Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10596


This item is only available as the following downloads:


Full Text

mm


***.
-t*-?JT
AHHO XLI. NUMERO 39
Ptr fiirtel pago dentro de 10 das do l.8 mez ...::.
dem deoois dos i.0' 10 dias do comeco e dentro da qaartel. .
Porte ao correio por tres mezes *....., ,
DIARIO
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquira Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antoqio Alves d
Filbos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO 3UL.
Alagoas, o Sr. Claudio Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS EsTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Carnar,
Altinho, Garanhuns, Buiqoe, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury.Salgoeiro e Ei.nas quartas feiras.
SEXTA FEIRA 17 DE FEYEBEIRO DE 1865.
Por a nao pago dentro de 10 k do 1. mez ... 19J000
Porte ao correio por uui aoao..............,, 3J000
Serirfcem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras
IIlia de Fernando todas as vezes que para alisabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Quarto cresc. as 10 h., 48 m. e 58 s. dat.
10 La cbeia as 2 b. 7 o. e 16 s. da t.
18 Quarto ming. as 7 h., 18 m. e 4 s. da t.
25 La nova as 5 h., 43 m. e 22 s. da t.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do coramercio: segundas e quintas.
Relaca: tercas e sabbados as 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphios: tercas e sextas s 10 horas.
Prinaeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Seganda vara docivel: quartas e sabbades a 1
bora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
13. Segunda. S. Gregorio p.; S. Benigno b.
!' Ier?a' S' ValeD,ira m-i S. Auxencio m.
15. Quarta. Ss, Faustino e Jovita mm.
16. Quinta. S. Raymundode Penafortc.
17. Sexta. S. Polycarpo b.; S. Rmulo m.
18. Sabbado. S. Simeo b, m. S. Prepedigna v.
19. S. Conrado f.; S. Gabino m.; S. Alvaro f.
PREAMAR DE HOJE.
[Primeira as 9 hora e 42 m. da manhaa.
Segunda as 9 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a li e.30 para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janeire, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Maneel Figueira de
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL
PARTICIPAgAO 00 GENERAL COMMANDANTE EH CHEFE
DO EXERCITO DE OPEHAUKS NO ESTADO ORIENTAL
DO I'RUGUAI SOBRE O ATAQUE E TOMADA DE PAY-
SANDU.
Illm. e Exm. Sr.Para cbegar ao alto conheci-
mento de S. M. o imperador tenbo a honra de par-
ticipar a V. Exc. que oexercilo imperial, cujocol-
mando me oi confiado, obteve hontem sobre os mu-
ros de Paysandu um esplentido triumpno.
Depois de convenientemente canhoneada a praca,
mandei carregar a infantaria por lados diversos, o
que se offectuou debaixo de um mortfero fogo de
fuziiaria. Sem inlerrupco durou o combate 52
horas.
Se a tenacidade da defeza, se os innmeros obs-
tculos creados pela arte, e ontras muitas circuns-
tancias que detidamente relatei a V. Exc. prolon-
garan] o momento da victoria, nao poderam obstar
que ella fosse ioteira e brilhante.
Dos mil e tantos homens que defendiam esta ci-
dade, convenientemente fortificada, esto em nosso
poder seiscentos e untos prisioneiros, inclusive 97
oflkiaes da graduacao
de coronel para baixo, e os
riS*J%tZL ^Ta^JTt\iA dV 'I80'60' 1ue ,odos os 5eus Prlncipaes cheles aonorfodo" Rio
ca do seu governo, ou gemem feridos nos hosp.-1 Negro : 700 prisioneiros, inclusive 97 oflkiaes,
das, cercas, portas e vallas nao flzeram trepidar
nm s momento as phalanges do imperio, que re-
gistraran) com as ponas das bayonetas no dia 2
de janeiro mais urna pagina de gloria no grande
livro da nossa historia patria.
Durante o combale quatro mil e tantos projeclis
de artilharia foram laucados sobre a cidade.
Mais difBcil anda me teria sido esle Iriumphe
se nao fosse efflcazmente coadjuvado pelo Exm.
Sr. bario de Tamandar, pondo a minha disposicao
nao s boceas de fogo de vari is calibres, como
tambem os ofllciaes de marinha e todas as pracas
de pret de que pode dispor ; ofllciaes e pracas que
nos prestaram relevanlissimos servicos, que estou
certo serao devidamenle aquilatados por S. M. o
Imperador.
A V. Exc. nao jcaparo por certo os effeitos des-
te combate, sendo, como fol elle, ao comecar de
urna campanha.
Ao passo que a* nossas tropas se moralisam, e
se acostumam a encarar o perigo sem temor, apos-
sam-se das fileiras contrarias o desanimo e a cer-
teza da improflcuidade dos seus esforcos, assim
que o governo de Montevideo ha de ver na nossa
primeira victoria o prognoslico da sua infallivel
queda, e o seu exercilo recuar sempre que se
achar em frente dos vencedores de Pavsand.
Esta brilhante victoria tirou ao inimigo quasi
Relacao dos officiaes dos corpas do exercito que fo- dignas de menco honrosa os Srs. 1. lenle Fer-, ro Raymundo, Augelo Munlz Brrelo Joan de n*.,*
ram feridos na lomada AnciIndrAePmitanAu' nandnXavpp ram feridos na tomada da cidade de Paysandu'.
Teneoie Jos Antonio de Lima Jnior.
Capito Joaquim Correa de Faria.
Tenente Manoel Jos de Magalhes Leal.
Lito Jos Manoel Pereira.
Dito Joao de Arroda Moreira.
Alferes Antonio Braz Soares da Cmara.
Dito Antonio Rodrigues Portugal.
Dito Collatino Teixeira de Azevedo.
Teneote Antonio de Campos Mello.
Manoel Verissimo da Silva.
Serafim Flix de Paiva.
Jos Lopes de Barros.
Alferes Alexandre Jos da Silva Araujo.
Antonio j Machado, Francisco Jos de Moraes
Amonio Jos da Silva, Honorato Jos Pe
Domiciano
gar de 4 escripturario
viada.
da alfandega desla pro-
taes.
Tatito a nossa infantaria, como a forra de mar e
trra, posta a minha disposlco pelo Exm. Sr. ba-
ro de Tamandar, porlaram-se com bravura, as-
sim como em geral os nossos officiaes se conduzi-
ram com dignidade.
O prejuizo doexercito neste memoravel combale
nao exceder entre morios e feridos a trezentos ho-
mens, inclusive alguns officiars.
Hontem mesmo de combinaco com o Exm. Sr.
bario de Tamandar, entreguei os prisioneiros e a
praca ao general Fres, que concorreucon 500 ho-
mens para o assalto, cuja forra nos aoxiliou effl-
cazmente.
Amaaha, ou depois, darei a V. Exc. circunstan-
ciada descripeo des te importante feito d'armas.
Dos guarde a V. Exc.
Quartel-geueral do commando em chefe do Rio
Grande do Sul junto a cidade de Pavsand, 3 de
Janeiro de 1865.
Illm. e Exm. Sr. conselheiro general Henrique
de Beaurepaire Rohan, ministro secretarlo de esta-
do dos negocios da guerra. Joo Propicio Menta
Brrelo, marechal de campo.
Illm. e Exm. sr.No meu officio de 3 do corren-
te mez, tratei muito perfunctoriamente do memo-
ra vel combate iravado sobre os uuros do P&ysan-
d, e no qual conquistou o exercilo imperial mais
ama vez immnrcbaveis loaros.
Nao me foi pjssivel enio colligir todos os dados
para formular
RelacSo dos oflkiaes morios na tomada da ctdade
de Paysandu'.
Capillo Antonio Fe man des Borges.
Alferes Candido Patricio Vieira de Oliveira Maeiel.
Liapitao Manoel Beato de Andrade.
Aireres Florentino de Oliveira Dias
Morreram na tomada da mesma cidade setenta
nando Xavier de Castro, 2." tenente Jos
Corrta de Mello, 2. tenente commissario *
X!!,03? e, to5eeM? & Joao Fran.cisco da Cos morto : Felicissimo Jos S v LtfjSSzS* visU das pooderacoes que
dos Santo Almeida. tenente do 1. batalhao de maraes. "' \-fem seu officio de 27 de Janeiro ultimo
mZllS^'li'110 da Fonseca bravo e Corpo do imperiaes marinheiros.-Feridos: Gui- cZmaV^nS"? M quaes > "forma coronel
???,& commandente do contingente do mesmo lherm.no Manoel dos Passos Ramos e Manoel Jos c?maDdante das armas que tambem julga des-
batalhao, no momento do assallo; alferes Sebas- Gabriel. MaDoel Jose necessano um relogio no laboratorio Pvrotethoi-
PaulaS it'lT, 6 iikr,6S FranCSC0 de p C laua fereira lao valenles e activos comoo pri- Feridos: cabos Ludgero Rodriitues da Cmara ~L ? *uPer,or a importancia daquelle estabele-
Joanuim RvSrnnndrnDda Y" ^f ^"^'^T^J^f^S^M^^SS JT*""""1^ ito elogio oven-
Joaqaim Raymundo de Lamare, ferido em urna Jos Pereira de Barros; furriel Iznsrm Ikurta *\
*Slsa.Sk ,arl?s Mri-Coarado'Luiz Fe,reira e soldado An,oDi K Ja KS ;
f,K Saldanha da Gama, d.sl.ncto porta es- Morios: cabos Felippe Gomes da Paixo Ante-
andarte sempre corajoso, no assalto, j cons- nio Alexandrino o Jos Gonealves soldados I .icas
iru.ndo barricadas, ou abrindo seteiras.-No pos-, Severiaao das Neves e ArtwioMXtaS
so deixar passar em silencio o segundo cadete pri- lo; tambor Antonio Jos Ferrelra *>aiCiraei>-
meiro sargento Helvecio Muniz Telles de Menezes,, Peco permisso a V. Exc para recommendar o
l'!fS sargento Antonio Carlos da Silva, que imperial marinheiro cima re acionado Gu Ihermi- ', "11""' T^ ,aooea e nao havendo inconve-
^m!^ep0ram com '"repidez.-Desligados no Manoel dos Passos Hamos, que* plsardeferido S?d* e?,regar > francisco Jos de Cam-
iconUnZ^a^rr^3^001"5^?665 Sem.Pr1 se/0,,s,;rvou em ^ervico activa faeodo tr! P.n* !>esourero das obras da oova ma-
j os contingentes de fuzlleiros navaes e imperiaes parte de todas as marchas. i .5 de ~l*? a quahiia de 1.4
Acampamento em Payand, 26 de dezerabro *
de 18b4.-Fraocisco Mara dos Gueimares l'eixoto,
capilao i'ommandante.
Tenho assim dado solucao ao seu citado officio.
-Offlciou-se neste sentido
dan te das armas.
Dito ao inspector
ao coronel comman-
. da thesouria provincial.- An-
lio de li 'SS SOl,C"ou vigari0 capitular em of-
cujos po-tos e nomes ver V. Exc. pela relacao que' barra de Santa Lucia, 28 de Janeiro de 1865.Illm.
marinheiros, nao tcame o prazer de meociooar
seus fetos. O cootiugeote de !. batalhao leve 7
LS pra.?aS de pre'' e ficaram feridas cen, emorlSe feridos- Dos guarde V S Illm
1" e ,res- ISr- T0el Antonio de Sampaio, commandantc da
documentos nELATivos aos assaltos e tomada de 5/ brigada de infanlaria.-Jo Antonio Carea da
.Commando em **& naval do Brasil no Sf* "^ d 2"' regimen, de cavallaria ,-
Rio da Prata.Bordo da corveta Nilherohy, em a
junto, 400 mortos e feridos, dous mil e tantos la- e Exm. Sr.-No sendo possivel anda por esse pa
zls, sete pecas de artilharia, grande quantidade de "
municoes e outros petrechos bellicicos foram os
despojos deste graode combale. Infelizmente cus-
tou-nos elle a perda de varios ofllciaes e pracas,
cujos nomes, assim como dos feridos encontrar
V. Exr. em relauoes ofllciaes.
No da i du crreme, pelas 4 horas da larde-
desembarceu o contingente sob o meu commando,
ao qual se havia reunido urna batera sob o com-
mando do Sr. 1. tenente Antonio da Silva Teixeira
de Frenas, ofllciaes da esquadra e 65 navaes, no
quete enviar a V. Exc. urna parte detalhada da
operacaes de guerra, effectuadas pelas guarnieses
dos navios da esquadra sobre Paysandu, por que
desejo faz-lo com perfeito conhecimento das oceur- _
rencias que tiveram lagar e que iriarcam o mero- Pri """imo Sacro -, e seguimos a acam-
cimento de cada um dos ofllciaes e pracas, limito- pa[ me.a le&ua P0UW) mais on menos ao sul da
Eu faltara a um dever de justica se deixasse de i me agora a traosmiltir por copia a V. Exc. a com-; CH?aae 0e ysand, a margera esquerda do Ar-
recommendar munificencia imperial os nomes dos \ municacao que dirijo a S. Exc. o Sr. ministro da k mesraa denominacao, onde permanecemos
ofllciaes que mais se distinguiram no correr de to guerra, que se refere aos ofllciaes do exercilo que H
renhida luta.
O tenenle-coronel Antonio Peixoto de Azevedo,
depulado do ajudante general junto a este com-
mando, toi incansavel nocumprimento dos seus de-
veres, levando pessoalraenle as minhas ordeos aos
lugares onde mais encarnicada andar a lata.
O major Joo Sabino da Sampaio Menna Barre-
to, deputado interino do quartel-mestre-general,
cumprio satisfactoriamente as obrigacoes a seu
cargo : deve-se ao seu zelo e actividade o nao ter
faltado aos combatentes nem municao de guerra, e
nem de bocea.
O secretario militar, capito do 3 regiment de
vieram servir na esquadra. Em um dos
Nesledia, de ordem do Exm. Sr. general Fi-
brasileiros, Cruzeiro'do Sul on yapock, que par-1res'," noi!as da ma"ihaa, levantamos acampa-
tirao para o Rio de Janeiro do da 2 a 4 do pro-1 m? e "0"""* P'o lado de ste em direceo
ximo mez receber V. Exc. essa parte, esperando cTx... ,
que me desculpe tanta demora em attenco ao mo- Marenava a orfa sob o meu commando em co
tivo ponderoso que exponho. |lumDa >eru de pelotoes quando recebi aviso que
Dos guarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conse- Ia $1**?' ",na cochila varrida por balas de
Iheiro Francisco Xavier Pito Lima, ministro e se- ar,,1Mn* miniiga. Mandaodo augmentar distan-
cretario de estado dos negocios da marinha.Ba- c-,as 5E!e*?e*'*f sera novidade. Pouco depois
rao de Tamandar. uve communicacao que a artilharia sob o comman-
.....i M do do bravo Sr. 1. lente Antonio da Silva Tei-
i xeira de Freilas, que eslava sob raiaha guarda, ia
naval do Brasil tomar posicSo, ordenei ao Sr. tenente Eiuardo
Commando em chefe da forea
cavallaria ligeira, ManoeTAotonTo d CruzBdhao" I" Rio da Prata.-Bordo da corveta Mherohy, em Erailioo da* Fonseca que a seguisseem pro'tcco
te ; o capito asslslente da reparticao do quartel- BieDos-Ayres, 2o de janeiro de 1863.-Illm. e Exm. com o 4. pelolao, e conlinuando a marcha mandei
^r-~Cumpro um bem agradavel dever apresenian- o Sr. I. tenente comissario Amonio Joaquim da
do a V. Exc. copia das partes que deram o major Silva Castro sabir com o seu peloto para a direila,
Jos Antonio Correa da Cmara, c o capito Fran- e e" n o resto da torca recebi novamente por
cisco Mana dos Guimares Peixoto, sobre o alta- mn offkial do mesmo Exm. Sr. general ordem
que praca de Paysandu nos das 6 e 31 de de- j Par deseer a cochila avancando.
zembro, 1 e 2 de Janeiro do correte anno, que le- Depois de haver avaocado cerca de urna qua-
varam oossas armas tnumphantes, uoidas s do ge-' dra debaixo de vivo fogo, se me reuni o Sr. teoen-
neral Flores a possedessa importante praca que se !'e Fooseca, com o pelolao que comniandava oue
npli^ITn Imm (,^i;n..........._..: i. _i r .. I lin e.A~~* 11 i t L ...?. .".
reparticao do quartel
mestre general Carlos Rsin Filho, e os mais offi
ciaes do meu quarlel-general cumpriram o seu
dever.
O coronel Antcnio de Sampaio porlou-se com a
bravura que Ihe peculiar, tomando todas as dis-
posi{5es que a arte ensna para o bomexilo do ata-
do sanguinolento drama circums- .
tanciado relatorio: boje, porm, que esli conheci- fl^, de lugares fortificados-,
dos os dilferentes successos que precederam a vic-1 Na Parte Qe me elle dirigi fez menso muito
tona, o numero daquelies que por morios ou feri- i honrosa do tenenle-coronel Luiz Antonio Ferraz,! ac"ava bem fortificada e guarnecida, .-abe V. Exc. de ordwn superior havia entrado por urna poslco
dos lizerara rarear as nossas ttieiras, apresso-me em commandante de batalhao n. 15, e dos majores Ao-1 ue.0 capito Peixoto commandava o contingejie opposta a em otie me achava, guerrilhaodo, e bem
suprir a lacuna do dia 3, fazendo a V. Exc. minu-1 *.on,0.da.Si.lTa Paranhos, conimandante interino do |"__] de juzlelros mandado para a esquadra do j wshn os Srs. I. leme Francisco Jos de Frei-
cioso relatorio dos preparativos para o combate,: 6*. e Jos Antonio Correia da Cmara do 2o regi-' men commando. Resolvdo o accommetlimenlo da
dos successos que durante elle se deram, e do seu men' de cavallaria ligeira, que achando-se em dita praca, coube-lhe a difflcil e honrosa misso de
final e grandioso resultado. | uma commisso junto ao Exm. Sr. baro de Ta-' conduzr ao combate nao s esta forca, como cerca
Antes de commemorar esse acontecmeulos, se- i mandar, foi p*r S. Exc. empregado no comman-. de duzento soldados navaes e imperiaes marinhei-
ja-me perinitli-lo, em nome do exercilo, felicitar I do do contingente do Io batalhao de fuzileiros c 'r0* no memoravel da 6 de dezembro, em que este
ao governo imperial por to significativo feito de dos fuzileiros navaes, com os quaes entrou no cora- i redundo numero de valenles fez prodigios de va-
armas; elle nos era indispensavel, porque a honra | nate._ | lor, chegando at aos intrincheiramentos internos
nacional e o brio do mesmo exercilo o exigiam.
No officio cima mencionado disse eu a V. Exc.
q i-i nana deixado no dia 29 do pass-tdo a forca de
cavallaria sob o commaodo do brlgadelro Manoel
Luiz Oiorio legua e meia distante de Paysandu, e
que, e j n as duas brigaias de infantaria e a bale-
ras de artilharia, tiutu acampado s 7 hons da-
quelle mesno dij, asimmediaces da cidade.
D -pois de accomra dar a trop foi o meu pri-
jneiro cuidado entender-m: om o Exms. Srs. ba-
rao de Tamandar e general Flores, para cujo lim
me dirig com este ullimi.que me tinha ido encon-
trar, para bordo do navio almirante. All, e de-
pois de prolongada conferencia, assentou-se nao s
no dia do ataque, como tambem na raaoeira de o
executar.
Resolvdo o principal problema, empreguei o
tas e guarda-roarinha Eliezer i.ouiiuho Tavares,
que igualmente tiveram a mesraa ordem. Deudo
a balera protegida por forca do Exm. Sr. general
Flores.
Continuando a seguir soffreodo vivissimo fego
de fuziiaria e arlilharia, nao s do forte o da ma-
. triz, como polo flanco esquerdo do inimigo embos-
0 tenente-coronel Carlos Resin, commandante i da praca, debaixo do mais vivo fogo. Se elles fos- lcado fra das trineheiras, mudei direceo esquer-
da 2' brigada, ferido no comeco da aeco, torna-so sem em numero duplo lalvez neste mesmo da Pav- da e carreguei em linha sobre elle, obngando-o a
digno por sua bravura das atteneSes do governo. sandu tivesse cabido. | recolher-se a seus eotrlncheiramentos, sendo eu
O toneote-coronel Aodr Alves Leite de Oliveira distiocto official a quem me redro, sempre nessa occasio ferido oa mao direila, assim coose-
Bello, a quem mandei assunr o commando inte- frente de sua forca, e animando-a com o seu exem- Sui oceupar tres casas a meia quadra distante da
rio desta brigada, na parte que me dtu mencio- Pl0> ,evo a espada partida ao meio por tima bala, e nialriz, para o que foi preciso atravessar quintaos,
nou os nomes dos majores Jos Antonio da Silva os copos della turados por outra, que fenolhe um aurir brechas em muros e traospo los at chegar
dedo, que foi preciso amputar. Anda assim
da
Lopes e Joaquim Jeo de Menezes Doria, comman-
dante interino dos batalhes 3o e 13, acompa-
nhando-os de honrosos elogios.
O lenente-coronel graduado Emilio Luiz Mallet,
commandante das bateras de artilharia, foi o in-
cumbido da sua collocaco, cujo servico desempe-
nhou com actividade e zelo. Durante o combate
DOStroa sempre coragem e sangue fri. Tanto o
officiaes de artilharia como os de marinha, porta-
ram-secora distincco, inclusive o capito Herraes
Hernesto da Fonseca, (|ue, achando-se preso e em
conselho de guerra, olfereceu-se para tomar parte
oa acco
resto do dia e o subseguente no reconhecimento do
terreno para a collocaco da arlilharia, operaco
que se effecluou durante a noile do dia 30. Ao es-
curecer deste da, deixando coovenientemeole ac- .Os officiaes do corpo de sade, e os da reparli-
commodadas a- bagageus, fiz avangar as forcas para Cao ecclesiastica que serviram no hospital de san-
as posicoes preferidas. ue, e cujos nomes junto em relacao separada,
As 2 horas da madrugada do dia 31 emprehen- desemp-nharara as funccSes dos seus ministerios
deu o inimigo uma sortida sobre as nossas bateras, com zelo.dedicaco e humanidade.
soriida que deveria ter por lim reconhecer-nos as O capito do 3- regiment de cavallaria ligeira
posicoes; coberlas porm as nossas pecas por uma Izidoro Fernandes de Oliveira, e o alferes do mes-
forte linha de atiradores, tendo alm disso de re- mo regiment Joaquim Panlaleo Telles de Queiroz
serva o 4o batalhao de infamara, os fogos dos ali- prestaram durante o combate relevanlissimos ser-
radores fizeram malograr o arrojado intento. '5-S levando aos combatentes os soccorros de ali-
S. Exc. o Sr. barao de Tamandar me havia mentes e municoes, e rallando com os feridos que
scienlilicado que os sitiados pretendan) entrar na- elles buscavam as Nnhas do fogo.
quelle dia em aceilaveis negociaces: esta cir- A' alta municificencia de S. M. Imperial recom-
cumstancia levou-me a ordemoar que nao se reta- mendo muito especialmente o tenenle-coronel de
pesse o fogo at segunda ordem. guardas nacionaes Astrogildo Pereira da Costa.
As 4 horas e 20 minutos da manhaa parti dj Aceito o offerecimonto que elle me fez para tomar
forte inimigo o primeiro tiro ; foi elle o signal do parte no combate, presin durante toda a acco
combate, que logo se travou mortfero porum con- relevanlissimos servicos : incumbid. por mim de
tinuo, horrivel e bem aproveitavel canhoneio. As coadjuvar o tenenle coronel Bello, deu, nocumpri-
9 horas mandei avaocar as duas brigadas de in- ment desta commisso, exuberantes provas de in-
famara, comraandadas a 2' pelo tenente-coronel lrepidez,_devendo-se sua coragem e actividade a
Carlos Resine a 5* pelo coronel Antonio de Sampaio. destruico do mais forte baluarte do inimigo.
Levaram ordem de abrir passagem pelas casas, O coronel commandante superior Jos Gomes
para cojo fim conduzam a conveniente ferramenta. Portinho, incumbido de uma commisso na linha
As poucas forcs do general Flores deviam atacar de combate, dosempenhou-a satisfactoriamente,
pelo flanco esquerdo, entrando as nossas pela di- perdendo o cavallo, que Ihe M mor lo por uma ba-
reita e freote da povoaco. la de fuzil.
Derramado o inimigo em rea t3o extrensa, ser- O coronel Victorino Jos Carneiro Monteiro,
vindo-lhe cada solea de bem defendido forte, era commandante do 3 regiment de cavallaria, en-
i um cu.., un, n...- dui uiuiu l- irauspo-ios aie ctiegar
nao aquella posicAo, seriara pouco mais ou menos 8
, se horas do dia. Nesse ponto conserve! me at 7 ho-
GOYEMO DA P10TDIGIA.
Coniinuaro do expediente do dia 31 de fevereiro
de 1865.
Officio ao Exm. conselheiro presidente da rela-
cao.Para cumprlmento de aviso expedido pelo
ministerio da justica em 21 do mez lindo, queira
v. Lxc. inierporo seu parecer sobre o material do
incluso requerimento documentado, em que Joao
\asco_Cabral pede ser mantido no exercicio das
runreoes de advogado das quaes foi destituido.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Em
vista do que me requisitou o Exm. Sr. presidente
da provincia das Alagoas em officio de 9 do cor-
rente, mande V. S. fundir com urgencia uma vl-
vula para o junco da bomba da cisterna do quar-
lel militar daquella provincia, devendo o mesmo
junco ser-lhe entregue cem este officio.
Dia 14 -
Officio ao coronel Joaquim Jos Gencalves Fon-
tes, commandante das armas.Constando de aviso
do ministerio da guerra de 22 de Janeiro ultimo
haver S. M. o Imperador, por decreto do dia ante-
rior, exonerado a V. S. do commando das armas
desta provincia, e por outro decreto da mesma
data transferido o marechal de campo Francisco
Sergio de Oliveira do commando das armas do Pa-
ra para o desta provincia; assim o communico a
V. S. para seu conhecimento e direceo.Commu-
nicou-se a Ihesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.-A' V. S. faco apresentar o c-
dadao Adolpbo Alves Guerra que se offereceu pa-
ra servir no corpo de voluntarios da patria, afim
de que maode alista-lo se esliver as condices le-
gaes.Communicou-se ao tenente-coronel recru-
tador.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar alis-
tar com a graduacao que Ihe competir a Gustavo
Antonio de Bnto que e olerece para servir no
corpo de voluntarios da patria da corle, para onde
deve seguir no primeiro vapor que para all passar.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens pa-
ra que na casa de sade do Dr. Joo da Silva Ra-
mos se aprsente diariamente uma guarda em
quanto all esliver em tratamenlo o criminoso Vi-
cente de Sju-a Ferrcira Luna, alim de ter este em
segurauca.Communicou-se ao Dr. chefe de poli-
ca.
Dito ao mesmo.A' V. S. faco apresentar o ci-
dadao Jos Antonio de Souza Correa que se offere-
ce para servir ncf corpo de voluntarios da patria-
afim de que mande alstalo se esliver as condi,
coes legaes
Dito ao mesmo. -0 Exm. Sr. miuitro da guerra
dando solucao a materia do officio do antecessor
deV. S. sob n. 1*13 de 16 de agosto do aooo passa-
do, determina em aviso de 28 de janeiro ultimo jun-
to por copia que sejam submeilidos a conselho de
guerra o major do corpo de eslado maior de V
classe Antonio Francisco de Souza Magalhes, o
Ponde'ntett ^^2855 ZMl
rlS ^,at? daa-uarla Parte da pr.mei-
rai lotera exirahida a favor daquellas obras -
Communicou-se aoExra, vigario capitular.
manda V *2"JVSo .havendo inconveniente.
m?Ha hV & W a ***** de instrueco pri-
manada cidade de Caruar Jos Isidoro dos Sao-
Sfi' n-c Pede no ,ncluso requer.meoto documen-
nlhn n ,th^V*Cm"llos rela,ivos aos mezes oe
K52So'novembroe dezembro do anno pr-
ananS^W0.-" Par5 qUe eU possa CQmPrir
E Ha ,' detrmiado em aviso do milerio da
tazenda de 20 de janeiro ultimo, faz-se preciso que
ihiu -e em que estado se acna o Proces-
Za fa',e,nc,a'ntentda contra a caixa filial do
nf ? S* Dela capiIal Pel c'dado Meveg-
nier remettendo-rae ao mesmo tempo copias das
pr.nc.paes pecas do processo como da peticao, ra-
zoes, senteucas etc.
Dito ao commandante superior interino da guar-
do nacional do Recife.-Deferindo o requerimento
de Secund.no Pred.l.no Gomes de Oliveira, recom
menaq a v >. que o mande despensar do servico
da guarda nacional do !. batalhao de ar.iihJ,
se ronrn da posico que tiaha conquistado
nao noite, em obediencia ordem superior que ras da noute, nao podendo entreter fogo seguido
recebeu. Preeucho um rigoroso acto de justiga Pe,a WH de municoes que senta,
recommendando alta proteecao de sua magestade Lo? depois da minha chegada reunise o Sr. 2-
o imperador e do governo imperial a este vafete tenenle commissario Silva Castro com o pelo"
official- i 'ao. A's 8 horas da noute recebi por intermedio
Depois que o vi impossibilitado de continoar no de official do Exm. Sr. general Flores ordem para capitao do 4 bala a9
honioso desempenho de suas funecoes, aproveile. o ret.rar-me era direceo ao ponto em frente es- Barrete de Mell o V*teStk^ EnW
major de cavallaria Jos Antonio Correa da Ca- quadra, sendo dirigido pelo referido official. D0 Borles de ,.,,, n, r1, re'urmad0 fcP'Pha-
mar, que linha vindo do exercilo com commuo- E do meu rigoroso dever fazer chegar ao conhe- o que declaro a V S para eu conhecimento e
cacSes do general em chefe para mim, para en- cimento de V. Exc. os nomes dos Srs. officiaes que devida execueo conhecimento e
carrega-lo do commaodo de toda a for?a, e Uve oc- ein minha consciencia se tornara dignos da Men- Dito ao mesmo -Ficando aourovado oelo aviso
casiaode observar com satisfaco que havia depa- fao de V. Exc. pela brilhante conducta com m n J-f "_ !'.... r:.an?ap ,el?.a?,
rado com um official nao menos brioso, activo e va- houveram coadjuvando-me
necessario conquistar-lhe palmo a palmo as posi-
^oes guarnecidas e tomar-lhe as prineipaes, obri-
gando-o a reunir-se as suas ultimas obras, para
carregado da defeza exlerna da cidade do norte
para oeste, com os seus regi men los e os corpos
provisorios da guarda nacional 2 e 4, de que sao
sobre ellas, convergir os fogos de artilharia e is es- commandantes os tenentes coronis Canillo Mer
lente do que o primeiro. Tanta no Borneo do
acampamento como as marchas que o contingen-
te fez para acompanhar o exercilo do geoeral Flo-
res at o Rabn, como nos attaques de 31 a 2 de
Janeiro o major Cmara portou-se com um valor,
intelligencia, actividade e zelo superiores a todo o
elogio. Com um sangue fro naltenuel, attendeu
a todos os seus deveres no mais forte da luta re-
nhida que sustentamos para tomar a praca, em
cujo feito glorioso ainda mais uma vez o contingen-
te naval Mistenlou a repulaco que havia ganlto no
dia 6. E' outro official digno da munificencia im-
perial.
Deixo por agorado referirme com especialidade
aos de marinha e do exercilo que serviram sob as
ordens daquelies dous distinctos officiaes, e a ou-
tros que serviram fra da vista delles, porque o
meu cargo de chefe me impSe o dever de ser es-
crupuloso na apreciaco das infermaces recebidas,
e o lempo me tem faltado para Isso, pela necessi-
dade de occorrer a importantes servicos, digo
deveres que nao podiam ser adiados.
Brevemente, porm, me cabera a honra de trans-
mitir ao governo imperial minha opinio pessoal
sobre o merecimento dos ofllciaes a que alludo,
estando quasi cerlo que por isso me tocar o prazer
de Impetrar a benevolencia da S. M. imperador
para os remunerar.
Nao posso concluir a presente communicaco
sera congratularme com V. Exc. pelo bnlhaote
com todo o empenho e
deste DMaictpio, ent ojaaWoMirar prestando ser*
vicos na secretaria do governo.
Dito ao inspector do arsenal de marinba.-Con-
vindo, a vista das circunstancias milindrosas que
se acha o imperio, restringir quanto for possivel
as despezas publicas, recommeuda o Exm. Sr mi-
nistro da marraba, em aviso.de 23 do janeiro ulti-
mo, qne seja sobr'eslada a execucao de todas as
obras perteocenles aquella reparticao que se esti-
verem fazendo nesla provincia sem contrato, com
prazo determinado; o que declaro V. S. para ter
a devida execucao na parte que Ihe loca.-Commu-
nicou-se a ihesouraria de fazenda.
Dito ao presidente da companbia de seguros In-
demuisadora estabelecida nesla capital.Trans-
miti Vmc. a inclusa copia do aviso que me
expedio o Ba. Sr. ministro da agricultura, com-
mercio e obras publicas, em 7 do crreme, sob
p. 3, afim de que sejam suppridas as faltas cons-
tantes do citado aviso e de que se resentem os
novos estatutos oesaa compantna, cuja approva-
cao se pede,
Dito ao director do arsenal de guerra.Nao ten-
do anda sido recebidos na provincia das Alagoas.
conforme declarou-me o respectivo Exm. presiden-
te em officio de hontem datado, os 8 bonets e as
100 grvalas qae faltaran) bo numero dos objectos,
para all enviados por esse arsenal no vapor Pa-
rahyba, em dezembro do anno passado, recom-
mendo a Vmc. a expedico de sujs ordens para
que se effeclue cora brevidade a remessa dos objec-
tos de que trata. Coinmuoicou-se ao Exm. presi-
dente da provincia das Alagoas.
Dito ao engenneiro fiscal da estrada de ferro.
Pelo officio que Vmc. me dirigi hontem, liquei
inteirado de que o trem de passageiros que se-
guio no dia antecedente para o interior, nao pode
chegar at a estacao terminal de Una, ficando em
Agua-Preta em consequencia de damno causado
pelas grandes chuvas que cahiram, mas que ten-
do-se effectuado os necessarios reparos ficou ree-
tabelecido o transite em toda a extenso da es
Irada.
Dito ao Dr. joii de direilo de N'azareth.Nao
tendo ainda recehido a informagao que se pedio
em 28 de dezembro prximo lindo, acerca do que
requereu Jos Silvestre da Silva, preso na easa de
detenco desia cidade, recommendo a Vmc. que
satisfaca aquella exigencia ministrando a referida
_.iezer Coutinho Tavares,
Joaquim Raymundo de Lamare, Carlos Miguel Con-
rado, AITooso Heoriques da Fonseca e Jos Vctor
de Lamare.
Resta-me ainda a obrigacao de coinmunicar a V.
Exc. alguns fados que se deram de valor e san-
gue-frio, que lornar-me-hia injusto se porveotura
os escureces.-e a V. Exc, como fossem o desem-
baraco e saogue-frio do Sr. 2o tenente commissa-
rio Silva Castro, a firmeza de carcter, de dedica-
Cc e saogue-frio que sempre mostrou o Sr. tenen-
te Fonseca, que foi por mim encarregado de oceu-
par uma das tres casas onde entrincheirei a for-
ca; o procedimeolo que leve o Sr. alferes Paula
Peira que vendo a morosidade com que algumas
pracas abriam a communicaco para uma casa
nao duvidou lancar mo de nm machado, e com
suas propnas mos execulou a minha ordem, dan-
do assim s pracas que presenciaram exemplo de
eoergia c saogue-frio; o procedimeolo verdadera-
mente digno e philantropico que tiveram os Srs.
alferes Ewerton e guarda-marrana Saldanha da
Gama.que apesar do vivo fogo em que nos achava-
mos.no consultando seno sua coragem.conduzlram
para uma das casas onde eu comeca a a concen-
foreos des nosso batalhes. Tal foi o meu intento ce Pereira e Astrogiido Pereira da Costa, mostrou qne o inimigo peosava converler em nm baluarte
tnurapho de nossas armas na praca de Paysandu, | trar as pracas, um imperial marinheiro que ferido
que felizmente se realisou pela bravura dos nossos neste servico zelo, dedicaco e actividade. A parte
soldados. | da linha E. S. ora guarnecida por tropas dos ge-
Ao meio da tinhamos j temado algumas posi- neraes Flores e Nelto.
Coes ao ioimisro as quaes mandei assesiar duas O tenente-coronel Salustino Jeronymo dos Reis,
pecas a La Hitte sobo commando do 1lenleEr- commandante interino do 4.* batalhao de infanta-
nesto Augusto da Cunta Mallos. | ra, que se achava de proteecao s bateras de arli-
A confunsoque manifestou logo as fileiras con- Iharia, conservqu sempre o seu batalhao em ordem
tranas provou o acert desta providencia.
Cabio a noile de 31 sobre os combatentes. Orde-
nar a retirada das nossas tropas seria moralisar o
inimigo, e dar-lhe ganbo de causa : mandei, pois,
que o ajudante general expedisse as precisas or-
dens para que a tolo o transe fossem sustentadas
as posicoes ore upadas; o que feito. o combate con-
tinuou as trevas com o mesmo vigor que tiaha ti-
e tomando providencias com reaco s duas com
panhias do seu batalhao comprometalas no atta-
que.
O brigadeiro Jos Luiz Menna Brrelo e o coro-
nel da guarda nacional Jos Alves Valeoca, que no
comeco do combale se me apresentaram, me coad-
juvarara bastante.
Finalmente, remello a V. Exc. a relacao nominal
sha (ido durante o dia. dos capies, subalternos e pracas de pret, que, se-
A aurora do anno ds 1865 encontrn ainda os gundo as partes dos respectivos commandantes, so
nossos bravos as mesmas posic/>es conquistadas conduziram no combale com valor,
na vespera com tanto sacrificio, nuranle o dia ou | Dos guarde a V. Exc. Quartel general do com-
tras foram tomada*, e a pele ja seguio-se sempre te- mando em chefe do exercito do Rio-Grande do Sul,
naz at o dia 2, pelas 8 horas e 20 minutos da ma- junto ao Arroio Negro, no Estado Oriental do Uro-
nbia, hora em que se entregaran) discrisoos guay, 7 de janeiro de 1865. -Illm. e Exm. Sr. con-
valenles defensores da praca, victimas inmoladas selhelro general Henrique de Beaurepaire Rohan,
pelo insolente capricho do governo de Montevideo, ministro e secretario de es'ado dos negocios da
Cincoenia e duas horas consecutivas batalhararn guerra.Joo Propicio Menna Brrelo, marechal de
os nossos bravos ; nenbum obstculo pode cont- campo,
los, nada resisti indmita coragem dos nascidos
na trra de Cabral! Trlncheiras, roas, barrica-
inexpugnavel contra nos para faze-lo o foco de
todas as suas machi nacoes. Dos guarde V.
Exc. Illm. o Exm. Sr. conselheiro Henrique de
Beaurepaire Roban, ministro e secretario de eslado
dos negocios da guerra.Bat o de Tamandar.
Acampamento de Paysandu, 4 de Janeiro de
1865. Illm. Sr. Encorporado brigada sobo
commando de V. S. no dia 3i de dezembro prxi-
mo passado s 6 horas da manhaa, por ordem do
Exm. Sr. general
em chefe do exercito, comman
dando a forca composta de contingentes do t. ba- menco do segundo sargento Francisco Borges de
em uma perna nao podia caminhar. Finalmente,
vou mencionar o 2o cadete o Io sargento Helvecio
Muoiz Telles de Menezes, qne sendo encarregado
de oceupar a terceira casa esquerda, ahi se con-
servou apesar dos tiros da artilharia que da ma-
triz partiara, cujas balas cabindo sobre as casas,
produziam enormes estilhacos qne acompanhados
de ierra sobre elle e mais pracas cahiam.
As pracas no geral tiveram o procedimento de-
sejado do soldado brioso, no que me ufano com a
honra de os commandar, e por ser seu numero
crescido delxo de nomea-las, aguardando comtndo
as ordens de V. Exc. a respeilo, fazendo especial
lalho de fuzileiros, fu'ileiros navaes e imperiaes
marinheiros, cabe-me a honra, omiltmdo tactos e
circunstancias que se deram em presenca de V. S,
de vr relatar o brioso e intrpido componamento
dos que sob o meu commando batalhararn.
Tornaram-se dignos de mais honrosa menco e
elogies os Srs. capito Francisco Mara dos Guima-
res Peixoto, que ferido no ataque do dia 6 de
dezembro prximo pasado, e arada doente, acom-
panhou o contigente do 1. batalhao de fuzileiro
al o momento do assalto, em que a seu pezar o fiz
retirar para artilharia ; 1* lente Francisco Jos
de Freilas pela actividade com que transmita mi-
nhas ordens e sua coragem no combate. Pelo va-
lor e sangue fri que mostraram nao sao menos
Souza.
Ayesento a consideracao de V. Exc. a relacae
nominal inclusa das pracas mortas e feridas no
ataque.
Deus guarde a V. Exc. acampamento da forca
da esquadra brasileira na cidade de Paysandu, 28
de dezembro de 1864.Illm. e Exm. >r. baro de
Tamandar.Francisco Mara dos Guimares Pei-
xoto, capito commandante.
RELACAO NOMINA!. DAS PIUCAS QUE FORAM FERIDAS
E DAS QUE FALLECERAM NO ATAQUE DO DU 6 DE
DEZKMBIIO DE 1864.
Batalhao naval.
Feridos : Manoel Anselmo de Jess, Jos Vieira
de Araojo, Marcellrno Gomes de Oliveira, Casimi-
Communicou-se a ihesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Queira V. S. declarar-me quaes
os voluntarios da patria que desejam seguir no va-
por que se espera do norte, e bem assim os nomes
daquelies que devero partir posteriormente.
Dito ao mesmo. Sirva-sc V. S. de informar so-
bre o que pede Manoela Mana do Nascimeuto no
incluso requerimento.
Dito ao mesmo.Era deferimento a supplea do
soldado do 4o batalhao de arlilharia a p Faoscis-
co Antonio de Alneida, determina o Exm. Sr. mi-
nistro daguerra emjavso de 27 de janeiro ultimo,
que se Ihe d baixa do servio se o substituto que
elle apresentar for idneo.
O que declaro V. S. para seu conhecimento e
devida execucao.
Dito ao inspector da ihesouraria de fazenda.
Com o aviso expedido pelo ministerio da fazenda
em 6 do correte me
mente despensa da restituico dos vencimentos
de commisso activa, que illegalmente Ihe foram
abonados por coma da reparti da guerra, es-
tando Vmc. incumbido de orna commisso pela da
agricultura, commercio e obras publicas, cumprin-
do portante que se d execucao ao disposto no
aviso de 20 de abril do anno passado, corroborado
pelo de 20de junho, e pelos indeferimentos profe-
ridos em 18 de julho e 7 de oulubro do mesmo
anno; assim o communico a Vmc. para seu co-
nhecimento.Communicou-se a ihesouraria de fa-
zenda.
Dilo ao major Bernardo Luiz Ferreira Cesar
Loureiro Em aviso datado de 30 de janeiro ulti-
mo, declarou-me o Exm. ministro da guerra, que
o governo imperial agradece a prova de patriotis-
mo de Vmc, offerecendo se para servir no exerci-
lo em operaces no hio da Prata.
Sito ao commissario vaccinador provincial.
foi remedido o decreto do!
1 deste liez nomeando o amanuense da recebe-! Mande Vmc. eniregar ao delegado do cirurgio-
doria desta provincia J*s Baptista de Castro e mor do exercito com (oda a urgencia alguns tubos
Silva para o lugar de segundo conferente da res
pectiva alfandega : o que communico V. S. para
eu codhecimento e afim de que o faca constar a
quem competir.
Dito ao mesmo. Transmiti por copia V. S.
para seu conhecimento e devida execucao o aviso
circular da guerra do Io do correte, no qual au-
torisa-se esta presidencia a mandar fazer effectiva
independenlemente de ordeos especiaos d'aquelle
ministerio, a arrecadaco de quaesquer olleras de
algum militar, empregado publico ou simples ci-
dado que com louvavel patriotismo queiram con-
tribuir para as despezas extraordinarias da sita-
Cao e indca-se ao mesmo tempo o destino que de-
vara ter as quamias arrecadadas por aquella for-
ma. Communicou-se ao coronel commandante
das armas.
Dito ao mesmo.Constando de aviso do minis-
terio da guerra de 4 do correle junto por copia,
que ao capitao do 2 batalhao de infamara Aurelio
Joaquim Pinto se permillio elevar, do presente
mez era diante, a 48*000 a prestacao mensal de
40|5000 que deixara nesta provincia, devendo ou-
tro sim pagar-se, a contar da mesma dala, na ra-
zo do sold por inleiro, a de 2l.00 que consig-
nou, tambem nesta provincia o alteres do dito ba-
lalho Francisco da Fonceca Figueiredo ; assim
como declaro V. S. para seu conhecimento e di-
recelo.
Dito ao mesmo.Declaro V. S. para sea co-
nhecimento e lira conveniente que com o aviso ex-
pedido pelo ministerio da fazenda era 3 do corren-
te recebi o Ululo nomeando Alexandrino Tbomaz
de Aquino Cocino para servir interinamente o lu-
ou laminas de puz vaccinieo para a inoculaco
dos recrulas em deposito.Communicou-se ao co-
ronel commandante das armas.
Dito aos agentes da Companhia Brasileira de
paquetes a vapor. Podem Vmcs. fazer seguir
para os portes do norte o vapor Tocantms,
amanha, hora indicada em seu officio de
hoje.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao que requereu Julio Gomes da Silva mestre do
hyate nacional Sergtpano, resol ve eooceder^lhe
licenea para levar no referido hyate, para o presi-
dio de Fernando, os gneros constantes da relacao
junta assignada pelo secretario do governo, nao
podendo porm eflecluar o desembarque dos ditos
gneros sem que por parte do commandante do
mesmo presidio se proceda a exame afim de se ve-
rificar se ha agurdente ou oulra qualquer bebida
esperiioosa.
Dita.O presidente da provincia, altendende ao
que requereu o escrivo de orphos interino da
comarca de Goyanna, Manoel Valcacer Camello de
Andrade, resolve conceder-lbe 8 dias de licenea
para vir a esta capital.
Dita. -Os senhores agentes da companhia Brasi-
leira da paquetes a vapor mandem dar transporte
al a capital da Maranho em lugar de proa desti-
nado a passageiro de eslado no vapor Tocanttns, a
Caetano Antonio Rodrigues Chaves, que consta ser
desvalido. a
Dita.Os senhores agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes a vapor mandem dar.transporte
para a capital do Para, em lugar de r destinado
a passageiro de estado no vapor Tocantins, ao ba-


.: *


*-r-
Diarte de Pemanibiieo exta letra it de Peveretre de isa*.
chrel Heracllo Vespasiano Fiock Romano Juiz
municipal daquella capital.
Dita.- Ossenhores agen'es da companlua Brasi-
lera de paquetes a vapor roandem dar transporte
al a capital do Par, em lugar do r destinado a
passeiro de estado, o c-acharel Emilio de Moraes
Dias, juiz municipal de um dos termos daquella
provincia e bem atsin a om sea criado em logar
de proa.
?ue trabalhoa na construegao desse templo, levan-
o a oflViio urna empreza que fazia esmorecer os
mais animosos.
Continu V. Rvma. a empregar-se asslm ne bem
material e espiritual da igreja e dos povos, e me-
recer nesta vida e na oatra o premio que espera
os operarios da vinha do Senhor.
Dito ao padre Delirio Lins d'Albuquerque Ca-
bra!. Tendo Andado no dia 5 do correnle a pro-
visao da vigario encommendado, com que o Rvd.
Fr. Alberto regia a freguezia da Lagoa Grande,
Ki>(diente do secretarte de geverno do da 14 te navendo Sua Magestade o Imperador apresentaJo
fevereire te 186o. i V. Rvmwpara parocho da mesma fregoexla, con-
A imprensa blanca decreton a prohibico do u'
da plvora e das balas: a faca que Faz soffre"
mais, o fri do ac applieado a garganta, que pro-
duz lentamente o rgelo da morte; a (orea que de-
tem o derradeiro alent da vida fazeodo que espan-
tosos tormentos precedam a sua exhalacao, sao os
melheres meios para terminar a existencia huma-
na, segundo essa fmprensa l
Desconfla-se que exageramos T la-se o qoe se-
gu, e que copiado da Reforma Pacifica.
c Chegou o da de que a guerra se (apa como
deve ser feita.
E' rste o momento de por em pratica as dou-
Offieio ao inspector da thesouraria de fazen-
vm que, logo que receber esle officio, comece V. trinas de Pacheco, e copia-las em tudo.
da.O Exm. Sr. presidente da provincia, manda Rvma. a reger a mesma fregnezia na qualidade de
iransmittir as 6 Inclusas ordens do thesouro na- ] vigario tncorameadado, eroquaoto rao coosegue a
cional sob ns. 9 a 13 e o. 11 A, bem como 3 offi- sna collacao; podendo entreunto tirar provisto ae
ios da directora geral de rendas publicas datados, vigario encommendado se asslm lhe aprouver.
de 25 e 31 de Janeiro ultimo e 3 do correte. -1 '-------
Dito ao meima-S. Exc. 0 Sr. presidente da, Nem dJSnCn,aSmalrinonae8.
provincia, manda transmitlir a V. S, as 2 inclusas: "'" >* __
ordens em duplcala sob ns. US e 433 espedidas ***> publico que o Exm e R n Sr. 'c.o
pela repartcao do ajudaote general do exer-,novaIienle. >ncedeu hcenea em data de 23 de ia-
[0 oeieo prximo passado. para seren dispensados do
1 impedimento de afflnidade licita em primeiro grao
goal da linha lateral, bem como do impedimento
de consanguinidade em segundo grao attingente ao
. I primeiro da linha lateral, os oradores constantes
enere ^ re|acj0 aBaixo transcriptas.
Quem, pois, livor de procurar algura destes re-
1 querimentos, pode irigir-se, em Olinda, secreta-
j ra do bispado. no seminario episcopal; e no Rcci-
fe casa do lllm. Sr. conego da capella imperial
! Francisco Jos lavares Gama, na ra da Cruz n.
156, junto a matriz de Corpo Santo.
Cidade de Olinda, 15 de fevereiro de 1865.Co-
nego Joaqun Ferreira dos Santos, secretario do
bispado.
Oradores que se acham ligados no impedimento de
affinidade licita em primeiro grao igual da li-
nha lateral, dos quaes trata a declaracao cima.
Manoael Geraldo de Oliveira e Francolina Mara
da Conceicao.
Manoel Gomes Ferreira e Thereza Maria da Con-
Despaehos do dia 14 de fevereire de -1865.
Requertmentos.
Antonio Eugenio Paes.loorme o Sr.
interino da reparticao das obras publicas.
Antonio Francisco de Menezes. Declare o
supplicante qual a iseocao que intenta pro-
bar
Auna Maria da Coeceico.Informe o Sr. Dr.
chele de polica.
Caelano Antonio Rodrigues Chaves.Dse pas-
sagera de proa.
Gustavo Antonio de Brto.Apreseute-se ao Sr.
coronel commandante das armas.
Jos dos Aojos Neves.Reoueira a thesouraria
da fazeoda que lhe mandar dar a certido de
patente de seu pai.
Maria da Conceicao e Melle. Nesta data se man-
da dar baixa ao marido da sapplicanle.
Romualdo Antonio do Sacramento.'Concedo a
prorogaco do praso por mais o dias.
(.OVi:il\U DO HISPA DE
I'IKWMHKO
SEUE VAtAME
(ContinuacHo do expediente do dia 10 de fevereiro terceiro.
ceicao.
Jos Bernardo da Silva e Thereza Maria da Con-
ceicao.
Jos Nicacio Leite e Joanna Maria da Conceicao.
Antonio e Joanna, escravos.
Manoel Patricio de Pontes e Joaquina Maria de
Jess. Tambem se acham ligados no impedimento
! de consanguinidade nos graos Iguaes segundo ao
E' neceesario que para os traidores nao baja
smente promessas de condemnacau, mas sim exe-
cuco prompta.
t A plvora e as bal ai nao devem gastarse *ra
ciremstancias to criticas para a patria ; a (orea e
o punkal devem ser as armas escolladas.
De outra forma perde-se a patria, e com ella
todos os seus defensores.
c O povo deve ter presente o saogue que tem cor-
rido em Paysandu. Deve ter presente que Brasi-
leires e traidores degolam at as mulheres e crian-
gas.
Nada de meios termos: a guerra a sangue e
fogo.
t Nossos iranios de Paysandu assassinados vil-
mente cem contra um, reclaman um Quinteros,
cem Quintetos, m Quinteros.
< \inganca, porm vinganca exemplar, tre-
menda.
< Guerra de morte, para nao rolarmos ao preci-
picio que os traidores e Brasileiros abriram re-
pblica.
c Coito o sangue dos traidores e Brasileiros a
torrentes para que a patria se salve.
Nao admira por certo que a doutrina de assassi-
nato seja pregada por assassinos.
Mas esperemos: o throno de sangue nao tarda a
cahir no abysmo da ignominia.
(Nacuma!.)

de 1865.)
Officio ao Dr. chefe de polica.-Tenho presente
o officio de V. S datado de 8 do corrente, ao qual
respondo.
Bem presumi V. S. que, ltenlo o tempo decor-
rido deade o baptisnio dos pardos Beilarmino e An-
tonio, os livros de laocamentos das respectivas fre-
guenas ja' deviam existir na cmara ecclesiaslica;
pois que as conslituicoes diocesanas ordenara que,
logo que os livros de lancamenios das parochias se
acharem findos, sejam remeltidos pelos parochos
respectivos ae vigario geral, para serem archiva-
dos na cmara ecclesiastica. Mas tendo este pon-
to de disciplina, bem como muilos ouiros, cahido
m deu.'O nesia diocese, desde muitos annos
costurae conservarem-se taes livros nos archivos
parochiaes, onde quasi sempre se estragara e inu-
tilisam pela negligencia de alguns parochos, com
gravissimo damno des povos : incuria esta que as-
sas tenho procurado remediar.
Nao me porlaoto possivel enviar a certido ne-
gativa que V. S. exige. Como porm urge a ne-
cessidade de taes eertdSes, de novo me dirijo aos
respectivos vjganos, instando para que m'as re-
mettam com a maior presteza; e para que nao na-
ja extravio Ihes recomraendo que me enviem por
eorreios differenles duas certidoes de igual iheor.
E como o lugar denominado Mocos pertencia
nesse tempo a freguezia de Itamb, igualmente
me dirijo ao vigario de (tamb para evitar deten-
as.
Transparecendo em lodo e officio de V. S. os
senlimeulos de justica e de candado para com a
liuinaindadu desvalida, espero que V. S. se presta-
ra' a enviar aos vigarios do Pilar na Paran y ba, de
Cruaogy e de Itamb no termo de Goiaaaa, os tros
ofikios que remello inclusos, urna vez que os dous
pnroeiros foram enviados pelo correo.
Aproveito a occasio para significar a V. S. os
meus sinceros protestos de estima e considera-
cao.
Dito ao vigario do Pilar.Em data de 6 do cor-
rente me dirig a V. S. pedmdo-lhe me remettesse
com a possivel brevldade a certido de baptismo
o pardo Beilarmino, filho natural de Antonio Fran-
cisco Leal, branco, e de Flonnda Maria da Concei-
cao, preta, o qual pardinho foi baptisado nesta fre-
guezia pelos annos de 1846, pouco mais ou menos,
un lusar denominado Salgado, sendo paJrlahM Do
mingos de tal e inereza de tal.
Agora pois reitero o mesmo pedido e insto para
que me s?ja remeltida com a maior brevidade essa
certido, pois segundo sou informado, trata-se de
fazer um aelo de justica, e de acudir a humanida-
de desvalida, o que mais que bastante para de-
senvolver o zlo e a carldade que caracierisam a
V. s.
Para que tal certido possa chegar com mais se-
guranza, julgo conveniente que V. S me envi
duas do mesmo theor e por curreios differentes pa-
ra evitar qualquer extravio.
E se o lugar Salgado, onde se fez este baptismo,
pertencia nesse lempo a ouira freguezia, o que por
iiiiiii nao posso agora verificar, dirija-se V. S. ao
vigario respectivo, reiterando para com elle as
me.-mas instancias que aqu faeo a vista da urgen-
ra da quesio vertente.
Dito ao vigario de Cruangy.Em data de 6 do
corrate me dirig a V. Rvma., afim de que me re-
mettesse com a possivel brevidade a certido de
baptismo da parda Antonia, filha natural de Anto-
nio Francisco Leal, branco, e doFlorinda Mana da
Conceicao, preta, a qual pardinha foi baptisada pe-
los auuus de 1840 pouco antes ou depois, no lugar
denominado Mocos, que entao pertencia a essa fre-
gue?ia, sendo padrinhos Jos Lopes de tal e Justi-
na Maria da Conceicao.
Agora pois reitero o mesme pedido, e insto para
que me seja remedida a ceriido com a maior bre-
vidade, pois segundo sou informado, se trata de
fazer um acto de justica e de acudir a humanida-
de dc.-valua, o que c mais que bstanle para
desenvolver o zlo e a candado que caracierisam
a V. Rvma.
Para que tal certido possa chegar com mais se-
guranza, juigo conveniente qae V. Rvma. me en-
vi duas do mesmo theor e por eorreios diferente>
para evitar qualquer extravio.Igual mutatis mu-
tandis ao vigario de Itamb.
11
Officio ao Exm. Sr. presidente da provincia.
Communicando-me o inspector da thesouraria pro-
vincial, em data de 6 do corrente, que se acha na-
quella reparticao a quantia de nin cont e quatro
centos e vinte e oito mil lis, (1:428JK000), impor-
tancia de beneficio da quarta parte da primeira lo-
tera a favor das abras da novas matriz de S. Jos,
extrahida a 3 de fevereiro do anno prximo Rodo;
rogo a V. Exc. que se digne determinar que dita
quantia seja entregue a Francisco Jos de Campos
Pamplona, thesoureira das obras da nova matriz de
S. Jos.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tenho presente o officio de V. S., datado de 6 do
correle, no qual me communica qne desde 17 de
fevereiro do anno passado se acha depositado nes-
sa thesouraria a quantia de um cont e quatrocen-
toseviote e oito mil r-is, (1:428*000), em que
importou o beneficio da quarta parte da primeira
lotera concedida a favor das obras de S. Jos, ex-
trahida a 3 do mesmo mez de fevereiro.
Declaco a V. S. que igoorava inleiramente que
bonvesseem deposito tal quantia, pois do contra-
rio ha muitu que eu lena requiskado a sua entre-
ga ao thesoureiro das obras da nova matriz, afim
de diminuir o dficit que houve em razo das mul-
tiplicadas obras que live de fazer pan a abertura
do templo.
Agora pois me dirijo ao Exm. Sr. presidente da
provincia, pedindo-lhe que autorise a entrega des-
ea quantia perteacente a matriz de S. Joe.
Dito ao vigario de Alaga Grande. Estoo de
posse do seu officio de 17 do prximo passado, em
que me diz que no da & do corrente, se Anda a
sua provisao de vjgano encommendado dessa f.e-
uezia, e que espera que eu nomeie o Rvd. Belizio
ios, ou ouiro sacerdote para ah continuar a ad-
ministrar o pasio espiritual.
Tendo sido apresentado por Sua Magestade
Imperador para parocho dessa fregvezia o Rvd.
Belizio Lins d'Albuquerque, e esperando elle j-
mente a sua carta de apresentaco para se collar,
agora lhe officio enearregando-o desde j da admi-
nistrae.au dessa freguezia como0rocho encommen-
dado, emquanto nao obiem a sua collacao.
Li a descripeo que V. Rvma. fez no seu officio
a respeito das obras que conclu nessa matriz, e
nao posso deixar de louvw o zlo e aclividnde com
da Silva e Antonia Maria de
Manoel Jeaquira
Jess.
Francisco Xavier de Mana e Guilhermina Maria
de Jess. Tambem se acham ligados no impedi-
mento de consanguinidade, ne segundo grao sim-
ples, e no quarto attingente ao terceiro duplicado.
Juan Francisco de Lima e Mana dos Santos do
Sacramento. Ligados tambem no parentesco espi-
ritual.
Oradores, que se acham ligados no impedimento de
consanguinidade, em segundo grao mixto ao 1
da linha lateral.
Manoel Ribeiro doNascimento e Bellarmina Ma-
ria da Silva.
Sevenno Quaresma de Araujo e Maria Jos de
Jess.
Manoel Ribeiro d) Nascimento e Joaquina Maria
da Conceigo.
Alexandre Ferreira Selle e Anna Bernarda Lins
do Carmo.
Manoel Alexandre da Silva e Maria da Silva.
Acham-se ligados no mesmo impedimento, no
quarto grao attingente ae segundo.
Joaquim Jos dos Res e Antonio Jovina da So-
ledade.
Silvestre Jos da Silva e Agostinha dos Anjos.
Acham-se igualmente ligados no primeiro grao de
affinidade llicita.
Antonio Ferreira e Umbelina Maria da Concei-
cao. Acham-se ligados no mesmo impedimento no
terceiro grao attingente ao primeiro
Ignacio e Francelina, escravos.
Joo Gomes Honorio de Mello e Maria Gomes da
Sil-a.
EXTERIOR.
O fim do Paraguay revelado.
O Semanario de 31 est magnifico.
Nunca um diario offlcial revelou mais claramen-
te o pensamenlo de um governo, tratando, alias,
de orculta-lo.
Nunca as vacillacoes, a Indeciso liveram um
espelho mais claro para se reproduzrem.
Anda hontem diziamos nos que a independen-
cia oriental, o equilibrio do Prata eram pretextos
de que se serva Lpez para nao ajustar em um
termo prximo suas quesloes de limites.
Hoje o jornal da Assumpco, redigido pelo con-
selbo de ministros, que o revela.
A indepenlencia oriental, que nunca estere to
garanlida, que ninguem atara, la o pretexto pa-
ra urna guerra, como aqui o pretexto para se fa-
zer a defesa dos Carreras e Sas.
L serve ao Lpez : c serve aos que nao lm a
coragem de defender francamente o crime e a m-
moralidade.
Leiam-se os seguintes tpicos do Semanario de
31 de dezembro.
Cenhecendo o governo da repblica a grvida-
de da luta a que era provocado, e o empenho que
o Brasil lem em crear urna guerra internacional
de urna transcendencia impossivel ainda de deter-
minar, comecou as hostilidades contra as provin-
cias de Matto Grosso, onde o Paraguay possue es-
pacosos territorios, que Brasil com seu paciente
systema de usurparlo tem ido a pouco e pouco e
clandestinamente oceupando, desde o tempo do go-
verno colonial, para afastar, coiio j tem feilo, o
m/i possidelis nos ajustes de limites com o Para-
t O primeiro acto do governo dirgese, pois, a
reivindicar os direilos e as propriedades da naqo
usurpados, ao mesmo tempo que a despojar ds pe-
rigos que por aquella frontelra podem ameaca-la
quando se tiver de altender s operacoes que ha
de iniciar em outro terreno na defesa da autono-
ma da Repblica Oriental, chamando assim ao
mesmo tempo a attencao do desdenhoso imperto,
que nao (em querido ouvir os repetidos protestos
de nosso governo, produzidos com a sa e louvavel
intengo de evitar s Repblicas do Prata e ao im-
perio mesmo os graves males, as complicacSes in-
finitas que j assomam fatalmente pela pertinacia
e proceder ambicioso e fallaz do Brasil.
Elle, que a nica causa dos desastres que
vai trazer a guerra que coraeca, carregar com a
tremenda responsabilidade dessa luta em que vai
empenhar-se a metade de um continente.
t A questao acha-se bem definida; todo o man-
do sabe as verdadeiras intences do gabinete de S.
ChristovSo sobre um paiz livre, cuja autonoma
elle mesmo garanti, commettendo o duplo crime
de usurpador e de perjuro; e sabe tambem que o
empenho do Paraguay se limita conservacao dos
direilos sagrados de nm povo soberano, no interes-
se commum das Repblicas do Prata, e na sua
propna conservacao e seguran, o que por si s
lie d o mais legitimo interesse de concorrer com
a forca sua defesa, depois de esgotar os meios
conciliatorios, que o Brasil nao quer aceitar.
Asslm, antes de tudo e como acto principal o
Paraguay apossa-se dos territorios, a que diz ter
direito.
A autonoma oriental vem depois, questao se-
cundaria.
O novo paladino da independencia das nacee
tem urna maneira bem rara 8e a defender. Por
meio da conquista do territorio alheio vai salvar o
territorio ameacado I
Matto Grosso responder pela Repblica Orien-
tal. Por meio do bombardeamento das povoacoes
indefesas vai livrar do bombardeamento povoacoes
tonificadas'. Coimbra etc. vo responder por Pay-
sandd e Montevideo.
Por que os defensores ao Ionge da Independen-
cia oriental, e da vida de seus eidadaos nao appli-
cam saas theorias ao Brasil, e vida arriesgada
de seus subditos ?
Ou liavera duas regras para casos idnticos :
que serve para os blancos nao deve tambem appli-
car-se aos Brasileiros ?
Estas ibeorias aceommodaticias revelara o fim
que se propSem os exaltados partidarios da inde-
pendencia oriental.
(Nacional.)
PERNAMRUCO,
0 PUNHAL.
Da imprensa blanca (a de Montevideo) levanta-
se om vapor de sangue.
Leudo essas paginas parece ouvir-se o estertor
da victima espirando no meio dos tormento mais
atrozes.
REVISTA DIARIA.
as cirenmstancias actuaes, quando daqcrt reti-
ra-se para o sul toda a tropa de linha, quandode-
ve seguir tambem parte da guarda nacional, adia-
mos de conveniencia que se organise urna guarda
cvica para occorrer a certas necessidades do ser-
vico desta cidade.
E pois, aventando a idea, temos que nenhiim ci-
dado se eximir de um pequeo incommodo, de
que resalanlo por certo motivos de garanta para
si, e de sustentaco da ordem para a sociedade.
Dizem-nos que os alistados no bataltiO de
voluntarios da patria, em seu entbuslasmo patrio-
tico, acabam de requerer ao Exm. Sr. presidente
da provincia que os faca seguir para o campo da
gloria, onde esperam colher os louros com que ou-
tr'ora cingiram a fronle os hroes de Tabocas,
Casa Forte e Guararapes, nao desmentindo assim
a sua heroica ascendencia.
E' a Impetuoaidade varonil que se manifesta em
toda a sua forca, mas ser conveniente attender s
a esta impaciencia do amor patrie, que se revolta
com a lembranca deja pisar no slo da Santa Cruz
o p impuro do paraguayo insano 1
Parece-nos qoe nao, e para isto ba mais de urna
razo.
Com efieito, o batalbao nSo acha-se ainda orga-
nisado ; e assim os cento e tantos alistados que ora
lenbam de seguir, nao pdem faze-lo se nao sob a
forma de contingente, que ir addr-se outros
corpos ou com elles cenfundir-se, perdendo por
tal sorte a propria designaco e at a numeraco
que devera ter nos batalhes de voluntarios desta
provincia, com desvaotagem dola.
Demais, quando na- peleja essa porgo de bravos
se distinga, a gloria recahir sobre o corpo a que
estoja addido, sera jamis reflectir-se no i bata-
lho de voluntarios da patria de Pernarabuco, por
que estes se acham, como tica dlo, confundidos em
outros corpos que tem outras denominacoes.
K pois, temos que vai naquelle pedido alguma
sofreguido de gloria, que importa ser amainada.
A pugna d lugar a esperar-se que definitiva-
mente esteja o corpo organisado em devida forma,
para qoe sejam os bravos voluntarios da patria de
Pernambuco a seus gloriosos destinos, levando
como gararne delles esse estandarte auriverde que
para offertar-lhes mandou a popuiaco desta cidade
bordar em seu patriotismo.
O Sr. Manoel Francisco Duarte, em sua de-
dicaco patritica, acaba de aiforriar urna sua cria
com a condico de ir servir no exercilo como vo-
luntario. E assim, j offereceu ao Exm. Sr. pre-
sidente o referido liberto, cujos servifos sero por
certo aceitos.
E' o Sr. Duarte digno de mencao honrosa pelo
acto que praticou, j dando a liberdade a um es-
escravo, j applicando por meios suasorios os ser-
vicos delle ao exercito, urna vez que por seu es-
tado de idade avancada nao pode de outra sorte
dar provas do seu amor a palria,quando ella urgv
por manifestacoes reaes de dedii-ago.
Inforraam-nos que um offlcial de justica tem
querido receber de um estrangeiro um imposto de
escravos, por ser o devedor genro desse estrangei
ro e ter-se retirado para Europa. Ora, nao suc-
cedendo o sogro no estabelecimenlo do genro, nao
sendo seu procurador e nem o representando em
cousa alguma, lgico que se o nao pode obrigar
semelhante paga, incommodando-se-o com man-
dados, ele.
Chamamos para isso a attencao da aotoridade
competenle.
Dando publicdade as seguintes pecas, nao
podemos deixar de louvar o civismo do Sr. teen-
le-coronel Joo Valentim Vilella, a quem nao foi
indiferente a situaco em que nos acharaos.
O acto patritico do Sr. tenente-ccionel Vilella,
no entretanto, desses que em si mesmos trazera
o caoho do que valem, excusando porlanto pala
vras encomisticas.
Taes actos sao o primeiro elogio a quem os pra-
tica :
t lllm. Sr.Nao podendo ser incensivel aos re-
clamos da patria, e devendo concorrer quanto me
fr possivel para salvar a dignidade nacional, rogo
a V. S. que se digne fazer chegar as mos do Exm.
Sr. presidente da provincia, com a informaQaoque
fr servido dar, o incluso requerimento em que
rae offereco para servir, sem percepeo de venci-
meoios algum, na guarda nacional do servico ac-
tivo que houver de destacar nesta capital.
Deus guarde a V. s. Quarlel do commando do
3* batalho da guarda nacional da reserva, 4 de
fevereiro de 1863.-lllm. Sr. coronel Domingos
Alfonso Nery Ferreira, commandante superior in-
terino. Joo Valentim Vilella, tenente-coronel
commandante do mosmo batalho.
lllm. e Exm. -r. presidente da provincia.0 te-
nente-coronel Joo Valentim Vilella, commandante
do 3 batalno da guarda nacional de reserva do
municipio do Recito, nao podendo ser incensivel ao
moviraento patritico que actualmente excita os
coracSes de todos os brasileiros, os quaes, ciosos
dos bros nacionaes, concorrem com o seu contin-
gente para o grande edificio da restauracao com-
pleta da dignidade nacional tao covarde e indigna-
mente ultrajado por tyrannetes e caudilhos ; e ven-
do a necessldade imperiosa de acudir esta briosa
provincia com suas irmas ao reclamo da patria
que exige a presenca na campo da luta, vem ex-
pontanea e livreuiente olTerecer a V. Exc. para
servir na forca activa da mesma guarda nacional
na guarnico desta capital durante todo o tempo
que fr preciso, prescindindo de qualquer remu-
neraco a que tiver direito como destacado ; e es-
pera que v. Exc. se dignar aceitar a offeria, em-
bora diminuta, porm cordial, que acaba de fazer
o supplicante: pelo que -E. R. M.
Recife, 4 de fevereiro de 1865.Joo Valentim
VileJIa.
N. 28.-Quarlel do commando superior da guar-
da nacional do municipio do Recife, 7 de fevereiro
de 1865.lllm. e Exm. Sr.-Aprsenlo a V. Exc.
o requerimento do tenente-coronel commandante
do 3 batalho da reserva da guarda nacional Joo
Valentim Vilella, que se oltorece V. Exe. para
servir na forca activa da guarda nacional para
guarniro desta capital, durante o tempo, que fr
preciso, presciodiodo de qualquer remaaeraco a
que tiver direito, como destacado; e tenho de in-
formar a V, Exe. qae o peiiciooario um offlcial
de merecimento, podendo ser aceitos os seus ofie-
reciroentos, e aproveitados seus srvicos quando
se fizerem precisos; V. Exc. deliberara como jul-
gar conveniente.
Deus gnarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. Dr.
Antonio Burges Leal Castalio Branco, presidente
desta provincia.Domingos Alfonso Nery Ferrei-
ra, coronel commandante superior interino.
Palacio do governo de Pernambuco, 11 de feve-
de 1865.lllm. Sr. Ao officio do 7 do correte
sob n. 96, com que V. S. trouxe ao meu conbeci-
mento o requerimento em que o teoente do 3* ba-
talho de reserva da guarda nacional deste muni-
cipio Joao Valentim Vilella cioso, como sempre se
tem mostrado, pelos brios nacionaes, e no intuito
de coadjuvar o governo na emergencia em qu se
acha, euereceu-86 para servir na forca activa da
guaralcao desta capital, tarante o tempe que fr
preciso, independente de qualquer rernuueracao a
3oe tiver direito como destacado, tenho a dizer que
eve V. S. aceitar to patritico offerecimento lugo
que sed* occasio.
Dos guarde a V. S.Antonio Borges Leal Cas-
tello Branco.Sr. coronel commandante superior
interino la guarda nacional do municipio do Re-
cife.
-f"Vi~U Jjl'
Quarlel do commando do 3 batalho da guarda
nacional de reserva, 8 de fevereiro de 1865.
lllm. Sr.Na sendo exlranho a V. S. a necessida-
de que temos de acudir aos reclamos da patria, e
cooperarmos com todas as nossas torcas para fa-
zer punir os dous tyranetes viziuhos das repblicas
de Uruguay e Paraguay, lembrei-me de invocar o
seu patriotismo, afim de que procure entre seus
amigos e conhecidos o maior numero de cidados
que queiram ser alistados como volntanos da pa-
tria, ajndando V. S. desle modo os esforcos que faz
actualmente, para organisar um corpo com essa
denominaco, o digno Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, qoe nao deixar de reconbecer os seus ser-
vicos. Assim, pois, conQo que V. S. dar mais essa
prova do patriotismo que o caracterisa, tendo na
devida considerado este meu pedido.
Deus guarde a V. S. Jlo Valentim Vilella, te-
nente-coronel commandanto.
A todos os officiaes do mesmo batalho.
Escrevem-nos de Maricota era data de 14 o
segu ote :
Rogo a V. a incerso das seguintes linfias em sua
rauilo apreciada Revista. O lamoso rapi'o Beli-
zario, que gracas aos esforcos do actual subdelega-
do de Maricota o Sr. Borges bavia deixado e com sua
quadnlha as nossas plagas,, ha dias apresenlou-se
em seu patrio lar, e com toda ufana apreseotou ao
subdelegado o sea breve da marca, que o isenta
do recrutamento I A presenca desse ladro, que
ao proprio cunbado robou um cavallo, encheu-nos
de desespero ; porm o que fazer 1
Os amigos Dud, Quintllio, Patilho, Santos, Zu-
za, Mileiro, Urbano, Thomaz e outras caricaturas,
que nos sao desconhecidas, tem concorrido a feli-
citar o seu chefe, e no domingo deram no sitio da
Jaqueira a margem do crystalino timb om gran-
de brodio, soltaram-se fogueles, dansarara a qua-
drilha afandangada a cavallo, foi um dia de com-
pleto prazer para a luzida rapaziada, por verera as-
sim garantido o seu chefe.
Este demonio que sem contar com o a menor
garanta, tendo soffrido vinte e duas prises, s in-
terrumpa a pratica de sua profissao quando o
\ goardavam na cadea, ba poucos dias quiz mudar
| de pasto a dous rocinantes perteacentes a Araujo
e Joaquim Joo, e como essa mgica pralicasse ao
romper do dia, e nao lhe restasse tempo para dar-
Ibes o costumado destino, os conduzlo para urna
, densa capoeira, qae existe no cercado do engenho
Timb, esperando a segrate noute e ento polos
\ a salvo : porm desta vez errou de plano. Os do-
nos dando por falta de seus cavallos, ao amanheeer
seguirara as pegadas e os encontraram peiados de
trjs ps.
Consta-nos que o subdelegado supplente em
exercicio o Sr. Joaquim Candido Bezerra de Mello,
constando-ihe a briihante manobra chamara a sua
presenca o tal capitao e e responsabilisou por qual-
quer evuluco que elle pralicasse com os cavallos
do districto a seu cargo durante a sua estada no
lugar. A vista de semelhante mposigo, o tal sal-
teador conhecendo que o breve na o preservava
tambem da cadeia de Iguarass, que nao l das
melhores habitagues para um personagem de seu
porte, mudou de clima e l esl no'seio de Abraho
no Alerrinho do Gegui, cujas alhoridades cha-
mamos a attencao para lhe fazerem as honras cor-
respondentes a sna alta cathegoria.
E' para lamentar, que o nosso governo na diffi-
cil emergencia em que se acha com o Paraguay,
despreze o duplo proveito que traza as nossas ar-
mas, a aequi-ico desses bravos da patria Sim,
i amostrados como sao a cavalgar, ocenpariam a
vanguarda dos nossos Guascas, e em poucos dias
; por meio da gyria qne lhes natural, passanam
, a cavalhada inimiga ao servico do nosso exercito.
Veremos se desta vez o governo se compenetra
l da utilidade de rainha feliz lembranca. sent-
tulla.
Escrevem-nos de Pao d'Alho era data de 13
do corrente :
c O invern chegoa irazendo-nos urna cheia das
raaiorej entre as grandes que tem havido. Ignoro
o que faria ella l por baixo da ponte de S. Joo ;
sei que est prova de enchurrada, porque nada
soffreu, e apeoas o atierro cedeu um pouco.
i Pelo que nos toca estivemos em sitio em quan-
to se conservavam as aguas na sua maior altura ;
e o pe 11 r foi que. rahindoo sitio em sabbado, soffre-
mos falta dos gneros, que nos vem de alm-rio,
porque a maior parte dos malulos sobre nao esta-
rem pelo preco dos jangadeiros, qoe nesses dias
exercem tambem soberana, nao quizeram expor
seus gneros ao frgil barquinho de quatro paos.
I Mas emfim sao cousas que ja la vao, pois o (Japi-
I baribe est vasando com a mesma furia, com que
I encheo, c tarde sem duvida dar espaco aos que
; o quizerem vadear.
Corra que l para o engenfft Aldea deu um
i preto urna facada em oulro ; o juiz municipal,
quem o tenente-coronel Luiz Maranho participou
' o occorrido, foi fazer vistoria e verificou ser o fe-
riraento leve, e que o offendido se ferio a si ao
evitar urna pancada que lhe dava o parceiro, o
qnal vendo o outro nesse estado se evadi, assim
como alguns escravos mais, porm j quasi todos
vollaram, e, conforme ouvi dizer, nao ha novidade
no becco.
< Se acham pronunciados pelo juizo de direito o
delegado de polica capito Carlos Jos Gomes de
Oliveira, e o juiz municipal Dr. Maximiano Fran-
cisco Duarte, em processo de responsabilidade que
lhes instauren por denuncia da mesa parochial da
freguezia da Gloria, por excessos all praticados,
segundo diz a denuncia, por aquellas autoridades
na eleico de juiz de paz e vereadores.
< Adeus. >
A subscripeo aberla para a compra de urna
bandeira imperial, para o 1 batalbao de Volunta-
rios da Patria, moma ja 808000.
Amanha se extrahira 3a parte da 1" lotera
do hospital Pedro II (6-).
No dia 31 de dezembro ultimo foi assassna-
do, 14 leguas (lisiante de Bom-Jardim, Joaquim
! Gomes, com um tiro de clavinote, por um escravo
de Jos Francisco Cordeiro de Arruda. proprielano
! do engenho Melancia. O assassioo foi preso e est
, sendo processado.
No Io districto policial de Bom-Jardim, em
31 de Janeiro ultimo, Manoel Vigario deu duas Ta-
cadas em Manoel Francisco de Arruda Barros, lo-
grando fugir.
Passageiros do hlale brasilelro Santa Rita,
j sahido para o Aracaty :
Raymuodo Francisco Carneiro Monteiro, Manoel
Rufino Moreira da Silva Barbosa, Jos Goncalves
Malveira, Jos Cavalcanti de Alboquerque, Fran-
I cisco Cerqueira Mano.
RBPARTIQAO DA POLICA :
Extracto das partes do di 16 de fevereiro de
,1865.
r orara recolhidos casa de deteaco ne dia 15
' do correte :
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Clau-
dino Damasceno da Silva e Jos Francisco da Sil-
va, para reerntas ; e Jos Florentino Alves da Sil-
va, como criminoso pronunciado noart. 205 do c-
digo criminal.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Quintiliano
Antonio Gomes e Maria Joaquina dos Prazeres,
presos era flagrante por briga ; Antonio Martins
de Oliveira, para correceao ; e Felippa, escrava de
Antonio Gama, por tentar espaacar a urna mulner
em sua casa.
A' ordem do da Capunga, Luiz, escravo de Wil-
liara Oito, por infraccao de posturas.
O chefe da segunda seceo,
/. G. de Mesquita.
Casa de detencao.
Movimento da casa de detencao do dia 15 de
fevereiro de 1865.
Existiara presos 369; entrarara 12; sahiram 12;
existem 369.
A saber : nacionaes 293; eslrangeiros 21; mu-
lheres 4; estraogeiras 2 ; escravos 44 ; escravas 5.
Total 369.
Alimentados custa dos cofres provinciaes 156
Movimento da enfermara do dia 16 de fevereiro
de 1865.
Tiveram baixa : .
Jos Silvestre da Silva, espasmodios; Pedro Anto-
nio de Mello, bronchite; Francisco, escravo do
Lacerda, broncblte.
Teve alta : *
Joo David.
OBITUARIO DO DIA 13 DE PBVEVBIRO DE 1865,
NO CEMITERIO PUBLICO '.
Aquilino, Pernambuco, 30 dias, Afogados ; t-
tano.
Joaquim Lopes da Cruz, Pernarabuco, 54 annos,
casado, Boa-Vista; gastro hepatite Interite.
Paraizo, frica, 60 annos, solteiro, Boa-Vista ; apo-
plexia.
Antn o Rodrigues Pinheiro, Pernambuco, 31 an-
nos, solteiro, S. Jos ; hepatite pulmonar.
Jos, Pernambuco, meia hora, S. Jos ; ttano.
Leonardo, Hespanha, 42 annos, solteiro, Boa-Vista ;
cholera-morbos.
PBLICO0ES 4 PEDIDO
Una lagrima morte de
mea primo e amigo lesui-
uo da Rocha Oliveira J-
nior.
Acolhei-o Senhor I Elle era nm justo
Da morte o horror nao vez-lhe susto
Tendo os sitios e a mente fita em voz 1
Como o peregrino coberto de soor,
Que esquece do camiuho o cardo atroz,
E fugindo o negro sol, corre veloz,
Em busca de melhor I
Iodo hontem sua vida era nsonha,
Como os labios da virgem, que alm sonha
Grinaldas noivaes, do infido insonle I...
Hoje o verme sorri do vaticinio...
.Negrece-lhe o cypreste o horisonte,
E os goivos sepulcraes lhe sao na tronte
O triste domiuip.
Acolhei-o Senhor I O duro trilho
Da virtude lhe aprasia, desse briiho,
Que reluz na veste immaculada
Daquelle que teu solio quer s'erguer ;
Sua fronte juvenil era inundada
Dos raios da f mais sublimada
Que o hornera pode ter.
Sua vida mal farmada se desfez.
Como o lindo arrebol, que d'uma vez
Em trevas de bulco se converteu ;
Como a flor, cuja liaste inda brotava,
Que rudez do cegador l toneceu
E peadendo, com.Mgo desprendeu
Os tilhos, que gerava 1
E assim inyrrou se o laurel do filha
Amante queda morte ao duro atilho
O nome de seus pais nao suffocou :
Das aneias no intervallo suspirando
O a deus muribundo lhes mandn,
Como a couchha que as ondas sonobrou
A praia buscando.
Acilhei-o Senhor Melhor amigo
Nao pode existir nao tem abrigo,
No seio da misera humanidade I
E' esle o voto, amigo ;| se elle triste
E' o s que le val na elernidade,
Nasse d'alma, filho da saudade
Que por ti me astisle.
Recebe estas flores que te tugo,
Ultimas da margem d'alrr.a lago
Que tua falta p j denegriJe :
Sao simples ; mas nao morrera, nem tem veo
Som do peito desejo indefinido.
Qual do martyr sublime gemido.
Ecboando no cu.
Kecife, 13 de fevereiro de 1865.
Antonio de Almeida Oliveira.
ao mesmo tempo o sopro vivificador da scentelfia
patritica que, merc de (Dota, anda do deixoa
de arder em nossos coraefas,
Cidados de todas as classes, polticos de todos
os matizes, fundi-vos em um s pennmento, o de
debellar oinimigo commum. Ponhamos de parta
nossos sentimeatos, fraternisemo-Dos.
Os insultos euspidos nossa bandeira, pelo tres-
loucado governo de Montevideo e pelo selvtico
Paraguay, reclamara prompto e severo castigo.
Conscias'de nm de ver, todas as provincias do im-
perio se armara ; armemo-nos tambera.
Pernambuce nunca foi o ultimo na bora das
provaedes.
O concurso, que agora nos pede o governo,
jos o, nohre : prestemedo.
Pernambucanos I Abracados com e sagrado
symbolo de nossa naciooalidade, fortificados pela
sanlidade de nossa causa, mostremo-nos dignos fi-
Ihos do imperio da Santa Cruz.
Que nos invoque a posteridade, como hoje invo-
camos os nossos antepassados.
A's armas i
??-<2>-K"
Escrive.
3.* seceo.Ministerio dos negocios da justica.
Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 186o.lllm. e
Exm. senlwr.Respondendo o seu officio de 23 de
dezembro ultimo, declaro V. Exc. que o delega-
do de polica do primeiro districto dessa capital
chamando escrives das subdelegacias para servi-
rem perante elle, visto que os designados por lei
nao podiam fazer esse servico era virtude dos tra-
balhos de que se achavara accumulados, procedeu
bem e de cooformidade com o aviso n. 180 de 16
de oulubro de 1854, como ja este ministorio decidi
emdala de 24 do mez prximo passado urna quesio
semelhante, proposta pelo presidente da provincia
de S. Paulo, expediento esto de que os delegados s-
mente devem lancar rao na falta absoluta ou im-
possibilidade dos esenvaes dos juizes manicipaes.
Dos guarde V. Exc Francisco Jos Furtado.
Sr. presidente da provincia de Pernambuco.
3." seceo.Ministerio dos negocios da justica.
Aio de Janeiro, 24 de dezembro de 1864 lllm.
e Exm. senhor.Sua magestade o Imperador, a
quem toi presente o seu ofiicio sob dala de 30 de
julho deste anoo, consultando se pode estender a
alguns termos dessa provincia a aulorisace con-
cedida, por aviso uo 17 de novembro de 1853, ao
delegado de polica dessa capital, para noraear in-
terinamente um escrvo que perante elle sirva,
em quanto nao houver providencia legislativa;
manda declarar a V. Exc, que a le lem designa-
do quaes os escrives que devam servir perante os
delegados, e que no impedimento dos mesmos es-
crives, cabe a providencia emitida no aviso n. 180
de 16 de oulubro de 185i. O que comraunlco
V. Exc. para sua intelligencia e devida execucao.
Dos guarde V. ExcFrancisco Jos Furtado.
Sr. presidente da provincia de S. Paulo:
N. 180.Justica.Aviso de 16 de outubro de
1854.
3.* seccao.Ministerio dos negocios da justica.
Rio de Janeiro em 16 de outubro de 1834.lllm. e
Exm. senhor.Foi presente S. M. o Imperador,
com o officio de V. Exc, datado de 9 de margo do
correnle anno, sob n. 31, o do juiz de direito da
comarca de Camela, dessa provincia, que veio, por
copia, participando achar-se paralysado o expe-
diente do juizo de paz do primeiro districto daquei-
la cidade, por nao haver quem queira servir o em-
prego de escrivo, sob o pretexto de ser to dimi-
nuto o seu rendimento, que nem sequr chega
para compra dos livros, que deve ter, e despeza
do respectivo sello. Ouvida a opinio do coose-
Iheiro procurador da coroa, e consultado a seccao
de justica do conselho de estado, sobre o objecto
em quesio, houve o mesmo Augusto Senhor, por
bem, pela sua immediata e imperial resoiucao de
II do correnle mez, e de conformidade com o pa-
recer da dita sece, decidir, que, alienta a legis-
lacuo actual, nao cabe no caso outro remedio seno
mandar-se, que no juizo de paz, ou do delegado e
subdelegado quaodu a respeito destes apuareca o
mesmo inconveniente, sirva Interinamente de es-
crivo o de algum dos outros juizos, a quem seja
um tal servico possivel. O que coramunico V.
Exc. para sua intelligencia, e para o fazer constar
ao mencionado juiz de direito. Dos guarde V.
Exc.Jos Thomaz Nabuco de Araujo.Sr. presi-
dente da provincia do Para.
Ae mrito.
Quando se pratica um acto de verdadeira pht-
lantropia, tem a imprensa o dever de celebra-lo,
para que as almas puramente caridosas e berofaze-
jas se animem para a continuacio (f esses actos,
per omnia scula seculorum I
E' com este intuito minio nobre e generoso, que
chamamos a attencao do publico para o acto ptii-
lantropico praticado por um dislincto cavalheiro
digno de audacSes e luminarias, cujo nome retum-
bante far brevemente a gloria celebre progeni-
tora*de Azarara I
Sob a epigraphe om acto de philanlropia pra-
ticado pelo Sr. Jos Joaquim de Lima Bairofoi
por ete diario publicado em oulubro de 1863, um
inieressante commentario no qual foram trazidas
para o campo da imprensa, as boas qnalidades que
adornam o conspicuo cidadao que por longo tempo
teve a dita de fazer as delicias da familia Kinoih,
e honra ao re i dos amantes 1
As ms linguas, porm, que desvirtan! os fol-
guedos mais innocentes da vida, lembraram-se logo
de ridicularisar a sinceridade da accao, e arada
duvidar das notaveis qualidades com que enfeita-
ram o cavalheiro perante o numeroso auditorio qne
o abencoava por tao desinteressada acgo I
Por essa occasio fizeram-lhe uns curiosos algu-
mas pergunlas, pelo Liberal de 27 de outubro do
1863, que para nao flrarem de todo esquecidas aqui
as transcrevemos de novo.
1. Se a quantia de um cont de reis com que o
Sr. Jos Joaquim de Urna Batrao entrn para o
coliegio dos orphaos, afim de serem n'oquelle esta-
beler-ment admittidos os tres menores filhes da fal-
lecida Flonnda Kinoth, pertenciam a S. S. ou aos-
refertdo! orphaos ?
2." Se a mai desses orphaos esleve BU nao con-
cubmada com o Sr. Batrao e quanto tempo 7
3.c Se algum d'esses innocentes, ou nao filho de
S. S. e da referida Ftorinda Kinoth f
4." Finalmente, se nos sabe informar do fim que
lewu o dinheiro que possuta aquella infeliz, assim
como o producto de tima escrava vendida no Rio de
Janeiro por 1:300J>000 rei-, as joias e mais objectos
pertencentes fallecida etc., etc. 7...
Estas perguotas simples como sao, fariam cor-
rer de vergonaa a qualquer bomem que tivesse
sentmentos, no entretanto nao tem ellas feito mal
algura pessoa do nosso dislincto cavalheiro, nem
tirado sua obra aauelle explendor que lhe
digno I
Conhecemos o Sr. Bairao desde que chegou a
esta boa terr ( e boro dizer ) que elle est ci-
ma dos seus detractores, por que os aelos oe sua
vida sao patentes Mi
O Sr. Bairo um moco de quarenta annos, mui-
to honesto, conhecido e respeitado 1 Dispoe de ca-
bedaes, e profunda illastraco como todos sabero,
possue de mais a mais urna excedente figura mul-
to propria por certo para cmgir urna commenda e
ser mais tarde collocada na gallera dos homens
illustres I
Continu, pois, o distincto cavalheiro a zombar
dos invejosos e a praticar rasgos de pbilantropia r
Deponha (requmeme me as aras da canda de urna
parle das economas legitimamente adquiridas, que
nos da nossa obscuridade louvaremos os seus ac-
tos, sem o menor receto, nao s para o tornar mais
elegante, na- para que fique o seu nome eterna-
mente gravado nos jornaes mais pblicos do orbe
terrqueo I
O admirador.
u> i8>-*
Pernambucanos I Quando o estrangeiro desleal
e ingrato, de mo armada penetra o nosso slo, nao
asada a occasio, para fazer o retrospecto dos
erros commettidos pelo poder administrativo, e
para discutir pela imprensa os males que bos tem
vindo das parcialidades polticas em que se divide
a provincia, e quic o imperio.
Em presenca do inimigo, esteris seriara re-
criminacoes ; .porque o qulnnao de gloria, ou de
ignominia, qoe resultar possa da guerra, que se
ateou as frouleiras do sul, nao recahir sobre este
ou aquelie partido poltico, tocar a todos os Bra
lei ros.
Cruzar es bracos diante do perigo, sera indigno
de nos, seria manchar a nossa historia, to rica de
tradices gloriosas.
Concidados I A despeito do estado a que nos
pretendiam reduzir aquelles que mais se deviam
interessar e concorrer para o nosso engrandeci-
miento, acordai do lethargo, era que nos fizerara
raergulhar.
Soltai dolntimo de vossos doridos peites, um
brado, que exalaado os vossos sofTrimeotos, seja
9 i mi
A praga universal
Em todas as regioes e entre as pessoas de todas
occupacSes e prullssoes, prevalecem as enfermida-
des pulmonares. Portamo, o grande e admiravel
remedio contra ellas e qne produz a sna completa
aniqullajo o Peitoral de Anacahuita de Kemp, o
qual as deve perseguir, e era seu devido lempo as
perseguir indefectivelmenle al aos mais remolos
confins do mundo.
0 soldado nos encantamentos, o mineiro as
minas d miro, o colono as fronteiras, o lavrador,
o viajante por mar e por trra, e especialmente
todas as pessoas sujeilas a padecerem de tosse,
constipaces, resfriamentos e catmhos, bronchi-
tes, asihma e outras allercoes nao menos alllicti-
vas da garganta e dos orgos da respiraco, e que
lo fcilmente se desenvolvere e propagam nos lu-
gares hmidos, inclemencia da atmosphera ;
acharo com a mais grata satisfaco, do Peitoral
de Anacahuita de Kemp, um remedio irresistivel e
absoluto, para o completo subjugamenio de to pe-
rigosas enferruidades. Compre-se em tempo, pois
bom estar-se prevenido. Acha-se de venda as
pharmacias de Caors A Barbosa e J. C. Bravo
&C.
COMMERCIO.
Coiaedes officiaes.
PIUCA UO RECiFE.
15 de fevereiro de 1865.
Assucar mascavado Canal1,8700 por arroba.
Dlo dito purgado 2030 a 233 por arroba.
Algodo primeira sorie19000 por arroba.
Descontos14 0i0 ao anno.
ubourcq Jniorpresidente.
Guimaressecretario.
\ovo banco de Pernambuco.
O banco descoota letras na presente semana a-
12 por cento ao anno al o prazo de seis mezes, e
toma dinheiro a juros a praso nunca menor de
tres mezes.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
A directora desta caixa saca sobre a caixa filia
na Babia.
O guarda-livros,
Ignacio Nuaes Correia.
iltandega
Rendimento do dia 1 a 15.........424:497^404
dem do da 16................ 23.074374
447:571,1778
Horlmento da aIf andega
Volumesentradoscorofazendas...
com gneros... 794
Volumes sahidos com fazendas...
> com gneros
794
103
843
----- 946
Descarregam nodia 17defevereircdel865.
Brigue francez Louize Haiderdiversos gneros.
Brigue inglezAzof- diversos gneros.
Brigue hanoverianolanselunefarinha de trigo.
Escuna hanoverianaEmmafarinha de trigo.
Brigue inglezIeddodem.
Brigue prnsslanoKomgsburgidem.
Brigue inglefirooiinobacalho.
Brigue iqglezElena-bacalho.
Patacho inglezAmazonidem.
Barca iugleza Chanzacar vao.
Barca ingleza Amblesideidem.
Barca ingleza Willtamdem.
Pataeho inglez -Monda idem.
Patacho inglezPerille -idem.
Escuna inglezaElisabeth Barter dem.
Reeebedorla de rendas Inter-
nas geraesde Pernambuco.
Rendimento do dia I a 13........ 17:6921077
dem do du 16................ 7524827
18:444*904







i
i
1


Mari* de Ftra*mba# ella Mr* 1 de Fcvcrrlr* de iSS.
M0YIMHITO BO POBTO
Natnot entrados no dia 10.
Terra-Nova31 das, brigue inglez Pkanton, de
JOl toneladas, eanito Jobo Morressy,. equipa-
gero 10, carga $000 bamcas com bacalho ; a
Johnsloo Pater A C
Buenos-Ayres39 dias, brigoe dinaroarquet Gar-
lina, de 175 toneladas, eanito B. B. Goldimann,
equipagem 8, carga 5,000'saceos cora farinha de
Xrigo ; a Amorira Irmos.
Novias sahidos no da 16.
Araeatyhiate brasileiro Santa Rita, capito Ma-
noel da Silva Sanies, carga differentes ga-
iteros.
Rio46 Janeiro-patacho brasileiro Tupa, capitSo
Antonio da Silva Soares, carga assucar e oatroi
genero*.
Cearescusa prussiana Fretheit, capillo J. Nihls,
carga parte- da que trame de Ilamburgo.
EDITAES.
de 18 35' anuos de idade, ou at 40, sendo homens
do mar fortes, saos, e eapazes de todo o servigo.
8.> Classe.O alistados para o batalho naval
Je vem ler 18 at 45 aonos annos de idade, e os on-
tros requisitos da quarta classe.
Todava poder-se-ha admittir alguns estrangei-
ros mediante previa aotcrisaeao do goven.
6.* Classe.Os aprendizes marinheiros devem
ser cidados braslleiros, da 10 I 17 annos de ida-
O offlcial-maior,
Julio Gui maraes.
fe- Tem de ser arrematado por quem raals der,
no dia 17 do correte, depois de linda a audiencia
do lllra. Sr. Dr. juiz de orphos, os bens seguin-
tes : 1 cama de pao preto em rao e>tado por 64,
i consoios de amarello por 83, i par de lanternas
por 4, 1 raarqueza do pao preto por 55, 1 dita de
amarello por 55, 5 cadeiras de amarello por 55,
1 mesa para jantar por 8,5, i mesa de amarello
para meio de sala por 65, 2 bancas jie pao preto
25,1 meia commoda de amarello por 85, i cabrio-
le! em muitn mi estado por 255, 1 cavallo rauito
magro por 165 ; cojos Bens vo praga a reque-
rimenio de Glorinda Ferreira Cato, depositario
particular dos bens qne Acarara
A cmara municipal da cidade de OlinJa
reanda publicar para que cnegue ao conbecimento
de todos os seus munieipes a portarla da presiden-
cia da provincia, datada de 7 do correte mez, pela
qual fora approvado provisoriamente o segaiete
artigo de postura addicional :
4* seccao. Palacio do governo de Pernambuco 7
de fevereiro de 1865.
O presidente da provincia aUendendo ao que re-
presentou a cmara municipal da cidade de Olinda
em offieio de 28 de Janeiro ultimo resolve appro-
vr provisoriamente o artigo de postara abaixo
transcripto addicional aoart.23 das posturas cons-
umes da lei o. 517 de 19 de junho ile 1861.
as mesraas penas incorrero os vendedores de
taes limas, as qoaes, ou outras preparares para
taes di vert montos, sendo ellas innlisadas. Anto-
nio Borges Leal Castello Branco.Conforme An-
tonio Lei te de Piano. *
Paco da cmara municipal de Olinda em sessao
ordinaria de 13 de'fevereiro de 1865.
Joaquim, Cavalcanti de Albuquerque
Presidente.
Marcolioo Oas de Araujo
Secretario.
O cidadao Antonio Angusto da Fonseca, cavalhel-
ro da imperial ordem da Rosa e juiz de paz se-
gundo votado dafreguezia do Santissimo Sacra
ment do bairro de Santo Antonio da cidade do
Recite etc.
Fago saber a quem interessar qne havendo dado
parte de doente o juiz de paz primeiro votado des-
ta freguezia o capitao Luiz Cesario do Reg, en-
trou em exercicio do mesmo cargo em quanto du-
rar o seu impedlmento, o segundo votado o cidadao
Antonio Augusto da Fonseca, pelo que scientifico
que as audiencias continan) a ser nos mesmos
dias, hora e lugar ja designados, e que despacha
em a casa de sua residencia ra de S. Francisco
D. 44 ou aonde for encontrado.
Recife 9 de feveroiro de 1865. E en Joaquim
da Silva Rege, esenvo que o escrevi.
Antonio Augusto da Fonseca.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da-ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 7 do corrente, manda fa-
zer publico que no dia 23 do mesmo perante a
junta da fazenda da mesma thesouraria vai nova-
mente a praca para ser arrematado a quem mais
der o imposto do pedagio da barreira de Motoco-
lomb, avahado em 2:0155 annoaes.
A arrematago ser feila por lempo de dous
annos e qualro mezes a cootar do 1 de marco do
corrente anno ao ultimo de junho de 1867, e de
conformidade com o art. 16 do regulamento de 3
de agosto de 1852.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparegam na sala das sessoes da referida
junta no dia cima mencionado pelo meio dia e
competentemente habilitados.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de fevereiro de 1865.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia de 7 do corrente, manda fazer
publico que no dia de margo prximo vindouro,
perante a junta da fazenda da mesma tnesouraria,
se ha de arrematar a quem por menos Bzer os re-
paros de que precisa o empedramento do lugar de-
nominadoAreias do Giquina estrada da Vic-
toria entre os marcos de 3 a 4,000 bracas, avalia-
des em 3975500.
A arrematrgo sera feila na torma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparegam na sala das sessoes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia ej lionas n. 66, freguezia de Santo Antonio, avahada
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincia! de Pernam-
buco, 10 de fevereiro de 1865.
O secretario,
A. F. d' Annunaarao.
Clausulas especiaes para a arrematado.
1*. Os reparos do empedramento da estrada da
Victoria, em diversos pontos entre os marcos de
3 a 4,000 bracas, serao executados de conformida-
de com o respectivo ornamento na importancia de
.3975500.
2*. O arrematante ser obrigado a dar principio
aos reparos, 15 das depois que assignar o contrato,
o a termnalo 2 mezes dopois.
3". O pagamento ser effectuado em urna s pres-
lago, logo que pelo engenheiro Cor declarado que
os reparos Toram concluidos.
4.' Para tudo o mais quo nestas clausulas nao
previne observar-se-ha o qne dispoe a lei n. 286.
Conforme,
i4n/on/o Ferreira d'Annunciacao.
mm arrematago o abatlmento de 7 0/0 offerecido riaes nWinheires det ser cidados brasileiro
pelo licitante Jos Angosto de Araojo. E para J
constar se mandou publicar o presente pelo jornal.
Secretaba da thesouraria provincial de Pernam-
buco 8 de rfevereirode 1865.-0 secretario,
A. F. d'Annunciacao.
Faeraldftde de Direito.
Be ordem do Exm. Sr. director faco pnblico ar,s
alumnos da Faeuldade que, do da M do corrente
em diante poJero realisar na estacao competente, .
o pagamento da taza correspondente a prlmeira constitnicao robusta. apropriada a vida do
matricula, ouja abertura devera ter lugar no dia mar- M
i de margo, prximo vindouro. Poder-se-ha tamben* admittir menores de 10 an-
Seeretara da Paculdade de Direito do Recile 14 l*os 1M tenham suffieieate desenvelv iment pny-
sico para os exerclcios do aprendisado.
Art. 14. Os voluntarios da primeira classe perce-
berio os sidos concedidos pelo artigo 1 "do decre-
to n. 1406 de 20 de ootubro, mas nada receberao
a titulo de premio on grati Acacio.
Ser-lhes-na declarado, e expressado nos seus as-
sentamentos, que nao oble rao gnia de desembarque
sem previnir ao commandante respectivo dous
mezes antes, salvse nlsso nao houver inconve-
niente para o servigo, por que ento serao imme-
diatamente attendldos.
Urna resalva, que Ibes dver ser entregue com
a guia de desembarque, declarar que a contar
dessa data os sobreditos volunlarios.se forem
cionaes, ieam sontos do reefutamento por um an-
no, ou por lempo igual ao que tiverem servido nos
navios do estado, se este praze for menor ; salvo,
porm, o caso de cirenmstandas extraordinarias
durante s quaes ficar suspensa a seero.
Para o Pfcrto pela ir de 8.
Miguel
fiannn? do guarda nacional.
Acharase impressas qnatro formas com 64 pa-
ginas em oitavo fiancez do segando volme do Ma-
O rellefro e bem conbcido br.gue nacional A- uu'fi9H,arda nm'onui'on <**'<*cao de todas as
j-------,~m---------i-----------", A le, decretos, avisos e ordens concernentes a mes-
meha pretende seguir com milita brevidade, tem
parte do seu carregaraento engajado, para o resto
ma guarda.
. -: Ha nesUs qnatro formas, importantes decisSes do
^^^SSSTiT^ Ttln^l gy.P ,as K que em apparec.-' tfm de m M^rm.
tanos A.
do na execuco da lei da guarda nacional
Registro Harfino 6rsileirt.
Esta'cecido no Rio de Janei o, na Praca
do Commercio ecriptorio n, 3.
Achando-sedefioilivamente fundado o Registro
Martimo Brasileiro, iSo convidados todos os ne-
gociantes armadores a registrar os seas natos'
i a possivel brevidade a
e sens pubhcaco do registro animal.
de fevereiro de 1865.
O secretarlo,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal de commercio de Per
nambuco se faz publico que nesta data tica regis-
trado o contrato de sociedade em commandila fei-
to entre Guilherme da Silva Gu>maraes e Gregorio
Paes do Amaral, Portngaezes, esubeleuidos nesta
cidade sob a Arma de Gregorio Paes do Amaral &
C, da quaf s poder usar o socio Amaral, como
nico gerente ; devendo a mesma sociedade du-
rar por espaco de cinco annos, contados do dia 2
de Janeiro do corrente, com o capital de 35:0005
forrecido pelo socio commanditario G. da Silva
Guimares, e deduzido do saldo existente a seu
favor na extiBcta sociedade de Marcelino & C.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 14 de fevereiro de 1865.
O offlcial-maior,
Julio Guimaraes.
Tribunal de co.mmercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data flea re-
gistrado o contrata de sociedad de Manoel Pedro
de Mello e Antonio Pedro de Mello, Portugueses,
eitabelecidos nesta cidade sob a Arma de Antonio
i,,i,h. n i,,,.,^ i, r n.-...,nJ^ u* enecusau ua le aa guarda nacional o sens,
ma 4V?a P' i Te'ai^^os, como sejam : o modo de se fazer as I Nesle livro serao incluidos todos <
tnv ua ra aa uruz n. i. nrnnnt nmn;.n, j-_____ ____j. .....
propostas para offlciaes dos cerpos, quando estes mercantes brasileiro* de que honver neticia;mas
estio organisados, on em organisaco : formacSoi ** apparecerao com a designacao de classe, divl-
A son i Annin rerehe parua minda a escra. i daunta 'nedica : referma dos offlciaes e inferiores: s*> e duraba, os que houverem sido vistoriade.
kio de Janeiro.
qoes, Barree & a, largo do Corpo Santo n. 1.
IEIL3ES.
Lfilo sfita-ftira 17 de fevereiro ps
ma da Cadeia arraaieni n. 53.
Pelo agente Euzebio.
De um casa terrea n. sita a ra da Alegra,
servico activo :Jtempo dos ofSeiaes se acharem far- armador on capitao.
j dados e data do juramento : se offlcial da imperial' _0 Registro Martimo Brasileiro fundado a imita -
Bssss. ordem da Rosa est isento de prestar servifo como C50 dos Lloyds de quasl todas as na^oes martimas
| simples guarda : se os inferiores dos cornos de- da Europ contera as informacSes mais precisas
I vem seguir a ordem gradual do accesso para ser sob" o estado des navios e propfie-se a realisar
_________ promovido offlcial : quem substitue o commandan- um grande melboramento ha multo reclamado-
te superior nassuas faltas, ou impedimentos : qual! pelo commercio mantimo brasileiro.
.. deve ser a pena imposta aos inferiores que nao se| O regnlaroeato para as clasciflcaces dos navies
i a apresenlarem fardados no prazo que Ihes for mar- contendo tamben) as instrucgoes para as novas
cado: se os instrumentos importados da Europa construc^oes e para os peritos, acha-se j im-
para as msicas dos corpos da guarda nacional, es- presso.
to isentos dos direitos da afandega : quaes os E' esrusado insistir na conveniencia de seren
r ser vendida pelo roaior preco que se achar : os 'encmenlos dos offlciaes e guardas en? servigo de os peritos chamados, conforme determina e re-
pretendentes desdeja poderao examinar. j destacamento : se tem direito continencia e com- gnlamento, para assistirem as eonstrnrcSes oo
LellSo 4reM>riTn rrr- i mandante superior, passando pela frente de urna concertos e reparos qae se flzerem nos navos.aflra
c "nrn aparca paga-, brigada de linha : se o empregado de fazenda des- de se poder determinar com exaejo a classe a
ment). tacado como offlcial da guarda nacional deve acen- qne o navio pertence.
COMO S E J A : [mular o seu ordenado : se offlcial da goarda naci- O Registro Martimo Brasileiro nao se respon-
Ar, receherLv nro- ,escrava de Domo BenU> "noula, de idade 35 nal suspenso, por crime de responsabihdade do sabil isa pelas elassificaedes anteriores a soa fnn-
mms serruintes g receberaos os pre- annns. cargo de delegado, ou de juiz de paz ca tambera dacao e protestar contra quem usar das fraccoes
' all de nome Vicente, cnoulo, de idade 30 suspenso do exercicio da guarda nacional : que e signaes que ella adoptou.
e ^i^^^uiS^^SnZfnT "i a-, 1onras competem aos **"da earda DaciOQal aha" W*<> acha- m. I 1 dito de norae Lucinda, crloula, de idade 15 designados majores dos mesmos corpos : se ha in- administraclo do Registro Martimo, para (na con-
anos I compatibilidade ua accumulacao do cargo de juiz formidade de um regulamento) vlstonar os navios
e noroe Thomazio, crionlo, de idade 121 de paz e presidente da junta de qualificacio dos vo- r;,ercantes nacionaes e estrangeiros que quizerem
tantes, com o posto da guarda nacional: ha incom- ser classificados. O pedido para as vellorias de-
11
IIOJK
Sexla-feira 17 do corrente as 10 Ij2 horas
;>7*--Rua da Cruz do Rrcife -57
dous, ou tres annos.
Se forem marinheiros : vinte, quarenta e cinco,
ou setenta mil res, segundo o prazo de seu contra- a
it E V,m' d?S' a i.' ann-8" -^ *" de noiae Venceslao, cnoulo, de idade
Alm do premio receberao mais os referidos vo- annos
! dur,aLp.or "NO < tres annos, com o capi-1 Esta graliicacao, porm nao se abonar repeti-
tal de 7:0005. entrando o socio Manoel com a damente ao mesmo individuo por cada novo con-
quantia de 4:7005, em commandila, e existentes trato successivo qne flzer, se este for de prazo me-
no esiabelecimentoem mercadorias, armaco, oten- or de tres annos.
e dlv,idas i e f06'? Antonio com a de Art. 16. Os da terceira classe receberao mais
r.JOOi em dinheiro reahsado ao assignar o con- ama quarta parte do maior premio que poderiam
lra'0- ... jobter contratndose como os da segunda classse
JSSSFIS tJSSff S**" >*-1mmp. de grumeteoq de marinhelro, que Ihes cao do agente Pinto e por conta e risco de quem
I ompetir, e a mesma gralifjcagao apresentando-se pertencer de differentes fazendas avariadas a bor-
direclamente. do dos vapores Hebe of the Exe, Saladin e Galileo
Exceptuam-se os que nao forem homens do mar, & Ullswater, existentes em seu armazem ra do
e tiverem mais de 40 annos de idade, os quaes po; Trapiche n. 38, onde se effectuar o leilao as 10
dero alistar-se com as condie?5es dos da terceira horas em ponto do dia cima dito
classe, mas sem augmento de premio. _________________ _______________________
Art, 17. Os da quarta classe receberao como pre
Leilao de fazendas avariadas.
HOJ.
Soulhall Mellor & C. faro leilao por interven-
mi cem mil reis, se forem marlnheiros.e sessnta ... ,
mil reis se forera grumetes. Deu mob,l,a de lacaranda,
Art. 18. 0; da quinta classe receberao o premio
de cento e cincoenta mil res, se nao forera maiores
de quarenta annos e o de cem mil reis, se tiverem
mais daquella idade.
Art. 19. O premio dos voluntarios menores, des-'
tinados para as eompanhiasde aprendizes mari-
nheiros, ser de cem mil reis, e se abonar aos
1 espelho, 1 can-
delabro, 2 serpentinas, 2 pares de jarros, 1 com-
moda, 1 sof e cadeiras de amarello, 1 mesa de
jamar e outros objectos pertencentes a casa de
familia.
Sabbado 18 de fevereiro.
O agente Pinto far leilao por conta de urna
pessoa quemudou de residencia, de todos os ob
qne caram por morte de pas, tutores, ou quem suas vezes Bzer : jectos cima mencionados existentes no sobrado
Francisco Ferreira Fialho. Art. 20. Os premios de qne tratamos artlaosan- do pateo da Rbeira n. 19, onde se effectuar o
Pela subde egacia do 2- distncto do Cralo tecedenles serao pagos pela raaneira segulnte : : leilao as 10 horas dorfia cima dito,
da Se se faz publico que se acha em deposito um | .o 0 dos voluntarios da segunda classe, se o' l^iUrt d a^nno >riri>ntin.J Ti
cavallo pedrez, pequeo : quem for seu dono com- allstaraento for por um anno, Ihes serao pagos m- l^,la(> WCOT1 argentina I AlgOllU I)
pareca que provaadolhe sera entregue. I tegralmente no acto de assentarera praca; se por
Subdelegada do districio do Curato da Se de i dous ou tres annos, receberao em tres prestares
iguaes, sendo primeira paga como no priraeiro
caso, segunda quando vencida metade do prazo
do contrato, e a terceira linda o dito prazo.
$ 2." Os voluntarios da terceira classe recebe-
rao urna terca parte do premio respectivo logo que
tenham assentado praga, outra terga parte no fim
Olinda 7 de fevereiro de 1865.O subdelegado,
Manoel Deonizio Gomes do Reg.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguiote :
Para o fardamento dos voluntarles da patria.
Panna azul 1,000 covados
Para o deposito de artigos bellicos di provincia de
Alagoas.
Bonets 200.
Mantas de la 200.
Brim branco varas 1.000.
Algodozinho varas 500.
Para o arsenal de guerra fornecer.
Marmitas ao 4 batalho de anilharia a p.
Caixas com folhas de flan lres de 16 a 20
Sabbado 18 as 10 horas
na rmate da bara do Llvrameot no eses
d'Apollo.
OLYMPJO
po-
os dos voluntarios da terceira classe.
4. Os premios devidos pelo alistamento de
menores paras as companhias de aprendizes mari-
nheiros sero pagos integralmente, logo que se ve-
riiique a entrega dos ditos menores.
legadas de compriraento e II a 14 ditas de fargu-1 A'rl. y. Asir ti ficagoes que competem aos vo-
I '._ ... luntarios que directamente se alistaren! no servico
:1B^as ?ue 1 Vendei; dl'os artl*0' da armada, sero pagas conjuntamente com a pri
LP,?Sr'em s-MJT^ Carta f0Chada ?^ "eir prestaco do premio respectivo,
sala das sessoes do |conselho de compras, as 10
horas do dia 20 do corronte.
Sala das sessojs do conselho de compras do ar-
senal de guerra 16 de fevereiro de 1865.
O encarregado da escriplurago
Cempetenteraente autorisado vender era leilao
de primeiro anno de servigo, e o restante ndo o no dia, hora e lugar cima a escuna argentina
prazo de sen alistamento. Angelta> lal qual se acha fuodeada.
3." Os premios dos imperiaes marinheiros e os
das pragas do batalho naval sero abonadas como
O secretario da capitana.
Uecw de Aquino Fonceca
Torreie geral
Leilao
Dos mastros, velas, ancoras, correnles, lancha e
botes da barca fraoceza Les Amis de Saint Jean
de Luz.
Segunda-feira 20 de fevereiro
no ;armazem alfandegado do baro do Livramento
caes d'Apollo.
Por inlervengo do agente Pinto. *_______
LeiJo de 50 s Segunda-feira 20 do corrate.
O agente Pestaa fara leilao por conti^ e risco
de quem pertencer dd 50 saceos com feijao soni-
do boas sacras o f.-ijao muit> novo des-mb jrea
cidde para es seohores
claradas
Antonio Lopes Rodrigues.
DECUBA50ES.
L.sixa filial do banco do Brasil
em Pernambueo,
14 de miro de 1865.
Be ordem da directora desta caixa, se convida
aas credores de -ebaslio Jos da Silva a virem
receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Arrematacao
Finda a aud tncia do dia 17 do corrente do jul-
io de orphos, Guimaraes, a requerimiento da jun-
ta administrativa da Santa Casa da Misericordia
desta cidade, ser arrematado por venda urna par-1 Claudina dTlolVanda"Cavlcanti.
te do sobrado de um andar e solo, silo na ra de Candido Vieira da Cunha.
lionas n. 66, freeuezia de Santo Antonio, avahada Felippe Nery dos Santos,
dita parle em 6305 29, deduzida esla da de 4:0005, Francisco de Mello Brrelo,
per quanto foi avahado o dito sobrado, a qual par- Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
te pertencenie a Anna Rosa das Merc, por an- Dr. Jos Candido Marinho de S.
tonomasia, Tempera, que seacba recolhida ao hos- Jos Joaquim da -ilva Gomes 4 C.
pieio dos alienados, e vai a praga a referida parta Jos Moreira da Silva,
para satisfagao das despesas de alimentos e ves- Jos da Silva Loyo & C.
tuario da mesma alienada. Manoel Firmino Ferreira.
-1.* secgito. Secretaria da polica dePernambu-, M. de S Brrelo de Sampaio.
co, 1 de fevereiro de 1865.O Illm. Sr. Dr. chefe
de polica, manda renovar a publicagao da postura
addicional de 12 de fevereiro de 1863 abaixo trans-
cripta, afira de qne ninguem allegue ignorancia de
suas disposigoes.
Posturas.
Art. 1. Fica prohibido neste municipio o bnn-
quedo de iotrudo com agua por qualquer maneira anMi
que se empregue ; os infractores pagaro a multa
de l.'ijODO reis, e 8 dias de prisao.
Art. 2. Fica prohibida a venda de Urnas de chei-
ro ; os infractores alm de as perderem, pagaro
43000 de multa.O secretario, Eduardo de Barros
Falco de Lacerda.
Relaco das carias seguras existentes:das*emanai,,Ja,sadal: sesundafeira 20 d0 f
. uV|,.v. *"*"'"'"**"* rente pelas tn huras da r
na ailministi'nca di correindesta sr.Annes.
rente pelas 10 huras da manha no armazem do
baixo de-
AVISOS M1IITIM0S.
i
avisos omasos,
T
Aos ti:UU*U()U.
Corvo amaoha.
Salib i--A. i l .S do correule buz se esirafii
a terceini parte da primeira lotera da"
Santa Casa da Misericordia para canalisa-
co*d'agua e gai (6*) no consistorio da
' igreja de Nossa Senhora do Rosario da
[ frefuezia de Santo Antonio.
Os !)illiete3r tneios e quartosestoa ven-
; da na respectiva thesouraria roa do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:000000 at 400000
patibilidade na accumulacao do posio da guarda verao ser dirigidos ra do Imperador n. 71, se-
oacional com o do cargo de juiz de paz : o offlcial gundo andar.
que exerce interinamente o lugar de ajud^nte dos O perito,
corpos est ou nao despensado de servir no conse- ______ Jos Joaquim Dias dos Prazeres.
Iho de qoaliflcagao : ero que prisao devem os offl- o abaixo assionadn faz scipnte an r^n-ita;!
o rommer-
de ser caixeir
wira.Mci,uuu,ii;i!rai'iiu i n i .iairieimi B Ha pasa -nmmnr.'iil .!, re V rt Ri.t.n L r
os vendedores de sello dos correios eslo despensa- Sn^LSTStaZSL SAS ~ C'
dos deservir na guarda nacional: se os offlciaes re- ^STSlS^JSSif^ 5? V.! fPP!*
formados da guarda nacional podemser aggregados B* a f ."? !0'//J.d"a.na"sa0 d,Rno feB-
ao servigo acl.vo : em que circumstancas podem '! aUe se^ ZSUSS^ COnfla""
os commandantes interinos dos corpos raxerem %? Travathw ZnT^J maB,;iras
propostas para offlciaes : etc., etc.,etc. etc. ltharas e cavalhe'ra; JM lAraI'ram:
Quem quizer desde j possuir estes esclarec-1 ------------.____A. T. Peixoto de Abreu Lima.
melos, medanle um diminuto estipendio antes de Precisa-se deum trahalhadnr para tratar de
se ultimar este segundo volume, dirija-se ao segn- ] nm sil' e a'guma cousa de horra : em casa do
do andar do sobrado da ra do Livramento n. 31, Sr- Camhrone. _________
e ahi os encontrar em broxura, assim como enea-! __
dernado o primeiro volume do Manual do guarda AH ^mo
nacional.
- Preeisa-se de um rapaz de 14 a 16 annos
para o Brejo da Madre de Dos: a tratar na ra
Nova n. 69.
Precisa se de urna ama
nliar para urna pessoa s :
primeiro andar.
para comprar e cozi-
na ra da Cruz n. 13,
O juiz Interino da irmandade de X. S. da Sole-
dade, em virtnde do despacho do Illm. Sr. Dr. pro-
vedor de capellas, com data de 14 do corrente,
convida a todos os irmSos da mesma irmandade
comparecerem oo dia 19 dd corrente pelas 10 ho-
ras da manha, >io respe.:tivj consistorio, cnle se
achara o mesmo Sr. Dr. juiz da capailas, aiim de
proceder-s a eleig) geral para a nova mesa re-
gedora, de conformidade com o compromis-o.
O Sr. Joao De>dalo Bowin^ntenhaabendade
de apparecer no armizem n 19 ni ra nova de
Santa Hita, visto ignirarse sua morada.
Precisase de un caix^iro para urna padaria
na villa da Sseada : a tratar na ra Imperial, ta
berna n. 27._________________________^^^^
Precisa-se alujar unn escrava que seja fiel
e de bn cinduca para comprar e co'.mhar, para
casa de pouca familii: na ra das Cruzes o. 21.
Na mesma casa compra se urna nygrinha de 4 a 6
anno< de I lad. __________
Prei'lsa-se di umi ana hvre ou escrava que
compre e cozinhe, para caa de pequea familia :
na praga da Independencia n. 5.
' Joaium Jos di Silva, sublin pirtugnez,:
tendo enconiraio outro d Igual nomi, faz puhlico
que de h >|e em diante se asignar por Joaquim
Jos da Silva Ollveiri^_____________^_^____
Tiburcio Antones de Oliveir.i man Ja seu Q-
Iho Pedro Dias de Oliveira Euroja.
j Precisa-se de una ama de leile, robusta, que
nao traga filho : na ra das Larangeiras n. 10.
Precisa-se de um caixeiro e de um molequa
para alngar : na ra das Larangeiras n. 10.
se
Na ra Nova o. 65, segundo andar, anda
precisa de um escravo para todo o servio*.
Ao publico.
Constando ao abaixo assignado que algumas
pessoas teem espalhade que o servico artstico do>
peridico A Nova Cnse est a seu cargo, apressa-
se em declarar que isto menos exacto, a-.sim co-
mo nao tem a menor parle na publicagao do dito
peridico, como appello para a consciencia do res-
pectivo redactor.
Jos Soares Pinto Correia Junior
THESOL'KO UAS MAIS
Providencia das crianens
COLLARES ROYER
Kleetromagnticos.
fu u i l)OS
COLLARES ANODINOS DE DENTIQ
Contra as convulsoes e para facilitara
dentigo das criangas preparados e inventa-
dos por Ruyer, pharmaceutico da esco-
la superior do Paris, successor de Cherean,
membro da academia de medicina
amiga casa de Bouitlon Lagrange, pharmaeeotien
do imperador
i chefe dos trabadlos chimicos da escola po-
lyteclinica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Francisco Miel de Sonsa, na qnalidade de Estes collares vendem-se nicamente na loja da
tstamenteiro do Tinado Antonio Jos Pacheco e Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Silva, faz publico a quem convier. que o dito flna- loloiiiii -I.ui7 di iliv*>iia i /i.\..,ia A- i'
do deixou em seu testamento U| para cada um *IW"W LIE e lleila AlUedO &. t
Agentes do banco Uniao do Porto.
Competeniemente autorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo banco para o r"orlo e
Lisboa e para as seguinles agencias :
Londres sobre Bank of London.
de spus alhados, com a condigo de apresentar
rertidn de hairtlsnro : nortanta. aquellos que se
jnlgarem comprehendidos nessa dpixa oodem
apresentar-se a elle testamenteiro munidos da
competente certldao d"e baptismo pira receherem
dita quantla.________________________________
Ao Sr. Bernardo lavares Ciutinho se pede
queapparega ra Direita n. 54 para dar-se Ihe
'noticia de sua escravo Isabel._________________
L. Jaqninct vai a Ear.'r'a.
Na mi da Imperalriz n. 41, orimeiro andar,
tem urna mullier do'mato que se olfereoe para ama
para cozlnhar e lavar. ___________^______^^
Para o nio de Janeiro
Capitana do porto de FernambOCO, 14 Samr com brevidade o patacho nacional aVia-
dejaoeirode1865
Era vistadascircumstancias melindrosas em que
se acha o paiz, sendo necessario que todos os bra-
sileiro?, concorram para a sustentago dos brios e
dignidades nacionaes, compromeltidos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
Para o Rio de laaeiro
pretende seguir com muila brevidade o brigue es-
cuna Joven Ariltur, tem parte de seu carregamon-
: para o resto que Illa falta tratase
is consignatarios Antonio Luii de Oh- serSo p?rgos urna hora depois da extracclo
- &c, no seu escritorio ra da ats 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuicao das lisias.
As encommendas sero guardadas so-
meoteat a noite da vespera da eitracco
como de costume.
0 thosooreiro,
Antonio Jos Rodrigues deSouza.
veira Azevedo
Cruz n. f1
mo>, recebe carga a frete commedo e escravos:
irala-se cora Manoel Ignacio de. Oliveira & Filho
no largo do Corpo Santo oscriptorio n. 19 ou com
o capitao a bordo.
GOMFANHIA BRASILEIBA
DE
o Illm. Sr. capito do porto, em virtnde do que Ihe n mTK'Tl'tt A "V m\ lfM
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e seere-: r-VU"! "iW m. W J%.M. tfjn-
tario de estado dos negocios da mannha, convidar! i i Dos portos do norte espera-
nao s aos matriculados, como a todos os cidados (ttu^ do at 9 dia ,7 do corrente o va-
que se queiram alistar na qualidade de voluntarios 1 //BM/mY^Vf Paran, commandante o ca-
gjpitao de rragata Santa Barbara, o
HPqual depois da demora do costu-
Outro sim, sao igualmente convidados os indi vi- me seguir para os portos do sul.
dos que tiveram baixa do servigo naval, a alista-1 Desdeja recebem-se passageiros e engaja-se a
rem-se por um anno ou mais, 'garhlindo-se-lheicaraolaeo v*Por poder conduzir, a qual dever
da directo'ia desta mesma caixa se nao ^ as "espectivas escusas, logo que terminem' s.er embarcada no dia de sua chegada, encqmmen
I'reci^a-se de um bom cuneiro para casa de
nmtpkmm eetraagetra : trata-se n ra do Vi.
giro n. 2.
rateio Ihes toca da venda de urna das proprleda-; para armada, a se apresenlarem nesta capitana
das, que segundo a concordatajhe foram entregues nos das uteis das 9 s 3 1|2 horas da tarde,
para serem vendidas.O guarda-livros,
Ignacio Nunes Crrela.
De ordem
i'u publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22. di-
videndo de 104 por acgSo.
O guarda livros,
Ignacio Nones Correa.
Pela subdelegacia do Peres foi mandado re-
colher a casa de detengo o preto crloulo, que diz
-chamarse Luiz e ser escravo de Rofiniano Sergio
de Mello, mor*dor era Timbauha da comarca do
Goianna, no sitio denominado Theuma, e que sa-
bio fgido do casa de seu senhor no principio do
mez de Janeiro passade : quem se julgar com di.
reito ao mesmo preto, compareca, que provando
seu dominio Ihe ser entregue.
Subdelegacia do Peres 14 de fevereiro de 1865.
O subdelegado,
Alexandrino Martins Correia Barros.
Aviso
aos oavegaotes.
Pela capitana do porto de Pernambueo se faz
publico para conbecimento dos navegantes, que a
tmia do extremo do snl do banco do iuglez que ha-
via sido laogada praia por Ihe haver arrebenta-
tt. aamarrago, foi novamente collonada, demar-
<;ando Ihe o pharol do plcSo ao O 1/2 N O, e a tor-
re do seminario de Olinda ao N 1/2 N O, rumos
magnticos, e em fundo de 5 bragas, exactamente
noe termina peto sul o Her fe que forma o banco
i'L'itez. Capitana do parlo de Pernambuco 4 de*|
'fevereiro de 1865.O secretario,
Decio de Aquino Fonseca.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cjal era cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
si lente da preWncia de 7 do corrente, manda fa-
zer publico que no di 23 do mesmo, perante a
junta da fazenda da mesma thesouraria, vai nova.
inente a praga para ser arrematada a quem por
menos 8ter, a obra da ponte de ferro de Motoco-
I >rab, avaliada em 68:9304, servlndo de base a
os seus contratos, mais anda os premios Puados na I **as e dinheiro a frete at o dia da sabida s 2 ho-
para os que voluntariamente procurara o ser-!ra8.: agencia, roa da Cruzn.:!, escriptorio de Aa-
lei. .
rico da armada, e bem assim urna gratificagao
mensal, ignal a metade dos sidos, que percebiam
na occasilo em que obtiverara baixa.
_As vantagens e condicgSes para o alistamento se-
rio as estabelecidas velas instruegoes que baixa-
rara com o decretan.' 1591 de-14 de abril de 1855
que sao as seguinles :
Art. 12. Distinguir-se-ho seis classes de volun-
tarios :
I." Dos individuos que quizerem servir na ma-
rinhagem sem tempo determinado ;
2. Dos que-se quizerem contratar para servir
ns^aaannhagem por tempo determinado :
3.* Dovquo sa prestaren) servir na marinha-
gem os prazos estabelecidus no artigo 3. do decre-
to n. 1166 de 25 de outubro de 1854, eque escu-
sam o nacional do servigo militar;
fe*- Dos que quizerem ter praca no corpo de im-
periaes marinheiros.
5.* Dos que se destinaren) para o batalho naval.
6.a Dos aprendizes marinheiros.
Art. 13. Os voluntarios das differentes 'classse
definidas no artigo antecedente devero ter os re
qnisitos seguinles :
!. Classe.Os que se alistaren) para a mannha-
gem sera tempo determinado, devem ser fortes,
saos, acostumados a vida do mar, ou pelo menos
eapazes de servir na praga de grumete.
2.* Classe.Os que se contrataren) per prazos de-
terminados, de uro a tres annos, devera ser fortes
saos, e acostumados a vida de mar.
3.* Classe.O* que se contrataren) para servir
na marinhagem o prazo de seis ou de oito anno--,
em conformidade de artigo 3." do decreto n. 1466
de 25 de outabro, devem ter os requisitos dos da
segunda classe, excepto a pratica da vida martima
que poder ser despensada com a clausula que
adame ( artigo 16) se expressa.
4." Classe.Os alistados para o corpo
-4^
et*l
ao ionio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHt iPERNAMBUCANA
DK
.^favega^o costefra por vapor
Parabyba, Natal, Macio, Araeaty, Cear
e Acarac.
Nb dia 22 do corrente s 5 ho-
ras da tarde segu para os portos
cima indicados o vapor Jfamaw-
uape, commandante Moura. Re-
cebe carga at o dia 21. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at 2 oras
da tarde do dia da sabida : escriptorio no Forte
do Mallos n. 1.
' ara.
Segu uesles dias em- direitura ao indicado per-
too veleiro brigue escuna brasileiro Graciosa, ca-
pito Jacinlho Nunes da Cista, por ter quasi prom-
pto o seu carregamento ; para o pouco que ainda
pode admettir, trata-se com o sen consignatario
Antonio de Almeida Comes, ra da Cruz n. 23,
primeiro andar.
orto
Segu brevemente a barca pertagaeza Sympa-
Ma por ter seu carregamento completo : quem
quizer ir do passagem, para o que tem excellenles
commodos, entenda-se com Bailar & Oliveira, roa
da Cadeia n. 26.
ATTENQnO.
GRANDE BOTEQUIM NO CACHANGA
defronte da igreja, de sorvete, caf, bebidas, e co-
midas de todas as qualidades e com lodo o aceio,
no* das 1. e 20.
Pars
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganga.
Faro:
Oliveira d'Aze-
raeis.
Frdric S. Baltin 4 C.
Joo Gabe & Filho.
Francisco Molala 4 Ballesta.
Jaime Merie.
Crdito Commercial.
Gonzalo Segoria.
M. Perera y Hijos.
Em Portuga
Angra Terceira.
Caminha.
Castello Branco.
Chave?.
Coimbra.
Covilho.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
T homar.
Villa Nova
Portirao.
/
de
Figueir.
Guarda.
Guimaraes.
I.agua.
Lagos.
Laii cgn.
Leiria.
Mongao.
Moncorva.
Regoa.
Selubal.
Viauoa do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Cas-
Aluga-M utn sobrado, de um andar e soto,
con commodos para grande familia, tendo um bel-
lo tarrago, e uatkiilami nada a-gpa, e com um pe-
queoo quintal com cacimba, notndose quefei reo
difidadotodada novo ha pouco lampo, na lim da
ruatAuusia>aom OroUae para o viveiro do Muniz:
a tratac na. nriaaiftio.da. ra Imperial n. 49.
-^ O Dr. Antonio de Vasconcellos Menezes de
Dnamnow*: anoya sdwgEPdtrmete fOro, pontins
no erefeo de sua proflsso, na ra do Impera
dora fco\)i>ation fdir, Indm Qfcdiaa uteis, das
10 horas da manha as 4 da tarde.____________
Arrenda-se a excellente propriedade, deno-
minada Barra de Serinhaem, na freguezia do mes-
mo nome, com grande coqueiral e muitos foros a
cobrar annualmente : a tratar na ma do Impera-
dor n. 43, primeiro andar, das 10 horas da ma-
nha as 4 da larde.
Offereee-se urna criada portuhueza para o
servigo .nlerno de urna casa, inclusivamente en-
gommado : a tratar na ra da Cruz n. 18, ar-
mazem.
QlbUS
de superior qnalidade 24000 cada um, com cai-
xa de 13 14800 : no antico e a ereditado esta-
beleclmento junto a esta offleina.
Do enenho Piudobal sahlo o preto Manoel
Baca, de idade de 26 annos estatura regular, sem
defeitoalgum nem no rosto e nem no corpo, boni-
ta figura: gosta de trazer o cabello alio na frente, Prtnna 'fifti
e todo pachola. Em 1862 fez elle urna fgida, e Xavira
foi ler ao engeaho Marianno, no sul, procurando o ,,... .
Sr. Antonio Bandoira de Mello para o comprar, vm R, "f: v,.
de crer que elle tenha tomado o mesmo destino. Y An7' p'-,,
Rnga-se aos Srs. capites de campo que o capturem AU"""- "?*. -------
e o remettam ao mesmo engenho Pindobal, que se- R .. i,u """><
rao generosamente pagos de sen trabalho. Bode Janeiro. Para
Fur/aram ta ra larga do Rosario, voltando Qualquer sorama a prazo ou a vista, podendo
para a da eslreila, Uherna que foi do Sr. Costa, |0 um cavallo castanho amarello, com os signaes se- mesmo Banco a razao de i por cento ao anno a
gnintes : tem urna fstula sobre a venta buscando ratar na raa ,ia rjruz n. 1.
o olho, tem urna estrella branca na testa, castra- ------------------------------
do, levando cangalha com capa de couro e dnas
cordas enquirideiras, tem na ponta da pa direito
um calo em fenda : qmm o apprehender on der
<3)
noticias na praga da Boa-Vista, em casa do Dr.
Jesmno Lopes de Miranda, ser-recompensado.
No becoa a Padre o. 18, segunda andar
precisa-se de urna ama para cozinhar e compra*
na ra : quem estiver nesta circunstancia p6Je
dirigir-se a mesma casa a qualquer hora do dia.
Precisa-se de urna ama que saiha cor.inhar e que
faga o servigo interno e externo de urna casa de-
pouca familia : a tratar na ra da Senzala Velba
n._22^ segundo andar.________________________
Precisa-se de um caixeiro para tomar conta
de urna padaria : quem se julgar com habiliiagoes
apparega na ra da Senzala n. 96.
AJLxiiJN yAU^ Precisa se alugar urna escrava para servigo-
No dia 24 de dezerabro prximo passado fugio de casa de familia : na ra do Aragao n. 10.
o preto Braz com os signaes seguinles : baixo, re- Bernardo Jos G-mcalves subdito portuguez,
guiar do corpo, sem baroa, cara larga, com mui- vai para o Rio de Janeiro. _____
Us verrugas em cima do olho direito, leyou ca- Prwit.se de um peqaeno isTmTS^
misa de algodozinho e caiga de azulao e outra de preferiDdo.se qae tenha a|gIlma nr,,ira rte molha;
baeta verde, chapeo de pattia, o qual l?ei ja le- dS ara fnforinase$ na raa da Senz3|a Velha
Para Lisboa.
Pretende seguir com muita brevidade a barca
porlugueza tenriqueta, tero parte de seu carrega-
mento proropto : para o resto trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
impe-' C, uo seu escriptorio rna da Cruz n. 1.
Abilio Jos Tavares da Silva convida os
amigos do Dr. Cypriano Feaelon Guedes Al-
coforado para assistirem a urna missa por
alma da finada senhora do mesmo no dia 18
do correute s 8 horas da manha, na gre-
ja do Mosteiro de S. Benio em Olinda.______
Francisco de Araujo liarros convida os
amigos do finado Dr. Vinato Aurelio da Cu-
nha Gouveia para assistirem a missa, que
por alma do mesmo lem de ser pesada no
da. 18 do corjenle-, as 7 horas da manha,
na ordem Wrceira de S Francisco desin ci-
dade.
nha mudado, costuma andar mu ti de vagar e
pnxa pela perna esquerda por cansa de soffrer
de dores rheumaticas, foi escravo d > Dr. Olinda i
Campello : quem o pegar sirva se lvalo ra
das Cruzes n. 32, padaria, que ser bem recom-
pensado.
A pessoa que offere eu 60#000 pelo
cavallo, queira apparecer ra larga do
o. 18.
Precisa-se de um mogo de 14 a 18 annos,
para caixeirj : na roa do Rangel n. 9.________
Precisa-se de 2:0004 a premio, dsndo-se por
garanta urna casa terrea no bairro da Boa-Vista :
quem quizer annuncie.
Perdeu-so na noite de 14 do eerrenle urna.
a pulseira de ourocom esmalte verde no centro, des-
Rosano n. 36, segando andar, das 2 as 0 pateo d9Carmo em direitura a ra do Cano.
horas da tarde.
porto da rna Nova at os bancos da ponte da Boa-
Vista, onde se deu por falla : a pessoa que tlver
achado far favor levar ao pateo do Carmo no se-
Ama de leite.
Ma ra do Brum n. 84, precisase de urna ama, &aio andar do >brado n. 9, que se gratificara,
de leile. trata-se e paga-se bem.
Fugio na noite de 15 de lo do corrente a es-
I'recisi-se arrendar um bom engenho d'agua
que seja perto da va frrea, e na freguezia da Es-
cada ou do Cabo : a tratar no lira da ra eslreila
do Rosario ao vollar para o pateo do Carino n. 47.
Cozlnha-se com perfeigo e primptidao para
os senheres acadmicos : a (mar na ra Augusta
n. 38.
crava por nome Marcellina, crloula da estatura re-
gular, bochechuda, lev.mo umatrouxa com roupa,
bem como deus chales differentes, representa ter
29 a*2i.anfioi pouco mais< on> menos r por tanto,
roga-se aos capites de campo ou as autorldade po-
liciaes a apprehenso da dita, levando-a ra do
Cabuz n. 7, loja de joias.
Atten^ao.
O proprietSiio do hitequim volante denominad
Traviata, avisa aos amadores da festa do Cachan -
g, oem particular aos seus amigos, que nao ten-
do sido possivel acha casa no pateo da igreja, alu-
goa aicaa do Sr. Fleta-ido, denominada Seriaort-
nho, e all offerece os seus gneros do sen bote-
qnm com a malor prompiilao e acelo, e espera a
- Quem annunciou precisar de 2:0004 a pre- proteceao dos mesmos.
mo com hypotheea em urna casa na Boa-Vista, ou I A pessoa qne anruncou no Diario de hon-
qualquer outra pessoaT que precisar da mesmal tem (16) precisar de 2 0004 a premio sobre hyno-
quantia, ou mesmo maior ou menor, sendo com hy- theca em urna casa terrea na Boa-Vista, dirija-se
polheca em predios : dirija ra da Imperador n. a raa do Qaeimado, loja n. 44, onde se dir quem
42, carlurio, que se dir quem d. se presta a satisfazer essa precisao.



'.-Jif\



/
Diario de rerumbao *-- Sexta lelra i 9 ole JReeverelro de 1SO&.

CLUB PEP4ttBlC*N0
A reanio familiar do mez de feereire
ter lugar no dia 27. A directora scien i-
fica que tero igualmente ingresso es Srs.
socios que vierem mascarados sendo pre-
viamente reconbecidos por urna cemm'ssao.
Jsio Francisco Maneel subdito francez vae
a Europa.
Rga-sc ae Sr. bacharel Ceiario
de Azevedo juiz mnnicipal de Garan-
huHS, queira diriga se i praca da ln-
dependeacia ns. 6 e 8, ou ananciar
sua noroda para ser procurad.
GASA DA FORTfliU
Aos 6:000#000.
Bllhetes garantidos.
A' ra do Crispo k. 23 s casas do costche.
O abaixo assignado vendeu nos seas muio feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extraliir a beneficio da matriz da Boa-Visla, os
seguales premios :
Dous racios n. 2550 com a serte de 6:000,8000.
Um meio o. 3172.com a sorte de 1:1004000.
Dous guarios n. 1716 com a forte de 5004000.
E oatras muitas sortes de 2004, 1004, 404 e
20*000.
Os possaidores podera vir receber seas respec-
tivos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da Ia lotera
beneficio da Santa Casa da Misericordia, que se
extrabira no dia 18 do corrate.
PRECO.
Bilhetes.....75000
Meio. ..... 3*500
Quartos.....1*900
Para as pessoas que compraren) de 100t>000
para rima-
Bilhetes.....6*500
lfeio*......3*250
Quartos.....1*700
Manoei. Marti.ns Fiuza.
FABRICA DE CUNEOS DE SOL
v *3 Ra Nova eM*nta;i da Caniboa do Carmo e nu do
Calinga n. 9.
A directora desse estabelecienento o mais importante que existe neste genero
as provincias do norte do imperte, querendo que o publico desla provincia goze das
yanlagens que proporciona a fabricaco em grande escala e directa relacSo oom as mais
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender anda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabe'la:
asa.
Jos Soares d'Azevedo, | rof ssor de
lingaa e lilteratura nacional no Gyn nasio
Provi cial do Recife. tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um curso especial
para cada urna das seguintes disciplinas:
LINGUA FRANCEZA,
GEOGRAPHIA E HISTORIA,
PHILOSOPII A RACIONAL E MORAL,
RHETORICA E POTICA.
As pessoas que d sejaren estudar qual-
quer destes preparatorios podem dirigir-se
indicada residedcia, de manliaa at as 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
O Dr. Joaquim Antonio Carneiro da Cu-
nha Miranda continua a ter sea escrip-
torio de advogado na ra do Imperador
n. 42, pnmeiro andar.
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita-
vel'uublico e a todos os senhores ofciaes do ejer-
cito e da marinha, que contina a ter sua rasa
sorlida de fazeudas e roupas feitas e por medida :
no largo do Livramento n. 34.
Precisa-se alugar
Sebo n. 29.
urna escrava : na ra do
Precisa-se -lugar urna ama que saiba
bem cosinh ir e fazer todo o servir;.. de urna
casa de fami ia, e que de rnaU disso seja
liel c sem vicios. Prefere-se escrava. Diri-
gir-se na Bella n. 37, sobrado de 2 an-
daras.__________________________
Joaquim Pereira Arantes tem encarregado a
cobranna da sua loja a seu filho Adolpho Pereira
Arantes.
A tugase
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feilore
escravos.com banho na porta, no lagar do Poco
da Panella,ruado llio : a tratar com Tasso ir-
maos, na ra do Amonm n. 35.
O abaixo assignado declara one deixou de
sor calxeiro do Sr. major Belarmino do Reg Bar-
ros, desde o dia 14 do correte, firando de contas
jus'as com o mesmo senhor at esta dala.
Trajaao Cezar Ad'lboquerque.
A tugase
acxcellente casa e sitio na estrada dos Afflicto?,
onde morou o cnsul iuglez : na ra do Queimado
n. 18, segunda loja.
O escrivo Silva liego modou sua residencia
da ra Velha para a da Florentina n. 20, onde po-
de ser procurado, e contina com sen canario na
travessa do Ouvidor.
D-se dinheiro a juros sobre hypotheca em
casas, al a quautia de 500* : na roa do Aragao
n. 18 e dir. _______________
Precisase de um menino destes chegados do
Porto para caixeiro : na roa da Senzala Velha nu-
mero 48.
PAlMLftilA
Precisa-se de ara eaixeire cora pratica de pada-
ria, que seja activo : na ra eitreiU do Rosario
numero 5.
Offerece-se m rapaz para trabalhar em refi-
naco, para que tem todas as habilitares: quem
precisar aanuncie ou dirija-se a na a Guia n.
40, loja.
Precisa-se de 2:000* sob hypetheca na me-
tade de um sitio no valor de 4:000*, cuja metade
se acha j hypothecada por 600*, porm se aba-
lende esta qaantia se entrega livre e desembara-
jada, e paga-se 2 0/0 : qqem tiver annuncie.
Domingos Jos Genealves, subdito pertuguez
retii a-so para o Rio de Janeiro. _______
Joao da Ponte, subdito portuguez, retirase
para o Rio de Janeiro.
Feilor.
OBerece-se um homem casado para feitor de al-
gum sitio : informa-se na rae do Queimado d.
32, loja. _____ _______
Precisa-se de um caixeiro : na rna do Sebo
n. 27. Prefere-se Porlaguez, e que tenha pratiea
de taberna e que saiba bem ler e escrever.
Aluga-se a alguma familia urna mulata mo-
ca, lava, engomma, cozinha, e tem mais habilida-
des : quem o pretender dirija-se a ra da Aurora
d. 10, segando andar.
Antonio Bezerra Cavalcaoj tendo encontra-
do ootro de igual nome, por isso flea d'ora em
diante assignando-se Antonio Bezerra Cavalcanti
de Albuquerqur.
Ama.
Preeisa-se de ama ama para tratar de nraa cri-
auca desmamada : na ra do Hospicio n. 36.
Aluga-se a casa da roa do Calabouco n. 8 :
a tratar na roa do Sebo n. 36.
Precisa-se alugar urna canoa de mil a mil e
quinbeotos tijojos : qoem tiver e qoizer alagar di-
nja-se a roa larga do Rosario n. 16, padana
A pessoa que precisa de 2:000* rs. hypothe"
cando metade de ara sitio, appareca na na do
Mrum n. 70, 2* andar.______________________
Preeisa-se de urna ama que entenda de r.o-
zinha e seja de meia Idade : na roa Lima ao p da
fundicao, laberna de Jos Jacintho de Carvalho.
Troca-so ara bom escravo por ama tura*,
que sirva para cosinha, lambem troca-se por di-
nbairo ; na roa dos Pires n. 54,
Descont em duzia.
20 /
10 /o
I* /o
15 /
15 o/o
Chapeos de sol de panno a 2#OG9.......
arraaco de baleia a 24500 .
le seda armacao -de ac inglez de 20 pollegadas
i4, de 24 H, de 26 50500 e de 28 U r
Chapeos de ttol inglezes a balio 12 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 24 pollegadas 80, de 26 90. e de 28 100.
dem idem a balo de 16 varetas palent paragon de fox de 24
pollegadas 110, de26120,de28 130......
Alm de muitas outras qualidades de chapeos de sol que existem na mesma casa
como sejam de alpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tambem de seda e de panno
de todos os tamanbos e feitios, os quaes sao tao vantajosos como os annuaciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caca, os quaes vendem-se igualmente em porco e a relalho, notando porm
que o comprador por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
lliar pelo preco que o^stabelecimento retalha.
N. B. Os objecto comprados em menos de urna duzia serSo considerados como
a relalho. ^
Tmcional "
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna Sanca en dinheir, depositado aos cofres o estado, garante a boa ad
ministra rio da companhia.
Aluga-se o toroeiro andar da casa da ra Direita
n. 36, com maltos commodos para familia, e lera
cano de esgoto : tratase na roa da Cadeia do Re-
cife p. 3. _______________________
Aluga-se o -segando e lerceiro andar com
bem sotao da c;a o. 16 da travessa da Madre de
Dos junto a aKandega: a tratar com Barros &
Silva no pnmeiro andar da mesma casa.
O 3r. Manoei Jos d' Souza Pilanga,
que t ve loja na ra do Queimado, (em urna
carta na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia.
0 Sr. Aureliano C. da Rocha Wander-
ley, queira mandar buscar urna carta na
livraria n. G e 8 da praca da Independen-
cias^______
Alia particular de inslrurcio primaria na ra da
Concf ro n. 6.
O abaixo assignado acha-se no exerciclo do seu
raagisterie, e eentina a receber alumnos exter-
nos e foteries de poaca idade, pelos precos se-
gaintes :
Internos .... 30*000 mensaes.
Externos. 5*000 >
F. Deodalo Lias.
Escola particular.
Clara Olympia de Luna Frein, prefessora par-
ticular de primeiras letras, provisionada pela di-
rectora ({eral da instruccae publica, ten aberto a
sua aula na ra Direita n. 60, segunde andar.
BANQEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
DIRECCAO GERAL
Madrid : Una do Prado u. 19
Esta companhia liga pelo syslema mutuo todas as combinaedes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripgao de maneira que ero nenhura caso mrsmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tao suprehendenles os resaltados qae prodazem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que anda mesrao dimlnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ces e cembinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieax qae e adoptada pela companhia
para seus clculos e liqaida<;oes, em segurados de idade de 3 a 19 annos, orna imporsicao annnal
de 100* produz em efTectivo metlico:
No 6m de S annos.......1:119*300
de 10........3:942*660
. de 15 .......11:208*200
de 20 .......30:256*000
de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect s e mais informacSes serao prestadas pelo sub-direclor nesta provincia,
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia o. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatrz n. 12, estabele-
cimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao.
^H!
O Sr. Tora,uate Mandes Vianna. queira
mandara ra da Cadeia escriplorio n. 47,
para sr-lhe entregue urna e:icomn enda
vinda de Lisboa*
Na praca da Independencia loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro e pratae pedras
preciosas, assim como se faz qualqner obra de
encommenda e todo e qualquer concert.
8
Caroline Francisco de Lima San-
contina a residir na ra do Impe-
rador a. 17,2o indar, onde pode ser pro-
carado aqualquerhora.dodiae da neite
para o exercicio de suaprofisso de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 heras da tarde, devero ser
dallados por escripto. O referido Dr. |
nao abandonando nunca o estudo das j
molestias de interior, prosegue, com o <
maior a lineo, no das mais diffireise deii- <
cadas operacSes. romo se jan dos orgaos j
ourinarios.dos olhns, partos,etc.
XAROPE DEPURATIVO
JLE goux
BR0MO-SULPH0-IODURADO
Este novo producto resultado de urna trplice combiuacao de tres metalloides cujas proprie-
dades sao mui conhecidas, o Bremo, o Euxofre e e Iodo, oceupa hoje a primeira ordem de
entre todos os depurativos dos quaes o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notareis dos hospitacs de Paris, os senhores Cazenave,
Puche, Bazin, Blache, Guibout, Baroschel, Danet, Legroux, Vasse e Aubry, etc., demonstrarSo
sua poderosa effcacia as affeccoes seguientes :
Doenfas de prlli-,
Pariros e boi bulbaa de toda a capele,
Piaran mueoaaa,
Obalrueees I;mphatlron,
Papel raa,
EHcrefalaa,
Abrrtion. paalemaa,
Cancroa,
Uleeraa,
Tlnba,
EicM-kal*,
Plan ou Baubaa (do Bralil),
O Xarpe de Le Goux, de urna fcil digestio e de gosto delicioso, se emprega tambem
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
crian?as debis, escrofulosas e rachilicas ou sobre a influencia de um vicio hereditario, e mui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalho e aos xardpes depurativos e anti-escor-
buticos que se administravio at agora.
Deposito geral, em Pars, na botica Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
Paris, official da Legi&o de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Framboeala,
Ha marea frlaa,
Rarbltlanao,
Oahtbalmla eaerafulaaa c rhraalra,
Tlalea eaerafblaaa,
Arfreeoea aypbllllleaa,
Elepbaatlaala don Greyaa,
E todas o docni,'as occasionadas por um vicio do
langue, e j tratadas sem nenhura succosso pelas
preparares vegeues, iodadas e o oleo d* figado
de bacalbio.
Alugam-se doas grandes sobrados com cora-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardm.cochelra, estribara e outras commo-
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira : a
tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Precisa-se alugar urna preta para todo o ser-
vico de acca casa de familia : na ra do Trapiche
numero 4.
Deposite feral do rape prineeza (iasse e Paili
Cordeire aesia prafiacia, raa da Cru Home-
ro 18.
Jos Joaquim Lima Oairo, recebedor do rap
prineeza Gasse lino, meio grosso e grosso, Paulo
Crdeiro, dito meio grosso e viajado, qualidades
estas que tora nesta provincia obtido grande cr-
dito pela sua expeliente fabricaco, emateria pri-
ma de que composto ; isla o atiesta a innmera
exiraccao que elle tem ldo, e a condecoracao que
obteve'na exposico nacional, cuja medalha vem
gravada nos rtulos des mesnios botes, leern elle
de mais a vantagem de uo terir o nariz. Tam-
bem vende-se o rap denominado Amarillinho que
na Bahia goza de grande aceitarlo. O deposito
acha-se sempre sapprido de todas estas quali-
dades. _____________
O solicitador Pedro Atexaadri-
uo da Costa alachado
se encarrega ante o fore desta cidadede todo tjno
for tendente a suaprofisso, aceita departido an-
nualas pendencias judlciaes de qoalqaer casa
com mere i a I mediante razoavel ajuste. Contina
a seencarregar de cebraagas nos termos do Cabo
e Ipojucaaonde continua a trabalhar como d'an-
les,e encarrega-so de defezas perante o jury nos
termosproximosa va frrea, offerecendo gratui-
tamente seus servidos aos desvalidos, pode ser
proeu-ado todos os dias atis das 9 horas da ma-
ahaa as3 da tarde na ruaestreita do Kesario n.
34, e fora dessas horas aa ra Imperial n.36, ca-
sa de saa reideacia.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 24
do ra da Cadeia do Recife, entrada pelo becco
Largo : a tratar/To armazem do mesmo sobrado,
ifKKsSUSlt inillll WkVmWB&t\
Q bacbarel
Antonio Joaquim Ayres do Nascimento
tem o sea escriptoriodeadvogaciaaa ra
estreita do Rosario n. 8, onde pode ser
procurado das 9 horas da manha as 4
da tarde.
AMA.
Precisa-se de nma ama para casa de familia :
na pra?a doCorpo Santo n. 17._______________
Saca-se sobre Lisboa, Porto e liba de
S. Migue', na ra do Apollo n. 20, escrip-
lorio de CarvalhoeNoguera._________
Aluga-se a loja da casa n. 59 da ra Augus-
ta ; quem pretender dlrija-se a mesma casa cima
que achara com quem tratar.________________
Aluga-se um sitie na ra do Cabral da
cidade de Olinda, com casa terrea.com co-
piar nfrente, bota of fundos para aestra-
da e margen do rio Beberibe, com com-
modosparafamilia, estribariapara cavalle
e capim para sustenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinho defronte nem pelo
fundo.com ptimos passeios,sala e gabi-
nete na frente, muito propria parapassar a
I festa.e tambem se alugar poranno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da praga
jda Independencia, e em Olindanacasacon-
tigua:om o capito AntonioBernardoFer-
reira.
Sitio.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdadede Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legiao de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paria.
Este xarpe composto a mais de vinte annes pelo sabio lente Boullay, constitu a melhor
maneira de administrar o Elher. He empregado com suocesso em todas as doencas que tirio sua
origem de um erthsmo nervoso, como sao as:
F.maqtiera,
Neiralglaa,
Eapaamaa,
Aiiaqura de nrvea,
Verllceaa,
sjncapea,
Calmara de eatamago,
Iadlseataea,
CanTBlaoca,
Aeeeaaaa hyaterieea kyaa-
drtaeaa,
r.allcaa vcaleaaa OU aera-
aaa, hrpalleaa flalulcnlaa,
Aeeeaaaa de sata a de rhea-
aaatlaaaa,
Caaaa de eaveaealeaaeBla,
te., ate., ele.
Deposito geral, em Por, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro d* Academia
imperial de Medicina de Paris, official da Legi&o de Honra, rut des Fosss-Montmartre, 17, c
cm todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
_____________________SUFTOCgiO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio efticaz para combatir estas molestias, acalmar um altaque d'asma e impedir a
volta o Xarpe aromatice de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. DoocoberU inteirameate
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveii resol-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, rna do Comercio, Paris-Grenelle, con todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
Aluga-se o sitio n. 2 junto a capella do Rosari-
nho, com amitos arvoredos de fructo, casa com
tnuitos commodos, cocheira para animaes e carros
e baixa de capim : a chave est no sitio defronte,
do Sr. Fialho, e trata-so na raa Nora n. -Vi, ou ao
Recife, ra da Cadeia n. 3.
Aula particular.
0 abaixe assignado, professor particular,provi-
sionado peladrectoriageralda instruccaopublica
para ensinar primeiras leltras, lalim efrancez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhores pas de seus discipulosque segunda-feira
9 do correntetem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admittindo matricula alumnos
externos, pensionistas e meie-pensioni.Mas. A pra-
tiea de l9 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteiradedicaco e suamoralidade
sao garantas queoffereceaos senhores pais de fa-
milias, que desejam a sa e til educagao a seus
Unes.
Quem perianto qoizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educaco de seusfllhos, pode dirigir- se
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da roa Nova, onde ha muito lempo est
estabelecido.
Jos Maria'.iluchado de Figucirede.
Delouche avisa ao respeitavel publico que
comprou o estabelecimeoto de banhos, sito no pa-
leo do Carmo, que contina a dar banhos como de
cestume, declarando que os cartSes assignados pe-
io Sr. Caucanas terao vigor para tomar banhos .
at o dia 28 de fevereirode 1865. O mesmo convi-
| da o respectivo publico que comprela ao mesmo
estabelecimento, que vero execntado com todo o
esmero o systema e asseio que deve ter tal estabe-
lecimento.
Prego dos banhos.
Banho fri on quente, tomando 10 car-
toes, pelo prego de......4000
Um banho avulso ou so..... 500
COMPRAS.
0 GASTELLO DE GRASVILLE
TraiiiMe de fraueei per A. J. C da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatre-
tomos pelo baratissimo preco de 2500:
na praca da Independencia, livraria ns.
6 e 8. -
FOaLHISHAS
Har 165
Aebam-se venda na livraria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabeHas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
na es do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainba em versos, o Stabat Mater
em verso, devoc5o ae agonisanle, corac3e>
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Mara Nes-
sa Senbora, trinta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinbeiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs._______
Agna de Vichy a 1*100.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 39
recebru agua do Vicby a 1*200 a garrafa, a qual
| o nico remedio para molettia de pedras as
oorinas, pois algumas pessoas qae toffre da dita
molestia, e tem usado desta agua tem tirado per-
feitamente boas; o euja agua applicada pelos
mdicos.
Vende.se a taberna da ra da Conccico a.
11 confronte ao rancbo, coja'tem commodos para
familia, e faz-se lodo o negocio a dinheiro ou mes-
mo a praso.
AttencSo.
Doce de jouba fino em latas de 4 e 8 libros, per
precos commodos, qneijos de Minas a 1M, lin.
guas da America sm salmora a 320 ris, queijos
de Alentejo a 25 : na ra Nova n. 8 loja do cha
COMPENDIO D0L0K0S0
que cotUm o oflicio de Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
rda, um setenario e mais outres exerci-
cios de piedade e devoco; ordenado pe-
la irmandade dos senos da mesma Se-
niora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Penha do imperial hospicie dos re-
verendos padres mtssionarios apostlicos
capuebinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. L, que Deus guarde;
dado luz por devocao do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deMbsina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
FJ5o~
Na ra da Madre de Dos n. 9 vende-se feijlo
mulatinho. dito branco, e dito preto, mais barate
do que em outra qualquer parte, approveitem a
peohinclia que a quaresma bale porta.
- Vende-se calcado franrez da barra franceza
S. Joao da Luz, na ra do Livramente n. 21.
Borzoguins de lustre (Nanles) 6*000.
Ditos de hezerro de tres solas (Nanles) 6,5000.
Ditos de bezerro de duas solas 65000.
Sapatesde tpele 640 rs.
Kovidade
Roupoes de sucim de linho para senhora, pelo
barato prego de 95 rada um, laazinhas econmi-
cas para vestidos a 360 o covado, ctapoos de pa-
lha da Italia de apurado gosto a 145 : na ra do
Queimado n. 17,
Compra-se um buhar novo ou usado: ni ra
do Rosario estrena, travessa do Gueimado n. 18
loja de miudezas
Compra-se uina cabra (bicho) parida de
pouco : no caes d > Ramos n. 24.
Compra-se um piano de jacarando, em bom
estado : na ra do Brum n. 70, 2o andar.
(o ni pa ni-si; esc rayos.
Silvino Guilherme de Barros compra, vende
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade
na ruada Imperador n. 79, t;rceiro andar.
Compra-se ouru r prata em obras velhas, pa-1
Sebeada n ^ ** b'he'eS ^ Pr3Ca ^lDde"'' Vende-se u,Da arma5 de laberna <*organsa-
,----------------------------------------------- ] da e em ponte pequeo, eonlendo alem dos utenci-
Lompra-se efTetlivamente euro e prata em | los dous depsitos para apuardente e um para
Pee hincha
obras vclhas, pagando-se bem : na ra larga
Rosara n. i, loja de. ourives.
Algodo em carolo.
Compra-se qualqBer quanlidade por maior pre-
go do sa do Carioca n. % raes do Ramos.___________
- Campra-se um escravo mogo, sendo bom co"
zinheiro nao se dnvida pagar bem : na ra da Ca"
deia n. 28.
VENDAS.
Vende-se um ptimo mallo para ca-
brioL'J OU ca ro : a tratar na ra larga do! Europa crysulsadas.e chocolate emeaixinhas ri-
azeite de carrapato, e se informa urna exreente
i casa para a collocar, caso o prelendenle queira,.
ao que se garante chave : a tratar na laberna
da roa do Principe n. 32.
Fcljo.
Vende-se urna porco do feijao molalinho muito-
novo a 15 a cala, dito prelo a 880 rs., dilo rajado
do Porto a 520 rs. : na ra Direita n. 8.
Bazar commercial
Ra Nova n. Cl.
Novaes 4 Filho acaba de receber um lindo o
variado sortimento de amendoas confeitadas e con-
feitos om frascos e cai'xinhas com o maior asseio
possivel, assim como um sortimento de frucias da
Resario n. 36, segundo andar, das 2 as
da tarde.
G
P< curadora.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
ce de Leoo, como solicitador, se encarre-
ga das causas crimes, civeis, commer-
ciaes e eclesisticas. Elle anda recebe
algumas casas de partido, mediante a
um ajaste razoavel. Pode ser procura-
do as salas das audiencias ou na roa
Imperial sobrado n. 64.
eamentedouradss, assim como outros multos ob-
jectos e se deixam qnde publicar.
Viiilie da Nadeira t do Porta
Vende-seosuperiorvinho da Madeirae do Por-
te,om caixas de urna e duas dazias : so na loja
do Vigilante.rua do Crespo d. 7.
Simo de Mantua
ACTllSIt
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22. em casa de Caros i Barbosa.
ttoubo.
Furlaram hoje no caes 22 de Novembro confron-
te a loja de Antonio Jos do Reis um rrvallo roda-
do apatacado, rlina corlada at o meio, rabeca
apedrezada e cauda grande, ferrado nos qaartos,
inteiro, i oncoino : pede-se as autoridades poli-
ciaes a apprehenso do mesmo.
Companhia Hdelldade de
segaros martimo e ter-
restres estabeleeida ao
Ro de faaelro.
AGKNTBS EM PEPIUMBOCO M
Antonio Loix de Oliveira Aze vedo t C,
competentemente autorisados pela direc-
toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio raa da
Cruz n. I.
S
Furto.
Hootem pelas 9 horas d manha desapparecea
um preta que conduzia um caixo comeado livros,
folhetos e vidros de remedios para a rasa do Dr.
Sabino O. L. Pinho, sendo o caixo marcado com
as iniciaes S. O. L. P. O mesmo preto irazia do
braco 4 calcas de brim branco,' das quaes eram 3
novas e I asada, e mais 3 caigas novas de brim
pardo. O caixo continha :
7 exemplares de thesouro homeopalhico.
29 folhetos para tratamento do cholera-morbus.
21 vidros de tintura de sulfur.
2.' ditos de espirito de camphora.
Quem apprehender esses objectos reeeber do
mesmo Dr. Sahino a graticaco do 504 aa ra
Nova n. 43.
Est para ilugar-se ama casa terrea na roa
da Gloria n. IV, um 1* e 2a andar de ara sobrade
na rea do Rosario da Boa-Vista, qoasi no pateo da
Santa Crur, e ama mei agua na estrada de Joo
de Barros, cem arvoredos, afna de beber, e porto
para o beceo do Pombal : quem pretender falle
na rna das Cruzes, sobrado n, 9, das 9 horas da
jnanbaa al ao meio dia.
nobllla
Alugam-se mobilias : no pateo do Tergo nume-
ro42.__________________________________
Aluga-se o segundo andar e sotao da casa n-
37 da ra da Cruz do Recife, com commodos pro-
pnos para familia, por preco rommodo : a tratar
na mesma casa com Joaquim Fernandes da Costa
mmmmmm m-mmmmmm
O baclaa re
Francisco An|Bsta da Cesla
ADVOCADO
Ra do Impudor numero 69.
mmmm msmm mmwmm
Chegaram do Aracaty os afamados bicos da
trra sortimento de todas as largaras e por preco
commodo : na ra da Cadeia do Recife n. 39.
Precisase de ama pessoa de idade, He I, e da
boa conducta, para tomrr conta da casa de nina
familia estrangeira : trata-se aa roa do Vigario
Damero S. ____
Para escriptorio
Alagase o primeiro andar da raa do Crespo n.
23 : a tratar na loja.
aaf aaf faSaSaal8SI MSMpi jaMaM jOJf^HIjK
aTV^aafiaB^RSaaMiaB aaaaraj aaaaTOa vTR^Rl 9S5/972
ADVOCACIA
0 Dr. Maaoel do Nscimenlo Hachado
Porlella
Bacharel Joaqaim Pires Hachado Parlella|
8
continuaiD la- advogar do civel, erime,
commercial, ecclesiastico e administrati-
vo, podem ser procurados em sen es-
criptorio aa ra do Imperador n. 83, pri-
meiro andar.
Coasaltorio medico-cirarfico aa raa larga do
Rosario a. 20.
O Dr. Joo Perreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio do saa proflsse
nao s na parte medica como tambem ca ciror-
gica. _______________^^__
. O London 4 llrazillaa Bank, saca por todos
os paquetes, sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaries.
Villa Real. "
Coimbra.
Amarante.
ALMANAK.
Acaba de fallir dos pr-
los de nossa typograpbia o
Almanak AdmillistratlVO Cl Attendendoascircuinslaneiasdotempo atou-
ir ii t 3 ^J. ',1 Ja.1. troaviso, resolvo-me a vender a obra de Simo de
MerCailtll e IndUStrial deSta Nutoa pele diminulo preco de SOO rs. cada exera-
w _x. _xr o P'ar. A ebra completa, lema segunda parle das
prOVinCia, COrreCtO at O obras posthmas.e bem impresso? tem a^estampa
de Simaode Nantua, e de meia enradernacao :
na ra do Imperador n. 15, defronte de S. Fran-
cisco, onde tambem ha para venderse urnas pon-
cas de calas de papel do Diario vasias, e pele
mesmo preco que vende o Diario.
de dezembro, e vende se a
l*j; na livraria ns. 6 e8
da praca da Independencia.
fiikt d Psrta aiperior
em barris de eitave e dcimo, veade Amonio Lniz
de Oliveira Azevede k C.: no sea escriptorio roa
da Ou j 1
Uta 4a Seazalla JU i. 42.
Neste estabelecimentoWendem-setachas do
(erro coado libra a{l(0 rs., idemde Lov
Moor libra ai20 rs._________\________m
VendnTse charutos da Rabiado varias gua-
lldades: em ".asa de Monhard k C. raa do Tra-
iehe a. 48.
Veode-se a barcaca Paraguast, de lotacao de
20 caixas, quasi aova, e bem construida : a tratar
aa roa do Crespo n. 7 A, cuja barraca se acha
fondeada defronte do trapiche do Sr. Machado.^
Vende-se um terreno com 30 palmos de
frente e 280 de fundo, bem plantado de larangei-
ras novas e mais fracteiras, e cacimba, na Capan-
ga, estrada do Lacerre : a tratar com o Sr. Joao
Simoes de Almeida, rna do Vigario.___________
Vende-se a casa terrea em Olinda, no lugar
do Arrombado, com 4 quartos, quintal murado
e bastante grande : a tratar com Joaquim Jos
Ferreira de Almeida, no lugar cima indicado. 0
Mtencao.
Vendem-se excelleotes enfeites para os masca-
ras a l, s as Das valem 24 ou 34, nao se fal-
lando das bellas flores que lem, assim como anda
existem algumas gangas amarelas rom toque de
j a varia a 240 rs., e brins escures propnos para fa-
bricas de eagenho tambem a 240 o covado : na
ra do Imperador 20, loja.
0 local convida.
Veadom-se 12 qaartos servidos por um porlao,
em boa ra : quem os pretender dirija-se a roa
Direita o. 22, rtfinacao.
barricas com gesso
mos.
Gesso
nos armazen*
de Tasso Ir-
Cimento romano e de Fortland
nos armazeas de Tasso Irmaos.______________
Parata
em saceos de mais de 100 libras : nos armazens
de Tasso Irmaos.
Para todos.
O abaixo assignado faz scieete ao respeitavel
publico que mudou a saa offleina de palhiaha da
raa do Impr-ador n. 24 para a raa das Crotes n.
23, igualmente tem para vender palha t janeo
mais barate qae em outra qoalqaer parte.
Manoei da Costa Azevedo Napoleao.
Vende-se ama mobliia de Jacaranda, com
mesa e bancas oom lampo de pedra em perfeito es-
tado, e por commodo prego e mais algnns objectos f
na casa da roa do Imperador n. 79. 2* andar.
(Jiieyo suisso
No armazem de molhados, do patee do Carmo,
esquina da ra de Iforlas n. 2, vende-se queijo
solsso maito fresco a 800 n. a libro.
DROGARA.
34Rujiara do Resario34
Barlhelornei Francisco fe Sana k C.
Veadeaa:
Aeide actico paro pira retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieses avelladadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Veneza, fino, em pes.
RAPE'I
Dnarte, Pereira k C. continnam a vender e afa-
mado e fresco rap Prineeza de Pelropoles em sea
grande armazemde louca a vidros : i roa de
Crespo a. 18.
abnca Coneei$o da
Babia,
Andrade 4c Rege, recebem eoasuste-
mente e tem venda do sea armazem n.
34 da ra da Imperador, algodao d'aqael-
la fabrica, proprto para saceos de assu- _
car, embalar algodao emploma etc., etc., f
| pelo preco mais razoavel.
jBnKiwSRw 111 MaMH
Bom Ylnho verde.
Davym & Cavalcanti/eceberam o bom vinho de
Alto Dbnro.o qnal estao vendende a 41 a ranada,
por garrafa a 360 rs.; na raa da Cruz n. 68.




.1
A
aaaa*


^^
I
"
Diario de Pernambuco Sexta felra IV le Fevcrelro de !?.
PILHLAS CATHARTICAS DE AYER.
Estas ptalas vegetaes sao a-
daptadas a todos os uses de un
.purgante as familias, pois e
'perfillamente innocentes, e en
quanto milhares de pessoas coa-
fessam coaa graticlao que foraaa
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um s caso em que baja suspci-
tas do mais leve resultado inju-
riosa por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
IPASTILHASIii
ESTIVAS
DE PEPSINA!
1
Afccfi* caroaiea i* a.
** ILLM. S.
Juiz de Fra, 17 de fevereiro ie 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que rae fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
fer mida des do ligado e bago, coaa o uso
das pi lulas posso lhe assegurar que estou
bom, pos tendo desapparecdo um grand
ngorgitamento que soffria, rauitas dores
sobre a regiae do figado e costas, dores de
caneca, inchaco do ventre, nao podendo
deitar-me seno do lado direito, isso mes-
rao procurando posicSo para ter socego, ho-
je me acho livre d'esse padecimento ; come
por aqui anda as nao.haja, eu como tenhe
este proprio que de casa, lhe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle lhe sa-
tisfar, assim bem como do charepe de
cereja, que tive occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve urna
preta que com elle curei, faco uso d'elles
Das tosses em minha familia sempre em,
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, "porque tenhe
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, todas teem tirado grande
resultado; sou
De V. S. attento ebrigado,
Francisco Febreiba Paes.
Reumatismo e ataques bfmorrhoidars.
Iliji. Sr.
Ouro-Prelo, 30 de margo de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo,' e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que al j pouco ouvia, e
acompanhado de urna dr no queixo, con-
sulte! a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazcr uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conla principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portanto sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado ;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
JoAo Rodrigues Feu de Cabvalho.
Gamito.
Ouro-Prelo, 29 de marro de 1864.
Atiesto que tendo feito uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
liquei perfei lamente bom de urna gastrite
que soffria e que privava-me de andar aper-
lado, hoje felizmente nada sinto.
Augusto Gollatino de Mello.
Falt de apetite.
Ouro-Preto, 24 de fevereiro de 1864.
Sendo eu affeclado do figado ha muiloi
annos, e ltimamente soffri falla de apetite,
boje dou gracas a Deus por achar-me se
e perfeito com o uso das pilulas catharticas
o Dr. Ayer.
Antonio Braco Vieiba.
' Constiparn, dores de cabera.
Ouro-Prelo, 28 de margo de 1864.
Atiesto que achatido-me atacado de urna
forte eonstipacao qu trouxe-m* dores por
todo -o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
mente por espaco de quatro dias; entSo
um amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas catharticas do Dr. Ayer: com ellas fl-
qoei sao e completamente restabelecido em
tres dias, de sorte que estou no firme prG
psito de aconselhar o uso das ditas pilulas
a todas as pessoas que forem affectadas de
constipa ijSes.
AGOsnttue Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. ________
irrilace do estanaio.
Ouro-Pi-eto, 29 de margo de 1864.
Atiesto juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muiio teinpo excessiva irritacae
de estomago, pouco apetite e difficil diges-
15o, d'ella tebo experimentado sensivei
melhoras depos que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hmiiiogenes Perciba Rosa.
Uabrifl.
Ouro-Prelo, 24 demarco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas) fo-
rara empregadas con grande vantagem por
mira em urna menina de dez annos, que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
que os symptomas que entio apresentava
eram de molestia bstanle perigosa.
Ratwjndo Nonato de S. Tiiiago, pliarma-
ceutico.
Blarrkcaa e a
lira* lirada
cas rl*araf
aereclaaaaa all-
aieataa.
Nevralgia.
Urna carta do Illm. Sf. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
do hombro e as costas, tomei urna intini-
dade de remedios sem adiar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimera o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pillas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completamente restablecido ; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas piiuias acham-se venda as prin-
cipaes boticas dregaras do imperio, e no
Rio de Janeiro, roa Diroita n. 1S.
Vende-sa em Pernarabuce:
na pfcarnaacla franeeza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
DE WASMAN
As pastilhas digestivas eom a pepsina de Was-
man, emprrg o se com suecesso h j alguns
annos pelas celebridades medican de Paria,
Londres, Yienna, etc., em todas as ineommoai-
dades em as quies i digesio difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: efe o melhor
remedio para cu ral as
Caatralelaa.
aj.ppi.
iBhiraclK gati Iraa
A ga.lrllf.
Aa aBeacea arsjal-
aata da aalaoaaia.
Em todas as molestias empregio-se a miude m
aguas alcalinas, especialmente a agua d* Vicny,
e igualmente aspasiilhas de Vichy. Esse meio s4
etncaz quando se trate de dispepsias de curta i*-
racio, mas o prolongado u so das aguas e pastiUuu
i Vichy, lem grandes inconvenientes, por quanto
s alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
mancira que lhes arreblhio a parte vivificante,
utritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contraria,
como alia una substancia orgnica, albuminosa,
transforma-sc ao mesmo tempo que se effectua a
transformacao dos alimentos assimilhando-sa
como elles e ajudo labem como elles a nutricio
5eral. Sua accio vivifica o sangue e os ergios
e tal sorte que, ath as pessoas que sem soffrtr as
affecgdcs gstricas cima mencionadas sio nica-
mente iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessitio substancial alimento para for-
tificar se, acliio no emprjo das pasthas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 suecesso das pastilkas
pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
siucaces e imiiaroes d'esse producto que t
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacio a pepsina que n'ella eatra, jai
alterada. Seremos ao abrigo oeste inconveniente,
exigendo os compradores que as postilaos tenhlo
as iniciaes B. P. e saiio da pharmaciaGhevrier.
Depsito geralem Pars, pharmacia Chajvrior,
14, Faubourg-Montmartre, e em todu u boas
paarmacias de Franca dos paiiss estrangeiros.
Fazendas pretas para aqua-
resma.
Xa loja do Pavo.
Acha-se este estabeleciraento completamente sor-
lidode fazendas pretas proprias para a quaresnza,
a saber :
Grosdenaples prelo largo e muitissimo encorpa-
do, outros mais estrenos tendo dos procos de
1*280, 1*600,1*800, 2*, 2*400 e 3*, superior
moreantique preto a 3*, superior sarja preta be>-
panhola, superior setim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, ?outembarques milito bem eofei-
ladas, ricas vas juinas e casacos dos mais moder-
nos que (em vindo, superiores manteletes, camisi-
Hbas com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, tndo isto se vende mais ba-
rato do que era oatra qualquer parte por ser a di-
nheira : na loja do Pavao roa da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva. *
As ro.ipas do Pavao.
Acba-se neste esubclecimento um grande sorii-
mento de roapas feitas para homem como sejam :
superiores paletots sourecasacos de panno preto
muito Ino e forrados de seda a 22*. So* e 30*,
ditos forrados de alpaca a 14*, 16* e 20*, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
0 VIGILANTE
Ra do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo aom-
brecisacos, ditos de meia casemira pretos e de co- P8S0.Balllsa- SD rdem do da, e pela Branca
res, ditos de bnm de todas as qualidades, eolletes
de casemira pretos e de cores, velludos, setins
etc., sendo todas estas obras cortadas por uro dos
melhores mestres nacionaes, manda-se fazer qual-
quer obra por medida : na loja do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
;Chitas em cortes coa 10, li e 12 covados
Aguia, apesar de que, para estes o Galle com seus
agudesespordes nuncaos offendera, antes sagra-
RIVAL SEM SEGUNDtji
9m do Uueiuudo ns. 49 e 65, loja de miudezas
de Jos de Azavedo Maia est toliusano *
vender maito barato, pois seu genio dar a fazeD-
da por todo prego a vista dos rohrs.
Cartas dealiinetes francezes da melbor qoslidadt
a 80 rs.
Grosas Je peonas de aro inglczas da melbor qua-
lidade a 610 rs.
Cairas de clcheles francezes de superiores quab-
dades a 40 rs.
Grosas de botos de madreperola muito finos a56(
e 640 ris.
Carreteis com 4 a o lavas de retroz preto fino a
640 rs.
Reiraas de papel de peso liso muito superior
1*000.
GrK<^1" da liga e de outras mnitas qualidades i
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Buzia de bolSes branco para casavequesde senho
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreius com 9 varas carao-
tidasa 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prende'
a lera 800rs.
Gssegredos da natareza para os meninos a pren-
der a ler a 1*000.
ciara na mesma conformidade, para que o Baliza,, ^*" Ahas,a dou!riQa cbrislaa, Onas a superiores a
320 rs.
pessa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levanlarseu v6o,|levando no bico as paliabas sen
. niuha; e o Gallo ficar em seu espagoso campo
dando de novo o sen canto anounciando a seus
Na lojadoPavaovende.se urna grande poreio ?gB^.j jg!^^jtt"?.-.
de cortes de chius nncezas sendo claras e esc- Ira"6 rtiBlO de objectu de uto josIoim
ras todas de cures', as com 10 covados a 3*200,. acaba de reeeber.
com 11 covados a 3*600 e com t covados a 4*, I Ricas caixinhas com msica ricamente enfeita-
pechincba para se apurar dinheiro : na loja do das para costura, proprio para um delicado me-
Pavao, de Gama & Silva, ra da Imperatriz n. 60.' niio.
As cassas suissas de uma s c: a 360 o! Riquissunos eoresinhos cora cadeados d metal
ado ou a 600 rs. a vara. IP"* guardar joias.
Ricascaixas cora estejo, contendo todos os per-
lences para homem.
Riquissimas voltas fingindo perola.
Ditas com laclnhode Illa.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
suras.
Liados aderemos coa pedrinhos fingindo bri-
tbantes.
Ricas fivellas para cinto, de todas as qualidades
e bom gosto.
Ricos cintos do ultimo gosto do Pars.
Grande sortimento de lindos enfeites para cabe-
ca, sendo do ultimo gosto e de todos os prego?.
Flores muito finas para noivas.
Luvas enfeitadas e meias de seda para noivas.
Touquinhas sapalinbos e meias de seda pan
baptisado.
Riquissimas fitas de todas as qualidades parala-
GRAGEAS
GLISECONT
Approvaddi pala Academia da Medicina da Paria.
Resulta pelos dous relatnos, adoptados pela dita
Academia em 18to e em 1858, que as GRAGEAS d
ferruginoso para curara cliloroiis (alias fluor-albo), os
laxos brancas, a fraqueza de compleiiia nos dous
aaxos, e tambem para ajudar a menstruacto das mocas.
Katas Grageas nao sao tendidas senao em camuas
u vidros cobertos com rotulo e fechados com ama tira
teraido a firma do depositario geral : i.ahm.ovvi,
fharmaceutico, ra Bourto*-V\lUntuve, 19. Vara.
Deposito eral em Pernambuce ra da
Cruz n.22 em casa de Caros A- Rarboza.
co
Acaban de chegar as mais modernas cassas
suissas de uma s cor com cordozinho, lendo as
cores mais modernas que lem vindo ao mercado
o vende-se a 360 rs. o covado ou a 600rs. a vara:
na loja do Pavo, ra da Impe.ralriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Meias casemirasa 1A600.
Vendem-se superiores meias casermras proprias
para caiga, eolletes e paletots sendo fazenda muito
encorpada lisas e de quadrinhos e que tambem
servem para capas de senhoras e vendem-se pelo
baratissimo prego de 1*600 o covado ou 3* o cor-'
te de caiga : na loja do Pavao ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Co tes de vestidos pretos.
Vendera-se ricos corles de vestidos pretos bor-1
dados a vetiudo pelo barato prego de 25* rs. cada
um : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grande llqnidacSo.
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas
d i Pavo de Gama & Silva.
Acha-se este estalHecimeotocompletaraeate sor-
tido de fazendas inglezas. francezas, allemas e
suissas, proprias lauto para a praga como para o
nato, prometiendo vender-so mis barato do que :
em outra qualquer parte, principalmente sondo em j
porgo, e de todas as fazendas do sa amastras,
deixando llcar penbor, ou mandam-se levar era ca-
sa pelos caixeiros da loja do Pavao.
Vestidos sout mbarque
Pelo uitimo vapor francez chegaram riquissimos'
vestidos a' soutambarque, os mais modernos que
neste mercado lem apparecido, os quaes esto
promptos com san, corpinho e seu competente
souiambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e i
renda. Quem tiver bom gosto dirija-so a' loja do
Pavao, na rna da Imperatriz n 60,
As lazlahas do Pavo.
Vendem-se laazinhas de quadrinhos transparen-
te?, boa fazeoda, pelo prego de 280 ris o eovado,
ditas largas muito finas a 400 ris, ditas estampa-
das, cor segura, padrees miudos e grandes a 320
ris o covado, ditas transparentes com palminhas
de seda a 400 ris, ditas escocesas a 560 ris, isto
tudo para liquidar : na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz o. 60.
Os mais modernas vestlilos a Haria Pia,'o?s'o, paradentes.
go, ciise cinleiros.
Camisinhas e gollnbas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
sala.
Grande sortinentode gravatinbastanto para so-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e decres.
Casearrilhasde bonitas cores.
Trancinbas, galo e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
Papel amisadee de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos delindos padrSes.
Lencinbos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
nas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Tnesouras e caivetes de todas as qualidades.(J
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerecimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Aguaverdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos qaadrados egarrafinhas.
Pomada fina de todas as qualidades.
Superior banha era frascos e copos de todos os
tannos.
Sahoinglez em paos grandes e pequeos.
Escovasie cabo de madreperola, marfim e de
Pentes finos de marfim a 1*000,1*200 e 1*500.
res de I uvas de seda para horneas e senhoras a
500 rs.
Gollinbas para senhora o melhor que ba a 320 e
50 rs.
Frascoscora superiores banhas a 240, 320, 500 t
1*000.
Livrosqueserveparaassentarroapa,pelodiminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finesa oOOrs.
Cordo branco para < sparii II. muito superior,
vara a 20 rs.
Carrilis com 150 tardas de linba branca a 60
ris.
Candes com 200 jardas de iinha branca garanti-
das a 60 rs.
Grosas de pennas de age superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
Ibas a 160 rs.
Pares de botdes de pnnho, oh que pecbincba a
120 rs.
Tinteirosde vidro com tinta a 160 rs.
Ditos deSarrocom superior tinta a 100 r..
Grosas de botdes delouca prateadoi. muito fino a
160 rs. _
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpardentes, superiores a 200 rs.
Caixascom superiores phosphoros desegurangaa
)60 rs.
Caixascom 100 envelopeso melhor que ha a 64o
ris.
Caixascom 20 quademos de papel amizade,muitc
fino a 600 rs.
Quademos de papel pequeo muilo Uro a 26 r>
Grande liqui das finas, ra da Impe-
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de Lourenco P.
Mendes Guimaraes.
Faltadas para o carnaval.
Vende-sc velbotina de lodas as cores a 800 rs. o
covado, ganga encarnada a 'iCO o covado, sarjflim
de cores a 280 o covado, alpaca de cores rropfl
para vestuarios a 320 e 360 o covado.tafela de ?rda
de todas as cores a 600 rs. o covado : rna da Impe-
ratriz, loja da Arara n. 56.
Cbilas baratas a MO rs '.'
Vendem-se chitas finas a 246 e 280 o cevado,
chita francezas finas a 320, 360 e 4C0 ro., cassas
finas de cores a 326 e 400 rs. o covado, per calis
finas para vestido o 500 e 560 o covado : rea da
Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Caries de eanbraJas, a Jrara vende a 3(5.
Vendem-se cortes de ranbraias finas Lranras a
3*500, 4* e 5*, cortes de cassas francezas Orias
3*, cortes de chita de 10 covados a 2*400, ditas
finas a 3*209 : na loja da Arara, ra da Impera-
triz, n. 56.
dos a 3* e 3*500 o covado, grodenaple preto fino
a 1*660,1*800 e 2*, dilo superior a 2*6C0, dito
ruin 5 palmos de largura a 3c o covado, panno fi-
no preto a 2*, 2*800, 3*500 e 5* o covado, case-
mira preta fina a 2*, 2*500 e 3* o covado, alpaca
preta a 500, 600 e 800 rs. o covado : rna da Im-
peratriz, loja da Arara o. 56.
Arara vende cortes de casemira preta a .IpOfl.
Vendf m-se cortes de casemira preta a 3*500,
4*, 5,5u (5, dilas de cores a 3*,4*. 5* r 7*. cor-
tes do brlra e ganga para raiga a 1*600, 1*8C0 e
2* : rna da Imperatriz, loja da Arara n. tt.
Panno de linho a 4>40 rs.
Vende-se panuo de linho para lenges e toalhao
a 640 e "0, hamburgo a 500 e 560, bramante de
10 palmos de largo a 3* e 2*500 : ra da Impe-
ratriz n. 56.
Arara vende os baldes a 3<5 t madapsle a #.
Vendem-se baloes americanos a 3*. 3*500 e 4J,
ditas de musse.Hna a 4*500, pegas de madaptiRp
enfestado a 4*, dito de 24 jardas, largo, a 6*CC0,
6*500, 7*, 8*. 0*. |0* e i?*, finos, alpodio pe-
gas a 5*, 6*. 7* e 8* : ra da Imperetru, toja
da Arara n.56.
Soulambarques prtles a 20
Vende-sc soutambarque preto de grosdenp'e a'
26* e 25*, capas pretas de grosdenaple finas a
20*, 25* e 30*, soutambarque d lazinha a 7* e
8*, ditos de alpaca brances a 8* e 10*. rires ves-
tidos Mara Pa de novo gosto a 8*, 12*. Ufi,
16* e 20* : ra da Imperatriz, loja e armaicni a
Arara n. 56.
Grande sort1 Intento de ron pe
fela.
Vendem-se paletots de rasrmira de cores a 5*,
G*, 8* e 10*. ditos pretos de panno fino, si brtc*
sacas a 12*, 14J, 16* e 25*, paletots sacre? prefoj
de panno a
--,---------------------------------------~~---------- i*-,. ae panno a o$, 6*. 8* e 10*, caigas r!e ra^ mtra-
L raSCOS COmffOmma araDICa prelaa 4*. 6*e8*, ditos de casemira derrfa
ia a-i0 i 4*,6*e8*, ditos de meia ensemira a .1* e 3 iCO,
lSSOlVlda e Pincel. dito* de brim e gansa a 2* e S*5C0, ditos di tr'm
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da ^^^^s^^^l^
.. 1 de linho de pregas largas a 3* e 3*5(0, crrol*
(('UlItlS. a 1*280,1*600 2*, palelols de Lrim dcctrsfa
1 e 3*, ditos de alpaca preta a 3* e 'il(V, dts f,i
aguia branca.
N vos
A aguia branca acaba de reeeber outra cncom-
menda de bonitos e bem encadernados albuns de
capas develludo, massa,tartaruga e marfim, al-
guns dos quaes com microscopio para augmentar
o tamanho dos retratos, continuando a serern veii-
alpaca branca a 'i&
a 4*, colarinbos de
5(0, dilos ce lpica eoiCo
inlo a G40, dile? de farda
640 a duzia : na ra d Im[crairi7, leja tfAir.m
numero 56. O pro
Arara declara que
didosPor|pregoscommodos:naruado yueiniaao rm [1(.rf(1,oec,:ido> roiro cs f(rr,p,adris pni*
examinar; a loja (
iridarieca loja eamjcrr, ia
das as suas f?iend.-s e vcrVe
sl abena
loja da aguia braman. 8.
Galanteras para fes las^,i^^mtil>loii da
A aguia branca nao cessa de encommendar do
at as > liras da
Araia r. fO. r^i
o gaz.
fJoke
aitcli <1 aaz.
Alcatro do gaz.
Coke, tonelada IOjOOO.
Piten, arroba 3*000.
A lcalrao. caada 500.
O cok reconhecidamente o earvo raaisjtcono-
mico,tornase por isso recunwnendavel, bem co-
mo pelo aceio que se nota as casinhas aond 4
elle usado. Pilche alcatro, alern s aidlmpape-
goes diversas a que se presto, como paracalafa
lar embaragoes, alcatroar madeiras, etc., tecc-
estes a propriedade de preservar do cupim, lor-
migas, etc. E entregue na fabrica do gaz, ou man-
dado prenn qualquer ponto da cidade, spgUBdo a
vontade do eompradar e previo ajuste.
na loja do Pavo, a 10.
Venden, se finissimos vestidos VJaria Pia cora
os corpinhos differentes, tendo todo? os preparo?
e com o competente sinto : na rna da Imperatriz
n. 60, loja do P/vo.
As oras laa* garlbaldlnas a
> rs., na loja do Pavas.
Vendem-se as mii inideras laazinhas garibal-
. dinas, fazenda intuirainente nova no mercado, sen-
do tolas com listras miadinhas, e transparentes,
com lustro a Imitacao das sodinia?, lendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio,earmezlni, cinzenta
e cor de havana, etc. ; ist-j a 500 rs o covado
para vender depressa : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva. ,
(;imisiii!i;isa 1$.
Veudem-.-e camisinhas com manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato preg i de dez tustoes cada
uma : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva
Ves idos para meninas.
Vendem-se os mais modernos vestidinbos para
meninas, sendo muito bem enfeilados a Hara Pia,
lendo de difiranles lmannos, pelo barato prego
de 8* cada um : na loja do Pavo, ra da Impe-
VICTORIA
Vende-se na ra Nova n. 50, uma victoria ainda
em bom estado, feita por um dos melhoros fabri-
cantes de Pars. O arreios (ambein se acham em
bom estado.
Vende-se uma escrava com habilidades : a
ratar na ra da Imperatriz 8. 34, primeiro andar
Pechinclia sm igual
Camisas que vaiem 5*000 a 2*800.
Vendem-se camisas de linho muito linas e de
bous gosto?, pelo baratissimo prego de 2*800 cada
uma e em duzia a 32* : vende-se por este dimi-
nuto prego por sercm arrematadas em leilao dos
salvados do navio francez : na ra do Livraraen-
10 n. i, armazem de Joo Evangelista de Sa.
Vende-se a taberna sua ao pateo do Torgo
a. 21, sendo um dos melhores lugares para nego-
cio, taato para e praga como para o mato ; ven-
de-se em razo de um dos socios ter de se retirar
para a Europa : a tratar na nosna.___________
Camas de ferro proprias para
collegio.
Acha-se a venda grande sorlintrnto destas ca-
mas, assim orno de outras : a ra Nova n. 33.
Vende-se ou alugase um bom sitio na Ca-
banga Velha, eom ama boa casa para familia com
trss salas e seis quartos, cozinha fra, casa para
escrav.is, dita para fetor, cocheira, estrihatia, tan-
que para banho, dito para lavar r tupa, duai ca-
cimbas com boa agua de beber, viveiro com peie,
e no, terreno proprio e muilas fruteiras de fructas
de diversas qualidades, quem pretender dirija-so
na Capunga Nova, no entrar da mesma ao lado es-
qnerpo passando o primeiro nortao ; a tratar com
a vinva do finado Joo Evangeliza da Costa o
Silva,
Vende-so nina parto do sitio dos Afflictos, que
pertence ao finado Dr. Joo Domingues da Silva :
a tratar na na do Queimado n. 26 primeiro audar
das 9 horas da manha as 3 da tarde.
Farinka de milho,
Vendem-se barricas de farinha de milho ameri-
cana de 6 arrobas : na rna do Rangel n. 3.
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Mapa feita barata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo caigas de brim branco e de
cor, ditas de casenira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos o sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, eolletes de todas as
Pentes para desembaragar, com friso de metale
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muilas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de algodo,assim como muito?
sutrosobjectos de gosto quesera impossivelmen-
cinar.iue a vista far f, sno Gallo Vigilante,
ue do Crespo n. 7.
Vollinhas.
Lindas voitinhas de perolas falsas comernzinhas
lingindo brilhantes, assim como cruzinbas avulsas
e voitinhas, pelo barato prego de 1* e 1*200, as
cruzes avals asa 400 rs. s no Vigilante, ruado
Crespo n. 7.
Leqnes.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 12* e 14*; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
GRANDE NOVIDADE.
S no Vigilante.
Riquissimos enfeites de tadas as qualidades para
senhoras e ratninas,chegades hojeda alfandega.
Slntos
Riquissimos sintos de fita larga e estreita com
fi velas grandes epequenas.com brilhantes falsos,
cousade muito gesto.
Albuns
Tambem chegaram os riquissimos all.-unspara
50 retratos, cora capa de tartaruga e de marfim,
cousamuitochique : s no Vigilante,ra do Cres-
po n. 7.
Genhas.
quahdades : na loja do Pavo, ra da Imperatriz Riquissimas golinhase manguitos, omelhor gos-
n. 60, de Gama & Silva. to possivel, a 2*. 2*500 e 3*; s no Vigilante,
Grosdenaple de cor a 106OO o covado. ra do Crespo n. 7.
Vende-segrosdeoaple de cor azuI,brancoepre- i Enfeites para senhora.
Vende-st um rngenko d'agua. moente e cor-
rente.com prororg3ei para colher-so grandes sa-
fras annualmente aliento a bondad, e exiengao do
seos terrenos; esti anda quasi lado en man
virgen, dista apenas meia legoa de ama das es-
tagies da va-terrea : qiun e pretender, dirjase
aoSr. najor Luiz Jos Pereira Smdes rna do
limmont, sobrado o. 24, primiro andar.
to, pelo barato prego de 1*600 o covado : na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno, de linlio a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho propria
para lenges, toalbas e ceroulas, pelo barato pre-
go de 70 rs a vara : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavo.
Vende-se para acabar uma porgo de retalhos
de las e cassas de totas as qualiJados, o por pre-
gos muito em canta ; quem tem economa que
pode apreciar : i slo na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz u OS, de Gama & Silva.
MadapolSo a 7, s na loja do Pavo.
Vende-se snperior madapolo nuito encorpado,
tendo 20 varas cada pega, com i palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego do 7*000 a pega, ditos
muito finos a 8$, 9* o 10*000. E' pecbincba, na
loja do Pavo, ra da Imperatriz i. 60, de Gama
6 Silva.
G' res de cassa a 3.5.
Vendem-se muilo bonitos cortos de eassa, tendo
7 varas cada corto, cora desenhos muito delicados
pelo baratsimo prego de 3*CG0 o carie : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz a. 60, de Gama
& Silva.
; Corles de cha franeeza.
Vendem-se finissimos cortes de chita franeeza
cora 12covados, tendo padroes oscuros e alegres
do cores fizas pelo baratissimo prego de 4* o cor-
le : s na loja do Pavo roa da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva
Caabraias lisas, na lija do Pavo.
Voadera-se pegas de earabraia lisa muilo fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo orego de
4* tondo 8 1|2 varas cada peca, ditas muilo finas
a 7*, 8* e 9* a pega, dilas Victoria com 10 va-
ras pelo baratissimo prego de 7*, 9* e 109, ditas
Garrazes fazenda muito encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 2*600 a pe-
ga : isto na loja do Pavo ra da Impojatrix n. 00,
de Gama & Silva.
Vende-se caixoes vaziospreprios
paralahnleirts e fuaileirtsa \760
cada un; aesla typographis.
Peijio.
Vende-se eijao mulatinho muito novo a 28* o
alqoeire, e a 900 rs. a enia, dito um poico mais
trlgueiro a 24* o alaa!re e a 720 a cuja ; do pa-
too do Torco n. 34.
Riquosissim enfeites com lago o sem lago e de
outros mu i tos gotos a 1*, 1*500 o 3*: s no Vi-
gilante, ruado Crespn. 7.
Traneelins.
Lindos traneelins de cabello para relegio ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 1*500,ditos do
retroz a 200 rs.
Babadinhos entrnelos.
Riquissimos babadinhos ntremelos com lindo;
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 1*200. 1*300, 2* e 3* ; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Casearrilhas.
Grande sortimento de casearrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinbas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras
e qualidades, por procos que admirara aos com-
pradores, havendo flus largas proprias para cia-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 2*; s no Vigilante, roa do Crespo
a. 7.
Pilas de lia.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo a. 7
Ricos estelaos.
Riquissimos espelhos com moldura dearada*
sera ella de 8*, 10*, 12* o 14*, assim cono eom
columnas de differentes tamanhos a 2*, 3*,4*, 5*
o 6*; s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Liados jarros e liaras.'
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fias,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqm
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
a. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com booecla para pos de arroz
eousa de multo gosto a 1*500 e 2*, assim como
pacotes s eom os pos a 320 rs. cada usa; s no
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Graade sortimento de extractos e atabas; poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
linctivos e offerecimentos as snhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japeneza
a 2* e a 1*, assim como outros objectos que nao e
possivel por bje annunciar, o vista dos trege-
les se (ara todo negocio na loja do Gallo Vigilante,
ra de Crespo n, 7,
este ulti-
quehade melhor e maisagradavel.e porissoaca-|
ba de reeeber diversas figuras e vasos de pede
pedracom fina banha, assim como bonitos frascos
deexcellentesextractse lindascaixinnas de ma-
deira envernisada com linas perfumaras, tudo
mu proprio para presentes de festas etc., havendo j
dnheirodirja-seo pretndeme a ra do Queima-;
don. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
mado
A aguia branca na ra do Queimade v. 8,rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dilo para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de reeeber por
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-:
dosenfeitesde moldesinteiramente novse de um
aparado gosto,assim poiscomparegam os preten-'
dentesmunidosdedinheiroe cora disposigao de;
gastar: na loja da aguia branca ra do Queima-
do n. t.
-Pequeos pentes de tar-
taruga
A aguia branca na ra doQueimado n. .8, rece-
ceben novaaiente esses pequeos entes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos tantaestima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando alado ; a
aguia branca porm avisa aquellaspessoas que os
haviam encommendado e a quem mais queira
aproveilar a iccasio de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo prego de ij> cada
um.
Estando broncos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
atinturadechromacoma, e mesmo o facillimo
modo deappheartem se tornado muiconhecdo e
apreciada portodos que usara delta e porconse-
guinteaugmentadoa exlrago.pelo que a aguia
branca mandn vir mais o novo sortimento que
acaba de reeeber constando elle de
Caixas com chremacoma para tiogr os cabellos.
Frascos com coloricoma para lustrar ditos.
Ditos cora hydrocallethricbina para llmpar ditos
Ditos comorycliromanlna para limparas unhas
Sabonetesbrancos para lavar es cabello*.
Pomada callcomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem offendera preparagofeita.
MACHINAS BINUM
de rahaEitr. v >. c-: <> r r a
descarlas* aigodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & G.
OLDA
Estas machinas
Baaat Pderndcsc?roear
;^a qualquer especia -
3 de algodo sem
estragar o fie,
sendo bastante
duaspessoaspara
o irabalho; pode
descarogar* nma
arroba "de algc-
do em carogo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou J ar-
robaste alg-.tfo
limpo.

Massos de superior grampos para cabellos
Sapatos de B^^rtFfi^
Assim como machinas para screm movidas por
animaes, que descarogam 18 arrobas de algodo
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissisno va-
por que pode fazer mover seis distas machinas
mencionadas ; para o que couvida-se aos Sis.
agricultores a virem ver e cxamma-lo, no arrtv
zem de algodo, no largo da ponte nova n.47.
Sanaders Brothers & C.
*'. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do flueimado ns. 49 e 55 loja do Barateirc
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o prego para apurar dinheiro, qoern qoi-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o segofate :
Baralhos de carias para voltarete muito
finas a............................ joe
Miadas de Iinha froxa para bordar a___ $0
Pares do sapalos de tranga de todos cs
taannos e finos a................... 1*500
30
200
ioe
A.9B3CU
AGENCIA L0W-M00&.
Rna da Sea'alia aova a. 42.
Neste estabelecimentu contina a have
am completo sortimento de moendas e meiat
noendas para engenho, machinas de vapor
a tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Araos americanos e machinas pan
lavar roipa: em casa de S. P. Johnston 6 C.
ra da SenzaDa Nova n. 42.______________
Predios venda
(Em lelliooai esa particular)
I m sobrado de dous andares e soto em chaos
aroorios, na raa do Amorim n. 17.
Un dilo de den* andares o soto, em chaos pro-
prias, na ra do Burgos n. 3.
Uma casa terrea com soto, em ebos proprios,
aa ra dos Burgos o. 5.
Melade de urna easa terrea, em chaos proprios,
na roa da Senzala Velha n. 8 : a tratar eom o
agente Simoes na roa da Cruz b. 57.__________
Bixas liamaoriuezas.
Veads-M na ra Neva o. Cl.
Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muito finos para o prego
a ris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
10, e............................
Novellos de Iinha com 400 jardas a......
("..irritis de Iinha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linba de gaz de todas as co-
res a.............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros,peqneaos, a
Pares de ligas muito superiores o bonitas
a ris.......................... ..
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para denles da melhor que ha a..
Frascos de agua para denles, superior a
tudo a............................
Pegas de tranga preta liza muilo fina a..
Caixas com 4 papis de agnlhas Victoria a
Varas de fita preta com colxetes a......
Libras de la sorlida de todas as cores a
Bonecos de choro muilo bonitos a......
Canas de obreias de na ssa rr uto aovas a
Varas de franja .branca o deioies para
toalhasa..... ...............
Frascos de oleo Philecomescupenor ...
Ditos com superior tinta a320 e........
Caixas de Iinha de gaz rom 50 novellos a .
Enfiadoies para espartilho ..........
Duzias de botes enesruaaos para vest-
2O0
-00
nula mi rn hft Frascos de superior a:acaga oleo a .... 100
rauu para uauea. Ditos de dito pe os s.................. 500
Esses sapatosdo grande tom vendo:n-se nica-
mente na ra do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 6* o par.
Meias finas para senhoras
gordas
Vendem-se narua do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendem-se na roa doQueimado loja da aguia
branca n. 8.
400
Mt"
600
400
80
O
90
24
24*'
404V
40
i*oeo
1*000
60
200
40
6*50
160
40
8>
600
500
KOC
900
oj a.
Chales de merino
a 1*, 1*500 e 2* ; vende-se por este prego por
ter-se arrematado na alfandega e ter um deleite.:
aa loja da roa da Madre- de Deo n. 16, defrontc
pa imara a atfaadefa.
r


-
Tu cr^h/ci


"-'
Diario e P
neo ... meU fislra 19 Je Feverelro de !
ROPA FEITA !
NO
ilIAIEI
DI
IJETKEX&O VSHDE.
Ueste estabelecimento ha sempre um sertimento completo de roupa feita de |
todas as qualidades, tambera se manda fazer por medida, a vntade dos concor- 2
rentes para o qae tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um ^
grande' e variado sortimeato de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homen3 e msninos.
305000
250000
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e..... 4O0OW
Ditas de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... "WW
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e : 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60, 50 e 40000
Ditos de Merino preto de cer-
do, 100, 70 e 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100,800......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas e princeza e marin pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
[ Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e do
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500,30 e .
Seroolas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodo, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e......21509
Ditas de madapolo, 20500,
20e........
Chapeos de massa, pretos fran-
ceses, 100, 90 e. .
70000 i Ditos defltro, 50,40,30590 e
Ditos de sol, de seda, 120,
H0,70e......60OO0
Collarinbos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
20500 Toalhas parroste, dozia, 110,
40000
40000
20500
20000
10400
10600
80500
20090
60000
60000
I ........
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 40000! tos e de cores.....
Ditos de ditas de cores 50 Lences de braman te de linho.
U e........30500 Cobertas de chita chineza.. .
I asignaran** *m*#mm*m**x&*
40000
30000
20500
DE
DE
J. VIGNES.
>. o. RA DO IMPERADOR .V 5.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz ccmhecidos para que seja necessario insistir sobre t
,.a superioridade, vantagens e garantas que offcrecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
v'rfis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
;uindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sern-
aiinca faihar, per serera fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
usimo para o clima deste paiz ; quanlo s vozes sao melodiosas e flautadas, e per isto muitp agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tauto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Para, socio
-.rrespondonte de J. Vienes, om cuja capital foram sempre premiados em todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
n tibores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
jrroseommodos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGICO
DO
Dlt PEDRO DE ATTAHYDE LOBO M0SC0S0,
JHERECO, PARTEIRO E OPERADOR.
' 3 Ra da Gloria, casa do Fundan 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manha, e das 6 e meia s 8 horas da noile, excepco dos_ dias santificados
Pharmacia especial komeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteira*
Carteirasde 12 tubos grandes. 120000
> de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
> de60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e cot os reandi
rae se pedir. ... r,
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 10(100.
Senda para cima de 12, custaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LI VltOS.
A mellior obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Br. Jahr,
i m grandes volumescom diccionario............' 200000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... *9^
Repertorio da Dr. Mello Moraes............. 0000
Diccionario de termos de medicina ........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensara portan-
te de-'serem navamente recommendados aspessoas que quierem osar de remedios ver-
dideiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro ssucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acreditados
.^tbelecimentos europeos, a mais exacta e accurada preparaco, e portante a maior ener-
'ia e certeza era seos efeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe.se escraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
onraco, para oqfle o annunciantejulga-se sufficientemente habilitado.
0 tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funcionando a casa a mais de quatreannos, ha muitas pessoas de cujo conceito se no
polo duvidar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
Paea-se 20090 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
* As operacSes seo previamente ajustadas, se nao se quizeretn sujeitar aos precos
ar/weis que costuma pedir o annunciante.
Cuales de renda preta e bournus de guip preto *g
| A' loja da roa do Crespo n. 17,
JOS GOMES VILLAR
Vende a 15*, O*\ 305, 403, 50* e 605, capas e easacftes de uros pretos, elapeos
fe chapellnas de palha e outras maitas fazcndas proprias para a qnaresm.
Jos Gomes Villar pretendendo ir a Europa tratar de sua saude esfwra qae seus **/?)
devedores tanto do mato como desta praca saldem seus dbitos quanto antes.
Grande sortimento de mascaras de velludo, setim, cera, rame e papella e ex
cellentes luvas de pellica para homens e senhoras do afamado fabricante Jonvin, vnde-
se engrosso a preco muito commodo para se fechar contas : no grande armazem da
Exposicae de Londres roa da Cadeia do Recife n. 60.
fiffANMS A8MAZEINS
DE
MOLHADOS
' VIMOS
ESPECIAES
Largo da Sant
Cruz ns. 12 e 84,
squina da ruado
Cebo.
mmmmwm
Largo da Santa'
>uz as. 12 e 84,
(esquina da ra
Cebo.
" -8
O dono des j rauto acreditados araauns de molbados denominados Anrers
Brilhante, acaba de receber de sua propria encommeuda, muitas geeros delicados
prprios da presente estadio, leudo grande sortimento comprado aqui,aflaBcaquetedos
es seus gneros sao de l .* qualidade.
A segainte tabella servir* a todos de base para ajaste de eontas aos p-
taderes.
Xenhum armazem vender mais barato, e melhores gneros do qne a Anrora
Brilhante, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por sen dono se achar eneom-
modado em sua saude e ter de vender um de seas armazens agora, e o entro na pr-
xima primavera, por isst deve-se apreveitar ama auadra dess para se eompr"
barato.
Latas com 3 libras de chouricas muito oras,
a 7*500.
Ditas grandes eom peixe era postas inteiras,
mais de 12 qualidades, a 10000, 10280 e
iieo.
Ditas com ostras, excellente petisce para fre-
gideira, a 730 rs.
Ditas cem errilbas novas, easepadas, a
7i0 rs.
Ditas com Uvas, a 40 rs.
Ditas com ain-sixas a 10208,1*800 e 30SM.
Ditas cem marmelada do afamado fabrican
cante Abreu, a 880 rs.
I Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com figos de cemadre, novas, a 10800,
2* e 2*500.
Ditas -om bolachinhade soda maite novas, a
25000.
Ditas com biscoitinhos inglezes de muitas
qailidades, a 1046D.
Chocolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
10200.
Micarrao telharim e alelria amarella, a libra
a 480 rs.
Dito dito dita branea, a libra a 400 rs.
Ciixas com estrelinha,pevide e outras mas-
sas, a caixa 3*500.
Ditas dita era libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadioha para sopa a libra a 240 rs.
Brvtlhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca ramio aova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroz do Haranho, em sacea a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a
libra a 100 rs.
Toacinho de Lisboa a 9*500 arroba e a 320
rs. a libra.
Dte de Santos, a arroba 7*000 e a libra a
260 rs.
Molaos com 12o sebolas grandes, a 1*280.
Mostarda franceza caixa cora 2 duzas a
8*000.
Frascas com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos cora conservas nglezas e fraocezas,
a 610 a 800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 500
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 1*200.
Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
1*000.
D;tos de 1 garrafa de II illanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
larrafes com 2 galSes cora dita, a 6*000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 6*000.
Vinho miscatel de tetuba, a garrafa a
1*000.
Marrasquioho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 1*200.
Champagne, a duzla 20*000, e a garrafa a
2*090.
Azeite refinado portaguez e francez, a gar-
rafa a 1*000. i
Caixa de vinho Bordean* maitosuperior, a
7*,8*. 9* e 10* a caixa.
Ditas cora dito branco, a 7*000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 20*.
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
18*000.
Ditas com charaisco superlor.a 14*000.
Ditas cora Porto velho eoutras mullas mar-
cas, a 12*000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 64D,
72 e 800 rs.
Dita de Lisboa milite beta, a caada a
I 3*200,3*500 e 4*000, a a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Pigaeira. das seguintes marea, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) caada,a
4*500 e a garrafa- a 560 e 640 rs., deste
t qae j est engarrafado e lacrado com o
) rotlo do armazem.
Ditas de marcas mais desconhecidas, a rana-
\ da a 3*500 e 4*000 e a garrafa a 480 e
i 529 rs.
Vinbo branco fino, a ganafa a 640 rs.
Dita de caj maule superior, garraa a
800 rs.
Vinbo verde superior.
A eaiada a 3*50D a a garrafa a 48 rs.
Gomai.
Saecas de & arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3*W e a iiora
Sabao massa, a liDra a 200,240 a 2*0 rs-
Farinha.
aceas grandescem farinha deGoiannamui-
to nova, a 5*000.
Caft. _
Caf do Bio muito superior, a arroba a 8#,
8*500 e 9*000.
Cha.
Cha temos nestes gneros o melbor possivel,
bysson, a libra a 2*600.
Dltoperola a 3*000.
Ditouxima 2*700,
DilohyssoB muito Tino a 2*800.
Ditoredondo a 2*500. KnA
Dito preto de primeira qualidade a2*500.
Dito mais baixo a 2*000 d 1*600.
Erra mate.
Excellentech medicinal, a libraa 320 rs.
tsperinacetf. i
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 a 8 libra de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e 2$500.
Noxes.
Nozes, a libra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpista e paiaco.
Alpistae paineo.a arroba4*000 ea libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar, a duzia a 2*500.
Caslaaaas.
Castanhas novas vindas nesie vapor, arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Barnscomazeilonasnovasa 1*500
Maoteioa.
Manteiga flor, a libra a 1*010.
Ditamaisabaixo a 800 rs.
Dila menossuperioi a 640 rs.
Dita franceza nova,a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e raeios ditos,
660 rs.
Ditapara tempero aiOOrs.
Queijos.
fueijosnovos vindosneste vapor a3*zo# e
3*500.
Ditos londrinos muito novos,
1*000
Papel almaco pautado, a resma a &"
Dito dito lizode linho, a resma a ^
Dito de peso lizo e paatado,
2*300
Dito deembrulho bom a 18 e
Vinho ladeira. .T4,ua.
Garrafascomo verdadeiro vinboxereze
deira a 1*500 e 2*.
Temperos. .
Falhasde louro, pimentadorelno, eom.inno
e cravo, a libra a 4"0 rs.
Velas te earnanba.
Massescom 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Auiendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
CaixSosdodocede golaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
lijles de linear.
lijlos dearear facas a 140 rs.
Graxa.
Dazias de boi5esde graxa a. 97 ai.
de latas a 1*000, e os boi5es a 240 rs., ca
daum.easlatasa 100 rs.
Chantos fieos.
Charutos finos dos melhoresfabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e meias
caixas.
a libra a
libra a
a resma a
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, |ue deixam de an-
nimciar-se.
I
Nm COROAS NEM MjTTRAS
E.
GKUVDE
ARMAZEM
DE
RUI DO IMPERADOR M. 40
Junto ae sebrado en qae mora e Sr. Osborae,
Duarte llmcida A C. rerebrram de na pro>prla -
da o Mala lindo e variada sortimento ole molhados, proprtos
da presente estacio.
Manteiga ingleza
A 4 8 0 CORTE
Pecliinclia aein igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras edm grande variedade de padres
peU baratissimo prego de A$ o corte: na loja das
columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
reia de Vasconcellos A C. Til-
da safra novavinda no ultimo vapor a 1 ,ooo para sopa
rs. a libra eera barril a 8oo r.
Hantelga franeeza
I da safra aova a 60o rs. alibra, e em barril
3160 rs.
Amendoas
afeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
24400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos franceses a 500 rs. cada um.
Latas
cem bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1 300.
Chocolates
de todas a6 qualidades al (jWOO a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velbos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados oeste ultimo vapor a 2*6oo.
Queijos
chegados no ultime vapor a 2#600 cada um.
Queljo
londrino e mais fresco que se pode esperar
e de encellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasee.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 13200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer n5o pde vender por menas de
30 a 2,5600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hvssoa
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrSo, talbarim e aletria a
480rs. alibra.
cotvic
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada nm.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a4,5ooa resma do me-
lhor.
Papel de botica
jde exceente qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
| azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2oo
l rs<-aresma.
/ Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
Moors. alibra.
Vinagre
PRRem aBcoretas de 9 caadas a i5,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novasdo mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o.taiuco
o mais novo do mercado a 14o rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muitonovasa 10000 ocento naruadoQoe:-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
CRIO DE BICO
muito novo a 30400a arroba e 140 rs. a li-
bra na ra doQueirardo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
. QUEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na roa do
Queimadon. 7, ra de Imperador b. 40 e
largo de Carma n. 9
Maeas brancas
a melhor qae se pode desejar,
macarras, talharim oaleiria a 400 rs. a
iiuid o 40500 a caixa.
Vinke
Figueira J A A o outras muitas mareas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
Idea do Porto
generosos engarrafado das melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10260
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao as seguintes: Chamisse Filhe,
F. M., Nctar ou vinho des Douzes,
lagrimas do Douro e outros muitoi.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica a mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a !20r* .d bra.
Cervejas
dos melhores fabrcantes|e de todas as max *
cas de 40500 a 60500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,, Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do MaranbSo a 100 rs. a ribra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1 .* e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafdes
com 4 /i garrafas com vinagre a 10OOOtom
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
IDEM
em frasqueiras de Hollanda a 50SOO com
12 frascos.
GENEBRA
d Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranh5o, Java e India, a loe rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimeuto.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas nnito tovas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frutas em calda
cnegadas ltimamente, pera, pecego, gima e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dseo i* casca da goiaba
a 600 e 10 o caix5e.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
robaeUOrs. alibra na ra do Qoei-
raadon. 7, ruadolmperadorn. 40 e largo
do Carmo n. 9
BOLACHINHAS
ara latas de deferentes qualidades a 1^200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegadosneste ultimo vapor a 20800 na roa
do Queiraado n. 7, ruada Imperadorn.
40 e largo do Carmo n. 9.
es proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos sena
rreguezes a amigos e aa publica em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeira Priicital na do Imperador n. 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saecas novas e grandes a 40500: na ruado Imperador n. 40.
Potassa da Russia
lAcaha de ehegar a mais nova e verdadeira po-
tassa da Russia, e vende-so a preco eomnodo : no
escriptorio do Maaoel Ifnaeio de Oliveira Fi'ho,
largodoCorpoSaatoa. 1.
POTlSSi
Teide-se peussa em barris a commodo preoo o
na roa da Crux *3. prlmeire ajidtr, ooeriptori:
de Aitonio do Almeida Genes.
i NOVIDADES.
Queijos do .Montaje, ditos das ilhas o mais fresca que so pode dese-
jar a 10200 alibra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, praprias para mimo dafesta pelo barato prtce de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10500
cadauma. Vende-sa nicamente na armazem Verdadeiro principal, ruado
Imperador a. 4.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
l0alata:nos armazens da ruado Im-
perador a. 16 a ra da Trapiche Nava a.-g
Vende-se ama boa mobilia de pao d'oleo, com
es o algum vtfros: na roa das Flores n. 23.
Superior cal de Lisboa.
Vende-so sapocier cal i lotea a mais nova
qnt ha ba arcado, tanto em porcia romo a reta-
lho, por barato prs^.aflongaado-so aos compra-
dores nperior analidade : a tratar as sepnixips
rrus : Crespo a. 7, Imperador i. tS, Porte do Ma-
tos.armazoa de Sr. Avilla, defronte o trapkta
-> alfodie.
* *



1


Diarlo de Pti-aiMkaco Seila felra 19 de Fcverelro de 1

_.

$ NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
fCbefaraa es ros Testigos do destella i seda cmi barra, inteirameut* botos
era josto qualidade : loja das columnas, a ra de Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Yaseeacelloe C, saeceseoTes de Jos Mereira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Pura y esliis de seriara
Superiores cortes de seda de car, de neriaate, d gorgurao e de selin imperial.
lites de alead, e de cantarla branca bardados.
Bitas da laa eom barra e grande variedade em cores e padries.
Sitos de organdys com barra t
Liadas sedas de quadros escesseza e miadas.
Saperiares lias lisas cem grande variedade de cores.
Bitas eom salpicas, cara lares a de quadres.
Liadas paasaalinas de qaadres-e de flores, rateada lateirameate nova.
Superiores cassas de cores, e lindas raabraias erraedy
Grande variedade de cbita de cores, de percalia eentras nnitas fazendas delii.
Para ras. de seniora
Lindas canas e bonrnoui de casemira de cor.
Bitas de la e de seda.
Grande variedade de seat'embarqies de seda de 185 a 405.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados fiaos, de cachimira eom listras de
seda e de Od preto.
Caraizinhas modernas, zuavos brances o de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
liabas com punhos e outros mnitos artigos.
Para caieca de senhora e nenia
Superiores chapeos e chapellinas de palba de Italia eafeitades para senhora
Bitas de feltroenfeitados para senhara.
Ditos da palha enlejiados para menino.
Grande sorti ment de eofeites modernos de retroz, de froee, de cabello e de flores,
para senhora.
Na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, da Antonia Carreia da Vasconcel-
os 4 C.
GERJal. RECOMMEHDlfiO
IB PUBLICO
em aaeaior coastraa-
glaaeaUo ae entregar o
(Hiparte do genero ue
lo agradar.
AHENCO
a preces da segalnte
tabella para todas, po-
dendo asslm servir de lea
ae para o ajaste de cantas
com oa portadores.
Irritado dos pulmoes. angi-
nas, tosse, escarrcs de
sangue, crnpo ou garro-
tilho, catarro, rouquido
e todas as irmumernvei molestias que a Rec-
tao aos orgaos da respirarlo
DESAPPARECIM
ARMAZEM UNIAO MERCANTIL
mediante a accao da balsmica e irreaislivel
ANACAHUITA
MWM CONSERVATIVO
23-Largo do Ter^o-23.
Joaquina Sius dos Santos, daa daste bem sonido armazem de malbados faz solate eral
reeotnineudacao aos seus amigos, freguezes e a todos em geral, que esta resolvido a vendaros seo
betn eoaheindos gneros de pnmeira qualidade,por menos da 10 a 20 por centa, menos doque em ou-
ira qualquer parte a dlnheiro contado.e todo o comprador que comprar de 60* a 1C65 terao descoc-
i de 5 a 10 por cento pelo seu prompto pagamento : e por lsso se faz annuncio de letras teneros
para com este melhor se certiticarem.
abatas para sopa macarra, talharim e aletria a
119 rs. a libra e em caixa a 55-
foucinh de Lisboa alvo muito superior a 280rs.
a libra e iSM a arroba.
Date do Rio de primoira e segunda sorte a 240,280
e 300 rs. a libra e a arroba ou saeco a 8a e
85500.
Choarieas as mais novas do mereado a 560 rs. a
libra e era barril a 13*.
Passas vindas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 85-
Batatas engigos de 35a 49 libras por2J499a ar.
raba e a 80 rs. a libra.
Cha hvsson miudinho superior qualidade a 1*200,
2*000, 2*300 e 3 a libra.
Vinho de Pigueira, Porto e Lisboa em pipa a 360,
500, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem propria par negocio a 329 e 360 a garrafa
e a caada a 2*409 e 2*700.
Milho alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 4*406 e 4a200.
Phesphros do gaz vlndos por conta aropria a 180
rs. o mago e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
llo a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs.a
garrafa e a duzia a 5*800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou calza se fara batimento,
irrezadn Maranhae a Java a 100 a 80 rs. a libra
e a arroba a 2*890, 2*s 2*409.
Asslm como ba un grande sorlimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto ero frascos coaao
em botijas, bclachinhas de soda, conservas choco-
late, marmelada, vinho engarrafado eoutros mni-
tos gneros que enfadonho menclona-los, e se al-
guem dnvidar venha ver.
RIJA DA CAUfilA DO RECIPE IX. 53.
(lago Bastando o areo da Ctnceifi)
Grande redcelo de preeos, equivalente" a dea por cento menos de qne entro ualquer
annnnciante.
Collegas.N3o posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingiera a l,eoors. a libra, bem assim o de ootros
amitos objectos, etc., dando cem isto ocasiao a todas as espeluncas acabarem por bom proco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que poden vender pelo preco que eu vendo 111 Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesrao
systfiema que vim encontrar, de so se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reducto de preces, como veris
pela seguinte' tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados l'niao Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oo a l,Goo rs. a libra. Hoje perem, resentidos da redcelo a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacSo de preces, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender gneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fin
tio smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senbores e Senboras o aceio que presidie, aos arranjos deste ero estabelecimento, e mais que ludo apromptidao e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sena duvida ote daro a proteccao e preferencia na compra
dos gneros que precisaren!, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, anda qne estes sejam pouco pratices, pois
serio tilo bem servidos como seviessem pessoalmente, baveedo para com estes toda recoawendacao.afiaide que nao vio em oulra parte
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricas de 4 duzias se faz
FRANCISCO J. GERMANN
SI RA IOVA W 31
Aeaba de reeeber um magnifico e completo sorlimento dos objectos que de melr.ci qualida
de encontrar era urna relojoaria, taes como : chronometros martimos e de algibeira, relopios [de onro
e prata, douradose foliados, ditos para mesa e de parede, francezes, suissos, allemaes e americanos,
reguladores de compensagao, relogios grandes com msica e sem ella, dito de sol montados com pecas
para disparar em certas horas, despertadores de diversos lmannos, caizas com msicas, igual sorli-
mento de oculos e lunetas de ouro e prata dourada e tartaruga, bfalo, age, e varios metaes, oculos o
lunetas especiaes para senhoras, de ultimo gosto, ditos proprios para os que offrem de inflammacoes
nos olhos, fabricados segundo os preceitos dus mais acreditados mdicos da Europa e igualmente os de
Pernambuco, os quaes s se vendem por consulta dos mdicos, vidros iltt crystal branco e de cores,
oculos de alcance para o mar e ontros proprios para observagoes astronmicas, oitantes e sextantes,
binculos para theatro, para mar e para campo, microscopios e meridiano universal, barmetros, ter-
mmetros, calxas de instrumentos mathematicos, correnles e chaves, sinetes e trancelins de ouro, dou-
rados e foeadas, tudo dos melhores fabricantes. Eocarrega-se de qualquer concert e encommenda dos
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante um anno por qualquer relogio vendido ou concert
eito, em seu estabelecimento; e veade por menos que pode fazer outro qualquer.
Cassas para vestidos.
Tal pechincha -s a dinheiro se pode vender.
Superiores cassas francezas de cores miudinhas, de quadros, lisas, o de ramagens, eom grande
variedade de padroes, fazenda que se tem sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baralissimo preco de
300 rs. o covado : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos
Urnip.
CHEGAR4M OS MODERAS CHALES DE
FILO PRETO.
Superiores chales de fil j.relo c! egados pelo uliimo vapor
loja das toluiiin.is ra delresio n. 13, de An.onio Coneia de
los & C.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Ra de Queiuado a. 9.
Vende-se o segalnte:
Lences de panno de linbo
pelo baratsimo preco de 24400.
I.ences de bramante de linbo
de nm s panno a 35500.
Coberta de chita da India.
pelo baralissimo preco de 25300.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 25 a dnzia.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas
propria para saia, a 45-
Pecas de cambraia de forro, a 2600.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gura, por menos prego do que em oulra qualquer
parte.
Toalhas alcochoadas para maos
SjS a duzia.
Lazinbas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 600 ris o co-
vado.
LSazinbas de cores finas
do melhor goda qne ha no mercado, a 560 ris a
covado, neste armazem de fazendas se encontrar
nm grande sorlimento de ronpa feitae por medida
escomida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz aba tmente,
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
raeies a 5ee rs.
Cha bysson de superior qualidade a2,6oo rs.
a libra,
dem pe re a o mais superior de mercado a
2,8oo rs.
dem huxim e melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopa tbico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
iibraj garante-se ser muito regular, igual
ae quese vende emoutra parte por 2,4oo
e2,?oo rs.
Unguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricase paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e l,5oo efioo rs. a libra.
Queijos fJamengos muito frescas chegados
neste ultimo vapor a 2,2ao rs. e do vapor
passado a i,6eo e l,8oo rs.
dem londrnos os mais superiores que tem,'
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56e rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gaa a 5,ooo e S,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l.eoo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambemtem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmo, ostras echernee, vezugo em
latas grandes a 8ooe !,ooo rs. cada urna.
Vinho liordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
.ooo, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, quo outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a l.ooo rs. o basco, e
U.ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes loo > Bolacbinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7,tea
e 8,5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arrtba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8ao a 8,eoo rs. a
arroba.
Arroz do Maranh5o a leo rs. a libra, e 3,oeo
rs. a arroba.
dem da India muito alvoegraudo a leo rs. a
libra, e 3,oeo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2eo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oe
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrio e talharim a 4o rs. a li-
bra, e 9,ooe rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas deentes por serem propriamente
feitas para esse fin.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito ino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5eo rs. a garrafa, emeanada a 2,5eo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, emeanada
a 3,ooo e. 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
1 o,ooo rs. e a 9oo e i,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardribasde Nantesem quartos e meiaslatas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs.a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.

Antonio de Lisboa em latas com 6 libra
por 2, Se; ditas dece em latas cem e mes-
mo pese a 2,5oo; ditas imprtaos em latas
de 3 libras per l,5eo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
orl,2eo; ditas em caixinhas de de verses
tamanbos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2eo, l,5ee, e l,8eo rs.
Azeiledece refiBado Penanol ou de Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5e rs. a libra e 2,ooo
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oe a duzia.
Vasseuras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolhado mesmea 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes ja preparada
a 4eo rs.
Lentilhas excellente legume para sepa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e H,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidre com rolha do
mesmo a 5oe rs.
Cerveja branca epreta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos detodos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l.oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 per libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas porl,2oors.
Matle excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras. '
PEITORAL de KEMP.
a anacabuita mexicana que da o neme es-
pecial este incomparavel remedio, nma
arvore, cuja madeira por muito tempo fe
ha usado no Tampico para a cura das*n-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e appruvada pela academia
medica de Berlim O peitoral de Kemp' e
am xarope delicioso inleiramente livre de
opio, acido bydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors 4 Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os estabeleti-
mentos pharmaceuticos do imperio.
Vendem-se no Recite em casa de Caors &
Barboza c Joo da C. Bravo C.
M010IIES
TINTA PRETA COMMERCIAL.
Vende-.se tiaU com esta denominaco prepara-
da par Jalo Caucio Gomes da Silva, a roa do Qaci-
mado n. 32.
Farello superior de Lisbaa a 50 a sacca.
Tem para veader Antonie Luiz de Olivei-
ra Azevedo no s?u escriptorio ra da Cruz
n.l.
~ Milba novo em saceos grandes : na trapiche
a Cucha, a tratar com Tasso Irmos.
Vende-se a casa terrea da ra do Moloco-
lomb n. 39, nos Afogados, tem 3 quartos, quin-
tal morad),cacimba e estribara, e fe ba pouco
concertada : a tratar na roa do Imperador, ar-
mazem de molhados n. 81.
11
para machinas de algodo.
Acabam de chegar agora novos motores para
um e dous cavallos para mover machinas para
descarocar algodo, cyiindros de padaria, e outras
quaesquer machinas para agricultura, os quaes se
vendem por prec,o mailo em conta. Tambem se
vende um motor americano para 2 e 4 cavallos pa-
ra o mesmo flm, que trabalha muito bem; elles
se acham moudos para o comprador ver o seu
trabalho : na fabrica da travessa da Carioca n. 2,
caes do Ramos.
Roa da Senzalla n. 42.
Vende-se, emeasa de S. P. Jehnston & C,
sellins e silhesinglezes, candieiros e casti-
ga es bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos,(e relogios de
ouro patente inglez.
BOTICA E DROGARA
Barlholemeu Francisco de Soaza .
34flualarea da Easaria34
Vendem:
PilolnsHolloway.
Pilnias do Dr. Laville.
Pimas do Dr. Alian.
Plalas do Pobre-homem.
Plalas americanas.
Pillas vegelaes.
Pillas vegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Brisiol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilaa deCh Aikert/
Injeccle Feaugas.
Agua denttf ca de Desirabode.
Papel chimioo, para talhos.
Xarope depurativo de Cbable.
Licor aromtico de Raspan.
Pos anti-epiletieas de Brest.
RobL'Affeeteor.
Xarppe do Bosque.
Ungente Holloway.
O
irm zem de molbado
81 Mil DO IMPERA 11OR 81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collfgio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfaco de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodes de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de sceosle molhados primorosamente escolbidos;
como sempre caprichou terdas melhores qualidades, efrancamente affiancas pessoas que
se dignarem comprar em seuestabelecimento,que ali de preferencia i outra qualquer par-
te sero mais bem servidos, em qualidade e preces, como em pesos e medidas, no que
sempreo annunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradoresqueo qHeiram honrar como seu comitente Ibes
assegura que o producto deseu laborioso trabalho ser o mais bem reputado ao merca-
de desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, dopois do ae-
rea fielmente umprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultorese negociantesque lbe merecam confianza, fa-
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero dopaiz, mediante urna mdica commisslo, entregando de
prompto seu produelo, e sendo este applicado compra de gneros em sen armazem,
prescindir da cemmisso.
Dos seas antigs ebenignoslreguezes espera o annunciante su* valiosa proteccao, fre-
quentandocomo autr'orasua casa, e pelo reconhecimento que lhestributa offerece expon-
taneamente seus servicos.
Julga desneceaariopublicar a tabella dos preeos de seas gneros: sao seus recursos
garanta suficiente depoder accempanhar os menores preeos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecimentos, teado somonte em vista o augmente de suas vendas
diarias.
Prevemele neeessarla.
Tendo sidoo proprietario estabelecido muitos annos cem o mesmo ramo de nega-
do na mesma ra, julga prudente advertir que safflrma ese respensabilisa pelo que
tem declarado no quo disser re&peito ao armazem.
o
p fifi Sr-B E o- b k g
fi

{J
a
:. fr
s; 5
e-B c
o. ^
o
ooa_*oB'fi Si
o- o
o B &
Ul
c/
81-RUA SO IltIPERADOR-81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Qollegxo
"8 3-:i5.Tsg
> O g-B
a>
^if'g'Si'SS*
"-> O
erl
SfiS
C
al
e
& S & 5
2 sr.a> o. r
ce8
5" g fi- 2.
"o a, o>
2 5 2 ci
^ a (t a oj
iflfl 5332
S-S8 S S-g-
o.
a* ato
&: aj: r^>

s E*^
_ o.
8 S o K
o 5?r
B5 "1
fi
"1
B
*
B
o
c
o
ce
|
8
^1
B g
o
2
e
e
i
Agua Florida.
Para resUbelecer e conservar acr natural
dos cabelle*.
A agua florida ae ama tiatora, ficto essea-
cial acantesur, a mesma aguadaado a cr priaii-
tiva ae cabella. Composta 40 plantas exticas
desabstancias inaffeasivis, Mra Hm a propriedade
de restituir aas cabellos e principia coraate a a* el-
les teas perdida. D'uasalnbridade jncontesia-
vel.a Agua Florida entreten alirapeza da rabee
destroe as caspas a impede os cabellos de cahir
Oleo de Florida.
Cemposta ie sobstanciasvegetan xatrcis, ella
constite poderasaBer' ras a Apns Florida, a
forca, a halleu a a renservacae doscafcelLi.
Em Pars, casa de oislaor d. iJ.oa de Riche-
lien, e SI, banlevard MaBtwar're,
Todos es fraseos, ai a Yelde intacto e clare, a
timbre prateade da rasa, s5a repntaOan falso.
Deposite, roa do Impender, pbarmacia 31.
Vmde-se a casa terrea n. 25 da ra de Ma-
thias Ferreira da cidade de Oliuda : quem a pre-
tender dirjase a tratar Beata cidade na ra Au-
gusta n. 39.
^
llene
*H$J
\ova loja de fazendas e renpa
felfa naelonal, ra da Impe-
ratrlz. loja de 4 portas n. 79.
Cbitas da loja o. 72.
Vendem-se chitas Unas a 210 e 28# o covado,
ditas francezas finas a 320, 360 e 400 rs. o eovado>
cassa franceza Gna a 320, 3G0 e 400 rs. o covado,
laazinbas para vestidos a 360, 400, SCO e 660 o
covado, pecas de madapolao Uno a 6, 71, 8e
9>, pegas de algodo a 5, 65 e 8$ : ra da Inv
peratrizn. 72.
Ronpa frita nacional ~V
Vendem-se paletots de panno fino a ik, i(& e
I8. ditos saesos a 65,85 e 105, ditos de casemira
decores a 65, 85 105, Silos de brim d cores a
SaSIO, 35 e 4J, caigas de casemira prrla e de co-
res, colletes e caigas de brim decores a2JiC(!0e
25300: ra da Imperanz n. 72.
SoDtambarque a 8f$.
Vende-se sonlambarque de laasinha a "i,t(i,
ditos de alpaca branca a 85 e 105, ditos de'gros-
denaple prelo a 205 e 255, capas preas de gres-
denaple Anas a 205 e 2."r. panno fino j i ele i 35,
35, 45 e 55 o esvadocasemira preta a 25, 25EC0
e 35, grosdenaple preto para vestido a lGC0, 25 e
25500 o covado : ra da Imperatriz n. li.\
Cortes de laa a Mara Fia alO
Vendem-se cortes de vestidos i Mari* Pa a 105,
145 o 165. cortes de cassa frin e;a a 35, portea
de brim para raiga a I5CC0 e 35, diles de fase-
mira de cor a 35, ditos de dita prea a 35800, 5,
55 e 65 : ra da Imperairiz n. 72. Ene wtta es-
abelecimento vende barato para obter frrcuezia
na ra da Imperatriz. loia n. 72._____
Na ra do Queimado |n. 15, botica, vndese
constantemente hesteas para aissas e communhu
ESCRAV6S FGIDOS.
Aviso
aas capites de campo c a leticia.
Desappareceu em pjinripio do mez de oulubro
do annt aaaaadc, de bordo do palhabote racional
Aravjo Molo, dous escravos de nomes Roberto
(por apellido Macei), e Miguel ; o de idade 45
annos. pouco mais cu meros, eiisulo, cor fula,
estatura baiza, barra serrada, um (euro torio das
pernas, e com alcuns cabellos branros, tanto na
barba como na cabfga ; o 2oalto, ebrio -do eorpo,
sem barba e falla grossa, representa ter de 25 a
30 annos, rojos escravos c'esronfia-se andarfm pe-
los arrabaldrs dasta cidade : quem os apprehtn-
der queiram levar a ra do Trapiche n. 4, que
ser generaeaueate gratificado.
Fagio hontem 12 do torrente a esrrava de
nomo Isabel, crioula, de 40 annos, pouco mais ou
menos, a qual o abaixo assignado anemaloo praga do juizo do commeicio desta cidade. ni
execugo do harharel Angelo Htnriques da Sil\a
contra Manoel do Reg Ranos, e cetro dita rrcra-
va tenha sido do mesmo fiarros, que morador 1 m
Jaboatae, no erpenho Carauna, pode muito bem
ter ido para esse lugar : pede-se a quem a pegar,
leve estrada nova, rasado abaixo assignado, quo
ser recompensado ; a esrrava tem em una das
pernas veas levantadas, e o p direita enxado pro-
veniente de urna pancada.
Bernardo de Tavares Coutioho.
No dtmmgo 12 do correle, pelas 2 cu 3
horas da iarde, ausenteu-ee de rasa do abaixo as-
signado a sua escrava crioula de neme Rosa, coin
os signaes seguintes : preta fula, idade de 16 a 18
annos, altura regular, serea do corpo, rosto re-
dondo, olhos grandes, nariz grosso, brera peque-
a, beigos linos, etc., um pouco acanhado co
fallar, mas explicase bem, demonstra ser de ida-
de, mui temerosa e obediente. Essa escrava veio
talvez ha 18 mezes do interior, a foi escrava do
Sr. Jos Cavalcanti Brrelo do engenbo Jardim de
Serinhaem, durante esse tempo tem sido sempre
do servigo Interno de rasa do abaixo assipnado,
nao sahindo nonca vez algnma roa ; soppde-re
que se deve ella achar-se rerolhida em alguma
casa, pelo que prolesia-se desde j contra qurm a
tenha orculta, gratiflcando-se no entretanto a quem
delta der noticia ou a quem a tronxer no largo do
Carmo n. 1.
Fugio no dia5 de feverciro corrente um mu-
lato de 26 annos, ponco mais on menos, taiio,
corpo regular, cabellos cachados, nariz e borra
regulares, tem falta de alguns dentes na rt me,
poneos cabellinhos 110 queixo, tem falta de tn
dedo em um dos ps, alguns talbinbos de chirote
pelas costas, chamase Eleoteno : qnem o pegar
leve ao engenbo Rebingndo, que ser bem pago.
Ainda continua a estar fgido o cabrmha de
nome Custodio, de idade de 14 a IB amos, sendo
secco do corno, persas finas, ps seceos, rosto des-
carnado, queixo fino, as maguas do rosto um tanto
altas, tem as duas minas dos doos dedos grandes
dos ps murehas. ten doos calombinhos as ra-
ceiras, difTerenga um do outro da dous dedos, tem
nos bracos marcas grandes de vaccina ; cejo ca-
brinba rugi em 9 de novembro prximo passado
do engenha Ronca da freguzia do Cabo : paran-
lo roga-se as autoridades pollciaes a capites de
campo qne o facam prender e cendozi-lo ao seo
senber Bernardmo de Sena Teixeira Cavalcanti
ne referido engenho Ronca, on no Recfe, na roa
de Apollo n. 35, segundo andar, qne generosa-
roente se graUficna.____________.
Foaio no da i de ja*e*ro a preta Romana,
de idade 28 annos, crenla, rnapra e fola, bem fl-
lame, e ten sido vista palo Mangainhp : qaem a
pegar leve-a a sea seahor, aa praga da Boa-Yista
n. 22,00 Campo Verde, ra eTraprcbe n. t, qne
r be reearopensado.


JcJ


8
Mario de fernambnco Stlia elra 19 de revereiro de 1C5
JURISPRUDENCIA

O Fonuu
parte contraria, evitando esse jogo indecente de re- do mea dever de soberano manter as instituigoes
eriminacoes e doestos, que entumecen) o ventre de actuaes, e desenvolve-las na base existente, para
tantos autos, em prejuizo do criterio e gravidade Ibe dar a maior perfeiciio.
que deve caracterisar a discussSo judiciaria. Devo esperar qae as duas cmaras do parla-
Entre nos tera-sb feito da advocacia urna indus- \ memo" rae prestante a sna cooperado constucio-
Qoalquer horneo),sensato nota hoje na imprensa tria mercantil, em qae maius vezes s se entra nal para cumprlr esta dever.
do paiz urna lacuna lameniavel. Em quanto o mo- com 0 smp,es capltal de uma carla de Dacnare|. o desenvolvimento da marlnha tambera tem
vimento o as iatngas polticas absorvem constan- Ha procUrador que advoga sob a f da assigoatara creado deveresparlicnlares. Pela parte qae tomoa
t. mente todas as atteneoes; em quanto os folheti- d jurisconsulto, que presta si mplesmente sua firma: na guerra, aamriBha adquiriu justos titulo ao re-
ui>(as occupam as margeos das gazetas de mais por mod|CO honorario. Mocos hachareis que nio
crdito, que sao espalhadas pelo imperio, propinan- reunem todas as habiltages indispensaveis eslabo-
no cerlo veneno a geute iucauta, eis que resona lecen, banca n'uma capital, que conslitoe, por as-
i.istomcnte na mais criminosa indiffercnga um dos sm dizer, um foco de capacidade. Nao qaerem
conhecimeBto, e provou ao paiz a sua alta impor-
tancia. Se a Prnssia quer eumprir a elevada mis-
sao que Ibe est destinada pela sna situacao geo-
graphica, e pela sua postgo poltica, necessario
interesses, ou antes oprimeiro interesse da socie- (azer seu tirocinio nos pontos do interior, onde que d a sua marinua o conveniente desenvolv
dade civil,a administragao da justiga. alias sente-se a falta mui sensivel de juris-pe-
Agitam-se as cansas mais importantes, fazera-se ritos,
injuslicas clamorosas, perseguese o innocente, rou- j Mas se Ibes faltam os requisitos" precisos para
Dase a propriedade, delapidam-se os bens dos or-attrabirem clientelaespontanea, sobra-lhes activi-
pbos, insulta-seo crep da viuvez, praticam-se as dade para atravcssarem os pleitos.
E nio sao elles s que assim proceden). Horaens
provectos, que deviam manterse n'ama attitude
grave, convertem n'uma especio de mercanca ama
das misses mais importantes.
.atores iniqaidades contra o direito divino e bu-
mano, atropellara-se as leis do processo. o os
i rolos, os nossos prelos deixara de gemer sobre
IjJos esses horrores I
E por que ?
Cometan) por dividir o seu tempo entre a assis-
ment, e que nao receie fazer para esse flm consi-
deraveis sacrificios.
< E' oesta convicgao qne o mea governo vos ha
de apresentar um projecto do augmento da es-
cuadra.
< O dever de tomar conta dos militares qae per-
dern) a sade no campo de batalha, e das fami-
lias daquelles qae morreram, encontrar egual-
menle uma legitima expreesa na apresenlagio de
j um projecto de lei sobre pensos dos invlidos, e
espero que o recebereis favoravelmente.
A centralisacao de tropas na fronteira polaca
cesseu, depois da suppressio da insurreicao no
paiz vizinho.
f A attitude moderada, mas firme, do meu go-
verno, coliocou a Prossia ao abrigo dos males da
insurreicao, emquanto que os tribunaes competen-
'orque mais fcil cscrever um artigo romn
l. o do que expor era severa critica uma ques.io tenc.a no escr.ptorioe as exploracoes pelos lugares
de direito: porque cada qual o que deseja ven- onde pode baver colheita Mu.tas vezes as ras,
cer sua demanda, seja como fOr: porque o vencido. > ^^SZ ,UgareS eSC,h,dS "
exausto de meios que as cusas judiciaes Ihe absor- s
veram, vergado ao peso de uma sentenca, e es- Um individuo vae entrar n'om pleito. Sabe
trompado cum os empuches da lide. .. o" misero dist0 advogado esperto, qne tem seus espas. Se
almeja o repouso, apenas se v livre das garras elIe entreten) relages de amizade com um dos tes tratara dos individuos aecusados de tomar par-
do foro, e muitas vezes de seus inexhoraveis offl- Plegantes, l vae aborda-lo presuroso, antes mes- te soladamente em tendencias qne tiuhara por fim
ciaes: ticando ludo assim terminado! rao de enlrar apreciago da ''5 da causa a separacao de uma parte da monarchia.
mi.-* i iue deseja defender. Esta circunstancia pouco! __..
Entretanto todo esse grande apparalo que per .. O estada prospero das nossas finangas permil-
ai vemos, de governo e de formas do governo | lo- ; tia-nos fazer a guerra a Dinamarca, sera recorrer
das essas cmaras altas e baixas, todas essas con- Se falham as relagdes, conta-se com vantagens | a um emprestimo. E' este om resaltado qae deve
ribuiges pagas pelos povo3 com lingoa de palmo, de outro genero. Uma carta de empenho, qaalqaer prodazir grande satisfago. Pode elle obter-se, de-
i; Jos esses sacrificios exigidos com imperio, nao inlervengo beneca de terceiro pode disporo vido a ums administragao econmica e preventiva,
tem outro fim seno dar a cada um o que seu. cliente *W- Entre o advogado e o cliente
E'deste fim que a autordade publica deduz sua ex,s,e uma classe intermediaria de protectores,
tegitimidade e sua forga obrigatoria. Fra delle se o pleiteante j tinha feito intencionalmente a
uao ha seno simulacros, papelles, parsitas e op- sua escolha, ba sempre algum meio de persuadi-lo 18er''a e das somraas eropregadas para lhe fazer
pressores. a mudar de accordo... Pode vir at a maledicen-! ace> meu Kv"ao vos apresentar as competen.
O valor real da tega do juiz, e o da cora domo-! cia >n,ra <<%> ** 'Pa d ser pre- i communicages, depois de encerrado o balan-
narcha, nao se mede pelo cus.o da tela de que f3rid? M ***,' BUe recurfs empregado
feita a priraeira, nem do ouro de que fundida a 6m Uo s,nular cabala' Ped'Dta alle6a a necessi-
agunda. Essas insignias valem smente tanto dade 1ue de Pseio, e a segaranga do trium-
1 pho, pelas incalculadas relagdes com magistrados.
Tambera costume atravessar as appellagSes
vindas de fra...
devido principalmente aos excessos consideraveis
das receitas publicas nos dous ltimos annos.
i A respeito das despezas occasionadas pela
insignias
quanto vale a justiga recta que destribuem aquel-
ies que com ellas se ornam. era um hornera lera
direito de subordinar seu egual, nao ser com a
cundigo impreterivel de lhe fazer jusliga inteira
E' po's um sacrificio o adormecimento dos or-
( que a imprensa, es-a potencia dos seclos moder-
nos, se erga a altura de sua mais nobre missao,
O honorario, a parte pode mp-lo se qoizer.
sempre quera faga por menos. Se
intimas viessem luz da Imprensa, offereceriam
episodios mais ridiculos do que a competencia dos
Clarn, das Auroras, e das Ligas, acerca dos valo-
como advogada popular de todos os que soffrem, res e melhor.a de seus gneros.
ac todos que sao lesados. |
Em um foro como o de Pernambuco, especial- No ha cousa em 1* deva na?er raais Perfeila
mente no desla capital, onde se veotilom innume- espontane.dade do que na escoiba de u advogado.
tas questes; onde vemos magisirados respeitaveis A connanga nao se impoe...
Honrando a cadeira cnvul, assim como advogados Comprehende-se que um individoo que poe sua
habis, e alguns togados se empenharara as tutas banca. avise os amigos para que se prevalegam de
das causas celebres; no furo do Recife, dizemos, seu preslimo ou informen) quem delle possa ca-
onde funeciona uma acreditada Faculdadede Dire- recer- Mas 1u um jurisconsulto sizudo ande
go do nltimo anno.
c O orgamento do crreme anno vae ser-vos
apresenlado immediaUraente. Comprehenderim-
se nelle os angroentos de reeeita qne se esperara
do novo imposto tirritorial e industrial,
t A domis fontes de reeeita paderam egaal-
mente chegar as proporges mais elevadas, man-
ila tendo-se nos limites de ama prudente avaliago.
certas scenas j D'aqui resullaram os raeios, nao s de restabelecer
no nosso orgamento o equilibrio das receitas e des-
pezas, mas tarabem de calcular sommas conside-
raveis ^a^a satisfazer as novas necessidades de to-
dos os ramos da administrarlo.
c Alm das contas geraes relativas aos orgamen"
tos de 1839,1860 e 1861, que devero de novo ser
apreseotadas, egnalmente vos serio snbmettidas as
contas do anno de 1862, para qae se d quitarlo
ao governo.
Os trabalhos para o regulamento ulterior do
imposto territorial foram concluidos no praso
ra de todas as dimensoes. Em preseoca da Un- E' all qae ama deasa attrae e prende
portancia que desta grande empresa resulta para E.m longos lios de eabellos negros
os nteresmdo commercio e da marioha prus- A1mas seccas nutridas nos seus labios : -
y y Luminosa metade de urna sombra,
siana, o nmfoverno se empenhara per garanlir ist0 de ora marido qae lhe Serve
a eiecugio, tomando parte o estado das despezas Idiota como um cao. N'um angolo escuro
necessarias ; hoje qne terminou as deliberages ^mo sua alma, habita o desgragado
preliminares, vos serao aprosentados comraunica- Sas^rnTIniSffSc^^'
goes mais circunstanciadas. Geme s vezes tambemseus ais sao uivos.
t A explorago das minas, libertada de restric-, E ella em baile a sorrir!
gao, aliviada de conlribuigoes, e desenvolvida pelo Grcil mimosa
augmento de mercados, toma um desenvolvimos Ao aperlo do cinto qae Ihj adorna,
to cada vez mais satisfactorio. Aos abrigos de amante, expande brilhos,
Como flor que reseende machucada
t Tendes que examinar ora novo projecto de InflammMel morena qu< esperdiga
codino geral de minas, destinado a regalar a sita- R *** ros suado as bagas de ouro;
cao lecal desla indnsiri I ^ a"ando em ondas dd vai-lade e seda,
gao iegai aesu industria. Nos fre3cores do ,nh0 a lel banhando,
Aordenanga dictada no interesse do nosso Palla., e seu bafo matutino, etnereo
commercio e dos nossos postes martimos, em,En?1bebe' asalmis,embriaga as fires-
-___..._____ ... .' Gollo n, seos tmidos que lemhrara
quanto duron a guerra, relativamente aos impos- nigidos papos de selvagens pombas-
tos extraordinarios de bandeira, ha de ser-vos "
apresentado era virtade de urna autorisago ulte-
rier. O meu governo trata de affastar os obsta-
culos que ameago comprometter a existencia do
Zollverein allemao, quando aspirar o praso Gxado
pelo tratado.
Mas arrependia-se, a reflexao continba-o e soce.
gava para breve tornar a agltar-se.
Depois de breve pansa, travou emflra da pistola,
introduziu o caao na bocea, poz o dedo no gati-
Iho e...
Mea Deus I exclamou a sna companbeira de
jornada. Qae faz, senhor f
E precipilou-se sobre elle para conter-lhe os im-
petos suicidas.
Mas Vivier, que tinha comido metade do cano
da pistola, respondeu com a maior naturalidade
deste mundo, offerecendo-lhe o resto da arma :
Que hei-de fazer ? Nada. A senhora qoer
chocolate ?
-J
Bocea cheia de pt-rola e dogor?,
Piogindo de emoeoes as facesella ...
No cenha grave, nos olhares frvidos,
No voluptuoso sacudir das trancas,
Dizer parece a> hoinern que a contempla
Eu sou rica, eu sou bella, eu sou infame.
Os tratados concillados com o governo do S.
M. o imperador dos francezes, obtevo a adheso
de todos os governos do Zollverein, e os tratados
aduaneiros foram renovados com alguraas modi-
ficagoes justificadas pela experiencia. Estes tra-
tados, assim como os ajustes a respeito dos votos
manifestados por um dos nossos alliados no Zoll-
verein, nos sero presente para obter o vosso as-
senilmente. As negociagdes que, em consequencia
destes tratados, e de accordo com os governos de
lia viera e Saxonia, se enlabolaram om a Austria
para facilitar e desenvolver reciprocamente as
transaegoes, fazem esperar um resultado prximo.
A obra comegada por estes tratados com a
Franca, no mez de agosto de 1862, o cuja nego-
cagotera proseguida desde d'essa poca com
egual perseveranga parte do meu governo e do de
S. M. o imperador dos francezes, aproxima-se nois
. r i" *" e |iui!> y endo-o a deidade nem se nu-r se move:
de uma conclusao qae ha de abrir ura vasto cara-, -O espectro vivo se approxim*della, ~
po ao commercio, e dar, pelo desenvolvimento "
commum do bera estar, uma nova garanta as re-
agoes amigaveis das nagoes vizinhas.
Nao pode re i mencionar os actos pralicados
pelo meu exercito, sem comprehender nesta men-
go um sentimento de satisfago e de cordeal re-
commendago pelo exercito austraco. Assim co-
mo os militares dos dons exercitos, em confrac-
ternidade d'armas, partilharam juntos os louros,
tarabem as duas corles se reunirn), as compli-
cagoes que occorreram, por meio de uma allianga
intima que encomrou ama base solida e duradou-
ra nos meus sentimentos alleraes, e nos do meu
augusto alliado. Nestes sentimentos e na fideli-
i dade aos tratados reside a garanta da conserva-
cao do lago qae prende os estados allemes, e Ihes J-'ica assim pensar como escutank>
assegura a proteegao da confederarlo.

tena de julgar, entregndose smente pocira
dos carinos as doutas sentengas que se proferem,
bons arrazoados jurdicos que se produzem. Nao ;
aso nao possivel, nao mesmo decoroso. Venha
patrocinio especial, arredando seus collegas, e in-
ventando intrigas, o que o bom senso e a digni-
dade nao podem relevar.
Neste secuto em que tudo se pretende converter
o prazer de reconhecer qne este resultado nica-
mente devido ao zelo e aos exforgos com qae todos
se applicam para chegar a soiugo desta difflcil e
laboriosa questao.
Os trabalhos preparatorios do impesto sobre
tudo ao lame da imprensa, e d-se o laurel da era instrnmento de favores, anda mesmo aquillo a propriedade tambera tem avangado.eactnalraen-
victoria quem pertencer. Os bons serao conhc- que cada qual pratica ou deve pratlcar por inte-
cidos, os menos bons procurarocorrigir-se, e aso- resse proprio, a parte muitas vezes parece cuidar
ciedade ganhar sempre. menos em garanlir o bom sucr-esso do saa deman-
Sob este ponto de vista alguns amigos da juris- da do que era fazer um obsequio,
prudencia concertaran) entre si lomaren) o penoso E' lalvez isto uma das causas de se ver entre os
encargo de escreverem o Forum, na intengao de advogados, como entre os polticos, elevarem-se re-
fiublicarem nao s os julgameotcs e pegas mais pulagoes que dio motivo a crer-se as preferencias
uotaveis do foro de Pernambuco, e algutnas obser- caprichosas da fortuna, symbolisadana mvtholo-
vagoes analylicas que o caso pedir: mas tambem giapor uma mulher de olhos vendados.
o desenvolvimento de algumas questes jurdicas, | Erato ontr'ora os advogados que substabeleciam habitantes desses paitos a" possibilidade "de'toma"-
e uma noticia summana dos usos c costiimes, da seus poderes nos procuradores. Hoje sao estes que rem parte activa na vida nacional. A minha poli-
tegularidade ou irregularidade da praxe correte protegen) advogados, dando-lhes dinhelro a ganhar,! tica ter por tarefa assegurar esta conquista por
nos tribunaes.tanto civis como ecclesiasticos : mas eo que mais aquilatando-lhes comparativa- meio de instituico>s qae nos faciliten o dever de
mente as aptides perante o freguez n*xpenente,e
usando dovetocontra algum jurisconsulto que
nao dos predilectos.
Em relago muitos advogados destes ltimos
lempos era mais grave a figura que fazia amiga-
mente um rbula. Viam-no sentado sua banca,
com rorto ar de sofficiencia e isengao, como quem
tinha consciencia do papel que represeotava. A
te s dependem da approvagao definitiva.
O meu gtverno nao cessa de empregar esfor-
gos para que o mesmo progresso se realise nos dif-
ferentes ramos de prodncgo, para que se possam
melhorar as vias de coromunic&go. O projecto de
regulamento geral de estradas ser de novo as-
sumpto importante das vossas deliberarse.
< A paz com a Dinamarca restitua Allema'
nha a sua fronteira septentrional contestada, e aos
de modo que nao fatigue muito a paciencia do lei-
ior benvolo.
Os redactores do Forum esperara associar sua
uobre e utilissima empreza todos os entendedores
que quizerem tomar sobre seus hombros a tarefa
patritica de realgar o foro pernambucano, com o
registro serio e prudente de seus annaes, e conju-
i ando lodos os visos de parcialidade, de sarcasmos,
e todo resaibo de despeito e invectivas odiwsasque geD,e mais grada ia cerca lo de altenges, fazendo
- nao devem jamis manchar a pureza de intenges instancias para t lo por patrono,
com que os amigos do justo e do honesto se pro-1 Ekq advogado efa y^ ajnda ljnha |M|s
poem abrir um campo para os exercicios das intel- valor,
ligencias superiores e beuifiras.
O Forum servir de abrigo a todos os litigantes j HoJe' ao se v aque independencia que era
que quizerem expr ao publico as clreamslancias caracterstico do advogado, e uma das maiores
de seu direito, c o deferimento que obliverem dos vantagens da proflssao. O jurisconsulto tem-se
juizes e tribunaes: com lanto que tragam esses fp" dependente dos procuradores e das partes, que
aponiamentos baseados em verdade, e concebidos Ju|gam prestar grande favor, confiando-lhe a guar-
en) termos decentes e comedidos, ainda que vigo- da de seus direitos I Alguns advogados semelha.m
rosos. A ninguem licite converter em ara libello, devotos agodados em receber resistes.ou pes ben-
provocador a petigo que reclama e delucida um tos as festividades.
direito contestado. Recommendamos muito o pau1 E de tudo quanto vemos resulla, nao poacas ve-
no/ et bene preparatum, quando a importancia do zes, a perda de causas importantes..............
assumpto nao obrigar um desenvolvimento mais j............................................
longo.
Os redactores do Forum liveram intengao de es-
Tudo se perverte neste abengoado paiz I
Felizmente, seja dito por honra da classe, e so
bretudo por amor da'verdade.-ainda .existen) no
lampar o seu trabalho em uma gazeta especial; m io adTogados di nos desle norae.
C. F. Jnior.
mas alcangando da incontestavel generosidade do |
grande decano da imprensa do norte, o Diario de
Pernambuco, o especial favor de admittir o Forum
cm uma de suas columnas da oitava pagina, pn-fe-
riram este expediente como sendo o mais proprio
para dar mais circulagos ideas, e ao mesmo tem-
po offerecer um testemnnho da considerago e es-
lima que nos e a todos os Peroambucanos deve
merecer o emprezano gigante, que tem honrado a'
imprensa da nossa bella provincia com um jornal
ricamente impresso, e que, tendo sido sustentado;
ao meio dos maiores sacrificios, nunca soube apro-'
veitar-se das occasioes para fazer Imposiges e ac-1
curajjlar--tefos-^usta dos que procurara o abrigo
de seus typos, typosnrottas vezes gratuitos, e sem-
pre baratos. Esta a verdadjtne convm repetir-
se, porque c#fw ladala crescit.
Comegando hoje a ser publicado o Forum, cbe-
nos o dever do saudar a todos os lidadores da ira-
prensa, solicitando a sua indulgencia e valiosa
coadjuvagao: e concluimos o presente artigo fa-
zeodo os mais rdanles votos j/ara que a nossa
missao seja abengoada pela benevolencia publica.
OS ADVOGADOS.
, ... luimildade o nosso coragao para Dens, coja ben-
A advocacia U sempre repauda uma missao 5o me perroit(iu agradecer em nome da patria,
"L?'ol? r, "^^mdeSTPeUh-della ao nosso exercito os sens to*, que egnalara os
nao se exige smente o talento, a illuslrago e a ,,. n
_ ,,. dos seus mais gloriosos annaes millares. Depois
pratica. E preciso quo a estes requ s tos se rou- j *
. ;, H -o mu de cocoenta ancos de paz,interrompido apenas por
bamcerlot.no especial, ranila dignidade, grande honrosa8> roas curlas campann,g, a edncago e dis-
ferga de vontade para es.udos senos, ura zelo de- ciplina ^ mea exe,c|0> a 0,|idade da sua orga.
cdido, eoutros predicados. Nao < smente no sagloedoea armamento, pavada pela guerra
comraerc.oqueocred.lo, o verdade.ro crdito se do anno pa88ado que as ,BlemperidM da estago,
considera cond.go essenc.al. Tambera no foro e a valente resistencia do Inimigo tornarara para
elle inspira coofianca e offerece garanta ao clieo- sempre memoravel.
te, attrahe a attengo do juiz, qae v nos preceden- Deve-se a anual organisago do exercito nao
tes do advogado uma presompcao de qae elle nao ter ^^ obrigado a atacar, chamando-se a
procura torcer a justiga, nem defender a trapaga. Ladwehr, ai relagdes de trabalho e de familia da
O bom conceito, finalmente, impoe certo respeito popaiacJ. Depois desta experiencia, ainda mais
LITTER ATURA
O qae vae pe* mundo.
Era seguida damos o discurso, pronunciado pelo
rei da Prussla, na abertura das cmaras prus-
sianas :
Illastres, nobres e charos senhores.
c E senhores das duas cmaras.
t Acaba de decorrer o anno fecundo era aconte-
cimentos. Conseguimos, de accordo com S. M. o
imperador da Austria, libertar-nos de nma divida
de honra, que por muitos modos tinha sido recor-
dada, e para a qual se haviam invocado os sent-
mentes tradiccionaes na memoria de toda a nossa
patria. Obteve-se uma p:z honrosa pelo brilhante
valor das nossas armas reunidas.
c Animado pela satisfago com qae n nosso no-
vo langoa ura golpe de vista retrospectivo para
este acontecimenio digno da Prossia, voltamos rom
honra, de proteger essa fronteira, e de permiltir
aos ducados que empreguem e fagam valer os seus
recursos no interesse do desenvolvimento das tor-
gas de trra e de mar da patria commum.
< Sustentando estes legtimos pedidos, proenrei
dar-lhes cumprimento, de aecordo com todas as
pretengoes fundadas, e do paiz e dos soberanos.
< E', portante, para obter um ponto de apoio
segure para julgar as questes de direito em leti-
gio, que eu convido os syndicos da cora a emlttir
na conforraidade dos seus deveres, una opinio
legal.
< A minha legitima conviego, e es deveres
legtimos para com o meu paiz bao de guir-me
nos meus esforcos para me entender com o meu
augusto alliado, com quem partilho a posse e o
cuidado de uma adminislragao relugar dos do-
cados.
V c Sintoa mais viva satisfago em que as con-
digoes da guerra tenham sido concentradas n'um
estreilo crculo, e em que os perigos ameagado-
res que podiam resallar para a paz europea se
liajam evitado.
t O restabelecimento das relares diplomticas
cemegou. Tenho a firme confianga que se conse-
guirn) formar reiagoes mal amigaveis e mais
vantajosas, que correspondan) aos intereses na-
luraes d js dous paizes.
< As nossas relagdes com todas as outras poten-
cias nao teem sido alteradas de maneira algnma, e
continan) a a presen lar o carcter mais feliz e
mais satisfatorio.
< Senhores. O mea arden le deejo e que a
desintelligencu que se suscitou, nestes ltimos
annos, entre o mea governo e a cmara dos de-
putados, possa chegar a uma conciliago. Os me-
mora veis acontec melos de 186 i torio contribui-
do para esclarecer es espiritos sobre a necessidade
de melhorar ama organisago militar, que passoa
por tantas provas n'uma guerra feliz.
i Estou resolvido a respeitar e garanlir os di-
reitus que a censliluicao concedeu a represenlaeao
do paiz ; mas, se a Prossia deve sustentar a saa
independencia, e a posigao a que tora direito entre
os estados da Europa, o seu governo deve ser fir-
me e forte, e Bao pode haver accordo com a re-
presenlaeao do paiz senio pela conservagao da or-
ganisago de exercito, que garante a sna virtade
militar, por consequencia, a segoranca da pa-
tria.
< Todos os meas esforgos e toda a minha vida
esto consagrados felicidade e he ura da Pros-
sia. Proseguindo neste fim, nao dovido que ba-
veis de encontrar o caminho que conduz a um
completo accordo com o mea governo, e os vos-
sos trabalhos apreveiiaro tambem para felicidad*
da patria. >
t Muitos projectos vas sero egnalmente snb-
mellidos para a extengao e conclusao da rede dos
caminhos de ferro.
f O meu governo fu execuur trabalhos prepa-
ratorios tochnicos para a consirueeo de om canal
entre o mar da noria e o mar Baltrio, atravez do
Holsteim e do Schleswig, qae saja constantemente
navegavel para os navios da commercio e de gaer-
UM P0UC8 DE TUDO.
L-se no Coutrier de Sargon :
Entre os doentes que occapavam alguns leitos
da enfermara do posto de Thu-dau raot, na oeca-
sio da visita do governador, estova om hornera,
que fra das antes ferido por ora tigre femea, do
modo seguinte :
O hornera eslava s 9 horas da raanha no seo
jardim, simado pouca distancia da aldeia.
Dous criados seos esta vara poneos passos dis-
tantes.
De repente nm tigre femea faminto saltn i. se-
be, que vedava o jardim, e seguido por dous tigres
pequeos accomraetteu o hornera, que s teve tem-
po de dar pm grito, sendo derribado pelo feroz ani-
mal, que lhe langon orna das garras cabera e
cravon-lhe a outra profundamente n'uma coxa.
Eslava perdido o hornera, se os dou criados ti-
vessem fgido, como era de esperar. Porm, ex-
citados vista do perigo que sea amo corra, cor-
rern) em seo soccorro armados com paus, e estn-
deram um dos pequeos tigres.
A mae, vendo isto, largou o preso, a retirou-se
com o lilbo que restava, [dando medonhos nrros.
Pensndose no desenlace dessa trgica aventu-
ra, nio se sabe qual mais admirar : se a felicidade
do aonamita, que pareca votado a uma morte cer-
ta, se o sangue fro dos seus criados, que tao mila-
grosamente o salvaram, ou finalmente o poder d
instincto maternal, que determinou a fra a reti-
rarse, no momento em que a tome lhe era terri-
vel conselhe'ra.
1^1 II li !!
II
Pouco pouco escora-se a torrente___
Cessra o riso, o crepitar do espirito;
Morrra a la. A noute penetrara
Na flor que abrao mar, sulto lascivo.
Babava as plantas da cidade na.
Cahia o orvalho ; a ierra mae chorava
No noivado da sombra e do silencio.
Na sala exhansta as luzes somnolentes
De suavj clario banham as faces
Da senhora ...que fulgo reclinada
Em eolchins de mollezadesleixosa
Psa-lne o somno na caboga lnguida
Como golia do chuva em lores clice.
Fogem lhe os olhos trmulos, cadentes
Que vo la s'immergir adormecidos
.\o ocano interior d'alma enfadada.
Est s. De repente se escangra
Porta oeculta que atira um vulto horrivel
N'uma golpnada lgubre de sombra
Que vem manchar aquella claridade
E' elle, o triste, o misero que soffre...
E com as maos afagando lhe por cima.
Como rasgando a nuvem que a circunda
.De luz, de sooho e de deslumbrameoto,
Ajoelha-se, p-ga-lbe na dextra,
Querendo-a s beijarella o repelle,
E dando-llie cem o ptoda agastada
Da-loeSae-te d'aquiporque nao morres ?
Ai I que esta acgo bateu-lhe como um raio,
Como ora raio acelerando as trevas intimas.
O calado, misrrimo, indolente
D'um sallo poz-se era p grande, sublime.
Da estalara de nm tronco solitario,
Que range como denles de gigante,
Pelos rbidos ventos ag o i lado.
Com os dedos descarnados ponteando
As crinas do leo que surge n'elle.
Abre a custo um sorriso tenebroso
De sarcasmo, de insania e de amargura :
O ruido que faz sna cabera
.Que lhe parece decepada, enorme,
' De degrao em degrau rolando tonta
>'a escadaria lbrega do inferno
Treme.... ecomo ura puahal na mocerrada
Aperta a raiva, a sede da vingaoga :
D um passo. .. rnteiriga-se.... e murmura :
Como os outros vo rir deste homem mocho t
Na verdade.... qne o faci bem notavel
Soffrer, soffrer, soffrer, e n'um instante
Dizesnao soffro mais. Porque nao morro f
Perguntaste-pois bem acceito amorto
Anda, brinca, sorri, deusa, morena
Linda, moga, feliz, lasciva, diabo----
En sacado dos hombros esta vida
Salpicada de infamias e miserias,
Nao quero-a mais vi ver. Minha deshonra
Fica s de uma cora cor do sangue,
Uma nodoa smentea de assassino-----
Ah I ni u I be res crueis, falsas, bonitas
Corrompem-se, e depois que venha ura anjo
Amarra-la, cruz pelos cabellos
Magdalenas, chorosas, penitentes,
De joelhos rbidas, desgrenhadas
Mendigando perdi ser verdade
Que Dens er nestas cousas ? Nao to toco,
Vae lavar-te, creaoga enlameada,
Vae lavar-te, e depois----mas em que fonte 1
jjnda mesmo que Deus te mergulhasse -
Na luz do abismo, d'onde os -oes borbulham,
E a meus olhos seqoosos que nao chorara
Te moslrasse lavada, branca, na,
Eu dira ao meu Deustem lama ainda-----
Como surgindo vao do peito agora
Bros que herdei de minha raga de ongas !
Lembro-me q;> ;i meu paa contei um dia
'"LTer visto niintia irma com os ps descalgos,
o" Desvairadaella s fallando a um hornera,
E elle me perguntouonde enterraste-a?
V meus dedos, repara elles tem garras,
E eu deixei-as crescer para matar-te.
1--se no Correio dos Estados-Unidos :
Em New-York, os malfeitores ja se nao conten-
tan) com os rewolvers carregado com balas, pois
i usam halas de anudara, atacando as suas victimas
j como se atacassem uma fortaleza.
j Thomaz llardy, que tem apenas dezenove annos
, de edade. nao obstante ser tao joven, um dos
membros mais eminentes da ordem cavalleiresca
i dos dead rabbits.
A' 15 de dezembro noute eslava elle n'uma ta-
i berna de East-Houston-Streei, fazendo graude mo-
, lim.
O dono do estabeleciment pediu lhe com bons
modos que sahisse, 'oorm elle, recusando forrml-
mente, ia ser posto fra da porta a forga, quando
do seu paleto! tirou nma bala de calibro i2, e com
ambas as mos atirou ao peito do taberneiro, que
carabaleou e cahlu sem sentidos.
Thomaz Hardy fugiu, mas foi perseguido e preso
pelo policeman Maxwell. Infelizmente, para elle,
nao tinha comsigo mais balas, e leve de render-se
discrigao.
Condnzido ao tribunal, desculpouse dizendo que
estova bebado e nao sabia o que fazia.
O joiz respondeu-lhe que a fuga provava qne
elle eslava bastante senhor de si para comprehen-
der a gravidade do mal qae fizera, e alm disso
que se nio poda explicar como um homem podia,
sem ms intenges, andar ecenpado dos seus nego-
cios ou dos seus prazeres com uma bala de doze
na algibeira.
Hardy ficou preso por nao pagar a molla de 500
dollars.
E' do Sr. Tobas B. de Menezes a seguinte
LENDA CIVIL.
A Ina meio tourao cu sereno.
Desperta, alegre, estremecida, laneuida
A noate uma viuva de quinze annos
Que prostitoe-se envolta era trajos negros.
E' hora em que ao oovido atiento sa
No reloglo e no paito palpitantes
O tropel dos momentos que galopan)
Fugitivos aps do inmenso nada.
Branca cidade avulia ao p dos mares,
E os seus templos em xtasis tranquillos
Erguera as torres, como orelhas filas
Esrotando.. o silencio das alturas
Porm l d'onde vem ans sons d'orga,
Palacio ingente resfolgando estpido
Com os seus ptreos palmos atira aos ares
Baforadas de msica a prazeres :
Salp de baile festival, ruidoso, /
Tonto da aromas -um pal de luzes,"
Onde batem rasgados, descobertos -*
Coragdes femininos rapalpaveU
Qae escorregam das mios chelos de lodo.
Suffocada defogo a voz lhe falta,
O infelice recua. A bella immovel
Tem os olhos cravados no phaotasma
Arrebenta-lhes estpida risada,
Che.ra uma rosa e diz :sempre s um bruto-
Admiro a transigi, pasmo de ver-le.
Impetuoso e ferozmas nao me assusto.
Vamos I.. grita ao puahal, agula es raios,
Os despresos, os odios fulminantes.
Que ven ha m sobre mim... ah I que me importa
Tenho sede de cbamma___anjo ou demonio
LSub as azas do sol me aquego e durme.
-Vaidosa I.. e porque nio... se que son bella ?
Sonhos de amores perfumosos, tepidos \
Sao ellluvius de mira que exbalo-os n'alma
De quantos honro com a deshonra minha.
Bella infame Iolha la que te parece ?
Deste se.o que sao a estrella d'alva.
Oh dir-se-hia que tinha enlouquecido
A pobre da mulher que assim faliava ;
Opa raivosa, paluda, risonha.
Toda ajilada, de um tremer espleodido.
Voltando as ondas que o seu corpo eogolphara,
Ao relleio da seda, um p mostrando,
Deixa ver arrendados deslunbraates,
Como dessa occeano a escuma alvisslma ;
E da vaga ao abrir pula nos olhos.
O fulgor de um diamente em charpa de ouro,
Qne da cintura, e serve-I bu na perna
Murmuraran) lalvezque poma gnxsa !
E eu Ihes respondoque cintura fina I
O raio doudo que a mulher vibrara,
Varou chiando o corago do espectro.
Porque nao possobrada o homem foro
Metter a mi no fundo de minha alma,
E aiirar-te na cara as cinzas della 1 ?
O negocio vae mal nao contino,
Que a cousa se complical se avenham.
B>^&~K!LB--
Um dos mais aflamados fabricantes de chocola-
te, em Pariz, fez com cacan e assuear urnas pisto
las Uo perfeitas, que paracem obra das oficinas de
Lafoochenx.
i
Sao boas armas... para r.r e para comer,
Loma d'ellas serviu ha poucos das para divertir Vi-
vier, celebre tocador de cornetn).
Armado com a sua pistola, bem escondida n*
manga do paletot, meltea-se em um mnibus, on-
de encontrou apenas urna dama elegante.
O artista comegou a suspirar, a agitarse, a pas.
sar a mo pela testa e a deixar escapar algumas
palavras sera sentido ; em uma palavra, dava mas-
tras de estar possuido de fortisslma exc.tagio.
A dama observava-o com susto a elle deixava
ver s vezes a coro nha da pistola como resol vnde-
se a emprega-la.
O aso da colber, segundo se diz, s appareceu
na Europa no XIV seclo, o garfo vea mais
tarde.
S. Pedro d'Amiens conta, com horror, qne a mu-
lher d'Orsolo, filha de um imperador do Oriente,
era vez de comer com os dez dedos, como a mi
Eva, nsava colheres douraradas para levar os ali-
mentos bocea o qae elle considera luxo inaudito
e insensato.
A collier passoa do Oriente para a Italia.
E' descecessano dizer que foram primeiro de
pu, depois de ferro e estanbo, e por fim de prata.
A proposito da colher, o Jornal Salle manga
conta a seguinte anedocla :
Um preso aecusado de ter roabado a colher de
um vaso de ponche, foi condnzido presenga de
lord Mansfield para ser julgado.
O agente do ministerio publico, qae passava par
ter sido procarador, foi muito severo cora o aecu-
sado.
Vamos, vamos, Ibe disse ao ouvido lord Maos-
field, o exageris as cousas.' Se o infeliz fosse
procurador levara o vaso cora a colher.
* i
Le-se no Commmercw do Porto o que segu :
Um jornal de Londres d cariosas informarles
acerca do anuo novo na China :
Nao ha tal vez um povo que tenha manos f estas
que os ehinezes.
A principal e qnasi nica poca de r<*gosijo ge-
ral o novo anno.
A' approximagao da nova la, quando o sol at-
tinge o 15o grau de aquario (comeco do anno civil
dos ehinezes), todas as repartiges publieas se fe-
chara dez das antes e os mandarras fechara os
seus sellos at ao 20* da da priraeira la.
Esta suspensao do poder produz, ordinariamen-
te desordens, por causa da faculdade que eotao
leem os particulares de ajustarem as suas contas,
conforme os amigos costames, de accordo e sa-
tisfago das partes.
Na noute do ultimo dia do anno toda a gente vela
at meia noute.
A esta hora comer ura interminavel estroado
de bombas, fogueles e fogos de alegra.
O consumo das pegas de fogo de artificio tao
prodigioso, que impregna o ar de nitro.
Desde a meia noute at ao romper do dia, cada
habitante executa os ritos sagrados ou prepara a
sua casa para a solemnidade do primeiro dia do
novo anno.
Pela manhaa ama maltidao immensa cerca os
templos.
Soon-Nin o nome das solemnidades do dia da
anno novo, festejado nos quatro templos aos quatro
ngulos da cidade.
as vesperas, as proximidades de cada ura
destes templos, constraem-se grandes theatros, com
bambs, e oestes theatros representam-se depois
pegas era honra da divindade do templo.
Todas as casas se fornecem de lantornas novas.
A mobilia renovada e a familia aceia-se com
os seus melbores vestidos.
Este costume obngatorio, porque um chioez
julgar-se-hia vetado pobreza por todo o auno, se
nao apparecesse bera vestido no da de anno novo.
Para isto empregatn todos os raeios ao seu al-
cance, a ponto de que algums vezes roubam os
vestidos que nao podem comprar.
Segundo a lei, as fastas do anno novo devera du.
rar dez das, mas quasi sempre chegam a vinte.
O primeiro dia chama-se Kay-Yat (dia dos pas-
saros).
E' destinado a recordar que as aves sao um dos
alimentos do homem.
O segundo dia Kou-Vat (dia dos caes).
Os ehinezes venerara por tal modo os caes, que
teem operarios encarregados de Ihes fabricar ata-
des. Acreditara que um dos seas sabios foi preser-
vado de assassinato por um cao que devorou o as-
sassino. K, comtudo, por nma singular inconse-
quencia, corneto a carne do cao.
No terceiro dia Cben-Yat (dia dos poreos) os
ehinezes veneran a memoria de om destes ani-
maes, que salvou de ura incen lio um raanuscripto
precioso.
Neste dia ninguem come a carne de porco.
O quarto dia, Yaouk-Yat (dia dos carueiros),
consagrado a Pun-Kvon-Yenga, pastor que viven
pobre, araentando-se nicamente de legumes e
vestindo-se com casca de arvores, mas que ensi-
nou todo o partido que se podia tirar da lia dos
carneiros.
O quinto da, New-Yal (dia das vareas), desti-
nado a recordar qae um destes animaos aleitoa
um menino orphao de pae a mi, que, ebeganda
a ser mandarn, lhe levantoa am templo.
O sexto da, Ma-Yat (dia dos cavallos), ama
festa instituida para inspirar ao povo considerago
por este mil quadrupede.
O stimo dia, Yen-Yat (dia do homem), consa-
grado a l'on-Tso, qne ensinou os ehinezes a ali-
mentar-so de arroz, de trigo e de carne.
A divindade do oitavo dia Ko-Yat (dia dos c-
rcaos).
Preside ao nono dia (dia do linho) Mo-Yat, qae
ensinou os homens a fiar e a servirse do linho.
O dcimo dia consagrado ao ser supremo.
O Sr. Mini, inventor das carabinas a que deu
o nome, esperado em Franga, onda vae nb-
metter a exame de peritos um novo systema do
espingardas.
Venha mais este progresso humanitario.
Quanto mais instrumentos de morte se in-
venta rem, tacto mais se aproxima o termo das
guerras.
E' sabido que o coragao do palriarcha de Fer-
ney existia no palacio do raarqnez de Villette, em
Vlllette, parto de Pont-Saint Maxence. Os herdel-
ros e actuaes possoidores desle palacio lembraram-
se de offerecer ao imperador Napoleio o coragao
de Voltaire. O imperador acreitoo gustosamente
esta offerta, e mandoa collocar o corago do gran-
de homem na bibliotheoa imperial. No da 13 do
passado effectuouse esta ceremonia com mui la so-
lemnidade.
PERNAMBUGO.-TYP.-DE M. F. DE F.& FILHA

-


N).


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5BK0TTDR_Q5MPM0 INGEST_TIME 2013-08-28T00:04:44Z PACKAGE AA00011611_10596
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES