Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10605


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*. .

AflUQ XLl NUMERO 48.
.i.H* ? ***! ":.1 9b
P#r qjartel lag* dentro de 10 das do i. mez ...::.. 5JQ00
dem epois dos t. 10 das do comee o e dentro do qaartel.... 6J000
Porte ao correio por tres meies *..........: 750
DE
TERCA FEIRA 28 DE FEVEREIRO DE 1865.
Por anao pago dentro de 10 ias do l.mez
Porte ao correio por una anno.......
.?
19|000
3*000
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o r. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de LemosBraga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Olivara; Maranho, O Sr. Joaqoim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves &
Filaos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagoas, o Sr. Claudine Falrio Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alvs; Rio de Janeiro, oSr. Jos
ibeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS EoTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagSes da via frrea at
Agua Creta, todos os dias.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Aniao, Gravat, Bezerros, Bonito, Carnar,
Altinho, Garanhnns, Buiqoe, S. Bento, BomCon
selho, Agnas Bellas eTaearat, as terreas feiras
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis
ta, Ouricury, Salgue i ro e Ex.nas quartas feiras.
Seriuhem, KioFormoso, Tamaodar, Una, Bar re-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, nasquintasfelras
llha de Fernando todas as vezes que para allsahir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio da.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Qnarto cresc. as 10 h., 48 m. e 58 s. dat.
10 Loa chela as 2 h. 7 m. e 16 s. da t.
18 Qnarto ming. as 7 h., 18 m. e 4 s. da t.
25 Loa noya as 5 h., 43 m. e 22 s. da t.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaclo: tercas e sabbados s 10 horas.
Pazenda. quietas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
da.
Segunda Tara:docivel: quartas e sabbadcs a 1
hora da larde.
DIAS DA SEMANA.
27. Segunda. Ss. Aoligono, Curso eBessas. mm.
28. Terca. S. Romo ab.; S. Cereal m.
1. Quarta de rinza. S. Eodocio e Antonina mm
2. Quinta. Ss. Jovino, Basilio e Januaria mm.
8. Sexta. Ss. Hemeterio e Asterio mm.
4. Sabbado. S. Casemiro rei; S. Lucio p,
5. Domingo. Ss. Focas e Palatino mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 hora e 54 m. da manha.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janeire, margo, roaio
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8 e 8, dos propietarios Maneel Figueira de
Faria & Filho.
PARTE 0FF1CIAL EXTERIOR.
GOTUflO DA P10YIUC1A.
Cntinnarae 4o expediente do dia 23 de fevereiro
de 1865.
Offlcie ao inspector da thesouraria de fazenda.
O decreto n. 3,307 de 14 de setembro de 1864,
mandando que os bilhetes do banco do Brasil se-
jam recebidos como moeda lef al pelas repartirles
publicas e pelos particulares nos lugares a que se
refere o art. i 16 da lei n. 683 de 5 de jnlho de
1883, nio ampllou tal circulado outros lugares
que nao eslejam comprebendldos dentro dos limi-
tes prescritos por aquelle artigo e paragrapho,
nem alerou em nada s regras establecidas a se-
melhante respeito.
E com quanto os lugares declarados no paragra-
pho eludo sejam a corte, provincia do Rio de Ja-
neiro eoutras em que baja calas filiaos, acha-se
todava determinado no art. 12 dos estatutos do
banco que baixaram com o decreto n. 1,223 de 31
de agosto de 1853, a maneira porque em taes luga-
res devem circular as notas do rnesmo banco, li-
miiando-se abi essa circularlo a corte e provincia
do Rio de Janeiro quando a eroissao fr feita pela
caixa central, e quando pelas caixas flliaes, s res-
pectivas provincias.
O art. 12 dos estatutos nao se limita pois como
declara V. S. em seu offlcio de 20 do corrente a es-
tipular sobre a circulacao das notas emiliidas pe-
las caixas filiaes, e que tamnem sao notas do ban-
co : mas tem por fim flxar a inlelligencia e manei-
ra de execular o 6 do art. Io da leLque autorisou
o governo a crear o banco : e porianto, na inter-
pretado desta, nio se pode prescindir do dito art.
12 dos estatutos, o qual faz parte daquelle anigo e
paragrapho da lei, com que se acha de perfeila
harmona,
Sendo assim desnecessario era que no decreto
n. 3,307 houvesse referencia especial e expressa ao
art. 12 dos estatutos, pols que tal referencia est
implcitamente feita pelo art. Io 6o da le, do qual
aquetle artigo foi a consequenria e complemento.
Attendendo. pois, ao que me representou a caixa
filial do London Brasilian Bank, e ao parecer da
caixa filial do Banco do Brasil, qual ouvi sobre
aquella representacao, e sobre a informacao que
me deu V. S. em seu citado offlcio, e nao me res-
tando a menor duvida de que, anda depois do de-
creto n. 3,307, os bilhetes do banco do Brasil emil-
tidos pela caixa central, nao podem ler circulacao
ibrgada nesta provincia, assim o declaro a V. S.
apezar de sua opinio em contrario, para que as-
sim o execute afim de obviar as consequencias
embarazosas em que se podero adiar o conimer-
cio, os particulares e essa reparligo se continuar
a divergencia na inteligencia e execugo do refe-
rido decreto.
Dito ao juiz municipal de Garanhuns.Constan-
do de participacao da direcloria geral da secreta-
ria de estado dos negocios da Justiga de 6 do cor-
rente, que por decreto do Io do mesmo miz, Sua
Magestade o Imperador heuve por bera declarar
vagos osofflcios de partidor e contador desse ter-
mo por ter o serventuario Manocl Joaqulm Pereira
Nello apiado pela profissao de advogado; assim o
communiro Vmc. para seu conhecimento, e para
qne faga constar ao referido Pereira Nello, man-
dando abrir concurso aos referidos offlcios nos ter-
mos do decreto n. 817 de 30 de agostle 185i, e
tendo em vista o disposto no aviso n. 252 de 30 de
dezembro de 1851, devendo remetler copia do edi-
ta! ahi publicado para ser aqu reproduzdo.
24 -
Officio ao inspector da ihesoararia de fazenda.
Nao vavendo inconveniente mande V. S. pagar ao
capito do 7o batalho de infantaria Amonio Pedro
Heilor, come pede no incluso requerimentoqueme
foi remctlido pelo commandante das armas com
offleio de hoje sob n. 373, a quantia de 35t0 que
despendeu na qualidade de commandante do depo-
sito de voluntarios da patria, cem a conducho de
Tardamente e utensis do arsenal de guerra pira o
quartel do Hospicio como se v do mesmo reque-
rim-nto. > ommuniceu-se ao coronel commandan-
te das armas interino
Dito a Francisco Xavier da Costa Aguiar Andra
de (un Londres).Remello a' V. S. para os fins
convenientes oofflrio em original que em data de
10 do corrente me dirigi a commisso enrarrega-
da do exame e liquidaeao das contas da estrada de
ferro desta provincia aeompanhado do bataneo e
acta inclusas, concernentes ao mez de Janeiro pr-
ximo Ondo.
Dito ao inspector do arsenal de marinha Nao
podendo ser aceito o offerecimenloque fez o menor
aprendiz artfices desse arsenal Caslnciano Jos de
Barros para servir na guerra do Rio da Prata at-
ienta a sua pouca idade inferior de 15 anuos, re-
commendo a' V. S. que louve o mesmo menor pe-
los patriticos senlimentos que ja o animam.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao que requereu a profesaba publica de instruc-
cao primaria da fregnezia da Boa-vista dota cida-
de, Francisca das Chagas Kibeiro do Oliveira, e
tendo em vista a informacao do director geral da
instruccao publica de 18 do corrente sob n. 52, re-
solve. conceder a referida professora 30 das de li-
eenca com vencimentos. na forma da lei, a conlar
do dia 17 deste mez em dianle para tratar de sua
sade.Commnmcou-se ao director geral da ins-
trurgo publica.
X Dita^-0 presidente da provincia, attendendo ao
que Ibe requereu o bacharel Jos Poulino da C-
mara, resol ve dispensa-lo do exercicio do cargo de
promotor publico desta comarca durante o lempo
em que estiver etnpregado na guerra como volun-
tario da patria.Fiieram-se ascommunicacoes ne-
cessarias.
kiatdieule do secretario do governo do dia 24 de
fevereiro de 4865.
Officio ao inspector da thesouraria de fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda irans-
mittir a V. S. a inclusa 1* va da ordem do thesou-
ro nacional de 11 do correte.
COKREiPOIDEVn VS DO DIA
RIO 1>E PERWJllliro.
iiMNn.
8 de fevereiro de 186o.
A chegada do paquete Magdalena, a Soulampton
era aguardada desta vez com grande empenho por
se acnar a bordo daquelle vapor Sua Alteza a Prin-
ceza Imperial do Brasil em companhia do sea
augusto esposo, Sua Alteza Real o conde D'Eu.
De Lisboa o telegrafo havia annunciado que
essa augusta senhora deliberara eom seu marido
seguir para Inglaterra, onde era ancosamente es-
perada por seu sogro o duque de Nemours e por
toda 3, amllia real de Orleans; e com effeito na
manna de 7 do corrente, o paquete Magdalena
ancorava em Southampton, trazendo a seu bordo
aquelles altos personagens que eram ahi j espe-
rados por muitas pessoas daquella real familia,
Celo baro e baroneza do Penedo, pelo conde de
avradio e o Sr. Santos secretario da legacao por-
tugueza, pelo o almirante Grenfell. alm do Sr.
Aguiar de Andrade e senhora, vlsconde de Carva-
i lho, Pereira de Andrade e senhora, e muitos outros
\ BraMleiros, que haviam ali comparecido para o fim
de saudarem, ao desembarcar na trra ingleza, a
Ilustre princeza, herdeira do throno brasileiro.
Apenas o castello de Ursl Castle, communicra
para Southampton qu o Magdalena, se achava
dentro das Needles, um vapor mandado por s
ordens de Sua Alteza Real o duque de Nemeurs i
deixou aquello porto, seguindo com esse augusto !
principe ao encontr dos illustres viajantes; e s i
: duas horas da madrugada o conde D'Eu se achava! declara quo lo seu governo fra obrigado a
; nos bragos de seu rouito querido pai. Pel cumpritaeoto dos compromissos diplomticos I
O desembarque de suas altezas imperial e real Pr PJrIe d'kquelle paiz, sendo que essas reclama-!
teve lugar as 8 horas da manha, sendo recebidas {oes se aohjvam ajustadas,
pelo principe e princeza de Joinville, pelo conde e \ O conflicto anglo-brasilelro, a questio da Polonia
condona de Paris, pelo duque de Chartres, e pela j e a da Italia, ficaram sem menso; parecendo assim
princeza Margarida, ilha do duque de Nemours; e j 1ae es,e gabinete deseja considara-las romo langa-
spguindo para o hotel Radica, ali foram suas alte-, aas no esquecimento I Quanto ao Brasil, ser isto '
zas descantar e almenar, at que pelas 11 horas da'em vantagem da nossa causa, ou contra ? Parece
manha tomaram o trem do caminho de ferro que | m.e Que esse silencio indica a persistencia do ga- j
as conduzio com todas as pessoas nomeadas a bnete de Londres nos seus "caprichos em relagao.
seguintes precos; as do Recife de 13 1|2 a St
14. as da Baha a 15 1|2 e as de S. Paulo com
o descont de S 2 por cada titulo.-
Na ultima quinzena houve o seguinte movlmen-
to martimo : de Inglaterra seguiram para o Brasil
Saladtn (29 de Janeiro) de Liverpool para Pernam-
buco: D. Mana (4) de Liverpool para Pera
bnco.
Do Brasil chegaram a diversos portos da Gra-
Bretanha os seguintes: da Baha Hhison (25) a
Liverpool ; o Rio Grande Prnsamento (31) a Li-
verpool ; del Pernambuco The Hebeof the Exe (31)
a dito ; do I'ar Aracaty (31) a dito ; da Parahyba
Millicent (li a dito; do Maranho Europa (l) a
rtito ; de Pe-nambuco MarigHardy (1) a dito Vdo
Maranho Manna (2) a dito ; dp Pernambuco Tlie
Mindello (3) a dito ; de Macei Hnrmslon (3) a di-
to; e de Pernambuco Cornucopia (3) a dito.
Sua Magestade a rainha, continuando no seu
plano de isolamento, ordenou que o parlamento
britannlco fsse hontem alieno por commisso re-
gia.
Lendb o discurso da corda o lord Chanceller da
Inglaterra nao annunclou materia nova, e at re-
peli maitosdos pontos de que em oulras occasio.es
anlogas se oceupon a falla do throno.
Em relaca-i aos negocios exteriores, a rainha fez
menco da conclnso da paz entre a Dinamarca e a
Prussia e Aastria, manifestando a sua convccao
de que esse acta internacional vira a consolidar a
paz da Europa; assim que anda mais urna vez
o governo britannico veio zombar da pobre Dina-
marca I A ijuestao americana foi mencionada ape-
nas para ser renovada por sua magestade a pro-
messa de que o seu governa coolinuar a manler
nessa crise a mesma poltica de restricta neutra-
lidade.
Finalmente em relaco ao Japo Sua Mageslade
asistir
Nao devo furtar-me ao desejo de narrar-lhe o
combate do da 6 de dezemhro, anda que deile j
tenhain conhecimento seus leilores.
guipara
Antes, poror, de entrar em aegao deve-se estu-
dar o terreno em que se pisa. E' preciso que quan-
do se falle de Paysand nao se jnlgue alguma po-
voacao de pouca importancia, ou cidade mal edifi-
cada e guarnecida. Imagine-se nm terreno, em pe-
As noiictosdo Mxico por via de Nova-York che-compatriotas no Brasil, assim como aqu nos nossos
gam at de dezembro ultimo. Ellas aonnnciam nimos se tem despertado o enthusiasmo.
qne o imperador Maximiliano ceder a provincia
da Sonora i Franca ; mas o Monitor francez acaba
de desmentir esse boato, se bem que nao explique
claramente o motivo por que urna divisao france-
**-/o1 oecupar aquella parte do territorio mexica-
no. Algunsjornaes querem agera explicar esse fac-
i pela oecessiflade que tsm a Franca de se muir
de urna garanta material para o cumprimento por
parte do Mxico das suas dividas Franca I
As ultimas noticias do Perii se referen) anda ao
i grave conflicto diplomtico pendente entre aquella
i Repblica e a Hespanha. O almirante Pareja que,
agora se acha no eommando das forcas navaes hes-
panholas de oceupaco as Ilhas Chinchas, repei-
no a iatimacao que Ihe fez o enviado do governo
de Lima no sentido de entregar ao presidente da
Repblica aquella parle do territorio Peruano ;
declarando entretanto que se arhava autorisado
pelo seu governo para tratar com o gabinete de
Lima. Nao consta que este entrasse em ajuste
algum com aquelle almirante, se bem que o con-
gresso Americano buscasse reconciliar aquelles
dous disputantes ; certo porm que a guerra
na havia ainda sido declarada pela Repblica do
Per, nem pela a do Chile, como ba lempo deca-
rou os jornaeg desta capital. A esquadra hespa-
nhola receben, numerosos reforgos, compondo-sc
actualmente de nove magnficos navios, um dos
quaes a nao ^ vapor Cidade de Madrid, com oi-
lenta pecas e na qual se acha o almirante com-
mandanto em chele ; e sendo pois omito superior
esquadra pernana, nao receia mais os ataques
desta que allis poderiam ter sido muito felizes
quando pelo iocendio da fragata Triumpho e pela
demora na chegada dos reforcos o almirante Pin-
zn estava as Ilhas Chinchas apenas com tres va-
sos de guerra.
O governo peruano mandou construir aqui e em
Franca alguns vasos de guerra, e entre esses figu-
ran as duas bellas corvetas a vapor America e
Union. Esses vasos que se achavam proraptos
para seguirem para o Pacifico, esto delidos era
carne assada em fogoelras sem nenhum adubo foi
o manjar que se nos offereceu.
Essas pnvai;6>s despertavam-nos cada vez mais
a atuiedade de venno-nos ao alcance do inimigo.
Foi um desses rseos de intrenuter a nno srt um Podendo conciliar o somno, reunimo-nos em
arroToZor:omcoasfrqufpa3rareP'deZ ^ S U S ESflfi"-" ala sorgiao daqui e d'ali, e, segundo os"clculos; den-
tro em pouca Paysand seria nossa. Enlo enloa-
vara-se os hymnos da victoria, colhiara-seoslouros
do combate, e faziamos a nossa entrada triumphal
as trras do nosso Brasil. Vejamos, dizlamosns :
de quadrilalero, cortado por multas %Mo cor- ^I^^JSUSSTJrS&
rem paralelas e perpendii-nlares e nos sentidos|
norte, sul, ste e oeste. Ahi se acham os edificios,
que, segundo as suas construccSes ns cidades do
Prata, prestam-se perfeitamente a baluartes, j
pelas soleas, que sao verdadeiras triocheras, j
pelas grades do ferro, que resguardam as janellas
de alto a baixo e impedem que sejam fcilmente
escaladas.
O ponto principal e mais forte da cidade a pra-
ca da matriz, que est a leste ; nella desembocam
oito ras, sendo duas por cada lado. Em cada urna
dessas embocaduras ha urna peca de calibre 18
para despejar balas ou metralhas sobre o inimigo
que a investe.
Porque nao correm agora como voluntarios
a engrossar as (lleiras dos que, fiis ao servico da
patria, como militares e como cidadaos, vui sus-
lentar-lhe os bros e d;ndade ? Baldados clamo-
res I To looge estavamos delles, quanto elles do
theatro da luta.
A bandeiro da parira em verdadeiras crises
senupre soslenlada pelos que na paz sao alvos da
inveja de coracoes mesquinhos.
Na noute de 5 recebemoso rdem para marchar na
I madrugada seguinte ; e com effeilo, ao nascer do
i sol do da 6 nos approximavamos da cidade pelo
lado do norte, chegando s 6 horas ao alcance do
canhao inimiro. Assestada a nossa batera, recebi
A matriz; que p6r si s oceupa um dos lados da 21^?^?^,?,?''^ : T "f'
i enconiranao-me na marcha com o conlingenle do
Esher, donde os illustres viajantes e mais principes
foram conduzidos em carruagens, da rainha Ame-
lia para o castello de Clermont, onde essa venera-
vel senhora aguardava a chegada da sua Ilustre
nela.
N estaco d Esher achava-se a princeza tran-
ao Brasil, e por conseguinte preferivel mantr-
raos sffiti quo do que realarmos nossas relagoes:
polticas com um governo qne amanhaa tornara a
ser prepotente.
Nem urna s palavra disse a rainha acerca da
reforma eleitoral na Inglaterra, sendo esta todava !
ca, fnha tambem do duque de Nenjours e de idade' uma questao poltica que actualmnte quer tomar
de seis annos, esperando a chegada da princeza i vull auui- Ohsemse, porm, que o proprio
imperial, a quem a joven prineeza entregou com a partido whig ou liberal que mais receia disentir
maior graca nra lindo ramalhete que de proposito ] e>sa questao, e por isso mesmo a opposicao busca '
trouxera de Clermont para offerecer sua Ilustre! provoca-la para collocar o ministerio em difllculda-
cunhada: esse acto innocente da joven princeza
causn a mais viva alegra aos circumstanles, e
des : entretanto Paimerslon, Russell. Gladstone e
Milner Gibson resistem aquella tendencia, havendo
praca, talvez maior igreja que qualquer das do
Rio de Janeiro ; est ella crivada de setelras,
clieias de munigoes e trem
suas torres tremolam dua
quaes encarnada, que diz inimigo vista e ou
tra branca com a inscripgo viva a repblica
Na segunda torre fazem-se sigBaes para algum pon-
to da costa argentina, com o qual se communicam
os da cidade.
Alm da matriz, poderoso panto de resistencia,
ha mais prximo a ella o dentro da praga nm forte
a que elles chamam baluarte de la ley, onde est
montada uma pega, e que domina, assim como a
matriz, toda a cidade e campos circumvizinhos.
Io de fuzileiros.
A artilharia comegou a atirar so-
i 3S BiTSiV'd.S 5S wl;RSSSn^,,flSlSI,l,e,n, o,dd.lta-
s h-indeiras uma das q atrallenle, em pequeo numero, carrega-
5 mos a ba.onea sobre ^lles^que, sem duvida espan-
tados por tanta audacia, corriam para dentro do
entrincheiraroento a esperar-nos encubertes e de-
fendidos Desciamos a marche-marche uma colli-
na a buscar a fralda do declive onde se rrco ta a
cidade, e ja as balas do fuzil inimigo davam prin-
cipio ao estrago dizimando as nossas fiieiras. Ao
approximarmo-nos das primciras casas supporta-
mos vivo fogo de fuzilaria, e.livemos que presen-
ciar a morte instantnea de alguns camaradas e
ferimentos de outros.
bre a praga da matriz, ultimo recurso do inimigo
quando fosse perdeadoas posigoes avaogadas; tra-
to agora destas.
Duas ordens de entrincheiramenlo circumdam a
uuasuiucu* uc eiuiiuL-iieiramenio c rcumaam a rartnmc miin.in c.,nc n..;A.~,~ j ,.
cidade, oceupando as ras de lado Udo, guardan- Ti' j "jg? e',dnte* dM^
tr> a nrimpira % rtislannia rto n,ir !,,t ,1)\ lnar,a Se senlir- N^ HOS podia en
foi acolhido por Sua Alteza Imperial a condessa l'do a ceragem de atravessar uma longa legislacu
D'Eu com o maior reconhecimento, havendo agr-!ra sem terem proposto por conta do ministerio.
decido com muitos betjos a autora de uma tao ia- de flie sao membros!
nocente lembranga. Tratando dis negocios interiores, a rainha se re-,
As duas horas da tarde os principes Brasileiros 'ere ainda a sublevagao da Nova-Zelandia, que, de-;
tinham chegado a Clermont, e descangaram j das P0'" a& apparenlemente subjugada, ergueu nova-.
fadigas de uma longa viagem, que todava terrai mente a cabega. Os seus estados da India e do
nou sem perigo. Canad Ihe merecem particular mengao, assigna-
As noticias da guerra contra Montevideo nada lando os meios que o seu governo tem adoptado
adiaotaram no que se sabia aqu pela ultima mala, para satisfazer as neressidadesdaquellas duas im-
de Brdeos, nao sendo confirmada a nova da loma- portante.; partesda cora ingleza.
da de Paysand pelas tropas iuperiaes, que fOra' C'm estes motivos, sua magestade declarou a'
dada por um navio chegado de ha pouco a Liver-' presente sessao legislativa aberla para a discusso
pool. dos negocios pblicos.
A escassez das noticias recebidas do theatro da A falla do throno foi votada em ambas as casas'.
guerra d lugar em Inglaterra a alguns commen- ?m favor do ministerio, havendo comludo o conue
Flymoulh pela priso do commandante da corveta
L'niao aecusado de haver recrutado na Escossia a
tripolacao do seu navio, transgredido assim as leis
da neutralidade ingleza : esse offlcial foi conduzido
para Londres, onde dever responder pela traas-
gressao de que aecusado. Onde est porm, no
caso emergente, a quebra de neutralidade quando
o Per se nao acha em guerra por era quanto
contra a Hespanha Y CoutraUndo com os mari-
nheiros inglezcs o servigo do seu navio n'um lem-
po de paz, o offlcial peruano parece nao haver
commettido falta alguma; e este exemplo tem j
aqui tido lagar em idnticas circunstancias, sem
reclaraago por parle das autoridades bntannicas.
Duvido que o governo da rainha houvesse actuado
por este modo, se se tratasse d'um offlcial da ma-
rgina de guerra da Franca ou dos Estados-Unidos,
porqn is (ablnetes do Paris ou de Washington
lolerariam por certo a impertinencia com que as j aquarteladas companhiasde infantariadirigidas por
autoridades brilannicas se couduziram no caso que un offlcial, superior ou nao, conforme a importan-
fiea exposto. ca da posigo. Sao quatoree os principaes cantSes
A nova expedico contra o porto de W.llmington que defendem as triocheras. Dous fortes porioes
teve desta vez melhor resultado. O almirante Porler: e uma ponte levadiga do sahida para fra das li-
e o general Teylon apoderaram-se do forte Fisher, e nhas de fortificayao. Cerca de mil e irezentos no-
foryaram o inimigo a abandonar os fortes Casnell mens concentram-se na cidade, que elles chamam
e Campahell, onde delxaram 162 pegas de artilha- o Sebastopol1, da America do sul.
O commandante militar de Paysand o coronel
Acha-se anda o largo defendido por quatro sotas,
guarnecidas por barricadas e fossos as suas im- |?^J!2fS"JE nos irr^m 9 '
mediaguas. At aqu tenho dito alguma cousa so- Sk "krLT.l ,n'' d,miQ,},am a dlslanc,a do
hre a nran rta ma.ri, i,,.n ,Q An imi migo, porqoanto com mais forga carrepavaraos
forga carregav;
sobre elle. .
Haviamos transposto a prmeira ra, e mudava-
mos de uctica, iuvestindo enlo em linhas de ati-
arti-
podfa engaar
do a primeira a distancia de quatro quadras (200 S^SJZT^IZ^^JK T. cT"a'
braga) da segunda pela parte do oeste. Nos mais ? Ti"' t TESE.?!'J2**?. d.i^r.d.?.n??
lados essa distancia varia conforme a conveniencia.
lauos es>a uisiaucia varia coniorme a conveniencia, co ,- m,n!o ,,s j i ----......-- -
F-rmam as trincheiras rau.alhas de duas bracas lKSLSSI* Z2Z2!> Ivahy' S0.bre ,0"
a .iinM ,:...... f____.i.- L_______i"s~ AS a da Painahyba e Belmonte, que em lingua-
de altura e seteiradas, fossos de' braga e meia'de
largura e duas de profundidade, e casas tambem
seteiradas guarneciendo os flancos das muralhas.
Alguns dos fossos acham-se chelos d'agua, bem
como em algumas ras existem barricadas. Essas
casas que (lanqueiam as muralhas cites as denomi-
nara cantones ; sao fortificadas, e aellas esto
tarios desfavoraveis nossa causa, suppondo al-
guns que as duas repblicas reunidas virio a por
em perigo o territorio do imperio, e outros que
este mal ser brevemeute aggravado pela declarago
do general Urquiza em favor do Paraguay e da
banda oriental; nao ha porm razo seria para dar
peso a essas interpretages, quando certo que'as
forgas brasileiras comegaram por um assignalado
felo que tem duvida ser seguido por muitos
outros.
Aqui existe, verdade, o ciume e receio de que
o governo imperial entretenha vistas de conquista
sobre as repblicas do Prata; roas ninguem des-
conbece ao mesmo tempo que o Brasil est as
circumstancias de lutar com vantagem contra a
crise que o cerca nesta occasio.
Espera-se em Inglaterra qne o presidente Lpez
comegar as suas hostilidtdes contra o Brasil pela
invaso da provincia de Matio-Grosso, que nao
fortificada e onde nao existe guarnigo bastante
I para oppr-se ao inimigo.
Derby feito na cmara hereditaria algumas ebser-1
vacoes hostis, sobretudo em relaco a conducta!
deste governo para com o Brasil.
Esse rhe.fe do partid tory censuren o gabinle .
de lord Paimerslon, attribuhdo-lhe grande parte
na questao diplomtica que determinou a interrup-;
gao das relagdes polticas entre* imperio e a In- i
glaterra; e fez sentir a conveniencia de que a ca-
mar fosse informada do estado daquella questao,:
que ao governo, cumpria resolver a'isfactoriamen-
le at pelo interesse que deve a GrSa-Bretanha em
nranter boas relagoes com aquelle palz amigo, e
com o qual a Inglaterra cultiva relagoes de com-
menio muito importantes.
O conde Russell recapitulou as aecusagoes, que (
sempre nos tem feito,deixando porm de refenr-se;
decisao do re Leopoldo no caso dos offlciaes, por
que isso Ihe no convinha de modo algum.
Na apreciago de S. Exc. o tmpeador do Brasil
apenas qaeixou-se do modo por que o gabinete de
Londres mandou executar represalias, visto como
ra. O almirante Federal preparava-se para subir
o rio e atacar Willmiogton, onde entretanto as
forcas confederadas se dispunham para resistir,
apezar da pouca probabilidade d'uma longa re-
nskncia. A tomada deste ponto pelas forcas fe-
deraes ser de graves consecuencias para a "causa
do Sul, porque por all que o exercilo confede-
rado recvbia as suas muimgdes, alm de que lode
o commereio extenor da confederagao era feito
Leandro Gomes, ltimamente promovido, segundo
dizem. a brigadeiro. Seus bragos fortes os coro-
neis Lucas Pires e Azamhuja. O primeiro desies
dous ltimos um gaucho atrevido, homem de re-
solugo e valente, mas tambem assassino de no-
meada. Azambuja infelizmente Biasileiro, edes-
ses que renegam a sua patria, vendendo-se raisera-
velmente ao inimigo. Sao elles dous os por aquelle mesmo porto; e com quanlo seja pos- o fogo que mais tarde, deve devorar Paysand, e
sivel achar-se um outro ponto na costa para o' impellem Leandro Gomes a uma louca resistencia;
mesmo fim, isso todavia d'execugo difflcil e por sao elles os que do a Leandro, anda que por pou-
isso toda injuriosa para os interesses d'uma causa eos das, os nomes intrpido e hroe, quando
desesperada que carece de prompos remedios. O jamis consigui elle afastarda fronte o ferrete da
general Sherman contina a sua marcha sobre ignominia, do as.-a Charleston e Branchville, parecendo assim querer rendeuse como umcovarde, e como tal morreu.
atacar esses pontos para obrigar talvez Lee a des- Tendo j dado ideas, anda que resumidamente,
tacar de Richmond numerosas forgas, com o que do que Paysand, reportme agora aos aconte-
o general Grant fieara habilitado para investir com cimentos da guerra.
vantagem a capital da confederagao do sul. Em No dia Io de dezembro, ao crepsculo matutino,
Wa>hington se attribue a Sherman esse plano que sahiam do ancoradouro de Buenos-Ayres, em ba-
acima fiea descrito. lisas exteriores, e dirigiam se a Paysand, os na-
dara e cloquete fallavam as turbas inimigas. De-
balde estes intentavam responder acuellas bombas,
que os fuhninava; grande era a di>tancia a que es-
tavam dellas, e s o grande calibre e qoalidade da
nossa artilharia podiam vence-la. Ainda mais iam
os fugeles de congreve mortificados, perfurando-
Ihes os edificios no amago da cidade.
Apezar do fogo mortfero que se nos fazia, conse-
guidles chegar a uma muralha, distante apenas
duas quadras da praga. Derrabar esse obstculo
e ganhar o outro lado, foi obra de poucos momen-
tos ; para tal fim serfiram alguns machados que
eu havit levado com o ref reo de imperiaes que
me acompanhava. Foi nesta occasio em que da-
vamos vivas ao imperador, marinha, ao exercito
e a bravura que uns e outros ah demonstrav.->m,
que o galhardo e distincto capillo Peixoto perdeu
um dos dedos da mo direita.
Era em verdade um passo de militar atrevido ir
alm dessa muralha, que nos encubra do inimigo.
Entretanto a peto descoberto conquistamos uma
qaadra mais de terreno, atravez de um choveiro de
balas quenesenviavam os sitiados. Tocamos mais
de cera homens s trincheiras; esclalas e entrar-
nos na praga era o nosso desejo ; mas apruden-
cia, que devo caracterisar aos grandes generaes,
releve ao general Flores, que nos mandou conser-
var a posigo que tanta ousadia e bravura tinham
conquistado. Flores mostrara interesse em peu-
par os nossos soldados, c dar um passo tan teme-
rano seria cantar uma victoria por demais cara.
Nao posso nem devo esqu-cer os nomes dos
companheiros que comige estavam nesse momen-
to ; nao menciona-los seria um crime, pois que
deixaria passar to bella occasio de apreseotar
aos nossos compatriotas no Brasil os bravos de 6
de dezembro de 1864. Eram elles : o capito
Mr. Blair chegra a Richmond, viudo' de Was- vios da nossa esquadra Recife e Beberibe. O almi- Guil iares pe.olo ,arrt0
ington com proposta de paz segundo aflirmam os rante baro de Tamandar com o seu erf*"-~'
jornaes da Uuio ; mas ninguem acredita na effi- achava-se no primeiro debtes navios.
os alteres Ewerton e Paula Pereira e o cadete
^ mii fiatgait a iiKiniiiitiu, Mtiu i uc ao 'iuj mi tiuaoa c-
hngton com proposta de paz segundo aflirmaro os rante baro de
jornaes da Uuio ; mas ninguem acredita na efli- achava-se no primeiro nebes navios, bu, por or- Helvecio de Menezes todos do con lo 1 de
caca desses esforgos porque a base das propostas dem sua, havia descatado da corveta Nitheroy, e se- HMSKSSKSSSSS^SmuiSL
lio nres (tunta l.innnln lm comnr cirt/, roiu.nl,.. onia lainhom nn tt.rif. fmmnnH.rf > A. nnmn_ '" '"".' """ I"" marrona Hlieser, JOa-
tado-maior
Eu, por or-
As folhas ministenaes inglezas nao tem aggredi- d'ahi resultou uma offensa para a soberana do
I do por em quanto o gabioeie do Rio de Janeiro na j Brasil; mas o conde Russell negou mais nma vez
j questao de Montevideo, porque nao Ihes resta me- que a sua intengao houvesse sido desrespeitosa,
or duvida da boa f com que o Brasil est proce- sendo, como allegou, que o governo britannico ob-
dendo naquella emergencia. Demais a mprensa servou naquelle caso as regras do direito das geu-
deu em tempo conta da misso especial do Sr. Pa-; tes, executando represalias no Brasil com o mes-
ranhos, a Buenos-Ayres, e nao seria com projectos, o direito com que Sua Magestade Imperial as ex-
de conquista que o governo imperial havia s illici- ecuta ueste momento na Banda Oriental! Fallando
tar e esperar con-eguir da republca Argentina
uma ailianga offensiva e defensiva coutra Montevi-
deo e Paraguay.
A crenga geral aqui pois que o Brasil obra
actualmente contra essas repblicas por motivos
justos e sem ambigo, buscando n'um caso a repa
rago de injustigas e n'outro defender-se contra um
inimigo gratuito
O Paraguay faz porm publicar na Europa pela
da mediago, o conde Russell dlsse que o gabine-
te de Londres propezera ao Brasil, mediante cl-rei
de Portugal, termos que ne foram aceitados pelo
gabinete do Rio; em seguida este offereceu uma
contra-proposta, que tambem nao foi aceita pelo
governo britannico, mas que havia razes para crr
que o governo Imperial aceitara uma nova propos-
ta que este gabinete aeabava de offerecer-lhe, de-
vendo pois esperar-se que as boas relagoes entre os
imprensa de qne o gabinete do Rio de Janeiro leva dous paizes seriam brevemente rostahelecidas.
em vista conquistar a banda oriental, e queso Essa linguagem nao parece entretanto ser fun-
para mauter o equilibrio das repblicas do Prata
que elle acaba de declarar a guerra ao Brasil I
E*tas injustas aecusagoes nao causara entretanto
sensago neste paiz, onde o Paraguay bem conhe-
cido por suas gentilezas, e cujo ministerio dos ne-
gocios estrangeiros tem constantes reclamagies
dada, porque nao combina com a primeira parte
do discurso desse ministro, na qual S. Exc. de no-
vo sustentou os abusos de Mr. Christe e do almi-
rante Warren, contra os quaes o Brasil reclama
com justiga ; e nessas circumstancias essas pala
vras do ministro da rainha significam uma mancha
COMANDO DAS ARMAS.
Qnariel de eommando das armas -le Pernambuca
na cidade de Recife, 27 de Fevereiro de 1865.
Ordem do dia n. 38.
O coronel commandante das armas determina,
que na manha do da de margo vindooro se
passe revista de mostra aos corpns movis do exer-
cilo, coropanhias (soladas e deposito de voluntarios
da patria, pela ordem seguinte :
A's 6 horas companhia de cavallaria, s 6 1/8
ao deposito de voluntarios da patria, s 7 ao 4o ba-
talhao de artilharia a p, e Analmente s 7 1/8
companhia de artfices.
(Assignado.) Jote Marta Ildefonso Jacome da
Veiga Pmo* e Mello.
(Conforme.) -Ttfciircio Hilario da Silva Tavaret.
capito ajndante de ordens interino.
contra o governo d'Assumpco, motivadas todas; parlamentar, com que elle busca entreter a opinio
pela m f com que o presidente Lpez busca' publica.
sempre Iludir os seus compromissos diplomticos! Pde-se calcular j que as concesses feilasporj
com a Gra-Bretanha. i este governo ao Brasil nao versaran, sobre o prro-:
Os fundos pblicos brasileiros acham-se sem af-; cipai, porque como tenho dito por umitas vezes nao;
fectago, ape chegando do imperio : os de 5 "i. se maniera de 99 dades subalternas fazem em uome das superiores,
do presidente Lincoln tem sempre sido o reconhe
cimento da Unio, do que a confederagao tem
constantemente resistido. Alguns Estados d'esta
eeotreesse o Tennesse, acabara de proclamara abo-
lgo pura e simples da escravatura ; e essa idea
parece propagar-se, de modo que em breve se es-
pera que todo o sul haja recoohecido aquelle prin-
cipio. Ma porque proceder agora a confedera-
cao naquelles termes, quando desde principio man-
teve a doutrina opposla ? Ser um expediente
para tornar a lula sem objecto e assim desmorali-
sar mais a causado norte, ou para induziras gran-
des potencias a reconhecerem a independencia do
sul? Ambos estes expedientes se conciliam, e
pois os attribuo a m idea dicisiva a bem di reso-
lugo de que tanto carece a causa do sul, que
agora se acha gravemente ameagada; mas nao
confio na sua eflkacia, porque as grandes poten-
cias nao desejam desagradar ao gabinete de Was-
hiugton intervindo na lula.
O congresso americano autorisou o presidente
a commnnicar a Inglaterra a expirago do tratado
com o Canad, e ootro tanto far acerca do tra-
tado d'extradigo- Em data de 28 de Janeiro ulti-
mo annonciam de Nova-York que Mr. Blair re
gressara ao Washington sem baver nada conse-
guido om favor da paz. O oure ficou com 112 de
premio.
100 ; e os de 4 1|2 | a 83 1|2. Os consolidados in-
glezes 3 [ a 89 1|4, 3|8. Fundo- pblicos do Chi-
le de 6 "io a 10 11|2 ; ditos portuguezes 3 | a 47
1|4; ditos hespanhoes 3 |0 47 7|8. Dinamarqu-
zes 5 |o 97 112. Emprestimodo Egypto 7 i. 98
1|2, 99. Russos 5 |0 90 3|4. Italianos 5 | 64 78.
Turcas 4 |o garantidos a 98 1(2. E gregos o |
231|8.
salvo quando se trata de uma nago importante
pois quo entao o governo britannieo costuma incli-
narse para a docilidade.
A' vista, porm, das palavras do conde Russell.
o conflicto augiu-brasileiro entrou n'uma nova pita-
se, e por conseguinte contina esse assnmplo a ser
discutido mediante os bons offlcios de S. M Fide-
lsima, cuja mediago nio terminou portanto ape-
No mercado de Liverpool o algodo superior de zar do que nesse sentido baviam espalhado algo
\ Pernambuco est a 25 d. 1|2 por libra, e o medie
I a 23 d. por libra. 0 do Maranho de primeira
I quahdade a 25 d., e o da Bahia a 24 d. por libra.
: Esta cotago indicava firmeza, e a procura desse
artigo tem sido boa na ultima quinzena.
O. cacao do Brasil est de 40 s. 59 s per cwt.
mas folhas.
Sua Magestade a rainha Victoria, apenas infor-
mada pelo duque de Nemours da chegada da prin<
ceza Imperial do Brasil a Southampton, envin
aquelle pelo telegrapho sens affectuosos compri-
men tus para a princeza do Brasil, com a declarago
Caf de 1' qualidade de 70 s. 80 s. per cwt; 2.a I de que eslava anciosa de avistar-se com S. A. Im
quahdade de 64 t. 70 s ; e ordinario de 52 s. 63 s.! penal.
per cwt. Pao Brasil nao tera apparecido venda.
Assncar branco do Pernambuco e da Parahyba de
22 s. 6 d. 28 s. 6 d ; mascavado de 16 s. 22 s. per
cwt. Dito branco da Baha de 20 s. 25 s. 6 d.;
mascavado de 16 s. 19 s 6 d per cwt.
seceos do Rio de 6 d. 1|4 a 9 d. por libra
Espera-se que S. M. ir brevemente aClaremont
fazer uma visita rainha Amelia, para encontrar-
se nessa occasio coro a herdeira do throno brasi-
leiro : por este modo a rainha nao se humilharia
Couros sendo a primeira a visitar a princeza, nem esta
ditos i igualmente, se houvesse de ir ao palacio de S. M.
salgados do Rio Grande de 4 d. I|2 a 6 d. t|2. | primeira mente agora que as relagdes cutre o Brasil
i As nossas aegoes de estradas de ferro Bcara pelos e a Gra-Bretanha se acbam esriada*.
INTERIOR.
Noticias da guerra do Rio da Prata.
Paysand, 10 de dezembro de 1865.
CARTA PRIMEIRA.
Mea estimavel n dador. Tenho apenas alguns
instantes para esorever-lbe : o servigo urge que
especialmente roe dedique ? elle, e com summa
difficuldade que poderei nollciar-lhe sobre os feitos
de nossas armas no Rio da Prata. Entretanto, gra^
to redaego do Jornal do Commercio pelo boro
acolhiinenloque tem dado a alguns escriptos meus,
esforgar-me-hei por deserever-lhe com toda a vera-
cidade os quadros qne a minba vista se-forem de-
buxando.
Dispondo de acanhados recursos, envolvido na
Iota que passo a relatar, e afadigado pela vida que
eu, offlcial da armada, tenho sopporlado era conti-
nuadas marchas na campanil oriental, nao sei se
conseguirei cora as minhas expressdes acender o
enthusiasmo dos que me oovirem conlar feitos to
nobres de soldados lio bravos. E' como verdadeiro
soldado qne Ihe escrevo, exprimo as sensaefies con-
forme as (enho receido : repito sem arte o grito
do hroe que se arremessa lula, assim como o
gemido do moribundo que honroii a patria. Pos-
?am as minhas palavras vibrar os neitos dos rass.
guia tambem no Recife enmmandando a 6* compa-
nhia de imperiaes marioheiros, que devia reforgar
o corpo de desembarque. O contingente do 1 ba-
talhao de infantnria estava distribuido pelos dous
navios.
Passamos em viagem os dias 1 e 2. Este ultimo
quim Lamare, Conrado e Alfonso. Mais tarde
reuniram-se a nos o 2o tenenle commissario Cas-
tro e os guardas-marmha Saldanha e Vctor La-
mare, com algumas pragas que haviam ficado
distrahidas com diversos tiroteios.
Os inimgos, que a principio respondiam s ao

alguns
acanhada cmara do Recife os demais companhei
ros sentaram-se mesa da praga de armas, por
occasio do toast, distribuido o champagne, sali-
da vamos alegres a S. M. o imperador e sua augus-
ta familia.
O dia 3 j passamos tundeados em frente a Pay-
sand, onde nos encontramos com os navios Par-
nahyba, Belmonte, Araguay e Ivahy, e no da i pe-
las seis horas da larde desembarcara uma parte
das nossas forgas no arroio Sacra, alm de acam-
par ao Ueste da cidade. Ahi fez uma allocugo o
nosso digno almirante a esss soldados, que delle
sedespediam cheios de vida e ertlhusiasrno.
atacadas por 200 imperiaes marioheiros sob o
eommando do Io lente Montaury, e por 500
600 pragas de Flores. Por esse lado nao menos
digno de elogios foram os nossos soldados e offi-
claes.
Com quanlo o fogo fosse entao menos vivo, nao
poda deixar de inspirar-nos receios o pequeo nu-
mero de soldados que nos rodeiavam se fossemo
atacados por 300 ou 400 pragas dos sitiados, no
caso de uma surtida. Eramos pouco mais de 100
no norte, desconheciamos o terreno, e estavamos
longe das muniyScs ; linhamos portanlo desvanta-
gem, j relativamente ao numero, j em relagao
aos recursos de que carecamos. Para
Falvra =ffift2 fc Z T ^"T 5S5KHK Mm^uel^pS'iS
palavra oulorisada do veterano soldado animando oa rua> e coDservamb-noa todo o dia com alar-
mas na mo respondendo ao fogo que se nos
lazia.
A prxima va-se a ooite, e qnando esperavamos,
ao abrigo della, intentar alguma empreza, recebe-
mos ordem para abandonar as posigoes, e recolher-
mo-nos ao posto onde deviamos acampar. Eramos
militares, cumpria nos obedecer ; mas nao foi sem
dolorosos senlimentos que retrocedemos por esse
mesmo terreno poocas horas antes conquistado
com lanto denode e intrepidez. Vultamos. ver-
il
as suas tropas e abrindo o livro da nossa historia
para nelle escrever mais uma pagina gloriosa dig-
na da admirago da posleridade : Esgoiados os
meios razoaveis de terminar a questao de direito
em que se empenhou o nosso paiz, dizia elle, s
Ihe resta oappello vossa bravura e dignidade pa-
ra sustentar o santo legado da protego dos seus
filhos, lo injustamente aggredido por aquelles a
quem ides combaler. Marchai, conlinuou elle apon-
lando para as fortificagdes de Paysand, busca de-
nolir aquellas muralhas e desarmar aos que enco- dadej mas cheos de orgo|no w lermos alacado
bertos por ellas sao inimgos da nossa Iranquillida- ao mimlg0 entrincheirado com forcas iguaes se nao
de e progresso. j ofenores, tomando Ihe pontos importantes e arro-
Era bastante para os que sentiam correr-Ibes' V0**00* *t s ,r'Bcheiras-
as veas o sangue brasileiro e se mostravam zelo- E' da tctica militar francesa que os sitiantes
sos dos sens diretos. Iamos empregar as armas devem estar para os sitiados, quando menos, na
-para a sustentago de uma idea, de um principio ra ode 6:1. Entretanto, as armas alliadas brasi-
que a civilisagao abraga e o barbarismo repelle ; leiras e orientaes, sustentadas por pouco mais de
araos reivindicaros nossos diretos extorquidos mil homens, investirn) sobre uma praga defendida
por nma caterva de irreftectidos e sanguinarios. por mil e duzenlos, e junto s suas forliucaces
Compunha-se a forga de mais de irezentos ho- sustentaran) doze horas de fogo.
mens, sendo cerca de duzenlos e cincoenla sida- Pelas 10 horas da ooite acampamos junto ao rio
dos do Iode infaotariae fuzileiros navaes comm-n- em frente dos navios da esquadra, e, prostrados.
dados pelo capito Guimares Peixoto, de alguns pela fad ga, entrgamenos ao somno, depois de
marioheiros guarnecendo tres pegas de campanba distribuido o servigo indispensavel para a vigilan-
commandadas pelo lente Teixeira de Freitas, cia nocturna. Ao amanhecer do dia 7 aqui e aco-
e orna forga de Imperiaes marinheires sob o roeu la formavam-se grupos, e uns narravam os nobres
eommando com o fim de proteger a artilharia. feitos de outros. Depois de ouvi-los algam temao
Depois de tres horas de marcha, estendemonos retirei-me nm pouco da scena, e mais de longe
pelos campos- de Sacra, e passamos ao retento. A quiz apreciar o quadro. Subi a uma pequea en-
eslenlidade do campo nao permita ao menos uma cosa, e d'ahi, levadj por xtasi de almiracSo, p-
arvore que nos amparaste do orvalho, nem mesmo plaudia-os, e senta me orgulhoso por haver hora-
crescida relva que ofrerecesse commodo; a agua breado rom lo dignos camaradas. Nessa occasio
o despertouse-me a idea de esorever sobre a guer-
a ra; e la-rae entregando mediiago quando pren-
h



I pantanosa, que repe'/namos a principio, era depoLst
balsamo consohdior sede que sopportavaraos; i
^


----.-------
deu-me a ltenlo ura vivo dialogo mire doos ma-
rihheiros, que al eolio nShfos havia eu visto.
Admiie-se disto, dizia um que pe Inicia a artilha-
ria.ie era, ereio qpe, carregador da pega dirigid
pelqnuArda-marinha Paiva, o meu guarda-marinha
era m qae, quando -a bala rnimiga nos leveu o
cabo Molla e o chefe de peca, elle, tomandi a mes-
roa bala, que ficou Junio a. nos, introduaiu-a oa
pega, e falln : t Vouviao*r-&M a morte t
mesmo instrumento ; a fontana nao
desta vez.

------f-----**T-
gal por execugo do contrato
r:,ri .B,r::rrr
l>lttrlo de Fernambuco Terca lelra t8 de Feverelro de 185.
<
?
* '> r
-^
- na parte relativa s
oorfgagoes a targo da adminislrago.
t Em these, e em hypolhese, portante deve ser
4tecAdapelppo-^rt*,.eMdttoi ospits-
coosultos franceies, isto por um jmiikt*
Has^ml deve ser -* administrativa, sio a
presidente, ou a judicial.
O principio entre pos que sraeute admi-
nistracao compete conhecer das queslQee e aceas
we/idtar .^denles a declarar .estado devedor. Esta .*
I disposigo da le do canse I ho de estado de 23 de
Apenas acabava o primeiro de der eslas pala- novembro de 1841, art. r 3.
vras, e j Ihe dizia o outro : lg*ar fazenda Uve- Na dfceussao da M, no senado, flisae-ee positi-
mos por c. O Sr. guardaimartha Blieser,*endo lamente que ella tinta por flm suhlraWr ao co-
que alguns companheiros da segunda fileira que- ohecimento do poder judicial as questes de.hi-
riam separar-se dos otares e sabir a unta sotea demnisago, e as acoaos tendentes adecuara es-
para acrem fogo o amigo, afiancen elle s em lado devedor.
O conselho de estado devia japJMt ti Tr4JiaMN>o presento sessao; este campo parece mal desarraamento em grande-escala. A cmara funda-1 Lsbda ao oaaneie a 9 d t*var.rn ^ruu*
va-senas promesas paciflcaslfittas jer al, eotendendo que era este o nico raeio da.de visitaraS. lUweSffi KdeVa-
jusi.llcar apojitaaa oenctliadpra anonociada. I ganea e S. M. ehreioSr' *r&T Fl-rei D
* que o imperador exigir que o governo, & foi a barde de **>! aaanpanhar os au-
para dar o seu parecer a recete de> sajaiiiW
qnesitos propostos pelo gavera: se na eo*far-
raidade das leis do reino e das JrVf1Ht*gi1*""; ida
cora, o governo poderia concetiar fanntMtta
eueyelica, cumpriudo ao mesmowaadMlMi
os paragraphos que devertara ser supprimidos ;-
anal a responsaottidade que recabe sobreastis
pos qnando publicara a encyciioa* a (asem aoom
paohar de cantea paslucnM qua ieclarem abriga- Wm
tena a raeacMWia encclicas* se a p-bcacjio -aoet
MBjlid par que um dos eUues mais acreJjiaos
4ajiartido tary, lord Stanley, declarou em Livor-
#0*4,.ao anno passado, que as actuaes cirouew-
iWWias, aquello imposto nao poda ser abolido-
iJt^l^^ par!id radCal q"? tem alf,?ma! f,tend??se "o pedMoUaamar-, que jalga 1egi-1 g^g viajanT^Ie Tn^ranTnoTacoVAiada
influencia e prestigio, tem ^vacado successiva- timo. Diz-se que ejQaciivamente o gverao camu-, 6 Cont nuaam os tfnaili i i. i J .
,a*a*aseus eleitores, aQm de se niutiiptioapam ipara an ,?radanta a, n*m~* n,^ T?, ^^"S^!0 J?^ b parlamentares. O
tate doattaMnsa*pde,-peaaarin praaeMa~da
Uberdade gaa dwiwicta a 40WMMa, em elajae s
keisdoesrtda. ^^
Diz o Mmt, jooKl de Pons.^ae o cardad An-
aaaUe e^gattra dodos os ouaetas da aula S
porrde4a Su andae m cwaalw eapli- raes afoxima eeigao, naqweHe Antricto prenun-
pro
O
lord
lacros a respeHa 4a efurna teocal.
discutiram-se e apnomarara-ee ena um
i versas propostas landnatir aaondoaaoar
por que a cmara tem proafidulo auula
a pedir aos ministros ompdaaenlsas
solemnes que flzerag ao paiz.
de de Ainberl^y,, Mm mais piba i
Kussell, que md dos caiidulalus ttfce-
abandeira, e no meio dasbalas gritou : Mttri-\ Depois de hesitacoes na jurisprudencia dos, capdo p vnrriaiteirox tmma tontido jaj oee^w- -iou se por -ama eyetwao mtaai ttiimitada do thret- iwW.
luciros, avante, no drsmttiiareui u noua bmtoira, I trrbunacs franceses, a duulrina que all vigora,
fttjJMHos sempre com os prinuivos.
O primeiro destes faclos nao o vi, contaram-m'o,
accrescenlando que a bala reenviada fui morrer
as lortillca{5es iwimigas ; e, se ella nao viogou,
orno pensou o gHarda-marinha, a morte dos doas
marinheiros, peto menos levou un laptismo digno
alis de na inuito ensillada pelos autores mais dis-
tingos de direito administrativo. FOra tongo cilar
estes autores.
O estado rcsponsivel #eranJe os tnibunaes
sement no que respeita ao estado como pessoa
privada e nfia como peasoa publica,
O roinistexio da lazeeda entre tate, sempre. que
gnndo, fui cu dclielestemnnba occtHar ; e eramos *" tido-conheclmeato de acoges semelhaates pro-
perto das Irincbeiras quaudo clwmei pelo guarda- j Pusias_em juizo, tem mandado levantar o oo/iicto
tnarinba Eltescr, e o vi a algunspassos de mim na !* jorisdicefio ; as partes tem reconhecido a com-
nicara ao presidente da cmara, que aceilava a
proposia da aadaccito m gloso de 23 milhoes no
ornamento; no coaselao d miuistres que prece-
den esta conoeasao, e- rador, toilos os ioiatas raaiifesiaram aesajos de
de accordo, mas Mr. Scbuierling foi moiio positivo,
pois afflrmou me a diaslaoau da jamaca seria
nma calamidades jioi a coidLuca da Hungra as
actuaes insiituiofieaiiharaesdia,ppafafieria da ovo
se se nao attendeese aos desejos da cmara po-
conde de Torres Novas, e India tinlia chegado a Gibratkar e esperado em Lis-
boa no dia 13. izia-se que o general seria chama-
do a dazer parte do gabinete.
Os bailes do paco a dos condes de Penaflel esti-
vn esplendidos.
A eaUeao do caGMHial oaaafci frtil em festas e
distraojoes paca todas a* lagunas e posicoes so-
lOiaes.
O conde de Thomar porgani^ra na cmara dos
paree-aue instruccoes tmha levado a esquadrllha
porlogueza que veio ao Brasil eRw da Prata, acer-
ca do conflicto actual com as repblicas do sul. O
frente da segunda divisio, diwodo-lhe que sqguisse
sempre ao (lavilhSo, quo elle lio dignamente sus-
peudia.
E como<;stcs muitos episediosederam, que par
escassez de tempo deixo de contar.
petencia, o as (trcenos tem^arido.
O conselheiro Ferraz, qunndo procurador liscal
do theseuro, tendo notrera de que corria em juizo
urna areao contra a fazenda por iudmnisacio de
prejuizos em fornecimenVis tropa, declarou ao
Sei tnatsque se portaram oom muita distiBocSo: procuradt.r fiscal do Maranbao o seguinte, em o(-
cio de abril de ISoi :
< E porque a materia discutida, sendo relativa
% a ndemnisaro proveniente de con tratos, que
tenbam por bjeeto o servieo publico, a divida
nesie combate os primiros-tenentes Teixeira de
Freitas, Monta ur y, Duarie, Barros, Sello e Xavier
de Castro, o guarda-marinha Korunha, e o eoimnis-
sario da 3* classe Sanios.
Oesejava consagrar algnmas linhas o noswbra- de fornecimentes fciios a iropa, caira na esphera
yo e bbnrado vicealmirante, mas sena isso e*pen- j ^o contencioso adminislrau-vo, e como li
der juizos que todos lurmam sobre a alia repula-1
(lo milHar do distinelo bario. stivesse em mim
poder offerecer-be alguma-s jala-vras, conforme
sraio, buscarla a sua esnada,para gravar-lbe na
lamina a imiaco de Napole* 1, a seguinte ins-
cripfSo : 4 das as vossas victorias c .feilas de honra, mas nc *
smcantro cswc.0 suffkimte para os cvuler. ['
Fn-vucisco Jos de Frhitas Io lejienie da armada.
(Do Jornal do Comm.erc.io, do fttoj)
ItlO BE JAXKIBO
Comprlema aatmnistrafiva.
O Ilustrado Sr. consellieiro Almeida Aseas^ con-
sultado a res.peito de urna grAvequeslao de com-
peteucia admiostrativa, deu o luminoso parecer
que abao iransc-revemos.
Esse parecer reveta muita prnficiencia da male-
ria, e um uotavul acert de ajprecia^ao.
Versa sobre urna materia importan le, e na qual
freqnenteraeiite a^pareceu dovioas^ ncm menos,, se owginam da falla de onheoimen-
tos espeuiaes daqtiqlles a quew commotlida a re-
sol ucao.
pete o seu'conbecimeDto eaoluaivamente aos jui-
zes, e Hiibuoaes >adminislrativos; aumpre que
d noticia do qae oecorre ao Sr. presidente da
provincia, requisitaodo que se proceda ulterior-
mente nos termos do artigo 24 do reguiamento
de 5 de Jevareiro de 4842, afim 4e sc*ar-ae o
conflicte de jurisdiccao na forma dos ans. 25 e
segumtes, etc.
As raides, que justificam em theoria a compe-
tencia administrativa, sao por deinais sabidas para
que as exponhamos aqw.
Este assumpto pao mais dwvidoso em tace
do artigo 1" g 2 do decreto de 29 de Janeiro de
l&il), approvadOipelo artigo 12 10 da lei de 27 de
selemlira de 1860.
Esse decreto attribue exclusivamente ao mi-
nistro da fazenda :
Gonhecer das qoesloes que versarem sobre o
cumprimenio, iuterpretaco, validarte, Teseisao e
c effeitos das liancae, e dos comimtw celebrados
nacoes ceudas no SyttJbus; que nao sendo aqael- to eleitoral. ~ Foi adoptada na cmara austraca por grande
Jas proposiees aoorapanhadas da menor observa- O programma do joven orador muito liberal, e maioria urna moco cara se conceder a liberdade
cao theologica, se deve procurar o seu sentido no foi muito applaudido ,pete ^cmufStar tro. ao general Lengriw.tz e U polaco, jn Z2SrS?Z2i?2.
lexio dos documentas, d'endaoram extrahidos. IQrnaes.pelos principios sustentados e ideas exuen-,temadas. pnesioenie aocooseino, ouqne de Lome responoeu
.iz.segueSuaSaoaadenomearaamacommis- didas. ** | o ministro da polica declarou nessa oocasiao a n sao para em seu nome responder s consultas dos O visconde de Amberley tem apenas 23 annos que o governo trata va deste negocio e que quando
bispos a respeitodaeneyelica ; e que vto ser com- !e era anda ha panco, secretario particular de seu mesmo nao hquvesse a mocao, os desejos da cama-
piladas em um unioo wolumc lodos os documentos pal, d'onde se pode inferir que estas ideas se nao ra haviam de ser satisfeiios. '
a que se refere, para serum enviados a todos PS QPdem a de actual ministro dos negocio* estraa- Publica a Pease de Vienna a revolucio do *on-
episcopados catbolicos. geiros, lord J. Knssall. : seibo muoiwpal de fcetturiu, de rescindir con-
Dizem alguns jornaes que o governo brHannico Jahja-se que a cmara dos cmmuns adopta a trato que existia para que a educaeao das crian
ioflue em Roma por todos os meios para resolver, reforma, e conde Itassell, fldl as suas anligas opi- cas do sexo femiurno tlcas-ie confiado s irmas
Sua -aotidade o pana Po IX a abandonar a liaba,' "des as havia de sustentar na caaaara alia com a da earidade. O conselho resol vea transferir as es-
retirndose para a ilha de Malla. Jolga se que sua palavra e a sua influencia, colas dos convenios para outitus poalas da oidade,
este projecto tem relaco com a noticia'Be haver o Veriflcou-se em Manchester um meeting nume- determinando que de futuro o ensino fosseexclusi-
governo francaz mandado am vapor para Civita reswsimo onde se discattram propostas idnticas vamente entrugues a mestres seculares. .,,.- nn 7ZL,
Veechra, as ordens do commandante em chefe das as de.Leeds, sendo approvadas com omaior enthu- O governo russonoiaeau,o*rJQ4nque Cons-' rnniiiiiiaLm i Lr i. rLT ^!'ETTEt8
<*S*L ItanIino "ar a Presidencia do conielho de estado, Sm^Ba^U^^t A,,,nh0'
Mr. 'Brigt considerando em nulro meeting a re-! esta nomeacao atiranto a alteasio em toda a Rus-1
torma como quesfo de direito, sustentou o suffra- ;jia,nnde o rao^luqije pa**a por um emeo libe-
Ognvurno pontfBcio tem cortes ns recursos para gto universal, que julga nma conseyueucia legiti- ral entre o naiiulo KUoatio jia aj^touiacia nios-
faear as despezas 4o aanade 1865 e parte detH66. ma na igualdade dos cidadios i Igualdade que, se- covita.
lorg impanaes qae oceupam Roma, tempo,
porai, mostrar o qae ha de verdade nestas noti-
as.
maudanle da divisao naval portugueza sao as da
mais slncta neutralidad*, e lao smente para pro-
teger os interessados portoguezes all residentes.
Esta doclaraco importante.
Foi votada na cmara alta a resposta falla da
carda.
Rebello da Silva, o distincto acadmico portu-
guez, aceitn o encargo de traduztl a Historia de
Cesar por N'apoleo III.
Foi approvado o projecto do cammho de ferro do
Porto Regoa. TrabaJtiava-se cora muita activi-
0 estado sanitario Bcava excellente.
Na nolte ie 25.do Janeiro bauve em Torim ; gundo elle diz, existe *ra toda a parte para o tu
manifesiaeSes populares que se repetiram as dnas' glez, excepto em 'Inglaterra.
Lord Palmerston declarou que nao tinha recei-
do noticia alguma oflkial acerca da dennnciacao
dotratado e reciprocidade entre a America e o
Canad.
A cmara dos representantes na Blgica qc-
euna-se era discutir o orciinento da guerra, urna
Algons jornaes, aliudmdo i coincidencia desta
nomeacao com a doitr-iuuipe iapoleao para a pre-1
sidencia do conselho privado, fallam n'uma alliauca
entre os gabmetes de Pais e de S. Petersburgo.
A Correspondencia russadesmenlindo este boato,
diz que certo que ambos os ovemos teem mo-
tivos de queixa-fla corle pontificia por di veras ra-
2oes, mas rada um dejles responder como I be con
PERNAMRUCO,
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
PRESIOENQU DO SR. c Compareceaam boo'om,*? do cornate, os Scs.
deputados : Lourerro, Gervasio Can pe lo, iodoro
com a adrainistiacio da faaeoda, que tertham 'dopyndieo, repotio-se a manifesiacio o dia se-
por ohjecto quaesquer rendas, obrcK ou servifos guinte mtervtndo a gBarda nacional e effectuando-!
piiottcos a cargo da mesma administraeao. i se alguiaas prwoes. O partido mazjunisu trabalha
E' evidente, portento, que as iadeimweaoes le tem apparecido afflxados mullos pasquios assig-
legMB, reclamadas peles arreaiatantes de obras nados pete oommissaa tnarzinishi.
publicas, sao decididas por viaon*enciosa, iste ,' Emiinanlo parle da cmara italiana e do povo
Mesmo iior isso, c para illuslrace daoutllas que i pela fldm'nistracao da fazenda (decreto ortadn), om quena pronnnciar-se contra os actos do nrtniste-
noites stguiotes : estas manifestecSe*, porm, nao
tem o carcter de gravidade que se Ibes tem que-
rido attrlbuir.
O pmeiro grano formoo-se a 25, dirgmdo-se
munimpabdade, oode a pretexto da vojaco da c-
mara sobre o inqucrilo dos lomultos de setembro,
victoriot osyadieo-Oarri, dlrlgindo-se depois a 1ra-1 parte dos deputados que sustenta certo principios vinha, sem necessidade de um aecurdo ; que o ge-
hitacao do oonde de SchjpisJ'que depois dos aeon- econmicos, combate o systema militar, querendo. verno francez oppuzera eneyelica a circular que
tettmentos de setembro pedir a sua exonerado qoe se proleja o coraraercio, a industria, as obras proliibe a publicacao das formulas que sao contra-
ta presideaoia de senado, oombatera o convenio e ptrblieas e a a^ricuUura, applicando-seaos melbo- rias s leis do imperio e aos principios da igreja i Re8 forros e Sabina Olegario. <& 8r. presidente
a raosrereecia da capital para Florenca. fla nolle (ramentos qne redamara estes diferentes ramos de gallicana, e que pela sua parte o gabinete de S. declarou que nao poda haver essao por falla de
-1 prosperrdade, os quarenla wilbBes destinados a Petersburgo nao annulIon a concordata de 18A7, numere, e convidoa os Sns. daputadotf a se reui-
conservaao de nm exercilo permanente. Qulra como represalia do apoio prestado pelo papa in- 'em hoje, 28 s mesmas horas.
parte da cmara lembra flue a Tielgica urna,po- surreijao da .Polonia,porque a concrdala pom
tcncia neutral, e que pelos tratados est syb a pro-1 mal lh- faz, e nao o emharacou de tomar as modi-
teegao de chco grandes potencias, doduzindo desta' das que reclama va a amtpde do clero calholicopo-
circumstancia a necessidade de urna arganisacao laco; que ua actual siluac/io da santa s parece suf-
militar, como a que actualmente existe. flciente adoptar urna poltica defensiva secundo a
Contiana em Berlnainda a mesma sttuacSo, maneira de ver de cada um dos^overnos ; mas a
e nenhuma circumstaocia indica que da parte do poltica de aggress5o, e principalmente ama colli-
governo ou da cmara baja a menor idea de cede-' gaco para susteutar ess'a polica soria innoppor-
rem no campo de opposieao em que se acham. o tuna.
projecto de lei militar da momentneamente espe- Na questao da Polonia o grao-duque nao poder
raneas de conciliajcaq, mas a maneira por que est pre-tar graudes servigos, pois como sabido, logo
redigidofaz com que a cmara nao o possa_aceitar, que rebenton a insurregao o irinao do imperador
de .ti rapetio-se a manifestaco, mas a"os estucan-
tes que na primara noile haviam quasi eiClusjva-
mente temado parte na manifestaco, se reuolram
ae pararios ; e um grupo de dou? a tres mil t-
meos percorrem as^rincipaesrnas da cidade dan-
do marras a Mwgjietli e Perussi e v(vas a Gari-
bald, a repblica a Tunm, capitel da Italia.
Apear das proelamacoes da municfpatrdade e
.as provincia*, em-materia provinoial, devem
na adm.uistracao publica sao encanregaaos den- fTrr":p/ar*JaiS0ns?,htoe f* e*at, *Mi-* ^^ e
solver questous se.melhaoles, offeroctmies ao publ- ^e' fle i. art. 46.)
co esse trabalbo aportante- diwwhmm ,:
Eis o parecer :
< Ctnsulta.'Q direito atedemnisacesqucpos-
sa ter o empreHeiro de uma obra pwhlica por dai-
nos emergeutes da falla de cumprimento por parte
do govetuo s t .iipulacSes do contrato, recunlie-
ce-se ad:ninistraiivamenie,ous pode ser reconhe-
cido pela nossa assemhla legialaliv ?
< Qual tem sido a pratica do tbesouro ? >
esvosltiA quesio, de que trata a proposla,
reere-se a fazenda provincial, por curto, i pur isso
passo a expor o que me parece a este respeito.
c Perguutar se o ivcoubeeimauto de uma Uivi.la
provincial compete ao presidente ou a assemhla
o mesmo qae pergUBtar se as assemblas
provmciaes podem exercer jurisdiccao conteaciosa "W^'ifo.e
ou por outra, se ellas sao tribunaes adinmistrati- f^ -dire" do
vos judicial, e da comp
credor declarado peto poler
competencia eactasm da juris.>;ean
A negativa de intalcao. I admiuitrativa. (Deoneto de 22 de novemi < de
t era o aoio atdicional", nena otra alguma loi *& *** I '*' d*reto de 28 de HMMn de
posterior, investio as assemblas proviaciaes do ai'.'.*fl- "
rio Mtnghetle*frassi, e a sua impopularidade re
raanifostaem furiro, na lombardiaha a menor
TenaracSo por estes ous bomens de estado. 'Em
ser decididas pela presidente em primeira, e, alm Mllao oonstituio-se nma commissio que qasr pro-
disto, em ultima instancia, porque nao tonbece re- pera candidatura desdos exministros em todos
curso das decisoes dos presidentes. os collegios eleitoraes da Lombardia. Asnphi5es
Eii Franca aas obras paolicas departamen- manifeslara se afamdo convenio, qppondo uma
taes a eomputenoia administratrVH. t carta opnosicao ao Piemonte, contra o qnal sempre
.Declarar o estado devedor declarar o direi- esistio oa Lombardia um certo sentimento de ami-
to do credor, creara litlo deste contra o estado, patbia.
Declarado o direito, com a titulo que a pro-: O averno maniston o seu engrandectra?nto a
va do direilo adquirido coatra o estado, o credor arda nacional pela ua condocta enrgica e leal
reclama a liquidaco e ordenacao da despeza.
A liquidaco a verilcacao do rtelo (Irtra,
documento, dmsao administrativa, sentenea do
poder judicial, etc.) seu algarismo, leis da -pres-
cripcao, cnedito, etc.
A liquidaco, em todo o caso, ainda
foi do governo dasprovincias polacas, e nao 6 pro
vavel que possa a^ora fazer all prevalecer ideas
de concjliaco; alera de que o systema de terror e
de deportagao adoptado pelo gavorno xa'so na Po-
lonia nao parece vir a ser modificado; quanto s
reformas internas que na sua qualidade de presi-
dente do conselho de estado tem de tomar parte,
mema-
caracter de jurisdiegao administrativa.
a As assemblas provinciaes sao assemblas le-
gislativas ; tal a denomioacao qae Ibes da o acto
addicional (artigo i) ; a sua competencia titular
(artigo 10) ; e, a cxrepco de alguns casos (artigo
11, f 6, 7, 8e 9J, n-gular, por via de disposicao
geral, certos e determinados interesses (artigo -i).
As assemblas provinciaes sao, pois, uma
fraeco do poder legislativo (const- tit. 4. cap. b.)
O presidentes sao agentes da adraiaistrago
(const. tit. "-cap. I.)
t A jurisdiccao graciosa, ou coatenciasa tem
por li ni applicar a lei ou reg.ulamaa.tus s especies
occorrentes as relaeSes entre a adminisiraco e
os pariicular.es : essa jurisdiegao, par sua nature-
za, nao pode, pois, rosidir se nao na adunnistrago
eseus agentes.
Repugna ao poder legislativa tanto como ao,
poder moderador, exercer a iurisdicao gracioso ou,x dB uma duP|,ee operacao.
contenciosa administrativa. 644, (nova edigao).
Ahi estao innmeros actos do governo deca-1, a ^m despacho de -f'oguese -resume o
rando atlentatorias da divisao conslitucionl dos, das Vel''s. todas &'ti,s operagoas da junsdigo ad-
< Mas nao qer isto diier que estas duas epe-
racoesdealarago do direKo e liquidago devam
sempre ter dugar urna depois da outra. As infor-
raaces efliciaes, juntas s reclamages, podem
prestar o* eselarecMoeatoe precisos para no mesmo
acto a jurisdico administrativa declarar o direito,
liquidar a divida e mandar pagar : o qae sticce-
de qnotidianamenle.
K/Ctii/ioj(/o, porm, o dtrito, se a litfutdanao
te-oi lugar posteriormente, nessa nao se pode vais
per em dunda aqnelletdimlo.
A mi sao do juiz administrativo, aecresoenta
nos ltimos aconlecimentos-
A municipatidade resolveu dirigir uma
geni a el-rei.
JBUrel Vctor Cmmamiel foi a Ptorenca com o
jjenaral Lamormora, oude foi recebido com enttra-
mi'smo siaemos, diaem ans que se demorar all pouco
tempo ; muros aflirmam que nao regressar a
Tutp, e que a transferencia da capital se effec-
tuar brevemente.
O governo italiano opera lentamente a reduego
do seu excercito. Repetem-se os meetings a favor
da abolico da pena de morte.
O povo da lascan reclamaram contra a pena
de morte, quo esia-va abolida as leis daquelle du-
cado. O protesto dos toscanos achou echo em toda
a pennsula, oude houve repelidos meettngs pecha-
do a abolico da pena de morte.
A-camara vai occopar-se deste assumpto, mas
nao provavel que a fraeg.Io ministerial persista
na sua opposieao aquella reforma.
Adiscassao" do projecto da lei sobre a nnifca-
eaeiio administrativa, promoveu no parlamento
promoveu no
itaitamo um cheque contra o gabinete. Tmha-se pe-
Dotour. arada quando reservada ao ministro, e! dido uma voteeao nominal sobre a proposta ten-
aquel le mesmo que deve proceder a liquidagao, I denle a modificar alguns artigos da lei, no gue se
consisie em ob arcomo di.st..;nios. #Se o litigio refere s provincias ; a presidencia da cmara pre-
tor decidido a favor do reclamante," o ministro, lendeu eaeaminhar convenientemente as cousas,
tena effectuado sem duvida immediatamenle a : mas afinal a maioria dos deputados pronunoiou-se
liquidaco, e o mesmo acto exprimira o resul- no sentido da votago nominal. A proposla obteve
l votos contra i 13. A esquerda votou com o
ministerio e a dreita contra, oque produzio al
s gura tumalto na cmara, levantou-se a sessao no
meio da mais viva agitago.
Foi capturado pelos francezes do exercilo de
(Tom. 4o pag-
poderes as leis edis^osigoes provinciaes, que con- niinistiativa, islo o recoabecimenlo do direito
lm applicaco de leis e regulamentos, o que da do crfd?r> a liquidaco e a ordeaago da despeza. oceupago o celebre bandido Damburinl.
attribuigo exclusiva do poder executivo u da ad-
minislrago ; por exerople, nomeagoes, concessoes
individuaes de aposenladorias, celeiragao de cou-
tfatos, rebales e remisso de dividas. Av. de 13
de julhode 1860 e 19 de dezembre de 1801, ele.)
Amda mais : atienta a nossa organisago, nao
conhego superior legitimo aos presidentes para
reformar os seus.actos proferidos no ejercicio da
jurisdiegao contenciosa.
t O conselho de estado conhec das deliberacijes
dos presidentes for via de curso, us quando
versam sobre materia geral (reg. de evereiro Ida
1842, artigo 45).; stndo, porm, a materia firovip-
cial, qual o recurso ?
A'o cooneco uenhum, se nao o da adrainisiia-
gao mal informada para a adminislrago melhor
informada por qualquer modo, at uiesuio pola
susceptibilidade do curpo legislativo provincial.
t As assemblas proyinciaes nao podem conhe-
cer de laes actos por via de recurso ordinario para
reforma-las, allias a adminislrago passaria para o
poder legislativa
t O poder legislativo, diz Serrgny, nao compe- i
tente para reformar os actos emanados do poder
executivo, porque sao dous poderes diversos, j
que nao sao subordinados hyerarchtoamente
t um ao outro, como ubi tribunal de primeira
< instancia a um tribunal superior, ou como um
agente inferior da adminislrago ao superior.
{ Competence Io vol. pag. 3.
c Alm disto nao conhego paiz conslitucionl
em que as assemblas provineiaes lenham sido in-
vestidas da jurisdiegao contepejosa adminisrtaliva.
Os ronselhes provinciaes na Blgica, as depu-
iagSes provinciaes na Hespanba, s juntas geraes
ara Portugal exercem attnbuigw's mais ou menos
ampias, mas semelbantes as das nassas assemblas
provinciaes
Mas as deputacoes p-rmam-nL's na Blgica, os
amsethos de provhicia na Hespapha, e os conseJhos
dedistricto em Portugal, san os Iriknqaes adminis-
trativos que julgam do contencioso administrativo
as provincias, u por si, ou como auxiliares da
adminislrago nessas circuinscripgoes.
Em todo o caso s3o entidades di*Unctas : tan-
to verdade que a jurisdiccao administrativa nao
pode ser exercida pelos corpos legislativos geraes,
ou locaes 1
s Mas a queste da competencia administrativa
nao se colloeuu nunca nesse terreno : a uvida
se a decisao das quastoes contencioso adminis-
trativas deve perteucer admiaislragao, e a tribu-
naes administrativos, consultivos ou deliberativos,
nu aos juizes e tribunaes de juslica par outra, a
luta nao foi,nao nem podera ser, 6ob pena de
uma deploravei eooftsao de poderes entre oiegis-
a luta a entre a adminislrago
Falleceu em Paris o antigo ministro dos ne-
gocios estrangairos Mr. Touvenel.
Julga-se que Mr. Tliiers se prepara para atacar
no parlamento o convenio franco-italiano, defen-
dendo os principios da concordata concluida en-
tre a'Fraoga e Roma ; Mr. Emile Olivier respon-
der, a Mr. Thiers, e diz-se que tenciona fazer
triuas ultra montanos
Ahi se examina a questao de preseripgao, por-
que um crdito eonlra o astado, acabara reconhe-
cido posteriormente, pertence sempre ao exercicio
em que leve origem ; ahi se examina a que.-to de
creito, etc.
Nos casos em que nao ha crdito claro que,
reconhecido o direito, se devem pedir os fundos
precisos ao corpo legislativo.
O direito do credor, porm. est reconhecido:
a divida est liquidada pela jurisdiegao competen- que tencionam usar da "palavra no senado
to : sao casos julgados. pt0 da queslao religiosa.
O carpo legislativo, diz ainda Dufour, loe. cit. Falla-se em crise no gabinete francez, mas
pag. tnt, aqnem se apresenta um pedido do assegura-se que o motivo um simples desaccor-
crdito para pagar dividas liquidadas, e recor.be- do entre os ministros sobre um ponto que nao
i cidas, nao pode, sem duvida, alterar a liquida- tem Mafia alguraa com a poltica,
c gao (revenir sur la Uquiiation). O principe Napoleo vai, segundo se diz, ser
ue qualquer autondade que dimane, a deciso nomeado tutor do principe imperial em virtude de
t que fot consequencia delta e irrcvogavel, porque a uma lei, que ha de ser submettida a approvacao
- cousa julgada tem, peranle o corpo legislativo, das cmaras.
Deiiou hontem de funecianar a assemhla pro-
vincial, por falu de numero de sentares depu-
tados.
Aoje termimun as foKas do carnaval.
Ne?te aimo notamos penca animacSonos masca-
ras, que percorriam as raas ; mas em compensa-
gao deram-se differenles partidas de pbantasia em
casas particulares e sociedades recreativas, alera
dos bailes pblicos.
No domingo a sociedade recreiativa Ctryban-
ttna deu a sua partida mental cqid ama concurren-
cia aproximada de oitenta senhoras, qne enchiara
o salao com suas gragas e amabilidades naturaes,
mais realgadas por lindos-toilettes e bellos pentca-
Grande numero de cavalheiros estevam vestidos
a phanUsla e sob o disfarce da mascara ; e em to-
dos notava-se goslo, asseio e riqueza nos trajas, e
nao raros tradnziam caracteres importantes da his-
toria, e typos dos lempos idos e presentes.
L'esse conjuncto, pois, resuluva a maior anima-
gao possivel entre as senhoras e os cavalbeiros; e
d ah a vida da funecao, que brjlhava phantastica-
raenie por entre o dilirio da danta, era qne se fun-
diam todas aquellas almas de jovens.
prin-1 Reinou em indo a maior ordem sendo o servieo
rentando qua o uturo.ha de fazer juslica apoltica cipados a liberdade entre o poder civil e o espir.i-1 simples, mas abundante resultando de ludo no en-
de alhanga com a Austria, pelitica que evitou uma tual da igreja representada pelo palriarcha de tretanto a solicitude da uirecro rmiflita Cierta
guerra entre a Prussia e a confederaco. I Constantinopla. A sociedade dogmtica ha de de em obsequiar de modo condisno ao seus^n^-
A cmara dos representantes ja regmtou as pro- manler-se por meio de ura synodio geral, que ha dados,
postas de mensajera do partido catholico e do par- de conservar relaces com o palriarcha byzaniino.: Todo esleve, finalmente raazoiGcn anias nn-
tolo conservador. O cleroida llaumania est de accordo com o tamos o pequeo defeito d acfbar, po'r que ha mo-
A impreosa allemaa afflrraa que as jelacoes en- principe Cousa, para o estabelecimente de uma menlos que nao deveram ter flm
tre os gabinetes de Berln e de Vianna nao sao sa-. igreja nacional ; resta porm saber como esta re- oB bailes de mascaras do'theatro dp tisfactonas e que se mallqgraram as negociagues: forma ser aceita pelo clero grego e pela Russia, 'Isabel tem corrido com muita rerilaridad* sendo
que existiam a respeito da qneslao dos ducados. que nunca quiz renunciar aos direilos de protecto ; all maotido o respeito conveniente a taes fu'nccoes
A (razeta de Spencer diz que ebegra a jespoate | rado sobre a iRreja orthodoxa da Turqua. pela atteneao, que o respectivo emnrezarte nrestel
do gabinete de Vienna ao despacho de Mr. de Bis- A cmara de Bucliarest approvou por 109 votos que ludo va bem nwpBW,TO emPrano presia a
mark de 21 de dezemhro, que o telegramma aus- contra 11 uma lei que d s ao principe o direito
triaco nao formula exigencia alguroa de compen-; de nomear bispos metropolitanos.
0 governo nao qner ceder de ura nico soldado s
exigencias do parlamento e Bxa o contingente an-
nual na razSo de onzepor mil a o ministro da ma-
rrana pedio um emprestmo de 225 railhoes para a
construegao da esqiudra prussana.
A questao do orgaraanto est tambem no mesmo
campo. A cmara resolveu que uma comniissao
formulasse um relalorio a respeito do orgamento j nao parece possivel que uo actual rgimen d Rus-
antes dos deputados eAOtarem a discusso dos sia possa o grao-duque resiabclccer uma reforma,
differenles captulos. Acamara nao daseja oecu- que retirando o govorno do czar do caininho abso-
parse deste assumpto s.enjler regulado as cousas lutista consiga equilibrar naquelle .imperio os prin-
com o governq, e qner ^o mesrao lempo mostrar a cipios conslitucionaes.
corda que o direilo constitucional .Ihe impoe o de- i O imperador da Russia ordeuou gue se Ozesse
ver de examinar e volar as daspezas do estado. uma medaJha para as elasses mililares e civis que
Mr. de Bismark declarou .ua cmara dos senho- durante a ultima insnrrcigao combateram na Polo-
res, entre os applausos dosjtartidar.ias feudalistas, nia os manejos revolucionarios,
quj nao era possivel aceitara solugao do conflicto i Por noticias dos principados Danubianos o
prqposto pela cmara dos representantes, aceres- hospodar aa Boumania tenia cstabelecer nos
-^*=
revista mm.
sago relativamente aos ducados, e apenas diz que
espera a resposta dos syndicps da cora que ho
de dar simultneamente o seu parecer sobre a
questao de succe.ssao e relagSes dos ducados com a
Prussia.
Os jornaes prussianos dizem que o governo ha
de tomar conhecimento de todas as coudjgoes que
considerar indispensaveis antes de se decidir a
resuelo dos ducados.
Os gabinetes de Bavjera, Saxonia e Wurtemberg
tem approvado a maneira de proceder do gabinete
austraco. A Austria est as melnores relagoes
Por noticias de Havana consta quo em S.. Do-
mingos eslava ludo parausado. Uus rail rebeldes
teniaram atacar o acampamento de Hontec.hrU.
O nuncio de S. Santidade no Mxico suppu-
nha-se entrar em negociagoes com o imperador so-
' bre a desamoriisago dos bens aeclaaiaaliuos sob
pretexto de que nao tinba ostruegues de Boma
sobre este assumpto. O imperador Maximiliano or-
denou que se regulassem aquellos e outros assump-
tos pelo poder civil.
O governo do Per declarou ao governo bes-
panhol que esta va resol vido a tratar a respeito da
com os estados secundarios da confederagao, e que! paz com condigoes que nao fossem humilhantes.re
estes se propoem apoiar aquelle imperio no eaipe- erindo-se deciso do cengresso das repblicas
nho com quo elle sustenta' os direilos da Allema-
nha.
O governo prussiano comegou a eutabolar nego-
ciagoes com o do Hanover, para obter que se po-
nha a disposigo o porto de Gxesveniuude.no mar
do norte para all estabelecer uma-cstago naval
sua profisso de f democrtica contra as dou- Leist dever llcpr como estaco naval austraca.
1 ti J I ( 1( r J Ilv. ill I -i II. ._' ir.iir.l'K" .'i\ nlmmCnn(l.-.nn*>l ------- -^ *^_____ ^ _.*_!.:
apontam-se alguns cardeaes
a res
assim como peraate os tribunaes, uma forc.a
contra a qual nada pdc prevalecer.
Nao 6 menos verdade que.se o corpo legislativo
recusar o crdito pedido, o credor tica sem ser
pago. Tudo quanto se pode dizer que se ehega
eolito ao ponto era que o primeiro dos poderes
sociaes. usurpa as attribuiges dos outros, a os
cidados se acham sem garanta centra os seus
exessos.
Almbioa Arras.
Rio de Janeiro, 12 de outnbro.de 18.
(Diaria do Rio).
As datas, de qae foi portador o vapor inglez Pa-
cam
O governo francez propoe-se apresenlar na ac-
tual sessao legislativa o projecto de lei sobre a
ceatralisagao administrativa ; parece que vo ser
muito augmentadas as atlriboigoes dos conselhos
geraes, municipaes e de districto, principalmente
na parle que se refero voiago e emprego dos
fundos destinados s necesstoades do servigo e aos
trabalhos de interesse geral. Parece que ainda es-
te anao os.conselhos geraes entraro no exercicio
das suas novas altribnig5e,
Abrio-se no dia 7 de evereiro o parlamento
inglez, sendo a falla do throno lidapor uma com-
missao. Neste decumanlo annuncia-se que o ajuste
do oonHicto dano-allemo nao deixa esperar a
menor perturbago na paz da Europa ; que des-
gragadamente continaa ainda a guerra da Ameri
ca, mas que a raicita persiste na sua neutralidade
eflearia muito satisfoha de saber da existencia de
uma conciliagao amigavel dos dous contendores
americanas do sul.
A's Unas Chinchas chegarara mus tres fragatas
hespanholas.
A lei sobro a antecipa[;ao dos impostes de
que o goveruo hespanhol faz que.-to ministerial,
parece que enconlra urna certa repugnancia da
prussiana, no caso de se iranstorraareai us portes j parte dos povos, que nao obstante a maioria cora
que o ministerio conta na cmara As-ignam-se em
Madrid algurnas peiicoes contra o projecto que ex-
ige um pesado'sacriflcio aos contribuntes.
O patriotismo que lio promptamenle aceilou na ,
Italia a idea do pagamento aniecipado dos impos- tendo o
tos nao encontrou o mesmo apoio entre os llespa
nhes.
dj Kiel o o de Lest, pertenc.eutes ao ducados, em
portn da confederago germnica. O porto de
lativo e eaecutivo
e o poder judicial.
_-t Em couctuso : asassemblas provinciaes
nao podem conhecer das qaest5es conlenctoto-ad-
mmistriUtcas : e a administraoo da provincia
quem pode conhecer dellas, ou o poder judicial
A competencia administrativa, porm, hoje
geralmente aceite e recebida, como passamosa
demonstrar.
As indemnisaedes sao :
( !_ Puramente diserieionarias ;
2oConvenconaes, ou legats.
As prneiras o um favor, uma equidade da
admini-lraco ; esta pede concede-las, ou negalas.
As ultimas que eonstituem direilos ou di-
reitos adquiridos, e cooseguinlemente do lugar a
qaestes contenciosas entre os particulares e a
admoistraco.
A especie da prapeaia e de indemnisagio le-
rana, chegado hontem de Sonthampton, alcang;__
de Hamborgo B, de PaNs 7, de Londres a 8 e arainha feliciu-se pelo bom xito alcangado no
de Lisboa 13 do correte. Eis o resumo das no- JaP*.e que a crise industrial diminuto, e que
lirias J o governo far uo orea meato todas as economas
O proceiimenlods bispos francezes tem mere-
cido a mais completa approvagao em -Roma. O car-
deal AnloneWe diz se ter declarado aos diplomatas
que nao comprehendia o motivo porque alguns go-
vernos querem impedir a publicagao d eneyelica
pelos bispos, quando esla nao faz mais do que re-
petir o que j eslava publicado.
Em Franga faltam poueos prelados para dar a
conhecer a sua opinio sobre a circular prohibindo
a publicagao de ama parte da eneyelica. Notase,
porm, que emquanlo as priraeias cartas episco-
paes erara enrgicas e altivas, as ultimas manifes-
tam uma certa moderago ; a unaniraidade nos
protestos tem causado uma certa impressao.
O'bispo de Orleans, Mr. Dupoulacess, aublicou
uma brochura, em que este prelado nao admita
qne exista relagao alguma entra o convenio de lo
de setembro e a eneyelica; e sustenta que esta nao
ama resposta ao convenio, por isso que este po-
ltico e aquella puramente religiosa. O hispo de
Orleaps raanifesta a sua adjniragao pela eocycljca,
mostrando nao goslar do .cflovenio franco-ilalane,
E>te prelado utp escriptor djstfocto, cujos eferip-
los sao lidos|com a maior curiosidade. A brocha-
ra ja.conta quatro ediges e tem altrahiflo a atten-
gaoda Imprensa. Falla-se no apparecmeoto de
oovos rolheios, n'um e n'uutro senide.
O bispo italiano delora foi o primeiro qd.e aa
cutosPseK ticiententenie o eommereto, o governo chamar a
ita ano exnedirfi^^ ". Mnd0VI- ^owrao atlenSo *a <***** *" marraba.
2S^autoridades Vrl^ZTr'T1?* *'^' ^,*^'*, "OiMSdor caavaeau uraa raade
encvcP|cTlemrrw^^SpM rai0*' d**8, para discutir a queftio do
eoxyciica tn a (tevjdaauteri-, impasto abre as medida fermentadas, qoestao
qua deve servir de ponto de alaque contra o mi
compativeis cam o 6ervigo publico.
FaHa-se no desaceordo que existe entre os mem-
bros do gabinete britannico, e a rainha Victoria
que nao quer hnadeaar a ida Murada a que se
votou depois da mor te do principe Alberto, o go-
verno procurafiottvenee-iadaaecassiade decum-
prir os devores que Ihe impoe o aau elevado car-
go e o respeito que Ihe vota o povo inglez.
Antes da abertura do parta.0Aento aouve uma
reuniao de ministros para decidir se convinha tra-
tar da reforma parlamentar no discurso da coroa,
opinio que foi defendida por Mr. Gladsiane, mos-
trando a convaaiencia qne uavia em as elasses
elevadas fazexem uma cancesso s elasses opera-
ras, e tanto mais quanto essa coacessao era re-
clamada pelas ideas desta poca. Lora Paiaierston
combatteu esta idea ducado que a actual asitacao
era fltieja, e qua o operarios inglezes nicamente
se oceupam do seu Irabalho e dos seas salarios.
0 discurso da coroa nao faa oa reforma elei-
toral. A actual sessaS a ultima desta legislatura.
acabando o mandato dos deputados em malo do
anuo profcinio. Esperam-se este aune as eteigoes
geraes.
Na cmara dos roramuos dissese, segundo ve-
mos de um telegrauwaa, que ae relagoes entre a
Inglaterra e a America nao sao satisfactorias, e qoa
no easo de guerra, se fOr impoasivel proteger suf-
ficieatetaante
a commissao central das sociedades patritica
do Schleswig-Holsten, dizera n'um manifest, que
es ducados sao um paiz emancipado, e nao con-
quistado ; que querem ser ailiados da Prussia,
raas nao tem desejos de ser subditos prussianos.
A attitude que lomam os ducados obriga o go-
verno prussiano a mudar de poltica. Diz-se que
Mr. de Bismark pensa em estabelecer uma especie
de protectorado. Este novo plano encoulra pouco
apoio nao s no Schleswig-Ilolslein mas entre as
potencias allemes.
O Bocssenlialle diz que a Prussia esta' mu i lo
longe de querer conceder um valor real e effecLivo
a Austria para adquirir o assentiraento aos planos
de extingo do poder prussiano ; e que pela sua
parte a Auslria est ainda muito longe de querer
coadjuvar, seja qual fdr o prego, o eugrandecimen:
to da Prussia.
Fallava-se de una nota ngleza sobre a questao
dos ducados em que o governo inglez se queixa
das tendencias annexionistas do gabinete de Ber-
ln. Apesar de nao estar tnuito bom averiguada a
existencia desta nota, e de se por mesmo em du-
vda, parece quo a Franga e a Inglaterra, apreciau-
do a questao deuaixo do mesmo ponto de visia, re-
geitara absolutamente a annexago a' Prussia, e
parece que ja' entre os dous gabinetes se estabe-
leceu ura accordo sobre a opportunidade de] um
protesto commum, quo sera' porm addiado em-
quanlo se nao confirmarem oficialmente as ten-
dencias anoexionistas da parle da Prussia, por isso
que ate agora o gabinete prussiano apenas tem
1'e.ito constar que a solugao da questao dos ducados
nao produzira' a Prussia augmento de territorio.
A cmara dos representantes em Vienna na
sua mensagem em resposta ao discurso da cora
recommendava ao governo qae se langasse no ca-
minbo das economas, para evitar aa estado um gran-
de desastre.
O orgamento para 1863 que o governo apresen-
tou offerecia insignificantes reduegoes, e pareee
que o proprio ministro da fazenda'tinha desviado
da sua.verdadeira applicaco as sommasdestinadas
a amortisago da divida publica. O descontenta-
mente da cmara augmentou
A concurrencia tem sido nota^el, oceupando os
: camarotes pessoas distinctes que vao presenciar
aquelle Tolguedo, e hoje que elle concloe-se, julga-
, mqs que a concurrencia nao lera limites, visto que
; all passam-se algumas horas apraziveis.
O Dr. Jos Paulino da Cmara, que conforme
ja noticiamos, se alistou no batalbo de Volunta-
nos da Patria, j jurou baodeira.
O louvavel procedimento d'esse digno joven DIho
de nossa provincia, que, cheio de abnegago e de
patriotismo, interrompeu uraa carreira bem ence-
lada, para acudir aos reclamos da patria, tem pro-
duzido o resultado que era de esperarar.
To bello procedimiento do nosso distinelo com-
provinciano leni sido imitado com ardor por mui-
tos outros cldadlos, o que tem concorrido para o
engro.ssameuto das leirasdo corpo de Voluntarios
da Patria.
Louvoxes ao Sr. Dr. Jos Paulino da Cmara
pelo seu nobre e patritico procedimento ; e faze-
mos votos para que continu o seu exempto a ser
imitado e seguido.
Do Rio Formoso escrevom-nos com data de
13 do corrate :
Em Rio Formos existe dous partidos constitui-
dos : o hgueiro que no sentida da aetualidade, o
verdadeiro liberal, e o conservador ou vermelho,
igueiro a sua frente a lente coronel Jos
Antonio Lopes, e o conservador o Dr. Francisco de
s Lius, pessoa dstiocta, concetuada, e cerc-
is de
enrgicas para castigar os autores lao caBsuftdo.~n&> STZ^TanS^8^
do crime. Os assassmados erara dous officiacs de antes se nao erra "
infantaria que viajavam no interior do unperio, te-
que pubjicassera a
sago.
ve lugar etn Kaveanna, povoagao designada para
residencia dos Europeos, e diz-se que aquelle cri-
me fra inspirado peto Daimio, que por odio ao
Taicoun pagara a uns bandidos para deste modo
suscitar a este ultimo diflieuldades com as poten-
cias estrangeiras.
A imprensa ingleza diz que a Inglaterra proce-
der' muito convenientemente se dar urna ligo aos
Japonezes, porque a experiencia tem mostrado que
este o melhor raeio de impor o respeito devidoa
povos ondeas ideas da crilisago e humaoidade
tem feito to poueos progressos.
A reparagao deve consistir, segundo se diz no
pagamento de uma importante quantia para as fa-
milias das duas victimas, e no castigo exemplar
dos culpados: se porm o governo japonez nao li
zer reparacao immodiaia sero bloqueados os por
tos Jde Yeddo, Osaka e Nangasaki, apoderndose
de todos os navios japonezes qua encontrar.
Falla-se que a indemnisagao excessiva, pois se
eleva a um milhoesterhno.
As noticias de Shanghae alcangam a lo de
novembro. O chafe dos talpings Songfore, pode es-
capar-se depois da turnada de Naokira, mais foi
preso as monlaphas e conduzido ao calabougo de
.Naatchoag'/onde deve ser osfoilado vivo.
- As ultimas noticias de Nava-York, os confe-
derados tinham evacuado differenles pnsigoes for-
tificadas e propunham-se a abandonar Wtllinglon,
onde o bloqueio completo. As canhoneiras dis-
punnam-se a subir pelo rio, afira de se collocarem
em freote de Willington.
O Monitor diz que se realiea o boato de ceneren-
cias entre comrauoicagoes de Richmond
delega
a uraa
a depois das declara- ,."l'c""u ^omiuuuicacoes ue iiiciimond e
goes de Mr. de Plender que pretenda ver na mu-' verno da Washington tendentes
danca verificada uma simples operacao adminis- i so|0fao1,Pacifi?a eQlre os belligerantee.
trativa que nao devia estar sujeita ao exame da Mr' air Ja reeressou a Washington, jtilgaBdo-
camara. | *e 1^e a sua misso se frustrava completarnente.
O miaistra chegou adizar que se a cmara volasse P^sideate Davis pedio que as negociagdes tos-
urna resalugao, anda assim se nifc julaaria ligado semt encam""iadas entre os estados do sul e os do
per essa votagao. O deputado Mr. Giskra anre- no como se fossern,nacionalidades independen-
senlou uma proposta pedindo uminquerilo em pre- lBles e cora ura arm,scio durante essas oegocia-
A emancipagSo dos eseravos progride nos esta-
au-
V
da fazenda e a cmara, aceitando esta proposta de-
Mr "de Plener land na ]'uiziania. e na Virginia occidental, .
Ier> nunciando-se igual medida no Dalaware, Arkansa
j Tennepee e Kentucky e no Missouri.
Diz-se que os estados confederados da Amcriqa
esto pouco satisfeitos com o seu presidente Jefer-
son Davis, diminuindo gradualmente o prestigio
cumprimento a proraessa feila no discurso da co deste hornera, a conflanca nos seus talentos mili-
roa, propoz uma redaegao em globo de 23 milhoes tares. Aponta-se o general Lee para substituir o
no orgamento de 1865, demudo aos ministros o dictador qua ha quatro annos e^ta frente do mo
encargo de dividir asta economa pelas suas res- vimento contra o norte,
pectivas repartigeas. A medida comprehede es- Por noticias de Portugal coaita qua 8. A a
pectalraente o orgamento da guerra, e exigir ara princeza herdeira do Brasil e sea esposo chegaram
cidio que se nomeasse ma commissao para tomar S/naTniziini?0 ?J*U!ta***. **Y
conliecimento das declarapoes de ** "* -Ul1 "** e
e dar sobre ellas o seu pareeer.
A questao' suscitada a respeito do orgamento,
parece encaminhar-se a uma solugao. A coramiso
do orgamento vendo que o ministerio nao dava
dizendo qua est exlincio, por
que na realidade tveram habilidade de o matar. Al-
guem que se dizia pertenoar ao partido liberal ge-
nuino, mas que nunca foi coonecido por tal, sem
raereciaienlo, s*ui dmheiro, sem popularidade, e
menos repuugo poltica, querendo oirigir ao par-
tido, sem ser aceito, sacriticou-o em holocauslo aos
dous partidos, quaudopodia vi ver com toda sua
torga e vigor, por que na readade a'elle exista
hoiueBS disliuctos ; o qne torga oonfessar que
o partido ligueiro em Rio Fonmoso, apeaar de fra-
co, vai contmuaudo em sua marcha e o vermelho
val compacto e adquirindo gente para suas fitei-
ras ; o genuino esl sem vida, e quasi anniquilla-
do, qnando poda estar no fastigio de sua gloria.
Nos somos impareiaes.
Em novembro de '864 morreu o abastado pro-
prielario Juo Mauricio de Barros Waoderley o
qual perlilhou era testamento dez liihos naturaes
e um d'ectre elles foi o testamenteiro, este fallar
a ura advogado, o que nos consta, para tratar
dos termos do inventario, porem ficou chupando
no dedo ; por gue outro advogado, lio mem bona-to
e meu pai que o diga, eropenhoa-se com diversas
pessoas para se erapenharem com dito testamen-
teiro, alira de que tosse elle o advogado do inven-
tario e nao o outro, o que nos consta, e tanto fez
quo adquiri a.presa. Vergonha MI! Sao dez os
herdeiros dez sao as procuragoes que eonstituem o
mesmo advogado nos autos de inventario, e at
procurag.io de orphos, dizera-uos porem como
possa para todos advogar choeando-se os interesses
de cada ora e dos orphos, o que nao sabemos
conciliar, e tai mixordia tem havldo, que s o rao-
genio pode esphear, foto o negocio. Que advo-
cada, meu Dos !!!! ^
Nao ha foro: est parado, e alguma cousa que
apparece, n eslo gosto.
Estando a matriz em mo estado a irmandade
da mesma combinada com o Rvm. gario erapre-
henderam reconstrui-la, e na realldade metieran)
maos.a obra, sendo o Rvm. vhjano director da
mesura; acha-se ella bem adiantada, tera sido elle
ineaasaval no tnMbo. Muitas pessoas tem oon-
corrido com suas esmollas os babitantes do Rio
Formoso tem espirito de rehgilo.
N'a noite de 23 do cerrante, em a roa da Im-
peratrlz foi pisado pelo carro de Vicente Ferreira
da Costa, o preto Januario, escrava de D. Ana
Joaquina Pereira dos Sanios, faltecendo pouco de-
pois, era consequeacia de ter quebrado algumas
costillas, visto dito carro o ter laneada a ierra e as
rodas l*e pastar em pelas costas.
O bolieiro do carro, que era o eseravo do dito
Ferreira, e chaou-e Epiphanio, foi preso pelo sub-
delegado qae val Instaurar o competeats processa
teodo-sa prestado a vasloria os Brs. Villas-Boas
e Pitanga.
Consta que a senhora do preto Januario ja foi in-
'
.

'

t
\
ii r ^^i\ ip-i


M*rf -=e=
deranisada do vUef do rtfertioflelo senhor de Epi-
phanlo.
RemetteaMMiro etaiWve :
Srs. redactor* <** Revisto? Bfmtt.AndVdas
ras desia odode dm hooiett; trtWo' esdro por
alcaoho Mailol4KM< que s^fle affaWe,.
abandonan o' swoffleio para se dar i vida de pe-
dirte; mas tom urna insolencia tal que quer he
dicado carkPtNM&fs MV enancas, asseve-
ram que *s pastilhae vermfugas de Kemp o re-
medie o mais exceMdato e eflloaz que at hoje lera
sido conhecido.
Acham-se ellas exclusivamente preparadas'com
as substancias vegeiae* as1 mais snkHieras. O sea
sabor delicioso, nao causam nauseas nem dores,
etc. ; proaozem seu effeito completamente se que
dem esmof quer" nao, dscmpSo 'c ma'ltrata a eja preciso logo inmediatamente usar de nenhu-
tod a getiie, pbrqd anda qatl stspre* dorio oo -na especie de purgantes.
lonco.
^E)e1#h** tefit felto s**!h*rii*fdo
Cabug, largjr-cWft^^.-frQaelrnalo, e anda no
sabbado & noote 29 do- corrente mez na ra larga
do Rosario, e na porta da-bnilea doSr. Bartbolo
m'eu jogo urna pedra com a qual quasi quebra o
braco do Sr. tetferte-coronel Pessoa faxeado-lhe
urna forte contasao ; e isto sem motivo algum, a
sem ser esperado.
' Tem ete homem estado por vezes na casa de
deJencSo mas nao se" tem corrigido; antes parece
que pelbra o sen estado: e segando nos consta o
Sr. aimioistrador da deltncao nao o quer mais re-
ceber, todas as vCs qtte a polica o prende para
crreccio, o que' acontece quasi todas as sema-
nas ; por1 tanto oa'ettr louea, ou ebria : se lou-
co deve ser recolhlro ao hospital dos loncos, se
ebrio einnniMo pelie-se polica o faca recolher
a casa de dctenelo; e* alf o conservar,pois que
os moradores das indicadas ras se obrigam era
qualquer deitfes dase* a* sastenti-to, dando mensal-
mente uma quantia a qo&lquer dos estabelecimen-
tos, fleaude< assmvIhTes? d) perigo em que r-ib
constantemente com a existencia de tal homem tas
roas mais publicas e de maior concorrencia desta
cidadc. >
No dia 10 do correrte, das 7 para 8 horas da
manhaa, era torras do eoganho Pererecas, do Rio
Formo.-o, quandoia para o servico, foi assassiaado,
com qnalro puuhaJadas, o alfares da guarda nacio-
nal Manuel Jos do Couto, por uto seu proprio es-
cravo que anJava fagido.
Passageiros.do vaporinglez Ptuan, entrado
Montera"; procedente d"e Sonthampton e portos Inter-
medios :
Tfiomai Ead, Mari Melllard, Hermn Ledeborn,
francisco Garrid, Manoel Peruandes, Joaquim de
Sonta Azeve*, Jos Joaqevm Silgado, Henrique de
Oliveira Sear eat* senhora, JosTelle, Joao
Antonio Curpnteio da SHva, Geneieoux Jules.
Seguirn para1 o sui .
John & Godbar, Joseph C. Brundeges, George
Bonmaloer, Eulalia Amelia de Freitas e un irmo,
Dr. Joaquim da Silva Coeltw, Jos Antonio da Sil-
va Vianea, Wiltiam Led*coat, JoSo da Ponte, Wil-
?fam Henry Chapman, Goocsrio de Lago Fernandes
Bastos e um crtadb, David Mahovy.
RPAirriijAO ba r-OLicra :
Extracto das partes do dia 26 de fevererro de
186*.
Foram r*com**9s casa de deteacao ne dia 25
do corrate :
Tanto as mais, como os proprios (Hhinhos,. aim
ca desospurain deltas, porque se as primearas tem
completa confianza as pastilhas, estes ltimos as
tomara com o maior prazer posslvel. Desde que
estas admiraveis e incomparaveis pastilhas foram
.luscobertas, todos os dcmais vermfugos asquero-
sos tem sido quasi tnteiramente abandonados e
desterrados por todos.
As pastnas vermfugas de Kemp se achara lin-
damente acondicionadas dentro de frasquinhos de
en .-tal, nao s pan su' boa exportacao como para
"soa1 cofl9er\,a^5o contra'todas as vicissltudes dos
tem*os'.
A* ventki1 na loja de Brato 4 C, e de Gaors 4
Barbosa.
CG1MSBIQ.
Moto banco de PernamlHico.
O banco descont letras na presente semana a
12 por cento ao aaao at o prazo de seis meses, e
toma dinheiro a juros- a praso nunca- menor do
fres mezes.
no
dia, na
lista se
r o ooacamo das carita existente i a* ministra-
cao perlfen%e*s ao mtte de fetereirtf drl864,
de Janeiro. *** de-marco'proaim*, a#f honrs do
raw *? raerme cwreio; e a respectira
efta *sd j9 epa aros mtepessadbs-.
AdmHJlstracSo" do rorreio d Pernambuco- 26 de
fevereiro de 186o.O administrador,
Bominges dos. PMsaa Mirania.
Crrelo ^eral.
Pea admristrao d eorrero *<*cite4e se
fnr publtco qm em vlnude da caaweoc) postal
celebrada pelos govamos brasileiw- fcaocoz seraj
Tabaco.O deposito em priiaeira raao bastan- expedidas malas para Eurepa-nodia JO,do eorfa-!
te limitado, as quafidades fina sir sfltnpre procu- te pelo vapor franeei Bearn, A-s ea^tae serio re-!
"das. eebldae at trw horas antes da que (br marcada'
De tabaco brasileiro o 3tock nao excede de olw para a saltida dos vapores-, e os jornaes at qnatro
bailas ; as ultimas rendas foram de 1,179 bailas. norag antes:
Algodao.O mercado aeliouse. mmio fuxo Administrado do crrelo de Pernambuco 20 de
todo o mea passadot existe pouca demanda, e aao- njvereiro de 1863.O administrador,
Assucar.O aercfllo'flondwa em posicao mui-
to tranquilla, ot se'cojnpra o urgentissimo:
Importacao de ssucat do l*a o ftm
wtm f,uoatBwr
V8W 'nmooo
1861 2;5eO!00* -
Em ser em Jim de Janeiro.
18S2 lO.OOO.Oi 0 libran
1863 9,500^000 .
186V 1,300,000
1865 7,500,000
LEIIII.
ilat t mbitin.
1SfA
Alfandega
Rendimentododia 1 a 25....... 637:119,5474
dem do dia 27............... 57.380^083
694:499557
= 3ICl!==i
tlovlKCBeiSa aifaudea
Volnmesentradoscomfazendas..
com gneros.,
Volumessahidoscora azendas.
i com gneros ..
193
362
ICO
76
000
------176
|Oesarregam no dia 28de fevereiro de 1868.
Vapor loglezSaladinraereadorias.
Brigue portuguez Bella Figuerencui diversos
gneros.
Lugre inglez -0nManf=farinha de trigo.
Escuna hollandeza Jacobo idem.
Barca americana Anacondadiversos gneros.
Barca ragleza Jurabacalho.
Briguo in?lezNevaidem.
Brigue inglezR/mi/medec.Arvao de pedra.
Berca francezaGitherme TVW-idem.
Barca iugleza Ambleside -idem.
Aordem do subdelegado do Recife, Diogo Gomes' Barca ingleza-lKztiawdem.
da Cruz e Maxlmiaoo de Santa Rosa de Lima, pa
racorreccio ; Manoel Antonio do Nascimento, por
embriaguez, e Arwtides, escravo do Domingos Ro-
drigues de AndMde, a reqoerimenio desle.
A' ordeni do de Santo Antonio, Jacob e Romual-
do, eserave, este de Ignacio Bento de LoyoHa e
aquelle de Bonifacio Maximiano da Motta, o pri-
meiro por fgido o ultimo para correcQao.
A' ordem do da Boa-Vista, Damto, escravo da
viuva de Manoel Goncalves da Silva, por insultos.
A' orden doa Capunga, Antonio da Gesta Pe-
reira, por insultos, e Antonio Das Barroso, por fe-
rimentos leves.
Ho dia 26 do mesmo mez :
A' ordem do subdelegado do Recife, Manoei de
Souza, para correccao.
A' ordem do de Santo Antonio, Izidoro, escravo
do commendador Thomaz de Aquino Fonseca, por
dislorbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Epiphaneo, escravo
de Vicente Ferreira da Costa, por crime de morte.
O chefe da segunda seccao,
/. G. de Mesquita.
Casa de dtenqao.
Movimento da casa de detencSo do dia 25 de
fevr>*iro de. 1865.
Existiam presos 380 ; entraran) II ; sahiram 22
exislem 369.
A saber : nacionae? 299; estrangoiros 18 ; mu-
iheres 2 ; estrangeiras 2 escravo 22 ; escravas
5.Total 369.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 161.
Movimento da enfermara do dia 26 de fevereiro
de 1865.
Tiveram bata :
Eslevo Jos da Mlva, febre.
Mauoi'l Joaquim do Espirito Santo, angina.
Epiphank), escravo de Vicente Ferreira da Costa,
glndulas.
Movimento da casa de delenco do dia 26 de
fevereiro da 1865.
Existiam presos 369; entraran) 5; sahiramo;
existem 369.
A saber : nacionaes 288: estrangeiros 18 ; ran-
Jheres 2; estrangeiras 2 ; escravos 51; escravas 5,
Total 369.
Alimentados costa dos cofres provinciaes 160.
Movimento da enfermara do dia 27 de feve-
reiro.
Teve baixa :
Benedicto, escravo de Ignacio Bento de Loyolla,
erysipela.
CEMITERIO Pt.'BLICO
Obituario do dia 25 de fevereiro de 1865.
Carolina, Pernambuco, 35 das, Recite, convul-
soes.
Manoel Vieira dos Santos, Pernambuco, 2b annos,
casado, S. Jos, pneumona.
Amelia, Pernarabbco, 5 mezes, Bja-Vista, convul-
soes.
26
Archangela Maria dos Aojos, Pernambuco, 49 an-
nos, viuva. S. Jos, hepalite.
Anastaco Sebastio Gomes, Pernambuco, 20 annos
solteiro, Boa-Vista, telano.
llenriqueta Mana da Conceicao, Pernambuco, 30
anuos, solleira, Bja-Vista, marasmo.
Luiz Jos Nunes de Castro, Pernambuco, 44 annos,
casado, Poco da Panella, apoplexia.
Fantil, escravo, pernambuco, 30 annos, solteiro,
Boa-Vista, phtvsica pulmonar.
Bernardina, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista, es-
crophulas.
Al'redo, Pernambuco, 32 das, Boa-Vista, catharro |
su/Jocante.
Felippe de Santiago, Pernambuco, 18 annos, sol-'
teiro, Recife, pbtyska pulmonar.
Gerturdes, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista, gastro
iateritre.
Francisco, Pernambuco, 17 mezes, Boa-Vista, gas-
tro inleritre.
PulUCigOES 1 PEDIDO
Barca iuglezaContad idem.
lusportaeo.
Vapor nacional Jaauuribe, entrado dos portos do
norte, manifeslou o segu nte :
De Natal.
500 pranchoes de pinho, 13 saccas de algodao ;
a ordem.
40 gigos batatas ; a agencia pernambucana.
600 pranchoes de pinho ; a Paulo Jos Gomes
Mayer.
Do Acarac.
417 melos de sola ; a Antonio Al ves de Mo-
raes.
140 meics de sola ; a Jos Rodrigues Ferreira.
135 meios de sola ; a Antonio da Silva Falho
Jnior.
1 couro salgado e 1,36*9 meios de sola a Jos
de S Leilao Jnior.
1,709 meioi de sola a Ju3o Jos de Carvalho
Moraes.
1,102 meios de sola ; aordem.
Do Araeaty.
18 saceas algodao em pluma-, a ordem.
Do Cear.
25 barricas cera de carnauba (122 arrobas e 15
1 libras), 62 saccas com 243 arrobas e 29 libras de
algodao, 13 sarcos com 52 arrobas e 19 libras de
. caf pilado ; a ordem.
5 barricas paios c 3 ditos de lingulcas ; a or-
\ dem.
Patacho nacional Palma, entrado do Rio-Grande
i do Sul, consignado a Maia & Espirito-Santo, mani-
festou o seguinte :
8,480 arrobas de charque e 30 couros vaccuns
seceos; a ordem.
Escuna nacional Grorot'am, entrada do Rio-Gran-
de do Sul, consignada a Tasso Irmaos, manifeslou
o seguirte :
5,979 arrobas de charque, 24 arrobas de sebo
em rama, 200 moitoes e 100 cadernaes; a or-
dem.
Brigue nacional Trovador, entrado do Rio de
Janeiro, consignado a Marques Barros & C, ma-
nifeslou o segu nte :
Gneros estrangeiros.
SOOgarrafoes e 34b fr*squeiras genebra, 1 bar-
ril vinho, 775 caixas cerveja, 63 ditas ac, 41 di-
tas e 9 amarrados cha, 10 saceos alfazeina, 4 sur-
rdes cominhos, 1 caixo amendoas roberas 20
garrafoes cevadinha, 20 caixas papel de machina ;
a ordem.
Gneros nacionaes.
300 caicas vellas, 20 pipas vinagre, 150 caixas
sabao, 5 ditas rap, 240 saceos feijao, 380 ditos
caf, 95 rolos fumo, 318 saceos farinua de mandio-
ca ; a ordem.
Brigue inglez Neva, entrado de Terra-Nova, ron-
signado a Saunders Brolhers & C. manifeslou o
seguinte :
3,750 barricas bacalho e 410 ditas farfolla de
trigo ; a ordem.
Brigue inglez funymede, entrado de Liverpool,
consignado a >aunders Brothers & C, manifestou
o seguirte :
216 toneladas carvao de pedra ; aos mesmos.
Barea nacional Amizade, entrada do Rio-Grande
do Sul, consignada a Bailar & Oliveira, manifestou
o seguinte :
4,814 arrobas de charque, e 5,040 ditas de dito;
a ordem.
Exportaco.
Brigue hamburguez Palma, carrogou para Mar-
culha
3,900 saceos com 19,500 arrobas de assuear
masca vado.
Patacho inglez W. M. Dedge, carregoo para Boe-
nos-Ayres :
1,050 barricas com 7,221 arrobas e 29 libras de
assucar branco, 225 ditas com 1,466 arrobase 17
libras de dito masca vado.
Barca portugueza Despique II, carregou para o
Porto :
9 barricas e 3.249 ssreos cora 13,892 arrobas e
temos de notar traosaegoes.
Coaros.Sem- nevidade anda eatpesieao tran-
quilla. As transagoes em Janeiro foram de 10,9
do Rio Grandp, e rS.Ofl' de differertes proceden-
cias do Brasil; os precos n3o solfrerara mudanca-
Cacao.Havendo procura maior, os pregos sao
firmes; de Cacao da Babia apenas existe ama pe-
quea quadade.
Jacaranda.Venderam-se 33,000 libras de jaca-
randa da Babia, de boa qualidade, logo que ebe-
gadas.
Nat>i$s entrado na qninzena pastada.
Do Rio de Janeiro :Janelte, Anua, Maria, Ade-
laide Osear, Tasmania, CaHianna.
Da Baha :hland Qaem.
De Smtos .Beymg adutehmar, Escape Anita,
Societael.
Do Cear : Eontn Emolmd, Mana,
Do Re Grande do Sul: Caroliue,. Gcsiue.
Do Maranhao : Annu.
Forara expedidos para o Brasil :
Palme para o Rio de Janeiro.
Margaretha para o Para.
Acham-se carga.
Para a Baha.Wisel* p. Conaordia.
Para Pernambnce :.4/ina, Mana.
Para o Rio de Janeiro : -Schtttnke Sfaul,
Orion, Atina.
Para a Ra Grande d M : Cornelia Muui.
Cambios.
Sobre Londres, 3 m. a., 13 marcos 3/4 scli.
por.
> >. prazo curto 13 m. 3 >
por 81.
Sobre
**** bmiiium ii tauvi
Domingas'des Pssw Miranda.
Terca-feira 28 as 10 Ij2 horas da manhaa.
na c*n.(ferm sita naraa da Concordia ytM* ao
sobrado do lado direilo que tem 3 estrellas
defronto da casa n. 37.
OLYMPIO
vender* em leilao os objectos seguinles: i mobi-
lia de amarello comosla de eaaeiras de guarni-
Qao, cadeiras de braco, sof, consoles e mesa de
meia u>s(, jaro* pama aW, Ggnras de porce-
lana, pares de (apiernas, guarda roupa^cama fran- da Fortuna ra do Crespo n.
GASA DA F0K01
Aos 10:000,jK)O.
ftlllifes garantidos.
A' ni:a uoCuiif^.N. 2-'i E cvsas m costi'.mk.
O" altaixo aswf vendes es sea muito feli-
zesbillu-ies garantidos da (olera que se acabou
de exlrahir a beneficia do patrimonio de orphos,
os neguintes premios :
Un quarto n. 989 eon? 9 sorte de 6:0005000.
t' n qu.ir n. 246>conr a serle de l:4'weo.
ti qaa/i.a> 1942 com a sorte de 5000O().
E outras muitas sortes de 200$, 100, 40# e
20OO0t
Os pessuidores podem vir recelwr seqs respec-
tivos renme se os descorto* da lei* na Casa
AfISGS MlRITIMdS.
COMPANHI.V PERNAMBUC^A
Vsvega^o co.steira por vapor.
Machio o asalas.
So dia 2*' do corente, segu as
5 horas.da tai'de uui dos- vapores
para oa portea iudivados. Rocakc-
o caria at o da 27. fiaeomioen-
las, pastagens e dnilieiro a fuete
at 2 hora* la urde do dia da sabida : esohptsfio
no Furt lo Matas n. i, _____________^__
Vompaohla das Meusageries
ImpertalU.
No dia t de
mateo espera-st;
dos portos do sul
o vapor francez
Bearn, comman-
dante Enout, o
qual desos da
deiusra do cos-
lunte seguir pa-
banco ra Bocdeaux, tocando em S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha uru vapor em earreiponden-
, cia com Gore.
Osear,
cera, bidet, lavatorio, mesa de janfar, aparelhos
de louga para jamar e almogo, pqrta-licor, cadei-
ras de paiba, Bergo, marqueta larga, candieiros a
gaz, aparador, trens de cosinba e mais objectos
existentes na referida casa ______________
Uilo das Juan tesgas parias ik casa de sobrad
siti iia l'assaqem da Haifdalena, na d Bew-
fca n. 32, com bastante terreno plantado al a
nurgem do Capiharte.
Quarta-faira. 1 de margo.
O agente Pinto faca leilao por autorisago da di-
rectora da caixa filial db.Uaoeo do Brasil nesta ci-
dade, das d ua.s tercas partes do predio cima dito.
as II horas do dia supramencionado, em seu es-1
criptorio, ra da Cruz n. 38.
Leilao da c-sa Ierren i da ra
Rumien fpe^uezia ta Boa-Vista.
Qtiarta-feira t* de roaayo.
Acham-se a venda os da 21 parte da 4* lotera
beneficio da Sarta Casa de Misericordia- que se
exJralur no dia 10 de marco.
JO.
Para
Biihetes.
Meios. .
Qnartos.
a pessoas
PRECf
H)ie eomprarem de l&00d
para fima-
Bilhetos.....11,5000
Meios......55500
Quartos. .... 25750
JIaxoel Maiitins Fiuza.
de 'sabbado'.
O agente Pinto fara' Iriatn a raiuafimenl de
Domingos da Silva Feraarat Jniore aiais herdei-
ros do linado Miguel Archanjo Feraaodes Vianna,
% por mandado do lilm. Sr. Dr. juiz de orpnaos,
da casa tarrea da ra <\% 'Aiuutf'> iv 12, sesv^udo
Sus. redactares. Em sen. IHmio
vtw um aMpanjai ffatai pelo Ml fi% ni* intrstr-
I nat do mumlfi Cagun: noss > amigo e pruleelm;
que muiio n>ia pealtortm luiia A,:t*te Iwgtuufttu e
| redaceo que te nota tw tempero da panellada \ e
que por si r obra rara e de uma cabrea com cara
ketn esttradm------algum dia far a caia de oto-
i ta, de smi autor, que na verdade dos que vai a
i Santuian ; embora s fallasse chamar ao Salgada
C..M...Appellido que seesqaaeeu de procura
i em seu neo diccionario da Hkbrira, por estar com
a cabeea diea tiadespmio e: ruiv* ; que hegou
Para fretes, condigoes a passagana Uata-se na
Pars, 3 m. d." 192 1/2 franco por 1(0 mar- agencia ra do Trapiche n. 9.
eos banco,
prazo curto,
banco.
Sobre Lisboa, 3 m. d., 43 1/4
por mil res.
Descorto 4 1/4, 4 3/4 %.
190 1/2 x
schillings banco
Para o Para.
Seguir oestes dtas |wra o mencionado porto a
escuna brasiieira Ernestina, para o resto da carga
qne lite falla, trala-se aaescriplorio da largo do
Corno Santo n. 4, primejro andar.
MQYIMEBTC m PORTO
Porto.
Navio entrado no dia 27.
Sonthatnptou e partos bBternwdios17 dios, va-
por inglez Paran, de 172)tonell i.la, coiaraan-
darte T. A. Bev.is, equipag m 130, carga azen-
das a outras genero?.
Navios sonidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro e Babia Vapor inglez Paran,
commandanle Bevis.
Rio de JaneiroBrigue brasi}eiro Betizario, capi-
tiia Manoel Candido Ferreira, earga assucar e
agurdenle e 19 escravos a entregar.
EDIT1ES.
'A cmara municipal deU cidade, tendo de
contratar a impresso dos scus trabalhos, e dos
que por forga da lei obrigada a mandar fazer,
convida aos proprietarios Jos jornaes mais lidos
nesla cidade que quizerera contratar, se apresen
lera fiara esse fim no dia 1." d margo futuro s
dez horas da manliaa no paco ir, unir i pal. munidos
de suas proposias em carta fechada, indicando ael-
las o mnor prego.
As impressoes a contratar soasseguintes :Pu-
blicago das actas das sessoes da mesma cmara,
Seguelireventate a barca portugueza Sy$ipa-
tkia por tur sea carregaiinmio completo : quem
quizer ir de nassagem, para o que teut ejusellenles
commodos, entenda-secom Baltar & Olivatea, raa
da (^tdeia n. *\j.
COMPANrHA MSRNAMBUCANA
DE
.%Taves;ac5o costeira por vapor.
lla de Feroano de uroaita.
No dia 14 de marco prximo,
as ID horas da manhaa seguir
um d.'s vapores da companhia,
jpara e presidio de Fernando. Re-
er carga at odia 13. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro aJreie al 9 oras
da manhaa do dia da sabida : eaeriptorio ao For-
te do Mallos n. 1._______________
COMPANHIA BRASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 2 de margo um dos
vapores da coaipanhia o qual de-
- pois da demora do costume se-
aP gira para os portos do norte.
Desde ja receLem-se passageiros e engaja-se a
editaes, annuncies, posturas, regulamenlos, balo- carga qne o vapor poder condozir, a qual dever
cetes da receita e despeza municipal inclusive os!Srembarcada no dia de sua chegada: encom
do cemiterio, editaes para a convocagao do
es avulsos para o mesmo liai, ditos para a
cacao da jonta de qualifiragj e para as eleicoes,
que forem mandados pelos jnizes de paz oeste;
municipio, ditos c annunciis dos scaes rel>tivos[
ao cumprimenio de seus deveres ; e llnalmenle a (
impressio do relalorio e balango que annualmente
sao prestados pela cmara a assembla provincial,
dando o contratarte ciucoerta impresos destes
As copdicoes para gara mi a do contrato, que dura-
r de um a tres anuos, serao apresenladasaos c.m-
currebtes no dia iodicado, e artes de serem abar-
las as.' proposlas.
Pago da cmara municipal do Recife, '2 de fe-
vereiro de 1861Luiz Jos Pereira Simoes, pra-
presidenteFrancisco Canuto da Boa-Viagera, se-
cretario.
jury e mendase dinheiro a frete ateo diada sabida s 2
convo-; horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azeredo C.
COMrANHIA BABILEIRA _
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do at o da 3 de margo o va-
por locanlins, commandanle Pe-
dro Hypolho Duarte, o qnal de-
'pois da demora do costume segui-
r para os portos do sul.
Desde jrecebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das edinheiro a frete ateo dia da sabida as % ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
orto Luiz de Oliveira Azevedo & C.
de has a quantia deltflA, a* II l horas em ameacalo com mocadeKa de pitia ptowssa esla
porto do dia cima dito em seu escriptorio ra da '
Cruz n. 38.__________________________
rjfilftde ilmtfas na tmpiiriancra de
5,368;442 rs, sendo 5i84;5*3 rs.
cm letras e 283,91 It rs. em vales.
Quarta-feira 1 de marYo as 10 horas em potito.
O agente Pinto levar aovamente a leiliio as di-
vidas cima ^mencionadas pertencenles a massa
fallida da Antonio Pereira da Silva, as lt horas
em pont do da cima dito em seu
ra da Cruz n. 38.__________________
Leilao do palliabote Ailsia de
k) toneladaK.
Quarta-feira 1 de man;o as 10 i|2 horas em porto
na roa ila Cruz n. 38.
O agente Pinto far leilao no dia c hora cima
qqe a muito emprentnos (>cm xito) a ver se
aquelle ihunonto nos deixa roitbnr Ote oestabelect-
menta ; o que tem sido deifill* ; o demonio nao
morre- de crelas rn-m corre sem ver de qm ; e as
recejamos fazer elleciiva ipromma pir termos
C... e sabermos que uma escovidrlln de peti bor-
dao requer, antes que coaihe o sangue uma san-
gra larga aberta pela lenta do De. pasmado, ou
pelo chumbo fro at gado pelo fogo ; ento tere-
mos a polica pela proa continuando o curativo, e
o que ser de nos nestas circumstancias I s a
3 D.-U3 pean; pois no ooatames ma con o
bosso amigo Cacado pon na j icrB*w sgma e
estar elle desacrediiad-) na arte Je uajular erre-
dar, e em tuJo quarto a caba em ar : elle raes-
ni i o confessa c im temo lo vuto dar passeios a
Boa-Vista e nao tem eoMgvtn d-? atrav^ssara pra-
m eiutrai est cewieneid de suu Hullidadr; e o
demonio do Salgado curtinua-uos a salgar at nos
------- _..____ ociuuuru uu otuwiiiii ci|uwuua-uv-< a .sufuif/ ui' uus
dito de palhabote .Ar ,sta,, M*^"" an,mcar (l/-(,,, ^ JJ 0 estab,,edmen*to qne Ihe
rado aeste porte em frente ao trapiche do algo-, rmbamos nn hoa onseSos do mesmo
dao, o qual esta prompio a seguir v.agem para ,{_ N> e d0 tnru! hpcnpta Albuqurraue Yar-
qualquer lugar ;os pretendeotes pdero desdeja
examinarem dito palbabote e entenderem-se com
o mesmo agente acerca do inventario do mesmo,
fecha-*e qualquer negocio independente de ir a
leilao. ___________________________^__
Leilao de 18 c mas de ferro novas.
Quinta-feira 2 de margo
a
no
leilao de raovei ao mesrao da.
1 hora da tarde, por intervengan do agente Pinto
3 armazeni da ra da Cad-.'a n. 38, onde havaia'
hypacrtpla Albuqurrque
turne qne estando no ultimo quartel da vida nio
se peja de ser tilo infame... .pedim >s a Deus, que
por causa leste roubo nao damos com os ossos na
cadeia aond est a nossa espera a tata que apon-
amos em 186.1 para recebar o Salgado por occa-
siao de Ihe fnrgiearmos o celibre proeesso de ttte-
lionato por elle ter o desaforo de seoppor a que
nos o roubasse e nos asseguruu pela unprensa que
a sala havia de servir mesmo para nos... parece-
nos que assm ser a vista do caminho que leva
as nossas emprezas-.. .se nao nos valer os empenhos
das Ribera e dos Maeanganas... eo Fre 'Ju-
en nao se presta a cantar-nos o memento homo
iremos para Mallo Grosso, e juntos aos nossos pa-^.
trelos parairuav:os exerceremos em grande escaMa
a nossa profls>o do larapios ;>u' nos ehegar a hora
d.1 castigo, ii que ne.-ta cidade, inda ha aat >nda-
des qne nos prohilierc a ayerc*'r aossa prossao
a vontade. ..queiram Sr?. redactores dar publiri-
dale a estas-bruscas tirillas dos dmts perseguidas
pues de familia honrrrrrrrrados.
Jonja.. Alvos Linsuissa de Moora,
Lilil de Macuo Fooceca de Macedo Mata somao-
carroceiro.
xa filial do banco do Brasil
em Pernaiubneo,
14 de netro t/e!865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aoscredores de sebastio Jos da Silva a viren
receber do thesoareiro da mesma caixa o que ea
raleio Ibes loca da venda de ama das propieda-
des, queseguado a concrdateme foram entregues
para serem vendidas.O guarda-Iivros,
Ignacio Nunes Correia.
D ordera da directora desta mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas qne o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22. di-
videndo de 10J por aegao.
O goarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
COMPANHIA FEKNAMBUCANA,
De ordem do conseibo de direcro sao convi-
dados os Srs. accionistas a reuoireni se eta assem
bla geral no da 9 de margo prximo, ao meio
dia, no segundo andar da casa a. II, na praga do
Corpo Santo. Pernambuco, 84 de, fevereiro de
1805.
O gerente,
F. F.Borges.
Aviso
53 libras de assucar branco, 2,036 saceos com I
10,180 arrobas de dito mascavado, 8 cascos com 55 i
medidas de agurdenle, 12 pranchoes de vinhatico
Copia.lilm. e Exm. Sr.Leudo no Diario de e 12 ditos de Jacaranda.
boje fficio, que o Dr. juiz de direilo da comarca f&ecebedorla de rendad
do Cabo dirigi V. Exc. no dia 21 do corren^, e I BJM seraes de l'er oamblico.
oa que traU de mostrar, que foi mexaclo o rea. Rm(.b.^ qv> dia t a 2o 3I-303A7M
lorio, que teve a honra de apreseotar V. Exc. com S2*2"E% ata t a xo....., s\ *W*i
a data de 30 de jan*re prximo passado na parle "tem d,a av................. wwm
concernente seguBda sessiio do jury do termo de
pojuca, devo der V. Exc, que esse relalorio foi
te.lo vista de notas ministradas pela secretaria da
presidencia, as %naes ttoaserva E consultando eu
a nota relativa as sessoes do jury, que tiveram la-
gar oo mez de dezerabro ultimo, nota esla escripia
e assignada peto Dr. Aaaes, que tenho na melhor
curta, vejo que ella diz sobre a segunda sessao do
jury d'aquelie termo e a segunda do jury do termo
de Sanio Antau a mesma cousa, que declarei no
rnedionado relatorioipelo que se deu-se a inexac-
til:io argida; ella devida aos esclareciraentos,'
'pie reeeb da secretasia, e que aao poda suppor e
nem anda suppoaao que (osem inconipletos ou
menos verdadeiros. Na prirneira oceasi oppor-
tuna ire oussoalmenie levar V. Eta. a nota,
3-l.>4#585
Consolado nrovlnclal.
Readimento do da 1 a 2i;.....'.. 111:062854
Idem do di 27............... 6.057J793
117:120*647
Hamnnrgo, 4 de fevereirede 1865.
Relalorio commercial.
O Invern que appareceu de novo, impedio a che-
gada de oovos supprimentos e desta maueira o des-
envolvimento maior dos negocias.
CafEm consequencia das entradas ab untan-
te.- em Janeiro, o mercado acha-se bero assortido
que me *, aum. de que V. Exc. melaar w> coa- da>aa d lw, eu* quadade agrada em gera.
vanea de que acabo de aizsr, eumpriode-eie aeser ^s transaccSes fbram satisfactorias, e o mercado
verar V. Exc. que em toda a occasiao procuro, vaj tomando uma posigo muito Grme. As tendas
quauto est em raim, expor os factos, como se pas- 9 caf do Bras| era Janeiro andaram por 31,200
saram, e aao tmha ao lser aquelle relalorio mol- sacc0s e chegadas foram de 43,006 saceos. Os pre-
vos para querer censurar o Dr. juiz de direito da '50, pag0S foram 6 1/4 a 7 5/8 sh. pelo caf do Blo
comarca do Cabo, de quem sompre z favoravel e e Santos, e 6 3/4 a 7 i/i pelo do Cear.
aos navegantes.
Pela capitana do poito de Peraaaabuco se faz
publico para conhecaiaat dos navegante, que a
boia do extremo do sul do banco do iuglez que ha-
Inf pi> Ivia sido'an?ada a Praia Pr 'ne baver arrebenta-
" de aamarragao, foi aoroaasnle roOorada, MHbt-
cando Hw o pharol do pieo ao O 1/2 N O, e a tor-
rado seminario de Ofinda ao N 1/2 N O, ramos
magnetices, e em fondo de S bracas, exactamente
node lermiea pelo sul o Recre qne forma o banco
ngilez. Capitana do porto de Pernambuco 4 de
ferereiro de 186*.O secretario,
Decio de Aqnmo Fonseca.
Perante a cmara manieipal desta cidade de
Olinda estaro novamente em praga ao dia 4 de
mez de margo prximo vtadenre para serem arre-
matad por lempo de um anuo por quem mais
oHereoer, os impostos de capim de planta por
81)0*800, e gado orerham por 14636. Os preten-
dentesi podem comparecer no referido diaeom seus
adores habilitados na forma da le.
Pago da cmara rauncipal de Olinda 25 de leve-
retro de 1865.
Jeaqorm Oraleaati de Albuquerque,
Presidoale.
Marcoitoo Dts de Araujo,
Secretario.
conceito.
Pego liceng V. Eso. para publicar esto of-
icio.
Dos guarde V. Ese.
Recife z de fevarniro de >86.
lilm. e Exm. Sr. Dr. Antonia Dorges Leal Cas-
jelloBranco, digno presidente da provincia.O de-
, embargador, Anselmo Francisco Peretti.
Pastilhas vcrnifiiaas de keaip.
Todos os medico* qae especialmente se tem ae-
Cotamos o caf do Rw
6 3/4 schillings.
Importacao d* cafi
1862
1863
864
1863
real ordinario : 6 1/2 a
do Io at o ultimo de Janeiro.
1,800,000 libras
10,800,080
1,800,000
6,600,000
Em ter em fim de Janeiro.
1862 17,000,000 libras.
1863 13,500.000
1864 7,000,000
1865 11,000,000
Aviso aos navegantes.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conbecimento dos navegantes, que no
dia 18 do correrte foi novamente enllocada, e na
mesma posicao, a boia que marc."> o lermo dos
baixos de Olinda ; e a qual havta sido arrojada
praia por Ihe haver fallado a amarra.
Capitana do porto de Pernambuco 18 de feve-
reiro de 1865.O seeratario,
Decio de Aqaino Foaseea.
Comi peral
Pela administragao do crrelo dosl* cidade se
faz publico para fins convenientes que em virtude
do dl.-poslo np art. 138 do regulamento geral dos
correios de 21 de dezembro de 1844, e artigo 9 do
decreto n. 785 de 15 de maio de 1854, se procede-
Para Lisboa.
Pretende seguir com muila brevidade a barca
portugueza Hennqueta, tem parle de sen carrega-
roento prompto : para o resto trata-se com os seus
consignatarios Antonio Lolz de Oliveira Azevedo 6
C, uo seu escriptorio ruada Cruz h. 1.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muila brevidade o brigue es-
cuna Joven Anliur, lera parte de seu carregamon-
lo engajado : para o reste que Ihe falta trata se
cornos seu* consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. i
Para o tilo de Janeiro
Sahir com brevidade o patacho nacional Va-
mao, recebe carga a frete commedo e escravos:
irata-se com Manoel Ignacio de Oliveira & PIMio
no largo do Corpo Santo escriptorio n. 19 ou com
o capito a bordo.
Para ~
Segne nestes dias em direitura ao indicado por-
to o veieiro brigue escuna brasileiro Graciosa, ca-
pillo Jaciotho Nunes da Costa, por ter quasi prora-
pto o sen carregamealo ; para o ponco que anda
pode admetlir, trata-se com o seu consignatario
Antonio de Alaietda Comes, rea da Croa n. 23,
primeiro andar.
Para Lisboa
pretende sahtr em poneos dias o patacho porloguez
Jareo por ler a maior parte da carga tratada, e pa-
ra o poueo que Ihe falta trata-se ecm os consigna-
tarios Palmelra & Bellrio, largo do Corpo Sanio
n. 4, primeiro andar.
Para o Porto pela ILha de S.
Miguel.
O vetletro e bem conhecido brigue nacional A-
meha pretende seguir coa muir brevidade, ten
parle da sea eairegaananto engajado, para o resto
qne I he falta e passageiros, para os quaes tem ex-
cedentes commodos : trata-se eem os seas consig-
natarios A. Luiz de O. Azevedo &C no seu escrip-
torio na ra da Cruz n. 1.
Para
Segne tirevemente para o indicado porto o hiate
fiado Paquete, capitn Uenrque Antonio do Ama-
ral, para alguma carga que pode ainda receber
trata-se eom o respectivo consignatario Antonio de
Aimeida Gomes, ra da Cruz n. 23, primeiro
andar.
Parlo e Lisboa
A galera Sara Fama, de primeira rtasse, segu
para os portoi ladreadas at o dia 15 de margo,
por ter a maior parle de seu carregamento promp-
to : para o resto da carga e passageiros para os
quaes tem exeellentes commodos, trata-se coa Cu-
uha, Irmaos & C, ou com o capitao na praga.
Rio de Janero.
Pretenda sabir cora brevidade para aquale par-
ta o brigue Cruzeiro do Sul, ainda recae alguma
carga eejcravoe a frete : a tratar cora Marques,
Barros & C
Leilao
De om piano forte de Woi. Sassenhou* 1 moui-
bia de Jacaranda' com tampo de pedra, 1 dita de
faia, 2 candieiros, 4 espelhos, 4 jarros, ricos qua-
dros com finas gravaras, l guarda-roupa com es-
peibo, 2 ditos sem espeth'), 1 guarda vestido, i to-
cador com espelho, 1 rica secretaria de mogno, 1
estante envidragada, 1 aparador de Jacaranda'. 2
ditos de mogno, 2 ditos de amarello, 1 mesa els-
tica de amarello, 1 dita de mogno, diversas mesas
de abrir, 1 cama franceza, 1 dita de amarello, I
quarlnheira, marquezas, cadeiras de diversas
i|ualid.tdes, ditas de balango, 1 oculo de alcance.
1 prensa de copiar cartas e moilos outros objectos
que estaro a vista dos compradores na respeta e
dia do leilao.
Quisla-feira 2 de marco.
Ra da Cadeia n. 36.
O agente Pinto fara' leilao por coala e ordem
de diversos dos objectos cima mencionados exis
lentes no armazem do sobrado da ra da Cadeia
o. 36, onde se effectuar' o leilao devendo princi-
piar as 10 horas em ponto.
Desde ja' previne-se aos concurrentes qne de-
verao tomar corta de seus lotes em 24 horas,
visto ter-se de entregar as chaves do dito arma-
zem no dia posterior ao leilao.
Leilao de urna casa tema lili na roa
Velha.
Mariins fara' leilao competentemente aulerisado
de uma rasa terrea n. 33 na ra Velha fregueiia
da Boa-Vista, e de construego moderna, propria
para se levantar um sobrado por lerem as pare-
des capacidade para isso, a qual faz esquina para
a travessa da Campia.
Sexia-feira, 3 de margo I o abaixo asugaado soUeila pela polica em ge-
a porta da associago Commercial, as 11 horas do ralquatauer preteneao como : passaportes, porta-
dla.________________________________ ras, apprehences de quaesquer objectos; pela
presidencia portaras, passaportes,patentes de of-
Joaqnim Franc^eo Bastos, re passado- de
dr pelo golpe que aralwu de soffrer, agra-
dece cordial mente a lodos aquelles que se
dignaram acompanhar at o cemiterio ao ca-
dver ,de sua mui presada mi Vicencia
Ferreira da Conceigo Bastos.
E' umn divida de gralido que se perpe-
tuar em sua lembranga e pela qual hypo-
theea seu eterno refonhecimento.
.4 qu
em
rateressar
Leilao da elegante casa de taipa assobradada
com cocheira e estribara fra, banheiro
de tijoto e cal forrado de cimento, jardim,
cercado e baixa de capim, em Caxang,
na estrada real de Paod'Alho.
Scxta-teira 3 de fevereiro de 1863.
O agente Pinto far leilao precedida a compe-
tente autorisago da casa de campo cima men-
cionada, a qual se torna recommendada por ser
alm de mui fresca, perlo da porte pencil, e da
estacan dos mnibus.; o leilao ser eflectuado as
11 horas do da cima dito na praga do Commer-
cio, em frente a Associaoao Commercial.________
Leilao de duas machinas a vapor
Sendo :
Uma porta vel, forga de 14 cava I los, sobre rodas,
com caldeira patente e todos seus pertences.
Outra fixa e orisontal, forga de 12 cavallos com
caldeira e mais pertences.
Quinta-feira 9 de margo, em frente a
Associacao Commercial.
O agente Pinto fara leilao por corta de quera
perlencer das deas machinas a vapor cima des-
criptas propras para engenho. as quaes se tornam
recoramendadas pela sua perfeicao e par serem
dos melhores fabriranes de Inglaterra, os preten-
demos podero desde ja' examinarem ditas ma-
chinas para o qne poderao enteoderera-se com o
mesmo agente em seu escriplorio ra da Cruz nu-
mero 38.
flciaes da guarda nacional e outras quaesquer in-
cumbencias ; pelas renartigss fiscacs desembara-
go de terrenos de mannha e de eslaltelecimentos
que por engao ou ignorancia de seas proprieta-
rios estejam sujeitos ao rigor dj Use,; pela capi-
tana do porto mairicalas de carpinlevros, calafa-
tes, botes, canoas etc. Pode ser proourado no Re-
cife armazem de mothados do Sr. Antonio Lopes
Brasa, roa da Cruz a. 36; em S. Anteoio luja de
livraria popular, ra do CoIWgio a. 7 do Sr An-
tonio Domiosues Ferreira, c em S. Jos ra Direi-
ta botica n. 88 do Sr. Jos da Rocha Paranhos.
______ Joaquim Jo- do* Santos Barraca
Urna pessoa chegaila da ilba de S, Miguel
desoja fallar com os tubos do Sr. Jos de Jedeiros
Maciel a negocio de seu niera&se : na ra da hn-
peratriz n. 41 ou annuncie para ser procurado.
A ma
Precisa-se de uma para o servico
soa : no becco largo do Recife n. 2.
vira para da Senzaza Velha.
de uma pes-
esquina que
RHI
AVISOS BITOSOS.
LOTERA
Aos0;00>00c 3;U000O0.
Sexta-fe ra 10 de margo t 'r lugar ex-
traeco da 2a parte da 4a lotera da Santa
Casa da Misericordia (81) no consistorio da
igreja de Nowa Seehora do Rosario da fre-
guezia de Saato Antonio.
Os bilbetes, meios e (|oartos esto a ren-
da na respeettea tfeesouraria ra do Cres-
jpo n. 15.
Na fabrica ae sabao da ra de S. Miguel, nos
Afosado, precisa se de quatro trabalhadores for-
ros ou captivos : a tratar na mesma a qualquer
hora.
Precisa se ae um forneiro
penhar a sua arte : na padaria
numero 51
que saiba desem-
da ra Imperial
O l)r. Antonio de Vaseoncellos Uenezes do
Drummond, artigo advogado ueste foro, continua
no exercicio da sua profesa, podendo para isso
ser procurado todos os dias, das 10 horas da ma-
nhaa s 4 horas da tarde,m seu escriplorio a ra
do Imperador n. 43 prrmetro andar; bem como
para casos urgentes a qnalquer hora do dia, en
seu domicilio, ra da Aurora n. 26>_______
Arreada-se apropriedade denominadaBar-
ra de Seriahem uta na fregue^ia do wesmo no-
me, com grande coqueiral a desfruetar, e mui toa
foros cobrar annualraenle : a Halar i ra da
Aurora p. 26.______________________ _
Xa padaria da Turre piecisa-s do am amas-
sador, me f aiba entregar pao^________________
AehMdo-se vago o logar de guarda da
tria do Santsimo Sacramento da
ma-
lregaia de-
Saato Antonio do Recife, s.4o pelo presile convi-
dados os pretenderles a apresentavem sens re-
Os premios de 4O-O0O,W)0O at 20*000 oerimentos com a respectiva flanga visto como
_ l ... .,' j ._'tem de ser nomeado em mesa quarta-feira 1* de
serao pagos urna har depo.s da extraccao nw( consistorio da irn.amlade do Santissimo
at as i horas da tarde, e OS outros depots, Sacramento da fregueaia d Santo Antonio do. Be-
da distribuicSodas listas.
As encommendas s se guardante ale a
noite da vespora da extraccao como de cos-
ame.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souia.
Precisa-se de uma ama para tomar conta de um
menino desmamado, e enidar no iratamento deOe,
preere-se de meia i dada e q ae tenba boas costa-
mes : na roa do Hospicio n. 36.
cife 27 de fevereiro de lfe65.
JO escrivao,
^_________Luiz Cesan o do Hego.
0 Sr. Sebastio Accioii Santiago Ramos,
qoera vir a ra do Imperador n. 83, segundo an-
dar, para concluir o negocio que nao ignora.
Aluga-se um grande sitio com suficiencia
para teri vaccasde ioite, 2 baix-s para planta
de capjn<,*a8a eonopinincides paragmada fami-
lia paoximo ao Recito, que s pode ir a p e ma-
los arvoredeis de fructo : na ra larga do Rosario
lo.ian.31 _____ -
- Alaga-so um escravo na ru& do Aragao n.
12, sobrado de dous andafcs.



.


i.
I
4n





Blarl* de renuubc ... Vwea feto e Veverelr* le i IM.
/
A NACIONAL
Corapaiiliia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Una flanea em dinheir*, depositado nos cofres do estado, garaite a boa i
ministradlo da rtmpaniia.
;f
COHMGHCIO
Joaquim Gomes Dourado & lrmo fazem sciente j
I ao respeiiavel corpo do commercio que julgam nada
dever, mas sa alguem se jnlgar credor aprsente
I as toas comas do praso de ilo diai para serem
promptamente pagas. __________________
i irecisa-se de um rapaz de 13 a 14 annos,
ou ara hornera de 30 a 40 annos, que saiba 1er : a
tratar na roa da Concordia, casa n. 38
AMA
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
DIRECCAO GERAL
Madrid: Roa do Prado n. 19
Esta corapanhia liga pelo systema mutuo todas as combinares de supervivencia dos segaros
sebre & vida.
Nella pode se tazer a sabscripeo de raaneira que em nenhum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendenles os resudados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que ai oda mesmo dimlnuindo orna terca parle do interesse produzido em recentes liquida
cites ecombinando-o rom a mortalidade da tabella de Depareieux qae e adoptada pela companhia
Sira seus clculos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 a 19 anuos, umaimporsicoannual
9 100* produz em effectivo metlico:
No fim de 5 annos.......1:1192300
de 10 .......3:9423600
de 15........11:2084200
. de 20........30:2564000
de 25 i.......80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect s e mais informac5>>s serao prestadas pelo suh-dfrector nesta provincia.
mo Joaquim Piuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12, estabele-
cimento dos Srs. Raymuudo, Carlos, Leite & lrmo.
B4NC0 (MO
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE,
A dirccao do BANCO UNIA'O tendo obtido do governo de S. M. F. a autorisac5o
para estabelecer o seguro de vidas em rnulualidade, faz publico que desde j toma >ubs-
cripces annuaes por urna s vez, debaixo das seguintes condices:
Com perda de capital e lucros;
Dito de capital somente;
Dito de lucros somente ;
devendo a primeira liquidacSo ter lugar to 1 de janciro.de 1869.
As vantagens do empreo de capitaes em rnulualidade, sao obvias, porque nao so-
menta se collie o juro de quantis diminuas, de que avulsas se n5> poderia tirar ne-
nhum resulta lo; um alm d'isso, este rendimento augmentade pelo capital ou lucros,
ou ambas as consas, conforme as condices da subscripcao, dos que fallecem. Tambem
partido pelos socios sobreviventes tudo aquillo que os socios morosos nos seus paga-
mentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que occorrerem
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquidacoes sao pelo systema das companbias hespan'nolas, tutelar e outras ; e
pira se p xtef fa/.er urna idea do que pode producir urna entrada annua de 10r$000, pu-
blica-se a seguate tabella baseada sobre a experiencia de muitos annos de companhias
desta natureza.
Em o annos
anno HO
90->
860
SU
863
SU
su
su
QU
As entradas por urna s vez do resultados muite superiores as annuaes.
Mnimo das entradas 5)5000.
Porto, 10- de agosto de 1863. Os directores do BANCO UNIA'O, Jos da Silva
Hachado.F. M. van der Niepoort
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, raa da Cruz
numero I.
Por um menino de 1 dia a 1
de 1 anno a 2
de 2 i a 3
c de 3 a i
de 3 alo
Por urna pessoa de 16 a 20
C <( de 20 a 30
' de 30 i a 40
de 40 a 50
10 annos lo annos 20 annos 25 annos
400 9005 2:0005 4:70i :>
3005 7505 1:7005 3:7005
290fl 7205 1:6005 3:5005
270^ 7105 1:5605 3:4005
2705 7005 1:5505 3:3505
2700 7005 1:5405 3:3305
2705 7105 1:5605 3:4005
2705 7205 1:6005 3:7005
303,0 7505 1:8005 5:0005
Precisa-se de urna ama
terno e externo de urna casa
na ra de Hortas n. 46.
para o ser vico in-,
de ponca familia:
No pateo do P,. raizo, confronte aigreja.no
sobrade o. 29, segnndo andar, alugam-se ricos
vestuarios para mascaras, tudo novo e de muito
bom gosto, dminos de seda e velludo, e outros
muitos vestuarios para homens e meninos, pelo
diminuto preco de 5 e 10.
Offerece-se urna senhora branca de bons costu
mes e j de meia Idade para comprar e cozinhar,
prelere-se casa de homem solteiro ou de pouca ja-
milla : na rna da Penha n. 1.________________
Precisa-se alugar um sitio perlo da cidade,
em lugar fresco, preferindo-se um que tenha pe-
quena bixa de capim e sc,a perto do rio : a tra-
tar, quem o ver, no armazcm n. H, na ra do
Trapiche Novo____________________________
Na ra d.o Queimado n. 9 deseja-se fallar
com o Sr. Dr. Jos Mana Moscoso da Veiga.
Criado
Precisa-so de um criado fiel, intelligenle e Iim-
po para servico de casa e recados, tambem serve
um moleque de 12 a 15 annos, sendo aceiado : a
, Dase a quantia de 5004 sobre hypotluca de Riem conr dinja-se a ra Nova n. 19, primeiro
um escravo que seja mogo e sadio, finando os ju- andar-_____________________________________,
ros pelo servico do dito escravo : a tratar na ra Precisa-se de urna pessoa com habilitaedes
Nova n. 69, segundo andar, esquina do porto das necessarias para ensinar pnmeiras letras a dous
canoas. meninos em um engeoho perto dfsia cidade, e
Precisa-sede urna ama para engomroados perto da va frrea : quem se julgar habilitado,
para casa de pouca familia : na ra Direita n mri;a-se a ra da Cruz do Recie n. 15, primeiro
US, primeiro andar. -. andar,que se dir a< vantagens que so faz.______
Na noite do terca para quarta-feira 22 do Aluga-se a casa de sobrado n. 33 da ra da
correte roubaram da casa do abaixo assignado, Matriz em que merou o despachante Franco, tem
morador na ra do rago o. 25, os objeclos cons- grande quintal com arvores de fructo, 2 cacimbas
tantesdarelacaoanaixo transcripta; assira roga- e grandes commodos para familia : a tratar com
se a todo e qaalqaer topista, ourives, ou mesmo o Sr. Aatonio Joaquim Ferreira Porto, ou cora Mi-
particular a quem for offerecida qaalqaer das pe- gnel Joaquim da Co-la na ra da Cadeia n. 12.
cas roubadas, a bondade de a apprehender e dar Antonio Bezerra Cavalcauti tendo eocontra-
pjarte ao annunciante, que gratificar generosa- do outra de igual nome, por isso Oca d'ora em
mente.
1 redoma de ouro feixada por um parafuso por
baixo, cheia de agnus-Dei.
1 cruz de 2 1|2 polegadas de ouro maciaso.
1 dita de pedras brancas, circulada de aljofares
de ouro.
1 prde rosetas de topasio. ,,
1 dito de ditas de ebrisolitas.
1 ponteiro de ouro para menina, enriado em 4
diante assignando se Antonio
de Alhuquerqne.
Bezerra Cavalcanti
Quem tiver achado duas chaves de porta,
que amarradas por um cordel, foram perdidas
hontem a nouto em Olinda, desde a subida da la-
deira da Misericordia at o embarque no Varadou-
ro, vindo pelos .Qualro-Cantos e ras adjacentes,
queira levar ou mandar as ditas chaves a ra da
palmos de trancelim grosso com possador lavrado. Aurora ti. 26, onde ser gratificado. _________
11 medalna grande com 2 diamantes, enfiada em A. Schaffier, tendo de retirar se para a Eu-
2 varas de trancelim de oitava o palmo. ropa, deixa como seas procuradores e na geren-
il medalna pequea com 1 diamante de um lado cia de sua casa eommercial A. -chaffier & C,
e i pedra branca de outro, enfiada em 2 varas de durante sua ausencia, os Srs. Hyppolito SchalTier
cordotino. je Hearique Oelli. __________
i par de botSes de ouro cortados.
1 caivete de mola.
3 lencos novos para tabaco (rxo com pintas
braqcas) e as inlciaes i. A. B.
2 [corles de chita escura de 14 covados cada am.
Ama
Precisa-se de una ama para casa de um moco
solteiro : na ra de Apollo n. 47, primeiro andar.
Precisa-se alugar urna ama que saiba cozi-
nhar e engommar: natravessa da Madre de Dos
n. 7,| primeiro andar.______________________
Furtaram da povoacao do Cachang, na noi-
te de 19 do correnle, pelas 10 horas da noite, um
! cavallo rodado claro com dinas e cauda brancas,
instrumentos novos, ferramenta moderna, cadeira de operacoes, etc., etc., dos mais acre,:,endoama pequena beli(le no 0lr.0 direlto, an
ditados fabricentes de Paris, Londres e New-York, e por isso estando mais que nunca dador de baxa a meio, um ponco abenas as per-
no caso deservir do modo o mais satisfalorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acha-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manli al ao meio dia com cer-
teza e as 4 huras da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares.
19 RA NOVA 19
Frederico Gautier, cirurgio dentista.
De volta de sua viapem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descobertas e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas com muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeiiavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acha de novo prompto ao seu dispor para todos os misteres da sua pro-
fisso, advertindo que trouxe um immenso sortimento de denladuras artifkiaes; caout-
chou galvanisado, our<>, platina, massas diverjas muito aperfeigoadas para ebumbagem-
11 volU de crreme de ouro bastante grossa.
II trancelim de ouro inglez para homem com
passador lavrado e mola de segurar relogio.
1 trancelim chato para senhora core passador e
1 jassoleta redonda lavrada com 1 retrato dentro.
1 par de rosetas com 1 diamante graade cada
uta.
1 aaneiao de ouro esmaltado com 1 diamante
gifande.
1 dito com 9 diamantes, sendo o do meio maior
I par de brincos com 2 diamantes cada um.
II anuelao com 1 brilhaote seguro por agarras.
I pulseira de ouro de gomos e 1 alfinete* todo
lavrado.
1 alfinete para senhora com 1 diamante grande
no meio, circulado de folhas de ouro ao redor do
diamante.
1 par de botoes para punho de ouro falso.
1 loneta de ouro.
2 duzias de garfos, 2 ditas de colheres de sopa,
2 ditas de ditas para cha, e 1 concha para assucar,
tudo de prala lisa e obra aotiga.
I lace para pescoco e I par de brincos grandes
(obra amiga) tendo os brincos 12 diamantes cada
um, e o laco mais de 20 diamantes, sendo o do
meio bastante grande.
I coroa e 1 cruz de prata para santo
1 habito para farda decavalheiro da Rosa.
ROUPA.
3 lences de bnm e 5 de bramante de urna s
largura com as iniciaes J. A. B.
6 camisas de senbora, de bretanha, com labyrin-
tho e renda, com as iniciaes M. P. D. B
2 pecas de madapolSo fino.
2 ditas enceladas de dito entrefino.
3| varas de esguio.
1 duzia de peitos de hnho para camisas.
1 calca de casemira cor de vinho.
1 chapeo de pello de seda novo para cabeca.
lbalaio com 140 ovos.
I revolver com 6 tiros.
1 Ipnnhal com cabo de marfim com annel e cas-
to de prata.
Quem orcci>ar de roupa para engommar
por preco eommodo, e juntamente urna ama para
servico de casa : dirjase ra Direit; n.J46.
No passeio publico n. II ha para te alugar
um preto sem vicios e muito fiel._______
Na fabrica de calcado do pateo da ribeira de
S. Jos n. 2o precisa-se de artistas tamasqueiros.
Aula particular.
O abaixe assignado, professor particular,provi-
sionado peladirectonageralda mstrucco publica
para ensinar primeiras ledras, latim e francez,
participa ao respeiiavel publico e igualmente aos
senberespaisde seus discipulosque seguoda-feira
9 do crreme tem de continuar no ensino das sn-
praditas materias, admitlindo a matricula alumnos
externos, pensionistas e meia-pensionistas. A pra-
ticade 19 annos conseoativos no oxereicio de seu
magisterio, sua inteiradedicacao e ua moralidade
sio garantas que offereceaos senhores pais de fa-
milias, que desejam a sa e til educacao aseas
filnos.
Quem periantoqaizer confiar ao mesmo abaixo
assignadoa educacao de seusfilhos, pdedirigir-se
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da ra Nova, onde ha mullo lempo est
estabelecido.
_________Jos Maria\Machado de Figueireio.
Belouche avisa ao respeiiavel publico que
comprou o estabelecimento de banhos, sito no pa-
teo do Carmo, que contina a dar banhos como de
costume, declarando que os candes assignados pe-
lo Sr. Caucanas terao vigor para tomar banhos s
at o dia 28 de fevereiro de 1865. O mesmo convi-
da o respectivo publico que compareca no mesmo
estabelecimento, que verao executado com todo o
esmero o systema e asseio que deve ter tal estabe-
lecimento.
Preco dos banhos.
Banho fri on queme, tomando 10 car-
toes pelo preco de......44000
Um banho avulso ou s..... 50o
Para escriploiio
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo n.
23 : a tratar na loja.
Consultorio medico-cirurgico na ra larga do
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua j
casa, contina em o exercicio de sua profisso Approafo
nao s na parte medica como tambem naciror-l
glca-_______________________________________
O Sr. Aunliano C. da Rocha Wander-
ley, queira mandar buscar urna carta na
lhraria n. 6 e 8 da praca da Independen-
ca.
Para todo*.
O abaixo assignado fax sciente ao respeiiavel
publico que mudou a sua offleina de palhinba da
ra do Imperador n. 2* para a ra das Cruies n.
23, igualmente tem para vender palba e june
mais barato que em outra qualiuer parte.
Manoel da Cosa Azevedo Napoltao.
THESOURO DAS MAIS "^
Providencia das criancos.
COLLARES HOYI 11
tileetrtafielieos.
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DLM1CQ
Coutraas coDvulsoes e para facilitara
dentico das eriancas preparados e inventa-
dos por Rover, pharmaceutico da esco-
la superior do Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina
amiga casa de Bouillon Lagrange.pbarmaceutice
do imperador
chefe dos irabalhoschimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
O hachare!
francisco Augusto da Costa P
ADVdGADO
AH11.
JSSffSXTuSS:TU S21itlMl^Wi'VOliveira AYe>eiloj AC
m
Ra do Imperador
II
Rosario n. 12, segundo andar.
Offerece-se urna ama
ra da Gloria n. 92.
Precisa-se de um caixeiro com pralica de
taberna : a traiar na ra da Matriz da Boa-Vista
numero 27.
_ Aluga-se um sobrado de dous andares e so-
lio oa ruada Penha n. 6 : a tratar na ra larga
do Rosario, armzem de louca da porta larga.
Agentes do banco Uniao do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todos
\ os paquetes sobre o mesmo banco para o Porto e
Lisboa c para as seguintes agencias :
Londres sobre Bank ofLondon.
O London & Brazillan Bank, saca por todos
os paquetes,sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guiarles.
Villa Real.
Coimbra.
___________Amarante.________ ___________
O Sr. Leopoldo Cadaull tenha a bondade de
vir a raa do Imperador n. 83, segundo andar, a
negocio qoe nilo ignora. ________
Salitre
Na roa do Queimado n. 37, leja de ferragens, de
Domingos Jos Ferreira Guimaraus, vende-sa sali-
tre refinado por 254 a barrica de 4 arrobas, ou a
6S100 a arroba s a dinheiro._______________
Os Srs. academices que vao matricular-se
no terceiro anno da Faculdade de Direito, podem
dirigir-se a ra da Saudade n. 9, frooteira a do
Hospiio, onde se Ihes vender o compendio de
direito civil at as 9 horas da mantia, e das 4 at
as 6 horas da tarde.
h Alugara-se o segundo e terceiro andares da
casada ra do Trapiche n. 46, com capacidade pa-
ra grande familia : a fallar na ra de Apollo n.
35, primeiro andar.
A tugase
urna moleca de 14 annos
as Cinco Pomas n. 85.
para casa de familia
Aluga-se um primeiro andar na ra da Pe-
nha com fundos para a ra Direita n. 9 : a tratar
no segundo anar.
mMmwm mmmm mmmmm
m Procaradoria. jfg
2&g Antonio Carlos Pereira de Borgos Pon- i|
E cede Lson, como solicitador, se encarre- S
SI ga das causas crime>, civeis, commer- p$
|| ciaes e ecclesiasticas. Elle anda recebe tf
^ algumas casas de partido, mediante a ,
* ra ajaste razoavel. Pode ser procura- jjf
S do as salas das audiencias ou na ra
j(| Imperial sobrado n. 64. ^
m mmmm mmmmmmmm
Deseja-se fallar com o Sr. Jos Guilherme
Cesar de Vasconcellos, natural do Rio Formoso,
sobre o negocio de um escravo da cidade do Ass,
fazenda Oltio d'Agua, o mesmo pode dirigirse a
raa do llang-l n. 61, a entenderse com Bento Jos
Ferreira Lima.
"IfflTielF
Jos Joaquim ee Novaes faz sciente ao respe'rta-
vel publico e a lodos os senhores orBciaes do exer-
cito e da marinha que contina a ter sua casa
.iortida de fazendas e roupas feitas e por medida :
no largo do Livramento a 34.
. O abaixo assignado faz sciento ao respeiiavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
que deixou da ser caixeiro desde o dia 26 do cor-
rente do Sr. Jos de Miranda Durao ; ao mesmo
tempo approveita a orcasio para agradecer ao
mes-no senhor os bons tratamenlos durante o tem-
po que esteve em sua casa.
___________Custodio Jos de Oliveira Das.
Alexandrina de Luna e Alhuquerqne, pro-
fessora publica de nstrucco primaria, faz sciente
a sua.-. discipulas e a quem ioteressar possa, que
transfiri a sua aula da ra do Livramento para a
ra do Imperador, segundo andar do sobrado n.
16, onde principia a leccionar do 1 de mareo em
dianle.
Precisa-se aluxar urna ama portuguezaque
8a engommar bem e coser, para urna casa de
daa pessoas oa ra da Imperatriz n. 34, pri-
jn-iro andar. v
A. Schaffter lando de retirar-se para a Eu-
ropa, deixa como seus procuradores e na geren-
cia de sua casa commarciat A. Schaffier 4 C, du-
rante sua ausencia os Srs. Hiplito Schaffier e
Henrique Oetti.
INJECCAO BROW.
Remedio infaliivel contra as gnorrtiea*
antigs e recentes, nico deposite r a bo-
jea franceza, rna da Crnz'n. 22 pre-
ft> 3|
Perfumara e sabonetes de
Toilet
da casa Violet, perfumista com privilegio,
fomecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel II
de Hespanha.
As flores as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorficos,
serven) a composiefio df>s producios exclusivos da
rainha das Abelhas.
Salan real de Tridaco.
O nico recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygienica da pelle.
Balsamo de vilela.
Pomada fluidificada pelos oleo virgens para o
servico dos cabeleireiros.
Golas de Vilelas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. a rai
nha Victoria.
Saho de balsamo de Violetas.
SHomenagem a S. M. a Imperatriz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
I.oivao benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz resatla.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas as i
affecces dormacs.
> Locco refrigerante para o toilete e os banbos.
Crenie pouparior.
Da belleza da pello.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Greme Seviga.
Composicao especial, para lastrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
treme fri estamos*.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido dermal.
Perfumes das bri>as de rnai*.
Delicias dos lencos e saldes.
Dicado a S. M. a imperatriz da Russia.
Caixa de Javencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para telera.
Vermelho da China, preto indio e brando
de Lys.
Para passeios e soires.
P h..ii>ontal
Pas as unhas o brilho de nacarregado.
Pe fumes uorisontaes.
Para perfumar as cartas, toalhas e os qaartos.
Vndese oa rna do Imperador n. 38. botica
nrfceza.
as : quem o apprehender leve-o a ra dos Pires
n. 35,; que ser gonerosamente recompensado.
A ma ou escrava
Precisase alugar urna ama que saiba bem cozi-
nhar, bu urna escrava, paga se bem : na ra da
Imperatriz n. 47, segundo andar.
Escriptura$lo
Um moco que exerce o cargo de escripturar os
livros do commercio, pelos methodos mais adopta-
dos e de fcil comprehenso, encarrega-se, as ho-
D. Maria da Conceieo d Moraes Chaves,
Joo Dametrio de Moraes Chaves, France-
ina'Miria Chaves Ventura, Francisca Ma-
na Cnaves de Almeida, Joo Juvino de Al-
meida, Cesario Aureliano Ventura, viuva,
filhos e genros do finado Joo Pereira Da
masceno Coaves, agradecem cordialmente
a todas as pessoas que se dignaran) tomar
parte em sua dr rom especializarte ao seu
eanhado e compadre Francisco Jos de Cam-
pos Pamplona, e e novo rogam o candoso
obsequio de assistirem a urna missa que s;
tem de celebrar na matriz da Boa-Vista
pelo descanco eterno da alma do mesmo fi-
nado, na quinta feira 2 do futuro pelas 5
horas da manha.
Paris Frdric S. iallin & C.
Hamburgo > Joao Gabe & Filho.
Barcellona > Francisco Rohala & Ballesta.
Madrid > Jaime Merie.
Cadis > Crdito Commercial.
Sevilha > Gonzalo Segoria.
Valencia t M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. Castello Branco. Guimares.
Aveiro. Chave?. Lagoa.
Barccllos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilho. Lanego.
Beja. El vas. Leiria.
Braga. Braganca. Extremos. Evora. Moncao.
Faro Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Setubal.
Penna fiel. Thnmar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova de tello.
Villa do Conde. Portimo. Villa Real.
Villa Real de Vizeu. Madeira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
No imperio.
Baha. Maranh o.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer soroma a prazo ou a vista-, podendo
logo os saques a prazo serem descontados no
mesmo Banco a razao e i por cento ao anno a
ratar na ruada Cruz n. 1.
O solicitador Pedro Aiexandri-
do da Costa Machado
se encarrega ante o furo desta cidade de tudo que
for tendente a sua profisso, aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercial mediante razoavel ajuste. Contina
a soencarregar de cobrancas nostermos do Cano
elpojuca aondecontinua a trahalhar como d'an-
tes.e encarrega-se de defezasperante o jury nos
termos prximos a va frrea, offerecendo gratui-
tamente seus servicos aos desvalidos, pode ser
procu_ado todos os dias otis das9 horas da ma-
nha as3datarde na ruaestreita do tlosario n.
34, efora ilessas horas na rna Imperial n.36, ca-
se de sna reidencia.
OPSCULO
DE
MORAL RELIGIOSA
roR MR. iienoi; PARA leituha as escolas oe iks-
TRI'CQAO PRIMARIA.
Esta obrinha que mereceu do conselho director
da instrueco publica o parecer, qneadianle trans-
crevemos, acha-se a venda pelo diminuto preco de
300 reis em brochara, e 400 reis encardenada, as
livrarias dos Srs. Gmmares e Oliveira. rna do Im-
perador o. e do Sr. Nogueira junto ao arco de
Santo Amonio.
do ronsclho director da instrnecio
publica.
A commisso enrarregada de dar o seu parecer
cerca do Opu culo de Moral Religiosa para lei-
tura as escolas primarias, por M. Ambrosio
Rendu, antorisado pelo consejho de instrueco pu-
blica em Franca, e traduzido em vulgar por ,
leu acuradamente este formoso livnnbo, que tanto
tem de pequeo como de inieressante ; e qnando,
pela dootnna que encerra, e pelo primoroso da
verso elle se nao fizesse desde logo recoromenda-
vel, bastara o nome do auto do Cdigo Universita-
rio, e a respeitavel sancro da antoridade do ensi-
no un Franca, para que a commisso o propozesse
aopco do conselho. Mas, alm disso, quizera
ella que as nossas mais de familia em todo o Brasil
tivessem sempre mo esls pagmasinhas de amor
pelas quaes Gzessem ler, e ensinassrm seus filhos
no regaco, par da historia do povo de Dos, e
I dos mysterio do chrislianismo.
E porisso a commisso de parecer que nao s
, o Opsculo seja adoptado as escolas primarias,
, masque se procure vulgarisa-lo em todo o imperio.
Sala doconselho director da instru cao publica
: de Pernambuco, 18 de selembro de 1863. Jos
I Soares de Azevedo.Dr. Aprigio Jusliano da Silva
i Guimaies.
; f. de Aquino Fonseca Jnior saca sobre Lis
1 boa e Porto : a tratar na travessa da Madre de
: Dos n.5. primeiro andar._____________________
No escriptorio de E. R. Rabello, ra da Ga
deia do Recife n. 55, primeiro andar, existe urna
: carta viuda de Lisboa para Joaquim Jos Pereira.
Asum cia de passapnrte.
Claudino do Reto Lima, despachante de passa-
porte, tira-os para dentro e fra do imperio por
commido preco e presteza : na ra da Praia, pri-
meiro anaarn. 47._________________
Koga-fe aoSr, bacharel Gezario
de ze>edo juiz municipal detiaian-
luiHs, queira dirigase praca da In-
rie|it ndencia ns (i e N, ou annouciar
sua ni o i-oda para ser procurado.
Jos Soares d'Azeredo, | rof ssor t'e
lingua e ltcratura nacional no Gyn nasio
Provi cial do Recife. tem aberto (m sua
casa, ra Bella .n. 37, um curso especial
I ara cada urna das seguintes disciplinas:
lingua franeza,
geographiae h.storia,
philosopii a racional e moral,
rhetor1cae potica.
As pessoas qu< d sejareu esiud?r qual-
quer desies preparatoria s podtm dirigir-se
indicada residedeia, de nanl aa il s 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
Precisa-se de urna pessoa habilitada
ras vagas do seu emprego, de qualquer trabalho de para escrevente de um lacygrapho quem
escripiuraco mercantil: qoem de seu peestimo estiver no caso de bem preencher o lugar m
necessitar, e o queira honrar no seu servico, diri- dirija-se an escriplorio desta folha ou ao
ja-se por caria fechada a ra larga do Rosario n. ,m,, Ao VVnivorle
37, com as iniciaes J. A. R., e indique o local onde
deve se procurado.
hotel de l'Univers.
a ttenco*
A viuva filhos e genros do finado Joo Pe-
reira Damascmo Chaves agradecem do inlimo
d'alma aos lllms. Srs. Drs. Jos Sergio Ferretra e
Ao Sr i. que leve em sua casa a prela Anna, e a Silvio Tarquinio Villas Roas e pharmaceutico Joa-
mandou entregar no dia 18 do comente seu se- qnira Ignacio Ribeiro Jnior, as maneiras urbanas
nlior, rota-selhe o especial obsequio, no caso que e desioteresse com que se prestaram com espe-
ella appajreca de novo em casa de sua senhona, a ciahdade o Sr. Dr Villas Boas, que acuda a todos
bondade de a mandar em casa de seu senhor na os chamados, favores estes que jamis sero os-
Suledade: cerlo de que, dahi mesmo sera ven- quecidos e se conservarlo eternamente,
idida.
Precisase ulugar urna escrava que seja fit-l
e de boa conducta, para comprar e cozinhar para
I casa de pequea familia : na roa das Cruzes n. 21.
j Na mesma casa compra-se urna negrinha de i a t
annos de idade.
Joao da Silva" Ramos, medico-pela' Urii-
versidade'de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro H,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 2*000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pros-
udo.
0 proprietario espera qne elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
*.
i
Precisa s de urna ama para fazer lodo o ser-
vico de casado umas jmsoa : no neceo das Bar-
reirs, casa 3.
IIYr'OTHECA
Hypothcram-se dous escravinhos por 1:200*000,
dando-se como paga dos Juros desta qoantia o ser-
vico dos mesmns: a pessoa que pretender deixe
seu nome e o numero da casa sna residencia na
livraria ns. 6 e 8.
Pede-se ao Sr. Joo Gomes Pessoa fimo do fi-
nado Antonio Gomes Pessoa, nao se retirar para o
malo sen primeiro vir a ra Nora a. Si, concluir
o negocio que 8. S. nao ignora.
Quem tiver pare arrendar urna olaria'de
obra grossa ou fioa perto do porto de embarque,
dirija-se a ra da Palma n. 41, taberna, se dir
quem precisa. ________
ttenco
O abaixo assignado em virtude de urna carta
dos Srs. Umbelino & lrmo, cemmerciantes esta-
belecidos na povoacao de Timbaba, dudara por
parte dos mesinos senhores, que tendo elles aceito
urna letra proveniente de fazendas que comprara
para seu commercio, em 12 de setembro do anno
prximo passado ao Sr. Joo Martins do Rio, da
quantia de rs. 2:881*656. a qoal foi paga em 31
de Janeiro do torrente anno; e como tivesse o
mesmo Sr. Rio remdtido a em urna caria e esta
Ibes nao fosse entregue, assim, poi*, previnem ao
publico, e especialmente pessoa que por ventura
a tenha achado, e ao^ mesmo portador que a c*n-
duzio, ciijo nome se ignora, que qnerendo restitu-
la, visto somente uiilisar eie documento aos Srs.
Umbelino & lrmo, entrega-la ao abaixo assigna-
do em seu estabelecimento na ra do Queimado
n. 3, loja de fazendas.
__________Irino Januario de Oliveira.
Aluga-se o segundo andar e soto com bas-
tantes commodos para grande familia, na ra da
Penha n. 3 : a tratar na ra larga do Rosario, ar-
mazem de louca.
Aluga-se a casa n. 199 da ra Imperial pa-
ra padaria, com forno e todos os utencillos : a
tratar no largo do Carmo, esquiua da rna de Hor-
tas n. 2.
Delouche, relojoeiro, avisa ao respeita-
vel publico e a seus freguezes que mu-
dou a sua loja de relojoeiro dd ra Nova
para a mesma ra n. 30 esquina do bec-
co de Santo Amaro, continua a fazer to-
dis os concertos pertencentes a sua arte
-* com muita brevidade e preco commodo.
^ Na mesma casa acaba de receber mui-
jQg tos bons relogios de sua propria encom-
>,M menda, de prata dourados e ouro patente,
*^ tambem relogios americanos para cima
de mesa e parede, lera lamb m instru-
)* mentos de msica, candieiros para gaz e
S muitos outros objectos lodos por precos
S5 muito commodos.
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeia-
vel'publico e a todos os senhores tfflciaes do ejer-
cito c da marinha, que contina a ter sua rasa
sorlida de fazendas e roupas feitas e per medida :
no largo do Livramento n. 34.
A Inga-se
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos,com banho na porta, no lugar do Poco
da Panella. ruado Rio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do Amorim n. 35.
Mannal do guarda nacional.
Acham-se impressas quatro formas cem 64 pa-
ginas em oitavo* francez do segundo volume do Ma-
nual do guarda nacional, ou collercao de todas as
leis, decretos, avisos e ordens concern nles a mes-
ma guarda.
Ha neslas quatro formas, importantes decisoes do
governo, esplicandofls duvidas, qne tem appareci-
| do na exeruco da lei da guarda nacional e seus
regulamentos, como sejam : o modo de se fazer as
| proposlas para ifflciaes dos corpos, quando estes
I eslo organisados, ou em organisaco : formarn
' da junta medica : reforma dos offlciaes e inferiores:
soluco das duvidas respeito das despensas do
- Na piacada Independencia loja de ourives! er,viS aJclivoj:JI.emf10 dos offlciaes se acharen) far-
n. 33, comprara-se obras de ouro e prata o uedras! da?os e,di,Ia do J"ran,enl : se cfflcial da imperial
preciosas, assim como se faz qualquer obra de I ordl'm Ro*a esla 1S('nt? de prestar servico como
o e qualquer concert simples guarda : se os inferiores dos corpos de-
| vem seguir a ordem gradual do accesso para ser
' promovido olHiial : quem subslilueocommaudan-
encommenda e todo e qualquer
MiMimm m& w&mm
Tm turara
O Dr. Carolina Francisco de Lima San-
ios,continua a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro-
curado aqualquerhoradodiae da noite
JP para o exercicio de sua profisso de me-
ug dico ; sendo qneos chamados, depois de
& meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
I deixados por escripto. O referido Dr.
H nao abandonando nunca o estado das 21
B molestias do interior, prosegue, com o S
I maior a fflnco. no das mais difflceise deli- 31
%K cadas operacSes. como sejandos orgos 2Sf
S ourinarios,dosolhos, parlo?,etc. H
mmmmm mmmm wmwww
Alugam-se dous grandes sobrados com com
modos para numerosa familia, novos e aceiados-
comjardm,cocheira, estribara e outras commo-
didades, ua travessa de Joo Fernandes Vieira : a
tratar na ra daSenzala Nova n. 42.
Precisa-se alugar tima prela para lodo o ser-
vico de u'.ia casa de familia : na ra do Trapiche
numero 4.
O bacharel Js itaplista Gitiraa||
8advoga nos termos do Bonito e Caruar. I
Pode ser procurado na villa do Bonito, S
rna Direita n. 16, defronle da cadeia. 9J
Na ra Direita n. 116 continaa-se a tingir para
qualquer cor, e o mais barato possivel.
Precisa-se de am noraem para trabaihar em
um siti) com planta da capim, etu Beberibe : a
tratar na roa Direita o. 69.
Urna pesssa que entende perfeitarflenle de
escripiuraco mercantil por .partidas dobradas e
simples, se offerece aos seahores commerciantes
para encarrpgarse de algumas escripias por qual-
quer um dos sistemas : a tratar na roa da Impe-
ratriz n 39, terceiro andar.
Precisa-se alugar um preto para o servico
| desta typographi, ao qaal dar-se-ha sustento, e se
Domingos Rodrigues de AnJrade, na ra da pagar por semana ou por mez, segundo convenha
Crax n. 33, saca contra a praca do Rio de Janei-jao senhor : a tratar na praca da Independencia
ro, a vila ou a pras. ns. 6 e 8.
te superior as suas faltas, ou. impedimentos : qual
deve ser a pena imposta aos inferieres que nao se
apresentarem fardados no prazo cado : se os instrumentos importados da Earopa
para as mnsicas dos corpos da guarda nacional, es-
lo isentos dos direitos da aifandega : quaes os
venclmenios dos offlciaes e guardas em servico de
destacamento : se tem direito continencia e com-
mandante superior, passando pela frente de nma
brigada de linha : se o tmpregado de- fazenda des-
tacado como offlcial da gnarda nacional deve aecu-
mnlar o sen ordenado : se offlcial da gnarda nacio-
nal suspenso, por crime de respoosabilidade do
cargo de delegado, ou de joiz de paz fica tambem
suspenso do exercicio da gnarda nacional : que
honras competen) aos capitaes da guarda nacional
designados majores dos mesmos corpos : se ha in-
compalibilidade na accumalac do cargo de juiz
de paz e presidente da junta de qualifleaco dos vo-
tantes, com o posto da guarda nacional: ha inconi-
patibiiidade na accumulaco do posto da guarda
nacional com o do cargo de juiz de paz : o offlcial
que exerce interinamente o lagar de ajud^nte dos
corpos est on nao despensado de servir no conse-
Iho de qualifleaco : em que priso devem os offl-
ciaes da guarda nacional cumprir as penas, con-
demoado no foro commora : se os gnardas aa-
cionaes esto ou nao isentos do rcenitamento : se
os vendedores de sello dos correios estao despensa-
dos deservir na gnarda nacional: se os offlciaes re-
formados da gnarda nacional podem ser segregados
ao servico activo : em que circunstancias podem
os commandantes interinos dos corpos faterem
proposias para offlciaes : etc., etc., ele etc.
Quem qoizer desde ja possuir esles esclareci-
menlos, mediante ora diminuto estipendio antes de
se ultimar este segnndo volume, dirija-se ao segan-
do andar do sobrado da rui do Livramento n. 31,
e ah os encontrar em broxura, assim como enca-
dernadn o primeiro volume do Manual do guarda
nacional. __________________________
Saca-se sobre Lisboa, Porto e liba de
S. Migue', na ma dn Apollo n. iO, escrip-
torio de Carvalhoe Nguein.
"


I
rito


'..__1 -
Diario de Pernainbuco Terea letra 8 Je Foercli-o de 1 ...

'.
8 "SH. "
aquea nret-ornigai.
0 abano MMtnado: autorisaoo pelo
zoco JtarcaaiU Pgriueuse. e na ausencia
i Sr. Joaquim da.Silva Caslro, sica ef-
ectivamente por totes o paquetes sobre
ls pravas de Lisboa e Por .o, e raais luga*"
[i'esdo reino, por qnalquei semina vi.
[* praso; podendo, o' qoe temare
taques a praso.receberem > ista.no mes-
no Banco, descontando 4 0|0 soanno: na
I oja de chapos da roa do Crispo n.6, on
ha ra do Imperador n. 63, segundo an-
har.Jos Joaqnim da Costa Mtia.
I11KLMMMSSM
Aluga-se am sitie na ra do Cabral da
cidade de Oliuda, com casa terrea.coin co
piar nfrente, botaos fundos para aestra-
daemargem do rio Beberibe, com com-
tnodos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinho defronte nem pelo
fun lo,com ptimos passeios,sala e gabi-
nete nfrente, muito propria parapassara
festa, e tambem se alugar poranno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da praca
da Independencia, e em Olindanacasacon-
tigua:om o capitSoAntoDioBernardoFer-
reira.
-------
0 GASTELLO SE GRASVILLE
Traduzido de francs per A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baraliimo prego de 2*500 :
praca da Independencia, livraria ns.
RIVAL
Sem segundo,
llua de Queiuailo, n. ni. E' par#adairar.
na
6 e
8.
FOLIIIAHAS
Para Ib ti 5
Acham-se Venda na livraria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em versos. oStabal Mater
em verso, devocSo ae agonisanie.coracSo
de Jess, cntico em louvor doSantissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Mara Nos-
sa Senhora, trinta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
taras de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero dema
xmas e pensamentos, urna hstoriacomo
Garretis de linna eom 130 jardas......
Ditos com 200 jardas de-Aiexandre de
12 a60.....,.....................
Dito dito de 60 a 200..................
Novellos de linha grandes eom 400 jar-
das ..........................,......
Id<-m idera braacos e de ores de 100
jardas...............................
Livros para amento de roopa Uvada...
Cordao branco par espartllho (vara)
Varas de fra aja branca larga..........
Pares de boies de ponholodos de cores
Tinleiros de barro eom tinta...........
Tesouras para costaras Poase uuhas
Ditas para costuras com toque d'avaria
Escovas para lirqpar denlos muilo Unas
160,200e..............................
Caixas cora 100 cnvelopes das melhores
qualidades...........................
Ditas com 20 cadernos, rapel pautado e
liso..................................
Cadernos do papel pequeo (e a reta-
, Ibo)............................ 20
Moradas de linha frouxa para bordar... 20
Pares de sapatos de Iranca.......... 1^500
Massos com superiores grampas para
a senhora.........(...o............ 30
Frascos de macaca perola muito suerior 200
Ditos do verdadero oleo de babosa a
iOO rs. e
60
120
100
80
30
120
100
100
200
320
640
600
Fazendas pretas para a qwx-
resma. m
\a lo Ja do Pava a.
Acha-se este esUbelecienloccmp!elapBeotesor-
tido de fazendas pretas proprias para a quaresrca,
a saber :
Grosdeiiaples preto largo e inuilissimo encorpa-
do, outros mais esireitos tendo dos precos de
15280,t600,15800, ti, 23400 e 35, superior
moreaotique preto a 33, superior sarja preta he-
panhola, superior setim preto maco, ricas capas
100 pretas bordadas, soulembarques muito bem enfei-
) tadas, ricas vasquinas e casacos dos mais moder-
) nos que tem vindo, superiores manteletes, camal-
shas com manguitos proprias para lulo e ricos
chales prelos de rede, tudo isto se vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parle por ser a di-
nheira : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do Pavao.
Aoha-se nesteestabelecimento um grandu sorli-
ment de roupas fetas para hornean como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
muito Uno e forrados de seda a 225, 234 e 304,
ditos fomdos de alpaca a 11$, 165 e 205, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
COMPENDIO DOLOBOSO
que conten o olco de Nossa Senbora das
Dores; o modo de tesar e offerecer a co-
rea, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devocSo; ordeuado pe-
la irmandade dosservos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da l'enba do impuiial hospicio dos re-
verendos padres misionarios apostlicos
capuchnhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deis guarde;
dado luz por devocao do muito reve-
rendo padre Fr. Placido de Missina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praga da Independencia.
RIVAL
, SEM SEGUNDO
Na ra do Queimado n. 49 e 33 lojas de niiude-
zas de Jos & Azevedo Maia e Silva cunlina a
vender tudo por precos mais barato do que em
outra qualquer paite, quem quizer ver o que la
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co- ,T" J, !a Zh
res. d tosdfl hnmrfo iu.. ., ..iV^, jr._ 'a com superiores banha
bom e barato vnha a loja do Rival.
mmm
Companhia fldeldadc d }f
segaros martimos e ter- *k
restres esfabcleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PBPNAMBUCO
Antonio Luis de Oliveira Aievede & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguios de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Crn n. i.
muitas (romance), e vintecinco novas e Ditos e garrallohas de agua de Colonia
pilhericas charadas a 320 rs. : n.muU, l}ai, ..................
,----------s i Dilos de banha a Ganbaldi e da familia
brm afreguezada pa- imperial.............2...........
Pegas de Utas elsticas para vestidos a
Vende-te urna taberna
ra a trra : a tratar na ra das Calcadas n. 9.
Veode se
' i machina para descansar algode, com motores
I para animaos : na ra da Senzala Nova n. 42.
Precos que admira.
melhor qualidade..................
Pares de ligas para Senhora as melho-
res..............................
Pegas de bico* francezes e renaas.....
Frascos de asna dentffrice muilo supe-
rior. ...
Est para alugar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um 1 e 2 andar de um sobrado
na roa do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna me agua na estrada de Joo
de Barros, com arvoredos. agua de beber, e portao
p*ra o becco do Pombal : quera pretender faile
na ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhiia at ae meio dia
No dia 14 do correrte perdeu-se do tribunal do
commercio em seguimento a ra do Imperador
praca de Pedro II, um pequeo auto de aecao or-
limara em que sao partos, como autor o Dr. Jos
Joaquim do Sorna, reo Manoel da Silva Neves :
rogase pessoa qoe os chou que lenba a honda-
de de o levar ra nova de Santa Rita n. 49, ou
no cartorlo do esrrivSo Paes de Andrade, na ra
do imperador junto a secretaria de polica, que
ser generosamente gratificado.
Empresta-se 9004 a juros sob hypotheca :
no spgundo andar do n. 2 da ra Augusta. _____
Troca de chapeo.
Na matriz de Santo Antonio, domingo 26 le fe-
vereiro, depeis di missa de 9 horas, por occasiao
dos baptisados,se quizer desfazer o engao, procu-
re o tenente-secretario docorpo de polica.
Precisa-se de urna ama para loJo o gervieo
de casa de pouca familia : no pateo da matriz do
Santo Antonio n. 8.___________________________
Precisa si- alagar urna preta para todo o ser-
vico de urna casa de familia : na ra do Trapiche
Sapatos de trauca superiores pelo barato preco Calxaseom 4 papis de agu has a balo
de i o par, c duzia 104 : bo vigilante, ruado e Victoria.........L.............
Crespo n. 7. Libras de laa sendo de todas as cures...
Bico adamascado do todas as larguras, i peca Bonecos velidos e tambem de horo...
com 10 varas, cada pega a 400, 480, 300 e 600 Caixas com superiores obrejas........
rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7. Ditas de linha de gaz cm 30 novellos..
Clcheles em cartao de urna e duas enrreiras Enfiadeiras de lita parajespanilhos.....
perfrilas, pelo barato preco de 40 e 60 rs. cada Carrelis de linha de cares com 100 jar-
cartao, e duzia a 400 e 500 rs. das...............[..............
Pentes para alar cabello, a duzia a 1200, 14600, Pecas de cordo imnerjal............
25,35,45 e 55.
Balaios propriamente para costura e para fruc-
ta;,epara menina trazer no braco a 15500,15600,
15800, 25 o 25500.
Perfurnaria, macaca perola a 25, 25200, 35 e
45 a duzia, oleo de maozinha a 55 e 65 a dazia,
banha a 35, 45 c 55 a duzia. Estes ol.jectos se
vendem por admiraveis precos em consequencia
de serem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, pois affanca-se a pouca avaria e a boa qua-
lidade : s no galo vigilante, ra do Crespo n. 7
FaFco I
em saceos de mais de 100 libras : nos armazens
de Tasso Irmos.
500
>
400
900
240
320
320
800
200
60O0
160
40
800
60
20
40
D'IODUPTO DUPLO
de FERROeQUININA
ATTENCO.
&c.
numero 4.
'
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas, pa-
ga-se bem : na lojs. de bilhetes da Praca da Inde-
dendencian. 22.
Compra-se um escravo de idade que
sin a para trabalho de mo : nesla tvpo-
^raphia se dir quem quer.____________
"^ Na ra do Livramento n. 21, comprase um
violao pequeo para menino.__________________
Algodao em carolo.
Compra-se qualqeer ijuanlidade por maior pre-
co do que se paga no mato : na fabrica da traves-
a do Carioca n. 2, caes do Ramos. ______
Compra-se effectivainente ouro e prata em
ouras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
Rosario o. 24, loja de ourives.
YENDAS.
ttencao.
Vende-se superior vinho do Porto em
nma duzia : em casa de Johnslon Pater
dj Vigario n. 3.
caixas de
& C. ra
ALMANAK.
Acaba de saliir dos pre-
los de nossa typographia o
Alnianak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e verde se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Vende-se a taberna d;i na dos Acouguinhos
u.SO: a tratar na mesma.
Vende-se feijio mulaliulio novo a 800 rs. a
.cola : no pateo do Carino n. I.
Vendem-so 2 bancos de cortar fumo cam
pju'.o uso e umi grade deamarello em bom esta-
do : na ra do Rangel n. 24.
Vende-se urna taberna bem afreguezada para a
trra, sita na travessa do Pocnho n. 37 : a tratar
cem Jos Joaquim Alvos, na ra Nova n. 69.
DROGARAN
34Ra larga do Rosario 31
I;w tboloiiicu Francisco deSouza
Vendem:
Acido actico puro pra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
AlvaiadeVeneza, fino, em paes.
Ovas do serto.
Vende se ovas do serlao muito frescas, na ra
da Sania Cruz n. 9, junto a ribeira.
Vende-se um piano de Jacaranda, em muito
bom estado, e pur preco coremodo : na roa do
Aleerim n. 2.
CASAES DE BOMBOS E BORRACHOS. ;
Vendem-se triuta casaes de pomr.os bons bale-'
dores e por barato preco, dando-se gratis todos os
olensis pertencenles o pombal : a tratar na ra
Larga do Rosario n. 26. das 6 as 9 horas da ma-
ndila. .
Vende se um relogio de ouro plente suisso
novo e bom regulador : na ra da Imperatriz n
38. loja do calcado. ______
Vende-se raleado francs da barra franceza
S. Joao Ja Luz, na ra do Livramento n. 21.
Borzoguins de lustre (Nanles) P5000.
Ditos de bezerro de tres solas (Nanlo) 6GC0.
Ditos de bezerro de dnas sola? 65000.
Sapatos de tpele 640 rs.
Slilho novo em saceos grandes: no trapiche
da Cunha, a iraiar cum Tasso Irmaos. j
Os Elementos de Direilo Administrativo Bri-
silfiro (2a edicao), compostos pelo Dr. Vrente Pe-
reira dy Reg" e definitivamente approvados por
aviso imperial de 13 de agosto de 1864, aflm de
serem adoptados como compendio as Faculdades
de Direito, acham-se venda na livraria econmi-
ca ra do Crespo n. 2, ou no escriptorio do au-
tor a ra do Queimado n. 46, primeiro andar.
Cimento romano e de Porland
nos armaseis de Tasso Irmos.
Estopa larga
nperiora 360 rs. a-jarda ea vara a 460, e estrel-
la a 240 rs. a jarda : na loja da ra da Madre de
ceos n. 16 defronte da guarda da alfandega.
Farinha de milho.
Os elementos que compoem esta preparacio, o
ferro, o iode e a quina} i collocSo no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta altestar
seus resultados obiidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confrmro sua poderosa effcacidade as
seguintes aff Mlngou no aangue.
Fratfurta.
Atisala.
Cblaraae on Ictericia.
Menati-u*.
Affcecca ala ulcra.
Suppreaaoea daa re-
Kraa e deaardea na
meaalruni'o.
Affecraa pulmonar e
phthlale.
Moleatlaa ilValomaso.
Gaatrali(laa.
Terda ri'apprtile, etc.
Vejae se os bulletins ie
Convalcaeenca de loa-
a;aa moleallaa.
jMoleallaa rarrafula*
aaa.
Papelra.
Okatraceaa daa (lun-
dnluH.
Uumorea frlaa.
Rumorea branco.
Rackltlanio.
Arfeccor caaeeraaai
e ayphlllllcaa.
Febrra lypholdes.
Varile, etc., etc.
therapeulica medica
e cirurgica de 30 de novembre 1860; a Ganeta
dos hospitaes de 28 dejulho istiO, etc., etc.
Alm das pilulas de todureto duplo de ferro e dt
quinina de Itebillon, os Mdicos aconselhio
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
mito e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao gosto de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao lea
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-te o folheto que se d de graea em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para-se evilarem falsificarles, exija O com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pbarmaciaRebillon,
442, rae du Bac, e em todas as boas phannaciai
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.______
GRANULOS
[de BISMUTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparaedes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
res, dilos de bnm de todas as qualidades, clleles
de casemira pretos e de cores, ve'ludos, setins
ele, seodo todas estas obras cortadas por ura dos
melhores mestres nacionaes, maoda-se fazer qual-
quer obra por medida : oa loja do Pavo ra d
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chitos em cortes coa 10, 11 e 12 covadrs
Na loja do Pavo vende-se urna grande norco
de cortes de chilas nncezas sendo claras e escu-
ras todas de cresf. xas com 10 covados a 35200,
com 11 covados a 35600 e com 12 covados a 45,
e pechincha para se apurar dioheiro : na loja do
Pavo, de Gama <$ Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Grande liqaidaco.
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas
do Pavo de Gama & Silva.
Acha-se este estabeleciraentocompletamente sor-
tldo de fazendas inglezas. francezas, allemas e
suissas, proprias unto para a praga como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parle, principalmente sondo em
poryo, e de todas as fazendas dao-se amastras,
dexando flcar penhor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
Camisinhas a 1 jj.
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muilo bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato preco de dez tustoes cada
urna : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
pe Gama & Silva.
Cortes de cassa a 3#.
Vendem-se multo bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corto, com desenhos muito delicados
pelo baratsimo prego de 35H 0 o corte : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Cambraias lisas, na leja do Pavo.
Vendem-se pecas de rambraia lisa muilo fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo prego de
45 tendo 81|2 varas cada peca, ditas muito tinas
a 75, 85 e 95 a pega, ditas victoria com 10 va-
ras pelo baratissiroo prego de 75, 95 e 109, ditas
Garrazes fazenda muito encorpada fazeoda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a pe-
ga : isto na loja do Pavao ra da Impojatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo.
Grande pechincha a 35300.
Vendem-se os mais booitos vestidos de cainbiaia
transparente a imilago de tarlatana com mnitos
delicados desenhos, muiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 35o06cadaum,
sendo fazeoda que sempre se vendeu a 75, na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a id e a 7$
Na loja do Pavo vendem-se ricos corles de vesti-
dos Mara Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de 45 e 75, sendo fazenda qne
val muilo mais dinbeiro, isto por haver grande
porco, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama A Silva.
Os afeites do Pavo;
Vendem-se os malsmodernosonfeltesparacabeca
de senhora : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
u. ti, de Gama & Silva. .
As eassas da Pai.lt.
Frascos de vidro*com superior baoha..
Pares de luvas de seda muito linas___
Eofeites do melhor gosto que tem vindo.
Garra'as d'agua de Florida, verdadeira.
Potoeiras do melhor costo e modernas.
Volta para pescogo do melhor gostb ...
Baralhos para voltarete, finas a 200 e..
Varas de franja branca de linha que
tem 'muia serventa................
Duzia de peonas d'ago muito superiores
Frascos de oleo Balioza muito linos.....
Talheres para meninos a melhor quali-
dade............................
Diversos I i -.tos, todos religiosos a 100.
200..................... .......... .
Duzia de colhpres de metal muito fioas
para sopa..........................
Duzia de colheres de metal muito finas
para cha........................
Grosas de botos de osso para calca...
Grosas de botoes madreperula para ca-
rniza..............................
Groas de botoes de louca prateados
muito fiaos......................
Varas de babado do Porto sonido.....
Duzias de lapes differentes qualidade a
240....................... ......
Quadernos d8 papel de peso muito lioo.
Kesma do mesmo papel.............
Duzia de facca e garfo moito boas___
Sabonete de espuma muito superior...
Capachos compridos e redondos muito
bons..............................
Ditos para sof......................
Pares de suspeosorio muilo bons e para
acabar...........................
Essencia ori.-ntal para tirar nodoas de
roupa............................
Creio para dezenho de tedas as qua-
lidades...........................
Cartas de alnetes fraacezes muilo su-
periores..........................
Caixas de clcheles francezes a ris
Duzia............................
Carreteis de retros com quatro oilavas..
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade....................
200
240
320
5500
1^280
oOU
500
240
060
060
200
210
300
25400
15300
200
300
200
060
iOO
030
35000
25400
040
300
25000
[10C
300
020
100
360
800
200
Grande liquidado de fazen-
das finas, ra da Impe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de Lourenco P.
Mendes Guimariles.
Fazendas para o carnaval.
Vende-se veibutinade tolas as cores a 800 rs. o
covado, ganga encarnada a 360 o covado, sarjelim
de cores a 280 o covado, alpaca de cores propria
para vestuarios a 320 e 360 o covado, tafet de seda
de todas as cores a 60J rs. o covado : roa da Impe-
ratriz, loja da Arara n. 36.
Chitas baratas a 210 rs
Vondeoi-se chitas fioas a 240 e 280 o covado,
chitas fraocezas linas a 320, 360 e 400 rs., eassas
Vendem-se as m.is bonitas eassas francezas, de Zll t^SS!LmP,.%? CVado,' Tf
,avK*. indina.. m,',i hdA. i~ ..i.:. Y Para vestidos o oOO o 06O o covado : ra da
iraperalnz, loja da Arara n. 36.
Caries de cambraias, a Arara vende a 3$.
Vendem-se cortes de cambraias linas brancas a
33300, 45 e 0$, corles de eassas francezas finas a
cnes de chita de 10 covados a 25400, ditas
na loja da Arara, ra la Impera-
rla
la-
padroes mluiinbos e graJos, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porgao : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As laznhas transparentes a 100 rs.
Na loja do Pavao vendem-se as mais modernas jjjj. it-i^Q
lazinhas transparentes, sendo de listas miudinhas lr| "-?'
a imtagodas sedinhas, pelo barato prego de 400 ,1,,, .' .,", ',(nM
rs. o covado; ditas enfesiadas de urna so cor e tfRiM^^A..^V}?J^%S.
ditas de salpiquiohos proprias para vestidos e roa- !JHH2 ^-" *** -'
__j_ ._,- I,. ...',, m o palmos de largura a-.)f o covado, panno h-
Dlarrheaa ehranleaa.
DjaaeDterlaa.
Darea d'eatdniasa.
Uj'apepalaa.
Os primeiros symplomas d'essas formidaveis
M* dlgeatoea.
Gaatrltea.
Galiralslaa, etc.
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri- fiffS s? manifc^o ordinariamente por diges-
cana de 6 arrobas : na ra do Rangel n. 3. toes laboriosas, azidumes, falta d appetite, pesos
a estomago depois de cada comida, caimbras es-
tomacaef, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Potassa da Eussia
Acaba de chegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da Russia, e vende-se a prego commodo: no \
escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira de Fi'ho,'
largo do Corpo Santo n. 19. j
TAS
Luvas baratas na loja da Aurora.
Luvas baratas na loja da Aurora.
Luvas baratas na loja da Aurora.
Na loja da Aurora, ra larga do Rosario n. 38,:
vendem-se luvas de seda a 2t0 rs. o par, ditas de
Jouvin prelas e de cores para herfem a 15 o par,!
lantijolas de todas as cores e diversos tamanhos,
papel dourado c pratiado, lavrado e liso, latra
' branca e amareila ; ludo isto se vende barate.
Vende-se a taberna da ra da Conceco n.
11, defronte do rancho, a dinheiro ou a praso,
faz-se indo o negocio anda mesmo s com arma-
[go, a casa te bons commodos para familia
< tratar na mesma.
Moleallaa de ligada.
A Ictericia.
Palullacao de rnraro
Ddrea aaa rlna.
Este estado mdrbido, se o descuidao, traz ine-
vitavclmente, que seja :
Oapreaaoea.
Ddrea de caneca.
Irrllacoea de brzlga e
da muli li, ele.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e rural as quando sao tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
GRAGEASdeCUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYI
pas de mangas : na loja do Pavo ra da Impera-1
tnz n 60. de Gama & Silva.
Reos soulambarques de Pa>o.
Acaba de chegar um rico surlimento de sou-
lambarques de grosdenaple preto muito bem
1 enfeitados, que se vendem pelo barato prego de
i 205, 225, 255, 305- Capas e casacos de glace pre-
j los que se vendem muito em coma: na loja do Pa-
! vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezas a 1,600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas, col leles, paletots, roupas para
I cnangas : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil ovados de ia.
Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas transparen-
tes, sendo com Ostras e quadriohos miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para lulo, pelo baratissimo preco de 240
rs. o covado ; ditas transparentes com p'ilminhas
de seda Mara Pa, tendo de todas as cores, e
alsumas proprias para luto, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, isto por haver urna grande
porgo : na ra da Imperatriz b. 60, de Gama
Silva.
Vestidos M;ilia pia,
Grande pechincha a 10,-5000 rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de Ia Mara
I Pia cora as barras primorosamente bordadas, ira-
; zendo os competentes enfeites para o corpo, :-endo
1 todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
!e vendem-se pelo baratissimo prego de 105 o cor-
te, ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 cavados cada um a 105, ditos de cambrala
I com barras bordadas a crox no ultimo gosto, po-
; lo barato prego de 65 : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas de liuho a 3UO rs.
Chegou osla nova fazenda, sendo cassa de 11 nlio
propria para vestidos e roupas para criangas, com
puito delicadas cores, moderna, e vende-se pelo
barato preco de 360 rs.. o covado : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
LazInhas lisas.
0 VIGILANTE
Rna do Crespo a.
O gallo vigilante tendo sido agraciado peie pom-
poso Uallisa, na sua ordem do da, e pea biane
Aguia.apesar de que, para este o Canon .--ens
agudesespore^s nunca os offender, anles engra-
nara na mesma conformidade, paia que o fctliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia pesM
levantar-leu vOo,|levando no bico as paliabas sea
niiihoje o Callo (cara em seu espagoso campo
dando de novo o seu canto annunciando aseos
uonsfregaezes e aorespeilvel publico
0 grande sortiineuio deobjectos de muilo gesto fcf
acaba de reeeber.
Ricas caixi ihas rom msica ricamente eifeita-
cus,ura costura, proprlo para um delicado m-
Riliissimosr.ofresinlios com cadeadosde well
para guardar |oias.
fttoacaitaa cjm estejo, contendo todos os irr-
tencesparahomem. *
Riquissinas voltas lingindo perola.
I'itas eom lacinliode lila.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gres-
^Lindosaleregos com pedrinhos flngndo bri-
Ricas'ivellas para cinto, de todas as onalidades
e bom ge5lo. '
Ricos cintos do ultimo posto de Pari?.
Urandesortimento de lindos enfeites paja ale-
ga, sendo do ullimo gosto e de lodos OSpIft*.
Flores muito finas para neivas.
Luvas enfeitadas e meias de se*da para roas.
Toitqmnhas sapalinhos e meias de r
baptisado.
Riqnissimas fitas de (odas as qcaMadf i
go, ciise cinteiro?.
Camisinhas e pollona? para senhora.
Riquissimosjarros e figuras tara oirD Sil .
Grande sortimentode gravatinhastanto para se-
nnora como para horr.em.
Luvas de peliea branca e dr cores,
l.ascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas.galao e maravilhaspara infei.-cs.
Transelins de cabellos e de retrnz para rtlcelca
Papel amisadee de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
ntremelos e bahadinhos de lindos paditrs
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, merino^ e rr.nl-
Fitas de veludo lisas e cem mataire de t((!if ?s
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades
Grande sortimenlo de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offererimenres.
Caixiohascom seis frasquinhos.
Bssenclas de lodas as qualidades.
Aguaverd-deira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grande t im
frascos quadrados egarrafinhas.
Pomadaflna de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos dr < ('c r;
tamanhos. .
Saboinjlez em paos grandes e pequeo?
Escovas de cabo de madreperola, marlim e de
osso, para denles.
Pentesparadesembaragar.com friso de trefile
sem elle.
Ditos de tartaruga e de mnitas onlras qt,alida-
nos.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de alodo, assim come n ifos
litros objectos de gosto quesera imposivrlmn-
oinar.que a vista tara f, s no Gallo Vig acre
cut; do Crespo 11. 7.
VoItinia8.
Lidas vollinhas de pendas falsas comcrorinlias
lingindo Minantes, assin. nn.-o crczir.has avnlfas
e voltinhas, pelo baralo prego de 15el5?C0,s
cruzeS avuls asa 400 rs. s no Vigilarle, ra do
Crespo n. 7.
Leques.
Riquissimos loques
Hffo
e 14^; s no Vigilante, ra do Crerpo
Estes coiifeitos que tem por base o prin-
a'cpio activo da ort'meirt citbeba juulo com
_ ; a eupahyba pura, nao naosen o estomaga,
toa-! Ellcs i'a/.om parar inmediatamente as mais
Apprevada por vara Academias t alias
summidadet medicas.
O ur occasiona em gral i molestias abili*
aesignaaas i a csljno(io do tangue em certa*
parles do corpo, aquslprodiuidapelosrrsrWt-
nxnloseaiuilas onlrascauza.,cnt.io dn:lar.io-ae
t RhcumatitiHtis, Gol*, P'.iratyiia, Fraque;*
oV>a tnembros, Ciislipa^es. Elcphaniasis ou
Pernal Indiadas, el Dores Xervosas.
O Ufo da escora ElECTnO-MJ..V-
TICA tem suen-sso certopara a cura do loda
eaiaim nedie^-Sp. Ella h-m uina forma uiui raaitoj.itel
e produz, i vantade de quem d'ellv usa, iros mais
uteis e fcliics resaltados. Seo cmprrgo preserva
das moleitias aaima. Para mais informaciescon-
fu- te-se a Roiicia que accompanba cada Escora.
Deposito Oamal
AWwari du Prase Eufne, M, Pars, ,
t
Vende se a propriedade e sitio n. 24,
do as ra do Uondego eTreropo, pertenceole I rebeldes gonorrllas, mesmo as"que M
ram a cubeba o a eupahyba tsoladamente.
Deposito geral em Pernamirace ra da
aos herdeiros do fallecido Feliciano Augusto d
Vasconcellos : quem pretender dirija-se ao mes-
mo sitio, das 6 as 8 1|2 horas da manba a tra-
tar com um dos berdeiros.
Piano
Vende-se um piano em bom estado e proprio
para quem se prope a aprender : qnem preten-
I der dirija-se ra larga do Rosario n. 37, que all
encontrar pessoa habilitada para tratar do ajuste:
o exiguo prego do objecto nao pode'deixar de ter
I muilos prelendenles^_________________________
Vende-se um excellente brago Romo, com
todos os pertences de balanga, ludo em bom aso :
\ a tratar na padana da ra Dreita n. 84.
I
IAKIIO
a 35000 : na rus larga do Rosarlo n. 50,
da esquina que volia para a ra estrella
sario.
taberna
do Ro-
Vende-se a quaria parle da propriedade de-
; nominada Pona de Passamhi. e urna parte do en-
\jn~An c.n .___1 ._ j l (fenho Boacica, ambas na fregnezia de Ipojaca : os
Vende-se n* ruado Imperador botica t pVeiendenles entendam^e com o proprictario do
franceza n. 38. eogenho Cailhe na mesma /reguezia.
/
Cruz q.22 em casa de Caros de Barboza
Papel para flores
Vende-se a folha a 16 rs., de todas as cores :
oa na da Cadeia do Recife n. 39, segando andar.
nin rico vestuario a Luiz de Cames e urna cabel-
lera inteira, tudo qmsi novo e por prego com-.
modo : no becco dos Peca los Moraos n. 4.
La para bordar
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38
recebeu um grande sortimenlo de Ia para bor-
dar das mi'ihores cores que lem chegado, a quji
s* vende baralo, lauto em libra como a relalh".
Bixiis liamlmrgacas.
Vender na ra Nova n.,6|.
205 e 2.'5, capas pretas de grosdenaple tinas a
205, 235 e 305, soulambarque de lazinha a 75 e
85, ditos de alpaca brancas a 85 o 105, ricos ves-
tidos i Mara Pa de novo gosto a 85, 125, 115,
165 e 205 : ra da Imperatriz, loja e armaiem da
Arara n. 36.
Grande sortiniento de roupa
folia.
Vendem-se paletots do casemira de cores a 35.
65,85 e 10-3, ditos pretos de panno tino, sobreca-
sacas a 125, I 49,165 e 255, palelots saceos prelos
de panno a 55, 65, 85 c 10-3, caigas de casemira
pela a 45. & e 85, ditos de casemira de cor a
45,65 e 85, ditos de meia casemira a 35 e 35500,
ditos de brim e ganga a 25 e 25500, ditos de bnm
bran-'o a 35500 e 45, colletes de 'odas as qualida-
des, camisas francezas a 25 e 25300, ditas inglezas
de linho de pregas largas a 35 e 35500, ceroolas
a 15280,15600 e 25, paletots de brim de cor a 25
e 35, ditos de alpaca prela a 35 e 35500, ditos de
alpaca branca a 45300, ditos de alpaca de cordao
a 45, colarinhos de linho a 640, ditos do ppela
Vendem-se as mais linas lazinhas de urna s 640 a duzia : na ra da Imperatriz, loja da Arara
cor, tendo grande sortimenlo : ni loja do Pavo, numero 36. O proprielarioda loia e armazem da
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. : Arara declara que todas as suas fazendas se vende
Chales argentinos de remla. em perfeitooslado, como os compradores poderi
Chegaram ltimamente para a loja do Pavo os I examinar; a loja est aberia al as 9 horas da
mais ros chales de rend com tres ponas, sendo noite : ra da Imperatriz, loja da Arara n. 56, de
todos pret >s, e lambemeom assentos de eores,-sen- Mendes Guimares.
do nesie artigo os mais ricos que tem vindo a este
raercido, ricamente bordados e cerculados de ura
elegante bico preto de mais de palmo do largura;
estes modernsimos chales nao s sai proprios
>ara passeio por fazerem urna elegante vista sobre
am vestido de qualquer cor, assim como muilo
proprios para os actos da quaresma : vendem-se
nicamente na loja de Gama 4 Silva, ra da Im-
paralriz n. 60. loja do Pavo. <
Soutambarquesdecor ua loja
do Pavao.
Chegaram pelo ullirao vapor francez os mais ri-
cos soniarabarques ae cores, sendo os mais bem Bolachinha (le soda.
enfeitados que tem vindo a esto mercado, com (Jr ixa 97 em potes,
adornos-de velludo, seda .esetim, renda, ale., s /-vno,, ^ n-.nh-
avista do grande sortimenlo que os freguezes vi'eijv uepiiiM.
podem dar o verdadeiro apreco a esta, fazenda, e Conserva*,
.ende-so por differentes precos conforme a quaii- Serveja preta e branca de Bas
i mira preta fina a2; 2a00 e 35 o covado, alpaca I ..TZ'-^ZZ1^5 de madie"1ero'a tanl P
preta a 300, 600 e 800 rs. o covado : ra da Im-1 .eQ.h5-as c..m. Pa.ra meninas, pelo barale
peratriz, loja da Arara n. 56.
Arara vende cortes de casemira preta a 3.->i00.
Vendem-se corles de casemira preta a 35500.
45, 55 e 65, ditas de cores a 35,45. 33 75. cor-
tes de brim e ganga para caiga a 15600, 1,3800 e
25 : ruada Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Panno de linlio a 610 rs.
Vende-se panno de linho para leoges o toalhas
a 640 e 7^0, haraburgo a 500 e 560, bramante de
10 palmos de largo a 35 e 2#500 : ra da Impe-
ratri n. 56.
Arara vende os balees a 3$ e madapelo a 45
Vendem-se bales americanos a 35,33500 e 45.
ditos de muselina a 43300, pegas de madapolo
enfeslado a 45. dito de 24 jardas, largo, a 65000,
65300, 75, 83, 93, 103 e 125, finos, algodo pe-
gas a 35, 63, 75 e 83 : ra da Imperelriz, loja
da Arara n. 36.
Sautanibarqnes prelos a 20 -y
Vende-se sontatnbarque prelo de grosdenaple a
Ziheo e eebre em folha, esladho, azareie e alvaia-
de inglez.
Em casa de Rothe & Bidoulac, ra do Trapiche
n. 18, vendem-se os gneros cima por precos ra-
zoaveis.
Piano forte.
Voude-se um muito bom e
indo piano forte de armario
e 3 cordas verticaes, fabrica-
do especialmente por encora-
menda e desembarcado a 8
dias : na loja francez da ra
dade : na'loja do Pavo de Gama e Silva,
Imperatriz n. 60.
ra da
lo Porto a 320 rs.: na roa Direita n. 8.
Fcljo.
Vende-se urna porgao de feijio mulatinho muilo
novo a 15 a ente, dito prolo a 880 rs., dito rajado zem de Thomaz f eixoira Bastos, na~rua da Cadeia
Ditos francezes.
Vinho Bordeaux em caixas.
Amixas em vidros.
Vende-se barato para fechar cou : a
do Recife n. 60.
de 123
n. 7.
Filas de la.
Filas de laa de tedas as qualidades, proprias pa-
ra debruu de vestido a 700 rs. a peca; s eo Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Rjcos fspelhos.
Riquissimos espelhos rom moldura dfura-W
sem ella de 83, 103, 125 e 143, assim como fem
c-dumnas de dirferentes tamanhos a 25, 35,43, rj
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e ligaras.
Riquissimos jarros e fisuras de porcelana fina,
para enfeite.de sala, sendo o melhor gosto queaqoi
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Cresro
.J.
Para ros de arroz.
Riquissimos vasos com bonecia para pos de arroz
eousa de muilo gosto a 15300 e 25, assim e< r i
picotes s com os pos a 320 rs. cada um {:<3 no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfomarias.
Grande sortiraento de extractos e banhas. |(na-
das, assim como de lindov ropos on vasos cem dis
tinctivos c orTerecimcnios as sinha sinlias. dt,- rce-
Ihores e mais afamados autores de Faris elnslaltr-
ra, assim como os grande- ropos de banha japonesa
a 23 e a 15, assim romo mitrosobjerios qoe no t
possivel por hoje annunciar, e vista dos /rrge-
zes se far ludo neaocio; na loja do Callo Vigilaste,
ra do Crespo n. 7.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar acor natural
dos cabellos.
A agua lorlda nao urna tintura, ficto essm-
cial a contesto-, a mesma agua dando a cor prinu
Uva ao cabello. Coroposla de plantas exiiiii as <
de substancias inoffensivas, ella tem a propriedade
derestituir aos cabellos o principio coranu que el-
los tem perdido. D'umasalubridade incoptesla-
vel, a Agua Florid? enlretem alimpera da nben
destroe as caspas e impede os cabellos de cal/ir
Oleo de Florida.
Coraposto de substancias vegetaes extica., elre
conslite poderosamr'a, rom a Agua Florida, a
forga, a belleza e a ronsorvagao dos cab;.'-;.
, Era Pari, casa de Qnislanr n. 12, rna de Riche-
lieo, e 21, boulevard Montroar'rr.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o"
timbre prateado da casa, san reputados falsos.
Deposito, ra do Iraperador.pharmacia n. 38.
Vinho do Porto &apcrir
em barris deoitavo e dcimo, vende Antonia t,u
de Oliveira Azevedo & C.: no seu escriptorio rea
da Cruz o. 1_______________
Ooke no gaz.
Plteh de caz.
Alcalro do gaz.
Coke, tonelada lOjiOQO.
Pitch, arroba 35000.
Alcalrao, caada 300.
O cok reconhecidamenle o carvao Mis ereBO-
mico, tornase por isso recommendavrl, brin ro-
mo pelo aceio r|ue se nota as rasinha* aortdf ft
elle usado. Pitch e lcali o, alrm s aidlm*pc-
ges diversas a qne se presto, como para ealaf *
lar erabarcagoes, alcairoar madeiras, etc., inc-
estes a propriedade de preservar do rupim, lf-
migas, ele. entregue na fabrica do gaz, on rrn
dado por em qualquer potyoda cidade, seg'""*
vontade do comprador e previo ajuste. I
>

II i\




marlo de Perauaskiico ... fereat ffra 9 8 e Feverelro de ift.
Pechincha sem igual.
lwfoyawfo para vestido de percales de cores
claras e esanvmtcomgrande variedadie de padres
pelo barassimo prego de $ o corte : na loja das
columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rea de Vasconcellos A C.
LOJA uo BALAO
DE
AZEVEDO FLORES.
(Uta da Caf* do Recito m. Al, esquina que YflNi pnn a Htdre de Dos.
'nt
elos seguate preces
NAVAL!
RA NOVA N. 37.
Ditos de casimira (saceosi ''12#> 11&
i 10,5 e..........
Diios dealpaca oA e.......
Dito? de alpaca branca 5 |e
D/los dedil l>rane;i5A e
! SoJjrecasacos: de pana liw raficez-
Calca de brim pardo ASO, 3,M60O
E DitMdebrim'braneo '&, 4A508' o-.
i Dita* de. catrintra de-cr 5*, 78",.. e
I Corles o> Hsvraira preta (ka 7>-. .
'Seroirtan'.fraBceas-linas-.....
C&HMes- d cwsiswr prttoe e de>cwes
30300, i*>........
Baldes de 20 e 40 aroes- das' melberes
ijue lem vindo ao mercado- .
Camisas fraacezas- a 2Ar.2J300j<. 3* o
Mada|)oloesfranC6Zs (peca) f$, l\$,
88000 Mitas para coberta (coVado) .
48000 Laas lisas dfe'tds'a's Cores .
48*60 Vestidos delaa .Varia Pia radilo (Idos
4*800 Lencos brancos" fflliltf (ncf? (duzla) .
228000 m completo sortimento' de'chitas lar-
gas de 300a........
fe000 Cambraias- lisas brancas muilo finas
5*000 (peca)...........
108800 Um'vriado e lindo sortente' dyeH-
58000 les de merino- e3tSffifti 18fl06 $eroulas de inho multo (ini .
I Aberturas de'linho prfts largas-
48800 Bramante de'ama largara .
.Camisas de tlanetla bonitas; cores eco-
8< nomicas.'........
58000 Lencos de esguian).......
AIHHRI'MI!
158000
320
1
183000
28800
500
50Oflo
85000
0
WM CGfROASNEM MtBAS
GIIV\DE
dARIIAZEM


JOaE RICARDO COELHO, acabade receber de Paris, pelo paquete francez Beam, chegado M
n do crrante, um rico e variado sortimento de vestuarios todos a carcter e gosto moderno, qtir
iwra horneas,/|ur para senlioraa, proprios paraos grandes bailes dos Clubs Commercial e Pernanw
<'Cino, sociedadeCorybantina.e.flnalmeule para mnitas recreaces, que se preparam para os das
zt>, 27 e 28 do andante; por tanto, chama a atteBP.5o do respeitavel publico, para seu estabelecimento,-
^reparado o melhor possivl para bmt servir qualqaer fregnez. N5o querendo o annunciante tornar-
Dl rostumes masques, de sua variada galera,
ira dos Zauaves,Costume Itahen, Bisayen, Chic des
-uveaur Pailasse, Pirrt Loustic, Pirrett, Mgi.
ci'ime, La lleclarae, Prince d Araucani. Tem igualmente o mals completo e abundante sortimento
rio caballeiras, metas ditas e barbas, qur pretasj.brancas on grisalhs e outras eflres ; tudo novo ao
carcter que se i|ueira. -
Em seu estaheleciraemo, so eneontraroipie existe na actnalidade emPiris e Alleraaoha d
iii'iiior em mascaras, sendo de rame com mola e sem ella, de cera, com cabellos e barbas, narir.es,i
mascaras a domin? o finalmente de papelao de todas as quahda'des. Tmbem tem as mais frescas
e afamadas luvas d pellica de Jouvin, de todas as cores chegadas pelo Bearn.
L^9
LaasJa de todas-as ores-ouito finasa'500'Vs'. o covdo:
O doaos-d* lajado1'BALA9BWrregam*8,deimandar fazer qnalquer obra debriir' on casimira
ttoi, para horneas c meoiao?,- atada qu^-a faseafla'naVseja comprada na dita loja do
CHEGAR41L OS JHHISRNQS' CHALES DE
PILO PRETO.
S tperfres chuls de fil reto c':egados pelo iiliimo vapor
loja das olunmus ra do Crespn. 13, de An'onio Correia de
los & C.
"ffl
PILULA; VEtETAES
DO
DR. AYER.
N5o ha necessidade mais ge-
ral em todos os paizes do que a
,de um purgante que saja ao
mana lempo innocente, efficaz
e digno de- toda a confinfa.
As pilulas que ora olferece-
mos ao publico preenehem estas
condic-oes ; pois- pdero' ser to-
madas petes pessoas mais fracas
sem perigo altim, nao tendom
sua composifao mercurio nem
outro ingrediente nocivo sao-
de, mas sendo composto de a?
gentes vegelaes mui fortes, sao bastante
"!;;ientese activas para purirkartis corpos
irais robustos,
listas pilulas exploram e purificara toda
"v:ensao do canal alimenticio, e do vigor
(Odas as parles do organismo, corrigindo!
DEr
JP.^ I GNUS.
t 5; mX o ini'i:RiMaV- ^ AS.
Ocanos desia antiga fabrica-sae bojeaeaz eoHhecidosplMKiak^a>dNc! saa superiondade, vaBiajiens e g*FaBttas que GTerecem aos'cai^dM^qaaNilds esflts iiiewaesta-
reis que elles teto definitivamente conquistad*, sobre todm' suindoura tecado e machinsmo que obedecem- todas- as-voHIMeste cafrirhos das piaisas-, se-
ranea ralhar, por ser*'fabricados de proposito, e ter-sr feffolltHllamlte mclhoramstts- impert-
lissimos para o clima deste p&fe ; qanto r vozes s3o nftlodlosas- e-Oaata:d's, e por isto nitrito agrada-
reis aos ouvdos dos apreciadores.
F
corres
memores antoros da Europa,' asstt
preces commodrjs e raxoavet.
como harmotiicos e^pSoois timwnicos, sendo tudo vendido por
CONSULTORIO MEDICO-CIRUROICO
de. trabalbar mo para
desearocar agodo
FABRICABAS '
Por Plant BFOthwa & 0.
OtMI
Ests machinas
podara desoarogar
qualq'uer especit
de' alpodao sem
esiragar o fi,
sendo bastante
duaspessoas para
otrabaihO; pd
deecarcarj urna
arroba- de algo-
dao em earocc
em 40 minutes,
on 18 arroba*
pordiaou 5 ar-
robas de algodao
tirapo.
DO
sua aeco viciada e fazendo recuperar sua: AsMra como mdCnHlas pira serem movidas por
.(..[.hrin animaes, que descarogam .18 arrobas de algodao
ituuuuui,- hmpo. por dia; e motores para mover urna, duas.
'Jm remedio inestimavel contra dar de entras dessas machinas.
ci^.-ca nervosa, enxaqueca, prho do ven-' O mesmos tem para vender um bellissimo va-
trr, liemorrhoidas, molestias do /gado, fe-
hn gastro-hepalica, e todas as molestias
I \ l^nto do figado que causa a escassez da
hiTts na inflammafo d'este orgao que pro-
dfl rlerramamento da bilis no estomago ou
i>m um desarranjo geral dos orgos diges-
ttves,
A ictericia
produzida pela absorpco da bilis no
N.mgue, dando !i pell e aos olhos urna cor
amarelieata; nao smente dolerosa por
si, jiormeonduz aos mais serios-sofrtmeti-
tos.
Para cura-la toma-se de 1 -5: pilulas to-
ih? as manhtas, isto bastante para mover-
si vontre smente at que se recupere a ac-
C"o s3a do systema.
Mal do figadt, febre gastro-hepatica,
i! Vrhea biliosa, indigestao, a nevralgia
ou tic doulcureux, sao todas molestias que
tem seu comeen n'uai desarranjo da bilis.
A observaco dos doctos da bilis az esta
volvar ao saogue, com que circula dtpois
um todo o corpo e caus'a estragos desas-
i -oos saude e produz urna serie innu-
mcravet de males.
Todos estes incommodos s5o curados com
53 pilulas do Dr. Ayer.
Jirecces minuciosas acompanham cada
fraseo.
Vende-se na pharmacia franeeza de Mau-
i i C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Uui Dirctta 15
RIO DE JANEIRO.
Vende-se em Pernambuco:
aa pbarmaeta f rauceza de
P.I9IAURER & C.
_________RA NOVA N. 18._________
oarmazem'de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Raa Vende-se o seguate:
Lenccs de panno de linho
. i biratissimo pre^o de 2iOO.
Lences de bramante de linho '
d' um s pamo a'3A500.
Cobert* de chita da India,
p M baratissimo preco de 230B.
Lencos de carabraia brancos
; iprios para algibeira, a 2J a duiia.
i'ac^s, de bretanlia de-rolo com 10 varas
pi ipria para saia, a 4J.
Pecas de cambrah de forro, a 2^600.
Esteira da India
pr nria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
i- .va, por meaos prego do que em oatra qualquer
pirla>
Toalhas alcochoadas para mo
jj-adutia. -
Laa^inhas carmezim miodinhas
rias para vestido de menina, a 80 ri? o co-
Lazinhas de cores finas
*ii melhor coate que h no mercado, a 560 ris o
covfldw, uesre ar'marem de fazeodas se encontrar
um frande sortimento de ronpa feitae por medida
por que pode faier mover seis dcstas machina
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n.47.
Saunders Brelhers & C.
X. II, praca da Corno Santa
RECITE.
Osunicos agentes nestepaii.
CB'0"5 oj.j 0 q -, ***. S O O t -
i
-i -. o, o, c
--. o es -
te-s?
3 j, ai o< 3' 5' ET o
c- oo.. o cr-o. S! o


3 c
cd a
01
5ta-
X
>-> o
.o
a. co
o

SbO
S 3
g-lsS-aps
O CO
"_,.M 'Cn
co 05 ._ o.
g'^"^ I 3 a
-''2. S:S ST o aSo2o*
= g srB s.. S"g 2 3^,^,
rs. a
ta
P- 5 w S, sr. a
ca
"3
_,
-i g> BJt co _|
o.ooa
O B) "O
tn ce ._ as
=rg *- 2
9> _B __
2>.sa
t o
o o.^. >
_J as co^as
- co o
O
o. 2
2
o
s. as
co
as
0)
3a.
-i o
*s??
gg
S 2
ti
as
c
9
3
o
o.
<.
co
2.
a
<*
a
a
e
e
s
46SNCTA
FND CO LOW-MOOR.
K da SenuJlaHota n. 42.
Neste es tabeleciment contina a ha ver
im completo sortimento de moendas e meiat
mnendas para ertf[enho, machinas de vapor
9 tachas re ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americaaos e machinas para
lavar ronpa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzaa Nova n; *2.
Roa da Senzalla m 42.
Vende-se, emeasa de S. P. Johnston A C,
seibos e siluesinglezas, candieiros e casti-
caesbronzeados, lonas inglezas, fio d-vela-,
' chicles para carros rrjrorrtarTa, arreios para
i carros de um e dous.cavallos.J relogios de
ouro patente inglez.
Fabrica Conceicfto da
Babia.
Andrade & Reg, recebem coflstante-
mente etem a venda no seu anrUrzem n.
34 da ruado Imperador, algodao d'aqsel-
la fabrica, proprio para saceos de aesu-
car, embalar aigodae emploma etc., etev
pelo preco mais razoavel.
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
hi;dico. partuiko k operador.
3" Ra i dfc^ GSoria^ casa do FimdRo 3
0"Dr." Lbbo Afdsooso'd'consultas graluita's"aosppbres todos os das das 7 s 1
horas da manoaa, e das 6 e meias 8 horas daaolU .exoepoie dos dias santificados
Pharmaciw especial liomeQpatlca
No mesmo consultorio ha semppe-o mais appropriado sortimento de carteira-
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisac5es e pBios preces seguales
Cartetras de112 tobos grandes. 12|{tK)0
. de 24 tubos grandes. 18lrX)0
de36tubo*grandes. 24(1000
^ de 48 tubos grandes. 30)9000
d 60tHbos grandes.- 350000
Prepara-se qualqefcarteira conforme o pedido que se fizer, e coai. os remed',
que se peilir.,
Um tubo avulso on frasco de tfntura de meia onca 10f>OO.
Snde'para cima d 12; custaro os precosostarreetdos para as carteiras.
Hatabos mais pequeos cada om a 500 re.
i LIVROS.
A melhor obra da homeopathia,o^liouaLdft .Mdiiaa1HmeopathicodoJ)r. Jabr,
lons grandes volnmes com diccionario............ 2O0OQO
Medicina domestica d Dr. Ifring,............ 10l90ol pape|
Repertorio de r. Mello Moraes.............. 60000 de excollente quaidade iScS^a resma
Diccionario de teanos-de medicina ............ WQOOl yuimwue a z2uu a resma,
Os remedios deste estaaelecimenl sao por -'domis emboados. u.-ttspeii*an portai ;l azul e pardo para embrulho de 1 4oo a 2 to deserem novamente recormnendads as pessoas queqgtzeew-usord-rewedib' \ef\ rs. a resma U,U1U ue i'i0 a 2,-0G
dadeiros.eaergicos eduradones: ha tudo domelttofttjne^se^pp^de^esejajt/gteb0s dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua.boa coawervaf^o; tifttoredes;mais* acreditados-
estabetecimentoseuropeos, a mais exacta e accuraatpjrepMic3od-portanJora maior ener*
giae certeza eraseaselfeitos.
Casa de sade pmxtie&emvos*
Recebe-seescravos para tratar de qoalquereoermidade ou .faze*serlhe qualquer
operacao, paca o que o annuncianteju!ga-se sufirciealemente habilitado.
0 tratamento o melhor possivl, tanto na parte alimentar, como na medica, e
Hincctonando a casa a mais de quatreannos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode dnvidar, que pdem ser consultados por aquella. qe desejarem mandar saus
doentes.
Paga-so 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operacoes serSo previamente ajustadas, se, njQ^e qiuzerem, suieitr aos, precjw
izoaveis que costuma pedir o annunciante.
400 rt. a
bra.
RA inPERlDOH X. 40
Junto ao sobrado ero qae mofa oSr. Osberne,
Ruarte Almeida A C, receberam de sua proprla encoacanrsi-
da o mais liado e variado eertlnieato de molhadoe, preprfM
da p regente etcSo.
Manteca igleza Maeas brancas
da safra qovavnda no ultimo vapor a l.ooojpra sopa a- rieibor crot-ste pdde desejsr,
rs. a libra e em barril a 8oo rs.
Haatclga franeeza
pa safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
C Airaendoaff
txwifeitadas de lindssimas cores a 800" rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
' lidades a 10380.
Chocolates
detdasasqualfdadesal0OOO alibra.
Presuntos inglezes
dos melhoresfabricantes a 800rs., tambera
tem )s velbes para 500 rs.
Queijos flaniengos
chegados nOste ultimo vapor a 206bo.
Qneljos
ebegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
Quelj
londrino o mais fresco' qu se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos' a 900 e 10200.
CM uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem per ola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrSo, talharim e aletria a
430 rs. alibra.
COGVaC
omuitoaranwddcognaePBlBrandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas quaida-
desa l,ooo e 8oo rs. a garrafa;
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oors. cada um.
PAPEL
almaco, greve; peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
.Ihor.
Corinthias
passa*corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano
l,4oors. alibra.
Vinagre
PRRem ancorlas de 9 caadas
cada urna.
em chapa a
a 15,ooo rs.
[Chales d renda peta e bournus de guip preto
A' leja da rea do^ Crespo**; 17
gas
DE
'^
FOSi Cil>infi WWLAR
^- 18 Rua Vova esciulna la Camboa do Carao e ra do
CaSiajjh n. #.
A directora dese estabelecimento o mais imprtente que existe neste genero
as provincias do norte do imperio, querendo que o publico desta provincia goze das
vanlagenSi que proporciona a fabricago em grande escala- e directa relacao com as mais
importantes fabricas, da Europa, faz sciente. que resolveu-se a vender a inda mais barato
do qoe do costme como demonstra a seguate tabella:
Descont em duzia.
20 'o
%
/o
Chagebs de sol de paono a 20000.........
xarmaejio de.baleia a z^tOO .- .
de seda armacao de ac inglez de 20 pollegadas
40i de 24 50, de 26 558 e de 28 6? ... .
Chapeos de sol irtflezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 9>, e de 28 100. 15
dem idem a balo de 16 varetas patent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de 26 120, e de 28 130...... 15 o/0
Alm de muitas outras qualidades de chapaos de sol que existem na mesma casa
como sejam de alpaka, ditos de brim de linho. etc., etc. ha tambera de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes sao t5o vantajosos como os annunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chieptes, cachimbos, entilara fina e ar-
ma* de caea, os quaes vendem-se igualmente em porgo e a re tal lio, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descono razoavel, afim de poder reta-j
Ibar pelo preco que o estabelecimento retafia.
N. B. Os objectos oompradoe em menos de urna duzia sorSo considerados como
a retalho,
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpisfca o Painco
TLT0 d0Trcido a "* a libra,
e 40400 a arreba.
CEBLAS
muito novas a 10000 ocento naruadoQue:-
mado n 7, rua do Imperador iu 40 e lar-
go do Carmo n. 9
OftAO DE BIC0
muito novo a 30400a arroba e 140 rs. a li-
bra na rua do Queimrdo n, 7, rua do-
Imperador n40e largo do Carmo 1 9.
QJEIJO SUISSO
ZJZ^n'T'8- a 1^a > roa do
macarro, talharim ealelrfs' a
libra e 40500 a'catxa.
Vinhd
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa,
dem d Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
208O a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cdade do Porto a 10 e 10800
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas s3o asseguintes: Chamisso Filhe,
F. & M., Nctar ou virmo dos Denzes,
- lagrimas do Douro e ootros muitot.
Latff
com 10 lituras de banba a 40000.
Bolachinha inglza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
lozes '
as mais novas do mercado a 120r* .4
Cervejas
dos melhores fabricantesfe de todas as
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Taom Pinto,. Re e ootros ea
meias caixinhas a 10800.
Arroz
do MaranhSo a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, o 20500 a 30O0 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de !. e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
(-'arralSe
com 4 '/i garrafas com vinagre a 10OOO*a
o garra fo.
GEx'VEimA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM'
em frasqueiras de Hollanda a 50800 cea
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda veradsiraeaa-frasoueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a cua
com urna duzia e a 1,00o a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e ootros muitos a 600 rs. a
libra.
Prezunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e Indis, a leo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs
a libra e em caixa ter abatimento
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9 3oo r
caixa e 34o rs. a libra.
atalas novas
em caixas de 2arrobasa 50 a caixa e 60 rs
a libra.
Passas nuilo otras
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. opa
. frota em ealda
chegadas ultuaamente, pera, pecege, gima e
outros, muitos a 640 rsT a ltT
a 600 e 10 ocaixje.
GOMMA MUITO NOVA
empaneirosde 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba el40rs. alibra na roa do Ooei-
rca?rao\^lmperad0rn-40^
BOLACHINHAS
ema fita defferentes lidades a 10200
QUEIJOS FLAMENCOS
chegadosneste ultimo vapor a208OODtroa
do Queimado o. 7, ru,o> Imperador n.
4Q.^ largo do Carmo n. 9,
tipiara sZZL'Z!^
O Verdadeiro Priicipal roa do Imperador n 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saceas novas e grandes a 40500: na rua do Imperad, n, 40
NOVIDADES.
Queyo,s,ap ilw^p. dites.dae ilhas, o, r^ais fresco, oro se prjde dse,
jar a 10200 alibra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato prtco de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambera proprias para mimo de*880 U8Q0
cadauma. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal rna dn
Imperador n. 4. r r ww
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da memor qualidade a
120 a lata : nos armaiens da ruado Im-
perador a. 18 e rna do Trapiche Nev n.*8
Venfle.n-se oturuto da, Rabisde varlas~eua
Vidades: em casa de Monhard & C7, rua
piche o. 48.
barricas comgesw : asaUMln de T*i*o Ir-
roaos.
Vieko da ladeira e % Pore
las eoa Vende-seosaperiorvinho da Maoirae tf'Par-
doTra- Is.em caixas de urna dnas azias; s [Mioja
do Vigilante, do Crespo 9. 7.
*





w
i
<
S
Diarlo de Persa***! "W* *** 4f VewHr* 4c IMt
N&VQS VESTIDOS BE PHANTASIA
enegaiam es teeernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiramente no vos
em gosto e gaalidade : loja das columna?, na ra do Crespn. 13, dentoolo Correia
4e Yasxoncuos 4 C, snccessores de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
Superiores eortes de seda de cor, de morante, de gurgurio e de setiro imperial.
Ortos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de lia com barra e grande variedad em cores e padrees.
Ditos de orgaodys com barra
Lindas sedas de quadros escossetae miadas.
Superiores laas lisas com graae ariedade de cores.
Ditas com slateos, com flores e de qnadros.
Lindas pampolinas de qaadros e de flores, azenda intairamonte nova.
.Superiores cassas decores, e liadas cambraias erpandy
Grande variedado de chita de cores,, de percalia eoutras omitas fazendas dei-
Para hambres de seuhora
Liadas capas e bournoux de casaraira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande vajiedade de sout'embarques *e seda de 183 a 40J.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chates de^eda, de merio eslampados unes, de cachimira com listras.de
seda e de fil proto.
Camizinhas modernas, zuavos brancas e de cores, rolletes de carabraia, lindas gol-
liulus coa rjanhos e outros muitos artigas.
Para eabeca de seniora e menino
Superiores chapeos e coapellinas de palha de Italia enfeitades para senhora.
Ditos de feltroenfeitados para senhora.
Ditos de palea eafeilados pura menino.
Grande sortuaento de eafeites modernos de retro*, de froco, de cabello e de flores,
para sabara.
Na loja das columnas da ra do Crespo n. i3, de Antonio Correia de Vasconcel-
lt:tl\t< IKEtOvl TUMA, O
AO PUBLICO
Sem o menor eonstraa-
gianeaUo se estregar
imperte do genero que
o agradar.
Os preces da seguate
tabella para todo, po-
dendo assim serrlr de ba-
se para o ajuste de eontas
com o portadores.
PSTILHAS
RA DA CADEIA DO RECIPE N. 53
DE KEMP,
NOVA YORK.
DE COR CUBRO E SABOR AGRADAREIS
Infinitamente raais efticwe* do am todos
os mais remedios perigeMS enaesealuudcs
CONSERVATIVO
23Lwgo do Terco-23.
(Logo passando o areo da ConeelcSo)
PARA BE* DE TODOS. -
Senheres e senfeoras, e aceto qu presidio aos arranjos deste novo estabeleoimento, 6" mais que tudo a promptidao e inlei-!
reza com que serao tratados, convida a ama visita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a protectfo e preferencia na com-
pra dos generes que prec sarem, e qrrando nao possaia m padaala aiandar seus portadores, anda que estes sej.ua pouco praticos, que existem para a expute das tobrgas.
pois serao t5obem servidos cerno se vieasem pessoalmente, havendo para com estes toda recoramenda,o, afim de que nSo vao em Nao causam dores e prodozem sea effaito
outra parte. __ sera precisar logo depors de fettgejMa ne-
nhum e tao incitantes em appareacia e deli-
ciosas em gosto, que as crianras esto
promptas a tomar mais do que marca a re-
Manleiga ingleza especialmentescelida a Aleia, macarro e latkiritn a ^oor*. a li- SaJ refinado em frascos dcvhlro com lampa
l.ooo e 8oo rs. a libra e em barril se faz bra e G,ooo a caixa.
abatimento. Massa para sopa; esire'nha, pevide e rodi-
Idemfranceza amaisoova do mercado a 72 rs. a libra e 680 rs. em barril ou.meios. j 3,5oo a caixa com 8 libras.
Cb bysson de superior quaiidade a ,600 Vtthe do f*orto mtrito fino proprio para
' rs. a libra. errgarrarar, em ancoretas de $ carradas a,
Cha perola o mais superior do marcado a; *5,w> o*.
2,8ou rs. a libra. i Vaos en pipa: tforto, Figueira e Lisboa a
dem hysson muito superior em latas de 15; 8%k 4o #*oa rs. a garr aia, e em canuda
libras muito pr.oprio para negocie a 2.ooo a ijiao,. & rs. a libra. Viaho Urauco de Lieba de encllente quali-
Idem. bysson nacional -em latas de l e 2 li-i dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa a -et& caru-
bras a l,Guo rs. da a ',qoo e 5doo.
dem preto o que se pode desejar nestfige- Yinhobranco para missa em caixaa de I d-
nero a2,ooo e 2,2oo rs a ba. [ zia a,8,000 e G80 rs.agarrafa.
Linguicas muito novas a 800. rs. a lbrate em Vinbo do Porto das memores marcas qoe
Joaquin Sisauo ds Santos, dono deste bem sorlido armaiem de molbados lai sciente erag
r*ooai.iv*iJ*c*o <*> e*s nsigos, fegueies e a lodos em geral, que esia-resolvido a venderm seus
iiata rfOewaus geaerosde pnrneira qualidadejwr menotU 10 a 20 por cent, nenes doqoeem ou-
ua ^uai^uer nanta a dnbeiro contado,* iodo o cona>rador ue comprar ti* iii a MAaaaM escon-
1 de o a tu pr cerno .pelo sea prempio paganjeiu; e por isso se faz anouncio de alguns generos-
para com esle Miur se eeTtoecaTm.
jtaMs i**ra sopa ntacapnae, talh-arim e aletria a
2W r*. a Jibra e em caita a o.
a>etBo4e Lisboa alvo mu i te superior a 280rs.
a libra 8*800 a arroba.
Dat doHiode pruneira esegundasorte a 260.280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8$ e
also.
Gboar^as as mais nvs do mercado a S60 rs. a
libra e em barril a 12-5.
Passas rindas ea4e ullirao vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 8*.
3atatas em gigos de 33a 40 libras por 2,5400 a ar.
rofea-e a 88 rs. a libra.
Cb hysson raiudinbo superior qualidade a I200,
25000, 23500 e 3 a libra.
Vinho He Pigueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
500, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem proprio par* neeocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 23400 e 23700.
Millioalpisia e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra, a arreta a 43400 4;200.
Phosptrros do gaz vndos por conta propria a 180
rs. o maco e a 23 a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga,
lao a 23800 e a caada a 43300.
Ser veja das marras mais acreditadas a 506 rs. a
garraa e a duzia a S3800.
Figos de Gomadre nrutto novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abatmentCN
Arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 23800, 2e 23400.
Assim como ha um grandesortime&to de charu-
tos e geoebra de Hollanda, tanto em frasees como
em botijas, belacbinhas de soda, conservas choco-
late, marmeiada, vinho engarrafado eoutroi mui-
tos gneros que enfadonho e menciona-fos, e se al-
giuem duvidar ventia ver.
FRANCISCO J. GERMANN
91 RA IOVA M 91
Acaba de receber um magnico e completo sortimento dos objectos que de meiboi qtnlida
de eocoalrar em uroa.relojoaiia, taes como : ebronometres mariiimos e de algibeira, relopios 'de onro
e pra,u, douradose aliadus, ditos para mesa e de parede, francezes, snissos, alleroaes e americanos,
reguladores de compeosacao, relogios grandes com msica e sem ella, dito de sol montados com pecas
para disparar am cerias lioras, despertadores de diversos lmannos, caixas com mosicas, igual sorti-
mento de culos e lunetas de ouro e rala dourada e tartaruga, bfalo, age, e varios metaes, oculos c
lunetas eseeciaes para seahoras, de ultimo gosto, ditos proprios para os qoe iohrem de inffammac"es
nos olhos, labricados seguado es precetlos des.mais acreditados mdicos da Europa e igoalmente os de
Peniarabuco, osfuaea s se veudem por consulla dos mdicos, vldros de crystal brance e de cores,
oculos de alcance para o mar e outros propriosipara observaeees astronmica*, oitanles e sellantes,
binculos para theairo, para mar e para campo, microscopios e meridiano universal, barmetros, ter-
mmetros, calxas de iostrumenlos maihemacos, correntes e chaves, sinetes e trancelins de onro, dou-
rados e Meadas, lado dos melliores fabricantes. Encarrega-se de qualquer concert e encommenda dos
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante nra anno por qnalqoer relogio \"endido ou concert
aeilo, em sea estataleciroento; e vende por menos Cassas para vestidos.
Tal pechincha so a dinheiro se pode vender.
Superiores cassas francesas de cOres miudinhas, de qnadros, lisas, e de ramagens, com grande
variedade de padroes, fazenda que se tcm sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baratissimo prego de
300 rs. o covado : na loja das columnas da rna do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos
& omp.
0
Aim
81HA BO JIIPERAIIDB- 81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do lollegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfago de avisar aos seus fregueses e aerespeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acba-se novamente
com um bello e bem sonido armazemde seceos e molhdos primorosamente escolhidos;
como sempre caprichou lerdas melhores qualidades, efrancamente ffJGancas pessoas que
se dignare cotuprar em seuestabelecimento,que allide preferencia outra qualquer par-
te sero mais bem servidos, em quaiidade e preoos, como em pesos e medidas, no que
sampreo annunciante foi escropaloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradoresqueo qaeiram honrar como seu cfrniitf rt< lhes
assegura que o producto deseu laborioso trabalbo ser o mais bem reputado nt>merca-
de desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa praticacom-
mercial que tem exercido, sendo seus portadoresdespachadoscom presteza, depois dese-
rem fielmente cumpxide as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultorese negocisntefque lbe merecam confianca, fa-
zendo am abate vantajoso nos quepagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero dopaiz, mediante urna mdica commisso, entregando de
prompto seu producto, e sendo esle applicade compra de gejieros em seu armazem,
prescindir da commisso.
Dos seus antigos ebenignos freguezes espera o annunciante sua valiosaproteceSo, (re-
quemando como outr'orasua casa, e pelo reconhecimeao que lbettrrbuta offerece expon-
taneamente seus servicos.
Julga deseecesario publicar a tabella dos precos de seus generes: sao seus recursos
garanta sufficiente de poder accempanhar os menores precos de idnticos e mesmo de
m-iis apparatosos estabelecimenlos, tendo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
Prevenga* necesaarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos anuos com o aiesme rame de nego-
cio ni mesmarua, jnlga prudente advertir qoe's afirma ese respensabilisa peloqu
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
ib mm wmmm
SI-RA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado dtreito indo do pateo do Collegio
barril se faz abatimento.
Chouricas e paios a 800 rs. a libra.
Costelletas tnglwtsaAe-w. libra, serve
para temperar panella ou para fiambre.
Queijos do reino chegades aeste "Himo va-
pora 2,2oo rs.. ditos de navio de verla ai
2,000 rs.
dem londrinos imrito frescos e de superior
qualtdade a 800 rs. a lfbra.
dem prato a 800 rs. a libra, e inleiro se faz
atwrtimento.
dem suisso o mate superior que tem vindo
ao mercado a 64o rs. a libra.
Ervilhas e favas portaguezas ja preparadas
em latas hermticamente lacradas a 64o.
Feijao verde muito superior a 640 rs". a lata-.
Oopos lapidados para agua a !5,ooo e ,5oo
rs. a duzra.
dem idem para vinho a 24o rs.,e 2,4oo rs.
a-duzia.
Chocolate frane. bespanhol e suisso a 9oo,
vem ao mercado como sejam : Lagrima*
do mesmo, a 500 rs.
Cerreja branca das marcas mais acreditadas
que em ao mercado, a Soo, 56o e 64o
a garrafa, e 5,8oo, 6,000 e 6,000 a du-
zia.
Gevaditiha de Franca muito aova, a 2oo rs.
Charutos do adamado fabricante Jos Furta-
do de Simas, das seguintes qualidades:
Exposfcao Normal de H.ivana, mperiaes,
Londrinos, Guarrabaras, Parisienses, Sus-
piros Delicias, a 4,ooo, 4,5ot, 5,ooo,
6,000 e 7,ooo a caixa ou em ir eras.
Cbantiios finos de diversa* aMrrcas fabri-
cantes, oamo sejam: Flor d Norte, Ma-
i)iiiias*le ilavaaa, intervalios, Vencedores,
Panatellas e Suspiros, a 2,ooe, 2,Soo e
3,oo8a caixa.
do Douro, Duque do Porto, Rainha de Par- Cognac inglez das melhores marcas, Soo e
trigad, que geauioe, D. Luiz 1, Madei-
ra Secca, Malvazia fina a t6,ooo, 15,ooo,
Ifljoo e toyoeo a>caiea icn i duai e 9o,
I .sos l,Sairs. agarrafa.
Vinho Cherex de superior quabdadea VB0&O
a duzia e ijiew rs. a.gatuvafa.
l,9eo a garrafe.
Doce da casca de f oiaba a 2,000 a lata oom
4 libras.
I Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
MaUe, itcel lente gI para os uavegantes, a
Sardinhas de Nantes a 4oo rs. os quartos e I 2oo rs.
64o rs.as meias.latas. SeboJlts d Franca muito grandes e novas
TJolachiubas iugloias muito novas a .ooo a a l,8ooocentne l,2oo saltas.
barrica e 32 rs, a libra- : Pautes do gas a 2,2oo a grwsa.
Bolachinhas de soda em latas de diversas Toucinho de Lisboa muito novo a 32o rs. a
qualidades a-1,300 i*. | liU-a o 8,ouo a arroba.
Carte com imlo francs rauilo pitipnios pa- Bauba de porco rolioadaa S60 rs. a libra.
ra m'uuo a 64o rs. Bolachiolia Alberto, as memores que pre-
Passas muito novas eu> caix.inhas enfettadas seatemeotelem vindoiao mercado, a 2,000
para mimo a 3,ooo rs.
Passas de cammla a 8,000 a caixa e 4oo rs.
a libra.
Figos de comadre a 24o rs. a libra.
Amendoas de casca mole a 4oo rs. a libra.
4,00o e 1,4*0 rs. a Hbra.
E?permacete superior a 600 e 64o rs. a li- Milo de amendoas a 5oo rs.
bra e em caixa se faz abatimento. i Bolachinha d'agua e sal, da fabrica de Joo
Peixe em posta em latas hermticamente la-' de Brito no Beajo Antonio, em lata de 6 1-
cradas e das melhores qualidades de pei- bras por2,Soors.
xe a 800, i.ooo e 1,200 rs. 1 Ameixas francez:s em f asco de'vidro com
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-i tampa do mesmo, a l^Soo.
a lata.
Farinha do Maranhao muito alva e ebeirosa
a 2oo rs. a libra.
Frascos com irulas em oalda de diversas
qualidades a 2,Soo e I,Soo o frasco.
Caixinbas com finetas em doce secco de di-
versos taiuaiiho, muito proprias para
mimo, a I,6oo, 2,6oo e 3,Soo cada urna.
Ruibos, excellente peixe portuguez, em
barris pequeos ou a retalho, a vista se
far o preco.
das que vem ao nosso mercado a 7,ooo e Ameixas franc zas em caixinhas de diversos Azeitonas de Rivas em ancoretas grandes de
8,000 acaixaeCio e 7oo ris agar- tama .lies com bonitas estn pas na ca- 8 garrafas por 600 e 800 rs. a gar-afa.
rala. xa exterior, a I.4ot>, l,Gao, i.800 e 2,ooo Azeitonas portuguesas a 000 rs. a garrafa e
Geoebra de Hollanda a 48o rs. a botija de cada urna. l,Soo cada urna anoorela.
conta certa. i Azeite doce refinado hespauholou portuguez Champagne da melhor quaiidade que vsm
Frasqueiras de geoebra de Hollanda a 6,800' a 9jo rs. a garrafa e 10:000 a caixa. ao mercado, a 2,ooo e 3,5oo a garrafa, e
e 64o rs. o frasco. Catatas muito novas a 80 rs. a libra e2,5oo 24,ooo e 26,ooo o gigo.
Genebra de laranja rwdadeira em frascos' o gigo com 36 libra-. .Gomma de engommar muito alva a 12o rs.
grandes a t,oooeii,ooors. a frasqueira. Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e a libra.
Caf do Rio de Ia quaiidade a 28o rs. al- 8,5oo a duzia. Figos em sextinhas a 80 rs, cada urna e 72o
bra e 8,Soo rs. a arroba. Va>souras de escova para esfregar casa ai rs. a duzia.
Caf do Cear muito superior a 24o rs. a li-; 4oo rs. Papel azul para botica a 2,ooo a resma.
bra e 7,5oors. a arroba. Nozes muito novas a 16o rs. a libra. Balaios para roupa suja, grandes e peque-
Arroz do Maranhao de Ia quaiidade a loo'Molho inglez em garrafa de vidro comrolbaj nos, per diversos precos.
rs. a libra e 2,8o a arroba. do mesmo, a to rs.
dem da India a loo rs. a libra e 2,8oo a, Mostarda ingleza dos melhores fabricantes.
a 80 rs. a libra e 2,4oo a ar-
rs. a libra e 4,ooo a
arroba.
dem de Java
roba.
Painco e alpista a 14o
arroba.
Massa de tomates de saperior quaiidade a 64o'1 Marrasquino de Zara propriamente
rs. a lata de urna libra e56o rs. a reta-1 !# a garrafa e 1 l.ooo a duzia.
lho. Pafttos de dente a 14o
rs. o maro.
a 800 rs o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada a
4o rs. o frasco.
Lentiltras francezas, excellente legume para
sopa, a 2oo rs. a libra.
dito a
Amendoas confesadas a 64o rs. a libra.
Latas com fructas em calda: pera, pecego,
damasco, rainha Claudia e cereja, a 800
rs.
Vinagre de Lisboa a 2oo e 28o rs. a garra-
fa e a l,4oo e 2,000 rs. a caada.
Azeite doce de Lisboa a 4,800 rs. a caada
e640 rs. a garrafa.
i Vinagre branco j engarrafado a Soo rs. a
garrafa.
ceita.
teis como um excellente meio de fqzcr
remover as obstruetes do ventre, mct'mo
no caso de nao existirem verme algum, as
PAST1L1IAS VERMFUGAS nE KEMPS S30 prODip-
las e infalliveis na sua rperaco e por tcc'cs
os respeitos dignas de embanca e approva-
Co de todos os paes de farolas. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Vendem-se no Recife em casa de Caer* 4
Barboza e Joo da C. Bravo & C.________
TEWtttmm.
Obra absolutamente propria para eti-
trctcuirae.nto.
Acham-se venda, na ra do Imperador n .15.
defroniede S. Francisco, os seguinles testamentos :
da Gallinlra, do Gallo, do Cachorro, do Porco, do
Per, da Onca Tipre, do Vrjrarro do Lmo ; a l'e-
Ifja da Alma, S. Miguel e o Diabo, 160 rs. cada
um ; aproveitem em i|iianto tempn. Igualmente
ha venda cartas de A 15 C, taboadas, paota?, e
eutros objectos propnos para as escolas.
Attenc
lava loja de fazendas c ronpa
feita naeioaal, rna da lmpe-
ratrtz, loja rte 4 portas o. 3?.
Chitas da loja n. 72.
Veodooi-se chitac linas a 240 e 280 o covado,
dita? fraacezas luas a 320, 3C0 e 400 rs. o covado,
cassa Tranceza fina a 320. 3B0 e 400 rs. o coydn,
laazinhas para vestidos a 300, 400, 500 e 9C0 6
covado, pegas de marlapnlio fino a 65, 7#, 5 e
r9,3, pecas de algodo a 3&, 6* e 8 : ra da Im-
peratriz n. 72.
Roupa fcila nacional
Vendem-se paletots de panno fino a 143, 16\5 e
185. dilos saesos a 65,85 e 105, ditos 6>caseifiira
decores a 65, 85 15, ditos de brn de corts a
25500, 35 e 4i, caigas de casemira prea e 4e co-
res, rolletes e caigas de brim decores a 25000 u
25500: ra da Imperairlz n. 72.
Son tambanillo a 8L
Vende-se sf>ntamhrqoe de laasinba a 73 c W,
ditos de lpaca hrsnca a 85 e 105, ditos defrtos-
lenaple preto a 203 e 255, capas pretas de pro^-
dcnaple finas a 203 e 255, panno 6no preto a 25.
35, 45 e 55 covado, casemira prela a 25. 85B0O
e *&, rosdenaple prpfopara vestido a 15600, 25 e
23500^0 covado ra da Imperatnz n. 72.
Corles de la Mara Pia a 10$
Vendem-se cortes de vestidos a Mar i a Pia a 105,
145 e 165, cortes de cassa franceza a 33. irles
de hrim para caiga a 15C00 e 25, ditos de Ase-
ntir de cor a 33, ditos de dita prela a 35500, 53,
55 e 63 : rna da mperairlz 72. Esle novo es-
abeleciment veinte barato para obtw frpfruerfa :
na rna da Impera'riz. loia n. 72. ______
Camas de ferro proprias para
collegio.
Acha-se a venda grande se riimento destas ca-
mas, assim como de olras : a rna Neva n. 33.
^"Verrde^se a casa~terrea 25 oa rna de Ma-
lillas Ferreira da cidade de Olinda : qnem a fcre-
tender dirjase a tratar cesta cidadena rea An-
gosta n. 39.
^3
-2
< o c
z c.
o =
O S <"
"1 P (C
a o.-1
O
a tr as os
a
P a. a a
O o =?
a
S 3 8|
^ 03 JU
v D p
g <=-
CD
5 S
-' .
o
as o^
Cb
us
o
-:
a
{a

ir.
- I -w "S w
s slfia
w t 2 M
B o "" a o
S p Vi c s =
p cd _, a* -?> e>
S O O CD -5 .
B
-
m
O
CD-3

ESCBATOS FGIDOS.
Roupoes de sucim de linho para senhora, peto
barato prego de 95 cada am, larinhas econmi-
cas para vestidos a 360 o covado, chapos te pa-
lha da LuUa 4o apurado gao a 143 1 aa naara
Qoeimado n. 17,
P0T4SS4
Vn*e-se potassa em barris a commtoo prego o
na rna da Cruz n. 33, primeiro apdir, eseripton:
de Antonio de Almeida Gomes.
attench
ao
NOVO ARMAZEM DE MOLHDOS
X. 18Rna do Calingan. 18,
Defretite i matriz de Santo Antonio,
DE
Lima & C.
0 proprietario desle novo estabeleciraeno avisa ao respcitavel publico, que acha-
se prvido de um completo sormeato de moltaxtos e seceos, todos novos e por precos
commottos.
O proprietario nunca quiz annunciar pelo jernara existencia de sen eMabeteci-
meato; porm. como an-se aacessaria a noticia aos scrhores de engenho e agricultores,
que maudam seus portadores directos a esa Ou aquella casa, motivo pelo qual os-pro*
prietarios o fazem agora
Aproveitam a oCcsTSo para declarar aos Srs. consnmidores, que seu estabeleci-
mento se achara sempre completo de um variado st-rtimento de molharios. seceos e ou-
tros objectos perlencentes ao mesmo ramo de negocio.
Seus precos serao menos 5 por ceoto do que em outra qualquer parte, e para
este Dm chama-se a attenfao de todos em geral.
Farello superior de Lisboa a ofl o sacro.
Os pesos e raedid'as, e qualquer engao dado na casa, serao garantidos pelo dono I Tem para vendef Antonie Luiz de Olivei-
emfayer do consumidor, em qualquer occasiao que reclamar.
Os proprietarios deste novo estabelecimento esperam dos seus freguezes,.e do
publico em geral toda a proteccSo, prometteado os proprietario da Flor os Progre-
sos tirar to smente nm lucio razoavel do laborioso trabalho, com que possam dar
cumprimento a esta ardua miseto.
Achando desnecessttfia a piit>liC9C3e dos preps nriauciosamente explicados de
seus gneros, com o que gerttajeiHe todos fogem, pelo motivo nao somente de ser enfa-
donho, como tambem por nada valer, os proprieaariat tm somante em vista entreter es
seus conseniidores com generes noves, e preeoe mais rrje*eis do que em outra qual-
quer parte, pors serlo ae garantas para a proteccao ao Novo Armazem de Molhaos.
FLOft MM PRO;RE*08.
BOTICA E DROGARA
Ba fililo me u Francssco deSonza&.
3 iRa larga do Rosario34
Venden:
Pilulas Holloway.
Pilulas do Dr. Laville.
Pilulas do Dr. Alian.
Plalas do Pobre-homem.
Pilulas americanas.
Pilulas vegeta es.
Pilalasvgetae* asaacaradas de Hmp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Cbable.
Elexir de Pepsta de Grimanlt.
Viffho de SakaparrUba^eCl AlbeTI.'1
InjeccSo FWugaB.
Agua dentiOca de Bes+rabode.
Papel chimico, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspall.
Pos anti-epilelteos de'Brest.
RobL'Affecteur.
Xarope do Bosque.
UnRuenio Hollovay.__________________
Aviso
aos capites de campo e a polica.
Desappareceu em pjincipio do mez de outuhro
do aun. passade, de bordo do palbabote racimal
Araujo Malo, doos escravos de nomes Roberto
(por apellido .Macelo), e Miguel ; o 1 de iiladt o
anuos, pouco mais ou menos, criaulo, cor Tula,
estatura baixa, barba serrada, um peuco torio.das
pernas, e com alguns cabellos branros, tanto na
barba como na eabeca ; o 2o alto, ebeio do cerp-.
sem barba e falla grossa, representa ter de 25*a
30 annos, rojos escravos desconfla-se andarem pe-
los arrabaldi-s desta cidade*: quem os apprehcn-
der queiram levar a ra do Trapiche n. 5, <;u
ser generosamente gralicada.
Escravo ftigido.
Desde o da 13 do correle que se ausenten da
casa de seu senbor, ra da Alegra n. 9. o escra-
vo pardo de nome Andr, idade de 40 anuo*, pou-
co mais oa menos, baixo e ctieto do corpa, com
marcas de bexigas, barbado, com passa pit lho, e
quando oiha pareee querer fechar um otito quan-
do anda inclina a cal.era para um lado, tem ca-
bello caxiado e asa de banlia : este escravo velo
cerca de dous annos da provincia do Cear em-
barcado : muito ladino, tem a falla muito dcs-
cancada, e falla sempre com muita moderacap e
humildade, consta que anda pelo bairw da Boa-
Visla para a Soledade, caixa d'agua, e ra do Cis-
co, tambem tem sido visto no Recifo e Santo An-
tonio, mas poucas vezes : qoem o pegar pfto'le-
va-lo casa cima endonada, qae seni tenero-
samenle reoompaasado por seu senbor Jos Aato-
nio Bastos._____________________ r
__Fu*fio na noile do dia 23 do correle o escra-
vo Jos Res, com os sflPrOinta* signaw :- bem
preto e bem barbado, muito ladino, tem o queixo
um pouco saludo fra do commum, a nadega es-
tufada para fra, com as pernas ponco arqueadas,
muito locador de vhta, julga-se tT vln*v aqu
para o Recife sentar praca l pe4tH>e a todas as
autoridades policiaes e caaitaes de campo a appre-
hensao do dito escravo e leva-lo ao engenho llo-
repes, comarca de Geianna, que serao rcoomen-
sados.

ra Azevedo no s^u escriptorio ra da Cruz
n.A. ________ __________
Ra da Senzalla Nova II. '.
Neste estabaleciraento'vendem-seUchas dt
(erro coado libra a|U0 rs^ iden-de Loa
Voor libra ai310 rs.________
retJ5o
Na rna da Madre de Daos o. 9 venden feijao
mulatinb, dito rraneo, e dito preto, mais barato
do que em outra qualquer parte, appfoveilm a
peehincha que a qoarestna batfe i porta.
Molepe
No dia 18 do corrate ausentou-se da casa do
seu senhor 'f> moleque Cresuliano, dd 14 annos,
tem o rosto do lado esquerdo coro pequeas man-
chas aniarellas, levon cal?a de casemtra awl, e ra-
misa n chita or 4e ron, o cabello MflMo en-
te, e foi comprado no dia 16 do correntej Sr.,ca-
pito P. Augusto Cavalcanle fle Albuqnerque, se-
nhor do engenho Alborge, na comarca de tmarel,
de supr-V Qoe 9efuisse para aqiwilie para(*ns,
por isso se recommenda a autoridades policiaes
a sua apprehensio, e leva-lo jia Capunga, itada/ia
do Sr. Bastos, que generosamente se rece-npea-jara
toda despea.


f *----:-----






Diario de Fernantbaco Terca letra 99 de Peverelro de .
LITTERATOBA. _
O pintor da aldela.
tljlty era o mais feliz dos pintores da Tyrol;
uunca se licha gmbaragado com as questes de es-
coa ; e nem suppunha que havia pessoas que se-
j;ulssem a lioha ein.|uanto oalros seguiam s
cures.
Passava alegremente o seu lempo a pintar caval-
i i baios sobre um fundo verde, ou cegonhas bran-
cas em cu azul para as taboletas de todas ?s al"
deias e arredores do Stieritz sua patria. Foi elle
Que linha feito o magnifico urso preto, que se ba-
I ncava diante da porta de seu pae, o estalajadeiro
da aldea.
Nao ganhava muito com este officio mas eslava
.lisfeito com a sua posigao e soberbo de seu ta-
i ulo.quaudo o amor invadiu sua alma e perturbou
:.ia existencia.
Nuoca rapariga mais eondescendente, de urna
--clttlura oais lina, e de um p menor linha subido
i Irilhos das monlanhas que fercam Stieritz, que
Grelly, a ulna de mestre Kuhnerl. Hcelty tornou-
s perdidamente, apaixouado por ella, e como nao
i Kiia se cancar de ver a bonita figura de Gretiy, a
I uda cintura de Gretiy, e a rosa inleiramente fres'
cj que ella abi colorava com lana faceirice, Hoeily
Itn urna iusplracao, se elevou cima de nivel val-
i,ii de borrador de laboleas e se declarou retra-
iga.
O relrato de Gretiy concluido, Hcelly o achou ad.
ravel, pois que representava a Gretiy. Gretiy o
bou soberbo, porque Hceily o tinha pintado, e to-
da a aldeia ftcava em exiase dianie de lano la-
K-nto.
Ah t o pae Kuunerte soabe a historia do retrato
i- de amor dos dous jovens. Elle nao linha ideas
I ocisas sobre pintura, mas, em lugar das grande-
zas de urna nalureza agreste, professavaopinioes
invito civilisadas sobre o casamento e sobre os es-
cudos.
beclarou que nunca dara sua lillia com quatro
rentos florins de dote, a um mu pinlor sem forlo-
i:a; porque preciso dize-Io, se o pae de Hcelly ti-
iha urna estalagem, a casa mesmo nao Ihe penen.
ca. Ah!'se elle livesso lido urna casa propria
r.ostre Kuhnert lena reflectido. Mas os cslrangei-
i os eram raros em Stieritz e nunca um estalajadei
o se linha enriquecido.
Hc!ly nao va mais Grelly a quem seu pae U-
iHia para sempre prohibido fallar ao Blho do esta-
'.ipdeiro. /
pobre moco linha se tornado taciturno, triste e
liifferente. Tinha suspendido o retrato de Gretiy
i i cmara da eslalagem. Seu nico prazer era
< oatemplar sua obra. Quanto ao resto, nao tinha
lu coragera para cousa alguma; seus pinceis e
'as tintas ticavam a um canto, se limitava a aju-
<*.ar seu pae no servido da eslalagem quando havia
'iguma cousa a fazer.
limquanio Hcelly se desesperava em Sleritz, c
'iios om honrado gentlemun de Kingstreel, em
l/jndre sir James Kimblelhorn dlrigia a lingua-
(,m seguinte a John Kimbletorn, seu fllho mais
relio :
i John, vos fazeis vinlc o cinco aunos hqje, irin-
i.i jovens misses de Regeu-streel, ede Oxford-street
rao esperain cada urna dellas, para vos dar sua
cnSt, senAo que vos digneis pedi-la ; mas um gen
t'.cmau iugiez dove ter visto o mundo. Vos parli!
i ;is puis para o continente onde haveis de Mear
dous annos : eis ouro, notas do banco e saques so-
bre taris, Hamburgo, aples, Berln e Vienna-
i'endes |oiio libras para gastar por dia. Podis vos
i r a caminho amanlia.i
Na manhaa segmnte,sir John Kimblelhorn partiu
I ara o continente : visitn todas as cidades, lodos
os museos, todasjas cathedraes e todos os sitios do
continente, dispendendo regularmente suas oilo li-
bras por dia.
Ora, percorrendo a Italia, sir John Kimblelhorn
til urna excurgo aos Alpes Tyrolenses.
Um dia foi surprehendido por urna horrivel tem-
t estade peno de Stieritz e obrado a refugiar na al.
, Ocia.' c que o enfadou muito o lugar, nao se achava
no seu itinerario.
Enlr.tu forzosamente na eslalagem do pae Hmlty
.-. nica que ahi se achava. Ceiou, deitou-se, dor-
uiu como um bemaventurado, acordou para alm-
far, depois pediu a sua conta.
O velho Hoeily tinha j sabido.
Foi pois o joven e melanclico amoroso que apre-
.clou o total ao inglez.
O fllho de sir James Kimbletorn lancou urna vis-
u sobre o papel.
En I disse elle, dous florins e qralro kreulz!
Eslava longe da conta, porque elle quera des-
cender suas oilo libras. -
Senhor, respondeu Hcelly, o prego o mais
i ..loavel. nao posso diminuir:
Diminuir I gritou o inglez, goddam I eis um
liomem que cassua contigo!
Lancou os olhus em torno de si e avistou urna
l.ilha de pratos sobre a mesa.
Toinou a baixella e a laugou ao chao, onde a fez
em mil pedamos.
Hcelly pejiou fria"mente na nota, e acrescentou
slgumas cifras.'
Very well! exelamou o inglez, sequindo este
uoviraeniu. By God, acrescentou elle vendo a nota,
6 iiiiseravel!
Tinha quebrado os pratos por tres florins
Aiiruu ao chao duas sopeiras e tres pratos que
esiavam sobre um aparador.
Hceliy tornou a lomar a ola e marcou tres flo-
rins.
O inglez suspirou : via qoe nao chegaria fcil-
cenle o seu total.
lnio mostron successivamente com os dedo os
novis da cmara perguntando de cada vez a
tiotfly:
Hpw-much ? ( quanto ? )
O fllho do estalajadeiro responda esir John Kim-
Uethoru fazia sua peqa.-na addicio.
E isio, quanto 1 disse o cabecudo inglez mos-
trando a obra prima de Hcelly, o retrato de Gre"
t!y:
isto nao se vende.
Ea pago, roplicou o inglez.
Nao o toquis, disse Hcelly, collocando-se vi-
vamente diaute do quadro.
Ohl gritn o Inglez encantado de ter urna oc-
taslo de jogar o soco very-well; esraurremo-
os.
Hce'ty puxoo sua taca :
Sir John Kimblelhorn recuou, achou que o gra.
cejo ia muito lunge.
= Vos a amis muito, esta pequea compa-
triota ?
Hoalty, caja colera todo se tinha dissipado com a
iarabranga de seu desgranado amor, deixou cahir
OS bracos, e iocliuou tristemente a cabeca.
Nesie momento, a tempestado qoe 'Inha cessado
desde manhaa reeomecoa mais furiemente.
r Varaos, disse o inglez, vejo que leremos
ampo de regalar nossas contas, ea nao partir'
loje.
Narras vossos soffrlmenlos.
Hcelly conten a sir John Kimblelhorn a historia
de seu mof com Getly, o episodio do relrato, e os
rigores do pae da Joven, qoe quera um genro com
ama casa.
Quanto vale esta ? pergnntou o inglez.
Trezentos florins. *
Viole e cinco libras, replicou sir John Kim-
blelhorn ; ficarei ires das aqui e o negocio ser re-
gulado.
Na manhaa seguinte, com effeilo, elle comproa a
casa que oceupava o pae de Hcelty c a deu em dote
ao fllho para que este" podesse casar-se com sua
amada Getly.
Tres mezes depois se celebrou o casamento.
Apesar.de sua promessasir John Kimblelhorn
naopoudeassisiiraelle, por que o sea itinerario
o obrigava a se achar nesse dia na cidade do Por.
lo, em Portugal, onde dispendeu exactamente suas
oilo libras quolidianamente.
( Georoes Steknb. -Journal Ilustr.)
UM POUCQ DE TUDO.
O CARNAVAL.
Nio ha no anno oulra quadra que se assmclhe
a esla.
Prazeres, loucuras, desvarios sem fim, eis o que
a ordem do dia neste risonho tempo que prece-
de a semana sania.
Enlrae comigo n'ura baile.
Olhae.
Por toda a parle riso, danca, msica e flores 1
Vede este grupo de alegres mascarados, que riem
de lodos, e al de si proprios ; sao empregados dos
caminhos de ferro, que gosam de urna licenga ex-
cepcional.
Vede esla pastorinha, caminhando bras dessus
bras dessous com um domin ; urna grisette e
um caixeiro, trocando protestos que nSo pensam
cumprr.
Vede agora aqui, neste canto menos esclarecido,
sentados no mesmo banco, um turco e urna vari-
na ; sem duvida outro Armand Douval com a sua
Alargarida Gautier.
E, pene delles, vedes urna com urna Irouxa de
roupas ?
E' um corcunda, um horrivel corcunda, que le-
ve a delestavel idea de se mascarar!
Seria para nao ser conhecido ?...
Taivez.
Pobre louco I
Na intelligeocia como no corpo, foi-lhe descado-
sa a nalureza.
Per (oda a parte riso, danca, msica e flores !
Que mais precioso para completa felieldade
dos que ambicionara a Impeluosidsd vertiginosa
do prazer ?
Que mais desejam elles, esses entes que descui-
damodiade amanha, que olvidam soflrimentos
de um anno por algumas horas de ephemeros go-
sos, emqae a loucura gera nos labios mentirosos
risas que se vao perder confundidos pelo oco dos
lelos ? I
Mortos para o senlimento, aturdem-se na orgia -,
fascina-os o brilho de um prisma engaoso de en-
gaosas cores.
Deixa-los... buscam impres?5es : s o candi-
do sentir de urna alma em flor as nao encontrara
aqui.
Agora, vede ; mais retirado, est um mance-
bo, que parece indiferente a quanto se passa em
torio.
Tem os bracos cruzados sobre o peito, nos olhos
o rellexo da tristeza que Ihe amargura a exis-
tencia.
Que faz elle aqui?
Espera alguem,
L caminha al porla ; olha com altengao um
domin, que acaba de entrar ; procura alravez da
mascara de seda uns olhos que sao seus conheci-
dos, procura os olhos /TEIIa !
Mas nao Ella, e el-lo oulra vez cabisbaixo.
Passeia agora de om para outro lado, depois pa-
ra, e elha alenlo ouiro domin.
O domin volla-se, caminha, foge, desapparece.
O mancebo loma a mesma direccao, sem Ihe im-
portar enconlres e cotovelladas dos desinquietos
mascarados que parecem querer tolher-lhc o pas-
so, de caso pensado, e chega a avistar de novo o
domin; eraprega mais um esforco e consegue ap-
proximar-se delle.
Fixa ento os olhos nos da mascara, examina-
Ihe as mos, e volve ao seu posto mais desanima-
do do que antes : nao era anda Ella I
Passado um instante entra outro domin.
O mancebo, apenas o avista, conhece-a, adivi-
nha-a : Ella f...
Acompanha depois este domin por toda a par-
\p : nio deixa de o olhar, mas nao Ihe falla.
E que os olhos dizem bem os segredos do cora-
cao :ama-a, respelta-a, goua de a contemplar
mesmo assim mascarada, mas fallece-lhe o animo
para lbe fazer lal confisso.
E passa assim o resto da nonte.
Notavel contraste l
Quem acreditar, que, onde todo loucura e
mentira, se alentem affectos puros, com innocentes
e recatados gosos ? I
Mas j findarara os risos, cesson a danca, calou-
se a mnsica, emurcheceram as flores I
Saem todos.
Aquelles que, anda ha pouco, gosavam, doode-
jando alegres, vo agora fatigados e aborridos;
este, que soffrera ali, leva n'alma pura alegra,
branda calma de seus mysieriosos prazeres.
E' porqueespera e er I
Disse-lh'o Ella T
Nao ; mas diz-lb'o a necessidade de aer e es-
perar.
L-se no Paiz o seguinte :
ARGELINA BOTTIKI.
Os apreciadores desta admiravel menina hao de
se alegrar cora a noticia qoe Ihe vamos dar.
Vimos urna carta de Milo, onde ella se acha,
que relata o cotneco dos seus estados nessa cida-
de. Ghegando fra do tempo das matriculas no
conservatorio, requeren comludo qae fosse admit-
tlda exames, o que consegua por intermedio de
algumas pes.-as qae j conheciam o sea raro ta-
lento. Foi comeado para examina-la o professor
de piano do conservatorio, Angelen.
No da do exame fez-lbe o professor executar
ama composicao de Thalberg. Moyss no Egypto,
e execulou-a tao bem, que apenas ella terroinoa
disse-lhe o velho professorFeliz o nwslre que ti-
ver ama tal discipala.
A vista da opiniao do examinador, derldin a di-
rectora qce ella poda estud.ir particularmente,
ficaudo com diraito de ser admittida a exames com
os alumnos do conservatorio, se o sea professor
fosse um dos do mesmo conservatorio.
.A admlrae.au do professor Angelen pelo talento
da joven Angelina (izeram-u'o encarregar-se do sou
eosino, e pedir ao pae da menina par qae ella re-
sidlsse com sua familia.
Vo se realisando as esperanzas de grande glo-
ria que a artista brasileira om dia ha de alcancar,
manifestados nessas eclhusiasticas ovacOes qae
sempre a acompaonaram nos lugares por onde pas-
sou, e principalmente no joizo qae della formaram
os profissionaes qoe a ooviram desapaixonada-
menle.
. ----------
L-se no Boudoir a seguinte poesa do Sr. C Ma-
rianne Fres
JURAMENTO DA MODA-
as folhas de urna rosa
Escrevi um juramento
Que assim reza va :
t A donzella a mais forroosa
c Nao mais far meu tormento.
i Jaro nunca mais amar. >
Mas apenas acabava,
J do norte sibilva
Um fnraco.
Eis da rosa as folhas bellas
L se vio ;
E com ellas
Leva o vento
O juramento !
Em todas as soas obras, diz S. Gregorio,' espe-
ram, qae os louvemos cora reverencias, Ihes demos
a gloria dos loqveres, querem ser temidos peles
melhores, e lidos por santos da oplnlio de todos.
Elles se assemeihamaaqoelle Farizco, que orava
no templo, dizendo a Deas: que jejuava dua
vezes na semana; dizendo ao mesmo lempo qae
lbe dava gratas, porque nao era como os mais
homens roubadores, injustos, e adlteros.
Ora, qoe imagem mais significativa podmosnos
aeha'r, que mais a vivo nos reprsenlo os hyppcrl-
tas, do qoe- esta do Farizeo !
O Farizeo dizia que jejuava; i*to mesmo dizem
os hypocritas: affeciava virtudes; o mesmo fazem
elles: finalmente dizia o Farizeo, que nao era como
os mais homens roubadores, injustos, e adlteros J
nem anda como o Publicano, qoe estava ao longe,
sem se attrever a levantar os olhos ao cu, baten-
do nos peilos, e pedindo a Deus o perdao des seus
peccados.
Isto mesmo fazem os hypocritas; porque elles
Qaanto aos demais empregados dos consulados,
serio prnpostos pelos consales, peasoa* de soa im-
mediata conQanca, e considerados como seas em-
pregados particulares, pago no entreunto pelos
cofres dos'consalados, approvado o pessoal e a re-
tribuicao pelo governo de Lisboa.
Vencerlo : o cnsul geral do Rio de Janeiro,
6:000,8000 fortes; o sea chanceller 1:8005000
fortes.
Os cnsules da Babia e Pernambuco 4:0005000
forles, cada um. Os um e tambem forles.
Os cnsules do Para, Manmho e Rio Grande do
Sul 3:0005 forles, cadaum. Estes consulados nao
lero chancelleres.
Segue-se a respectiva tabella, que quanto pos-
sivel explcita, havendo-se^modifleado alguma cou-
sa os anligos emolumentos.
Os emolumentos consulares sero considerados
receita do estado.
A nova reforma consular merecen os cuidados
jes; o ouvido do Senhor tao delicado, que al
ou ve a preparacao des coraces.i
c Destderium paupenm exandtvit Donunus
preparalionem cordis eorum audunt auris la.*
o*
As forcas navaes que temos actualmente no Ro
da Prata compera se de onze vasos com urna for-
ca nominal de 1,600 cavallos, e com boceas de leve, affronta,
fogo. I nos daro a conhecer a, sua impaciencia, e a sua
Em flns de dezembro estavam distribuidos da faisidade: contradiga-se-lhe o falso sysiema da sue
maneira seguinte:
Em Paysand, com os Srs. vice-almirante baro
de Tamandar, e chefe de diviso Pereira Pinto:
Ganhoneira Belmonte, commandante Piqneta,
dita farnahyba, commandante Garcindo, dita Ara- ou ellas costumam causar naquellas familias, que
guay], commandante Salema Garco, dita Recife, por benevolencia, e natural sinceridade os admit-
commandante Mariz, dita Javahy, commandante lein em saa& casas, conllando-se na sua apparente
Pereira dos Saatos, dita Meartn, commandante Eli- e artificiosa devoco.
zario Barbosa. Assim como se conhece a bondade do onro pelos
E|n Buenos-Ayres s ordens do offlcial mais, toques da pedra, da meama sorte poderemos co-
graduado : i nhecer a malignidade dos hypocritas pelos toques
Curveta Bahiana, commandante Gomensoro, da ePriencla.
assentam comsigo, que sao melhores, que todos os
mais homens, que nao seguem o sen partido, fin-!do Pessoas competentsimas, e foi largamente dis-
gindo-se como elles: assentam, que todos os mais Icullda Ptla 'especliva commissao e pelo senhor
homens saa publcanos, qae o mesme que serem Prsiaenle do conselho e ministro dos estrangeros,
peccadores, anda queestes.heios de homildade e seg""^ as informagoes que temos, se pode nao
nao se atlrevam a levantar os olhos ao eo, e batao ser uu,a cousa per/eila' Pareee-nus- l^e melhora
nos oeilos pedindo a Deus perdao de todas as suas consideravelmente o eslado anlerior das ausas dos
cu]pas nossos consulados do Brasil, tirando muilos pre
Toquem se os hypocrilas com alguma, anda que textos de duvidas, de interpretagoes differentes quo
que elles pela falta de sofriraenlo mullas vezes punham os nossos cnsules em con-
hypocrisia, e veremos inflamada a sua soberba, por
nao quererem desistir da soa falsa opiniao.
Finalmente nao se louvem os seus enbusies, e
serao cenhecidos os seus engaos.
Eu deixo em silencio aquellas ruinas, qoe elles,
dita Nitherohy,
raense.
commandante Lomba, dita Pa-
Fajase experiencia dos seus costumes,
deixar de ser conhecida a sua faisidade.
e nao
flicio com os cidados porluguezes, cujos interesses
legilimos Ihes cumpria defender, e cm quem de"
vero sempre achar-se na melhor harmona.
Os emolumentos consulares que, como j disse
raos, serao consideradas como receita publica, en-
contrar nos cofres dos consulados, pagar-se-hao
delles todas as despezas consulares, e aos remanes,
centes dar-se-ha a applicacao que o governo julgar
conveniente.
Os consalados terao, como at agora, casas para
os seus archivos.
as boceas do Guac (Paran) com o phefe de
divisao Barroso :
Fragata Amazonas, commandante Raymnndo de
Brito,
Erratas Abreviada refotacSo da breve res-
vapor JOMi/rin/ionAo, cammandante Pedro! Pos,a do Sr- Dr- Padre Joaquim Graciano de Araa-
Laiz Ferreira.
No Sallo, canboneira Maracanan, commandante
Goirlm.
Em Malto Grosso existem cinco vapores de rodas,
o Anhambahy, Paran, Jaur, Corumb e Alpha,
corn urna forca de 132 cavallos, porm desar'
mados.
Construidos antes para paquetes do qae para o
servico de guerra, sao todava os nicos qae o go-
verno tinha posto as aguas, sempre ameacadas,
daqaella remota provincia.
inhaa das
O adre V..... de Olinda nos remelle o se-
guinte
A HTFOCRISIA.
Reinara as mentiras as linguas dos lisongeros,
e reinam os engaos as apparencias dos hypocri.
las. Aquelles disfarcam as suas mentiras com as
apparencias da araisade, para introduzirem as suas
lisonjas. Estes disfarcam os seus eoganos com as
apparencias da virlude, para darem valer aos
seus embustes.
Tele s pretenden) caplivar as vootades para os
differentes flns das suas pretenedes ; mais qnalqaer
delles por seus differentes modos, e para differen-
tes fin-: porque o lisongeiro louva para engaar
e o hypocripla engaa para que o louvem.
Aqulle lisongea, para adqaerr o que nao tem
este afieta-se virtuoso, para parecer o qoe nao : e
conducidos lodos pela sna cabeca, ambicio, e van-
gloria. Ivalera-se uns das lisonjas, para engarem os
coracoes mais sinceros; e armam-se oulras, para
estragaren! as consciencias mais puras.
Tem este; dous vicios mullas razoes de seme-
Ihanca; porque ambos tem por objecte o enga-
ar; mais difiere ni muito pelo modo com que en
ganam, e pelos differentes flos a q:ie se encami-
nham os seus engaos. E j que temos visto, qual
seja o carcter do lisongiro, vamos agora ver,
quaes sejam as condicoes-do hypocrta; porque
assim como nao devemos dar crdito a lisonja,
tambera devemos nao acreditar a hyprocrsia; an-1
tes com esta devemos ler a malor cntela; porque
nao ser tao fcil o conhecermos ao hypocrta dis-
famado, como ao lisongiro encarecido. Hypocri-
sia, diz S. Fi-aventura, um vicio escondido, e
disfarcado cora os flngiraentos da virlude.
Isto mesmo affirmou Santo* Agostinho, dizen-
do : que o hypocrta, todo aquelte, que dissimu-
la, para se mostrar bom no exterior, sendo elle
mu no interior: com o que concorda S. Gregorio
dizendo : que os hypocriptas sao aquelles, que
fazem o mal oceulto, e o bem publico.
Este o carcter dos hypocrilas.
Todo o seu systema consiste era parecer o que [
nao sao, oa em nao parecer o que sao; porque
querem ser viciosos, sem que o parecara, e querem
parecer virtuosos, sem que o sejam.
Querem elles representar aos nossos olhos amas
imagens da sanlidade, para que engaados ci ni
estas apparencias, os imagioemos virtuosos, justos,
e santos : e para este fim se preparara cora os mais
disfamados flnglmentos; porque como diz S. Lou-
renco Jusliniano, applicam todo o seu cuidado,!
para parecerem que sao humildes, despresadores
do scalo, observadores das virtudes, multo appll-
cados a oracao, e amantes da\pbreza.
Elles qnerem capacitar-nop, que vivera mortifi-
cados com os jejuDs, debilitados com as peniten-
cia, e que o sea corpo se \ae consumindo pelo
grande fervor do espirito.
Na verdade quem v ao hypocrita em aeco de
orar, agora com os os olhos po cea, logo com elles i
na trra; urnas vezes batendo nos pellos, oulras
com os bracos em cruz; ao mesmo tempo com a
cabeca inclinada, e as mos levantadas; nao dei-
xar do julg pelo caminho da viriude, e qde se vae conduzindo
para a bemaventuranca dos justos.
Nada ha escondido, qae nao haja de revelarse'
joas seguintes:
ERRATAS.
Na i* columnaIo periodo, 17*
leia-se das.
6!periodo 20" linha feitolea-
sefeita.
Na 2" Io periodo, 13* liohaverdadei-
rolela-se verdadeira.
eodem, 14* linha-desmedido
leia-sedesmed ida.
2* periodo, 11* linhacomo se-
joleia-secomo sejao (diz o
meu contendor).
5o periodo, 3* linha infadada
leia-seiofnndada.
6 periodo, 4* linhacommissao
relativos leia-se comraissaoi
relativos.
> > eodem, 12' linha phasiana ;r
2o leia-se phasiana, a;: 2o.
9 periodo, l*e2* linhas-preasi-
denteleasepresidente.
11 perodo, 11* linhaallcao dl-
rlga-se-leasea licao dirig.
ra-se.
Na 3* citado IIo perido, 14" linhae
sao conscencialeia-see sa
consciencia.
eodem 12* linharisioleia-se
visto.
2o periodo, 2 linha -que fique
leia-seque flquei.
5o periodo, 3a linhaconcorda o
segundoleia-seconcorda : o
segundo.
6o periodo, 3" I inhae queleia-
seque.
12 periodo, 9* linhaafamada-
das -leia-seafamadas.
citado periodo, 11* linhapre-
pozleia-sepospz.
> > citado periodo, penltima linha
conhederesleia-seconhece-
dores.
13 periodo, 12a linhaAraujo)
por-lea seAraujo), por.
Na 4* 5o periodo, 4* linha phresiana
Ieia-sephasiana.
12 periodo, 6* linhahorriders
leia-sehorridus.
eodem, 13? linhapost novem,
bres, leia-se post novem-
bres,
15 periodo, 6* linba celheiro
leia-secelleiro.
Na 5* eodem, 6* linhacelheiroleia.
secelleiro.
4o periodo, 9* linhae seguinte
leia-seseguinte.
> > eodem penltima linhapassa-
do ler-me leia-se passado)
ter-me.
O MISS10KARIO E O NEORO.
Na Estrella do Norte l-se o seguinle:
Um escriptor lo dislincto como piedoso, conta o
seguinte facto, cuja autheniicidadc elle garante :
Ha oito annos que o padre Berminghan fra en-
carregado, e ainda est hojo, da parochia d^Edge-
field, dioceso de Charlesion, na Carolina do sul
(America). Porm fazia alm disto o servico de
oilo lugares situados a grandes distancias uns dos
outros, no valle do rio Savannak, e impuoha-se o
dever de visitar a cada um delles mensalmente.
O missionario faz annunciar de antemo a sua
chegada no jornal da localidade*; gasta um da in-
leiro a confessar, o dia seguinte leva-o a instruir
os liis, a ensinar d caihecismo, e dar a commu-
nho, a visitar o? daeotn, a celebrar casamentos e
a baptisar os recem-nascidos. Depois parte a ca-
vallo ou a p para ir reanimar a f cun a sua
presenta em algama outra povoagao solada.
A diocese de Gliarleslon, mais vasta que todo
Portugal, comprehenile dous estados da l'niio. nos
quaes a i inmensa maioria protestante, emquanto
que selecentos mil escravos negros, o terco da po-
pulacho vivein e morrem qasi todos na ignoran-
cia da religio.
O pequeo numero de carblicos espalhados por
este immenso territorio sao evangelisados por de-
dezeseis padres, que devem multiplicarse at ao
infinito para a visita do seu rebanho.
Na sexta-feira 21 do maio de 1832 o padre Ber-
mingham apresentara-se na aldeia da Abdeville,
que elle lambem servia, quando viu no meio do
campo um espectculo singular.
Eslavam dianie delle cem cavallos sellados e en-
freados presos as arvores, mas sem cavalleiros e
sem nenhum guarda. Ao redor delle estendia-se
ao longo do caminho urna linha de carrocas de la
vradores com cavallos metiidos, e promptos a par
lir sem que nenhum ente humano apparecesse
mesmo a distancia.
Que poda ter acontecido aos donos ou conducto-
lores-destes carros abandonados?
Finalmente, depois de ter subido urna eclina, o
missionario viajante devia achar a chave do
enigma.
Na encosta do lado opposto estava reunida urna
multidao de hom-ns e de muflieres, e no fundo do
valle estava levantado um cadafalso.
la procedor-se a execugo de um escravo negro,
condemnado por ler assa.ssinado sua mulher.
Occorreu-lne lego a idea de que o desgranado
nao linha sido baplisado.
Estimulado por osle peusamento, o bom do pa-
dre faz andar o cavallo mais depressa, e chega ao
p do patbulo onde o Siierif s com o condemna-
do lia a .-entrica.
O liomem de Deus pediu licenga para eslar al-
guna iusianles com o pobre negro que ia morrer.
e cora autorisaco cheia de caridade do Sherlf tra-
va-se o seguinle li.-i!"f;o as portas da eternidade :
Nao perteneca a alguma igreja ?
Nao, respondeu o as.-a-sino.
Nunca fosles baplisado?
Na, que eu saiba.
Aprendei, rt-darguiu o padre, que Nosso Se-
nhor Jess Chrislo morreu pelos peccadores, e per-
doou ao proprio ladro arrependido que expirou
na cruz ao lado d'EUe. Vos ides comparecer na
presenca de Deus. Queris entrar no paraso como
o bom ladro I
Quero responde o negro sem a menor hesita-
gao.
Para isso misterjue vos baptizeis.
Quero o bapti.-mo.
Mas necessario que detestis sinceramente
os vossos peccados para serdes digno de receber
este sacramento.
Eu os detesto do fundo de miaba alma, diz o
paciente, e urna trrenle de lagrimas Ihe innundou
o roto.
O Sherif conloo ento ao padre Bermiogham que
o desgranado mostrara arrependimento logo de-
pois de baver perpetrado o crime; que elle proprio
se entrenara justica, e que fra condemnado por
sua propria conlisso.
Tratase agora de arranjar urna pouca de agua
para regenerar o condemnado; mas o campo era
ando, e estava-se lunge da povoacao. Finalmente
um velho que vinha vender pao da' urna pouca de
agua em um copo de lata, e nos esperamos que se-
gundo a divina promessa este copo de agua nao
deixara de ter recompensa.
AOS QUE SOFFREM.
Sio as dores, carsimo leitor, a triste beranca
ee toda humanidade ; o rico e o pobre, o mogo e
e velho, grandes e pequeos, iodos teem de posar
por sol o jugo desta dura lei do sotlrimento.
Soffrer a c.'iidigo da nossa existencia ueste
muudo, o estado porque eu, nos e lodwba-
vemos de passar, o eslade em que vivero nossos
fllhos, sem qae haja algum poder que nos pos-
sais isenlar dessa dura lei.
esde o peccade original, a vida nao seno
urna longa ur; dr que pode ser mais oa menos
mitigada ; mas nunca exiiucta.
Se isto assim carisiimo leilor, de qnania ntill-
dade nao por-vos diante do? olhos aquellas ver-
dades, que sao como balsamo das nossas penas, oa
pelo menas, coniribuem para as tornar mais em
prove lo vosto ?
A primeira desta verdades, qoe a religio nos
ensina, e que o bom senso confirma, que neste
mundo ludo succede ou por voniade expressa, ou
por permh'sao do nosso bom Deus, e este principio
verdadeiro lano em relagao aos bens, como aos
males.
Regulador de todas as coosas, Soberano Senhor
do cu e da trra, Deas ludo governa, tudo rega-
la, ludo sabe ; lodos os cabellos da nossa cabega.
eslo contados, como diz o Evangelho.
A flor que cahe marchada,'as folhas que se des-
prenden) das arvores, a mais pequea gola d'agua
que se agita na immensidade do ocano, tudo Isso
regulado e mandudo por Dos.
Deus, pois, tudo regula em relagao aos mais hu-
mildes seres.
Nao dado a todos o exercer essas grandes vir-
tudes de hrga, de magnanlmidade, de magnifi-
cencia, de martyrio, de paciencia, de constancia
de valor. .
As occasioes de as praticar sao raras ; entre-
tanto toios aspiram a isso, porque sao brilhantes e
de grande nomeada ; e muitas vezes, sem que se
saiba, a vaidade entra na pratica dellas.
Eui quanto as virtudes modestas o mundo nao
as conhece,e eslima-as pouco; preciso ter o co-
rago puiiSimo para as querer.
Ue facto, quem da aitengo esta constante
condescendencia com o mao humor do prximo:
paciencia suave com as imperfeigoes alheias ;
paciencia silenciosa com um carcter exquisito,
com urna injustigazinha, com ama preferencia
sem motivo, e com eslas mil picadellas de allioete,
a que se chamapequeas miserias da vida ? a
quem lembra gabar e admirar a humildade dos
que soffrem um nao, com dogura ; que sao gratos
a um beneficio ; que tralam os seas inferiores com
bondade e humanidad?, e que sao attenciosos e af-
favris para com os pobres 1
Tudo isto nos parece pequeo ; nos s quere-
mos virtudes explendidas e bem vestidas, como
dizia S. Francisco de Sales ; e nao pensamos qod a
vida se compoe de pequeas acedes, onde as gran-
des virtudes diliicilmeole acham lugar.
As occasioes de ganhar grandes sommas, nao se
encontram todos os das, mas lodos os dias se p-
dem ganhar alguns ris, e cada om economisando
os seus pequeos ganhos, pode fazer-se rice cora
o tempo.
. Ajumaramos grandes riquezas espirituaes e
enihesourariamos muilos bens para o cu, se em-
pregassemos no ser rico do santo amor de deus
todas as occasioes que se apresentam a cada mo-
mento.
Purtanto, amigo leilor, regosijemo-nos de poer-
mos lo fcilmente agradar a Deus, e tornarmo-
nos perfeilos.
Nao deixemos passar nenbuma destas occasioes
de santificar a nossa vida, e de vivicar pela oragao
e pela lembranga de Deus as nossas mais peque-
as aeges, a > nossas mais pequeas penas e Ira-
bal hos.
Fagamos todo por Jess Cnristo, e nao perdere-
mos a recompensa; semelhante formiga, qae
durante o vero junta grao a grao as snas grandes
provises de invern, acharemos depois da luta da
vida as nossas provises bemaventuradas e eternas,
fructo do nosso humilde e terrestre Irabalbo.
OS VEBDADEIBOS BRAVOS NAO CONHEGEM O RESPE1TO
II IMANO
Um general da Prussia, muito bom christo e
muito apreciado pelo seu soberano, acabava de
receber um convite para jantar com o rei; porm
elle desculpou-se dizendo que nesse dia costomara
commungar, e qae, porUnto, nao 'poda aceilar o
convite sem que se disirahisse de seu recolhimen-
lo-de espirito, o que elle nao desejava.
Passado s dias, elle apparece na corte e o rei me
diz :
Muito bem I mea general, como se faz a vos-
sa cominunho ?
A estas palavras todos os assislenles rebentar-am
de riso. U general levanlou-se sacndindo a eaa-
ca. aproximon-se do re, e, encimando se dianie
oelle com urna voz grave e firme assim Ihe falta :
Vossa mageslade sabe/jue j mais tem peri-
go algum, e que lenho corajosamente combatidpor
vos e pela patria. O qae tenlw feito, estou premp-
to a fazer logo que vossa magestade determine.
Purm cima de nos ha um Ser mais poderoso que
vos, que eu, que lodos os homens : o R--creMptor
que verteu seu sangue para resgatar o mun-io. Eu
nao consentirei, por tanto, que se Ihe dirija urna
palavra de irona, por que n'elie que repeusa mi-
uha f, minha esperanga e miaba consol-gao. K
com este senlimento religioso, que o vosso exercilo
tem alcaagado muilas victorias; se o quizerdesje-
nunciar, nriunciae lambem a prosperidade do es-
Udo : o que tenho a dizer. Perdoae me.
O rei, a quem eslas palavras linham vivamente,
commovido, eslendeu a dextra ao general, e lan-
gando-lhe a esquerda sobre.o hombro, diz-llK.
Feliz amigo ; eu respeilo a vossa crenga ;
guardae-a preciosamente, e ficae certo df que o
que se acaba de passar j mais se ha de renovar.
Isto aconieceu no secuto XVIII, na Alleraauha ;
em urna poca e em urna rrle onde a corrupgao e
a incredalidade eram a ordem do da.
O soberano mesmo nesle ponto dava o mais fu-
nesto exemplo, nao obstante seus conbecimentos.
Ponde-vos de joelhos, diz o missionario ao
i penitente que ja' tinha o lago fatal em redor do
. ,. i pescogo, e credo que ha um Deus em tres pessoas
8 periodo, 4* linha-confianga, divinas; o Padre, o Fllho e o Espirito Santo, e que
nos sens leia-seconflanga o Pae tera' compaixo de vos, e vos perdoara' por
nos seus. inlercesso do Filho, se vos arrependerdes since-
eodem 10* linhapincadinlias
leia-sepintadinha.t.
Recife, 24 de feverelro de 1865.
Dr. ourenco Trigo de Loureiro.
L-se no Uoze de Agosto o seguinte :
REFORMA DOS CONSULADOS DO BRASIL.
Consta-nos que est assignada a reforma dos nos-
sos consulados no Brasil, e que em breve appare"
cera as columnas do Diario de Lisboa.
Segando ouvimos, teremos no Brasil os consola-
rainente. Repet comigo o acto de conlricgo (fue
I eu vou recitar, e deixar erguer o corago para o
1 cu, para implorar o perdao do senhor emquanto
os vossos labios decUrarem a vossa penitencia.
O negro recua ento o acto de conlricgo em al-
ta voz; o padre deita a agua punllcadora as ca-
bega do raihecumeno, e immediatamente o novo
chnsto enlroa na eleruidade, exclamando:
Oh Jess I... oh meus Jess, lende piedade
de mira!...
Para achar alguma cousa que possa comparar
com isto, sera' necessario remontar aos pnmelros
-eculus da egieja, quando no meto do Goliseu de
Ruma os martyres adimnisiravam aos aos uniros o
baptisrao, antes de receberem o do sangue.
A inullidn que viuha de mullas leguas em re-
dor, Qcava lomada de espanto e de re.-peito, e a
nem oceulto nue se nao saiba diz Jbsih 'hrisin dos do Rio de Janeir. B^'. Pernambuco, Rio maior parte dos espectadores, posto qoe protestan-
nem oceulto que se nao saiba, diz Jess Ghristo Maranho e Para. I ou inflis, nio poda deixar de ver em lodas a-
no Evangelho mhil emn esl operlum, quod non
rerelabitur, el occultum, quod non selet: e por
mais que os hypocriptas querara esconder os seas
vicios, e oceultar os seus engaos, nao denaremos
de conhecer as suas malvolas inclinages.
Algumas vetes querem parecer humildes, mais
sem desprezo, e querem viver em paz, mais sem
trabalho.
as suas murmurages sao mordazes como os
caes, sagazes como as raposas, sobornos como os
leoes, e no interior lobos ferozes.
E sapprimid. o consulado do Cear e creado o W"** circom^ncias a mao da Providencia.
a a ni n a i O negro caminhando para o lugar do su^plieio
consulado do Rio Grande. nha bagado se estava presente algum minisiro
. Os consulados porluguezes no Brasil lero de protestante, oa se uinguem quera vir resar com
nomeago dos governos de Lisboa os consalea e
chancelleres.
elle.
Ninguem havia respondido a este supremo dese-
jo do moribundo, e fui neMe momelo qae o ver-
Os chancelleres, advogadosdos consolados, serao dadeiro ministro da enreja de Deas appareceu para
hachareis em direilo. Ihe abrir a "ortas do cu.
A nomeago doscoosa.es e chancelleres ser V^^^^^^^
feita por concurso. vo, St.ri ibem, \
Os chancelleres concorrero aos lagares de con- Um criminoso mostra smente a intengo de sa-
FuZZZZlZZTw'Zes sem autoridad* **. W*m como os secretarlos de embaixadas e berorar.eem presengade*te simples deesjo, Deus,
Finaimeme, querem ser jaizes sem aawnaaoe, __ ne 1 abnndo o thesoaro e soas gracas, resgata orna al-
testemnohas sem vista, e aecusadores sem Ver- mviaes da secretaria dos estrangeros. ma pec0>(lora das penas terriv'eis da eternidade.
jide, l Tambemxoncorrerio aos lugare? de comales os | Q propheta re dis>e :
Dsta sorte os descrevea S. Bernardo, ] hachareis em direilo. I tieas compraz-se erq oavir os simples dese-
DESPRESO DO RESPE1T0 HUMANO.
Achando-se um joven em am banquete muito
concorrido, foi tomar lugar junto de am offlcial
condecorado. Nao despresando seas hbitos chrts-
los, seu pnmetro cuidado, ao lomar assenlo, foi
fazer o signal da cruz, e dizer o seu Benedtcile. O
offlcial, ohando o com ar irnico, diz-lbe ;
Que fazeis vos, senhor T
Capito, respondeu o joven, envergonhae-vos
de vossa cruz de honra ?
Certamenle, nao diz o offlcial.
Muilo bem replica o joveno, sabei que o sig.
nal da cruz para mim o mais bello signal de glo-
ria e de honra.
Tem corrido os boatos mais contradictoria* na
imprensa eslrangeira acerca do Hercules unberbe
descoberto ha pouco as escavages do palacio Ri>
ghelti.
Parece certo que o czar offereceu a M. Righetr,
70,000 trancos (12:000$) por essa escolptura,e que
houve mais alguem que gnerreasse as pretencSes
do czar, mas enganon-se quem annune'ou qoe o
proprietario, obedecendo aum senlimento de patrio-
tismo, ceden a estatua ao papa por aetade de sea
valor. M. Righetti, eomprehendendn. qoe se levan-
tarla contra elle nm brado geral se vendesse
Hercules a estrangeros, leve a boa lembranga de
offerece-lo ao papa como am presente pnrnnwate
desinleressado.
O pontfice nao quiz deixar-se vencer en gene-
rosidade, e dea ordem para que fosse inscripta no
livro grande da divida putlica, por conta da lista
civil, ama ronda de 2,500 escudos em favor de M.
Righetti.
Nao se satisfazendo com elevar o valor da esta-
tua a 50,000 escudos cima da avaliagao do conse-
lho arti.-tico, o papa dea a M. Righetti ama caixa
de ouro para rap, e a seus fllhos um cariucho de
1,000 escudos de ouro a titulo de consoadas (per le
buone (este.)
Alm disso lado, ser M. Righetti elevado a dig-
oidade de marquez.
PERNAMBlCO.-f VP. DE M. F. DE f. & FlUiO
*
V
i
\
. i
m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQDC25NGD_S9J55G INGEST_TIME 2013-08-28T03:23:01Z PACKAGE AA00011611_10605
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES