Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10590


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-
MWMMBaMHHBHaMI
_....-.-l<1.-. i ja^a^aa^a _.. .i.ii i ..11..1 i i :
^HMHHBHHHflBB
;
AMBO XLI. ROMERO 33
IMI '*^I -I- III. M.,..
Por dem deftis das i.0' 10 dias da caneco c dentro do qaartel. .
Parte aa cerreia por tres mezes .*....., ,
5(000
68000
750
SEXTA FEIRA 10 DE FEVEBEIR0 DE 1865.
Por anne pago dentro de 10 ias do 1. mez ,,,.,.. 19|000
Porte ao correio por om anuo............., 3 $000
DIARIO DE PERNA
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Letnos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves A
Fitios; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudina Faleao Dias; Babia, o
Sr. Jos Martlns Alvs; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparioho.
PARTIDA DOS EsTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e eslagoes da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Buiqae, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas eTacarat, as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury.Salgueiro e Ex.nas quartas feiras.
Serinhem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas fecas.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia."
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Quarto cresc. as 10 h., 48 m. e 58 s. dat.
10 La chela as 2 h. 7 m. e 16 s. da t.
18 Quarto ming. as 7 h., 18 m. e 4 s. da t.
25 Loa nova as 5 h., 43 m. e 22 s. da t.
AUDIENCIA DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaeao: tercas e sabbados s 10 horas. '
Fazenda quintas s 10 horas.
Juizo do commercio : segundas s 11 horas.
Dito de orphos : torcas e sextas s 10horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbadcs a 1
ora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
6. Segunda. S. Dorotha v. m.; S. Autholiano m
7. Terca. S. Romualdo ab.; S. Ricardo rei.
8. Quarta. S. Juoda Malta ; S. Corynthia m.
9. Quinta. S. Antonia v. m.;S. Ansberto.
iO. Sexta. S. Guilherme duque; S. Silvano b.
11. Sabbado. S. Lzaro b.; S. Clorro.
12. Domingo. S. Marcello p. m.; S. Eulalia v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 3 hora e 42 m. da tarde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos da nianha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o ral at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janere, marro, maio,
julbo, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Maneel Figueira de
Faria & Filho.
PARTE OFFIGIAL
60VEKH0 DA PROVINCIA.
Contiuuarlo do expediente do dia 6 de fevcieiro
de i86o.
Offlcio ao Exm. conselheiro presidente da rela-
jo.Remeti a V. Exc. incluso por copia para os
devidos effeitos o aviso da reparticao da justlca de
10 de Janeiro ultimo, e o decreto n. 3,373 de 7
daquelle mez pelo qual foi regulada a execuco do
arL 17 7 da lei de 3 de dezembro de 1841.
Igual a iodos os juizes de direito e municipaes.
Dito ao commandante superior interino da guar-
da nacional do Recife.Com o offlcio de V. S. n.
19, de 30 de Janeiro ultimo, recebi o requerimiento
em que o lente reformado da guarda nacional,
Gregorio Anlunes de Oliveira, se offereceu para
servir no mesmo posto no carpo de Voluntarios da
Patria, que se lem de crear, e em resposta cum-
pre-me dizer-lhe qoe vou submetter a decisao do
governo imperial esta patritica offerta, visto como
nos termos em que feita, nao me julgo autonsa-
do para aceita-la, servindo-se no entretanto V. S.
declarar ao mesmo lente que. no caso de trazer
comsigo um numero tal de voluntarios que possa
formar companhia, on ao menos ncleo della, o
qoe ser um servico relevantissimo as circuns-
tancias actuaes, aceitarel desde j a sua proposia.
7 -
Offlcio ao coronel commandante das armas.
Sirva-se de informar acerca do que pede no inclu-
so reqaerimento Archanja Mara do Espirito Sanio.
Dito ao mesmo. -Tendo por despacho do Io do
crtente concedido tres mezes de lirada nos ter-
mos do art. 106 do regulamento de 27 de outubro
de 1860 ao 1 cadete do 9 batalho de infamara
Antonio Gongalves da Silva para tratar de sua sa-
de fra do hospital militar ; assim o communico a
V. S. para seu conreeimento.
Dito ao mesmo.Fago apresentar a V. S., aflm
de ser alistado se estiver as condiges do decreto
n. 3,371 de 7 de Janeiro ultimo, o paisano Jos Pe-
relra Brando Jnior, que se offereceu para servir
do corpo de Voluntarios da Patria.
Dito ao mesmo.Com este offlcio se apresenta-
r a V. S. o paisano Gercino Martins de Oliveira
Cruz, filho do capillo reformado do exercito Ma-
noel Claudino de Oliveira Cruz, que pretende ser-
vir no corpo de Voluntarios da Patria para que o
faca alistar urna vez que esleja as condiges do
decreto n. 3,371 de 7 de Janeiro ultimo.
Diio ao inspector da thesouraria de fazenda.
Com a informadlo junta por copla ministrada pelo
coronel commandante das armas em 31 de Janeiro
ultimo, satisface a requisigo de V. S., couda em
offlcio de 27 daquelle mez, sob n. 82, relativamente
aos doos desertores de que trata o scu citado offl-
cio ao qnal veio annexo o pret, que incluso dcvol
yo na importancia de 9400 rs.
Dito ao mesmo. Em 20 do mez Ando entrn o
I'uiz municipal e de orphos do termo|de Cimbres,
iacharel Joaquim Thetomo Soares de Avellar no
goso da licenca de dous mezes que Ihe foi conce-
dida : o que communico a V. S. para sea conheci-
mento.
Dito ao mesmo.Aparovo o contrato que V. S-
celebrou com Florencio Ferreira da Silva, como
dociar on me em seu offlcio n. 94 de 30 de Janeiro
nltimo, para fornecimento da agua potavel noces-
saria ao consumo do forie do Buraco e do labora-
torio de fogos, mediante a quanlia de 36000 men-
saes, devendo esse contrato durar somente em
quanto nao apparecer outra pessoa que effectue o
fornecimento por menor preco, para o que ser de
novo aberta a concurrencia."
Dito ao nn'.-ino. Em 28 do mez flndo participou
o bacharel Emigdio Marques Santiago, que lendo
terminado no dia antecedente a licenca de 45 dias
que obteve para tratar de sua sade, deixou de re-
assumir o exercicio do cargo de juiz municipal e
de orphos do termo do Limoeiro, por continuaren)
os seus solTrimenios : o qoe communico V. S.
para seu conhecimenlo.
Dito ao mesmo.Em vista do pret junto em du-
plcala, e nao ha vendo incon< emente, mande V. S.
pagar a Manoel Seraflm da Silva, conforme solici-
tou o che fe de polica em offlcio de 30 de janeiro
nltimo, sob n. 156, a importancia dos vencimentos
de urna escolta de guardas naejonaes que veio do
termo de Barreirosconduzindo 3 recrulas, os qaaes
foram apresentados ao coronel commandante das
freguezia do Pao d'Alho, aflm de que seja enviado
com urgencia a sea destino.
Dito ao commandante do corpo de polica.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
remello V. S. e processo a que foi submettido o
soldado Jos Gomes da Silva, afim de cumprir-se
a senienca proferida pelo conseibo de jnlgamento
a fl. 23.
porlugueza de menor idade, Laura Bosa que segu
para Lisboa, tenho satisfeito o que solicitou o mes-
mo Sr. cnsul em seu offlcio de 6 do crreme,
a qoe respondo.
Renov ao t. Dr. Claudino de Araujo Guiarles
a seguranca dos meus protestos de estima e consi-
derarlo.
Dito ao commandante superior interino da guar-
da nacional do Recife.Mande V. S. despensar do
servico em quanto estiver empregado as enfer-
maras do hospital militar, como solicitan o com-
mandante das armas no offlcio a que allude o de
V. S. n. 24, de 6 do crreme, o guarda do 3. ba-
talho de iofantana da guarda nacional, sob seu
cominando superior Jos Joaquim Alves.Com-
municou-se ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.Mande V. S. despensar do ser-
vico o guarda do 6. balalho de infamara da
guarda nacional, sob seu commando superior Ter-
tuliano Ernesto de Moraes Car va I ho, em quanto
ti ver aberta aula particular de Instrucco primaria,
autorisada pela directora geral da instrucco pu-1
bhca. i condecida com o nome de castanha do Maranho,
Dito ao commandante superior da guarda na- > como aDe, o fructo da Bertholletia Excelsa
cional de Olinda e Iguarass. Deferindo o reque-. ou castanheiro. A
rimeBto do capillo secretario geral desse comman-' A Bertholletia Excelsa ou Juvta, da familia das
do superior Eduardo Daniel Cavalcanle Vollez de Myrlhaceas que faz parte da seccao das Licylhi-
Guivara sobre que versa a sua informago do 1. deas, de Ricardo Schorobourg (diz o bario de
do eorrente, atitoriso V. S. a mandar passar-Ihe a Humboldt), esta aevore gigantesca e magestosa of-
guia de que traa o art. 45 do decreto n. 1130, de, 'rece o mais notavel exemplo do poder das torgas
12 de marco de 1833, visto ter transferido a sua' orgnicas na estructura dos seus fructos, especies
residencia "para o municipio do Bonito.Commu- de cocos arredondados e revestidos de espesso le-
INTERIOR.
PABA.
IIELATOIUO DO SECRETARIO DA PRESIDENCIA DA PRO-
VINCIA, RELATIVAMENTE A NAVEGABlLIDADE DOS
ROS DBSSA E DA PROVINCIA DO AAZONAS.
Apprndice.
(Continuaco.)
Castanhas.
A castanha do Para, geral e impropriamente
nicon-se ao commandante superior do Bonito.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Sirva-
se V. S. de mandar por em liherdade, e entregar
a sua mi Joaquina Mana da Conceico o menor
de nome Candido Cabral de Mendonca, visto que
na companhia de aprendizes marinheiros, so dc-
nho, os quaes conim sementes triangulares, en
cerradas lambem n'um tegumento lenhoso. Estas
sementes ou amendoas, creadas dentro d'um ouri-
co sao em n. de 12 at 16.
As trras altas do Tocantns, da barra do Mata-
cor para cima, as deste affluente e de outros co-
vem ser admiltidos segundo o art. 10 do decreto ,m0 ? Mur, Caraip e Arateri, sao sombreadas por
n. 1517 de 4 de Janeiro de 1855, voluntarios or-
phos e desvalidos, e em nenhum dos casos est o
filho da mencionada Conceico.
Dito ao director geral da instrucco publica.
Em vista de sua nformacao de 3 do eorrente, sob
n. 29, auloriso V. S. a mandar admittir no gymna
sio provincial, como alumno externo gratuito, o
Hlho de Militana Correia da Silva, de nome Ildefonso
Egidio Correia da Silva, de que trata o incluso re-
querimento.
Dito ao mesmo. Disigno o padre Ignacio Fran-
cisco dos Santos para substituir ao Dr. Jos Soares
de Azevedo nos exames de preparatorios do curso
commercial, a que se tem de proceder no dia 9 do
correte.Fica assim respondido o sea offlcio de
6 deste mez, sob n. 33.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. em vista de sua
nformacao de 4 do correte, sob n. 31, a mandar
admittir no gymnasie provincial como alumno in-
terno, o filho do lenle coronel Joo de S Ca-
valcanle de Albuquerque, de igual nome e a que
allude o reqnerimenlo e mais papis inclusos.
Dito ao commandante do corpo de polica. -
Tendo oficiado ao coronel commandante das ar-
mas para mandar assentar praca, se estiverem as
condicoes do decreto n. 3371, de 7 de Janeiro ul-
timo, as pracas do corpo sob sea commando. men-
verdadeiras florestas de castanheiros.
Esta arvore ama das mais uleis que se conhe-
cem no BrasiL
Della se approveita :
1. As amendoas que sao tao saborosas como
nutritivas, podendo-se extrahir dellas nm oleo flxo
e amarellado que se applira a uzos culinarios, bem
como illominago e ao fabrico do sabo branco;
e quando novas, obtem-se por expresso, um leite
que se toma misturado com caf.
2. A casca, ou tona, da qual se faz excellenle
estopa.
3. A madeira que apreciada as conslruccoes
navaes.
O castanheiro eleva-se a 24 e 30 metros de altu-
ra, dominando as florestas visiohas. Esla immen-
sa aliara nao permiti chegar-se fcilmente a seus
galhos para apaahar-lhe os fructos; e quando o
permllsse, esle trabalbo seria em grande parle
perdido, pois qoe a experiencia tem provado que,
nao sendo colindas era completa maduresa, as cas-
tanhas se deterioran) em pouco tempo. A natare-
sa pois, neste caso, a mestra; c preciso obede-
cer s su leis; esperar a qoda expontanea dos
ouricos.
A colheita dos tractos que se faz precisamente
i poca em aue comecam a despronder-sc
poca em que comecam a desprender-sc dos
cionadas na inclusa relago, as quaes se offerece- j galhos, de fins de dezembro a fins de fevereiro,
ram para servir no corpo de voluntarios da patria; nm 'rabalho simples mas que exige a maior pre
assim o communico V. S. para que as faja apre-, caucao contra os perigos que o acorapanhara.
sentar ao mesmo coronel com brevidade. Volrnosos, revestidos de urna couraca de con- coriceo.
Dito ao vigario da freguezia deSerra Talhada. I sistencia cernea e formando, com as amendoas que O tronco eleva-se altura
falsificassem o cravo ou cacao; prohibi o certe
| das arvores dando certos preceitos sobre o modo e
o lempo en que esse Corte poda ter lugar; prohi-
| bio que em cada atino se expjrtasse mais de 4,000
' (f); ordenou a plantaco de 100 ps'noves junto
| as povoacoes para se reproducir e augmentar os
seus productos e commercio.
Nao sei se laes preceitos e ordens foram fielmen-
te observadas ; mas a devastarlo continuou anda,
posto que em menor escala, e provavelmente nao
paroa senao onde j nao haviam arvores a derr-
| bar e troncos a esfollar.
Na estatstica das produccoes naluraes das mar-
1 gens dos Tocantins e mesmo do Anap, desde mu-
tos anno nao figura o cravo, bem queoutr'ora all
rauilo abundasse ; mas foi precisamente o conhe-
, cimeoto disto que levou-me a escrever estas lnhas
; afim de eom este exemplo exhibir mais nm triste
1 resultado da louca avidez e obstinagao com que, a
despeito dos preceitos e coosclhos mais salutares,
i se qaiz semppe vi ver a cusa da naiureza despo-
. jando-a dos seus preciosos dons sem cuidaren! de
utilisa-lo como um beneficio real e permanente.
Mas < os lilhos que. trabalhem : > Era a mxi-
ma dos egostas selvagens quando a cnbica do ou-
ro impellia seus bracos armados de machados con-
tra as innocentes arvores que os enriquecan!.
Em principios e meados do seculo passado ain-
da o cravo apparecia em quantidade nao pequea.
Assim os esuilas do Para em 1728 receberam das
diversas ms5es nos armazens do sea coilegio 77i
arrobas e 23 libras, como consta da certido jara-
da a que j me referi no artigocacao.
Em 1753 s um navio exportou para Lisboa, en-
tre outros gneros, 4,3** arrobas e 27 libras de
cravo, sendo 2,678 arrobas e 26 libras do fino e
1,666 arrobas e 1 libra do grosso.
Comparando-se esla exporlacao, alias parcial,
com a que tem havido nos nossos das, nota-se
urna baixa extraordinaria na prodcelo, devendo-
se anda observar que a maior parte da quantida-
de exportada nestes 30 ltimos anuos procedente
da provincia do Amozonas.
De 1836 a 1852 a medida da exporlacao foi de
910 arrobas e 25 libras, e nos annos de 1852 a
1862 foi de 320 arrobas e 9 libras.
Assim a exporlacao total neste ultimo periodo
(de 1852 a 1860) que rhegoo apenas a 3,203 arro-
bas e 2 libras foi menor do que a parcial de 1753
que chegou a 4,314 arrobas e 27 libras.
Gutt a-Percha.
Entre os vegelaes uteis das regios do Tocan-
lias e do Aoap cito a Maearanduba ou Macaran-
dubeira.
Esla sapotacia que parece ser a mesma qoe o
sabio naturalista, conselheiro Freir Allemo dea
o nome de Minusops Excelsa^encontra se em militas
das nossas provincias e em grande abundancia nes-
la do Para.
E' fcil dislingui-la no meio das florestas : er-
cue-sc do solo em linha recta, como o tronco do
Murili, c como esle, despida de galhos, aposentan-
do na parte superior urna bella corda de raraa-
gens.
As folnas sao oblongas de 1 at 2 decmetros de
comprimenlo, verde-escuras c lustrosas na face e
de um amarello pardo no dorso, com bordos lisos,
e nervuras mais tenues e regulares do que as de
abrcoseiro, formando um tecido espesso e quasi
__. I Os Umawas ou Cambebas destas misses, tamas
dagomma-elastica, qur "em relaeao as suasTasas ISSK5! d-^e 169 *%* dos *"
1847... 36:000
A guita-percha (em seguido urna marca
)mma-elastica, qur em relaeao s suas vastas I s
opl-cacoes qur o'seu alto preo e al mesmo : ^r!^^Z^&
Z122T dC "T'f ',aft-aS4produzem' com a d'f-; bebidas e fructas. Conia-se que seu primeiro cai-
rereoca de que a destru.cao das nossas ser.nguei- dado uando recebjam no y. d
v?^7nel0, C0DS,der'velmhe,,e insignificante emisionarios era offerecer-lhcs um desses utensis de
n^t.,g!SdaSrf',ra!-,nJ,, r va especie chems de bebidas espirituosas oufruc-
que se l a respeito da Isonandra Guita, ou, u,s de suas |PTras v
f,uer^C!lei^Ha, 'DdCa 25 SeHU 11eile1coa8ula.do nao dif-' Pouco habituados ao uso desses lquidos os eu-
IXrlJTJ'JUr^vu "J\ ZdHeSt 0fn(;pr' rPeus davam-lhes muito menor apreco do que aos
?*. J ,Ad-- va"ace' aut0r d Tr,aVell$ ?' va?os 1ue os continham, nos quaes era fcil a pers-
theAtmzonand Rio Negro, escrevea a esle respe- pcaPiaMdo missionario e'nchergar um artefacto dig-
to o segointe
o leite do maearanduba indurecendo-se
pela exposlcao ao ar, ronverlese em urna substan-
cia mu semelhante guita-percha ; mas, nao ten-
do a propriedade de amollecer-se pela agua quen-
te, provavel quu nao chegue a ter to extensas
applicacoes como aquel le outro artigo.
Fazendo-se extrahir urna porco de leite de ma-
earanduba, este coagulase naturalmente formando
urna mass? branca que, imergida em agua forven-
do, aprsenla um resultado que nao apoia a ultima
asser o do autor que acabei de citar ; a massa
amelece de tal modo que lorna-se plstica e pode
no da maior alinelo.
Com effeito, como naquelles lugares as terrasjdni
geral sao encharcadas, principalmente em estadio
invernosa, e a humidade para o europeu era ori-
gem de molestias perigosas, a borracha receben lo-
go urna applicaco mais til, sendo empregada para
calgado como um preservativo da humidade, e
d'ahi proveio o fabrico de botas e sapatos dessa
materia.
Conhecdo no Para o uso deste calcado, lornou-se
geral e nao lardou a passar a Portugal, onde em
1755 j eslava lo generalisado que o re D. Jos,
a ama forma qualqu .he ira : ff ff^0^^dee^,Hffi..ff., S
t ,', lS,enm, a ,Uma lam'n.a mU,t de,ad' ? ,0f- esse lim o governo remellen uns poucos de pare
nTh Sf mi6 ,,^^^VTnclaraR0cdfeliCHda W* aqu afim de serem convenientemente (ropa-
ruina da mais pura gomma-elastica. Resfriando- radas r r
S^.'r", a frma qUe S2 d-U f" PW" A aPP'ieaSo estendeu-se s mochilas dos
der nenhuma das suas propriedade?, inclusive a so)dadoSi S(!ndo m ,797 rprne|lidas no Berganlim
a 'i.:. a i -i- j i Gaciao 2,250 que por ordem do governo tnham
A noticia do AuxtUador, a que me refer, aceres- sido ceberlas do mesmo modo que as botas de
el-rei.
de 20 a 25 metros e
Inteirado do que Vmc. expoz a esta presidencia em
sea offlcio de 15 de janeiro ultimo, tenho a dizer-
lhe em resposta qoe opportunamenie levarei ao
conhecimenlo da asserabla legislativa provincial,
o pedido que Vmc. faz acerca da necessidade da
concluso da obra da matriz dessa freguezia, bem
como que tomare em consideracao o que Vmc.
pondera sobre a lotera, a que allude o seu citado
offlcio. >
Dito ao ebefe interino da reparticao das obras
publicas.Mande Vmc. examinar e orear por um
engenheiro dessa reparticao, a despza a fazer-se
para que o destacamen'o da villa de Serinhaem,
tenha por quartel a parte do andar terreo da casa
da cmara municipal da mesma villa, em segui-
mento a outra parle que all serve de cadeia.
Dito ao conselho de compras navaes. Ficam
approvados nao s os contractos que o conselho de
compras navaes celebrou com diversas pessoas,
como me communicou em seu offlcio, de 3 do cor-
rente, a que respondo para fornecerem ao almo-
xarifado do arsenal de marinha, os objectos men-
cionados em dilo offlcio, mas lambem a compra
dos 7 paos direilos de sicopira, contratada com An-
encerram, ama massa de 2 a libras de peso, os' revestido de urna casca turberculosa como a do
ouricos do castanheiro, escapando dos altos galhos castanheiro, e cuja superficie verde-negra altera
onde anudureceram, cahem com tama forca que da por numerosas manchas brancas. Seus fruc-
enlerram-se no chao, abrindo urna cova mais ou tos Rlobulosos, milito menores do qoe am pecego
menos profunda segundo a naturesa do solo. j ordiuario, encerram urna polpa saborosa ; elles se
Esta simples enunciado exprime o perigo da! veodem em grande quantidade no littoral e no
colheita perigo que mais de urna vez lern rouba-1 mercado desla cidade por preco muilo baixo. Mas,
do a vida a colhedores mexperientes. Para evita- apezar disso cominetle se a barbandade de se der-
lo (dizlamme os praticos), arma se debaixo da fio-' ribar as arvores para se colher os fructos I
rtsta urna ligeira barraca, de coberla, forlemente A madeira urna das melhores e mais procura-
incliuada para o chao, c ali dentro espera-se a lio- das para conslrucco de casase de embarca^oos
ra em que, depois de agitados pelo vento, os ga-' de qualquer diuicnso : ella reiste, mais do que
Ihos lem despendido do si todos os ourigos madu-! qualquer oulra, acglo destruidora do tempo e da
ros e conservara-se ers quietaco completa. O co-; agua. E' dura e rija, lina e de fcil bruidura.
Ihedor prudente sahe clao com seu paneiro o en-; Fazendo-se na casca urnaincislotransversal que
centa o segu ote
Foi em Joher que pela primeira vez se apro-
veiiou a guita-percha ; e apenas a substancia teve
procura, apenas as requisicoes da Europa comeea-
ram, Malayos e Chins invadiram o terreno e comc-
garam a explralo com ardor tal que por pouco
nlo acaharam a arvore de que se extrahe esla mil
substancia. Em 3 annos c mel, perto de 300 mil
ps de arvores i.irim sacrificadas soffrega ambi-
cio dos exploradores.
t Para r,ne se faga idea das appHcage.s que lem
a gulla-percha basta dizer que se fabricam com
Em Franga suas applicagoes indostriaes foram
logo animadas pelos esforgos da sciencia ; assim
cm 1768 o cirurgio Macquer apresentoa ;i acade-
mia das sciencias de Paris urna memoria justifican-
do as vantagens da substituiglo do metal pela gom-
ma elstica no fabrico das algalias, o que foi logo
adoptado, percebendo os fabricantes grandes
lucros pelo notavel commercio destes instru-
mentos.
S muilo mais tarde e no ultimo anno do seculo
passado que o ministerio portugaez acechando o
h! m^S p*r*. POnd,uir,eaz I canos Pra au?'acl" offerecimerito do cirurgio" do exercito Dr. Fran-
tEZ.e,S2L,,qo,d?; Cha.pa? para. ,0rrar' cisco Xavier de 0livra e autorisou-o a vir residir
^n7n^k/'"ih0S^CUS-,,C0S : l?!,rQmeDl0SPar,a no Para aflm de fabricar fguaes inslrumentos o fa-
condnrcao do som ; solas impremiave.s para o cal- zer desenvolver essa industria monopolisada pelos
n t w.PrP^M *' hmidos? jar-1 Francezes que aproveitaram a nossa materia
ros, bacas, linleiros, garrafas, bilhas jarro, para prima H v
flores e mil oh.eclos de ornato elegantsimos. A gomma e|as,ica con>0 se sabe 0 prodaclo da
raNoJ,e''Uo da- e*Pu repect.vacomm.ssaocoosinoualgumas palavras me de Seringueira, e cientficamente pelo de Si-
sobre o le te da magaranduba. Diz assim : I phomia elstica, da familia das Euphorbeaceas. Os
^JLSf Le,lef,,qU,d0 6 T10 saboro,so- be,be-se Cambebas a chamavam cau-uch (qoe os Franco-
com cha ou cafe, como se fosse leite do animal vac- zes |em caoutehouc); no commercio geralmenle
2l Tam,)em, nas ro?as o misluram com os min- chamada borracha, em linguagem mais elevada lo
gaos, e muito substancial. Em medicina e usa- ma 0 nome de g0IDma^ias,ica e o povo a denomi-
do internamente como peltoral e analptico, e ex-
ternamente em emplastros como resolvente. Este
leite coagala-se em 2* ou 30 horas e assemelha-se
entao coagulado gulla-percha ou gettania qoe
tambem se exlrahe por incis5es d'outra arvore...
t A differeng.i consiste apenas em ser a guita-
percha Iringueira, em quanto que o producto do
leite da magaranduba coagulado e concreto es-
branquigado ; gosam, porm, ambos do mesmo
grao de elaslicidade. A ingestlo desle leite no tu-
bo alimentar produz constipago de ventre, ainda
mesmo que seja misturado. (I) Merece ter melhor
estado este producto. >
Estas ultimas palavras da commsso coroam no-
bremenle o seu trabalho, revelando notave! empe-
nho por um prolucto que pdu ser de (o sabida
vanligem para a provincia.
O esforgado alhlela da industria nacional, o in-
cansavel lidador que nao .assa um dia sem que-
brar urna langa em honra e beneficio da agricul-
tura, o Ilustrado Sr. Dr. Bjrlamaque no sea rea-
torio geral da exposiglo nacional respondeu cora-
mlssao paraense nos segutntes termos :
A commisso do Para chama a altengao para
a seiva do achras paraensis, conhecida vulgarmen-
na seringa.
O fisco sempre activo e sagaz, como em toda a
parte, farejava j na gomma-elastica um ramo de
rendas quando os successos extraordinarios da
Franca agitando o mande inteiro, vieram perturbar
seas clcalos. Eolio a exportacao dosappareceu
totalmente, como era natural, em presenga das ba-
talhas que ensanguentavam a Europa e da paral y-
sarao geral da industria.
Depois do restabelecimenlo da paz geral a gom-
ma-elastica reappareceu tmida e varillante ; ma-
acorogoada pela crescente demanda era varias fa-
bricas, recobrou suas forgas e ganhou terreno no
commercio.
Assim, a soa produegao j importante quando
nos declaramos nago independente, constitnio um
dos nossos ramos de exportacao, embora ainda de
valor insignificante.
Julgo-me dispensado de fallar no methodo actual
da extracclo e prepararan da gomma-elastica, pois
que fra repetir o que todos sabem.
Apparece. porm, agora um melhodo rateramen-
te novo para esse servlgo, inventado pelo fallecido
Henrique Antonio Slrauss que lendo oblido do go-
verno imperial um privilegio, guardn constanle
segredo do seu invento. Elle havia offerecido
presencia a venda do seu privilegio e segredo
pela somma de 25 cotilos de ris, obrigando-se a
te com o nome de magaranduba. cujo I ite concreto
che-o des fruclos que vai encontrando pelo chao., chegue madeira, ella emiti grande quantidade offerece todas as propriedades da gulla-percha ; e
Recolhe-se de novo barraca, e aguarda outra de sueco ou lene que lem diversas applicagoes. eu chamo a attengao das provincias ribeirinhas do
opportunidade no mesmo, ou no seguinte dia, pa- \ Uns o empregam no preparo do mingo; outros o Amazonas para a guita-percha que ja se extrahe o^as'nrprisa* ILdriMrilM nara a nrpararan
ra continuar a colheita. Em quanto ali esl refu-; lomam misturado com cha ou caf, tornando assim em grande quanlidade, na Guayana franceza, da producto. ",s,,uwvc= i-" i^cir-*-
Urna cemmissao, nomeada pela presidencia pata
esludar o novo processo, reconheceu as suas van
armas para o serven do exercito, segundo deca- \ 'ooio Teixeira de Mello, pelo prego de 5050(10 rs.
rou-me o mesmo chefe em outro offlcio n. 173 de 4', cada um.
do correte mez.Coramunicou-se ao Dr. chefe de I Dll ?0 mesmo. Antonso o conselho de com-
polica. {Pras navaes, a promover nos (erraos do regula-
Dilo'ao Inspector da thesouraria provincial.P-; ment de 20 de fevereiro de 1858, a compra dos
de V. S. nos termos de sua nformago de 3 do objectos mencionados em seu ufflcio de 3 do cor-
correnle, sob n. 45, mandar por novamcnie em i rente, visto serem necessarios para provimenlo do
praga a obra da ponte de ferro de Motocolomb. | almoxarifado do arsenal de marinha, como decla-
servindo de base a essa arremaiaglo o abale de 7 rou o mesmo conselho.
porcenio no valor do respectivo orgamento, que' Dito ao juiz de paz mais volado do aclual qua-
effereceu Jos Augusto de Araujo no requerimeato driennio da freguezia de Taiuaringa. Nlo se
sobre qne versa a sua ciuda informagio. lendo verificado no da designado por lei a orga-
Dito ao mesmo.Tendo era vista a sua informa- nsaglo da junta revlsora de qualfleagao dessa
cao de 4 do eorrente, sob o. 51, dada com referen- fregueiia, pelas razoes ponderadas no offlcio que
cia a da contadoria dessa thesouraria, recomraendo em 15 de Janeiro nlmo me dirigi o juiz de paz
V. S., que mande por em hasta ^publica os repa-1 mais votado do quadrennio findo, recomraendo
ros de que precisa o empedramento do lugar deno- Vmc. em visla do que determinam os avisos de
minado Areias do Giquia-na estrada da Victoria 18 de Janeiro de 1834 e 31 de maio de 1861, que
entre os marcos de 3 4 mil bracas, servrado de guardado o prazo e mais formalidades da lei, con
base a essa arrematago as claosuias e orcamenlo "oque os respectivos eleitores e supplentes, e reu-
juntos por copia, na importancia de 397*500, e qoe "a no da 19 de margo prximo vindouro, que
para esse fim me foram remeltidos pelo chefe inte- para isso designo a referida junta e prosiga cora
rio da reparticao das"obras publicas com offlcio toda a regulandade e zelo no processo da revisao,
n. 16 de 18 de Janeiro ultimo.Communicon-se ao tendo cm vista o decreto n. 2865 de 21 de dezem-
chefe interino da reparligo das obras publicas. I bro de 1861, e mais disposigoes em vigor.Neste
Dito ao mesmo.Expeca V. S. as suas ordens sentido offlciou-se ao juiz de paz mais volado
para que nos termos de soa informago de 3 do do quadriennio lindo, da freguezia de Taquari-
correole, sob n. 49, seja paga ao professor da ca- tinga. _
deira de instrucco elementar da povoago de S. Dito ao Dr. jaiz de direito da i.' vara desta ca-
Jos da Coa-Graode, Antonio Francisco de Moura piUI Pelo seu offlcio de 4 do correle, flqoei n-
pelas sobras presumiveis da consignago voUda no teiradode ter Vmc. convocado para o dia 20 do
4 do art. 8 dalei doorgamento vigente, aquan- mesmo, a 1.a sesso ordinaria do jury desla ca-
lia a que liver direito o mesmo professor, para o pilal.
expediente de sua aola, a contar da data em que Dito ao Dr. jaiz de direito da comarca da Boa-
entrou om exercicio, e a razo de 1*850 mensaes, Vista.Para qoe possa ser preenchida a collecto-
conforme indica o director geral da instrucglo pa-, ra de rendas geraes da Boa-Vista e Cabrob, faz-
blica em sua informago o. 260 de 31 de dezembro se necessario que Vmc. indique como solicita o
nltmo. I inspector da thesouraria de fazenda, cin offlcio
Dilo ao mesmo.- Aatoriso V. S. nos termos de desta data, duas pessoas capazos orna para collec-
sua informago de 3 do eorrente, sob n. 49, acn- tor, e outra para escrlvao e aptos, aprestar a (lan-
siderar rescindido o contrato qoe celebrou essa ca exigida por lei.
thesouraria cem o fallecido Manoel Gouveia de Poriaria.-O presidente da provincia, atteodendo
Souza para a rohraoga do pedagio da ponte do ao que representou a cmara municipal da cidade
Motocolomb sentando os respectivos fiadores de Olinda, em offlcio de 28 de Janeiro ultimo, re-
bacharel Antonio Luiz Cavalcanle de Albuquerque solve approvar provlsoriamenle o artigo de postu-
e Theotonio Flix de Mello de toda e qualquer res- ra abaixo traoscripto addicrional ao art. 23 da
ponsabilidade, logo que se mostrear quites com a postara constante da lei n. 517 de 19 de jOBho de
fazenda provincial. *86':. ,
Oniro sim pode V. S. mandar por esse imposto Nas mosmas penas mcorrerao os vendedores
novamente em praca pelo tempo que falta para de laes limas, aguas ou outras prearages para
compleiar o prazo do predlto contrato, certo de que taes diverlimeutos, sendo oHas inutilisadas.
nesia data recommendo ao commandante do corpo Communicoa-se a cmara municipal de Olinda
de polica, que ponha a soa msposigSo am inferior cora copia desla portara.
d'aquelle corpo, afim de iocumbir-se da cobranga m
do mesmo pedagio em quanto nao se realisa a no-
va arrematajao.-Offlcma so ao commandante do Espeiieate do secretario do goverao do dia 7
corp i de polica no sentido de qoe se trata. j. f-,,r;rn a, a *;
Dltn ao consol de Portugal. Remetiendo ao Sr. rere,r 18-
Dr. Claudino de Aranio Guimares, consol de Offleio ao administrador do correio. S. Exc. o
Portugal, a Inclusa portara recommendando qne Sr. presidente da provincia, manda remetior .i
se nao ponha impedimento a sahida da subdita V. S. o Incluso offlcio com direicao ao vigario da
giado oceupa-se em quebrar os oungo1!. | mais saborosas e nutritivas estas bebidas, pois que arvore ali denominada balala verraelha provavel
(uando cessa ou escassa a queda, abandona a o leite da arvore neste caso um excellenle suhs- mente muito commum, ao menos no Amazonas.
barraca c leva os paneiros cheios para o igarap titulo do leite de vacca. Ha tambera individuos, Tranrcrevi estes pormenores para chamar a at-
proximo. onde esl fundeada a sua montara ou | que levados pela gulodicc, chegam a tmalo sim- tengao dos nossos compatriotas para tao importan-
canoa, pies; mas desta imprudeucia tem quasi sempre re- te fonle de commercio e riqueza publica. A naln-
Antes, porm, de retrarem-se do castanhal, sullado accidentes fataes, pela coagulago do leite reza no-lo offerece em grande quantidade em cada
muilqs ou a maior parte destes colhedores pagam iulroduzido no
estomago
com fea ngralidao ao castaoheiro os fructos que Um emprego importante do leite da mararandu-
Ihes dea, despojando sea trooco da casca para re- ba o da colla e calafeto. Um vaso de porcellana,
duzi-la a estopa. ou de barro, urna cadeira ou qualquer outra pega
No quadro que em outro lugar publico v-se e de mobilia que se quebr, recebendo no lugar
que, durante o anno de 1863 os districios do To- fracturado urna carnada deste leite, tornase to
cantins prjduzram 15:617 alqaeires de castanhas, perfeitamente soldada que toma, por assim dizer,
cujo valor offlcial regulado a 4000 importou cm maior consistencia e solidez do que antes pos-
52:468^000 iis. jsuia.
Este ramo de produegao expontanea conserva- Os marcineiros podem emprega lo, com reconhe-
se estacionario, segurado nisto marcha igual do cda superieridade sobre oulra qualquer especie de
cacao. Nao preciso repetir que a causa princi-' colla, na junego das pegas de roobtlia e de obras
pal dessa estagnago a destruirlo dos caslanhei- do mais delicado trabalho.
ros pelos propiios que annualmenle vio colher .seus As canoas e barcos mais bem calafetados sao
fruclos. aquelles que recebem urna carnada deste leite so-
Cravo. | bre algodio ou sumauma introduzide nas costuras.
E' tambera empregado para tornar perfectamen-
te impermeavel a agua o panno qne forra o toldo
das canoas e escaleres, o que dispensa vanlajosa-
mete o emprego do breu que, fcilmente fundi
do-sc, torna as embarcages pouco aceiadas.
a deseoberla, no Para, de pu cravo (dicypel-j
Mura caryophyllatum) quasi contempornea dos
prlmeiros eslabelecimentos colomaes desta regio. j
Desde que se fez conhecido na Europa, a sua de-
manda tomou laes proporedes que de 1660 a 1670
nao se exporta va menos de 10,000 arrobas por an-
no, segundo se infere de documentos daquelle
tempo.
Esta consideravel exportacao e o preco exorbi-
tante a que sabir, excitaran de um modo extraor-
dinario a cubiga dos negociantes ou fornecedores,
e a sua extraglo se fazia com um frenes que nao
deferia muito da loucora.
O cravo representava entao o papel que nos nos^
A maior ulilidade, porm, que delle se pode ti-
rar a prepararlo da guita-percha, producto im-
portanlissimo que se oblem extrahindo-se o leite
ou sueco e deixando-o ex posto ao ar at coagular-
se, ou coagulando-o por meio do calor do fogo,
quando se queira obter com rapidez o prodaclo.
Absorvidos, como se achara, todos os espiritas
especuladores pelos lucros que d a gomma-elasti-
ca, ningucm at hoje ha tentado ensaiar a prepa-
tagens praticas e a sua .-uperioridade sobre o ac-
tual, principalmente no que toca a economa de
tempo e a desoecessidade da fumegago, contra a
qual lanos clamores se ha levantado pelo damno
qne faz aos seringueiros o fumo resollante da com-
busto do urucury.
Com o fallecimento de Strauss, a soa filha e her-
deira, opprimida dos compromissos do pai e inca-
paz, por seu sexo, de continuar em igual trabalho.
offereceu a venda do privilegio e segredo por oito
canto onde ha floreras ; e convm qne nos apro-
prlemos do seu producto, antes que eslranhos nos
venham por o p adame menopolisando entre nos
o que nosso e de que podemos tirar tantas van-
tagens.
E' conveniente que urna medida de prevengao
seja tomada desde j prohibir-se quanto anteso M^de'rsTa r^oXc^fTron-O, ha po"
g*l*!.*yHy>^ 1a91,yyl'n*?te-.aiP?ci>s dias. par maSSmAo.
slmplesmente aproveiladas como madetras de cons-. lsnora.se ^ qua, 0 ,-eagenle on substancia
truegao. __ | empreoada por Slrauss para dar rpidamente ao
Lonvm,ao menrs, que se trate de planta-las em |ej^ da serngueira a mesma consistencia que al
lomo das povoagoes c sobro lude em lomo da ca- n s0 adquira pe|a defumaglo. A commsso
Mal. A excellencia dos seus producios e a fac-1 0 ora como 0 dec|aro"u em seu parecer;
lidade com qne ellas podem vegetar em qualquer mas se agenle ao for diSpeDdioSOj como o as-
segura o inventor, o novo processo trar provavel-
menie a industria da borracha vantagens e melho-
sos dias tem feilo a borracha no Para, a guttaper-1 rago da gulla-percha com o leite da magarandu-
cha na fadia, e o ouro na California: dominava ba, e reraette-la, ao meaos como amostra, aos mer-
todos os espirito5, distrahia o maior numero de cados da Europa,
bragos e alimentava a cubiga de todos os colones.! Se possoiraos, como inconlestavel, a gutta-per-
0 processo qoe empregavam na colheita do era-: cha, que nos mercados Industnaes d um preco
vo deoaociava instinrtos selvagens; ninguem j; equivalente ao da melhor gomma elstica ; se este
se satisfazla cem o despojar a arvore da sua pre- prego tende a elevar-so ainda mais em consequeo-
cosa rasca, mas para chegarem mais depressa a ca do escaceamento e da falla sensivel qne ja vai
sea lira a dt itavam abaixo e esfollavam at a raz haveudo nas Indias ; se a nossa gulla-percha ,
o resto do tronco decepado. Ainda mais;para como creto, senaa superior, ao menes igual a mo-
fazerem render melhor a Industria langavam mo Ihor que at hoje tem sido preparada ; convm que
da falsiflcago por mcihodos engenhosos que a cu-; qoanio aotes se divulgue a sua existencia neste
higa llies ensinava. paiz e se procure aproveilir mais este grande ra-
0 governo e os governadores procuraram os: mo de commercio.
molos de obstara devastagao d to atis arvores,I A deseoberla da guita-percha muito recente,
de conserva-las, cultiva-las e proteger e eaobrecer' pois que s em 1843 4 que foi conhecida na Eu-
o sea con mercio. ; ropa para onde foi levada de Sumatra pelo Dr.
Antonio d'Albaqaerqae, com o fim de dar nm Montsommery.
golpe oo monopolio que se linha estabelecido, fez Segundo se l no Auxiliador 'da Industria Hado-
baixar o preco do cravo 69000. (nal ha exactamente 20 annos foi remedida para
Gomes Freir pede o expede providencias oner- Inglaterra urna amostra contendo 200 Ibs ; foi tao
gicas contra a devastagao geral das arvores. | apreciada no mercado que immediatamente se flie-
Cezar de Menezes representa contra as falsifica-' ram eocommendas numerosas para as fabricas lo-
gos. glezas.
A corte nao approvou as medidas de Antonio, A soa mportarao em Inglaterra dentro dos 4
d'Albuquerque, extranhon-lhe (asar procos nos primelros annos que se seguirn) regulou do modo
gneros e ordenou-lhe que deixaase o povo vender i seguinte :
seu cravo como bem Ihe parecesse; mas provioon-! Em 1814... 200 libras (como amostra.)
cion successivamoote em medidas convenientes; j 1845... 700 arrobas,
assim snjeitou a penas de cada e multa os que t !8W... 22:280 t
terreno, sao razoes suficientes para se cuidar de
cultiva las.
A plantaco podia enmegar, como ensato, pelos
operarios das obras publicas, ao longo e befra da
nova tetrada de Braganca, e nos terrenos baixos e
insalubres que se achara ao sal desta cidade.
D'este trabalho se colheria, pelo meno*, o bene-
ficio da sanificago dos terrenos paludosos, chama-
dos piris e o emhellesamento e umbragao da estra-
da a que me reflro, providencia que cedo ou tarde
se lera de tomar para commodtdade dos viajantes
e salubridade dos lugares.
Mas, sobre ludo nao imitemos os indios e malaios
na barbaria com que deslroera as arvores que lhes
do tantos recursos para a vida. Basta-nos os es-
tragos que j soffreram os nossos serogaes, bauni-
Ineiras e craveiros.
(1) Suspeito que houve aqni erro na impressao,
pois as palavras ainda mesmo que seja mistura-
do nao estilo de accordo com as proposlcoes ao-
tecedentes, sendo alias constante que s o leite pu-
ro que produz o mal a que a commisso se re-
fere.
Gomma elstica.
A gomma elstica que hoje faz tio grande papel
nos dominios da industria merece ser estudada
desde sua origem. Eu me limito a esbogar a sua
historia deixaado autoridades competentes e
habilitadas o cuidado de corrigir o que aqui con-
signo.
A gomma elstica ou borracha nao era ainda co-
nhecida dos povos civilisados na poca em qae
Orellana deseen de Quito pelo Nano e Amazonas
at o ocano, nem mesmo quando Pedro Teixeira
subi do ocano pelo Amazonas e apo al
Quilo.
Os missionarios portuguezes que viviam entre
os Indios do Solimes foram os primeiros europeus
qae della tiveram conhecimenlo; parece com
effeito que a primeira noticia da sua existencia e
otilidade foi dada por nm carmelita Fr. Manoel Es-
peranga, que no fim do seculo XVII foi estabelecer
mtsseVs entre os Cambebas on Umawas como se
deduz da copia imperfeita do ama cana de outro
carmelita, que em 1738 misslonava entre aquelles
Indios.
ramelos muilo mais consideraveis do que aqueiles
que a commisso menciona.
E' preciso, porm, confessar que a borracha de-
fumada d do mercado e nas fabricas industriar-
melhor prego do que a obtlda pelo processo de
Slrauss, la I vez porque esta nao se prepara como
aquella por laminas ou folheados successivos rece-
bendo cada carnada um banho de carbono que Ihe
vem da defumacao. Mas se no novo precesso esle
fotheado c impossivel, nao ser talvez difficil aper-
felgoar o sea producto desde qae o ageate ou rea-
gente for conhecido.
A gomma-elastica, como genero de exportago.
foi pela primeira vez incluida nas pautas em 1825.
em vir lude do decreto de 31 de maio do mesmo
anao ; mas somente em 1827 qoe se encentra
declaradamente que houve exportacao della,
nao existiodo documentos dos dons aonos antece-
dentes.
(Conttnuar-se-ha)
DIARIO DE PERWOWRUCO
Cmaras Municipaes.
II
Para restituir s municipalidades, dissemos em
0 nosso primeiro artigo, as suas uteis e importan-
tes altribuigdes, e cerca-las do prestigio e da in-
fluencia de que necessilam, para se tornaren! os pe-
queos centros promotores do progresso social ge-
ral, provendo ellas ao melhoramenlo material e roo-
ral de seas respectivos municipios, cumpre que es-
tudemos os vicios e defeltos da organisago actoal
das cmaras, e que possamos assignar as cansas
mais on menos remotas do estado de abatimento
moral, de deleixo e de inacglo d'essas corpjra-
gdcs.
Ora, as commissoes reunidas de constiluigoe de
cmaras municipaes da cmara dos Srs. depula-
1 dos, dando o sen parecer, em relatorio de 27 de




-

Diario de ernatubneo sexta tira IO de Feverero de 8ft.


junho de 1886, sobre o alludido projecto do Sr.
Canlide Borges Maolciro, asttgnou como verdadei-
ras causas d'esse abatimento, delelxo e inacgao, as
seguirte; .
V A cousiituigio, commetlendo s cmaras
municipaes das ri Jades- e villas agoverno econo-
t mico e municipal respectivo, sem distinguir a
deliberadlo da adminislracao activa, nao advcr-
lio que a primeira era sem duvida mui propria
< d'essas corporages, bms nao assim a segunda,
que devera pertencer 4 m anccionario, que a
mesma coosfituigiio, da.arxordo com a verdadei-
ra tbeoria do poder aMaicipal, designasse, as-
signalhdo-lhe a calhegoria que pareeesse cor-
respondente sua missao.
i De assim hver a lei fundamental confundido
a deliberado e a adminislracao das cmaras, re-
salta que o governo econmico do municipio,
oa parte relativa deliberacao, foi coa veniente
< nieote orgauisalo, mas na parte relativa rapi-
dez e firmeza da acgo, offerece na opiniao de
< muitos. um vicio orgnico ; porque a expericn-
ca de todos os lempos alte>la que a deliberacao
< couvm a um numero maior ou menor de Indi-
< viduos, mas a acge, para ser prompta e segura,
requer unidade E a existencia incontestavel
d'esse vicio orgnico nem pode deixar de er,
urna das causas preponderantes da pouca ener-
< gia e aclividade, que se nota na administrarlo
< municipal.
2.' Outia causa de atraso edeleixo dos muui-
cipios certamente a falta de elementes de ba
administrado, que provm da escassez de ho-
mens aptos para o governo econmico das cida-
< des e villas do Imperio, cuja maior necessidade,
i como todos reconhecem, precisamente a de
< popula cao.
t 3.a Aim de nao haver no paiz abundancia de
populacao, d'onde, nos diversos municipios, se
llrem homens bous, quo se incumbam do regi-
< ment das cidades e villas, succede que o syste-
ma de eleico das cmaras, em vez de, por assim
dizer, exlrabir da massa do povo o que ha de
mais idneo para o governo econmico das loca-
< lidades, presta-se, no parecer de muitos, a. um
resultado inteiramente contrario.
Sr^* ^^ APP,e,'an,C;Joa1la'"GonalvesFerr0ira; appet- mi... fdfci.oxgfto do partido conservado^ nas em
penrro gerente da companhia o Sr. F. F. Borges, lado, Pedro Cavalcaoti oe Albuaueniue Ucha. -
iPTMr^nannfVCu rlonnia A !.** m* >a mima a di. i <);.,.. *__i____
proeedendo-se depois i eleico da nova mesa e di-
reegao, que flea assin eomposta:
Presidente (reeleito).
O Exm. Sr. Viseonde de Camarabibe.
Secretario (reeleito).
O Sr. -Dr. Jos Bernardo Glvao Alcoforado.
Directoras (reeleitos).
Os Srs. :
Saunders Brotaers & C.
Tasso & Irmos.
Francisco Joo de Barros.
Comraissao de exame e cenias.
Os Srs. :
Alvaro Augusto de Oliveira.
Flix Souvaee & C.
Antonio Luiz dos Santos
Levaotou-se a sessao s 2 horas da tarde.
Sabbado i I do crrente, pelas 7 horas da
Urde, haver e levantamento da bandeira do Glo-
rioso Martyr S. Sebaslio da Vanea. Conduzda
ao som de versos e, acompanhada de msica, per-
Adiou-se o julgameolo a requerimento de un
I dos soohores deputados.
i Appelianle, Jos Guilherme Guimaraes ; sppel-
Iada, D. Maria Venancia de Abren Lima Bastos.
D*sprezaram se os embargos.
I AppeH.nte, Jos Moreira "da Silva ; appeHado,
Joaquim da Silva Lopes.
Adiou-se ojnlgaraento a requerimento
dos enflores deputados.
passaudo a ser opposcionislas bao de produzir
rearares males.
Eslas palavras encerrara nina verdade, e urna
ironia pungente aos iastinclos da gente progres-
sista. Cumpre porrn dIo toma-las n'uma accep-
55o strictamente litleral, porque involveriam ab-
surdo.
Os Dneos que sacrificaran al as lei i do pudor
de nm para forraarem urna liga de intereses e paixdes
personallstinas, nao podero resignarse com a
E' por sso que n'ama emergencia, que devra [ cns Droffreslsus I tan iivei< >Mit .m
aceoder os bros de urna nacao cuja ndole valoro-1 foSVSSff' f&i^"^^^ **"
sa nmguem pe em duvida, nota-se um desanimo,
urna frieza que contrista os.corages vtrdadeira-
mente patriotas.
Pernambuco, o heroice Pernambaco, onde oa-
tr'ora nm punhado de homens, desajudados de re-
cursos maieriaes, expellio de seu seio as cohortes
de um estado poderoso ; Pernambaco, cujos fllhos
tcem dado tantas provas de valenta inexcedivel,
em diversos pontos do imperio, coala neste mo-
mento alguns pouco i voluntarios da patria, entre
o- quaes nao se eneberga um cidadao notavel.
Devemos por de parte a dissencoes intestina?,
Appellante, Jos Gongalves Malveira, represen- adversldade. Dos meies que empregaran
jado por seas herderos e outros; appellados James subir poderse tirar urna lllago fondada des exces-;
Lrablres & C. sos a que terao de recorrer para recooquistar as
doihor^^Si0 T^attme^ denm S^l>e^(]ida, Para certos caracteres *m*\oitolt]^rem^aao\^^o'^
iSS deputados demna?ao_suprema por parte da opiniao sensau de violar a houra nacional ultrajada. Mas forca
nrfiT"*?' ^*to_nr\ orphaos fllhos de Slmao Pint Bibeiro. e Joaqun ment. a cunla cial nao vi enr ni ;!^Z^mn
Pedro do R-go Barros appel.ado, Gabriel Antonio Os livros ntt fallara no ranger de denles dos! 'XXiJS^Tolrt^t^
condemnados, que blasphemam possuiaos do es-! la, que Ihe d aquella senta sympalhica, capaz de
um pmio ae reneldia contra a justica eterna que os mover os coragoes, carece de um supremo esor-
oeciarou precitos. A noss* historia patria con-, 50 para dspor-se a affrotar os perigos, fazeBdo
n exempios lamentaveis de revoltas promovidas .completo holocausto de sua
de Castro Quintaes.
Adiou-se o julgamento a requerimento
dos senhores deputados.
Appellante, Jos Jeronymo Monteiro e Jos Can-
de
TJnJe T, U,ra ,boin toMde UU?0,A C0B1" mini,radores P"a Hqui Ple\tSl ****? :lfJrnbMe C0m faDdaDg0S Ma.rc?lino de.BorJa Geraldes a Iber, e o res. Ocontraste entre o presen Ro SX ser; "procSram morce7 s bros das nrovincias.
. presente e o passado ser I Procuram amortecer os bros das provincias,
constante ongem de remorio e de vergonha para com situacoes artlleiaes e violentas; fazera trope-
parte da l Adiou-se o julgamento a requerimento de nm os que se viren privados do goxo offlcal, e-o que lias e reviraiAentos, como se entre iros se devel-
L)r. curador geral.
na tarde da segunda-feira.
Amanhaa se extrahr a 3'
^tSKSSSt Sres foi preso o cele-! d0S S6Dh0reS ^ZL^ E C0S?a TubicVe 7"dTconfia^ ZSZ7ZZ ^Z^Z^^^:^
^JSLSSVSZ^S'^ PoTrrorC dt- \ Appe.lanle, Am^^m Salgado ; appe.la-' t VSSS^' deSeDgaaad0S "^ ^ ^iaMMm ; "* S
de- I do, Jos FraocisGo Coelho da Silva Vieira. Tudo isio se comprehende bem,
i considerara e desgostam com aciales, dcsiituigoes
., assim como ,e injutticas os horneas capazes de prestar auxilio
i; jo,z de paz do 3- d.s.rico da freguezir d, Boa! r&o^v*?0t.rr 6 S"Va '"" HSSSTSLf *~&* <***. >los i 'a,os a >* ^ ^.-* ^a suprema do
OSr. Francisco Antonio da Silva Cavaleanti,'
Vista, d audiencia s 4 horas da tarde de todas as
sexias-feiras, em casa do escrivo respectivo, na
ra da Soledade.
E,rrl^SSIStas D0 caso de mQtaao poltica podan perigo appellan para as f.i?anhas do passado, para
APPela2'f.D; Carolina Josepha de Alneida.ap- tornar-se un pouco mais consideraveis n'uma o pundonor nacional, e iiuerem que at os reprobos
pelado Jos Hyg.no ae Miranda J^" quadra em que luamos com paizes estrangeiros. sacrll,,uem no alur da patria os resenlimenC
- O entrudo por meio de limas va endo curso I ,&% 1S^ ACC," a fc deSembar- v$gg?*it0ff'% J ^ f^ S 2 '3 *"* *" fa,"',a' 6 3' S ^"^
c, a -___ th.i .....- a : "ros mais longa, as tendencias e recursos dos obra da reaccao. Anda ha pouco fo pr vado do
Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr. dominadores, assim como a longanmidade dos exerccio por lempo indeterminado um comman-
contrarios. O segundo molivo sera deseoganar Jante superior, conservador, bomem pacifico, abas-
^"?-6.: ,m^n_le a "P"!'80 publica, processo s ve- tado, infueule, e que cooU servaos presUdos
contrarios,
era para a voz a reclamo offlcial.. Appellai para
vs mesmos, pr as vossas pftalanges, para os
esees grandes recurso*.
Se estas falli.m, resigna o poder, que sempre
ho de haver afanas eneros*, que saiam do exi-
lio para salvar o paiz, aperar das provacoes que
entre nos agoardam o servidor leal e dedicado, em
lula com o egosta aveoturetro e audaz.
F.
Podras de Foge, 21 de jaeiro de 1863
gado
4.* A falla de roeios e recursos, com que fa-, servicos do hospital militar, caso tenha-se carencia Do
cam face i desperas necessarias, e teotem me-; destes pela retirada dos respectivos mdicos para, desembargador Accioi:
Iboramentos de toda a ordem, que cabem na sua' a corte. Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
esptiera e reclamara os interesses dos seus mu- Ji nao d a primeira vez qoe S. S. faz iguaes o- desembargador Reis e Silva por ser este relator zes mui labo7iosVe"^m nicpios, nao de cerlo urna das causas meos \ r5f eotos, e tem sido^ncaaregado de comm.s- j pnmeiramente nomeado e ter cessado seu imped- cendico da pobre bmKierSS! a m^sma sorie, segundo conlla.
i ment : ; ; sivel ao erro que verdade. A's vezes para che- De vez emq'uando se cngambella o pobre povo
4 11 1 ,D'STRIBL|vE5-. garmosa summaconvicao d. que um homem ou com algn progranma do justo e do honesto, ao
Appellante, Jos Amone. Pe reir e sua nulher; un sysiema pessimp, torna-se necessario que raesmottempo quo se protestapelaobservancia das
d Sa lo.' e herde,r0S de l0a Ferre,ra ?? ti0imm 6SSe SySlema nos Preudi^e '- conveniencias polticas, especie de explicando pr-
JXSF^fo^?^^^ >"amnef presumivel que'o chefe da nacao, & ou^ffiftffi XSZSZ****
appellado Roberto Litfhtbom a C : fora do choque dos interesses nesquinhos, e eolio- .Nao ha muto que um ministerio, por occasiao
Ao Sr desembargador Res e Sirva. cado em um ponto culmiaante donde pode devas- do conflicto ^^noZSS%a^ST
diuu aqunaiaao aevidamente as nisenas da si- continuava con a obra da reaegao partidaria.
p?ao." .. ... Tambera hqje os dominadores fallam era esque-
nesia a opimao publica...Oh l essa ja tmele- cimento de odio?, e anezar
Aggravo interposto^jo.zo especial do | nealos sabe, pare laarar sua senien?a. Nao por meio de actos odiosos.
salientes de haver side lao pouco beneflea a ad-
minislrago municipal, geralncnte fallando. >
Ahi temes que as Ilustradas commissoes reuni-
das de constituido e de cmaras municipaes, as-
signalando como primeira causa do estado de aba-
tiuicnto e inercia das nunicipalidades, o acharen
se confundidas as atlribuiQoos meramente delibe-
rativas com as executivas, entenderam dever lau-
car a culpa d'essa confuso constituido do ira-
sdes de idntica natureza, as quaes sempre
lera havido com a boa vontade e o desint#resse
que Ihe sao conhecidos; e nao seria, pois, agora
que sopitaria os impulsos do seo patriotismo, guar-
dando indilferenga na conjunctura em qne todos
devem concorrer as proporcSes de suas forcas.
Constando ao subdelegado do distrirto de
Itamb acharse homisiado no lagar Serijo, Ma-
noel Itaphael, criminoso de morte no termo do Pi-
perio. Inteiramente de accordo quanlo existen-; lar da Parahyba, para all seguio a prende-lo, no [ pelldos, os administradores da massa fallida de
ia do mal proveniente d'essa allodida confuso, dia 30 do passtdo ; realisada a prlso e, quando Pacheco & Mendes.
apartamo-nos de todo da opiniao das commissoes 11* rerolhe-le radea, foi asfaltada a patrnlha por Ao Sr. desembargador Silva Guimarles.
reunidas, quando altribue a constiluicao essa con-1 diversos assassinos, que, depois de um tiroteio, do
fuso. Qoal sahiram feridas algumas pracas, conseguiram
Ha com effeiio esse vicio orgnico, mas elle cor- j tomar o criminoso. Em consequencia disso, foram
re todo por ronta da lei regularmentar do Ia de perseguidos e recolhidos cadeia de Goyanna,
Manoel Dourado de Azevedo, Pedro Jos Rodrigues
e Candido Jos
outubro de 1828, a qual nao tratou de descriminar
as func^oes deliberativas das funecoes executivas,
dando aquellas toda a i\- rporarao municipal e
eslas um de seus membres. A constiluicao, que
aceita, consagra e estabelece como principio con-
servador dos direios dos cidados a divtso e har-
mona dos poderes polticos, ella, que considera es-
sa diviso como o mais seguro meto de fazer effec-
Uvas as garantas que a constituro offerece (art.
h"): a constituirlo, repetimos, nao esqueceha, de
cerlo, no lii. 7 cap. 2., que trata das cmaras,
Alves Coutinbo, que vo ser pro-
cessados.
RPARTIQAO DA POLICA :
Extracto das partes do dia 9 de feverero de
1865.
roram recolhidos casa de deteBcao no dia 8
do correte :
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Germano da Silva, Balbino de Araujo, Fran-
cisco Roberto, Jos Mariano dos Santos, Manoel
esse principio reconhecldo e consagrado no til. 3. Joaquim da Bocha, Tertuliano Jos Alves, vdos
E nao esqueceu. A disposicao genrica do art. \ de Ipojaca para recrutas.
167 est bem longe de autorisar a dosarrasoada o-; A' ordem do subdelegado de S. Jos, Josepha
telligencia que Ihe deram as commissoes reunidas.' Maria da Conceico, e Francelina Mana da Concei-
Conlenndo as cmaras o governo econmico e mu-1 cao, preses em flagrante por briga; Antonio, es-
nicipal de seus respectivos districlos, a consum- cravo de Joaqun do tal, preso en flagrante, por
cao nao desconhece que todo o governo encerra era, offensas injuriosas; e Jos, escravo de Antonio
si a deliberacao e a execucae ; nao desconhece que \ Jacimho Borges, por suspeitas de estar fuiido.
a deliberacao pode ser, e convem mesno que seja, I
a obra de muitos, mas nao assim a execucao, que
deve ser coramettda urna so pessoa physca, nao
s para que a arco seja prompta, rpida e segura,
como dizem as commissoes reunidas, do seu dito
parecer, mas tambera para que a responsabilidade
moral e legal da execueao se possa (azer effectva,;
o que ordinariamente nao acontece quando essa 1
responsabilidade se divide por lodos ou pela maioria
dos membros de urna corporacao. A constituicao |
crea as cmaras municipaes, ou antes reconhece a
necessdade d'essas corporales preexistentes e de'
remotissma origem, e cootenta-se com lhes den-'
nir as condiroes geraes de existencia, declarando
O chefe da segunda seryo,
/. G. de Mesquiti.
Casa de detencao.
Movimento da casa de detencao do dia 8 de
feverero de 1865.
Existiam presos 387; entraram 11; sal ira 111 21;
existem 377.
A saber : naciooaes 297 -, estrangeiros 21 -,
mullieres 5 ; estrangeiras 2 ; escravos 47 : escra-
vas 5-Total 377.
Alimentados custa dos cofres pblicos 157.
Movimenlo da enfermara do dia 10 de feverero
de 1865.
Tiveram baixa
disto os vo cevando
Nem procuram cica
Aggravante, Francisco Antonio Perei
ar gravado Thomaz Jos da Silva Gusmao.
O Exm. Sr. presidente negoa provimento.
uus reienmos ao pensamento mais ou menos sus- trizar algumas feridas, nem ao menos suspender os
ira da Silva; Pei,os aos adversarios naturaes ou emperrados, arranjos de partido para nao tornar-se to flagran-
COMMUNICUOS.
III
/- 1 .--------- r jv* -v. Ku muu pai a uau tuiuai-oo iou nacan-
uonientarao-nos com ojuizo de qualquer homem te a discordancia entre factos o palavras numa
sensato, seja qual ffjr a sua cor poltica. Ao rae- raesma quadra.
nos no seto da intimidado elle nao deixar de pro-1 No dominio dos emperrados, os Brasileiros deci-
nunciar-se en sentido dasfavoravel ao prsenle dirn da sorte de un tyranno mais terrivel
estado de cousas.... ; Lopes e Aguirre. Nao foi ento necessario
tm qualquer lugar onde encontrardes dous ou a generosidade e silencio dos contrares,
tres individuos, esperai, que dentro em poucos
momentos, mesmo antes de conhecerdes a cor po
que
invocar
Para con-
seguimos aquello brilhante feito d'armas bastou-
nos a bravura do exercito, o tino e prestigio do go-
lilica de cada um, haveis de ouvlos raaldirerem verno.
dasiluagao ...Naslojas, nos holeis, oas calcadas,' Qando un gabinele conservador achou-se ou-
roiados 1 esiatisticrTs ^~-~~-=- f' a p,ar,e cn'retenimento favorito fallar tr'ora em serios embaragos por causa do trafego de
^S^^mmmi^DB^LS^^^^S^ con,ra "progreMso e contra o Africanos, rebatendo con a possivel energa os
aa- governo. Os propnps que teem colhido os melho- acommettmentos iniquos da Bra-Bretanha, os
res fructos da estacao, acanham-se dianle do pro- adversarios exetavain ao mesmo lempo o governo
nunciamento geral, e ao menos chegara aconfes- inglez com publicagoes inconvenientes... E entre-
sar que a quadra grave... tanto pozemos termo aos conflictos com a dignida-
A toada da maldicao e da censura escapa tara- de compativel com as nossas circunstancias...
bem dos labios dos imparcaes, casta de geate pes- Hoje revolve-se oco e a ierra, improvisam-se ap-
simista, que por egosmo, Lou por despeito, ou por pralos bellicos com estrondo exagerado, evocaua-
ZwXtSLTJTS- i 2S1 ? aU Pr r^lb,0' 0U pela, vaDlagem de re' se oi raanes de Vieira- enriques e Canario, amea-
Rsari" q P colner-se aos quarteis da neulrlidade em quanlo 5i-se de cobrir de crep os irophos de Garara-
nao construe alguma ponte ao pndor, ou simples pes, se os paisanos forem surdos voz do patrio-
m'rela'r-an an's ahwM"ih"ipm ?lfn,e P?.r/-tol'ce. olia de esguelha para os par- tsmo : eat exige-se o sacrificio dos adversarios,
a rahWonia munM^iZVZmMn "dos, mlicaos torneos o as cousas, oao v possi- sua resigoago e sileocio dianle das calamidades
smS.iS IZfMU h maede rBC-era5a01 ribue k>das as acedes que os dominadores creararn e aggravaram.
humanas as exigencias do abdomen : e apezar Onde eslaes vos, oh progresistas, qUe forma-
disto, nada faz de sua parte seno...moralizar. veis a maioria da nacao ? Eia, conquistadores das
Aquestao nao verificar a existencia de erros urnas e das posicoes ofQciaes, o-vosso posto de
e deeitos as parcialidades polticas, e nos homens honra no campo da batalha. Ide associar-vos aos
1 ?*^?rL^^hL5*Krm.bravos de PaysaDdQ'
A Repblica Oriental, segando os seas mais ar-
si metde eslrangeira, e desta 40;000, pelo ine
nos, sao subditos do imperio.
Mas os nossos conterrneos estabelecidos oesse
Estado nao sao tribus errantes, nem forasteiros,
que andem a cata de fortuna ; e sim homens abas-
tados e laboriosos, que com o seu capital e traba-
Iho fecundam os campos e contribuem poderosa
mente para o a
cas do mesmo Esiado.
A posicao em que por aquellas circamstancias
dos poderes pblicos do Uruguay.
Aqueiles que se tivessem dedicado ao estado dos
nossos negocios com a Banda Oriental, devem ter
conhecimento de per/as offlciaes, em qne o poder
No Diario de Ptrntmbitco, publicado no da 24
de Janeiro deste anno, que acaba de vir-me s
mos, deparei cora on anonloado de injurias e ca-
lumnias que ne sao assacadas en una correspon-
dencia datada de Pedras de Fogo ; e, em resposta
a (udo quaoto all vem, eu poderia dizer nica-
mente que nao gosto de medirme com gente que
faz parte aacompanhia dos serenos, a saber : I.....
de c.....: mas nao, nanea desejei pareeer me com
certos entes ojie s vieran ao nundo para fazer o
vil papel de detractores da vida alheia. calumnian-
do e injuriando, sem que encontr um paradeiro
sua paixo desesperada, e tante nais quando entre
nos a responsabilidade de mprensa urna burla.
Alera disto nenhuma viaganca poderia tomar
o torpe correspondente, quera qur que elle seja,
relatando os actos infames de sna vida privada ;
em vista do que emitio-me a observar ao infame
precito, que procurou apunhalar a minha honra,
que se deseja receber urna resposta seria, e digna
de mim mesmo, cerlo de quo ella oo sera dada
por meio de jornaes, mas peranle os tribunaes,
trate de fazer publicar urna segunda edicao de sua
correspondencia, firmad. com seu nome, que entao
conversaremos.
E' debalde que alguns inimigos baixos e sem
honra, tem procurado arrastar-me para discussoes
proprias de regateiras, arendo-me accusacDes
da natureza das que sao eilas na correspondencia
de que me oceupo, julgando qHa tu, como elles,
me atirarei no lodagal irnmundo em qne viven
mergulhados, exalando os miasmas ptridos de
corrupgo do espirito ; por quanlo a todos esses
entes abjectos, lenho sempre respondido pela mes-
ma forma, chamando-os a assumirem a responsa-
bilidade do que escrevem, mas nenhum s dos co-
bardes, detractores de minha honra, tem ndo co-
ragem bastante para arrancar a mascara com qne
oceultam urna cara sera verniz.
Em quanlo o negro calumniador nlo levantar a
vizeira aflu de se me fazer conheeido, e eu taze-lo
conhecido do publico, cuja boa f quer Maquear
aflra de fazer acreditar, que me acho cheio de vi-
cios e defetos ; nada direi, ceno de que os ho-
mens que me conhecem me faro jasti?a, porque
ja oinguem ignora que esses enviados de satanax,
que levan o tenpo em ultrajar-rae, escrevem nni-
caraente para serem acreditados pelos que me nao
conhecem, e mesno pelos seus conparcas.
Sirvan as poucas palavras que ahi vao cono
resposta provisoria ao aranzel desse miseravel que
procara ferir-ne as trevas, at que con mais va-
gar eu volle s columnas deste jornal, afim de con-
fundir raeus inimigos.
Fique o Sr. Andr cerlo, que apezar de sua
bojuiade e honestidade, e de toda sua familia, en
nao Ihe invejo a aureola, que o cerca, e qoe sou
assaz geaeroso para oo fazer como sen admira-
dor ; pelo que passo por ora sem fallar em suas
gentilezas,fleando esperando para ocoasip op-
portuoa.
Antonio Bernardina dos Santos.
PBLIO1C0ES 1 PEDIDO
no art. 167 quejlhes compete o governo econmico e Pedro Antonio Guedes, constipado de venlre.
municipal das respectivas cidades e villas, e, no Candido Bezerra de Salles, ophtalmia.
art. 168, que devem ser electivas, e presididas pelo' Tiveram alta :
mais rotado, deixando, no art. 169, lei regula- Joaquim Manoel Torres.
mentar todas as particularidades da organisacao,
exerccio e attribuicoes, coasas estas incabives na
lei fundamental do estado.
Cumpre, por tanto, nao altribuir aos redactores
da constuigao um erro e urna incoherencia, que
nao est na letra, nem no espirito d'esse monu-
mento da sabedoria e da previdencia de nossos
maiores. O erro e a incoherencia acham-se encar-
nados na lei orgnica e regulamenlar do Io de ou-
tubro. N'ella, que era chamada a desenvolver a-
quelles tres succintos rticos conslilucioaaes con-
cernenles s cmaras; n'ella, que tinha de tracar
as regras para a organisacao e composigao d'esses
coroo-, que tinha de marcar o numero de seus
membros, e de indicar o lempo e o modo de exer-
ccio de suas fuucgoes; o'ella, repetimos, dever-se-
hia ter reconhecido e posto era pratira o principio
constitucional da diviso dos poderes, dividindo-se
as altribuigoes das cmaras municipaes, em attri
hundes deliberativas eextcutivas,sm de confiar dor da casa com
as pi imeiias a toda a corporagao, e as segundas
um s de seus membros, ou mesmo urna pessoa
extranha, da nomeago ou da eleigao dos verea-
dores.
Nmguem dina que isto nao eslava perfetamenle
de accordo com a constiluicao, e que as cmaras
oo livessem, como quer a mesma constilugo, o
governo econmico e municipal de seus respectivos
territorios.
Tambem nao nos parece procedente e accetavel
a opiniao das commissoes, quanto escassez de ho-
mens aptos para o governo ecmomico das cidades
e villas, e que as commissoes reunidas entendem
CHRONICA JIDICIARIA
TRIBUNAL DO C09UHERCI0
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 9 DE
FEVERERO DE 1865.
presidencia do exm. sr. desembargador
alselmo francisco peretti.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Leal, e
presente o Sr. desembargador fiscal, o Exm. Sr.
presidente declarou aberta a sessao.
Lida, foi a pprovada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Foram distribuidos para serem rubricados pe-
los senhores deputados, os livros Diario e Copia-
Antonio Pedro de Mel-
lo & C, os da de Franklo de Alleluia Malveira, e
o Copadur da de Vaz & Carvalho.
DESPACHOS.
No requerirneuto de Manoel Pedro de Mello e
Antonio Pedro de Mello, juntando o contrato de sua
sociedade aflra de ser registrado :Vista ao Sr.
desembargador fiscal.
No de Joo A. de Castro Olivera, pedindo por
cerlido o da, mez e aono era que foi recolbida a
carta de registro do brigue Santa Barbara, que
fra propriedade de Francisco Jos Rodrigues Sa-
ca vem : Passe.
^oSofal2 levanto p ,V "e bons.^ltos- O moralista que faga de sua Marchai na vanguarda para mosirardes que nao
i assim em paz com a conscienca. Nao importa
reconhecer su todos tem aspiracoes pessoaes. O
que convem distinguir os que as ten legitimas,
na esphera constitucional, sem que sacrifique a
ellas o bem publico, e certos principios de probl-
dade poltica e privada. mes dos opprimldos que nao quizerera oppor a for
robusta da ienoranria harharia d npm n iffa I VClaes' Porem' descrem da regeneragao ga da inercia aos desvarios que produziram to
?nS KZcKS do ^ rr"',00 """i ^r1 0SUnC0S h0mens ^ons fruc,os ^ poca venturosa da regeneragao.
tadodoLWuav do Es' perfeito, e pelo numero e Taita de recursos nada Urna censura, urna revelago, ama verdade era
A setenenT econmica dos novos aconselha a ani- n raz". s^do |.or consegrante entes inutes; rebugo, nao ser mais que urna voz perdi-
n-tioSSaTeS^ da .?? *- ^i.o in.ente era que oL
ira o territorio de urna nago de modo to bene- esperando
HIO DE JANEIJBO
* J de Iczembro de ISU1.
O BARO DE CAYR.
Assim me vae |d esc en do
Em pedacos a vida a sepultara,
(Moniz Brrelo.)
O elogio de um homem grande, como foi no mun-
do o Ilustre bario de Cayrd, nao oecessita dos ata-
vos Ungidos de urna peona eloquente, porque tem
tantas largas era si para ampliar as ideas, que,
firmando o seu panegyrista a pona do compasso na
vastido do assumpto, pode, com seguranca, des-
peccados que' ee^netnlg JSSaSBS 52*.W "a teS^ B dos' seus
sigo por toda a parte o amor do trabalho, sao nma
causa de perturbago para a prosperidade da Re-
pblica I
Dahi o desejo de exterminar os brasileiros, obri-
gando-os por meio de violencias inauditas ede hor-
riveis depredagoes a deixar o territorio Oriental I
Contra esses sentimentos, qae sao a prova mais
sois smento
ranjos pessoaes, e no recinto dos templos, assal-
tando as urnas a merc das baioneas. Desdenhai
o apoio de urna insignificante minora que flcou
vencida na conquista do memoravel dia 9 de agos-
to do anno da graga de 63. Zombai os queixu-
fleo.
despontar o
ncam a p quedo partido, a grande maioria da nago, atra os ares
ue sem esrorjo de sua parte venha a' por todos os ngulos deste vasto imperio. Nada de
astro da felicfdade para elles tirarem patacoadas sem proveilo. O tributo progressisla
que
Osbensiramediatosdessacolonsagosaooaug- 5KSITbmTSSJST "^ %* se,n Prove,tV tributo progressista
mente da riaueza nublica e enm ell n desenvolv- tn"0.a,sura proveito sem trabalho. nao deve resurair-se 00 facto de oflerecer o Sr.
S1E2tXB2raT'* 0de,enV0lV1 i S"^adierfsa ParVoltaraoassmP'o- Rosaura seu Hito estrena e valetudinario. E
os lilhos dos hrasileiros nue all' ?e con.serva(iores, porque estes dizem que o rapaz nao quer ir, apezar de sote
oienaev e sem d. v ira tan hon COm T Prudenc,a. Panotismo e abnegago de.- torio.:
oneniaes, e sem auviaa lao Dons, xam de crear embaracos nocivos causa uublica 1
patriotas, como os melhores que possue essa Repu- --------- v
blica.
No Uruguay,
nascem, senam
O paiz ten o direilo de exigir de seus escoihidos
Por outro lado, recea-se que os adversarios era os auxilios e dedic.igoes correspondentes s provas
tornar-se agitadores ? explendidas daconflanga que neiles depositou, e aos
pres e percalgos que dessa confianga resuliaram.
Mas quem nao v que qaanto mais lempo esti-
m^m nm. mmm. m MI daN^a^BSrL?efe "SSLISSS
des reaes e efleetivas do liraitadissimo territorio, re-se conlra < sociedade .-Regis-
eni que morara, aos quaes se possa confiadamente j No"de Antonio Lopes Br,a Francisco Jos Go-
esses homens de sao coosciencia, expenenies e
conhecedores das necessidades reaes de seus mu-
nicipios nao sao ch> mados a exercer as funeges
de vareadores; por que nao se trata de verificar,
na eleigao d'esles fuoodooarios, as condiroes de
moralidade e de aptido. Desde que as cmaras
municipaes foram constituidas rodas do macbois-
no eleitoral, desde qne foi commettido ellas
o cargo de contar votos e xpedir diplomas, nao se
procurou nais para o cargo de vereador se nao os
partidarios sem escrpulos, e nao se exige outro ti-
tulo de aptido que nao seja o conhecimento
das leis da pbysica, da meoianica eleitoral, e da
arithraetica politicadas faegies.
Dispnsenlas cmaras municipaes d'esse encar-
go de contar votos e expedir diplomas, deixem-nas
com as funcetes que lhes sao proprias, lomera
mais digno e honroso o lugar de camarista, snbtra-
iiindo as municipalidades essa aviltante tutella,
a qoe viven sujeitas, deixera-lhes a faculdade de
azer lodo o bem possivel aos seus municipios, e
estamos certos que nao faltaro cidados probos,
honestos e bem intencionados, que sajan elevados
esse cargo, e que o aeceitem com rgulho e o
desempenhen con satsfagao sua e de eus nuni-
Ipes.
Contiouarenos a tratar (Teste assempto.
A poltica de Aguirre, que d expansao qaelles
sentimentos, condemnadas pela civilsago, pois,
urna por"
ser repel
As tropelas exerciaas contra os nossos compa
trilas por lao injustos motivos, devem ser vinga-
das, cora certeza de que a causa brasileira merece
as sympathias de todas as nages civilisadas.
O gaucho do Paraguay, que desconhece os prin-
cipios mais comezinhos do direito das gentes, e qae
prefere a perfidia franqueza e lealdade dos go-
vernos Ilustrados, nao tem motivo algum para
allegar, que d cores de
tentado que prallcou em
priedade e pessoas de subditos brasileiros, algons e
dos quaes investidos de altos cargos no imperio. toria.
Sob a capa de um esfarrapade equilibrismo, oc-: cn' ns nriwrmtitm iiv.^ a ,.. ..
apellida por todos spovos cultos. recri S-tiflrandn Srf0 m ?br* da ebr d/esIlva ""son raa.or eulorpeciroento que
tropelas esercidas conlra os nossos comDa-' 3f;, I d -e nas Ps'5^s offlciaes, re- nos fataes quatorze. l>to seria ma ignominia
quintando em anibigao, augmentando cada dia o que Ikaria en alto relevo, Iluminada pela aurora
seu apego aos gozos do poder, quem davidar que do progresso. Ftigi de dar pretexto a que se diga
os dominadores possara tornar-se amanhaa mais que vos sobra sempre o lempo para os arranjos do-
perigososr A revolta de Pernarabuco pz-se en, nestcos da commtiuho, al raesmo nesta quadra
campo com recursos offlciaes accuraulados em cin de crses internacionaes, ao passo que os prepara-
co annos. Mais lamentaveis teriam sido taller as tivos e operages de guerra marchara lentamente,
1 !^Tenciln .sse .facl fl nao osse di,Jue, Por1Qe em dUS annos a'i0 Podestes por e.n boa or-
de iu t BcTo ao egnorae at 2K2f3 Pr ^ e ouza^ue teve a rara al>ne- dem os "versos ramos do servico publico que o
m plena d^ conraTnro- 5??i..COnfessar a 'na,ptidao de seu parli'10 Para parldo *ervador de.xra em' liqu.dago, na
subditos hras.iZs ,iaP, ^S?1 D0 govern do paiz- Nlo esquegamos phrase espirituosa do Sr. Ottoni.
exempios que nos offerece a his-
ura
menos cora desejos manifestos de pilhagem.
Onde esto os senadores, os deputados, os verea-
dores, os juzes de paz, todos esses cidados cons-
picuos premiados com as sympathias recen'es da
Porque
elles agrupar em derredor de si
gistre-se.
No de Jo Rodrigues da Silva Rocha e Antonio
Jos dos Reis, pedlodo tambem o rtglstro do seu
contrato de sociedade :Registre-se.
O tribunal resolveu a acquisigo de um livro
para servir de protocollo dos livros qae sao distri-
buidos e entregues aos Srs. deputados.
Nada nais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao s 11 horas e raeia da ma-
nha.
PERWAMRUCO,
-.VISTA NUUA.
Reunise honlem ao neio dia a assembla geral
dos accionistas da campan hia Pernarabucana.
No impedimento do respectivo presidente e Exm.
Sr, visconde de Camaraglbe, oceupou a presiden-
cia o Sr. secretario Dr. Jos Bernardo Galvao Al-
coforado.
Os accionistas que comparecern representarauj
2,8 i B acgSes.
Foi ildo o relatarlo dos negocio* da companbla!
SESSAO JUDJCIARIA EM 9 DE FEVEREIRO
DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
As onze horas e meia da manha o Exm. Sr.
presidente abri a sessao, estando reunidos os se-
nhores desembargadores Res e Silva, SilvaGaima-
raes e Accieli. e os senhores deputados Rosa, Can-
dido Alcoforado, Basto e Leal.
Lida, fot approvada a acta da essad antece-
dente.
JULGAMENTOS
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Siqneira & Perelra; appellados, os admi-
nistradores da massa fallida de Guimaraes & Ir-
mo.
Adiado na nltima sessao.
Foi confirmada a sentenga appellada, con una
deca raga o quanlo aos juros.
Appellante, Jos Tetxeira Leite ; appellados, Ja-
mes Ryder & C.
Adiado na precedente sessao.
Foi confirmada a senleuga appellada.
Appellante o appellada, Joo Amonio Goagalvea;
appellados e appellantes, os administradores da
maesa fallida de Antonio Carneiro Pinto.
Juizes certos os Srs. Lemos e Basto.
Sorteado a Sr, Rosa ejn substitoigao ao Sr. Lo-
mos ; e relatado e feito pelo Sr. desembargador
1 Reis e Silva.
Despacharam-Fe o? embargo?.
em esses railhares de 'oanles livres.que se nao foram
8rav?s- indifferentes ao raerecmento dos eleitos, nao pe-
gue justiga, quo razao de estado essa que dem flcar surdos ao reclamo da patria, transmittt-
aconselha o sacrificio dos bons como refera da 1 do per elles ?
continencia de aventuremos ou agitadores ? Nao Ottoni, o famoso tribuno que congregava as mas-
isto um precedente pengoso que desanima os sas electriando-as cora o simples auxilio de um
e acorogoa a improbidade poli-
homens honestos,
tica?
E o peior que o paiz sofTre, e soffre muito com
isto....
Nao vale a pena sacrificar os mais caros interes-
ses da nago espera de mais algumas provas da
lencinho branco queagitava ao ar gallardamente; anno de l
Ottoni, que fez figura importante n'uma revolla pa-
tritica, levando o denodo ao ponto de queimar
urna ponte para embargar o passo s tropas lega
listas, porque nao se consume o Napoleo dos lem-
pos modernos, apinhaodo nos campos de Minas-
Conhecidas alausas da guerra/que "noerOfW I Se^JK^--**' dir*ir a aao
os nossos vizinhos, dea patente que o governo do'
paiz levou as armas do imperio Banda Oriental
por motivos, que abraga a razo mais esclarecida.
Causas anda mais sagradas levar-nos hao Impe-
riosamente, depois de termos castigado o Uruguay,
a bastear o pavilho nacional nos reductos de As-
sompgo.
Em vista do exposto, qaal sera o pernamburano,
em estado e condigoes de langar mao das armas,
que nao se apresse em reatar a cada de herosmo
Cn conjun3ugualmente melindrosa e Inteira- iCpiSlda,,,e k de8aZ0 da 8ente Pro8resssU. J Geraes e metiendo' em columna as" cohorte rlspe-
roente desprovido de gente! aTmas mamces de 'ff^J** para um JUIZ0 consclencloso. lavis de seus amigos develados, dispostos a colher
guerra e vveres, diz.a FernandeTv eirTao patrio hS ^"j com duas gtM'"M vlsi- os louros da victoria no territorio paraguayo ?
tas, que congregara para assentar sobre os SS Bretanb? ^"mn^hf ^^i^088 T 5 Gra" Sa 6- Alhuquerque, o eleito de moderna data, por
uretanna. .Sorrremos ha pouco o insulto de ura que oaoacorda o Leo do Norte adormecido ? por
oavio peruano, e logo depois a ofensa da embar- que nao far estremecer nas campas as eiczas de
cagao de guerra norte-americana. Outrs diffl-! tactos martyres dos montes Guararapes que Ihe
cuidados internacionaes pouem surgir de um mo- sao to familiares ?
ment para outro. O estado flnanceiro do paiz se
mostra carrancudo. Cora a aurora do novo pro-! de prestigio por urna dupla conflanca7'po"ra"enao 1 Aus'tna
frene temdesaodado aroda dos melhoramentos arrancara de sus peitos um orado de pairiotisno
pblicos. A transgressao das leis, e at do codi- para levantarem em peso as provincias onde aca-
go fundamental do estado, os ataqaes repetidos e; bara de constituir seus feudos ?
gravissimos a seguranga individual e de proprie-1 Souza Franco, o -homemnacao que innundoa
dade. a compressao do voto, as violencias e tro-! de papelloro a Ierra da Sania Cruz, para preveito
pelias de autoridades, o desenfreiamento do ins- della s, prometiendo cora isso endientes de oros-
tracto reaccionario, tudo isto com effeito forma ura' perdades que se convertera-o em torrentes de ca-
quadrointeressanic, diante do qual devemos cru-' lamidades, porque oo arrasta com sigo para o
zar os bragos, e ver tmpassiveis aggravaremse theatro da guerra a famosa seita dos lberdadeiros
as desgragas publicas, em quaoto oo se aeaba de do crdito ?
gastar o partido progressista com mais algumas) n deslusoes ou destemperos entre os proprio! cor- SDrL? *'JK ~J vcerdade- -,0 Sr ^>as Vlei-
religiooario.s sinceramente desengaados ou sin- ", PKrqUe n*, hade S< Exc- desmenli'' <> Sr.
plesnente offendido/em .juestes de nel odres Si Bas ,nhos- P?r? r"er ura "P^ 'on^vel de sua
interesses pessoaes. netiuares ou rhetoricai aduBando a eioquencia de seos discar-
... sos com aquelle verso de Horacio : Duke est
N urna quadra em qne o paiz carece do enlhu- pro patria mori, e con taotes exempios edificantes
siasmo e conflang que peden vir de ora gabinete de valor encarecidos pelos prosadores e poetas ?
composto de homens eminentes, havemos de ver "" "-
de restaurado de Pernambaco :
O que nos impede langar mo das armas T
O raedo de perder os bens ? Ai I amarga ex-
periencia nos tem provado qoe para sejrura-los on-
tros meios nao teos alen dos nossos bracos.
Ser o amor de esposas e Albos ? Antes v-las
monas, emquanto a pureza do una lie est inocu-
lada do que vivendo na contagiosa sociedade dos
hereges.
Ser o temor da norte ? Antes norrer, vindi-
cando a liberdade da patria, do que continuar a
existir nessa mesma patria, povo conquistado op-
primido, menoscabado, Insultado.
Eis a lioguagen de nossos maiores.
Conven soptar por algn tenpo no seio d'alna
as efleigSes de familia, o amor dos penates, para
acudir aos reclamos da honra nacional.
cima do individuo est a familia, e cima desta
a nacionalldade ; mas se a familia tudo para o
hornera, entao, pernarobucanos, correi s armas,
por que a nago nao outra consa, se nao a am-
pliflcago da familia.
A" Montevideo! Ao Paraguay I
Fornen estas palavras a devisa, sob a qaal mar-
chen as nossas hostes a viodicar a honra da
naci.
gloriosos feilos.
O baro do C'ayr est nestas condigoes. Anda
vigoroso, pronetlendo durago sobre a ierra, an-
dava entre nos, o nosso amado amigo o Exm. ba-
rio de Cayr, sera que nos passasse pelo peosa-
mento a idea de o perder to cedo I Urna apoplexia
fulminante, honlem, s 4 horas da tarde, o rtscou
do catnalogo dos vivos, e o levou instantneamente
a presenga do Eterno.
O baro de Cayr era um dos maiores vultos da
nossa diplomacia, e, actualmente, o mais habili-
tado diplomata, o mais perspicaz estadista, que va-
mos no Rio de Janeiro; porm a sua modestia, a
sua sngeleza to grande como o seu merecimento;
o retiro era que vivia, pelos desgostos de nao ser
em nada consultado, faziam com que esse grande
homem passasse ignorado, sem a importancia ;jue
mereciara os seus conhecimentos e a saa experi-
mentada pericia.
Tivemos innmeras occasies de admirar a vas-
ido dos conhecimentos do baro de Cayr, porque
no lar da confianga, cada passo o consultavamos, e
sempre esse grande varo apreeiava os factos na
altura em que se os deviam comprehender. Possuia
urna vaslissiinaerudigao; fallava correctamente as
linguas portugueza, frahceza, italiana, hespanhola
e ingleza : sabia mui bem as linguas latina, alie-
ma e grega, e se nos nao falha a memoria, ouvi-
molo dizer, que conhecia tambem a hebraica. Pos-
suia o conhecimento da historia geral, da qual, a
cada passo, memora va os factos : sabia perfei la-
mente a historia patria; e por isso, quando quera-
mos verificar as nolicias, consultavamos sempre
ao baro de Cayr, em companfaia dos nossos nti-
mos amigos.
Versado nas sciencias ecooomicas e fioanceras,
I eslava a par de tudo o que se passava oa Europa
e na America; e, por sso, no seio dos seas amigos,
emittia o seu juizo a respeito dos desmandos dos
administradores pblicos do Brasil.
Era diplomacia era eminentissitno, como j dis-
semos; e nos possuimos, por sua propria letra, a
historia da diplomacia brasileira, que, a nosso pe-
dido, elle escreveu, para ornar a nossa Chorogra-
pha Histrica do Imperio do Brasil, a qual, breve
publicaremos no nosso Brasil Histrico, para mos-
tramos ao muudo o modo porque sao desprezados
entro nos os grandes servidores do estado.
O baro de Cayr tal qual foi, acba-se retratado
nos apontamentos biographicos qoe eserevemos no
anno de 1863, e publicamos. E era tal a sua no-
desta que muito antes Ihe fallando nos em presen-
ga de tantos servigos feitos a patria, de Unta illns-
tragao.em escrever-lhea historia biographlca, sere-
cusava de nos dar apontamentos seguidos dos actos
da sua vida ; porm nos que vivamos cora elle na
mais estreita confidencia, destacadamente faziamos
perguntas, e elle a todas satisfazla, e ao passo en-
tao que isto conseguamos, laroos lomando as notas
at que, em um bom da, o sorprendemos com a'
leilura do que haviaraos escripto; e o nosso amado
amigo, o Exm. baro de Cayr, cheio daquella soa
immensa bondade para comnosco, daquella candn-
.1. altnaeio.
A illustrada redacglo do Constitucional da corte
acende lodos os dias ama vela ao santo de sua de-
1 vocae para que oo termine a situago poltica do
paiz. Os dominadores leen foito muta cousa
xito desgragado teria a causa do paiz si contasse-
mos per soldados nas campias do sol, sem dis-
tinego de sexo, rdade ou eondico, os Individuos
que livessem, ja oo diremos dedicago profunda,
mu ao menos alguma confianga para com o mi-
nisterio actual ? I Pa) se nos dava de apostar a
cabega.. .
&s&aASi > Sisera ras SSsft
cono negociador plenipotenciano, para o
casamento de S. M. o Imperador.
Perguntamos-lhe, se eonserova copia das notas
da negociago ? Disse-nos qne sim. Pedimos-lhe
urna cousa e oatra para ampliar e qae tinhamos
escripto, e ento, com modesta repugnancia, tudo
nos entregou, dizendo-nos que fitessemos o que
quizessemos, porque se sogeitava aos nossos de-
sejos.
Nimiamente condescendente, comnosco, nunca
Ihe litemos am pedido a que se negasse: nao es-
perava que nos o procarassemos em sua casa; qua-
s sempre estava comnosco, e durante esse lempo
o Ilustre bario de Cayr, ewrelinha a todos, va-
riando os assumptos da sua amena conversago.
Ante-hontem, anda nos escreveu, e estas suas le-
tras, as guardaremos, corno reliquias de inestima-
vel valor, at o ultimo momento da nossa existen-
cia terrestre.
O baro de Cayr, recebendo hontem, em casa,
una visita de pessea distincta, logo depois de jan-
lar, verson a conversagio, a respeito dos casamen-
ta a quem areogou a pro-^ tos das jovens princezas brasileiras: e elle resenti-
do quexou-se do desprezo inqualifleavel a que o
tinha votado o governo do paix, e fea sentir a pes-
soa con quem conversava, que o maior prarer que
Ihe adogava as nagoas. era ter a fortuna de ter si-
ama raultido
psito do conflicto mglez.
Qaaoto aos conservadores.- deixai-os, qae elles
sao tas poucos que nem chegara para o servico or-
dinario da guaroico. Alen disto, o contacto im-


I
i

-
h^? r!li f deW m mb> a,am etthI doVn baciar a candidez do. bemaventarados... ID. Pedro lf, com a mais virtuosa princeza da Eu-






Warle de rtrmnmbnt **\4a *e!ra 19 de revertir* de 1 t5.


ropa; e que anda creara mais o sea pruer, por
ver que o Brasil possuia oa pessoa de S. M. a Im-
perairiz, o modelo das soberanas: mas que em re-
oompensa de haver elle traxido para o Brasil, esse
anjo de reconhecida boodade, asee modelo de vir-
tudes para a naco, esta Ibe hara recompensado
com o desprezo e com o indifareutisiuo! Depois
disto dizer sobe ao segundo andar da soa casa, traz
a Btographia que escrevemos, e principia a leitura
da negociacio do casamento do Imperador, as ce-
remonias dalle, em aples ; a historia dos seus
servicos, em lempos calamitosos, com o Rio da Pra-
ta e com o governo dos Estadas-Unidos da America
do Norte, quaodo elle era ministro dos negocios
eslraogeiros; e com tanto enthusiasmo azia a lei-
tura do nosso lirro, onde elle smente figura con
importante protejrooteta, veado-se a eada passo re
produzido, nlo ebegau a acabar a leitura, porque,
se sentio mal, e indo para a sala, dcitouse em um
sof. Alguns instantes depois, a Eima. Sra. baro-
neia de Cayr, ouvio o som de ama pancada...
va sala, e quaodo alli chegou, v sea Ilustre es-
poso estendido no assoalho, debracos, e i sem
vida til
A noticia da morie repentina do Ilustre varo,
cuja per da sentidamente pranleamos, espalhou-se
pela cidade, e nos logo que della soabemes, alli ro-
mos tomar lugar no recinto da ddr, e imprimir-lhe
na face honrada um sculo de saudade.
Era o carao de Cayr muito sincero e dedicado
amigo; o para justitlcarraos a sua leal dedi cacao,
lembrareraos que ha seis annos que vive em Pars
o nosso commum e privado amigo o benemrito
conselheiro Antonio de Menezes Vasconcello.s de
Orammond, e dorante este periodo de lempo nao
sabio do Rio de Janeiro nm paquete para a Europa
Jue aao fosse portador de urna carta do baro de
a> ru, dentro de outra nossa para o conselbeiro
Drummoud, cheia de affectuosas consolaces. Nos
dizia muitas vezes o Ilustre baro de Cayr : i As
nossas cartas de 15em 15 das mandadas ao nos-
so Menezes Ihe prolongan a vida : o Menezes
< credor da nossa cincera amizade, porque um
< grande homem; eu o cooheco de perto ha mui-
c tos annos. O governo nunca o soabe apreciar;
t mesmo ceg como est v mais do que maita
gente ; e se elle estivesse nos conseibos da cora
< nao teria passado o Brasil por tantas crises, e
< nem se teriam commettido tantos erros. O nosso
t Menezes a gloria da nossa diplamacia. O que
o baro e Cayr chamava amigos do peilo, nunca
se lio de esquecer da sua honrada e illuslre me-
moria.
Como gro-mestre da maconaria brasileira, son
be preencher os seus deveres em modo a merecer
a sincera estima de todos os membros da ordem.
O Grande Oriente Ihe mandou tirar o retrato; to-
inou luto por 33 das, e pretende no trigsimo dia
do seu passaraento, mandar celebrar um ofOcio
com Libera me.
A sua excedentsima familia, que o adora va, es-
t incon-olavel. Ficoo pobre, porque o nobre baro
de Cayr nos empregos qae exerceu se contentou
com os tenues, veuciraentos que Ihe tocavam, e
nunca manchou suas mos, porque linha em maior
cabedal a honra do que o dinheiro. Como homem
o baro de Cayr honroa a sua especie; e como
cidado honrou a patria.
Com profunda magoa nao podemos deixar des-
apercebido um ficto memoravcl que se deu na
raorte do baro de Cayr, que vem a ser que ten-
do sido elle ministro de esirangeiros duas vezes
e plenipotenciario do casamento de S. M o Impe-
rador, e todos pelos anounciostendo noticia de seu
aecimento, apenas compareceram ao sea enterro
o sea amigo de 50 annos, o conselheiro Joo Mar-
tins Lourenco Vianna, conselheiro Sergio Teixeira
de Madedo, conselheiro Marcelino de Brito, rhefe
de diviso Laroego Costa, Dr. J. Caetano da Silva,
e mais urna ou outra pessoa que nao conhecemos.
Se nao fossem os macoes que alli afDuiram com
perto de 60 carroagen^, apezar da tarJe tempes-
tuosa, nao terla o cadver do nosso venerando e
illuslre amigo baro de Cayr un acompanharaen-
lo condigno.
Ninguem alli mandou, ninguem appareceu para
fazer as ultimas honras devidas ao varo prestante
que concorreu para a relicidado da nossa patria I
E' mais ama ingratido que teremos de registrar
na historia do paiz.
O baro de Cayr a nica condecorado qae te-
ve brasileira, foi a commenla de Christo ; todas as
mais foram gra-cruzes dadas pelos soberanos da
Europa. O titulo de conselho inherente s pastas
de ministro e secretario de estado, e por isso nao
foi m>rc ou dislincrio de servidos. O Ululo de
baro de Cayr, Ihe veio de tal fnna, que elle se
nao qulz encartar, e s em atienco s rogativa*
le seu irmo o desembargado!- Lisboa, que a foi
tirar, que se demoveu a usar do titulo de baro
de Cayr.
O cadver do Ilustre baro de Cayr foi sepul
lado no cemiterio de S. Joo Baptista s 6 horas da
tarde de hoje: e nos, os seus amigos, depois de ter-
mos levado al a sepultura, depositamos sobre a
pedra que o abafa, ama coroa de murta, emblema
da dor sincera do coraeo, entrelazada de sauda-
des : e mandamos fervorosas preces ao Supremo
Dens de misericordia, pelo elerno descanco daquel-
la bem formada alma.
D.JJrola, coasorle do 8r. Joo Simdes de Al-
meida.
D. \laria Emilia da Costa.
U. Josepbina, consorte do Sr. Lwz Francisco do
Paula Ramos.
Mordomos e mordomas lodos os moradores da
Capunga e S. Jos do Moguinho.
S. Jos do Manguiuno 29 de janho de 1861.
O vigario Manoel Joaquim Xavier Sobreira.
Cammissn regeddra da fesla de Santo Aulonio eiu
S. Jos do Maagainh no anuo de 1861 a 1865.
Presidente.
O Sr. Francisco Pedro de Mello.
Secretario.
O Sr. Joo Bernardo Neivas de Figueiredo.
Primeiro procarador.
OSr. Agostinho Jasme Bzerra Pessoa.
Segundo dito.
O Sr. Joo Chrlsesiomo Bezerra.
Tereeiro dito.
O Sr. Amaocio Oodufredo Lucas.
Procurador geral.
O Sr. Manoel Joaquim Neivas de Figueiredo.
Thesoureiro.
O Sr. Cosme Jos das Neves.
S. Jos do Manguind 29 de junho de 1864.
O vigario, Manoel Joaquim Xavier Sobreira.
ileieio dos joizes, juizis, eseririos, eserives,
mnrilomos e mordomas qae bao de festejar o
glorioso padre Santo Antonio na igreja de S.
Jos do Manguinao no auno de 1861 a 1863.
Juiz por eleico.
O I!lm. Sr. Jos Daarte das Neves.
Juiz protector.
f) Illm. Sr. major Antonio Bernardo Quinteiro.
Juiz perpetuo.
O Illm. Sr. lente coronel Jos Candido de Barros.
Juiza por devoco.
A Exm.* Sr." D. Marianna, consorte do Sr. Ber-
nardino de Senna Muniz.
Juiza protectora.
A Exm.* Sr.' D. Francisca, consorte do Sr. Nicolao
Auslin.
Juiza perpetua.
A Exm." Sr.* D. Candida, consorte do finado Jos
Candido de Barros.
Joizes j>or devoco.
Os Illms. senhores:
Jos da Silva Loyo.
Capiao Miguel Bernardo Quinteiro.
Tenente Hypolito Jos Roberlo.
Jacintho de Almeida e Silva
Julzas por devoco.
As Exm." senhoras :
J>. A ana, consorte do Sr. Joo Ignacio Avila.
D. Mara Evangelista.
D. Joaquina, fllha do Sr. Bartholomea Ribeiro
Pire,
i). Deifina, fllha do Sr. Francisco Antonio da Silva
Cavalcanti,
Eserivos por eleico.
Os films, senhores :
Man Padre Leona'rao Joo Grego. .
Antonio Ahres Vuelta.
EscrvXes por eleico.
As Exm.** senhoras :
I). Ansa, ensorte o Sr. Augusto Geooino de Fi-
gueiredo.
D. Mara, consorte do Sr. alferes Libanio Lopes
Moreira.
D. Genoveva, consorte do Sr. Maooel Luiz Alves
Vianna.
Eserivos por devoco.
0< films, senheres :
TenenU-corooel Sebaslio Lopes Guimares.
Ulisis Jusuniano de Olive-ira.
Antonio Francisco das Cbagas
Jo-i- fgaacto Avila Jnnior.
Jos Duarte Calisto
Padre Manoel Siritlo de Oliveira.
Escrivaes por devoco.
As Exm.** senhoras :
t>. Olvmpia Lia* Ribeiro.
D. Isabel Caro.
Pastilhas vermtfngas de Kemp.
Criances tormentadas por vermes podem ser
alliviadas com uqja s dw de Pastilhas Vermfu-
gas de Kemp que sao incitantes em apparencia e
deliciosas demais no sea gosto para serem regenta-
das. Estas pastilhas sao muito procuradas por
quatro motivos; ellas nao contera mineraes, nao
precisara depois do purgante, effectuam o qae se
deseja sem dor, as crianca esli promptas a tomar
mais do qae marca a receita.
Nenhuma mi qae ji as tenha experimentado
urna vez quer outro vermfugo na sua casa.
A venda por todos os pnmeiros droguistas no
imperio, e em Pernambueo por Ciors A Barbosa,
J. da C Bravo i C.
CQMMEBCIO.
Noto banco de Peraaaabnco.
O banco descoma letras na presente semana a
12 por cento ao anno at o prazo de seis mezes, e
toma dinheiro a juros a praso nunca menor de
iros mezes.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pcrnambnco.
A directora desta caixa saca sobre a caixa filia
na Baha.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
Alfandega
Rendimentododia i a 8.........24i:75CJ84I
dem do dia 9................. 40:131930
281:882^791
tlrtvlnseuo da alfandega
Volumesentradoscomfazendas... 217
eom gneros... 792
----- 1,009
Voluntes sabidos com ,'azecdas.. 147
com gneros. 734
-----881
Descarregam no dia lO.lefevereirede 1865'.
Escuna inglezaEUsdhelh Barlir mercaderas.
Patacho prussiaoo Frnheilmercaderas.
Barca francezaJean Bapliste -idem,
Brigue iugloiFloriste diversos gneros.
Barca Ingleza Imperadoridem.
Birca portuguezaLaura-dem.
Patacho inglez-PrW/e idem.
Sumaca hespanhola^oe/o/Zas-vinhos e mais g-
neros de estiva.
Brigue hamburguez Palma farinha de trigo.
B. iue ingtezUehnabacalho.
Barca ingleza SieZZacarvao.
Barca inglezaOla"llonesty idem.
Barca inglezaChanzaidem.
Barca ingleza-Ambleside-idem.
Barca ingleza Williandem.
Pataeho inglezMondaidem.
Brigue inglez UUowater ferro.
Recebedorla de rendas Inter-
nas geraeade Pernambaco.
Readiraento do dia 1 a 8........ 8:4985220
dem do da 9................ 1:493*179
9:9915399
Consolado orovlnclal.
Rendimento do da 1 a 8....... 41:8732672
dem, do di& 9............... 8:3215347
50:3955319
magnelicos, e m fundo de R brabas, exactamente
onde termina pelo sol o Recife que forma n banco
ioglez. Capitana do porto de Pentambuco 4 de
tevereiro ie H5 O secretario,
Dock) da Aqaino Fonseca.
Tribunal da ronimcrcio.
Art. 13. Os volunlarios das differenle* elassse
definidas no artigo antecedente derero ler o re
qnisitos seguales :
1." CUii.Ojquee allatarem para a manaha-
gua sem lempa delermiotio, dorem aer fortes
ios, aoosNunados a vida a mar, ou pelo menos
* do iribooalaocommerciode Per- ?.iar?,ad" ""j "f//*^! f*-
ablico que nesu data f,i .nscrip-1,* i^"-r?*Ja.*e.5"'rito?rl,W|i
MGVIMENTO DO POETO
Navios entrados no da 9.
Acarac15 das, hyate nacional Sobralense, de 97
toneladas, capiao Antonio Gomes Pereira, equi-
pagem 8, carga sola ; a C C. da C. Moreira.
Triesie117 das, brigue hanoverlano Hassolunne,
de 173 toneladas, capitn Hermano Forkembeck,
equlpagem 8, carga ,170 barricas com farinba
de trigo : a ordem.
Sonido no mesmo da.
BahiaEscuna nacional Elisa, capiao Belmiro
Baplista de Souzt; carga differentes gneros.
AracaiyHyate nacional Nicolao/, capito Antonio
Jos da Silva, carga varios gneros.
Caldeara. Barca ingleza Chile, capito James Mel-
les ; carga a mesma que trouxe.
EDIT1ES.
0 cidado Antonio Augusto da Fonseca, cavalhei-
roda imperial ordem da Rosa e juiz de paz se-
gundo votado dafreguezia do Santissimo Sacra
ment do bairro de Santo Antonio da cidade do 6 de feverelro de 1863.O administrador,
Recife etc.
nambuco se faz publico que ncsla data r>i inscrip
to ao complate livro o vapor Parahiba do porte
de 193 93/95-13 toneladas,do qnal propietaria a
compaohia Pamambncaoa de navegaca oosiaira
por vajior, a mestre Joaquim Jos Martin*.
Secretaria do tribunal do commercio de Per*
nambuco 4 de fevoreiro de 1865.
O offlcial-maior,
Julio Guimares.
terminados, de um a ires asnos, davatn ser lories
saos, e acostumados a vida do war.
3.' Classe.Os que se eoniratarem para servir
na marinhagem a prazo da seis oa de oito annos,
em conformldade do artigo 3. do decreto n. 1466
da 25 da oulobro, deven ler as requisitos dos da
segunda classe, excepto a pralica da vida martima
que poder ser despensada com a claosnla que
adianie ( artigo 16) se expressa.
4.* Classe.Os alistados para o corpo de impe-
riaes marinhsiros dewm ser ddades hranileiros
de 18 35 a naos de idade, oa at 40, sendo borneas
do mar; forte, ans, a capazas de todo o servieo.
Pela mesma secretaria se fz igualmente pu-
blico qae nesla dala dea registrado o distrato da
soeiedade de Antonio de Soaza l>al Flores e Fre-
derico Alves Pereira Pinto, outr'ora estabelecidos
nesta cidade sob a firma de Pinto & Plores; flean- JzJ^Si^ut^ S *.a1u",s tun*1
do Pinto pago do principal e lucros adqaerldos na ?* "E **** 4a an?os .annos deidade, e os on-
conslancia da s^iedade/e a cargo de Flores a li- tr rX %$ 1tm4c,*ff.e- ,
qa.daco^lo activo e pasivo.. _.TodaJ,a Per.se.|ii admitl.r alguas estrangei-
Secretara 7 de evereiro de 1865.
ros medanle previa aulorisaco do governo.
6.* Classe.Os aprendizes marinheiros devero
ser cidado brasileiros, de 10 17 annos de Ida-
de, de cooslituico robusta, e apropriada vida do
mar.
Poder-se-ha tambem admitlir menores do. 10 an-
nos, qae tenham sulBcienie desenvolvhnento phy-
sico para os exercicios do apreodisado.
Art. li. Os voluntarios da primeira classe perce-
bero os soldescoBoedidos pelo anigo 1 *do decre-
recebero
Julio Guimares,
Official-maior.
Censclho de compras na vaes
Promove o conselho no dia 11 do crreme mez,
i vista da propostas receidas at as 11 horas da
manha, a compra sob as condiedes do estylo dos
seguintes otijectos do material da armada : 5 an-
corles de 2 qmntaes, l ancorte de 4 quintaes 1
ancorete de 6 qointaes, 50 amotolias de folha, 73 lo n. 1466 de 2." de outubro, mas nada
bracas de correle de rerro de 5|8 de grossura, 50 a Ululo de premio oa gralificaco.
chapeos de oleado, 45 covados de damasco de se-1 Ser-lhes-ha declarado, e expressado nos seus as-
da verde, 4 lences de chumbo, 50 esgunchos, 20. sentamentos, que noobterii guia de desembarque
escovas ingieras, 16 arrobas de ferro em vares sem previnir ao commandaiile respectivo dous
de 4|8, 20 laoternasde patente, 100 pecas de soo-
dareza, 500 colheres de rerro, 100 arrobas de oleo
de liohaca, 20 Jilas de ocre amarello, 100 libras
de taixas de cobre, 60 loalhas de brim, 100 mi-
Iheirosdetaixas de rerro batidas para bomba, 20
arrobas de zarcao, 800ps de canno de ferro gal-
vanisado, de 1 pollegada de dimetro exterior em
pedacos de 4 ps de comprimento, 340 ps de can-
no de ferro gal vanisado, de 1 1i2 pollegada ue
dimetro exterior em pedacos de 4 ps de compri-
mento, 60 ps de canne galvansado, de 2 pollega
mezes antes, salvo se nisso nao honver inconve-
niente para o servico, por que enlao sero irame-
diaUmeme altendldos.
Urna resalva, que Ibes dever ser entregue com
a guia de desembarque, declarar que a contar
dessa data os sobreditos voluntarios.se forera na-
cionaes, fleam isentos do recrntamenlo por am an-
no, ou por lempo igual ao que liverem servido nos
navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,
porm, o caso de cireumstancias extraordinarias
durante s quaes ficar suspensa a isenco.
das de dimetro exterior em pedacos de 4 psde! Art. 13. Os da segunda classe receberaos os pre-
compn.Tiento, 4 tees de ferro galvanisado de 1 l|2i mios seguintes :
pollegada, 12 tees de rerro galvanisado de I polle- Se forem grumetes; dez, vinte e dons, oa trila
gada, 6 tees de rerro galvanisado de i 1|2 polle-; e quatro mil res, segundo se contrataren) por um,
gada de um lado, e I de outro, 30 curvas de 1 dous, ou tres annos.
pollegada, 18 ditas de 1 1|2 pollegada, 6 ditas de 2 i Se rocero marinheiros : vinte, qaarenta e cinco,
pollegadas, lorneiras de rerro galvanisado de 2 oa setenta rail reis, segundo o prazo de seu contra-
pollegadas de dimetro exterior, 6 ditas de metal. to for de am, dous, ou tres Annos.
pratiado de 3|4 de pollegada de dimetro exterior, Alm do premio recebero mais os referidos vo-
6 ditas de metal pratiado de 3|8 de pollegada de lantarios se directamente se apresentarem, a gra-
diaraetro exterior, c 100 tubos de meial de 11 ps | liBcaco de quatro mil reis sendo estrangeiros, e
e 2 pollegadas de comprimento e 3 3|8 de pollega- de cinco mil reis sendo nacionaes.
da de dimetro exterior.
Sala do conselho de compras navaes, 8 de feve-
rero de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos knjos.
O Illm. Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 7 do corrente, manda fa-
zer publico que no di 23 do mesmo, perante a
junta-da fazeoda da mesma ihesouraria, vai nova-
ama praca para ser arrematada a qtiem por
menos flzer, a obra da ponte de rerro d Moloco-
lomb, avahada em 68:9305, servindo d- bas9 a
essa arremalaco o abatimenio de 7 0/0 olTerecido
pelo licitante Jos Augusto de Araujo. E para
constar se mandou publicar o presente pelo jornal.
Secretaria da thesourara provincial de Pernam-
baco 8 de Tevereiro de 1863.-0 secretario,
A. F. d'Annunciago.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se Taz publi-
co que no dia 15 do corrente fiodam-se os 30 das
uteis marcados para a cobranca a bocea do cofre
do anno financeiro vigenle dos impostes de 4 0/0
sobre os estabelecimenlas de commercio fra da
cidade do Recife, prensas de algodo, cocheir.is,
Esta gralificaco, porm nao se abonar repeti-
damente ao mesmo individuo por cada novo con-
trato successivo que flzer, se este for de prazo me-
nor de tres annos.
Ari. 16. Os da terceira classe recebero mais
ama quarta parte do maior premio que poderiam
obter coRtraiandose como os da segunda elassse
na praca de grumete ou de marinhelro, que Ibes
ompeiir, c a mesma gralificaco apresentando-se
di reciamente.
Exceplaam-se os que nao forem hmeos do mar,
e liverem mais de 40 annos de idade, os quaes po-
dero alistar-se com as coodiecSes dos da terceira
classe, mas sem augmento de premio.
Art. 17. Os da quarta classe recebero como pre-
mio cera mil reis, se forem marinheiros,c sessenta
mil reis se torera grumetes.
Ari. 18. o; da quiln classe recebero o premio
decenio e cincoenla mil res, se nao forern maiores
de quarenta annos o o de cen mil reis, se liverem
mais daquella Idade.
Arl. 19. O premio dos voluntarios menores, des-
tinados para as eompanhias de aprendizes mari-
nheiros, ser de cem mil reis, e se abonar aos
pais, tutores, ou quem suas vezes flzer :
Arl. 20. Os premios de que tralam os artigosan-
cavallarices, botequins, heteis, pasas de pasto, ly- j tecedentes serao pagos pela mam-ira segulnte
pographias e rabncas de 8 0/0 sobre consultorios 8 0s rt(>s voluntarios da segunda classe, se o
mdicos e cirurgicos, escriplorios e carloros ; de' alislamenlo tor por am anno, Ihes sero pagos in-
20 0/0 sobre estabelecimentos de commercio em tegralmente no acto de assentarem praca; se por
grosso e a retalbo, armazens de recollier, depsitos dus Tes annos, recebero em tres presiacSes
e trapiches; de 505 por casa de bilhar e do mo-
das ; de 1005 por casa de compra e veuda ue cs-
cravos, de vender roupa Teila no eslrangeiro, de
correctores commerciaes e agentes de leilo;de
1:0005 sobre casas de operaces bancanas com
emisso e previlegios ; de 6005 pela commisso e
sem prcvilegios; de 4005 obre as eompanhias
anonymas e agencias ; de 2005 pelas casas de
cambio ; de 505 por cada alqueire de sal; de 305
per escravo empregado ere servico de alvarengas;
de 15 por tonellada de alvarenga, lancha e canoas
abenas; de 205 por cada bote ou saveiro; de 305
por cada balieira; de 105
ou empregado em servico
armazens; de 105por cada cavado de sella de
aluguel; de 65 por cada cavallo de sella particu-
lar ; de o 0/0 sobre a venda do capim e o de car-
ros, carrocas e mnibus, e tambem o 1 semestre
do de 20 6/0 do consumo de agurdenle das fre-
guezias desta cidade,dos Atogados, Muribeca, San-
to Amaro de Jaboalo, S. Lourenco e Varzea, 8-
cando sujeilos a multa de 6 0/0 sobre seus detitos
todos os contribuintes que pagarem depois daquel-
le dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco [
iguaes, seodo prmeira paga como no primeiro
caso, segunda quando vencida melade do prazo
do contrato, e a terceira Anda o dito prazo.
j 2. Os voluntarios da terceira classe recebe-
ro urna lerga parte do premio respectivo logo qae
tenham assentado praca, outra terca parle no fim
do primeiro anno de servido, e o restante lindo o
prazo de seu alislamenlo.
S 3." Os premios dos imperiaes marinheiros e os
das pracas do batalho naval sero abonadas como
os dos voluntarios da terceira classe.
i i." Os premios drvidos pelo alislamenlo de
Faco saber a quem inleressar que havendo dado
parte de doente o juiz de paz primeiro votado des-
ta fregoezia o capillo Luiz Cesario do Reg, eo-
trou em exercicio do mesmo cargo em qaanto du-
rar o sea impedimento, o segundo votado a cidado
Antonio Augusto da Fonseca, pelo que scientifico
que as audiencias continan) a ser nos mesmos
das, hora e lugar ja designados, e qae despacha
em a casa de sua residencia ra de S. Francisco
n. 44 ou aoude tor encontrado.
Recife 9 de feveroiro de 1865.E eo Joaquim
da Silva Reg, esenvo que o escrevi.
Antonio Augusto da Fonseca.
O Illm. Sr. inspector da thesourara provin-
cial om cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 7 do corrente, manda fa-
zer publico que no dia 23 do mesmo perante a
junta da fazenda da mesma thesourara vai nova-
mente a praca para ser arrematado a quem mais
der o imposto do pedagio da barreira de Moloeo-
lomb, avahado em 2:0155 annuaes.
A arremalaco sera feta por lempo de dous
annos e quatro mezes a contar do 1 de margo do
corrente anno ao ultimo de junho de 1867, e de
contormidade com o art. 16 do regulamenlo de 3
de agesto de 1832.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparecara na sala das sessdes da referida
junta no dia cima mencionado pelo meio dia e
competentemente habilitados.
E para constar se raaadoa publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesourara provincial de Peroara-
baeo 9 de fevereiro de 1865.
O secretorio,
Antonio Ferreira d'Aoounciaca.
DECLlEAvOES.
Cala filial do banco do
em Pernamftneo,
Brasil
Antonio Carneiro Machado Ros.
1.* secco.lSecretaria da polica dePernambu-
co, 1 de revereiro de 1863.O Illm. Sr. Dr. chefe
de polica, manda renovar a publlcacao da postura
addicional de 12 de fevereiro de 1863 abaixo trans-
cripta, alien de que ninguem allegue ignorancia de
suas disposicoes.
Postaras.
Art. 1.a Fica prohibido neste municipio o brra-
quedo de inlrudo com agua por qualquer maneira
qae se empregae ; os infractores pagaro a molla
de 13&000 reis, e 8 das de priso.
Art. 2." Fica prohibida a venda de limas de chei-
ro ; os infractores alm de as perderera, pagaro
4?000 de malta.O secretario, Eduardo de Barros
Falco de Lacerda.
O cnsulho de compras para o arsenal de
guerra precisa comprar o seguate :
Para a companhia de cavallaria.
75 reantas de algodo, 160 bracas de cordas de
linho : as pessoas tjue qulzerera vender ditos ar-
tigos, apresentera soas proposias era carta fechada
na salado canselho.as 10 horas da raanliaa do dia
13 do corrente mez.
Sala das sessdes do conselho de compras para o
arsenal de guerra 7 de fevereiro de 1863.O en-
carregado da escrpturaco,
Manoel Jos de Azevedo Sanios.
Capitaaia do porto de Pernambaco, 14
de Janeiro de 18(55
Em vista das cireumstancias melindrosas em que
se ada o paiz, sendo necessario que lados os bra-
sileros, concorram para a sustentarlo dos bros e
dignidades nacionaes, comprometidos na guerra
caro as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capito do porto, em virtude do qae Ibe
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e seere-
: tario de estado dos negocios da manaba, convidar
; nao s aos matriculados, como a todos os cidados
que se queirara alistar na qualidade de volunlarios
para armada, a se apresentarem nesta capitana
nos das atis das 9 s 3 i|2 horas da tarde.
Outro sim, sao igualmente convidados es indivi-
por escravo ganhador menores paras a eompanhias de aprendizes mari-
de iransportes ou em j nbeires sero pagos integralmente, logo que se ve-
rifique a entrega dos ditos menores.
Arl. 21. As gratificacoes que eorepetem aos vo-
lntanos que directamente se alistaren) no servico
da armada, sero pagas conjuntamente com a pr-
meira prestaco do premio respectivo.
O secrelario da capitana.
Decio de Aquino Fonceca
Conaelho administrativo
O conselho administrativo para tornecimento do
arsenal de guerra precisa comprar o seguale.
Para o presidio de Fernando.
2 bandeira imperial de filete de seis panos.
2 ditas de Cele inearnado de 4 panos com 12 pal-
mos de cumprimenlo.
2 ditas de dita azul com as mesmas demensdes.
2 galhardetes de flele encarnado de dois panos
com 30 palmos de cumprimenlo.
2 ditos dito aznl com as mesmos demensoes.
2 dito dito de dois panos cora 10 palmos de en-
carnado junto bastea e 20 ditos de azul naponta.
Para o 9 natalho de infamara.
405 varas de brim branco.
403 ditos algodosioho.
242 esleirs.
857 i|2 varas brim branco.
772 l| ditos algodosinhos.
Para corpo de volunlarios.
500 varas brim branco.
230 ditas algodosioho.
Para o 4- batalho de arlilharia ap.
12 malas forradas de couro.
6 raizas com folhas de (landres de 16 a 20 pole-
gadas decomprido e 11 a 14 de largura para mar-
mita do mesmo batalho.
As pessoas que quizerem vender taes arligos
apresentem suas propostas em carta fechada na
secretaria do conselho as 10 horas do dia 13 do
corrente.
Sala das sessSes do conselho administrativo,
para tornecimento do arsenal de guerra, 6 de fe-
vereiro de 1863.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel-presidenta.
S bastiao Jos Basilio Pyrrho,
Votal-secrelarlo.
CoBselho adminisiralivo.
O conseibo administrativo para tornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar es ubjectos
seguintes:
Para o arsenal de guerra.
50 resmas de papel almaco.
60 ditas de dito pautado.
30 garrafas de tinta preta.
3 arrobas de estanto em verguinhas.
4 eochams com 25 palmos de comprmeme e
14 de netro de 1865.
Be ordem da directora desla caixa, se convida ,5
aos credores de -ebaslio Jos da Silva a virem
recebar do tbeseureiro da mesma caixa o que em
rateio Ibes loca da venda de ama das propieda-
des, que segundo a concordata,Ihe foram entregues
para serem vendidas.O guarda-livro,
Ignacio Manes Correia.
De ordem da directora desla mesasa caixa se
dos qae liveram baixa do servico naval, a alista-! 6 pollegadas em quadro, sendo dV> madeira de qua-
rera-se por ara anno oa mais, igarantindo-se-lhe lioade.
nao s as respectivas escasas, lego qae lerminem 9 ditos de 23 palmos de comprimento e 5 polla-
os seos contratas, mais anda os premios fixados na gados ero quadro.
lei, para os que voluntariamente procurara o ser-I 8 feixes de rlpas. "--
vico da armada, e bem assim urna gralificaco Para a enfermara dos menores do arsenal de
faz publico aos senhores accionistas qne e raspeo qyo ,a u se<7olnles
tivo thesoureiro esta autorisado a pagar o 22. di-
videndo de 105 por aeco.
O guaro. livros,
Ignacio Nones Correa.
Aviso
navegante*.
Pela capitana do porto de Pernambuco se faz
publico para eonhecimento dos navegantes, qae a
boia do extremo do sal do banco do iuglez que ha-
via sido laucada rala per Ihe haver arrebenta-
da aamarraco, foi novamente collocada, demar-
cando Ihe o pharol do pico ao O 1/2 N O, e a lor-!
redo seminarlo de Ottada ao f 1/t ff O, rumos
mensal, igual a melade dos saldos, que percebim
na occasio em qae obtiveram baixa.
Ao vantagens e eoadiceoes para o alistamento se-
rie as estabelecidas petas iostraoedes qne baixa-
rara com o decreto n. 1591 de 14 de abril de 1833
Art. 12. Uistinguir-se-ho seis elasses de volun-
tarios :
1.* Dos individuas que quizerem servir oa ma-
rinbagem sem lempo determinado ;
Ia Dos que se quizerem contratar para servir
na marmhagem por teiupo determinado :
3.* Doque so presarem servir na marinha-
gem os prazos estabelecidas no artigo 3. do decre-
to n. 1466 de 25 de outubro de 1834, e qne escu-
sam o nacional do servico militar ;
4.* Dos qae qarzerem lar praca no corpo de hn-
periaes marakelros.
5.a Dos qae se destinaren) para o batalho naval.
6.' Dos aprendizes marinheiros.
guerra.
1 livro de 200 folhas para o receiluario da mes-
asa enfermara, com 10 pollegadas de largura e 15
de eaasprimeote.
1 dito de tOO folhas para o registro pe entradas
e sabidas dos doentes, com 19 i/2 pollegadas de
largura e 15 de comprmelo.
2 ditos do 200 folhas cada um. para os offlcios
-recebdoi e dirigidos.
Quem quizer vender toes arligos aprsente saos
iropostas em carta fechada na secretaria do conse-
no administrativo, s 10 horas da manba do dia
10 do corrente.
Sala das sess5es do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 3 de fevereiro
de 1863.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebaslio Jos Basilio Parrae,
Vogal secretarlo.
Arrematagdo
Fioda a audiencia do dia 17 do corrente do jal-
zo de orphaos, Guimares, a requermrato da Jun-
to administrativa da Sania Casa da Misericordia
desta cidade, ser arrematado por venda urna par-
te de sobrado de am andar e solo, silo na na de
Horras n. 66, fregoezia de Sanio Antonio, avalada
dita parle em 6305129, d^dozida esta da de 4.-000,
per quasto foi avahado o dilo sobrado, a qoai par-
le perteaeenia a Anna Rosa das Mercs, por an-
tonomasia, Tempera, que se acna recolhida ao hos-
picio dos alienados, e vai a praca a referida parle
para satisfacao das despesas de alimentos e ves-
tuario da mesma alienada.
Val praca no dia 14 do correte a casa terrea
a. 12 da roa do Mande"*, freguezia do Boa-Vista,
pelo jnizo de erphes, a requerimento de um dos
consenhores : quera pretender pode tr corre-la.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do al o da 17 do corrale o- va-
por Paran, commandante o ea-
pito de fragata Santa Barbara, o
ual depois da demora do coslu-
me seguir para os porto do sal.
Desdejreoebem-se passageiros e engaja-sea
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua enegada, encommen-
das e dinheiro a frele at o da da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. i, escripteriode An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C._________
Companhia das Hensagerlcs
Imperial!.
Al o dia 14
do corrente mez
espera-se da Eu-
ropa o vapor rran-
cez Bearn, o qual
depois da demora
do costume se-
guir para Bahia
e Rio de Janeiro.
passagens traa se na
9
Para rretes, condiccoes e
agencia roa do Trapiche n.
Kio de Janeiro.
Sogue nestes das o patacho nacional
cebe carga a frea : a tratar na ra do
nun.ero 4.
Tup, re-
Trapiche
Le!lio de urna eserava.
SabLatto 11 d fc-vereiro a 1 hora da larde.
O agenta Piolo far leilo a requeriraento de 17.
Idaliua d* Siquelra da Cosa Menezes inventa-
rame desea casal por faiiecimeaio de sea marido
o Dr. Jas Bayiunndo da Hasta, Menezes, a por
despacho do illm. Sr. 1*. jniz de 01 phtfs, de urna
eserava por neme Amalia, a qual ser vendida pa-
ra pagamento de dividas, a 1 hora da tarde do dia
atrmarfito em sru escripiono a ra da Craz n. 3*
Leilo de dividas.
S*tobado 11 de fevereiro.
O agente Pialo levar novamente a leilo as di-
vidas awlvas da extineta firma de vinva Vfclra &
C. na importancia de 1:687*223 rs servindo de
base o maior preco obtido a) leilo anterior, isto
al 112 hora da larde do oa cima dilo em seu
escriptorio ra da Crnz n. 38.
ATIiOS MTE1808.
;0000O0.
Corre amanhSa.
Sabbado U do corrente mez sb extrahir
a terceira parte la decitta primeira lote-
ra (*) a benelicio d matriz da Boa-Vis-
ta, no consistorio da igreja de Nossa
Senliora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os billietes, meios e qoortos esto a ven-
da na respectiva thesourara ra do
Crespo n. 15.
Os premios de (i:000000 .at 10#00O
erio pagos ama bora depers da extraccio
ats 4 horas da tarde, e os ostros depois
da distribuico das listas.
As eticommendas sero guardadas so-
menteat a noite da vespera cha extraerlo
como de costume.
O tbesoureiro,
Antonio Jos Rodripce* deSonza.
R$a->e aoSr, baf.harel Ce/ario
de Azevedo juiz municipal de Garaa-
hfis, qneira diriga se praca da In-
dependencia ns 6 e X, 011 an-nnut'.iai-
sua me roda para ser procurado
COMPANHIA BRASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porlos do sul esperado
at o dia li do corrente um dos
vapores da companhia o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frote at o diada sahida s 2
lloras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para.
Brevemente seguir em direitara ao indicado
porto o wleiro briRiie escuna nacional Graciosa,
capito Jacinlho Nunes da Cosa, para alguma
carga que ainda pode receber trala-se com o res-
pectivo consignatario Antonio de Almeida Gomes,
na ra da Cruz n. 23, primeiro andar.
Porto.
Segu hrevemente a barca portugueza Sympa-
thia por ter seu campamento completo : quem
quizer ir de passagem, para o que tem expelientes
commodos, entenda-secom Bultar & Oliveira, ra
da Cadeia n. 26.__________________________
Para o Kio de Janeiro deve seguir com bre-
vid;idu por ter prompla a maior parte do carrega-
monto, o brigue nacional Invenskel, recebe o res-
to da carga e escravos a frete: a tpar no escrip-
torio de Amorlm Irmaos, ra ~d Cruz n. 3, ou
com o capito Antonio Albino de Souza, na praca
do commercio.
Lisboa e Porto
Pretende seguir com a maior brevidade a bar-
ca portugueza tLaura, por ter parte da carga
prompla, para o resto e passageiros tratase com
o consignatario T. de Aquino Fonseca Jnior, tra-
vessa da Midre de Dos 11. 8, primeiro andar ou
com o capilo na praea.
LEILOES.
Leilo de 700 pecas de bico e 1,000 saceos
vazios.
Tudo avuriado.
KaersjE:
Sexta-feira 10 de fevereiro em frente a alfaadega.
O agente Pinto far leilo por coala e risco de
quem perteneer e sem reserva de prego de 70*
pecas de bicos e 1,000 saceos vazios, tudo com
avaria d'agua salgada as 9 1|2 horas em poni em
frente a airandega.
Leilo em coutluuaco de fazen-
das a variadas.
HOJE.
Na alfandega armazem n. 8.
O Diario do da designar as quahdades das ti-
zondas que devero serem expostas era leilo
d'aquelle da.
HOJE
Leilo sexla-feira 10 do eorrente.
De ama casa terrea n. 4 sita na travassa dos
Qnarteis, chao foreiro, rende 141,5 por anno, se
vender era leilo pelo maior preco qae se achar
pelo agente Euzebio, ra da Cadeia n. 53, ar-
mazem.
QllilJ S
do superior qualidade 2,8000 cada um, eom cai-
xa de 12 t$800 : no amigo e a creditado esta-
belocimento junto a esta offlrina.
Antonio Raymundo des Anjos Moreira,
seas fllhos. manos o ennhados agradecen)
cordialmente a todas as pessoas que e dig-
naram acompanhar os restos moriacs de
Joaquim da Costa Msreira ao ultimo jaasgo,
e os mesmos convidara a todas as pessoas
que quizerem assislir a missa do stimo da
qne lera lugar na matriz do Corpo -anlo,
sabbado 11 do corrente as 7 horas da ma-
nha, pelo que os mesmos ficaro
mente agradecidos.
soraraa-
Atteugao.
Pelo prsenle faco sciente aos roeus fregnezes.
lauto'o de dentro como de rra da capital, ijue o
Sr. Joo Diamantino Alves de Lima, delxou de ser
meu caixelro di*sde o dia 2 do corrente mez.
LuJgero de Panla Metra Lima.
Quem annunciou precisar de um balco de
10 palmos, dirija-se a refmacao do Rn:el n. 43.
Casa para alngar
Aluga se ama casa na ilha do Retiro com 2 sa-
las, G quartos, f gabinete, cozinha, quintal mura-
do e banho : a tratar na ra da Main: da Boa-
Vista n. 26, primeiro andar.
Precisa-se alugar um escravo para o servico
de otaria, pagndose i diario : na otaria do
Fundo jante ao Dr. Hoscoso._____^^
O Sr. Manoel Pereira de Andrade que em-
pregado no arsenal de marinha, queira vir pa-
daria da ra Direita n. 8i, a negocio, que nao ig-
nora. _______^^^
Eu abaixo assignado aviso ao respeitavel publi-
co, que lendo urna procuraco bastante de Joo Ta-
vares, para lomar contada sua parle que tem na
cocheira sita na ra do Imperador n.23 perlencen-
te a liento Jos Cordeiro A C.que de hoje em dian-
te fica nnllo tode e qualquer traBsaco que o Sr.
Bento Jos Cordeiro faca sem ser com a minba
concordago, pela parle que tenho sobre a dita pro-
curaco do Sr. Joo Tavare, por quem me as-
signei.
Joo de Dens da Siircira.
Quem annunciou precisar um balco : pro-
cure na taberna da ra das Croaoa n. 42.
Precisase de urna ama de leile, sem Dlho :
na ra Augusta n. 24.
Precisa-se de ama preta que seja fiel e de boa
conduela para casa de urna familia estrangeira :
traia-se na roa do Vigario n. 2. Na mesma casa
precisa-se de am bom copeiro.
Precisa-se alugar urna preta para lodo o ser-
vco de uir.a casa de familia : na ra do Trapiche
omero 4.
Leilo de pianos, movis e oatros ub-
jectos de gostos.
IIO.i|\.
Sexta-feira 10 do corrente as 11 horas.
Cordeiro Simdes venaer em leilo os seguiotee
movis como sejam : 1 rico piano de armnico, 1
santuario com as competentes imagens, 1 mobilia
de amarelio, 1 guarda roupa de mogao, e diversos
trastes novos e asados. ^
Na mesma occasio vender um pistlo e nm
baixocujo leilo sereffectuado a ra da Cruz nu-
mero 57.
Leilo de movis e crystaes.
HOJE.
Cordeiro Simdes far leilo por coala de urna
pessoa que se retira para fora, o seguate :
Diversas obras de prata.
1 guarda roupa de raogno com espelho.
1 commoda de mogno com pedra.
1 aparador de mogno.
li cadeiras de amarello.
1 sof de mogno.
1 marqueta de amarello-
1 espelho com moldura dourada.
2 aparelhos de porcelana.
2 pora licores.
Diversos copos, clices, garrafas e oulros muitos
objectos qae se loma enfadonho menelonar.
Sera effectuado o leilo as 10 horas no arma-
zem a ra ds Cruz n. 57.
Leilo em cottinoaio
Dos salvados da barca francesa Les Aatls de
Saint Jeaa de Lnz, constando do seguate :
chitas, brins, camisas de franella, chapeos de
seda, ditos de feliro, lencos, chales, calcados, ob-
jectos para sellaros, armacees para chapeos de
sol e perfumaras.
Hoje 10 de fevereiro.
Na alfndega armasen n. 8.
O agente Pinto rara leilo com aulorisaco do
cnsul de Franca, com liceoca do inspector da al-
fandega, em presenca de um empregado da mes-
ma repartirlo, com assistencia da delegado do di-
to cnsul e por conta e risco de quem perteneer
de todos os objectos cima indicados, as 10 horas
em ponto do da supradito uo referido logar.
Aluga-se ara sitio com muilos arvoredos do
fructo, boa casa de viveod<, estribara e cacimba,
na estrada de Joo de Barros, prximo a Soledade:
a tratar na rna larga do Rosario. Iota n. 32._____
- Aluga-se urna olana nos C 'elhos n. 5, a qual
se acha trabalhando, e tem canaes e barreiro, e lo-
dos os nteacis em bom estado : a tratar na mes-
ma, das 8 as 4 horas do dia.
Quem precisar de urna moca portugueza para
casa de pouca familia : na ra Augusta n. 76 se
dir onde.
Casa.
Aluga-se o ttreeiro andar da casa da roo Direita
n. 3(5, eom mallos commodos para lamilla, e tem
cano de esgoto : trata-se na ra da Cada do Re-
cife n. 3._______________________________
Alugam-se barato amas mei-agaas na entra-
da dos portos da traveseadas Barreiras, bairro da
Boa-Vista : a tratar na roa do Cotovello n. Vi.
O abaixo assignado manda para Europa o
sea neto Manoel Carlos Teixeira, menor de 10 an-
uas, pora tratar de sua sande.
______________Jos Goncalves Torres.
Aluga-se nina casa terrea na roa Augusta o.
90, com commodos para urna famiiia grande :
quem a pretender dirija-se a ra do Vi&yio nu-
mero 12.
rgiPi>
Sitio.
Aluga-se o sitio n. 2 junto a capella do Rosar i-
nho, com muitos arvoredos de fructo. casa com
muitos comroodo*, cocheira para animaes e carros
e baixa de capim : a chave est no sitio defronte,
do Sr. Pialho, etrala-sa na rna Noa n. 33, ou no
Recife, roa da Cadeia n. 3.
livro do Povo.
O livro do povo, obraornada com estampas,con-
tendo a vida deNosso Senhor Jess Christo, e mui-
tos arligos atis. Este livro das familias recom-
mendado e approvado pelos Exms. Srs. D. Lnia
hispo o Maranho e B. Manoel arcebispo da Ba-
hi. vndese a IfiOOO cartoriado, na livraria de
Jos Noguefra de Soma, ra do Crespo n. ?.
n/




Diaria de rernaMbueo Sexto tetra de Feverelro de !*.
CASA A FORTUNA.
AOS 6:000.000
Bllhetes garaatldos
A' r aa Ja Crespa i. 23 e casas 4a esstiaa
O abano issignado veodeu nusseas muitofel-
tes bilboles garantidos da lotera, que se acabou
de bel, os seguidles premios:
Dous quarlos d. 3462 cora a sorte de 6:000,5000.
I "ni iucio n. 531 cora a sorte de 1:4005000
Dous quartos n. 2200 com a sorte de 500*000.
Koutras militas sones de 200*, 109, 40* e
Ospossuidoresodem vir receber seusrespee-
tiros premios sera osdescontosdas leisna Casa
da fortuna a ruado Crespn. 23.
Acham-se a venda os da terreira paite d d-
cima primeira lotera a beneficios maliizda
Boa-Vista, que se extrahir no dia 11 do cor-
rente.
Precos.
Bilhetesinteiros..... 7*600
Meios......... :i*500
Qoartos........ 1*900
Para as pessoas que cemprarem
de 100* para cima.
Bilhetes...... 6*500
Meios........ 3*250
Quartos......, J*700
_____________Manoel Marltnn gsfg
Aluga-se a toja da casa n. 59 da ra Augus-
ta; quem pretender dirija-se a rnesma casa cima
ae achara com quem tratar.
Precisa-se de urna ama : na ra do Encan-
umento n. 12, priraeiro andar.______________
Compositores hpographos.
Na typograph-a do Corrtio do Recif
a ra do Imperador n. 79. precisa-se de
compositores ha'-eis, pagando-se a 350 rs. o
m I fie: o delettras; quem pretender en-
tenda-se com o sen pro r teta i o ne mesial
estabele i ment depois do meio dia at a; o
horas da tarde.
CHEGARAM OS MODERNOS CHALES DE
FIL PRETG.
THESoutto das mais Antonio Luiz 'e Oliveira Aieved k C.
Providencia das crirteos. Agentes do banco Unilo do Porto.
COLLARES ROVER
Electroajaelicas.
Superiores chiles de fil |reto c'iegados celo ul:imo vapor
ioja dasiolnu.n s ra do < res, o r. 13, de Anoaio Coneia de
los & (1
fivn ez, a
Vas o oel-
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 185
Ima Canea em diaueird, depositado nos cofres do estado, garante a boa
ministrace da companhia.
ad
DIRECCAO GERAL
Madrid: Roa do Prado
segaros
dose-
Precisa-se de urna ama que cosinhe para ca-
sa de pouca familia : no cae? do Ramos n. 4.
Precisase de um amassador : na ra do Kan-
g<"l n. 9._______________________________
Consultorio medico-eirurgieo na rea larga do
Rosara n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sua profisso
nao s na parle medica como tambe-m na cirnr-
gica. __________
Attencao.
Boga-se a quem achou urna bolsa com alguma
roupa dentro em um dos mnibus do Poco ao Be-
cife, que dirjase a praga da Independencia ns. 14
16, que ser bem recompensado.
fazenda* pretos para aqua-
resma.
V-i Ioja do Pavo.
Acha-se este estabelecimento completamente sor-
tido de fazendas pretas propriaspara a quaresma,
a saber :
Grosdcnaplcs preto la'go e muitissimo encorpa-
do, oulros mais estrenos tendo dos precos de
1*280, 19600,1*800, 2*, 2*400 e 3*, superior
moreantique preto a 3*, superior sarja preta hes-
panhola, superior setim preto maco, ricas capas
pretas bordadas, soutembarques muito bera enlej-
iadas, ricas vasquiaas c caacos dos mais moder-
nos que lem vindo, superiores manteletes, camisi-
ahas com manguitos proprias para luto e ricos
chales pretos de rede, ludo isto se vende mais ba-
rato do que era outra qualquer parte por ser a d-
oheira : na Ioja do Pava j ra da (mperairiz n. 60
de Gama & Silva.
As ropas do Pavo.
Acha-se neste estabelecimento um grande sorti-
mento de roupas bitas para homem como sejam :
superiores paletots sobrecasacos de panno preto
niuito lino e forrados de seda a 22*, 2o* e 30*,
ditos forrados de alpaca a 11-3. 16* e 20*, supe-
riores paletots de casemira tanto saceos como so-
brecasacos, ditos de meia casemira pretos c de co-
res, ditos de bnmde todas as quahdados, colletes
de casemira preto* e de cores, ve'ludos, setios
etc., sendo todas estas obras cortadas por um dos
melhores aseares nacionaes, minda-se fazer qual-
quer obra por medida : na Ioja do Pavo ra da
Iraperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Ulitis em cirles cot 10, 11 e 12 covados
Xa Ioja do Pavo vndese urna grande porgo
de cortes de chitas franeczas sendo claras e es'eu-
ras todas de cores lisas com 10 covados a 3*200,
con 11 covados a 3*i)0O e com 12 covados a 4*,
': pechincha para se apurar dinheiro : na Ioja do
Pavo, del}lint As cassassuiss s
co a Acabara de chegar as mais modernas cassas
suissas de una s cor com cordozinlio, tendo as
con-s mais modenus que tem vindo ao mercado
e vndese a 360 rs. o covado ou a 600rs. a vara,
na Ioja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Metas a emiras a I $000.
Vendem->c superiores meias caseimras proprias
para calca, colletes e paletots sendo fazenda muito
encorpada lisas e de quadriuhos e que tambera
servem para capas de senhoras e veudera-se pelo
baralissimo prego de 1*600 o covado ou 3* o cor-
to de caiga : na Ioja do Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Co tes de vestidos pretos.
Vendem-se ricos cortes de vesthlos pretos bor-
dados a velludo pelo barato prego de 23* rs. cada
um : na Ioja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Thomaz JelTeries faz scien'e que An-
tonio Infante d Albuquerque .Molo, deixoa
de ser caixeiro de sua casa desde o dia 7
do torrente. Recife 8 de fevereirode 1865.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespaaiia
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagSes de supervivencia dos
sobre a vida.
Nella pode se lazer asnbscripcao de raaneira qne em nenhnm caso mesmojpor morte
gurado se perca o capital nem os joros correspondentes a estes.
Sao tosaprehendemos os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, queainda mesrao dirafnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes Iiquidacoes,
combinando o cora a mortalidade da tabella de Oeparcieax que e adoptada pela companhia para os
seas clculos e I iquidacoes, em segurados da idade de 3 a 19 anuos, ama mporsicoannual te 100*
produz em effectivo metlico :
No Ara de 5 annos.......1:119*300
de 10 .......3:942*600
de 15........11:208*200
> de 20 >.......30:256*000
de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospectos e mais inforroagoes sero prestadas pelo sob-director nesta provincia o Sr. Jerony
mo Joaqnim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, on a Boa-Vista roa da Imperatriz n. 12, estabe
ecimento dos Srs. Ra; mundo, Carlos, Leite & Irmao.
ADVOCACA
0 Dr. Manoel do N'asemcnto Machada
Portella
EO
Barbare I Jezquim Pires Hachado Porlella|
|
continuam [a advocar no civel, erime, 5
commerclal, ecclesiaslico e administrati- I
vo, e podem ser procurados em seu es-
criptorio na ra do Imperador n. 83, pri-
mero andar.
O Sr. Elias Cordeiro Cintra quelra vir a pa-
daria da rna oircita n. 84, a negocio que nao ig-
nora.
O BACHAREL
Joao Goncalves da Silva Mon-
tar royos
Advocado
Ra estreita do Rosario n. 17,
mmmm amum aaawa
gg Maques ol>rc Portugal, m
O aoalio assignado. autorisado pelo 5
Banco Mercantil Portunu-e. e na ausencia I
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef- Wt
5 fectivamente por todos o' paquetes sobre
I as pracas de Lisboa e Por .o, e mais Inga- ~I
| res do reino, por qual que i semma a vis-I
ta, e a praso; podendo, os qne temarem m
saques a praso,reccber I mo Banco, descontando 4 0i0 aoanno: na H
Mioja de chapos da ra do Crespo n.6, ou m*
na rna do Imperador n. 63, s.-gundo an- 1
I dar.Jos Joaqnim da Costa Maia.
M^Ktt un mu
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICO
Contra as convolsdes e para facilitara
deoti;a das mangas preparados e inventa-
dos por Boyer, pbarmaceolico da esco-
la superior do Pars, successor de Chereau,
mombro da academia de medicina
antiga casa de Bouillon-Lagrange, pbarmaceulico
do imperador
chefe dostrabalhoscliimicos da escola po-
lytechnica, direetor da escola de pturmacia de
Pars, e Miembro dt academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na Ioja do
Galkt Vigilante ra do Crespo n. 7.
O solicitador Pedro Aieandrl-
o da Costa _ackado
se encarrega aote o foro desta cidade de ludo qne
for tendente a sua profisso, aceita departido an-
naal as pendencias judiciaes de qualquer casa
coramerciaI mediante razoavel ajaste. Contina
a seencarregar de cobraBgas nos termos do Cabo
elpojuca aondeeontinna a trabalhar como d'an-
tes.e encarrega-se de defezas perante o jury nos
termos prximos a va frrea, offerecendo gratoi-
tamenle seus serviros aos desvalidos, pode ser
procu-ado todos os dias uteis das 9 horas da ma-
Bha as 3 da (arde na roa estreita do osario n.
34, e fora dessas horas na ra Imperial n.36, ca-
sa de sua reidencia.
Competentemente autorisados sacam por todos
os paquetes sobre o mesmo banco para o forto e
Lisboa e para as seguintes agencias :
Londres sobre Bank of London.
Prdric S. Ballin & C.
Joo Gabe & Piiho.
Francisco Rbala & Ballesta.
Jaime Merie.
Crdito Conmercial.
Gonzalo Segoria.
M. Pereira y Hijos. v
Em Portugal.
Angra Terceira.
Caminha.
Caslello Braneo.
Chaves.
Coi rubra.
Covilho.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinbai.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Porlimao.
de
Figneira.
Guarda.
Gulmares.
Lagoa.
Lagos.
Laaego.
Leiria.
Mongao.
Moneorva.
Reg a.
Setubal.
Viauna do
tello.
Villa Real.
Hadeira.
8. Miguel.
Cas-
!
Joao da Silva Ramos, medico pela Un
versidade de Combra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
era saas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ar-
gentes, que serlo soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Te m si-.a casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o qne
tem commodos apropriados e nella pra-
lica qualquer operago cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000diarios.
Segunda dita.... 2*500 >
Terceira dita.... 2*000
Esle estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos qae tem pres-
tado.
0 proprietario espera qae elle conti-
nu a merecer a contianga de que sem-
pre tem gozado.
i
Napragada Independencia /oja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro e prata e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de
cncommenda e todo e qualquer concert.
_:
Deposito geral do rap princeza Gasse e Paulo
Cerdeiro nesia provincia, ra da Cruz nume-
ro 18.
Jos Joaqnim Lima Rairo, recebedor do rap
princeza Gasse Dno, meio grosso e grosso.Taulo
Est para alugar-se urna casa terrea na ra j Cordeiro, dito meio grosso e viajado, quaWades
da Gloria n. 14, um Io e 2 andar de um sobrado estas que tem nesta provincia obtido grande cre-
na ra do Rosario da Boa-Vista, quasi no pateo da dito pela sua excellente fabricagao, e materia pri- olhos de'vidros" para imagens ;
Sania Cruz, e urna mei agua na estrada de Joo1 roa de que composto ; isto o atiesta a innmera idas para retratos : tintas em pastis e ero p na-
de Barros, com arvoredos, agua de brber, e portao exlraccao que elle tem tido, c a condecorago que
para o becco do Pombal : quero pretender faile;obteve"na exposigao nacional, cuja medalha vem
na ra das Cruzes, sobrado D. 9, das 9 horas da'
manha at ao meio dia.
bem vende-se o rap denominado Amarillinho que
na Baha goza de grande aceitagao. O deposito
acha-se sempre supprido de todas estas quli-
dades.
Paris
Hambargo
Barcellona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barccllos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganga.
Faro
Oliveira d'Aze-
meis.
Peona fiel.
Tavira. "
Villa do Conde.
Villa Real de Viten.
S. Antonio. Faial.
No imperio.
Baha. Maranhe.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo screm descontados no
memo Banco a razo de t por cento ao anno a
ratar na ra da Cruz n. I.
(cande aruiazcni de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazera de tintas um grande deposito de
productos chimicos utensis e os mais empregados
e usados na pharmacia, pintura, phoioraphia, tin-
turara, pyrotechinia(fogosdearlifice) eew outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaes drogaras de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offereceer
productos de plena conlianga e satisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e aretalho, porpregos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promplido qualquer pedido de tintas moidas
a oleo,cuja qaalidadee pareza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao i: fcil fazercom aquellas que sao importadas,
e que se encoatram no mercado erolalasfechadas.
Tem grande collecgo de vidros de difTerentes
formatos, desde urna oitava al dezeseis ongas de
capacidade ; do vidros para vdragas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
I propredade e outros; de papis dourados e pra-
teados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias edres
| para embrulho, para forro de casa, para desenlio
! com fundo j feito; de papel albuminado e Bristol,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vemizes de essencia para qaadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior ; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de linhaga
clarificado, oleo de oielet, secatvode llar 1 i m. ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para confeitarias ; la de cores, e
tintas em tubos e
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro que tenha grande pra-
tica de taberna, dando fiador a sua rondada, pre-
fenndo-se nao rapaz : na ra da Madre de Dos
n. 38 se dir quem precisa.
Aluga-se o sobrado de om andar e soto da
rna Direita n. 74, pintado de novo, e run commo-
dos sufllcienies para qualquer familia quem o
pretender dirija-so a roa da Imperatriz n. 7, qne
achara com quem tratar.___________________
~Mo billa
Alugam-se mobilias : no pateo do Terco nume-
ro 42.
E0MPB1S.
t'oBpram-se escram.
Silvino Guilberme de Barros re Ripia, Tendea
troca escravos de ambos os sexos e de teda idade:
na ra de Imperador n. 79, trceiro andar.
Comprase ouro e prata em obras relbas, pa-
ga-se bem : na Ioja de bilbetes da Praga da tnde-
pendencia n. 22.
Comprase eueclivaroenie ooro e prata em
obras velhas, pagndose bem : na rea larga do
Rosara n. 24, Ioja de ourives.
Compra-se um domin ele rambraia
branca, que seja forrado de madapolo oa
outra qualquer fazenda, e que esteja em
bom estado, e se for novo melhor i era; a
pessoa que o tiver annuncie para ser pro-
curado.
Compra-se um balco que tenha sido de ta-
berna de 10 a 12 palmos de comprido: qoem ti-
ver annuncie por este Diario para ser procu-
rada v
I
*
O Dr. Carolinc Francisco de Lima San-
tos.contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2 andar, onde pode ser pro-
curado aqualquerhoradodiae da noite
para o oxercicio de sua profisso de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser ^
deixados por escripto. O referido Dr. f
nao abandonando nunca o estodo das ijtt
molestias do interior, prosegue. com o 55
| maior affinco, no das mais dffieeise deli-1
"M cadas operagoes. romo sejandos orgos
S ournaros,dos olhos, partos, etc.
mmmmmmmmmwmmM
A quem fallar uns pares de horzeguins, pro-
co re na ra nova de Santa Rita, armazem n.19.
O Sr. Jezuino que se emprega em condurgo
de tima s C; a 360 O ('e 0DJe,;tos daestagao das Cinco Ponas, tenha a
i rtfln re t vara bondade apparecerno armazera n. 19 na ra nova
de Santa Rila.
-mmmmmmm
O bacharel
Francisco angosto da Costa
ADVeGADO
Ra do Imperador numero
m
69.
Alugam-se dous grandes sobrados com rom-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, coehelra, esinh-na e outras coromo-
didades, na travessa de Joo Fernandes Vieira : a
tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
O portuguez Albino Baptista da
Rocha, relojoeiro e dourador, na
praga da Independencia Ioja n. 12,
faz qualquer concert de relogio e
dourado por prego mais commodo
ido que outro qualquer e responsa-
Wuilisa-se pelo seu irabalho e espera
proteegao de seus compatriotas. _______
Domingos da Silva Campos .cientfica ao res-
peitavel publico e especialmente com qoem tem
tido relacoes commerciaes, qae desde o 1 de no-
vembro do anno lindo deu sociedade em seu ar-
nnzem de moldados na roa do Imperador n. 28 ao
sen sobrinho Bernardino da Silva Costa, sendo a
lirma da casa Campos Sr Sobrinho, a quem fiea a
li l'.ndago da casa : roga-se aos seus freguezes
que continuem adepositarem suas contiangas como
at agora.
Attrnc&o
O anaixo assignado com casa de pasto na rna
largado Rosario n. 22, avisa a todos os seus deve-
dares para que no praso de lo dias, a contar desta
data, para que venbam saldar suas contas amiga-
veliaeate, do contrario sero eobradas jadicial-
m-nte, e cora o rnesma praso a todos seus credo-
res para apresentarem saas comas e sorem pagas,
4Htis o abaleo assignado se retira para Hespanha
atlm de tratar de sua saude. Itecife S de fevereiro
.le 8(.*>.Aadrez Blanco 4 (1
Precisa-se alujar una
Seno a. 20.
escrava : na rna do
No dia V voou ura papag.io do sobrado da
rna da eamboa do Carmo o. 8, buscando os tena
dos deitam para a ra das Flores, e per isto roga-
se o favor de entregar o mesmo, do qae se recom-
pensar.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
1 molestias de olhos;
2o de peito:
3 dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na erdem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
co que julgar conveniente para o a
prompto restabelecimento dos seus 1
doentes.
il***&IIISIIl
Engomma-se ronpa rom perfeieio e emconla-'
na ra nova dos Pires, rasa n. 18, se dir quem
precisa.
Quem precisar de urna criada portugueza
para ir oa companhia de alguma familia que te-
nha de se retirar para Pcrtugal, pagando-lbe a
passagem, pode ser procurada na ra do Ojueima-
do n. 49.
Oflerece-se para ama de leite ama parda for-
ra sem filhos e que tem bastante leite : quem a
pretender dirjase a ra da Boda n. 31 para
tratar. _______________
Precisa-se de urna creada para comprar e co-
sinhar : na roa da Cadeia Velha n. 45.
Aluga-se um moleque pega de idade 17 an-
nos pouco mais oa menos para servigo interno de
casa eslrangeira : quem pretender dirija-se a ra
da Alegra n. 3.
A tugase
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quarlos para foitore
escravos,com banho na porta, no lugar do Pogo
da Panella, ruado Bio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do-Amonm n. 35.
s
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jasmim,bergamota, aspice, palchouly, mbar,
bouquet.limo, alcaraiva, melissa, ortela pimenta,
louro, cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
ans da Bussia, canella, cravo e muitos oulros ob-
jeclos que s com a vista podero ser mostrados.
Joo Pedro das .Veres,
Gerente.
O London & Brzllan Bank, saca por todos
os paquetes, sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Combra.
Amarante. 'M
ni ni mu I
O Dr. Jeronymo Villeia de Castro Ta- H I Jg
vares advoga no crime e civel, commer- !5 i v*
cioe ecclesiastico. Pode ser procurado i
todos os dias uleis al 3 horas da larde g31 f^
emseu escriptorio, ruado Crespo n... J
primero andar defronte da livraria eco-
nmica.
Aluga-se um sitio na estrada de Joo de Bar-
ros, cora grande casa de vivenda, cocheira, estriba-' b| no |{j d } d
na, casas de banho e de pretos, rom arvoredos de a]lgl.se na ra do Crespo n. 4.
Companhia fldelldade d
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
MI AGENTES EM PEPNAMBUCO
k Antonio Luii de Oliveira Azevedo k C,
B competentemente autorisados pela direc- H
I toria da companhia de segaros Fidelida-1
m de, tomam seguros de navios, mercado- Wt
S rias e predios no sea escriptorio ra da _
M Cruzn. 1. M
III lilil lllll
0 escrivao S Iva Reg mudoa o sen
cartorio para a tr ve sadoOuvidorn... em
uma das loj S p r bailO do sobado onde do ra da"Cadela do Rccife, entrada pelo becco e captm para
Aluga-se o primero andar e soiao na ra
Imperial n. 27 : a tratar na travessa da Madre de
Dcos n. 21.
Precisa-se de uma criada para o servigo de
casa : na ra Augusta n. 5.
2S Lino de Faria o nico competente tt
jj^j: para haver as dividas activas e outros ^
M quaesquer bens da exlincta firma Faria gjR
TS& & C. Elle pois avisa a todos os devedores
^ para que nao paguem seno a elle on iB
US pessoa por elle devdamente autorsada. JP
^s". Espera que os mesmos devedores sero 2jg
pontuaes em satisfazerem seus dbitos, ^
livrando-o assim de recorrer aos meios.^
judiciaes. Elle mora na ra do Impera- ggg
dor n. 37, segundo andar.
- Comprase umaescrava de habilidades, bem
romo uma negrinha de 9 annos : no paleo da ma-
inz de -anto Antonio n. 8.
AlgodSo em carolo.
Comprase qualqaer quantidade por maior pre-
go do que se paga no mato : na fabrica da traves-
sa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
Na mesma casa cima compra-se e paga-se
bem, estando em bom eso, um sellim inglez, em-
bora seja s o casco.
Comprase nm on dous corrupiSes perfeita-
mente domesticados e lamhem um papagaio con-
trareito que seja muito tallador: es pretendenies
podem dingir-se a praga do rapim b. 6, sobrado
em que morou o Sr. Dr. Sabino.
VEIDAS.
Vende-se um ptimo cavado para ca-
briol.'l ou ca ro : a tratar na ra larga do
Rosario n. 36, segundo andar, das 2 as 6
da tarde.
ALMANAK.
Acaba de fahir dos pr-
los de nossa typograpbia o
Almanak Administrativo ,
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 3.1
de dezembro, e vende se a
Ijjl; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independenc
A Semana llluslrada
os domin-
Prego da
assignatura, trimestre 6*, simcslre II*, um anno
18*000._________________________________
Aluga-se um sitio na ra do Cabral da
Alugam-se duas mei-aguas a 10*000 cada uma, cidade de Olinda, com casa terrea,com co-
sendo praia do Forte n 6, ra Nascenle n. 14 : a i par na frentej bota OS fundos para a estra-
tratar com Azevedo & Irmao, ra do Qneimado *,___.___. _-, ... .. l
numero 32 da e margem do rio Beberibe, com com-
- Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 241 modos parafamilia, estribaria para ca vallo
fruclos : a tratar na ra nova de Sania Rita, casa
n. 5, ou na ra das Trincheiras, cartorio n. 19.
Casas para alagar.
sustenta-los, arvoredos de
mora n so'icitador oSr. Joaquim de Albu- i Largo : a tratar no armazem do mesmo sobrado, fructos, sem visinho defronte nem pelo
querqne c Mello.
Para todos.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico que mudou a sua offleina de palhinba da
ra do Impe-ador n. 24 para a ra das Cruzes n.
23, igualmente tem para vender palha e junco
mais barato que em outra qual iiier parte.
Manoel da Costa Azevedo Napoleao.
Jos Soares d'Azevedo, professor de
lingua e tteratura nacional no Gyn nasio
tem aberto em sua
_
Q bacbarel
Antonio Joaquim Arres do Nascimcnlo
tem o seu escrptoriodeadvogaciana ra
estrellado Rosarion. 8, onde pode ser
procurado das 9 horas da manha a3 i
da tarde.
AMA.
Precisa-se de uma ama para casa de familia :
Provi cial do Recife. .
casa, ra Bella n. 37, um curso especial na praga doCorpo bant0 n <7"
I ara cada uma das seguintes disciplinase Saca-se sobre Lisboa, Porto e Ilha de
LINGUA FRANCEZA,
[^ lfunJo.com ptimos passeios,sala e gabi-
* nete na frente, muito propria para passar a
festa,e tambom se alugarporanno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da praga
da Independencia, e em Olindanacasacon-
tigua ;om o capito Antonio BernardoFer-
reira.
Na mesma casa cima precisa-se alugar um
escravo meramente para servigo de tratamento de
e-avallo, e nada mais.
Aluga-se o segundo e terceiro andar com
bom soto da caa n. 16 da travessa da Madre de
Dos junto a alfindega: a tratar com Barros &
S. Migue1, na ra do Apollo n. 20, escri; Silva n9 P"meiro andar da mesma casa.
GEOliRAPHIA E HISTORIA,
PHILOSOPIHA RACIONAL E MORAL,
RHETORICA E POTICA.
As pessoas que d sejare estudar qual
querdestes preparatorios podem dirigir-se
a indicada residedeia, de manha at s 8
horas e de tarde a qualqu r hora.
torio de CarvalhoeNoguera.__________' O 3r. Manoel Jos d
- Precisa-se de uma ama forra para o servigo que t ve Ioja na ra do Queimad lem urna
interno de uma casa deponca familia : a tratar na na ta na livraria n. 6 e 8 da jiraca da Inde-
DB
Partidas dobradat.
POR
Hnoel Fonspca d?. Medciros.
Acha-se a venda as principaes livrarias desta
! cidade pelo prego de 5* o exeraplar, cartonado.
! 0 GASTELLO DEMASVILE"
Traduzido do francez por 1. J. C. da Cruz.
Vende-se este bello romance em quatro
8 pelo baratissimo prego de 200:
na praea da Independencia, livraria ns.
6e8.
FOLm,\UA
Para 1865
Acham-se a venda na livraria ns, 6 e 8 da
praga da Independencia:
A F0LH1NHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos iribu-
naes do commercio, ele. a 160 rs.
A F0LH1NHA DE ALG1BEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais uma nova
Salve Rainha em versos, o Stabal Mater
em verso, devocao ae agonisanle, coracao
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Maria Nos-
sa Senhora, irinla e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, uma historia como
umitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs.
Vende-se um piano de armario proprio para
Souza Pilanza se aPreDder- Pr P>"ego commodo : na roa da Im-
peratriz n. 28.
joa do Pires n. 24.
_ pendencia.
O BACHAREL
Pedro Alfonso de Helio
Advegade
Largo do Livramento n. 38.
!??s MmIW,>$E3$m39'
5>e at amanha a preta Anna ttr entregue
ao sen senhor proceder-se-ha com todo o rigor da
le onlra quem a tem oceulta a sea servigo.
_ Precisa-se de um Sr. sacerdote para capel-
lo de uma fazenda muito perto desta praga : a
tratar na ra da Cruz n. 30 das 7 horas da ma
Aluga-se um sobrado de um andar e soto,
sito no paleo da Paz, na povoagao dos A rogados :; O Sr. Aumiano C. da Rocha Wander-
a tra r no pateo do Terge n. 44._____________ley, queira mandar buscar urna carta na
:Horaria n. 6 e 8 da praga da Independen
ca.
Franca & Brasil.
J. Mercier, alfaiale francez, precisa de bens offi-
ciaes e de boas costure-iras : atraz do Corpo Santo
0.27.
Na ra do Imperador por cima do armazem
Allianga segundo andar, precisa-se de nma ama
que saiba engoromar.
Precisase de um homem que saiba tratar de
arvoredos e de horu, e aue seja casado, para se
encarregar do trabalho de um sitio perto desta ci-
dade : na ra do Imperador n. 44.
Precisa-se 'alugar ou comprar um escravo
sem habilidades: na ra da Madre de Dos n. 36,
primero andar.__________________________
Precisa-se de uma escrava de idade que sai-
ba cosinhar o diario de nma casa e engommar :
na ma do Livramento sobrado n. 30, para tratar.
Precisa se alugar uma ama que saiba cozi-
nhar e fazer o servigo externo do uma casa : na
ra da Imperatriz n. 34, primero andar.
Ama de leite
Precisa-se de uma lavadeira para lavar a
. reupa de uma familia : na roa do Imperador na-
nha as 6 da Urde, ou na roa da Palma n. 41, de- mero 44.____________________________
pols destas horas. j No aroo de Nossa Senoora da ConceiC50i fojt
- Desejase fallar ao Sr. Dr. Gnilherme Cordel- eourives, tem copos com as competentes salvas a I Prec,,
ro Siotra, na ra estreita do Rosario n. 1. ulheres. todo de prata propn para as meninas I
levar para os colegios ; j resta poucos.
Precisa-se de uma ama de leite : na ra nova
de Sania Rila n. 35, segundo andar, jomo ao de-
posito do carvo.
su criado forro, eu
escravo que saiba cosinhar, e bem assim de nma
; ama para engommado, pagam-se bem ; no I.* an-
Atlenco,
Urna senhora se propona a ensinar raasica,
pianoo, violo e flama, com perfeigan, as pessoas
que. de seu prestimo se gaizereo ulilisareo
prego rasuavel, poderio rigir-se a roa
da Boa-Yista n 54 que Be dir
Precisa se alugar um preto que nao tenha o
vicio de beber, para fazer o servigo de uma casa :
na ra do Imperador n. 44. _______
Manoel Joaquim Augusto da Cunha, retira-se
para fora da provincia._____________________
Joaquim Fernandes da Silva Campos relira-
se para Portugal.
Aluga-se o segundo e terceiro andar da roa
do Livramento n. 36, mallo fresco* proprios para
uma familia : a tratar na Ioja.
O bacharel Jos Baptista Gitirana ad-
voga no termo do Bonito e Carnar, pode
ser procurado na villa do Bonito ra Di-
reita n. 16.
Precisa-sede um caixeiro porteguez de 14 a
iannos: na livraria popular o. 67 nado Impe-
rador. __________________________
Aluga-se a casa n. 64 na ra
Aluga-se uma ama boa engomraadeira e ex-1 dar do sobrado n. 34, na ra do Cruz do Becife.
cellente ensaboadeira para casa de pouca familia :; ----------------t--------.---------------------
qoem quizer airija-se a praga da Boa-Vista, esqu- Aula particular.
na que vira para a ra do Arago, primeiro andar., O abaixe assignade, professor particular, provi-
" Alusase ama casa terrea com solao, tendo sionado Pe* directora geral da inslrucgo pnblica
IB_9B_I_B HlflHBI commodos para grnele familia, sita no pateo da Dar finsinar pnmeiras lettras, latim e francez,
^nnM iWOi Paz, na povoagao dos Afogado=, quarlos para cria- Parl'C'pa ao respeitavel publico e igualmente aos
Arrendase nm engenho muito pertodesta los, estribara, quintal bastante grandeecom mui- senheres pas de seus discipulosque segunda-feira
praga, moenle e crreme, com boa casa de vivenda los arvoredos a tratr no paleo do Tergo n. M, ^,m*S* *m d ?"'""" no ens.no das su-
e de lavradores, tendo terreno para erandes nlan- iou Da mesma Povoagao com o Sr. Jos Lucio Lins. Prditas materias, admittindo a matricula alumnos
tagoe, pedreiras, hornos de.que,roar 5 /pr, | =^^-?r*o bairro .SSSAnu, ^tf^^^^S** i%
S.ta_ _S hm n, r^0afn?de' ?m b2? naRisterio, sua inteiradedicago e soa moralidad"
_i ffVm,,iSA R.n. doQueiroado a. 46, sio garantas queofereceaos scnbores pais de fa-
loja de Go.maraes & Bastos.________________| ,,,, qae ^^ ^ e B|j| ^^ a ss
Desapareceu hornero 8 do crreme da taberna Minos.
da ruadas Cinco-Ponas n. 82, ama negrinha de Qoem perianto qnizer confiar ao mesmo abaixo
Ameniloas confeitadas,
de lindas cores, em porgo e a retalho : na retina-
gao do Rangel n. 43.
ssDcai'caiiy
Na reflnagao do Rangel n. 43.
Filjao
Na ra da Madre de Dos n. 9 vende-se feijo>
mulatinho, dilo braneo, e dito preto, mais barato
do que em outra qualquer parte, approveilem a
pechincha que a quaresma bale porta.
Nuvidade.
tendentes dlrjam-se a Sotedade n. 32, das 6 s 8
horas da manhia e das 4 da tarde em diante.
Na ra do Imperador n. 28, defronte da relago,
tem para vender om porgo e a retalho, linguas
nalgadas, seccas de fumo e de saJmoura, peixe sec-
co, meraguala, superior em gosto ao bacalhao, ce-
bolas em restes grandes e novas, e queijos, todos
estes objccios naturaes do Rio Grande do Sul.
Loja do sobrado novo ra do Passeio n. S,vnde-
se chales de merino estampados comlistra de seda,
1*000 cada m. ____________________'
Attenco.
Doce de goiaba Uno em bus de 4 e 8 libras, por
precos commodos, queijos de Minas a 1*400, lia*
gaas da America em salmora a 320 res, queijos
de Alentejo a 2* : na rna Nova n. 8 loja do cha.
ITTENCaO.
Borzegulos francez da barca S. Joao da Luz, a
6*000 de lustro e bezerro : roa do Livramento
n. 5.
Joo Francisco Pardelhas, agradece a todas as
pessoas que Ihe Qzeraro o obsequio de acompanhar
os restos mortaes de sua presadsima ni D. Anna
Joaquina da Cruz, e de novo roga o rardoso ebsv- idade 7 a 8 annos, tendo os sigoaes seguintes : bem assignado a edacagode sensfilhos, pode dirigir-se
do Pato Pjo-1 qulo rte^ssis^era a missa do stimo dia qae teri preU, cora as pernas marcadas de fendas, levou a qualquer hora do dia aolerceiro andar do sobra-
leve-a a do n. 58 da ra Nova, onde ha muito lempo esi
recMnpen-. estabelecido.
Jote MariaUlchado dt Fgueireio.
sareo per nano propria para ter negocio, pois nao tem pare- lugar sejrunda-leira 13 do crreme as 4 horas da vestido azul, sera camisa : quem a pegar
da k.atral des dos repartimentos ; a fallar na roa da Impera-' manha, na /greja do Pilar, de coio acto sou ter- ra cima na re/erida casa, que sera ret
i quem Jiraiqjade oarive o. 33. J mente grato. 'ado.
Boa da Senzalla d. 42.
Vende-se, emeasa de S. P. Johnslon & C,
sellins e silhoesinglezes, candieiros e casii-
caesbronzeados, lonas inglezas, 6o de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos,[o relogios do
ouro patente ioglex.
I


I

^",



Diario de Pernanahuea eia fela i O Je Feverelra de lalt.


m
Predios venda
lellioou cm particular)
sobrado de dous aadares e sotao em chaos
preorio?, na ra do Amorim n. 17.
Um dit de dous andares e solio, em chaos pro-'
prits, na ra do Burgos n. 3.
Urna-casa terrea com sotao, em chaos proprios,
na roa des Burgos o. 5.
lleude d urna casa terrea, em chaos proprios,'
Noarmazemde fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Ra do Queimado n. 19.
Veade-se seguate :
Lences de panno de linho
pelo baratissm.o preco de 25400.
Lences de bramarte de linho
de nm se panno a 350e.
Coberta de chita da india,
pelo Laralissimo prego de 24500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibrira, a Z& a duzia.
Pecas de brelanha de rolo com 0 varas
propria para sai a, a 4*V
Pecas de cambraia de forro, a 20600.
Esleir da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
I gura, por menos prtfo do que em outra qualquer
t Vendem-.-e ma binas para desear car,
a'godao co:n molores para a iraes: na ra
da Sanzatla Nova n. 42.______________ L5azinhas carmezim miudinhas
J. Kel er & C. ve dem supero;- vi- ?r?rias Para vestido de menina, a 600 res o co-
na ra da Senzala Velha n. 8 : a tratar com o
agenle Simes na roa da Cruz b. 57.
Vende se caiies vaziosprepries
para bahnleiros efaaileiposa 1$760
cada orj; nesta tyitgraphi.
VBliTdaladelra~e do Porta
Vendeseosuperior vinho da Madelrae do Por-
to, em caixas de urna e doas duzias : s na toja
ao Vigilanle^ua do Crespo n. 7.
Toalhas alcochoadas para maos
;* a duzia.
nho lint) dBrdeax, tanto enqu rila
como enrcaixas de duz'a u garrafas.
Bom negocio
l'ni dos socios da casa de banhos da ra da
Cruz n 17, por motivos de molestia, vende a sna
parte de sectedade que tem na mesraa casa, olTere-
cendo vanlagns; entenda-se o pretndeme no
dito estabelecimeato.
Vende-se cacado francez da barra franceza
S. Joao da Luz, na ra do Livramento n. 21.
Borzoguins de lastre (liantes) 6JO00.
Ditos de hezerro de tres solas Ditos de bezerro de duas solas $000.
Sapates de tpele 640 rs.
Vende-se um elegante cabriolet francez ar-
ranjade de ovo, com arreies inglezes inteiramen-
te aoves, o com nm excelente cavallo, ou sem
elle; a tratar na praca det^pim !. andar de so-
brado, one morou o Sr. Pr. Sabino.______
Vende-se queijo sbso frescal 500 rs. li-
bra, dte de pralo a 900 rs., dito do reino do ul-
timo vapor 2300, no laif o do Carmo, tsoaraa da
roa de Hortas n. .
Vende-se lagedo 8e Lisboa da melhor quali-
u. '18, segunda loja.
vado.
Laazinhas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a 560 ris e
covado, neste armazem de fatendas se encontrar
um grande sortimento de ronpa feitae por medias
~ PASTILHAS
VERMFUGAS
0 VIGILANTE
Rna do Crespo n.
O gallo vigilante tendo sido agraciad* pelo pom-
poso Oallisa, na sua ordera do da, e pela Branca
A guia, apesar de que, para estes o Galio com seus
agudosesporSes nuncajs offonder*, antes osagra-
ciarana mesma conformidade, para que o Balita.
Acnco
o
Nova loja de fazeadas e roupa
falta aaeioaal, ra da Impe-
ratrlz, loja de 4 portas a. 9t.
Chitas da loja u. 72.
Vendem-se chitas finas a 240 e 280 o eovado,
ditas fraocezas Anas a 320, 360 e 400 rs. o covado,
cassa franceza fina a 320, 360 o 400 rs. o covado,
laazinhas para vestido* a 360, 400, 00 e.SCO e
covado, pecas do madapolo lino a 64, 7f, 8e
9,1, pecas de algodo a 54, 6 e &J : ra da tm-
peratriz n. 72. -
lUupa feita nacional
Vendem-se palelots de panno fino a 144, 164 e
184, ditos saesos a 64,84o 104, ditos decasemira
de cores a 64, 84 104, ditos de brim de cores a
24500, 34 e 4?, calcas do casemira preta e de co-
res, rolletese calcas de brim de cores a 24000 e
24500: rna da fmperatriz n. 72.
Sontaabarque a 84.
Vende-se sootambarque de luasinha a 74 e s-3,
ditos de alpaca branca a 84 e (04, ditos de gros-
denaple preto a 204 e 2)4, capas pretas de gro<-
denaple Unas a 204 e 254. panno fino preto a 24,
34, 44 e 54 o covado, ca-emira preta a 24. 24500
------- ... >ut3ui* i uuiui uiiwduc, uaia que O nauta. ,____j ,----. .-,-----..T.. .
passamarchar em frente, a Branca Aguiapossa Ufe e/,p,efmomn vesj,ldo $*W- **
levanlarseu voojlavand.'ao bicoas palinbasaseu *olvido : ra da ImperAr n. 72.
ninho; e o Galle Acara em seu espaeoso campo CrlM de ,M a Mana P 10$
Casiaes A fuga dos.
Wende-se o sobrNoho de um andarna ra Di-
Teita dos Afogadosn. 50, edificado era chaos pro-
prios, com quintal murado e portao ; Tende 254
men^aes, e eom alyum concert poderia render
404 : a tratar^ na Flix Ramos Leutier, ou na dir- rloria das otras
publicas com o cajsiao Raymundo da Silva' Maia.
Vende-se a-casa terrea n. 25 da ra de Ma-
thias Ferreira de-cidade de Olioda : juem a pre-
tender dirija-se a tratar nesta cidaderta rna Au-
gusta n. 59.
Vndesec-sobradinho da ra nnva de San
u Rita n. 44 : iratar na ra de Sama Hita na
mero 3.
Venie-sc
um sitio no catniaho novo, ra da Esperanca, que
vai para o Manguinho, com grande asa' muilo
fresca, tendo 4-salas e 6 quartos, cozinli edoa
terragos na frenle e fundp da caa, e mais urn
grande solio coa tres salas bastantes frescas or
ter lljanelas, eslribaria, quarto para criados,
duas cacimbas com agua de beber, ta*que c casa
.para banho, o-srtio lodo murado, e eom mil e tan-
tos palmos de fundo, porto de ferro, fboas laran-
geiras de umfel^n-, sapotis e ouiros ar?oredos: a
'ratar na ra to Destino n. 16.
MACHINAS EPATENT
de trabalhar a mSo para
desearacar algodo
FABRICADAS
----------- espaeoso campo
dando de novo o seu canto aonunciando a seus' jendem-se cortes de vestidos Mara Plaa 104,
bonsfreguezes e aorespeitavel publico I y*.6.,6*' cortes de cassa franceza a 34, corles
0 grande sarliaeite e obiectas de aiileoslo iue bnJn para c*?* ,i60 e **' ditos de case-
acaba dedfc/r "W|,",,,,, mira de cor a 34, ditos de dita preta a 34500, 44,
. 6m ae reeber. 54 e 64 : ra da fmperatriz n. 72. Este novo es-
meas camuas rom msica ricamente enfeita- abelecimenlo vende barato para obter freguezia
aas para oastura, proprio para um delicado me- na ra da Imperatriz, loja n. 72.
nioo. 1 -----------------------_I__
ftifaisstraos cofresinbos com cadeados d metal
para guardar jotas.
Ricascaixas com estejo, conteado todos os per-
toces para homem.
Riqulssimas volias fiDgiodo()erola.
Ditas com3acinhode tita.
Ditas de fiadas cores e preta, de todas as gros-
wras.
Lindos aeregos com pedrinbos Qogiado bri>
Ihantes.
Ricas firelias para ciato, de todas as qualidades
e bom gesto.
Ricos cintos de ultimo goito dt Paris.
Grande sertiraenlo dendes enfeitesparacafee-
ca, sendo do ultimo gosio e de todos osprecos.
r lores muilo finas para noivas.
Lavas enfeitadasincias de seda para colvas.
Tonquinhas sapatintios e meias de seda paca
baptisado.
Riquissimas fitas-de todas as qualidades parala-
jo, cintos ecinteiros.
Camisinhas e gomtias para senbora.
Por Plant Brothers & C.
MAM
DE KEMP,
WOTA YORK.
DE C0RCHEIRO E SABOR AGRABaTEIS
infinitamente mais efficazes do que todo* | saiaT* "S ( Qgruras p*** menlo de
os mais remedios perigosos e nauseabundos;
Veade-se
ama arma^ao de taberna e os seus ulaocilios : na
.ra de Joao Fefaaodes Vieira n. W,*uledade.
Vendem-se charutos da Rabiada varias ous-
iidides: e:n casa de llonhard A C, ra do Tra-
,;che b. 48.
Pefincfaa >ein igual
Camisjts.que valem S4 a 2^i00.
v'endem-se camisas de linho muito Ouas bons
gMlos pelo baratissimn preco de 25*00 cada urna
em duzia -a 343, vndese por aquelle diminulo
prefo par serem arrematailo.s em leilao des salva.
dos do navio francez : na na do Livramento n. i
arwer.em de JoaoiEvanselista de S.
que ext-Sem para a cxpulsao das lonfbrigas.
Nao causnm dores e produaeni -seu eflfeito,
sem precisar loge depois nhum e to incitantes emaf>parenciacdeli-.
ciosas m gosta que as criancas estoj
prompas a lomar mais do que marca a re- j
ceita.
-teis como trai excellente meio ^de fazer
remaver as obsruc^es ds ventre, mesmo
no caso de noexistirem verme algu PASTHJIAS VEBBBTGAS DE *EMPS SO prOmp-
tas>e tnfallivetena sua operaco e por todos
os respeitos dignas de cormanca e npprova-
c8o d todos os pae; defirailias*. Prepa-
rades nicamente por Liuman & .
Nova York.
Vendem-se o Recite em casa de Caors A
Bar boza e Joao d3 C. Bruno & C.
RAPE*
Buarle, Pereira & C. contiouam a vender o afa-
mada e fresco ra^xj Princesa 6s Pelropolcs em ssu
grande armazensde louga vidros : -ra do
Gre-opo n. 16.
Farello saperiur de Li*ba a 3j o sacte.
*en paraveader Atonie Luiz de livei-
ra Azevedo n ten escriraoro ra da Cruz
12,
Paiftcts sobrecasarados de panno pretc liio,
veuie-se na ra do Crespo n. 17.
Fasndas baraiasrua do'ftasseio n. 3, loja
do-6ebrado doSr, Maia.
Vendem-se chales de merino limpos a 54, pale-
lots nuito finos ile panno a ij e 155, brim de li-
nho cortes a 14280, palelots de boinbazina-fina a
f5, madapoloes e chitas francesas mais barajo do
que em outra qualquer parte, patino fino preto a
15600, lencos de chita a 15 a duzia.
Bitas hamburgne as.
Ven4e-?ena mi Nova n. 61.
trande sortimeaode gravatintiestanto para se-
nora como para tiomem.
Luvasde pelica tranca e decres.
(.ascarrilhasd-s bonitas cores.
Trancinhas, galio e raaravilhas para enfeites.
Transolins de cabellos e de retroz para retoglos.
Papel amiaafiee de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e bahadinhos deHndos padrees.
Lencinhos-delinho bordados.
Meias para tnmem, senhore?, meninos e meni-
nas.
Fitas de velufio lisas e com mtame de todas as
Urguras.
Toes iuras-e-cBlvetes de todas as qualidades.
Grande soriimento de saboeetes.
Liados vasos com hanha (>ara offerecimentos.
Caixinhascom seis frasquinhos.
Essencias de todas as quadaJes.
Aeuaverdadeira Florida.
Agua da Colonia, em arrafas grandes, e em
irascos qaadnados e garrafitflias.
Pomadaflna de todas as Realidades.
sap-jrior basta em frasese copos de lodoso
tcmanhos.
Sabaoinzlez em paos grandes e pequeos,
e-sc ivas *c cabo de marneperola, raarEm e de
os-o, para deitt&s.
Pentes para desembaraoar, com friso de metal e
sem elle.
Bitis de tarltru'a e de cuitas outras faalida-
Pentesde tirurija para senhora
Estas machinas
podemdescaroear
.qualquer especu
de algodao sem
estragar o fie,
sendo bastante
duaspesseaspara
o trabalho; pode
descansar* mu
arroba de algo-
dao em carooo
em 46 minutos.
ou tS arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algoao
limpo.
Assmd como maofcinas para serem movidas por
animaes, que descaro^am 18 arrobas de alcodao
limpe, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellisstcno va
porgue pode fazer mover seis destas machina;
mencionadas ; para o que coovida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodao, so largo da ponte nova n. 47.
Sauaders Brothers AC.
K. II, praca da Carpo aato
RECIFE.
Os nicos agentes nesle paiz.
raseos eom gomma arbica
.RIVAL SEM SEGUNDO.
'.tua do uueinau ns. 0 e 5.3, loja de miudeza.-
de Jos de Azevedo Maia est coBtinuano :
vender muitc barato, pois seu genio dar a fazo.-
da por todo prefo a vista dos cobres.
Cartas dealnetes francezos da melhor quilidadf
a 80 rs.
Grosasde peonas de ac nglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas decolchetcs fraocezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Cresas de baldes de roadreperola muito finos a56(
e 640 ris.
Carreteis com 4 a 5 citaras de relroz preto fino
640 rs. r
Re|*000de Papel dC pesoliso roui, -'"Periori
GrJ}tal da li* e de oniras muitas qualidades a
Caoetes Dara Denna com 3 f!has fazenda boa a
800 rs.
Duzia de botoes branco para casaveques de senbo-
ra a 100 rs.
Pecas de fita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a lera 800rs.
Os segredos da natoreza para os meninos a pren-
der a ler a 1*000.
Cariilhasda doulrtna christa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfiro a UO00,l#2O0e 1*500.
res de I uvas de seda para homens e senhoras a
oOO rs.
Gollinhas para senhora
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 5001
1*000.
Livros que serve para assentar roupa, pelodiminu
to preco de 160 rs.
Capachos redondos muilo finos a 500 rs.
Cordao branco para espartilhes muito superior.
vara a 20 rs.
Carritis com JfO jardas de linda brarca a 60
reis.
Cartes com 200 jardas de liona branca garant-
d's a 60 rs.
Grosas de peonas de act) superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
Ibas a 160 rs.
Pares d botoes de punho, oh que pechinrha a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos deharrocom superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de louca prateados muito fino
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpardentes, superiores a 200 rs.
Caixas cora superiores phosphoros do segurancaa
160 rs.
Caixas cem 100 enve4opes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas eom 20 qua&ernos de papel amizade,mnitr
fino a 600 rs.
PILIUS CAT04RTICAS DI AVER.
Estas [lulas vegetaes to a-
daptadas a todos os usos de urn
purgante as familias, pois silo
vperfeiiamente iunocentes, e em
quanio militares de pessoas con-
fessam com gralido que forsrri
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nio ha
um so caso em que hoja suspfi-
tas do mais leve resultado inju-
riosa por seu uso.
Publicamos aqu algnns dos
aitestados que temos de curas
nolaveis feitas ltimamente.
Um caso uotavel de
o melhor que ha a 320 e
AQecee clironica dt ligado.
Illm. Sil
Jitiz de Fra, 17 de fevereire de 1864.
Tendo feilo uso das pilulas cathartica*
de Ayer, que me fez favor de dar um i-
dro, tendo lirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
fermidades do ligado e baco, coaa o oso
das pilulas posso Ihe assegurar que estou
bom, po:s ten lo desapparecido um grand
engorgitamento que soffria, muitas dores
sobre a regia do figado e costas, dores da
cabega, incbacSo do ventre, n5o podendo
deitar-me senao do lado direito, isso mes-
mo procurando psito para ler socegn, bo-
je me aclio livre d'esse padecimento ; como
por aqu anda as nao baja, u como tenho
este proprio que de casa, Ihe rogo ntan-
dar-me alguns vidros, e o custo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do charope do
cereja, que Uve occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve urna
preta que com elle carel, faco aso d'elles.
as tosses em minha familia semprc en*
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns fmsquinhns, e raesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque tenho
feilo uso d'ellas para uso da familia e al-
gumns pessoas, todas teem lirado grantro
resultado; sou
De V. S. aitento abrigada,
Francisco Fehkeica Pae.
latiaiBiai
e ataques hemerrh(ji<]a':$.
Illm. Sn.
(ktro-Preto, 30 de margo de 1864.
Posso cerlificar-lhe que as pilulas ca-
uadernos de papel pequeo muito fino a 20 rt tharticas do tir. Ayer sao cxcellentes, ptia
Las fe sia e djj algodao, assim como militas
uircs ibjectos de roslo quesera impossiveimen-
Mar, 111 a i-i ue-do Crespo tul.
diss#lvida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado o. 8, loja
aga branoa.
N vos albuns.
dt
XAROPE DEPURATIVO
GOUX
BR0MO-SULPH0-IODURADO
A aguia branca acaba de receier oulra encom-
neflda de bonitos e bem cucaderuados albuns Oa
capas_de velludo, massa, tartaruga e marfim, al-
fUBsdosquaeseom microscopio ;>ara augmentar
o tamanho dos retratos, continuaBdo a serem ven-
lojaa aguia braman. 8.
Galanteras para festas
A*uabraaanao cessa de eocommendar do
quefta de melhor^ maisagradavel,e porissoca-
Volltiioas. I D*receber diversas figurase vasos de pede
Liadas voltinh*s de perolasfalsas comcruzia'aas' 5 tZco!a fina baelia, assim como bonitos frascos
ingiudo brii.'iant**, assim conw crozinhas a valsas ^e*Ce,len'es extractos e Iiada6 ccixiohas de ma-
que soffrendo eu drrs pelo corpo, e qoo
suppunha ser rheumatismo, Cmolestia esta
que j havia soffrido ha annosl e soffrendo
tambeni de ataques hemorrhoidaes, e do
um ouvido, pois que al j pouco onvia, o
acompatihado de nma dr no queixo, con*
sultei a um dos nossos mdicos, e prIc mo
disse que devia fazer uso da salsa ; poraT
) cu o almanack do mesmo tloutor
voutnnas, palo barato preco de 1* e 1*209, as
deira envernisada
com finas perfumaras, ludo
sruzes avu|s asa sCO rs. s 00 Vigilante roa'do tfi.a,Jtr Crespo n. 7. fliBBe*rodirija-se pretendente a roa do Queiaa-
Grande liquidadlo de fazeu-
dasfisas, ra da Impe-
ratriz, leja e armazem da A-
rara m 56, de L P.
Mondes Guimaraes.
azendas para o carnaval.
Vende-so velbatin3 de todas as cores a 800 rs. o' comprei em sua casa um vidrinllO
covado, ganga encarnada a "MO o covado, saritlim mas minias p nnr minha Pnm
de cores a 280 o covado, alpaca de cores propria fni ,P, ft CLP ? Cn,tn P1'"1^.'*
para vestuarios a 320 e 360 o covado,tafeU de s<-da ^lua-ra, e som aa linalisar aclio-me sem as
de todas as cores a 600 rs. ooovado: rna da Impe- uores pelo corpo; e sem sentir sarei da
ratriz, toje. da Arara n. .'i'i.
Chitas baratas a 2i0rsD
Vendem-se chitas finas a 240 e 280 o covado,
chitas fraacezas finas a 320, 360 c 400 rs- cassas
finas e ores a 320 e 400-rs. o covado, percalas
linas para vestido:, o ."$60 e-3O0o covado : ra da
Imperatri, loja da Arara n. 56.
rts de camliraias. a Irara vende a Z$.
Vcndefli-se corles de oambraias linas brancas a
3S-jO0, i e 55, cortes de cassas francezas finas a
3&, ediles de chita de 10 covados a 2J400, ditas
finas a S3200 : na loja da Arara, ra da Impera-
triz, n. -35.
dos a 9$ e 35500 o covado, grodenaple preto lino
a 15600,15800 e 25, dito -superior a 25600, dito
com 5 palmos de largura a 3 o covado, panno (i liouci nprfi>iLnrfni
Leqnes.
don.*, loja da aguia branca.
ll-Iuw$imosle;iii d madtcperola tanto para AfH fiflO filZftl 4WMQWI-
s-nhora como part menirws,^elo barato preeo /// u CHUW/
le |M ^ Ii5; s o Vigilante, ra do Croepo -UiadO
GRANaiE XOVIDAOE. !. A ***** "ranea na rna do Queiroade n. 8, reoe-
S no Vigilante. ; "Bu Bmfcalos de anilifino e frasquioiios com es-
niquisnos enfeites de todas m. qualidades para;sencu dito para eagommados.
.seahorasembuinas.clieiradoshojedaalfandega. OutFOS enfeteS
A aguia branca acaba de recebenpor
Kinto
Riquissiraessintos de fila laura e estreita con\m^ aguu brancaac*bade receberpor este ulti-
Qveiasarandes e pequeas, com bc^lhantes falsos, f^l^J^'^o^meMot^^loseMic^
' uosenreifcesiie moldesintiramentenvose de um
apurado goto,assim pws comparecam os preten-
4pntP4 mnnj.ln. J..k.-_________j:____:.r_ j_
cousa de muito gosto.
VlfeuUH
Este novo roducio wsuludo de urna trplice combinafao de tres inctalloides cujas propie-
dades sao irhi onbecidas, o Bromo, o Euxofre t o Iodo, oceupa boje a piimeira ordem de
entre lodos o* depurativos dos quaes o mais poderoso.
As experieoaas dos mdicos mais notaves dos hospitaes de Paris. os senhores Cazenave
Puche, Bazm, Bleche, Coihont, Baroschct, Oanet, Legroux, Vasse e Aubrv, etc., demon^rario
sua poderosa efticaea as ai.eecoes seguioates :
* de iirllc,
Bau-(r<>> e bvrbnlhna de larfa eupmtlu,
Mjm niettu,
aX>ra* P|fcclrmi,
**unnlmm,
AkM*i, ftemm,
Vlerrmm,
naba,
Eacu-kuU,
Plaa ou luikii (do Braail),
rraubarala,
Hnmarra fro,
Bacblilniuo,
UphlknlHila -acrarulaia c rbraulra
Tlalra c.rrofi.lo.a
Affeefaca ayahlllllraa.
Bleaaaatlaala do. Greyaa,
E todti ai doen<,as occasionadu por um vicio do
aague, e ji tratada* aem neubam ihccmio pelai
preparacoes vegelaes, iodada e o oleo d ficado
de bacjilbio.
upenor nesle emprego ao oleo de figado de bacalho e aos xardpes depnravos anti-ecor-
biiucoi que M administravao at agora.
epoiito geral, em Paris, na boea Bonllay, membro da Academia imperial de Medicina de
rans, officul i* Legito de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.

>coasamuiloeb:que
po n. 7.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Ventor da FacuUade de Setenaos, membro da Academia imperial de Medicina,
Offu-ial da Legido de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paris.
Este xarpe composto i mais de vinte annos pelo sabio lente Bonllay, conslitue a melhor
manara de administrar o tther. Re empregado com suocesso em lodas as doencas que tirio sua
origcm de um embismo nervoso, como sao as:
calmara. a> eafaaaasa,
IaaUajcataaa,
Caaralaoea,
Aeaaaaaa ajaSerlcaa e ayaa-
eaaaVtaeaa,
Callcaa vaalaaaa M aerva-
Deposito geral, em Pori, na botica de Boullay, deutorem Sciencias, membro tf.t Academia
unptrml de Medicina de Paris. official da Legiio de Honra, ra des Fosss-Montmartre 17 c
esa todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Eniaajaaaa,
Nevralfttaa,
Atiabara a> arrva,
Varllseaa,
Sjartpn,
a, aeaadeaa ataleataa,
*'"' ** cata a *r raea-
aaatlaaaa,
Caaaa ilr eaieacBleaieBla,
te, ote, ele.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCgAO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio eflicaz para combatlir estas molestias, acalmar nm attaque d'asma e impedir a
volu o Xarpe aromtico de Succino (mbar ama/ello] do Dr Danet. Oeecoberta inleirameate
recente, este novo producto se Um propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveia resul-
tados qoe tem sempre produzido.
Deposito eral, na boca Chauveaud, 54, ma do Comercio, Paris-Grenelle, a em todas u
boticas de Franca e do eslraogeiro.
-
Deposito geral em Peraambuco rna da Cruz n. 22, em casa de Caros Birbosa.
s no Vigilante,ra doCres-
Gslinrm.
Riquissimas gelinhase maagoitos, cmelhor gos-
to possivel, a 25.25500 e35; s no Vigilante,
ra do Crespo n.7.
laee para senhora.
Riquasissim enfeites com laco e semlaco e de
outros minios gostos a 15, 11SM 35: o no Vi-
guante, ra do Crespo n. 7.
Trcneelias.
Linios trancelins de cabello para relegia ou lu-
netas, pelo haratissimo preco de 15500.ditos de
relroz a 204 rs. ^ ^^'
Uabadiuhos olremeiss.
Riquissimes babadinhos entremeios com liado;
deseohos tapados e transparentes, pelo baraiissioio
pre5o de 15209, 15500, 25 35; s no V*Ma*e,
ra do Crespo a. 7.
Cascarrinas.
Grande soru'seoto de casearrilhas de diversas
i larguras, asMm como galaoziaao e trancinhas pro-
! prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Pitas.
Grande sortiment de titas de diversas larguras
e qualidades, per preeos que admiram aes com-
pradores, lia vendo fitas largas proprtas para ciu-
teiros que se pode vender a 300 rs. a rara, e peca
de 9 varas a 25 ; s no Vigilante, rna do Crespo
n. 7.
Fitas de lia.
Fitas de lia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s no Vi-
gilante, roa do Crespo n. 7
Rices espelaes.
Riquisslmos espedios com moldara douraJaJ
; sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como eom
celumnas de diferentes tammhos a 25,35,45, 55
e 65 i s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindas jarree e guras.
Riquissimos jarres e figuras de porcelana fina,
para eofeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
: tem apparecide; s no Vigilante, ra do Crespo
. n. 7.
Para fin de arraa.
Riquissimos vasos com bonecla para psdearroi
cousa de muito gosto a 15500 e 35, assim come
pacotas s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra de Crespo o. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
Ihores e mais afamados autores de Caris e Inglater-
I ra, assim como os grandes copos de hanha japeaeza
i a 25 e a 15, assim como antros objeeles que nao e
j possivel por hoje anaunciar, e i vista dos fregue-
i zes sa far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra a Cresa* n, 7.
Pequeos pentes de tar-
taruga.
A aguia branca na ra doQuemado n. 3, rece-
ceuea novameateesses pequeos tentes e tarta-
ruga .que por Nua qualidades de pequeos, lisos,
Boattos e bem.fe ncs tanta estima tem mereeido pa-
ra as enhoras separar o cabello quande alado ; a
agtua Lranca porm avisa aqueMas pessoas qae os
naviam .encommeodado e a ouem mais guaira
aprovertar a occasiao de os comprar continuando
a serem andidos pela mesmo apaeo de 4a cada
no preto a 25, 25800. .i&i90 e 55 o covado, case-
mira prea fina a 25,25500 e 35 o covado, alpaca
preta a 500, 600 e 800 rs. o covado : ra da Im-
pera tri/, laja da Arara n. ."6.
Arara voade cortes de ea*emira pela a 3f>o00.
Vendem-se cortes de casemira preta a 35500,
45, 5t5, ditas de cores a 35, 45, 35 e 75, cor-
les de btfm e ganga para cal<;a a 15600, 15800 e
25 : ruada Imperatriz, loja da Aran n. 06.
Panne de linl>e a 610 rs.
Vende-mi panno de linho para lences e toalhas
a 640 el A, hamburgo a iiflO e 360, bramante de
10 palmos de largo a 35 e cJ'OO : ra da Impe-
ratriz n. ofL
Arara Tid# os balites, a \J c madapelao a 1$.
Vendem-se baloes americanos a .'!5, 35300 e 45,
dilosde musselina a 45300, pecas de madapolo
enfestado a 45, dito de 24 jarda's, largo, a 65000.
81800, 75, 5. 05, 105 e 125, finos, algodo pe-
cas a 55, 65, 75 e 85 : ra a Imperetriz, loja
Ja Arara n. 0.
Suitambarqnes \mtos a 20-)
Vende-se saulamliarque preto de grosdenaple a I
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes: portanto sao para miro as taes pilu-
las as melhores que tenho experimer'a'o
isto em abono da veniade. Son
De V. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
O brigadeiro
Joao Rodrigues Fed pe Cahva.ho.
fiaslrite.
Ottro-Preto, 29 de marco de 1864
Atiesto que tendo feito us, aconselliado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
c bom de urna gastrite
que soffriae que privava-me de andar aper-
lado, boje felizmente nada sinto.
Augusto Goi.latino de Mello.
Falla de apelile.
Ouro-Preto, 24 de fevoreiro de I84
Sendo eu ar/ectado do figado ha muiloi
annos, e ltimamente solTri falta fle apetite
boje dou granas a Deus por aBar-me sao
e perfeito com o uso das pimlae catharticaa
do Dr. Ayer.
Amonio Bemo Vieira.
Constiparse, dores de cabr'fa
Onro-Preio, 28 de marco de J864.
Attesto que achando-me atacado de urna
forte constipado que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabera, soffri horrive}.
> por espaco de qnafro dias; ento
165 e 205 : ra da Imperatriz, loja e arraa.em da
Arara n. 56.
arande sorlioieaio de ronpa
Celta.
Vendem-se palelots de casemira de cores a 35,
65, 8a} e 105, ditos pretos de panno fino, sobreca-
sacas a 125, 14. 165 e 235, palelots saceos pretos
de panno a 55, b5, 85 e 105, ealcas de casemira
preta a 65. 65 e 85, ditos de casemira de cor a
45,65 e-85, ditos de meia casemira a 35 e 3S500.
ditos deferim e ganga a 25 o 25560, ditos de brim
TnrlJ^^rf3Item Se ^doniuiconhecido e e 35, ditos de alpaca preta a 35 e 35300, ditos d"e
E,aa?-a??' *** ^ 0 f6r cooso- alpaca branca a 15500, ditos de alpaca de cordao
t=!2-a5tt*aWriM* 1 aguia a^colarlnlias de linho a 640, ditos de papel a
tres d.as, de sorte que estou no firme o
psito de aconselhar o uso das ditas pilul-,
a todas as pessoas que forem aneciadas (f
constipacoes.
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas.
Irrilacfl do eslemago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 186
Attesto e juro, se necessario fr, que. sol-
branca mandou vir mais o novo sortimento q
acaba de receber constando rile de
Caixas com chremaeoma para tiogir os cabellos.
Frascos com coloricoraa para lastrar ditos.
Oitos cora nydrocalleihricbina para liropar ditos
tos com oryehromaotina para I imparas unhas
Saboneles brancos para lavar os cabellos.
Pj.-ntda allicomiphila para dar ebeiro aos di-
tos sem mandara preparado feita.
Sapatos de marroquim dow-
rado para bailes.
Esses sapatosdo grande tom vendam-se nica-
mente na ra do Queimado loja da aguia braia a
8 a 65 o par.
Meias finas para senhoras
gordas.
loja da aguia
Vendem-se na ra do Queimado
branca a. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
.- papel
640 a duzia : na ra da Imperatriz, loja da Arara
numero 56. O proprietario da loja e armazem da
Arara declara que todas as suas fazendas e vende
em perfeito estado, como os compradores peder"
examinar; a loja est aserta at as 9 horas da
noite : ra da Imperatriz, leja da Arara n. 56,'de
Mendes Guimaraes.________
DROGARA.
3 iRa Marga de Rosario34
BarlholoineB Francisco deSouza k ('..
Venden.:
Acido actico puro pira retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieres avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Vneta, fino, em paes.
rendo ha mudo lempo excessiva i
de estomago, pouco apetite e diflicil dij-es-
lao dola tenho experimentado sensiveij
Minoras depois que tenho feito uso das p.
lulas catharlicas do Dr Ayer.
Amonio Heilmogenes Pereira Rosa.
Lotnsrigas.
Ouro-Preto, 28 de maride 1864
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas) fo-
ram empregadas com grande vantagem or
m.m em urna menina de dez annos. uo
soffria de vermes intesimaes, notando-se
que os symptomas que entao apresenUn
eram de molestia bastante perigosa
Raymundo Nonato de S. Thiago, pbarma-
ceutico.
TINTA PRETA C0MMERC1AL.
Vende-se tinta eom esta denomina ro prepara-
da por Joao Cancio Gomes da Silva, a "ra do Qsei-
mado n. 32.
Simo de /antua
Attendendo as circumslancias do lempo at oo*
Veade-se urna escrava mulat.vque engomma,
compra e faz doce : qoem a pretender, dirija-se a
ra da Aurora, tercelro andar, aa loja de fuai-
leiro.
GRANULOS e XAROPI
D'HYDROCOTYLtT ASITICA
de J. LEPINE
ItMalta pclu experiencias feitaa as lidias e
rraata pelos man afanadas mdicos qae u GRAm-
LAa O XAROPE < BTMSCOrrU ASITICA at
tro aviso, resolvo-me a vender a obra de Simao t a. lpiivb sao o ptimo ruiadio eaatra ttdu
Nantua pelo diminuto preco de 800 rs. cada exera- *- J
piar. A obra completa, tem a segunda parte das
abras posthmas, e bem impresso, tem a estampa
de Simas de Nantua, e e de meia encadernacao :
na ra do Imperador n. 15, defronle de S. Fran-
cisco, onde tambera ba para vender-se urnas pon-
cas de caixas de papel do Diario .YasiM, e pelo
meme preo que vende o Diario.
as
* da IMPI6ENS .a UEKru oatraa noUstias a
pena, at as aais mTeteradas, asiim coma a LKrsvA
NORPHKA, a SIPHILIS, as M0LBSTI4S MBV
rULOSAS, O* RHEIMATI8M0S Cbric,
Deposita geral em Pars, em casa d Ti
labloity*. nt BourbM-raknevM, ja,
Deposito geral em Pernambrj*}* ni da
Gru b.22 em casa de Caros a Barbn.,
Nevralfia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
xonga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
no nombro e as costas, tomei urna iunr*
aade de remedios sem achar alivio algum.
or, angustia, tormento so palavras for-
tes, porm nao^xprimem o que tenho sof-
mdo: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharlicas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completamente restabelecido; ha tres
das que nao sfnto a mais leve ddr no hom-
bro nem as costas.
Estas plalas acham-se venda n3S pt\-
ipaes boticas e dregarias do imperio, e n>
Rio de Janeiro, ra Diroila n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
aapharaaaeia fraaceza de
P.IWAURER i C.
RA NOVAN. 18.
O




: '------------------------------__,.^-_..

Diario ie
neo eita feftra O de Fe venir o ie |85
ROPA FEITA
NO
A1IAEII
KXTBEIKO VBuBJK.
Neste estabelecimeato ha sempre un sortimauto completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se maada fazer por medida, vontade dos concer-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um -
grande' e variado sortimeato de fazeadas de todas as qualidades, para senhoras, 1
borneas e meninos. _
Ditos de setim preto. .
301000
251000
E Casacas de panno preto, 350 e
[ Sobrecasacas idem, 360 e .
i Paletos idem e de cores, 250,
200, 130 e......O0OOO
l-Dates .de. casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 o......30500
f, Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. 40000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de ganga de cores, 30 e 20500
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......70000
Ditos de casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas de cores 50
40 e........30500
Ditos de ditos e seda branco,
61 .......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500,30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodo, 10600 e. .
Camisas de peitos de Linho,
40, 3*e......
Ditas de madapollo, 20500,
20e.......
Chapeos de massa, pretos fran-
ceses, 100, 90 e. .
Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......60000
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento complete de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
e........
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lenccs de bramante de linho. 30000
Cobertas de chita chineza.. 20500
20000
10400,
10600
80500
20090
60000
0
60000
J. VIGNES.
X. 55. Ull DO IMPERADOR Rf. 5...
Os pianos (testa antiga fabrica sao hoje assaz coanecidos para uue soja necessario insistir sobre i
r.M superioridade, vaniagens e garantas qu offereeem aos compradores, qnalidades estas iocontestt-
J,>is que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta Braca ; odo-
..nado um teclado e machinismo que obcdcccm todas as voatadcs e caprichos das pianistas, se-m-
nunca falhar, par serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tsimos para o clima desto. paiz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto mnito agrada-
os ouvidos dos apreciadores. .
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do >r. B Ion de I, de Pans, socio
jK^pondente de J. Vignes, era cuja capital foram sempre premiados em todas as eipssicdes.
Xo mesmo estabciecimento se ada sempre um esplendido e variado sortimento de msicas do>
Abres autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
,r->'es commodos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDICO-CIRiJRGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Una da Gloria, casa do Fundio 3
0 Di\ Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da inanhaa, edas 6 e meias 8 horas da noite, excepto dos dias santificados
Pharmacia especial homeopahica
No mesmo consultorio ba sempre o raais appropriado sortimento de carteiras
'uno avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e tesa o remili
aue .e pedir. ,Knn
Om tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 10* 00.
Senda para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
11a tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LIVROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina .Homeopathico do Dr. Jahr,
djas graades volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
te de seren aovamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
  • li-leiro ssucar deleite, notaveis pelasua boa conservaeSo, tinturados mais acreditados
    !;stibelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e prtanto a maior ener-
    ga e certeza em seus efeitos.
    Casa de sade para escravos.
    Recebe-se escraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-ttie qualquer
    op-racSo, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
    O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
    fn accionando a casa a mais de quatreannns, ha muitas pessoas de cojo concert se nao
    le duvidar, que pdem ser consultados por aqueHes que desejarem mandar seus
    Paga-se 20006 por da durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
    As operaces serio previamente ajustadas, se nSo se quizerem sujeitar aos precos
    v, >) veis que costuma pedir o annunciante.
    ____________,------ i


    Fabrica Conceigao da
    Bahia.
    Andrade & Reg, receben consUnte- 2
    mente e tem venda no sen armazera n. 9
    i 3i a ra do Imperador, altada d'aquel-
    , La fabrica, proprio para saceos de assu-
    ! car, embalar aigodao em ploma etc., etc.,
    i pelo preco mais razoavel.
    AGENCIA
    na
    AGENCIA L0W-H001.
    Ra da Senulla aeva a. 42.
    Neste estabelecimento contina a have
    om completo sortimento de moendas e meiai
    moendas para engeuho, machinas de vapor
    e tachas de ferro batido e coado, de todos o
    tama
    Eeijo
    Vealem se.sar,QOS com 2! cnias de feje rajada
    d Porto por 1L0, e cnias a 520 : a roa Direi-
    n Hia__________________________
    Yi&ha de Porto stierior
    em barris de oitavo dcimo, vende Anteaio Lniz
    da Otiveir Azevede & C.: do seo escritorio roa
    da Ou p. 1_______________________M
    Roa da Senzalla iltva i. Vi.
    Neste estabeleoimentohrendem-setaehas dr
    ferro coao libra ajtio rs., idem de Lo
    Moor libra al20 rs._________' -
    Yendo-se" por preco ceramodo nm piano de
    mesa proprio para qaem ^slzer aprender : a tra-
    tar la ra de Santa The rea o. 44.
    Bencano e
    lavar napa: emosteS. P. Jobaetea^CL,
    ra (k SeotaUa Nota a. 42.
    ATTKSJAO.
    VeadH^iper m** do <\tnimn, mtnt m Padn Ptoriaao
    n. ti, 44aweo tes dlnjutivo* m CwcoPontas h. 7, qw
    hi adrarSo com fafn^traur.
    Chales de merino
    a i&, 1*500 e t ; vende-se por este proco par
    ter-se arrematado na alfaaefa e ter om defelto:
    na bja da roa da Madre de Dos n. 16, defronto
    pa parda da alfaodega.
    AURORA BRILIAHK
    GRANDES MLkim
    OE
    NfM COROAS NEM MITRAS
    E
    GRAIE ARMAZEIH
    MOLHADOS
    VINIWS
    ESPECIIS
    Largo da Santal
    Cruzas. 12e84,|
    squina da ra do]
    Cebo. i
    Largo da Santa
    !ruz is. 12 e 84;
    esquiaa da ra do
    Cebo.
    O dono dos j multo acreditados arnmeas de raolhados denominados Aurora]
    Brilbante, acaba de receber de sua propria encommeada, moitos gneros delicados
    proprios da presente oslacao, e tendo grande sortimento comprado aqui,afiancaqoe todos
    os sous gneros sao de i.* qualidade.
    A seguate tabella servir a tedas de base para ajuste de coatas aos por-
    tadores.
    Ndubum armazera vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
    Brilliaate, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por sea dono so achar encom-
    idado em sua saude e ter de veider um de seos armazens agora, e o outro na pr-
    xima primavera, per isso deve-se aproveitar orna quadra dess para so comprar
    barato.
    RUI IMPERADOR M* 40
    Jaate aa sebrade en qic era Sr. Osiene,
    arte Almeida 4k C, receteran de ana prprla cietmn-
    da mala Hade e variad sortimeato de aaelbados, proprlos
    da reaesiCe estaeSe.
    Latas com 8 libras de chouricas muito aova?,
    a 705dO.
    Sitas grandes com peixe em postas inteiras,
    mais de 12 qualidades, a 100U, 1z8U e
    i,m.
    litas com ostras, oxcellente petiseeparafra-
    gideira, a 720 rs.
    Bitas com ervilias novas, ensopadas, a
    740 rs.
    Ditas com favas, a 610 rs.
    Ditas com amellas a 1*400, 1,5800 e 3u09.
    Ditas com marmelada do afamado fabricai-
    caote Abreu, a 886 rs.
    Ditas de massa de tomate, a 500 rs..
    Bitas com figos de comadre, aoves, a 1300,
    23 e 23500.
    Ditas-om bolachinlia de soda muito novas, a
    2J030.
    Ditas com biscoitinhos inglezes de muitas
    qutlidades, a 15100.
    Chocolate.
    Chocolate superior muito novo, a libra a
    (3200.
    Micarro telliarim e aletria amarella.a libra
    180 rs.
    Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
    Caixas com eslrelinha, pevide e outras mas-
    sa-, a caixa 33500.
    Ditas ditaem libras a 640 rs.
    Sag, a libra a 360 rs.
    Sevadioha para sopa a libra a 210 rs.
    Ervillns seccas, a libra a 160 rs.
    Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
    Tapioca raaito nova, a libra a 280 rs.
    Farinba de araruta verdadeira, a libra a
    500 rs.
    ; Arroz do Maranhio, em saccaa arroba a
    23100 e a libra a 80 rs.
    Dito da India e Java, a arroba a 33200 e a
    libra'a 100 rs.
    Tona alio de Lisboa a 93500 a arroba e a 320
    rs. a libra.
    Dito de Santos, a arroba 73000 e a libra a
    261) rs.
    Molhos com 123 sebolas grandes, a 13280.
    JUsUrda franceza caixa cora 2 duzas a
    83)00. -
    Frascos com mostarda preparada em vina-
    gra, a 400 rs.
    Dito com conservas inglezas e francezas,
    a 610 o 800 rs.
    Ditos com sal refinado Quo, a 610 e a 300
    ris.
    Ditos eom a verdadeira genebra de laranja
    a 13200.
    Ditos de 2 garrafas de llollanda verdadeira,
    13000.
    Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
    a 610 rs.
    Botijas cora dita propria para negocio, a
    40J rs.
    (arrafoes com 2 galoes com dita, a 65000.
    Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa,- e a
    duzia a 63000.
    Vinho miscatel de tetuba, a garrafa a
    15900.
    Marrasquino verdadeiro, fraseos a 800 rs.
    e a 15200.
    Champagne, a duzia 203000, e a garrafa a
    250*0.
    Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
    rafa a 15000.
    Caixa de vinho Rordeaux muito superior, a
    75,85, 95 e 105 a caixa.
    Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
    Ditas eom dito lagrimas do douro verdadei-
    ro, a 20$.
    Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
    183000.
    Bitas com chamiseo superior, a 145000.
    Ditas com Porto velho e outras maltas mar-
    cas, a 125000.
    Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 4,
    72B e 800 rs.
    Dito de Lisboa mnito bom, a caada a
    35200,35500 e 43000, e a garrafa a 500
    e 560 rs.
    Dito da Pijraelra, das seguintes marca, (T.)
    (J. A. A.) (J. L. G.) (O. II.) a caada a
    43508 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
    que j est engarrafado o lacrado com o
    rotlo do armazem.
    IDites de marcas mais deseonhecidas, a rana-
    da a 35500 e 43OOO e a garrafa a 480 e
    ofi rs.
    Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
    Dito do caj muito superior, a garrafa a
    80 rs.
    Vinho verde superior.
    A.caaada a 33500 e a garrafa a 480 rs.
    bmau.
    Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
    eagommar, a arroba a 35BB* l'ura
    120 rs.
    Sabo massa, a liora a 200,24 o 280 rs.
    Finaba.
    Saccas grandes com farinha deGoianna mni-
    to nova, a 53000.
    Caf.
    Caf do Rio mnito superior, a arroba a 83,
    85590 e 95000.
    Chi.
    Cb temes nestes gneros o melhor possivel,
    bysson, a libra a 256GB.
    Bltoperola a 3500.
    Bitouxima 25706,
    Bitohyssoa muito fino a 25801-
    Dito redondo a 25501.
    Dito preto de primeira qualidade a25500.
    Bit* mais baixo a 25000 o 15600.
    Erva mate.
    Excelleate cha medicinal, a libra a 320 rs.
    Espramele.
    6 masso com 6 vellas de espermacete a 600,
    610e720rs.
    Puna.
    Caixas de 16 e 8 libra de passasnovas pro-
    prlas para mimos a 45 e 2$5O0.
    RlM*.
    Nozes, a libra 160 rs e arroba a 45000.
    Alpisla e pataco.
    Alplstae paisco,a arroba 15000 ea libra a
    160 rs.
    Carlas.
    Cartas finas para jogar, a duzia a 25500.
    Caslaahas.
    Castaahas novas vindas neste vapor, aarro-
    ba 45060 e a libra 200 rs.
    Azetlonas.
    Barns com azeitonas novas a 15500
    Maateiga.
    Manteiga flor, a libra a 15000.
    Dita maisabaixe a 800 rs.
    Dita menossoperior a 640 rs.
    Dita franceza nova,a libra a 720 rs.
    Dita ditaem barrise meios ditos, a libra a
    660 rs.
    Ditapara tempero a 400 rs.
    Qneijos.
    Queijos novos vindos neste vapor a 35200 e
    35500.
    Ditos londriaos muilo novos, a libra a
    15000
    Papel.
    Papel alraaco pautado, a resma a W"800
    Dito dito lizo de linho, a resma a 45500
    Dito de peso lizo e pautado, a resma a
    25500 aAft
    Dito deembrulho bom a 15 e 15200.
    Vinho Madeira.
    Garrafas com o verdadeiro vinhoXerez e Ma-
    deira a 15500 e 25-
    Tenperes.
    Folhasdelouro, pimenta do reino, cominbo
    e cravo, a libra a 400 rs.
    Velas de eiraaba.
    Massoscom6 velas de carnauba retinada a
    480 rs.
    Amrndeas.
    Amendoas com casca,a libra a 320 rs.
    Doce. nn
    Caixoesdedocede golaba, grandes a l**""
    e pequeos a 646 rs.
    Tijolos de limpar.
    Tijolos de arear facas a 140 rs-
    Graxa.
    Dnzias de boioes de graxa o. 97 a 25600, e j
    de latas a 15000, e os boiSes a 240 rs., ca-
    da om, e as latas a 100 rs.
    Charutos fiaos.
    Charutos fiaos dos melhores fabricantes da
    Baha por diversos precos, caixas e meias
    caixas. K
    E grande quantidade de gneros tendentes
    a estes estabelecimentos, que deixam de an-
    nunciar-se.
    A 4 8 0 CORTE.
    PecMneha aem igual.
    Lindos cortes para vestido de percales de cores
    claras e escuras com grande variedade de padres
    pelo baratissimo preco de A$ corte: na loja das
    columnasra do Crespn. 13, de Antonio Tor-
    rci de Vasconcellos k C.
    Potassa da Russia
    "Acaba de chegar a mais nova a verdidaira po-
    tassa da Rnssia. o vende-se a preco eomnaodo : na
    escriptorie de Maaoel Ignaeio de Olireira it Filbo,
    largo do Carpo Santo n. 19.
    POTaSSi
    Veade-se potasa sm harris a commado preco a
    aa raa da Crot a. 23. arimeiro andar, eseriptori:
    da Aatoaio Aa Almeida Gasea.
    Manteiga ingleza
    da safra novavinda no ultimo vapor a l,ooo
    rs. a libra eem barril a 800 rs.
    antelga franceza
    4 afra nova a"60o rs. alibra, e en barril
    fj 5G0rs.
    Amendoas
    coufeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
    libra.
    Ameixas
    em frascos de vidro com 3 libras liquido a
    2|J400, muito propios para mimos.
    Cartees
    com bolos francezes a 500 rs. cada um.
    Latas
    com bolachinlias de soda de todas as qua-
    lidades a 4306.
    Chocolates
    de todas as qualidades a I OGQ alibra.
    Presuntos inglezes
    dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
    temos velbos para 566 rs.
    Qneijos flamengos
    chegados neste ultimo vapor a 26oo.
    Qneijos
    ebegados no ultima vapor a 2^600 cada um.
    oeljo
    londrino o mais fresco que se pode esperar
    o de excellante maree a 800 rs. a libra
    sendo inteiro e a 900 rs, a retalbo.
    Conservas inglezas
    as mais novas que se pode esperar a 7G0 rs.
    o frasco.
    Figos
    em libras e caixinbas ricamente douradas,
    proprias para mimos a 900 e i;500.
    Cha uxim
    o melhor que se pode desejar, que outro
    qualquer nao pode vender por menos de
    30 a 20600.
    dem perola
    especial qualidade a 20700 rs. a libra.
    dem hyssoB
    o mais aromtico que tem vindo ao oosso
    mercado a 20600.
    Massas amarellas
    para sopa, macarro, talharim e aletria a
    480rs. alibra.
    COG7VAC
    o muito afamado cognac Pal Brandy a 4,800
    rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
    des a l,ooo e 800 rs. a garrafa.
    COPO*
    lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
    duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
    PAPEL
    almafo, greve, peso e de outras muitas qua-
    lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
    lhor.
    Papel de botica
    I de excellente qualidade a 20200 a resma,
    PAPKL
    azul e pardo para embruluo de l,4oo a 2,2o
    rs. a resma.
    Corinthias
    passas corinthias muito novas proprias para
    podim a 800 rs. a libra.
    Fumo
    o verdadeiro furau americano em chapa a
    4,4oors. alibra.
    Vinagre
    PRRem ancoretas de 9 caadas a 4 5,ooo rs.
    cada urna.
    Cekllas
    as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
    e 4,oio rs. o molho.
    Alpista o Painco
    o mais novo do mercado a 44o rs. a libra,
    e 4(91400 a arroba.
    CEBLAS
    muitonorasa 40000 acento amadoQuel-
    mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
    go do Carmo n. 9
    GRAO DE BICO
    muito novo a 30*06a arroba e 140 rs. a li-
    bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
    Imperador n. 40 e largo de Carmo n. 6.
    QElO SUISSO
    muilo fresca a 990 rs. a libra 11a roa do
    Quaaadon. 7, n^, do Imperador a. 40 e
    lar|o di Carmo a. 9
    Masas brancas
    para sipa a melhor que se pode desejar,
    macarrlo, talharim e aliiria a 400 rs. a
    libra e 40506 a caixa.
    Vinho
    Figueira J A A e mtras muitai marcas acre-
    ditadas a 560 rs. a garrafa.
    dem de Lisboa
    e de outras marcas a 460 rs. a garrafa, e
    20800 a caada.
    dem do Porto
    generosos engarrafado des melhores fabri-
    cantes da eidade do Porto a 40 e 40260
    a garrafa e de 460 a 420 a caixa, as mar
    cas sao as seguintes: Ckamisse 4c Filbo,
    F. 4M., Nctar ou vinho des Beuzes,
    lagrimas do Douro eoutros mu i los.
    Latas
    com 40 libras de banba a 40009.
    Bolachinha ingleza
    a 40800 a barrica da mesma que
    vendem a 20600 e 20400.
    Nozes
    as mais novas do mercado a 420r' .l bra.
    Cemjas
    dos melhores fabricantesje de todas as mai
    cas de 40500 a 60500 a duzia.
    C-ARUTOS
    Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
    meias caixinhas a 40500.
    Arroz
    do Maranho a 400 rs. a libra, e da India
    a 80 rs. a libra, e 20500 a 3000 a ar-
    roba desses que vendem por 30400.
    CAF
    de 1.a e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 8056
    e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
    Garrafes
    com 4 V'j garrafas com vinagre a 4 0000 um
    o garra filo.
    GENEBRA DE LARANJA
    verdadeira a 40000 o frasco, e de 440OOC
    a caixa.
    IDEM
    em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
    42 frascos.
    GENEBRA
    de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
    rs. cada urna.
    PALITOS /
    os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
    e 2o rs. cada caixinha.
    LICORES
    Gnos de todas as qualidades, a 4o,000 a caixa
    com urna duzia e a 4,000 a garrafa.
    Marmelada
    dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
    jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
    libra.
    Pregunto
    o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
    a libra.
    ARROZ
    Maranho, Java e India, a 4oo rs. a libra e
    de 3,000, a 3,2oo ts. a arroba.
    VELAS
    de espermacete de diversas marcas a 56o re.
    a libra e em caixa ter abatimento.
    VELAS
    de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
    caixa e 34o rs. a libra.
    Batatas novas
    em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
    a libra.
    Passas moila aovas
    em quartos e inteiros a 20 o qoarto e 60500
    a caixa e 400 rs. a libra.
    Chocolate
    portuguez o mais especial que se pode de-
    sejar a 800 rs. a libra e 440 re. o pao.
    Frotas em calda
    chegadas ltimamente, pera, pecege, ginja e
    outros muitos a 640 rs. a lata.
    Dsee da casca da aiaba
    a'600 e 40 ocaixae.
    GOMMA MUITO NOVA
    em paneiros de 4 e 2 arrobas a 30500 a ar-
    roba e 440 rs. a libra na ra do Qoei-
    oaado a. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
    do Carmo n. 9
    BOLACHINHAS
    em latas de defferentes qualidades a 4206
    a lata
    QUEIJOS FLAMENCOS
    chegadosneste ultimo vapor a 20866 na ra
    do Queimado n. 7, ra di Imperador n.
    40 e largo do Carmo n. t.
    Os proprietaries do grande armazem o Verdadeiro Principal declaTam aos seos
    freguazes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
    tipulara10 s mesmos precos nos seguintes lugares:
    0 Verdadeira Principal raa de Imperador a, 40
    FARELLO DE LISBOA
    Marca N verdadeiro era saccas novas e grandes a 40500: na ra do Imperador n. 40.
    NOVIDADES.
    Queijos do Ucntejo. ditos das ilbas o mais fresco que so pode dse- Ib
    jar a 40266 alibra, eaeodiinteiro leraalgum abatimento, ricas caixinhas '"
    reaada afeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato preci do 40
    cada orna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 166 40500
    cada urna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ruado
    Imperador a. 4.
    GAZ GAZ GAZ
    Venie-se gaz da melhor qualidade a
    44 a bu : no* *"""'"" da ra di Im-
    perador n. 46 e ra 4o Trapiche Nevo n.'8
    Na ra do Moa qaaatWade de ps de flores por barato preco, lato
    at o Qm do raer 1Q ;JH ..! fmS
    Superiir cal de ttsaaa.
    Vende-se snaaraar cal i biseca a oais Dora
    que ha as aereada, taato ea aor$ao cono a reta-
    Ttw, por Barato tr^a. aBasendo-se aa eamam
    dorit iBOrior anahdad*: a tratar aas aemiUea
    mas : Crespa a. 7. Imperador a. tt, Por* do Ma-
    taa.armaiea do Sr. AvtHa, aofroate & inpieBo
    > algodao.

    I


    II
    I


    Diarlo de Pe Bambuc ... Sexta lelra i O de Feveralro de 18ft.
    v
    NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
    Chafaran es nederaos vestidos de dentelle de seda con barra, inteiraraenla novos
    em gosto e aualidade : loja das colunias, na roa do Crespo n. 13, de Antonio Correia
    de Vaseeacelles & C, successeres da Jos Moreira Lepes.
    Fazeudas de bom gosto
    Para testido de senhora
    Superiores cortes de seda de cer, de noriaate, de gorg urao e de selim imperial.
    itos de blead, o de cambria branca bordados.
    Ditos de laa con barra grande variedade en cores e padrees. v
    Ditos de organdys com barra
    Liadas sedas de qaadros escosseza miadas. *
    Saperieres laas lisas cero grando variedade de cores.
    Bitas com salpicos, com flores o de anafres.
    Liadas pampelmas de qaadros e de Dores, fazenda inteiramente nova.
    Superiores cassas de cores, e liadas cambraias ergandy
    Graade variedade de chita de cores, de percalia contras nnitas hiendas deja-
    Para hembros de sentara
    Liadas capas e bournoux de casemira de cor.
    Bitas da lia e da seda.
    Grande variedade de seut'embarqaes de seda de 1*5 a 40.
    Manteletes de seda.
    Superiores basquinas.
    Superiores chales de seda, de merino eslampados finos, de caehimira com listrasda
    seda e da fil preto. "'
    Camizinhasi modernas, zaaves brancos e de cores, colletes de cambraia, lindas gel-
    linbas com pannos e outros mnitos artigos. 8
    Para cabera de seohora e menino
    Superiores chapeos e ehapellinas de palha de Italia enfeitadas para senhora
    Ditos de feltro enfeitados para senhora. T acuuur-
    Ditos de palha enfeitados para menino.
    Grande sortimenlo de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores
    la c* d" """"" ,n" '' Cn" Amoni.C.rrei> de V>sco*I-
    <.;aiAl, RECOUUt YI>A<, Ao
    Al PUBLIC
    Sena naener coostran-
    glmeate se entregar o
    Importe do genero que
    So agradar.
    ATTENQAO
    Oa precoa da seguate
    tabella para todos, po-
    * deudo asslm servir de ba
    se para o ajuste de coutas
    con os portadores.
    ARMAZEM UN
    CONSERVATIVO
    23Largo do Terco23.
    riuMW3tyi*i',d'>s^,w>iMI> *" *-MflMo "**>
    selente erag
    reeemtaeacucao aos seus amigos. freeuew erag
    .en mohecaos eneros de prfme.ra^^dV orm noT// 0 .'S mEmSSLZ ,eM
    ira taalquer parte a d.nheiro contado,e todo o comprador que comprar de"* a iflfi SSS U"
    para com
    .ansas para sopa
    i gneros,
    s. a libra ,S 3t* C a'etra 3 M- a-IP-iS.l-a-^P-anC.0.ra.i,0 *m rs. a li-
    Toucmhe de Lisboa alvo muito superior a 280rs
    a libra e 8800 a arroba.
    Dat do Rio de primeira e segunda sorte a 260,380
    e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8.)
    8f5o0w.
    Chouricas as mals novas do mercado a 560 rs.
    libra e em barril a 124.
    Passas vindas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
    e a caita a 85.
    Batatas era gigos de 33 a 4* libras por 2440 a ar
    robae a 80 rs. a libra.
    Cha hysson miudinho sane Mor aualidade a 14200.
    2000, 23500 e 39 a libra.
    Vinho de Pigueira, Porto e Lisboa era pipa a 560,
    500, 400 e 640 rs. agarrafa.
    conta propria a 180
    rs.a
    bra e a arroba a 44400 e 4j200.
    Phesphros do gaz vindos por
    rs. o maco e a 24 a groza.
    Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o c-
    lao a 24800 e a caada a 44500.
    Serveja das marcas mais acreditadas a 500
    garrafa e a duzia a 54800.
    Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
    em barril ou caixa se far abalimento.
    Arroz do Maranho e Java a 100 e 80 rs a libra
    e a arroba a 2480, 24e 24400.
    Assim como ha un grande sortimento de charu-
    tos e genebra de Hollanda, tanto em frasctrsremo
    em botijas, bolachinhas de soda
    RIJA DA CADEIA DO RECIPE tf. 53.
    (Logo aauanda o are* it Csneeica)
    rande redueeio de preeos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
    annunciante.
    Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
    muitos objectos, etc., dando com islo ocasilo a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e griUrem em
    alta voz, quepedem vender pelo preco que eu vendo i JI Ora, eu offendid com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo;
    systnema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resoivi fazer esta grande reduccao de preeos, como veris
    pea segomte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do moraoravel armazem de melhados Unio Mercantil nao
    se sania de entro preco de manteiga ingleza a nao ser o de Moe a 1,600 rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reducto a que
    estao ongados encarando todos os das de seus freguezes reeiamac5o de preces, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
    ai informado deste novo estabelecimento. para lbe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem ue o seu fim
    tao sement obter a concorrencia de seus freguezes.
    Para bem de todos.
    Senbores e Senboras o aceio que presidie, aos arranjes deste nevo estabeiecimento, e mais que ludo apromptido e entei-
    reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me dar5o a proteefao e preferencia na compra
    aes gneros qae precisarem, e quando nao socan vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam peuco pratices, pois
    serao tao fcem servidos como seviessem pessoalmente, haveado para com estes toda recoramendacao, afimde que nao vao em outra parte
    Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e era barricas de 4 duzias se faz jbati-
    escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se ment.
    I. '_:-- -" """> conservaj.choco-
    ------------m^w.m ipi,M -guem duvidar venha ver
    jse: ojies villar
    Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
    .., ^en,dend0 "\muit0 breBe a Europa Iratar de sua saude, pede aos seus devedores
    tanto do mato como desta praCa que saldem seus dbitos guante ante e ar?eaores
    Protejam Excdlentmimas senhuras a esse impor-
    tante estabelecimento.
    das Drn2aB!,n1StPI0Kasj>,ra ?uaresma> rs Pret". "oreanliques. cortes de se-
    das pretas, capas preU,, casacoes, soutembarques, chapeos de palha, chapelinas de palha.
    Bownns pretos de renda
    j^raobc^
    FRANCISCO J. GERMANN
    Acaba de receber ura magnilico e completo sortimento dos objectos que de melhor noalida
    de encontrar era urna relojoana, taes como : chronometros mariiimnc di .u.h q, .,
    e prata, dourados e foliados, ditos para mesa e de pareS"tananSl\J,lX^ re'?IOS 'd-e OUro
    reguladores de corapeosacao, relogios grandes cora nasili e"S eUi d todiiSS ,h amencanos'
    para disparar em certas horas, desperudores de diverso TtamaTho, p'.t i^'"10nlados com, P^as
    ment de oculos e lunetas de ouro e prala dourada e tartam/a SIS TOm masicas> ,gual sor,i'
    lunetas espec.aes para senhoras, de ultimo gosto, ditos Sfos ara os^ Vl* ^S CUl-S
    nos olhos, tabricados segundo os preceitos dos mais aereados medie" 3?VnSfa ,?nara,ma6s
    Pernambucp, os quaes s se venden por consulta dos medico, folcTlg?T** S de
    oculos de alcance para o mar e outros proprios P,ra observares aZinicS oKanteS l l,Zll'
    binculos para thealre, para mar e para campo, mlmieii^i^ruS^J^hL^SS^
    nTBlngnnS1,,^
    letts-nSLiass^
    faz abalimento.
    dem franceza a raais nova que tem vino ao
    mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
    meios a 5o rs.
    Cha byssen de superior qualidade a 2,6oe rs.
    a libra,
    dem perela o mais superior de mercado a
    2,8oo rs.
    dem huxim o melhor que se pode desojar
    neste genero 2,6oo rs.
    dem preto homeepatbico por ser de superior
    qualidade a 2,ooo rs. a libra,
    dem bysson, huxim e perola mais proprio
    para negocio o 1,600, l,8oo e 2,ooo rs. a
    libra, garante-se ser muito regular, i^ual
    ao quese vende em outra parte per 2,4oo
    e 2,6oo rs.
    Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
    libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
    garaBte-se serem superiores aos que vem
    em barris.
    Chouricas e paies em barris de meia e urna
    arroba a 8,000 rs. e I,Seo e 6eo rs. a libra.
    Queijos flamengos muito frescos chegados
    neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
    passado a 1,600 e i,800 rs.
    dem londrines os mais superiores que tem
    vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
    re se faz abatimento.
    dem prato muite fresco a 800 rs. a libra.
    dem do Atentejo o que se pode desejar de
    fresce e superior a 800 rs. a libra, a elles
    antes que se acabem.
    Ervilhas e favas portuguezas em latas j pre-
    paradas a 64o rs.
    Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
    bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
    Prezunlo do reino vindos de casa particular
    a 6e rs. a libra, e a 5oe rs. inteiro.
    dem inglezas para fiambre chegado neste
    vapor 72o rs. a libra.
    Copos lapidados para a guaa 5,oooe 5,5oo a
    duzia,
    Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
    l,ooo e l,2oo rs. a libra.
    Espermacete em caixinbas contendo 6 libras
    por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
    rente e de superior qualidade, tambem tem
    de 12 por libra propria para carro.
    Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
    da, sa!m5o, ostras e chernee, vezugo em
    latas grandes a 800 e 3,ooo rs. cada urna.
    Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
    das que tem vindo ao nosso mercado a
    6,000, 7,ooo e 8,080 rs. a caixa, garante-
    se ser de qualidade superior, quo outro
    qualquer nao pode vender por este preco.
    Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7,8ee
    e 8,Soo rs. a arroba,
    dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
    a libra, e 9,ooe rs. a arreba.
    dem do Cear de superior qualidade a 24o
    e 28e rs. a libra, e 7,8oo a 8,oeo rs. a
    arroba.
    Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooe
    rs. a arroba,
    dem dalndia muite alvo egraudo a loo rs. a
    libra, e 3,000 rs. a arroba,
    dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2#e rs.
    a arroba.
    Painco e alpisla a 14o rs. a libra, e 4,3oo
    rs. a arroba.
    Massa de tmale em latas de i e 2 libras a
    600 rs. e de barril muito superior a Seo
    rs. a libra.
    Aletria, macarro e talharim a ioo rs. a li-
    bra, e 9,eoe rs. a caixa.
    Wem e talherim branco a 32u rs. a libra,
    estas massas tornam-se recomendaveis as
    pessoas doentes por serem propiamente
    feitas para esse tim.
    Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
    2S libras a 52o rs.
    Vinho do Porto muito fino excellente qua-
    eito, em seu estabelecimento; e vende por menos que pode fazer ootro qualquer.
    Cassas para vestidos.
    Tal peckincha s a dinheiro se pode vender.
    Superiores cassas francesas de cores miudinhas, de quadros, lisas, e de ramagens com crande
    !dede nadrSes fazenda que se tem serapre v.adido a 800 rs. a va a, pelo baSimo preco de
    aaioja das columnas da ra do Crespo n. 13, de AntoJ o Correa de \mS&
    Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
    5,7oo rs. a frasqueira.
    dem de Iaranja verdadeira de A'tona em
    frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
    H,ooo rs. a duzia.
    dem de Hollanda era botijas grandes 400
    lidade proprio para engarrafar em ancore-
    tas cora 9 caadas per 4S,ooo rs.
    Vinho de pipa Porto, Figueira, e L'sboa a32o,
    4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
    3,ooo e 3,8oo rs.
    Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
    dade a 4oo e Soo rs. a garrafa, era caada
    a 3,ooo e 3,5oo rs.
    Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
    a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
    Vinho do Porto das melhores marcas, que
    vem ao mercado corno sejam Lagrimas do
    Dotiro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
    D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
    Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
    lo.ooo rs. ea 9oo e l,ooo a garrafa.
    Vinho Colares o mais superior que tem
    vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
    Sardinhasde Nantesem quartos e meiaslatas
    a 36o e 56o rs. cada urna.
    Sardinhas portuguezas em latas grandes
    preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
    boa a 64o rs.
    Bo achinhas inglezas as raais novas do mer-
    cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
    libra.
    Bolachinha de soda em latas com diversas
    qualidades a l,3oo' rs.
    Bolo francez em caixinhas muito proprias
    para mimo a 64o rs.
    Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
    libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
    Figos de comadre a 24o rs. a libra e
    l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
    Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
    Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
    Antonio de Lisboa em latas com 4 libra
    por 2,5oo; ditas dece em latas cem o mes-
    mo pese a 2,5eo; ditas imperiaes em latas
    de 3 libras per i,Soo rs.
    Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
    por 1,2ee; ditas em caixinhas de deversos
    tamanbos com bonitas estampas na caixa
    exteriora l,2eo, l.See, e l,8eo rs.
    Azeite dece refinado Penanol ou do Kempes
    de Lisboa a 85* rs. a garrafa e 9,5oe a
    caixa com urna duzia.
    Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
    caixa com 2 arrobas.
    Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
    8,5oo a duzia.
    Vasseuras de escova para esfregar casa a 32o
    Nozes muito nevas a 16o rs. a libra.
    Molho inglez em garrafa de vidre com
    rolha do mesmo a 5eo rs.
    Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
    8oo rs. o frasco.
    Mostarda franceza em potes j preparada
    a 4oo rs.
    Lentilhas excellente legume para sepa a 2oo
    rs. a libra.
    Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
    grandes a l.ooors. e ll,ooo a duzia-
    Palitos para denles a 14o e 16o rs. e mago-
    Sal refinado em frasco de vidre com rolha do
    mesmo a 5oo rs.
    Cerveja branca e preta das marcas mais a-
    creditadas que vem ae mercado a5,ooo e
    5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
    Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
    Sevadinha de Franca muito nova a2oers.
    Cha rutosde todos osfabricantes da Bahia e das
    mais acreditadas marcas conhecidas no
    nesso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
    3,5oo e3,8oo a caixa de loo charutos.
    Cognac inglez das melhores marcas a
    ,oeo rs. a garrafa.
    Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
    bras por 2,ooo; dito em caixes a 6oo rs.
    cada um.
    Farinha de araruta verdadeira a 32e rs. a
    libra.
    Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
    32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
    Azeite doce de Lisboa a 6io rs. a garrafa
    e 4,8oo a caada.
    Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
    e 36o rs. em barril.
    Capil de diversas frutas muito frescas a
    64o rs. a garrafa.
    Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
    Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
    32o rs. a libra e 8,Soo a arroba.
    Ameixas francezas em latas de 3 libras por
    2,000. rs.
    Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
    raolhos cora cento e tantas por 1,2oo rs.
    Matte excellente cha para os navegantes a
    a 2oo rs. libras.
    Perfumara e sabonetes de
    Toilet
    da casa Violet, perfumista com privilegio,
    fornecedor^ das casas de S. M. impera-
    triz dos Francezes e da rainha Isabel II
    de Hespanha.
    As flores as mais esquisitas, as plaas as mais
    ricas em aroma, os blsamos os mais odorficos,
    servem a composlgo dos producios exclusivos da
    rainha das Abelbas.
    Sabo real de Trideco.
    O nico recommendado pelas celebridades me-
    dicas como hygienica da pelle.
    Balsamo de liele'a.
    Pomada fluidificada pelos oleo vimos nsia o
    servico dos cabeleireiros.
    Golas de Vilelas.
    Extracto da flor natural, perfume do S. Jl. a ra
    nha Victoria.
    Sabo de balsamo de Vilelas.
    J, Homenagem a S. M. a Imper?lr:z.
    Agua da belleza de Sua Mageslade a
    Imperatriz.
    Locgao benfica para o toilet das damas.
    Flor de arroz rosada.
    De S. M. a Imperatriz Eugenia.
    Perfume de nctar.
    Este p refrigerante preserva a pelle de toda a?
    aueccoes dormaes.
    Rosado das abelhas.
    Locc,ao refrigerante para o toilete e os banbos.
    (reme poupador.
    Da belleza da pelle.
    Para prevenir as rusgas e refrescar o roste.
    Creme $evign.
    Coroposi?ao especial, para lustrar e flxar o? Lan-
    dos (cabellos.)
    Creme fri espumte.
    Segredo da belleza.
    Para refrescar o4essido dermal.
    Perfumes das britas de ma;#.
    Delicias dos lencos e saldes.
    Dicado a S. M; a Imperatriz da Bufia.
    Caixa de Javencio.
    Cofre mysterioso.
    Encerrando talismans.'segredo para>uieza
    Vermelho da China, preto indio e branco
    de Lys.
    Para passeba* e soires.
    P horisoHtal
    Pas as nnhas o bnlho de nacarregado.
    Perfames horisonlaes.
    Para perfumar as cartas, toalhas e os qnartos
    Vende-se na ra do Imperador n. 38, lmi:.a
    --nrfceza.
    300 rs. o covado
    & Comp.
    BOTICA E DROGARA
    Bartliuiomett Fraacsseo de Soaza | C.
    31Itna larga da Rosan31
    Yendem :
    Pilulus Holloway.
    Plalas do Dr. Laville.
    Pilulas do Dr. Alian.
    Pilulas do Pobre- bomem.
    Plalas americanas.
    Pilulas vegetaes.
    Pilulas vegetaes assucaradas de Kemp.
    Salsa de Uristol.
    Remedios do Dr. Chable-
    Elexir de Pepsina de Grimault.
    Vinho de Salsaparrha deCh Albert. ;
    Injeccao Peaugas.
    Agua dentifica de Desirabode.
    Papel chiraico, para tainos.
    Xarope depurativo de Chable.
    Licor aromtico de Raspail.
    Pos anti-epiletiees de Brest.
    Itob L'AITectenr.
    A'arope do Bosque.
    Ungento Holloway.
    COMPENDIO DOLOROSO
    que tontm o officio de Nossa Senhora das
    Dores; o modo de resar e offerecer a co-
    rea, um setenario e mais outros ex cre-
    dos de piedade e devoco; ordenado pe-
    la irmandade dosservos da mesma Se-
    nhora que se acha erecta na egreja de N.
    S. da Penha do imperial hospicio dos re-
    verendos padres mi3sionarios apostlicos
    iem de molinillo
    8I-RA. DO IMPEBiOOR-81
    Segunda casa do lado direito indo do pateo do Colkgio.
    Francisco Jos Leite, tem a satisfago de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
    publico que, estando restablecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
    com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
    como sempre caprichou terdas melhores qualidades, efrancamente affiancas pessoas que
    se dignarem comprar em seuestabelecimento,que all do preferencia outra qualquer par-
    te sera mais bem servidos, em qualidade e preeos, como em pesos e medidas, no que
    sempreo annunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
    Aos Srs. de engenbo e lavradoresqueo queiram honrar como seu comitente Ibes
    assegura que o produefo deseu laborioso trabalho sera o mais bem reputado no merca-
    Goke 4o gaz.
    Ptela de gaz.
    llcalro do gaz.
    Coke, tonelada 10*000.
    Piten, arroba 340.
    Alcatrao, caada 500.
    O cok reconhecidamaate o carvao mais econo
    mico, tornase por isso recommendvet, bem co-^
    mo pelo aceio que se nota as easinbas aonde
    elle u-ado. Pitch e alcatrao, alem das applica-
    <;5es diversas a qae se prestao, como para calafe-
    tar embarcacSes, alcatroar madeiras, etc., teem
    estes a propriedade de preservar do eapim, fer-
    migas, etc. E entregue na fabrica da gaz, ou raaa-
    dado por em qualquer ponto da cidade, segundo a
    vontade do comprador e previo ajaste.
    Milhe aovo em saceos fMsdei: ae trapiche
    da Cunba, a tratar com Tasso Irmaos.
    capuchinhos italianas de Perambuco,
    approvado por S. M. I., que Deusguarde; .s,a Pra?a' Para Qae se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
    dado luz por devocao do muito rev- '
    rendo padre Fr. Placido de Missina.
    Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
    dapraca da Independencia.
    MOTORES
    para machinas de algodao.
    Aeabam de chegar agora novos motores para
    um e dous cavallos para mover machinas para
    descarocar algodo, cyllndros de padaria, e outras
    quaesquer machinas para agricultura, os quaes se
    vendem por prego maito era conta. Tambem se
    vende nm motor americano para 2 e 4 cavallos pa-
    ra o mesmo Oro, que trabalha muito bem -, elles
    se acham montados para o comprador ver o sea
    trabalho : na fabricada travessa de Carioca n. 2
    caes do Ramos. '
    Vende-se nm engenbo d'agua, moente e cor
    rente, com proporedes para eolher-se grandes sa-
    fras animalmente atiento a bondade e exteneao de
    seus terrenos ; est ainda quasi todo em mata
    vfrgsm, e dista apenas meia legoa da ama das es-
    tacfas da va- frrea : qaem o pretender, dirtja-se
    ao Sr. major Luiz Jos Perelra Siwoes i ra do
    Livramento, sobrado n. 24, primeiro andar.
    Vndese ama escrava com habilidades : na
    raa da imperatriz n. 34, piimelro andar.
    mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
    rem Gelmente umprido as suas ordens.
    Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantesque lbe merecam confianca, fa-
    zendo um abate vantajoso aos que pagaren a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
    vendado qualquer genero dopaiz, mediante urna mdica commisso, entregando de
    prompto seu producto, e sendo este applicado compra do gneros em seu armazem,
    prescindir da commisso.
    Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa protecc2o, fre*
    quentandocomo oulr'orasua casa, e pelo reconhecjmento que lhestributa offerece expon-
    taneamente seus servidos.
    Julga desnecesario publicar a tabella dos preeos de seus gneros: sao seus recursos
    garanta suficiente de poder accempanhar os menores presos de idnticos o mesmo de
    raais apparatosos estabelecimentos, tendosomente em vista o augmento de suas vendas
    diarias.
    Preveneio necessarla.
    TendO sido o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo ramo de nego-
    cio n mesma ra, jolga prudente advertir que s affiraa e se responsabilisa pelo que
    tem declarado no que disser respeito ao armazem.
    81-RUA V^O IMPERADOR-SI
    Segunda casa do lado direito indo do pateo do S"5 S2 iS&B S p-SDiog
    rival sem segundo.
    Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Barateirt
    conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
    por todo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
    zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
    Baralhos de cartas para voltarete muilo
    finas a............................
    Miadas de linha froxa para bordar a." .'.'
    Pares de sapatos de tranca de todos os
    lmannos e finos a...................
    Massos de superior grampos para cabellos
    Duzias de palitos de gaz superiores a.....
    Libras de ara preta muito superior a...
    Frascos de superior macara oleo a___
    Ditos de dito perola a..................
    Ditos de oleo de babosa milito finos a 320
    rs.e...............................
    Ditos de agua de colonia superior, garan-
    tida..............................
    Ditos de banha muito fina a___,......\
    Ditos de cheiros muilo finos para o preco
    a ris...........................\
    Sabonetej de todas as qualidades a 60 rs.
    160, e............................
    Novellos de linha com 400jarda?a.....'.
    Carriteis de linha de cores com 200 jar-
    das a.............................
    Novellos de linha de gaz de todas as co-
    res a .............................
    Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
    ra vestidos a.......................
    Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
    Pares de ligas muito superiores e boniias
    a ris.............................,
    Varas de bicos francezes, superiores a...
    Opiata para denles da melhor que ha a..
    Frascos de agua para denles, superior a
    tudo a............................
    Pegas de tranca preta liza muilo fina a..
    Caixas com 4 papis de apolhas Victoria a
    Varas de rila preta com colxetes a......
    Libras de laa sorlida de lodas as reres a
    Bonecos de rbro muito bonitos a......
    Canas de obreias de ma ssa muto novas a
    Varas de franja .branca e deires para
    toalhas a........................
    Frascos de oleo Philocompscupenor "...
    Ditos com superior tinta a320 e........
    Caixas de linha de gaz rcm 0 novellos a
    Enfiadores para esp3rtilho ..........
    Dozias de boloes enes; imaos para vesii-
    o^a....,...,.^......,,.,,.........1
    206
    30
    14500
    30
    200
    100
    100
    200
    00
    4C0
    640
    600
    4W)
    ' fiO
    60
    30
    . 240
    , ?(,'0
    400
    ' 40
    1JC00
    IJOOO
    60
    seo
    40
    6-5
    160
    40
    89
    600
    00
    . 800
    2C0
    C/i
    g||
    2 O. a
    a C B
    n. o te c o
    c c
    _. a;

    --.S
    CB
    o. 5T "' g 2: & B
    g g-o. ^ja 3 Jj a
    si
    O "* 2. ^ Ck
    c/i
    " a.
    B
    2
    5'
    a o
    ti a o

    -I
    ?O 05
    S3 2.
    CD
    <0
    >
    3
    3?V
    | 2.
    u w o>
    " C M
    o ssa.
    B9
    sis
    *n
    B>
    ..
    O
    Z
    3

    o
    8.
    3
    S as !?
    BrSS
    OQ 3 O
    o "a "a o
    u
    r i a
    a> o
    i

    s
    l^6 2 M -

    1
    &
    g
    >
    e
    fe
    *
    e
    se
    fia tos e oaraas '
    Nova preparagiio para matar ratos e baratas,
    araba de ehepar de Liverpool prlo navio Tcan cf
    Liverpool. A verdadeira massa phrs|horira nrva
    e fresca evidente para este fm. Nao havfnc'oha
    trmros no mercado senao j imito vplha, qnai
    nenhum effeito produzia, por isso rrrcrrrrerda-Fe
    a todos que seqneiram ver livrrs de lanirs ani-
    maes e inserios que infestan as ra navios, etc., dirigiremse travessa da Madre de
    Dos n. 16, armazem de Doarle, Carvalho & C,
    que acharan a excellente massa i m boioes a.arreo
    de640rs. rada um, e em duzia a 65.
    A len cao.
    Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
    urna duzia : em casa de Johnston Patar Je C. ra
    do Vigario n. 3.
    ESGBATOS FGIDOS.
    Ausentou-se no da 31 de Janeiro prximo
    passado da casa do abano assignade seu escrvo
    por nome Manoel, com ossignaes segnintes : pre-
    to, idade 13 annos, corpo fino, denles alvos, muito
    ladino, tem orna sicatriz no calcanbar de um dos
    ps, levou duas caigas urna braara e cnlra parda,
    dnas camisas urna branca e ouira de algodao : pe-
    de-se as autoridades policiaes sua aprebenglo e
    lvalo a ra da Cruz n. 18, que se gratificar.
    _________ Antonio Alves de Moraes.
    Fogio no dia 2 de Janeiro a prea Remana,
    de idade 28 annos, crioula, magra e fHla, bem fal-
    lante, e tem sido vista pelo Mangainho : qnem a
    pegar leve-a a sen senhor, na praea da Boa-Vista
    n. 22, ou Campo Verde, ra da Trapica* n. 2,
    ser bem recompensado.
    Agua Florida.
    Para restabelecer e consorur a cr oatural
    dos cabellas.
    A agua florida nao urna tintura, tacto essaa-
    eial a contestar, a mesma agna dando a cor primi-
    tiva ao cabello. Composta 4o plastas exticas e
    de substancias inoffeasi vas, ella tem a propriedade
    derestitoir aes cabellos e principio coraate .at el-
    les ten perdido. B'nna salubridade incales-
    vel, a Agua Florida enlreten a limpeza da cabera
    destroe as caspas e fnpede os cabellas da cabir
    Oleo de Florida.
    Compesto de substancias vegetaes exticas, elle
    constite poderosan'*, cara a Agna Florida, a
    forga, a belleza e a censervagaodos eabe;r.
    Em Faris, casa de Quislaar n. li, ra. de Biche-
    lien, e 21, bonlevard Moatnizr're,
    Todos os frascos, nao teado intaero o claw,
    timbre prateado da casa, sao repntados falsos.
    Deposito, roa do Imperador, pharmacia i. 31.
    qne
    5U,00 de gratificaco
    Continua a estar rugida a preta escrava de pomo
    Maria do Rosario, crioula, de meia idade, chela do
    corpo, altura regular, falta de nm dedo na mab s-
    querda, nadegas empinada, algnmas marcas as
    cestas de chicote, consta ter sido escrava do en-
    genbo Sant'Anna, foi comprada em 12 de julbo do
    anno prximo passado ao Sr. Caristiano Jos Ta-
    vares e fogida em 18 do mesmo mez e anno : ro-
    ga-so as autoridades policiaes e oapitaes de campo
    ou qualquer pessoa do povo que aprthenda' e le-
    ve-a praia do Caldeireiro n. 24 ou no eco das
    Reirlas n. 12, que serao gratificados com a qcan-
    tia aclna._____________________________
    No dia 5 do corrente das 8 as 10 horas da
    neite, foelo da casa de s*n senhor baixe asslgna-
    do a mulata Joaana, escora, almra regular, seca
    do corpo, (rajando vestido de chita desbolada e le-
    vando cornsifro um filhinha sua de 2 annos do
    idade,molatlnha cter de nome Therexa. Dita mu-
    lata foi esrrava de Jos Antonio Lopes Das i ro-
    ga-se pois aos agentes de pelicia e a qualquer ou-
    tra pessoa que a aprehender no der noticia della,
    oobseqilode dirigirse ao Monteiro a casa do
    aballo assignade, onde sari rtcenpensdo.
    Francisco Rodrigues do Passo.

    '

    .------



    HpBBBBBBBIBB
    Diario de Ferttaubneo < lelr O de Peverelr* de !
    i
    o
    y
    HTTERiTORA.
    pobre pescador Bako.e enviou-lhe o sea retrato com
    urna somma egnar*a primeira. Mas as antigs pias-
    tras tiDliam fructicado. Bako eslava rico. Pro-
    ! fundamente comraorido da bondade do santo padre
    AO E\U1. C ftVIH. Sr. D%ManOCl Joa<|llm d fei construir urna capeila no lagar mais apparent
    Slveira dffnSS'moatCCbspe da Ba- da suacasa, peno do mar, e ah collocoa o retrato
    hia Ulm'ZCmftlropOtanodoBrasil, do santo e bem amado pontifico.
    uia^in i De volta a;Boraa,em 1825, o abbade
    com o mais profundoespciio
    Pelo mappa iofra ver-se-ha o local dessas escolas
    data da creagao e o seo estado de freqaencia:
    Lugares. Esc. Creaclo Frequenm Ord.
    emi855.
    Mastai entrou
    na prelatura que d accesso aos primeiros cargos
    do governo pontificio, e foi nomcado presidente do
    hospicio S. Miguel. Abi tornou a encontrar elle po
    bres e doPntes ; esles conheceram para logo que
    linham adquirido uin pae c un amigo. A sauda-
    de pela admiuislrago do prelado ainda viva do
    O. D. C
    (Tpailre Hanoel Amando das Dores Chaves
    NO IX ANTES DO SKU PONTIFICADO.
    II
    ( Conlinuagao.)
    oo Mara Masiii, hoje gloriosamente reinante hospicio.
    b o nome de Pi IX, nasceu a 13 de maio de 179f ^ ^^ ^^ (> ^^ ^ ^ pasgo
    m Sioigapla, cidade dos estados romanos, sea ^Q supremo ,^,0^^ aque 0 chamafa DeUs.
    pe era o conde MasUi, de urna das mais amiga Em J827) Le5(j XI| nomeou.0 arceblspo dc Spolelo;
    uais justamente estimadas familias do paiz. urna os 8 ^^ Q ^ ^ ^^ ^^ ^^
    ianca matrimonial nha feito juntar ao nomejae ^ ^^ e pros|)firidade paM a docesej apeMr das
    i'^stai o de Fernill; e esles dous nomes reun.ao= perlurl)a 6es que rebenlaran, em consequencia da
    ") sompre trazdos pelo mais velho da familia, u ^^ de {g30>
    ide Jeronymo Maslal Ferretti, pae do papa actual,
    gor.falonelro, ou primeiro magistrado de Sini-
    g$lia, ao lempo da invaso franceza, para o finido
    cculo quepassou.
    Mas a piedosa mac de Joao Maria faza preferir a
    Para o fim e 1831 Gregorio XVI transferiu
    Mr. Mastai para Imola, cuja sude um cammho
    para o cardinaiato.
    jamis imoia se olvidar de tudo quanto deve
    Cidade de Bra
    ganga...... 1 Reg. de 15 de
    abril de 1799
    dem dem.... i
    dem idem 1
    Pov. de Vizeu. 1
    41 4004
    44
    13
    12
    8
    ,eligiao a tudo o mais; e, sem se preoecupar da po ao seu santo arcebispo ; as egrejas aformoseadas,
    .iefio, rr.ais ou menos brilhante que seu* fllhos po. os jovens clrigos sera fortuna recolhidos gratuita-
    ueriam oceopar um da no mundo, ella procurava mente uo seminario diocesano, asylos abertos para
    . i.-pirar-llies urna verdadeira c solida piedade, nm os orphos de ambos os sexos, a instruccao faclli-
    ,rande zelo pela causa do Deus, eumardenleamur tada aos meninos das classes pobres, 03
    jara com os pobres.
    OjovenJ.iao Maria Mastai mostrou mulo cedo
    urna viva intelligcncia e ama vivacidade extraor-
    dinaria, que urna physionomia franca, b^-lla e so-
    bremodo espirituosa faziam anda mais resallar. O |
    ymto pontfice Po VI era prisioneiro da repblica
    . franceza; e a coudessa Mastai fiziao menino reci.
    hospitaes
    ricamente dotados, um refugio fundado para as
    mulheres arrependdas com o concurso das reli-
    giosas do Bom Pastor d'Angers, sao outras tantas
    obras immorredouras que attestam ao mesmo lem-
    po a terna caridade do pastor, e a solicitude es-
    clarecida do bispo.
    Gregorio XVI apreciava o mrito do arcebispo
    tar todos os das um Padre Nosso, e urna Ave Ma- de Imola; elle o designsu cardeal in petto no con-
    tia pela liberdade do papa. O menino o tim a que se diriga essa orago (nao tinha ento
    raais que sete annos) e, s explicares da condessa,
    scudiu elle:
    Mas, rainha me, esses frmcezes sao m gen-
    io T porque raandaes que oremos tambera por
    Clles ?
    B" urna razo de mais, meu filho, para orar,
    .nos por elles. De mais elles nao sao culpados pela
    iriso do papa; o governo delles (uo mu.
    Ein vula disto preciso orar pelos mus?
    Sem duviiUmeu filho, Jess Christo mori-
    bundo orou por aquellos que o crucficavam.
    Foi nessas circunstancias que o papa actual
    aprendeu a orar pela Franga; elle sabia j distin-
    guir os francezes dos bomens impos que os oppr'r
    miam, e aprend a aaa-los.
    Logo os acontecimentos fizeram-no vassallo fran.
    ecz; e fui um inspector da uover^dade imperial
    fie Frauca que veio consular os felzes successos
    do joven estudante, no cellegio de Volterra, ero
    ISIO. O inspector, tocado da physionomia do Jo"
    ven, podui acerca delle algumas informagoes, e dis.
    so ao reitor :
    Eis aqu uti rapaz que ir longe, por pouco
    qae as circutiuiancias o favorecam.
    E volugo de 1830, no le saber que esse discpulo-
    quo elle um da havia distinguido, era arcebispo
    se uvida, cria elle que o seu prognustico se U-
    nha suftlcientemenle justificado. O que teria elle
    (jetado, se soubesse que o joven colegial de Vol-
    , torra vera a ser papa, e que seria um dos mais
    gloriosos pontfices, successeres de S. Pedro T
    Prestes a seguir a carreira ecclesiastica, para a
    jual senlia-se cora vocacao desde o berco, o joven
    Mastai hesiteu oro momento; vacllou entre a cruz
    c a espada. Contou-se al que elle tinha se alistado
    cas guardas de Aonra Instituidas por Napoleo.e que
    liaba servido al a queda do imperio. E' um erro
    sssente em que um irmo de Pi IX fez, com effei-
    to, parle das guardas de honra.
    Erafim, pouco tempo duraram as hesitacSes dc
    Masut; a vuz de Pi XU o decidi urna pere-
    grinacio a Nena Senhora do Loretto, e urna doen?a
    flwrtel, de iiue s por milagre escapou, acabaran
    de determinar a sua vocacao.
    Ordenado presbytero em Roma, Joao Mara Mas-
    lai consagrou-se s obras mais obscuras ; aos po-
    tres e aos artistas infelizes que elle se comprazia
    de servir ; era no raeio desses desgranados que
    elle gostava de passar a vida e esludar suas neces.
    idaes; cousulava-os, auimava-os, cousagrava urna
    toa parte de sua renda em acudir a miseria., O jo-
    ven sacerdote era o que Po IX nao tem cessado de
    ser : o amigo dos pobres, o pae dos iufelizes; o
    povo de Roma bem o sabe ; e por is>o que elle
    ?.ma Po IX, apezar de todos os esforeos que se
    em feito para desaffeicoa-lodo bom ecaridosopon-
    lilicc.
    Foi por esse tempo que o Rvd. Mastai, assocadn
    so Rvd Muzi, fez florecer um dos mais pobres nos.
    picios de Roma, denominadoTata Giovaniio
    nome de um pedreiro emprezano que o tinha fun.
    dado em favor dos pedreiros pobres e doentes. O
    Rvd. MasUi tomava a iniciativa em todas as boas
    Obras; vivja com os pobres e cora elles reparta
    os seus beus; mostrava-se verdaderamente o sen
    irmao e amign. Quaatos haverahi, enlre esses
    que o esprobram buje da nao amar povo, de ter
    urna alma dura e insensvel, e de nao cuidar sena0
    na censervaco dos sem bens temporaes, qu^ po_
    dessem mostrar eguaes especies de servicos 1 Em.
    quanto elles compoem bellas phrases, e amam os
    pobres sobre o papel, Pi IX obra. Elle prodiga,
    lisa esmolas e consolares, vive pobre no meio dos
    explendores da soberana, afim de poder soccorrer
    muiios infelizes.
    Em 1823, o abbade Mastai arompanhou Mr.
    Muzi, que o sanio padre tinha enviado ao Chily para
    coordenar ali os negocios ecclesiasticos, que enlo
    fie acbavam em deploravel estado em toda a Ame.
    tica do Rtf, atormentada e revolvida por continuas
    revolug5es- Dorante o dous annos que se demo-
    rou na America, o abbade Martai visitn as missoes
    desses paizes. Deas o punha desl'arte antecipada-
    menle em contacto com todos os povos de qnem
    elle devia ser um dia o pastor supremo. lUllano,
    depois de vassallo da Franca, ei-lo que visit a
    America, e aprende por s mesmo a conhecer as
    oecessidades das almas em diversas partes do
    mondo.
    Um dia em que elle se transportava do Valpa-
    raizo a Lima em urna pequea einbarcacao chilenai
    foi surprendido por ama tempestado violent. O
    navio ia qoeabrar-se sobre es roebedos, qnando foi
    acostado por ora barco que tripolavam alguns ne-
    gros sob o enromando de nm pobre pescador de no-
    me Bako. Bako sabiu a bordo do navio chileno;
    c, substituido e piloto, coaseguiu, gracas ao per-
    feito conhecimento que elle tioha dessas parRens,
    faw-lo entrar no pequeo porto de Arica. No dia
    seqointo o abbade Mastai Eerreti dirigiu-se a caba-
    na do seu salvador, e, para teslemunhar-lbe o seu
    reeoobveiment, deixou-lhe ama bol-a contendo400
    piastras (perto de 2,000frs.) Os cora5es generosos
    nunca se esquecem de um servico qae se Ihes I*i
    elevado ao supremo pontificado, Po IX peasou no
    sistorio- de 23 de dezembro de 1839, e proclamon-
    o cardeal no de 14 de dezembro de 1840.
    O novo cardeal nao vio em sua elevagao senao
    um meio de augmentar suas caridades. Quando
    dava aos pebres, nao calcnlava, e aconteca Ihe
    mutas nm dar at o ultimo sold. Um dia em
    que elle liaha esgotdo todo o dinheiro, apresen-
    tou-se urna pobre mulher, e pediu-lbe esmola.
    Nao sabendo mais o que dar, elle viu sobre a me-
    sa nm servico de prat :
    Tomae, disse elle, empenhae-o no monte pi;
    quando tiver dinheiro tornare a lira-lo.
    O criad) da cmara que ignorava o caso, procu-
    rou muito tempo o servico; emQm, nao o achan-
    do, annunciou ao seu amo que o linham roubado
    O bom cardeal sorriu-se, e o criado comprehen-
    deu.
    Es o que era aquclle que o sacro collegio dos
    cardeaes ia acclamar papa, e que o povo, ebrio
    de alegra e de amor ia chamar seu pae e sea bem-
    fetor.. .ali I para se delxar pouco depois seduzir
    por vozes prfidas, e fazer expiar por um calvario
    de ultrages e ingratidoes as alegras mui epheme-
    ras de um (riumpho alias to bem merecido!
    (Continuar-se-ha.)
    \o lelas sobre a comarca de Bra-
    ganca, ua provincia do Para
    (CotUinuaqao.)
    Recrvlamento.
    Segundo o decreto de 14 de dezembro de 1852
    distribuiu-se por todas as provincias o numero dos
    recruts, com que devera annualmenie contribuir
    para o exercito imperial; fazendo-se em cada urna
    delta a distribucao do numero, que Ihe cabe dar
    por suas differentes comarcas. Tem cabido a pro-
    vincia at aqui dar 80 recruts, e o presidente da
    mesma tem designado para e^a comarca em 1833
    185 e 18541855 e em 18551856 o numero
    de 7 recruus, iocumbindo ao juiz de direito a dls.
    tribuic/to dos mesmos pelas diversas fregnezia?, a
    qual tem sido feita da maneira segainte :
    Freguezias. Numero de recruts.
    1853-1854 185-1855 1855-1856
    Braganca 5 5
    Port.de 1855
    Port. de 23
    de fev. 1832
    Villa d'Ourem 1 dem idem.
    Pov. de Intua. 1 Port. de 23
    de fev. 185-2. 23
    A aula de latim est na cidade de Braganca, foi
    creada por le provincial de 3 de julho de 1841 e
    dever ser snpnrmida logo qae o octual professor
    deixe o magisterio, na conformldade do que estabe-
    leceu a lei, que reformou a tnstrucgo primaria e
    secundaria da provincia. Tem o professor 600$
    de ordenado annuai.
    Foi frequentda em 1846 por 9 alumnos, era
    1847 por 14, em 1848 por 17, em 1849 por 13, em
    1850 por 14, em 1851 por II, era 1852 por 14, em
    1853 por 16, em 1834 per 12, em 1855 por 17, em
    1856 por 12, sendo ao lodo 39 individuos que fre-
    qaentararo es ditos anuos.
    J viraos quando tratamos da populacho, que a
    fregnezia da cidade de Braganca em 18*9 tinha
    1,322 meninos livres, no eBtretnto que no dito
    anuo apenas frequentram a escola de primeiras
    lettras 14 alumnos, numero asss limitado, qne
    denota quanto desprezam os pais de familia o de-
    ver de dar a seus filhos ao menos a educago
    primarla : por isso tao crescido o numero de
    pessoas que nao sabem lr, embora tenbam alguns
    bens da fortuna. Talvez que nem a milsima parte
    saibam 1er e escrever.
    Segundos os principios de esttistica em o nu-
    mero total de meninos de um lugar, /i sa de 3 a
    13 annos, periodo da idade propria da educaco
    primaria ; por consegrante tendb a fregnezia de
    Braganca 1,322 meninos, devena dar para a escola
    primaria no sobredito anno o numero de 665 me-
    ninos, e nao 14 como den.
    As escolas da comarca, em virtude da le pro- /x
    vincial de 27 de outubro e regolaraento de 8 de
    novembro de 1831, que reformou o liceo. Paraen-
    se, creado pela lei provincial de 3 de julho dc 1843
    e que foi approvada pela lei provincial de 28 de
    dezembro de 1853, esto subordinados ao director
    do mesmo lceu, como director da instrnceo pu-
    blica na provincia,o qual tem nessa comarca, como
    as demais, um visitador das escolas da mesma, e
    mais um delegado em cada localidade, onde existe
    urna escola. Este serve gratuitamente, e aquelle
    tem o venclmento annual de 500$.
    Correio.
    Ha da capital da provincia para a cidade de Bra-
    ganca communicacao regalar por va do correio,
    qae leve principio era omez de-----de 1855. An-
    tes disso a correspondencia offlcial e particular era
    cooduzida as candas de coramercio, qne viajavam
    entre a capital e Braganca, resultando da irregula-
    ridade dessas viagens chegar a correspondencia
    com extraordinaria demora, viado as vezes os ef&-
    cos do governo com mais de 2 mezes e dat,
    quando apenas a distancia da capital nao de mais
    de 40 leguas pelo caminho de mar. A regularidade
    do correio acabou com semelhante inconveniente.
    O correio parte de Braganca nos das 8 21 de
    cada mez ; vai por trra a Ourem, e dahi desee
    pelo rio Guarnan at a capital, d'onde parte para
    Braganca nos das 3 e 17.
    Ha nma agencia do correio em Braganca ooutra
    em Ourem. Na agencia de Braganca serve um
    agente e um ajudante ; na de Ourem servara te-
    lugares o collector das rendas geraes e o sen ess
    crivao.
    (Continuar-se-ha.)
    N*o I Pernamboco, o guerreiro,
    Nao teme negro labo...
    Se mais filhos j nao deu
    Foipor da-los- o primeiro!
    Temos inda os mesmos bros,
    Espadas dos mesmos nos I...
    Qae brandiram nossos paes 1 ...
    Mas as fercas nos fallescem
    Ellas jamis robuslerem
    Em lutas descommunaes II...
    Vampiros de aduncas garras
    os ten snecado o vigor I...
    O Leo fraco... sem rdr...
    Solta o rugido.. sao arrhas!
    Sao arrhas, sim, que algum dia
    De novo rom galhardia
    Encher no vos annaes.
    Mas boje -por vos tao gasto
    V-se de filhos exhausto...
    Pois j os mandou de mais I
    Nao I Pernambuco valenle
    Nao desraeote sua gloria,
    Ao rubro sol da victoria
    Mostra o ferro encandescente !
    L esto de filhos millian-s
    Como bravos militares
    Batendo-se a peito n
    Nao ha p'ra elles trmclieiras,
    Gahiram de'.les flleiras.
    Mas tomaram Paysand!
    Assim foram andando a merc das correles
    sem lhes transluzir no horisonte escaro um ciarlo
    de esperanza.
    O ranger dos remos razia lembrar de hora em
    ora o estertor de. orna grande agona.
    O mar e a fome geravam B'alma o tedio da
    vida.
    O mar contouava roleiro.
    A este tranpo urna onda encapellada rebenlou
    ue um folhetim do Sr. Theophilo Braga tiramos
    A ESTBELLA d'ALVA.
    (Cont martimo do secuto XVI)
    < Nisto andava tudo, qae se
    nao poderiam por os olhos em
    parte onde se nao vissem rostos
    eobertos de tristes lagrimas, e
    de urna amarellido, e trespassa-
    mento da manifest dr, e sobe-
    jo receio que a chegada da mor-
    te cansava, ouvindo-se tambera
    de quando em quando algumas
    palavras lastimosas, sigoal certo
    da lembranca que ainda naquelle
    derradeiro ponto nao faltava dos
    orphos, e pequeos filhos das
    amadas e pobres mulheres, dos
    velhos e saudosos paes que ca
    deixavam, etc.
    t Uist. trgico-marttima,
    c. Io, p. 53.
    O sol esmaltva as cores lmpidas do horisonte
    com uns cambiantes de purpura e de azul, cujo
    cariz incompleto e vago reflecte a melancola sua-
    ve em que a alma se concentra nessa hora fugitiva
    da tarde.
    O horisonte fechava-se lentamente, como ovu de
    um templo que se corre.
    to-a, como a essencia de ora licor snavlssimo e
    voltil, qae Inebria a distancia os sentidos. Ella
    fluctua-me pairando ante a vista, como ara nevoel-
    ro da madrugada, que se esvaace nos ares ao
    romper da claridade, e de qae o sol faz realcar a
    alvura brilhante. Ella nunca rae disse qae me
    amava. Quando s em pensamentos a escoto, a
    dizer-mc segredos intraduzivels, parece-me a baya-
    dera indiana, requebrando-se flacha, com ama
    morbidez encantadora, a voltear brandamente as
    vibracoes remotas das gandharlas, instrumentistas quasi sobre o batel. Era preciso alijar para an-
    do paraiso. Eu vo na mesma ondulacao de har- via-lo.
    monia, c sonho goso indefinvel, que me exacerba O capilao deitoa aortas, para ver os que iriam ao
    mais as angustias oxcrucantes, quando despert mar. Cahiu a sorle sobre o intrpido gageiro Pero
    realidade. Eu nao sei ?e ella me ama. Costama- Gotterrez, um velho marinheiro, atirou-sc de livre
    do a brincar desde cranla com ella, unindo as vontade.
    nossas oracoes infantis, em noutes de torment, Ferno Ximenes pareca de tal modo embebido
    quando seu pae andava s&brc as aguas, esta con- na dor funda que alentava n'alma, que nao sabia o
    fiaoga torna impossivel o mysterio, qae alimenta | qne se passava em volta de si.
    A sorle fatdica cahira tambera sobre o irmao.
    Despertou da abstracao dolorida, ao abraco extre
    mo. Repenlinamenle, comprehendeu todo com
    aquella lucidez de que o espirito se apossa nos mo-
    mentos solemnes da vida. Deteve-o iua ins-
    tante :
    Urna vez sacrificaste ao mcu amor todas as
    tuas esperaBcas I E" bem que o reeonheca ; agora
    eslimo a vida so para d-la por ti.
    E dt sprendea-se dos bracos do irmao, cora a re
    soluco do desespero, e sumia-se na voragem.
    Gaspar Ximenes permanecen attonito, interdicto
    ante aquelle herosmo.
    O sol ia j alto, o cu tornava-se lmpido e sere-
    no, o horisonte abria-se Immenso, eomo aexpancao
    de um pensamenlo de alegra.
    Depois de haverem remado bastante ainda, des-
    cobriram-no a distancia seguindo extenuarlo o
    batel.
    A energa sublime ao seu herosmo e dedlcacao
    commovera ledos os eoraedes. Quizeram unni-
    mes recebe-lo, eslava j sem forcas, oaasi im-
    movel.
    O amor fraternal resplandecer com espanto.
    Os membros regelados come^arara a sentir vida
    com o calor.
    Vizeu..
    Ourem ..
    Cacti oeira
    Intua...
    I
    Somma.. 7 7 6
    Sendo a actual populaco da comarca de 11,050
    pessoas, vem a mesma comarca a dar 1 recruta
    por cada 1841 habitantes.
    Corpo de trabalhadores.
    A lei provincial de 25 de abril de 1839 com o
    louvavel Qra de ministrar bracos a lavoura, a in.
    dustria e as obras publicas decretou a creacSo de
    corpos de trabalhadores, obrigando a ter emprego,
    bracos que alias vvenara em completa ocosidade.
    Pelo pouco adiantmenio da lavoura, e nenhuma
    KiJustria na comarca, vi vem mais de duas tarjas
    partes da sua populaco era ara estado atrasadsi-
    mo, subsistindo da caca, da pesca e da mandioca,
    plantada apenas para as necessidades do dia. A
    abundancia desses objeclos a causa primaria do
    atrazo desta porcao da provincia, que devena en-
    riquecerle somente com a producto do caf. In-
    felizmente alguns individuos, que poderiam por sua
    fortuna aproveitar-se da benfica disposicao da ci-
    tada le, anda nao comprehendem os seus verda.
    deiros interesses contratando trabalhadores para a
    plantcao do caf. O presidente Soares d'Andra
    deu impulso a essa creacao; alguns oatros presi-
    dentes por cutendereiii ser inconstitucional a diu
    |ei, como contraria ao direito de liberdade do cida-
    do, a tem deixado cabir em esqueciraento; porm ,
    o actual presidente e conselheiro Sebastio do Rogo
    Barros, cuidou em dar vida a sua til iastituigo ,
    n'uma provincia como esta do Para e orgaoisou o!
    regulamento de 15 de novembro de 1854.
    Na forma desse regulamento formam-se corpos
    por mqnicipius, ou freguezias conforme a popula,
    cao ; os corpos compde-se de eorapanhias o as i
    cerapanhias de esquadras. Cada corpo tem um
    commandante cora o titulo de major fiscal, cada
    companhia um capto, e cada esqnadra um cabo.
    as compaohias alistm-se os Indios, mestices, e
    pretos matares de 14 annos, e menores de 50, que
    nao tem propriedade nem oceupaco regular, d'on-
    de lirem a sua subsistencia.
    Em 1849 havia na provincia 9 corpos de traba-
    lhadores, qae constvam de 7,626 individuos alis-
    tados : BraganQa tinha ento um corpo cora I offl-
    ciaes, 4 inferiores e 574 pessoas.
    Actualmente (1856) acamara tem um corpo com-
    posto de 5 companhas distribuidas da forma se-
    guate pelas diversas freguezias :
    Fregonas. Companhia. Parada. Pracas em 1856-
    136
    126
    106
    55
    90
    Braganca. l Cidade.
    dem----- 2* >
    Vizeo.... 3- Povoacao.
    Ourem .. 4* Villa.
    Iritma e
    Caxoeira 5 Povoacao.
    Instruccao puntea.
    A instruccao publica nesta comarca dada em
    6 escolas de primeiras lettras, sendo 5 para o sexo
    masculino, e 1 para o sexo femenino, e 1 aula de
    latim.
    Ul P0UC6 DE TUDO.
    E' do Sr. esta poesa :
    PROTESTO.
    Nao I Pernambuco valente
    Nao desmente sua gloria
    Ao rufero sol da victoria
    L o tendescombteme I
    Como o aecusaes de medroso
    Quando elle valoroso
    Sabe o gaucho vencer ?
    Sao milhares de seus bravos
    Que a esses povos ignavos
    Vo sem medo combater I
    as phalanges dos guerreiros
    As mais celfadas da morte
    La esto do Leo do Norte
    Bravos filhos altneros I
    Contemplae-lhes a pujanca,
    Como no prelio se lauca
    Como do fugo a zumbar I
    VJe-osde fronte elevada
    Dizendo : < De nessa esparta
    Quera pode o golpe aparar ?
    Ns sero l'ernambucanos
    Por que de fardas se vestm ?
    Mas o valor com que investain
    Mostra bem -os Sparunos I
    Nao desmeulein sua origem
    L da guerra na vertigera
    Batendo-se peito n I...
    Toraam ferro trincheiras,
    Lancam por ierra banoeiras...
    Douiam,... vencem Paysand I...
    Qae queris? quenos somcule
    Combatamos as naeoes t
    Que todos os baUltiei
    Se formem de nossa gente ?
    Qae o Leo do norte ousado
    Fique de fllhos privado
    Porque guerreiro audaz?...
    Que por vos -j lo exange
    De todo vera seu saogne
    Em quanto brincara os mais ?...
    Ide a todas as flleiras
    L os taris alistados
    Militares de denodados
    Defeiideno honra e bandeiras
    Sao bravos Leoes do norte
    Qaerindo-recebem morte
    Anta a bocea do cmho...
    E' a brilhante plulange
    -Nao de bastarda d'Orange (II!)
    ' Mas de Clara ou Carnario I
    Nossa glora est gravada
    Nm gigantes pedestes I,..
    A trra de eilos taes
    Eo teme ser maculada !
    Ssinha a rapa das bravos
    Levou de rojo ao Bata vos I
    D'Hollanda a torga donM!
    SwAotoca lebate
    Diz: sou livre ao vil mscate
    Que de medo se curvou 1...
    SsinAacom vehemencia
    Desfralda livre pendo
    E s maii-na es ravirtao
    Balbuca Independencia '.
    Ssinha toca a rebate
    E em24combate
    Pelos sonhos do Equador...
    Nada teme... em si confia,
    E de novo combata
    Harm pouco... com valor!...
    E' qne o amor da liberdade
    A faz ser um novo Anteu...
    Seagonisa um filho sea
    Herda-lhe outro a herolcidade.
    E' que sea solo fecundo
    Bem pode crear um mundo
    Povoado de lites,
    E por Isso entorpecida
    A deseja ver sem vida
    De ha omito a raja ios cSes!
    As irracoes travessas da nonte volilavam, en-
    crespando a face trmula das aguas, que lhes res-
    pondiara s caricias inquietas, confidenciando com
    um murmurio sonoroso e confuso.
    O galeo soberbo da India singrava ufano, levan-
    do era proa a Ierra querida da patria ; levado as
    azas das monges propicias, a vela branea des-
    baldada aos ventos, tinha o garbo da garca alta-
    neira, que se libra valdosa por sobre as onda, que
    ella vae rogando de leve. A flmula ondnlante,
    basteada no tope do maslro da mezena, serpeava
    nos ares, como una ao>us silencioso s ribas odor-
    feras do orienta, a despedida ao paiz dos soiihos e
    das maravilhas.
    A natureza como que se absorvera nos encantos
    dest hora; havia um sgredo intimo em cada
    loada perdida deste concert do declinar do dia.
    Longo lempo um mancebo encostado amurada
    do navio, com os olhos Oos na correle das aguas,
    permanecer absorto n'um scismar incessante,
    como quem atva na mente as apparencias de um
    sonho mentido, como quem procurava alentar a ul-
    tima esperanca, que se prende vida, e que
    como a era das ruinas.
    Conhecia-se-lhe na respiracSo comprimida no
    peito, que offegava de cansaeo, o estorco acintoso
    cora que procurava afasUr da lembranca um pre-
    senilmente funesto.
    A pallidex retinta as faces cavadas pelas in-
    somneas longas e affliclivas, era a expresso dos
    pensaraentos tenebrosos, confusos, incoherentes
    que vinham povoarlhe a anciedade das suas vigi-
    lias.
    Quem o visse sentira urna dr egual aquella,
    urna vontade irresislivel de entirnar-lhe em sua
    alma o balsamo das consolacoes, com a prodigali-
    dade do amor com que a filha desenvolla de Mag-
    dala vinha derramar aos ps do divino mestre os
    perfumes inebriantes da sua urna de alabastro.
    Quem o visse na mudez expressiva daquelle
    desalent, no desamparo e soledade de todas as
    alegras da vida, senlia-seimpellido paradle, como
    por um comlo fascinador, que as vezes possuem
    certas olhares, que ninguem pode filar, e de que
    se lem medo.
    A brisa fresca da noote, que seprava do poente
    como trazendo-lhe o presagio do ocaso de suas es
    poranias, vinha beber a lagrima tmida e ingenua
    que tremeluzia viva na pupila semillante.
    A este tempo appareceu sobre o convs do ga'
    leo alteroso um outro vulto, todo armado contra
    a rajada asperrima da noute, que se la cerrando.
    inda aqai, Ferno Ximene, embebido nesse
    vago scismar em qne o panado se te afigura do-
    loroso e feio ? Para que foges de tea irmio ? Bem,
    vs qae eu procuro distrahir-te desta agona lenta
    que te vae minando a essencia dbil da vida desse
    espasmo da atona, que proiuz em ti a mudez do
    sepulcro. O qae tens tu era urna vida de cranga,
    innocente, sempre desprevenida, para qae oocccl-
    tes a teu irmo, ao amigo que soffre com o teu sof-
    frimente, e qne exalt com as tuas alegras? Urna
    ave, quando levada para um paiz distante, longe
    do ninho que Iheouviu balbuciar os primeiros tri-
    nados de amor, quando Ihe falla a bafagem lepida
    das auras em que se espanejava contente, desfal-
    lece a mingua, prisionera, ralada pela saudade
    pungente, que Ihe volatiliza o ser. Tu, pelo con-
    trario, medida que os aromas quasi impercepti-
    veis da ierra abencoada da patria nos vem dar (or-
    ea para aflronur as tormentas escuras, as cerra
    todo o amor.
    Aldooea I repetiu desapercebidaraente Gas-
    par Ximenez, a mesma, a que me torBa aguerrido,
    audaz para affrontar estas regies nos trminos do
    mundo, a que jurou um dia ser minha e me pro-
    metteu a mo de esposa, que eu beijei e apertei
    trmulo, convulso I
    Ferno Ximenez comprehendeu estas palavras.
    Foram como um claro sbito, que larapeja e
    cega.
    Os olhos arrasaram-se-lhe de agua, sem as la-
    grimas poder rebeatar.
    Era incrvel, o quo se passava na sua alma. A
    colera, a alegra, a contrariedade das aspiracoes
    mais ardenles da vida, o desmteresse sublime de
    um coracao generoso, debatendo-se tudo d'aquella
    alma deserta de esperanca I
    Gaspar Ximenez continuou como delirando :
    - Amas tambera Aldonja ? Como elle mel-
    ga e dcil I E' a rola innocente do sacrificio. Ella
    ha de querer a tua felicidade. O que en disse era
    urna loucura. Amo-a como urna irma, ama-a
    tambem, mais do que eu, e ser tua.
    Ao ouvir estas palavras, vibradas com urna ac-
    eenluaco dotarosa, por urna abnegaco quasi im-
    possivel, Ferno Ximenez nao pode represar mais
    te upo as lagrimas, que Ihe rebentvam ferventes
    dos olbos.
    Os solucos intereortaram-lhe a voz.
    Elle jurara dar-lhe tambem um da a maor
    pro va de dedicago.
    A este tempo, ouviu-se um berro do gageiro,
    gritando da gavea :
    Mesire Ferno Mendonga. um negrome es-
    pes'O se alcanca no horisonte, que levamos, pois
    que a nao ser a cerraeo do cabo, mais me pare-
    ce presagie da tormenta.
    O mar comegava ja]a cavar-se.
    O piloto mandou logo ferrar o traquete, eassar a
    escota bijarrona, e que o hemem de quarto amu-
    rasse mais para sotavento, antes qae a borrasca re-
    bentasse de chofre.
    Instantes depois a roarnhagem tripudava afa-
    nosa sobre o convz ; a noute estendera pe* am-
    plido dos mares o seu manto glido de sombras,
    como um sudario de morie. O vento frgido sibil-
    lava em enxarcia ; pareca urna serpete escamosa,
    quando assobia na floresta intrincavel.
    A orchestra da procella rompia magestosa e es-
    plendida, como a retraa Virgilio n'ura hemis-
    liehio. _
    Por San-Thiago, disse Ferno Ximcnea, sa.
    hindo da mudez do espanto em que o deixra a
    longanimidade do irmo, adevnhava-o o diabo do
    gageiro, pois j as ondas geindam os castalios de
    proa, e tambera a ponU do gorups. Diabo, que
    se eu l!vsse maado no timo orcava mais para
    sotavento, e talvez que escapassemos furia da
    tormenta.
    Continua va o enovellar das vagas, como grandes
    cordilheiras impedidas por um vulcao subterreo.
    Instantes depois, o mogo descia para o porao, e
    as mares gigantes em vagalhoes, salvavam o
    oaixel.
    Sollos, desencontrados dos qaatro pontos, os ven.
    tos cahem de estelo sobre o galeo.
    Que San-Thiago, o bom apostlo das Hespa-
    nhas, seja comnosco, murraurou o hornera do leme,
    ao apagar-lhe urna mar a luzinha da bitcola.
    Que o Bom Jess dos Mareantes nos ampare nesta
    tribulago. Ave Mara!
    A tempesta le leerudescia surda voz do pebre
    homem de fluarto, que nao sabia j o rumo qae
    jevava.
    Pouco depois, as ondas envolveram-no no seo
    maruiho,e osorveram no pelago insondavel.
    Sera governo, o galeo alivo, cruzando-sc sobre
    duas ondas quo rebentaram sobre elle, estremecen
    com alluido pelo t***M* e costado; o mastro
    grande, emendo sobre si,-estalou, e sumiu-se na
    correnle das aguas.
    Por instantes ninguem respirou.
    S o capito Ferno de Mendonga, conhecendo
    que o temporal amainara gritou com intrepidez :
    Salla arriba I
    A tempestado amansara consideravelmente;
    via-se espelhado em todos os semblantes um sorri-
    so de esperanca. Iluminado ao claro diaphano do
    santelmo, que reluzia no tope dos mastros.
    Salve I salve do Corpo Santo I gritaran) todos
    possuidos de um santo regozijo.
    Podemos agora contar com a booanga, disse
    a voz animadora do padre capello, que o santo
    fogo de Santelmo se nos mostra risonho e mensa-
    geiro de paz. Oxal que sem mais desgragas pos-
    samos dizer como o malaventurado soldado das In-
    dias, Luiz de Carnees :
    Vi nos cus claramente o lume vivo,
    Que a martima gente tem por santo,
    Em tempo de tormenta e vento esquivo.
    De tempestado escara e triste pranto.
    Mestre Fernau de Mendonga, interrompea o
    O mar ia amansando progressivameale, e antes
    do cabir da noute viram com pasmo e alegra dun-
    da alvejar urna vella.
    Saudaram-na com a celeuma do regosijo.
    Quando um da ebegaram a beijar a Ierra de
    sens paes, Ferno Ximenes fot professar, cumpri?
    o voto n'um mosleiro, para nao tornar o amor e
    rme impossivel.
    edes e os cabos pengosos, perdes o animo ante gageiro, o galeo tem um enorme rombo na proa,
    e d'aqui a raeia hora estaremos todos no fundo, se
    vos nao apraz langar esta lancha ao mar.
    E foi-se cantarolanA) aquellas trovas do Auto da
    barca do inferno do popular Gil Vicente :
    A' barca, barca, boa gente,
    Que queremos dar vela,
    Chegar a ella, chegar a ella.
    O tom fri com que dissera aquella ruim nova
    fazia-o juica-lo filho da rajada, como se diz as in-
    urna dr imaginaria, e te delxas apostar de urna
    ancia, que um instante s de refiexo tranquilina.
    Vamos, asserena o tea espirito ; seja-ta o meu co-
    racao o porto almejado onde encostres abrigo-
    Que recetas f temes enconira-la na volta, despo-
    sada, nos bracos de outrof Contme a verdada
    toda; amas 1
    Se com vlnte annos apenas naver quem nao
    tenha sentido ainda esse desvario divino, que
    aeorda de sbito em nos todas as potencias da al-' carnagoe da mythologia grega.
    roa, qae rasga brilhante a manha de um edn j 0(UJda f>a do capit50) saltaran) todos para o
    terreal, que nos chama vida, e qae a um tempo baUj( Pouco jepos a naa SOberba da India come-
    vibra o estertor e o cicio horrivel dos que se coa- ^^ a afUD)iar.se.
    fragem no barathro do desespero qae elle gera 1
    Eu amo, sim. E' um amor que tem purpureado
    de riso todas as horas que levo a pensar n'ella,
    Para mim o resumo de todas as bellesas do
    mundo. Onde a visla depara urna apparigo
    grandiosa, deslumbrante, abi sinto urna remmis-
    cenca d'ella ; s vezes, procuro em vo formar na
    mente o composto do seu semblante engrasado,,
    quero te-la presente pela imaginacao a rainha ido- As lagr
    latra ; mas a phaniasia nao pode reuoir em nma
    mesma aureola de encantos tudo quanto ha de
    tois puro no cu e na Ierra. Eu esiou doudo.
    E' o pbrenesi deste amor que rae en'onqoece. Eu.
    nao a vejo, nem sei mesmo j se existe, mas sln-
    Ao v-la sumir-se, o padre capel lo, langon-lbe
    abengo, e resou uns versculos da orago dos
    morto*.
    A mudez tornava mais sublimes estes ins-
    tantes.
    Era como na morte de um hroe, que baqueta
    erido no prazer da luta-
    dos olhos dos velhos
    mareantes ao perderem para serapre aquelle com-
    panheiro das refregas.
    O batel niopodia com a Iripolaclo toda -, o mar
    eslava banzeiro e a cada momento entrava pela
    borda.
    Transerevemos da Sarao a segainte poesa :
    A CRUZ
    POESA RECITADA PELA ACTRIZ ARNA CARDOZO, KA)
    NOLTE DE 5 DE DEZEMBRO DE 1864, NO THEATRO
    DO GVM.VASIO. EM BENEFICIO DOS GEGOS EX-AI.IM-
    NOS DA CASA PA.
    E offerecda ao protector dos beneficiados, Tho-
    maz Jorge, pelo seu affectuoso amigo. A. Cesar dr
    Yasconcetlot.
    Ainda hoje outra vez os desherdado
    Da ventura, e at da propria luz,
    Vera auxilio pedir, aos desgracados
    Urna esperanga sorri iramorredora
    Em trra de christaosei-Ia a caca!
    Este symbolo sagrado
    Quantas promessas encerra ?
    Dizbooanga ao navegante,
    Dizperdo ao peccador,
    Dizno cea, no mar, na Ierra,
    Gloria, esperanca e amor.
    Diza me que o filbo estreita
    Contra o seio em meigo abraco
    Terno arrimo na velbice,
    Affecto, veneracao,
    Coitos que a mulher negara
    O velho mundo pagao.
    Dizao escravo submisso,
    Curvado sob o trabalho,
    Sem patria, lar, nem familia,
    A tremar ante os senhores
    S om, a criz te promette
    Patria de eternos amores.
    Dizao neo ao potentado
    Qne a vida passa entre testas.
    Qae nem se lembra, que ha fome,
    Que ha tiomens que nao lem pao
    O pobre que alm divaga
    Soccerre-o, que teu irmo.
    Este symbolo sagrado
    Que tanto conselho encerra,
    Tanta crenga e tanta esperanga,
    Tanto amor e tanta luz,
    Vos diz hojeaos pobres cegos
    Dae esmola-pela cruz !
    Sao pobres; s tem no mundo
    F na santa caridade,
    Que nao mente e nunca falla
    Em trras de Portugal:
    Desde a cboupana do pobre
    Th ao palacio real.
    A allestar este preceito
    Estes ahi.A caridade
    Em favor dos pobres cegos
    Seu meigo brado sollou.
    A' festa correram todos,
    Nem nm conviva faltou.
    Ao vr-vos ahi, senhores,
    Nesta noutede alegra
    Enloam mystico hymno
    Os anjos alm nos cus;
    E o Chrlsto vos paga em bencos
    O pao dado aos fllhos seos.
    K na ierranesta noute
    Ao vr-vos aqu contentes.
    Dando coito a caridade
    Unidos mais urna vez,
    Quera nao sentir orgolbo
    Ao dizersou portugus ?!
    Os pobres cegos nao tem
    Nada que vos oflertar,
    A gratido, que vem d'alma
    E nada a pode apagar,
    E' lado quanto dar poden)
    Pr'a vossa esmola pagar.
    Pagar naoque nao tem paga
    Na trra to nobre acgo,
    No prazer da consciencla
    Bem pagos taes actos sao,
    E do Chrislo que vos julga
    L da eterna manslo.
    Co'a fronte descobert agradecidos
    Nossos pobres irmos, to desvalidos,
    Anta vos aqu esto.
    Permltti, que por vos em estreito abrago
    O penhor eu receba irrecusavel
    Da sua gratido,
    Ainda hoje outra vez os desherdado?,
    Da ventura, e at da propria las,
    Eococtraram auxilio.Aos desgracados
    Urna es|>eranga serri immorredora
    Em Ierra de christaosei-la a onuz I
    ?
    .

    -
    5
    *
    PERNAMBUCO.-TYP.-DE M. F. DE P.* FILHO
    '
    ii r-^f% #


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EMOZ8Z6F4_TM6T2M INGEST_TIME 2013-08-28T02:13:44Z PACKAGE AA00011611_10590
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES