Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10584


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANUO ILI. HOMERO 27.
.Cit -i il> o*
r
^
I i

SEXTA FEIRA 3 DE FEYEREIRO DE 1865.
Por fttaffel pago dentro de 10 das do i." mez ...-.:
dem deptisdos l.os 10 dias do coruecoe dentro do quarlel.
Port io eorreio por tres mezes .......,
.
i
19S000
3J000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrlno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da SH*4j Aracaty, o
9r. A.-de temos Braga; Cear, o 3rM Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqun) Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves
pililos? Amazonas, o Sr. Jerdbymo da Cosa.
BHCARREGAD09 DA SUBSCRIPgXO NO SUL.
Alagoas, o Sr. ClauOine Falco Dias; Baha, ol
Sr. Jos Martlns Al ves; Rio de Janeiro, oSr. Jos
RibeiroGasparinho. '
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Buiqae, S. Bento, Rom Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacaran!, as tercas feiras.
Pao d*Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury.Salgueiro e Ext, as qurtas feiras.
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Quarto cresc. as 10 h., 48 m. e 58 ,s. dat.
10 La chela as i h. 7 m. e 16 s. da t.
(8- Qnarto raing. as" 7 b., 18 m. e 4 s. da t.
23 La nova as 3 h., 43 m. e 22 s. da t.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Jaizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos ; tercas e sextas s 10 horas.
Primeira-vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quarlas e sabbades a 1
bora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
30. Segunda. S. Adelelmoab.; S. Martinhav.m.
31. Torga. S. Pedro Nolasco; S. Cyro m.
1. Quirta. S. Ignacio b. m.; S. Pconio presb.
2. Quinta, cjj) A Punflracao de N. Senhora.
3. Sexta. S. Titob.;S. Braz b.
4. Sabbado. S. Aadr Corslno h. c.
5. Domingo. S. gueda v. m.; S. Albino b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 hora e m. da manhia.
Segunda as 10 horas e 30 mlmtos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de Janeire, margo, maro,
jalho, selembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livrarla da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Maneel Fgueira de
Faria & Fiiho.
PARTE QFFICIAL
(OYBRIW DA PROVINCIA.
Continnacao do expediente do dia 30 de Janeiro
de 1865.
Offlcio ao Exm. mafguez de Olinda, senador
do Imperio. Tendo sido de pouco effeito nesta
provincia at o presente, apezar das acertadas pro-
videncias com solicitude tomadas por meu anteces-
sor, o decreto n. 3371 de 7 de Janeiro corrente,
que crea corpos de voluntarios da patria; e urgin-
do as circunstancias do estado que se adoplem
medidas, mais efflcazes; jnlgo do mea dever, para
ese fin, aoxiliar-me das luzes, experiencia e pa-
triotismo dos cldados, que por sua pos cao sao
mais particularmente chamados a velar sobre a
aonrz. e engrandecinVrt da patria; e por isso de-
libere! fazer do da Io. de fevereiro, pelas 7 horas
da noite, urna reunio neste palacio, para a qual
leoho a honra de convidar a V. Exc, esperando
3ue se ose recusar de comparecer. De igual
ata e teor (mutatis mutandis) aos demais senado-
res residentes nesta prorincia, ao Io e 4o vice-pre-
sidotes desembargador Anselmo Francisco Pe-
retti e cbmraendador Domingos de Souza Lelo, ao
Bt; Joao Srtveira de Sooza. ao coronel comman-
dante -das armas, os depntados geraes e provin-
ciaes exbtentes nesta capital, ao Dr. chefe de poli-
ca, ao commaodante superior da guarda nacional
do Recife, chefe de estado-maior e commaodante
dos re peaivw corpas, ao director geral dos In-
dios, ao inspector do arsenal de marinha, ao-direc-
tor do arsenal de guerra, ao capito do porto, e ao
tenente-coronel recrutador Feliciano Joaquina dos
Santos.
Dito ao coronel commandante das armas. Bx-
pega V. S.' as suas ordens para que a pharmacia
do hospital militar faca apromptar para a botica
do presidio de Fernando os medicamentos e mais
objectos mencionados na inclusa relago, os quaes
devem ser para alrf enviados na primeira opportu-
nidade.Cbnrmunicoa-se' ao commandante do pre-
sidio de Fernando.
Dito aoi mesmo-: Remetto incluso o offlcio do
inspector 'da thesoararia de fazenda de 27 do cor-
rente, aflm de que V. S. se sirva de mandar minis-
trar os necessatos esclarec mentos em ordem a
saber se os nomes dos dous desertores que vieram
presos da comarca de Santo Antao, a que carpes
pertencem e que destino tiveram.
Dito o mesmo. Queira V. S. informar acerca
do que' pede Paulentino Pereira dos Santos no in-
cluso requerimento.
Dita ao mesmo. A' vista da informado minis-
trada per V. 8". em offlcio de 28 do corrente, con-
ced o praso de 60 dias podido pelo Dr. Joao Pedro
Maduro para apresentar na bot>ca do hospital mi-
litar o vioho ferruginoso de Moiteer e os vidros
qiin faltam para o completo dos medicamentos e
obyectos que elle contratou vendar para f< rneci-
ment da pharmacia daquelle estabolectraento : o
que rfetaro' V. S. para JtUfpfcnheciiwento.
Dito ao Inspector da thesouraria de fazenda.
Expeca V. S. as suas ordens, para que um dos era-
pregados dessa repa-tigo v passar revista de
motra, no dia 1" de fevereiro prximo vindouro
s 8 horas da manhaa, ala do 2 batalhao de in-
fantera da guarda nacional que se acha aqaartela-
da no hospieso. Communicou-sa ao commandante
superior da guarda nacional do Recife.
Dito ao mesmo.Em vista do disposto no aviso
circular do ministerio da guerra, que allude o
offlcio de V. S. n. 68, de 24 do corrente nao pode
ser considerada com vencimentos a licenca conce-
dida em 2t deste mez ao contra mestre da otflcina
de carapina do arsenal de guerra, Joao Luiz de
Carvalho : o que declaro V. S. para seu couhe-
cimen
Dito ao commandante superior interino da guar-
da nacional do Recite.Expeca V. S. as suas or-
dens para que no da 1. de fevereiro prximo
vindouro, at as 8 horas da manhaa, seja augmen-
tada a torga da guarda nacional destacada com 4
offlciaes subalternos, 8 cabos de esquadra. 132
guardas e 4 tambores, afim de poder ser feito com
a neressaria regulandade o servico da guarnicao
da praca que tica exclusivamente a cargo da re-
ferida torca.Fizeram-se as necessarias communi-
cacoes.
Dito ao engeheiro civil Henrique Augusto Mi-
let.Atteodeodo ao que ponderou Vmc. em seu
offlcio de 27 do correte, concedo que me apresen-
te at o dia 15 de fevereiro vindouro, o relatorio e
mappas acerca do recoobeeimenlo geral da actual
zona de actividade da estrada de ferro desta pro-
vincia, coja veriflcacao contratou Vmc. com esta
presidencia compromettendo-se a apresentar aquel-
es trabamos no ultimo do corrente mez.
Portara.Os Srs. agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes, ficam transportar por conta do
maisterio da guerra no vapor Ara, com destino a
corte os offlciaes e cadetes do 9. batalhao de in-
famara mencionados na inclusa relacao.
COmiAMO DAS ARMAS.
Quarlel do cemmando das armas de Pernam-
buco, na tidade do Recife*, 1 de fevereiro de
1865.
Ordem do dia n. 31.
Tendo o Sr. capito do 9o batalhao de infamara
Jos Francisco de Moraes e Vasconeellos, que se
ada servlndo interinamente o emprego de ajudan-
te de ordens o commando das armas desta provin-
cia declarado, que quera, acoropanhar o seu bata-
lhao, logo que este teve rdem do governo para se
apromptar com destino a cflrte, acquiescendo entao
o coronel commandante das armas a to justo
qnanto louvavel pedido, tem por conveniente dis-
pensado nesta data do referido emprego, e nomear
para interinamente substitoi-lo, ao Sr. capitao do
4o batalhao de artilharia p Tiburcio Hilario da
Silva Tavares.
Pede a justiea que o coronel commandante das
armas por 'esta occaso faga publico, que o Sr. ca-
pito Vasconeellos mui dignamente oceupou o lu-
gar que acaba de detxar. O servico a seu cargo
foi satrsfartorlamente. desempenhsdo, devido ao re-
conliecido zelo, ioteiligencia e dedlcago com que
se costuma baver quando encarregado de qualquer
commissSo._ Receba portanto o Sr. capitao Vas-
coneellos esta manifestacao do commandante das
armas que em despedida Ibe tributa o sea reconhe-
cimento egralidao.
Ficam nesta data desligados do 4 batalhao de
artilharia p, ao qual se acham addidos, com o
flm de seguirem no Vapor Apd procedente do norte
a se reunirem aos seus respectivos corpos, os Srs.
tenentes Jaquim Antonio de Moraes e Jos Caeta-
no da Silva, do 2 batalhao de infantjria^e Estevao
Jos Ferraz, do batalhao de cagadores da provincia
da Baha igualmente addido ao 9 batalhao de in-
famara.
Assignado. Joaquim Jote Gongalvet Fontet.
Conforme.Tiburcio Hilario da Silva Taimres,
capitao ajudante de ordens interino.
Quarlel do commando das armas le Pernambuco
na cidade do Recife, 2 de Fevereiro de 186o.
Ordem do dia n. 32.
Era camprimento ordem do governo imperial
embarca hoje para a corte o 9 batalhao de infan-
taria.
Vai este corpo do exercito coadjuvar aos qae
se acham empenhados na peleja que se travou no
Estado Oriental e as fronteiras de Matto Gresso.
O commandante das armas est Intimamente
convencido de que o 9 batalhao qae por longo es-
pago bem servio na guarnicao desta provincia, e
em cdja bandeira ainda trmula o galardao com-
memorativo do famoso feito d'armas na villa de 8.
Jos do Norte, nao contradir os seus precedentes,
quando se trata de debellar oinimigo que traieoei-
ro pisa o slo da patria.
Siga pois o referido batalhao para o sea posto de
honra, e receba o seo digno commandante o Sr.
tenente Goronel Jos da Silva Guimaraes, os Srs.
offlciaes e todas as pragas, as saudagdes que o
commandante das armas em despedida Ibes di-
rijo.
Assijnado. Jooquim Jos Goncvlves Fontes.
Conforme.Tiburcio Hilario a Suva Tavares,
capitao ajudante de ordens interino.
de 13200 a lf300 por libra. As entradas nos ul
timos 4 annes foram as segnintes :
1864.... 1,661 caixas.
1863.. 2,582 .
1862.... 1,284
1861...,. 1,730
Cobollas.O auno comegoa com um grande de-
posito deste artigo que ento regulava os baixos
prego de J&500 a 4t000 o milheiro. As entradas!
INTERIOR.
CORRESPOJDESCIIS BO VIA
RIO DE PERVVHHICO.
FABi.
Belm. 23 de Janeiro de 1863.
Os meus afazeres, a brevidade da sabida do va-
por e a defflciencia de maiores novidades, me dbrl-
gam desta vez a ser milito breve.
A provincia est em plena paz, assira con
agrada1 el o estado da sua^alubridade.
Do Amazonas nada tambem ha de importante e
por conseguate por esta parte do imperio brasi-
leiro, tudo vai regularmente.
A presidencia em virtude da luta oriental, dea
execugo as ordens do gi verno imperial, tazendo
crear um corpo de voluntarios addidos e con o re-
gulamento do corpa de polica.
Os jornaes todos, mesmo os da opposigo recebe-
ram bem o alvitre, por isso que trata se da defeza
da patria contra os atentados e violencias estran-
geiras.
O recrutmento activase em toda a provincia;
talvez isto venha a afugentar o roceiro, com medo
de ser recrutado e assim provavel que tealiamos
alguma caresta de gneros do interior ; mas este
mal a consequencia de urna neceesidade imperio-
sa, porque o paiz tem de desaggravar a honra na-
cional.
Os corpos de linlia da guarngao, 3o de artilharia
e o 11 de infamara diariamente fazein exercicio da
sua arma.
Parece aue por emquanto esta tropa nao seguir
para o sul, apezar dos prognosticos.
Hje deve seguir para o Maranho o prestigia-
dor Ltnsky ; aqu foi rauito applaudido.
Fallase na jinda da actriz portugueza Emilia
das Neves; nao sei que probabilidades ha para se-
melhante noticia, para dar esse salto do Rio ao Pa-
r, quando ha outros theatros mais importantes as
provincias da Baha,Pernambucoe Maranho!
Tomou posse do commando da guarda nacional
o commandante superior ltimamente nomeado
para esta capital Dr. Jos da Gama Malcher.
Foi tambem nomeado reitor do collegio paraense
em substituigo ao Uado Rvd: Dr. Pedro Hsnorato
Correa de Miranda, o padre Eutiquio Pereira da
Rocha, lente do seminarlo episcopal.
A queslao da sociedade portugueza beneficente
que ltimamente occapoa tanta cabega e empenliou
os maiores esforgos, parece caminhar para um des-
enlace.
Gomo Ihe noticiei a presidencia nao have'ndo jul-
gado regular a convocagao da assembla do Io de
Janeiro para discutir validadedas eleigoes de 4 e
18 de dezembro ultimo, noraeou tres commssarios
membros da sociedade ; estes aimunciaram para
hontem a ordem dos trabalhos por dcliberago da
presidencia, e com effeito hontem teve lugar a ses-
so da discusso da nullidade ou val Jade das elei-
goes.
Houve toda a sorte do estrategia de um e outro
lado, para o vencmento da luta ; meetings, pedi-
dos, questoes, imposigoes e aflnal discusso conve-
niente e inconveniente, appareceu na imprensa du-
rante a ultima semana nos jornaes desta capi-
tal.
Pelo meio dia, alm dos grupos pelo largo das
Mercez de pessoas que nao erara socios, a casa da
sociedade beneficente continha para cima de 330
socio.
Rompen o debate a meia hora, depais da esposi-
gao que fez o presidente Augusto Eduardo Costa,
de toda a questo submettida a decisaojda presi-
dencia.
Filizmeate a questo nao teve ms consecuen-
cias ; alm das-reclamagoeseapoiados e noapoia-
dos, foi mantida com mais ou menos intcrrupgao
at ao fin.
Quatro oradores fallaram por espago de tres ho-
ras, Picando aSnal de contas.annullada? as eleigoes
de 4 e 18 de dezembro do anno fiado, e vencedores
os autores do ultimo requerimento em numero de
199 que o assignaram e dirigiram a presiden-
cia.
O subdelegado do 2 districto de polica esteve
presente, as mmcdiagdes da casa, assim como
compareceu no meio da sesso o Dr. chefe de poli-
ca, qnando constou parecer que o negocio ia to-
mar maior gravidade na discusso.
Felizmente nada houve, e a nao ser as novas
eleigoes que se vo fazer brevemente para nova di-
rectora, esta questo estara j linda; mas creio
que dentro de urna semana todo estar terminado,
porque a vista do vencimen'o da nullidade aleito-
ral, os socios desta opinio, sao os qae naturalmen-
te bao de formar o novo governo social benefi-
cente.
De commercio ha efectivamente a fallencia da
casa franceza Mulleir Donal 4 C. e quanto ao mo-
vimeoto commercial e martimo e mais esclareci-
mentos mercantis, em seguida Ihe remetto a revis-
ta commercial do Para no anno de 1864, que vem
no Jornal do Amazonas que actualmente publica
os actos da associago commercial desia praga.
Os navios no porto sao os seguales :
Navios a descarga.
Enchantress... Hiate inglez.
Nova Cintra... Barca portugueza.
Navios a carga.
Viajante....... Barca portugueza (sa-
li a 18 para Lisboa.
Progresso...... Mate brasileiro.
Pedro......... Patacho inglez.
Dous Amigos... Hfte brasileiro:
Maria......... Patacho dioamarqoez
Fiorist......... Escuna nglexa.
Maria Nicols.. Barca franceza.
L'/iio......... Barca portugueza (sa-
nio a 22 para Lisboa.
Favorit........ Brigue inglez.
Fttz Ventura... Brigue portuguez (sa-
blo a 25 para Lisboa.)
Apresentamos hoje em resumo o movlmento
commercial da nossa praga no anno que ha poucos
dias findou.
As tabellas da iraportago sao incompletas por
nao apresentarera os valores nem as unidades
commerciaes e s a qaantidade dos volumes. E'
verdade que amitos destes volames contm peral-
mente a mesma quaotidade e peso e por isso jal-
gamos que oslas tabellas nao deixario de ser de
alguma utilidade, pois com ellas se poder fazer um
calculo approximado. Podemos assegurar que o i diraauirara durante alguns mezes e em agosto
apanhamento mais exacto que se pode fazer, na | houve completa falta, porm com a chegada de va-
falta de dados offlciaes. Tanto na importago, como rios navios com grandes porgdes, effectuaram-se
na exportagSo apresentamos em alguns ds princi- [ vendas a 155000 e 16J0OO o milheiro ; d'abi em
paes artigos, a comparago das entradas e sahidas diante contiauaram as entradas avultadas e os pre-
com as de annos anteriores, para que se possa reco- gos foram baixando al 40000 por milheiro, ha-
nhecer o augmento ou dimiauigao que houve no ul- vendo ainda agora ama grande existencia. Entra-
timo anno. ; ram 1,323 caixas, 13,082 molhos e 1H,006 resteas.'
O anno de 1864 ser registrado nos annae com- Chombo em grao.Soffreu pouca alteracSo nos t
mercaes como um anno calamitoso. Por toda a pregos.; aos prnairos mezes rejtulou 20aO00 o
parte o commercio soffreu graves prejuizos. Na quintal, depols elevou-se a 22*000 e 23:000 aos
Europa, a guerra entre a Alemanha e a Dinamarca quaej se conservou por algtrm tempo e ultima-
e depois a crise financeira e commercial, arrasta- mente afrouxou alguma cons realisando se vendas
ram mullos estabelecimentosimporiantes; na Ame-1 a 219000. .Entraran) 1,227 bairis.
rica do Norte, a continuagiio da guerra entre os Es- Farinha de trigo. 0 mercado esteve dorante o
tados do Norte e os do Sul, a depreciagao da moeda anno regularmente supprido deste artigo e s por
consequencia de to avultados gasto!, e sobre tudo poucos dias no mez de maio, que se experimen-
aexcessiva importago que all houve em 1863, toa alguma falta, o que deu logara reabsar-se
animada pelo desequilibrio que teve entao lugar urna transaeeao ao alto preco de 30^000 a barrica j
entre o papel moeda e os metaos, prejudicou a to- '
dos os paizes que com aquelles ttveram relages
commerciaes.
Finalmente a crise monetaria no Rio de Jaqeiro
trouxe a desconflanga a todos os mercados do im-
perio e aggravou os males, qae ja eolio se senliam
produzdos pelas causas mencionadas.
O nosso mercado nao poda deixar de soffrer os
esta falta foi moraentaniia e o prego baixou imme-
diaraejnte para 258000, 22j000, 2O5U00 e mais tar-
de foi a 14;000 a barrica, este foi o menor prego
durante o auno por farinha em bom estado, lti-
mamente teve lugar ama pequea sabida regulan-
do de 17*Ki0, a 18*100.
O coimmo durante oanno foi'de 1,800 barricas
F^mez> deposito que passoo para este anno
efJeitos de tantos desastres, e se nao temos are- 2,000 barricas pouca mais ou menos. Exporta-
gistrar numerosas fafleocias, nao podemos deixar ram-se para as. outras.provincias 2,460 barricas ;
de classificar o anno de 1864 como em geral des- "
favoravel para o nosso commercio.
A importago no anno fiado fot muito superior
dos anteriores e ainda maior do que a do anno de
1860, o podemos assegurar on exceden mnito ao
consamo, nao obstante o augmento de commercio
que houve com as repblicas do Per e Bolva, e
o maior consumo que tem produzido as novas II-
nhai de navegacao a vapor. Mencionaremos al-
guns dos principaes artigos de importago.
Assucar.A importago deste artigo foi ainda
avultada, nao obstante os poucos engenbos da pro-
vincia terem memorado bastante os seus produc-
tos. Nao podemos deixar d lamentar o abandono
em qae contina nesta provincia, a cuitara regu-
lar ; puis que, se houvesse mais dedicaeao la-
voura nao veramos sabir da provincia um valor
to importante como o que annualmente se expor-
ta, para a compra deste artigo, para, as provincias
de Maranho e Pernambuco, que nao recebem em
troco neohum dos nossos productos.
Este artigo regulou altos pregos durante todo o
anno, o branco de boa quhdade flactaoa entre
35000 e 65000 por arroba, e as outras qualidades
em proporgo; ltimamente baixou alguma cousa
o tem-se vendido de 4J000 a 55000 por arroba.
Entraram durante o anno 2,260 barricas, 12,53-2
meias barricas, 540 quartos, 172 latas, 266 saceos
e 3,816 volumes nao especificados.
Azeite de oliveira.Este mercado esteve sempre
bem supprido deste artigo, e por isso 09 pregos se
conservaram baixos.
No principio do anno valia de 385000 a 40500
o barril de 8.; de margo a maio soffreu nma pe-
quena suaida e regulou entao de 435000 a ISjOOO
o barril; depois derlinou gradualmente e voltou
para o prego de 385000 e realisaram-se algumas
vendas a 365000; actualmente o seu valor de
385000 a 395000 o barril.
As entradas nos ltimos 4 annos foram as se-
guintes:
Latas.
135
115
593
1864....
1863....
1862....
1861....
Barri?.
950
924
1,233
866
Caixas.
132
158
191
21
Bilhas.
10
20
202
Azeitouas.Houve pequea fluctaagao nos pre-
gos deste artigo, que regulou em todo o anno en-
tre 15000 a 15400 por ancoreta. Entraram 4,912
ancoretas.
Bacalho.Nao sendo aqui de primeira necessi-
dado este artigo soffreu por Isso o pela facilidade
com que se deteriora neste clima, urna grande
luctuago nos pregos. Ou se vende por pregos n-
fimos ou por pregos exorbitantes, e geralmente a
entrada de 100 a 150 barricas causa superabun-
dancia no mercado. Estas fluctuagoes foram tan-
tas no anno rindo que s podemos dizer, que o pre-
go minimo foi de 45000 por barrica e o mximo
305000.
As entradas nos 4 ltimos annos foram as so-
guintes
Volumes diversos.
57
Caixas.
883
60
20
183
iraportago foi avultada e
sempre baixos, isto entre
Entraram 1,673 barris
Barricas.
1864.,.. 2,026
1863... 1,728
1862... 1,262
1861... 2,628
Banha de porco.-A
os pregos regalaran!
240 a 300 ris por libra,,
e 709 caixas.
Batatas.No principio de anno hoave grande
abundancia e valiam ento de 400 a 500 ris por
arroba, depois foram subido gradualmente de
prego e era agosto venderam-se a 35500 por arro-
ba, d'ahi om diante foram baixando at 15000.
Entraram em todo o anno 4,949 caixas, 988 cestos
e 189 barricas.
Caf.-Nos primeiros mezes regulou eotre 75300
a 85">00 por arroba, depois escasseou o vendeu-se
a tH-3000 e 105300; e tomou a declinar para
79500 a 85000 por arroba. Entraram dos portos
do sul 4,195 saccas.
Carne secca.Desde o anno de 1863 que come-
gou a ser importada em maior escala para sopprir
a falla quo eutao houve de peixe piraruc; o seu
consumo comeepu a generalisar-se e nao duvida-
mos que augmente para o futuro e torne-se um ar-
tigo de primeira necessidade, com tudo depende
muito da maior ou menor abundancia do pirara-
cu, e nos annos em que este peixe abundar o cen-
as entradas oes aunaos miatre annos foram;
^64.......... 23.495 barricas e 650 caixas.
I8I3........... ao,063
1862............ i5,45i \u
1861..........,. 2.349 1 :
Garratoes vazios.Ttveram sempre prompta sa-
hda principalmente os da frasqneira que regula-
ram d* 1 800 a ?3000 cada um. Os menores obll-
veram os pregos de 400 a lj>000 conforme o tama-
nho. mas nao foram to procurados como os pri-
meiros. Entraram P.600 de diversos tamaitos.
Genebr.A importago no ultimo anno fot pe-
quena, mas o grande deposito qas havia do atino
anterior, conserviou o uercado sempre sobrecarre-
gado, e os pregos pouco fluctuaram, regulando en-
tre 3O00 a 59200 i frasqoeira e 330 a 340 res a
botlia. A genebra doce oa aromtica regulou de
8s600a9c000a!caua. Entraram nos quatro ai-
timos annos o segainte:
Barricas. Oiras.
1864 623
1863 2,641
1862 1,023
1881 1,015
Manteiga.
4,182
6,809
4,826
8,037
arrafSe..
680
1,883
1,034 e 66 meias pipas.
35f
das e continuadas Importares
conservaram dallante todo oanno os procos desfa-
vora*is para os vendedores. A ingleza regulou
de 420 a 650 res por libra e a franceza de 400 a
520 reis. O depisito ainda ainda avultado. En-
traram om :
1864 5,665 barris 1,164 meios ditos.
1863 4,415 t 1,675
1862 4,019 t 696 t
1861 3,919 t 1,193 <
Massas.Nos irimeiros mezes do anno as entra-
das foram reguliresoos pregos se conservaram
favoraveis, entre 615306 e 88500 por caixa das de
Lisboa, depois as entradas augmentaran) e os pre-
gos baixaram gradualmente at 5JO0O regulando
actualmente de JtyOO a SfSOO.
Eatrarara em
Prtroleum reB
bra, da ingleza
pouco baixando
se realuou a olt
lado.
Entraram em
1864.
1863.
1862.
1861.
2,011
1,424
1,308
1,6(12
caixas.
t
c
nado.Pouca fluctuago houve nos
pregos deste arti ro ; no principio do anno regula-
vam entre 1&800 a 2;000 o galo, mais tarde bai-
xaram para 194(0 e 1?500 ltimamente tornaram
a subir, valend) actualmente de l|6B0 a 2000.
Entraram 25,53;! galSes e no anno anterior 43,328.
Plvora.O d 'psito em principio do anno era
diminuto e o prego regulava 750 a 800 reis por li-
boa qualidade, depois foi ponco a
at 600 reis por libra prego a que
ma transaego ; o deposito* aval-
barris
e 26 caixas.
1864 6,320
1863 3,369
1862 5,100
1861 5,489 <
Queijos. Tvt ram durante todo o anno regular
venda e pouco ^uctuaram os pregos entre o m-
nimo de I930O e o mximo de 2#100 cada um, os
hollandezes.
Entraram em
1864.... ... 2,637 caixas.
1863..... ... 2,159 c
1862..... ... 1,818 c
1861..... ... 1,987 t
Sai.No principio do anno a existencia era gran-
de e o valor 700 a 750 reis o alqueire, houve" de
pois urna pansa as entradas o que den logar a
urna completa falta deste artigo que por pouco
tempo se retalheu a 3*000 o alqueire, entraram en-
to alguns carregamentos que se venderam a1#6O0
e logo depois com novas entradas foi baixando at
700 reis, val* h )je 730 a 800 reis por alqueire, o
de Portugal, e o deposito regular.
Entraram :
1864........... 67,860 alqueires desta provincia.
1863........... 94,049 t 1 <
1862........... 81,948 t
1861........ 82,185 f c
Vinbos.Dorante todo o anno estiveiam estos li-
Suidos em aban lono, por que comecando com om
eposito avultadp e continuando os sapprimentos
regulares, a offi rta foi sempre superior procura.
ltimamente o deposito diminnio, porm ainda as-
sim os pregos s< conservara baixos.
Em principio do anno valiam os tintos de Lis-
boa, de mareas acreditadas, 18G5000 a 190SO00 por
pipa e a estes pregos se conservaram por muito
tempo, depois foram gradualmente subiado e no
sumo da carne deve diminuir. Durante o auno lira du auno valiam 2053000 a 210000. Nos bran-
variaram os pregos entre 25800 a 0.3OOO por arro- \ eos houve grande vanedade de pregos, os das mar-
Entraram em todo o anno 91,060 arrobas, e' cas acreditadas, que nem sempre sSo os de melhor
ba.
no anno de 1863, 17,000 arrobas.
Carne salgada.Dos Estados-Uoidos entraram
390 barris que se venderam de 255000 a 355600
o barril.
Cerveja.A importago tem augmentado consi-
deravelmente e assim mesmo por varias vezes sen-
tio-se falta, porm nos ltimos mezes as entradas
foram superiores ao consumo e o deposito tornou-
se avultado. fs pregos da ingleza, de boas marcas 1864
regularam de 55200 a 6*000 a duzia de garrafas 11863
e 65400 a 75400 em meias ditas. Entraram nos
ltimos annos as seguintes qaantidades:
1864..... 9,278 bar cas e caixas
1863..... 5,139
1862..... 3.695 j
1861..... 6,774
Cera em vellas.O consumo das vellas de cera 110 a pipa*
bem como das de stearina e outras qualidades tem Entraram era :
diminuido muito em consequencia de se ter gene-. Pipas Meia
ralisado o uso do petroleum, por Uso a importago 1864
nao obstante ser inferior a do anno anterior foi, 1863
maior do que o consumo, e este artigo se conser- 1862
vou sempre em apathia regalando durante o anno 1861
qualidade, regularam eotre 2509000 e 270JW00 e
de outras marejis I8O9OOO a 2259000.
Os vinbos, liespaBhe tintos venderam-se no
principio do aono a 1509000 e depols subiram va-
garosamente a 1999000 e 2009000 a pipa. Destes
est o mercado pouco abastecido.
Entraram em :
Quart. Quint. Decimos Caixas.
Pipas Mei;
151
460
1862 242 1J
1861 228 II!
Vinagre.Se
208
56
127 3,199
586 5,390
3,485
- 4,520
ni o a mesraa marcha dos
os tintos de LisIBoa regularam entre 909OOO e 1159
por pipa, tendojlido pequea fluctuagao. O deposi
to regular e as ultimas vendas foram de 105$ a
4,003
1,790
1,089
1,444
vinhos.
.17
\
uintos Declines G^rraoe?.
1,284 P 4,300
778 1,869
454 3,480
4,370 4,365
Manufactnras.A importago de tecidos de to-
das as qualidades foi extraordinaria, principalmente
.e attendermos ao alto valor que tiveram os de
algodo. Nos primeiros mezes do anno ttveram
elles prompta extraego, porm mais tarde as
grandes entradas que hoaveram deram lugar
um consideravel augmento dos depsitos e a con-
sequeoca foi urna importante baixa.
As noticias de que eslava prxima a paz nos
Estados-Unidos da America do Norte, crearam aqu
nm pnico entre os possudores, que tentaram a
porlla dispor das suas mercadorias a pregos relati-
vamente baixos ; a reelelgao do presidente Lln
coln, fez desapparecer as probabilidades de urna
prxima pacifleaco, e os possuidores tornaram-se
mais firmes e parecem dispostos a nao sacrifica-
ren! as suas mercodorias.
Os tecidos finos e mais artefactos francezes abun-
daram extraordinariamente no mercado, e os pre-
gos regularam sempre baixos, havendo ainda gran-
de existencia delles.
Eis umquadro das entradas nos ltimos quatro
annos :
1803
IV
87
4,161
152
112
47
192
1864
De Portugal___ 51
Dos Estados-U. 8
De Inglaterra... 6,613
De Franea..... 1,0)9
De Hamburgo.. 145
Da Blgica..... 6
Dos portos do S. 163
1851
15
1,546
4,362
1.162
361
128
176
vols.
18fi2
50
126
4,187
328
99
46
555
8,035 5,765 5,390 7,690
EXPORTACAO
Se o anno rindo foi pouco favoravel para os arti-
gos de importago, peor foi para os de exporta-
gao ; pois que, os nossos principaes productos,
principalmente a borracha-, deram continuadamen-
te prejnizo aquelles que com elles especularan.
A continuada baixa que sofTreram os pregos nos
mercal>s consumidores, deu lugar a qae aqui
sempre se conservassem tora da proporgo com os
que all regulavam.
Passamos a demonstrar o movimento que houve
nestes gneros.
Borracha.A produego deste anno foi a maior
qne tem havid. No primetro semestre os pregos
pouco variaram, conservando se a fina entre 185 e !
195 por arroba. De julho em diante comegou a
balxar, primeiro a 175500, e successivamenfe para!
175, 165500,165, 155500, 155, 145500 eo mini-
mo foi de 14t por arroba. As qualidades inferio-
res, principalmente o sernamby comegaram ento
a ser mais precuradas, e os pregos desta elevaram-
se da proporgo al entilo, estabelecida. Em prin-
cipios do ultimo mez teve lugar urna curta anima-
gao ; rea!isaram-se ento transacgdes a 159 por
arroba da fina e 95 pelo sernamby, depois tornou
a declinar e actualmente vale a fina 145500 e o
sernamby 85500. A exportagao total deste genero
nos quatro ltimos annos foi a segrate :
Para 1864 1863 1862 1*61
Inglaterra...... 147,924 117,180 87,182 100,770
Franca........ 19,388 4,949 8,394 10,098
Estados-Unidos. 70,194 82,071 54,967 32,067
Portugal....... 2,626 3,381 12,455 2,895
Hamburgo..... 1,824 1,682 1,739
Arrobas....... 241,956 209,563 162,998 147,569;
Cacao.A colheita foi menor do que a do anno
anterior, devido a falha qne houve no serto. O !
prego soffrea poucas variag5es, no principio do
anno regulou 45800 por arroba, e d'ahi baixou a
45600 ; em junho elevou-se a 55 e em setembro a
05200 por arroba. O menor prego durante o anno
foi de 495Q0 e o maior 5J40O por arroba. Actual-
mente vale 45800 e 55 por arroba. A exportag >
nos ltimos quatro annos foi a seguinte :
Para 1864 1863 1862 1861 I
Franca....... 203,273 224,771 204,633 174,278
Inglaterra...... 9,427 4,033 9,082 500
Portugal....... 8,894 14,273 6,634 5,427
Estados-Unidos 4,804 2.870 417
Hamburgo.... 6,270 17,825 3,038 7,045
Italia......... 4,100 '
Arrobas...... 232,668 267,872 233,824. 177,350
Castanhas.Houve grande faina na colheita, o
que fez conservar o preco sempre alto. A primeira
porgo da nova que ctiegou ao mercado obteve
45600 por alqueire, depois baixou a 45200, porm
tornou logo a subir a 55000, e d'ahi declinou at
45 ao qual se conservou por muito tempo, tendb
tambem havido algumas vendas de pequeas
quantidades a 35800.
A exportagao doste auno comparada com a do
anno anterior foi a seguinte :
Para 1864 1863
Inglaterra.....- 17,635 26,848
Estados-Unidos. 16,850 31,562
Portugal....... 8,i79 8,798
Hamburgo..... 4,000 7,420
Franca........ 28 137
Italia".......... 34
Alqueires..... 46,692 74,799
Arroz ero casca.Nao obstante a boa colheita-
que houve deste genero, conservou-se elle sempre
a alto prego, pelas continuadas exportag5es para
Nova-York. Nos primeiros mezes do anno o prego
reguteu entre 15800 e 25, em julho soffreu urna i
baixa e por pouco tempo se conservou a 1JS600,'
d'ahi tornou a elevarse aos pregos de 15000 e 29,'
porm ltimamente affrouxou a procura e vale!
19700 a 19800 por alqueire (de 60 e 62 libras.) A
exportagao nos dous nlraos annos foi a seguinte :
1864 1863
Portugal....... 62,589 arbs." 27,363 arbs.
Filados-Unidos. 47,186 69,776 t
Franga........ 5,015
Maranho.. .. 8,083 t 21,782 t
122,873 118,922 t
Oleo de copahyba. Este artigo soffre grande'
fluctuagao ; em principio do anno valeu 1--300 a '
125 por caada (30 llbra;) ; em abril subi re-
pentinamente a 169 e 179, porm passado algum I
tempo declinou para 49, 139 e ltimamente para!
119500. A exportagao do anno Ando comparada '
com a do anterior, foi a seguinte :
Para 1864 1863
Inglaterra..... 28.647 34,816
Estados-Unidos. 129,170 65,144
Portugal...... 7,936 30,870
Hamburgo----- 1,440
Franga....... 2,160
9,041
Libras..
469,353 139,871
Algodo.Ainda que (a produego deste artigo
tenha augmentad^, nao foi tanto como se devia es-!
perar, e na proporgo do augmento qne houve as'
outras provincias do imperio; isto mostra clara-
mente a pouca ioclinago que existe para urna cul-
tura regular, para o que coniribue muito a vida
nmada das nossas populacoes do interior da pro-
vincia.
O subido prego a que este genera tem chegado
nao attrahia a ambicio dos lavraderes, ao passo
que se a borracha tlvesse sabido de valor na pro-
porgo do augmento, que este genero tea tldo, ve-
riamos abandonar todo para se empregarem no sea
fabrico.
O prego regalou entre 22*000 e 245000 por ar-
roba, e s era dezembro qae soffreu urna repen-
tina baixa, tendo-se vendido alguns lotes a 5300,
porm esta baixa foi de curta duragSo, porque de
novo tornou a subir e vale 225000. A exportagao
dos 3 ltimos annos foi a seguinte :
Para 1864 1863 1862
arrobas arrobas arrobas
Inglaterra..... 2,483 427 279
Portugal...... 2,360 379 889
Estados-Unidos. 1,512 3,825 2,639
Franga........ 895 1 40
Hamburgo----- 57 1
7,339 4,631 3,874
Couros.Estiveram sempre em abandono.
Os seceos de Goyaz venderam-se aos precos de
.15600, 35500, 35400 e 35300 cada am.
Os salgados seceos fluctuaram entre 120 e 140
ris por libra, e os salgados verdes de 90 a 120 rs.
por libra.
Valiam no fim do anno os salgados seceos 130
rs. por libra, e os verdes 90 a 100.
Os cooros de veado foram muito procurados nos
primeiros mezes do anno, tendo-se elevado o prego
a 800 rs. por libra, depois soffreram repentina bai-
xa para 600 rs., e foram declinando gradualmente
at 360 rs. por libra, e hoje valem 400 rs.
A exportagao no ultimo anno comparada com a
do anterior, foi a seguinte :
1864.
Seceos de Sercos Verdes. De viado.
Goyaz. salgados.
Um Um Libra. Libra.
Portugal.. 11,475 3,976 651,665
Franga.... 990 23,382
Estados U-
nidos.... 6,532 375 384,317 113,313
Inglaterra. 14,000 534
Hamburgo. 357 29,812 2,192
32,007 6,023 1.089,206 115^505
1863.
Seceos dt Seceos Verdes. De viado.
Gouoz. sal jados.
Um Um Libra. Libra.
Portugal... 15,751 4,124 905,431
Franca.... 9,426 194
Italia...... 6,383
Estados U-
nidos... 6,095 540 52,203 107,611
laglaterra.. 1,258
Hamburgo. 2,886
41,801 4,858 957,654 107,611
Piassava.No primeiro do anno valla este gene-
ro 250OO por arroba e a este prego se cooservou
durante aljruns mezes depois baixou para 15800,
15600, 15400 e ltimamente a 15200 por arroba.
Exporlaram-se dorante o anno 13,140 arrobas e
no anterior 11,825 arrobas.
Salsa-parrilha.-A de Santarem foi sempre pro-
curada e regulou entre 235 e 265 por arroba. A
do Rio Negro esteve em abandono e fluetuou entre
105 e 165 por arroba.
Exportram se em todo o anno 3,48 arrobas, e
no anterior 3,883 arrobas.
Uruc. De boa qualidade foi sempre procurado
valendo de 75 a 85500 por arroba o ordinario ven-
deu-se de 453OO a 65- Estes pregos linda se con-
servara dependendo muito da qualidade.
A exportag total foi de 4,719 arrobas, e no an-
no anterior 5,291 arrobas.
Mel.Augmentou neste anao a exporlaco deste
producto que regulou entre 435 e 60-5 a pipa (por
libra 15400). ltimamente foi menos procurado e
o prego se lirmou em 155-
Exportaram-se 362,664 libras, e no anno ante-
162,014 libras.
Assucar.Era consequencia da exportagao que
ouve de mel, diminuto a deste artigo qu loi so-
mente de 13,556 arroba*, quando no anno anterior
foi de 23,592 arrobas. O prego do broto regulou
em principio de 25700 a 55800, depois baixou a
25200 e 25.
Cumar.Regulou entre 400 e 500 rs. por li-
bra e a exportagao foi de 15,121 libras e anno an-
terior 13,264 libras.
Grude de peixe.Houve pequea alterago nos
pregos deste artigo ; o de gurujuba sustentou-se
entre 255 e 285 por arroba, de pescada 225 a 255
e de pirahiba 165 205. A exportagao foi de 1,547
arrobas e no anno anterior 1,733.
Guaran.Foi sempre muito procurado aos ele-
vados precos de 25800 a 35 por libra. Exportaram-
se foi de 2,547 libras e no anno anterior 4,081
libras.
Cravo.Continua em completo abandono e o
pouco que veio ao mercado vendeu-se 45 a 55 por
arroba. A exportagao foi smente de 44 arrobas e
no anno anterior de 173 arrobas.
Puxury.Regulou 500 rs. por libra. Exporta-
ram-se 1,473 libras e 00 anuo anterior 640 libras.
Chapeos.De pallia de banbunassa do Per.
Exportaram-se em lodo o anno 92,965.
Cambios.Regularam-se duranle o anno os se-
guintes :
Mezes. Londres.
Janeiro.............48 a 28 X
Fevereiro e margo.. 27 3/^ a 28. .
Abril e maio....... 27 ^ a 28.
Junho a novembro.. 27 X a tf 3/-
Dezembro......... 27 % a 27 t/z-
Poli. Portugal.
por franco
Janeiro............ 346 rs. 94 a 96 %
Fevereiro e margo.. < < <
Abril e maio....... < 94 a 98
Junho a novembro.. 340 a 345 96 a 100 c
Dezembro.........345 a 350 t 97 a 100 t
Desceios.-At ontubro o mercado esteve sem-
pre folgado ; a taxa do descont nos bancos foi
primeiro de 9 a 10 por cento ao anno, e depois
flxou-se era nove por cento. Em outubro, em
consequencia das noticias da crise no Rio de Ja-
neiro e na Europa, comegaram os capitaes a retra-
liir-se e senlio-se nma forte pressao havendo dif-
flculdade nos descontos, regulando estes de 10 a
15 por cento, depois foi melhorando alguma coosa
e actualraento conservon-se de 10 a 12 por cento
ao anno.
O valor total da exportagao segundo os mappas
offlciaes foi de 6,279:2545 e era 1863 6,038:4975.
.0 movimento do porto foi o seguinte : Eulraram,
ao todo 205 navios mercantes. A saber :
Navios de vela. Ditos tapar.
Brasileiros.....40 32
Inglezes....... 74
Francezes.....23 a
Portnguezes.... 22
Dinamarqaezes. 6
Noraeguezes... 2 .
Americano .... 1
Venezuelano. .. 1
Hambnrgaez... 1
Hanoverianos. 2
Bremense...... 1
172 navios de vela 32 vapores
Sahh-am 165 navios. A saber :
Natos de vela. Ditos vapor
Brasileiros..... 37 30
Inglezes....... 71
Francezes.....23
T




=*P

Mario de Tcrmambuco Sexta felra i de Fevereiro de i 05.
=r
Portugtwj*.-....
Dioamarquezes.
Norueguezes...
Hanoverwaoj.;.
Americano ....
Yenexuelnoo.,..
Bremense......
3
t
t
t .
I.....
1
165 navios de vela
..- -J u 1IJ
>4tU<

X
30 vapores
*L JHL1
DIARIO DE PERWIMRUCO
Temos vista certas e jornaes do norte do im-
perio, Irazidos pelo vapor Apa, alcanzando os do
Para 22, os do Maranhio a >, os do Piautiy
13, os do Cear 57, es do RioGraode 29 e os
da Parahyba. 31 lo passado.
amazonas e PAR, Na caria do nosso corres-
pondente, era outra parte publicada, vera mencio-
nado quanto bccorreu-
MARANHAO.-L-se no Publicador:
c Val ser laneado ao mar no da 88 destf, s 6
e meta horas da tnanha, dos estatejros da fuudi-
cao, o vapor Das Vieira, da compaoba de naga-
>;o desia provincia.
Consta-oes que a testa martima ser feita cora
toda a solemnidade.
piauh .L-se na Liga Progresso :
sez da farinha de mandioca no mercado, e o preeo! de obscurecerle
aYfacciui? filia t.xn ilhiiln agcii nantfrn 'ilimanli. .. "
excessivo 4 que lean subido esse genero alimenti-
cio, notneou urna eoramisso eomposia ds Srs.
RaymiiHdo Antonio Borges, Dr. juiz de direito l'm-
belfiao Momia Je Oliveira Liuw e vigario Jos
Marques da Itocha, para que, no municipio deS.
GoncalO, pforaovatn a compra de 500 guaras ue
fanab a razo de 35500, no mximo, postas no
porto do ancorauouro do vapor Unissuhy, que de-
vora trazr, de volta da viagem marcada para o 1
de Janeiro, a farinha que fr possiyelcooiprar, ti-
caodo as quarias que rallaren) para completar o
numero prt-fixo para virera ea viagem seguale.
cbar.L se np Cearense :
< Os gneros, alimenticios acham-se por um pre-
eo exorbitante; a farraha est a 480 rs. a terca e
a carne verde 240 rs. a libra
Na cadea da, capital um famoso assassino cha-
mado Joaqun) Mar anuo da Silva, condemnado por
crime de homicidio na Granja, no da 26 esfaqueou
a um preso de nome Joo Zeiinuo da Silva, que ti-
oha corrido a defender, a ouiro chamado Joaquim
de Souza, que Marianno espaocou ; porque dizia
que este queui tmlia denunciado uua plano de le
vanta ment dos presos.
Este Marianno j o anuo pasudo esfaqueou
ouiro na cadvia, e parece que nem processado foi. >
Rip-r,RANDS K yahahvha. Nada occ.orreu que
mereca raencao.
do a assembla geral, oceupanfe ostros carg-) Fnlzach c so serihora. Gaetano de Meleta, Fratello
. Su* manootot wnhorfs, para honra nossa, semprc com distinecao e honradla, Ptanenco, Domenlco Vita, Angelo Mariane, Maj-zj-
impossivel realisar-se Eu o Ogurei smenle para Morrcu pobre...deixando imraersos em pro/oo- sano Vioaazo, Bernardo Sadao, Vicente Bezerr
apresentor eia ligeiros iracos o ^ negro da fuf da dr seus numerosos amigos, e faajilia, aqun Hottenagro, Antonio Bezerra Montenegro, Jota
gente medalha que orna totososBrasifeiros. Ass'un damos sinceros sentimentos. .Balitare Rolim, D. Mana Alexandrina Saotos Pe-
comp, sol o aamispfeerto tadttutey olloeou Deas b Hoje 3 do correte, s 9 1|2 hojas em ponto,' rlra, Manen! Gomes de Almeida Leite, Antonio-
escuro, e os mostr alternalrvamcnto ao homem effeetnar-se-ha o lellao do casco da barca tranten Jeaqoim Ferraz, Gandido Jos de Meara Jnior e
para mclhor recordar-lho o valor do astro crea- Les antis 4f.Saint Jmn de ti,por iutervencao do I eseravo, D. Marra AogHca Baabara dailWi^
dor; assim tamb.m, nao parecer desaso incon- agente Piolo porta da Associacio Comraercl!- Franol*de Assi< Pereira PreiM, Antonio Taiiei-
veaicncia la. r consideracoes peoesas qoe, cerlo, Hoja s 10 l|i horas deve/ comecar o le-: ra finio, ios An enio Teixeira Pinto e-sua seofco-
naaca se realisaro, mas que rememorara todo o laode movis annunciado por intervenro do agan-ln, JoajpMi Jos de Miranda, wa soqfcm, |6-
valor do patriotismo que abrasa o peitoBrasi- te Pinto, no Hospicio casa n. 48. ; Ihos, 1 criado e i escrava, Joo Nun^$_Teixeira,
loiro. Amanoa 4 do correte colebra o Rvd. ?i-
Provas estrondosas disse j sabemos que nos gario d'esta Qreguezia, o Sr. conegaVenanciaHan-
stao daado diversas provincias do Imperio: estou nques de Rexende, om officio parpohial por aiva
certo de que todas rivallsaro entre si conforme os dos bravos 4e Paysand.
seus meios, e possibilidades; todas poifiaro no -m Gelekr iguahDente n'osse (lia, s8 horas a
sagrado rmpenho de mostrar ao mundo que um ma titila, o Bvm. Antonio de Mello e Albuquerquel-le5* da Rocha, Elias Jos de Almeida, Bellaxmlno
povo liwe e civisado, como somos, nao pode ser j um missa, na Concelcao do Militares, por" alma Pinte de Artrojo, |Pedro da Silva Reg, Jos Tei-
Impunemente escarnecido por qualquer outro, o' dos mesmos bravos. xeiradaConha, Ajatonlp Caraeiro, Aoteoio Jos de
muito menos por aqu'elles que vivera sob o Jugo Na noote 8o i" do corrente percorreu algur Alineida Castor, Liiz Pereira Goocalves da Cunha,
do mais feroz disootismo, ou preff rera a anarchia mas ras desla d'esta cidadej s 9 horas, a banda Jlo Telxeira Macl ado, Flix Pereira de Souza, Joa
e licenca Hberdade, que s pode raanler-se pela de mnsica particular Unio Comrae.rcial en}
Inteira submisso Itl, respeito autoridade, e commemora^o do teito glorioso da tomada de
amor a ordem. i Paysand.
Pernarobuco, patria de tantos hroes que se sa- Amanba seexirabir a V parte da 4" lotera
criflcaro pela dignidade do paiz. pela sustenlajap do theatro-(4').
dos seus direitos; patria de estadistas eminentes, e Relaco dos baptisados havidos dorante q
de urna pleiadr- brilnante de homens Hlustrados, mez de janeiro do 1863, na matriz do Saniissimo
distioctos; l'ernambuco, rico do todas as riquezas, o, Sacramento de Santo Antonio do Recife.
de urna populacho numerosa, briosa e patritica ;, Manoel, braneo, filho legitimo de Manoel Luiz
Goocalves e D. Mafia Candida Goncalvs.
pre servio du faaa^ as emprezas grandiosas, oao Manoel, braoco, filho legitimo de Jos-Lopes Ma-
aj chado e 0. Candida Rosa Goncalves Machado.
Boato Joaquim de Medeiros, Laurontino Peixoto do
MendoMt, Antoni > Joaquim de MSto, Jos Joaqol
; de Ol I quim Fwaclsco da! Souza, Justino da il*a Cardoio,
I sna seikaia e 2 ekravos, Manoel Jos do Fartat,

i
PERNAMRUCO.
REVISTA DIAIIA.
Antes de hontein nouteteV lugar em pa-
lacio urna explendida reuniode mais de clncoen-
ta cidadaos, entre os quaes se nolavam senadores,
deputadus geracs e pruvinciaos, os dous ltimos
presidentes desta provincia,: Drs. Souza Leao e
Silveira de Souza, commandante das armas, com-
mandante superior interino da guarda nacional,
varios chefes dos corpos da mesma guarda, o Dr.
chele de polica, di rector-gera dos indios, inspe-
ctor do arsenal de mariuha, director do arsenal de
guerra ele; convidados lodos por S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, para trataren] da organisaco
dos corpos de Voluntarios da Patria, de que trata
o decreto n. 3371.
S. V.xe. expoz o objecto da reuniao em oro bri-
Ibaote discurso, no qual invocndoos bros-e o va-
lor histrico dos Pernambucanos, termiuou mani-
festando a crenca, em qoe eslava de que l'ernam-
buco nao deix^ra de acompanhar-as oulras provin-
cias suas irmes, em ir desaggr&var a honra na-
cional ultrajada pelo Paraguay.
Depois de S". Bxc, os Srs. Dre. Sabino, Silveira
de Souza, Souza Leo,-Loureiro, vs<:onde de .-uas-
suna, Drs. Feitosa, Jacobina, Brandao, Serafieo,
Silvino, ten en te-coronal Domingos Al ves Matheus
e omros fallaran) com o enthusiasrao patritico, de
que se sent animado lodo o Pernamlmcno. quan-
do se Ibe-recordam os fetos que immortalisaram,
e os louros de que se cobriram os seus antepassa-
dos.
Esse sentimento de acrysolado patriotismo, que
domiuava a lodos bem dava a conherer que l'er-
nambuco com elTeilo, nao tem esquecido as suas
gloriosas tradircoes.
O Sr. Dr. Feitosa na occasiao em que declarava
com a eloqueocia do patriotismo, que os bros dos
Pernambucanos nao esta vara arrehecidos, of-
fcreeeu um dos seus filhos para Voluntario da
Patria.
To bello c nobre exemplo ha de ser seguido
sem duvida por inultos oulros.
A's ooxe horas da noole reliraratn-se tsdos os
convidados (irotestaodo S. Exc a mais boa vonla-
de e solicilude de o auxiliar na organisaco dos
corpos de Voluntarios da Patria, enpregando cada
um iicllcs todos os meios de qua podessem dispor,
afim de que o numero de voluntarios fosse o maior
possivel.
Eis o discurso pronuneiado por S. Exc. :
t Senkorts.Sao bem conhecidas entre vos as
circunstancias melindrosas do paiz.
Bous estados visinbos, um dos quaes princi-
palmente tem o Brasil tantas vezes estendido a
mo generosa de amigo e protector, respondendo
com favores e larguezas insultos e-aggressoes,
atiraram-nos a luva do desafio, a afronta do sel-
vagem.
Essa luva forca foi aceita-la: essa afronta pre-
ciso vinga-la; e vmga-la de urna raaneira to
completa que. sirva de lico proficua no futuro,
que dissipe todas as Musties e de.strua pela bae
os elenieutos dessa lula surda, dessa m voniade,
que a tantos anuos nos incommoda espreia o
momento azado de manifestar-.-.'.
Para realisar es.-e importante empenho precisa-
mos de exercito e armada; e bem sabido que
ambas as cousas nos faltam.
-Naco nova, cheia de aspiracoes, serjuiosa de
melhorameotos, possuidora das bellas wstituicoes
quo a todos abrem vasto campo, nao teodo podido
lavra-lo em toda a sua exlincao, temos, em nossa
descuidosa boa fe e-amor da paz, negigeoeiado
aquella parte desse campo que parece mais desti-
nada guerra do que aos progressos pacifico*.
Anda assim, nao sao os nossos actuaes recursos
bellicos to escassos, que nao possamos com el les
reprimir o inimigo, ereduzi-lo a paz.
Mas,-nao basta isso. Em face do strangeiro,
os BrasTleiros devem espontanea e promplameotc
erguer-se como na s hornera; devemsquecer
ilodas as queixas, desgoslos, divergencias edescor-
dias que osdividem; devem consultar sroente o
amor da patria,-que abunda em seus peitos; medi-
tar sobre as con6equeoeias do seu procedimento; e
cecordar-se de que os seus feitos bons e mus vi ve-
rao na historia, e serao Iransmillidos da geraco
actual z geracoes viodouras, resplaodeceotes de
glorias e de Iovor, ou coberlos de vituperio e
maidi^oeo.
Da atutude que temarem os Brasileiros na pre^
sent conjunctura, depender, em boa parte, osen
futuro.
Unidos, _e eorrendo pressurosos ao aerificio,
con vencero o estrangewo o a todo o mundo de qae
no Brasil na patriotismo, espirito nacional, e torea
La:-taDte_ para so fazer respetar; projecios d
usurpar*, de predominio, de influencia indebita
abortaro^ os iniroigos prestes se renderio; os
suspeioseindirTerentes poderlo tornar-se auxilia-
res e amigos; urna paz estawel e fecunda se firma-
r sobre triumphos gloriosos incruentos; a coo-
fianca no oyetema que felizmente nos rege cresce-
r; mas -se ewaisar nos coraeSe's Brasileiros o
profundo, reconfcecido e justo amor que votamos
L'nio do Imperto, Dynaslia Imperial e ao Magn-
nimo Soberano que por sua illusSac^o, patriotismo
e virtudes, honra a sna patria como honrara
inaior naci do mundo ; e aos nossos filhos dare-
PSrnambueo .tomar, na primeira plana, a eleva
da pos i cao que Ihe "compele, nonhuma ootra
irmaa ceder o passo em Vdicacao causa nacio-
nal, e no herosmo do sacrificio por ella deman-
dados. /
Anda desta vez, como de oulras, os Pernambu-
canos prestaro importantes servidos ao pan, se
cobrlro do glorias, 0 enviaro seus nomos aben-
fondos posteridade recoubecida.J
Vos, senhores, sois os dignos representantes des-
ta bella provincia, aquelles que nestes ltimos
Aana, branca, ftiha legitima de Jos Joaquim da
Cunha Guimares e D. Maria da Lu Leite Cu-
nda Guimares.
Jos, crioulo, filho natural de Marianna da Con-
cento.
Joao, braneo, tlbo legitimo do Janoario Jos Vel-
loso e Jeanna Zeferina de Barros.
salnstiano, crioulo, filho natural de Maria da
Pm.
Isabel, crioula, filha de Adriana, escrava de Joio
Jos da Silveira.
lempos tem tido a cargo os seus negocios, ou que {Jos, braneo, filho legitimo de Jos Firme Xavier
mais particularmente eslo encarrexadoa de crear
contingentes paralo exercito e armada : eu me soc-
corro a vossas luzes e patriotismo para que me
auxiliis com vossos sabios cooseihos e valioso
apoio no desempenho da honrosa larefa, que me
fot incumbida pelo governo imperial, de promover
o aslameuto do voluntarios para o nosso. exer-
cito.
- Foi para este fim especialmente qoe vos convo-
quei ; e tendo a grande salisfacao de me ver cer-
cado de vos, aproveito a occ3 lao para asoegu-
rar-vos que durante mitiha admlnistragao. procu-
rare! senpre iospirar-me nos principios do justo e
do honesto, e.no respeito religioso, todos os direi-
tos ; gnardiiruk) as precisas conveniencias polti-
cas comi>aiivci8 com aquelles principios director
res; considerando lodos os homens honestos e dis-
tiricies |ior sens merecimenlos e sjtvicos; promo-
vendo, qqanto couber era rainhas debis forcaa, os
melhorainenius ni,.raes e melerias da provincia,
sempre com o maior zelo e-economia dos dinhei-
ros pblicos.
>e realisar esto intento estou certo do que me-
reeerei vossa coadjuvagau e leal apoio, assim co-
mo da provincia, na qual reconheco tantos homens
Ilustres e respeitaveis, cujas mais viras aspiracSts
e desejos devem ficar sjtisfeilas.
Nao me incommodara a critica coramedida e de-
cente ; antes a considerare! um prestimoso auxi-
liar : njis peco indulgencia para os meiis erros,
quo serao muitns, quando um imparcial exaroe
nao Ibes descobrir m vonlade, ou. reprovada iq-
curia,
Palacio do governo de Pernambuco, i de feve-
reiro de 1865.
Informam-nos que em um sotao do beoco da
Cacimba existe urna morphetica de nome Isabel,
que ja se ada com os tubrculos em cbagaf.;
assim.umpre que saja % mesma mulher tria-i. ri-
da para os Lazaros, arlm de evitar o incotnmodq
que all causa cora a sua molestia, a cpm as in>
mudicias, que (anca rua de continuo.
A polica local pode fazer alguma cou-.i m-.-te
senlido.
Seguio no Paran para o norte o Emii. bispo
do Par^, p. Antonio de Macado Costa.
Uasejaraos prospera viagem S. Exc. Rvma.
i Furaip encontrados a 8 de Janeiro na lat. X.
22" 10' e loog. 0.24 42' agalera brmense mear,
que de Matamoros segua com 20 diaspara. Valpa-
raso a Ifi na lat. N,.3 30' a tbng. O. 24 SO" a
galera ingleza Suma- Clond, qna | de. Leith viajava
para.Melbonrnn j coro 27 das ; e a.2o.na lat. S.
3-e long. O. 2 20' a galera, tibieza Gallaway,
que ia de Sheilas para Bombay cora 32 dj.as.
No dia 19 do corrente mez tem logara festr-
vidad.e de Nossa Senhora das Ironteiras, na igreja
da Estanoia.
Seguio hontem bordo do vapor. Apa-para o
-ni o 9 baialho de infaolaria, que all vai aug-
mentar a collioita de louros que o nosso exercito
tem sabido conquistar por sua galhardia e denodo
marcial.
Pede-nos que chamemos a atlencao do Dr.
vigario capitular, para o estado em que acha-se a
igreja de Santo Amaro, cujo asseio nos paramentos
tal que assegura-so-nos era breve nao poder-se
celebrar nella e santo sacrificio da missa.
Se isto real, coalrisia por certo, que dentro de
orna cidade tao religiosa d-se desses zelos : o
que nao havera por essas igrejas do matto I
Entretanto, hora seria que, havendo-se do ins-
peccionarse isso, estendesse-se essa inspeccao
todas as demais igrejas mesmo desta capital e seus
arrabaldes ao menos, j queas do interior talvez
seja impossivel, afim de vrsate ha o preciso cui-
dado nessas cousas tendentes ao sacrificio dos al-
tares.
Consta-nos que em Gameleira ha urna meia
estollaou capellana, para acudir os batisados e
confisses que apparecam, visto que ete lugar
dala nove legoas da sede da freguezia, o popu-
loso : sto foi contratado pelo respectivo vigario,
que redebe por este motivo 206$ annuaes de nm
sacerdote, que c incumbido da referida capellana.
Entretanto, havendo alli um capello o qual per-
cebe lodos os emolumentos de baptisados, ele, ele.
deixa de haver missa nos domingos e das santifi-
cados, a nao ser contratado algum sacerdote pelos
habitantes daquilla-poveacao, como tem acontecido
por vezes, e pdem certificar os Rvds. padres Joao
Gomes, Lima Buarque e ltimamente o Rvd. Mello
e Albuquerque, que disse alli a segunda missa do
natal.
E como parece-nos que essas capellanas) sao es-
tablecidas para salisfazerenj no todo o alimento
espiritual, mol mente quando o logar dista raoilo
da sede da freguezia, como o est Gameleira, e
como neste aliraeuto espiritual esteja compreben-
dida a missa, de necessidade que quera compete,
entre np conhecimenlo desso negocio e d remedio
se o mal admitte-o.
De Pao d'Alho nos escrevem em data do 2B
do passado:
Principiare! pela Gloria do Goit> donde ni
dizem o segninte :
< Estamos a estallar de sede, a agua que aqu
havij acabou se, e quem quer beber, ou val buscar
a quasi duas leguas de distancia, ou compra por
subido prego aos que trazem em cargas para ne-
gocio.
t O progresso que qulz transformar em villa
este pobre povoado, esquecen-se daquillo de que
realmente precisamos. L'm a$ude, pois, certo que
anda no invern nao f.iltu essa necessidade, por
ser de postuma quaiidade a que ento existe. Gomo
actualmente ludo se resolve em algodo, ha em
cada casa esta povoaco um engenho de descaro-
car, e em cada canto tulbas de carocos, que ou
sao queimadas e deixam um cheiro insupporlavel,
ou apodrecem, e'vao empastar as cacimbas e pocos
que nos do agua, e o peiop de tudo a nossa nu-
triz qu est a desabaj, e j nella nao se diz mis-
sa, pois esta elebra-se na capella do cem-
terio.
Em Pao d'Alho o que ba, o reerotamento,
como em toda a parte, em grande escalla.
Dormein no matio at os vadios.
O recrutamento um imposts de saogue :
eonvm que os executores delle o tornero menos
n
mos'm eximplo'nonroso e iiimorTtjuroJ'qae fr- od,1oso' f*ocedendo con tnnita descripcao e eseru
mar parte preciosissima de sua educac. recor- pu io,eom aP1>ar e escusa, que a cesto-
daco gralissima de seus das, a heranca valiosafma ? ^ ,nl.to Pna-Se guardas as fontes e
de perpectua traDsmissio. prendendo-se at nos rocanos os qoe esli traba-
Desunidos os Brasileiros, surdos aog reclamos ,D,ndo' eA "'ndo-se o eneacregados da oceasiao,
da patria, indilTerenies aos seus gemidos, inseosi- pa? *,a""i o le encommenda.
veis aos insultos e afrontas mais irritantes qua, rallem geral.
Ibes lanca o estrangeiro, descerJo abaixo dos pri-1 Da Parahyba consta-nos osoguiota :
a Anna Bermira Xavier.
Manoel, braneo, filho legitimo do Hermogenes
Norberio de Gusmo e Salustiana Garca do
AlMaV
Augusto, braneo, filho legitimo de Francisco Per-
reir da Rocha Leal e alara Bernardina da Ro-
cha Leal.
Maria, branca, filha de Hercolano Angosto de Oli-
veira e Luciana Mara da Ganceicio.
Pedro, pardo, filho de Florinda, escrava de Maria
Anglica da Silva Almeida.
Ambrosio, pardo, filha de Sabina, escrava de Ga-
briel Antonio.
Alexandrina, parda, filha legitima de Elias da Ro-
cha Pereira e Alexandrina Firmina da Concelcao
Pereirtv
Maria, branca, filha legitima de Antonio Luiz Fer-
reira Guimares e Antonia Gomes Coutinho.
Antonio, pardo, fimo natural de Jeanna Maria da
Coneeico.
Lenidas, crioula, filha de Clemencia, escrava de
Mara Libania Cavalcante Llns.
Luduvina, crioula, filha de Martlia, escrava de
Joo Florentino Cavalcante dMInuqaervtoe.
Joio, braneo, Iriho legitimo -de- Constantino Antonio
Gomes e Maria. Joaquina da Rosa.
Francisra, brancti, filha legitima de Francisco Jos
dos Santos Juator Anna RoM* d Coste Mon-
teiro. ......
Joo, braneo, filho. legitimo da Joao Manoel Rodri-
gues o-Maria da Con ce i cao Botdho.
Maria, parda, escrava, filha de Isidora, escrava de
Jos Joaquim tenes d'Abreu.
Manoel, braneo, Stho legitimo de Mauricio Este-
mes Al ves Pereira e Emilia Adelaide de Figuei-
redo. 'v >
Gabino, braneo, filho natural de Jesenha Emilia
das Naves.
Vrdnia, parda, filba natural de Felicia Soares de
BrBo. i
Ignez parda, filha de Catharina, escrava de Roa*
Maria da Casta Carvalbo.
Jos, pardo, filho natural de Laiza, escrava de
Jos Luiz Siqueira. Caaleante.
Avelina, branca, fima natural de Juvina Mara da
Conceigao. I'
Joanna, branca, lilha lecitima de Jos dos Santos
Olivoira e Anna Gandida Bastos de Oliveira.
Rosa, parda, filha legitima de Veliz Francisco Jos
e Ana* Mara da'Gonceicao, o escravos le An-
tonio Jos Arante,'
Maria, parda, tilaa de Siivma, escrava de Josepba
Bemvmda da (kinUa bouto Maior.
Rapbael, semibraneo, filho legitime de Jos Fran-
cisco Ribeiro Roma e Rosalina Clara d'Ollveira
Roma.
Luiz, braneo, filho legitimo de Francisco Alves
Monttiro Jnior e Francisca Poriiria Marlins
Monleiro.
Maria, branca, filha legitima de Francisco Alves
Monteiro Junios e Francisca Porfiria Martins
Monteiro.
Urna filha legitima de Jos Morera Ramos : li-
cenca.
Urna filha legitima de Antonio Pernandes da Silva:
licenca.
Casamentes :
Jos Francisco Soares cora Francelioa do Nasci-
mento do Amor Divino.
Josephe Grosjeen cora Isabel Florinda da Silva.
Joao Felippo de Santeago com Maria da Concei-
gao.
O viagario V. 1. de Resende.
REPABTICAO OA POLICA I
Extracto das partes do dia 1 de fevereiro de
1865.
Foram recolhido casa de delenco no dia 31
do crreme :
A' ordera do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Mar-
tinho, eseravo de Laurentlno Jos de Miranda, viu-
do das Alagoast por fgido.
A' ordem do subdelegado do Becife, Leoncio
Amahcio de Carvalho, Mancl Joo Aolunes, por
briga ; Pedro da Costa, para correceo; e Jos, es-
eravo de Francisco Bezerra de Vasconcellos, por
fgida *
A' ordera do da Magdalena, Francisco Pinto Bor-
ges para correceo.
0 chefe da segunda eccao,
J. G, de. Uesqmta.
Passageiros do vapor ftrasilero Paran, sa-
ludo para os portes do norte :Ago>iioho da -~iva
e 1 eseravo, Domingos Alves Serapio da Silva, Al-
fred Webir, Maaoel Duarte Rodrigues e 1 filho,
Thimoteo Pradere el filho, Jos dafilva uoeiho,
Antonio Jos i'ereira Carneiro, Joao Francisco da
Coste. Manoel de Oliveira Lima, coaselheiro Anto-
nio Coelho de S e Albuquerque, 2 escravos Da-
vid, Eduardo e I criado, Jos Paulino do Castro Mar
deros, Antonio Chiarelii Caino, Uernardino Doine-
mio Grizo, Agrelli Antonio, Jernimo Jos de V.
Xetto, Manoel Honorato Bernardo, Leopoldo Cesar
Banard e 1 criado, Mareos Jos da Silva.
Passageiros vindos no vapor, nacional Apa,
dos portos do norte :Baro de Mara, t filho, i
neito menor e 2 escravos, commendador Francisco
Alves de ouza Carvajho e 1 eseravo,. D. Levno
Pinto Brandao, -sea senhora! e 1 criada, Antonio
Benevides Seabra de Mello, Antonio Alvaro Fer-
reirada Silva, Jesuino Adolpbo da Silva, Miguel
Lucas da Costa, Cosme Antonio de Lima, Daniel
Alves de Lima, Albino Jos de Farias, Jos Maxi-
miano Barroso, Antonio Bezerra da Cbsta Moraes,
Ildefonso Eaoc Barrete e 1 eseravo, Melquades
Pereira dos Santos, Francisco da G. Castello Braneo
e 1 eseravo, Antonio Jansen de Mallos e sua escra-
va, Felippe Magini, Laura Rosa, Lucinio Nicolao,
Reborl Guiseppe, Fraocisco Jos de Magalhaes,
Ursuline Jos:Tavares; Manoel Gomes Moreira, Ma-
noel Joaquim da Silva Moreira, Feliciano Goncal-
ves de Lima, Joo Bernardo do Sobral, Jos Fran-
cisco de Farias, Cypriano Antonio Rodrigues, An
tomo Pereira de Castro Jnior, Amonio Joeqtnw
de Barros Sobriano, Joaquim Jos Veaannio, La-
dislao de Souza. Santiago, Jos do Porto Vieira,
Claudino do Reg Barras Victorino Pereira
Maia.
Seguem para o sul :Dr. Antonio Manoel de
Mello Arago e 1 criado, Eduardo Parles, Pedro
Augusto Borges, Antonio Eduardo Brrelo e 1 es-
eravo, Vicente He arique Tneberge, utu i cadete,
daos ditos, 133 recrulas paca o exercito, 48 dilos
para a marioha e i escravos a entregar.
Passageiros do *apor Paran, entrados do Rio
e portes intermedios :
i Capito Nieaeio Alvares de Souza, sua senhora,
irma, e 3 filhos, Franaisco Alves de Brito Maior'
, sqa sealtora, 2 filhos e 4 eseravaa, Francisco Ante-
i no ViPira Caldas, Adolpho Carlos Sanchas, Manoel'
raram 18, sahiram 19, raorre-
m : 1 de febre typhoide, I de
e 1 de gastro hepatite sphenlte.
quim Lms Goelho, Jos Mariiasda Silva.Silva Leao,
Manoel Pinto Bacillar, 2 ex-pracas do enereHo, t
eseravo a entrega*-, 1 dito acompanhado com uma
praca de polica.
Seguem para t> aorto;
0 Exm. Sr. bi; po do Para, e 1 criado, conego
Luiz Barroso de astos, Fr. Lniz de Gaibro, Dr.
Joo Jos Vieira, Dr. Joaquim Mandes da Cruz:
Guimares Dr. Miguel Viejra Ferraira, pileta da
armada Affonso Hpnriques de Albuquerque e Mel-
lo, Manoel Marqus Teixeira,|Fraocisco P. Klim ,
Black Bois Jacques, Joseph L-, Theophilo Joaqorm
de Lima, Marco Blok, 2 sargentos de imperiaes
marinheiros, Mara Jaqaina, I ex-praca de ma-
rioha.
Movimento (jo hospital Portuguez de Benefi-
cencia, no mez de Janeiro, sob a direccao do Dr.
Pi tanga :
Existan) 31, e
ram 3, existem 2'
Oj faUeciVs fo
pulmona chrooic,
Movimento
Janeiro de 1865.
Existiam preso^
exislem 383.
A saber : narjionaes
mulheres 3 ; estr
vas 8 -Total 38o.
Alimentados usta dos cofres provinciaes 133".
Movimento da enfermara do di 2 de fevereiro
d 186.
Teve baixa :
Jos Antonio dos pantos, bronchite.
Demonstrarao do movimento do hospital de
Nossa Senhora da Conceteo dos Lazaros, do" l.'a
3ldejaoeirodel863.
Existiam 1* himens e 16 mulheres.Morreu i
homem.Total dw que existem. 26.
Observace.
Jos Francisco dos Santos, Portugal, idade 27
annos, soltelro, entrn a 30 de abril de 858, e
allecen a 12 de janeiro de 1865.
Existern empreados
1 capel (So.
1 medico.
i regente e naja idera.
1 CQzinhqlro.
2 srvenles.Tptal 7.O mordomo d, mez> ^-
J. Gomes do Com w. -O regente, t?iniz Ignacio P.
Atraudega
ndimentodo da 1............ 40:8174381
Movimento da alfandega
Voluraeseniradoscom(aieBdas... 278
f pon (eneros.,. 43
Volamos sahideoeom fazendas...
> com gneros ...
-----738
iSt
94
------826
Descarregam no dia 3 de levereirode 1865.
Brigae inzlezWot.'afr-mercaderas.
Barca ingleza=Tono e/' Liverpool-iea.
Brigne inglezuinot idem.
JBrlgue inglezFlorittediversos gneros.
1 Barca portu^aezai|w^f U diversos gneros.
Escuna togleza-ttispta RzHirr-ulem.
Patacho inglez-Patlk Mu).
Barcaia^tiA-Uimm^cif^a,
PaUcho inglez M. E. Corming ftem.
Barca ingleza^-S/f/afiaia6.
Barca mglezaO/d'eiwln-liera.
Barca inglrza-CAansn idwa.
Barca ngleza-Amatojae-fclem.
Barca iQtfmWilhamnHm.
Pataeho ingles- Ma4m~ i dea.
Brigne dinamarquex Odin1.
TABELLA DO RENMMENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBUCO NO WEt DE JANEIRO DO
CORIlBSXEAiO F13A3CE10 COMPARADO COJ QaDE IGUAES-MfiZES DOS DOUS ANNOS
LTIMOS.

C Dlretos de consumo........
Ditos aoMicionaes do 5 %......
Sitos addicionaes de i "/,......
itos de baldeaco c ecxportacao .
Ditos de ditos e reexportacao para a Costa.
d*Ahie...........
Expediento dos gneros estrangeiros nave-
gados por cabotaaeot. .......
Ditos dos gneros do paiz......
Ditos dos gneros livres.......
Arioazenagens,..........
Premio dos assignados .
4 Despaoh martimo.
Ancoragem...........
ireitos de rS % das orabareacoes estrangei-
ras que passam a nacionaes.....
Ditos de 5 % na compra e venda das ernbar-
caedes .............
Bxportacao.
Direitos de 15",%do pao Brasil '. .
a casa de deienjo do dia 31 de i Direitosde 7 % de exportacao
^, Ditos de 2 % idem .
4; entraram 6 ; sahiram 15;! Dtos de % de ouro em barra
.
311; estrangeiros 18 ?
Sageiras 2; escravos 46 escra-

Satiio.
NOVO DiXCO DE PERNAMBUCO.
Ualaaceto do Nam Banca e Pernambuc em al1
Janeiro de 484$.
ACTIVO
publica........ 708:6725481
le Pedro II......
d Babia-........
Apolicea da divitfl
Estrada de ferr
Eslrda de ferro
Deposito ...
Jeina depositadas. .
Tirulos depositados. .
Letras caucionad as .
Letras desconta
Letras receber
Letras protestnclas
Banco da Baha ?
Aluguel.de casa
Fornecimento
Premios de sMues
Despezas geraes
CsU.
(Ins.
m
/C
'
'
. .
. ,
.
144:0003000
131:074
72: ,
5:735^280
72:6822H
4:530,5000
2:028:3985^13
....
49:73H35.
223:9205342
217:809512.')
1:837*560
5:0005000
6:2535716
, 1I;3125279
......... *^W
Res. 4,098:4465352
e remessas
fASSIVO.
Capital..........2,000:0005000
Em cidcula-
c3o I-----1,190:8305
Emcafixa.. 9:1505
------------1,200:0005000
Depsitos da directo .... 72:0005000
Lenas por dirjbeiro recebido a
juros ...... ..................
Conlns correnta com juros .
Conta correte*iraliles..........
Funda de reserva......
Tilulos em caupao.....
Knowles & Fotter, ( e Londres.)
Banco da Babia S/C .
baques___
Massas fallidas)
Dividendos;
loros.........
Juros da ganntia
Descontos.... '
cargo do Banco.
de emissao.
15:125*300
4'0:1365355
258:3635601
113:4475600
78:4175331
155270
136:6985953
29:756&z9
1-. 3565361
4:660-5000
22:3365073
2l7605000
104:8735090
Ris. 4,098:465332
Estado da caixa.
Em ouro amiedado.....386:8865000
Em notas do fhesouro de 105000
e m'iores.
En) ditas nie ores de 105
caixa filial do Ba-
il.
Novo
Em notas da|
co do Bra
Era notas di
Banco de
na nt bur
21 de 20051
37 de 1005
25 de 505
3:4305000
1:7605000
8:1105000
Ditos de ll- dos diamantes.
Expediente das capatazias. .
Interior.
^faltas........ .
Sello do papel fixo ....
Bito do papel proporcional. .
Emolumentos......
Imposto dos despachantes .
Extraordinaria.
Receila eventual.....

Dizimos da provincia das Alagas. .
Ditos da provincia da Parahyba ... .
I)Ujs da provincia do Rio Granito do Norte.
Contribuicao de caridade .. v .... .
?.
i: ,IJ
1864 1365
513:2525478
68:8265033
1475388
3465187
1:5465364
5:8385716
9235769
1:5785424
3:5315000
1685750
2005600
5
170:7285999
5
5
5
2:1705320
9485775
4385200
2195210
405000
1565250
771:0615063
4:7725791
13:4265824
3:6415409
4485855
795:3505942
1863 1864
351:7315425
45:4695212
1135660
225HOJ

8085424
3:54054901
575260
1:2555136
5
JTtJvOpDO
5
105000
5
164:2825699
5

1:4255900
3365974
52853
2425410
515000
2005000
245000
3495140
243705942
2225174
3.-fl45520'J
5
3:1965800
3J3:8i7
5:8}
10:47
5635427
3715357
801:0935481
1862 183
' .----------
373:098576
46:0275163
515297
631009
5
2205OOO
5
114:547507%
5 1
*
i 5
1:1405MO
4255348
645530
272505*
63580O
2435750
4*5049
54:77528
6:8415787
3:8215704
2:1545490
1705626
559:7155152
AMandega de Pornarobaco, 31 de Janeiro de 1865.
.
03<
escriptnrario,

Joao Bernarda Bima Peesoa.
iMportaco.
Brigne inglez Efyrisl, entrado de-Liverpool,- con-
signado a Rothe 4 Bidoulac, maife=tou o .se-
grate :
969 caixas qaefjos, 250 barrilnhos a 1 caix-
nha plvora, 250 barras de ferro; a Patea Nash
4 C.
2>barrcas eerveja, Ifl.cajxas.cooservas, % ditas
queijos'; a T. T. Bastos.
' 1 cafta arreos, 1 volme Iouga, 3 caixas ferra-
mepla de agricultura, 2 rodas i a Amorioi Ir-
ma us.
6 b/ricas eerveja, I caixa queijos, 1 dita pre-
suntos ; a M Pedro de Mello.
50 barricas cimento, 2 ditas vlvulas de few,
50 -barras de chumbo, 20 lates oleo de linuaga.:
Thomaz de Aqulno Fonseca.
140 barricas eerveja ; a J. Pater.
5 ditas dita, 10 ditas oleo de linhanca, 20 ditas
azarcao, 3-ditas senne, 5 ditas tinta, 100 barrili-1
nhos salitres barricas llthargizio, 1 caixa seda, 3 ,
ditas mantimnlos, 1. dita q'uioino, 1 dita chapeos
de sol de seda, 200 ditas vidros para vldraca, 20
ditas cognac, 3 ditas agurdente ; a ordem.
206 sarcos arroz, 50 caixas eerveja ; a Thom B.
iSt Koherts.
10 caixas blscoutps.I dita ferrameote, para agri-
cultura ;' a Tasso Irmos.
1 caixa piano, 1 dita fogo de ferro ; a Carneiro
& Nogueira.
30
_ 9 fardos saecos para assucar
laa; a Adamson rlowie ( CL.
130 oaixas sabio, 20 ditas
& C.
16 fardos e
llnbo, lencos
Wlld.
i'caiw e I
ib
i. dilA tocido de
cha; a J. Pater
caixas tecidos de afedio e da
le dfto e weaojinai \- Di S.
barrica, ferrace, f, caiu laxas de
metal; a J. A. Moreira Dta i&'C,
20 volumes barrilha caustica, 20 barris brea;
Maia t EspiritoSanto.
Sumaca nacional Afli'aentr4d"a da,Babia, oon-
signada a Marques Barros &, C, manifeou o
seguinte:
Gneros esjrajigeirot, ,.
7 pipas ramo moido; a Merjson & C
32 caixas e 243 barricas eerveja; Henry
MHR
500 garrafoes vasios; a Pajraeira Si Bellrao.
100 caixas eerveja, ipipas, 2 metas'e 60 barr
vinho; a ordem.
200 garrafoes.vasios; a Jos VJc'ejtte de Lima.
10 eaixas brim de lioho, chales de lae cassasi
a Schafheitim C.
2 caixas chales de 13a; e Sanny & C,
___ Gneros nacionaes.
260 caixinhas charutos: a Manoel Joannim R. a
Silva drGenros.
34 f*rdos fnmo era folha, 4 paos de dito era.
rollo. 200 saceos arinba de mandioca, 125 dilos
) barris oleo de linhanca, 8 ditos flus preto; de caf, 300 baiScs para doce, 20. tainas, 500 quar-
caixas miudezas; a Linden
L. Jos da Costa Amo-
d Per-
.sendo :
Em (rata e obre.
4:2005
3:7005
1:2505
9:1505000
6:0975433
*
Ris. 415:4335133
3348 notas c o valor de
4159 >
2290
mon>lrarao da emisso.
mn ,r L^-l nabu*D,f8 ,^\Pssf *** 5 Depois de longos soTr.motitos den alma ao Cret; Jeronymo Gongalves, AntooioOlavo deAranjoGei
Z?nnv; ^ID*g^S-aS,^ID,ofspr(tfnas ^s<> da 26 do mez jwssado, as 7 1,2 horas fe! Ruy Barbara, Maaaal Gareg BaraunN Jos de OU-
hXL^fii^ /,e,11,aPtem CT-pre' ffWM* P luto-Sr Joao Ribeiro de Vaconcelto, velra Maior, Lciz Yiaona,Joi;MarcellDodeSousa,
ftender os seus direitos e deyerea; tornar-se;liao a Pessoa, contando 69 anuos de idade. D. Anna da Lu Ricarda I escrava, D Candidn
lhaXfmWo^doVVei'I-re!0*',rkeza eft8r,' Q DVlQ.eri extrema**considerido a'e*tee Joaquim feMoraes,.Sima lha do ambiciosos e deiurio ss bu sem na- 'a4uelJ^,iaviaa%pan^ji;jifl|eiio desala-1 mingos Fwpeira Mata, Gabriel Foureadet; croal

>
200*5000
1005000
505000
669:6005000
415:9005000
114:5005000
Ris 1,200:0005000
, O.guarda livros,
Francisco Joaquim Pereira Pinto.
PUBUCAGES 1 PEDIDO.
Por a<
S
a Joao da Silva Faria.
55 rollos esleirs 2
Wild.
20 caixas canella; a
rim.
32 caixas cha ; a Saunders Brothers & C
1 dita chapeos de sol; a F. Sauvage & C.
2 barris vinho ; a Th Jefferiei.
16 ditos oleo de linhaca; a Joaquim M. da Cruz
Correia.
30 barrilnhos chumbo de munigo, 30 barris
salitre ; a Isidoro Netto & C
500 barrilnhos plvora ; a S. P. Johnston
& C.
30 barris pixe; a Prente Vianna.
600 barrilnhos plvora; a Adamson Howie
& C.
33 caixas queijos ; a Rothe &,BidDUJac.
26.barris salitre, 4 ditos az.i'rco, 10 ditos oleo
de linhaca; .Caors 4 Barbosa,
3 caixas pannos para forro de sala ; a Maia 4
Espirito Santo.
Patacho inglez Elizabelh Barter, entrado de Li-
verpool, consignado a Greenup i Scbwind, roani-
festou o seguinte :
48 fardos e 29 caixas tecido de algodo e cober-
tores de dito; 50 toneladas carvo de pedra; a
Greenup & Schwind.
10 barricas eerveja; a Wtlson & Hetle.
2 barricas dobradicas, 4 ditas cuteleria, 5 dilas
e 1 caixa ferragens, 4 ditas sellos e 40 fardos teci-
dos jle algodao; a Paln Nash & C.
25 barris eerveja, 10 ditos manteiga; a J. G.
Fon te.
30 barris maoteica, 10 ditos breu, 10 ditos oleo
de linhaca, 8 caixas presuntos; a M. J. R. e Silva
& Genros.
5 caixas tecido de algodo; a Braga Sou &. C.
20 caixas e 30 fardos linha e tecido de algodo,,
1 caixa dito elstico, 1 dita luvas de la ; a MiUs
Latham & C.
2 caixas cadaco de, algodao, baloes e chapeos de
la, 1 dita burra de ferro, 4 barricas ferragens, 6
barris pregos, 5 barricas cutelea; a Vaz &
Leal.
8 barris eerveja; a Luiz Puech.
2 caixas meias de algodo; a L. A. Siqueira.
13 caixas tecido de algodo; a Southall Mellcrs
& C.
45 barris pregos de ferro; a Rothe & Bidoulac.
8 fardos tecido de linho; a Sempson & C.
1 caixa mantas de la o algodo, 3 ditas tecido
de linho, ditas dltp, de algodo e la; a Joo Keller
experimentis o s-
llate jmpiomn ?
Tendes kosse violente ? Sents dores nos pal-
mos ? Exerioieniais phleugma ou macosidides ?
Vos encommodam e debilitara os suores noctur-
nos.? Tenues a garganta inflammada? Estis rou-
co ? Sentisjoppresso no peito? Se por acaso, ou,
dado o caso que adoeoais de todas ou de qualquer
um das erifermidades mencionadas, aehar-vos hei
na urgentsima necessidade de empregar um re-
medio efikaz e seguro tal qual seja o Peitoral de
Anachauitd de Kemp. Nao dallis passar nma ho-
ra sem que fagis uma prompta applcago deste
inaoreciavt 1 e prodigioso remedio. Os males e sof-
rimentos (ara logo sero alliviados,"e por fim aca-
bar porieslabelecer completamente vossa sade,
vosea alegra e prazer. Saa historia Roberts bown continuada de prodigiosas curas e de
sem fim. Bncontra-lo-heis & venda em
todas as rncipaes boticas da. cidade e do campo,
>e as Bblicas de Caors dt Barbosa e de Joo da C.
e cora ella
uma snej
triumphos
Bravo & C
4 barricas e 1 eaixa ferragens, 1 dita meias de
algodo, 2 ditas fio, 20 barricas enxadas. 1 dita
tampos e 40 chapas para fogo; a Isidoro Netto
& C.
3 fardos e 1 caixa tecido de algodo e coberto
res; a A. C. de A.
1 barrica tonoa, t dita vidros, dita e 2 caitas
ferragens; a Maaoel da-Silva Nogueira.
2 caixas meias de algodo ; a L. A. .iqueira.
2 caixas fitas de algodo, 1 dita colrreres de
Jalao ; a Hmrique & Azevedo.
63 barricas e 21 caixas ferragens, 24 volomes
raaohinismo; a Saonders Brother & C.
I oaixa cnteleria; a 8. P. Johnston de C.
4 caixas eiher; a C. Slarr & C.
4 pegas de ferro, ao bario do Llvramento.
6 fardos estepa, 1 dito cobertores de algodo; a
tinhas, 8 caixoes e" 4,160 cahas com charutos t a>
ordem.
t,323 caixinhas charutos, 7 fardos fumo em
folha; a Palmeira & Beltro.
23 fardos fumo em folha; a. Candido Alberto-
Sdaellolte.
90 caixinhas charutos; a Joo Baptista Gomes
Penna.
12 fardos fumo a Joaqoim da Silva Cosa.
4 fardos fumo ; a Antonio Jos Soares Jnior.
Brigue nacional Betisarto, enlrado do Rio de
Janeiro, consignado a Marques Barros & C, maui-
feston o segrate:
Gneros estrangeiros.
190 caixas e 60 barricas eerveja, 100 saceos, 7
fardos canhamaco, 799 frasqueiras genebra, 83
quintaes de ferro, 2 caixas ferramenta para mar-
cmeiro, 1 dita alamares de metaj, 1 dita lazenda
a armacoes para balo; a ordera.
Mercaduras nacionaes.
800 saceos farinha de mandioca, 820 ditos caf,.
343 ditos fejo, 2 caixas mercurio, 23 barricas
milho, 1 caixa doce de caj, 2 rollos sola, e 627^
rollos fnmo; a ordem d diversos.
Vapor nacional Paran, entrado do Rio de, Ja-
neiro, manifestou o segninte :
Mereadorias nacionaes.
10 canudos queijos, 1 caxa. rap; a QS Joaqun*
de Lima Bairo.
1 caixo mpressos; a Jo3o Wilfreio de Me-
deiros.
2 caixSes
dos Reys.
2 caixoes chapeos; a Joaquim Alves.
275 rollos famo, 2 caixas cnaropes, 2 jacazes
toucinbo, 4 caixoes cigarros, 9 volumes mobilia, 3
caixdes rap; a ordem.
Gneros estrangeiros.
t caixote livros impressos; a Jos Nogueira fe
Souza.
2 caixotes chapeos; a Joaquim Alves.
1 ealx.io notas paca a oassao: a directora da
caixa Fidelidade.
2 barris tinta, 1 fardo a 1 exa chapeos; a
ordem.
Polaca hespanhola Flora, entrada de Monlevido
consignada a Aranga Hijo & C., manifestett
seguinte:
2,821 quintaes de carne secca e 54 coaros sec-
eos ; a ordem.
fumo picado; a Joaquim Bernardo-
d: algodo e de la; a Fhipps
17 ditas eerveja; a Tnomaz
"*""
C0MME1CI0.
Moro banco ale Pernambuco.
O bano desconta na presente semana a 10 por
canto ao adoo al ao prazode quatro mezes e a l
por canto ate o de seis mezes; tonta dinheiro a ja-
ros a prazo nunca menor de- Ires mezes, e saca
4 fardos tecidos
Brothers-& C.
16 caixas violto,
JefTeries.
25 barjs. enxadas, i caixa ferraget)?; aBrender
a Brandis,
10 qaixas blcoojos; a Tasso Irmos.
15 caixas tecido de algodo; a T. T. Bastes.
ISOsaccps rrqz,73 barricas e 1Q0 caixas cer-
I veja, tp ditas" eprlo, 60 barrjinhos cjjumbo, 3
caixas biscpwto, ditas cha, 3 ditas tecido,de algo-
do e lia, q 1 dita, e 9 fardos dito de Irabo; a
' ordem.
6 caixas tecido de-algodo e la; 1 Io^Keller
(l fardo tjnha, 13 barricas ferros de en&ammar,
5 ditos cuteleria; a Prenle Vianna & C/^ ,
ExportaeSo.
Barca ingleza Tickler, carxegao par* fciver-,
1,800 saceos com 9,000 arrobas do aasucar
mascavado, 1,340 ditos com 6,830 arrobas e 12
libras de algodo, e 840 a arroba d ossos.
Patacho brasileiro Palma, carregou par, New
1,100 saceos com 7,000 arrobas de assucar raa&.
cavado, 76 ditos com 414 arrobas e 29 libras do
algodao.
Reccbcdorla de rendas Inler-
as geraes de Pernamfcaro.
Reodiaeote o dia i........... 6KI58IO
MOTIMESTO DO P01T0
1
~
Nato entrada no dia 31.
Rio de Janeiro e portes intermedias -7 das e 20
horas, vapor nacional Paran, commandanta *
! capito .de fragata Santa Barbara, toneladas840,.
euuipagem 56.
Navios, entradas no din I
Porn-33 dias, barca,por4uuea,LaMfq,..*o21,
toneladas, capito Manoel Pereira Diat^ equipa-
gem 12, carga vicho, 800 crnicas con, farinha
de trigo oulros generas; a Taomas de Aqolno
Fonceca Jnior.
Para e portos intermedies 8* das e lo lloras va-''
, por brasileiro Apa, de 917 toneladas, corrrmlrn-''
danta Carlos Gomes, eqn,toageni 57, carga diffit-
renfts generos
Navtoi takmt +0 memo Va.
P,ar e portos nlermedios Vapor brasileiro Pa-
ran, commandante o cpilao de fragata Sania
Barbara.
k
i

>






mttU r r^rotnhnro na fefra 9 e revtrh-o t tS5.

=
jj
Valpamlw *- LtafT iaatexJtoCk*/, aeilao Gilber-
NWUMMMMT.
Satinada pe Aa 2.
Rk4fl*Hhli*te--*P*Mlrof|loe
Ido ta>|tidavaparMfltat tWiteo d 1241 lo
neeWa, cM*lia atjsarl, carga tarto generes;
a Saunders Brothers & C
SoAida t Bjtemo rfia.
Baha patacho bantJOT^WU, Los JJeTwai.capI-
- t5o Rarmam, em lastro.
voluntarios da prireeira clave perce Leilao do caso da barca fraqceza Les AmisjSail(lC (flfffl \% tOO 0 lHUlldO.
de Saint Jean le Luz ido ciment) fi,_ _.___ :___... ,._ <__*%!__>.i
ii i ......
EDITAES.
,i) \ i 1 H i.....fi i ..i;.....
tibial
*
O eapkio'tiat! Cesarlo-do Rejo, Jdir da juz da fe-
guezia do Saatlssimo Sacramento do bairro de
Santo Aatouio da c'tdad* do Reeife de Peraaia-
buco, era riftoJe da le, etc.
Pao saber a quetn convier, que a audiencias
destejuizo continuara a ser as tarcas e sextas-
feir-is as t'feoras da tarde, na sala publica- da ra
do Imperador, salvo qaaode estes das forera san-
tificado*^ reriMos que em sempre sero nos
das anteriores; bem como, que despacha em to-
dos os ds uteis na caa dt> sua residencia, se-
gundo aadar p. 30, sito na roa do Queimado, ou
aonde'for encontrado.
RecrfVM da jaa.aif de 186fL-Eu Joaquim da
Silra W^6,-ejcriT5o que o eecrevi
r.uii r.ftano c
mmmm
Luiz Cetario do Reg.

DECLA1AC0ES.
Santa Cusa da Misericordia do
Rtcife
O Illa. Sr. thetoureiro da Santa Casa de Mise-
ricordia da ftacife manila (azer publico que no da
7 de fevereiro prximo vindouro, pelas iO horas
da maaua, na salo da casa dos exposlos, far pa-
gamento das ra-usalidaiks vencidas at o ultimo
de dezeaabro do aaao passado, tudas as amas que
se .i|)i-esouurein,acottipauliadas das criancas que
iba oiara CafUdaa
Saarauria da Saata Casa da Misericordia do
Recifa. 31 da jaaeiiv de 1865.
O esenvao,
r". A- CaraJcan Coasseiro.
Caixa filial do brinco do Brasil
em PernaiMbiifo,
14 de n*iro Ue 1965.
Be orden da directora desu caixa, se convida
*6S cradore de -ebastio Jos da Silva a virera
reeeber do tuesoureiro da ineama caixa o que em
a-alelo Ibes toca da venda de urna das proprieda-
etas, que segando a eoncordala.lae furam entregues
para serera Tendidas.0 gyarda-livros,
Ignacio funes Correia.
Art. li. (
bcrao os sola? conotlidos pelo artigo 1 'do decre-
to n. 1466 de26' do outubro. mas aada receberao
a tilulode pmiotgrati|eaco. i
Ser-llas-h declarado, e xpressade nos seus as-
sentamenos, que naoobtero guia de desembarque
sera previpir ao cora mananle respectivo dous
oWewdiffce; salvo se nfsso nao honver laeonve*'
alti exilentaV
Sena Teira 3 de fevereiro a parta da Associaco
Cremercial as 9 1|2 horas em ponto.
, PaiM j-auM# eikawat> dw Sr*. Griaunili
Cu, fWficftUw is i. k. I. oricifc Ha-
raa dehrfraLlhde 7 en Paris.
' mdicos'e o ppirjco usan de pre-
*wimos espSeties dos Srs. Grl-
-acetrticos em Paris, rom os quaes
asis zs&rque "*T^ *m* ^iSsw ^r^sst $&?&* mw^jw^* *-
le ordem da directora desla mesma caixa se
fas publico aos senhores aecieaislas qne o raspee-1
Civo tlieioureiro esla autorisado a pagar o ti.* di-
videndo de 10J5 por accao.
O guarda livros,
Ignacio Nones Correa.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arremalacao da obra da punte de Moiocolom-
b foi transferida para o da 9 d fevereiro prxi-
mo vindouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
fcnco II de Janeiro de 1865.-0 secretario,
A. K. "Anonnciacao.
Gompanhia peraambneana
De ofdem do conselho de direccao e em virtode
do art. 24 dos estatntos slo convidados os Srs. ac-
cionistas a reiroirem-so em assembla geral no
secunda andar da casa da prac\ do Corpo Sanio
n. 11, pelas 12 horas do da 9 de fevereiro pr-
ximo.
Pernambaco, 30 de Janeiro de 1865.
O gerente, F. F. Borges. "
1." secc3o. -Secretaria da polica de Pernarabu-
eo, 1 de fevereiro de 1865.O Illm. Sr. Dr. chefe
de polica, manda renovar a publicacao da postura
addicional de 12 de fevareiro de 1863 abaixo trans-
cripta, am de que ninguem allegue ignorancia de
suas disposicoes.
Posturas.
Art. 1.a Fica prohibido neste municipio o brin-
uuedo de iotrudo com agua por qualquer maneira
que se empregue ; os infractores pagarao a multa
de io&OOO reis, e 8 das de pri*ao.
Art. 2. Fica prohibida a venda de limas de cliei-
ro ; os infractores alm de as perderem, pagarao
4;000 de mulla.O secretario, Eduardo de Barros
Falco de Lacerda.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
t|ue a arremalacao da obra da rondusao da casa
da cmara e cadeia da villa do Bonito foi transfe-
rida para o dia 9 do crranle.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 1* de fevereiro de 1865. O secretario,
A. F. d'Annunciaeao.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arremalacao da obra da concluso do raio
i-entral da casa de detencao foi transferida para o
dia 9 do crreme.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 1 de (evereira de 1865. O secretario,
A. F. d'AnnunciaQao.
Capitana do porto de Pernamboco, 14
de Janeiro de 1805
Em vista das circumslancias melindrosas em que
se acha o paiz, sendo necessario que lodos os bra-
sileiros, concorram para a sustentaran dos brios e
dignidades naeionaos, comprometidos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capitao do porto, em virlude do que Ihe I
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e secre-
tario de estado dos negocios da marinha, convidar
nao s aos matriculados, como a todos os
L'a /salva, que lhes dever ser enregne con
a guia de desembarque, declarara que a contar
desu data os sobredi los voluntanoa,ae forem na-
cionaes, cam isentos do recrujamsn'9 Jpr um an-
no, ou por lempo igual ao que flvretn servido nos
navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,
porm, *o caso de cireamstanclas extraordinarias
duranie s quaes ficara su&pecsa a isencao.
Art." 15. fJs da segunda cla'sse receberaosos pre-
utios seguales :
Se ferem grumetes; dez, vinte e doas, ou trila
e qualro mil reis, segundo se coolraiarem por um,
,dous, ou tres annos. ,.
Se-forem marnheiros : vinte, qoarenta a cinco,
ou setenta mil reis, segundo o prazo de seu contra-
to for de um, dous, ou (res annos.
Alm do premio recetario mais os referidos vo-
luntarios se directamente se apresentarem, a gra-
tificado de qnatro rail reb sendo estrangeiros,. e
de cinco mil reis sendo nacionaes.
Esta gralifleacao, porm nao se abonar repeti-
damente ao mesmo individuo por cada novo con-
trato successivo que fizer, s este for de prazo me-
nor de tres annos.
Art. 16. Os da terceira classe recetario mais
ama quarta parte do maior premio que poderiam
obter contratndose como os da segunda elassse
na praca de grumete ou de marinhelro, que lhes
competir, c mesma gratificado apresentando-se
directamente.
Exceptuam-se os que lo forera hmeos do mar,
e tiverem mais de 40 anaos de Idade, os qaes po-
dero alislar-se com as condiegees dos da terGeira
classe, roas sem augmento de premio.
Art. 17. Os da quarta classe receberao como pre-
mio cem mil reis, seorem raarinheiros,e sessenia
mil reis se forem grumetes.
Art. 18. Os da quinta classe receberao o premio
de cento e cincoenta mil res, se nao forem maiores
de quarenta annos e o de com mil reis, se tiverem
mais daquella Idade.
Art.jl9. O premio dos voluntarios menores, des-
tinados para as companhias de aprendizes mar-
nheiros, ser de cem mil reis, e se abonar aos
pais, tutores, on quem saas vezes fizer :
Art. 20. Os premios de que .tratara os artigos an-
tecedentes sero pagos pela raanefra segulnte :
1." Os dos voluntarios da segunda classe, se o
altstamento for por um anno, lhes serao pagos in-
tegralmente no acto de asseatarem praca; se por
dous on tres annos, receberao era tres prestacoes
iguaes, sendo primeira paga como no primeiro
caso, segunda quando vencida metade do prazo qwlquer informacao ao mesmo Martins.
do contrato, e a terceira finda o dito prazo.
2.- Os voluntarios da terceira classe recebe-
rao uma-terc* parte do premio respectivo logo que
lenham asseniado praca, oulra terca parte no Bra
do primeiro anno de servico, e o restante Ando o
prazo de seu alisiamenlo.
3." Os premios dos imperiaes marnheiros e os
das pracas do batalho naval sero abonadas como
os dos voluntarios da terceira classe.
g 4." Os premios devidos pelo alistamento de
inores paras as companhias de aprendizes mri-
nheiros sero pagos integralmente, logo que se ve-
rifique a entrega dos ditos menores.
Arl. 21. As gratifleagoes que compleos aos vo-
luntarios que directamente se alistaren) no servigo
da armada, sero pagas conjuntamente com a pri-
meira prslago do premio respectivo.
O secretario da cap lana.
ecio de Aquino Fonceca
Ctrreit geral
ftelaea as cartas seguras violas do norte pelo
vapor t.lp.ii para os enkores abaiio decla-
radas :
Antonio Caraeiro Machado Rios.
o io deiagado do eaesmo. coasol e por -
risco de quem perteneer do casco da barca frat- !- Porque esta can sendo" srO con trailla a
ce tLes Amis de Saint Jean da Luz, tal qal se mais importante de Par'?, honrada com a cllentclla
achar no da do leilao, nTtlmamenleencalhaaa'n* denmqjarte da cdrie, paiduteada por S. A. I, o
Arrecifes asta porto, onde foi legalraenle condem- principa Napqieao s vende productos de orna effl-
nada, assim cono todo o cimento all existente, o eacia recen herida.
leilao sWeffeotaadoM 9 i|t horas em poni ao,' l.':ffnjue,esses medicameBtds representan) as!
dia e lugar cima meuoionado, visto que o mesmo mais rcenles conquistas da medicina a da chi-
agentefem effectuarum ootroletlo no mesmo mfca.
da. | 3. Porque lem todos um gosio ,agradavel, sats-
------------t.Uia am .ft.ii....^^^------------&" nis, eadetn ser adrrinWrados san pe-
Leilao em COnllUUdCaO jrjo, taam a crUaga^ cerno s presis adultas.
Ue fazendas, diversas miudeas a objactos para se- 4. Porgue elles differera inleirameBla dcstes re-
lero, tudo avariado. | medios ingieres e americanos, preparados por In-
Ra alfandega armazem n. 8.., dustriaes estranhos, tanto a medicina como a phar-
Segunda faira 6 de fevereiro. i anaca, dos aaaea ao taat nem a srtaeia era, os
O agente Pinto far Illo cora autorisagio do tuula*. ,
eonsul de Frauga, com licengu do inspector da al- i 5." Porque estes medicamentos s se applicam a
fandega em presenga de um empregado da mesma: nm nci.^ero limitado de doengas, e no as curam
repartigao, com assistencla do delegado do dita todas, cono os remedios de qo'e acabamos, de faI-
eonsul e por tonta e risco de quem perteneer de jar ; emura cada producto lem sua appeaco par-
todos as objeetos cima mencionados, parte dos jkular.
salvados da barca franceza cLes Amis de Saint, Por i sso pensamos prestar um servico a todo o
jaan de Luz, no dia e lugar cima mencionados. (mundo, ndicanda aqu as importantes proprieda-
JPriaciplar as 10 horas. des dos princiuaos madicameaios dos rs. Gri-
Leao'de 1,000 saceos vazios ion avara. ra*u|' *A a i* i
Segunda-feira 6.de fevereiro em frente -*-a^Rf ? rallort ottaoo.
a alfandega Empregado com succesSo arto em rogar do oleo
O agente Pinto far lailo por conta e risco da, ligado de bacaiho, tio dacafradavel, lao di-
quem perlencer e sem reserva de prego de 1,000 a diferir. E o especifico o mais certo contra
saocos com avaria-d'agna salgada, as 9 1|2 horat'** escrophalas, o lymphallsTm), i moler das car-
era pentodo dia cima dilo em frente a alfandega. aes, os humores das cnaagas a papeira, os rbeo-
-----------r^=-------=-------------------------;---------------- matismos, o escorbuto, as affeccoes da pe le, as
Leilao de qiiel|os sulssos.
Segunda-feira 6 do correte.
O agente Pestaa vender por conla e risco da
quem perteneer 3U queijos suissos em um ou mais
lotes a vonlada : seguada-eira 6 do correte pe-
las 10 horas da raanba no armazem do Sr. Annes
defronte da alfandega. _________
L"Iao de 3 casas terreas sitas no aterra
do Giqu'.
Martins competentemente autorisado far leilao
de 3 casas terreas de ns. 138, 140 e 14), lando as
de ns. 138 e 140, 2 sals, 2 quartos e cosinha fora,
e a de 144, 2 salas, 1 quarto e cosinha tamben
fora e rendem CJ raensaes cada urna (terreno fo-
reiro.)
Terga-feira 7 do crrante
Em seu escriptorio ra da Cadeia dp Recife n.
9, as 11 horas do da, os pretendentes podem obter
AYISOS DIVERSOS.
Dr. Jos Bento da Cunha Figueiredo.
Jos Gomes Villar.
Jos Rodrigues deAouza.
Manuel Joaquim Rumos e Silva.
Vicente Jos de Brlto.
1IS0S MlRTTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
^Tavegaco eosteira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear
e Acarac.
. O vapor laguaribe, comman-
<^Wk3%^. curreDle as ilora5 da tarde. Re-
^llanffilnnii cel)'! <*ar^a alr d'a **- eQro'11"
^SSb^HB 9 nienilas, passageiros edinheira a
frele at o da da sahida as 2 horas: escriptorio
no Forte do Matios n. 1. _______________^^
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavcgaeo eosteira a vapor.
Macei em direitura.
Expede-se o vapor Parahyba,
no dia 6 do corrente as 6 horas da
larde. A carga deve ser posta a
bordo at o da 4 : encommendas,
passageiros e dioheiro a frele se
recetar at 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forle do faltos n. 1.
&msfts&
Para e Rio de Janeiro deve seguir cora bre-
vidade por ter prompta a maior parle do carrega-
cdads monto, o brigue nacioaal Invensivel, recebe o res-
que se queiram alistar na qualidade de voluntarios
para armada, a se apresentarem nesta capitana
nos das nteis das 9 as 3 1|2 horas a larde.
Outro sim, sao igualmente convidados os indivi-
duos que tiveram baixa do servigo naval, a alista-
ren se por um anno ou mais, garanlindo-se-Ihe
nao s as respectivas escusas, logo que terminem
os seus contratos, mais anda os premios flxados na
ai, para os que voluntariamente procurara o ser-
vigo da armada, e bem assim urna gralcagao
inansal, igual a metade dos sidos, qua percebiam
na occasio em que obtiveram baixa.
As vantageas e condicedes para o alistamento se-
ras as eslabeleridas pelas instruegoes que baixa-
rain com o decreto o. 1591 de 14 de abril da 1855
que sio as seguales :
Art. 12. Distinguir-se-ho seis classes de volun-
tarios:
1.a Dos individuos que quizerera. servir na ma-
rnhagem sera lempo determinado ;
2." Dos qne se quizerera contratar para servir
na manahagem por lempo determinado ;
3.* Dos qua ae preslarem servir na marinh-
gem os prazo estatalecidos no artigo 3. do decre-
to n. lo6 de 2o de outubro de 1854, eque excu-
sara o nacional do servigo militar ;
4.a Do que quizerera ter praca so corpo de im-
periaes marinheiroe.
5 Dos qua se destinaren! para o batalho naval.
6.' Dos aprendizes mariohairos.
Art. J3. Os voluntarios das differentes elassse
deliuidas no artigo antecedente devero ter os re
qnisftos aeguintes :
!. Class.Os que sa alistarem para a marintia-
pem sem lempo determinado, da vera sar fortes,
saos, acestumados a vida do mar, ou pelo menos
capazes de servir aa praca de grumfcie.
2." Classei-^Hqrre s contratare* por prazos de-
terramades, de um a tres annos, deven ser fortes
saos, e acoslumados a vida do mar.
3.' Classe.Os e;ue se contratarem para servir
na narinbatgvm o praze de seis ou de oito annos
ni eoafarmltlade do artigo 3.' da decreto n. 1466
seguada elasae, excepto a ortica da vida martima
que pader ser despensada cora a clausula que
adianto ( artigo 16) se expressa.
4* Cnose.Os alistados para o rora de impe-
riaes racriabeiroa devem ser cidados brasilalros
da 18 a 35 anaos de idade, ou at 40, senda horneas
do mar; fortes, sito, e capazes de lodo o servigo.
5 Classe.Os listados para o batalho naval
derem Ter Wate 45 annos annos de idade, e os oa-
tr< requisitos da quarta classe.
TedWvia podeT-se-ha admillir alguns estrangei-
ro< mediante previa autorisagao do govefno.
6. Classa.Os aprendizes marnheiros devem
*r eidadaos brasileiro, de 10 a 17 aanos de ida-
de, de coastituigo robusta, e apropriada vida do
mar.
Vq ler-se-ba tambera admillir menores de ttt an-
nes, qua tenham sulBcieote desenvolvimeuto phy-
sico para os exercicios do aprendtsado.
to da carga e escravos a frete: a tralar no escrip-
torio de Amorim Irmos, ra da Cruz n. 3, ou
com o capitao Antonio Albino de Souza, na praca
do commercio.
Rio de Janeiro.
O brigue Belizario, segu breve para aquelle
porto, anda recebe alguma carga e escravos a fre-
le : a tralar com Marques Barros & C, largo do
Corpo Santo n. 6, segundo andar.
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir em poucos dias o patacho Ca-
pitn, tem parte de seu carregamenlo bordo, pa-
ra o resto que Ihe falla e escravos a frete : trata-
se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevodo & C, no ^eu escriptorio ra da
Cruz n. i.
Para a Baha
Pretende seguir com brevidade a sumacaf/or-
tenria. tem parte de seu carregamenlo prompio
para o resto que lh falta tratare com os seus
consignatarios Antonio Luizde Oliveira Azevedo
& C, no seu ecripturiorua da Cruz a. 1.
T
Aos 6:OU000.
Corre amaohSa.
Sahbado 4 de fevereiro do corrente an-
no, se extraliir a segunda parte da quarta
lotera (i1) a beneficio do tiieatro de Santa
babel, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora da Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilbetes, meiose quartos estoa ven-
da na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 8:000!000 at 103000
serlo pagos urna bora depois da extracto
at s 4 horas da tarde, e os outros depois
da istribuico das lisias.
As encommendas serio guardadas so-
menteat a noite da veapera da extraeco
como de costume. ,
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues deSouza.
mk da iwim
AOS 6:000,000
iMlnee garantidos
1' ra doCrespo n. 23 e casas do costume
O abaixo issignado vendeu nosseus muitofeli-
zes bilhetesgarantidos da lotera, que seacabou
de exiraliira benelicio da matriz da Boa-Vista,
os seguinies premios:
Dous quartos o. 3059 cora a surte de 1:4005000
Dous ditos n. 1990 com a sorte de oOOJuOO.
Eoutrasmuitas sortes de 2005, 1005, 405 e
205000.
Os possuidorespodem vir receber seusrespec-
ivos premios sem os descontos das leis na Casa
daFortunaruado Crespn. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da
quarla lotera a beneficio do tiieatro de Santa
Isabel, que se eslrahir no dia 4 de fevereiro.
Presos.
Bilhetesinteiros..... 7500C
Molos......... 35500
Quartos........ 15900
Paraas pessoas que compraren)
de 1005 para cima.
Bilhetes....... 65500
Meios........ 35250
Quartos........ 15700
Manoel Martins Fivza
Precisa-se alugar urna escrava para casado
pouca familia : na roa dos Pires n. '24.
Festa de STBraz, advogado da gar
tanta.
Seita-feira 3 de levereiro ter logar aa igreja
de N. S. do Tergo, pelas 7 horas da manhaa, mis-
sa cantada e a noite ladainha. Onda a rmal se ben-
zer a garganta, e estar a milagrosa imagem
venerago dos fipis per oito dias._________________
Clnb Pernanbncano.
A dir.'et ria teno en consderaco (;u'
grande numers d'* fatiilias de ?eus assecl-
do? se achavam f ra da cidade, r^soiveu
traasf rir a reun:i familiar do mez do ji-
n iro prximo pas-udo para o dia 9 d > cor-
rente.
molestias do peito.
Todos' os mdicos de Paris o empregam como o
depurativo o mais poderoso, e o recommendam em
lodosos casos que precisa-se corrigir a acrimonia
do sangue, a dar-lhe lodos os principios viiaes que
perden, seja peles tsxcessos, pelas aflVccSes lym-
phaticas, escrophalosas, e venreas.
Jarope de qnlna rermelha fer-
roglnoso.
Ou associago dos dous poderosos remedios da
materia medica que sao : o ferro um dos princi-
pes elementos de aosso sangue e a jiidis que o
tnico e o febrfugo por excellencia.
Este delicioso medicamento ag'adavel ao paladar
e a vista, tem um resultado admirarel as flores
brancas, dores de estomago, falta de appetile, po-
breza de sangue. Elle sobretudo ulil as senho-
ras e as mogas delicadas, para desenvolver e re
golarisar a menstruagao e suspender os afTafis
perniciosos das flores brancas, que sao a causa de
lanas doengas. Elle soberano depois das con-
valecencias de molestias graves, elle o reparador
das forcas e da saude para os doentr.s enfraqueci
dos pel trabaibo, os excessos, aa aflecgdes escro-
pnulosas on venreas.
As mais de familia acbarao ueste xarope um me-
dicamento sem igual, para fortificar e desenvolver
o systema c-sseo das criangas e os preservar das
affecedes escrophulosas.
Elixir digestivo de pepsina.
Delicioso licor que oceupa o primeiro lugar en-
tre as-novas conquistas da scienrfa, a pepsina pos-
sue com effeito a proprledade rmportante de fazer
digerir os alimentos qnasi sem socebrro do esto-
mago, o remedio soberano das gastrites, gastral-
gias, das inflammagSes do estomago, dos ligados c ,
dos Intestinos. Elle supprime os gazes, as nauseas,
as pituites, o desgosto dos alimentos, e presta prin-
cipalmente um immenso servigo as senhora n'nma
posIcSo-ioteressante da qual supprime os vmitos.
As pessoas que padecem de cancro no estoma-
go ou nos intestinos, verjo sua vida prolongada
pelo uso do elixir de pepsina, e os velhos e eunva-
laeeoleso sustento de sua saude e o reparador de
snas forgas; porque com urna boa dgesiao sempre
se gosa de boa saude.
Xarope pcitoral de* .oigo.
Novo especifico, sem opio, reconhecido como o
mlhor medicamento para curar a tosse. defluxo,
catarrho, grppa, irritagao do peito, anginas, dores
de garganta, coqtielux.i, ele.
Este delicioso xarope popular em loda a Franga
fui discoberlo pelos mongos da abbadia de S. Jor-
ge, no Anjou, e aclualmenle preparado pelos Srs.
Grimauli & C, nicos proprietanos da verdadfra
raceila. Recommenda-se aos doentes que osem ao
mesmo lempo das deliciosas pastilhas ptitoraes ao
sueco do maull & C, este excellente remedio cornposto
coin as duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo tempo as mais inoffensivas da materia me-
dica, e nao rontm opio.
Injecfo e capsulas matieo.
Estes dous producios que conslituem a mais re-
cente e a mais importante mediago para curar os
corrimentos e as molestias veneraes do lioniem e
da mulher, sao exclusivamente vegetaes nao con-
tm mercurio, e sao preparados com as'folhas do
matieo arvore do Perou. Nao ha molestia conta-
giosa autiga ou recente que resista ao uso desses
dous meios. Sua rapidez de acgo superior a
tudo quanlo se tem feito ale boje. As capsulas
nunca cansam o estomago nem os Intestinos como
as capsulas de copahyba, eubeba e outras ; a in-
jaego nunca prortuz o eslreitamento como aconte-
ce com as Injecgoes com base metlica aconseja-
das al hoje.
Todos osles productos vendem-se as principaes
pharmacias do Brasil, agento para vender por ata-
cado, no Rio de Janeiro, E. Chevolet, em Pernam-
huco, Caors & Barbosa, na ra da Cruz n. 28, na |
Baha, Lima & Irmos s em todas as boas phar- j
raacias do Brasil.
Deve-se exigir sempre < assignatura Grimault & j
C, por que ha falsificarles perigosas.
Vende-se na botica franceza ra do Imperador
n. 38.
LEILOES.
I^tllo de ama escrava.
HOJI3.
Sexta-fera 3 de fevereiro 1 bora da tarde.
O agente Pinto far leilao a reejuerimaaio de D.
Idalina de SJqueira da Costa Menezes inventa-
rianle de sea casal por fallecmenlo da seu mari-
do o Dr. Jas Hay mundo da Costa Menezes, e por
despacha do Illm. Sr. Dr. juiz da orphos, de urna
escrava por nome Amalia, a qual ser vendida pa-
ra pagamento de divida, a i bora da larde do dia
de crreme, no Hospicio casa n. 48, aonfe llave-
ra anteriormente leilao de movis.

Lello
De uitia m^biHa de jcaraad eonv tampo de
pedra, 1 piano forte, 1 relogio, 1 riel secretaria,
2 guarda vestidos, 1 guarda roupa com espelho, 1
lavatorio de Jacaranda, 1 tocador de megno, 2
apparadores, l dito com arjanariu, 1 sof e 12 ca-
deiras de amarelto, 12 datas de Italia, 1 cama
franceza, figuraste jasfe jarros de porcelana,
2 caneas de jogo, i mesa elstica, 1 .quartiaheira,
quadros, tapetes a outros mullo objeetos da casa
de familia, existentes ao
'Hospicio casa n. 48.
kaojn:
O agente Pinto far leilSo por conta de una
pessoa que retirou-se desta provincia, de todos os
objeetos cima mencionados existentes ni casa da
ra do Hospicio a. 48, aonfle se effectuar o lei-
lao as 10 horas em ponto.
ADVOCACIA
0 Dr. Manoel da Nasrimento Machada
Portilla
E O
acharel Joaquim Pires Hachado Porlella]
continuara a advocar no civel, crime, t
cmmercial, eclesistico e administrati- |
vo. e podem ser procurados em seu es- I
criotorio na ra do Imperador n. 83, pri- 1
meiro andar. <
AMA.
P recia-se de urna ama para todo servigo:
na rHadasLarangeiras n. 5 segundo andar.
INa ra dos Coelhos n. iO te dir
quem da aigumas quanlias, com premio
razoavel, sohre boas garantas.______
Fago sciente a quem interessar possa, que
por ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica estou
autorisado, na qnalidade de chele dos africanos em
Pernambueo, a uomear. como da faci nomeado
ica, fjavernador geral da naci de Congo, o Sr.
Joaquim Thomaz de Aquino. Assim como fica de
aenhum effeito a 1 esolugo tomada em sesso, que
flzeram os Srs. Francisco da Silva, Pedro Joaquim
Jos Brrelo, Evaristo Salgado, Gamillo e Paula
Marques, Ocando desde j estes senhores imposi-
bilitados de oceupar qualquer lugar na nacao de
Congo,em vista dos artigos t e idos nssos esta-
tutos promulgados em sesso no anao de 1768 at
1771,a que esta aiesma deliberagao ja/ai tomada
em 1864, cmo se v do >raaio n. 143 desse mes-
mo anuo.
Outro sim que s prevalecero de hoje em diante
as ordeas emanadas desta cheactura.
Secretaria da che factura dos africanos 30 de Ja-
neiro de 1863.fAssignado) Antonio de Oliveira
Guimares, chefe dos africanos em Pernarabu-
co.Luiz de Milimhd, secretario.
pft
n
iNJECTION BROU
i.i

XAROPE
?itrASCASDELARAIJAS AMARGAS
le J, T LAROZE, Chimico,
ajaiayaaraotKi a* ol umuoim a*gis.
Este xtrtpe, rallar saado as fuoecoes do estomago e intestinos, destrae essas
indisposieoes ptleifories, c fac abortar as molestias de que 9S0 indicios precorso-
res. Mdicos e doentes tem reeonbetido qae restabeleee as indigestoes, fazendo
desapparecer os pesos di estomago, qn calma as enxaqueca, espasmos, a caimbras,
qua sio resallado de di| tsldas penosas. Se gosto agradavel a a faeikdade coaa raa
s suporta, o tem faite adoptar orno especifico iufallivcl das doeneas nervosos,
toitritii, gastralgias, adieos de estomago o de entranhas, paloUafes, dore* de
eoraco, vmitos nervosos; sua acgo sobre as funcgSes asimiladoras tal, que es
atedeos mais Ilustres o taat adoptada por recipiente real dos dous primeiros
res iberaoeuiicos: o lodureto de Potats e o froto-lodureto de forro, teade
rvado que debaixo de sua influencia, o primtiro perde saa accao irritante, e o
segundo seu efleito adstringente.
XAROPE DEPURATIVO XAROPE FERRUGINOSO
De ticas da lsraujai amarete com I-
darato da potatsa.
O iodurtto da pouss, adminlstrids em
olucl ou dtbano d* feria solida, causa ao
docnti am* graDd>: repugasocia, ou determina
accidentes que o forceo renunciar a esta
edieicio efleti.
HaiapartBiaaliaan'itidlf-
JL. aUIa AaS^AU^aJbflft^ASUAaUIt AMR par
lurLigie do eilasuc e inlestina, e gracu a
esta lalTajutrda, ot tratamefilo* depurativos
fia eoitlraadoj sem iittrrnpcio, ais affec-
cSes crofuleeai, tubtrculotu, cancerlas e
mu secundarias e terciario, mtimo reuma-
tkimees, > fases elle mais seguro espe-
iico. A deae esta definida da tal maneira
aa a medie* nade vanal-a t saa ventada: -
O frasco: 4 fr. 50 c.
Da cascas de laranjaa amargas ceas
proie-ioiarete da farro.
A *4Swci lo sil ten* a Xarope 4* -
cas de lara>as 6 lano mais racioaai utata
que este xarope, empregad* ti, para escimn-
lar o apetite, activa a lecreeio ( anee g-
strico,* a* te mptulaa (aeSM aM-
?, aulraia mm eafeiios ntora-
giniisos e dos iadureto* (peas de fihttt. Mi-
sao i* veaire, teas pigastricu) n amtt
que facilita sua alisorpcle. DissottieV m
Xarope, elle se toma e se aupporu fcilmente,
par aehar-se no talado paro mais asaiailavet;
t aasini pode continutr-ae a cara da pallidea,
corrimautos brancos, anemia, afTtccott escre-
fulosas e racaitismo:
0 frasco: 4 fr. 50 a.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE estSo sempre em frascos especiaes
(anca em meias garrafas nem em frascos redondos). Eipedic/fes: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Peu, 2, Pari.
Khj *H- Iiimi iiiur 11. ;trt

liull. ;| l|-,.||i;rz.i.
:
PERFUMARA medica hygienica
De J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Paris.
Estes productos s o resultad da aplica^ao das leis da higiene i perfuawria, qua se ergue e
tornase pharmacia da belleza, encarregada de proTer i hygiene da pflle, dos cabellos, dos denles,
ergios tie iaiportautcs; aulao evita e dcslroe as causas das doengas que sua irinan mais velha,
i pharmacia propriamente chamada, tem que curar.
tuint MUTirmcio para cunr imediauauu as
taris ou nivas do denles; o v aro 1 fr. 2
nucios COR DE ROSA com base de
para branqear t conservar os dontes;
* vldro '...........t fr. X>
oriATO etifricio para bAIEcaj as geuivas
nevralgias denUriae, o pote 1 ir. 50
KATTVO behtario para miar os denles
eahadae antes do ctwnbaiMiito, e evitar oe ab-
cestoa e dores ; e vidro coso o inalruaeaio t fr.
AOOA LEOCODERimiA, para conservar a frescura
t aa fanceBes da peRe ; e vidro .... S Ir.
8HRIT0 de imt REtmriOADO, complemento
do aeei* da bocea despeis de comer; vidro 1 fr. 25
titt~ laSWlie sexta O Ai, de vieleta, anendoa
tatarat, Ixuqt, pt.......2 fr.
OIXHI BB SARAO LEMITIVO MEDICINAL de
tnrrat tt ovos, pira evitar as fetdts, frielres a
doeacas de petle, da vieleta, de beuquet; o po 2 fr.
tamil DI SABO LENITrV MEDICINAL n
ps. Ella i especial para a barba, o aceio das
acatara, daa crianzas, vidro.....2 fr.
OLEO DI A vela FERTCMADO para remediar a.
dureza des cabellos e a sua atouia, o vidro. 2 fr.
TIN AGRE DE TOILETTE SUPERIOR pela tM-
suavidatle e sua auc&o refrceeanle, e vidro. i ir. '
OOLD CREAM SUPERIOR para conserva- a pell*
clara, fresca, ediaphaiH, e evitar es mos erleitoe
de uso das cores, e poi.....S >- M
AC BE olo*>ma BtrRniOP, coa ea aera
arnli ir, pemuencia de seu perfume o faz bascar
para o tocador, banhos gcraeselocaes, o vidro 1 fr.
r AS TILMAS ORECRTABS do Dr. Paul Clcmeat,
para tirar e cheiro do tabaco e para modificar es
hallitoa tortee; 1 2 fr. a eaiaa.
AOUtA DE PLORES DB ALTAZEWA, COSOielicO
bateado para tirar as etealiMet, farliflear o re-
frescar cenes orggss, o vidro.....1 fr. 2i
BSriRITO DB HOBTELAN SDPERFIMO. Elle O
aperfeieoamenlo iodiapanaavel do aceio da bocea
depois de comer, o vidro......1 fr. 25
POtOtADA CONSERVADORA do quinina pura
para fortificar oa cabellos, os embellezar e evitar
a encanecimealo prematuro, o pete.. 5 fr.
AtUA LuaTRAL para conservar e embellezar os
cabellos, a fornicar anas raaos, o vidro. S fr.
Duosittstm cada ctdade, em caa dospharaaeeueos, perfumistas, eabtUeiretros, aegociantes de
modas t de faiendas. Varejo: Piamucu Labozb, rae Nerre-des-Petits-Champ, Eipedicoes: em casa de J.-P. Laroze, rae des Lions-Saint-Paul, a* I, em Paris.
H i fu I uniera inr n :\H. \m\'u::i franCA/a,
s a
H
H
trf
rl
h
s
o-
e
en
a
f
?
&e
>9
a
es?
II
cr. -
t
r *
a 5 5-
S 0 f
-o * X
^s H
e-g a
2^ r. o
|1 3
i! 1*
A
- 3 ?^
a
s
> H
m
*0
CT3

1 s
i- -.,!
: B a o eSteS <
gi*ll.|.ffilji
T, W
s?
,-?s
ts-..f|
irMKSu"}!
1 &-- E 3J= g.
S S B'atfi
=TQXo-.wyi^a
2 ~ e- 2 t^-v 3
ai eSs "o
^il&IEa
P fi
lilijri,a*
*7 n 3 ^M
>
a.
ti 2
S =
' -I
- O -
||b??, Vj *
II Isi ^^
M w- := t r- *
r: s s i; ai 0-**
liSiMii
Niliifff
o ~ S'B 3 ea.S.'S '

C
O
CU
a
en
D
ge
>
m
O
o


tsilrlt!s
w
5" 2 g c?
Vende-se na ra do Imperador botica franceza n. 38.
quo
Una raissa pefa repoasa etwua los bravas
suctumUirara na (omaa do Pavsaatau'
O abaixo assignadr, capellao da repartido ec-
clesiasllca do exercito, tendo de celebrar uoia mis-
s peb rapouso eterna dos bravos, qae oa lomada
do l'aysand, suecumbiram, coaviiia a luios ot
milares desla guarnicao, e a guarda ua^inal pa-
ra*asislirem dita misja no sahbado (i) pelas 8 fio-
ras do* dia. na igreja d Coneeielo dos Militare.
?adre Amonio de Mella Aftqaert| ImEeticI
Ajtprotada-por vanes Academias e altas
summittadts meditas.
O que occosiona rtx sr-ral aa molestias tbaltat
designadas t ti estaj,navio do saaguc ea cartas
artes do rorpo, a qual produzida pelos resfria-
mrnlds e muilas oalras camtn, entio declarac-s
os teiunafismoa, Gotf, Paimlytia, Fraaictia
dos ntembi-ej, Cuiutipacies, ElepliantUtis eu
Pernos InchuJiis, el Dores Nervosas.
O usa. da .escota mtsWsmXMStJLk aHPaV.
TICA lera succvsso certo para a cora d lodas
eslas molestias, sem recorrer si-a nenkama oulra
medicarlo. EHa trm urna forma mu mancjatel
eproduz, av/tntade de quem d'ella usa, seos mala
uleis e feliics rcsullaflos. Seo emprejopreserrt
da* molcslias cima. Para maisiaforcDaoactcon-
aul-tt-te a uolicia que accompanlia cada Eacova.
Deposito Gsbax
Jonlritri u P'rinee Eufe'ne, il, Parts. '
Vende-se na ra Imperador botica
franceza n. 38.
A Senana 11 lustrada
qne se pnblica no r\hj de Janeiro todos os domin-
gos, assigm-se na ra do Crespo n. 4^ Prar;o da
assignajura, trimestre 6, simestre U, um aano
18*000. .
MADoel Francisco Paredes faz scienle ao
respeitavel publico e especialmente aos seus re-
gtiezes eateiooadas, qua de-pedio-se da casa dos
Srs. Menezes & Silva, ra das Cinco Ponas a.
i4S, aproveilando o ensejo vem palo presenta agra-
4acer aquelles senhores as manoiras sempre ur-
banas rom quesedigaaram olratar, olvidando ja- j
mais as maneiras seoipralrataTeia.ainaveis n deli-
cadas do socio Silva, a qnena se raanifesla nimia-
mente grato. Aos seus fregoezes e affelcoados
sdentiflea-anda que se acha na paaaria n. 51 da
roa" Imrrerial, opde o poderlo procorar e endere-
zar seas pedidos e encommendas, que serao im-
mediatmente despachados com aquella prorajiti-
dao e ba vealade que costuma.
Ao publico. ""
Desencaminhou-se urna letra da qluantia de rs.
6765420 sacada por Patn Nash A C. e aceita pe-
los Srs. Francisco Pereira de Mea4*ata & C, com .
data de 30 de maio de 1861, a veaeKIa em 30 de !
Janeiro do corrente anno, cuja letra j sendo paga ,
pelos aceitantes, Bca sem valer aigord.
. .; i i
l'recisa-se de urna engorwaadeira : aa rus
do Imperador o. U, primeire andar. ___ ,
Tendo um preto ganhador, ha carca da olla
di.-is ido lavar duas pecas daaaeta para a luja do
Sr. Joaquim Lopes da *Co cabidas ditas fazendas peto mesmo Rr. Maia, roga-1 O abaixo assianado julga nada ever uesta pra
e eacarecidaoaftBle <*% senhores loiistas q,ue oar ^a nem fura della, mas se alguem se julgar seu
acaso as tenhaaa reoafeidas ou wslo' entregar, o cred>r queira apresairtar-seM titulo nesles 8 dias
especial faror de dar parte ao abaixo assigf.adu que depois de writlcado sera rninediatamepte pa-
do dtn Mabaram a respeit. \ ga aa roa da Imperatriz n. 3S.
Theod CfcfisliMsen. 1 Francisca Maciel do Sooia.
5 A. W. Osborn, tendo de relirar-se pata o
Norte da America, para tratar de sua saude, faz
ltanle ao publico qne de aorarda e em perfeifa
harmona com a Bama Sr.' 1). Josepha Mara dos
Prazeres e mais torrtras do sea easal, fez venda
do sen esUbelecimeato ao Sr. Mlio-dos Santos Pe-
. reir, ficando o mesmo enhor no uro do contra-
to por elle celebrado com a mesiua K.xa. senho-
ra e mais herdeiros respeitu ao-jpflmclV andar do
seu edificio silo na ra do Imparador n. 38. Ao
mesmo lempo aprovi-ita lo ravoravel occasio
para agradecer a Exm." Sr.* I> Josepha e a todos
os mais hefdeiros as maneiras delicadas perqu
sempre otrataram ; bem como m |>ub*ico em ge-
: ral pelas bondades que Ihe prodegahsaram duran-
te a sna esUda nesia rapiral.

Ama
Prerlsa-se de urna ama para aosinhar : aa ra
da linperatriz n. 't6, reflnaefto.
------------------------ ----------------------------
AMA.
Precisa-se de urna ama que saiba engomnur pa-
j ra penca familia; aa ra Nova de Santa Rita du-
mero 17.
Jk^W&
3
S
DENTISTA DE PARS
19Ra Nava-19
Frederico Gautier, cirurgo denfel
faa todas as operaeoes de-sua arte, c I-1
loca tjentes artiririaes, tudo com supe- |
rioridade e perfeiySo, que as pessoas en-
teadidas Inareconceceni.
Tem agua e pos detUinri*.
Livro do Povo.
Olinodopovo^obraornada mmeslarapas.con-
lendo a vida de Nosso Seahor JasusChnsto, e mu-
tos artigos uteis. Esta livro das familias recom-
mendido e approvado petos t.xms. Srs. D. Luir,
hispo do Maranho e tk Maaocl arcebupo da Ba-
ha, vonde-se a iSOOt cartoriado, nalivrariade
Jos Nogueira de Sijaa, ia do Crespn. *.

\



Mari de rermaBalauco r. ae&ta letra 8 e Ferereir* fe 4A*M
r-
ASTHMA ASTHMM! ASTHMA
SFFOCQiO NERVOSA B OPflUBSlO
Unice remedio efficaz pan combittir estas molestia, acalmar um i tuque d'aiau aapedfr a
toIu o Xarpe aromatice di Succino (mbar aiiurello) do Dr Danet. baaeoberta auSunenW
recente, este doto producto se tcm propagado cora xlreaa rapidez gracas aos adnravasaSesul-
tado pie tem sempre produzido.
Deposito jar^iiaicu^^iu^vpaiid, 54, ra do Comercio, PirisrCtfiella,, asdaafe
im
I i.
=
=
XAROPE D'ETHIR
DE BOULLAY
Doutor da Faculdade d Sciencias, mtmbro da Academia imperial di Medicina,
Official da I.eyio de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paria.
Este xarpe composto mais de vinte anuas pelo sabio lente Boullay, constilue a nielhor
maneira de administrar o Etlier. lie empregado com suocesso era todas as doencas que tirio sea
origem de um erilbismo nervoso, como sao as:
EiiMieei,
Ne*rala;laa,
Ensasmas,
Aitata.uta ale ntrni,
veril,,--.,
s,.
Caluabi-an de estomas,
lalla;aalaaa,
CsiMalsaes,
Aeeessas UTatrleas ayaa-
ronilrlacaa,
Calleas Tealaaaa o Berve-
' aaa, hepticas flatalenlaa,
Aeceaaas ale (ata a ale raea
Caaoa ale ravearalenieuta,
ic, ate., etc.
Deposito geral, em Parts, na botica de Boullay, doutor im Sciencias, memoro da Academia
imperial de Medicina de Paris, official da Legiao de Honra, ra de FossvMontraartrev17, e
cm todas as boticas de Franca e dos paizes estrangairos.
Anta particular.
0 aballe assignado, professor particular, prflvi-
siooedo pela directora geral-v rtrtftreeio fjirolica
par* amar primeira* laura, atas e Irancez,
participa ao respeitavel, publico e igualmente aos
seubares pas de seus discpulos que seguuda-feira
9 do crreme tena de continuar no entino das su-
priditas materia, adrniltindp matricula alumnos
eiternos, pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
tica de 19 annos consecutivos no exercicio de eu,
magisterio, sua inteira dedicago e sua moralidade
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORIS ADA PELO REAL DECRETO DE 2i DE DEZEMBRO DE 1889
sao garantas que offerece aos jenhores pis de fa- __ 1 .. .,..,', ,
nailias.quedesejam a sa e utii educado a seus Ba MBCI eiB dlflCiro, depositado BOS cofres de estado, garaRtC a B08 8d-
raiuistracao 4a compaohia.
BAQUEIROS. DA COMPANHIA I DRECCO GERAL '
O na uro de Hespanha | Madrid : lina do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutdo todas as combinacoes de supervivencia dos seguros
..4 Nella pde se taze,r a subscripgao de maneira que em nenham caso mesmojpor morte do se-
guraao se perca o capital nem.os juros correspondentes a etes.
Sao tao saprehendentes os rebultados que produzera as sociedades da ndole deA NACIO-
^rqae?inda raesrao "nlnainilo urna terca parte do interesse produride em recentes liquidacSes,
.il "J*.0.??,a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia para os
19 annos, urna imporsirao annnal le 100J
filnoa.
Quem pertanto quizer confiar ao mesmo abalxo
assignado a educaco de seus filhos, pode dirigir se
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da roa Nova, onde ha multo tempe-est
estabelecido.
Jote Maa Machado de Figueiredi.
XAROPE DEPURATIVO
JLE GOX
BROMQ-SULPHO I0DURAD0
Este nevo producto resultado de urna trplice combinacio de tres metalloides cujas proprie-
dades sSo mu conhecidas, o -Bromo, o Euxofre e o Iodo, oceupa hoje a primeira ordem de
entre lodos os depurativos dos quaes c o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais nouveis dos hospitaes de Pars, os senbores Caxenave,
Puche, Bazin, Blachc, Cuibout, Baroschet, Danet, Legroux, Vasse e Aubry, etc., demonstrarlo
sua poderosa efficacia as affecces seguientes :
llorar de aelle,
DariruH e borbaluas de toda a capela,
Placas mucosas,
Obsaracees Ijmabadcaa,
Papel ras,
Enerafn las,
Abecssas, pastesaaa,
Caaeraa,
Ulearas,
Tlnba,
Eaearfcuta,
Plaa ou Baubaa (do Brasil},
O Xarpe de Le Goux, de urna fcil digestao e de gosto delicioso, se emprega tambem
com muita vantagem e aconselbado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachilicas ou sobre a influencia de um vicio hereditario, e raui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalho e aos xarpes depurativos e an-escof-
buticos que se administravao at agora.
Deposito geral, em Paris, na botica Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
Parit, official da Leai&o de Honra, e em todas as boticas de Franca c dos paizes estrangeiros.
Framboesla,
Humores fros,
Racbltlsma,
Opblbalmla eaerofolesa e rhrsnlca,
Tsica escrofulosa,
Affecces srphllllleaa,
Elepbanllaala dos lireroa,
todas as doencas occasionadas por vti vicio do
sangue, c j tratadas sem nenhum ssccesso pelas
preparacSes vegetaes, iodadas e o oleo de figado
de bacalho.
OSr. morador da ra Nova que se
acha a dever 6 qaarteisde signaturas des-
te tDiario, queiramanda-las pagagarpois
assim como elle gosta de receber a paga de
seus servicos deve attender a d*s ou-
tros principalmente o do Diario queem
trabalham mais de 60 pessoas.
Manoel Jos de Albaqnerqne Mello, professer
particular de instraccao primaria, avisa ao res-
peitavel publico e com especialidade aos pas de
seus alumnos, qae a sua aula esta aborta desde o
dia 9 do correte, onde pede ser procurado; ad-
verte mais, que recebe em sna aula alumnos Inter-
nos e por mdico preco : no paleo de Terco n.
141, segundo andar.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22, em casa de Caros & Barbosa.
19. RA NOVA 19<
FREDERICO GAUTIER, CIltURGIAO nE.N'TISTA, de volta de sua viagem a Europa, aonde tomn co-
uheeimento das mais recentes descobertas e ltimos aperfeigoamentos que se tem feilo na arte den-
taria, alm de comprar [o segredo Bde diversas preparacoes emprgadas com muila vantagens, tem
a honra de participar ao respeitavel publico em geral e aos seus numerosos 'clientes em particular,
<>-' se acha de novo prompto ao sen di-pr para todo os mistares da sua proflsio, adverlindo qua
trouxe um imnunso sortimento de denles artificiaes, caoutebou vulcanisada, ouro, platina, massas
diversas muito aperfei?oadas, para chumbar, instrumentos novo*, ferramenta moderna, cadeira de
operacoes, etc., etc., dos mais acreditados fabricantes de Paris, Londres e New-York, e por isso
estando mais do que nunca no caso de servir do modo o mais satisfactorio, portanto espera con-
tinuar a mere-er"toda a confianza.
Acba-se sempre no seu gabinete das 8 horas da nunhaa at ao meio-dia com certeza e at as 4
horas da tarde quaudo nao tiver de ir em casas particulares.
Joao da Silva Ramos, medico pela Ui
versidade de Coimera, d consultas em
sua casa das 9 s 1 i horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em sua casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soccorridos em qaal-
quer occasio. Di consultas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos aproprrldos e nella pr-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 33000 diarios.
Segunda dita.... 2V5O0
Terceira dita.... 5J006
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O propietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
O solicitador Pedro Aiexandri-
; no da Costa Machado
se encarrega ante o foro desta cldade de tudo qae
. for tendente a sua profissao, aceita de partid an-
nual as pendencias judiciaes de qualquer casa
commercial medante razoavel ajuste. Contina
i a se encarregar de cbbrancas nos termos do Cabo
i e Ipojuca aonde continua a trabaltiar como d'an-
. tes, e encarrega-se de defezas perahte o jury nos
! termos prximos a via frrea, offereeendo gratui-
tamente seus servigos aos desvalidos, pode ser
procu~ado todos os dias uteis das 9 horas da ma-
nhaa as 3 da tarde na ruaestreita do Rosario n.
34, e fora dessas horas na ra Imperial n.36, ca-
sa de sua residencia.
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
seus clculos e liquidagSes, em segurados da idade de 3
produz em erTectivo metlico :
No fim de 5 annos.
> de 10 ,
> de 15
> de 20 .
- .. e 25 ... w.
ivas idades menores de 3 annos e raaiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
mo Joan^R- Amn,S ,n.formaC8 serao prestadas pelo sub-director nesla provincia o Sr. Jeronv
l^imen.n I'S l* 0hraia' r'V* P?t[* 1" W oa a ^-"Vista ra da Imperatriz n. 12, estabe
tecimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao.
1:1195300
3:9423000
11:208*200
30:2564000
80:331,5000
iHStrucc* primaria
O abano assignado, professor paMice da,treet-
ra cadeira de instrocjo primaria da freguezia de
Santo Antonio esta riaoa, 4n. comim- que sua
aalfc acha-ie abata e foncciootDo desvie odia 7
do cor rente ao priaeiro andar do f obrado n. 46.
roa de Agoas-Verdesj <
_____SeraphnB#ereira da Silva Monleiro.
Precfsa-se de tma ama forra ou captiva que
cozinhe e engomme alguma cosa '. na ra do
Cabug, loja d'a#oia a'aere 1 v
Amonio Loiz fe-Oliveira kicvede k C;
_ Agentes do banco Unilo do ft-rlo.
Competentemente, utoritados sacam *or todos
os paquetes sobre o mesmo banco paca o Porto
Lisboa e para as scginlcs agencia ;
Londres sobre Bapk ofl

CHANDE DEPOSITO i)E PIADOS
,
DE
-RUA MOVA- 25
sita na ra Non a n. 25, tem a honra de annunciar ao respeitavel publico que continua a dita casa
csor fimesperand0 annnciante que merecer a mesma conuanca que Uvera su ante
es XulZ*tabelecimonto encontrar o respeitavel publico um rande sortimento de pianos fran
ronri.S^ especialmente para este clima pelo
j deste deposito entre os melhores c mais acreditados que estiveram na ultima exposifao
pianos e
propnetan
universal em
.,mi^aa??dor^?es,einstromen-tosaor8adosavire apreciaras bellas vozes destes
admirar a na excellente conslruct;ao nico nesla cldade.
como ns anrrabaldesabeleCment0 coatinua'se alaKar. aBnar e concertar os pianos, tanto na cidade
O propeietario responsaftlisase pela sua excellentequalidade.
gg Saques sobre Portugal.
O abalxo assignado; autorisado pelo
Banco Mercantil PortueLse. e na ausencia
g do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos or paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por o, e mais luga-
I res do reino, por qualquer somma vis-
| ta, e a praso; podendo, os que temarem
* saques a praso,receberem ista.no mes-
| rao Banco, descontando 4 0|0 aoanno: na
mm loja de chapos da ra do Crtspo n. 6, ou
X na ra do Imperador n. 63, segando a-
il dar.Jos Joaquim da Costa MVia.
- Manoel Francisco da Silva Carrico ora
residente em Macei, julga nada dever nes-
ta praca ou fora del la, mas se alguem se
cora jardim, cocheira, estribara e outrasc. mmo-jjulgar seu credor qaeira apresentar seu t-
ffr^s^n.^l^lu^.T-^^1 Vieira : ita, nesles 8 dias- que dePOls de verificados
tratar na ra da Senra Novan. 42 ------- ser rnmedalamen,e paJ0 por Francisco
- Aluga-sea relente casa terrea da roa da Ribero ?Mq GumTrJs > J SSQ autor.
Florentina n. 20, que tem mnitos commodos para
grande familia, grande quintal com parreiral, e
ptima agua para o gasto : quem pretender, en-
tenda-se com o Sr. Gurjao, na mesma roa, com
offleina d e carros.
fSaft
fr. n ez, a
Vas o cel-
s5S5
m.
CHEGARAM OS MODERNOS CHILES DE
FIL PRETO.
Superiores chiles de fil | relo c'-egados | elo ni imo vapor
loja das robra n s ra do I res o n. 13, de An'onio Coneia de
los & C.
AttPTlP'rt Urna senhora com as habilitagoes precisas
aavtiiyav/t e licenciada pela directora da instrucQo publica
>o Passeio Publico, loja n. 11, ha para alugar- para o magisterio do ensino de primeiras letras,
se para algum sitio ou outro quilquerservico que rennindo outras habilitagoes, como bord'ar de to-
vao seja muito pesado um escravo muito fiel e de das as qualidades, costuras, etc., olferece se para
sado) ra d'ApoIlo armazem n. 38. Reci-
fe 23 de Janeiro de 4865._______________
Na ra dos Coelhos n. 10 s? dir quem d
algumas quantias com premio razoavel sobre boas
garantas.
nregonha.
Aluga-se a casa terrea n... a ra do Gazo-
melro com commodos para pequea familia, preco
de !o : a tratar com o Sr. Valenca.
Francisco do Reg Brando retira-se
Rio de Janeiro.
para o
ensinar ditas materias em algum engenho peno
da praca, ou era outro qualquer lugar : os pre-
lendentes que quizerem servir-se de seus presti-
mos, podem se dirigir ae Sr. colector Amerim, era
Olinda, ra do Varadouro.
Precisa-se de urna ama de leite
urna crianea, e paga-se bem : na ra
ssbrado n. 51.
para criar
da Praia,
Precisa-se de urna ama
ra larga do Rosario n. 46.
para cozmbar : na
Desapparereu no sabbado pelas 8 hora> da
nonte da porta da teberna da travessa da ra das
Crozas n. 16, um ravallo rudado, tendo urna ma-
Iha na anca esquerda, cojo cavallo se arhava car-
regado rom carne, levando tambera nin sacro covt
peias de ferro e mais trens, supi O-'-se ler sido
roubado ; portauto rogase a pessoa que delle no-
ticia tiver, dinja-se a leferida taberna que ser
recompencado pelos ahaixo assignado.
Recife, 2 de fevereiro de 1865.
Martins & Lebre.
Precisase de dous trabalhadores :
nacao da ra nova de Santa Rita n. 53.
na Mi-
s
; O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2 de peito :
3o dos org5os geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
O bacharel
Francisco usnsto da Costa
ADVGAD0
Ra do Imperador
numero
isa
69.
A luga-se
Q bacharel
Antonio Joaquira Ayres do Nascimento &f
tem o seu escriptorio de advogacia na ra S
estrella do Rosario n. 8, onde pode ser S||
procurado das 9 horas da manhaa as 4 ]g
i* da tarde.
&&&&& m mmmmMMM
Aluga-se o terceiro andar do sebrado n. 24
oo ra da Cadela do Recife, entrada pelo becco
Largo : a tratar no armazem do mesmo sobrado,
Mwm mam mm& mmmm
W O Dr. Carolinc Francisco de Lima San- g
jp| tos,contina a residir na ra do Impe- 9
k rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro-
R curado a qualquerhoradodiae da noite
0, para o exercici.0 de suaproOsso de rae-
? dico ; sendo que os chamados, depois de
t meio dia at 4 heras da tarde, devem ser
M nao abandonando nunca o estudo das
^ molestias de interior, prosegue, com o S
^| maior afflnco, no das mais difflceise deli- Jal
jig cadas operaroes. romo sejamdos orgaos W
gg ourinarios, dos olhos, partos, etc.
Paris
Hambnrgo
Barcellona
Madrid
Cadis
Sevilha
Valencia
:S*|*-..
Amarantes.
Arcos de Val de
Va.
Avtiro.
Barcellos.
Baste.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro
Oliveira d'Aze-
meis.
Penna fiel.
Tavira.
L
id
Fi dric'Si'ffidln & C.
Jo5o Gabe & Filho.
- Francisco Rbala 4 Ballesla.
Jaime Merie.
< Crdito Coaimercial.
> Gonzalo Segoria.
: M! Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Angra Terceira.jFigueira.
Caminha. Guarda.
Castello Branco. Gufmares.
Chaves.
Coimbra.
Corr hie.
El vas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porlo-alegre.
Thomar.
'Villa Nova
de
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Moncio.
Moncorva.
Regoe.
Setubal.
Vianca do Cas-
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Mignel.
Villa do Conde. Ponimo.
Villa Real de Vizes.
S. Antonio. Faial.
No imperio.
BaWa. Maranho.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo-
logo os saques a prazo serem descontados no
mesmo Banco a razio de 4 por cento ao anno' a
tratar na roa da Cruz n. 1.
S^gSp
M
!
Mobilla
Alugam-scmobilias : no pateo do Terco nume-
ro 42.
.Consultorio medico-cirtirgico na ra larga do
Rosarle n. 20.
0 Dr. Joo Ferrcira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sna profisso
nao s na parte medica como tambera na cirur-
gica.
; urna casa acabada agora, com commodos para fa-
jrailia,estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos,com banho na porta, no lugar do Pogo
j da Panella, ra do Rio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do Arnorim n. 35.
O Sr. Elias Cordeiro Cintra queira vir pa-
daria da ra Oireita n. 84, a negocio que nao ig-
nora.
E3 fCifO.
m
Magallifs Bastes & C.
avisam ao respeitavel publico e ao corpo do com-
merrio, que comprara a loja ae fazendas n. 10
da ra Nova de Antonio homingues Pinto.
Na ra do
Deposito geral do rap prineexa Gasse e Paule
Cordeiro nesia provincia, rna da Crux nume-
re 18.
Jos Joaquim Lima Bairao, recebedor do rap
princeza Gasse fino, meio grosso e grosso, Paulo
' Cordeiro, dito meio grosso e viajado, qoalidades
(em seguimento ao estas que tem nesta provincia obtido grande cre-
|S Companhia fidelldade d
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no S
Rio de Ianeiro.
AGENTES EH PEPNA4IBLC0 @
Antonio Luit de Oliveira Azevedo & C, m
competentemente autorisados pela direc- S
toria da companhia de seguros Fidelida- pr
de, tomam seguros de navios, mercado- W|
rias e predios no seu escriptorio ra da 2
Cruz n. 1.
Aluga-se um sitio na roa do Cabral da
cidade de Olinda, com casa terrea.com co-
dito pela sna excellente fabricagao, emateria prl- :-- nafrpnln hnfa ns fnri*~~VZtZ
ma de que composto ; isto o atiesta a innmera ?Ur ?.a.!.r_6._ 'j? _f. Lr"nd.?S para aestra"
O portuguez Albino Baptista da
Rocha, relojoeiro e dourador, na
praca da Independencia loja n. 12, i
fa#qualqner concert de relogio e
dourado por prego mais comraodo
do que outro qualquer e responsa-
bilisa-sc pelo seu trabalho e espera
Bartholomeu ,
Pocinho, casa de detencaoj.n. 45, compra-se o se-
guinte : o livro Conselheiro Fiel do Povo, a obra i
de Ouilberme Tel ou o libertador da Suivsa, um extraccao que elle tem tido, e a condeenracao que da e margem do rio Beberibe, com COm-
pilo grande, tudo em bom uso ; assim como tam- obteve na exposifo nacional, cuja medalha vem modos para familia, estribara para cavallo
bem comprase um cavallo novo, carnudo, para gravada nos rtulos dos mesmos botes, leem elle e canim oara SUStenta-l0S arvnrprlns rt
rangalha, eum sellim inglez em hora uso, e paga- de mais a vantagem de nao lerir o nariz. Tam- J_*f'm 9 3io ilPiVnnte Sam Lln
se bem. Na mesma casa cima precisa-se alugar bem vende-se o rap denominada Araarillinho que 'ruclos' sem ymno efrODte nem pelo
uraa cscrava para todo o servico de orna casa ler- na Baha goza de grande aceitacao. O deposito fundo,com ptimos passeiOS,sala e gabi-
reaedemui penco servi?o, e paga-se 20*; ese acha-se sempre snpprido de todas estas qu-.li- nete na frente, muito propria paraDassara
agradar a escrava e seu servico, nao se duvidar dades. H f tamb-m sp tlnaeri nnrann a I
adiantar alcuns mezes de alnifiipl p tan nhnp -----f;---------. ieMa,e lamuem be aiugaraporanno a MI-
O BACHAREL
JooGoncalves da Silva
" tari -ojos
Advocado
Moq-
Rua estreita do
Rosario
n. i 7.
proteccao de seus compatriotas.
Na ra Velha da Coa-Vista n. 43 loja, hauma-
escrava para alugar-se.
mmmm wmmmmm mmm
Lino de Faria o nico compleme
para aaver as dividas activas e outros
quaesquer bens da extracta firma Faria
& C. Elle neis avisa a todos os deredores
para que nao paguen seno a elle ou
pessoa por elle devidamente autorisada.
Espera que os mesmos devedores serao
pontuaes em satisfazerem seus dbitos,
livrando-o assim de recorrer aos meios
judiciaes. Elle mera na roa do Impera-
dor n. 57, segundo andar.
Pielro di Bruoove Bartholomei, subdito ita-
liano. vai para fora da provincia.
Precisa-se de um caixeiro para taberna, de
14 a 18 annos : na rna dos Pires o. 56.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
ra da Cadea do Recife n. 52J terceiro andar.
Precisa se de urna ama deleite que nao tenha
filhos : na roa Nova b. 47.
Aluga-se o primeiro andar e soto na ra
Imperial n. 27 : a tratar na travessa da Madre de
Dos n. 21.
s
O Mr. Jronymo'Villeia de Castro T7
vares advoga o crime e civel, commer-
cio 6 ecclesiastico. Pode ser procurado
todos os dias nteis at 3 horas da tarde
emseu escriptorio, ruado Crespo n....
primeiro andar defronte da livraria eco-
nmica.
31
Preci*a-se de urna criada para o servico de
casa : na ra Augusta n. 5.

Precisa-se de urna ama para lavar e engom-
mar : na ra Velha n. 4fr
Len Can, subdito
perlo.
da Independencia, e em Olinda na casa con-
* tigua;omo capito Antonio BernardoFer-
reira.____________^__________________
- O professor de latina da freguezia de S. Jos
desta cidade. abaixo assignado, faz sciente ao pu-
blico que se acha aberla a matricula de sea aula,
e que o exercicio da mesma comecar bo dia 3 de
fevereiro prximo futuro : quem se quizer matri-
cular, dirija-so ao sobrado n. 5, silo no largo da
ribeira.-Mat.uel Francisco Coelho.
THESORO OAS MAIS
Providencia das criancos
COLLARES ICO VI II
Electro- --magnetices.
CHAMADOS
Na praca da Independencia loja de ounves
n. 33, compram-se obras de ouro c prata e pedras
preciosas, assim citno se faf qualquer obra de
encommenda c todo e qualquer concert.
Tendo o abaixo assignado comprado ao Illm
Sr. A. W. Osborne, o seu estabelecimento photogra-
phico, com todos os seus pertenres, faz publico
que all se contina a trabalhar em todos os svs-
temas conhecidos e pelo melhor gosto possiv'el.
O estabeh cimento continuar a marchar com toda
a regularidade no aceio e promptidao do trabalho,
para o que o seu novo proprietano dispoe de lodos
os precisos a poder servir ao publico satisfactoria-
mente, ao mesmo lempo faz publico que por es-
tes dous ou tres dias um sortimento vartadlssimo
em gosto moderno, de objerlos exclusivamente
mandados vir empressamente para esle estabeleci-
mento.
u favoravel ensejo deste anBuncio, ordena ao
mesme Sr. a agradecer publicamente a Illma.
Exma. Sra. u. JosephaTiIaria dos Prazeres, e a to-
dos os mais herderos do seu casal, as delicadas
maneiras e attenjSes que para com elle tiveram no
traspasse do referido estabelecimento.
Julio dt Santos Pereira.
i a;wos.
Queijos do ultimo vapor o melhor que ba
neste genero a 2*300, ditos mais antigos a 1600,
vnhos do Porto, Figueira e Lisboa e todos es mais
gneros da melhor qualidade e por menes preco
do que ero outra qualquer parte : no amigo esta-
belecimento junto a esta typograpbla.
Perfumara e salmonetes de
Toilet
da casa Violet, perfumista com privilegio,
fomecedor das casas deS. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel 11
de. Hespanha.
As flores as mais esquisilas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorficos,
servem a composljo dos productos exclusivos da
rainha das Abelha?.
Sabo real de Trid; co.
0 nico reconimcndado pelas celebridades me-
dicas como hygieoca da pelle.
libame de Violeta.
Pomada fluidificada pelos oleo virgen para o
serviro dos cabeleireiros.
Gotas de Violetas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. a rai- .
nba Victoria.
Sabo de balsamo de Violetas.
Homenagem a S. M. a Imperalr::.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
LoccjSo benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz rosada.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas s
affecces dormaes.
Rosado das abelhas.
Locero refrigerante para o toilete e os banhos.
(jomo poupador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Crerae Sevign.
Composcao especial, para lustrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
treme fri espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido dermal.
Perfumes das brhas de roaie.
Delicias dos lencos e sal5es.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Russia.
C;ma de Juveucio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talisroans, segredo para t-ileza.
Vermelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passeiss e soires.
P hxrisoBtal
Pas as unhas o brilho de nacarregado.
Perfumes horisoulaes.
Para perfumar as cartas, toalhas e os quartos.
Yende-se na ra do Imperador n. 33, botica
-nrfceza. _______
Precisase alugar ou comprase um escra
sem habilidades para servente de casa de famili
a tratar na ra da Madre de Dos n. 36, prime
andar.

1 i c % s -1 o o c o 5 3 o 3 'X-I t/. a. 9 vi 9 o -5 a i c o 1 c o. s i ^' g -i a O i a. c a" -t o es c -1 a. a c H 5 > D O -1 3 <= < o 3 e > 2 o. 9 n r m & V

Cario* Raguer Rebacho ral a Portugal tra-
lar de sua saode.
-- Precisa-se de urna ama ae leite que nao tra-
ga menino : na ra das Larangaira* n. 10, casa de
pasto. _______________
Preeisa-se alugar um 'raoleque o 12 a 16
annos ou urna oegrinlia da mesma jdade i na ra
do Imperador n.Jf, primeiro andar.
Aluga-se urna exceienlc
frecisa-se de um cozmheiro : na ra da
Cruz n. II, casa de pasto.
SimSes.
cozinhar : na ra Nova n 10.
Alugam-se dous grandes sobrados com cora-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
dora jardim, cocheira, estribara o outras commo-
cdades, na travessa de Jo5o Fernande Tieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
ATTErigAO.
Precisase de um hornera casado que tenha as
habilitac5es para ensinar com' perfeico. primeiras
letras e alguns preparatorios em ura engenho per-' COLLARES ANODINOS DE DENTICO
francez, retira-se do im- to da estacao de Timb-ass : a tratar na ra do i Contra as convulsfies e para facilitara
< IS?"110 n- 2i com maJr Luiz Jos^. Pereira! denll^ae das crianzas preparados e inventa-
dos por Royer, phannaceufico da esco-
la superior do Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina
antiga casa.de Bouilron-Lagrange, pharniaceutico
do imperador
chefe dos trabalhos chimicos da escora po-
lytecbniea, director da escola de pbarmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
. i
O London & Brazilian Bank, saca por todos
'J!??l"'?_?eJ,!a a"?i 1ue saiba comprar e!0$ Pa1uet". ^^
Porto.
B.raa .
Viaana.
Guimarae.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
Na ra Imperial n. 36, prensase de urna ama
que compre, cozinhe e engomme, para casa de
nouca familia.
Aluga-se um sitio na Soledade, ra de Joao
Fernandos Vieira, rom urna boa easa de vivenda
assobradada, reedificada de novo, rodeada toda de
janellas, corr grande commodos para familia nu-
merosa, tendo um grande eopiar na frente e col-
locadas nelle tres grandes rr>r<-as de pedra mar-
more, quarto fora para prelos, grande cocheira
para carros, e grande estribara, e em frente a
casa um gr;nde telheiro para jogo da bola com
louos os sens perlences, Iluminado a gaz, assim
como a casa de vivenda : a tratar no caes do Ra-
mos n. 2,
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel coatra as gnorrheai
antigs e recentes, nico deposito r a bo-
ica franceza, ra da Cruz i. 22 nre-
eosi

Precisa-se de urna ama para cozinhar para
dous homens solteiros : na ra da Praia n. 10.
- Joaquim Teixeira Peixoto, cidado brasile-
ro, vai Europa.
tencao
Era nm destes dias prximos passados receben ~~ A,uBa-se a 'ja da casa n. 59 da rna Augus-
casa na rxwcacio o meu socio um caixo com cerveja, marca vicie-'u qaem Pretender dlrija-se a mesma casa cima
de Beberibe, com 6 quartos, 2 grtodes salas, eo- ria, per engan* : a pesioa que se julgar ser dono 1at aefiara coro tiem tralar-
Pia!J-0SIBha e.d?.us .1">tae murada, tendo o do dito, appaeca fcom o preto a quemo entr.gon, I Jos Ferreira Alvo Carioca, tendo de ir tr'a-
primelro boa estribarla e no segando urna planta-
cao de bananeirs com frustas e eiecllente ba-
nheiro : a tralar na ra da Imperatriz n. 38. u-
gundo andar.
Jo,o Venera
^ Babia.
Jos
sciente ao
ATTENClO,
Joaqnim da Gosta Ferreira, faz
publico e com especialidade ao
ma muito boa corpo do commercio, que tem traspassado
Darque na A can armovam (to mnlh-i.lic / nno An Im^
bliro neste jornal para o que poder resultar ao dito
cbjecto nos nao sermos responsavels.
PrecUa-se de urna mu^er
por estar defronte da rampa do desembarque
roa do Amorim n. 1-A, Porte do Mattos.
o seu armazem de motilados da rna do lm-
j peradorn. i i, aos Srs. Ferreira 4 Almei-
se
..jier capaz para cozi,! -? freeisa-se d urna fwa engora^adeira7enao Pc"'ur- ^riB.ra Aiuiei-
para *lm o diario de urna casa de; P9uca familia : a impoUa que seja livre ou eacrava ; D ra Vfilba da' ,,candO O activo e pasSIVO 3 CargK da
ralsr aa ra. *? A/a^o n, 27, n. 22, legundo jndar. referida firma-
Domingos Rodrigues de Aodrade saca sobre
a praga do Rio de Janeiro : na rna da Cruz nu-
mero 33. ,
1 '------1------------------------------1 i

Na roa da Cadea do Recife n. 50, prerisa-se de
ama ama para cozinhar e cemprar.
. Dase 300 ou iOOficom hynothera em nm*
escrava que saiba cosinhar e engommar, ficand"
os servicos pelos juros por 4 ou 6 mezes como se
convencionar
Nova n.'t
a tratar na refinado da Senzala
RELOGIOS,.
Vende-se em casa de Johnslon Pater &
C, ra do Vigario, n. 3, um bellq sprti-
mento de relogios de ouro patente in-
glez, d um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, a tambem urna variedade de
boniosttrarjcelins para os mesmostt
oviddesn barateiro.
. Brim. pardo uso fino a 800 r. a vara, cortes de
la de flores com iS cavados por 5#, grvalas de
seda preta a 160, pode-se faier deas, camisas brac-
eas para homem a i4, cortes de crtete de seda -
preta a 1*500, alpareas de cor a 300 e 400 rs. e
preta a 480 rs. o covado, chitas iagiezas escuras
padroes miudos cores lixas muite Anas a 220 rs. o
covado por ter nm pequeo principio de mofo, ma-
dapoln com 24 jardas a peca com defeito por 5*,
dito muito fino e largo por '.'*, algodao largo cora
24 jardas por 5} por ler defeito, cassa lisa eom de-
feilo a 400 rs. a Vara ; das chitas dao-se amostras
com peohor: ea loja da roa da Madre d Dees n.
91 defronte da guarda da alandega.
O bacharel Jeronyroo Salgado de Castro Ac
cioly, anligo advogadoido tribunal da relaco e
mats auditorios desta cidade, muden seu escrip-
torio para a ra estrella do Rosario n. 2,. segundo
andar, onde pode ser procurado pava os nisleres
de sua profisso.
Noel Eyrand, subdito franco, retira-se para
0 Pilar das A lagoa;.
- Vende-se e aluga-se em porcio e a relalh
bichas de Hambnrgo de superler qualidade pe
menos do que em ontra qualquer parle i na ra
do Vigario n. 8e 13,


"


-a-Lt.
til Ay-*\/r-i
.
jf


OLu-10 de PenuuibHett *e**a i** 3 4* MMftfta^UAIft

T
4c tintas.
RtrXWAruRAoR n. 22.
armazem de frntyjfcenna tT1>^o deposito de
aducios chimioea uemvis e os mais pregados
usados na phareaecia.ajatura, photographia, tin-
rana, pyrotecai&(fogederiitcie) ees outras
industrias.
Montado em grande escala, e soperinde-se di-
imente au principies drogaras de Pars, Loo-
P4sm
5ESTIVS
DE PEPSINA I
As psstilhai digestivas eom e pepsina de Wat^
$, Haraburgo^Anws'eTisbaa, pode ofTerecseV^ Wfln' mPreffio se com successo h j alga
iuetos de plena conQanga e satisfazer qualquer
amaleada a grosso trato e aretalho, norprecoe
.nzoareis.
Prvidos da machinas ,-appropriadas satisfar
^||m promplldo qualquar pedido de tinus moidas
Afleo, caja qualidade e pureza de sees agredien-
tes poderi ser examinada pelo consumidor, o qne
0o fcil farercom asuenas que sao Importadas,
que se encoatram no mercado em latas fechadas.
Tem grands colleeco da fidros de differentes
lejmatos, desde ama oitava at deteseisongas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios; de pinceis para fingir madeira com
propriedade e otros; de papis dourados e pra-
teados e rolhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
para embruino, para forro de casa, para desenho
D. WASMAN
!
armo* pelas celebridades medicaes de Paria.
Londres, Vieniia, etc., em todas as ineommodi-
oades em as quaes a digesto difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo im[)Ossivel: eis o melhor
remedio para curl as
DlM-rbfti e ronatt-
*ca produxlttaa
pela* elubornfea
dcrrluoKa* das ali-
mento*.
Gantralglas.
Easkararoa grlrlro.
A caatrlte.
Aa affeccora orc ni-
ca da ealntaga.
Em todas as ixolcslias cmpreglo-se a minde aa
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente aspastilkas de Vichy. Este meio i sd
efficaz quando se trate de dispepsias de carta da>
raclo, mas o prolongado uso das aguas e paslkat
me Vichy, tem grandes inconvenientes, por qnanto
os alcalinos empobrecem o sangne e isso de tal
maneira que Uics arrcblhao a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo tempo que se effectua a
transformaefio dos alimentos assimilhando-se
como elles e ajudo tabcm como elles a nutricio
Seral. Sua aecSo vivifica o sangue e os ergios
e tal sorteqae, ath as pessoas que sem soffrer as
affeccoes gstricas cima mencionadas sao nica-
mente iracas ou d'um temperamento um pouee
dbil, e necessito substancial alimento para for-
tificar se, acliSo no emprco das pastilhas pep-
sina de Wastfian, um poderoao meio para a isso
chegar.
Aviso importante. O successo das pastilhas
pepsina de Wasman diu causa a se faierem fal-
sificacoes e milacSes d'es^e producto que ee
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacio a pepsina que n'ella eatra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo (Teste inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenhSo
as iniciaos B. P. e saiao da pharmaciaCheTrier.
Depsito geralem Pars, pharmacia Chavrier,
sobrado *?' F*ubourg-Montmartre, e em todas as bou
_ poarmacias de Franca e dos paisas estrangeiros.
Frascos coja gomma. ^aljipa
dissolvida e pincel.
Vnndam-se oa ra do Queimado a; 8, loja la
auia branca.
iVvvos lbum.
eom (ando ja feiio; de papel albuminado e Brstol,
Ttrdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, cspal para o inferior e ex-
leiior ; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de liohaea
clarificado, oleo de oietet, secativo de Harlim, ouro
rerdadelro em pd ; prata, euro, e estanto em fo-
Ihas de varias cores; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para coafeitarias ; ia de cores, e
olhos de vidros para imagens ; tintas em tubos e
telas para retratos ^ timas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jasmiin,bergamota, aspice, patcliouiy, mbar,
bouquet.limo, alcaraiva, melissa, ortela pimenla,
louro, cereja, alazema, Portugal, lima, junpero,
ans da Russia, canella, cravo e muilos outros ob-
jectos que s com a vista podero ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
_. ____________ erente.
AttencSo.
Veode-seuma parte de nm sobrado site no
bairro do fiecife : a tratar na travessa do Carmo
1, sobrado.
Attenco.
Jos Joaqaim da CosU Ferreira fax sciente ao
publico e com especialidade ao corpo do coromer-
cio, que tem traspassadoo seu armazem de molha-
dos na ra do Imperador n. 14 aos Srs. Ferreira
& AlmeMa, ficando o activo e passivo cargo da
a.
COMPUi.
------------------------------,---------------------
S ttengo,
Procisase comprar urna escrava negra de 23a
30 annos de idade, que saiba engommar e cozi-
nhar, ou troca-se por oulra : na ra da Aurora,
passando o Gymnasio, primeira casa depois da
pontesinba de ferro.
Jemes para embrolke. ~
Compra-se na fabrica de cigarros antiga ra dos
Quarteis de Polieia n. 24, paga-se bem.
'
m
S3g-
S -
lili lf 1*1!
ItfZl'aVB
_ 8 3 P5--S-3
g s 3 s s
Compram-se 2 escravas mo^as e pa-
ga-se muito bem, sabendo engommar e
cosinhar : a ra do Crespo loja n. 17.
Compram-se escravos.
Sil vino Guilherme de Barros compra, vende e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
na ra du Imperador o. 79, rceiro andar.
Comprase ouru e prata em obras velhas. pa-
ga-se bem : na lojs de bilhetes da Praoa da Inde-
pendencia n. ii.___________________'_________ j
Compra-se efectivamente ouro e prata em
obras velhas, pagando-se bem : na ra largado;
Rosara n. 2i, loja de ourives. ;
Compra-se um preto cozinheiro, mojo e de
bonita figura : ua ra do Pilar o. 143.
VENDAS.
A agnubranen acaba de reeeber nutra en._
manda de bonitos e bem encadernados albuns de
capas de velludo, ruassa, tartaruga e marfim, al-
gunsdos quaes cora microscopio para augmentar
o taraanho dos retratos, continuando a s'erem veu.
didjs por pregos coininodos: na ra do Queimado
lja da agaia branca n. 8.
Galanteras para feftian
A aguia branca nao cessa de encommendar da
quena de melhoro mais agradavel.e porioaca-
ba de receber diversas figurase vasos de pede
pedra com fina banha, assim como bonitos frascos
Je excellentes extractse lindasealxmhas de ma-
deira eovernisada com finas perfumaras, toda
mu proprio para presentes de festas etc., havendo
dinhero dirija-seo pretndeme a roa do Queima-
do n. 8, loja da agaia branca.
inil fino para engom
mado
A agula branca na ra do Queimade n. 8, rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dito para engommauo.
Outros eufeites.
A aguia brawa acaba de recebar por este ulti-
mo vapor um noro sortimento de bonitos e delica-
dos <>,nfeitesde moldes inteiramente nevos a de um
apurado osto.assim poiscomparecam os pretn-
denos munidos dedinheiroe com disposicio de
gastar: na loja da aguia branca rna do Queima-
do n. 8..
; Pequeos pentes de tar-
taruga.
i A agaia branca na ra do Queimado n. i8, rece-
, ceben novamenie esses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos tanta estima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello qaando atado ; a
aguia branca porm avisa aquellas pessoas qae os
haviam encommendade e a quem mais qneira
aproveitar a occasiao de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo prero de 49 cada
(1 \l\.
WjttL. 5III,SEGUND
9ua do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
> Jos de Azevedo Maia la conlinuapdo a
3H^I,tD#aJhlI ,'e EeBi dar a fazeD
vf ta los cobres
lIDnSes f
T80rs.
da por todo prefa |
de alale
Cartas
es francezes da melbor qualiade
Grosaade peonas dtlcS" inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas decolcbejes fraacezes de superiores qnab-
dad/i a 40 W.
urosal ae bolSesde madreperbla muito finos a560
' e640ris.
Carretels com 4 a 5 oitavas de rciroz preto finoa
640 s.
Re5l?*. de papel de peso liso muito superior a
2000.
^*f*'*da liga ede outras muias qualidades a
ovO rs. ^
Caivetes para peana com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de botOes branco para casaveq'ues de senho-
ra a 100 rs.
Pecas de fila de eos estreitas eom 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 1J0OO.
Camillas da doutnna christaa, finase superiores a
P30 rs.
Grande liquidado.
Rna da lanperad-iz n. eo.
Loja de fa'zendas do pavao de Gama A Silv;
clia-3e este estabelecirnento eompletami'iii>
sorlido de fazendas inglezas, francezas, allemas e
suissas, proprias tnio p.ra a praca como para u
mato, prometiendo vender-se na\* barato do qi:e
em outraqualquer parte,piiiicipanienteseado tu
poryau, e de todas as fazendas do-se amostras,
dejxaudo ficarpaobor, .ou mandam-sc levar em ca-
sa pelos caixeiroa da luje do Pavao.
Vestes sulainl'arqDe.
Pelo ultimo vapor fraucez cliegaiarr.rlqnisiraos
vestidos soulambarque, os mais moderno- neste mercado tem a|.parecido, os quaes eslao
promptes com saia, corpinlio e seu competente
souumbarqoe, tudo guarnecido deseda, veludo e
renda. Quem tiver bom gostojdir1ia.se a loja do
Mvao, na ra da Imperatnz n ou.
AOS TRBS MIL M\
DOS. |
Na loja do Paviio,a3'#. 4f
1*000, I**1*500. ri**"*' lisiras da cort
e 7#000
vendem-se lindissimos cortes de vestidos india-
-odo todos bordados e delistras decrese
m de,uvas de seda para borneas' e senho'rasa ^^^^SI^J&SS
Gollijbasparasenbor, omelborqueba *\^JWl3^ "Jg
EL*m rp,0,com os competentes enfeites para o
SS h' ?ei bara,lssiIno preco de 4,5 cada um.
pnV ae'Sasascoresc<"n as barras bordadas;. Rica "ixinhas ron, iruMca n',-,,., ,
lerendo cada um em seu car.o, leodo cada* "Para costura, fSffjS wJSf-Si^f
0 VIGILME
Boa de Crespo n. .
O gallo vigilante tendo sido agraciado te'o n
poso.Balitea, na sna orden, do da, e peja latia
gudesporoes nunca os offender, antes osaa\l-
ciara na mesma conformidade. para ote o Bal >
possa marchar em frente, a Branca Ach.,
mmmsss
Estando brancos ficam pretos
0 bom resaltado e o rpido effeito que nm-ln
a tinturado chromacoma, e mesmo o facillimo
modo de apphcartem se tornado mu conhecido e
apreciada por lodes qne usrnosla a pdreonse-
guinteaugmentdoaexlraco,pelo que a aguia
branca mandouvir mais o novo sortimento que
acaba de receber constando eHo de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
Frascos com coloricoma para lustrar ditos.
Ditos com hydrocaHethrichna para limpar ditos
Ditos com oryehromantina para limparas unhas
Sabonetes brancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro "aos di-
tos sem offendera preparacaofeita.
Sapat)s de marroquim acu-
rado para bailes.
Esses sapatosdo grande tom renden-se nica-
mente na raa do Queimado loja da aguia braia a.
8 a 6* o par.
J^feias finas para senhoras
gordas
Vendera-se na ra do Queimado loja da agola
branca n. 8.
Esponjas finas para rosto.
Vendom-se na rna do Queimado loja da agaia
branca n. 8.
Frascos com superiores banbas a 240, 320, 500,
1*000.
Liwos qne serve para assentar roupa, pelodiminn-
to preco de 160 rs.
Capachos redondos muito finesa 500 rs.
Cordao Branco para esparliltms muito superior, a
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linba branca a 60
ris.
Cartdes com 200 jardas de linha branca garant-
des a 60 rs.
Grosas de peanas de ac superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de boioes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tinteiresde vidro com tintan 160rs.
Ditos de barro com superior tinte a 100 rs.
Grosas de botoes de louca prateados muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escoras para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixascom superiores phosphoros de segnranca a
160 rs.
Caixascom 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixascom 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 60(i rs.
Qnadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs
r
o seu
C wrespeiiaveibobfro
Hmf nlo de objecla arnha t rcB(r".
tejffK ne
Srecodfe7r,aelfe,,eS,prePOi!' P-'0 "aiissimo
ni.n- a,Ia um' dllos rom ''abados muito ho-
co de ^4o6ra *er em rml- I"'10 dimBnto Pre"
5. lT00 c?da u,n; advenindo-se jue os donos
de
GRANULOS e XAROPE
D'HYDROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
VrIio da Madeira e do Porto
Vende-se o superior vinhoda Madeiraedo Por-
to, em caixas de urna e duas duzias: s na loja
do Vigilanle,riia do Crespo n. 7.
Albnns
para 20 at 200 retrato.,muito bons e por menos
preco que em outra qualquer parte: na ra do
Crespo n. 4.
ALMANAK.
Acaba (Te sahir dos pr-
los de nossa tjrpograpliia o
Almaaak Administrativo ,
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
!?>; na Iivrana ns. 6 e 8 ^,rTr,,,:
da prapa da Independencia. i?es?^Mli
0 CSTELLO DE GRASVLLE
Tradazida do franeez por A. J. C. da Cruz. j navios, etr\, dirgirem se travessa da Madre de'
,T .un i Dos n. 16, armazem de Duarte, Carvalho & C
vene-se este bello romance em quatro que aeharae a exeeiicnte massa em luioes a preco
omos pelo baratissimo preco de 2*500 : \ de640rs. cada jim, e ein duzia a 05.
na praca da Independencia, livraria ns.! -* A"2*W0 a duza"de"caixilhos pai-rcartoe.
a? 8. comrWrateB: na praca da Independencia n. 22.
- Vende-se um e maginario, adaafa-sA as
Raa da Senzalla Kva 11. 42.
Neste estabelecimentof vendem-setachas de
; ferro coado libra afilO rs., idem de Low
Moor libra ai20 rs.
Reiulu pelai experinei feitas bu Indias e na
Fringa pelos mais afamados mdicos que as GRANV-
LAs e o x viioit- de hydrocotyla asitica e
J. LErnVB sio o ptimo remedio contra todas as espa-
cies de impicens ou herpes e outras molestias a
pelle, at as mais iuTeteradas, assim eom a LEPRA
OU MOrtPUEA, a SIPHILIS, as MOLESTIAS ESCRO-
FULOSAS, os iuiki matismos chronicos, etc.
Deposito geral em Parit, em casa de FOVRNlut
LABLQNVE. ra Bourbon-VilUneuve. te.
Deposito geral ejn Pernarnbnce ra da
Cruz n. 22 em ca.s;.- de Caros A Karboza.
/!^er^~iatarrho,rouguidao.
navio Toan o'f e lodas as innimcravcis molestias que *f-
erdadelra massa phosphorica nova.feclara aos igaos da respiraco
ate para este Ora. Ni' havendo ha: lR'fiiiPP^nrrFu
nado senao ja muilo v,.||,a, qua.i' or1. n. "^AJ'I'AKe.L.M
nenlium eTeit) produzta, por isso r-rommenda-se 'mediante a acc3 da balsmica e irreststl-
a todos que sequeiram ver livics ne tantos ani-1 ve I
maes e insectos que infestan) as ca-as. armazn,
trabalhar ao para
desearo;ar aigodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAB
Estas machina
podem descaros
Hualquer especi
le aigodo se-
estragar o fl.
sendo bastant
duas pessoas par
o trabalho; pd<
descarocara am
arroba de al
dio em earoee
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou S ar-
robas de aigodo
limpo.
Irritacio, dos pulmOes,
Angftna tosse,
Escarros de sangue,
rupo ou garrotilho,
FOLni^UAK
Para 1805
Aauam-se venda na livraria ns, 6 e 8 da, ZSSXU
praca4a Independencia:
i bom pintor, caiador e
: habilidades : no paleo du ,\. S. do terco n-141.
Vendajseuma racca nova e muio gorda pa-
>obrado junto ao
em Santo Amaro
ez
: E PORTA, abrangendo a,2f?*
pro-
>. servico da eseadinha por preco com-
KaltRdartO civil e eclesistico, tabellas modo : a tratir na ra do Sebo n. 54 liberna
de feHadOJ. de emolumentos dos tribu- V.nde-se e .luga-* em porcoe a relalho
naes de COinmerCiO, etc. a 160 rs. : bichas deHamburgo da superior qualidade,
por
na rpa
.'|uan-
A FOLFtiViJA DE ALGIBEIRA COtitendo o ""E" do 1ue em oain qualquer parte :
mesrao que aquella e mais urna nova Vl>r10 ns- 8 e 13.__________________
Salve Rainlia em'versos, o Stabat Mater', ~ v/n1d-seu"" jrmacSo de taberna, .,
em verso pKftrtn ,ia aonniantP rnra-n 0>' l>al'ao' caisoes. tulo em bom estado, por
eui verso, aevocao ae agonisanie, COracao preco coramodo : a tratar na mesma taberna na
de Jess, eaatico em louvor do Santissi- rna do Sebo n. 16.
gno Rosario, antico a Virgem Maria Nos- labarraque.----------~------
d*ias, um indito poema sobre as aven- na pra^a da ^dependencia n. 22.
turas de um COZQheiro, O canto de Utna ~ V"ende-se superior farinlia de mandioca, a
solteira (poesia), rescido numero dema- d"fdo,do palfho Brfil' lacado no caes Barao
xima* e pensamentos, tima historia como ""/5S52:-----------_-----,______\______
uiuitas (romance), e vinte cinco novas e ~~". v9ndc e a ojua |jara descir car
a godo co:n moiores para ani.i:aes: na ra
da Sa zalla Nova n 42.
Farelto superinr de I#boa jiijo sacco.
Tem para vender A tonie Lmz de (We-
ra AzeveJo no S'ii escrij/torio ra da Cnrr
n. f.
ANACAHUITA
plhereu charadas a 320 rs.
Baral<>
VenJiviauna Keileote sitio na Capunga Velba,
com ama excaHiate casa de pedra e cal para fa-
milia, concertada de aovo e est eaiada e pintada
tarabjad aivo, conten 3 salas, e urna dallas
propra para partidas, e 8 quartos, cozinha fra;
casa para escravos, dita para feitor, coeheira, es-
tribaria, tanque para bao ha, dito para lavar rou-
pa, terreno proprio, viveiro com peixe, e rio, bai-
la de capia) e duas cacimbas eom excellento agua
de beber, esto concertadas e lioipas de novo, e
multas fructeiras, con 130 ps de larangeiras de
J. Kel er A-C. ve .dem su.enor vi-
nho int dBrdeaix, tanto e:nqu rila
coaiH em.caixas de duz'a d garrafas.
Vende se um engonho d'agua, moente e cor-
rente, eom proporcoe para colher-se grandes sa-
fras annualmente atiento a bondade e extncSo de
diver.ai quaUdades, aapoiis. goiabeiras, abacato, seus terrenos ; est anda qua si todo em mala
mangaeiras, jaaneiras, coqueiros, aracazeiro?, par- virgem, e disu apenas mela Irgoa de urna da es-
reir, e enjfim que se aeba livre a desembarazado, tacSas da via-ferrea : quera o pretender dirlia-se
convida-se aos pretendeotas quiram dingi-se aoSr..ma;or Luiz Jos Perelra SimB-V ra do
aquelle lugaj'iara examinar o dita sitio, que est Livramenlo, sobrado rr. 2i. primero iMid.ir.
desoecupado, a tambem est aborto das, 8 horas----------j:~-----. i.
da mantiaa at as6horas da larde, que s Om a HUeijiS IreSPOS a 20II,
vista ficaro sati.-feitos : a iratar.na Capunga No- manteiga iagleza muio boa a 800 rs., franreza
va, no entrar da mesma ao lado esquerde, passau- 6M), cli miudo aromtico a 2600, caf 1' sorte
do o primero porto no segundo, que achara com a 80 e 340, arroz alvo a 100 rs.. toiicinhn a S8J
qusn-tratar este nagocio. __________'vinho do Porio lagrimas do donro ,i {& da Fi-
- Na rna Nova n. 65, segando aadar, praelsa- f"'^ a 25i?29 a ra,"ada *ii0 r:'- a ga'rrafa, de
se de urna ama idosa e de boa eondact. Tl* a 2560, e 360 r?. a garrafa : ra armzem
M---------. ----------------r--------- ** Estrella, largo do Faraizo B. 14.
No arco da N. S. da Ckinccicio,. toja de oa-'---------^rr-v--------------------------
rives, tem conos core as competentes salvas e ta-' 1HC08 da tftrpg
Iberes, ludo da prata, proprio para as meninas lev YJdsaj-se. bic fa tnrra na ra da nadea
varem para os ceHega? i ] w\m poacos, p. 59, loja. ^ J-
-
PEITORAL de KEMP.
a anacalnuta mexicana, que da o nome
especial este ncomparavel remedio, urna
arvore, cuja rrudeira por muito tempo te
ha usado no Tampico para a cura das cn-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e approvada pela acadearii
medica de Berlim.
O peitoral de Kemp om xarope deli-
cioso inteiramente livre de opio, acido hj-
drocianico e-outros ingredientes nocivos.
A' venda as droguejrasde Caors & Rar-
bosa, Bravo A C. e todos o's estabeleciman-
tos uharmaceuticos do imperio.
Vendem-se no Recife em casa de Cars &
Barboza e JoSo da C. Rravo C.
drogara.
31Raa larga do Rasarlo34
Bartholomeu Francisco de Seuza & ,.
Vendem:
Acido acelico puro pra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
fiuarnifoes aveliudadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Venfiza, fino, em' pes.
----rrr-----1--------2-------___________
Assim como, machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algod-
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis dcstas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs,
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de aigodo, no largo da ponte nova n.47.
Sauiders Brothers k C.
IV. II, pra;a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paii.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Baraleirc
conhecido j como tal, esl dispondo da fazenda
por lodo o preco para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baralhos de cartas para voltarete muito
finas a............................
Miadas de linha froxa para bordar a....
Pares de sapatos de tranca de todos os
tamanhos e finos a...................
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a.....
Libras de ara preta muito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a___
Ditos de dito perola a..................
Ditos de olao de babosa muito finos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muilo finos para o preco
a ris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............T...............
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carritis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pecas de flus elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores eheiros,pequeos, a
Pares de ligas multo superiores e bonitas
a ris............................
Varas de bicos rancezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
Indo a...........................
Pegas de tranca preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de ita preta com eolxetes a......
Libras de Ia sortida de todas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Caixas de obreias de ma ssamuto novas a
Varas- de franja .branra e deiores para
toalhasa.f..................___
Frascos de ojeo Philocomeseupenpr >...
Ditos com sapwior tinta S20 e........
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a
Bufiadores piraespartimo ..........
Duzias de ho'.oes encaratadde para vesti-
Veaile se caixacs vaziosor
206
90
1*300
30
900
100
100
200
500
490
640
600
400
80
30
94f>
**
4:
.4*
tjoor
1(MX
". *
V
m
4*
da in, j. .----------,' ciuuou-r tjue ut- nonos
o^an id/I"5 IOr ,,rutrn f<"P"<" urna grande
K dd, i MDVir lhe 'itf^W Upo, na sua
loja, ra da Imperatr.z n. GO, de Gama & Silva
Aos vinte mil covados de la
Grande pechincha. a 40
e 35o rs.
r.nt T as mais boniUs 'aznhas transpa-
iuf-' ?? Som Lls,ras e fluadrinbos miudinhos,
p rA'. Ide ,0daS 3S COret aSS'm COm0 PreIaS
2jVn lut0' pe, baratissimo preco de 240 o
covado.ditas transparentes com palminbasde seda
!iP'a,lendodetodas as cores, e tambem
it^proprJas.p,ra lul.Pe'o barato preco de
M cada covado, Uto por haver orna grande por-
Itlva. Imperatriz n. 60, de Gama &
Latas e cepos com banha fina.
A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
ben esta estimada banha fina em latas e copos, isso
aiemde outras em diversos frascos.
sraodernissimas lazinlias de urna s
cor, a imiacao de gorgare, veo-
de o pavao.
Chegaram pelo ultimo vapor franeez as mais
modernaslaazinhasde cordaozinho, as mais pro-
Em6 mais lindas qae tem vind0- Proprias para
vestidos,soutambarques, capas.etc, dam-se amos-
cas deixando penbor, e vendem-se pelo baratissi-
E?n.rnCn S> S C0Vad : na rift da lmPe"
ratnz n. 60, loja de Gama e Silva.
As ISazInbas do Pavo.
Vendem-se laazinhas dequadrinhos transparen-
tes boa fazenda, pelo preco de 280 rs. o eovado,
ditas largas multo finas a 400 rs., dias eslampa
das, cor segura, padroes roiudos egrandes a 320
dt'coH,0??n'nd"a!.""anspareil,cs com Palminhas
de seda a 400 rs., ditas escocezas a 560rs., isto tu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperatnz n. 60. '
Os gresdenaples do Pavao.
,J2 6rosdenaPles pretos, fazenda supe-
rior a t#b00rs. o covado, ditos largos muito en-
corpados a 2,5400, 2^600, 2S800 e 3000. dilos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
o covado : na loja de Gama A Silva, denominada
do Pavao, ra da Imperatriz d. 60.
As novas las garibaldinas a 500 rs.,
na loja do Pava.
Vendem-se as mais modernas laazinhas garibal-
dinas, fazenda inteiramente nova no marcado, sen-
do todas com listras miudinhas,
com lustroa imltaco das sedinha
cores, sendo azul,cor delirio, carm'ezi
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para
vender depres^a: na loja do Pavao, ra do Impe-
rador n. 60 de Gama 4 Silva.
Os mais moderos vestidos Maria Pia,
na loja do Pavo, a 16$
Vendem-se flnissimos vestidos Maria Pia com
os corpinhos differentes, lendo todos os preparse
com o competento sinlo : na ra da Imperatriz n.
60, loja 'do Pavao.
Lamisinlias a i$0<0
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras* e
meninas, polo barato preco de de tusloes cada
urna : na loja do Pavao, ra da lmperafriz n.60,
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
Vendem-se os mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeitados Maria Pia,
tendo de diflerentes tamanhos, pelo barato preco
de 85 cada um : na loja do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
)i ivas,
seda rare
?'?!1'ssi",afVf''aMlnpirdorerc|a.
Duas com lacinhodt lia
gilas do lindas cCres ,;re,a> de ,odas a$ ^_
^Lindos adereces com pedrinbes G'ngindo bfi-
rl?nS/DIOS d0 Dltimo P*'f e Parif
GLle?r",men'0 de MNm enfeiic Pira rato-
ca, sendo do n/timo gosto e de todos cVPf
Flores muno finas para Boiras P ?
Luvas enfeitadas c ireias de seda para r
^ouqumhas sanaos e nt \S'
Camismhas e eollibas para senbora
^uissimosjarros e fljuras Ernamenle de
Luvas de pelica llanca e decores.
Uscarrilhas de bonitas cores.
Tln i f'"5 d,e "Unos e de retroz para rergto<
Papelamisadee do outras qualidades. *
olsas para viagem.
Entremeios e babadinhos de lindos padree -
Lencinhos de linho bordaos.
^Meiasparahomem, senhoras, meninos e rrer...
dm Ve,ud0 li5as e eom D,a,an:e de u>
Thesouras e caivetes de todas as (iualidace<
Grande sortimento de saboneta *"Q"'1--
Lindos vasos com banha para onercriimif
Caixinbascom seis frasquinhos. '
Essencias de todas as qualidades
Agua verdideira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas erando cn
frascos quadrados egarrafinhas P **
SniarlaB,aa d.e ,odas Qualidades.
tamanhos a emfra$CSeC0|,CS dt u"><>
Sabaoinglez em paos grandes e peqnenr.<
semee.ParadeSembaracar'ccm friso ('' ""'<
Ditos de tartaruga e de.ttoiiaaoBtraqBalWa.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de afcpdao, assin, ren < r jitcs
e transparentes, i Mtros objectos de {usio que seria imw ftht u ti -
s, tendo varias; cioar que a vista far s no Gallo Vk-. m ,
mezim, cinzenta '" do Crespo n. 7.
I'dIiiL'is.
Lida. vollinhas de petlas falsas tai en: i.,-s.
: nogindo brilbante, assim como crtzHl;^ M.ijrs
evollinl.as, pelr-tralo pre^o de !cl5(l'
Crespo n'"}* "" i0 rs'! B0 VgiiaBle, roa-de
Lequfs.
Riqaissimosleques de madrepel-ola lantt r-ara
senhoras como para meninas, pelo barato rrcre
\eit c 14#; s no Vigilante, ra de Cr'c
GRANDE NOV1DADE.
. ? no Vigilante.
Iliquissimosenfeites de todas as qualidade .ira
senhoras e meninas, chegados hoje da alfandrta
Sintos
Riqnissimossintos de fila larga e estrfi:; n velas grandes e pequeas, com brilhactes fsl
cousa de muilo gosio.
Irr.
Si
66
so-
so;
w
Roupa feila barata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo caigas de bnm brance e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaplede cor a 1(00 o covado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato prego de 1*1600 o covado : na loja
do Pavao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de linho a 700 rs. a covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lenges, toalhas e ceroulas, pelo barato prego
de 700 rs. a vara : na Toja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavo.
Vende-se par acabar, urna porcao de retalhos
de las ecassas de todas as qualidades, e por pre-
gos muito em couta; quem tem economa que
pode apreciar : istona leja do Pavao, ra da Im-
peratrir d. 60, de Gama & Silva,
di-
lu-
de
proprios
para bahnteiros e fanilciros a i $760
cada ora; ne.sla lynngraphia.
lit da Senzalla n. 42.
Veode-se, em casa de S. P. Johnston & Q
solitos e silh5es ingleze, candieitos e cast-
caes bronzeados, lonas nglazas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de urp e tlous cavallos, e relogios de
Vndese urna taberna com poucos fundse 0UT0 patent nglez.
bons commodos para /amilia, a dinheiro ou a pra- .' 1 '. ~=
so, dando-se boa garaniia : oa roa dos-Pires n. 36 ,~ Ven,l8m-ie charutos
Madapoln a 7<$000, s na leja de Pavie.
Veode-se superior madapolo muito encorpado,
tendo 20 varas cada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego de 7$000 a peca, ditos
muito finos a 84, 9$ e 10000. E' pechipeha, na
loja do Pavao, ra da tmperatriz n. 60, de Gama&
Silva.
fortesde cassaa 'Q(M.
Vendem-se muflo bouilos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados
pelo baratissimo preco de 300O o corlo; s na
loja do Pavo, ruada Impeitriz o. 60, de Gama &
Slva;
Corfes de cbila fianteza.
Vendem-se Onissimos cortes de chita fran-
ceza, com 12 covados, tendo, padres^esrtiros e
alegres de cores fixas pelo baratissimo prego de
4JOO0O corte; s na loja do Pavlo ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama S Silva.
Cambraias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito Una,
tapada eiransparerye, pelo baratissimo prego de,
4*000t'ndo 8 1/2 varas cada pega, ditas muito fl-! coas* de multo gosto a IJSOO e 2, assiro- cano
se dir quem vende.
Vnde-se nina
rasa terrea com sotao inde
iidades: em casa
picha n. 48.
da Rahia de varias qua-
de Monhard & ('-, ra de Tra-
pendente, reedificada de novo, reoie 341000 men- T V'n s3 ta lurs s? ,-uni escravo mulato d(
sae?, sita na ra da Praia do Caldeirero n. 32 : a "n,l,rab;oleeiro, eoinhewo e.sepateiro : pa
tratar na raa da Concordia n. 73.
7
ra ver e tratar, na
'meiro andar,
Veadern-se por 200* dnai casas de uipa, I **
fu, do Queimado n. 13, pri-
wr->-------
A lltii ns
Tambem chegaram os riquissimos allons r-sra
50 retratos, com capa de lartarutra e de nrfirr
cousamuitocliique : s no Vigilante, ra do Crtf-
Goliuhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhcr ees-
topossivel, a2,25o00 e3;s no Vigilan
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para srclora.
Riquosissim enfeites com lago e sem lage e
outros muilos gostos a !, 1^500 e 3: s ce
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins ae cabello para relegi* ou
netas, pelo baratissimo preco de U500, ditos
retroz a 200 rs.
Babadinhos enlrrirrios.
Riquissimos babadinhos enlrcneios ctrr lirfr
desenhos tapados e transparentes, pelo Haratisfin o
prego de 200, 1B00, 2.e 3 ; s no Vigila, ts,
ra do Crespo n. 7.
Casrarrilhas.
Grande sortimento dccascanlhas de diverjas
larguras, assim como galaozinho e trancinbas i ;o-
pnas para eneies j s no Vigilante, ra do Cif<
po u. 7.
Filas.
Grande sortimenio de filas de diversas largurar
e qualidades, per pregos que admiram aos mi.-
pradores, havendo Otas largas proprias para rin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pea
de 9 varas a if,; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7. .
Filas de Ia.
Fitas de Ia de todas as qualidades, proprias ra-
ra debrum de vestido a TOO rs. a pega; s r.o Vi-
gilante, rna do Crespo n. 7
lieos espelees.
Riquissimos esrelhos ce moldan dfnrs,i;f
sem ella de 85,10*, 12* e 14,5, assim con o com
(lumnas de differentes tamanhos a ?j. Hl,k$, $$
e 6$ ; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Lindos Jarros e figuras.
Riquissimos jarros o figuras de porcelana fii.a.
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqoi
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. /.
Para pos de jrrez.
Riquissime vasos com bonecla j ara pos de airar.
h'nrconslruidas... sitas na Cabanga, que rendem
4*000 mensaei caa> urrta, oo fazse oulro qual-' Pentes dealur a 2O"0 rs cada um ; na rna" da
quern^ocio: atrmrnarn.lmperll i, H6. lCr0z, cat^l^^. Ji
|ii para tirios,
vi) pj:


as a 7$, 84, e 95 a pega, ditas" Victoria -com tO
varas pelo baratissimo prego de 75, 95 e 105, dr-
as Garrszes fazenda muito encerrada, fazenda pro-
pra para forma 360 rs. a vara on 5600 a peca;
isto na loja do Pava^rua da Imperatriz n. 60,'de
Gama A Silva.
Cortes de lia a 45000.
Vendem-se cortes de las garibaldinas, matisa-
das e de quadrinbos, tendo 1*2 covados cada corte
pelo baratissimo pre{o de 4|000 o corte : isto na
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, rna do Crespo T.
Parfomariai.
Grande sortimento de extractos e banbas, p< rra-
das, assim coma de liosos copos ou vasos erm iis>
tlnctivos e onerecimecios f? sirbasinAs des rre-
Ihores e. mais afamados entone-de l'afis elnflMer-
ra, assim como os grandes copos- de barba jar ore
a 25 e a 15,assim como outros objeclcs que nao e
_ possvel por boje anaunciar, e vista dos frrene-
loja de Pavo, rna da Imperatriz B. 66 de flama j zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
Silva. i JUH r"> do Crespo c. 7.
a'' Rm*a'.--ai-os' i

sA ->t>-
- '


L


W9tn& W&WFBtWkMwmG+ -" SCIIS 'idM S d6 WaVWCTI'O
NEM MlfRAS
* .1
ARMAZE9I
DE
nift

RITA DOIIHPERADOR \. 40
Jutf ao carada en que mora oSr. Osbwae,
Duarle Ahatetda A C, receberaaa de ana propria eacoa*
da o mala nade "Tarta# sortimento de moUiados* proprlos
da preseateestaco. |
Maateiga iogleza Macas: brancas
da safra nova vinda no ultimo wapor a 1,000] para son a melhor queae pode desejar,
Largo da SantaS
[Cruzns. 12 e 8i,|
[esquiua da ra do]
ESPECIAES gcebo.
{Cruz as. lie 84,
f.quita da ra do|
3D0. g
lllllil
O dono dos j muito acreditados armazens de molbados denominados Aurora
Brilaaute, acaba de receber de "sua propria encommenda, raoitos gneros delicados
prdirios da presente estacio, e tendo grande sortimento comprado aqui.afianraquetcdos
os seus gneros sao de I. qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de costas aos por-
tadores.
Nenhotn armazem vender mais barato, e melhores gneros do qae a Aurora
Brilhaute, j pelo grande sortimenio que tem, j raesmo por sea dono se achar encora-
dado fin sua saude e ter de vender um de seas armazens agora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar orna qmdra destas para se comprar
barato.
Latas com 8 libras de chouricas muito novas,
a 7*309.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
m lis de 12 cualidades, a 1000, 1S28Q e
1*4.
Bitas com ostras, ezcellente pelisca para fre-
gideira, a 7i rs.
Ditas com ervilbas novas, ensopadas, a
7O rs.
Ditas cora favas, a 640 rs.
Ditas comameisas a 1*200, 1*800 e 3*300.
Ditas cara marmelada do afaniado'fabrican-
caute Abreu, a 880 rs.
Ditas de raassa de tomate, a 300 rs.
Ditas com figos de comadre, novos, a 1*300,
2* e 2*300.
Dita- 'om bolacbinbade soda muito novas, a
ifoeo.
Ditas com biscoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a i*400.
Chocolate.
Chocolate superior muito aovo, a libra a
1*200.
Macarrao tolharim e aletria araarella,a libra
a 480 rs.
Hito dito dita branca, a libra a 406 rs.
Caixas com estrelinha, pevide e outras mas-
sas, a caixa 38300.
Ditas ditaem libras a 640 rs.
Saj, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sdpa a libra a 240 rs.
Ervilbas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arraz do Maranhao, em sacoa a arroba a
8*490 e a libra a 80 rs.
o da India e Java, a arroba a 3*200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a93300 aarroba e a320
rs. a libra.
Dito 4.3 Santos, a arroba 7*000 e a libra a
230 rs.
Molaos com 123 sebolas grandes, a 1*280.
Sfeatarda franceza caixa com 2 duzas a
g* Frascos com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos coa conservas inglezas e francezas,
a 649 e 0) rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 500
ruis.
Ditas cara a verdadeira genebra de laranja
a 13200.
Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
1*990.
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 610 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafoes com 2 galocs com dita, a 65000.
Sorreja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 6*000.
Vinho mscate! de tetuba, a garrafa a
1* 100.
Marrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 1*200.
Champagne, a duzla 20*000, e a garrafa a
2 SOW.
Azr-itc refinado po.rtagueze fraucez, a gar-
rafa a 1*000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
7*, 8*, 95 e 103 a caixa.
Das com dito branco, a 7*000 acaixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 203.
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Ditas com chamisco superior, a 14*000.
Ditas com Porto vclho e outras multas mar-
cas, a 12*000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 6*0,
729 e 800 rs.
Dito de Lisboa multo boro, a caada a
3*200,33500 e 4*000, e a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Firaeira, das segrales marca, (N.j
fj. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
43300 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
BDitos de marcas mais deseonheeidas, a cana-
da a 3*300 e 4*000 e a garrafa *
520 rs.
a 480 e
Vinuo baonco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito su>eror, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gamma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de so
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao raassa, a libra a 200, 240 o 280 rs.
rariafca.
Saccas grandoscom farinha deGoianna mui-
to nova, 5*000.
Caf.
Caf do Rio mnio superior, a arroba a 8*.
8*500 e 0*000.
Cbi.
Cha temos uestes gneros o melhor possivel,
byssou, a libra a 2*600.
Dltoperola a 3*000.
lito uxim a 3*700,
Dito hysson muito fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dito pre|o de primeira qualidade a2*50O.
Dito mals b^aixo a 2*000 e 1*600.
Erra mate.
Excelleote cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaceti.
O masso com 6 vellas de espermacele a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 4* e 2300.
Nema.
Nozes, a hbra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpista e painrn.
Alpsta e patuco,a arroba4*000 ea libra a
100 rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar, a duzia a 2*500.
Caslanhas.
Castanhasnovas vindas neste vapor, aarro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Barris cora azeitonas novas a 1*500
Manleiga.
Manteiga flor, a libra a 1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova,a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara tempero a 400 rs.
Qieijos.
Queijos novos vindos neste vapor a3*208 e
3*500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
1*000
Papel.
Papel almaro pautado, a resma a 4*800
Dito dilo lizo de linbo, a resma a 4*500
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
2*500
Dito de embrtrrlio bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira.
Garrafas como verdadeiro vinhoXereze Ma-
deira a 1*500 e 2*.
Temperos.
Folhasde louro, pimenta do reino, cominbo
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas ie carnaiba.
Massoscom 6 velas de carnauba refinada a
460 rs.
Amendoss.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Dwe.
CaixSes de doce de golaba, grandes a 11400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpir.
Tijolos dearear facas a 140 rs.
Craza.
Dur.ias de boioes de grtia 97 a 2*600, a
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos linos dos melbores fabricantes da
Bahia por diversos procos, caixas e meias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes sj|
a estes estabelecimentos, que deixam de i- V
nnnciar-se.
0 CORTE.
Fecnincaa sem igual.
Lindos cortes para vestido de percal* de cret
claras c escuras com'grande vardade de padres
pel baratsimo prego de $ o corte: fia loja das
coUmnasrua da Crespn. 13, de Antonio Cor-
reitL de Vasconcellos & C.
L
Algodo em caroca
Corapra-se qaalqner quantidade por maior pre-
ro do a do Carioca i. 2, caes do Ramos.

rs. aflora eom barril a Boo rs.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
i a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lmdresirats cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2)5400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos franceses a 500 rs. cada um.
Latas
com holachinhas de soda de todas as rea-
lidades a 1*300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1(5000 a libra.
Presuntos inglezes
do* melhores fabricantes a 800 rs., tambes
temos velaos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste .ultimo vapor a 2SGoo.
Queijos
ebegados no ultimo vapor a 20600 cadaum.
Queljo
lndrino ornis fresco que se podo esperar
e de escallante maree a 800 rs. a libra
sondo inteiro e a 900 rs, a retalbo.
Gcmservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos f
em libras e citmhas ricamente -doaradas,
proprias para taimes a 900 e 102QO.
Cha uxim
o memor que se pode desejar, que outro
qualquer n5o pode vender por menos de
.3* a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs.a libra.
dem fajasen
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talbarinv e aletria a
480rs. alibra.
COJS.4C
o muito afamado cognac Pal Brandy a l.8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada nm.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 20200 a resma,
i PAPEL
; azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2oo
I rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo is.a libra.
Pumo
o vardadeiro fume americano em chapa a
l,4oors. alibra.
Vinagre
PBRem ascoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista o taiuco
o mais novo do mercado a i W rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
macarrao, talhaim" e alejria a 400 rs. a
libra e 40500 a jaita.
;h0
Figueira J A Aeouiras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem 'de Lisboa
e de airas marcas, a 400 rs. a garrafa,
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrad do das melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 40200
a garrafa e de 10$ a 120 a caixa, as mar
cas s5o asseguintes: Charaisso AFilhe,
F. e M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Dou-o eoutros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachin&a ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
veodem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado ai20r* .al bra.
Ceryejas
do melbores fabricantes|e de todas as mai
cas de 40500 a 0500 a duzia.
C^ABUTOS ,
Charutos Thom Pirito,, Res e outros em
meias caixinhasa 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra-, e 20500 a 30000 tf ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de l.1 e 2.* sorte do lito de Janeiro a 805f
e 80800-a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garijafea
com 4 */ garrafas com vinagre a 10000 toa
ogarrafao.
GEPfEBRA SE LARAXJA
verdadeira a 10000 b frasco, ede U0OOC
acaixa.
ID1JM
em frasqueiras de Holanda a 50800 com
12 frascos.
geni: BRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos lo gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caixima,
LICOlRES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo acaixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmlada
dos melhores fabricant* s de Lisboa, como se-
jam Abreu e outro; muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto deLamegoa 52o rs.
a libra.
ARR DZ
Maranhao, Java e India], a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2eo rsl a arroba.
VELlS
de espermacete de dive
a libra e em caixa t
sas marcas a 56o rs.
;r abatimento.
VELAS
de arroba a9,3ooe
de carnauba em caixas
caixa e 34o rs. a ribr.
Batatas novas
em cam de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a Imra. ]
Passas onile eras
em quartos e inteiros a 2tJ o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra 3 140 rs. o pao.
calda
Frutas em
chegadas ltimamente, peta, pecego, gioja e
outros muitos a 640 rs a lata.
Dsce da caica di golaba
a 600 e 10 caixSe.
gmjia min nova
jBDitonovasa 10000ocento amadoQuel- em panelros del. e 2 arrobas a 30500 a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 4ftelar-! robae 140 rs. a libra ita roa do Qoei-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140 ?s. a li- i
bra na ra do Queimrdo n. 7, roa do-
Imperador a. 40 e largo de Carama. 9.
QEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimadon. 7, ra do Imperador a. 40
11 da Carao a.
madoa. 7, readolmper idor. 40 elargo
do Carmo tu 9
BOLACHINHAS
em latas de defieren tes qulidadOs a 10200
a lata
QUEIJOS FLAM 2NGO^
chegadosueste ultimo vapo a 20800 na ra
do Queimado n. 7, ruado Imperadorn.
40 e largo do Carmo n. .
Os propristarios do grande armazem o Vardadeiro Principal dfeclaratb aos sene
freguezes e amigos ao publico em geral, que para facilitar a commodid ade d<. todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeira Priicipal na do Imperador n. 4<|
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na ra do Imperador n. 40,

NOVIDADES.

TeaeHi pitnr em barris a eommedo prego
aroadaCrMa.3,primeiro aatr, eseriptari:
de Aatonio do Almeida Gomes.
Queijos do Alentejo. ditos das ilbas, o mais fresco que Se bode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro tr algum abatimento, wcai caixmaas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato pfeca de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10500
cada urna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador a. 4.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade
4*0 a lata
parador ___
Bixas de Hfcftnfga
Yeadem-se aa ra Nova a. 1.
Staeriar cal de Lisboa
Vndese superior tal li *.i*C& aa
#a.
tos,armazem de
ilgodio.
. Avllla, defraatfl o traathi

NO
ABIAIEa
^%^W ll
w~W3S aW) ^nama\*~d>
XJBTREXKO VKB0E.
- Neste estabelecimento ha sempre um serUmento completo do roupa feita de \
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores profssoros, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,'
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas dem, 300 e
300000
250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e.....: 100000
Ditos de casemira, 200, 150,
120, 100 e....... 70OOO
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos "pretos, 90, 70,
50, 40 e ,.....30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 4050, 40, 30500 e. 30000
^Dtos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
dio, 100, 70 e.....50000
Calcas de casemira preta, 120,
*0, 0e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. .. 70000
i Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....40000
Ditas de princeza e merinpte-
to de cordo, 40500 e. 4|0O0
Ditas de brim branco de co-
res, 50, 40500, 40 e 0500
Ditas de ganga de cores, 30 e 20500
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......7.0000
Ditos de casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas de cores 50
4 O ........31500
Ditos de setim preto.
Ditos de dHos o
M.
e .
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustSo e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20480 e ..... .
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e......20900
Ditas de madapolo, 20500,
2f/ c .....
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e .
Ditos de fltro, 50,40,30500
Ditos de sol, de seda, 420,
110, 70 e \ .
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de gravi-
tas. |
Toalhas para rosto, duna, 110,
e i ., ', 60000
500001
20500
20000
10400,
10600
00500
20000
60000
60000
Chapeos de sol, Je^lpaca,gra-
tos e decore*. .
Lences de bramante de linho.
Cobertas de chita chineza.. .
40000
30000
20500
DE

DE
J. VIGNES.
M. 55. RIJA DO IMPERADOR X. 55.
0 pianos esta fltiga fabrira sao hoje assaz conhecidos para qae seja necessario insistir sobre t
sua eaperioridade, vantagens o garantas fub Terecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis ^ne elles lem definitivamente conjuistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
snindo um teclado e machinismo que obedecem todas as voatades o caprichos das pianistas, sem-
nunca fathar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissiaos para o clima deste pak ; qnanto as veces sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrira como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicoes.
No mesmo estabelecimento se aeha sempre nm explendido e variado sortimento de msicas dos
melnores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDUMlItlRGICO
do
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Boa da Gloria, casa do Fund&o 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da mauha, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos presos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
> de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
> de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se Dzer, e coa os rean
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onc 10"0O.
Sonde para cima de 12, custaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopatbko do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............. 200000
Medicina domestica do Dr. Hering,........: 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ 60000
Diccionario de termos de medicina ...,...,,.. 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por domis conhecidos o rspeasam portan-
te de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, nota veis pela sua boa conservacao, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portaoto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enlermidade ou faaer-se-lhe quabmer
operaco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, a
funcionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cojo coneeite se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seas
deentes.
Paga-se 20000 por da durante 60 dias edabi emduote 10500.
As operacoes serSo previamente ajustadas, se nlo se quierem sujaitar ao precoa
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
---------------------------i_--------------------------------------------------- ^---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------1----------------------------------------------------------------------------------1
mmmmmm
Coeei$o da
Bahia.
8
a.
i
AGENCIi.LOW-MWL
- Ra la Seualla aova a. *t.
Aodxade 4 Reg, receben tonstante- ^ KarIa Ptahpipcimpnto rnnta a bavar
mente e tem venda no sen armazem n. & INeSt pecmento conaaua a aavw
34 da ruado imperador, aigoda> d'aqaei- m om completo sortimento do 0Mda omoiai
rioDra saerju. lis um. 5 moendas paraengenho, maahaaaa da vaaar
e tacnas de fierro batido tfceada, datedoa ai
lamanhos para ditos.
Arados
Sla fabrira, proprio para saceos i de assu-
car, emtralar algodao emplmlijJ etc., ete., _
pele proco mais razoavai.
....
.4 V
A'loja do-Porto
Naesqaiaa da raa da ladre de fetooem 43
Chegou pelo ultimo vapor francez nm completo
soriiwotuo de etieodo)!? sendo- de Nates para ho-
raem, e div nina?, ha tambem um completo sortimento de fa-
zendas e roupas feius, tado muito barato.
. amercanoa a macbaas para
tavw roana: em casa de S., Johnstoa 4 C.
ra da Senzalla Nova n. 42;
ATPJRSKKC
Eeijdo.
Vendemse sarcos com 55 cnias de fejao jado
do Porto por ll, em ouias a 550 : na roa Dire-
n,8U______________________
Yiuho do Port lupHor
em barris d oltavo e dcimo, vende Antonio Luh
e Oliveira Azevedo 4 C.: no sen escrlptoTlo roa
da Cruz d. 1]
Vende-se superior vinho do Porto em ettifts da
orna duzia : em caca de lohaaaat Palor .&, m
aoAigariaa.3. _______________________
Vende-se a casa terrea' n. *S da ra de Ma-
tbias Ferreira da cidade da Oliad ; quem apre-
tender dirija-se a tratar neoto eidao aa raa A
gQS "________________I-----------------
YBde-se ara gfande torta-; e om bom tao>
fara trabaltmr : ni eoaholr to'Sr. PaaHao,aa
Mundo Novo.
z'


-


r
Diario c Pfrubiee caria felra a de Fcwemire) de 1M*.
-
OVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaraan ea ncdsnws vastides d dentella de seda.com barra, inteiraraenta novos
emroste 0 ijnalldade : aloja das cMamnas, naruado Crespo n. 13, de Antonio Correia
de TaseooeeMes 6-, snccesseres dt los Mereira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Para vestaos de senuara
Snperieree eerlas de seda de cor, de raeriante, de forgarao e de setim imperial.
ms de Mead, e de cambria branca bordades.
Ditas de la com barra*grande rariedade era cores e padrees.
Ditos de ecgaoyi eom barra
Liadas setas de qaaaros esceeeeza e miadas.
Superiores las lisas com grande rariedade de cores.
Ditas eom salpicas, com Dores o da quadros.
Liadas paaapolinas de quadros e da flores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas rambraias organdy
Grande rariedade da edita de coras, de percalia eontras emitas fazendas dejla-
Para hombros de seahera
Liadas capas a boornoux de easemira de cor.
Vita de lia a de seda.
Grande variedade de sont'enjbara,nes de seda de i8J> a 40f.
Manteletas de sede.
Superiores basquinas.
Soperiores chales de seda, de merino estampados Anos, de cacbimira com listras da
seda e de fil preto.
Canminnas modereas, zuavos' branees e de cores, colletes de cambraia. lindas col-
linhas coa ponaos e outros maitos artigo?. *
Para cabeca de seuhora e menino
Superiores chapeos e ahapellinas de palha de Italia enfeitadas para senhora
Ditas de feltro enfeitados para senhora.
Ditos de palba enfeitados para menino.
Grande sortimento de enhiles modernos de retrox, de froco, de cabello e de flores
para senhora. ^
.- 2W* u colonmas da rn* do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconcel-
es dt U.

i
AO
.
Sena menor eonstran-
glnaento se entregar
Importe do genero que
So agradar.
ARMAZEM
AHENCaO
a precos ala guite
tabella 4) para todos, po-
dendo assim servir de ba
se para o ajaste de contas
eom os portadores.
MERCANTIL
RA DA CADEIA DO KBCIFE IX. 53.
(lee asnada o arte da Ceaeeieis)
rande redneeio de preeos, equivalente a dez por cento meaos do que outro qualquer
j- annuaciante.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Roa de Qnciniado a. 19.
Vende-se o segniote:
Lences de panno de linho
pelo baratissimo preco de 2,1400.
Lences de bramai/te de linho
de um so panno a 34500.
Coberta de chita da india,
pelo baratissimo preco de 5,8500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, i!|a duzia.
Pegas de bretanha de rolo com 40 varas
propria para .-aa, a 4>.
Pegas de cambraia de forro, a 2,5GOO.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gura, por menos preco do que em oulra qualquer
I parte.
j Toalhas alcochoadas para maos
a 5 a dnzia.
Lazinhas carmezim miodinhas
proprias para vestido de menina, a 6G0 ris o co-
vado.
Lazinhas de cores finas
CiERili ItECOWflfJ^IlA^lO
Mim CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
r.., SSLS! *" 8ank*' ?ono deste tem sonido armazem de molbados faz --' ^a
reeomraendacao ees seus amigos, freguezes e a lodos em geral, que esta resoMdo a vendaos 2
eeeeroada nrime.ira mah(ih. mcj m ___.___ euuer o> seus
bein
traqaa
eoeaecdos geaero.de primeira qualidade,por menos de 10 a 20 por c eno menos ZIZ
alquer parte a dlnbeiro contado.e todo o comprador que cooprar de Oa'a wi 235
em ou-
mprador que comprar de 60* a 100* terso descon-
^S^JS^SSSt11^^^
jtassas pare sepa macarro, talharim e aletria a
S40 re. a libra e em caita a S.
foncinoe da Lisboa airo muito superior 280rs
a libra e 8*800 a arroba.
Daf do Rio de primeira e segaedasorte a 260,280
e 300 rs. a libra e a afroba on sacce a 8a e
Chouricas as raais novas do mercad* a 560 rs.
libra e em barril a lii.
Passas viadas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a eaixa a 8*.
Batatas em eios de 33a 40 libras por 2*400 a ar.
roba a a 80 rs. a libra.
Cha hr*s6n miadinho superior qaalidade a 1*200.
2*000, 2*50 e 3 a libra.
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 360,
800, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem proprie para neeoci
rs.a
Milho alpista e painco muito limpo a 140 rs a li-
bra e a arroba a 4*400 e 4$200.
Pnespbros do gaz vlndos por conta propria a 180
rs. o maco e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ea-
lao a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500
garrafa e a duzia a 5*800.
Figes de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abalimento.
arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2*8t0, 2*e 2*400.
Assim como ha um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frasco*como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas.choeo-
late, marmelada, vinho engarrafado eoutros mui-
e"a MnParl aSiimesnlS80 e ^ C^afa tos gneros que enfadonho menciona-los, e se t-
e a caada a 2*400 e 2*700. Ignem duridar venha ver.
TOSE GOMES VILLAR
Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Pretendendo Ir muito breve a Europa tratar de sua saade, pede aos seus devedores
Unto do mato como desta praca que saldem seus dbitos quanto antes, e
Protejam Excdlentissimas senhoras a esie impor-
tante estabelecimento.
Fazendas muito proprias para a quaresma, grs preto, morentiques. cortes de se-
das pratas, capas pretas, casacSes, soutembarques, chapeos de palha, chapelinas de palha.
Bournus pretos de renda
o que de mais bello e mais importante para os hombros de urna Excellenlissima senho-
ra, assim como chales do renda de apurados gostos, camisinhas bordadas.
FRANCISCO J. GERMANN
SI RA NOVA M* *1
Acaba de roceber um magnico e completo sortimento dos objectos que de'raelhor qualida
de encontrar em urna relojoana, taes como : chronometros martimos e de aleibeira relocios
e rala, donrado.se. finados, ditos un mesa o .la ,,'u-o.ia r.....,..-,.... ..:___ n._ -' e
e prata dourados e IdUadoe, ditos para mesa e de parede, francezes, suissos, allemaes e americano
regaladores de compeosacao, relogios grandes com msica o sem ella, dito de sol montados com eras
para disparar em certas horas, despertadores de diversos tamaitos, caixas com msicas unal aortf.
ment de ooulos e luneUs de ouro e prata dourada e tartaruga, Lualo, ac, e varios meter* cutos o
lunetas aspeeiaes para senhoras, de ultimo gosto, ditos proprios para os que ofTrera de inflaumacoes
nos olhos, fabricados segundo os preceilos dos mais acreditados mdicos da Europa e igualmente os d
Pernambuco, os quaes so se vendem por consulta dos mdicos, vldros de crysial tranco e da rrtrM
oculos de alcance para o mar e outros proprios para observacoes astronmicas, citantes e sextante''
binculos para theatre. para mar e para campo, microscopios e meridiano universal barmetro"' tar'
rnometros caixas de instrumentos matheraaticos, correntes e chaves, sinetes e trance ins de ouro dou-
rados e foleadas, ludo dos melhores fabricantes. Encarregase de qualquer concert e encommenda dos
objectos mencionados, a responsabilisa-se durante um anno por qualquer relocio vendido
eito, era seu estabelecimento; e veode por menos que pode fazer ouiro qualquer.
meato.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7,8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qoalidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a too rs. a libra, e 3,000
rs. a arroba,
dem da India muito airo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2o rs.
a arroba, j
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e'talharim'a !4oa rs. a li-
bra, e 9,ooe rs. a caixa.
dem e talherim braHco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendareis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse fim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
ViBho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5eo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garr&fa, em caada
a 3,ooo e 3,tioo re.
Vinho branco para missa em caixa de i duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa;
Vinho do Porto das melhores imarcas, que
Tm ao mercado como sejam: Lagrimas do
Donro, Duqtae do Porto, DuiqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fettoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
10,000 rs. e a 9oo l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tera
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartosje meiaslatas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grades
preparadas pelo melhorconserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, salm3o, ostras e cheroee, vezugo em! Bolachinhas nglezas as mais novas do mer-
ou concert
Cassas para vestidos.
Tal pechincha e a dinheiro se pode vender.
v!,r0S,QPHn0r!f -assafs franceza3 de C(Jre miudinhas, de qnadros, lisas, e de ramagens com crande
^'^^ "^'^* <^d?-?^?-.1Sfi 2??^ -Wo I 00 a vara, pelo baSimo"preS"2
300 rs. o covado
& uimp.
najqja das columnas da ra do Crespo n. 13,
to prego _.
de Antonio Correa de Vasconcel los
BOTICA E DROGARA
Bartholomeii Francssco d Sonza C.
31Ra larga do Rosario3
Vendem:
Pilulus Holloway.
Pilulas do Or. Laville.
Filulas do Dr. Alian.
Pilulas do Pobre-hornea.
Pilulas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pilulas vegetaes assucaradas de Keeip.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimsutt.
Vinho de Salsaparrima deCh, Albert. ,?g
Injeccao Peaugas.
Agua denflca de- Desirabode,
Papel chimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos anti-epiletices de Brest.
Rob L'Alleoteur.
Tarop do Bosque.
Ungento Holloway.
^_- i i
%kt do gaz.
Ptela do gaz.
Alcatro alo gaz.
Coke, tonelada IOOOO.
Pitch, arroba 3,9000.
Alcatrio, caada 500.
O cok recoetiecidamenle o carvo aiais econ-
mico, tornase por isso, recemmend^vejjjjem co-
mo'pelo aceio que se nota as casinhas aonfle
eMe usado. Pitch e alcrtrio; alem; das appltea-
fSes diversas a qoB'sapresst), eomo para calafe-
tar embarcacSes, alcairoar madeiras, etc., teem
estes a propnedade de preservar do cnpim, 1er-
migas, etc. E entregue a fabrica do faz, on man-
dado por em. qualquer pojalo-ea cidede segundo a
vontade do comprador e previo ajuste.
-* Milho noro aa saceos grandes: no trapiche
da Canha, a tratar cora Tasso Irmaos.
COMPENDIO D0L0E080
atas grandes a 8oo e !,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao cosso mercado a
6,ooo, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garnte-
se ser de qualidade superior, quo outro
qualquer n3o pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a I .ooo rs. o Irasco, e
il,eoo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes 4o I
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a ,3oo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
I,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra
por 2,5oo; ditas doce em latas cem o mes"
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por I,ooo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por i,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora I,2oo, I,5oo, e 1,8ors.
Azeite doce refinado Penanol on do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oe a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas i nglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra-
Melho inglez em garrafa de vidr com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
tentilhas excellente legume para sipa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1 ,ooo rs. o 11 ,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sg muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a 2oo rs.
Charutos de todos os fabricantes da Bahi a e das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nesso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
i,ooo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 6oo rs.
cada um.
Farinba de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. |em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alva a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras par
2,oo. rs.
Cebollas sol tas a l,4oo o cento ; ditas em
molbos com cento eUntas por l,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
^i_, *_ .... .... do melhor gosto que ha no mercado, a~ 560 ris o
'ifegaia.rao posso por mais lempo sustentar o preco da manteiga ingleza a I.ooors. a libra, bem assim o de outros covado, oeste armaren de razendas ?e encontrara
tnuitos objectos, etc., dando com sto ocasio a todas as espeluncas acabaren por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em m grande sor|'ment de roopa feitae por medida
alta voz, quepodem vender pelo preco que eu vendoll I Ora, eu effendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo Soleo nnrrilrio a Avv
systhema que vira encontrar, desos vendar com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de precos, como veris! ^aina pan mu uo J\.}vi
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados UniSo Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a n3o ser o de 1,4o a 4,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
est3o obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamaco de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimento. para lbe vender gneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
tao somente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio qoe presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo aproraptidao e entei-
reza com qoe sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, eertoa de que sem duvida me darao a protecc5o e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir podero mandar seus portador**, anda que estes sejam peuco pratices, pois
serao t5o bem servidos como se viessem pessoalmente, bavendo para com estes toda recommendacSo, afim de que n5o vao em oulra .par te
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricas de 4 dozias se faz abati-
escolhida a 8oe rs. a liara, em barril se
faz batimento,
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a ioo rs.
Cbhysson de superior qualidade a 2,6o rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem buxim o melker que se pode desejar
neste genero 2,6o rs.
dem preto homeopatliice por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem bysson, buxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, 1,800 o 2,ooe rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
a queso vende em oulra parte per 2,4oo
e2,6ors.
Linguicas, cbourigas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se. serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5eo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. edo vapor
passado a 1,600 e f ,80b rs.
dem londrinos os mais superiores qne tem
Tiado ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra,
dem do Alentej o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e I,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambemtem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, eorvina, gors. pesca-
PARA A CURA DA
ESCRFULA
c todas as molestias
provenientes del la
todas as molestias da
pelie
ehervsipeUas, tumores, ulceras,
sarnas,
nascidas, ruipingens,
REUMATISMO
SYPH1LIS
em todas as suas formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
UlceraeSo do ligado
e em summa todos os males que tem sua
erigem na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACAO DO SANGUE
e para dar nova forca e vigor ao corpo j
enfraquecido pela doenca.
Vende-se na ra Direita ns. 12 e 76 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaeia franceza de
P.IVIAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Liqaidacodas fazennas do naufragio
da Laica fiancrz?.
Chales de merm de diversas rCris padjees
lisos de franjas de seda a 2, paletots Se gacpa
padroes escuros a I00, cbicorm a oa adnn-
ravel pechincha, visto que as referidas fazencas
acham-se ainda unidas, que lavando ficam per-
feilas : na loja da ra da Madre de Dos n. 16
defronte da guarda da alfandeca.
RAPF
Dnarte. Perpira & C. enniinnam a vender o ata-
reado e fresco rap Prinreza de Petropoles em seu
grande armazemde louca e vidros : ra do
Crespo n. 16.
ESCBATOS FGIDOS.
I
O
IL
3ffltifi|ll!
iem de molbado
81-RUA DO IPERBOR-81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfago de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
."
a>-
a _
C tu
09
O. i-J
O c u
a
tu S
w-

gJgg
zStU
o a
g-S-o-o^0
co
CB "1
que coBtm o officio de Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e offerecer a eo- P^'100 que, estando res.tabeleado de seus incommodos de saude, acha-se novamente
roa, um setenario e mais outros exerci- iC0DI um e '3em sort^ armazem de seceos e molhados primorosamente escomidos;
cios de piedade e devoco; ordenado pe-!com0 semPre caprichou lerdas melhores qualidades, efancamente afJQancas pessoas que
la irmandade dosservos da mesma ge.! so dignarem comprar em seuestabelecimento^ue alli de preferencia outra qualquer par-
nhora que se acha erecta na egreja deN teser" lia's Deni servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, no que
sempreo annunciante foi escrupuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradoresqueo queiram honrar como seu comitente Ibes
assegura que o producto de seu laborioso trabalho ser o oais bom reputado ao merca-
da desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteaa, depois da se-
rem fielmente umprido as suas ordeus..
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociuntesque lbe merecam coofiaoca, fa-
zendo um abate vantajoso ao que pagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda d qualqner genero do paiz, mediante urna mdica commiss3o, eulregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commissao.
Dos seus antigos benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa proteccSo, fre-
queutandocomo outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que Ihes tributa fferece expon-
i?
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchmhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deusguarde;
dado luz por devoco do muito me-
rend padre Fr. Placido deMi>sna.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praga da Independencia.
flORES
para machinas de algodn.
Acabara de chegar agora novos motores para
nm e dpns eavallos para mover machinas nara! 7V"l"lI!.r'""' """".'"""
descarocar algodao, eyllndros de nadara, e outras neamente SCUS servujOS.
qnaesqusr machinas para agricultura, os quaes se
vendem por precafipnito em conta. Tambera se
vende um motor americano para 2 e 4 eavallos pa-
ra o-mesrao fir, que trabalha muito' bem ; elles
se acham montados para o comprador ver o sea
trabalho : na fabrica d travessa do Carioca n. 2
eaes do Ramos.
Pechincha
Grosdenapleavariado con) .4 palmos de largara
de superior qualidade a tStOO o covado, easemira
preta Una, fazenda de 12 o corte a 5, paletots
de brim branco de cor a 3, paletots de easemira
fina de coi a 58 : na ra do Qqflmado n. 44. J
pr Vendera-M pacas do panno de linho Bno de
boa. largura a 800 r. avara: na ra da Cruz nu-
mero 33.
Julga desnec'esario publicar a tabella dos precos de sena gneros: so seus recursos
garanta sufficinte de poder accempanhar os menores precos de idenfico a mesmo de
mais apparatosos estabelecimenlos, tendo somente em vista o augmento d suas vendas
diarias.
Prereweio necesitarla.
Tendo sido o proprietario estabelecio muitos annos com o mesma ramo de nego-
cio nt mesma ra, julga prudente advertir queso afirma ese resposabllisa pelo que
tem declarado no que disaer rospeilo ao armazem.
1 mm
-^ 11 .________
mm
81-RUA 0 IMPGR1DOR-S1
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Colleg\o<
2 -. o
S.D CTJ <& 5
ni
o o
B

tr.
a>
a>
rf
*0 k> -i
S> a "
al
-
a>
-1
B
c o r o.
c ar P ^ 2 N
4
9
1
09


a> o
u
tu
M
sa
O.
3
8
2.
a
fe
e
e
?.
e
se
e
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a c6'r aatural
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintara, facto essen-
De?apparecru no dia 26 de Janeiro fc hotc
Apula 'Our leque crioulo par neme Luir., de idade pooco mais
ou menos de 18 para 19 asnos, de bona figura,
muito ladino, bem fllame, alto, seceo do corpo,
sen barba, lenf urnas pequeas marcas por baixo
de nm olho parece de ventosas e urna marca de
fogo em um dos bracos, cor bem preta, muito re-
grista, levou vestido calca de brim pardo -uja e
camisa df algodao branca, consta que anda aqu
na cidade e desconfiase que catata occulto, por-
tanto o annunciante declara que desde ja protesta
contra quem o tenha .'.cunado elle capaz de se
intitular por forro, pois o dito moleque ra'uo
conhecido tiesta cidade : portanto rogase as au-
toridades policiaes e capites de campo qne o
(irendam e levem a seu senhor no dito estabele-
cimento que ser recompensado generosamente.
2o dia 24 de dezembro prximo passado fu-
gio o preto Braz com os sigoaes seguiutes : altu-
ra baiza, regular do corpo, >eni barba, cara larga,
com muitas verrugas em cima do olho direito, le-
vou vestido camisa de algodaozinho e calca de
azul.lo e outra de baela verde, chapeo de palba, e
este talvez j tenba mudado, cosluma andar muito
de vagar e puxa pela perna esquerda por causa
de soffrer de dores rheumaticas, fol escravo do
Dr. Olinda Caropello : quem o pegar sirva-se Ic-
va-lc ra das Cruzes n. 32, padaria, que ser
bem recompensado. ___________
No da 27 de Janeiro ausentou-se de casa do
seus senhores a preta Anna, crioula, de 30 annos,
alia e boa figura, rosto redondo, com urna cicatriz
amiga por baixo da orelha ; esta preta foi escrava
do Sr. Teixeira Bastos, e de tarde venda po-de-l
pela Ponte de Ucha e oledade : roga-se, pois, s
autoridades policiaes a sua app^rehensao e de a en-
tregar na Soledad?, padaria do Sr. Joaquim Jorge
da gilva, defronte da igreja._______________
Fugio do engenho Cavalleiro, fregnezia do
Afeados, no dia 1" de Janeiro deste anuo, o escra-
vo Theodoro, crenlo, de 24 annos de idade pouco
mais ou menos, o qnal costuma mudar de nomo
quando se ausenta, e teai os signaes segrales :
estatura regular, cor preta, cabellos carapiaho,
olhos ara pouco vermelhos, nariz chato, tem falla
de dous dentes na frente, boca grande, ps apalhe-
tados, deve ter cicatrizes de chicote as costas,
gago, gosta de cantar e de estar em sambas, me-
tido a glozador, levou vestido palitot de alpaca pre-
ta, camisa branca, calca de brim com listas ames,
e mais roupa de service e chapeo de couro novo,
j foi encontrado na capital e seus arrebaldes cerno
ganbador e depois em Cruangy com um surrao s
costas inculcando de correio : roga-se portanto as
autoridades policiaes e a qualquer particular a ap-
prehenso de dito escravo, levando a& seu senhor
Francisco Casado da Fonseca no referido engenho
que generosamente se recompensar o apprehen-
son__________________________.
Escravo ftigido
Acha-se ausente de casa desna senhora, desde o
dia 12 do corrente o preto Joo, que rei escravo
da fallecida D.Leonor Jorge; 6 baixo. cbaio do
corpo, e o rosto todo picado de bexigas, CQnsla
qoe anda no Recife e aa Bba-Vista : qaem o pe-
gar leve praca da Independencia as. 37 e 39, que
sera gratificado.
No dia 9 de dezembro de 1864 fugio de casa
de sen senhor o escravo Herculano, pardo escuro,
com 35 annos, alto, cabellos earaptahes, olhos e
ciiaoonMsttr! a neanra agua'^^artr pTra,"! ioreln"peqoesas, *n apenas bigode e pera,, per-
tiva ao cabello. Cmaosla de plantas exticas e na e andar de quebra-mangne, tendo o p esquer-
desubstanciasinoffensivas.ellalemaprapriedade *) torio e sahido para Wra cama pita de sen, e
de restituir aas cabelles o principio ceranteane el- por'sso pucha alguma consa pela parn* qnaao
les tem perdido, D'uraa salnbriade iaceatesu-1 ^,]eroa vestido caiga branca 'endada ra-
vel, a Agna Florida rttrelon aHnrnCTa- da cablea mi^ bfpca, evando na cabeca Pbjpo fe palha.
deitroe as caspa* e impede es .aellas de ca.ir ^"L^'l^miiV^^n^ P"
Oleo Flnrirla IP3**56 "dar ,qo1 Sr5"0 Del" Cld***:
r a*,oriaa* pegarleve-o a ra Direita n. 54,
Comaasta le substancias vegetaes exatlcas, elle smente recompensado.
constitne poderasawtr,. con a AgoFtarWa. ai___,________________,
forra, a belleza e a can serva ca dta eabal!^. T | Foeio no dia 2 de jsnriro a prea Beman.n,
Eaa Faca, casa e Oaislatgp a. H, roa aVRiaae-< deidadfx* annos, crionlav nacra (lila, bem fal-
lifn, s l, boulevar MnatHftrTt. lanie, e tem sido vista pelo Mamjrainho : qnem a
Tedos es frascas, ao teada tac^a e clara, e pegar leve-a a sen spnhor, na praca da Boa-VI|ta
timbre anteada ia casa, si rjnrtmsfalsas. n. 2f, ou Campo Vtr*, roa ctoTripieRrn % rfae
u. Beposito, ra do Imperador, pnamacia a. 31. ser bem recompensada
quem o
qne ser genere-






Dlari* de rerBambuco --- ttxia letra 3 de revereiro de i8S.
\

...
LflTER ATORA.
_i

de Pernamhneo de 21 de deiembro, prximo
passado.
nASClTUR VEMTATI IPSI, SI CON-
T!\A VOLINTATKH SL'AM APPAnUEIIIT.
nacis, dant les espces, originaires SAfrique, ont bejo significada nesta* palavras, anda raais clara
pour caracterespiirv-ipaup une crtecallusc audes- se lorna vista detUs palavras do coramento :
sus de tafite, t des barbillom chamas d"un beau Placet tile mihtprae celtrts extremae tahae... ubt
rouge accompagnant le becu. c'estunjolioiseau,diuturnumatver,hyemttepida.* *V-.
i Isto pesio, bem v S. Exc. que ainda quando era
esl couvert de peUtes taches rondes.. on Portugal 0 fr|o C08gas.e na aproxfoiage-o do dia 21
FHevt M nos bassccoiirs. A mesma cousa se de dezembro tal intensldade, qae fliesse arripiar
athaw.l.cc.oo.naclopedico, publicado emParis, defrioa um carapone, qne ToItava para Casa
BREVE BSSPOSTA
Ao Kx. S.-neelbeir. ftr. Leorento Trigo de:^^rj^^^f_^h]^
Loureiro, por occasio de seo duello pililo- rtl.iA.-
grammalko-latioe^nsilano, inserto no Diario
igao Coneluindo ste periodo, nao posso suffocar os | MMC,7},fl, amanar mrvtrrrrr r
ionario Impulsos- de c piar as palavras do. traductor fran-! Se pelo COn^^^
. caz, M. Nisard, .nombro do Instituto, e professor! M. conrnmpqL ta n^7*
' P dft lnnui>ni.-i IMma nn RAtlrtrin Branoi n,l 1 b\m> Concilio, COmO 56 aepa JM 7!
S. Exc. di nimia importancia i significagao
accumul attribalda Marcial pelo diccionario
de Fr. Noel no adjectivo-^ar/uj. a, m;-po-
rom, tendo esta Clafci.cc nprefado untas vezes o 'Msie |gr disso*. Cespaceperdu dum terrain' KXnn/??,-'
mesmo adjectivo em accepgSes difTerentes, e nao satis limites > : o que
fazendo Fr. Noel- iodicagao de lagar, como asseve- minha versilo o espa
rar, qne atcumali se appftca ao epfgram-,,er{e""!i'
ma587. o, *f Sb!b: *ie pretendi-u ~dar-me. 6.*Bl tem bailante
O homem cholerico irritase con-
tamben, em 1838, so* a direccao de Charles 3aint- n3o rei a que h9ra3 do dia> mas sei qae nSo da Nada tem de criterio a correegao de S. Exo. fe'"0'* l'^f00**!!! dto"l*fS'S
Laorent, 6 qaalna pag. 1,091 produz palavras DOnte, nao succederia a mesma conzana Italia, anlogas, de reina nma longa primavera, ondeo invern escaninhos do celleiro paraue,d*ve
ella equivalente esta outra forma
trigo entulhado. ficando a orago pela pas*,.^ de esCnjunlar td" 0 senldo, e conhece,
ancez houvesse dito on i/asc^piheto de solteiro, que Horacio costuma annexar
regular, decidir.
senlido de assem-
ou 8a linha do
, umb* Ifca Um applifago-
narere fhrme mir > /f,n'fa SynO'lus-, por qife sao nseparaveis da
'to SieS? da SnsisslraS lUa ^ipal 4%-eoas.Uo-M, da ara lapso de
go estril aa eensissimo| Um9^ fimiil0i d,pnUi relexio, raclocionlo, e
.a.e.l.e.ro.aj.go de hpica, *W ^^ZTl^Tr ff
sua ajtprorag&ix Isio confirmado pelo j citado
diccionario, pagina 631, onde se encontram as 8
guintes phrass-modnm aliquem et finem oratwai
facerfixar limites, dar flm ao discurso, dicen-
aquerido com refaci antros paizes da Europa.
As palavraspostttSvenwres inminentejam 6r-
ifuiimlioam muito bem, que trata-se de um pe-
riodo intermedio, entre o flm de novetebro, e o dia
51 de dezerabro. Qnado Marcial empregava esU
Creio que vista disto nao pode mais o Sr. con-
fro a mesma verdadt, se ella Ihe selheiro rejeitar as aves pintadas da Nnmidia ; e
apparece contra seu desrjo. anda mais creio. qne, se quiser ser razoav!,
/ ''cncca- ; nao far qoesto do dlminultivo pintadinhas ;
Teimoso em suas epinides. ponto de nao tolerar por qne as pequeas manchas, dequesao cobertas,
a menor conteslago, ainda de scus mais Illustra- e a symitria, que ah reina, ponto de parecerem 17JT'"Z ^w"rth^Tf 11T.
dos collegas, n5o podiadeixar de irritar se o Exm. obra d'arte, dao realce este epitheto. O diecio- 1^1 1^
Sr. conselheiro Dr. Lonrengo Trigo de Loureiro, nario geral e grammatical de N. Landais pag.
lehte da t'aruldade de Droito, por ser convencido 389 trar Pintadeau, subst. mas. o pintadinho, fl-
de erro por um humilde e obscuro padre, sabstitu- 'no da Pintada.
10 apenas das aulas preparatorias do Collegio das' Nao ligue S Exc. tamanha importancia addi-
Arles- gao da palavra paule pintade, porque erobora
Escreveu S. Exc. com sua rnirawto mao por Pule signiflqae propriamente a femea do gallo, to-
baixo da prova do Sr. Samuel Wallace Mae Dowel, davia o Francezes a estenderam rauitas aves,
candidato do concurso a cadeira de latim do mes- sera 1"e percam entretanto o se norae simples e
. ._., ,, ,. .__^_a !*->*"ai iiiiiii'-, u a deve saher, que ando com spa/M-escrev. eu na prova du candi- di ^ (acin_eesikr ^ u^, fiKm dispvton-
frma de dizer o o Joaquim Henriqaes daSilva Nao convem d_Concuir a discuto-, Aic" finem scribendi-,
ragao pela passiva. W^T"^,.*^^ acabar de eserever.
le ble e eu iraduzisse entulha-se o trigo a
minha pbrase, no entender do padre Lopes Gama,
na pag. 112 de suas llgoes de eloquencia nacional.
. Ulvez toraasse o molde francez, e o Sr. eom.elr.eiro
dexembro, mas dessa langa nouf, qne snecade ao ^^T D/ |doar? Salli; M"
da de Solsticio, e dos diaS m,e dPrnrr,m n'ahi n- {eiil>** aductor fAicez nao se exprimm da"
quelle modo, que S. Exc. aventurou, e pelo contra-
rio explicou-se pelo theor segninte : c id, des mas'
da de Solsticio, e dos das que decorrem d'ahl pa
ra o flm do mesmo miz, quande j domina o in-
vern.
mo Collegio, procedido em 18 de agosto do anno primitivo; assim diz-se, porexemplo poule faisn,
'prximo passado, sob n. 3i, a seguinte emenda : o faisiio, pou/e tfaii, a gallinhoU, poule pintade, a
D'aqui bem ve S. Exc, qae o adjectivo horrtdut
nao foi tomado na signifleagao de ampiado com
fri, e simna de rustico; qnemminmr jam bru-
ma nao foi tomado para significar o frio'dominante,
nos dias em qne o pordador voltava para casa tra-
. Phasiana adjectivo, na forma femenina, con- Po.ada. Podera S. Exc. traduzir poule faisn, ZllTlZZTZl^'TT?^!!
cordando com ales, que se subentende : devi por- gaWnha d'Asla, poule tau, gallinha d'agua, poule Z^'l ZSLT^ Q w
Unl dizer -O faisao, e nao os faisSes.. Nao vMade, gallinha de Guip, poule mouelte, gallinha JJ"0 esli confonM 9 ao Pesament de Mar-
achando fundamento nesta emenda, e recelando do raar. Wbbtcaue, gallinha do bosque ; Wim I$ ,Mdnctor
que ella podesse prejudicar ao candidato, escrevi ^ podera acensar de erro, nem se quer de in-' u^i2^T^^
tam'bempor baixo, eom minha arrojada mo, nao Xho.a'n.niS Zh^af t^ T*' flnM8 ^ M "Vi8 : l 1uand ovmbre et
porcaridade, mas por impulsos do dever, as se- galeota,pintada, gill.nhola.ga.vota.-Todosestes H d J ., menacent le
pintes pairas : '. Discord do reparo, feito na ^^^ a citadas obras nt f^!^ +*SS+
palavra phasiana, porque, havendo tambera subs- TT'Ttt" I lauses lord sur le cep. S. Exc. tendo dado ao
lantivo da primeira dcclinagio, nao ha necesfidade Acceite S. Exc. urna confissao ingenua : Qaaa- adjeptivo horrtdtu a signifleagio de ampiado com
de faze lo adjectivo. a traduegao desla mesma pa- do discordei de S. Exc. neste lugar nao reprovei as! fro s enxergon em inminente signlflcagSes ac
lavra no plural antorisada por Synedoche. .suas palavras, mas sim o acto de emendar, que j commodadas, como as de mminente, sobranceiro,
Logo que deparou com es.a observago, o Sr. ''ZtfZ ^^1 Par6CeCeU sa^iaa0'\p^^'^armenle pendente. Eu, que deiAor"-
conselheiro impugnoo-a, e protestou sustentara e ',rejQd,cial a0 cand,da,-
sua emenda, asseverando, que tihha consultado Nao apure maito o Sr. conselheiro as palavras dos
tres diccionarios, e que em nenhum delles havia ou,ros lefflbre-se, que quem sabe o que o
encontrado piasiana, ,-e. Longe de proferir urna Guin' a ^uem entende de combates de toaros sal-
s palavra, para .sustentar a minha stih emenda, P'tos de malhas, e comix5es de peleijar causara
afanei-rae por significar ao Sr. conselheiro com ^chuvas e comlxes de riso,
termos, que me pareciam os mais c.vfs c efflcnzcs, | Apague S. Exc. os typos de sua nota 2f, e urna
qae nao tinha inteng.o de molesta-lo ; que nao ha- vez quo consegu mostrar-lhe aos olhos do publico
va feito mais do que exprimir o que tinha enten- imparcal a existencia das pintadas, oriundas da
dido; qne sempre o respeitra como raen mestre e Numidia, dispega-se da esperanga de cinglr a co-! segundo est justificado pelo citado dicciona-
meu amigo. roa do triumpho de enxolar para fra das plagas rio de Theil, que no verbo immineo diz o seguin-
No intuito de coofundr-me, ou antes de esma- bras^lcas essas immundas harpas, de que.S. Exc.[te : gestu tmminenti, com um gesto ameacador :
gar-me, chamou o Sr. conselheiro um empregado diz eslar CDeia a terra da Santa Cruz ; ininrU, que i eslqx prximo de, estar vizinho de, aclzinharse,
-da casa.mandou buscar um Magnum-Lexicon.f-lo eu enl nome dos Brasileros re'pillocom toda a tor-Uocr, ameacar por sua proximidade e ainda
depositar em cima da mesa, diante de si, e, com ca> de 1ue sou capaz. Nao foi menos nfelix S. pelo traductor francez as palavras qwxnd les
voz de quera mandaya anda ao discpulo sempre Exc. na correegao, que pretenden fazer-me sob no-
obediante, ordenou-me, que fosse mostrar-lhe pha- a 23; porquante se fosse um erro tomar Colchida
siana, a? ; collocando-me d'est'arte na dura ne- Por Colchos, j o teria S. Exc. cbmmettido, quan-
cessidatle de levantar-rae do meu lugar, opposto ao do na prova de versJo do Rvd. Sr. padre Flix es-
de S Exc, e passar por dianto da mesa*, (porque creveu sob nota 19 o seguinte :O faivo dos im-
de oulro modo nao era possivel), para, vis vis a pos povos da Colobida.Se S. Exc. tivesse bem
S.Exc, folbear o livro at achar a ligao. Fique,^combinado com o Magnum-Lexicon o Diccionario1
por tanto, o publico, bem inteirado (para dize-lo de de Noel, estes com o de Theil na pgina 301, este '
ante-mao) que essa grave falta, de que me increpa cora o de Bescherelle, tomo 2o, pag. 315, este cem
O Sr. conselheiro, longe de pesar sobre mim, deve o de Bouillpt. pag. 401, este com o de Saint-Lau-'
pascar toda intacta para S. Exc., que, tiio delicado re, pag. 298, este com o de Dezobry e Bachelet, Ito,) qUe comPr'm,do r 9ea Deso era
como bastava, para evita-la, dignar-se de man- vol. f pag. 69, este cora o grande diccionario de MnlM dos ce,leiros> sobmettendo-se qranano-
dar-me levar o diccionario ao lugar, em que me geographia universal do mesmo Bescherelle, pag.'rum-' Deslanota resulta, que o 6 verso-flic fart
achava sentado. Entretanto eu, manso como um 6i8, c finalmente este com o diccionario cla'sslco, PrmUur anguh Ceret omm fi prlmeiramente
cordeiro, dirgi-nje ao diccionario, no lugar em que ltimamente publicado em Inglaterra, e traduzido trada,do PrS- Exc. desta maneira :-Aht otrigo
se acbava, edepois de o ter aberto, tive repugnan- em portngue por Francisca Jacou, teria por sem!,fln'0' 1M ct>nPrimido N* Pet* todos os
ciade envergonhar o Sr. conselheiro, porque era duvida tiegado evidencia de qae' Colchida, Col-'canos *" "ffeiros.E quem tradnziu desta ma-
ndu a sigoificago de rustico, que corresponde
o francez rustique, devia procurar ignificagSes
accomraodadas imminente, como as de vizinho,
prximo, prestes chegar. O primeiro ponto est
justificado pelo traductor francez, empregando rus
tique, e pelps diccionarios, latimportuguez, latira-
francez de Noel, latim-francez de Theil; os quaes"
do horridus as signiflcagoes de rustico, selva
gem, grossetro.
frimas ihiver nous menacent.
Nao advertio S. Exc. qne lavrando a minha sen-
tenga condemnatoria om a nota 8* condemnou-se
tambem a si proprio. De feito, se farta foi toma-
do por Marcial nao no sentido de abundante, mas
sim de accumulado, o Sr. conselheiro foi o pri
meiro coramelter este erro, porque na prova de
versao do Sr. padre Flix escreveu sob n. 10 o se-
guinte : t Devia tradozirahi o trigo tanto (far-
todos os
seu amigo, e de novo conjurei-o para que me dis- chis e Colchos sao a mesma regiSo d'Asia, conhe-
pensasse de tirar a lelo, dizendo-lhe, acreditasse cida hoje sob o nome de Minpirela, situada ao
na minha palavra, sob a qul asseverava-lhc haver Orinte de ponto Euchino, como S. Exc. mesmo o
o nome posto em duvida. Contra a minha expec' confessou ; e que por conseguinle emendndome,
tativa, a int.magSo conlinuou.e eu, que sendo man- emenden mal.
deiro, nao sou todava umanj) | Qaanto a subslituigao de mpi0, por criminosa,
&; fique sabendo S. Exc. qae ahi nao tratava Marcial
! de sentimento de religio e piedade, mas sim de
Lxc. de um modo tao deferenciofo I nao me tem '
assombrado de tao inslito procediraento,
verdade) com vehemencia : c Tenho fallado V
I crines, que se tinham commettido naqnelle paiz,
querido acceita-lo 1 Pois bem estou prompto para, mxime pela feticeira Meda na occasio, e depois
argumentar com V.Exc.como quizer. Ditas estas daconquisla do velo da ouro, como consta da Ode
palavras, voltei rpidamente para o meu lugar '*, v. 8 dol. 2o de Horacio, com a nota que lhe
d'onde um minuto depois levantei-me, tomei uas correspondente, e do j citado diccionario de Bouil-
maos o diccionario, fui certeiro ao nome, mostrei-o 'et> pag- **^*> na palavra Meda.
ao Sr. conselheiro Dr. Autran, este ao Sr. visconde [ Marcial empregou neste lugar o adjictno impio-
do Camaragibe, este ao Sr. conselheiro Dr. Jos rum no mesmo sentido, em que o empregou o pce-
Bento.este ao Sr. conselheiro Dr. Lourenco Trigo ta Horacio na Ode 21 dol. 3. dizendo : impos
de Loureiro, que, nao sei por que fascinar-ao, ainda parrae recimenlis ornen ducut,, querendo cora elle
nao o enxergou I significar os malvados, facinerosos, sceleratos, co-
Aqui, Sr. conselheiro, era que eu, abarrotado de mo se deprehende do comraento, que usou de sfe-
zao, justamente magoado de tantas ironas accu- fr'*"corresponaendo wpios. .Marcial nasceu
muladas, poderia exclamar : Kespeitabilissimo,no dDna de de Jesus Chr,st0 ; escreveu os seus
mestre, sapientissimo doutor, que mo fado obseca- qDnze livros deepigrammas no decurso de trinta
va os olhos de seu Ilustrado entendiment* que e cinco aDn0S' dtcorridos de 63 98, quando des-
nao eoxergava aquillo que quatro haviara enxer- prezad0 pel imPerador Traano voltn Bilbilis,
gado III! Mas nao usare, das mesmas armas, de sua ,erra natal' e ahl raorreu em !03> oa iW cin-
que S. Exc. se serviu, porque improprio da mi- 0U SeiS annos dep0,s desna vo,la- como cons1
nha dignidade, e do'publico, a quem devo respe- Jos |a citados dlcc,narios de Saint-Laurent e
tar, e mesmo porque estou muito disposto per-
doar S. Exc. as injurias que, apezar dos seus se-' 0ra> dominando naquelle lempo o politesmo ou
tenia janeiros, nao duvidou irmgar-me. Final- P*gaBismo tanto na Colchida, como pela mor par-
mente o Sr. conselheiro Jos Rento apontou com o "' ora Boma, onde se achava o poeta desde os 23
index o nome ao Sr. conselheiro Dr. Loureiro ; nao, annosde sua idade, nao poda ter em mente quali-
era mais possivel redargir, S. Exc. emudeceu, D- "car os babitantes da Colchida de impos no seti-
cou convencido do erro, llcou certo da veracidade do em 1ae tomou Sr- conselheiro em sna discer-
da traduegao do Sr. Samuel, e do fundamento com ,acao- nola 23.
que discorde! da sua emenda. Eis a causa do des-
peito deS. Exc, eis o motivo desse zelo intempes-
ivo pela verdadeira interpretagao do epigramma
de Marcial. Isto nao tem replica, Sr. coBselheiro; J que eu e S. Exc. Eis as suas palavras :
se V. Exc. negar, convence-lo-hei com o testemunho; san ortginatn de la criminelle Colchide.
lito tambem resulta com toda evidencia das pa-
lavras do traductor francez de Marcial, que para
dize lo ainda urna vez, devia entendelo melbor do
le fat-
uos Exms. Srs. visconde de Camaragibe, conselhei-
ro Autran, conselheiro Jos Bento, e do Sr. Dr. se-
cretario da Facoldade.
Saiba mais o .ublir-o, que nao foi esta a nica
vez, que protestei ao Sr. conselheiro Dr. Loureiro
respeito e consideraco: j precedentemente,quan-
do S. Exc., sera razo alguma, estomachou-se pela
observago, que flz respeito do adjectivo horridus
foi tao grande a brandura, cora que lhe fallei, fo!
ram tao numerosas as satisfagSes, que lhe dei, que
j nao leraia tanto passar por incivil, quanto por
cobarde e pusilnime. Ainda neste ponto posso
appellar afoutamente para os testemunhos ha pou-
co invocados.
neira pode increpar a quem tradaziu desta outra ?
Ali pela abundancia, o trigo entulha-se at nos
escaninhos do celleiro? -Odiccionario de Moraes(6"
ed.) d repartimento como synonimo de escaninho,
e, explicando a palavra ropartimento, toma-a no
sentido do divisao. Eis por conseguinte as minhas
palavrasAli, pela abundancia, o trigo entulha-se
at nos escaninhos do celleiroequivalendo estas
do Sr. conselheiro:O trigo tanto, que compri-
mido em todos os ngulos dos celleros.Tambem
equiyalem estas ontras: Aqu o trigo accumula-
do no celleiro calcado em todas as divisSes do
mesmo celleiro. Notndose todava, que S. Exc.
dira melhor, se evitasse a repetigSo da palavra
celleiro.
Julgo que o que acabo de expender era quanto
bastava para dividir com o Sr. conselheiro a res-
ponsabiidade do desacert da traduegao de farta,
se desacert existisse. S. Exc. ou enganou-se, ou
quiz engaar a quera nunca observou por si os
processos da cultura, colheila, tratamento e conser-
vado do trigo, quando, arrogando si conheci-
m.entos praticos, considerou como celleiros grandes
caixoes, feilos de grossas taboas de compacta e per-
duravel madeira. Contra a opiniao do Sr. conse-
lheiro ouga o publico o que easina o excellente dic-
cionario Enciclopdico de S. Laurent na pag. 692,
na palavra gremers. Celleiro, diz elle, o lugar
onde se conservara os graos, os fenos, etc. Tam-
bem sa denomina geral mente assim a parte denma
casa, qua esta entulhada (sous le comble), porque
ahi guardam-se geralmente os productos das colhci"
tas. Os celleiros devem ser solados, bem arejados,
abrigados contra a chuva e as humidades; o chao
deve estar assoalhado, ou ladrilhado. Os graos sao
dispostos ahi por acervos, ou carnadas, que cumpre
sejam remechidas muitas vezes. As janellas de-
vera ser numerosas para facilitar as correntes
dar. i Ainda nao ludo : na palavra froment, para
onde elle remelle o Jeilor na palavra ble, diz o se-
guinte :tFrumento (froment) genero do plantas
da familia das grammineas, que eneerra umaduzia
aplatano.
J v o Sr. conselheiro, que nao'poda u era-
pregar solitarios senao na accepgo de solleiros,
urna vez que assim ja tinha traduzido vidua, e
visto esta palavra lanas vezes quantos annos te-
Bho de existencia o livro 2" Ode t, L 4o Ode 4o
,t- 30.
O padre Lopes Gama as suas Iig3es de elo-
cuencia nacional tambem vem em meu auxilio.
Outros incisos ha, diz elle, solitarios, que cer-
rara sentido por si sos, e juntos completara a ora-
gao : como: Deleltava a todos, mova a muito?,
tes de bti sont enfasties jusque dans Us reeoins des
greniers. A' vista destas palavras bem vem os! fistruia a poucs"
leitores, que nao me devo arrepender de ter tradu-! E' claro a vista disto, que este qualilicativo nao
zido Ali, pela abundancia, o Irigo entulha-se at significa somonte lugar deshabitado, pessoa, ou
do celeiro e que pelo contrario t^FitolEJ^" *" 0MW-0
nos escaninhos
me devo considerar victorioso. Aqu esperava eu
o_Sr. conselheiro. Responda S. Exc. se a traduc.
gao litteral daquellas palavras nao esu Ali tu-
lhas de trigo empilham-se al nos recantos dos cel-
leiros T Responda S.- Exc. se nao achpu no dic-
cionario de Moraes (6* ed.) recanlo como synonimo
de escaninho ? Besponda S. Exc. se o diccionario
francez portuguez de Fonseca nSotraduz recoin por
escaninho e recanto ? Besponda S. Exc. se a mes-
ma cousa nao se encontra nos grandes diccionarios
de N. Landais e Bescherelle?: Posso tambem em-
prestados ao Sr. conselheiro, se os nao tiver.
Anda mais destituida de fundamento foi a im-
pugnaglo do adverbio pelo contrario; por
quanto S. Exc. versado, como j, na lingua vern-
cula sabe.quea conjunego adversativa mas
tera suas raodiflcagSes. Casos ha, em que im-
possivel substltoi la por aquellp adverbio ; em ou-
tros porm indilTerente. Pkra exeraplo da pri-
meira hypothese cilarei as palavras de um xcel-
lente escriptor dos nossos dia. i Estas ideas, diz
elle, ligeramente langadas ao acaso pefliam mais
largo desenvplvimento : mas me parece haver dito
quanto baste para faaer wr alutilidade do ensino
collegial. Aqoi seria vedado substituir ama das
duas palavras pela outra ; maslasslm nSo acontece-
no jegundo caso, e o Sr. conselheiro mesmo enear-
regou-se de subministrar-me o exemplo, quando
em seu duello pbiletgrammatcc|-latino-luzitano, sob
nota primeira, escreveu, fallando a mea respeito,
as seguintes palavras < por sera duvida que nao
teria escrevido sita em Raas, mas pelo contra-
rio, teria escrevido suburbana, on sita nos-arrabal-
des de Boyes.
mas e ver, que
:ando construida
duvida que nao
teria escrevido sita em Baa,-j- pelo contrario
teria escrevido SBOiir&ana ou sita .nos arrabaldes
de Bayes, I. %
A' semelhanca do que fez Horacio no liv. 2 6d.
12, loavando a parcimonia e frugalidade dos antl
gas, e invectivando o luxo dos mpderaos, Mareia"
oppde no epigramma 58 a singelleza da quinta de
Faustino ae fausto de outras quintas. Desl'arte j
v S. Exc. que Marcial quera significar quem
escrevia, que a quinta do seu amjigo, bem longe do
alardear um dilatado espago, plantado de arvores e
arbustos bera alinhados, bem aparados em ordem
consttuirera as delicias dos donos e seus convi-
vas, pelo contrario contentava-se com sua belleza
natural, e inrequecia o seu senhor cora a fertilidade
de seu slo.
Para mostrar
a sem razao, com que S. Exc. ta-
xou de insuportavel a construego de o espago
estril de extensissimo terreno basta dizer, que
qu
mas tambem pessoa ou
cousa, que estando entre outras, conservam destas
eerta independencia ; e sendo assim o pltano,
apezar do collarada entre ontrs arvores, conser-
va-s s, nid-peiidente dolas, porque nao tem par,
porque nao precisa de nenhnma para ser fecunda-
da, porque estril de sua natureza.
Com que fundamento avangou S. Exc. a propo-
signo de que s dominado do desejo de romper
aniizadt', que havia entre nos ambos, podia eu re-
jeitar as emendas de S. Exc. sobre algumas das
provas escripias dos concurrentes, inclusive a de
perada esl por finita est na prova do candidato
Joaquim Hueriques da Silva T Ea, qae no dia da
nossa primeira reuaio na secretaria da Faculdade
favoreca as.abservaj'eR, que S. Exc. fatia ao Sr.
visconde, m quanto nao me ctinvenci, que eram
ociosas : eu, que em a noute, em que tinha de
corrigr as provas, declarei S. Exc em sua casa,
que despjava vssemos as mesmas provas de cora-
binacao, ao que respoodeu S. Exc. lberallsando-
rae o tratamento de amigo, que podra eu expender
muito llvremente o que pensasse ; eu, que no dia
d'apreciago do marito dos concurrentes, declarei
solemnemente peranto as mais respeiiaveis-teste-
muul.as, que sempre respeitei o Sr. conselheiro
como meu mestre e meu amigo, podia ter pre-
vengo alijuma, paixao, ou m vontade para com
S. Exc. f Se as minhas emendas em geral reve-
lam praveogo contra S. Exc. o publico avahar
pelo que se acha notado a respeito de phasiana,
ae, e vidua concordando com spa/a. Quanto
finita est, se o Sr. conselheiro fosse menos suscep-
lival, e uu esiivesse tao dominado de despeiio, ja-
mis teria fe i te tanto estrondo. De feito, dado, e
nao concedido, que em logar de dizer Ttlero
hnita eil, porque fiwi significarao completamente
semelhanle de perago devesse dizer Tolero
finita est porque tem significarao quasi semelhanle
perada est seria possivel usar de termos mais
comedidos, e ao mesmo lempo mais apropriadoa
para significar uma'falta, que poderia ser relovada
ao candidato ? Procurarc mostrar S. Exc, qua
as palabrasTolero finita esl porque tem signifi-
cacao completamente semelhanle bem longe de
envolverem incorreegao, sao pelo contrario bem
correctas. Contando, que S. Exc. me dispensar
de procurar a etymologia do adverbio completa-
direi, rae ou temos
Com quo fundamento ntieou o Sr. conselhoiro
sob n. IQoerapregode diamantinopavaosubsti-
tuido por -adamantino pavao 1 9. Exc. apezar
dos quatro mezes que consumi em estudar e com-
pr o duelo pbilogramautica-latino lusitano,
nao folheou bem os diccionarios, porque se o tives-
se (tito havia de ver qua ellas empregam estes
dous adjertivos na mesma significaco, quer no
sentido proprio, quer no figurado. Havia de ver,
que ambas no sentido proprio significam cousa de
diamante, rija corno o diante; cousa muito rija, du-
ra, resistente na aceepcao figurada. Ora, tend si-
do tomado por nos ambos no sentido figurado para*
significar o brilho das peonas do pavo evidente
que qualquer pellas exprime esta mesma idea,
sendo que diamantino mais bem empregado, por
estar escudado com a autondade do padre Antonio
Vieira, que no sermo 14, 221, segundo colligi da
cilac feta por Moraes, disse ccoracao diamanti-
no ; e com o uso, que na phrase do poeta lyrico
o despota, o senhor absoluto, o arbitro dos vocabu-
los: fjsii quem panes arbilrium est, et norma lo-
quendi.
Por o,ue eoncordou S. Exc. na prova do Sr. pa-
dre Flix vidua com spalia, e hoje eom pltano t
Por que dis>e na mesma prova sob n. 11 imwitos
wisos exhalam perfumes de vinhos de veihos outo-
nos> q agora numerosas tainas exhslam aroma de
vinlio vclho de muitos ou(onos ? Por qua disse na
mesma prova sob n. 13 tem grande desejo de pele-
jan e agora recela comichdes de pelejar ? Por-
que traduzio na mesma prova tarvoredos de buxo
tosqueadof e agora 'tonsil buxoft Porque tradu-
zio na mesma prava seb n. 5 'plantados por ordem
ou simtricamente* e agora tsymetricamente plan-
tados f* Por que razao todas estas alteragdes? Por
que naquelle lempo teve o Sr. conselheiro, como
eu.apeuas urna noute para rever dez provas, *f ago-
ra teve quatro mezes; sendo que u accumulei o
trabaiho de fazer doze pontos para o exaroe oral. O
Sr. conselheiro nao podo recusar-se confessar
que a traduccao, que ora publica, o producto de
quatro mezes, por que logo, inmediatamente depois
do concurso, frequeotou por muitos dias a secreta-
ria da Faculdade traduzir o ponto quantos Ti-
nham, e a maltratar-me de um modo poueo com-
pativel com os seus selentl janeiros. Invoco o tes-
temunho dos Srs. Dr. Manoel Ferreira da Silva,
Francisco Pinto Pessoa, Jos Honorio Bezerra de
Menezes e conselheiro Autran. Entretanto qne to-
dos os meus amigos, todas as pessoas que commu-
nicara-me sabem que eu nunca me capacitei qne
S. Exc. viesse imprensa por cousas tao insignifi-
cantes, tao pequeninas;e sabem tambem que sahi
d'aqui para o centro da Parahyba no dia i de de-
zembro, que cheguei de valla .14 do corrente, o
3ue tendo achado a secretaria fechada s depois
e muitos dias pude colher os documentos de que
necessitava.
Nao de admirar que a traduccao feita de um
dia para Outro offtrega deteitosmaiaBte urna ana-
I) se rigorosa, e eivada de despert; o que deve ex-
ceder a toda admiragao que a do Sr. conselheiro,
apezar dos qnatro mezes, offereg i prhneira vista
falta^ que S. Exc. n3o teria perdoado aos exami-
nados, como sejamsalpicadas de malhas, andar
lavra dos vocabularios ; se 'os temos completa-
mente synonimos chamar-se-hao aquelles nomes,
que significaren! ideas accessorias, contidis em
urna idea principal. Assim portare, b-ijulare, tol-
tere, sustmere, gerere, gestare, sao completamente
synonimos do verbo ferre^ae significa levar no
senlido genrico; alio e candido sao completa-
mente synonimos de bronco ; pudicicia, continen-
cia, virgindade, pureza sao completamente synoni-
mos de casiidade. Para nao accumular exemplos
podo S. Exc. 1er o excellente ensaio do eximio Ili-
terato D. Fr. Francisco de S. Luiz, donde foram
extrahido pela mxima parte estes synonimos.
Nao importa islo o mesmo que dizer que haja no-
mes ta perfeitamente synonimos, que seja sempre
indiferente empregar um pelo oulro, porque isio
seria o mesmo que admittir duas linguas em urna
s, o cjue absurdo ; mas que ha nomes que em
suas signiticagdes aproximan) se o mais possivel
da idea principal, e outros que s remotamente se
lhe prendem, com os verbos trahere, e ducere com
relagao ao verbo ferr.
Nao se admire o Sr. conselheiro de me ouvir di
de especies muito interessaotes, e mais de trezen-
J sabia, Sr. conselheiro, j nSo ignorava, que j tas e essenu variedades. O grao do frumento faz
Baas do reino de aples, por te-la visto, nao no'o alimento principal de nma grande parta dos ho-
rnea diccionario latim-portuguez nem no de F.
meos; por isto cultivado em todos os lugares. E<
universal de Bescherelle, pag. 419, vol. ; e por
saber disto mesmo, e anda mais, que ten) a^HUtu-
de de quareota grus e quarenta e oito minutos-
repugnei acceitar-arrfpiado com/ho,-como tra-
duegao dehorridus.Ba i as, conllda na zona tem-
perada, onde as quatro estages sao bem extrema-
das, e regulares; Baias, situada debaixo de bello cu
da Italia, que estendida ao meio da da Europa goza
, o clima mais delicioso de toda esta parte do mun-
do, como ensina o Exm. Sr. senadorPompo pag-
Nao foi S. Exc. mais feliz na correegao da mes- 196 de snas Iig3es de geographia, fzer tremer de
ma prova sb n. 33, rejeitando como ura grave fm a um camponez, antes da entrada do invern,
erro, de qua formou to forrnidavel promontorio,! quando o fno nio tinha chegado sua malor Is-
as palavras to largamente glosadas, e comparadsa tensidade, o que nao se podo comprehender Ho-
as harpas, e s cadellas de Jpiter. S. Exc. nao relo, que devia entender da materia por ler nas-
tem oulro recurso seno submetler-se forca irre- cido em Venuzia, cidade d'Apnlla na Italia, escre-
I de quatro autoridades. TeQ na saa e^ 6.. do ,. 4. a sueces8g0 das esic3es
da maneira seguinte : Frigora mitescunt zephy-
rts, ver proterit aestas tnteritura, simutpomifer au-
Noel, mas na precioso diccionario de geographia o trigo mais pesado de todos, e o que d mais fari-
nha... Cortase geratmeote antes de sua maturi-
dade, secca-se, amarra-se em feixes, e bate-se para
separar o grao da baste.
O traductor francez de Marcial, qne devia enten-
de-lo melhor do que eu e S. Exc, abraogeu estas
palavras do trecho latino : Numidicae que gutlatae,
debaixo desta nica La Pintade, O diccionario)
francez-portuguez de Jos da Fonseca, na pagine
725, explica-o sera mais acoessorio algum da ma-
neira segninte : Pintade, s. f. d'&ist. nat... pin-
uda (ave). O diccionario nacional de Bescherelle,
impresso em 1858, no vol. 2, pag. 889, desenvol-
ver desta forma : Pintade s. f. du fr. pint.; ots au
pint, i cause de ses taches, aussi rguliers que si
'lam pint.
Genre tfoiseaux de Cordre des gatli- mas.
.> m. i, .t
tumnus fruges efuderit, et mox bruma recurrit
iners. Nao possivel exprimir cora mais prcl-
sao a alternativa das estagoes I
A palavra bruma substituida pelo comraento por
hyems nao pode delxar de significar precisamente
o invern. Na Ode 5' do 1. 2 disse o-mesmo poe-
ta, fallando da um lugar da Italia, o seguinte :
Ble Urrarum mt praeter omnes angulus ridet....
ver ubi longum tepidasque praebet Jpiter bru-
A excellencia do clima da Italia, j de so-
i iktti
Isto mesmo confirmado pelos diccionarios, Na-
cional de Bescherelle, na palavraGranje,Cons.
Unci e Moraes na palavracelleiro,Theil, Noel,
e Fonseca as palavras correspondentes.
A vista disto como nao admittira traduegao, que
flz, a qual exprime bem hiprbole, que resalU do
6o verso 7 Marcial quera exprimir neste^lugar a
fartura das colheitasda qulnU de Faustino, e como
consegui-lo-hia, se nada mais expriralsse do que
o modo ordinario e regular de guardar o trigo no
celleiro, caso fosse este grandes caixoes formados
de grossas taboas de compacta e perdura,vc madei-
ra f A este resaludo vae.ter a, versao do Sr. on"
selheiro, que meu ver desfigura, e araesquinh a
diegao emphatica do autor no snpradito verso;
para o qual chamo altengo dos entendedores da
materia. Seria necessarjo admitbr um caixo do
selheiro, que traduziu vitulus, ngulo omni. vi-
dua pltano, multa testa, nd plural 7 Porque
Iraduziu buxeto no singular tedo traduzido
pltano no plural? Porque traduziu no-
vembresao singular, e anfer no plural?
Beleva primeiro que tudo, diz Bolim, que a tra-
ducg3o seja simples, clara, correcta, e que apr-
sente com exactido os pansamedtos, e at mesmo,
quanto for possivel, as expressbes. Trabalha-se
depois em orna-la, e aformosear.isubstitulndo a de-
licadeza dos primores latinos por aquelles que Ihes
possara corresponder em nossa lingua. Tente-se
emflm conduzir pouco poueo ds mancebos esse
ponto de perfeigao a que se dev aspirar neste ge-
nero de composgo, quero dizeri a esse justo mel
que fuja lano de um conslrangiineoto servil, como
de urna liberdade excessiva. j Quando nao fosse
sufQciente a regra de urna autoridade lo respeita-
vel, ahi est o traductor francez, que nao estando
disposto ceder S. Exc. o sceptro da latiadade
descreveu t respace perdu Ttin terrain sans li-
mites. *
t Devem-se exprimir fielmente todos os pensa-
mentos, contioa o mesmo autor, atteodendo me-
nos ao nmero do que ao valor das .palavras. A
vista disto nao descubro razao, que justifique o
Sr. conselheiro de me ter Increpado por haver tra-
duzidoanfigo vinhocorrespondendo seni-
bus aulumnis.-t O bom gosto publico, diz Bour-
nouf, j proscreveu essa distinfcgo arbitraria, qua
urna escola viciosa estabelecia: entre urna tradue-
gao bella, e urna traduegao fiel!: hoje se er, que a
fidelidade e a belleza podem andar de mos dadas-
Seria talvez preciso que aps das copias insulsa,
mente lilteraes apparecessenv imltages que mi-
rassem mais a elegancia do que a exactido; e que
se offerecessem como ligo e fcodelo da boa lin-
guagem nacional. >
Nao sei ainda com que fundamento exprobrou o
Sr. conselheiro a versao de latino superlati-
vo. Se S. Exc. tlresse lido o yadarmecum-do
traductor iatino, viria o fiomparativo traduzido
muitas vezes pelo positivo ou pelo superlativo, co-
mo nos seguintes versos de Virgilio:
< DeterioT qui vuus, eum, neprotligus obsit
Dede ntci mehor vacua sine regnet m aula. *
Traduzido por mao de mestre da maneira se-
guite :
tDa morte a abelha mestra, para que nao venha
a ser-ie onerosa, coasumindo tudo : deixa que a
boa reiue livraraente na colraeia. Ou como nesta
passagem de Cicero :
Posteriores cogHHkones sapientiores sotent
tsse. *
Traduzida tambem por pessoa entendida deste
modo :
Os segondos pensamentos' sao de'ordinario os
mais sabios. >
Vera ainda mais: vera o substantivo traduzido
por verba, adjectivo, adverbio, e preposigio; o
tamanho da Arca de No para considera-lo assoa- adjectiva traduzido por substantivo, verbo, e ad-
se extensissimo terreno tivesse dependencia do ad- zer' 1nt os Classlcos nem sempre guardo a pro-
jectivo estril urna virgula tirara! toda duvida, e a i Stoo %xZ%^to%\rt,
phrase (Icaria construida da seguinte maneira : ou pela grandeza da idea que intentam exprimir,
o espago, estril de extensissimo terreno. empregam muitas vezes circunloquios arbitra-
m________., i, r'05- vemos em significaees genricas, palavras
Com que criterio reprovou S. txc. a traduegao nova, ou antiquadas. Para nao citar senao um,
de spatia no plural ? Nao reflecte o Sr. con- occorrem-me as palavras de um famoso orador sa-
fronte inerme, matisada de variadas cores, e revela
comichoes de pelejar.
Revela comichees de pelejar IIIII revela comi-
choes de pelejar!!!!! Fique-seo Sr. conselheiro cora
suas comichg.es de pelejar comigo, que qnanto a
mim don gragas a Deus por nao ter acertado com
urna belleza to sublimada, protestando nao voltar
mais ao pr'o, qualquer que seja a provocago que
me dirija S. Exc.
Concluirei esta resposta, qowj vai longa do que
pretend, asseverando ao publico qae nao commet-
ti a primeira falta de que me acensa o Sr. conse-
lheiro. Logo que chegmos na sala destinada para
o exarae, bem longe de aprossar-rae a tomar assen-
to direiU do veneravel decano da Faculdade,
|ue nao ignora, lhe'tributo respeito, nunca tendo
assistido concurso algum depois do novo regola-
ment, j recelando mesmo infringir as regras de
civilidade, perguntei ao Sr. Dr. secretario qaal o
lugar que me competa, e elle, que devia sab-lo
muito bem, por que linha assistido diversos con-
cursos, indicou-me o lugar que tomsi, e conservei
durante o exercicio do concurso. Eis a verdade.
Recife, 26 de Janeiro de 1865.
Padre Joaquim Graciano de Araujo.
ii | ii Q> 'l UM POUCO DE TODO.
L-se no Dtreito :
Parece que o assaz cenhecido engenheiro fran-
cez Mr. Fresnel, descubriu ama passagem entre
o Ocano Atlntico c o Pacifico, pele islhmo de Pa-
nam.
A maior elevagao cima do nivel do mar ape-
gradn, que se <-.':!'n de ter colindo louros, que
uenliuin oulro se jaciou de ter conquistado na tor-
ra da Santa Cruz. < Compaodo os mesmos ser-
mes, diz elle, nunca fui embaragado com as for-
mas, de que devia revistir o men estylo. Sabia
com Montesquieo, ser impossivel realisar alguma as de vinte e qnatro metro?,
cousa de importante, desde que fosse mister levar I ... ,
balanga nosssos pensamentos Quando pois eu Nao sSo ncessarias grandes obras de arte,
tinha de exprimir urna idea, empregava na sua' Podar ahrr-so ura grande canal fazendo-se
traduegao o termo, que me pareca mais significa- Uina trinchera, cuja extenso nao exceder sessen-
tivo, ou mais sonoro, sem curar de saa preciso, e1 u niln i-inmBlrno
mesrao de sua existencia. Fallo do padre Mon- a e ouo Klloinelros-
te Alverne na 13' pagina do prologo de suas obras >'
oratorias- O Ultramar, jornal de Ga, publica :
Para evitar prolixidade, a questo neste ponto se Fallecen em Poon Mr. David Sassoon, o patriar-
^,if.antnLSS 2a' U -,5 d*scu'l'avel ao, cha dos judeus de Bombaim.
examinado o empreeo de finita esl synodus. -ir,- j
Para admiitr a affirmativa basta copiar o Magnum' Deixoa numerosa familia descendente de seus 8
Lexicn as palavras correspondentes, t Periigo, a'hos e 4 fllhas.
ij, gi, aclum, dg're, acabar de fater, levar ao flm,! Tinha de edade 79 annos.
completar, executar, cumprir:Finio, is, ivi, ilum, A fortuna que lega aos seas Uerdeiros, monta a
ir, Andar, terminar, acabar de fazer, completar,! mailos mil69 de |ibra3 esterlinas.
morrer, demarcar, limitar, por limites, definir, ex-
verbio; o participio traduzido por substantivo, ad-
Ihado, ladrilhado, cootendo numerosas janellas, e ,- ; P*",",010 "f?*1
hr.. especie de trgo.raas do todos os cereaes, como se
v da palavra Ceros," que na sentido figurado
significa IMo mesmo, como se pode rerllcar Bol
diccionarios de Constancio e Moraes. 7"- ."
plicar a essencia da alguma cousa, determinar, de-
cretar. Isto mesmo confirmado pelo Dicciona-
rio Latim-Francez, que ora tenho diante de mim,
redigido segundo os melhores trabalhos allemes
por Mr. Theil, impresso em Paris em 1857. Bem
vem os entendores da materia, que as significa-
goes deacabar de fazer, completarestes verbos
apresentain completa synommia, no sentido j ex-
plicada ; e que tolerando eu o amprego de ura pe-
lo outra, cumpri a raisso da examinador, compre-
heodi a siltuagao de ora examinado, e nao ultra-
passei os limites da equidade, erabora tivesse ex-
cedido os da susceptibilldade do Sr. conselheiro.
Para sustentar a negativa dise S. Exc.: t que ao
verbo -/!(?applicam se palavras adequadas pa-
r sigailicarem com elle actos physlcos, operados
dentro de nos mesmos por urna causa interna e in-
denle do entendimento e vontade da pessoa, vonta-
de sobre quem operara, sevn nenhum concurso do
corpo para a existencia delles i a que pelo contra-
rio applicarase ao verbo peragerepalavras ade-
3nadas para significaren) actos moraes, produegoes
o espirito, delfber'agoes rednzidas escripto cora
o intuito de alguma ulilidade. Pois bem, responda
o Sr. couseUieiita ao Magnum-Lexicun, e ab citado
diccionario de Theil qual o concurso do entendi-
mento e vontade humana nesta phrase Peragere
cibumdigerir, ou fazer dige6to? Besponda S.
Exc. por que razo deixou de emendar ao Sr. pa-
dre Flix quando escreveu UN jynodo provinciae
hujus Braccarensis dedimus finem* tendo emenda-
do ao Sr. Silva quando disse : *Ut finita est syno-
dus jus. protiaciae Braccarensis ? Responda S.
Exc. ao to gabado diccionario de Fr. Noel se ba
ou nao urna resolngo tomada, um acto phyco,
qual o do movimento do brago que leva a cicuta,
aos labios, o punhal ao proprio Mito, nesta phrase
Finem ala sibil ponersuiefifcr-se? Creio que
S. Exc. nao far questo de diflerenga entre -fines
e finio, porque deve saber que nm se deriva do
outro, como pode verificar no j citado diccionario
de Theil, nests palavras.
Ainda mais,
O Vianense, escreve o seguinte :
O total da nossa divida publica monta a....
200,000:000^000 (nomiaes).
A divida dlvide-se era interna e externa.
A 1" representada por inscripgoes e por cou-
pons. D'aquallas os ttulos representam, aproxi-
madamente. 70,000:000^000 (nominaos): os cou-
pons 30,000:000080.
A divida externa e representada por coupens e
monta a 100,000:000,8000 (nominaes).
Os convenios, confrarias, mitras, cabidos, hospi-
taes, etc. pessuem ttulos no valor aproximadamen-
te de 4,054000.
O juro da divida eleva-se a 6,009:0004.
. se a palavra synodus foi lomada
nesto lugar no senlido de deliberagao, como quer
hraneend a hrtit nU'i. a. i1""""; t^"im""J> """""i e'Pf nm modu Im-1 o Sr. conselheiro, iada assim pode-se tolerar ,0
Sn. ii22 ^?i! L qT f068031 d* mn rerb0> eonnesias palavras de T. empreeo de-finita est smodus-, por que j mos-
Panstina,. Marola! nao fallava eata, ou daqnella Lino : [i i trei a S. Exc, que com owbd-/li-le o subs-
Romani urbem Honoscam cttptam dirupuer- tantivo_-^nw -tambero se exprimen) actds, em que
Traduzidas por quem sabe do ther seguinte :
iOs Romanos tendo tomado a cidade d Honosca
asquearam. Jcacles de-de/rmiar cuidadosamente,"precisar.
concorrem o entenaimento e a vontade humana; e
ainda melhor se pode ver no. citado diccionario de
Theil, no lugar em que d este verbo as signifl-
L'm sugeilo que se lera assignalado em Pariz por
multas quebras importantes foi acommeltido ha
dias por urna doenga perigosa.
Como ninguem sube o que lhe pode acontecer,
mandou chamar um padre, qne exactamente o
o que me referia isto.
.
Conheco que nao escapo desta, disse o doen-
te, e para fallar a verdade tenho certas censas que
me mordera a consciencia. Que devo fazer ?
Antes de mais nada preciso restituir o
albeio.
Muito bem.

Pois en reneetirei.

O padre voltou a nouta a perguitou-lhe o que li-
nha resolvido.
Mea caro senhor, aqu est a lista d pes-
soas qne tenho caloteado em toda a minha vida.
Todos sero pagos depois da minha morte.
Mas era melbor pagar j disse padre.
Isso nao I excumon o doeute ^porque se sa
dese o caso de eu nao morrer, ficava roubado.
Com efletto,, nao marren,
PERNAMBUC0.-Ti-P.-DE M. F. DEF.4 F1LHO

^
<

~~


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2SOJT3U8_I2876Q INGEST_TIME 2013-08-27T20:31:03Z PACKAGE AA00011611_10584
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES