Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10595


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-----rA .
S
AMO ill. MERO 38
.

Per e^artel pago dentro de.Odias do l.9 mez : i juno
dem depois dos l.M 10 das de comeco e dentro do quarlcl. 6S000
Porte ao correio pof tres mezes........... 97^
Por anno pago dentro de 10 lias do 1. me
Porte ao correio per um anno
JSNGARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, oSr. Antonio Alexaodrino de Lima;
Nala!, o Sr. Antouio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
FiMos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL.
Alagoa, o Sr. Claudine Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alvs; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
QUIMA FEIRA 16 DE FEVEREIRO DE 1865.
r
>>.
49|000
3(000
PARTE 0FFICIAL
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estag5es da via frrea at
Agua Preta, todos oe dias.
fgnarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anlo, Gravat, Bezerros, Bonilo, Caroar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury.Salgneiro e Ex.nas qnartas feiras.
Serinhem, RioFormoso.Tamandar, Una, Barrei
ros, Agua Preta ePi raen te i ras, as quintas feiras
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
.navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Qaarto cresc. as 10 h., 48 m. e 58 s. dat.
10 La cbeia as 2 h. 7 m. e 16 s. da t.
18 Quarto ming. as 7 b., 18 m. e 4 s. da t.
23 La nova as 5 h., 43 m. e 22 s. da t.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
'Tribunal do commercio: segundas e quimas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda; quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos : tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbadas a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
13. Segunda. S. Gregorio p.; S. Benigno b.
14 Terga. S. Valentim m.; S. Auxenciom.
15. Quarta. Ss, Faustino e Jovita mm.
16. Quinta. S. Raymundo de Penafort c.
7. Sexta S. Pulyrarpo b.; S. Rmulo m.
i, babbado. S. Slmeo b, m.; S. Prepedigna v.
U. !>. Conrado f.; S. Gabino m.; S. Alvaro f.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as hora e 30 m. da manhaa.
'Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
GOWtNO DA PROVINCIA.
Conlinuaeo do expediente de expediente do dia 1 1
defevereiro de 1865.
Offlcio ao capito Joo Capistrano Torres Galin-
do, commandanle da 8* companhia do batalho n.
26 de infantaria da guarda nacional do Bonito.
Tenho presente o offlcio que Vmc. dirigio-me em 6
do corrente, offerecendo-se para prestar seus ser-
vicos no Rio da Prata no mesmo posto de captto
que da guarda nacional e consultando ao mesmo
tempo sobre as vantagens que offerece o decreto n.
3,371 de 7 de Janeiro ultimo, aos que se alistarem
como voluntarios da patria.
Lonvando os seotimenlos patriticos que animam
a Vmc. remetto-lhe os inclusos exempiares da pro-
clamago, portara e citado decreto ltimamente
publicados pelos quaes ver Vmc. as vantagens,
que se concedem aos voluntarios.
Nao me julando, porm, autorisado a aceitar o
seu offerecimento nos termos por que feito, nao
terei todava a menor duvida em receber, se de
conformidade com a condigao 8* da predita porta-
ra Vmc. apresentar-se com nm numero de volun-
tarios tal, que forme urna companhia ou pelo menos
um nncleo della.
Esta condigao nao dlflkil para quem dispoede
algum prestigio e influencia, e estou cerloque Vmc.
a satisfar.
13
Offlcio ao coronel commandante das armas.Sir-
Ta-se V. S. de informar acerca do que pede no
incluso requerimento Salustiano Gomes de An-
drade.
Dito ao mesmo.Fornega V. S. ao commandante
do 4* batalho de artilharia a p, um livro de 200
folhas, de qoe trata o incluso pedido, afim de se-
rem nelle registados os assentamentos dos recruias
em deposito a cargo do mesmo batalho.
Ditoao mesmo.Urna vez que V. S., segundo se
v de sua informacao de 11 do corrente, sob n. 292
concorda na transferencia para o 4o batalho de
artilharia a p aos soldados da companhia de art-
fices Jos Vicente Los da Silva e Aquilino Farias
Braga, conforme pediram estes, nenhuma duvida
tenho em assentir qoe se leve a effeito semelhante
transferencia, nos termos do arl. 108 do regla-
mento de 27 de outubro de 186U.
Dito ao mesmo. A' V. S. fago apresentar o cida-
do Antonio Jos Henriques de Vasconcello?, que
se cffereceu para servir no corpo de voluntarios da
patria, afim de que mande alista-lo se esliver as j
cmdigoes legaes.
Dito ao mesmo.Declarndome Vasco Fernn-
des da Gama, apresentado por seu tutor para alis-1
tarse no corpo de voluntarios da patria, que quer
sentar praga como voluntario no exercito, com j
destino ae 3* regiment de cavallaria de linha, as-!
sim o commuoico a V. S. para que neste sentido |
mande fazer o necessario assentamento do praga, e
expedir as deroais ordens que forem precisas.
Dito ao mesmo.Srva-se V. S. de informar-me
com urgencia quantos voluntarios da patria se tem
alistado at hoje, coovndo que continu a fazer-me
idntica declaraco todos os oilo dias.
Por esta occasio recommendo a V. S. que ao vo-
luntario Vicente Ferreira de Franga Carvalho, se
conceda urna licenga de 15 dias para ir ver sua
familia, condigao com a qual se alistara elle.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar
acerca do que pede no incluso requerimento ex 2*
cadete do 7* batalho de infantaria Petter da Costa
Doria.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tomando em considerago o que expoz o coronel
commandante das armas em sua fnformag junta
por copia (lauda de-10 do corrente, e sob b. 285,
recommendo a V. S. que de conformidade com ella
mande pagar ao capito do 7' batalho de infanta-
ria Antonio Pedro Heitor a gralilicago de com-
roando de companhia a que se julga com direito,
como encarrgado do deposito de voluntarios da pa-
tria.
Dito ao mesmo.Constando deeommunicagoda
secretarla de estado dos negocios da mannha, do
1" do corrente que na mesma data se concederam
ao inspector do arsenal de mannha desta provincia
capito de mar e guerra Hermenegildo Antonio
Barbosa de Almeida, 45 dias de licenga com todos
os vencimentos para ir a corle, devendo contar-se
aqnelle praso do da em que o mesmo inspector
deixar esta provincia : assim o declaro a V. S. pa-
ra seu conhecimento e dlrecgo.
Dito ao mesmo.Em vista do incluso requeri-
mento documentado e nao hateado inconveniente,
mande V. S. pagar a Francisco de Souza Guerra, o
alguer a contar do de julho do anno prximo
passado al 22 de Janeiro ultimo, das casas que
servem de quartel do destacamento de 1* linha es-
tacionado em Villa-Bella.
Dito M masm,).Ao? 2." cirnttriSe? do corpo de
sadedo exerciio Drs. Cicero Alvares dos Santos e
Li vi/io de Bastos VarelU, bem como ao lente do
segundo batalho de infantaria Manoel Joaquim de
Oliveira-Cirehatuz que vo para a corte, mande
V. S. ajustar conUs at o fim do corrente mez, e
passar-lhes as competentes guias de soccorrmen-
to.Neste sentido offlcoo-se agencia o commu-
nicou-se ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.-Constando de offlcio do coro-
nel commandante das armas de 11 do corrente, i
que no dia anterior fallecer o segundo len-
te quartel mestre do quarto batalho de artilOaria
a p'j Francisco Pedro Borges: assim o comraunico
a V. S. parasou conhecimento edirecgo.
Dito ao mesmo.O bacliarel Joaquim Ferreira
Chaves, tendo raelhorado de seus padecimentos,
reassumio o exercicio do cargo de juiz municipal e
de orphaos do termo de Ingazeira no 1." do cor-
rente : o que V. S. communico para seu conhe-
cimento.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista do competente certificado, mande V. S.
pagar ao en.preiteir* do calgameoto desta cldade
aquantiade 23:347,8800 rs. a que tem direito, por
baver feito no mez de Janeiro ultimo servigo cor-
respondente a essa quantia, como se v do offlcio,
junto por copia, que me dirigi o chefe interino da
repartigo das obras publicas em 10 do corrente,
sob o. 33.-CommuDicou-se ao chefe interino da
repartigo das obras publicas.
Dito ao commandante superior interino da guar-
da nacional do Rerife.Declarando o Exm. Sr.
ministro da guerra em aviso de 6 do correte, que
pode ser conservado no presidio de Fernando do
Noronha o destacamento que all se acha do quar-
to batalho de artilharia a p, Ocam de nenhum
effeito as ordens expedidas por esta presidencia,
para ser aquelle destacamento substituido por ou-
tro de guardas nacionaes; o qoe communico a V.
S. para seu conhecimento, e Bns convenientes.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Befe-
rindo o incluso requerimento de Jos Francisco
Creto, antorise V. S. a mandar alistar na compa-
nhia de aprendizes marinheiros desse arsenal, se
estiverem as ondiges do respectivo regulamen-
to, os menores albos do suppllcante de nomos
GaldinO Francisco Creto, e Jos Francisco Creto
Jnior.
Dito ao mesmo. De conformidade com o que
solicitoa o juiz de orphaos desta capital em data
de 11 do corrente, mando V. S. alistar na compa-
nhia de aprendizes marinheiros desse arsenal, se
estiverem as csndigoes do decreto n. 1517 de 4
de Janeiro de 1855 os menores Jos e Victorino,
quando lhe forem apresenlados pelos respectivos
tutores.Communicou-se ao juiz de orphaos desta
capital.
Dito ao Inspector da alfandega desta provincia.
Recommendo Vmc. que por conferentes dessa
repartigo se proceda a exame no oleo de linhaga
existente nessa alandega, e que foi ofTerecido ao
conselho de compras navaes por Joaquim da Silva
Lepes e por oulro negociante, que foi preferido na
venda de tal oleo, dando-me Vmc. conla do resul-
tado desse exame, cujo dia e hora communicar
ao inspector do arsenal de marinha para que pos-
sa assistir se lhe parecer. Communicou-se ao
mspector da thesouraria de fazrnda.
Dito ao director do arsenai de guerra.Para o
delegado do Limoeiro, mande Vmc. fornecer re-
partigo da pohcia 6 pares de algemas com cadea-
dos, e aprsente a esta presidencia a conta dessa
despeza. Lorauunicou-se ao Dr. chefe de do
licia.
Dito ao Dr. Joao Nepomuceno Dias Fernandes.
Recebi o offlcio que Vmc. me dirigi nesla data
olfcrecendo-se para prestar seus servigos mdicos
na enfermara dos menores do arsenal de guerra
sem remunerago alguma pecuniaria, logo qu se-
jam ellos all precisos. !
Louvando o patritico offerecimento de Vmc,
vou leva-loao conhecimento do governo imperial,
afim de ser tomado na considerago de que me-
recedor : no entretanto offlcio nesla data ao coro-
nel commandante das armas, qoe est autorisado
a contratar os mdicos civis que devem substituir
os militares, para que atienda aos bons desejos de
Vmc, quando houverde tomar aquella provjden-
j'3--Oflkiou-se neste sentido ao coronel comman-
dante das armas.
Dito ao gerente da Companhia Pernambucana.
Pode Vmc. fazer seguir para os porlos do sul o
vapor Paralaba, no dia e hora indicado em seu
offlcio de 11 do corrente.
Pertaria.-Os Srs. agentes da Companhia Brasi-
leira de paquetes mandem dar transporte para a
corte, por conta do ministerio da guerra no vapor
Paran, que se espera dos porlos do norie, D.
Engracia Mara Petra de Barros Bruce, rauiber do-
coronel Joao Guilherme de Bruce, e aos seus qua-
tro Hlhos Mariana, de 14 annos de Idade, Francis-
co de 13, Faustino, de 10, e Manoel, de 6
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para j o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
al a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos lias 14 dos mezes de janeire, margo, maio,
julho, selembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livrarla da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Maneel Figueira de
Faria & Filho.
(MIANDO DAS ARMAS.
Qnarlel do eommanilo das armas de Pernambuco
na cidade do Recife, 15 de Fevereiro de 1865.
Ordem do dia n. 34.
O coronel commandante das armas faz publico,
para conhecimento dos Srs. offlciaese empregados
militares desta guarnigo, o offlcio abaixo trans-'
cnpte que na data de hontem recebeu da presi-
dencia, para que todos tenham conhecimento de !
seu contedo.
Faz igualmente publico, que approvou o engaja-.
ment que no dia 14 de aneiro ultimo contrahio
para servir por mais 6 annos, nos termos da H '
n. 1,220 de 20 de julho do anno passado, e do re-
gulamento do 1" de maio de 1858, o soldado da
companhia de cavallaria desta provincia, Angelo
Jos Paes da Silva, conforme participou o respecti-
vo commandante era offlcio n. 14.
Ofkio. .
1* secgo Palacio do governo de Pernambuco,
em 14 de fevereiro de 1865.Illm. Sr.Autori-
sando o Exm. Sr. ministro da guerra a esta presi-
dencia por aviso circular do Io do crreme a man-
dar fazer effectiva, independentemento de ordens
especiaes do mesmo ministerio, a arrecadago de
quaesquer offerlas de algum militar, empregados
pblicos, ou simples cidados, que coro louvavel
patriotismo, q teiram contribuir para as despezas
extraordinarias da situago; assim o communico
a V. S. para seu conhecimento.
Deus guarde a V. S.Antonio Borges Leal Cas-
tello Branco.Sr. coronel commandanle das ar-
mas.
Assignado. -Jooqum Jos Goncvlves Fontes.
Conforme."Murcio Hilario da Silva Tavares,
capio ajndanle de ordens interino.
EXTERIOR.
Despachos do dia. 13 de ferereiro de 1865.
Requenmentos.
Capito Antonio Pedro Heitor.Nesta data se
expede ordem ao Inspector da thesouraria de fa-
zenda, no sentido que requer o supplicanie.
Anna Joaquina de S Cavalcantl.-Informe o Sr.
juiz municipal da 1* vara.
Cosme Damio de Albuquerque.Informe o Sr.
capito do porto.
i Francolino Augusto de Hollanda Cnacon.In-
forme o Sr. Dr. juiz de direito da comarca de
Golanna, ouvindo o respectivo juiz municipal.
Ismael Torres de Albuquerque.A proposta do
supplcante so pode ser aceita em numero corres-
pondilo ao dos professores da inslrucgo publica
e alumnos da escola normal, aos quaes smenle
convra ser o livro distribuido como informa o res-
pectivo conseibo director; numero que muito in-
ferior ao offerecido pelo mesmo supplicanle.
Joaquim Thcreza Nunes.Seja posto em liber-
dade.
Jos Francisco Quirino.Informe o Sr. juiz mu-
nicipal da vara.
Jco Francisco Creto.Ficam expedidas as or
dens no sentido que requer.
Manoel Valcacer Camello de Andrade.Passe
portara concedendo a licenga requerida.
COHRESPOXDEIfCAS BO IA
RIO DE PEB\A3UIICO.
OVEREO DO BISPADO DE
"ERVl.lIMr'0
Novas dispensas malrimoniaes.
Fago publico que o Exm. e Rvm. Sr. internuncio
novamente concedeu licenga em data de 23 de Ja-
neiro prximo passado. para seren dispensados do
impedimento de affltiidade licita em primeiro grao
igual da linha lateral, bem como do impedimento
de consanguinidade em segundo grao atlingente ao
primeiro da linha lateral, os oradores constantes
da relago abaixo transcriptas.
Quem, pois, liver de procurar algum destes re-
querimentos, pode dirigir-te, em Olioda, secreta-
ria do bispado. no seminario episcopal; e no Reci-
fe casa do Illm. Sr. conego da capella imperial
Francisco Jos Tavares Gama, na ra da Cruz n.
56, junio a matriz de Corpo Santo.
Cidade de Olinda, 15 de fevereiro de 1865.Co-
nego Joaquim Ferreira dos Sanios, secretario do
| bispado.
Oradores que se acham ligados no impedimento de
affitudade licita em primeiro grao igual da ti-
nlia lateral, dos quaes trata a declaraco cima.
Manoael Geraldo de Oliveira e Francolina Mara
da Conceigo.
Manoel Gomes Ferreira e Thereza Maria da Con-
ceigo.
Jos Bernardo da Silva e Thereza Maria da Con-
< ceigo.
Jos Nicacio Leite e Joanna Maria da Conceigo.
Antonio e Joanna, escravos.
Manoel Patricio de Pontes e Joaquina Maria de
Jess. Tambem se acham ligados no impedimento
de consanguinidade nos graos Iguaes segundo ao
terceiro.
Manoel Jeaquim da Silva e Antonia Maria de
Jess.
Francisco Xavier de Mana e Guilhermina Maria
de Jess. Tambem se achara ligados no impedi-
mento de consanguinidade, na segundo grao sim-
ples, e no quarto atlingente ao terceiro duplicado.
Joo Francisco de Lima e Mana dos Santos do
Sacramento. Ligados tambera no parentesco espi-
ritual.
Oradores, que se acham ligados no impedimento de
consangniAtdade, em segundo grao mixto ao 1*
da linha lateral.
Maneel Ribeiro do Nascimento e Bellarmina Ma-
ria da Silva.
Severino Quaresma de Araujo e Maria Jos do
Jess.
Manoel RJbeiro d) Nascimento e Joaquina Maria
da Conceigo.
Aiexandre Ferreira Selle e Anna Bernarda Lins
do Carmo.
Manoel Aiexandre da Silva e Mara da Silva.
Acham-se ligados no mesmo impedimento, no
quarto grao attngente ao segundo.
Joaquim Jos dos Res e Antonio Jovina da So-
ledade.
Silvestre Jos da Silva e Agostioha dos Anjos.
Acham-se igualmente ligados no primeiro grao de
afflnidade illicita.
Antonio Ferreira e Umbelina Maria da Concei-
go. Acham-se ligados no mesmo impedimento no
terceiro grao atlingente ao primeiro.
Ignacio e Francelina, escravos.
Joo Gomes Honorio de Mello e Maria Gomes da
Ufa
HAMBURGO.
21 de Janeiro de 1865.
No dia 14 de Janeiro foi aberto o parlamento
prussiano. A abertura leve lugar por el-rei em pes-
soa. ( *
A falla do throno, impacientemente esperada foi
do seginle iheor:
Um anno fecundo em oceurrenrias acaba de
t de decorrer. De accerdo com S. M. o Imperador
c da Austria, consegumos satisfazer urna divida
de honra para com a Allemaoha, que nos f-
ra reclamada por repetidas vezes, e para a qual
se evocara sentimentos tradiecionaes na memo-
i ria da patria inieira. Urna paz honrosa foi rea-
usada pelo bhlhante valor dos exercilos reuui-
c dos.
Animados pela satisfago com a qual o nosso
povo langa um golpe de vista retrospectivo sobre
esse successo dgno da Prussia, dirigimos com
humanidade nossos coragoes para Deus, cuja
benediego me permiti de agradecer em nomo
da patria, ao meu exercito pelos seus feitos de
t armas, que igualam quelles dos seus mais glo-
t riosos annaes militares.
Depois de cncoenla annos de paz interrompi-
dos nicamente porcampanhas honrosas, mas
curtas, a educago e a disciplina de meu exerci-
lo, a utilidade de sua or^anisago e de seu ar-
mmenlo provaram brilhantemenle na guerra do
anno passado, que as inlemperangas do tempo,
e a valorosa resistencia do inimigo tornaro para
c sempre meuioravel.
E' devido organisago actual do exercito que
. a guerra tivera lugar sem que fosse preciso de
lezar, pela chamada do Landwehr, as relagSes de
trabalho e de familia da populago.
Depois de urna semelhante experiencia, torna-
se ainda maior o meu dever de suslenlar as ins-
tituigoes actuaes e de desenvolve-las sobre a ba-
se e existente, para dar-lhes urna mais alta per-
feigao.
t Cont que as duas cmaras me ajudaro no
cumpnmento desse dever pela sua cooperaco
constitucional.
O desenvolvimento da marinha exige pnica-
lar cuidado. Ella adquiri pela parte que tomou
na guerra, direitos serios sobre nosso reconhe-
cimento, mostrando de que importancia para
nosso paiz.
A Prussia deve aproveitar as vantagens, que
lhe offerece sua situago ge< graphica e poltica.
E preciso preoecuparse da extenso de sua for-'
ga martima, mesmo ao prego de sacrificios Im-
portantes. Em conspquencia, ser submettido s
cmaras um projecto de augmento.
Ser-vos-ha apresentada urna lei concernente s
pensoes dos invlidos, afim de cumprr nossa
obngagao de tomar medidas em favor dos solda-
dos fondos no servigo ou no campo de honra,
assim como em favor de suas viuvas e de seus
orphaos. Espero que a acolhereis faveravel-
mente.
t A'insurreigao poloneza achando-se abafada, a
oceupagao militar das fronteiras pode ser supri-
mida'Gragas a allilude moderada mas firme do
meu governo, a Prussia foi protegida contra os !
ataques da revolta; alguns individuos que tinham
t tomado parte em tentativas, cujo verdadeiro fim I
era separar urna parte do paiz do resto da mo-1
t narchia, foram condemnados pelo tribunal com-'
plenle.
t Causa-nos grande satisfago que a nossa boa
posigao financeira nos prometteu de terminar a
guerra com a Dinamarca, sem recorrer a' um
empreslimo. Isso pde-se fazer, gragas urna
adminislrago econmica o- prudente, principal-1
mente realisando para esse flm os excedentes '
' consideraveis das receitas do estado durante os!
< dous ltimos annos. Quanto ao custo da guerra
e s despezas feitas nessa occasio, sero feilas
communicagdes do exercicio financeiro corrente.
Sem demora vos ha de ser apresentado o or-
menlo do ann corrente, no qual foram inclnl-
dos os augmentos previstos as receitas do im-
t posto territorial, assim como as do imposto so-
t bre os immoveis; sustenlando-se sempre os prin-
cipios de urna estimago prudente, pdese es
des que pareciam amegar a conservago do Zoll-
verein na expiragao do tratado de alfandegas.
us tratados concluidos com o governo de S.
i M. o Imperador dos Francezes foram approvados
Pr 0(ls os governos que fizerara parte da liga
de alfandegas; os tratados relativos a mesma fo-
! !"iirra,en0Va,d0S' com a'Sima modificages, jus-
tincadas pela experiencia. Essas convengoes as-
sim como um arranjo ajnstado ulteriormente com
a franca, concernente a alguns desejos exprim-
os pelos tros membros da liga de alfandegas
seno apremiadas vossa approvago
As negociag5es principiadas cora a Austria,
oe accordo com os governos da Baviera e da Sa-
xoiaa, em seguimento desses tratados para facol-
tar as relagSes reciprocas, deixam esperar um
prompto resultado.
A obra comegada no mez de agosto de 1862
pelo tratado com a Franga, sustentada com urna
igua firmeza, desde sua concluso, pela Prussia
e pelo governo do imperador dos Francezes. ap-
c proxima-se assim de sua concluso, que dar
um movimento mais livre ao commercio sobre
a urna exiensao mais vasta, e prestar s relagoes
t amigaveis das nag5es visinhas, urna nova garan-
t lia para o desenvolvimento reciproco do seu
bem estar.
t Fazendo homenagem s faganhas do exercito
prussiano na guerra recente, tenho de dar ao
t exercito austraco um testemunho de amigavel
e corneal reconhecimenlo. Assim como os guer-
raros dos dous exercilos parlilharo como ir-
t roaos os louros, assim tambem as duas corles fo-
ram reunidas estreitamente as complicacSes
' SmI06 Sa acnaram. e essa nnio tem sua base
- solida e duravel nos sentimentos inteiramenle
t nar as elegoes de funecionarios liberaes as
' c?.rm7lunas. msinuages, calumnias contra os
cidados liberaes, e isso de maneira mais larga
do que nos annos precedentes.
LAi pm,ao liberal acha-se excommungada. A
tidehdade a nossas conviegoes, a mais preciosa
joia aos runccionanos prussianos de oulres tera-
pos, acha-se condemnada pelos neo prussianos.
Ja se levanta o machado contra a arvore da
'. 2SEeS5Pla d^s cidades e -omraunas, que
desde 1808 pjuduz lo bellas frucias para a
uniao e para o bem publico. Esforgam-se de
modificar a opmio publica, a mais forte polen
. ca do estado, queja se manifestou por tres ve
zes ; de torga r a cmara dos deputados sub-
SgJjJ e de rubar conslitugo toda a via-
Mas a consciencia da nagao pru-sana e de
s representantes eletos,
correspondente de seu territorio alle-
cimento
mo.
oueTplt'!5oqUerJdizer outra cousa.doque,
da Siles,? nnA r Ceder flraa Parte da Provincia
ewlr an,l?mMte pertencera Austria,
ouKrSHrn,SSO; odesPacho austraco nao
todo oMsl aqUe Um-a recosa mui Psi,iva de
todos os (esejos de annexo prussianos.
L22 ?^8p*S0 acnava-se tambem repetida
derirS i Ad* SHa* Prov,sora do duque Fre-
n?rPr,nrHAu-BUftembur0' sob reserva de urna
or 3 *:.! reposta rassiana deixou esperar
a? no d L aU,,im0S dias; *%. con,ra cheou
Cario? Thi do.eo"*e. o principe Frederico
mente narkr flm f* Daepel' os'evelmente s-
8 para o fim de agradecer em pessoa ao im-
s ele.tos, os quaes juraram 3--VJl ^ ?radeJcer em pessoa ao ira-
da cora de observar cons- u ,tk pela con(Jecoragao com a ordem
nctitnins^ ; .. j,:_. .._ ue ana ineresia: mas na raiaoa ,._*...
vista de Dos e
cienciosamente a constituido," nao se deixa f7- nen rti".
gar por nenhuma potencia do mondo a nao con- mIv. -J? Emen,e para teolir de modificar as
ideas em Vienna na questo dos ducados.
constitucionaes da Temos
I que as fo
tabelecer igualmente as outras receitas em ci-
fras mais elevadas. Disso segu nao smente,
f que o ornamento se apresentar em equilibrio;
t mas tambem que elle saldar com um exceden-
o te Botavel, que permittir de encontrar eventual-
t menle novas necessidades.
o Juntamente com as contas geraes de 1859,
t 1860 e 1861, que vos devem ser apresenladas de
t novo, o governo apresentar as de 1862.
t O governo fez comegar trabalhos technicos
c preliminares para urna unio do mar do Norte
e do Bltico por meio do um canal. Esta via de
t coramunicago, lo ulil a marinha mercante, co-
mo frota de guerra, atravessar o Schleswig e
o Holstein. Vista a importancia desta grande era-
t preza para o commercio e a marinha prussiana,
< o governo segurar sua excengo, preslando-lhe
t sua cooperagao logo que as negociagoes prelimi-
nares se acharem terminadas, ser-vos-hao feitas
c communicagdes mais detalhada a esse respeito.
i Meu governo conseguio affastar as difflculda-
germnicos que nos animam, a nosso augusto
t adiado e a mira. 6
A fideldade a esses sentimentos garant-r a
c conservago da liga que rene os estados Alle-
maes, e que protege a confederago. O tratado
de paz concluido com a Dinamarca resumi
Aliemaniia suas provincias da fronteira de norte,
quei II foram contestadas e p-las em estado de
participar na nossa va nacional.
O alvo da minha potica de assegurar esta
conquista por meio de arranjos que facillaro
o dever de honra de defender urna e outra fron-
teira, e que permitliro aos dueados de consa-
gw eficazmente seus grandes recursos ex-
ensao da potencia martima ncional e aes in-
c leresses comrauns da palria.
Sustentando essas justas exigencias, procura-
"'conciliar sua reallsago com lodos os desejos
legtimos do paiz e dos principes. E' por isso
que, depois de nos assegurar nm terreno segu-
' -,parA a.d,CMfo de algumas quesldes de di-
t reno nos temos exigido dos syndicos da cora
em conformidade de suas altribuiroes de nos
apreseniar um relaiorio sobre esse obiecto.
Minha conviego leal, meas deveres para com
meu paiz guiar-me-ho em mens esforgos para
mo entender com meo augusto alijado, com o
qual paulno provisoriamente a posse e a admi-
t nisiragao dos ducados.
t Felicito me vivamente qoe as eomplicagoes da
guerra foram circunscriptas no circulo mais es-
treito^ e que o perigo, eminente que ameacava a
paz da europa foi removido.
t O resiabelecimento das relagoes diplomticas
com a diuamarca acha-se na via de arranjo. Es-
pero que esse arranjo ser de natureza a des-
envolver as relagoes amigaveis to imperiosa-
t menle reclamadas pelos interesses naluraes dos
dous paizes. Mnhas relagoes com todos os ou-
tros governos nao foram turbadas de modo al-
gum ; ellas continuam no melhor estado, e dao
motivj para satisfago.
Senhores, o meu mais ardenle desejo que o
conflicto que surgi desde alguns ancos entre
meu governo e a cmara dos deputados poss
achar urna sulugao. Os acontecmentos impor-
tanles effecluados nestes ltimos tempos tero
contribuido para esclarecer as opini5es sobre a
necessidade d'unia organisago melhor do exer-
| fJJnal f0ra lusi'ficada por urna guerra
Estou decidido a salvaguarda e respeitr os
direitos constitucionaes da representago naco-
nal. Mas a Prussia deve velar sobre sua inde-
pendencia e defender a posigo que oceupa co-
mo potencia europea. Para isso, seu governo
deve estar forte e firme, e o accordo cora os re-
presentantes do paiz nao pode ser oblido outra-
t menle do que pela sustentago de urna organisa-
gao do exercito, que garante a seguranga e de-
ensa da palria.
Consagro todos os meus esforgos, toda minha
vida ao bem estar e honra da Prussia, nao
duvido, que animados do mesmo desejo vos
t acharis a via, que conduzir a um accordo com-
pelo com meu governo, e que vossos trabalhos
seno um beneficio para a patria.
A impresso dessa falla, apezar de sua lingua-
gem conciliadora, nao fora mui favoravel. Geral-
mente sentira-sea falla de urna sena vontade para
concessoes serlas de parle do governo para o fim
d um accordo. O motivo do conflicto que reina,
como se sabe, a nova organigo do exercito. A
falla do throno porm declarou mu seccamenle,
que o governo pensava lano menos ero abando-
na-la, como ella segundo sua opinio prevra bri-
lhantemenle na guerra dinamarqueza, e que a
cmara dos deputados devia de seu lado ceder,-em
essa exigencia achou-se toda a essencia da falla e
essa exigencia requera da representago nacional
urna impossibilidade. J na primeira sesse consti-
tuate da cmara dos deputados no da 16 deu-se
urna expressao significativa a essa impresso.
hm cuuformidade da ordem dos negocios, a c-
mara dos deputados reuno-se immediatamente
depois de proferido o discurso, sob a presidencia
da ultima sesso, oSr. Grabow, em sessao prepa-
ratoria, a qual foi abena pelo mesmo com urna
talla fazendo resair as faganhas do exercito na
campanha dinamarqueza, e concluindo com vivas
do costume a el-rei.
Na sesso consliluinte do dia 16 de Janeiro leve
lugar a eleigo da presidencia para o periodo ac-
tual, e sendo o Sr. Grabow, noineado de novo para
primeiro presidente, com 223 de 257 votos, e as-
sitn de novo acreditado como o orge da represen-
tago nacional, com to immensa maloria, elle to-
mou a palavra para o discurso seguinte :
contestar cpmo tal.
Eutrelan
e esperar os resultados de sua misso,
s offlciosas de Berln continuara de
servar intactos os direitos
cora e da nago.
t Debaixo desse estandarte, so poderemos che-
garao acord, que nos tambem desejamos ar-
oentemenie desde annos, por urna via, que nos Hac .3r"5r*r."*
torw possivel de salvar os direitos qu juramos SLg. dI "* Schl*swg e Holstein, foram
de defender e que a nago conOara a nossa fide- LS 5 "i ui"co f??ero Schleswig-Holstei-
"dade. i ",efi deban o da direegao dos comraissarios civis
emuma sc'hSur PmsS* COm sde na cidade de
Ao
lidade.
Que o governo real entre comnosco
tai va, para o bem da nossa patria, cujo bem
estar e cuja honra sero sempre as nossos Deis
coragoes prussianos.
Cada paragrapho dessa ralla foi acompanhada
de vivas acclaraagoes. A exigencia da falla do
inrono, que era a apreseutago nacional quem de-
via razer concessoes, fra pois respondido positi-
vamente, que a conciliago s poda ter lugar sob
base do reconhecimenlo do pleno direito consti-
tucional do paiz. A cmara assimtomar logo sua
posigao firme. Assim como o Sr. Grabow para
primeiro presidente, tambem foram reeletos o Sr.
ae unruk, ebefe do partido progressista fiara pri-
meiro vicepresidente, e do Sr. de Bokum-Dolffs,
cnete do centro esquerdo para segundo vice-pre-
sidenle. Todas as eleigSes denotarara igualmente
a lirme persislencia da cmara na sua amiga at-
ttIUQ6.
Na sesso do dia 16 nao esleve presente nenhum
dos ministros, na subsequente do da 17 appare-
ceram o presidente do conselho o Sr. de Blsmark,
o ministro da fazenda o Sr. de Bodelschwingh o
ministro do commercio conde Ilsenplilz, o minis-
[ tro da justiga conde de Lippe, e do interior conde
oiemburg, afim de apresentar diversas propostas.
Antes disso porm, e ministro do interior to-
mou a palavra para protestar em nome do governo
contra o discurso pronunciado pelo Sr. Grabow
como centendo urna critica vehemente da attilud
resto contina seus effetos o impulso dado
TZceCld ende.reco do baro Scheel-Plessen,
e de todas as partes dos dous ducados se augmen-
*?2 numero de enderegos e demonstra-
goes contra o mesmo.
0n?0er0partlular imPrlane'a a esse respeito, um
rr?dKhd" Par,ud? 35dos mais ricos 'endei-
ros do Schleswig e Holstein.
lha,a!.C"la'cs1 a ihalers, sed enderego entretanto declara-se mu
K,IaH e pela iudePdencia do paiz debaixo
do seu duque legitimo Frederico de Augustembur-
fr S u,assim a pro'a' 1ue os Plans do
sr de Scheell-Plessen se acham tambem solados
entre a grande propriedade rural conservativa.
iSSRp!1 u,na D0Uvel occorrencia
,jti "^u'Tf3 das langas da cmara dos depu-
tados do Reicbsrath resolveu de reenviar o orca-
nlento, apresentado pelo governo, ao ministerio,
com o convite de tomar o mesmo de novo em pon-
deragao para o fim de maior economa, e que no
caso contraijio a commisso se acharia obrgada a
fazer por si mesmo reduegoes as despezas, e re-
coraraenda-las cmara.
Que debajo d todas as circumstancias erara
ineviiaveis economas maiores,
irerior;
CORRESPONDENCIA DO DIARIO
BAMBUCO.
Macci, 13 de fevereiro de 1865.
DE PER-
, e que era melhor
ramo centendo tima critica vehemente da attilud I ffLfa^K estabelecesse as mesmas do que
do governo, assim como urna exposlgo exagerada f LJn n^tfi rev'las flnalmenle Pela represen-
da situaran do paiz. i "fu "acionai.
deixaria desviar dos seus esforgos conciliado- E; de esperar!que assim se remover felizmen-
magao do paiz; que o fizera franca e fielmente;
que segundo o seu parecer o governo nao tmha
direito de fazer cmara semelhanles censuras;
quando se desejava estabelecor um accordo era
preciso conhecero mal para poder cralo.
Alm de diversas outras propostas o governo
apresentou o orgamento para 1865. Levantou-se
urna dlscussao, cerga da questo se o orgamenlo
devia ser discutido preliminarmente em assembla
plenana, segundo o regulamento; mas essa pro-
posta, que encontrou a opposigo de todos os parti-
dos, fui rejeitada, resolvendo-se finalmente a obser-
vagao do modo at agora seguido, isto a enlrega
da proposla do orgamenlo a commisso do arca-
mento.
Na mesma sesso, a fraego catholica, apresen-
tou um projecto de enderego de resposta a el-rei
expnmndo a esperanga de urna final solugo da
questo do Schlesevig-Holslein, satisfazendo tanto
os direitos dos ducados, como os interesses da
Russia.
Passando depois as quesioes internas, declara,
que um accordo entre o governo e a representago
nacional s era possivel se o governo reconhe-
cesse o direito constitucional do paiz, realmente
posto em duvida at agora, e fizesse concessoes
propna na questo militar, designando como taes a
presenga debaixo de armas durante dous annos,
em lugar de tres annos como at agora, e que a
experiencia feita na ultima guerra com a Dinamar-
ca juslilicava plenamente essa concesso.
Disso se v, que essa fraego, que a que se
inclina anda mais para o governo, lhe faz tam-
bera rendida opposigo. Ao re lo mu duvidoso
se a cmara se decidir a um enderego. As duas
grandes fraeges da maioria liberal, segundo se
diz, mostran ao menos pouca inclinaco para
isso.
Pensa-se lambem que a falla do presidente Gra-
bow no da 16 de Janeiro, ja resolveu na causa
principal, o enderego poderia explicar, sendo o
mesmo por isso urna repetigo mais ou monos su-
perllua.
Provisoriamente a cmara resolveu esperar o
effeiio do projecto de enderego, apresentado pela
rracgo catholica.
A cmara dos senhores tere entrelanlo duas
sesses, que mcreceram pouco interesse.
A' presidencia coube as mesmas pessoas, que a iiZSSSFaI?Ta banda de n
vestiam na ultima sesso. sabe-o conde* de: da Dac,?Dal ^sta cidade percorreu
revestiam na ullima sesso, saber o conde de '
Stolberg, presidente, o baro de Trankemberg'
Ludwigsdorf Io, e o conde de Bruchl 2 vicepresi-
dente.
Na missiva antecedente nairei o que se ha feito
nesta provincia conj relago s presentes urgen-
cias do estado.
Prosegue-se na creago do corpo de voluntarios
da patria, para o que^so incansaveis as duas pri-
meiras autoridades daiprovincia.
Os Alagoanos de todbs os credos polticos nao es-
lao indifferentes, nem desanimados : todos concor-
rera na razo do seu pequeo contingente para fa-
zer jeviver o amigo paludismo que osdomnava,
e nao permanecerem irepassiveis ame o supremo
chamado do governo Irriperial para o sul de nosso
paiz.
O corpo de voluntarios j conta cerca de cin-
coenta alistados, os quaes contiouam a ser instrui-
dos nos exerciebs militares.
O corpo de polica, qutf j passou a ser subven-
cionado pelos cofres geraes, engrossa todos os
aias as suas flleiras, porque mulos preferem mar-
char com elle. J conta mais de duzentas pragas,
e no i- vapor segu para a\crle.
Concluio-se o alistamenta da guarda cvica, de
que lhe fallei, a qual develfazer na ausencia das
tropas e polica, a ronda nocturna da cidade. Ins-
creveram-se 263 pessoas, entre as qnaes se enu-
merara proprielarios, commerciantes, empregados
pblicos, magistrados, bacharejs, mdicos, artistas,
e ale eilrangeros. Apenas se, retirar o corpo de
polica, deve principiar a funecionar sob o com-
mando do Dr. chefe de polica a. suarda cvica de
Macei, e de Jaragu, cujos mmbros tero ape-
nas por distinciivo nma faxa verde e amarella a
tira-collo, segundo consta estai assntado.
Continuam a baver offerecinienios esponta-
| neos para auxilio da guerra e consta que urna
commisso agencia subscrlpees para as familias
dos voluotarios desta provincia que pefecerem nos
combates.
-Honiera^domingo a banda de mosica da guar-
as 5 horas da
Senhorespelo voto que acabastes de emitlir,
me cbaraastes s funegoes difflceis de presidea-
te desta assembla para lodo o tempo da actual
t sesso. Agradego-vos ardentemenle pela nova
prova de confianga que me conservastes intacta
e que me honra em ta alto grao. Esta cnnfl.n-
ga impoe-me o imperioso dever de honra de se-
t guir vossa chamada. Tambem esta vez tratarei
de preencher mnhas obrigagSes difflceis com
t fldelidade, consciencia e imparcialidade e se-
gundo mnhas forgas pbysicas me permittirem.
t Mas supplico-vos, senhores, de ajudar-me ener-
c gleamente e com benevolencia, como antes, no
exercicio de miuhas funegoes, assim como na
dlrecgo dos negocios.
Quando a ultima vez fomos reenviados aos
t nossos lares, tinha-se renunciado a esperanga
de estabelecer um acord com esta cmara. De-
pois recorreu-se a pwseguigdes dirigidas con-
tra imprensa, a medidas disciplinares contra
os funecionaes liberaes, i recaas de sanecio-
0 conde de Stolberg fez um discurso, exprimindo
a adheso do costume poltica do governo.
O conde Arnim propz um enderego a el-rei, e
sua proposla foi aceita nomeando-se urna commis-
so para redigir um projecto de enderego, acerca
do qual a discusso ter lugar nos prximos
dias.
As negociagoes entre a Prussia, Saxonia e Ba-
viera de um lado, e a Austria de outro lado, acerca
de um tratado de commercio entre esta ultima e o
Jollverein approximam-se de sua concluso.
Asjiegociagoes entre a Prussia e a Austila na
questo do Schleswig-Holsten por contra, acham-se
mais ou menos paradas desde 21 de dezera-
bro. ^
Nessa data o gabinete de Vienna dirigi nma
nota explicativa ao de Berln; mas al os ltimos
das nada se sabia de urna resposta.
Entretanto conhece-se alguns delalhes acerca do
contedo dessa nota, assim como da da Prussia
de 13 de dezembro, de que rosposta.
Em sua nota de 13, o Sr. de Bismark expozera
bastante francamente os seus dselos de annexo
procurando para elles o consenlimento da Aus-
A replica do gabinete de Vienna de 21 de de-
zembro, responde com a declarago, que s poda
sanenionar esses desejos debaixo de nma condigao,
isto se fesse garantido Austria um engrande-
larde algumas roas, por occasio-'de se destribui-
rem e se lerem os avulsos do governo que encer-
rara o decreto de 7 de Janeiro creando corpos de
voluntarios da patria.
O actor Lisboa contina a trabalhar no thea-
tro raaceioense, onde de presente se acha funecio-
nando a sociedade Sania Isabel, dessa cidade,com-
posta d'elle, do actor Coimbra, das Sras. D. Euge-
nia Cmara, Camilla e outros.
A mpanhia ha sido acolhida de um modo hiui-
to lisongeiro para os sympathicos artistas que fa-
zem parte della.
Tem se levado scena dramas importantes, co-
mo o Poder do Ouro, a Familia Morel, as Mulheres
de Marmore, Diana de Rioni, o Phantasma Bran-
co, Pedro e outros.
Depois de araanba sobe scena Datila
Nao ha noticias de maior interesse.
Esperam-se com ancia as nolicias do vapor do
sul de hoje : o que so espalha na cidade bem
pouco lisongeiro porque se repetem actos de selva-
gerla praticados pela feroz brutalidade do governo
brbaro de Lpez, o lgre do Paraguay.
Vinganga tanta monstraosidade I
DIARIO DE PERNAInRUCO
A nossa actual situago, em relago repblica
do Paraguay, despenou-nos o desejo de conhecer
os recursos desse paiz.
as gazetas do sul do imperio apresenta-se-nos
-^J


\

Diario de teretaattbaao Quinta telr* 1 de Fevereiro de i.
o iSu-atav como uroa reg3o de prodigios, relati-
atteuto aos meios bellicos. Oli-se, qae alli ergue-
se contra o Imperio um exercito de cincoenta mil
homens, perfeltamenle armados.epreparaoM que
abundan os recursos pecuniarios.
Causa extranhe, que de repente um na, na9
circunstancias do Paraguay, se aprsenle lao teme-
roso. ,
Paiz central, ponco extenso e de pequea popu-
lado, nao pode offerecer recursos inopinados, e
tao extensos, como se figurara.
Os recursos de um pit estao sempre em propor-
cao das condcoes de territorio e populacao. _
Um paiz pouco extenso e pouco povoado nao po-
de ter sean recursos limitados : porque o artificio
do homem nao violenta a natureza das cousas; ape-
nas aproveita as eoadi$5es favoraveis dtsas raes
mas consas.
Infrmac,oes exactas nos apresentara o Paraguay
tal qual e por abi vemos que muito se exage-
ram as sas torcas bellicas.
Modernos viajantes nos dizem, que a populacao
do Paraguay nao excede de 1,200:000 almas, e
que as suas rendas deduzem-sc do mesquinho com-
mercio da herva-mate.
Um estado, com a populadlo do Paraguay, nao
pode apresentar um exercito supericr a 25,000 ho-
mens ; e urna tal forja nao pode entrar em linna
de comparacao com o exercito, que o imperio lnc
pdeoppor. ... ,_
Confrontemos a populacao do imperio, exceden-
te de milhOes de habitantes; comparemos as
nossas immeosas fonles de riqueza publica, dedu-
zida de innmeros productos agrcolas, o de um
extenso couimereio com as na$5es estrangeiras, e
conbecereraos inmediatamente, que nao ha som-
bra de duvida sobro o triumpho, que nos aguarda.
As nossas armas, j triumphanles em Paysandii,
naoenconlraroresstenciasria.queas demore.su-
hindo o grande rio do sul para arrazar a phanlastica
fortaleza do Huraayi, e penetrar na decrepita As-
surapcao, aflm de puuir o estlido tyrannele de um
fiovo ainda semi-barbaro, que na sua exaltada al-
ucraacao ouzou pisar sacrilegamente o solo da
nossa patria, invadindo a provincia brasileira de
Matto-Grosso.
Encontramos algumas icformacoes acercado es-
tado do Paraguay em 1860, e pareceu-nos opportu-
no publica-las, para que vejam os nossos leitores o
que em realidade esse paiz. De 1860 para c,
nao pode havor dfTereoca sensivel as circums
taocias dessa repblica ; e pelo que diz o escrip-
lor fraucez, que traduzlmos, e abaixo transcreve-
mos, ajuizaro os leitores das decantadas torgas do
nosso injusto aggressor.
IESTAD0 DO PARAGVAY EM 1860 POR THEOFILO LA-
VALLK.
I
Uescrtprao physica e generalidades.
OParaguavtem a forma de um parallelogrammo
irregular cojos limites naturaes sao indicados a
leste e sul pelo Paran, ao oeste pelo rio Para-
guay ao norte pelo rio Branco e o no Yaguari :
mas suas fronteiras nao estao definitivamente nxa-
das ; emente com a Confederacao Argentina que
se acham ellas imadas desde 1852. Occupa urna
uperflcie de 200,000 kilmetros quadrados pouco
mais ou menos e sua populacao, de 1,200:000 ha-
bitante":, muito disseminada, porque as cidades
sao raras; porm, o Interior povoado. Esta po-
pulacao se compoe em grande maloria dos Indios,
chamados Gtrarani, de mestizos, de mulatos e de
nm pequeo numero de brancos.
E ta planicie cortada por lagos, pantanos, bosques e
algumas pequeas cadelas de montanhas, cujas
summidades as mais elevadas, e que ficamao nor-
te, nao exceden) a 200 metros. A principal a
serra Amambay, que corre de norte a sul, forman-
de a separacao das aguas dos dous nos : abaixo
do rio Iguatimv, se destaca urna pequea ramiflca-
cao chamada serra Maracayu, que se estende pelo
territorio brasileiro alm do Paran, e ah forma
as bellas cascatas do Salto Grande das sete quedas.
O Paraguay banhado por dous grandes ros,o
Paraguay e o Paran, que j descrevemos, e que
desde 1853 foram abertos navegacao estrangeira.
O Paran navegavel at o Salto de Ignazio, em
urna distancia de 100 kilmetros. O Paraguay
percorrido por barcos a vapor at muito alm das
fronteiras septentrionaes do estado. Alm destes
ras, a regiao cortada por um grande numero de
seus affluentes. Assim o Paran recebe o Amam-
bay, o [guattmy, o Acaray ; o Paraguay Irecebe o
CorriiffS,o Guarambtri, o 'Xexui, o Tobalt e o
Tebiquary,o mais consideravel de todos, e cuja na-
vegacao por lodo elle fcil e segura. Durante a
estaeo das chuvas, estes ros trasboidam e espa-
Iham sobre o terreno que innundam.um limo abun-
dante e frtil.
O Paraguav nao rico em produccoes mineraes.
A mina de >l gemma de Lambac ( 2 leguas de
Assumpcao) nao explorada ; recolhem smente
o sal da agua que filtra atravs das colljnas. Co-
mecam a explorar as minas de ferro do Cerro San
Miguel. Ha, dizem minas de ferro, de prata e de
chumbo em Caapucu', e em llicuy. .
O clima do Paraguay muito quente e secco, o
ar saudavel. A temperatura, que a do Brasil,
faz nascer todas as produegoes da zona tropical;
no entanto, como o slo aa tuaior parle rido, a
vegetacao nao adquire, pelo menos ao sul, a torga
e abundancia da do Brasil. A trra especialmen-
te favoravel ao algodoclro, cujo producto deve se
tornar o ramo o mais Importante do commercio.
A canna do assucar pouco cultivada, mas mui-
to rica, e serve principalmente para o fabrico de
agurdente. O milho, o arroz, a mandioca, os le-
gonies, sendo principal sustento dos habitantes,
ormam as culturas mais extensas ; as bananas,
govabas, melancias, larar.jas e outros fructos sao
mito abundantes ; o tabaco o principal artigo
de troca ; avalia-se em cinco a seis milhSes de ki-
logrammos aprodurgaoaonual. Colhem-se tambem
pequeas quantidades de ail de cochonilha e ca-
nhamo de Caraguat, especie de aloes, que torne-
ce fibras 13o bellas como o canhamo de Manilha.
Faz um grande commercio de yerba, especie de
cha, que a tolha de urna qualidade de idex cha-
mada mate ou / paroguarinsi's, muito abundante
na vastas florestas situadas ao norte e ao sueste de
Assumpgao; deltadode infusiocomo o cha da Chi-
na, tornece urna bebida lendo um gosto amargo
muito pronunciado, ao qual os Enropeus se habl-
tuam difflcilmer,te, mas que os Gauchos aprecian)
muito. A venda da yerba monpolisada pelo go-
verno, o mesme acontece s madeiras, das quaes
o paizpoderia fazer um importante commercio, e
cuja sahida sobrecarregada com direitos tao
exhorbitanles que equivales) urna pronibicao.
Estas madeiras proprias, para a carpintera, cons-
truegao e marclneria, perdem-se ao lempo. As
florestas forneeem tambem gomma e rezinas esti-
mados, e nma multidn de plantas medicinaes e
de tinturarla. A mais notavel o yriburetina, que
d urna tinta azul excellente.
O Paraguay menos rico de gados do que as
provincias argentinas ; possue, no entanto, gran-
des manadas de bois e carneiros, mas nao os des-
tre, como ne Uruguay ou Buenos-Ayres.oude sao
mortos nicamente para se vender a pelle. A in-
dustria do Paraguay multo limitada, comtudo
ahi se encontra alguns cortumes, algumas distilla-
c5es, fabricas de cigarros e offleinas de tecer algo-
dao e la.
n
Historia, administtarao, commercio, etc.
O Paraguay, outr'ora um dos paizes mais
selvagens da America, toi civilizado e em parte
roltivado pelos Jesutas, que ahi fundaram em
1610 mis?oes, que foram o mais bello titulo de
gloria desta ordem clebre, e que a humanidade
e a scterifcia devem sempre lamentar. Ests esta-
belecimenios erara especies de repblicas chris-
taas sob o domino da coropanhia de Jess e sob a
protecgo do re de Hespaoha, as quaes os Indios
anthropophagos, brutos emseraveis, foram conver-
tidos em homens e em christos. Estas missSes
prosperaram muito at a destruicao da ordem dos
Jesutas em 1763 ; ento passaram para o dominio
do rei de Hespanha, e foram tratados como os ou-
tros colonos : o Paraguay tornou-se urna das pro-
vincias do vire reino do Prata.
Em 1810 se insurgi, mas em lugar de fazer
causa commum com as outras provincias argenti-
nas, ficou isolado, e cahlo em poder do doutor
Francia, despota hbil e cruel, que restabeleceu a
ordem material no paiz, favoreceu a agricultura e
creaco do gado, deteve as IncorsSes dus Indios, e
prohibi a entrada ao paiz a todos os estrao
geiros.
O Paraguay ficou awim durante triol annos ig-
norado da uropa, mas escapou s guerras civis
dos estados que o cerean.
Pela mone de Francia em 1840, algumas per-
turbagdes agitaran o paiz ; emfim um congresso,
teado dado o poder a um presidente chamado \fi-
pez, este comduoo o systema de Francia, mas
abrindo o paiz ao commercio etfrangeiro, e fazen-
do reconneeer a ta (adependencia pelos Miados
vtslnhos. Hoje governa o general Lpez, filW5 d o
precedente, e contina do mesmo modo, o systema
desptico.
As nancas do Paraguay esta em boasciroams-
taucias. O estado lira suas rendas da alfaudega,
do monopolio do yerba, das madeiras e de nume-
rosas estancias. Tira tambem um direito sobre o
trabalbo dos Indios, que vivem em pequeas ag-
glomeragoes como no lempo dos Jesutas, possuem
tudo em commum e sao dirigidos em seus traba-
Ihos pelos agentes do governo. Avalia-se estas ren-
das em 4 milhoes de francos.
O exercito permanente nao se compoe senao de
algumas companhias que guardara as fronteiras,
e de urna guarda de honra do presidente, mas
dizem que tste pode era lempo de guerra reunir
20,000 homens, dos quaes 15,000 sao de cavalla-
ria, bravos e disciplinados (o que duvidoso).
A instruegao publica pouco florescente : a ca-
pital tera um collegio e urna escola de raatheraa-
ticas.
O commercio exterior nao tem tomado desenvol-
vimeoto senao a bem poucos annos ; est concen-
trado 'quasi exclusivamente em Assumpgao ; as
traosaegoes eram avalladas em 1854 em 10 mi-
lhoes. As exporlagoes coosistemem yerba, couros,
tabaco, madeiras de coustruego, cigarros, laran-
jas, cabello, etc. O terco das mportacoes e torne-
cido pela Franga.
III
Uescriprao poltica.
tar a verdade dos factos, a monos que haja qnem
pense que o presidente. da Caita filial deve dispor
della era proyeito e beneficio de sena devedores,
sera attengo nenhuma para com aquelles que a'.li
depositan) o fructo de seus snona, na esperanga
de anferirem os lucros e vantagena, .m lies ga-
rante a lei da associagao.
o Sr. Cardse soube conciliar todos estes inte-
resses com a maior circumspecgo e lino ; e d'ahi
o conceito que dentro em pouco grangeou na esti-
ma de toda a gente honesta do coramercio, e da lo-
dos quantos o praticaram de perto.
Kegressando ao Bio de Janeiro, recebeu as
duas ultimas semanas numerosas demonstraedes
por parle de amigos, que porfa se esforoaram
por obsequia-lo cora jamares esplendidos. Na an-
te vespera de sua partida, 11 do correla, 16 pes-
soas das mais gradas SU ci igual ao Sr. Dr. Cardoso um bem servido e+ri-
ihante jantar no hotel fraacez do Uecife, durante o
qual recebeu os brindes mais significativos de
aprego.
a Assim costumam pagar os peroambucanos aos
que procedem bem no seu seio. O nome do Sr.
Dr. Cardoso ser sempre lemhrado com amlzade.
Depois de amanba se extrahtr a terceira
parte da primeira lotera do hospital Pedro II (6.a).
Communicam-nos o seguioie :
t No da 9 do corrente, teve lugar o levan'a-
raento da bandeira de S. Francisco de Paula, seo.-
Tnomaz, escravo, Pernambuco, 40 annos, solteiro, pellados,
Boa-Vistt ; bexigas. Pacheco & Menies.
Francisco, escravo, Pernambuco, 4 dias, Boa-Vtsla ; i Ao Sr. deembargador Accioli pela suspeicao
leiauo. jurada pelo Sr. desembargador Silva Guimaraes.
eos Prazere, Pernambuco, 50 annos, solwire,, Appellante, Jos Francisco Barrote ; appellados,
Boa-Viste ; infeegao pulmonar. i os administradores da massa fallida de Amonm,
os administradores da massa fallida de dZcraos, nao s faz a felicidade dos que tem a
ventnra de serem seas jorisdieclonados, como aira-
do conduzida por mais de oitenta senuoras, sondo
0 notavel o respeito religioso e a boa ordem que rei-
0 Paraguay e dividido em 8 departamentos e 28 nou duranIe ,od(J 0 trajeft0 e em g ,da come.
municipalidades. Nao encerra senao pequeas ci- Uda de reunir maiJ de noventa se.
dades, porm o numero das aldeas consideravel;. nn nas es dlstagua.S(. a raaior simplicida-
tem todas pouco mais ou menos o mesmo aspecto, i d Mndo conserTada a maior animacao at s 2
e se compoe de urna grande praga com urna igce- iloras da padrugada *
ja e casas construidas com decencia e coberias de j No dia ,0 mnn prncp0 as novenas que
telha. A nica cidade notavel a capital, chamada lem conlinuado com todo 0 brilhantismo. A mu-
Assumpgao {Assuncion), que se eleva em amphi- sica dirjgjda pe|0 Sr Amaro as V0MS sao exeel-
theatro sobre a margem esquerda do Paraguay, e ,enteg Tem havjdo bastante conCnrrencia ; e os
e muito irregularmeute edicada sobre um terreno fesiejros nao observado
Joaquim Pedro dos Sanios, Pernambuco, 20 annos,
solteiro, Boa-Vista ; bexigas.
Oympla, Pernambuco, 4 mezes, Boa-Viste ; eoa-
vnlsSes.
Jos, Pariambuco, 3 annos, Recito ; ttano.
Teneate Francisco Pedro Borges, Bahia, 40 annos,
casado, Olinda ; paralysia.
Guilhermina Antonia da Trindade, Pernambueo,
49 aaaws, casada, Boa-Viste ; anemia.
Mara, Parnarabuco, 1 auno, Boa-Viste; convul-
soe.
12
Manoel Agostinho Bezerra de Mello, Pernambuco,
.50 annos, solteiro, Boa-Vista; ttano.
Antonio, Pernambuco, 12 horas S. Jos; ataqua
cerebral.
14
Antonio BuQno de Araujo Cavalcanti, Pernambu-
co, 25 annos solteiro, Boa-Vista; diarrha.
Jos dos Santos Alves, Pernambuco, 26 annos,, conceljos,
solteiro, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Mara, Pernambuco, 1 hora, Sanio Antonio
tana.
Manoel, Pernambuco, 1 hora, Sanio Antonio
tan.
Domingos, escravo, Pernambuco, 25 annos, soltei-
ro, Boa-Visla ; peritonite.
Raymundo, escravo, Pernambuco, 21 annos, sol-
teiro, Recito ; espasmo.
Francisco de Paula Boa-Ventora, Pernambuco, 43
annos, solteiro, Recito ; tubrculos
Fragoso, Santos Si C.
Ao.Sr. desembargador Reis e Silva.
Aggravo ioterposio do joizo especial oo
commercio.
Aggravante, Domingos Ferreira das Nevos Cui-
maraes; aggravados. Braga, Silva & C
O Exm. Sr. presidente dea provimenlo.
Nada mais havendo a tratar o Exm. Sr. presi -
dente encerron a sesso s duas horas da larde.
TKIltlWI, 1A KKfi\i\iO.
SESSO EM 14 DE FEVERE1RO DE 1865.
PIIESIDEMCIA DO EXM. SR. COKSELHE1RO
SOUZA.
s 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Gitirana,4xiurengo Santiago, Al-
meida e Albuquerque, Assis, Doria, Molla, Ucha
Cavalcanti
te-
te-
arenoso, cuje declive bastante rpido. Sua popu
lagao anda por 8,000 habitantes, se tanta. B' a re-
sidencia de um hispo, e do cheto do estado, mas
nao encerra edificio algum digno da menor at-
tengo.
O palacio do dictador urna grande casa cons-
truida pelos Jesutas.
As outras cidades sao Ytapa sobre o Paran,
com 1,500 habitantes; Kembucu o nico p >nlo do
o programma qne auniin-
ciaram, pelo que merecen) os nossos elogios. Nas
noites das novenas tem snbido bales de diversos
gostos.
No da 19 ter lugar a fiesta com todo o brl-
Ihantissimo. tarde, antes das cavalhadas, subi-
r ao ar um balo de nova invengao.
c A' n-ite ter lugar a enirega da bandeira, em
tudo igual ao seu levantamento, seguindo-se o quei-
ma de um esplendido fogo de artificio, e a subida
Paraguay que era outr'ora aberra ao comiaercio ao ar de ba|5-s de nova 7nveDc5o de diversas tor-
estrangeiro : em sua visinhanga estao as miuen- mas e [araanr(os
sas savanas alagidas que se chamam Estero y ba- \ No dia w a-jnda sera cant4da nraa miss5o a
nado; Santa Harta da Fe, onde o sabio Bonplana g Benedict0 havendo a tarde repetigae das Cava-
z annos prisioneiro por Francia, era; lnadas> send0 outro8 ^ seus festeiros.
Ojniz municipal do termo de Pao d'Alho, ba-
charel Maximiano Francisco Duarte, e o delegado
amigamente urna misso florescente fundada em
1392 ; Tevego, fundada no meio de um deserto,
para servir de lugar de degredo ; VtUa Rica uo
meio de bellas plantagoes de tabaco : algumas tor-
tificagdes que tai nome nao merecam, e das quaes
Homayt a principal.
O Paraguay deve seu neme tribu dos Para-
guas, que vive da pesca, e se destingue pelo seu
Domigues da Silva e Barros Vas-
faltando os Srs. desembargadores Cae-
procurador da cora,
he as sympathias de lodos, todos a profia dese-
jam entreler relagSes com ella porque suas acc&es,
decsoes, e patarras, tudo emflm revistido de
elevago d'alma. ^
Outro tranto nio acontece a essas autoridades
orgulhosas que considerando-se superiores a lodos
e al as vezes a mesma lei, pensam que, os que
lhe sao subordinados sao meras aulomatos, e que
s elle merece oblacdes; estes dizeroos s mere-
cen) despreso.
[. Nas felizes clrcumstancias que primeirameate
temos dito se achara os habitantes da comarca de
Porto Calvo, cera a sabia administragao de seu ac-
tual jais de direito o lilm. Sr. Dr. Sebastio Gon-
calvcs da Silva, esw cavalheireistincto e pereHo,
qae de todos acatado por que, renne era si tan-
tas qualldades dignas de todo o' aprico que men-
cionar urna por urna seria longo por deraais, o es-
bogo sena bem tosco, e o quadro nao seria matlsa-
do com as edres proprias e vivas, como deve ser,
tratando-se de tao eximio magistrado.
enhura de seus antecessores merecen maer
veneraran, nem seus snecessores o poderam exce-
der e praza a Dos o i mi tem.
Com tudo esse bem estar tal vez passe, infeliz-
mente, rpido como a centelha eletnca porque
sendo a supradiu comarca de 1' entranga, e leudo
o mesmo Illro. Sr. Dr. Sebastio, direito a passar
para urna de ", talvel nos tenha de deixar breve-
mente, porque assim o exige sua Ilustrada carrei-
ra, salvo se o governo imperial a passar para 2
com o que pratica um acto de mera justiga. Dos
UIuOMCA JLDIC1AUI4
Carlos Jos Gomes de Oliveira,acabam de ser pre-
nunciados, o 1 nos arts. 139 e 145 do cdigo cri-
minal, e o seguodo ao arl. 145 do mesme cdigo ;
no processo de responsabilidade que lhes foi Ins-
taurado pelo jnio de direito, em conseqnencia da
denuncia que contra os mesraos deu a mesa paro-
THIBIVVL UO COMMEIU'IO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 13 DE
FEVERE1R0 DE 1865.
PRES10ENC1A DO EXM. SR. DESEMBAnCADOR
ALSELMO FRANCISCO PEPETTI.
s 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Arcotorado, Basto e Leal, e
presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm. Sr.
presidente declarou aberta a sesso.
Lida, foi a pprovada a acta da sessao antece-
dente.
xPBDitirrn.
Offlcio da junta dos corratores, remetlende a co-
tagao offlcial dos pregos correntes da praga na se-
mana linda.- Arrhive'-se.
Foram distribuidos, para serem rubricados: ao
Sr. depaiado C. Alcoforado, o livro Diario dos com-
merciantes Andrade di Maia ; e ao Sr. Leal o do
expediente do tribunal, destinado a servir de pro-
tocoHo dos livros distribuidos aos senhores depu-
tados.
teo Santiago, e Guerra,
abrio-so a sessao.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JULGAMENTOS
Aggravo de peticao.
Aggravante, o Dr. Joaquim Antonio Carneiro da
Cunha Miranda ; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargalor Uchda Cavalcanti ra ^
Sorteados os senhores desembargadores Molla,; ^ Accele $ 0 ^ Sf Dr Sebastia0 GoD5a|Ves
pulmonares, e Barros Vasconcellos. da SiIva eslas toscas eXpressoes despidas de lisonja
ueram provimenlo. (ouadulago, e s tributadas ao seu mrito real, e
Appellacues cnets. ...... tao real, que o diga e falle a provincia do Paran
Appellante Antonio lves Vlanna appellado, que lan'l9senll0 ba relirada dFesse conspicuo cida-
r Kenworl" L- do, quando deixou a administragao della; e des-
. o ,., t., culpe o arrojo que tivemos de patentear as verda-
"! des cenhecidas por todos; nao fique por isso soa
modestia offendida, porque dando-se este passo
DESPACHOS.
carcter astucioso e velhaco ; alguns esenpteres l^ da ffegaeiii da Gleria do Goit, pelas vio- No requerimento de Francisco Ferreira Borges,
sustenlam que elles adorara a la ; suas mulheres |eacjas praUcadas por aouellas autoridades na gerente da Companhia Pernambucana de navega-
fabncam cobertores de laa. Os Guarams esleodem eje-jo de juizes de paz e vereadores a que alli se cao cosleira por vapor, pedindo o registro da no
nesta regiao, assim como na Bolivia, BrasiJ e Repu-1 procedeu e que chegarara a ponto de ser arrom-
blica Argentina muitas de suas ramiflcagoes. Elles bio 0 qofre ue guardava a urDa determinando
tormam a naco a mais consideravel da America. atinai ,nni.n,.;n A% r~frilia bUpSa
nagao
meridional, pois que o seu numero avahado em
300,000, dos quaes 20,000 estao ainda no estado I
selvagem, o resto christo. Sua cor em geral'
amarellada, um pouco vermelha e muito limpa.
Sua estatura pooco elevada, e raras vezes exea-
de de 5 ps; tem a rabera arredondada, a fronte
alta, o nariz curto e um pouco largo, os olbos pe-
queos e expressivos, levantados era seu ngulo
exterior ; o queixo redondo e rauilo curto, as so-
branceras eslreitas e arqueadas, a barba e os ca-
atinal aannuliagao da referida eleigao.
Remettem-nos o seguinte :
< Srs. redactores. Hontem findaram as preces
publicas nesta capital, a mandado do Exm. e Rvm.
vicario capitular, em virtude da guerra do Para-
guay ; na verdade digna de menso as que se ft-
zerara no hospicio da Penha pelos dignos religio-
sos, sendo 'requemadas por immenso numero de po-
vo de ambos os sexos e gerarebias devotos daqnel-
le hospicio, que se nio poda entrar uo templo, II-
nham principio as 5 horas da madrugada, que se
bellos negros. Esta raga outr ora lemivel pelo seu ceiebravara raissas e se expunha o Santlssimo Sa-
ardor bellicoso,
inolfensiva.
boje pacifica, indolente, dcil e
PERNAMRUCCfa
REVISTA DIARIA.
craaento, sendo celebradas as mlssas a bem dos
religiosas do hospicio, pelo Rvds. Mello e Juvencio,
as 5 horas da tarde principiava o acto ex pondo se
de novo o Sautsslmo Sacramento, depois urna pra-
tica pelo Rvm. fr. Fidelis, uo Io dia sobre os pec-
i cados morlaes e os castigos de Deus, no segundo a
recabida do peccado, no 3o o abuso da Misericordia
e no 4f a delegSo dos inimigos o qual foi dividido
em tres parles, 1 como redemptor que manda ao
Reunio-se hontem era sesso ordinaria o fiuft- monte Sinay, 2o como Deus qoeqoer do monleOli-
tuto Archeologtco e Geographico Pernambucano sob veira,-3" como Pai que roga do monte Carvario
a presidencia do Exm. inonsenhor Mubiz Tavares que se nerdoe os inimigos, foram immensas con-
e com asistencia dos Srs. Drs. Aprigio Guimares, fisses e communhoes, muitas pessoas de tora vie-
Joaquim Portalla, Feitoza, Wtruvio Pinto Bandeira, rain assistr J de seus engenhos e dos arrebaldes
Soarcs Brandan, Faria Neves, Rodrigues Camjiello, I de.-ta cidade, esteve prsenle o Exm. Sr. presiden-
coronel Leal, major Salvador e padre-mestre Lino. te desta provincia, soa Exma. senhora e cuohada,
Era consequencia de impedimento participado do foi pedido pelo Rvm. fr. Fidelis na ultima pratica
Sr. secretario perpetuo, occupa esse lugar o Sr; 2," j que os jejuns fossera applicados pelas almas dos
secretario que l os seguinte.expediente : fallecidos na guerra, e advertio finalmente o enco-
L'm officio do Sr. Dr.Alexandre de Souza Perelra 1 rajajnento pela guerra, a obediencia aos seus supe
do Carmo, em que communica aceitar cora reco- riores, que a victoria senacerla; eis como a virlu-
nhecimento a eleigao para socio correspondente de ea religiotrlumpham noscoragdes dos Peroam-
Inteirado. bucanos, eis, senhores os trabalhos dos Rvms. mis-
Outros do Sr. Dr. Bernardo Pereira do Carmo sionarios do hospicio da Penha j por nos nesta e
Jnior, em idntico sentido.-lnteirado. !em outras pocas presenciados. Reeife, 13 de to-
Dous exemplares do peridico Ensato Litterario, vereiro de 1865. O catholico.t
varios do Constitucional Pernambucano, um do Informam-nos que a cmara municipal desta
Brasil Histrico e outro da Voz do Chrtstao, offer- cidade, em sesso de hontem exonerou os fiscaes
lados pelas respectivas redaeges. Recebidos eora
agrado, mandam-se archivar.
Terminada a leilura do expediente; passa-se a
eleigao da mesa e sahem eleitos os senhores:
Monsenhor F. Muniz Tavares, presidente.
Dr. J. P. Machado Portellla, primeiro vice-presi-
dnte.
Dr. Aprigio Guimares, segundo dito.
Coronel A. Gomes Leal, terceiro dilo.
Dr. Nascimento Feitoza, orador.
Major Salvador Henrique, segundo secretario.
Dr. Wtruvio Pinto Bandeira, supplente.
Dr. Torres Bandeira, dito.
Era seguida passa-se a eleigao das respectivas
commissoes, sahindo eleitosos senhores :
Fundos e orgamentos.
Dr. Wtruvio Pinto Bandeira.
Dr. Faria Neves.
Dr. Soares Brandao.
Redacgo de revista.
Dr. Aprigio Guimares.
Dr. Torres Bandeira.
Dr. Soares Brandao.
Beviso de manuscrpto.
Dr. Gusmao Lobo.
Padre-mestre Lino.
Barros Falro.
Trabalhos historeos e archeologicos.
Padre-mestre Lino.
Major Salvador Henrique.
Dr. Epaminondas d Mello.
Subsidiaria.
Dr. Faria Neves.
Dr. Seraphico.
Dr. Nascimento Feitoza.
Trabalhos geographicos.
Dr. Figueiroa
Dr. Torres Bandeira.
Dr. >ouza Bandeira.
Subsidiaria.
Dr. Wtruvio Pinto Bandeira.
Dr. Souza Reis.
Dr. Seraphico.
Admisso de socios.
Commendador Figueiroa.
coronel Leal.
Coronel Jos Maria Ildefonso.
Pesquizas de manuscriptos e monumentos.
Dr. Jos Liberato Barrozo.
Francisco de Barros.
Mena Calado.
E levantou-se a sessao.
Remettem-nos o seguinle :
Um extrangeiro insolente, que viajou ha tem-
' de Santo Antonio c Boa-Vista, e nomeou :
Fiscal de Sanio Antonio o Sr. Caetano Pinto de
Veras;
Fiscal da Boa-Vista, o Sr. Jeronymo Joaquim
Ferreira; e
Contador, o Sr. Caetano Silvero da Silva.
REPARTIQAO DA POLICA :
Extracto das partes do dia 15 de fevereiro de
1865.
toram recolhidos casa de detengo ne dia 14
corrente :
A' ordem do lllm. Sr. Dr. cheto de polica, Ma-
noel, escravo do baro de Tapuama, viudo do Rio
de Janeiro, para se verificar sua verdadeira con-
digo; Ruiuo Alves de Carvalho, para [recruta; e
Simpliciano, escravo do capito Jos da Fonseca e
Silva, a requerimento.
A' ordem do subdelegado do Reeife, Joaquina Ma-
ria da Assumpgao, para correego.
A' ordem do de Santo Antonio, Jos Mendes de
01 i veira, para correccao.
A' ordem do de S. Jos, 1 iburtino Pinto de AI-
meida para recruta.
A' ordem do do Peres, Luiz, escravo de Rufinia-
no Sergio de Mello, por fgido.
O ebefe da segunda secgao,
/. G. de Mesqmta.
Passageiros do vapor nacional Tocanttns. sa-
bido para os portos do norte :
Antonio Jos de Bastos Azevedo, Rvd. Fr. Bento
do Monte Carmello, Jean Pierre Momille, J. Pedro-
so de Luna, F. Carlos Martins, Dr. Emilio de Mo-
raes Das e 1 criado, Dr. Gongalo Baptista Vieira e
1 criado, Luiz da silva B. Jnior, Caetano Antonio
R. Chaves, bacharel Heracleo Vespasiano Fiock
Romano.
Casa de detengo.'
i Movmento da casa de detengo do dia 14 de
fovereiro de 1865.
Existan) presos 378; entraram 8; sahiram 17;
existem 369.
A saber : nacionaes 294; estrangeiros 21; mu-
lheres 5; estrangeiras 2 ; escravos 43 ; escravas4.
Tota"! 39.
Alimentados costa dos cofres provinciaes 157
Movmento da enfermarla do dia 16 de fevereiro
de 1865.
Tiveram baixa : Manoel Flix de Sant'Anna, fe-
bre ; e Joo Antonio de Sant'Anna. rheumatismo.
Tiveram baixa: Antonio Francisco da Silva-, Can-
dido Bezerra de Salles, Pedro Antonio Guedes ou
Garra e Mana Francisca do Nascimento.
OBTUARIO DO DIA 10 DE FEVEVEIR0 DE 1865,
f
po algumas provincias do Brasil, teve o arrojo de to cemiterio publico :
escrever no seo paiz que os pernambucanos, infa- Francellina, Pernambuco, 1 anuo, Sanio Antonio;
tualos talvez pelas proezas de seus maiores, ram! espasmo.
pouco joviaes e hospilaleiros, e mais soberbos que Janoaria, escrava, Pernambueo, 65 annos, solteira,
orgulhosos. Santo Antonio ; cancro.
Esta calumnia desmentida nao s pelas ira- Manoel Pernambuco, 8 mezes, S.Jos; convul-
dieges cavalleiroas dos filhos desta provincia, I ses.
como por factos successlvo, quotidianos, etc. O Francisco, Pernambuco, 6 mezes, Santo Antonio ;
qne os pernambucanos nao sabem gastar lempo,! pbtysica.
e romper seda com quem nao merece ; mas que Secundno, Pernambuco, 4 annos, Poco da Panel-
deixera de acolher com benevolencia e favor as; la ; codgestc.
ppsoas distinctas que aportara em suas plagas, o Jesuino da Rocha Oliveira Jnior, Maranbao, 21
que nlnguem ser capaz de provar. annos, solteiro, Boa-Vista ; bexigas.
t Tomaremos ao acaso, entre tantos factos que Ignacio, Pernambuco, 9 dias, S. Jos ; espasmo,
ahi occorrem diariamente, um qne prova com ex- j Lmbellina Thdmazia de Jess, Pernambuco, 31
beraneia a verdade da nossa observago.Mais de annos, solteira, Santo Antonio; phtysica la-
oito mezes residi no mel de nos o Sr. Dr. Jlo rlnge.
Cardoso de Menezes Sooza, enviado pela directora Mauricio, Pernambuco, 22 mezes, Santo Antonio;
do Banco do Brasil compT os negocios da Caixa I phtysico.
filial desta provincia. Chegando aqu, o Sr. Car- Antonio, Pernambuco, 9 mezes, Boa-Vista; he-
doso teve de nter cora dimcnldades inherentes
sua commisso : mas que succedeu 7 Succeden
que, sem perder de vista os interesses da Caixa,
que premoveu e zelou cora todo o cuidado e dedl-
cago, portou-se o melhor possivel eora os seos de-
vedores, j se mostrando humano e rasoavel nas II
patithe.
Marianua de Oliveira Costa, S. Paulo, 42 anuos,
casada, Pogo da Panella ; urna ulcera.
Delphina Francisca da Fonseca, Pernambuco, 76
annos, casada, Boa-Vista diarrha.
quidacoes, j fazeudo todas as concessoes que a Josepha Joaquina da Rocha Falco, Pernambuco,
equjdade o permittia. Desconfessar isto, serta fel-' #/ annos, solteira, Sanio Antonio; heraorrhagla.
meago de Jo3o Ramos, caixeiro da mesma compa-
nhia :Registre-se.
No de Jos Bernardo MichHes, pedindo que seja
registrada a sua nomeacao de administrador do
armazem alfandegado n. t do edificio Alfandega-
Velha, que ajunia por ceidlo : Como pede, la-
vrado o termo de que traa o artigo 87 do cdigo
commercial.
No de Luiz Jos d Costa Anjorim e C, pedindo
o registro da escriptura de hypolheca que aprsen-
te :Resistre-se.
No de Manoel Gougarves Marques Ferreira, pe-
dindo por certido se a casa commercial de Meu-
ron 4 C. matriculada :Como requer.
No de Andrade & Maia, apreseniando o se con-
trato de sociedade para ser registrado : Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
No de Manoel -Alves Ferreira, pedindo que se
lhe declare por certido se a escriplura de hypo-
lheca que lhe Dzeram Francisco Santiago Ramos e
sua mulher est registrada :Cert:Oque-se.
No de Manoel Gongalves Marques Ferreira, pe-
diado o registro da sua nomeacao de caixeiro da
casa commereial de Meuron & C.:Regislre-se.
No de Saunders Brothers 4 C, pediudo o regis-
tro de urna procurago que apresentam : Regls-
tre-se.
No de Jos Luiz Gongalves Ferreira, Joao Alves
da Cruz e Manoel Alves Gongalves Ferreira, pedin-
do que se declare no seu contrato de sociedade que
o segundo se retirou da mesma, e que esta conti-
na cora, o primeiro e terceiro, sob a razao de Joo
Luiz Gongalves Ferreira & C, os quaes peden) o
registro do novo contrato:Viste ao Sr. deserabar-
gad.or fiscal.
Com intormagao do Sr. desembargador fiscal:
O de Gregorio Paes do Amaral e Guilherme da
Silva Guimares, pedindo o registro do seu contra-
to de sociedade :Regislre-se.
O de Marcelino Jeronymo de Azevedo :e Guilher-
me da Silva Guimares, pedindo o registro do dis
trato de sua sociedade : Satisfagan) o parecer
fiscal. ,
O de Manoel Pedro de Mello e Antonio Pedro de
Mello, pedindo o registro do seu contrate de socie-
dade :Registre-se. *
Sendo presentes os autos do rehabilitagao.com-
mercial requerida por Julio da Costa Ribeiro :O
tribunal concedeu-a por unanimidade.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sesso a onze hora e um quarlo
da manhaa.
SESSAO JD1CIARIA EM 13 DE FEVEREIRO
DE4865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As onze horas e meia da manhaa o Exm. Sr.
presidente abri a sesso, estando reunidos os se-
nhores desembargadores Res e Silva, Silva Guima-
res e Accieli, e os senhores deputados Rosa, Can-
dido Alcoforado, Basto e Leal.
Lida, foi approvada a acta da esso antece-
dente.
Assignou-se o accordo proferido na ultima ses-
so entre partes :
Appellante, Jos Gulherme Guimares ; appel-
lada, D. Maria Venaocia de Abreu Lima Bastos.
JULGAMENTOS.
Appellante, Jos Jeronymo Monteiro e Jos Can-
dido de Barros, na qualidade da credores da mas-
sa fallida de NuOo Maria de Seixas, appellados N.
0. Bieber & C. successores, Domingos Alves Ma-
theus o Joaquim Jos Silveira na qualidade de ad-
ministradores para liquidarem a casa dos falleci-
dos Marcolino de Borja Geraldes e sua mulher, e o
Br. curador geral.
Adiado na ultima sesso
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Jos Gongalves Malveira, represen-
tado por seas herderos e outros; appellados James
Crablres & C.
Adiado na sessao anterior
O sr. Rosa jurou suspeigo por ter interesse na
causa, e foi sorteado ouiro Sr. deputado que re-
queren ad amento.
Appelb ote, Jos Moreira da Silva j appellado,
Joaquim da Silva Lopes.
Adiado na precedente sessio
Desprezaram-se os embargos com nma declara-
gao.
Appellante, Henrique Augusto Milet, tutor dos
orphos filhos de Slmo Pinto Ribeiro. e J jaquim
Pedro do Reg Barros ; appellado, Gabriel Antonio
de Castro Quintees.
Adiado na sesso prxima pretrita
Foi confirmada a sentenga appellada.
Appellante, Joaquim Gongalves Ferreira; appel-
lado, Pedro Cavalcanti de Albuqnerque Uchoa.
Adiado na sesso anterior.
Rereberam-se os embargos cora o voto do Exm
Sr. presdeme.
Appellante, Antonio Joaquim Salgado ; appella-
do, Jos Francisco Coelho da Silva Vieira.
Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, Guimares & Oliveira ; appellados,
o presidente e directores da cixa filial do banco
do Brasil nesta cidade.
Adiou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
Appellantes, Tasso & Irmo ; appellados, Fran-
cisco Luiz Salgado e Manoel Jos Salgado Couto.
Adiou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorira, Fragoso, Santos & C.; appellados, Ja-
mes Crabtree & C.
Adiou-se o julgamento a requerimento de um
dos senhores deputados.
DISTIUBUigOES.
Appellante, Francisco Jos da Costa Barros; ap-
Appellante, padre Jo.- Antonio
sa ; appellado, Jos Pinto de Magalhes.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Manoel Francisco das Neves; ap-
pellado, Jos Manoel da Silva.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Jos Gabriel Pereira de Lyra ; ap-
pellado, Antero Vieira da Cunha.
Receberam-se os embargos.
Appellante, o bacbarel Luiz Rodrigues Villares ;
appellada, a administragao da Santa Casa da Mise-
cerdia.
Reformada a sentenga.
Appellante, Joaquim Coelho Cintra; appellados,
Figueiredo & Irrao.
Confirmada a sentenga.
Appellante, Jos Maria da Silva Ferreira ; ap-
pellado, Domingos Bernardmo da Cunha.
Confirmada a sentenga.
Appeliaces crimes.
Appellante, Francisco Antonio Pereira Tinoco ;
appellada, a justiga.
Julgou-se a aecusago perempta.
Appellante, o juizo; appellado, Rufino Pereira
da Silva.
A novo jury.
DILIGENCIAS CHIMES.
Com viste ao Sr. desembargador promotor da
justiga
A appellago crinie.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Ferreira,
escravo do lente Jos Domioguts Porto.
DILIGENCIAS CJ.VEIS.
Cora vista ao Sr. desembargador procurador da
cora
As appellages civeis.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores ; appel-
lados, Baziliano de Magalhes Castro e outros.
Cora viste ao Dr. curador geral
A appellago civel.
Appellante, Joo Correia de Araujo ; appellado,
"Manuel Joaquim de Albuquerque Lins.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago
As appellaoes eiveis.
Appellante, o juizo; appellados, os Iierdeiros de
Manobl Rodrigues de Oliveira.
Appellaute, o juizo; appellado, Ignacio Luiz de
Brito Taborda.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque,
A appellago civel.
Appellante, Dr. Joo Jos Pinto; appellado, Jos
da Cesta Ribeiro.
Ao Sr. desembargador Gitirana
A appellago civel.
Appellante, o juizo ; appellado, Dr. Jos Joaquim
de Muraes Sarment.
A' 1 hora da tarde encelen ae a sesso.
d-se a Dos o que de Dos e a Cesar o qui dt
Cesar.
v illa do Passo, 10 de Janeiro de 1865.
PUBLISACOES i PEDIDO
A' mocidade Pernambucana.
I
Descendentes dos hroes Pernambucanos de 1654
o que feito de vos ?
Quando os feroses assassinos do Uruguay em-
punham contra nossos irmaos suas armas homici-
das i quando os cobardes salteadores do Paraguay
a falsa f ultrajan) o nosso pavilhao, arreraecam
aos seus immundos carceres os nossos compatrio-
tas, e por ultimo ousam invadir a sagrada trra da
nossa patria; quando esta, bradando por vingan-
ga, vos convida para a guerra santa, porque nao
corris, porque nao voes a engrossar as fileiras
dos bravos, que j se estao baiendo em deffesa da
honra, da iolegridade, e da soberana do nosso
paiz?
Que libiesa, que indilTerenga sao essas que de
vj se teem apoderado 1
Mancebos pernambucanos I dar-se-ha case que
haja degenerado em vossas veas o sangue ardente
dos guerreiros de que descendis .'
Quando toi que os nossos antepassados deixaram
de a vanear para o campo da honra, e de dar teste-
muuho do seu furor bellicoso, c mlomitacora-
gem?
Quando toi que elles se demoraran) em acudir
aos reclamos da patria, e em castigar a insolencia
de inimigos estraugeiros '.
Os registros da Hollanda que o digam I
Mocidade de 186o I querereis acaso licar humi-
lhada em presenga da historia .'
Querereis desmentir as heroicas tradigoes da
nossa brloa Ierra natal ?
Querereis que nossos irmaos do sul descrean)
de nossa lealdade, e bravura, e que suspeitem
que os nao soccorremos, porque j nao possoimos
o ardor marcial, as virtudes cvicas dos nossos
maiores ?
Quem sabe a esta hora quantas desconfiangas
desairosas j nao tero produsido essa vossa libie-
sa. e tardaura !
E o juizo inflexivel da posleridade nao vos at-
ierra ?
Quando no futuro se disser que hesitastes em
tomar parte em urna luta de honra nacional, que
lemestes creslar-vos ao sol das batalhas, e batter-
vos com as hordas semibrbaras dos Indios do
Paraguay, que testes impassiveis aos brados da
patria afflicta, e que vos delxastes licar na indilTe-
renga, e no ocio quando os escravos do tyraote
Solano Lpez violara o territorio brasileiro, um
chuveiro de pragas, e de maldigoes ha de sem du-
vida cali ir sobre vossa memoria.
Nao crelo porm que isto se realise, porque con-
t que despertareis, e (ue agodados correris ao
campo da peleja, para nelle fazerdes ouvir o rugir
do leo pernambucano, perante quera ho de ne-
cessariamente licar esmagadas as hostes selvagens
do ridiculo candilho d'Assumpgao.
A' armas pois,s aos combates, jovens herderos
de um nomo glorioso I
Honrai a memoria de vossos avris, desses varos
fortes, desses homens de torro, que dzenlos e
dez annos se immortalisaram, abatendo o poder
hollandez, e legando-vos um thesouro de honra,
que a todo cusi devoris conservar I
A's armas, aos cmbales I repito; e se alguem
vos disser o contrario, dai-lhe as costes, e correi a
alistar-vos como voluntarios da patria.
Viva o Imperador.
Viva a iolegridade do Brasil.
Vivam os bravos voluntarios, deftensor da senho-
ra do seu paiz.
--
Trlbuto ao mrito.
Quando urna auteridade caminhando atravs das
paxes, e intrigas que por toda a parte se do em
maior ou menor escalla, sem se imp ir tar com o
que este ou aquello diz, tendo s por guia a lei e
a justiga, tratando alm disso a todos, quera quer
que seja, com polidez e bondade; essa auteridade,
Ni t;mM con'ieeimcuto nlirum de m>nhnn
caso (juc tilo perfectamente mostr d'um imv
ueira nmu clara c poivuasivtt o podar d
.S"'i"nt Mema ufen a molestia ; qual neja 9
Bate homem infeliz haviu maia d'um anno quo
B >ffra as dores us mais atro7.es e mingiMitea.
proveniente de
Trese
IViriveis ('agas Aberta*
ii-paaila por sobre dilferentes partea de wea
eurpo, sendo urna das quaes sobre o peito do p
nina fonda e maligna chag, a qual o privar
le ailar, cauzando-luc as dures as maia apoiii-
.-...ir.'-.7 quir de dia quer de noute; eoiuinuada-
DMltte atormentado por taes afllicroeg e dores,
e quasi que aborrecido da routinua<;ao de sim-
ilhiate vida, tondo posto de parta toda a < *
Cuanca ion medocinas, e aa realidade parec
qu para elle nio lhe reslava mais esperanca
alguuw; a.- -mi pois resiguado eoj^rava coia-
paeitrncia, o tormo final de seo mutiplicadoa
BuffrimentoB, eia que milagrosamente por for-
tuna sua l'uu receitaro o graude purificador
do sangue
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
a molante a sua grande eficacia eew^llcncis
elle be acliou d.'n:ro de jkjuco tempo, livre do
seu irremcdiavul estado do desespero, e a doce
e r'.-imi a esperanza tornou de novo revivex
em seu coravao ; sob a podurom e benvola in-
fluencia deste admiravel medicamento, as sua
chagas em breve principiarlo asbiuuir oa ca-
rcter favoravel diminuindo o aspecto Ue tu
malignidade. A massa do pangue e mni-
huniores do sjstema tornou adquirir nma
appurtucia clara e saudavel, as dores, atiu-
mcnudoraB d'outro ora o duisaiao, e urna dooe
e suave tranquillidade principiou i precorrer
todo o seu systema, restaurando-lhe a desejada
paz e socogo d'iipirito; as chagas moa un
se forao fechando ate' que finalmente se cica-
trizarao d'um tido, e hoje acha-se perfeita-
mente sao, gosaudo d'um perfeito estado de
saude, depois d<- se ter visto privado d'esto
graudu gozo durante mais d'um anno. Elle .
durante esta sua cura, apenas fez uso de
Das'.ixeia garrafas da Geiiuiaa Salsaparrilha
b B: isiol, prepamda esclueivainente por
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK.
Iiecommen-la-st mui particularmente aoa
Doeutes d'amboR os sexos, que empregnen*
toda a cautclla na cscolha d'este admiravel
remedio, am que nao obtunhao outra eoin-
posico qiialquor, que nao seja a Salsaparril-
ha Oenuina de Brsto!, pois que todas as
mais pii-|iuni.;w.'- e imita^oes '. -tu naiurez
sao falsas nao possnindo virtnde alganvi.
Vende-se nas boticas de Caors & Barbosa,
e C. Bravo C
m
COMMERCIO.
Cola?oes offlciaes.
PRAijA DO RECiFB.
15 de fevereiro de 1865.
Algodo primeira sorte19JO00 por arroba,
uboureq Jniorpresidente.
Guimaressecretario.
Xoto banco de l*crnanibuco.
0 banco descoma letras na presente semana a
12 por canto ao anno at o praio de seis meies, e
toma dinbeiro a juros a praso sunca menor de
tres mezes.
Caixa filial do banco do Brasil
en Pcrnamhnc.
A directora desta caixa saea sobre a caixa Alia
na Babia.
O guarda-litros,
Ignacio Nones Correia.
Alfandega
Rend ment do dia la 14.......
Idemdodi 15...............
384:424J63
40:072*751
424:497*404
Mov ment da alf andega
Volumeseatradoscomfaiendas...
a > com gneros...
347
Volames sahidoscom aiecdas..
a com generes ...
2,096
Descarregam no dia 16defevereirodel865.
Brigue \af.\eiAzof di versos gneros.
Patacho inglesW. Jf. Doiqediversos gneros.
Brigue francezLouize Ilalierdiversos gneros.
Brigue lianoveranoHanselunefarinha de trigo
Escuna banoverianaFmmm .faria* da triga.
Barca hamburguezaMaricltadem.
\








iM*<~****** l e IM>*efert> tfe t StS.
Brif ae prtnBb*o~-KoMg0burtjdem.
Barca nortaguez aurw diversos gneros.
Brigue inglez/ido dem. -_ !
Barca ingleza-44W*ii!-ideai.
Barca ingleza IPMiaai-udea.
Brzue inglez/TriiZ WraehogleJfonrfadem.
Patacho inglez -JVril/ dem.
Importaco.
Brigue nacional Mafra, entrado do Rio Grande
do Sal, consignado a Amorim Irmos, manifes-
tou e seguinle:
9,113 arrobas de charoae, 176 ditas de sebo em
rama ; a ordem.
Barca baarburgueu Mariella, entrada de Trias-
te, maoifestou o seguinle :
2,042 barricas farinha de trigo ; aos mesmos.
Brigue ingles Jeddo, entrado de Trieste, consig-
nado a Sannders Brothers 4 C, manifestoa o se-
guinle : i
60 barricas farinha de trigo ; aos mtsrao?.
Barca ingleza Conrad, entrado de Liverpool,
consignado a Sannders Brothers i C, manifestou
o-seguiote :
428 toneladas de carvo de pedra; aos mesmo.
Patacho inglez amaron, entrado de Terra Nova,
consignado a J. Paier & C, manifestoa o se
guite :
2,394 barricas e 230 meias dilas bacalho ; aos
mesmos.
Brigue inglez Beleo, entrado de TerraNova, con-
signado a I. Pater & C, manifestou o segninte :
3,000 barricas bacalho ; aos mesmos.
Brigue inglez Azof, manifestou o seguinte :
500 barris cimento, 50 ditos gesso branco, 115
fardos papel de euverope, 550 saceos farello, 50
caixas azette em botijas, 30 saceos feljao, 15 pipas
vinagre, 10 meias dilas dito, 50 quintos dito?, 10
saceos rae de bico, 10 ditos ervillias, 10 fardos
rva-doce, lonos cominho, 10 dilo canella, 10 di-
tos cravo da India, 15 ditos alfazema, 26 caixas sa-
bio, 50 caixas cognac, 200 ditas vinho, 30 ditas
conservas, 12 ditas mostarda, 75 ditas conservas,
33 ditas azeitonas em conservas, 25 ditas maras-
quino, 83 caixas licores, 50 ditas agua de flor de
laranjas, 24 ditas perfumaras, 2 ditas de toalete
eom confeitos, 1 drta rnictas, 35 dilas licores soni-
dos, 1 dita perfumaras, 30 ditas licores, 400 canos
do barro, 350 fardos eom 16,000, 16 ps de banco,
1 paeote paratusos com porcas, I ernz fundida, 150
caixas passas, 200 meias ditas dita, 200 quartos de
dita dita, SO caixas figos, 10 barris alpista, 60 pi-
pas vinho tinto, 100 quintos de dita dito, 100 deci-
mos de dita dito, 100 quintos de dita com vinho
branco, 100 decimos de dita dito ; a Tasso Irmo.
Exportado.
Barca ingleza lmogene. carregou para Val pa-
ral : 5,000 sacros com 25,312 arrobas e 16 li-
bras de assucar branco.
Barca ingleza Beriie, carregou para Valparaizo :
6,020 saceos com 30,100 arrobas de assucar branco.
Brigue dioamarqaez Odtn, carregou para Val-
paraizo : 3,000 saceos com 15 000 arrobas de as-
sucar branco.
Escuna dinamarquesa D. A. A'., carregou para
Marseille : 2,100 saceos com 10,500 arrobas de
assucar raascavado.
Patacho dinamarqus Frtderick, earregon para o
Rio da Prata : 1,020 barricas com 7,479 arrobas e
3 libras de assucar branco, 3 barricas e 100 saceos
com 777 arrobase 2i libras de dito mascavado o
50 cascos com, 9,200 medidas agurdente.
Barca ingleza Queen, carregou oara Liverpool
por Macei : l,7i0 saceos com 8,500 arrobas de
assucar mascavado.
Barca ingleza EUza, carregou para Liverpool :
1,588 sacras om $,455 arrobas e 6 libras de al-
godo.
Barca porfugezVorca, carregou para Lisboa e
Porto : 221 barricas e 2,2(52 saceos com 13,168
A arremalaeie ser fetla per leopo da ras
anuos e e,ulro mezas a contar do Io da marco do
corrente anno ao ultimo de junho.de 4867, 'e de
conformidade com o art. i6 do regulamnlo de 3
de agesto de 1852.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cae eeiaparegara na sala das sessoes da referida
Junta no da cima mencionado pelo mcio da e
competentemente habilitados.
* para constar se mandoa publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesonraria provincial de Parnam*
booo 9 de ferererro de 1865.
O secretarlo,
Antonio Ferreira d'AnnonciacSo.
* O Hlm. Sr. inspector da thesonraria provin-
cial em comprmanlo da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia de 7 do corrente, manda fazer
publico que no dia de arpo prjimo vmdoaro,
perante a junta da fazenda da mesma Uiesouraria,
se ha de arrematar a quem por menos fizer os re-
paros de que precisa o empedramenio do lugar de-
nominadoAreias do Giquina estrada da Vic-
toria entre os marcos de 3 a 4,000 bracas, avalia
des em 3975500.
A arrematrgao ser feita na forma da lei provin-
cial n. 343 de 15 de maio de 1834, e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
_ As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao eomparegam na sala das sessoes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se 'mandoa publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 10 de fevereiro de 1865.
O secretario,
A. F. d'Annunaarao.
Clausulas especiaes para a arrematago.
Ia. Os reparos do empedramiento da estrada da
Victoria, era diversos^ pontos entre os marcos de
3 a 4,000 bragas, serao ejecutados de conformida-
de com o respectivo orcamento na importancia de
3975500.
2*. O arrematante ser obrigado a dar principio
aos reparos, 15 das depois que assignar o contrato,
e a termina-lo 2 mezes dopois.
3*. O pagamento ser eltectuado em urna s pres-
lago, logo que peto engenheiro for declarado que
os reparos Toram concluidos.
~ 4 Para ludo o mais que nestas clausulas nao
previne observar-se-ha o que dispoe a lei n. 286.
Conforme,
Antonio Ferreira d'Annunctarao.
DECLAMCCES.
Cala filial do !an em Pernautoueo,
14 de neiro de 1865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aos credores de -ebastio Jos da Silva a vrem
receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
raleio Ihcs loca da venda de urna das propieda-
des, qne segundo a concordata.lhe foram entregues
para serem vendidas.O guarda-Iivros,
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da directora desta mesma caixa se
faz publico aos seohores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22. di-
videndo de 105 por accao.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Santa Casa da Misericordia do
tiecife '
A Illm. junta administrativa da Santa Casa de
arrobas o 10 libras de MjW'knM TO barr, roli do Rec.te manda fazer publico que
de dim mascavado 2 Saceos com 1 arroba o 13 li- sala de suas ^^ r A de am
bras de a godao 10 cseos com 1 840 medidas de' a lres annos as renjas jas^asas abaixo declara-
agurdente e 11 daos com 374 medidas de rael.
Patacho portuguez F da Prata : 1,600 barricas com 11,265 arrobas e 31
libras de assucar branco, 500 barricas com 3,847
-arrobas e 28 libras de dilo mascavado.
Hecebedorla de rendas Inter-
nas geraesde Peraambnco.
Uandimento dodia 1 a 14......
dem do da 13..............
Consulado orovlnclal.
Randimento do da 1 a 14....... 65:8705554
dem: do dia 15............... 6.941J364
das : os pretendentes devem comparecer acompa
nhados de seus fiadores ou munidos de cartas
destes.
Patrimonio de erphos.
Ra daSenzala Velha, sobrado de dous
andares n. 132 ..*...
Ra do Amorim, casa terrea n. 26 .
17:1734689 Ba de S. Concalo, casa terrea n. 22..
5I8388 Caridade.
-------------1 Ba da Conceicao, casa terrea n. 5....
17:6925077 Ra da Gloria, casa terrea n. 65 .
Ra da Alegria, casa ierre n. 7 .
72.8115718
MOYIMEWTO BO PORTO
Namos sahidos no da 15.
Rio de Janeiro patacho brasileiro Capuam, capi-
llo Theolonie Jos da Silva Rosa, carga assucar
e outros gneros,* 3 estraves a entregar.
Rio de Janeiro-brigue brasileiro nvencivel, eapi-
tao Antonio Albino de Souza, carga assucar e 1
escravo a entregar.
Rio Grande do Sulbrigue brasileiro Ohnda, capi-
tao Manoel Pereira de S.
\Ro de Janeiro -patacho inglez Carmelita, capitao
Basseti, em lastro.
Marseilleescuna dinamarqueza D. A. .V., capito
N. L. Norby, carga assucar.
Maceibrigue inglez Ullsuater, capito B. New-
ton, carga carne secca.
Rio da Pratapatacho portugaei Furto, capilo
Jos Alexandre Lopes da Rosa, carga assucar.
J'ortos do norte-vapor brasileiro Tocantins, com-
mandante prlmeiro tenente P. H. Duarte.
Observacao.
Suspenden do lamarao para a Bahiaa escuna in-
gleza Margaret, capitao Ciernen! Pinel, com a mes-
ma carga que trouxe de Terra Nova.
Jundeou no lamaro nm brigue inglez, mas nao
leve cemrauniraco com a trra.
Nao hoHveram entradas.
EBIT1ES.
A cmara municipal da cidade de OlinJa
manda publicar para que ebegue ao connecimento
de todos os seus muaicipesa portara da presiden-
cia da provincia, datada de 7 do corrente mez, pela
-qual fora approvado provisoriamente o seguinte
artigo de postura addicional :
4" seccao. Palacio do governo de Pernambuco 7
de fevereiro de 1865.
O presidente da provincia atlendendo ao que re-
presen tuu a cmara municipal da cidade de Ohnda
em offlcio de 28 de Janeiro ultimo resolve appro-
vr provisoriamente o artigo de postara abaixo
transcripto addicional aoart. 23 das posluras coos-
lantoa da lei n. 517 de 19 de junho da 1861.
as mesmas penas incorrerao os vendedores de
laes limas, as quaes, ou ontras preparares para
laes divertimeotoi, sendo ellas inulilisadas.Anto-
w Borges Leal Castello Branco.Conforme An-
tonio Leite de Piano.
P*qo da cmara municipal de Olinda era sesso
oriinaria de 13 de fevereiro de 1865.
Jeaquim Cavalcanti de Albnqnerqae
Presidente.
Marcelino Das de Aranjo
Secretario.
O cldado Antonio Augusto da Fonseca, cavalhei-
ro da imperial ordem da Rosa e juiz de paz se-
gondo volado dafregaezia do Santissimo Sacra-
mento do bairro de Santo Antonio da cidade do
Recita etc.
Pag saber a quem inieressar que harendo dado
ta freguezjao eapilo Lniz Osario do liego, en-
irou em exerciCro do mesmo cargo em qanto du-
rar o seu impedimento, o segando vetado o cJdado
Antonio Augusto da Ponseca, pelo que scientiflco
das, hora lugar j designados, a que desjiacha
O a casa de sua residencia ra de S. Francisco
n. H em oude for encontrado.
Kctedefeveroiro de 18tt5.E ea Joaquim
, Siha Rege, escrt vSo que o esc revi.
Amonio Aogaslo da Fonseca.
O film. Sr. inspector da thesonraria proTin
vial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
siente da provincia de 7 do corrente, "manda -fa-
zer publico qne no da 3 do mesmo perante a
junta da fazenda da mesma thesonraria vai nova-
wnte a praea para ser arrematado a quem mais
ler o imposto do pedagio da barreira de Motoeo
lomb, avaliado em 2:0155 annuaes.
4.'i03000
805000
1835000
2475000
1445000
2645000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife. 11 de fovereiro de 1865.
O esenve,
F. A. Cavalcanli Cousseir.o
Constaodo-me que a recob.-doria, firmada no
art. 55 das inslruccoes n. 2551 de 17 de marco do
1860. alterara a praxe estabelecida de dar s par-
tes um conhecimento provando que ellas havjam
realisado seus dbitos, e que em lugar desse co-
nhecimento somente d urna guia^que d'su/es era
remedida seccao do contencioso'para dar-se bai-
la execuco, e notando que alguns devedores
nao leem apresentado a guia que llies entregue,
nem na seccao do contencioso, nem no cartorio
dos feilos, e como Ihes seja prejudicial, porque
nao constando cm juizo que o pagamento foi eflec-
tuado, prosegue se na execuco, e el les serao so-
brecarregados de cusas, para evitar esse inconve-
niente, faco-lhe constar que a guia que se Ihes
d, deve ser levada ao cartorio para se dar baixa
na execuco.
Seccao do contencioso da thesouraria de fazenda
de Pernamhuco 11 de fevereiro de 1865.
O procurador fiscal edos feilos
II. do Reg Barros.
De ordem do Illm. Sr. inspector se faz pu-
blico que no dia 18 do corrente mez, a 1 hora da
tarde, estar em hasta publica, perante a mesma
thesouraria, para ser arrematado a quem por me
nos fizer o fornecimento d'agua potavel fortaleza
do buraco e do laboratorio de fogos : as peosoas a
quem convier o sobrediio fornecirtento devero
CDmparecer na sobredita thesouraria hora indi-
cada. Secretaria da thesouraria de fazenda de
Pernambuco em 1! de fevereiro de 1865.Servin-
do de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Crrelo geral.
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convencao postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
rao expedidas malas para Europa no dia 15 do cor-
rente pelo vapor ingles Ourida. As cartas serio
recebidas al tres horas antes da que for marcada
para a sabida do vapor, e os jornaes at qaatro
horas antes.
Administraco do correio de Pernambuco 10 de
fevereiro de 18650 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Pela subdelegacia do Peres foi mandado re-
colher casa de detencao o preto crioulo, que diz
chamarse Luiz e ser escravo de Roliniano Sergio
de Mello, morador em Timbauba da comarca do
Goianna, ne sitio denominado Theuma, e qne sa-
nio fgido do casa de sen senhor no principio do
mez de Janeiro passade : qnem se julgar com di.
reito ao mesmo preto, comprela, que provando
seu dominio Ibe ser entregue.
Subdelegacia do Peres 14 de fevereiro de 1868.
O subdelegado,
Alejandrino Martins Correia Barros.
Faciildade de Direito.
De ordem do Exm. Sr. director faco publico aos
alumnos da Paeuldade qua, do da 16 do rorrete
em dtanie podero reallsar na estagan competente,
o pagamento da tasa cor respndeme- a rrrfmelra
matricula, cuja abertura devera ler lagar no ita
i de margo, prximo vindoara.
Secretaria da Facaldade de Direito do Becjfe 14
de fevereiro da 1865.
O secretarlo,
Jos Honorio Beserra d Menezts.
Consulado provincial.
Pela mesa do consnlado provincial se faz pnMl-
eo 4ue no dia 15 de corrente lindam-se os 30 dHrs
atis marcados para a cobranza a bocea 4o o***
do anno fioanceiro vigente dos impostos de 4 0/0
sofcre os estabelecimentos de commtrcio fra da
!nl* w.e o de-e mil reto se Urerara'
>Jr%Mc'
.. Cordeiro Simoea teri Mlls dw escravos cima
mais daqne#fle. neociooados com habilidades e sean ellas.
Ari. i, wprtmro do* toWntarios merrore?, d*s-l Sexta-feira 17 do corrente as W l|3 horas
ude aprendizesraari- ^..J^ ^ fUJ ^ gfCjfe...57
aflS'
nheiWi) SaW A WPAff nit, e se abonar
pais, tutores, ou quem suas vezes fizer:
Arl. 20. Os premios de que tratam ds arllgosan-
teesejentes ser* pagos pela maneira efuirte :
J Os dos votuniarios da segunda clarae, se o
allslamento for por um auna, Ihes gero nacos in-.
leilo de faz en il >s ivariudas.
Sexta-feira 1/ di; fevereiro
Southall Mellor & C. fafo leilao por interven
dio do agente Pinto e por conta e rlsc
tegralmenTe''o Ko7 aTen.aVem Z "Toor' ^rUMICar tf'** aa"1 '*" '
den. en tres anno?, 7XS *5? pre acoe t fZ IT SS f f *Z **** G""
iguaes, sendo primeira paga como m vrlmSn $ 1/twt.fcr, existentes em seu armasem_ ra do
do contrato, e terceira linda o dito.prazo. horas em PD, da d,a cima dilo.
I 2. Os volniarios da terceira classe re
Rciiir0 Har,i Irt-sileiro.
Esta! decido ho i?i0 dei"eio' na pra?a
do Commerco u'rnPtori n- 3-
Achando-sedefioitivamenlP ,;"?*> o Hegislro
Martimo Brasileiro, to convldaov'/ lodos ne_
s navios'
le a
ftu
recebe-
rao urna terca parte do premio respectivo logo trae
cidade do Recife, prensas de algodo, coctieim, oham bolado praea, otrtra terca ttte ne fim
cavallarices, fcotequins, hotefs. casas de pasto, tr- ,p ? ro "?* de serviC restante findo o
pographias e fabricas ; d 8 0/0 sobre consultorios pi BAsen ll'slamcnlo.
mdicos e cirurgicos, escriptories e carinos : de J- us P/eraios dos imper-iaas awinheiros a os
W 0/0 sobre eslabelecimenios de coenmercio em da',pra5a1s do Dalho naval sefao abonadas como
grosso e a reUlho, arraazens de recolher, depsitos i s >o* 'olonterioa da tercena -classe.
e trapiches de 505 por casa de bilhar e de mo- m 4- s Premios devidos pelo alistamento de
das: de 1005 por casa de compra e renda ae i- "l"0"' ,".ras M compaoliias de aprendlzos mari-
cravos, de vender roupa feita no estrangeiro, de ""eir8S ^^o pagos integralnrente, logo que se ve-
correctores commereiaes e agentes de leilao; de "^e CH'r*F. "s ditos menores.
1:0005 sobre casas de eperaede bancarias com1. Y1-. ^^^eaces qaecompetemaos vo-
emisso e preelegios ; de 6005 pela commissae e "DUri0s^"e .'rectamonte se aHstarem no servico
sem previlegios; de 4005 obre as companhias f ?rmada.Mrao pagas conjuntamente con a pri-
anonymas e agencias ; de 2005 pelas casas de
cambio -, de 505 porcadaalqueire de sal; de305
per escravo empregado em servico de alvarengas;
de 15 por tonellada de alvarenga. lancha e canoas
abarlas; de 205 por cada bote ou saveiro; de 305
por cada balieira; de 105 por escravo ganhador;
ou empregado em servido de transportes ou em ;
armazens; de 105 por cada cavado de sella de'
aluguel de 65 por cada cavado de sella parlicn-1
lar ; de 5 0/0 sobre a venda do capim e o de car '
ros, carrocas e mnibus, e tamnem o Io semestre
do de 20 0/0 do consumo de agurdente das
meira preslago do premio respectivo.
O secretarlo da capitana.
Dicto de Aquino Fonceca
AVISOS MARTIMOS.
Lisboa c Porto
Pretende seguir com a maior brevidade a bar-
ca portugueza tLanra, por ler parte da earga
fre. I prompta, para o resto a passageiros trata se
leilao
De urna mobilia de Jacaranda, 1 espalho, I can-
delabro, 2 serpentinas, 2 pares de jarros, 1 com-
moda, 1 sof e cadeiris de amarefio, 1 mesa de
jamar outros objectos pertenceotes a casa de
familia.
Sabbado-i8 de fevereiro.
O agente Pinte far leilao por conta de urna
peisoa que mudou de residencia, do todos os ob-
jeetos cima mencenados existentes ne sobrado
do pateo da Ribeira n. 19, oude se elTectoar o
leilao as 10 horas dodia cima dito.
irnos Dirasos.
, com
guezias desta cidade,dos Afogados, Muribeca, San- o consignatario T. de Aqurno Fonseca Jnior, tra- C?K) d agQ e gM
lo Amaro de Jaboato, S. Lonrenco e Varzea, B- 'vessa da Madre de Dos n. S, primeiro andar on
cando snjeitos a multa de 6 0/0 sobre sens dbitos cora capito na praea.
lodos os contrihuintes quepagarem depois daqael-
le dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
6 de fevereiro de 1865.O administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
I." seccao. Secretaria da polica dePernambn-
co, 1 de fevereiro de 1865.-0 Illm. Sr. Dr. ctiefe
de polica, manda renovar a publicaran da postura
addicional de 12 de fevereiro de 1863 abaixo trans- D/jyn /\ K%\ fia 'n/ji'/i
cripta, afim *b que ninguem allegue ignorancia de **f l* U mu tic tfltllvlfu
soas disposigoes. Sahir com brevidade o patacho nacional oVia-
Posturas. | niao, recebe carga a frete commedo e escravos:
Art. 1." Fica prohibido neste municipio o bnn- trata-se cora Manoel Ignacio de Olivara 4 Filho
quedo de inlrudo com agua por qoalquer maneira no largo doCorpo Santo ascriptorio n. 19 ou com
que se empregue ; os infractores pagaro a multa o capito a bordo.
Aos 1:()I)(MM!U.
Corre depois d'amanh i.
SaNbado 18 de corrente mez se extrahir
a tciccu'j parte da primeira lotera da
SlntaCasada Misericordia para canalisa-
{*) no consistorio da
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muila brevidade o brigue es-
cuna Joven Anhnr, ten parte de sen carregamon-
to engajado : para o reste qne Ibe falta trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luii de Oli-
, veira Aievedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz a. 1
de 155000 reis, e 8 dias de prisao.
Art. 2. Fica prohibida a venda de limas de chei-
ro ; os infractores alm de as perderem, pagaro
4&OO0 de multa. O secretario, Eduardo de Barros
Falco de Lacerda.
Capitana do porto de Pernambuco, 14
de jneir de 18(55
Em vista dascircumstancias melindrosas em que
se acha o paiz, sendo necessarto que todos os bra-
sileiros, concorram para a snstenta^o dos bros e
dignidades nacionaes, comprometdos na guerra
COMPANHIA BICASILEIBA
DE
PAQUETES A VAP6R
Dos partos do norte espera-
do at e da 17 do corrente o va-
por Paran, commandante o ca-
pito de fragata Santa Barbara, o
qual depois da demora do costu-
me seguir para os porios do snl.
Desde jrecebem-se passageiros
igreja de Nossa Senaora do Rosario da
fregue/.ia de Santo Antonio.
Osbillietes, aieiose quartos estaoa ven-
da na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:000^000 at 10,5000
serio pagos urna hora depois da extraerlo
atis 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As encommendas serao guardadas so-
menteat a noite da vespera da extraerlo
como de costume.
O thesoureiro,
Antonio JosA Rodrigues deSouza.
facanles armadores arcpMrar os
a1*! de se realiar rom a possifei brevioJ(
risco de qnem". pubhcaeo do registro annual.
NesW Mvro serie incluidos todos os navior
mercanles brasleiros de qne honver nefleiaiaeas
so apparecerao com a. desigoaco da classr, di vi-
sao e darace, os qoe houverem sido vistoriades
ptlos peritos de Registro, preeudendo pedido do-
armador ou capitao.
O Registro Martimo Brasileiro fundido a imita-
eao dos Lloydade qoasi todas as w^oes martimas
da Europa.contera as ioformes mas precisas
sobre o estado dos navios e prop6e-se a realisar
um grande aaeMraramento ha muo racliad
pelocommereio maniimo brasileiro.
O reglame** naras rlaseaficaces dos navios
conl- ndo tawbeai as tatlruocoe* para as novas
construefoes e para os peritos, acna-se j ira-
presso
E' escu.-ado asistir aa convenieocea de serem
es peritos chamados conforme determina a re-
ffulamento, para assistirem as oonsiruccoe ou
coocertos e reparos que se fizerem nos navios, ate
de se poder determinar com exsc^o a classe a
que o navio perteoce.
O Registro Martimo Brasileiro nao se respon-
sabilisa pelas elassificacoes aoieriores a sua fnn-
da?ao e protestar contra quem asar das f raer-Oes
e signaes que eila adoptou.
O abano assienado acha-se enearregado pela
admioistraco du Registro Martimo, para (na con-
formidade de um regulamenln) vistoriar os navios
mercantes nacionaes e ertrangerot qoe nezerem
ser classiHcados. O pedido para as vestorias de-
vero ser dirigidos a roa do Imperador o. 71, se-
gundo andar.
Operile,
____________ Jos Joaquim Dias dea Prazeres.
e engaja-se a
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda car!a lueo *aPor podfr cenduzr, a qual dever
o Illm. Sr. capito do porto, em virtude do que llie *er embarcada no da de sua chegada, encommen-
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e seere- fas.e dinhe.'r'> frete ate o da da sabida as 2 ho-
tario de estado dos negocios da marinha, convidar fas a?encia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
no s aos matriculados, con a todos os cidados l9n' Lan de niiveira Azevedc & c.
que se queirara alistar na qualidade de voluntarios;
para armada, a se apresentarem nesta capitana'
nos das uleis das 9 s 3 1|2 horas da tarde.
Outro sim, sao igaalmente convidados os indivi-
duos que tiveram baixa do servico naval, a alista-
rem-se por um anno on mais, ^garantindo-se-lhe
nao s as respectivas escusas, logo quo terminem
os seus contratos, mais anda os premios fixados na
lei, para os qne voluntariamente procurara o ser-
vico da armada, e hem assitn nma gralifiraco
mensal, igual a melado dos sidos, roe percebiam
na occasio em que obtiveram baixa.
As vantagens e condircoes para o alistamento se- da tarde do dia da sahida :
rao as establecidas pelas instrucc,6es que baixa- do Maltes n. 1.
ram cora o decreto n. 1591 de 14 de abril de 1855 ~~ '----------------------------------
qne, sao as segnintes : Qf*l()
Art. 12. Distinguir-se-ho seis elasses de volun- o. i. .
tarios : beue brevemente a barca portugueza Sympa-
l.' Dos individuos quo qnizerem servir na ma- !:!.,:a.i).0Lt^r _seu ca""eeamento completo : quem
GOMPAaNIUi PERMA.MBUCANA
DR
.\avegavao casteia por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaiy, Cear
e Acarac.
No dia 32 do corrente s S ho-
ras da tarde segu para os portos
cima indicados o vapor Maman-
guape, commandante Moma. He-
. cebe carga at o dia 21. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at 2 horas
escriptorio ne Forte
quizer ir de nassagem, para o que lem exceilenles
Rio de Janeiro.
A sumaca Aguia recebe carga miuda e escra-
vos a frete : trata-se cora os consignatarios Mar-
ques, Barros & C, largo do Corpo Santo n. 1.
qnizerem servir na ma
rinhagem sem lempo determinado :
2.'Dos que se qnizerem contratar para servir T"rm enle"dase ">* Bailar & tliveira, ma
na manahagem por tempo determinado : t^aaea n. 2b.__________________________
3.' Dos que se prestarem servir na mariah-
gem os prazos eslabelecids no artigo 3." do decre-
to n. 1466 de 25 de outtibro de 1854, e que escu-
sam o nacional do servico militar ;
4.a Dos que quizerem ler praea no corpo de m-
periaes marinheiros.
5. Dos quo se destinarem para o batalhao naval.
6.* Dos nprcndjzes marinheiros.
Art. 13. Os voluntarios das differentes classse
definidas no artigo antecedente devero ter os re
qnisitos seguinles :
!. Classe.Os que se alistaren) para a roarinha-
gem sem lempo determinado, devem ser fortes,
saos, acostumados a vida do mar, ou pelo menos
capazes de servir na praea de grumete.
J.E10ES.
Leilao de movis.
lIOaJE
Quinta-feira 10 do crente as 10 horas.
Cordeiro Srn5s far leilao dos objectos abaixo
mencionados por conla e risco de urna
^Classe.-Osqueseontraurem por prazos de- ^SS^mSmSS "'" """ ^^ ^
Como seja :
terminados, de um a tres annos, devem ser fortes
saos, e acostumados a vida do mar.
3.' Classe.Os que se contratarcm para servir
na marinhagem o prazo de seis oa de oilo anno?,
em conformidade do artigo 3." do decreto n. 1466
de 25 de oulubro, devem ter os requisitos dos da
segunda classe, excepto a pralica da vida martima
que poder ser despensada com a clausula que
adiante (artigo 16) se expressa.
4." Classe,Os alistados para o corpo da mpe-
riaes marinheiros devem ser cidados brasileiros
de 18 35 annos de idade, ou at 40, sendo bomens
do_mar; fortes, saos, e capazes de todo o servico.
5.' Classe.Os alistados para o batalhao naval
devem ter 18 at 45 annos annos de idade, e os on-
tros requisitos da quarta classe.
Todava poder-se-ha adraittir alguns estrangei-
ros medanle previa autorisaco do governo. i
6." Classe.Os aprendizes marinheiros devem ;
ser cidados brasileiros, de 10 a 17 annos de ida-!
de, de constituigo robusta, e apropriada vida do.
mar.
Poder-se-na tambero admittir menores de 10 an-!
nos, que tenham snfflciente desenvolvimento phy-
sico para os exercicios do aprendisado.
1 guarda roupa de magno com espelho.
l commoda de mogno com lampo de pedra.
1 aparador de dilo.
1 sof de dilo.
1 candieiro a gaz.
1 rico porla licor de crystal cora caixa de jaca-
randa : cujos objectos serao apregoados a ra da
Cruz do Recife n. 57.
Leilao de movis.
Precisase de um bom copeiro para casa de
nma familia estrangeira : traa se n roa do Vi.
girio n. 2.
Aluga-se um sobrado de um andar e soto,
com commodos para grande lamilla, tendo um bel-
lo lerraco, e toda Iluminada a gaz, e com um pe-
queo quintal com carimba, notndose que Ih ree-
dificado lodo de novo ha pouro lempo, no fim da
ra Augusta com o oilo para o viveiro do Muniz:
a tratar no principio da roa Imperial n. 49.
Declaro que negoriei com o Sr. Jos Amonio
Seraphico de Asss Carvalhu urna letra da quantia
de 1:0225 de que me era devedor o Sr. Jnliao Pe-
reira Milloso, tendo eu recebido depois do venci-
mento da dita letra a quantia de 2005 por conta,
como tudo declarei ao mencionado Sr. Assis Car-
?alteo, perante os Srs. Bwnardb Jos da Cmara,
commendador Franca, e Flix Luthier, na occasio
qae neiiocici a respecWva letra. Cabo 11 de feve-
reiro de 1865.Joo da Silva Salgado.
Aluga-se o segundo e lercoiro andar da ra
do Livramenlo n. 36, bem frescos, do lado da som-
bra : a tratar na loja. ___________^
- Precisa-se de um moleque, paga-se 125000
mensaes, para conduzir urna taboleta com joias:
a tratar na ra do Cabug n. 2 I!.
O Dr. Antonio de Vasconcellos Menezes de
Drummond, amigo advocad* neste foro, contina
no exercicio de sua pronss), na ra do Impera-
dor n. 43, prmeiro andar, lodos os das uteis, das
10 horas da manha as 4 da tarde.
Arrenda-se a exrellente propnedade, deno-
minada Barra de Serinhaem, na freguezia do mes-
mo nome, com grande coqu^ral e mullos foros a
cobrar annualmente : a tratar na ra do Impera-
dor n. 43, primeiro andar, das 10 horas da ma-
nna as 4 da tarde.
Offereee-se urna criada uortuhueza para o
servigo .nterno de urna casa, inclusivamente en-
gommado : a tratar na ra da Cruz n. 18, ar-
masen).
- Aluga-se urna escrava para comprar e coz-
nhar, sendo ou para casa de petuena familia ou
para mogos solteiros; quem precisar dirija-se a
ra Nova n. 19. quarto andar.
Abilio Jos Tavares da Silva convida os
amigos do Dr. Cypriano Fenelon Guedes AI-
coforado para assisiirem a urna missa por
aliada finada senhora do mesmo no dia 18
do corrate s 8 lioras da manha, na igre-
ja iloJLttteiroileS^moem 'linda.
crystaes, escravos,
joias de uro c prata.
Cordeiro Simoes far leilao de movis novos e
usados e entre elles um rico guarda roupa de
mogno eom espelho, diversos relogios de ouro e
prata com corrente e ontros muilos artigos qne
estaro patentes no dia do leilao.
HO.Ii.
s 11 horas ra da Cruz do Recife n. 57.
Leilao de 100 caixas com cerveja.
-a
O agente Pesua far leilao por conta e risco
de quem perlencer de 100 caixas com excellente
Art. 11. Os voluntarios da primeira classe perce- cerveja Best Indir com 4 duzias cada caixa e *er
berao os sidos coocedidos pelo artigo 1 "do decre- vendida em um ou mais lotes : quinla-feira 16
lo n. 14b de 25 de oatubro, mas nada receboro do correle pelas 10 1|2 horas da manha no ar-
FrancisiM de Aranjo Barros convida os
amigos do finado Dr. Vlriato Aurelio da Cu-
nta Gouveia para assistirem a missa, que
por alma do me da 18 do corrente. s 7 horas da manha,
na ordem terceira de S Francisco desta ci-
dade.
Aviso
aos navegantes.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para donhecimenlo dos navegantes, qoe a
boia do extremo do sul do baeco da inglez que ha-
via sido Janeada praia por Ihe haver arrebenta
de aamarraco, foi novamente collocada, demar-
cando-Ule o pharol do pico ao O 1/2 N O, e a tor-
re do seminarle* de Olinda ao 1/2 NO, rumos
magnetice?, e em fundo de 15 bragas, exactamente
node termina pelo sal o Recife aae forma o banco
ngilez. Capitana de porto de Pernambuco! de
fevereiro de 1865.O secretario,
Dacio de Aquino Ponseca.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente na provincia de 7 do corrente, manda fa-
zer publico que no di 23 do mesmo, pranla a
juma da fazenda da mesma thesouraria, vai nova-
mente a praga para ser arrematada a quem por
a titule de premio oa gralilicago.
Ser-lhes-ha declarado, e expresado nos sens as-
sentamentos, que noobtero guia de desembarque
s.em previnir ao commandante respectivo dous
mezes antes, salvo se nisso nao houver inconve-
niente para o servigo, por que entao serio imme-
diatamente auendidos.
Urna resalva, que Ibes dever ser entregue com
a guia de desembarque, declarar que a contar
mazem do Annes.
Leilao a 16 do corren le,
Phipps Brothers & C faro leilao por inlerven-
cao do agente Oliveira, de ptimo sortimenlo de
fazendas inglezas as mais propriasdeste mercado,
HOelE.
as 10 horas da manha, em seu armazem da rna
. do Vigario n. 10, no Recife.
dessa data os sobreditos voluntarios.se forera na- ---.:-.-.-j-----;------- ------------.
ciooaes, ficam isentos do recrutamento por um an- Leilao Uf! 4 Calas l'OUl >inllu (loPoi'lo
no, ou por lempo igual ao que liverera servido nos
navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,
porm, o caso de circunstancias extraordinarias
durante as quaes (cara suspensa a isencao.
Art. 13. Os da segunda classe raceberosos pre-
mios segnintes :
Se ferem grumetes ; def, vinte e dons, on trinla
e quatro mil reis, segundo se contraiarera por um,
dons, ou tres annos.
Se fbrem marinheiros : vinte, quareota e cinco, O agente Pestaa vender por conta e risco de
on selenla mil reis, segundo o prazo de seu contra- ttm> pertencer 2* barris com manleiga ingleza
BOJE.
Serio vendidos por coma de qnem perlencer 24
caixas com vinho do Porto omito preprio para ca-
sa particular : hoje 16 do corrente pelas 10 horas
da manha a} armazem do Annes.
Leilao le 24 barris coa manleiga in-
gleza.
lo for de uro, dons, ou tres annos.
Alm do premio recebero mais os referidos vo-!
luotarios se directamente se aprasentarem, a gra-
lilicago de quatro mil res sendo estraogeiros, e1
de cinco mil reis sendo nacionaes.
Esta gratiOcacao, porm nao se abonar repet-i
damenle*ao mesmo individuo por cada novo con-'
trato snecessivo qe fizer, se este for-de prazo me- i
or de tres annos.
Art. 16. Os d terceira classe receberao mais
urna quarta parte do maior premio que poderiam
oblfr contraando-se como as4a segunda classse.
na praga de grumete ou de marinheiro, que Ihes
competir, o a mesma gralificacu apresentando-se
directamente.
sahida hoje da alfandega em um ou mais lotes
hoje. 16 do crreme pelas 10 1|2 horas da ma-
nha no armazem do Annes.
Leilao sala-f(ira 17 de fevereiro ps 11 horas a
ra da Cadeia anua/cui n. 33.
Pelo agente Euzebio.
De nm cas* Ierres n. 2o ata a ra da Alegria,
ser vendida pelo maior prego que se achar : es
pretendentes desdeja poderaoexaminar.
I,oilo de esteraros (para
Ment).
CO O SEJA :
paga-
1 escrava de nome Benta, crioula, de idade 35
Lxceptuam-sensqne no forem homens do mar, annos.
menos fizer, a obra da ponte de ferro de Motoco- le Jiverem mais de 40 annos de idade, os quaes po- 1 dilo de nome Viceble crioulo da Idade 30
Jomb, avahada em 68:0305, servhido de bass a dero alistar-se com as condicgdes dos da terceira annos
classe, mas sem angrnento de premio. dito de nome Lucinda, crioula, de dado 15
Art. 17. Os da qrln ajaste receberao como pre- annos.
essa arremalago o abatimento de 7 0/0 offftFecido
pelo licitante Jos Augusto de Aranjo. E para
constar se mandou publicar o presente pelo jornal.
Seereta.2 da thesouraria provincial de Pernam-
buco 8 de reverejroije 1865.-0 secretario,
A. F. d'AWanclago,
mi cem mil reis, |b fortn "marinheiros,e sessenta
mil reis se forera grumetes.
Art. 18. Os da qninta Masse recehrao o premio I 1 dito de nme Venceslao, cnonlo, de idade H
de cento e cmcoefiia mfl res, senio forem malores annos.
4 dilede nome Themnno, crioalo, de idade 12
annos.
manual do guarda nacional.
Acham-se impressas quatro formas com 64 pa-
ginas em oitavo francez do segundo volume do Ma-
nual do guarda nacional, ou collecgo de todas as
leis, decretos, avisos e ordens concernentes a mes-
ma guarda.
H neslas qaatro formas, importantes decisoesdo
governo, esplrando as duvidas, que tem apparec-
do na exerugo da le da guarda nacional c seus
regulamentos, como sejam : o modo de se fazer as
propostas para ofilciaes dos corpos, quando estes
eslo organisados, ou em organisugo : formaco
dajunta medica : reforma dos ofilciaes e Inferiere:
solugo das duvidas respeito das despensas do
servigo activo :}tempo dos ofilciaes se acharem far-
dados e data do juramento : se ofllcial da imperial
ordem da Rosa est isento de prestar servigo como
simples guarda : se os Inferiores dos corpos de-
vem seguir a ordem gradual do aecesso para ser
promovido offloial : quem substitueo commandan-
"te superior as suas faltas, ou impedimentos : qual
deve ser a pena imposta aos inferieres que nao se
apresentarem fardados no prazo qoe Ihes for mar-
cado : se os instrumentos importados da Earopa
para as msicas dos corpos da guarda nacional, es-
lo isentos dos direitos da alfandega : quaes os
vencimeolos dos oBciaes e guardas en? servigo de
destacamento : se lem direito continencia o com''
mandante superior, passando pela frente de urna
brigada de linha : se o empregado de fazenda des-
tacado como ofllcial da guarda nacional deve aeeu-
mular o seu ordenado : se ofllcial da guarda nacio-
nal suspenso, por rrime de responsabilidade do
cargo de delegado, oa de juiz de paz fica tambem
suspenso do exercicio da guarda nccional : que
honras aompetem aos captaes da guarda nacional
designados majores dos mesmos corpos : se ba a
compatibilidade na accumulago do cargo de jniz
de paz e presidente da junta de qualificago dos vo-
tantes, com o posto da guarda nacional: ha incom-
palibilidade na accumulago do posto da guarda
nacional com o do cargo de juiz de paz : o offlcial
que excrce interinamente o lugar de jue>nte dos
corpos est ou nao despensado de servir no conse-
Iho de qualiBcago : ero que prisao devern os ofl*
claes da gnarda nacional cumprir as penas, con-
demnado no foro coramnm : se os guardas na-
oionaes -eslo ou no semas o recruiameato : se
os vendedores de sello dos oorreic* esjao despensa-
dos deservir na gnarda nacional: se os ofliciaesre-
formados da guarda nacional podem ser aggregsdos
ao servico, activo : em que circumstanclas podom
os commandaoles interinos dos corpos fazerem
propostts para ofilciaes : ole., etc., etc., etc.
Quem quizer desde j posmir estes esclareci-
mentos, mediante um diminuto estipendio antes de
se ultimar ote segundo volume, dirija-se ao segun-
do andar do sobrado da ra do Livramento n. 31,
e ah os encontrar em broxura, assim como enca-
dernado o primeiro volume do Manual do guarda
nacional.
Monte To Popula rPcrnamlim ano.
De ordem da directora levo ao conhecimento
daquelles senhores socios qne s* achara completa-
mente atrasados em suasmensalidades, quea mes-
ma directora tem concedido um praso de 30 das
al 15 db marco liara o total pagamento, tinrio o
qual, e nao tendo satrsfeito ser eliminado como
manda os estatutos.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambucano
15 de fevereiro de 1865.
B. Falco de Souza.
_______ Io secrelano.
O abaixo assignado faz scienie ao respeiiavel
publico, ecom esperialidade ao corpo do commer-
co, que de hoje em dianle dcixa de ser caixeiro
da casa commercial dos Srs. N. O. Bieber 4 C.
Successores, onde servio desde 1859 ; e approvei-
lando a occasio, agradece ne s ao dipno geren-
te como a todos os seus ex-companheiros a confian-
ca que sempre nelle depositaran), e as maneiras
charas e cavalheiras com que o trataram.
________A. T. Peixolo de Abren Lima.
Precisa-se de um Irabathador para tratar de
um sitio e alguma cousa de horta : em casa do
Sr' Camhroae.
Precisa se de um menino destes chegados do
Porto para caixeiro : na ra daSeuzala Velha nu-
mero 48.
Precisa se de urna ama
nhar para urna pessoa s :
primeiro andar.
1.
para comprar e cozi-
na raa da Cruz n. 13,
Precisa-se de urna ama de leite, robusia, que
nao traga filho : na rna das Larangeiras n. 10.
Precisa-se de um caixeiro e de um moleque
para alagar : na rna das Larangeiras n. 10.
Na ra Nova n. 65, segundo andar, anda so
precisa de nm escravo para lodo o servigo.
Ao publico.
Constando ae abaixo assignado que algumas
pessoas teem espalhada que o servico artstico do
peridico A Nova Crtse est a seu cargo, apressa-
se era declarar que isto menos exacto, a sim co-
mo nao lem a menor parle na publieagao do ditov
periodico, como appello para a consciencia do res-
pectivo redactor.
Jos Soares Pinlo Correia Jnior
Attenco
Ausentou-se no dia 2 de fevereiro de 1865, da
comarcajde Nazareth e do enenho Carrapicho,
um escravo de nome Luiz, de idade de 20 annos,
de pequea estatura, muito regrisla, passa qua-
si por branco na cor, na frente do queixo superior
tem um dente quebrado, cabega um lano compn-
da, cabellos caixiados e um pouco ruivo, rosto cora-
prido e sem barba, olhos grandes e um tanto api-
tombados, pestaas pretas, orelhas grandes e aca-
banartas, nariz um pouco afilado, bocea regular,
no fallar pronuncia mal as palavras, tem um calo
enlre os peilos proveniente de urna rhicolada, em
urna das cochas tero urna cicatriz, a qual anda nao
foi de tudo sa, ps curtos e grossos, e os dedos
abertos, fot vestido de caiga branca, camisa de ma-
dapolo engoiamada, chapeo de massa cor de
chumbo anda povo ; o dito escravo levou comsl-
go um cavallo rodado escuro, castrada, aliara do
meio, de 8 annis, pouco mais ou menos, lera urna
cicatriz na sarnelha, muito passero, foi encan-
galhado e com um par de cassuaes : porlanto, ro-
ga-se a caplun do dito escravo s autoridades e
capiles de campo, e queiran leva-lo a ra da Im-
peratriz n. 20 ae Sr. Duarte. Borges da Silva, ou
em Tracunhcm, em casa do Sr. padre Antonio
Googalves da Silva, que se gratificara generosa-
mente.
\A higa-se
a excellente casa e sitio aa estrada dos Aflictos,
onde morn o cnsul inglez : na ra do Queimado
n. 18, segundalloja.______________________
O escrivslo Silva Reg mudou sua residencia
da ra Velha para a da Florentina n. 20, onde pe-
de ser procurado, e contina com sen cartorio na
travessa do Oujridor.
D-se dinheiro a jaros sobre hypotheca em
casas, al a quantia de 5005 : na rna do Arago
n. 18 se dir. '
Precisa-se de nma ama qne saibs eoziahar e que
faca o servigo interno e externo de urna casa de
pouca familia :! a tratar na rna da Senzala Velha
n. 22, segundo
andar.
Precisa-se de um caixeiro para tomar conta
de urna padaria : quem sejotgar con habiliiag5es
ap|iare;a na rm da Soozala n. 96.
Precisase alagar ama escrava para servico
de casa de familia: na roa do Arago n. 10.
Bernardo Jos Gongalves subdito portuguez,
vai para o Rio de Janeiro.
Prcia-se de nm peqneno de 13 a 14 annos,
prefenndo-se qnp tenha alguma pralica de roolha-
dos : para informagSes, na ra da Senzala Velha
n. 18.
Precisa-sii de aa moco de 14 a 18 annes,
para caixeirj : na roa do Rangel n. 9.
Precisa-sede2:00> apremio, dndo-stpor
garanta urna nasa terrea no bairro da Boa-Vista :
quera quizer annuncie. ...... _
Perdoa-se na noite de 14 do corrente uroa.
pulsera de- ouro com esmalte verde no centro, des-
de o pateo do Carroo em.dlreitura a ra do Cuno,
porlo da rna Nova t es bancos da ponte da Bea-
Vlsta, onde sa den or falta : a pessoa que Mear
adiado.fara favor levar ao ateo do Carmo no se-
gundo andar do sobrado n. 9, que se gratificar.
__________ ____________
Attencilo.
O proprieiario do bii*ujuim volante denominado
Tra vala, avisa aos amadores da festa do Cacjian-
ga, o era particular aos seus amigos, qne nao teh-
do sido'poisivt chr casa no pateo da igreja, alu-
gou a casa do Sr. Plelacido, denominada SertSozi-
nlio, e all oflereee os seus gneros do seu bute-



- Preersa-se de 3m r9pz de 14 a 16' annes
para-o Brejo de M.^dre doBeos : a uatar na ra loarn com a maior promptido e aoeio,.8 espora *
Nova p. 69. f proieccao do mesmos.
I
eao^T
II
iv/r-i
/



Mario de B-ere-aanamoo .- tlala tira lewwlr *
/

FABRICA DE CHPEOS DE SOL ,
CLUB PERUH81WN0
> A rouniSo familiar do mez de fevereiro
ter lugar no da 27. A directora scien'i-
fica que terao igualmente ingresso os Srs.
socios que verem mascarados sendo pre-
viamente reconhecidos por urna comm'sso. as provincias do norte do imperio, querendo que publico desta provincia goze das
""^JeoFrancisco Maneelsubdiio francei vae vantagens que proporciona a fabricacaoem grande escala e directa relaclo com as mais
a Europa.________________
Casa.
*
M. 93 Rna Nova esqalua da Caiuboa do (arm e rudo
Cabng o. 8.
A directora desse estabelecimento o mas importante que existe neste genero
Rga-$e ae Sr, bacharel Cetario
de Azeu'do juiz municipal deiaran-
hHHS, queira dirigase praca da In-
deppndeacia ns. 6 e 8, oa annunciar
sua Toda para ser procurado.
CASA DA FORTOM
Aos 6:0000000.
Bllhe.es garantidos.*
A* ba no Crespo h. ti a casas do costumb.
O abaixo assigoado vendeu nos seas inuilo feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaboa
de extrahir a beneficio da matriz da Boa-Vista, os
importantes fabricas da Europa, faz sciente que resolveu-se a vender anda mais barato
do que do costume como demonstra a seguinte tabella :
10
45
.5
%
%
%
Chapeos de sol de panno a 2*5000 ... n/
> > armaco de baleia a 20500 ....
> de seda armaco de ac inglez de 20 poliegadas
U, de 24 U, de 26 50500 e de 28 60
Chapeos de sol inglezes a balao 42 varetas, cabos muito ricos e
seda superior de 4 poliegadas 80, de 26 90. e de 28 400.
dem idem a balao de 46 varetas patent paragon de fox de 24
poliegadas 440, de 26 420. e de 28 430......
Alm de muitas oulras qualidades de chapeos de sol que existem na mesraa casa
como sejam de alpaka, ditos debrim de linho, etc., etc. ha tamben de seda e de panno
de todos os tamanhos e feitios, os quaes s5o tSo vantajosos como os annunciados, ha
sempre um constante sortimento de bengalas, chicotes, cachimbos, entilara fina e ar-
mas de caga, os quaes vendem-se igualmente em porcao e a retalho, notando porm
Descont em duzia.
20 0/c
45 o/o
Aluga-se o Urceiro andar da casa da ra Direita
n. 36, com mullos commodos para familia, e tem
cano de esgoto : trala-se na ra da Cadeia do Re-
cife d. 3.________________________
Aluga-se o segundo e terceiro andar com
benj soto da caa n. 16 da travessa da Madre de
Dos junto a alfandega: a tratar com Barros &
Silva no primeiro andar da mesma casa.
0 3r. Manoel Jos d' Souza Pitanga,
que t ve toja na ra do Queimado, lem una
carta na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia._______________
~~ O Sr. Aurt liano C. da Rocha Wander-
ley, queira mandar buscar urna carta na
livraria n. 6 e 8.da pra.a da Independen-
cia^_____________________________
Precisa-se {alugar ou comprar um escravo
sem habilidades : na ra da Madre de Dos n. 36,
primeiro andar. _______
STousemePisT.550 com a son de 6:0ooooo. que o comprador*por atacado ter sempre um descont razoavel, afim de poder reta-
Um meio n. 317J com a sorte de 1:400*000. ; inar pe|0 preco que o estabelecimento retalha.
Dous quarlos n. 1716 com a sorte de 5005000.
E outras muitas sortes de 200*, 100*, 40* e
509000.
Os pessaidores podem vir receber seos respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna a ra do Crespo a. 23.
Acbam-se a venda os da 3* parte da 1' lotera
beneficio da Santa Casa da Misericordia, que se
- ex trah r no dia 18 do crreme.
PRECO.
Bilhetes.....7*000
Meios......3*500
Quartos.....1*900
Para ai pessoas qae compraren! de 4000000
para cima*
Bilhetes.....6*500
Meios. .'.... 3*250
Quartos. ...... 1*700
Manoel Martins Fiuza.
N. B. Os objectos comprados em menos de urna duzia serlo considerados como
a retalho.
Laboratorio enologico e chimico de F. P. Lebeuf e C,
ra Montmartre, 31, em Pars.
Fabrica em Argenten!!, prs Pars (Franca).
B0MFICA.A0 E FaBh1CA( .0
Dos vinhos, agaardentes c licores.
Joao da .silva Ramos, medico pela Um
versidade de Coimbra, d consultas era
sua casa das 9 s 11 horas da mauha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sua casa de sade regularmente
mouda para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
lica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000diarios.
Segunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2*000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
Jos Soares d'Azevedo, profssor de
lingua e lilteratura nacional no Gymnasio
Provincial do Recife. tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um curso especial
I ara cada urna das seguintes disciplinas:
LINGUA FRANCEZA,
GEOGRAPHIA E HISTORIA,
PHILOSOPHIA RACIONAL E MORAL,
RHETORICA E POTICA.
Aspessoas qui> d seare:n estudar qual-
quer destes preparatorios podem dirigir-se
indicada residedeia, de manha at s 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53, 1
4 o e 2* andar, onde pode ser. procu- g|
rado para o exercicio de sua profis-1
sao medica, e com especialidade
sobre o seguate
4o molestias de olhos;
2o de peito :
3* dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na erdem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s|
6 as 4 O da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
VINHOS.Imitaco dos vinhos de todas as
qualidades, Extracto de Medec, dose para 230
litros, 1 f. 23,de Borde_x, 2 r., de Pomard, 3
f.,de Lisboa, f.,-do Cataln, 2 f.,-de Porto,
Xerez, Muscatel, Malaga, dose para 25 ou 30 li-
tros, 4 f.
Substancia para fabricar com o alcool e agua
os vinhos cima e todos os outros. A dose para
500 litros, 50 f.
CLACIFICAQOPos Inglezes, pos dos vinhos
da Hespanha, da Franca, etc. A libra para 500
litros. 5 f.
COLORACAO.Purpirigine para colorear os
viqhos brancos e vinhos claros. As duas libras
para 500 litros, 16 f.
AGURDENTE-.Essencia de cognac para dar
as agurdenles ordinarias o sabor e o aroma de
cognac. A garrafa para 100 litros, 5 f.
KIRSCH E ABsLNTHO.-Essencia de kirsch e
de absintho, para os fazer com alcool e agua. A
garrafa para 100 litros, 5 i.
LICORES.-Extractos para fabricar se todos os
Aaia particular de instruceio primaria na ra da
Conceicao n. 6.
O abaixo asignado acha-se no exercicio do sea
magisterio, e cealina a receber alumnos exter-
nos o interaos do pouca idade, pelos precos se-
guimos :
Internos .... 30*000 measaes.
Externos. 5*000
F. De oda lo Lins.
Aluga-se u sobrado n. 33 da ra da Matriz,
ende morn o despachante Franco, tem commo-
dos para grande familia, grande quintal com ar-
vores de fructo, e 2 cacimhas : a tratar com o
Sr. Antonio Joaqnm Ferreira Porto, ou na ra da
Cadeia com Miguel Joaquim da Costa.
QUEIJOS
de superior qualidade a 2*000 cada um, eom cal-
a de 12 t*800 : no antieo e a creditado esta-
belecimento junto a esta officioa.
Em virtude de ter ido para o sul o Sr. cap-
tao Borges Lima, est de novo para ser alugada a
casa assobradada da ra do Progresso n. 14 :
quem a pretender iiirij.i-.se a ra da Praia arma-
zem n. 34, de carne sena junto a ribeira do peixe
Deposite feral de rap princeza Gaste e Paulo
Cordeire aesia provincia, ra da Crnz nume-
ro 48.
Jos Joaquina Lina Bairo, recebedor do rap
SrincezaGasse tino, meio grosso e groso, Paulo
ordeiro, dito meio grosso o viajado, qualidades
estas que tem nesta provincia obndo grande cr-
dito pela sua excellente fabricacao, e materia pri-
ma de que composto ; isto o atiesta a innmera
extraccao que elle tem lido, e a condecoracoque
obteve na exposteo nacional, cuja medalha vem
gravada nos rtulos des mesmos boles, teem elle
de mais a vantagem de nao lerir o nariz. Tam-
bera vende-se o rap denominado Amarillinho que
na Baha goza de grande aceitaco. O deposito
acba-se sempre supprido de todas estas quali-
dades. _______
solicitador Pedro Atexandrl-
no da Costa Machado
se encarrega ante o foro desta cidadede tndo qno
for tendeate a sua profisso, aeeita departido an-
nualas pendencias judiciaes de qualquer casa
commercial mediante razoavel ajuste. Contina
a soeocarregar de cobrancas nos termos do Cabo
elpojuca aonde continua a trabalhar como d'an-
tes,e encarrega-se de defezas perante o jury nos
termos prximos a via frrea, offerecendo gratui-
tamente seus servicos aos desvalidos, pede ser
procu-ado todos os dias uteis das 9 horas da ma-
nha as3 da tarde na raestreita do Rosario n.
34, eforadessas horas na ra Imperial n.36, ca-
sa de saa reideacia.__________________^^^
Casas para alugar.
Alugam-se duas mei-aguas a 10*000 cada urna,
sendo praia do Forte n. 6, ra Nascente n. 14 : a
tratar com Azevedo & Irmao, ra do .Queimado
numero 32.
THESOURO DAS MAIS
Providencia das crian cas.
COLLARES. ROER
Bleetreafieces.
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICAf
Coutra as eonvulsoes e para facilitara
denlice das enancas preparados e inventa-
dos por Royer, pharmaceuiico da pico-
la superior do Pars, surcessor de Chereaa,
membro da academia de medicina
anliga casa d Bouillon Lagrange, pharmacentic
do imperador
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Pars, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja de
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.__________
Aulonio-Luiz leOlireira Ae>eoo 1C
Agentes do banco Unio do Porto.
Coropetentemeite autorisados .acam por lodee
os paquetes sobre o mesme banco para o Fotte e
Lisboa e para as seguintes agencias :
Londres sobre Bank ef London.
Aluga-se o lerceiro andar do sobrado n. 24 j uasj0f
Paris
Hamburgo
Barccllona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barccllos.
Frdric S. Ballin & C.
I Joao Gabe & Filho.
I Francisco Rbala & Ballesta.
V Jaime Merie.
> Crdito Commercial.
> Gonzalo Segona.
s\ M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Escola particular.
Clara Olympia de Luna Frer*, prefessora par-
ticular de primeiras letras, provisionada pela di-
licores conhecidos sera fogo nem alambique, (in- rectora eral da instruccao publica, tem aberto a
do ra da Cadeia do Recife, entrada pelo becco
Largo : a tratar no armazem do mesmo sobrado,
Q bacharel
dicar-SB os que se deseja.) A dose para 20 ou 25 sua aula na ra Direita n. 60, segundo andar.
litros, 3 f.
PERFUMES para fabricar-se os licores finos ou
communs a dose para 20 ou 25 litros,* i f. 25.
TODOS os outros productos para o trabalho dos
vinhos, aguardentes, licores, vinagres, etc., sao
fabricados de eocemmenda.
UTENCILIOS de laboratorio e de chimica.
e engaado nossos
_ Uros,
Alguus de nossos agentes tendo falsificado e imitado nossas prepararles
freguezes, deve-se ezgir sobre as rolhas e rtulos as inlciaes F. V. L. Paris,
0 modo de usar-so das preparae.es acha-se indicado no rotulo.
As encommendas devem ser acompanhadas por urna letra sobre Paris ou qualquer outra cida-
de de Franca, ou garantidas por urna casa conhecida.Dirigir-se aos Srs. Lebeuf & C. chimicos, ra
Monlmartre, n. 31, em Paris, ou a sua fabrica era Argenteull, prs Paria.
Yende-se na botica franceza, ra do Imperador d. 38.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 24 DE DEZEMBRO DE 4859
Urna ti anca en dinheiro, depositado bos cofres do estado, garaete a boa ad
miaistraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Unuco de Hespanha
DIRECgAO GERAL
Madrid: Rna do Prado n. I
O Sr. Torquate Mendes Vianna. qurira
mandara ra da Cadeia escriptorio n. 47,
para s r-lbe entregue urna c .com-: enda
vinda de Lisboa-
Antonio Joaquim Ayres do Nascimento
tem o seu escriptorio de advogaciana ra
estrena de Rosario n. 8, onde pode ser
procurado das 9 horas da manha as 4
da tarde.
mm
S
xrsz ao_a*( ao
AMA.
Precsa-se de urna ama para casa de familia :
na praca do Corpo Santo n. 17.
Saca-se sobre Lisboa, Porto e liba de
S. M igue!, na ra do Apollo n. 20, escri:-
lOrio de Carvalho e Negu ra.
Preclsa-se alugar no bairro de Santo Anto-
nio urna casa terrea nao muto grande, com bom
quintal, paga-se bem : na ra do Queimado n. 46,
loja de Guimaraes & Basto?.
Aluga-se a loja da casa n. 59 da ra Augus-
ta; quem pretender dirija-se a mesma casa cima
que achara com quem tratar.________________
acbar.
Na praca da Independencia loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro e'pratae pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de
encommenda e todo e qualquer concert.
______ M
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscrpeo de maneira que em nenbum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendenles os resultados que produzem as sociedades da ndole de A NACIO-
NAL,que ainda mesmo dimlnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
coes e combinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 a 19 annos, urna imporsigao annual
de 10 produz em effectivo metlico:
No fira de 5 annos.......1:1193300
, de 10........ 3:9423600
> de 15 .......11:2083200
, de 20 .......30:2563000
, de 25 >.......80:3313000
as idadlwnenores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mas consideraveis.
Profpeet s e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
mo Joaquim Fuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12, estabele-
cimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao.
Tbeodoro Cbrisliansen partindo tem-
porariamente para Europa no vapor inglez
tOneida, e nao podendo despedr-se de
seus amigos pe>soalnenie pela rapidez de Aluga-se um sitie na ra do Cabral da
sua sabida, o faz pelo pres nle offerecendo cidade de Olinda, com casa terrea.com co-
os seus servicos em qualquer parte onde se' piar nfrente, bota os fundos para a estra-
da e margena do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavalle
e capim para sustenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinbo defronte nem pelo
fundo.com ptimos passeios.sala e gabi-
nete na frente, muito propria parapassar a
p festa,e tambem se alugarporanno : a fal-
0 Dr. Carolino Francisco de Lima San- RpcUp na livraria n BrR rlanraca
tos.contina a residir na ra do (npe-ff lar no Keciie, naiivranan. b e 8 aa praca
rador n. 17,2- andar, onde pode ser pro- >m da Independencia, e em Olindanacasa con-
curado aqualquerhoradodiae da noite tigua:om o capito Antonio BernardoFer-
para o exercicio de sua profisso de me- gJH reir.
dico ; sendo que os chamados, depois de ?f
meio dia at 4 horas da larde', devem ser c2
deixados por escripto. O referido Dr. >s
nao abandonando nunca o estudo das |S
molestias do interior, prosegue, com o S
maior afflnco, no das mais difficeise deli- fl
cadasoperar.es. como sejairdos orgaos jH
ourinarios,dos olhos, partos,etc. y
Prec sa-se alugar urna pessoa [ara o
>ervico desta typograpbia: na livraria da
praca da Independencia n. 6 e 8.
O Dr. Joaqnim Antonio Carneiro da Cu-
nta Miranda continua a tur seu escrip-
torio de advogado na ra do Imperador
n. 42, primeiro andar.
Ofirece-se urna mulber para cozinhar para
casa de pouca familia : quem precisar dirija-so a
ra dos Martvrios n. 8.
Jos Joaquim de Novaes faz sciente ao respeita
vel-uublico e a todos os senhores offlciaes do exer-
cito e da marnha, que contina a ter sua casa
sorlda de fazeadas e roupas feitas e por medida
no largo do Livramento n. 34.______
(.viiimti:
POKTUGUEZ OE LtlTtllA EM PER-
KAHBUCO.
De ordem do Illra. Sr. presidente do conselho de
liberativo convoco os membros do mesmo conselho
para se reunirem em sessao ordinaria qninta-feira
16 do correnle, as 5 horas da tarde, na sala das
respectivas sessoes.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portoguez de Leitura em Peraambuco 13 de feve
reiro de 1865.
A. A. dos Santos Porte
_______________i* secretario.________
Precisa-se alugar urna escrava : na ra do
Subo n. 29.
Precisa-se .lugar urna ama que sai ha
bem cosnh ir e fazer todo oservic de ama
casado famiia, e qae de mais disso seja
fiel e sem vicios. Prefre-se escrava. Diri-
gir-se i ra Bella n. 37, sobrado de 2 an-
Aluga-se o segundo andar do sobtdo n. 120
sito na ra Direita : na ra de Aguas-Verdes nu-
mere SO. m_________
Feilor.
Offerece-se um hornera casado para feitor de al-
um sitio ; ioforma-se na ru do Queimado n.
32, loja.________________________________
__Joaqun Pereira Arantes lem encarregado a
cebraoea Ja sua loja a sen fllho Adolpbo Pereira
Arante.
19 RA NOVA 19
Frederico Gauter, cirurgio dentista.
De volta de sua viagem a Europa, aonde tomou conhecimento das mais recentes
descoberias e ltimos aperfeicoamentos que se tem feito na arte dentaria, alm de com-
prar o segredo de diversas preparacoes empregadas cora muitas vantagens, tem a hon-
ra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos clientes em par-
ticular, que se acba de novo prompto ao seu dispor para todos os msteres da sua pro-
fisso, advertindo que trouxe um immenso sortimento de dentaduras artificiaes; caout-
chou galvanisado, oum, platina, massas diversas muito aperfeicoadas para chumbagem-
instrumenlos novos, ferramenta moderna, cadeira de operaces, etc., etc., dos mais acre,
ditados fabrcente de Paris, Londres e New-York, e por isso estando' mais que nunca
no caso de servir do modo o mais satisfatorio possivel, espera continuar a merecer toda
a confianca.
Acba-se sempre no seu gabinete das 8 horas da manhS at ao meio dia com cer-
teza e as 4 horas da tarde quando nao tiver de ir em casas particulares.
Ama
ca familia.
Precisase
Nova n. 5.
de urna ama de leite : na ra
Furto.
Honlem pelas 9 horas d raanhaa desappareeeu
Na roa Imperial n. 36 precisa-se de urna ama Uffl (# conduzia um caixao contendo livros,
que compre,coziohe e engomme .ara casa de pou- fo|herlos e -idros -e rmedios para a casa do Dr.
Sabino O. L. Pinho, sendo o caixo marcado com
as inciaes S. O. L. P. O mesmo preto trazia no
braco 4 calcas de brim bramo, das quaes eram 3
novas e 1 usada, e mais 3 calcas novas de brim
pardo. O caixo continua :
7 exemplares do thesouro homeopathico.
29 folhetos para tralamenlo do cbolera-morbus.
21 vidros de tintura de sulfur.
25 ditos de espirito de camphora.
Quera apere hender esses objectos receber do
mesmo Dr. Sabino a gratificaco de 503 : na ra
Nova n. 43.
Precisase de urna ama para cozinhar e en-
gomraar : na ra do Hospicio n. 62.
Precisa-se de um eaixeire eom pralica de pada-
ria,que seja activo : na rna e.treiu do Rosario
numero 5.
Quem for dono de um peso de duas arrobas
que se tomou a um preto que e andava vendendo,
dando os sigues do mesmo e pagando a
deste annuncio se Iba entregara :
numero iO.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e para
des pea 0 servico de roa: aa-rua da Imperatrix n. 34,
lti-.l*-- I _
na ra Direita primeiro andar.
Offerece-se am rapaz para trabalhar em refl
nacao, para e que tem todas as habilitacSes: quem ^! ^ dYponc familia : na
precisar annuncie ou dirija-se a ra da Guia n. | mam,ra _j v
40, loja. _____________________
Urna parda que lem servido j de ama se
offerece para servico interno de casa de hornero
ra da Gloria
numero 31.
O abaixo asslgnado deixou de ser caixeiro
__Procisa-se de 2:0003 sob hvpotheca na me-,
Ude de um aitio no valor de 4:0003,H cuja melado da easa pernal fas Srs. Ph.pps Brothers & C.
so acba j aypothecada por 600J p^.gg *- do 2_S3 da ocha Carva.ho .-nior.
londo esta quantia se entrega livre e deserabara-
Joaqnim da Rocha Carvalho Janior.
-^~0 baciarei Jos Panlno da Cmara, promo-
tor publico desta comarca, mudou a sua residen-
cia para a ra da Conceicao da Boa-Vista, sobrado
cada, e paga-se 2 0/0 : quem tiver annuncie
Domingos Jos Gencalves, subdito porlugoez
retra-se para o Rio de Janeiro. ___\
Precisa-se de um caixeiro. prefere-so Porta- numero 9.
gaez, que tenha .pratica de taberna, e que saiba o abaixo assignado declara nue deixou de
bem 1er e escrever : na rna do Sebo n. 27. sor caueiro _0 Sr. major Beiarmino do Reg Bar-
Joao da Ponte, subdito portuguez, relira-se ros, desde o dia li do correnle, ficando de contas
para o Rio de Janeiro.
Refinador.
Precisase de um refinador que saiba perfeita-
meate desempenhar este logar : aa refinaco da
roa do lirum n, 42.
jus'as com o mesmo senhor at esta data.
Trajano Cezar Ad'lbuquerque.
Aluga-se o segando andar e soto da easa n.
37 da ra da Cruz do Recife, com commodos pro-
pnos para familia, por preco eommodo : a tratar
na mesma casa cora Joaquim Fernandas da Costa.
Antonio Baptis'a Pires havendo outro de
trata-se b?. ra do Vigario'. igual nome, de hoje em diante se asignar Anto-
1 nio Baptista Delboo.
Precisase de urna pesoa de idade, Re, e de
boa conducta, para tomrr conta da casa de i
familia estrangeira
numero 2.
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceados,
com jardim.cochelra, estribara e outras comrao-
didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira : a
tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Precisa-se alugar urna preta para todo o ser-
vico de urxa casa de familia : na ra do Trapiche
numero 4.
Sitio.
Aluga-se o sitio n. 2 junio a capella do Rosari-
nho, com muitos arvoredos de fructo, casa com
muitos commodos, cocheira para animaos e carros
e baixa de capim : a chave est no sitie defronte,
do Sr. Fialho, e tratase na ra Noa n. 55, ou ao
Recife, ra da Cadeia n. 3.
Aula particular.
O abaixo assignado, professor particular,provi-
sonado peladirectoriageralda instruccopablica
para ensinar primeiras lettras, latim efraneez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhores pais de seus discipulosque segunda-feira
9 do correnle tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admillindo matricula alumnos
externos, pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
tica de 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteiradedicacao e sua moralidade
sao garantas que offerece aos senhores pais de fa-
milias, qae desejam a sa e til educaco a seus
filnos.
Quem portantoqoizer confiar ao mesmo abaixo
assfgnadoa educacao de seusfilhos, pdedirigirse
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da ra Nova, onde ha muito tempo est
estabelecido.
________Jos Mara\Machado de Figueiredo.
Belouche avisa ao respeitavel publico que
comprou o estabelecimento de banbos, silo no pa-
leo do Carmo, que contina a dar banhos como de
costume, declarando que os cartoes assignados pe-
lo Sr. CaucaBas tero vigor para tomar banhos so
at o dia 28 de fevereiro de 1865.. O mesmo convi-
da o respectivo publico que compareca ao mesmo
estabelecimento, que verao ejecutado com todo o
esmero o systema e asseio que deve ter tal estabe-
lecimento.
Preco dos banhos.
Banho fri on quente, tomando 10 car-
toes, pelo prego de......43000
Um banho avulso ou s..... 500
wmw mmmmmmmmm
Prtcuradoria. m
Antonio Carlos Pereira de Bureos Pon- w
ce de Leoo, como solicitador, se encarre- 2
ga das causas crimes, civeis, coramer- 9
*ciaes o eclesisticas. Elle ainda recebo aK
algumas catas de partido, mediante a *
~ um ajaste razoavel. Pode ser procura- j|
do as salas das audiencias ou na ra _
Imperial sobrado n. 64.
Na ra Direila n. 22 se dir qaem d 2004
ou 4003 a juros com seguranca.___________"
Chegaram do Araeaty os afamados bicos da
trra sortimento de todas as larguras e dqt preco
eommodo : na ra da Cadeia do Recife n."9.
Angra Terceira.
Caminba.
Castello Braneo.
Chaves.
Ceimbra.
CoVilho.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
I'inhal.
Porlo-alegre.
Thomar.
Villa i Nova
Poriimao.
Figneira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Las ego.
Leiria.
de
Cas-
Beja.
Braga
traguea.
Faro
Oliveira d'Aze-
meis.
Penna fiel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No imperio.
Baha. t Maranbe.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podend
logo os saques a prazo seren descontados no
meirao Iiancc.a razo de i por cento ao anno a
ratar na ra d a Cruz n. 1.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Selubal.
Vianca do
tel lo.
Villa Real.
Madeira.
S. Mignel.
Roubo.
Furtaram hoje no caes 22 de Novembro confron-
to a loja de Antonio Jos da Res um crvallo roda-
do apalacado, dina corlada at o meio, cabeca
apedrezada e cauda grande, ferrado nos quartos,
inteiro, roncolho : pede-se as autoridades poli
ciaes a apprehensao do mesmo.
go: :uaS.
: Maques sobre Portugal, j
I O abaixo assignado.auterisado pelo,
i Uancu:Mercantil Portue_.se. e na ausencia I
: do Sr. Joaqnim da Silva Castro, saca ef- j
feetivamente por todos o paquetes sobre i
I as iracas de Lisboa e Por .o, e mais luga- |
[ res do reino, por qualquersomma vis-
| ta, e a praso; podendo, os que temarem \
l saques a praso.rectLenmalista,no mes-
[ mo Banco, descontando 4 OO aoanno: na
loja do chapos da rna do Crt.spo n.6, ou j
na ra do imperador n. 63, secundo an-
I dar.Jos Joaquim da Costa MVia.
Compra-s um bilhar novo ou usado: nj ru
do Rosario estrena, travessa do Gueimado n. 18
-oja de miudezas_______"J_________________
ompram-sfi escravos.
Silvino Guilberme de Barros compra, vende e
troca escravos de arabos os sexos e de toda idade:
na ra da Imperador n. 79, t ;rceiro andar.
Compra-se ouro e prata em obras *elhas, pa-
ga-se bem : na loja de bilbetes da Praca da Inde-
dentencian. 22.
Compra-se effectivarente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se jem : na ra larga do
Rosario n. 24, loja de ourives.
Algodao epi carolo.
Compra-se qualqaer quantidade por maior pre-
co do que se paga no mato : na fabrica da traves-
sa do Carioca n. 2, caes do Ramos.___________
Campra-se um escravo moco, sendo bom co-
zinhero nao se duvida pagar bem : na ra da Ca-
deia n. 28.
mi
!_y!
Est para alngar-se urna casa terrea na ra
da Gloria n. 14, um Io e 2o andar de um sobrado
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da
Santa Cruz, e urna mei agua na eslrada de Joao
de Barros, com arvoredos, agua de beber,e portao
para o beceo do l'ombal : quem prelender falle
na ra das Cruzes, sobrado n. 9, das 9 horas da
manha at ae meio dia.
*mmM m-mwmt
O bacharel
W
francisco Augusto da Ccsla
m
ADVOGADO
Ra do Imperador numero
*__K_5S ______(>jfif _si
69.
A luga-se
urna casa acabada agora, com commodos para fa-%
milia, estribara, cocheira, quarlos para feitor e*
escravos,com banho na porta, no lugar do Pogo
da Panella, ruado Rio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do Amorrm n. 35.
988
s
Companhia fldelldade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEFNAHBDCO
Antonio Luis de Oliveira Azevede & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Para todos.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico que mudou a sua ofOcina de palhiaha da
ra do Imperador n. 24 para a ra das Crnzes n.
23, igualmente tem para vender palba e junco
mais barate que em outra qual ner parte.
Manoel da Cesta Azevedo Napoleao.
ADVOCA CA
0 Dr. Manoel de Nascimento Machado
Perlella
E O
[Bacharel Joaquim Pires Machado Perlella!
I continuara [a advogar no cvel, crime, l
| commercial, ecclesiaslico e administrati- ]
Ivo. e podem ser procurados em seu es-
. criptorio na ra do Imperador n. 83, pn-
I meiro andar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
Direita n. 2, com bons commodos para familia: a
tratar na padarlada ra Direila n. 84.________
Mobil la
Alugam-se mobilias : no pateo do Terco nnme-
ro^__________________________________
Para escriptorio
Aluga-se o primeiro andar da ra do Crespo a.
23 : a tratar na loja.
AMA
Precisa-se de urna araa para tratar de urna
enanca desmamada : na ra de Hospicio n. 36.
Coasnltorio medico-eirnrgico na ra larga de
Rosario a. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sna
easa, contina era o exercicio de sua profisso
nao s na parte medica como tambem na cirnr-
l'j______________________________________
- Joo Fortunato Saredra, sbito portuguez, va
a Europa.
O London di Brazillan Bank, saca por lodos
os paquetes, sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimaraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
. Compram-se duas v[accas louriaas : aa roa
do Bartnolomeu, travessa|do Pocinho n. 69, sobra-
do defronte da cadeia.
Atteiicao.
Na ra doDartholomen.iravessa do Pocinho n.
69, sobrado defronte da cadeia, compram-se duas
vaccas teurinas.
VENDAS.
ALMANAK.
Acaba de tohir dos pr-
los de nossa typcgraphia o
Almanak Administrativo e
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
0 GASTELLO DE GBASVILLE
Tradniido do franeez per A. J. C. da Cruz.
Vende-se' este bello romance em quatro
tomos pelo baratissimo preco de 2500 :
na praca da Independencia, livraria ns.
6e8._________________
FOLIIINIIAS
Har 1865
Aeham-se venda na livraria ns, ,6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil eecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos Iribu-
naes do commercio, etc. a IttO rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais nma nova
Salve Rainha em versos, o Stabat Mater
em verso, devoco ao agonisanle, coracSo
de Jess, cntico ,em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria Nos-
sa Senhora, trinla e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de nm cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero de roa-.
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs.
Na ra do Queimado ln. 5, botica, veado-se
constantemente hosteas para mistas e comrannhao
Agua de vlchy a ijjtoo.
A loja la Aurora na ra larga do Rosario n. 38
receben agua de Vichy a 13200 a garrafa, a qual
o nico remedio para moleilia de pedras as
onrinas, pois algumas nessoas qna soffre da dita
molestia, etem usado desta agua tem Picado per-
feiiarnente boas; e cuja agua 4 applicada pelos
mdicos.
Vende.se a taberna da ra da Conceicao n.
11 confronte ao rancho, cuja tem commodos para
familia, e faz se todo o negocio a dabeiro ou mes-
mo a praso._____________
No dia 16 do correute mez vonde-so um ex-
cellente cavado pequeo, castanho amarello, bem
feito, andador U.ixo e meio, e tambem esquipa
bastante, muito proprio para menino o senhora :
qaem pretender dirija-se aa armazem do sal da
Boa-Vista, que achara eom qaem tratar.
.


Diario de Peruambaca Quinta clra 16 de Fevereiro de !%*.
Salsa parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
ESCltOFLIiA
e todas as Molestias
provenientes dekla
todas as molestias da
pelle
eherjiipelias, tamores, ireras,
sarnas,
. Bastidas, cmpingens,
REUMATISMO
SYPIIIMS
em todas as saas formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO, !
UleeraeSo do ligado
e em summa todos os males que tem sua
erigem na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVAgAO DO SANGUE
e para dar nova torca e vigor ao corpo ja
enfraquecido pela doencja.
Vende-se na ra Direita ns. 12 e 76 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambnco:
na pharmaela franeeza de
P.HIAURER i C.
____________RA NOVA N. 18.__________
Attencfto.
Doce de goiaba flno em latas de 4 e 8 libras, por
presos commodos, qneijos de Minas a 154M, lin
guas da America em salmora a 320 ris, qneijos
de Al entejo a 25 : na ra Nova o. 8 loja do cha
"COMPENDIO DOLOROSO
que coatm o cilicio do Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
r4a, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devoco; ordenado pe-
la irmandade dos servos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Penba do imperial hospici dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deusguarde;
dado luz por devoro do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deMUsina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praga da Independencia._____________
Feijo-
Na ra da Madre de Dos n. 9 vende-se feijao
raulatinho, dito branca, e dito preto, mais barato
do que em outra qualquer parte, approveitem a
peehincha que a quaresma bate porta.
Vende-se calcado francez da barca franeeza
S. locto da Luz, na raa do Livramento n. 21.
Borzoguins de lustre (Nanles) 65000.
Ditos de hezerro de tres solas (ames) 65000.
Ditos de hezerro de duas solas 6,5000.
Sapates de tapete 640 rs._____________________
Vende-se um engenko d'agua, moente e cor-
rente, com proporgoes para colher-se grandes sa-
fras annualmentc atiento a bondade e extencao de
seus terrenos ; est anda quasi todo em mata
virgem, e dista apenas meia legoa de urna das es-
tacoes da via-ferrea : que o pretender, dirija-se
aoSr. major Luiz Jos IVreira Simoes n ra do
Livramento, sobrado n. 24, primeiro andar.
Novidade
Roupoes de sucira de linho para senhora, pelo
barato prego de 95 cada um, laazinhas econmi-
cas para vestidos a 360 o covado, cUapoos de pa-
lha da Italia de apurado goslo a 145 : na ra do
Queimado n. 17,__________________________
Vende-se urna boa mobilia de pao d'oleo, com I
uso, e alguns vidros : na ra das Flores n.25.
RAPE I
Duarle, Pereira & C. continuam a vender o afa-
mado e fresco rap Princeza de Petropoles em seu
grande armazemde louca e vidros : ra do
Crespo o. 16.
Pee hincha
Vende-se urna armagao de taberna desorganiza-
da e era ponto pequeo, contendo alem dos utenci-
li i? duus depsitos para agurdente e um para
azeite do arrpalo, e se informa urna excellente
casa para a collocar, caso o pretndeme quwra,
ao que so garante chave : a tratar na taberna
da roa o Principe n. 32.
Feijo.
Vende-se urna porcao do feijao mulatinho muito
novo a 15 a cuia, dito prcto a 880 rs., dito rajado
4o Porto a520 rs. : na ra Direita n. 8.
Bazar commercial
Raa Nova n. 61.
Novaos & Filho acaba de receber um lindo e
variado sortimentode amendoasconfeitadas e con-
feitos em frascos e caixinhas com o major asseio
possivel, assim como um sortimento de fructas da
Europa erystalisadas, e chocolate em caixinhas ri-
camente douradas, assim^como outros muitos ob-
jeetos ese deixam qude publicar.
Vittlit da Badeira e do Porto
Vende-seosuperiorvinho da Hadeirae do Por-
to, io caixas de uina o duas duzias : s na loja
do Vigilante.rua do Crespo n. 7. ___________
Simdo de Mantua
Attendeado as circumstancias do lempo al en-
tro aviso, resolvo-me a vender a obra de Simo de
Nantua pelo diminuto preco de 800 rs. cada exem-
plar. A obr.t completa, tem a segunda parle das
obras posthraas, o bem impresso, tem a estampa
de Simo de Naiitu, o de meia encadernacao :
na ra do Imperador n. 15, defronte de S. Fran-
cisco, onde tambera ba para venderse urnas pou-
cas de raixas de papel do Diario vasias, o pelo
jnesme preco que vende o Diario.
PASTIIHAS'J'
;ktwas
DE PEPSINA!
"k.
DE WASMAN
As vaslhat digestivas com pepsina de W as-
man, empreglo se com successo h j alguna
nao* pelas celebridades medicaei de Paria,
Londres, Vienna, etc., em todas as incommodi-
dades em as quaes a dtgestSo difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melbor
remedio para coral as
Dlarrhrna e canatl-
pnraa araduxlriaa
pelas clnhraf*ea
drfrr tnasaa aaa ali-
nimlaa.
Caatralalaa.
Mapvpalaa.
Kmbaracoa gatrieaa.
A gaatrlte.
Aa alfeacea argAnl-
*aa 4* ealoutago.
Em todas as molestias empregio-se a miude aa
aguas alcalinas, especialmente a agua de Yichy,
e igualmente aspanilhas de Yichy. Essemeio id
efficaz quando se trate de dispepsias de curta ki-
racao, mas o prolongado uso das aguas e pastilhut
de Yichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
s alcalinos empobrecem o sangue e isso de tai
maneira que ])\es arreblhao a parte vivificante,
Mutritiva'e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella una substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo tempo que se effectua a
transformarlo dos alimentos assimilhando-se
como ellcs c ajudo tabem como elles a nutricio
Seral. Sua acco vivifica o sangue e os ergios
e talsorle que, ath as pessoas que sem soffrer as
afTec<,ocs gstricas cima mencionadas slo nica-
mente fracas ou d'um temperamento um poueo
dbil, e necessilo substancial alimento para for-
tificar se, achio no emprgo das pastiihas pep-
sina de \Vasman, um poderoso meio para a isso
cfcegar.
Avise importante. 0 successo das pastilkat
pepsina ce Wasman diu causa a se fazerem fal-
sificares e mitaedes d'esse producto que os
mulos* se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa prepararlo pepsina que n'ella entra, jax
alterada. Seremos ao abrigo a'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pastiihas tenhio
asiniciaesB. P. e saiio da pharmaciaChevriar.
Depsitogeralem Pars, pharmacia Chevrier,
14, Faubourg-Hontmartre, e em todas as boas
pkarmaciu de Franca dos paizts estrangeiros.
1
ifl'iftflil
If|l|sf|

a.
o
o
w
i
o
3
o
s
o.
o

8
o.
m

8
s
B
O"
m
s.
3.
I
h O
o
o
o
tn
&'
3.
s
. 5? M
"?
O
=? 6.
* a 3 I E
m "9 S' BB -"
biil:!afi
59 I i 5 Sil.
-i
I a
III
en
Ers *>
o 8 g.
si. 3"
sg s
3 a b
D O o
if II
o
s.
S
Fazendas pretas para a qua-
resma.
X loja do Pavo.
Acha-se este estabelecimenlocompletamente sor-
tidode fazendas pretas propriaspara a quaresma,
a saber :
Grosdenaples prelo largo e moitissimo encorna-
do, outros mais estrenos tendo dos precos de
Ifi280, 1600,1*800, 2*, 2*400 o 3*, superior
moreantique preto a 3*, superior sarja preta hes-
panhola, superior elun preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soutembarques muito bem eofei-
tados, ricas vasquinas e casacos dos mais moder-
nos que tem vindo, superiores manteletes, camisl-
nhas com manguitos proprias para loto e ricos
chales pretos de rede, ludo islo se vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parte por ser a di-
nheira : na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
As roupas do Pav3o.
Acha-se nesle estabelecimenlo um grande sorti-
mento de roupas fetas para homem como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
muito fino e forrados de seda a 22*. 25* e 30*,
ditos Trridos de alpaca a 14*, 16* e 20*, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos e de co-
res, ditos de bnm de todas as qualidades, eolletes
de casemira pretos o de corea, velludos, setins
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos
melhores mestres nacionaes, mauda-se fazer qual-
quer obra por medida: na loja *do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
(.hilas em caries com 40, 11 e 12 covados
Na loja do Pavo vende-se urna grande porco
de cortes de chitasf 'ncezas sendo claras e escu-
ras todas de cures;', xas com 10 covados a 3*200,
com 11 covados a 3*600 e com 12 covados a 4*,
peehincha para se apurar dinheiro : na loja do
Pavo, de Gama & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
As cassassuiss s de urna s cora 360o
colado ou a 600 rs. a vara.
Acabara de chegar as mais modernas cassas
suissas de urna s cor com eordezinho, tendo as
cores mais modernas que tem vindo ao mercado
e vende-se a 360 rs. o covado ou a 600 rs. a vara:
na loja do Pavo. ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Meias caserairasa 1600.
Vendem-se superiores meias casermras proprias
para calca, eolletes e paletots sendo fazenda muito
encorpada lisas e de quadrinhos e que tambera
servem para capas de senhoras e vendem-se pelo
baratissimo prec,o de 1*600 o covado ou 3* o cor-
te de caiga : na loja do Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Co tes de vestidos pretos.
Vendem-se ricos cortes de vestidos pretos bor-
dados a velludo pelo barato prego de 25* rs. cada
um : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grande IltjuidacSo.
Ra da Imperatriz n. 60, loga de fazendas
d > Pavao de Gama 4 Silva.
Acha-se este estatHecimeatocompletaraente sor-
tido de fazenlas inglozas. francezas, allemas e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo ve: Lt-so raais barato do que
em outra jnalqtier pari, principalmente sondo em
porco, a de tolas as fazendas dao-se amastras,
deixando flcar penhor, ou maudam-se levar em ca
sa pelos caixeiros da loja do Pavo.
Vestidos sout mbarque
Pelo ullimo vapor francez chegaram riquissimos
vestidos a' soulambarque, os-mais modernos que
neste mercado tem apparecido, os quaes estao
promptos com saia, corpinho e seu competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dirija-se a' lojdo
Pavo, na ra da Imperatriz n 60,
As laazinhas do Pavo.
Vendem-se laazinhas de quadrinhos transparen
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 ris o covado,
0 VIGILTE
Ra do Crespo D.
0 gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordena do dia, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para estes o Galle com seus
agudesesporoes naocaos o (Tender, antes esagra-
ciar na mesma conformidade, para que o Baliza,
RIVAL SEM SEGUNDLi
lu do Queimado us. 49 e loja de miudczai
a Jos de Azevedo Maia est rootistianco i
vender muito barato, pois seu genio dar a fazeE-.
da por lodo prego a vista dos robres.
Cartas dealUnetes francezes da melbor qulidadt
a 80 rs.
'Grosasde pennas de ago inglezas da melbor qua-
lidade a 640 rs.
Ca xas de clcheles francezes de superiores quab-
dades a 40 rs.
Grosas de boloes de madreperola muito finos a56(
e 640 ris.
Carreteis com 4 a 3 oitavas de retroz preto fino*
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior i
Gravatas da liga e de outras muitas qualidades i
500 rs.
Caivetes para peona com 3 folha6 fazenda boa s
800 rs.
Duzia de botes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a prende!
a lera 800rs.
Ossogredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 1*000.
Cartilhasda doutnna christa, Dnase superiores a
320 rs.
p*i>sa marchar era frente, a Branca Aguia possa I _. .1
i..,.,,,,,, .aaiu.^'.a h.^,c r.,i,nh,. <,., rPentesBnos de marhm a 1*000,1*200 e 1*500
res del uvas de seda para homens
-
ievantarseu vo,|ievande no bico as paliabas seu
uiutio j e o Gallo cara em seu espageso campo
daadedenovo o sen canto annunciando a seus
bons freguezes e aorespeilavel publico
0 grande sortimento deobjecUs de muito gostofit
acaba de receber.
Ricas eaixiabas rom msica ricamente enfeita-
das para oostura, proprio para ara delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeadosd metal
para guardar joias.
Ricascanas com estejo, contendo todos os per-
lences parabomem.
Riquissimas voltas fiogindo perola.
Ditas com lacinbo de fita.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
suras.
Lindos aderegos coa pedrinhos Inginde bri-
ncantes.
Ricas fivellas para cinto, de todas as qualidades
e bem gesto.
Ricos cintos de ultime gosto de Pars.
Grande sortimento de lindes enfeiles para cabe-
ca, sendo do ultime gosto e de todos os preco?.
Plores muito finas para noivas.
Luvas enfeitadas e meias de seda para noivas.
Touquinhas sapatinbos e meias de seda para
baptisado.
Riquissimas fitas de todas as qualidades parala-
go, ciise cinteiros.
Camisinbas e golinbas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
sala.
Grande sortimentode gravatinbastanto para se-
nbora como para homem.
Luvas de pelica branca e decores.
Casearrilhasde bonitasedres.
Trancinhas.galo e maravilhaspara enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
Papel amisade e de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
ntremeles e babadinhos delindos padrees.
Lencinbos de linho bordados.
Meias para homem, senboras, meninos e meni-
nas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e canlvetes.de todas asqualidades.|j
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerecimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verddeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
e senhoras a
o melbor que ha a 320 e
o
ditas largas muito finas a 400 ris, ditas estampa- frascos ^adrados garrafinhas.
GRANULOS e XAROPE
D'HYDROCOTYLE ASITICA
de J.LEPINE
Resulta pelas experiencias fe i tu as Indias e em
7ranea pelos mais afamados mdicos que as GR ai-
las e O XAROPE de HYDROCOTYLA ASITICA 4a
J. lpiive lio o ptimo remedio contra todas as espa-
cie de ritPIGENS ou HERPES e outru molestia da
pelle, at as mais inveteradas, assim como a lepra
OU MORPHEA, a SIPUILIS, as MOLESTIAS ESCRO-
FULOSAS, OS RIIEI MA I IsMOS chromcos, etc.
Deposito geral em Part, em casa da fol'rnier
LABELONYE, ra Bovrbon-Villeneute. t.
Deposito eral em Pernambnco ra da
Cruz n.tt em nasa de Caros A Rarboza.
Caite gaz.
Pitch lo gaz.
AI cal ro do g?z.
Coka, tonelada lOjftOO.
Pitch, arroba 35000.
AIcatrao, caada .500.
O cok reconliecidainente o rarvo maisjeeono-
mico, tornase por isso rccnmmendavel, bem co-
mo pelo aceio que se nota as rasinhas aonde
elle usado. Pitch e alcatro, alem s aidlmpape-
$oes diversas a que se presto, como para calaf a
lar embarrares, aleatroar madeiras, etc., teec-
estes a propriedade de preservar do cupial, tor-
migas, etc. K entregue na fabrica do gaz, ou man-
dado por (vn qualquer pontoda chinde, segundo a
vonladedo comprador e previo ajuste.
das, cor segura, padroes miudos o grandes a 320
ris o i-ova lo, ditas transparentes com palmiohas
de seda a 400 ris, ditas escocezas a 560 ris, isto
tudo para liquidar : na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
Os mais midernRs vestidos a Mara Pia,
na loja do pavo, a 10.
Vendeni se finissimos vestidos Mara Pia com
os corpinhos differentes, tendo todos os preparos
e com o competente sint] : na rna da Imperatriz
n. 60, lo]a do Pivo
As novas las garlbaldinas a
50 rs., na loja do Pavo.
Vendem-se as mais inviernas laazinhas garibal-
dinas, fazenda inluirau^nle nova no mercado, sen-
do todas com listras miudinhas, e transparentes,
com lustro a Imitacaodas sedmnas, tendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, cannezi.n, cinzenta
e cor do ha van j, etc. ; isto a 500 rs o cavado
para vender dapressa : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Camisiiiliasa \$.
Vendem-se camisinhas com manguitos, sende
muito bem enfeitadas, proprias para senhoras a
meninas, pelo barato pp?c > de dez tusldes cada
urna : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva
Ves idos para meninas.
Pomada fina de todas as qualidades.
Superior banba em frascos e copos de todos os
tannos.
Sahoinglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marfim e de
osso, para dentes.
Peotes para desembarazar, com friso de metal e
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de algodo, assim como muitos
outrosobjectos de gosto quesera impossivelmen-
cinar.que a vista far f, s no Gallo Vigilante,
ue do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas comcruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinbas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avals asa 400 rs. s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Leqoes.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 125 e 145; s no Vigilante.rua do Crespo
n. 7.
GRANDE NOVIDADE.
S no Vigilante.
Riquissimos enfeles de ledas as qualidades para
Vendem-se os mais modernos vesiidinhos para senhoras e meninas, chegados hoje da alfandega.
meninas, sendo muito bem en fe i lados Mara Pia,
lendode differeotes tamanhos, pelo barato prego
de 85 cada um : na loja do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Koopa fcila barata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feila
para homens, sendo calcas de brim branco e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos
VICTORIA
Stlencao*
Vendem-se excellentes enfeles para os masca-
ra* a 15, s as Atas valem 25 ou 35, nao se fal-
lando das bellas flores que tem, assim como ainda
exislem algumas gangas amarellas com loque de
a vari a a 240 rs., e hrins escuros propnos para fa-
brica* de engenhe tambera a 240 o covado : na
rna io Imperador a. 20, loja.__________________
Peijia.
Vende-e feijo mulatinho muito novo a 285 o
alqueire, e a 900 rs. a cuia, dito um ponco mais
trigueiro a 245 o alandro e a 720 a cuia : no pa-
teo do Tereo n. 34.________________
0 local convida.
Vendera-ie 12 quartos servidos por um porlao,
ai boa roa : quero os pretender dirija-se a ra
Direita n. 22, refina^ao.
DKOAMA.
34Raa Marga de Resarie34
Bartkolomea Francisco deSoiza k .
Vendem:.
Aeido actico puro para retratistas.
Esmaltes para otirives.
Papel para forrar casas.
Guarnicdes avetladadas.
Tinta branca superior em lata.
AIvaiade Veneza, no, em pues.
Atenco
Vende-se superior viabo do Porto em eaixas de
urna duzia : em casa de Johnston Paler 4 C ra
do Vigaro n. 3.
" J. Kel er C. ve dem superior vi-
nbo lint d' Brdeanx, tanto en quarlola
co no emcaixas de duzia d- garrafas.
Vende-se na ra Nova n. 50, tima victoria ainda
em bom estado, feita por um dos melhores fabri-
cantes de Paris. Os arreios tambem se arliam em
bom estado. __________
Vende-se urna escrava com habilidades : a
ralar na ra da Imperatriz n. 34, primeiro andar
Pcislncha s'tn njual
Camisas que valem 55000 a 25800.
Vendem-se camisas de linho muito linas e de
bons gostos, pelo baratissimo prego de 25800 rada
urna e em duzia a 325 ; vend-se por ste dimi-
nuto pr&;o por serum arn-maladas em leilo dos
salvados do navio francez : na ra do Livramen-
to n. 4. armazem de Joo Evangelista de S.
Vende-se a taberna sita no paleo do Terco
n. 21, sendo um dos melhores lugares para nego-
cio, lano para e praca como para o mato ; ven-
de-se em razo de nm dos socios ter de se retirar
para a Europa : a tratar na mesma.___________
Canias de ferro proprias para
collegio.
Acha-se a venda grande sortimento destas ca-
mas, assim'como de outras : a ra Nova n. 33.
Vende-se ou alugase um bom sitio na Ca-
banga Velha, com urna bda rasa para familia com
trss salas e seis quartos, eozinha fra, casa para
eicravns, dita para feiter, rorheira, estribatia, tan-
que para banho, dito para lavar r-upa, duas ca-
cimbas com boa agua de beber, viveirocom peixe,
e no, terreno proprio e muilas fruteiras de fructas
de diversas qualidades, quem pretender dirija-se
na Capunga Nova, no entrar da mesma ao lado es-
querpo passando o primeiro porto ; a tratar com
a vinva do Onado Joo Evaogelisia da Costa e
Silva,
Vende-se urna parlo do sitio dos Afflirtos, que
pertence ao finado Dr. Mo Domingnes da Silva :
a tratar na ra do Queimado n. 26 primeiro audar
das 0 horas da manha as 3 da tarde.
Peehincha
Vendem se 13 vaccas que esto dando leile, as
quaes rendem 45 a 65 diarfrs, e esto bastante
gordas, por seu dono se retirar: para ver e tratar
no Salgadinho, sitio grande do Fnndo, c m Anto-
nio Rodrigues dos Santos Olivcira__________
Farlnlia de milho,
Vendem se barricas de farinha de milho ameri-
eana de 0 arrobas: na ra do Rangel n. 3.
Motos
Riquissimos sintos de fita larga e estreita com
fi velas,'ran des e pequeas, com brilhantes falsos,
cousade muito goslo.
Albnns
Tambem chegaram os riquissimos albonspara
50 retratos, com capa de tartaruga e de marfim,
de cousamuitochique : s no Vigilante,ra doCres-
de! PO n- 7-
casemira e panno preto fino, eolletes de todas as I fiouhas.
qualidades : na loja do Pavo, ra da Imperatriz Riquissimas golinhase manguitos, omelhor gos-
n. 60, de Gama & Silva. ;to possivel, a 25,25500 e .'15; s no Vigilante,
Grosdenaple de cor a lCOO o covado. : ra do Crespo n. 7.
Vende-se grosdeoaple de cor azul,branco epre- Enfeles para seahtra.
to, pelo barato preco de 15600 o covado : na loja | Riquosissira enfeites com laco e sem lago e de
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & outros muitos gostos a 15,15500 e 35- s no Vi-
Silva.
Panno de linho a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lences, toalhas e ceroulas, pelo barato pre-
co de 709 rs a vara : na loja do Pavo, ra da'
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavao.
Vende-se para acabar urna porco de relalhos
de las e uassas de todas as qualidades, e por pro-
cos muito em cunta; quem tem economa que
pode apreciar : isto na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama A Silva.
Madapolo a 7)5, s na loja do Pav3o.
guante, ruado Crespo n. 7.
Traneelins.
Lindos traneelins de cabello para relegie on In-
natas, pelo baratissimo preco de 15500,ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos entrfmeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindo,
desenos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Casearrilbas.
Grande sortimento de casearrilbas de diversas
larguras, assim como galozinhoe trancinhas pro-
Vende-se superior madapolo muito encorpado, prias para enfeites; s no Vigilante, rna do Crea-
tendo 20 varas cada peca, comji palmos de larga-! po n. 7.
ra pele baratissimo prego do 75000 a pega, ditos
muito finos a 85, 95 e 105000. E' peehincha, na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
O. res de cassa a 3.
Filas.
Grande sortimento de flus de diversas larguras
e qualidades, por precos que admiran aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo, je 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
7 varas cada corto, com desenbos muito delicados
pelo baratsimo prego de 35GG0 o certe : s na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Corles de chi'a francea.
Vendem-se finissimos cortos de chita franeeza
cora 12 covados, tendo padres escuros e alegres
te : s na loja do Pave ra da Imperatriz n. 60,'
de Gama & Silva
Cambr.ias litas, aa laja da Pavia.
Vendem-sa pegas de cambraia lisa muito fina,
lapada e transparente, pelo baratissimo prego de
45 tendo 8J |2 varas cada peca, ditas muito finas
a 75, 8J e 95 a pega, ditas Victoria com 10 va-
ras pelo li.rati-simo prego de 75, 95 e 109, ditas
Carmes fazenda mu to encorpada fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a pe-
Sa: isto na loja do Pavo ra da Impojatriz n 60,
e Gama 4 Silva.
Vende-se caiies vazios proprias
para lalialeiros e funileirosa i 760
cada bu; tiesta typoraphia.
7.
Pilas de lia.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; se no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
, Ricos espetaos.
Riquissimos espclhos cora moldura deurada!
da
506 rs.
Qollinas para senhora
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240' 320, 500 (
15000.
Lvros que serve para assentar roupa, pelodiminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito tinosa 500 rs.
Cordo branco para espariill:t> muito superior,!
vara a 20 rs.
Carritcis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Candes com 200 jardas de linha branca garanti-
dos a 60 rs.
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de boloes de punho, oh que peehincha a
120 rs.
Tinteirosde vidro com tinta a 160 rs.
Ditos debarro com superior tinta a 100 rs.
Grosasde botoes delouga prateados muito fino a
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris. anA
Escovas para limpardentes, superiores a 200 rs.
Caixascom superiores phosphoros de segurangaa
Caixascom 100 envelopeso melhorque ba a 64
ris.
Caixascom 20 quadernos de papel amizade.munc
flno a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo mUito fino a aun
Frascos com gomma arbica
dissolvida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja
aguia branca.
N< vos albuws.
A aguia branca acaba de receber entra encom-
raenda de bonitos e bem encadernados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga e marfim, a.-
guns dos quaes coro microscopio para augmentar
o tamanho dos retratos, continuando a serem ven-
didos prjpregos commodos : na ra do Queimado
loja da aguia braman. 8.
Galanteras para [estas
A aguiafiranca nao cessa de encommendar do
que ha de melbor e maisagradavel e por ssoaca-
ba de receber diversas figuras e vasos de pe de
pedracom fina banha, assim como bonitos frascos
de excellentes extractse lindascaixinnas de ma-
dera envernisada com finas perfumaras, tudo
muipropriopara presentesde festas etc., havendo
dinheirodirija-seo pretndeme a ra do Queima-
do n. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
inado
A aguia branca na ra do Queimade n. 8,rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dito para engommados. %
Outros enfeites,
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dosenfeitesde moldesinteiramente novse de um
apuradogosto,assim poiseomparegam os preten-
dentesraunidosdedinheiroe cora disposigao de
gastar: na lojada aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tor-
trvga.
A aguia branca ama do Queimado n. 8, rece-
ceben novamente esses pequeos pestes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, Usos,
bonitos e bem feitos tantaeslima lem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porm avisa aquellaspessoas que es
haviam encommendado e a quem mais queira
aproveitar aoccasio de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo prego de 4* cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
a tinturado chromaeoma, e mesmo o facillimo
modo deapplicartem se tornado muiconhecido e
apreciada portodos que usamdella e por conse-
guinie augmentado a extrago.pelo que a aguia
branca mandouvir mais o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
Frasees com coloricoma para lustrar ditos.
Ditos com bydrocallethricbina para limpar ditos
Ditos com oryehromantina para limparas unhas
Sabonetesbrancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos semoffender a preparagofeita.
Sapatos de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses sapatosdo grande tom vendeu-se nica-
mente narua do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 65 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
Vendem-se narudo Queimado loja da agola
branca n. 8.
Esponjas finas para rosto.
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8. _____
Grande liquidacilo de fazen-
das finas, ruadalmpe-' .
ratriz, loja e armazem da A-
rara n. 56, de Lourenco P.
Mendes Guimar&es.
i'azjeudas para o carnaval.
Vcndc-se ve|bntina de todas as cores a 800 rs. e
covado, ganga, encamada a 360n covado, sarjtlim
de cores a 280 o covado, alpaca de cores tropria
para vestuarios a 320 e 3G0 o ccrvsdo.tafel de s da
de todas as cores a 600 rs. o covado : roa da Impe-
ratriz, loja da Arara n. 56.
riias baratas a 2-O rs.''
Vendem-sel chitas finas a 246 e 280 o covado,
chitas francezas linas a 320, 360 e 4C0 r;>., casas
finas de core(< a 328 e 400 rs. o covado, percalas
linas para vestidos o 500 e oCO o covado : rna da
Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Caries de cambraias, a Arara vende a 3?.
Vendem-se cortes de cambraias finas brancas a
35500, 15 e|55, cortes de cassas francezas Anas a
35, corles finas a 35200 : na loja da Arara, ra da Impera-
triz, n. 56. J
dos a 35 e .'5500 o covado, grodenaple preto fino
a 15600,1580 e 25, dito superior a 25600, dito
com 5 palmos de largura a 3$ o covado, iat.no fi-
no preto a! 5. 25800, 35500 e 55 o covado, case-
mira preta* loa a 25,25500 e 35 o covado, alpaca
preta a 50C, 600 e 800 rs. o covado : ra da Im-
peratriz, lo, a da Arara n. 56.
Arara vende cortes de casemira preta a 300.
Vendcrase corles de casemira prea a 35500,
45, 55ei5. dilas de cores a 35,45- 55 e 75. (or-
les de brlih e ganga para caiga a 15600, 18C0 e
25 I roa da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
fauno de ii lili o a 640 rs.
Vende-se panno de linho para lenges e toalhas
a 640 e 7.0, hamburgo a 500 e 560, bramante de
10 palmo* de largo a 35 e 2J500 : ra da Iinpe-
ratriz n. .'.ti.
Arara veride os balees aupe madapalo a -ip.
Vendeltn-se bales americanos a 35. 35500 e 45,
ditos de/musselina a 45500, pegas de madapolo
enfestado a 45. dito de 24 jardas, largo, a 65CC0,
65500,775, 85, 05, 105 e 125, unos, algodo pe-
gas a fe, 65, 75 c 85 : ra da Imperelriz, loja
da Arara n. 56.
7 Soulanibarques prtos a 20$
Vende-se soutambarque preto de grosdenaple a
205 e[255, capas gretas de grosdenaple Crias a
205, pi e 305, soutambarque de lazmlia a 75 e
85, etilos de alpaca brancos a 85 e 105, ricos ves-
tidosj Mara Pa de novo goslo a 85, 125, ^5,
165 p 205 : ra da Imperatriz, loja e arman m da
Ararla n. 56.
Cfrande s; s Emento de roupa
feita.
Vendem-se paletots de casemira de cores a 55,
165, pft e 105. ditos pretcs de panno lino, si Lrca-
. sacas a 125, 14, 165 c 255, paletots sacros | reos
de panno a 55, 65( 85 c 105, calgis !e eastmir
preta a 45. 65 e S, ditos de casemira de cor a
45,p5 e 85, ditos de meia casemira a ?." t 3;SCO,
ditos de brim e ganga a 25 o 2560, dto i'e br'in
brapco a 35500 e 45, rolletes de lodas .>? (i -
desi camisas francezas a 25 e 25500. ii; i;
de finho de pregas largas a 35 e ?55(0. rri i "'."
a 15280,15G0O e 25, paletots de brim de rfr S -5
e 3|5, ditos de alpaca prt.ia a 35 e 35500. riiaa le
alpaca branca a 4550O, ditos de alpaca Ce c)
a 45, colarinhos de linho a 640. dilos de ffl
64(1 a duzia : narua da Imperairiz, loja daJ
nnnero 56. 0 propridarioda loja e ain-aajj[
Ar.ira declara que tedas as suas fajenelas se
em perfeilo estado, como os compradores p*
eliminar; aloja est aberta at as fl h noite : tua da Imperatriz, loja da Ai ai a u. '6, tie
Mendes Guimares.
de cores fixas pele baratissimo prego de 45 o cor- a de 8 i0 {it e j4* as$n cono eom
tu A n lua dn Pavao ruada Irrinnratrif n. Ki .. r'._r_'.__ T.____Zl. a< o i K>
ATTENCAO.
Borzegulns franeea da barca S. Jeao da Lux, a
65000 de lustro e bezerro : ra do Livramento
n. 5.
celnmnas de differentes tamanhos a 25,35,45, 55
e 65; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Lindas jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo omelhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de airoz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz
eousa de multo gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos on vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos as sinbasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assfm como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim coma outros objectos que nao e
possivel por boje anannciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
rna de Crespo n. 7.
HACBIMSDEPffi&
TV-
de
: ra
a-abalhar mo
descaroear algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAil]
Estas machina
estragar o fio,
sendo bastante
hOi' .. duas pessoas para
- '.rahalho; pode
\l fi dcvcan-.ri.r-, urna
m
m
v
deecar^gari urna
arroba de algo-
do em earogo
em 40 mininos,
ou 18 arrobas
por dia cu 5 ar-
robas de algedo
limpo.
AGENCli.
DA
AGENCIA LQW-MOOL
Rna da Senzalb aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haye
am completo sortimento de moendas e meia*
tnoendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o*
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas pan
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C
na da Sen zalla Nova-n. 42._____________
Predios venda
(Esa leilo ou em particular)
Um sobrado de dous andares e sotao em chaos
proorios, na raa de Amoros n. 17.
Um dte de dons andares e sotao, em chaos pro-
prias, na roa do Burgos n. 3.
Urna casa lerna com sollo, em chaos proprios,
na rna dos Burgos n. S.
Hetade de urna casa terrea, em elios propnos,
na raa da Senzala Velha n. 8: a tratar eom o
agente Simoes na rna da Cruz n. 57.
Bixas hambnrgae/ns.
Vende-se na rna Nova n. 91.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocaoi Ib arrobas de algodo
limpo, por dia.
I Os raesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver c examnalo, no ama-
z un de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
Sauuders Brolhers k C.
, N. II, praea do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 45 e 55 loja do Bar.Meirc
conhecidoj como tal, est dispondo-da fazenda
[or todo o prefo para apurar dinheiro, qnem oui-
2er venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baralhos de cartas para voltarete muito
finasa............................ sot
liadas de linha froxa para bordar a.... 20
Pares de sapatos de tranca de lodos os
tamanhos e finos a................... I550G
30
200
101'
100
200
500
400
640
600
490
80
60
30
240
200
lfassos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a.....
Libras de are*a prela muito superior a...
frascos de superior p.iacac, oleo a-----
Ditos de dito porola a..................
Ditos de oleo de abosa muito finos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha*miiiti fina a............
Ditos de cheiros muilo finos para o preco
a res.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e.............................
Ijfovellos de linha com 400jardasa......
(arrisis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as cl-
res a.............................
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris...................*........
Varas de bicos francezes. superiores a...
Opiata para dentes da melbor que ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
. tudo a............................
Pecas de tranca preta liza muilo fina a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fita preta com colxetes a......
Libras de la sortida de todas as edres a
Bonecosde choro muito bonitos a......
Caixas de obreias de raa ssamuto novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhasa.........................
Frascos de oleo Philocomescuperior *..
Ditos com superior tima a-'.O e........
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a
Enfiadores*para espartilho .........
Duzias de botoes encamados para vesti-
OJ 1................................
400
40
!00t
15C00
60
200
40
65500
iec
40
86
fOO
506
80*
200
Chales de merino
a 15,15500 e 25 ; vende-se por este preco par
ter-se arrematado aa alfinaega e ter um defeito :
na loja da ra da Madre de Dos n. 16, defronlo
pa guarda da alandega.
1 I
r- *#at.li ll-l I


rT-
4


-
lario de Femaannneo ... Quinta lelra de Fererelro de t 5
ROPA FEITA
NO
ABI1ZEI
DE
%W^% %i MAMm
LXTREIKO 7BRDB.
^D
AURORA BRILHAWTE
Neste estabelecimento ha sempre am sortimento completo de roupa feita de j
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, a vontade dos eoncor- 2
rentes, para o que tem um dos methores professores, assim como tambem tem nm
grande e variado sormeato de fazendas de todas as qaalidades, para senhoras,
horneas e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 3000001 Ditos de setim preto. 50606]
Sobrecasacas dem, 300 e 250000 Dtos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 250, 60 e.......
IIIIIIS 4RHAZENS
IIE
MOLHADOS
150!
70,
100000
200, 150 e .
Ditas de casemira, 200,
120, 103 e .
Ditos de alpaca, 50, 40 e
Ditos ditos pretos, 90,
50,40e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40590, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......70000
Ditas de cftres, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de c-
70000
30500
30500
30000
40000
res, 50000 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim brance #e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e do
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustSo e brim bran-
co, 30500, 30 e ,
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e......
Ditas de madapolo, 20500,
20e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
700001 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
500061
4000o!
20500
20000
10400
24500
10600
80500
20OOO
Largo da Santal
:ruz as. 12 e 84J
[esquina da ra do
VIMOS
cebo. SESPECIAES
Largo da Sant
(Cruzas. 12 e 4,
esquina da ra do
sCebe.
110, 70 e......60B00
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. '. .
Sortimento completo de grava-
tas.
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
44000
20500
60000
0
60000
e........
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 40000' tos e de cores.....40000 M
Ditos de ditas de cores 50 i Lences de bramante de linho. 30000
40 e ........30500 Cobertas de chita chineza.. 20500 m
O doao d j nratto acreditados armaxens de moteados denominados Anrora
de recetor de na propria encommenda, amitos gneros delicados
todos
praanos da presente esta^ao, teado grande sortimento comprado aqui.auancaquei
e seus generas sao da I.* qualidade.
seguinte tabeta erori a todos de base para ajuste de contas a
M*>
A
taderes.
n.-.i.. *^!lm Be* ?eaert mais barato, e raelhores gneros do toe a Aurora
Brilhante, ja pelo grande sortimento que tem, j mesmo per sea dono se achar encom-
m.dade na sua saofe e ter de vender um de seus armaxens acora, e o ootro na pto-
xlra^priraarera, por itse deve-se apraveitar urna quadra destas para se eoraprar
DE
DE
J. VIGNES.
W. 05. RA DO I1IPERADOR IV. 55.
Os pianos desta autiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre t
sua snperioridada, vantagens c garantas que offerecem aos compradores, qaalidades estas incontesta-
ais que eiles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
suindo uro. teclado e machinismo que otx'decem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por screm fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importaa-
ti^simos para o cli-ma deste paiz; quanto s vocee sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada*
eis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encunimendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vlgnes, em cuja capital foram sempre premiados era todas as expesicoos.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
n>l ores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
,ic.';oscommodos e razoaveis.
superior muito novo, a libra a
CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGICO
^ DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fuudao 3
O Dr*. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s 4
horas da manhaa, e das 6 e meias 8 horas da noite, excepto dos dias santificados
Pharmacia especial homeopa tilica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dytnnamisaces e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. / 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o .pedido que se fizer, e com os remsdi
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 40<"'OO.
Sende para cima de 12, custarao os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina .Homeopathico do Dr. Jahr
d)as grandes volumescem diccionario............ 2O0OOC,
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 400OOT
Repertorio do Dr. Mello Moraes.............. 60000
Diccionario de termos de medicina......., 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
to de serem aevamente recommendados aspessoas que quizarem usar de remedios ver-
daderos, energicos-e duradores: ha tudo do melhor que 9e pode desojar, globos de ver-
dadeiro ssucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tintura dos mais acreditados
stabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanto a maior ener-
va e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravo$.
Recebe-se escraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
ooeraejo, para o que o annunciantejulga-se sufficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivcl, tanto na parte alimentar, como na medica, o
ftinccionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cujo concert se nao
pae duvidar, que pdein ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se20000 por dia durante 60 dias ed'ahi emdiante 10500.
As operacoes sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos presos
armis quo costuma pedir o annunciante.

*m

^Chales de renda preta e bournus de guip preto \

A' loja da na do Crespo o. i 7,
DE
JOS G03IES TIIiLAB

Vende a l!>, 205, 30$, 40-5, 50& e 605, capas e easac5es de gros pretos, chapeos
e chapetinas de palha e outras muitas fazendas proprias para a qnaresma.
Jos Gomes Villar pretendendo t a Europa tratar de soa saude estera que seus
devedores tanto do mato como de^ta prac,a saldem seus dbitos qaantb ante.
Mw &((' '^s.' (vi^i '&& /.*" '5i^^^:w).
.-Ja
Vinho en harris do oitavo e dcimo, vende Antonio Luiz
d; Olivelra Azevedo & C.: no seo escriitorio roa
d* Cruz d. 1 .' _.
Haa da geazalla Nova a. 43.
Neste estabelecimentoVendem-setachas di
ferro coado libra \H0 rs., idem de Lon
Moor libra at20rs.___________________
. Vendem-se charutos da Bahiade varias qua.
lidades: em casa de Monhard 4 C, ra de Tra-
piche n. 48.
: Fabrica Coneei^ao da 1
, Baha.
Andrdfi & Flego, recebem eonstante- S
mente e tem a- venda no sen armazem n. f?
34 da ruada Imperador, algodao d'aqael- Z
la fabrica, proprio sara saceos de assu- S
car, embalar aigodSoempluma etc., etc., &
pelo prego mais razoavel.
Illfllllll
s
Latas con 8 libras de caouricas muito aovas
a 75500.
Bitas frauda com peixe em pesias inteiras,
mais de 12 qualidades, a 12000. 15380 a
15W0.
Bitas com stras, loaUente petise* para fre-
gidetra, a 720 rs.
Bitas cem ervilhas aeras, sapadas, a
70 rs.
Ditas com favas, a i rs.
Bitas comameizas a 15200, 1^800 e 35500.
Bitas oem marmelada do afamado fsbricaa-
cante Abreu, a 880 rs.
Bitas de massa de tomate, a 500 rs.
Bitas com figos de comadre, ovos, a 14560,
25 e 25500.
Bitas-.om boiachinhade soda muito novas, a
23000.
i Bitas com biscoftinhes inglezes de muitas
_guilidades,a 15400.
Chocolate. .
Chocolate
I520.
Macarrao telharim e aletria amarella, a liara
a S9 rs.
Dito dito dita branca, a liara a 400 rs.
Caixas com estrelioha, pevide e outras mas-
sas, a caixa 35500.
Bitas ditaem libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 m.
Sevadioha para sopa a liara a 240 rs.
Brvilhas seccas, a libra a 160 rs.
Bitas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 tb.
Farinha de araruta verdadelra, a libra a
00 rs.
| Arroi do Maraahao, em saeca a arroba a
3100 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
| libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 95500 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
260 rs.
Molhoscom 125 sebolas grandes, a 15280.
Uostarda franceza caixa com 2 dunas a
85000.
Frasees com mostarda preparada era vina-
gre, a 400 rs.
Bitos com conservas inelezas e francezas,
a 640 e 809 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 40ea500
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de larania
a 15200.
Ditos de 2 garrafas de HoIIanda verdadeira,
15000.
Ditos de 1 garrafa de HoIIanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafdes com 2 gaI5es com dita, a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Vinho mascatel de tetuba, a garrafa a
15000.
Marrasqu^nho verdadeiro, irascos a 800 rs.
e a 15200.
Champagne, a dazla 205000, e a garrafa a
25000.
Azeite refinado portngueze francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Bordeaux moito superior, a
75,85, 95 e 105 a caixa.
"Bitas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas de donro verdadei-
ro, a 205.
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Bitas com chamiseo superior,a 145000.
Ditas com Porto velho e outras mollas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 e 800 rs.
Dito de Lisboa mnite bem, a caada a
352OO, 35500 e 45000, o a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Figueira. das segnintes marca, (N.)
(I. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
45500 e a garrafa a 500 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
l|Ditosde marcas mais desconhecidas, a rana-
da a 35500 e 45000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinfco branco fino, a ganafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
80 rs.
Vinho rardo taperior.
A malta a 35900 e a garrafa a 480 rs.
Gomma.
Saeeas de 4 arrotas, a verdadeira de so
engommar, a arroba a 35a,*i llDra
120 rs.
Sabio massa, a libra a 200,240 o 2*0 rs.
Farioba.
'accas grandes cora farinba deGoianna mui-
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a85,
85500 e 95000.
Ca.
Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 256OO:
Bltoperla a 35000.
Bitouxima 25700,
Bito hysson muito fine a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira qualidade a25500.
Bito mais baixe a 25000 e 15600.
Erra mate.
ExceHente eh medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaeete.
O raasso com 6 vellas de espermaeete a 600,
6i0e720rs.
1 Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prias para mimos a 45 e 2$509.
Noxes.
Noxes, a libra 160 rs e arroba a*5*0-
Alpisla e paiBee.
Alpistae painco,a arroba45000 ea libra a
160 rs.
Cartas.
Carta* finas para jogar, a duzia a 25500.
Gaslaahas.
Castanhas novas viadas neste vapor, aarro-
ba 45000 e a libra 200 rs.
Azpilnnas.
Barris com azeitonas novas a 15500
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Bita nraisabaixo a 800 rs.
Dita raenossuperior a 640 rs.
Dita franceza nova,a libra a 720 rs.
Dita ditaem barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara tempero a400rs.
Queijos.
Queijosnovos viudos neste vapor a35200 e
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
(5000
Papel.
Papel alraaco pautado.'a reSma a 45800
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*auu
Dito de peso lizo e paulado, a resma
25500
Dito de embromo bom a 15 e 15*"1.
Vinho Madeira.
Garrafascomo verdadeirovinhoxerex B*
deiraa 15500 e 25-
Temperos. |
Folhasde louro, pimenta do reino, commno
o cravo, a libra a 400 rs.
Velas de camiha. 1
Mas&oscom 6 velas de carnauba reHnaaaa
480 rs. .
Amendoat.
Ameadoas com casca,a libra a 320 rs.
Caixoesdedoeede golaba, grandes a 15MO .
e pequeos a 640 rs.
Tijoles de liapar.
Tijolos dearear facas a!40rs.
Graxa.
Dnzias de boioes de graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os boi5es a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charatas fines.
Charoles Unos dos melboresfahricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e meias
caixas.
E grande quantidade- de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, *ue deixam de an-
nunciar-se.
PEM COROAS NEM MITRAS


fiRlilB ARMAZEI
FE

RVA 0 IWPER ilion 4
Junte ao sebrado em qne mora Sr. O^btrne,
Oaare Almelda A C, receberam de ana pra>rf a encommen-
da mal lindo e variado sortimento de raolnadoa, preprtos
da presente estaeSo.
Manteiga ingleza
da saTra novavinda no ultimo vapor a !,ooo
rs. a libra eem barril a 800 rs.
Manteiga franceza
a 360 rs.
/ Amendoas
danfeitadas de lindissimas coros a 800 rs. a
libra.
Am^ixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
21400, muito propios para mimos.
CartSes
cam bolos rancezes a 500 rs. cada um.
Latas
coib bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 436Q.
Ohdcoktes
do todas as qualidades a 45006 a libra.
Presuntos inglezes
dos raelhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 566 rs.
Queijos flamengos
ebegados neste ultimo vapor a 256oo.
Queijos
ebegados no ultime vapor a 2600 cada um.
lueijt
londrino o mais fresco que se pode esperar
de excellante maree a 806 rs. a libra
sendo inteire e a 960 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 780 rs.
fraseo.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 906 e 15200.
Cha uxim
o aolhor que se pede desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 2600.
dem perola
especial qtralidade a 2700 rs. a libra.
dem hvssoa
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrio, talbarim e aletria a
480 rs. a libra.
COCV.4C
o muito afamado cognacPal Brandy a 4,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a 4,ooo o 800 rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a -4,5oo e 5,ooo r&* a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
alraaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botiea
I de escolente qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
; azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2oo
I rs. a resma.
Coriuthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano era chapa a
Moors. alibra.
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 45,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,oeo rs. a caixa
e 4,ooo rs. o molho.
Alpiste o Paiugo
0 malLnyo do mercado a **<> r a librn,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito oras a 40000 ocetrto na ra do Qne:-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do (Jarmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400a arroba e 440rs. a li-
bra na ra daQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
- QUEIJO SUISSO
muito fresco a 600 rs. a libra na ra do
Oueimadon. 7, ra de Imperador n. 40 e
largo da Carmo n. 9
Macas brancas
para sopa a melbor qua se pode desejar,
macarrao, talharim o aleiria a 400 rs. a
ibra e 40568 1 caixa.
Vinhe
Figueira J \ A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 560 rs. a garrafa.
Idea de Lisboa
e de outras marcas a 460 j$. a garrafa, o
20800 a casada.
dem do Pjarto
generosos eagarrafado dos mdheres fabri-
cantes da cidade do Partea 10 e 40206
a garrafa e de 460 a 420 a caixa, as mar
ca(s s3o as seguintes: Cbamisso & Filhe,
F., & M., Nctar ou 'vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de baaha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 40800 a barrica da mesma que
venden a 20660 e 20466.
Nozes
as mais novas do mercado a 420r* .4 bra.
Oerrejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mar
cas de 40500 a 60500 a duzia.
Cj4RTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 40500.
Arroz
do xMaranb5o a 400 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, o 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 4.1 e 2. sorte do Rio de Janeiro a 805*
o 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Parrafees
com 4 '/i garrafas com vinagre a 400OOiem
ogarrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 0000
a caixa.
IDEM
em frasqueiras de HoIIanda a 508OO eem
42 frascos.
GENEBRA
de HoIIanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a graza
e 2o rs. cada caixiaha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a 4o,ooo a caixa
com urna duzia e a 1,000 a garrafa.
Marmelada
dosmelhores fabricantes de Lisbda, como so-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Presunto
o verdadeiro prezonto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranh3o, Java e India, a 4 00 rs. a libra o
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermaeete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo 1
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 r3.
a libra.
Pusas nniu navas
em qoartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais espoeial que se pode da.
sajar a 860 rs. a libra e UOrs. o pao.
Frats em ealda
cegadas ltimamente-, pera, pecego, giaja o
otros muitos a 640 rs. a lata.
a 600 e 40 o caixSe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 4 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba e 440rs. a'mra'na roa do Qoei-
raadoD. 7, r na do Imperador n. 40 e Jareo
do Carmo a. 9
BOLACHINHAS
am latas de deffereates qualidades a 10206
a lata
QUEIJOS FLAMBJS'GOS
ebegados neste ultimo vapor a 20806 aa ra
db Quemado a. 7, ra de Imperador n.
40 c largo do Carmo n. 6.
A 48 0 CORTE
Peehincha sem igual.

Lindos cortes para vestido de percales de cores*
claras e tscuras com grande variedade de padres
pe,lo baratissimo prego de 4$ o corte: na loja das
columnas Arua do Crespo n. 13, de Antonio
reia de Vasconcellos 4 C.
Cor-
ezesSeParZn!tar0S d*raBde armazem o Verdadiro^^ipaf de'claram aos seus
ipKm lSS e ao ^U em geral, Win facilitare commodidade de lodos es-
upaiaram os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeira Principal roa do Imperador n. 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na ra do imperador n. 40. .
NOVIDADES.
Queijos do Uentejo, ditos das ilhas o mais fresco que se pede desa- ffi
40200 alibra, esendointeiro ter algum abatimento, ricas caixinhas''
redondas enfeitadas, proprias para mimo dafesta pelo barato preco de 40.
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para raimo de 866 40560
cadauma. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ruado
Imperador n. 4.
jar a
Potassa da Russia
^Acaha fle chpgar i mais ntwa e verdadeira po-
tassa da Russia. e vende-?e a prego rommdo : m>
esrriptorio de Msnoel Ignaeio de Oliveira dt Fi'bo,
largo do Corp Santo o, 1J,
pimss*
Vende-se potasas em barris a commedo progo o
na rna da Croz M, orimeire aadtr, eseratori:
de Antoni de Almeida Gomes,
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
40 a lata : nos armaxens da ruada Im-
perador n. 46 e ra do Trapiche Nove a.'ft
Na Piranga dafrante ao llio do Sr. Mlltet,
vende-se nm bererro e ama beierra deraca toa-
ria.MI -, OSUI T^S
Superior cal de Lisboa.

Vende-se soperier cal iz risica a mais aor
jnefia 80 mercada, tanto em porrao romo a reta-
lho, por barato pr^.aflanande-se as cntrpra-
dorea aperior rmaltdade: a tratar br setmitte*
roas : Cresai a. 7, rmparadar a. Fcrte d Ma-
tas.armaiem do Sr, Avilla, defronte 6 trapicfcf
> algodl.



,--*
-" IX'
Diarlo de Fernanaonco Qnlnta leira 1 de FeTerelro de 1S5.
i
ll

.


NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Cbagara ai oderuos rostidos d dentelle de seda com barra, inteiramente notos
engosto e qaalidade : aloja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Crrela
de Tasconeellos k C, snecesseres de Jos Moreira Leees.
.Fazendas de bom gosto
Para vestidas desenliara
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gorgarao e de selim imperial.
Ditas de blond, e de earabria branca bordados.
Ditas de lia com barra o grande variedade era cores e padrSes.
Bito* de organdys eom barra
Linda* seda* de qnadros escasseza e miadas.
Superiores lias lisas com grande variedade de cores.
Bitas cora salpicos, com flores a de qnadros.
Lindas pamaolinas de qnadros e de dores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas carabraias ergandy
Grande variedade de chita de cores, de percalia eoutras muitas fazendas de)3a.
Para hombres de sentara
Lindas eapas e bonrnoux de casemira de cor.
Ditas de laa o de seda.
Grande variedade de sout'embarqnes de seda de I8 a 40.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados Anos, de cachi mira eom lis tras de
seda e de fil preto.
Camiziohas modernas, zuavos brancos e de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
liaba* eom pannos e eutros mnitos artfgos.
Para cabeca de senhora e menino
Superiores chapees e ehapellinas de palha de Italia enfeitades para senbora.
Ditos de feltro enfeitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores,
para senhora.
Na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia da Vasconce-
los C.
(.i:iu, IECOUHI iVlfAl, O
UlM CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaqun Sitaw dos Santos, dao deste Lera sortido armaiem de melhados faz setenta erag
reeommendago aos seus amigos, freguezes e a todos em geral, que est rasolvido a venderos seus
bem cjahecidos gneros do primeira qualidade.por menos de 10 a 50 por cento, menos doque em ou-
tra qualquor parle a dinheiro contado,e todo o comprador que comprar de 50 a 1C0 terao descon-
t d o a 10 por cento pelo seu prompto pagamento; e por Isso se faz annuncio de algnns gneros,
para coa esto meluor so certificareis.
alassas pitra sopa macarro, talharim e alelria a
2i0 rs. a libra e em caixa a S.
foucinha de Lisboa alvo mnito superior a 280rs.
a libra e 8#800 arroba.
Oaf do Rio de priraairae segunda sorte a 3(0,280
e 300 rs. a libra e a arroba ou saeco a 8a o
8|a00.
Cbouricu as mais novas do mercado a 660 rs. a
libra e em barril a lj.
Passas viudas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a eaixa a 8.
Batatas em gigas de 35a 40 libras por 20400 a ar.
roba o a 80 rs. a libra.
Gb hysson miudinho snperior qualidade a 10200,
4*000, 2*506 e 34 a libra.
Vinho de Figueira, Porto a Lisboa em pipa a 260,
300, 400 e 610 rs. a garraa.
dem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 2*409 e 2*700.
Miiho alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 4*400 e 4200.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o maco e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lo a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs.a
garrafa e a duzia a 5*800.
Figos de Comadre mu te novos a 280 rs. a libra a
em barril ou caixa se far abatimento.
Arroz do Maranhao a Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2*860, 2e 2*400.
Assim como ha um grande sortimento de charu-
tos o genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolacbinhas de soda, conserva choco-
late, marmelada, vinho engarrafado eoutro* mni-
tos gneros que enfadonho menciona-los, e se al-
guem duvidar venba ver.
FRANCISCO J. GERMANN
1 RA NOVA ]tf l
Acaba de receber um magnifico e completo sortimento dos objectos que de melhoi qnalida
de encontrar em urna relojoaria, taes como : chronomelros martimos e de algibeira, relogios [de ouro
e prata, dourados e foliados, ditos para mesa e de parede, francezes, suissos, allemes e americanos,
reguladores de eorapansaco, relogios grandes com msica e sem ella, dito de sol montados com pecas
para disparar em certas horas, despertadores de diversos taannos, caixas com msicas, igual sorti-
mento de oculos e lunetas de ouro e prau dourada e tartaruga, bfalo, ace, e varios metaes, ocnlos c
lunetas especiaes para senhoras, de ultimo gosto, .ditos proprios para os que .'offrem de inflammaedes
nos olhos, fabricados segando os preceitos dos mais acreditados mdicos da Europa e igualmente os de
Pernambueo, os quaes 6 se vendem por consulla dos mdicos, vidros de crystal brance e de cores,
oculos de alcance para o mar e outros proprios para observares astronmicas, olanles e sextantes,
binculos para theatro, para mar e para campo, microscopios e meridiano universal, barmetros, ter-
mmetros, calas de instrumentos mathematicos, correntes e chaves, sinetes e trancelins de ouro, dou-
rados e Meadas, tudo dos melhores fabricantes. Encarrega-se de qualquer concert e encommenda dos
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante um anno por qualquer relogio vendido ou concert
cito, em seu esUbeUsciaiento; e vende por menos que pode fazer outro qualquer.
t
Cassas para vestidos.
Tal pechincha s a dinheiro se pode vender.
Superiores cassas francezas de cores miudiahas, de qnadros, lisas, ede ramagens, com grande
variedade de padrSes, fazenda que se tem sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baratissimo prego de
300 rs. o covado : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos
& t.omp.
CIIEGAIMI OS MODERNOS CHILES DE
FIL PRETO.

Superiares chales de fil preto legados pelo ultimo vaper frrncez, a
5p| loja das ' los & C.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Roa do Qneimado n. 19.
Vende-se o seguate:
Lencesde panno de linho
pelo baratissimo preco de 2*400.
Lences de bramaote de linho
de um s panno a 3*500.
Coberta de chita da India.
pelo baratissimo preco de 2*500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 2* a duzia.
Pecas de brelanha de roto cora 40 varas
propria para sala, a 4*.
Pecas de cambraia de forro, a 2(5600.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gura, por menos preco do que em ontra qualquer
Par,e- j
Toalhas alcochoadas para maos
6* a duzia.
Lazinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 600 ris o co-
vado.
Lazinhas de cores finas
do melhor gosto qu ba no marcado, a 560 ris a
covado, neste armazem de fazendas se encontrar
nm grande sortimento de roupa feltae por medida
TINTA PRETA COMMERCIAL.
Vende-se tinta com esta denominacao prepara-
da por Joao Canelo Gomes da Silva, a roa do Quei-
mado n. 32.____________^_____
Farelle snperior de Lisboa a 5(5 saee.
Tem para vender Antonie Luiz de Olivei-
ra Azevedo no seu escriptorio ra da Crua
n. 1.
Milhe novo era saceos grandes : no trapiche
do Cnnha, a tratar com Tasso Irmaos.
Vende-se a casa terrea da ra do Motoeo-
lomb n. 30, no* Afogados, tem 3 qoirtos, quin-
tal murado, cacimba e estribara, e foi ha pouco
coacertada : a tratar na ra do Imperador, ar-
mazem de molhados n. 81. .
MOTORES
para machinas de algodo.
Acabam de chegar agora novos motores para
nm e dous cavallos para mover machinas para
descarocar algodo, cylindrosde padaria, eoutras
quaesquer machinas para agricultura, os quaes se
vendem por preco muito em conta. Tambera se
vende nm motor americano para 2 e 4 cavallos pa-
ra o mesmo fim, quetrabalha muito bem ; elles
se acham montados para o comprador ver o seu
trabalho : na fabricada travessa do Carioca n. 2,
caes do Ramos.
Roa da Senzalla n. 42.
Vende-se, emeasa de S. P. Johnston & C,
sellins e stlh5esinglezes, candieiros ecasti-
caesbronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos,[e relogios de
ouro patente inglez.
BOTICA E DROGARA
Barlholonen Francssco de Sonza C.
34Ra larga do Rosario34
Vendem:
PilulusHolloway.
Pillas do Dr. Lavilie.
Pilulas do Dr. Alian.
Pillas do Pobre-hornera.
Pilulas americanas.
Pilnlas vegetaes.
Pilulas vegetaes assuearadas de Kemp.
Salsa de Brlstol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha deCh Albert.
Injeecao Feaagas.
Agua denlilca do Desirabode.
Papel chimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raanatr.
Pos antl-e piletieos de Brest.
Rob L'Affeelenr.
Tarop de Bosqne.
Ungento Holloway.
ATTENCftO
preeos Ja seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba
se para o ajuste de eentas
com es portadores.
6 PUBLICO
em o menor eonstran-
gtmento se estregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ARMAZEM
RA DA CADEIA DO RECIPE X. 53.
(Logo Bassudo arco da Uneeifio)
Cirande reduceio de preeos, eqnlvalcne a dez por cento menos do que ovtro qnalqncr
annunefante.
A LEGITIMA
PREPARADA SCAP3TE POE
LANAS & KEMP,
NOVA YORK.
Composla de substancias, gozando de
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, era barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a oto rs. a libra, e era barril ou
meios a 5eo rs.
Cbhysson de superior qualidade a 2,Goo rs.
a libra,
dem perela o mais superior*do mercado a
2,8oo rs.
dem buxim o melbsr que se pode desejar
oeste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopatbice por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, 4,800 e 2,ooe rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende emoutra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, ebeuricas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oo rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Cbouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flaraengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2eors. do vapor
passado a ",6eo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar do
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais aoreditades fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacetoem caixinbas contendo 6 libras
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salm5o, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 800 e -1,000 rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, quo outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a l.ooo rs. o Irasco, e
ll,eoors. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo
Sardinhasde Nantesem quartose raeiaslatas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melborconserveiro de Lis-
boa a 64e rs.
Bolacbinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas cora diversas
qualidades a l,3eo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo'a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolacbinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
por 2,5oo; ditas doce era Utas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imporiaos emlatas
de 3 libras porl,5eors.
Ameixas francezas em latas dele meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanaos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8ors.
Azeiledoce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooe a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco 1
8,5oe a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro co
rolhado mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sipa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oers.
Charutos detodos osfabricantes daBahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l.ooo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bra por 2.000; ditoemcaixOe&aGoors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
o 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. ;em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito arto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas porl,2oors.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
dicina ; usada nos principaes bospitaes, ci-
vis. militares e da marinha as Antilbas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativos os mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhola
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriacs, chagas
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientes d'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imiurces e
falsificacoos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAOBS & BARBOZA
JOAO DA C. BBAVO & C.
Vendem-se no Recife em casa de Caors A
Barboza e Joao da C. Bravo & C.
Collegas.No posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l,ooors. a libra, bem assim o de outro
amitos objectos, etc., dando com isto ocasiSo a todas as espeluncas acabaren por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta Voz, que podem vender pelo preco que eu vendo 111 Ora, eu ofifendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo- propriedades eminentemente depurativas ;
systhema que vim encontrar, des se vender com um por cento a carola, resolvi fazer esta grande redcelo de preeos, como veris approvada pelas juntas e academias de me-
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo mea bairro, at a abertura do raomoravel armazem de molhados Uni5o Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nSo ser o de 1,4o a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentides da redcelo a que
esto obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacSo de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimenlo. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
tSo smente obler a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptidSo e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae darlo a protecc e preferencia na compra
dos gneros que precisaren, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejara pouco praticos, pois
sero to bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vo em outra parte
rs. e em barricasde 4 duzias so faz abat- Antonio de Lisboa em latas cora 6 libra
meato.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.800
o 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,oo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, o 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas do 1 o 2 libras a
600 rs. e de barril.muito superior a 5oe
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propri ament
feitas para esse fina.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa cora
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas eom 9 caadas por 45,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,000 e 3,8eo rs.
Vinbo branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs.a garrafa, emeanada
a 3,eoo o 3,5oo rs.
Vinho branco para mjssa era caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vera ai mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGennino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetteria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. e a 9oo e l,ooo a garratau.
Vinho Colares o mais superior que ^em
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
A Henea
Nova loja de fazendas e renpa
ela nacional, ra da Impe-
ra iriz. loja de 4 portas n. JS.
Chitas da loja o. 72.
Vendem-se chitas finas a 240 e 280 o ovado,
ditas francezas finas a 320, 360 e 400 rs. o eovado,
rassa franceza fina a 320, 360 e 400 rs. o covado,
lazinhas para vestidos a 360, 400, 500 e 60 ti
covado, pecas de madapolo fino a 6, "i, 85 e
95, pecas de algodo a 'S>, 65 e 8fi : ra da Im-
peratriz n. 72.
Ronpa feita nacieaal
Vendem-se paletots de panno ino a 14i, i e
185, ditos sacso a 65,85 e 105, ditos de casemira
decores a 65, 85 105, ditos de brim de cores a
25300, 35 e 4f, calcas de casemira preta e de co-
res, colletes e calcas de brim de cores a 25000 e
25o00: ra da Imperan u a. 72.
Sonlambarque a No.
Vende-sc soutambarque de laasinha a 75 e ^5,
ditos de alpaca branca a 85 e 105, ditos degros-
denaple preto a 205 e 255, capas pretasde gros-
denaple finas a 205 e 2i5, panno fino pretrfa 25,
35, 45 e 35 o cevado, casemira preta a 25, SfSOO
e 8, grosdenaple preto para vestido a 15600, 25 e
25300 o covado : ra da Imperaim n. 72.|
Corle:) de la a Haria Fia a 10,5
Vendem-se cortes de vestidos Maria Pa a 105,
145 e 165, cortes de cassa france7a a 35, cortes
de brim para calca a 15600 e 25, ditos de case-
mira de cor a 35, ditos de dita preta a 35500, 45,
55 e 65 : ra da Impcratriz n. 72. Este novo es-
abelpcimento vende barato para obter frrgnezia :
na rna da Imperatriz, loja n. 72.
Vende-se a casa terrea n. 25 da rna de Ma"
thias Ferreira da cidade de Olinda : qncm a pre-
tender dirija-se a tratar nesta cidade na roa Au-
gusta n.9.
0
irm&zeitt de Eioilid
81--RA DO IHPEBABOB-M .
Segunda casa do lado direito indo do pateo do loIJcgio.
Francisco Jos Uilo, tem a satisfaco de avisar aos seus freguezes e ao respettavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello o bem sortido armazem de seceos o molhados primorosamente escolhidos;
como sempre capricuou terdas melhores qualidades, efrancamente affiancas pessoas que
se dignarem comprar em seuesUbelecimento,qu al de preferencia outra qualquer par-
te serao mais bem servidos, em qualidade e preces, como em pesos e medidas, no que
sempreo annunciante foi escrupuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradoresqueo qaeiram honrar como seu comitente loes
assegura que o producto deseu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa praticacom-
mercial que tem exercido, sendo Seu portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente uraprido as suas ordens. .
Fornecer gneros aos Srs. agricultorese negociantesque lhe merecam connanca, ra-
zendoum abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se aa
venda de qualquer genero dopaiz-, mediante urna mdica commiss5o, entregando ae
prompto seu producto, o sendo este applicado a compra degeneres em seu armazem,
prescindir da cemmiss2o. .
Dos seus antigos ebenignos freguezes espera o annunciante sua valiosa proteccao, ir-
quentandocomo eutr'orasua casa, e pelo reconhecimento que lhestributa offerece expon-
taneamente seus servicos. ...1_1
Julga desnecesariopublicar a tabella dos preeos de seus gneros: sao seus recursos
garanta sufficiente de.poder accempanhar os menores preeos de idnticos e mesmo de
maisapparatososestabelecimentos, tendosomente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
Preveneio neeessarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido mnitos annos com o mesmo ramo de nego-
cio n> mesmara, julga prudente advertir qnesaffirma ese respensabilisa pelo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
Sl-RUA DO IMPERADOR-!
Segunda casa do lado dxrto indo do pateo do Collegio

O O C* c
65 W O-Ct
5T O
S^g 0 _
W5 pjtn K
*= 3 Efe-* ""j-b
Hw-w* B*BeSf*-**P

fr S -a "?. S. ar
< ^. V r- w^ n ti i
CL~ C-
SrS
> u R c-,o -*cj 3 ce : D.^?;-c?^

*- f-. ^- '
i
e
si
e
ESCBAV6S MUGIDOS.___
Aviso
aos capites de campo e a sucia.
Desappareceu em pjincipio do mez de outuliro
do anno passade, de burdo do pailebote nacional
Araujo Malo, dous escravos de nomes Roberto
(por apellido Macei), e Miguel ; o Io de idade 45
anuos, pouco mais ou menos, criaulo, cor fula,
estatura baixa, barba serrada, um peuco torto das
pernas, e rom algun cabellos brancos, tanto na
barba como na cabera ; o 2o alto, clieio do corpo,
sem barba e falla grossa, representa ter de 2o a
30 annos, rujos escravos desconfia-se andarem pe-
los arrabaldes desta cidade : quem os apprehen-
der queiram levar a ra do Trapiche n. 4, que
ser generssamente gratificado.___________
o. o
I B


C- 6> 2
c S n>
o
rs;
" S 2
"13 S5?
ic o S w
O O W5
H s.
lll
O z=. ca.
e w O
69
n
B
ca.
os
i
co
g 5 5
O- ce *"3 _
?S ?
(^ S o
o '2 2
i e u
m o
g
s
<- > c
a O "1
r
3 a-
y
l-ft
5
9
Fngio taintem 12 do corrente a escrava de
nome Isabel, crioula, de 40 annos, ponco mais ou
menos, a qual o abaixo assignado arrematen praca do juizo do commercio desta cidade, por
execugao do bacharel Angelo Henriqnes da Silva
contra Manoel do Reg Barros, e como dita escra-
va tenha sido do mesmo Barros, que morador tm
Jaboate, no engenbo Caranna, pode muito bem
ter ido para esse Ingar : pede-se a qnem a pegar,
leve a estrada nova, casa do abaixo assignado, que
ser recompensado ; a escrava tem em urna das
pernas veas levantadas, e o p direito enxado pro-
veniente de urna pancada.
Bernardo de Tavares Contlnho.
No domingo 12 do correte, pelas 2 ou 3
horas da iarde, ausenteu-ee de casa do abaixo as-
signado a sna escrava crioula de nome Rota, com
os sigDaes seguintes : preta fula, idade de 16 a 18
annos, altura regular, secca do corpo, rosto re-
dondo, olhos grandes, nailz grosse, bocea peque-
a, beijos finos, etc., nm pouco acanhado no
fallar, mas explica-stf bem, demonstra ser d ida-
de, mui temerosa e obediente. Essa escrava veio
talvez ha 18 mezes do Interior, e foi escrava do
Sr. Jos Cavalcanli Barrete do engenho Jardim de
Serinhaem, durante esse tempa tem sido empre
do servico Interno de casa do abaixo assignado,
nao sahindo nonca vez algnma ra ; sopp5e-se
que se deve ella achar-se repolluda em alguma
casa, pelo que protesta-se desde j contra quem a
tenha oceulta, gratificando-se no entretanto a quero
delta der noticia ou a quem a trouxer no largo do
Carmo n. 1.
CD
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cr natural
des cabellos.
Fugio no dia 5 de fevereiro correntc um mu-
lato de 26 annos, ponco mais on menos, baixo,
corpo regular, cabellos cachados, nariz e bocea
regulares, tem falta de alguns dentes na frente,
poueps cabelllnhos no qnnxo, tem falta de nm
dedo em nm dos ps, alguns talhinhos de chicote
pelas costas, chama-se Eleuteno : qnem o pegar
leve ao engenho Rebingodo, que ser bem pago.
Ainda continua a estar fgido o cabrinha de
nome Custodio, de idade de 14 a 15 annos, sendo
secco do corpo, pernas finas, ps seceos, rosto des-
carnado, qneixo fino, as macis do rosto um tanto
altas, tem as duas unhas dos dous dedos grandes
i agua, florida nao ama tintara, fcto essen- dos pts murenas, temdons ealorobinhos as ca-
cial acontesur, a mesma agua dando a cr prim- deiras, differenca ero do outro de dous dedos, tem
tiva ao cabello Composta de plantas exticas e nos bracos marcas grandes de vaceina ; cujo ca-
desnbstancias inofTensivas, ella tem a propriedade brinha fugw ero 9 de novembro proxuno passado
derest.tuir aos cabellos o principio corante qne el- do engenho ^^J*J<^^^^'^1^
los tem perdido. D'umasaJu brida*, inectesta- to roga-se s toridades pollc P'^sJ
val, a Agua Florida entreten! a limpeza i, caheea njpo qne o facam prender eMMtario n seo
H'trn ai casnas c imnede os cabellos de cahir senhor Bernardino de. Sena Teueira Cavaicanti
de^troa as caspas '"> JJ.bellos cir ft referido eDJ[<,Dbo Ron,.,, ou D0 Recife, na ra
Ules seionaa. 'da Aoollon. 3, segundo andar, que ganarosa-
Composto de substancias vegetaesexoticss ella ^^se gratificar 8_________________
constite poderosaBitr* com a AroaPTerida, a __L?Z------ __-------.----------...
forca, a belleza a a conservado dnsoabaJSJ. Fn?'o n da 2 de janeiro a preta Romana,
Em Pars, casa de Qnislanr H. ru da Riebe-' de idad* annos, crioula, magra e fula, bem fal-
lien. e 11, boulevard Montmarre, ln<*- ftero sldo P^s Mangoinho : qnem a
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, a pegar leve-a a sen senhor, na prac> da Boa-Vista
timbre prateado da casa, sSo wrwado falW. i n. M. on Campo Verde, rna do Trapiche ti. f, que
Deposito,rna do Imperador,pbannaci n. 31. 'serabem recompensado.




!' '- % <*>
Mario de rernanbnco Quinta felra fl de FcTcrcho de i 85
l


LITTER ATURA.
Un P0UC6 DETUDO.
A natureza, mais velha e expeliente, vinha ensi-
lar sua irmaazlnha, mostrar-lbe os philtros que nriT som da lympha fugitiva, nymphas travessas erran-
sorriso esconde, a fascinacao poderosa de uns olhos
hmidos de volupia.
Sentira ella ai primeiras notas do amor, pulsan-
No momento em que a cap.tal do reino de Italia do ,evemente dm*n do ? v
vae ser transferida para Florenga, nao fra de 0 sitio, a hora, a mudez confidente da noute te-
proposito recordar qual a importanc.a d esta l- pda e sombra, tornavam propicias as paladas ti-
dado cora relagao a populado. mj(JaSi ba|buciadas lremend0j cotn am langor com.
ramagem ospessa, satyros que se adormecen) ao
do na relva macia, que tapeta o recinto.
E' um Sonho de poeta na sua soledade.
Que tem que saja urna ficcao esta magnifica
paizagem f
A egreja eslava ornada como o thalamo de un' urna laranja receilada pelo medico de urna prisao
noivado. Enlao, o poeta viu sua filha nesse dia com
urna graca, urna belleza, urna perfeigo nexcedi-
vel, que a alegria razia realfar sobre os dons da
naturea, que o conlentamenlo animava de vivaci-
dad e e elegancia. O esposo recebla-a nos seus bra-
Florenca conta hoje 114:363 almas.
Esta populago dividida em quatro distric-
S. Spirito e S. M. O-
mais popu-
les:
Santa Cruz, S. Giovani,
vclla.
Estes dous ltimos districtos sao os
losos.
Para engrandecimento da nova capital, o con. \ vino ?
seilio municipal de Florenga autorisou a junta! Ser urna crSago apenas, urna vislo chimenea
respectiva a tratar com urna companhia que se da mente do poeta T
offerece a construir no mais curto prazo, casas \ Um sonho que a arte sabe encarnar e insuflar-
de ferro e madeira, especiis de chalets segn- Ihe o seot.ment de Rosna, quando espera anciosa
municativo.
A este tempo a la brilhava esplendida de encan-
tos pela amplidao celeste.
A donzella cada vez apparecia mais radiante de
graga, o luar tomavaa mais bella, como n'uma
traosflguracao repentina.
Ser urna rcalldade e existencia deste typo di-
do os ltimos modelos nglezes, e a conceder-
lhe os terrenos suficientes, impoBdo-lhe com
.certas condigoes de salubridade e de commo-
didade a obrigagao de levantar 2,000 conslruc-
c3ee deste genero, al ao primeiro de maio
prximo.
No dia 11 de dezembro sentiamse ah os vio-
lentos abalos de um tremor de trra.
Segundo as informacoes de M. Donat, o cenlro
da comraocao que se sentiu, era em Fiereuzuola, cantor'de Dorothea ama-a, coirTo" um viandante'do
pequea cidade a cerca de 45 kilmetros ao norte deserto, que ama a brisa fresca da collina que Ihe
detraz do cortinado alvejante Almaviva, a idenlifl-
cacao do um ser n'outro ser ?
Nao.
Como urna filha, a mais linda das filhas de Eva,
irraa das que foram amadas pelos anjos, que se
esqueceram do cu, ella tambem sent e ama.
Ji' Marcella, Marcella, o sol da velhice do grande
poeta da Hespanha Lope de Vega.
Caneado de triumphos, de glorias e pezarej, o
de Florenca, onde o plieuomeno se manifestou com
mais actividade do quo em Florenca.
as regioes situadas ao sul e ao oeste d'esta
cidade, nao se sentiu nenhum movimento do
slo.
Porm as aldeias de Mugello e Searparia, agru-
padas a roda de Fiereuzuola, contaram-se no dia 11
de dezembro, desde as 5 horas da tarde at meia
noute, treze abalos, que causaram estragos mais
ou menos consideraveis.
L-se no Jornal do Havre:
vem alentar os palmita exhaustos.
Coragao immenso de um pae, que se enloquece
de alegria ao ver perpetuar-se-lhe no mundo a in-
diligencia, os sentimentos, que o animaram e Ihe
trouxeram soffrimentos e glorias, naquella que o
abraga cono urna rergontea airosa sombra do
roble secular.
Marcella o seu pensamento predilecto das horas
pacificas da existencia, a que ha de herdar-lhe o
manto propnetico cora que o pae penetrava os mun-
dos da poesa.
Poeta, enleva-se diante da sua obra, a sua Gala-
ihea. onde vive urna alma afinada

Elle teofe as emogoes, que Ihe trax o retiro que 50S carroosos. O amor divino transfigura-se sem-
frma, e para onde se refugia. pre na infancia. Myriades de luzes, damascos e
brocados enfeitavam o aposento nupcial,
t Marcella, continua o poeta, as faces coloridas
Seu fllho, levado pelos bros cavalleirescos, pelo
impulso dos quatorze annos, deixou-o para seguir
a expedigo contra os Hollandezes e es Turcos.
Urna catasirophe desastrosa veiu roubar-lhe mais
esta esperanga; a nu em que partir bavia-se so-
cobrado.
Restava-lhe s junio de si Marsella, para Ihe
amenisar as horas lentas e enfastiadas da vilhice-
0 pae offerecia-lhe seus litros, dedicava-lh'os,
pedia-lhe que os corrigisse ; ella reunia as gragas
do corpo, a harmona da plstica cora um senti-
mento delicado, urna -penetrago viva e lucida.
O poeta recebara todas as oonsolages do cu
n'aquella Glha era a sua creago mais perfeila, a
admrago dos poetas do seu tempo, era o seu or-
gulho.
Marcella comegou a apparecer triste; tinha ua
face a pallidez da planta que esmorece.
Nem urna palavra s de quexurae; a mesma
abstraego sempre.
como duas rosas, e os labios como banhados por
um sorriso honesto, fitou-rne : o ultimo adeus que
separa va duas existencias. ,
Sua alma trasbordava de felicidade com esta
vocago ; e por um ultimo adeus de seu corpo,ella
se voltou a ludo que o mundo chama festas e pra-
zeres.
c Depois, offerecendo ao joven esposo sua casia
grnalda de virgem, ella estreitou-o a si, cobrindo
de beijos seus olhcs de esmeralda.
< O cu fechou a porta ao mcu coragao chelo de
amor paternal; arrebatava-me a melhor parte da
minha alma ; e eu era o nico a lamentar nesla
multido de espectadores. Tornamos egreja, a
desposada deixara seus hbitos dt festa, os enfei-
tes, para envolver-se no burel grosseiro. Suas iran-
ias foram cortadas, porque, como as outras virgens
que povoam o coro, ella nao devia ler para ser
bella, mais do que a sua belleza.
Os labios pareciara emmudecidos pelo sello do Sente-se nestas palavras do poeta a dr do cora-
mysterio. Cercava-lhe os olhos lnguidos um dis- caode um Pae a quem todo o sentimento e une
co roxo de maceraco, ennublava-lhe o semblante cao religiosa nao podem consolar.
a preoecupacao
fessar.
de urna dr, que nao sabia con-
Quando Lope a chamou para junto de si, e a es-
treitou nos bracos, beijando aquella flor da moci-
dade que o Senhor fizera brotar de suas ruinas,
sentiu urna dilacerago interior, ao ver urna lagri-
ma pura, candida, ingenua, resvallar-lhe na face
em qae a dr empanava o viio infantil.
Verga dianle dessa agona, resigna-se.
Passado o anno do noviciado anda o coragao
virgem de Marcella palpilava com o amor divino.
Pronunciou os votos, professou.
t Eila dorma sobre a^talha dura e fria, e anda
va descaiga ; seu corpo andava occoulto em urna
vestimenta humilde ; s os seus olhos eram a ex-
- Oh I minha filha quera podra adivnhar o \presSao de saa alma' 0hl emantarado desenga-
segredo de tua angustia, e inverter os pensamentos Ino das cousas da terra excIa:r,a P0*513 na soli-
afllictivos de magoa n'ura xtasis perenne do feli-!M do ** araor' EsU vir6em lo bel,a' casla>
cidade. Marcella I Marcella I R.i m*j* .,m h9 I,ao Pura. consagrou a Deus os seus dezesele
annos
Estes desgostos da vida foram-o levando sepul
importancia escolha dos chas de que fazem uso;
e comtudo d'esta escolha depende a lela favora-
vel ou nociva d'esla substancia sobre a sade.
Em apoio d'esta assergo temos a opiniao de um
dos professores da faculdade de mediciua de Paris,
que a formula do seguinle modo :
O cha verde causa perturbages nervosas ca-
ractensadas por abrimientos de bocea, embotatnenlo
dos denles, urna irritabilidade insolila, picadas na
regiao do estomago, palpitagoes do coracao, tremu-
ras leves nos membros; deixa urna debilidade
muito notavel, o s vezes um sentimento incoramo-
do de quebrntamelo e lassidao. A inusao do
che preto produz, pelo contrario, um sentimento
geral de bem-estar, urna feliz disposige paxa os
rabalos do espirito e do corpo, e urna distnbuigao
mais regular do calor animal. A infusao do cha
preto tem alm d'isso a vantagem de nao causar
nem fraqueza nem ndisposigo.
E' do Sr. Thpopnilo Braga este folhetim : "
BEIJOS POR KACADAS.
(Cont de urna serenada em Hespanlia.)
I
A guitarra.
Corra lenta e socegada a noute.
Ha n'estas vozes mdefiniveis das horas mortas
a suspenso de um segredo, que se nao articula ;
o silencio remoto parece escuiar as msicas d
dentro, que se espraiam na alma, comoossons
eolios que a brisa entorna da escarpa.
O cu estava profundo e puro, recamado de
estrellas, brilhando silenciosas, absortas as co-
res camLiaules de sua luz, com que confiden-
ciam e exprimera entre si as harmonas das es-
pheras.
Cada trago radiante que se projecta nos ares l
vae perder-so n'ura fascculo mac ntcusu, pensa-
mento d'amor, .JUe voa a despertar o embalar um
sonho diloso, que nao Onda.
Os ventos sopravam macios, remurmurejando
na foihagem verde ; a veia crystalna e sinuosa do
Manzanares derramava seus aljofres, onde se re-
flectara as gragas e a alegria das myriades d'as-
tros que bordavam a cpula do empyreo.
Soaram vagarosamente, como as palavras de
urna sentenca tremenda, onze horas na torre do
Escurial.
A Yibracao argentina do sino, ondulando na
calada da noule, fazia escoar-se pelo corpo um
estremeclmenlo glido, como o pingo d'gua que
se infiltra das slalactiiese cae.dequandoem quan-
dc, no pavimento petrificado de urna gruta escura
e sem flm.
E a noute prosegua leuta e socegada.
Pouco a pouco, urna virago travessa, vinda dos
valles longiquos, dispersoa nos cus urna nuvem
espessa, que se bavia levantado do mar.
Assomeu um leve revender, um clar3o incerto
na cima dos montes; depois, os arvoredos deixa-
ram jorrar por entre as-ramas entrangdas um al-
vor suave.
Era a la que se alevantava serena do topo das
serranas, ostia branca erguida na reconcentrac2o
intima dos mundos.
A' luz diaphana e branda, que devaneios prin-
cipiados e interrorapidos no vago das aspiragoes
que nao tem realidade I queconfissoes vehementes
que palavras sentidas, que protestos fogosos, apat-
ronados, gerados pelo inffuxo da saudade e da me-
lancholia!
A' luz tranquilla do astro dos namorados, medi-
ta va destraida em seo baico, virgem, enleiada nos
caprichosos desejos que tumuiluavam em seu co-
ragao infantil.
Quinze annos! a cfflorescenca da vida no seu
vigo exuberante; as alegras perennes, sem moti-
vo, um transporte a cada sensagao que so ignora
e que o acaso revela I
Quinze annos I e o peito a palpita! apressado a
cada presentimento de ventura.
Estava em seu balcao a denzella timida; as
irangas solas, espalhadas pelos hombros, eram
os jorros de urna catadupa que se despenha;
respirava anciada, como quera acabara de brincar
e sent na fadiga, que a prostra, a tentagao de se
precipitar novaraente na verligem da corea que
passa lgeira como um volteio de fadas n'um areal
deserto.
A la illaralnavalhe o semblante coma mages-
tade com que se reflecte n'uma janella gothica.
Pareca adormecida creanga, embalada pela toa-
da das harpas dos seraphins, qne a vinham abri-
gar do roci da noute debaixo da sombra de suas
azas brancas.
O vento levava-lhe as rpnpagens longas, que
floctoavam como ama nevera 'rescendeote qae a
envolvesse.
senlia
lan que padre.
Marcella estava destrahida ao luar no balcao
era na ra dos Francos ; estava deserta e escura
pela sombra.
Comegou entao a sentir-se am som incompleto,
como o gemido de um queixarae que expira ; de-
pois, mo ignota a dedilhar vehemente, com forga,
as cordas de urna guitarra.
As auras levavam as harmonas, ais de um pello
que gema de amor em segredo, e que ia dictando
ao instrumento sonoroso as palavras, que nao poda
proferir.
O silencio da noute destacava as notas deliran-
tes, como o azul a um carbnculo que scintila.
A innocente creanga despertou do scisraar ario
em que permanecer absorvida ; comprehendeu a
llnguagem suprema do sentimento, era a primeira
confisso de amor que escutava na vida.
Receiou correr o cortinado.
Era a innocencia na sua timidez.
A curiosidade, o orgulho de creanga a impella ;
comegiva a sentir-se bella, formosa. Debrugouse
desprevenida ao balcao, mirou, prescrutou as
sombras.
A guitarra fascinadora emmudecra.
Depois, ella viu dous vultos aproximarem-se.
tragarem as capas, desembainhando as espadas re-
luzentes.
A mudez tornava assombroso o recontro.
Os ferros cruzaram-se falseando, eram os rlvaes,
que se enconlravam alr, levados pelo mesmo amor
e pelo raesmo odio, a grande conlrariedade deste
sonho da vida.
Nao se ouvia um gemido; os botes eram a
fundo.
Urna espada liniu no chao partida ; o outro ga-
lanteador, generoso, deixou a sua de mao e sacou
um punhal do mnu<
Era um duello a todo o transe, questo de vida
ou de morte.
Marcella nada discriminou as sombras
apenas e fragor de urna lula batalhada.
O outro rival algou o punhal tambem-; arroja-
rara-se aos bracos um do outro espumando de rai-
va, cozeram-se de facadas desapiadadamente,
at que, escoados em sangue, cahirara desfalle-'
cidos.
O vento da nonte refrescava ; a la
se no seu esplendor e deixou ver o
torneio.
Marcella recolheu-se atlerrada para o seu apo-
sento ; orou a noute toda ante o retbalo de Santa
Mana de Atocha, prometiendo fechar para sempre
o seu coragao ao amor do mundo.
II
La bianca palomica.
Depois dos ioesperados transes e provagoes, a
que s vezes a alma resiste para novos desastres,
Lopo de Vega fugiu s tempestades da vida, cnvol-
vendo-se no burel de urna ordem penitente, unindo
a contriego e a poesa no mysticismo radiante das
effusoes lyricas cora que desabafava as horas con-
templativas.
Quando o seu espirito solitario descia trra e
se deixava tocar pela dr, tinha ento o encanto da
sua prole, dos filhos que estremeca.
Cmo so nao lembrava elle, com que pezar e
saudade ndelevel, do sen pequenino Carlos, cor de
lyrio e do rosa, quando vinha acarciar-lhe a alma,
com urnas palavras de ternura infantil, quando o
via pular de contente ao vir do dia, como ama ao-
tilope nos prados, quando os seus vagidos eram um
gorgeio estercortado que Ihepareciam um vaticinio
encantador I
Pobre creanga, acabavas, ainda coberto do orva-
Iho matinal, de te expandires bafagem perfuma-
da da nova aurora, quando, lyrio faado pela gea-
da, desappareceste na trra para seres transplanta-
do no cu.
O poeta buscuava urna consolagao na poesa i
era ella que o cercava de urna aureola de felici-
dade.
Distrahia-se cuidaodo do sea peqaeoo horlo-
Era a imaginagao que o revesta, aquelle exiguo
canteiro, ornado apenas de duas arvores, dez flo-
rionas, urna larangeira e ama rosera, onde ca-
Eu dizia-te um dia,
lembras-te anda ? era n'aquelle livro, que o pre-
sentimento me fez intitular Remedio na desdtta.
' Deus te proteja, e te faca ditosa, posto que teus' lura'
dotes o nao consintam, principalmente, se fores j Lope de Vega suecumbiu no auge da admra-
herdera do raeu destino. A cora de gloria que I Sa-
me cinge sngrame na fronte com dolorosos esp- j O seu fuoeral fi brilhantissimo, como o de Mi.
nhos; o qae a poesa rae ha dtado, tenho-o solfri-! guel Angelo. Marcella, a otelligente filha do po-
do primeiro. Tu, alma, da minha alma, vas pisan- j ta, pedia para o cortejo passar pelo couvento da
do a mesma va dolorosa. Ergue-te dessa prostra- Trinitarias descaigas,
gao do desalent em qne le deixas cahlr I Conto-
rne o qae assim vera perturbar teus pensamentos
tranquillos, roubar-me as tuas caricias qne me fa-
zem rejuvenescer ? Eu nao sei como ampara-la,
perguotar-lhe, sera qae essa planta mimosa laa-
guesca como a sensitiva.
Menioa, moga, ignorando a vida, acordara ella
senhora? Leva-la-hia o amor era sonhos ao seu
mundo de aspiragoes inundas? Ella inclina-se so-
bre meu hombro e chora. Como posso eu conso-
la-la, dar-lhe as esperanzas quo nao tenho e que de
ha muito me desampararan! T Marcella I Ergue a
No momento em que o prestito parou di.intf do
mosteiro, viu-sc apparecer por enlfe os grades
avaras um semblante macerado por ama dr lala-
Era Marcella chorando a morto do pae, pung
da pelo abandono em que o tinha deixado.
Instantes depois, sumiu-se na escurido da celia
e mnguem soube o que a levara a abandonar seu
pae naquella velhice.
A Nacao publica o seguinle
Nao nos censurem por irraos transe rever de um
la cabega loura, deixa-me ver-te, beijar-ta, enxu-1 jornal a biegrapha do fallecido secretario de Na-
gar as tuas lagrimas, filha. Dize-me o que to affii-' poleo, Mr. Mocquard, quo ja tem dado contas a
ge tanto. Pobre creanga, ella cada vez rae estreta Deas da sua vida ; como christos desejamos que
no tribunal eterno teaha encontrado o perde das
suas colpas, mas como jornalistas nos julgamos no
dever de reproduzir os dados biographicos de um
humera, cuja morte oceupou tanto a imprensa fran-
ceza.
mostrou
campa do
mais a s'.
On meu pae I ou nao sel o qae me faz tao
cedo aborrecer as gallas, as sednegoes do mundo,
e me mostra a vida como um deserto invio, ntras-
sitavel. A alma .'seate am vacuo que ninguem po-
de encher. E' o christiaaisrao que rae faz germi-
nar no espirito este sentimento vago, ama sede
desse goso sem limites da visio beatifica, ama as-
piragao, um desejo ardeote de resressar eterna
patria, de me confundir nos coros archaogelico!
ao som do trissago perenne. A natureza por mais
esplendida e vieejante, as flores de aromas mais
exquisitos, o cea mais admirarelmente eravejado
de estrellas, ojazul, o espago aberto, caasara-me o
desgosio que ava de sentir Moyses do alto da
montanha, vendo ao lonee a trra promettida e
sem poder toca-la. Quanto mais roe sinto enleada
neste encanto divino da contemplacao interior, tor-
na-se-me mais intenso o desejo Se abandonar o
desterro deste valle A* lagrimas, quebrar os vn-
culos da carne e acordar O) empyreo. Este corpo
que me dste a priso em que a alma suspira e
anceia por soltar-se; ella a escrava da Escriptu-
ra que vaga mingua de umi gota d'agua no de-
serto ; ella tem diante de si nm abysmo, que preci-
sa transpr sem o filar. Eu senti em sonhos este
hymeneu recndito e incomprehensvel do amor
divino. O amado erra pelas brenhas, chamando a
esposa perdida. Eu nao me posso elevar at Deas,
o Deus absconditus, pela intelligeocia, como os doc-
tores ; dexae que a alrai vulgar" e humilde, des-
couhecendo essa verela intrincada, caminhe con-
duzida pela iniensidade do seu desejo fonte supre-
ma do bem. Eu quero professar era aro mosteiro,
seguir a regra da penitencia austera, voltar para a
arca santa, como a pomba do diluvio. Quero en-
volver-me no burrel mergulhar-me na escuridae
de urna celia, e scisraar embalada as msicas do
xtasis.
Marcella, para qae vas tomar assim a minha
Eis o qae acerca deste personagem nos diz um
acreditado, jornal:
i M. Mocquard, secretario particular e intimo
amigo de Napoleo III, e de sua mae a chamada
rainha Horlencia, nascea em Rordeaux no dia 11
de novembro de 1791.
a Empreheadeu a carreira da jurisprudencia
que mais tarde abandonou para entrar na diploma-
1 ica em 1812.
A's armas! s armas qae o grito de guerra,
Lancoo-o entre nos audaz estrangeiro ;
Do sangue d'infames enspe-se a trra
Castigue-lhe a audacia e valor Brasileiro
antes de chegar bocea do preso enfermo.
M. Coomans............ Sime qae urna grande
constipago obste a mea digno amo M. Van Over-
loop do elle proprio vos explicar particularidades
assaz curiosas, expostas n'uma nota qae me entre- O ultimo recenseamsnto da populagao da cidade
goa e de qne me garanti a perfeila exaclido. Es-1 de New-York, incluindo os arrebaldes era de
tas particularidades podem parecer insignificantes 1,600:000 almas.
e quasi indignas da aitengao da cmara, entretanto
tem um lado mu serio taolo debaixo do ponto de ao lado do throno de cada re africano est sen-
vista inanceiro, como debaixo do ponto de vista do udo um conselheiro, que recebe o nome de
boni senso que devemos sempre tomar em muito Ocrhah, palavra qae significa alma.
seria con-iderago. Este empregado o amigo, o companheiro, o
Eis o que se passa officialrncnte as nossas pri- conselheiro mais intimo do re, o confidente dos
soes. seus desejos e pensamentos mais occaltos; mas
Um medico manda dar urna laranja c sao neces- em troca de tao eminente cargo, cheio de honras
sanos 11 bilhetes differentes para entregar este e poder, obrigado a seguir ao seu soberano na
vida e na morte.
E assim, quando morre o rei, o Ocrhah deve
tambera morrer por vontade ou por forga, pois o
deve irremissivelmente acorapanhar para o ou-
tro mando, para l lbe prestar os mesmos ser-
vidos.
n i Qi m eni
A ordem dos prgadores conta actualmente 200
rail frades e 300 mil religiosas; est dividida em
dem no livro de dispensa por quant dade e a~ A
i/v y ,u uuu UD c 2a2 provincias poSSne 26,000 conventos, dos
quaes 5 na Palestina e 30 no imperio othomano.
Desta ordem tem sahido 7 papas, 300 bispos,
3,591 santos, dos quaes 1,706 foram martyri-
sados.
---------- i- ociini
fructo.
1. Receita do medico.
2." Inseripgao no regis'ro de correspondencia
3. Bilhele de entrada do porteiro.
4." Processo verbal de recepgao.
S." Inseripgao no registro dos processos ver
baes.
6." dem no registro memorial.
7." dem no livro de dispensa por quantidade.
8.
valor.
9. dem inseripgao na mesa de dislribuigao n. 1
e 2, a saber a que se entrega ao dispenseiro e o
extracto quo se faz para a enfermarla.
10." Inseripgao no livro de consummo.
11. dem na mesa da situagao e movimento
diario.
E' muito provavel que a laranja quando chega
ao seu destino j esteja podre, mas em compensa-
gao liaver urnas duzias de folhas de papel es-
criptas.
E' do Sr. 3F. a seguinle poesa :
JLHAMKNTO.
Vi-te, meu anjo, em teus negros olhos
Brilhava a chama de celeste amor ;
Araei-te, e, louco de te amar, beijei-te,
Mas ah I surriste com iufaniil candor.
N'esse sorriso, que parti minh'alma,
Perd a esp'ranga de me unir ti;
Descri da vida, me attirei as ondas
De amores falsos que se-vende.....ahi.
Do peito as crengas, verdadeiras, puras,
Embalde, louco, procure banir ;
Santas reliquias de uro amor sagrado
Por crengas falsas jamis sem cahir !
Embalde ao mundo m'entreguei risonho !
Emtalde aromas respirei as flores I
Do amor sincero, que le dei, Rosaura,
Nao pode o inferno desraaiar as cores.
Comigo vivem teus olhres temos,
Possue minh'alma leu sorriso anglico,
No peito, imprusso cum sublimes tragos,
Conservo a imagera de teu rosto clico.
Perdure embora teu capricho cgo,
Embora a palma nao me des do amor,
Aos pes de ouira, eu te juro, ingrata,
Jamis meus labios tecerao ouvr.
gno-
Uraa velha, solleira, fallecida ltimamente em
Brooklyn, deixou um seu irmo nico herdeiroda
sua fortuna, que era de dez mil francos de renda.
Este innfio o ser mais avaro que produziu a
creagao, depois da descoberta dos sete peccados
capilaes; porm adorava sua irmaa, e sua rmaa
adorava-o.
As clausulas do testamento erara estas :
c Querendo obngar meu irmono inleresse da
sua almaa couhecer por Dm as docuras da esmo-
la, lego-lhe etc., com a condigno de dar todos os
das um dollar, ao primeiro pobre que encon-
trar. >
Nos primeiros dias, apezar da sua repugnancia,
instinctiva, o avaro dea o dollar, para obedecer a
vontade da fallecida, mas com tal repugnancia, que
Foi enviado como secretario da legagao a Wuz. as doguras da esmola tomavam-se para elle um
bourg. Era breve se enfastiou do seu novo destino enigma indecfravel e mysterioso. Veiu-.he um es-
e o deixou para continuar os seus estudos era Paris! crupulo.
e por flm se (ez advogad*. Eu nao executo as ultimas vonlades de mi-
As suas ideas foram sempre bastante flexiveis e nna irmaa por isso qne ignoro o que ella quiz que
sempre leve astucia para ser revolucionario e eu soubesse.
achar prolecgao em lodos os govemos. Esta idea lirou-lhe o somoo.
Durante o imperio de Napoleo I, recebeu, como Que fazer?
j dissemos, um alto encargo. Quando viu quo o I Imaginou osoguinle expediente :
mundo se conjurava contra Napoleo, abandonou-o j Todas as noutes entrega um dollar a sua gover-
cora suavidade e se poz a esluaar jurisprudencia nanle, com ordem de o dar ao primeiro pobre que
para evitar os perigos que o ameagavara. | Ihe pedisso esmola nocaiuinho. Depois veste-sede
Chegou a restauragao e era vez de encontrar a ; andrajos ; vae esperar a govemanle na passa-
M. Mocquard as fileiras de Bonaparte, o achou gem, estende-lhe a mo, e murmura com voz pran-
A egreja de Revelles foi reduzida a cinzas,
rando-se ainda a causa do Incendio.
A Liberdade conta o successo pelo seguinle
modo :
Pelas duas horas da tarde do dia ti do corrate
appareceu um forte incendio na egreja de Revelles,
que nao pode ser atalhado apesar dos esforgos
para esse fim empregados, de que den em resulta-
do desabar o telhado, Gcando apenas as paredes.
Salvaram-se os paramentos que estovara na sa-
crista e alguos objectos de valor que nao estovara
na egreja, como o calix, custodia e outros.
Ignora-se a causa do incendio.
A auloridade ecclesiastica peda llcenga para se
fazerera as funeges religiosas em ama capel la
particular que ba na freguezia com capacidade
para servir de egreja paroehial interinamente.
Acaba de raoi rer em Seu tari o ultimo filho de
famoso. AI1 Pacha de Janina.
Depois da morte trgica de sen pae, recebia urna
penso da porta que junto com a renda de alguns bens
ihe teria permiltido viver na abundancia, porm
possuido pela avareza, privava-se elle do necessa-
rio, andava vestido de farrapes e descaigo, e assim
este homem, que nascera entre as grandezas, e
que no seu infortunio teria podido viver com-
modamente, morreu miseravel n'uma casa armi-
ada.
N'um jornal hespanhol encontramos ama carta
das Chineas em que se attribue o incendio d'aquel-
le vaso, da marinba hespanhola, a dous italianos
que disfargando-se em vendedores de comestiveis
teriam vendido para bordo da fragata ovos, entre
os quaes iriam misturados amas pequeas machi-
nas ou prdjeclis incendia ros, qae pela sua explosao
teri&m causado o sinistro.
Nao julgamos isto provavel.
Trancrevemos da Revista Popular, o seguinte :
enlre os mais pacficos esludaates da Sorbona.
As suas ideas polticas e religiosas eram alguma
cousa mais do que voltairianas ; mas isto o nao
prejudicou na corte de Luiz XVIII, que, como nin-
guem ignora, nao tinha f aiguma.
Este desgragado principe apezar de ter visto
morrer no cadafalso a seu irmo, nao tinha apren-
dido a conhficer que a iocredulidade incempati.
vel com a paz dos povos e com a seguranga das
coras.
M. Mocquard, com o seu talento especial, pode
Uva.
Urna esmola por caridade.
E o dollar torna a cahir-lhe na algibeira.
Satisfiz a la ultima vontade, chara irmaa !
Oh 1 sin, bem o snlo I... Agora conhego as docu-
ras da esmola.
solidao mais dolorosa ? Tea irmio, perdi-o anda trabalhar muito a favor da revolugo, sem compro-
to creanga I Eras s t que me restavas no mua-
do I Sem ti, de que me serTe a vida qae levo ;
devorada pelas recordagoes do passado. Eu perd
ama esposa, qae asserenara em mea coragao as
tempestades do amor. Tinha em ti meu nico re-
frigerio, o desamparas-me quando me vejo mais s |
Pobre filha Ter ella vergonha do mundo ? Do
seu nasciraento illegitim) T Que provago tao du-
ra e repentina me estava reservada em castigo de
urna mocidade turbulenta I Vae, filha, corre aos
bragos do divino esposo : elle s pode dar-te a
gnoalda ramarcessivel, servi-te com urna legio
de anjos. Es o ultimo ramo vrente que o destino
arranca de um tronco carcomido pelos annos. Vae
vae.
E apertou-a nos bragos a chorar como urna cre-
anga.
Tempo depois, a engragada filha do maior e mais
fecuodo poeto da Hes_panha entrou para o conveo-
te das Carmelitas descaigas em Madrid.
Lope de Vega descreve esse abaodono do muudo
com expresses sentidissimas :
Marcella, o primeiro pensamento do meu amor
melter-se em nada.
as cercanas de Aberdeenshire (Escossia), ca-
hiu ltimamente pela segunda vez, urna chuva ne-
gra.
Trazida por urna grande nnvem escura que se-
guia na direegao do sl sudoeste, esta chuva abun-
dante, era exactamente como tinta de escrever, tm-
A grado de preto os telhados, as paredes das casas e
fim 1817 se un.u aos advogados mais revolucio-; todos os objectos que moldava,
nanos para delender aos comprometlidos n'uma
conspirago descoberta naquella poca.
Tinha um gosto acido, e um cheiro pronunciado a
enxofre.
Em 1820 desempenhou um grande papel na
questo da subseripgo nacional, ou seja do modo Em quanto isto se dava, frequentes trombas lau-
de iinpr urna contribuido Franga para deslhro- ,.';ivam sobre os telbados de Birmingham pedras da
nar o rei. i mesma cor.
Em 1822toraou egualmente parte activa, posto. Estas pedras pequeas eangulosas nao tem pa-
que salvando sempre a responsabilidade, no as recenca nenhuma com os aerelithos.e nao sao mais
sumpto dos sargentos de Rochella. qao fragmentos de basaltss, apanhadas nao se sabe
Isto, j se sabe, emquanto uao houve pergo. aonde pelos meteoros.
QuaBdo por morte de Luiz XVIII entrou no po-!
der Carlos X, que nao era frane-raapon, M. Moc-
quard cheio de receio deixou a advogacia e metteu-
n em casa at 1830, isto at qae Carlos X ca-
hiot
sualmente cantavam os ronxines, e onde dous can- PalerDal> cuidava em casar-se, e urna noute me
toros d'agua formavam a fonte, que gema e ador- disse Dome da1uelle 9ae desejava para esposo.
meca seus pesares.
Contenta-se de pouco a natoreza; elle nao troca-
E eo que sabia quanto prudente deixararaa-
durecer um tal pensamento, porquej ha decises
va este canto da terra nem pelo monte Hybla, nem queprovm de causas occldentaes, fiz minhas ex-
pelo valle fertilissimo de Tempe, nem pelas Hespe- cusas, esperando sempre nao contrariar seus de-
ndes, nom pelos jardms suspensos de Semiramis, sejos, se elles se fundassem na verdsde de sua al-
como elle proprio confessa; porque a phanlasia ma. Mas vendo cada dia este desejo a augmentar-
creadora reveste-o de todas as gragas do um pa- si deierminei-me dar-lhe este esposo, qae sollici-
razo sonhado, mostra-Ihe columnas brancas de Uva 8eu amor com tonto amor. Este esposo bel-
roarmore coro inscrpgoes gloriosas, fontes qae jor- lo. rico, sabio, e de urna extrago Ilustre, e
ram e se despenbam em borbotes de perolas e de seu Pae nada menos do que todo poderoso. u
E' do Sr. Dr. J. A. Pinto Jnior esta poesa :
TOMADA DE PAYSANDC'.
Ella nao estava adormecida, scismava.
Que mysterios intradnziveis de amor nao lbe vi-
ria deseobrlr esto hora I
aljofares, lagos profundos e lmpidos, saleados por
canoas que desfraldam as velas como um cysne
voluptuoso que desusa, rodeados de sombras ame-
juro que por parte de sua rae de sangue real, e
que ella tao boa, que n5o ba attraetivos, nem
virtudes qae ella nao possua. E' urna mi tao chela
as e encantadoras de arvores soberbas, similhando de graga, que pelas suas mos Deus a dispensa ao
Vencedora a revolugo, quando j nao havia pe-
rgo, M. Moequard reconheceu a Luiz Felippe, e I
aceilou honrosos e lucrativos empregos do seu go- i
verno.
Quando vio que Luiz Felippe cahia, approximou-
se de Napoleo e o acompanhou em todas as suas
emprezas, j se sabe, sem nunca se compromelter
nos riscos.
Foi deputado da repblica era 1848, e trabalhou
muito para dar a Luiz Napoleo a presidencia.
Quando Napoleo quiz dar o golpe de estado, M.
Mocquard deixou de ser republicano para ser im-
perialista.
Nos ltimos annos oceupou-se- de servir de ama-
nuense a Napoleo. Distinguise empre por sua
falta de crengas e pela sua flexibilidade ante os po-
deres.
Deste modo M. M,ocquard conseguiu ser cavallei-
ro da legio de benra, senador e nao sabemos
quanto mais.
Transcrevemos dos Annaes Parlamentares a me-
os gigantes da ierra, a viaha.entrangada aos pa- mundo. Ella juntamente rosa e lyrio, cypreste e moravel discasso qae se agltou na sesso de 2 de
tonos, dourada pelo sol de agosto, buslos entre a palmeira.. |dezeinbro acerca do ilioer;r0 que Ua segur
Salve da patria lilhos denodados,
Que o eolio erguesle altivo, sobranceiro;
Vaientes chefes. Immorlaes soldados
Que honrar soubestes o nome brasileiro.
E era crivel, cus, que derrotado
Podesse ser um povo heroico e forte.
Que out'ora no Ipyranga entusiasmado,
Bradou valenteladependencia ou morte t
De Paysand as ruinas fumegantes
Serviram de ligo aos atrevidos,
Que hontem o eolio ergueram insultantes,
E hoje a cerviz curvaram confuodidos 1
Nao temas, Brasil, da guerra o brado,
Nao temas o inimigo enfurecido;
Em cada filho leo, leus um soldado,
Tens um tigre, um lelo enraivecido.
Estulto Paraguay, foste o primeiro,
Que ao mando d'uro tyrnno erguesle o eolio,
Cuspisle o insulto ao povo Brasileiro,
Manchando cora teu pe Brasilio sollo.
Nao temas, Brasil, da guerra o brado,
Nao temas o inimigo enfurecido;
Em cada filho tea, tens um soldado,
Tons um tigre, uro leio enraivecido.
A's armas 1 s armas, vaientes soldados I
Da patria sois filhos, a patria vos chama;
Corre! pressurosos, correi denodados,
Que o vosso vailor a patria reclama.
INFLUENCIA DO CLIMA SOBRE A SADB.
Accltmaco
Desde o homem quepriacipiaa existir, comego a
produzir-se os pheopmenos de eonsuropgo e de
tssimilago, isto as materias que j existiaradei-
xam de fazer parte intgrame do individuo (cora-
sumpgo), e novas materias, vem substituir as an-
tigs (assimilacao). Estas materias, que o corpo
assimila, sao remecidas pelos alimentos, por meio
da comida, e da bebida, e outras sao tiradas da at-
raospbera.
Uro individuo filho de cerlo logar do globo, tem
pois, em sen corpo, urna constituigo diversa, por
assim dizer, da de outro, natural de outra regiao.
Por exemplo : uo Maranbao os alimentos princl-
paes sao o arroz etc., ero quanto no Rio de Janeiro
a base da alimentagao o feijao etc.
Ora, uestes corpos nao s j se nao encontrara
inteiramente os mesmos principios orgnicos, como
alm disso as proporgoes dos elementos variara.
Aatmosphera doMaraoho nao por cerlo exac-
tamente a do Rio de Janeiro; por conseguate, es-
tas duas causas devem fazer com que um individuo
que teoha^empre estado no Rio de Janeiro, nao
tenha exaelamente a mesma constituigo que ou-
tro, sempre residende no Maranho.
Alm disso a agua deve apresentar differengas
que provera nao s da natureza dos terrenos por-
que passara aqui e la, como alm disso porque
exlstiudo tal ou qual quantidade de ar em dissolu-
go, sendo este ar de constituigo differente, deve
necessarlameate modificar a Datureza da agua.
Transportemos agora, para o Rio de Janeiro, um
filho ao Maranho : quando pelo coosumpeo, per-
der o seu corpo parte das materias que trouxera,
perder urna materia formada dos elemeotos do
arroz etc., e da atmosphera e bebidas dessa pro-
vincia. Quando pela assimilago, o corpo rehou-
ver o que tinha perdido, como os alimentos sao ou-
tros, o corpo desse individuo comega a modiefiar a
sua conslituigao. Esto mudanga no physico* pro-
duz molestia (poisque molestia quaiquer altera-
gao na constituigo intima do individuo), e alm
disso, o physico reagindo sempre sobre o moral e
o intellectual, segue-se que o individuo soflrer al-
terago lambsm esse respeito.
Sabe-se que depois de cerlo numero de annos
todas as materias do corpo humano tero sido subs-
tituidas por outras por isso, depois de am cerlo nu-
mero de annos de residencia no Rio de Janeiro, o
individuo s tero em si os elementos fluminenses.
Desde ento a eonsuropgo e assimilacao nao
trazem, por si, alterago sadde porque os ele-
mentos perdidos sao da mesma natureza que os ad-
quiridos. Diz-se neste caso, qae o individuo est
acclimado. Em rigor dever-se-bia dizer est flu-
minense, pois que ja' perdeu o que tinha de mara-
nhense.
O abastado industrial Mr. Dolfus de Mulhouse
observen que a mortalidade da creanga* rerem-
nascidas as familias dos seos operarlos attmgia
urna avallada porcentagem dos nascimentos. At-
tribulu este mal i brevidade com que as mSes
se apresontavam as fabricas, logo depois dos par-
tos, afim de nao perderero e seu salario.
A mortalidade era annnalmeate de 36 a 38 /.
Mr. Dolfus dispoz que as operaris em toes casos
ficassem ero suas habiaces durante seis sema-
nas, sem que por isso perdessem os respectivos sa-
larios.
A mortalidade as creangas baixeu logo a
A despea qae Mr. Dolfus lera feito por este
acto 6 apenas de 8,000 francos por anno.
"

-

PERNAMBUCQ.-TYP.-DE M. F. DEF.&FILBO
i
V\
-.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUQBNW5A6_L1OSN8 INGEST_TIME 2013-08-28T02:01:24Z PACKAGE AA00011611_10595
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES