Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10599


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XLI. NUMERO 42
Por fiartel pago dentro de 10 dias do 1. mez ...*.:.
dem depois dos i.os 10 dias do comecoe dentro do qnartel. .
Pwte ao eorreio por tres mezes ..*.,.,.,..,,:
S$000
68000
750
3b ^.,
r*
TERCA FEIRA 21 DE FEVEREIRO DE 1865,
..... m
Por anno pago dentro de 10. lias do 1.* mez ,,,.,.. 191000
Porte ao correio por um anno.........., 31000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maraoho, o Sr. Joaqun) Marques Ro-
drigues; Para, os Sis. Geraldo Antonio Alves 4
Filos; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudine Falrao Dias; Rabia, o
Sr. Jos Martins Alvos; Ri d Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparioho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruart,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Llmoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury.Salgueiro e Ex.nas quartasfeiras.
Serinhaem, RioFormoso.Tamandar, Una, Barrei-i AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quinta feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para alisahir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMEljlIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Quarto cresc. as 10 h., 48 ra. e 58 s. dat.
10 La chela as 2 h. 7 m. e 16 s. da t.
18 Quarto mng. as 7 h., 18 m. e 4 s. da t.
23 La nova as 5 h., 43 m. e 22 s. da t.
Tribunal do commercio: seguadas e quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Priraeira vara do civel: tergas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbadcs a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
20. Segunda. Ss. Eleulerio e Nilo bl>.
21. Terga. Ss. Maximiano e Fortunato bb.
22. Quarta. Ss. Papias, Abio e Pascacio bb.
23. Quinta. S. Margarida de Cortona f.
24. Sexta. S. Matheus ap.; S. Pretxtalo b.
23. Sabbado. Ss. Cesario e Dionisio mm.
26. Domingo. S. Pedro Damiao b. c. e dout.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as O hora e 30 m. da tarde.
'Segunda as 0 horas e 54 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COS' 'EIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janeire, narco, maio,
julho, selembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel "igueira do
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL
GOTCRNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 17 de fevereiro de 1865.
Offlcio ao conselheiro presidente da relagao.
Communico a V. Exc. que o juiz de direite da
comarca de Nazareth, bacharel Joo P.ulo Mon-
teiro de odrade, entrou era 14 do corrente no
gozo da licenga de dous mezes que obteve para
tratar de sua saude.Communicou-se a thesoura.
ria de f-zenda.
Dito ao Exm. Sr. desembargador provedor da
Santa Cisa de Miseric rdia.Expeca V. Exc.
suas ordens para que seja admitiida no collegio
das orphas, estando as condigoes legaes, a me-
nor de nome Idalina, quando all for apresentada
oor parte do juiz municipal da cidade oe Olinda.
Communicou-se ao preditojuiz municipal.
Dito ao coronel Joaquim Jos Gongalves Fontes.
Receb o offlcio de bontem datado, sob n. 314 em
que V. S. me participa haver na mesma data pas-
sado ao coronel Jos Maria Ildefonso Jacome da
Veiga Pessoa o commando interino das armas
desta provincia, visto ter sido destituido daquelle
cargo por decreto de 21 de Janeiro ultimo, e nao
achar-se presente o seu successor.
Manifestando o apreco em que tenho a leal coad-
juvarao que presin V. S. a minha administraepo,
cbeme agradecer-lhe o zelo e dedicago que
moslrou V. S. pelo servigo publico.
Dito ao coronel Jos Mara ildefonso Jacome da
Veiga Pessoa, commandante das armas interino.
Pelo offlcio de hontem datado, sob n. 31o, fiquei
inleirado de haver V. S. assumido naquella data
o commando interino das armas desta provincia.
Communicou-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar, ou-
vindo o commandante do 4o batalho de artilha-
ria a p, acerca do que pede no incluso requerl-
mento Joo Adolpho de Aguiar, mandando V. S.
proceder a nova inspecgo, se assim julgar con-
veniente.
Difo ao Dr. chefe de polica.Representando o
curador de Africanos livres, que o de nome Lean-
dro, emancipado em virtude do decreto de 24 de
setembro do anno passado, se acha recolhido a
casa de detengo como remita, recommendo a
V. S. que o mande por em liberdade, depois de
verificar previamente a sua eondigo e Identidade.
Communicou-se ao curador de Africano- livres.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti a V. S., para os devidos effeitos, os
os dous inclusos mappas nominaes demostrativos
do movimento das enfermaras do hospital militar,
relaiivos primeira quinzena do corrente mez.
Dito ao mesmo.Estando em termos os raclu^
sos documentos que me f era ni remet idos pelo
commandante superior desle municipio com ofcio
de boje, sob n. 39; mande V. S. pagar os venci-
mentos relativos a primeira qninzena deste mez
da forca da guarda nacional aqnartellada nesta
capital para coadjuvar a forga de primeira linba
no servigo da guarmeo.
Dito ao mesmo.Era vista do pret junto o ni du-
plcala, e nao havendo inconveniente, mande V, S.
abonar os vencimentos para voluntarios da patria
na primeira quinzena da corrente mez.Commu-
nicou-se ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
commandante superior da comarca de Nazareth
em ofcio de 7 do crreme, sob n. 1S9, recom-
mendo a V. S. que, nao haveudo inconveniente,
ex pega suas ordens para que na col lectora da-
quella comarca sejam pagos os vencimentos cons-
tantes do pret junto em duplcala, de urna escolta
de guardas nacionaes que veio dalli escoltando 8
recrulas t esta capital, Communicou-se ao
commandante superior da guarda nacional de Na-
zareth,
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista do competente certificado, mande V. S.
pagar ao empreiteiro da estrada do Bujary cida-
de de Goianna e das mnralhas necessarias* segu-
ranza dos predios existentes na ra da Praia ou
Forca naquella cidade as prestacoes a que tiver
direilo por haver concluido taes muralhas.de con-
formidade com o seu contrato, segundo consta de
informaco do chefe interino da repartigo das
obras publicas, datada de 10 do corrente e sob n.
35, descontando-se-lhc nessa occasio os 10 % que
nos termos do mesmo contrato devem ficar em de-
posito nessa thesouraria como garanta da conser-
vago das predtas muralhas.Communicou-se ao
chefe interino da repartigo das obras publica?.
Dito ao mesmo.Constando de offlcio do chefe
interino da repartico das obras publicas, datado
de 14 do corrente, sob n. 38, haver o arrematante
do aterro da ra do Lima feito o primeiro terco
das obras do seu contrato, assim o declaro a V. S.
para seu conhecimcnlo e atim de que em vista do
competente certificado, mande pagar a importancia
da primeira prestaco a que tem direito aquelle
arrematante.Communicou-se ao chefe interino
da repartigo das obras publicas.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. nos termos de
sua informaco de 10 do corrente, sob n. 62, a
mandar pagar a Manoel Barbosa da Silva a quin-
til de 638^760, a que lem direito, proveniente do
abate, que na quadade de arrematante do impos-
to de 500 sobre caliera de gado vaccom, mor-
to no municipio do Breo. se Ihe concedeu cm vir-
tude do disposto no art. 46 da lei do orgamento vi-
gente, devendo, porm, esse pagamento ser efec-
tuado por quarteis e depois que satisfazer elle as
suas lettras, conforme V. S. ndica no final de sua
citada informaco.
Ditoao commandante superior interino da guar-
da nacional do Recife.Pelo offlcio de V. S. n. 27
de 7 deste mez, fiquei sciente de ter sido apresen-
lado ao commandante das armas para o servico
do exercito, o guarda Manoel Lino Caldeira a quem
nao assistia lsengo alguma legal do recruta-
mento.
Dito ao mesmo.Gflerecendo-se Jos Rodopiano
dos Santo?, tenente da secgo de reserva do muni-
cipio de Barrelros, addido ao Io batalho de reser-
va deste municipio, para prestar gratuitamente
seus servigos nesta provincia, assim o declaro a
V. S. para que aproveite o seu patritico offereci-
menlo ua guarnigo desta cidade, devendo com-
municar-me na proximidade das partidas A>s va-
pores brasileiros para a curte, quaes os offlciaes e
guardas que houverem feito iguaes offerecimentos,
alm de serem seas nomes levados ao apreco do
governo imperial.
Dito ao mesmo.Em vista do que informou V.
S. em offlcio n. 37 de 16 do corrente, acerca do
guarda Felisberto Gilmerico de Souza, cujo reqne-
rimenlo deliro nesta data, recommendo a V. S. que
o mande dispensar do servico de destacamento cm
qne se acha emquanto durar o seu impedimento de
molestia.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional do Pao d'Alho. -Expega V. S. suas ordens
para que Jos Felicio da Cunha Souto-maior seja
dispensado do servigo activo da guarda nacional
sob seu commando superior, emquanto estiver no
efleclivo exercicio d lugar de fiscal da freguezia
da luz nessa comarca.
Dito ao inspector do arsenal de marrana.-Pelo
seu offlcio de bontem, datado, sob n. 836, fiquei
sciente de jiestarem concluidos os concertos de que
precisava o brigue-escuna Tonelero e cuja execugao
fora ordenada por meu antecessor em offlcio de 31
de dozembro do anno prximo passado.
Dito ao commandante docorpo de polica.Pode
V. S. mandar alistar no corpo sob seu commando
o paisano Joo Joaquim da Silva, que se offereceu
para isso e foi considerado capaz em inspecgo de
sade, segundo V. S. declara em seu offlcio desta
data sob n. 100.
Dito ao mesmo.Mande V. S. apresentar o
cammandante das armas as pragas de que fazem
mengo os seus offlcios n. 99, 101, 103 e 101 para
para e fim solicitado nos requerimentos aos mes-
mos officios juntos.Offlciou-se ao coronel com-
mandante das armas interino.
Dito ao mesmo.Pode V. S. mandar alistar para
o servigo do corpo sob seu commando, o paisano
j Angelo Custodio do Monte, apresentado com o seu
I offlcio n. 87, de 11 deste mez.
Dito ao Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcofora-
do.Pelo seu offlcio datado de boje, fleo inteirado
de ter Vine, assumido o exercicio do cargo de pro-
curador fiscal da thesouraria provincial.
Portara.Para presidente do conselho de jul-
gamento, i que foi submettido o guarda da sec-
go urbana, do corpo de polica Ladislao Marques
de Mello, entsubstiluigo do capito Jos Pereira
Teixeira, que se acha com licenga, nomeio o ca-
pito Francisco Antonio de S Brrelo. Coramn-
! nicou-e ao commandante do corpo de polica.
Dita.O presidente da provincia resolve desig-
nar o bacharel Francisco de Carvalho Soares
Brando para servir de procurador fiscal adhoc da
i thesouraria provincial, no inventario que se est
i procedendo polo juizo municipal da segunda vara
desta capital, de D. Clara Josepha de Mello Borges,
visto tar-se dado de suspeilo nessa causa o procu-
rador fiscal interino da mesma thesouraria, segun-
do consta de offlcio daquelle juizo, datado de hon-
tem.Fez-se,o necessario expediente a este res-
peito.
Dita.O presidente da proviacia, altendendo ao
que requereu Pedro de Alcntara dos Guimarcs
Peixolo, tenente adddo ao 6o batalho de infanta
na da guarda nacional deste municipio, resolve
conceder-lhe 3 mezes de licenga para ir corte.
Comraunicou se ao commandante superior do Re-
cife.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes mandem dar transporte para a corte
por conta do minsterioda marnha, no vapor que se
espera do norte, a 14 aprendizes marralmros, que
Ihe sero apresentados pelo inspector do arsenal
de marraha.=Commuocou-se ao inspector do ar-
senal de raarinha.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes mandera dar transporte al a provin-
cia da Baha por conta do ministerio da guerra no
vapor que se espera do norte, a mulher do soldado
do 7o batalho de mamaria, Faustino Luciano.
Communicou-se ae coronel commandante das ar-
mas interino.
ED1TAL.
2" secgo.Secretaria do governo de Pernam-
buco, 17 de fevereiro de 1865.Pela secretariado
governo se faz publico para conhecimento de
quem conver, que os despachos proferidos pelo
Exm. Sr. ministro da justiga em requerimen-
tos de partes desta provincia no mez de Janeiro
prximo (indo foram os que se seguem :
Em 3.Josepha Ayres de Almeida Freitas
Magistratura.Nao tem lugar.
Em 24.D. Maria Magdalena da Almeida Cata-
nhoDiverso.Estando o negocio sugeilo ao po-
der judiciario, elle compete decidir.
Era 26.Joaquim da Cruz LimaPerdo.Ins-
trua o supplicante a sua petigo na forma do de-
creto n. 2.566 de 28 de margo de 1860.
O secretario do governo,
Dr. Francisco de Paula Sales.
Itelatorio com que o i:\ni. Sr.
desembai-gadoi* Anselmo Fran-
cisco Peretti entregon a pre-
sidencia desta provincia ao
Exm Sr. l>r. Antonio Borges
Leal Castello-Branco.
(Conclusao.)
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Tendo em vista o que o director desta compa-
nhia, Dr. padre Antonio da Cunha Figueiredo,
solicitou em seu offlcio de 19 de dezerabro prximo
passado, autorisei a mesma companhia construir
tres chafarizes: saber, um na ra de S. Gongalo,
cuja nccessldade j era sentida desde 1854, e hoje
anda mais se reconhece pelo desenvolvimento, que
por aquelle lado ha lido a edilicago, alera de ser
conveniente approximar agua poiavel do hospital
Pedro II, outro na Capunga em deferimenlo urna
representago dos moradores daquelle lugar, e
outro finalmente ne Campo-Verde, onde a popula-
gao se lem tornado numerosa, e v-se obrigada
abastecer-se d'agua poiavel, que para ali condu-
zida em carrogas, e vendida por alto prego.
Posteriormente e preesdendo accordo com o di-
rector interino da companhia, o lente coronel
Justino Pereira de Farias, autorsei-a levantar
um chafariz no largo do Terco.
A collocago de lodos estes chafarizes foi autori-
sada mediante as vantagens, de que trata o 6 do
ari. 2o da lei provincial n. 46 de 14 de junho
de 1837.
AGUA POTAVEL EM OLINDA.
Nao ha quem ignore a necessidade, que experi-
mentara, de agua potavel os habitantes da cidade
de Olinda, mormenle alguns mezes depois da esla-
go invernosa, e quando serco as cisternas.
Tendo en em vista provr de remedio to urgen-
te necessidade, mandei reunir os papis relativos
esse objecto, e contendo os esludos fetos e provi-
dencias tal respeilo dadas no tempo da adminis-
trago Jo Exm. Sr. conselheiro Jos Bento da Cu-
nha Figueiredo; exigi da cmara municipal de
Olinda copia do contrato de afuramento do pantano,
celebrado por essa cmara com Henrique Gibson,
e mandei. que o engenheiro chefe interino da re-
partigo das obras publicas, Dr. Feitosa filho, depois
dos necessarios exames, propozesse a conveniente
providencia para ser abastecida d'agua aquella
cidade.
Ha para isso duas opinioes, ou o tapamento do
arrorabado, que existo na proximidade da cidade
em questo, ou a desobstruego da valla, que no
referido pantano foi aberta em 1856, afim de le-
var-so agua para ali, seudo porra esta valla ali-
mentada pelas aguas do Bebenbe, e nao pelas do
riacho Lava-tripas, que nao perene, e fica cortado
no vero.
U referido Dr. Feitosa pelos motivos, que expen-
ded no offlcio, que dirigio-me era resultado dos
exames, a que procedeu, offlcio este que se acha na
secretaria, inclina-se pela desobstruego da valla,
que se alinde, nao lendo apresentado o orcamento
da despeza precisa para esta tbra por depender a
organisago delle de estados graplucos, com que
se teriam de gastar 400000 ti. pouco mais ou
menos.
Quando o fallado orcamento estiver prorapto
pens, que V. Exc. estar habilitado para tomar
urna resolugo, mandando executar a desobstrue-
go da valla, seno preferir o tapamento do arrom
bado, ou submettendo negocio decisao da assem-
bla provincial em sua prxima sesso; parecen-
do-me, porm^ indispensavel em todo o caso qne
seja tomada f ualqucr medida, que quanlo antes
allivie os habitantes daantiga capital de Pernam-
buco da despeza avultada, que fazem, comprando
por prego fabuloso a m agua, de que usara, e que
se Ihes offerece venda.
CASA DE DETENCAO DESTA CIDADE.
Durante a minha breve administrago nao so-
brou-me o tempo preciso, afim de visitar este es-
tabelecimento, conforme desejava. Consta-me que
est sendo bem regido, gragas ao cuidados, zelo e
deligencia do respectivo administrador, o Dr. Ru-
fino Augusto de Almeida. Nao sei porm, Exm.
senhor, se conveniente e legal, que o referido
administrador seja, apesar da permisso, que tem,
o fornecedor de aviaraentos, e materiaes aos presos
seus subordinados e ao mesmo tempo o comprador
das obras, em que ditos presos se oceupam para
pagarse dos adiantamentos, que Ihes fez : pare-
cendo-me que a quantia necessaria para esses
adiantamentos! deveria ser votada pela assembla
provincial, da^a pela thesouraria, e paga com o
producto das] obras feitas pelos presos, devendo o
adminisirador|presiar contas das sommas, que Ihe
fossem entregues, e marcando-se-lhe pelo seu tra-
balho urna gTalicaco ou porcentagera, que se
julgasse rasoavel.
ELEIQOES MUNICIPAES.
Foi levada ao conhecimento do governo imperial
a eleico do termo do Pao d'Alho em 23 de dezem-
bro prximo passado, porque constando esse termo
da freguezia do mesmo nome, e das freguezias da
Luz e da Gloria de Goit, foi annullada pelo Exm.
meu antecessor a eleigao desta ultima freguezia, e
a cmara municipal, tendo de apurar os votos das
duas ouiras freguezias, o fez to smenle quanto
aos da freguezia da Luz, deixando de apurar os da
parochia de Pao d'Alho, por preferir os de urna
duplcala, que teve lugar no engenhoLava-
gem.
Em 10 do corrente, dando eu cumprimento ao
aviso de 23 do dezerabro ultimo, transmitti ao go-
verno imperial o resultado das eleigoes feitas as
freguezias de Bonilo e Gravat bem como as
duplcalas alibavidas.
Em 3 e 10 Ido corrente, Dz subir presenga do
governo duasi representagoes feitas contra as elei-'
gdes das freguezias do Poco da Panella c de Una
por alguns propietarios e habitantes daquellas
parochias. *
CAMA KA MUNICIPAL DESTA CIDADE.
Achara V. Exc. na .secretara os requerimentos
dos fiscaes dis freguezias de S. Frei Pedro Gongal-
ves edosAfhgados, pedndo suas aposentadonas,
estando esss requerimentos informados pela c-
mara, que deixou do funecionar no da 7 do
corrente.
LAVOURA.
Ao aviso de 5 de novembro ultimo, em qu^ o go-
verno imperial exiga nformagoes, para poder de-
liberar sobre a concesso das ierras da aldea da
Escada, onde segundo a opinio do Exm. meu an-
tecessor se deveria fundar o engenho ou fazenda
modelofespondi, dizendo que da secretaria da
presidencia I nenhum esclarecimenlo mais exista,
alm dos qqe haviam sido remettido pelo dito meu
antecessor: tendo esta minha resposta adata de 14
do correntei
RECHITAMENTO.
Recahindb o recrulauento, como publico e no-
torio, sobre1 certa classe de nossa popnlago, devem
ser os recrulas apurados com toda a equidade, por
que do contrario essa medida necessaria em nossas
circunstancias para conservar o exercilo com o
numero de pragas, que deve ler, e lo indispensa-
vel na actualidade para augmenta lo, se tornara
urna verdadeira calamdade, sendo entendidas as
disposlgoes concernenles a materi?. de um modo
inflexivel e absoluta. Mas se por um lado assim
se deve proceder, deve-se por oulra parte usar do
lodo o rigor contra os que no interior se atreverem
a lirar com forga do poder das autondade os indi-
viduos, que houverem sido capturados para recru-
tas do exercito da armada.
Foi em consequencia d'isto, que depois de ouvida
a esclarecida upinio de V. Exc. mandei lavrar a
portara de 24 do correle, impendo administrati-
vamente as penas legaes a Manoel Leite e a Joa-
quim Mathias Ferreira, que armados sollaram no
dia 16 de novembro do anno prximo passadoo
recrula Josino Francisco Malinas na freguezia de
Cabrub.
Rogo a V. Exc. que dgnando-se considerar no-
vamente o casocm queslo resol va a respeilo, como
em sua sabedoria julgar mais acertado.
VOLUNTARIOS, CORPO DE VOLUNTARIOS DA
PATRIA.
No dia 2 do corrente o coronel da guarda nacio-
nal Francisco Joaquim Pereira Lobo, estando de
viagem para a provincia das Alagoas, d'onde viera
com aulorisaco da presidencia, [e para onde volta-
va a exerceras funcc5es de reerntador geral, para
que lora nomeado peos ministerios da guerra e da
marnha, veio-se-rao oflerecer para ir em defeza
do paiz, desde que os seus servigos podessem ser
precisos, e pedime, que a dar-se este casi eu
iiouvessederequisila-lo ao presidente daquella pro-
vincia.
O major lambem da guarda nacional Bernardo
Luiz Ferreira Cesar de Loureioo fez-me no dia 5
igual offerecimento em offlcio, que encaminhel ao
governo imperial.
Estou que ambos estes cidados persistem nos
olferecimemos, que izeram, e de que aqu dou
conta aiV. Exc. para os lins, que julgar conve-
nientes.
Depois que chegou a esta cidade o decreto n.
3,371 de 7 do corrente, convdei ao Exm. Sr. coro-
nel Poples, commandante das armas, cujo procedi-
mento foi sempre superior a todo o elogio e cuja
cooperago ms foi sempre de muilo preslirao du-
rante a minha adminislrago, ao honrado e brioso
commandante superior interino coronel Domingos
Alfonso Nery Ferreira, aos dignos cominandanies
dos corpos da guarda nacional, e o inspector da
thesouraria de fazenda, de que j fallei nesle rea-
torio, c cuja opinio nunca deixei de ouvir nos ne
gocios, de que traham de resultar despezas a cargo
dos cofres geraes, para que tolos reunidos em pa-
lacio, como acontecen no dia 20 do corrente as 10
horas da manha, deliberassem comigo sobre os
meios de se dar comprmanlo ao indicado decreto.
E assentou-se que os guardas nacionaes, que a con-
vite de seus commandanles fetos aos corpos res-
pectivos, formado em suas paradas, c os paisanos
que, feitas as necessarias publicagoes, se apresen-
lassem, senam alistados, depois de inspeccionados,
ficando autorisado o referido Exm. Sr. comman-
dante das armas a assentar-lhes pragas, e sendo
elle incumbido de indicar opportuoainentc os offl-
ciaes, que Ihe parecessero dignos de conflanga
para o commando das companhias do corpo de vo-
luntarios desta provincia.
Mediante autonsagao que dei, e sob propesta do
Exm. Sr. commandante das armas foi o capito do
7o batalho de infamara Antonio Pedro Heitor cn-
carregado de deposito estabelecido no hospicio para
os voluntarios, que se fossem apresentando e assen-
jando praga, os quaes subiam a pouco mais de 20,
seno me falha a memoria, no dia 24 do corrente
vespera da posse de V. Exc.
E enlo j recejando eu, que o alistamento nao
fosse numeroso e que houvesso de ser morosa a
formago do corpo desta provincia, urna vez que
! delle flcavam excluidos, em virtude do art. 3 do
citado decreto, os guardas nacionaes, que a nao ser
esse artigo teriam a semelhante corpo ministrado o
maisconsideravel contingente, flz no mesmo da 24
um offlcio ao governo imperial, pediodo urna ex-
plicarlo do referido art. 3o em ordem a poderem
es gulrdas nacionaes, ser alistados nos corpos de
voluntarios da patria, offlcio este, que deve ter se-
guido para seu destino, se por esquecimento nao
ficou na secretaria.
DEMISSOES DE AUTORIDADES E EMPRE-
GADOS.
Do Io de dezembro de 1864 a 24 do corrente del
tres demissoes; a saber, a um delegado, a um sub-
delegado e ao ajudante do porteiro do arsenal de
guerra, ba vendo apprevado a demisso dada pelo
inspector da alfandega a um guarda desta.
O delegado, a quem demitti, era o de Garanhuns
Francisco Bezerra de Vasconcellos, e o desonerei
do cargo que exercla por portarla de 13 do corre-
le e sob proposla do Dr. chefe de polica, era conse-
quencia da intervengio que teve nos aconlecimen-
tos que precederam e seguirara-se ao rapto da me-
nor Mara, fllhadocommerciante Manoel JosMen-
des Bastos. Francisco Bezerra foi substituido por
Antonio Paes de Lira, proposto pelo mesmo Dr.
chefe de polica.
O subdelegado por mim demittido era o de dis-
trelo dos Affogados do termo de Flores, Joao de
Dos Siqueira, o qual foi substituido por Flix
Ferreira da Silva, havendo sido a demissSo e subs-
titulgao prpostas pelo Dr. chefe de policia, e de-
terminadas por poriaria de 28 de dezerabro prxi-
mo passado. A demisso, de que trato, foi requi-
silada como condigSo para a captura de um crimi-
noso, que se diza protegido pelo demittido Joo
de Dos.
Manoel Antonio Pereira foi o ajudante do portei-,
ro do arsenal, que demitti pedido do respectivo
major director e por portarla de 14 do corrente, I
visto constar por offlcios do predto director, que I
esse Pereira por vezes e ltimamente no dia 4 do!
corrente mez tomara parte activa as arremata-
goes de costuras, desviando da concurrencia al-
gumas pessoas, sendo que por tal procedimento e
outras faltas, pratcadas no exercicio do eraprego,
j havla sido suspenso por ordens da directora de
22 de dezembro de 1862 e de 16 de outubro de
1863.
Felino Duoslano Ferreira Colho foi o guarda
da alfandega demittido pelo Inspector dessa repar
tigo, e cuja exonerago foi por mim approvada
em 18 do corrente, sendo ella originada do grande
nomero de faltas, que de 23 de revereiro de 1863
a 9 do corrente deu elle, as quaes chegaram 262,
inclusive 90 de ires mezes de licenga, deixando
por Um esse empregado de comparecer para o ser-
vigo, que Ihe compela.
COLONIA MILITAR DE PIMENTkIRAS.
Passou ser director elTectivo desta colonia o
capito Jos Ignacio Reg Medeiros, que estiva
seryindo interinamente na directora, quando to-
rae coma da administrago da provincia.
VASO DE GUERRA EXISTENTE NO PORTO.
Tendo seguido para o sul o brigue llamarac no
da 23 ou 24 de dezembro prximo lindo, passoit
estacionar no porto desta cidade o brigue escuna;
Tonelero, cujo commandante, o I. tenente Manoel
Carneiro da Rocha, parece-me digno de toda a
conlianga, segundo as nformagoes, que tenho,
acerca de seus honrosos precedentes.
SECRETARIA DO GOVERNO.
Consta esta repartigo de um offlcial matar, um
offlcial archivista, quatro offlciaes dietas de secgo,
quairo escrlpturarios, seis amanuenses inclusive
Joaquim Leocadio Viegas, que nomeei por porta-
ria de 24 do crreme para completar a secgo do '
archivo, que pelo regulamenlo respectivo' deve
ter dous amanuenses, nomeago esla merecida pe-
lo dita Viegas em vista do seu hora comporiamen-
to, e dos servigos por elle gratuitamente presta-
dos.
Afora esses empregados de escripia tem a re-
partigo, com que me oceupo, um porteiro, tres
continuos e dous serventes.
E alera deste pessoal tem mais a mencionada
repartigo tres colaboradores, havendo um delles
sido nomeado pelo Exm. meu antecessor em vir-
tude de autonsagao da assembia provincial para
copiar diversos livros do archivo, que se acham
em mo oslado, ou quasi inutilizados.
Reliro-me ao que o Exm. meu antecessor disse
respeito dos empregados da secretaria, e subs-
crevo a mengo especial e honrosa, que do Dr.
Francisco de Paula -ales, chefe da repartigo, fez
o Exm. meu antecessor em seu relatarlo de 1 de
dezembro de 1864, aproveitando eu a occasio pa-
ra declarar, que o offlcial maior horaem intelli-
genle, assiduo e traualhador, apezar da pouca
sade, de que gosa, sendo alias merecedor de esti-
ma e confianga.
Nada tenho que accrescentar, a.i que sobre a
empreza Cambronne, caminho do ferro desta cida-
de aos Apipucos, melhoramentos do porto, arsenal
de guerra e arsenal de marraba expendeu o Exm
meu antecessor em seu indicado relatorio, s oc-
correndo-me dizer, que a companhia de apprendi
zes marinheiros, que no referido arsenal de mari-
nha era commandada pelo 1." lenle Manoel Mar-
tins d'Araujo Castro, quando entrei na adminis-
trago da provincia, passou ser commandada pe-
lo tambem 1." tenente Antonio Pereira d'Oliveira.
E pondo termo s nformagoes, quo tinha de
dar a V. Exc, cont cora a indulgencia de V. Exc.
para relevar-mo o desalinho da presente exposi-
gao, cujas fallas, que sou o primeiro recenhecer,
sero por V. Exc. suppridas. Valendome aa op-
porlunidade, que se me offerece, para renovar
V. Exc. os protestos de minha sincera estima e
perfeita considerago, fago votos para quo V. Exc.
em sua administrago seja tao feliz, quanto o me-
rece pelas quahdades, que o distinguem, e boas
mengues, que o aniraam, e como de esperar de
sua elevada intelligencia e inconlestavel illusira-
go, certa V. Exc. de que terei grande satisfago
de empregar-me j como presidente do tribunal do
commercio e j como provedor da Santa Casa da
Misericordia quer no servigo publico e quer no
particular de V. Exc, quem Dos guarde.
Recife, 30 de Janeiro de 1865.Illm. e Exm. Sr.
Dr. Antonio Borges Leal Castello-Branco. digno
presidente da provincia de PernambucoO vice-
presidente Anselmo Francisco Peretti.
(,OVi:VO DO BISPADO DE
PKR\.\.nHrc
SEDE VACANTE
Contmuacao do expediente do dia 11 de fevereiro
de 1865.
Offlcio ao vigario de Araruna.Censtandome
que no lugar dessa freguezia denominado Riacho
existe um oratorio ou capeila publica, cujos para-
mentos csto em diploravel estado, e a pedra d'ara
partida ; cumpre que V. Rvraa. me informe o que
ha de verdada a tal respeito ; sendo que, se os pa-
ramentos esto ncapazes de servir, deve V. Rvma.
prohibir que se celebre missa com riles,e tsto mes-
mo antes de receber qualquer diclso minha.
Cumpre mais que V. Rvma. me declare se urna
imagem de Nossa Senhora da Conceigo que exis-
te em tal capeila est por tal modo informe e mal
feila que se nao deve expor venerago publica,
como me inrormaram. Empero que V. Rvma. com
a possivel brevidade me referir circunstanciada-
mente o quo ha a respeilo dessa capeila.
Dito ao mesmo.Tendo en em data de hoje cas-
sado qualquer licenga ou proviso que tvesse o
Rvm. Jos Mariins de Moraes para celebrar o sa-
crificio da missa em oratorio privado, ordenando-
lile a elle que me enve lal proviso ou licenga e
que inutilize os paramentos de que uza, e que se
acham em pessimo estado, assim o commuHco
V. Rvma. para que faga effectiva esta minha de-
terminago.
Dito ao padre Jos Mariins de Maraes.Cons-
taudome que V. Rvma. celebra o santa sacrificio
da missa era sua casa, sera decencia ecom para-
mentos inteiramente nutilisados, cumpre que me
remella quanto antes a proviso que lem para di-
zer missa em ouratorio privado, e se abstenha de
usar dessa proviso era quanto o contrario nao for
por mim determinado.
Nao sendo desconhecida a V. Rvma. a decencia
que deve haver nos paramentos com que se cele-
bra o sacrificio da miss, espero que ioutilisar
esses paramentos, que pela sua indecencia escan-
dallara os fiis ; c rao dar parte quanlo antes de
os haver queimado, urna vez que nao esto em es-
tado de servir.
-Da 13
Offlcio ao Exm. Sr. presidente da provincia.
lendo eu de satisfazer o que por essa presidencia
me foi ordenado em offlcio de 20 do prximo pas-
sado tendente a mandar orgar as obras de que an-
da necessita o seminario, a Gra de curaprir-se o
o disposto no aviso aa repartigo do imperio de 7
do mesmo, rogo V. Exc. que se digne de desig-
nar o engenheiro que ten de fazer o orgamento
das mesmas obras.
Dito ao vigario de Afogados.Pelo seu offlcio
datado de 3 do crreme tico ceno de haver V.
Rvma., no dia 2 do mesmo, tomado posse da fre-
guezia dos Afogados, na qual foi collado ba pouco.
O zelo e religiosidade de V. Rvma., o seu longo
exercicio parochial, assas me Indicara que ha de
administrar com fructo o pasta espiritual aos seus
novos parochianos e ha de captar o amor e as
simpalhias de todos eiles.
Dito ao vigario de Goianninha.Informe V.
Rvraa. sobre o qne pede o Sr. do engenho Limoal,
dessa freguezia, no requerimento que por copia
Ihe remello.
Dito ao vigarioj de Papari.Inhrme V. Rvma.
sobre a mudanga qoe pede o Sr. do engenho Li-
moal da freguezia de Nossa Senhora dos Prazeres
da villa de Goianninha, no requerimento que por
copia Ihe remello.
Dito ao vigario do Penedo Pode o Rvm. Anto-
nio Procopio da Cosa, benzer o nova capeila do
cemiterio do Junqueiro dessa freguezia como V.
Rvm. pede no seu offlcio de 21 do prximo passa-
do, qne fica assim respondido.
Dito ao vigario de Traip.-Tenho presente o
seu offlcio de 27 do prximo passado a que res-
pondo.
Pode V. Rvma. benzer aqaelles lugares em que
se acham sepultados os cadveres dos fiis, que
morreram as duas ulliraas epidemias do cholera-
morbos e nao puderam ser conduzidos para as
grejas ou ceinitierios : advertindo porm que s
deve benzer os lugares que estlverem bem cerca-
dos e resguardados de aniraaes.
Dito ao padre Antonio Francisco Gongalves Gui-
mares.Estou de posse do seu offljio de 3 do cor-
rente, em que me declara que, tendo de partir pa-
ra a freguezia de Cabaceiras na provincia da Pa-
rahyba, nao Ibe possivel continuar a exercer o
lugar de juiz ad hoc na casa resoisoria de Antonio
Carlos Pereira de Burgos I'once de Len, contra
D. Thcreza Adelaida de Siqueira Cavalcanle, do
que lico sciente.
Dia 14-
Offlcio ao Exm. Sr. presidente da Parahyba.-
Tendo eu de enviar aos vigarios dessa proviacia
nao s a circular pela qual mando que se fagam
preces ao Omnipotente pelos feliz xito da guerra
em que est empenhado a honra e degnidade do
imperio, como tambem a circular perraitlndo na
prxima quaresma o uso da carne um vez por
dia, e sendo ambas estas circulares de summa im-
portancia e uliiidade publica, rog V. Exc. o obse-
quio de fazer que o offlcios que remello inclusos
cheguem ao seu dislino cora a brevidade de que
convem.
Igual aos Exms. presidentes do Rio Grande do
Norte e Alagoas.
Diloao subdelagado da freguezia da Boa-Vista da
cidade do Recife.Agradecendo a V. S. a exposi-
gao quo me fez no seu offlcio, datado de 10 do cor-
rente, a respeito da capeila existente no Chora Me-
ninos, cumpre-me declarar-lhe que nesla data me
derijo ao Rvm. vigario da Boa-Vista, a fim de que
informndome circunsiaociadaraenle do estado
dessa capeila e suas iraagens, cu possa dar as ne-
cessaria providencias.
Dito ao vigario da freguezia da Boa-Vista da ci-
dade do Re.-.ife.Conslaiido-me por participagoof-
lieial que no lugar dessa freguezia denominado Cho-
ra Meninos exista urna capeila em deploravel esta-
do, na qual ainda se cooservain algumas imagens,
sendo que chega tal ponto a profanaco, que den-
tro da mesma capeila moram pessoas* de costumes
menos puros, cumpre que V. S. sem perda de
lempo se dirija a esse lugar, a fim de me informar
circumstanciadameutc sobre oeslade da capeila,
quaes as imagens que nella existera, e se possi-
vel conseguir-se a recunstruego desse templo, no
caso afflrmalivo, quaes as pessoas aquem devo diri-
gir-me.
Dito ao mesmo.Constandome que a capeila de
Santo Amaro, situada no lugar desle nome, se acha
em estado de abandono e de ruina, os paramentos
i nutilisados e os altares immundos, espero que V.
S. me informara a tal respeito com a brevidade
que o caso exige, dizendo-me ao mesmo tempo se
possivel conseguir-se a reparago dessa capell,
a qual pela sua posigo presta aos fiis grandes
vantagens; pois sendo o lugar de Santa Amaro j
bastante povoado, tornase ah de primeira necessi-
dade a conservago de um templo, que proporcio-
ne aos liis os meios de satisfazerem os salutares
preceitos da nossa religio.
Dito ao vigario de Iguarass. Informe V. Rvma.
sobre o contheudo do offlcio que era data de 3 do
corrente me drigiu o Rvm. vigario do Pao d'Alho,
e cuja copia Ihe remetto inclusa.
Dita ao vigario de Aguas Billas.Para que se
possa rubricar e langar os competentes termos de
abertura e encerramento no livro que lera de ser-
vir para langamenlo dos baptsados dessa parochia,
o qual V. Rvma. remetteu a esla secretaria, torna-
se necessario que primeiro seja pago o competen-
te selo nacional
PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
A barca americana Anaconda e o brigue inglez
Brilhante, entrados hontem de New-York, Irazera '
noticias d'alli que chegam a 18 do passado.
O forte fischer fra bombardeado pelos federaes
no dia 15, dndose o a-salto s 3 horas da tardej
pela frente da trra, que tinha parapeitos de 14 e
15 ps; e depois de um combale renhido e per-
das consideraveis, logrou o exercito federal lomar
todo o lado de Ierra pelas 5 horas da tarde, apo-
derando se do mais s 10, j com pouca resisten-
cia. A guarnigo recuou para o ext emo da pe-
nnsula, to onde foi perseguida e afina aprisona-
iSP nn"iero de mil hom-ras segundo uns, e de
2,oW segundo outros, rom incluso de 72 pegas,
do general Whilting e do coronel Lartib, que se
achavam feridos.
A perda dos assaltanles calcula-se era 500 ho-
mens, sahindo feridos levemente o general Cartis e
o coronel Pennypacker, e gravemente o coronel
ilell.
O fogo da flolilha foi lerrivel, segund o estrago
jeito : a mor parle das pegas do forte ficaram inu-
tilisadas.
Tomaram parte no combate os navios confede-
rados Tallahassee e Chickamanga, os quaes nada
podendo conseguir, subiram pelo rio, achando-se
bloqueados.
De carta particular consta o seguinle
O onro variava nos ltimos dias entre 221 a 218:
o mercado achava-sc mais calmo
O algodo baixou 1 d. 6 por S, sem Comprado-
res, tendo chegado de NewOrieaos 1,)00 balas
con? esperanga de grandes chegadas de Savannah
Este artigo estava muito frouxo.
O assucar achava-se firme, estando a 10 c. por B
Hontem, pelas 9 horas e um quartl da noite
descobriram os visinhos haver nm principio de in-
cendio no deposito de algodo dos Srs. Lao & Fi-
lho, no largo da Assembia. e conseguirn) extin-
gui-lo apenas queimando-se urna sacca dalgodo.
Foi nomeado 2 escripturario da thisouraria
provincial o Sr. Joo Carneiro Monteiro Ida Silva
Santos, em vista das provas que produzio bra con-
curso aberta para o provimento do mesmo lugar.
Cavalheiros eminentes desta capital, por sua
posigo social, e lugares que exercem no funecio-
nalismo, traiam de organisar urna guard; cvica,
para fazer o servico quando se retirar a tr Dpa que
aqu ha.
A snbscripgo para a bandeira do >aialho
de Voluntario' da Patna, cleva-se l:039 1
Adirecgoda AssociacoCommerctalBe xepcente
consultan hontem ao Exm. Sr. presidenteda provin-
cia, tacerca da interprelago do decreto n. 3,307 de
14 de setembro de 1864, em referencia aoarl 1 6
da lei n. 683 de 5 de jolho de 1853, e leve ra res-
posta que ne obrigatorio, s repartiges publicas
nem aos particulares, o recebimento do nqias do
Banco do Brasil, as quaes por isso nao tem curso
nesta provincia, aonde soraenle o tem forgido, de
conforraidade com o citado decreto, as netas la sua
Caixa Filial, estabelecida aqni.
Com a publicacodo Forumem nossa8 pagi-
na, pensamos satisfazer a urna necessid
nossa sociedade, que vendo-se mais ou meo
presentada no joroaiismo em toda as suas
soes, senta todava urna lacuna quanto a es
ofa assim preenchida.
E pus, convidamos a ieitura publica paral essa
secgo do Diario, cuja materia por certa digna
de toda a al'.engo em si e era suas relagoes
Durante o anno passado, pelo Dr. deh gado
do primeiro distrelo do termo da cidade do teci-
fe, foram verificadas 121 infraeges das pos uras
raunicipaes e em virtude dessas infraccoes firam
passadas 121 guias, importando as multas recplhi-
das ao cofre da cmara, em i:529
No mesmo periodo foram tambem verificadas 14
infraeges do regulamenlo da estrada de firro,
sendo recolhlda ao respectivo cofre a quantiu de
555.
Foram realisadas por dita autoridade, no correr
de dita anno, prisoes 249, sendo pelos seguales
motivos :
Correcgo............... 102
Avenguages em diversos crimes .... 26
Infraccoes de posturas......... 17
Roubo................ 16
Escravos fgidos........... 15
A disposigo do recrutador........ 14
Infraeges de regulamenlo policial da es-
trada de ferro............ U
Desertores............... 6
Offensas physicas graves........ (i
Farto de escravos........... 5
Embriaguez................... 5
Requisigoes dos senhores (escravos) ... 3
Tentativa de rapto........... 3
Dilado morle................. 2
Morte................ 2
Peculalo...................... 2
Condeinnado por injurias verbaes. ... i
Tentativa de estellionalo........ 1
Moeda falsa.......................... i
Furto................................. i
Damno................................ l
Ferimentos leves...................... i
Destruigo de edificio publico........... 1
Coinplicidade cm destruigo de edificio pu-
blico.............................. 1
Ausencia do quartel (militar)........... 1
Estell onato........................... 1
Estupro............................. 1
Nesse mesmo periodo foram instaurados por di a
autoridade, 3(5 pocessos, nos quaes estavam coi i-
prehendidos 55 reos.
Foram expedidos :
Offlciss............................... 1,5; 5
Portaras............................. 12 0
Fizeram-se :
Registros............................ 1,3*3
Guias................................ li 1
Tiveram lugar diversas apprehenses de jofai,
brilhantes, escravos fgidos e cavallos furiado:.
sendo tudo entregue a seus respectivos donos, si -
gundo consta dos recibos existentes no archivo d a
delegada.
Prestaram-se a servir de pprilos nos dUbnotei
autos de corpo de delicio os Drs. Augusto Carne
ro Monteiro da Silva Santos e Silvio Tarquini)
Villas Boas, os quaes sao promptos em auxillare i
a delegacia ; sendo que o primeiro tem acorapa-
nhado a mencionada autoridade as corridas a >
agougue e as tabernas.
Deram-se diversas buscas e fizeram-se termos da i
mesmas c-das apprehenses realisadas e bem as-
sim crescido numero de autos de perguntas.
A quem competir recommendamos as aposta
de corridas dos carros da alfandega. Ainda non
tem dous desses carros seguiam toda velocidad
pela praga da Independencia em direcgo a ra d >
Crespo, em risco de esmagar qnalquer que tivesst
a infelicdade de atravessar a ra nessa occasio
O Club Commercial d duas partidas no cor
rente mez, sendo urna na noite do dia 25 e a ou
tra na de 27.
REPARTIQAO DA POLICA
Extracto das partes do dia 20 de fevereiro d
1865.
Foram recolhidos casa de detengo no dia i i
do corrente :
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio, Joo
escravo de Joo Augusto de Araujo, para cor-
recgo.
A' ordem do de S. Jos, Antonio Manoel Gomes
e Joaquim, escravo de Bellarmino Alves Aroucha.
por furto, e Jorgo Tavares, por espancamento.
A' ordem do da Boa-Vistat Claudino Jos Dias
para correcgo.
A' ordem do da Capunga, Sebastio Luiz Mar
qnes, por disturbios.
A' ordem do do Pogo, Joo Francisco das Chgas,
por crime de roubo.
O chefe da segunda secgo,
J. G. de Uesqmta.


L


~"
_------------
-"----------
-~m-
'* : :i'
i.
---~ '-'M&M m,
filarlo de Ftraanibueo f era &** *i Fcvrelro de 1 805.
Casa 08 En*(crxb.
llvimentp da basa de delengo 18 de feve-
reiro de 1864.
Exlstktm presos 372; entraram 8 ; sahiram 10
A saber : nacionaes 293; eslrangeiros 23 ; mu-
Iherss 2 ; estrangeiras2 ; escravos 44; escravas
6.-Total 370.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 155.
Movimeuto da enfermara do da 19 de ferereiro
de 1865.
Exibtiam presos 370; entraram 11 ; sahiram 2;
exisiem 379.
A saber : nacionaes 300; eslrangeiros 22 ; mu-
llieres 2 ; estraogeiras 2 ; escravos 47 ; escravas 6.
Total 379.
Alimentados custa dos cofres provinciaes 156
Movimento da casa de deteucao do dia 20 de
fevereiro ds 1865.
Tiveram baixa :
Flix Currea de Souza, diarrha.
Antonio Manoel Gomes dos Sanios, erysipella.
Ignacio Jos de Moura, anemia.
Teve alta :
Francisco, escravo de Manoel Correa de Souza La-
cerda.
?3 M B ? I I 3 1 f j o | 1 3 | Z
" : : 1 : 1 > i i (~> 9
_ . i -*
: : 1 : 1:1 2 3
| : 1: > -

: : 1 : 1 O
m : i : i : 1 ~
i 1 1 1 Masculino. } 2 SB
i|r> i ce i
.-: w 1 M i* 1 i n -|
1 1 CJ 1 & Feminino.
CJ 1 e* ( u>
i I 1 Masculino. 1 -i a.
co 1 ** . 1 Si 5 > => 1 M s
a.
1 Femi'ju'no. f
i 1 1 i .A.
1 M 1 1 l w
1 i 1 1 Masculino. i i e
MI 1 m t* 1 1 Vi w
Feminino.
A - 1 - j
1 i i IJ A
! 1 Masculino. 5"
oo 1 - - - 1 00 1 M
1 9
1 1 Feminino. ' f
1 . \ 1 <> 1 / A.
1 , i i
1 1 1 Masculino. 1 Cn Ate
SI 1 A i ce i 1 c 1 1 o
C-"* 1 1 Feminino. i
1 | a A ex 1
1 | 1 m. | TOTAL.
zc > 1
t I O l
Ai appeltecoes crimes.
Appellante, o |uizo ; appeliado, Jos
Oliveira e Silva.
Appellante, Manoel Lins de Aranio : appelraaa,'
ajoslica.
A appellacao civel.
Appellante, Joaquim Francisco de Albuquerque
Santiago; appellada, D. Francisca Thomazia da
Conceteo Cunha.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Mona
A appellagao crime.
Appellante, o juizo; appeliado, Manoel Custodio
de Souza Trindade.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Guerra
Francisco Lavra Penna Acert, D. Jos Antonio
da Costa dos Santos Lessa,
I Namero 34, mIIo 65000.Pagoa 6*000.Reci-
te, 25 de malo de 1864-Chaves, Castro e Silva.
Rerife, 27 de maio de 1864. Bernardino Jos
Monteiro.
Recebi do Sr. Bernardino Jos Monteiro o im-
porte desta, por outra a vencer-se. Recite, 9 de
setembrode 1864.-Jos Francisco Lavra Penna.
Conforme com o original que roe foi apresenta-
do para extrahir publica forma, a qual a presen-
te que vai sem consa que davida faja, por mira
tabeliio sement subesenpta e assignada.Recife,
13 de setembro de 1864 Subescrevo e assigno,
em esicmunho de verdade o tabellle publico
Luii da Costa Porto Carreiro.
Copia.Pernambuco 10 de mi de 1864.Rs.
do marquez de Fonlanillas nao loria coragevii de
faze-lo.
Ainda ba bem poucoestive em Barcelona e posso
dizer-lhe que a opiniao da gente sensata daquella
importante cidade nao diverge sobre o caso.
Em nada me ioteressa a questo : someote en-
tend nao deixar passar sem impugnaciio um opi-
niao que desaira um importante tribunal da Hes-
panha.
Sou com attengao de V. S. muito atiento venera-
dor e criado.
Pernambuco, 20 de fevereiro de 1865.
Canillo t Andrade,
Cnsul de S. M. C.
e
A appetlaco civel.
Appellante, Lino Ferreira da Silva ; appeliado' 6:000*000.
Jos Mendes Carneiro Rodrigues Campello. A' 4 mezes precises da data desta minha nica
Ao Sr. desembargador Domingoes da Silva letra pagar Vmc. a raim ou a minha ordem, a
A appellacao civel. : qoanta de 6:000*000 em moeda legal, valor re-
Appellanle, D. Ju^epha Carneiro Maciel oa Sil- nebido em igual especie e para maior garanta
va ; appellada, a fazenda. renunciar e prescindir bem como os mais sig-
A appellacao crime. natarios do foro domiciliario, para poder ser de-
Appellante, o juizo; appeliado, Virginio Bezerra mandado nesta do contrato e de quaesquer
Srs. lledaclores. Pouco me demoveria a rom -
per o silencio o retiro em que vivo o quadro tris-
te e ridicnlo, que offerece i rnaio' ia do funecio
nalismo policial da provincia, cousa ali-s coofes-
sada pelo Exm. Sr. desembargador Perelti em seu
relatorio, e por ceno continuara a contemplar
impassivel esse quadro de miserias, a nao presen
ciar as ultimas correras praticaoas nesta fregu-
gg?' Z|a Pelo snbdeegado do 2 districto desta fre^ue-
Wanderley. legios como permute a lei de 30 d agosto de i 833: zia Pedro Pinto, "um vendelbaoznho da p
uo Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar- no vencimento far prompto pagamento como eos- de Nossa Senhora do O' seme-analphabeto por-
gad, r Domingues da SHva turna nesta praga, ou ende Ihe for apresentada, e que a resposta de qualq'uer offlrio que recebe
As appellacoes veis. no raso de demora pagar os juros de um e meio por motivo de andar de porta era porta a mendigar
Appellante, Antonio herrara da Ponle ; appella- centeao mez,pelo lempa queme aprouver esperar, conselhos e redaccao
do Manoel Ferreira da Ponte. Ao Sr. padre Jos Amonio dos Sanies Lessa-Ber- Ha poucos dias, arhando se completamente em-
Appellanle, D. Jovina Simplicia das Seres ; ap- nardjno Jos Monteiro Aceito, D. Jos Antonio briagado um preto, escravo de um l.vrador mora-
pellado, Victorino Pereira Maia.
A' 1 hora da larde encele a je a sesso.
dos Santos LessaAntonio Ramos.
corra plcidamente, segundo atiesta o sub-delega-, ALFANDEGA DE PERNAMBCCO,
do respectivo, que nada communicou, e nem fez alta dos preco dos ginkros sjeitos a direito ps
requisigao alguraa, com forja, e substituir, como expobtacao.skmana de 20 A 25 do hez de fb1-
fizeram, e al contra a vontade da mesa -vid. a! tereibo de 1865.
Os. e lis.a guarda de paizanos, que ali estava a' Mercadorias. Baidades. Valores.
disposicao do joiz de paz, e fra prestada pelo sub- Abanos.........eento 1 300
delegado-documento a fls. 11 e o que mais, pro- Agurdente de cana.....caada
hibirem que entrasse, nao sfl o povo, como us dem restilada ou do reino
mesraos mesariosvid. autos de perguntas e depoi- dem caxaca.......
mentos. dem geaebra.......
Attendendo ainda que todo esse inslito proce- dem alcool eu espirito'de agua-
dor dos denunciados, lao contrario a lei, e reeora- ardente
Algodao em carogo.....arroba
dem em rama ou em lia
Arrox com casca
mendacoes do governo imperial, considerado com
o fado de estarem na matriz, quando se dava as
pancadas no cofre, com a circunstancia de nao
deixarem aproximarse pessoa alguma, e a de ter i dem descascado ou pilado
o juiz municipal lomado ao entrar a baioneta de I Assucar masca vado .
um dos soldados, que esta vara na porta da mesma' dem branco.....'. '
matriz,vid. a fls, 76 v. deixa ver claramente que dem refinado.....
os denunciados foram os autores do arrombaniento j Azeite de amendoim ou Alenda-
do cofre, de que se trata, e a que se refere o cor- bim .......
po de delicio a fls. 7, mandando fazer esse arrom-! dem de coco.....
bamento, ou autorisaodo-o com suas prezengas; dem de mamona .
nao obstante o offlefci de Marcelino de Salles, e as Batatas alimentidas .
suas declaracoes a fls. 40 v. e as de Jos Ribeiro Bolacha o diara, propria para
da Silva a fls. o9 v., nao > porque todas as leste-
muahas deste processo jurara que nao houve na
matriz da Gloria uulra mesa, aim da de que fize-
ram parte os denunciantes; como tambera nao vi-
rara na igreja, desde que chegarara os denuncia-
dos at que se reiiraram, ao dito Marcelino.
15375
175500
1*500
2*600
U
352
55120
caada
arroba
embarque
dem fina .....
Cafbom .....
dem csrolha ou restolno.
I dem torrado ....
Caibros......
COMMUNICADOS.
Setembro, 9 de 1864S B.
teiro.
Recebi do sacador.
BankJ. B. Botelho.
Recebi do acceilaate Anlonio Ramos. Data era
supra Bernardino Jos Monteiro.
Conforme com o original que que me foi apre-
extrahir publica forma, a qual
guinte dar-lhe quatro duzias de bolos, de cujas se-
vicias resultou laogar dito escravo muito sangue
pela bocea, e ficar doenle por mais de 60 dias.
Destas ofleusas se fez corpo de delicio, com o
que muito se encommodou o tal Pedro Pinto, que
rompeu em ameagas contra qualquer que se pres-
tasse a ser testemunba d" proces:-o.
Entretanto, como o referido lavrador, senhor do "unhas referidas de lis. 63 e lis. 68.
escravo, esteja com o corpo de delicio do seu es-
cravo, e o dito subdelegado temesse ser proces*a-
dc reuni 85 pessoas, e foi cercar as casas dos
moradores do engenno Agua-Fria, onde mora
aquelle lavrador, e depois de cercar com essse
apparalo ;. casa delle, levou-lhe pese e amarrado
um seu Clho, menor de 14 annos, e teve-t no
tronco ^ualro das, a titulo de recruta, quando
Sorprendeu-me a declaracao do Rvm. Sr. pa-
dre I). Jos Antonio dos Santos Lessa, inserta neste
Diario no dia 11 do correte, relativamente a es-
cnptura de venda, que lizera das suas casas a mira sen,ado para
e ao Sr. Antonio Ramos ; e por amor ao meu ere- a prestjnte que vai sem cousa que duvida faca por
dito e a verdade pa.-so tambem a declarar o se- m'm tabeliio somente subescrita e assignada.
guinte : Recife 15 de setembro de 1861. Subescrevo e as-
Na qualdade de administrador do patrimonio do h'Sao> em teftemonho de verdade o tabeliio pu-
recolhimento de Nossa Senhora da Gloria da fre-, Dl|co Lrjii da Costa Porto Carreiro. ,,
guezia da Boa-Vista, frequentes vezes linha neces-! CoplaPernambuco 10 de maio-dfl'1864. Rs.
sidade de ir ao palacio da Soledade entender-me 6:0008000.
com o virtuoso bispo fallecido o Exm. Sr. D Joo A 6 mezes precisos da data desta minha unic
a respeilo de negocios d'aquelle recolhimenlo, e por letra Pa8ara. YjDf; a mim eu a mDha ordem. a -
isso tive occasiao de relacionar-me com o Rvm. D.! quantia de 6:0005000 em moeda legal, valor re- alias, desde que subdelegado, um s nao mandou
Jos Antonio dos Santos Lessa. ,cetido em igual especie, e para maior garanta para o exercito 11
Durante cerca de quatro annos por varias vexes renunciar e prescindir bem como os mais sigua-
o Sr. D. Jos Antonio recorreu a minha firma aflm ; tar,os> do foro domiciliario, para poder ser deman-
de obter dinheiro em diversos estabelecunentos de; dado nes'a d" contrato, e de quaesquer privile-
credito nesta praga, dizendo-me ora que esse di-! 8ios como permitte a lei <*e 30 de agosto de 1833 :
nheiro era para acudir as despezas das obras da; no vencimento far prompto pagamento como eos-
matriz de S. Jos, e ora para o recolhiraento de Pa- luma nefla pra?a. ou onde Ihe for apresentada e I
no caso de demora pagar os juros de um e meio
por ccnlo ao mez, pelo tempo que me aprouver
esperar.Ao Sr. padre Jos Antonio dos Santos j
Lessa-Bernardino Jos MonteiroAcceilo D. Jos i
Anlonio dos Santos Lessa-Anlonio Ramos.
Numero 273. sello 65000 Pagou 65000-Reci
Alera de que, quando essas declaracoes embra (;a|
juradas, tivessem outro valor que o de simples do-! |em branca
cumento, se achara inquinadas : s d'aquelle pelo; Carne secca (xaraue)
que afllrmou ante o ieueute coronel Urbano Jos Carncirds
de Mello e Francisco Correia que toraou a respon- Carvo vceta'l
sabilidade das declaracoes, que fez, e do quebra- (avernas de sicuoira '
memo da urna da eieicao da Gloria-para pagar Cera de carnauba em bruto'
ravores, que recebera, e ainda esperava receber jdem lliem em Yela9
do Dr. juiz municipal Maxiraiano Duarle e as cha
deste (Jos Ribeiiu) pelas suas mesmas palavras,
quando diz-j haver dad-o um altestado era cor.
libra
um
arroba

>
um
arroba
nma
libra
irano as declaragfies que fazia vid. a fls., e teste-
Charutos ....... cento
Cevados (porcos)..... um
Cocos (seceos)...... cento
Co"........ libra
>
um
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes existem 132, sendo 80
horaens e 52 muflieres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias:
As 6 1|2,6 1|2, 6 1)2, 6 1|2, 7 1[4, 6 1)2, 6 3|4,
pelo Dr. liamos.
As 7 3|4, 7 1(2, 8, 7 3|4, 8, 8 Iji, 7 1(9 pelo Dr.
Sarment.
Fallecern) :
Manoel Jos AI ves; hepatite.
Jos dos Santos Alves ; tubrculos pulmonares.
Leo Lopes : cholera-morbus espordico.
Paraiza ; ,.oplexia.
Manoel Sabino da Silva ; phtysica pulmonar.
Jos Lopes dos Santos; entente chronica.
OBITIARIO DO DIA 18 DE FEVEVEIRO DE 1865,
NO CEM1TEKIO PUBLICO !
Mana, Pernambuco, 1 dia Santo Antonio ; convul-
soes.
Manoel Gregorio das Chagas, Pernambuco, 25 an-
nos, solteiro, Boa-Vista; tubrculos pulmonares,
Mana Francisca das Chayas, Pernambuco, 34 an-
uos, casada, Sanio Antonio ; ttano
pacaga, visto nao ter anda a thesouraria provin-
cial pago a quaotia consignada pela assembla para
taes despezas.
Assim prestava minha firma, e o Sr. D. Jos An-
tonio exactamente satisfazla os seus deveres em de-
vi Jo tempo, pagando as letras, que eu ga>antia.
polica sua attengo para aquelle subdelegado.
A testemunlta.
Quando falleceu S. Ex>\ Rvm.' o Sr. bispo dio- '8 de maio de 1864 Chaves, Castro e Silva
cesano, deva o Sr. D. Jos Antonio ao Sr. Jos
Francisco Lavra Penna por letras a vencerem-se,
por miiii garantidas, a quanlia de dez contos de
reis, como consta dos documentos ns. 1 e 2.
Indo eu ao palacio da .Soledade, quando se tra-
tava do enterro de S. Exc. Rvm.*; o Sr. D. Jos
Antonio afilelo me pedio ainda, que Ihe prestasse
minha firma, afim de obter a quantia de dose con-
tos de ris, que Ihe eram necessario para recolher
a caixa pa.
Attendendo afflirgo do Sr. D. Jos Antonio,
Recife 12 de maio de 1864-Bernardino Jos Mon-
teiro.
Recebi por mao do Sr. Bernardino Jos Mon-
teiro. Recife 10 de novembro de 1864-Pelo N.
Banco, Mafra.
Recebi o importe da letra cima por rao do
Sr. Anlonio Ramos. Dala era supra data. Ber-
nardina Jos Monteiro.
Conforme com o orignal que me foi aprsenla-
do para delle extrahir publica forma a qual apr-
sente que vai sem cousa que duvida faga, por mim
CieaeroIdade ao mrito.
Pedimos ao-admiradordo Diario de 17 do
crreme, sob a epigrapheao mritonos diga
qual razao que teve ou informago que colheu
para asseverar positivamente a venda fella no Rio
de Janeiro de urna escrava, relativa a 4* pergunta
do sea artigo; ou antes nos responda por este Dia-
rio as seguintes perguntas :
Io Qual o nome da escrava?
2o Qual o navio era que foi T
3 Em nome de quem foi embarcada 1
Qualquer declaragao que faca oadmirador I
por este jornal, tendente a illucidar esta calumnia
muito dever aproveitar para quando o chamar-!
mos ao tribunal competente, como promettemos I
75000!
75400-,
50OO
440|
360
28
500
352OO
45000
I5O6O
85OOO
30O
300
15500
SIMO
155000
6500
600
150
240
105
350
105000
I5OOO
320
dem era calda ...... 500
[ Espanadores grandes um 45000
dem pequeos...... > 25000
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento 155000
Estopa nacional .....arroba 15000
Farinha de de mandioca alqueire 25500
dem de ararula .... arroba 4500
Feijae de qualquer qudlidade c 25800
Frechaes .......um 55000
no artigo 1J9, e lio do cdigo penal; e o se-1 o^,
gando que Car os Jos Gomes d'Ol.veira, e nao! g ordinario oures.olho. '. '. 55000
Carlos Jo.-e d Oliveira, como tenho mencionado, r,a.inha, vuicaiumw. """^
smente no dim art. 145, porque aquelle exigindo ^Zia '' "m* ,-S""
ale com ameaca de toa autoridade dos membrtis; &m*^/..l,.....arr.oba ,*gnS
da mesa parochial da Gloria, que dessem por con- K "''i1'
cluido, e fizessem a acta da eleigao, que estava!t??? ,ra acnas
ainda na 3- chamada-vid. a fls. 27 a fls. 34, e fls. Lnhas ^ "
Attendendo mais, em vista do exposto, que nao' Couros de bo, salgados,'.
Proceden os argumentos, com que o Dr. promotor. idera dem seceos espichados
publico requereu a nao pronuncia dos denuncia-! dem dem verdes
dos, anda quando contra ellas nao houvesse raais idem dem cabra cortido; '
o que resulta dos depoimenlos da lesternunha refe- [dem jdem de onca
rida e os das que foram afinal enquiridas para Doces seccos ^ ; ; ; ,br
completar o numero de oito, enquirigo que devia Idem em ge)^a ou massa ,
ser requerida pelo mesme Dr. promotor publico,, [dem en, galda f
urna vez que entendeu nao haver ainda prova pa- Esnanadores erando m
, ra a pronuncia, e est sempre nos inieresses da *
_E' assim que esse subdelegado conjura a pai-, justiga esgotar os recursos da lei, ou para deseo-
gao dos seus crimes, augmeotando-os com oulros, Drir a cnminalidade d'aijuelle, que se diz culpado,
e perseguindo os pacientes II 0 Para verificar completamente a sua innocencia.
Pede-se. pois, ao Exm. Sr. presidente e chefe de Attendendo liualnieute a ludo o mais que destes
autos consta, julgo procedente o presente processo
de respon.abelidade contra os denuociados juiz
municipal Maxiraiano Francisco Duarte e delegado
Carlos Jos d'Oliveira, e conseguintemenle os pro-
disse-lhe, que e serveria, mas s o'Sr. Antonio Ra- tabeliio sobescripta e assignada somente.-Recife ^m. nossa correspondencia de hontem por este jor-
nal : e a nao o fazer cora toda a franqueza no pra-
mos, que tambem se achava presente figurasse as >* de novembro do 1864 Subescrevo e assigno,
letras na qualidade de coaceitante, mesma por que em testemunhode verdade o tabeliio public-
os bancos nao davam dinheiro sera a garanta de
duas firmas.
O Sr. Ramos tambem attendendo afflicgao do
Sr. D. Jos Antonio accedeu aos 6eus desejo>.
Luiz da Costa Porto Carreiro.
zo de tres dias, (carao o admirador e seus se-
qnsesconvictos decalumniadores e falsarios.
Recife, 21 de fevereiro de 1865.
Jos Joaqmm de Lima Bairao.
O subdelegado do Brejo e a
Revista Diarla.
Lendo o Diario de Pernambuco de 18 do corren-!
te deparei na Revista Diaria cora a exposlco de
Em vonsequencia disti figure de saecdor em
duas letras de seis contos de ris cada urna, accei-
tas pelos Srs. D. Jos Antonio e Antonio Hamos,
urna a seis e outra a quatro mezes, com enasta
dos documentos ns. 3 e 4 ; e desta forma leve o
Sr. D. Jos Antonio a quantia necessaria para sa-
liir da diflkuldade, em que se achava, sendo des-
contadas no Novo Banco a letra de seis mezes me- lento de ordenar ao inspector de quarteirao de Pia-
| diante o premio de nove por cento, e no banco m- ca o seu comparecimento em companhia de seu
FBLIUQOES 1 PEDIDO
- dAVeoSi.V^ q0ua.0fflmCecoemm(^- que, era aviso do ministerio da guerra de 30 de
Lucio da Silva Mergulho.
Altnbue-se aquelle senhor o facto Ilegal
e vio-
Joauua Cundida de bouvea, l'ei nambuco, Ib an- glez a de quairo mezes mediante o premio de oito genro Joao Manoel da Costa Pinheire na do referi-
do subdelegado, e a intimagao deste a Joao Manoel
para assignar urna letra no valor de 5005000 a fa-
vor de Francisco Clemente de Souza e nm termo
de nao mais contender com Clemente sob pena de
ser preso com o eslellionatario.
Presendindo da historia da morte do escravo de
nos, solteira, Santo Antonio : letano.
Ananias. escravo, Pernambuco, 14 mezes, Boa-Vis-
ta ; convulsoes.
Isabel, Pernambuco, 2 annos, S. Jos : bexigas.
- 19 -
Urna menina encontrada junio a porta da igreja de
Terco, S. Jos.
UiKOMC.4 JL'IKCMIU
TRIBUNAL 1>A BELA^lO.
SESSAO EM 18 DE FEVEREIRO DE 1805.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
SOUZA.
s 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Gitirana, Lourengo Saniago, Al-
meida e Albuquerque, Assis, Dona, Motta, Guerra,
rocurador da cora, Domingues da Silva e Barros
concellos, faltando os Srs. desembargadores
Caelano Santiago, e L'cha Cavalcanti, abrio-se a
sessao.
Passados os feitos e entregues os dislribuido?.
derara-se os seguintes
JULGAMENTOS
Appeltaro civel.
Appellante, Vicente Mendes Wanderley ; appel-
lada, a parda Guilhermina.
Nao se tomaram conhecimento da appellagao por
vir lia do prazo.
Appellacao crime.
Appellante, Aleixo Barbosa da Fonseca Tinoco ;
appellada, a justiga.
Julgou-se improcedente a denuncia.
DILIGENCIAS CIVEIS.
Cora vista ao Sr. desembargador procurador da
cora
A appellagao civel.
Appellante, Albino Jos Ferreira da Cunha ; ap-
pellada, a fazenda.
DILIGENCIAS CRIMES.
Com vista ao Dr. carador geral
A appellagao crime.
Appellante, o juizo; appeliado, Silvino, es-
cravo.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
A appellagao crime.
Appellante, o juizo 5 appeliado, Manoel Francis-
co de Saboia.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Loarengo Santiago
A appellagao civel.
Appellante, ojuizo ; appeliado, Dr. Jos Joaquim
de Maraes Sarment.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque,
As appellacoes civeis.
Appellante. Mana Sancha da Conceigo Caval-
canti ; appeliado, Dr. Juao Francisco de Arruda
Faico.
Appellantes, Joao Marinho Paes Brrelo e on-
tros; appeliado, Jos dos Santos Neves.
Appellante, o juizo ; appellados, os herdeiros de
Manobl Rodrigues de Oliveira.
Ao Sr. desembarga lor Motta
As appellacoes cives.
Appellante, o juizo; appeliado, Jos Francisco
Pereira da Silva.
Appellante, o juizo ; appeliado, Ignacio Luiz de
lint.. Taborda.
Appellante, Luiz Jos da Costa Amorm ; appel-
lada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
As appellacoes civeis.
Appellante, Gervasio Jos deMagaihes; appel-
iado, Jos Soares de Azevede.
Appellante, Jos Loureoco Meira da Vasconcel-
os ; appeliado, Francisco Lins Caldas.
Appellante, Manoel Pereira Caldas t appeliado,
Francisco Jos Regalo Braga.
A appellagao crime.
Appellante, Antonio Duarle Repardo ; appellada,
a justiga.
Ao Sr. desembargador Doria
A appellagao civel.
Appellante, Dr. Felippe Carneiro de Olinda Cam-
pello ; appellados, Manoel do Nascimento da Costa
Monteiro e outros.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
por cento.
Vencida a primeira letra de Jos Francisco La-
vra Penna a 27 de agosto, e a descontada no ban-
co iogle a 10 de setembro, como consta dos indi-
cados documentos us. 1 e 3 ; segundo era bem na-
tural eu e o Sr. Antonio Ramos, como garantes era
Janeiro ultimo, o governo imperial agradece ta
prova de meu patriotismo. Sendo o mesmo aviso
omisso acerca da acceitagao do oflerecimento, que
fiz, 5 do mesmo mez, de prestar meus fracos
servlgos militares na guerra aleada contra o Brasil
pelos governos_ de Moulevido e Paraguay e de
urna tal omissao depreheiidendose a m vontade,
que tem o governo imperial, de acceiar a minha
desinteressada
50 v.excedeu os limites das funegoes proprias
do empregoe ambos se apreseniando na matriz,
e pralicando o que Oca referido commetteram
violencias no exercicio das funegoes dos cargos,
que oceupam pretexto d'exerce-las.-Oescnvo
lance os uomes dos denunciados no rol de culpa-
dos, depois de publicar esle despacho, em sua mo,
e d vista ao Dr. promotor publico para vir cora
seu libello minha primeira audiencia.
Paguem os denunciados as cusas.
Pao d'Alhn, 7 de fevereiro de 1865.
elfino Augusto Cavalcanti d"Albuquerque
offerta, nao se se porque sou ofil-
taes letras exigimos o seu pagamento, e ento de- C)sta"e""co"accrdo amiavel liavido""entr'csVe fc palenIe su^rior>'jlho loNorte ealm disso
ciaron o Sr. .). Jos Antonio, que as Sopodia pa- ttS^JJSS SrtJmTiitJ^S? SSuY **** ''"" '"^ *** "
gar, mas que hypolhecava suas casas.
a V.
Declaramos verdade, qoe nao nos convinha hy
potheca, e que antes vendesse as mesm: s casas
para o respectivo pagamento das letras. Concordou
nsto o Sr. D. Jos Antonio, exponlaneamente man-
dn chamar o Sr. tabeliio Porto Carreiro, e o in-
cumbi de passar a cscriptura de venda das casas
no valor de viole contos de ris ; (cando nos com-
pradores obligados a entregar ditas casas, uroa vez
que o Sr. D. Jos Antonio nos apresentasse a im-
portancia da venda ; condicao que cumprire, nao
obstante nao estar exarada na escriplura de venda,
restitBrado-se-me a importancia de dez conlos de
reis, prego das que me foram vendidas.
Desta exposigao, feta com franqueza e verdade
resulla : i. que o Sr. D. Jos Antonio nao nos de-
va somente vnte contos de res, e sim vinle e um,!
pois que apenas havia dado por conta um cont de
ris; 2. que inexacto o dizer o^Sr. D. Jos An-;
Ionio, que sement una letra de seis contos de ris
se achava vencida ; 3." que as casas nao valam
mais do que o prego, por que foram vendidas; tan- j
to assim que postas depois em leilo por ordem do i
proprio Sr. D. Jos Antonio
un u aeiual ministerio, devo observar a
2S aPr'meir. manda aJ"?"?a 1<>e dignw Exc. que, tendo esquecido-me de que sou poltico,
f^ab0nH d0?-r M ^o Hogerio qne e elle para lembrar-me de que, as crcumstancl* criti'
incapaz de pralicar o acto que se Ihe attnbne.
A distancia em que tica esta cidade da villa do
Brejo torna mpossivel ao Sr. Rogerio ter sciencia
da censura da Revista Diaria e dar-lhe cabal res-
pola : por este motivo viemos como amigo eapre
cas, em que seacha o palz, sou smente Brasileiro,
ainda nao me arrependi de ter feito um tal oflere-
cimento, e por sso rogo a V. Exc. que se digne
aclarar me a escuridao do mencionado aviso.
Se por acaso V. Exc. nao poder dar-me esclareci-
?i^^l^^_^^,^^i?sl!,?i mentos a tal respeilo e julgar que razoavel a
protestar contra a mencionada censura, dindo
d'ante mao seguranga ao respeilavcl publico de
que o facto narrado, se se deu foi revestido de cir-
cunstancias taes que, longe de desabonar ao meu
amigo o acreditaro na opiniao dos h >mens sensa-
tos e moralisados, e de que em lempo competentao
referido subdelegado o explicar conveniente-
mente.
Recife, 20 de fevereiro de 1855.
N. B.
CORRESPONDENCIAS
Sis. redactores.^No podendo o Sr. Antonio Ber-
minha obtervago, queira leva-la perante o governo
imperial, de quem espero em negocios dessa ordem
menos diplomacia e mais clareza em seus avisos.
Aproveito a occasiao para reiterar pessoa
de V. Exc. os meus protestos de alta estima e
subida consideragn.
Deus guarde a V. Exc. Recife, 20 de fevereiro
de 1865.
Bernardo Luiz Ferreira Cesar Loureiro,
Major reformado da guarda nacional.
ao dAlho.
mettia, visto ter bens para cumprimenlo dos seus
deveres ; e 5. Analmente que icnoro completamen-
te, que a escriplura de venda fosse passada com a
condiegao de o Sr. Antonio Ramos satlsfazer o lo-
gado de tres contos, a que se refere o Sr. D. Jos
Antonio.
Sentenca.
Consta da denuncia de folhas duas do juiz de paz
e mais membros da mesa parochial da Gloria lo
Goit contra o juiz municipal Dr. Maxiraiano Fran-
cisco Duarte, e delegado Carlos Jos d'Oliveira:
Que, quando se proceda na matriz d'aquella
freguezia a eleigao de vereadores e juizes de paz,
, so do sophisraa, da calumnia, da injuria, da ment- appareceu o pnmeiro denunciado procurando em-
. ra, imposturas e desaforos de vil canalha, tendo ao baragar a continuagao dos trabalbos da dita elei-
no houve ao menos,
quem desse por ellas o valor da venda ; 4. que esta nardino dos Santos Jnior, contestar os factos por
venda foi celebrada espontneamente para paga- elle pralicados, e mencionados era minha rnissiv
ment do que o Sr. D. Jos Antonio devia a Jos de 24 de Janeiro prximo pr.ssad', em resposta ao
Francisco Lavra Penna, ao banco inglez, e ao Novo seu libello infamatorio de 12 de dezerabro de 1864,
Banco ; dehito que garant em consequencia dos recorre por so ao seu estratgico e favorito recur-
pedidos do Sr. D. Jos Antonio, que por renes me
declarou que o protecesse pois nao me compro
Eis a verdade que nao pode em
testada.
Recife, 18 de fevereiro de 1865.
Bernardino Jos Monteiro.
Copia.Pernambuco 27 de fevereiro de 1861.
Reis 4:0005000.
A' seis mezes precisos da dala desla minha ni-
ca letra pagar Vmc. mim ou a minha ordem, a
mesmo tempo o despejo e arrojo de mentir desea- gao, e, nada consegrando, voltra no da segunie
radamente no mesmo lugar em que elle e sua vic- com o segundo denunciado, e urna forga de 12
tiroa sao bem coohecidos. ; pragas expilliram os pazanos, que guardavam a
E' muito despejo e audacia I E' muito escarne- urna, substituindoos pelas pragas, que levavam
cer do bom secso publico. Quera o nao conhecer e, prohibindo o ingresso ao povo, e aos propnos
que o compre, Sr. promotor da villa do Pilar, se o mesarios, entraram na igreja, arrombarara o co-
boa f ser con- himem probo s se pode conhecer por seus feitos,
e nao por suas palavras, como ser por estas (e de
bocea propria) conhteido ura mentiroso como vos-
sa merc.
O menor dos seus crimes advogar no crime,
na sua comarca e na de Goianna, sem apresentar
prorurago de seus constituintes, por nisso consen-
trem as autoridades respectivas, por ignorancia,
Pastilhas vermfugas de Kemp.
Ch. mamos a attengo de todas as mais para o
remedio mais agraaavel e un que se coBhece
para fazer expel.r as lombrgasas pastilhas
vermfugas de Kemp. Em vez de todas esses im-
mundos e perigoos remedios vermfugos com-
postos de toda a casta de mineraes, aposenta-
mos um delicioso confeilo vegetal, prompto e in-
fallivel na sua operago, nao causando nauseas
nem incommrdos de qualidade alguma, produ
zindo sempre o seu elfeito d'uraa raaneira suave
e completa, naocarecendo depois a assistencia de
qualquer um outro purgante : ulil como um ex-
cellente meio de fazer remover as obstrucgSes
do ventre, mesmo no caso de nao exislirem ver
mes alguns; finalmente, tornam-se ellas dignas
por toaos os reppenos da conlianga e approvagao
de todos r s pas de familia, os quaes acharad es-
tas pastilhas elegantemente acondicionadas den
tro de frasquinhos de crystal. Acha-se a venda
na botica de Caors 4 Barbosa e de J. da C. Bra-
vo & C.
Xovo banco de Pernambuco.
O banco desconta letras na presente semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis mezes, e
toma dinheiro a juros a praso nunca menor da
tres mezes.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
A directora desla caxa saca sobre a caixa filia
na Baha.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
Ufandega
Rendimentododii 1 a 18.........494:2495489
............ 28.961Jo30
255000
cento 25OOO
115000
um 85000
Mcl ou molago......caada 240
Milho.........arroba 900
Papagaios .......um 35000
Pao Brasil.......quintal 55000
dem de jangada......um 55000
Pedras de amolar .... urna 800
dem de filtrar ..... 45000
dem de rebolo ..... 15000
Piassava........molho 120
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento 35500
Pranchoes de amarello de dous
costados.......um 205009
dem de louro...... 105000
Rap.........libra 15000
Sabio......... 12U
Sal...........alqueire 400
Salsa parrilha.......arroba 255000
Sebo em rama...... 55000
dem em velas...... "50U0
Sola era vaqueta......urna 25&00
Taboas de amarello.....duzia 1405000
dem diversas....... 875000
Tapiocas......... arroba 35000
Tatajuba........quintal 25000
Travs........ urna 65000
Unhasdeboi ......Cento 200
Vassouras de piassava ... 105000
Ditas de timb........ 85000
Ditas de carnauba..... > 65000
Vinagre. .. _.....caada 500
Alfaudega
1865.
de Pernambuco, 18 de fevereiro de
(Assignados):
O l. con"
onferente, Antonio Carlos de Pinho Borges.
O 2. conferente, Joaquim Ignacio de Carvalhc*
Mendonra.
Approvo.-Alfandega dePernamuco, 18 de fe-
vereiro de 1865.a. Eulalio.
Conforme.-O 3. escripluraro, Joao dos Santos
Porto.
Recebedoria de rendas Inter-
nas geraesde Pernantbnco.
Rendimento dodia 1 a 18........ 2i:922549i
dem lo da 20................ 3:7225140
25:6445631
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a J8....... 80:3045864
Idero do dia 20......j........ 7.6175291
87:9225155
dem do dia 20.
523:2115019
tforlmenCoda alfandega
Volumesentradoscon.fazendas...
com gneros...
fre, que continha a urna, e os liros e mais papis
da eleigao.
Deffende-se o juiz municipal dizendo : Que fora
Volamossahidoscom fazendas.
i cora gneros ..
83
304
-----387
Descarregam no da 21defevereirrdel865.
a povoagao da Gloria prender um criminoso, e que, Brigue francezLouize Halderdiversos gneros.
appirecendo na matriz algumas vezes nao lomou
parle nos irabalhos eleitoraes.
Que a forga nao foi pedida por elle, e nem este-
ve as suas ordens, e que do oflicio, publicado no
quantia de quatro cootos de ris, em moeda legal, eu parcialldade: botar sua sogra, vava honesta, Diario, que juntou, do juiz de paz Marcelino de
valor recebido em dinheiro e para maior garanta violentamente para a rna, e nesta fleana se nma Salles Uorreia ao presidente da provincia se v
renunciar e prescindir, bem como os mais signa- senhora distincia e caridosa a nao recolhesse em que o arrombamento do cofre foi determinado por
tarios do foro domiciliario, para poder ser deman- soa casa. Salles, para tirar a urna que nelle estava guarda-
dado neste do contrato e de quaesquer prevllegios, Protesto portento nifo descer da dgnidade que dovid. a fls. 15.
como permute a lei de 30 de agosto de 1833 : no me earacterisa arena peridica com um ente lao Allega era seu favor o delegado : Que constan-
vencimento far prompto pagamento como costuma desacreditado na opiniao publica, como o Sr. Anlo- do-lhe dlngir-se um giupo a freguezia'da Gloria
nesta praga, ou onde Ihe for apresentado, e no caso no Bernardino, porque os tiros da sua raaledicen- com o flm de perturbar a eleigao para a'i partir
de demora pagar os juros de um por cento ao ca jamis me podem ferir. no proposito de evita desordens conflicto*
mez, pelo tempo que me aprouver esperar.-AoSr. E'-ovelho Andr Cavalcanti d'AIbuquerque o Que a uroa foi quebrada por um grupo que
padre Jesc Antonio dos Santos Lessa. Jos Fran- autor e responsavel da citada correspondencia de acommetteu a matriz na occasiao, era que elle de-
cisco Lavra Penna.Aceito padre Jos Antonio dos 24 de Janeiro prximo passado ; assuma tambem o legado janteva em casa do vicario.
Santos Lessa. Sr. Antonio Bernardino a responsabilidade pela
Numero 33 sello 15000.Pagou 4JSO0O.Recife sua de 11 do correte, decifrando as iniciaes L...
2 de margo de 1864.Chaves. Castro e Silva. de C... e ludo provando : e se assim o nao zer,
Recife 3 de margo de 1861.Bernardino Jos Mon- Acara julgado pelo mais gratuito, infame e vil ca-
teiro. lumniador.
Recebi do Sr. Bernardino Jos Monteiro o im-
porte desta letra por outra a vencer-se.Recife 9
de setembro de 1861.Jos Francisco Lavra Penna.
Conforme com o original que me foi apresentado I
para extrahir publica forma a qual aprsente que,
vai sem cousa que duvida faga por raim tabeliio
somente subscripta e assignada.Recife 13 de se-
tembro de '8K4. Subscrevo e assigno em testemu-' co. ()Julgo de meu dever protestar contra a opi-! ligenciaso que" sem duvida tera acontecido "se
nho de verdade, o tabeliio publico.Luiz da Cos- nio por V. s emittida na 8- pagina do seu Diario quizesse eff--etuar qualquer pnzo, e flea bem pa-
ta Porto Carreiro. de boje sob o tituloUm pouco de fudo-relaliva-1 tente dos autos de perguntas de fls. 27 v. a fls 34,
Copia. Pernambuco, 2o de maio de 1864. mente ao julgado do tribunal de justiga de Barna e depoimentos das testemtir.has, que a ida dos de-
Rs. 6:0005000. j sobre a identidade de um individuo que se appre-1 nunciados aquelle lugar teve por objeclo interes-
A 6 mezes precisos da data desta minha anica sentava como fllho do marquez de Fontanlllas. ses eleitoraes, tanto que s la chegou a forga, de-
letra pagar Vmc. mim ou a minha ordem a Nao foi como V. S. diz, a luta do forte contra o pois qoe o jaiz municipal se desenganou de nada
quantia de 6.0005000 em moeda legal, valor re- fraco. O tribual de Barcelona condemnou a im-! conseguir no sentido de fazer a acta, e dar por
cebidoem dinheiro, e para maior garanta renun- postura e o embuste e deu vencimento de causa a concluida a eleigao, que ainda estava na 3" cha-
ciar e prescindir bem como os mais signatarios, justiga. mada vid. de fls. 27 a fls. 34-e depolmento de
do foro domiciliarlo, para poder ser demandado Nem aos tribanaes de jostiga da Hespanha se Us. 50 t.
nesta do contrato, e de quaesquer privilegios,como pede irrogar a injuria que com to pouca razo AtteBdendo tambem que nao havendo presi-
apoia V. S. ao de Barna : o mesmo supposto fllho! dente da mesa parocbial, ao qual competa regu-
-------------------------------------------------I lar polica da assembla parochialArt. 47 da Barca incleza Sanaren wmm
() Era resposta temos a dizer ao Sr. Camillode \ lei de 19 de agosto de 1846-pedido auxilio ao de- pool : """ L-"neBou
Andrde, que a opiniao emittida nao nossa, esim legado, nao este, fossem quaes fossem os motivos, 2,651 saccas com I3,77J arrobas
E Analmente que nao concorreu para a volacao
do cofre, como se l no j referido oflicio do juiz
' de paz Marcelinovid. a fls. 22.
Mas attendendo que o primeiro denunciado nao
I moslrou com as razSes em sea abono produzidas,
Rogo-lhes, Srs. redactores, a insergao deslas li- que sua misso Glora foi realmente essa, que
nhas, o seu constante leilor. inculca, e antes o contrario se deprehende de sua
Pedras de Fogo, 15 de fevereiro de 1865. resposta oe fls. 15, combinada com o offleic do
Andr Cavalcanti d'AIbuquerque. commandante do destacamentovid. a fls. 16, no
______ -1 ,, 1 qual offlcio o capito Wanderley asseveraque
! nem no mez de setembro, e nem em outra occa-
llm. Sr. redactor do Diario de Pernambu- sio Ihe flzera requisigao alguma de forga para de-
Brigue inglezAzof- diversos gneros.
Brigue dnamarquez Cnii'n-farinha de
Barca hamburgnezaMarietlalem,
Brigue inglez leddoidem.
Brigue inglez P/miionhacalho.
Barca ingleza-C/iinzacarvo.
Birca inglezaAm6/csife-dcm.
Barca inglezaWilliamdem.
Pataeho inglez Afondaidem.
Patacho inglezPerille Idem.
Escuna ingleza-E/wuof Barter idem.
trigo.
permitte a le de 30 de agosto de 1833 : no ven-
cimento far prompto pagamento, como costuma
nesta praca ou aoude Ihe fr apresentada, e no ca-
so de demora pagar os juros de nm por cento ao
mez, pelo tempo que me apronver esperar. Ao Ido Comnwrcio do Porto, d'onde extrahiraos'a no
Sr. padre Jos Antonio dos Santos LessaJos I ticia.
Importado.
Brigue dinamarqnez Carolina, viudo de Bunees,
consignado a Amorm & Irmaos, manfestoa o
segainte :
5,010 saceos com farinha de trigo 5 a ordem.
Rrifrne inglez Phaurton, entrado de Terra No-
vo, consignado a J. Pater & C, manifestou o se-
grate :
3:00 barricas com bacalho ; aos mesmos.
Hiale nacional Amelia, entrado de Penedo, con-
signado ao capitao Antonio Jos Rodrigues Pi-
nheiro, manisfestou o seguate :
100 ,-ccos milho; a C. C. da Costa Morera.
99 meios de sola, 3 alqae.res feijao e 156 ditos
de milho a granel ; ao consignatario.
Lugre inglez Brilhante, entrado de Nova-York,
consignado a Saunders Brothers & C, manifestoo
o segu me :
2,560 barricas farinha de trigo; aos mesmos.
ExportaeSo.
Patacho inglez Melino, carregou para o Canal
pelo Ro Grande d.. Norte :
700 saceos com 3,506 arrobas de assucar mas-
cavado.
Patacho inglez Julia, carregou para Liverpool :
1.14 saccas com 6,409 arrobas e 11 libras de
algodo.
para Liver-
que nenhuns houve, que se appresentar mais o ou- de algodao, 356 co uros com 19,392 libras"
tro denunciado na matriz da Glora, onde ludo! ______
e 13 libras
M0?IMENT0' DO PORTO
.Vatio entrado no da 19.
Penedo8 das, hiate nacional Amelia, de 36 to-
neladas, capito Elias Peixoto da Silva, equipa-
gem 6, carga milho e oulros gneros ; a Bernar-
do Jos Rodrigues Pinhero.
Navio sahido no mesmo dia.
Parahyba-Brigue inglez Brooking, capitao William
Byrne, carga parte da que trouxe de Terra
Nova.
Navios entrados no dia 20.
Montevideo28 dias, sumaca hespanhola Crono-
metro, do 150 toneladas, capito Jeronymo Ma-
rystany, equipagem 10, carga 2866 quinlaes
hespashes de carno secca; a Amorm Irmao.
New-York 32 das, barca americana Anacondar
de 383 toneladas, capito Percival, equipagem
10, carga 1,500 barricas com farinha de trigo o
outros gneros; a Henry b'oster & C.
New-York.29 dias, lugar inglez Brilhanle, de
360 toneladas, capito Walker, equipagem 16.
carga 2560 barricas com farinha de trigo ; a
Sawnders Brothers & C.
Nuv:os sahidos no mesmo da
Rio Grande do Su!Barca nacional Palmyra, ca-
pito bento Jos de Almeida, carga sal.
Liverpool-Barca ingleza Mimoza, capito George
Pepprell, carga assucar e algodao.
EBITAES.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do contraer-
co desta cidade do Recife capital da provincia
de Pernambuco e seu termo por Sua Magestade
Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro II a
quem Dos guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem que por parle de D. Josepha
Justina de Jess Gongalves, me foi dirigida peti-
go do theor segrate :
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio.Diz
D. Josepha Justina de Jess Gongalves, inventa-
rame nos bens de seu casal por bito de seu ma-
rido Manoel Antonio Gongalves, que devendo a sea
predito casal Luiz Jos de S Brrelo a quantia de
llojOOO, principal de urna letra saccada pelo ma-
rido da supplicanle vencida em 30 de Janeiro de
1860, alm dos juros decorridos do vencimento en>
diante, e Francisco Ricardo de Mesqnila Cavalcan-
te 2835100 rs., por urna letra igualmente saccada.
pelo marido da supplicanle, que se vencen a 39 de
janeiro de 1860, e es juros decorridos do vencimen-
to, e porque nao seja sabida a residencia des men-
cionados devedores pretende a supplicanle nter-
romper a prescugo, e para esse fim queira V. 8.
consignar dia e hora para provar a ausencia e in-
certeza de lugar dos referidos devedores que de-
pois de provada e julgada por sentenga sejam ci-
fu f-jjfcTi #1



-
,
j



alarle de FertiamfctllB Terca rIra ti de Fcrerelre de 185


tados por carta de edictos nos termos do 3o do
arl. 433 do cdigo cotnmercial.
B porque a supplcante liquidataria da exlinc-
ta firma Oliveira & Gongalves pretende igualmen-
te interromper a prescogo contra o devedor Joa-
qun! Francisco Bezerra, qae deve 3:3004, a sa-
ber : ama letra da 1:10#, de principal, e outra
de 2:18ftft, ambas vencidas a 28 de fevereiro de
1860, assim pois queira V. S. mandar proceder ao
respectivo protesto.
Pede V. S. deferimento.E R. M. O procura-
dor. Antonio Pinto de Barros.
E mais se nao continha era dita pctlco ar,ol co-
piada ; na qual dei o despacho do Iheor seguinte:
Para a justiflcagao marco o da da primeira au-
diencia.
Reclfe, 27 de Janeiro de 1863.-Alencar Ara-
ripe.
mais se nao continba em dito despacho aqui
copiado.
Em vii tude do qual fura a mesma peligao dis-
tribuida ao escrivo desto juizo Maooel Mara Ro-
drigues do Nascimenlo, o qual fez lavrar o termo
de protesto do theor seguinte :
Termo de protesto aos vinte e sete dias do mez de
Janeiro de 1863, nesta cidade do Recife de Per-
nambuco em met cartorio perante mim e as tes-
temunhas inlra assignadas compareceu a suppli-
caole por seu bastante procurador Antonio Pinto
de Barros, e por elle foi dito que reduzia a protes-
to o conlhedo de soa peligao retro, a qual oOe-
receu como parte do presente que (lea sendo, no
qual depois de liJo se assignou com as indicadas
testcmunhas.
Eu Manoel Sirrino de Barros Falcao, escrevente
juramentado o cscrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimenlo, es-
crivo o subscrevi.Antonio Pinta de BarrosSe-
gundino Eliodoro da CunbaPedro Tertuliano dos
Sanios Azevcdo.
E mais se nao continba em dito protesto aqui co-
piado.
E tendo a supplcante produzido snas testemu-
nh is sellados c preparados os utos subiram a mi-
nha concluso e nelles dei e prefer a sentenga do
theor seguinte :
Procede a justiflcagao, e assim mando que os
supplicados sejara citados na forma requerida a fo-
Ihas duas, tomando-se o respectivo protesto. E
sejam as custas pagas cx-cauza.
Recifc, 11 de fevereiro de 1863.Tristo de
Alencar Araripe.
E mais se nao continba em dita sentenga aqui
copiada.
Porforca da qual o referido escrivo fez passar
o preseute edilal com o prazo de trinta dias, pelo
qual chamo, cito e nei por eitado os referidos sup-
plicados para que comparegam neste juizo dentro
liga.
E para que chegue ao onhecimento de todos
mandei passar e presente que ser publicado pela
imprensa e afllxado no lugar do costume.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimenti, es-
crivo o subscrevi.
Recife, 14 de fevereiro de 1863. "
Trist.o de Alencar Araripe.
Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 7 do correte, manda fa-
zer publico que no da 23 do mesmo perante a
junta da fazenda da mesma thesouraria vai nova-
mente a praga para ser arrematado a quem mais
der o imposto do pedagio da barreira de Mutoco-
lomb, avaliado em 2:0135 annuaes.
A arremalacao sera feta por tempo de |dous
annos e qnatro mezes a contar do 1 de marco do
corrente anno ao ultimo de junho de 1867, e de
conformidade com o art. 16 do regulamento de 3
de agosto de 1832.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparegam na sala das sessdes da referida
junta no da cima mencionado pelo meio dia e
competentemente habilitados.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de fevereiro de 1863.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia de 7 do corrente, manda fazer
publico que no da 2 de marco prximo vindoaro,
perante a junta di fazenda da mesma thesouraria,
se ha de arrematar a quem por menos fizer os re-
paros de que precisa o empedramenlo do lugar de-
nominadoAreias do Gquina estrada da Vic-
toria entre os marcos de 3 a 4,000 bracas, avalia-
desem 397,5500.
A arrematrgo ser feita na lorma da le provin-
cial n. 343 de 13 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparegam na sata das sessdes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincia! de Pernam-
buco, 10 de fevereiro de 1865.
O secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Clausulas especiaes para a arremalacao.
1*. Os reparos do empedramento da estrada da
Victoria, em diversos pontos entre os marcos de
.1 a 4,000 bracas, sero executados de conformida-
de com o respectivo orgameno na importancia de
-3975500.
2*. O arrematante ser obrigado a dar principio
aos reparos, 15 das depois que assignar o contrato,
e a termina-lo 2 mezes dopois.
9*. O pagamento ser effecluado em urna s pres-
lago, logo que pelo eogenheiro for declarado que
os reparos foram concluidos.
4.a Para tudo o mais que nestas clausulas nao
previne observar-se-ha o que dispoe a lei n. 280.
Gonfurme,
Antonio Ferreira a"Annunciacao.
DECLAB1C0ES.
Caixa filial do banco do B/asil
em Pernambuco,
14 de netro de 1865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aos credores de ebaslio Jos da Silva a virem
receber do lliesourero da mesma caixa o que em
rateio Ibes toca da venda de urna das proprieda
Jes, que segundo a concordata.lhe foram entregues
para serein vendidas.O guarda-livro?,
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da directora desta mesma caixa se
J.'az publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesourelro esl aatorisado alagar o 22." di-
videndo de 105 por aegao.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Aviso
aos navegantes.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhecimento dos navegantes, que a
-tioia do extremo do sul do banco do iuglez que ha-
via sido laogadV praa por Ihe haver arrebenta-
do aamarrago, foi novamenle collocada, demar-
cando Ihe o pharol do pico ao O 1/2 N O, e a lor-
ie do seminario de Olinda ao N 1/2 N O, rumos
magnetices, e em fundo de 5 bragas, exactamente
yode termina pelo sol o Recife que forma o banco
ngilez. Capitana do porto de Pernambuco 4 de
tfvereiro de 1865.O secretario,
Deco de Aquino Fonseca.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial era cumprimento da ordem do Exm. sr. pre-
sidente da provincia de 7 do corrente, manda fa-
zer publico que no di 23 do mesmo, perante a
nula da fazenda da mesma thesouraria, vai nova-
mente a praga para ser arrematada a quem por
menos fizer, a obra da ponte de ferro de Motoco-
lorab, avahada em 68:9305, servlndo de base a
ssa arramatace oabalimento de 7 0/0 ofjerccido
.pelo licitante Jos Augusto de Araujo. E para
constar se mandou publicar o presente pelo jornal.
SeeretaS da thesouraria provincial de Pernam-
buco 8 de rfevereirode 1865. O secretario,
A. F. d'Annnnciacao.
1.a seceso. Secretaria da polica dePernambn-
<0, 1 de fevereiro de 1863.O Illm. Sr. Dr. ehefe
11 dicional de 12 de fevereiro de 1863 abaixo trans-
cripta, alim de que ninguem allegue ignorancia de
mas disposigSes.
Postoras.
Art. 1." Fica prohibido neste municipio o bnn-
quedo de intrado com agua por qualqoer manetra
que se emprege ; os infractoras pagaro a multa
de 13000 res, e 8 dias de prisao.
Art. 2." Fica prohibida a venda de limas de clie-
ro ; os infractores alm de as perderem, pagaro
4*000 de multa.O secretario, Eduardo de Barros
Falcao de Lacerda.
Arrematago
Finda a audiencia do dia 21 do corrente do jui-
zo de orphos, escrivo Guimares, a requerimen-
to da junta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia desta cidade, sera arrematada por venda
urna parte do sobrado de um andar e solio, sito
na ra de Hortas n. 66, freguezia de Santo Anto-
nio, avahada dita parte em 6105329, dednzida esta
de 4:0005 por quanto foi avaliado o dito sobrado,
a qnal parte pertencente a Anna Rosa das Mer-
cas, por antonomasiaTempera, que se acha
recolhida ao hospicio dos alienados, e vai praga
a referida parte do sobrado pela quantia de
5045264, ja abatida a quinta parte de sea valor.
Aviso aos navegantes
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para conhecimento dos navegantes, que ne
dia 18 do corrente foi novamenle collocada, e na
mesma poslgo, a boia que marca o termo dos
baixos de Olinda ; e a qual havia sido arrojada
praia por Ihe haver fallado a amarra.
Capitana do porto de Pernambuco 18 de feve-
reiro de 1865.O secratario,
Deco de Aquino Fonseca.
Capitana do porto de Periumbuco, 14
de Janeiro de 1865
Era vista dascircurastancias melindrosas era que
se acha o paiz, sendo necessario que todos os bra-
sileiros, concorram para a sustentago dos bros e
dignidades nacionaes, compromeltidos na guerra
cum as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capian do porto, em vjrtude do que Ihe
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e secre-
tario de estado dos negocios da marinha, convidar
nao s aos matriculados, como a todos os cidados
que se queiram alistar na qualidade de voluntarios
para armada, a se apresentarem nesta capitana
nos das uleis das 9 s 3 1|2 horas da tarde.
Outro sim, sao igualmente convidados os indivi-
duos que tiverara baixa do servigo naval, a alista-
rem-se por um anno ou mais, garanlindo-se-lhe
nao s as respectivas escusas, logo que terminem
os seus contratos, mais anda os premios ixados na
lei, para os que voluntariamente procurara o ser-
vigo da armada, e bern assim urna gratificago
mensal, igual a metade dos solitos, que percebiam
na occasiao em que obtiverara baixa.
As vantagens e condiegocs para o alistamento se-
nt as estabelecidas pelas instruegoes que baixa-
ram com o decreto n. 1391 de 14 de abril de 1855
que sao as seguintes :
Art. 12. Distinguir-se-ho seis classes de volun-
tarios :
1.* Dos individuos que quizerera servir na ma-
rinhagem sem tempo determinado ;
2.* Dos que se quizerem contratar para servir
na mannhagem por tempo determinado :
3.'Dos que se prestarein servir na marinh-
gem os prazos estabelecidas no artigo 3." do decre-
to n. 1466 de 25 de outubro de 1854, e que escu-
sam o nacional do servigo militar ;
4.a Dos que quizerem ter praga no corpo de im-
periaes marinheiros.
5.* Dos quo se destinaren) para o batalbo naval.
6.a Dos aprendizes marinheiros.
Art. 13. Os voluntarios das differentes (classse
defiuidas no artigo antecedente devero ter os re
qnisitos seguintes :
1.a Classe.Os que se alislarem para a mannha-
gem sem tempo determinado, devem ser fortes,
saos, acostumados a vida do mar, ou pelo menos
capazes de servir na praga de grumete.
2.a Classe.Os que se contratarem por prazos de-
terminados, de um a tres annos, devem ser fortes
saos, e acostumados a vida do mar.
3.a Classe.Os que se contratarem para servir
na marinhagem o prazo de seis ou de oito annos,
em conformidade do artigo 3. do decreto n. 1466
de 25 de outubro, devem ter os requisitos dos da
segunda classe, excepto a pralica da vida martima
que poder ser despensada com a clausula que
adiante ( artigo 16) se expressa.
4.a Classe.Os alistados para o rorpo de mpc-
riaes marinheiros devem ser cidados brasileos
de 18 35 annos de idade, ou at 40, sendo homens
do mar; fortes, saos, e capazes de todo o servigo.
5.a Classe.Os alistados para o batalho naval
devem ter 18 at 43 annos annos de idade, e os oa-
tros requisitos da quarta classe.
Todava poder-se-ha admittir alguns estrangei-
ros medanle previa autorisago do governo.
6.a Classe.Os aprendizes marinheiros devem
ser cidados brasileiros, de 10 a 17 annos de ida-
de, de constituigo robusta, c apropriada vida do
mar.
Poder-se-ha tamheni admillir menores de 10 an-
nos, que lenham sulflcienle desenvolviraento phy-
sico para os exerccios do aprendisado.
Art. 14. Os voluntarios da primeira classe perce-
bero os sidos concedidos pelo artigo 1 "d.i decre-
to n. 1466 de 25 de outubro, mas nada recebero
a titulo de premio ou gralificago.
Ser-lhes-ha declarado, e expressado nos seus as-
sentamentos, que noobtero guia de desembarque
sem previnir ao commandante respectivo dous
mezes antes, salvo se nisso nao houver inconve-
niente para o servigo, por que euto sero rarac-
diat unente altendidos.
Urna resalva, que Ibes dever ser entregue com
a guia de desembarque, declarar que a contar
dessa data os sobredios voluntarios.se forem na-
cionaes, fieam isentos do recrutamento por um an-
no, ou por tempo igual ao que tiverem servido nos
navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,
porm, o caso de circumstancias extraordinarias
durante s quaes Gcar suspensa a isengao.
Art. 15. Os da segunda classe receberos os pre-
mios seguintes :
Se f'"ivm grumetes; dez, vinte e dous, ou trinta
e quatro rail reis, segundo se contratarem por um,
dous, ou tres annos.
Se forem marinheiros : vinte, quarenta e cinco,
ou setenta mil reis, segundo o prazo de seu contra-
to for de um, dous, ou tres anuos.
Alera do premio recebero mais os referidos vo-
luntarios se directamente se apresentarem, a gra-
tificago de quatro mil reis sendo estrangeiros, e
de cinco mil res sendo nacionaes.
Esta gralificago, porm nao se abonar repet
damenle ao mesrao individuo por cada novo con-
trato successivo que. fizer, se este for de prazo me-
nor de tres annos.
Arl. 16. Os da terceira classe recebero mais
urna quarta parte do maior premio que poderiam
obter contratndose como os da segunda classse
na praga de grumete ou de marinheiro, que Ihes
competir, e a mesma gralificago apresentando-se
directamente.
Exceptuam-se os que nao forera homens do mar,
e tiverem mais de 40 annos de idade, os quaes po-
dero alistar-sc com as condirgoes dos da terceira
classe, mas sem augmento de premio.
Art. 17. Os da quarta classe recebero como pre-
mio cem mil reis, se forem marinheiros,e sessenta
mil res se forem grumetes.
Arl. 18. Os da quinta classe recebero o prerai"
decent e cincoenta mil res, se nao forera maiore
de quarenta annos e o de cem mil reis, se tiverem
mais daquella idade.
Arl. 19. O premio dos voluntarios menores, des-
tinados para as companhias de aprendizes mari-
nheiros, ser de cem mil reis, e se abonar aos
pas, tutores, ou quem snas vezes fizer :
Art. 20. Os premios de que tratara os artigos an-
tecedentes serao pagos pela maneira seguinte :
I. Os dos voluntarios da segunda classe, se o
alistamento for por um anno, Ihes sero pagos in-
tegralmente no acto de assentarera praga; se por
dous ou tres annos, recebero em tres prestages
iguaes, sendo primeira paga como no primeiro
caso, segunda quando vencida metade do prazo
do contrato, e a terceira finda o dito prazo.
2. Os voluntarios da terceira classe recebe-
ro urna terga parte do premio respectivo logo que
tenham assentado praga, outra terca parte no fim
de primeiro anno de servigo, e o restante lindo o
praeode seu alistamento.
3." Os premios dos imperiaes marinheiros e os
das pragas do batalbo naval sero abonadas como
os dos voluutarios da terceira classe.
4. Os premios devdos pelo alistamento de
menores paras as companhias de aprendizes mari-
nheiros sero pagos integralmente, logo que se ve-
rifique a eolrega dos ditos menores.
Arl. 21. As gratificagoes que competem aos vo-
luntarios que directamente se alistarem no servigo
da armada, serao pagas conjuntamente com a pri-
meira prestago do premio respectivo.
O secretario da capitana.
Uecw de Aquino Fonceca
orreio geral
Pela adminlslragao do crrelo desta cidade se
faz publico para (los convenientes que em virtude
do dL.posto no art. 138 do regulamento geral dos
correios de -l de dezembro de 1841, e artigo 9 do
decreto n. 785 de 13 de maio de 1831, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
gao perteocentesao mez de fevereiro de 1861, no
da 6 de margo prximo, as 11 horas do dia, na
porta do mesmo correio, e a respectiva lista se
acha desdej exposta aos ioteressados.
Administrago do correio de Parnambuco 20 de
fevereiro de 165.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela administrago do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da cenvengSo postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez sero
expedidas malas para Europa no da 30 do corren-
te pplo vapor francez Bearn. As cartas sero re-
cebidas at tres horas antes da que for marcada
para a sabida dos vapores, e os jornaes at quatro
horas antes.
Administrago do correio de Pernambuco 20 de
fevereiro de 1865. O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
TIIEATUO
IUMIi: BAILE
DE
! via.sc;jlK:1lN.
Nos dias do rarnaval
Satinado 25, domingo 26, segunda fe-
ra 27, iercafeira 28,
Miguel Candido de Medeiros Pinto, tendo obtido !
do Exm Sr. Dr. Antonio oorges Leal Castello
lirauco, dignissimo presidente da provincia, con-'
cessao para dar bailes mascarados nos dias cima
mencionados, vem scientilicar ao respeitavol pu-
blico, que tem envidado todos sens esforgos, mes-
mo nao tem poupado despezas para abrilbantar o
theatro.
AS 8 horas das noiles dos dias inlicados est
aberto o theatro, e as 9 cm ponto principiar o
baile com a execuco de urna das melbores ouver-
turas, pela banda de msica do Io batalho de in-
Cantina da guarda nacional do Recife sob a dir- ;
gao do insigne professor o Sr. Tlieotonio Jos de j
Son a.
Pregos dos camarotes e entrada geral.
2o e 3a ordem sero pelo prego da casa, fi-
cando alterado somente quanto as entradas que
lera
A
2 para haraem e 4 para senhora.
Ia e 4a ordem sero consideradas galeras pa-
ra as senhoras que nao dansarem, medante a pa-
ga de 25 de entrada.
Entrada geral para cavalbero25 e as senhoras
quel estiverem miscaradas, tero entrada gratis,
assim como os mascaras vestidos de senhora pa-
garn 2$ por sua entrada.
O director dos bailes julga desnecessario dizer
ao respeilavel publico a ordem e inoralidade,
vista de seu testemunho no anno prximo passado
o qual continuar a envidar seus esforgos para que
continu.
Sbro finalmente observados os regulamenles
quer de polica quer do mesmo theatro.
Terminara s 2 horas em ponto.
COMPANHU PERNAMBUCANA
DE
Navega^o costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaly, Cear
e Acarac.
No dia 22 do corrente s 3 ho-
ras da tardo segu para os portn
cima indicados o vapor Maman-
iunpe, commandante Moura. Re-
ebe carga at o dia 21. Encom-
mejndas, passageiros e dinheiro a frete at 2 oras
da tarde do dia da sabida : cscriptorio no Forle
do Mallos n. 1.
CMPANHIA PEKNAMBUCANA
DK
N{ivegac5o costeira por vapor.
Natal em direilura.
Eipede-se o vapor Persinunga, commandante
Ralis, para Natal em direilura no dia 22 do cor-
rente s 8 horas da manha ; recebe carga at o
dia 21 s 11 horas da manha, encommendas, pas-
sageiros e disheiro frele at s 4 horas da tarde.
Es(,riptono no Forte do Mallos n. 1.
Porto
Segu brevemente a barca porlugueza Sympa-
thia por tT seu carregamento completo : quem
quizer ir de passagem, para o que tem excellentes
commodos, eotenda-secom Bailar & Oliveira, ra
da Cadeia n. 26.
Para Lisboa.
Pi-etende seguir com rouila brevdade a barca
porlugueza Henriqueta, tem parte de seu carrega-
meijto prompto : para o resto trata-sc com os seus
consjignatarijs Antonio Luiz de Oliveira Azevcdo &
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.________
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevdade o brigue es-
cuna Joven Arihur, tem parte de seu carregamon-
to engajado : para o resto que Ihe falta trata se
cornos seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1
Para o Kio de Janeiro
Sapir com brevdade o patacho nacional Kia-
mao, i recebe carga a frete commedo e escravos:
trata-pe cora Manoel Ignacio de Oliveira & Filho
no largo do Corpo Santo escriptorio n. 19 ou com
o capito a bordo.__________ _______
Para
Segu nesles dias em direilura ao indicado por-
to o vflleiro brigue escuna brasileiro Graciosa, ca-
pito Jacintho Nunes da Costa, por ter quasi prom-
pto o seu carregamento ; para o pouco que anda
pode admetlir, trala-se com o seu consignatario
Antonip de Almeida Comes, ra da Cruz u. 23,
primeiro andar.____________________
Para o Porto pelala de S.
Miguel.
O vellpiro e bem coohecido brigue nacional A-
melia pretende seguir com muita brevdade, tem
parte doseu carregamento engajado, para o resto
que Ihe falla e passageiros, para os quaes tem ex-
cellentes commodos : trala-se com os seus consig-
natarios A. Luiz de 0. Azevedo & C. no seu escrip-
torio na ra da Cruz n. 1.
Kio de Janeiro.
A sumaca Aguia recebe carga minda e escra-
vos a frete : trata-se com os consignatario* Mar-
ques, Barros & C,, largo do Corpo Santo n. 1.
Para Lisboa
pretende sabir em poucos dias o patacho portuguez
Jareo por ter a maor parte da carga tratada, e pa-
ra o pouco que Ihe falla tratase cem os consigna-
tarios Palmeira & Bellro, largo do Corpo Santo
n. 4, primeiro andar.
P ira a illta de Fernando de -\oronlia
segu mpretervelmente no da 25 do corrente o
bsm cbnhecirto hiate Sergpann : para carga e pas-
sageiros trata-so com o capito a bordo.
Porgo de barriquinhas de Jjolachinha.
P.jrgo de saceos de farello
Pao de resmas de papel de embrulho.
IIOJTE.
as II horas da manha,em seuarmazeir, ruada
Senzala Nava, no Recife.
Leilo de idovcmT-
Como seja
1 mobilia de cliaro composla de 12 cadeiras de
guarnigo, 2 ditas de braco, 2 ditas de balango, 1
mesa de meio sala e 1 sof, 1 estante, 1 banca re-
donda para ajvogado, 9 serpentinas, 1 candelabro,
1 rica cama franceza de amarello, 1 commoda de
Jacaranda, 1 guarda-ronpa de mogno, 1 relogio de
ouro, 1 dito para senhora, e diversas crrenles de
oro e oulros mu tos objectos de gosto.
m
Terga-feira, 21 do corrente, s 10 horas.
Cordeiro Sirades far leilo dos objectos cima
mencionados no armazem da ra da Cruz n. 57.
Leilo de 24 barris com manteiga ingleza,
sem limites.'
Quana-feira, 22 do corrente.
O agente Pestaa vender por cunta e risco de
quem pertencer 24 barris com manleiga ingleza
sahida a semana passada da alfaudega, a qual se-
r vendida para fechar conta, sem limites pelo
maor prego : quarta (eir, 22 do corrente pelas 11
horas do mesmo no armazem do Sr.Annes, defron-
te da alfandega. ___
Leilo de 30 barris de 2 arrobas com touci-'
nho de Lisboa.
Quarta-feira, 22 do corrente.
O agente Pestaa fara' leilo para liquidago,
por conta e risco de quem periencer, de 30 barris
com loucinho de 2 arrobas cada urna, pelo maior
prego que der, para fechameBto de factura : quar-
ta-feira ti do corrente pelas 10 1|2 horas da ma-1
nba no armazem do Sr. Annes.
Leilo do grande predio, em que se acha
montada a grande fabrica de sabo da
ra Imperial, e juntamente os pertences
na mesma fabrica
Quinta feira 23 de fevereiro de 1865.
O agente Pinto levara' de novamenle a leilo !
requerimenio dos admioislradores da massa fallida
de Rostron Rooker A C, e por mandado do Illm.
Sr. Dr. jhz especial do commercio .a fabrica de
saino da ra Imperial e inclusive! o eliticio e mais
objectos perlencentes a mesma massa, as 10 horas
em ponto, do dia cima dito na referida fabriea.
l-eil |
Antonio Valentn) da Silva Barroca faz leilo de
fazendas ingkzas de algodo.
Amanha pelas 11 horas da manha
era seu armazem da ra da Cadeia n. 4._______
Leilo de gneros de estiva.
Quinta-feira, 23 do corrente.
Antonio Barbosa de Barros, tendo de ret'rar-se
para a Europa afim de tratar de sua sade, far
leilo por intermedio do agente Pestaa, de todos
os gneros existentes em seu armazem, constando
de vinhos em pipas e barris, vtrwgre pipas e bar-
ris, papel de peso e almaco, palillos de fogo segu-
ranga, charutos de marcas conbeeidas no mercado,
balangas, pesos e diversos objectos perlencentes ao
mesmo, o que tudo sera vendido sem reserva :
quinta-feira 23 do corrente pelas 10 horas da ma-1
nba era seu armazem na ra do Codorniz n. 12
A.
Leilo de tima casa terrea no becco tapado,
por (ra da ma da San/.alla n. 2.
Quinta-feira, 23 do crrenle.
O agente Pestaa aulonsado pele Sr. Antonio
Barbosa do Barros, far leilo de urna casa terrea
do becco tapado n. 2, em chaos proprios, tem 2
quarlos, 1 sala ojfccorredor, 1 pequeo cbago, a
qual rende 10$ nWnsaes, os pretendentes podem
examina-la e o leno tem lugar quinta-feira pelas
12 horas da manha, no armazem do mesino se-
nhor ua ra do Codorniz n. 2, logo que linde o lei-
lo dos gneros.
LE1LAO
de um excellente sobrado de um andar e soto
com accommodages para grande familia, por
ter soto, 4 salas, e 26 quartos no pavimento supe-
rior e no terreo, alora das lujas, pateo, quintal com
arvoredos, jardim, coteira, telh>-iro, pogo e deposi-
to d'agua, na ra Imperial n. 67.
Urna casa terrea com 2 salas, 4 quartos, quintal,
e cacimba, na mesma ru.i n. 66, junto ao sobrado
supra.
Um sobrado de dous andares na ra do Livra-
menlo n. 9, o qual se toma recommendado por ser
edificado era una ra de grande commerrio.
Duas tercas parles da casa de sobrado e sitio da
Passagem da Magdalena, ra do BomOm n. 42, com
bastante terreno plantado at a raargem do Capi-
baribe.
Sexta-feira 24 de fevereiro de 1865.
O agente Pinto far leilo por autorisae'io da di-
rectora da caixa filial do banco do Brasil nesta ci-,
dude, dos predios cima mencionados, s II horas
do dia cima dito, em seu escriptorio, ra da Cruz
n. 38, onde podero os pretendentes oblerem desde
j qualquer iuformago acerca dos .nesmos pre-
dios.
CASA DA F0RT04
Aos 6:000$000.
I! i I ti efe* garantidos.
A' HL'A DO CnKSPO K. 23 V. CASAS DO COSTCME.
O abaixo assignado vendeu nos seus mullo feli-
zes burieles garantidos da (olera que se acabou
de eilrahir a beneficio da Santa Casa de Misericor-
dr, os seguintes premios :
l'm quarto n. 455 com a sorle de 1:4'0|000.
Um meto n. 400 com a sorte de 5005000.
E oulras rouitas sones de 200*, 100, 40J'e
20$000.
Os pessnidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis Da Casa
da Fortuna rna do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 5a parte da 2' foteria
beneficio do patrimonio do3 orphos que se eilra-
hir do dia 25 do corrente.
PREGO.
Blhetcs.....7000
Meios......35500
Quartos.....j^grjo
Para as pessoas que eemprarera de I00.-)000
para rima-
Bilhetes.....64500
Meios......35250
Quartos.....14700
Manqui. Mabtijis Fiiza.
A ma
Precsa-se de urna ama para coznhar c com-
prar : na ra da Cadeia Veltia n. 45.
Precisa-se contratar urna criada para o ser
vico de pequea familia, composta de tres pessoas
que residem junto a estadio de Ipojuea : para me-
lbores informacSes procuren) o abaixo assignado,
que mora na ra do Gazometro.
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
O Sr. Dr. Joo Neavc tem urna carta vinda
da Europa no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira 4 Flho, largo do Corpo Santo n. 19.
Precisa-se de um copeiro e de um moleque
para alugar : na ra das Larangeiras n. 10.
Convida-se pelo presente aos Srs.
credores do Rvmd. padre l>. Jos Antonio
dos Santos Lessa, a reunirenv-se na loja da
ra do Imperador n. 37, no dia 21 do cor-
rente ao meio dia, para tratar-se definiti-
vamente o que se deve faz,er a bem da
massa.
Precsa-se de um caixeiro para urna padaria
na villa da Escada : a tratar na ra Imperial, ta-
berna n. 27.
Joo Baptisla Gongalves Augusto Ribeira
Lima Chalaca fazem ver ao publico ao corpo do
eommercio ilesia praga que, tendo-se dissolvido
amigavelmenle a sociedade que gyrava sub a firma
soeial de Guedes & Gongalves, cujo estabeleci-
mento era na ra da Cadeia do Recife n. 7, orga
nisaram os mesmos abaixo mencionados urna no-
va sociedade sob a firma social de Joo Baptista
Gngalves & C, Meando a seu cargo lodo o activo
e passivo da extincta firma desde o 1 de Janeiro
do corrente anno. Recife 17 defeveieiro de 1860.
Joo Baptista Gongalves.
Auguslo Ribeiro Lima Chalaga.
Alnga-se um sobrado de um andar e soto,
com commodos para grande familia, tendo um bel-
lo terrago, e toda illuminada a gaz, e com um pe-
queo quintal cum carimba, notando se que l<*i ree-
dificado todo de novo ha pouco tempo, no fim da
ra Augusta com o oilo para o viveiro do Muniz:
a tratar no principio 'la ma Imperial n. 40.
Preri.-a-se de una ama que cusinhe e en-
gomle para urna c;.sa de pequea familia : na
praga da Independencia ns. 23 o 25 ao p do fu-
nileiro __ ____
SAluga se urna sala do 1 andar da ra do
Queimado n. 41 : a tratar na mesma._________
Caetano Pereira de Bilo, solicitador de cau-
sas no clvel, eommercio e ecclesiastico no foro
desta cidade do Recife, tend o seu escriptorio na
ra da Praia no primeiro andar do sonrado n. 49,
ah estar sempre das 6 horas as luda manha e
das 7 da tarde as 7 da noite. Eucarrega-se de
toda qnalmier cansa que Ihe queiram confiar,
obrigando-se aadianlar lodasas dcspesas.e mesmo
a assumir a respon-abilidade, quando qualquer
parte nao tiver animo de propr a sua acgo, ou
de prosegni-la.
Precisa-se de um menino de 13 a 14 annos
ou um hoinem de 30 40 annos que saiba 1er :
ratar na ra da Concordia n. 38.
~3$000 de gralifiaca..
Furtaram do bordo do brigue hamnurguez Pal-
ma, sarto neste porto, um bote de pouco mais ou
menos 20 ps de comprimento, sem remos, pintado
dentro de c6r de canoa o envernizado fra a pes-
soa que o apprehender, levando-o a bordo do dito
brigue recebera a gratificago de 305000. Suppoe-
se ter sido levado este bote por um prelo america-
no, marinheiro do dito brigue, por ter desappare-
cido na mesma occa^io.
LOTERA
AOS 6:000$000.
Sabbado 25 do corrente mez se extrahi-
r a 5a parte da 2a lotera do collegio dos
orphos no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ra do Cres-
po n. 15.
Os premios de 6-OOO0OOO al IO#000
sero pagos una hora depois da extraeco
al as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As encommondas sero guardadas so-
mente al a noite da vespera da extraeco
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Deor :em do Illm. Sr. Dr, presidente
fago scente aos Srs. socios, que a partida
deste mez t r 1 gar no dia 26; nagual
permittido aos mesmos socios e ads'mais
convidados apresentarem-se trajados de
phantasia, so1) a reserva de serem reconhe-
ciilos pela competente commi sao antes do
ingresso no alo-
Secretaria da sociedade reereiativa Cory-
bantina, 14 de fevereiro de 1865.
O Io secretario,
Faustino Jos da Fonseca.
Na ra do Livramento n. 19 ha para alugar
I um excellente molequinho.
O Sr. Dr. Joo Jos de Moura Maga-
Ihes queira vir ou mandar, livraria da
praga da Independencia ns. 6 e 8, buscu
urna carta da Baha.
Pergunta se ao Sr. professor da povoago da
Boa-Viagem se pode funceionar e ter direilo fo
respectivo ordenado aquello professor que s entra
em sua aula tres meninos? que juizo se pode fa-
zer de um professor que tendo j contado em sua
aula 20 alumnos, hoje apenas coniam-se tres, ha-
vendo no lugar grande numero de meninos r
___________________O curioso._________
O Sr. Sebasto Accioli Santiago Ramos quei-
ra vir a ra do Imperador n. 83, segundo andar,
para concluir o negocio que nao ignora.
O London 4 Brazillan Bank, saca por todos
os paquetes, sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna. .
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
Manoel Jos Lopes Guimares participa a o
respeilavel corpo do eommercio que vendeu a sua
taberna sita na pracioha do Livramento n. 1 ao
, Sr. Jos Antunes Pereira Braga, livre e desemba-
rcada, e como se persuade nada dever pessoa
alguma, o que se considerar credor, poder apre-
sentar sua conta no praso de cinco dias, c >nt dos
da dala do presente annuncio, lindos os qnaes nao
attender a conta alguma que se Ihe apresentir.
Recife 17 de fevereiro de 1865._______________
Attencdo
Pede-se pessoa que achou da ra da Palma
at a ra da Paz um capote de grosdenaple preto
! proprio para senhora, tenlia a bon lade de levar a
: ra da Palma n. 41, taberna, que gratidea-se ge-
' oerosamente.
mmmm
O bal
I Pires re
* n Ql <
O ba hare Antonio Annes Jacome
Pires reside na ra do Imperador
n. 81, segundo andar, onde pode
ser procurado e advoga.
LEUDES.
Leilo a 21 do correte
Matheus Austln A C, faro leilo, por interven-
gao do agente Olivoirae por conta e risco de quem
pertencer, dos seguintes artigos avariados a bordo
do navio Imperador, na sna recente viagem de
Philadelpbia para estepario, a saber :
Cerca de 600 barricas de farinha de trigo.
Atten$o.
Quem adiar um bolo de p un ti o com
urna chrisol ta grande cravada em ouro eo
quizer entregar na rui Formosa n. 25, se-
r bem gratificado.
Furtaram no da 20 do corrente, das II jjo-
ras al as 2 da tarde, da ra Formosa n. 7, duas
calcas urna de brira branco, outra de casemira
preta, um col le te com 5 botOes dourados, um
hahuziiiho enfeitado com mariscos e conchas pela
parte externa, um lengo de seda e urna camisa de
pafos com botos de pnnho dourados, supp5vse
ser neg o da costa r, autor do roubo e anda mais
qae marcioeiro : rogt-so a quem forem offere-
cidos para comprar esses objectos ou a quem dri-
les tiver noticia communica-la ou apprehendw os
objectos, qoe entregando na casa cima se. Ib re-
compensar.
Aluga-se um sitio na estrada de J jan de Bar-
ros, prximo a Soledade, cora boa casa, estnoaria
o bastantes arvoredos do fructo : a tratar na ra
larga do Rosario n. 32, ioja.
Aluga-se ou vende-se urna grande casa na
Matriz da Vanea, a qual tom ura quarto que ser-
ve paraqnalquer estabolecimento, com sitio e ca-
cimba ; tambem se aluga umi mais pequea ao
p, sita na ra do Fogo : quem a pretender diri
ja-se ao pateo do Carmo, sobrado que bola a freo-
te para a ra de Hortas n. 2, primeiro andar.
Tendo o abaixo assignado de retirar se para
Europa no prime:ro vapor que se espera, alim de
tratar de sua asada, iaz scente ao publico que
deixa com procuragio bastante geral para tratar
de todos os seus negocios como se presente fora, a
sua senhora D. Mana fcarsaboua Puech, e em se-
gundo lugar ao Si. Tisset trino. Ao mesmo lem-
po approveita o favoravel ensejo para despedirse
ne todes os seus amigos e coohecido?, esperando
em suas bondades que oootinuarao a frequentar o
sen eslabeleciment, como o tom feito at o pre-
sente, afiangando-lhes que sempre encoulraro
tudo no melhor gosto possivel.
Luiz Paech.________
O Sr. Leopoldo Cadault tenhVa bondade de
vir a rna do Imperador n. 83, segundo andar, a
negocio que nao ignora,
RIVAL
n SEM SEGUNDO
Ha ra do Queimado n. 49 c 9H tojas de mlode-
zas de Jo- A Azc-vodo Maia e Silva conllnaa a
vender tudo por pregos mais barato do que em
outra qualquer parte quem'quizer ver o que ha
bom e barato venda a loja do Rival.
Latas com superiores banha........... 200-
Frascos de vidru com superior banha.. 240
Pares de I uvas de seda muri Unas___ 320"
Enfeiles do inefhor gosto que tem vindo. 2$500
Garralas d'agua de Florida, verdadeira. 1^280
Pulceiras do mehor gosto e modernas. 500'
Volla para pescog do melhor goo ... 500
Barallios para voltarete, finas a 200 e.. 240
Varas de franja branca de lialia ^ue
tem muita serventa............... 060
Duzia de peonas d'ago muito superiores 060
Frascos de oleo Bboza muit linos .... 100
Talheres para meniuos a melhor quali-
dade............................ 2W
Diversos livros, todos religiosos a 100,
200.................... .......... 500
Duzia de colberes de metal muito finas
para sopa........................... 24400
Duzia de colberes de metal muito lloas
para cha........................ 1*500
Grosas de butoes de osso para caiga... 200
Grosas de botes madreperula para ca-
rniza.......................'...___ 30U-
Gro-as de botoes de louga prateados
muito Unos..................-.... 200
Varas de babado do Porto sonido..... 060
Duzias de lapes differentes qualidade a
2'*0....................!......... *00
Quadernos de papel de peso muito lino. 030
Resma do mesmo papel............. 24000
Duzia de farra e garfo muito lioas___ 2400
Sabunete de espuma muito superior... 040
Capachos cumplidos e redondos muito
l'ons.............................. 50O
Ditos para sof...................... 2*000
Pares de sus|>ensoro muito bons e para
acabar........................... lO'i
E-seucia oriental para tirar nodoas de
_ roupa............................ -joo
Creio para dezeuho de todas as qua-
lidade........................... 020
Cartas de alfloeies francezes muito su-
periores.......................... 100
Caixas de clcheles francezes a 40 res
Duzia............................ 360
Carreteis de retros com quatro oftavas.. 800
Golinhas para senhora a melhor quali-
dade............................. 200
RVAL
Sem segundo,
Ra do Queimado, n. i!) e 3o. E' para admirar.
Carreteis de hnha com 130 jardas...... 60
Ditos com 200 jardas de Alexandre de
42 a60 ............................ J20
Dito dito de GO a 200.............. 100
N'ovellos de Imlia grandes com 400 jar-
das ............................. 80
Id-m idem brancos e de cores de 100
jard s...... ..................... 30
Livros para assento de roupa lavada. 100
Cordo branco para espariilhu (vara) 20
Varas de franja branca arpa......... 160
Pares de botoes de puuho todos de cores 120
Tinteiros de barro cora tinta.......... 108
Tesouras para costuras linas e unlias 400
Ditas para costuras com toque d'avaria 200
E>covas para limpar denles muito tinas
100, 200e.............................. 320
Caixas com 100 envclopis das niel ores
qualidades....... .................. 640
Ditas com 20 cademos, raptl pautado e
liso.............................. 600
Cademos de papel pequeo ( e a reta-
Iho).......................... 20
Meiadas de linha frouxa para bordar... 20
Pares de sapatos de tranga e tapete... 500
Ma.--i- con) superiores grampas para
senhora.............o............ 30
Frascos de rnacaga pe rola muito suerior 200
Ditos de verdadeiro oleo de babosa a
400 rs. e........................ oOO
Dilos e parraliulias de agua de Culonia
muito lina....................... 400
Ditos de banha a Ganbaldi e da familia
imperial.............Z........... 90
Pegas de fitas elsticas para vestidos a
melhor qualidade................. 240
Pares de ligas para senhora as mento-
res .............................. 320
Pegas de bico- francezes e renoas..... 320
Frascos de aua dentfrico muito supe-
rior............................. 800
Caixas com 4 papis de agulhas a balo
e Victoria....................... 200
Libras de la sendo de todas as cores... 6000
Boneeos vestidos e tambera de choro... 160
Caixas com superiores obreas........ 40
Di las de linha de gaz rom 30 novel los.. 890
Enliadeiras de fila para esparlbos..... 60
Carreteis de linha de cores com 100 Jar-
das ............................. 20
Pegas de cordo imperial............ 40
Fabrica de chapeos de sol de J.
Falque, ma do Crespo
n. A.
Xeste e^labelecmento se encentra sempre um
completo e variado sormento de chapeos de sol
de seda, alpaca e pannos de todas as cores e qua-
hdades, tanto para homens como para senhoras e
meninas, dos primeros de 4&500 para cima e dos
outros de 1500 para cima, lista fabrica acaba de
reeeber um esplendido sortimenlo de sedas em
pega,das melhores cores equalidades para apromp-
lar e cobrir os chapeos de sol a vonlade dos fre-
guezes, assim como alpaca o pannos de todas as
quilidades, tudo por pregos razoaveis e perfeico
no trabalho. Concerta-se toda e qualquer quali-
dade de chapeos de sol com presteza e cominodo
prego : Da ra do Crespo n. 4.
A Ibuns
J. Falque participa a seus numerosos freguezes
que elle acaba de receber pelo vapor francez Beam.
o mais completo e variado sorttmento de al bons
para retratos que se podo ver nesta cidade, viudos
directamente de um dos melhores fabricantes de
Paris, e por islo pode vender por nimio menos
prego que era outra qualquer parte, sendo albuns
finos de 12 at 200 r- tratos e de 15 al 60$, ha-
vendo entre elles rtqussimos albuns de velludo
de seda, madeira, etc., mallo proprios para pre-
sentes, slhereoscopos com 12 vistas, pelo barato
prego de 4$ ; restam poneos, por isso devem se
approveUar: na ra do Crespo n. 4.
Leudo por acaso o Jornal do Recife de 13 de
fevereiro do corrente mez, viraos quo o Sr. Jos
Joaquim Das djs Prazeres bavia sido oomeado e
encarregado, como perito que de tratar dos ne-
gocios relativos ao registro martimo brasileiro
aqui em Pernambuco. Multas sao na venlade as
vautagens que offerece o registra marilimo brasi-
leiro ; porm o no-so fim nao apresenl-las, e
san dizer, que bstanlo acertada e justa fui a no-
meacao que fizeram do Sr. Jo* Joaquim Dias dos
Prazeres; pois que elle nao s muito entendido
na materia, como tambem rene om si as boas
qualidades de honesto, justo, probo e virtuoso, e
alem disto de bom pai de familia.
O que nos leva a fazer este elogio, alias mere-
cedor, aa Sr. Jos Joaquim Dias dos Prazeres, nao
a amizade que Ihe volamos, dizer a verdade,
patentea-la ao publico. Um seu amigo.
O abaixo assignado agradece ao Illm. Sr. C.
de C. R. a entrega da quanlia quo o abaixo assig-
nado tinha perdido na estaco das Cinco Ponas,
no dia 9 do corrente.
____________Carlos Augusto de Oliveira.
Pirdeuse urna palseira do coral engastada
em ouro, no domingo-19 do correte, pelas 7 no-
ras do dia, do collegio. de Sania rsula, na rna da
Saudade : quem a tiver achado e quizer restituir.
dirjase ao mesma collegio, ou a ca;a n. 21 da
mei-ma ra da Saudade, que ser recompensado.
Desappareccu da povoago do Cacoauga, na
noite de 19 do corrente, pelas 10 horas da noite.
um cavallo rodado, cimas e canoa brancas, sella-
do o onfreiado : quem o apprelierulor queira lva-
lo a ra dos Pires u. 33, que sera generosamente
recompensado.
Precisase de urna ama para comprar e co-
zinhar para tros pessoas : na rna da Cruz n. 63,
segundo andar.___________________________
Precisa-se de urna ama par o servigo de
urna casa, pretore-se escrava : a tratar na roa ln>
perial, boceo do Lima n. 1,





Diario de Peruambuco .- Terca letra 1 ale Fevereiro de i
PARA 0 CARNAVAL.
Grande softimeato de mascaras de velludo, setim, cera, rame e papallo e ex-
callentes luvas de pellica para hornea e senhoras do afamado fabricante Jouvio, vnde-
se em grosso a preco muito commodo para se fechar contas: no grande armazem da
Ixposicao de Londres ra a Cadeia do Recife n. 60.
CIIEGMUI OS MODERNOS CH4LES DE
FIL PRETO.
Superiores chales de fll preto c'iegados pelo ultimo vapor francez, a
loja das columnas ra do Crespn, i 3, de An'.onio Correia de Vas or.cel-
los & C.
A NACIONAL
Coinpanhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZE&BRO DE 1859
lina fianca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad
ministrarn da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O anco de llespanba
DIRECCO GERAL
Madrid: It na do Prado u. io
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervivencia dos seguroi
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripto de raaneira que em nenbum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que anda mesmo dimlnuindo urna terca parte do inieres.se produzido em recentes liquida-
res ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Oepareieux que e adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 a 19 annos, urna iraporsigoannual
de 1003 produz em efectivo metlico:
No fira de o annos.......1:119^300
de 10 ...... 3:9423660
. de -15........11:208,5200
de 20 .......30:256000
de 25........80:331,5000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os producios sao mais consideraveis.
Prospectas e mais informaras seriio prestadas pelo sub-direclor nesta provincia,
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista roa da Imperatriz n. 12, estabele-
rimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leile 4 Irmao.
CLUB PEkWBltolNO
A reuHo familiar do mez de fevereiro
ter lugar no dia 27. A directora scienii-
fica que tero igualmente ingresso es Srs.
socios que vierem mascarados sendo pre-
viamente reconhecidos por urna comm'ssSo.
Rogase aoSr, bacbarel Gezario
de Azevedo juiz municipal de Garan-
huRs, qaeira dirigase praca da In-
depeideicia ns. 6 e 8, ou annunciar
sea moroda para ser procurado.
Jos Soares d'Azevedo, prof ssor de
lingaa e lilteratura nacional no Gymnasio
Proviacial do Recife. tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um curso especial
para cada urna das seguintes disciplinas:
LINGUA FRANCEZA,
GEOGRAPHIA E HISTORIA,
PHILOSOPHIA RACIONAL E MORAL,
RHETORICA E POTICA.
As pessoas que d 'sejareu estudar qual-
quer destes preparatorios podem dirigir-se
indicada residedcia, de manha at as 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
Para todos.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico que mudou a sua officina de palhinha da
ra do Imperador n. 2* para a ra das Cruzes n.
23, igualmente tem para vender palha e junco
mais barato que em onira qualquer parte.
Manoel da Costa Azevedo Napoleao.
THES0UR0~DAS mais
Providencia das criancas
COLLARES ROILK
Electromagnticos.
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTIQ
CoujraasconvnlsSes e para facilitara
dentige das criangas preparados e inventa-
dos por Royer, pharmaceutico daesco-
superior do Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina
antiga casa de RouillonLagraoge.pharmaceutieo
do imperador
chefe dostrabalhoschimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Pars, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
la
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
vel-publico e a todos os senbores officiaes do exer-
cito e da marinha, que contina a ter sua casa
sonida de fazcndas e roupas feitas e por medida :
no largo do Livramenlo n. 34. ^^^^^
4 luga-se
ama casa acabadla agora, com commodo para fa-
milia, estribara, cocheira, qoartos para feitoro
escravos.com bauho na porta, no lugar do Poco
dal'anella, ruado Rio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do Amonm n. 35.____________
Oflferece-se urna mulher porlugueza para o
servido interno de urna casa, inclusivamente en-
gommado : a tratar na rna da Cruz n. 18, ar-
mazem.
Precisa-se de u
na praga do Corp
SEGUROS DE VIDA EM MUTUALIDADE,
A direcco do BANCO UNIA'O tendo gbtido do governo de S. M. F. a autorisaco
para estabelocer o seguro de vidas em mutlidade, faz publico que desde j toma subs-
cripcoes nnnes por urna s vez, debaixo das seguintes condicoes:
Com peda de capital e lucros; .
Dito de capital somente;
Dito de lucros somente ;
devendo a primeira liquidacio ter lugar no Io de Janeiro de 1869.
As vantagens do emprego de capitaes em mutualidade, sao obvias, porque nao se-
ment se collie o juro de quantias diminutas, de que avulsas se n5o poderia tirar ne-
nlium resultado; mas alm d'isso, este rendimento augmentade pelo capital ou lucros,
ou ambas as cousas, conforme as condicoes da subscripcao, dos que fallecen!. Tambem
partido palos socios sobreviventes tudo aquillo que os socios morosos nos seus paga-
mentos, sao por este motivo obrigados a pagar, bem como caducidades que occorrerem
pela falta de cumprimento do compromisso social.
As liquilacoes sao pelo systema das companhias hespanholas, tutelar e outras ; e
para se pjder fa/.er urna idea do que pode producir urna entrada annua de I0,>000, pu-
blica-so a seguinte tabella baseada sobre a experiencia da mudos annos de companhias
desta natureza.
Em 5 annos
110.S
900
800
86
865
86-?
863
86^
90
As entradas por urna s vez dao resultados muite superiores as annuaes.
Mnimo tas enlradas 55000.
Porto, 10 de agosto de 1863. Os directores do BANCO UNIA'O, Jos da
Machado.F, M. van der Niepoort.
Agentes em Pernambuco: Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz
numero 1.
Por um menino i de 1 da a 1 anno
(i de 1 anno a 2
(( de 2 a 3 <
de 3 a 4
de 3 a 18
Por urna pessoa de 15 a 20
de 20 a 30 <
.< de 30 a 40
de 40 a ?i0 t
10 annos l'i annos 20 annos 25 annos
400* 9005 2:0005 4:7005
3005 7505 1:7005 3:7005
2905 720-) 1:6005 3:5005
2705 7105 1:5605 3:4005
2705 7005 1:5505 3:3505
2705 7005 1:5405 3:3305
2705 7105 1:5605 3:4005
2705 7205 1:6005 3:7005
303,) 7505 1:8005 5:0005
AMA.
ma ama para casa
0 Santo n. 17.
de familia
Madama Freir, modista
brasildra,
avisa ao respeitavel publico e aos seus freguezes,
que faz qualquer ebra pertenccnte a sna arte, por
menos prego do que em outra qualquer parte, as-
sim como sejm vestidos de casamento, bailes,
theatros, montaras, soutambarques, domines e
vestuaiios para ol carnaval: na ra da Penha nu-
mero 2.
AMA
A u t u ti i o-L u i z e Oliveira Azevedoj&C
Agentes do banco Unio de Porto.
Competentemente autorizados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo banco para o Porto e
Lisboa e para as seguintes agencias :
Londres sobre Bank of London.
Paris
Hambargo
Barcellona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganga.
Faro.
Oliveira d'Aze-
meis.
Penna fiel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de
S. Antonio.
No imperio.
Baha. Maranho.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo serem descontados no
mesmo Baaco a razo de 4 por cento ao anno a
ratarna ruada Cruz n. 1. __________
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa machado
se encarrega ante o foro desta cidadcde tudo que
for tendente a sua proisso, aceita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
oommercial mediante razoavel ajuste. Contina
brangas nos termos do Cabo
Escola particular.
Clara Olympia do Luna Froto, professora par-
ticular de primeras letras, provisionada pela di-
rectora geral da instrucgo publica, tem aberto a
sua aula na ra ireila n. 60, segundo andar.
Na praga da Independencia loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro e pralac pedras
preciosas, assim cerno se faz qualquer obra de
encommenda e todo e qualquer concert.
i-
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos,continua a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2* andar, onde pode ser pro-
curado aqualquerhoradodiae da noite
para o exercicio de sua profissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio da at 4 horas da tarde, devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com o
maior a Hinco, no das mais difflceise deli-
cadas operagSes. como sejandos orgs
ourinarios,dos olhos. partos,etc.
ATTENCO.
m
Frdric S, Ballin A C.
Joo Gabe & Filho.
Francisco Rohala A Ballesta.
Jaime Merie
Crdito Commercial.
Gonzalo Segona.
M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Angra Terceira. Figueira.
Caminha. Guarda.
Castello Braneo. Gulmares.
Chaves. Lagoa.
Coimbra. Lagos.
Covilbo. La neg.
El vas. Leiria.
Extremos. Evora. Mongo.
Fafe. Moncorva.
Pinhal. Regoa.
Porlo-alegre. Setubal.
Thomar. Vannado Cas-
Villa Nova de tello.
Portimao. Villa Real.
Vizeu. Madeira.
Faial. S. Miguel.
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara e outras coromo-
ddades, na travessa de Joo Fernandes Vieira : a
tratar na ra da Scnzala Nova n. 42.
Precisa-se alugar urna preta para todo o ser-
vigo de una casa de familia : na ra do Trapiche
numero 4.
procu-ado todos os das uteis das 9 horas da ma-
nha as3 da tarde na ruaestreita do osario n.
34, e fora dessas horas na ra Imperial n.36, ca-
se de saa reidencia.
Saca-se sobre Lisboa, Porto e Ilha de
Miguel, na ra do Apollo n. 20, escrip-
._ o de Carvalhoe Noguera.
Si ka
Traspassa-se o aloguel de urna escrava, a qual
sabe bem cozmhar, engommar e fazer compras, ,
nao tem vicios e bem parecida : quem pretender 1 22Br ,-T
dirija-se a ra da Cadeia nova n. 61. P f'pjuca aonde continua a traball.ar como d an-
----------------'-------------------------------------- te,e encarrega-se de defezasperante o jury nos
Achi-se contratado por venda o sobrado da termos prximos a via frrea, offerecendo gratui-
rua do Pdie Flonanon. 21: havendo quem se op- lamente seus servigos aos desvalidos, pode ser
ponha aanuncie por este jornal uestes tres dias.
Manual do guarda nacional.
Acham-se impressas quatro formas com 64 pa-
ginas era oitavo francez do segundo volume do Ma-
nual do guarda nacional, ou collergao de todas [as
leis, decretos, avisos e ordens concernentes a raes-
ma guarda.
Ha nestas quatro formas, importantes decisoes do
governo, explicando as duvidas, que tem appareci-
do na execugao da lei da guarda nacional e seus
regulamentos, cpmo sejam : o modo de se fazer as
propostas para officiaes dos corpos, quando estes
esto organisadijs, ou em organsagao : formacao
da junta medica : reforma dos officiaes e inferiores:
solugao das duvidas respeito das despensas do
servigo activo :iempo dos officiaes se acharen) far-
dados e data do juramento : se offlcial da imperial
ordem da Rosa est iseeto de prestar servigo como
simples guarda 1 se os inferiores dos corpos de-
vem seguir a ordem gradual do accesso para ser
promovido ullinal : quem subslitue o commandan-
te superior nassjuas faltas, ou impedimentos : qual
deve ser a pena imposta aos inferiores que nao se
apresentarem lardados no prazo que Ihes for mar-
cado : se os instrumentos importados da Europa
para as msicas dos corpos da guarda nacional, es-
lo isentos dos direitos da alfandega : quaes os
venclmentos dos officiaes e guardas em servigo de
destacamento : se tem dreito continencia o com-
mandante superior, passando pela frente de urna
brigada.de liaba: se o empregado de fazenda des-
tacado como offiial da guarda nacional deve aecu-
mular o seu ordenado : se offlcial da guarda nacio-
Aula particular.
O abaixe assignado, professor particular,provi-
sionado peladirectorageralda instrucgo pablica
para ensinar primeras lettras, lalim e francez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhorespaisde seusdiscipulosquesegunda-feira
9 do correntetera de continuar no ensino das su-
peditas materias, admiltindo a matricula alumnos
externos, pensionistas e meio-pensionistas. A pra-
ticade 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua interadedicagao e soa moralidade
sao garantas que offerece aos senhores pais de fa-
milias, que desejam a sa e ntil edncago a seos
taos.
Quem portanto quizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educagao de seusfilhos, pode dirigir-se
a qualquer hora do diaaoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da ra Nova, onde ha muito lempo est
estabelecido.
________Jos Maria)Machado de Figuetredo.
Belouche avisa ao respeitavel publico que
comprou o estabelecimenlo de banhos, sito no pa-
teo do Carmo, que contina a dar banhos como de
cestume, declarando que os rartoes assignados pe-
lo Sr. Caucanas terao vigor para tomar banhos s
at o dia 28 de fevereiro de 186o. O mesmo convi-
da o respectivo publico que comparega no mesmo
estabelecimenlo, que vero executado com todo o
esmero o systema e asseio que deve ter tal estabe-
lecimento.
Prego dos banhos.
Banho fri on quete, tomando 10 car-
toes, pelo prego de......45000
Um banho avulso ou s..... 500
Os abaixo assignados, pi oteslam pella parte que
tora contra o anuuncio imprego no Diario de Per-
nambuco arespeito do nos.o amigo e prolector,
cagado, | os estamos convencidos que por nz
capaz de sacrificar o coragao das tripas; a vista
dos servissos que nz lom poslado oa impresa
que nos prepozemos de possuir eslabelecimentos
sem diDhciro impreza arisradisfiroa, que a
nao seY de Arordo c m o seo parele Holifettu
do carmellodeparcena com o Esclcrcdor Salaita
de Chuta, (sumidor de Annos de Nascimento) ha
munto teriamos descarregado nos costados nos ar-
mazens de deposito do palacio ROFFINO ainda
heje l estaramos espiando nossos crimes ; embo-
ra por esles servissos nos lenha mamado perlo de
tres seculos (para repartir diz elle) desfalque esle
que nos Km posto as aljiveiras ihezlras Alero de
sermos agora rechazados e obrigados a entregar o
ROVO com lodos os rendimentos, com o que
estamos intalados dando por paos e por pedras
sem nada Adienlar por elle (cagado) nao poder so-
vir as Escadas de qum nos pedia taller, rom re-
ceto de
SE-ti VK-00, CA-RAO
Janjam l.ingmssa.
_______________Lul Hala Scmno.____
Precisa-se de um caixeiro para (aberra que
d fiador a sua conducta : Da ma Augusta n. 76,
se dir onde ha de tratar.
COMPRAS.
Compra-se urna cabra (bicho) parida de
pouco : no caes do Ramos n. 24.
Compra-se um piano de Jacaranda, ero bem
estado : na ra do Bium n. 70, 2o andar.
Companhia fldelidde de
seguros martimos e ter-
restres cstabclcclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAM11CO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc- ]
toria da companhia de seguros Fidelida- j
de, tomam seguros de navios, mercad o-
rias e predios no seu escriptorio' ra da i
Cruzn.l.
Compram-se eseraves.
Silvno Guilherme de Barros compra, vende
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade
na ra de Imperador n. 79, Urceiro andar.
Compra-se ouro e prata em obras velhas, pa-
ga-se bem : na loja de bilhetes da Praga da Inde-
dendencian. 22._________
Compra-se efectivamente ouro e prata eco
obras velhas, pagando-se bem : na ra larga
Rosario n. 24, loja de ourives.
Algcdo
em caroco.
Compra-se qualquer quantidade por maior pre-
go do que se paga no mato : na fabrica da traves-
sa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
Campra-se um escravo mogo, sendo boro co-
zinheiro nao se duvida pagar bem : na ra da Ca-
deia n. 28.
Compra-se a collergao de novembro de 64
desle Diario : na livrana da praga da Indepen-
dencia ns, 6 e 8.
Compra se um escrav de idade que
sirva para trabalho de sitio: nesta tvpo-
graphia se dir quem quer.
YENDAS.
A ttenco
caixas de
& C. ra
Est para alugar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um 1* e 2 andar de um sobrade
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mei agua na estrada de Joao
de Barros, com arveredos, agua de beber,e portao
para o becco do Pombal : quem pretender faile
na ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manhiia at ao meio dia.
Atuga-se o terceiro andar do sobrado n. 24
or crime de responsabilidade do i do ra da Cadeia do Recife, entrada pelo becco
o, ou de juiz de paz (ica tambem Largo : a tratar no armazem do mesmo sobrado,
AO CARNAVAL! AOfMIVAL!
EUA NOVA V. 37.
JOS' RICARDO COELHO, acaba de receber de Paris, pelo paquete francez Bearn, chegado
11 do crrante, um rico e variado sortimentode vestuarios todos a carcter e gosto moderno, qur
para homens, qur para senhoras, proprios para os grandes bailes dos Clubs Commercial e Pernam-
bticano, sociedade Corybanlina.e finalmeute para militas recreagoes, que se preparam para os dias
nal suspenso, t
cargo de delegad
suspenso do exercicio d guarda nacional : que
honras competem aos capitaes da guarda nacional
designados majores dos mesmos corpos : se ha in-
compatibilidade na accumulagao do cargo de juiz
de paz e presidente da junta de qualificagao dos vo-
tantes, com o posto da guarda nacional: ha incom-
palibilidade na accumulagao do posto da guarda
nacional com o do cargo de juiz de paz : o offlcial
que exerce interinamente o lugar de ajud^nte dos
corpos est ou nao despensado de servir no conse-
llio de qualieagfo : em que priso devem os offi-
ciaes da guarda nacional cumprir as penas, con-
de meado no foi i commum : se os guardas na-
cional eslo ou nao isentos do recrutamento : se
os vendedores de sello dos curraos slao despensa-
26, 27 e 28 do andante; por lano, chama a aiiengao do respeitavel publico, para seu estabelecimenlo, dos deservir na guarda nacional: se os officiaes re-
parado o melhor possivel para bem servir qualquer freguez. Nao querendo o annunciante tornar- formados da gu
pre
se prolixo, limita-se apenas a fazer menco de alguns coslumes masques, de sua variada galera, a
saber : Bretn, Mulelier, Pirrol, Louis XV, Vivandeira dos Zcnaves.Gostume Italien, Bisayen, Chic des
Chics, Xavarai, Principe Caucasien, Rigolblche, Nouveaux Pailasse, Pierrot Loustir, Pierrelte, Megi-
cienne, La Reclame, Prince d'Araucani. Tem igualmente o mais completo e abundante sortlmento
de cabelleiras, meias ditas e barbas, qur pretas, brancas ou grisalhas e outras cores ; tudo novo ao
carcter que se queira.
Em seu estabelecimenlo, se encontrar o que existe na actualidade em Pars e Allemanha de
melhor em mascaras, sendo de rame com mola e sem ella, de cera, com cabellos e barbas, narr.es,
mascaras a dootin; e finalmente de papelao de todas as qualidades. Tambem tem as mais frescas
e afamadas luvas de pellica de Jouvin, de lodas as cores chegadas pelo Bearn.
guarda nacional podem ser aggregados
Antonio Joaquim Ayres do Nascimento
JJ8 lom seu escriptorio de advogacia na ra g|
m estreila do Rosario n. 8, onde pode ser mm
Wi procurado das 9 horas da manhaa as 4 91
/$ da tarde. g
mmmmm mm mmmmmm m
Aluga-se um sitie na ra do Cabra 1 da
cidade de Olinda, com casa terrea,com co-
piar nfrente, bota os fundos para a estra-
da e margem do rio Beberibe, com com-
Chegaram do Aracaty os afamados bicos da
trra sortimento de todas as larguras e por prego
commodo : na ra da Cadeia do Recife n. 59.
Para escriptorio
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo n.
23 : a tratar na loja.
Consultorio medico-cirurgieo oa rea larga do
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, conlina em o exercicio de sua profissao
nao s na parte medica como tambem na cirur-
gica.__________________________________
Aluga-se o segundo c terceiro andar com
bom soto da casa n. 16 da travessa da Madre de (
Dos junto a alfandega: a traiar com Barros & rlp f|*'7PTnVrn A TJTiflo oa
Silva no primeiro andar da mesma casa._______ | ut5 UCAClil UIU, t5 VtliUt; fcrj
O Sr. Aun liano "C. da Rocha \Vander- 1$', na Traiia US. 6 e8
ley, queira mandar buscar urna carta na j nrn){1 A* TtiiiAtmitiiiminia
livraria n. 6 e 8 da praga da Independen U(l Pldlfl Ua lQepeiiaenCia.
^______________________________ j Vende se caixesvazies proprios
Precisa-sede urna ama que enfeuda deico-! para ',a|mlerOS C flluileirOS a UZGO
zinlia e seja de meia idade : na roa Lima ao pe da r ,. *
Vende-fe superior vicho do Porto em
urna duzia : em casa de Johnslon Paler
do Vigario n. 3.
ALMANAK.
Acaba de jahir dos pr-
los de nossa typographia ov
ALmanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
a
Baixa
Urna pessoa que servio no exercito, tendo per-
dido a sua baixa na noile de 18 do correte, roga
encarecidamente pessoa que adiar dita baixa,
leve-a no primeiro andar do sobrado novo do Maia,
na ra do Imperador, que ser gratificado. |
Aluga-se urna casa na Passagem da Magda-'
lena junto a ponte grande, com bastantes commo-
dos para grande familia, assim como um terceiro
andar na ra Direita, bastante fresco e com bons !
commodos : as pessoas que pretenderen) dirijara-
?e a ra Diielta n 3.______________________
Prcisa-se de um irabalhador para tratar de
um sitio e alguraa cousa de horta : era casa do
Sr. Cambrone.
Quem liver um menino empedldo para criar
ou mesmo nao sendo, querendo, dirija-se a ra do
Jasmim n. 17.
Theodosio do Lago e Joo do Lago Freitas e
Silva fazem publico que uniram-se em sociedade
commercial em um estabelecimenlo de molhados
na poroagao de Beberibe, termo da cidade de 0-
linda, sob a razao social de Theodoso do Lago &
Filho.____________
Precisa-se
Rangel n. 9.
de um trabalhador : na ra do
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e V andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2o de peito :
3 dos orgSos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trahalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
jico que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Precisa-se alugar urna escrava para servigo
de casa de familia: na ra do Aragao n. 10.
i
Precisa-se de urna ama forra ou captiva para
comprar e cozinhar, para casa de rapaz solteiro :
a tratar na ra do Quelmado n. 7.
Precisa-se alugar urna ama que coziabe bem
e faca todo o servigo de urna casa de pequea fa-
milia : a tratar na roa do Cabug n. 4, loja de
roiudezas.
Livro do Povo.
O livro do povo, obraornada cera estampas, con-
tendo a vida deNosso Seabor Jess Christo, e ram-
ios artigos uteis. Este livro das familias recom-
mendado e approvado pelos Exms. Srs. D. Luiz
bispo do Maranho e D. Manoel afcebijpo da Ba-
bia, vende-se a IjOO cartoriado, na livraria de
Jos Nogueira deSeuza, roa do Crespo n. 2.
Marcelino Jeronymo
portuguez vai a Europa.
de Azevedo, subdito
Attenco.
D. Fran te do Sr. Nicolao Haery, declara que d'ora
em diante est fin e em nao aceitar juiza-
dodeigrejab nhumi que por ventura lhe
apparecer.
Tinturara
Na ra Direita n. 116 conlioua-se a 4iag qualquer cor, o o mais barato possivel
ao servigo activo: era que circumstancias jdem modos para familia, estribanapara cavallo
os commandantes interinos dos corpos fazererale capim para sustenta-los, arvoredos de
propostas para officiaes : etc., etc., etc., etc. IfructOS, sem visinho defronte nem pelo
Quem quizer desde j possuir estes esclarec-!fnniift rom nntimos nasseios sala c i?ahi-
mentos, mediante m diminuto estipendio antes de i Iun1'1'0111 pPos pdsseios,,bdia e gaDi
se ultimar este segundo volume, dihja-se ao segn-' nete na frente, muito propna para passar a
do andar do sobrado da ra do Livramento n. 31, festa, e tambem se alugar poranno : a fal-
e ah os encontrar em broxara, assim como enea- lar n0 Recife, na livraria n. G e 8 da praca
dernado o primeiro volume o Manual do guarda j __ ,m-_ i___ .
nacional. .aindependencia,e em OliDdanacasacon-
tigua;om o capito Antonio Bernardo Fer-
reira^___________________________
Charles Daumene, alfaiate francez, participa
ao respeitavel publico e a seus freguezes particu-
lares, que mudou a sua casa que tinha na ra da
Cadeia n. 11 para a mesma ra n. 26, esquina do
becco Largo._____________________________
Paulo Ferreira da Silva vai a Europa traiar
de sua saude.
MVMS mmmm mmmmm
H Saques sobre Portugal, jg
O abaixo assignado. antorisado pelo a
I Banco Mercantil Portneuse. e na ausencia
M do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef- |
fectivamente por todos a.' paquetes sobre
as pragas de Lisboa e Por .o, e mais luga- *
| res do reino, por qualquer somma vis-jj
ta, e a praso; podendo, os que tomarem tm
^ saques a praso,receberero% ista.no mes- g
| mo Banco, descontando 4 OO acanno: na g|
loja de chapos da ra do Crtspo n.6, ou |
na ra do imperador n. 63, segundo an
I dar.Jos Joaqnim da Costa Miia.
Ovo
Delonche, relojoeiro, avisa ao respeita-
vel publico i a seus freguezes que mu-
dou a sua luja de relojoeiro da ra Nova
para a mesma ra n. 50 esquina do bec-
co de Santo Amaro, continua a fazer to-
dos os concertos pertencentes a sua arte
com inuita brevjdade e prego commodo.
Na mesma casa acaba de receber mui-
tos bous relbgos de sua propria encom-
menda, de prata dourados e ouro patente,
tambem relogios americanos para cima
de mesa c par ede, tem ..tambem instru-
mentos de msica, candieiros para gaz e
muitos outros objectos lodos por pregos
muito commodos.
eja
fandigao, taberna de Jos Jacintho de Carvalho.
Troca-so um bom escravo por urna escrava,
que sirva para cosinha, tampem troca-se por di-
ntwiro : na ra dos Pires n. 54.
mmmmmm mmmmmm
m O bacbarel M
Francisco Augusto da Cosa
m
?5& ADVSRADO Sfi
^ Ra do Imperador numero 69. ^1
mmmmm mmmm mmmmm
Aluga-se urna inai-agua na ra do Alecrim
entre as casas de ns. 51 e 53 : a traiar na padaria
da ra Direita n. 24.______________________
Aluga-se
a excellente casa e sitio na estrada dos Afilelos,
onde morou o cnsul inglez : na ra do Queimado
n. 18, segunda loja.
Manoefito Couto Guedes c Joao Baptista
Gongalves fazem ver ao publico e ao corpo do
commercio desta praga que amigavelmente dis
solveram no dia 31 de dezembro do anno prsxi- j
mo passado, a sociedade que linham no eslabele- j
cimento de miuderas e ferragens na ra da Ca-
deia do Recife n. 7, e que gyrava sob a firma de
Guedes & Gongalves, Meando o mesmo estabele-
cimenlo do Io do correte anno a cargo dos Srs.
Joa) Baptista Gongalves e Augusto Ribeiro Lima
("halaga, que formaram urna sociedade sob a razio
de Joo Baptisla Gongalves & C constilnindo-se
elles responsaveis pelo aclivo e passlvo enio
existente. Recife, 17 de fevereiro de 1865.
Manoel do Coulo Guedes.
Joo Baptisla Gougalves.
cada um; nesta typographia.
Furtaram hontem s 5 horas da tarde \
da loja de sirigueiro da Camboa do Carmo!
esquina que valla para a ra das Flores, um' ^w"*ww ''^f *
nn.V...D J. a ^. i j o j.. j Pene-se ao Sr. Joaquim Candido Bezerra de
embrulho de papel contendo 8 covados de (Me0 tenha a bondade dingir.se ao eScrpforio
damasco de seda verde, Slippoe-se ter Sido do Dr. Angelo Henrlques da Silva, na ra do Quei-
um preto de mangas de camisa que entrara mado n. 24, a fallar com o mesmo.
na occasiao emj que se pesava fio de ouro:
roga-se a quem fr offerecido ou souber
dirija-se a esta typographia que se dar a
quantia de 40fJ, valor maior que a do da-
masco. O Dr. Antonio de Vasconccllos Menezes de
^Francisco Maciel de So usa, na quaiidade de. Drummond anligo adregado neste foro contina
iiamon.A.m rtn n,Hn AniAniA uJ t>**h0nn no exercicio de su i proOssao, a i ua do Impera-
dor b. 43, primeiro andar, todos os das uteis, das
10 horas da manhaa a; 4 da tarde.____________
Arrendase a excellente propriedade deno-
minada Barra deSerinhem, na fregoezia do mes-
mo nome, com grande coqueiral e muitos foros a
obrar anoualmente : a tratar rna do Impera-
dor n. 43, primeiro andar, das 10 horas da ma-
ahia a 4 da tarde.
Jeronymo Jos da Costa, subdito portuguez,
retirase para rora d^Rineeooi
Precisase de um mogo de 14 a 18 annos,
para caixein : na ra do Rangel n. 9.
testamenteiro do finado Antonio Jos Pacheco e
Silva, faz publico a quem convier. que o dito tina-
do deixou em seu testamento 2oi para cada um
de seus alunados, cora a coodigo de apresentar
certido de bapUsmo : portanto, aquellos que se
julgarem eomprehaadidos nessa deixa, podem
apresentar-se a elle testamenteiro munidos da
competente certido de baptmo para reeeberem
dita quantia.
Joo da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas era
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasiao. D consultas aos pobres
que o procurarcm no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operagao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 33000 diarios.
Segunda dita.... 23500
Terceira dita.... 2J0O0
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servigos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conGanga de que sem-
pre tem gozado.
0 GASTELLQ DE GBASVILLE
Traduzido do francez por A. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em qualro
tomos pelo baratissimo preco de 2i00:
na praga da Independencia, livraria ns.
6 e8.
FOL1IIXHAS
Para 1865
Acham-se venda na livraria ns, 6 e 8 d*
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo e
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em versos, o Stabat Mater
em verso, devoco ao agonisante, enracao
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Mara Nos-
sa Senhora, trinta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesia), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, urna historia come-
muitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs.
Agua de Vleby a I09OO.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 3&
recetieu agua de Vchy a 13200 a garrafa, a qual
o nico remedio para molestia de pedras as
ourinas, pois algumas pessoas qae soffre da dita
molestia, e tena, usado desta agua lem ficado per-
feiamenle boas; o cuja agua i applicada pelos
mdicos.
Atteiico.
Doce de goiaba Gno em tatas de 4 e 8 libras,por
pregos commodos, qneijos de Minas a l4r, lin-
guas da America em salmora a 320 ris, qneijos
de Alentejo a 23 : na roa Nova n. 8 loja do cha
Farinha de milho,
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas : na ra do Rangel n. 3.
Rna da Senzalla Noy* i. 42.
Neste estabelecimento'vendem-setachas da
ferro coado libra a[O rs., idamde Low
Vfoor libra al20 rs.
m
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
travessa de S. Pedro : a tratar na ra do Cabug
n. 11, segundo andar._____________________
Precisase de um canoeiro forro ou c?plvo
para andar em urna canoa de carga, da camboa do
Arag, districto dos Remedios, condazindo tijolo
para o Recite em todas as mares : na ra larga do
Rosario, padaria n. 16, acharo com quem tratar.
Na ra Imperial n. 36 precisa se de nma ama
que compre, eoziohe e engomrae, para casa de pou-
ca familia.
Bixas hamburguesas.
Vende se na ra Nova n. 61.
Vende-se nm relogio de ouro patento snissor
novo e bom regulador : na ra da Imperatriz o.
38, loja de calgado._______________________
Vende-se um bonito cavallo gordo, alasao,
dos quatro ps calgados, frente aborta, andador de
baixo at meio, novo e sem aehaqnes, elegante
para um cabriolet : na ra do Cotovelo n. 15.
Vende-se o caf restaurante do commercio,
na ruado Trapiche Novo n. 22 : quem precisar
pode dirigirse a dita casa, que adiar com quem
tratar.______________
Vende-se nm pouco do doce de caj secco
por menos que em outra qualquer parte : no pa-
teo do Carmo o. 24, sobrado doiimrndar.______
Vende-se panno fino preto de boa quaiidade
pelo diminuto prego de 43 o covado : no caes de
22 de Novembro loja n. 7.





^^^apa
Diarlo de Pernainbuco Terca felra 91 le Fcveieii de 1&8&.
SALSA PARRILKI DE AYER.
Transcrevemos aqu alguns
dos muitos aitestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilla do Dr. Ayer.
nheuinatisme.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
t Soffri rheumatismo por mu-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; e anies de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
d6r nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tova affectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas noiles de somno.
Ernpces, hoi-hulhas pstulas.
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SR. JOO PAULA DE ABREU E SOUZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
< SolTria mais de dous annos de urna
erupcSo sypliilitica em todo o corpo, mos
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos e consultei
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer : comecei a fazer uso Q'ella e
nos prmeiros das a erupfo aggravou-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
nba o mal desapparecido completamente da
todo o corpo.
Doctor Don Jos Valdes Herrera, profes-
sor de medicina y cirurjia, subdelegado
km ambas as facultades del sesto dis-'
tricto.Habana.
t Certifico que he usado la zarzaparril-
la del Di: Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
les casos de ulcera crnica, asi mismo au-
tor y las considero como um porgante, cuya
accin ademas de ser segura, lia sido muy
eficaz en el tratamento de las enfermidarJes
que exsigeu el uso de los purgantes, y no
vacilo en recomendar estas preparaciones.
Y para los fines que puedan convenir duy I
Ja presente en Regla a 7 de selembro de
1860. '
Dr. jos V. Herrera.
Eserophula.
attestado do illm. sr. francisco ferraz
DOS SANTOS.Ouro PlCtO.
Me acho ha quasi dous annos affeclado
de escrfulas, e tendo soffrido tanto qi.e al-
gumas vezes quasi que diego a desmimar
da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, estava .em espe-
rangas de recobrar a minha saude ; quando
ltimamente resolv fazer uso da 'alsa par-
rilha do Dr. Ayer. Completa:n-se hoje
trinta e sete das que comecei com este
santo remedio, e tantas melhoras tenho
sentido que tenho convicfao de em breve
recobrar a minha saude, perdida ha tanto
tempo.
Syphllis e molestias merrnriaes.
Do Illm. Sr. Dr. Jackso;'.
Medico viuito conhecido as provincias do
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa parrilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphilis constitucional e sempre com os
mais felizesresultados; o melhor alteran-
te que conlieco.
Leucorrha e flores bramcas.
Temos cartas em que nos conlam casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
rilha.
O espaco nao nos permilte trauscrever
todos os atlestados que possuimos Jas vir-
tudes d*este extracto composto ci Salsa |
parrilha do Dr. Ayer. Basta dec arar ao'
publico que tem sido empregado ha mais
de vinte annos pela profisso med> a tanto
das Americas como da Europa, sen nunca
desmentir a sua alta repulacao.
Para a cura radical de escrfulas e iffeccoes
escrofulos, syphilis e molestius syphi-
1 ticas, ulceras, feridas, chagas,
crujimos cutneas e todo e
qualquer incommodo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TOMEM A
*AI,Vi I* Vmtll.il 4 DE AVllK.
A' venda na ra Direita, os. 12 26 e 76;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Gonsti-
tuico, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pharmacias e drogaras do im-
perio.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaela franceza de
P.IYIAURER & C.
RA NOVA N. 18.
(esso
barricas coui gesso : nos armazens de Tasso Ir-
maos.
Cimente romano e de Portlanl
nos armazess de Tasso Irmaos.
Grande liquidadlo de fazen-
das finas, ra da Impe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de Louren^o P.
Mendes Guimarftes.
Fazendas para e carnaval.
Vende-se velbuna de todas as cores a 800 rs. o
corado, ganga encarnada a '160 o covado, sarjelim
de cores a 280 o covado, alpaca de cores propria
para vesluarios a 320 e 360 o covado.tafei deseda
de todas as cores a 600 rs. o covado: ra da Impe-
ratriz, loja da Arara n. 56.
Chitas baratas a 240 rs
Vcndera-se chitas Cuas a 24t e 280 o covado,
chitas francezas finas a 320, 360 e 4C0 rs., cassas
Anas de cores a 320 e 400 rs. o covado, percalas
finas para vestidos o 00 e 560 o covado: ra da
I injiera iriz, toja da Arara n. 56.
Caries de canibraias, a Arara reade a 30.
Vendem-se corles de eambraias finas brancas a
35500, 45 e 55, cortes de cassas francezas finas a
35, corles de chita de 10 covados a 25400, dita.'
finas a 35200 : na loja da Arara, ra da Impera-
lrlz,n. 56.
dos a 3fi e 35500 o covado, grodenaple preto fino
a 15600, 15800 e 25, dilo superior a 25600, dito
com 5 palmos de largura a 3jf o covado, panno fi-
no preto a 25, 25800, 35500 e '5 o covado, case-
mira prela fina a 25,25500 e 35 o covado, alpaca
prela a 500, 600 e 800 rs. o covado : ra da Im-
peralriz, loja da Arara d. 56.
Arara vende cortes de casemira prela a 35300.
Vendem-se corles de casemira prela a 35500,
45, 55 e 65, ditas de cores a 35,45, 55 75. cor-
tes de brlra e ganga para calca a i (00, 15800 e
25 : ruada Imperatriz, loja da Arara n. 86.
Panno de linbo a 40 rs.
Vende-se panno de linho para lenges e toalhas
a 610 e 720, hamburgo a 500 e 560, bramante de
10 palmos de largo a 35 e 2*500 : ra da Impe-
ratriz n. 56.
Arara vende os baldes a 35 e madapelo a 4$.
Vendem-se bales americanos a 35.35500 e 45,
ditos de musselina a 45500, pecas de madapolo
entestado a 45, dito de 24 jardas, largo, a 60C0,
65500, 75, 85, 95, 105 e 125, finos, algedo pe-
cas a 5, 65, 75 c 85 : ra da Imperetriz, loja
da Arara n. 56.
Soutambarques pie tus a 205
Vende-se souiambarque preto de grosdenaple a
205 e 255, capas prelas de grosdenaple Unas a
205, 255 o 305, soutambarque de lazinha a "5 e
85, ditos de alpaca brancas a 85 e 105, ricos ves-
tidos a Mara Pa de novo gostoa85, 125, 145,
165 e 205 ra da Imperatriz, loja e armazem da
Arara n. 56.
Grande sortiinento de roupa
felia.
Vendem-se paletots de casemira de cores a 55,
65, 85 e 105, ditos pretcs de panno fino, sobreca-
sacas a 125, 14$, 165 e 255, paletots saceos pretos
de panno a 55, 65, 85 e 105, calcas de casemira
prela a 45. 65 e 85, ditos de casemira de cor a
45,65 e 85, ditos de meia casemira a 35 e 3500,
ditos de brim e ganga a 25 e 25560, ditos de briro
branco a 35500 e 45, colleles de todas as qualida-
des, camisas francezas a 25 e 25500, ditas Inglezas
de linho de pregas largas a 35 e 35500, ceroulas
a 15280,15600 e 25. paletots de brim de cora 25
e 35, ditos de alpaca preta a 35 e 35500, ditos de
alpaca branca a 455G0, ditos de alpaca de cordao
a 45, colarinhos de linbo a 640, ditos de ppela
640 a duzia : na ra da Imperatriz, loja da Arara
numero 56. O proprielarioda loja e armazem da
Arara declara que todas as suas fazendas se vende
em perfeito estado, como os compradores poder"
examinar; a loja esl abena at as 9 horas da
noite : tua da Imperatriz, loja da Arara n. 56, de
Mendes Guimares.
Predios venda
(Em leilaoon em particular)
Um sobrado de dous andares e sotao em chaos
proorios, na ra do Amorim n. 17.
Um dita de dous andares e sotao, em chaos pro-
prios, na ra do Burgos n. 3.
Urna casa terrea com sotao, em chaos proprios,
na ra dos Burgos n. 5.
Melade do urna casa terrea, em chaos proprios,
narua da Senzala Velha n. 8 : a tratar com o
agenle Simoes na ra da Cruz n. 57.________
l'ejo.
Vende-se urna porgo de feijao mulalinho muito
novo a 15 a cuia, dito preto a 880 rs., dilo rajado
do Porlo a 520 rs. : na ra Direila n. 8._______
La para bordar
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38
receben um grande sortimento de lila para bor-
dar das aciberes cores que tem chegado, a qu.il
se vende barato, tanto em libra como a retalh.
Fe i iv semana! das fazendas d barca
franceza em liqnidaco.
Hoje pelas 9 horas da manha em ponto at as
6 da tarde principiar o pal da pobreza a sua fei-
ra semanal das seguintes fazendas parte das quaes
foram arrematadas no ultimo leilo havido na al-
fandega, a saber:
Chitas francezas escuras a 240 rs. o covado, pe-
cas de madapolo com 24 jardas finos e largos a
65, 75, 7550O, 85500, 95 e 955C0, tambem tem
francezes infestado com 4 palmos e meio de lar-
gura de 20 jardas a peca por 75, est acabando-se,
alsodao com 2 jardas a pega a 55, 69, 75500 e
85. as superiores camisas a 15, chales de merino
a 15, chitas finas francezas escuras a 300, 320 e
340 rs. o corada, ditas para coberla bellos padres
muito linos a 400 rs. o covado, sao francezas (6
covados urna coberta), corles de laa com 15 co-
vados por 55, grvalas a 160 rs., pecas de cam-
braia branca com 10 varas por 55500, corles de
colletes de seda preta a 15500, das chilas do-se
amostras com penhor : na loja do primeiro bara-
teiro ra da Madre de Dos n. 16, defronte da
guarda da alfandega.
Estopa a 240 rs.
a jarda : na ra da Madre de Dos n. 15, defronte
da guarda da alfandega.____________________
Vende-se a barcaca Paraguesi, de lotaco de
20 calas, quasi nova, bem construida : a tratar
na ra do Crespo n. 7 A, cuja barcaca se acha
tundeada defronte do trapiche do Sr. Machado.
D'IODURETO DUPLO
de FERROeIJUININA
Os elementos que compoem esta preparado, o
ferro, o iode e a (juina, a colloeao no primeiro
grao das prc|>arae6es ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmarlo saa poderosa cfficacidade as
seguintes affecedes:
Convalcsccnea ato lan-
gas molestia*.
Maleadas eacrafMIa-
aaa.
Pape-Ira.
Ob.lrutca das glan-
dulna.
Humores fras.
Humores Brames.
nachlt'Miiia.
Affeeeea cancerosas
ayphlllllras.
Felires lypaoldr.
Varile, etc., etc.
Mingas no sangue.
Fraanes*.
Anemia.
Chlaraae ou Ictericia.
Menstruo.
Affecedes da ntera.
Sonnrcasdea daa re-
ras e deaordea na
menatruaaAa.
Affecca pulmonar e
nhtnlslc.
Molestias d>*lomaa*.
Gastralgias,
rerda d'annetlte, etc.
VejilB te es bulletins de therapeuliea medica
e eirurgica de 30 de novembre 1860; o Cauta
ees hospitaes de ti dejullio\MO, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselhio
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
farro e de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que nao goslo de medicamentos sob for-
ma pilular c os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nio poder conservar.
Pcca-se o folbete que se di de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evitarem falsifkacbes, exija e com-
prador era cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatnra do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon,
S, rae du Bac, e em todas as bou pharmaciai
de Franca a dos puies estrangeiros, etc.
GRANULOS
[de BISMUTHJ
D CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparaedes de
bismuth empregadas antes com O maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Ms dlgcstocs.
Gaalrltea.
iiltruljjlas, ele.
Prelo
em saceos de mais de 100 libras
de Tasso Irmaos.
nos armazens
Goke do gaz.
Pltch de gaz.
Alcatro do gaz.
Coke, tonelada IOjOOO.
Pitch, arroba 35000.
Alcatro, caada 500.
O cok rcconhecidainente o carvao maisjecono-
mico, torna-se por isso recommendvel, bem co-
mo pelo aceio que se nota as casinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alem s aidlmpape-
coes diversas a que se prestao, como para calaf a
tar embarcacSes, alcairoar madeiras, etc., teec-
estes a propriedade de preservar do cupim, ter-
migas, etc. entregue na fabrica do gaz, ou man-
dado porem qualquer ponto da. cidade, segundo a
vontade do comprador e previo ajuste.
VICTOHIA
Vende-e na ra Nova n. 50, urna victoria anda
em bom estado, feita por am dos melhores fabri-
cantes de Paris. Os arreios tambem se acham em
bom estado._________^^____^_
Camas de ferro proprias para
collegio.
Acba-se a venda grande sortimento destas ca-
mas, assim como de uiras : a ra Nova n. 33.
' RAPEl -
Daarte, Pereira & C. continan) a vender o afa-
mado e fresco rap Princeza de Petropoles em sen
grande armazem de louca e vidros : i ra de
Crespo n. 1*.
Ovas do serta
Vendem-se ovas do serio muito frescaes, o por
prego commodo : na ra do Queimado n. 14.
Azite de carrapato
Vende-se por atacado ou a retalho, mais barato
do que vend m os matulos as cargas : na fabri-
ca da travf ssa de Carioca n. i, caes do Ramos.
Gazall#500alata.
Vende-se gaz liquido de nrimeira qualidade, la-
tas de 26 garrafas por 1155O0, em garrafa a 480 :
na ra da Crnz n. 68.
Vndese um escravo criulo de 30 annos de
idade, robusto, sadie e sem vicio, sabe destilar
agurdente e ferreiro: a fallar no escriptorio
do agente Oliveira, ra da Cadeia do Recife nu-
mero 62.__________________
No pateo do I'araizo confronte a igreja do
sobrado n. 29, segundo andar, alugam-se ricos
vestuarios para mascaras, tudo novo e de muito
bom gosto, dminos de seda e velludo, e outros
muitos vesluarios para homens e meninos, pelo di-
minulo prego de 5 e 16.___________________
COMPENDIO D0L0H0S0
que conten o oflicio de Nossa Senuora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
rea, um setenario e mais outres exerci-
cios de piedade e devoco; ordenado pe-
la irmamJade dosservos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egrej de N.
S. da Penha do imperial hospici dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deus guarde;
dad* luz por devocJo do muito reve-
rendo padre Pr. Placido de Mi-sina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Dlarrhras rhronlras.
Dyascntcrlaa.
nares d'estdmago.
Dyapcpalaa.
Os primeiros symplomas d'cssas formidaveis
affecedes se manifcsto ordinariamente por diges-
toes laboriosas, azidumes, falla d'appelite, pesos
d'estdmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacae>, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuido, tras ine-
vitavelmente, que seja:
Molestias de ligado. Oppreaaoea.
A Ictericia. Drca de caneca,
ralpliiiro de eoraco Irrllaceade beslga e
Drea naa rlna. da matrls, etc.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 proco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral cm Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
GRAGEAS de CUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYE
Estes confeitos que tem por base o prin-
cipio activo da primara cabeba juuio com
a rupahyba pura, nao nausen o estomaga.
tules fazein parar inmediatamente asmis
rebeldes gonorrbas, mesmo as que resisti-
rn! a cubeba o a cupahyba ioladamente.
Deposito geral em Pernambuce ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
Fraseos comgomma arbica
dissolvida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
JV< vos albuns.
A aguiabranca acaba de receber onlra encom-
menda de bonitos e bem cncadernados albuns de
capas de velludo, n.assa, tartaruga e marflm, al-
guns dos qnaes con, microscopio para augmentar
o tamanho dos relraios, continuando a serem ven-
didos prlprecos commodos : na ra do Queimado
loja da aguia braman. 8.
Galanteras para [estas
i A aguia branca nao ressa de encommendar do
que ha de inelhor e maisagradavel,e porissoaca-
ba de receber diversas figuras e vasos de pede
pedracom fina lian ha, assim come bonitos frascos
deexcellentesextractse lindascaixinhas de ma-
deira envernisada com finas perfumaras, tudo
muipropriopara presentesde testas etc., havendo
dinheirodirija-seo pretndeme a ra do Queima-
do n. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
mado
A agnia branca na rna do Queimade n. 8,rece-
beu glbulos de ail lino e frasquinhos com es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vaper um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeitesde moldesinteiramente novse de um
apurado gosto,assim poiscomparecam os preten-
dentesmanidosdedinheiroe com disposicao de
gastar: na toja da aguia branca roa do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tar-
taruga.
A aguia branca narua doQueimado n. |8, rece-
ceben novamenteesses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidadcs de pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos tantaeslima tem merecido pa-
ra as senboras segurar o cabello quando atado ; a
aguiabranca porem avisa aquellas pessoas que os
haviam encommendado e a quem mais queira
aproveitar aoccasiao de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo preco de 49 cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
a tintura de chromacoma, e mesmo o facillimo
modo deapplicartem se tornado muiconhecido e
apreciada portodos que usam della e por conse-
guinte augmentado a extraco,pelo que a aguia
branca mandouvir mais o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para Ungir os cabellos.
Frascos com coloricoraa para lustrar ditos.
Ditos com hydrocallethrichina para limpar ditos
Ditos comoryehromantina para limparas unhas
Sabonetesbrancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem offender a preparacaofeita.
Sapatos de marroquim dou-
rado para bailes.1*
Esses sapatos lo grande tom vendam-se nica-
mente narua doQueimado loja da aguia braia n.
8 a 65 o par.
Metas finas para senhoras
gordas
Vendem-se amado Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendem-se na ra doQueimado loja da agnia
branca n. 8. ______ _____
MACHINAS DEPATENT
de trabalhar kvo para
descaroca' algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDASI
JPrecos Sapalos de tranca superiores pelo barat preco
de 1S o par, c duzia 1U*> : no vigilante, ra do
Crespo n. 7
Hipo adamascado de todas as larguras, peca
com 10 varas, cada peca a 400, 480, 500 e 600
rs. : no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Clcheles em cartao de urna e duas carreiras
perfeilas, pelo barato preco de 40 e 60 rs. cada
cartao, e duzia a 400 e 500 rs.
Pentes para atar cabello, a duzia a 10200, 10600,
25, U, 45 e o.
Dalaios propriamente para costura e para frte-
las, e para menina trazer no braco a 15500,15600,
15800, 25 o 25500.
Perfumara, macaca perola a 25, 25200, 35 e
45 a duzia, oleo de maozinha a 53 e 65 a duzia,
banha a 3&, 45 e 55 a duzia. Estes objectos se
vendem por admiraveis procos em consequenca
de seem arrematados dos salvados da barca fran-
ceza, pois affanca-se a pouca avaria e a boa qua-
lidade : so no galo vigilante, rna do Grespo n. 7.
CHINCHA
Clieguein depressa porque se acaba.
Uorzeguins gaspiados para senhora a 25500.
Ditos ditos para menina a 15500.
Ditos de duraque s para senhora a 15500.
Ditos de dilo para menina a 13
tamisas francezas de cores a 15-
Ditas ditas brancas a 15600.
Chapeos de seda muilo finos a 65.
Ditos de feliro finos a 25-
Perfeiios e bonitos corles de casemira a 65.
Pecas de algodozinho a 55-
Ra dos Quarleis, loja de sapatos n. 22.______
TEVT AMENTOS.
Obra absolutamente propria para cii-
treleniuent.
Acham-se venda, na rna do Imperador n. lo,
defromede S. Francisco, os seguintes testamentos:
da Gallinha, do Gallo, do Cachorro, do Porro, de
Per, da Onga Tigre, do Vigario e do Leo ; a Pe-
leja da Alma, S. Miguel e o Diario, 160 rs. cada
um; aproveitcm em quanto 6 tempo. Igualmente
ha venda cartas de A U C, taboadas, pautas, e
Mitro objectos proprios para as escolas.
l-Vljao
Na ra da Madre de Dos c. 9 vende-se feijae
mulalinho, dilo brance, e dito preto, mais barato
do que em outra qualquer parte, approveilem a
pceliinchaqnc a quaresnia bale porta.
Vende-se calcado francez da barca franceza
S. Joao da Luz, na ra do Livramenio n. 21.
Borzoguins de lustre (Nanles) 65000.
Ditos de hezerro de tres solas (Nanles) 65000.
Ditos de bezerro de doas solas 65000.
Sapalos de tapete 640 rs.
IVovidade
Ronpiies de sucim de linho para senhora, pele
barato preco de 95 cada um, laazinhas econmi-
cas para vestidos a 360 o covado, cfcapoos de pa-
Iha da Italia de apurado gosto a 145 : na ruada
Queimado n. 17,
Vndese
machina para descarocar algodo, com motores
para animaes : na ra da Senzal? Nova n. 42.
Estas machina
podera descarocar
qualquer especie
ude algodo sen
estragar o fio.
sendo bastante
duas pessoas para
otrabalho; pode
descarocar. urna
arroba de algo-
do em caroec
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algodc
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que dcscarocam 18 arrobas de algodc
limpo, por dia; e motores para mover urna, duas,
ou tres dessas machinas.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
Saonders Brolhers & C.
N. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.______________
AGENCIA
DA
AGENCIA L0W-M001.
Rna da Senxalla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a have
am completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenbo, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
lmannos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
.% ttenco
Nova loja de fazendas e roupa
folla nacional, rna da Impe-
ratriz, loja de di portas n. I.
Chitas da loja o. 72.
Vendem-se chitas linas a 240 e 28 o covado,
ditas francezas finas a 320, 368 e 400 rs. o eovado,
cassa franceza fina a 320. 360 e 400 rs. o covado,
laazinhas para vestidos a 360, 400, 500 e 560 e
! covado, pecas de madapolo fino a 65, 75, 85 e
95, pecas de algodo a 55, 65 e 85 : ra da Im-
peratriz n. 72.
Roupa frita nacional
Vendem-se paletots de panno fino a 145,165 e
185. ditos saesos a 65,85 c 105, ditos de casemira
de cores a 65, 85 105, ditos de brim de cores a
25500, 35 e 4$, calcas de casemira prela e de co-
res, colletes e calcas de brim decores a 25000 e
25500: ra da Imperatriz o. 72.
Sentambarque a 80.
Vende-se sontambarque de laasinha a 75 e 85,
ditos de alpaca branca a 85 e 105, diiosdegros-
denaple pelo a 205 e 25.3, rapas prelas de gres-
denaple finas a 205 e 255> panno tino preto a 25,
35, 45 e 55 o covado, rafemira prela 25.25300
e 35, grosdenaple preto para vestido a 15600, 25 e
25500 o covado : roa da Imperatriz n. 72.
Corles de la alaria Fia al0
Vendem-se cortes de vestidos a Mara Piaa 105,
1145 e 165, cortes de cassa franceza a 35, cortes
de brim para calca a 15600 e 25, ditos de case-
! mira de cor a 35, ditos de dita prela a 35500,15,
55 e 65 : ra da Imperatriz n. 72. Este nevo es-
abelecimento vende barato para obter freguezia :
na roa da Imperatriz, loja n. 72.
Fazendas pretos para aqua-
resma.
\a lloja do Pavo.
Aeha-se e->-le ts abeleriineMocompletamente sor-
tidode fazendas rirelas proprias para a quaresren.
a saber :
Grosdenaples pelo largo e muitlssimo encorpa-
do, oulros mais estrenos b-ndo dos precos de
15280, lOOO, 158110, 25, ?5i0 e 35, superior
moreanlique preto a 35, superior sarja preta he.--
panhola, superior selim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, sonlembarqnes muito bem enlej-
iadas, ricas vasquinas e casacos dos mais moder-
nos que lem vindo, superiores mantelete*, camisi-
nhas com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, ludo isio se vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parle por ser a di-
nheira : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 00
de Gama & Silva.
As roupas do Pavo.
Acha-se neste estabelecimento um grande sorti-
mento de roupas fetas para bomem como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno prelo"
muito lino e forrados de seda a 225. 255 e 305,
ditos forndos de alpaca a 145, 165 e 205, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de mcia casemira pretos e de co-
res, ditos de brim de todas as qualidades, colletes
de casemira pretos e de cores, velludos, setins
ele, sendo todas estas obras cortadas por um dos
melhores mestres nacionaes, manda-se fazer qual-
quer obra por medida : na loja do Pavao ra da
Impcralriz n.60, de Gama & Silva.
Chiliis em cirtes com 10, 11 e 12 covados
Na loja do Pavo vende-se urna grande porco
de corles de chita*/ -^ncezas sendo clarase escu-
ras todas de rres as com 10 covados a 35201,
com 11 covados a 35600 e com 12 covados a 45,
pechinrlia para se apurar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
As cassassuissis de urna s cor a 360 o
covado ou a 600 rs. a vara.
Araban) de chegar as mais modernas cassas
suissas de urna s cor com cordozinho, tendo as
cores mais modernis que tem vindo ao mercado
e vende-se a 360 rs. o covado ou a 600 rs. a vara:
na loja do Pavo. ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cortes de vestidos pretos.
Vendem-se ricos corles de vestidos pretos bor-
dados a vefludo pelo barato preco de 405 rs. cada
um : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grande liquldaco.
Ra da Imperatiiz n. 60, loga de fazendas
d 1 Pavo de Gama & Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente sor-
tldo de fazendas inglezas. francezas, allemas e
suissas, proprias tamo para a praca como para o
malo, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte, principalmente sondo em
porco,ede todas as fazendas do-sc amastras,
deixando Ocar penhor, ou mandam-se levar era ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
Caoiisinlias a 1$,
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muilo bem enfeiladas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato prego de dez tusioes cada
urna : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & S:lva.
Grosdenaple de cor a 1600 o .ovalo.
Vende-se grosdenaple de cor azul,branco c pre-
to, pelo barato preco de 12600 o covado : na loja \
do Pavo, ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Silva. *nr
Madapolo a 7$, s na loja do Pavo.
Vende-se superior madapoln muilo encorpado,
tendo 2li varas cada peca, com h palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego do 750( 0 a peca, ditos
muito finos a 8f, 95 e 105000. E' pechincha, na
loja de Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
6 Silva.
Cortes de cassa a 3*.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados:
pelo baratsimo prego de 351(0 o corle : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Canibi-j ias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraa lisa muilo lina, |
tapada e transparente, pelo baratissimo orego de
45 tendn 81|2 varas cada pega, ditas muilo tinas
a 75, 85 e 9Jr4 pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 75, 95 e 10, ditas
Garrazes fazenda mulo encorpada fazenda pro-
0 VIGIUNTB
Ra do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo piro-
poso llallis!, na sea ordetn do dia, le pelaLiaLra.
Aguia, apesar de que, para eue o daliorim .'tes
agudosesporoes nuncaos offender, antes osagn-
ciar na mesma conformidade, paia|que o Blia,
possa marchar em frente, a Branca Aguia pesca
levantarsea vo,levando no tico as paliohas sei>
ninho; e o Gallo icara em scu espigoso campo
dando de novo o seu canto asnnnc ando a seus
housfreguezes e aorespeitavel publico
0 grande sortimento de objectos de muito gosto que
acaba de receber.
Ricas caixinhas com musir ricamente enfeil:-*
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
:ti i-iissimos cofresinhos com cadeadosde metal
para guardar jolas.
Ricascaixas com estejo, contendo odcs W per-
lences parahornem.
Riqnissmas vollas ingindo perola.
Ditas com lacinhode lila.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as crus-
suras.
Lindos aderegos com pedrinhos flngindc bn-
Ihantes.
Ricas livellas para cinto, de todas as qualidades
e bom gasto.
Ricos cintos de ultimo posto de Paris.
Grande sortimenio de lindos enfeiies para rele-
ga, sendo do ultimo gosto e de todos o? precos.
Flores muito finas para noivas. "
Luvas enfeiladas e meias de seda para DOT3S.
Touquinhas sapatinhos e meias de, soda pan
baptisado.
Riqnissmas filas de todas as qualidades para la-
go, cuitse cinteiros.i
Camisinhas e golln&as para senhora.
Riquissimosjarros e figuras para oinsicenio e
sa la.
Grande sorlimenlode gravatinhaslamo para se-
nhora como para homeni.
Luvas de pelica branca e de cores. I
Cascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas, galao e maravhaspara enfeiKs.
Transelins de cabellos e de retroz para reltcos.
Papel amisadee de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e bahadinhos de lindos ppdites.
Lenc.inhos de linho bordados.
Meias para liomem, senhoras. meninos c run-
as.
Fitas de veludo lisas e com nmarre de tct!".s as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerecimentcs.
Caixinhss com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verddeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas erar i.-. > m
frascos quadrados egarrafinhas.
Pomadana de lodas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos del todesos
tamanhos. '
Saboinglez em paos grandes e pequeos.
Escovasde cabo de madreperola, marflm c de
osso, para denles.
Pentes para desembaracar, com friso dcn-nale
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muilas outras qualida-
des.
Pentes de tanaruga para senhora.
Ligas de soda e de algodo, assim cernir, iruiti s
pria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a pe- o?""os objectos de gosto que sena impossif
ga : islo na loja do Pavo ra da Impojatriz n 60, c'nar.que
de Gama & Silva.
Os vestidos do Pavo.
Grande pechincha a 350O.
Vendem-se os mais bonitos vesiidos de cambraia
transparente imitago de larlatana com muitos
delicados desenhos, muiio proprios para partidas e
passeios pelo baratissimo prego ne 3550fJcada um,
sendo fazenda que sempre se vendeu a 75, na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 00, de Gama i
Silva.
Vestidos a 1^ e a 7i
Na loja do Pavo vendem-se ricos cortes de vesti-
dos Mara Pia, sendo bordados e com barras,
pelo barato prego de i5 e 75, sendo fazenda que
val muito mais dinheiro, isio por haver grande
porgo, na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de (ama A. Silva.
Ricos soulamliarqucs do Pavo.
Acaba de chegar um rico sortimento de sou-
tambarques de grosdenaple prelo muito bem
enfeitados, que se vendem pelo barato prego de
205,225, 255, 305- Capas c casacos de glace pre-
tos que se vendem muito em conta: na toja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os enfiles do Pavo.
Vendem-se os maismodernosenfeitesparacabega
de senhora : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
ls laazinhas transparentes a -100 rs.
Na loja do Pavo vendem-se as mais modernas
laazinhas transparentes, sendo de lisias miudinhas
a imitara 1 das sedinhas, pelo barato preco de 400
rs. o covado ; ditas entestadas de urna *s er e
ditas de salpiquinhos proprias para vestidos e rou-
pas de criangas : na loja do Pavo ra da Impera-
triz ti 60.de Gama & Silva.
As cassas do Pava).
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas, de
padroes miudinhos e grados, chegados pelo ulti-
mo vapor, pelos baratos pregos de 300, 320, 360
rs., por haver grande porgao : na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casimiras escossezas a 1.600 rs.
Vende-se as mais modernas casimiras escossezas
proprias para caigas, colleles, paletots, roupas para
enancas : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil corados Grande pechincha a 240 e 320 ris.
Vendem-se as mais bonitas laazinhas transparen-
tes, sendo com llstras o quadriohos miudinhos, e
lisas, tendo de todas as cores, assim como prelas
e roxas para lulo, pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; dilas transparentes com palminhas
de seda Mara Pia, tendo do todas as cores, e
alpuinas proprias para luto, pelo barato prego de
320 rs. cada covado, i-to por haver urna grande
porgo : na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva. |(
Vestidos Mara pia,
(raudo pechincha a IOjSOOO rs.
Chegaram os mais bonitos cortes de la Maria
Pia com as barras primorosamente bordadas, tra-
zendo os competentes enfeites para o corpo, i-endo
todos com as cores mais delicadas que tem vindo,
vendem-se pelo baratissimo prego de 105 o cor-
te, ditos de precala com lindas barras e enfeites,
com 19 cvados cada um a 105, ditos de cambraia
com barras bordadas a croxc yo ultimo gosto, pe-
lo barato prego de 65 : na Iqjv.do Pavo, ra da
lmperalriz n. 60, de Gama & '(Kjjya.
Cassas de linho,a 360 rs.
Chegou osla nova fazenda, sendo eass* de linho
propria para vestidos e roupas para criangas, com
muito delicadas cores, moderna, c vende-se pelo
barato preco de 360 rs. o covado : na lora do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama y Silva.
Laazinhas Usas.
Vendem-se as mais Anas laazinhas de una s
cor, tendo grande sortimento : na Iqja do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vende-se urna mulatinha pega com todas a-
habilidades: na ra da Praia, primeiro andar us
mero 47.
a vista far t, s no Gallo Y gil;: le,
u do" Crespo n. 7.
Vclliubas.
Lidas voltinhas de pendas falsas CGitcrczii lias
ingindo Briihantes, assim cerno croziiiba m ni
e voltinhas, pelo tralo prego de l5eikSUi.es
orares avnls asa 400 rs. s no Vigilante ra co
Crespo n. 7.
Loques.
Rlquissimosleques de madreperola taiktr [ra
senhoras como para meninas, pelo barato [reo
de 125 e 5i s no Vigilante, ra dciCresrv
n. 7.
GRANDE NOV1DADE.
S no Vigilante.
Riqaissimos enfeites de todas as qualidades jara
sehhoras 3 meninas, chegados hojedaalfandegs.
?IlOS
Riquissimcssintos de fila iarga e estrella rom
livelas grandes e pequeas, com brilhanlesfaiscr,
cousade muilo gosto.
Albnns
Tambera chegaram os riquissimos liban para
50 retratos, com capa de tartaruga e de marflrr,
cousamuitochique : s no Vigilante,ra do Cres-
po n. 7.
Gelinlias.
Riquissimas golinhase manguitos, cmelhor pe-
to possivel, a 25,25500 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n.7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
outros muitos gostos a 15,15500 e 35: s no Vi-
gilante, ra do Crespn. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins aeeabello para relegia on lo-
netas, pelo baratissimo prego de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Ilabadinhos entrenieics.
Riquissimos bahadinhos entremeios com linde
desenhos tipados e transparentes, pelo haralissin o
prego de 15200, 15500, 25 e 35 s no V eilanic,
ra do Crespo n. 7.
Casrarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinbas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortimento de tilas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que adrairam aos con -
pradores, havendo fitas largas proprias para ciu-
leiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Filas de la.
Fitas de la de todas as" qualidades, proprias pi-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Y -
gllante, ra do Crespo n. 7
Ricos espclhos.
Riquissimos espelhos com rroldura dr-uiadr-'
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
columnas de difterentes tamanhos a 25, 35,45, !'5
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o rr.elhor posto que aqu
tem apparec.ido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riqaissimos vasos com I oneca para pos de arroz
cousa de multo gosto a 15500 e 25, assim ronr
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s co
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
l'ti fumarias.
Grande sortimento de extractos e banhas,porra-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e oTerecimentes as sinhasinhas dos rrc-
Ibores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim como outros objeflos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
roa do Crespo n. 7.
f*


m^
*m
I
en
VBOTM^^I'*V[^^'VHP'WW
Mari ie 'ernasnameo Terf a letra Zl de Feverelra de 1 865
LOJA o BALAO
DE
AZEVEDO & FLORES.
Raa da Cadeia ds Recite n. 47, esquina qae rolla para a Madre de Heos.
Attenc&o.
%
AURORA BRILHANTE
l'aletots de fustao sabr.....
Ditos de casimira (saceos) 12j, 115
105 e......... 85003
Ditos de alpaca S e...... 45000
Ditos de alpaca branca i>5 e 45500
Ditos de dita branca 55 a 45500
Sobrecasacos de panno lino francez 225000
JaqnetSes de brim pardo..... 5
Pelos seguintes precos
35500
C ilgas de britn pardo 24500,35, 34500
Ditas de brim brancj 45. 45500 o .
Ditas de casimira de cOr 55, 75, 85 e
Corte* de casimira preta fina 75 e .
Chapeos tinos altos......
Chapeos de sol de seda 65 e .
Ditos de feltro a Garibaldi ....
Seroulas francezas linas.....
45000
BJMOO
|n,500,i
4000
75000
83000
35'XW
15600
0< donos da loja do BAL.VO encarregamse de
pretos e de cores
melhores
Colletas de casimira
35500,45
Bales de 20 e 40 arcos dos
que tem vindo ao mercado .
Camisas francezas a 25, 25500, 35 e
Madapoles franceze* (peca) 135, 1*5.
Chitas para coberta (covado) .
Las lisas de todas as cores .
Vestidos de la Mara Pia muito finos
Lencos brancas muito Anos (duzia) .
Um completo sortimento de chitas lar-
ga* de 300 a ........
Cambraias francezas (covado) .
Cambraias lisas brancas muito Boas
(peca) ...........
Um variado e lindo sortimento de cha-
les de merino eslampados de 55 a
GRANDES ARMAZKINS
45500
54000
155000
320
5
185000
25800
500
360
55000
85000
mandar fazer qualquer obra de brim ou casimira
etc., para homense meninos, anda que a fazenda nao seja comprada na dit loja do
DE
DE
J. VIGNES.
m. 55. RA DO IMPERADOR N. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz comhecidos para que seja necessario insistir sobre
su* superioridade, vanagens e garantas que efferecera aos compradores, qnalidades estas incontesta-
vais que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla praca; ode-
stiindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por serem fabricados de proposite, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importai-
tissimo para o clima deste paiz ; qnanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socie
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicSes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de musioas do.
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
prests commodos e razoaveis.
isea os reaia-Ji
CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGICO
BR PEDRO DE ATTUIYDE LOBO HOSCOSO,
MEDICO, PARTE1ROE OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Or. Lobo Moscoso da consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 4
-.-ris d manha, e das t e meias 8 horas ua noite, excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial lio meopa tilica
No mesmo consultorio na sempre o mais appropriado sortimento de .:arteira
tubos avulsos, assim como tinturas de, varias dymnamisaces e pelos preces seguintes
Carteiras de 42 tubos grandes. 12,5000
de 24 tubos grandes. 185000
de 3G tubos grandes. 245000
f de 48 tubos grandes. 305000
i de 60 tubos grandes. 355000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fuer, e
qge se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meta onca 45'00.
Seude para cima de 12, custaro os precos establecidos para as carteiras..
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da huraeopathia, o.Manual de Me liana Homeopathico do Dr. Jahr,
din; graades volumes com diccionario............ 20500Q
Medicina domestica do Dr. Bering,........... 105000
Repertorio do Lr. Mullo Moraes............. 5000
Diccionario de termos de medicina ........... 35000
Os remedies deste estabelecimento sao por domis conliecidos e dispensam portan-
to de serem novaraente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
adeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
da Ulro assacar deleite, notaveis pelasua boa conservaco, tinturados mais acreditados
estibelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanto a maior ener-
gia o certeza em seus effeitos.
Casa de sade para esc raros.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciantejulga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa a mais de quatroannos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
p)le duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seas
doeates.
Paga-se 25000 por dia durante 60 dias ed'ahi em diante 15500.
As operaces serSo previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis que costnma pedir o annunciante.

3&K
Ohales de renda preta e bournus de guip preto|
A' loja da roa do Crespo u. 17,
DE
JOS G03IES TILLTR
Vende a 158, 205, 305, 403, 508 e 605, capas o casac5e* de gros pretos, chapeos
e chapelinas de palhae outras moitas faiendas proprias para a quaresma.
Jos Gomes Villar prelcndendo ir ? Europa tratar de soa saude espera que seus
devedores tanto do mato como desta praca saldem seus dbitos quanto antes.
FABRICA DE CH POS DE SOL
%'. *3 Ra Xova esquina da Cambo: do Carme e
Cabug n. 8.
ra do
20
10
15

'u
A directora desse estabelecimento o mais importante que xiste neste genero
as provincias do norte do imperio, querendo que o publico desta provincia goze das
v.mtagens que proporciona a fabricacao em grande escala e directa relacao com as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender ainda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabella:
Descont em duzia.
( impos de sol de panno a 25000........
armacao de baleia a 25500 ....
de seda armacao de aro inglez de 20 pollegadas
i:), de 24 55, de 26 55500 e de 28 65......
Chapeo* de sol inglezes a balo 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 85, de 26 95. e de 28 105-
l.Jem idem a balo de 16 varetas palent paragon de fox d 24
pollegadas 115, de 26 125, e de 28 135......
Alm de muitas outras qnalidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
romo sejam de alpaka, ditos de brim de linho, etc., etc. ha tambern de seda e de panno
de lodos os lmannos e feitios, os quaes sao 15o vantajosos como os annunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de aga, os quaes vendem-se igualmente em porcao e a retalho, notando porem
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
lliar pelo preco que o estabelecimento relalha.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia sero considerados como
a retalho.
15 /o
15 o/o
un
MOLHADOS
i Largo da Santal
Graz as. 12e84,
[esquina da ra doj
[Cebo.
VIMOS
ESPECIAES
i Largo da Santa.._.
jCruzns. 12e84, esquiua da ra doj
sCebo.
O dono des ja muito acreditado armaiens de molhados denominados Aurora
Brilhante, acaba de receber de su propria encommenda, muitos generts delicados
prapnos da presente estacao, e tendo gratde sortimento comprado aqui.aflaugaqueWs
es seus generes sao de I.' qaalidade.
A seguinte tabella servir a todes de base para ajuste de contas aos por-
tadores. r '
Nenhum armazera veuder mais barate, e melheres gneros do .ue Aurora
Brilhante, ja pelo grande sortimento que tem, j mesmo por sea dene se aebar etcom-
modado em sua saude e ter de veder um de seus armazens agora, e e entro na pre-
xiraa primavera, por isso deve-se apreveitar urna quadra dess para se comprar
barato.'
i Latas com 8 libras de chourigas muito aovas.
1 a 75390.
Bitas grandes eom peixe em postas inteiras,
i mais e 12 qualidades, a 1000, 1580 a
' l#N.
itas com ostras, expeliente petiseepara fre-
i gideira, a 720 rs.
itas com er vil has novas, ensopadas, a
7i0 rs.
Sitas com favas, a 610 rs.
itas comameixas a 15209, t-5800 e 35500.
Bitas com marmelada do afamado fabrican
cante Abreu, a 880 rs.
Bitas de massa de tomate, a o60 rs.
Bitas com figos de comadre, no vos, a 15500,
25 e 25500.
Bitas -om bolachinha de soda muite novas, a
25000.
Ditas com bisceitinhos inglezes de muitas
qualijades, a 15400.
Chocolate.
Chocolate superior mullo novo, a libra a
15200.
HiearrSo telharim e aletria amarella.altbra
a i3* rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha,pevide e outras mas-
sas, a caixa 35500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sopa a libra a 240 rs.
Grvilhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a libra a
590 rs.
Arroz do Maranhao, em saccaa arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arreba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toacinho de Lisboa a 95500 a arroba c a 320
rs. a libra.
Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
2i)0 rs.
Molhoscom 125 sebolas grandes, a 15280.
Mostarda franceza caixa cora 2 duzas a
85000.
Frascos com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Bitos com conservas oglezas e francezas,
a 6'i0a800 rs.
Ditos com sal refinado fine, a 6i0ea500
res.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 15200.
Ditos de 2 garrafas de Hollauda verdadeira,
15000.
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafes cora 2 galSes com dita, a 65000.
Ser veja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Yinho raascatel de tetuba, a garrafa a
15000.
Marrasquinho verdadeire, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Champagne,a duzia 205000, e a garrafa a
25090.
Azeite refinado portugueze francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinhe Bordeaux muito superior, a
75,85, 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Bitas com dito lagrimas do douro verdadei-
re, a 205-
Bitas com duque do Porto verdadeire, a
185000.
Bitas com charaisco superior,a 145000.
Ditas cera Porto velho eoutras mullas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 649,
729 e 800 rs.
Dito de Lisboa mnite bera, a caada a
35200,35500 e 45OOO, e agarrafa a 300
a 560 rs.
Dito da Pgueira. das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) caada a
45500 e a garrafa a 560 e640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com e
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a rana-
da a 35500 e 45000 e a garrafa a 480 e
529 rs.
Vinho branco fino, a ganafa a 640 rs.
Dita de aj muito superior, a garrau a
809 rs.
Vinho verte steerier.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
Cotana.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 35990 e a libra
120 rs
Sabo massa, a libra a 290,249 e 280 rs.
Cariaba.
Saccas grandescem farinha deoiannamul-
to nova, a 55000.
Caf. _
Caf do Rio muito superior, a arroba a b*,
85500 e 95090.
Cha.
Cha temes nestes gneros o melherpossivel,
bysson, a libra a 25600.
Dlteperolaa 35000.
Bito uxiraa 25700,
Bite hyssoa muito lino a 25809.
Dito redonda a 25500- .,
Ditopretedeprimeira quahdade a25o99.
Bite mais baixo a 25000 15690.
[na mate.
Excedente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espramele.
O masse com 9 vellas de espermacete a 600,
649e720rs.
Caixas de 16 e 8 libra de passasnovas pro-
prias para mimos a 45 e 2J&500.
Nexes.
Nozes, a libra 160 rs e arroba a 45900.
Alpista e pataco.
Alpistae pain5o,a arroba45000 ea libra a
169 rs.
Carlas.
Cartasfluas parajogar.a duzia a 25^00.
Castaahas.
Castanhasnovas vindaf ueste vapor, aarra-
ba 45909 a a libra 200 rs.
Azetteas.
Barriscomazeitonasnovasa lWBB
Manteiga.
Man r, a libra a 15099.
Bitamaisabaixe a 300 rs.
Dita raenossuperioi a 640 rs-
Dita franceza nova,a libra a 720 rs.
Dita ditaem barrise meios ditos, a nora a
669 rs.
Ditapara tempere a400 rs.
Queijo*.
tueijos no vos vindos neste vapor a J^w
3*500- lihra a
Bites londrinos muito novos, a nura
15OOO
Dit ^.OQO
Papel almago pautado, a resma a |"
Ditedito lizode linho, a resma a *** a
Dito de peso lizo e pautado, reb
2*500 1**na
Ditodeembrulho bom a 15 e 10-"-
Vinho Madeira. r..eMa-
Garrafascomo verdadeiro vinho xer
deira a i5-300 e 25-
Temperos. .
Folhasdelouro, pimenta do reino, comn
e cravo, a libraa 4 >0 rs.
Velas de carnauba. 1
Massoscom 6 velas de carnauba refinada a
489 rs. 1
\mendoas.
Amendeas com casca, a libra a 320 rs.
Caixoesdedocede golaba, grandes a 15400 j
pequeos a 640 rs.
Tijolos deltmpar. I
Tijoles de arear facas a 140 rs. <
Graxa.
Duzias de boloasde graxa n. 97ai *600, e
de latas al5000,e os boi5es a240 rs., ca
danm, e as latas a 100 rs.
Charoles finos.
Charutos finos des melhoresfa^ricantes da
Bahia por diversos pre?os, caixas e meias
caixas.^
E graude quantidade de gneros tendentes
estes estabelecimentos, i[ue deixam de an-
nunciar-se.
NSM COROAS NEM MITRAS
E
miO PRIIPAL
GRAMilE
ARUAZEM
DE
RA D8 IPERADOR *. AO
Junto o sobrado en qie ora Sr. Osbrit,
Buare Almeida eft C, receberant ele sna pr*prla earoMBieB-
da o Hials linde variado sortlmeato de ialhado. proprlea
da presente estacSo.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1,000; para sepa a melhor que se pode desejar,
macarrlo, talharim ealeiria
rs. a libra eem barril a 8eo rs.
Mantels;a franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
CWO rs.
Amendoas
ctwfeitadas de lindissmas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
23400, muito propios para mimos,
Oarttes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1*360.
Chocolates
detodasasqualidades a 45000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 5B0 rs.
Queijos flamengos
ebegados neste ultimo vapor a 256oo.
Qneijos
ebegades no ultime vapor a 2^600 cada um.
QHelJo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteire e a 900 rs, a retalbo.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menas de
35 a 2,3600.
dem perola
especial qualidade a 23700 rs. a libra.
dem hvssou
o mais aromtico qae tem vindo ao nosso
mercado a 25600.
Massas amarillas
para sopa, macarr5o, talbarim e aletria a
480rs. alibra.
CO-V4C
o muito afamado cognacPal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
desa .eoo e 800 rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e .ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
!jde escolente qualidade a 2^200 a resma,
; PAPEL I
; azul e pardo para embrullio de l ,4oo a 2,2oo
* 400 re. a
libra e 45500 a caixa.
Vinhd
Figueira J A A e outras muitas mar*as acre)-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa,
25800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des memores fabri-
cantes da cidade do Porte alie 45200
a garrafa e de 105 a 425 a caixa, as aur
cas sao as seguintes: Chamisse Fiibo
F. & M., Nctar ou vinbe des Deuzes,
lagrimas do Douro e eutres muitos.
Latas
com 40 libras de banba a 45000.
Bolachinha maleza
a 45800 a barrica da mesma que
vendem a 25000 e 25400.
Nezes
as mais novas do mercado a 120rB .d bra.
Ceryejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 45500 a 65500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 45500.
Arroz
do Maranhao a 400 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 25500 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de 4.1 e 2. serte do Rio de Janeiro a 853f
rs. a resma.
A 48 0 C
Pechincha tm igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores \\
cUras e escuras com grande mriedade de padres '
peU baratissimo prego de A$ o corte : na loja das
columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rea de Vasconcellos 6 C,
e 85800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com 4 V garrafas cora vinagre a 4 5000 tem
o garramo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 45000 o frasco, e de 445000
a caixa.
mu
em frasqueiras de Hollanda a 55800 coa
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos de gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qnalidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacele de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatiroento.
VELAS
de carnauba era caixas de arreba a 9,3oo t
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 55 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas Hito aavas
em quarlos e inteiros a 25 o quarto e 65500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. e pao
Frotas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
I'see da casca da ooiaba
a600e!5ocaixae.
GOMMA MUITO NOVA
era paneiros de 1 e 2 arrobas a 35500 a ar-
roba el 40 rs. alibra na ra do Qoei-
raado 7, ra do Imperador n. 40 e larco
do Carmo a. 9 6
ROLACHINHAS
em latas de defterentes qualidades a 120#
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegado*neste ultime vapor a 2588 na roa
doQueimado n. 7, na de Imperador a.
40 e largo do Carmo n. t.
proprietarios do grande armazem e Verdadeiro Principal declaran aos seus
!,C I m e aa public# em eral' .quepara facil,tar a commodidade de todos es-
upuiaram os mesmos nrpms nc uonmtAa tasares:
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podira a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oors. alibra.
Vinagre
PRRem ancorlas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novasdo mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs.o molho.
Alpista o Paiuco
o mais novo do mercado a 14o rs. a libra,
e 45400 a arroba.
CEBLAS
muitonovasa 15000 ecento na ra do Que*.-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
mito nove a 35400a arroba e 140rs. a li-
bra aa ra doQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEUO SUISSO
muito fresco a loo rs. a libra na ra do
QaeiDMde n. 7, ra de Imperador a. 40 e
largo o Carme a. 9
ds
freguezes
mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Priicipal na do Imperador i. 4
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 45500: na ra do Imperador n. 40.
NOVIDADES,
Queijos de Alenteje. dites das ilkas e mais fresco que se pede dese-
jar a 152M alibra, esendeiateire tera algum abalimento, ricas caixinhas
redoadas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato prece de 45
cada ana, ricas caixas de figos tamben proprias para mimo de *# 15500
cadaasaa. Vende-se nicamente na armazem Verdadeiro priscipal, ruado
Imperador a. 4.
*-*3H
Potassa da Russia
Acaba de ehegar a mais neva e rerddeira
tassa da Rossia. e vende-je a preco cemmsde : aa
escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira at Fi'he,
largo de Coree Saate a. 1,
rimss*
Teide-se aatassi sm barr a eoinraeda preco e
aa raa da Cruz 23, primeire andar, eseriptori:
de Aatonio de Almeida Gomes.
GAZ GAZ GAZ
Veade-se gaz da melher qaalidade a
4 5 a lata: ees armazens da raa de Im-
perador a. 48 e ra do Trapiche Nev a.-*
Yende-se urna boa raabitla de pi d'olea. eom
oae, e alguas vidros: na. raa da* Florea. p.XS.
Superior eal de Liskta.
Tende-se aperior eal i ^jK- a mels ?
qne ba no mercada, taato em ?**!?* rama a rua-
Iba, per barate ars^-afiancaDVae aes Mirpra-
dares aparrar oaaridade: a tratar aa sepaif
raas : Crespo n. T, hnperaar a. t, Farte de Va-
tes,araMeem do. S. A'villa, defreate o trapicha
a algedSo..
-
I

"



*
_
Diario de Pernnanbitco crea felra t i de Ferereir* de i8&
i
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chejaram es moderaos vestidos de dentelle de teda cen barra, inteirament! nevas
em gosto e qualidade : loja das ctlumnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Yasconcellos & C, successeres de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto*
Para vestidos deseaktra
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gurguro o de setim imperial.
Ditos de blond, e de eambria branca bordados.
Ditos de lia com barra e grande variedade era cores e padrees.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de qaadros escosseza e miadas.
Superiores las lisas com grande variedade de cores.
Bitas com salpico, com flores e de uadres.
Lindas pampolinas do quadres e de flores, fazenda mteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias ergandy
Grande variedade de cbita de cores, de percalia eootras moitas fazendas de|3a.
Para hembras de seahora
Lindas eapas e boumoux de casemira de cor.
Ditas da iaa o de seda.
Grande variedade de sout'embarques de seda de I8 a KOfi,
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados finos, de cachimira com listrasde
seda e de fil preto.
Camizinhas modernas, zuavos brancos e de cores, colletes de cambraia, lindas gui-
llabas com punhos e outros mnitos artigos.
Para cabera de seahora e menino
Superiores chapeos e chapellinas de palha de Italia enfeitades para senhora.
Ditos de feltro enfeitades para senhora. X
Ditos de palha enfeilados para menino. )
Grande soriimenlo de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores,
para senhora.
Na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Yasconcel-
los 4 C.
GESUIi RECOJIJIERRA^AO
AO PUBLICO
Sem o mrnor constran-
glmeno se entregar o
Importe do genero que
io agradar.
ATTENQAO
Os precos da segulnte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba
se para o ajaste de rentas
com os portadores.
ARMAZEM UNIO
C01VSER VATI
23-Largo do Terco-23.
Joaquia Sii- dos Santos, dono deste bem sortido armazem de molbados faz sciento era
reeomm.iudaca aos seus amigos, freguezes e a lodos em geral, que esta resolvido a venderos seus
bam eoatiecidos gneros de primeira qualidade,por menos de 10 a 20 por cento, menos doaue em ou"
tra.qualquer parte a diobeiro conudo,e todo o comprador que comprar de Hi a iWJ terso descon-
t do 5 a l por cont pelo seu prompto pagamento; e per isso se faz annuncio de lems eeneros-
para com este melhor se certificaren!. <"6usScucrus>
paisas jara sopa macarro, talbarim e aletria a
macarrao,
210 rs. a libra e em caiza a Si.
foucinno de Lisboa alvo muito superior a 280rs.
a llora e 8800 a arroba.
Saf do Rio de primeira esegundasorte a 260.280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 89 e
850f.
Chouricas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 123.
Passas vindas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a naixa a 85-
Batatas em caos de 35a 40 libras por 5100 a ar.
robae a 80 rs. a libra.
Cb hyssnn miudinho supeor qualidade a 1&200,
2*000, 23300 e 3 a libra.
Vinho de Pigueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
300, 400 e 040 rs. a garrafa,
dem proprin para n?ocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 23409 e 23700.
Milho alpista e painco muito limpo a i40 rs. a li-
bra e a arroba a 43400 e 4^200.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o maro e a 23 a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lo a 23800 e a caada a 43500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs.a
garrafa e a duzia a 538U0.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caiza se far abatimento.
Arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 238*0, 230 23400.
Asslm como ha nm grande sortimenlo de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas.cboco-
late, marmelada, vinho engarrafado eoutros mui-
tos gneros que enfadonho menciona-los, o se al-
guem duvidar venha ver.
FRANCISCO J. GERMANN
1 RA MOTA Msl
Acaba de receber um magnifico e completo sortimenlo dos objectos que de melhor qualida
de encontrar em urna relojoaria, taes como : chronometros martimos e de algibeira, relogios 'de onro
e prata, douradose foliados, ditos para mesa e de parede, francezes, suissos, allemes e americanos
reguladores de corapensacao, relogios grandes com msica e sem ella, dito de sol montados com pecas
para disparar em certas horas, despertadores de diversos lmannos, caixas com msicas, igual sorli-
ment de oculos e lunetas de ouro e prata dourada e tartaruga, bfalo, age, e varios metaes, oculos c
lunetas especiaes para senhoras, de ultimo gosto, ditos proprios para os que soffrem de inflammagSes
nos olhos, labricados segundo os prcceltos dos mais acreditados mdicos da Europa e igualmente os de
Pernambuco, os quaes s se vendem por consulta dos mdicos, vldros de cryslal branco e de cores,
oculos de alcance para o mar e outros proprios para observacoes astronmica?, ojiantes e sextantes,
binculos para theairo, para mar e para campo, microscopios e meridiano universal, barmetros, ter-
mmetros, caixas de instrumentos maihematicos, correntes e chaves, sinetes e trancelins de ouro, dou-
rados e foleadas, ludo dos melhores fabricantes. Encarrega-se de qualquer concert e encomraenda dos
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante um anno por qualquer relogio vendido ou concert
aeito, em seu estabelecimento; e vende por menos que pode fazer outro qualquer.
Cassas para vestidos.
Tal pechincha s a dinheiro se pode vender.
Superiores cassas francezas de cores miudinhas, de quadros, lisas, ede ramagens, com grande
variedade de padroes, fazenda que se tem sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baralissimo preco de
* Comp.
RIJA DA CADEIA IlO RECIFE W. 53.
(Logo aassanda arco da Conceifia)
Grande reduccSo de precos. equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annuneiante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da maoteiga ingleza a 4,ooors. a libra, bem assim o de outros
aruitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom prego a manteiga de tempero, e gritarem em
alta toz, que podem vender pelo prego que eu vendo I! I Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reducco de pregos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a-abertura do momoravel armazem de molbados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nSo ser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reducgo a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamago de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimento, para lbe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fina
to sement obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mate que tudo apromptido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccSo e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pogam vir poderlo mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
sero to bem servidos como seviessem pessoalmente, bavendo para com estes toda recommendagao, afim de que nao vo em outra parte


1
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escomida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem viodo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5ee rs.
Cha bjsson de superior qualidade a 2,6oe rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
oeste genero 2,600 rs.
dem preto homeopa thico por ser de superior
qualidade a 2,000 rs. a libra,
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, i,800 e 2,ooe rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ae que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguigas, chourigas e paios em latas de 8
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, o 7.800
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a leo rs. a libra, e 3,000
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2o rs.
a arroba.
Painco e alpista a 44o rs. a libra, e 4,3o
rs. a arroba.
Massa de tmale em latas de 4 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
ibras, emticamente lacradas a 5,5oe rs. Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
garante-se serena superiores aos que vem
em barris.
Chourigas e paios em barris de mea e urna
arroba a 8,000 rs. e 1,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos Damengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a 4,6eo e 4,8ee rs.
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propiamente
feitas para esse rim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
dem londrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muito fino excellente qua-
na loja das columnas da ra do Crespo n. \'J, de Antonio Correa de Yasconcellos
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Rea do Qneimadn n. 19.
Vende-se o seguinte:
Lenges de panno de linho
pelo baratissimo preco de 2400.
Lenges de bramante de linho
de um s panno a .'3500.
Coberta de chita da India,
pelo baratissimo prego de 2500.
Lengos de cambraia brancos
proprios para algibeira,.a 2 a duzia.
Pegas de bretanha de rolo com 40 varas
propria para saia, a 4.
Pegas de cambraia de forro, a 2,5600.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gura, por menos preco do que em outra qualquer
parte.
Toalhas alcochoadas para mos
Si a duzia.
Lazinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 600 ris o co-
vado.
Lazinhas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a 560 ris
eovado, neste armazem de fazendas se encontrar
um grande sortimento de ronpa feitae por medida
HUMORES
Bom t uno verde.
Davym & Cavalcanti receberam o bom vinho de
Alto Douro.o qual tan vendendo a 4 caada,
por garrafa a 360 rs. na roa da Cruz n. 68.
TINTA PRETA COMMERCIAL.
Vende-se tinta com esta denoroinaco prepara-
da por J'io Cancio Gomes da Silva, a roa do Qaei-
mado n. 32.
Farello superior de Lisboa a '6$ sacco.
Tem para vender A tonie Luiz de Olivei-
ra Azevedo no S'ti escritorio ra da Cruz
n.4.
Milho novo em saceos grandes : no trapiche
do Cunta, a tratar com Tasso Irmaos^________
Vinht da Madeira e do Porto
Vende se osuperior vinho da Madelrae do Por-
to, era caixai de urna o duas duzias: s na loja
do Vigilante.rna do Crespo d. 7._________^
DROGARA.
34Ra {larga do Rosario34
Bartliolomes Francisco de Sola k C.
Vendem:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para onrives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres avellndadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Veneza, fino, em paes.
para machinas de algodo.
Acabam de chegar agora novos motores para
um e dous cavados para mover machinas para
descarocar algodao, cylindros de padaria, eoutras
quaesquer machinas para agricultura, os quaes se
vendem por prego muito em conta. Tambem se
vende um motor americano para 2 e 4 cavallos pa
! rao mesmo fim, que tribalha muito bem ; elles
se acham montados para o comprador ver o seu
trabalho : na fabrica da travessa do Carioca n. 2,
caes do Ramos.
Roa da Senzalla n. 42.
Vende-se, emeasa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhesinglezes, candieiros e casti-
gaes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos.Je relogios de
ouro patente inglez.
BOTICA E DROGARA
Barlholotnen Francisco de Sooza | C.
34Ra larga do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
Plalas do Dr. Laville.
Pilulasdo Dr. Alian.
Pilulas do l'obrebomem.
Pillas americanas.
Pilulas vegelaes.
Pilulas vegetaes assacaradas de Kem.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimanlt.
Vinho de Salsaparrilha deCh Albert.'
Injecgao Feangas.
Agua dentilca de Desirabode.
Papel chimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos anti-epileticos deBrest.
RobL'Affecteur.
Xarope do Rosque.
Ungento Holloway.
ii mmm.mmwmw
: Fabrica Concedo da
Bahia.
7 Andrade k Reg, recebea constante- ^
I mente e tem venda no sen armazem n. Pf
viudo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas era latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
a S80 rs. a libra, e a Soo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gia a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
4,oo0 e 4,Soo rs. a libra.
Espenriacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 42 por libra propris para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salm3o, ostras e chemee, vezugo em
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada urna.
Vinho Rbrdeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao r.osso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este prego.
Genebralde Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
fdem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a I.ooors. o basco, e
44,ooors. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes 4oo
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,Soo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por 4,5oors.
Ameixas francezas em latas de- 4 e meia libra
por 4,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora 4,2oo, 4,5oa, e 4,800 rs.
Azeite doce refinado Penanol ou de Kempes
de Lisboa a 85 rs. a garrafa e 9,5oe a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 46o rs. a libra.
Melho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a Soo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 4,ooors. e 44,000 a duzia-
Palitos para denles a 14o e 46o rs. o mago-
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamcnle mais efficazes do que todo?
os mais remedios pt-rigosos e nauseabundos
que existem para a expulso das lombrigasi.
Nao causam dores e produzem sen effeiuj
sem precisar logo depois de purgante nti-
nhum e to incitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as mangas eslo
promptas a tomar mais do que marca a r-
ceita.
Uteis como um excellente meio de faifr
remover as obstrueges do vefitre, mefnjo
no caso de n3o existirem verme algum. s
PASTH.HAS VKHMIFIGAS BE KCVPS Sffl ptCm?-
tas e infallivcisna sua operagao e por ledps
os respeitos dignas "de ernfianga e approva-
go de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman A- d.
Nova York.
Vendem-se no Rerife em casa de Csor A
Barbn e Jo3o da C. Bravo & C.
Vende-se a rasa terrea n. !5 (a ira de Ma-
thias Ferreira da cidade de Olicc'a : qcem a |ie-
tender dirija-se a tratar cesta eidade na roa Au-
gusta n. 59.
A t ten cao,
Vendem-se expelientes enfeites para os marra-
rs a irj. s as fitas valem 2 cu .". nao >e lal-
lamlii das bellas flores qoe trm, $tiui cerno aipda
exi>iem algumas gangas amarellas rom trqce de
avaria a 240 rs., e brins esenros pnprios para fa-
bricas de engenln lair.l 1 m a 2'o o rovado : na
ra do Imperador d. 20, loja.
Yiaho da Porto saierior
m barris deoitave e dcimo, veade Anloaio Lu
de Oliveira Azevedo & C.: no sen escriptorio ra
da Cruz I
Vendem-se charutos da Hahiade varias qua
lidades: emeasa de Monhard A C, ra do Tra-
piche n. 48.
Yinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja branca epreta das marcas mais a-
4oo e5eo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs.a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 4 duzia de 9,ooo a
4o,ooo rs. ea9oo e 4,oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartos e meiaslatas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a 4,3oo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
4,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'aguaem sal da fabrica do Beato
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franga muito nova a2oers.
Charutos detodos osfabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charulos.
Cognac inglez das melhores marcas a
4,000 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 42 por libra a
32o rs. a libra elo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8ooa caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a ljhrj
e 36o rs. em barril. yC^
Capil de diversas frutas muito ^frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos oom cento etantas por 4,2oors.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
ESCBiVOS FGIDOS.
Aviso
a*p eapitacs de catrpo e a policio.
Desappartceu em pjinripio do mez de ojntnbro
do anm passade, de bordo do palhabote rsricral
Aravjo Mulo, dous ecraves de nenes Ritcito
(por s-pellido Marei), e Miguel ; o Io de idde 46
anuos, ronco mais en netos, ni^ulo, ror fula.
esutura baixa, borra Ferrada, um penco t pprna, e com alpnns cabellos branros, tinto ra
barba como na cabega ; o 2allo. chelo do rrrj o,
si m barba e falla grossa, representa ter de 25a
30 annos, cujos escravos desconfia-se andarrtr. pe-
los arrabaldes desta cidade : qurm es anprrhen-
der queiram levar a rna do Trapiche ij. 4, qne
ser generosamente gratificado.
Fuftio no dia5 de fevereiro correle 1 m o-
lato de 26 annos, poueo mais 011 menop, baixo,
corpo regular, cabellos cachados, nariz, e lucra
regulares, tem falla de alpiins deotcs na fnn'V,
pencos cabellinhos no QMiXO, tem falta de nn
de do em um dos ps, nlpnns talhinlios de chirote
pelas costas, chama se Eleulerio : quem o pey^r
leve ao engeobo Rebingudo, que ser bem .pago.
Acha-se ausente de casa de seu enhor a
prrta Luiza, desde o dia 12 do rorrente mez, le-
vou vestido velho e panno novo da coslb, regula
ter de iilade de 24 a 26 annos, tem na mo direita
urnas cicatrizes e tem marcas de bexigas no ros-
lo: roga-se a todas as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo de aprehende-la e Iev,i-la a roa
dos Pires b. 3i, que generosamente sero recom-
pensados.
0
ft 9 E 1

B O B
O en C

R ~ c 2.
C&
5
O o
_, ~> o
CD O CO
-5 <^ O fti
O O0<3 *
o "
O pB.
ti O
pelo prego mais razoavel.
mwmmwm mmm mmmm*
Na ra doQoeimado 'n. 15, botica, vende-se
constantemente besteas para issas e communha
B9
tu
5

3
C O
a.
a o
MI
O 5
o
s
0,a r o.
8 55 S
o 5?.
S
o S
a 2"
OS
c
9
>
e
s
e
w* iem de motilado
81--RA DO IMPKRAIIOR- 81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collf gio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfaco de avisar aos seus freguezes e aorespeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
como sempre caprichou ter das melhores qualidades, efraocamente sfancas pessoas que
se dignarem comprar em seu es t ahelee i ment, que aili de preferencia outra qualquer par-
te serio mais bem servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, no que
sempreo annuneiante foi escrupuloso, em summa, nao Ilude a pessou alguma.
AosSrs. de engenho e lavradoresqueo qHeiram honrar como seu comitentelhes
assegura que o producto deseu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para o quesejulga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente cumprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantesque lhe merecam confianca, fa-
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercaduras, e encarrega-sa da
venda de qualquer genero dopaiz, mediante urna mdica commiss5o, entregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commissSo.
Dos^eus antigose benignos freguezes espera o annuneiante sua valiosa protecc5o, fre-
quentandocomo outr'orasua casa; e pelo reconhecimento que lhestributa offerece expon-
taneamente seus servidos.
Julga desnecesariopublicar a tabella dos precos de seus gneros: sao seus recursos
garanta suficiente depoder accompanhar os menores preces de idnticos e mesmo de
maisapparatososestabelecimenlos, tendosomente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
Prevea$So necessaria.
Tendo siioo proprietario estabelecido muitos annos cera, o mesme ramo de nego-
cio ni mesma ra, julga prudente advertir que s afGrma ese responsabilisa pelo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem. ___
id mm mmmi
8I-RUA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do MegiuJ^o,^^^^^
B
C S
3 II s e-ilfr-li gil
alilSiliilS^8
SyBn<~Cto:(-i

m
9
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar acor natural
des cabellos.
A agua florida nao nmaHitara, fcto essen-
cial acontesur, a mesma agua dando a cr primi-
tiva ao cabelle. Composta de plantas exticas e
desabstancias inotTensivas. ella tem a propriedade
derestituiraes cabelles o principio ceraite que fi-
les tem perdida. D'umasalubridade incontesta-
vel, a Aglia Florida entretem a limpeza da cabeca
destroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo 4e Florida.
Composte de substancias vegetaes exticas, elle
conslite poderesamer' cm a Agua FUriia, a
torca, a belleza e a conservaco ios cabe!!.::.
Eai Paria, rasa da fuislaur n. 12, rna de Piche-
lien, e SI, baulrvard MoBtmar'rr,
Todos os frascas, ao tead* intacto e clara,e
AT1IKCA0.
No dia 24 de dezembro prximo pas
o preto Braz com os sipnaes scguinles
guiar do roipo, sem barca, cara larga,
tas verrugas fm cima to olho direito,
misa de algcdaozinho e calca de a7ulo
aeta verde, chapeo de palha, o qnal
F?do fogio
baixo.re-
cim moi-
levtti ra-
e culta de
tflvez ja t-
nha mudado, cosluma andar muito d? vagar e
puxa pela perna cquerda por causa
de (ITrt
de dores rhenmatiras, foi escravo do Dr. Olinra
Campello : quem o pegar sirva se lvalo roa
das Craxes n. 32, padaria, que ser bem rrerm-
pensado.
I'o engenho Piodobal sabio o preto Manotl
Baca, de idade de 26 annos, estatura regular, sem
defeiloalgnm nem no rosto e nem no (jorpo. boni-
ta figura : gesta de trazer o cabello alio ca frente,
e todo pachola. Em 1862 fez elle urna fgida, u
foi ler ao engenho Marianno, no sul, procurando r
Sr. Antonio Bandcira de Mello para o comprar, e
de crer que elle tenha timado o mesmo destine.
Bnga-se aos Srs. rapitaesde campo que o capture ni
e o remetiam ao mesmo engenho Pindobal, que se-
rie generosamente pagos de seo traba Ibo.
No berro ao Padre n. 18, segundo andar,
precisa-se de urna ama para cozinhar e comprar
na ra : quem estiver nesta rircumstancia pode
dirigir-se a mesma rasa a qualquer hora do dia.
Fugio na noite do da 15 do corrente a es-
crava por nome Marcellina, crioula de estatura re-
gular, bochechuda, lev, ndo umatrouxa cem roupa,
bem como deus rbales dilerentes, representa ler
20 a 22 annos pouco mais ou menos : por tanto,
roga-se aos capitaes de campo ou as autoridade po-
liciaes a apprehensao da dita, levando-a a ra do
Cabug n. 7. loja de jeias.
Fugio da padaria de Santo Amaro, o preto
Jos Crioulo, idade 24 annos, sem barba, estatura
baixa, tem falta da mSo esquerda, tendo sido cor-
tada pela munheca, bebe agurdenle e muito
regnsta e dado a valentao, tendo sido comprado
ao inglez Eduardo Davis, da villa do Cabo : quem
o pegar leve-o a mesma padaria que pagar ge-
nerosamente, protestase contra quem o tiver
oceulto.
- IVnoi) doapparericio da casa de seu sen he r
um mulatintio claro, de nome Antonio, de idade
de 10 a 12 annos, cabellos corridos e um pouco
louros, olhos azues, vestido com calca e camisa de
riscadinho azul, cujo desapparecimento deu se na
nc-ite do dia 15 do corrente mez, e consta que an-
da pela Capnnga : assim, pois, roga-se a quem o
vir.queira leva-lo Estancia, sitio ao lado da
igre^a, aonde morava o Sr. Cardoso Ayres, ou no
escriptorio na ra da Cadeia n. 18, qne ser re-
compensado ; assim como tambem protestase
contra alguem que por ventora o tenba oceulto
em sua casa.___________________________
Escravo fgido.
De bordo do brigne nacional Olinda fugiram em
12 do corrente dous escravo* marojos, ora de no-
me Joaquim, preto fulo, rosto oval, estatura baixa,
olhos pretos, nariz cbato, algnma barba, oalural
de SaBto Anto; outro de nome Marcelino, preto
fulo, rosto comprido, olhos pretos, nariz rbate,
pouca barba e estatura baixa, natural de Naza-
reth : quem os apprehpnder e levar i easa de de.
tencao,ou a Bailar & Oliveira, roa da Cadeia do
Recife, ser recompensado ; e protasta-se ecntra
quem os tiver acontado.
i






Dlari de rernambnco Terca letra 9 i de Fevereiro de 1805
JURISPRUDENCIA
O FORl'H.
cae?, nao Ihes conmina pena alguma, e raoito me. Tal a doalrina Umbem do art. 779 do Cod. do
nos aos que negociam as leltras. Que os agentes Os- Com. Port: ibi Havendo disputa entre o manda-
caes possam ser refponsaveis por excesso de tran- tario e o terceiro... o mandatario s obriqado a
succo ou emissao, entende-se bem ; mas que, por exlbir o mandato, ou a procurar a ratificacao do
culpa destes, e em casos de mera formalldade, per- commiltente. Ainda mais : O art 776 do mesmo
Cod. Port. diz assim :
c O contracto celebrado por aquelle que tinba
causas celebres. cam os compradores das lettras odinheiro que con
Fiel ao seu compromiso, nao pode o Fonim ne-! flaram lhesourari!>,- seria isso urna barbaridade
g.\r-se publicacao das pecas jurdicas que Ihe fo- ii1?upporlavel; como s lo-hia, si a fazenda nao
rom enviadas pelos seus digaos correspondentes e pagasse a0 legista 100 pecas dellnho, por exemplo.
colaboradores. ; compradas por um agente legitimo, que tivesse or*
Toda a provincia de Perqimbuco tem noticia da dem para comprar someote 50 nejas. Esta coarc-
celebrc causa das lettras negociadas pela thesou- uda da sentcn(,a nao ra!5a p0rlanlo de urna evasi-' asacar tao boa~dYpos7co,"que raais'periencente
r.uia provincial com diversos commerciantes desta v)) de quo s podera lancar mo um mu paga .para o caso do que os artlgos por elle citados,
praca, que de um dia para oulro acliaramse des- dor. Recebeu ou nao recebeu a fazenda provincial A ralucacao, pos, dos actos do inspector da the
ria intencao dos embargantes. Se o dito Cid. diz
que serium mesmo maniato se estabelecem muilos
mandatarios, nao ha entre elles solidariedade, salvo
sei\do expressa, para significar que todos sao
constituidos na Falta e depois dos outros pela oriem
da nomeicao : mas nao quer concluir, como con-
cnncluio o jai a qno, que os taes mandatarios nao-
mandato precedente, entende-se contrahido por obrigaram o commiltente; e esta a qucslo. O art.
conta, e em nome do rommittente, com se o 147 do Cod. do Com. Brasileiro, parallelo ao l'ort)
mandato tivesse iido expresso.
Quem dera que o meritissimo juiz aquo quizesse
pojados de parte, e mesmo de toda sua fortuna, 0 va|or das |pttras ? s 0 reccueU) e de||e se nt|_
porque a thesouraria cahinde em vergonboso fal" sou> com qUe direito recusa pagar? Ncmo tocuple-
limento, nao as quiz pagar. tari debet cum jactara aliena, L. 17 4o D. de act,
Perto de quinbentos contos do ris, fructo da |ni( Ontro fundamento :
economa de multas familias, que boje esto na mi-
seria, foram publicamente empregaaos na compra '
dessas lettras, para supj-rirem as necessidades ur-
gentes da fazenda publica, cuja receita nao ebega-
va para as despezas do servico ordinario.
Ninguem contava nem poda contar que quando
os compradores das lettras fosstm apresenla-las no
dia do vencimento, a ihesouraria as nao pagasse,
e que os Iribunaes dissessemnao se deve pagar.
Fol isto, porm, o que infelizmente aconteceu
quando os portadores, rcpellidos pela fazenda, re-
correram aos tribunacs.
A sentenca do juiz dos feitos da fazenda julgou
2." Que nao sendo relativasaoanno Gnanceiro-
em que foram negociadas as letlras, nao podia
ter sido ordenada a sua emissao, era se prova mandatarios, elles nao deixaram de obrgar a the-
< existisse semetliante erdem, sendo que a de fl. ICO
a v. contraproducente, porque nao perraittio o
t descont indefinidamente ; mas com restriccao
ao aano financeiro do 1841 somenle.
Repito que a extensao da emissao da respon-
sabilidade persooalissima e econmica do negocia-
dor publico que offerece a sua mercadorla, e nao
dos terceiros, que desconiaram, firmados inteira-
nienic na f daquello que figurava a propria auto-
ridade. Bastara esta consideragao, para lancar
sourara est nao s as ordens, ou si.se quizer, na
sciencia e paciencia proveitosa do presidente da
provincia, como na annuenciTi da propria assem-
bla provincial approvando a misso por meio de
descontos.
Assim, pois, si os agentes liscaes obraram como
os donos das lettras carecedores da accao que in- por |err 0 segun0 fundamento da senlenga, que
tentaram ; e a relajo do districto confirmou esta |nuil0 se parece com 0 prmeiro. Mas nao sera
sentenca, proferndo por ultimo o-sem embargo lra de propos|0 fazer selir 0 seguinte :
,,,,.. No movimento quasi constante da thesouraria
Composto de juizes cuja prob.dade nao coates- provincal $f ^^ a j0 franca e
tada.oraent.ss.mo tribunal da relacao.aspira lo- b|ica das leras a vencer ; porque sabido, que
da conflanca : mas a delicadeza e gravidade da ^^ && ^^ arrecadadas chegavam as
materia, bem como a raridade da especie coniro- ,
UI.UCIW, uouiwuiua ... despezas oceurrentes ; de tal modo que estaa ja
vertida podiam fascinar o entendimento dos ju ga- em ^ a mtec das rend docammo
dores, induzmdo-os em erro involuntario. Alm \ m houve (: ^ a ordem de fl
disto a prevencao calculadamente formada pela m y diversos jdenl raediante reileradas
malevolencia contra a lisura das negociares da ^^ do ^ flm dversas
thesouraria coiu os por adores das leltras, pode lal- ..
' F ... ,j pocas, e consentiram nos descontos, como se ve
vez influir muito no animo do tribunal superior de ,
. ; : dos documenios juntos. O inspector Lobo negocia-
um modo tao faoalico, que elle entendesse nao de- ... ... ,
um uiuuu iauu 4 publicamente a face do governo, estribndose
ver arriscar a sua reputajao condemnando a fa- .... .,,
descarregadas para os us arraazens, en o seu
jnsto valor, nao obstan que, por economa de
t sua administracao, iroponha aos ofllciaes da al-
| fandega o onus de responsabiUsarem os extraos,
< como de razo deve ser.
3. Qne 'esta conclasSo to jurdica, que
dola nasce a acijo institoria, por meio da qual
pode aquelle a quem interessa demandar o pre-
pone nte pelas obrigacoes civis que contrahio o
su preposto ; e nao pode descobrir motivo jus
to que firme exceprao a favor da real faeenda,
que mais que nenhum oulro pre rantir a responsabilidade dos ofllciaes da aifan-
dega, seus prepostos... por ser da maior impor-
tancia que se conserve em virginal pureza o cr-
dito e a f publica desta arrecadago, afim de
n5o afastar, pelos recelos de penosos trabalhos,
a copiosa concurrencia de negociantes nacionaes
eestrangeiros.... A real fazenda responsavel
inmediatamente pela garanta da integral solu-
gao..... havendo a competente -ndemnisacao da-
zenda publica a pagar somma tao anillada, bem
(ue ctlectivamente devida.
A prepotencia que hoje se tem arrogado o gover-
no em relago magistratura poderla lambem con-
tribuir para o desfecho da questao. Mas como Q'
carem defraudadas tantas familias?!...
E' pois conveniente que o publico saiba o que a
tal respeito se tem julgado, para que a opinlo se
nessas differenles ordens, que j formavam um di-
reito cstumeiro, documento n. 4 ; direito que foi
confirmado por iei provincial, como se observa no
art. 2 da de n. 196 de 20 de abril de 1847, que
nao s autorisou os dejeontos das leltras da thesou-
raria geral e provincial, como das Ultras de trra
que tivessem tres firmas.
Quando mesmo naohouvesse consenlimento.sem
esclarega, e nao fiquem os portadores das leltras limite, da le provincial e de outras do or$amento>
sujeitos ao azorrague da maledicencia, alm de se- que deram receita para os descontos, nao se pode
rem victimas da rapacidade. duvidar de que, tendo a thesouraria necessidade
Abaixo vao transcriptas as razoes com que os de fazer face as despezas urgentes, nao tiaha- ontro
portadores das leltras suslentaram seu direito e remedio seno asar do direito cstumeiro dos des'
combateram cada um aos fundamentos da senten- contos das lettras archivadas, n5o o contrariando
ri do juiz a quo, os quaes foram pura e simples- os presidentes da provincia, que nao ignoravam
mente sustentados pelo venerando accordo da re- era podiam ignorar esse expediente desesperado-
lacio de Peroambuco. O publico sensato que ltes Pretender que os descontadores fossem obrigados a
d a importancia que merecerem. saber das filagranas ou myslenos dos presidentes
j. e da thesouraria a respeito de taes operacoe?, quan
Ei-las : do as leltras estavam expostas no mrcalo publico,
Nao parece crivel que o tribunal que tanto se exigir um impossvel moral da parte dos nego-
tem distinguido pela coragem e reciid.o com que ciadores, homens do comraercio, a quem nao com-
ba sabido vingar tantos direitos olTendidos, deixe pella tomar contas a thesouraria, nem ao presi-
agora de reformar a sentenca embargada, cojos dente da provincia pela direccao fiaanceira que da
fundamentos, fallando como devido respeito, nao vam aos negocios da fazenda. A presumpjao le-
podem resistir a urna analyse, por menos severa gal para o publico era que elles obravam em regra
que seja. P los-hei em relevo, aim de os poder! e com bom direito ; e que os que tomavam as let-
contestar com a mxima possivel clareza. : Iras estavam prestando os seus capilae?, nao para
Que o inspector da thesouraria nao tem, como serera engulldos pela thesouraria, mas para Ihes
diz a sentenga embargada, direito de administrar serem restituidos no devido tempo.
as rendas publicas, a seu puro arbitrio, sabem to- ?'<* a-es'i> destruido o quarto fundamento da
dos : o que porm curapre averiguar com alten- sentenca, quando u/firma que taes lettras foram
jao : si tendo elle posto em circulacao as letlras, emitidas sein ordem, e contra a Iei expressa, c com
cujo importe os embargantes cobrara pela presen- excesso de mndalo, ou antes sem mandato,
te accao, obrou arbitrariamente, e de modo que a1 Insislindo a sentenca na theora do mandato, que
thesouraria provincial possa eximir-se de paga-las de certo nao tao appllcavel ao caso vertente
em devido lempo. Um ligeiro histrico : como ella suppoe, engendrou o juiz a quo um qoln!
, Alguns dos artigos da renda provincial de Per- t0 fundamente com a seguinte forca :
Que pelas leis, disposicoes
sourana ou a fazenda, ainda mesmo que tivessem
obrado em seu proprio nome, e por sua conra e ris
co, arts. 149 e 150 do Cod. do Com. Brasileiro.
Isto mesmo ensina o direito commum no caso
em que o mandatario delinquir ci'rca officiitm sibi
commissum, como se diz fizeram os empregados da
thesouraria, Brunnem I. 5. D. n. 2 de act. inst.
E persiste no preponente a obrigacao, ainda que o
preposto gastasse mal o dinheiro qne pediu em no-
me e sem ordem do mesmo preponente, I. 5 13.
cit, e arg. da I. fio. de exercit act., Lauterbach 1.
4 tit. 3 SI.
Mas forca nao confundir o simples mandatario
do comraercio, ou do direito commum, com os em-
pregadoi da fazenda. Aquelle tem urna missao
restricta! pessoal e especial; estes teem urna mis-
sao publica, geral, e mu pessoal para com o go-
verno, e nao tanto para com os terceiros. Os que
contractam com o primeiro nao vem garanta se-
nao no crdito individual do commiltente, e do
mandatario s vezes : mas os que contractam com
os segundos nao se tmportam com a garanta pes-
soal dos prepostos; contam s com a do preponen-
te, que por este faci o principal responsavel para
com os terceiros, embora tenha de haver-se direc-
tamente com os seus encarregados de negocios,
ou de poderes, chamando-os a contas.
Desde| que o governo pe testa da reparligo
fiscal o seu preposto tem-se eo ipso obrigado por
torna patente a improcedencia do fundamento 7,
da sentenca. Veja-se:
Quando no mesmo mandato se establece mais
de um mandatario, entende-se que sao todos cons-
tituidos para obraiem na falla e d,'pois dos outros,
pela ordem da nomearao; salvo declarando-se ex-'
pressamente no mandato, que devem obrar solida-!
ria e conjunctamente : neste ultimo caso ainda que '
todos nao aceitera, a maioria dos que acceitarem
poder exequir o mandato.
O que tem de contrario aos interesses dos embar- ]
gantes a doutrina deste artigo, bem como a do Cod.
Port. ? Seire le jes non est earum verba tcnere, sed Ipiles ofllciaes, quedeveremsoffrera imputado
Mu digaos senhores jalgadores, toda a questao
reduz-se ao seguinte : Os embargantes entregaran]
licitamente e de boa f, o fructo de suas econo-
mas, para occorrer s necessidades do Estado :
agora a fazenda nao Ibes quer pagar, commetlendo
urna vergonhosa e formidavel exlorso.
Consentir este rectissimo tribunal em tamanba
iniquidade. Nao : Os embargantes reconheeera
que litigam com urna grande potencia ; mas alo
desesperam da justica do paiz. Elles descansam
na sabedori dos Ilustres senadores, que sabem
muito bem comprehenderque tao culpado
qnem nao faz justica por propria malicia, como
quem nao a faz com medo das murmurares do
vulgo, ou cora temor de desagradar a qualqaer
governo deshumane e iraprevidente, que quizer
engrossar a riqueza do fisco, defraudando a fortuna
particular.
Recife, 20 de fevereiro de 1865.
do extravio.
Pois bem : foi em consequencia deslas mui lu-
cidas e jurdicas razoes adduzdas no parecer do
conselho, que se expedio a resolucao de o de abril,
concebida nos termos seguintes :
Liquidada a pretenco do supplicante, satisfa-
vim ac potestatem. A que vem a coarclada de fal-
so mandatario ? A que vem a coarclada de falso
endossol Pois o thesoureiro e seu fiel sao falsos
mandatarios? Qualquer delles nao ser preposto
do governo, e competente para endossar as letras ?
E quando faltasse (ainda sendo indispensavel, o que
se nega) o concurso do esenvo da receita, dexa- ^a-se pela miolia real fazenda, que devora ser
ria por esse facto de ser o thesoureiro ou seu fiel, < embolsada executwamente pelos ofllciaes da al-
prepostos do governo, ou mandatarios, na phrase:, fandega, que por semelhantes descaminos tem
da sentenca ? Contra tal inteligencia proteslam os de responder.
artigos aciraa apontados ; protesta o principio del Depois do que Ika dito nao haver pyrrhonico
direitoUtile per inutile non vkiatur. Mas vamos algum que duvidar possa de que o espirito, e raes-
3.0 falso endosso. I mo a lettra desta resolucao, tenha completa aD-
Se o falso endosso nasce do falso mandano (qusm plicacaoao caso vertente. O parecer concebido
j via tanta subtilezal), se o falso mandatario'era termos de jurisprudencia universal, e a deci-
ne o que est nomeado co-raandatario, segue-se', sao regia firma o principio geral de quea fazen-
LITTER ATURA.
que o tal falso endosso da doula sentenca nao pas-
sa de um ente de razo. Mas concedamos, por hy-
polhese smenle, que cora effeito o endosso das le-
tras falso : a consequencia ser, que a thesoura-
ria fica desobrgada de pagar o dinheiro que rece-
beu? O predilecto Cod. do Com. Port., que o douto
juiz admittu, nao quer tal cousa : appello para o
da publica a principal responsavel pelos desvos
e desvarios dos prepostos do governo. O ser a re-
solucao provocada por um facu dado cora um par-
ticular, nao razo para que se recuse a sua appli-
caco a casos semelhantes c idenlicos, como o
de que se trataa simili ad sunilem valet argu-
mentum. Onde ha a mesma razao rege a mesma
disposico. Casus omissus tn lege regia decidetur
nambuco eram e sao ainda cobrados por via de ar-
remataco publica, em virtude da qual assignam
0. uue peas leis, disposicoes e estylos com.
a merciaes das naces mais cultas (que entre nos
os arrematantes lettras a vencer. Estas leltras,' t regularam a materia antes da pablicacao do Cod.
que sao passadas em forma, c com forca mercan
til, vo assignadas pelos fiadores do contracto, acei-'
tas pelos arrematantes c recolludas thesouraria' t
provincial como ttulos de divida publica, podendo
ser transmissiveis, por conterem a clausula or- c
dem. Assim archivadas, eram ao depois lancadas
na circulacao, por meio de descont o endosso
do Com. Brasileiro, e ao tempo da tranraccao
das leltras em questao) doutrina estabelecida,
que o mandatario nada pode fazer alm do con-
tedo no mandato, e que o mndame s obri.
gado a cumprir as obrigacoes contrahidas em
conformidade das ordens dadas, art. 766 e 773
do Cod. do Com. Port.
Cumpre em primeiro lugar notar que depois da
quando se dava algum aperto financeiro. Eis o que
justamente aconteceu com asleltras de f. a f. que o publicacao do Cod. do Com. Brasileiro. nao licito
inspector da thesouraria provincial e seu fie! en- mais julgar ou jogar cora legislagao estranha, em-
dossaram aos embargantes, como um meio de ha- bora a transaeco fosse realizada antes da publica-
Cfto do Cod. do Cem. Brasileiro ; por quanto diz
estenos arts. 912 e913 :
ver dinheiro par-a as despezas publicas.
Sobre estes tactos nao ha contraversia. Pois
bem : venham agora os fundamentos da sentenca :
i. Que a Iei de 13 de novembro de 1827 s
permitle dar em pagamento as letlras, cuja im-
porlancia se tiver computado no orc-amento das
t rendas decretadas para supprr as despezas em
cada um aono, e prohibe expressamente a emis-
sao das que se hao de vencer em annos poste-
riores.
Antes de entrar na apreciaco deste 1 funda-
mento, convm ter presente que a thesouraria pro-
vincial regase no lempo da transaeco pelas leis
geraes da fazenda, no que Ihe fosse applicavel, art.
4 da Iei n. 67 de 13 de abril de 1839.
< O presente cdigo principiar a obrigar e ter
t execuco seis mezes depois da data de sua pu-
t blicacao na corte... Acontar da referida dala
em diaote, ficam revogadas todas as leis e dispo
t sicoes de direito relativas materia do commer
co, e todas as mais que se oppozerem as dispo
sices do presente Cod.
Prescindindo de disposico tao clara, e prescin
dndo tambera do principio geral lex posterior
derogat priori cerlo que, a respeito da theora
do mndalo, em que se arrimou o juiz a quo, os
dous cdigos se acham em harmona : e ainda as-
sim nao procede o fundamento da sentenca. Sim_
Convm ainda ter diante dos olhos, que a Iei ge.! Pr1ae. u.aando raesmo os agentes da tho;ouraria
ral citada, ae 13 de novembro de 27, estabeleceujrepu,ados fossem simP|es mandatarios, prova-se
no 3.: que as leltras da fazenda, aceitas pelos i 1ae elles' na esPecie snJei,a> responsabilisaram o
seus devedores, saccadas e endossadas por seus |repuUdo mandante> a fazenda-
fiadores, o sero cora a clausula de se pagarem ao O art. 145 do Cod. do Com. Brasileiro diz :
portador, e tero a natureza de letlras mercantis,
para se observarem a respeito dellas todas as dis-
posicoes e estylos commerciaes, que a respeito des-
tas se achara em vigor. E no 4 permitle que
taes lettras possam ser dadas em pagamento aos ere-
dores da fazenda, sendo primeramente endossadas
pelo thesoureiro, a cuja receita pertencerem, e pelo
escrivo da mesma receita.
Fica pois liquido : 1." que as leltras da thesou-
raria provincial esto inteiramenle equiparadas as
lettras mercantis : 2." que podem ser transmissi-
veis por endosso do thesoureiro e escrivo da recei.
ta. Na thesouraria provincial a pratica constante
era serem as letlras endossadas pelo thesoureiro ou
seu fiel. E' esta 2 jurisprudencia, que deve preva-
lecer as relaces da fazenda para com os portado-
res das lettras.
E pois, si a thesouraria provincial largou no mer-
cado maior nu mero de lettras do que convinha, ou
si a importancia dellas eslava ou nao computada no
orcamento das rendas decretadas para snpprir as
despezas do estado em cada anno, questao que
somenle pode affectar os empregados da thesoura-
ria que fizeram a transaeco, e nunca os que'
nao tendo obrigaco de saber, ou de entrar no
governo econmico da repartico, enlregarara-lhe o
sea dinheiro por nm titulo publico e legitimo de
divida provincial.
Tanto assim que o paragrapho da Iei citada,
que limita a transaeco em relacao aos agentes fis-
parallela do Ced. do Com.
e 781 tratando do mandato.
todos os actas de sua gerencia em relacao aos ter-
ceiros. Si a estes compelisse conhecer e reconhe.
cer a cipacidade pessoal do agente do governo, e
as circunstancias particulares de sua gerencia,
impossvel sera haver temerarios, que se animas-
sera a contractar com o governo, ou cora a fazenda,
ante a enorme condico de serem obrigados a ins-
tituir uma syndicancia previa, que alias degrada-
ra a auloridade publica, e seus agentes, e impede-
ria o movimento de fundos pblicos em circuns-
tancias urgentes.
Qaantas vezes se nao observa que o proprio go-
verno faz contractos para os quaas nao foi autori-
sado ? Mas quera j viu que por isso ficassem os
terceiros^ prejudicados ? Nunca. Prejudicada fi-
car a fazeuda ; mas nao os particulares, que con-
tractam de boa fe, e sob a f da antoridade. O di-
reito indtividual deve ser sempre garantido e pro-
tegido pela auloridade publica : quero dizer que
um mandatario particular nao exactamente o
mesmo que um preposto publico : e por tanto nao
se pode argumentar de um para oulro em sentido
absoluto, si se quer tirar uma concluso seria e
verdadeira.
Agora sobre o 6" fundamento da sentenca :
< 6 Que a citada Iei de 13 de novembro de
i 1827 determina que asleltras dadas era paga-
c ment teejam endessadas pelo thesoureiro con-
a junctainente rom o escrivo da receita : pelo que
c nao pode ser considerada uma simples irre/?u-
< laridadeou falta de formula, porque influe essen-
cialmenle sobre o mandato.
m Iei nao diz conjunctamente com o escrivo
da receita ; mas diz pelo thesoureiro e pelo es-
crivo da| receita. Ha muila dilTerenca entre a re-
dacc-o da le, e a redaeco da sentenca. Pelo me-
nos aquella pde-se prestar a uma disjuncliva, e
esta nao. E depois, quem disse ao nobre juiz que
o deleito dessa formalidade, ou falta de conjuoc-
to, importa vino ou nullidade do mandato ? Es-
tar por ventura semelhante formalidade consagra-
da na le ? Estar provado que a pratica da the-
souraria provincial era a mesraissiraa da thesoura
na geral ? Nao : ergo nao colhe o argumento.
Alm de que, mesmo pelo Reg. de 20 de novem-
bro de 1813, que trata do mado de proceder na co-
branca das letlras saccadas a favor da fazenda na
cional, e ejm cumprimento da Iei de 13 de novem-
bro citada, se l o seguinte :
Quando as leltras da fazenda nacional, que se
c apre>entarem para serem ajuizadas, nao eslive
t rem revestidas das sobreditas formalidades, se
< gundo a le de 13 de novembro de 1827, sendo
t apenas saccadas pelos empregados da thesoura-
t ria, e ajeeitas pelos devedores... em taes casos
smente\serao demandados os devedores aceitan-
< tes pelo valor das lettras..., e a cargo dos respec-
tivos empregados ficar a tndemnisaco do pre-
juizo que vier fazenda nacional da falta das
c respectivas formalidades...
D'esta disposico se v mni claramente que nlo
s as proprias letlras da fazenda geral nao ficam
mitificadas por faltas ainda mais essenciaes do que
aquellas que lobrigpu o juiz aquo; mas que so-
monte deve <'arregar com prejuizo e respensabili-
dade, que resultar da faita commettida.o emprega-
do da fazenda ; nunca os terceiros. Pelo que, ain-
da que a le exigisse expressamente que as leltras
fossem endossadas pelo thesoureiro conjuclamente
com o ejcrivo da receita (o quese nega), nem
por isso os| embargantes perderiam o seu direito
contra a fazenda provincial. Nao necessario di-
zer mais sobre um fundamento que se augura tao
ftil. Voltar-me-hei para o 7.
7 Que os manoatanos nao sao solidarios se-
nao quando a solidariedade *expressa (art. 785
c do Cod. Com. Port.) c assim nao pode cada um
< obrar de per si, e independente ; e que as ledras
< de fl. a A., lendo sido endossadas smente pelo
fiel do thesoureiro sem o concurso do escrivio
c da receila, o foram por fa'so mandatario ; sen-
t do que o falso endosso feito por falso mandata-
rio nao transmute a propriedade das lettras.
Ainda a theoria do mandato do Cod. Pon., anda
art. 358:
t O endosso falso nao transmitte a propriedade | per alium e a variedade de pessoas nao ioduz
da lettra de cambio : e vicia tolos os endossos j variedade na disposico da Iei, Ass. de 5 de de-
t posseriores, salva a accao do portador contra to- zembro de 1770.
dos que assignaram taes endossos. O art. 363 Quanto mais que, por maioria de razo, devem
do Cod. do Com. Brasileiro diz tambem : ser pagos pela fazenda os embargantes; porque
O endosso falso nullo, mas s vicia osendos- [ a "m contrato com obrigaco solidara, exarada
sos posteriores; ficando a accao salva ao porta- \ em um titulo, em uma lettra com todos os privile-
t O mandato geral abrange todos os actos de ge-
rencia connexos e consequenles, segundo se emen-
de e pratica pelos commerciantes em casos seme-
lhantes, no lugar da execuco.
Esta doutrina
Port. nos arts. 783
Ecce :
t No mandato antecedente entende-se compre-
c hendido o que delle consequencia necessaria. O
mandato geral, dado ao mandatario, enlende-se
segundo o qne costume, e segundo o que de
< ordinario se pratica.
Si o juiz a quo tinba tanta predileccao pela dou-
trina do Cod. Port., porque nao se regnlou pelo '
espirito e le'tra dos artigos supracitados ?
Ora : o mandato para o inspector da thesoura- falso supino de que a Iei necessariamente, e
ria pagar as despezas autorisadas por Iei, e orde- sou Pena de nullidadr, exige o endosso do thesou-
nadas pelo presidente da provincia, nao pode dei- reiro conjunctamente com o do escrivo da receita-
xar de ser geral \ e consequenlemente cabia-lhe Mas tal coyundo Bao est na le, e nem estava na
fazer as operaedes ou transares necessarias para pratica da thesouraria provincial, como j se de-
cnropri-lo : e estas transares cifraram-se na "nstou ffima. Alm de que este fundamento
emissao das letlras, j consentida pelos presidentes resolve-se no 6, que se acha contestado e sera du-
da provincia, e pelas leis provinciaes citadas. A vida aniquilado,
disposico do art. 151 do Cod. do Com. brasileiro
assella positivamente a doutrloa expendida ; Hic :
Havendo contestacao entre um terceiro,e o man-
dalario, que com elle contractou em nome do
c commtttente, o mandatario ficar livre da res-
ir ponsabilldade, apresentando o mandato, ou rali-
< ficaco d'aquelle por conta de quem contractou.
O juiz a quo procurou esquadrinhar razoes for-
Cadas para poder apadrinhar a sua injusta de sao.
Para nao deixar de responder directamente a cada
um dos pardoxos, nao direi sophismas, da senten-
ca do juizo inferior, nao terel remedio seno ser
mais extenso do que quizera.
A cltajo do art. 785 do Cod. Port. nao contra-
1
< -ir contra quem o tiver assignado.
Logo o endosso do thesoureiro vale para os em-
bargantes, e por conse;uinte para o governo, seu
preponente : nao fica inutilisado seno para os en-
dossos posteriores. A critica (Ilustrada de integer-
rirao tribunal nao deixar de reconhecer que o juiz
a quo, de uma razo improcedente, dynamisou
urnas poucas, que do a mesma quantidade negati-
va. Copiemos outro fundamento:
8> Que nenhuma Iei obriga a fazenda a res-
ponder peles abusos dos seus empregados, c as-
t sim tem sido decidido pelo governo (nao apona
c factosi e pelos tribunacs (tambem nao apona
fados), Conselheiro Mala, Apontamento?, verb-
c indemuisaQoes. >
Quera lr os apontamentos do conselheiro Mala,
ou nao dar por sua auloridade, ou reconheeera
que o digno juiz ouvio cantar o gallo sem saber
aonde. Aquelle J. C. nao podia fallar seno dos
casos em que a troche moche se pretende haver do
thesouro indemnisaedes por quaesquer prejuizos
causados pelas malversaces de quaesquer empre-
gados pblicos, mas nao falla, nem podia fallar da
responsabilidade directa que resulta de contratos e
obrigacoes contrahidas pelo governo, e por inter-
medio de seus prepostos para cora terceiros. Quis
per alium fcil per se facer videtur.
O aviso de 24 de abril de 1838, a cuja doutrina
parece ter se acostado o conselheiro Maia, corrobo
ra a opinio que se sustenta. Por este aviso inde-
feriu-se a pelco de Jos da-Costa Guraares que
pretenda ser indemnisado pelo thesouro do prejuizo
que Ihe rosultou da injusta detenco de seu pata-
cho, ordenada pelo presidente do Ro Grande do
Su!. Mas os embargantes nao pedem uma indemni-
sarao; pedem o pagamento de uma letra mercantil,
negociada pela thesouraria provincial, que recebeu
delles o equivalente em dinheiro de contado. A Iei
manda descontar letras, e as autoridades para isso
sao os agentes da thesouraria que obram por parte
do governo, responsabilisando a fazenda geral ou
provincial. A prova jurdica desta proposico e de
todas que esto cima consignadas em prol dos em-
bargantes, se acha irrecusavciraente na doutrina
da resolucao, que o juiz a quo nao pode bem apre-
ciar; e por isso avenlurou-se a dizer:
i 9 Que a Res. de 5 de abril de 1821 nao pode
c ter applicaco questao, por ser especial e rea-
< uva a um deposito obrigado, e feito de conformi-
a dade com a le.
Quem lancar a vista sobre a exposico de moti-
vos, que deu em resultdo a gloriosa existencia da
Res. cit., reconheeera logo, e com admiraco es-
pantosa, que o douto juiz quiz Iludir o seu espiri-
to, a forca de desejos de favorecer a fazenda. Ex-
porei o caso.
Um individuo de nome Antonio Lourenco San-
jurjo requereu ioJemnisaco de alguns volumes de
fazenda sua, que tinham entrado para a alfandega,
e l desapparecido. O requerimenlo foi, por Av. de
19 de fevereiro de 1816, remettido ao conselho, pa-
ra que procedendo aos devidos exames, consullas-
se o que parecesse sobre:
a Quem responsavel a estes
c damnos per fallas na alfandega;
c se a fazenda real responsavel,
c quando nao poderem pagar os
i ofllciaes da alfandega.
No luminoso arrazoado do parecer dado sobre a
tbese cima, consagrarara-se os seguintes princi
pos:
1'Que na opinio do conselho a fazenda
c subsidiariamente obrigada a qualquer inderan-
f sacao na falta dos ditos ofllciaes, c no caso de
c nao chegarem es seus bens; porque sendo a ca-
sa da alfandega um depositopublico... onde ha
< uma legitima fiscalisacao, estabelecida e appro
i vada por V. M., o Augusto prolector, e supremo
t garante daquelle publico esta beleci ment... e
c no qual repousa a confianca publica nacional e
t estrangeira.....
2.* Que supposto se ache tdeterminado___que
< os ofllciaes da alfandega, a cujo cargo est a
c guarda das mercaderas, sejam os responsaveis
a todo e qualquer extravio d'ellas, nao se pode
t entender que a real fazenda fica livre, ou deve
c se-lo de indemnisar ao proprietario a importan-
ca da fazenda desencamlnhada ; porque em
t materia de contractos, ou quasi contractos, sao
i geralmente obrigatarias as estipulacoes de pac-
i to expresso, ou tcito, que nelles ha, qur se-
c jam entre particulares, qur entre estes e a real
c fazenda. E' logo pois consequeate, que seguin-
c do a real fazenda, como deve, o pacto implcito
deste qausi contrato obrigada a garantir ao ira-
f portador a restuirao solidaria das mercadorias
gios de lettra mercantil. I-to inconcusso. Anda
oulro fundamento da sentenca :
10. Que oconheciraento c tolerancia da nego-
t ciaco das leltras, se houvesse da parte das au-
t toridades publicas, s pode provar contra essas
f autoridades : assim como o exarae feito pela
t commisso da assembla provincial, s pode
a provar contra a mesma commisso, e por frraa
a alguraa pode consliituir o direito.
Este fundamento, j tao combatido, com effeiio
digno de lamentaco.... Sero os embargantes que
devem pagar com o seu dinheiro as prevaricac5es>
se as houveram, dos empregados legtimamente
provisionados ? e obrando em materia de sua
competencia ? Se abusaram, respondam aos tribu-
nacs ; mas pague a fazenda o dinheiro que tomou,
e pelo qual se responsabilisou. SotTra a fazenda,
soffra o governo as consequencias de por testa
da repartico fiscal homens que na sabem cum-
prir dignamente suas obrigacoes. Si culpa la da-
liuii est dimnum, vel injuria irrogata, jure super
hts te satisfcete opportet.
Porventura tiveram os embargantes culpa de
negociaren! letlras de uma thesouraria provincial,
acreditada mediante parecer das commissoes da
assembla provncial.encarregadas de examinaren!
o estado da repartico ? Comtudo os embargantes
nao fundam certamente o seu direito no exame
das commissoes : |mas fundamno dinheiro que
deram thesouraria por leltras, que suppunhan
reahsaveis, e que devem s-lo. Se fallaram no exa-
me foi unicamcnle para provarera que a thesoura-
ria emittia francamente suas lettras no mercado, e
que manlinha o seu crdito perante o governo pro-
vincial, peranle a assembla, perante o publico, e
perante os particulares, que cora ella tinham trans-
accoes mercantis ou cambiaes. As prevaricacoes, se
as houve, da pune dos empregados e autoridades
pdera provar.Miu, contra ellas e contra a fazenda'
mas nunca contra os terceiros, nunca contra os
embargantes. Era esta a concluso verdadeira e
lgica quo devra ter tirado o juiz a quo ; e nao a
de julgar os mesmos embargantes carecedores da
aeco intentada. Hemos chegadoao 11. e ultimo
fundamento da sentenca.
t 11. Que o exemplo trazidoda Inglaterra cons-
< ta de uma declararlo extra-judicial, que nenhura
f valor jurdico pode ter ; porque feita de na-
t neira lo vaga e pouco precisa, que se nao pode
i perceber que analoga tenha cora o caso era
t queslo.
O peior ceg, diz o Evangelho, aquelle que
nao quer ver. Em Inglaterra deuse um caso idn-
tico ao de que se trata : basta lr o documento a
folhas 105 para se conhecer a perfeita identdade-
Um empregado do governo inglez poz era circula-
cao grande porco de apolices, que foram argidas
de falsas, e erara. O governo inglez, em lugar de
negar o direito dos portadores, mandou paga-las
sem prevalecer-se de chicana alguma. As lettras
de que se trata sao reconhecidas verdadeiras, e
nao se nega que os embargantes dissem por ellas o
seu dinheiro thesouraria : e eis seno quando
nao se quer agora que sejam pagas pela thesoura-
ria, a pretexto de que o inspector nao tinba sido
autorisado a emtti-las, e de faltar o endosso do es-
crivo da receila.... E por mal de peccados diz
ainda o juiz a quoque nao percebe a analoga do
caso.... e vai adiante : diz que a declararlo do
caso nao aulhentica, nao obstante o certificado do
cnsul e a publicidade do facto II... Nao ha ce-
gueira peior II...
O procedimento nobre, soberano do governo in-
glez prova exhuberanlemente que em materia de
contratos e de ttulos de divida publica, o primeiro
responsavel para com terceiros o governo, e que
peranle este sao responsaveis os agentes liscaes.
Quo diversamente se ha praticado entre nos e
no cas litigioso !...
O governo provincial, por occasio da banca-
rota vergonhosa da thesouraria, quando esta recu-
sava pagar as lettras em questao, mandou seques-
trar lodos os bens dos empregados malversores, e
chama-Ios aos Iribunaes criminaes. Depois de con-
demnados, juntamente com todcs ou alguns dos
seus fiadores, foram recolhidos aos cofres provin-
ciaes os productos da arremataro dos taes beos ;
e os embargantes flearam olhando ao signal; vindo
assim a Qcar a thesouraria provincial nao s cem
o provoito d'essas execuces, mas com o dinheiro
que recebeu dos embargantes, e que nao quer pa-
gar. Cora lo inaudito procedimento nada menos
te pretende do que fazer-se com que os embargan-
tes paguem uma fortissima contribuico forcada,
ficando reduzidos miseria t Nada mais horroro-
so em materia de tinaucas. de crdito, e de crdi-
to publico I
UM POUCO DE TUDO.
Do Jornal de Lisboa transcrevemos o seguinte :
Estrear-se-ha brevemente no iheatrodoClrco.em
Madrid, uma revista do anne, intitulada 1864 a
1865, obra original de um conhecido esenptor,
que inaugura na scena hespanhola esle genero de
espectculos.
Nao pode deixar de prender attenco por sua
ndole especial; pela msica, que de pessoa mui
competente; porque Olvegon se encarrega do pa-
pel de protogonista ; e em fim porque Oguram nel-
ia os seguintes personagens: O anno de 1864, o
de 1S65, a Danca, a Moda, o Luxo, a Usura, a Lo-
tera, a Miseria, o Crime, a Polica urbana, Velaz-
quez, Murllo. o Romance, o Theatre, a Sombra de
Caldern, um cgano,-um arlequim, um cavalleiro
da edade media, differentes genios, gadores ri-
cos, jogadores pobres, beleguins, gente da bolsa,
gente sem bolsa, valencianos do ambos os sexos, a
Caridade de Deus, a caridade do diabo, um negro,
a Correspondencia, differentes Jornaesdos partidos,
a virgem Democracia, homens armados, etc. etc.
Foram apresentados censara de Hespanha as
seguintes produccoes dramticas:
Os filibusteiros, zarzuela em tres actos para Jo-
vellanrs;
As redeas do governo, comedia era tres actos;
L conjuracin de Clandres, drama em tres
actos;
Urna eslocada ao maestro, e o louco furioso, zar-
zuelas em um acto;
f/ma aventura de Filippe IV, em doas;
A perdiccao dos homens, comedia em nm acto;
Foram approvadas as seguintes : Um gallo sep-
tuagenario, De Versaitles a Madrid, Henrique, Um
equivoco, e A lotera do diabo.
a~>-&--
Utnsujeito de Havana leve ha poneos annos
25:000 duros na lotera de Santiago de Cuba; pos-
teriormente sahiram-lhe 12:500 que ro receber
Havama; afci comprou bilhetes, e tornarara a
sahir-lhe 12:500 pesos ; recebendo era pouco tem-
po 50:000 duroi.
Costumava um pae dar a sea filho, creanca de
oito annos, conselhos, em forma de proverbios.
Disse-lhe um dia ao jantar:
Ranea deues para manha, o que puderes
fazer hoje.
Enlo, pap, dme o resto dos bolos para os
comer hoje todos.
A seguinte carta foi escripia por nm dos priso-
oeiros em Richraond, aos quaes nao permiltido
escrever mais do que seis linhas a suas raulheres
ou parentes. Reza assim:
t Querida esposa : Receb a tua : nao espero
resposta : manda farinha de trigo : melas : dinhei-
ro nenhum: reumathismo hombro esquerdo : pe-
pinos muito bons: manda chouricos: Deus te aben-
Ce : Viva a Columbla I Teu affectuoso marido.
Est chamando a attenco em Franca um suc-
cesso que em pouco tempo sera levado polica
correccional de Pars.
Quexam-se os frades do convento da Graca de
Deus, de que o seu antigo prior, deixando a cora-
munidade, Ibes roubra o segredo do fabrico de
um licor, que era o seu principal ramo de cora-
merco.
Eslo em Londres os dous irmos americanos
Davemport. que, ou sejam leitceiros, ou magneti-
sadores ou finos escamoteadores, nao pensara era
sahir da capital da Inglaterra, por que nao Ihes
falla por l que fazer no seu offlcio.
Tres vezes por semana do representaces era
Hanover-square; e passam as outras noutes em ca-
sas particulares, onde as suas manifestacSes sao
muito apreciadas, por que ba em Londres grande
numero de familias que creem nos espiritos e no
espiritismo.
Vejamos como um criado dos dous americanos
concorre para sustentar esta feliz, illuso de muita
genle.
Sahiam elles de urna sesso de mgica em casa
de nm rico negociante, quando urna dama que nao
lera nada de fea, mas que d em cheio no espiri-
tismo, os ceas idoa para uma ceia que ja tmha man-
dado preparar para elles.
Posto que um pouco fatigados, os dous irmos
nao ousaram regeilar tao agradavel convite, e
quando entravam na sala de comer, exclamou
um delles, reparando era um quadro da Santa
Ceia :
E elle. E' de urna semeUian^a admiravel.
Elle quera? perguntou a dama.
Jess, respondeu o mgico em lom mais
natural.
Pois conheceu Iesu ?
Conheci-o comoas minhas mos. Assentei-rae
defrente delle as bodas de Cana.
No dia seguinte perguntou a dama ao criado
desse homem que se diza contemporneo de P-
lalos :
Diga-rae uma cousa: seu amo assislio s
bodas de Cana?
Nao sei, minha senhora, porque ha s quatro
centos annos que estou ao seu servico.
Da Semana Ilustrada transcrevemos o seguinte:
Cmara Velha Entre, comadre; v cuidar
d'eile; Gz o quo pude: acabei os meas quatro
annos.
Cmara NoraSim, comadre ; e eu farei o que
puder.
Cmara Velha -Ah !.. e snr/0M< pas trop de zele.
O pobre homem est por arames.
Municipio (suspirando).Ai I.. que dores.
Dr. Semana (ao moleque). Se a nova comadre
fallar menos, e curar mais Uoente.pode ser...
MolequeVamos ver, nbonh; vamos ver.
Uma pessoa que foi a bordo do vapor francez,
na manha da partida, vio os commssarios da re-
publica do Uruguay, deiados em divans, de cham-
bre e gorros, fumando tranquilamente nm charu-
to manilha.
Na vespera do dia em que os restos do partido
6/anco devia estrebuchar na capital oriental, os
dignos blancos froiam tranquilamente as delicias
de sua vlagem Europa.
Causas d'aquella gente e d'este tempo !
Os Muelos scavolas de hoje j nao queiraara as
mos; queiraam quando multe... um charuto.
ERNAMBUCO.TYP.DE M. F. DE F.4 FILHO
~J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2P1PEQFN_LL5WHZ INGEST_TIME 2013-08-28T01:35:07Z PACKAGE AA00011611_10599
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES