago profunda. A
terapestade continuava solemne e grandiosa na
mudez da noute. Sentiu um leve rumor no aposen-
to que a contengao de espento, em que estava
mal deixou perceber. Preslou ouvidos. Uatiam
porta.
Quem ser ? assim to fra de horas I e
correu os rerrolhos. Enirou urna figura alta, em-
bugada em um gabinardo longo, o rosto assom-
breado pelas abas de um largo cbapeirao.Quem
sois ?-disse-lhe o architecto,preocupado ainda na
sua abstragao.
Sou urna irmaa da confraria dos obreiros
constructores de Strasbourg ;-tornou o deseo-
com urna voz soturna.
Entrai.
Sentaram-se contemplndose um instante silen-
ciosos.
A qae rindes ?
" O que me traz ?redarguu o desconhecido
com um tora de eronia acerba,deves sabe-lo me-
Ihor do que ninguem. Confias no Zimbono da Ca-
thedral de Colonia, para quereres assim submelter
tua supremaca a meslria central de Strasbourg.
E' impassivel e cnimenca esta tua louenra. As
grandes lojas querem todas a independencia De-
raais o Zimborio, a obra que o teu orgulho, nao
esti prompta, e talvez nunca a possas levar ao
cabo.
Mestre Gerardo flcou espantado, hirto deraiva
diante da audacia do desconhecido. Depois vol-
veu-lhe com urna severidade (oreada qo lhe abi-
tara a voz.
Anda son architecto I e o Zimborio ha de
ser oprimeiro a saudar na alio os alvores do sol
quando se alevanta. Joro pela minha alma.
Pois bem I Eu coraecei ha dias a obra do
aqueducto.
Aposto em como te engaas I
Aposto em como le hei-de confundir, e a to-
das as meslrias,rebeldes da Allemanha Imsistiu
o architecto de Treves, e espero ainda ve-lo aca-
bado antes de teres prompta a Cathedral. Se as-
sim no for, no dia em que deres por acabada a
tua obra, disponho-me do aqneducto. Tu precipi-
tas-te tambem dos corucheus da Cathedral se eu
vier reclamar primelro ? Acceitas a aposta ?
Aceito I
Juras?
Juro.
A este instante ouvlu-se distanlc o canto do gal-
lo. O interlocutor my^terioso desapareceu sbita-
mente as prlmeiras notas do nuncio da alvorada.
Foi enlo que o architecto reconheu-odiabo; nao
quiz acreditar na realidade daquelle pezadello. O
canto da gallo celebrado nos hymnos da egreja,
principalmente nos de Santo Ambrosio. Galio ca-
liente vtgilemus omnes. Elle symbolisa a voz inte-
rior que despena a alma dosomno da tentagao; foi
o canto do gallo que despertou tambem a Pedro no
atrio do pretorio, quando rsaegou o mestre. No
mysticismo goelico elle representa urna parte im-
portante. A iraaginagao exaltada pelos sonhos da
noute nao poda delxar de o revistir de certo mys-
terio. J i Grecia lhe havia formado o mytho :
o castigo de Alectriao. A sombra que reclama de
Hamlet urna vinganga, o coro das feiticeras de
Macbelh, desapparecem com a magia do canto.
Um dia o architecto subir Cathedral; estava
prestes a terminar-se a Cpula, a alegria alluci-
nava-o. Appareceu-lhe entao urna cabega disfor-
me, rindo, coufraezeado-se em esgares satnicos
por entre as sombras profundas de urna ogiva. Dis-
se-lhe que eslava prompto o aqueducto de Treves.
Gerardo empalideceu e voltou o rosto pressa I
Aquella nova alerrava-o. Baixou os olbos como
para suspender urna vertigera instantnea, fatal-
mente o relance mediu a altura da Cathedral ; o
ngulo vi-oral dilatou-se de modo que lhe produ-
ziu a atlrago doabysmo. Uesisliu de balde vacil-
lou um instante e despenhou-se a Anal. Disseram
que fra a alegria de ver a sua obra, que lhe cau-
sara e desvario que o precipitou.
Assim conseguio estabelecer o seu predominio a
meslria central de Strasbourg.
Theophilo Braga.
RESI'OSTA A PATEADA.
M5o destra, punhal agudo
No coragao ha de cravar-te ;
Nem um al, nem nm suspiro
Ha de do coragao escapar te I
Que conceito nao flzeram
Seus caros condiscpulos,
E seus bem educados mestres -
De lao mal educados discpulos ?
Elles pensaram que flzeram
Urna mxima e alta obra ;
roremlouvada e applaudida ()
Foi a minha potica obra.
Fallaram dever moral,
Faltaram dever poltico,
Nao respeitaram os bravos sensatos,
Nem o bello sexo poltico.
Mas faga agora o publico
Juizo exacto desta gente,
E de hoje p'ra dianle
Nao faga mais caso de semelhante gente.
povos a ignorancia e as desordens. de toda a espe-
cie que delle resultara.
E' preciso ouvir os pobres indios guaranis.fallar
dos lempas felizes era que viviam antepassado no
meio de toda a sorte de abundancia sob o rgimen
paternal dos misionarios as Redneges; preci-
so ver o estado actual de degradagao e miseria em
que elles lem cabido, para amaidigar de todo o
coragao a poltica infernal dos d'Aranda, Tanucci
e Pombal, que causou urna to espantosa ruina.
Magnficos colleglos. egrejas vastas e sumptuo-
sas, habitagoes solidas e commodas para os Indios,
ricas e immensas culturas, rebanhos innumeraveis,
tudo se encontrava nestas felizes iegies.
O zelo, a sciencia, as virtudes, e at o sangue
dos missionarios tinham creado urna prosperidade
moral e material at ento sem exeraplo sobre a
erra.
UM P0UC6 DE TUDO.
Da Semana Ilustrada trascreveraos o seguinte
SEUELHANCA.
Sr. F veio em mo dia 1 nao estou pro-
pria para fazer-me pintar, nao acha ?
Qual, minha senhora I Est serapre a mes.
ma----
Nao, nao estou. Pois eu nao sei I
Eiiiim varaos : lambem hoje sao apenas os
contornos-----
Pois siin.
Comega o trabalho.
A dama interrompe o pintor de minuto minuto
para lamentarse do estado em que se scha.
No dia seguinte a mesma cantilena.
O pintor responde sempre que nunca a vio de
outro modo, o que at cada vez lhe flea mais en-
granado um fio de cabello branco que Ibe cabe so-
bre a nuca.
Um cabello branco I incrivel___ Or es-
pere Nao nao, nm pouco de p___nao
sei como foi vou limpar.
A dama sanio para limpar.
Nao limpou, cortou.
Olhe, diz a dama, tome cuidado no ar que me
der ao retrato----- Todos os pintores dao-me sem-
pre um t de quarenta e cinco quando realmente
tenho vnte e cinco annos.
Descance, minhajsenhora, descance.
Veja bem esses olhos eu tenho olhos pre-
tos; com a luz parecem caslaohos, mas sao pre-
tos. Nao se esquega de me dar cor aos labios ;
boje estou muito descorada___ J reparou no
contorno do meu pescogo ? Mas, veja que nao lhe
acontega como ao pinter B___
Que lhe acontecen ?
Veio pintar-me aquelle retrato e deu-me um
pescogo----olhe, indecente I
Ah I verdade ( parte ) E' indecente I
Nisto entra o marido.
J linha ouvido a conversa. Distrahe a mulher
e chama o pintor parte.
Olhe, meu caro, faga o que ella quer. E' um
capricho que eu desejo satisfazer___
Bem.
O retrato licou acabado.
A dama flcou contentissima ; mas parecia-se tan-
to nina cousa com outra, como se parece o Dr. Se-
mana com o moleque.
Muta gente foi convidada a ver o retrato.
A todos responda a retratada :
Parece-se muito comigo ; mas eu hoje estou
muito abatida, estou doente, venham ver quando eu
esliver melhor.
Esta mulher nunca Gcouboa.
Agora s se v lameutaveis ruinas; os espinhos
e os cipos da floresta crescente tm invadido as cul-
turas e os soberbos laranjaes dos padres ; as co-
bras e outros animaes daraoinhos tm feto seus
covis nos antgos lugares de oragao e de estudo :
as paredes das egrejas, ainda era p e ennegreci-
das pelo fogo, vao calando de dia em dia sob o pi-
cao dos vidos descubridores de Ihesouros.
Accusava-se os jesutas de possuir immensas ri"
quezs escondidas as reduegoes, c querer servir-
se dellas para se tornarera independenles de Hes-
panha e de Portugal, e nunca a avareza desses tra-
bajadores viu-se recompensada.
Quanto aos Indios, pde-se dizer, que elles vege-
tara mais do que vivem sobre a trra de seus avs.
Sao anda quasi os nicos que conservam algum
conhecimento do chrstianismo, gragas s preces e
cnticos sagrados que Ibes tinham ensinado os
missionarios, e que elles ainda conservam. Em
dias determinados juntam-so para cantar estes cn-
ticos de sua cara e antiga Sio; na Europa nao se
faz urna idea da belleza locante destas melodas
proprias da msica selvagem das florestas e dos
ros.
Ha ainda nessas regies immensas muitos ele-
mentos de prosperidade religiosa e moral, porm
nunca estes elementos poderao desenvolverse, fal-
ando os meios empregados outr'ora pelos padres
jesutas, quando seu zelo, livre de obstculo, nao
linha outros guias seno o amor da salvge das
almas, e a sabedoria que Ihes vinha do alto.
Nao ha de ser um clero ignorante e vicioso, um
clero inaraovvel e retribuido pelo estado, quem fa-
r rtviver a religio e os costumes neste paiz, po-
nopor obstculos a lib.rd.de da egresa, porra EWSSftfSL- V'r,U0S' ^^
Para que este clero exista necessario que os
bispos sejam livres em estabelecer e povernar seus
seminarios, segundo as regras tragadas pela santa
egreja no concillo de Trento, em consolidar e reno-
var, por assim dizer, as ordens religiosas de ho-
mens por meio de reformas necessarias ou uteis.
Estes elementos s se podero desenvolver, quan-
do se permiltir aos bispos chamar livremenle ao
seu seio congregacoes encarregadas da educago
da mocidade de ambos os sexos, e santas religiosas
para cu-dar dos pobres, orphaos e doentes.
K na verdade bem ceg e culpavel este governo,
qne recnsa eguaes liberdades egreja, e pensa
fundar e augmentar prosperidade material e moral
deste nascente imperio pelo chamado progresso das
luzes I
AO T DA LETRA.
Um individuo entra n'um armazem :
Tem cerveja Bass ?
Tem.
D-me duas garrafas ?
Pois nao.
O caixeiro entrega as garrafas e o individuo
sahe tranquilamente sem pagar.
O caixeiro quer ir airaz delle, mas j era larde.
O ndividno tomara um tylbury que estava a al-
guns passos.
ahi em dlante o caixeiro, sempre que lhe pe-
dem alguma cousa, responde sempre :
Nao dou, vendo I
E' traduzido do Monde o seguinte, assignado pelo
Sr. Eugenio Taconet :
As cartas que j temos inserido sobre o estado
da religio no Brasil teem inleressado muito aos
nossos leitores, porm mais que tudo no Brasil, on-
de ellas teem dispertado a attengao publica sobre
os vicios inherentes ao systema do governo dos
negocios ecclesiaslicos nesle novo e lao vasto impe-
rio. Praza a Deus que este interesse, que esta
attengao nao se limitem.a vaos pezares ou a dese-
jos mais vaos ainda.
O governo deve coraprehender qne sea interesse
&=o
HUMANIDADE DESVALIDA.
Campos o paiz das originalidades.
J annunciamos urna serpente acbada no meio
da praga principal da cidade.
As ultimas folhas do noticia de urna cousa, de
genero diverso, to curiosa como aquella.
E' um annuncio de theatro em beneficio___ad.
vinhem de quem t
Do eraprezario ?
Da companhia T
De urna associago ?
Da cidade de Campos ?
Da provincia do Rio.
Do Brasil inteiro ?
Nao, senhor; em beneficio da humanidade des-
valida I /
O' vos que transitaes pela via publica e nao ten.
des que comer, sejas allemo ou grego, hespanhol
ou mexicano, japonez ou torco; cafre on paraguayo
ide, Ide, le vae a tigella portara do ibes tro de
Campos, que o beneficio vosso, da humanidade
desvalida/1
L ma POESA.
Ora aqui vae urna amostra de boa poesia.
A cabeca do poeta flcou a arder, mas a poesia fl-
cou impressa para remedio aos hypocondriacos da
todos os tempos, -
O poeta era estudante; levou urna pateada reci-
tando urna poesja no theatro.
Quiz vingar-se, mas nobremenle ; escreveu ou-
Ira em resposta.
A Nemesis de Lamartine est muito abaixo disto:
livra-la qnanto antes dos males causados pelas fu-
nestas tradigoes pombalistas e jansennistas qne lhe
legou Portugal.
A independencia poltica desse paiz torna-seuma
perfeila irriso, se a egreja esta' escravisada, e se
fossemos a referir agora as provas evidentes da
decadencia rpida, intllectual, moral e religiosa a
que tem chegado o Brasil, gragas a este servilismo,
nao seriam bstanles os milites Ce um artigo.
O joven e Ilustre hispo do Para' ha pouco acaba
de elevar urna voz eloquente e enrgica contra
urna nova invaso do Josephismo no dominio pu-
ramente espiritual da administrago dos semina-
rios ; porm nao foi elle o nico prelado que sol-
t u o grito de alarma a' vista desta invasao fatal
do poder civil as cousas do sanctuano.
S. Exc. Rvma. o Sr. Larangeira, hispo do Rio-
] Grande do Sul tambem representou enrgicamente
ao ministro do imperio a este respeito, dizendo li-
vremenle, porm com toda a attengao, nao poder
em consciencia adoptar as concluses do ministro,
: nom de forma ulguma submelter-se as exigencias
da nova le projectada relativamente ao concurso
para a nomeago de professoras e outros regula-
memos semelhantes, absolutamente contrarios ao
decreto do concilio Tndentino, que confia exclusi-
vamente aos bispos o direilo e o encargo de reger
os seus seminarios.
S. Exc. Rvma. o Sr. Saraiva, bispo do Maranhao
e outros diocesanos procedern! do mesmo modo,
e se o ministro em sua resposta ao bispo do Rio-
Grande do Sul, citou o exemplo de dous prelados
do Brasil que linham approvado e ratificado as me-
didas propostas pelo ministerio c tinham mesmo
comegado a polas em execugao, nao sera' urna ra-
zao de raais para deplorar-se os estragos que o
pombalismo tem feto neste paiz?
Nao sera' una razao e mais para pr-se termo
a tantos males, formando um novo clero imbuido
das sas doutrinas ?
Porque o clero do Brasil, salvas as honrosas ex-
cepgoes, tem adquirido urna to triste notoriedade
em todo o mundo ?
e' porque a egreja tem estado e conlina a es-
lar escravisada pelo poder civil, que se obstina em
tirar-lhe ou recusar os meios de restabelecer a
disciplina e de dar aos ministros do sanctuaro urna
educago propria a seu santo estado.
Certamente as cousas nao podem continuar no
p em que se acham, e Deus dar a seus servos
graga e a forga de remediar os males deploraveis
que affligem a egreja do Brasil.
O blspo do Rio Grande do Sul, cujas lutas con-
tra os sociedades secretas que roera o coragao de
seu rebanho, j refeferimos, acaba de fazer urna
immensa visita pastoral de cito cenias leguas nos
lugares mais longiquos de sua diocese, para ceni-
flear-se por si mesmo dos elementos de esperanga
que ainda existem e dos males que possivel re-
mediarle.
Percorreu como um missionario com dous pa-
dres, seus familiares, vastas regies monlanhosas
onde nunca havia pisado um bispo ; e se as desor-
dens e a ignorancia que encontrn por toda a parte
foram motivos mais qne suficientes para affligi-lo
profundamente, tambem recebeu ampias consola-
ges a vista das boas disposices esparsas e por
muito lempo abandonadas.
Percorreu toda a provincia do Rio Grande do Sul
grande como dous tergos de Franga* al o rio Uru.
guay, pelo qual subiu e deseen em todo o sen curso
at o Rio da Prata.
Visiloo as antigs Reduegoes dos Jesutas noquo
outr'ora chamava-se o Parairoay, que hoje chama-
se as Misses e alravessou os Estados de Cor-
riente e Entre Rios emtoda a sua extengo.
Em toda a parle, como acabamos de dizer, encon-
trou urna profunda e deploravel ignorancia das
cousas religiosas, porra tambem urna verdadeira
fome e sede da divina palavra.
Adminisirou a confirmagao a quasi onze rail pes-
soas de toda a edade ;conservasse ne-se paiz o
costme primitivo de confirmar as criangas, ainda
que muitas vezes isto d lugar a graves abusos e
um grandissimo numero de fiis de todas as coadi-
ges aproveitarara a risita episcopal para approx-
marse aos Sacramentos que nunca tinham recebi-
do. Esta affiuencia dos povos e a alegria afectuo-
sa cora que receberam quasi por toda a parte o i
primeiro pastor mostram abundantemente que a f I
est ainda bem viva nesle? desertos, apezar da es-,
pantosa calamidade proveniente da expulso dos
jesuilas destes lugares ha nm secuto, expulso se-
gnida 'de um abandono completo destes infelizes
L-se no PubHcador Maranhense:
Tndo a viuva do infeliz G. Dias mandado im-
primir nos jornaes da corte o annuncio, que aqui
lizemos publicar acerca dos manuscriptos do mes-
raos, convencida de que existiara ali retidos os dra-
mas Beatriz de Cena e Boabdit, sortiu elle o dse-
jado effelto.
No dia seguinte pela manhaa errtregou-lhc o por-
teiro do Instituto dos Meninos Legos, -onde mora
com seu pae, um caixozioho, dizendo que logo ao
amauhecer lhe fra eniregue por um preto, que
desapparecra immedialamente.
Aberto o caixozinho, com grande sorpresa e al-
vorogo de contentaraento encontrou dentro de urna
pasta os dous dramas completos, e mais manus
enpts dos trabaihos da inspeegao dos archivos e
instruegao publica das provincias do nerte, com-
misso de que esteve encarregado de 1850 a 1851,
algumas poesas, e alguns manuscriptos desorde-
nados sobre a coramisso scientifica.
Oxal que outro tanto succeda gora os manus-
criptos que trazia comsigo, e que qnem por ventu-
ra os retenha, faga s letras patrias o immenso ser-
vigo de reslitui-los!
Pessoa, que ajudou Dias a arromar as malas,
escreve-nos da Europa assegorando que entre ou
tros escritos, lmhra-se que trazia elle os manos
cripios compleb da Son a de Messina, novo Dic-
aonano da lingua Tupy, a collecgo de ludo quan-
to se escrevra acerca da falsa noticia de sua mor-
te em 1861, com o titulo de lbum negro ou o
morto vivo, alguns canios dos Tymbiras, poesas
solas, e parte da Historia dos Jesutas na America,
e muitas olas e guias solas.
O Correio do Sul den urna noticia que, a reali-
sar-se, trar grandes beneficios para a provincia
do Rio-Grande do Sul e vem a ser nada menos que
a rinda de milhares de propietarios e larradores
de Arkansas, que querem abandona-la, depois da
sna oceupagao pelos unionistas do norte.
Segundo diz esse jornal, um dos mais influentes
diriga se ao Sr. Dr. Tarares Basto?, pedindo-lhe
nformages. e este escrereu ao presidente da pro
rlncia, consultando o a respeito.
Se se realisar a rinda de lio nteis cidadaos, p-
de-se bem avahar quanto lucrar a prorineia do
Rio-Grande do Sul.
Cahiu fulminado por una apoplexia um certo
sujeito no momento em que acabara de escrerer
a um seu amigo urna carta, que nao chegou a ft
char.
Acudindo um sobrinho e rendo a carta aberta
em cima da escriraninha, acrescenlou-lhe n'um
notabene:
f Participo-lhe que neste mesmo instante, acabo
de morrer de urna apoplexia fulminante.
Feito isto, assignoo em nome do to, subscriptou
e mandou ao seu deslino.
w-i8>-<5
Enumerara emphalicamente um pobre fatuo os
muitos palzes onde a sua paixo de viajar o tinha
lerado, quando nma senhora que o escutara, por
dizer alguma cousa, o atalhou dizendo-lhe:
Visto isso, V. S. ha de sabtr perfeilamente a
geographla ?
Nao, minha senhora; a esse paiz nunca fui
mas nao me escapa para a seguinte riagem.
?o^-J
() Pelas senlwras,
(Nota do poeta.)
E' do Sr. Martiniano M. Pereira esta poesia :
GQNgALVES DIAS.
Vnha o lenho frgil brandamente,
Soltas as brancas velas, naregando,
Bem como a nivea garga, qne voando,
Vae dividindo os ares subtilmente.
Abrindo o coraco de raae sarjdosa
A patria suspira, e alegre ri-se,
Como se j no seio o iilho visse,
Na Inconstancia dos mares nao cuidosa.
E a brisa embala os ramos da palmeira
as frescas solides, onde existir
O valente tupy, o audaz tymhira ;
Perfumando o regato a baunilheira.
J rem mui perto o Cysno de Caxias,
Cantor do sabia temo e mimoso,
Qne trina esta canoao :Googalres Dias,
De tarde, ao longe, e sempre mais saudoso,
*as l se T urna nurem
Une rem seguida por mil,
E, juntas em negro vn,
Cobre a face aos cus d'anil.
O rento que j foi brisa
Conrerte-se em furaco;
Tornam-se.as reas farrapos
Os mastros troneos de anlo.
E lambe o immenso ocano
Qual onca a presa famiota,
Os flancos da embarcago.
Glido inedo se anossa
Do intrpido marinheiro,
Que aos enleros da rida,
J diz o adeus derradeiro.
L morre Goncalres Dias,
Aire Cysne de Caxias,
O poeta brasileiro.
Pranteia, patria querida,
O flltio dos teus palmares,
Tu orpba dos seus tlenles
Prrada dos seus cantares.
Transforma o riso em saudade.
Os teus arroios em lagrimas.
Ao sabia pede os irinos, ^3
Valente, heroica cidade ;
Rainha das treze aldeias,
Carpe e geme em soledade.
E dize s raeigas florestas,
Que era doces hymnos cantou :
Onde o perfume das llores
O berco lhe embalsamou.
Que cumprindo o sen fadano
Tere as ondas, por sudario,
E, grande como o seu nome,
Por sepulchro e mar achou.
Onue descangam os restos
Do poeta maranhense ?----
Nao se sabe ; sao arrestos
Os quaes smenle perteuce
A quem o fadou saber.
Porm em paga a historia
Altivo padro de gloria
Com seus cantos vae erguer.
Cingi-lhe a fronte de lonros
Que seus rersos conquistaran!,
Testemunhando aos vindonros
Os triumphos que alcangaram.
Errara vivazes sobre ella
As chammas da inspirago.
Vede a slnistra indicando
L no cu a sua estrella,
A lyra na dexlra rano.
Era urna correspondencia do Porto para o Cor-
reio Mercantil lemos a seguinte noticia da publica-
gao de um novo livro de Theophilo Braga sob o
titulo Tempestades sonoras. Pelo que parece
mais um brilhante triumpho do distinctisstaio poe-
ta portuguez.
Eis a noticia:
E' Iliterario o mais importante acontecmiento
desta quinzena. Sahiu a lume o ultimo lirro de
Theophilo Rraga, intitulado : Tempestades sonoras,
e sequencia do mesmo pensamento que presidia
ereago da Visao dos tempos.
No primeiro volume de Theophilo Braga traba-
mos a antiguidade homrica, a poca patriarcal e
o alvorecer do christianismo que passavam ante os
olbns do poeta.
as Tempestades sonoras temos a dissoluta Ro-
ma dos Cesares, a prostituta embriagada, que com
e riso da devassido nos labios e a taga de phaler-
no em punho, ostenta urna lubricidade qne faz tre-
mer. K depois o mystitlsmo israelita e ascetismo
indiano.
O primeiro dos poemas de que se compe o se-
gundo tomo de Theophilo Braga, inlitula-se : As-
ceas de ero, e urna admirare! produego nao s
como trabalho Iliterario, seno como estudo da.
poca, que pinta com mo de mestre.
ero, o tyranno, Petronio, o poeta da sensuall-
dade, Delia, a dama romana, vencedora da reg-
dez dos cnsules, sao outros tantos typos to raara-
rilhosamente desenhados, que parecem quadros
ipr nature.
O poema principia por nra admirarel trecho,
trasldo-e, porque ri que anda nao est o rolume
a que me retiro.
Leiam :
Ei-la, a escrava dos Cesares! vaidosa
Sobre sete colimas se espreguiga,
Poisando o duro sceplro ensanguenlado
Na cerviz das uages I Em um fero abrago,
Prostituta, ella o orbe a si estreita.
E delira, no estrepito da fesla
Com.que a funda agonia eseender pensa!
Vo da orgia no ar olas perdidas.
Blasfemias torpes I Vaga a turba infrene,
Onda rerolla em refluxo eterno I
Ergucm-se ao alto as amphoras, coreadas
De corymbos, e o phalerno ardente
Perfumado de heleboro trasborda I
as arcadas do ergastulo restrugue
Dos escravos o grito, audaz, insano :
Livres um dia s Ivehemente arranco
Que horrendo loma o longo paroxismo.
A plebe desenfreada anda s. m lino
Tras nos labios o insulto, e vibra alegre
Sarcasmos vis, sua unir vinganga.
No estertor lento da cidade eterna !
Como os vermes correera lentamente
Esphacelado, tbido cadver,
A raga de Enabarbo em guadio esta.
Ebria, ao som de improperios c risadas.
Ella esconde a vergonh atraz da queda
Nos relalhos da purpura, pedacos
Arrancados da tnica do Christo!
O resto do poema nao desdiz deste esplendido
comego. E' sempre o mesmo lyrismo vehemente
e frvido, a mesma graga na imagen), a-mesma
lidelidade na pintura.
O banho de Celia urna descripejio admirarel
sob a qual nenhum poeta romano deixaria de es-
crerer o seu nome.
Citemos ainda :
Ao som do mego eanto das escravas
Buscando distrahi-la da agona. v
Para o banho se despe Alvas roupageos,
Como a peala avara se desdobra
mostra a flor setinea, loxuriante,
Deixam ver perfeitissimos contornos,
Tmido seio, alrissmo de nev I
E' a deusa que se ergue de alva espuma,
E' a estatua animada ao beijo ardente,
E' a dama romana, vencedoura
Da rigidez dos cnsules.
Era concha
De prophiro lavrada, similhando
Urna trireme esbelta, que flucta
De leve, como a espuma flor das agnas,
Eis se derrama a flux leiie e perfumes,
Dos mais lascivos que o Oriente enra.
Aspira-los embriaga I Celia, flascida,
Ergue-se, do hombro cae-lhe o alvo annieto.
Como a nuvem que o sol esconde, o rente
Varre no cu. Deslumhra I ella doudeja
Deniro d'agua travessa, j rretDha;
Ah I se a visse Ljcioia, enlo, deixara
Austeridade impropria de sens annos 1
E quando mais brinca va; distrahida,
Mirando as formas de brilhante alvura,
Ouve-se fora um cntico saudoso ;
Escuta-o....................................
Era todo este poemasmho, urna das mais bellas
produeges da poesja contempornea, as bellesas
conlam-se pelos versos, e nao ha ponto qae se nao
admire.
Impossibilitado. d? tnlregar-me neste lugar s
coxsideraedes e aos enteros de crtico, sinto nao
poder citar ao menos o poema inteiro.
O enredo depois de nos levar do luxuoso cama-
rim de Celia, aos passos de ero, e d'abi s ras
de Roma devoradas pelo incendio, desee-nos as
catacumbas do gape Chrstao, e deseolaca-se afl-
nal no circo, on-;e langada s feras urna virgem
chrisia.
Ougamos pela ultima re o poeta :
Nos ferreos gonsos range a porta enorme
Indomarel lelo entra, sacode
1 A juba, urra violento, e cabe de chore
Sobre a virgem. Arroja-se de um salto
Sobre a fera Llcinia I em vao relucta,
Era seu eolio Euryda se lhe inclina
Trespassada, confusa. Ambos devora,
O esfairoado leoda Lybia adusta.
PERNAMBUCQ.-TVP. DE M. F. DE F. & FILMO

% jr-i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC8FFS9I4_DD8R2I INGEST_TIME 2013-08-28T03:21:58Z PACKAGE AA00011611_10606
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES